Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18619

Full Text
AMO L. AUMERO 268
J

A

PAB1 A CAPITAL B LVGIBES 0\DJE N.iO SB PAGA POBTE.
for tres mezes adiantados................ 69000
Por seis ditos idem. ................129000
Por um anno idem. ..............349000
ada numero avulso ........ *. ... 9320
A .
* *

SEGUNDA FEIRA 23 BE NOVEMBRO DE 1874
- PABA DBilTBO E FOBA DA PBOV1HC1A
For tres mezes adiantadoi..............
Por seis ditos idem ...
Por note ditos idem...............
For am anno idem, .

.
S0BM0
2790*
DE PERMMBUCO.
PROPRIEDADE IDE MANOEL FIGUEIR0A DE FARIA 6 FILHOS.
fj tr. fierardo Antonio Alves 4 Pilfcos.no Pari; Gon$alve d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose de Oliveira d Filho, no Ceari; Antonio
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parafcyba ; Antonio Jose" Gomes, na Villa da P
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joio Antonio Machaeo.no Pilar das AlagOas;
r.!ii:,u::;.i potoab
Eleincutos de physic is
LIV110 TERCEIHO
CAP1TUL0 1
fel'.ElTOS PRODl'ZIOOS PELA-*RS$S.\0 ATMOSPHERICA
(Conclusao)
Pressao supportada pelo corpo
bamanoPartindo da pressao que a atmos-
phera exerce sobre cada cenlimetro quadrado,
uressao que ja vim 3 ser de um kilogrammo e
trinte e ires grammas, prevd-se logo e logo que a
omma total das pressdes que supportao nosso cor-
po deve ser muilo consideravel ; o que realmente
tern lugar.
Para calcular essa pressao, basta saber que,
u'um bomem de altora e gordura medianas, a su-
per&cie ititeira do corpo 6 cerca da um e meio rae-
tros qnadrados, isto e, quiuzo mil ceuiimetros qua-
dradoa. Pelo qu- a pressao supportada pelo corpo
humano e de quinze mil vezes um kilogrammo e
iriata e Ites grammas ou cerca de quinze mil e
quinnentos kilogrammos.
Mas, perguntarao, como e quo uosnao sentimos
.-ssa enorme pressao ? Como e que nao somos es-
magados por esse peso ?
Para ter idea do modo como resistimos a essas
presses, notemos antes de tudo que, segunio o
que di-semos no paragrapbo aoteceienle, trans-
mittindo-se a pressao atmospherica em todos os
seutidos ella obra sobre nos de cima para baixo,
de baixo para cima, e por t dos os lados, e desl'ar-
io serve do contra-peso a si mesma. Em aim pa-
lavra nos vivemos uj meio do ar como um mer
gul&ador no seio das aguas, impellidos por um la-
"r>, porem, sustidos pela presslo que nos impelle
do ontro. Isso explica o porque nio senlimos es
sas pressoes em um ponto de preferericia a outra
do corpo, e como, vivendo no meio deltas, somos
asensiveis a isso.
Mas Bio diz isso a razao porque nao somos acha
tados por essas pressoes entre as quaes nos acha-
mos mettidos como entre as axilas de um tornilho.
Mas, se nos Ibe resistimos, nao e ,-enao por elTeito
de uma forca interior que lhes faz constantemen-
te equilibrio, e eta forca e a elasticidade de uma
eerla aussa de gaz que se acha no sangue, no te-
Ju das cam-.'.-, e, n'uma palavra, em todos os
uossos orgaos. E' verdade que esses gazes sao
comprimidos pelo peso da atmosphera ; mas elles
Hie resistem por sua elasticidade, de sorte que o
nosso corpo e abi inteiramente comparavel a uma
redoma ctieia de ar. As paredes desta lio com-
primidas de fura para deatro pelo peso da atmos
l>aera ; mas, embora finas, rcHsteni, porque o ar
lue encbe a reJoma as coraprime de deatro para
fura em virtude de sua elasticidade, e com uma
forca precisamente igual a que as eomprime exte-
riormente.
Para deroonstrar rme ha gazes nos tecidos de
.uossas carnes, e que estes gazes s3o comprimidos
t>elo peso da atmosphera, faz-se a seguinte expe-
liencia :
Toma se uuuespecie de manga de vidro, aber
ta nas duas extremidades, e tendo bordas espessas
afio de nao ferir o experimenlismo. Collocando
essa manea sobre a plata-forma da raacbioa pneu-
tnatica, fecba se-lhe a extremidade superior com
i palma da mao. 0 ar eDcerrado na manga, de-
caixoda m5o, a pricoipio equilibra a pressoo ex-
terior da atmosphera, eo experimentista nenhuma
pressao sente sobre a mao. Mas, se se to a a bom-
ba do apparelho poeumatico, relirando-se o ar
eucerradona maoga de vidro,o experimentista, ape-
uas comeca a fazer-se o vacuo na manga, sente
urua pressio, que vai successivamenO augmentan-
i sobre a mao, e nao e sem custo que p6de reti-
rar a mao do appareiho. Alum disso a forca elas-
tica dos gazes contldos nos tecidos nao se acbando
mail contrabalatiQatia pela pressas do ar, a palma
da mao incba fortemente e o sangue tende a esca-
par-se pelos poros da pelle.
Ue conformidade com essa experiencia, parece-
i ia talvez que quando se poe a mao sobre um cor-
!,., nao mais se deveria poderlevantar por causa
la pressae atmospherica que ella supporta ; mas
a-?im nao e, porque, neste caso, nao exlste o va-
cuo sob a mao, e porque, entre ella e o corpo em
que ella repousa, existe uma caoiada muito tenue
de ar, que por sua forca elastica, e todavia sufll-
ciente para equilibrar a prestao atmospherica ; de
v tide vem que nenhuma resistencia se encontra no
levantar a mao.
As ventosas, empregadas na medicina, sio uma
.i; pli :a;ao do e He it) da pressao atmospherica so-
bre o corpo bumauo, e hem assim da elasticidade
dos gazes contidos no3 tacidos de nossas carnes,
gazes que sSoacido carbouico, oxygeuio e alguns
traces de az8to.
PARTE OFFICIAL
Governo da proviucia
EXPKDIESTF, D'j MA 30 DE JULI10 DE 1871.
1' secciio.
Offi:ios :
Ao Exm. brigadeiro cornraaadaute das armas.
Expe^a V. Exc. suas ordens no sentido de se-
rem apresentadas diariamente na estacao das Cin-
co Pontas, ao respectivo chefe, duas pracas do
i* batalhao de finba, que alii deverio permane-
cer das 3 as 5 i\i boras da tarde, afim de manter
a ordem pablica naquelle lus;ar.
Ao inspector do arsenal de marinha.De-
clare a V. S. para a devida execucao que, alem
das tres pessoas de que trata o meu officio de
lioatem datado, contracts mais Oscar Deslibeaux
para servir de interprete aos engenheiros encar-
regados do esludo da3 obras do porto.
Ao capitao do porto.Communicando o ins-
pector do arsenal de marinha em officio de hon-
iein datado, sob a. 83, ter designado o amanuense
da secretaria daiuella repart [So, Firmino de
Araujo Barros, oara tomar as contas do 1" pharo-
leiro da barra, Joio da Cruz Lima ; assim o decla-
re a V. S. em resposta ao seu officio de 25 do cor-
rente, sob n. 60
Ao comraandante da corveta NitheroyPa-
ra qne V. S. providencie como julgar coaveniente,
iaclaso remetto-lhe por copia os offlcios- dos Drs.
chefe de poltcia e delegado desta capital, de hontem
datados, e relativos ao disturbio que teve lngar na
rua do Cre-po, motivado por alguma? prcas da
guarni;ao tvssa corveta.
2* stccGo.
A, ;o :
0 presidente da provinc.a resorre considerar
sem effeito a poitaria de 1 do correutu removendo
para o cargo de sargento da guarda local do mu-
nicipio de Nazareth a Manoel Geronac da Molta e
Silvs, por nao ter acceitado.
3.' secgao.
Offlcios :
. Ao inspector da thesoararia de fazendaAo
admlnistrador da empreza do Jornal do Recife
raaade V. S. pagar a qaantia de 16*000, importan-
cia da publicacao naquelle jornal de aannncios
cbanundo coaeurrencia para execucao de obras
militares dutante o semestre findo, na conformi-j
dade das inclasas contas qne acompanharam o
0fficio do engepheiro das obras militares, datado
de 88 do correnie, sob n. 116.
Ao mesmo.Aos emprezatios da illuminagao
public.) mande V. S.-pagar a importancia das in-
clusas contas, proveniente do gaz consumido du-
rante o triiiK'stre de abril a juaho deste anno no
arsenal de marinha e na casa da respective ins-
peccao ; segualo solicitou o inspector em officio
de hontem datado, sob n. 80.
Ao mesmo.Mande V. S. pagar a Ricardo
& Leite a quantia de 31&851, constant-! da conta
junta em daplicata, em que importoo o forneci-
menlo de luz e agua feito ao quartel do destaca-
mento do lermo de Cimbres durante o trimestre
de abril a junho destc anno ; segundo solicitou o
Dr. chefe de policia em officio de hontem datado,
sob n. 915
Ao mesmo.Tendo am vista o incluso attes-
tado remeltido pelo Exm. brigadeiro commandaote
das annas em officio de hontem datado, sob n.
592, mande V. S. pagar ao cabo de esquadra do 2*
batalhao de infantaria, Francisco Hon rid* da Silva,
o prenno q ie por lei Ihe compete, por ter appre-
hendido no dia 10 do corrente nesta cidade o
soldado da 6' companhia do mesmo batalhao, Jose
Neves Hilario de Alvarenga, que se achava deser-
tado.
Ao mesmo. TraDsmitto a V. S. a inclusa
conta em duplicata, para que manda pagar ao cai-
xa da companhia de Beberibe Corbiniano d'Aqui-
no Fonceca, a.quantia de 724800, importancia d'a-
gua fornecida ao hospital militar durante o tri-
mestre I-- abril a junho deste anno; segundo so-
licitou o Exm. brigadeiro commandante das annas
em oflL-io de hontem datado, sob n. 591.
Ao raesm >. Autorisando o inspector do
arsenal de marinha a contractar, alem das 3 pes-
soas de que tratei-em meu officio de bontem data-
do, a Oscar Destiueaux para servir de interprete
dos erjgenheiros incumbidos do estudo do melho-
rameuto do porto ; assim o commnnico a V. S.
para seu conhecimento e direccio.
Ao mesmo.Expeca V*. S. suas ordens, afim
de que seja indemnisado j> thesouro provincial
da importancia das duas inclusas contas, relativas
aos sentenciados de justic* de outras provincias, e
militares, que tendo sido recolbidos a casa de do-
tencao, com destino ao presidio de Fernando de
Noronna, foram sustentados pelos cofres daquella
repartigao.
4.' seccao -.
Portaria :
A' Illma. camara municipal do Recife.Auto-
riso a lllma. camara rauni;ipal do Recife, confor-
me solicita em officio de ii do corrente, n. 69, a
desapropriar uma pequena ca3a em frente do mer-
cado publico de S. Jose, de propriedade dos her-
deiros de Joao de Brito Correia, e o terreno neces
sario, perlencente a Ant mio Ferreira Ramos, para
prolongamento de rua da Conceicao ate o fom-
bal.
5.* secciio.
Officio :
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro 4o
Recife ao S. Francisco.Dectaro a Vine, em rrs-
posta ao seu officio de 28 do corrente, que ficam
expedidas as convenientes ordens para qne sejam
apresentadas diariamente na estacao das Cinco
Pontas tres prajas do 2* batalhao de linba as ho-
ras indicadas uo referido officio.
EXPEDIENTE DO SECRETAIUO.
1.' seccao.
Officio :
Ao inspector do arsenal de marinha.g. Exc.
o Sr. presidente da provincia manda decjarar a
V. S em resposta as 3eu officio de hontem data-
do, sob n. 80, que foram expedidas as necessarias
ordens a thesouraria de fazenda no sentido de ser
paga a importancia ds gaz consumido durante' s
trimestre de abril a junho, no arsenal de marinha
e na casa dessa inspeccao.
2." seccao.
Offlcios:
Ao Dr. chefe de policia.-S. Exc. o Sr. pre
sidente da provincia manda comraunicar a V. S.
para os devidos fins que por officio desta data, di
rigido a thesouraria de fazenJa, expedio-se a ne-
cessaria ordem aim de ser pago o fornecimento
de luz e agua, feito no trimestre de abril a junho
do corrente anno ao quartel do destacamento do
termo de Cimbres; segundo solicitou V. S. em of-
g -iu de bontem datado, sob n. 915.
Ao juiz de direito da comarca do Bonito.
Ea resposta ao officio de V. S., de 20 do corren-
te, devulvendo um exemplar.da legislacao de 1833,
tenbo a dizer-lhe que, havendo sido reimpressas
as leis daquella anne, ordenou-se a distribuicao
pelos juizes de direito. Quanto a collecQio de
1873, por V. S. reclama.'a, nao pode ser satisfeita
por nao ter sido ainda remetlida para a tecretaria
desta presidencia.
Ao mesmo.0 Exm. Sr presidente da pro-
vincia manda accusar o recebimento do officio de
V. S., de 23 do corrente, communicando haver
convocado para o dia 31 de agosto a 1* sessao do
jury do termo de Bezerro3.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro
vincia manda accusar o recebimento do officio de
V. S., de 20 do corrente, enviando. as informacoas
de que trata o aviso circular de 23 de marco de
1858, relativas as autoridades judiciarias dessa co
marca.
3.' secQao.
Officio :
Ao inspector do thesouro provincial. S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda commu-
nicar a V. S. para os fins convenientes que por offi-
cio desta data expepto as necessarias ordens a
thesouraria de fazenda, afim de queFseja indem-
nisado esre thesouro da importancia das duas con
las que acompanharam o seu officio de hontem
datado, sob n. 303, relativa ao sustento dos presos
de justica de outras provincias e miliitares, que
estiveram recolhidos na casa de detencio, com
destino ao presidio de Fernando de Noronha.
KXPEDIENTE DO DIA 31 DE JULIIO DE 1874.
2' seccao.
Actos:
0 presideute da provifiCia, resolve remover
o sargento da guarda local do municipio da Esca-
da, Manoel Joaquim de Lima, para igual cargo em
Nazareth.
0 presidente da provincia, antorisado pela lei
n. 1130, de 30 de april do corrente anno, resolve
nomear sargento da guarda local dos municipios
da Escada e Gamelleira a Castriciano Jose Tavares
da Costa.
Offlcios :
Ao.Emx. desembargador proearador da corda e
soberania nacional.Sirvase V. Exc. de informar
com o sen parecer sobre o qne consults a Illma.
camara municipal desta cidade, no officio junto,
relati vamente aos emoluments que caibam ao res-
pectivo seeretario, em vista do art. 79 da lei do 1"
de outubro de 1828, combinalo com os decretuS
n. 745, de 16 de outubro de 1850, e n. 1569, de 3
de marco de 1855, que approvou o ragimento de
custas judiciaes, pelos registros de titulos e mais
documentor que aquelle (unccionario tizer no
exercicio do reierido lugar.
Ao Dr. chefe de policia. Afim de qne V. S
providencie conforme entender conveniente, incluso
remetto-lhe ipor copia o officio do 2* juiz de paz
da freguezia de S. Bento, relativo a falta de se
S;uranca individual. e de propriedade naquella
reguezia.
Ao mesmo.Das doze granadeiras de adar-
me 17, em bom estado, em poder do delegado de
policia do termo de Gamelleira, conforme o map-
pa por V. S. envlado em 1 do corrente, mande
Mornecer 10 ao commissario de policia do muni-
cipio de Santo Antao, alferes Antonio Floriano de
Mello.
Ao commandante superior da guarda naeio-
nal dos municipios de Santo Antao e EscaJa.
Respondendo ao officio de V. S., de hontem data-
do, tenho a dizer-lhe que deve dissolver o desta-
camento existente na cidade da Escada, depois que
tiver alistado a forca da guarda local em numero
sufficieote para a guarni;.i i da cadeia da mesma
cidade.
Ao commandante superior da guarda natio-
nal .dps municipios de Boa-Vista, e Ouricary.
Conserrando ainda o commando ao destacamento
existente na villa de Pelrolina o tenente Joao Cai-
tano de Alencar Rodova ho, informe V. S. com ur-
gencia por que motivo deixou de cnmprir a ordem
que lhe transmitti em officio de 7 de maio ultimo,
para faze-lo subsiiuiir por outro official.
Ao commandaote superior da gnarda nacio-
nal dos municipios de Santo Antao e Escada.
De acordo com o que expoe a conudoria da the-
souraria de fazenda na informacao junta por co-
pia, antoriso V. S. a mandar tirar em pret espe-
cial os vencimentos do destacamento da cidade da
Escada, que foram glosados nos mezes de maio e ju-
nho ultimos ; ficando deste modo respondido o seu
officio de 16 do corrente.
Ao commandante do corpo de policia.Nao
se acbando naraeradas as folnas do processo ins-
taurado contra a praca desse corpo Quintiliano
Paes Barreto, e por esta motivo nao estando devi-
damente collocadas varias pegas do mesmo pro-
cesso, o devolvo a Vmc. para fazer corngir essas
irregularidades.
3.' secc&o.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Remettendo a V. S. o incluso pret que aeorapanhou
o offlcio do commandante superior do municipio
do Recife, datado de 10 do corrente, sob n, 43,
autoriso-o a mandar pagar os veoclmento? dos
tambores e cornetas dos corpos da guarda nacio-
nal do referido municipio, correspoadentes ao tri-
mestre de abril a junho deste anno.
Ao mesmo.Para os tins convenientes com-
munico a V. S. qne em 18 do co rente deixou, por
motivo de moleslia, o exercicio do cargo de pro-
motor publico da comarca de Cimbres o bacharel
Joaquim Francisco de Barr s Barreto, sendo no-
meado para exercer interinamente o mesmo cargo
0 bacharel Luiz Antonio de Andrade, quo tomou
posse na mesma data.
Ao mesmo.Para os fins convenientes com-
munico a V. S. qne em 18 do corrente deixou o
exercicio pieno do cargo de juiz municipal e de
orphaos do termo de Cimbres o respectivo 1'sup
plente, teneate-coronel Severiano Monteiro Leite.
Ao inspector do thesouro provincial.-Por
acto de 18 do corrente foram creadas as seguintes
cadeiras : do sexo masculino 1 na Escola Modelo ;
do sexo feminino 1 na Escola Modelo, I no
Campo Verde, 1 no Campo Grande, 1 no Fuodao,
1 em Paratibe, 1 oo Rio Doce, 1 na Colonia babel,
1 na povoacao de S. Lourenco de Tejucapapo. 0
que commnnico a Vmc. para sen conhecimento e
fins convenientes.
Ao mesmo.Remetto a Vmc. o inclaso cer-
tificado do engenheiro em ehefe das obraa pa-
blicas, para i,ua mande pagar a AntonioiBento de
Oliveira, arremafante das obras do acude da
villa de S. Bento, a prestacio de responsabilidade
que Ihe e devida por ter feito entrega deflaitiva
das referidas obras.
Ao mesmo. A'vista do altestado que re
metto, mande Vmc. pagar ao padre Pedro de
Souza Pereira, coadjutor da Ireguezia de S. Jose
de Ingazeira, os vencimentos de sua congrua
correspondentes aos mezes de julho de 1873 a ju-
nho do corrente anno.
Ao mesmo Em data de 25 do corrente o
gerente do Banco do Brasil communicou a esta
presidencia haver recebido 151:786*300 como pa
gamento dos juros e amortizacao, relativo ao se-
mestre findo em junho deste anno, do emprestimo.
feito entre aquelle banco e esta provincia. 0 que
levo ao seu conhecimento para os fins conveni
entes.
Ao mesmo.Sinlo por demais clara, termi-
nante e positiva a disposicao do art. 33 do regu-
lamanto do corpo de poliei desta provincia, ne-
nhuma duvidi pole offarecar a compua;ao do
tempo necesurio para reforraa ou aposentaioria
dos offlciaas pertencontes ao mesmo corpo, uma
vez que elle3 foram equiparados a empregados
provinciaes; o que com nunico a Vmc. em respos-
ta seu officio n. 302, de 28 do corrente.
Ao mesmo.-Communico a Vmc. para os de
vidos effeitos que por acto de 17 do corrente sup
primi as seguintes cadeiras : do saxo masculino
as da Praia dos Carneiros, de Propriedade, de Ta-
caile. de Maodacaia, do Pogo Fundo, de Varas, de S.
Vicente da Serra dos Ventos, de Ser.-a Branca, de
Tabocas, de S. Joao de Araripe, a 2' de Floresta,
do Olho d'Agua dos Brelos, de Assurema, de Si-
nhar6, de Carahybas ; e do sexo feminino, as de
Gravata de Jaburii, e 2" de Afogados de Ingazeira ;
e por acto de 24 as do sexo masculino : de Cam-
boa de Pao d'Alho, de Leopoldina, e do Campim ;
e do sexo feminino de S. Jose de Ingazeira,
4.' seccao.
Acto :
0 presidente da provincia resolve traosferir
a cadeira do sexo masculino do Encanamentp, na
freguezia do Poco da Panella, com o respectivo
professor Jacintho Heliodoro Alves Cavalcante,
para o Arraial na mesma freguezia.
Offlcios :
Ao inspector geral da instruccSo publica.
Por acto de 18 do corrente, foram creadas as se-
guintes cadeiras :
Do sexo masculino :Uma na Escola Modelo.
Do sexo feminino: Uma na Escola Modelo,
uma no Campo Verde, uma no Campo Grande,
uma no Funda >, uma era Paratiba, uma no Rio
Doce, uma na colonia Isabel e uma na povoacls
de S. Lourenco de Tejucupapo. 0 que coramu
nico a Vmc. para seu conhecimento e lias conve-
nientes.
Ao mesmo.Communico a Vmc. para os
devidos effeitos que por acto de 17 do corrente
supprimi as seguintes cadeiras :
Do sexo maeculino :Da Praia dos Carneiros,
de Propriedade, de Tacaite, de M..nda;aia, de Po
co Fundo, de Varas, de S. Vicente da Serra dos
Ventos, de Serra Branca, de Tabocas, de S. Joao de
Araripe, a V de Floresta, de Olho d'Agua dos Bre-
dos, de Assurema, de Sanharo e de Carahybas.
Do sexo feminino: De Gravata do Jaburii e
2' de Afogados de Ingazeira.
Por acto de 24 as do sexo masculino : Do
Cambda de Pao d'Alho, de Leopaldina e do Ca-
pira ;e do sexo feminino a de S. Jose de Inga
zeira.
B" seccao.
Offlcio :
Ao engenheiro fiscal da companhia Recife
Drainage. Remetto a Vmc. para seu conhecimen-
to copia do offlcio do inspector do thesouro pro
vincial, datado de hoje, sob n. 308, e do parece-
do respectivo ajudante do procurador fiscal, rela-
tivos a peticao dessa companhia, sobre que versa
a sua informacao de22 do calente mez ; e recom-
mendo lhe que sem demora de conhecimento do
conleude daquelles offlcios ao gerente da mesma
companhia, fazendo-lbe ao mesmo tempo saber
que o assampto em questao nio e materia de con -
troversia e davida, pelo que nesU data neguei
deferimento.
EXPKDIKNTB DO SECRBTARIO.
1.' secqao.
Offlcio :
Ao director do arsenal de guerra.S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, tendo dado o conve-

hub Braa, no Aracaty j Joio M*ria Julio Cn* vas, no Assn; Antonio Marques da SilTa, Natal; Jose*
1; le'armino dos Santos Buleio, em Santo Ant*. ; Domingos Josd da Costa Irafa, em flaxareth;
6 C.,na Bahia; A. Xavier Leite d C. n Rio Janeiro-
niente destino
seu officio de
ctos fornecidos
tioees ; assim
ao citado offici;
Offlcios :
Kit comn
nal do municip
o Sr. presideht*'
para os fins e
intas qne V. S. remetteu com o
aj corrente, sob n. 670, dos obje-
aesse arsenal a diversas repar-
nda declarar-lhe em resposta
seccao.
cao provoeara
tnotlns.
desintelllrcnclas e
(age.ncia telegrapuica havas-reuter.)
Roma SO de novembro. Espera-
ne a ludo o momeato a publicacao
da nomeacao do bispo de Ollnda,
D. iiti Vital Maria Goncalves de
Uliveira, ao importante cargo de
cardeal, pelo Santo Padre Pio i\
Madrid 30.-.\k forcas carligtas.
qae foram ultimamen'te derrotadaa
em irim e obrigadas a refagiar-se
nas montanhai, acabain de voltar
para as proxtmidades dessa cidade.
Berliui tO.-O projecto do aecordo
entre o governo e os bancos a lie
maes lot devolvido pelo reichstag ao
DOMin: (cofflmUgao) para reconside-
ra-lo.
Berlim SO. O presidente do rei-
chstag, que reslgnoa sea cargo por
causa do voto negative da camara
na questao dos bancos, fol boje ree-
leito.
ij.l lim so. Na conferencia com
o priucipe BismarcK. o prlncipe
GortschakoflT declarou que confln
na durac&o da paz na Europa.
Iiondres SI. Annuncia-se o pas-
samento do archlduque Carlos Fre-
derieo.
lb Ml&\tb
ttfallrH%%M
lk^h
dante superior da guarda na-io
dj Recife.De ordem de S. Exc
a provincia, eotntijuhico a V^jJ. I
.veuantes- qne pir offlcio desta
data mandou-se-pagal pela thesouraria de fazen-
da os vencimentos d< tambores e cornetas dos
corpos da guarda nacional do municipio do Reci-
fe, relativos ao triraffltiiula abril a junho do cor-
rente, anno na confoniidade do qae solicitou V. S.
em offlcio datado de D do'corrente, sob n. 43.
Ao juiz dedirein da comarca de Cimbres.
0 Exm. Sr. president da provincia manda accu-
sar o recebimento do ifflcio de V. S., de 22 do cor-
rente, communicando a nomeacao do promotor
publico inierino dessa tomarca em 18, por terdei-
xado o exercicio- o efbetivo, bacharel Joaquim
Francisco de Barros Bareto; e bem assim terdei-
xado o exercicio pleno w I* sapplente de juiz mu
nlcipil o tenente corinel Sjveriano Monteiro
Leite.
Ao commissario d- policia do municipio de
Nazareth. -0 Exm. Sr. iresidento da proviocia
manda communicar a V. *. qua por portaria desta
data foi reraovido para a giarda local desse muni-
cipio o sargento da masmaguarda, no da Escada.
Manoel Joaquim de Lima ; lcando assim respondi-
do seu offlcio de 2o do cornnte.'
2.1 seccio.
Offlcio :
Ao inspector geral dainstrucclo publica.
Levo ao conhecimeoto de V. 2. para os (las conve-
nientes que S. Exc. o Sr. prisidente da provincia
resolvau nomear:
Por acto de 20 do correote : \ professora de Ta-
caratd Maria Isabel de Melloloura, para a cadei-
ra ultunamente creada na poviacao de Tejucupa-
po ; a professora de Vertentes Jacintha Avelina da
Cruz, para a cadeira nltimamenie creada na Colo-
nia Isabel; a professora de Paaellas Anna ignez
da Silva Ramos, para I cadeira ultimamente crea-
da no Campo Verd*; i professora de Venda Gran-
de Anna Bezerra Cavticante da Silva Costa, para
a cadeira ultimamente creada no Fundao ; a pro-
fessora de Abren de Uia rJanriqueta Amelia de
Menezes Lyra, para a tadeira ultimamente creada
em Paratibe ; o professor da exlincla cadeira da
Praia dos Carneiros Auieliano Augusto de Vascon
c-Ilos, para a cadeira (e S. Vicente.
Por actos de 21: k professora nomeada para
Ingazeira Maria Candid* de Figueiredo, para a ca
deira do sexo ruasculiro ultimamente creada na
Escola Modelo; a profasora de Agua Preta Cosma
Elvira de Araujo, par < cadeira do sexo feminino
altimamente creada na mesma Escola ; a professo-
ra da Pome dos Carvalios Pbilomeua Paulina da
Silva, para a cadeira uiimamente creada em Campo
Grande; a professora da Gloria do Goiti Marcolina
Furtido aa Silva Cabril, para a ealeira da Ponta
o Carvalhos f a professora do Bom Conselbo
Franoisui Maru da Anounciapao. para a oadoira
da Gloria do i iia a professora dc S. Benndxto
Ubaldina Afradi Conceicai Vieira da Mallo,pars
a cadeira de Bom Conselho; a professora de No s i
Senlnra do 0' de Marangaape Fraacisca SeraBo
de Assis C^rvalho, para a ealeira ultimamante
creada no Rio Doce.
Por acto de 22: A professora de Ligoa dot Ga-
tos Maria do Rosario Pinhaim, para a I' do saxo
masculino de freguezia de Sinio Antonio nesta ci-
dade.
Por acto de 23 : A professora de Quipapa L'lio-
sa de Oliveira e Silva, para a cadeira de S.
Bento.
Pur a tos de 21 : 0 professor de Pesqueira Va-
leriauo Bezerra Cavalcants de Albuquerque, para
a cadeira de Ouricury ; a professora de Cimbrc3
Ursula Cesarina de Andrade Luna, para a ealeira
de Lagoa dos Gatos ; a professora do Olho d'Agua
dos BredoJ Kelippa Floripes de Faria Mello, para a
cadeira da villa de Cimbres; o professor da ex-
tincta cadeira de Sanharo Bulino Epiphanio 11 >-
drigues dos Santos, para a cadeira de Pesqueira.
Por acto de 13 : A profess >ra da Duarte Dias
Heuedina Floresta dos Santos Cordeiro, para a ca-
deira de Venda Grande.
Por actos de 29 : 0 professor da villa do Trinm-
pho Jermii no Theotonio da Silva Loureiro, para a
cadeira'.l.i Exii; o professor de Malhadioha pidre
Jose Procopio Pereira, para a cadeira de Buique ;
o professor de Viceucia Henrique Clorindo Taylor,
pra a cadeira de i'au de Ferro ; o professor da
extincta cadeira da Camboa de Pau d'Alho Manoel
Fehppe do Monte, para a da Cabrobo; o professor
da extincta cadeira de Olho d'Agua dos Bredos Be
aedicto Marques Vieira, para a cadeira de Cim-
bres; o professor de Jureooa Ricardo Fonseca de
Medeiros, para a cadeira de Buique.
Berlim SI.Dis-se que o governo
de Harrocos va! ceder um dos por
tos do Imperlo ao governo da Al
lemanha.
Roma SI.O governollaliano pu
hit rou um aviso contra a emigra
cao para a Republlca Argentina.
DesconQa se que uma tal publica
Hio de Janeiro SI. Cbegou aqui
bontem vapor encouracado GALIS
SONNIERE, pertencente u marinba
de guerra da republlca franceza.
>Ori( I IS COHSIEBCIAES.
Londreg SO. Conserva se a qua-
tro e meio por cento a taxa do des
conto na praca. Consolidados de
3 O/O, y.in ACCOUNT, a OS 1/4. Fundos
brasilelros de S O/O, do anno dc
!.">., a lOO. Care i transaor5ei re-
gulares i precos mnito Ormes I um
carregamento do Rio foi vendido
para o Mediterranee atSi. e d.
por cwt. Assuear i o mascavado
bom de Pernambuco n. S a SI s. e
O d. por cwt.
Liverpool SO. Algodao : calmo ;
precos Hrmes Inalterados i vende-
ram se hoje quatorse mil fardos,
sendo mil de proccdencia da Vine
rica do Nui i o fair de Pernambuco
H d. por libra. Assuear t calmo i
precos flrmes inalterados.
Antuerpia So. Care : idem ; Idem.
Havre SO. Cafe i Idem; Idem.
Algodao* anlmado i precos flrmes
U a in bunco SO.Cafe > transaccftes
quasi nullas t precos nominaes.
Marselha SO. Care : transaccftes
regulares t precos flrmes.
Xeiv-York SO.-Camblo sobre I,on
dres 4-86. Ouro 111 1/S. Cafe i
calmo; precos flrmes Inalterados i
o do Rio fair IS 1/4, e o good IO 1/-1
cents per libra. Algodao : mediano
uplands 14 Y/8 cents por libra; as Clip
gadsis de hoje aos portos amerlca
nos elevaram-se a vinte e sete mil
rar dos.
Rio de Janeiro SI.Cambio sobre
Londres Inalterado. Cafe : merca-
do muito flrme i o de prlmeira qua-
lldade de 5A8BO a OAOOO.
Bahia SI.Camblo sobre Londres
sem alteracao.
ESTATIST1CA COMMERCIAL.
Liverpool SO.Algodao : o deposi
to total elevase a qulnhentos e
quarenta mil fardos, sendo oltenta
e quatro mil de procedencia brasi-
leira t as vendas da semana eleva-
ram-se a cento m I'ini'ii mil fardos,
dos quaes desesete mil proceden-
tes do Brasil; a importar&o da se-
mana elevou se a seteuta e quatro
mil fardos, sendo do Brasil olio
nil.
%
(AGENC1A AMERICANA.)
Ro.Tja 20 de novembro. Dizem que 0
bispo de Pernambuco sera" feito cardeal na
primeira ococasiao.
Liverpool 20. algodao : o mercad >
continui Qrm3; de procedencia brasilei-
ra venJeram-?e hoj 2,200 fardos; os
pregos cotadjs foramPernambuco 8,
Parabyba 7 1|2, Ceari 7 11(16, Maranhao
8 lj4, Maceh 8, e Bshia 7 3|8 ; o deposi
to e 54i,050 contra 86,680 no anno an-
terior.
Antuerpia 20.Cafe : do Rio 46 1|2 a
cbegar. Couros: procuradissimos.
Havre 20.Algodao: Qrme ; vendas de
hoje 1,803 fardos ; deposito 123,000 con-
tra 4,000 no anno anterior.
Madrid 20.0 govern i publicou um
decreto concedendo amnistia por todos os
delictos de imprensa. Em virtude desta
boa medida, geralmente applaudida, foram
soltos muitos jornalistas. Acabam de ser
degradados para as ilhas Csnarias muitos
membros importantes do partido aff jnsino.
Paris 20.lNo dia 29 deste mez roabrir-
se-ha a assemblea de Versailles. Corre
como certo que todos os membros da es
querda votarao a organisacao definitiva da
republic** Rouher, o ex-ministro de Na-
poleao III, chegou a Londres.
Berlim 21.0 presidente da camara dos
deputados, que se tinha demittido por cau-
sa de um vuto de coiilian<;a, foi de novo
reeleito. Chegou hontem aqui o principe
de Gorstschakoff, pnmeiro ministro do im-
perador da Russia, e depois de ter tido
uma longa conferencia com o principe de
Bismark, tornou para S. Petresburgo. Di-
zem que nesta conferencia aquelle diploma-
ta rnanifestou esperanga de que a guerra
carlista termineem breve.
Madrid 21.Chegam noticias de terem
os carlistas tornado a por cerco a cidade de
Iran.
Rio 21 as 4 h. da tarde.Saoe amauha
para Pernambuco o vapor inglez DON ATI
da linba de Liverpool para o Rio da Pra-
ia. Depois d'amanha, 23, sahiri o DOUHO
para Europa pela Bahia e Pernambuco, e
uo dia 25 o MERRIMACK para New-York
e mais portos da sua escala.
Rio-Grande do Sul 21. Chegou o -
NEHGIA procedente de Pernambuco.
Para" 21 as 8 e 40 m. da tarde. Aca-
ba de apparecer um bolhetim da TRIBU-
VI incttando o povo contra o official da
corveta SAGRES, que pedira a redaccao
daquella folha satisfacSo das injurias, que
lbe irrogara. Reina terror panico na ci-
dade.
Bahia 21 as 2 h. e 25 m. da tarde.
Xarque.; o mercado susteuU-sc ; ex'sten-
cia do:Rio Grande 1,598,615 kilos; dita
do RtodaPrata 108,000 kihs, os precos
nao soffreram alteracao ; venderam-se du-
rante a semana. 167,470 kilos de ambas as
procedencias. Fretes: cacao para Liver-
pool em vapor 45/ e 5 [. de capa ; couros
para o Havre em navio 45[ e dez por cenoi
de capa ; cafe para Londres, era -vapor, 67
1\2 e dez porcento de capa.
Liverpool 21.Algodao: Qrme; preco*
sem alteracao ; de procedeucia brasileir.
vendera-se hoje 1,000 f irrdos,
Antuerpia 21.Cafe: bom do Rio do
Janeiro 48 ; vendas de hoje 1,800 saccos
Havre 21.Cafe : venderam-se 700 sac-
cos ; deposito 11,000 centra 60,000 no
anno anterior. AlgodSo : firme; vendas d.
noje yoo taraos iSukiii a o2. **""**
Paris 21.0 Sr. Nadaillac, prefeito dos
Altos-Pyrineos, quo fdra chamsdo a Paris,
torna a regressar para o exercicio do seu
cargo.
Londres 21. Deu-se uma explosio n'uma
mina de carvfco de Sheffield; morreram
26 pessoas.
Para" 21 is 1 h. da Urde.A TRI-
BUNA publicou violentissiraos artigos
contra os ofliciaes da orveta poriu-
gueza SAGRES, aos quaes dirigio epithetos
injunosos. Um delles, o mais otF-ndido,
foi pedir satisfac^o do insulto aos redacto-
res daquella gazeta. A opiuiao publica re-
clama se ponha termo i um semelhante es-
tado de cousas, que bem pode ter um gra-
ve resultado.
Rio 21 as 2 b. da tarde.Cambio sobre
Londres 26 1(4 bancario, 26 3|S particu-
lar ; sobre Paris 358 e 360 reis o franco do
banco, 362 e 363 rs. particular.
PEMAMBUCa
REVISTA DIARIA.
Vlagem ministerial. -Hoje a tarde se-
gua o Exm. Sr. conselneiro Joao Alfredo Correa
ue Oliveira, a bordo do vapor Jaguaribe, para a
proviucia das Alagoas, de onde voltara no dia 45
Semlnarlo de Ollnda. Iof jrmam-Dos
Hie o Exm. e Revm. moDseohor Dr. Gregoiio
Lipparooi acaba de ser exoaerado, pelo Revm. Sr.
goveruador do bispado, de lente de pbilosophia do
seminario de Olinda
Questao religlosa.0 Sr. Dr. juii da
direito da comarca de Olinda dirigio, a S. Exc o
Sr. coalmen la lor presideute da proTiacia, o seguin-
te offlcio :
Illm. e Exm. Sr. Em observancia ao offlcio
de V. Exc, daudo de 14 do correole em o qua:
me recommendava fussem intimados, nos termoj
do aviso do inini.-teno do imperio, de 30 de te-
temhro ultimo, os goveroadores do bitpadi, aqui
resideates conego cbantre Jose Joaquim Camello
de Andrade, e padre Seba-tiao onstanuoo de Me-
deiros, para qae, no praxo de olto dias, enmprsaw
o aviso de 12 de junho de 1873, dirigi-me aos
rao.-raoi gorernadores remettendo copia dos ditos
avisos, e solictoodo me declarassem, se Ktavatg
disoostos a satisfazer o que se delerminava ; ma*.~
reflectindo, que a intimarao por ese modo, alem
de nio ser regular, trazia o ineonvenienle de nao
poder conslar em tempo algum, desde qu-; nenhuma
resposta houvesse resolvido, jolgaei aeertado,
sanando a falta, manlar, por uma portaria, qua
o escrivao do jury ellectuasse semelhante inlima-
cao, que com effeito se realisou no dia 18, quando
comecou a correr o prazo. 0 expoito levo ao
conhecimento de V. Exc, a quern Dens Guards.
Olinda, 21 de novembro de 1874.Ills. Exm.
Sr. Cdmraenlador Hearique Pereira de Luceoa.
dignissimo presiJente da proviucia. 0 juiz de
direito. De'.phino Augusta Cavalcante iAlbu-
querque.
A' essa intrmacao acaba da resp >nJer o Revm.
paire Sebastiao Constantino de Meleiros, da se-
guinte forma :
a Seminariu de Olinda, 17 de novembro de 1874.
Illm. Sr.Respondendo o offlcio d* V S., data-
do de hontem, e hontem mesmo recebido, 'tenho
a houra de declarar a V S. que, tendo tido eu
nomeado, em segundo lugar, para reger esta
diocese, pelo Exm. e Revm. Sr. bispo diocesano.
sii depois de impedido o primeiro governador, 6
que a raim passara a jnrisdiccao diocesana, cimo
6 manifesto da portaria de nomeacao e do officio
de recoubecimento do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, que junto por copia remetto a V. S. E*.
portanto, ao primeiro governador, o qual se acha
em exercicio, que V. S. -e ha de dirigir no senti-
do de seu supracitado offlcio. Aprove^o a oppor-
tunidade para significar a V. S. os meus proleslos
de respeito e distincta consideracao. Dens guar-
ds a V. S.Illm. Sr. Dr. Delpbino Augusto Caval-
cante de Albuquerque, juiz de direito da c marca
de Olinda.0 reitor do seminario, padre Stbas-
tido Constantino de Medeiros.
Entrada de assuear e de algodao
-Nas semanas de 9 a i\ do corrente, vieram ao
nosso mercado, por mar e por terra : 7,091 saccas
com algodao, e 98,187 saccos com assuear.
Dinnelro.0 vapor Ipojnca levoo. de nossa
praca para:
Parahyba 4:467,300
Natal 55000*000
Mossoro 20:879,140
0 vapor S. S itoador trouxe I30i000
o Rvm. frei Autonio, de S. Camillo Salles.
Club popular. Esta associacao, celebra,
no dia 26 do corrente, uma sessio funebre, com
tolas solemnidade, em nonra do seu recem-falle-
cido socio benemerilo Dr. Alexandre de Souza Pe-
reira do Car mo.
Colonia Isabel. Sobre a viagem da
Exm. Sr. conselneiro Joao Alfredo drre.i de Oli-
veira, a colonia Isabel, envia-nos o seguinte um
araigo :
As 8 horas do dia 18 do corrente, partlo S.
Exc, em trem especial, da estacao de Cinco Poa-
tas, acompanbado por grande numero de eava-
lheiros, entre os quaes achavam-se o Exm. Sr.
commendador presidente da provincia, os Srs. Dr.
chefe de policia, general commandante das annas,
general Jose Maria Ildefonso, commandante do
corpo de policia, engenheiros Chrysolito e Silva,
Alfonso do Rego Barros, Drs. Manoel Jemeoimo,
Raphael de Mello Rego, Joio Barbaloo, Alvaro
Uchoa, Lobo Moscozo, C >roeiro Monteiro, Maaoal
de Barros, Correa da Silva, Pinto Pessoa, Pernam-
buco, J. de Mello Rego, e varias sen horas destine-
tas, que se digoaram presur ao Bus. Sr. minis-
tro do imperio uma prova de particular cooside-
racao, acompanhando-o ate a estacio terminal da
via ferrea do S. Francisco, em Una.
Ao approximar se o trem a villa da Escada.
ouvio-se o es'rondo de repeudas gyraodoias de
toguetes e da musics postida em (rente a estacio,
onde estava reunida grande qnanlidade de povo,
aguardando a presenca do ministro, o qaal foi
acolhido com enthusiasrao, vivas ao ministerto 7
de marco a a S. M. o lioperador.
i Achavam-se presentes os Srs. oarao de Ara-
cagy, barao da Escada, bario de ft rangy, barao
de S. Braz, Dr. juiz de direit e muitos proprie-
Urioi e agricultures notaveis do termo da Escada,
que vieram sandar a S. Exc.
o A estaQio e logares adjacentes, protongasdo..
se pela estrada qae conduz a villa, estavam or.
nadas de arcos e mutros de forhagess embasiei.
rados, qne davam aqoella (esta aJefria e
para



'


* '
a
11M

D&rfyfe J^rnambuco Segunda feira 23.de Novembro d6 1874
' .-T -=
11, 1
*-


?:
asmo mais expansivos pelo troar incessante das
gyrandolas o pela harraonia do d*as fcduaieas
inarciaes, quedUjr.ejiavam preseutes..
t Uma commie*a*> da caraara municipal veio
cumprimentar SLExc, e os alumna* da escola e
outros cidadao*, toxlos recitando alloeacSes e dei
undo (lores.
t Estava profusameote preparada ami mesa
para 80 pessoas, em casa do digno Dr. juir de di-
reilo, oade foi s rvido o almoco, durante o qual
trocarara-se os seguirles brindes: do Sr. barao
de Araeagy ao bourado ministro, destincto pertain-
tucano, qua pelo sea laJesito e nabre caractcr
havia coaquistaio a esliaa do pail ;-do iniot -tro
ao deputada do 3' dfctrfeto, represeutante de ami
illustre familia que e*drce ni Escada tao legiu iia
quanto raerecida infltencla; -do barao da Bscada
ao digao president da provincia, a qaal tao pres-
tado tao rerevantes at.rvicos; do Dr. chef-* de po-
iicia ao bravo general, eoaimniaoti das arm a;
do Dr. Moscow ao notavel proprielario da Es-
cada, o Sr. barao de Uimgi ;~das Srs. barao-di
Ptraugy, padre T sua vez, ao ministro do gabinete 7 de inarco, cu
j ,s a.clo< assignalados foram entio rcmemorados; e
vanes outros tariudes, terminando pelo brinde a
S. M. o Iaiperador.
t Depois seguia S. Exc, acompanhado por mui
tas pesaoas, para visitar a matrix, e em. sua volia
tomou o trem, senda de novo applaudida e sau-
dado pdo nuouroso coucurso do cidadaos, enire
os quaes destraguiase o bacharel AquiKno Somes
Potto, liberal destincto advogado da Escada, o qua1.,
em brilhante improviso, felieitou o ministro per-
il a nib-can a, e tao expicsivas ioruaraWs*a eutau as
manifestoes, quo os cavalheiros c damas, SJH
aeompanhavam, S. Exc. e admrafti m ja aos */a-
j;jus t pariir, romparam, qua-i <|M instinetiva
menus em enthusiastic^ vivas a s habilanua da
Escada, e estes rataibuirani e m as mais estre-
pitosas manifestable*.
c Da Escada ac'MBsaariara n >. E*C os Srs. ba
rio de Piraugy, de Bnu '. l-i ivs^.U, o Dr. juiz
do direito o muitos ou r>s c kvalbjeiro*.
CbegaaJo a esUpao >to G ii-.-:ii,:ra, n iva 9>;ena
rn-ni f"n "*" '.'V".--" '""
sirvevivaide grax-i^ nuflri de otlaiSw ao
irtinbtro penu;ii:iiiC4:i.>, ) qmrf, nrujin'l >-se ao
Sr. toaente-cjrou^l Loriolao > u Si'voira i aos
<\ -m:\\< Srs., cu.ojinai.'iitoa its cnu natural bene-
volencia.
t Ot ineuiuos da e.:c >la, a quil coola cerca de
8U, cini o s;!U prjfcssor, iCMI saa i.ir S. Exe.
em sua pauageu.
t Poi urn inj.uento de vivo enthusiasms e da
mais expan-iva cordialidade.
t Dest*thacfeu, onde acbavase igualmonte 0
Sr. seoaJor Alvaro liarbalbo, scguirara este, o
teiii-'nisj eorooeis 0>noiano e W.md rley e outros
cavai'ivirt-, qua, desla sorte, iam augmotitand) o
aotnero d' s awigos e companheiros do Exm. Sr.
inuiistro do i;i:|i -no.
.No traj::cto do trem, por diversas parageas e
estacoes, ben corao Cuyambuca e Agua I'reta,
roin.-iam os vivas, esUBavam as gjraul ravam-se fl irea sofcre os carros, em que iam o
mmistrj e os companh-iros.
N i estacio tonnmal deU:!u novo enthusiasm i,
por veutura mis expansivo. Grande concurso,
de pivo o repelid is e freoeticos vivas ao ministro.
an minislerio, ao imperalor; a villa, por assiin
dicef, em grande gaiia ; arcadas de folhagem e
ma-ims "Miban Jeirad'X desde a proiiiOidade da
estacao ate o contro d i vil a, de lodos oj pantos
da-qaal sub'atn ao r (bgaetes sotlos e em gyran
Vi o mini.-tro com reiterados applause.
Nobre e generosa entbasiasmo I
S. Exe. foi boepeJado em nma espa^oja casa,
eai .'rente da qaal h.iviam grandes arcos" do ma-
deira e de foloagcm e mastros s^breos qaaes Ire
niulavam baudeiras naciunaes e outras da lariat
ore?, qae apreseiit.tv.im urn gracioso espectaculo.
t r.iia cjma'b-a) da mantra municipal fi.j
Ci!m|.;iiii'.'atar S. Bxc, servmJ) de interprete
d^ssa patrio'.ica eo'pMieaa o Sr. Dr. Cornalio.
As uinainas da escola publtea, v-slidas de
brancd e oraa4as de litas e eapeiias do il ir da la
r.iugjira, recitaram discursos e poeatas, oiler undo
a > m.'ni*!ro u:ii !in to ramalheta de fl >re^ artili-
ri.ies Varioa cid.iJijs victoriaram t%mba;n S.
Exc. proferiadq discursos e re:itando bellas poe-
aias, e o pova inva Iia a casa para pre^anciir e
applaudir a'luelle geaeroso movimenio de felicita-
j-.es tao merecidaiu'jnte tribuUlo3 ao veneravd
psraafiibueaao.
{. > A' ooca convenieale foi servido nra abundante
ja.iiar, daraute o qual ouvio-se o so:n da musica
eoe-t:ilar djs foguetes. [toportaates caades fo-
ram dirigidas sondo as principaes:
Peto Dr. jui* de direito ao generoso pernam
bueano, quer corao particular, quar como homem
pnblieo, eujis qualijadci destioetas dfu-Ihe direito
a ulevaJa posig.io que occupa n > paiz; sail la.
pois, a; iliu-ire mmiilro do imperio.
a f'ol i imuislro a-, digno jaic de direito de Pal
mares; da teneute coroael Austriclinio ao bene
merit > presWenle da proviocla; do drone, Austriclinio, digno pr^siden:e da camara
municipal; dotenentecaronel Carnelro aohonra-
da c.v.illieiro, destincto deputado, Dr. Manoel de-
mentia i; do Dr. Pinto Pessoa <.a respoitavel Sr.
bairao de S. Bras; dj Dr. cnefe do pciicia a.> ba
r"io do Aracagy e depatado Raphael. Vari 3 ou-
tros brlodes ao rriini-.tr.>, cujos feitos foram par
mais de u:u. vez proclamados ; vivas ao gaMne-
te 7 Je margo ; termiaanda pala satile de hanra
a S. M. o (niperalor.
c AV o boras d tarde parlia ja o minis ro para
a Colooia, acompanhado por Cinsideravel numero
de cavalheiros, novamente saa:lado pelas ovjjO?s
das bonradus babitantes de Una.
E' nma grande festa que aqoi fiea l:g ira
mente descripta e qua alias nao foi mais do que
o preludio de estrepitosas e mais energicas felici-
tacdes, que aguardavam ainda a S. Exc.
Com eff-.-ito, por toda a estrada que conduz a
Colonia Isabel, surgiara gyrandolas de foguetcs,
assiui como gcupos de cavalheiros a entaar vivas
aS. Exc. e a agrupirera-se a sua consideravel
comiliva.
A' duas legnas da Colonia uraa lileira de no
vos cavalheiros (cerca de 50) veio encontrar S. Exc
e Victoria-!). Foi'ama bella sorpreza!._
t A chpgada a Colaaia, pelas 10 boras da noite,
fai a mais espltndida possivel; por todas os lados
voavam os foguetes, as gyraadoUs, os applausos
e a musica a despertar a coragem do? cavalheiros,
nm poucoesmorecidapela viagem de 8 ?stiradas le-
guas.
0 extraordinario grupa de cavalheiros natu-
ralmante associou-se a tao vivas alvorogo de ale-
gria e profanda satisfa;ao.
Pela maoba muilo ceda fai S. Exc, em join
pa'hia do flvm. frci Fidelia. presiaenU da pro-
vmcia e oalras, visitar os granJ irabalbos ja
effactuados pelo benemerito sacerdote.
t Longo fora referir as obras impart a aUs d'esse
incansaVel operario, a quera 6 esta proviaiia vedora de tao relevantes beneGcios.
t Para abreyiar, quanto 6 possivel, esfa-narra^o,
chef amos ja & hara da partida de S. Exc da Colo
i>'a hftbel, as quatro boras da tarJe da !ii 19 e
4" sna entrada em Una as 9 boras a n;i:e, teodo
sido reeebido a ama legua de distancia p u maims
cavalheiros, qae o foram victoriar era eamiabo, e
a frente dos qaaes segaia o impartmie ~ daoao
tenente earonel AastFtcli.io da Castra Sa Bar-
reto.
Ao entrar na villa, nova sccna, ,- mais ex-
pansive eagraciosa-todasas easas :,. :.:.:natas.
Reappareco a alegria e o alrcropo.
No dii seguinte, depois do almoej, oale se
ii/.-ran. novos brinda>, um dusquaes pc'a ministro
ao prestaote e obsequioso teaeate enronal Austri-
clina de Castro Sa Barreto, partio S. Exc. para a
estarao, onde erabarcou a uma bora >i-. t..rde.
< Chpgando o tem & esU^ao de Gaqaelleira, es-
tron losas manifestacoes acolheram de novo o mi-
nistro, pois que os gamelleireRi.es o eaperttm
a Com effeito, era uma nuvem de f&gue"^s a atroa
rem o ar ; o eatbusiasrao era immeoso.
a Todoo povo aaestagao era applanioi ao per
nambucano illustre.
Dirigiram no para a camara mnnicpal, onde
foi cumprtmeotado por uma commissao dessa cor-
poracao, cujo orgao foi s talentoso edestiticio libe-
ral Dr. Francisco Jose de Uedeiros, o qual, quaudo
terminou o aeu bello disciuvo, foi vivaraent? victo
riado por to dos os que eatavam presentes,
a Os alamaos e alumnas da* escolas de Gamel-
leira leram tambem discursos e recitaram poeaias
em bonra e lauvor do beroico pernambucaiio, a
quem offeruram n'essa occasiao Farlos ramaJbe-
tes de flares, e atiraram oatros a sua enlrada as
escola, que Kgeiraraente visitou, e ao eatrar para a
mesa, em qae se achava preparada am sxplendida
lunch.
a Ahi nao sefez demorroaffectaosj entbasias
mo dos bnodes : o primeiro dos quaes dirigiio
pelo leneate coronet Wanlerley ao venaravel per-
nambucano, ministro do imperio ;destaao povo de
Gameileira, qua crecebeu com stgnaes da mais
viva maiiifestacao, principalmeate pela presidente
da camara, o Sr. teoeate cocoael Waalerlay, qae
o sea orgSo e primeiro reprasflHBw j ~-i:. Dr.
Rrncsto ^TTeira ao digno ura5idanta da nrovincia, a
qae tarn ^*=#* ertie mt*o railva** <-
varios ootros brjndesao hoar?4o magisdo Dr.
Manoel.Clementiao, ao respe[ta>?et senador %}vara
Bai-balfto, la liberal deslmcto e g ner^tsa Dr. Me-
deh*o etc etc.
0 Sr. ministro segaio log) para o trem, qae
o esperava, acompanhado da tola o povo, qae o
victoriava com vivissimos applausos, e tal (>i a
profuada impressao de alegria qae tottos os com
panbeiros saudaram o brioso pvo de Gaiaelleira
confnndindo se todas as votes aesse concert i de
apaixonados afTectos, e dos mais puros a nobres
estimulos, q-; engrnulecem os povos e honrara os
cldadaoe patriotas benemecitas.
a A's ciaco horas e am quarto da tarde do dia
30 chegoavS. Exc. de volt a de saa visita aapial-
le imporunte esUbeieciawnta da Catania U--.be!,
que e lacontestavalmeala am gnadioso moaunian-
to para aMestar opaU-!otismodesiiactooaBiaien-
daaoTTFIenriqae Pereira de Lucena.
Termiucu des'.'srte am dos acontecimeatos
mais notaveis da visita da 8. Bxc. o 9r. cease-
Iheiro Joio Alfredo a aeroica provincia de Pernam -
buco, a quem cabe grande ufania por ter sido o.
berco de tao destincto e honrado brasileiro.
iyanna.--Em data de 15 orove o nosso correspondente de Goj"anna :
No intuita de completar a noticia sobre as
ovac5es levantadas aqui em honra do Exm. Sr.
conselheiro Joio Alfredo Correa do Oliveira, deva
satisfater a promessa que flz na raissiva anterior,
narrando ainda os festejos que caaunuaraai duran
te a noite de 11 do corrento e 03 que se ftzeram
ate o momeote do embarqaed e S. Exc. na maoh* do
dia 12. ,
Esta cidade, njubllando-se de ver, depois de
uma Ianga ausencia, o Qlho tao destincto, soube
par sui veaaiostrar qae, auaodo se trata de hon
rar o merRo e prestar lhe asdevidas homeaaajens,
ella nao *ca a quem de aotras que compreheadam
tao elevade sentimento.
Antes, poreu), de corae^ar essa tartfa, cum-
pre ractifi -ar a noticia anterior considnrando
versas circumstancias, alias de grande valor, que
.o,.P..r.,,o mut L on.iisce:i':ia 02 elaOO.-:$;ai 01-
quelle aoticiario, as quaes, nada podenlo augmen
tar a importaacia daqueHas que foram descrrptas,
devem toda via ser mencionadas pelo dever de fi-
delraade e intejreza de qae jalgo incom'iir mo
sempre que tenho de rtesarever acentesi.nentos
daqueHa ordera.
Cam effeito, escapou diner que, passadi o en
geohoBujary -cuja parle da estrada se acbava
bnlhaatemente deeorada com arcos de folbas i
Hares, e o cbao juncaJo tambem de flo es, cff.re
c.mdoasira um aspecto deslumbrante, e qaando
S. Exc. ja se achava as portas da cidade, uma
salva de 2t tiros dava o signal da approximate
de S. Exc, qae pasfoa pela niultidio que o esp-
rava eatre os mais estrepitosoB vivas e ao som da
musica que alii se achava posUda
< Na pyramide cotio:ada ao mcio da rua, em
frante do edniaio em que se achava hospedado S.
Exc, ostentava se, a noite, o seu retrato era uma
das faces delta, por eatre o espleudur da illumiaa
40.
Uma ontra salva de 21 tiro* fai dada no mo-
mento em que S. Exc. occupava a presideneia da
mesa por occasiao dojantar. /
Ractiiica-la assiin a noticia da la na missiva
anterior, passarei a descjever p que se passou na
noite de 11 e na raanha de ii em que S. Exc. fez
o seu embarque.
A's 6 haras da tarde de 11 chegava S Exc.
da engenho-WVai)-residencia de seu v^aerando
sogro, acompanhado de grande nuraero de amigos,
e, to apparecar ama do Amparo, que ostentava
ainda o realce de sem ornameolas consurvados
ate a occasiao da partida, uma gyrandola de fc-
guetes annunciava a approxia)aao da comiliva de
> nvolta com os sons barmoniosos de uma banda
de musica, que ahi se achavi em frente da sobrado
do Sr. tenente coronet Guedes Gaadiia.
Ainda graude massa de povo Curria a saiidar
o illu-tre pernambucano.
(i A|w- alguns momentos da descan.-o, sahij S.
Exc. a passeio acompanhado de grande numero
de pessoas, e, a pe, percorreu diversas ruas da ci-
d ido. Clicgado a rua do Rio, onJe ;e ostentava,
com todas as galas de uma rica fesu, uma bi illun-
te illuminaQjo, preparada a capricho, irameasas
gyran tolas de foguetes subirain ao ar.
a Tambsm naa era de descreverse, mas sim
de canteraplar-se, o deslumbrante aspecto que of-
ferecia aquella rua e tola a margin) do canal.
Arcos, bandetras, lampeoes de todas as c6
res, faziam como que o encanto de uma festa cam-
pestre.
Quasi a margem do canal, e qne faz, por as-
sim dizer, o centra da rua, via se nm lindo bas-
que feito J- foltiagetn ebrilhantementa illuminado,
dentro da qual tocava umi bania da musica mar
cial.
Para abi dirigindo-3e S. Exc, depois de haver
descanjado afguns momantos em casa do Sr. Mo
reira de Azevedo, gerente daquella empreza, foi
reeebido com vivas, que erara tiradas por ajuel-
les do povo qae mais adrairam em S. Exc. o amor
disvellado pelo pais que o vio oascer.
Depois de haver S. Exc. percorrido parte da
margem d) canal, cuja illuminacSo se estendia a
erca de 1,000 bragas de sua direc;Jo, voltoa a
casa da Sr. Moreira de Azevedo, donde dirigio se
ao theatre, aQm de salisfazer o convite que the
fora feito pela Sr. Theophilo Silva, qua Czera, na-
quella noite, espectaculo em seu beneficio.
t A chegada de S. Exc. a porti do tiieatro f A
annunciada pelo toque de umi banda de musica.
Logo que S. Exc occupou o camarote de frente,
que lhe fora destinado, o qual se achava elegante-
rnente preparado, subio o panno, tocando a or-
chestra o hymno nacional, e dando-se assi n co-
mer ) a representa^aa do drama Lucia Didier,
cuja execucao correu satisfactoriaraente.
t Achando se S. Exc. fatigado, e{ tendo de em
barcarnodia seguinle pela manha, lhe nJo foi
possivel assislir a toda o espectaculo, pelo que re
tirouse n'um dos intervallos do drama.
Fisarara ahi os festek>3 da noite de 11.
Na dia seguinte, .is 9 horas da manha, quan
do devia realisar-se oembarqno de S. Exc, o ju-
bilo e o enlhusiasmo que, nos outros dias, se ti
nhara constitaido corao que as unicas vibracoes de
tados os coracoos, desenvolveram se em sceoas
identicas naquelle momento.
a A effervesceacia de enthusiasmo a hora da
partida, na qual exhibia se o ultimo esforco dos
louvores levaatados ao illustre conselheiro, sellou
mats esse tributo da gratidao pubti a obtido por S.
Exc. em sua terra natal.
t A'quella hora, sahindo S. Exc da casa de sea
digno canhado, o tenente coronal Antonio Guedes
Gaodim, acompanbado de muitos amigos, dirigio-
se a pe. para o porto do canal, seguido de uma
enorme raassa de povo e de uma rausi;a.
t Durante esse trajeeta, a reprcussSo das suc-
cesslvas gyrandolas de foguetes, as barnonias da
mqsica, os vivas estrepitosos que eram ievanu-
dos, oSereciam assompto digno de adrairacao, e
capaz de con-tituir a eprjpea aaquelle que os ac-
carretava apos si.
No ponto do embarque, onde se achava um
cisco C-irrcia de Araujo, ministro da imperio, pre-
sideute da PernaiaJwaao e cliefe de policia, comecau
o actd, tun U-9 'dawadida uma. partitnra mnsical,
exfcuuda p4* aanda inililar da guarda da hour*
ii.jstada em (raaWiIa supra_d.lo edillcio. *
PresiiKo Cbrlnionia o ir. eou>oltuiro JoacVAU-
freJo wnJ--% sns esquerda o Sr. commendadot
presidente da provittcia, e a direita o Sr. inspector
da instruccao publica da provincia, e aos ladas da
baaca da Bresideooia as comaissaaa de professores
da escola normal pnblica da homaaa* e da escob>
ooriBil do senU)raa, maoiida pala aoaiedada Pro-
P*D*po[s'de tereaa cralo osifs .*. *Ivaro Uchfla
Cavalcante a latt Au-lrega*H Ratngues Lima,
ete por parta *> professawdo da.aatoU acnnal
de hamens, e aquelle cuujoflrestar da mesma ea-
coli, coube a palavra ao atnowo aaatre Sr. l.ata
Eu-taquio da Cancaicio Fassoau qoe, devendo
agradecar aat seu a poane dbas saus ecdUgaa,
recipieadarios do grao escolar, a defen mente do
respecuvo diploma e premios, pronnnciou um lia-
do a eloqnente disaurso, revelador de iateligaacia
actlva e curtivada, qne muito reconvneada ease
alujjino meatre.-------_
Em seguida a esse discurso, o Sr. conselheiro
s.'i Nio
Min'ias eoltegas. NJo posso ser insensivut a
asse aceno qae hoje nas 6 forcoso dizt-r. Um pre
seutiment ma faz crer que nlo vaa vanei jamais
a essa ld taa. e que o c6o vos ajadaia a cuinvrif os deveres
qne v ides imp^r.
Ides vos eucarregar de uma nnssao" sagrada ;
ides ser as educadoras de uraa uova goracao : dif-
fic quanto glorioja larefa 1 Zelai essas reliquias
Santas, oa corr?6js inno'^atos que ides formar;
awslraWhes o eaminha da tirtude, tefei-os verda-
deiroa cofres. dos sentimeotos qua desti guem
a mulber civilisada da raulher barbera; animal
Bellas a creoca verdadeira a para, da doutnna
*tvan*elica, iaaummai-as ua --anto aawr 4a gloria
fara que um dia a patria vos beadifa e vos pos-
saes dizer : Cnaapri o meu defer.
Jassaus eoiagaajaquem
0 anjo da felici dale vos ae.ampaane.
A' vos, ExtajK,
Joao Alfredo procedao a enlrega. dos premios as de e no mesma tempo a mail reconhecida das
alu.nnos mestres do 3.* anno qtte cinclniram os
estudos : Lufc Enslaqaio da Cancolfio Pessoa -e
Manoe'l Sebastiao de Araujo Pedrosa, e declaron
lerera obtido raear^a-a hoarosa osaluranos mestres :
Thoraaz Antoio Maciel Monteiro, do z. anno, e
Pedro Pereira de Saaza Lemos a h ra Cavalcante, ambos do t
Apos esse seti ioraia <*fflhom aatregBes' os di- bre v ploias oonferidos pela Cicola aoi troie seguintes
alumnos tcestres : 4 .
Luiz Euslaquio da-C)Bceicao Pfoa-
Mauoel Sebastiao de Araujo Pdlrosa.
Gedeao Forjaz de Lacerda Jaalir.
Joao Sezino dos Santos Cezerra.
Jas6 de Barros Cavalcante Lina
Joso Xavier da Cunha AlyarengaPi
Ignacio FerreWa da Costa.
Luiz Marqqes Vioira. ^ '
Luiz Manuel Rodrigues Valenca Junior.
Jerouymo Soares de Albuqueque.
dfMe"
Alfredo Caou.o de Lima.
Joao AntepurUra latiaara df Mello.
escaler devidamente deccrado para receber S. Exc,
fez elle a sua despedida, em geral, as passoas que
se achavara presentes, e embarcoa com alguns
amigos que o aeompanharam. E, emquanto issa
se dava, granle numero de pessoa* affluia para as
eaooas que alii se aenavaro, afim de aeompanh.ar
S Exc. ate o ports de Japamiin onde o esperava
o vapor Emperor qua eipresaaraente o veio bascar,
trazeado a seu bar Jo muitos de seas amigos.
t Occupa la o grande numero de candas, largau
o escaler de S. Exc. reboeada por um pequena
vapar, seguindo-o uma musica e grande comiliva.
Sempre crescentes, as ovaQdes seguiram no aid a
borao, e a par da comiliva realc.ava o concurso d-
povd pelas margens do canal, victorianda o na
maior eifusao da entbasiasmo. /
Cbegado 8. Esc. a hordo, fez a sua despedida
aquelles amigos que ate alii o baviam acompanha-
do. Mais energtcas demonstracpas Ine foram con-
sagradas por unison is e estrepitosas vivas no mo
rannta em qae se fazia essa despedida, a-sim como
aaqnelle cm que largou o vapor.
Tenho aisim terminado a ardua tarefa de des-
ere ver essa quasi infioniale d-a scenas, na qual am
solemne testetiunbo da gratidaa oui.lica desta cu-
marca se deu em espscfceulo ao illustrado conse-
lheiro Dr. Joao Alfredo C>rr4a de Oliveira.
Tao cbeio do belleza a enaaata, quaato era de
desejar, esse espectaeulo foi a prnva mais irrecu-
savel de que o generoso povo dosta comarca saba
collocar-se n'alinra da justica pira nao daturpar
se nos desvarios de uma politics insensata, sempre
que tem de julgar o raereciraento a applaudi-lo
Festa litteruria. H-mtem teve lugar, no
ediflcio em que funcciooam as duas escolas nor-
maas do Recife, a rna de Pedro Affjoso, a n demne
distrihui^io dos premios esaolares e tntrega d >s
diplomas de-eapacidade aos respectivna alumna-
qpa, qua' n'uma quer n'outra das duas r86)bs,
concluiram os sans cursor
0 edillcio estava bellamaate decorado e cliaio de
espectadores, qaando, >oaca itopais aa m-io dia,
ao chegarem os Exins. Srs. conselheiro J>a3o Al-
srili, Dr. Pereira de tieena, e Or. Aataoia Fran
Antonio Belarniiao dos Saitohs Leal.
Em acto continuado tomou t palavra o Sr. Dr.
Olympio Marques da S lva\ qw fez uma oracao de
sapieucia, em name da sociedtde propagadora da
iatraaoAo publica, as aluuiaa da escola normal
tie senhoras, conaluindo por onvidar ao Sr. con-
selheiro Jaaa Alfredo para icstribuir os premios
aquellas das alumnas que o meieceram, e para
eniregar os diplomas de ca>acidade as que c m-
plelaram o curso da esaola. _
Asstra praticou o Sr. coaelbeiro Joao Alfredo,
que entregou os respectivospremios as alumnas:
D. Maria Hermina Corre"ida Silva, D. Amelia
Rasa de Lemos, D. loan.a Tiburtina da Silva
Lins, e D. Maria JosepbinV Alves do Brito, todas
do 2'anna ; e ". Josephiia Amalia Monteiro, D.
Luiza do Medeiros Brito e D. Maria do Carme
Garrido, todas do 1* a mo ; e, apos esse acto,
passOu a faz r eutrega dfi diplomas de capacidade
as alumnas:
D. Maria H rmina Corn da Silva,
1. Amelia Rosa de l.emis.
D. Joanna T bnrtina daSi'.va Lins.
I). Maria Josephina Al'es da Brito.
D. Anna Candida Firrana Monteiro.
D. Leopoldina Francisia da Costa Pereira.
D. Juveniiua Amelia (arneiro Monteiro.
D. Beilarmina Francisu Lobo.
D. Justiua Anna da Silva Santos.
0. Amelia Josephina Nary da Fonceca._
D. Clarinda Kibeiro da Cunha Guimaraes.
D. Julia Candida do It go Barceito.
D. Maria Leopoldina 1'ires Fetreira.
-D. Ftrmina Philonilla de Olivera Crai
D. Maria Silurfiina Prudenciaw da Cruz.
D Marianna da SFva de Jesui.
D. Leocadia Julia da Castro.
D. Antonia Ferreira da Costa 3raga,
D. Rita das Santos Leal.
D. Emilia Olyrapia Telles.
D. Idalina Porflria do Amaral.
D Maria doiLivraraento Nanap. ii
Logo cm seguida, a Sra. D.Maria Hermina Cor-
rea da Silva, obtendo a palavra, pronnnciou o so-
jjuinte mimoso discurso, endeE(jado ao Sr. conse-
lheiro Joao Alfredo, em norm dos alumnos das
duas esculas n >rmaes:
Exm. Sr. conselheiro.-Pirmilti que uma das
mais obscuras albmnas do curso da sociedade
Propagadora da Iostruccao Putlica, era name del-
las e dos alumnas da es;ala Normal desta provin-
cia, vos agradeca com toda a effusio d,'alma a hon-
ra que nos destes em assistir a esta festa litteraria,
da maior maguitnie p sra no=, pelos litulos, hon
ras, premios e recompensas quo nos acabam de
ser conferidos.
Nunca mais esqueccremos o dia de hoje, que
para lodos nos despontojicieio de venturas I
Exm. Sr., pertenceremas u n dia, e oxalu que
bem raarto esteja 1 a estimavel classe daquelles
qu-c-amo segundo-; pais, teem a sublime mi3!io
de guiar e*desenvolver a intelligencia das crian-
gasj en;aminnando-as a pratica do bem e inocu-
lanl-ilbes n'alma todas as virtudes listo e o bas
Unto para que nos, que temos tao distinctos pre-
ceptores, possarrfos conheccr quanto lhe? devemos
e no* compenelremos do dever de sauJar em vos,
Exm. Sr., o homem que actualraente no B.-asil
m.ais tem empreheniido em prol da instructao pu-
blica.
t E disto convictos os alumnos e alumnas das
Escolas Normaes de Pernambuco, pedera perrats
sio para depositar nas maos de V. Exc. uma lera-
branca, quo assignalari a visita de V. Exc, com
a qual hoje foi honrado esta estabelecimento.
i Esta simples e modesta escrivaninha eonsti
tue a nos*a singela offerta; esperaraos, pois, que
V. Exc. sedignara acceital-a. Nio tem valorintrin
seeo, e" carlo, mas bem padara servir para demean-
gar a penna com que tera V. Exc sabido gragear
tio illustre nome e honrar esta provincia, firman-
do repitidos actos em bem da prosperidade moral
e material da Brasil.
Conteoha ella a tinta com que V. Exc. houver
de assignar o decreto da fuadacao de uma univer-
sidade e da ercacao do novos cursos de instrucQio
seeundaria ne.-te imperio, que a nossa gratitio
sera eterna.
Recife 22 de Novembro de 1874
[ Ao concluir o seu discurso a Sra. D. Maria Her
mina Carvalh) da Silva, entregou ao Sr. eonse-
lueiro Joao Alfredo, era nome dos seus coUagas da
amhos os saxos, uraa rica e arlistieamente traba
Iliad i escrivaninha de prata, conteado a segninta
inscripcao.
AO EXM. SU CONSELHEirtO JOAO ALFBEDO CORREIA
DE rJUlVEItA 0FF8BBCEM OS ALUM50S MBSTBES
ALUM.V IS DA ESCOLA NORMAL DM 1'ICliNAMBL'CO.
0 Sr. conselheiro Joao Alfredo agradeeeu o pre-
sente e as lisongeiras palavras que o aeompanha-
ram, e alflrrnuu mais. uma vex que a ipstruc^io
publica couUuujria a ser o poalo atraclivo de to-
dos os seus esforcos e desvellos, a maior aspira-
caa de sua alma.
Em seguida fallaram ainda o Sr, Carlus de Ma-
gaihies Breves, leute do Gymnasia, e o alumno
d'esse institute de nome Ambrosio Marioho Falcao,
ponao rematie a festa litteraria a Sra. D. Joanna Ti
bartina da SiUa Lias, que pronuoc oa o seguinte
discurso, era que se revela eaa alma da poa-
tisa.
a Meus Mestrts__E" graodiosa, e sublime esta
festa, quanto e nobra o sentioaauta qua n.s domi
ua, quantc(" 6 raagestoso o assompto que nos
reune.
< Neste instante, bem solemne para mira, con
seaii qua vos dirija algumas palavras natcidas do
dpver e da gratidao. E' pobre miqha lingov
gem'para exf rirair o qua sinto e que vos qa'-
zera dizer; sem re^ursos de Intelligencia, sera o
dom da eloquencia, tendo apeoas uma debit seen
telha,djs caiibej:imapto quoviades do traasraitljrr
raq, teotarei nm esforcn supremo, guiadj pelo sea
timeuto que ma inspira, sentimento ea-e que atte-
nu ira a minlia ousadia. Meus mestres, enlrei nes
te recintb com passos vacillaotes, incerta buscaa
do a luz que dimana de vosso vasto saber: a par
dessa luz eacoutrei vosja beae.yolanai; setrope-
gava vinheis cam a maior solicitude estender-me
o mao ; aqa, alii, ale'.-n... jamais ma deixastes ca-
hirl
a Olho esses dias laboriosos da meu tirocinio es-
colar com o tempo mais lisongeiro de minha vida
e recardando-osiato perder me ao labyrintho das
ideas *jae essa reeordaeao ma traz 2 eansidero vos-
so sVprifici) e admiro a forja de.tauta abneea-
eia. m
Expressar-vos men reconhe:imento e tentar
uma cousa impossivel; o silencio tera mais forca
para sigoiflcaj-o da que as pUraseaj rudea que vos
pajsa dizer. No pramio que acabaea da cooferir-
me vajo o reflexo de.vossa, gloria,a fructode ros-
so trabalbo. Eu, vussa 4i-cipula,em todos os taai-
pos, nao olvidarei jamais v.tssos sabios exemplos I
cam eitea espera eumprtr os ;levore* qua vao ser
impostas na earraira espinbosa ijue bravemaata en
cetarai. *
a Ace:!ai a gralidlo do vossa alarana.
conselhelao ministro do imperio,
deva a Brasil a oaaaaauaatthaeao da ina-
truccao publica, um dos mats valiosos servic is
prestados a patria e que vos recommeodara a pas-
teridade, e a vos, Exm. Sr. coramendador presiden-
te da pro*taeta, que taa poderosamenta tendes
coacorrida para a aaimacao e de&easolvimatUo da
iastituicoes como e3ta, eaa ultima, a mais harail-
pernambueanas, presto neste momenta um tribu
to solemne de minha admirajao e reconbeci-
mento.
t E 1 vos, seabores do conselho e auis aem-
bros da sociedade Propagadora da In-truc;ao Pu-
blica, am brado de louvor pelo fuliz tesultado de
vossa graod;osa_id6a. Queira o ceo derramar so
que vos esta tracado.
< Eis os votos da mais humtlde das alumnas
deste curso.
Conciuida a solemnidade, terminado o bello
sarao litterario, o Sr. conselheiro Joao Alfredo es-
creveu algumas palavras no album da escola nor
mal, e p-rcorreu depois o edificio da mesma es-
cola, retiran :o-se as 2 e mela horas da tarde.
Cumpre que, ao terminar esta noticia, felicite-
mos a sociedade Propagadora da Ioslruccao Pu-
blica, pelos primeiros fructos que colheu da fron-
dosa arvore que plaatoa ha dous annos, quando
fundou e abriu a frequencia publica a escola nor-
mal para senhoras.
A' tao assignalado beneficio nao ha de ser de
carlo indifferente a opiniao publica, e d'ella e d
Deus ha de receber essa illustre associa<;o as
beocaos que sao a paga de seus desvallas e sacri
ficios em prol da instruccao do povo.
Vapor S. Salvador.Esse vapor da cora-
panhia Bahiana, chegou hontem ao nosso porto,
proccdente dos da Babia, Aracajd a Maceio,
adiantando apenas noticias deste ultimo ponto.
No dia 14 do corrente prooedeu o Instituto
Archeologico e Geographico Alagoano, a eleicao
dos seus novos funccionarios, recahindo a escolha
aos Srs.: Dr. Roberto Calheiros de Mello, presi-
dente; Drs. Thomaz da Bam-Fkn Espindala, e
Francico lldefonso Ribeiro de Menezes, vica-pre
sidentes; major Manoel Claudino de Arroxella
Jayrae, segundo secretario; Dr. Joao Gomes Ribei-
ro, orador; e Jose Francisco Soares, tbe3oa-
reiro.
0 engenheiro Andr6 Ccrnadak tinha conclui-
do os estudos para melhoramento do porto da Pa-
jussara, devendo dentro em pouco terminar o do-
senho da ; lanta respecliva.
Santo A taw.As subscripc.oes prom .vi la-
para a reconstrucgaa dt matriz da cidade da Vie
toria. elevavam-se, no dia 14 do corrente a .
13:111 000.
Lemoi no Diario das Alagois:
< Da cidade de Alagoas.
a 0 dia 18 de novembro foi para a cidade das
Alagoaa de verdadeiro juiilo. E na verdade, que
maior motivo de prazer do que receber em seu
seio taa distincto liltio comoo Exm. Sr. canselhei-
ro Dr. Autonia Teixeira da Racha ?
ko aproximar se o vapor, que conduzh o il-
lustre alagoano, a praia cabria se da povo. Mais
de cem pessoas das mais gradas, se:n di.-iinc.a,
de car palitica, ding ram se ao porto, a, traasper-
tados da prazer estreitarara era sens bracos o di
gno conselheiro, que vinha acompanhado de seu
veneraBdo p;-i o Sr. major Manoel Casimiro da Ra-
cha, seu irmaa tenente coronal Rocha Junior, do
Dr. Barnabe, do Dr. Carvalho, do Dr. Prossidania
Accioli, e Dr. O.tislca.,
.Numerasas gyrandjlas de foguetes subirara ao
ar de d.versos pantas da cidade, nio contando
muitas gyraadulas e uma salva que estavam col-
Iacada3 a aorta do Exm. conselnelro, por iniciati-
va dos Srs. Drs. Carvalho a Araujo Jarge, capilaa
Miia a tenente Rainires.
< A i entrar em casa o mesrao canselheiro fai-
Ibe lida uma mauife.-tai.-aO da lllustrissima camara
municipal! Ne.-ta occasiao o veneranda pai de S.
E. recordando a cara consorte que justamente na-
quelle dia completava o vigessimo aaniversario de
seu passamento, nao pode sustar se, sem que ver-
dadeiras a sinceras lagrimas lhe bratassem dos
olhi$ ,
t A recepjao que teve o Exm. Sr. conselheiro
Toixeira da itocna nesta cidade e a prova mais si-
gnifi-ativa do aproco em quo as Alagoas o tem,
pois a ella concorreu quasi toda a cidade, sera ex-
cepcao de politica ou posi^ao social. A todos o
uistincto conselheiro deu as mais vivas provas de
reconhecimento e amisade.
Quem o vio conheccr a tados, recordanlo-lbe
todas as circumstancias da vida passada, deixar os
amigos para visitar o pobre com quem teve rela-
coes do amisade e inlagar pelos que es'.ao aasen-
tes, nao p61e deixar de aprecia-lo.
A tarde, acompanhado de um grande numero
de amigos, foi a igreja do Canto, e, depois de vi-
sitar a capella do cemiterio, dirigio se a Ordem
Terceira, que esta sendo recon3truida pela Rvd.
Pr. Catacioeta, ahi deu mais uma prova de sua
ternnra, derramando seatidas lag-imas sobre a
campa de sua carinhosa mai. Achando se alii al-
gumas senhoras suas parentas, a todas compri-
racntau, bera corao a Exraa. Sra. D. Joanna de
Messias, bemfeitora da mesma Ordem Terceira,
cam cuja obra tem despendido quan'ia superior a
4 cantos.
Deixando uma esraola para a obra do Carm),
dirigio-se S. Exc. a igreja do Rosario, onde fez
oracao na capella do Bom Jesus dos Mvtyrios, a
qual deixou uraa esraola. D abi dirigio-se a casa
de algumas pessoas pobres com quem desejava
faliar.
c Visitado constantemente, prestando servicos
medicos, visitando a todos e a todos bera receben-
do, o Exm. conselheiro raostra quo e o mesma alo
goano de ha 19 annos passados. E' qua nao pode
deixar de ser bora araigo a excellence patricio,
quem e tao bom filho.
Nos, aulor de.-tas linhas, soraos testemunhas
insuspeiUs de quanta se iateressa elie pelo bem
estar e felicidade de sua provincia e dos seus.
caraaru desta cidade nos escrcvem a 17
do corrente.
a As mis-5-.-s de que Ibe tratei em minha ante-
rior, durarara 17 dias, tendo deltas resultado in-
aumeras vautagens, coma s6a succeder.
a Frpi Venancio, sempre brando e delieado,
manteve-se na allara de seu iraportante ministe-
rlo, e ao passo que promovia obras na matriz e no
eemiierio, onde deo principio a uma capella, ten-
do alii feito am espacoso e solidoadro, que se aava
In em 3 contos de reis, podendo-ss calcular toda
em mais deo contos; ia combatendo os vicios a
o pecoado, alcancan la dest'arte innuraeros trinra-
phos era prol da religiao catholica romana da
qual e ura dos mais J-gnos ministros.
c Muitos peccadores, ate entao remissos, refor-
marara seus pessimos custumes, deixando a man-
cebia, sando que se effeotuaram um grande nume
ro de connssojs e mais de 70 casameotos, item de
ootros quo es$o em projecto e que se realisarSa,
tago qua sa pneencham as formalidadas legaes.
Era bello e imponente ver dez mil pessoas
snbjugadas pelo influxo poderosissimo da palavra
de ura humilde fradef cuja modestia ainda mais
fazia realgar a sublimidadejda doutrina que prega-
c Por certo, se a fqrea da palavra e tal, qae
fazia dizer a um grande monarcha da antignidade
qne Demostheaes era um homem qne valia exer
citos, ainla mais tobresshe' seraelhante farca,
quando revestidado prestigio da religiao.
a Em summa, Fr. Venancio retiroa se no dia
14 desta lugar, onde deixou traces iadeleveis de
ana paasagam, inlo era oatras panes exercer as
snas nobres func.oes, e fazer jus ao reconheci-
ntento a gratidao qae hoje lhe tributam 09 mora-
dores deste te.rmo a qaa nio deixarao de triba-
tar-lhe todos aqueilea qua tiverem a fortuna de
oovil-o
Qae Una lewon t: -Nao tendo o vapor bra-
sileiro Conde d'Eu trazido para Pernambuco jor-
naes de Maceio, suppozemoa qua viessena atlas pelo
5 Salvador, cbegado hontem ; man, nio aconte-
caadj assiui, chamamos para isso a atteoeio de
qoem competir, visti como Igaoramos 0 qne se
passoa alii n'am periodo da cerca fie dez dias
pois que pelo S. Salvadoj 36 recebemos as ns. dos
dias 19 a 21 do corrente.
Yapwrex cwprrados. -A fS do corrente,
Neva, da Europa, e ingloz Sorata, da sa! do impe-
perio ; a. 27, brasileiro Buhia, dos parlos do sui do
imperio; a 28, brasileiro fari, d portos do nar-
te do imperio-; e 29 ioglez O^uro,- do Rio da
Praia pelas eycallas.
Vaiior Xeva.-De telegramma recebilo pa-
fos Srs. agpntas nesta proviucia, sabe-se qua 0 va-
por mglez -Yi'Dn, da real ma'a, saiiro de S. Vicente
para 0 nosso porto, no dia 19 do corrente.
.Vnntvergario. E' hoje 0 do racenlio da
cidade de Olinda, antiga capital de Peroambaco,
pelos bollandeaes no aano do 1631.
A.nantia : 6 0 dia aaniversario da adhesio a
independencia do Brasil pela provincia do Ceara;
a do 49" anmvorsario do reconhecimento da inde-
pendencia do Brasil pelo rei de Portugal D. Joio
II vaiiicM de preparatorioa. 0 resul-
tado dos exames proccdldos ante-hastern, foi 0
aaguinte :
Lingua nacional
Plenaraento 1, simplesmente 19, reprovados 7.
Latim
Distinc^io 2, plenamente 9, simplesmente 3.
Francez.
Plena raeale 2, umplesiaaate 13, reprovadoa 11.
fury do Recife. Deve come;ar hoje a
sexta sessio do jury do Recifo, no corrente anno,
sob apresidencia do Sr. Dr. juizde direito Qaintino
Jose de Miranda, para a qaal foram sorteados as
segnintes juizes de facto :
tregttnia de S. Fret Pedro Goncihes.
Jose Maria Furtado.
Francisco Ferreira Baltar Junior.
Caetano Jose da Fonta.
Jose Gailherme Guimaraes.
Luiz Pereira de Faris.
Terencio Pires Gal vio.
Frtgnezia de Santo Antonio.
Joaquim Francisco de Muraes.
Antonio Gurgel do Amaral.
Maaoel Ignacio de Almeida.
Antonio Maria Marques Ferreira Junior.
Jose Francisco Vieira d' Amorim.
Jua.juim Rugolino &* Silva Fragoso.
Jose Vilal da Negreiros.
Jose Pedro do Rego.
hregnezia de S. Jose.
Augusto de Castro Pagells.
Joijuim Cavalcante de Hallanda Albuquerque.
Maximiuo da Silva Gusmao.
Fregnezia da Qua Vista.
Ernesto Vieira u'Aranjo.
Francisco Gomes da Silva Saraiva.
Dr. Jose Antonio de Figueiredo.
Luiz Epipbanio Mauricea.
Dr. Francisco de Paula Penna.
Joi) Jose de Carvalho Moraes.
Dr. Francisco Pinto Pessoa.
Joaquim Rodrigues das Cotias.
Jose das Santos Ferreira Barros.
Or. Manoel de Barros Barreto.
Manoel Antonio GonQalves.
Dr. Matpel da Trindade Peretti.
Man iil Archanjo de Figueiredo.
Jose Frncisco do Rego Mello.
Bellarmino Gongalves d'Albuquerqne.
Joaquim Tianquil.no de Lemos Duarte.
Manoel do Nascimento Silva Bastos.
Hermina Egidio de Figueiredo.
Manoel Antocio Cardoso.
Manoel Luiz da Veiga.
Eugenia Marques d'Araonm.
Fiavio Goncalves Lima.
Dr. Antonio de Menezes Vasconcellos de Drum-
mond.
Fieguezia da Capunga.
Fabio de Albuquerque Garaa.
Christovao Santiago d'OIiveira.
Francisca Ignacio de Medeiros.
Freguezia dos Afogadot.
Jeronyma de Hollanda Civalcante do Albuque-
que.
Dr. Antonio Justino de Souza.
Antonio Joaquim Pereira d'OIiveira.
Freguezia do Pogo.
Ota Domingaes C.odeceira.
Jcse Francisco Carneiro.
Proelainas.- Foram no dia 22 lidos os se-
guintes, na igreja de Nossa Senhora do Rosario, que
serve actualraente de matriz da freguezia de San-
to Antonio.
1.* denunciacio.
Aniceto Firmino Ferreira de Souza, com Maria
Lins da Costa Wanderle.y.
Manoel da Costa, com Anna da Costa.
Joao Gongalves dos Santo3 Junior, com Maria
Candida da Figueiredo.
Antonio Pereira Torres, com Cordolina Veiloso
da Silveira.
Joao Rutino Barbosa, com Rita Gliceria Tavares
de Mello.
Jose Horges de Souzi Ramos, com Emilia Lea-
poldiua da Silva.
Adolpho Romeiro Santiago de Oliveira, com
Laura Maria Pessoa Braga.
Joao Ignacio Marques, com Firma Maria Oa
Silva.
Manoel Fructuoso da Foaceca, com Maria Fran-
cisca das Dares.
Honorato Caetano de Abreu, com Georgia
Theodora Affonsina Mathildas Preale.
2.' uenunciagao.
Damiao Felippe Santiago, com Cerina Maria da
Conceicao.
Juvencia de Almeida Pinto, com Alexanlrina Ma-
ria das Virgens.
Joio Francisca de Souza Bento, com Maria Fran
cisca da Conceicao.
Joao Teixeira'dos Rios, com Donatilde Candida
Lrns-.
Joee Coalho de Carvalho Dias, com Francisca
Malvina de Medeiros.
Francisca Alves Bezerra, com Felismina Vieira 'e
Albuquerque Mello.
Estevao Jos6 Coelbo, com Amelia Francisca Al
ves.
J sue de Jesus Jardim, com Maria do Livramen
to Marinho.
Joaquim Euzebiodos Passos, com Francisca Ma
ria do Amor Divino.
Valeriano Jose Vital, com Ananias Joaquina do
Razario.
Francisco PrecilLno Broxera, com Gullhermina
Umbelina de Mello.
Jose Ramos da Penha, com Maria da Coniei-
fio.
3.* denunciacio.
Joao Pereira de Almeida, com Emilia Maria da
Conceicao.
Manoel Luiz Gancalves do Cabo Mascarcnbas,
com Rosa Gliceria de Oliveirra Guimaraes.
Manoel Pessoa Ferreira, com Maria Lucia da
Silva.
Thomaz Mauricio Bandeira de Abreu, com Maria
Isabel da Silva Miqdello.
Sergio Bezerra de Sa, com Aaaa Joaquina do
Espirito Santo.
Justin) Miguel da Costa, com Anna Francelina
Bastos.
Joio Francisco dos Santos, com Candida Virgi-
nia de Oliveira.
Francisco Antonio da Oliveira e Silva, com Caro-
lina Pires de Magalhaes Breves.
Manoel Jose Marques Bacalbao, com Maria Fran-
cisca de Assis Albernaes.
Antonio Pereira de Goes, com Maria Juvencia
de Souza Ribeiro.
Clemeotino de Faria Tavares, com Idalina de
Jesas Monteiro.
Joio Pinto Cavalcante, com Lydia de Lima Car-
valho.
Deodato Luiz Francisco Monteiro, com Rosa
Maria dosSantos*
Etelvino Aureliano de Castro Leao, com Maria
Davinda Selte.
Antonio Geraldo do Rego Barroca, com Lucilla
da Cunha de Queiroz Fonceca.
Antonio Pedroza, com Maria doaAojos.
Jose Tiberio Alves Barretp, com Anna Julia
Teixeira Lima.
Francisco Augusto do Couto, com Justina Maria
da Conceicao Ribeiro.
Jose Francisco do Nascimealo, com Maria
Perpetua de Oliveira.
Bacharel Francisco Pothler Rodrigues Lima, com
Anna Isabel Carneiro Laid.
Protestog de letras. 0 escrivio de
protestos, Jose Mariano, esta de semana : cartorie
na rua Bella, loja do sobrado n. 37.
Lo ter ia. A qua se acba a venda 6 a 126
a beneficio da igreja do Rosario de Serinbiem,
qne corre no dia 28.
Lellao. Hoje, effecttia oagente Dias, leilio
das armacoes, rnaveis, drogas e mais ntensilios
existeates em o estabelecimento da rua do Inrpe-
ratrix n. 71. pertaooentes a massa fallida de &oa
waives Fialba & C.
Cmmm. ale detencao.Movimento da casa
da deten^ao do dia 20 de novembro do 1874 :
Existiara 303, entraram 8, sablram 4, eiisiem
309.
A aaber :
Naeionaes S83, mulaeres 13, estraageiroa 3-?, es-
cravos 38, escravas 9. -Total 309.
Alimeutados a custa das cjfres publicos 248.
A saber:
S5os 231 eenfermos 17.Total 248.
M .vimenlo daeofermariaidadiaii de aoveorbre
de 1874 :
Teive bsixa :
lose-Dama-ceno I'e- os, DAUr,
Tijnrini alia :
Sevcriano Jose Ja Sil>a.
Luurenco Jose tic Araujo.
Justiuo Manorl da Cruz.
l'aaeiros.Chegados dos porto? do sol
no Vapor nacional S. Salvador :
Dr. Joio Jose de Moura Magalbias,ana senhora,
2 Qlho* mot'oi'r.i e 3-criadoa, Dr. Aatooio Domin-
gues Pinto e 1 criado, padre Florentino Barbosa
de (1 Ferra., Maaoel C. Figueiredo, sua senhora e
1 criada, Manoel Martins F. Saarea, Francisco J.
M. Pestana, 4 pneas a 4 preao-.
Sahidos para 0 norte ao vapor aacional (,'t-a-
de d'Eu:
Aagnsta Paulo Colombo, Fran ciaco de Salles Ri-
beiro Campos, Dr. Joaquim Moreira Je Barros Oli-
veira Lima, sna mulber e I eseravo, J ao Candido
de Moraes Rego, Caaimiro Dias Vieira Junior, Dr.
Elias Frederico de Albuquerque, sua s nhora, 3 fi-
Ibos, I canhado. t senhora, t criadu o 1 eacravo,
Jose Maria Correa das Neves, Antonio Angela Ptr-
nandes, Dr. Jose Martiniano Cavalcante, Miguel
Floren:iaao, Vicente Camartcllo, tair.vao Aogrelo,
Braz Aogrelo, Eiequia Candida Vidal, Carlos Pa-
lion, Culeandre Darodle, Jacome Joanne, Cand.do
Vapor e 1 escravo.
Sahidos para 0 Rio Uranlc do Sul na M
brasileira Mtms Fiaucrliuo da Silva Pereira e Fi-li.-:: ma Alaxan-
drina Afuda Cauiara.
Saiiidos para 0 Lone no vapor bra-ileirc 7fO-
juca :
I). Aoaunciada, sua III ha e t iiloos liieaorc,
Mfguel Sautaoch >, i'iaiici-co Man.iul Fernandas Si-
mots, Franci.tco da salles M- ira a Sa, D. Luna
Romer, Antonio Ciambodt-y, Dr. Thomaz Gom
da Silva, Dr. Joaquim Monteiro Diair, Dr. Anto-
nio Felippe de Albuquerque Maranhao e sua fiiha
manor, Roddph.. Blueler, Mauoei Duarl. da Slita,
Hermann Dfltren, Joso da Ccsta Carneirc, Joao Mi-
tello Filbo, Cou-t.i!iiin > Paea Barreto, Joaqoim da
Costa Carneiro, Bellarmino de Souza Frei.e, J.s<
Gurgel do Amaral.
Sahidos pan Mossoro eescala no hiale bra-
sileira Joao Vuh'r
Antonio Leonor de Oliveira Run, ALsalio Jt
Oliveira Mendes, Jose Pereira da Malta Oliveira t
Manoel Antonio de Mello.
Ceztaiterio pu>>Iico. Ouituario do dia 2^
do corrente:
Antonio Francisco Gomes, preto, Pernaruluci.
13 annos, Boa- Vi-ta ; anemia
Paulina, preto, IVrnambuca, 3 annas, S. Just ;
broncbite capillar.
Maria, branca, igaira se a naturalidale, 4 an-
nos, Graca ; variolas.
Manoel Jose da Nascimento, pardo, Pernambu-
co, G3 annos, viuvo, Baa-Vista, hospital Pedro IT ;
grangrma na pe.
Manoel Barbo.-a da Jesns, pardo, Pernambuco,
24 annos, soltelro, Boa-Vista, hospital Pedro (1 ;
tuberculas pulmooares.
Josepha Maria de Jesus, parda, Pernambuco, 24
annos, saluiro, B.a-Vista, nospilal PeJro 'I; be-
xigas
Jose, l>ranci, Pernambuca, 1 anna. Santo Ant -
nio ; convul.-oes.
Anna, branca, Pernambuco, 10 mezes, Grar;a ;
denticao.
Jose Ferreira Cuiihermino de Araojo, braneo,
Peruambuco, 28 auua?, casado, Baa-Vista ; ane-
mia.
Julia, branca, Per.^arllbuc',, 3 mezea, Santo Aa
tonio ; convulsiios.
Jose, brancu, Pei naiubuca, 3 annos, S. Jose ;
convulsoe?.
Antonia, parda, Pern; mbuco, 2 mezes, Graca
bexigas.
9lMi
?^Ll
k FF.DID5;
Ao publico. *)
Os redactares da I'niuo antes desttnuio L affrj.
tos por mnitos mezes, a imllratar-me a ferir-m*
na minha aosencia, sem qne nunca os bvesse
uli'endido, e pelo coctrario os tratado sempre com
tola a beocvalencia, proseguem no sen ign.bil
apostolado df dwstoa contra mira.
0 paiz tem sido t --eraunha do silencio qoe te-
nho conservado diante desse systema de organisa-
da a brutal aggressaa de que, com espanto de
toda a gente, me tem f-i!o alvo 0 jornalismo, qua
pela mais at. oz das ironias se diz orgao da reli-
giao.
Estava na firrne prposito de continnar a onvir
com 0 mesmo dsspre* > esse sassurrar coofoso d.i
injurias, menitra? e ditTamacaoda confraria sacr;-
lega, que se apresenta eaaaa empreiteira privile-
gi ida fla grania o'.ua da reg^nerarao catholi a
neste imperio. Mas vejo que 0 meu silencio te.:i
acor.icoado a aggressio e sido tomido corno ex-
pressao do medo de antepdr-me face a face Ma
desabrimsntos verrinarios desses gigantes pyg.
mem, que ahisurgiram com pretencftes de terem
reeebido de Deus a irameJiata iuenrabencia de
abrirem e fecharera as portas do ceo a quem
tnuita Ihes aprouver.
Nao 6 sr isto. Da raeu silencio te teem elles
valido para nrdire:n contra mim toda sorts de
erabustes d'aqui ate Roma, donde as cartas qc--
recebo nao cessam de me pedir qua desta m
os tramas que la chegam freq lentemeate era
desabonoda minha ictegridade catholica.
Firma, por^ra, no lestemunho da minha cons-
ciencia; flrme nas tradicoes do men pasado, a
sobretuda convencida do criterio da Santa S*;
nunca me resalvi a defender me do nrdiduras tio
vis corao os sens autores, e que nao poderiam.
creio eu, destruir a repulagao de soldado Bel da
16, qua adquiri par servifos que 0 pontiiicado re-
conbeceu a espoutanenmente distinguio com as
mais signiticativas p-cvas de apreco Servico*,
que nio prestou, nem ba de prestar nooca a torba
de agiotas, que, mercintilisando a verdada de
Deas, falsiflcam a deturpam as mais paras a saa
tas dococs da religiao de Jesns Christo, por coma
de quera vao inuudando esle paiz, qua foi sempre
tao devotado a cruz, de principles os mais ruin -
sos da moral social e christi I
E porque, sem faltar aumsd dos pontos essec-
ciaes da crenca catholica, me nao tenho aaaoeiad*
a essa cruzada desatioada e intolerante, em qoe a
prudencia, a caridade.a brandura e o amor d
proximo perderara o nome, a a dweassio pacif)- *
e drcents fai banida como indigna do Catholicism .
eis-me assoberbado do dia para a noite dos mas
noj-ntos iraproperios e tratado com todas as sa:- -
peitas e asperezas de am inimigo jorado da
isrej. I
Esta estapidissima accusarS> de qne nio aa-
tiverara i.-.entas varoes eminentcs em aaotidadt*.
como os Jeronymos, Beroardas, etc. ( porqne a -
rematantes exctusivos da verdade eterna. os hoftve
em todos os tempos) tnuita me teria amoiioad
se, alera dos antecedentes da minha vida, me >ai 1
f irtaleeesse 0 exempla de tio il lustres victimas da
maledieencia e par cuja intTcessio esparo mar
cer de Dens a gra^a de permanecer fiet aos nria-
cipios sacrosantoe que me emballaram ao bar;a
e qne-por tamos annos teem constitaido todas aa
consolacoes e delicias do meu espirito. Diverges-
cias no modo de applic.r esle on aquella princfpi <
discipllnar so poderiam ser considerados laps'
gravissimos na tribunal da inqaisiaio baspanhob,
a cujos manejos e pesquisas nio escapou 0 pro-
prio Santo Ignacio, a mais tarde 0 padre Anton 1
Vieira e outros.
Quando, era 1S66, a heresia aqui alcou a 00H0
e ameacau de grandes estragos as asmenteirra da
e, acbei me a sos no arcar tremenda com 0 tZf
f-imigerado contender. Debalde procurava anil a.
em torno de mira, os dous irraaoi Ttrqoioios t
ootros qae hoje alardeiam brasdaa de apondo
catholicismo. Bisoohos e mados como os c*es da
que fai la 0 propheta. metteram sa na salva espeasa
do egoismo, da indifferenca a do medo, a corns
que ate fugiam de faliar comigo I >Eatio sa as-
contrei coaforto em nma apistoli cansoladora com
qoe me honron 0 santissimo padre Pio IX, ac
qnem a todo 0 traose me qneram separar, a aaa
apologeticas referencias, qae aas suas pastoraaa
fazia aos meus escriptas 0 preclaro metropolitan a
D Manoel Jaaquim da Silveira.
Puis bem : os dous irmaos terriveia qua nan-
lea) fugiam 0 corao ao latego das injunas, ptr
amor de Christo, hoje outam affronlar a rninha
udelidade catholica I
Nao bavia en nunca passado palos olhos am su
numero desse carlu incendiario chamado Umao.
Oque ella escri-via contra raim, sabia-o por iaior-
mar^aes de outros- Con!- .-sa qne ma custava crer
que os seas redariores, \ e se atsoalhavam inlay
prat-s de uma religiao d .rilade a da maosidao,
me accomaties.-e n com to desusado furor, pela
aim pies facto de haver a iodinado mats i pax
do quo a guerr- eutro c igfaja e 0 e barer prc^u a- ., :e se furraoaisassaa
as liiverfanciat. .'Cit.i. v nmtuo a salatar ae-
(*; Por se dat.;iu a'guuw irros typograpWcoa.
rrproduz-se a prcaenie psblirapla
<
-

-
< c
*\
'

1
^




Dkrio di Pcisi&SitbtfGO Segimda feira 23 da Noveiabrtf.de 1874.

*.
cordo, sera qufbfada* nechura damao 3c3 futeiesses tnw Go >
cattiolicos. Se ine
achava era sro, cuoapua que os novos procuralo-
res da fe, rae iastraisiem com a brandara que ro-
axa-qnalmeadoaaliAJa-a**;**. Iwrojias'aotas qjaiaJlapitae!, b ,per io nao MnninidM
es Wtv&nMda. L' ciassa da cadeira sax tvttm as s*>ateria3 aatidairaoa&( 117 a lf^
i gjmpasia, actiam se ex,ireroa,raeote o qae elle propno e com tanta arroganoia dips*
semanaes qua
atmado!, qaeirTTiec[iTkr"qaae*3 3S'Tn quer a dotAfeaeio eiangellca, e nio cobrirera-me tenho sempre lecciohaidona diU claste e em quaes Quanta contradic>oy qvaata raealirt era *
' 6aM5a, coma se o espirito das tre- aellas vorifiqael astarem drtos aluraoos extreipa- Istof. -
Qaando foi qua a edare Joaqutm Raphael diJ-
de asqueroW _.
vas os houvesse insligado a punir-me assim pelos menie atrazados, para ana regedrtia pod" provi
sorvico3 anteiiores por raim prestados a igreja. denciar, vou a dizer que as mateiias que ****
Agora mesmo, regrassando a minha prorineia, a sempre erkinaio aos alumnos quefrequsntam a'nuk'
nao pretendeodo euvolver-me am cousa alguma, nhaaula, queraosdil', quer aos da 3* etaes+fjja}
ate por que o raeu esta Jo de saude nao e bom, as que divo ensinar em vtrtude do regintenlo det'
fui obngado a res ponder a um eonviie, que me seggmnaii". e essattatdoria as aohaiii Rescript is
ftiera o Sr. governador do bispado, para compare- nos respectivos paiagrapltos desse mesmo regimen
reuniao de sacerdelos no sernraario de to..... .
1 0 regimento interoo fraiando das materias 44i3jc
nadas nas differenles cadeiras, diz:
car nnms
OlinJa.
Hi mfnha resposta, em <\a, allegava os motivos
pelos quaes nio podia nhsolutamenle compirecer,
eraitu a raintia opiniao sobve o objecto da reu-
nite.
Qu ha nisto de reprehensiv.i e censnravol ?
Cfuereis iber ? Os irmaos Tarquiuios, que se
arvoraram-em raestres da lei netta diocese, e
consthuiram elles dous am tribunal da fe, bade
sa> julgados Bio so os autores eouio os seus es
criptos, liver.rai artes de viwar olbos inquisitoriaes
sobre a minha carta, e eil-os a murder a furto o
conteiido della, em ar de padagogos theologicos,
invertendo a* rainrus ien^T>ar, puado em duvida
a genuidade, e oppurtunidaJe da ciia^ao que Gz da
doutrina de Santo Agostinho. e S Tbomaz ; e para
requmtar a aublimidade do ridiculo, ou do iu.-ulio
n3> se esqueceram de especilkar a miuba quali-
dade de aulor da hisloria de Jerasalem, eomo se
essa honrosa antoria, que elles torn todos os seus
denegrir, tivesse A
vomitoe wgros nao poderam ^^e .
ama cousa de ommum com a questao do dia I Co\l^o,o bmncathohco.ore/li^jesuiU
Nao se vi> nisso o propoiito deliberado em que se
aebam esses falsos inquisidores de me provocarem
ainda mais do que o teem feito ?
Gousa notavel I 0 Qnado Dr. 8raz Fmrentino,
qae valia mil vezos mais dj qae os seus dous ir-
Art. 117. Na cadeira de lingua franceza, i o car
so dividido em duas partes: na prioeira ensina>
professor a Tersao dos classicos adoptadoi, em pro>
sa e verso, a composwio em (rancez bos diverso*
estylos, e a conversagaj pratica correcta ; a*e-
guoda expSe os principios theoricos da lingua,
applicaos pelaanalyso a novas composjoaa*.
Art. 118. iS'a cadeira de lingua ingleza en-v*a o
professor primeiio a pratica, depots a theoria (fcrt*
disciplina, e resolce todas as d'fficuldades de ens-
truccao, de prosodiae lexicographia, peio systema
prescripto no arligo antecedents para o easlno da
lingua (ranceaa. '
0 professor de inglez. Dr. Collaco, faz favor di
zer-nos a qual dos seus 2,000 discipulos ensinou a
fallar inglezt U nao queremos tanto ; a qual en
sinou a fazer ama versao, oma c >oposi5ao, a bem
pronunciar as palavras em inglez?
Mas a isto respondera o professor de ioglez Dr.
illago, o bom catliolico, o re/lnado jesuita. Oh!
se minhas palavras nao merecem crsdito, eu juro
poo deus, por Nossa Senhora, pelo Santissimo Sa
cramenlo, etc., que eu sei faltar inglez, que tenho
ensinido eensino a fallar inglez; como dizse,
fez na congregacao do dia 3i de outubro proximo
i homem de espirito recto, e! passado, aegando e fugiadj a responsabil dade de
illu-trado, nao se dedignou do, no seu excellente actos sens, que depunham e depflera muito contra
opusculo sobre o casameuto civil, citar corn Ion- o caracter do homem que se presa, e prati^ados
vlr e dibtinccao um trabalho muu acerca desse \ no intuito de desacreditar e semear a des-raera no
assumoto ; eoiretanto hoie os seus dous mesraos estabelecimeoto. .
irmaos duas mediocridades notaveis, se abalan-! Mas emfim prevalecen a verdade; a consciencia
cam a morder em torn deescameo os meus bu- -do professor de inglez, se kem queemkotada pelas
mildes trabalhos a favor da rel. ?iao I paixoes ruins, embora perdrJa no mm re magnum de
Isto s6 seresponde com b sorriso do des- |seu vaidoso orgulho, todavianio poude fugir, evi-
pttl0 j tou-lhe o peso e influencia, tao evidente, tao no co-
Ainda nJo e tudo, pqre"m. Ate o brinde, que nbecinwato de toJos estava ella.
leuwSoyanaa dirigi ao meu amigo o3r. ministrodo
imperio, veio a discussao, e com a desloaldade que
caracterisa o tartufo, em vez de reproduzirem o
.briuda, tal qual rectifiquei, reproduziram o inex-
acto.
E quem tae censnra por um brinde digno e me-
recido ao Sr. conselheiro Joio Alfredo? 0 Sr.
Dr. Tarquinio de Aroaranto, que ate bem pouco
tempo, mesrrTo depots do aviso exjiedido pelo mi-
Bisterio do imperio, nao perd:a mon^Jo de elevar
navens de incenso ao mesmo Sr. conselheiro, e
bem assim ao illustre Sr. vbeonde do Rio
franco I Contradi;5es e miseries da natureza liu-
mana!
For neje nada mais direi eic resposta as nliimas
aggressors dos irmaos Tarqninios. E como elles
se jolgaram anlorlsados 3 destacar rnalevolamente
trechos ou palavras da miaba carla ao Rvra.
Sr. governadur do bispalo, apresso me em snbmet
tel a ao juizo do publico. Ha, poi6ra, um ponto
qu? devo explicar. Quaudo fallei do levanlamento
dos interdietos, ach.-.va-mo na p rsuasao de que o
mesmo Sr. goveraador do bispalo ficara levestido
de toda a jarisdiceSo o'rdinaria >'a dioc s*, excep-
to as prerog'tiv?s inalisnavcis ds episcopado. Des-
do que honve reserva sobre esse poalo, tollilur
questio.
Recife, 20 de novernbro d? !87';.
Pink de Campos.
IWfia dft W or^| rWfififcajlO'Whtd tt! TBf> tenbo'iisjjir^o^ji. flod, e islo ddve
bem aabiJa por algiins Jos esorivinhadores
da Provinem ; fiilrein, qmmtint ser a b.ir-
c5a !r/aeleoMd(Rio BanffWira outros Wbe-
Wes de 49 da ciiade da Rio Formozo, para
aJo serem asassinados depots do algamados,
dentro da cadeia daqaella cidtlde, por estes
que so dizern hoje liberaos... Pernambuco
pequenae an periphrases e epithelos de cha-
ramilada official, e pastas de secretaries,
Franklin Velloso de Gasmlo UchOa
pensou o professor de inglez de cumprir seu de-
ver f donde coiista iato 1 fuia nao saboraos que
no archivo do gymnasio exista nma resolnjio tao
importante e que ia derogar ama lei em vigor.
Ah I ji sabeuiDs, o srofestor de iaglez jura por
Deus, jura for todis o* santos, que o padre Joa-
quim Raphael o alspeasou de camprir sea dever,,
msndou qae elle fosse reiaxado I Mais reapeito,'! Ba ae podetn drigir a mira, coja vida com-
Sr. professor de iagloa, para om os mortos I mercial rj por 1odo9 conbecida. 3ao veodu
Agora d.ga-nos o piofessor de iaglez: pois o g Oap-Werdaddo etogios e nem tSo pouco
regedor do gumnasw tern autortdad* para dtspen- r._- ^_/,.,i u- ru
s7r na lei, para consenUr, segundo seu jwa-, rgvft/Td6d( por n3o me cahtr na bpc-
nunto, ordeaar que o Sr. dBixe de eosinar em soa ca esfairaada uai podaoiabo diqaillo, que o
aula as materias que por lei e obrlgado a oasinar, folbelinista chamou bolachas do orcamento.
e a Sr. acbita zssa ooncbssao irregular e illegal. S,t>re a segm,iai pntQ do Llj rorrol,oclS, Ji-
ocha a muilo boa e nutto decente; 9 0 mesmo po- ."* _. ,* _, .
der, regedor do gymnasio, nao tern autoridade rei s6.nente que 0 ridiculo de maos dadas
pnra chamal o a ordem, fazer cumprir methor com a calumnia jamais poderao oll^nier, a
seus deveres, dar eomo os outros professores de quem esta collocado acima delles, e quando
lioguas, daas haras d'aula ? Ora bolas I Entlo Qi0 rnotivam o dospreso, quasi sempre ger-
BaL&^^Ur^Sra^^ compaixi alem'disto senSo irfop-
a regra do bem vivtr nao tem nenbuma t | portuna qualquer deteza a quem tem ama
Em defeza do nome honrado do fallecide padre reputa^ao bem flrmada e por todos reconbe
Joaquim Raphael, regedor qae foi dofymoaslo, cida-rcorao 6 a do distincto cavalbeiro o
protestamos coalra acatamnia ajojana qua sobre g|. barg() da TacarwM>
Mas o professor de inglez, segundo seu costume,
nao coafessou a verdade, senao envolvendo-a em
um espesso veo de sabterfugios e menliras, afim
de ver se assim diminue a impressao ma, foge a
aniraadversao que o corihecimento e pubtlcidade
de seus actos acarreta sobre si.
E' assim que esse professor, depois de dizer com
a maior impudencia, que tem ensinadoem sna ca-
deira todas as materias deiaiptasnosparagraphos
acimi transcriptos, esmagado pelo peso da verda-
de, mas querendo predispor o publico para ouvu
de sua bocca propria a confissao de seu relaxamen-
to, percorre todas as aulas do estabele^imento a
procura de algum cm quem possa emparelbar
(baldado intenlo !), e sobre quem fafa recahir ao
menos parte do treimsado peso do seu relaxamen-
to, c nem seu caritutico intuito nao treaida de,
com a maior ma fi, aieivosia e affronta da verda-
de censurar e accaaar os re-pectivos professores de
rel.-xado' e rem'ssos ni cumprimento de seu3 de-
veres, nao respcitando nem as cinzas daquelies
que, emquanto vivoa forarn, sempre derara do si os
melhores documentos, legando nos um nome hon-
rado, pelos seus conheciraenlos, pelo amor a ver-
dade, a jusliga, pela dedi:a;ao ao servicn publico.
como com o fallecido Sr. Steaber, professor de al-
lemao do gymuasio, que, embora estrangeiro, hon-
rava o estabelecimeoto pelos altos couheeimer.tos
de que dispnnha, e lavava a sua dedicacao e :elo
pelo servico publico a ponto de por varias vozes
subsliluir diversas cadeiras, incluindo a de inglez e
prin:ipalmenle esta, sem que nunca quizesse rece-
1 ber por too gratificafao alguma, teudomhito cuncor-
! rido tssa sua dedicaQio para aggravar d mal a que
' sneeumbio, e para cujo tratameuto so pedio lieenr
! ^a em ultimo reenrso, de moio que nao teve tem-
! po de gozar se delh ; ao passo q*te o professor de
ceito de V.'Exc. iWm.i., e frinsTar-fflfi igualme'i'te, \ ingle:, de saude para fallar mal de tu Lo e de todos,
pot ser publi;> o nolorio ; i; c !!.n da convwcajio para tirar suas jacas, so h3< tem saude para cum-
do elero e para protestar contra um-uovo aviso Aolprir sen dever, e quuixa-ss ainda por nlo tcr sido
miaisterio do imperi >, exaedid-J job" coasulta do J possivel, em virtude da lei, ser-ibe conccdida a s^-
ccnielho de esUdo, relativamacU ao lovantaraento gunda lioenca das duis que suceessivamen'.e pedto,
dos interdietos lancados sobre as fcrraaadades de.-ta com todos os mencimentos, atim de no se fervor
cidade, apresso-ne em deciarar, com tpdo o res .catliolico jesuita ir tnamaU-ot csnsctenctosa e re-
peito, que na minha hamilde opiniao e V. Exc.; galadamente 11
Rvma o anico, a que n compete, para afastar toda j Mas quao diirereote era o Tiaal) professor Steu
a apparpneia de conjura.;ao contra as leis do paiz. i ber do professor Colia^o I quo distancia o epar-
protestar contra esse arbtrio id. forga ; protesto a ; va, qua verdadoira autithose que era elle do ac-
qn moralmeale adherirei, eomo catliolico quo tem i tual professor de ln^Uz do gymnasio ? aquelle, o
p,r prin.:ipio inconcus.-o, (|ue ua esphera espiri jSr. Sieuber, estrangeiro e eutrctanto zeloso e do
tuai aenhoma tngertneia pode ler ontro poder.que dicado ao serviijo publico; este, o Sr. Dr. Col.ace
nao o da igreja, mas qae nao deiota de recoa'.iecer ja infdizmente nascido no p;uz, e nao obstano
t.mbem com os Jons grandea m-stres dadoutriua ; ralaxado c rclapso, avesso a cumprir seus aeva,
cathoifea, Santo Agostinlio a 3. Tttomat, que dous res ; ajuella illustrado e erudito, mas tao modes-.
nasoskaem que as lets injustas obrig>m no foro e acaahado que nuiguem o suspoitaTia tal; es-
delta p6ie resultar cc-mdJy e perturbac&o, cir-
elle atiroa o professor d*iaglez Dr. Colia$o.
0 fallecido padre Joaquim Raphael nao podia,
nem nunea festal coneessao ao professor de inglez
que nao tendo com que attenusr o sea relaxa-
men to, inventa essas faisidades; entretanto reoo
nhece (e o qae queriamos) a verdade, embora,
como di3semos, a envolva em um espesso v6o fle
menti'-as e contradi^es.
A>sim, pois, flea o publico sabendo, e a nragoem
sera mais licito davioar, qae o retaxamento do
professor de inglez nao e nma cousa Bcticia, mias
real, verdadeira.
Mais nma exhibicjto do caracter desse professor,
rt o (* hia rrififl
Nao tendo este ontro remo-iio senao obedecer a
lei, suj.Mtou-se a" dar as dflas floras d'aula, mas,
alma peqaenioa e negra, eapiiito teiraoso e relu-
lante, illudia a medida de ordera tomada peb sea
chefe o Sr. Dr. Carneiro Mont-oiro, empregando
grand*, pvefo a maior parte do tempo do eKerci-
cio de sua cadeira, em iodagar do mOTiraento das
ontras aulas do movimanto economioo a ad minis-
tialivo do estabelecimeoto, em censurar a e=te e
aquolle, imbuiodo assim no espirito dos alnmaos o
triste e ignominioso vicio do eareio, da intri-
ga, etc.
Cbegtndo taw (actos ao conhacimeato do sr.
Dr. Carneiro Monteiro, este, como chefe do esta
bclecimento, o eocarregado da elucagao dos alum
nos, irnmediatamente, a em obediencia a lei, bar-
xou ama pertaria censurando o prosedimento de-
gralante a iufamo do professor de ioglez, cha-
mando-o a ordem e fazenlo ver que o que estava
pratidudo era iraproprio e allamante deponente
do caracter de qualquer que .-ncarregado esta da
eiucajao da rnocidade, e maxima do delle profes-
sor do ioglez, norr;m ja velho e coberto de caes.
Foi a essa portaria qua o profe-sor do inglez,
quo entende 'iue uingaem torn autoridade para
censurar seu^ a;tos mesno senlo s-u chofe legal,
no au^a Jo fur r e... re;pouden co n ami in.3 dea-
ciadescomnuad e nuici vista, qua para exe:n-
plo sea e en acatamen o as leis o adtoridadHS
constituidas no dovefi.arimpuao.
i4o revoir.
;.} capital, en-
na., em que mo
Eis a carla :
Exm. o Rvm. Sr. -Chegtado
eontrei am oiBcio de V. '.'. ;c
coavtda para eompareeer li ;.3.'*-* 3 horas da mi
nha no somiuario de Stinda, hora t-xactameute-om
qtte recebto citado offlci >. E ;, rjue me a physi-
cameate impossivel eamurir, co no desejava. o pre-
cumstdncia em que cadi u a dvve ceder de seu di-
re^.', segund-) aquellas palavras do Ecangelho :
Se algnem tjuizer coasiraazer-voa a dor mil
passos, dai dous mil : se algoa d quizer ton.ar a
v --i tunica, eutregailhe o vossa capa. (Ma-
th, v. V\)
\moca perfeita, por ter traduztdo nma drithmelioa
' por t.r plagiado um fim dos tempos, taj orgulhuso
! e enf..tnado que julga-se ja o oitavo sabio Ja Gre
, cia ; aqu?l'e levava a sua JeJicacJo ao servico pu-
blico ao ponto dc nao querer perceber grjiiliosgao
[ ptio excesso da trabalho qua linba, de sacrificar
j sua sadle cmfim, este leva o sea relax nnenl/ e
bto potto, ouso aeerascentar roe se mo achasse relapsia ao ponto do preienJx'r pa3sar a viJa, mo-
na posijao 'le V. Exc. Rxma., e tendo em consiJe- diante licenjis continuadas, na mandrnce, percc-
raea o estada deplorabilissiao cm que vai esta, boa Jo todos os venctmentos e como isto nao e pas-
diocese, on :o a completa paraljrsacao das ordina-1 sivel, grit a, esbraveja, offends, insulla, Maria ao
rias ma; i/o-to^oes solemnes do ?ul'o publico por \ superior que teve a ousadia de chama!-o a or-
A' Provincia (papel).
Li a Provincia de h Je e oonfesso que goslei a
gostei muito do arrazoado quo me diz respeito.
So o estylo e o homem, segando afflrma Buff m, ou
julguei ver desoahado no tal aranzel o grando for-
robodista da Provincia, esla celebre figura di pa-
iiteiro de bacro, cuja barriga ja no terceiro joerio-
do, deraooblraquo muito breve despejara, nao um
Xoe, mag sim nm novo Moyses, para remirasse3
viloes o improvi-ados CatS^s, na phrase do illustre
conselheirp Silveirade Sou/.a. nada podendo di-
ws que podesse deprimir. prccurou servir se o tal
Dr. Forrobodd, alem ao ridiculo que lhe e natural,
alji dos erros typographicos I Sempre o mes.n >
pelourinhO I Sempre os mesraos carrascos! Rein,
como-eu, senaores do protesto de maio, muito ho-
mem do" povo Vos couhece e aquilata. R '-citei. sim,
uina poesia e com isto nada tens nem devcis ter,
tanto mais quanto o motivo que a isto me leyou
foi tao justo, nobre e elevado, quonto vil e raise-
ravel tem sldo a missao fa Provincia. Estive em
Coirabra quatro anno3, e verdade, porera n5o esta-
dando engenharia, e nao tenho de prestar contas a
ninguem do qua la t!z e estudei. Basta que t^nln
jpren^iJo a conhecer os homens e dher-lhes o
que sinlo. Sobra o meio de vida que tenho (ven-
delh5o)me houra muito, antes elle do que men-
digar empregos do governo para ao t'epois de do-
mettiJo e inhabilitado, prccurar rneios de vida com
diatribas e desoraposturas era nasquios. Subre a
final do chistoso aranzel a que desci respondendo,
tenho a dizer queo autor do arao'.el nij me olfeoo
deu com o seu linal, pois julgan lo-mc por si, mo
obriga a sahir do proposito em que estava,nio
lhe darei mais resposta.
Olinda, 21 de novernbro de 187i.
Ant.'nio Alves d'Oliveira Braga.
Olinda, t7 da naverabro do 1874.
Antonio Alves de Oliceira Braga.
Abi vai a poesia por mira recitala.Fol-
garei imrn^nto que ella motive & Provincia,
publicar, nm mais tint ft&rQbod'S, mas sim
um quiiaboftbo ou especie do vatapa, afim
de qn 9 teha da scienefa -e rfa eloquencia
valha mais do qae iima caehimbada (tex -
tual).
Itjloi estcemecei, togi, mordei-vos:
BOCAliE,
Se a Grecia decaiente, outr'ora altiva
Com spus sabio) assombros do universo
Com seus Pitbobmeus, Tbales e Parcos
Media os astre3 po etliereo espago
As leis do movinento conheceodo ;
Se Euclidos e Anhimedes souberam
A scioncia format do iufallivel;
So os Draeos e Ljcurgos promulgaram
Leis mui raciomis a bem dos povos ;
Quintiliaao, Cicer^ e Demosthenes
Com su-js scionciasexaltaram
E os males mslhorirAm k humauidaje ;
0 Brasil na esca a fcientifica
Em breve Gcara bout nivelado
A's mais cultas naroo; da veiha Europa.
Tudo tomos emfim, (xulta, oh Patria 1
Quese um Audrada, se um Feijo perdeste
S'inda saudozos, Parana choramos,
Eis surge Rio Branco, Joao Maooel
Susinao Lobo, Joao Alfraio o outros muitos
Scientiftcos var6::s da nossa idade,
Cujas luz'.'S sc nti lam tao brilbantes
Como no azular dos eeos fixas estrellas.
Como estu lante da Faculdada de Oireito
do Recife e presento na occasiao em que S.
Exc. o Sr. ministro se dignou visitar aquel-
le estabelecimeoto, nao poiemos consentir
quo passe sem resposta a publicagao a pe-
dido que sabio naProvincia do aoj>; as-
signada porllaston.
Nfu tendo em vista o involver-nos nis
disputas parii lariis desta terra, uma vez quo,
como se p6Ji graver, um simples estu lante
nio torn polit^ca oaftbi la e nao dove cuidar de
uutra cousa Senao dos livros ; e cstando aiu la
muito longe as tossas aspiracdaa, para nao ter
qaasi dous annos, tem {erado a :.iais assustadjra
i:id-tfetenci religiosa, ao#ia pareee frisar com um
sci-iiia de'claraJo, ao passo qua energlca e rasper
tosiiiiente eu protes'.aria c intra a incompetencia
do paler temporal, em negoeio qae escapa a sua
jarisdicciO) saspenderia os iuterdictns, como em
caso semelliano procedea o veneTwel D. l?r. Ca3-
tino Brsalao, areebispo da Rnga e ex bispo do
Para.
Dasts modo salvaria o principia da liberJade e
derai
E-nfin, apeZar do todas"a3 bravatas, sujeitou-se.
Voltetnos ao nosso assumpto.
Qual o fim do professor de inglez quando so ve
(relaxamento por toda parte t E' para dizer:
j t eu tambem sou reiaxado ; eu timbem nao ensino
como d. via ciumar : quando eu no principio do
] meu o/ficio ao meu chefe disse que ensinava to
1 das as materias descriptas nos f 117 e 118 do re-
' gimento Memo, usei de uma hyperbole, foi uma
iadependehcia da igreja, e'ai i.idioio tempo procu- \ hyperbole atrevidu semHhante a essas de que tem
rava evitar os effeitos do escaodaJo, e da perlurba-! usado D. Vital; essas materias ensmadas por mim
gao; cscaudalo qii: nao po J; deixar de resultar 1a siio a mesmissima cousa que os grilhoes carreg [dos
prisao e condernnac.ao dos aitos fnnccienarios da por aquelle bispo.
igreja com violenta pretericao das formates caan-
cicas ; e perturbacao que tambem nao pode deixar
de resaltar da fuue>ta desharmonia nas relagoes
des dous poderes, quo o Divino Funlador do
Chrktiadismo ordenou qae vi,-e-.3em uuidos e in-
s perareis como primeira condie-ao da paz e feli-
cidada entre os homens.
Se se tratasse de pOr em qn s'.Jo a aceilaQao de
qualquar dos dogmas definidos pela igreja ou pelo
seu chefe vi-ivel, ahi a '.ransaccao seria inadraissi-
vsl, inexeasavsl aos olhos do Dejs; trata-se, po-
rira, de ra^teria mixta e disciplinar, em que e li-
cito aos dou3 poderes o discutir amigavelmente ate
onde chegara os limiles da cadi am, e qual
mais eonsentanco de desatar a dilliculd^de.
E' isto o que se esta fazendo, e ate o presente o
Saato Pa Ire nio proferio a sua ultima palavra pela
fjrma solemne com que osuccessor de S. Pelro
c stuma decidir as controvsr-.ias soscitadai entre os
fiefs. Proferila essa palavra augusto e infallivel
.-.bre o ca30 sujeito, nenhura c-.tholico deste im-
porio, ca:iiiaem Deus, se rae avantajarana submis-
sa e prompta obediencia a voz do soberano pastor
das almas.
Eis aqui formulada, era termo3 rapidos, a mi-
nha hamilde opiniao, que passarei a sujeitar a San-
t. Se.
Deus guarde a V. Exc. Rvma.Recife, 14 de
L-verabro de 1874.Exrn. e Rvm. Sr.gove.rnador
do biapado.
(Assignadu) Joaquim Pinto de Campos.
Mas qual sera o homera de bom senso que, ain-
da mesmo quando fosse verdadeiro o tambem do
professor de inglez, ainda que fosse verdade nao
cumpri'era bem os outros professores os seus de-
veres, ju'gue por isto juslificando o relaxamento
deste professor 7
0 que sabemos e afflrmamos sera tnedo de eon-
testagao, 6 que o professor de franeex o Sr. Sar-
mento, sempre deu duas It rat d'aula, que tem sido
muito pontual, subindo a sua cadeira na hora, e
dell i sahindo quasi sempre depois de flnda a ulti-
ma hora; que em sua aula srmpre ensinou, nao so
a traduccuo, como e principalmenle a leitura, no
o meio i qnee ale muileexigente, e igu dmennte comp sicoes
le versoes do portuguez para essa lingua, etc ; nao
precisando por isso os seus alumnos, para sujeita-
rem-se a exame na faculdade, de receber a ultima
de muo de terceirus pessoas, como tern succedid)
com os de ing'.ez do professor Collaco.
Jue n'aula de alleraao quando dirigiJa pelo
professor Steuber, o methodo seguido sempro foi o
de Ollendorf, pelo qual uma vez aprenJido um
preceito grammatical, faz se logo applicacao delle
em nm thema ou composicao, ao que por ma fe
m stra se alheioo professor de inglez, que era sua
ommsciencta ainda hoje entende que so pode o
alumno fazer o seu primoiro thema, a sua prime!
ra versao, por simples que seja, do portuguez
para a lingua estrangeira que estiver aprendenlo,
depois de decorada, toda a syntaxe; quando ( e e
o methodo mais natural e hoie geralmente adopta
do ) deve o alumno, apenas aprendidas as pri
P. S. Agora duas palavras ao testa de ferro
Ananias.
Que fe'icilade uao seria seo Sr. Ananias tWesse
nascido Ananias I
Certamenle quo o senhor do's homens do Provin-
cia tem ja nascido o Sr. de Villa-Bella e teiiac >l!oca-
do o Sr. Ananias no seu jardim no cirao da colebre
montanha russa, outr'ora'tao deeautada pelo gran Je
dramaturge do Nunes Machado (era 74 !), ou entao
tel o-hia manlado ao forrobcdisla da Provincia,
para eiicher-iho a bocca da luillo... que elle mais
tem em casa e que esta sempre prompto a uffere-
cer em grande quantidade, mesmo a aquelles que
lhe estio muito acima por sua pasicSo indepen-
Jeule.
Alves Braga.
.1" Provincia.
Ate quanJo, gen'e da Provincia, haveis de abur
-ar do bora senso, da digoidade, e da moralidade
nesta terra I ?
Pois ainda nao vos saciastes com as mil hide-
cencias que p mais nubre, mais digno e mais venerando entra
deve o alumno, apenas
.s-.______ I meiras regras da gramraatica, ir logo fazendo del-
regodor do gymaasio proa in- ,M appycaQao em themas nequenos e simples,
r.ial o professor do inglez cuja difflculdade ira>augraentando gradualmente
do mesnio *nttiimo. | e em |ir :p.n;,ij das regras que for aprendendo, de
Em vista da resposta dada pelo repetidor encar- o^^o que quando tiver es.udado a syntaxe ja se
r*gado d'aula de ioglez, ja ^ranscripto neste Dia-
no a. 258, e em que ficou bem provado e patenle
o despeilo, a md fe, a mentira, o oeaio malevolo e
perverso do professor dessa cadeira, o Sr. Dr. Col-
laco, que enttetanto doente de-orgulho, jacquite e
relaxamento quebraoa as calijadas dasta cidade,
nc occupava-se em titar jacas por meio de varas
la para as bandas do Bebenb*; o Sr. Dr. Carneiro
Monteiro, se bem que convencido estivesse da ve-
racidade daqnella resposta, se bem qua fosse e seja
nolorio no e fora do estabeleeimento o relaxamento
do professor Collaco, todavia por nimia condescen
d'w.ia para com qaem, pareee, s6 serve o rigor, bai-
7, in uma portaria mandsndo-lhe, desse explicajio
sobre sua cetebeifma nota, e de'larasse quaes as
Fjaterias qua sempre leceionou em sua cadeira, e
em qoai dellas se achavara nimiamente atrazados
os atamnos, aGra de dar as oace-sariiis providea-
eta*.
3 professor de ioglaz com aquella pelnlancia 6
iuvejavel orgmho e vaidada, que todos lhe reco
nuecem, responden com toda a filaucia, como ve-
aa em sea offlcio tran-.enpto na fotha Provincia.
nas seguintes terraos :
na, ^a*.ado do 26 do corronte, no quai me c^Cirau-
no* ? I
Pois a houra alheia, a probidado imraaculada
dos mais diatinctos e sinceros caracteres desta pro-
vincia hio de ser o assumpto obrigado e o punc-
turn saliens dos vossos iufaraantes a-anzeis ?
Nao I mil vezes nao Ha do chegar um dia
(vede bem) em que vo3 arrependaij de tanta rasa-
nia, tanta protervia.
Collocdste-Viis em posigao tal que sois impossi-
veis para o poder ; o dia do vosso triumpho (Ion-
ge va o agoura) sera o da vossa morte.
Haveis de submergir-vos nosse abysmo, que in-
considerodamente cavasles a-is vossos pas...
Reflecti bem, se e que de todo nSo perdestes o
ache capaz de fazer qualquer composigao, se nio
com a pureza de estylo que so pole dar a leitura
dos classicos; e a pratica com os -naturaes do
paiz cuja lingua se estada, mas com exactidao e
r.erfeicao gramraaticaes a deste modo se nao
prende a fallar a lingua, pelo menos fiea em es-
Hdo de o poder.facilmeute pelo grande hamero de
terraos e phrases familiares qne tera aprendido j
e c aste, e nao o qua a venture-u o professor de in-
glez, o methodo seguido nos paizes daculta Euro-
pa, e foi o que recommoadou o mui illustre Jklr.
Jales Simon ministro da instruccao pubiica em
Franca em sua circular de 27 de setembro de
MM.
Isto que faria ontro professor mais zsloso e in-
teressado no aproveitameuto dos seus discipnlos,
ttSo o tem feito, nao o faz o professor de inglez
t)r. Coliaeo pelo sea relaxamento, porque a sua
iontciencia satisfaz-se com que va elle a [sua
Madeira fazer unicomente jus ao ordenado, sem se
imporlar com o mal, que dahi provem para os
alumnos, que enlretanto pagam para apren-
der. _
M33 o professor de ioglez, que tem predileecao
e mania pelos mortos. reaponde que M d^pensa
i. ile cumprir o seu dever peo fiuado padraJ^
seoso, como pareee.
Nao se affronta tao impuneraenle todas e^sas
conideraf5e3 de convenient social, que nem
sempre o direito sacciona, mas que a moral e o
consenso dos povos civilisados impoem I
Nao se pode mercadejar assim torpemente com a
imprensa, batendo tnoeda sobre a ignorancia do
povo, cujo educador pretendeis ser, para em sea
nome insultar aos mais dignos ciJadios que di-
rigem os destinos do paiz.
A vossa invoja dasarranjou o vosso intellecto.
De uma vez perdc3tes o criterio que ate os anal-
phabetos podem ter.
Tudo para vos e motivo de crilica, mas de uma
critica insensaU e desarrazoada.
E vd3 idea por diante dizendo bs fados.. vosso :
ate que um dia haveis de rojar pelas immundi
cias, como entes abject03 a mais desprezivei3 que
os repetis, quo nio deploram a degradagao I
Recife, 21 de novernbro de 1874.
C.
mos necessidade de ir (resdeja favoneando os
que so schara no* poler, o ti n destas liobas
ij fazer arrudat do corpo auademico o da
laculiado Q mdo juizo quo d'esta pole
hear fazen lo o publico, se deixar-se passar
s.m resposta a dita publicag8o.
Ten Jo ha Ires dias termini lo os actos dos
quatro prtmeiros annos do curso e apenas
faltnido receber grdo alguns mocos do 5,
os quaes por ser ainda muito cedo, nao es-
tavatn na Facullale, pont5os eramos os
que alii se achavam, quando cbegou S.
Exc. acornpiiilialo do Sr. Visconde. Estes
dirigir,m-so pira 3 secr.jtaria, onde foram
cumpriinentados polos rnoc/is que alii esla
vam ; e so depois de dez minutos da esta-
da da S. Exc. na s cretaria, foi quo Ires ou
quatro meninos que esfavam no adro do
edifioi'"*, ouviado a musica, derara os vivas
e gritos de que faila a publicajao quo res
pondemos; mis ainla assim nao foram
acompanhados por sous colleges de propa-
ratorios que a cxcmplo de seus irmaos do
curso, vao sabendo respeitir a autoridade
e nao descer ao vil papel dos apupadores
do rua que so 6 proprio da canalha.
Api-zar de sergrando o numero de estu-
dantc-s de preparatoios que eotao alii se
achavam, sotres ou quatro meoinos, repoli-
mos, foram OS quo derain os ties vivas e
gritos o isto mesmo quem sabe se nao seria
dirigido por algum desallecto de S. Exc. I
Os raoc/5 da I'aculJa ie do Recife tendo
por guia mui distinctos professores, procu -
ram desde preparatories respeitar sua po-
siQSo dc estulante, e fugindo de equiparar-
se a esses que de tudo se ser vein para ridi-
cularisar seus r.dversarios, nunca poleriam
lembrar-se de" proceder do modo porque
quiz incutir no anifflo publico o autor da
publicagao quo respondemos.
Assim pedimosaoSr. Maston que refor-
rap o seu juizo acerca dos estulant'S da'Fa-
culdade e nao queira fazer esta responsa-
vel pelas dmdices detres ou quatro moni-
nos que talvez nem fossem estudantes de
preparatories; e Qque de uma vez eft
que nesse cair.po do ridiculo bom poucos
ou nenhum o acompanbara'.
Recife, 21 de novernbro do 1874.
Um quarto annista.HallUas Carlos de
Araujo Maciel.
Joao Baptista IMsWM
SaftoOOr DNMi00" 00 DlQUvlrZi \jBtcm
eaote
Augbsto Jfarliaiano goares Villera
Francisco Antonio Googalves de Me-
deiros
Hyp lito Marlins Oomss de Pinho
Marcionillo Gomes Coutinbo
Aquilino Coutiubo Barret >
Joaquim blaneio Marinbo Eilho
Antonio Kodrigues da Cruz
Bastos & Martins
Jose Lopes de MenJoiiqa 4 C.
Antonio de Sa Cavaluante
Manoel do Rego Oliveira Pinto
Joao Corroa dos Passos
Carvalho & Alves
Joaquim Laeio Hodrigues
And nio Manoel de Carva'ho
Maximiano Lopes dos Santos
Manoel Firmiao a'Albuquerque
Antonio'Maximo
Antonio Pinbeiro de Faria Burgos
Joao dos Santos Soaza
Padre Sesostre Freire de Carvalho
Anna Rita
Virialo Centeio Lopes
Cypriano de Abreu Leite Bastos
Joao Facundo de Castro Menos-8
Roberto dos Santos Mello Vascancelloa
Augusto de Sa Montenegro
Sergio Ferreara Pinho
Jesaino...............
Francisco Cypriaqo da Silva Santos
Francisco Lopes FurtaJo
Joaquim Silvario fle Soaza
Maaoel Antonio de Sant'Anna
Bemardina Maria dos Saatos Lima
Altonio Bezerra de Menezes
Joao Erroiro da Cruz
Modesto Gomes Coutinho
Carvalbo Peixoto & C
Manoel Chii.-pim dos Passos
Antonio Alhanasio d'Oliveira
Dr. ADrigio Antero Cicero de Menezes
Francisco Tavares de Mello
Antonio Pinto de Barros
Gustavo dos Prazeres Brayoer
Luiz Francisco BanJeira de Mello
Maaoel Pereira da M.
Antonio Paulino de Faria Burgos
Maaoel do Amparo Caju
Antonio Manoel de Carvalho
Leapoldino Antonio da Fonceca
Zeferino da Costa Maia
Joao Pereirra Franco
Antonio Gomes de oliveira
Luiz Pereira dos Santos Lima
Adolpho B......
Maaoel Rodrigues da Silva
Antonio da Costa Albuquerque
Francelino Alves da Silva
Julia E-------
lose Caval :ante Lins
Joaquim Francisco de Miranda Car-
njiin
Joao Marinho Falcao
Mauoel Firmino
Fortunato Alexandre Torres
Marcolino da Cruz Wanderley
Benjamin C. da C. S.
Tadeu Pereira Bastos
Francisco Vieira d' Araujo
Manoel Cassiano de Oliveira
Antonio Machado dos Santos
.Pelro Alves Ferreira
Manoel Thomaz de S.
Vieira (raarcineiro)
Dionisio de Souza Bandeira
Joaquim Martins Monteiro
Capitao___Herculano-----
Francisco Jorge dos Santos
Andre Vital Alves
Jose Francisco do Rcsario
Herraina Lacioa Rabello
Antero de Mesquita
Pedro de Hollanda Cavalcaate d Albu-
querque
Antonio Pedro de Sa Barreto
Joaquim Felix Machado
Pnaceliaa Carolina da Silva
Jos6 N. d'Assurapsao Pires
Mathias Gonjalves Lima
Miguel Thomaz Rodrigues de Freitas
Pantaleao Pessoa de Siqueira Caval-
caate
Targioo de Magalhaes
Joaquim Jose Franca
Idalina Pereira de Macedo Bastos
Dr. Jose Maria d'Albuqaerque Lima
Francelino Carneiro de Lacerla
Fraacisco de Paula Albuquerque
Lima ...
(Coatinua).
43*370
393.8(6
2:2385531
283:640
9;020
49J3O0
836 i860
9i300
2:752:400
75.500
64-200
2.466:406
49:?500
I5j2t0
1:014)140
894i100
61000
1:0853000
4:378^45'
2:711:650
25700
56S340
144^771
478 020
35-1000
9iO20
2i8;080
18;000
465.717
78J800
235800
I0i>l80
283810
5:000
341JIO0
195 W)
a:ooj
5.000
40;000
3:000
432^198
4:000;000
116J450
196 .-320
2.5 168
130.000
SOU 000
6 000
8353290
545.000
112 620
500:000
10:000
8 000
4ji80
7 500
12 920
1103-590
22.-900
12;(j00
183800
148*580
9300
93600
41.000
283000
33:800
80 400
12$120
33000
Ci20U
22.tnO
17-009
3,-760
57.810
2l*7CO
5 000
7S(O0
16 000
14,700
17.000
31 320
19 210
159 720
38.000
27.640
8 610
7-880
27.000
35.0J0
53960
1013140
5 500
100:000
101-800
141:960
1653360
64ii600
9t. 3SO. -Enfermldailes mortaes.
Quando um doeuta morre, qualquer pode dizer do
que morreu. Nio e, pois, juslo qie, qaando se
cure, todo 0 mando saiba com qua se curou ? E
no entanto raillnres de railostias mortaes sao cu-
radas com a Salsaparrilha de Bristol, e ningue.no
sabe. ,,
Os casos que se approxi i-ara a uma sublimiJa
da rnilagrosacomo 0 do joven Jaime Wyckoff, 0
qual foi lileralmente arrancado das garras da mor-
te, quando ja se achava meio devorado pelas es-
crofulas -sao os quo naturalmente se publicam,
e talvez um centenar deilos teem assombrado a so-
cielada que os teem lido, t nto nas principaes to-
lhas como nas publicacoes medicas Porem a Sal-
saparrilha de Bristol, tera coaseguido railhares e
centenares de railhares de curas, quaud> jaos mo-
di-:os meneavara a cabeija e diziim: nao ha e
neranca I 0 _
Em todas a3 paries, durante todas asestaco's
do anuo produz maravilha3 em silencio. 0,.ala
que a bem da humanilade, se conhecasse univer-
salmente a verdade relativamente as suas admira-
veis qualidades.
- 1 ^;tL-*j=:ia-jr'K.',Q?Q!ii'^;'3EC.^-tirssa
OMMERCId.
Alfandega de Pernambnco, 9\ denovembnds
1874.
0 1 conferente-Raymnodo F. Barfcosa.
0 (knferenteJoaquim Aurdio Wandeiky.
Approvo. Alfandega de l'ernambuco, 21 da
novernbro de 1874.
Serviado d taspeetor,
Pedro Lopes Rodrigues.
Imnortatflto.
Logre portuguez Cidral, enirado em 10 do ecr-
rente e consiguado a Silva Guimaraes Aj C, ncaai*
lestou :
Cal 50 barris a Oliveira, Filbos & C.
Fareilo 1,000 saccos a Thomaz d Aquino Fon-
ceca A Successors, 560 aos eoniicnalarits, IK] a
Luiz Jose da Silva Gnimarles.
Pedra de lagedo 1,190 a Jose Angnsto d>
Araojo.
Vmbo 20 barris de quioto a E. R. Rabello & C,
10 a Belirao & Filbo, 10 e 23 pipas a Thorni! 69
Aquino Fonceca & Successor**, 115 47 Jtl ts a
Paulino Jose da Costa Amorim & C, 10 e 12 a
Amorim 4 C, 15 e 12 a loan B-.s os & C.
Patacho inglex Georgina, enrrado de New York,
em 21 do corrente e eoosigoado a JobasSaa Pa-
ter & C. manifest )U :
Alcatrio 25 barrfs aos consignatarios.
Breu 91 barricas aos raesmos, ban*a 50 karris
a Antonio Franeiseo Corf a.
Kerosene 3,i00caixas a ordem, 1,190 a MMs La-
than & C, 500 a Antonio Francisco C irga, 7i aos
consignatarios, 50 a erdem.
Medicamenlos 54 volumes a P. Manrer4 *'.., 1
caixa a ordem. Mercadorias diversas 25 vollines
a Bourgard & C
Objectos para estrada da fctte 40 voJimee a Lo-
comotora Pernambaeana.
Tecidos da algodao .-17.il 6 caixas a B. Thca.soa
61 C.
Patacho ingltz Hio, cMr^Jo de Cardiff na mas-
ma data-e eunsignado a Eioardo Featoa A C, na-
nifeslon:
Carvao de pedra 128 loaeladas a ordaas.
Vapor national S. S I radar, entradodos portcs
do Sul em it an cum or- u .-..n.i^odo amo.
nio Luiz de Oliveira K'.< veJ", ii..inife*toa :
Araruta 22 meias b : Mendonca. Assuear .'it coos a H. FonMT -i C
Barricas vazias 6t 11. M .noel Manias fsrreira
Soares.
Couros salgados 87 a Pereira Carneira, Maia
&C.
Farinha de mandkxa 50 saccos a Jos* Ta.ento
da Cruz, 30 a Domingos da S. Torres, dita a arroz
de casca 192 saccos a Francisco Goncalves Torres.
Objectos para eogenho de assuear 4 pe-.-as a or-
dem, dito de uso 4 volumes a ordem. fjfao de ri-
cino 303 latas a Francisco Gor.$alves Torres.
I'eixe 8 barricas a Mi-ndonca Correia iC Pi-
ps- vazias 9 a Maaoel M. Ferreira Soares.
Sebo 9 barricas a Mendonca Correia & C. Sper-
raacete 40 caixas a C. J. de M-n Jones.
Taboca 42 amirrados a J se Agreley.
JESPA 3HOS DE EXPOliTACAO NO UlA 2-) D
OUTUBRO DB 1874.
Para os ports d. exterior.
No vapor inglez Warrior, para Liverpool.
carregou : S. P. Jjhnstoi & CO volumes con 201
abacachis ; M. Lathau A C 460 saccos com 3'i,5u)
kilos de assnear mascavad>; M M. Mmteiro 12s
saccas com 9,279 ditos de aigadao. W. H. Wiaft
4 C. 3 I -a. rieas com 45 abaca.'his ; S. Brothers i'v
'3. 95 saccas ein 7,078 kilos de algolao.
No Ifeffo hespanhol Tres Dorothea*, fan
Barccllona, cairegoo : A. l.oyo 516 saocas com
34,171 kilos de algnuao.
No patacho inglez Julia, para Rev-Yaffc,
carregou : M. Au-tin & C. 3,100 =a:cos com
255,000 kilos de assuear iua>e.;vado.
So patacho ameiicano Frauds Janes, para
Hampton Roads, carregou: M. Austin A C ttt
saccos com 31,950 kilos de assuearraascivadi.
Na escuna iogleza Mary Lizze, para 0 Canal.
carregou : J. P-t-.r & C. 8a8 sait.-s coin 62,850
k'los de assuear masc.vado.
No navio portuguez S. I/turenqo, pa; a a Il*ja
de S. Migael, carregou : J. liodrigoos Ferreira 5*
barricas com 6,031 kilos de aseacar mas:av. do e
50 dilas com 4,043 ditos de dito Lraueo ; T. A.
Kcnceca 4 C Successores 123 barris com l,J90
kilos de inel.
No lagar francez Rio Granle, para 0 Havre,
can eg.ra : Augusto Figoeire lo 10,000 yontis da
boi.
N1 origue ioglez Willie, para 0 !aoal,
r.-gon : BtEB{Moa & C. 3,000 saicos com IJj.OoO
kilos de r.>sucar naseatado.
Na barca porlugueza OrafMUa/^aaia L si a,
samg u : P Carneiro, Maia & C. 500 couros sal-
gados com 6,000 ki'os.
No navio nacional Marinho, paraolii'da
P ata, carreg u : A. baja 400 barricas
45,599 kilos To aasacar braaca.
p.itai.s pouts do tatarkw.
Para 0 Ceara, no v.por aaefaaal taufaaa,
carreg.u: J. da Costa N. gueira 5 harries earn
321 kilos de assuear relinado ; Amorim Frmro- .,
C 50 di'.as com 3,800 ditos de dito Lraueo ; J. 1 .
Santos Bastos 10 dilas com 591 dito- de i I 1 r I-
nad) ; Costa 4 C 8 dita* com 410 ditos Je dito .
Pinto Alves jjC 2! dius c in 1.807 ditos d' i
para a P3rahyba, P. Alves & C. 4 dita:- coi 1
ditos do dit0 ; J. A. L. PbsMtt 5 ditas tm -
ditos de dito.
Para 0 Rio de Janeiro, no hiate nacioo: I Ji*-
r<(/, carregou : A. Loyo oO-J saxas cm 17
kilos de assuear branco.
P,ira Porto-Alegre,naes-unabra-i!cira G
giana, carregou : Oliviira, Fillies & C. 600 i'
com 15,000 kilos de assnear brauco e 100 Jitus
com 7,800 ditos de dito ma-cavadi.
Para Macao, no hiate uaconal Joilo VUe,
carregou : M. A. Senna 6 barricas com 214 k I -
de assuear branco : para 0 Natal, B. Oiiveirs 4 C
8 sacc is con 600 ditos de dito reflnado.
Para Marsc jaii. na barcaga EslreUa is Nor-
te, carregou : P. da CunhaIrmaos 2 barnca-c m
125 kilos de assitcar refiaado.
A Provincia.
(*) Ausenle desta cidade, s6 hoje sube qae
$ Provincia (papel), me havia honrado em
seu folbetim de la, que 8eoa querer offender
ao seu autor e servin.lo-rne de suas prnprias
palavras, lhe chamarei de forroboid. E*
verdade que recitei uma poesia ao distincto-
pernambucano o illustre censelheiro Jo4o
analysada
Dividas (1 auassa faliida de
IBento da Silva Tendo sido arreraatadas em hasta pubiica todas
as dividas dessa massa, e ignorando se as residen-
cias dos devedores, que alguns sao os que abaixo
se mencionara, qp.e igualmenle n5o se tem podido
conbecar e nem obler inforrascoes, roga se-lhes
queiram entender-se com 0 coronel Decio d Aqui
no Fonceca, 4 rua do Hospicio a. 14, das 6 as 9
horas da manhi e das 4 da tarde em diante que
se aeha aulorisado e competentemente habihtado
para receber ou fazer qualquer transaccao.
Deixa-se de mencionar os nomes de alguns ou-
tros devedores por serera conhecidos ; e, a estes
se roga queiram enteoder-se com 0 mesmo coro-
nel no prazo de 15 dia?, fiados os qnaes serio
ajniiadjTs.
Sendo alguns dos devedores por lettras e contas
de livrps, residentes fora da cidade, e mesmo da
provincia, alzuns em lugares ja sabidos, avisa-*e
igualmente que venham ragar, para evitar ques-
i5es judiciaes, que serao iotentadas; e peda-se aos
amigos e conheetdos 0 obsBquio de avisa-los.
Doclara-se ainda que para se nao chamarera
ignorancia que se procedart com todo- 0 rigor das
lets contra qaem quer que seja, qua tenha rece-
bido ondevidara rate, ou ainda tente receber as
mencionadas dividaa, que hoje perlencem a pes-
soa que as arrematou, e cr*B quem se dovem en-
tenaer os devedores: oa quem se tnoatrar por elle
JUNTA DOS CORRETOMS
,'ra^a da Recife, 91 de novem-
bro de 18 J 4.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOBS OFFIC1AES
Algodao de Macao 1 sorte 7 3300 por 15 kilos,
hontem.
\.ssucar bruto essolhido 1*800 por 15 kilos.
Carabio sobre Londres a 90 d|v. 26 3|8 d. por
U, hontem.
Cambio sobre Paris a 90 d[v. 362 rs. 0 franco,
hontem.
Cambio sobre 0 Porto a 3 d|v. 106 OiO de pre-
mio.
iambio sobre 0 Rio do Janeiro a 15 div 3|4 0|0
de desconto.
Jito sobre dito a 15 dp. Ii2 0|0 de desconto,
hontem.
Dito sobre dito a 8 dp. l|i OiO de desconto,
hontem.
Fretedaqui parao Rio Grande do Sul 260 rs. por
15 kilos, barrica, hontem.
Ditode dito para dito 240 rs. por 13 kilos, sacco,
hontem.
Fretedaqui oara Porto- Alegre 340 rs. por lo ki-
los, barrica, hontem.
D:to-de dito para dito 320 rs. por Id kilo, satco,
hontem.
0. de Vascouceilos
Presidante.
A P. de Lemos,
Secreuno.
CaVATAUA DA aLFAK! I
tsadfraento ao dia 2 a 20. 10'
lies do dis 21
VOLCKEs a-
.lo dia 2 a 20......
so Ula 2!. ....
Timaira poru .
>gon-ia porta .
rsreeira ports ....
fitpicre C .'
tl 1
HI
1
2,1:7
JM
*i>ar8a:
SKhViCO KAR1TIMO
s dasoirregadas no trapicts ds
ailandaaa.
\o dia 2a20 ....
\'o dia 21.....
lo trapicte Conccici
'.'.
'.'
aLFAND8(?4.
tendunento do dia 2 a 20. .
Horn do dia 21.....
>72:055#995
68 550*693
640:606*688
i,; HUA DS REiiDAS 4NTealUSC.
T\AES DK PF.RNAMM5Ct
Uaalawat do dia 2 a 20 38:9-** '
dsmdc dia 21......_i: "
43:455*91^
CONSULADU PROVKGL4i>_
Dascarregam ttois 23 de novernbro de 1874.
Lugar portuguezCiaVaJ-fareilo para 0 uaptche
Conceicao, para despachar.
Brigue portuguez Rio Vouga lagedo pata 0
trapiche ConceiQao, para despachar.
Lugre inglez Ethel bacalhao para 0 trapiche
Gonceioao.
Brigue allemao-Voltigeurfarinha jadespachada
para 0 caes do Apollo.
Patacho inglex Georgtna-keroseae para 0 trapi-
che Conceicao, para despachar.
Lugre francetRio Grandematerias infiamma-
veis para 0 trapiche Conceicao, para des-
pachar.
aaadhaaato do dia 2 a 20.
ism io dia 21
RECIFE DRAINAGE
Head';.:;nto do dia 2 a 20.
idem io dia 21......
?!:SS*12
16.4)1*129
87:S*7*J5
smnM
54iOO
34lf7*4'*
Alfredo, porem nao a que vera
no tal forrobodd, a se leu autor se desse ao 5SSSa trabalho de ler 0 dlano de Pernambuco, \ Pernambuco, V) de novernbro de 1874.
1 s A-------------~~\---------!--------:------___-I,;,.. I Relscao das dividas de que acima se falla
(.) Deraca-se algaas erros typographicos, F^TAl^querque Barreto 7:968:675
; oa publica^io abaixo. por isso- 4e nnvo S j \air$ [lC\t* j,,,,, 2:048 000
publicamo^s I AdXiauo aotuouuu. io iledeirus ;.0ko.,iio

VLTKRAfiAO NA 1'AUTA DOS Ptt*C0S DOS OSNEHOS
SDIBITOS A DIKEiroS DE EXPORTACAO, NA SEKANA'
08 23 A 28 D8 NOVEMBRO DB 1874.
Algodaoera rama ou la 436 rs. o kilo.
Assuearmascavado 120 rs. o kilo.
Foihas-mediciqaes 500 rs. o kilo.
i La barrigada660 rs. 0 kilo.
AGKNC1AS PROVINCUES
Liqoidos espirilaosot
Head.u;ento de 2 a 19 a:441*5W
idem do dia 20 320*250
Bacalbao, etc.
fteadincnto de a 19 4:005*983
Idem dc- dia 20 I
Geoeros de estiva,
aendimanto de 2 a 19 3:W9*J?*
denado dia SO 35#J
fcsW*^:
k.HSJ
iWfm
ILloIII


Ju-


.
wmm

,
Diario de Pernambuco Segunda feira 23 de Novembro de 1874.
^
Parioha de trieo, etc
flendimento de 2 a 19 4:5374672
UemdodiaJO 258*040
Fumo, etc
Rendimento de 5 a 19 2:025*804
idem do dia 20 20*083
------------4:798*71*
Vinagre, etc.
Reodimento de 2 a (9 1:073/284
Idem do dia 20 142*144
2:045*889
1:215*428
19:731*188
Thesouro provincial de Pernambuco," 21
0 escrivSo,
J. CM. da Silva Santos.
inco Comiiiercidl de Braga
Jorge Tasso.
37Rua do Amorim37
Saca qaalqaer qaantia a prazo ou a vista so
bre este Banco oa suas respectivas agencias nas
eguintes eidades e villas de Portugal, ilhas adja
centes e Hespaaba a saber:
Portugal
Amarante. Gaarda.
Anadia. Guimaraes.
Arcos. Gouveia.
Aveiro. Lagos.
Agueda. Laniego.
Arco de Baulbe em ca- Lisboa.
beceiraa de Bastos. Louie.
Barca. Melgaco. Mirandella.
Barcellos.
Beja. Moncao.
Braganra. Mealbada.
Craves. Monte -raor o velho.
Coimbra. Oliveira de Aremeis.
Conra. Ovar.
Coviiha. Peoaliel.
Castello Branco. Pinhel.
Caminha. Poote de Lima.
Rlvaa Punimao.
Estremoz. Evora. Porto.
Povoa do Varzim.
Esposende. Port'Alegre.
Famalicao. Povea de Lanhoso
Faro. " eon.
Figueira. Silves.
Fafe. Santo Thyrso.
Tbomar. Villa Real.
Tavira Vinhaes.
Torres Novas. Vizeu.
Valenca. Villa da Feira.
Vianna. Villa Ponca de Aguiar.
Villa do Cod Je Villa Real de S. Antonio.
Villa Nova da Cerveira. Moiraenta da Beira.
imas.
Funchal. Fayal.
Hespanha,
Madrid. Cadiz.
Barcellona. Orense.
Vigo. Cornna.
Puenteaveas Badajoz.
EDITAES.
SEGUROS
MITIHOS
E
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecidi
nesta praca, toma seguros maritimos sobre
aavios e seus carregamentos e contra fogc
em edificios, mercadorias e mobilias: nt
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
SE
Mriliino
ra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pernarabuoana.
RF.4 DO COMMERCIO V. 34.
nlra-fogo
LONDON Sepro
fEE LIVERPOOL &
INSBRAilCE COMPANY
A^en.ftes
SAUNDERS BROTHERS C.
ll~Corpo SautoU
Companhia Indemnisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:0000000.
Tkomaz de Aquino Fonceca & C, successores
a gen les.
Bsta companhia toma seguros maritimos e ter-
restres, dando nestes o septimo anno gratis aos se-
gurados.
Rna Jo
Vigario
IB. 19.
COIPARUi 4LUiNQ4
Beguros maritimos e terres-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0005000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
rUco maritimo em navio de vela e vaporei
ara dentro e f6ra do imperio, assim come
contra fogo sobre predios, generos o fa
rpndas.
Agente : Joaqaim Jose Goncalves Beltrao
ro do Commercio n. 5, 1 andar.
Consuladprovincial.
Para sciencia dos cootribuintes-do iraposto da
decima urbana e os efTeitos legaes, em segnida pu-
blican) se as alteracoes verificadas no lancamento
do mesmo iraposto no corrente anno Hnanceiro d'
1874 a 1875, ficando aberto o praco de 30 dias
noi termos do art. 38 do regulamento de 6 de
abrildo correnie anno, as reel amazes que por
ventura possam ter a fazer os interessados.
Alteracoes feitas no lancamento da decima urbaoa
da (reguezia de S. Jose\ no exercicio corrente de
1874 a 1875, pelo lancador Izidoro Theodulo de
Maltos Ferreira. __
Largo do Forte.
N. 4. Jose Francisco Bento, 1 lelheiro
com 7 quartos, e 2 mei'agua*, tado
arrendado por 864,000
TraTesa do Peixoto.
N. 18. loU Goncalves Ferreira Guima-
raes, uma casa terrea por 240,000
N. 20. Antonio Moreira Reis, urn* casa
terrea arrendada por 216,000
N, 50. Bernardino Pereira Ran: os, urn a
casa terrea por 144,000
N. 88, Joaquim Pereira de Azevedo
Ramos, uma casa terrea por 144,000
N. 78. 0 mesmo, nraa casa terrea ar-
rendada por 144,000
N. 90. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por 144,000
N. 96. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
renda por 192,000
N. 98. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por 192,000
N. 120. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por 192,000
N. 122. 0 masmo, uma casa terrea ar-
rendala por 192,000
N. 5. Claudina Martinba d, Sacramen-
to, uma casa terrea arrendada por 198,000
N. 19. Jose Martins da Silva, uma casa
terrea por 180,000
N. 21. Joaquina Maria de Carvalho,
uma casa terrea por 180,000
N. 4 9. Miguel Archanjo da Cruz Muniz,
uma casa terrea e me:'agua, arren-
** Pr 120,000
A. 51. O mesmo, uma casa terrea e
mei'agua, arrendada por iso 000
N. 53. 0 mesmo, uma casa terrea e
mei'agua arrendada por J20 000
Ypiranga.
N. 4. Antonio da Cunaa S .ares Gui-
maraes e outros, um sobrado de nm
andar e loja, um telbeiro que serve
de olaria e um armazem, tudo avalia-
do por 820,600
N. 19. Manoel Paulo de Albuquerque,
uma casa terrea por 300,000
Rua do Muniz
N. 2. Miguel Archanjo da Cruz Muniz,
uma casa terrea arrendada por 200,000
Largo do Mercado
N. 3. Jose Ramos da Silva, uma ca-
sa terrea por 300,000
N. 19. Joanna Maria da Trindade, um
sobrado de um andar e loja, tudo ar-
rendado por 912,000
Imperial.
N. 2. Manoel Joaquim Ferreira E-te-
ves, um sobrado do um andar e loja,
tudo avaliado por 400 000
N. 10. Filhos de Jos6'Luiz de Azevedo
Maia, uma casa terrea por 300,000 '
N. 12. Chriitovao Guilherme Brechen-
feld, uma casa terrea arrendada por 360,000
N. 28. Joaquim Martins Moreira, uma
casa terrea por 240,000
N. 30. 0 mesmo, Uo,a casa terrea ar-
rendada por 240,000
N. 32. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por 240,000
N. 31. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por 2i0,C00
N. 36. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por 240,000
N. 38. 0 mesmo, uma easa terrea ar-
rendada por 240.000
N. 40. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
rendada por 240,000
N. 08. Anna Rosa Maciel, um portao
one da cntrada para oito casas, to-
das arrendadas por 1:104,000
N. 80. Manoel de Souza Tavare?, uma
ca.a terrea por 360,000
N. 108. Cleto da Cosia Campello, uma
casa terrea por 300,000
N. 114. Silvcstre Lourenco do Espiri-
to Sanlo, uma casa terrea dividida
em duas, tnJo por 228,000
.N. 126. Barao do Livramento, uma,
caa terrea por 360,000
N. 140. Jose .Nicolao de Souza, uma
casa terrea por' 300,000
N. 148. Francelino de Mello Cabral,
uma casa terrea coin um quarto ao
ladn, ludo por 312,000
N. 150. Severino Jose Fi!gueira de Me-
nezes, uma casa terrea por 192,000
N. 160 A Jose Moreira da Silva, uma
casa terrea arrendada por 360,000
N. 160 B. 0 mesmo, uma casa terrea
arrenda por 360,000
N. 160 C. O mesmo, uma casa terrea
arrendada por 336,-000
N. 160 D. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por 336,000
N. 160 E. 0 mesmo, uma casa terrea
arrendada por 336,000
N. 164. Bernardo Joaquim Gomes, uma
casa priea por 360,000
N. 174. Maria Bededicta 'dos Prazeres,
uma casa terrea por 120,000
N. 176. Viceneia Ferreira do Espirito
Santo, uma casa terrea arrendada
por 120,(00
I'nmeira seceio do consulado provincial, 2( de
novembro de 1874,
0 chefe.
FAuardo A. de Oliveira,
Alberto de Souza Agaiar, 122*8(0, Domingo* da
Silva Beiris, 85*800, Joio Jose Rodrignes Mendes,
2:162*180, Antonio Ferreira de Carvalho, 170*,
Joao Tavares Cordeiro Si C, 89*100, Francisco
Jose da SilvtAtimaries, 276*. Manoel Jose Tino-
co da Souza, 1:821*310, MotU Junior & C,
89*280, Bastos & Lima, 459*430. Joe Rodrignes
de Carvalho, 63*685, Antonio Jose Silva do Brasil,
1:061*260, Joao Ramos & Maehado, 86*, Bonr-
gard 4 C, 577*-500, Manoel Dias da Costa, 26*,
Pedro Ferreira V. de Souza, 44*460, Herculano
Ferreira Lobo, saido de sens ordenados, 660*230,
Francisco Goncalves Bastos e Sa. 312*. Theodoro
Christiansen, 48*, Bernardino Alves Barbosa...
252*350, Manoel Jose M. das Neves, 80*, Joao
Ferreira dos Santos Junior, 118.368, Joaquim Jose
Leitao & C, 465*, Jese Lopes Coroal, 235*, Sei-
xas & Almeida, 19*. Jose Bom & Silva, 817*800,
Carvalho & Irmao, 111*500. Estava uma estam-
pilha de 200 reis, inutilisada pelos respectivos ad
ministradores.
E por este edit.il sao citados os referidos credo-
tps para dentro de cinco dias, contados d.i pabli-
cacao do mesm^, dizerem sobre a dtta classificacao
de creditos.
E para 40 j cliegue ao conhjeimento de todos,
maodei pasaar 0 ureseot'j ilae sera publicdu
pela impreosa e afBxado nos lugares do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife
de Pernambuco, aos 21 dias do mez de no-
vembro de 1874.
Eu, Ernesto Maehado Freira Pereira da
Silva, escrivao, o subscrevi.
SebastiSo do Rego Barros de Lacerda.
DECLARACOES.
fornecimento, compareoam na sala das sessSes
da refer id a junta, no dia acima indicado, pelo
meio dia.
Secretaria do thessuro provincial, 19 de novem-
bro de 1874.-0 seoretario, *
Miguel Affonso Ferreira.
TABELLA
6 quadros com a elBgie do Senhor Crnciflcado
com 0,m66 de altura e 0,m44 de largura, um 10*.
6 mesas de amarello com l,mll de comprimen-
to, 0,m65 de largura e 0,m78 de altnra, com pes
torneados e duas gavetas, uma 22*.
6 cadeiras de bra cos, de amarello, uma 16*.
12 cadeiras singelas, uma 89.
6 estrados de louro com l,m60 de comprimeato,
l,ro40 de lagura e O.mlS de altura, um 205.
18 classes on mesoes de amarello com 2,m61 de
comprimento,0,m44 de largura, 0,m72 de altura
na frente e 0,m76 de lado opposto, com des tor-
neados, contendo 4 tinteiros e 3 traslados em qua*
dros, um 34*.
24 bancos de amarello (asstnto de palhinba)
com 2,m64 de comprimeato, 0,m25 de largura e
0,m45 de altura, com pes torneados, um 25*.
b pedras para calculos com l.mO de comprimen-
to e l,m2 de largura. uma 10^.
18 rabides.de am..relloi:oin 10 toraos, um 5*.
6 rrgoas de jacarauda, uuia 500 rs,
6 escrivaoinhas de metal, uma 5*.
6 theares singelos, um 10*.
6 j arras, uma 5*.
6 cocos de foltaa de ferro, um 1$.
it! baeios com tampas, um 2*.
6cubos deamareilOfHim 7j.
Conforms.
________ M. A. Ferreira.
Companhia alltaaea maritlnia
portnense
Empreza de navegac^o entre 0 Brasil e Por-
tugal
PARA 0 PORTO
Barca portugueta iwen Adelaide, a sahir com a
maxima brevidade, recebe carga e passageiros : a
tratar com os seas consignatarios Jose da Silva
Loyo k Filho.
Segundo
LEILAO
Bngue Raio ao Pard
Esta prompto desde ja a receber carga a frete,
Sara 0 dito porto, visto ja ter parte engajada :
'atar com Amorim Irmaos k (1
COMPANHIA
DO
BEBERIBE.
0 Sr. .orbeniano de Aquino Fonseca,
caixa da companhia do Beberibe, acha-
se autorisado a pagar no seu escripto-
rio & rua do Vigario Tenorio n. 19; das 10
boras as 3 da tarde, 0 53 dividendo desta
companbia findo em 31 de outubro do
corrente anno, na proporcSo de 33*000 por
apolice: previne-se ao Srs. acciontstas
que 0 pagaraento ser^ realisado em moeda
de cobre.
Escriptorio da companhia do Beberibe,
14 de novembro de lf74.
0 secrelario,
Luiz Manoel Rodrigues Valenga.
Companhia Pernaiubneana.
Porto do Aracaty,
A carga que de boje em di.inte fur embarcada
nos yapores da Companbia Pernambucana com
destino ao porto do Aracaty, sera eniregue na ci
dadeulo mesmo nome, senJo tr;.nsportada da bar-
ra, (onde os vapores costumam fnndear), em Ian-
cbas de propriedaJe da inesma companbia, inde
pendente de qualquer exigencia do pagamento
por este 9ervico.
Da mesma forma sera transportada a carga
que for embarcada no porto do Aracaty para
quaesquer ontros portos da escala.
Recife, 16 de novembro de 1874.
Para o Macdo
Pretende seguir com muita brevidade 0 palna-
bote nacional Joven Arthur, recebe carga e pas-
sageiros : a tratar com 0 seu consigoatario Anto-
nio Luiz de Oliveira Azevedo, a rua do Bom Jesus
n. 37.
Thesouraria de fazenda
Manda 0 Illm. Sr. inspector annunciar, que de
ordem do Exm. Sr. rainistro da fazenda foi eipa-1
cado ate 0 fim de junho de 1875 0 prazo marcado
para se dar principio a sobsiituicio das notas de !
508 e de 2} da quarta estampa. w
Thesouraria de (azenda de Pernambuco, 14 de ?,e Portn8ez S. Louretup, para onde rece-
novembro de 1874 be cara passageiros : traU-se com os consig-
! natarios Thomaa de Aquino Fonceca <& C. Succes-
sores, ma do Vigario n. 19, andar.
StgOfi
Hha de S. Miguel
com brevidade para S. Miguel 0 palha-
Jucundiano Rodrigues de Otiveira,
Secretano da junta.
Edital n. 67
A camara municipal do Recife faz con9tar a
todos os seus municipes que em consequencia da
visita que fez a esti provincia 0 conselbeiro Joao
Alfredo Correia de Olfeira, ministro do imperie,
resolveu em sessao de 11 do correote, que se de-
nominoPraca do Conselheiro Joao Alfredoo
largo da Magdalena, ro 2 districto da freguezia dos
afogados,
Pago da camara municipal do Recife, II de no-
vembro de 1874.
Jeronymo de Souza Leao,
pro presidenle.
Franisco Augusto da Costa,
Secrelario.
Pela inspectoria da alfandega se faz publico que
as 11 boras da manha do dia 24 do corrente, na
pom desta reparticao, se ba de arrematar livre de
direitos e snjeitas ao imposlo da capaiazia, 24 res-
mas de papel pantado, beira dourada, para escre-
ver, pesando 37 kilos, no valor de 518800, abando-
nado por Vaz & Leal, e que faziam parte do con-
tetido da caixa de maro V J 4 G n. 607, vinda no
navio francez Rio Grande, entrado
rente.
DAS
dividas actives na impcrtanria de........
8:073r502 pertencentes A mass* {alii la
de Paolo Fernandes de Hello Goinurles
QUARTA-FLIRA 25 DO CORRENTE
A's 11 horas da manha
No escriptorio, A rua do Bom Jesus 0. 53,
primeiro andar.
Por mandado Ao Illm. Sr. Dr. jnii especial do
commercio desta cidaJe, 0 agente Pinbo Borga e-
vara a novo leilio as dividas acima declaradas, i-
clusivameote 3 lettras: os Srs. pretendenles poo a
desde ja vir exarninar a lisu dos deveoores la
mesma massa no escriptorio acima indicado.
Agente Pestana
leilao
DA
arrna<;ao, generos e mais utensilios da Uver-
na sita A rua da Concordia n. 211.
QUAriTA-FEIRA 25 DO CORRENTE
As' 11 horas en panto.
0 preposio do agente Pestana fart leilio, r t
conta e risco Je quem pertencer, d'armaeio, getJ-
ros e mais utensilios da inuit" afreguezada laverna
da rua da Ci ncordia n. 211.
Em um ou mais lotes, a vmtade dos Srs. con-
pradores.
Na mesma occasiio veoder-se-ba nm bom lc-
rador para c?.!i e nm moinbo.
Para o Rio de Janeiro
pretende seguir com muita brevidade 0 brigue
Isabel, tem parte de seu carregamento engajado :
para 0 resto- que Ihe falta, trata-se com 0 seu con-
signatirio Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, rua
do Bom Jesns n. 57.
Para o Para.
Pretende seguir com muita brevidade 0 palha-
em 6 do cor- bote Joven Arthur, tem parte de seu carregamen-
! to engajado, para 0 resto que lhe falta trata-se
Altaodega de Pernambuco, 21 de aovem- com 0 seu consigoatario Antonio Luiz de Oliveira
bro de 1874.
Servindo de inspector,
Pedro Lopes Rodrigues.
Azevedo, a rua do Bom Jesus n. 57.
CONSULADO PROVINCIAL.
Nesta reparticao arrecada se novamenle duran-
te 0 corrente mez as importancias dos apparelhos,
encanamentos, differences e annuidades devidas a
companhia Recife Drainage, no trimestre de julho
a dezembro de 1872, pelos ptedios sitos as ruas
do Marquez do Herval e Padre Nobrega, isto de
conformidade com a portaria do Sr. inspector do
thesouro provin;ial e as novas relates era subs-
tituicao as primeiras.
Consulado provincial de Pernambuco, 2
de novommbro de 1874.
0 adrrinistrador,
Antonio C. Hachado Rios.
Navios entrados no dia 21.
Buenos-Ayres 20 dias, brigue hespanhol
Francisco, de 120 toneladas, capitao Je-
ronymo Ferrer, equipsgem 13, em las-
tro ; a" ordem.
Cardiff 59 dias, patacho iDglez Rio,
de 305 toneladas, capitao William Bryant,
equipagem 8, carga carvSo ; a" ordem.
New-York 40 dias, patacho ingiez Geor-
gina, de 195 toneladas, capitao Bartting
equipagem 8, carga varios generos; a
Johnston Pater & C.
Acaracu pelo Assu I'd dias, sendo do ulti-
mo porto 8 horas. Hiate nacional Olin
da, capitSo Mariano de Souza, equipagem
7, carga dilTerentes generos; a J. J. da C.
Lages.
Terra Nova 42 dias, escuna ingleza Co-
melford, de 161 toneladas, capitao Bell,
equipagem 7, carga 2,540 barricas com
bacalbdo ; a Saunders Brothers & C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Amarrac&o, no Piauby Vapor nacional
Ipojuca, commandante Moan, carga va-
rios generos
Rio Grande do Sul Barca brasileira Mi-
mosa, capitao Manoel Pereira, carga as-
sucar e outros generos.
Portland Patacho aTnericano Ernest, ca-
pitao Sennete, enrga assucar.
3Iosser6 e escala Hiate nacional Joao
Valle, capitao Antonio Barbozu de Andra-
de, carga varios generos.
0 Dr. Quiucino Jose de Miranda, juiz de direito da
1" vara civel da cidade do Recife de Pernambu-
co e seu termo, por S. M. 0 Imperador, a quem
Deus goarde, etc.
Faco saber pelo presente edital, que nos termos
do ait. 1 do decreto n. 1,695 do 1 de setembro
de 1869 e dentro do prazo de 30 dias, contados da
publica^'o do presente, este juizo recebera pro-
postas em cartas fechadas para arrematacao Dor
venda da escrava Luiza, preta, de idade 36 annos,
doseivico domestico, avaliada por 400 Q00 reis,
cuja escrava vai a pr3ca a requerimento do raven-
tariante Dr. Angelo Henriques da Silva, dos bens
deixados pelos linados Joao Frederico Koop e sua
mulher D. Lourenca Vellozo de Azevedo Koop,
sendo que dita escrava acha-se em poder de AJol-
pho Roberto Koop, onde podera ser exami-
nada.
E para qne chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar 0 presente, que sera afflxado no lu-
gar do costume e publicado pela imprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 13 de novembro de 1874.
. Eu, HeBrique Cecilio Barreto de Almeida, escri-
vao, 0 subscrevi e assigno.
Racife, 17 de novembro de 1874.
Quint ino Josi de Miranda.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda, juiz
de direito especial do cemmercio desta cidade do
Recife de Pe'rcambuco, por S. M. 0 Imperador,
que Deus goarde, etc, etc.
Faco saber aos que 0 presente edital virem ou
delle niticia tiverem, que pelos administradores da
massa fallida de Joaquim Ferreira Lobo, me foi
apresentada a classificacao de creditos da dita mas-
sa, a qua! e a seguinte :
Credores chirographariosPor letra : Jose Lo-
pes Alheiro, 2:500*. Em conta de livro. J0S0
Martins de Barros filho & C, 4:294*500, Monteiro
Rocha & C, 3:728*440, Luiz da Silva Ferreira,
2:248*650, Jose Marcelino da Rosa & Filhos,
2:203*990, Alheiro, Oliveira k C, 1:352*589, Ma-
galhies & Irmao, 1:173*280, Alfredo Prisco Bar-
bosa, 1:093*920, Barros Mendes & C, 1:091*,
Joaquim Felippe da Costa, 776*490, Fernandes da
Costa & C, 770*500, Francisco Guedes de Araujo,
976*7.15, Ferraz & Pereira, 751*980, Thomaz de
Aquino Fonceca & C, 690*100, Severino Lyra,
486*240, Souza, Junqueira & C, 570*540, Lebre
& Reis, 434*760, Lima e Silva, 389.5750, Jose
Corre.H Braga, 383-560, Antonio Jose Maia Junior,
340 j, Caaba Irmaos & C, 240*, Antonio Martins
Leite, 231*100, Joao Chrysostomo Goncalves Rosa,
329*500, Snares Amaral & C, 201*160, Jose Cor-
riia Br.;.ga & 0., 157j, Daniel Francisco Henriques,
saldo d- ordenad g, 185*080, Guimaraes & Alco-
forad.i, 100*800, Adimson Howie k C, 60*. Mi-
guel Pires Branco, 21*120.
C-edores que pitn aprestntaram titulos.-Era
conia de livro : Jose Duar'e das Neves, 605*. Kel
ler 4 C. 40*, Tasso Irmaos & C, 2.303*385, Can-
dido Alberto Sodre da Motta, 179J1130, Antomo
SANTA CASA DA M1SER1CORDIA DO
RECIFE
A illuia. junta administrati'a da Santa Casa da
vjisericurdia do Recife, raand* fazer publico que
j 1 j^la de suas sessoeSjO dia 18 lo novembro;pe-
'as 3 horas da tarde, tem da ser arrematada3 a
jusm mais vantagens offerecer, pelo tempo de urn
a tres annos, as rendas dos predios em seimida
ioclarados.
ESTABELECLMENTO DE CARIDADE
Vidal de Negreiros.
Casa terrea n. 94.......301*006
Rua larga do Rosano.
V andare loja n 24 A fechada 3105000
2.* andar n. 24idem......408*000
}. andar n. 24 A idem 251*000
Rua de Antonio Henriques.
"asa terrea n. 26 ..."-. 99*000
Largo idem n 11 (fechada). iiem. 120*000
Rua do Coronel Suassuna
l andar do s brado numero 94 386*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua do Commercio
Sobrado n. 30 ....... 800*000
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. 400*000
Becco das Boias.
Casa terrea n. 18.......421*000
Rua da Lapa.
Jasaterrean.il.......202*030
Rua do Amorim.
Sobrado de 2 andares n. 23 602^000
Casa terrea n. 34......"2 2^000
Ruar do Bngos.
Casa terrea n. 21.......153*000
Rua do Vigario.
I' andar do sobrado n. 27fechala 243*000
! andar do mesmo idem ..... 240*000
Loja do mesmo fechada.....300*000
Rua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fechada). 1:400*030
Rua da Senzalla velha
Idem n. 16........209*000
Rna da Guia.
Casa terrea n. 25.....209*0O(
Idem n. 29 .... 20l*00f
Rua da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada). 800*000
Idem n. 14.........600*000
Rua de S. Jorge
Casa terrea n. 103......207*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
CONSULADO PROVINCIAL
De conformidade com a portaria do Sr. inspec-
tor do thesouro provincial se declara aos contri-
buintes que deixaram de realisar 0 pagamento de
seus debitos devidos a companhiaRecife Draina-
ge-no semestre frado em junho de 1873, pelos
apparelhos, d fferenca dos mesmos, encanamentos
e annuidades, que 0 podem fazer, visto achar-se!
prorogado 0 recebimento ate 0 fim do corrente'
mez.
Consulado provincial, 18 de novembro de
1874.
0 adminislrador,
Antonio C. Maehado Rios.
Rio de Janeiro.
Brfgne V Paulo.
Sahira com brevidade : para carga trata-se na
rna do Vigario n. 7. ___________
Costa d'Africa
Segue da Bahia em 30 deste mez, para 0 porto
de Onnim, na Costa d'Africa, a barca portugneza
Josephma, tendo bons commodos para passageiros.
Terceiro
LEILAO
Segunda-feira 23 do andante mez, vai de
novo a praQa a casa da travessa do Pocinho n. 18,
finda a auJiencia do Dr. juiz de orphaos, ao meio
dia, avaliada por 1:600?.
Arrematacao
Segunda feira 23 do corrente, depois da audien-
cia do Exm. desembargador juiz de orphaos, vai a
pra;a de venda a parte do sobrado n. 78 da ma
da Imperatriz, pertencente a finada D. Rosa Maria
do Espirito S;.nta, no valor de 10:981*186, com 0
abate da quinta parte 9:252=218, a requerimento
da inventariante, para pagamento de dividas e lo- j
gado.s podendo os pretendentes verem 0 escripto
em mao do porleiro dos anditorios.
Em audieocia do dia 7 de dezembro do cor-
rente anno, e perante 0 Sr. Dr. juiz de paz de N.
S. da Graca, se ha de arrematar uma casa de taipa,
sita no Campo Grande, com frente para a estrada.
Libras eslcrlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Coramerci> : 42.
ifc.
m.
DAS
armaches, moveis, drogas e mais utensilios
existentes em a botiea denominada Popu-
lar, sita em a rua da Imperatriz n. ..,
pertencentes & massa fallida de Goncalves
Fialho & C.
HOJE
A'S 11 HORAS DA MANHA,
0 agente Dia, corapetentemente autorisado pe-
tendo 1 porta e 2 janellas de frente, e cozinha aber- lo Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, levara
ta, em caixao, em chao foreiro, avaliada em 300*, a leilao, no dia e hora acima indicados, as arma-
para pagamen:o da execucao que move Agapito coes, moveis, drogas e mais utensilios existentes em
Antonio de Barros a Claodino de Jesus Bandeira. 0 referido estabelecimento.
No dia 23 do corrente, depois' da audiencia 0man;1a do Dr. juiz de direito da 1' vara civel, vao a praca Proci*0? aeha-se era poder ao mesmo agente, onde
com 0 abatimento da quarta parte, os objectos Poae de^e ser exammado pelos Sr^. pretdentesen,
axistentes na eucaderoacao da rua Duqne de Ca- !
xias n. 21, por 375?, valor da adjudicacao, 031
quaes foram penhorados a Raymundo I'araizo,
por execucao de loifi. Firmioo Alvares Quintal. i
DOS
bens e dividas pertencentes .1 massa Mil
de Rostron Rook QLTNTA-FE1RA 25 DO CORRENTE
as 11 horas da manha
Em 0 1 andar do sobrado ja rua do Mar
de Olinda n. 37.
0 agente Dias, levara pel., terceira vei a leii. :
por despacho do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com-
mercio, no dia e hora acima indicados, os bea e
dividas pertencentes a mas'a fallida de Rostr B
Rook <& C., os quaes tao os seguintes :
Os nireitos que teem os referidos fallidoi no t
minio e posse na metade dos ternnos de marioht.
litos no Caes do Ramos, e aforados perpetuameo e
ao conselheiro Felippe Lop"s Xetto, terrenes av.i-
liadjs todos em 36:624^600.
0 direito que teem n'uma casa e sitio no larj
da igreja da Torre, tendo a frente para on:.--
com SOOpalmos, e o fundo para 0 snl com 800, : -
cando entre 0 sitio do Sr. Gautier e a proprieda:-
da famiiia do Barao do Rio Formoso. avahada -
3:000000.
E as dividas na importancia de 273:427^88*.
0 manda Jo era o qual se acham descnpic?
devedores corn as respectivas quantias e datas d *
vencimentos dos titulos, e todos os mais esclar
cimentos preeHos, acha-se em poder do agente, sa-
fe desde ja pode ser examinado pelos Srs. preten-
dentes.
Feira Semanal
$m vMtrmm
um oom piano
louca, vidros e
OiUM\UB V BUASILEIRA
DE
\AVEGACA0AVAP0R
Portos do none
arremat
acorapan '
pagar ale
que for seg
memo com
peza e preco
Secretaria
cife,
as suas riancas, ou comparecerem
dos respectivos fiadores, devendc
vrenda. 0 premio da qtiantia em
0 predio qne contiver estabeleci-
%l, assim como 0 servico da lim
1 apparelhos.
1 nta Casa dagMisericordia do R
17 de sstembro de 1874.
0 escrivao,
_______________Pedro Rodrigues de Souza,
Companhia Fidelida e
Seguros maritimos e terrestres
A agencia desta companhia toma seguros mari-
timos e terrestres, a premios razoaveis, dando nos
ultimos 0 solo livre, e 0 setimo anno gratuitj ao
segurado.
Feliciano Jose Gomes,
____________Agente.
Thomaz de Aquino Fonceca k C.
Snccessores
sascam por todos os vapores, sobre as segninlei
pracas :
Li s boa. Regoa.
Porto. Chaves.
Braga Villa-Flor.
Vianna. Mirandella.
Viseu. Alij6.
Guarda. Favaios.
Coimbra. Braganja.
Guimaraes Lamego.
Rio de Janeiro.
Na rna do Vigario n. 19.
0 Illm. Sr. inspector do thesouro provincial
manda fazer publico, qne em cumprimento da or-
dem do Exm. Sr presidenle da provincia, de 11
do andante mez, tem de ser conlratailo perante a
junta do mesmo tbesonro, no dia 26 do corrente,
0 fornecimento dos moveis precis.) Mra as e>eolas'l
do sexo masculino, do Campo Gra In, ^iraJa no-
va de Beberibe, Coelhos, Campn '.. ;: 0'
de Maranguape ; e do feminii. ife d^ N.
S. da Graca, na Capuuga, c t taLella
abaixo mt-ncionada.
Commandante Guilherme Wa-
dington.
*"-\ i E' esperado dos portos
do sul ate 0 dia 27 do
corrente e seguira para
os do norte depois da de-
mora do costume.
Oonios
(omuiar.ilanli'
irem de cozinha, existentes no hotel da
rua do Marque/, de Olinda n. 64, pri-
meiro andar.
fTERQA-FEIRA 24 DO CORRNETE
AS i I HORAS DA MANHA
0 agente Dias, corapetentemente autorisado, le-
vara a leilao, no dia ehora apima indicados, os
j moveis e mais artigos existentes em 0 referido
hotel
A saber 1.
1 I'm bom piano, 1 espelho com moldura doura-
da, 1 guarda-louca de amarello, 1 mesa elastica
de dito, i consolos de dito, 1 mesa redonda de di-
to, 1 quartinheira de dito, 1 aparador de dito, 1
mesa para jogo, 1 relogio de parede, 18 cadeiras
de guarnicao, 2 cabides, 1 deposito para facas, 1
marquezao de amarelfo, louca para almoco e jan-
tar, copos, calices e garrafas para vinho, bules de
'. metal, 1 trem de cozinha, vinhos elieores de di-
versa3 qualidades, e muitos outros artigos que ea-
1 tarao patentes ao exame das Srs concurrentes no
dia do leilao.
E' esperado dos portos do norte
ate 0 dia 28 do corrente e se-
guira para os do sul, depois
da demora do co?tume.
Para carga, encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
________________Agentes.__________
Campanula do nave^acfto a va-
por bauiana, limitada
Espera-?e da Bahia por
Aracaju', Penedo e Ma-
ceio, 0 vapor S. Salvador,
LEILAO
ate 0 dia 23, 0 qual segui-
ra para os portos acima
no dia seguinte ao de sua'
chegada.
Recebe-se carga, encommendas passageiros e di-
nheiro a frete.
Agente
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.
57Rua do Bom Jesus57
DE
dividas na importancia de 7:061JJ502, mas-
sa fallida de Bernardino Pinto Coelho
TERCA-FEIRA 24 DO CORRENTE
J?0 agente Martins, levara a leilao pela segunia
vez, por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do
com.-nereio, as dividas activas da massa fallida de
Bernardino Pinto Coelbo.
No armazem da rua do Imperador n. 48.
AL's 11 haas do dia acima.
mobilias completas de jaca-
randa e amarello, santua-
rios, mesas elaj-ticas, 1 ri-
ca secretaria. espelhos cor 1
molduras douradas, qua-
dros com Anas gravura^.
camas fraQcezas de jaca-
anda e amare-Io, guard t
iougas. pianos, commoda-
e meias ditas. crystae-.
objectos deouro e prate,
relogios de algibeira ouro e prata, 'riiadezasdi-
versas, marquezoes largo-
e estreitos, 2 espingan i
de 2 eanos7guMi'dascomi-
das, iiguras de porcelana.
jarrospara flores, quarti-
nheira s, cabides, guards
roupa. guarda vestido, am
lustre de gaz carbonic*,
redomas devidro, machi-
nas de costura, grandc
quan{ idade de trastes avnl-
sos, e immensos artigos do
uso domestico, cjue serao
vendidos a queima roopa.
por conta de diversos
OLTNTA-FEIRA 26 DO CORRENTE
A's 11 horas da manha
16Rua do Ifiipcrador-16
ARMAZEM
LEILAO
Para Lisboa
vai sahir com muita brevidade o logre portuguez
Julio, e recebe carga e passageiros: trata-se com
os consignatarios Thomaz de Aquino Fonceca &C.
Successores, a rua do Vigario n. 19.
Real companhia de paquetes in-
glezes a vapor.
DE
dividas na importancia \de 3:3318280,
massa fallida de Josi Narcizo da Silva
TERg.A-FEIRA, 24 DO CORRENTE
0 ageato Martins, levara novamente a leilao, por
mandado do Illm. Sr. Dr. Juiz especial do commer-
cio, as dividas activas da massa fallida de Jose
Narcizo da Silva. *"
Ho armazeui da rua do Impe-
rador n. 48
_______A's 11 horas do dia acima
LEILIO
No dia 26 do cor-
rente espera-se da Eu-
ropa o vapor inglez
iVia, commandante I'k
VuLSL Sff casas terreas
me seguira para Buenos-Ayres, tocando nos portos Travessa do Pocinho n. 38, ou rua do Bartholo-
da Bahia-, Rio de Janeiro e Montevideo. meu, tendo um quarteirao de casas ns. 1, 3, 4, o,
6,7 e 8, as quaes rendem 12*000 mensaes cada
No dia 28 do corrente espera-se dos portos do uma> C0Q1 as commodidades seguintes: 1 sala e 2
sul o vapor inglez Douro, commandante Twaites, quartos.
o qual depois da demora do costume, seguira para Na rua Vinte e Quatro de Maio, autiga travessa
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e da Cadeia Nova, ns. 37 e 39, tendo cada uma 2
Lisboa.
Para passagens, frete3, etc., trata-se na agencia
-ua do Commercio n. 40.
As pessoas que quizerea cut.-'-r o Tefrei:op.:om oo capitao.
A barca portugneza Gratiddo, capitao Borges
Pestana, vai sahir breve : trata so com Silva Gui-
J raaraes & C, pra;a do Corpo Saato n. 6, 2 andar,
salas, 3 quartos, cozinha fora, quintaes murados,
cacimba e cambmne.
QUARTA-FE1RA 25 DO CORRENTE .
I as flt f |* horas
No escriptorio .n rua do Bom Jesus n. 53,
piimeiro audar.
0 agente Pinho Birges, autorisado, vendera as
referica^ casas em leilio, par conta e risco de
quem perttneer, e qualquer eszUrecimento, com o
DE
JOIAS
Xo dia 3 de dezembro proximo, se fara leilao ; r
inlervencio do zrente Martins, de todos cs pent
res.constantes &>* -autelas seguintes, visto i-
se findo o praz? das traisaccoes e sens donrs i
as reformarem.
A saber:
N. 1502, 1.W3, li0.i, 1583, 1784, 1836, 18 *,
1936, 2050, 2091, 2095, 2192, 2254, 2256, 22,
2342, 2397, 2i36. 2448, 2458, 2481. 2617, V[J,
2737, 2738, 2750, 2799, 2802, 2807, 2867, 2871.
2896, 2929, 2945, 2972, 2987, 3007, 3023, 303i,
3037, 3045, 3060, 3065, 3076, 3093, 3096, 311.1,
3149, 3151, 3174, 3175, 3185, 3190, 3193, 319*.
3195, 3197, 3205, 3206, 3207, 3211, 3213, 32is,
3220, 3223, 3227, 3234, 3235. 3242, 3t0, 3251.
3i5i, 3260, 3262, 3265, 3273, 3277, 3280, 3285.
3288, 3293, 3298, 3300, 3304, 3309, 3312, 331S,
3320, 3321, 3326, 3327, 3334, 3339, 3341. 3354,
3358, 3366, 3373, 3384, 3394, 3397, 3399, 3406,
3410, 3415, 3119, 3432, 3444. 3460, 3458, 3480,
3493, 3500, 3508, 3517, 3527, 3529, 2533, 3553,
3556. 3572, 3579, 3889, 3596. A' travessa da rua
do Duque de Caxias n. i, I* andar, podendo di-
tas cautelas serom reforms das, pagando o prera -,
ou resgatadas ate o bater do martello.
avisos ovf nsos
Aluga se a loja do sobrado n. 29 da rua da
llha do rarvalho : a tratar na rua das Larangt-
rasn. 18, I* andar.
raes:.-!
''.'ste.
Offerece-se nm nmco, na lunal, com pi
Sara caixeir.. de taverna, o qual da cuuheciir.ee:i
B sna conducta : a tratar na rua do Visconde Ce
Goyanna n. 97.

'




J
Diario de Pernambuoo Segunda feira 23 de Novembro do 1874.
-
i
AMA
Precisa se de uma ama
para corinhar, preferindo-se
escrava: a tratar a rua do
Capibaribe n. 40._________
Urgencia '
De*eia-se fallar com o Sr. Antonio Vicente de
Magalhaes on sea procundor, a negocio de sea
interesse : na rua do Imp rador n. 83, primeiro
andar.
Aluga-se a casa terrea n. 58, a rua de S.
Joao, para pequena familia, preqo de 145000 por
met : a tratar na rua esireiu do Rosario n. 17,
das 10 as 2 boras da tarde.___________________
Precisa-se tratar com quera queira vender
SOO feixes de capira, diario, mandando botar no
porto, pagando-se da mesma forma : quem tiver e
qaiier vender, annuncie para ser procnrado.
Alnga-se por comraodo preco o 3* e 3* anda-
res da casa n. 3 da rua da Penha, e a casa terrea
n. 34, na Gapunga, rua da Ventnra on porto do
Lasserre : a entender-se com o proprietary, no
aegnndo andar da casa n. 41, a ma do Range!.
CASA DO OURO
Aoj 4:0001000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 30, e casa do costume
0 abaixo assignado acaba de vender nos seas
maito felizes bilhetes a sorte de 700*000 em
meio bilhete de n. 3671, e am bilhete inteiro de n.
2420 com a sorte de 100}, alem de outras sortes
menores de 40*000 e 20*000 da ioteria que se
acabou de extrahir (123*); convida aos possuido-
res a Yiren receber, que promptameate serlo
mesmo abaixo assignado convida ao respeit*
vel poblioo para vir ao sea estabelecimento com-
prar os maito felizes bilhetes,qae nao deixarao de
tirar qualqaer premio, eomo prova pelos mesmcs
aanoBcws
Acham-se a venda os maito felixes bilhetes ga-
*antidos da 1' parte da Ioteria a beneflcio d
igreia do Rosario de Serinhaem, qae se extrahira
no 4U sabbado, 28 do corrente mex.
Precw
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De 1009000 para elm.
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Recife, 12 de novembro de 1874.
______________Joao Joaquim da Costa Leite
xPP^ !!!
A MAO GRANDE
Aponia para o fndiro
Ou a fuiura. .
Tempo on occasiSo
Em que se devem .
Realisar. .
Alguns casamentos
Para 0 qne. .
Desde ja e ja. .
A confeitaria. .
Do Campos. .
Sem rival. ... /
Esta se preparando
Para fornecer tudo que e
Necessario. .
Aos noivos e aos convidados
Isto e. .
Bouquetes de novos gostos
Bandeja9 de novos gostos.
Tudo a capricho
Dos proprietarios da. .
Confeitaria do Campos
24 Imperador 24
E no intuito de merecer a preferencia, nao tem
,'ioupado despezas para apresentar
0 que ha de melhor e nunca visto.
GftUMIUA. '
AOS 4:000#000.
BILHETES GAMNTIDOS.
A' rua Prirneiro de Marco (outr'ora rua ao
Crespoj n. Me casas do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos seas fe-
lixes bilhetes um meio n. 1864 com 4:000*000, am
inteiro n. 3970 com 200*000, e outras sortes de
40* e 20* da Ioteria que se acabou de extra-
hir 025"), convida aos possuidores a virem re-
ceber na conformidade do costume sem descon-
to alguro.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidos
da 1' parte das loterias a benefieio da igrcja
do Rosario de Serinhaem (126'), qae se extrahi-
ra sabbado, 28 do corrente mez.
PREQOS,
Bilhete inteiro 4*000
Mc:o_biihete 2*000
Em porcao de IOQ& para eima
Bilnete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuza.
Aos senhores
pintores.
Oleo de linlup 118800
A' rapazeada.
Neiva k Bastos tem aberto 0 sea bera prepara-
do hotel da UniSo em Agua Fria de Seberibe,
janto a taverna do Sr. Regis, aonaa os apreciado
res dos presepios acharSo excelleotes petiseos, como
tambem amanba, dia da grande feta de Santo
Antonio, qne alii se venera ; por Isso espera a
coadjovacao de sens patricio?, tanto nacionaes
como estrangeiros vjrem ao sen hotel
Aluga-se a casa da rua do Visconde de Ale
buquerqae n. 25, tendo urn andar, sowo e pavj-
mento terreo, com agua e gax, pintado de, novo :
a tratar na rua do Vig no Tenorio, aimaiera de
massames, n. 5.
0 abaixo assignado fax scieata a quem in-
teressar, qae tem fueto e ccntralado com 0 Sr.
Jose Mamede da Fcnceca, a armacao e utencilios
de sen deposito de charutos e cigarros, na pra
pa do Condo d'Eu, e*qn n* do bscco do Tam-
bta, por isso, se alguma roclamacao hoaver a
fazer, depois dos tres dias da data do presente
annuncio nao sera attendida.
Recife, 10 de novembro de 1874.
._____________Manoel Placido da
Alnga-se a casa da rua da Palm a n. 63, mui-
to fresca e com grandes accommodacfies para fa-
milia : a entender se com 0 Sr. Bernardino Pon-
tual, a ma da Madre de Deos n. 36.
iNa rua das Trincheiras n. 39 se aluga uma
a sa terrea, nova, com 4 quartos, 2 salas, cozinba
quintal. A casa e situada era ama das melhores
nas da freguezia de Santo Antonio.
ESCRAVO FUGIDO.
Fugio no dia 11 de ontubro proximo passado 0
escravo Jose, mulato, allnra e corpo regulares,
pernas arqueadas para fora, pes chatot, -falla de
denies na trente, levoa camlsas brancas e de al-
godao de listras, calcas de casemira e de algodao,
chapeo preto de feltro. Este eseravo ja foi pegado
do engenho Carrapato, termo do Bio Formoso, e
de presumir que toroasse 0 mesmo destino : roga-
se as autoridsdes polici-es e capitaes de campo a
sna apprehensao, e leva lo a rua D. Maria Cesar,
outr'ora Senxala-Nova, n. 30, que se gratiGcara.
i
s
GO
- R*fi
2 8 B
B> ft
i&I
l*. to
*f 8
g- s
w ooa
ST
2.33
n-
ft
o
5

t*
u
a
I |fl
0 E w
1
<5 a> :
a .'
5:
2 g
g
M3
* a
f-
c S
CD

'*
8
*
ft
e
B
e
B
0 a
1 -t

rl
I g
W B.
1" &
CD *
p a>
S B
a
is
4
a
9
1
s
9
Si 9
~ tt 5
?Z til
a

o
i

B
5'
S

c
a.
- g.

9
5
Collegio da Concei^ao.
0 director desse collegio, sito a rua de S. Fran-
cisco n. 72, seivese do jornal para pedir pala
ultima vez as pessoas qne Ike sao devedoras de
mensalidades antigas e deste anno, dinheiro de
emprestimo e de fiancas que pagou, que se dignera
saldar seus debitos antes que elle se veja forcado
a lan^ar mao de meios que deseja ainda evitar.
Para os devedores desta provioeia da 0 prazo de
lo dias, para 03 do BiotJrande do None e Para
hyba e Alagoas 30, a conlar desta data.
Recife, 3 de novemdro de 1871. _______^^^
Aluga-se a sala e a alcova do 3." andar do
sobrado n. 70, a rua Duque de Caxias, proprio
para mocos solteiros : a tratar na loja.__________
e galilo
No armazem de tintas da rua do Impera-
dor n. 22.
Declaracao.
Neves, IrraSo & C. pelo presente declaram te-
rem perdido uma letra de seu saque datada de '>
de maio deste anno a 5 rae7.es de prazo, aceita pe-
lo Sr. Manoel Jos6 Mendes Bastos, de Garanbuns,
da qaantia de 800*, cuja letra toi per Jida em
.iagt.rn de Garanhuns para esta cidade, rogam
jois a quem quer que a tenha achado 0 favor de
entregal-a nesta cidade no armazem Baliza, a rua
do Livr-ment n. 38, visto de nada servir a re-
lerida letra por ja estar prevenilo 0 aceitante da
raesma que s6 pagara aos abaixo assignados.
Recife, 19 de novembro de 1874.
Neves, Irmao 4 C.
Ao Sr. Justino Pereira de
Moraes.
0 abaixo assignado arrematante das dividas da
roaasa fallida de Joao Hygino de Souza, pede ao
Sr. Justino Pereira de Moraes, morador na Imma-
calada, 0 favor de vir a rua Direiti n. 21 ultima r
-ua conta com referenda a mesma massa.
Recife, 23 de novembro de 1874.
_______________Jose Bicardo Faria.
Ndo ha mais cabellos
brancos.
Tiatura japoneza,
S6 e uitifta approvada pelas academiasde
sciencias, reconhe- ida superior a tod a que
tem apparecido ate" boje. Ot-posito princi-
pal d rua da Cdeia do Recife* boje Mar*
quez de Olinda n. 51, 1 tVJM', e em todas
as boticis e casas de cbpllfinjros.
Aloga e a sala e a>&>va do 1. audar e mes-
mo todo 0 1* andar, proprio para escriptorhb on
pequ^na familia : a tratar na rw ds Duque de
Caxias na loja n. 32.
100$
Fugio da povoagao de Caranhas, terrcc da villa
de S. Joao do Cariri- Ve>ho, 0 escravo Braz, mula-
to de cor clara, cabell.s chegaado a carapinha, al-
tura regular, theio do corpo, nariz chato, olhos
acastanhados, peneito de deDtes na frente, faltan-
d)-lhe queixaes. barha niio rauito cerrada, pes
eamb.dos, com signaes de ealor de ligado nos cal-
canhares, cam maicas do relho nos quattcs, cabe-
fa grande, t unador de lorrado, cachlmbi^t3, sam-
beiro e gostador de rapariga : quem 0 pegar, le-
ve-o a casa de seu senbor, 0 abaixo assignado, que
recebera a gratificacSo acima, e mais, conforms
seu traballio : pede se as autoridades policiaes qu
por sua vez empregnem todos os meios para a
captura do mesmo escravo, e protcsta se contra
quem 0 tiver occulto.
Alexandre Correia de Qaerox.
[Tor
1
0 ac'.ual administrador da grande propriedade
Apipucos, acbando-se em embara^os para poder
regularisar 0 interesse de todos os consenhores da
mesma propriedade, por isso pede aos mesmos con-
senhores que tenham a bondade de comparecer
no escriptorio da capella de ncssa propriedade, as
3 boras da tarde do dia 29 do corrente, para nma
reuniao extraordinaria, afim de mostrar os emba-
rarns que tem encontrado em sua actual adminis-
traijao, assim 0 espera 0 mesmo adminis'rador que
Vv. Ss., alem de seus interesses, comparecam no
dia acima indicado. Apipucos, 14 de novembro de
1874. _____________________________
Aluga se pelo tempo da festa uma boa casa
muito fresca, sita a estrada da Torre, a margem
do rio : na rua do Marquex de Olinda n. 62.
No Rosario larga rua
0 trinta e seis con tin ua
A dispor d'um npvo sortimento
De cestas, acafates, balaios e bergos,
Aos interessados chegou 0 momento
De tudo terem a iQlimos preos.
Ao antigo deposito de pao e cestas da rua lar-
ga do Rosario, chegaram da Europa os muito
pre-'.imosos acafates de vime brancos e de cores,
para todos os misteres das familia?, especialmen-
te de costuras ; bercos volantes para criancas ;
balaios de meninos aprenderem a andar ; bande-
jas medianas e grandes de distribuir reupa en-
gommada ; balaios roupeiros de deposito de rou-
pa flervida ; ditos de botar papeis rasgados nos
escriptorios e cartorios ; ditos faqueiros de vime ;
ditos com pe para por fructas na mesa ; ditos ra-
so8 de por 0 pao idem ; pralinhos de vime idem ;
ninhos de canarios para viveiro ; maracas cober-
tos de palba, fones ; conde^as e condeclnbas,
eBtas para doces seccos e aquellas para acondi-
cionar roapas brancas e de chita, de quem passar
dias no campo ; cadeiras de vime branco, com
braeos cestinhas floas,. optimas para as senbo-
ras nos passeios depositarem objeetos de minde
zas ; eestinbas de correia-madeira, de meninos
nos sitios apanharem fructas ; cestas de vime de
todos os numeros para fazer-se as compras no
mercado ; eanastras de correia madeira, optimas
para a traSco de padana : capachos compridos e
redondos, nio grandes; gigas de vime grosso, pro-
prias para as prensas de algodao depositar as
amostras ; rolo de cera branca em novello, para
Inzes. Convidamos pois aQs nossos bons fretrue
zes desta cidade, da Parahyba e Alagoas, deter-
minera .-uns ordeas que ?erao fielmente cnmpri-
das, por inBmos precos aos anteriores.
Alnga-se a casa terr'a n S da rua do < a
pitao Antonio dc Lima, em Santo Amaro : a tra
taf coni Maternu) L.ui a rua da Guia n. 54, pa
daria '*oai "mi-nin'eontrata se um amassadnr."
Aiuk- paw n. 17 da rua do -rogre so
aSoledadei : trataniy oa rna do Barao de S. Borja
(n. 34,
PUNDI.nAO DO BOWMAN
RDA DO DRUM R. S3
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhores de engonho e ontros agricultores, e compradores de ma
chinismo 0 favor de fazer uma visita a seu estabelecimento, para verem 0 novo sortimen
to completo que abi tem ; sendo tudo superior em qualidade e fortidSo ; 0 que com a ins*
trucc^o pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENQAO AONUMERO E LUGAR DE SUV FUNDICAO
V apOreS G rOuaS d'aglia dos mais modemos systemas e em tamanbos con-
venientes para as diversas circumstancias doa senhores proprietaries e para descarocar
algodao.
MoendaS de Canna de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
RodaS dentadas para auimaes, agaa'e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
MachmiSniOS para mandioca e algodao, e para serrar madeira.|ser movldos a mao
Rom ha a ^ )Pr a8ua> vaPr-
jjuiiiuab de patente, garantidas........ Uu animaes.
TodaS as HiachinaS e pecas de que se coatuma precisar.
Faz qualquer COncertO de machinismo, a preco mui resumido.
r Ormas de terrO tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
JillOOniDienClaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer machinismo a voutade dot
clientes, lembrando-lhes a vantagem de fazerem as compras por intermedio de pessos
eutt rulida, e que em qualquer necessidade p6de lhes prestar auxilio.
Arad0S americanOS e instrumentos agricolas.
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
PARAEVfiOMMVR
Precisa se de uma ama,
forra ou captiva, preferindo
se desta ultima condigao, que
saiba engommar e para ou-
tros misteres decasa de pe-
quena familia; a rua do Ca-
pibaribe n. 40.
>......nini iin !
Candldo Martins le Almeida
Roga-se aos parentes e amigos do
GnaJo Dr. Candido Martins de Al-
meida o candoso obsequlo de ouvi
rem uma missa, que tert lugar na
igreja da Gloria, as 7 boras da ma-
nha do dia li do corrente (segun-
da-feira), pelo 6* anniversario do
sea passamentii.
ODILON DUARTE & IRMAO
uIBELLEIREIBOS
Premiados na exposicao de 1872
RUA
DA
MPERATRIZ
W. 82
it/ ahdaM

RUA
DA
IMPERATRIZ
N. 82J
!. ANDAR.
Hnrla de Barros Mnuilcrlcj dos
Santos.
Jose Antonio da Rosa, tendo de
mandar celeb; ar uma misca na igre-
ja matrix de Agna-I'reta, as 9 boras
do dia !7 do corrente. por alma de
D. Maria de Barros Wanderley dos
Santos, trigesimo dia de seu passa-
mento, por isso convida aos paren-
tes e amigos do marido e da floada para assistirem
a este acto, e desde ja se coofessa agradecido as
pessoas que se dignarem apparecer a este acto de
c^ridade.
Acauam dic^Ses possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
quillo que for teudente i arts de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para hemenscomo para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, tran?as, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer tfabalho imaginavel em cabeflo.
0 estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de modes, e por isso pode vender 20 #/o menos que outro qualquer, garantindo
perfeicao no trabalho, agrado, sinceridade e preco razoarel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porceo e a retalho e todos os utensilios pertencentes i arte de cabelleireiro.
SSENCIA CONCENTRIDA
E
lywMffHI-
sKaigS
Pharmaceutico
Pela escola de Part
Successor de
Premiada na expo-
sicao de Vienna d'Aus- li
tria.
MEDALHA DE MERiTO
ARISTIDE SAISSET J. SODffl
Tratamento puramente vegetal verdadeiro puriflcador do sangue. sem mercurio.
A Essencla de Caroba e um remedio boje reconbecido como um poderoso depura-
tir? p especial para cura de todas as molestias que teem a sua origem na kapurexa do sangue,
como sejam : as molestias SYPHtt-rricAs, Boudaticas e Escrofolosas, Rheumatismo, Empingens, Dab-
troi, Ulcbhas, ErupcSes, etc. etc.
Os prodigiosos effeitos que tem produxido a Kssencia de Caroba. por toda parte
?nde ella tem fiuo apropriadamente experim6ntada, a tem feito adoptar como am dos medicamen-
: ;os mais seguros e mais energicos para a cura de todas as molestias de aatureza syphilitica
feoufeatica.
A cada fras^o aeompanha uma instruc^ao para a raaneira de nsar.
Pomada anti-darlrosa
Centra as afteojoes caianeas, dartbros, comiebSes, etc., etc.
I'Dguenio de Laroba
Fara cura das boubas, nlceras, cbagas antigas, etc., etc.
UNICAMENTE PREPARADO POR
ROBODAYWL IRMAOS, SUGCESSOBES
Botica Franceza
22 Rua do Bom Jesus 22
ANTIGA RUA DA CRUZ )
ARMAZEM DO VAPOR FRANCEZ
N. 7 Rua do Barao da Victoria, outr'ora Nova' N 7v
0 dono deste estabelecimento tendo de ir a Europa, vende a prejos baratissimos odos ossens
atrigos, como sejsm
Calfado francez
para homem
enhora*
meninos
e meninaw.
Botas e perneiras inglezas
de montaria.
Milias de vime e.dejaia.
Vende-se muito em conta", cadeiras avulsas, de
balanco, de bracks e de dobrar.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleo?, opiata e pds den
irifice, pfiua de flor de laranja, agua de toillete,
diVtoa, florida, lavande, pos de arrox, sabonetes,
posraeticos. mnitos artigos delicados em perfuma-
ria para presenter em frascos de extractos, caixl-
ohas sortidas p garrafas de differentes tamaBhns
d'agoa de Cologne, tndo de primeira qualidade
j'.s t!m wBjief.i'los :abrv9H|t^ P'W ? ''":'-,r'v-
Bons pianos.
Bos melhores e mais modernos modelos de
Blondel : vende-se, troca se e alnga-se.
Quinquilharias.
Artl^os de differences gostos ?
phantasias.
Espelhos, leques, lavas, joias d'ouro, tesourinhas
canivetes, caixmhas de costura, albuns, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de velludo,
ditas de cooro, e cestinhas para braeos de meninas,
chicotes, bengalas, oculo, pince-nex, ponteiras para
charutos e cigarroa, escovas, pentes. carteirinba de
madreperola, tapete para lanternas, mala?, bolsas
de viagens, venesianas para janellas. esterioco-
pos, lanternas magicas.cosmoramas, jogoe da gloria,
i ^am58' de ba8atella. quadros com paisagens,
gtonos de papel para illnminacoes, machinas -de
taxer cafe, Mpanadn^s depalhss, realejos de veio,
accordaos, carrlnhns. marnadeiias de vidro para
darleite as criancas e muit s outros artigos.
Briiiq\ed().s {>;i a, meninos.
A major variedade qm- se p6de desejar de to
dos os brinq^iodo!. fatiricados em diffenite? parte
da Europa. psrj entrnfim(*ritr das erianraf, tad<.>
ir u ': j ;-.;!.
Na rua do Rosario n. 16, ha mais uma es-
crava para alngar.
Qu*ra precisar de um olli.-ial de machinista
ferreiro com as habilitacoes necessarias para qual-
quer trabalho tendente a ferro on m-tal, e tomar
conta do manejo de engenho, sendo fora de.-ta pro-
nincia, puie dirigir-se a rua larga do Rizario n.
13 que achara com qnem tratar.
AdminUlrajJo: PAR1Z, 12, boulerard Montmartre.
SRMDE-SRILU.AffeajSes lymphatiou, doenjas
das rial dlgestlvu, obsli ucgOcs do flgado e do bifo,
obstrucfdea vlacora**, concncSes calcolosaa da bile.
HOPITIL. AITec;0es daa la dlgcslivu, incom-
nodas do eatoraago, dlgeatlo diaic.l, iiiap;ctenda,
gaatralgia, djipepiia.
CtLESTIHS. AffeccOea doa rim, da bcxlga, areias,
concrecSea daa oarinaa, gota, diabetes, albuminuria.
HtUTER IVE. AffeccOea dos rlna, da bcxiga, areias,
concrecOes daa onrlnas, gota, diabetes, albuminoria.
EXIGA-SE
o HOME da FDEKTE na CAPSDLA
As Fontes de Vichy, acima nomeadas, achlo-se :
Em Pernambuco HtSISHENDT e LAEtlLLE rua
do Commcrcio. 1
ItETALHA-hK
Na botica franceza n.
Una de Bom .I>*(i r
i******u Verdadeiros
GRAINS
de Sa/i/e
eba docteur
Fbaaxk.
s*+GRAOSDESAUDEJ
,* * -j melhor e o mais
< ulil dos purgantcs con- |
heitidos. inimcrs-
*:: fnllUcr<)CB>
exiktcsu dieauionlo.Exigir,
alem di assignaluraem tiota VEHlItB UUk
I de A. aOXrVIERB, 0 letreiro, aqui junto
' feito cm 4 CORES.
Paris, pbarmacia a.eroy, 13, rua il An'.in.
Depofito cm Pernambu o, A. RCflO'iD.
Paris, 36, Rua Vivlenao, D"
[H;M:,M MDECI STtCIU
Ds SSSS3IDADAi DCS snotBS, IS tmcjOM
fi um' Ar.TKHicors DO SARGOE.
"* '.' 1,000 cu ras d as i/pia-
r-nt.pustulds, herpes,
"\ma, comixoes, acri-
nonia, ea!lercoes,vi-
___ciosas do sangue, vi-
rus. saUemtoei :> sangue. (Xarope vegetal
sem mereurio'j. Doporatlvatt vegotaos
b.xhM HINEHAE8 tomao-se. dmi- por
semaua, segaindo o tractaaiento Ueptiratiio: t
empregado n-is memM molestias.
I Este Xarope Curacto d
ferro deCHABLE, cun
imme'diatamente qual-
quer purgacao, reta-
1 racoo, e aebilidadt,
o iguiiuieutu o jiujos e flores brancas das
mulberes. Esta iuicccao oemgua empregass*
com o Xarope de Citraeto de ferro.
esaorraKas) Pomada qne as cura ems dias.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: nas ajfeccoes cutaneas e comixoes.
PI/.ULAS VEGETAES DEPURATIVAS
do r chable, cada frasco vrai accompahada
de um folfaeto.
dn SANG
PLUS DE
COPAHU
AVISO AOS SRS. MEDICOS.
Sir op du
dTOKGESF
I Cura catarrhos, tons*
coqueluches, irriinfdct
nsrvosai tat dot broitr-
Chios e ludai at docnfst
' do peito; buU ao doenta
ama oolbe rchdea deste xarope D' Forget.
5r. CHAXWdal sb Paris, rua viTtesua,
i t-pusii'i not ra rranceza
22 Rna da Cruz 22
Salsaparrilha de Ayer
PARA PTJRIFICAR O SANGUE.
0 retjonie de qne goza este ex-
cellcnte remedio 6 devido ft mi'Iia-
res de enras que tem operado, nra-
itas das quaes sao verdadeiramente
raararilhosas. Innumeros s&o os
casos em oue o systhema, parecen-
do saturado da podridao de enfei
midades escrcdulosas, tem sido
promptamente rcstittiido a sadde.
As aSeccoes e desordens, aggrava-
das pela contaminacao escrtifulosa,
ate^ produzirem ddres mortificantes,
tem sido tarn radical e tarn geralmente curadns por elle, em
todos ns pantos do Imperio, que o publico mal precisa de ser
infbrmaao das suas virtades e do modo de usnl-o.
0 veneno escrofuloso e um dos mais destruidores inimigos
da raca humana. Ora, senhorea-se occulta e trnifooiraniente
do nosso organismo e deixa-o fraco e inerme contra molestias
fataes. Ora, patenteia a infeccao de que corrompeu o corpo
e entio, em momento opportuno, lai-ra rapidomente sob algu-
ma de suas hediondas formas, ja na cutis ja nos orgams
Titaes. Neste ultimo caso deposita, muitns vezes, tuberculoa
nos pulmo<>". r.o figado, no coracao, etc., quando nao se inau-
ifesta em foes, rnmores, etc.
A inim.,, tau; nerigoso e tam perfido nunca se deve dar
roarida, e p. T.ei,.' o e sempre melhor do que combattel-o.
Assim, antes i a, -rtcerem os proprios sympthomas actitot,
O nsa da 8 ALB.i I hHlLBA. DE ATE It podera evitar
resultados funesto.
As pessoas que sc!i.->m de Erysipelas, Fogo de 8. An-
tonio, Dartros, Emplgens, Rheumatismo, Tnmores,
Ulceraa, a sensibilidade dolorosa nos ouvidos, olhos, &c.;
dor nos ossos; Dyspepsia ou Indlgrstors; Hydropcsla,
Molestias do Coracao e do Eigado, Epylepsia, Aer-
ralgla e de varias ontras affeccocs do systhema mnsoular
nerroso, acharao seguro allivio usando desta 8AJ.SAPAR-
T. 11.11 A DE AT Eli.
A Syphilis on molestias Tenereas sao enradas com o
feu uso, posto que seja neccscario mais dilitado espaco de
tempo para subjugar tam impertinentes enfermidades.
A Leucorrhfa, OU Flores Brancas, as nlceracoss literi-
nas e em geral as molestias das mulheres sao tambem allivia-
das e uSteriormente curadas por seu effetto pnrificador
ligorativo.
0 Rheumatismo c a Gotta, quando causados por accu-
mulacoes de materias extranhas ao sangue, cedem-lhe facil-
t.ecte, de mesmo modo o Mal de Figado, Congestao on
Tnflammacao do Figado, Ictcrlcia, quando sao oriuudas
de mans residuos no sangue.
A Salsaparrilha e um excellent* reatanrador da
forca o vigor do systhema.
Assim, todos OS que soffrerem Languor, Phlrgma, Des-
tnaius, Insomnia e que sao ii.comraodados com Appre-
hensoes e Tenmres liervosos ou qualquer outra afltcoao
troTonieate de Debltidade, acharao do seu poder reiiova<'or
e mais seguro oxpediente de prompta cura.
FBEFABADA FOB
J. C. Ayer & Ca., Lowell, Mass., E. U,.
t .'i.'mi'cos Praeticos e Analytical.
VEJTDK SE POIJ
Engommadeira.
Precisa se de ama engommadeira pan eogom-
marpara daas pessoas: a mlar na tnTetu 4a
rna do Vifario a. I, das 9 boras is 4 da tarie, on
no segondo sitio, depois da estacio do Chaca.
No dia 16 de mex de ontubro proximi pa-
sad9, do corrente anno, desapptreceu da <* dr
,-ua senbora, o oejro Manoel, sem net linuOi raz2n
o qul jiarece ter 30 anno* annos, e de iltnra -
fnssura rcpnlare?. muito preto, tem dentt* --aos
cria barba, com algnas cabellos buncos, Unto n*
br.rba como na c.bt-ca ; levoa ves tide calfa
,izul e cami-ia de riseado, e foi eompradc a Joa-
quim harbosa de Siqueira, morador em Pesqoeira.
d'tnie e" o negro tilbo. Qnern o p*fr l?ve-o a
casa de sua senhora, na Pas agem da UagsUleaa,
rua de Paysandd n. \% que sera bem recmp*n-
i-ado._______________________________________________m
I'recisa-se alugar uma esciava coxitheira
na rua da ImDeratriz n. 13, i' andar^__________
I
PARA 0
Natal-folia
Da t- s-t.-t lodos desejam
Ver o dia refplendent'-,
Dia que nos leva a men'.e
Do inflnito as ahuras:
Onde os anjos o amor beijam
E a caridade festejam.
Teem as almas tepultaras
Nas estrellas que (lammejam !
K n-.'sse dia em qne tem
Do jnbilo rasgar o felo,
E>iaalo the bem do meio
A vialra da alegria :
E' preciso que os amantr
Da pura gastronoraia,
Venham ja e qnanto antes
Do t'ampis ao am?xem.
Porque so assim lerao
A >ciencia do praxer :
Caaer bm, melhor fceber
Sem receiw-da maldade
Xetn da H superstirao,
Qoe jamais conseguirao
Supplantsr a liberdade
Not carceres dain^uisi^ao !
Rna do Imperador n. i8
Do praxer viva o requinte
Alegre cotto o trovio,
E da ksWaa a descrip<.ao
Kcparcm : e a seguinte :
Mesa giganta.
Presunto?, fiambres, paio, chon^ica-,fa'e^k
e llDgnieaB ; lombos de por:.* e de onrim,
aves em conseftas, re ixes > toaeialia ; ea uar".es
ostns, lagosta* e coe't;os com hervilbas; r< nserva*
legumes e champignons ; queijos laMOfea, pn-
tos e lonJrinos ; doces em calda e de |M '.>*
fructas em conserva, [;.-ac : mend. ;i-.
ameixas ; aletria, talharim e mawrrao ; iraruta
tcpicca e cincoenta qualidades de !na>: rnas -
nutrientes; cl a. mat", cafe e eb eobte tnm
hespannol, ptrtuguex e nacioual ; b !^ -tiinha-.
bolinhos e coofeits, maateiga iogtexa e f: >ncera
banha, arrci, batata?, eeboWM, alhts. c mil,
pimeBU, mo-tarda e molho iiiglex ; ar. -ii-.c.'-
dra, champagne, cognac, g>ml>ra. h. | redica.
bitters, licores e aguariltn'" dc cama ;
de Lwboa, Figueiia, Carcavell.?, Co4tar*, Rair-
rada. Bastos, Poitj, Borgniha e RoKJeanx ; ci-
garros, charutos e nma pr?! '< ( figaal
tidade de vietaalbas iar.- itaMaa, n i fal-
laado nas especialiiaatesd > iepara4os fuac
alii-mae-, ingleres, turro-. cbinexes, '
Uaiiaaos, nrussiano?, han;L.:'gaezes e MMl '
nos I
Alem dp que:
Bnccntra-se um imnu i -: ao*ida-
-.-jam : velas la1, ;?) t Teh li
de r '. bilhas, qn' ts, e
los objeetos degrmaei ...;.-.- h
maravil oleo as mf^amou prepan
sameni combalera pnjpjBtaaaau < api
car 0 *;M<-r::i nerroto I Ver pan cer.
Distr{iC(joes:
Or amaales das palestra* a boa piaflt,
trtr"-i ao
to fresco a igna i; is, 111 m n ki
eiaaaa, desinsdas te r^ico aos laadsr,
mesmos smai les pod rio sal earcmt
ioso d.' bbs elegaate mi
Ibores castores amerk > i e tiu co iu'
por uma bkhaiia domestica <- In'cressaiit l>
Moral i dad da couaa.
. :';i : 0! ; .: .nto
e vende pel i cmtt,
i ; i maito ] '
.-> so Can pi ; r ,
x isto qne e um p irteeMo
Dos geaeros < pal tar l
ugas .1 S >L : i
do Ail, ..:" n. !i, cm OhuJa : a tratar .
Ho la n. ". 1 andar.
0 abaixo assignado lend) ao sir n
meiro ......r psra H*hK
! qnem dSo so deseedta e oaa i l. i tem
p soa !. desealpa, a oil r
. onde | n I i '.
n bra i( IS71
6 imii P. da *
Aiii>nfa.
Wnga-s itva easa raa .'3
Hora ;.-. .;. a n Olindx : 1 rata* aa rna >t I
rarapes p. !.>. ou eai Olioda, no Vafadnati n. i.
- .\a rui as Kiore- n. 7, precisa se all
nma escrava para trafego de rua.
S\IMP\M1LU\
DI
BRISTOL
CURA OS CASOS .MAIS DESESPERADOS
A SAFSAPARRILHA DE BRISTOL puri
lica s raas
todas as materias e fezes viciosas e im >nras.
regula todas as secrecfles, di vitalfclade e
energia a todos-os orgios e dd forca e ti-
gor ao systema afim de jioder melhor resif.
tir a todos os ataques da enfermidadc. P
pois este um remedio constitutional. ED*
nutica distroe afim do poder eurar ; jiorern
constantemeute assiste a nalureza. Po-taatc
em todas as doencas comtituciomies etta to-
dos ai mGlcsilaslocaes dependente dimes-
tadovicioso aimperfeito do systema tm ge-
ral, acbar-se-ha que a Salsaparmuia tx
Bristol e um remedio seguro e efficaKsai-
mo, pomindo inestimareis e irjconteitaTe j
vrtudes.
As curas milagrosas de
ffiacrofulas.
Ulcer aa,
ChacaM aati^aa,
ENFERMIDADES SyPHILIffCAS
ERYSIPELAS,
RHEUMATISMO,
NEVRALGIAS.
ESCORBUTO,
ETC.,ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado alto reuoue
Salsaparrilha de Bristol
P'T '"''^caspartes do ttniwrso, sio t<'*a-
nente devidas i
LMi.,1 LK6ITI? *
&ry?saj)arri0ia de B
:iIAiw.. ->-


fJiano de "fferuattrnaco Segunda teira 23 de Novombrc d& 1914
Toda attenqao
Liie, com fienlepwa a rua Ja Amind*.
. pilnris de fundo, uma por-sao cte opiino
fa edilkacio, lirada do sitio conUguo
S. Jose de Msoguinoo, dD preco de
SBl|j jer piftno. Aqnella frcnto 6 toda murada,
toecauc-a pane posterior o a lateral extrema :
m pataadentes podem enten Jer se com o Sr Dr.
JJOhados e afilhadas de An-
tonio de Azevedo Villa-
mnco*
. Kneel Azevedo de Addrade, lestameoteiro do
fcaJ* ant'.nio de Azevedo Villarouco, faz sciente
j >*oeeimento dos intereasados, que ate hon
<6s,J* Ai ccirrente raez, Ihe foram apresenladas as
m'iiImj de baptismo dos afilhados e afilhadas do
Aft sfe^ao em nuraero de 8, e sao as seguintes :
assists, filiu legitima de Maooel Bento de Mendon
gates* sua mulher Roza Maria de Je-us-Anto-
am, ta> b-gitimo do Dr. Miguel Joaquira de Cas-
9m BMseareohas e de saa mulher D. Isabel Emilia
^afres MasearenhasUmbe.ina, filha legitima
JfeefcFerBa.des Bastos e de sna mulher Caudi-
Ik-sY.dora de Jesus BastosAntonia, filha legi-
**** 1 se de Azevedo Villarouco e de sua ma-
mmjhm Francisca de Brito-Joiephina, filha le-
P"" ** Jao Macliado Brandao e de tua mulher
an J6arw Je Oiiveira -Maria, lilha logitima de
w Xavier de Sa Lei tao e de sua mulher
it&fepiista de Sa Leilao-J..ao, fllbo legitimo de
BfcMo 6<>nc..lves Ferreira Junior e de sua mu-
*w Sotlhermina Goncalves de Paula Ferreira
?Jffu&sa, lilha Lgitima de Francisco de Amaral e
m* asuln r Emilia Roza de Jesus.
Wit mais scieole o abaixo as^igOodo, que, peran
*>*Bsa. e fcvm Sr. vigario gerl deste bispado,
** ae filiu) do fiasdo Jnao Martius Ribeiro pro-
* sua justilicacao afim de prevar que tam-
tow i aiilhado dn referido Villarouco, visto que a
afij de baptismo por elle exhibida nao prova
ekatteote paia poder ser attendido.
rtlara mais o abaixo assignado, que tendo
SOSiJaA) pubiicar om Portugal um ann.incio con-
*afc*Ju os alilbadns e afilhadas do mesmo Villa-
bt*w> qne u'aqueile reino houvessem, a igualraen-
*r s*haoilrtarem cum suas certidSes de baptismo a
waeifrer ao legado qae Ihes foi deixado; aguar-
* efcegada de proximo paquete da Europa a 25
m 4R do eorrente met para ver se por elle vem
;B*a a divisao da quantia deixada com a igual-
de iHcnmmendada pelo testador.
feyi/e, it de uovembrp de 1874.
Manoel Azevedo de Andrade.
mm PARTICULAR.
Baa da Roda n. 48, sobrado.
frimeras ldtrfis, porluguez, francez, to-
fptt, 'Issenho linear e musical
&h a flircc^uo do professor Herminio
Hodngues l$s 'i,:\oi os dias uteis.
^ttatebe lumnos internos, meio pensio-
:ai5fe3^ Biteraos ; f rnece todo o material
^w tscripia e livros aos principiantes, por
&?t a pdrt*deno.i)inada Mnuritv, wta m prftca
deste.noiue, ca>a Uc ^ailejo,*. 2, iWU villa.festa.
beleeimento de rrancisco Serapbleo'de Aseis! Vas-
con:llos, fabrica,*i) com.amaior ua*(*ic|, lim-
peza e baraleza. pao, bolacha, e ttrdo quaiito se
p6de obter da farinha de U igo. 0 annuucianle
protesu servir com esmeroejgrado a todos quan-
tosquiaerem hourax seu estabtlecimenlo e se ions-
titnirem fregnezes e consumidores.
Moleque t'ugido.
Gratiflca-se com 0,000 reis a quem pegar For-
tunato, moleque de 13 a 14 annos, pre|o, baixo,
cheio do corpo, roHo e cabe<;a redondos, nariz!
chato, cabell03 carapinhos e cortados de frwco : I
auseatou se na larde de 10 deoatubro do correato I
anno, com camisa de madapolao, caica de brim
de cor, desbotada, e chapeo de massa preto. Gra-
tifica se na rua da Cadeia do Recife n. 39, ou na
rua da Aurora n. 165.
4*** Wte \r.i
Quem oecesskar do nma ami de lejte,
~
0 ABVOGADO
Eroesto d'Aquino Fonceca.
Pateo de Pedro II, n.
2 andar
Aluga-se o 2 aodar do sobrtdo n. 70. a rua Dtt-
que de Caxias : a tratar na loja.
ADV0GAD0
B ACIARBL J0AQU1M fiCBHHlS DA
SUVA MELLO.
S3 Hua eairelta do Rosario ft
prlmeiro andar.
Na travetesa da rua
das Crazes n.2, pri-
meiro andar, da-se
dinkeiro sobre pe-
nhares de euro, pra-
ta e brilhantes, seia
qual for a quantia.
Na mesma casa
eompra-se os mes-
mos metaeaepe^ras.
w _,^.,.. Bum oma uc leu',-, escnavi,
'sadia. sera vieios, e que n3o saho a rua, diriia-se a
rna da Aurora n. 39, 2 andar.'
A ma t'weisased* uma ama, f^rra ou es-
f*"*** crava : a oua da Cadeia, ( Marquei de
Olinda) n. 52, 3.' andar.
Precisa se de uma ama para cozinhar
para casa de familia de ires pessoas:
enlender-se na rua do Gafcuga n. 3, loja do Col-
lar de Ouro.
I Ama
i
Am de leite
, | Precjsa-se da ama araa, de leite : na rua de S.
', Bwn Jeans das Crioulas d, to.
LI
AMA
Quem precisar alugar
uma escrava de 15 anno?,
que eempra e cozinha o dla-
no do uma casa, dirija se a Soledade n. 92, ca-
sa junto do sobrado do Sr. ftuiaaries ; e igual-
mente um mulatinho de 15 annos, para copeiro,
na mesma casa.
Preclsa-se de uma ama que coziohe e com-
pre : aa raa da CjBoordia n. 43._____________
Aluga.se o armazem e o t.*ani da rua doa Burgos n. 11, ai) cmo oma quarto!
por detraz da rua di Sanzaila Velha. (Becco Tapa-!
: do) e uma ouira ca.-a jia rua do Lobalo n. 4 (fre-
guezia de Santo Antonio): a tratar na roa da
Aos 5,& covftdos deli
Na loja-do Pavau veadese l$ziabas da moita
bonitos eostoi e delicados padrSes. fazenda tova
no raercado, pelo diminuto prejo de 160 rs. cada
am covado ; quwn deixara de fazer vastidos de
la tao bonitos e por Uo poaco dinbeiro? Furae-
cem se as amostras: na rua da lmperatriz nume-
ro60.______________________________________
ClIi^JftDO
m
LIOUIDAQAO.
Wd#e
uma casa na ftlllf Ire "Barreiros, na na do Co
mrcio, por preco nodtcs : (ntsr torn Am*
Irmaos.S C.
lIlllBJI
liquidando os cI(acros
alto e
0 Paris n'America esia
eles seguintes prec-os :
gBotinas de duraque, de cores, com canno
Taco, a Luiz XV aojOOOItl
Botinas de duraque, de cures, bordadas. canno
alto, a6j 111
Botinas de duraque com laeo a 3^.
Botinas pretas gaspsadas, canno aito, a if, t>i e
OpvUU.
Botinas H as e enfeitadas, para meninas a 34,
Bi tinas de Suzer, de cordofio com ponteira ae
para hemem a 84. Aproveitem, que 6
Las
Esta
Consiillorio medico
M Dr. UToriUo.
% RUA DO VIGARIO N. 1, ANDAR.
Recem-chegado da Europa, onde fra-
quentou os hospitaos de Paris eLonires,
podera ser procurado a quajquer hor do
diaou da noite para objecto de soft pro-
Mell
Praia n. 20, eom Jo6 Bl>ciano Nazareth.
Buritis.
verniz,
barato.
encouragado! I 1
*Ka mole em pedra dura
Tanlo dsiateqae a fara.
Ron-sa fto Illm. Sr. Imacio Vieira da .
ddr amielle negocio^e S Sffi%f^tSiaaSPt' | ife KfSRiift n2
realisar, pela taiceira chamada deate lomalTaiB ?*?L\iJaj JLho/aB a maDba eJ*\ 5
ftns de deiembro 4e J87lTMpois RarafaaeiM, In Lf}?&lLa ^ 1 d. ^raorim n' 56, das
passou Mevereiro e abril deTl872Tni1a cSSpriol ^M 34a *'* n09 *" n,eif-
por este motivo 6 de novo cbamado para. 4
am, pois S. S. *e deve lembrar que este negoci
de mais da eito annos, e qaando o Sr. saa filbo
achava nesla cidade.
fissao.
Consulta.s das 6
do meio dia as
as 8 horas da manhi
dnas horas da tarde.
GRATIS AOS POBBES.
Esp'tialidades : M^iestias de senhoras,
da pelte e de crianca.
$gw&
Aiugam-se
fcaG casas de campo. na Cruz das Almes
ngoa I'autlla ; a tratar com o commendad
Sons banhos edormid-t fres-
ca no Monteir>.
ia se :lli por preco commodo uma casa pe
: inn t,-m 2 salas 3 quartos, c zinha e boa
.pc pprto do rio : a tratar na rua Nova,
Criado
da Alegria a. Vi, ?.e precisa de nm
' innepio de eoaraha.
l^ravos
Jin rua da UniSo, atraz do Gymnasio, ns.
47 o 49, veude se sempre cravos brancos e
encarna.'los.
ALUGA-SE
uma grand.; casa terrea com bastantes comraodos,
siia_ na estrala do Lucas : a tratar a rua do Vi-
garin n 31.
LJ>
Alugaoi
cooimjdjs
grandes e'miirad
fa.-so Ctitjilir.no :
.c ditas casas terrsas c m
eneanammto d'agua e gaz,
bastantes
. quintaes
, i;a rua de S. Pedro Novo ou
a tratar na rua do Queimado,
escrifltorio do sr. Pr. Ca.tello Bronco, por cima da
loja do Sr. Rolim.
Cura das, hernias, pelas fun-
das de borracha.
Aluga-se o sitio dos Buritis, no Arraial, com KjSto maiS ^erfei?0ada3 daj at6 e-
pMntac^o de oaaAoea, macaoheira e grande baixa Vende-se
a
Pliarmaeia e Drogaria
de
Bartolomeo *& C.
A'
8A. Rua larga do Rosario 34
Vaccina. Vacoina.
Tendo b Sr. Dr. Jose Lourenco de Hagalhiea',
nwntado na cOrte nm completo servico deste ar-
tigo, tem aqui aberto nm deposito da melkor e
mais recente, cujos tubos se eneontram na
Pharmacia e drogaria
A
34rna larga do Roaario 34.
Casa
na Varzea.
Para passara festa aluga-se nesse povoado uma
; boa caaajCora mnitos comraodos e grande sitio,
por 40*000 mensaes: a fallar na casa junto, que
tem terrafo. ______________________
Preciia-se de duas araas, seodo uma para
cozinhar e comprar e ontra para nogcinraar e
nsabo na rua da Concordia n. 4S.
COMPRA?
Compram-se
as collecc/ies deleis proTiniia-'Sde
buco, dos annos de 1849, 1855,
1869 : nesta typographia.
rnarn-
I860 e
H

Imperial fabrica de rap6
ar^a fiaa de Moreira & C.,
da Bahia.
Oeste excellente rape", que se torna recommen-
davel aos amaates da boa pitada tem estabeleci-
i do esta fabrica o seu deposito a rua do Commer-
cio n. 5, qne vendem por junto e a retalho, fa-
zendo-se vantagero a quem cemprar porjao.
Velho
Compra-se chumbo velho, cobre e htSo : no
armazem da boh amarela, a Iravessa da rua do
, Imperador.
E. A. DELOUCIIE
24~Boa do Har-quez de Oliuda i\
E' pechincha.
A 160 rs.
Lazinhas de core1, padroes
ecifa se alugar uma escrava para vender
-<;r..iar na ma do C; Vidros para espelhos
1 '- 9 tam mil s e 'le superior quaiidade :
run la Imperalriz n. 23. Corta se tam
' dos eompradores.
Al
[iff -.(
da casa a. 32 Ja rua d Marcilio
.. U reita) : a tratar na bolica da rua lar-
i sario n. 34
^ULTQRia
.tiEDICO-CIRIIRCICO
DO
Dr. Pedro d'Athavde L. Moscoso
S'ARiEI O E OPERADOR
ana do VjHroBde !e A!RM;ner-j^
1s D. 39. igs
ESPECIALIDADE J
tritium de.Benfcoras e @
cienluoH. '-J*-;
' isultas dis 7 a? 10 boras da ma- S
a Indus os dias. [
Das o as 8 da noite, nas segaadas, qaar- 1
'.'x'as-feiras.
!.'- doenfflsque mandarer.i os seas eha-
los por esoripto at 10 horas da ma- g*
lerio visitados em suas casas.
Des%pparecea do uma casa de familia, no
arrabaide I'arnaineirim, um par de trincos de ou-
ro, era forma d^ globe (pt.rase vulgar, a balar) e
um pmcd aei de m.^a, inglez, "com o nome
do fabneauie, um tranceiim lino, preso ao roesmo,
ludode ouro : enama-se a attor^ao dapolicia so-
bre o raptor de taes objectos, assim como pede-
se aqualquer pessoa que noticias d.lle liver, ou
que Ihe s.jam mesmo ofTerHCidos- a n; gocio, a bon-
dade de dirigir se a esia typ.'grapbia, onde dir-
se-ha qut-in e si-u legitimo douo.
Casa
i
>&
&

"
^A
r- O K
a
a. -i. 's
" T r- ~* c "
a
S 9 ~
5 2. 3 <
* tS .. '- ;
it 11

? -- =
CD
BI
o -a
t TD
C -j
2 S 3 ff'o =
i =
5
II
za
I3

. ->
O
-. _. ill *
* o ^
if
S- *s
a-9 3 3
! I :-
m a a a
3 31 o
r-o= 3
EL=5 H-:
Of
j
=> 2 5
5 '
3 S
~ if
CD
CD
Q
H
IS
i'l
3|
1C-3
as
p
za
-a
no axanga
Aluga so duas c.^sas na povoacao de Caxan-
ga, tea^o uma dnas salas grades 8 quartos e
1 gabinet.', I graudo terrac) e caeimba ; e outra
com duas prquenas salas, 3 quartos,c cozinha,
ambas pri.xirr.as a.) rio e a e^tafao : a tratar a
roa dos Pins a. 22.
Sahonete vegetal pre-
servativo do conta-
gio venereo.
A descoberta de um meio pretrvativo
da ififee>;io syphiiitica tem occupado a
attenrao 4e muilos medicos notaveis
h desde epoea mui remota, a isto movidos,
' sem duvida pelo descjo de pouparem a
humanidade as lunestas consequencias
do contacto e absorpgao de um pus tao
malilico.
O Dr. Antonio Ferreira Moutinho, dis-
tincto medico na cidade do Porlo, e ho-
niem abastado, que com mais desin-
teressado en.-penho se entregou por
longos annos ao e^tudo e ensaios para at-
tingir um tao louvavel quao bumanitario
desideratum, julga ter descuberto subs-
tancias vegetaes, que rennidas em for-
ma de sabonete, prodiueni com efficacia
e do uma maneira infallivel o pretendi-
do .ir-iid.
Sua convjeyao e tal, era vista de nn
merosas experieniias feitas no hospit :1
da cidade do Porto, e do bora resultado
que o publico tem obtido do uso de tal
preparac.ao, que elle offtrece o premio de
y um conto de re"is fortes, ( como se le no
K jornal Aclualidade do Porto de 2 de
maio deste anno ) a quem Ihe provar a
impn.Qcuidade de seu invento.
Por autorisacao do Dr M..utinho, o
unico deposito de sens sabonetes para
esta provincia e para todas as provin-
cias do norte, 6 a Pharmacia Central, e
para ob;tar a qualrmer fraud* serao con-
siderados falsific dos todos os sabenetes
que nao levarem o rolulu deite estabele-
ciraenlo.
Pharmacia Central
38 Rua do Imperador 38
Esqulna de beeco Largo
Participa a sens frpgueies e amigos que mnden *-*3'nhas de core1, padroes muito liudos pro.
o seu estabelecimento de relojoeiro para a mesma Pr'03 D3ra vestidos de senhoras e meninas, e ven-
rua n. 24, onde encontrarao nm grande sortimento, de-se pelo diminuto prego de 160 rs. o covad>,
derelogios de parede, americanos, e cima de me- ;Bor estepreQo so seencontra na rua do Crespo n!
sa, dos melhores goslos e qualidades, relogios dt *Q. I]'a de Gnilhejme algibeira, de todas as qnahdales, patente suisso,
de ouro e prata doorada, foleado (plaqnet), relo-
!;ios de onro, inglez, descuberto, dos meihores
abricantes, cadoia de ouro, plaquet e prata, luneus
de tod?3 as quaildades, tudo por precos muito ba-
ratos.
Fio de algodao da Bahia.
Teem para vender Joaquim lose Goncalves Bcl-
trao & Filho, a rua do Coramereio n. 5.
Salsa parrilha do Para.
Chegada recenteraente teem para vender Joa-
ijuim Jos6 Gi^ncalves Beltrao & Filbo, 4 rua do
Commercio n. o.
Fechaduras de broca.
Teem para vender Joaquim Jos6 Goncalves Bel-
trao & Filho. a rna do Commercij n. 5.
Loja cfe fazendas
Rua do Crespo n. 20*
de cores mindas muito boas para roona
meninaa a 160 a 200 ra. o covado.
La pretas. snperior, a 400 rs. o covado
AVO acas de cores finaa a 320 < 360 rs. a eovak
S6 se ndo.
Ditaa eom listras abertas, fawnda ina, a 600 n .
covado. ^ "
Cnttaa deor> a 240 e 280 rs. o eorado
Metins do cdrea mindas a 200 rs. o covado.
Crelones, o melbor que tem vindo ao OMto4c i
400 e 440 rs. o covado.
Carabraias braocas, bordadas abertaa, faaeai
mais fiaa qne ten vindo ao mercado, e (aawl
de 2^000 o metro, por 1*000 a vara; i
cbincka.
Ditas pretas com flores mindas a 200 rs. o eovaat
Caabraia Iransparente, Ona, a 34 a peca.
Dita Victoria, fina, a 44000 a peca.
Organdy de assento branco e de cores, eta Hi-
res mindas de seda e de la, a 409 rs. o eovatfc
K' pechincha.
CortM de easemh-a de cores moderaas a MSOf
oorte ; 4/asenda da 84. B* peclmcka.
Camisas do Irnbo finas, lisas, a 354 a daria, e fa
aenda de 654.
Brim branco de linho a 14400 a Tan.
Dito Angola, verdadeiro, iffiOn.o oavada.
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardaa a 64
74 a peca.
Algodae T, largo e snperior, a K4 a peea.
Gora^irlo preto de seda para vestido e pan eolk-
a 34 0 covado
Toalhas alcochoadas a 44500 a dona.
Colcbas grandes a 34600 nma.
Cobartas de ganga, forradaa, a 34.
Lengoes de bramante a 24 on).
Lencos de linho, abaiahados em caixnau .
34500 a duaa?
Ditos de caca de cores abaiaHados a 34500 a da
zia.
E outros mnitos artigos que se vande por a*
nos do que ontra qualquer parte e para se d
Su na lorem qaeiram mandar rer as amostrai
enganaja de
Goillierw & d
Profpos para hallos.
Cbegaram em boa quadra, para a loja do Passo,
riquissimos cortes de S9da com largas listras
achamalotadas e lindissimas cores'; cortes de tar-
j latana com palmas bordadas a prata, proprios
para nailes : so na laja do Passo, a rua PriraeiD
de Marco n. 7 A.
Leques gigantes
S6 qoem tem dos mais roodernos ( a Magnolia
a rua Duqne de Caxias n '
moderoos (
45.
Farinha de milho
Para o fabrico de chapeot
A NOVA BSPERANgA receben 0 arame propr -
para armacSo de chapeos.
BAZAtt
DAS
FA3IILIAS
Rna Dnqne de Caxias n. SO \
Para a iesta
O Monte Lima
tem um completo sortimento do galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para officiaes, canutilhos e
enfei^es para bordado. Tambem se encarrcga de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espada', draj;onas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e doaradas, para criado
etc.; assim como um completo sortimento d
ranjas, galao falso para ornamento, cordao de la
com borla para quadros e espelhos (conforme 0
gosto da encemmeuda) tndo por muito menos
preco que em outra qualquer parte : na praja da
Indenendencia n. 17, junto a loia do Sr. Arantes.
Yerdadeira pechincha.
am?-/^ d5 Oueimado a 47, loja da FRAGATA
AMAZONaS, se vende:
Can.brai3s francezas de cOr rauito flnas e boni-
tas a 500 rs. a vara.
Lindas alpacas lavradas fiaas e de todas as co
res _a ouO rs. 0 covado.
LL'inhas verdadeiras, largas e de quadrinbes a | acaba de receber
JOO rs. 0 covad eoutras muitas fazendas ignal-
mente baratas a dinbeiro.
Venda-?e farinha de milho moida a vapor, diaria-
( mente, da quaiidade, para cascus, 12 patacas a
I arroba; da 2\ para cangica.e pao de Provenca a 11
patacas; da 3', para angii, a 10 patacas; da i',
para mangunza, a 9 patacas: na rua do Cotovetlo
n. 25, casa de juulejo:
Vendese 0 armazem n. 15, sito to caes de
Lapibaribe, tendo r. m terreno com 47 palmos de
frente para 0 mesmo caes a 295 do f.mdj: a pes-
soa que quiver, dirija-se a rua F;rra:sa n. 33.
Salsa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio Luiz de Oiiveira Ass-
vedo, uo seu escriptorio, a rua do Bom Jesus na-
mero 57.
i
)
Hotel Restaurant de Bor-
deaux
Pad? se ao Srs. abaixo menck.nados, 0 favor de
ap.-.arverem_ no dito hotel, para se entenderem
K>.a 1 a'iai nistraior, a negocio de seus particula-
rs..'.- ibturessfs :
Stiomaa (mascaie).
HaBoe: Amancio.
tak hshali
Uet tgpscio Ril eiro Roma.
totqaua Pire- Ferreira
Cruz Ramos (guard.i-:ivr )
BabriH (maseai ).
Furiaiani'i > i-ngeohc These, termo do boni
0>, a 3 mc7- passados poneo mais ou menos, 2
^oariii. s, seiido um nisso, preto com 8 annos de
iade b 1. 1 niro ruJado, com 9 annus, tendo cada
tm dciles n ferro MtguinteE N G de um lado e
f LZS 'de natro. Gralifica a geacrosamente a
|oe:n leval ns <>u delles der noticias certas no en-
fwihi anm.
Convmi saber wr oopo d. taes cavallos. por qnacto tudos o< ani
raaercav^iloros qr.e sao rmrcado com e ferro a.ci
Ta na.. sao uegoeiadjs a morien. deutro do cerea
Jd doiTT.-r,:) engenhn.
Aluga .-e terceiro andar do subrado n. 12,
m Di rm at Marcilio Dias (uuU'ora rua Diio'ta)
Jeiroiii.. do uitiu da igreja do Livrainenlo, por pre-
~ n"'n pr-fis-.r, dirija-se ao primeiro
aj>-.. .. EuL-ia-. u. '.'., jj me ma rua.
Alu^a-se barato
0 andar terreo do sobrado da rua do Visconde j
de Albuquerque, outr'ora da Matrix, n 24 : a!
ratar na rua to Cabuga n. 11, loja. |
Attencao
Conlinua se a fcrnectr coraedorias para fora,
mandando-se levar em casa dos assignaotes, mais
em cont-i do qne em outra parte ; tambetn nos
encarregamos de fazer cumida para qualqaer col-
legio que os Srs. directores teuham de parsar a
festa : qnem precisar dirija se a rua estreita do
Rosario a. 35, defronle do escriptorio do Dr. Leo-
nardo.
j Tendo-se desencamlnhado os taM5es ns. 7,648
\ e 8,964, pertencentes ao seguro de vida no ban-
, [ co. Uoiao, da cidade do Perto, em Portugal, a favor
j do padre Jose Lopes Dias de Carvalho, fallecido em
j22 de novembio de 1870,-a freguc.ia de Santo
I Antonio, do Garanhuns, ne3ta provincia de Per-
. narabuco, seu pai e herdeiro Joio Rodrigues Dias,
residente no lugar de Sarnadella, freguezia do
j Pombeiro, julgado de Arganil, no dito reino de
j Portugal, assim 0 faz publico, chamando qualquer
I interessado aos ditos taloes para que no prazo de
i 30 dias, contados da data desta publicacao, 0 ve-
i nham reclamar na mesma cidade do Porto, e nao
ofazendo ficara 0 dito herdeiro habilitado para re-
ceber do dito banco 0 que se liquidar desde 0 anno
de 1870 em que finalisou 0 sejuro
Moleque fugido
Fortnnato, molerjue de 13 a 14 annos de idade,
preto, baixo, cheio do corpo, rosto redondn, boni-
tos dentes e cabello cortado d- fresco ; ansentou-
se na tarde de 10 do eorrente, com camisa de ma-
dapolao, caica de brim de c6r, desbotada, chapeo
de massa preto, conduzindo nm serrote grands e
um amarrado de tres tabicas, sobre 0 beico supe-
rior andava ultimaraente com umas fendinhns.
Gratiflca-se a quem leva-lo a raa da Aurora nu-
mero 165._________________
. Alug^.m se tres casas na rua do Coronel
Suassuna, preparadas de novo, e com commedos
sufflcientes: de ns. 103, 193 e 198 : a tratar na
rua Direita n. 8.
Pedras de marmore
Veude-se pedras do marmores, de diversos ta-
manhos, com duas polegadas de gros.-nra, propriae
para mnitos misteres : a tratar com Joao Jose da
Cunba Lages.
Vende-se.
A armanSo exisrente na rua do Barao da Victo-
ria n. 61 propria para qualquer negocio, garantin-
dose a oasa; a tratar na raa estreita do Rozario
n.40. ______________________
Grandc-Xovidade,
Chapeoa de sol de seda trancada muito boi, ar-
macao especial, a 74000. So ua rua l de Marco
n. 14, loja de Gusmao & Leal.
ET sempre assim.
ao sexo'amayel.
A Nova-Esperanga, a rua Duque de Caxias n
j 63, toma a liberdade.de avisar ao bello sexo, que
wber diversos aitigos de-alta novi-
dade, os r-naes estao expostos a vunda em dito
estabelecimgnto, e bom que venham aprecial os
para por esta forma saiisfazerera os caprichos de
suas elpgaotes toilette.'.'
A Nova Esperaw;A, nao quarendo tornar-se
massante, liraita se a meocionar alguns artiges
dos mais em voga no uundo das m^das, os quaes
sao os scguiutes :
l.iodos cintos de cnuro e Dlijraoa.
Mudernos boloes de aco para vestidos.
Novos leques, grandes", matisados.
Elegantes fivdlas de aco para vestidos.
Delicados ramos de flores de larangoira.
Bolsas de coaro e filigrana, propriaa para tra-
zr pendentes ao cinto,
desi
Saa .
diu
seguin!
riaj pelo #JssjkH
Co
Bartholomeu & Q.
r.\R.\
Casas.
* Aluga ss a loja de moradia da easa n. 61 da
raa do Apollo, e a casa na Capunga n. 54, porto
do Jacobina, on rua das Pernambucanas; a cha-
ve para verges a na c^asa n 55 : a tratar na rua
da Cadeia n.73, Recife.
Banlus salgados
Aluga-se uma casa em Olinda. rua do Bomfim,
c6m bastantes comraodos, quintal murado, e mui-
to prozima dos banhos e da estacao do Carmo a
tratar na oraca u 1 (:idenej'neia ns. 37 e 39
Liqu vendem por barato preco
SALSA-PARRILHA
DO
PARA'
34IUA LARGA DO ROSARIO-34
Breu, breu, breu.
No arraasem de Jorge Tasso, rua d^ Amorim n.
37, e no caes do Apollo, aimazem de farinha d3
Irigo, do coramendador Tasso.
Aos Srs. de engenhos
Cbila com 4 palmos de largura, fazenda muito
superior, a 260 rs. 0 covado, proprias para escra
vos: soaroa do Crespo n. 20, loja de Gui-
lherme ^ C.
Doce lino de goiaba
Vende-se no deposito do pateo d 0 Terco ns. I o
a, pelo Barato preco de 800, 900, 14000 e 14200 ;
6ssim como grande sortimento de caixS-s peque-
nos, proprios para erubarque ; ha requeijao todas
as terga3 fp.iras e sabbados, por preco commodo.
A loja Agrado e Seriedade, sita a roa da 1m-
peratriz n. 16, vende por baratas precos la para
bordar.de lindas cores, e fitas de sarja de todaa as
cores e larguras, assim como de setim.
fa
I
Festejos
Chd verde e preto
Amaral, Nabuco & C. declarara a seus amigos
e fregaezes que receberam pelo ultimo vapor
1 de Europa, nova remessa de cba verde e preto,
: garantem sua boa quaiidade e vendem co sen
Bazar Victoria, raa do Barao do Victoria n. 2.
Alu
0 2.* andar e armazem da
fonso n. 59, 0 sobrado de nm
ga-se
Atoga-se
rua de Pedro Af-
andar e solao da
os armazens ns. 65 e 69, na praca do cbafariz em
Fora de Portas, um onde teve tenia de ferreiro
0 fallecido EL Mahult. 0 oatro que esteve occu-
pado com venda de iuolhados, para 0 que 6 op
rua do Hospicio n. 65, e 0 andar e armazem do' ^mo P6'* localidade e ser de esquina. ambos livres
sobrado da rua do Bom Jesus n. 63 : a tratar na i e desembarafados de impostos: a tratar com 0 com-
ma iln vibrio n. 31. : mendador Tasso.____________________________
Aluga se
[a oasa terrea da rua de Vidal de Npgreiros n. 174
Baltar, Oiiveira & C. scientificam ao respeita- (ou^'ora Imperial), tendo 4 quartos, 2 salas, qoin-
vel corpo do eommercio, que referindo se 0 distrt-. **1 e ca^unba : a tratar na rua do Crespo 0. 17,
to social entre. os sens mombros, somente para
AO COMMERCIO
1 andar.
ccm 0 socio Francisco Ferreira Baltar Juiior,
quo se retirou, contieiia a sua casa commercial no
mesmo gyro do negocio e cgsb os demais soeias,
debaixo da mesma razao commercial.
Recife, 31 de novembro de 1874.
Aluga-se 0 3 andar com oU6 da casa da
rua da Imperatriz n. 53 : a tratar na raa do Ba
ao da Victoria a. hi.
1W
PARA 0 PUBLICO
I Matlna
I Por que razio a Sr. teneate Jose. Caetano da Sdi
v* nay>'nrdBmnls" ao Sr "dt-nr da Antrim f
- Ajugase a easa da rua do Visconde de Pe-
Iotas, aLtiga raa do Aragio n, Its, com- 2 jalas,
corredor separsdo, i quartos, bom quintal e por-
tio : para tratar na rua da Ponie-Velha 0. JO.
(Srande liquidagao de fazendas fiaas e do
melnor gosto, para vestidos de festa, na
loja n. 44, & rua Duque de Caxias.
Popelina* de modernissimos padroes, covado a
600 rs.
Ditas de ditos a 1*200.
Ditas de ditos a 14400.
Ditas de ditos a 1*600.
Carabraias organdys de padrdes e cores ialeira-
mente novos e moderno3, covado 320 r?, cortes
de cambraias brancas para vestidos, bordados e
com babados, a 6*.
Chapeos medernos, gosto allemao, para senhora,
proprios para a estacao da festa, a 3*500. Id Mm!,a.
Ditos de diversas qualidades, para homens, pelo'
barato preco de 2* 2*500, 3* e 4*.
Camisas france'.as e inglezas, de diversas quali-
dades, a 1*500, 2*. 2H50J e 3*.
Collarinbos de linho, lisos e bordados a 400 rs.
Toalbas de linho para rosto a 400 rs.
Lencos finos com barra, duzia 1*103
Ditos ditos branco?, dniia 1 50t{.
Metins esc ce.'.es, inleirameate novos,. proprios
para cbambres, covado 240 rs.
Heias finis-imas, para senhora, duzia a 3:500.
Lazinbas, chitas, cambrias, madapoloes, algo-
dSes, brins, por pregos baratissimos, bem como
outros muilos artgea que se acham expostos para
os amigos do bom e de barato, por 25 0|0 menos
que em outra qualquer parte, finalmtnte tudo,
tudo se acba em liquidacao.
Lustres, lampadas e aran-
dellas.
Obra de gosto e muito mais barato do que em
outra qualquer parte, teem para vender Joaquim
Jose Goncalves Beltrao 4 Filho, a rua do Com-
mercio n. 5.
VENDE-SE
uma balanga decimal das meihores que tem ap-
parecido neste genero, podendo pesar ate 500
kilos : no armazem n. 3i da raa do Vigario.
40^ a duzia
nglezas, de linho, bordadas, muito fl-
. nas, com collarinho3 e sem elles, e pechincha : na
rua Duque de Caxias n. 88, loja de Demetrio
Bastos.
Sal da Assu.
Tem para vender Antonio Luiz de Oiiveira
Axevedo, a bordo do palbabote Johen Artohr : a
tratar com 0 capita- a bordo, ou no sea escrip-
torio. a rua do Bom Jesqa n 57______________
Cal de Lisboa
Vende.-se cal de Lisboa : na praca do Corpc
Santo n 17, andar, eecriptorio de Joaquim ^Fjo-
prig so* Favares de Mello. |
Vende se nma casa terrea na rua da Pay-
sandu, estrada da Magdaleaa, om 4 quartos, 2
salas, corredor indepeniente e forrada, com quin-
tal murado : trata-se na rna de Hortas sobrado
n. 48._____________________________________
! Sahidas de bile.
.. I Amaral Nabuco i C. receberam p&lo ultimo va-
bunal de juitica, em g_rao de revista. Na rna de por da Furopa elegantes sahidas de baile de di-
Riachnelo n. 2! (outr ora rua do Desliao se dira versas cores e vendem por commodo preco : no
quem vende. bazar Victoria, raa do Barao da Victoria 0. 2,
Boa aoquisicao.
Uma pessoa qua urgentemente prec sa retirar-
sa desta provincia, vende por 3:500* uma heran-
oa da 16:000* solidamente garaotida, Nao e am
pleito que se va teatar exposto as contingencias
do julgamentor mas am direito ja liquidado e
apurado por senleoca proferida pelo supremo tri
Reis 3 Silva & Guinuraea, pr .prieU'ios
bem conhtcido eslabeleciu:ento de fazendas
convidam aos seus freguezes e amigos a sortir
se dos artigos radi*pentavis pafa a festa, ariigc
ua ultima mod., e de lino gos:i>, os quaes se vet
dein por rajdico pre5*1, de forma que igual nao
encontra e:n outra parte.
Alim do que 0 publico avaLe 0 qne levam
offerecem a jua preciosa con-ideracio a
mtn^ao:
Riquissimas polinaises de gorjerao prato, he*
mente enfeitadas, pelo dimicuto preco de 36*.
Lindissimca casaquinhos do gorg.jrao ptet. r.
cameute bordadvs, sendo ccitichos cenforme a mc
da, pelo diminuto preco de 12{f*0 cada um.
iiiquis^ru&s sa:.idas de baile, de la e seda, par.
senhi ra, inieiramente novidad.\ pelo dimicn
preco de 12*000. -
Lindissimas capinhss de la e stda inteirarcen-
tc novidade, pelo iusignilkaate mm de 8*00C'
lu J 00 eada uma.
Riquissimos cacbin; !s de ia e
to prego de 6*000 cada um.
Um completo sortimento de .-apeilas Com ve ,. :
bloods, proprias para noivaf, pelo diminuto vr
de 10*, 13* e 20,5 cada oua. E' barato E c
mo sis lindas?!
Ri mis-Mi), Inrhhai com Gveia, proprhs par
pe.CK.o du s.nhoris pelo diminuto prtco de |A50i
cada uma.
Lindas gravatinhas le cor, proorias para senb-
ras, pelo diminuto preco de 1*000 cada uma
Liudissimas rosas com allinetes, propnas par.
peito de senhoras, pelo diaiiDuto preco de UStii.
cada um.
Cambraias braucas, bc.-dadas de cores a la,
zenda modernissima, pelo preco de 540 rs. 0
vado.
Carabraia transparente, com duas largura* tek
preco de 13^000 a peca.
Camlraia transparente fina, Suissa, a 6*500
pex"a.
Canbraia muito fina, Victoria, a 7*200 a peca
Meias de cores para bomein, pelo diminuto ore
co de 8*000 a duzia. E- barato I
Riquissimas caixinhas. cada uma com uma dn
zia de lencos de linho ja abainhados, p lo dim
nuto preco de 5*500, 6*, 6*500 e 7*.
GrosdeuapUs preto, fazmda muito superior >
1*200 0 covado.
Setim branco, Macao, fazenda superior, a 2*2'
0 covado.
Riquissimo sortimento de popelioas de linho, pe
lo diminuto prejo de 440 e 300 rs. o covado.
Riquissimas faias de seda, fazenda mod*
ma, pelo coo modo preco de 2*200 o covado.
Popelinas de linho e seda, padrdes inieira
mente n.vos, a 1*600 e 1*803 0 covado. E' ba
rato I
GrosdenapoL'3 oSf de ros?., fazceda muito sap-
rior, a 1*600 6 1*700 0 covado.
Um comoleto sortimento de las e alpacas de se
da com listras a 700, 800, 900 e 1*. E' muito ba
rato I
Um complelo sortimento de lii, a 180, 200, 240
320 e 380 rs. 0 covado.
Madapoloes, Elephante, com IB varas, a 4*4Cv
a peca.
Madapolao, Maravilha, com 20 jarda?, a 5*50r
a peca.
Madapolao francez, Madraste n. 89L a 6*200 -
peca.
Madapolao superior francjx n. 60, a 7*000
peca.
Assim como um grande sortimento de chitas m
curas, claras e ontros artigos.
REIS & SILVA & GUIMARlES.
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de receber aqnel
les milagrosos anneis electricos, cura infalliva dci
nervoaos.______________________
Aos cigarreiros'
A NOVA ESPERANf A vende papal da Uaa
pro^rio para cigarros, de diversas largoraa.
Insignias ma^onicas e cadei-
ras para viagem
Amaral, Nabuco k C. vendem iisipnias aacani
cas para diversos graos, e cadeiras a abrir e fechar.
proprias para viagem : no Baiar Victoria, nu a*
Barao da Victoria a 2.
Maripoza
1 3tO rs. a covado
S6 na rua do Queimado n. 43.
JUNTO A' LOJA DA MAGNOLIA.
Maripoza braao com lindas listras abertas pe-
lo diminuto preco de 320 rs. 0 eorado ; aprovei-
tem que e pechincha, s6 0 43BiraMro saa
igual.
Dao-s amostras com peatbor.
Preci.-a >b de uma ama aicrava A ^ pg^l
Si
dueta, para todo 0 servico de ama. cat
geira de pouca farnHia : a tratar M raa da Ajft
< ra. t\. 139.

I
I

PAGHACAO HCORflETA |


Djario de Persaa^uco Segunda feka 23 de, _to_a_Jii#
f
~
i
_
k
Ao barateiro
A' ma 1 de Marco n. 1
Confronte ao are* rfe Santo
Antonio.
Os proprietarioa deste estabelecimento, lendo
gaude deposilo de fazendas de la, linbo, sods e
algodao, e achando-se pmxiaia a occasiao do ba-
lan'co, resofverara fazer grande reduccSo era pre-
cos, amo de qua naqueHetemponio tenham gran-
de irabalho em balsncoe ; a seber *.
GORGORAO de sda pre to, para collete, Dm
corie por 2*. E' fazenda qne sempre casteu 7*.
AMAZONAS, liada fazenda para vestidos de
passeio, a 800 rs. o covado.
fiBOSDENAPLKS de cores, verde* enearnado,
braneo, cor de rosa e cravo, a 900 rs., 1* e
1*200 rs o covado. Quem e que nao comprara f
POPELINAS de linho, de quadros e listrait, bo-
nitos gostos, a 500 rs o covado. Aproveitem.
POPELINAS de linho e soda, gonos inteiramen-
le novos a 900 rs.
DITaS com listras largas assetinadas, o mail
moderno qne (em vindo ao mercado, a it.
CRETGNE francez com listras e de qnadrinhos
de cores e pretos a 400 e 4i0 rs. o covado., Isto
so -qo toaratyiro I
DLTO francez de listras, proprio para camisas
e vestidos a 300 n.; pois so se vendo se pc-de
erer. .'
BSiU AO de linbo e algodio, proprio pare ca-
mis**, fronhas, etc, etc., cum 7 jardas, a 3*200, e
com 10 jardas a i*500 a peca.
MUSSUL1NA branca, com listras, para vestido, a
400 rs. o covado. E' pechi Delia I
MADAPOLAO franco* cm 20 varas, por 4*300.
E' barato.
CASEMIRAS de cores, para costumes (roapa.de
bom/m)- a 3* o covado. Verpara crer I
LAS esooeezas, estamos acabaoio aos pretos de
120, .180 e 260 rs. Apressem sel
CHITAS escuras e claras, fazenda fina a 2i0,
260 e 280 rs.; so a rua Primeiro de Marco d. 1.
CHAPEOS de alpaca, para sol, pare senhora, a
2*000. E' admlravel I
BRIM braneo a. 5, exposicAo superior, a 2*
vara.
CAfflSAS de cretone francez de cores, a 2*500
ama.
CAMISAS fcrancas, ioglezas e frsncezas, gran-
de sortimento por precos baratissimos.
BRIM [ covado.
BRIM Angola; superior, a 300 rs. o covado; isto
so na kija do Barateiro 1
CHAl'EOS de sol de seda pare bomm, fazenda
saperior. a 8*300, 9*000 e 10*000.
BAPTIST AS watisadas, gostos miudinhos a 300
rs. e 360 rs. o covado ; so eonfronte ao arco de
Santo Antonio f
LENCOS de linho superiores, abanhados a 3&
4*_k7 e 5*000;a dezia.
W\LHAS felpudas superiores a 6*300 a du-
zia. Em ontra parte vendem por 9* 1
MEIAS crnas, s_p(rores, para bemem, a 4*,
4*500 e 3*. E' pechincha.
BOTINAS superiores para senhora, a 4*309 o
par.
ATO ALII ADO alcochoado, Tazeosa superior, pa-
ra mesa, a 1*500 a-vara.
ALGODAOZINRO tranco, com pequeno toque,
a 35500, 4* e 4*600, e marca T. a 3* a peca.
Alem das fazendas aeima meacionadas, encon-
trarao multas outias que agradarao em qualida-
de e precos, e qae para nao massarmos a paciencia.
de Dossos fregueios, as deixam s de enumerar,
So no Barateiro
A' rua Primeiro de Marco n. I.
Loja de Agostiabo Ferreira da Silva Loal & C.
Nao se engaoem
Pois sao os verdadeiros barateiros 1
Aos legiUmos fogoes econo-
vnices.
Acabam lie chegar a esta cidade os ver-
dadeiros fogoes economicos, ja" muito conhe-
cidos nas provinoias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio^Grande, Ba-
bia e Alagoes, aonde tem merecido do pu-
blico a maior aceitacao possivel, e sao ja
preferidos aos de qualquer outro systema,
conbocido pela sua rcuita solidez, espeoia-
lidade na collocagio, moderno systems,
e sobretudo grande economia no combusti-
vel ; trabalham com lenha, ceke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
nbcs, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de utuita faiuilia, coHegios, hoteis,
casas pias, hospitaes, etc. Acham-se ex-
poslos ao publico, aonde se darao todas as
explicates necessaries: na rua do Viga-
o n. 12______________________________
Aos menines
A NOVA ISSPERANCA, a rua Duq^ne de Gaxia*
n. 63, acaba de receber um bom sortimente de fi-
oa3 bonecas qne fallam, qne riemse e choram ;
tambem as tem mudas e surdas ou sordas-mudas
venham ver se nao e verdade.
Grande liquida^ao de fazenda
NO
la
N.-7 2. Rua da Impera
DE
N. 7 2.
Mendes Guimaraes & lrmaos.
Tendo os proprietaries deste estabelecimento resolvido diminuir o grande doposilo de fa-
zendas, entenderam fazer esta grande liquidate, comose ve dos precos abaixo menciOnados :
Cbitas largas a 160, 200 e 280 rtis.
Venda-se chitas franceras e Onas a 120,280 e 320
o covado.
Laxinhas a 120 rcis.
Vendese lazinhas para vestidos a 120, 240, 320 e
400 reis o covado.
Cbitas para cobertas a 280 reis.
Vende se chitas para cobertas a 280 e 360 r6is o
covado.
Alpacas de cores a 640 reis.
Vendese alpacas de c6res, flnas, para vestidos de
senboras, a 640 reis o covado.
Metim de cures a 320 reis.
Vende-se metim de cores pare vestidoe de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas flnas a 280 ris.
Vende ae cassas francezas. Unas a 280, 320 e 360
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3*000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3*,
3*500 e 4*000 a pec.
Cambraia transparente a 2e 3*000.1
Vende-se pecas de cambraia transparente a 3*,
3^>00,4* a 3*.
Cortinadcs a 14*000.
Vetde se cortinados bordados para camas k 14*'
W| e re*.
Ganga amarella a 400 reis.
i Vende-se ganga amarella para vestidos de senbo-
ras Tou;a paramenmos. a 400 reis o covado.
No.eieiltariqde.Hbemude Aauino Fonceea 4
C. Sucoes,sor.es, a rua da. Vigarip n. 19, primeiro
andar:
Cfn^nto Portland verdadeiru.
Cera em velas e' era gruaio, de Li-boa.
Vinho Sbetiy.
Vinbo $> Porto em caiicas, fioiisimo.
Idem em barns de q'uidio e decimo, flno.
Retroz.
Plo.
Now remessa.
Vinho verde de Amarante
Convida-se os apreciadores a virem apreciar o
que ba de mais excellente neste artigo; vende-
fem d*cimo< e a retalho, em casa de Po^a*
C, a rua estreita do Rosario n. 9, junto a
Ao n. 9.
E" Mil
Brim de cores a 400 r&s.
Vende se brim pardo e de cores para ca!cs *
400 rel9 o covado.
Toalhas para rosto a 700 rtls.
Vendese toalhas de linho para rosto a 700 e 800
reis cada uma.
Chales de la a 640 reis.
Vendese chales de la de quadros a 640 reis, cha-
les de metim a 1*160 reis, chales de meiin6
lisos a it, e chalos de menn6 estampados, a
3*600, 4* e 6*.
Aberturas a 20009.
Vende-se abertnras de linho bordadas, pare ca-
misas, a 2* e 3*300. Ditas de algodSo a 200 e
400 reis.
Cortes de casemira a 5*000.
Vende-se eorUs de casemiras finas para calcas a
5*, 5*500 e 6*
Cortes de brim a 1*400.
Vemle se cortes de brim de cores a 1*400. Ditos
de brim de Angola a l*s00 e 2*300.
Cobertas a 2*000
Vende-se cobertas de chitas de c6res a S*.
Colchas a 1*000.
Vende-se colchas de fustSo para earaa a 2*, 3* e
4*.
Paletots a 3,000 rs.
Vende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. ;'calcas de t;astfnira prelate de core
leses de casemira preta e de cores, e ontra s
tas roupas feitas baratas e fazeadas qne est'
qaidando no Bazar Nacional, a rua da Ira
kit d. 72.
Na rna do Vigario n 19, vende-se o seguint
Cimento de Portland, em primelra mao.
Vinbo do Porto, engarraiado, Gnissimo, em cai-
xas de duzia.
Dito ditoem barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez em caixas de duzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
No progresso do pateo do Carrao vende-se mac-
teiga ingleza flo a r800 rs. a libra.____________
As almofadas bordadas de la matl*afa ^r !>
cebeu a Nova Esperanca, i rua Da^wila
Caxi#p '"?
Cortinados para camaa
Na loja do Pavaa vende se am grande mAsboo
to de cortmidos bordados proprias para caoaao
janellas, pelo barato pre^o de8, 9 e K>JHtaa.o
par, assim eomo culehas de damaseo pare mmm
de noiva a 10 e 12,000 rCis-c r-ec^ir*:
rna da Imperatriz n. 60, de Feiix Peresa *
Silva._____________
Wilson Rowe & L. vendem ao seu armasaa
a rua do Commerclo n. 14 :
verdadeiro panno de algodao aiul arneneanc.
Excellente flo de vela.
.Cognae de i qualidada
Vinbo de Bordeaux.
Carvao de'Pedra de todas as qualidades.
iposicao
E'BOM S.4BER-SE
Que a NOVA ESPEBANQA, a rua Dnque da
Caxias n. 63, bem conbecida pela snperioridade de
seus artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
ber diversas eccoramendas de meroadorias de sua
reparticao, que pela elegancia bem mostra aptidao
e bom go.-to de seus antigos correspondentes da
Europa, e por esU razao a NOVA ESPEBANCA,
a rua Dnqae de Caxias n. 63, convida a saa boa
e constants freguezia e com especlalidade ao sezo
amavel, a visitarem na, afim de apreciarem ale
onde tcea o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer entrar no nu
mere dos massaotes (verdadeiros axnerins) com
ex'ensos annuncios e nem pretende descrever a
iramensidade de oBjectos que tem expostos a vea-
da, o que serta quasi impossivel, mas limitar se-ha
a menciecar alguns daquelles de mais r.lta novidade
e toma a liberdade de aconselhar ao bello sexo,
<[ue a visiiem coasUntemente, para depois qae
comprarem em outre qualquer parte nao se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra qne qualquer senhora do bom torn,
nao podera ec-mpletar a elegancia de seu toilet
em que dfi um passeio a NOVA ESPERANQA, a
rua Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber oo segainte* artigos de laxo e inteira novida-
de :
Moderaas settas para prender os cabellos
Primorosos leqaes de phantasia.
Bonitas sahidas de bailes para senboras e meni-
nu-
Inte7essan.es gravatas para senhoras.
Elegantes facbas de touqnim.
Boas aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de pufalo e borracha
(gosto nova}.
A' raia do "Cabafra t A. #
Os proprietaries da Predilecta, no intnito d
onservar o bom coEceite qne teem merecide do
Tespoitavel publico, distinguindo o sen estabeleci-
mento dos mais que negociam co mesmo goat re
veem scientlficar aes seas bons freguezes que pra-
veniram bos seas ccrrespondentes nas diversas par-
kas d'B&ropa pare lhes enviarcm por todos os pa-
quetes os objectos de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
daqnefies paixes, visto aproximar se o tempo de
Testa,-em qua o bello sexo desta linda Veneza
mais oslenta a riqueza de suas toillettes ; e eo-
mo ja receboascm pels paquate francez diverso
artigos da ultima moda, veem patentear alguns I orosito -
i'ectre elles que se toman? mais recommendaveis,, wn9 aumerosos freguezes
esparando o respeitave! publico a costumada icabam de receber de sua
ooseurreneta.
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas cap's de madreperola e da
wlludo, sendo diversos tamanhos e baratos pra-
08.
Aderecos completos de borracha proprios para
Into, tarabam se vendem meios aderecos muito bc-
nitos.
Botoes I'i setim pretc e de cores para ornato da
pestidos de senhora ; tambem tem para collete
alitot
Boisas para senboras, existe um Lello sortimsn-
der seda, de paiha, de ^chagrim, etc., etc^ por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, taoto de loucs
como de ctSra, de borracha e de maesa ; cbama-
mos a attencao das Esmas. Sras. para este artigo,
pois as vexes tornam-se as criancas um pouco im-
pertineates por falta de um objecto que as en-
cretenham.
Camisas de linho lisas e com-peitos bordados
para homem, vendem-se por preco eemmodo.
Cerouia* de linho e de algodao, de ti versos pr-
08.
Caixinhas com musica, o qne ba de mais Undo,
oom aieticos nas tampas e proprios para presen-
ce
Coqae3 os mais modernos e de diversos forma-
tos.
Chapeospara senhera. Receberam urn sortimento
da ultima moda, tan to para senhora, como para
meninas.
Capelias simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindot
iesenba*.
Escovas electricas para dentes, tem a proprie-
lade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, existe um
jrrande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de saria. de g--.rgurau, de setim e de cha
ilote, is diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao ruiito lindas.
Fi. res artificiaes. A Predilecta prima em coa-
ervar setapre nm beHo e grande sortimento des-
tas flores, nao so para enfeite dos c-bellos, como
ambem para ornato de vestido de noivas.
Galoes de algodao, de la e de seda, brancoe, pre-
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para bomem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas coras
para secnora.
Ligas de seia de cores e brancas bordadas para
noiva
Livros para ouvir missa, com capas de maare-
Eerola, marim, osso e vellado, tudo que ha dt
om.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
PorMiouquet. Um bello sortimento de madre-
perola. marnm, 6sso e donraaos por barato pre?o.
Perramarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
pravida, nao sd am extractos, como em oleos e
banhas dos ruelhore* odores, d js mais afamados
(abricantes, Loubin, Piver, Soeiedade Hygianica,
Coudray, Gosnel e Eimel; sao indispensaveis para
a fesla.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos d e 12 e da setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a PredilecU' um boaito sorB-
mento de diversos tamaabos, tan to para sofa co-
mo para entrada de salas.
Vestimentas para, haptisado o qne ba de melhor
gosto e os mais moderno recebeu a PredilecU
de or arato preco, para dear ao alcance
jnalqner bolsa.
A, 120 rsi o covado*
Na rua da Imperatriz n. 60, vende-se pan aca-
bar uma grande quantidade de las, restos de di
versos scrtimeetos, desde 120 rs. ate 900 rs.; no
lando-se <}ue, quando bavia sortimentos comple
tos, se vendiam a 1*280 -e 1*600 o covado, hi
grande variedade em padroes, os qne primeiro
cbegarem melhor pecameha farao, a ella a rua dt
Imperatria n. 60. .
Na loja do Pavao vende-se madapoloes franco
ties'muito incorpados, com 20 jardas a 6,000 reis,
dito muito fino com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sim como um grande sonimento de madapolSes
inglezes de 4,300 al6 8,000 e 9,000 : a rua da Im-
peratriz n. 60, de'Pelix Pereira da Silva.
Sedinhas a 1^500 o cof do.
Venham antes qne se acabem : na \o\* Ox'
a rnal.* de Marco n. A. _____^^
Saccos
fin dos estreilamento d'nrelra
pela facil applicag.ao das
SONDAS OLIVAES
DE
. GOMMA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeigoadas de todas
as cormecidas
Vendem-se
NA
' PHARMACU E DROGABJA
DE
Bartholomeu & C.
34Roa larga do Rosario 34
A 4^000
LI para bordar, lindas cores, -" patos de tranca
all, botinas para senhora a 2* e ')*. cano alto,
fi'.as de sarja de todos os nnmeros e lindas cores,
a precos baratos, sapalos de castor a 2*. linha de
carretel Alexandre, de 200 jardas a 900 rs., b.r-
zegnins franeezes para bomem a 5* : na loja da
rna da mperatriz n. 16.
Fufldas Heraiarias
radical-
Para senhoras
Como sao lindas e moderaas as gravatinhas qua
a Magnolia, a ma Duque de Caxias rj \$, acjba
de receber f
ELECIHO-MEDICAES
Para ligar perfeitamente e curar
mente
as quebraduras
Essas fandas eslabeteddas sobre os conheci-
menlos medicaes e anatonicos man tem as quebta-
dnraa as mais voiumosoa e difflceis, impedindo o
sea deseovolvimeato. Elles teem ama accao elec-
trica que na generalidade dos casos opera ama
cara radical sen) que o doente se snjeite a pres-
cripcio alguma, a excepcae do uso cootinuo del-
las. A cnta opera-se no periodo de 12 a 20 Ine-
zes conforme a hernia mais ou menos antiga.
L'nico deposito em Pernambuco, pharraa-
eia e drogeria de Bartholomeu & C.
Rua larga do Ro,ario n. 34.
i i -i i -- -v
DE
Fazendas e artigos de ulta
noYidade
LOJA i m
to FrimeiFo dc hifi a. 7 A.
gConrdeiro aa6ea & ieste importante estabelecimenlo, ao leuvavel ero-
de nao desmentirem o coaceito qae os
lhes tem dispeneado,
conta o mais rico sor-
.iiRento de sedas, popelinas, las e artigos de ul-
;ima moda em Paris, e c-.intmr.arao a receber
aor todos os piquetes daqoella procedencia ; por
sso chamam a attengao de seus freguezes e os
-ecvidam a darem am passeio ao sea estabcleci-
nento, garanticdo-lbes que eneentrarao a reali-
lade do que fica dito, e para prova dao um pe
]oeno resamo,-cajo infaliiveisnente desperura a
ir^ncao dos pretendentes.
Mandam fazendas a casa des fregaezes, e dao
Gtostras mediante penhGr.
Artigvs de aKa^novidade-e
v lit uma Btoiia.
Cortes de vestido de linho guarnecidos de bico
ta mesma fazenda e cdr, Irazendo fivella, bolca,
;into, ete etc.
Riquissimes chapeos para senhora, de eores e
*retos.
Cortes de cambraia braneos com lindos bor-
udos.
w mi de cores com enfekes da mesma fazenda,
nrino, ele. tc.
Capas de ii para meninas e senhora?, gtiarne-
mlas de arminbo.
Vesluarios para haptisado.'
Riquissimas camisas b"rdadas para-esnhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Kicas colchas de seda, pare casameote.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dito preto.
Sedinhas de delicados padroes.
Setim Macao de todas as-cores.
Grosdenaples pretos e de ores.
Vellndo preto e damaseo de seda.
Grenadine preta e de cores.
f do de seda braneo e preto.
Ricas basqninas de seda.
Casacos de merin6 de cores, 12, ete.
Mantis brssileiras.
Capelias e ir.antas pare noiva.
Cambraia de cores, aitas mariposas brancasr de
ores, lisas e bordadas.
Flor do bosque (novidade).
Percalinas de quadras, liswas, etc.
Brins de linlio para vestidos.
Fustao de cores.
Saias bordadas pira senhor*.
Grande sortimento de camisas de linl:o li.-as a
ordadas. para ^om'em.
Ueias de cores para homem, senhora, meninos
meninas.
Sortimento de chapeos de -sol para homeUs e
lenhore.
Merinas de cores para vestidos.
Dito pieto trancado e de verao, bombazina, can-
to, alpaca, etc. etc
Atoalhado de linho e algodao para toalltae, e dito
>ardo.
Damaseo de li.
Brim de linho braaco e de copes.
Setins de lindas cores com listras.
Chales de merin6 de cores e pretos
Ditos de touqnim e ditos de casemira
Camisas de chita para homw I'itas deila-
ella.
Ceronlas de linho e ditas de algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de labyrintno.
Ricos cartes de vestidoe de tarlatana, bordaaos,
.ara bailes, e tarlauina de todas as core*.
Colchas de damaseo de la, e ditas de crochet.
Espartilhos lisos e bordades.
Foulard de seda, lindas cores.
Ueias de seda pare senhoras e meniDae.
Casemiras pretas e de cores.
Popelinas,
Neste artigo temos um variadissrmo sortanemo-,
nao so em gosto como em qualiaade.
las
iom listras de seda, ditas com pal nas bordadas,
litas transparentes e de outras muitas quafidades.
Lares
is pellica brancas e de cores, do verdadeiro fa*
irieante Jonvin.
Flnalmente :
apetea para sofa, cadeiras, cama, entfada.'elK.
-.ambraias brancas, chitas de todas as qual'daae*,
oadapoloes, eeguiao, Iretanhas, bramantes, ,ajfo-
I5es, collarinhos, pnnhos, meias para homam e
enhora, punhos e collarinhos braneos e de* co-
es para senhoras, gravatas para homem 6 senw-
a, peitos bordados, lencog de linho braneos ede
iore, ditos de cambraia de linbo, toalhas, guar-
laaapoa, panno fino, etc., ete.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Marg.o n< 7 1
antiga do Crespo.
(lti-talhos de las.
0 Pavao vende uma porcao de retalhos de las
para vestidos lendo grandes e pequenos, que li-
quida barato para acabar, assim como uma por-
cio de cassas e chitas pretas qae se vendem por
qualquer preco para acabar : na rna da Impera-
tria n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Espartilhos, a 3*500, 4* e 83,
0 Pavao vende am booilo sortimento dos mais
modernos espartilhos qae vende a 3*5uO, 4* e
ti*00O.
Pechinca em lencos branccs a 2-500.
0 Pavao vende duzws de lencos finissimos de
cambraia branca para mao, sendo fazenda que
sempre se venden a 4=000 a duzia e liquida-se a
2*500 por ter grande porcSo de duzias, ditos abai-
nbadosa2}, ditos chine* s muito linos e duos
francezes escuros muito flnos para quem tc
rape.
Cassas de cores a 240 rs.
Vende-se cassas de cores pare vestido a 240 rs.
0 covado : na loja do PavSo a rua da Imperatriz
n. 60.
Camisas.
Vende-se uma grande porcao de camisas bran-
cas com peito de linho e de algodao, por muito
menos do seu valor, por estarem um pouco enxo-
valhadas, assim como seronlas francezas e de al-
godio a iiW), ditas de linho a 2* e 2500 para > Phanplpriil da \1iA
acabar: na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60 DO na V^Qapeierid. Ut iXUAK
de Felix Pereira da Silva.
Roopa para homem para acabar ate ao nm
do anno.
Na loja do Pav3) liquida se uma grande porcao
de ronpa para homem como sejam : calgas de
brim d'Angola, ditas brancas, ditas de casemira de
cor de 63 ate 12,, ditas de brim de cores, pahtots
e fraks de panno preto, de alpaca e alpaca*, as
sim como de casemiras de cres, colletes braneos,
pretos e de core?, assim como roupa branca
1 das as qualidades, nao se olha a prejuizo, 0 que se
quer e liqnidar ate ao fin do anno.
Cambraia Victoria e transparente
Na loja do Pavlo vende-se um grande sortimen
to de cambraia Victoria e transparente para ves-
tidos tendo 8 1/2 vara cada pessa de 3.600 para
cima, isto na rua da Imperatriz n 60 de Feix Pe-
reira da Silva
Cjllarinhos de linho para acabar a 4,
a duzia .
N* loja do Pavao liquida-se nma grande porcao,
de duties de collarinhos de linho, por estarem um .
pouco enxoyalbados, pelo barato pre^o de 4; a
duzia, sendo fazenda que sempre se venden por ,
7^-e pechincha : a rua da Imperatriz n. 60, loja
de Felix Pereira da Silva.
Chales de casemira a 4*. I
0 Pavao vende chales de casemira com gostos
chinezes, sendo muito grandes, que sempre ven-
Ditos de la, muito
to ha quern venda mats brat*!
Gama & Brilo, com srmazem de rooln*J sa
largo da Santa Croz ns. 2 e 4. vendem mast ?**> at
gleza em barril a 800 e 1,000 rs. por ela Ml
grammas ; vinho de macl a 1,200 a garo/a. *
Figueira a 440 a garrafa, a caoada a *.*,
gaz (Devos) liquido ai40 a garrafa, veUs 1
a 560 o'maco, velas econcmicas a "60 0 1
cha perola a 3,200 rs. cada 450 graumu
jofar superior a 3,060 rs. cada 450 urainwR, aaa
completo sortimento de biscoitos em iatast**
vendem por precos baralissimos, liof vilha-* fraaaa-
zas a 640 a fata, marmelada muito fioa a 649 re.
a lata com meia kilo, qneijos frescos, aze* We
de Lisboa a 640 a garrafa, assurer de P"****
sorle a 320 rs. 0 kilo, dito de segunda sorto a 5*
0 kilo, dito de lerceira sorte a 240 kilo. nei*o
Porto, em barril, a 800 rs a garrafi, dito fstr
rafado das marcas mais acredi'adas a 1JML
1,200 e I,5u0*: 0 que p6de", haver de ni>as
tndo mais a vontade dos compradores, ceclst *>
que encontrario a maior suieeridadi
possivel : no larijo da Santa Cruz ns. 2 e 4^
zem de Gama & Silva Brito.______
Na praca daladepe ndenda ml
!. e 10.
Vendese saccos de estopa cm u.n pequeno
defelto, proprios para ensaccar farinha, milho, etc,
pclo diminuto praco de 820-k. cada um : na lo-
ja do Guilberme & C, a rua do Crespo n. tfi.-
Casaquinhos
Casaqdinho8 de gorgorao de seda, pretos, pro-
prios para senhoras. fasenda mailo fina que sem-
pre se vendeu por tfit, estamos vendendo por
'6* cada nm ; Isto 6ua loja da Guilherme 4 C.
a rna do Crespo n. 20.
Linho (TAIsam
Linho de Aleaeia'tom listras, abertts, fazenda
muito larga, padroes lindos e inteiranvjnte novos, _
proprio para vestMcs de senhoras e meninas, pelo deu a 7* e 8.', liqnida a 4}. Ditos de la, muito
baratisjlm'o precede 440 rs. e cova4e ; dio-se eneorpados, eom listras, a 3.;. Ditos de quadros,
amostras : aruado Crespe d. to, loja 1 do Gui-
Ihenae&C. ^
Sargehm
S.;rg -lim de -cor trangatfo proprio para forro do
vestidos e outre qualquer obra e vende se pelo
diminuto preco de 160 is. cada covado : 4 rua
4 Crespo'a. aQ, loja do-^tiilUCTtBe'lfe C._______
G'ASA
Vendese on araga-se nma casa terrea em Olrn-
da, com grandes commodos, gas e agua encanada :
a tratar na rua 1* de Marco n 6.
. Cimento Portland
O-verdadeiro elment 1 Portland em barricas de
180 kilos : vendem Lebre A Reis, a raa do Amo-
rim n. 58.
Vinho verde.
ultimo vapor, tem para
quinto e de Colaros em
Especial chegado no
vmder em barri3 de
Pentes giraffe
Pentes girafe, proprios para senhora, ( ultima
moda) : a Magnolia a rua Duque de Caxias'n. 48
6 so qnem tem.
Papai, mamSi.
Como sao lindas as bonecas de cera que eba-
mam papai, mamai, choram, andam, etc. So tii
Magnolia k rna Duqj.e de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolas1.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiotas de arame de lindissimos modelos,
proprias para passaros; a ell is antes que se aca-
bem.
Colclias
para camas
Naloja do PavSo vendese colchas de fustao
braneos, para cama a 2,500, ditas de dito de
a 4,000, cobertas de chita e de cretone, de 2
para cma e ditas de metim escarlate forradaS com
decimos, no sen escriptorio a rna do C<>mmercio madapolao a 5,000: a rua da Imperatriz n. 60,
- 5, Joaguim Jose Goncalves Beltrao A Filho. oe" Felix Pereira de Srlva.
E' mm as senheras.
A Magtw^aTcra'BH^dB'de-CaBias n.'48,-oar*
icipa a<> bello sexo qne acaba de receaer da Eu-
ropa, am completo sorthnento de artigos de ufii-
ca moda, e cotno aoha desneeessario fazer um
tofadonho aHMtnocitt, par ja serbastante eonbe-
-.ida, ecaprichar 8%mpre em terbofis eorrespea-
tentasy sasulo a primeira one apresenta o qne ba
le mate oioderno e por preens ami razoaveis, par
sso limita-se a deserever somente 0 segainte:
-iettikn doeradas.
Bicos de cjres, tanto -de-seda eomo de guipure.
(.eqneai donrados.de madreperola, marfim, tar-
taruga, 06s -a, etc.
aataldas de baile.
Presenter, diversos artigos proprios para pro-
sentes.
-oHnhaf e pnnhos.
sanuai para missa, eom capa de madreperola,
tartaruga, marfim, velludo, etc.
sapatinhos de setim para bafJUsacTo.
Camisas bordadas para senhoras.
Lisas de seda.
Frnnjas oiosaicas.
iderccos de urUrufa.
tottas de madreperola.
PalsAtrafll de madreperola.
Liadaa flores para cabeca.
so 1 Has de vellado.
Perramarias dos melhores e maic afamad-M
fabricantes.
Cbapoos de sol para seahoWS.
tr*r de veUuda de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereis livrar-vos destea malditos inseetbaf com-
jrai uma machlna de th'attr tCoseas por' 3*000
sa Magnolia, a rut Deque de Caxias n. 48.
Oalvioe.
A MagBoJla, i rtta Duque -de CMrta* n. 48, veo-
0 verdadeiro Vigor de Ayer, qne impede a
-ahida dos cabellos.
Sardas epanos.
i6 tem refdas. e paaos quem quer; pecque a
ttagnolla, a rna Duque de Caxias n. 45, tem para
'eader a verdadeira Cutieuleria, qne faz desappa-
e'eer estas mahcna^'eni pftucoa diai.
Grande descoberta
Ciiratttd das molestias do
fiefta- peio
Xarope de suluhito de seda
A. BERXKT
Este importante medicamento qua acaba de ser
reconfcecido pelos distihetos DrS Zalloni e Paras-
ehevaa como um verdadeiro espeeifico contra a
phtysica, segQndo provarem nos grandes name-
ros de caaos por elles experimentados,,como hm
aa sessao da academia de Paris de 24 de mareo
Jo corrtttte ann6: encohtra-se unlcamanfe no
Deposit da pharmaeii e drogaria
de
ls Baurtlaoiooaoia; C. .
N. 34 Riia larga do Rosario S. 34
azenda muito boa 2; ; assim como. um bonito
fortijiento de ditos de merino, Uses e de quadros,
vende de 2^ ate 5: e 6* : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao, de F.. Pereira da Silva.
Popelina de linho a 400 rs. 0 covado.
0 Pavao recebeu nm elegante sortimento das
mais bonitss popelinas listradas para vestidos qne
vende pelo barato preco de 400 h. 0 covado, la-
vando se nao desbotam ; assim como, bonitas e^
moderaas lazinhas com listras de seda a 640 rs.
0 covado. Ditas transparentes com palmiuhas a
500 rs., sao bonitas. Bareges de uma 56 cor, pelo
barato preco de 400 rs. 0 covado, e pechincha :
na'rna-da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira
da Silva.
Cortes de vestidos p-^ra liqnidar.
0 Pavao vende a 4j, 5* e 6* corte de cam-
braia branca com eufeites bordados de cor, (a-
zenda que sempre venden a 7* e 8*, e liquida a
4* para acabar. Ditos braneos de cambraia aber-
ta com listras e lavradinhas, que sempre se ven-
deram a 10*. liquidam se per 5*. Ditos Benoatao
com lindos eufeites de cd~, fazenda que val 12.,
liquidam se a 65. Ditos de cassa de cores com
7 vares a 3* ; "e pechincha : na rna da Impe-1
rstriz-n 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Pechincha para criancas.
Meias a 2*500 a duzia.
Toalhas de fustao para mesa a 2.500.
0 pavao vende toalhas de fustao para mesa de
jantar pelo ban to preco de 2*5*00, e pechincha :
na loja do Pavao, a rua da Imperatriz n. 60,
loja de F. T. da Silva.
Gros preto a 1*.
0 Pavao vende grosdenaples preto a 1* 0 co-
vado e dahi para cima, at 4? : na raa da Impe-
ralriz n. 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Brins de Angola a 2*, 2f500 e 3*.
0 Pavao vende cortes dos verdadeiros bins de
Angola a 2e, 2*500 e 3* ; e pechincha : na rna
da Imperalriz n. 60, loja de Felix Pereira da
J-Silra.
Melins a 280 rs.
0 Pavao vende bonitos metins de cores para
vestidos, pelo barato preco de 280 e 320 rs. 0
covado; assim como, am bom sortimento de chi-
tas de todas as cores, padrdes modernos e fixos,
C barato preco de 280 ate 360 rs. : a raa da
eratriz n. 60, loja de Felix Pereira da Si;va.
Acabam de receber nm compl-to e variads
mento de chapeos de palba da Italia para
ras e criancts, ricamente t-nfeilados e de g*4sa aa
mais modernos qu? ate hoje tem apaar acioa *%
deTo' I mercado, assi.n como tamb m recebc-raiu
aue se riadissirao sortimento de chape js de c -pa c4ia*
aba dura, para homem, e vendem taraea-oa
qne em outra qualquer parte.
Vende-se
a rua do Vigsrto n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarrafado, em barns oa
ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa, superior qL*_o*#a>
Retroz do Porto.
Cimento Portland, legitimo________________
Cortes decasimira a 4#,
e 6#000.
Na loja do Pavao, vende-se cortes it m
semira para calca a 43>, 58 e 65t!00. 4
muito fin'-sde uma so cdr com listras V
do, fazenda que sempre se Main i**o
105000, liquida-se a 6^000 p.ira aoaNf-
& rua da Imperatriz n, 60, de Felix I
da Silva.
Cal de Lisboa novissima
Vende-se em grandes e pequenas pore/.** ao
dna Direita n. 14.______________________
CHAPEOS PARA SENHORA.
A Predilecta, a rua do Cabuga 0 1 A, acata
receber am Undo sortimento de chapeos dad
moda para senhoras e meninas, e vende p*?a
5 )8*commodos.
Para concertar
A NOVA ESPERANCA, a rna Duque
n. 63, recebeu desti necessaria linha.
men
de l_b|
Asunicas verdadeira
Bichas hamburguezas one veu
raa do Maronez do u:io_- *'
-.. ,

A' pra^a circular do Apollo
vende-se:
. Tijolos de marmore, de differentet- ta-
ada-boa eqaalidadee.
Tijolos francezes, seituples.
Cimento Portland' verdadeiro.
AzaleJoB grandes muito proprios
para, rodapee.
Azulejoo verdes e amarellos, tamuiho
regular. .
Maeju in a a de d escarocar algodao.
1- Cadeiras de ferro, assento de palhi-
uba, 1 preprias para cam ao.
"Sit
Salsa parrilha
Muito novae grossa. -
; Vende-se por barato preeo, em porcao ou a re-
tilbo : na raa larga do Rosario n. 34.
B' com as noivas
A NOVA ESPERANCA, rna Duque de Caiias n.
96, acaba de receber bon meias de seda proprias
ara noivas, e os apreciaveis ramos 4e laranfelrs
;
Camhraias
Com hams, a 240 rs. 0 c vado, so to.
rua do Queimado a. 43.
1 E' pechincha.
Cambraias com barra, desenhos d_o
zes pelo prec,o de 240 rs. 0 covado Si c
43 1 Junto A loja da .\iegn< !ic.__________
*

O Desengnno esta quei-
mando
0 proprietario deste estabelecimento tem resol-
vido vender as fazendas existenles em seu estabe-
lecimento, por menos do que em outra qualquer
parte.
Vanzinese de seda.
Vende-se esta fasenla de lindos patroes, de lis-
tras e palmas, pelo diminuto preco de 320 rs. 0 co
vado, por ter uns toques- de mdfo, e grande pechin-
cha. Esta fazenda tambem serve para Into, per
ser tola preta; e fazenda de 2500 0 covado.
Dattoaseo de 18.
0 Desengano esta vendendo damaseo de la de
lindos padroes e de dnas larguras, pelo baratissi-
mo preco de 1J0OO 0 covado, e fazenda de 24500.
Aproveitem qae 0 Desengano esta queimando.
Cassqninhos de gorgorao de seda.
0 Desengano esta vendendo casaqninhos de gor-
SorSo de seda, enfeitados, pelo baratissimo preco
e 6*000 cada um, e grande pechincha A elles
antes qne se acabem.
Organdys a 320 rs. 0 covado.
Vendem-se Organdys de listras, braneo, pelo ba-
rato preco de 320 rs. 0 covado. Aproveitem.
Madapeldes de 4#000 a peca.
1 0 Desengano esta vendendo madapolao franeei
com 20 varas a 4 a peca ; dito muito flno, a SJ,
5*600, 6* e 7* a peca ; 6 grande pechincha
Algodao marca T, largo, a it, 4*500 e 5* a
VE^S&E-SKostioj^.vo
ja de S. Jos6 do Hangu nho, com casa de tinreso
assobradada e outras acommodacoes, t Ac soars-
do, com duas frentesservi.'as porporu.- deV>T,
dando para a raa di Amizade e para a t- H_
guinho. Tem de terrene proprio i94 ; ; a_ it
largura e 354 de (undo ; e a casa m de 52 ;-s-aai
db frente e 84 de fuudo. A situ .cio e a mftkm
possivel tare morada, e quem qni-er eliUtt, ton
bastante terreno para isto, pp|<< lado n raa aa
Amizade. Tem a'gumas plantago-s de gui ro-
creio, havendo bastante agua fcraeriii ear c_m
caeimbas, nma das qGaes e nova. A eni*z > r- aa
com 0 Sr. Dr. Witmvio qu*m o prewnler
A 500 rs. o covado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas jas -rje-
I de cdres muito modernas pelo baratissiw.- ^r*
j de 500 rs. 0 covado, para acabar ; n >taoa.--- r
e fazenda qae jamais se venden pir m-*-. oa
dois craiados ; ja ba poucas : a rna da lim^i
n. 60, loja do Pavao, de Felix P<-re a d>
ieos chapeos de sot de seda, com cabo de mar-
fim, a 124 cada urn; e pechincha.
Baptistas de lindos padrdes a 400 rs. 0 covado.
Lazinh?s de cores, bonitos padroes, pelo diminu-
to preeo de 160 e 200 rs. 0 covado. A ellas antes
qae se acabem.
Cambraia Victoria, a 3*500, 4*, 4*500 e St a
peca.
Alpaca? de cores, li e seda, bonitos padroes, t
W rs. 0 cOVSdo ; e grande pechincha.
Metins de cores, bonitos padroes, a 280 e 300 re.
covado. ,
Chitas claras de lindos padrSes a 240, 260 e 280
fSiS.
E outras muitas fazendas qne deixa de meoelo-
na-:aa para sao se tornar enfadonho, por isso 0.
proprietario convida a todas as pessoaa a fazepem
uma visita a seu estabelecimento. afim de sorti-
r^m-se do bam e barato. Rua do Crespo n. 25
f__tto a loja da esqolna._____________________
Farinha demaiidioca supe-
rior.
Tem para vender, Joaquim Jose* Goncal-
ves Beltrao & Filho, a bordo do palhabot*
Rosita, fundeado ao pe do caes do Collegio.
e para tratar a bordo ou no seu escriptorio :
a rua do Commercio n. 5.
Chocolate do Maranhao
Unico deposito nesta cidade, em casa de Jost
Tavares Carreiro"_ C, rua Direita n. 14, onde at
vende pe'o precos e vantagens da fabrica.
Para padarias e tavern as
Sal flno e mnite alvo : vende se na rua tnp
rail n. 5, araazem.
200 rs.
O COVADO II
Lasinbas de listras assetinadas, soot rao
do Queimado n. 43, junto da 1< ja ds Hay.
nolia.
E' especialidade do _S;
Lasinbas de listras assetinad-is, gosMc
muito modernos, pelo diminuto preco d* _
rs. 0 covado. Sd 0 43 Dio se
eom penhor.
Lazinhas brilhautes a 72JTrs.
0 PavSo recebeu nm bonito sortimen* 1 das
lindas lazinhas brilbantes, sendo de qua
miudinhos, parecendo de nma sd cor, e teaia i_ _
reates cdres ; esta fazenda tem nm br Hi* aaav
seda e bastante largura, e vende-se a 72're.
covado : na raa da Imperatriz n. 60, loja se f a_
Pereira da Silva.
Lazinhas modernas a 320 rs.
0 Payio vende bonitas laziobas de qaitrr.-r.-m,
teado de todas as cores, pelo barsto preye _
rs. 0 covadb; sendo fazenda que sempre se t* -aaa
a 500 rs.. e peehloeba : na rna da Impemna m.
60, loja de Felix Pereira da Silva
Crochets para cadeiras.
0 PavSo 1 vende uma porcao de panos ** ero-
chet, proprias pajra encosto de cadeiras ?* so-
s, que vende por precos baratlssimos roe
da Imprinttr-" B. 64, te|a de Fehl Perer* _a
Silva.
Cortes de organdy a _i0
0 Pavio recebeu am bonito sortimento fie
da organdy, matisados, para ves ido, qo*
pelo baratissimo preco de 24400 o c6rte, {-vJaav
cha : na rna da Imperatrii n. 60, loja 4*F_
Pereira da Silva._________________________
Sao de listras
LJa-inhoo m *40 r. o cavaio
86 0 43-Queimado- SO 0 4$
Jlflrft) A LOJA DI aCTOM4
Lazinhas de li sires, gostos a pr.
muito linda a 200 rs. 0 covado.
Aproveitem antes que sa acabem
Dio-se amostras com penhc-c


8
Sferio de Pernarabuod Segunda feira 23 de Novembro ;
SCIEICIAS E 1BTES
Faeuldade ACTOS 00 QUISTO AX NO U> FACULDADE DE
DIREITO.
Pontos para a prova eocripta na primeira
cadeiras 12 a saber :
m mfl""ffrif- total. -
rovas optimas
Idem boas
Idem soffriveis
Idem pouco soffriveis ou fracas
Idem reproducgdo do compeDdio
12
28
14
3
1
58
que e acgdo : suss divisdes e sub-
nogao de cada uma de suas espe-
i.
divisdes
cies.
2. 0 que e jurisJicgSo e competeneia :
diversas origens de competeneia absoluta e
relative, vis ration'? caune et ratione per-
sona,
3. 0 que e hermeneutica juridica, e
como se divide com relagdo a sun origem.
0 quee citagao : como se divide : diversos
modos porque poderd ser effectuada : seus
efftsitos.
4.* Elementos de interpretagdo. Revelia
do autor e revelia do reo logo depois da
citagdo geral ou ioicial d'acgao.
5. 0 que e excepgdo : como se divide :
uocao de cada um.i de suas especies : em
qn tempo ">u estado da causa deverdo sef
otlere>idas (ao juizo civil e no commercial.)
6 0 que 6 sentence : como se divide :
nogdo de caJa uma de suas especies : o
quee cousa julgada : coudigdes para sua
justa applicacao.
7.e0 quo e prova : como se divide ; nocao
do cada urns de suas especies: diversos
rceios ou modos, porque podera ser feita.
8.' 0 que & irrterpretagdo de uso e juris-
prudencia : condigdes para que assuma
forga obrigatoria. 0 que e appellagao :
como se divide: no$8o de cada uma de
suas especies : condigees para que spja in-
terposta validameote.
9. 0 que 6 aggravo : como se divide :
emqmode petigdo differ? do de instru-
mento.
10. G?mo se divide a interpretagao com
relagdo a seus effeitos. 0 que e execugdo :
como deverd ser inieiada a execugao de sen-
tence proferida em acgdo real, e da profe-
rida em accdo pesos!, em que tivesseha-
vido condemnagao dediuheiroou dieousa
fungi vel : incidentes, que nella poderao ap-
parecer.
11. Em qoci interpretagdo doutrinal
fere d'authentic* Queixa e d nuncia.
12. Formagacda culm, inclusivamenttfe
o despacbo de rfo-iuueia ou de nao pro-
nuncia, e os effeitos 1. gaes de cada um des-
!es dous despacbos. (*j
Resultado da prova.
Sahiram asorte os pontos n. 6 sobre sen-
tence e cousa julgada-e o 3" sobre citato,
modos de effectua-la e seus effeitos, e o re-
sultado da prova escripta foi o seguinte :
Provas optimas pela exectiddo das
respostas e desenvolvimento de ou-
tros pontos de doutrinaa conaexas
com odo program ma.
Provas boas
Idem soffriveis
Idem pouco soffrivel
Reproducgdo do corapendio e por
isto sem valor real
Approvados corn dislincgdo.
Idem plenamente..
5
53
58
feitos nos seus auditorios. com 9$ ; presen-
temente teem os juizes, quandoos exames a
que presidirem forem em sua casa, ou na
audiencia, 39 quando forem fora deltas tern
Troze escolas de ensino medio, que slo as
de: Hildesheim, Cleve, Badersleben, Lu-
diogbauseo, Popelau, Elestorf, Her.ord,
Hof-Feisberg, Niemburg Gappeia, B.-berbe-
A' v'sta do quadro que ficaexposto, pode
so bem avaliar se o quinto anno da Facul-
Jade de Direito desta cidade e de serios e
aturados estudos para os que o frequentam,
ou apenas um anno lectivo de privilegio a
immunidade para folganga.
Recife-, 13 de novembro de 1874,
Dr Francisco de Paula Baptista.
JORiSPRODEWCIA
6, Qcando assira consignada a opiniao do'ck, HohenwesteJt e Bnog
governo imperial exarada do aviso de n. | Dezesete escolas de ensino rural primario
ii3 de 3 de oulubro de 1860, qua resolreu, que sao as de : Lehrbof, Spiizing" Polko,
uma das muitas duv.das wscitadas pelo art.darlsruhe, Glichow, Dahme, Schellin, For
19 do regimento de 1855 em sua execu- bach, Zimezysko, Nieder-Briesnitz, Reifens-
P0' ... 'em Preetz, Riesenrodt, Aooaberg, Derklin-
Outros augmentos, recODhecidameote ex- gen, Roscheidershof e Bauhof
cessivos e injusuacaveis, encerra o dovo re- Nestastrescathegoriasdeascolas ruraes pre-
gimeuto, que tornou tudo na justice mui- domina o espiritoscientifico.
to caro. muito difficil, e qui^d impossi- Isto pareceria a maxima saturagSo da ia-
veJ- dustiia agricola pe a sciencia.
Por exemplo, das cartaa de perQIbajao e Qualquer paiz que possuisse a terca par-
legitimaceo, adop^o e lasinuagao de doa-j te deste copioso oumero de escolas ruraes
56es tinham os juizes 40, agora recebem dar-se-hia por satisfeito.
109000. Pois a Prussia nSo s6 considera ainda
Das pronsdes de opera demoliendo, e ou- j bem fornecida de escolas
8
12
1
24
EconomiaPolitica, to pontosa, saber :
1." Defini^ao de economia politica : de-
monstragao deque e uma sciencia.
3." Se o trabalho industrial e" s6 o que
poder-se ha chamar trabalho economico.
3. Differentes sentidos da palavra capi-
tal e qnal a nota caracteristica do capital
economico.
4. Se ha uma organisagao natural do tra-
balho.
5. Associagao, e socialismo : se sSo duas
iiOQoes, que se completaraou se excluem.
6. Theoria de valor e de prego.
7." PadrSo monetario : se os principios
scieatificos impoem a sua unidade.
8. Salario do obreiro : se em substancia
contrap5em-se as leis da justice economica
9.* I.ucro do capital : se a sua perpetui-
dade e Iegitima.
10. Se os emprestiraos publicos podem
ser pelo rigor scientifico de amortisarao in-
definida.
Rcsultado da prva escripta.
llavendo sabido & sorte os pontos n. 1 e
D. 6, o resultado foi o seguinte :
Provas optimas pela exactidao das
respostas eseu desenvolvimento pbi-
losophico 3
Idem boas 10
Horn soffriveis 7
Idem pouco soffriveis 2
22
I'treito Administrativo8 pontos, a saber :
l. Regulamentos d'Adrainstrac.5o Pu-
blica, suas forrnas e differengas entre ellas,
as leis e os Regulamentos em materia admi-
nistrative, ou sdministrativos propriamente
ditos, e os casos em que sao cabiveis uns e
outros.
2. Contratos ministeriaes, suas forrnas
e condigoes : quando e como podem ser
rescindidos pelo governo, e a quem compete
o respectivo contencioso.
3.* SancgSo Presidencial nas provinciaes :
quaes e>s ados que della depeudem ou inde-
pendem : suas razoes justificativas : que es-
pecie de poder publico exercem os respec-
tivoa Presidentes, quando concedem ou de-
negamsua sancgaoaos ados legislatives pro-
"\ineiaes.
t." Poder Municipal, e suas funcgdes :
sua verdadeira theoria : o que 6" municipio,
e analyse de sua definigSo.
5. I'olicia : suas divisdes e subdivisdes :
lim t divisorio entre ell i eajustiga.
(i.* Contencioso administrativo : de que
sc CO ;ipoe : quaes- seus caracteristicos ou
riquis.tos essenciaes : a quem compete jul-
v;a-lo, o. qual e a sua origem.
7.* Comodelibera o Conselho d'Estado
no contencioso ? com voto puramente con-
sultivo, ou com voto deliberativo como um
verdadtiro Tribunal Administrativo ?
8. 0 que seja suscitar conflicto : a quem
compete decidir os de attribuigao : a quem
pertcuce o direito de suscitar o conflicto,
e qual a forma de proceder a tal respeito.
Kesaltado da prova escripta.
Huvenlo sahido o pooto n. 6, o resulta-
do foi o seguinte :
Prova optima 1
Idem boas 6
Idem soffriveis 5
12
(*) NSo houve maU pontos sobre o pro-
cesso criminal; porque o tempo lectivo,
apezar de ter sido bem aproveitado, me o8o
deixou ir com rainhas prelecgdes mais
adiaote.
n^gimcnlo de eiastas.
VI.
E' do magistrado de primeira instancia
que uoS vamos occupar neste artigo.
Especialmente dos juizes do civel, e, se-
guudo a nova relorma judiciaria, dos- jui-
zes das comarcas geraes, dos das comarcas
especiaes, dos juizes municipaes, dos juizes
substitutos e dos seua suppleutes.
Estes fuiiceionarios, de oiBcio nobre, im-
portante e reSribuido, que administram a
jusliga por ulifidade puWica ou particular'
e que a exercitaio desenvolvendo jurisdicgSo
voluntaria, obrarrdo ispoutaueameDte, ou
a requerimento de- parte, esteo pelo novo
regimento de Cast mui van-tajosaroente
aquinboados.
Depois dos juizes d paz, marca o no-vo
yegimeoto os emolumewtos, especialiBente
em materia civel, dos jaizes do civel, dos
do commerce, dos de orphans e a'usentes,
dosdos feitos da fazenda, dos da provedo-
ria c dos juizee de direiio em segunda ins-
tflucia e era correigao.
Goraparando c> nova regiraento como de
1855, -K-SH que foram no geral duplicadas
as custas que yencem aquelles ma^istradbs.
0 nova regimedto trata dos juizes do ci-
vel, sem ftzer a distincgao queestani ios
cripgao do- capitulo II do regimento de
loo, que meueiona juizes muoicipaes e-
juizes do ciwl.
Os juizes do civel tinham pelas senteugas
proferidas scbre o poitto principal da cau-
sa ordiuaria, summaria ou executive, e so-
brd exeepgoes peremptorias, ate 5008, o
emolumento de l#r augmentando igual
qaantia em cada 1:00053; sendo de 4:0009
para cima 59000.
Agora esses mesmos-juizes teem ata qui-
nbentos mil reis o-emolumento de 29, de
quinbentos mil reis a um conto 3)5, de um
a dous contos de reis 49^de dous a quatro
contos 5>, de quatro a oito contos 69v. de
oitoa dezeseis contos 109,. de dezeseis-para
ciraa 209.
0 regimeuto de 1855-fazia um augoseoto
graduado em cada conto de reis ; 0 novo
regimento deixou essa regra^ e foz augmeo-
tos sem igualdade e em larga desoroporcao
Hao tomou por raedida 0 valor da de-
maoda, depois que se u razao .conhecida, o
augmento varia notavelmente.
Nao teve em coosideragao 0 trabalho,. por
que certaraeute a sentence final em tuna
causa execuliva, suinmaria ou ordina-
ria, pode variar de importaucia, do estudo
e de difiiculdades, conforme a controversia.
-\io teve em vistas a natureza do aeto,
porque tern, a mesma impoctuncia egravi-
dade uma sentenga lkial, em causa sum-
maria ou executiva de mais de 16:0009,
como so 0 seu valor for de 1:0009, haven-
do asssim grande distaucia entre os emolu-
ments de 39 e 20&000.
No art. 12 0 nvoo' regimento equipara
os juizes do civel aos de paz, quanto aos
emolumentos das sentengas que proferirem
como arbitros, dando a uns e outros os
mesmos et&olumeutos.
Das partilhas e sobre-parlilhas teem os
juizes do civel ate 1:0009, 25, e dahi para
ciina 19 por cada conto ate" 50:0009 ; de
modo que nao poderao perceber por cada
um daquelles trabalhos mais de 5.09.
Ate aqui tinham pelos mesmos servigos
ate 1:0005 29, e 0 maior emolumento era
de 109000.
Ve-se, pois. que o augmento e conside-
ravel, e onera muito os inventanos e des-
falca os quinhdes hereditarios.
Se 0 juiz so julga a partilha ou sobre-par-
tilba, tern 0 emolumento de 59, que ate1
aqui era de leuOo.
0 regimento de 1855 nenhum emolu-
mento taxou aos juizes pelas partilhas e so-
bre partilhas amigaveis ; 0 novo regimento
marca metade daquelles emolumentos que
os juizes percebem quando a partilha e so-
bre-partilha e judicial.
Tambem nada tinham os juizes pelas con-
tra-minutas de aggravos e pelos depachos
que os reparavara e agora percebem por
esse trabalho 29000.
Tinham por assigaar um mandado 200
rs., agora tern 300 rs.; das inquirigOes ti-
nham 400 rs. de cada um depoiraento, ago-
ra percebem 19 ; emquanto os juizes de paz
sao obrigados a fazer todo esse servigo gra-
tuitamente ; entretanto, mandam a justiga
e a boa razSo que os juizes do civel, que
vencem ordenados, e teem outros emolu-
mentos e vautagens, fagam de seu oilicio
e gratuitamente a sustentagio dos seus des-
pachos em grao de aggravo, ou reparem 0
gravame causado por suas decisoes.
As cartas de sentenga eram assignadas
pelos juizes, que deste facilimo e simples
servigo nada percebiam. Adualmeote per-
cebem dessa assignatura 29, e sao obriga-
dos a examinar as cartas de sentenga, de-
clarando 0 art. 17 do dovo regimento que
a esse exame ficam obrigados os juizes sob
sua responsabihdade.
Ora, os escrivaes tiram as cartas de sen-
tenga sob sua responsabilidade, e os juizes
que as assignavam nao deixavam de ter a
responsabilidade legal, que implicitameote
impde e presume aquelle exame.
0 que signifies, pois a recommendagSo
expressa no citado art. 17 ?
Pela rubrica de um simples mandado
teem os juizes 300 rs; mas por deferirem 0
juramento, qualquer que seja, acto grave e
solemne, a assigaarem 0 termo respectivo
somente teem 400 rs ; e foi rovogado nesta
parte 0 anterior regimento que fazia dis-
tincgio entre ojuramento deferido ao in-
veotariante para principio de inventario,
pelo que tinlam os juizes, 19, e qualquer
outro juramento.
Os exames eram pagos aos j-iijee q'-unlo
tras quaesquor tiuham 39, agora teem.
59000.
D.i rubrica de livros tinham 80 rs. por
cada folha, agora recebem 100 rs.; erubri-
car livros e servigo material.
Nas arrematagoes a aita das custas e es-
pantosa, e lesa a todos, credores. executa-
dos e herdeiros.
Ate* aqui, pelo regimento de 1855, era
ate cineoenla mil reis o emolumento do
200 rs., ate" cem mil reis 400 rs., ate* qui-
ohentos mil reis 19, ate^ um eonto de reis
29, e ilaifi para cima 19 por cada am conto
de reis ate 59000.
Agora taxou-se ate" 509 500 rs., ate"1009
19, ate 5009 29. ate* 1:0009 39 ate......
2:0009 45, a!e 4:0003 59, e dabr para
cima 19 maisporcada 1:0009 a ate 50:OOu^,
que sao os emolumentos taxados aos juizes
das partilhas e sobrd partilhas judiciaes,
ate" o emolumento de 509000,
0 maximo dos emolumentos- dos jaizes
para partilhas e sobre-parttlhas juliciaes era
de 109, passam agora a ser de 509 1
0 maximo dos emolumentos dos juizes | ci* do seu' efficio.
do cada objiacto ou lote, nas arrematagoes, 1 Para chegar ao idea? de cada um que faa
sejam os beus moveis, semorentor ou de agricultura eafiga con principios racionaes-
raiz, ou de adjuxTkagao delfes; era 59, ago-|e scientificos, 6 preciso ou multiplicar as
para assegurar
como entendo os seus progressos agrico
las.
Visando mais que nenhum paiz da Euro-
pa ao velho lemma de governagSo, enes et
aratro, a Prussia queroria em cada solda-
do um general, 0 em cada exploragao agri-
cola u.na escola ou polo menos umagrono-
mo a dirigil-a.
A mesma sciencia na raauobra da espa-
da e da charriia, geral, extensiva a to-
dos.
I'm escriptor prussiano, Settegart, lasti-
ma a poaca generalisaga" qoe ba ainda na
Prussia da instrucgao agronomiea.
Affirm elle que em cada 100 grandes
exploragoes ha 76 que sSo regidas por pro
prietarios que nao teiu outros conhecimen-1
tos senao os adqueridos pelo empyrismo da
pratica.
Nas exploragfcs da mediana proprieda-
de ha 93 % de proprietaries no naesmo
caso.
^J.j^ nas exploragoes- pequenas contam-se
doproprietarios- ignorantes da scien-
red 5090091
De igual modo i'oram elevados os eiaolu-
inontos das diliigencias que os juizes fizo^
rem; tinham das que fossem de&fro da clifede
ou viHa 59, 0 novo- regimento da Ihes 1-09;:
recebimtj das que fossem fora da legua da
cidade ou villa, ou no mar, 89. agora rece-
bem 309000 !
E, nao obstante tao-considwravei augrnen-
to, ainda as paries sao obrigadts a prestar-
Ihes conducgacr:
Ainda mais: quando a diligencia, qne a
nova lei comprehendearrecadacio de he-
raocas e massas fallidas, descripgao e ava-
liagao de hens, vistorias, demarcagoes e di-
viaoes, medig.6es e arbitramentos,nao se
concloir eiu um dia, terao os juize mais
lXXp" por cada* dia que que se seguir nesse
servico.
Allegar-se-ha, em defezados referidoaac-
crescimos, que a novo regimento dispoe-que
nas causas, cojo valor nSo exeeder a 5009,
perceberao os jphes metade daquelles emo
lumeatos.
Essa allegagao nao satisfaz-; nao tranqalt-
lisa, porque nao- attenua a elevagao das ta-
xes nas causas cojo valor exeeder a........
5009000 ; e a eonsideragao -de que para as
demandas de peq-uenos valoreo 0 novo regi-
mento eonsagra a protecgao de metade dos
emolumentos que estabelece, nao faz im-
pressio, porque mesmo essa metade doe
emolumeatos e uma taxa bem onerosa
Mota-se, de um lado, que sao pouco at-
fkientes as causas cujo valor nao excedo
a 5009. o que agora muito mais diroi-
nuird.
De oatro lade, parece ridiculo que um
juiz tenha de receber, por exemplo, de as>
signatura-de um mandado ISO rs., que 6 a
escolas ou augcaentar a concurrench ds es-
colas qpe existen*.
Pcx'este aDAr, diz ojornaldonde co-
lbemos estes apontamentos, nSoestard lon-
ge 0 discern que no- Prussia se decrete que
ningueru poderd dirigir uaia exploragao
agricola, grande oupequena sem estar ha-
bilitado primeirameate com um- curso de
sciencias agronomicas-.
Isto pode-nos fazer rir na adualidale.
Mas a seu tempo p6ie ser a coim mais na-
tural do muado.
EiTectivamenie se ba profissao que deva
ser confiada i intelligeneia esclarecida, e a
que prepara a aabsisteucra do homem.
A'sociedada tern obrigado ao estudo> d
scieneia cousas muito menos importances d
existencia das fomilias e das nagoesv
Pergunta-se agora. E no meio destes
jorros-da scieneiaem tudo & em todas as cots-
sas, temrealmeota 0 homem prussiano *!-
quiri'Io a bondade de corajao, a gent rosiia-
de da alma, as grandes qaalidades- einim
que se dizem proprias dos philosopiws- e
dos sabios ? Os-- factos qua pronunciofa.
Eu direr apenas, nao e a seieocia so por- si
que faz o homem- bom e civihsado. Acima
da scieneia estd a rebgiSo e a moral das gran-
des virtodes. Maliita e a siencia que faz.
esquecer o sabio do seu Deus^ue o hj de
julgar^o do seu proximo que-elle mandou
amar como a si raesmo.
A rnesma folha,_ accusando. o grande des-
envolviiawnto que se nota na AilemanJui,
laslima eom pezarqae oseuipaiz nao pro-
cure imitar esta celeridade, & aponta oomo
consequeocia desta abandouo a crise que
ultimamente teve lugar naqueile paiz.
Esta crise, di/.. t-lla, naoexclusivaraente
franceza, em outros paizes, a ale na Ameri-
metade de 300 rs., que elle tern por esse ser- ca-, ella se reproduz, mas na Franga tern
vigo nas causas supenores a 5009000.
Se 0 pensamento dominante na confecgJo
do actual regimento de custas, foi melhorar
a sorte dos empregados da justiga,. pelo des-
man-ado augmento dos seus emolumentos,
poderd ser illudida essa idea, porque essa
elevagao irrita, e diminue consideravelnien-
te os pleitos judiciaes; se pore'm, o am
principal foi diminuir as demandas, crean-
do-lbes- assim grandes embaragos, os matu-
res quesdo os dos meios pecuniarios, ede
esperar que esse fim se preencha, mas nao
compeosard- 0 grande sacrilicio de seus di-
reitos legitimos, que na opiniao imprime
intenso desgosto.
VARIEDADE
Revista eeninaereial.
D.V00S ESTATISTICOS SOBRE 0 COMMERCIO DOS
PRIiSClPAES PA1Z-ES DA EUROPA.DESEN-
VOLVIMENTO DA INDl'STlUA E DA AGRICUL-
TURA NA ALLEMANHA ; SUAS CAUSAS. 0
COMMERCIO DA FRANQA NO ANNO DE 1873.
A RUSSIA, A INGLATERRA E OS ESTADOS
UNIDOS.A DEPRECIACAO. DO PAPEL-MOEDA
COMO CAUSA DE DECADENCIA COMMERCIAL
EM ALGUNS PAIZES, PATENTEADA PELO UL
T1MO CONGRESSO MONETARIO.
[Continuacdo)
Pelos dados estatisticos publicados pelos
jornaes allemSes ve-se que n&o e s6mente o
desejo de tornar-se a primeira potenciami-
litar, que anima o governo daquella nagao
a emprehender. reformas dispendiosas para
collocar o imperio nas condigdes de poder
sustentar competeneia com as potencias vi-
sinhas.
Nos ultimos annos o commercio e a indus-
tria allema tern merecido os mais serios cui-
dados do governo, e o seu desenvolvimento
tern provado que muito se tern conseguido
e que taes medidas proporcionam resulta-
dostao vantajosos para o paiz oomo a instruc-
gao popular.
Particularmente, na industria e no com-
mercio, a Prussia apresenta um estado de
desenvolvimento que torna aquelle povo o
primeiro da Europa.
Cora effeito se 6 admiravel a providencia
e attitude guerreira deste paiz, e pasmoso o
seu adiantamento scientifico, artistico e lit.
terario em quasi todos os ramos da intelli-
geneia huraana.
Para nao falls r senao da especie que tern
relagao com o caracter commercial e indus-
trial, direi que nio ha paiz nenhum que pos-
sua maior movimento litterario nas scien-
cias agr jnomicas, e um cortejo mais opu-
lento de instituigdes de ensino rural.
Contam se na Prussia 88 escolas de agri-
cultura, a saber: oito escolas superiores,
verdadeiras faculdades de sciencias agrono-
micas, que sao as de Halle, Gaeltingue, Koe-
nisberg, Kiel, BerUra. Poppelsdorf, Eldena
e Proskau,
particular gravidade.
Por toda a parte a causa principal, desta
crise, estd na estagu-.ga > dos negocios, apds
a producgao exagerada, que, seguio imme-
diatamente a guerra.
Na Allemanbcas loucuras de uma. espe-
culagao desenfreada trouxeram, como na-
tural eonsequencia, incaluulaveis desastres.
Mais de 80 milhoes de libras de valores de
bolsa foram alii creados desde 1871* Des-
tes uma parte jd sesubmergio em .-epetidas
falleucias, causando perdas, que so muitos
annos de trabalho e de economia- poderdo
atitenuar.
Na Austria, emprazas temeraria* geraram
tambem dolorosas catastrophes, cujo aba! j
so agora oomega a dissipar-se.
Em Iuglaterra grandes difiiculdades mo-
netarias causaram fortes varia^oes no des-
couto, e embaragaram portanto as transac-
^Oes commerciaes.; a prudencia perdeu ahi
a sua sctividade, appareceram greves o a
industria e o commercio passaram por ter-
riveis provas.
Na America, como na Allemanha e na
Austria, a temeridade ou a extravagancia
das especulagdes trouxa tristes resultados.
Operagoes colossaes de linhas ferreas foram
desorganisadas por failencias inevitaveis,
donde proviviam grandes pertm-bagoes no
mere ado americano.
Mas apresentando este processo financei-
ro e" justo reconhecer, que com mais previ-
dencia que qualquer outro paiz a Prussia
tern sabido suster, ou pelo menos remediar
em parte das desastrosas oonsequencias e a
organisagao de novas medidas tem melhora-
do a situagao financeira daquelle estado.
NSo se deve concluir desta exposigdo que
a Franga se acba em estado de decadencia,
nem no seu commercio nem na sua agri
cultura.
Segunda os-dados estatisticos, que encon-
tramos em um jornal, a agricultura da
quella nagao occupa vinte milhdes de indi-
viduos, explora um capital de vinte rail mi-
lhdes de francos, seus utensilios important
em cinco milhdes, seus animaes valem qua-
tro milhdes, seus productos representam
quatorze mil milhdes. So, a vinha faz viver
oito milhdes de individuos e produz mil
milhdes.
Na industria, comquanto a Allemanha
tenha conseguido disputar com a Franga a
preferencia na venda dos seus artefactos em
alguns paizes do globo; mas por isso se
pode concluir segundo os dados estatisticos
do movimento commercial de Paris no ulti-
mo anno, que esta preferencia tinha causa-
do gran ies perdas d industria franceza.
Gom effeito o resultado geral do commer-
cio parisiense em 1873 nio foi tao mdo co-
mo fazia suppdr a estaguagao das transac-
gdes. A importagdo dos productos alimen.
tares elevou-se Ue 797,640,000 francos,
cifraobtida em 1872, a 918,440,000 fran-
cos. A dos productos naturses e materias
dos houve pelo contrario diminuigSo de
480,215,000 para 319,095,000. A expor-
tagdo dos objectos fabricados elevou-se a
2,250,152,000 ao passoque no anno ante-
rior fora de 2,077,953,000. A exportagao
de productos alimentares e de materias pri-
mas foi de 1,469,535,000 em loear de
1,490,895,000 em 1872.
Em resumo as importagdes, que foram
em 1872 de 3,386,579,000 elevaram se em
18 73 a 3,428,924,000. As exportagoes fo-
ram 3,719,085,000 em lugar de.......
3,568,847,000 em 1872.
A navegagdo commercial mauleva-so qua-
si no mesmo estado que no anno anterior,
tanto em numero de navios como em tone-
lagem.
E' possivel que no presente anno se apre-
sente uma difference miis sensivel, com-
quanto nao deva ser conclusdo iufallivel que
o desenvolvimento da industria allema deva
ter por solugdo a decadencia do commercio
francez.
No anno Qndo a importagdo elevou-se a
3,600 milboes de francos e a exportagao a
3,926- milhdes ; o augmento em relagao a
1873 foi de 29 milhdes na importagao e de
165 milhdes na exportagio, mas e opiniao
de muitos que estes algarismos nio repre-
sentam realmente melboria a situagdo mer-
caulil do paiz; ndo obstante as inLrmagoes
olficiaes o commercio queixa-se de perdas-
sensiveis e o amio de 1873 foi alii conside-
rado geralmente como um mao anno.
E' verdade que os jornaes francezes dizem
qua este auno tem corrido muito pouco
I prospero ; mas o mesmo allegam as feiras
dos oulros paizes; na Allemanha, na Aus-
tria, e r>a Italia tem havido uimr paralysa-
gdo muito sensivel, :jue tem sido parcial-
mente deuunciada peh diminuigao- dn recei-
ta das linhas ferreas ede navegag&o.
Depois,- a Franga tern- visto nestes ultimos
tempos as pragas de Trieste, Viennai-Geno
va e Aiivere-apropriarem-se de utna pane
uotavel do commercio que-por muito tempo
perlenceu exefusivamente a Marselha e ao
Havre.
Os camiutioa-de ferro da alta Italia e da
Austria meridional teem conseguido reduztr
as suas tarifas a precos tao bBixos que des-
v:aram em grasde parte o commercio de
transito de cereaes- que se fazia por Marse-
lha*. A Suissa btjm recebe trigos mais ba-
ratos por Veneza- do que por Franga. M6-
diante um servigo coinbinado entfe diversas-
companhias, fazem-se expedigdes directas de
Odessa para Paris-r pelo caminhc de ferro,
por um prego quasi equivalente aoque cus-
tam os transposes por mar. Ao mesmo
tempe-o imposto differeocial de awndeira
desviou para Geneva os navios gregos em
que era feito a maior parte dos traosportes
dos cereaes importidos do mar Negro e do
mar de Azof em Marserha.
Isto-cria uma siJuagao precaria-para o
commercio francez, principalmente desde
que a Balgica e a Alfemaaba trabalhem sem
descarKjo para aprimorar certos artefactos
que antigamente eram -unicamente produzi-
dos r.as fabricas francezas.
Apezar disto vao sendo tao desanimadores
os dados estatisticos que- apresenta o com-
mercio frand-z em 1873, e sendo sabidas as
causas que o podem eafraquecer, o governo
ndo deixard os meios para o por a coberto
de suas decadencies.
Segundo uma estatistica commercial' pu-
blicada na Russia, o movimento commer-
cial exterior do imperio russo em 1873 s-
cendeu.a 317,294,745xubtesem mereado
rios ometallic, emquanto que a imp .rta-
gao subio a 420,21SJ098 rablos, o que
apfeserita um excedente bastamte considera-
vel da importagao sobre a e\portagao.
& valor das merc&dorias que pagaram- di-
reilos-de eatrada, passa do 2*7,000,000 de
rublos e os direitos importam em mais de
25,000,000, o que dd um- typo medio de
II 1/ % ad valorem. .
s artkgos que mais diraitos p.oduziram
foramo cbd, licores, Id, sal, azeitee me-
taes.
A.importancia dos direitos do caie baixou
no espago de 10 anuos, em eonsequencia
da baixa no typo;, a importancia dos direi-
tos do assucar baixou tambem pelo desen-
volvimento adquirido p*U producgao do as-
sucar indigena.
Os principaes artigosde exportagao foram
trigos e fariuhas, liuhos, madeiras, liohaga,
Id, canhamos e gados.
Os principaes de importagao foram chd,
algodao, macbiuas e raetaes.
0 movimento total das importagdes e ex-
portagoes no Reino Unido elevou-se a .
625,450,000 libras ; o augmento em rela-
gao a 1872 foi de 15,077,000 libras, que e
devido na sua maior parte d importagao de
materias aiimenticias. A exportagdo, que
seelevdr ano anno, de 1872 a 266,237,000
libras, baixou a libras 255,07.3,000; diffe-
renga para menos 1,184,000 libras. Os
artigos em que a diminuigao e* mais sensi-
vel sdo os tecidos do algodao, seda e Id,
metaes e car vao. Esta situagdo desfavora-
vel do commercio inglez e a eonsequencia
das diversas crises que tiveram lugar na
Europa e. America.
Em Iuglaterra o mereado monetario offe-
receu grandes fluctuagdes durante o anno
findo, devendo-se a isso o exito pouco feliz
que tiveram os emprestimos de libras .
32,000,000, e da Turquia de 27,770,000.
Antes desses tinham sido effectuados outros
de libras 2,400,000 para o Japao, ....
2,276,000 para o Gbile e 5,400,000 para a
Uungria. Mas o emprestimo que teve exito
mais completo foi o da Russia, effectuado no
mez de dezembro, na importancia de
15,000,000 de libras, cuja subscripgao se
elevou a oito vezes a somma pedida.
Entende esse jornal que e justamente o
movimento bancario o que mais pdde pro-
var ser favoravel ou decadente d situagio
commercial de um paiz a particularmente
com referenda.d Grd-Bretanha, a principio
parece dever admittir-so, o que nao succede
em referenda aos outros paizes.
Uma revista de onde colhemos alguns
apontamentos provam por outro lado a si-
tuagao financeira dos paizes, suppondo que
a riqueza e apenas ticticia naquelle, onde o
valor se ache representado por pa pel, pro-
curando d'ahi as frequentes catastrophes
commerciaes que de vez era quando se re-
petem, causando os mais terriveis pre-
juizos.
No anno de 1873, diz a relerida revista,
houve nos Estados-Unidos 5,183 failencias
comumpassivo de 218,190,000 dollars,
mais 1,144 que em 1872. Este augmento
nasquebras foi, pois, muito grande. S6 a
cidade de Nova-York entrou com ....
71,000,000, e tal resultado sd se deve attri-
buir d circolagao do papel-moeda que uun-
Estabelecida a lei para o padrlo anitari >
da moeda, devia ter consequeocia immedia-
ta a que deriara sujeiUr-se todos os paizes,
a ehminagio desse eaocro 6nanceiro qoe sn
chama papel-moeda.
Accrescent ainda a mesma folha qua Mi
ultima confereocia mooetaria foi o mifplc
discutido, sendo adopUdo como men taxi
liar indispensavel para o convenio qua *
pretende estabelecer entre todas as nagflac
A causa da depreciacAo dos meUes ieoc
provaJa, sendo o papel-moeda a origem.
Aponta depois os argumeutos adduzido
na referida conferencia sobre o padf Ao as-
segura que esta queslao se pen Je i da circu
lagio do papel.
A conferencia monetaria, accrescenU
referida revista, nada drcidio justamente
pela razao de que sem estudar as causas dc
mal nio pdde elle ter remedio.
Eram grandes as divergencies : 11
queria manter o regimen actual: a
ca desejava adopter eventualmento <
'irao de ouro, a sonsa pretendia
immediatainente a prala, a Italia lesf^i
conservar a prata e o ouro tu circufacio
para fazer face ds dillicu+dades que alii nea-
cem do curso foroado do papel moeda e do
agio que elle soilre.
Tratou-so prnn-:ir.i de estudar as causas
da aprecia^ao ua prita. (h comwarios di-
vidiram-se um dous campus. Pretenderam
uns que a depreciacdo e peasa^eira, aiaa
apenas das jwiturbugoes causadas- peia in-
domnisagao da guerra franco |iianmi,
pela recentu erne ameri -ana e peia da-
monstragdo eaariae da Alleiuanoa. Suslan-
tar.nn outros qw a praU diminue da valor
porque deixa de- ler appbeaga pvnav a
producgao cresce de dia para dia, sobreto-
do desde que pnacipraram a ser expforadoa
osjazigos argentifefos da regiao compranen-
dida entre o Lago Salgadu e a Serra Ne-
vada.
Divergencia semelhante appareceu quan-
do se tralou de averi^uar o iucoaveniaotes
da depreciagao da prala reUtivjmenle i e>r-
culagao ed cunhageio; emqaanlo uns a-
cbavam que nao havia grande- perigo no
systema acluil, outros eram de parecer qoe
elle se prettava a grandes esperaUgors e
apontava-se ate um bauqueiro que em uma
operagdo sobre prala, n j valor de.......
10.000,000. giuhara 33^,000 francos.
Nao querendo, porem, nem fiur am li-
mits d prata nos pagainentos. nem fazer da
moeda de ouro a uuica mceda intarnacio-
nai, nem suspender completameole a cu-
nbegem de moeJ de prata,- os represen-
taotes dos quatro paizes imitara n o fabn-
co- das moedas de cinco francos a 1J- ai-
Ibees para a Belgica, GO para a Franga. 40
milhdes para a btalia, e oila milheea- para
a Suissa.
Alein dos 40 milhdes, a Italia fica aoto-
rijada a permittir o fabrico, em 1874, da
20smilbdes de francos em uwada deomco
franeoa que ficaram em reserva no- banoc
uacionai. Desta forma julga ram os com-
missariosobviar aos inconveuientds que ti-
nham motivado a reumao corabinando.
porem, ama nova oooferencia para Janeiro
de 1875, para estuderem o effeito prcdon-
do pelas medidas adoptadas.
Esta questao monetaria preode-se iati-
maoeate com a de circulagie fiduciana,
que tern sido tao deoeUda. Km Franga as
notas do bauco, que teem uma circulaceo
euorme, deixaram de- ser pagaveis em me-
tal, depois da guerra Iranco-paoasiana eo
p -pol substituio em grande pane- o oure e
prata.
Deste facto origioou-se para o banco uma
circumstancia partiaular; e ella o arbkrio
absoluto da taxa do- desconto a Dode, ele-
vando-a ou abaixar.do-a, fazer variar as con-
digdes-do mereado, influir cos cam bias e
modificar as cotagdes da bolsa. Foi o que
succedeu ultimamente, quaodo o banco
manteve a taxa a 1.2 .e quaodo na occa-
sido em que se eocontrava dinheiro tw
Londresa 3(, a isoporlagao pnncipioa lo-
go era larga escala attrahida pela dlfferei;-
gadell|2 [0.
A situagao auonnal que cria em um pak
o papel moeda ou o curso .orgado de qual-
quer tilulo nao embolsavel, os embaragos
tinanceiros que dabi resultam, as diillcui-
dades que occasioua, estao bem patents
nos Estados-L'oJdo*. Audam na ctrculaceV-
700 milhdes de notas e bonds do Uwsouro,
e a despeito di&so chega uma occasido em
que os baacos- nio teem meios de satisfa-
zer os seus eompromissos, e aao sd. nio
podem pagar em ouro ou prata, mas nem
mesmo podem trocar as notas banearias
pjr outras uao pagaveis e deprsciadas.
Os desastres que da jui nascem e a/M ain-
da se estao seguindo na republica norte-
americana, o abalo que dahi vem a todo.-
os ramos da industria e do commercio, fa-
zem desejar em toda a parte o desappareci-
mento do papel-moeda e da outros titulo-
de curso forgado representativos de valorem
ficticios. Nos Kstados-L'nidos o Sr. Dix
governador do EsUdo de Nova-York, priK
por que fosse suspensa a missao do papel-
moeda, que o governo em lugar de appli-
car d amortisagao da divide o ouro pxove-
niente dos direitos de alfaodegas, destinas-
se, parte a formar um fundo de raaerva
para habilitar era um momenlo dado a tro-
car o papel por especies metalhcas parte
a retirar da circulagao uma quaalidade a
vultada de bonds.
primes attingio 2,161,380,000 em lugar lea permute avabar o "perfeito poder finan-
de 2,188,714,000. Nos productos fabrica-' ceiro de sua Drags.
uITTERATDBi.
Questato peuiteaciarla
ESTADO DAS PRISOES DA PRUSSIA.
Resposta aos quesitos formuladot pel,
Commissdo organisadora do Congrcss-j
penitenciario de Londres. em 1872.
(Continuagao.
A illuminacao das prisdes se faz por meio
do gaz, do petroleo, ou do azeite.
Os dormitories, em comraum, conservm-
se illumioados durante toda a noite.
41 quesito.
Gomo se faz o aquecimento das
sous?
pri-
As casas de detengdo de recente const rue -
gdo sao todas providas de um calorifero
central, pelo qual o ar ou a agua servem
de calorico.
Nas rrais antigas o aquecimento de faz
por meio de fogdes em cada hagar necessa-
rio.
Servem de co m bust i vel a lenha, o car vao
vegetal, carvfio de pedra, e a turfa.
(uiUmuar-se-ha


k



YP DO DUBJQ, -BUa I'UttUfc OS (Alt,
-'
1
i