Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text
p
r-3
ANNO L. MJHERO 209

A.

-.u
PARA A CAPITAL K LUGARES 0\ l)K Nao SB PAGA PORTE.
Por tres meze* adiautados................ 09000
For seis dzios idem................. 139000
For urn anno idem................... 349000
-Cada numero tvuiso ... ...... t ^ 9330
TERCA FEIRA 24 BE NOVEMBRO DE 1874
PARA DEHTBO F0RA DA PROV1HCIA.
tor tres mexes adiantados...............
Fer seis ditos idem.................i
*W nove ditoi idem.................
rot am anno idem. .
379009
MARIO DE PERMMBUCO.
PHOPRIEDADE DE MANGEL FIGUEIR0A DE FARIA ft FILHQS.
N In. Cerardo Antonio Aires 4 Filhos, no Para*; Gon$alves d Pinto, no Maranhio; Joaqnim Jose" de Ohveira d Filho, no Ceari; Antonio de Lenius Jraja, no Araeatj ; Joio Maria Julio Cbr es, no Asia; Antonio Marque* da SiWa, Natal; Jose Ji
Pereira d'Almaida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parabyba ; Antonio Jose" Gomes, na Villa da Penha; Be'armino dot Santos Bulcio, em Santo Ant* ; Domingos Jostf da Costa Braga mBaxaretht
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagdas; Alvas d C.,na Bank; A- Xavier Leite d C. v Rio Janeiro-
PARTE OFFICIAL
Goveruo da provincia
KXPKD1E.NTE DO DU 1 DK ADORT0 DS 1874.
I." secciio.
Oificio :
Ao inspector do arsenal de marinlia. Faga
V. S. conslar ao amauueuse interino da secretana
djssa inspeccio, Firminj de Araujo B irros, que o
*-*u requerimento, pelindo ao governo imperial a
.-aectividtdedaquelie Iugar, teve o seguiate des-
uacho :Opportunainente se tomara em conside-
:',' ."i > o pedido do snpplicaote.
2.* secQCw.
Ado:
0 presidente da provincia resolve remover o
?argento da guard> local do muoicipio do Cabo,
ex-sargenlo Jose Antonio de Farias, para o de
SaotJ Aatao, e o dene, Jose Marinho de Hallanda
l-'alcas para aquelle municipio.
Offlcios :
Ao Exm. desembargador, procurador da corda,
fazenda e soberania nacional. Inciuso_ remetto a
V. Exc. o auto de medicao e legitiuiacao da posse
denominada -Silio do Maio pertenioate a Joao
Correia da Silva, para que V. Esc. di'- o sen pare-
car, confrontando o corn a lei que regula a ma-
laria. .,
Ao Dr. chafe de policia.Trammitt 3 a V. S.
para os devidos fins, as inclusas Hsiao dot traba-
Ihadores da estrada de ferro do Recife a S. Fran-
cisco, que, segundo o contracto, estao isentos do
recrutamento e servico da gaarda DUtOOaL
3.' secao.
Ados :
0 presidente da provincia, altendendo ao que
requereu o major Leodegario Correia de Oliveira
Aadrade, resolve exonera-lo,;a seu pedido, do lu-
ll ^ de agente arrecadador dos impostos de con-
v.iiijsobre charutos, vinagre, bacalhao, madeira
'trangeira e liquidos fermentados.
O presidente da provincia, na conformidade
I) additamento de 31 de jullio fin :o ao regula-
iwealo de 27 de junho, resolve nomear o major
l i jmaz d'Almeida Antuues agente arrecadador dos
.npostos de consumo sobre toJo e qualquer gene-
ra applicado a alimentacio e misteres diversos, co-
uhecidos vulgarmeutj sob a denominac,ao de ge-
neros de estiva.
0 presidente da provincia, na conformidade
do additamento de 31 de julho fin Jo ao regula-
mento de 11 de junho, resolve nomear o escip-
turario do thesouro provincial, Horacio de Gus-
niao Coelho, agente arrecadador do imposlo de
consumo sobre charutos e bacalhao
Officios:
Ao inspector da tbesouraria de fazrnda.
Keraetto a V. S. para os devidos fins 2 ordens do
tbeaooro nacional, de ns. 121 e 124.
Ao mesmo.Na onformidade do que solid-
loll o Exm. brigadeiro conmandante das arraas
>?ai offlcio de iiontem datado, sob n. 596, remetto a
V. S. o iocluso attesia J% para que mande pagar ao
s ,ldadj do 2* batalhao de infant na Ghmpuno
ii.ogo o pretcio de 4i000 que Ihe compete, por
haver apprehendiJo o soldado do mesmo bataihao,
Manoel Kodrigues de Brilo, que se acaava ausente
sem licenja.
-- Ao mesmo.Man le V. S. entregar, indepen-
deate de fianja, ao prefeilo da Penha, Fr. Venan-
i-io Maria de Ferrara, o producto da loteria geral
t-xtrahida a favor das cbras dtquella igreja, e posto
i disposigao desta presidencia pela ordem do the-
souro nacional, n. 119>de 11 do corrente, visto
como aquelle hospicio offerece garantia da exacta
applicagao do raencionado producto, nos termos
da ultima parte do primeiro periodo do art. 9 do
decreto n. 2,874, de 31 de dezembro de 1861.
Ao mesmo. Transmitto a V. S. os inclusos
trets que acompanharam o offlcio desta data, do
Exm. brigadeiro comoiandanle das arraas, para
cue mande pagar os vencimentos dos oftkiaes e
pracas do deposito de recrutas, relatives ao mez
a- j'ulho ultimo.
Ao mesmo.Para os flns convenisntes com-
munieo a V. S. que em 27 de julho ultimo reas-
samio o exercicio do seu cargo o juiz municipal
c de orphaos do termo do Bom Jardim, bacharel
Au^terliano Correia de Crasto, renunciando o
resto da licenga de 30 dias, que Hie fora concedi-
da pelo Exm. consslhairo presidente da rehgao.
Ao mesmo.Para os (ins convenientes, com-
muaico a V. S. que nesta data enlrou o jniz sub-
stitulo da 1' vara civel desta capital, bacharel Jose
Hygiao Duarte Pereira, no gozo da licenca de 3
niezes, que por esta presidencia ihe foi conced da.
Ao inspector do thesouro provincial.Tendo
em visla o incluso certificado do engenheiro em
chefo da reparticao das obras publicas, mand^
Vmc. pagar aSeveriano Monteiro Leite, arrema-
tiute da obra dos reparos da cadeia da villa de
Pesqueira, a importancia da 1" e 2' prettacao i>
t-tu contracto.
Ao mesmo. Mande Vmc. pagar ao padre
Francisco Alves de Abrantes, coadjudor da fre
guezia da Boa-Vista, os vencimentos de sua con
grua, correspondents ao mez de julho fiudo, na
conformidade do incluso attestado.
Ao mesmo.Providencie Vmc. no sentido
de serem pagas pela colleetoria do municipio de
Kazareth Jas- despezas feitas com o fornecimen-
to d'agua e iuz ao guartel da respectiva guar-
ds, local, na conformidade do que solicitou o com-
missario de policia daquelle municipio em oflkio
de 29 do corrente.
Act mesmo.Para os fins convenientes com-
luuni&o a Vmc. qua em 29 de julho ultimo enlrou
no exercicio do cargo de coramissario de policia
do municipio de Palmares Alexanirino Olympio
de Hollanda Chacon.
4.' sfffao.
UlMcios:
Ao inspector geral da instruccao publiea.
ScieBte do que die Vmc. em seu offlcio de 28 de
julho proximo passado, relativamente aos moveis
neces:.rios para a nova cadeira do Fundio, bem
como para todas ultimamenle creadas. recommen-
do-lhe que remetta uma relacao dos d.tos moveis,
com os devidos esclarecimentos.
Ao provedor da santa casa d; misericordia.
Tendo era vista o parecer da coramissao medica
que, a reqaerimento de Antonio Lobo Alber-
ii.ii de Miranda Henrique, o examinou no dia 25
de julti > proximo passado no hospicio dos alieaa-
d03j reoommeado a Vmc. que mande por em li-
Lerdade o mesmo Albertim, visto como, segundo
consta do referido parecer, soffrendo elle de mono-
iaania, e nio havendo no hospicio meias de traba-
Iho e di' disiraegao, nl-i djve ella a-.li eontinnar,
tant) ti'.ais qaanto a aliena^io do que soffra nao e
da'iuelias que trazera perigo a sociejade ou' ao
giroprio alienado.
Ao juiz de paz presidente da junta qualifica-
ilora da freguezia de Sant'Anna de Leopoldma.
tievolvo a copia da lista dos ci lad Jos votaotes
qualiGcados nessa freguezia, para que Vmc. faca
desapparecer a irregularidade nella existente,
juutando a copia da acta da formacao da junta
3ualificadora, conforme determina o art. 21 da lei
e 19 de agosto de 1846, e avisos de 13 de marco
- de 26 de abril de 1847.
EXPEDIENTS. DO SECRET Ul( .
trsecqao.
Oflicos :
Ao Exm. brigadeiro commandaute das ar-
rr.as.S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da coanwnicara V. Exc. para os 9n3 convenien-
t- rjaepor offlcio desta data, dirigidc a thesoura-
ria de fazenda, expedio-se a necessaria ordem pa-
ra que seja paga ao soldado do 2" batalhao de in
fantaria, Cryspiano Diogo, o premio que Ihe com-
pete* por haver appreheudido o solda Jo do mesmo
Data hao, Manoel Bodrigues de Brito, que se acha-
va ausente sem licenca; segundo solicitou V. Ex;,
enrseu offlcio de bontem datado, sob n. 596.
Ao mesmo. -S. Exc. o Sr. presidente da pro
vincia manJa declarar a V. Exc. para os fins con-
venientes que por offlcio desta data expedio-se ae
necessaiias ordens a thesouraria de fazeuda, :
de qu; sejam pagos os vencimentos dos offlciaes e
pracas do deposito de recrnlas ; na conformidade
do que solicitou V. Exc. em offlcio, sob n. 597.
2.* seefdo.
Offlcios :
Ao juiz municipal e de orphaos do termo de
Bom Jardim.0 Exm. Sr. presidente da provincia
raanda accusar o recebimento do offlcio Je V. S ,
da 27 de julho ullim>, communicando haver na
mesma data reassumido o exercicio das fuaccdes
de seu cargo, renunciando o resto da licenca que
Ihe fora concedida pelo conselheiro presidente da
reljeao.
Ao commissario de policia de Palmares.0
Exm. Sr. presidente da provincia man la accusar
o recebimento do offlcio de V. S, de 27 de julho
ultimo, communicando haver] na mesma data en-
trado no exercicio de seu cargo.
Ao commissario de policia de Nazareth.De
ordem da a. Exc. o Sr. presidente da provincia
communico a V. S., em resposta ao seu offlcio de
29 do corrente, que a despaza com a luz e agua do
corpo da guarda local deve ser pag* pela camara
municipal, e que, quanlo a do quartel, expedirara
se as necessarias ordens ao thesouro provincial,
afim de que seja paga pela respectiva collec
loria.
3.' sec$&o.
Offlcios :
Ao inspector do thesouro provincial.De or
dam de S. Exc. o Sr presidente da provincia.
communico a V. S. para os lins convenientes que
por portaria desta data foi exonerado, a seu pedi-
do, o major Leodegario Corre*a de Oliveira Andra-
de do lugar de agente arrecadador dos impostos
de consumo sobre charutos, vinagre, bacalhao, ma-
deira estrangeira e liquidos fermentados.
Ao raesrao. S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia raanda communicar a V. S. que por porta-
ria desta data resolveu nomear o major Thomaz
de Almeida Antunes e o 1* escripturario desse
thesouro. Horacio de Gusmao Coelho, agentes ar-
recadadores dos impostos de consumo, o 1 sobre
os generos de alimentacio e misteres diversos, co-
nhecidos vulgarraenle sob a denominacao de ge-
neros de estiva, e o 2* sebre charutos e baca-
lhao.
Ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, remetto a esse thesouro 10
exemplares das disposicdes complementares, in-
corporadas por acto de 8 do mez proximo jpassado
ao regulamento da reparlicao das obras publicas,
de 24 de fevereiro do corrente anno.
Ao procurador fiscal do thesouro provincial.
Da ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia, inclusa reoMito por copia a V. S. a relccio dos
inventarios, nos quaes e intere-sada a fazeuda pro
vincial pela taxa de herancas e 1-gados, conforme
foi por V. S. solicitado era seu offlcio de 7 de mar-
fo ultimo.
EXPEDIENTS DO DIA 3 DE AGOSTO DE 1874.
1.' seccuo.
Offlcios:
AoExm. brigadeiro commandante das armas.
VeriGcando se do termo de inspeccio annexo
ao seu offlcio do 1* do corrente, sob n. 599, que
o recruta do 2* batalhao de infantaria Miguel Go-
mes de Amorim 6 incapaz do servico do exercito
por soffrer de molestia incuravel, autoriso V. Exc.
a raanda-lo pur em liberdade, dando-lhe baixa, si
o tempo de sua praca esiiver dentro do prazo mar-
cado no art. 23 do regulamento do 1' de maio de
1858.
Aojmesmo.Emsolucio aos offlcios de V. Exc,
de 11 a 25 de julho ultimo, sob ns. 541 e 580, ao
primeiro dos quaes vieram annexas por copia
duas propostas dos negociautes Beltrao, Oliveira &
C, para o fornecimento de generos alimenticios
destiuados as dietas dos doentes e racoes aos em-
pregados do hospital militar no trimestre corrente,
tenho a dizer lbe que mania por novamento em
praca o dito fornecimento, visto como a reduccao fel-
la pelo3 proponentes soraente nosjpregos da came
secca e batatas e illusoria, por isso que e de 20 e
10 reis em um kilo, e assenta era generos de nienor
consumo.
Ao brigadeiro Francisco Joaquim Pereira
Lobo.Fico inteirado pelo seu offlcio datado do
1* do corrente, sob n 873, de haver V. S. renun-
ciado o re*to da licenca que fruia, e reassumido
n'aquelle dia o exercicio de director do hospital
militar.
Ao director do arsenal de guerra.Ao com-
missario de policia do municipio de Ipojuca, Joa-
quim Servulo Vieira da Paz, mande Vmc. forne-
cer 10 espingardas compjetas com seus accessories,
de qualquer adarme.
Ao mesmo.Ao commissario de policia do
muoicipio de Barreiros, Gaspar Accioli Santiago
Baraos, mande Vmc. fornecer 7 armas ds espolela,
de conformidade com a tabella do regulamanto da
guarda local.
Ao mesmo.Negando approvacao ao con-
tracto constante da copia annexa ao seu offlcio de
25 de junho ultimo, celebrado pelo conselho eco-
nomic da companhia de aprendizes artifices desse
arsenal em sessao de 18 do referido met, para o
fornecimento de generos alimenticios no 2* semes-
tre deste anno, visto se recusarem os proponentes
a fazer rasoavel reduccao nos precos pedidos, na
forma da tabella comparative junta por copia,
apresentada pelo inspector da thesouraria de fa-
zenda, tenho a dizer que deve o mesmo conselho
por novamente em praca o dito fornecimento. Fica
assim respondido o seu offlcio.
2* secqao.
Ado :
0 presidente da provincia resolve remover o
promotor publico da comarea de Villa Bella, ba-
charel Jose de Barros Franco, para a de Flores, e
o desta, bacharel Graciliano Augusto Cesar Wan-
derley, para aquella.
Offlcios:
Ao desembargador procurador da corOa e
soberania nacional.Digne se V. S. de inlerpor o
seu parecer a respeito do contetido do odkio que
incluso Ihe remetto em original, e que opportuna-
mente me devolvera, relativo aos limites das fre-
guezias de Santa Agueda e Brejo.
Ao promotor publico da comarea de Goian
na. Em resposta ao offlcio de Vmc, do ldo cor-
rente, communi>:ando o esta-lo de exallacao em
que se acham os animus nessa comarea, sobre-ex-
ci'.ados com a publieacao do avulso que remetteu,
cumpre-fhe dizer-lhe que se providenciou no sen-
lid) cm que representa, e recomraendar-lhj toda
a vigilancia da sua parte, alim de que oao seja al-
terada a ordem publiea.
Ao promotor publico da Escada.Era vista
dacoudicao 12* do contracto celebrado em virtu-
de do decreto n. 1,630, de 7 de ag03lo de 1852, nJo
ha necessidade de antorisacao para a transmissao
de telegrammas pelo Go eleetrico da estrada de
ferro do Recife a S Francisco, por parte das aut
ridades, sempre que o servico publico o exigir, por
isso qua a isso e obrigada a companhia gratuila-
mente. Assim, fica respondido o seu offlcio de 17
de julho ultimo.
Ao promotor pdblico 'da comarea de Villa
Bella. Inforrae com urgencia sobre o que repre-
senta contra Vmc. o juiz de direito dessa comarea,
no offlcio de 15 de juulio ultimo, incluso por co-
pia.
Ao commandante do corpo de policia.
Ao commissario de policia do municipio de Ipojuca,
Joaquim Servulo Vieira da Paz, mande Vmc. for-
necer fardamento, excepto calgado e gravata, para
10 pracas, correspondents a um anno, de confor-
midade com a respectiva tabella.
_ Ao mesmo. Ao commissario de policia do
municipio de liarreiios, Gaspar Accioly Santiago
Ramos, mande Vmc. fornecer fardamento, excepto
calcado e gravata, para 7 pracas, correspondente a
um anno, de conformidade com a respectiva ta-
bella.
Ao mesmo. Expeca Vmc. suas ordens
afim de que se conserve na villa de Serinuaem o
sargento desse curpo, Joao Manoel Rosa Junior, ate
se dissolver o destacamento de guarda nacinoat ali
existente, confoime sua informacao em offlcio de
31 de jullio proximo undo, regressando por cm as
4 pracas do destacamento desse corpo, de acordo
com as ordens anteriores.
Ao commissario de policia do municipio de
Barreiros. Em resposta ao offlcio de Vmc, de 30
de julho ultimo, coosultando ai deve alistar *6-
mente na guarda local individuos desse munici-
pio, tenho a dizer lbe que pode alistar quaesquer
pessoas que prelenderem servir, uma vez que pre-
encham todas as coudicoss do respectivo regula-
mento. Outro sim, communico-lne que nesta data
se expediram as necestarias ordens para &e Ihe
fornecer livros, farJamento e arraamento para sate
pracas.
3.' $ecgao.
Actor:
0 presidente da provincia, na conformidade
do additamento de 31 de julho Undo ao regulamen-
to de 27 de junho, resolve nomear a Jose Torres
Campos de Medeiros para agente arrecadador do
imposto de consumo sobre vinagre, liquidos fer-
mentados, como sejam cerveja e outros da igual
natureza, e madeira estrangeira.
O presidente da ^provincia, attendendo as
demonslracoes da contadoria do thesouro provin-
cial, a que se iefe;e o offlcio do respectivo inspector,
de 30 de julho, sob n. 3u9, resolve abrir um credi-
to supplementar na importancia de 18:181*.430,
para occorrer a continuacao das despezas decrela-
das no art. 7* 6 e 10, e art. 9 2' 6 e 10 da
lei do orcamento do exercicio em liquidacao.
Offlcios .
Ao inspector da thesouraria de fazeuda.
Respondendo ao seu offino datado de 31 de julho
Undo, sob n. 203. serie II, autoriso V. S. a mandar
pagar ao padre Juvencio Virissimo dos Aujos a
quantia de 108j como indemnisagao das despezas
censtantes dos iuelusas conlas, feitas com o enter-
ramento do major reformado, Joao Jose Gomes,
na conformidade do aviso de 20 da setambro de
1872, public .do pela ordem do dia da reparticao
do ajudante general, sob n. 881, de 6 de oulubro
do mesmo anno, e cuja disposicii e ampliativa da
dos avisos citados por V. S. naquella sua informa-
cao.
Ao meamo.Umtounico a V. S. para aeu co-
nhecimenlo e direcgao queo btigadeiro buDorario
Francisco Joaquim Pereira Lobo reassumio no dia
1 do corrente, conforme participou em offlcio da
mesma data, o exercicio do cargo do director do
hospital militar, renunciando assim o resto da 11-
eenga qua gozava.
Ao mesmo.Tendo resolvido, a vista do pa-
recer da contadoria dessa thesouraria, a que se
refere a sua informacao do 1* do corrente, sob d.
213, serie H, que seja novamente posto em praca
o fornecimento, no correute trimestre, de generos
alimenticios destiuados as dietas aos doentes e ra-
coes aos empregados do hospital militar ; assim o
commuaico a V. S. para seu conriecimenlo, decla-
raudo-lhe que, emquanto se nao realisar o con-
tracto para o dito fornecimento, deve continuar a
providenciar em cxecuc. o de serem as compras
feitas a dinheiro pelo respectivo almoxanfalo.
Ao mesmo.Em resposta ao seu offlcio data -
do do 30 de julho Undo, sob n. 199, serie II, cabe-
me declarar a V. S. que approve o arrendamento
do convento do Carmo de Oiinda, feito pela junta
de-sa thesouraria, com Osear Dastibeaux, pela
quantia de 50j, uma vez que H mem especificados
no contracto os reparos que devem sar feitos pelo
arremalanle, como indispensaveis para a conser
vacao do edilicio.
Ao mesmo.Mande V. S. pagar os venci-
mentos que competem ao engenheiro encarregado
das obras geraes, Antonio Vicente do Nascimento
Feilosa, visto ja ler apresentado o relalorio tri-
mensal do estado da obras a seu cargo.
Ao mesmo.Mande V. S. pagar a Jose Fran-
cisco Soares, ou a seu procurador, a quantia de
25000, constante da conta inclusa, despendida
desde o mez de marco ate junho deste anno com
0 fornecimento de luz e agua feito ao quartel do
destacamento do termo do Bonilo ; segundo soli-
citou o Dr. chefe de policia em offlcio datado de
1 do corrente, sob n. 923.
Ao mesmo.Toman Jo em consideraeao as
ponderacoes feitas por V. S. em sua iuformagao da
30 de julho ultimo, sob n. 198, serie 11, ueguei
approvacao ao contracto celebrado pelo conselho
economico da companhia de aprendizes artifices
do arsenal de guerra, para fornecimento de geae-
ros alimenticios no 2* semestre do corrente anno,
e determinei que fosse o dito fornecimento posto no-
vamente em praca. 0 que communico a V. S.
para seu conbeciuieuto e fins convenientes.
Ao mesmo.Para os fins convenientes com-
munico a V. S. que por portaria desta data foi
removido o promotor publico da comarea de Villa
Bella, bacharel Jose de Barros Franco, para a de
Flores, e o desta, bacharel Gr*ciliauo Augusto
Cesar Wanderiey, para aquella.
Ao inspector do thesouro provincial.Man-
de Vmc. pagar ao commissario da guarda local do
municipio de Ipojuca os vencimentos que compe-
ls re in ao mesmo commissario, ao sargento e as
pracas constantes da folha e pret juntos, concer-
nentes ao mez de julho proximo Undo, visto nao
poder satisfazer esse pagamento a colleetoria da-
quelle municipio.
Ao mesmo.Communico a Vmc. que nesta
data approvei o orcamento dos reparos de qde ca-
rece a ponte de Massangana, na importancia de
543*400, e sobre o qual versa a informacao do 1
do corrente, sob n. 312, e recommendei ao enge-
nheiro chefe da reparticao das obras publicas que
Ihe remetta as bases para o contracto qne tenha
de ser feito com a pessoa que quizer eocarregar-
se do's mesmos reparos, que correrao pela verba
mencionada na sua dita informacao.
Ao masir.o. Ao commissario de policia do
municipio de Ipojuca, Joaquim Serrate Vieira da
Paz, mande Vmc. fornecer o'Jivro3 de que trala
o art. 43 do regulamento da guarda local.
Ao mesmo.Ao commissario de policia do
municipio de Barreiros, Gaspar Accioli Santiago
Ramos, mande Vmc. fornecer os livros de que tra-
ta o art 43 do regnlamsnto da guarda local.
Ao mesmo. mdiqoe Vmc pessoa idonea,
afim de ser nomeada por esta presidencia para
cobrador das rendas provinciaes do termo de In-
gazeira, segundo requUita o fiscal da colleetoria
de Flores.
Ao mesmo.Communico a Vmc. para os de-
vidos fins que, pot acto de 31 de julho proximo
passado, resolvi transferir a cadeira do sexo mas-
cnlino do Encanamento, na freguezia do Poco da
Panella, com o respectivo professor Jacintho He-
liodoro AIvm Cavalcanle, para o Arraial, na mes
ma freguezia.
4.' secgao.
Ados:
O presidente da provincia, alteedende ao re-
querimento e luais documentos qa apresentou
Rita Fraacisca doa Anjos Chacon, e tendo em vista
a informacao do inspector da iustruc-cao publiea,
de 31 de julho proximo passado, sob n. 206, re-
solve declarar denenhum effeito a portaria de 12
de maio ultimo, na parte relativa referida Rita
Francisca dos Anjos Chacon, licando. restabeleci -
da quaow a ell..- a portaria do-1* de abril do anno
passado, que a noraeou professora para a cadeira
de Santa Maria da Boa- Visla, e reraovel-a desta
para a cadeira de Nossa Senhora do 0' de Maran-
guape.
0 presidente da provincia, attendendo ao qua
requereu a professora da villa de Ploresta, Maria
Magdalena da Natividade. sobre que iuformouo
inspector da instruccao publiea em offlcio do i.
do corrente, n. 207, resolve removel a da ca-
deira da villa de Floresta para a de Duarte Dias.
O presideote da provincia resolve remover
a professora da villa de Pesqueira, Fraacisca Ma-
ria Lumachi Migueis, para a cadeira da villa de
Panellas.
Offlcios:
Ao inspector da instruccao publiea.Com-
munico a Vmc. para os devidos lins que por acto
da.31 de julho proximo passado resolvi transfe-
rir a cadeira do sexo masculino do Encanamenlo,
na freguezia do Poco da Panella, com o respectivo
ptofessor, Jacintho Heliodoro Alves Cavalcanle,
para o Arraial, na mesma freguezia.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
Em offlcio de 8 de julho ultimo, o. 13, pedio
Vmc. em. nome da junta admini3traliva dessa
Santa Casa a concessac de nm credito supplemen-
tar de 8003000 a verba diversas despezas do
hospital dos lazaros do orcamento de 1873 a
1874. por ja se haver esgotada a de 8:000*000,
afim de occorrer as despezas ate expirar o referi-
do exercicio.
Em offlcio de 10 exigi uma demondracao que
me nabilitasso a satisfazer esse pedido, a qual Vmc.
remelteu.com data de 15, d'oode se ve que sob
aquella verba gastou-se nos 11 niezes anteriores
do exercicio 8:590j092.
JVessa demonstracao, parem, noto o seguiote :
Saldo em poder do regonte respec-
tivo.......... 4*740
Despeza por pagar, relativa a junbo
proximo passado, tomando-se o lermo
raedio da dos 11 metes anteriores 780*917
Cumpre, portanto, que Vmc. forneca esclareci-
mentos a respeito, visto como, estando em 15 de
julho effectuadas as despezas do mez de junho,
deverao vir notadas com precisao, e oio por meio
de um calculo proporcioial.
Portaria :
A' Illma. camara municipal do Recife.
Tendo ouvido ao desembargador procurador da
coroa e soberania nacional, e cooformando-me com
o seu parecer; sobre a^con-ulia que fez a Illma.
camara municipal i" *",*ife em offlcio de 27 de
maio ultimo, sob n. i de saber, em vista do
disposto no artigo i de i de outubro de
1828, coraKW j-eeretoa u. 748 de 16 de
oulubro de I860 e u. 1,569 de 3 de marco de
1835, que approvou o regimento de custas judi-
ciaes, si aos sccretarios das camaras cabera os
emolumentos marcados no regimento de custas
pelos registros de quaesqaer titulos, papeis ou do-
cumentos que a respectiva secretaria forem apre-
sentados para serem registrados; tenho a dizer
que ao referido funcciouario oao compete emolu-
ment) algum na hypothese da consult.), cabendo-
lbe someole, salvo qualquer disposigao de lei pe-
culiar, 03 emolumentos constants* do artigo 116 do
regimento de custas palas certiddes que pas>a-
rera des livros ou antos e papeis, a pedido das
paries.
5.' seqao.
Offlcios :
Ao engenheiro chefe da reparligao das obras
publicas.Approve o orgaraento na importancia
de 543*400, que acompanhou o seu offlcio de 19
de julho ultimo, sob n. 181, para os reparos pre-
cisos na ponte de Massangana, e recommendo-lhe
que remetta ao thesouro provincial as bases ne-
cessarias, para se lavrar o respectivo contracto
com a pessoa que quizer encarregar se delles ;
correndo a despeza pelo 3 do artigo 6' da lei do
orgaraento vigente, nos termos da informacao do
inspector daquella reparligao.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco.Nesta data declarei ao
Sromotor publico da comarea da Escada, em vista
e sua informacao de 22 do julho ultimo e da
condigao 12' do contracto celebrado em viriude do
decreto n. 1,030, de 7 de agosto de 1852, que pode
transmittir telegrammas gratuitamente sempre que
o servigo publico o exigir; o que communico a
Vmc. para o devido fini.
A' junta de classificagao de escravos do mu-
nicipio de Petrolina.-Estabelecendo o artigo 28 do
regulamento n. 5135, de 13 de noverabro da 1872,
que em cada ura municipio havera uma junta de
classiflcacao de escravos, composta do pessoal raen-
cionado no mesmo artigo, e sendo a comarea de
Boa-Vista dividida em dous raunicipios, Boa-Vista
e Petrolina, nos quaes funccionam camaras muni
cipaes, e claro que a Vmcs. cumpre somente clas-
sificar os escravos residentes no ultimo desses
municipios. Assim, fica resolvida a consulla de
Vmcs., datada de 10 de julho ultimo.
A'junta do ciassificagJo de escravos do mu-
nicipio de Boa-Vista.Consultado-me a junta de
classificagio de escravos do municipio de Petrolina,
em offlcio de 10 de julho ultimo, si deve fazer
tambera a desse mnnicipio, resolvi nesta data, em
vista do disposto no artigo 28 do regulamento n.
5,135, de 13 de novejnbro de 1872, qne a ella so
compete a classificagao dos daquelle, por isso que
a desse far-se ha pela respectiva junta ; o que
communico a Vmcs. para seu conhecimento.
EXPEDIENTS DO SECRETARIO
2.* seafio.
Offlcios :
Ao Or. chefe de policia.S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia manda communicar a V. S.
Sara os Uns convenientes que por offlcio desta
ata, dirigido a thesouraria de fazenda, expedio-se
a necessaria ordem afim de ser paga a importacia
do fornecimento de Ins e agua feito ao quartel do
destacameuto do termo do Bonito, segundo solici-
tou V. S. em offlcio de 1 do corrente, sob n.
925. V
A0 mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro
vincia manda communicar a V. S. que nesta data
se expedio ordem ao commandante d) corpo de
policia, afim de conservar na villa de Serinbaem o
sar^mo do mesmo corpo Joio Manoel Roma Ju-
nior, licando assim respondido o offlcio de V. S.,
n. 916, de 27 de julho uliimo, a que veio annexo
outro do delegado daquelle termo.
Ao juiz de direito da comarea de Villa Bella.
De ordem de kS. Exc. o Sr. presidente da pro
vincia, communico a V. S. que per portaria desta
data foi removido o promotor publico dessa co-
marea, bacharel Jose de Barros Franco, para a de
Flores, a o de Flores, bacharel Graciliano Augusto
Cesar Wanderiey, para essa comarea. Mutatis
mutandis ao juiz de direito da comarea de Flo-
res.
Ao bacharel Jose de Barros Franco, promo-
tor publico da comarea de Villa Bella.De ordem
de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, commu-
nico a V. S. que por portaria desta data foi V. S.
removido dessa comarea para a de Flores.
Mutatis mutandis ao bacharel Gracilano Augusto
Cesar Wanderiey, promotor publico da comarea
de Flores.
Ao juiz de direito da comarea de Villa
Bella.-0 Exm. Sr. presidente da provincia mania
communicar V. S. que em 7 de julno ultimo, ja
ha via dado solagao as consuUas da que trata sen
offlcio de 13 de junbo proximo Undo.
3.' seccao.
Offlcios :
Ao iuspector do thesouro provincial. S.
Kxc.o Sr. presidente da provincia manda com-
municar a V. S. para os fins convenientes que por
portaria desta data resolveu nomear a Jose" Torres
Campos de Medeiros para agente arrecadador dos
impostos de consumo sobre vinagre, liquidos fer
raentados, como sejam cerveja e outros de igual
natureza, e madeira estrangeira.
Ao mesmo. S. Exc. o Sr presidente da pro-
vincia raanda remetter a V. S. a inclusa portaria
deabertura de credito, com a qual flea respondi-
do o seu offlcio de 30 de julho undo, sob n.,309.
despachos da pbesidbncia, do du 21 dk novembao
dk 1874
Autonio Luiz de Oliveira Azevedo. Deferido
com offleio desta data ao thesouro provincial.
Abaixo assignados, habltantes na villa de Pal-
mares. Inform* o Sr. engenheiro fiscal da es-
trada d9 ferro do Recife ao S. Fran:isco.
Antonio Casimiro daTrindade.Aguarde o sup-
plicante o augmento de credito pedido.
Argerairo Pereira da Silveira. Aguarde o sup-
plicante o augmento do credito pedido.
Aureliano Augusto de Vasconcellos. Deferido
com offlcio desta data ao Sr. inspector do thesouro
provincial.
Bernardino Joed da Silva Maia. Informe o Sr.
inspector do thesouro provincial.
Carlos Camillo Carlene. Deferido com offlcio
desta data ao Sr. inspector da thesouraria de fa-
zenda.
Cantidio Cantidiano Barbosa. Informe o Sr.
inspector da thesouraria de faxenda.
Cosma Elvira de Anujo. Deferido com offlcio
desta data ao Sr. inspector do thesouro provincial.
Evaristo Pereira da Costa. Deferido com offl
cio desta data ao Sr. commandante do corpo de
policia.
Capitio de fragata Francisco Jose Coelho Netto.
Deferido com offlcio desta data a thesouraria de
fazenda.
Dr. Fortunalo Augusto da Silva. Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Francisco Gil -de Brito. Indefendo.
Bacharel Francisco do Rego Baptista. Satis
faga o supplicante o qua exige o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda, para poder ler deferi-
mento,
Francisco Jose Alves Guimaraes. Concedo pe-
lo juizo dos feitos da fazenda uma accao de commis-
so sobre o terreno de que trata a presente peticao,
nao podeodo ser concedida a licenga requerida.
Francisco Pereira da Costa. Sim.
Francisco Pereira da Costa. Juute-se a petigao
enderegada ao governo imperial.
Francisca da Costa Figueiredo. Informe o, Sr.
inspector da thesouraria de faxenda.
Gaspar de Menezes Vasconcellos de Drummond.
uerunqm 31 : *-
Henriqneta Amelia de Menezes Lvra. Defando
1,0111 offlcio desta data ao Sr. inspector do the
souro provincial.
Joaquim Virissimo do Rego Barros. Deferido
com offltio desta data ao tbescuro provincial.
Jose Marques de Almeida. Informe 0 Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Jose Francisco dos Santos Barros. Informe 0
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Julio Cesar de Oliveira. Por ora nao pode ler
lugar 0 que requer 0 supplicante.
Joaquim de Barros Correia de Queiroz. Infor
me 0 Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Jose Rodrigues de Miranda. Inforrae 0 Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Januaria Maria da Conceicao. Indeferido.
Joao Ante porlam Lalinam da Mello. Aguarde
0 supplicante a publieacao do regulamento.
J .so AmiuciadoOateiro. Passe portaria con-
cedenlo a licenga pedida.
Joao Federalino de Santiago. Aguarde 0 sup-
plicante a decisao do governo imperial sobre 0 au-
gmento de credito pedido.
Jacintha Avelina da Cruz. Deferido com offl
cio desta data ao Sr. inspector do thesouro pro-
vincial.
Martini Francisco da Silva Serra. Nao ha
vaga.
Mignel Soares de Araujo. Informe 0 Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Tenete Manoel Caetano Vieira da Paz. In-
forme 0 Sr. inspector do thosouro provincial.
Manoel Gomes do Rego. Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria de fazenda.
Manoel Joaquim Baptista. Dirija 0 suopli-
canla a sua petigao de recurso ao thesouro provin-
cial, por interraedio do consnlado, usando de lin-
guagem conveniente e manlendo-se nos limites do
devido respeito.
Manoel Gomes de Moura. Informe 0 Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Manoel Marques de Albuquerque Maranhao.
Passe portaria concedendo quinze dias de licenga.
Ro3a da Silva Coutinho. Informe 0 Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Sebastiao Raymundo Caminha. Indeferido.
Thomaz de Carvalho Soares Brandao Sobrinbo.
Deferido com offlcio desta data, dirigido ao the
souro provincial.
Ursula Carolina de Andrade Lima. Informe
0 Sr. inspector geral da instruccao publiea.
Valeriano Bezerra Cavalcante de Albnquerque.
Informe 0 Sr. inspector do thesonro provincial.
(agenxia telegraphica havas-redter.)
Londrcs S3 de novembro. O mi-
nistro do governo da republica do
Paraguay, junto ao governo da in-
glaterra. acaba de assegurar que
os possuldores de titulos de dlvida
do seu pale serao lndemnlsados.
Meiiim S3. Foi elevado a miuia-
tro plenlpotenciarlo, o represcn-
tante do governo nilcmuo junto ao
do Brasil. no Rio de Janeiro.
Bahla :.Hoje a uma bora da
tarde I'oi ianugurada a columna
ONZE DE JUNHO, muunmeato com-
memorativo das victorias nlcanca-
das pelas armas brasllelras na ul-
tima eampanba contra a republica
do Paraguay, naandado erigir. a
siaas expensas, pelo corpo do com
nierclo. Foi um acto solemne. ao
qual compareceram as principaes
autoridades. Houve grande con-
curso de povo, nao so na praca
de BMachuelo. onde se ergue o mo
miinento. como em todas as proxl-
mtdades. As bonras militares to
ram feitas por uma guarda de hon
ra. que- se ackava postada em .
te do ettifU-io da prurn do Comi
cio, c pela fbrtalesa do mar.
uma salt a. O presidente da A._.
eiac&o- Commercial pronunciuu am*
Itrillianle dincur-so. DarasMe a ee
rcmonia t oca ram escolhldos tre-
chos dtversas bandas de nraslca
Por espaco de tres noites havera
lllusaiaaeao na praca de RlarhaH*.
A. rolumna : mede sesseala e
pes de altura ; roniem as
vlnte e sels baialhas em letti
douradas 1 e relta de broi
o pedestal ea mar more
tecto foi o Sr. Delaperte ;
dor a Sir. Leroux 1 e o eagesd
encarreicado da collocacao Sr.
Joseph it)-% null
SUo de Janeiro 3.Chesraraaa >
vapores brasllelros CALDEHON e 1TA-
JAUY. Kanio boje pela maahi, para
a Europa, pela Bahla c Peraaaabm-
eo. o paquete Inglea da real mala.
DOURO.
Babla SS.-Cbegaram as vapores
HEVEL1XS* BELGRASO. aablo hale
vapor Ingles LEIBNITZ.
NOTICIAS IOVHEUCI1E*.
Loadres Si.Contiaaa a ser de
quatro e meio por cento a taxa da
desconto na praca. Coasollda
de 3 O/O, roil accou.nt, a 8S 1/4. I'm
brasllelros de S O/O. da aaao de
lSOS, a BOO. Care s traasarraesre-
gulares 1 precos muito aranes.
Liverpool 31. Algodao 1 ralmo ;
precos flrmes sem alteracaot vea-
deram-se hoje doae mil fardaa.
sendo mil de procedencia da Ame-
rica do Mul 1 a fair de Prraabacs
8 d. por libra. Assaear s ealaaa s
precos drmes sea* alterarae.
Antuerpia 31 .Cafe 1 calme; pre-
cos flrmes sem alteracao.
Havre 31.Cafe t Ideaa ; Ideas.
Alzoduo 1 animado s prrt-on
Ila 111 burso 31 Care i ralmo 1
90s flrmes sem alteraeao.
Marselha 31.CaCet '
rernlares 1 precos mails
New-York 31. -Camblo soltre
dres l-*o. Onro 111 l/S. Cafe:
ralmo ; precos flrmes sem alteraraat
o do Rio faib IS 1/3, e a coos KB 1/3
ciNTs por libra. Algodao : mediaao
uplands 13 / cents par libra ; as eke-
gadas de hoje aos portos asaerlea-
nos elevaram-se a trlala sail far-
dos.
Bio de Janeiro 33. Cassbae sobre
liondres 38 1/3 d. banearia. e 33 3/3
d. particular. Camblo sabre Parts
de cafe tern bavidTo^inaln algassas
transaccoes. mas os precos cosier-
vam-se sena ulirragao.
Bahla 33.O mercado esteve boje
fechado por causa da solemnldade
da inaug*uracao domomimeata.
(aGENCU AJ1ERICANA.)
Bsbia 23 de novembro a I li. e 40 m. da
tarde.Esta" cm festa a cida le. Como fdra
annanciado, ioaugurou-se hnjo a columna
commemorative! das victorias ganbas pelo
exercito e armada uacionacs na guerra do
Paraguay, monum^uto mandado erguer
pelo commercio da nossa prara. Foi gran-
de a concurrencia ollicial e extraordinaria a
popular. A cerumonta religiosa foi celebra-
da pelo goveruador do arcebispado, finda
a qual 0 presidente da provincia leu um
discurso analogo ao acto. Diversos outros
foram lidos em seguida, c tambem muitas
poesias. Tres musicas de associates pbi-
larmonicas, e Ires outras militares, toca-
ram alternadamenle durante a festa. E'
immense 0 rigos>jo publico. Todas as re-
partir;oes e cases de negocio eslao fecbadas.
Haverdi illuruinagio tres noites consecu-
tivas.
Lisboa 23 a*s 10 li. da mauhii.Saliiram
para Permambuco o vapor inglez HYPAH-
C1WS e 0 brigue portuguez SOBERAW.
Para" 23 ds I e 30 m. da tarde O
mercado resente-se de falta de dinbeiro.
INTERIOR.
Ileforma eleitoral.
A eleicao direcu nennum
partido a quer, nem pod* ser
a bandeira de am bomem
prudente.
Ella presuppde a reforma
de uns poucos de artigos da
constitoicao.
0 primeiro dos sens essi-
tos 6 dar injusta inlluescia
as summidades contra a mas-
sa geral dot volantes.
(Conselheiro Zackarias, 1867.)
A eleii.-io direcla e a repre-
sentaglo da bnrguezia, ex-
cluindo todo 0 povo de ele-
!;er. Foi obra sua a revolucao
ranceza de 1848.
(Conselhiiiv Nabuco, 1861).
0 desideratum destes tem-
pos e dar expansio e ampli-
tude ao direito do snfTragio e
e a Inglalerra dan do em 1939
0 direito de voto a clasae me-
dia, e cbamando em 1836
nuis de dous milboes de ar-
tisUs para os ccraicios del-
tones.
E' raelhor aio reformar
do que reformar liraado di-
reitos de que piiz ja esta
de posse, nao digo baa li-
raado, mas direi sophlimas-
do, annnllando esse direils.
(Conselheiro Nabuco, 1870.)

A CO.NslilCICAO E A REFOHMA.
1
Oi imprudentes defensores da eTetcS) directs
confessam, sem querer, a fraqueza de sua eaa-a
quando, em vez de defender ihe 0 raerecimsato
tntrinseco, levam 0 tempo a caluraniar a elesgio
de dous graos, attribuindo-lhe vicios e defatosi
que sao communs a todos os systeraas, a iavocar
uma falsa populiridade em nome de nm regimes
que tudo pode ser, tnenos popular, a aasacar, a
_
i


M8i a
/O/ 3& ii* /Hli^^Jf^fPernambuco -4.Torja-fta 24 de Novembro d6 1874
3*
fundamental.
Para que o *rguraento tirade do art. -19 do si a
Utto fosse de algura moo apptica vet ao nos9o i\
retto con-lHuciunal, serta do rnister-que-o aote de
Carlos Alberto houvesse, como o de 23 de marco
de 1824. provideneiado sobre os raeios da saa re-
forms, oistinguindo as dissosicdes constttaeionaes
das nie constitucionaea.
Ter oStatuto italiano deforido a lei ordiuaria a
fixagio da^ condigo.-s da apaeidade eleitoral, nil
quer dizer que esla materia nJo seja tnndamantal,
mas puramente organica. Aisim que dil Char-
bonnier :c Este estatuto, nao tendo recebido na
nhuma modificaeio essential, foi suecessivamente
posto em vigor nas provincias aanexadas, e licou
sendo a constrlaigao do reino da Italia. A 20 de
ovembro de 1859, arm te-etcliwra>,- que-oang
mento de territorio e as modificagoes sobrevindas
ao systema administrativo t nham tornado acces-
sary, veio completar este complexo d^dispottfoes
fundimentaea, que sao a base do direito publico
aa Italia.
Ve se que, do parecer do distincto publicista, a
lei de 20 de novembro e as aoteriores sobre mate-
ria eleitoral sao dispisiqUes fundamentoes do di-
roito publico italiano.
A taboa alphabetica de Laferrlere e no fim de
tii.lo nma tab ja alphabetica, am trabalbo de clas-
siflcacao, de quo e pueril tirar arguraento para
negar ao direito eleitoral o earacter e natureza do
diraito politieo.
A Laferriere e Batbie preferimos, para a inter-
prelagao de oosso direito constitutional, esladistas
brssileiros tao eminentes como o marquez de Olio-
la, Euzebio de Queiroz, Gabriel Mendes dos Saa-
tos. Nabuco de Araojo ? outros.
E' em nome de taes autoridades que defendere-
mosa natureza emiaeuiemeu e politica do direito
do voto.
(Sarao.)
REVISTA DIARIA.
sophismar e a induzir a orro o espirito nnPUco Llujcio doreinp da Italia, oao pole, sea- iuvacado,
ccultando-lhe com cuidadosa pKcaif^eWmM' loo4m**p^4^*N*)'i,,*l'(*1 wtspa*
que reservaaadrt^fcis sagrado dos .direitos,.o dl- cidada/eleiioral seja materia TCgulamouhr e
reito politico pur eicellencia.
Tal e o incessaule esforgo a que, de um certo
tempo a esta partv, temos assistido, aetivameote
desenvolvilo ^f*qelles niesmos one, pouce ba,
collocados em posigao de coasagrarem cm acto a
reforma eleitoral, que somente boje pcdem a
altos bra Jos, dispoDdo de todos os eleraentos para
a realisar tao completa como Ihes parecesse hem,
nao somente o nao lizeram, mas se encarregaram,-]
e'les proprios, de desacrciitar o systema pelo
qual haviam mais laide puguar, quanto os tocasse
a febril impacicncia do poder, e lhes fosse de
mister mculcarem so par orgios do uma nova as
piracao national.
Temo lo demonstrate, e ainia o demoastrare-
mcs. E eleicao directa e falsa, i falsissima.- A^ naeior in
tansidade de voto pode ser uma aspiragio dos fa-
vorecidos da fortuna mas nao Ja massa geral da
popnla;ao, que nao quer, nem pede razoavelmente
querer que o voto, de direito politico que e, seja
redwido a calhegoria de roera funcgio social.
Resistir a essa omada tentaliva, que somente
agora comega a decorar-so com o nome de pro-
gramma politico, t uma obra verdadeiramente pa-
triotica.
0 prireiro ponto de apoio dessa resistencia e
a constituigao politica do impffrio.
0 Sr. conselheiro Zicarias o previo sabiamente
quando disse em 1933 : A eleicao directa
presuppua a refurnia do uas poucos de artigus
da constitaifani!
0 que era verJaJa v..bre, este ponto constitacio-
n^l em 1S67, ainJa o& c u 1874 e o sera em
1873.
Se d certo que uuu e.ii):tiwi;iio nito deve aate-
por-se como iDveucivi-: ijajrcirais legitimas vo-
lii.-oes nacionaes, Iscnti -ui o e que a ref. rma de
uma Ui fundamental in .t.; ia semftie grave, seni-
yre ponderosa, c nao dove ser do;rei\da senao
quia-Jo as insiituic-o.-r so i av< lam pouco flexiveis
para se accommodarc.ii a a v-rogrcssos da razao
publica.
Ags seus ranii s war.to 1 r''-unc a constitaigao
do Brasil o da sabia previ ao da possibilidade de
uma reform.!. Xi.-i > apiitad--s^ do geral das
leu de idealka iutuxesa, a cos liQgnio as diiposigiias cjiuiiiinionaaB das nio cons-
titneioaaes, e&taJieleeeiirlo j-ara a rcforma daquellas
um especial processo, e-.ciiuanto a respeilo destas
d.-ixon livre a revogacao aos meios crdinarios.
O simples facto de ter a ebustilaieao collocado
entre os seo3 preceitos disposi'^as nao constilu
cionaes, dizia em 1860 o veneraado marques de
Oliula, deixa ver bem que a lei fuadamtuial reco-
nheceu i essas dispasUCw um earacter particular
do gravidade, o que todo o escrupulo deve pre^idir
a sua reforma.
If u.i'i e i):Ij, concluimoa, para que ainda raaior
escrupulo presiJa, Die direraos ja a reforma de
6 [ i-n;i> -s cru.-iiiucionacs, mas a di>tinccao das
pretoitos qne devam ser enlcnii los como consti-
laeioaaei ou como nao consUtucionaes.
J;i por 9' tratar de assumpto a que nenhum
outro excedft em grnvidade, ja pcrqu^'a ennsti
tincao fiCililou o meio de refonuar os preceitos
nao con-liju^iooaes emquaato prestabelceea re
gras proprias para a reforma das que se p'.dem
dzer fuudameuties, cum pre qua seiamw n'raia
nitnla cautelosos em distiaguir os preceitos cons
tiiucionaes doj que nao o sao.
Nesla materia Ir.da a prudencia e pouca.
Se ha stmpre perigo^em ref-rmaruma consti-
tuifii, m:iit > maior o ha em reforma la ccm pre-
teruao dtu iramitis regukras, que elta prooiia
otabelceeu.
l-:o scria abalar per sua base a ordem con^ti-
lociooaL
B*te pin'.j c taulo mafs grave quanto so trata
de uma coailitaiclo, cercada do prestigio, coasa-
grad.i pormeio secalo de.exp, risnrii como uma
I': sabia, e aa qual o pivo si h.-.biiuou a ver, som
distinccai) de partidos, o palladium de todas as
suaa liuerda.ios, um vcrdadeiro santuario da so-
beraaia nacional.
Decielar a eleiflao directa scm a reforma da
ciinstituiiao pel os meios por ella estabelscidos se-
ria. urn attsntado ate audacioso.
Para cbegar a e le resultado s ria de mister
falsear em sua esseocia o 'ireito do voto, negan-
i i-lhe a nalureza de direito politico para ver
Bi'lle uma fonccao social e nada mais.
0 art 178 da eonstitaicao diz expressamente :
E' so constitucional o que diz rcspcito aos H-
mites, e aUribui.'oas respectivas dos poderes politi-
co*, e aos Direitos Politicos e inJividuaes dos ci-
dadaos.
T^ado a constitui^ao eslabaleclJo no art. % que
as njmeac.o*j dos raembros da assembled geral e
conselbos proviuciaesdevem ser feitas por eleicoes
coadigoes do voto e da eligibili lade, 6 preciso ne-
gar ao direito do vjto a natureza e earacUr de di-
reito pulitioo para que, pelos meius onlinarios, pos-
sam er alteiadas essas condicoes e tnodiQcado o
systema.
Nem e srgnmentara de boa fe com o art.
97, polo qual dcixou a conslituicao aos cuilados de
uma lei o.-diuaria regular o "modo pratico das
eleicoes. Desi: que a constituijao, tendo estabe-
lecido rm artigos anteriores o systema indirecto e
ss condigocs de capacidau3, diz no art. 97 que umi
lei regal vuular marcard o modo pratico das tlei-
cues, implicita e txplicitamenleeliminou desse mo-
lo pvatict as questoes relativas a capacidade o aos
graos eleiloraes.
E', portant), irrecusavel qne, sob peaa da nao
er um direi'.o politico o direito do Voto, so pelos
meios a que .-e refere o art. 178 pode ser decreta
da a substituicao do systema indirecto, e alargado
ou restnngido o suffranio.
.Nao sund.i, porem, um direito politico, o que
vcra a ser o voto 1
Direito natural ? Ma-, se e um direito natural
o de intervir no meehamsrm da sociodade com
uma parte de iulluencia, a sociedaJe nao pode su-
bordinal-o a condigoes de fortuna.
Funccao social Nao podendo ser oulra a res-
posta dos que n<>gam ao direito de voto a natureza
e earacter de direito politico, vejamos a que funes-
tas conseqjencias podem elles chegar.
Seodo livre ao legislador ordinario regular ai
condigoes do exercicio de t; Ja funcgao social, e
nio sendo a constituigao um embaraco a que se
modifiquem as condigoes e a intenfidade do voto,
uma simples lei organica on regulamentar poderii
attribnir o direito do suffragio a nma certa classe,
por exeuiplo a dos proprietarios, a dos funcciona-
rio3 publicos, aos qne habitassem um predio no-
bre, e o governo que dahi resultasse de certo po-
deria ser tudo, menos aquelle a que a constitaigao
serve de ba.*e.
Latim.Plenaciente II, simplesmeirte 7, repro-
vados 2.
Prancez^ffiiiiDite 2, simplesMtnto 0
[ .Iogrtl.DiattasKjio i, plenaraeate 8, sifnplea*-;
ujepte lo, reproviiios 6.
Vaiior rri, E-ile vaptr da eomp*flifc
bnsileira, espera rio a 27 ou 28 do corrente, seguira, no mesmo
dia da cbegada, para o R o da Janeiro pelas escal
las do costume.
Lunsevidaiie. No dia 31 do corrente foi
sepuitaJa no cemiterio 'paMico Maria Joaquiaa,
de cor preta, natural da Afriea, owradora na fre
guezir. de S. Frei Pedro GoBKilvea, que falleceu ds
hepatite cbronica, can 108 annos de idad<>.
Klriciis do irmaadude. A irraaa-
Nao pedimos aos nossos adversaries senao que
sejam logicos. Se a constituigao nao os impede de
distribuir segando novas regras a funccao eleitoral,
e claro que so um prudanle arbitrio os' poderia to-
laer ao levar a, restricgao do suffragio a exagera-
das eoaseqiMaeias praticas.
Orav a quern faz justica a sabedoria dc nossa
coostituieio, nao pode deixar de ser e parecer re-
pugnante que ella leoba deixado a merce do legis-
laiuras ordinarias alteral-a virtual e essencialmen-
te em seas dogmas fuadamentaes, somentn confiao-
do nesla parte da prudeneia e discricao do legist
dor, as pasio que reformas ba cm que c 1! t requer
nm processo lento e especial, qual e o dos arts.
174 a 177.
Fuadar um govern a monarchic i-coos titueional
representaiivo foi o pensamento eardeal da cons-
tiiuigao.
A que outro assumpto podia, portanto, a I- i fan-
daraeutal ligar mais interesse e importancia do que
a aquelle de qae essencialmente depende o gover
no representative ?
Desde que a constiluigao distioguio as snas dis-
posicaes em const tucionaes e nao consUtucionaes,
ella nio poderia razoavelmente ter comprehendido
entre estas as que, dizendo respeito ao direito do
voto, sao susceptiveis de modlflcagoes que podem
allnir por sua base todo o systema cansiitu-
ciona1.
Se a constituigao quiz acautelar o perigo de re-
formas precipitadas que se aconselbem nos inlc-
resses de occasiao, e nem ontro e o claro pensa-
mento dos arts. 173 a 177, em materia eieitor.-.l
mais do que em nenhuma cutra ella deveria ter
presemido o perigo que qai^ nvitar, e de feito o
presentio quando, no art. 17?, repula conrtitaeio
nal o qne diz res> eito aos direitos politicos.
A Kberdade que se quer reeonhecer as legisla-
turas ordinarias de alterar a capacilade eleitoral,
importa nada menos qne atlribuir-lhes a faculda-
de de a t-rar as cmdijo^s es9eaciaes do system.i
represeniativo.
Eis-ahi, por natural dedu^gao, onde levaria a tal
tueoria cujos defeos'jre3, em falta de m!lior ar-
furaento, nos reme^m para o Statuto tUiiano de
de margi de 1818ou para a tab.a alphabetica
de Lafernere e Batbie.
Por mo/i is serios que esles argumentos sejam,
fcom e nao os deiiar se.ui resposia.
0 liberal Slatuto oatorgado aj reiao da Sarde-
nha por Carlos Alberto, qu-;, su .'ce^givamente ap-
plieado as provincias aonszada?, S-.z se a onsti
Fcsta de amijo.- S. Exc. o Sr. con-
selhero Joao Alfredo Corrda do Oliveira, foi ante-
tiontem obsequiado pelos Srs. conselheiro Joao
Jose Ferreira de Aguiar e barao do Livramento,
cm saas respectivas residencias, offerecenio-Iho
esses cavalheiros: o primeiro um esplendido
almogo, em que tomaram parte, entre outras pes-
soas gradas, os Exm3. Srs. viscoude de Camara-
gibe, pre=ilente da provincia, coaimendador Luiz
Gongalves da Silva e Dr. Maaoel Arthur de 11 I -
landa Cavahante; e o segundo am magnifico e
opiparo jantar deque foram convivas, entre ou
tras pessoas da distincgao, os Exms. Srs. visconde
de Camaragibe, Dr. Haorique Pereira de Lucena,
conselheiro Joio Silvcira de Sonza, commendador
Jose da Silva Loyo, vereador Jose da Silva Loyo
Filho, commendador Antonio Valentim da Silva
Harroca, commendador Jose JoSo de Amorim, e
Dr. Manoel Arthur da H llanda Cavalcante.
Em amhos 03 festin3 reiaou a maior cordiali
dade e foram trocalos alTectuoscs brindes, em
que da modo nenium entrou a politi:a, que nada
tave que ver nessas festas de amigos.
Hontem repetio-s-j uma fasta semtltianle, no
Caldeireiro, em a casa de residencla do Sr. Dr.
Jose Bernardo Galviio Alcoforado, que tambem
ubsequiou 0 Sr. conselheiro Joao Alfredo, com um
delicado e prof,u.-o lunch, em que tomaram parte,
entre outros dictinct is cavalheiros, 0 Exm. Sr. Dr.
Pereira de Lucena, Dr. chefa da policia, Dr. Cy-
priano Fanelon, Dr. Ignacio Joaquira de Souza
Leio, dejembargador Motta, Dr. Francisco Ra
phael da Hallo Ilego, e Dr. Joaquim Correa de
Araujo.
N'essa, como nas outras fesws, reinou a mais
doca effusilo da amisade e trocaram se gratos e
cordiaos brindes.
0 trem espeejal da ferro-via do Caxangi, que
levou os convivas para essa fasti, ate 0 Caldeirci-
ra, d'alli regressou as 3 horas, chegando a; Reci-
fe as 5 horas e raeia da tarde.
Eznbarque. Com destino a provincia do
Alagoas, cuja capital vai visitor, sahio hontem
barra fora 80 port > do Recife, ao bordo do pa-
quete nacional Jaguaribe, da companhia pernam-
bucana, 0 Exra. Sr. consslhero Joao Alfredo Cor-
re.i da Oliveira.
S. Exc, de regresso d) CaUeirciro, apeou se do
trem em frenle ao palacio da prcsidencia, e to-
mou a galoota, que 0 esperava na rampa do Cam-
po das Priacezas, junto a ponte de Santa Isa-
bel.
..Exc. f. "f"jpanirado Dor aliznn, amiBno,
saaaslfo por vivar aas mannhagens das compa-
nhias do arsenal de marrnha, ao defrontar-3e a ga-
leota com as embarcago:;s que servem de escola a
essas mariohagens. ,
Ao chegar ao bordo do vapor Jaguaribe, foi S.
Exc. recebido por muito amigos qne alii 0 aguar-
davam e peladirectoria da companhia pernambu-
cana, que ainda por essa forma 0 quiz obsequiar.
Ao bordo do vapor tocava uma banda de musica
mililar, que tambm fazia parte de3sa festa e que
segoio para Alagoas.
Pouco depois das 6 horas di tarde largou 0 Ja-
gttiribe, levando S. Exc e alguns amigos, quo
desiarte qnizeram ainda testemunhar 0 aprego em
qae 0 tern.
Jury do Recife. Comparecendo hontem
19 juizes de faeto, do3 que haviam silo sortea-
dos para a presente sessio, quatro desses foram
dispensados, e proseguio-se no sorteio, corn 0 re-
sultado seguinte :
Recife.
Jos6 Maria Furtado.
Jose Gomes Leal.
Santo Antonio.
Dr. Mano:l Domingucs Codeceira.
Viclorino Manoel da Silva.
Hemeterio Vital de Negreiros.
Prancisco Antonio da Silva Goes.
Antoaio Bernardo Q unteiro.
Caetano da Costa Moreira.
Dr. Miguel Bernardo Vieira de Amorim.
Pedro Gongalves de Arruda.
loio Francisco de Abren
Dr. Innoiencio Serafn-o d* Assis Carvalho.
Dr. Manoel da Figuei:6a Faria.
Andr6 Avelino Pereira da Silva.
S. lose.
Ama-o Jose dos Prazeres.
Francelino Je Hollanda Chacon.
Francelino Augusto Rodrigu-s de Oliveira.
Boa Vista.
Francisco de Miranda Leal Save.
Pedro Osorio de Cerqueira.
AfFonso de Paula Albuquerque Maranhao.
Francisco de Lemos Duarte Junior.
Luiz Alfredo de Carvalho Moraes.
Manoel Thomas Pereira de Rego.
Antonio Pacheco da Silva GaimarSes.
Antonio Maehado Pereira Vianna.
Antonio Leonardo Rodrigues.
Francisco Raposo Palcao.
Graca,
Joaquim Pereira de Souza.
Constantino Lopes Guimaraes.
Daniel Cesar Ramos.
Affonso Peixoto da Sllveira.
Afogado*.
Jcse Ribeiro Pessoa de Lacerda-
Manoel Gomes de Sa.
TVaviot* c.neonlrados.-O Sr. capiliio da
barca franceza Saint Louis, chegada de Cardiff,
fallou a 7 do corrente, na lat. N. 12' e long. 0.
de Paris, com a barca ingleza ttilih&a, da praga
de Liverpool, que ia da Cardiff para Calcuta, ten-
do 26 dias de viagem ; e a 30 de ontubro, ua lat.
N. 22* 23' e loog.O. de.Pris 27 10', com a bar-
ca norueguense Lorspring, da praQa de Qiristian-
sand, indode New Castle para Bueno8-Avre, com
34 dias de viageai.
imiiK-rito policlal. Foi remettido ao
itiiw ceopeteata oqueefectuoa copjra Alexaudre
Jo.-e Carlos, por crime de routo, a sobdelegacla
da freguezia da BftvVisU.
Concerto.Para a noite de stxta-feirs, 27
do corrente, annuncia-se um espectaculo coocerto,
no thsatro Santo Antonio, em favor do muito dis-
tincto violonista Franceliao Domingos de Maura
Pessoa, que executari, alfm de varias pejas, va-
riagSes sobre a Norma em umr so corda do vlo-
lino.
Hi de ser bem succedido 0 Sr. Francelino, cuja
reputacao artistica e ti suflijientemente flrmada.
Illssas funebrea.-IVl.is 8 boras da ma-
nna do dia 27 do corrente, 30 Ao passamento do
Dr. Alexandre de Sauza Pereira do Ca:mo, serao
celebradas missas no coovento dj Carmo, pelo
eterao repooso de sua alma, con^iJand'o 03 amigos
do fiaado para assistirem a semelhante aeto de
pieJide cbristi, aquelfes que 0 promovem era ma-
ni/estacao de sua dor e do sua tristeza : sua viu-
va, sous lilhos, sua desojada familia.emSm.
Examea de prepaa*atorloai. 0 resul-
lado dos exames procedtdos hontem (J3), f 1 0
.eguinte :
dade de Naasa Senhora do Tterg \ erecta na igreja. Capitao FrancUeo Carneiro Rodrigues Campello.
dessa deaomtaagao, prooeAa a eleicao de se
novos funcciotarios para aaino de 174 1878,
sendo eleitos: juit; Tkeaaaz Antonio Coimbra;
secreiario, Antonio dos Santos Falcao ; thesou-
rriro, Jose Maria Rodrigues; proeurador geral,
Lourenco Ribeiro da Cualia Oliveira; procura-
dores, vnlpiano do Rego Baptlsta e Manoel Jos6
de MHes; danoidores, Dionisio Hilario Lopes,
Candido Jose da Fonceca, Antonio Jose Pereira da
Cunha, Antonio Ferreira de Oiivetra, Antonio Pinto
Lapa, Joaquim Teixeira Bastos; meaarios. Marcel-
lino Ansberto Lopes, Antonio Franeisco Novo, Ma-
noel Patrao do Nasciraento, Antonio Outes Mar-
tins, Antonio Jose Duarte Brags, Jos6 Pinto Lapa,
Jose Gomes Alves, Jose Antonio Ferreira Cruz,
Joaqaim Jbse de Macedo Junior,*tP#nel Joaquim
Carlos Cardozo, Luiz Gonzaga da Rocha e Maaoel
Louviubas de Oliveira ; juiza, D. Rosalina da Sil-
va Lei ao ; escrivi, D. Niomizia Lucia de Albu-
querque Mello.
Telegrainiua. -Por telegramma de Maceio,
sabe se que chegou hontem 0 Mandahu aquelle
porto, e partio hontem mesmo para aqnl, pelo que
deve cbegar boje a noite.
Burreiros. Communi;am-nos dessa locaK-
dade qne 0 Sr. major Paulo de Amorim Salgado
alforriou grataitaraente, em Janeiro do corrente
anno, os escravos qne Ihe tocaram por heranca
paterna, de nomes LeanJro, Rosa, Maria, Romana
e Antonia, cm attencao a reievantes servicos pres
tados pelos mesmos a seu falieeido pai.
A' modestia natural, que e 0 mais hello orna
mento do earacter desse pbilantropo ciJaJSo, de-
ve-se 0 somente agora chegar ao nosso conbeci
mento a uoticia de accSo tao generosa e digna de
elogios, que, em traZando a a publicidade, temos
trihutaJo aquelle que a praticou 0 merecido ga
lardao.
rotestos de letras. 0 escrivao de
protestos, Jose Mariano, esta de semana : carlorie
na rua Helta, loja do sobrado n. 37.
l.otc-rin. -A qae se aeba a venda 6 a 126 *
a beneGcio da igreja do Rjsario de Serinhaem,
qne corre no dia 28.
Lellao. -Hojy effectda 0 agente Dias 0 leilao
de um bm piano, moveis, lougas e vidros exis
tentes em 0 hotel da rua do Marquez de Oliada n.
0i, 1* andar, as 11 horas da manna.
Casa de detencao.Movimento da casa
de deiengao do dia 22 de novembro da 1874 :
Existiam 314, eniraram 6, sahiram 5, falleceu
I, exislem 314.
A saber :
Siiionaes230, mulheres 10, estranjeiros 31, es-
cravos 40, escravas 3.Total 314.
Alimentados. a custa dos cofres publicos 247.
A saber:
Saos 232 eenfermos 13.Total 247.
Movimento daenlermaria do dia 22 de novembro
de 1874 :
Falleceu :
Joao dos Santos Teixeira.
Hospital Portugaez de Beaeflcen
cia. Movimento das enfermarias da semana
da 13 a 21 de n jve r.bro d 1874
Ficaram exislindo 32,eniraram durante a sema-
na 11, total 43. Sahiram curados 8, tkaiu em tra-
tarrranto 33, total i'i.
Entra de semana 0 Sr. monlomo Manoel Fernan-
desda Costa.
Cemiterio publics. Obituario do dia 21
do corrente:
Xympha, parda, Pernambaco, 0 mezes, Recife ;
bexigas.
Amando, pardo, Pernambaco, 4 meze3, Recife ;
bexigas.
Florenlino Martin3 Palhares de Barros, branco,
Alagoas, 26 annos, solleiio, Boa Vista; beri-
beri.
Um parvuio en^atrado na porta da igreja do
Santa Thereza.
Innocencio, pardo. Pernamv
bexigas. a
Fortunato, preto, Peraan!
ta ; gas'.rite. '
Epiphauio de Mello Moraes,
auuos, soueiro, B>a-Visu, hospital
berculo3 pulmonares.
Francissa lla Paixao de Sjuza Bmleira, parda,
Pernambuco, 39 anaos, casada.S. Jose; tuberculos
pulmonares.
22
Maaoel Adolpbo de Sant' \nna, prato, Sergipe,
39 annos, solteire, militar, Boa-VisU'; pleuro hepa
tite.
Jianna, parda, Pernambuco, 4 mezes, S. Jose;
variola.
Um parvuio eocoutrado no caes do palacio, par-
do, Santo Antonio.
Cathariua Maria dos Prazeres, preta, Pernambu-
co, 63 annos, viuva, S. Jose; eudocardite.
Maaoel Ferreira da Costa, branco, Portugal, 20
annos, solteiro, Boa-Vista ; bexigas.
Maria Joaquiaa, preta, Africa, 108 annos, soltei-
ra, Recife; hepatite cbronica.
Anna Adelia Ribeiro Pessoa, branca, Pernambu-
co, 30 annos, casada, Boa-Vista ; tuberculos pul
monares.
Alfredo, pardo, Pernambuco, 3 dias, S. Jose ;
espasmo.
J*. Sophia, esposa do commendador Paaliaa Pires
Taleao,
O. Lutaa, aobrinha do Illm. Sr. Frwelsse de Paaia
G Lacorda.
Esposa Jo Illm. Sr. Dr. Jose" Maria dt-Aibuquer-
qna.
Eiposs do Him. Sr. tenente Julio F. da Mello La-
cerda.
Juizes protectorea.
Os Iilm. Srs.:
Maaoel Joaquim do Rego Barreto.
Joaaaim Maaoel do Rego Barreto.
Dr. Nominaodo Vie'ra da Cualia.
Proprielario Fraacisi-o Carlos Beletreaa.
Propriettrio Carlos V. Boletrean.
Dr. Felippe de Souza Leao.
Tenente Joaoaiaa Francisco de Souaa Leao.
Negociante Freddrico Sodre da Motta.
> Doraisfos Joaquiaa Ferreira da Crez.
i) Joie Joaquim da Cuuha.
Joaquim Jujo da Rocha.
Jnizas protectoras.
As Exmas. Sras. :
D. Anna P. Barreto, esposa de Guilherme Joaquim
R. Barros.
Esposa do illm. Sr. Vicente Mendes das Coagas.
Jose
Joaquim
Laurentmo de
da Silva
a
a s
0 1
1
> n
9
\ 2 annos, Recife;
mezes, Boa Vis-
pat
.0, Alagoas, no
Pedro II ; tu-
CHROMCA JUBfTURU.
itlltl \\i, da iti:i.\< to
SESSAO ESPECIAL EM 23 DE NOVEMBRO DE
1874.
PRES1DENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
CAETANO SANTIAGO.
SecretarioDr.Virgdio-Coelho.
A's 10 boras da manha, presentes os Srs. des-
embargadorcs R?i3 e Silva, Almeida e Albuquer-
qne, Motta, Accioli e Souza Leau, abriose a ses-
sio.
0 Exra. Sr. conselheiro presi Jente pa-sou a re-
latar 03 aggravos cujos adjunt03 foram sorteados
em sessao ordinaria :
Aggravos de petigao.
N. 88.-Aggravaate Antonio Alberlo de Souza
Aguiar, sggravado Jacintho Sira5es de Almeida.
Adjuntos os Srs. deserabargadores Reis e Silva e
Motta.Nao tomaram conhecimento por nao ser
caso de aggravo.
N. 89.Aggravante Luiz Schmaltz, aggravados
Moura Si C Adjuutos os Srs. deserabargadores
Reis e Silva e Accioli.Negou-se provimento ao
aggravo contra 0 voto do Sr. desembargador-Ac-
cioli.
Carta testeraunhavel.
N. 6.-Aggravante bacharel Joio Ferreira de
Almeida Guimaraes, aggravado 0 juizo do com-
mercio. Adjuntos os Srs. desembargadores Al-
meida Albuquerque e Souza.LeSo.Mandoa-so es
crever 0 aggravalo.
Encerrou se a sessao a uma hora e raeia da
tarde.
negociante
Leite.
capitao Jo.-e
Azevedo.
1 tenente Leopoldo
Gusmio.
Felix Ferreira Coimbra,
Joio Neporaucono 9a Silva.
i> Hanriques Ponies.
> u Ignacio F. Coimbra.
Joao Chrysostomo de Sena
Tapioca.
> > o Joio Travasso.
> Bernardino Ribeiro de Sena.
> Ignacio F. Coimbra.
Escrivaes por eleicao.
Os Iilras. Srs. :
Alferes Joio Francisco do Rego Barros.
Tenente Manoel Caetano Gomes Bam.
Negociante Manoel Rodrigues da Paixao.
Proprielario Joao Chrysostomo da Silveira felagio.
Negociante Manoel Francisco de Barros Campello.
Jose Fidelis Bezerra.
Alferes Jcio Pedro do Rego Lins.
Negociante Antonio Jose vaz Salgado.
LProprieiario Firmino EvarUto Ribeiro Varejao.
Cidadao Jose de Mello Trindade.
Negociante Conrado Pereira de Sonza.
Agricultor Manoel Felippe do Espirito Santo.
Eserivis por eleicao.
As Exmas. Sras. :
Esposa do Um. Sr. Manoel Felix da Silva Cigador.
x Joao Hermino Lias.
b >> Matheus Caetano Gomes.
>. 1 Joaquim Romeiro Gouveia.
D. Msria Rita de Me II1.
Kiposa do Illm. Sr. proprielario Manoel Pedro do
Rego.
b Felippe Antonio da Silva.
> Firmino Jose de Moura.
t Galdino do Rago Barros.
> Martins Jose do Passo.
> Severino Jose dos Santos Aguiar
> Alferes Vasco Vaz da Silva.
Esirivies por devogao.
Os lllms Srs.:
Negociante Jose Bento Pinto.
> Francisco Jose Teixeira.
Franeisco de Souza Marlins.
a Antooio Gaspar da Azevedo.
> Ignacio de Freitas Ribeiro.
> Joao RuGoo Ferreira Filho.
b Pedro Fernandes da Silva.
Alferes Alexandra da Silva.
Alferes Geminiaao Caetaoo Feroaodes da Silva.
Teaente Taciano L. Havigafer.
Negociante Francisco de Souza.
Proprielario Luiz Gomes do Moura.
Escrivas por elaica).
As Exmas. Sras.:
Esposa do Illm. Sr. Francisco Gomes.
> d Jose Antonio Je Sant'Anna Ju-
nior.
Antonio da Rocha.
Jos6 Antonio de Sant'Anna,
alferes Bartholomew C. Gomes.
Manosl Domingos de Freitas.
alferes Antonio Pereira do
Monte.
Jose Tavares Estima.
capitao Firmino Pomposo de
Mello Falcao.
b alferes Francisco Jos6 da Silva.
1 Antonio Jacintho.
1 Felippe Santiago Pires.
Procoradoras.
Os lllms. rs. :
Jose Maria Fernandes.
Galdino Franeisco da R >cha.
Josd Curado.
Antonio Martins Lima.
Manoel Marques d is Santos.
Maaoel do Moat3 Paz.
Joaquim de Souza Magalhaes.
Procurador geral.
alferes Maaoel Fernaades Cirap.s.
Thesoureiro.
alferss Francisco Victor de Carvalho.
0 vigario,
Jose Luiz Pereira de Queiroz.
>

> a
B
>; >
0 Illm. Sr.
0 Illm. Sr.
A PtDIDB.
Eleiqao
dos juizes 0 mats devotos que hao do leste-
jsr 0 roartyr S. SstMstiao na matriz da
villa do Cabo, em Janeiro de 1875.
Juiz por eleigao.
0 Illm. Sr. tenente-coronel Antonio Vieira da Cn-
nha.
Juisa por devocio.
A Illma e Exma. Sra. Baroaeza de Campo Alegre.
Jnizas por devocao.
Os lllms. Srs. :
Dr. Antonio de Souza Leao.
Tenente coronel Jos* de Moraes Gomes Ferreira.
Dr. Joio Gonzaga Baeellar.
Commendador Maaoel da Vera Cruz Lins e Mello.
Proprietary Pedro Victor Beletreaa.
Capitao Thoraaz Jose da Silva Gusnjio.
Prcprietario Antonio Baptlsta Teixeira.
Capitao Virginio Carueiro da Silva Btndeira.
Negociante Joio-Felix dc Mello.
Juizas por devogao.
As Exmas. Sras :
Bironeza de Tabatinga.
Etposa do Illm. 9r. Dr. Luiz Felippe de Souza
Le5o.
D. Maria da Paz Teixeira.
Esposa do Illm. Sr. Jaae Thomas de Aguiar Jo-
Eleicao
dos devotos que hao de festejar a Virgem
Santissima Nossa Senhora do Tergo, na
igreja da mesma invocacao, no anno de
1875.
Juiz.
0 Illm. Sr. Antonio Francisso Corga.
Juiza.
A Exma. Sra. D. Olivia Maria de Lagos Mo-
reira.
Escrivio.
0 Illm. Sr. Joaquim Ferreira da Cruz.
Escrivi.
A Exma. Sra. D. Francisca Thereza dos Santos.
Mordomos.
Os Dims. Srs.:
Jose Lopes Alaeiro.
Joaquim Ferreira de Carvalho.
Maaoel Augusto Fernaades de Almeida.
Ricardo Jose Gomes da Lcz.
Maaoel Aaloaio do Santos.
Domingos Antonio da Silva.
Gongalo Pereira de Magalhaes.
Claudino Jose de Siqaeira.
Constantino Pinto Ferreira da Silva.
Maaoel Francisco Ferreira.
Mordomas.
As Exmas. Sras.:
D. Josepba Francisca de Souza Lima.
D. Thionilia Corrtu de Sa LeitSo.
D. Maria Gonea!vs Ferreira Guimaraes.
D. Ignacia Maria dos Prazeres.
D. Emilia Etervina dos Santos Machado.
D. Senhorinha Francisca de Paula.
I). Thereza Balbina Muniz Pereira.
D. Priscilia Augusta de S )uza Lima.
D. Maria da Conceigao Duarte.
D. Josepha, fllda do Sr. Bernardino Jose da
Silva.
Recife, 8 de novembro de 1874.
0 secretario,
Antonio dos Santos Falcao.
0 coadjuctor pro-parocho,
Frei Antonio de Santa Rila.
nae tva muito taiapa declaravaai gaarra-de axtar-
ntmigao, quasi igual a quo em l^.S ffzaram;
io tendo agura, cooto nun'miver^m eonajea^e
atacarjJe. frame oa correligionarios. indepeadestes
que nao resaoi pela sua cart.Uia, vasam l do 0
f6l de suis peaaas contra os vuitos ifnpjrlautes,
i cuja allura nao podem chegar.
As ovagSes, que por toda a parte tem encon-
trado 0 emtnente palriota con.auteiro Joio Al-
fredo, ja devam ter eonveacido aos liberaos da
Provincia que a provincia inleira e 0 proprio
partido liberal alo 03 apoiaro na infamanta cru-
zada que levantaram.
Um dos membros mais proemiaenles do partido
liberal no centra da provincia, legitima infl leocia
politica, 0 coronel Coriolano Velloso da Silvaira,
sem teraer 0 sobresenho carregado dia Calves
improvisados e dos vildes microtc ipicot, com toda
a. independent e generosidade, se abalaacou
sem hesitar um s6 momeato, a ir esnerar d gore
do caminho de ferro, em Gamelleira, o illusire
viajaute, e Iributir a mais jasta e iasuspeita ho-
menagem aos taleatos, virtades civicas e relavan-
tissimos services do ministro do imperio, conse-
lheiro Joao Alfredo.
Nio pode haver testemunho mais in>a-peit >, e
que mais deva hoarar 0 nobre ministro, quanL
desleaes adversarios, arrogando so autoridade quo
nio teem, langam diffamag5'S e rld.culos d.estos
a nm vulto digoo de veaerafio e respeito I
Deve se aiada por em alto relevo uma cir-
cumstancia bem poderosa, que eng. anlecara aiada
mais 0 acto do coronel Coriolaoo, a proporgio qu*
humilhira ao3 adversarios rancorosos do mioistro
Joio Alfredo. Nao ha mais duvidar 0 partido li
beral, puro, geuuiao, nio pode apoiar os especu
ladores que na imprensa diiem reprasenla lo, mas
que so sabem compromello-lo, e que acabario
por sacri&ca-lo se um homem de bem, liberal
siocero, uio Ihes flier frente. 0 corouel Corio
lano, alem de ser liberal, 6 tio d) hem conkecido
bacharel Jose Marianno, proprielario da Provincia,
um de seu; mais furibundos redactore; que por
toda a parte vomita accusagdes contra 0 coos 5-
Iheiro Joio Alfredo, que em peesoa distribuio e
atirava avulsos por occasiao do desembarque dj
illusire conselheiro. Esse infaliz in.; 0, a quern
pao se pode negar talento, nao imiiaodo a inde-
pendent de seu tio, em lngar de procurar ilius-
trarse, deixase arrastar pelos palavroes da seas
desleaes amigos que so desejara inutilisa-lo, aban
donando-o, como ja Czeram a 14 de maio, e Die
cuida de seu futuro, conQado que os egoisias-lhe
reconhecerao servigos, servindo de docil instmmeato
nas maos dos qae 0 incilam e depois escondem-se
debaixo de um proteslo.
0 coronel Coriolano acaba de provar qua nao
acompanha a Provincia nem apoia as esturdices
e estonteamento de sea sobriaho, mo3tranlo se
liberal independente, qae nio sujeRa ?eus aetos
a approvagao do coaventiculo da Provincia, e os
provincianos que rujam, porque a opioiao senata
ja os coademoou. Os velhos crian^as e os rapa-
zolas da Provincia esmagados por essa de.nons-
tragio do coronel Coriolono, nao poderao aiada
ostantar se na imprensa com a mesma aliiv-;---, a
nao se-em muito cyoicos e impudentes.
Um liberal independente.
Ait pu'iiirij. e para o Exn. presl
dente e cliefc de polieia dm Rio
Granae do Horte verem.
A maiir das necessidadasa eooservaeSo da
existencia-forgi-me a recorrer a imprensa, para
fazer publicas as tristes circumstancias, em qua
me aeh.i, afim de conjura-las, e de tirar a mascara
a certos caracteres, que flagellando a socieJaJa, se
impoam como defansores de seas direitos.
No dii 20 de setembro do corrente anno, de 3
para 6 horas da tarde, fui victim* da sanha feroz
da ires sicarios -0 tristemente celebre Francisco
de Assis Bezerra, Francisco Luiz de Mello Galvio
e Manoel Francisco, que pubiicameute nas rnas
desti villa, tentaram assassinar me, nao se eonsu-
manlo 0 atteatado, pela intarvonglo inespera-ia de
diversas pessoas, que, a meu3 gritos, correram
pressurosas a soccorrer-me.
0 que molivoueste fict) foi 0 seguinte :
Vivendo en, ha cioco annos, ligado a D. Dulci
nea Flora do Leiros Bella, sem que por parte de
sua familia eneontrasse a menor opposigao, sob 0
falso pretexto da estar para casar com uma ontra
moca, 0 tenente coronel Jose da Costa Villar, dm
gratuito inimigo, manda um seu filho menor escre-
var uma carta ao famigflrado Assis, cuobado da
referida D. Dulcine.i, em nome desta, pedindo-lhe
que viesse obstar este casamento, para 0 qua 0 It j
Villar daria os pianos.
E de facto, na noile do dia 19 de setembro, os
assassinos apearam-se a porta do tenente ccronel
Villar, foi charaada D. Dulcinea, e dados os pianos
por aquelle, se emboscaram enlio em casa desta e
no dia seguinte dense 0 referido attentadc.
Entretanto ao clamor geral da populafio dasti
villa, associa-se 0 tenente oronel Villar, que ap-
parentemente condemna 0 procedirnanto do Assis,
procuran 1 j lodavia retirar os soldados, qae chega
ram ao lngar do dalicto, para facilitar a fuga, de
rnodo que, se nao fora a iotervengao do illustrado
juiz de direito, Dr. Joaquim Tavares da CosUrMi
randa, os assassinos se teriam evadido.
Faz lastima ver 0 rnodo, por rue este homem de-
clina da responsabilidade moral deste atteatado,
quo por todos Ihe e imputada, importando cada
defeza uma condemnagao.
Caracter summamente perverso, falso, traigoeiro,
manhoso e cynico, 6 por todos, que tem a infetici
dade de conhece-lo, repntado capaz de tudo 0 que
6 baixo, vil e infame.
Poderia achar opportuna a occasiao para cha-
mar contra este abdrto de bediondez a execracio
publica.
Mas outros se me anticiparam, e portanto rae
julgo despansado dessa odiosa tarefa, nao podendo
lodavia deixar de mencionar dous factcs, que dao
uma lere idea de sen caracter.
0 1 e votar-me odio crnel por dispensar protec-
gao a Lino de tal, a quern persegoe horrivelmnte,
pjrque tem a audacia de seaffl'gir com 0 defbra
mento e subsequente prostituicao de nma irmi
menor, victims de sua libidinagem.
0 2- e o seguinte : 0 major Joaquim Guilherme
dirigio uma carta ao capitao Tertuliano da Rocha
Picado, na qual dizia raal de certos eorreligiona
rios ; essa carta viodo connada ao Villar, esta a
dirigeaum dos mallratados, que a roandou pu-
blicar pelos jornaes, e entao cam 0 dito Joaquim
Guilherme proraoveu a demissao do Tertuliano de
escrivao da mesa de rendas proviociaes.
Este faeto conderanavel sem mais commentario,
torna-se sem qualiQcagao, se altender-se que 0
iaexperieate Tertuliano era am amigo devotado,
qae em tempos peiores, quando Villar era despre-
zado pelos proprios filhos, por mais do aono sus-
tentou-o a si e a sua familia.
[eaadalo exjliavie uh conhaciiawt: de qar 1
jsejm os pteutclons Je>lo rrulva.'j.
Ei-Ios : Seu irn;'. 1 0 taneate-c-e4 Fraaeii
BiunoJa;one Bc*rra, metrr!ro prelig^sj d
partido liberal .'.1 t'iratiyua e cJmfe do
Mamangqapu ; 0 Dr Fuiiaarda do Rfo Toscaa
de Brilo, dihtincl chefedo partidu liberal daqae *
provincia ; 0 Dr. Vicente do Rego Toseaao Barr
to, sribriaho do aiaimo Assis a Mtaiaaae gen:
Dr. FeiizarJo ; nasU provincia, o coronel Mign< 1
Ribeiro Dantas, chfe do partido coSMrvador aa
comarcade S. Jose le Mipibu, 0 oua' nio p u;.
sacrificios em favor dajuelU miseravol ; c tnex
te-cornael Jase da Costa Villar, chela do parti J
conservador da-ta termo; 0 capitio Antonio G
mes da R ma Fagandes, daeaabro-le ami itnpoi-
tante familia, e do muito pre-tigia a inQneacu
nasta provincia ; e, elcm de muilos oatros protei -
lores, qua seria fasUdioso ralerir, fiaalmsnle a ct -
rebriaa socieJade Espada do Fogo-de Maaaat-
guape, da qual e membro benemeritissirno 0 -
mo Assis.
I'rasos os assassinos, des;nvolveu-se uma incr -
vel cabala em seu favor ; de Manaaguape vao
uma comrai sae da Kspada da P.igo, munida tr
um ceuto de cartas da empenuo ; 0 Villar sahic a
ampo e faz jogo de loiM os meios que a sua per-
versa intelligence tiie saggerio de modo qae a nio
ser a integridade e jastiga dos lllms. juiz-s form;
dores da calpa e Dr. juiz de direit >, sahiriam de' -
pronunclados 0? criinaowa.
Baquead n os esforgos e empeabos para a dc -
pronuncia dos reds, tialaram de proporcicnar In-
os meios de evasio, para 0 que jalgaram oeest-
sario que fossem conservados na insegura pns.o
desta villa ; e como 0 Dr. ebefa da polieia oa t -
vesse re,|uniiadc para a capital, tratarara de HI; -
di lo, fazendo-o acreiiur que estava praxi.:. a
sessio do jury.
Conhecida esta menlira, aquelle illustre magi-
trado expede ordens termiaanlissimas para a r
messa dos reos; tatai comeca nma farc.t barle
ca, que teve pjr desf,:clu a fuga dj malvaij A -
3IS.
Ora, Qnge-sc ?ste gravemeote enfermo, ora 1
teneate coronel Villar, iliaqaeando a boa fe ; .
juiz municipal 1 at exerekid tanente Jose Panlo da
Silva, eonsegua que a^te baixe uroa portaria
se encarragou le escrever) ordeasnlo ao rarcere -
ro que nio eatregasse os presos a escoita, que s
devia c mduzir.
Melhor avisado ar, mile juix, revogou e^sa po: -
tiria, baixaado u;iu cutra, em que orCanava 1
contrario.
Ante a attitude energica do alferes Francisco te
Paula Moreira, 0 manhoso Assis sa restabelece, -
com os outros segoio 0 seu destioo.
Mas, era que ja estava planejada a frqa ; fw*
uma corda descau di3 grades da cadeia uj S. J)' -.
0 crim'noso Assis, e, seguado 6 notorio, faz -a 1
uma e.-tiya) no engeaho do coronel Migu ro, que Ihe deu mei:s de fansporte, seguio para
Maraanguape, onle anda de publico pa.-seaoJo *
vi-ta das primeins autoridades, sem 0 manor r-
ceio de perseguicao.
E de facto nao Jive ta-lo, porque la pas-cia ir
publico um seu Bl&a do mesmo nome, pmuunci. -
lo neste termo no art. 193 do odigo peaal, m
obataaifl exi-tir nma precatoria, pedindo a sea
eaptara; parqoa o mesmo Assis, seodo irmio -
dous cun'.iadjs do Dr. juiz de direito daqnella c. -
marca, nao tame da parte deste a manor pars* -
guigao, e quanto as outras autoridades, sendo &-
tas membros ou socin da Espada de F-iga, ja j
ve" (jue ante! pro'ege-b-hao ; porqne o A-sis e 1: -
timo amigo do dc9ordeiro Eneas do PinJobal, qc-
m:u sua familia dispoe dos destinos da Maatai-
i.'iiap.', a ponto de espancarem publicam- ne eo n
previo aviso das anlori-lales; porqne fiaalmea e
tem aquelle asssassino naqueila cidaJ;, taota pr. -
tec;ao, qua 0 capitao 1 e Lima assegurra ao Vi -
lar, que la elie ounca seria preso, porqne, sam:>
sua Baea uma das mais frescas Jo lngar (aicassiv a
modestia) da la nao havia autoriJada que 0 arrac-
casse.
Nestas conlici-as, saa probabilidade de con -
guir a punigio da principal assaisito, ameacado a
todo 0 momeato de ser assassioado, porque alo
esli 0 Villar para Jar os pianos, e a ted* hora soi
espiado, ja tanho sido atacado uo cirainho do m-; 1
engenno para esta villa, per um assassino, o aaea
ascravo Rollao; re:orroa olumnas deste eon-
ceitu.ido joroal para proteslar contra lantos escai -
dalos, c desde ja rosaonsaoiliso por quaiquer a-
tenlado, feito a mini ou aos mans, ao tenente c -
ronel Villar, nao sti ,-;eranta a lei, mas tambem pt -
la vindic'.a particular.
* Minnas dispusigoas estao toanada?.
Mas ainda conGo oa solicitude, ioteireza a jut -
ti;a do Exm. presiden'.e da provincia e Illm. Dr
chefe de policia, os quaes usaado do poder e pres-
tigio dequedispoam,nao consentirio qae eu iragt*
> ultima gotta do calix do desespero.
Villa de Canguarelama, 12 da novembro c>
1874.
Antonio Bezerra Cesir de Almeidi.
E9trade de 1'erro da Recifr
11 Caxnnga.
Constando-nos que 0 mm digoo Sr. gerec
Jesta companhia, pretenle mudar a eslagio la
Mangabeira para junto dos Buritys, permitu c
V. S. Ihe observemos qua, se e jus'to que seja eo -
locada nma estacao cesse lngar, para comrai do d
moradores, ainda mais ju-to e que tambem re
conserve 0 ponto da Mangabeira para parada d.
trens, como ate hoje ; (pouco nos importa a aU
cao) pois nio so este ponto tem muilos morador. s
quo por si e saas amisades dao grande interesse a
companhia, como pcrque se corrosponde com a I -
nba principal no Paruameirim, donde vao rauiL-s
pessoas alii toraar 0 trem e aproveitam tambem n
ida, pois lhes da mais t"i minutos para tratarei
de seus negocios no Recife.
Rogaraos, portanto. aos mui dignos Srs. gerec a
e Seal desta companhia se dignem lomir em coc-
sideragio 0 pedido de continuar como ate hojf 1
ponto da Mangabeira.
Assignantes t pascogeiros do Arraial e Parna-
meirim.
Ponle dos Carvallios.
Aos tabeliaes publicos.
Alfonso.
Lendo no Diario de Pernambuco de 30 de eulu-
bro correute, um aonnacio de Brasiliano de Ma-
galhaes Castro, respondendo outro de am herdeiro
do cosal do fiaado Joio Francisco Paes Barreto,
e sendo 0 abaixo assignado consenhor da proprie-
dade Ponta dos Carvalhos, por ter comprado as
partes a dous herdeiros, vem tambem 0 abaixo
assignado protestar contra qualquer aforaraento
feito, por julga-lo illeg at e enminoso ; e pSJe
qne ninguem laga negocio com 0 referido Brasi-
liano sobre a mesira prcpried?de. Declaro que
nesla data vou prop r ao mesmo Brasiliano a ac-
gao competente, para 0 que 0 charaei a concilia-
gao.
Recire, 20 de novembro de 1874,
Joan Chrgtistomo de Oliveira Pelagio.
nior.
D Maria do 0' Barrofo.
Algumas palivrs a Proviacia
(papel).
Os provincianos, qua ftlsimente se apregoam
depositarios das tradigoas liberaes, quando afoda
Este homem singular fez taes brilhatnras, como
commandante de urn baialhio de volnntarios, qne
0 ministro da guerra, em reservalo, recommendou
ao presidenta da provincia, que Ihe nao confiasse
cargo algum publico; sem embargo do que 6 a J
rainistrador da mesa de rendas, e tem occupado
oatros cargos, tanto se sabe insinuar.
Voltemos agora a meus assassinos, e occurrea-
cias. que tem havido depois do atteatado.
Fazenlo uroa ligeira descripcao de quern seja 0
assassino Assis, 0 publico vera ate onde tem che-
gado a corrupgio nao so de certos hornens, mas
ate de etnas autoridades, que a tao vrt eutidade
tem dLspensado uroa deduada protecgao, com sa-
crificio da justiga e violagao das leis.
A haver justica neste paiz, Francisco de Assis ja
teria sido pendurado na praca publica, ou p< lo
menos condemna lo a pitsar toda saa vida em
Fernando, donde ainda ameigaria a sociedade cju
seus crimes. E 0 publico vera :
Membro de uma familia distinct* desta provin-
cia, Franciico de Assis desde tenra ilade revelou
pessimos instinctos e sentimentos, e logo comegou
a praticar uma scria de crimes, do que tera-se sa-
fado bem, gracas a protecgao de qae dispoe, ja por
saa familia, ja por seas namerosos amigos.'....
Eis os factos.
Na Caigara, desta provincia, assassinoa pubiica-
meute ao prestante cidadao Falheiros, ao sahir este
da igreja, 0 qual exercia com muito merecrmento
0 cargo de subdelegado, sem qne uouvesse motivo
algum, a nao ser o receio de Falheiros vindicar a
hoora de uma sua afllhida, victima da seduecao
daqueile tigre de forma humana.
Nesta villa tentou contra a existencia de Manoel
Teixeira de CarvaBw, por presumir que este re-
que-tava nma sua amasia.
Na povoacia do Espirito Santo tenton assassinar
Fraucisco Alves Freire, que milagrosamente esca-
pon, tocado de alguns arocos de chumbo, porque
0 infelfe Jos (escravo de Miguel Figueira Marinho)
qae fatalmente enlrara em casa daqueile, recebeu
0 mortal projeclil de que falleceu.
Ainia nesta villa espancou cobardemente i
Maria PeriquiH.
Fsi berrer percorrer a e>cala dos crimes deste
mn-tro, a oara bonra da/humanldade termiao a
deserip ao da seus actos eangutnolentos.
0 publico aJrairar-se-ha, por cerlo, de que 0
aut r Ja tantos horrores lenha so g3fado sempre
loem da justiga. ^
Aimiitindo a admiracic^que partifW, este es-
CausaPoppe.
Quando virmos os homens honestos serem per
seguidos, e 0 crime favonealo pelos grande*, ea-
bramo-nos de do, porqne a sociedade tem n.
vaias 0 veneno da eorrnpeio. Pois beat, e temp
que os homens de bem da sociedade pernambaca
na tremara, pcrque os signaes da eorrnpeio mor.
acham-se ja bem patenlas: adigniladeda faaailia
germem da dignidade da sociedade, e attrooios.
mente menoscabada, por quern mais a devia k
lar.
Referimo-no3 a nma das caasas mais sympatL
cas, que tem via Jo a ser julgadas no foro dc Per-
nambucoa causa tanto civil, como crime, ea fa-
milia Poppe, de que varaos apr> ciar imparcial, pa-
rent, severameate alguns pontos.
Todos sabem como Jose Chacon, depois de esg
tar os recursos legaes para effectaar 0 sea casa-
mento com D. Flavia Poppe, depois de Ihe torero
sido as portas para eile fecbadas por decisio da
relacao que mandou entregar aqaetta menor a saa
mii e tutora, requerea immediatiraaate a reav-
cao da tutella do poder desta; e demoraodo-sa a
justiga publica a satis fazer -Ihe os capheboe, mac
dou raptar por am grapo de homens armad'x
aquella menor de casa de sua tia, onde se achava
Todos sabem dislo; mas 0 qne muita geau igae-
ra e 0 que am atteatado desta ordeoa re*ela. e a
proleccao sscaadalosa, se aio immarai qne aos
seus autores prodigaiisaram os laisaa a qacm
alia devia eacher de iadigaacao.
Analysemos.
Uma santeuca irretractavel do poder judiciaho,
justa ou inju;U, e uma eoasa maiu seria, e aaa
acto qae deve ser pur todos acalado e reepeitado.
porqu, bem oa raal, eile 6 am dos raodoa da exer-
cicio da soberaaia naciontl, vem revestido datada
a magesUde social Uma senlenca legalsaaatc
profarida pole, e, direi mesmo, deve ser diacot>-
da; porque aiste nao so nao vai damoo, eooao Ma
acba-se 0 interesse publico; mas dasobedecida, as>-
earnecida, aao 0 podera jamats sem (rave afereau
para a socidade, por ;ne emfira a lei 6 sempre a
manifestagao da sua vcatade.
Uma sociedade repousa nas suis leis, como am
cdificio repousa nas saas bases. Df-strut oaaJiaar-
ces, e 0 edirlcio todo cahira em rninas; deereapei-
tai as leis de uma sociedade, redazi-as a tear.-
sem acgao, e tercis dado 0 comeco para o sea aai-
quilamentc.
Pois bem, 0 juit superior tinha dito a Jaae Cha-
coa, em nome da lei alo casaras e ella ja _
luBeientemeatt poderoo, basUnte grasrie,
responder ao represeataata da sociedade, ae <
cutor da lei: Sois am esabeeH, em ooaw da far-
p. em nome do punhal e d > rewatear, be* de
cs'sar.
E uao e jadVo ainda.
Jose Chacon tinha feito um requarimenle aaai
injuriava, diHamava mesmo, a familia da pratue
did* noiva, psdatdo que fos-a a totalla desta raaaa-
vida' do poder aa sua mii, qae efle nio jatgava
d'hj.u dt gua.dar suz filha, 0 qua fosse eauqoaa'o
ant;; rrawvila do casa de sua tia que elie jalgava

t
M >
)
\


1


^
*?*
I


Ittttio Jtaamhnoe Targa loir* 24 d*>Jfa"Rembii> 4c 1871
tnJiV/na da gtianlar suiaalmiAa ; o. antes que tao
lufolitx tS") uutaz re"raeruB*ato,produzisse o daee
jado eflsito, ells, julgatdo eotto eousi demasiada-
mente^urtllbante pars, sua elevada pessoa o espe-
rar peta-ateci-ao doipod#r corjpetanla, raso|*e'u
fazer-so Justicapor sbasiMdprias miot, cono pan
dar u*> testynJuoho solerbhe d.juan daspresaos
poderes constituidos.
Jose Chacon esperava com a reraojao da tutella
n$o so forrar-seda derrota recebida, como princi
palmente tornar possivel o oasamento com a vinda
da menina para uma casa araiga, donda elle po
desse tie novo raptal a. Porque nao esperou pela
decisao?
E' porque elle queria dar ao poder Judiciario
de3ta lerra uma prova do despreso em que o.tem,
uma prova de que acima da relacao, acima de
tudo o que ha de de respeitavel, esla alguraa coasa
qae elle pole manejar a forcabru'a, alguma cou-
sa de que elle poda dispur -a \ r-jtec^ao dos gran-
des- i i
E asiim se den. A forca foi empragada, a rela-
cao foi desprestigiada, e a protescio escandaloea,
a proleccao mais immoral, appareceu e prod uzio
effeito. .
So quern assi liar quanto empenho empregaram homen3 eai-
neates desta terra para a absolvicao da Jose" Cha-
con e sens complices. Na villa ja ninguem pergun-
lava qaando serao julgados os Chacons ? nao; a
phrase de que todos insensivel e naturilraente, se
serviam era quando serao absolvidos o$ Cha-
cons? Essapalivra absolvidos dabem acanhe-
ccr o estado das coasa*; e reaifflente parecia ler-
se oa fronte de cada juiz de facto -protecoao aos
Chacons.
Mas devariara esses homens conspicuos prestar
aos autores do attentado do engenho d'Agua la?
decidido apoio ? Nao; digo-o com pezar, mas o
forcoso confessar; nao o deviam.
Poderaos nos servir aqui do dilo do sublime an?
tor do Cataoes: a Que exemplo a Iuturo3 escrip-
tores I ,
Alguns de vos sois autondades, Mguns de vos
tendes subiiternos, e 03 quo o nao sois, e os que
os nao tendes, podeis em brove selo, podeis era
breve telos : e como quereis que as vossas ordens
s*jam obedecida*, que as vossas prescnpcoes sejam
respeitadas ? Apoiais, patrocinais a maior das
afbntas, o maior dos desacatos a superior aulori-
dade judiciaria, ao que ha do mais respeUavel na
e-cala autoritaria; amanha com que direito vos
queixareis quando vos failar o presligio, vos que
assim encorajais o desprestigio da anteridade t
Amanhi, quando a antoridade paterna vo3 fal-
tar, quando vossos conselh os, vossos rogos, vossas
prohibicoes nao furem de vossos filhos attendidos,
como podereis deixar de confessar, que estais co-
thendo os fruclos da semeole quo planlastes, visto
como vos declarais protectores dos que mats lem
despristigiado a au.oridade pateraa ? ...
Amanhii, quando um bando de homens de bai-
xi*3ima esphera vos assaltarem a casa para tomar-
vos vossas filhas, ostranhaTeis por ventura, vos qae
a-abais de confessar que achais isto muito natu-
ral f .,
E, se depois de mortos vos fosse permit'.ido ou-
vir dizer que injumm ca na terra vossa esposa,
que preteodera arranjar vossos iilhos a guarda de
sua mai, nao porque ella nao saiba velar pela con-
servacao de seas bens, mas porque 6 uma mulher
hvligna, porque quer proslituir sua filhu, conser-
vaudo-a em uma casa onde se atlenta contra a sua
lida e contra a sua honra, vosia esposa em quem
sempre decobrites em grao muito elevado os sen-
timentos de honra e dignidado, vossa esposa que
deixastes como modelo dc virluJes a vossos Qlhos,
com que direito clamaries ao ceo nor um castigo
vos que achastes dignos da benevolencia social os
autores dc tudo isto contra D. Altina da Silva
Poppe ?
Qaando a digmdade do individao 6 tidaem nada,
qaando a santidade da farnilia e polluida, a socie-
dade inteira soffre. E sera compati.el com a dig-
nidade do individuo, respeitar a santidade da fa
railia, o principio estabelecido pelo advogado de
Jos6 Chacon, no jury de !guara?su, a saber:que
qaando so quer raptar uraa noiva devese recorrer
ao qud ha de mais vd na sociedade ?
Fazemos iusti^a ao Dr. Olympio Marques, elle
n7io sustenta essa imm.T.'.lidada de cohvicgao. Mas
?e aeaso nos illudimi?, se realmente elle acha que,
tendo algam dia de raptar ~-- -^t,
sa, sua dignididt peia ine m*f* *UJ
qJe a sociodada tiver da *ltf**2*JETj?.
da coQeatif qae Ihe dlgata n, S. S. enteade oig
n date de am modo nova ate hojj. nanca v ^
rfaudar rapt*r umamoga por gente da ,npm
, main social; Sr. doutor, e dar-lhe I
;:n CStfe'RftV-^aT-iTJ'sVi fcAi.Br
a ser de^acatada pjr meia duzia de rojs de policia,
c confessar qua nos e el!a raerocemos lanto respel-
to. como a quelles cuja guarda aconflamos.
0 Dr. Olympio Marques deve estar envergonha-
dode 3emelhante propossjao; porque envergonha-
'.} tambem ficou o immenso auditorio que o esca-
tava.
E sio estes os homens qae clamam por decen-
cia para D. Flavia !
Vio a ioizo os Chacjns, e dizem t seja quanto
antes 0. I'tavia Urada da casa de sua lia, porque
la naj se Ihe guarda o decoro devido; arranqnem-
ui da companhia de sua mii, porque e indigna de
eaardal a : e vai em plono jury o seu advogadj,
e diz : companhia deceite para D. Flavia nao 6
-:natia, a honradissima viuva do Dr. Francisco
Joao, e meia duzia de reo3 de po'.icia, quem a
podo' guardar com dc-cjro nao e sua mai, a hon-
radinima viuva do major Marcelino, 6 um tr co
rje homens escolhidus do que a sociedade tern de
mais disprosive. I
Quanta cuherencia na impudencia !
E' precuo que a pane sensata desta socieJade
ouhe^a essas miserias ; 6 praciso qae para isso
attenda a relacao, o presidente da provincia e o
Sr. miaist'0 do imperio que nao se retire sem to-
mar nota de mats es-e progresso de sua terra na-
tal, e os pais de farnilia que tremara pelo pro-
gresso de taes doutriuas.
Um obserrador.
stos
Jdr8
gcancellos
Car-
Cypriaho de
Joao Facun'
Roberto d
?maito d M MBlanegro
ergio Ferrerra Pinho
Josuino...............
Francfsco'Cyprisno da Silva Santos
Francisco Libpes Furtado
Joaqulm'SilVeridde Souza
Maooel Antonio de Sant'Anna
Bernardina Maria dos Santos Lima
Antonio Bezerra de Meneaes
Joio Erntro da Cruz
WotMo Gomes Coutinho
Carvalho Peixoto & C
Manoel Chtispim dosPassos
Antonio Athanasio d'Oliveira
Dr. Aprigio Anlero Cicero de Henezes
Francisco Tavares de Mello
Aatoaio Pinto de Barros
Gustavo dot Prazeres Brayner
Luiz Francisco BaDdeira da Melk)
Manoel Pereira da M.
Antenio Paulino de Faria Bnrgos
Manoel do Amparo Cajd
Aatonto Manoel de Carvalho
LenpoldiDO Antonio da Fonceca
Zfenno da Costa Maia
Joao Pereirra Franco
Antonio Gomes de Olivelra
luiz Pereira dos Santos Lima
AdolphoB......
Manoel *odngues da Silva
Antonio da Costa Albuquerque
Francelino Alves da Silva
Julia B. ....
lose Caval -ante Lins
Joaquim Francisco de Miranda
qiim
Joao Marinho Falcio
Manoel Firmino
Fortunato Alexandre Torres
Marcolino da Cruz Wanderley
Benjamin C. da C. S.
Taden Pereira Bastos
Francisco Vieira d'Araojo
Manoel Cassiano de Oliveira
Antonio Machado dos Santos
Pedro Alves Ferreira
Manoel Thoraaz de S.
Vieira (marcineiro)
Dionisio de Souza Bandeira
Joaquim Martms Monteiro
Capitao___Herculauo ....
Francisco Jorge dos Santos
Andre" Vital Alve3 *
Jos6 Francisco do Rosario
Hermina Lucina Rahello
Antero de MesquiW
Pedro de Hollanda Cavaleante d Albu-
querque
Antonio Pedro de Sa Barreto
Joaquim Felix Machado
Francelina Carolina da Silva
Jose N. d'Assurapcao Pires
Mathias Gonealvej Lima
Miguel Thoraaz Rodrigues de Freitas
Panlaleao Pessoa de Siqueira Caval-
canto
T^-rgino de Magalhaes
Joaquim Jose Franco
Idalina Pereira de Macedo Bastos
Dr. Jose Maria d'Albuquerque Lima
Francelino Carneiro de Laceria
Francisco de Paula Albuquerque
ljiltia /r. .- V
(Coatmua).
5a-
"*SISSS
5!fJ>
3M$
piPteto HartwBaAlCi ftflWsa-Jeos
tottrAOW Wns da asro A
bdWNe VM> eca cam *4,fl7 1| di'w de al
igofjao
- No:por Jng Warrwr, vavJJinm earrtgoo ; L Robllttard i hawioa tomM *Jlosj de
fartnhdemandioea;*l.1L..Bae3 ftrMklidifM
com I6t ditos de aasuear rbranco ; S. *
C. 88 saceas com 6,893 drtosde ahjodao ; J. Ester.
4 C. 106 dltas com'8,359ffltet de drto; SragaSon
fiiG.ni dilas com t*,75 *!*dttos de dile.
Wo lagar franeez Rio Gra*U, para o Havre,
com St.flOO kflos, ei08 saecas eom 8,363 dttos de
3483M6Wxdri
18 :f
465 J
78
23JJ0O
432Sl lalgodao.
Villa do
Villa Nova
4HM0.
FunckaJ.
Hespoabn
Madrid,
BareeJlcna.
Vigo.
Paanieaveas
Tills Mai- de S. Anto|M>
HoMMfe da Beira.
Kajal.
Cadiz.
Orense.
Corona.
Badajoz.
No lugar hespanhol Ihemoteo U'JP*n o'Rio j
da'Prata.earregou: Amorim Irmios L. 67* bar- j
rieas eom 78,3711^2 kilos de awuoar braneo, e 245,
ditas com 26,837 Ir2 ditos de dito rmaoavado. 1
o navie hespanhol Ires Dorotheas, ara
BareeUona, earregou : A. Loyo 28* saeoaa eom
21,847 1(2 kilos de aJgodao.
Na escuna ingleza Mary Lizze, para o Canal,
earregou : J. Pater & C. ttU saccos com 34,500
k'los de assucar mascawtdo.
No lugar inglez Em, para o Canal, rre-
gou : S. Brothers 4 C 6,000 saccos com 450 GOO
kilos de assucar mascavado ; Pinto Barbosa 4
C.
2,000 ditos cora-iaepftTllos de dito.
~ No aavio iogtez Adda, para o Canal, earre-
1105590
22&90O
125000
183800
14855*}
93000
9J600
41*000
28}000
335800
80400
12J120
3J000
6J200
22:000
17*009
35760
575840
21S7C0
55000
7J0O0
161000
14J70O
175000
31J320
495240
1595720
385000
275640
8i640
7-5880
27J000
355000
55960^
101 HO
53500
1005000
1015800
1415960
1655360
645600
0005000
110*0
196*32
SaSiWT
isojwti
U256:
500
105
81000
4J480
41592oigou :TBrotherT& d 8,00b*saccos com 375,000
kites de assucar maseavado.
"No navio Inzlez iWary Anntng, pant) Canal,
emegou : S. Brofers & C, 7y00O .a^eeos c.m
525,000 kilos de assuear maseavado.
No p*taeho hespanW iWjsa, Ban. o Rio da
Prata, earregou : P. Carnetro.'Mala & c.
cos com 46^00 litros de aguard0p*e-
No patacho americano Francis Janes, para
Hampton .Uoada, eanwou : M. Austin & L. 4,*oo
saccos com 330,000 kifos de assucar raascivado.
rr- Na6rea sueca Niord, para o CanaL nite-
gou : J. Pater & C. 4,000 saccos com 300,000 ki-
los de assucar maacavado.
No brigue inglez Belle of Devon, para o ?a-
a|, earregou : Simpson 4 C. 3.000 saccos com
225,000 kilos de assucar maseavado.
No brigue inglez WiUie, para o Canal ear-
regou : Simpson & C. 1,000 saccos com 75,000
kiles de assucar scaMado.
No brigue inglez Annak, para o Canal, ear-
regou : Simpson & C. 4,090 saccos com 300,000
kilos de assucar maseavado.
Ptr* os portos do Wertar.
Para Porto-Alegre, no tagar portuguez Laia,
earregou : F. R. Pinto Guimaraes 2oO volumes
com 21,276 kilos de assucar braneo e 193 ditos
com 15.997 ditos de dito maseavado; M. L. Paes
Barreto 25 ditos com 1,875 ditos de dito e 25 ditos
com 1,875 ditos de dito braneo. ....
Para o Ceara, no vapor nacional Ipowa
earregou : M- da Ro3a 20 barriqas com 1,305 li2
kiios de a;suear refinado.
Para o Rio GHde do Sal, na escuna bra-
silcira Georgiana, earregou: Oliveira, Filnos & C,
300 saccos com 22,500 kilos de assucar braneo.
Para Maracajad, na barcaca Estrella do Nor-
te, earregou : A. J. P. da Cunha 1 barrica com
60 kilos de assucar braneo.
Para o Para, no brigue nacional Raio, earre-
gou : J. C. do Rego Pon'.es 24 pipas com 11,520
litros deagnardente.
SEGOROS
aunnios

OONTRA O FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecidi
aesta prar;a, toma seguros maritimos sobrt
aavios e seus carregameatos e contra fogo
am edificios, mercadorias e mobilias: na
ua do Vignrio n. 4, pavimento terreo.
uAPATAZIA
Asndimento do dia 2
[Uh do dii 23 .
DA ALFANDKGA
a2L. 11:141*506
T .229*934
11:401*440
^. m.Agua de Florida de Mur-
ray e Lanman.-Em virtude de as senhoras
sere'm t a prociosa porcelana do barro humano,
por isso mesmo ellas teem todo o direito a eleicao
de toda a especie de elegante luxunas, que a arte
estimulada pela galantaria pode inventar. Entre
todas as que pertencem ou figurain no toucador
nenhuma ha que possa exceder em aromatica
delicadeza e Qnura, aquella acima mencionada
no alto dosta pa,ragrapho.
Po'suinlo uma mimosa e delicadissima fragran-
cia, summaraente util e agradavel em varias for-
ma*, quer ja como aformoseadora da compleicao,
excellente miiturada com agua como meio agra-
-M'^l,a*w,#'xxaiiiar a bocca e alvejar os denies,
c uffaimemrjTSOTrrirflVn exceiienti^ ^diuuavci meio
eurativo em todo3 os casus a maios, vertigens e ataques hystericos, tm ella
merece um nome na materia medica, asi^j como
em oecupar um lugar indispensavel s^tq 0 tou-
cador.
Para evitar as fraudulentas e despresiVeii adul-
haabufguews, os ofjmprad0-
res devem pedir a agua ae riui iua ac Au.^ra
Lanman preparada por Lanman & Kemp, de Nova-
York : todas as outras sao falsifica^des sem valor.
VOLUMES SAB1C0S
Mo dia 2 a 21......
No dia 23.......
?nmeira poru s
ijgunda porta
f*rceira porta.....
fivpicto Ccnceijao .
G
Ha
28,284
173
165
95
90
28,809
SERV1QO MAR1TIMO
irtarengas descarregadas no traplche da
alfandaea.
:.,i Oia 2 i 21.....
So dia 22.......
18
46
iKCRBEDORLA DS RSNPAS. JHTBRKikS 6B
43:455^915
. 2:172*534
toiidimenlo do dia 2 a 21
dtm do dia 23
45:028*449
flividns da masa fallida do
BSento da Silva tl C.
Teo'io sido arrematadas em hasta publica todas
ai dividas dessa massa, e ign.rando seas residen-
ts dos dovedoras, que algans sao os que abaixo
:: meujionara, que igualmente nSo se tem podido
conhecer e nera oblcr informacues, rogase-lhes
..aeirain entender-se com o coronel Decio d'Aqui
lo Fonceca, a rna do Hospicio n. 14, das 6 as 9
tcras da manha e das 4 da tar Je em diante, .que
se acha autorisado e comp;teu:&mente habilitado
para receberou fazer qualquer traasaccao.
Deixa-se de menctonar os nornes de alguns on-
tros devedores por serem conhacidos ; e, a estes
se roga queiram e^ntenler-se com o mesmo coro-
cel no prazo de 15 dia:-, flndos os quaes serao
:-,:j;zados.
Sendo alguns dos devedores por lettras e contas
ue livros, residentes fora da cidade, e mesmo da
irovincia, alguns em lugares ja sabidos, avisa-.-e
igualmente que veuham f agar, para evitar ques-
v'es judiciaes, que serao ialentadas; e pede-se aos
ajaigos e couhecidos o obsequio de avisa-Ios.
Declara-se ainda que para se nao chamarem a
.a-.rancia qae se procedera com todo o rigor das
icis contra quem quer que seja, que tenha rece-
trido indevidamenie, ou ainda tente receber as
raencionadas dividas, que hoje pertencem a pes-
soa que as arrematou, e cm quem se devem en-
under 03 devedores; ou quem se mostrar por elle
aatorisado.
Pernambuco, 20 do novembro de 1874.
Relacao das dividas de qae acima se falla.
Velippe d'AI- uauerquo Barreto 7:968:675
Andre Leite Leao 2:048;000
Adriano Clementino de Medeiros 2:645:445
Franklin Velloso de Gusmao Uchoa 43*570
Jcao Baptista Bourbon 393,616
Maaoel Leonardo de Siqueira Caval-
eante 2:2385631
Augusto Martioiano Scares Villela 2885640
i-rancisco Antonio Gjncalves de Me-
deiros 9i020
vpolito Martins Gomes de-Pinbo 495300
Marcionillo Gomes Coutinho 836i860
Aqukino Coutinho Barreto 9:500
Joaquim Mancio Marinho Filbo 2:7525400
Antonio Rodrigues da Cruz 755500
Bastos & Martins 64*200
Jose Lope3 de Mendonoa & C. 2:4665406
Antonio de Sa Cavaleante 49: 500
Maaoel do Rego Oliveira Pinto t52<'0
Joao Correa dos Passos 1:024*140
Carvalho-4 Alves 894Si00
Joaquim Lucio Rodrigues 65000
Anttnio Manoel de Carva ho 1:0859000
Maxloiano Lopes dos Santos 4:378^454
Manoel,Firmino a'Alljuquetque 2:7115650
Antonio- Maximo 285700
Antonio Pinheiro de Faria Burgos 565340
Jaaortos Santos Souza 144*771
Padre-Sesostre Frein de Carvalho 4789020
Anna Rita 355000
Viriito Centeio Lopes 92^020
JUNTA DOS CORRETORES
Praca do SJecife, 23 de nweui-
bm de tSS 1.
AS 3 BORAS DA TARDE.
C0TAC5ES officiars
Algodao de Macao l sorte 7^300 por 15 kilos.
Algedao .de Mossoro 1* sorte 7*"330 por 15 kilos,
sabbado.
Couros -seccos salgados 543 e 551 rs. o kilo-
Ci.e do Rio de Janeiro 2" sorte 8/000, liquido,
por 15 kilos, sabbado.
Cambio sobre Londres a 90 djv. 26 112 e 26 5|8
d. por 1*, sabbado.
Dito sobre dito a 90 d|v. 26 1|4 por 1#000, do
banco.
Oito sobre dito a 3 d|v. 25 7|8 por 1/000, do
banco.
Cambio sobre Paris a 90 d(V. 362 rs., e da ban-
co 365 rs. o franco.
Dito sobre dito a 3 djv. 370 rs. o franco, do
banco.
CamMo sobre Uambargo a 3 d|v. 457 rs. por
R. M., do banco.
Cambio sobra Lisboa a 3 div. 107 0[0 de pre-
mio.
Gambio sobre o Rio do Janeiro a 8 div. ao par,
sabbado e hoje.
Deseontode letras 11 OiO ao anno, sabbado.
6. de Vasconcettos
Presidente.
A P. de Lemos,
Secretario.
ALFANDEUA.
Aeacimemo do dia 2 a 21. .
Idem do dia 23......
640:606 688
22:187*308
662:793^996
Descarregam hoja 2i de novembro de 1874.
Patacho inglez -Georgina -kerosene para o trapi-
che Conceicao, para despachar.
Lugar portuguezCidVu/-farello ja despachado
para o caes do Apollo.
Brigue purtuguez Rio Vouga lagedo para o
trapiche Conceicao, para despachar.
Lagre inglez Ethel bacalhao ja despachado
para o trapicbe Conceicao.
Brigue allemaoVoltigeur farinha jadespachada
para o caes do Apollo.
Hiate nacional -O/inia-generos nacionaes para o
2 ponto.
ImporiacSo.
Hiata nacional Olinda, entrado do Assii em 21
do corrente e consignado a Juao Jose da Cunha
Lage, m Algodao 31 saceas a Antonio Maria da Silva, 7
a Moreira Reis & C.
Machina de costura 1 a F. Pereira da Silva.
Palha de carnaiiba 650 molhos a Jo.-e Gone alves
Pimenta, 200 a Antonio Maria da Silva.
Sal 650 alqueires ao consignatario.
Escuna ingleza Gamer foil, entrada na mesma
data e con-iganada a Saunders Brothers & C, ma-
nifesteu :
Bacalhao 2380 barricas aos consignaUrios.
Barea franceza S. Louis, entrada de Cardiff em
22 do corrente, e eonsignada a E. A. Burle, & C,
manlfestou :
Carvao de pedra 625 toneladas aos consignata-
rios.
Lngre inglez Ellie D, entrado de Canada na
mesma d; ta e consignado a Saonders Brothers &
C, raanifestou : ""m
'Carvao de pedra 664 toneladas aos consignata-
rios.
BfiSPACBOa DE EXPORTACAC* NO DIA 21 Dk
OUTUBRO IMS 1874.
Para os portos do exterior.
Na barca ingleza Fannie, para Liverpool,
nrregoa : H. ti Labille I09.jaecas com 9,737 ki
GONSULADO liiGViNCIAL
.scdimento do dia 2 a 21.
dern do 'iia 23
RECIFE DRAINAGE
Rendimento do dia 2 a 21. .
Idem do dia 23......
87:967*258
4:132*836
92:1C0J091
34:927*416
696*414
Mritimo t coatra-l'ogo
OOiMPiNHlA
Pbenix P^nambucana.
RUA PO COMjUERCID N. 34.
Seguro conlra-fogo
fHE LIVERPOOL A LONDON d GLO
INSURANCE COMPAKY
Ageniesi
SAUNDERS BROTHERS d C.
11Corpo Santo11
Companhia Indemnisadora
do Porto.
CAPITAL 2*000:001>#000.
Thomaz de Aquino Fonceca & C., successores
a'gentes.
Esta companhia toma seguros maritimos e ter-
restres, dando nestes o septimo anno gratis aos se-
gurados.
Bua do Vigario n. 19.
COMPANHIA ALLIANQA
ieguros maritimos e terres
tres estabeiecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 18 70
CAPITAL 4,000:000^000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
itco mnritimo em navio de vela e vaporei
jara dentro e fora do imperio, assim com'
;ontra fogo sobre predios, generos o fa
-ondas.
Agente : Joaquim Jose Gongalves Beltrio
ua do Commercio n. 5, 1 andar.
Kevisla cosuuaorcial
Da sernnna de 16 a 21 de novembro de
1874.
Cambio sobre Londres, 90 d(v 26 % d. 26 9/l6
d. 26 7/16 26 1/2 d. 26 /s d- pr 1*000.
Dito sobre Jito, 90 div 2b' .' d. por UOOO.
banco.
Dito sobre Liverpool, 90 d[v :6 5/s d. por 1:000,
banco.
Dito sobro Paris 90 d|v 360 a 362 reis o
Dito sobre dit >, 90 d|v 365 reis o franco, banco.
. Iiiij^ohre e-Piir*^ 3 in- 106 por cento de pre-
mio,
Dito sobre o Rio de Janeiro, 8 d|v ao par.
Dito sobre o dito, 8 div ;{ por cento de des-
eonto.
Dito sobre o dito, 15 div tf por cento de des-
eonto.
Dito sobre dito, 15 djv / por cento de des-
eonto.
Deseonto de lettras, 10, 11 e 12 por cento ao
anno.
Algodao da Parahyba, la sorte, 7*200 por 15
kilos, po-to a bordo, frete 3/i e Por cento.
Dito de Mossoro, 1" sorte, 7#200 por 15
ki!cs.
voe. Sem Atoftfa-,. aanwps-
alfroba- -.Ann.
Eaaetto.- wgara48W saceoe, vearfaS#00O
Fuibo em rot s^- Cbegaram M, vanda 12*080.
Dito em caixas. Cbegaram, 101, vendas de
12*000 a 13/600.
Dito em latas. Cbegaram 130, vendas de 12*
13*600.
Genebra de laranja. Sem ebegada, eotamos
a 7*000 a duzia.
Dita eonjmum. Sem ebegada, eotamos a 4*
a duzia.
Dita de Hollanda. Sem chegada, eotamos a
8*000 a duiia.
Dita em botljas. Sem ehegada, eotamos a 380
reis por botija.
Dita lanterna magica. Sem ehegada, ceumos
a 4*500 a duzia.
Dita vida eterna. Sem chegada, eotamos
a 5*400 a duzia.
Kerosene. Cbegaram 5,500 caixas, venda a
4*300 a Jala.
Louca ordiaaria Sem chegada, venda 410
por cento.
Dita fina. Sem chegada, nominal 300.
JMilho. Sem chegada, venda a 75 reis o kilo.
Massas. Cbegaram 6 caixas, eotamos a 8*
a caixa.
Manteiga ingleza em latas. Sem chegada, co-
tamos das latas amarellas a 2*396 o kilo, e das
rxas eotamos a 2*287 o kilo.
Dita ingleza em barns.Sem chegada, eotamos
a 2*178 o kilo. ...
DHa franceza. Sem ehegada, eotamos a ijplz
e 1*655 o kilo. 1 Pimenta.- Sem chegada, eotamos a 1*045 o
Passas. Sem chegada, eotamos a 7*000 a
caixa-
Papel de embrulho.- Cbegaram 5 caixas e 11
fardo?, eotamos a 1*000 a resma.
.Phaapjjoros. Sem chegada, cotamts a 2*800
a groza.
Queijos flamengos. Sem chegada, retalho de
3*500 a 2*700 o queiio.
Dito prato. Sem cnegada, retalho de 1*370 a
1*524 o kilo. ^
Sal. Chegaram 500 alqusires, venda 1*200 o
alqueire.
Sabao inglez ordinario. Sem chegada, eota-
mos a 280 reis o kilo.
Dito da terra. Vendas de 400 a 440 reis o
kilo.
Sardinhas. Sem chegada.
Dita de Nantes. Sem chegada, eotamos a
265 reis o quarto. .'..
Toucinho. Sem chegada, eotamos a 13*0)
per 15 kiios.
Velas stearinas. Chegaram 100 caixas,
mos a 520 reis o maep.
Vinagre. Chegaram 18 pipas e 60 quintos,
eotamos de 125*000 a 135*000.
Vinho tinto da Figueira. Sem chegada,
tamos de 205*000 a 225*000.
Dito de Li3boa Sem chegada, eotamos de
200*000 a 205*000.
Dito franeez. Sem chegada.
Dito braneo franeez. Sem chegada.
Dito braneo de Lisboa. Sera chegada, eotamos
de 220*000 a 240*000.
Dito braneo hespauhol.- Chegaram 80 pipas, fa
meias pipas, 455 quintos e 290 decimos, Marts-
tani. Ainda por vender.
Dito do Porto. Sem chegada, eotamos a 10*
a caixa.
K0.0CO
Woo
r
*
ft
cota
co
caaa. twaa^awepdj
N. 08. JoaqaMcn Pare
umacas*frrai
N. 70. 0 mesmo, nil
rendada por
N. 1. Fraaaiieo Manael da 9^m *
vitas, um sobrado de dou* aa*n
e dnas lojas arrendada por
N 9. Domingos Jose da Silva NJei-
ra, uma catt terrea arresdada 9T
N. 11. Jose Lucio do Carmo, uma ca-
sa terrea arrendada por
N, 17. Luiia Alves de Souza, oma ca-
sa terrea arrendada por
N. 19. Frnctuoso Maruns Gomaa, nma
casa terrea arrendada por
N. 25. Manoel Tavares de Aquino, uma
casa terrea arrendada por
N. 29. Manoel Jose Guedes de Maga-
lhaes, nma casa terrea arrendada
nor
N. 47. Manoel Joaquim Fernandes
Valenca, uma casa terrea arrenda-
da por .,
N. 53. Manoel Jose Guedes da Maga-
lhaes, uma casa terrea arrendada
por
N. 63. Marcelino Jose Lopes, um por-
tao que da entrada para uma olaiia
e nma mei'agua, avaliado tudo por
N. 71. Praaedes Gomes de Souza Pi-
tanga, uma casa terrea arrendada
por
N. 73. Antonio Fernandes Lima, nma
casa terrea arrendada por
S. 77. Filhos de Domingos Fernandes
Vianna, uma casa assobradada dc
nm an tar e loja, arrendada por
N. 79. Irmai>dade do Senh'>r Bom Je-
sus da Via-Si'-ra, uma casa terrea
arrendada p^r
N. 85. Carlos Antonio do Araujo, nma
casa terrea arrendada nor
N. 87. Rosa Cirulina de V. Santos Ra-
mos, uma ca^ terrea ai rendada por
N. 91. Herdeirosdo Maria Joaqainada
Annunciaran, uma casa terrea ar-
rendada pi r
N. 99. Maria Pk^fcia de Snza Pin-
to, uma ca^iW^a ^rtendada por
N. 105. Ualbiuo fiburcio do Rego e
Maria Risaid.i de Souza llego, uma
casa terrea arrendada por
N. 109. Viuva c her Jeiros de Francis-
co Jose de ArriiJa, uma cai terrea
arrendada por
N. 123. Anna Candida da Sa Leitio,
uma casa terrea arrendada per
N. 1?3. Joaquim Pereira de Carvalho,
uma casa terrea arrendada por
N. 139. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por
N. 143. Francisco Rodr.gues da Lruz,
uma casa terrea arrendada por
N. tiO. Paulo Jose G.mes, uma casa
terrea occupada pe'.o mesmo, ava-
liada por ,
Pombal.
N. 3 A. Dr. Luiz E. Vianna, uma casa
terrea dividida em 8, arrendada pur
N. 7. Desembargador Firmino Anto-
nio de Souza, um portao que da cn-
t ala para 6 casas terreas: a t* ar-
rendada por 144*, a 21 por 240,, a
3* por 300*, a 4" por 114*, a u'por
96* e a 6' por 108*. tudo por
Prime ra seccio do consuUdo provincial, 18 d*
novembro de 1874,
0 cbefe.
EAuardo A. de Oliveira._____
2*0,000
120,000
344.000
316,000
420,000
30,000
:100,000
2*0,000
300,000
J84.0GO
240,000
300,000
192.000
240,000
800,000
1:152,000
930,000
35:623*840
AGENCIAS PROVINCIAES
Liquidos espirituesos.
Aendimento de 2 a 20 3.762*845
idem do dia 21 701*068
Aendimento de 2
Idem do dia 21
Bacalhao, etc.
a 20 4:005*988
562*100
Generos
ftendimenlo de 2 a 20
Idem do dia 21
de estiva.
3-905*326
107*804
Farinha de trigo, etc.
?.endimento de 2 a 20 4:793*712
4:463*913
4:568*088
4:013*130
Idem do dia 21
ilendimento de '
idem do dia 21
rtendimento de 2
idem do dia 21
947*360
-------------5:743*072
Fumo, etc.
a 20 2:045*889
418*180
Vinagre, etc.
a 20 1:213*428
363*580
1:46**069
1:581*008
22:833*280
Thesouro provincial de Pernambuco, 23
de novembro de 1874.
0 escrivao,
J. C. M. da Silva Santos.
anco Commercial de Braga
Jorge Tasso.
Navios entrados no dia 22.
Canada-32 dias, lugre inglez Ellie, de 38 tone-
ladas, capitao 1. S. Gorvie, equipagem lO.carga
carvao; a Saunders Brothers & C.
Bahiaee--cala-7 dias, vapor nacional S. Salvador,
de 298 toneladas, commandante Antonio de sou-
za Beltrao, equipagem 24, carga vanos gene
ros ; a A. L. de 0. Azevedo & C.
Rio de Janeiro-28 dias, patacho hollandez .tuna
Wari'o, de 145 toneladas, capitao D. B. Aden,
equigagem 6, em lastro ; a Tbeodr.ro Siinoes.
Cardiff59 dias, barca franceza S. Louis, de 108
toneladas, capitao Emile Michel, equipagem lo,
carga carvao ; a E. A. Burls & C.
Observac&o.
Nao houve sahida.
JVai'ioa sahidos no dia 23.
Maceid Vapor nzcioaA Jaguaribe, commandante
Neves, era lastro,
Obscrvagao.
Nao houve entrada.
0 Dr. Augusto Egydio de CasIM Jesus, juiz d or-
phaos c a'isentes do termo de Serinhaam da to-
marcado Rio Formon*, provincia d; Peroambu
co, p:rS. M. imperial e cuii-tituciraal oSr. D.
Pcdru II, a quem Jtus guards, etc.
Faco saber aos que o presenle ei'.Ul vmm, qua
por e'ste jmzo foram arrecadado?, e posk* n aJ-
ministracao os bens deixados por Josa Nicwaa.
Bezerra, que era natural do term.* do ilarreiros,
e que falleceu sem herdeiros presenter, p;lo qe *
convida aos herdeiros succes?ores do dito Onado, a
todos ?quelles que tenhara direito a ditos bens a
virem 'aabilitar-se no prazo de 30 dias e requerer
o que for a bem do seu direito.
E para que chegue a n ticia a todos, se passou y
presente, que sera alBxado n j lugar Ou eostume a
publicado as tres vexes nos jornaes 4* e*pHt.
Dado a passado nesU villa de Serintoem, sob o
meu signal c sello, .)ue 6 oa v\h tarn sello ex-
causa, aos 18 de noven.bro de 187i.
Eu Joao Pessoa da Gama, e-:nvao o ^crevi.
Avuuslo Egydio de Castro Jetus.
Marji-1
Dito de Macau, 7*300 por 15 kilos.
Dito do Uaraanguape, sem raspeccao, 6*4C0 por
15 kilos.
Dito do Penedo, sem inspeccao, 6*400 por 15
kilos.
Dito do sertao, l sorte, 7*200, por 13 kilos.
Entarara 3,601 saceas por terra e mar.
Assucar bruto, escolhido, 1*830, 1*800 por 13
kilos.
Dito bruto, regular, 1*800, 1*730 por 15 kilos.
Esta semaoa eiilraram 41.515 saccos por terra
mar.
Frete pan o Canal 32/r> 53 sens, 3 por cento
para assucar.
Dito de dilo para Liverpool 42'6 e 5 por cento
para assucar.
Dito, para Liverpool, 9/w, e 5 por cento, al-
godao.
Dito para o Rio Grande do Sul, 260 reis por 15
kilos, em barricas. /
Dito para o dito dito, 240 ttis por 15 kilos,
sacco.
Dito para o Porto Alegre, 340 reis por 13 kilos,
barricas.
Dito para o dito iit.>, 320 reis per 15 kilos,
sacco.
Aguardenle. Colamos a 70*000 a pi pa.
Arroz. Sem chegada, cotames a 2*500 por
15 kilos.
Azeite doce em caixas. Sem chegada, eotamos
a 10*000 a duzia.
Dito dito em barri3. Sem chegada, colamos
a 2*700 o galao.
Alpiste Sem chegada, eotamos a 6*200 por
13 kilos.
Banha.- Chegaram 50 baTris. eotamos de 914 a
958 reis o kilo.
Breu. Chegaram 91 barricis, vendas 12*500
a barrica.
Batatas.- Sem chegada, eotamos a 3*200 a
caixa de 2 arrobas, 1*300 a 1/400 a giga.
Bolacbinhas. Sem chegada, eotamos a 4*000
a barrica.
Bacalhao. Cbegaram 8,323 barricas. Deposito
37Rua do Amorim37 "gbarricas' ***IWTO0 a 17*500a
Saca qualquer quantia a prazo ou a vista so
bre este Banco ou ?uas respectivas agendas, nas
leguiotes cidadas e villas da Portugal, Unas adja-
eentes e Hespanha a saber:
Portugal
U Vr.
I ..- I*'--.,.^! r,-i
JU.Z
Araarante.
Anadia.
Arcos.
Aveiro.
Agueda.
Arco de Baulbe em ca-
beceiras de Bastos.
Barea.
Barceilos.
Beja.
Braganca.
Chaves.
Coimbra.
Coura.
Covilha.
Castello Braneo.
Caminha.
Elvas
Estremoz.
Evora.
Esposende.
Famalicao.
Faro.
Figueira.
'homar.
Tavira.
Torres Novas.
Valenca.
Vianna.
Guarda.
Guimaraes.
Gouveia.
Lagos.
Lamego.
Lisboa.
Louie.
Melgaco.
Mirandella.
MonQao.
Mealhada.
Monte-mor o velho.
Oliveira de Aremeis.
Ovar.
Penafiel.
Pinhel.
Ponte de Lima.
Portimao.
Porto.
Povoa do Varzim.
Port'Alegre.
Povoa de Lanhoso
Recta.
Silves.
. Santo Thyrso.
Villa Real.
Vinhaes.
Vizeu.
Villa da Feira.
Villa Poucade Ac.:.\.-
barrica, e retalha-se a 18*000 e 19*000.
Came.- Chegaram 173,833 kilos. Em deposito
66,000 arrobas, Rio Gsande, retalho de 5*500
6*400.
Conros seccos salgados.cSem chegada, vendas
de 555 e 566 r&s o.Jkilo.
Cimento. Sem chegada, cctamos, 9*000 a bar-
rica.
Cebolas. Chegaram 30 caixas e 20 molhos,
colamos a 9*000 a caixa.
Cha. Sem chegada, vendas do verde a 3*48o,
de 3J594 e 4*356 o kilo.
Cafe.- Sem chegada, vend33 de 7*6C0 a 8*000
liquido, por 13 kilos.
Canela. 5em chegada, cctamos a U655 o
Cerveja Bass. Sem chegada, eotamos a 6*300
as inteiras e .7*500 as meias.
DitaNoruega. Sem ehegada, eotamos a 5*000
as inteiras e 6*000 as meias.
Ditatenente. Sem chegada, eotamos a 3*500
as. inteiras e 4*300 as meias.
Cognac- Sem cUfgada, cctamos de 9*000 a
22*000 a duiia. ,
Carvao de pedra. Chegaram 978 toneladas,
eotamos a:*2*000 a tonelada.
Farinha do trigo. Chegaram 3,706 barricas.
Deposito 21,122-barricas, eretalha-se aos pregos
seguintes:
'tflMgria ae 30*000 a 3l*00r
Trieste de 27*000 a a9*0C0.
Americana de 18*000.4,11*000.
Farmha de mandioea.- Sem ebegada. Deposi-
to 3,000 saecos, retalho a 3*000 o alqueire.
Dita de milho. Cotamos de 4*100 a 4*aOO a
caixa.
Consulad provincial.
Para sciencia dos contribuintes do impo3to da
decima urbana e os effeilos legaes, em seguida pu-
blican) se as alleracoas verificada3 no langameuto
do mesmo imposto no corrente anno linanceiro de
1874 a 1875, licando aberto o prazo de 30 dias,
nos termes do art. 38 do regulamento de 6 de
abril do corrente anno, as reclaraa^oes que por
ventura pos3am tsr a fazer os interessado-.
Alteragoes verificadas no lan;amento da decima
urbana da freguezia da Boa-VUta, no exercicio
de 1874 a 1875, pelo lanr;ador Joio Pedro de Je-
sus da Malta.
Rua do Paysandii.
.>. 1 B. Antonio Goncalve3 de Azeve-
do, uma casa terrea com. sotao ar-
rendada por 1:500,000
N. 1 C. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por 1:000,000
N. 1 D. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por 1:000,000
N. 1 E. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
renlada por 1:000,000
N. 1 F. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por 1:000,000
N. I G. 0 mesmo, uraa casa terrea ar-
rendada por 1:000,000
N. 1 H. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por 1.-000,000
N. 3. Maria Candida de Oliveira, uma
casa terrea arrendada por 500,000
N. 9. Manoel Antonio da Silva Rios,
uma casa terrea arrendada por 360,000
N. 11. 0 mesmo, nma casa terrea^r- ^.
rendada por 360,000
N. 15. Ann.. Bernardina da Silva Rios, OAnAfl
uraa casa t^xea arrendada por 480,000
N. 19. ManoeldTSilva Moreira, uma
casa terrea arrendada por 300,000
N. 33 A. Francisco Amanio da Silva
Bios, Manoel Vicente da Silva Rios
e Manoel Antonio da Silva Bios, uma
casa terrea arrendada por 420,000
S. 33 B. Anna Bernardina da Silva
Bios, uma casa terrea arrendada por 420,000
Cajueiro.
N. 8. Francisco Jose da Costa Araujo,
um sobrado de um andar e loja, e
oma casa terrea ao lado occupada a,nAnn
pelo mesmo, avaliados por l:s\A,uuu
Hua VeUia da Passagem.
N. 5 A. Joao Lo'ltet, uma casa terera,
mei'agua dividida em duas, arren- ,an(Vm
dajo tudo por 120,000
Camboa da Passagem.
N. 7. Domingos Nunes Ferreira, uma ...^L
casa terrea arrendada por 144,ooo
N. 9. 0 mesmo, uma casa terrea ar- ian rendada por 120,000
Rua do Visconde do Goyanna.
N. 4. Joao Baptista Andr6 Mandaira,
uma casa terrea arrendada por iu,uw
N. 6. Dr. Ceciliano dos Santos Ramos,
uma casa terrea arrendada per ,uuu
N. 8. Maria da Coneeicjio DouraJo,
uma casa terrea arrendada por 4zu,uw
N. 14. Antonio Diogo da Silva, uma
casa terrea arrendada por u,w
N. 16. 0 mesmo, uma casa terrea ar
rendada por tl6fA>o
N. 18. Antonio Ferreira Alves, uma -..
easa terrea avaliada por duo/n.
N. 20. 0 mesmo, uma casa tenea ar-
rendada por av'.uuu
N. 34. Joaquim Lopes Machado, uma .
casa terrea arrendada por dlt>,uuu
N 36. Jose Ignacio Xavier, uraa casa .-_
terrea avaliada por zoo.uoo
N. .42. Jose Lopes Alheiros, uma casa
terrea arrendada por ooo,ou)
N. 46. Martinho Avelino de Albuquer-
que e oulrp, uma casa tenea para
pajar decima no 2 semetre, ava-
liada em 600,000
N. 48. Alfredo Alves da Silva Freire, ^p^
uma casa terrea arrendada ppr jw,ww
N. 60. Aptonio Francisco dos Santos,
uma asa terrea arrendada por
?CTt. "Francisco Ignacto-Pinto,
I'luU-. irpj
substitutodo juizo especial do ccmnBrci'>
nesta cidade do Rtcife do Pernambuco,
por Sua Magestade Imperial e Constita-
cional o Sr. D. TeJro 11, aqu-:.n Deos
gu;irde elc.
Fa^o saber aos que o presenle edit I vi-
rem, que no dia 10 de dczembro do ccriente an-
no, se ha de arremaiar por venJa a iiacm raai-
offerecer em pra;a publica dj.-ta juizo, d. pois d^
re^pectiva audiencia, a armacao da I- a de ch-
peus a rua do Baraj da Vict-jria n. .'">. enverc-
cada e envidracada, cum balcio e m.tradore.'.
por 600*000. 1 espelhc Jo parede, dj m..'.
preta. por 3*. 25 chapelinas enfeitada; para a.e-
ain::s a 2*3u0. iO chapeos de pt-llo preto a ."*.
Peiihorados per excencao de Monteiro jieg-jri 4
C, contra Joaquim Ferreira da Costa.
E nao haveudo lancador quo cubra n prcr> di
avaliagao,, a arremaU,cai sera ft.la ptlo pre*; ua
adjudicacao,'na forma iia lei.
L para que ch-guc ao coobeciiMarto de
todos, maudei faz'fr o presente edital, qua
sera aflixado nos-lugnresdjcoatuin", e publi-
cado pelos jornaes.
Dado e passado nesta cidade do Kecift
de Ptrnambucrt, aos 20 dias do naez de no-
vembro de 1874.
Eu, Munoel HafM llodr:gues do Roi -
mento, escrivao, o subscrevi.
Recife, 20 dc nuvembro de 18" i.
Lais Ferreiia Maciel PiuLaro.
Edital n. 68
Pela inspectoria da alf^ndegi se fat JuWieo qu
as 11 haras da manha do dia 23 Jo rorreat*, r,
Sorta de3ta reparlicJ', se ha de arremttar Im
ireitos e su.eila ao ini^ojto da capnazia,
lamina de vidro com .',50 para espelho. qotL:.
no valor de 5000, que fazia parte do :onieuJ
despacho n. 943, de 7 de outubro proximo pa?- -.-
do, e que 'oi abandonada pur Cosu htnio A *
na occasiao de dar sahida ao me.mo despacho.
Alfaud. ga do Tern .mbuco, 2:1 dc nov
bro do 1874.
Scrvin lode inspectsr,
PeJro Lopes Rodrigues.
I
~
.
k
DECLABACflEI.
i
IiiStUulo Arebeologicp e fcfp.:
phico PcToainhncaiio.
c
irs^Jfck^_"
Haveri sessao ordinaria quin:a-feira,
do corrente novembro, pclas 11 horssi .i M
ORCEM DO DU
1 Discussio (*o balanceto aprs,
pelo Sr. thesoureiro,trimeslro de
selembro de 1874.
2.* Pareceres e mais trablb:s de com-
missoes.
3. Palestra litteraria.
Secrdaria do InsUtuto,23 de novembro o>
1874.
J. Soares n Ajeveo,
Socrntario prpetuo.
CO.NSULADO P(10IRCtAL,
Ne*ta reparticao arrecada se Bovai
te 0 corrente mez as imp^rtanc a a
encanameht ,s, diflerencas e 111M ,
cempanhia Ueeife Drainaie, no trtastre j
a dczembro de 1872, pelos pronto sMoa as r.
do Marquez do Hem! e Padre Nolmga, i^to
conformidade com a portaria da Sr jofpedev
thesouro provincial e as novas relaflu etn i*t--
tituicao as primeiras.
Consulado provincial de Penur**---* t"
dc novemmbro de 1874.
0 adminislrailor,
Antonio C. Hadiatk



P^B**
r.-ijv-
^""'r*iBP5i!!

Siario de Pernambuou Teiqk feira 24 do Novembio de 18T4^
X
/
'
?

/
I'
COMPANHIA
DO
pWMtoprincliiio a sabstitaicao dasaous de
50* e de 2} da quart* estampa.
Thaeeuraria de (aienda de Pernamboea, 11 de
novembro de 1874.
Jucundiano Rodrigues de Oliveira,
Secretano da junta.
COHSULADO PROVINCIAL
De conformidade com a portaria do St..inspec-
tor do thesouro provincial se declara aos contri-
butes que deixaram de realitar o pagamento de
eus debitos devidos a companhiaRecife 'Draina-
ge-no semettre fiejdo em junho de 1873, pelos
apparelboe, d-fferenca dos mesmos, encanamentos
e aoeaidades, qae o podem faier, visto^ehar-se
prorogado o Tecebimenlo ate o flm do corrente
mez.
BEBERIBE.
0 Sr. corbeniano de Aquino Fonseca,
xa da companbia do Beberibe, acba-
, autorisado a pagar do sou escripto-
ima do Vigario Teoorio n. 19, das 10
as is 3 da tarde, o 53 dividendo desta
jpaahia Undo en 31 de oatubro do
rreute anoo, na proporcie de 3&000 por
0 administrador,
Escriptorio da companbia do Beberibe,
t de novembro de 1974.
0 secretario,
iiuiz Manoel Rodrigues Valenca.
'. caraara nannicipal do Kecife fat constar a
Antonio C. Machado Bio*.
l.NSPECCAO DO ARSENAL DE
MA1UNHA.
qae em data de 18 do corrente
vapor lpojuca, da compa-
Faz-se pablico
mez foi vistoriado o
jaMH rounicipes qae em consequencia daj nh.a pernambacana de navesicao'cosleira, e a
!^.&hm^Jlr&*j^\^ J^u-o em estadode poder continuar
.redo Correia de Oliveira, ministro do imperio,
resolveu em st-ssao de 11 do corrente, qae se de-
nominePraca do Conselheiro Joao Alfredoo
largo da Magd?lena, no 2 di-tricto da freguazia dos
afogados,
Pacp da caraara municipal de Recife, tl de no-
vembro de 1874.
Jeronymo de Souza Leao,
pro-presidenle.
Franisco Augusto da Costa,
Secretario.
Companhia Fidelida e
Seguros maritimos e terrestres
A agenda desta companbia loma spguros man-
times e terrestres, a premios razoaveis, dando nos
uWimosoaole livre, e o setimo anno grataitj ao
segurado.
. Feliciano Jose Gomes,
_________________ Ag&nte.____________
Thomaz it Aqnioor'Voneeca k C.
Successors
saecam por todoa as vapores, sobre as seguintei
pfcas:
L8boa. Regoa.
P"rto. Cbaves.
Braga. Villa-Flor.
Vianna. Mirandella.
Visen. Alijo.
Guarda. Favaios.
Coirabra. Braganca.
Guimaraes Lamego.
Rio da Janeiro.
Na raa do Vigario n. 19.
0 lllm. Sr. inspector do tbesouro provincial
manda fazer publico, qae ora cumprimento da or-
dem do Exm. Sr. preaidente da provincia, de 14
do andante mez, tern de ser contratado perante a
janta do me9mo thesouro, no dia 26 do corrente,
o lornecitnento dos moveis precisos para as escolas
do sexo masculino, do Carupo Grande, estrada no-
va de Beberibe, Coelhos, Campo Verde, N. S. do 0'
de Marangnape ; e do feminino, cadein. d9 N.
S. da Graca, na Capauga, como se ve da tabella
abaixo mencionada.
As pessoas que quizerem contratar o referido
fornecimento, coropartgara na sala das essoels
oda referida junta, no dia acima indicado, pe a
meio dia.
Secretaria do tbessuro provincial, 19 de novem-
bro de 1874. 0 secretario,
Miguel Affonso Ferreira.
TABELLA
6 qaadros com a etllgie do Senhor Cruciiieado
com 0,m66 de altun e 0,m4i de largura, urn 10*.
6 mesas de amarello com I,mil de comprimen-
to, 0,m65 de largura e 0,m75 de altura, com pes
torneados e duas gavetas, uma 22*.
6 cadeiras de bracos, de amarello, uma 16*
12 cadeiras siogelas, uma 8t.
6 estrados de louro com l.m'iO de comprimento
J,roiO de la gura eOrala de aitura, am 90S.
18clas=esou me sues de amarello com 2,m6i de
comprimento,0,m4i de largura, 0,ra"2 de altura
na /rente e O.roTG Ja Jado oppnsto, com des tor-
neados, contencto 4 tiateiros e 3 traslndos em oua-
dros, um 34?.
bancos fle amarello (assento de pall.inba)
com 2,m6i de comprimento, 0,m25 do largura e
u,mw de aitura, com pes torne;,do?, urn 23a
6 pedras para calculos com l,mO de comprimeu-
Ifl, fi 1,11)2 ilo J;irgi.ra, am~ie-r---------------------
no eervigo em^jue se emprega,
lnspeccdo do arsenal de marinha de Pernamba-
eo, 21 de novembro de 1874.
Francisco Jose Coelno Netto,
Inspector.
Rio de Janeiro,
rtgrue Paulo.
Sahira com brevidade : para carga trate-se na
raa do Vigario-^. 7.
Costa d'Africa
Segue da Rabia em 30 deste mez, pora o porto
de Onnim, na- Costa d'Africa, a barca portagueza
Joupki*a, teado bons eommodos para passageirot.
Libra.s esterlinas,
Vendena Augusto F, d'Oli-
veira & C.
Rue do Commercir* o. 41.
LEILOES.
LEIL40
Santo Antonio
do corrente
em beneficio do vio-
Doraing-ues
Sexta-fefra 99
Espectaculo eoncerto
lonisla Francelino
de Moora Pessoa.
Alem de outras pecas, execntara a grande
phantasia e varia^Ses sobre o N'crraa em uma
so corda do vioiino.
AVISOS MARiTiMOS.
COMPANHIA Bit4SILEIR\
DE
\AVEGACAOAVAPOR
PortoH do none
DE
divides oa .iaiportancia de 7:0ljf502, mas-
sa fallida de Bernardino Piato Coelbo
HJE
gO agente Martins, levara a leilao pela segunda
vex, por mandado do lllm. Sr. Dr. jnix especial do
commercio, aa dividas activas da massa fallida de
Bernardino Pinto Coelbo.
No arraazem da rna do Iraperador n. 48.
A'* It ho as do dia acima.
LEILAO
Cominandanle Guilherme Wa-
dfnojton.
E' esperado dos portos
do snl ate o dia 27 do
corrente e segnira para
oa do norte depois da de-
mora do costume.
18 cabidi's de amarello com 10 tornos, ura o^.
6 regoas de jacaranda, uma 300 rs,
6 eserivaninha? de meUl, uma 5<.
6 tbearos singi Irs, um :0/..
Sjarras, uma 3jt.
6 coeos uu Mba de ferro, um 1 .
18 back's com tampas, um 2j.
6 cubos .le amarello, u:n 7?.
Conform?.
^________________M. A. Ferreira.
SANTA CASA DA MISEKIGOHDIA DO
RECIFE.
A HIma. junta administraiiva da Santa Can da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
na^salade suas s9ssoes,o dia 18 Je novembro,je-
Us 3 boras da tarde, tem do ser arrematadas s
qnem mais vantagen3 offerecer, pelo tempo do nrc
a Ina anuos, as rendas do3 predios em seguids
declarados.
ESTABELECJME.NTO DE CARIDADE.
Vidal de Negreiros.
Casa terrea d. 94.......3OU006
Rua larga do Rosario.
2.' andare loja n 24 .Weehada 310(5000
X'andar n. Siidem......408*000
CommandaiHe C. A. Gomel
E' esperado dos portos do norte
ate o dia 28 do corrente e se-
guira para os do so), depois
da deaiora do costume.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio
7RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C
_________Agentes.
Companhia do taavegacAo a va-
por bahiana, limitada
Espera-se da Babia por
Aracaju', Penedo e Ma-
ceio, o vapor S. Salvador,
ate o dia 23, o qual segui-
ra para os portos acima
no dia seguinte ao de sua
ehegada.
Rccebe-se carga. encommendas nassageiros e di-
aheiro a frete.
Agente
Antonio Luiz do Oliveira Azcvedo.
37 Rua do Bom Jesus57
DE
dividas na importancia \de 3:3511280,
massa fallida de Jos6 Narcizo da Silva
flora
0 ageate Martins, levara novamenta a leilao, por
mandado do lllm. Sr. Dr. Juiz especial do commer-
cio, as dividas activas da massa fallida de Jos6
Narcizo da Silva.
\'o armazcni da rna do Inipe-
rador n. 48
A's 11 horas do dia acima
0 agente Dias, levara pela terceira Tea a leillo,
por despacbo do lllm. Sr. Dr. Jala especial do com-
mercio, no dia a bora acima indicados, os bens e
dividas pertencentes i massa fallida de Rostroa
Rook 4 C., os qnaes sao es seguintes :
Os oireitos qae teem os referidos fallidos no do-
minio e posse na metade dos terrenos de marioha,
itos no Caes do Ramos, e aforados perpetaamente
ao conselheiro Felippe Lopes Netto, terrenos ava-
liados todos em 56:6249600.
0 direilo qae teem n'ama casa e sitio no largo
da igreja da Torre, teodo a frente para o norte
com 200 palmos, e o fundo para o sal com 800, fl-
cando entre o sitio do Sr. Gautier e a propriedade
da famiiia do Bario do Rio Formoso, avaltada por
E as dividas na importancia de 273:427g882.
O mandado em e qoal se acham descriptos oa
devedores eom as respeetlvai qaantias e daias dos
vencimentos dos litulos, e todos os mais esclare-
cimentos precisos, aeba-se em poder do agente, on-
de desde ja pode ser examinado pelos Srs. preten-
dentes.
AMA
Precisase de uma ama
para cozinhar, preferindo-se
escrava: a tratar a rua do
Capibaribe n. 40.
Manoel Jose Monleiro
Torres.
Keller & C., administra-
dores da massa fallida de
Manoel Jos6 M. Torres, pa-
gam aos credores da mesma
massa o primeiro dividendo
mobilias completas de jaca- a razao de 19 por cento.
randa e amarello, santua-
rios, mesas elasticas, 1 ri-
ca secretaria, espelhos com
molduras douradas, qua-
dros com finas gravuras,
camas francezas de jaca-Jj8BeT_!i,.JS^
'outras ; declara-se
Feira Semanal
Attencao.
Massa fallida de Bento da
Silva & C.
Constando ao arrematante das dividas da massa
fallida acima, qua alguem sem aatorisacao, e cn-
lte, recebea diversas dividas, dando
anti-datadas, e qne pretende receber
!!!
A MAO fiRMDE
Aponta pin o fifro
On a ratnra. .
Tempo ou oecaaiio
Bm que se devm .
Realisar. .
Alrans casameolo*
Para o one. .
Detde ja e Ja.. .
A eonfeitaria.. .
Do Campos.. ..
Sem rival. .. .
Esta se preparando
Para fornecer tudc que 6
Necescario. .
Aos noivos e aos convi dados
Isto 4 ...
Bou'inetes de novos ar.=t-s
Bandejas de uuvos gostus.
Tndo a capriebo
Dos proprietaries da. .
Cooreltarla do CaapM
24 Imperador U
E no intnite de merecer a preferencia, Mo : z
poupado despezas para apresentar
0 que ba de melhor e nanca vbto.
Precisase fallar com os srgsiiiM iwfcori ,
na'"a*,Pr,n,e,ro d8 ""C0 n. 16, primeiro anda .
Dr. Can-lido vieira da Canha, de Sergio*.
Tito Antonio da Canha, da Rahia.
Domiogos Olympio B. Cavalcinle. Sobral c
Ceara.
Manoel Pintaleio da Silra.
Eesapparecea no dia 12 do
extrahidas
objectos origina-
oaw, 4a ilh t
icira, um ooi manso/de
grande e gnrdo, de cOr castanho aUaceato. c
.- as patas furadas, no pescoco marcas 4a caaca
nos de taes contas, nao serao attendidos, recor- levanlo chccalho grande Sam correia o>T i
rendo-se assim aos tribunaes competentes. com flvela, -
Faz-se esta declaracao porque tendo algans
devedores pedido ao advogado da massa qne nao
mencionasse sens nomes em relacio qae tivesse
de ser publicada, depois: declararam
Ha
auern
depois;
pogo ; o que bem prova o
matante.
que
ja terem.
consta ao arre-
e am Btdaga de c rla dos cbifr---
toda probabilidade is :>r sido forUd
sonber noticia certa dfte animal, dirija
mesma ilha. qae ;eri. g>nrr-ameDtB ratiffra'
Casa
na Varzea.
LEILAO
DE
casas terreas
Travessa do Pdcinho n. 38, on raa do Bartholo-
meu, tendo nm quarteirao de casas ns. 1, 3, 4, 3,
6,7 e 8, as qaaes rendem 12*000 mensaes cada
uma, com as coramodidades seguintes : 1 sala e 2
quartos.
Na rua Vinte e Qaatro de Maio, autiga travessa
da Cadeia Nova, ns. 37 e 39, tendo cada uma 2
salas, 3 quartos, cozinha fora, quintaes murados,
cacimba e cambrone.
HOJE
as It 1| horas
No escriptorio da rua do Bom Jesus n. 53,
primeiro 8ndar.
0 agente Pinho Barges, autorisado, vendera as
referidas casas em leilao, por conla e risco de
^juem pertencer, e qualquer esclareciraento, com o
mesmo agente.
por 40*000 mensaes : a fallar na casa
tem terraco.
junto.
Precisa-se de duas amas, sendo ama par.
cozinhar e comprar e ontra par* eagoamar
I sat.r na roa da Concordia n. 43.
LEILAO
ParaJJsboa
2: andar n. 34 A idem .
Rua de Antonio Henriques.
Casa terrea n. 26......
251*000
99*000
120*000
Largo da Campina.
Idemn 11 (fenbada). iJem. .
Rua do Coronel Suasjuna
1* andar do hrado numero 94 386^0U0
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua do Commercio
Sobrado n. 30.......800*000
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. 400*000
Becco das hoi as.
Casa terrea n. 18.......421*00(
Rua da Lapa.
Casaterrean.il.......202*000
Rua do Amorim.
Sobrado de 2 andares d. 23 6056000
Casa terrea n. 3i...... 2*000
RuardoBugos.
Casa terrea n. 21.......153*000
Rua do Vigario.
V andar do sobrado n. 27fecbala 243*000
! andar do mesmo idm .... 140*000
Loja do mesmo fechada.....300*000
Rua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fechada). 1:400*000
Raa da Senzalla velha
Mem n. 16........209*000
Rua da Guia.
Casa terrea n. 23.....
Idem n. 29 ..... .
Raa da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada).
Idem n.14....... .
Raa de S. Jorge
Casa terrea n. 103......
\ Os preterdentes deverao apresentar
vai sahir eom muita brevidade o lugre porluguez
Julio, e rcceba carga e passageiros: trata-se com
os consignatarios Thomaz de Aquino Fonceca &C.
Sacces-nres, a ma do Vigario n. 19.
Ben! coHpanliia do paqoetcs In-
glezes a vapor.
No dia 26 do cor-
rente espera-se da Eu-
ropa o vapor inglez
Neva, commandante
Wert. o qual depois
da demora do costu-
me seguirapara Buenos-Ayres, tocandonos portos
da bahia, Rio de Janeiro e Montevideo.
No dia 28 do corrente espera-se dos portos do
iul o vapor inglez Dotiro, commandante Twaites,
i qual depois da demora do costume, seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
hisboa.
Para passagens, aretes, etc., trata-se na agenda
ua do Commercio n. 40.
A barci portugueza Gratidao, capitlo Borges
Pestana, vai sahir breve : trata-se com Silva Gui-
marae s& C, prara do Ccrpo Santo n. 6, 2 andar,
n com oo capitio._______
Companhia ulliauco niaririma
portnenaie
F.mpreza de navega^ao entre o Brasil e Pot
tugal
PARA 0 PORTO
Barca pcrtusiaeza Joven Adelaide, a sahir com a
maxima brevidade, recebe carga e passageiros :
tratar com os sem consignatarios Jose da Silva
Loyo i Filho.
DR
novels, Quo crystal, lonca e ob-
jectos da electro-plate
Sexta-feira 4 de dezembro
Seado :
Sala de visita
Um piano forte, uma mobilia de jacaranda, com
1 sofa, 2 consolos com pedra, 2 oadeirss d? bra-
cks e 12 d8 guarniQao, qaadros com finas gravu-
ras, laucos e cortinados, venezianas, 6 cadeiras de
balanco, 2 mesas de sofa, 2 ditas redondas, e estei-
ras forro das salas e quartos, 2 consolos de jaca-
randa ccm pedras.
SalaiCe Jattiav .
Uma mesa elastica, 1 guarda louga, I appara>)or
de armario, 2 ditos torneados, 1 guarda comida
de arame, 2 cadeiras de balanco, i relogio, 12
de guarnicao, i t3pete decOco, l liltro, 1 appare-
Iho de looga para jantar, 1 dlto para cha, 1 dito
para sobre mesa, 1 apparelho de electro-plate, 6
duzias de colheres, 3 duzias de facas cabos de mar-
0m, garfosde metal, 1 gallieleiro, copos, calices,
garrafas, campoteiras, bandejas, toalhas de mesa e
guardauapos do linhu, um relogio, e l cabide para
chap6os.
Quartos
Uma cama franceza, uma dita da bronze para
2 pessoas, 1 dita de ferro para solteiros, commodas,
mesas redondas, mesas com gavetas, guardas rou-
pa, espelhos, lavatorios, cabide3, cadeiras, e qua-
dros.
dJosiuha c dispensa
Mesas de pinho, ilandres, potes, trem de cosinha
e outros objectos.
A 1 HORA EM I'ONTO
Yenderse-ha lambera um rico guarda roupe
com espelho na porta do meio, 1 raagniflco toilet
e 1 bom lavatorio. c m tampo de. pedra, tudo de
mogno massifo e em optimo estalo de conserva-
cao.
Sexta-fcira -A de dezenibro
POR INl'ERVENCAO DO AGENTE PINTO
Na Passagens da Magdalena, casa junto a pon-
te grande, em quo moravam os empregados da ca-
a commercial de Phipps Brothers & C.".
As 10 horas e 15 minutos partira da estajao da
rua do Brum um tonds que conduzira graiis os
concorrentes do leilao.
0 leilao principiara as 10 e raeia horas.
anda eamarello, guardaloPSa:,dnt"Vcumqean1os!SSuT^SSift'**&*LvmM,
lou^as, pianos, commodas d09 ededaremos
e meias ditas, crystaes,
objectos deouro e prata,
relogios de algibeira de
ouro e prata, miudezas di-
versas, marquezoes largos
e estreitos, 2 espingardas
de 2 canos, guardas comi-
das, nguras de porcelana,
jarrospara flores, quarti-
nheiras, cabides, guarda
roupa, guarda vestido, um
lustre de gaz carbonico,
redomas de vidro, machi-
nas de costura, grande
quantidade de trastes avul-
sos, e immensos artigos do
uso domestico, que serao
vendidos a queima roupa,
por conta de diversos
CjUIiNTA-FEIRA 26 DO CORRENTE
A's 11 horas da manha
M
FEIRA SEiMANAL
16-Rua do Imperador10
aRMAZEM
umii'.r. n
E, por Unto, estando o arrematante atsi* .'-iLPgg*"!^**. P>*oj* fazer qualquer transacpao razoivel, declara aos --- J"a^- irni,M "m.^* rnde
referlflos devedores, qae o unico autorisado a isto
6 o coronel Decio de Aquino Fonceca.
Ao commercio.
Os abaixo assignadt s fazem publico, e com es-
pecialidade ao respeitavel corpo de commercio, qae u~.Alnga*'e a ,0J* do Drado n. J9 da rua i
ucsta data dissolveram amigavelmente a sociedade llna ao ^arvalho : a tratar na rua das Lara re
que tinham nataverna sita a rna estreita'do Rosario ras^n. 18, 1* andar.
n. 19, que gyrava sob a razao de Oliveira 4 Dias,
ficando o socio Dias com o activo e passivo da
mesma firma, e o socio Oliveira pago de seu ca-1
pital e lucros e desonerado de toda e qualquer
responsabilidade.
Recife, 19 de novembro de I87i,
Jos6 Alves Dias.
________________Domingos Jorge Oliveira.
0 abaixo assignado declara ao respeitavel
pablico, que ninguem faja negocio de qualidade
alguna com sua sogra o Sra. D. Maria Magdalena
Tellesde Vasconcellos, sobre a casa n. 19 do pa-
teo da Paz, nos Afogados.visto ella tr de dar canta
da parte qae coube em partilha a sua mnlher D.
Isabel da Costa Nogueira.
Recife, 21 de uovembro de 1871.
______Manoel do Nascimento Pacheco Medeiros.
Aos senhores
pintores.
Olco de linhaca a IS800
ogala.i
No armazem
de tintas da r:?
dor n. i-2.
do Impc.v
iNegrialia
Precisase alugar ama negrinha para carregar
oma crianca de 19 mezes : na rua do Cotovello
n. 129.
Declaracao.
EILAO
DE
34o palmos de terreno do titio a Aguasinha no
Porto da Madeira, em Beberibe. na estrada que
vai a cidads-TiB^rinasppd^rPohie^T^CsfiuiJ
quarteirSo de 1,010 palmos, em seguimento ao
terreno vendido a Antonio da Sonza Rego, sepa-
rados por uma estra'a.
SEXTA-FEIRA 27 LO CORRENTE
As 13 3|3 horas
Por interengao do agente Pinto
Em seu escriptorio, a ma do Bom Jesus n. 43.
LEILAO
Do sitio do Salgadlnho n. 5.
com boa casa de moradia.
SEXTA-FEIRA 27 DO CORRENTE
0 agente Pinto levara a leilao, a rei|uerimento de
D. Alexandrina Maria do Sacramennto Pereira, in-
ventariante dos bens deixados por seu marido, e
por despacho do lllm. Sr. Dr. juiz da l vara do ci-
vel, o sitio do -algadinbo n. 5, o do para pagamento dos credores, as 11 horas do
dia 27 do correnje, no escriptorio do referido
agente, na rua, de Bom Jesus n. 43.
Cuidadu
Precisa-so fallar ao Sr. Libanio Residio de Car- ?!!!!* I"- -
vnliv, u"'5f|n cim;'"'
jjuino rjue nOao ueve ignorar :
biea n. 7.
...... j, a
no largo da As-
NOVISSIHO
llill
Leilao
J-'fTan
Appari^ao e desapparijao de uma mpniua
de 14 anuos, que bebr, come e falla com
o espectador.
0 professor Gris d'Appreraont torn a honra de
parlieipar ao respeitavel publico desta cidade, que
sue essa verdadeira maravilha, que agradou ex-
traordinariairente dSo so nba, como na taalh, e outros paizes ondo tem
etado. As familias nao devem perder a occa'iao
de ver objecto tao curio^o.
RUA DA IMPKRATRIZ N. 1
Eotrada 1-000 por pessoa, c 500 rs. por
________________criauca.__________
t h xeiro
OITerece se um menino para caixeiro de taver-
na, com alguma pralica : a tratar na rua Direi-
ta n. 10, refinacao.
, Neves, R-mio & C. pelo preaaaNa declaram
rem perdido unsa letra de am SJU ue dauda de
de maio desta anno a 5 mezes de praao, aceila ; -
lo Sr. Manoel Jose Mendes Basic-, de Garaoh :: -
da quanlia de ft;04, enja letra loi perlida
viagem de Garanhuns para esta cidade, roga---
pois a qnem quer que a lenha achado o favr
SJ&uii
Moraes.
0 abaixo assig-Hla affwaat n te 'Jt flsjH
massa fallida da J,a> II..i:i. deSawa, pal
Sr. Justino Pereira da Mora=. m rador na Ir.
calada, o favor de vir a rm u;r^itt n 21 alti
sua eooti com refereawia a mesma mi-a.
Recife, 23 de n.vemtn da !-<;i.
' J sr R, ,V|.
Naa
i
ai;s
s
hniKts
Segundo
Brtgue Raio ao Para
Esti prompto desile ja a receber carga a frete,
para o dito porto, visto ja ter parte engaiada : a
tratar com Amorim Irmios & C.
i
209/001
201*000-I
800*000
600*000
207*000
no acto da
uTemat -. as suas fiancas, oa comparecerem
awjrapan s dos respectivos fladores, devendo
pagar ale renda, o premio da qnantia err
qae for seg o preaio qua contiver estabeleci-
mento com; \\, assim como o service da lim
apparelhos.
nta Casa dagMiseriiordia do Rt
17 de sstembro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza,
peza e preco
Secretaria
cife,
I
Gabineto porluguez de Leitura.
(Oirectoria)
Pede-se aos Srs socios effectives que se acbam
era atrazo para com, a thesooraria do gabinete,
o obsequio de^jiarem cumprimento a primeira
parte do LA* do art. 12 dos estatntos, aQm
If. ** *>directoria possa dar as providenciaa
Anelhe hao sido extgidas por algu'.s socios, e
bem assim poder cnmprir a qne estatue o 3.
do art 69.
Seerelaria da directoria, 18 do novembro de
1874.
V. Ferreira Chaves Junior,
Secretario.
Companhia Pernainhneana.
Porto do Aracaty.
A carga qae de hoje em diante for embarcada
nos vapores da Companbia Pernambacana com
destino ao porto do Aracaty, sera entregue na ci
dade do mesmo nome, sendo transportada da bar-
ra, (onde os vapores coslnmam fundear), em lan-
chas de propriedade da mesma companhia, inde-
pendente de qualquer exigencia de pagamento
por este servico.
Da mesma forma sera transportada a carga
que for embarcada no porlo do Aracaty para
qaaesquer outros portos da escala.
Recife, 16 de novembro de 1874.
Para o Macdo
Pretende segnir com muita brevidade o palha-
bote nacional Joven Arthur, recebe carga e pas-
sageiros : a tratar com o sea consigaaUrio Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevedo, a roa do Bom Jesus
n. 57.__________
Ilha de S. Miguel
Segue com brevidade para S. Miguel o palha-
bote portnguez iVoco S. Lottrenfo, para onde rece-
be carga e passageiros : trata-se com os consig-
aatarios Thomaz de Aquino Fonceca & 6. Succes-
sores, raa do Vigario n. 19, andar.
DAS.
dividas activas na importancia de........
8:073$502 pertencentes a* massa fallida
de Paulo Fernandes de'Mello Guimaraes
QUARTA-FEIRA 23 DO CORRE.NTE
A's 11 horas da manha
No escriptorio, d rua do Bom Jesus n. 53,
primeiro andar.
Por mandado do lllm. Sr. Dr. juiz especial do
commercio desta cidade, o agente Pinho Borges le-
vara a novo leilao as dividas acima declaradas, in-
clusivamente 3 lettras: os Srs. pretendentes podem
desde ja vir exarainar a lista dos devedores da
mesma massa no escriptorio acima indbado.
Diversos objectos, abaixo declarados, per-
tencentes ao pacho Invencivel, nsufraga-
do na barra do Assu'.
QUINTA-FEIRA 26 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
^'o caes do trapiche do Loyo,
0 preposto do agente Pestana, competentemente
autorisadi, fara leilao por conta e risco de quem
pertencer, dos salvados do pataeho Invencivel, nau-
iragado na barra do Assu, em um ou mais lotes,
a vontade dos Srs. compradores.
A saber:
1 mastro de peroba usado.
1 arco de gavia.
1 retranca de pinho.
1 caranguejo.
1 lota de cabos alcatroados.
a
la fizealn
Para o Rio M Janeiro
pretende seguir com mnita brevidade o brigue
Isabel, tem parte de sea carregamento engajado :
para o resto que Ihe falta, trata-se com o sea con-
signatarlo Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, ma
do Bom Jeus n. 87
Para
o Fara.
Pretende segair com muita brevidade o palha-
J)ote Joven Arthur, tem parte de sea carregamen-
lda o lllm. br. inspector annunciar, qne defto engajado, para o resto que Ihe falta trata-se
j do Exm. Sr. ministro da fazenda foi espa- com o sea consignatario Antonio Laiz de Oliveira
ato o fim de janho de 187o o prazo marcado I Azevedo, a rna do Bom Jesus n. 87.
Jgente Pestana
leilao
DA
arraagSo, generos. e mais utensilios da taver-
na sita A rua da Concordia n. 211.
QUARTA-FEIRA 25 DO CORRENTE .
As' 11 horas em ponto.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, d'armaeao, gene-
ros e mais nteniiios da mnifo afregaezada taverna
da rua da Concordia n. 211.
Em um oa mais lotes, & vontade dos Srs. com-
pradores.
Na mesma occaaiao vender-se-ba um bom tor-
rador para cafe e am moiabo.
toques de cafollo.
53. Rna Risque deCavias.53
Augusto Porto, recebea lindos e elegantes co-
ques de cabello verdadeiro, cintos de couro com
hvebs de metal, popelinas de seda elinho, ricas
toalhas e lencos de labirintho que vende por
eommodos precos.
Precisa se de l:300j a juros, dando-se por
sesuranga hypotheca em um predio que rende
24^000 mensaes, pagando se os juros todos os
mezes : a quemflconvier, annoncie, para ser pro-
enrado.
Hontem, t-i do corrente por volta di- 6 ho-
i ras da manha, sahio da casa da rua da Senzalla-
Velha n 144, para ir fazer compras, a pardinha
livre, de nome Felismina, de 13 annos de idade,
e como nao tenha apparecido ate" o presento e
suppoe se etar occultada por algum malfeiior,
pede-se por i=so, r todas 4s autoridades e a quem
della notieia tiver, que a leve a dita rua que mui-
to se agradecera.
CASA DO OURO
.'ii'.ura jar :.. u.
So e unica approvada pelaa i nden.ias
sciencias, reconbackk superior a Ma
ten appareci! ate* bojo. 'positn pr:
pal a n:a da Cadeia do Recife, boja .M-
quez de Olio la I. 31, 1 ra !ar, e era to
as boticas e mm de cabelleireiros.
Aluga; e a tan e alcova motodoo aalar, proprio para esrn, i io
pequeua tamOia : i tratar ni rna d,. Dap
i.axiasna loja r. 3J.
^o iiosirio larga rua
0 trinta e seis cor.tiiiua
A dzspor i'u:u novo r'.inaento
De ccstos, ac^fate*, b '.iios e ler..
Aos in'eressados chtgou o mom-V
De tudc terem a iniimos precis.
Ao ant'go depo-ilo de pao i cps'js da rna BT-
ga do Rosario, chegaram da Europa os aonr.3
pre tiinosos acafates de vime brancos e da efir*,
para todos os misteres das familias, especialmer-
te de costara3 ; berfos volantes para criancs'
balaios de meninos aprenderem a andar ; band -
jas medianas e grandes de distribnir rnpa ec-
gommada ; balaio? ronpeircs de deposilo ina-
pa *ervida ; dit 1e botsr papris rasgados d
e-criptorios e eartorioa ; ditos raqueiros de vim
ditos com pe
~.r r~ psra pOr fructas na mesa ; ditos :.
aos .WWWJ?WV73 sos de por o pio idem ; pratinhes de vime idc;.
Rllhptpq o-nrantirlnsi ninbos de cnarios para viveiro : maracas cob---
xmiieWJS gttraMtlUOb tos de palha, biteT; coodecas o condecinh,
rtuo do Bardo da Victoria (outr'ora Nova es,as Para doce3 --ccos e aqneilas para aeon.:
n. SO, t casa do costume S,onar """P" brnP' e de cW?- de P*5 -"
0 abaixo assignado acaba de vender nos seas k9JI0 '*?*? I eadeira> de vme franco, c
-oito felizes bShites a sorte de 70oSm em J"^ nCZT^^Xm"lPY\" ^l'
meh bilbeto de n. 3671, e am bilhete inteiro de n. "' lK ^T'iliu .2b*!etoi d* mm' '
DE
JOIAS
..'??. dia.^ d? dezemD',o proximo, se fara leilao por i g
ae se todos os nameros para farer-se I
zas ; ceslinhas d
nos sitios apanharem fructas
acabou de extrahir (W3); convida aos" posluTdo^ ^0 .n0nas!raa dfl
res a virem receber, qne proraptamente serao
pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeita-
vel pablico para vir ao seu estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes,que nao deixarao de
Terceiro
LEILAO
res constantes das caatelas seguintes, visto ter
se fludo o prazo das traosac<;oes e seus donos nio
as reformarem.
A saber:
N 1502. 1503, 1865, 1583, 1784, 1833, 1868,
1936, 2050, 2091, 2095, 2192, 2251, 2256, 2282|
p, IS; SS: SS % S, SU i SSJB?" ,rmi- M"pVo"psl0! m^'
2896, 2929, 2945, 2972, 2987, 3007, 3023, 3034, j Achar.
S: SS SS a3^: S: S: S; Eesgt tuns*
3J54, 3260, 3262, 3265, 3273, 3277, 3280, 3285,
3288, 3293, 3298, 3300, 33o4. 3309, 3312, 3318,
120. 3321, 3326, 3327, 3334, 3339, 3341, 3384,
_Acham.se a_venda os muito felizes bilhete. ga- da?> ^ inllraos pre-fOS _09 ^Tioref_
correia madeira, optic
para a trafico de pa laria : capacios compridos -
redondos, nio grsndes; gigas de vime grosso, r -
pnas para as prensas de algodao depoaitar k*
amostras ; rolo de cera branca em novello, pa
lnzes. Co_vioamo pois a^s nossos boos frifc-
zes desta cidade, da Parahyba e Alagoas, det*--
minem ,-aas ordens que serao iielmente enmp-
a beneficio d
se extrahira
3358, 3366, 3373, 3384, 3394, 3397, 3399, 3406,
3410, 3415, 3419. 343i, 3444, 3460, 3468, 3480
3493, 3500, 358, 3517, 3527, 3529, 2533. 3553,
3o56. 3572, 3579, 3889, 3596. A" Ir.vessa da rua
do Duque de Cazias n. 2, 1 andar, podendo di-
tas eaulelas serem reformadas, pagando o premio,
ou resgatadas ate o Later do martello.
Precoa
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De 10O$QOO para clw
Inteiro 3*500
Meio 1*780
Recife, 12 de novembro de 1874.
Joao Joatjuim da Costa
AVISO.
DOS
bens e dividas pertencfntes A massa fallida
de Rostron Rook ft C.
QUINTA-FE1RA 25 DO CORRENTE
88 11 nv>ra-(ia man^a
Em o andar do sobrado da rua do Marqucz
de Olinda n. 37.
I
)S0S0gfiS0S
Caixeiro
0 ac'.nal administrador da grande propriedac.
Apipncos, acbando-se em embaracos para pod- -
regularisar o interesse de todos os eoiaeahorui c;
mesma propriedade, por isso pede aos mesmos co -
senhores que tenham a bondade de comparer
no escriptorio da capella de ncssa propriedade, .;
3 horas da tarde do dia 29 do corrente, para an i
rennilo extraordinaria, aflra de mostrar os emti-
racos que tern eccnatrado em sna actual adntiair-
tracao, assim o espera o mesmo adroiois rador qr
Vv Ss.. alem de seas interesses. comparecan t
plantagao de mandioca, macacheira e grande' baixa ?i*acima indlcado- Apipncos, 14 de noveahn &
Leiti
Biirilis.
Alugase o sitio dos Bnritis, no Arraial, (
de capim, tem
nho e mnitas
1874.
Precisa-se na rna de Marcilio
14 a 16 annoa.
Dias n. 24, com
excellente casa para moradia, ba-
n n. Cb, das do rio : na ma d. aUrqnex d Olinda n.6z
as 7 da tarde, (iu ua rua do
10 as 3 da is de, i)'>s dias uteis.
Alugase o aimazem e o i aodar do sobrado
darn dos Burgos n. II, a --sun como uma quarto
por deirai na rua da Sanzalla Vdha. (Becco Tana- Independencia ns. 18 e[20.
do) e nma outra casa na rua do Lobato n. 4 (fre-
guezla de Santo Antonio): a tratar na raa da
Praia n. 20, com Jose Feliciano Nazareth.
'do wS'norl^S^SY ^ Ca3a d> 'Ua ^ delnnT, 1 tcu
t:L"ir%!L a,ra,ar na "va 6* tar con Materna- .1. a
Alnga se a casa teir.a n 8 oa ma do C -
Amaru : a tra_
lia n 14.
o amas-a'tflr
rtiria. ''nm o nwnjo conri>
2200* a juros sob alguma casa ter- Aiuga-se a casan. 17 da roa do froare*'
rea e mats algum em esciavj : naBrua do Cjro- '
1 nel Suassnua n.86. w w
) aSoIedade) : trata-m oa rua do RarSa da S. Borja


*&Ml*G&m#$^MF**
Diario de Peraambuco Ter GELO
i

Nil h\ M\IS F\LT\ W> GYXO
AGORA HA COM ABUNDAKCIA
Gelo para almoco Gelo para cerveja
Gelo para lanche Gelo para refrescos
Gelo para jantar Gelo para sorvetes
Gelo para ceia Gelo para remedio
Gelo para vinho Gelo para banhos
Gelo para conservar legumes
Gelo para conservar fructas
Gelo para conservar peixe
Gelo para conservar carne
Emfim, gelo para Todos; e para qaalquer Usa
NA
FABRICA NOVA DA VIUVA STARR
Caes do Capibaribe d. 38.
,t. ..AAbei?? kD0S dL" uleitd" 6 horas da m*nhi ate S v***^ tarde, e nos doroingos e dias
santos ale as 11 horaa da manna. *
N. B. Os pedidos de quantias grandes para os vaoon* ou para fora da cidade devem ser
lei tot com antecedencia.
ESCRIPTORIO Rua do Covnmercio n. 40.
*
r
__
ALCATRAO Dl 6DT0T
HCSn CONCENTRADO t TITULADO
0 Sflr Gujot chegou a tirar ao alcatrfo a
sua acrimonia e o seu amargor insupportaveis,
o que o torna mais soluvel. Aproveitando essa
feliz descoberta, elle prepara um licflr con-
centrado de alcatrSo, o qual, sob um pequeno
volume, content uma grande propor^ao de
principios activos.
0 Aleatrflo de Gnjot (Goudron de
Guyot) possue por consequencia todas asvan-
tagens da agua de alcatrao ordinaria, sem ter
os inconvenienles. Basta deitar d'elle uma
colher de off n'um copo d'agua para obler
logo um copo de excellente agua de alcalrao
sem gosto desagradavel. Cada qual pode
d'essa maneira preparar a sua agua de al-
catrao quando d'ella precisa, o que offerece
econoraia de tempo, facilidade de transporte
e evita o manejo t3o desagradavel do alcatrao.
0 Alcalrao de Kujol substitue Com
vantagem muitas tisanas mais ou menos
inertes, nos casos de defluxos, bronchites,
tosses, catarrhos.
0 Airatrfio de tiajot e empregado com o maior exito nas molestias seguintes :
EM BEBIDA. Uma colher de cafe para tan copo d'agua ou duat colheres de
topapara uma garafa :
BRONCHITES
CATARRHO DE BEXIGA
DEFLUXOS
TOSSE PERNITAZ
IRRITACAO DE PEITO
TOSSE CONVULSA
EH FOMEKTAlJOES. LicSr pvroou com umpouco d'agua:
AFFECgOES DA PELLE
COMICHOES
MOLESTIAS DO COURO CABELLUDO
EM INJECCOES. Uma par ledelicdrequatro d'agua (etricacia inuh-amanie eapecui)
FLUXOS ANTIGOS OU RECENTES
CATARRHO DA BEXIGA
0 Alcatr&o de Guyot foi experiment ado com um verdadeiro exito nos
principaes hospitaes de Franca, da Belgica e da Espanha. Foi reconhecido
que, para os tempos de calor, elle constitue a bebiila a mais hygienica, e so-
bretudo durante 01 tempos de epidemia. Uma intruccao accompan'ha cada vidro.
Depoalto geral em casa, L. FRF.EIE, 19, roe Jacob
Rio Jakeiro, Daponchellet Cheiolot.
Pebiahei-co. P. Jli-.nriT e C".
Mj ft "H
------ ib ___ _,
Uuho-Pbeto, CandJdo Wellerson
afiiuxnio, Frrrrlra et C".
Pklotas, Antciro Leivaa.
Macho. I'a'iCo _DJaa______________.____
FunTo nircre, FrMlrlrcs Jo-,<: Dcllo*
LICOR DOS MONGES BENEDICTINOS DA ABBADIA DE FECAMP
Esle c appreciado do publico
ao ponto de se encon-
trar hoje em todas as
boas inczas, tan to no
Restauranle como no
jantar donvstico; nos
grandes hoteis como nos
saloes dos piincipes, por
isso e elle tauiben o ob-
jocto de numerosas imi-
tacoes, cuja maior parte
de falsa provenencia.
" IF.
V .
I
Como termo final de
garantir aos consomma-
dores cuidadozos um
producto puro, exquisito
e essencialmente hygie-
nico, contra estas lalsi-
ficacoes detcstaveis de
man gosto e nocivo, 4
saude, damos retro o
modelo da garafla e mais
acima o dos sellos e Ie-
treiros que envolvem o
verdadeiro licor benedic-
tino.
OBSERYACAO IMPORTARTE.
Recommendamos parlicularmente ao publico em geral, o exi-
gir o letreiro acima, qui d sempre poslo no fundo das garaffas
desde o V de Outubro de 1872 que tern a assignatura de
A. LEGRAND aine, director ger*l.
N. B. Em tempos de epidemia o benedictino e urn pretervativo
certo; nm grande nnmero de celebridadea medicas tern dado o
certiflcado bem formal.
Deposit* geral: A. LEGRAND aine, em f, runi,, (Franca).
Deposito geral em Pernambuco, A. REGORD.
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
Pharmaceutico, 2, rua des Lions-Saint-Paul, Paris.
XAROPE DEPURATIVO^^rjODURETODEPOTASSIO
Remedio tntaUlvel contra as affecgOea escrophulosas, tuberculosas, can-
crosas rneumahcas, tumorea brancos, glandulas no peito, aecidentes
syphthticoa aecundarwa e terciarioa.
XAROPE LAROZE
TONICO, ANTI-NERVOSO
dacaica da
Laranja amar[a
Recomraendado por todos os medicos para reffularizar as funccoes rfn
e/omao e do intestino. ^^
XAROPE FERRUGINOSO'i^^g-IODURETOoEFERRO
O estado liquido e o raelhor meio de inocular o ferro contra aa cdrea palli-
da?, as flores brancaa, aa irregularidadea e falta do menatruacSo, a
anamia e o rachttiamo.
XAROPE SEOATIV0^.r:,,d:,..BR0WURET0DEP0TASSI0
Chymlcamente puro. E o calmante mais certo contra as affeccdes de coracSo,
da.< via* dtgeafivas e respiratoriaa, naa nevralgiaa, na cpilepsia, no Hys-
terismo, naa nevroses em geral, na insomnia das criancaa durante
o pertodo de dentigso.
DEPOSITO GERAL
NO BRAZIL
Rio-de-Janeiro : T. DDPONCHELiB e Cs
FUNDIQAO DO BOWMAN
RDA 00 BRUH H. 82
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senbores de engenbo e ontros agricultores, e compradores de ma-
chinismo o favor de fazer uma visits a seu estabelecimento, para verem o novo sortimen
to completo que abi tern ; sendo tudo superior em qualidade e fortidao ; o que com a ins-
trucijao pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SU\ FUNDICAO
V aporeS e rOClaS tl aglia dos mais modernos systemas e em tamanhos con-
venientes para as diversas circumstancias dos senbores proprietaries e para descarocar
algcdio.
MOendaS de Canna de todos os tamaDhos, as melhores que aqui existem.
XvOClaS dentadaS para auimaes, agua e vapor.
Taixas de ferro fimdido, ba&do e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
MaCllLDlSniOS para mandioca e algodio, e para serrar madeira
Bombas da pttente, garaotidas........
TodaS as machinas e pecas de que se_costuma precisar.
FaZ qualquer COnCertO de machinismo, a preco mui resumido.
r OrmaS ue terrO tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
xl/nCOmmenaaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer machinismo i vontade do*
cbentes, lembrandc-lbes a vantagem de fazerem as compras por intermedio de pessoa
entendida, e que em qualquer necessidade pode lhes prestar auxilio.
Arad0S americanOS e instramentos agricolas.
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Podendo todo
ser movidos a mio
por agua, vapor
on animaeg.
ODILON DUARTE & IRMAO
CABELLEIREIROS
Premiados na exposicao de 1872
PARA EWMUI
Precisa s^e de uma ama,
forra ou captiva, preferindo
se desta ultima condicao, que
saiba engommar e para ou-
trosmisteres decasa de pe-
quenafamilia; drua do Ca-
pibaribe n. 40._____
Dr. Alexandre de Sauza Pcrei-
ra do Carmo.
D. Anna Lias Accioli do Carmo
sens filhos e nora, tend> de mandar
celebrar mi^sas pelo tterno repooso
do sen sempre Iemdrado e rln rad j
marido, pai e sogro, no dia 47 do
corrente, as 8 boras da manba, no
convenfo do Carmo, trigesimo do lea passaraeato,
convidam aos amigos do mesmo Hnado para asais-
tirem a esse acto de caridade o de rcligiio, pelo
que confessam eterca gr; fnja'maaaannii linwi m sui ^nrsvaawaiw*
O abaixo assiftnado tendo de spgnir no pri-
meiro vapcr para a Babia, pede a todos aquelks
de quern oao se despedio e qne o honram cm
p sna amisade, desculpa, e offerece-lhcs os sen*
crestimos alii onde pretende tixar a sua reslden-
ia .
Hecfe, 21 novembro de 1874.
___________Jc^ii Pintu F. du O.ivpira.
Alugasea casa da ma da I'.lma n. 63, mui-
to fresca e com grandes accnmmoda>3e para fa-
milia : a enteoder se com o Sr. Rernardioo Pon-
tual, a rua da Uadre de Ofos n. 3d.
Engommadeira.
Pradu-se de
mar para doai pataoas: a _
rua do Vif ario n. I, das 9 horas a>
no segnnao silio, depots 4a estacic
No dia 16 de irri ie
Mdi, do corrente anno,
soa fenbGra, o nepro Man< el,
o ()u-l parece ter 50 aaaos a__
grtssora rrgBlarea. mcitoaof, i-
ciia bain*, cum alpnrn o<'jfllo* at;
barba roan na c;.l*ca ; levea r
atul e caTiisa d riscado, a M c.
qnim barbnsa de Siqneira. mnraaYr'
d". nJe e o npgro tilho. Qaeaao
caa de >ua s-'ohora, na ^as-agew
rua de Paysandd n. ii. qne sera ;
;ado._______________________
I'recRa-te alngar uuia escra
na rua da Imperatriz n. 15, S* tan,
-Na rua do Rosario n. 16, na imis ama cs-
crava para alugar.
AVISO PREVII'"
PARA 0
\atal-folia

Qu-rn precisar de um olli'.ial du machiabta
ferreiro com as habilitates neco-sar as para qual-
quer trabalho tendente a ferro ou metal, e tamer
conta do manejo de engenli^ sen-Jo fora de;ta pro-
nincia, pode dirigir se jrna larga do Runrio n.
S3 que achara com quern trafar.
RUA
DA
TjlPERATRlZ
H. 82
fl.* ARDAR.l
1
-**;>
4Wl
^A\<$>$&\Ai

31
RUA
DA
IMPERATRIZ
% 82j
1. ANDAR.
Acauam de reformar 0 sen estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
dic^des possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e 4s Exmas. Sras.'n'a-
quillo que f6r tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupote, chignon,
coques modernissimos, tran^ss, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
0 estabelecimento acba-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, assuas encommendas e figu-
rinos de mod as, e por isso pode vender 20 / menos que outro qualquer, garantindo
perfei^ao no trabalho, agrado, sinceridade e preQo razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como f6ra ; vende-se cabellos em
porc.ao e retalho e todos os utensilios pertencentes A arte de cabelleireiro.
Aluga se uma casa terrea corn solan, a rua
d > Amparo n. ti, em Olinda : a tratar na rua da
Moeda n. 5, andar.
Aluga-se uma casa com sotio, na rua i^a P.oa
Hora n. 6, em Olinda : a tratar oa rua dos Gua-
rarapes n 10. r-u cm Olinda, na Varadnuro n. .
Aluga so 0 terceiro andar do sobrado ii
sito na rtu de Marcilio Dias foatr'ora mi Dirtita
defronte do oilla da iereja do Livramento, por pre
CO raodico: quern precisar, dirij.-sc ao primeir
andar do sobrado n. 36, na mesma rna.
DE
r%ROBi%
1
Preiniada nas expo
sicoes de Pernambuco
e Rio de Janeiro.
MEDAU.'A DE PRATA.
Pela escola de Paris
Successor de
Premiada na expo-
sicao de Vienna d'Aus-
tria.
5IKDALHA DE 5IERITO
AII1STIDE SA1SSET E. J. SOOffl
Tratamento puramente vegetal verdadeiro puriScador do sangne. sem mercurlo.
A tsencia de Caroba e um remedio hoje reconhecido como um poderoso depura-
itvo e crpecial para ertra de todaa as molestias qne teem a sua origem na impureza do sangue.
como sejam : as, moIeMias Syphiliticas, Boubaticas e Eschofulosas, Rheumatismo, Empi.vge.ns, Dar-
TrxPS, ILCEBA8, EnupgoEs, etc. etc.
Os prodigiosos effeitos que tem produzido a Essencfa de Caroba, por toda parte
onde ella tem sido apropnadamente experimentada, a tem feito adopter como um dos medicaroen-
Do3ubatieaSe8UrS mm energicos para a cnra de todas as molestias de aatureza syphilitica
A cada frasco acompanha uma initrucjao para a maneira de usar.
EscRAvo mm.
Fugio no dia II de outubro proxim pass: do 0
escravo Jose, molat", altura e eorpo rrpiilares,
perna? arquead.is para fora, p^s tthatos, fatta de
dentes na Ireote, levou camisas branras a de al-
godao de llitns, ca'cas de casrmira 0 de &!g)dSo,
chapeo preto de feltro. Este escr.avo ja foi pegado
no engenho Carrapato, termo do Rio Pormtso, e
de presumir que toroassa 0 mesito destii-o : roga-
se as autoridades polieres e capilaes de campo a
sna apprehens*o, e leva Ii a rua D. Maria Cesar,
outr'ora Senzaia Nova, n. 30, ime ?e graiffleari.
0 abaixo assi^oailo taaseieata a quern in
teressar, que tem justo e cintratado c m o Sr.
Jos6 Mamede da F; nceca, a armac. 0 e utonciii s
de seu deposito ea do Condo d'Eu, e*qn m do becco do Tarn-
bia, por isso, so aljruma roclamacSo honver a
fazer, denois des Ires -dias Ja data d prc annuncio nSo sera atten lida.
Recife, 19 de novemtro de I87i.
_________________Mantel Placi.'o da
Urgencia
Deso;.i-se fallar com o?r. Antonio \'l-:,: > Ie
M."g.-!h.ies oa sen procurador, .1 nefricii .1 1
intorcsse : na rua do Imp rad ir B. 81,
andar.
Oa fvsta todos desejam
Ver 0 dia re>plendenb>,
Dia qne cos leva a n.ec'e
Do intlnito as alturas :
Onde os anjes 0 am. r btijam
E a caridade festejam.
Teem as si.nas ;oj.u!tara
Xas estrtllas qne ilammejam I
K aKM dia em que Um
Do jnbilo rasgar o <"ti,
S.'..>' > ihe bero do nvt-o
A craltra da alrgrta :
E' rceiso qne t s ama v
Da rura frasfroDoaaia,
Vf-nhain Jk % quanio aate*
Do t-imp. ao arraaf.
Porr.ie fit a.
A ^etrncia do prize r :
Comer b-rn, inelh. r teber
*>f m reevie da maliiade
Nil!) da V.| MgatfadMH,
Que Janata vamwmmmu
Supplant: r a liberdade
Nos 13TCCM d-in ui-i^iJo !
Hum do Iniifciitdo, i. iti
Do pr.;'r viva 0 .equi ite
Alegn c : 0 o m.vi...
B 0 mea a df>rri[>-.ai
Iti'parein : i a>)run''
Mesa giganta.
Pretoatw, fi.ml.re.", (.aics, ch <
e lingui^as ; lumbos de por:. s e e raraam
aves cm <-onserva, 1 e ixes e tonc>ntv ; c-m*<
tfln", Isgosias e c< c cos com herviNas; eoatwrva
Itguiiits e cliarrj ,'?.o = : fMafel flMMSgna. |"i-
tos e lonJrinns ; d co? fructas em constrva. la-.-a-;. imfsii)',
ameixas ; alitria, talharim c ruarsrr".. ;
1 ;>i ea e cineoenta qaatfaMn de it
aatrieDtes ; cU, mat-, caf.- e rta t -.a* fraacez.
nhol, pirlngU'7 t na-i 1; I ; I i htatUaP,
tolinh'i* e confeitis, maoteiga ingVi fi^arar.
banba, atrot, hataUf, cbl:a, *.u< -. t numV
pirr.enta, mo-tarda molho -wtUz ; np. h
dra, cliamp.'-gcc, ,:....
bit'.t-rs, li;r' e nguar ;
ueLib.a, Figucira, 1':: \.\ I -.
rada, Basi -. P no, r rgenka e I
garro.', chatutos e ..;-::. gr.-L!
tidade de rictxuRaas ra:a- e
lando na? especialidadc ; 1
allima--, irgKz'?. Utt-. .-\- haM
tialiacjs, prus?:ai. ;j, ban
n^s!
AltSm i\o quo:
E :ontra-j um ioiix :. j
- jam : velas 1 1
Ie e T i'';:., 1
idegra u>le- 1 aaataatae j *- 1
tnara' lib prvpa !
. .
:ar o systems servo*) I t a
Dlsti c ;c J8:
Os a 1 .
1
J
Na rua das ['"lores n. 7, precisa .-o
nma eserava par trafegn de rua.
alogar
sAim
PLUS OE
COPAHU
Pomada anli-dartrosa
Contra as affecc,oes cutaneas, danhros, ccmichoes, etc., etc.
Inguento de laroba
Para cura das boubas, ulceras, chagas antigas, etc., etc.
UN1CAMENTE PREPARADO POR
ROUQUAYR0I, IBMAOS, SUGGES ORE
Bolica Franceza
22- -Rua do Bom Jesus- -22
ANTIGA RUA DA CRUZ )
fl
Parts, 36, Ra Vlvienae, D
WiM-w mmm mem
BS aRPERVinAO'S DES SRIDAES, aS iFFIOCDH
aLTHBiCOI-S DO IMICt.
I -!'\000cnras dast.'.ipiN.
[ jens.puslulos. keiptt,
lama, comixoet, aeri-
'nonia, allcrgoes, ti-
___Iciosas do sangue, vi-
rus, JdlU/uiiKS ,i. canjue. [Xarope vegetal
sein merciirio). Uoparadraa to|hi)|
a.Minas HiWEitAKS tomao-.e dous aor
semana, seguindo o tractamenio Dep-:rativo: a
empregado n:.s mesma.s mpiestias.
Sste Xarope Citracto d4
rcrrodeCHAfil.E, eara
limm^diatamenie w I qucr purga\-ao, rela-
Ixcfao, e debilidartt,
e uuajiueute o jiujos e floret hrancas das
mumeres.- Esta luicccao beninna .mpresassa
oom o Xarope de Cttracto de ferro.
Hraaorroidant Pomada que as cura era t dia t.
POMADA ANTIHERPCTICA
Contra: nas ajfeccoes eutaneat e enmiroet.
do r enable, eada frasco vrai accumpahada
aa um folheto.
AVISO AOS SRS. MEDICOS.
I t'ura catarrhot, u>sw
eoqutluehet, imtn.;i.t
ncrvoias las del bron-
I Chios e todas as doertfM
do peito; basta ao doeota
TOia colhe rchdea desta xarope D' Foasir.
Dr. CHaau aaa Parts, rua titIcu*, aa,
i eposito bot ca I "uticoza
22 Rna daCraz 22
m isdaa, 6V< ;r-
..
la
.bores
r ao
0 1.

I
C
:
g"oer
' i 3
.

\
d^FORGET
Salsaparrilha de Ayer
PARA PURIFIOAR O SANGaTE.
0 renomo ilo quo goza este ex-
cellonte remedio 6 derido a milha-
res de curas que tem openuio, mu-
itas das quaes suo verdadeiramente
maravilhosas. Innumeros ?ao os
ARMAZEM DO VAPOR FRANCEZ
Bods pianos.
N. 7 Rua do Barao da Victoria, outr'ora ^ovaX 7
atrig^eo!\$S:e9,abelecimeDto ,end0 de a E"Pa. vende a preCos baratissimos cdos osseus*
Ccilpdo francez
para homem
enhora,
ueninos
e mcnlnas.
Botas e perneiras inglezas
de montaria.
Mobijias de vime e de faia.
Vende-se muito em conta, ca'deiras aYnlsaJ~de
balango, de bra?os e do dobrar. '
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den
in lice, agua de flnr de laranja, agna de toillete
iivma, florida, lavande, p6s de arroz, sahonetes'
:usnic;ucos, muito artigos delicados em perfnma-
na para j frascos de extractos, caixi
nnas goffidtj garrafas de rtifferentes tamanho.-
i agua de Cofiinie, tudo da pfimeira qnalidade
aosftero c,uheo,ido3 tabricaniei Pi^r e Ccndur.
Dos melhores e mais modernos modelos de
Blondtl : vende-se, troca se e aluga-se.
Quinquilharias.
Artigos de differences goatom r
pfaantaslaa.
Espelhos, leques, lavas, joiasd'onro, tesourinhas
camvetes, caixinlias de costura, albuns, quadros
e caixinhas para retratos, bolsinhas de vellndo
ditas de conro.'e cestinbas parabragosdemeninas'
chicotos, bengalas, oculo, pmce-nez, ponteiras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinba de
madreperola, tapete para lanternas, malas, bolsa*-
de viagens, venesianas para janellas, csterioco-
pos, lanternas magicas.cosmoramas, jogo.^ 4a gloria
i Kmf' de ba8ateIla' qnadros com paisagen?'
globos de papel para illuminacSes, machinas de
razer cafe, espanadores depalhas, realejus de veio
accordaos, carrinhos, mamadeiras de vidro para
dar leite as criancaa, e muit s ontros artigos.
Brinquedos para iueniuos.
A maior variedade que se pode desejar de to
dos os brinquedos fabricados em differntes parte.*
aa faurcpa, para entretiraentos das criancas tudu
h precos maia resuaHto :u e pevtom \
promptamento restiruido a saiSde.
As nffecyoes e desordens, R?jrravav-
das pela coutaminacao csorol'ulosa,
ate" produ2irem dores mortifioantes,
m fido tam radical e tam geralmente curadas por elle, era
todos os pentos do Imperio, qne o publico mal precisa de ser
informado das suns virtudes e do modo de usal-o
O Teneno escrofuloso e um dos mais dcstniidores inimieoa
3a raca humana. Ora. senhora-e occultt e traicoeiramenta
s-o nosso orgamsmoe deixa-o fraco e inerrae contra molestias
ra^os. Ora, patenteia a infeccao de que corroinpeu o corpo
9 entio, em momenta opportuno, lavra rapidamente sob aljra-
ma de suas hediondas formas, ja na cutis ja nos orms
ntaes. Neste ultimo caso deposita, muitas vezes, tuberculos
nos puluioo", no figado, no corao&o, etc., quando nfio se man-
ifesta em -., roes, tumores, etc.
A inim,6-i (abi pcrigoso e tarn r^rfido nunca se deve dar
ruarma^e p. >vo, .o u sempre melhor do que corabattel-o.
Assim, antes e tvppsreeeren os proprios svmpthomas active*.
0 usa da BAZSA.-A iRtLirA. DS JiYER podera evitar
resultados funestos.
As pessoas que soflr^m do JSryiipelas, l'ogo de S. An-
lon mcerae, e sensibihdade dolorosa nos ouvidos, olhos, &c.'
rnos ossos; Dyspepsia ou Indlgestoesi ITudrofetim,
"'""' Coracao e -do Figado, Epylepsia, JVee-
raigia e de vanas outras afTeccoes do systhema muscular a
aervoso, aoharaoseguroallivio'usaiido desta SAXSAPAR.
HIZHA oa AYER.
A Syphilis ou Molestias Tenereas sSo curadas com a
?eu uso, posto que seja necessnrio raais dilitado espaco da
tempo para subjugar tam impertinentes enfermidadesT^
A Zeueorrhea, ou Floret Braneas, as ulccracoes nteri-
r.as o em geral as molestias das mnlhores sio tambem allivia-
.- i RJUnt"u'*fY> o a Gotta, quando causados por acou-
tnolacoes de matenas extranhas ao sangne, ccdem-lhe facil-
incntc, de mesmo modo o arm Figado, Congest ou
tnnammaeao do Figado, Xctericia, quando s5o oriundas
ue maus residuos no sangue.
A Salsaparrilha e um excellent* reatanrador da
forob e rigor do systhema.
Assim, todos os que soffrerem languor, Phlegma, Det-
maiim, Insomnia e que sao incommodados com Apprs-
hensors o Trmnres Hervosos ou qualquer outra alftccao
f roVemeate do Debitidade, aeharao do sea poder renovadflaJ
o mais seguro expedieote de prompta cura.
PBGPABADA fOB
J. C/iimicoa Fraetieos e Analyticos.
VB5NDB3 SE POIt
t a. 3 da i ,mt
lai iae ia. ,l, lru>

I C A
; ''''
Lar.msn

I

peito oil
/ernlhi'. '
Ihnrcsf.;.
afaMaal S* aMRBBaal
o m\ .ao?
'la flerra >ot
"~hitni-
calmeo e, e tana
vahiarcwrrrTrvri-
aalaiaj -onaerTt-1
las i.oni |pdo 3
i ui'juilo,
o frasco jegarar-
t'-j'Crfertaroen-
t-' puro.
Eial cleo tare
^ilo sabmc*
i timewmemni-
to sever o e!o
chimico dV ***
taloti:o, (JtJ^c-
vorno h spifth' I
sim Cuta i fr.j
pi^jiaxtarltf per
elie a ico.i?
MAIOR POROVO D'lODINi
que outro qualquer olro, quo ttb
riiamiBtdo
lODINO EUMPODFR SALVADOR.
Em todo o oleo de figaco de bacalhi), e c
quelle no qual contern a maior pon>k
mvaluavcl propriedade, 6 o unico mnio aar
curar todas as diencas Je
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO.
Phtysica, bronchistes, asthma, ullmil
tosse, resfrianientos, etc.
Uas poucos frascos dd carnes a
magro que seja, clarta a tist-,
a todo o corpo. Nenhum outro a:
nhecido na medicina ou sciencia, drf "no
nutimento aosjstema e incommodaniioquao
nada o estomsgo.
Asptobus cuja orgacisacio tem s
'ruida rpl.* -Secedes das
FSCROM'LAS oi:
rf todas aquellaa, caia digestao ae a. |i
mented srranjda, derer.-.
0 OLEO i>E FIGADO DE BACAI
DC
IANJUN s
Irj
/
r
.
TUN I
T~Tlaf


4dflM^f^MMh^

PM
?
de fernaffiDutso ferga teira 24 8 ^ovomfoc to 18*4
\

Toda atten<;ao
4ha ae, cum frenle para a rua da Aniizade,
94 palmos de fundo, uma porcao de cpii.uo
para edidcacio, lirada do *ilio eontlguo
. de S. Jo-e do Miaguinno, dj pre^a de
tor p.iliui). a.judla (rente e loda murafla,
emo a pane posterior e a lateral extrema:
t-cdentos p-jiem entenler se com o Sr Dr.
lhados e afilhadas de A.n-
onio de Azevedo Villa-
muco,
el Azevedo de Andrade, testamenteiro do
'o Aotonio de Azevedo Villaronco, faz sciente
v nhecimpnto dos interessados, que ate hen
* do corrente mez, Ihe forara apreseotadas as
oes de baptismo fas afilhados e afflhadas do
uudo em nnmero do 8, e sao as seguintes :
"*, filha legitima de MaDoel Bento de Mendon
sua molher Roza Maria de Je-usAnto-
lpitimo do Dr. Miguel Joaquim do Cas-
-enhas e de sua mulher D. Isabel Emilia
< Masearenhas Umbeina, filha legitima
Ferna de* Bastos e de sua mother Candi-
.i-dr>rs de Je?ns BastosAntonia, filha legi-
tima ne J se de Azevedo Villaronco e de sna mu-
lher Maria Francisca de Brito-Jo gitima d^ Joao Machadc Brandao e de >ua molher
Roza Mam -1 Oliveira- Maria, lllha legitima de
'Francis-co Xavier de Sa Leitao e de sua mulher
Rita Baptism dp Sa Leitao-Joao, filbo legitimo de
Aatonio Gongilves Ferreira Junior e de sua mu-
tiler Gailhermiaa Gongalves de Paula Ferreira
Carolina, filha legitima de Francisco de Amaral e
de sua mulher Emilia Rosa de Jesus.
Far main seieoleo abaixo assigns.do, que, peran
teolllm. e I'.vm Sr. vigario ger.il deste bispado,
osu urn filho do fioado j. So Martins Ribeiro pro-
doziodo sua juMificagao afira de provar que tarn-
hem 6 afllhnd d" referido Villarouco, visto que a
eertid&i de baptismo por elle exhibida nio prova
0 bafisnte para poder ser attendido.
Decura mais 0 abaixo assignado, que tendo
mandado puhlicar em Portugal um annuncio con-
vidando os atilhados e afllhadas do mesco Villa-
rouco que n'aquelle reino houvessem, a igualmen-
fe se hahihiisrcm com suas certidSes de baptismo a
Toocorrer ao legado quo Ihes foi deixado; aguar-
da a chegad.i de proximo paqucte da Europa a 25
ou 26 do c> rrente mez para ver se por elle vem
alguma oertidao ; e logo em acto continuado pro-
cadera a divisio da qnantia deixada com a igual-
dade r-"-ommrndada pelo testador.
Re'ife, II de novembro de 1874.
__________________Mannel Azevedo de Andrcde.
mm PARTICULAR.
Rua da Roda n. 48, sobrado.
Prime ms lettras, portuguez, francez, in-
g'ez, desenho linear e music*.'
Sub a dirt cgao do professor Herminio
Rodrigues de Siqaeira funecionam ditas au-
.'as !0'lo cs dias uteis.
Ri cube xlamaos internos, meio pensio-
jistiis i externns; f.rneco todo o material
para escripia e livros aos principiantes, por
pretjes muitn razoaveis.
rn
mgain-se
Boas easas de eampo, na Cruz das Almes
Pooo da Parwlla ; a tratar com o commeDdad
Boris banhos edormida fres-
ea no Montcir-.
Va i. se flli por preco comraodo umi casa pe
\\\va\, qoe i.m 2 .-alas, 3 quarto*, c ziniia e boa
i, e 6 perio do rio : a tratar na rua Nova,
. j" :'.. '.
Criado
aa da Alegria n. 10, se preeisa de um
it' ha oriucipio do coiioha.
Alnga-se
r;y. 'V'.. V'rVts to rva t,. VI to ntk if ttan-iVit:
.. d
rarmn
. Direita) : a tratar na t-olica da rua lar-
. rio n. 31.
2 ^ o
~ 9
- I1
3
P3W H
M J CO
m

U3
09-
n
c
s
jo KJJ
g.3
. a.
O
5
S
3 2
mi a
o a

3
a.
5"
5
e

o
i
w 2
6
3
|
^4.' rapazeada.
tfeiva & Baftos tern ab-rto o seu bem prepara-
do hotel ,d.i [Iniai en Agua Fria de Sebcribe,
jant.. a t verna do Sr. Regis, aonde os apreeiado-
res i! i is ^.i-haraoexcellentespeliscos, como
um om ainanha, dia da grande frtla ii- Saato
Ait r;T >, tjue aili se
eoadjnvn; n de .seas
eomo vt-nt-ra ; por isso c=fera a
p. triciof, lanto naevionaes
1
Aiuga-sr a casi da rua do Visionde ,ue Ale
bupi : 25, tenl-i ut> antar, soiaor'e pavi-
m.-rito t^.rre osi agaa e gaz, pints lo. fle ni.-vu :
a tratar .. rna do Vig rio Tenoriiy.-armazem de
a; : -a -ala e a aMiova do 3.# andar do
ido n 70, a sua Bvque de Caxias, proprio
ir. in-.-.), 5 It vros : a tratar na loja.
1
notel Restaurant de Ror-
de;iux
Pede-se aoa Srs. abaixo me;.cionados, ofavor.de
pparecereai no dito hotel, para se entenderera
iralor, a negocio de sens partieula-
Dtere :
" ilotn .I ( ).
Manop ArLrtiicio.
Loizjmti
" "*T-.'-'lcr,."- i li -iro Roma,
um Hire- F-rreira
Crnz Ram.- (gu.ria-livr.is).
Sanrl ______'_______________________
_ ^- Pui POgeutKi these, lermo do boni
i a 3 iin-'P' "a naarla ?,. um russn, prptii ci.ra 8 annos de
. p ,, i.utro nxlado, com 9 annos, tendo cada
!i-li,-- f- ro ,-egiiinte- E N G de um lado e
f f- Z C "iiro. Grstifica so gsnero-amente a;
queif levl i>s on defies der noticias certas no en-1
gacno ac ma
Com" o or que pessoa algama se podcri di
u r dono I "- eavallos. por qnanto todos o ani
alaes cav ll-r*-^ que ?5o marr-ado com e ferro aei-
noa nan sao wg n-iados e morrem dentro do cerca
do du n i -" i iivpnho.
- Tr.. o tratar com quern queira vender
iproj, diari i, mandando botar no
i i, iaA...! sc da mesroa forma : quem tiver,e
. nf proenretfo.
Villa k f alBMfh
Na pa<>Tiadenoniinala Msurity, *iia na jraca
do.-te nome, casa de aznlejo, n. 2. desta villa, csta-
belecimebto de Francisco Seraphico de AsMS-Vas-
coaselles, labrica-se com a-maipr iperfeio^J, lim-
peza e barateza, pao, bol-cha, e tndo qdarjto se
pode obter da farinha da tiigo. 0 annunciante
protesta servir com esmeroe agrado a todos quan-
tosqnizerem honrar sen estabelecimento e se cons-
lituirem freguezes e consumidores.
Moleque iugido.
Gratiflca-se Cora 50,000 feis a quem pegar For-
tunato, moleque de 13 a 14 annos, preto, baixo,
cheio do corpo, rosto e cabec.a redondot, nariz
chato, cabellos carapinhog e cortados de fresco ;
ausentou se na tarde de 10 de outubro do correote
anno, com camisa de madapolao, calca de brim
de eOr, desbotada, e chapeo de massa preto. Gra-
tifica se na lua da Cadeia do Recife n. 39, on na
rua da Aurora n. 165. ^^^^
0 ADVOGADO
Ernesto d'Aquino Fonceca.
Pateo de Pedro II, n. 9
ADVOGADO
B ACEAREL J0AQU1N GLEXXES DA
SUVA HELLO.
3 it ii a estretta do Bosarlo *3
prlmetro andar.
Consultorio medico
Araade l^!te
Quera necessitar de oma ana do leite, etcrfvi,
! sadia. sem vicios, e que riao sahe a rua, dirija-te a
, rua da Aurora n. 39, 2 andar.
I
DO
Dr. Murillo.
RUA DO VIGARIO N. I, f ANDAR.
Recem-chegado da Europa, onde fre-
qnentou os hospitaes de Paris e Londres,
Sodera ser procurado a qnalquer hora do
la ou da noite para objecto de sua pro-
fissao.
Consnltas das 6 as 8 horas da manhl e
ffj do meio dia as duas horas da tarde.
V GRATIS AOS POBOES.
d Especialidades : Moiestias de senhoras,
0 da pelle e de crianca.
0
Cravos
Na rua da UniSo, atraz do Gymnasio, ns.
7 e 49, vende se sempre cravos brancos e
encamados.
ALU&A-SE
uma grande casa terrea com bastantes comraodos,
sita na estraJa do Lucas : a tratar a rua do Vi-
gario n 31.
Alug.im.-e duas cas-as terreas cm battantes
coromodos, encanamnto d'agua e gaz, qnintaes
grande? e roorados, na rua do S. Pedro Novo ou
Passo Castelbano : a tratar na ma do Queimado,
escifptorio do Sr. Dr. CasieOo Branco, por cima da
loja do Sr. Rolim,
Desappareceu de uma casa de familia, no
arrabalJe rarnani" rim, um par do Lrincos de on-
ro, em forma do glubj (piirase vulgar, a balac) e
um pine.! ne/. de mola, inglez, "com o nome
do fabricante, um trancelim lino, preso ao mesrao,
tudo cie ciro : chama,-se a aitcncao da policia so-
brc o raptor de taes objectos, assim c.mo pede-
se a quaiqucr-pessna que noticias delle liver, on
quo Ihe si jam mesmo nlforpcidos a negocio, abon-
dade de dirigir se a esla typ-sgrapbia, onde dir-
se-lia qm-m e s.-u l-gitimo dono.
Casa no < 'axanga.
Aluga se duas casas na pevoapao de Caxan-
gj, ten :o uma_duas gaJaa grandes, 8 q_qartos e
1 gahinetp, 1 grande terraco e cacimba ; e ootra
com duas pequenas salas, 3 quartos o cozinna,
amhas proximas ao rio e a esta$2o : a tratar a
ma dos Pires n. 22.
Atten^ao
Continua ?e a fornecer comedorias para fora,
mandando-se I svar em casa di-s assignantes, mais
em cont< do que era outra parte ; tambem nos
encarrfgamos de fazer comida para qualquer col-
legio que os Srs. directores tenham de passar a
festa : qupm precisar dinja se a rua estreila do
Ro.-ario n. 35, defronte do escriptorio do Dr. Leo-
nardo.
Aluga-se
0 S.c andar e armazem da rua de Pedro Af-
fonso u. 59, o sobrado de um andar e sotao da
rua do Hospicio n. 65, e o andar e armazem do
sobrado da rua do Bom Jesus d. 63 : a tratar na
rua do '-'igano n. 31.
"AO COMMERUO
Baltar, Oliveira & C. scientificam ao respeita-
vel corpo do commcrcio, que ref^rindo se o c tr i-
to social entre os seus membros, soment' par*
com o socio Francisco Ferreira Baltar .' nio\
que se reliiou, coutiniia a sua casa comma ial no
mesmo gyro d- negocio e com os dem ais oci is,
debaixo da mesma razao commrrcial..
Recife, 31 do novi-mbro de 1874.
Aluga-se barato
o andar terreo do sobrado da rua do Visconde
de Albuquerque, oulr'ora da Matrix, n. 24 : a
ralar aa rua do Cahugi n. 11, loja.
Aluga-se a casa tetrea n. 38, a rua de S
Joao, para pequcua familia, pr.co de 14-COO por
mez: a tratar na rua rstreita do Rosarion. 17,
das 10 as 2 horas da tarde.
C4SA DA FOillA.
AOS 4:000^000.
B1LBETES GARACTIDOS.
i' rua Prirneiro de Marpo (oulr'ora rua co
Crespo) n. S3 t casas do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido no sens fe-
lizes bilhetesum meio n. lt-64 com 4:000j000, um
inteiro n. 3970 com 2i 0/000, e outras fortes de
iit{ e 20# da loteria qne se acabou de extra-
hir (123*), convida aos possnidores a virem re-
ceber na conformidade do co.-lumesem descon-
to algnm.
Achim-se aven-la os felizes bilhces garaniidos
da 1' parte das loterias a kneficio da igreja
do Rosario de Serlnhaem (126*), qne se extra ni-
ra sabbado, 28 do corrante mez.
PREgos,
Silheta inteiro 4*000
Meio bilhete 2/000
Earn porcao de- loo.* para rtma
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete U7fi0
Manoel Martins Fiuza.
Ka travessa da rua
dasCruzefi n. 2, pri-
rneiro andar, d4-se
dmheiro sobre ipe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qualfora quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos raetaesepedras.
forra ou es-
( Uarquet de
A rv>n Precisa se de nraa ama,
xituoi crava ^ ona da Cadeia,
; Olinda) n. 52, 3.* andar._____________
Precisa se de umi ama para cozinhar
para casa de familia de tres pessoas:
a entender-so na ma do Cafeuga n. 3, loja do Col-
lar de Ouro.
Ama
Aos
ido* dela
a
Ama de leite
i PrecUa-se de uma ama de leite : na rua de S.
Bom Jesus das Crioulas n. 40.
I AMA
rio do uma casa,
Quem precisar alugar
uma escrava de 15 anno;,
qne tfempra e cozinha o dla-
dirija so a Soledade n. 92, ca-
sa junto do sobrado do Si. Guimaries ; e ignal- ^ j, Luiz Xv a S/OOO
5,000 cova
A1AO ps.
Na loja do Pavao vende se lazinhas de muilo
bonitos costos t delicados padroes, fazeada nova
no mercado, pelo diminnto preco de 160 rs. cada
um covado r qnem deixara de fazer vestidoj de
li tao bonitos e por tio pouco dinheiro 1 Forne-
eem se as amostraa: na rua da Imperatriz nume-
ro 60.__________________________________
LIQUIDACAO.
0 Paris n'America esta liquidando os calcados
pelos seguintes precos :
t; Botinas de duraque, de cCres, com canno alto e
mente um
na mesma
mulafinho de
casa.
IS annos, para copeiro,
Esta eneouracado!! I
Agra mole em peilra dura
Tanto da ate que a fura.
Roga-se ao illm. Sr. Ignacio Vieira de Mali
sscrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Dnqne de Caxias n. 36, a eon-
clnir aqnelle negocio qne S. S. se comprometteu a
realisar, pel a terceira chamada deste jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a^fevereiro e abril de 1872, e nada enmprio;
por este motivo 6 de novo chamado para d
dm, pois S. S. se deve lembrar qne este negoci
de mais da oiwannos,eqnando o St. tea. filho
achava nesta eidade. j. _. ... .____
Precisa-se de uma ama que cozinhe e com-
prei": na roa da GoncordU n. 43^____________
-* Precisa se de ama ama paia coraprar e
11 cozinhar para pouca familia, true seja llvre ou
escrava : na rua da Crux, n. ^2, 2.* andar.
Ama "PrdclSa-se de uma ama qsje saiba en"
I a-lu<*.gommaf corajjerfeigio para casa de fa-
milia : a rha Drjqile, Se Caxias n. 91.
Vende-se
uma c3a na villa de Barreiros, na roa do Com
mercio, por preen modico : a tratar com Tata*
Irmaosi C i* #* j
------------------,--------. *,---------------------
Precisa-se alugar uma escrava para vender
na rua : a tratar na ma do dbuga n. 3, 2* andar
'
.^^L%.
Compram-se
s collecQ88 deleis provinciaes de Poraara-
buco, dos annos de 1849, 185o, i860 e
f869 : nesta typographia.
CHUMBO
Velho
Compra-se chuaibo velho, co!;re e laiao : no
armazem da bola aioarel a, a Iravessa da rua do
Imperador.
V*NDAI.
Botinas de duraque, de cores, bordadas. canno
alto, a6/ III
Botinas de duraque com Uco a 3/.
Botinas pretas gaspsadas, canno alto, a 4/, 5/ e
6/000.
Botinas li-as e enfeiladas, para meninas a 3/,
Bttinas de Suzer, de cordovio com ponteira ee
verniz, para homem a 8/. ApreveiKM, qae 6
barato.__________________________J_^__
Cura das hernias, pelas fun-
das de borraeha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das ate hoje eo-
nnecidas.
Vende-se
-m*a
Phiirnineia e Diogarla
de
Bartolomeo A C.
A'
34. Rua larga do Rosario S J.
Vaccina. Taccma.
Tendo b Sr. Dr. Jose Lourencp de Magalhaet,
montado na cdrte nm completo servico deste ar-
tigo, tem aqui aberto nm deposito da melhor e
mais reeente, cujos tubos se encontram na
Pharmacia e drogaria
34rua larga do Rosario 34.
E. A. DELOUCHE
24 -Rna do Marqnez de Olinda-2\
Esqulna do becco Largo
Participa a seus freguezes e amigos que mudon
o sou estabelecimento do relojoeiro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios dt
algibeira, de todas as qualidades, patente suisso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, inglez, descuberto, dos melhores
Fabricates, cadeia de onro, plaquet e prata, lnnetas
de tod?s as qualidades, tudo por precos muito ba-
ratos.
O Monte Lima
tem um completo sortimento do galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para officiaes, canutilhos e
enfeijes para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espada?, dragenas, cbarlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como um completo sortimento d
ranjas, galao falso para ornamento, cordio de U
com borla para quadros e espelhos (conforme o
gosto da enenmmenda) tado por muito menos
preco que em outra qualquer parte : na praca da
Independencia n. 17, junto a loiado Sr. Arantes.
Tendo-se desencamlnhalo os tal5es ns. 7,648
e 8,964, pertencente3 ao seguro de vlaa no ban-
co Uniao, da cidade do Porto, em Portugal, a favor
do padre Jose Lopes Dias de Carvalho, fallecido em
22 de novembro de 1870, na freguezia de Santo
Antonio, de Garanhnns, nesta provincia de Per-
nambuco, sen pai e herdeiro JoSo Rodrigues Dias,
residente no lugar de Sarnadella, freguezia do
Pombeiro, julgado de Arganil, no dito reino de
Portugal, assim o faz publico, cbamando qualquer
interessado aos ditos lal5es para que no prazo de
30 dias, contados da data desta publicacao, o ve-
nham reclamar na mesroa cidade do Porto, e nao
o fazendo ficara o dito berdeiro habilitado para re-
ceber do dito banco o que se liquidar desde o aDno
de 1870 em que finalison o sqguro __________
Moleque fugido
Fortunato, moleque de 13 a 14 annos de idade,
preto, baixo, cheio do corpo, rosto redondo, boni-
tos dentes e cabello cortado is fresco ; ausehtou-
se na tarde de 10 do corrente, com camisa de ma-
dapolao, calca de brim de cor, desbotada, chapeo
de massa preto, conduzindo um serrate grande e
um amarrado de tres tabicas, sobre o beico supe-
rior andava ultimamente com umas feridiohas.
Gratiflca-se a quem leva-lo a raa da Aurora nu-
mero 165.
Vende-se uma pequena armacao i!e taver-
na com todos as snas pcrtencas, nos .-.f gados, a
rua do Boe: a tratar na mesma.
Cantaria de Lisb&a.
Soleiras, hombreiras, capiteis e oaeadas, a ven
da por prego commodo : a tratar no armazem n.
2n da trave3sa do Corpo Santo.________
Rua do Crespo n. 20.
Alpacas lhas com barra, fazecda muito larga
e de lindas cores, para vestides, e presta se para
roupa de meninos ; vende-se pelo diminuto pre
co de 280 rs. o covado, aproveitem se antes que
se acabe :
portas, de
penhor.
Vende 3e a taverna sita a rua Imperial n.
296, tem poncos fundos, propria para algum
principiante : a tratar u; mesma.
a rua do Crespo n. 20, loja das tres
Guilherme & C. Dao se amostras com
E' pechincha.
A 160 rs.
Lazinhas de core?, padroes muito lindos pro-
prios para vestidos de senhoras e meninas, e ven-
de-se pelo diminuto preco do 160 rs. o covadi,
por este preco so se encontra na rua do Crespo n.
20, loja de Guilhejme & C. ; dao se amostras.
Leques gigantes
So quem tem dos mais modernos t a Magnolia
a rua Ouque de Caxias n 45. _____________
Vende-se o armazem n. 15, sito to caes de
CftfAbArttfA*, Vhv&a }.& tetrtaa i/iox 4J oalmas dft
frente para o mesmo caes o 295 de fondo : a pes-
soa que quizer, dirija-se a rua Formosa n. 33.
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Aze-
vedo, no sen escriptorio, a rua do Bom Jesus nn-
mero 57._________________________
Vende-se.
A armacJo exis'ente na rua do Barao da Victo-
ria n. 61 propria para qualquer negocio, garaiitin-
do-se a casa; a tratar na rua eslreita do Rozario
a. 40._________________________________________
Bartholomeu & Q.
PAH A
LiqnidaCtti) de contas
vendem por barato prero
SALSA -PARR1LBA
DO
PARA'
34nUA LARGA DO ROSARIO -34
Imperial fabrica de rape
area fina de Moreira & C.,
da Bahia.
Oeste excellente rape, que se torna recommen-
davel aos amantes da boa pitada tem estabeleci-
do esta fabrica o sen deposito a rua do Commer-
cio n. 5, qne vendem por Junto e a retalbo, fa-
zendo se vantagem a quem cimprar porcao.
Fio de algodao da Bahia.
Teem para vender Joaquim Jose Gonpalves Bel-
trao & Filho, a rua do Commercio n. 5.
Salsa parrilha do Para.
Cbegada recenteraente teem para vender Joa
quim Jose Guncalves Beltrao & Filho, a ma do
Commercio n. 5.
Fechaduras de broca.
Teem para vender Joaquim Jose Goncalves Bel-
trao & Filho. a rna do Commercio n. 5.
Proprws para bailes.
Chegaram em boa quadra, para a loja do Passo,
riquissimos cortes de seda com largas lislras
acharoalotadas e lindissimas cores ; cories de tar-
latana com palmas bordadas a prata, proprios
para bailes : so na laja do Passo. a rua Prirneiro
de Marco n. 7 A.
Farinha de milho
Vende se farinha de milho moida a vapor, diaria-
mente, da la qualidade, para emeus, 12 patacas a
arroba; da 2*, para cangica]e pao de.Provenca a II
patacas; da 3a, para angii, a 10 patacas; da 4*,
para mangunza, a 9 patacas: na rua do Cotovello
n. 25, casa de aznlejo:
Er sempre assim-
A Nova Esperanoa, a rua Duque de Caxias n.
63, to ma a liberdade de avisar ao bello sexo, que
acaba de receber diversos artigos dealta novi-
dade, os quaes cstao expostos a vuuda em dito
estabelecimento, e bom que venham aprecial-os
para por esta derma satiifazerem os eapricboa de
suas elegantes toilettes.
A Nova Esperanca, nao querendo tornar-se
mass.ip.t-'. Ilmita se a mencionar alguns artigos
dos mais em voga no mundo das raodas, os quaes
sao os seguintes :
Lindos cinti s de couro e filigrana.
Modernos bo'.oes de aco para vestidos.
.\ovos leques, grandes, matisados.
Elegantes fivellas de ago para vestidos.
Delicados ramos de II >res de laran^eira.
Bolsas de couro e Gligrana, proprias para tra-
zer pendentes ao cinto.
Alngsm se tres casas na rua do Coronel
Suassuna, preparadas de novo, e com commodos
sufQcientes : de ns. 103, 193 e 198 : a tratar na
rua Direitan 8.
Casas.
Aluga-se a loja de moradia da casa n. 61 da
rua do Apollo, e a casa na Capnaga a. Si, porto
do Jacobma, ou rua das Pernarobucanas ; a chi-
ve para ver, esia na casa n 55 : a tratar na rua
da Cadeia n. 2, Recife.
Briihos SiiS^ados
Aluga-se uma casa em Olinda, rua do Bomfim,
com bastantes commodos, quintal murado, e mui-
to proxiraa dos banbos e da eatacao do Carmo a
Iratir na nraca di Indanei^neia ns.97 39
Aluga-se
Fngio da povoacao de Caranhas, termo da villa
de S. Joao do Cariri- Ve>ho, o escravo Braz, ranla-
to de eor elara, cabell is chegando a carapinha, al<
tura regular, theio do corpo, narlz chato, olhos
acastanhados, perfeito de dentes na frente, faltan-
d i-Hw qneixaes, barba nao -muito cerrada, pes
camb dos, com slgraes de ealnr de figado nos cal-
canhares, cam mareas de relho nos quartos, cabe-
ca grande, tomador de. torrado, cachimhista, sam-
beiro e gostador de ra^ariga : qnem o pegar, le-
ve-o a casa de sen senhor, o abaixo assiguanio,.que
recebera a'gratlflcacao acima, e mais, conforme
sen trabalho : pede seas aatoridades policiaes que
por sna vez empreguera todos os meios para a
captura do mesmo escravo, e protests se contra
quem o liver occulto.
iUexaodre Coweia de Qneroa.
os armazens ns. 6<> e 69, na praca do chafariz am
Fora de Portas, um onde teve tanla de ferreiio
o fallecido E. Mahult. 0 outro que esteve occu-
pado eom venda de molbados, para o que 6 op-
timo pela localidade e ser de esquina. ambos livres
e desembaracados de impostor: a tratar com o com-
mendador Tasso.
Aluga se
a casa terrea da raa de Vidal de Negreh-os n. 174
(outr'ora Imperial), tecdo 4 quartos, 2 satas, qnin-
tal e cacimba : a tratar na rna do Crespo n. 17,
1 andar.
!PARA 0 WJBLICO VER
mttawtn
Por qae ratio o Sr. tenento'Jose Caetano da Sil-
va naWinflemnlsa ao Sr.^fl'tor da America ?
Aluga-ie a casa da rua do Visconde de Pe-
lotas, actiga rna do Aragio n. 18, com 2 salas,
corredor aeparado, 4 quartos, bom quintal e por-
tao: para tratar ua rua da Pools- Velha a. 20.
Breu, breu, breu.
No armazem de Jorge Tasso, rua d'* Amorim n.
37, e no caes do Apollo, aimazem de farinha de
trigo, do commendador Tasso. _________
Aos Srs. de engenhos
Cbila com 4 palmos de largura, faztnda muitc
superior, a 260 rs. o covado, proprias para escra
vos: so a rua do Crespo n. 20, loja de Gui-
lherme A c.
Doce fino de goiaba
Vende-se no deposito do pateo d o Terco ns. 4 e
a, pelo barato preco de 800, 900, 1/000 e I $200 ;
6ssim como grande sortimento de caixoes peque-
nos, proprios para embarque ; ha requeijao todas
as tercas-fe'ras e sabbados, por preco commodo.
A loja Agrado e Seriedade, sita a rua da Im-
peratriz n. 16, vende por baratos precos U para
bordar, de lindas cores, e fitas de sarja de todas as
cores e larguras, assim como de setim.
Festejos
Grande liquidafao de fazeodas finas e do
melhor gosto, para veslidos de Testa, na
loja n. 44, a" rua Duque de Caxias.
Pouelinas de modernissimos padroes, covado a
800 rs.
Ditas de ditos a I 200.
Ditas de ditos a I .00.
Ditas de ditos a 1*600.
Carobraias organdys de padroes e cores inteira-
i mente'novos e modernos, covado 320 rs, cortes
de carnbraias brancas para vestidos, bordados o
com babados, a 6*.
Chapeos moJernos, gosto allemao, para sethora,
proprios para a estacao da festa, a 24500.
Ditos de diversas qualidades, para nomens, pelo garantem sua boa qualidade e vendem no seu
barato preco de U 2*800, 35 e 4*. I aazar Vistoria, rua do Barao do Victoria n. 2.
Camisas francetas e inglezas, de diversas quail- ------------------------------------------------------
dades, a 1*500, 2*. 2-SOU e 3*. l/I?MTll?Qi?
Collarinhos de linbo, lisos e bordados a 400 rs. f KilXUJai a#3E*
Toalhas de linho para rosto a 400 rs. arna balanga decimal das melhores que tem ap-
LenQos finos com barra, duzia 1*100 pjrecido neste genero, podendo pesir ate 500
Ditos ditos brancos, duzia I 50o. kilos: no armazem n. 3 da rua do Vigario.
Metins esc cezes, inteiramente novos, proprios
para chambres, covado 240 rs.
Meias flnissimas, para senhora, duzia a 3 500.
Lazinhas, chiias, cambrias, madapoloes, algo-
does, brins, por precos baratisaimos, bem como
outros moitos art gos que fe aebam expostos para
os amigos do bom e de barato, por 25 0|0 menos
qne em outra qualquer parte, finalinenle tudo,
tudo se acha em liquidacao. ,______
.Chiverde e preto
Amaral, Nabuco & C. declaram a seus amigos
e freguezes que receberam pelo ultimo vapor
de Europa, nova remessa de cha verde e preto.
40$ a duzia
de camisas inglezas, de linho, borJaJa-, muito fi-
nas, com collarinhos e sem elles, 6 pechincha : na
rua Ouque de Caxias n. 88, loja de Demetrio
'Bastos.
Tauchiiilz Edition
COLLECTION OF BRITISH AUTHORS
Each volume-1*200
Popular Ijibrary, rua IS'ova n. 59
Sal do Assu.
Tem para vender Antonio Luiz de OHveira
Azevedo, a bordodo palhabote Johen Arlchr ; a
tratar com o capita: a bordo, ou no tea escrip-
torio, a rua do Rom Jesus n- 87.
'l?al de Lis:boa
Vende.-se cal de Ltsboa : na praca do Corpc
Santo n 17,1* andar. eecriptorio de Joaquim ^Rc-
prig soa ravares de Mello. |_______________
'Veh'de se uma casa terrea na rua de Pay-
LIQUIDACAO
Loja de fazeodas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miodis muito boas para ronpa
meninas a 160 e 100 rs. o covado.
La pretas, superior, a 400 rs. o covado.
A\o acas de cores finas a 320 e 360 rs. o covad.
So se vendo.
Ditas com Ilstras abertas, fazenda fiaa, a 600 rs
covado.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cores miudas a 280 rs. o covado.
Cretones, o melhor que tem vindo ao mercado
400 e 440 rs. o covado.
Carnbraias brancas, bordadas e abertas, fatend
mais Qua que tem vindo ao mercado, e fazend
de 2*000 o metro, por 1*000 a van; p
chincba.
Ditas pretas eom floras miudas a 100 rs. o eovado
Cambraia traaaparente, fina, a 3* a peca.
Dita Victoria, fina, a 4*000 a peca.
Offtatfy de asmio fcraawo e 4k acres, ccm Ac-
res miudas de seda e de la, a iOO n. o covadc
E' pechincha.
Cotres de casemira de cores modernas a 8*500 c
erte ; 4 fazend* de^8*'. E' pechincha.
Camisas de linho teas, lisas, a 35* a duzia, e fa
zenda de 53*.
Brim branco de linho a 1*400 avara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolio francez verdadeiro, 24 jardas, a- 6*
7* a peca.
Algodao T, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgorto preto de seda para veatido e para coll~
a 34 o covado
Toalbas alcochoadas a 4*600 a duzia.
Colchas grandes a 3*500 uma.
Cobertas de gahga, forradai, a 3*.
Lencoes de bramante a 2* um.
Lencos de linho, abainhados e em caizabas
3*500 a dnzia.
Ditos de caca de cores abainhados a 3*500 a do
cia.
E outros muitos artigos qne se vende por m*
nos do qne outra qualquer parte e para aa di
So na lorem qneiram mandar Ver as amostras.
enganaja de
Gnilherme & C.
Para o fabrico de chapeos
A NOVA ESPERANCA recebeu o arame propn-
para armac3o de chapeos.
BAZAR
Popelinas a 1$ e 1$500 o
_ _.. ..,:,,_ sandu, estrada da Magdaleoa, cam 4 quartos, 2
0 Desengano recebeu um.grande sortiment) de gala corredor iDdepeniente e forrada, com quin-
popehnas de seda de lindissimos padioes, [azenda d ,ii*ta-ge na roa 'le'ttortas sobrado
qne se vende por 25500, esta vendendo pelos dt- .8 "*^
minutos precos de 1$ e 1&S00o covado. E* grande -:--------------------....... <,> .....--------
pechincha ; a ellas, antes que se acabem : na rua Boa 'aCOUlSlCwO.
1* de Marco n. 25, junto a loja da esquina. Dao-se *"^* ^ y
as amortris com penhor. Vaa pessoa que urgentemente prec.ia retirar-
------- v------r-T:------;-.--------7T-T- se desta provincia, vende per 3:o00* uma heran-
Vende.se o estabelecimento de molhados, de 16^100* solidamente garaotida. Nao e um
sito a rua de Pedro Affonso n. 61, bem afregneza- p|eil0 ^ ge va.wniar exposto as cootingaocias
do.tento para omato como para a praca, serve do jnigamento, um direito ja liqaidado e
para qualquer principiante em rao deter poncos apnrado,por sonMoca proferida pelo supremo mi-
fundos: a tratar no caes do Ramos n. 2^. bunal de jUI,a> em grao ,je revi9ta. Na rua de
ih '..-di .J~ Riachuelo n. 22 (outr'ora rna do Destino ae dira
ftlta 'HDlfKWW. quem vende._______
OBaraleiro, a rua l* de Marco n. 1, acaba de
receber grande sortimento de entremeios e babadl-
nhos tapados e transparentes, de todas as largu-
ras e vende a 1,000, 1,200 e 1,500, faiendaque
sempre enstou 2,500; a uma experieucia nos os
convidamos.
Grande-Noiidade.
Chapeos de not de seda trancada muito boa, ar
maeao especial, a 7*000. S6 na rua l de Marco
.14, loja deGusroao&Leal.
Aos nervosos
A NOVA ESPERANQA acaba de reaaber aqua'
les milegrosoajannais electsieos, cora infallivel do
nervosos.___________________________________
Aos eigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papal de lioh
proprio para cigarrus, de divereas largaras.
Insignia^ maoonicas eeadei-
ras para viagem
AmaBaliHabueo:* C. vendem insignias oaconi-
cas para diversas graos, e cadeiras a abrjr e fechar
proprias para viagem : no Bazar Victoria, roa do
Btfao,da .Victoria n..2.__________________ ^_
Maripoza
A SW rs. o-vad*
S6na rua do Qaeimado n. A3.
MINTO A' W)JA DA .MAGNOLIA.
Manpora-bratics com Hndas listras abertu pe-
lo diminuto preco do 320 rs. o covado ; aprovei-
tem qua e.peehinoha, s6 o 43Baraasiro sem
igual. .
Dao-se amostras com.penhor.
__Precisa-se' de ami ama escrava Je boa con-
ducta, para lodo o servico de uma -*asa eatran-
' Ueira de pouca famnw : a iratarst raa da Aoro-
\

DAS
FAMILIAS
M Dnqne de Caxias n. 60 A
Para a festa
Reis e Silva & Guimaries, proprietaries des:
bem conhecido estabelecimento de fazendas final
convidam aos seus freguezes e smigos a sortirem
se dos artigos indispeusaveis para a festa, artigc -
da ultima mod:, e de lino gosto, os quaes se ven
dem por modico preco, de forma que igual nao as
encontra em outra parte.
Atim de que o pablico avalie o que levam di:-
offerecem a sua prteiosa con.-ideracio a segnin'..
mencao:
Riquissimas polinaises de gorgorao prelo, rica
mente enfeitadas, pelo diminuto preco de 36*.
Lindissimos casaquinhos de gorgorao preto, r.
camentft hordados. bik1,, curtinhos conforme a m.
da, pelo aumnnio preco ae iz*o Riquis senni ra, inteirameute novidade, pelo diminu:
preco de 12*000.
Lindissimas capinhas de la e seda inteiramen-
te novidade, pelo insignificante preco de 8*000
li>3<-00 cada uma.
Riquissimos cachinets de la e seda, pelo diminu
to preco de 6*000 cada um.
Um completo sortimento de :ape!!as ccm veio i
blonds, proprias para noivs?, pelo diminuto pre^
de 10*, 13* e 20* cada uma. E' barato E at
mo sao lindas?!
Ri.|uisrimos lacinhos com Mb, proprics par
pescoco de senhoras polo diminuto preco de 1/i'
cada uma.
Lindas gravatinuas le cOr, proprias para senht
ras, pelo diminuto preco de 1*000 cada uma.
Lindissimas rcsas com a!finotes, proprias parj
peito de senhoras, pelo diminuto preco de 1*K*'
cada um.
Carnbraias brancas, bordadas de cores a :5, ?
zenda modercissiraa, pelo preco de 540 rs. o c.
vado.
Cambraia transparente. Com duas largur:.?, pel
prego de 13*000 a peca.
Cambraia transparente fina, Suisa, a 6/500 i
peca.
Cambraia muito fina, Victoria, a 7*200 a p:>
Meias de cores para homem, pelo diminuto pro
co de 8*000 a duzia. E barato I
Riquissimas caixinbas. cada uma com uma du
zia de lencos de linho ja abainhados, p-io die.
nuto preco de 5*5(0, 6*, 6*500 e 7*.
Grosdenaples preto, fazenda muito superior, a
1*200 o covado.
Setim branco, Macau, fazenda superior, a 2*2C
o covado.
Riquissimo sortimento de popelinas de linho, p&
lo diminuto prego de 440 e 500 rs. o covado.
Riquissimas taias de seda. fazenda modernise
ma, pelo conmodo preco de 2*200 o covado.
Popelinas de linho e seda, padrdes iuteira
mente novos, a 1*600 e 1*800 o covado. g' ba-
rato I
i3ro?denapoles cor de rosa, fazenda muito supe-
rior, a 1*600 e 1.-700 o covado.
Um completo sortimento de las e alpacas de se
da com listras a 700, 800,900 e I*. E' muito ba-
rato I
Um complelo sortimento de las, a 180, 200, 24C
320 e 380 rs. o covado.
Madapoloes, Elep'aacte, com 2C varas, a 4*4(K
a peca.
Madapolao, Maravi'ha, com 20 jardas, a 5*500
a pega.
Madapolao francez, Madraste n. oo, a 6*200 a
pega.
Madapolao superior francez n. GO, a 7*000 i
peca.
Assim como um grande sortimento de chRfc e
enra*, claras a outros artigos.
*E43 E SILVA d GUIMARAB&

ra p.
139-
!A0 INGORRETA
MUTILUf



Diario 4ft Pernamfcaco Terca feira 24 da o*jembra 4e tt&ku
& w>
>*
.^
,*.
Ao barateiro
V
A' rua 1" de Marco n. 1
Confroute ao nreo de Santo
Antonio.
Oe proprietarios deste estabelecimento, tendo
gande deposito do fazendas de la, linho^ and* e
algodao, e achauuose proxmia a occasiao do ba-
lance, resolveram fazer grande reduccio era pre-
cos, aOm de que naquells tempo nao tenham gran-
de trabalho err. balances ; a saber :
GORGORAO de seda preto, para collele, um
oorle por it. E' fazenda que sempre castoa 7#.
AMAZONAS, liuJa fazeuda para vestidos de
passeio, a 500 rs. o covado.
GROSDENAPLES de cores, verde, encarnado,
branco, cor de rosa e cravo, a 900 rs., If e
1*200 rs o covado. Quern e que nao coraprara?
POPELIXAS de linho, de quadros e tistras, bo-
nitos gostos, a 500 rs o covado. Aproveitera.
POPELINAS de linho e seda, gostos inteiramen-
te novos a 900 rs.
D1TAS com listras largas assetiaadas, o mais
moderno que tern viudo ao raercado, a 2 *.
CRETONE francez com listras e de quadrinhos
de cores e prctos a 400 e 440 rs. o covado. Isto
so no barateiro 1
DITO francez de listras, proprio para camisas
e vestidos a 300 n.; pois so se vendo se pode
crer.
ES JU AO de linho e algodao, proprio para ca-
misas, fronhas, etc., etc., com 7 jardas, a 3*200, e
com 10 jardas a.4*500 a peca.
MTJSSULINA Branca, com listras, para vestido, a
400 rs. o covad<>. E' pecbincha I
MADAPOLAU franco: ccm 20 varas, por 4*500.
E' barato.
CASEMIRAS de cores, para costumes (roupa de
hcmem) a 3* o covado. Ver para crer I
LAS escocezas, estamos acabando aos precos de
120, 180 e 200 rs. Apressem se!
CHITAS escuras e Claras, fazeoda fina a 240,
260 e 280 rs. ; so a rua Primeiro de Marco n. 1.
CHAPEOS de alpaca, para sol, para senbora, a
2*000. E' admiravel 1
BRIM branco n. 5, exposicao superior, a 21 a
vara.
CAMISAS de cretone francez de cores, a 2*500
am a.
CAMISAS branca?, inglezas e francezas, gran
de sortimento por precos baratissimos.
BRIM pard : tranQado, para 280 rs. e 400 rs. o
covado.
BRIM Angola, superior, a 500 rs. o covado; isto
so na loja do Barateiro I
CHAPEOS de sol de seda para homera, fazenda
superior, a 8*500, 9*000 e 10*000.
BAPTISTAS matUadas, gostos miudinbos a 300
rs. e 360 rs. o covado ; to confronte ao arco de
Santo Antonio !
LENCOS de linho superiores, abanhados a 3,
4*500 e 5000ja duzia.
TOALHAS felpudas snperiores a 6*500 a du-
zia. Em oulra parte vesdem por 9* I
MEIAS cruas, superiores, para homora, a 4*,
4*500 e 5*. E' pechincha.
BOTINAS superiores para senhora, a 4*500 o
par.
ATOALHADO alcoccdado, fazenda superior, pa-
ra mesa, a. 1*500 a vara.
ALOODAOZ1NHO branco, com peqoeno toque,
a 32500, 4* e 4*500, e marca T, a Sg a peca.
Alem das fazendas acima meuciocadas, encon-
trarao muitas outras que agradarao em quaiida-
de e precos, eque para nao massarraosa paciencia.
de nossos freguezes, as dcixam-s de enumerar.
Si. no Barateiro
A* rua Primeiro de Marco n. 1.
Loja de Agostinbo Ferreira da Silva Leal >& C.
Nao se enganem
Pois sao os verdadeiros barateiros I
Aos Ugitwaos fogoes eeeno-
rnicos.
Acabam de chegar a esta cidade os ver-
dadeiros fogoes economicos, j4 muito conbe
cidos nas proviucias do Rio do Janeiro,
Minns, S. Paulo, Sergipe, Rio-Grande, Ba-
bia e Alagoas, aonde tern raerecido do pu-
blico a maior aceitacao possivel, e sao jd
preferidos aos de qualquer outro systerna,
conbecido pela sua muita solidez, especia-
iidade na collocarjao, moderno systems,
e sobretudo grande economia no combusti-
vel ; trabalham com lenha, coke, corvao de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
ubos, proprios para cases de pouca, regu-
lar, e de muita familis, collegios, boteis,
casas pias, hospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao publico, aonde se darao todas as
jxplicacoes necessarias : na rua do Viga-
on. 13______________________________
Aos meciaos
A NOVA ESPERANCA, a rua Duqae de Caxias
n. 63, acaba de receber nm bom sortimento de fi-
nas bonecas que fallara, que riem-se e choram ;
tambem as tem mudas e surdas ou sur das-mudas
veaham ver se nao e verdade.
E' BOM SARER-SE
Que a NOVA ESPERANQA, a rua Dugue da
Caxlas n. 63, bem conbecida pela superioridade de
seus artigos de mods e phantasia, acaba de rece-
ber diversas encommendas de mercadorias de sua
reparticao, que pela eleganci i bsm mostra aptidao
e bom go-to de seus antigos correspondences da
Europa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Do que de Caxias n. 63, con v id a a sua boa
e cooitante freguexia e com espesialidade ao sexo
amavel, a visitarcm na, afim de apreciarem ate
onde toca o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer entrar no nu
mero dos massantes (verdadeiros azucrins) com
extensos annuncios e nem pretence descrever a
immensidade de objectos que tem expostos a ven-
da, o que seria quasi impossivel, mas limitar se-ba
a mencionar alguns daquelles de mais alta novidade
e toma a liberdade de aconselbar ao bello sexo,
que a visitem constantemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte nao se arra-
penderem, a vista do bom e escolhido sortimento
que ha em tlito estabelecimento, esta razao tam-
bem dernonstra que qualquer senhora-do bom torn,
?ao podera completar a elegancia de sou toilet
eem que de um passeio a NOVA ESPERANCA, a
rua Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguint c artigos de Iuxo e inteira novida-
de )
Modcrnas settas para prender os cabelloi
Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sahidas de bailes pan senhoras e meni-
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes facbas de touquim.
Boot aderecos de madrcperola.
Dellcados adere^os pretos de pufalo e borracba
(gosto novo).

GTande liquidacao de fafzendus
NO
MACIONAt
friz N. 7 2
N.72.Rua da
1
Impera
DE
Mendes Guimaraes & lrmaos.
Tendo os proprietarios deste estabelecimento resolvido diminnir o grande deposito de fa-
zendas, entenderara fazer esta grande liqntdagao, como se vfi dos prccos abaixo mencionados :
Brim de cores a 400 re\s.
ChiUs largas a 160, 200 o 280 reis.
Vende-se chitas francezas e Dnas a 120,280 e 320
o covado.
Lazinhas a 120 reis.
Vende-se Klzinhas para vestidos a 120, 240, 320 e
400 reis o covado.
Chitas para cobertas a 280 rdis.
Vende-se chitas para coberta3 a 280 e 360 r6is o
covado.
Alpacas de cores a 640 reis.
Vende se alpacas de cores, dnas, para vestidos de
senhoras, a 640 r6is o covado.
Metim de cores a 320 ris.
Vende-se metim de cores para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas Dnas a 280 reis.
Vende se cassas francezas, Gnas a 280, 320 e 360
reu o covado.
Cambraia Victoria a 3*000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3*,
3*500 e 4*000 a pep.
Cambraia transparent a 2 e 3*000.'
Vende-se pecas de cambraia transparente a 3*,
3^500,4* e 5*.
Cortinados a 14*000.
Vende se cortinados bordados para caraas a 14*'
16* e 18*.
Ganga amarella a 400 reis.
Vende-se ganga amarella para vestidos de senho-
ras e roupa parameninos. a 400 reis o covado.
Vende se brim pardo e de cores para caljas
400 reis o covado.
Tualhas para rosto a 700 reis.
Vende-se toalbas de linho para rosto a 700 e 800
reis cada uma.
Chales de 15 a 640 r6is.
Vende se chales de la de quadros a 640 reis, cha-
les de metim a 1*160 reis, chales de merino
lisos a 2*, e chales de merino estampados, a
3*600, 4* e 5*.
Aberturas a 2^009.
Vende-se aberturas de linho bordadas, para ca-
misas, a 2* e 3*500. Dilas de aljzodio a 200 e
400 reis.
Cortes de casemira a 8*000.
Vende-se cort-s de casemiras flnas para calcas a
8*, 5*600 e 6*
Cortes de brim a 1*400.
Vende se cortes de brim de cores a 1*400. Ditos
de brim de Angola a l*u00 e 2*500.
Cobertas a 2*000
Vende-se cobertas de chitas de cores a 2*.
Colchas a 2*000.
Vende-se colchas de fuslao para cama a 2*, 3* e
4*.
Paletots a 3,008 rs.
Vende-se paletots de alpaca.preta a 3, 3,60
5,000 rs. ;'calcas de casemira prelate de core
letes de casemira preta e de cores, e outras
tas roupas feitas baratas e fazendas que est
quidando no Bszar Xacional, a rua da Im
Iriz n. 72.
A' rua do Cabala n. 1 A.
Os proprietarios da Prediiecta, no intuito d
isonservar o bora conceita quo teem merecido dc
respeitavel publico, distinguindo o sen estabeleci-
mento dos mais que negociam no mesmo generc
veem scientincar aos seus bons freguezes que pre
veniram aos sous correspondentes nas diversas par-
cas d'Europa para lhes enviarem por tocSos os pa-
quetes os objectos de hixo e bom gosto, qua se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
daquelles paiEes, visto aproximar se o tempo de
festa, em quo o bello sexo desta linda Veneza
mais osteota a riqueza de suas toillettes ; e co-
mo ja recesessem pela paquete francez divers o
artigos da ultima moda, veem patectear alguns
d'entre elks que se toraam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a eostumada
concurrencia.
Adereeos de tartarega os mais licdos que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e dt
vellndo, sendo diversos tamanhos e baratos pr-
08.
Aderecos completes de borracha prcprios para
Into, tamoem se vendem meios adore^os muito bo-
oitos.
BotSes de setim preto e de c6ree .para ornato dt
oestidos de senhora ; tambi m tem para collet*
-alitot.
Bolsas para senhoras, existe ura bello sortimea-
der seda, de palha, de 'chagrim, etc., etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhoa, tanto de roue?
como de cera, de borracha e de massa ; charna-
mos a attencio das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes ternam-se as crianoas um pouco im-
pertinentes por falta de um objecto que as en-
iretenham.
Camisas de licho lisas e com peitos bordados
jara homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulaa de Unto e de algodio, de diversos pr->-
Caixinhas com musica, o que ba de mais Undo,
com disticos nas tampas e proprios para presen-
ce
Coques os mais modernos e de diversos foraa-
tos.
Cbapeospara seohora. Receberara um sortimento
da u'.tttna moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
OJ.cas bordadae para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindoi
desenhos.
Bscovas electricas para dentes, tem a propria-
lade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, existe cm
grande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de saria. 'a gcrgiirao, de setim e de cha
aalo-e, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
Ffc-rc artificiaes. A Prediiecta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento dea-1
tas flores, nao so para enfeite doe cbellos, como
ambem para ornato do vestido de noivaa.
Galoes de algodao, de U e de tzte, brancos, pre-
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacoe de cambraia e de seda de diversas corae
para senhora.
L.gas de seda de cores e brancas bordadas part
noiva.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
perola, marfim, osso e velludo, tudo que na de
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para disar os ca-
bellos ; teem tambem p&ra tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, raarum, ftsse e dourados por barato preco.
Perfumaria*. Neste artip esta a Prediiecta bem
provida, nSo so em extractos, como em oleos *
oanhas dos melhores odorea, dos mais afamados
rabricantes, Lonbin, Piver, Sociedade Hygienica, j
Coudray, Gosnel e Rimel; eao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadae para senbora, por cemmodo
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebea a Prediiecta nm bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de saias.
Vestimentai para, baptisado o que ha de melhcr
goeto e os mais moderno recebea a Prediiecta
de or arata preco, para dear ao alcanca
inalquer bolsa.
artigos
dc alta
VeiMk>-se
No escritorio de Thomaz de Asnino Fonceca k
C. Successors, a rua de Vigario n. 19, primeiro
andar':
Cimento Pdrlfatril verdadelro.
Cera em velas e era grumo, U Lisboa.
Vinho Sher/y.
Vinho d-i Porto em caixas, finissimo.
Idem em barris de quinto e deciino, fiao.
Relroc
Fio.
YENDE-SE
Na rua do Vigario a 19, vende-se o seguint e
Ciraento dc Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, finis3irao, em cai-
xas de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez em caixas de duzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera era velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
Nova remessa,
Vinho verde de Amaranle
Convida-se os apreciadores a virem apreciar o
que ha de mais excellente neste artigo; vende-
se em deeimos e a retalho, em casa de Pocm
AC, a rua estreita do Rosario n. 9, junto a
greja:_____ _______
Ao n. 9.
E' boiito
No progre?so do patiD do Carmo vende-se man-
teiga ingleza tlo a r800 rs. a libra.
Wilson Rowe & C vendum no seu armaxa*
a rua do Coramereio n. 14 :
vsrdadeiro panno de algodao axul ameneano.
Rxcelieula fio de vela.
Cognac de L* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvio de Pedra de todas as qualidades.
A 120 rs. o covado.
Na rua da Imperatriz n. 60, vende se para aca-
bar uma grande quaptidade de las, restos de di
versos scrtimeetos, desde 120 rs. ate 500 rs.; no
tando-se que, quando havia sortimentos comple
tos, se vendiam a 1*280 e 1*600 o covado, ba
grande variedade em padr5es, os que primeirc
cbegarem melhor pechmeba farao, a ella a rua d>
Iraperatriz n. 60._______________
9IAI>lLPOL0ESIfl
Na loja do Pavao vende-se madapoloes franco
zesnuiM incorpados, com 20 jardas a 6,000 reis,
dito rauit i Iilu com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sim como um grande sortimento de raadapol5e!
inglezes de 4,500 M 8,000 c 9,000 : a rua da Im-
peratriz n. 60, de Pelix Pcreira da Silva.
Saccos
;'Retalhos de las.
0 Pa van vende uma poroao de retalhos de Us
para vestidos tendo graudes e pequenos, que li-
quids barato para acaoar, as-ira como uma por-
cao de cassas e chitas pretas que se vendem per
qualquer preco paraacabar: na rua da fmp-rj-
tria n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Espartilhos, a 3*500, 4* e 5
0 Pavao vende um bonito sortimento dos mais
mode-nos espartilhos qne vende a 3*5"0, 4* e
5*0CO.
Pecbinca em lencos branc< s a 2 500.
0 Pavao vende duzi-s de lencos finissimos de
cambraia branca para mao, sendo fazenda que
semcire se vendeu a 4^000 a duzia eHi t*5C'0 por ter grande porcao de duzia>, ditos abai-
nhadosa2 ditos chioez-s muito finns e ditos
francezes eseuros mu;to finos para quern toma
rape.
Cassas de cores a 240 rs.
Vende-se cassas de cores para vestiio a 240 rs.
o covado : na loja do Pavao a rua da Iiuperatriz
n. 60.
Camisas.
Vende-se uma grande porcao de camisas bran-
cas com peito de linho e de algodao, por muito
menos do seu valor, per estarem um pouco enxo-
valhada.", assim como sc-roulas francezas e de at
godio a 1 500, ditas de linho a 2j e 2-;500 para j
acibar : na loja do Pavao rua da Iraperatriz n. 60 ,
de Felix Pereira da Silva.
Roupa para homem para acabar ate ao fim
do ?nno.
Na loja do Pava> liquida se uma grande porcao
de roupa para hom^m como sejam : calcas de
brim d'Angola, dilas brancas, ditas de casemira de
As aimofadas bordadas de ft matisadas qae re-
cebeu a Nova Eaperanea, a rua Duq 4
Caxiapr ",
Cortinados para, cainas
Na loja do Pavao vende se um grande nrfiiac:
to de cortinados bordados^>rr>prias para rasaa
janellas, pelo barato preco de 8. 9 e K'.OOt rs. o
par, assim corao colchas de daraaseo pu* ranua
de noiva a 10 e 12,00(1 rei-e pertioeha: a
rua da Iraperatriz n 60, de Felix !Vrtra da
Silva._________
Sedinhah a 1^500 o cov do.
Venham antes que se acabem : na loja do Pane
a rual.* de Marco n. A.__________________
Mu ha qieiii \ilDda hiaisha"*l!
Gama & Brito, com trmazem de ipolhados m,
largo da Santa Cruz ns. 2 a 4. vendem raant >|a in
gleza em barril a 800 e 1,000 rs nor cada \5^
grammas ; vinho de macJ a 1,200 g.rr^fa. dito
Figueira a 440 a garrafa, a cainda a 3,4"0 rs. ,
gaz (Dcvos) liquido ai40 a garrafa, vel*s siearinas
a 560 o'rnaco. velas economica* a *60 o matf",
cba perola a 3,200 rs. cada 45') sra-nra* d.toal-
jofar superior a 3,000 rs. cada 450 gramma*, u.i.
completo s'-rlimeoto de biscuitos era tatSA vendem pnr pr^cos baratissimos, lnv v,ii:,i fr.in--e
zas a 640 a lata, marnelada muito fina a 640 rs.
a lata com m-iakilo,queijns fre-C's, u*:ile I
de Lisboa a 640 a garrafa, as near de p'ltn-ir..
sorte a 320 rs. o kilo, dito de segun-la srt4 a 2--.'
o kil->, ditu de terceira sorte a 240 kilo, viutwdo
Porto, em barril, a 800 rs a garraf.-., ditu eugir
rafado das marca* rnai? acre'.iuJ.-.- a I.1
1,200 e 1,5'0;: o qne pode] haver le ra 1 mr t
tudo mais a vontade dos corapradores, c rti>? dc
qne encontraraj a maior siarriiJadu e agradc
possivel : no largo da S:.nta Cruz us. 2 e 4, artna-
zem de Gama & Silva Brito. ____
Vende-se
Cora dos cslreilamento durctra
pela facil applicar^o das
SONDAS OUVAES
DE
GOMMA ELASTIC!
As maismodernas e aperfeifoadas de todas
as conhecidas
Vendem-se
NA
PHARMACIA E DROGAKIA
DE
Bartholomeu & C.
34Rua larga do Rosario 34
Fundas lleraiarias
radical-
ELECTRO-MEDICAES
Para ligar perfeitamente e curar
men to
as quebraduras
Essis fundas estabeiecidas sobre os conheci-
meotos medieaes e anatonicos mantem as quebra-
doras as mais volumosos e difficeis, impedindo o
seu desenvolvimento. Eiles teem uma aecao elee-
trica qne na generalidade dos casos opera uma
cura radical sem que o doente se sujeite a pres-
cripcao algnma, a excep^ao do uso contlnuo del-
tas. A cuta epera-se no periodo de At 20 nw-
zes conforme a hernia mais on menos anUga.
Unico depofiito em Pernsmbnco, pbarma-
tcia e drogeris de B irtbolomeu i C.
Rua larga do Ro.ario n. 34.______
L$ para bordar, linflas cOres, sapatos de tranga
al*, botinas para senhora a 2* e 3|, cano alto,
fitas de sarja de todos os nnmeros e lindas cores,
a precos baratos, sapatos de castor a 2* linba de
carrelel Alexandre, de 200 jardas a 900 rs., bor-
zegnins francezes para homem a 5* : na loja da
rua da mperatriz n. 16.
Para senhoras
Como sao lindas e modernas in gryvatinha? qne
a Magnolia, a rua Dnque de Caxias a. 4", acaba
de receber (
CASA
Vende-se on aluga se uma casa terrea em Olin
da, com graudes commodos, gaz e agua eneanada :
a tratar na rua 1* de Marco n 6.
Cimeolo Portland
0 verdadeiro cimento Portland em barricas de
180 kilos-: vendem Lebre 4 Reis, a rua do Amo-
rim n. 58.
Vinho verde.
Especial chegido no ultimo vapor, tem para
vender em barris de quinlo e de Colares em
deeimos, no tea escriptorio a rua do Commercio
n 3, Joaquinj Jos6 Gonealves BeltrSo & Filbc
Fazendas e
novidade
loja do nm
Una Primeiro dc Marco n. 7 A.
SCordetro Simdes A C, proprietarios
ieste importante estabelecimento, no louvavel pro-
prosito de nao desmentirem o conceito que os
tens numerosos freguezes lbes tem dispensado,
tcabam de receber dc sua conta o mais nco sor-
iraeuto de sedas, popclinas, las e artigos de ul-
:ima moda era Paris, e cominuarao a receber
por todos os paquetes daquella procedencia ; por
sso chamam a attencao do seus freguezes e os
xravidam a darem um passeio ao seu estabeleci-
sento, garentindo-lhes que-encontrarao a reaii
iade do que fica dito, e para prva dao um pe
ineno resumo, cujo infaliirslmente despertara a
UtencJo dos pretendentes.
Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao.
tmostras mediante penhor.
iVrtigos de alta novidade c
nllluia ctaotla.
Cortes de vestido de liubo guarnecidos de bico
la mesma fazeuda e cor, trazendo fivella, bolca,
:into, etc etc.
Biquiscimos chapeos para senhora, de cores e
jretos.
Cortes de cambraia brancos com lindas bor-
lados.
ni de cores com ee'eites da mesma fazenda,
nrino, etc. etc.
Capas de la para mouinas e senhoras, guarne-
Mdas de arminho.
Vestuarios para baptisado."
Riquissiraas camisas 'bordadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Ricas colchas de seda, para casamenle.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda breuca e dito pretc.
Sedrchas de delicades padroes.
Setim Macao de todas as cores.
Grosdenaples pretos e de cores.
Velludo preto o damasco de seda.
Granadine preta e ds cores.
Filo de seda branco e preto.
Ricas baequinas de seda.
Casacos do merino de cores, 1J, etc
JiaiiUs brasileiras.
Capellas e mantas para noiva.
Cambraia de cores, dilas mariposas hrancas, de
ores, lisas o.bordadas.
Flor-do bosque (novidade).
Percalinas de quadros, listras, etc
Brins de linho para vestidos.
Fustao de cores.
.Saias bordadas-p.-.ra senhora.
Grande sortimento de camisas de liu'.ic lisas e
ordadas. para horaem.
Meiasde cores para homem, senhora, meninos
meninas.
Sortimento de chapeos de sol para hemens e
*nhora.
Merinas de cores para vestidos.
Dito pieto tran?ado e de verao, bombazina, can
to, alpaca, etc. etc.
Atoalhado de linho e algodSo para toalr.ae, e dito
aardo.
Damasco de la.
Brim de linho branco e de cores.
Setins de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de casemira
Camisas de chita para DOW* ''tas de fia-
iel!a.
Ceroulas de Hobo e ditas de algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc
Lencos bordados e ditos de labvrintbo.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
ara bailes, e tarlatana de todas as cores.
Colchas de damasco de 13, e ditas de crochet.
Epactiliio.- lisos e bordados.
Foulard de seda, lindas cores.
Ueias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
opellnas.
Neste artigo temos um variadissiao sortimento,
ao so em gosto como em qualidade.
Las
wm listras de seda, ditas com pal nas bwdadas,
li tas transparentes e de outras muitas qnaiidades.
Lovos
te pellica brancas e de cores, do verdadeiro fa-
rieante Jotrvin.
Fiisalniente :
apetes para sofa, cadeiris, cama, entrada, etc.,
dmbraias branoas, chitas de tolas as qualidades,
uadapoloes, esguiio, bretanhas, bramantes, algo
I5es, collarinhos, punhes, meias para homdrn e
;6chora, punhos e collarinhos brancos e de c6
res para senhoras, gravatas para homem a senhe
a, peitos bordados, lencos de linho brancos e de
tores, ditos de cambraia de linho, toalbas, guar
lanapos, panno Quo, etc., etc.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Marco n. 7 A
i antiga do Crespo.
Vende se sacco3 de estopa cm um pequeno
defeito, pr>prios para ensaccar farinha, railho, etc.,
pelo diminuto preco de b20 rs. cada um : na lo-
ja do Guiiherme & C, a rua do Crespo n. 2v.
Casaquinnos
Casaquinhos de gorgorao de seda, pretos, pro-
prios para senhoras, fazenda muito fina que sem-
pre se vendeu por 20*, estamos vendendo por
6* cada um ; isto so na loja do Guiiherme & C.
a rua do Crespo n. 20.
Linho d'Alsaoia
Linho de Alcacia cora listras, abertis, fazenda
muito larga, padroes lindos e inteiramente novos,
proprio para vestides de senhoras e meninas, pelo deu a 7* e 8:, liquida a i'.
cor de 65 ate 42 j, ditas de brim de cores, rjalitots -
e fraks de panno preto, de alpaca e alpacao, as
sim comode casemiras de Ceres, colletes brancos,
pretos e de cores, issim como roupa branca de to-
das as qualidades,nao se olha a pitjuizo, o que se
quer 6 liqiiidar al6 ao fi o do anno.
Cambraia Victoria e transparente
Na loja do Pavao vende-se um grsnde sortimen-
to de cambraia Victoria e transparente para ves-
tidos tendo 8 1/2 vara cada pessa de 3.-600 para
cima, isto na rua da Imperatriz n 60 de Fe ix Pe-
reira da Silv.%
Collarinhos c"c linho para acabar a 4j
a du-'ia
Na loja do Pavao liquida se uma grande porcao
de duaas de collarinhos de linho, por eslarem um
Souco enxovalhados, pelo barato preco de 4j a
utia, sendo fazenda que sempre se vendeu por
7; e pechincha : a mi da Imperatrii n. 60, loja
de Felix Pereira da Silva.
Chales de casemira a 4*.
0 Pavao vende chales de casemira com gostos
chinezes, sendo muito grandes, que sempre ven-
Ditos de la, muito
na rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarrafado, cm barris *c
ancoretas.
iJera em velas, de Lisboa, su; enur qua:id>ie
Relroz do Porto.
Cimento Portland, lepi'iaio
baraiissimo preco de k40 rs. o. eova4o j dao se
amoslras : a rua do Cr;espo n. 20, loja do Gui-
iherme &. C.
SargeHm
SuuUn] de cor tranyaio proprio para forro de
vesiidos e outra qualquer obra e vende se pelo
diminuto preco de 160 rs. cada covado : & rua
g Crespo n. 20, loja do GoMlherne flj C._______
E' com as senhoras.
a Magnolia, a rua. Duqua de Caxias.n. 48, par-
icipa ao bello sexo que acaba de receber da Eu-
opa, um completo sortimento de artigos de nlti-
aa moda, e eomo acha desnecessano fazer um
lufadonho anuuncio, por ja ser bastante eonhe-
-.ida, e capricbar sempre em tot bons correspon-
leq^Sj.sepdo a primeira que apresenta o que ba
te mais moderao ppr-rODeco? mui razoaveis> por
sso Iimrta-se a descrever somente o seguinte:
iettan douradas.
KiooH de cores, tauto de seda. comode guipure.
i^iiuea dourados, de madreperola, marfim, tar-
taruga, osso, etc.
aiiicin4 debaile.
Present*'*, diversos artigos propries para pre-
sentee.
uollaahas o punhos.
Manual para missa, com capa de madreperola,
tartaruga, marfim, velludo, etc.
tapatinhoe de setim para baptisado.
camisas bordadu-para senberas.
Ugas de seda.
rraujas mosaicas.
adereccs de. tartaruga.
fellas de madreperola.
uisclras de madreperela.
Ltndas flores para caboca.
wolsas de velludo.
Perfumarias dos melhores e mais afamados
fabridautes.
cuapeos dc sol para senhoras.
riiaade velluda de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereislivrar-vos destes malditos insectosf com-
>rai uma machina de matar moscas por 3*90O--
ia Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 48.
Calvioe.
A Magnolia, a rna Duque-de Caxias n. 46, ven-
o verdadeiro Vigor de Ayer, que impede a
'-abida descabellos.
Sardas e panos.
S6 tem sardas e panos quern quer; porqoe a
dagnolia, a rna Duque de Caxias n. 48, tem para
'ndr iverdadeua Cutieuloria, que faxidesappa-
acer estas manchas em poncos dias._______,
Grande descoberta
Curati?' das molestias do
peito pelo
Xui-ope de ulnbi4o de soda
A. BBRNBT
Este Importante medicamento qne acaba de ser
reconbecrde peles distinetos Drs Zalloni e Parai-
;bevas como um verdadeiro especifico contra a
pbtysiea, segundo nrovaram nos grandes nnme-
ros de easos por elles experimentados, como se ve
on sessao da acaderaia de Paris de 24 de mareo
lo corrente anno, encotra-se unicamente no
Deposito da pbarmaeia e drogaria
de
Barlnolumeu dt C
N. 34 Rna larga do Hosarto N; 34
ii'i i>i
.
Pentes-girafe.
Pentes girafe, proprios para senbora, ( ultima
moda): a Magnolia 4 rua Daqtw-de Gaxas n. 48
e saqnem tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecas de cera que cha-
mam papai, mamai, choram, and am, ate. So na
Magnolia a rna Duqae de Caxias n. 48.
Qaiolas, gaiolas.
A Magnolia, a ma Duque de Caxias n. 45, re-
cebea gaiolas de arame de lindissimos modelos,
Eroprias para passaros; a ell is antes qne se aca-
em.
Colchas para comas
Na loja do Pavao vende-se colchas de fuslao
brancos, para cama a 2,800, ditas de dito de cor
a 4,000, cobertas de cbita de cretone, de-^tf
para cima e ditas de metim escariate forradas com
madapoiso a 3.C00 : a rua da Imporatriz n. 60,
' de Felix Pereira de ^ilva.
ma
ARMAZGM DO TAM
M ptatja circular doApQllo]
vende-se:
Tijolos de raarmore, do difTercntes ta-
jnhos e qualidades.
Tijolos 'francezes, sextuplos.
Cimento Portland verdadeiro.
Azulejos Kramden muito proprios
nan. redanfis.
Azulejo* verdes e amarellos, tamODbo
regular.
Haquina* de desoaro^ar algodao.
Cadeiras de ferro, assento de palhi-
nha, propriaspara campo.
Salsa parrilha
Muito novae
grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao on a re-
talbo : na rna larga do Rosario n. 34._______
E' com as noivas
A NOVA ESPERANgA, rua Duqae de Caxias n.
36, acaba,de receber boa- meias de seda propriai
para noivas, e os apreciaveis ramos de larangoira
encorpadbs, com listras, a 3;. Ditos de quadros,
azeoda muito boa 2 ; assira como, um bonito
forti.nento de ditos de merino, lisos e de quadros,
vende de 20 ate 5j e 6* : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao, de F. Pereira da Silva.
Popelina de linho a 400 rs. o covado.
0 Pavao recebeu um elegante sortimento das
mais bonit3S popelinas lislradas para vesiidos que
vende pelo barato preco de 400 rs. o covado, la-
vando-se nao desbotam ; assjm corao, bonitas e
modernas laznhas com listras de seda a 640 rs.
o covado. Ditas transparentes com palminhas a
800 rs., sao bonitas. Bareges de uma so cor, pelo
barato preco de 400 rs. o covado, e pechincha :
na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira
da Silva.
Cortes de vestidos para liqnidar.
0 Pavao vende a 4j, a* e 6* corte de cam-
braia branca com eufeites b.rdados de cor, fa-
zenda que sempre vendeu a 7* e 8*, e liquida a
4* para acabar. Ditos brancos de cambraia aber-
la com listras e lavradinhas, que sempre se ven-
deram a 10*, liquidam-se per 8*. Ditos Benoaiao
com lindos-eufeites de co:, fazenda que val 12-,
liqnidam se a 6;. Ditos de cassa de cores com
7 varas a 3* ; e pechincha : na rua aa Impe-
ratriz n 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Pechincha para triancas.
Meias a 2*500 a duzia,
Toalhas de fustio para mesa a 2.o'00.
O pavao vende toalhas de fustao para mesa de
jantar pelo bar- to preco de 2*300, pecbincha :
na loja do Pavao, a rua da Imperatriz n. 60,
loja de F. T. da Silva.
Gros preto a 1*.
0 PavSo vende grosdenaples preto a 1* o co-
vado e dahi para cima, at* -i I na rua da Impe-
ratriz n. 60, loja de Felix Peieira da Silva.
Brins de Angola a 2*, 2:5'00 e 3*.
0 Pavao vende cortes dos verdadeiros bins de
Angola a 2j, 2*300 e 3* ; e pechincha : na rua
da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da
Silva.
Metins a 280 rs.
0 Pavao vende bonitos- metins de cores para
vestidos, pelo barato preco de 280 e 320 rs. o
covado; assira como, nm bom sortimento de chi-
tas de todas as cores, padroes modernos e fixos,
pelo barato preco de 280 ate 360 rs. : a rua da
imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da Silva
Cortes decasimira a 4$,
e 6#000.
Na loja do I'avio, vende-s- cortes de ca-
semira para calga a 4??, 55 MttV, d lo:
muito Cnosde uma sd cdr coin listras ao !a-
do, fazenda que sempre so veudt-u a 9 e
10&000, liquida-se a 620(H) nan acabar :
j a" rua da Imperatriz n, 60, de Felix Ferfira
I da Silva. _____________________
Cal de Lisboa novis^ima
Vende-se em grandes e pequeo^f lorco-.-s : n>
dua Direita n. 14._________________________
CHAPEOS PARA SL.NHOKA.
A Prediiecta, a rua do Cabuga a I A, acaba ti
receber um lindosortimento de chape* Ja ultiata
moda para senhoras e raeuinas, e venue '** prs-
cis.comratdos.___________________________
Para concertar MM
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Ca. ,
n. 63, recebeu desta p"cessaria linha._________
Asunica8 verdaoeirar*
itichas hamburgcezas qn(> ven > > c..,.
oa rn* do Mamcex 0 Desengano esta quei-
mando
0 proprietario deste estabelecimento tem resol-
vido vender as fazendas existentes em seu estabe-
lecimento, por menos de que em outra qualquer
parte.
Vanzinese de seda.
Veade-se esta fazenda de lindos patroes, de lis-
tras o palmas, pelo diminuto preco de 320 rs. o co
vado, por ter uns toques de radfo, e grande pechin-
cha. Esta fazenda tambem serve para Into, per
ser toda preta ; e fazenda de 2*800 o covado.
Damasco de la.
0 Desengano esta vendendo damasco de la de
lindos padroes e de dnas larguras, pelo baraiissi-
mo preco de 1*000 o covado, 6 fazenda de 2*800
Aproveitera que o Desengano esta queimando.
Casaquinhos de gorgorao de seda.
O Desengano esta vendendo casaquinhos de gor-
Sorio de seda, enfeitados, pelo baratissimo preco
e 6*000 cada um, e grande pecbincha. A elles
antes que se acabem.
Organdys a 320 rs. o covado.
Vendem-se Organdvs de listras, branco, pelo ba-
rato preco de 320 rs. o covado. Aproveitera
Madapoldes de 49000 a pecn.
0 Desengano esta vendendo madapoiao francez
com 20 varas & 4* a peca; dito mnito fino, a 8*,
6*800, 6* e 7* a peca ; e grande pechincha.
Algodao marca T, largo, a 4*, 4*300 e 8* a
Ricos cbapeos de sol de seda, com cabo de mar-
fim, a 12* cada nm; e pechincha.
Baptistas de lindos padroes a 400 rs. o cevado.
Lazinhas de cores, bonitos padroes, pelo diminu-
to preo de 160 e 200 rs. o covado. A ellas antes
qne se acabem.
Cambraia Viet ia, a 3*300, 4*, 4*500 e 8* a
peca.
Alpacas de cores, la e seda, bonitos padroes, a
840 rs. o cevado ; 6 grande pecbincha.
Metins de cores, bonitos padroes, a 280 e 300 rs.
o covado.
Chitas claras de lindos padroes a 240, 260 e 280
reia.
E ontras muitas fazendas que deixa de meucio
na- as para nao se tornar enfadonho, por isso o
broprletario convida a todas as pessoas a faxerem
hurt visita a seu estabeteciroenio, ana desorti-
m-se do bem e barato. Rua do Crespo n. 25.
nto a loja da esqoina.
farinha demandioca supe-
rior.
Tem para vender, Joaquira Jose Goneal-
ves Beltrao & Filho. a borfio do pains boU
Rorita, fundeado ao p6 do caes do Collegio,
e para trntar a b->rdo ou no seu escriptorio :
a rua do Commercio n. 5.
Chocolate do Jlaranhao
Unico deposit > nesta cidade, em casa de Jos<
Tavares Carroiro & C, rua Direita n. 14, onde si
vende pelos precos e vantagens da fabrics.
Camh
ammaias
so r^
chit
S6
Com barrss, a 240 rs. o covado,
rua do Queimado n. 43.
E' pechincha.
Cambraias com barra, di-senbos
zes pelo preco de 2i0 rs. o covado.
43 1 Junto a loja da Magm lia.
W^ nil i9 SCj"}^WJ o > tio jaito a igr;
ja dc S. Jos6 do Mangu nho, com r?sa de viventlr.
assobradada e outraj acommodarCes, t -do mura-
do, com dnas frcutes.-trvi as por purtio de Isifa,
dando para a rua d Amizade e para a do Man
guinho. Tem de terreno proprio 194 pilnva rl?
largura e 354 de fundo ; e a casa de 52 pulro-)?
ds frente e 84 de fundo. A sitnacao e a melhor
possivel para morada, e quern sjBhar elifiear, tera
bastante terreno para isto, pel lado Amizade. Tem a'guma plantains d< gozi e r )-
creio, havendo bastante agua furaecida i>or duae
cacimbas, uraa das quaes e nova. A eatender-ae
com o Sr. Or. Wiirnvio ____> ri-tender.
A 500 rs. o covado
Naloja do Pavao vrnde-se lazinhas jipn?:-
de cores muito modernas pelo liarat!?-.io pre,.r
de 500 rs. o covado, para acabar ; aolaidoa* qc
e fazenda que jamais se vendeu por menos do
dois crnzados; ja ha poucas : a rua d. luipfratrh
n. 60, loja do Pavio, de Felix Perc-a >il"*-
Para prxdarias e tavernas
Sal fino e muito alvo : vende m na rua Iosp i
rail n. 5, armazem.
200 rs.
0 COVADO II
Lasinhas de listras arsetinadr>s. so mi r ,
do Queimado n. 43, junto da 1 ja da Mas
Delia.
E' especialidade do 43.
Lasinhas de listras assetinadas, gosto
muito modernos, pelo dimiuut> preco da *n
rs. o covado. Sd o 43 I Dao se amostras
com penhor. ______ ____
Lazinhas brilhantes a 720 rs.
0 PavSo recebeu um bonito sonimenti d-r on
lindas lazinhas brilhantes, sendo de qaadrinfc*
miudinhos, parecendo de uma s6 cor, e teniodM;
rentes cores ; esta fazenda tem um br lh" coai-
seda e bastante largura, e vende-se a 7f-> rs. c
covado : na rna da Imperatrix n. 60. loja Is Prf >
Pereira da Silva.
Lazinhas modernas a 320 rs.
0 Pavao vende bonitas lazinhas dc quadnakts
tendo de todas as edies, pelo barato prc.o de. 3 X
rs. o covado; sendo fazenda qne sempre se vend, v
a 500 rs., 6 pechincha : na mm 1a Impentrit n
60, loja de Felix Pereira da Silva.
Crochets para cadeiras
0 PavZo vsade uma porcao de paaos de cro
cket, proprios para encosto de cadeiras e de s>
fas, que vende por precos baratissimci: na ro
da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira s>
Suva.
Cortes de organdy a 2940 j
. 0 Pavao recebeu um bonito soriinenlade cort.t
de organdy, malisados, para ves i-to, qne vaiaae
pelo baratissimo preqo de 2:400 o rorte, d peehae-
cha : na rua da Imperatriz n. 60. loja de Mat
Pereira da Silva.________________________
Sao de listras
LAztahant a> 9-ftO rs. c.a
So 0 43Queimado- Sd o 3
JUNTO A LOJA. DA MaGWLIA.
Lazinhas de listras, gostos 4 prusiiait tmMa.
muito Hilda a 200 rs. o covado.
Aprovettem antes qae se acabeas.
Dio-se amostras com penh* r.
re
Pedrasde raarnio
Vende-se pedras de m>niorw, de divrsoati
manhos, com duas polegadas de gro> or*, iseaei ?
para muitts misteres : a tratar cum Me Id Conha Lages.___________
Lustres, lampadan e araa
* dellas.
Obra de gosto e muito
outra qualjuer pirte, teem pan
lose Gonealves Beltrao & I
mercio n. 3.
If









IIM.I-I..........I..... Ill II
8
>
3iario de Pernambuoo Ter^a feira 24 de Novembro de 1874.
VARIEDADE
KEVISTA ESTRANGEIRA
Consequencias da ultima guc-rra civil; suis
causas em relagao ds reformas introduzi-
das no paiz. Outras reformas; as asso-
ciagdesoperarias, sociedades cooperatives,
regulamento para a i nprens i ; as el*ofi is,
docuraentos ofliciaes. A'populig/io do
imperio, suas divUoes ; orgamento, mo-
Inoramentos maturUes.Os telegraphos e
os camiiihos da f rro.Molifhagdes nos
oatumes; as rcl'>rm-s na corte : visits a
zeta de Augsburg, porerr. foi reembolsado|cidade; tratara-se de
desta somma
c jiii usura, pois qua nas con-
feraucias que fez ganhou mais de 30,000
dollars, e conseguio destruir muitos dos
preconceitos e abusos de que o povo era
victima, expondo-lhe a liberdade concedida
aos creates pelas outras religides que estu-
dava.
No mez de junho ordenou o governo que
uma commissao estudasse a melhor maneira
do orgmisar o procasso eleitoral no paiz,
de modo que cada cidadao podesja repre-
scnter livremente o seu direito da escolha e
para isso liaviam sido consullaJos os euro-
peus quo esta) a sorvigo do impario.
Anteriormente tinbam sido organisados
a prolongar quanto
iokohaoia ; a ofmi- euio,}j.
Dopois da ultima guerra civil quo reben-'lrd^*'^',s eslatislicos sobre o eslado de des
tou no Japdo, o que foi promovida pelos
descontent^s, que nao podiam vor com sa-
tisfagdo os progressos que das reformas alii
introduzidas por urn governo patriota se
comegaram a fazer sentir; seguio-se um
periodo de reajgdo que teve por consequon-
cia uma rnaretia aiula raais efficaz na seuda
civilisadora em qua aquelle paiz se tinha
langado.
Ha tempos que n6s procuramos collier
em revistas especiaes os pormenores quo po-
dera oienter os leitores do Diario sobre a
situaga j de cada um dos paizes do globo, e,
trataod) de recomegar esta tarefa, entende-
mos clever prin :ipiar por aquellos ostados
sobre os quaes nos nao e psrmittido tao fre-
queulementa dar algumas nolieias sobre os
acontecimentos que alii sa passam.
Nao so por este priucipio, como por ou-
tros ainda raais valiosos, entendemos ser o
Japao o paiz que requer uma prirueira re-
vista.
Estas razoes sao, o admiravel progresso
que aquelle paiz, por tanto tempo afastado
da civilisagao, torn feito em ultimos annos,
eafavoravel modilicagao que a* reformas
emprehendidaspelo governo e realisadas por
estrangeiros tem operado nos costumes e na
administragao de um povo, por muilos se-
culos affenado is tradigoes de seus autepas-
sados.
Em face do gigantesco piano emprehen-
dido polo soberano o pelo governo do Ja-
pao, laugando o raiz dos melboramentos que
durante o anno de 1872 se realisaram, e
que co-no os aossos leitores estarao lembra-
dos, liveram por Gm modifiear uma party
das instituigoes vigentes, o qua nao podia
deixar de ferir os tutoresses dos priviiegia-
dos, a guerra civil era um facto luevitavel,
que n6s mesmos baviamos previsto.
0 governo japonez bavia prestado rele-
vantes servigos ao paiz, e sobretudo o povo
opprimido gaubara com as reformas, vendo-
sc livre do dominio absoluto do grande uu-
mero de seuhores, e no emtanto foi elle
quern auxiliou a revolugao promovida pelos
potentadospossuidoros de privilegios, contra
as reformas civilisadoras introduzidas uo
paiz.
E' geral a lute de egoismo que em toda a
parte se manifesta contra os incontestaveis
direitos das masses, e" porera de lamentar
que o povo illudido e inconsciente sirva de
instruments para a continuagao do predo-
nrinio dos seus proprios oppressores.
No Japao o exercitocomposto deciiedaos
privados dos seus direitos politicos e civis,
os quaes eram obrigados ao servigo militar
contra sua vontade, recebeu importantes re-
formas, uma das quaes impunha a todos o
sacriticio de servir o paiz, mesmo aos filbos
dos gratides poteutados do imperio.
Foi justameute esta circumstancia que
promoveu a ultima guerra civil, porque os
lilhos das grandes familias obrigados a ser-
vir no exercito e a passar por todos os grdos
de disciplines introduzidas pelo novo regu-
lamento, revoltaram-se contra os officiaes
estrangeiros, e d'aqui resultou um conllicto
outre os pais e o governo.
Foram muitas as victimas, cujo sangue foi
derramado, e a pessoa do primeiro ministro
do imperador, o bomem que mais concor-
reu para iniciar esse movimento que quasi
tem transformado o Japao, foi o escolhido
pelo cbefe da revolta para a sacrificar aos
s?js tins ambiciosos e seivarem no seu san-
gue o odio contra a liberdade que elle pro-
curava dar ao povo.
Ewebnra Udaijig, que conseguio escapar
aos seus inimigos, nao desanimou e pode
antes dizer-se que soube aproveitar-se do
facto, depois de vencidos e castigaios os re-
volucionarios para imprimir um impulso
ainda mais effieaz ao movimento civilisador
que i lie proprio comegdra e no qual encon-
trava sempre o mais decidiio apoio por par-
te do seu joven soberano e de sua esposa.
Com effeito depois da ultima guerra as
reformas tem-se tornado mats efficazes, e
lieobuma instrucgao social posta em vigor
nos paizes da Europe tem deixado de lan-
rar abt as suas raizes.
Ak'-m da fuudagao dos estabelecimentos
de inslrucgao superior dirigida pelos mais
conbecidos professores estraugoiros, o go-
verno resolveu ultimamente organisar de-
baixo de certa ordem a associagoes pbilan-
tropicas e beneficentes, para todas as classes
>ia sociedade.
l.ntre as novas creagoes introduzidas pelo
yoverno, assignala-se o estabelecimento de
uma sociedade de temperenga destinada
j rincipalmente aosmarinheiros, e a de uma
sociedade gymnastica segundo o modelo das
t*;; iciagoes allemaes.
I m outro modelo que demonstra a boa
vcn'.ade daquelle governo e as raodificagoes
quejl alii tem sido introduzidas 6 a quese
refere ds disposigoes tomadas para com a
impreusa que ultimamente comegou a des-
tnvol'-er-se.
Segundo as disposigoes do dccreto que foi
publica So, nenhum jomal p6de apparecer
seoi autorisagio.
Cada numero deve conter a data, o lugar
da impressio, os nomes dos editores e os dos
rodaet-ires. Podem tratar, mas sem critica
roalevola, dos acontecimentos sobrenaturaes,
dos in.' n-lios, da guerra, da politica, dos
iissii -nenlos e fallecimentos, dos casameotos,
etc. ; e e Ihes probibido atacar o governo
ou os fonccionarios, discutir as leis, excitar
o povo ou desmoralisa-lo e accusar alguera
por similes boatos. 0 editor deve sempre
estar d disposigao do governo.
Ate mesmo na religiao tem a guerra con-
segui-lo moiiGcar os costumes abolindo
muitss das coremonias vergonhosas que de-
gradavam o povo e o tornavam escravo dos
sacerdotes.
Ultimamente voltou ao Japao depois de
uma viagem d Euxopa, o grande sacerdote
de leste bondhista Scbin, Scbin.
I.si3 olevado digoat&rio ecclesiastico fdra
. ;!tidar a religiao christa afim de comparar
ulrina e 03 seus meritos com os da
yropria religiao.
*=S viagem custou-lhe 10,000 dollars,'se
gUu4o diz o correspondente japonez da Ua-
envolvimento do paiz, comegando a ser da-
da publicidede do seus resultados em uma
folba official.
Segundo o ultimo rocenieamento, ve-se
que o numero dos uabiumtes daquelle im-
perio se eleva a 32,210,lit) babitantes.
Esta populagao subdivide-se do seguinte
molo : priacipes o princezas 29 ; nobres
2,666 ; shiroka ou classe armada superior
1,282,167; sottzu ou classe armada infe-
rior 639,074; juizes ou chishi 4,316 bou-
dbistas211, 8i'J bomens e 60,000 mulho-
res; sbintonistas 102,477 h>mens e 50,000
mulberes. A 8a classe que constitue o po-
vo comprchenlo 30,866,891 iudividuos,
subdividindo-se do seguinte modo :.........
14,000:000 de ciltiva lores 1,300,000,
commerciantes, 700,000 operarios e artis-
tes, e 2,000,000 qu exercem diversas pro-
fissoes. A classe proJuctiva do Japao e,
pois, de 18,00^,000 milhods de inJivi
duos.
Osorgamentos do Estado tambem come-
garam a ter publicidadn.
Pelo ultimo se ve que as reformas do exer-
cito e da marinha custaram ao givern som-
ma superior a 20,000:0309 do nossa moe-
da, sendo o ministerio da guorra o que ab-
sorve maior verba.
Apezar dl todas as despezas feitas comas
reformas, o ultimo orgamento apresentou o
grande saldo depirto de 50,000:000,$, sen-
do a receita de 164,000:000$, quando a
despeza ndo excede a 12O,0O0:0O0JJ0OO.
0 ministerio das obras publicas nao figu
ra ainda com granle verba, porque a n3o
serem dous caminhos do ferro e algumas li-
nhas telegrephices, os outros melboramentos
tinham-se ciugido & fundagao de alguns edi-
ticios pare acadenias e cscolas.
Sobre a telegrapbica, dizo corresponden-
te, que o Japao apenas possue cinco linhas
terrestres e duas submarinas.
A capital communica-se com os princi-
ples pjrtos de mar onde se acbam funda-
dos os ar^enaes e estabelecimentos; acban-
do-se em pr>jecto mais de 5,000 kibmetros
de novas linbas.
Os caminhos de ferro sSo, como jd> disse-
mos dous, um dos quaes foi ainda termi-
nado este anno.
Um jomal que diz haver recebido iafor-
magoes muito exactas sobre as linhas- fer-
rees que existem ou cstSo em projecto no
Japao, dd a seguinte exposigao :
Actuabnente diz elle, uao existe funccio-
nendo em todo aquelle paiz senao dous tra-
gedos de carninho de ferro, completamente
concluidos; o primeiro h'ga a capital do im-
perio a Yokohama onde se acha a esquadra
e os arsenaes e o segundo liga Kobi, gran-
de emporio de commercio & cidade de
Osaka.
A secgSo comprebendida entre Yeddo e
Yokohama e a unica que estd completa-
mente explorada.
A rede que se estende de kobi a Osaka,
nao obstante estar ult:mada, ainda nSo foi
entregue d cireu'agao publica.
A linha de Yeddo a Yokohama tem um
comprimento total de 18 milhas, ou 29 ki
lometros, torneando a bahia de Yeddo
atravessa sobre tudo no seu trajecto um paiz
piano, pantanoso,* e cercedo dearrozies
conta quatro estagdes intermedias.
Ao primeiro a^picto, e em conscquencia
da propria natureza do terreno que atraves-
sa aquella via ferrea, parece que a cons-
trucgSo da linha ndo careceu de nenhuin
trabalho dispendioso ou difficil; nao se en-
contra effectivamente nenhum tuuel nem
obra de arta, qualquer que seja a sua im-
portancia, d parte talvez a ponte de ferro
que atravessa o rio de Rawaski.
0 custo pjrem foi relativamente conside-
revel, e calcula-se em 50,000 piestres pelo
menos o kilometro ; os trabalbos que se foi
obrigado a fazer para atr&vessar os innume-
raveis canaes de irrigagao dos arrozaes, con-
tribuirem para elevar o custo a uma par-
cella tao importante.
Segundo as estatisticas publicadas pela ad-
ministragao dos caminhos de ferro, a linha
de Yeddo a Yokohama transporlou desde 16
de outubro de 1872 ate 20 de novembro de
1873 224,906 viajantes, produzindo um
rendimento de 8i,2G2 piastras.
0 transporte das mercadorias, que po-
deria augmentar de uma maneira sensivel
o rendimento da companbia, e desgragada-
mente quasi nullo.
Tjdas as mercadorias desembarcadas em
Yokohama, com destino a Yeddo, seguem
para aquella capital em barcos.
A elevagao das tarifas do caminho de
ferro, o as restricgOes oppressoras que im-
poe, produziram este rcsultado.
A administragSo propoe-se modifiear um
estado do cousas tao contrario aos seus ver-
dadeiros interesses, e pensa seriamente em
alterar as tarifas.
Uma vez tomada esta medida, e mais que
provavel que as mercadorias, para chega-
rara a Yeddo, s6 sigam por via de terra mais
regular e mais rapidamente do que a nave-
gagao fluvial.
0 tragado de Kobi a Osaka, que esta* com-
pletamente terminado, mas que ainda se
nao acha, como dissemos, entregue ao pu-
blico, tem um comprimento total de 33
milhas; uma parte da linha tem uma via
dupla.
A' sahida de kobi, contorna collinas mui-
to elevadas, passe por tres tuneis e atraves-
sa quatro rios em soberbas ponies de ferro
e dirige-se para Osaka quasi pararellamente
a cost a.
No sea trajecto, a via ferrea atravessa
muitas cidades assds populosas; Kansaki,
especialmente, muito importante pelas com-
municagoes quesustenta com os centres po-
pulosos da extremo do imperio.
Ao sahir de Osaka, o caminho. seguido
para o norte, dirige-se para Kioto, antiga
capital do Japao.
Naquella parte da liuha, os trabalbos es-
tio apenas comegados; o mesmo acontece
no tragado quo do Kioto se encaminha psra
Tsuruga.
Segundo o projecto da companbia a linha
forrea ndo devia suspender naquella ultima
No inverno os presos trabalham das 6 ho-
fosse possivel ate Yokohama, ou atravessan raa da manha as 8 da noito ; e nas outras
do o interior do paiz, ou alongendo se pe- estagdes comecam as 5 da manha e acabara
las cosus do Pacifico. J a mesma bora, que no inverno.
Uma emprezs tao importante que exige J Suspende-se o trobelho por um quarto de
capitaes tao importantes e tfa considera- bora as 7 horas da manha, e a"s 5 on 6 da
veis, apreseota grandes tifficuldades m tarde; para o almoco, e para a ceia. 0
ftxecugilo; nlo se poderiapois pfever ae'po- jantar tem lagar do meio died uma hora
ca em que a companbia podera* realisar se-' da tarde.
melhante projacto. Ate agora os dous tra- j Para recreio em pleno ar concade-86 4
gados de Yeddo-Yokoharaa e de Kob-Osaka cade preso, seguindo-se a ordem estabeleci"
sao os unicos em que se pode dizer que ha da, de 20 minutos ate uma bora por dia
verdadoiros servigos. A linha de Kobede-i Enofim, o trabalho d ainda interrompido
ve ter um grande futuro e espera-se que pela escola, e pela cilechese.
dard bellos rendimentos d companbia con-1 Quanto as horas de repouso o somno co-
cessionaria. raegam as 8 horas da noite e prolongam se
Todo3 estes melboramentos produzindo, ate 4 3i4 ou 5 3|4 da manha.
a inspecga) unicamente da
aos que a pena e uma expiaglo do set
crime.
Camiuha-se para este fits, pondo-se simul-
taneamente em jogo todos os meios pro-
a
vintegam no sentido de desenvolver o com-
mercio, este por sua parte tem oncorrido
para tornar ainda mais efficaz o movimen-
to progressive que parece ter de collocar o
JapSo como a pritneira potencia da Asia.
A maior parte dos correspondentes que
emittem a sua opiniio sobre os melhora-
mentos que se tem introduzido naquelle
Nos domingos e dias de fastas n8o ha tra-
balho.
45 quesito.
Oade e como sao tratados os
doentes ?
executado sob
administragao.
Tem-se muito em vista, que haja sempre
em cada priilj ma numero consideravel d
lho, se possa {.(leader a ceoacidade de cada
um, e aos ofDcios que jd elles exerciam
antes de entrar na prisao.
Cada rarao ou especie particular de tra-
balho 6, segundo o regulamento, adjudica-
do d um s<3 erapreit-iro.
Cumpre observar, qua o systema em vi-
gor na Prussia nada tem de commum com
o systema de empreza geral usado em
alguns outros estados.
Qual dos dous systemas e o prefe-
rivel, e porque ?
presos
Existe para os pres)s doentes, em todas
paiz, censuran a incuna dos babitantes em .'as casas de detengio, enfermarias particula-
quererem imitar os erope-is ate" mesmo nos res, abastecidas de tudo quanto e necessa-
trajos e asseguram que neste ponto, alids rio para o tratamenlo dos doentes. e nas
denenburaa utilidade para a civilisagao, o'quaes. independente do medico, ha enfor-
povo japonez so consegue inspirar riso, e meiros especiaes.
tornar-se ainda mais ridiculo aos oihos:dos I Os doentes fleam dispensos de todo
europeus
, uuque quando se apresentava. trabalho: sao alimentados conforme as
com os costumes nac.onaes. prescripg8es particuleres dos medicos; e se
Uepois que o soberano tem sido o pri-: Ihes fornace todos os medicamentos; assim
meiro a dar o exemplo, abandonando as como tudo quanto possa facilitar e asseeu-
vestes imperiaes, para envergar a farda dos rar-lhes a cura.
Se, segundo a opinido di medico, n8o
do
generaes europeus e chegando mesmo a
ponto do desprezar todas as coremonias tra-
dicionaes pare comer o paio acompanhado
de ngorosa Decessidade a ida do doente pa-
ra a enfermaria, e" elle tratado no lugar que
de sua esposa, tornando-se accessivel a to- lbe serve de pri'sao, com" ou
das as pessoas quelne querem fallei, o que do trabalho.
em tempo nenhum se vio no Japao. |
E' objecto geral de assombro no Ja-
pio, diz um delles, o nenhum caso que o j
actual soberano faz do antigo ceremonial
BSado na cfirte; a pragmatica e" letra-mortal
tanto para elle como para sua esposa.
Ultimamente tiveram os soberanos a tras formas de tysicas tubercolosas : hydro*
ousadia de sahir quasi de repente de Yeddo 'pesias, mokstias cerebraeseespinhaes, com-
46 quesito.
Quaes sao as molestias as mab fre-
queiites nas prisde9?
S3o a tysica pulmonar e intestinal, e ou-
para Yokohama em uma carruagem saldo,
engatada simplesmentea um trem omnibus.
Voltaram a Yeddo por mar, tomando passa
gem a bordo de urn yacht escoltado por
seis navios de guerra japonezes. Jd antes
disso o novo imperador commettera a au-
dacia de sahir d noite do palacio para ir
passear nas ruas de Yeddo.
a. E' a primeira vez que os velhos cos-
tumes imperiaes sdo postos de band a com
tanta desenvohura. A imperatnz pela sua
parte, gosta muito de apparecer em todos
os sitios onde a sua present possa eontri-
buir para o desenvolvimento das artes re-
centemente introduzidas no Japfio ou para
a applicegao de alg-um novo systema- de e-
ducagao. 0 assembro dos japonezes, que
dantesrarissimas vezes conseguiam por a
vista em cirna dos seus imperantes, nio
tem limites.
Um outro correspondente dia sobre a vi-
stta do imperador ao arsenal de Yokoska,
os seguintes pormenores:
0 mikado acompinhado da- imperatriz
e de uma grande comitiva, visitou ha dias o
arsenal de Yokoska, fun dado e dirigido
por um official engenheiro da marinha
franceza.
Tanta- o soberano como sua esposa per -
correram todas as oilicinas e examinaram
com vivo interesse a differentes- trabalbos
que foram executados na sua presenga.
De noite todo o edilicio appareceu
illuminado a gaz, assim-como as alturas que
dominam a bahia de Yokohama.
A esquadra japoneza dirigida por um
official inglez estava brilbantemente illumi-
nada com fogos de Bengala.
Particularmente os estabelecimentos
europeus que sao assays numerosos, apresen-
tavam um aspecto que causava um maravi-
lboso effaito.
No dia seguinte os imperadores, acom-
penbados apenas de alguns olliciaes, assis-
tiram a um combine simulado dos navios
encouragados a bordo yathch imperial.
Na volta para a enagao do caminho de
ferro o povo acompanbou o seu monarcha,
quasi confnndindo-se com elle, e a admira-
gSo em tal, que muitos japonezes nao pare-
ciam acreditar que fosse aquelle mancebo
de maneiras desembaragadas o verdadeiro
mikado.
< Esta visita e um verdadeiro triumpho
para a colonia europee, que o povo agora
jd reconhece ter concorrido para a liberda
de de que goza.
Na sua passagam pela frente da tropa
forraou em parada, o imperador deu pro-
ves de distincgao aos olliciaes europeus que
formaram na linha e particularmente aos
francezes que o acompanhavam na revista
aos querteis.
prehendidas Hellas as apoplexies ; emfim,
affecgdds d s orgaos ab iominaes, ndo coia-
ppeh-.ndidas nas molestias j^ enunaeradas,.
47 quesito.
Qual o numero proporcional dos
doentes ?
Be 6 d 8 por cento dos presos sao sub-
mettidos em geral' d um tratamenlo medico
durante o anno. 0 numero dos tratados
nas-enfermarias regula, poucomais ou me-
nos, por 4 por cento do termo media da to-
talidade dos presos.
48- quesito.
Qual o iHMoero proporcional dos
morlos ?
A EBortalidade e ordinariamente de 2 d 2
1[2 por cento sobre- a cifra tstal dos pre-
sos.
49 quesitos.
Distingue-se na prisSo o trabalho
penal do trabakto industrial ?
Quaes sao os generos de trabalho in-
dustrial adoptados nas diversas pri
sees-?
LITTERATMA.
QuesCSo peuitouciaria.
ESTADO DAS PftlSOES DA PRUSSIA.
Resposta aos quesitos formulados pela
Co minissdo organisadora do Congress*
penitenciario de Londres em 1872.
(Continuagao.)
42 quesito.
De que materia sao feitas as camas
dos presos?
Sao feitas de madeira ou de ferro. Es-
tas ultimas sao as uzadas em todas as pri*
sues modernas.
Nas prisoes cellulares enconlram-se ainda,
em algumas cellules, em vez de camas, ma-
cas, que vao sendo sebstituidas por leitos
de ferro.
43 quesito.
De que elementos se compde um lei-
to completo?
Compde-so de um colxio de palha, um
travesseiro e, onde ha macas, d'um colchlo
fino de cabello, d'um lengol de linho ou
algod&o, d'um cobertor de U mettido em
um envoltorio de'linho ou algodSo braneo
ou de cor.
No inverno fornece-se dous cobertores, e
as vezes tres.
Nas enfermarias das prisoes uzara-se, em
vez de enxergoes do palha, de colxoes de
clina par? os doentes de molestias mais
graves.
44 quesito.
Quaes sio as horas de trabalho, e
quaes as de recreio ? A que horas se
recolhem os presos d caiia ?
NiO distincgdo de trabalbos.
Aleht- dos trabalbos de economia domes
tica para os presos mesmos, tera-se adopta-
do os seguintes ramos de trabalbos indos-
triaes.
Para os bomens :
Tecelariafabrico de cigerrosmarcine-
ria sapatariaencadernagaofabrico de
molduras, e ornatos para quadrosfabrico
de meias, e de obras- semelbantesalfaiete
selleirobahuleirocesteirofabrico de
escovasserralheirofundigao de latao
torneiro de metaescinzelameato em ma-
deirasfabrico de objectos de phentesie em
madeirafebrico de maquinas e utencilios
de serralheiropassamentaria, fabrico de
fitas, de cintos, etc., etc.febrico de brin-
quedos e object3S de quinquilhariasrolo-
joarialimpamento e escolaa de pen nas
fabrico de pregos e de cadeias de ferro, de
latao, etc., etc., preparo d'algodao em pas-
tas e de feltrolithographia, gravura, e co-
lorido de estampesfabrico de rolhas
curtimeato e surragem de pelles finasfa-
brico de botoes-arte de torneiro etu. chi-
fres, e em marfimfabrico de bengallas,
chapeos de sol e de cbuva, de pentoslapi-
dagao de crisUes de vidros de lunetas
fsbrico de esteiras de palhade luvastor-
neamento de marmoresofficio de cantei-
rotanoariaetc. etc. etc.
Para as mulheros :
Bordados e obras de ponto do meia (tri-
cot.) Costuras, contraponto e posponto
fabrico de luvas, de cigerros, tapecaria, lia-
gfio, tecelaria, limpamento de pennas.
Independente dos trabalbos, acima men-
cionados, uma parte dos bomens se occupa
de trabalbos agricolas. Alem destes Uaba-
lhos os detentos, se ha occasiiio, executam
ainda outros trabalhos industriees, se bem
que em pequena escala.
50 quesito.
0 trabalho penal produz grande in*
timidagao, de modo a contribuir para
a diminuigSo das reincidencias ?
Veja-se a primeira parte das respostas ao
quizito 49.
51 quisito
Qual o effeito moral do trabalho pe-
nl sobre os presos
Idem.
52 quisito.
Qual o seu effeito sobre a saiide dos
presos ?
Idem.
53 qoisilo.
0 trabalho industrial nas prisoes e
adjudicado & empreiteiros, ou 6 diri-
gido pela administragao ?
Ndo e senao em casos urgentes, e em es-
calla mui limitade, que os trabalhos indus-
triaes se fazem por conta d'administrag&o.
Gerolmcnte os trabalhos dos presos e
adjudicado a* empreiteiros que sio obriga-
dos a pagir d administragao da prisao por
dia, ou por cada pega, um salano estipu-
lado por conlracto.
Comtudo, a adjudicagao-niio tem lugar
senio por cada ramo de trabalho determi-
nado pela administragao, que equern esco-
lhe os detentos, que se devem empregar
nestes trabalhos.
Quanto ao trabalho, propriamente, dito e
Se a occupagao dos presos pelos emprei-
teiros for regulada pelo modo indicado na
resposta antecedente, e sefor completamen
te evitada toda e qualquer comiuuuioagao e
dependencia destes com aquelles, parece
que o systema usedo na Prussia e o mais
vantajoso. ndo so porque se evita, que o
Estado seja forgado a ser industrial, o que
nda e" muito agradavel pelo lado financeiro,
como porque este systema simplifica a mar-
cba edministrativa da prisao.
55 quisito.
Ha differentes systomas de adjudi-
cagao do trabalho dos presos a em-
preiteiros ?
Quel o preferivel ?
N3o hadifferenga notavel, quanto ao mo-
do de adjudicag8o do trabalho dos presos
aos empreiteiros
56 quisitj.
Qual o numero proporcional dos
preso9,que n3o ticham nenhuma pro-
tisiao ao entrar na prisao ?
Decerca deeiuco por cento.
57 quisito.
Aprendesn um officso na pris3o X
Sim.
58 quisito.
Considera-se como importante que
se ensino ao preso, durante a sua pri-
sao, d ajudar-se & si mesmo ?
E como re procura eaegar d este
resultado ?
CoBSidera-se comojcousa importentissima
o ensinar ao preso, durante a sua prisao,
d ajudar-se a si mesmo, logo quo seja posto
em liberdade. Alem de frequencia d esco-
la, e a apfendizagem de um officio ou pro-
fissao,olha-se como meio efficaz, para attin-
gir preso, de ter elle mesmo o cuidado do as-
seio de seu corpo, de master em bom es-
tado o seu vestuario, de tratar da limpeza
da cellule,, e de tedo o vasilbame de
qualquer quelidede, destinado ao seu uso,
assim como de manter em boa- ordem a
sua cama.
59 quisito
As sentengas repetidas de prisoes de
curto prazo por pequenas faltas pro-
duzem bons effeitos ?
precoa
I'rocura-se fzel-os adquerir babitoada
ordem e de trabalho, e actua-se sobre o es-
pirito delles pelo ensino escloar, pelas coo-
solegdas espirituaes e pelos preceitos mc-
raes.
66 quisito.
Os presos saem das prisoes melhores
ou peiores?
Si se atteuder ao grande numero de rein*
cidoncias ndo faltard quera nio se incline
por este ultimo caso.
Mas, considerando bem, reconhecers-e-
ha, que esta apreciagio nio 6 execta.
Dird a vordado, quern diss-r, que, em ge-
ral, a privagao da liberdade nao proluz um
effaito mui profundo na maior parte dos
presos, e que a reincideucia, em que caem
muitos depois de postos em liberdade, e
divida as mesmas causas, que os levaram
ao primeiro crime, e que naturalmente de
novo se a podera m del es, desde qoe Ihes
faltou a sugeigao da penitenciaria.
Sobre o que na j ha a menorduvida i qoe
prisao collective ou cimnum e uma causa
de mais para tornar os presos peiores.
67 quisit'.
Tem-se empregad-i esforgos par*
ajudar os presos pistos em liberdade a
eucontrar trakialbo, e assin preserva-
los do uma recabida no crime 1
0 quo sa tem ioito ?
Quaes os resultados ?
As administragoes das prisoes fazea tudo,
quanto lb s e possivel, pura dar um asylo
e trabalho ao preso que finda a senlenga.
Para istoconseguircm, pue x-se em eom-
municagao com as autoridades e o Cora do
lugar do nascrmeoto ou do domicitio do
preso, e com as sociedades pretectoras dos
presos relaxados das prisons.
Vislo a repognaocia, Uo difficil de com-
bater, do; artist is e dos proprietaries em dar
servigo aos malfeitores sabidos das prisoes,
OS resultados sao pouco satisfatonos.
68 quisito.
Ha sociedades de.protecgao aos pre-
sos postos em liberdade T
Sao elias activaa, e em grande nu-
mero T
0 que fazem elhjs, e qua resultados
obtem ?
Respondemos pela negativa.
Este phenomeoo se explica emt grande
parte, pelo facto de que as prisons dostina-
des para estas penas deixam ainda-muito d
desejar, no que diz respeito a suas- disposi-
goes e organisagdes-
Qual e
reincideutes ?
60 quisito.
o numero proporcional de
Nao se tem conseguido, ate hoje, estabe-
cer com exactidao este numero, sendo com
relageo aos condemnados d trabalhos forga-
dos.
De 60 d 70 po? cento destes, por toda a
monarchia, jd cumpriram penas anterior-
mente por crimes ou delictos.
Os reinGident.es
maiores?
injorrem em penas
O codigo penal irnpoe penas maiores nos
casos de reincidencias repetidas de crimes
de furto, cumplicidade deste crime, e de
fraude, assim como na simples rcincidencia
do crime de roubo.
F6ra destes casos, a reincidencia, em ge-
ral, nao aggrava a pena, s6mente podera
dar lugar d que o juiz, tomando-a em con-
sideragao, em vez d'applicar a pena no grdo
minimo, applique-a no medio ou no ma-
ximo.
Na esecugao destas panas nao ha nenhu
ma differenga nos principios estabelecidos
para a das outras.
Ainda ha prisoes por dividas? 0
tratamento dos presos por dividas e o
mesmo dado aos r.rimiuosos?
Ainda a legislagao civil permitte, em cer-
tos casos, a prisao por dividas, principal-
mente quando ha necessidade de assegurar
a instrucgao e proseguimento do prooesso
judiciario, ou para gerentir a exocugSo da
peobora nos moveis do devedor.
0 tratamento de tees presos e differente do
dos criminosos.
63 quesito.
Qual a causa principal
em vosso paiz ?
dos
crimes
Proporcionalmente fellando sao poucos os
casos em que a indigencia e a miseria te-
nbam sido as causas do crime. Ordinaria-
mente as causas s8o, ou uma educacSo ne-
gligenciada, a vadiagao. a embriaguez, ou
uma paii.ao pelo luxo immoderado e rui-
noso ealtbertinagem. .
64 quisito.
Em que proporgao os dous sexos sdo
representados nas prisoes ?
Os homens por cinco sextos, e as mulbe-
res por um sexto.
65 quisito.
A reforma dos presos e" o flm prin
cipil das prisdes em vosso paiz ?
0 fim principal, que so tem constaule-
raente em vista nas prisoes da Prussia, e* a
satisfagdo da justiga e fazer sentir aos pre-
Existem na maior parte das grandes ci-
dades.
Tambem existe na Prussia Rhenana a na
Westphalia uma soaiedade mais considera-
vel e solidamente organiseda, e que tem por
6m, ndo so a reforma dos- presos, mas tam-
bem encarregar-se de os protager quando
em liberdade.
As sociedades protectoras- dos presos na
Prussia ndo tem uma organisagio unifor-
me e que as reuna em um centra : o nu-
mero dellas e- pequeno em rebigio a esten-
sao do paiz; e o de sens merobros ainda
muito insigoificante, o que nao permitte,
que a sua octivi iado seja tio soimada, co-
mo- e para desejar no interesse do fim a
que ellas se propoem.
Estas sociedades obrigam-se i dar aos pre-
sos, postos em liberdade ou nos asylos por
elias fundados ou em casas de pessoas par-
ticulars, dignas de toda a contianga, um
asylo provisorio e trabalho apropriado a
aptidao de cada um.
Algumas vezes fornecem os moios neces-
sarios para que possam elles emigrar para
os paizes d'alem-mar, onde lues e mais facil
creer uma nova e bonesta existencia.
EmGm, procuram por. todos os meios pos-
siveis cut re ter com ns ex-sentenciados rela-
goes continuadas, afim de poder ir em seu
auxilio, quando for este preciso, ou dando-
Ihes conselbos, ou envianda-lhes donativos
{>ecuniarios.
Se os resultados obtidos por estas socie-
dade, uao tem sempre correspondido aos
seus esforgos humanitarhs, deve-se attribuir
isto tanto aos defaitos da sua organisagio,
do quo a natureza de sua espinhosa missdo.
6.i quisito.
0 que peosaes a respeito da qaali-
dsde e quautidade d'alimenUgio dos
presos ?
A alimentagao e de boa qualidade e em
quantidade sulliciente.
Tomam-se tres refeigdes ao dia.
Ualmogoe a ceia compoem-se da 3,4 i
um litro de sopa. Duas vezes por semana,
em vez de sopa ao almogo, di-se cafe com
leite.
0 jantar compoe-se de uma sopa confor-
tavel (t 1/4 litro), preparada 'com legumes
de raizes ou foliaceos, segundo a es:agao, e
com carne ou gordura.
Para o preparo desta sopa fornece-se SIO
grammes de carne e 80 grammas de gor-
dura por pessoa, e por semana.
A quantidade de pi} para cada preso e
de 625 grammas por dia para os homens,
e de 450 grammas para as mulberes.
Ragoes supplementares de peo e de cerveja
sio concedidas aos presos empregados em
trabalhos pesados.
70 quisito.
Estaes satisfeito com o systema pe-
nitenciario de vosso paiz T
Mo caso negativa, porque T
Quemudangas desejarieis introduzir?
A organisagao das prisoes na Prussia po-
de ser considerada perfeita sob muitas re-
lagoes.
E' notavel a ordem que preside por toda
a parte a administragao : a solicitude en-
genhose que d todos os respeitos se prodi-
galisa aos presos, e os esforgos que se fa-
zem para que as, occupagoes estejam sempre
em relagao com suas capacidades, tudo isto
deixa pouco d desejar.
E' com o mesmo interesse quefMexeree,
em geral, a disciplina, tanto em relagao I
severidade, como i imparcialidade necessa-
ria. 0 mesmo se nota quanto aos cuidados
dispensados ao ensino e as exhurtagdes, qua
tem por objecto a salvagio das almas.
Com tudo, o uosso systema penitenciario
nao u oxempto de defeitos graves, qae exi-
gent com urgencie que se emprcguem es*
forgos energicos para supprimi los.
Neste sentido e preciso sobre tudo fazer
lessair os seguintes ponlos.
Continuar-ae-ha
t
+
...


ki
YP DO DlAttlO. -iiU* DUttUB Dfi C4XUT