Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18617

Full Text

ANNO L AlUHEfiO 266


i;
PARA A CAPITAL B LIIGiRGi OliDB WAO SB PAGA PORTB.
For tres mezes adiantados................ 69000
Por seis ditos idem.............. 139000
Por urn anno idem...........< 34*000
Cada numero avulso.................. 9320
SEXTA FEHtA 20 BE N0VEMBR0 BE 1874
PABA DBUJTROB FOB A DA PROV1IVC1A.
Por tres mezes adiantados..............
Por seis ditos idem...............
Por noTe ditos idem...............
Por am anno idem. ..... .........
fl0M
IARIO DE PEMAMBUCO.
PROPRIEDADE IDE MANOEL NGUBROA DE FARIA FILH0S.
a frs. Gerardo Antonio Aires A Fiihos, no Pari; Goncalves a Pinto, no Marannao; Joaqoim Jose de Oliveira d Fiiho, no Ceari; Antonio de Leaic* Brage, no Aracaty ; Joao Maria Julio Chr as, no Assd; Antonio Marques da Siira, Ratal; Josd Jostia*
fereira Almeida, em Mamangnape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose* Gomes, na Villa da Peniu; Be'armino dos Santos Bolcio, em Santo Ant* .; Domingos Joss da Costa Braf a, am Haxarethj
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joio Antonio Macaaeo, no Pilar das Alagaas; Alves d C.,na Bahia; s A. Xavier Leite d C. d Rio Janeiro-
da altura
a altura baro-
certos limltes,
acontece com
ffSIBMfl FOPULAE
Elementos de physica
LIVRO TERCEIRO
liases
CAP1TULO I
A HO M E T ROS
Causa* (lax vuri;ii'(M-K
btt^omclrica. -Uma vez que
uietrica varia eonstantemente em
forca e concluir d'ahi que o mesmo
o peso da aimo:phera.
Quando a altura da columna de mercurio se
eleva no lubo, o que rometro sobe, e Isto eviJenterr.ente urn signal de
>iue o peso da atmosphera augmenta ; e. quando
*!la abaixa-se, bio inJiea que esse peso diminue.
Mas como a massa tota! de ar que envoi ve a ter-
ra 6 sempre a niesma, nao e o peso total da at-
mosphera que varia, mas lio somente o sen peso
*m alguns pontos da superlicie do gbbo, de sorte
que augmentaodo esse peso n'ura lugar, deve di-
minuir em outro ; e naoe outra cousa o que de-
cnonstra o barometro, visto como logi que eile so-
be em uraa regiao, nota-seque d^sce n'alguraa ou-
tra mais ou mtnos afastada.
Essas variaeoes parciaes do peso do ar si) sem-
pre devida9 a mudancas de temperatura que se
produzem na atmosphera ; mudancas que tern por
causa a influeneia das estates, a abundancia das
c!iuvas e a direcji) dos ventos.
Com efleito ; quando uuia regiSo da atmosphe-
ra se aquece mais do que as regioes vizinbas, o ar
aui se dilala, torm-se mais leve, eleva ss e se es-
palha ao longe pelas regioes circumvisinbas. 0
peso da atraosphera augaienta, pois, eratodosos
poutos para onde se dinge o ar dilatado, e decres-
ea onde se da a dilalacao. Se, pelo contrario, a
atmosphera se resfria sin uma certa exteoslo do
globo, condensando se alii o ar, uma nova massa
de ar alHue para ahi e a pressao augmenta.
Relacao entre a altura do baro-
metro e o estado da atmosphera.
Comparando a altura do barometro ao estado da
atmosphera, notouse que, em nossos chraas, (da
Europa) essa altura acba-se geralmente acima de
76 ceotimetros quanlo faz com tempo ; abavxo
drjsse ponlo, quando chuve ou venla ; e, e:nSm,
que em did certo numero de dias em que o baro-
motro marca 76, ba serapre, em media, tantos dias
de bom tempo como de ruao.
Segundo essa coiucidencia entre o estado do ceo
e a altara do barometro, marcou se as indicates
segnintes no barometre :
Altura
Estado da almot-
phera
7S5 millimetros............. Muito secco
776 ............. Bomflxo
767 ............. Bom tempo
758 f ............. Variavel
; ;i c ............ Chuva ou vento
740 ............. Grande chuva
"Ji a ......-...... Tempestade.
Noa barometros que temos descriplo, &o es*s
.odioa?5.'0 ineeripta. om nm ple -*i lueial
collocada no alto dos to bos, a esquerda. Basta,
pois, ver a qual dessas iodicagoes corresponde o
mercario no tubo para ter o estado provavel da
atmosphera.
Saromelro de quadrante. O baro-
metro de q&adrante e uspecialmente destinado a
iDdicar o nom e o mao tempo. E' um barometro
disposta acima de m uma pequena rollana em cu-
Y* gargaota pa?sa um lio tenio nas duasextremi-
dades dous pequenos vasiculos de vidro, cheios
de mercurio, um dos quaes, o mais pesado, esta
KB contactocom o mercurio do pequenoramo do
si ?hao.
Osse vasiculo mai- pesado, tendendo sempre a
descer, arrasta comsigo da esquerda para a di.
reita a roldana, e com eila a agulha adherente ao
respectivo eixo : b o que acontece todas as vezes
que no pequeno ram.) o mercurio se abaixa, isto
?, todas as vezes que a pressai atmospherica aug-
raenta. Ao contrario, sempre que a pressao at-
mospherica diminue, o mercurio, abaixando-se no
grande ramo, sobe no pequeno ; e consequente-
mente o pequeno vasiculo e levantado e a roldana
gvra da direita para a esquerda ; arrastandoa 90-
bre ditaagalha ligada ao seu eixo, cuja agulha
aiove-se dtante de ura mostrador, onde se aenam
inscriptas por suas iniciaes as palavras : tempesta-
(??, grcmie chuva, chuvi ou vento, etc., etc.
Observamos que em gral tem se pouca con-
tianea nas indicacSes do barometro. Isto provem
de que a maior parte desses instrumentos em uso
na* casas particulares sao defeituosos.
Manejados com desaso por quem os transporta,
efles cont6m as mais das vezes uma grande quan-
tidade de ar na sua parte superior, e neste caso
juas iDdicag5es sao effectivamente falsas. rJrl.^l
Quando, porem, um barometro e bem construi-
do deve-se ter confian^a nessas indicagoas, que
Sao sobre tndo mui extremameote provaveis quan-
do se ve o mercurio subir ou descer lentamente
durante alguns dias consecjitivos. No primeiro
caso podese e9tar certo de ter bom tempo, e no
segundo de ter mao tempo. Quanlo as varla;oes
bruscas, presagiam geralmente mao tempo e com
e?pecialidade graodes ventanias.
A coiacidencia que existe, em nossos climas (da
Europa), entre a altura do barometro e o estado
da atmosphera e facil de explicar.
Com elfeito, reinando os ventos do sul ou do
sud'este. que s$o os mais quentes, o ar que nos
ehega 6 dilatado ; demais atravessando os mares,
esse ar tena-se carregado de vapores d'agua, que
( menos denso do que eile : por essas duas razoes
a atmosphera pesa menos, e consequentemente o
barometro desee, no entanto que ao mesmo tempo
os vapores contidos no ar, vindo de paizes queo-
tes para regimes menos quentes, condensam -se pe-
lo resfriamento e se resolvem em ehuva. Ao con-
trario. os ventos do norte e do nord'este, que sao
os mais Trios, trazem-nos um ar mais denso que
laz subir o barometro ; mas como os vapores que
existem na atraosphera passam nesse caso em re
gioes mais qunles nao poderb se condensar, o
ra'. acompanhados de um ceo puro e sereno.
(Continuar-se ha)
tantes da relacjm annexa ao sea offlcio desta data,
sob n. 583, a excepcao do do nome Joaquim Jose
de Sant'Anna, acerca do qual se aguardam infor-
raac5es, que furam exigidas do Dr. chefe de poli-
cia em oflkio de 11 do correate.
Ao mesmo.Para que possa t Exm. Sr. mi
nistro da guerra, coaforme declarou me em aviso
do 13 do corrente, resolver sobre o requerimeoto
em que o alferes do 20* batalhao de infantaria,
Manoel Ferreira Guimaraes, preso, respondendo a
coDselho de guerra, pede a cidade do Recife por
menagem, sirva-ss V. Exc. de informar qual o
crime por que responde esse official ao dito conse-
Iho.
Ao mesmo. Pelo aviso circular de 13 do
corrente o Exm. Sr. ministro da guerra, reeom-
mendando que seja activado o recrutamenlo nesta
provincia, para o Cm de preencber o eflectlvo dos
corpos do exercito, que preseriteraente se acham
desfalcados, exige a remessa de uma relacaj nu-
mericados recrutas aquiapurados o anno passa-
do, e enviados em execu^lo do aviso de 18 de de
zerabro de 1872, pelo qual se fez a distribuicao
por provineus. 0 qae decUro a V. Exc. para seu
conbecimento e devida execucao.
Ao mesmo.Afira de se poder resolver so-
bre o re.merimento que o cabo de esquadra do
14* batalhao de infaataria, Jo-e Carneiro de La-
cerda, allegando ser guarda national designado
por esta pr jvincia, pede baixa do servico, cum pre
que V. Exc, em satisfacao ao aviso do ministerio
da guerra, de 10 do corrente, informs si com ef-
feito o peticioaario 6 guarda nacionaf designado,
e si como ta|> marchou voluntario ou for^ada
mente para^auerra.
Ao disrao. -Transraitto a V. Exc. para^seu
coabecimpito e execucao copia do avis > de 13 do
corrente, no qual o Exm. Sr. ministro da guerra,
referindo-se a labell i organisada pela thesouraria
de fasenda, arbitrando a etapa e forragem no se-
mestre corrente, declara que devem continuar os
preQos marcados ao aviso de 2i de fevereiro pas-
sado para o semestre de Janeiro a junbo. Quan
to a recoramendacao feita no final do citado aviso,
expeco ordens a mesma thesouraria no sentido de
ser elia observada.
Ao memo. -Traosmitto a V. Exc. para os
Dns convenientes as inclusas guias de soccorri
mento e certidao de assentamentos do soldado Joio
Francisco Leite, o qual veio para esta ;provincia,
do Rio Grande do Norte, onde se alistou volunta-
riamenle com destino ao 2* batalhao de infanta-
ria.
Ao mesmo.Sirva-se V. Exc. de dar as suas
ordens para que seja po.-tada em frente da matrii
da freguezia da Boa Vista, hoje as 4 boras da tar-
de, a forca precisa para fazer as honras funebres
devidas ao capitio da guarda nacional Joaqoim
Custodio de Oliveira, o qual se acha depositado na
mesma igreja.
Ao mesmo.Sobr'esteja V. Exc. na remes-
sa para a corte do recruta Luiz Silvino do Nasci-
mento.
Ao mesmo.Convindo conbecer se quaes as
pragas em servico nos corpos do exercito, que
preteadem ter jus aos favores concedidos aos vo
luntarioj da aalria ppIqs .day^y te-7 " agosto ae t8BS, e tet Mewr^
datado de 23 do corrente, relativameate ao eogano
bavido na nublicaclo dos annuacios feitos para a
arremaiacao das obras do quartel do Hospicio e do
hospital mihtar, quanta ao dia em que deveria ter
lugar a dita arremaiacao, tenbo a dizer-lbe que con-
sider sem effeito a que se effectuou no dia 20 do
correate, e cbame nova concurrences, servinlo de
use a offerta mais vaatsjosa feita pelos proponen-
ts na ultima praga.
Ao coramandante do presidio de Fernando
de Noronha. -Receba V. S. opportunameoje nesse
presidio, como determina o ministerio da g ierra
em aviso de 17 do corrente, referente a requisigao
feita pelo da jus'.iga, o condemoado a gales perpe
tuas, Maaoel Martins de Araujo.
Ao mesmo.Em cumprimenlo do aviso do
ministerio da jusli;a, de 10 do corrente, remetta-
me V. S. as guias com que foram recebidos nesse
presidio os reos Manoel Cambinda e Joaquim, os-
cravo de Joaquim Alves de /asconeellos, ahi fal-
lecidos.
2." seccao.
Oflkios :
Ao Dr. chefe de policia.Para con%ecimento
de V. S. e devida execucao incluso reroetto llie
por opia o aviso do ministerio da justica, de II
do corrente, relative a socieiade em conta de par-
ticipagao para a venda de carne verde.
Ao mesmo.-Para conhecimento de V. S. e
devida execuQao communico Itae que por aviso do
ministerio da justica, de 16 do corrente, foi decla-
rado que o governo de Portugal expedio ordera
dispeosando o cvisto consularo nos pasiaportes de
estrangeiros que seguirem daquelle reino por mar
com destino a outros paizes.
Ao mesmo.No caso de nao serem aprovei-
tados para o exercito 03 recrutas J .ao Jose Ribei
ro e Francisco Jose de Oliveira, capturados no
termo de Itarobe pelo respectivo delegado, e man-
dados por V. S. apresentar ultimameate no quar-
tel general, cumpre que sejam eiles remeltidos
na pnmeira opportunidade ao Exm. presideate
da Parahyba, como solicda tm offlcio ae 22 do
corrente, adm de sepero proee*sados por crime de
furto de cavallos no termo'de Pedras de Fogo da-
quella provincia ; 0 que declaro a V. S. para sua
inlelligencia.
Ao juiz de direito da 1" vara civel. Em
cumprimento do aviso do ministerio da fazenJa,
de 14 do corrente, junto por copia, informe V. S.
0 estado em que se acha 0 processo instauraio
contra varios empregados da alfandega desta ci-
dade.
Ao juiz municipal e de orphaos do termo de
Panel la i.Mande Vrac. pdr em concurso os offi
cios de justiga desse termo.
Ao commandante do corpo de policia.
Mao.de Vrac. retirar 0 destaeamento de pracas
dasse corpo, existentes na villa de Ipojuca.
Ao commandante do corpo de policia.
Mande Vmc. retirar 0 deslacamento de pracas
desse corpo, exist en le na villa de Limoeiro.
Ao mesmoAo comraissario da guarda local
do muaieipio do Cabo, Bernardo Ferreira de Bar-
ros Campello, mande Vmc. fornecer dez sabres.
Ao comraissario de policia de Ipojuca Em
El
ART E OFFICIAL.
Governo da provincia
EV'i.Dlii.Vi'E DO 1>..V 27 HE JILH) DE 1374.
1." seccao.
Cfflcios :
Ao Exm. brigadeiro coiutnauJan;? das ar-
ma*.Transmit:.) a V. Exc. para ser entregue ao
anspecada d> 93 batalhao de iafantana, Severino
de Araujo e Silva, a inclusa copia da inferraacao
ministrada pela presidencia da provincia do Mara-
niiao, em satisfacao ao que pedio a referida praca no
reqQerirjaento que veio annexo ao seu offlcio n.
491, de 20 de junbo ultimo, e que junto devolvo
para tar ignal destino.
Ao mesmo. Slrva-stf V. Exc. de raandar
pOr em liberdade o recruta Casimiro Jose Pereira
do Lago, que provou isencio legal.
Ao mesmo.Eicara expedidas as necessarias
ordens no sentido de serem transportados a corte
no vapor Ceari o Is cadete Manoel do Nascimen
to Yieira da Cunha e os soldados recrutas, cous-
setembTo fle
recommendo a V. Exc. a expedigio de saas
ordens no sentido de serem prestados os esclareci-
mentos exigidos na circular do ministerio da guer-
ra, de 8 do corrente, junta por copia.
Ao mesmo,Sirva-se V. Exc. de raandar por
em liberdade o recruta Laurindo Jose dos Santos,
que provou isencao legal.
Ao inspector do arsenal de mirinha.De-
claraudo o Exm. Sr. ministro da mirinha em avi-
so de 13 do corrente qne as obras dos quatro
predios desse arsenal, destinados a residencia de
diversos empregados do mesmo estabelecimento,
offlcinas, etc., somente podem ser auurtsadas no
corrento exercicio ate a somma de 10:0005000,
visto que da quantia deixada para as obras do mu-
nlcipi i da cdrte nao e pjssivel deduzir parte al
guma, attenias as prestacoes que tem de pagar
tolas obras dos diques da IIha das Cobras ; assim
o communico a V. S. em solucao ao seu offlcio de
18 de maio ultimo, sob n. 28.
Ao rae3mo.Para que possa o governo im
perial resolver sobre a preteagao do avulso da
companhia de aprendizes artifices desse arsenal,
Maxiraiaao Lopes de nzevedo, ao recebimento da
importancia do seu peculio, que :o acha recolhido
na thesouraria de fazenda, cumpre que V. S., para
satisfacao do aviso d ministerio da marinha de
15 do corrente, informe si o dito avulso voltou ao
servico e esta i.-ento da culpa de desercio.
Ao mesmo.itecommendo a V. S. que mau-
ds acondieionar nesse arsenal as bagagens dos
engenheiros chegados da Europa, e encarregados
pelo governo imperial de examinar, proceder a to-
dos os trabalhos preparatories, e organisar os pro-
jectos dos portos desta provincia, Ceari, Mara
nhao, Campos e Rio Grande do Sul; convindo que
seja fornecido aos raesmos engenheiros um dos
compartimentos desse arsenal, para nelle traba-
Iharem, e bem assim prestados os escaleres de que
tiverem precisio para o desempenho de sua cora-
roissao.
Ao mesmo.AQm de que possa o ministerio
da marinha resolver sobre a execucao dos repa-
ros de que carece o ediQcio da enfermoria desse
arsenal, reclamados em seu offlcio de 22 de maio
findo, sob n. 31, cumpre que V. S., em satisfacao
ao que exige o mesmo ministerio em aviso de 11
do corrente, informe qual a applicacao dada a
Suantia de 7:605/301, concedida por aviso de 2
e outubro ultimo para as obras daquelle edi-
Qcio e quartel dos aprendizes marinhetros.
Ao capitio do porto.Para conhecimento de
V. S. e devida execucao communico-lbe que por
aviso do ministerio da justica, de 16 do corrente,
foi declarado que o governo de Portugal, expedio
ordem dispeasando o visto circular nos passap r-
tes de estrangeiros que seguirem d'aquelle reino
com destino a outros paizes.
Ao director do arsenal de guerra.Em cum-
rimento do aviso do ministerio da gueria, manle
Vmc. fornecer ao deposito de artigos bellicos da
Parahyba a polvora eonstante da inclusa nota,
organisada em 8 do corrente pela reparticao do
quartel-mestre general.
Ao mesmo. Remetto a Vmc. para seu co-
nhecimento e devida execucao na parte que I he
toca copia da circular do ministerio da guerra, de
9 do corrente, de que trata em meu offlcio desta
data, tornando extensiva aos serventes, patrSes e
remadores dos arsenaes das provincias, a medida
que para os srventes do da cdrte, se vera consignada
na 4' tabella annexa ao regulamento de 19 de ou-
tubro de 1872.
ao mesmo Em aviso no 9 do corrente,
consume di copia junta, o Exra. nvmu-o la
gu>rra, da-do solucao ao offlcio dessa directona,
de 17 de abril ultimo, sob n. 608, representando a
insufflciencia do jornal marcado para os serventes
das offlcinas, e consultando sobre competir aos
serventes do almoxarifado, companhia de apren-
dizes, etc. o mesmo jornal que se abona aos das
mencionadas offlcinas, declsra que por circular
daquella data se torna extensiva aos serventes,
bem como patrao e remadores dos arsenaes das
provincias, a dispo3ipao que para os serventes do
arsenal de guerra da eSrte vem consignada na 4*
tabella annexa ao regula nento de 19 de outubro
de 1872 e bem assim que nao procede a duvida
suggerida pelo seu antecessor, por quanto na ta-
bella marcouse um ?6 Jornal para os diversos ser-
ventes, nao se fazendo entre elles distinccao.
__Ao engenheiro das obras militares.A' vista
nho a ft i rot I he qua, nin tuuta nJa_. a cullectaria
desse mnnicipio satisfazar o soldo das pracas da
guarda local, deve Vmc. remetter a esta presiden-
cia os respectivos prets, afira de se ordenar o pa-
gamento delles, com o visto do fiscal ou do col-
lector.
Ao commissario de policia de Limoeiro.
Em resposta ao offlcio de Vrac, de 24 do corren
te, tenho a dizer Iheque o sargenlo da guarda io
cal desse municipio nao se acha comprehendido em
o numero das quinze pragas qne Vmc. foi autori-
sado a engajar por offlcio de 9 do correate.
3.' seccao.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda
Para os fins convenientes communico a V. S. que
em 24 do corrente entrou no gozo da licenca de
15 lias, que the foi concedida para tratar de sua
saiile, o juiz]de direito da comarca de Limoeiro,
bacbarel Francisco Bernardo de Carvalbo.
Ao mesmo.Tendo sido noraeado o bacharel
Cicero Odon Peregrino da Silva para reger interi
namente a cadeira de inglez do curso de prepara
torios annexo a facuidade de direito, emquanto es-
tiver com licenca o professor da mesma cadeira,
Carlos Adolpho de Avell.r Alchorne, haja V, S.
de providenciar sobre o pagamento da gratilica;ao
correspondente a metade dos venciraeDtos do sub-
slituido, a que liver direito o substituto, por con-
ta das sobrasdo credito di-tribuido a esta presi-
dencia para as despezas da referida facuidade,
segunlo recomraenda o minister.o do imperio om
aviso de 16 do corrente, sob n. 4,098.
Ao mesmo.Para os fins convenientes iora-
raunico a V. S. que em 18 do corrente assumio o
exercicio interino do cargo de proaiotor publico
da comarca de Cimbres Luiz Antonio de An-
drade.
Ao mesmo.Declarando o Exm. ministro da
guerra em aviso de 9 do corrente ser improce-
dente a duvida suggerida pela directona do arse-
nal desta provincia, sobre competir aos serventes
do almoxarifado, companhia de aprendizes, etc.
o mesmo jornal que se abona aos das offlcinas, por
quanto na tabella marcou-se um so jornal para os
serventes diversos, nao se fazendo entre elles dis-
tinccao ; dou sciencia desta solucao a V. S. para
sua direccao.
Ao mesmo.Era aviso de 11 do corrente de-
clarou me o Exm. ministro dos negocios da agri-
cultura, commercio e obras publicas approvar a
deliberacao que tomei de antorisar sob minha res-
ponsabilidade o pagamento da quantia de 1:449*
ao arremataote dos concertos ultimamente feitos
no caes da rua da Aurora, Thomaz de Carvalbo
Soares Brandao, por estar esgotada a verba tobras
public a.- > do exercicio que findou; o que commu-
nico a V. S. para os devidos effeitos.
Ao mesmo.Determinando o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra no aviso de 15 do corrente,
junto por copia, com referenda ao valor arbitra
do por e;sa thesouraria para a etapa e a forra-
gem, que no corrente semestre continuam os pre-
cos marcados no aviso de 24 de fevereiro passado,
para o semestre que flndeu ; assim o communico
a V. S. para seu conhecimento, recommendando-
Ihe, nos termos do citado aviso, que junte as ta-
bellas que no futuro organisar, para o Dm de que
trata a nota do; pregos correntes do mercado,
conforme esta estabelecido.
Ao mesmo.Remetto a V. S. copia do aviso
n. 25, de 13 do corrente, em que o Exm. Sr. mi
nistro da agriculture, commercio e obras publi-
cas, dando algumas instruccoes relativas ao exa -
me, trabalhos preparatories e organisacao J dos
proje-tH .1 n pin** rt^m.provincia, Ceara Ma-
raubao, Canpos e Rid Grando do S.il, e incumoi-
dosao engenheiro John Hawkshaw e quatro de
geus ajudantes, declara qae naquella data solicitou
ordem do ministerio da fazenda p.ira quo Oque a
disposigao desta presidencia a quantia de 16:000i,
destinada a esse servico ; nenhum dlspendie ten-
do de fazer se aqui pelo pagamento de salarios
dos refendos engenheiros.
Ao mesmo.Maide V. S. pagar ao padre
Manoel Joaquim da Silva, vigario collado da fre-
guezia de Petrolina, a congrna eorrespondente ao
tempo decorrid > do 1* de outubro do anno passa-
do ao ultimo de maio proximo Undo, visto provar
com o documento junto qne cumprio com os sous
deveres na respectiva matriz.
Ao mesmo Mande V. S. pagar ao canoeiro
Aleixo Marques da Pai, a quutia do 10*, por
dencia, de 2 de junho findo, foi calafetada a caaoa
do servico da fortaleza de Itamaraca, como se ve"
do iuclus-, attestado em duplieata.
As meant). Respond* ao seu offlcio de
22 do ctrrante, sob a. 119, eerie II, dizendo Ine
que apprfltto a venda feita perante essa repanicio,
pela quanta de 131 s, de ciaca cavallos inutilisados
para o servico ; peFlenceotes a companhia de ca-
vallaria.
Ao mesmo. Transraitto a V. S. para seu co
ahecimenlo. e execacio no que diz respeito ao ar.
senal de guerra desta provincia, copia do aviso cir-
cular do minisieric da guerra, de 9 do corrente,
mandando fazer exiensiva aos serventes, patrdes e
remadores dos arseaaes das provincis a medida
que para os serventes do da core vera consigna-
da na 4' tabella amexa ao regulamento de 19 de
outubro d* 1872, e Aando outras provideocias a
respeito.
Ao ioipector da alfandega. Expega V. S.
ordens para que sejam desembara;adas as ba-
gagens doi engenneirts recem-chegados da Euro-
pa, encarregados p-1* goveruo imperial Je exa-
minar, proijeder a tedu os trabalnos preparatories
e organisar os projects dos portos desta provin-
cia, Ceara, Harauhao, Campos e Rio Grande do
Sul.
Ao inspector do tbesouro provincial.Em
vista das inclu>as contas, mande Vmc. pagar ao
caixa da ompanbia dt Beberibe, Corbiniano de
Aquino Fonsaca, a quaitia a que tiver direito a
mesma companhia pelo ;ou u uo d'agua na sec re
la ia desta ptesiiencia i reparticao das obra* pu
blicas durante o trimestrs de abril a junho deste
anno.
Ao mesmo Tratsmittinlo lhe a inclusa
nota do governo, do valoi de 2004, 1' serie 4' E,
n. 75,668, que me foi eniiada pela presidencia da
provincia das Alagoas coo offlcio de 25 do cor-
renfe, e que e o productode um espectaculo pro
movido na cidade do Pilai por diversas pessoas, e
dado pelo acrobata Joio Miguel de Fans Ferreira
em bene'icio da viuva e Dili n de Manoel Vicen-
te, assassinado na villa dt Pesqueira desta pro-
vincia, na occasiao em qui prendia os dous cn-
minosos autores do assassinato perpetrado naquel-
la mesma cidade nas pessj&ido capitao Joio Evan-
gelista de Lima e sua rail her ; re.ommendo a
Vine, que f.u;i chegar a leferida qtlantii a seu
destin remettendo-me oppirtunamento o necessa-
rio docuraeoto para ser piesente a meocionada
presidencia.
Ao mesmo. -A' vista io incluso pret em du-
plieata, mande Vm. pag.r a quem se mostrar
competentemente habilitado os venciment s do
destacaraent) da vilia de Serinbaem, relativos ao
mez de junho proximo fin do, conforme solicitou o
respectivo commandante superior em offlcio de 23
do corn rate, sob n. 13.
4.' seccao.
Offlcios:
Ao Exm. presideote da pr jvm a da Babia.
Aceuso recebidos os quatro exemplares impres<
sos qae V. Exc. se diguou de reraellex*. senio
dous do relalorio com ^-ir Bxnr. sewer Anto-
ni Candido d niz Machado passou a V. Eaca
adminisira^ao aids* p*ii-ra nmnsTJ OffJUnW
nriiiiruu.passado, e dous do com que V. Exc. abrlo
a assembles legislativa provincial, convocada ex
traordinariamente por acto de 20 do mesmo mez
por aquelle senador.
Ao Exm. presii.rate da provincia das Ala-
goas.Recebi, e provideociei nesta data no sentido
de ter o devido destiuo, por intermedio do thesouro
provincial, a nota de 20010O0 remettida por V
Exc. em offlcio de 25 do corrente, e que 6 o pro-
ducto de um espetaculo promjv!Jo na cidade do
Pilar por diversas pessoas, e dado pelo acr bata
Joao Miguel de Faria em beneficio da viuva e Dlhos
de Manoel Vicente Ferreira, assassinado na villa
de Pesqueira desta provincia.
Ao Exm. 1 vice-presidente da provincia do
Espinto Santo. ?lco de posse dos dous exempla-
res impressos do relatorio com nue o Dr. Luiz Eu-
genio Horla Barbusa passou a V. Exc. a adminis-
tracao dessa provincia como seu I* vice-presidea-
te, aos quaes acompanhou o offlcio circular de 15
do corrente, sub n. 132.
Ao Exm. presidenle da provincia do Piauhy.
- Fica providenciado no sentido da publicacao do
edital convidando concurrentes ao contracto de
uma estrada de ferro nessa provincia, segundo
solicitou V. Exc. em offlcio de 3 do corrente, sob
n. 364.
Ao director interino da facuidade de direito.
Remetto a V. Exc. para a bibliotheca dessa fa-
cuidade os 1, 2, 3 e 4 fasciculos dos Quadros His-
toncos da guerra do Paraguay. Mutatis mutan-
dis ao presideute do inslituto archeoUgico.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordi?..
Devolvo a Vrac. o offlcio de 24 do corrente, sob
n. 57, para que a eile acompaahe o parecer do
mordomo de mez, a que allude, relativamente
ao pedido de Luiza Constautina Mahaupt.
Ao mesmo.-Para resolver sobre a materia
do offlcio de Vmc, de 19 de|junho proximo passa-
do, n. 964, cumpre que essa provedoria remetta
um relajao dos empregados de todos os estabele-
cimentos da Santa Casa, com declaracio dos ven
cimentos que cada um percebe actualmente, e
dos augmentos ou reduceoes que tem havido.
Portaria :
A' Illma. camara municipal do Recife.Para
conhecimento da Illma. camara municipal e devi-
da execugao, incluso remetto por copia o aviso do
ministerio da justiga de 11 do corrente, relativo -
sociedade em conta
de carne verde.
Acto
de pariicipacao para a venda
5.' seccao.
0 presidenle da provincia, attendendo ao que
em offlcio de 23 deste mez expoz a commissao ceo-
tral emcarregada da acquisicao de objectos para
figurarem na exposicao universal de Philadelphia,
resolve nomear o Dr. Pedro de Atahyde Lobo Mos-
coso para substituir o membro da mesma commis-
sao, engenheiro Jose Tiburcio Pereira de Maga-
lha.es, que seguio para a Europa.
Offlcios:
Ao Dr. Manoel do Nascimento Machado Por-
tella, presidenle da commissao central encarregada
da acquisigio de objectos para a exposicao univer-
sal de Philadelphia.A' vista do que expoz V. S.
era offlcio de 23 do corrente, nesta data nomeei o
Dr. Pedro de Atahyde Lobo Moscoso para substi
tuir nessa commissio o engenheiro Jo3e Tiburcio
Pereira de Magalhaes, que seguio para a Europa;
o que communico a V. S. em resposta ao mesmo
offlcio.
Ao Dr. Pedro de Atahyde Lobo Moscoso. -
Por acto desta data nomeei V. S. para substituir o
engenheiro Jose Tihurcio Pereira de Magalhaes na
commissao central encarregada de obter produc-
es qae ligurem na exposicao universal de Phila
delplu i ; o que lhe cuiiimunico para sea conhea
meiit', e para que a esse respeito se euieuJa c 'ffl
o Dr. Manoel do Nasjimento_ Machado Porte.Ha,
presidenle da mesma commissao. Espero que nao
se negara a acceitar mais esta inenmbencia.
Ao engenheiro James Graham. -Nesta data
recommendo ao inspector da alfandega que mande
desembaracar a bagagem de V. S. e de seus com-
panheiros, encarregados dos estndos do porto des-
ta provincia e de outros, assim como os instru-
mentos qne comsigo tiverem trazido; e ao inspec
tor do arsenal de mariaha para que mande acon-
dieionar tudo quanto Ihes pertencer e fornecer es-
caleres sempre que precisarem.
Ao engenheiro Victor Pournie.-Remetto a
Vmc. copia do aviso n. 25, de 13 do corrente, em
commercio e obras publicas, dando eonhecimeDto
de haver cootractado o engenheiro John Hawkshaw
e quatro dos seus ajudantes para virem pessoal -
mente ao Brasii examinar, proceder a lodos os tra-
balhos preparatories, e organisar os projectos dos
portos desta provincia, Ceara, Maranbao, Campos
e Rio Grande do Sol, e recommeodando algumas
medidas relativas a essa commissao determina qae
Vmc. e o engenheiro Feitosa, ai servico daquelle
ministerio, acompaohem igualmente os trabalhos
sreliminares e proporcionem aos ajudantes do re-
fen Ju Hawkshaw todas as facilidades para o bom
Jesempenbo de sua incumbencia. Mutatis mu-
tandis ao engenheiro Antonio Vicente do Nasci-
mento Feitosa.
Ao engenheiro encarregado das obras ge
raes.Em aviso de It do corrente declarou-meo
Exm. Sr. ministro da agricultora, commercio e obras
publicas haver approvado a deliberacao desta pre
sidencia de ter mandado pagar a Tnoraaz de Car
valho Soares Brands i a quantia de 1:449:000, im
portancii dos concerto* ultimamente feitos no caes
da rua da Aurora, por estar e.'gotada a verba
t Obras publicas, do exercicio que findou; o
que communico a Vmc. para sua sciencia.
Ao engenheiro fiscal da companhia Jos tri-
Ibos urbanos do Recifa#ao Caxanga. Informe
Vmc. sobre o que se le no Jornal do Recife de
hoje, na seccao das aPublicacdes solicitadat*. re-
lativamente a essa estradi de ferro.
Portarias :
Os_ Srs. agentes da companhia brasileira de
navegaeao a vapor inandera dar passagem para
a cdrte por conia do ministerio da mariaha, ao
vapor Ceara, aos recrutas da armada Antonio
Maciel de Freilas e Joao Braz de Mesquita, e btra
assim para o Rio Grande do Norte, tambem por
conta do mesmo ministerio, no primeiro vapor
que se destinar aquelle porlo, os guardiaes Matbias
da Fooseca e Emiiiano Pereira Cavalcante.
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegaeao a vapor raandem transportar a corte
por conta do ministerio da guerra, no vapor Ceara,
os soldados recruta* constantes da inclusa re-
lacao nominal, e bem ssiin ao I" cadeie Manoel
do Nascimento Vieira da Cunha, que se alistou
com destino a am dos corpos alii estacioaados.
Relacao a que se refere a portaria supra : An-
tonio Jose Vieira, Cosme Bezerra da Siiv*, Clau-
dino Jose de Lima, Jose Antooio Penira, Jose
Floriano dot Santos, Jose Benedicto de Sant'Anna,
J .se Gomes da Silva, Lnlz Sabino do Nascimento,
Luiz de'Franca Paes de Mendonca, Manoel Fran-
cisco da Mora, Manoel Francisco Correia da Silva.
Silvano Correia da Cunha, Victor Jos6 Athaaazio.
EIPKDISXTE DO SET.RKTAIUO.
1.' seccao.
Offlcio :
Ao Exm. brigadeiro coramandante das ar-
mas.S. Exc o Sr. presidenle da provincia man-
da declarar a V. Exc, em resposta ao seu offlcio
de 25 do correate, sob n. 578, qae nesta data se
aatorisou o inspector d> thesouraria de fazenda a
.mim |ini Aieixo Marques da Paa a quantia
de iOjr -f1^ fl2" '*'fala<< nA. & .-tv.^o
daJatia!^M*iut..aea.
2' seccao.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de polfcia. De ordem de S.
Exc. o Sr. presidenle da- provincia communico
a V. S., em resposta ao seu offlcio de hontem da-
tado, sob n. 897, que foram expedidas as conve-
nientes ordens ao thesouro provincial no seatido
de ser paga a importancia do fornecimento feito
nos mezes de maio e junho aos presos pub res da
cadeia do termo de Palmares.
Ao juiz de direito da camarca de Limoeiro.
0 Exm. Sr. presidenle da provincia raanda
accusar o recebimento do offlcio de V. S., de 24
do corrente, communicando haver na mesma data
assnaMo o exercicio interino do cargo de juiz
de direito dessa comarca.
Ao commandante superior de Serinbaem.
S. Exc. oSr. presidenle da provincia manda de-
clarar a V. S, em resposta ao seu offlcio de 22
do corrente, sob n. 13, que nesta data se auto-
risou o inspectur do thesouro provincial a man-
dar pagar a quem se mostrar autorisado os ven-
cimeutos do destacamento dessa villa, relativos ao
mez do junho proximo findo.
Ao promotor publico interino da comarca
de Cimbres.S. Exc. o Sr. presidenle da provincia
manda accusar o-recebimento do offlcio de V. S.,
de 18 do corrente, communicando haver na
mesma data assumido o exercicio interino do car
go de promotor publico dessa comarca.
Ao commissario de policia do municipio de
Limoeiro.0 Exm. Sr. presidenle da provincia
manda accusar o recebimento do offlcio de V. S.,
de 23 do corrente, communicando ter na mesma
data engajado des pracas da guarda local desse
municipio. .
Ao commissario de 'jolicia do municipio do
Cabo.De ordem de S. Exc. o Sr. presidenle da
provincia, communico a V. S. que nesta data se
expedio ordem ao commanlante do corpo de
policia ^para fornecer-lhe dez sabres, deyendo
opporlunamente ser satisfeitos os mais objectos
que soliji la V. S. eai seu offlcio de hoje, que as-
sim Pica respondido.
5.' seccao.
Offlcios:
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco. 0 Exm. Sr. presidenle
da provincia manda communicar a V. S. que
leve o conveniente destino o relatorio qae acom-
panhoa o seu offlcio de 24 do corrente.
Aos agente- da companhia brasileira de na-
vegaeao a vapor.0 Exm. Sr. presidenle da pro
vincia manda declarar a Vv. Ss. que ficou in-
teirado pelo seu offlcio desta data de haver che-
gado dos portos do sal o paquete nacional Pa-
rana, e de seguir para os do aorte amaaba as
5 boras da tarde. ,
Aos mesmos. 0 Exm. Sr. presidente da
provincia manda accusar o recebimento do offl-
cio de|Vv. Ss., datado de hontem, no qual par-
ticipam que o vapor nacional Ceara, cbegado dos
portos do norte, seguira para os do sul hoje as 5
noras da tarde.
Aos agentes da cempanhia bahiana de na-
vegaeao a vapor.0 Earn. Sr. presidente da pro-
vinoia manda accusar o recebimento do offlcio de
Vv. Ss., datado de hoje, no qual participant que o
vapor nacional Dantas, chegado da Bahia pela
escala do costume, rearessara ao dia 29 do cor-
reate as 4 boras da tarde._______________
CM,
Ta
Si
do
de
New-l'orli pela*
m rhrsarwrn os pm
SORATA e DOURO,
da Praia.
etc*
NOTICIAM COI
IBBtCIAM.
tsisww *.-ma
deacons* baixou a quatro eta
oil.-ivo* por eeato. LoaaolMaoM
de S O/O. for account, a OS I Fac-
tion araaileiros de S a o. da
de I:. a i Cafe i naaci
roes rogalarea; preeoa nail* Ir
mes. AMuear : ralinu ; prrcan coat
tendencla a baixar.
Liverpool 16. ->lf*dMi aaiama-
do i preeoa tlrnsea i veaSetaaiar
hoje de>oito mil fardot). dj* .
mil e iiitonenioN de proeedei
da America d* ttu.1 i a iaib
nambueo a d. por libra,
cal mo ; precos flruiea tualit-raa
Antuerpla aa.-Cafei Sraaoaeedwa
re^ularcs i prefoa fir mm.
Havre IS. -Cafe i calaao ; preeoa
UrmcM inalleradoo. Alcodao: eal-
mo t precos flraaea taalseradan i
o ordlaarlo de Periaakuro a
francos por io lalloaara.
ambarao is. -Cafe t tranxi
resalareat preeaa fir men.
Marselba If*.- Cafie i Idem i Ideas.
New-York 18. -Cambio sobre Lasa-
dres 4-a. Our* ail is.
Iraasaccues re^Mlares s
mes; o do Rio faii S8 a/4. co >d
19 i/i cknts par libra. Alaadas
mediano uplands 14 / cents par li-
bra ; as ebegada* de boje aas por-
tos amerlcaaos elevaat-oe a Crima
sail far dos
Rio de Janeiro l. Eaa rambio
sobre Lioadres aada ae teas fetto.
Apollces senses iiO&odOPP cada
uma. A cooes da Banco Caaaaaar-
cial de remainbnco llSMB cada
uaaa.
Babia 19. Cambio sobre LonSrr*
1/4 d. hanrarlo, 1/4. a.H.
is e 9 S/s a. partfteasbr.
(aGBIfCU AMERICANA.)
New-York 18 de novembro.Perdeu-td
o vapor EMPIRE na entrada do porto dp
Pbiladelpbia; rnorreram t-inta pessoas.
Trazia um grande carregamento de assucar.
que se perdeu tolaloaente
Madrid 18.0 jornal lHPlltCI \l. i-
timado pelas gazeta* portugueies a apresen-
tar as cartas, que disse lioba recebido de
pessoas notaveis de 1'urtu^i. em lavor (ornM^io tloromo ttir>co, .> ill
denciatmente as raesmas cartas, a quem se
acha no caso de poder vel-as.
Paris 18.As rl*c6es entre a Franca e
a Hespanha se tornatn cada dia mais eor-
diaes. Corre que o Sr. >' Jsillac, prefe.to
dos Altos Perineos, e cbarnaJo a Pans.
Ilio de Janeiro 111 is 12 b. da roanbi.
Sabem amanha : psra os portos do nort;,
o paquete nacional BAHIA ; e para a Ei-
ropa, pela Bahia e Pernambuco, u paqui-
te inglez SOU Hi, da linba do Pacific).
Entrou hoje de New-York pelos outros po*-
tos da sua escala o paquete amerirat.o
.tf E HillMAC k. Kecebernos noticias ce
Motitevidtio. 0 ministry da fazenda, ca
nova tentative, que fez, conseguio sempre
reunir os directores dos diversos bancos J..-
quella capital, mas nao cbegarara a ne-
nhum accordo.
Liverpool 18.Algodao : continua firms
o mercado, sem alleracio de precos; dt
procedencia brasileira venderam-se hrf*
2,800 fardos. Cicao: cotou-se a 49.
Antuerpia 18.Couros : venderam-a
8,300, de 93 a 98. Cafe do Rio I'quai-
dade 47.
Havre 18.Algodao : vendas de beje
2,004 kilos ; os precos nio sotTreram mi-
danga. Cacao : as cotar, 74.
Madrid 18.Tem causado aqui vivis i-
ma sensajio a prisao dos directores das gs-
zeUs PHE.ySA e BAN DEM HESPl-
NQLA. Kcina a dissencio entre Be Jo a
e Sagasta por causa de semelhante fact j,
visto que o ultimo c contrario a estas me-
didas puramenle militares. Os presos fo-
ram hontem visilados por mais de setecea-
tas pessoas,
Babia 10 as 4 h. e 10 a. da tarde.
Cambio sobre Londres 26 lt4, 26 3[8 e >6
1[2, imliredo 26 5|8.
Rio 19 as 3 h. da tarde.Cambio s <\ re
Londres 26 1|4 bancario, 26 3|S paru< u
lar. Transac^des insignificantes; sot re
Paris 363. Apolices da divida pool ca
1:050)5000.
mmm$mmmiz
DlAiilUJJ FfiKNAMtfUU)
RECIFE, 20 DE NOVEMBRO DE 187*.
Nbtleias da pal da
do que Vmo expoe no final do sen offlcio n. ili,"que de conforrcidade com a ordem desta pmt'queo Exm. Sr. mimstro dosn?|OJiosdaa?ricultura
(agencia telegraphica havas-reuter.)
!^Vk%*. ^. %faW*rll Iilsboa 18 de novembro.As des-
lntellisencias existentes entre as
governos da Pritu^a e da Hespauba
acabana de desappurever, e resta-
beleceram-se as relacAes auiiga
veis entre os dous sovernos.
Ltsboa 18. Aqui cbegou o paque-
te inflea VALPARAIZO, da llnha do
PaciOco. procedente do Brasll.
Londres 19.Cltesou o vapor LA
FRANCE.
Rio de Janeiro 1 v,. -Chegon ho j e
aqui o pa<|i!vtc ainerienno ftERRlUA-
Amanheceu hontem em oosso porto, proeeanaa
dos do sul do imperio, o vapor bra^ileiro Co dr
iTEu, trazeado dalas do Rio da Praia 7 So e r-
rente, de Mi nas Geraes 31 de outubro, se S. Ps-
lo 7, do Ru de Janeiro 10, da Baitii |6 e das la
gdas 18 do corrente.
Alem do que damos sob as rabricas Het. *-i
Diaria e Jurisprudence, encootraroos nos jorcas*
o qae segue:
REPUBUCAj do pacuico
No Chile, o Estandaiie CathoUat pobheoo cat
pastoral do arcebispo de Santiago e bapo< da I
ceicio e da Serena, folmioaodo de mco
maior todos os qne com o sen volo
para approvacio dos artigos do oodigo
pugnados por aquelles prelaAa. Igoal pw >
commina aes magistraios que cumprirsa a It-
Para serem bsolvido> devem os fegialadoree n-
coramnnpsdos reparar pubiicamenie o esesscdo.
Ucando roservado aos aesmos bispos o wvaata
mento da cessara. .
Entre os excommungados atiparereesi PJ*'***
lucir o presidente da republi; t 1). Frestriea Br-
razuris.
A Patria da Valparaiso observa que raaadd' Se
ha muito os tempos em qua uan excomnst a*
laocava o terror e o espanto na seetelale. >
pe'o seu proprio destempero nao provoeava^S' i
o riso, e que nao seado deeorow para os
I
II
I iuK



M %}
PiMQ de Pernambuco Sexta .feira 20 de Novembro de 1874

*
\
;/
'
bispos rcceberem congraa de Dm foverao excom-
mungado, ia esta ser supprimida.
Esie prooedimento, que nao podia scale sores-
ear as reformas, & pnucipalmenLe o projecto do
casamento civil, totou ainda 9 partido da opposi-
te, alias sempre intransigente com os actos do
governo, a prepafrfr para este uma manifestacorf)
de sympalhia, olTerecendo Ihe 0 9eu apoio na cfjin
panha contra 0 predoraiuio clerical.
Tcrmiuoa em Guatemala 0 c;nflieto cam aIn-
glaterra, salvando se ao pavilbao Inglez e pagao-
do-se a Magee a indemnisaeao pedida.
Do Peru refere-se uma noticia qae paroeejja In-
cri'el ui-sies nossos tempos.
Sootonciadus a IS anuos de trxbalbos forcados
os tres assassinos do coronel Balta, foi a santenca
refornuda pelo supremo iribnc.il relaifcamente a
dous dos reoa qae 0 tribunal condemnou a morte '.
nao devendo, nqmtudo, a ser>tenc ser cxecutada
seuao em urn delles, que seri.i designado a sorte.
ni.) n\ prata.
Kenhum successo importante cccarrera com re-
fereucta a revolti.ao argeaiiaa, eoja historia se es-
creveri mais tarde, tarefa por agora impossiveL
tao desiigirados por um 0 oulro rado se aoreson-
tarn os factos.
Sujeitos, como sabera os leitores, a censura pre-
via, limitara-se os periodicos de Buenos Ayres a
publicscio das notioi.is comrauiKcadas pelo govr-
no, comentacdo-as e ampliaIo-as a sabor do
mesmo.
Ainda assim, aos detalhes cm que conttnuam a
abuodar sobre o recontro das fore is do coronel
Julio Campos e do geueral Rivas, e pef*gK*<>
deltas pjr aquellas, Setalhes de que, apez'ar Se la-
do, uarfiiie ruliar eUraiHMCt ipie os rufeeides le
jetiravam mi oy.i urdem, ;>eus jwdem aecres-
coqtaralgun* conbatesde ruerpl'ias em ei*ja nar-
racao uem mesmo ha u ?*. :.:<\- >ht 4*4 descoulo
as pro va reis exageracOes para perceber-lbee a pe-
quen* tffrrtfJtajfo.
Asaiui o major E-pui;i iniit vi'-L do Chivilcoy
one a sda raogqa/la ! rebelde
Carpio Cam, fazepdo Ihe IS morlog, 28 feridos e
10 prisioneiros, u tonm-Jo Hie 010 ravalios.
Em sent! I > anal$ < ea-ont/aiau: "itiras parli-
cipacSes que nAu v .1-. :i .1 .1 il: s^r ;raivrip-
las, tar o'espinij pitbJhjn, cnj a!, .ii.oc.il se traduzia
por 11 ma iiAigrafio c.nla Viz .aiis ei>.scida da ci
pital, eiu|Uii:t> os rtgyre" tli :-uvr.iv exercidos
eoa(ra tjdi> us sjsp^uos de tnr.nsrou, e os conse-
Sueol'M wx.ime* que et.tj m 41 Us oao podiam
eixar de fazer caltir s >bre 11 los en geral, mesmo
03 mais aib-los a luta civil, uio provjcava talvez
ipani!eslai;ao .nais perigosi.
Se p iuco sa saJiia do que se pass.t'-'a em torno
de Biieiios Ayres, meoos ainda do que ia peias pro-
\im-ias rem-.tas.
Ap nobcjas Jo governo anounciaiido a.ocnupa-
cao de S. I.uiz por f.ir^as legaes pintam 0 rebeide
general Amdondo em pl.-na fu^ga por Mendoza
par* gaohar a fronteira do Chile, pratieando as
ma lores air eilales, lovando com.-Lgo as familias
dos guarias naciooas para evitir, 0 desbando des
tes, o .issassinando os que tenta.n escapar Ibe.
A estanuoa peias versoes mitristas 6, porem, em
senlido mui opposto a march.i dtqucllo general ;
vein <-IIe para collier entre dous fogua 0 exercito
do g v.'rao, quauio 0 de. Rivas, agura iramediaU
meoie vyni.oandado por M.i.-o depois quee-to des-
embar.-ou em Tuvii, ju!^ ir oppurtunj aceitar*loe
baU:n.
fc.' ainda em ligacao com sAc p'ano allribuido
aos reheldes quo os orgaos destea explieam a re-
tirada de Rivas.
Quiz elle, ay nieimo tempo qae se aproximava
do p>nto em qne d u-ja snrgir Jbtre para prole
gar l:ie u di-si inbarqu attrahir is tropas do go-
ver.-i'i para fora dos iimites das estradas do ferro,
aQm de n.'a'i lacilmenie cort^r Iho^ as Coinmuui-
c.u;o^ com a cidad*.
i?j*^ piano ou n.i, 0 servi\o da eslrada de fer
ro e-'iva relabeujdo ate Las Flares, sou liiuile
actual na direcgao do Azul, facto que se anuuu-
ciav.i cwin regosi). em BQonos Ayrc.
Dm diario daquella cidade fez' uiin;icio;a re-e-
nha lias fureas sentaudo em rewoltado a somma de ii.oOO nomeos
para aquellas e 8,600 para e-tts.
Aq 11 aomaota adoiira como tao pouca gente da
lanto quo faier..
Referlndo se ao psitdo das consas na Republica
Argentina, observa 0 fettyrapka Muritimo Mon-
tevideo :
Fira se poder agsegorar qualquer noticia so
^re a rev. lueio argntina e pi^ci0 que a acoitem
os organs de arabos os partidos. Neste caso estao
embircou a 2i de outubro em territorio srgenti-
no n* iiminlo o command.) geral lucionarias.
a Ontra noticia que se pode assegnrar e que os
dous melhores navios da esquadraargentioa abal
roaram de raodo qne live am necessidade do con-
certos i- lina^mente que 0 Parana e ootros vapo-
res da revoiurao aveuam livremeute 0 Rio da
Praia.
Qlaatiasforcta de raedisposn 0 governo
e a revolocan e irap.-s ivei sabel-o. Que os mats
prestijjloeos cliefei militares estao nas fileiras re-
rclue< n;rias ningoera 0 igoora, e no- o dhs^mos
de?d- 0 iBonwntq em qua annuuciamos a revo-
hi (in.
0 drseolfe da luta e qtte nao e dado prever-
so; di-po.io governo dos recnrsj> qoo Ihe minis-
tram as rendai Jo E-tado, c alera dis eapital, eeotrd de todo 0 movimento commercial
Ayres. Entretanto u alii mesmo que raaior nu
rnero de partidarios decidiJos conta 0 general
Mitre. Pelo seu lado dispoa a revolucao tambem
ue recuraos e da iofloencU lo mesmo general Mi-
tre e de muitos bomens eruiuenles e ab.>slados
que juraram combattr 0 governo que chamain de
fuclo.
Se a revolucao, p..is, nao termioar por uma
transaccio qualquer entre os partido*, a guerra
civil tomara cira;ter grave e dnrara qui;a largo
tempo. Nao sera facii essa transaocjio emquanto
0 governo se empenlnr s6 e.u vencor por lodos
os meios a revolucao, aterrando com 03 si us
actos arbhrarios 0 commercio para que nao se
interppnha levantando a bandeira da paz em de-
' fza des grandes interesses do p^iz, tao profunda
mente feridos pela luta civil.
0 gensral Mitre declarou no sea manifesto
que pondo-se a frente da revolu<.ao nao queria
em caso algum assumir 0 goyerrio supremo da
republica : terminada a luta, cuja responsabili-
dade aceitava como nma necessidale extrema,
havia de retirar-se avida privada. Desista, pois,
tambem 0 Dr. Avellaneda dc governar a republi-
ca. Seria uma accao palriolica que bem poderia
merecer-lhe mencao hoaro?a na historia da sua
patria. Urn governo que nao seja Mitre nem
Avellaneda, um governo de conciliacao, e 0 uaico
que pode reparar depressa os tstragos da guerra
civil e Impodir que os odios se per|ietuem, deixao-
do em 'fermentacao 0 german das revolucoes.
Effectivamente asmmindo 0 commando das for-
cas revolucionarias ao pisar 0 territorio argaotiao.
Mitre, no seu maaifetto, que, quanto ao mais, se
parece com todos os outros ;n.mife>t is, disse :
Depots do triurapho que nos espsra e quando
diante da soberanoia popular laelioarmos. a nossa
bandeira laureada, voltarei ao reiiro da vida pri-
vada, sem cumtuaodo a seui egzigiia, couio uui de
tanl03 ciladaos. >
A esquadrilha mitri.-ia conip,:;a da canho-
neida Tarand, vapores Montevideo e liitnotcador,
e daas embarcacSes, apparecen a entrada do por-
to de Montevideo, e recebendo intimacao para afas-
tar-se, siigaio no rouio de ieste. Ti au;urvendo
eisa noticia a Iribuna de Baenos-Ayioe accreseen-
la referjndo-se ao comportamento
  • oriental : Ja era tempo.
    Damos em seguida diversos doeumentos
    para a historia da actual campacba :
    Manifesto do general Mitre.
    Compatriolas I Pisei boje ao soio da patria
    icadinio ao appello dos ci jadaos que, ia voraodo a
    constitiii;ao e com as armas na mao proteetam
    contra os poderes de facto que se apossaram -do*
    destines publicos pela fraude e violeacia, arraa-
    cando ao povo a sua liberdade.
    Cidadaos armados : Desde ette moraento
    atro em campaoba a freute da vaoguarda do
    exercito que eombate pela reiviodiea;4o dos direi-
    los do povo na provincia de Bueaos-Ayres, e
    assume ao mesmo tempo 0 mm do e a direccao
    miliur dos exercito e divisoes que uombatuiu pela
    mesma ciusa nai proviucias do littoral, nas do
    Cuyo, nas do oeste e do norto da republica, a>sim
    como a esquadra que faz tremular a bandeira da
    liberdade nas aguas do Prata.
    Habiunt.'i do iul de Bueno3-Ayres I Por
    Tps mesmo, uoidos aos Toluntarios di e pital e de
    alguns deparumenlos do centro, qae acudiram a
    eogrossar as vossas Qleiras, sobraa base do exer-
    cito de linha que guarnecia a fronteira, formastes
    e*ponUueameate am exercito de 9,000 bomens,
    que e bastante para assegurar 0 triumplio.
    Assim mostrais ao resto da republiea que
    aois sempre os mesmos que era 1839 soltaram em
    -Dolores 0 heroico brado de liberdade contra a u-:
    ;
    ranaia.0 o taasjnoa qua em 1832 resoAudecam
    torVfamjnn3 k rewlifljSo-d*1!! de stftfllrb.
    - tom;iaoheiros de armas I Venho pnilbar
    dos vossos perigps e.de w^sv glgrias, vephooon-
    dQiir-vos a victoria e a reconqabla das liberdaJos
    perdidas.
    t E' este 0 unieo posto que aceito e peeo, invo-
    cando 0 patriotismo e 0 derer. Apoz 0 triumphi
    me nos espera e quando inclmanpos a nossa
    bandeira laureada ante a soberania papular, vol-
    tarei ao retuo da vida privada, sem mando e sem
    espada como um dos muitos cidadaos.
    Quardas nacionaes de Buenos Ayres I Hoo1
    uoia epoca memuravel, em que tire a hjnra
    chamar-vos as armas e coadutir vos ao campo ia
    hatalha para fundar as nossas liberdades naseen-
    tes. Hoje, por minha voz accudo ao v#sso ch\-
    madb para raivindioar as liberdades torujui*ta(Us
    em S3 annos de lutaa a_ de vida rejmWicana. As-
    siste-me a Ik de qne hoje, conrt ^ritSo, tereh 1
    gloria de Grmar para sempre os direitos do povo
    argentine.
    < Cidada.s argeatists 1 Podcis levantar a vos-
    sa fronte com legitimo orgulho. A revotaQSo que
    -e um uireito contra a violeacia, que e *m dever
    do pan iotismo nas tristes eondi>:5es a qae havia-
    mos chegado, era uma necessidade iraperiosa,
    assim para salyar a sociedade politica ameacada
    pela forrupcao oflkial, como para sal Jignidade de povo livre que se achava compro
    mettlda.
    t Necessitaveis mostrar ao muudo aue seis ca-
    paz de conquistar* aefendera liberdade, e rraeos
    .iireito- do povo argeaUao aao es ao a mcree de
    mandataries, iafleis, qne pretendem Impulse pela
    fraude e a violenoia, despojando os cidadaos ate
    do direito de e."collier livrementa quetn os go
    vrne.
    Entretanto, nao sois v6s que provocam \ re
    voluQao; sao os mandataries traidores de deposlto
    sagrado da auteridade tmblica, que Ihes conliast .-
    para vosso bem, com sujeicao a um mandate li
    mil 1 lo, que se sublevararo contra a soberannia
    do povo, fonte de todo 0 poder e de teda ratan,
    preteudendo impor-vos poderes de facto, producto
    da '. -ia-eao, da fraude e da usurpacao.
    < Vos seis os defensorH* da lei constitutional
    vmlada, que ides reiviadtcar os direitos do povo
    atropellado.
    A vossa v.ril attitade em presenpa de tantos
    escandalos, Kcara como uma grande licao, que eosi
    nara a povos e goveraos como se guardam e se
    defendem as liberdades adquehdas, e como go
    aoniquilam os poderes refractarioi que atraieoam
    osseui altes doveres contitucionaes
    Cidadaos ecompanheiros-.de armas I A nossa
    caosa tem a sauccao da justi^a e esta autorisada
    pela lei eonstitucion I, cuja vcrdade invoeamos.
    0 seu triumpbo esta llrmado pelo vote da opiniio
    e peles poderesos eleroentes quo a sustemam.
    < 0 sopro da liberdade faz tremular as nossas
    bandeiras desde 0 Prata atd os Aodos, e desde 0
    Parana a'.e os ultimos conlios da Republica pelo
    None.
    < S imos hoje defensores invenciveis do bom di
    reit'i, como amanlia, depois do triumpho quo nrjs
    espera, seremos os sens miis humildes gnardas.
    Couipanheiros de armua e conoidadaos I Com
    estes proposi.es e estes sentiraentos e om a f6 ro
    busta que meaisste a respe.M dos grandes de-ti
    nos que vos e-pera n como povo capaz de conquis
    tar, de conservar e fecundar virilmente a liberda-
    de, que deve ser uma verdada para todos na paz
    e u.D direito universal no meie das lutas da de-.
    mo^racia, cootai em todas as oj?asi5e3 com a J:
    dicaetii e a conslancia do vosso compatriota e
    companheiro. Barth-ilonua Mitre..
    t Cart.i de Hivw a Mitre.
    Acampamento em mareha.-Las Fiores, 17
    de outubro de 1874. Sr. general D. Barlholumeu
    Mitre. Meu estinado general e amigo Tenho a
    satisfacao de participar Ihe a que ha occorrido e
    relalar-lhe 0? eleraentos coin que contamo?, que
    sSs muito pederotos.
    t Nao sei se e$la communicacio chegara as
    suas maos, pois ha grande dilBculdade paratrass-
    uittil-a ; e preciso, porem, arriscal a; e cootiuua-
    rei a laier 0 mesmo por outros portadores, logo
    que nio seja possivel.
    t Desde que live conbecimento de que rebenta-
    ra a revolueio. e quo recebi o aviso que V. me
    mandou por...., lit 0 roeu oronunciamento no
    Azul, corno V. tora vislo pela proclamaca. publi-
    cada, recebendo nesses dias rartas do ei-presiden
    te Sarmiento a que respondi, e de que lne uao
    mando copias por terem side publlcad s.
    Verilicado 0 pronunciamento, marchei com)
    se e nvencionara, e conforme as ordens que liuha,
    com direccio a Chivilcoy, nuscauuu mw^
    lu'iinl B"-" >" rt" o_ncvliilncer-
    responler ao moviraento *<-. Mtutaa-'qJ0 V. sa-
    bera, produzio isso, corao era natural, grande per
    lurbagao em no3sos an.i| h do centro, que couta
    vam com 0 seu apoto e com 0 armamenlo que e-
    peravam delle. V^
    < Com os elementos de que era corneco podia
    dispnr, formei 0 piano de os recoucentrar lodes em
    um forte exercito ao sul desta pruvincia, exercito
    que estivesse por si so nas eondiQoes de defeuder-
    se em qnalquer emergf ncia.
    < Para esse 11m contramarchei para Fluies, on-
    de tenho estabelecido provisoriameote 0 meu quar-
    tel general, alim de reunir todas as milicase c.i-
    valhadas.
    Agora conto >'om um exercito podersso de...
    homens das tres armas, e espero se me ineorpo-
    rem em breve as seguintes forcas : a guarda na
    cional do Azul, oOO boraeos ; as forcas ao mando
    d D. Jose Paz, que se incoi pureram boje as miahas,
    e que sao eonsideraveis pelo uumero e pela qua-
    lidade das pessoasque at compoem ; as milicias
    do Pilar, ao mando de D. Frederico Llosa e D.
    Thomai Chas, e outros cidadaos imporlantes.cujos
    esquadiSes voluntarios subiram a 500 pracas ; as
    milicias de Fiores e Juarez, as de S. Vicente Ca-
    nuelas, Quilmes e Raacbos, ao mando dos com-
    mandantes Vidal, M'Clymon, Armeslro, llerrera e
    os coroneis Machado e Ramos Mexias e commaa-
    dante Baicarce, dos quaes todos tenho recebido
    avisos de que breve estarao reunidos em. .a com
    uma divisao de 2,500 a 3 000 bomens.
    t No centro tenho, pertede Chivilcoy, 0 coronel
    D. Jacinlho Gonzalez com 500 bemens, no Bragado
    0 commandante Carpio Caro, com 400 ou 500 ho
    mens e D.....que tinha reunidos uus 300, que
    nesta data devem se ter incorporado.
    De sorte qne 00 centro podemos contar com
    1,500 on 2.000 bomens.
    Por estes dalos,ju sao exactos, pode V. con-
    tar que, dentio de dez ou quinze dias, poderei
    apresentar-lhe um exercito poderoso, aniraado do
    melhor espirilo, e decidido a fazer triumphara glo-
    riosa revolucao inlciada pelo povo para reivin-
    dicar os direitos de que foi indignamente despo-
    jado.
    forcu unidas. 0 geueral Rivas n'uma Qa.rU re-
    servada, qne foi por elle dirigida ao ^"^HH|
    lacioaario, 8(r qjie esnerava poder colloe|r jMpai
    forpas de mod) a imi-dir as communicarSes d 1
    c irouei Caar.|ios.C3.n a cdadede Uu .i.s Ayiits.
    Mp^liviJeg 7.' 0 governo argentine comloma-
    empregar medtdas tao severas para a 'partida dos/
    vapores, que as communicacoes com esta cidade
    sao cada vez mais difaceis. Uma pane da esqua-
    drilha do governo deixoa 0 ancoradoure en per-
    aeguicao dos aavios reboMes. A canaeoeir; Urm-
    may rocebeu erdein de apriaieuar a Parana.
    U>nstava aqui, ja honlMH, que tiaha hatido um
    eombate natre as forc.39do ceronel Arredondo e as
    forcas do gorerno, teudo cablde a victoria 'as' ul-
    timas, e sofihido ot rebeldes perdas consideraveis.
    Hoje teat eoatinuado 1 correr a noticia, rnatmnilo
    raojiiicada. Diz so que Arrud:ado aiacou em Men-
    doza. as fere 1- do govjrno, lazendj Ihe K) prltio-
    nelfos Por outro Tarloeambem corrsti que os re-
    beldes tiverara de retirar-se, perdendo perto de
    150 homens, entre mertos e feridos. Ooiros b)a
    tos aiada tern corrid) quo tornara difflcil saber
    com certeza quern foi 0 vencedor. Convem espe-
    rar ddo mais seguros. O que parece eerto e
    que o general Rib.s se approximava da capital,
    procurando impedir as conimucicacdes de Campos
    con Bueno3 Ayres. A' ultima hora consta qae 0
    coronel Arredondo loi batido em Mendoza, tendo
    do retirar-se depois de perder mais de 100 ho-
    mwsv- Chegou de madrogada a noticia de qne a
    caBnonejw Puraud e 0 vapor Montevideo, perten-
    centes aos rebeldes, se pr-paravam para eegair
    rie aoima, senio de perto perseguidos por 4 navios
    da esqu.iirilha do governo, entre este< a Uruguay,
    o vapor Brown e mats doui outros armados de
    artilhiria.i
    MINAS GF.IUnv
    No dia 26 de outubro procedeu a assemUea pro-
    vincial a eleieao da mesa, sende eleitos :. yre.-iden-
    te, Justine de Audrade Caraara ; vice^esidenie,
    Ray nuodo Senate da Silva Athayde ; secrela-
    rio, Pelro Maria da Silva UranJao ; f.* dim, Dr.
    Jose Eufrosino Ferreira de Brito.
    Rafere 0 Monitor SkI Mineiro :
    a U Rev,i. padre Carlos DiasFerras da Luz, dis-
    tiocto professor dos pre?ns da eadea desta eidade,
    nos obsequiou com a seguiate noticia sobre sens
    infelizes discipules:
    Estao matnculados na ana da caoda publica
    da Campanha 78 presos, entran lo neste numero
    7 recrutas e I preto africaao, escravo fugido, que
    te:n de ser arrematade em prica para se pagar as
    despezas conj elle feitas nis eadeaa de Tres Pon-
    tas e da Campmlia.
    D is 80 ertt&lnosos estao sresos : por jrimo-de
    homieilio, 50; por tentativi de homi id o, 13 ;
    p ir crime da reubo, 3; por srirae de estupro, t;
    complice de homicidio, 1 ; por crime de bigamia,
    I; por crime de faga ill pnsos, I.Somma 70.
    E a saber: a> term) de Ba^endy, 6 ; ao de Tres
    Pmtis 4 ; ao de Jaguary, i; ao de Peuso Alegre
    12 ; ao da Clrislina, 5 ; at da Campanha, 15 ; ao!
    de Itajuba, {I ; ao de Alfeias, 5; ao de Dores, 1 ;
    ao de Bebo Vnrde, 4 ; 10 de S. Jose do Paraiio, It
    Somma 70.
    Depois de longos soffricnentos fallfcen no dia
    23 do cirronle, nos Poyes le Caldas, 0 Sr. Severia
    uo Dias Ferraz da l.u\ iih.) desta cidade e ulti-
    mamente resideate na de 'ousj Alegre, onde sem-
    pre gozou do estima e cmsideracio. >
    S. PIULO.
    Referinio se ao tivmx de terra, de quo ja de-
    mos noticia resnmida p.T commuaicacao telegra-
    phica, diz a Gazeta Comnerc/al, de Sorocaba, em
    31 do mez taaasacto :
    Honte-n, sexta-feira3l, peias 9 horas e 30 mi-
    nutos da manha, deu se aesta cidate um pequeno
    tremor de terra, que dirou cerca de 30 segundos,
    aoabndo violentamen: as casas com sordo fragor.
    a Cahiram objectes de prateleiras, telhas de ca-
    sa, e algnmas seoboras em e?tado interessante es-
    tao soffrendo de incomaodos quo nessas circums-
    lancias eostuma eausar um espanto snbito.
    E-tava 0 tempo nublade, soprando 0 vento SE.
    Do uieio dia em diante 0 thermometro, qae durao-
    te este mez oscillara eatre 24 e 30 centigr., bai-
    xeu rapidamente, chejando durante a noite a II
    centigr., e que nesta latitude ja e um fresco sof
    frivel. Em S. Boqae, segundo telegrapharam, na-
    da sentiram
    Arcrescenta 0 Correia Panlistano de 4 :
    Tante os habitantes da cidade de Itu como os
    -rr-y^
    f *
    lugares no thtsouro na*
    do uo exercicio de seus
    Pet-so rnerce do tilula do eonseHio' de .Sua Vla-
    gastade o Iraperador ao bacharel Jose Mauricio
    tfernaades Pereira de Uarros. <.
    I?*rm nimealos :
    .-Ordcin de CNmta. Commenitadorls.Os tfouse*-
    iheiros Raphael Arcbanjo Galvao e Antonio Mar-
    ques Baptista de Leao.
    Cavallairos. Joao Maria de Mello, Lai* Maria
    Spipeanio de Almeida e Joao Affouso de Carva-
    Iho.
    teaefite pbai-
    ervioem com-
    Oriem ia Rosa.CoinmeudadoMs. Os coase-
    tiros Joaquiin Antao Kernani* Leao, Amenlo Francisco de Paula Almlltda Albuquerque e An-
    Jose de Ueoj^Juao Cardoso de Menezet e Sous*, e tonio Gildtop de S-maa Aires, este do i* e anuelle
    ua .^..l**- ,(.. i^.o I...I.IL;..
    < Esperamos, general a sua presenra no exer-
    cito.
    > Ella e indispen:avel, nao so para imprirair
    raaior torca a este exercito poderoso, onde sao to-
    dos seus oalorosos amigosn partidarios, como tam
    bem para, a face da republica, trazer 0 prestigio
    de sua presence e de sua palavra a revolucao
    iniciada pelos cidadaos mais distiactos destajcam-
    paaba.
    Sei que e este 0 seu pensamenfo ; sei que e
    seu dese]o entrar em acpao ; e jalgo qae 0 meio
    mais facil para isso e vlr V. pela eosta do sul ao
    pontn..... que e 0 mais cenveniente, e onde en-
    contrara uma columna as ordens do commandan
    te.. .
    Eston -em commuuicacao com 0 general Arre?
    dondo, que estava era... e em mareha, de/endo
    estar nesta data em....
    Desojaodo tides sua pregenca a frente deste,
    ia poderoso, exercito, e-me gralosubscrever esu,
    repeliodo que sou seu affecioosissimo amigo.
    Igmtcio Bivus. >
    Na republica do Uruguay oao ha notioia de
    importaneia. Coatinaavara os apuros 10 goveroo
    lahorando sob uma erise fioauoeira, quo eutreUn-
    lo, nio iniluia sobre 0 moviraento commercial do
    paiz.
    Cahio sobre Paysanda um formidavel temporal
    que causou muitos estragos e desgracas. Um jo-
    van que a cavallo sahia da/ praca do teuros foi
    mono, elle e 0 cavallo, por um raio que A alguraa
    distancia inatoo. aiada dous euspregados de uma
    diligencia, e mais longe um boi.
    Reeeberam se na corte os seguintes telegram-
    nas.
    < Montevideo 5.As perdas eausadas pelo tem-
    poral feram muitu iraportantes. Alem da canho
    netra Tuquary, perderam-se os navios mercautas
    brasileiros OUnda, pertencsnte a praca de Per-
    namciuee, e Princeza, pertencente a do Rio Gran-
    de de Sol. 0 dique Maua soffreu bastante, e
    quasi todos os trapLhea ficaram dutruidos peias
    aguas. C&asta que houve outrosprejuizos na Ra-
    Ina, de que aiada nao tenho conheeimenta seguro.
    Ha tres dias 'qae nao recebemos noticias de i'ue-
    nos-Ayres, as communicacoes estao interrompi-
    das, porque 0 goverctf detem a paritda .dos. vapo-
    res. As noticias da gwrra civil chega nos aqui
    por outra via. Ainda asfc::o pouco se sabe sobre
    a situacio das tropas do governo e dos rebeldes.
    Consta que 0 general Mitre se acha a freote das
    de Porto Feliz sentiram 0 me?mo abalo qae houve
    em Sorocaba, as 9 e meia do dia, sendo e3?a aba-
    '0 que fez estfemecer os rnoveis das easas, acora-
    panhadu de um como estampilo retnoto de trovso.
    -aw.il Porto Frliz que foi mais-pronuneia-
    do a 0 rapilo tremor de ieila, originatido grande
    suslo na iinpulacao. .
    Refere linalmenU: 0 Itnano ffe~l :
    No dia 30 do mez lindo, peias P iyi horai da
    manha, houve um hgeiro tremor de terra nesta
    cidade, seguido de nra rumor semelhante ao rodar
    de um carro ao longe. Na pharraacia do Srs. Ro-
    rnual lo iSt Filho, onde estavam algumas pessoas,
    foi'presenciado o ehoque dos vidros que se acha-
    vam nas prateleiras, durante algans segundos;
    um empregado da estate percebeu-o no momen-
    to em que escrevia, dando se 0 mesmo facto com
    0 escrivio de orphaos, al6m de muilas outras pes-
    soas que nos ioformarara terem percebido 0 tre-
    mor.
    it Talvez"nSo esteja longe 0 dii de sabermos de
    alguraa catastrophe por ahi alera.
    No dia 5, 0 presidente da companhia da estrada
    de ferro Sirocabana, Sr. L. M. Maylasky, offe
    recera ao Sr. ministro da juMi^a, conselh-iro
    buarte de Azevedo, nm almo;o no ponto daqaeila
    estrada ate onde estao assentados 0* trilhos (quasi
    7 leguas it capital). Estivera a presentes, alem
    do presidente da provincia, rauitas pessoas distine-
    tas e cidadaos importantes da capital, de todas as
    opir.ioes politicas.
    Tendo-se dado mais de uma desordem na cida
    de de S. Roque, entre algans trabalhadores da es-
    trada de ferro Sorocabana e a peqaena forca alii
    destacada, 0 Sr. presidente da provincia enviara
    para alii um contingente de 20 pracas comraan
    dado por ura teneBt", afira de prevenir qae 0 e flicto tome vulto e -tc-nha conequencias, funestas.
    A 17 do mez passado, nas proximidades do Rio
    do Peixe, termo do Canha, fdra preso, diz 0 Seculo
    Ae Gaarantig^ta, Manoel Antonio da Silva, valgo
    Gonguito -accusado de Haver sssassinado bar-
    baramente, em 1883, Ignacio de tal, com nma fa-
    cada na regiao epigastrica, e por isso pronuueiado
    incurso nas penas do art. 193 do eodigo penal.
    < Por 11 logos annos zombou 0 reo das.pesqui-
    zas e esforcos das auloridades para conseguir a
    sua capiura, seaio ella hoje exclusivamente devi-
    da ao zelo e eoergia do jui. municipal do termo, 0
    Ur. Azevedo Faro, cuja solicitude no cumpriraeato
    dos dev; res iaherenles ao lugar que occupa e inte-
    resse quo toma na punicao dos criminosos, con-
    seguindo assim manler 0 imperio da lei, e por eer-
    to digno dos maiores encoraios. Cora esta capiu-
    ra 0 Dr Faro prestou a causa pualica um relevan-
    le servipo
    Bm Jacarehy fecbara-se a enlermaria popular
    para os variolosos, por considerar sa extincta a cpi-
    demia.
    Sob a epigraphe Industria local le-se no Tieti de
    25 de outubro:
    vo mvento, que vem sem-duvida favorecer a la-
    voura decafe, no que diz respeito ao processo de
    sua preparacao.
    0 inlelhgente e laborioso cidadlo Francisio
    Domiogues de Assumpcio, acaba de fazer, com
    excellente resultado, a experiencia de nra desearo-
    cador de cafe de sua invencio. Observa-se neste
    irhportantissimo trabalho, economia, solidez e ,-in
    geleza, alem de outras mnitas vantagens.
    E' necessark) que 0 governo 0 proteja, para
    que se veja indemni aperfeicoar este trabalho, que muito ennobrece a
    industria nacional, e forma uma fonte deeconomia
    para os qae se dedicam a lavoura do cafe.
    Renderam ao mez fiado : a aKandega de Santos
    349:3341447, e a mesa de rendas 92:721'800.
    Foram apprevados no dia 3, na faculdada de di-
    reito.
    5.* anno.Caa-li :o BaptisU da Lacerda, Anto
    nio Ja iuario I'mo Ferraz, Tbeopbilo Jose Antuaes
    Braga e Romualdo de Aadrade Baeaa.
    i. anno. Canute lose Saraiva, Antonio Dino
    da Costa Baeno, Martim Francisco Ribeiro de Aa-
    drade Junioor e ignacio Soares de Balhdes Jardim.
    3.* anno.Antonio Siivestre de Pinho, Qemen-
    tino de Souza Castro, Martiaho Alves da Silva
    Campos Junior e Antonio Jose Ferreira Conteiro.
    1* anno.beandro de Almeida Ribeiro e Lau-
    rindo PitU de Castro.
    No dia 4 os Srs.:
    {. anno.Franeiico Angust* de Barren, Fran-
    cisco de Faria de ViWas-Boas, Alberto Gencalves
    Pereira de Aadrade e Jo-ie Theotonio Pachaee.
    &.* anno.Hercnlano de Paula e Canro e Mar-
    celino da Gama Coelho.
    3.* anno.Antonio Tilmrcio Figueira, Joaqoin
    Bento Ribei. 0 da Lnz, afaooel JasSatbo Vleira de
    Moraes e Antonio Angasto BK> 08 JA5BWO.
    Por despacho de 28 de outubro :
    Em attencao aos bons services qae tem presla-
    Antotio Jose Henri pies, J se JuRo Dreys, Sebaj
    tiiio Ferreira Soares e 0 administrator da reeebe-
    doria Maooei Paulo Vieira Pinto.
    (JlBiaes.--Jee Francisti-Viania, Antonio Pedro
    da_ Costa Pfnto, Carlos Jese Pereira de Maga-
    Ihaes, Joao Jose do Rosario e Odorico Jose da
    Casta.
    Cavaijairos.-Bento Manoel da Carrasedo, Rwl-
    lio Gomes da Co.-ia Miranda, Carlos Jose do Rosa-
    rio, Jose Virgriio Ram s de Azevedo, Hermenegil-
    do Joao Alves de oliveira, Henrique do Amaral e
    Silva, Francisco Frederico de Mello Palhares, Jo36
    Baptista da Silva, Henrique Pereira de Azevedo,
    Jose da CuBha Valle, Joaqaira Izidoro Simoes, Laiz
    Heraclito da Fonloura, Francisco Antooio Lemos e
    Jose Alves da Silva e Oliveira.
    Era attencao aos reievantes services prestados
    aa socle lade Adxiliadora da Industria Nacioual,
    foram no naadeg :
    Ordem di-i"/l')a.-Ofllciaes.Jose Botelho de A-
    raujo Caiwalho, Ur. Jose Pereira Rego Filho e An-
    dre Piato Heboucas.
    .Cavalleires.Dre. Lopo Diniz Cordeiro, Antonio
    Con ea de Souza Costa, Anas aeio Luis do Bom-
    Successe e Ant nio de Paula Freitas.
    Pelos reievantes servicos quo prestaram ao es
    tado e a huraanidade, concorrendo para a funda-
    clo do hoppicio de alienados de Pernaiubuco, fo%
    ram uomeados:
    Ordem de Chritto.Commendador. 0 Dr. Pe
    dro do Athayde Lobo Mosceso.
    Cavalleiro. O subdito allemSo Rodolpho Kru-
    kemborg.
    Ordem da Rosa. Cavalleiros. Luiz Gongalves
    da silva, Joaq-ira Olyntho Basto, Joaquiin Dias
    dos Santos, Gustavo Adolpho Schmite, Joao Car-
    los BastoH de Oliveira, Tito Chaves Barceiles, Ju
    viniano Mania, Francisco Ignacio Pinto e 0 subdito
    ioglez Thomaz Newoigging.
    Per despacho de 4 do corrente foram noraoa-
    dos:
    Ordem de S. Bento de A viz. Cavalleiros. Os
    c ipitaes do corpo de engenheiros Eduardo Jose de
    M iraes, Henrique Luiz de Azevedo Uarques e Joa-
    quiin Hodrigues de Moraes Jardim ; do corpo de
    re; estado-maior de artilharia Estevao Joaquim de
    tado-maior da I" classe Napoleao A. Muniz Frei-
    Oliveira Santoa; do I* regimenlo de artilharia a ca-
    vall) Joao Vicente L^ite de Ca-tro; do I* de caval-
    laria ligeira Manoel Jose do Araujo ; da da mes-
    ma Julio Cesar Carneiro da Fontoara ; do 3 ba
    talhai de infuitana Joao Pires Gomes Junior ; do
    I5 da mesma arraa Jose Francisco Rineiro e Fran-
    cisco Ferreira Rabello; do 17 Antonio Alves da
    Cunha e do 20 Joao Maria Berquo,
    Ordem de Christo. -Commendador, 0 feitor con-
    fereete, aposeotado, da alfandega da Bahia Vaseo
    Carneiro de Campos, pelos reievantes servicos pres-
    tados ao estade.
    Ordem da Rosa.Commendador, 0 general Snie
    ts. commandante do asylo de invalidos de Brons-
    berk.
    OlUciae*.Os subditos inglezes Richard Collet,
    Charles Hjcfcin, Joseph, Charles Laws, e John 01-
    dhara.
    Cavalleiros. -Os capit'y*-Justine Jose de Souza
    Campos, da provincia ie Pernambuco, pelos reie-
    vantes servi$o3 prestados ao estado, a instruccao
    publica e em relacao a guerra c im e Paraguay, e
    Felici no Joaquim de Borraann, pelos que tem pres-
    lado ao estado, na qnalidade de dclegado de poli-
    pli dos termos de Porto-Alegree Piratioy, da pro-
    vincia do Rio-Grande do Sul.
    Cencederam-se:
    Ao- padres Joaquim Manoel de Oliveira e Teles-
    phoro de Paula \ugusto as honras de conege da
    cathedral da diocese deOlind*.
    Ao bacharel Arthur Teixeira de Mae*do a exo-
    neragio que pedio do cargo de se.retario da pro
    vincia de Rio-Grande do sul.
    A' D. Joanna Amalia de Andrade, professor* da
    prirne:ra escola publica de meninas da frfigaezia
    do Nossa Senhora da Gloria, a gralinear|j- ex-
    traordinaria de 3fi0,000 annuaes, corresaonlente
    a qulnta parte do rsspectlvo veoiimente, por se
    haver distinguide no rangiatario duraote mAis de
    15 annos de elreHivo exereicio. / *fi
    meira osc da publica da freguezia de Guar.itiba,
    Olympio Catao Virialo Montez para a freguezia de
    Parjueta.
    Foram naturalisados os subditos portugaezes
    Joaj Kapti-'ta da Silva, Joao Francisco Pereira Leal
    e Jjse Bodrigu;3 da Si va R >ehi.
    Por decretes de 4 do corrente
    Foi a sen pedido, declarado avuiso 0 juiz de di-
    reito da comarca da Bagegem, na provincia de Mi
    ii.i- Geraes, Joao Baptista PTmentel Lustosa.
    Foram removldos, a pedido :
    0 juiz de direito Jose de Araujo Bacellar, da co
    raarca do Praia para a da Bagagera, ambas de !
    leotrancia, na provincia de Minas-Geraes.
    0 juiz municipal e de orphaos, Joao Francisco
    Poggi de Figueiredo, dos termos reunidos de S.
    Matheus e Barra de S. Matheus, para 0 da Serra,
    lodos na provincia do Espirito Santo.
    Feram nomeados:
    0 bacbarel Zeferino de Almeida Pinte, para 0
    lugar de jniz de direito da comarca do Prata, na
    provincia de Minas-Geraes.
    0 bacharel Luiz Vieira de Rezende e Silva, para
    0 lugar de juiz municipal e de orphaos do termo
    de S. Januario de Uba, na mesma provincia.
    0 bacharel Antonio Columbano Serafico de As-
    sis Carvalho, para 0 lugar de juiz municipal e de
    orphaos de termo de Manaos, na provincia do
    Amazonas.
    Foi reconduzilo 0 bacharel Pedro Fernande3 Pe-
    reira Com*a no lugar de juiz muuicipal e de or-
    phaos do termo de S. Joao Baptista, na provincia
    de Minas Geraes.
    Foi concedida ao bacharel Joae Bante de Arau-
    jo, a demissao que pedio do lugar de juiz munici-
    pal e de orphaos do termo de S. Joao da Barra na
    provincia do Rio de Janeiro.
    Fez-se raerce da servenlia vitalicia dos ofBcios
    para que foram provisoriameote nomeados pelos
    respectivos presidentes:
    A F lix Rtbeiro.da Silva Tarceiro, dos offlclos de
    2* tibelliao, e escrivao do civet, crime e mais an-
    nexes do termo de Ic6 na provincia do Ceara,
    A Florentino Cavalcante de Albuquerque, do de
    depositario geral do termo do Cabo, na provincia
    de Pernambaeo.
    Por decretos de 4 do corrente, foram nomea-
    dos :
    Torquato Ramos Caiado para 0 lugar de the-
    sonreiro da thesourariade Goyaz e Hercnlano Lu-
    ciano da Costa Saraango para 0 de solicitador dos
    feitos da fazenda da provincia de Sergype.
    Por decreto de 4 de corrente foi concedida
    ao 2 cirurgiaO Dr Deocleciano Pires Teixeira, a
    demissao que pedio do service da armada.
    Por decretos tambem de ,5 foi aposentado 0
    escrevente das of&cinas do arsenal da marinha da
    corte, Daniel Paulo Porfirie da Silva, com 0 veoci-
    raento que Ihe competir, na eonformidade do art.
    219 do regulameolo n. 5,632 de 2 de maio ultimo
    e no Bead 0 Manoel Nery da Fonceca.para 0 lu
    gar de secrelario da capitauia do porto de Ma-
    naos.
    Por portarias.de.7 do corrente foram nomea-
    dos para a reparticio dos lelegraphpa:
    Os adjuntos Americo Martins Pires Candido Ban
    deira da Goi vea, estacionarios de 3* classe.
    Na mesma data, foi nomeado 0 eajenbairo Jose
    de Napoles Telles de Menezes, para servir na
    commissao de regislro geral a aatatistioa das terras
    publica* possuidas.
    Foi exonerado, a seu pedide, Jose dos Santoa
    Eli as AUonso da Costa, de estacionario de 2' clas-
    se da reparticao dos telegraphos.
    Por decretos de 28 de outubro concedeu-se
    demissao do exercito ao oapitao do I* regimenlo
    de ariilbaria a cavallo Amarillo Olindo de Vascon-
    cellos.
    De 4 do corrente:
    Pei noaieado capeHao-teooate do corpo ecclesias
    tico do exercito 0 capellao cooiratado do mesmo
    exercito padre Juliao Joaquim de Abreu.
    Foi elassifieado na primeira cempaubia do es-
    quadrae do cavaRaria da provincia do Parana 0
    aapMo aggregade a mesma arm* Francisco do Car-
    valho e Silva..
    CoBoedau-se transferencia para a 5> companhia
    do 2* regimenlo da referlda arma ao capiAe de
    mencionado tisqaadrio Jose Cesar de Mailo Sam-
    pad*
    Fotam concedidas ao pbarmaceutico alferes do
    corpo de saude de exercito Augusto Ferreira Cba-
    do Paraiaay, as honras do post* da
    maceutido do mesmo corpo cm que si
    missao no'referido exercito.
    Deelarom se-sem-elfeitoodecreto de *3 de se-
    tejuoro tiroximo passado, quo nomeju .0 capiiao
    da guarda nacjonal da provincia, de Pernambuco
    Jose Marcelino Alves da Fohceia para 0 lugar de
    escrivao do hospital miliiar da mesma provin-
    eia.
    Por porlanav:
    De 4 tambem do correule, prmiitio-se qne tro-
    cassera de eorpos antre si os seguintes teueotes da
    arma de iufauteria:
    do 14 batalhoes.
    Francisco Luiz Moreira Junior e Joaquim d
    Oliveira, 0 primen 0 do 5, e 0 segundo do I*.
    De 5:
    Concedeu se a exoneracao do lugar de ajudaute
    de depo;i|o de ayroudizes arliiheiros ao alferes do
    1-lado-aiior de 2* ciaste e teueute lunorario Can
    ido de Amorim Tavaras.
    Fui transferido do 14 para o 17* batalhao de
    Infantirla, e tenente Antonio Rayrnundo Miranda
    de Carvalho
    De6:
    Perraittie se ao alferes refermado Jo exercito
    Luiz Firmino de Souza Caldas, traosferir sua re'-
    sideucia da proviucia da Babia para a das Ala-
    goas.
    Foi publicado 0 decreto n. 5,6-53 de 3 de ja-
    nho ultimo approvando as inslruc^oes para a reva-
    lidajao das rendas de terras publicas ja effectua-
    das nas proviocias do Amazonas Para, Parana e
    Matto Grosso, e regularisagao das qne 0 forem.
    Lemos no Jornal do Commercio :
    < Teve effectivamente lugar na noite de 4 de
    corrente a sessao exlreordinuia do Institute Poly-
    technico lirasileiraera honra do illastre engenhei
    ro John Hawkshaw.
    Sr. John Hawkshaw chegou ao edificio da es-
    cola Polytachoica as 7 1/4; ja ahi se achavam os
    Srs. presidente do conselho e ministro da agricul-
    ture a 0 professor Charles Fied Hartt e muitas neta-
    bilidades da engeuharia estrangeira e uacional.
    Abrio a sessao 0 Sr. vice presidente, cons?-
    Itieiro Ignacio da Cunha Galvao, com ura diicurso
    de apreseutacao do Sr. John 11 iwkshaw ao Insti-
    tute 0 aos seus cenvidados.
    Deu depois a palavra ao orador, nomeadj
    para esta solemai 'ade, 0 Dr. Jose de Sildanha da
    Gama, que, em eloqueutes palavras, celebrou a
    granleza intellectual da Inglaterra, desde Bacon,
    Shakspeare, Milton, Newton, Wat e Stephenson ate
    Sir Jenn Hawkshaw. Lembrou os grandes traba-
    Ihos do illustre hospede0 quebramar de Holy-
    head, as pontes sobre 0 Tamisa, as constiltas sobre
    0 canal de Suez e caminhos de ferro da India, as
    docas da Hoilauda e e grande proje>:to do tunel li-
    gando a Franca a Inglaterra.
    Tomou de nove a palavra 0 Sr. vice presiden-
    te para offerecer a Sir John Hawkshaw 0 diploma
    de socio honorarie do instituto Pulytechoieo e uma
    colleceae de suas revistas primerosamenle enca-
    dernadis.
    Sir John Hawkshaw respondeu em ura toean-
    te disc.urso, lembrando que desde. muito se occupa-
    va do Br.tsil; que tinha discipules eamigos brasi-
    leiros ; que havia recouhecido pessoahrieu'.e a gran-
    dez 1 des recursos naiuraes deste paiz e a sua bem
    conhecida hjspitalidade, e que so scniia que inou-
    raeros compromissos 0 obrigassem a dWxar 0 Bra-
    sil, do qual levava as mais gralas recordagoes.
    Teve depois a palavra 0 engenheiro A. Teixei-
    ra Coimbra, distiueto discipulo de Sir John Hawks-
    haw que apresentou belles desenhos de um pro-
    jecto de docas e de um bairro eommTciil na situa-
    gao do banco de areia, qua se estenda da ponte do
    arsenal de guerra a ilha dos Rates, e leu sobre
    este assumpto uira memoria enriquecida do dados
    estatisticos,
    Sir Jjbo Hawkshaw exarainou depois a col-
    leceae de desenhos do Institute, a bibliothaca e 0
    gabincle de phy.iisa, relinndo-sc as 9 1/2, deixan-
    do todas as pessoas presentes penhoradas pelos
    seus altes d it s Intellecluaes e pela sua amabili-
    dade.
    1 Sir John Hawkshaw querende dar uma prova de
    apreco em que M.a 0 lustituto Polytechnico Brasi-
    leiro e de quauto se interessa pela sua prosperidale,
    dirigio houiem uma iisongeira e deiicaJa carta ae
    respective secrelario acompanhada de um cheque
    de & 300 sobre um banco do Londres, alirade que
    0 mesmo Institute empregue essa quantia em fun
    dos brasileiros, para de sua renda raaadar ennhar
    lodes os annos uma medalha que premeie as me
    Ihores memerias que forem apresentadas a essa a3-
    socia;io pelos eus membros, a respeito de enge
    uharia.
    Qeando mesmo Sir John Hawkshaw nao dei-
    Xa.SStl QflSti) |.uti u II.i |.^iir.isya polod BCU4 ''U'Ya-
    dos merecimentos.bastava esla demosstra^ao iuteresse pelo progresso intellectual do Brasil para
    render-se lbe bomenagem.
    0 resultado dos exatnes dehontern (9) na Fa-
    cuidade de Medicina, foi 0 seguinte :
    6.' anno Francisco Correia Dotra, Anlonio
    Jose^de Faria, Gaiiherme Ferreira de Abreu, Jos6
    Lopes Ferreira, Josi Ignacio de Carvalho Rezende,
    Carlos Augusto de Moraes Sarmento, apprjvades
    plenamenlo.
    c Priaciplaram hontem (9), na Escola de Mari-
    nha osexames do respectivo curso, sendo 0 resul-
    tado :
    /." ca-leira do 3C anno e observatorio. Joao
    Baptista das Neves, pleoamenle, grao 9 ; Joaquim
    Pinto Dias, idem, grao 8 na t* cadeira e em obser-
    vatorio grao 7 ; Joaquim Jose Piniieiro de Vas-
    concellos, idem, grao 7 ; Carlos Alberto dos San-
    tos Valenca, idem, grao 7; Manoel Eduardo de
    Azevedo, simplesmente grao 6 na 1* cadeira, e
    pleaamente, grao 7, em observatorio ; Joaquim
    Francisco Correia Leal, idem, idem.
    a Physir.a.J ise Fructuoso Monteiro da Silva,
    plenamente, grao 7 : Elpidie da Gama Benles, sim-
    plesmente, grao 5 ; Estevao Teixeira Junior, idem,
    grao 4 ; Joaquim Jose Hodrigues Torres Sobrinho,
    Arthur Henrique Freire de Carvalho e Maooei
    Joaquim Nobrega de V'asconcelios, idem, grao 1.
    Cadeira do 1' anno.Jose de Almeida Bessi,
    pleoaraente, grao 8 ; Joao de Miranda Ribeiro So-
    brinho, idem, grao 7 ; Francisco Marianni Wan-
    derley, simplesmente, grao 6.
    1 Houve um reprovado no 1 anno. >
    c Resuludo dos exames de hoje (9) na Escola
    Polytbecbnica :
    rata, Lacriade Pereira de Almeida Franco-plena-
    mente.
    I a 3.'ok 10.Joao Agriprno da Com Doriaple-
    namente ,' l: !: irmine Jacen e de neoeies Doria,
    Huclides Ahes Reqmao, R.ymnndo Soter de Arau-
    jo, Alvar < Teixeira dos Santos Imbassahy, Atcacio
    Lopes Villasboassimpie-menle.
    Canlidn da Silva Lopes, Pedro Man z Rirreto da
    Aragio, Carlta Alberto T urinho, Jo-e Luis de
    Aragio Faria Rocba, Juvenal da Oliveira Andrade
    , -pleoarnenK
    6.m anno (theorico e pratico). Joaquim Leal
    Perieira. Manoel Maria Tourioho, Trajano Joa-
    quim dos Reis, Julio Goni.-alvea Furtudo-pl-na-
    mente ; Artenio Jose Paenece, Leovegildo Honoro
    deCarvalne -simplesmente.
    Dia 7.--1* anno medico. Fred-ricode Castro
    Rebello, Joaqatm da Silva Hotelbo, Victor Marco-
    lino da Silva Bnto-distincpao; Americo France-
    lino de Maealnaes, Henrique Guedes de Mall",
    Symphronio Fertuaato Dellacella-pienamenle.
    a Sfiannt -Jose Zeferino Ferreira Vellose-
    plenaraente ; Luiz Francisco Junqueira da Lur,
    Franci-co Martin- Mendes, Jose Antmic de MeTfc,
    Francisco Virialo da Rocba, Dommgos Alves de
    Mellos'm.olesmonte.
    4.' pao ; Aureliano Pereira de Souza, Custodio Riidri-
    gues de Vasconcellos, Jose Zachanas de Sonxa,
    Adalardo Zeno Ribeiro da Silva, Manuel Cartos-De-
    voto.plenamense.
    5 inno. yanoel Bernardino da C*ta Ro-
    drigiics. Domingo* Velloze Guiuiaiies, Jiio Jose
    Godinli 1 -iile-.amente; Durval Mi ndes de Queirez,
    Domingos Guedee Cabral simplesor.ente. E am
    reproved).
    v 6s diino. -Aurelio Benigno Casiilho, Vahntim
    A0I0111.' da Hecha Bittencourt, Am-ncio Joaquim
    Pereira < aldat, Antonio Joaquim da Silva plena-
    mente ; Clarinde Adolpho de Oliveira Chaves.
    Abdon Baptistasimplesmente.
    Dia 9./ anno medico. Virlnoso Cesar de Car-
    valho, Eduardo de Sa Bill nrourl dinar*, Inn c. n
    cio dos Santos Lepes Cavalcante plenam- nte .
    Arislides Franco Meirelles-simplesmente. E dous
    reprovado?.,
    a 2* annoManoel Lopes da Silva Lima. Fran-
    cisco Sall>" Gomes, Matru-us Vat up Oliveira. Joan
    Baptista Vianna, Culos Cerqueira Pint), Joaquim
    Cardoso de Andrade plenamente.
    3* oiinoClimerio Cardoso de Oliveiraple-
    namente : Augusto Fulganciu Pires da M tia, Ar-
    thur Grate Alves Carnauba, Luiz Antonio de Fa-
    ria, Alberto Francisco do Espirito Santo, Carlo*
    Ferr ira Sautessimplesmente.
    v 4* anno.Aurelnno Teixeira Garciadistinc-
    cao ; J*e E loardo Freira de Carvallio, Benjamin
    Guedes de Mello, Alfredo Avward, Oscar Samp.n-.
    Malaouias Aivaies dos Santosplenami-ne.
    5* aun->.Siio Marcelino da Silva Carneir'i,
    Luiz Auseiiuo da Fen:eca, Menandn> dos Ri-.-
    Meirelles, .lose Joaquim Ribeiro do* San'os-ple-
    namente ; Joan Goubrl Lopes de Maced<>, Erne-:a
    Alvaro Pereira de Miranda simplesm-nte.
    t 6* anno, Autenio Augus.o de Figu'-irtdu
    Pitta, Silviuo l'acheco, Virgilio Tavarex de Olivei-
    ra, Antonio I.se da Arauji plena.nente ; Eulalio
    de Lelis Pieide, losue Kgy di .Cilmon -simples-
    mente
    Clinic 1 f'ca e cirurgica.Aurelio Bewejai
    1' cadeira do 1* anno. Antonio Pelippe Gal-
    vao e Etervino Freitas de Sa, approvados tdena-
    mente : Jose Ribeiro Jorge Pinbeiro, approvado
    simplesmente : houve um reprovado.
    a /* cadeira do Vf anno.- Americo Raptista de
    Almeida Brandi), Joao Cspislrano da Cunha, Ar-
    thur Joaquim Paraphiro, Arthur Pio Desshamps de
    Montmorency, Affouso Glycerin da Cunha Maciel
    e R. car do Alfredo Medina, approvados plena-
    mente.
    t f cadeira do 4* anno.Alfredo Coelho Bar'
    reti, Francisco Honorato de Moara Juoior, Do-
    mingos Sergio de Saboia e Silva, Alfredo E'jgenio
    de Almeida Maia, Julio Alves da Cunha e Joao
    Baptista de Lacerda, approvados plenamente.
    2' cadeira do2" anno. Alfredo Augusto dm-
    Eos da Paz, Celso Ribeiro da Silva, Eugenio Bar-
    es a de Oliveira e Augusto do Rego Tosoano de
    Brito, approvados plenamente e Eduardo Caval-
    cante de Campos Mello, approvado simplesmente.*
    A alfandega rendeu de 1 a 9 do corrente
    977:144*476.
    Eis as noticias commerciaes da ultima da
    la :
    t 0 mercado de cambio esteve pouco aciivo mas
    nio soffreu alteracao alguma. Effectuaram se
    irausacc5e3 insigniQcantes sobre Londres a 26 1/2
    d. papel bancario, e menos que regolares sobre
    Franca a 360 rs, por franco.
    a Negociaram se dous lotas de scberanos a
    9s 18 e 94170 a diuheiro.
    a No mercado de apolicas 0 moviraento limi
    tou-se a venda de pequenos lotes das de 6 por
    cento ao preco de 1:010* a diuheiro, a qae fee ham
    Srmes.
    c Ponco se fez em accdes de companhias publi-
    cas.
    a So constoa a venda de uma partida das da
    companhia de Carris de Ferro de S. Cbnstuvao a
    270#, pagamenlo e transferencia no dia 25 do cor-
    rente.
    a As vendas de cafe foram regulares e as de
    assucar menos que regulares para consume.
    a Fretou-se um navio para Nova-Orleans, cafe,
    a 35 s. e a por cento de capa. o
    Sahiram: a 7, a barca ingleza JSetherton
    para a Paranyba; a 8, a barca dinamarqueza Fre
    den&borg.
    BAHIA.
    Na faculdade de Medicina proeedia-se aos
    exames dos diversos annos, sendo 0 resuRado o
    seguinte:
    Dia .6. anno.Jose Pereira Teixeira, J0S0
    Moreira da Cosla Lima, Joaquim Macedo de Castro
    Rebello, Henrique Monat, Auionio Alves de Monra,
    Francisco da Casiro plenameate.
    2." anno. -Joaquim Macedo do Aguiar, Joae
    ves Accioli, em aitencao aos bons servicos qua [Carneiro de Campos, juilherme Pereira Rebello,
    prestou no exercito em operates contra 0 governo Mauoel de Assis Souza, Jose" Amado Coulinho Ba-
    Castiiho, Vatenuaj Antuuio da Rucha Bi'.leuconrt,
    Ani.'incie Joaquim Pereira Calda-, Antonio Joaquim
    da Miv.i, AbU- a Baptista-plenamente ; Clinndo
    Adolpho de Oliveira Chivessimplesmente.
    a Dia 10. 1' anno medico. Pedro Paulo de
    Carvalnodistia:;ao : Pedro Tenerie Carneiro de
    Albuquerque. Joao Luiz Ca-neiro de Albuquerque.
    Sebasliao Cardoso Filho plenamente ; Joa|u:m
    Gustavo Deurciie simplesmente. um repro-
    vado.
    t 2 anno. -Virgilio Chaves Florence, Maooti
    Joamira dos Smtis, Ereral-Jino Cicero de Miran-
    da, Fernando lngate Teixeira, Ernesto Augnsio
    Barbosa Coelho, Francisco Pmheiro de Lemos
    plenamente.
    b 3 annoJoaquim Jose da Silva Sardinha
    plenamente; Manoel Affraso da Silva, Jose Ar-
    thur Mon.oire de Carvalho, Roberto Moreira da
    Silva, Joao Moreira de Magathaes, Leopdio Mo-
    teira da Silva -simplesmente.
    o 4"anno. Minoel Victoria! Pereira, Alfredo
    Paulo de Freitas, Jos* Ignieio da Costa, Antooiu
    Goncalves R.imo-, Manoel Air mo Cardoso, l-'elip-
    pe Alves da Costa, CousUncio Ceciltu SUedada
    plenamente.
    a 5* anno. Thiago Jose Correia, Florencio Jo-
    se Teixeira d? Azevedo, Jose Agnello Leite de
    Mello, Pedro Julio Barbudaplenamente ; Anlo-
    uio Espinola de Athayde, Joaiuim Aulooio d'Oli-
    veirasimplesmente.
    a iS" anno. Antonio J se Pereira da Silva e
    Araujo -. A Manoel Goncalves Ttieodoro, Laai;nuno Argw de
    Azambuja, Alexandre de Abreu Fialbo, Lou Jost
    de Lemos Gonzaga plenam-nt-.
    Clinka meJiC'i e cirurgica. Josue Egydio
    Calmon, Virgiho Tavares de Oliveira, Aatooui Jo-
    se de Araujo plenameate ; Ant nio Augusto 'ile
    Figueiredo Pitta, Silvioo Pacheco, Eulalio de Le-
    lis Piedadesimplesmente.
    a 2 anno pharinnceutico Eupbrasio Jose da
    Cunha, Gamiuiano Dias Pereira Piato, Antonio
    Fpaminondas Bjr^es, Elpidie Cavalcante de Mello,
    Manoel Angelo de Andrade, Francisco Ignacio Pe-
    reira do Car.110 -plenamente.
    < Dia 11./* anno mMico. Marcos Muniz Leao
    Velloso, Joaquim Antonio de Castro Loureiro
    plenamente ; Antonio Ferreira Pentea SobrinOo,
    Rodrigo Ant mio Kalcio Brandao simplesmente.
    E dous reprovados.
    2 anno (theorico t pratico).ioiy Alexandre
    de Seixas, Joaquim Jose da Cimara, Paulo Caval-
    cante Pessoa de Lacerda, Joao Moraes Vieira da
    Cunha, Joaquim Ignacio aeSiqaeira Buicao, Can-
    dido de Hollands Costa Freireplenameole.
    :>' .inno. G'.vlnerme Studari, Cbristuvao Fran-
    cisco de An ira ie, I ni 0 da Si Ctvalcaote de Albu-
    querque, Antonio daugelista de Castro Cerqueira
    plenamente ; Auxencio da Co.-ia Lima, Ignacio
    Juslo Ribeirosimplesmente.
    5' anno (theorico e pratico;.Romualdo An-
    tonio de Seixas, Manoel Ronaldsade Casiilho Bran-
    dao, Henrique Alves Cerqueira Lima, Joao Corio-
    lano Annibal Ladislao, Antonio Hodrigues Lima
    plenam -nte ; Joaquim da Silva Gomes, Antooiu
    Francisco Siqueirasiraplesroente.
    0* (.nno.-Arthur Carvalho da Costa, Joao La-
    dislao de Cerqueira Biao, Manoel Pereira de Mes-
    quiia, Alexandro Freire Maia Bitlenceurt plena-
    mente ; Joao Dias Larangeira, Joae Carlos Bal-
    thazar da Silveira siroplesosenie.
    a Clinicamedica e cirurgica. Antonio Jose Pe-
    reira da Silva Araujodistin:cao; A-cendino An-
    gelo dos Reis, Manoel Goncalves Tneodoro, Lan-
    rentino Argio de Azambuja, Alexandre de Abreu
    Fialbo-plenamente ; Luiz Jose de Lemos Gonzi-
    gasimplesmente.
    2 anno phirmaceuttie. Ernesto Jose do?
    Santos Malaado, Norberlo da Silva Ferraz, Anopso
    da Rocha, Raphael Gm^ilves de Salles, Ignactu
    Pereira de Borba -plenamente ; Deu*de.1it da Su-
    va Valle simplesmente.
    c 2* anno (muim pratico). Frederico de Ca-
    iro Rebello, Joaquim da Silva Botelho, Victor Mar-
    celino da Silva Brittodijtineoao ; Americo Fraa-
    celme de Magalbaes, Symphronio Foruuato DeU-
    eelta, Manoel Lopes da Silva Lima, Francisco a*
    Sailes Gomes, Matheus da Oliveira, Joao Kr^liali
    'iiauna, Carlos de Cerqueira Pinto, Joaquim Car-
    doso de Andrade, Manoel Joaquim due Santos
    plenamente.*
    Dia 11.i* anno medico.Henrique da Fraa-
    ca Pinto Garcez, Eduardo Gorddbo CosU, Coriola-
    no Chaves Florence, Alvaro Dorinuod de Macedo,
    Jose Ignacio da Silvaplenamente ; load Joaquim
    Coelho de rreila- Henriques simpiesoMote.
    2 anno.Uermindo Leite da Mello, Jose Tei-
    xeira da Malta BacelUr, Feliciaao Teixeira da
    Malta Jacellar. Jose Bonifacio da Medeiros, Jo-.
    Sombra, Joaquim Jose Coimbraplenameole.
    3 anno J0I0 Gaulberlo de Soon Go?e*a,
    Carlos da Silva Lopes, Alfredo Casimiro da Ro-
    cha, Alexandre|Evaogeli*la de Castro Cerqueira
    plenamente ; 'Hellannino Paseos da Cost*, Pedro
    da Alcantara do Souza Gouveiasirapiesmeale.
    anno. Manoel Jose Ribeiro da Cunhadit-
    tinccao ; Manoel Marques da Silva Aoauaapie-
    namente ; Epiphanio da Silva Loureiro, Arisudes
    Guedes Cabral, Romualdo Martins Alves, Antonm
    Jose de Casiro, Agrippino Ribeiro PoMaaaim-
    plesmenle.
    2* anno fpharm tcenlico). Joao da Siiva Sil-
    veira, Veridiano Lui Damzie, Elpiaio Ribeite
    Nanes. Jose Jusiimano do Castiiho Brandia, AMa-
    biadesFerrai Moreira, Ctntidiaao Joed 4tWMian
    plenamente.
    t Cl.ni+t mediea e cimrgica>loia Ladtelae de
    Cerqueira Biao -distiaccao ; Manoel PeretM da
    Mesquita, Alexandra Freire Maia Billeacoart, Joa-
    quim Dias Larangoirapleoaraenu ; Arthur Gw-
    valho da CosU. Jeao Carlos Balthazar da SMtei-
    rasimple- mente.
    t 6- anno (exame prahc).kilo Marcekaw da
    Siiva Carneiro, Luiz Anseiao da Faece, Mania-
    dro dos Reis Meirelles, Jose Joaquim Rihearo dee
    Santosplenamente Joao Goulart Lopes da Ma*
    '1'
    %





    I
    >
    L
    s
    i


    Diario de PewaawiHlCQ Sexta feira 20 de Xovembro de 1874.
    cedo, Ernesto Alvaro Pereka' de Mirandasim-
    plesmente.
    du 13. 1* ahtio rftedico Clodoa-
    do cUj Aodraie, Aanisio CirounsJes de Csr-
    TStho, Olympio Freire d'Avila. JoSo Bap-
    tists Si eOlivoira, Jose Augusto de Freitas.
    JoSo Anastaeio da Costaplenamente^
    2." cu.Jose llermenegilio Pereira
    I'.aimaraes, Jot* Emlio da Costa Falclo,
    Caadido Agnello da Costa Espinbeira, Jose
    Carheiro Itibeiro F.lho, Eslevao de'Sonza
    Lima plenamente ; Martiubo Francisco
    das Cbagas sim plesmente.
    3." anno. Francisco de Paula lioncelves
    Silva Sobrinboplenamente ; Josu Fernan-
    des Villa-verde, Geminiano Jose da Costa
    simples mente.
    a Clinica medica e cirwyica Manoel
    Jose Ribeiro da Cunhadistmscao ; Epi-
    phanio da Silva Loureiro, Aristides Guedes
    Cabral, Romualdo Martins Alvessimples
    mente.
    2. anno pharmaceutico.-Virgilio de
    Moraes Albuquerque Maranbao, Tiberio
    Alvaro de Olive ra, Severiano Augusto do
    Freitas, Paulino Rodrigues GuknarSes,
    Francisco Joaquim da Silva Senna, Pedro
    Martius Piresplenamente.
    dia 14.1 anno medico.Ismael da
    R'jcha, Francisco Joaquim Ramosplona-
    mente; Antonio Lino da Malta Bacellar,
    SaLino Ribe.ro de Almeida, Fernando Na-
    poleao Augusto de Alencarsimplesmeote.
    E um reprovado.
    g. anno.Benjamin Franklin de Al-
    meida Lima, Aristides da Silva 1 )Sta, Pe-
    dro Velho de Albuquerque Maranbao, An-
    tonio Calmuii de Oliveira Meudes, Antonio
    Arruda Beltra"o Araujo Pereira, AntonioSi-
    queira Cameiro da Cunba, Lucio Diogo de
    Araujo Boi'ges, Pedro Soarei de Amorim,
    Jose Faus'.iuo da Veiga Lima, Joao Francis-
    co Lopes Rodriguesplenamente.
    5. anno (examepratico).Antonio
    Espinola de Ataayde, Thiago Jose1 C orreia,
    Joaquim Antonio de Ulivcira, Florencn Fer-
    reira de Azcvedo, Jose Agnello Leite^le Mel-
    lo, Pedro Julio Barbudaplenamente.
    a Clinica medtea e drurgica. Manoel
    Marques da Silva Acauanpieuaiaente;
    Antonio Jose de Castro, Igripino Ribeiro
    Pont'js simpbsmente.
    a 2." anno pharmaceutico.R idolpho
    Tneophilo -distincjau; Fumino
    da Silva Gra;; plena iute ; II-
    Leito Falcao Bias -simplesmente.
    anno. Jose Esteves de Franga
    Pinto, Mhii >-l Arvello BoUas, Jj3o Evan-
    geiista da Silva. Pedro Leite Cii'imoiu
    plena ment.'; Francisco R>ir;gU:S de Albu-
    querque, Joao Sabino de Lima Pinbo,
    I )8o Antonio Martius de .Nova?*, Dionizio
    ! jse da Silv.i, L turenc, da Silvi e Olivei
    ra simplesmeute.
    Fal cceram: o antigo cornmerciaote
    Luiz Pereira Franco, oncademico ch 3" apao
    di mdicina Joao da WigaOrnellas, o ma-
    jor da guard i-iiacional ref;rm i 1j Jose Pe
    dro de Souza Paraizo, o antigo uegociante
    Joaquim Pereira P.-;stana.
    0 Popular de Santo Amaro, noticiando
    a enchenti qae houve alii, accreienta, alem
    d-j que sabemos, o seguiote :
    Os prejuizos materiaes per ora S3 cal-
    culam de 400 a o 0 coutos.
    Turn-so eucontrado alguus cadaver.s
    tie pessoas desconhecidas, apeoas conheceu-
    se o earfarer do pedreiro Amaro, que de-
    [joii de se tar po.tado como um heroe,
    prestauJo grander services ao pjvo, undo
    ;jor vezes b"bido um poaco ileesptrtio, por
    sarvar-s3 de algum mal que da liu oilade
    lui podesse provir, e nao lendo .'.ostume
    de b'bidis alcojlicas, fiooa aiinai um pou-
    co ebrio e praticou a levjaniade deatirar-
    S3 a correntezi, uo pidenio salvar se.
    Po; occasiao da iusugurarao do tele
    ^rapho terrestre foi dirigi lo o seguint'< te
    ': 0'r::mma :
    Doprrsiienle de Ptrnaw.b'Mio ao pre
    :,dr.iUe.ua Bkia.Relribuo, cum ellusao
    de prazyr, as fehcitagoos com que V. bixc.
    *>; dignou de s^udar-in* p >r ac'siSode inau-
    ,/urar-se a linlia tetegV iplii :a terrestre, que
    liga Peraa-nbuco a Bih>. E' mats um meio
    Marcos
    Antonio
    defuiiso
    3,"
    GwwlacffiQiaL-0 3. vUcoodede Ita*iu>a. envydos a esta sfwetariiLdBeitado.possaoaover-
    Gomawatodor.-O Sr. lAii Plinio de OlUoirj. feoitottia a/es^tj'jdatfjpJjarawrtada a rfepelto
    Offloiaes.-Os Srs. Dr. Francisco Leopotfiao de iracadi uipa a^fla;raMlm o decftro a V. Mo.'
    Gttsowo U)\)p, Joao Luiz Kuatiag, Maroos'Auloaio f$r* 0 seUco^hpfclrmW>^cr eexteu^lo na prte gt
    Araujo Abreu e Joaquim Fraocisc.) Lope* Aojo.
    Cavaileiros.^Oi Sra. AUreto Carnefro do Ama
    ral e Jos6 Bernardea da Silva.
    Paris, 7 de noverabro.A assemble* geral do jrfbs da c^rtidao do asentamento das prayas qae
    Banco Br^siliense Francaise, reuoida hoje, re.sbJ: contiDaarem incapaiaa- Deus gaarde a V. Bxc. -
    veu, por 740 votos contra 46, que se bqnidasse, 0 Jqao losi de Qlireira Jnnqneira. Deu-se conheci
    tosdtf "rajas qae ?e acbavam em rratametiro no
    SeepWtl; CJrt^&birt*o a serespalso.foi r forma
    a a sam(fa-paYa Iwipftf ao rt v a WtJa 6 met*!
    de prWt9*nMjTBa foftafwa. 1* sargento Isidore do
    nca, reeomT1'e.ttJanilflJ Y. Exe. qtre oSrefBrido*' Esnirrto-Sahlo, accusado de desobediencia ; tendo
    bids seja4n min'^cfosos quando tratarem do esta* SWo absoWdo peh cnnselho de guerra, foi refor-
    physio d s indfvidaos, e venham aeompanha- mala a sentence para ceudemnar oreo a um met
    Banco, sen Jo liquidaotes os Sra. Porsou, Vignal a
    Puerary. ^u
    MepliiMtuplielcM. Recebemos o n. M
    desta jornal humoristico, illustrado, que se publi-
    ca no Rio de Janeiro.
    Myaterios do Bio de Janeiro.-r
    Tambem recebemos a decima caderneta do prt*
    melro vuluu.e des.a imeressante publicac.ao, feita
    pelo ediior, o Sr. E. Dopont.
    Sorpreza. No Jornal da Bania de 10 an
    corrente enconiramos o seguiate telegramma, qnp
    nos foi dir c.do por es.e collega, no dia da inaagtt'
    ragio do telegrapho terrestre, telegrafnraa que at6
    boje nos nao foi eniregue l,|
    Eiki :
    a Ao Diartf de Pemambuco. Cnmprlmento o
    o meu ittastrado coliega e dou-lbe um aperto de
    mio por tao iraportante comraettimento para a in-
    dustria brasileira. Jornal da Bahia.
    Tarira dOS telcgrnmiuan pela II-
    liim terregsre. -A0 telegramma simples,
    is'.o e, aquelle que nao tern mais de 36 palavras, e
    sujeito a taia de 13000, percorrendo dialancia que
    nao excoda de 200 kilometros.
    Mao se conta nestas senao as palavras do reca-
    do, exceplua-se o nome da pessoa que manda
    memo delta ao consetfeeiro ajudanto general.
    Em, 23, pelo mesmo ministerio e aos mesmoc
    presidentes:
    III in. e Ktm. Sr.Expega V. Exc. as necessa-
    rias ordens aBm de que os directores das colonias
    militares dessa proviacia remctiam a rsia seereta-
    siA da esta lo umarelatao dos colonos que se actaam
    em divid i com a fazend > nacicnal, e bem assim
    relatorios trimrosaes era qq* nmiofc>ne:n vodas as
    alteracdM oceorridas naquaUes eatab'lecimentos,
    suas nseeasidajlos, produe^ao, reeeita e despeza, e
    medidas que jnlguem necessarian para o seu mais
    rapiao e melbor dasenvolvlmento, flcando os mes-
    mos directores responsaveis pelonJocamprlnlento
    destas dtepcslcoas. Deus guarde a V. Exc Joao
    Jose de Oliveira Junqueira.
    Era 29, peib da marlnba, aos capitals dos >da. seniea?a em 2 annos de prisao com irabalho.
    fad^ka CnrnalA Urihualn <1.n*...v J- !,__:., _.., ...J, A^
    portos:
    < Cumpre que V. S. faea organisar, de cenfor
    midade com o modelo que ja lhe foi reraettido, os
    raappas estalisticos de que trata o art. 72 do regu-
    lamento de 19 de maio de 1846, 03 qaaes deverao
    ser enriadoa a capilaoia do porto da eorte, ao mais
    tardar, at^ o dia 14 de Janeiro proximo fuiuro;
    devendo cingir-se quanto for possivel aos mapnas
    que acorapanham o relatorio da reparticao de ma-
    rinha apresentados a asscmblea geral legislativa
    a V.
    e o
    de quemrecebe, assim com") a mor.ada desta.
    l. 0 telegramma que liver 21, 22 palavras atelna sessao do corrente anno. Deus guarde
    3q, pag&ra mais metade da taxa do telegramma | S.Joaquim Delphino Ribeiro da Luz.
    simples, ou deviate palavras. 0 que liver 31,32,, Animncno a indusrta.-Pelo ministe-
    33 palavras ate 40 pagara mats oulra metade da rio da guerra foi expedido em 22 de outobro, o se-
    taxa do telegramna simples, e asim por diante, jgainte aviso a presidencia da provincia de S. Pe-
    augmentando metade da taxa simples pelo aug- dro do Rio Grande do Sul:
    memo de cada 10 ou menos de 10 palavras. Him. e Exra Sr.No yituito de animar a in
    2." A taxa crescera com a distaneia do modo se-, du.'tria nacional, e como ensaio expeca V. Exc. as
    ! necestarjaa ordens, afim de iue aos fundadores da
    1^000 fabrica uacionalde tecidos de la da cidade do Rio
    gulnte :
    De 1 aid 200 kilometros
    De 200 a 400
    De400 a600
    Det)00a80u i
    De800a 1,000
    De 1,000 a 1300
    etc
    25000 Grande, Rheingantz & Vater, sejam compradas ate
    3*000 a quanlia de 4^000 cada um?, econforme a amos-
    4*000 tra que veio junior proposu dos mesmos fabri-
    5*000 cantes, de 4 ds sotembro ultimo, e qne a este
    GJOOO acom(nha, iOO cobertas de la, para servirem nos
    etc': bospilaes, devendo ser 50 das referidaS coberas
    3. 0 telegramma era cifra ou era Ijngua estran- I disti ibuidas a enfermaria mililar de Porto-Alegre
    geira pagara o dobro das Uxas preecdontes. je as outras 50 reraettidas para esta corte, com des-
    4." Queui, para verificar a cxactidlo do tele- [ lino ao hospital mililar.Deus guarde a V. Exc
    gramma, exigir que elle seja repelidopela eslacSo Joao Jose de Oliveira Junqueira
    receptora, pagara dupla taxa. Marittlia nacional.0 capitao-tenente
    5. Igualmenle pagara dupla taxa quem apre- Trajaao Augasto da Carvallio foi, cm 30 Jeoutu
    seotar o telegramma para ser pasado depois de bro autorisado pelo ministerio da mariuha a man-
    eutrar o sol ate ao nascer do dia seguinte, e quem dar promptificar no estabeleeiraento de Mandslay,
    obtivar preferencia por urgencia. ; Sons & Field, em-Lambeth, as macbinas e caldei-
    B. Aos torn >es que ajustarem com o telegrapho ras que estes fabricantes se propdem faier para a
    a communicafao de n>lictas periodicamente, far- corveta Guanabara e canhoneiia Paiahyba em
    se-ba uraa reducjlo de 2) por canto das taxas coastr-uccao no arsenal da cflrte, submeliendo op
    acimi. e Ihes sera licito effectuar o pagamentodos portuna uente o respeclivo ooMMU a approvacao
    telegrammas no lim de cada mez. du governo.
    Empregadus designadospara exa Ueinoria a !>eiieineriW8.-Em 16 de
    mes dc preparatoi'ios. 0 minUlario do outubro o pre.'idente da cominissao du limites en
    o Paraguay dirigi > o seguinte oOicio
    fle prisao. S)Mados : Francico de Alcantara de
    Assis e Cypriano Antonio Maria, accusa'dos d^ 1'
    deser metes de prisao; foram coaflrmadas as senteacas.
    Joaquim Jose de Freita, accuaado de 2* de;ercio
    simplis, e condemnado em 2 anoos de prisao com
    trabal io; foi eonirmada a seateoca.
    Na sessan de 7 foram J;vl jados:
    ffweita.Tenenle Joao Braa da Silva Junior e
    solda*3 Beilarmioo Francisco da|Silva, aceuados
    de se terem ferido rantuamente, achando-se ambos
    em estad > de embriaguei, e cr-nde.nnados, eada
    um, em 4 meses de prisio ; foi raformada a seu
    tenga, pan imporem ao reo teaeate Joao lira-, da
    Silva Junior a pena de 25 mexes de prisao, e ao
    soldado Beharmioo Francisco da Sitva, a d ft me-
    tes de prisao com trabalho. 2 cargenlo PhHorae
    no Xavier Uaeambira, accusado de furto, condem-
    nado ens 2 annos de pri-ao rigorosa; foi reform;:-
    imperio, em 27 do outubro dirigio o seguinte avi-
    so a presidencia de Sergipe.
    t Him e Exm. Sr.Em offloio de 8 do corrente
    coasulta V. Exc. : 1, se 6 da competencia dos
    empragados a qua se referem o art. it do decro- passo do Jardim, no rio Miranda, junto ao quat
    to n. 5,429, de 1 de outuaro de 1873, e a ultima j erigido o mouumento a memorta dos bencmer
    aarte do aviso circular n. 373, de 18 do mesmo couimandante e immediate das furijas que ope
    que vein estreitar os laijos de confr torni la-
    ie, fxistentes eotreduas provincias notavaU
    p'>r suas variidas e inportaatistmas rela-
    ijoes.
    Apre?entarei ao Fxm. Sr. ministro do irn-
    pario os cumprimeatos ]u V. \Lxe. Ihe diri-
    i log que el'8 vultar Je s^a digre^sao a
    Coyanna.
    Ac ava se no porto, em vidgnm para
    0 Pars', a corveta brasileira Trajnno, do
    commando do capitao de frigata Jo5o An-
    tonio Gong lives Nogueira.
    Arribara, por causa do raao tempo, a
    garopeira Roseira, que para Pemambuco
    t'ahi sahira a 24 de outubro.
    ALAGOAS.
    Nenbum jorual rccem )s.
    tre o Brasil e
    ao miuisterio d;. guerra :
    i Iilm. eExm. Sr.Cumpre-me participar a V.
    Exc. que acabo de regressar a esta capital, do
    " foi
    leritos
    parte do aviso circular n. Hi, ae io uo meauHi coinmanuanie e nnineuiaio us loroaa quo opera-
    mez e anno ; 2. s.) as gratiicajSes que devem ram ao sul da provincia de Matto-Grosso. Espe-
    ser confendas a esses empegados, de conformida- rani) partir com toda aooiamlss&o para essa cor
    de co:r. ) sobredito aviso circular, tao permanen-, to ale llns do corrente mez terei a boura de apre-
    tes t pagas aQnuiltniuie, ou transitorias e pagas: sentar a V. Exc. uma descripgao soare o mouu-
    Je uma so vez, na prop .r<;ao do trabalho feilo. men to e a relirada das forras, conforme. recora-
    S. M. o Iraperador man U era resposta daclarar mendou V. Exc. em aviso de 30 de juuho do anno
    a V. Exc : 1, que, nos termos dos arts. 5 e 12 passado, bem como a carta da fronteira do Brasil
    do mencionado decroto, aos prcsi'.entes de provin- com esta repnblica, comprehendendo o tracp do
    eia compete a designa^ao dos empregados, que camiulioda uiesma retirada e a designa';ao dos
    tem de esercer junto aus dt-legadas as funcr,oos ; poutos escolliidos para fortifieac5es. Deus guarde
    de secretario, e executar os demais trabalhos: a V. Exc. -Illm. e Exm. Sr. con?elheiro Joio Jose
    concernent-s aos exames geraes de preparatoris' de Oliveira Junqueira, ministro e secretario de es-
    yara os cursos superiores do imperio ; 2", quo as ; tado dos negocios daguerra.0 coronel, Huf.no
    gralilleacuos, que pelo iudicado aviso circular se Eneas Gustavo Galvao.
    mandou onterir a esses empregados devem ser j
    pagas por uma vez somente, em cada 6poca de Fornccioientos de viveres. -Em 19
    exames e da preporclo do traballn extraordinario ] de outubro o ministerio daguerra ofli.'iou o se-
    a que sio chamados e da intelligencia e solicitu-' guinte a> commandanle da divisik brasileira esta-
    de com one a liverera executado. 0 que commu- cionada no Paraguay :
    nico a V. Exc. para seu .conbecimento.Deus| Como V. S. navia enearregad > administrati-
    guarde a '.'. Exe.Visondejo Ri) Braaco. vamonte a nogocian'es dessa pragi o fornecimeoto
    Ij^ualdade commercial c civil. de forragens a cavalhada di;s Ao presidente da proviucia de Sergipe foi expedl- fornecedor que em concurrencia- havia ohtid
    do, em 4 do rurreote, o seguiote aviso : esse contrato nao p6de cumprir os seus dev-res, li-
    Dim- e Exm. Sr. Ouvida a s.infio d,>* nogo- oundu An>m**i exp StOS a grande rii-PQ, e ten-
    o3 IT) liD|i:nv rij cmnoth^ i* allllit 1 aoby a r'a- k>-Bo prmilti-Jo -iue atrfmTB'STlPgr>ci<. a..-.n
    presenlac,*-) quo ao joverm imperial dirigiram o fornccimeritj ale 31 de dezembro, em atleocitJ a
    Jiver-os bo iiinerei mtes eslraog siros estabelecidos que tiuham cs deposilos provtlos para laser fnce a
    na cidade da Edaaaa, iassa pmvincia, pedindo a qualquer emergeucia, como a qua se d,eu ha pou-
    revogarao dos p5 55 e 56 do arL I" da lei provin- co tempo, por occasiao das revolugoes que appa-
    cial 11.993 de 8 de maio do no rente annj, pelos receram uessa republica, fazeuJi.--e, porem, o
    quaes se laocaram sobre os eslraog-iros de qual- abatiraento do preco por V. S. ordenado, cumpre
    qaer naoionatidade, qae ues>ci;.rem a retalho, o agora que, para regularisai-se esse servigo.se
    imposio de 30, e sabre os caixeiros estrangeiros chamem coucurrentes em urn circulo mais largo,
    o dobro de que se Qxoo para os caixeiros nacio- a ver se produz essa providuueia bons resultaoos
    nies, S. M. o Irapwalor, coi formandase por sua aos cofres publicos. Assim mandara V. S., por
    immediata rasolui;ao de 28 do mez passado, com iutermeJi) da reparticao fiscal dessa divisao, pu-
    o parecer da mesma seccao exarado em consulta blicar editati oa imprensa dessa capital, declarau-
    de io do mez de seleiubro ultimo, ha por bem do que as pessoad que quiierera concorrer man
    mandar declarar a V. Exc. : Q e, em virtude darao, por ?i ou por seus procuradores, proposlM
    do art. 16 do acto addicional, devia V. Exc. ter para serem apresentadas aqni a repartigao lineal
    negado sancgao a referida lei, e, se sporventura do ministerio daguerra, ate o dia 1 de dezem-
    a assembloa legislativa provincial a sustentasse tal bru ; licanJo V. S. prevenido de quo igual crdem
    qual pur dous tergos dos voto?, sus.iendido a sua se expade a leg3jao imperial em Montevideo, e a
    exeeucao; porque a> disposi^es dos cilidos pa estagaj competeute nesta corte.
    ragrap'uos directa e mamfeslamenle ollendem o a Outrosim, estauio os fornecedores de vieres^
    art. 6 do iratado de 8 de Janeiro de 1828, cele- fazeodo esse servi^o por contrato especial, vilo
    bra to eatre oBrasil ea Franc, i, ui parte em qne que nao proroguei o que elles tinliam, mau.le lam-
    re estipalou o seguinte : a Nao serao obrigados bem para esse Dm publicar editaes bos mesmos
    os sub Jitos das altas paries, contratantes a pagar termos do que dca dito quanto as forragens; deven
    contribtiicao alguma ordinaria inaior do que aquel- do come?ar o prazo para um e outro foroeciraenlo
    las que pagan ou houverem de pagar os subditos uo dia 1 Je Janeiro vindooro. Sabe V. 3. queleoho
    po soberauo em cujos terriiorios residirem ; Que quendo ligar o g. verno a contratos de prazos Q
    neslei-eatido sc tem sem pronunciado o governo "co- xo.-, e, por i:so, e pelas moss sup. amencionadas,
    mo cousta de diversas resoluQoes imperiae3 : Que e pela probabilidade da retirada Oe nossas foreas
    fiaalmeate, aconselhando o interesse publico que', em tenno mais ou menos breve, deixou se que
    para lodas os estrcngeiros residentes no Imperio- esses forneciiLentos se fizessem administrativamen-
    se mantenham.os principios de iguaWade comm r" ; ie, sendo os pre?os iguaes
    Cornels Roberto Caetano de Praitas, aecusado de
    ferimoutos, e condemnado a urn anno de prisao ;
    foi relonnada a sentenca em 6 mezes de prisao
    com trabalho. Soldados: Miguel Anaatacio, ac-
    cusado de ferimentos graves, de que resnltou a
    raorle de seu camarada, can lemnado ao corrinlio
    perp'etio ; foi cooftrmada a senten?a. Joaquim
    Bento de Araujo. ascusado de insubordiuacio, e
    condemnado em 6 mezes de prisao, descontando-
    se -lhe o tempo de prisao ja soffrida ; foi conQrma-
    da a sentenca quant > a pena de 6 mezes, e adver
    tindo ao conselho de guerra nao Ihe ser licito leo
    var em conta a prisao anteriormeote soffrida pel-
    mesmo reo. Joao Lourenco da Silva, accusado de
    I* deserc^o simples, e condemnado em 4 mezes de
    prisao, por se ter apreseotado voluotariamente
    passado os ires mezes; foi ronfirmada a sentenca.
    Manoel Jose Uaptista, Manoel Antonio e Francisco
    Angelo da|Gosta, accusados de la desercao simples,
    e con lemua los ca la um cm 6 mezes de prisao ; fo-
    ram conflrmadas as sentences. Francisco Joao Pas
    sarinho e Justino Jose iVotonio da Silva, accusados
    de 2* desercao simples, condemnados 'ada am em
    2 annos de trabalhos publicos; foram confirraadas
    as sentences.
    Armada. Soldado do batalhSo naval Anselmo
    Joaquim de Azevedo, accusado de ferimentos gra
    ves, condemnado ao cariinho perpetuo ; foi refor
    mada seolenga para imporemao reo a pena de
    4 annos de prisao cum trabalho.
    JurlapriMlencia Sob essa rnbrica publi
    camos hoje em nossa 8. pagiaa o iraportante avi
    so expedido pelo miaisterio da justiga, em 31 de
    ouiuuro ultimo, resolvendo diversas duvidas sus-
    citadas por occasiao de ser posto em exeencao o
    novo regimento do custas. Kecommendamos a sua
    leiiura.
    ['ian<'ii tie Karantla de juros. Por
    decreto n 5,77i da 21 de outubro, foi concedida,
    durante 30 anno?, fianca de garantia de juros de 7
    C'|0 ao anno para o max.mo capital do 3,300:000 >,
    destinado3 a construcc^ao da estrada de ferro deno
    rainada D. Thereza Christina, na provincia de San-
    ta Catharina, entre as cabeceiras do Kio Tubarao e
    0 lugar Pass 5 da Gallo, oa onde comeca a navega-
    gao do mesmo rio, podendo prolongarse at6 a ci-
    dade da Laguna e com um rainal para o porto do
    1 nbituba, ou outro quaofferega melho:es conJi-
    gdes,
    Qucslao religiosa. 0 Exm. e Rvrn. Sr.
    D. Frei Vital publicou no Rio de Janeiro o segum-
    te :
    Minha prisao na f.rtaleza de S. Joao, 7 de no-
    W amos, solwfn, Boa-^fsti; ttrbevcalos ttfma
    tares.
    CHRONICA Jl U5IIAR14.
    I ItlUI \\l, DA RBLACAO.
    SESSAO ESPECIAL EM 19 DE NOVEMBRO DE
    1874.
    PRESIDENCIA DO EXM. SR. COiNSELHEIRO
    CAETANO SANTIAGO.
    Secretario Dr. Virgilio Coelho.
    A's 10 horas da manhi, presentes os Srs. des-
    embarg.dores Reis e Silva, Molta e Accioli, abrio-
    se a sessao*.
    0 Exm. Sr. c juselheiro presi Jenle pa-sa a rela-
    tar.os seguintes aggravos: l: i ~ "_________
    Aggravo dwinstrumento. 1A s!s- J*ictor.-Lomprorotttemo nos em pro-
    K. 12. -Da Mamanguape. -Aggravante Manoel;dQI'r defeza de nosso d.gno i;uw., Dr Pratcis-
    rancisco Coroa Junior, aggravaio Franclseo JosO -^o Rodrigues Setterra.z de direits de Porto Cairo,
    a Camnos Paimdona.-Adiuntos os Srs. desem- das infundadas _e imtas acaiwavoe-i qae lot fo
    E os males meihormm k barmofdtHe;
    0 Brasil na esca'a scientific!
    Em breve Qcara* bem nivelndo
    A's mais cultas nai-6-s da velba Luiopa*
    Tudo temos emfim, exulta, oh 1 Patria 1
    Quese um Andrada, se um Feij6 pcrJeata
    S'ioda saudosa Parana cburamos,
    Eis surge Rio Branco, Joio Manoel
    Gusmda J.obo, Joao Alfredo e outros muiton
    Scientilicos varoes da nossa idade,
    Cujas luzes scintiflam tio britbantes
    Como no azoiar dos ceos fixas estrellas.
    de Cirapos Pamvlona.Adjuntos os Srs. desem-
    bargadores Accioli e Motta. Negou-se provi-
    mento.
    Agfravos de peiigao.
    N 87.Aggravame Dr. Bento Jos da Costaeou-
    tros, aggravado Antonio de Souza Rego, Adjuntos
    os Sr1. desembargaderesReia e Silva e Motta.Ne-)
    gou se provimento.
    N. 88Aggravante Antonio Ateixo de Souza
    Aguiar, aggravado Jat-iotho Simoes de Almeida.
    Adjuutos os Srs. dssemaargadores Motta e Reis e
    Silva.Ficou adiado.
    Encerr au-se a sessao a uma bora e meia da
    tarde.
    ou inferiores aos
    ' '
    ; mas, como apparecerain
    para esse lim, desejo que
    para garautia dos propo-
    nacional. Deus guards a
    Oliveira Junqueira,-Sr.
    REVISTA DIARIA.
    Exposifao provisciit!.- Os membrcs
    Ja commissao central de exposigao de Pernambu
    j sio convidados a se reunirem, boje, pelas 6
    .i iras da tarde, no 1* aadar do prelio n. 83 da
    rua do Imperador.
    Favores a lavoura.-Da um conceituo-
    o artigo publieado pela JiucSo, orgao do parlil >
    caiiservador no Rio de Janeiro, e do qual, como 6
    sabido, e principal redactor o nosso amigo e anti
    g > collaborador, o Exm. Sr. Dr. Gusraao Lobo,
    constaqus o governo Imperial, atlendenio as re-
    clamagoes da lavonra, proppta na pros'ma vin-
    doura sessao do parlamento novas medidas que,
    com aquell is que osao pendentes do mmo parla-
    mento, importarao n'ura gnudi aoxiHo a la-
    voura.
    A nacao nao diz qnaes scrao essas medidas.
    Nao obstante isso regi>tramcs a protnessa com
    0 maior prazer e confiantes no gabinete que dirige
    os negocios do paiz. Z
    Comasca de Olinda. -Acha se convoca-
    do para o dia 3 de dezembro proximo o tribunal
    do jury dessa comarca.
    Dinheiro,-0 vapor Condc dEu, trouxe
    para :
    Manoel Joaquim Pereira dc Carvaiho 2:000/000
    Adolphe Sanches 100/000
    A;lministracao da; eorreios.-Foi
    espagado para o dia 12 de dc-zembro proximo o
    concurso para provimento de um lugar de prati
    cante dessa reparticao.
    Servico de ptaas-C*.'.-. A bordo do vapor
    ConJe dEu veio o Sr. capitao-tenente Francisco
    Jose de Freitas, encarregado pelo governo imperial
    de inspeccionar os pharos Je Pemambuco, Ma
    ranhao e Para, e escolher as melhores posicoes
    para novas construccSes ; bem como de examinar
    as camadas do solo nos baixos so Bragaaga, alim
    de decidjr-se sobre o mais apropriado systema de
    lorres para aquelies lugares.
    Bepublica fraucexa. -0 Jornal do Com-
    miercw, do Rio de Janeiro, recebeu de jea corres-
    pondents os seguinles telegrammas :
    Paris, 6de nove.nbro.Pur oceasiao da ra-
    t.ficagao da convengao postal, celebrada entre a
    Franga e o Brasil, foraci coudecorados pelo gover-
    no francez :
    iira-cruz da legiao de honra.Os Srs. visconde
    do Rio Branco e visconie de Caravellas.
    cial e civil, cumpre aos presidentes das provinci.sa dos contratos erlinclos
    em todos os casos em que projectos de lei provin-1 ullimameute propostas
    ciaas cjutrariem taes principios, asar dos meios se abra a hasta publiea
    que lhes Uculta o acto addici mil. 0 que com- ueutes e do ihetouro
    muaico a V. Exj. para seu conhecimento, e ontro V. S. Jj&o Jose de
    sira que, em virlude do art. 20 do reforido acto Barao de Jjguarao.
    addicional, sera enviada a ass;unblea geral a dita ; Slandados do prisao e de soltura.
    lei para della tomar conhecimento.-Deus guarde -0 mink-tcrio da juaiga, em 30 de outubro. diri-
    a V. Exc Visconie do Rio Branco.-Sr. presi- gio o seguiate aviso ao chefe de policia daedrie:
    dente da provincia de Sergipe. Com o seu offlcio n. 295 de 22 de jullio ultimo
    Igualdadc cominercial e civil.'. submetteu V. S, por copia, a consideragao do go
    Pelo ministerio do imperio foi expedida, em 7 do vecno imperial, o que Ihe dirigio o carcereiro da
    correute, a seguiate circular aos presidentes de | casa de deteni;ao, consultando : 1.' Se podem_ser
    provincias : j aceil s como regulares os mandados de prisao e
    Illra. e Exm. Sr.-Chamando a attengao de t de soltura, assignados por autorilade competente,
    V. Exj. para a doutnna estabelecida no aviso de mas nao passados pelos respeclivos escrivaes ;
    4 au currents mez, publieado no Dtario Official 2.* Se a contra-fe node ser-dada pelo escrivao que
    de hoje e dirigido ao presidents da proviucia de acompaubar o preso, ou somenlo por official de
    Sergipe, no qual lhe declarei que deiia ter nega- juslica. E tendo ouvido o procurador da coroa,
    do sancgao. em virtude do art. 16 do acto addicio- I suberauia efozeoda naeional, declaro a V. S para
    nal, ao projecto da lei da assembled provincial n. os devidos efTeitos: Qae, segundo prescreve o
    9'.;3 de S de maio do corrente anno, por serein art. I76doeod go do processo criminal, so e legiti-
    offensivas do traiado celebrado entre o Brasil e a ma a oraem de prisao qnand) escripta pelo escri
    Franca em 8 de Janeiro de 1826 as disposigOes dos vio e assignada por autoridade competente; Qua,
    8 55 e % do dito projecto, recommend > a V. devendo ter elleito iniraedialo, na conformidade
    Ex:. que, em todos os casos a que se refere aquel- dos arts. 174 e 271 do referido codigo, e art. 380
    Io aviso, use dos meios que Ihe faculla o cilado do regulamento n. 12) de :>I de Janeiro de 18i2, o
    acio addiciuaal, como as cireumsiancias o exigi- manlado de soltura pode deixar de ser cscripto
    ram.Dans guarde a V. Exc Visconie do Rio pelo escrivao, visto qua so e, nesle caso, formali-
    Branco dade esseacial a assign Jtura da autoridade qne o
    Capitanlaa'dosporioa.-Peloministt- expedio; Que, fiualmente, a duvida relativa a
    no da mariuha foi expedido era 6 do corrente o nota constitucional de cnlp:. sei resoive pela obser-
    seguinie avlSo ao inspector da thosouraria de fa- vancia do disposto no an. 13 da lei n. 2,033 de 20
    zeuda da proviacia do Ria-Grande do Nore : &* sdembro de 1871, o art 28 do respect.yo regu-
    Por immediata fesolu^ao de' 28 de outu' ro lamento. Deus guarde a V. S.-Jo.io Jose de OU-
    deste ann", tomada sobre consulta da secgao de veira Junqueira.t
    guerra e marinha do conselho de esUdo, S. M. o Vencimeutos aim qne exerceui
    Imperador houve por bem mandar declarar qne etupregoa na reparticao da marl-
    os capiues dos psrtos, quaudo inlerinaraente as-' nlia. Em 2 do corrente o ministerio da mari-
    sniairem o commando das companhias de apren- nba expedio o seguinte aviso ao conuJor da ma-
    diz's marinheiros, nnhura direito podem ter ao rinha :
    percebimento de uma gratilicagao a pretexto de | t Conformando me com o parecer do con.-eibo
    accuaiula;ao de aervicos ; porquauto os que em 'naval, exarado em consulta n. 2,610 !e 20 do mez
    taes con iicoes prestarem enbram na orbita das proximo preterito, declaro a V. S, para sou co-
    cbrigacSes inherentes aos respectivos empregas, e nhecimento e exeeucao, qae ao escrevente interino
    na conformidade da lei, nao e licito consideral os das offlcinas do arsenal de marinha da c6rte, Gor-
    exercicio extraordinario e imprevisto a qne deva' diano Jose de Vargas, ?e deveri abonar todos os
    competir uraa relribuigao. 0 que communico a j vencimentos deste lugar ; assim como que, de ac
    V. b., em solucao a duvida proposta em sea offlcio cordo com o disposto na art. 5.* do decreto de ii
    n. 12 de 23 de junho ultimoDeus guarde a de outubro de 1857, os individuos que nio forera
    V. S. Jyaqnim Delf.no Ribeiro rfi Luz. I empregados publicos e que por qualquer motivo
    Circularea.Foram expedidas asseguintes exercerem inierinameute empregos na reparticao
    vembro de 1674. Illm. e Exm. Sr. Uonsta, se-
    gundo a Nacrio de houtem, e 8 Jornal do Vommer
    cio Je hoje, que o governo imperial mandara inti-
    mar tambem ao g ivemador do bispado de Pemam-
    buco que levantasse, no praaa de 8 dias, sob pena
    de responsabilidade criminal, os interdictos pelo
    liumilde bispo de Oliuda lanjados as irmanaades
    recalcitrantes.
    a Se, como parece, essa noticia nao deixa de ter
    fundamento, cumpre-me dfdarar a V. Exc. que
    nem ao actual, nem aos d-;inais governadores por
    mim nomeados, ser:i possivel, nas pre-eotes cir-
    comatancias, levantar aquelies interdictos, alem de
    outras ratoes, por lhes laltar poderes paratant).
    i 0 meu delegado naquolla diocese, quer seja o
    actual ou outro qualquer por mim nomeado, so a
    pole gvernar em virlude de certas e determina
    das faculdades que lhe conferi, e entre essas uer
    uhuma ha que o autorisj a fazer o que delle ora
    tXigo o governo imperial.
    De iortu qua, ie [iorv*otara algam dos gover-
    a* lores ouiruje (o quo nio 6 desperar) que, cc
    dendo as ameagas e vexamas, levantasse os 'ater-
    dictos, fora das hypotheses da retraclaciio ou eli-
    minacdo dos ma cons do seio das irmandades, hy-
    potheses essas figuradas na sentenga de interdicto,
    plenamente nullo e irrito seria o s.eu acto, assim
    como foi o do Sr. Dr. juiz de caoellas.
    t Porlanto. responsabilisar sacerdoles so porque
    nao praticaaa um acto para o qual fallece-lhes ju-
    risdicgao, e, releve me V. Exc. dizer-lhe, iujustiga
    e injustiga clamorosa. Ss nisto algnma respon-a
    bilidade deve haver, re:aia ella t.io somente sobre
    o liispo que nao quiz nu nao p6de outorgar tal fa-
    culdade; laoto mais que hoje esta questao esta at-
    fecta a Santa Se.
    t ueus guarde a V. Exc. lilm. e Sim. Sr.
    conselheiro Jose Maria da Silva Paraohos, presi
    dome do cousalho de ministros, eucarregado inte-
    riuamente dos negocios do imperio.-r Fr. Vital,
    bispo de Oliuda. >
    L.otcria. -A qiie se acha a venda e a 123.'
    a bi-neficio da capella da Estancia, quecorre hoje
    2'.
    Lot-Tin do Rio de Janeiro. Resu-
    rao da 81.' Icteria (209.") em beneQcio das matri-
    /.es e alfaias da provincia do Rio de Janeiro, ex-
    trahida a 7 do Corrente :
    N. 522"J.................... 20:0 K)iO00
    N. 4373...................... 10:000^000
    N. 5729...................... 4:0005000
    N. 416...................... 2:000/000
    Xs. 1696 e 34201:0005 a cada um.
    Ne. 88, 514, t318 e 41208O0j5 a cada urn.
    Ns. 142, i'20, 904 1033, 1030, 1077, 3796,
    4036, 4421 e 5333 -20015 a cada nm.
    N. 278, 843, 1067, 1643, 1763, 18 6, 1837,
    2255, 2426, 2729, 2881, 329. 3663, 3728, 3831,
    3874 4186, 4930, 4938 e 5386-100/ a cada um.
    Ns. 3. 94, 123, 353, 391, 414, 421, 554, 799,
    11)33, 1126, 1151, I2u4, 1240, 1439, 1592, 1620,
    1762 1772, 1863, 1978, 2132, 2221, 2290, 2302,
    A inopecia ilia proviuciar de
    pa pel.
    Sabe-se qne o Exm. Sr. presidente da provincia
    dirigio um olflcio ao Dr. juiz de direito da co-
    marca de Olinda, no sentido de iutimar aos go-
    vernadores do bispado alii existentes para darera
    curaprimento, no prazo de 8 dias, ao aviso do mi-
    nisterio do imperio, de 12 de junho de 1873, sob
    pena de serein responsabilisados.
    Sabe se tambem qu ; ontro offlcio igual fora di-
    rigido ao Dr. juiz de direilo do 4* districto cri -
    minal desta cidade, qu.nto ao padre Joaquim Gra-
    ciano de Araujo.
    Esses factos que ja viram a luz da publicidade,
    estao no dominio pubiico.
    0 orgao opposieionista, em sua chronica, occu
    pando-sc deltes, fe-lo como que para ridicul.risar
    o aeto, e tacbar o proc9der do Exra. Sr. presi-
    dente, de erra
    Em que, porem. consiste o erro, que inculcam
    os redactores do orgao opposicionista 1
    E' isto o que quizeramos que sc nos rasfM-
    desso.
    Consistiri o erro em um mesmo olTicio intiraar aos givernadores
    ao mesmo i mi-> ?
    Mas S. "Exc. nio offlciou aos governadores do
    bispado, e sim ao Dr. juiz de direito.
    E' este, pois, que tern de fazer a intiraagao aos
    governadores do bispado, e por conseguinte a elle
    compte no mandado de intiraacai ao Sr. gover
    nador, declarar que elle (governador) deveri dar
    cumpriraent1 as ordens do governo, e aoaclo do
    juiz de capellas, em virtude do qual foram levan-
    tados os interdicto-, logo que Ihe lenha sido pas-
    sado o exercicio do governo do bispado.
    Neste st-ntido deverao incontestavelmenie ofUciar
    amli-is os juizes.
    0 presidente da provincia, dando sciencia da
    resolucao do governo imperial ao juiz, nao podia
    faze-lo senao em termos genericos, pois que ao
    juiz 6 i,ue cabe na execugao dessa resolucao, fa-
    zer a intimagao do modo qne os gpveruad^res
    saibam que a intimaC/Ao Ihes e feita para assim
    cum;Tirem a lei, desde que lhes for passado o
    exercicio do governo da diocese, sera queseia ne-
    cessario ura onto acto do iutimagao, que so trara
    para a questao delongas.
    I:to e o que occorre ao enlcndiraento, de quem
    quer que teaha lido o offlcio da presidencia, e
    conuega a vantagem, que a boa razao aconseiba
    em processes de certa ordem.
    Se assim e, diga-me a Provincia, onda esti o
    erro, que enxesgou na communicafao da presi-
    dencia ?
    Pois a Provincia queria qne o Exm. Sr. presi-
    dente da provincia offic asse ao juiz, mandando
    intiraar ao prime ro governador, e esperasse qu
    este deixasse de cumprir as ordens do governo,
    fosse processado e pronunc ado, para entij offi-
    ciar ao mesmo juiz, qae procedesso ignalmente
    em relacao ao segundo covernador, e as im p-r
    Oiante ?
    Ora, ist) so assenta em cabecas poaco sen3a-
    tas, ou antes tresloucadas, e nao em quem tem
    illustragao e sabe di.-tinguir as funecoes de admi
    nislrattor das de juiz.
    S. Exc. o Sr. presidente da provincia nao podia
    proceder de outra forma ; e admiramos que o or-
    gan opposicionista d accuse por semelhan'.e pro-
    ceder, quando todos os dias gnta que o governo
    nao deve demorar a questao.
    E queixam se quando se diz que a genta da
    opposigao nao tem sense 1
    E Pica irritada quando se lhe prova que cs op-
    posicionistas sao verdadeiros especuladores uo
    sentido material da palavra I
    Pois quem nao quer ser lobo Jnao Ihe vista a
    pelln : T,,me joizo a Provincia, que ninguem
    lhe dira cousa alguma que ponha em relevo a sua
    inepcia.
    * -------
    A Provincia.
    Auseute desta cidade, s6 hojesube que a
    Provincia (papel), me havia hourado em
    seu folbetim do 15, que sem querer offender
    ao seu autor e servinJo-me de suas proprias
    palavras, lhe chamarei de forrobodo. t'
    'erdade que recitei uma poesia ao distinclo
    pernambucano o illustre conselheiro Joao
    Alfredo, porem, nao a quo vum analysada
    no lal forrobodo, e so sou autor se desse ao
    trabalho d-j ler o DiaHo de Pemambuco,
    havia de ver uma rectifieaQao neste sentido.
    Nao tpnho aspiragao a Noe, e isto deve ser
    bem sabilo por alguns dos escrivinhadores
    da Provincia; porem, quereria ser a bar-
    caga que conduzio Bandeira e outros libe-
    ram feitas pelo Sr. Joaquim Alves Teirefra, pnbli-
    cadas em o Diario de Pernimburo n. 244 Ai 26-
    de outubro proximo lindo, como se Jeprebtnde
    evideolemente de nosso proiesto p-.ibhcaJo ac*
    mesmo jornal de a. 215 e-du 27 do r.foriJo met.
    Habiiuado a servir com tula a sereoid.de de es-
    pirito, iranquillidade de coasciencia, e icdepen len-
    cia de caraeter, mantendo a perfeita autoaoau* 4a
    nossa per.-onaliJajde, verdaueiramentd modatti e
    obscura, porem feliimenle honest* e bonrads,
    costnmamos a Jesprezar sobsranamenie as inja
    rias iodecen"'s, os baldoes inflames e -iieolir mm
    de despresiveis efamintos escripfores a. talaiiados,
    que aceitam a missao, a responsabilidade, d- ro-
    moverem a defeza dos act )> os mais reprovalo?.
    e iodignos de boftea* qae se prexatn, su-tenund*
    aisim caracterei evidpninmeuie w, ahjcio*. na-
    jenlos e se digi:-.i da raca> publici e do mats
    profundo tteapreso.
    Porem, tri:i-se d> il r. a d; uusao iruiao, atroi-
    mente aggreuido p.r i...:.;. s peiuaoinos a misa-
    raveis, quo vihnenle m occ ilLini .-.b a mascara
    de um tesia de ferro.
    Consta-nos qne'o Sr. Joaquim Alves Ferreira p
    simplesmeute nn tr r in elfMfti em 8ar-
    reiros.
    Na impjisihiiniad: r-.iisr presentementa
    nosso propo itu aprescn: > defe a compieta da
    nosso irmio, purqni', ;<..' r -c.-briaos carta de
    seu digno Gtrto Dr. '' jo-- -. It >Jngaes Sette Ju-
    nior, com o jornal Li in i it i< .iiagoat em quo po-
    blicou uma defeza fc'iti a pressa ao sea digno pal,
    nos a mandaraos boje- traiuorever em sea acredi-
    tado Diario de Pei aimbuai, alim de qae o pablico
    sensalo, os homens inleili^eiites, illustrados e ver-
    dadeirameote de bem, desde ja avaliem de algoma
    maneira o criterio. os funJamoutos latentes da io-
    fame verriua, qua voaita o Sr. Joaqnim AItcs
    Teixeira.
    Antonio F. R Set to.
    5463, 5477 e 5499 -40 i a cada ora.
    Cki>is. da det* acfit*. Movimento da casa
    de detengao do dia 18 de novembro de 1874 :
    Exisiiam 316, sahiram 13, exisieui 303.
    A sAtwr "
    Naeionaes 224, mulneres 9, estrangeiros 31, es-
    cravos 38, esc-ava l.-Total 303.
    Alimentalos a custa dos cafres publicos 249.
    A saber:
    Saos 210 eenfermos 19.-Total 249.
    M ivimento daen'erraaria do dia 18 de noverabro
    de 1874 :
    Teve alta:
    Antonio Tertuliano do Nascimento.
    Pasaseit'os. Chegados dos portos do snl
    no vapor nacional Conde dEu:
    James Stwart e sua senhora, Jose M. Cavalcante,
    Dr. Ezequiel Fr.-nco de Sa, Aogusto A. de Barros
    Pimentel, Manoel Joaquim da Silva, S. L. de G.
    Balta, Joao F. da Silva, Francisco Jose dos Santos,
    Jose Joaquim Ferreira, Dr. Joa-> de Sa Cavalcante,
    Manoel Jose Pedroso Junior, Lucio de Almeida
    Santos, Or. Antonio de Araujo, Dr. Jose de Sa C.
    de Albuqu rque, Francisco Ignacio, Matheus 8raz
    de Oliveira, Joao ie G. Vaz da Cunha, Daomedes
    G. da Silva, Clemrnte Mendooga, Antonio Serapiio
    de Carvalh> Bastos, Joaquim de Medeiros, Isabel
    T. de Miranda, G. A. T. Junior, Jose F. de Souza
    Maehado e 1 lilho, Camillo Tavora, Paulino S. da
    silva Junior e sua senhora e Joio G Ferreira.
    Seguem para a none no mesmo vapor f i
    raes de 48 da cidade do BJo Formozo, para
    nao serem assassinados depois de algemados,
    dentro da cadeia daquella cidade, por estes
    que se dizem boje liberaes... Pemambuco c
    pequenoe as periphrases e epithelos de cha-
    ramdada official, e pastas de secretario,
    n5o se podem dirigir a mim, cuja vida com-
    mercial e por todos conhecida. Nao vendo
    e nao mercadejo elogios e nem tao pouco
    forgico forrobodos por nao me cahir na boc-
    ea osfaimada um pedacinho daquillo, que o
    folhetinista chamou bolachas do orcamento.
    Sobre a segunda parte do tal forrobodo, di-
    rei s6.nente que o ridiculo de maos dadas
    com a calumnia jd nais poderSo offender, a
    quem esta" collocado aciraa d'-lle^, e quando
    uao raotivam o despreso, qua:i sempre ger-
    mnama compaixao, alem disto sendo mop-
    portuna qualquer defeza a quem tem uma
    reputacSo bem flrmada e por todos reconhe-
    cida--como e a do distincto cavalheiro o
    Sr. barao da Tacaruna.
    Olinda, 17 de novembro de 1874.
    Antonio Alves a"Oliveira Hraga.
    Ahi vai a poesia por mim rocitala.Fol-
    garei immenso que ella motive a Provincia
    publicar, nSo mais um forrobod:'), mas sim
    um quimbomb6 nu especie do valapa, afim
    de que o terra da sciencia e da eloqtteneia
    valha mais do qae uma cachimbada (tox-
    4os b:\hi*. SrM. miiiiHtro e preal-
    dente da relacao.
    CbegandO a esta cidade com d'-sliao aprorinria
    d'. Matto Grosto, para onde preteada tegnir a l
    mar conta do lugar de juiz municipal i do or-
    pbaos de Diamanlina e Rosario, aqni encontrei o
    Di-irio de Pemambuco n. 244 de 26 do corrente
    mez, e nelle deparei uma publictcio assijoada
    pelo Sr. Joaijuim Alves T>-ix ira, da villa de Bar-
    reins, nsquella provincia, em que atgnrm <-nten
    deu que uevia deprimir da honra e criteno de men
    digno pai o Dr. Franc sco Rodrigues Sette, jmz
    de direito de Porto Calvo, Jela pre-'i ;cia.
    Sou obrigado a vir lar am pr i-sto ront'a
    e:sa verriua em que o insu to, de ma< s da la^ r .ra
    a iojuria e a calumnia leata invader, para manar
    o bom cone ito de ratu v.-lho e IMSMM p.ii.
    Nao dou a auloria senao a um enle que, che-
    gando em Porio Calvo Irata de mciicar >e com i
    organiaatfor d' uma mom prtitict, e logi. proin.-
    vendo a ciiscordia naqnelia cotaafta qae ate c
    tao gozava de paz e promoven a discordia por tal
    geito e arte que apoderoo se do espirKo lrac-> d i
    juiz municipal daquelle tt-rrao para excittl-o eon
    tra meu pai, que par mais dc um mo'.i'o tem
    sido coaJe.-cendente e pruJentissimo centra Stse
    juiz. Meu pai, velho e cansado e sem vontad > Ie
    lutar com imprudchi;-s, os tem deixadj no maior
    esqueeimenlj ; ult.mam nte interests de adroga-
    cia desse nlguem, qqe nao e outr senao o attrati'.-
    hario e boa conhecido prom it.r put-hco Jos R
    berto da Cunha Salles reanima.am a intriga c
    o calculo de ver se meu pai awu a dsc.tfdia
    desce a responder a esse infin: que, n* pp- do nenhum sentimento d h >ara e ponri'NX".
    suppo'. que meu pai tem os me>mos sentimeat'*.
    e entao j-rjou a puldicanao qae foi feita no j >rru
    official MM prnviticf em que e**e promtotor ?r
    eadeosa e maltrata meu pai, e p -rque nio fosse
    acviia e>sa \illim:i v riina loaadou para renisa.-
    buco coin o testa do fern que appareccu ssig-
    oado.
    0 In. mem de bem que ler o estylo iaBM Mo
    de iujunas e calumnias, v.- lago que um h -"n
    qae se piesa pnhn qn a inareem a vir jnatrfi
    car-?e pur factos e iusuitos taes, e c p r esta
    mesma raiio i,ue no desgo a disculir e Mptaaf
    taes factos e iasollos, pediada *6meute aas bo-
    inens dignos que leuiu sesa verriua e fajam
    seu juizo.
    C rlos todos d" que meu pai nao aceita p Ie-
    mica e proceue boibo cr.tenJe e (efa B :. N
    ponsabiliJade de sans a:t- s.
    Meu digno pai nao faz p 4iti i cm Porto ":i'v
    c e elle alii cstimado por t 1 os c c rxai : *
    eliberacs; e ua idaie rm qae esttsenia
    de noia nanerosa faroMia, nao t :i; i1:;:." a
    vingar eonlra pesa a algsrau p ~t miis qai
    profltulor douuo fa;;, o que Ibe pr avrr e !h^
    Ine ditc pai so lera a in ior comuusra^to d -.-e rafciro.
    Acredito que est < pr w-; qne be p 'rqn- s a
    filhn e t-nho dor e sentirueuio palaa calumnias e
    lufauiias que langam sabre u.au pai, o na i o fa:.a
    coin o seu cons'-ntimeiit : nias"pdindo s elle
    perJao por nia o asassJur para e?te acto, .|ue a
    indigaag.'io coin que Ii s-c iii.intao de infra.:.'
    me leva a praticar em meu* ju>to- nsenlimmt.-.
    protesto solennieinente cantr.. es-a infame yi-rrin .
    em que a diff..;nag:".j aasas pnsMMC qui: !;r .
    de si para l.ogar sobre um valbo magi;'..-'
    encaoecido no servigtj.ublco, n.a- p t.-m
    pradeniia e juizo de ua> u.eJir-je can .
    tor pubiico Jose Roberto da Cunha Salles.
    Appelb me-'.'jio para ro Bxaas. Sr. miai.-n
    justiga e pre-idente i'n reUei qu sabem bw
    jusliga aquelle que nao se arrasta e cen: \.
    pendia.
    Senao me retirasse da pro\in:ia daria a;;.
    nova resposta a esse prom >tor dc AlaccNi.
    relirando me, deixoo no sen fadario e pir ter
    ttrraa mui conhecida, aan ti-nlv menor su. t
    que as sua* verriuas tenham algum valor.
    Maceiu, 2*J de outuMo de 1874
    Fiaiici'sco Rodrigves Sel'e Filh

    ' '-- "
    JUNTA JOS w\)ftRETOa\SS
    PracM Recife, 1 de siv-aa-
    br> t!c t9tJu
    A3 3 HORAS DA ThMSX
    COTACOKS OfTICIAES
    abrodio da Parahyba 1" aorte 7#Mt| r 1"
    kilos posto a bordo a trot-.' da 3<4
    5 0|0.
    Assucar bruto eslbido l*W0 por 15 kil-.
    Assuear bruto regal tr 14730 par 15 kil
    Cambio -sobro Paris a 90 d|v. 3Gj rs. o frant...
    CamOio sobre o ft a dV> Janeiro a 8 div j p-.
    ;. Je V;.conceilos
    PrasidenU.
    A P. de Lemos,
    Secretar I
    em cuJubro:
    E.n 22, pelo ministeno da guerra, aos presiden
    tes de provincias:
    a :..-.n. e Exm. Sr. Existindo em quisi todas as beiro da Luz.
    provincias pragas jolgadas Incapazes de servigo e, Conselholsaprema mililar. Na sea-
    que seguiram desta cote, em differentes epecasjsao de 4 do corrente, foram julgados detlnitiva-
    com permissio para nellas agnardarem ulterior | mente os seguintes processus :
    deiiberacio do goverao imperial, e convindo que Exercito.Tenenle Tilo de Souza Camisao, ac
    as ditas pracas sejam submettidas a nova inspec
    gao de saudo nos lugares em que se acharem, afim
    de qae, i vista dos respectivos termos, que serao
    Dr. A. Fulgeocio, Dr. Joaqoim Jose Sardinha, Joao
    cinas do arsenal de marinha da c6rte, Gor- Godinho, Antonio dos Santos Silva, Pedro Blanco dos
    Reis, Bernardo Rome"o, alferes Joaquim de Paula
    Chaves, Francisco Jose de Freitas, Manoel Casta-
    nheiro. D. Eulalia, 8 pracas e 3 escravos a entre
    gar.
    Cemtterio paMleo. Obituario do dia 18
    do corrente:
    Joio, preto, Pemambuco, 2 annos e meio, Boa
    Vista ; gasiro hepatite.
    Jose, preto, Pemambuco, 3 anuos, Boa-Vista ;
    entente chronioa.
    Manoel Joao, pardo, Pernambaoo, SO annos, ca-
    sado. Boa-Vista ; erysipela.
    FrMieisco, pardo, Pemambuco, 1 dia, S. Anto-
    nio ; ign >ra-se a molostia.
    Francisca Pia da Conceioio, parda, Pernambu
    co, 56 annos, viuva, Recife; mielite.
    Jalia Maria da Conceicio, parda, Pernambaoo,
    de marinha, teem direilo a percepcao de lodas as
    vautagens consignadas para os mesmos empre-
    gos* Deus guarde a V. S. -Joaquim DelfijM Ri-
    Zoilos estremecei, rugi, mordei vos:
    B0CAGE.
    ALPA^DaXU
    laBdinni-t-1 1- <' i a IS. .
    Idan do dia to.
    \-\ 184 it:
    6.i rmmso
    Ca7:t7S#l4T
    cusado de nio baver pago, as diversas pragas que
    commandava, seus vencimentos, a ter deixado da
    recolher ao cofre do conselho econotnico Tenclmen-
    Se a Grecia decadente, oulr'ora altiva
    Com seus sabios assombros do uaiverso
    Coin seus 1'ihlomous, Thales e Parcos
    Media os ares ao ethereo espaijo
    As leis do unWerso conhecendo;
    Se Euclides c Archimedes souberam
    A sciencia formarao infallivel;
    Se os Dracos e Lycurgos promulgaram
    Leis mui racionaes & bem dos povos ;
    Quinliliano, Cicero e Demosthenes
    Com suas sciencias exaltavam
    Descarregam boje 20 4 novembro de 1^74.
    Briguc portugnei Rio Vauga lag'do paia c
    trapiche Conceigao, para despachar, v
    vinho para depoaito no trapiche d
    Lugre inglez -Ethel -bacalhao ja despacbaito para
    o 2 ponto. _
    Lucre ingloz Alice bacailun ja des|*ca*a\
    para o trapithe Conceigat'.
    EscanaallnM-Jlflol-ariaba de trigo jades
    pachada par* o 5* panto.
    Brigue allemao-PoH'J-'Mi -farinha jadasjiac
    para o caes do Apdlo.
    Import tafS*.
    Vapor nacioual Conie SEu, eutrad* *ot perus
    do sul em 19 dj corrente e consigaaia a leieira
    Viaaaa & C manifeslon :
    Carg* do Rio de Janeiro.
    Cigarros b barricas a Lnii Sodjr.
    Faxendas 2 fardos a Joe l*artaa > JE?i
    Furao40pacote8 a Joaqoim.A^fW*-r1!r^1*?
    latas a tolas Alvo* Bartosa, 47 caixai 11 rolos


    Diifib de Pernambuco Sexta feifa 6 de NovCmbro de 1874.
    -
    35*
    am consignatarios, 3 e 61 a Jos6 Miii Palmeiri,
    80 laias, 50 meias ditas e 49 caixas a Beltrlo &
    Filho.
    Massa de tomate 6 caixas a Cardoso 4 Max
    tins.
    Papel 7 fardos a Manoel bvigueiroa de Faria &
    Fdbos.
    Carga da Bahia.
    Chapeos de sol 1 caixas a Ollveira & Irmao.
    Charulos 3 caixai a Leal & (ro.au), 3 a Domingo j
    da Costa Ferreira.
    Fazendas 3 caixas Cramer Frey 4 a
    Papel 5 fardos a fMtao 4 Filho, 4 aos consig-
    natarios.
    Barca ingleza tiannak, entrada de Cardiff em
    18 do corretrte consignada a Lidstone, Robilliard
    il C-, manffeston :
    Carvao do pedra 410 loneladas aos consignata-
    rios.
    denies e ttespafcha, a saber:
    Portugal
    3L
    BE
    DESPACHOS DE EXPOKTACAO NO DIA 18 DB
    OUTUBRO DE 1874.
    Para os portos do exterior.
    No vapor inglez Warrior, para Liverpool,
    carregou : Goocalves Irmao & C. 333 saccaa com
    17.271 kilos de algodao; Julio Guimaraes 50 fardos
    com 6,977 ditos de dilo ; S. Brothers 4 C. 80 sac-
    cos com 6.000 ditos de assucar mascavado.
    Na barca ingleza Olinda, para Liverpool,
    carregou: U. Lalhaa 4 C. 5,000 saccos com
    375,000 kilos de assucar mascavado.
    Na escuna ingleza Mary Ltzze, para o Canal,
    carregoa : J. Pater & C. 1,610 saccos com 140,750
    kilos de assncar mascavado.
    No patacbo hespanhol Fetisa, para o Rio da
    Prata, carregou : P. Carneiro, Maia & C22 cascos
    com 2,400 litros de agaardenle.
    Para ot portos do interior.
    Para Porto.-Alegre, na escuna brasileira Geor-
    uma, carregoa : Oliveira, Filhos & C. 900 barri
    cas com 16,39s 1|2 kilos de assucar branco e 50
    ditas coot 5,713 ditos de dito mascavado.
    Para o RioGraude do Sol, na barca nacional
    Minus*, carregou : j. Rodrigues Ferreira 250
    saccos com 18.750 kilos de assucar branco.
    Para o Ceara, no vapor nacional Ipojuca,
    carregoa : Costa & C 90 saccos com 6,750 kiios
    de arsacar branco; Carpinteiro Filbo 4 Sobrinbo
    60 barricas com 3,600 ditos de dito refinado : para
    Acaracu, A. Oliveira 4 C. 2 ditas com 180 ditos
    de dito branco ; J. A. G. Pires Junior 3 cascos com
    24 litros de agnardente, e 3 barricas com 352
    kilos de assucar branco.
    Para Macao, no biate nacional Jodo Valle,
    carregou : Macedo Bsastos 4 C. W barricas com
    309 kilns de assncar refinado ; J. D. da Cunha La-
    ces 1 dita com 74 ditos de dito mascavado ; M. A.
    Senna 5 ditas com 297 ditos de dito refinado
    Para o Rio de Janeiro, no brigue nacional
    S. Paulo, carregou : M. da Sitva Fialho 12 barri-
    cas com 1,400 kilos de carvaj animal.
    Para Macao, na barcaca Veronica, carregou :
    J. A. de Albuquerque 4 barricas com 240 kilos de
    ^assucar branco.
    Para a Villa da Penha, na barcaca Uniao do
    Norte, carregou : F. J. Coelho 2 barricas com 120
    kilos de assucar branco, e 12 latas com 24 ditos de
    doce.
    Para o Maranhao, no vapor nacional Conde
    d'Eu, carregou : Costa* C. 10 barricas ccm 591
    kilos de assucar refinado.
    Amarante.
    Anadia. .
    Arcos.
    Aveiro.
    Agueda.
    Arco de Baulhe em ca-
    beceiras de Bastos.
    Barca.
    Barcellos.
    Beja.
    Braganca.
    Cbaves.
    Coimbra.
    Coura.
    Covilhi.
    Castello Branco.
    Caminha.
    Elvas
    "stremoz.
    Evora.
    Esposende.
    Famalicao.
    Faro.
    Figueira.
    Fafe.
    Thoraar.
    Tavira.
    Torres Novas.
    Valenca.
    Vianna.
    Villa do Conde*
    Villa Nova da Cerreira.
    Guarda.
    Guimaraes.
    Gouveia.
    Lagos.
    Lamego.
    Lisboa.
    Louie.
    Melgaco.
    Mirandella.
    Moncio.
    Mealbada.
    Monte mor o velho.
    Oliveira de Aremeit.
    Ovar.
    PeoaQel.
    Pinhel.
    Ponte de Lima.
    Portimao.
    Porto.
    Povoa do Varzim.
    Port'Alegre.
    Povoa de Lanboso
    Regoa.
    Silves.
    Santo Thyrso.
    Villa Real.
    Vinhaes.
    Vizea.
    Villa da Feira.
    Villa Pouca de Aguiar.
    Villa Real de S. Antonio.
    Moimenta da Beira.
    Funehal.
    IIIlllH.
    Madrid.
    Bsrcellona.
    Vigo.
    Puenteaveas
    Heapanha,
    Fayal.
    ' Cadiz.
    Orense.
    Corona.
    Badajoz.
    SEGUROS
    M4BITIM0S
    e aflixado nos lu
    de noiembro tie
    E
    CAPATAZ1A DA ALFANDKGA
    aaadimento do dia 2 a 18.
    Idea do di 19. ,
    VOLUMES SAHIDOS
    Jh) dia 2 a 18......
    o dia 19......
    Pnmeira pom
    egunda poru ....
    fereeira poru ....
    fitpicte Ccncei^o .
    8:806/671
    1:027*907
    9:834*578
    21,758
    208
    112
    202
    2,404
    24,685
    SERVICO MAR/T1MO
    Jvarenaxs descarrecradas no trapiefce da
    A:fand3g?..
    *odia 2 a 18 39
    ~*o dia 19. ... 2
    Ho trapicbe C 42
    -flRCERR-i/j-.Jx (,-; KENfiA? INTERNAS GK
    KAES DE PERNAMBUO.
    denuiicea'.o d" dia 2 a 18 37:465i89l
    (dam do dia 19. ... 809*298
    CONTRA 0 FOGO.
    A companhia Indemnisadora, estabefocidt
    uesta prac,a, toma seguros mafitimos sobrt
    aavios e seus carregamentos e contra fogc
    am edificios, mercadorias e mubilias: na
    -ua do Vigario a. 4, pavimento terreo.
    SEGUROS
    H ritinio e contra-fogo
    COMPANHIA
    Phenix Pernambucana.
    RUA DO COMMERCIO N. 84
    Seguro cootra-fogo
    TBE LIVERPOOL 4 LONDON 4 GLOl
    INSURANCE COMPANY
    Agentes
    SAUNDERS BROTHERS 4 C.
    ilCorpo Santoil
    MOViMFNTD PC PORTS.
    Navio enlrado no dia 19.
    Portos do sul8 1|2 dias, vapor nacional Conde
    d'Eu, de 298 toneladas, commandante Andre
    Antonio da Fonceca, equipagem 55, carga va-
    rios geoeros a Pereira Vianna & C.
    mtmm:
    38:275*189
    iJGNS' I A i U
    ftandim^nto do dia 2 a 18. .
    Idam c dia 19
    M
    RECIFE DRAINAGE
    Rendimento do dia 2 a 18. .
    Idem do dia 19......
    63:748*977
    3:728,! 472
    67:477*449
    33:729*645
    792*593
    34:522*238
    AGENC1AS PROVINCEES
    I.iquidos espiritnosos.
    Rendimento de 2 a 17 3:121*882
    Idem do dia 18 80*6i8
    a quem
    Rendimento de 2
    Idem do dia 18
    Racalhno. elc.
    a 17 3:276*880
    *
    Generos
    Rendimento de 2 a 17
    Idem do dia 18
    de estiva.
    3:7153326
    50*052
    Rendimento
    Idem do dia 18
    Farinha de trigo, etc.
    de2a!7 2:776*272
    948*800
    Rendimento de 2
    idem do dia 18
    Fiimo, etc.
    a 17 1:926*921
    *
    Rendimento de 2
    Idem do dia 18
    Vinagre, etc.
    a 17
    1:030*214
    *
    3:202*530
    3:276*886
    3" 765*378
    \
    3:725*072
    1:926*924
    l:d30*2i!
    16:927*034
    Thesouro provincial de Pernambuco, 19
    4e novembro de 1874.
    0 escrivSo,
    J. C. M. da Silva Santos.
    Companhia Indemnisadora
    do Porto.
    CAPITAL 2,000:000#000.
    TKomaz de Aquino Fonceca & C, successors
    agentes.
    lista companhia toma seguros maritimos e ter-
    restres, dando neste3 o septirao anno gratis aos se-
    gurados.
    Rua do Vigario n. 19.
    COMPANHIA ALLIANQA
    seguros maritimos e terres
    tres estabelecida na Bahi?
    em 15 de Janeiro em 1870
    CAPITAL 4,000:0009000.
    Toma segnro de mercadorias e dinheiro
    tisco maritimo em navio de vela e vapores
    ^ara dentro e tdti do iraperio, assim come
    contra fogo sob re predios, generos a fa-
    rondas.
    Agente : Joaqnira Jose* Gongalves Beltrio
    do Commercio n. 5, i andar.
    O Dr. Sobastiao do Rego Barros de Lacer-
    da, juizde direito especial do commercio
    nesta cidade do Recife de Pernambuco,
    por Sua Alagestade imperial e constitu-
    cional o Senhor D. Pedro II
    Deus Guarde, etc.
    Faco saber aos que o presente edital virem, que
    por parte de Maooel da silva Pontes me foi dirigi-
    da a peticao do Iheor seguinte. Ii!m. Sr. Dr.
    juiz de direilo especial do commercio-Manoel da
    &ilva Pontes, cumprindo-ihe interromper a pres-
    cripcaode umaleltra em doze de novembro de
    mil oito centos e sessenta e nove, aceita por Joao
    Tavares d'Albuquerque Maranhao, lequer a V. S.
    se digne adduiittir o seu protest.) aos termos do
    art. 453 n. 2 do codigo do commercio, afim de
    poder haver em qualquer tempo a importancia da
    mesma lettra.sendo o mesmo protesto, e porque o
    aceitante etteja em lugar incerto e nao sabido,
    reqaer a V. S. se digne mandr.r effectuar a citacao
    pormeio de editos, justilicando a auseuciaaj.-im
    pede a V. S. deferimento. E recebera merce
    Recife, 7 de nuvembro de 1874,-Diogo Baptista
    Fernandes, procurador.-Estava sellada com o
    se>Io de estarapilha na importancia de 00
    reis, regularmente inutilisa despacho do theor seguinte.Distribuida.Como
    requer.-Recife, 7 de novembro de 1874.Barros
    de Lacerla. Em virtude do qual fora a peticao
    destribuida ao cscrivao desta juizo, Manoel Maria
    Rodrigues do Nascimenlo, o qual fez lavrar o ter-
    niode prete.-to do theor segumtp. -Termo de pro-
    testo.aos 7 d>.- novembro de 1874, na cidade do
    Recife, em meu cartorio, appareceu o supplicante
    Monoel da Silva Pontes, por seu bastanto procu-
    rador, Diogo Baptista Fernandes, e disse perante
    mim as testemunhas infra assignadas, que redu-
    zia a protesto o coutoudo de sua pelican retro, o
    qual offerecia como parte do presente que flea
    seodo, e de como assim o disse e protest m, lavrei
    este termo, no qual depois de lido ie firmou com as
    ditas testemunhas; eu Secundino Heliodoro da
    Cunha, escrevente juramentado, o escrivi : eu Ma-
    noel Maria Rodrigues do Nascimento, escrivao, o
    subscrevi.Diogo Baptista Fernandes.Francisco
    de Araujo Cesar.Maroolino da Silva Mindello.
    E tendo o supplicante produzido suas testemu-
    nhas, que juraram estar ausenta o supplicado em
    lugar incerto e nao sabido, sellados e preparados
    os antos, m'os fez.o escrivao^conclusos, e nelles pro-
    feri a sentenQa do theor seguinto.-Hei por justi-
    ficada a ausencia do suppiicado Joao Tavares
    d'Abuquerque Maranhao ;seja-lhe intimado o
    protesto de folhas-por editaes com 30 dias de
    praso, affixados e publicados pelos jornaes.Cus-
    tas ex causa.Recife, 12 de novembro de 1874.
    Sebastiao do Rego Barros de Lacerda. Por fore a
    desta minha seutenca e escrivao fez passar o pre
    sente edital, pelo qual charao, cito e hei por inti-
    mado a Joao Tavares d'Albuquerque Maranhao,
    para que compareca neste juizo, dentro do praso
    de 30 dias, afim de allegar o que for de justica.
    E para que chegue ao conhecimento de todos
    mandei passar o presente que sera publicado e
    afflxaJo nos lugores do costume. Cidade do Reci-
    fe de Pernambuco, 16 de novembro de 1874, Eu
    Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, escrivae,'
    o escrevi.Sebasiao; do Rego Barros de Lacerda
    Despacbo. Distribuid*. Coroo reqaer. Re-Jdv
    5 de novembro de 1874.Barros de Lacer^*.
    E nada mais 86 continha em dil?. peticio e
    despacho, depois do qae ?'*-w a guinte : a ErnesK Silva. -^ OU^ja. gm virtude
    deste meu despacho o fwpe/?4io escrivao lavrou
    o termo de protesto do tbor seguinte :
    Termo de protesto. Aos 7 de novembro de
    1874, nesta cidade do Recife, em men cartorio,
    peraole mim e aa testemunhas infra assignadas,
    comparrceu. o supplicante por sea procurador
    Joio Birbosa Cordeiro, e por este fol dito que pelo-l
    presep.'ie reduzia a term) de protesto consume
    da peticio retro qae offerecia como parte deste
    era -jue depois de lido assigoou : eu, Ernesto Ma-
    chado Freire Pereira da Suva, escrivao, escrevi,
    Joio Barbosa Cordeiro, Antonio Marques da Silva
    e Antonio Carlos de Almeida.
    E nada mais se continha em dito' termo de
    protesto, aqui flelmente couiado, depois do que
    tendo o supplicante prodnzido suas testemunhas
    qae depozeram convenieotemenle acerea da *u
    sncia do tupplicaflo, o respectivo escrivio fa
    tendo sellar e prejxirar os autos me ns (ez con'
    closos e nelles dei a sentence do theor seguinte
    Hei por justificada a -useoci* do supplicado, e
    mando qae seja-lhe intimado o protesto de folhas
    por editaes con 30 dias de prazo, affixados e pa-
    blicados. Castas x-caasa.
    Recife, 11 de novembro de 1874.Sebastiao do
    Rego Barros de Lacerda.
    b, nada mats se continha em dita sentenca aqai
    flelmente copiada, e por forca da mesma o res-
    pectivo escrivao fez passar o presente edital, pelo
    theor do qual, chamo, cito e hei por citado o
    supplieado Jozapbal Pereira Baraibo, oara que
    dentro dp prazo de 30 dias compareca neste jui-
    zo, por si ou por seus procuradores, allegaado e
    provaado o que for a bem de sea direito e jas-
    j*ca-
    Fortanto, toda e qualquer pessoa, parentes,
    amigos ou eonhecidos do referido sopplicado,
    'Ihes polerao fazer sciente de lodo o expendido.
    E para que cheguu ao coobeoiiii^nto de
    todos, mandei passar o presente, que sera
    publicado pela impreusa
    gares do costume.
    Cidade do Recife, 19
    1874.
    Eu, Ernesto Machado Freire Pereira da
    Silva, o subscrevi.
    Recife, 19 de novembro de 1874.
    Sebastiao do Rego Barros de Lacerda.
    0 Dr. Sebastiao do Rego Bsrres de Lacerda, juiz
    de direito especial do commercio desta cidade
    do Recife de Pernambuco, por S. M. o Impe-
    rador, que Deus guarde, etc.
    Faco saber aos que o aresente edital virem on
    de lie noticia tiverem, qae pelo adxinistrador da
    massa fallida de Paulo FVniacdn de Uello Gui-
    maraes me foi apresentada a seguinte classiflca-
    cao dos creditos de dita mas^a :
    Credores -chirographarios.
    Meodes, Azevedo 4 C. 486*930, Pereira de
    Hello & C, valor em duas letras descontadas a
    Joio Felix de Mello, 3:117*850, uma dita descon
    tada a Benlo de Barros Feijo 1:737*430, saldo de
    seu credtto conformo a conta do livro, 2:254*900,
    Bastos it Silva. 1:799-240, Rodrigues Irmios di
    Guimaraes, 246*40u, Luiz da Silva Ferreira,
    352*440, J. A. Monteiro da Cruz, 309*120, Ama-
    ral di Motta, 480i0t, Jos6 Lopes Alheiro, valor
    em.tres lettras, 1:310*475, valor de tres letras
    que garantio a Lfmos& Guimaraes, i:5iUtio,
    valor em duas lettras que garantio a Antonio V.
    Souza Barroca, 1:127*300.
    Credores que nao apresentaram titulos.
    Mesquita Cardoso & C, 2:568*980, Antonio
    Ferreira Braga, 4:422*070, Vaz Junior & a,
    84*400, Cunha & Maota, 266,000, Vaz 4 Leal,
    245*820, Pereira da Silva & C. 26,847, Fran-
    cisco Teixeira Mendes 1*200, Araujo, Braga &
    C, 28*200, Dr. Graciliano Pereira Baptista, ....
    7*680.
    Credores privilegiados.
    Trajano (guarda livros) 53J570, Antonio Mar-
    tins (caixeiro) 85*320.
    E por este editai sao citados os referidos cre-
    dores para no prazo de cinco dias, contados
    da pubiicacao do uiesmo, dizerem sobre a dita
    classincacjio dos creditos.
    E para que cuegue ao conhecimento de todos,
    mandei passar o presente, qae sera publicado
    pela iiuprensa e aflixado nos lugares do costume.
    Recife, 17 de novembro de 1874.
    eu. Mauvoi Maria Rodrigues do Nascimento.
    to, ex-nvio, 6 ubnerevi.
    _________Sebastiao do Reg, Barros do L-^.a.-
    0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacer-
    da, juiz de'direito especial do commer-
    cio, nesta cidade do Recife de Pernam-
    buco, por S. M. Imperial e Constitucio-
    nal, etc., etc.
    Faco saber aos que o presente edital virem on
    delle noticia tivorem, que por parte de Antonio
    Baptista Nogueira me foi dirigiJa a petifio do tiieor
    seguinte :.
    lllin. Sr. Dr. juiz especial do commercio.Diz
    Antonio Baptista Nogueira, que seado-lhe devedor
    o padre Firmino Jose de Figueiredo pela quantia
    de 1:316*800, de uma letra vencma, Marcelino de
    Souza Pereira de Brito pela quantia de 638 980,
    de uma letra vencida, Alanoel Mauricio Paulino de
    Mello pela quantia de 468*220, de tres letras ven-
    cidas, Jose" Antonio da Motta pela quantia de
    452*280, de duas letras vencidas, Thomaz Bassuck
    pela quantia de 669*380, de tres ktras vencidas,
    Jose Ferreira das Cha,as pela qUantia de 183*980,
    de uma letra vencida, acharase :ditas letras quasi
    a pre-crever. estando os supplicados ausentes em
    lugar ignorado, pelo qne quer o supplicante pro
    conferidas a devedores dos fallidos, nao podendo
    ontro sim am id individao represents por doas
    diversos crelores e-que sera havido o credor que
    nio oomparecer como adherenle a qnitagio plena
    aos fallidos nos termos da lei. E para qae chegae
    ao conhecimento de todos, mandei passar o presen-
    te qae sera publicado pela iroprensa e aflixado noa
    lugares do costume.
    Recife 6 de Novebro de 1874.
    Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
    crivao, subescrivi.
    Sfoajji'uo do Rego Barros de Lacerda.
    BECURACOES.
    COMPANHIA
    DO
    BEBERIBE.
    0 Sr. orbeniano de Aquino Fonseca,
    caixa da companhia do Beberibe, acba-
    se autorisado a pagar no seu esoripto-
    rio d rua do Vigario Tenorio n. 19, das 10
    boras' as 3 da tarde, o 53 dividendo desta
    companhia Gndo em 31 de outubro do
    correute anno, na proporgio de 3$000 por
    apolice: previne-se aos Srs. accionistas
    que o pagamento sera realisado em moeda
    de cobre.
    Escriptorio da companhia do Beberibe,
    14 de novembro de 1974.
    0 secretario,
    _______Luia Manoel Rodrigues Valenca.
    A camara municipal do Recife faz constar a
    todos os seas municipes que em conseqaencia da
    visita qae fez a esta provincia o conselheiro Joao
    Alfredo Lorreia de Oliveira, ministro do imperio,
    resolveQ em sessao de 11 do corrente, que se de-
    nominePraca do Conselheiro Joio Alfredoo
    largo da Magdalena, no 2* districto da freguezia dos
    afogados,
    Paco da camara municipal do Recife, It de no
    vembro de 1874.
    Jeronymo de Souza Leao,
    pro-presidenle.
    Franisco Augasto da Costa,
    Secretario.
    fornecimento, comparecam na sata das sesidei
    da referida junta, no dia acima indicado, pelo
    meio dia.
    Secretaria do thessuro provincial, 19 de novem-
    bro de 187*.0 secretario,
    Miguel Affonso Ferreira.
    TABELLA
    -6 quadros com a ettlgie do Senhor Cruciflcado
    com 0,m66 de altura e 0,m44 de largura, am 10*.
    6 mesas de amarello com I,mil de comprimen
    to, 0,ra65 de largura e 0,m75 de altura, com pes
    torneados e duas gavetas, uma 221.
    6 cadeiras de bracos, de amarello, uma 16*
    IS cadeiras singelas, uma 8?.
    6 estrados de louro com (,m00 de comprimen to,
    l,n>40 de largura e O.mlS de altura, am 20}.
    18 classes ou mesfles de amarello com 2,m64 de
    eomprimento, 0,m44 de largura, 0,m72 de altura
    na frente e 0,m76 de lado opposto, com des tor-
    neados, conteodo 4 tinteiros e 3 traslados em qua-
    dros, urn 343.
    24 bancos de amarello (asm nt) de palhinba)
    com 2,m64 de compriiuento, 0,m?5 de largura e
    0,m45 de altura, earn p6s torneados, urn 25*.
    6 pedras para calculos com l,mO de eomprimen-
    to e l,m2 de largura, uma 10).
    18 cabides de amarello com 10 toroos, um 5*.
    6 regoas de iacaranda, uma 500 rs,
    6 escrivaninhas de metal, uma 53.
    6 theares singelcs, am 10*.
    6 jarras, uma 5*.
    6 cocos de folha de ferro, um 1J.
    18 baeios com tampas, am 2*.
    6 cabos de amarello, am 7$.
    Conforme.
    ____________________M. A. Ferreira.__________
    Thesouraria de fazenda
    Manda o Illm. Sr. inspector annanciar, que de
    ordera do Exm. Sr. ministro da fazenda foi espa
    cado ate" o fim de junho de 1875 o prazo marcado
    para se dar principio a snbstituicao das notas de
    SOS e de 2$ da quarta eslampa.
    Thesouraria de fazenda de Pernambuco, 14 de
    novembro de 1874.
    Jucundiano Rodrigues de Oliveira,
    Secretario da junta.
    CONSULADO PROVINCIAL.
    Nesta reparticao arrecada se novamente dur an-
    te o corrente mez as importancias dos apnarefhos,
    encanamentos, differencas e annuidades devidas a
    companhia Recife Drainage, no trimestre de julho
    a dezembro de 1872, pelos predios sitos as ruas
    do Marquez do Herval e Padre Nobrega, isto de
    conformidade com a portaria do Sr. inspector do
    thesouro provincial e as novas r.elac.oes em subs-
    tituicao as primeiras.
    Consulado provincial de Pernambuco, 2
    de novemmbro de 1874.
    0 administrador,
    Antonio C. Machado Rios.
    sANTA CASA DA MISERICORDlA DO
    RECIFE.
    A Rlma. junta administrative da Santa Cas a da
    Misericordia do Recife, manda fazer publico qne
    qvsala de suas sess5es,o dia 18 le novembro,pe
    las 3 horas da tarde, tern de ser arrematadas a
    mem mais vantagens offerecer, pelo tempo de am
    a tres' annos, as rendas dos predios em seguida
    dclarados.
    ESTABELECIMENTO DE CARIDADE.
    Vidal de Negreiros.
    Casa terrea n. 94.......301*006
    Rua larga do Rosario.
    2.* andare loja n 24 A fecbada 310*000
    2.* andar n. 24idem......408*000
    I.-
    251*000
    99*000
    120*000
    386*000
    0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda, juiz
    de direito especial do commercio desta cidade do
    Recife de Pernambuco, por S. M. o Imperadoi
    qae Deus guarde, etc, etc.
    ,,.^5 saber pelo presente que Gaspar Antonio
    Vieira Oruimaraes me dirigio a peticao do theor
    seguinte:
    lllm. Sr. 'Dr.
    mercio.
    aneo Commercial de Braga
    Jorge Tasaro.
    37Rua do Amorim37
    Saca qaalquer quantia a prazo ou a vista so-
    ire este Banco ou snas respectivas agencias cas
    wguraies cidades e villas de Portugal, Unas adja-
    juiz de direito especial do com-
    Diz|Saspar Antonio Vieira Guimaraes,
    que sende-lhe devedor Jozaphal Pereira Baracho
    da quantia de 2:729*270 de uma letra mercantil
    vencida, e achandose dita letra quasi a preser-
    ver, estando o supplicado auseote em lu^ar igno-
    rado, pelo que quer o supplicante protests para
    .luterromper a prescriocao na forma do paragra-
    pho 3.* do art. 453 do coJigo do commercio, re-
    quer por i.-so a V. S. se din mandar tomar por
    termo seu protesto, e admit.-lo a justifkar a au-
    sencia do supplicado e julgado por sentenca, man-
    de V. S. passar carta de edital por 30 dias
    ser intimado o supplied, marcando V. S.
    hora para a inquiricao 'e t;stemDnha
    V. S. deferimento. K R. M.
    para
    dia e
    Pede a
    Pernambuco, 4 de novembro de J874. Gaspar
    Antonio Vieira Guimaraes.
    Estava uma estampilba do valor de 200 rs
    inutilisada com a data e assignatura supra.
    testar para interromper a presciipcao na forma do
    3 do art 463 do codigo do commercio, reqaer
    por isso a V. S. digne se de mandar tomar por
    termo o seu protesto e admitti-Io a justifkar a au
    sencia dos supplicados e julgada por seutenca de
    V. S. se passe carta edital por trinta dias, para se-
    rem intimados os supplicados, marcando V. S. dia
    e hora para inqueri^ao das testemunhas. .Nestes
    termosPede a V. S. deferime!Uo-E. R. M. Re-
    cife, 4 de novembro de 1874.Joao Barbosa Cor-
    deiro. Estava sellada e inutilisada na forma da lei.
    Distribuida, como requtr e justilicara quando Ihe
    convier. Recife, 4 de novembro de 1874.Barros
    de Lacerda. Em virtude do meu despacho fora a
    mesma peticao distribuida'ao escrivao Manoel Ma-
    ria Kodrigues do Nascimento, o qual fez lavrar o
    termo le protesto do theor se.iuin.te.
    Aos 4 de novembro de 1874, na cidade do Re-
    cife, em meu cartorio appareceu o supplicante An-
    tonio Baptista Nogueira, por seu bastante procu-
    rador o sohcitador Joa Barbosa Cordeiro, e disse
    perante muu e as testemuuhas infra assignadas
    que rtduzia a protesto o conteiido de sua peticao
    retro, e de como assim o disse e protestou, lavrei
    este termo no qual depois de lido se firmou com
    as ditas testemunhas : eu, Secundino Heliodoro da
    Cunha, esrrevente juramentado, o escrevi. Eu
    Manoel Maria Rodrigues do -Nascimento, escrivao!
    o subscrevi.Joao Barbosa Cordeiro, Francisco
    Joaquim Pereira, Balbino Siuioes de Carvalho Ca-
    mello Pessoa. E tendo o supplicante produzido
    suas testemunhas que juraram achar-se os sup-
    plicados em lugar incerto e nao sabido, sellados e
    preparados os autos subiram a minha conclusao e
    nelles proferi a sentenca do theor seguinte:Jul-
    go procedente a juslificacSo de auaen:ia dos justi-
    licados e mando se Ihes intime o protesto de folhas
    por editaes com trinta dias de prazo, affixados e
    publicados. Custas ex-causa. Becife, 9 de novem-
    bro de 1874.- Sebastiao do Rego Barros de Lacer
    da. Por forca desta minha seutenca o "escrivao fez
    passar o presente edital, pelo theor do qual chamo,
    cito e hei por intimados aos supplicados para que'
    comparecam neste juizo no prazo de trinta dias afim
    de allegarem o que for de justiga.
    E para que chegue ao conhecimento
    todos, mandei fazer o presente edital, qu
    sera" aflixado nos lugares do costume, e publi-
    cado pelos jornaes.
    Dado e passado nesta cidade do
    de Pernambuco, aos 16 dias do mez
    Tembro de 1874.
    Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
    mento, escrivSo, o subscrevi.
    Recife, 17 de novembro de 1874.
    Sebastiao do Rego Barros de Lacerda.
    andar n. 24 A idem
    Rua de Antonio Henriqaes.
    r2asa terrea n. 26......
    Largo da Campina.
    Idem n 11 (fechada). idem. .
    Rua do Corouel Suassuna
    1* andar do sobrado numero 94 .
    PATRIMONIO DOSORPHAOS.
    Rua do Commercio
    Sobrado n. 30.......800*000
    Rua da Moeda.
    Casa terrea n. 21 fechada).. 400*000
    Lasa terrea n. 18.......421*001
    Rua da Lapa.
    iasa terrea n. 11.......202*000
    Rua do Amorim.
    Sobr*do de 2 andares n. 23 602^000
    Casa terrea n. 34 ...... ? 2*0ui
    Ruar do Bugos.
    Casa terrea n. 21.......153*000
    Rua do Vigario.
    2* andar do sobrado n. 27fechada 243*000
    y andar do mesmo idem ... 240*000
    Loja do mesmo fechada.....300*000
    Rua do Encantamento.
    Sobrado de 2 andares n. 13 (fechada). 1:400*000
    Rua da Senzalla velha
    Idem n. 16........209*000
    Rua da Guia.
    Casa terrea n. 25 .
    idem n. 29......
    Rua da Cruz.
    Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada).
    Idem n. 14.........
    Rua de S. Jorge
    iasa terrea n. 103......
    Os preterdentes deverao apresentar
    CONSULADO PROVINCIAL
    De conformidade com a portaria do Sr. inspec-
    tor do thesouro provincial se declara aos conlri-
    baintes que deixaram de realisar o pagamento de
    seus debitos devidos a companhiaRecife Draina-
    ge-no semestre findo- erajunlio de 1873, pelos
    apparelhos, d fferenca dos mesmo*, encanamentos
    e annnidades, que o podem fazer, visto achar-se
    prorogado o recebimento ate o flm do corrente
    mez.
    Consulado provincial, 18 de novembro de
    1874.
    0 administrador,
    Antonio C. Machado Rios.
    Segunda-feira 23 do andante mez, vai de
    novo a praca a casa da travessa do Pocinho n. 18,
    finda a auliencia do Dr. juiz de orphaos, ao meio
    dia, avaliada por 1:6003.
    ADMINISTRA AO DOS CORREIOS DE PER-
    NAMBUCO, 17 DE NOVEMBRO DE 1874
    Fago publico que o exame dos candidatos a um
    lugar de praticante desta administracao, que devia
    ter lugar a 19 do corrente, fica transferido para o
    dia 12 de dezembro.
    Affonso do Rego Barros,
    ______________________Administrador.
    ADML\ISrRACA02 DOS CORREIOS DS PER-
    NAMBUCO, 20 DE NOVEMBRO EE 1874
    Halaa a expedlr-se
    Pelo vapore nacional Conde d'Eu, esta adminis
    tracao expede malas para os portos do norte,
    hoje 20;
    Recebem-se jornaes, impresso- de qualquer na
    tureza, e cartas a registrar, ate" 2 horas da tarde.
    cartas ordinarias ate 3 horas, e estas ate 3 1 \i
    com porte duplo.
    0 administrador, -
    . Affonso do Rego Barros.
    209*0(X
    201*000
    800*000
    600*000
    207*000
    no acto da
    irremat as suas flancas, ou comparecerem
    acjinpan s dos respectivos fiadores, devendo
    pagar ale i renda, o premio da quantia em
    que for se* o predio que contiver estaueleci-
    niento com ai, assim como o servico da lim
    iieza e precc apparelhos.
    Secretarta nta Casa dapiisericordia do R
    '"ife, 17 de sstembro do i874.
    0 escrivao,
    _____________Pedro Rodrigues de Souza,
    Companhia Fidelida e
    Seguros maritimos e terrestres
    A agencia desta companhia toma seguros mari-
    timos e terrestres, a premios razoaveis, dando bos
    uitimos o solo livre, e o setimo anno gratuity ao
    segurado.
    Feliciaoo Jose" Gomes,
    _______________________Agente. __________
    Thomaz de Aquino Fonceca & C.
    Snccessores
    aceatn por todos os' vapores, sobre as seguintei
    pragas :
    Lisboa.
    Santo Antonio
    QUINTA FEIRA 19 DO CORRENTE
    Beneflclo do blllieteiro Jose Rodrl-
    Kuen finhrirn
    nepreeniar-se-ha o muiio liuao drama em 4
    actos, intitulado :
    As mais arrependidas
    Dara fim o espectaculo ccm o sempre muito
    applaudido dueto :
    0 meiriolio e a poke
    Principiara as 8 horas.
    0 beneficiado conta merecer do il ustrado pu-
    blico a sua generosa concurrencia, e desde ja se
    confessa grato.
    Em um dos intervallos o beneiiciado ira
    caraarotes agradecer aos seus convidados.
    A barca portngueza GrotidUo, eapHi* Borges
    Pestana, vai sabir breve : traU-se earn Silva Gui-
    maraes & C praca do Corpo Santo n. 2* andar,
    ou com o capitao.
    P.i 0 PORTO.
    0 brigue portuguez Triumpko, pretend* segntr
    com muita brevidade: para carga e passageiroa
    irata-se com os consignatarios Thomaz da Aquino
    Fonceca 4 C, successores, rua do Vigario n. 1
    Para o Rio itt Janeiro
    pretende seguir com maila brevidade o brigue
    Isabel, tern parte de sea carregamento engajado :
    para o resto qua Ibe falta, trau-se com o sen coa-
    signatario Antonio Luiz de jiiveira Azevedo, raa
    do Bom Jesns n. 87._________^^^^^^^
    Para oPar&c
    Pretende seguir com muita brevidade o paiba-
    bote Joven Arthur, tern parte de sen carregamen-
    to engajado, para o resto qae Ihe falta trau-se
    com o sea coasignaUrio Antonio Luiz de Olrveira
    Azevedo, a rna do Bom Jesus n. 87._________
    Rio de Janeiro.
    ranlo.
    para carga trala-se aa
    HrlRue S
    Sahira com brevidade :
    rua do Vigario n. 7.
    Costa d'Africa
    Segue da Bahia em 30 deste met, para o pcrto
    de Onnim na Costa d'Africa, a barca portngueza
    Jostpkina, tendo hons commodos para passages-'1.
    Libras eslerliiias.
    Vendera Augusto F. d'Oli-
    veira & C.
    Rua do Commercio n. 41.
    LEILOES.
    DE
    um lustre de crystal de 6 bicos, 1 dito de breatt
    de 3 bicos e 6 arand-llas de bronze.
    ao meio dia
    Por iutervenrjao do agente Pinto
    No 2 andar do sobrado da rna do Bom Jesus a.
    42, por occasiio dc leilao de moveis.
    Leilao
    De 2 carteiras r-ara 1 pessoa, 1 dita para duas pe$-
    soas, mochos, I buna, pruva de fogo, 1 dita fran-
    cez', 3 veneziaoas, me.-as e maisobjectos de <-
    criptorio.
    HOJE
    Por intervenc&o do ageate Plate,
    No 1' andar do sobrado da raa do Bom J*?u<
    n. 42.
    0 leilao principiara as 10 boras.
    leilao
    DE
    .'iO meias caixas com batatas, ultiraamei.L
    desembarcadas e diversas caixas com cas-
    tanhas.
    Hoje
    ASH HORAS EM PONTO.
    Mo arniazeni do Sr. Auncw
    0 preposto do agente Pe?tana fara leilao ;a
    conta e risco de quem ptrteneer, de 50 meias cai-
    xas com batatas e diversas eatM cam casUnbas.
    em um ou mais lotes, ^ vootade dos Srs. comrra-
    dores.
    LEMO
    aos
    vbos mmm

    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    Uavegacito costeira a vapor.
    Parahyba. Autai. Macao. Mosaoro,
    Aracaty, C3eara, Acaracu* c Amar-
    raeao, no Piauny.
    0 vapor Ipojuca,
    commandante Moura,
    seguira para os por-
    tos acima, no dia 21
    do corrente as 5 ho-
    ras da tarde
    Recebe carga atd o dia 20, encomraendas, pas
    -ageiros e dinheiro a frete ate as 2 h<>ras da tar-
    de do dia de sua sahida : escriptorio no Forte do
    Mattos n. 12.
    Regoa.
    Porto. Chaves.
    Braga. Villa-Flor.
    Vianna. Mirandella.
    Visou. Alijd.
    Guarda. Favaios.
    Coimbra. Braganca.
    Gaimaraes Lamego.
    Rio de Janeiro.
    Na rua do Vigario n. 19.
    de
    Recife
    de no-
    Socieilade Recreativa Euterpe.
    Por deliberagao da directoria desta sociedade
    convido aos Srs. associados a comparecerem no
    recinto da mesma sociedade domingo, 22 do cor-
    rente, as 4 horas da tarde, para eui assemblea
    geral tratar-se de negocios tendentos a mesma so-
    ciedade. /'
    Secretaria da sociedade Recreativa Euterpe, 19
    de novembro de 1874.
    0 1 secretario,
    Carlos de Araujo.
    Companhia allianca niaritinia
    portnense
    Empreza de navegagao entre o Brasil e Por-
    tugil
    PARA ll PORTO
    Barca portURueza Joven Adelaide, a saliir cum a
    maxima brevidade, recebe carga e passageirs :
    trat:.r eon os seus consignatarios Jose at Silfa
    Loyo A Filho.________
    Bnyui Rah ao Para
    E-ti promoto desde j:i a receber earga a frete.
    para o dito porto, visto ja ter parte engajada : a
    trat'r c-m Amorim Irmios & C.
    Pa ::ic Steam Navigation &&puij
    ROYAL MAIL
    STEAMEM
    Subdelegacia de poiicia da freguezia da Boa-
    VisU, 19 de novembro de 1874. Chegsndo ao
    conhecimento desta subdelegacia que se pretende
    0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda, juiz
    de direito especial do commercio, nesta cidade
    do Recife de Pernambuco, por S M. o Impera-
    dur, a quem Deus guarde, etc.
    Faco sabe' aos que o presente edilal virem ou
    delle noticia therein que no dia 20 d>. corrente mez
    e anno, as 11 horas, na sala dan andiencias, devera
    ter logar a nuniao dos credure* da massa fallida
    d-oAmorimFragoso Santos& C. para-procder se a
    tomada dff*ontas des admini-tradores da dita mas-
    sa fallida, certo os credores de qae n5o seraoadmi-
    ttidos por prucuradores, sem que estes extiibam
    procurajoes especiaes,as quaes naopoderio ser
    no districto della cantar-se e formar-se presepes e
    outras funccoes semelhantes, que unicamente ser-
    vem para praticar se imraoral;dades e desorflens,
    declare, para sciencia de quem quer qne seja, que
    jaraais consentira esU subdelegacia em taes func-
    53es.0 subdelegado,
    _______________Decio de Aquino Fonceca.
    0 Illm. Sr. inspector do thesouro provincial
    manda fazer publico, que em cumprimento da or-
    dem do Exm. Sr. presidente da provincia, de 14
    do andante met, tem de ser contrat.ido perante a
    junta do mesmo thesouro, no dia 26 do corrente,
    {DE 1013 TONEADAS)
    Eapcra-se dos por-
    tos do sul ate u dia 22
    dn corrente, e depois
    da domora do costu-
    me seg-iira para Li-
    verpool tocando em
    Lisboa, Bordeos. para onde recebera passageiros,
    encommendas, earga e dinheiro a frete
    N. B -i\'ao sahira antes das ires i^ras da tar
    le do dia da sua cb-gada.
    AGENTES
    Wilson Buwe A C.
    14 RUA DO COMMERCi 1 0
    DE
    moveis, louca e crystae*.
    No 2 3'e i"aulares do sobrado da
    do Bum Jusus a. 42.
    A SABER :
    anefnr. sala ila front e
    L"m piano forte do muito ennheeido fabrie^i.t
    J. Pieyel, uma mobiha de jacaranda, cadeiras d?
    balance, lancas para corlinados, 4 pares de c;r;
    cados. ,'rirro.j para Bores e '..ipetes.
    Nala d delrac.
    Uma- mesa elastics, 1 guarda louca eovidra do, 2 aparadores coin lampos de pedra. 12 ;
    pos de iino crystal, 4 escarradeiras grande-.
    garrafas finas, 1 lavatorio e 1 qaartinheira.
    Quartos.
    Uma cama Iranceza de jacaranda. 2gaaida-r
    pas, 1 toil-:, f lavatorio, 2 marqaezoes, 1 MpfBfr-
    za, 1 lavatoriu Jo jacar<.nda j,ara 2 prssoas.
    3 andar.
    Umattnda mobitu defacarasii a Luiz X\
    espreai'.ade:ra ramhem d. ncsrauda, qu.idr
    espelhos.
    (Jma mes* de jantar, 2 guarda loucas envidr. a-
    dos, 2 aparad ret torneid-*, 2 ditos de armario-
    4 garrafas imas de crv.-tal, copos, 2 estantes, -a-
    leiras, louca e vidros.
    Uma cama franceza, 1 guarda-roupa, I lav*
    rio, cadeiras, mesas e armari is.
    41 andar.
    Uma mobiiia de junco a Luiz XV, mesas, ca
    ras, 1 machina de costura, 1 machina de limpar
    facas e muitos outros objectos de casa de famiiia
    D as ..S;-:i;-,' e Iokip.itsnva*
    I'.'l' .::'.cr>\'fi<;.. i do ..^eiiii rihto.
    Agente Martins
    leilao
    DE
    moveis e louca
    HOJE
    A'S 11 HORAS DA MANBA
    \'o ai.ua2.eui da rua do I
    radar u. 48
    De mobiiiis de jaearanii. com taape* d. p.
    '>'n f.
    Iir-
    de MaraDguape ; e do feminino, cadeirf, de N.
    S. da Graca, ua Capuuga, como se ve da tabella
    abaixo mencionada.
    As pessoas que quizerem contratar o referido
    C'! ii|iiiiili.( IMiliiiliDiidJIii}.
    Porto do Aracaty.
    A caiga que de hoje em di3nte f*r embarcada
    nos vapores id Companhia Pernambucana com
    destino an porto do Aracaty, ??ra entregue na ci
    dade do mc-.-tm nome, sendo tr&asportada da bar-
    ra, (onde os vapores eosiumaui fundear), em Ian-
    cbas de propriedade da mesma campanula inde-
    pendente de qualquer exigencia de pagaliient,i
    por este servico
    Da mesTia f6rma sera transportida a car^a
    que for embarcada no purlo do Aracaty
    quaesquer outros portos da escala.
    Becife, 16 de novembro de 1874.
    ditas de amarello, flita; de ir.-iroo, gur des de araaf-llo, guarda ronpa de dito, mesas ,--
    ticas, diias par;, eserlpi >ri ~sdeir;s avulsas -
    amarello, cjusuIuj, marquezoes, marquezas, so ,i
    mesasredonda?, guarda-louga, machlnas bos'
    tnra, lavatorio-, cama deferro, eslanies, co*ior-i-
    ras, I rica secretaria .! j.icaranda, I Myortani*
    apparelho 'I .rrhna para cha. I.ini
    carradeiras de porrelana. descanc^is pra facas t
    bauziohos de tartaruga, para ceetaraa, diversas
    miudezas, caleias, corrcites e anui> ilepl.qu-
    relogios de prata, ditos de ouro, e rauitos atroa
    obiectos que serio vendidos aocorrer dc :3r-
    tsllo.
    para
    Ilha de S. Miguel
    Segue com brevidade para S. Miguel o palha-
    bote portuguez Novo S. Lourenco, pa; a onde rece-
    be carga e passageiros : trata-ae com os consig-
    natarios Thomaz de Aquino Fonceca & C. Succes-
    sores, rua do Vigario n. 19, 1* andar.
    DE
    Uma elegante arma^do com 2 bakoes, 1
    . fiteiro com c.indieiro de gaz, 1 bonito
    lustre -le crystal, 1 cadieiro de duas lu-
    zes, 2 arandel as. 1 tspelh.i grande, 1
    merjuirifi d reMora, 1 carteira de ama-
    rello, t seoititaria de dito, 1 mesaredon-
    da, I baoquinba, 1 escada, I mocho para
    cariefra. 1 piano de meaa e I maauina
    de ci pi r cailis.
    Sabbado 21 do corrente.
    Na loja da rua da Imperatriz n. 49, deno-
    mmadaACTUALIDADE.
    Affonso Guimaraes k C, tendo de se re;irai
    1


    -~r
    ihttiO de Pemambuoo Sexta feira 20 de Novembro i4e 1674.
    s
    desta provmcia, fartd leilao para liqaidar pelo
    maior preco, por fntermedio do agento Martin*,
    da armacao e mais objecios acima descripios,
    existentes em ten estabelecimento de fazeadas a
    rua da Imperatriz n. '*9.
    as 11 horas da manna.
    Agente Pestana
    Ultimo leilao
    DO
    sobrado de am andar da rua do Bom Jesus
    n. 61, edificado em chaos proprtos.
    Da casa terrea da rua da ImperalHz n. 60,
    e 16 meia-aguas da rua doCamarao n.
    9, edificada em chaos foreiros.
    SABBADO 21 DO CURRENTS
    AS 11 HORAS bA MANHA.
    Os administradores da massa fallida de Pereira
    de Mello & C, levarSo a leilao, por interveucau do
    agente Pinto, os predios acima mencionados, hv-
    Eothecados pelo socio da referida massa, Antonio
    opes Pereira de Mello, os quaes serao vendidos
    para pagamento das mesmas hypothecas, as il ho-
    ras do dia acima dito, no escriptorio do referido
    agente, a roa do Bom Jesns n. 43.
    Os referidos administradores desejando nltimar a
    veoda destes predios no leilao daquelle dia, visto
    ja ler-se effectnado avenda dos ootros dons pre-
    dios, assim como a venda das fazendas e miudezas,
    bens qne perlenciam a referida massa de Pereira
    de Hello & C, convidam aos noyos pretendentes a
    comparecerem no dia, hora e lagar suprameocio-
    nados.
    DE
    am terreno no lagar da Torre, na estrada do rio
    a direita depois da ponte, e no fundo do sitio da
    familia do rallecido Francisco Gomes de Olivei-
    ra, com 200 palmos de (rente e 800 de fundo,
    contendo duas peqaenas casas (meia-aguas), em
    nma magniflca area, tudo em solo proprio e
    com cerca naiiva.
    SABBADO II DOCORRENTE
    aa II 1|9 horas
    Por intervengao do agente Pinto
    Em sea escriptorio, a rua do Bom Jesus n. 43.
    LEILAO
    DAS
    armacSes, moveis, drogas e mais utensilios
    existeDtes em a botica denominada Popu-
    lar, sita em a rua da Imperatriz n. ..,
    pertencentes & massa fallida de Goncalves
    Fialho & C.
    SEGUNDA-FEIRA 23 DO CORRENTE
    A*S 11 HORAS DA MANH>.
    O agente Dia?, competentemente autorisado pe-
    lo Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, levara
    a leilao, no dia e hora acima indicados, as arma-
    ches, moveis, drogas e mais utensilios existentes em
    o referido estabelecimento.
    O man dado contendo todos os esclarecimentos
    procisos aeba-se em poder ao raesmo ageote, onde
    pode desde ser examinado pelos Srs. pretdentesen.
    Aos Srs. pintores.
    Oleo de linhafi, o galao 1*800, no grande ar
    mazem de tintas a rua do Imperador n. Si.
    Aloga-se a casa da roa do Visconde de Al-
    buquerque n. S3, tendo urn andar, soilo e pavi-
    mento terreo, com agua e gas, pintado de novo :
    a tratar na rua do Vig-rio Teaorio, armazcm.de
    massames, n. 5.
    0 teneole do 2 batalhao de infanuria de
    linha, Jose Ignacio Ribeiro Roma, leodo no Diario
    de hoje un chamado-'do admiui-lr.idor do Hotel
    Restaurant Bordeaux, a negoeio de seu particular
    interesse, proteita contra o referido annuncio,
    porquanto nenhum negoeio tern, oein nunca tev^
    com aqaelle hotel, e prevalecendo-se do ensejo
    declara que nada deve nesta praca nem fora delta.
    Recife, 19 de novembro de 1874.
    0 abaixo assignado fazscie.te a quern in
    teressar, que tem justo e contralado com o Sr.
    Jose Hendes dr Poneeea, a armacio e ntencilios
    de sea deposito de charatos e cigarros, na pra-
    ^a do Condo d'Eu, eiqn na do becco do Tani-
    bia, por isso, se alguma reclamacSo hoover a
    fazer, depois dos tres dias da data do presenle
    annuncio oio sera attendida.
    Recife, 19 de culubro de 1874.
    Manoel Plaeido da Costa.
    Casa
    Aluga-se a casa nova (em folhaj com muitos
    cimmodos e bom quintal, com portao de ferro, na
    Soledade, roa do Progresso n. 29 : a chave, para
    ver, estana taverna que flea defroote, e trata-se
    na rua da Cadeia n. 3, Recife.
    . Aluga-se a casa da rua da Palma n. 63, mui-
    to fresca e com grandes accommodacfles para fa-
    milia : a enlender-se com o Sr. Bernardino Pon
    tual, a rua da Madre de Deos n. 3d.
    LEILAO
    DE
    urn bom piano, moveis louca, vidros e
    trem de cozinha, existentes no hotel da
    rua do Marquez de Olinda n. 64, pri-
    meiro andar.
    TERQA-FEIRA 24 DO CORRNETE
    A'S 11 HORAS DA MANHA
    0 agente Dias, competent emente autorisado, le-
    vara a leilao, no dia e hora acima indicados, os
    moveis e mais artigos existentes em o referido
    hotel
    A saber:
    Da bom piano, 1 espelho com moldara doura-
    da, i guardalouca deamarello, 1 mes-i elastics
    de dito, 4 consolos de dito, 1 mesa redonda de di-
    to, 1 quartinheira de dito, 1 aparador de dito, 1
    mesa para jogo, t relogio de parede, 18 cadeiras
    de gaarnifSo, 2 cabides, 1 deposito para facas, 11
    marquezao de amarel.'o, louc,a para almoco e jan-
    iar, copos, caliees e garrafas para vinno, bules de
    metal, 1 trem de cozinha, vinhos elicores de di-
    versas qualidades, e muitos ootros artigos que oa-
    ".arao patontoc ao in i a ou. wuvuiiuuim UU
    dia do leilio.
    Na rua das Trincheiras n. 39 se aluga uma
    casa terrea, nova, com 4 quartos, 2 salas, cozinha
    e quintal. A casa e situada em uma das melhores
    ruas da freguezia de Santo Antonio.
    ESCRAVO FUGIDO.
    Fagio no dia II de onluhrn proximo passado o
    escravo Jose, mulato, altura e corpo regulares,
    peroas arqueadas para fora, pea chatos, falta de
    denies na frente, levou camisas braocas e de al-
    godao de listras, calcas de casemira e de algodao,
    chapeo preto de feltro. Este escravo ja foi pegado
    no engenho Carrapato, termo do Rio Formoso, e
    de presumir que tomasse o mesmo destino : roga-
    se as autoridades policies e capiiaes de campo a
    sna apprehensao, e !eva lo a rua D. Maria Cesar,
    outr'ora Senzala-Nova, n. 30, que se gratiGcara.
    FUNDigAO DO BOWMAN
    RDA DO BRUM I. 52
    (Passando o ohafariz)
    PEDEM AOS sonhores de engenho e ootros agricultores, e compradores de ma
    chinismo o favor de fazer uma visits a seu estabelecimento, para verera o novo sortimen
    to completo que ahi tem ; sendo tudo superior em qaalidade e fortidSo ; o que com a ins-
    trucgao pessoal pode-se verificar.
    ESPECIAL ATTENQAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDigAO
    V apores e rodaS d agUa dos mais modernos systemas e em tamanhos con
    venientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietarios e para descarocar
    algodJo.
    MoendaS de Canna de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
    RodaS dentadaS para aoimaes, agua e vapor.
    Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
    Alambiques e fondos de alambiques.
    MacniniSIIlOS para mandioca e algodao, e para serrar madeira, jser movldos a mic
    xjuiixuAa de patente, garantidas........ \m animaes.
    TodaS as machinaS e pecas de que se costuma precisar.
    FaZ qiialquer COnCertO de machinismo, a preco mui resumido.
    r OrmaS de ieiTO tem as melhores e mais baratas existentes no mercadtK
    uIlCOninieilQaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer machinismo & vonlade do*
    clientes, lembrando-lbes a vantagem de fazerem as compras por intermedro de pessos
    entendida, e que em qualquer necessidade pdde lhes prestar auxilio.
    AradOS ameriCailOS e instruments agricolas.
    RUA DO BRUM N. 52
    PASSANDO O GHAFARIZ
    PARA ENG0MH.4K
    Precisa-se de uma ama,
    forraou captiva, preferindo
    se desta ultima condi^ao, que
    saiba engommar e para ou-
    trosmist6res decasa'de pe-
    quena familia; a rua do Ca-
    pibariben. 40.
    Aluga se
    a casa terrea da ma de Vidal de Negreiros d. 174
    (ontr'ora Imperial), tei do 4 qoartos. t .'alas, quin-
    tal e catimba : a tratar ha rua do Crespo n. 17,
    1 andar.
    Andre Avelino Pereira da
    Silva
    fi* uma carta para este seohor na rua do Cc-
    ronel Suassuna d. it.
    faria Rita Ferrciru Baltliar
    Francisco rerreira Ital'har e Da-
    vid Ferreira Balthar, po. mate profundo sentimento pi-lo pas-
    sameuto de i-ua muilu preuda mai,
    D. Maria Rita Ferreira Dalihar. fal-
    lecida na cidade do I'orto i in 20 i -
    mez passado, mandara ceKbrar al-
    gnmas missas na igreja da Madre do Bear, na
    quinta feira 19 do corrente, pelas 8 horss da ma-
    nha, trigetimo dia de ^eu passamento ; e convidam
    a todos os seus pareo'es e amigo? para a^sntirem
    a esse acto de verdadeira religiin, antecipandj lhes
    desde ja lodo o sea recouhecimento de elerna tra-
    idao.
    ODILON DUARTE & IMAO
    aBELLEIREIROS
    Premiados na exposicao de 1872
    DE
    JOIAS
    No dia 3 de dezembro proximo, se fara leilao por
    intervencao do agente Martins, de todos 08 penfeo-
    res constantes das cautelas seguintes, visto ter-
    se findo o prazo das transaccoes e seus donos nJo
    as reformarem.
    A saber :
    N. 1502, 1503, 1265, 1583, 1784, 1835, 1868,
    1936, 2050, 2091, 2095, 2192, 2251, 2256, 2282,
    2342 2397, 2436. 2448, 2458, 2481, 2617, 2712,
    2737, 2738, 2750, 2799, 2802, 2807, 2867, 2871,
    2896 2929 2945, 2972, 2987, 3007, 3023, 3034,
    3037, 3045, 3060, 3065, 3076, 3093, 3096, 3110,
    3151, 3174, 3175, 3185, 3190, 3193, 3194,
    3197, 3205, 3206, 32C7, 321', 3213, 3218,
    3223, 3227, 3234, 3235, 3242, 3250, 3251,
    3260, 3262, 3265, 3273, 3277, 3280, 3285,
    3293, 3298, 3300, 3304, 3309, 3312, 3318,
    3321, 3326, 3-327, 3334, 3339, 3341, 3354,
    , 3366, 3373, 3384, 3394, 3397, 3399, 3406,
    3410, 3415, 3419, 3432, 3444, 3460, 3468, 3480,
    3493, 3500, 3508, 3517, 3527, 3529, 2533, 3553,
    3556, 3572, 3579, 3389, 3596. \' travessa da rua
    do Duque de Caxias n. 2, 1 andar, podeodo di-
    tas cautelas serem reformadas, pagaudo o premio,
    ou resgaladas ate o bater do martello.
    Collegio da Conceicao.
    0 director desse collegio, silo a rua de Llt
    Cisco n. 72, seivese do jornal para pedir pala
    C1.."' _:!'-. --a,,., ... ihe *ao devedoras de

    WPERATRIZ
    {!. AflDAB.j
    1AUA
    DA
    IMPERATRIZ
    H. 82j
    !. ANDAR.
    Collegio de Santa Genoveva.
    Curso de ferias.
    Eslao abertas no dia 16 do eorreote aa autas
    de preparatories n>bre qua ver^am os pxhms d-*
    fevereiro a mar^i. Eslao a cargo daa aulas : d-
    inthmeti.-a, georoetria e algebro o lllm. Sr Jose
    Ferreira da C-ai Vieifi ; de philosophy, ft.-gra-
    phia e hfetoria o I !m. Sr. Dr. Bliti-u rt Soina
    Martins ; de rhetorica a poetica o lllm. .-i
    Francisco Altino Correia de A ran jo.
    \Ho ha mais eabelles
    braucos.
    Tintura japomra.
    S6 e unioa approvada pelas a.".ademiasde
    sciencias, recontictda superior a toda que
    tem apparecido ate boje. Deposito pi inci-
    pal 6 rtia da Cadeia do Recife, boje Mar-
    quez de Olinda n. 31, 1* indar, e eta todas
    as botices e casas de cabelleireiros.
    No dia 16 de mez de ootnbro proxira pas-
    sado, do correntc anno, desapparec^u da casa dt
    sua senbera, o Dejro Mance), sem nechnma *azao,
    o qual parece ter 50 annos annos, e de al'nra e
    grossura regularcs, muitopreto, tem denies sios -
    cria barba, com alguix cabellos brancos, taoto ca
    bat ba como na cabeca ; levou ves tido eal^a
    azul e camisa de rlaeaia, e foi eomprado .i Joa-
    quim barbosa dc Siqaaam, morador cm Pesqiieira.
    d'( nde e o n-gro filho. Qn^m o pegar leve-o *
    casa de sua senliora, na Pas-apem da Magd.i'.ena.
    rua de Paysaudu n. It, que seri btm recoiiprn-
    tdo._______________________________________
    I'reciia-se alugar uma MM cc-zinheira
    ?a ru da Imperairiz n. 15, 2* ai.dar.________

    Auauam de reformar o sea estabelecimento, olloc?.ndo-o nas melhores con-
    dicgdes possiveis de bem servir ao pnblico desta illustre capital, e is Exmas. Sres. n'a-
    qaillo qae fflr tendente A arte de cabelleireiro.
    Fazem-se cabelleiras tanto para homers como para senhoras, tupete, chignon,
    booms modernissimos, trangas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
    malares, (lores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
    0 estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
    geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e flga-
    rinos de modas, e por isso pode vender 2Q */0 menos que outro qualquer, garantindo
    perfeicSo no trabalho, agrado, sinceridade e precp razoavel.
    Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
    porcSo e a retalbo e todos os utensilios pertencentes a p.rte de cabelleireiro.
    llanocl Autoni|*Perrcira.
    Pulcheria Maria do Carmo Fer-
    reira h. rge, Manoel Antonio Jorge,
    Casemiro Lucio Jorge, Maria Fer-
    rei:a Jorge e Francisca de knit
    Jorge, irma e sohrinhos do finado
    Mancel Antonio Ferreira mandara
    rezar missas pelo eterno repouso do mesmo fina-
    do, na igreja matriz de N. S. daEscida, eabbado
    21 do correnle, as 7 horas do dia, fetimo do sen
    tallecimento ; e para assistirem a este ."cto de re-
    igiao e caridade, convidam a todos seus i armies
    e amigos, e aos do finado, nao teudo feito igual
    convite para assistirem ao enterro, nao so pela
    distancia do lugar, como por ter sido repeniiuo o
    fallecimento.
    Harla (to BnrroN IVandei-H'} loa
    Santos.
    Jose Antonio da Rosa, tendo de
    mandar celtb'ar uma U'.issa na Igre-
    ja matriz de Agua-lVota, as 9 horas
    do dia 27 do correuto, |ior alma da
    D. Maria de Rarros wanderley doa
    Santos, trigesiuio dia de seu passa-
    mento, por isso couvida aos paren-
    tes e amigos do mxrido e da lina.la para as-islinrn
    a este acto, e itrsde ja se c.infessa tgradecido is
    pessoas que n dignatein appareter a este acto de
    caridade.
    ultima vez as pessoas que -
    Salidades antigas e deste anno dinhe.ro de
    eronrestimo e de fiaugas que pagou, que se dignem
    aTrseusdebitos antes que e lie se veja brcado
    a lanear mao de meios que deseja an
    Para os devedores desta provinc.a-da o prBiooe
    15 dias, para os do Rio Grande do Norte e Para
    hyba e Alagoas 30, a cuntar desta data.
    Recife, 3 denovemdro de 197*.______________
    - Aluga-?'. a sala e a alcova do 3. andar do
    sobrado n 70, a rua Duque de Caxias, proprw
    Aluga se o pnmeiro andar da casa >ia Pra-
    ia do Conde d'Eu n. 21 : a tratar na rua da So-
    ledade n. 27, com Jo?6 Henrique da Silva Guimao
    ries.
    Aluga-se a casa da rua do Vi-v; iode So Pe-
    letas, ai.'.iga rua do Aragao n. is, com 2 ulaa,
    corredor separado, 4 quartos,- bum quintal e por-
    t3o : para tratar na rua >ia Ponte- Velha n. 2^
    Ap;e.noia de suprogad08
    Amas de leite, seccas, caixeiros. copeiro.' e ciia-
    dos,: qualquer senhor pretendent-, qae recisar
    dos rnesmos, pode dirigir-se ao pate-i de S. Pedro
    n 3, loja, e n\ rua da Rofla n. 19, onde poderio
    fazer 's seus pedidos pot rs-rjpto_____________
    esaudlrr0?i'atf1'u'f Af t3outWlhSar'W--'- ''
    ISj Riissrio Urga rua
    0 trinta e s<-is cor lintia
    A dispor i!'um novo sortimenlo
    De ceslos, fcafiite?, b^lsios e MWfM,
    Aos interessa'ios chegou o mmmMH
    De tudo tcrem a inlimos pnjfMti
    Ao anligo deposito de pao e tulai da roa Ur-
    ga do Ontario, chegaram da Eurcpa us mui;
    pre-timosos afafates de vime brancos e de ciires,
    para trdos.os Diisteret d;.s familia?, especialmen-
    te de costuras ; bcrros volanles para cri*a;as :
    balaios de mecinos aprmderem a andar ; btttde-
    jas medianas e grandes de d>stribuir r.up.t eu-
    gommada ; i-aiaiu.- roupeiros de KfMM) d; rou-
    pa serviila ; Jit- s de bolr [>apeis rasgaJo* Bits
    escriptoiios e cailoiios ; Jits faqaeirna d-. iine
    dilos com pe para por frrjstas na mesa ; d.i.- ra
    srs de pr'T o p?1 idT ; (raiinhcs dt na%a Jem .
    niiihos do c'DSruj para viveiro ; maiacas : b-f-
    tos de n>Vna, fcr.w; condefM e coudecinbaT,
    esta jiara doees veccos e zqucilai parascondi-
    lionar roupas bran*as e de cbiia. de quem pa*-ar
    dias no campo ; cadeiras de \.me brauci-. con
    brac.08 ccstinhas hwa, optimas para as ienn-"'-
    ras nos passeios deposilarrm objeeki : .Ate-
    zas ; ecMMMia de corr-'U-wadeira, d. no.i silios apanhartm IraetM ; tm a e \ me Ai
    (Odosos naateroa para h >s '
    mercado ; canastras de correia mai! BMM
    para a trafico do pa laria ; capacUos e> n p MM
    redondos, uio grandes; gigas de vime p : 11
    prias para :* prentas de a'godao d>-i-i>r a*
    amostras ; rclo de era branca cm u^\<, ; M
    luzes. Cc-nvidamos pois aos m.ss':s b. n fret
    ?e desta cidade, da Parihfba e Alf6, iatar-
    ui'i.r'in rOrt oriels qua er;i. li.iwiii- <''.
    da?, por iniimos prej; Aluga se o sobr.do d* roa das W*Mi n .-
    com bastantes commodos : I tn'ar na Mi de Di-
    dro Alfonso n. 4.1. i andar. __
    iviv
    It U-
    FIWIMKTE
    PARA O
    Nalal-Wia
    para moco? snlteiros : a tratar na loja.
    3149,
    3195,
    3220,
    3254,
    3288,
    3320,
    3358,
    VER
    PARA 0 PUBL1CO
    Molina
    Por que razSo o Sr. tenente Jose Caetano da Sil-
    va nao indemnisa ao Sr. editor da America i
    ARISTIDE SA1SSET E. J.
    100^5
    k t 1. -u
    n j p
    AMA
    Precisa se de uma ama
    para cozinhar, preferindo-se
    escrava: a. tratar a rua do
    Oapibaribe n. 40. ______
    Fugio da povoacao de Caranhas, termo da villa
    de S. Joio do Cariri- Velho, o escravo Braz, mula-
    to de cor clara, cabelbs chegando a carapinna, ai-
    lura regular, theio do corpo, nariz cnato, oinos
    acastanhados, perfeito de dentes na frente, tairan-
    do-lhe queixae3, barba nao muito cerraaa, pes
    camb^dos, com sigoaes deealor de figado nos cai-
    canhares, com marcas de relho nos quartos, caDe-
    ta grande, tomador de torrado. cachimbuU, sarn-
    beiro e gostador de rapariga : quem o pegar, le-
    ve-o a casa de seu senhor, o abaixo assignado, que
    recebera a gratiQcacSo acima, e mais, conforrae
    seu trabalho : pede-se as autoridades policiaes que
    I por sua vez empreguem todos os meios para a
    captura do mesmo escravo, e protesta se contra
    quem o liver occulto. -.
    Alexandre Correia de Queroz.
    Tratamento puramente vegetal verdadeiro puriflcador do sangue. sem mercurio.
    IS. de Caroba e um remedio hoje reconhecido como um poderoso depura-
    tivo e especial para cura de todas as molestias que teem a sua origem na irapureza do sangue,
    como se^ao^ as raolestias Syphilit.cas, Boubaticas e Escrofulosas, iTheumatismo, Empingess, Dar-
    tros, ^^o^^gf^^-lemVT0dM a Eisenctade Caroba por toda parte
    onde e!la tem 1M0 apropriadaminte experimentada, a tem feito adoptar como um dos med camen-
    ws mais seguros e mais energicos para a cura de todas as molestias de natureza syphihtica
    A cada fraseo acompanha uma instruc^ao para a maneira de usar.
    Pomada anli-darlrosa
    Parts. 36, Ru Vlvienne,
    WTmfi MfDICIN SPlCIIUL
    BIS EBTRRNnninrs DBS 8BXCABS iS *rKCSOM
    OU 1"
    GITAMRAS.
    Casa na Varzea.
    Para passara febta aluga-se nesse povoado uma
    ooa casa, com muitos commodos e grande sitio,
    por 403000 mensaes : a fallar na casa junto, qae
    iem terra co. ______________^________
    Ueclarafao.
    ?Jeves, irmio & C. pelo presenle declaram te-
    rem perdido uma letra de seu saque datada do o
    de maio deste anno a 5 mezes de prazo, aceita pe-
    lo Sr. Manoel Jose Mendes Basto?, de Garanbuns,
    da quantia de 800*, cuja letra toi perlida em
    viagem de Garanhun3 para esta cidade, rogam
    pois a querr quer que a tenha achado o favor de
    entregal-a nesta cidade no armazem Baliza, a rua
    do Livrament i n. 38, vistD de nada servir a re-
    ferida letra por ja estar prevenido o aceilante da
    ^Tie?ma qae so pagara aos abaixo assignidos.
    Recife, 19 de novembro de 1874.
    ___________Neves, Irmao & C________
    __Fartaram do engenho These, termo do uoni
    to a 3 mezes passados peuco mais ou menos, 2
    quartaos, sendo am rasso, preto com 8 annos de
    idade e o outro rudado, com 9 annos, tendo cada
    um delles o ferro seguinte-E N G de um lado e-
    T & Z E de outro. Gratificase generosamente a
    quem leval-os ou delles der noticias certas no en-
    genho acima.
    Convem aber que pessoa alguma se podera di-
    zer dono de taes eavallos. por quanto todos 03 ani-
    maes cavallares qne sao marcado com e ferro ici-
    ma nao ?ao negociados e motTem dentro do cerca-
    do do mesmo engenho._______________:_______
    0 abaixo assignado, encarret'ado da festa de
    N. S. dos Navegantes, pede aos Illms. Srs. capitaes
    de navios narionaes, estrangeiros das .nacSes que
    aqui se acharem ancorados neste porto, o obsequio
    do no domicgo 22 do corrente, embande*rarem
    suas embarcac5ee para brilhantismo da feslividade
    da nossa excelsa padroeira ; da mesma maoeira
    pede-se aos Srs. mestres de Mate.
    AttenQao
    Futtio no dia 7 de setembro o esrravo"do abai-
    xo assignado, com os signaes seguintes : Egidio,
    cabra, idade de 20 annos, cabellos carapmhos,
    olhos aboticados, altura regular, rosto um tanto
    cbupado, beicos grossos, bocca regular e um
    tanto bicudo, cabeca pequena, orelhas regulares,
    brEcos, a mesma consa, pernas regulares, tendo
    a es'querda e o pe inchado, por lhe dar erysipela,
    nariz regular, e b.^ai trabalhador de olaria, e
    tambem e boleeiro, e natural desta cidade do Re-
    cife, e toi comprado ao ex-capitio do pcrto desta
    provincia, Jose Joaqim da Silva Jacques : roga o
    abaixo assignado as autoridades policiaes e ca-
    pitaes de campo e de navios, a sua captura_ e le-
    varem-no a povoacio dos Afogados, que serao ge-
    nerosamente recompensados.
    Jose Buarque LCisboa.
    Contra as affeccoes cntaneas, darthros, comichoes, etc., etc.
    l-ngnento de Carcba
    Para cura das boubas, nlceras, chagas antigas, etc.. etc.
    ur:camlnie preparado por
    rt1 MAUS,
    Botica Fraoceza
    22 Rua do Bom Jesus 22
    antiga rua DA CRUZ )
    FT
    iiOUQUAY
    i
    ALTBBAfOBS DO BAaOB._
    30,000 curas das impw
    gent.puslulas, herpes,
    sarna, comiioet, acrt-
    monia, e ailerfOts, vU
    .ciosas do sangue, vi-
    rus, ealleruvoes 4u sangue. iXarope vegetal
    sem mercurio). cprtl eeo
    A*HM MiNEBARS tomao-se dous por
    emana, seguindo o tractamemo Depurativo : t
    empregado n;.s mesmas molestias.
    " Este Xarope Citraeto dt
    ferro deCHABLE, cura
    immddiatamente qual-
    quer purgacao, rela-
    xaeao, e debiUdade,
    b ifualnflltm oo ji.uj.os floret brancos dat
    mulheres. Esta iuieccao benigna empregassa
    torn o Xarope de Citraeto de ferro.
    enirrsMMt Pomuda que as cura ems dias.
    POMADA ANTIHilRPETICA
    Contra: nas affeccoes cutaneas e comixoee.
    PI/.ULAS VEGETAES 0EPURATIVA5
    4 Ohable, cada franca vrai accumpabada
    de um folheto.
    AVISO A08 SRS. MEDICOS.
    Cura eautrrhoi, lostu
    coqueluehes, irritacdu
    nervotai tat dot arm'
    Chios e todas as doeneas
    do peito; basta ao doenU
    suns eolhe rchdea deeta xarope D' Forset.
    Vr. 1*'-" b Paris, rma Tlvteaa*, .
    DE PUR AT IF
    .in sAJxa
    PLUS DE
    COPA-HU
    Ua testa lodo* desejam
    I Ver o dia refp!end"nt<\
    Dia qas DOS fevj i
    Po iulniio a< sttoras
    Teem as almas sepnltoras
    \as estrelias i|U> rrannn jaui i
    R i ~s(> dia era q m t
    nil rasfar **>,
    A ciatera aa alegria :
    E* preeteo ^iiMlaf
    Da para tasttwi
    Vetmara fi i !
    Do On: ::'in?iea.
    Porqne so assim letfc
    A sclruria do prater :
    Comer bem, melhor bebt-r
    Sjm receio damaldade
    Nem ^ \d super.-ticfo,
    ^^; jauiaii e< asaaouai
    ''lp-.la!:1. r s Irhfrw '
    j tgrceres dain -ti; >3^ \
    |rr*
    k
    I
    DrFORGET
    DepOSitrT hot:ra -Franceza
    22Rna da Cruz 22
    Vigor do Cabello
    i
    VV1S0.
    ARMAZEM DO VAPOR FRANCEZ
    N. 7 Rua do Barao da Victoria, outr'ora Nova' N 7.
    O dono des'e estabele-;imeEto tendo de ir a Europa, vende a precos baratissirnos odos osseus
    airigos, como sejam
    G actual admini3trador da grande propriedade
    Apipncos, achando se em embaracps para poder
    regularisar o interesse de todos os consenhores da
    mesma propriedade, por if so pede aos mesraos con-
    senhores que tenham a bondade de comparecer
    no escriptorio di capella de mssa propriedade, as
    3 horas da tarde do dia 29 do corrente, para uma
    reuniaoextraordinaria, afim de roostraros emba-
    racos que tem encontrado em sua actual adminis-
    tracao, assim o eipera o mesmo adminis:rador que
    Vv. Ss., alem de seus interesses, comparecam no
    dia acima indicado. Apipncos, 14 de novembro de
    1874.______________________________________
    Pulseira perdida.
    Pordeu-se na noute de 16 do ccrrente mex, ao
    entrar para o palacete da Associac.ao tommer
    cial Beneflcente, uma pulseira de fios de peroas
    com fecbo de brilliante : quem a liver achado
    e quiier restitui-la, diriji-se a rua da Aurora,
    casa n. 69, qae tern re"ompensado.___________
    Aluga-se pelo tempo da fesu uma boa casa
    muito fresca, sita a estrada da Torre, a margem
    do rio : na roa do Marquez de Olinda 0. 61.
    para
    Galcado franeez
    homem
    Hfnhora.
    nieninos
    e meninas.
    Botas
    e perneiras inglezas
    de montaria.
    Kiobilias dc ^ijie e de faia^
    Vende-se muito em conta, cadeiras avulsas, de
    balanc/), de bracps e de dobrar.
    Perfumarias.
    Finos pxtractos, banhas, oleos, opiata e pds den
    imito, agua do flor de laranja, agua de toillete,
    divina, flOrida. lavande, pos de arroz, sabonetes,
    cosmelico^, muitos arligos delicados em perfuma-
    ria para preterites em frascos de extraclos, caixi-
    nhas sortidas e garrafas de differentes tamanhos
    d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
    dos bem cochecidos fabricantes Piver e Coudray.
    Bods pianos.
    Djs melhores e mais modernos mcdelos de
    Blondtl : vende-se, troca M e aluga-se.
    Quinquilharias.
    Artigos de differentes gosto* e
    phantaslafl.
    Espelhos, leques, luvas, joi.isd'ouro, tesourinhas
    canivetes, caixmhas de costura, albuns, quadros,
    e caixinhas para retratos, bolsinhas do velludo,
    dilas de couro, e cestinhas para bragos de meninas,
    chicotes, bengalas, oculo, pince-nez, ponteiras para
    charutos e cigarros, escovas, pentes. cartirinha de
    madreperola, tapete para lanternas, mala3i bolsas
    de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
    pos, lanternas magica?,cosmoramas, jogos da gloria,
    de damas, de bagatella, quadros com paisagens,
    globos de papel para ilfuminacSes, machinas de
    fazer cafe', espanadores de palhas, realejos de veio,
    accordaos, carrinhos, mamadeiras de vidro para
    dar leite as criancas, e mnitos outros arligos.
    Brinquedos para, meninos.
    A maior variedade que se pode desejar de to
    dos os brinquedos fabricados em diffemtes paries
    da Europa, para entretimentos das criancas, tudo
    a precos mais resumidos qne e possivel.
    DO
    Dr. Ayer.
    Para a renovacao do ca-
    bello, restituiclo de sua cor
    e vitalidade primitiva e nat-
    ural.
    O Vigor do Cabello e" uma preparacSo ao
    mesmo tempo agradavel, saudavel e efficaz para
    conservar o cabello. Por meio do seu uso o
    cabello ruco, grisalho, e enfraquecido, dentro de
    pouco tempo revolve & cor que lhe 6 natural e
    primitiva, e adquire o brilho e a frescura do
    cabello da juventude; o cabeljo ralo so torna
    denso e a calvicie muitas vezes, posto que nao
    em todos os casos e neutralizada.
    Nao ha nada que pode reformar o cabello
    depois dos folliculos estarem destruidos, e as
    glandes canSadas e idas, mais se ainda restarem
    algu-ms podem ser salvadas e utilizadas pela
    applicacao do Vigor. Libre de essas substancias
    deleterias que tornam muitas preparacoes de este
    genero tarn nocivas e destructivas ao cabello, o
    Vigor somente lhe e beneficial. Em vez de
    Bujar o cabello e o fazer pegajoso, o censerva
    limpo e forte, embellizando o, impedindo a queda
    e o tornar-se ruco, e por consequinte previne a
    calvicie.
    Para uso da toilette nao ha nada mais a dese-
    jar ; nao contendo oleo nem tintura, n5o pode
    manehar mesmo o mais alvo lenco de cambraia;
    perdura no cabello, lhe da um lustre luxurioso,
    e um perfume muito agradavel.
    Para reformar a cor da barba, e* necessario
    mais tempo de que com o cabello, porem se pode
    appressar o effeito, envolvendo a barba de noite
    cem um lenco ,molhado no Vigor.
    PBEPARADO FOB
    Dr. J. C. AYER & CA., Lowell, Mass.,
    Estados Unidos,
    VkUsUco* fracticos 0 ^nalytieot.
    VB3N.DB3 SB POR
    x:nopi
    Do pr-zerviva o reqaiMe
    Al gra c .u... tr
    E da m-sa a iaafrijuao
    Repari m : .1 segninte :
    Mesa giganta.
    Presun'js, flan 1: :.....--, ..:iiica?,.alaM
    H ; Iambi le p r ? > '
    osfras, lagostas e eoe w m '-eiviiras; r. rx-
    legunirr e cliairipigiioi.s : ^uuio-i iMMq |-i -
    lonlrinn ; deces cm calda e de j iuba :
    - .. : si ama
    a : aletria, ulMmm macania ; n
    I :., ,i e cinc'ienl.i qualidades dc mat *
    nutri: iiies ; cda. nit-*, calf e abtMlMa
    uespaunol, fbtUtnttt e nacimal; bulaihiuh;.-.
    bolinhes e confeitos, i > ;>t- e fi ocpxa .
    banha, arroz, batatas, ctbo.ias, alhos, a
    pimen;a, mo.-iaida a molho iaglet; cen
    dra, ^iiampagne, cognac, fcenehra, besp re In
    -. licores e afoardt-Lte de canna; vita:*
    de Li?l a, Figupira, dr : .r .-, C<.llarrs. Bair-
    rada. Bastos, Porto, Borgcuha e Hoide.ux ,
    gsrros, cbaraMM e nma grande'f gieanta ? I paBV
    tidade Oe victoalhas rar-< e rxdttntM, rio fal-
    iaado La: especiaiidadei il ,
    allerTi^-;, irglezos, turcc. chintzes, holl ndeze-.
    tialiau -, prussianos, hac urgnezes e aaicfic:.-
    uos 1
    A16m do que:
    En ntra ?e um immm-o ceposito de M*Ma-
    d;s, como sejara : vclaa taradas, (?) torcicas (li -:
    de ecores, bilhas, quarlinhas, e outns mui-
    tos cbjfClos de grande? [I'.niisias ; assim cimo ;
    maravilhoso oleode mmrrr:->na prepared." expr-
    sam?2te para combatera ciganwnania i aff
    car o systema nervoo I \>r para crer.
    Distr.cjOes:
    O amaates das p^lesira1:-~ i fUnp, tkt i
    trarao no fundo do estabelocimento, ale"fn le mr -
    t fresco e agua fria, bancos macios e mvas as-
    s-.ndi-. desinadas jo renica dr? lunrhs qn -
    imsmos amantcs ia>rlo ramresram a-;oaa nu-
    vioso de uma elegante musica romposta iH
    lhres a:.tores americanos e cce wa coadjovad -
    per jma bicharia domestira e Interessanie.
    Moralidade dacousa.
    E' immeneo o S'rtiiNnto
    E se vende pel.: cust...
    Pelo que i muito justo
    So ao Care pos con ;irar ;
    Visto que e um portento
    Dos generos o paladar !
    Ao commercio.
    0 abaixo assignad i deelara que nest- dab yea-
    den feu esUbewciu ento dc molhados, 'it, ca
    SanfAona, aos Sr SotaiaBa & Hicao, Hvj t
    eii.baracado de qualquer onus, firandn activo
    e pativo a cargo do abaixo a-sig;
    Sanl'Anna, 16 de outnbro de t874.
    ^ Pamphilo Jnllo da Costa C'-ae
    iscrava de boa conturta, prec*a para
    le sua li'.i'rdade, da quaatia i
    ser ama da ijesa-.a qn^
    tia atii sBr desconUu.i : qe
    i negoeio, liirija-ae a rua- twg*
    I-Aiaga-se o 3* aniar com soiao da
    ma d Imperatrii n. 53 : a traUr na roa ao
    :ao da Victoria n. 57.
    a
    Bv


    I -,
    TT
    - F
    Diario tffr "Pernaitfbndo Sexta fefrfc 20 cfe Nflrsmbre 4b 1W
    Toda attencao '
    afcrlu se, com frenip para a rua da Amizade,
    jriferr Kt poUms de (undo, uioa jiorcao de opli no
    Mnu para e. tirad.i do sitio contiguo
    *ipr-ii de rt. Jose do Manguinno, do preca de
    S** jit pu'ui'. Aquella frcrte e toda mnrada,
    aaacomoa pane posterior e a lateral extreroa:
    m iMt^mleirtes poiera eoten'er se com o Sr Dr.
    Wbgis*_________________________________
    AiSfhados e afilhadas de An-
    tonio de Azevedo Villa-
    rouco.
    Ibiioei Azevedo de Audrade, testamenteiro do
    ''oiL^ abJ. nio do Azevedo Villarouco, faz sciente
    pan cnheeimenlo dos interessadi s, que alii h. n
    a*,iC do correntc mez, Ihe foram apresentadas as
    amias** de baptismn dos aiilhados e afilhadas do
    W&n SuaJo em uuiuero de 8, e sao as segaiotes :
    Mb, flllia legilima de Maooel Bento de Menlon
    $s e & sua mulher Ruza Maiia de Je.-us Anto-
    ski, fitoo lepifimo do Dr. Miguel Joaquim de Cas-
    B* Hatfcaieulias e de sua mulher D. Isabel Emilia
    CBpiire- Mascarenhas-Umbeina, filia legilima
    it Ji-.si Fern a d.' Bastes e de sua mulher Candi
    4i Evk-don de Je.-us RastosAotouia, filha legi-
    data-tle i se de Azevedo Villamuco e de sua ma-
    9ar Maria Frauauca de Biito -Jo ephina, filha le-
    mM&x. i-.-. Juao Maehado Brandao e de tua mulher
    Iks-. Mafia to Oiiveira -Maria, lllha legilima de
    IfaaaMpXavier de Sa Leitao e de sua mulher
    Stu Baptist* de Sa Leitao Jao, (ill) j le^itimo de
    JfcBfcaw Gone,lives P< rreira Junior e de sua mil-
    Vr Gwthermina Goncalve* de Paula Ferreira
    ftrallin. Ilha I' gitima do Francisco de Ainaral e
    Je *!ii BDuiber E nilia Roza de Jeso*.
    F* mais sciente o abaixo a#Mga&Jo, que, peran
    BtlDai. e Kvtn Sr. vig.irjo ji'-r I deste bispado.
    sjti urn fil-n i! daa-sio .-ua ju.-tilieaca) ali'.i d provar que tam
    iets S afllbad > do referido Villarouco, visto que a
    BSda sir bapliamo por clle exhjbida nio prova
    Se-i.vji: para poder ser altendido.
    Dttatfa mais o abaixo as-ignido, que tend.i
    ndaMioj pablicar em Portugal um aanuncic con-
    ijjiaifn oa afllbaduS'a afllbaaaa d.> niesmo Villa-
    HK.c- ;u? D'aquelle reinu houve-s- m,a igunlmen-
    *j: v habiiitar>)in codi anas eertidSes de baptisrao a
    aaurer ao legado qao Ihes foi deixado; aguar-
    Aia>tigada it proximo paquete di Boropa a 25
    sa Sr c irreaie mez para ver se p' r elle vein
    afcra tertfdao ; e logo em acto coutinuad* pro-
    &r2 a. divifai dn qnantia di-ixada coffl a iguil-
    rlarfr- r^eommen-lada pelo tcstador.
    . II de novembro de 18"i.
    Mr.noel Azevedo de Andrude.
    Village Pahnares
    Na padaria denoiiinada Manrity, sita pa praQa
    de.-tu norne, ea.-a de azulejo, u. i, dtsla villa, esta-
    belecimento de Francisco Serapbico de Asfis Vas-
    conjellos, (abrica-sc com a maior perteicao, lim-
    peza e barateza. pao, boheha, e tudo quanto se
    p6de obter da farinha da trigo 0 anonnciante
    protesta servir com esmcroe agrado a todos qnan-
    tosquizerem honrar sen estahelecimento e se eons-
    lituirem ffeguezes e consnmidores.
    Moleque fugido.
    GratiQca-se com 80,000 reis a quera pegar For-
    tunato, moleqae de 13 a ,14 annos, preto, baixo,
    cheio do corpo, ro>to e o'abeca redondos, nariz 3
    cbato, cabello3 carapinhos e corlados de fresco ;'"
    ausentoa se na tarde de 10 deontnbro do corrente |
    anno, com camisa de madapolao, calf a de brio
    de cur, desbotada, e cliapeo de rnassa preto. Gra-'
    tifii-a se na rua da Cadeia do Recife n. 39, on na
    rua da Aurora n. 165.
    0 ABVOGADO
    Ernesto d'Aquino Fonceca.
    Pateo tie Pedro II, n.
    PENHORES
    Natravessa daraa
    das Crazes a. 2, pri-
    meiro andar, da-se
    dinheiro sobre pe-
    nhores de ouro, pra-
    ta e brilhantes, seja
    qual for a quantia.
    Na mesma casa
    compra-se os mes-
    mos metaesepedras.
    Ama de leite
    Quera neeessitar de ama ama db leite, escravi,
    sadia, sem vicios, e que nao tahe I rna, dirija-se a
    raa da Aarora n. 39, 2 andar.________
    Hrecisa se de nma ama, forra ou es-
    crava : a oua da Cadeia, ( Marqnez de
    n. 52, 3. andar.
    Ama
    Olioda
    Ama froci^a se de unn ama para cozinhar
    Hiiia> para cas4 (je faaiilia de tres pessoas :
    a entender-se na raa do Cabuga n. 3, loja do Col-
    lar de Ouro.
    Ama de leite
    m
    IV
    diu I'iisiiiGGLlR.
    Ru&daRoda n. 48,sol)r;ido.
    frkaerts Ultras, portoguez, frauciz, iir-
    g|*2. deseuhu linear e music-i.
    Sfib h dtrec^ao ,<1" pri>fi-s Bedngoes Hi: Siqui ira fuftcci inam ditas au-
    x?5 todos os tiis uteis.
    Rceebe alumoos inttrnos, roeii) pensio-
    fetase eitprnns ; f rnece t'.Ho o material
    fss& tfscripia (i livros aos principiantes, por
    jarrff'3 muilit rezoavois.
    Escravas.
    ' FV'!*' se C Anas iue se}am prtitis engiMn-
    s& : e qn" enteniam >ie eostnra e ensaboa-
    #>,; in .'ill!;;:!'! : no Munpuinli \ sitio n
    *fe i>fi ciuzenlo e portae do Tiro.
    2 andar
    Aluga-se o 2* andar do sobrado n. 70, a rna Dtt-
    que Ue Caxias : a tratar na loja.
    ADVOGADO
    BACBABEL JOAQCIM CUBSSES DA
    SILVA MELLO.
    S3 Rua eatrefta do Rnsnrin 9M
    prlmetro andar.
    m AW\SK> j iK ('iisaliorio medico
    DO
    Ur. Murillo.
    RUA DO V1GARI0 N. 1, 2.' ANDAR.
    Recem-chegado da Earopa, onde fre-
    quentou os hospitaes de Paris e Londres,
    podera ser procurado a qualqner hora do
    Gia ou da noite para objecto de sua pro-
    fiasib.
    Consults!) da 6 as 8 horas da manhS e
    do meio dia as duas horas da tarde.
    GRATIS AOS POBBES.
    Especialidades : Moiestias de seohoras,
    da pelie e de crianca.
    98 S
    :
    de
    a
    a I! .: .r
    se
    Crnz
    las Almes
    m ii i:dad
    noiS
    se p lemp I. i .., casa em
    . n::i de S. Pedro Nnvo, eom 't luartos,
    '.-.' iu ..:: .! -.. quintal murado,
    Hi '-i rn.i n. 39.
    Cravos
    Na rua da Uui3o, atraz do Gymnasia, ns.
    i7 e 49, vende se sempre cravos brancos e
    encarna'ins.
    Fedido
    0redactor di periodieo America Illuslrada man-
    de indemni^:r ao abaixo assignado.
    ____________Manoel Rjdrigues Pinheiro.____
    ALUGA-Sr-
    u^ia grande casa terrea com bastaotes commodos,
    sita na esiraJa do Lucas : a tratar a rua do Vi-
    gario n. 31.
    ALUGi
    tinkns e dot'iiiidoi fres-
    ; i:ii! s. c zinba e boa
    a tratar na rua Nova,
    ; 2 M-; :s
    itu : n.i :

    ff
    U
    ama casa m-s Afbgados, rua do Motocolombo n.
    18, cont^ndo duas sala.-, 't quartos, cozinha fora
    e quarto para criados, grande quintal, com ca-
    cimba de agua de heber : a tratar no Recife, a
    rua do Afamo n. 13, 3ia-Vista.
    OLINDA
    Alugam ro duas casis terreas c m bastantes
    cotnm^dos, encanam.jnto d'agua e gaz, quintaes
    r.-.ndes e murados, na rua de^S. Pedro Novo ou
    dTSr. Bulim.
    a '
    .
    ',-
    campos oi Hiraniu
    E SE^i RIVAL
    ieu genero no'hunt
    the]: -
    . Ihar.

    IQH
    Aluga-se uma escrava para o st-rvijo de co
    ziuha e as respeMivas compras, e um escravo pa-
    ra (> servip) de carroeas, relinacao, padaria, etc. :
    a tratar na rasa n. 69 da rua de S. Joao.
    MOFINA .
    Esta encoura^ado 11 !
    Agua mole em pedra dura
    Tanto da ate que afnm
    Roga-se ao Dim. Sr. fguacio Vieira de Mall
    eacrivio na cldade do Nazareth desta proTinefa,
    favor de vir a rua I tuque de Caxias n. 36, a con-
    cluir aquelle negoclo tpie 8. S. se comprometten a |
    realisar, pela terceira chamada deste jornal, em ]
    Qua de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
    passon ATevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;!
    por este motivo e de novo ehamado para d
    fim, pqis S. S. ae4eve lembrar que este negoci
    de mais de etto aimos, e qnando o Sr. sen nlbo
    achava nesta cidade.
    Aos 5,000 covatJos de la
    A lOO rs.
    Na loja do Pavao vende-se lazinhas de muito
    bonitos sostos e delicados padrfies, fazenda nova
    no mercado, pelo drffiinuto preco de 160 rs. cada
    um covado quem deixara de fazer vestidos de
    la t5o bonitos e por tio pouco dinheiro ? Porne-
    cem-se as amostras: na rua da Imperatriz name-
    ro60.
    LIQTJiDAQAO.
    i 0 Paris n'America esta liquidando os calcados
    peles seguintes precos :
    o segundn andar do sobrado sito a rua de Pedro < Botinas de duraqne, de cores, com canno alto e
    Affouao p. 59. com agua de Beberibe : a tratar a laco, a Luiz XV a 5*000 III
    rua do Vigano n. 31. i Botinas da duraqae, de cores, tardadas. canno
    i Alnga-ae o arniazetn e o !. andar do sobrado '?'?* 'j' ,,____. .__,.. ,
    da raa doe Burgos nil, assim como uma quarto ** S?m i!?? a3.f: t l
    por detraz da rua da Sanzalla Vetoa. (Beccotapa- f.^0*3 Prelas 8PM*.canD0 *' 4*' 5* e
    do) e uma outra casa na rua do Lobato n. 4 (fre- *^Ji;
    gnezia de Santo Antonio): a tratar na raa
    Praia n. 20, com Jose Peliciano Nazareth.
    Vend*
    e-se
    nma casa na viMa de Barrefros-, ea ra de Co*
    mercio, por preco modico : a tratar com 1w
    Irmlos & C._______
    Precisa-se de uma ama de leite
    Bom Jesus das Crioulas n. 40.
    na rna do S.
    Aluga-se
    da
    Ama Preeiia ee aldgar nma ama que sirva
    I\.Illdi p8ra carregar um menino de 10 mezes,
    e mais algam service : a rua do CotoveHo n.
    129.
    Botinas li-as eenfeitadas, para meninai a 3/,
    Bitinas de Sazer, de cordovao com pontelra ee
    verniz, para bomem a 8/. Aproveitem, que e
    barato._____________________________________
    Cura das hernias, pelas fun*
    das de borracha.
    andar.

    E. A. DELOUCHE
    M-Ria doMarquMdeWinda-M
    Esqulna do beeco Cargo
    Participa a seas fregaezes e amigos que mndou
    o sea egtabelecimecto dc relojoeiro para a mesma
    rua n. 24, onde encontraF.ao um grande sortimeuto
    de relogios de parede, aoericanos, e cima de me-
    sa, dos melhores gostos e qualidadcs, relogios dt
    algibeira, de todas as qualida'es, patente,suiso,
    de ouro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
    gios de onro, inglez, descuberto, dos melhores
    fabricanles, cadeia de ouro, plaquet a prata, lunetas
    detod?s as qualidades, tudo por precos muito ba-
    ratos.
    a mm a Precisa se de pma ama para
    AlJWim coraprar e cojinbar, para casa de As melhoros e mais aperfeicoadas das atenoje co-
    pequena familia : a rua do Crespo n. 18, segundo nhecidas.
    Vende se
    n*
    Pkarmaela e Drogarta
    de
    Bartoloxneo dt C.
    A'
    34. Rua larga do Rosario 34
    Vaccina. Vaccina.
    AMA
    Preciia-se de uma paraco-l
    uhar e comprar para duas
    pessoas : a rua da Concordia'
    __n JO__________________I
    Preeisa-se de uma, perita ciziuhei ra
    na raa do Llmmento n. 6, loja
    AMA?
    Ama de leite.
    Tendo b Sr. Dr. Jose Loarencp de Magalhaes,
    , inontado na corte um completo servico deste ar-
    Precisa-se de uma, para lama crianca de tigo, tem aqui aberto um deposito da melhor e
    poncos dias dias : na rua Direila n. 2, defronte; mais recente, cujos tubos se encontram na
    da torre do,-Livramento. Pharmacia e drogaria
    A
    34rua larga do Rosario 34.
    Burilis.
    Imperial fabrica de rape
    Aluga-se o sitio dos Buritis, no Arrai I. com, a n Afi\ff\T>\i>n /$* C*
    plantacSo de mandioca, macacheira e gran baixa area ntia Qe JYlOreira GZ \J>
    de capim, tem excellente casa para rr.or. a, ba-
    nho e muilas arvores fractiferss : a tr..Mr no
    mesmo sitio das 6 as 8 horas da maoba e das 5
    as 7 da tarde, oa na rua do Amorim n. i (>, das
    10 as 3 da tarde, nos dias uteis.
    t
    da Bahia.
    Oeste excellente rape, que se torna recommen-
    davel aos amantes da boa pilada tem estabeleci-
    !do esta fabrica o seu deposito a rua do Commer-
    &ZJ
    Cfferece-SH uma etcrava, mulata, c mi habili-jcio n. 5, que vendem por Junto e a retalho, fa
    dade9 para casa de familia : na rua da Imperatrii zendo se vantagem a quem eompnr porcao.
    Fio de algodao da Bahia.
    Teem para vender Joaquim Jo9e Goncalves Bel
    trao & Filho a rua do Commereio n. 5.
    Salsa parrilha do Para.
    Chegada recenlemente teem para vender Joa
    qnini Jose Gongalves Beltrao & Filho, a rua do
    Commereio n. 5.
    5=2 3 S fgi
    r":

    -a 2
    o 3.3
    o. ^ M =
    Sf5-*si'S
    4OU
    CB O O
    CD =~ O -o
    f
    8K
    3 3.3-B
    2 g' 3 =
    I3ST3-
    3 a o
    3 o
    o E o
    a S a. 3
    f S o. n
    S.S :-
    9-a
    a> 3
    a> T3
    . ^ -
    C -1
    r. 0<
    a a
    'sa
    s s
    II w
    3 ^
    3S
    fa O n
    sa-
    cs
    c <
    < s
    3
    B
    S 3
    sl
    5 S 1
    2 B
    CD
    O
    9f>
    M
    tC-3
    . o o .
    . o -,
    K =
    o .
    Bas.
    H _&>
    03 g
    w 5 _
    CD
    0
    s
    s x
    cs-
    5S
    S=K=
    < S
    W5
    3
    32. 5

    M
    0.13
    0
    p 0 de
    -

    : I
    1 im a reco q| :
    o'o impel i .
    sua
    : 1.! .
    > X'M. ronsell eiro mi-
    I -i? com a
    s 1 I !" provida
    C' uli'it-i: i do C-mpos
    de iu a quanto 0 pre-
    [linguem falw cu-.t bl-
    ISli VP:
    lull
    Desappreceu de uma casa rte familia, no
    arrabalde i'aruameirim, um par de Lrincps de ou-
    ro, cm forma ile glolio (phrase vulgar,*a balac) e
    um pince ne^ de mola, inglez, Jcom 0 ncme
    do fauntaute, um trancelim fino, preso ao raesmo,
    tudo de ouro : chama-se a altengao da policia so-
    bra 0 raptor de laei objecios, assim com-) pede-
    se a qualqner pessoa qn noticias dt Ile ti-er, ou
    qoe Ihesejart m.smo oflerocidos a ngocio, abon-
    dado de dnigir se a esta typograpbia, onde dir-
    s6;ha quem e seu legitimo dono.
    qua!!
    lXznheiro
    A;.rr.ii B o : i.. .c
    , :>r '
    recisa de
    id
    h i
    ~ : > t :: ;:.. j. :>-. ,r ::
    ** '" ^L*1' ,: '- ^ n pfeiio d banhu
    M sti'S : n"' 11 1 nder, d rija-se ao sitio
    di Ha acl iar.
    P

    .... .,. !,, ,. j
    !r tar .1. .
    1 1 m para venter
    .. 1 i' andar.
    Yidf
    it
    ' :.i-. 1 .Ii
    ara espelh >s
    e Oe
    . rua c"a In peratriz
    ade ii"s mpradorea.
    r qua,, ,;..;,; ;
    Corta .in
    Engommadeira.
    Preeisarse dc uma engommadeira para engom-
    mar para duas pessoas: a-iratar na travessa da
    rua do Vigario n. 1, das 9 horas as 4 da tarde, ou
    no segundo sitio, depois da estacau do Chacon.
    Sabonete^regetal pre-
    servative do conta-
    venereo.
    I
    !
    O Monte Lima
    tem um completo sortimonto de galao e franja de
    ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
    abotoaduras douradas para officjaes, canutilhos e
    enfeijes para bordado. Tarabem se encarrega de
    toao e qualqunr fardamento, como seja : bonets
    Ulms, pastas, espadas, dragonas, charlateiras, ban-
    das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
    etc.; assim como um completo sortunento dt
    ranjas, galao falso para ornamento, cordao de la
    com borla para quadros e espelhos (conforme 0
    gosto da encoinmenda) tudo por muito menos
    preco que em outra qnalquer parte : na praca da
    Indenendencia n. 17, junto a loia do Sr. Arantes.
    Hotel Restaurant de Ror-
    Pede-se aos Srs. abaixo meacionados, 0 favor de
    apparecerem no dito hotel, para se .-ntenderem
    com 0 admimstrador, a negocio de sens particula-
    rs interesses :
    Salomao (mascate).
    Manoel Araaneio.
    Luiz Imhalz.
    Jos6 Ignacio Ribeiro Roma.
    Joaquim Pires Ferreira.
    Cruz Ramos (guirda-tivros).
    Gabriel (mascate).
    ' n
    I
    LIQUIDACiO
    Loja de fazendas
    DA
    Rua do Crespo n. 20.
    Las de cores mindas muito boa para roupa
    meninas a ICO e 900 rs. o covado.
    La pretas, strperror, a 400 rs. o covado.
    A\p acas de cores finas a 320 e 300 rs. o eova ^6 se vendo.
    Ditas com listras abertas. fazenda ina, a 600 rs. <
    covado.
    Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
    Metins de cores mrudas a 280 rs. o covado.
    Cretones, o melhor que tem vindo ao mercado i
    400 e 440 rs. o covado.
    Camirraias brancas, bordadas e abertas, fazenu.
    mitts floa que tem vindo ao mercado, e laseaii
    de 2^000 o metro, por 1*000 a van ; p*
    cbincba.
    Ditas pretas com Bores mindas a 200 rs. o eovtic
    Cambraia transcarente. Mm, a 3d a peea-
    Dita Victoria, fma, a 44060 a peca.
    Organdy de assento branco e de cores, cctn Mi
    res mindas de seda e de li, a 406 rs. o eossdc
    B' pechincha. ___
    Cortes de casemira de cores modernas a SdlOO i
    corte ; e fazenda de 8z. E' pechmeba.
    Camiaas de liabo finas, lisas, a 354 a duzia, e fa
    xenda de 554.
    Brim branco de linho a 14400 a vara.
    Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
    Madapolao fcaacez verdadeiro, 24 jardas, a 94
    74 a peca.
    Algodao T, largo e superior, a 54 a pe^a.
    Gorgorio preto de seda para vestido e para eolle*
    a 34 o covado
    Toalhas alcecboadas a 44500 a duzia.
    Colchas grandes a 34500 nma.
    Cobertas de ganga, forradas, a 34-
    Lengoes de bramante a 24 um.
    Lem.-ns de linho, abainhados e em caumhas >
    3/300 a duzia.
    Ditos de caca de cores abainhados a 34500 a do
    zia.
    E outros muitos artigos que se vende por x
    nos do que ontra qualqner parte e para se d*
    So na lorem queiram mandar ver as amostta.*
    enganaja de
    Gailheriae j C._______
    Para o fabrico de chapeo?
    A NOVA ESPERAXCA receben o arame pru(ir
    para armagSo de chapeos.
    Fechaduras de broca.
    Teem para vender Joaquim Jose Goncalves Bel-
    trao A Filho, a rua do Commereio n. 5.
    Pwpwtis pm balks.
    Chegaram em boa quadra, para a loja do Passo,
    riquissimos coites de seda com largas listras
    achamalotadas e lindissimas cores ; cortes de tar
    latana com palnm bordadas a prata, proprios
    para Dailes : so na laja do Paaso. a rua Primeirj
    de MarQo n. 7 A.
    BAZAR
    DAS
    FAM1XIAS
    Ru i Duquc de Caxias u. 60
    Para a iesta


    Aluga-se
    i as 'a casa o. 32 'a rua d Marcilio
    ; reira : a tratar ni boii-a d, rai lar-
    TOUA DI VINA
    -E GOUDRAY
    ['DITTA AGUA DE SAUDE
    ?recon1tsda para o toneador, como eonaerrando
    i *mtaotemente aa ballai cOrea da mocldade, o praacr-
    { rac4o da peats e do cholera morbo.
    1DTERTEHCIA IIPORTAHTE
    Umas imitates e falsiflcacSes fraadolentas,
    i* mais rcies 'damnosas a saii'de, eiciladas pela
    Siiaa Uo justameste adqnirida pela Agua di-
    vina, obngao-me a recommendar aos consami-
    C'ire< de recoohecer unicaraenle como legilimas
    garrafas no gargalo das qnaes acba-se nma
    vtqnenna ttxa con a minba
    c ma e marcade fabrica.
    PARIS, IS, roe 4'Enshlea.
    ceostra-ie am caaa de todoa M prl nolpaea Perfuraliti
    Pbarmacentleoa e eabellerairoa da Amelaca. -
    'iVIMbEO'UINBUINA
    .FlBHUeiNEHXaeMOITIEIi
    *..... I-B fa P7r*a)fcobt* 4e '
    tmrr*. Este vtaho foi preconiwdo por toda a
    Btvpren-a medical comosendoo mais poderoso
    i.d.co empregado para nr a C!lobois.
    1 iintma o Ehmnstjcio o sancoc
    Deposito geral eni Paa.g, u.ni dei Lom- '
    u-l, Laurenccl, pharmaceuUco. i
    ^rnamtmco, A. REGORD, e nai nriaei-
    ! "*~ aermacias. *
    gio
    A descrberta de um meio preerrativo
    da iofec.-So syphilitica tem occupado a M
    alteni.ao de muitt.s medicos nuUveis '
    1 desde epoca mui remota, a isto movidos,
    sem duvida pelo desejo de pouparem a
    Uumanidade as funestas couiequencias
    - do contacto e absorpgao dc um pus tao |)
    maleflco. V
    0 Dr. Antonio Ferreira M'-ulJoho, dis- tincto medico na cidade do Porto, e.ho- I
    mem abastado, que com o mais desin-
    tercssado empenho se entregou por
    longos annos ao estudo e ensaios' para at-
    tingir nm tao louvavel qnao humanitario
    desideratum, julga ter descoberto subs-
    tancias vegetaes, que reunidas em for-
    ma de sabonete, prodozera com emcacia
    e de uma maneira infallivd c pretendi
    do eftaito.
    Sua convieeao 6 tal, em viita de nu
    niero.-as experie,ncias feitas n; hospital
    da cidade do Pprlo, e do t^m resuilado
    que o publico tern obtido do use de tal
    preparacao, que tile offerece o promio de
    um com. de reis fortes, ( come se lt5 no
    jornal Actualidade do Porto de 2 de
    maio deste anno ) a quem Hie prcvar a
    iuiproflcuidade de aeu invento.
    Por autorisacao do Dr Moatinho, o
    unico depo-ito de sens sabi.netes para
    esta provmcia e para todas as provin-
    ces do norte, e a Pharmacia Central, e
    para obstar a qualquer fraude serao cpn-
    siderados falsiflc dos todos os 3a.bone.ies
    qua nao levarem o rotulu deste estahele-
    cimento.
    Ph-rmacia Central
    38 -Rua do lmperador 38
    l}| aaaaaMgMPaaiaal
    v40rC0MMERC10
    E a industria
    Avjsa-se qu todas as tardose & noite ha-
    vcrd na confeitaria do Campos p seguinte :
    Ca&tanbas assades e vinbo verd^.
    Aluga se barato
    o andar terreo do sobrado da rua do Visconde
    Tendo-se deseucaminhado os taloes ns. 7,6i8
    e 8,964, pertencentes ao segaro de vida no ban-
    co Uniao, da cidade do Porto, em Portugal, a favor
    do padre Jose Lopes Dias de Carvalho, fallecido em
    ii de novembro de 1870, na freguezia de Santo
    Antonio, de Garanhuns, nesta provincia de Per-
    nambuco, seu pai e herdeiro Joao Rodrigues Dias,
    residente no lug.\r de Sarnadella, freguezia do
    lorabeiro, jnlgadu de Arganil, no dito reino de
    Portugal, a3sim o faz publico, charaando qualquer
    interessado aos ditos taloes para que no prazo de
    30 dias, contados da data desta. publicacao, o ve-
    nbam reclamar na mesma cidade do Po-to, e nao
    o fazendo ficara o dito berdeiro babilitado para re-
    ceber do dito banco o que se liquidar desde o anno
    de 1870 em que finalisou o seguro
    ""wm
    I MEDICO-CIRURGICO S
    DO S
    J Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso B
    PARTEIltO E OPERADOR
    *?ltua Co Vitrconde de Albuquer-$
    M que n. aa. w
    ESPECIALIDADE
    W. Holestias de "enliovaH e
    6S meninoij.
    25 Consultas das 7 as 10 horas da ma-
    W nha, todos os dias.
    ,* Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar-
    jg. tas e sextas-feiras.
    SR Os doentesque mandarem os sens cha-
    & mados por escripto at 10 horas da ma-
    nha serao visitados em suas casas.
    *
    i
    Farinha de milho
    Vende se farinha de milho moida a vapor, diaria-
    mente, da la qualidade, para cuscus, 12 patacas a
    arroba; da 2*, para cangica.e pao de.Provenca a 11
    patacas ; da 3', para angu, a 10 patacas; da 4',
    para nraogunza, a 9 patacas: na rua do Cotovello
    n. 25, casa de azulejoj_______________________
    E' sempre assim.
    AO SEXO AM4.VEL.
    ^^3iiix\p,mram ArJVr=J?uiiu2.,(l8 fiS^ft
    acaba de receber diversos a'tigo< de -alta novi-
    daili>, os quaes cstao expostos a vunda em dito
    estabelecimento, e bora qua vecham aprecialos
    para por esta forma sali^fazerera os caprichos de
    suas elegantes toilettes.
    A Nova Esperanca, nao querendo torna r-se
    ma-sante, limita se a raencionar alguns artigos
    dos mais em voga co mando das raodas, os antes
    sio os seguintes :
    Liudos cioti s de couro e Oligrana.
    Modernos boloes de aco para vestidos.
    iNovos leques, grandes, malisados.
    Elegantes fivc-ilas de aco para ve.-tidos.
    belicados ramos de fljres de larangeira.
    Bolsas de couro e flligrana,
    zer pendentes ao cinlo,
    prop;ias para tra-
    Ados e exames.
    Nem ha lugar mais apropriado para solemni-
    sar-se os aet03 e exames que se estao agora
    fazendo., do que na
    Confeitaria do Campos.
    Alii os respectivDs
    Es tit'.! antes
    Enci iitrarao
    Uiia variadissima
    Refeigao, com a qual
    Devem presentear
    Os seus collcgas
    E amigos.
    Reparat bem
    _______E' na Confeitarja do Campc.s
    Modista franeeza
    Em casa de mademoiselle Eugenia Lecomte tem
    nm elegante vesti !o, proprio para baile, vindo de
    Paris, o qual vende-se.
    1
    Compram-se
    as colleccdes de leis provinciaos de Pernarn
    buco, dos annos do 1849, 1855, 18C6 e
    1869 : nesta typograpliia.
    Breu, breu, breu
    No armaiem de Jorge Tasso, rua da Amorim n.
    37, eno caes do Apollo, aimazem de farinha de
    trigo, do commendador Tasso.
    Aos Srs. deengenhos
    Chila com 4 palmos de largura, fazenda muito
    superior, a 260 rs. o covado, proprias para escra
    vos: to a rua do Crespo n. 20, loja dj Gui-
    Iherme & C__________^___^___
    CUAPEOS PARA SENBORA.
    A Predilecla, a rua do Cabuga n. 1 A, acaba de
    rtceber um lindo sortimento de chapeos da nltima
    moda para senhoras e meninas, e vende por pre-
    C33 commodos._____________
    Vende se duas casas por Cjramodo prec.i,
    sendo uma -na rua da Ponte- elha n. 47, e outra
    no becco do Quiabo n. 1, Boa-Vista : a tratar na
    rua da Conceigao n. 12..
    A loja Agrado e Seriedade, sita a rua da Im-
    Eeratriz n. 16, vende por baratos precos la para
    ordar, de lindas cores, e fitas de sarja de todas as
    cores e larguras, assim como de setim.
    occasiao.
    Aluga-se
    os armazens ns. 65 e 69, na praca do chafariz em
    Fora de Portas, um orido teve tenfla de ferreiro
    o fallecido E. Mahult. 0 ouiro qae esteve occu
    pado com venoa de molbados, para o que e op
    timo pela localidade e ser de esquina. ambos livres
    e desembaracados de irxpostos: a trater com o com-
    mendador Tasso.
    Moleque fugido
    Forlnnato, moleque de 13 a 14 annos de idade
    preto, baixo, cheio do corpo, rosto redondo, boni-
    tos dentes e cabello cortado dj freaco ; aasentou-
    se na tarde de 10 do corrente, com camisa de ma-
    dapolao, calea.de brim de car, deibotada, chapeo
    de massa preto, condazindo um serrote grande e
    3m amarrado de tres tabicas, satire o beico supe-
    or anoava nltimamente com nmas fendiabas.
    Gratiflcase aqnem levalo a raa da Aurora nu-
    mero 16S.___________
    Alugam se ires casas na rua do Coronel
    , CHUMBO
    Velho #
    Compra-se chutnbo velbo, cobre e lala'o : no
    armaeem da bola amarela, a travessa da rua do
    lmperador.
    Na loja do Bom PasUr, a rna da Imperatriz n.
    2, tem para vender-se um apparelho de photo-
    grapbia com" tjdas as suas perlencas, do fabri-
    cate J. H. Dallmeyer, e um excellente pantogra-
    pho, do acreditado fabricante Adrien Gavard. Os
    precos sao os mais razoaveis possiveis.
    VENDE-SE
    um lerreno na estrada de Beberibe, antes da es-
    tagao do Porto da Madeira, com nma casa armada
    para receber telhas, tendo de h>nte 87 palmos e
    de fundo 200, todo o terreno se acha cercado :
    quem o pretender, d rija-se a rua da Cadeia No-
    va n. 13, loja, qae achara com quem tratar.
    E' pecnincha.
    A .60 rs.
    Laxinhas de core?, padroes muito lindos pro-
    prios oara vestidos de senhoras a meninas, e ven-
    de-se pelo diminuto preco do 160 rs. o covad),
    por este preco so se encontra na rua do Crespo n.
    20, loja de Guilimjme & C. ; dao se amostras.
    de Albuquerque, ontr'ora da Matrix, n. 24;: a Suassnna, preparadas* de novo, e com commodos
    ratar na raa do Cabuga n. 11, tola, isufficientes : de ns. 103, 193 e 198 : a tratar na
    _r----------:-----1 ''' ii------- I. I ,nu -rtirails n R s .
    rna Dtreila n. 8.
    Pardialio ou moleque de 12
    B, 14 ^nno^.
    Precisa-se de am que seja activo e fiel, para rna do Apol
    servico de casa e algam mandado
    ------
    &m
    >-.
    Aluga se a loja de mqradia da casa n. 6t da
    -'Jo, e a casa na Capunga n. 54, porto
    service de casa e algam mandado. paga-se bom do Jacobina, oa rua das Pernambueanas ; a cha-
    alugel: no caes do Appolfo jl w, ou DO Man- ve para ver, esta ha casa n 55 ; a tratar na rua
    gninno, sitio n. 8. ^^ (da adeia n. 9, Recife.
    Leques gigantes
    S6 qaem tem dos mais modernos e a Magnolia
    a rna Duque de Caxias n 45.
    Cha verde e prelo
    Amaral, Nabnco & C. declaram a sens amigos
    e freguezes qae receberam pelo ultimo vapor
    de Europa, nova remessa de cha verde e preto,
    garantem sna boa qualidade e veodem no seu
    Bazar Vbtoria, raa do Barao do Victoria n. 2.
    Yerdaileira pechiucha.
    Naauado.Queima.1o n. 47, l.>ia Ja FRAGATA
    AMAZONAS.se vende:
    Cambraias francezas de cor muito finas e boni-
    tas a 500 rs. a vara.
    Lindas alpacas lavradas finas e de todas as co-
    res a 500 rs. o covado.
    Lasinhas verdadeiras, largas e de quadrinbos a
    300 rs. o covad., eootras muilas fazendas igual-
    mente baratasa dinheiro.
    Vende-se o armazem n. 15, sito no caes de
    Capibaribe, tendo um terreno com 47 palmos de
    (rente para o mesmo caes e 295 de fundo : a pes-
    toa qae quizer, dirija-se a rua Rmnosa n. 33,
    Lustres, lampadas e aran-
    dellas.
    Obra de gosto e muito mais barato do que em
    outra qualquer parte, teem para vender Juaquim
    Jose Goncalves Beltrao A Filho, a rua do Com-
    marcio n. 5. __________________
    Vende-se, sellado e enfreiado, urn cavalr
    rudadoapatacalo, com todos os andares : a trata
    no pateo da Ribeir*, acougue n. 2, ou na rna ve-
    lha de ^anta Rita n. 74.________
    VENDE-SE
    nma balanga decimal das melhores que tem ap-
    parecidT ncste genero, podendo pesar atfi 500
    kilos : no armazem n. 3 da rna do Vigario.
    40$ a duzia
    de camisas ingleaas, de linho, bordadas. muito fi-
    nas, com coilarinhos e sem elle>, e peemncba: na
    rna Duque de Caxias n. 88, loja do Demetrio
    Bastos.
    Reis e Silva & Guimaraes, propri'tari des:
    bem conbecido estabelecimento de fazendas fina-
    convidam aos seus freguezes o amigos a sortirex
    se dos artigos indiipensa.eis prira a fe.-ta, artigi
    da ultima mud; e de Gno gosiu, os qnaes se ml
    dem por modico preco, de forma qne igual nio s<
    encouira em outra parle.
    Aiiiii de que o pablieo avalie o qne levam dito
    offerecem a sua prteiosa con-ideracao a segain".
    mencao:
    Ri.juissimas poliBaises de gorgorao preto, rica
    mente enfeiladas, pelo dimionto preco de 36#.
    Lindissimos casaquinbos de gorgorao preto, n
    camento bordados, sendo cortintios conforme a m-
    da, pelo dimiaulo preco de 12a0f>0 rada am.
    Riquissimas aahidas de baile, de la e seda, par
    pre",'a'e ^mT" -*"* ^^
    Lindissimas capinhas do la e seda inteiramen-
    m-liS., i' iusiuificante preco dc 8*000 j
    10i> W cada uma.
    Riquissimos cachinets de ia e seda, pelo diminu
    to preeo de 6/000 cada um.
    I'm completo sortimento de japellas com vcir- d
    blonds, proprias para noivas, pelo diminnto prec
    (?e 10*, 13* e 20* cada nma. E" barato I E eo
    mo sao lindas ?!
    Riquis.-imos lacinhos crm livela, propri s par
    pescrco de senhoras nek) diminnto preco de 1*50
    cada uma. r v *
    Lindas gravatinbas de cOr, proprias rara enht
    ras, pelo diminnto preco de 1*000 cada nma
    Lindissimas rosas com alfinetes, proprias par
    peito de senhoras, pelo diau'euto preco de 1*50<
    cada um.
    Cambraias brancas, bordadas de cores a la, fa
    zenda modernissima, pelo preco de 540 rs. o c
    vado.
    Cambraia transparent^, com duas larsa'a* ne\
    preco de 13*000 a peca. "
    Cambraia transparente fina, Snis-a, a 6*500
    peca.
    Cambraia muito fina, Victoria, a 7*200 a pec>
    Meias de cores para hoem, pelo diminnto ore
    Co de 8*000 a duzia. E' barato I
    Itiquk-::nas caixiohas. cada nma com nma du
    zia de leucos de linho ja abainhados, pflo dim,
    nnto preco de 5*500, 6*. 6*500 e 7*.
    Grosdenaplcs preto, fazenda muito superior
    1*200 o covado.
    Setim branco, Macao, fazenda superior, a 2*2
    o covado.
    Rjquissimo sortimento de popelinas dc linho, pe
    Io diminuto preco de 440 e 500 rs. o covado.
    Riquissimas faias de seda. fazenda modernise
    ma, polo c umodo preco de 2*200 o covado.
    Popelinas dc liuno e seda, padroes Inteira
    mente n.:vos, a 1*600 e 1*800 o co\ado. B' ba
    rato I
    Grosdenapoles cdr de rosa, fazenda muito inn*
    rior, a 1*600 e 1*700 o covado.
    Um comoleto sortimento de las e alpacas de se
    da com listras a 700, &0,900 e 1*. E' muito ba
    rato 1
    Um coraplelo sorlimeato- de IIs, a 180, 200, 2*i
    320 e 380 rs. o covado.
    Madapoloes, Elephante, com ID varas, a 4*W<
    a peca.
    Madapolao, Maravilha, com 20 jardas, a 5*5ix
    a peca.
    Madap:lao rrancez, Madraste n. .53, a 6*200 .
    peca.
    Badapclaj superior francez n. 60, a 7*000 -
    peoa.
    Assim como um grande scrtimeato de chitas e*
    curas, cl: REIS E SILVA & GUIMARAES.
    "" ', -
    Aos nervosos
    A NOVA ESPERANCA acaba de rev4tr aquel
    ies milagrosos anneis efectriros, enra infallivel do
    nervosos._____________
    500 rs. o covado de alpacas
    de seda
    Ma rua da Qtaeianada m. 43
    vwcm ft* o covado
    Alpacas de seda com lisfas, largura de chila,
    padroes bonitos, p|0 diminuto preco de 5O0 r*
    o covado ; so o 43 6 quem tern, junto a k#a 4,
    Magnolia.
    Aos cigarreiros
    A NOVA ESPERANCA vende panel de link
    proprio para cigarros. de diversas Urgnraa.______
    Insignias maconicas e cadei-
    ras para viagem
    Amaral. Nabuco & C. vendem insignias mafcai-
    cas para diversos graos, e cadeiras aabrlr e fecbar,
    proprias para viagem : no Bazar Victoria, na 4o
    Barao da Victoria a. 2.______________________
    Cavallo para vender.
    Vende-se am cavallo gcrdo, bonito, novo, boa
    andador : a tratar na rna 4a Ioperatrii a. 13, l
    I andar.




    Diario de Fecnwnbueo Sextet feka. 20 de Novembro de jj&7.4.

    ,



    *
    (
    e
    Ao barateiro
    A' ma 1 de Marco n. 1
    Confronte ao nrco de Santo
    Antonio. ',
    Os proprietaries deste eslabelecimeoto, tendo
    gande deposito de fazendas de la, liDho, seda e
    algodao, e acbandose proxima a occaaiio do ba-
    lance, resolveram fazer grande reducc^o em pre-
    cis, atim de que naqoells tempo nao tenham gran-
    e trabalbo em baiancos ; a saber :
    GORGORAO de seda preto, para collele, Dm
    oorte por 2a. E' fazenda que sempre castoa 7*.
    AMAZONAS, linda fazenda para vesiidos de
    passcio, a 500 rs. o covado.
    GROSDENAPLES de cores, verde, encarnado,
    branco, cdr de rosa e cravo, a 900 rs., i* e
    1*200 rs o covado. Quest e que nao compra'a?
    POgELINAS de linho, de quadros e listras, bo-
    nitos gostos, a 500 rs o covado. Aproveitem.
    POPELINAS de Hnho e seda, gostos inteiramen-
    le novos a 900 rs.
    DITaS com listras largas assetinadas, o raais
    moderao quelem viodo ao mercado, a 2*.
    CRETONE francez com listcas e de quadrinhos
    de cores e pretos a 400 e 440 rs. o covado. Isto
    so no barateiro 1
    DITO francez de listras, proprio para camisas
    e vestidos a 300 n. ; pois so se vendo se pode
    crer.
    ES iU AO de Hnho e algodao, proprio para ca-
    misas, frenhas, etc., etc., com 7 jardas, a 34200, e
    com 10 jardas a 4*500 a peca.
    MUSSULINA branca, com listras, para vestido, a
    iOO rs. o covado. K' pecbincba I
    MADAPOLAO france: crm 20 varas, por 4*500.
    ET barato.
    CASEMIRAS de care?, para costumes (roupa de
    bomj>m) a 3* o covado. Ver para crer 1
    LAS escoeezas, estamos acabanJo aos precos de
    120, 180 e 200 rs. Apressem se!
    CHITAS escuras e Claras, fazenda fina a 210,
    260 e 280 rs.; so a rua Primeiro de Marco n. 1.
    GHAPEOS de alpaca, para sol, para senhora. a
    2*000. E' admiravel I
    BRIM braaco n. 5, exposicjlo saperior, a 2* a
    vara.
    CAMISAS de cretone francez de cores, a 2*500
    uma.
    CAMISAS brancas, inglezas e francezas, gran-
    de sortimento por precos baratissimos.
    BRIM pard.' trangado, para 280 rs. e400rs. o
    eovado.
    BRIM Angola, saperior, a 500 rs. o covado; Isto
    so na loja do Barateiro 1
    CHAPEOS de sol de seda para homem, fazenda
    superior, a 8*300, 9*000 e 10*000.
    BAPTISTAS matisadas, gostos miudinbos a 300
    rs. e 360 rs. o covado ; s6 cosfronte ao arco de
    Santo Autonio I
    LENCOS de linho snperiores, abanhados a 3J,
    4*500 e 5*0OOJa duzia.
    TO 'I,IIAS felpudas superiorea a 6*500 a du-
    zia. Em outra parte vendem por 9* I
    MEIAS cruas, supenores, para bomem, a 4*,
    4*500 e 5*. E' pechincha.
    BOTINaS snperiores para senhora, a 4*500 o
    par.
    ATOaLHADO alcochoado, fazenda superior, pa-
    ra mesa, a. 1*500 a vara.
    ALGODAOZINHO liraoco, com pequeno toqne,
    a 35500, 4* e 4*500, e marea T, a 3* a peca.
    Alera das fazenda* aoima mencionadas, encon-
    irarao muitas outras qse sgradarao em qualida-
    de e precos, e que para nao massarmes a paciencia.
    de nossos freguezes, as deixames de enumerar,
    S6 no Barateiro
    A' rua Primeko de Marco b. I.
    Loja de AgosUoho Ferreira da Silva Leal & C.
    Nio se enganem
    Pois sao os verdadeiros barateiros I
    Aos legitimos fogoes econo-
    micos.
    Acabam de chegar a esta cidade os ver-
    dadeiros fogoeseconomicos, ja muito conhe
    cidos nas provincias do Rio de Janeiro,
    Minns, S. Paulo, Sorgipe, Rio-Grande, -Ba-
    hia e Alagoas, aonde tem merecido do pu-
    blico a maior aceitagao possivel, e sao ja
    preferidos aos de qualquer outro systems,
    conhecido pela ^ua muita solidez, especia-
    iidade na collocacao, moderao systema,
    e sobretudo grande economie no combusti-
    vel ; trabalharn com lenha, coke, carvao de
    madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
    nhes, proprios para casas de pouca, regu-
    lar, e de inuita familia, collegios, boteis,
    casas pias, bospitaes, etc. Acbam-se ex-
    postos ao publico, aonde- se darao todas as
    explicates necessarias : na rua do Viga-
    o ii. 12______________________________
    E coat as senhoras.
    a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, -par-
    .cipa a. bello sexo que acaba de receber da Eu-
    opa, urn compieio sortimento de artigos de ulti-
    na moda, e como acha desnecessano fazer um
    tofadonbo anuuueic, por ja ser baetante eonbe-
    :ida, e capricbar sempre em ter boas correspon-
    lentes, sendo a primeira que apresenta o que ba
    le mais moderno e por pregos mui razoaveis, por
    sso limita-se a desorever somente o seguinte:
    ietian douradas.
    <3ieoa de cores, taato de seda como de guipure.
    beqnea dourados, de madreperola, marfim, tar-
    taruga, osso, etc.
    aabidas de baile.
    Prescntes, diversos artigos propcioe para pre-
    sents.
    soiinbaa e punhos.
    sanuai para missa, com capa de medreperoia,
    tartaruga, marfim, velludo, etc.
    ^apaiiutioK de setim para baptisado.
    caniHOM bordadas para tenhoras.
    cigaM de seda.
    Praojai mosaicas.
    ijereros de tartaruga.
    voitas de madreperola.
    ful*eiras de madreperola.
    Lindas, flores para cabeca.
    Bolaau* de velludo.
    Perftabaarlos dos melcores e mais afamadoe
    fabricastes.
    Cbapeo* de sol para seuboras.
    Pi tan de selluda de todas as cores e larguras.
    Moscas.
    Quereis liwar-vos destes malditos insectosf com-
    irai uma mackiBa de matar moscas por 3*000
    ia Magnolia, a rua Du que de Caxias n. 45.
    Calvice.
    A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, veu-
    je o verdadeiro Vigor de Ayer, que impede a
    -ahida dos cabeUos.
    Sardas epanos.
    So tem sardas epanos quern quer; porqae a
    ?lagnolia, a rua. Duque de Caxias a 45, ten) para
    'nder a verdadeira Cuticuleria, qua faz desappa-
    'ecer estas mancbas em poucos dias.
    Grande ilescoberla
    Curativo das molestias do.
    peito pelo
    Karope de sulphitu de coda
    A. BCRXBT
    Este importante medicamento que acaba de ser
    reconhecido pelos distinctos Drs Zalloni e Paras-;
    cfeevas como um verdadeiro espeetfico contra a
    pbtysica, seguodo provaran not grandes name-,
    ros de casos per elies exparimeniados, como se v4
    na sesuo da aeademta de Paris de 24 de marco
    do corrente. anno, eoeootraae unicamenta no
    Deposito da pbarmaeia eAlrogaria
    Bariholomeo C
    N. 34 Rua larga da Rosario N. 34
    Vinho verde.
    Especial chegado no ultimo vapor, tem para
    vender em barris de cfuinto e de Colares em
    decimos, no sen escriDtoria a rua do Cnmmercio
    n. 5, Joaquim Jose Gongalves Beltrao & Filho.
    Chocolate do Maranhao
    Unico deposito oesta cidade, em ei de Jose.
    Tavares Carreiro & C, rua Direita n. I i, onde s*
    ende pelos precos e vantagens da fabrica.
    Grande liquida NO
    1 UJLUI
    N.72.Rua da Impera t riz N. 7 2t
    DE
    Mendes Guimaraes & lrmaos.
    Tendo os proprietarios deste estabelecimento resolvido dimiouir o grande deposito de fa-
    zeudas, ontenderam fazer esta grande liqnidaQio, omose ve dos prcgos abaixo mencionados :
    Cbitas Ir.rgas a 160, 260 e 280 rei*.
    Vende-se cbitas francezas e Unas a 120,280 e 320
    o covado.
    Lazinhas a 120 re is.
    Vende-se lazinhas para vestidos a 120, 240, 320 e
    400 r6ls o covado.
    Chitas para cobertas a 280 r6is.
    Vende-se cbitas para cobertas a 280 e 360 reis o
    covado.
    Alpacas de cdres a 640 reis.
    Vende-se alpacas de cores, finas, para vestidos de
    senhoras, a 640 r6is o covado.
    Metim de cdres a 320 reis.
    Vende-se metim de cdres para vestidos de senho-
    ras, a 320 reis o covado.
    Cassas finas a 280 reis.
    Vende se csssas francezas, finas a 280, 320 e 360
    reis o covado.
    Cambraia Victoria a 3*000
    Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3*,
    3*500 e 4*000 a pee.
    Cambraia transparenle a 2 e 3(!fl80."
    Vende-se pecas de cambraia traosparente a 3*,
    3*500, 4* e 5*.
    Cortinados a 14*000.
    Vende se cortiEados bordados para camas a 14*'
    16* e 18*.
    Gauga amarella a 400 reis.
    Vende-se ganga amarella para vestidos de senho-
    ras e roc, a parameninos. a 400 reis o covado.
    Brim de c6res a 400 reis
    Vende se brim pardo e de cores para ea'c.as
    400 reis o covado.
    Toafhas para ros'lo a 700 reis.
    Vende-se toalhas de linho para rosto a 700 e 800
    reis cada nma.
    Chales de ii a 640 reis.
    Vende-se chales de la de quadros a 640 reis, cha-
    les de metim a 1*160 reis, chales de m-rino
    lisos a 2*, e chales de merino estampados, a
    3*600, 4* e 5*.
    Aberturas a 2^009.
    Vende-se aberturas de linho bordadas, para ca-
    misas, a 2*"e 3*500. Dilas de algodao a 200 e
    400 reis.
    Cortes de casemira a 5*000.
    Vende-se cort^s de casemiras finas para calcas a
    5*, 5*500 e 6*
    Cortes de brim a 1*400.
    Vende se cortes de brim de cdres a 1*400. Ditos
    de brim de Angola a 1*300 e 2*500.
    Cobertas a 2*000
    Vende se cobertas de chitas de cdres a 2*.
    Colchas a 2*000.
    Vende-se colchas de fustao para cama a 2*, 3* e
    4*.
    Paletots a 3,000 rs.
    Vende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
    5,000 rs. jlcal^as de casemira prelate de core
    leies de casemira preta e de cores, e outra s
    Us roupas feitas baratas e fazendas aueest
    quidando no Bazar Nacional, a rua da Im
    Iriz u. 72.
    XPOSICAO
    DE
    Fazendas e artigos de alta
    novidade
    LOJA DO PASS9
    dna PFinie.ro de Marce n. 7 A.
    SCordeiro SstoOem A C, proprietarios
    ieste importante-estabelecimento, no louvavel pro-
    jrosito de nao desmentirem o conceito que os
    ens Bumerosos fregnezes lbes tem dispensado,
    icabam de receber de sua conta o mais rico sor-
    imento de sedas, popelinas, las e artigos de ul-
    ima moda em Paris, e contmuarao a receber
    jor todos os peqnetes daquella procedeccia ; por
    sso chamam a aiiencau de seas freguezes e os
    onvidam a darem um passeio ao sen estabeleci-
    nento, garanttudo lbes que e&coutrarao a reali-
    lade do que iica dito, e parapreva dao um ne-
    lueno resurao, cujo infallivelmente despertara a
    itten?ao dos pretendentes.
    Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
    imostras mediante penhor.
    Artisos de alta novidade e
    ultima moda.
    Cortes de vestido de iinbo guarnecidos de bico
    ia mesma fazenda e cdr, trazendo fivella, bol^a,
    .into, etc etc.
    Riqnissimos cbapeos para senhora, de cores e
    jretos.
    Cortes de cambraia brancos com lindos bor-
    lados.
    w >< de cores com enfeites da meima fazenda,
    i"ino, etc. etc.
    Capas de la para meninas e senhoras, guarne-
    das de arminbo.
    N'estuarios para baptisado.
    Riquissimas camisas bordadas para senhors.
    Leques de madreperola, para noivas.
    Ricas colchas de seda, para casamento.
    Cortes de seda, lindas cores.
    Gorgorao de seda branca e dito preto.
    Sedinhas de deliead-is padroes.
    Setim Macao de todas as cores.
    Grosdenaples pretos e de cores.
    Velludo preto e damasco de seda.
    Granadine preta e de cores.
    Filo de seda branco e preto.
    Ricas basquinas de seda.
    Casacos de merino de cores, IS, etc.
    Uantas brasileiras.
    Capellas e manias para noiva.
    Cambraia de cdres, aitas mariposas brancas, de
    ores, lisas e bordadas.
    Flor do bost;ue (novidade).
    Percalinas de quadros, lisiras, etc.
    Brins de linho para vestidos.
    Fustao de cores.
    Saias bordadas para senhora.
    Grande sortimento de camisas de linho lisas e
    ordadas. para bomem.
    Meias de cores para homem, senhora, meninos
    meninas.
    SnriiiDpnlo de cbapeos de sol para homens e
    nhora.
    Merinas de cores para vestidos.
    Dito pieto trancado e de verao, bombazina, can-
    to, alpaca, etc etc.
    Atoalhado de linho e algodao para toalhas, e dito
    >ardo.
    Damasco de li.
    Brim de linho branco e de cores.
    Satins de lindas cores com betras.
    Chales de merino de eores e pretos
    Dites de tonquim e ditos de casemira
    Camisas de cbita para bomorr eJla.
    Ceroulas de linho e ditas de algodao.
    Pannos de crochet para sofa, caieiras, etc.
    Lencos bordados e ditos de laoynotbo.
    Ricos cartes de vestidos de larlatana, bordados,
    ara bailes, e tarlataua de todas as cores.
    Colchas de damasco de is, e ditas de crochet
    Espartilhor lisos e bordados.
    Poulard de seda, lindas cores.
    Meias de seda para senhoras e meninas.
    Casemiras pretas e de cores.
    S'opeHnas.
    .Meste artigo temos um variadissimo sortimento,
    ao so em gosto como em qualidade.
    Lia
    ;o!D listras de seda, dilas com palnas bordadas,
    litas transparentee e de outras muitas qualidadei.
    Luvai
    ie pelliea brancas e de cdres, do verdadeiro fa-
    iricante Jouvin.
    Flualmente :
    apetes para sola, cadeiras, cama, entrada, etc.,
    ambraias brancas, cbitas de todas as qnaljdades,
    oadapoloes, esgniao, bretacnas, bramantes, algo-
    loes, collarinhos, punhos, meias para homem e
    naora, punbos e collarinhos brancos e de cd-
    as para senhoras, gravatas para homem e senho-
    a, peitos bordados, tencos de linho brancos e de
    tores, ditos de cambraia de linho, toalhas, guar-
    lanapos, panno flno, etc., etc.
    Loja do Passo
    Rua Primeiro de Mar^o n. 7 A
    antiga do Crespo.
    VB^'MWE'^lsB ositiojnnto.aigre-
    ja de 8. Jose do Mangninho, cem casa de vivenda
    assobradada e outras acommodacoes, todo mura-
    do, com duas frenlet servi las por portio de ferro,
    dando para a rua da Amizade e para a do Han'
    guinho. Tem de terreno proprio 19l'pa1ma-de
    Isrgura e 354 de fando ; e a easa mede 5t palmos
    de frente e 84 de fando. A sitaa^io 6 a melhor
    Dssivl para.morada, e quem quizer edificar, tera
    astante terrend para isto, pelo lado da rua da
    Amizade. Tem a'guraas plantacSes de gozo ere
    creio, bavendo bastante agua forneeida per duas
    caeimbas, nrca das qcaes e nova. A entender-se
    com o Sr. Dr. Witruvio quern o pretender.
    Para concertar meias
    A NOVA ESPERANQA, a rua Duque de Caxiai
    o. 63, reeeben testa necessaria linba.
    A' rua do Cahugra n. I A.
    Os proprietarios da Predilecta, no intuito d
    eonservar o bom conceito que teem "merecido dr
    respeftavei publico, distisguindo o seu estabeleci
    mento dos mais que segociam no mosmo generc
    veem sciectidear aos sens bons freguezes que pre
    veniram aos seus corrcspondentes nas diversas par-
    ?as d'Europa para Ifees enviarem por todos os pa
    quotes os objectos de luxo e bom gosto, que se-
    jam mais bem aceitos pelas sociedades olegante:
    daijuelles paizes, visto aproximar-se o tempo de
    festa, em que o bello sexo desta linda Veneza
    mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
    mo ja recebesserr. pele paquete francez divers o
    artigos da ultima moda, veem pateutear algtms
    d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
    esperando do respeitavel puMico a costura&da
    concurrencia.
    Aderecos de lanaruga-os mais lindos que teem
    vindo ao mercado.
    Albnns com ricas capas de madreperola e d*
    velludo, sendo diversos tamaBhos e baratos pra-
    os
    Aderecos campletos de boiraeha prrprios para
    Into, tambem se vendem meies aderecos muito bo-
    nitos.
    Botdes de setim preto e de cdres para ornalo dj
    pestidos de senhora ; tambem tem para collete
    valitot.
    Bolsas para senhoras, existe um bello sorthusn
    de seda, de paiha, de chagrim, etc., etc., por
    barato preco.
    Bonecas de todos os tamanhos, tanto de lout*
    como de cdra, de borracba e de raassa ; chama-
    mos a atteacSo das Exmas. Sras. para este artige.
    pois as vezes tornam-se as criancas um poueo im-
    pertinentes por falta de um objecto que as an-
    tretenham.
    Camisas de linho lisas e com peitos bordados
    para homem, vendem-se por preco commedo.
    Ccroula* de linho e de algodao, de diversos dp?
    ic-s.
    Caixinhas com musica, o que na de mais Undo,
    com disticos nas tampas e proprios para presen-
    te
    Coques os mais modernos e de diversos forma-
    tes.
    Chapeos para senhora. Receberam um sortimento
    da ultima moda, tanto para senhora, como pars
    meninas.
    Capellas simples e com vo para noivas.
    Calcas bordadas para meninas.
    Entremeios estampados e bordados, da lindoi
    df-senhos.
    Escovas lectricas para dentes, tem a propria
    dade de evitar a ear ie dos dentes.
    Fraojas de seda pretas e de cdres, existe urn
    g-ande sortimento de divercas larguras e baratc
    preco.
    Pitas de saria. de gcrgnrao, de setim e de cha
    "walnte, de diversas larguras e bonitas cores.
    Fachas.degorgurao rwiito lindas.
    Fl. res artiSiciaes. A Predilecta prima em con-
    ervar sempre m bello e grande sortimento des-
    tas flores, nlo so para enfeite dos cbellos, como
    ambem para ornato de vestido de noivas.
    Galdes de algodao, de la e de seda, brancos,pn
    os et de diversas cores.
    Gravatas de seda para homem e senhoras.
    Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
    para sennora.
    Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
    noiva.
    Livros para oavir missa, com capas de madre-
    perola, marfim, dsso e velludo, tudo que ha ds
    oom.
    Pentes de tartaruga e marfim para atisar os ea-
    bellos ; teem tambem para tirar caspas.
    Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
    perola, marnm, dsso e dourados por barato preco.
    Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
    Erovida, eSo so em extract os, cemo em oleos
    anhat dos melhores odores, dos mais afamades
    fabricantes, Loubin, Pi ver, Sociedade Uygieniea,
    Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis para
    a festa.
    Saias bordadas para senhora, por commode
    preeo.
    Sapatinhos de li e de setim bordados.,para bap-
    tisados.
    Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
    mento de diversos tamanhos, tanto para sofa ee
    mo para entrada de saias.
    Vestimentas para, baptisado o qua ba de melnor
    gosto e os mais moderno reeeben a Predilecta
    de or arcto preco, para dear ao alcance
    qualquer bolsa.
    i ...............'
    Cura dos estreitamenlt) d'nretra
    pela facil applicagao das
    SONDAS OLIVAES
    DE
    GOMMA ELAST1CA
    As mais modernas e aperfeigoadas de todas
    as conhecidas
    Vetidem'Sty ,
    PHARMACU t DROGAWA
    DE
    Bartholomeii & 0:
    34 Rua larga do Rosario 34-
    Aos meninos
    '
    , PeKtesgirafe;
    Pentes.gfrate, prdfj-ios pAr-ascnfccrs, (Ultima
    moda): a Magnolia a rua Dttqne de Caxias n. 48
    . e to qoan lev.
    Papai, mamai.
    Como sao lindas as bonecas de cera que Cha-
    mam pt*Bi, mhrnai, ehorsm, anflam, ete. Sd na
    Magnolia* -i ua Duqaede Caxias n. 45.
    G-aiolas, gaiolae.
    A Magnolia, & rfta Duque de Caxias n. 45. re-
    cebeu galolas de arame de Hndissimos modelos,,
    proprias para passaros ; a ell is antes que se aca-
    bem.________________
    *B' com as noivas
    A NOVA ESPERAXQA, rua Duque de Caxias n.
    36, acaba de receber boas meias de seda proprias
    para noivas, e os apreciaveig ramos de larangeira.
    ARJAzH i nm.
    A' praca circular do Apollo
    vende-ee:
    Tijolos de marmote, de differentes ta-
    manhos e qualidades.
    Tijolos francezes, sextuplos.
    Cituento Portland verdadeiro.
    tzulejos grandea muito proprios
    para Todap^s.
    Azalejos verdes e amarellos, tamanho
    regular.
    laquioaa de desc&roQar algodao.
    Cadeiras de ferro, assentj de palbi-
    uba, proprias para campo.
    200
    rs.
    CASA
    Vende-se ou aluga se uma casa terrea em Olin-
    da, eom grandes commodos, gaz e agua encanada :
    a tratar na rua 1* de Mar^o n 6.
    Cimeulo Portland
    0 verdadeiro cimeoto Portland em barricas de
    180 kilos: vendem Lebfc & Reis, a rua do Amo-
    rim n. 58.
    Cortes decasimira a W,
    e 60000.
    Na loja do Pavio, vende-se cortes de car
    setnira para cat;a a 49, 59 e G," 000, ditos
    muito Qncsde uma s6 cdr com listras ao la-
    do, fazenda que sempre se vendea a 95 e
    10^000, liquida-se a 6$000 para acabar :
    a* rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
    da Silva.
    Asunioas verdadeiras
    Btebas hambnrgBeaas qne vem a este martatle
    aa rua do Marauex da ulinda r. 61
    A NOVA ESPERANCA, 4 rua Duque de Caxiai
    n. 63, acaba de receber um bom sorumeot* da fi-
    nas bonecas qua fHam, qua riem-se e choram ;
    tambem astemmndat e surdas on surdas-mudai
    venham ver se nio e xardade.
    Salsa parrilha
    Muito nova e grossa.
    Vende-se por barato preco, em porcSo ou a re-
    talho : na rua larga do Rosario n. 34.______
    Gal de LiBboa novissima
    Vende-se em granden e peqaenas porcdes : na
    ruaD&reitas. 14.
    E'BOM SABER-SE
    Que a NOVA ESPERANCA, a rua Duque da
    Caaias n. 63, bem conbecida pela $uperioridade de
    seus artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
    ber diversas encoromendas de mer< adorias de sua
    reparticao, que pela eleganci i bem mostra aptidao
    e bom go'to de sens- antigos corrsspoodentes da
    Europa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
    a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
    e constantt- freguezia e com especialidade ao sexo
    amavel, a visilarem na, afim de apreciarem ate
    onde toca o primor d'arte.
    A NOVA ESPERANCA nao quer e trar no nu-
    mero4os ma^santes (verdadeiros azucrins) com
    extends annuueios e nem pretende descrever a
    inimensidade de objectos que tem expostos a ven-
    da, o tjue seria quasi impossivel, mas limitar-se-ha
    a mencionar alguns daquelles de mais alta novidacie
    e toma a liber''ade de aconselhar ao bello sexo,
    que a visitem constantemente, para depois que
    comprarem em outra qualquer parte rio se arre-
    penderem, a vista do bom e Aicolhido sortimento
    que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
    bem demonslra que qualquer senhora do bom torn,
    nao podera completar a elegancia de seu toilet
    sem que ddum jasseio.a NOVA ESPERANCA, a
    rua Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
    ber osseguimt-j artigos de luxo e inleira novida-
    de :
    Modernas settas para prender os cabellos
    Primorosos leqoes de phantasia.
    Bonitas sahidas de balfes para senhoras e meni-
    nas.
    Interessautes gravatas para seuboras.
    Elegantes fachas de tonquim.
    Bons aderecos de madreperola.
    Qelicados aderecos prelos de pufalo e borracba
    (gosto novo).______________________________
    Vende-se
    No escritorio de Thomaz ds Aquino Fonceea &
    C. Suceessores, a rua de Vigario n. 19, primeiro
    andar:
    Cimeato Portland verdadeiro.
    Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
    Vinho Sherry.
    Vinho d > Porte era caiaas, flnissimo.
    Idem em barris de quinto e decimo, lino.
    RetreL
    Fio.
    VENM-SE
    Na rua do Vigario n. 1Q, vende-se o seguint a
    Cimento de Portland, em primeira mao.
    Vinho do Porto, engarrafado, flnissimo, em eal-
    xas de duzia.
    Dito dito em barris e ancoretas.
    Vinho Sherry, ingiez em caixas de duzia.
    Vinho Collares em ancoretas.
    Cera em velas, de Lisboa.
    Cera em-grume, idem.
    Wilson Howe & L. vendem no seu anna***
    a rua do Gcmtnercio n. 14,: _
    verdadeiro panno de algodao aiul amencanc
    Excellente flo de vela.
    Cognac de i* qualidade
    Vinho ds Bordeaux.
    Carvao de Pedra de ted as as qualidades
    A 120 rs. o covado.
    Na rua da Imperatriz n. 60, vende-se para aca-
    bar uma. grande qaantidade de las, restoa de di
    versos sortimeetos, desde 120 rs. ate 900 rs.; no
    tando-se que, quando bavfa sorlimentos eomple-
    tos, se vendiam a 1*280 e 1*600 o covado, ba
    grande variedade em padroes, os que primeiro
    chegarem memor peebmeba farao, a ella a raa d
    imperatriz. n. 6a
    JIAliAPOsLOES
    Na loja.do Pa-vao vende-ae madapoioes france-
    zes muit* ineorpados, com 20 jardas a 6,000 reis,
    dito muito fino com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as]
    sim como nm grande sortimento de madapoiKM
    lnglezeft.de 4,600 ate 8,000 e 9,000 : a rua da ta-
    per atriz n.60, de FJix Pereira da-Suva.
    Pcifnts ife aiyriBure
    vaade-aapadaat de
    maubos.com duas pole
    nara mdhos misteres :
    Canha Lages.
    Vaada.sapedcat de m.rm
    lolegadas de
    js .-^tratar
    Lages.
    la> ii turn

    ^ senhowiB
    Como sao Hndas e modernas as gravatiohas qat
    a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. ifl, acaka
    Doee'fiiiode goiaba
    ossiaa comograode sortimeato de caixoes ptque-
    noty prspalos para amlurqae ; ba reqaeijao todas
    at.tsBcaatfwraa^aabbad^jwt^^oncoBjffpdo,
    Sahidas de balle.
    AmaralNabuco 4.C. receberam pelo ultimo va-
    por da Furopa elegantes- sahidas de balfe'dd dif
    vertas eores a vendem por commodo preco : no
    bazar Victoria, ma 0 COVADO II
    Laainhas de listras assetinadas, so na rua
    do Queimado n. 43, junto da loja da Mag-
    nolia.
    E' e&peciblidade do 43.
    Lasinhiis do listras assetinadas, gostos
    muito uiodernos, pelo diminuto pre^o de 200
    rs. o covado. S6 o 43 1 Dao-se amostras
    com penhor^______________
    Colchas para camas
    Na loja do Pavao vende se colchas de fustao
    brancos, para cama a 2,300, ditas de dito de cor
    a 4,000, cobertas de cbita e de cretone, de 2,500
    para cma e litas de metim escarlate forradas com
    madapolao a 5,000 : a rua da Imperatriz n. 60,
    de Felix Pereira de Silva.
    Salsa-parrilha do Para
    Tem para vender Antonio Luiz de Oliveira Azs-
    vedo, no seu escriptorio, a rua do Bom Jesus nu-
    mero 57.___________________________________
    A 500 rs. o covado
    Na loja do Pavao vende-se lazinhas japonezas
    de cores muito modernas pelo baratissimo preco
    de 500 rs. o covado, para acabar ; uolando-se que
    ii fazenda que jamais se vendeu por menos de
    dois crmados ; ja ba poucas : a rua da Imperatriz
    n. 60, loja do PavSo, de Felix Pereira da Silva.
    Farinha demandioca supe-
    rior.
    Tenr para vi-nder, Joaquim Jose Concei-
    ves Beltrao & Filho, a bordo do palhnbote
    Iiosita, fundirado ao pe do caes do Collegia,
    e para tratar a bordo ou no seu escriptorio :
    a" rua do Comrnercio n. 5.
    As almofadas bordadas de la matisadas que re-
    eeben a Nova Enperanca, a rua Duque dt
    Caxiaa -
    Leques e flores
    Amaral, Nabuco & C, receberam leques de ma-
    dreperola, branco e queimado, de differentes cores,
    de marfim e de tartaruga, lisos e lavrados, sao
    elegantes e proprios para bailes: vendem no Ba-
    zar Victoria, rua do Barao da Victoria n. 2.
    , Hi talhos de las.
    0 Pavao vende'uma porcao de retalhos de las
    para vesud-js tendo grandes e pequenos, que li-
    l quida barato para acabar, as:im como uma por-
    cao de cassas e chilas pretas que se vendem por
    I qualquer preco para acabar : na rua da Impera-
    triz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
    Espartilhusj a 3*500, 4* e 5;,
    0 Pavao vende um booito sortimento dos mais
    jmode-nos espartilhos que vende a 3*5t>0, 4* e
    : 5*000.
    Pechinca em len^os branccs a 2 500.
    0 Pavao vende duzi s de l< ncos finissimos de
    cambraia branca para mao, sendo fazenda que
    sempre se vendeu a 4 COO a duzia e liquidate a
    2*500 por ter grande porcao de duzias, ditos abai-
    nhadosa2-, ditos chinez s muito finos e ditos
    francezes escuros muito finos para quem toma
    rape.
    Cassas de cores a 240 rs.
    Vende-se cassas de cores para vestido a 240 rs.
    o covado : na loja do Pavao a rua da Imperatriz
    n. 60.
    Camisas.
    Vende-se uma grande porcao de camisas bran-
    cas com peito de linho e de algodao, por muito
    menos do seu valor, por eslarem um pouco enxo-
    valbadas, assim como seroulas francezas e de al-
    godao a I-.-jOO, ditas de linho a 2-. e 2-500 para
    acabar : na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60
    de Felix Pereira da Silva.
    Roupa para bomem para acabar ate ao 6m
    do anno.
    Na loja do Pava ; liquida se uma grande porcao
    de ronpa para bomem como sejam : calcas de
    brim d'Anfola, ditas brancas, ditas de casemira de
    cor de 05 ate 12;, ditas de brim de cores, pa I i tots
    e fraks de panno preto, de alpaca e alpacao, as
    sim como de casemiras de ceres, colletes brancos,
    pretos e de cores, assim como roupa branca de to-
    das as qualidades, nao se olha a prejuizo, o que se
    quer e liqnidar ate ao fin do anno.
    Cambraia Victoria e transparente
    Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen
    to de cambraia Victoria e transparente para ves-
    tidos tendo 8 1/2 vara cada pe?sa de 3.600 para
    cima, isto na rua da Imperatriz n. 60 de Fe'ix Pe
    reira da Silva
    Collarinhos de linho para acabar a 43
    a duzia.
    Na loja do Pavao liquidate uma grande porcao
    de duzias de collarinhos de linho, por estarem um
    pouco enxovalhados, pelo barato preco de 4$ a
    duzia, sendo fazenda que sempre se vendeu por
    7s e pechincha : a rua da Imperatriz n. 60, loja
    de Felix Pereira da Silva.
    Chales de casemira a 4*.
    0 Pavao vende chales de casemira com gostos
    chinezes, sendo muito grandes, que sempre ven-
    deu a 7* e 8.., liquida a is. Ditos de la, muito
    encorpados, com listras, a 3~. Ditos de quadros,
    azenda muito boa i- ; assim como, um bonito
    fortijiento de ditos de merino, lisos e de quadros,
    vende de U ate 5; e 6* : a rua da Imperatriz
    n. 60, loja do Pavao, de F. Pereira da Silva.
    Popelina de linho a 400 rs. o covado.
    0 Pavao recebeu nm elegante sortimento das
    mais bonitas popelinas listradas para vestidos que
    vende pelo barato preco de 400 rs. o covado, la-
    vando se nao desbotam ; assim como, bonitas e
    modercas lazinhas com lisiras de seda a 640 rs.
    o covado. Ditas transparentes com palminhas a
    500 rs., sao bonitas. Bareges de uma 96 cdr, pelo
    barato preco de 400 rs. 0 covado, e pechincha :
    na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira
    da Silva
    Cartes de vestidos pra liquidar.
    0 Pavao vende a 4?, 5* e 6* corte de cam-
    braia branca com eufeites bordados de cflr, fa-
    zenda que sempre vendeu a 7* e 8*, e liqnida a
    4* para acabar. Ditos brancos de cambraia aber-
    la com listras e lavradinhas, que sempre se ven-
    deram a 10*. liquidam se per 5*. Ditos Benoatao
    com lindos enfeites de cor, fazenda que val 12s,
    bqaidam-se a 6:. Ditos de cassa de cores com
    7 varas a 3* ; e pechincha : na rua da Impe-
    ratriz n 60, loja de Felix Pereira da Silva.
    Pechincha para criancas.
    Meias a 2*500 a dnzia.
    Toalhas de fustao para mesa a 2,300.
    0 pavao vende toalhas de fustao para mesa de
    jantar pelo bar. lo preco de 2*500, e pechincha :
    na loja do Pavao, a rua da Imperatriz n. 60,
    ftjadeP.T. da Silva.
    Gros preto a 1*.
    0 Pavao vende grosdenaples preto a 1* 0 co-
    vado e dahi para cima, ate 4g : na rua da Impe-
    ratriz n. 60, loja de Felix Pereira da Silva.
    Brins de Angola a 2*, 2500 e 3*.
    O Pavao vende cortes dos verdadeiros bins de
    Angola a 2, 2*500 e 3* ; e pechincha : na rua
    da. Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da
    Silva.
    Metins a 280 rs.
    0 Pavao vende bonitas metins de cdres para
    vestidos, pelo barato prego de 280 e 320 rs. 0
    covado; assim como, um bom sortimento de chi-
    tas de todas as cores, padroes modernos e flios,
    pelo barato preeo de 280 ate 360 rs. : a rua da
    imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da Silva.
    Cortinados para cama
    Na loja do Pavao vende se um grande a
    lo de cortinados bordados proprias par*
    janellus, pelo barato preen de 8, 9 e [ par, assim como colchas de damasco yu% oaac
    j de noiva a 10 e 12,000 reis- ( \-ttU*dmz.6
    rua da Imperatriz n. 60, de Felix Prom *
    ! Silva.____________________
    Sedinhas a 1#500 o cov da.
    Venham antes que se acabem : na loja 4m
    a rnal." do Varm n K.
    Fundas ll(lPlliiUhi>
    ELGCTlO-nDCCACg
    Para ligar pcrfeit;< nente e turar radaMl-
    meiite
    as quehr Ess;.s fundas eslabelecidas sobre os caohafe-
    mentos meaicaes e anatonicos maniem as qoefea-
    duras as mais volumosos e difflcei>, imp />ai(
    seu desenvolvirrento. Elles teem uma accS-i 1 *
    trica qne na generalidade dos casos cp=ra
    enra radical scm que 0 docnte se rajerte a;
    cripcao alguma, a excep^ao do nso comiuna
    las. A cura opera-to no perioto de 12 a 29 a
    zes conk-ruie a l.irnia mais tu BesHt antifi.
    Unico deposilo em Pernambucn, plu
    cia 0 drogeria de B-irtLolou.cu it Hua ldrga fo Ro^rio n. 34.
    Saccos
    Vmde se saccos de e.-iopa cm um oc^aeua
    defriM, pr> prios para rnsaccar farinha, orihtj 'fc,
    pelo diminuto preco de i20 rs cda um : u* ja do Guilherme 4 C a rua Jo Crrspu n. 2 c
    Ao d. 9.
    No progresso de pateo do Carmo vende-se man-
    teiga mgleza flor a 800 rs. a libra.
    " It-*.----------------=m---------------k
    Camb
    raias
    na
    Fara, padarias e tavernas
    'al fino e muite alvo : vende-se na rua Ifnpe-
    rail n. 6, armazem.
    Com barris, a 240 rs. 0 covado, sd
    raa do Queimado n. 43.
    E' pechincha.
    Cambraias com barra, desenbos chine-
    zes pelo prego de 240 rs. 0 covado. S6 0
    43 I Junto & loja da Magnolia.
    K aldeLisboa
    Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo
    Santo n. 17, anaar. escriptorio de Joaqnini Ro-
    drigaes Tavares de Mello.
    asaquinnos
    Casaquinhos de gorgorao de seda, pre! ,
    trios para senhoras, faz hs>
    pre se vendeu por 20*, estamos i-nd^a-'-- pm
    0* cada um ; i.-lo tt na loja do GalHiuwan 1 C
    a rua do Crrtpo n. 20.
    Linho d'Aisaria
    Linho de Alcana com listras,;! -tMka
    muito largr>, padroes lind-.-s c- in!e!r..nvc''- :.
    proprio para veMiJcs de senhoras 1 m< nil
    baratissimo preco de 4 40 rs. 0 cov 1'
    amosiras : a rua do Crespo n. 20. loja do
    Iberme & C.
    Sargelim
    Sargelim de cor trancaJo proprio ;:.ra "> fc
    vestidos e outra qualquer obra e vr-l
    diminuto preco de 160 rs. cala nmd 1 i naa
    g Crespo n 20, loja do Gailh^rrre & C_______
    .0 Desengtnoeetaquei-
    mamlo
    0 proprietario deals estabeleciu.eiiti tec. r.dW
    vido vemler as fizendas exi^ttniis 1 u .-. u
    leciiLento, por menos do que m outra qua)
    parte.
    Vauzinese de seila.
    Vende-se esta fazmla de lindos patiSe?, if Ul-
    tras e palmas, pelo diminuto prec" da 320 r& a 88-
    vado, por ter nns leques de mof >, t graad p aaa-
    cha. Esta fazenda tambem >erve para iu! fr
    ser toda preta ; e fazenda de 2*500 o c vad l
    Dcrnasco Jo li.
    0 Desengano esia vendendo damasco I !i is
    lindos padroes e de duas largora, assa i>.y*j*-
    mo preco de Uli.O 0 covadc, u hrrWi de 2+5M.
    Aproveitem que 0 Desengano esta qucimaado.
    Casnquinbos de g<-rgora>' de seda.
    O Desengan e^ia vendcnd<> e^saquinhct de j-.*-
    gorJo de seda, enfeilados, pelo baratissimo ?rx
    de 6*000 cada um, e grande pechincha. A -^aa
    antes que se acabem.
    Organdvs a 320 rs. o covado.
    Vendem-se Organdys de listras, br nco, oio ba-
    rato preco de 320 rs. 0 covado. p pcatmtem
    Madapoloes de 49000 a ppja.
    0 Desengano esta vendendo madapUao fnamm
    com 20 varas a 4* a peca dito muiiu rin-j, a 3|^
    5*500, 6* e 7* a peca : 6 grande peehioeba.
    Algodao marca T, largo, a 4*, 4/500 -K~t*
    peca.
    Ricos cbapeos de sol de seda, com cabu fim, a 12* c da nm ; e pechincha
    Baptistas de lindos padroes a 400 rs. c, <.. .&ia
    Lazinhas de coren, bonitos padroVs, pelo ditriasa-
    to pre^o de 160 e 296 rs. 0 covado. A tl'as -rlaa
    que se acabem.
    Cambraia Viet ria, a 3*500, 4*, MM I 'f
    peca.
    Alpacas de ceres, la e seda, bonii-.- p.i:~--, a
    500 rs. 0 covado ; d grande pechincha.
    Metins de cores, bonitos padroes, a 280 e y>t n.
    0 covado.
    Chitas Claras de lindos pa iroes a 240. 260 .. Ml
    reis.
    E outras muitas fazendas que deixa de mtaria-
    na- as para nao se tornar enfadonho. per '-
    prOj rietario convida a todas a^ paaaaaa a fwet
    uma visita a seu estabeTOimcnto, aim J? >j<#-
    rem s"e do bom e barato. RnadoCre-^ a ,
    junto a loja da esquina.
    Mo ha que-iii vcwla mm w&>\\
    Gama A; Brito, com ;rmazem de molhal
    largo da Santa Craz ns. 2 e 4. vendem mant i|* .-
    gleia em barril a 800 e 1,000 rs. por cada 43t
    grammas ; vinho de maci a 1,200 ,:garr^.' .oJ
    Figueira a 440 a garrafa, a canada a 3,ii>'ra,
    gaz (Devos) liquido a240 a garrafa, velas siearicaa
    a 560 o"maco, velas economical a "60 0 u*c^
    cha perola a 3,200 rs. cada 450 grammas dito at-
    jofar superior a 3,000 rs. cada i50 gramme aaa
    compieio sortimento de-biscoitos em !ata. \a>
    vendem por precos baratissimos, bervilhas Creaoa-
    zas a 640 a fata, marmelada muito fina a 04" re.
    a lata com meia kilo, queijos frescos, azekte iiotm
    de Lisboa a 640 a garrafa. assucar do p-im -im
    sorte a320 rs. 0 kilo, dito de sesanla sorte a 2t
    0 kilo, dito de terceira sorte a 240 a kilo, vMn 4*
    Porto, em barril, a 800 rs. a garraf*, diio eogar-
    rafado das roarcas mais acreditadas a *\
    1,200 e 1,5003: 0 que pode" haver de nHbor
    tudo mais a voniade dos compradores, cm- da
    que encontrarao a maior sioeeridade 1 aprate
    possivel : no largo da Santa Cruz as. 2 e 4, uata>
    zem de Gama A Silva Brito. _________
    S6 na Ciiapeleria da Mo^l
    Na praca dalfldepemleuiia us.
    \\ e .6.
    Acabam de receber nm compieio e variado mtbV
    mento de chapeos de paiha da Italia para setha-
    ras e criancas, rieamente enfeitados e de gosto. at
    mais modernos qne ate hoje tem apMrucidj aa
    mercado, assim como tambtm receberam ua aa-
    nadiatimo sarlimento de cbapeos de :%m oNQaa
    aba dura, para bomem, e vendem mais birato aa
    que em outra qualquer parte.

    I


    Vende-se
    na rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
    Vinho do Porto engarrafado, am barris a am
    aacoretaa.
    Cera, em velas, de Lisboa, superior matiaaaa
    Retrot do Porto.
    Cjmento Portland, legitimo
    A 48000
    L2 para bordar, lindas cores, sapato^ de traaea
    a 1*. botinas para sennora a 2* e 3*. caoo aito,
    ilatMlo sarja de todos os numeros e hndas oraa,
    a precos baratos, sapatas de castor a 2* lisas 4a
    carretel Aiexaadre, de 200 jardas a 900 rs.. k*r-
    zeguins francezes para bomem a 8* : nt toj* am
    rua da mperatriz n. 16.
    Kou remessa,
    Vinho verde de AiiisraBte
    Convida-se os apreciadores a virem apradara
    qne ha de mais excellente nerte artf 0; *
    so em decimos e a retaiao, am casa ae
    4 C, a rua estreiu do Rosario u. 9, jama,
    greja.
    %
    " '"


    8
    Jiario de Pemambuoo Sexta foira 20 de Novembro de 1874.
    >
    JURISPRUDENCIA
    Execnrao do regimento de cnstns-
    Pelo min sterio da justiga foi expedido o
    seguinte aviso :
    Ministerio dos n^gocios da justiga, Rio de
    Janeiro, 31 de outubro de 1874
    Levei so alto eonhecinrmto de S. M. o
    Imperador as segumtes duvMas suscitadas
    na execucSo do novo regimento de custas
    judiciaes :
    1.* Quo emolumentos devem cokrar os
    , juizes de paz polos ados conciliatorios nas
    acgoes de divorcio, despejo, prestiga > do
    contas e'outras em que se nao precisar
    quantia.
    2.* Se o juiz, nao obstante a disnosigao
    do art. 1 3 e art. 157, quanto is con-
    ciliagdes nao effectuadas ou a* revelia em
    causa da competencia do mesmo juiz, deve
    perceber eraoluuento pela sentenca definiti-
    va quo proferir condemnando o reo nas
    custas, coruorrae estaknli-c* o art h da dis-
    posigilo provisoria, e mais o que peli coda
    das ruspectivas custas Ide cabe em virtude
    da lei de 20 de setembro de 1829. V,
    que fez os juizes de paz, atem de inquirido-
    res, contador s em seus juizos.
    3.* Se aos escrivaes conpetem emolu-
    mentos pels ceilhdi que do acto da conci-
    liagdo se lavrar, para que fique este coi-
    signado, pois, comquanto seja narrativa
    essa eertiddo (art. 117. fj-j, estd sob a
    disposigao do art. 1, 3.
    4.* Sobre a relribuicao devida aos escri-
    vaes do commercio pelas actas que lavram
    da reunido dos credores.
    5." Goaio ss deve entender no fdro da
    cdrte a expressdofdra da cidade ou villa
    do art. 2i outros e por conseguinte os li-
    raites da 1-gua em relagao aos differentes
    pontos
    6." Se a contagem dos emolumentos pe-
    los alvards deautorisagao dos juizes do civel
    e do commercio deve regular-se pelo que
    com referenda ao juizo de orphaos e ausen-
    tes se acha estabelecido no art. 32, n. 4, e
    no 8rt. 144, n. 2, embora nos capitulos 2
    e 3 da parte 1* e no cap. 1 tit. 2 da par-
    te 4', n3o fossem marcados taes emolumen-
    Uos. para os juizes do civel e do comruercio e
    seus escrivaes.
    7.* A' vista do art. 113, dispondo que os
    escrivaes vengam o mesmo quo os tabelliaes
    na escriptura decada termo de desistencia
    e outros, como se deverdo contar os termos
    de desistencia e ndo referentes a valores,
    massim, por exemplo. d inquirigao dealgu-
    ma testemunha, a urra u outra prova, a
    dilagdes, etc.
    8 Se as razdes de appellagao, em causas
    que do juizo de paz sobem para o de di-
    reito, estao comprohendidas no n. 1 do art.
    2, ou se no caso de se referirem taps ra-
    zdes a causas summarias, como as que cor-
    rem no juizo de paz, e applicavel, conforme
    o antigo regimento. a regra estabelecida no
    a. 1 do art. 81 do actual regimento para as
    razdes linaes nas causas summarias.
    9." Se os emolumentos dos advogados em
    osescrivfies do civel, guardada a clausula
    do art. 196.
    0 lanto d 4.' apresentada pelos escrivSes
    do commercio, -que o trabalko com refe-
    renda a* reuuiao dos crodores e compoosa-
    do pelo emolumcnto que provem da cita-
    gao destes por carta (art. 103, 2.#)
    Quanto a* 5." duvida, formulada, como
    as seguinles pelo contador do geral, com-
    mercial e crime e interinamente da re-
    lagao :
    Que para as custas proveniences de dili-
    gencias mencionadas no art. 24, a legua da
    ciJade sera" considerada do mesmo niodo
    que na r>partigao fiscal incumbida da co-
    braoca da deciiua urbana.
    Quanto a* 6.* quo o art. 32, n. 4, refere-
    se exclu'ivamente ao juiz do orphaos ; para
    os do civel regu'a o art. 16, cuji disposigdo
    genericaahards-comprehende os deau-
    torisagdo, e nada se marcou por estes actos
    aos juizes do commercio no capitul i 3."
    Quanto a 7.', que o termo de desistencia
    espccificado no art 113 deve ter por objec-
    to algum valo-, pois do contrario o termo
    ficard comprebendido na regra do art. 112.
    Quanto d 8.*, quo as razoes de appeila-
    gaoem causas summarias estfio compra-
    hendidas uas disposigdes do art. 80, n. 1.
    Quanto a* 9.a que na conformidado do
    art. 82, n. I os emolumentos marcados no
    art. 87 s5o devidosao advogaJo pcla inqui-
    rigao de cada lesteriiunba, em materia
    crime.
    Quanto a* lta e 11', que os curadores
    geraes s6 perceLerdo emoluuientos pelos
    ados que praticarem como advogados,
    quanlo os meoores forem vencelores e
    houver parte vencida, nao so cobrando
    ueste caso uutrjs emolunieatosse nao os ta-
    xa los para os advogados.
    Quanto a" 12", que o porteiro dos audi-
    torios recebora* de cada prcgao, embora
    esle coruprebenda mais de um uome, os
    emolumentos determinados no art. 175.
    Quanto i 13", que na exocu<;o do' art. |
    191, n. 1, deve prevalccer a intelligencia
    dada pelo aviso n. 177 de 10 dejulhcj de
    1855 e or k'm n. 198 de 21 daquelle
    mez.
    Quanto d 14', que versando a penbora
    sobre alugueis de uin predio com varias
    dependencias e uioradores, se lavrara" um
    auto s6meute, e delle perceberao os otli-
    ciaes de justica emolument js ua forma do
    citado art. 11*1, n. 1, alem do que couber
    pela intiinacao a cada morador, segundo o
    art. 190, n. I.
    Quanto a 15a, que a conducgao, a que
    se refere o art. 19J, seri contada segundo
    o ineio mas ecoaomico estabelecido para
    ella.
    Quanto a" 16*, que pela avaliacjio de um
    entro outras prendas, tinha a especialidade j actividade e regulares dispoy^oes para tor-
    de gostar de musica. Em ouvindo tocar oar pste movimento ainda mais aclivo.
    algum instrumento, punha-se de ouvido a*
    escuta e prestava mais ou menus attenc&o,
    conforme lbe agradasse o que se estava to-
    cando.
    Nao se cuida ja* so nente de exercitar os
    exercitos e de descobrir elementos necossa-
    rios de defeza e de ataque, mas tambem d^
    preparar todos esses elementos no paiz sem
    A flauta nesse tempo estava muito em necessidade de recorrer a um outro paiz.
    moda e Pereira cbegou a aprender al- A Prussia occupa-se com grande activida-
    guma cousa disso, para entreter o burro, 'de no novo armamento dos seus soldados ;
    O jumeuto gostava tambem muito de ouvir (que terao todoj dentro de pouco tempo es-
    cantar ; fltava logo as orelhas com viva sa- pingardas Manser. Como as manufacturas
    lisfacflo, e, em escutando um dueto, elec- prussiauas n3o podem dar vasao, em pouco
    trisava-se de tal modo, que largava a zur- tempo, a todo o trabalho, que e preciso
    rar com todas as suas forgas, para tomar fazer-se, foram encommenda las 250,000
    parte no concerto. I espingardas a" ceiebre manufadura austria
    a Tudo isto vai longe e bom serd ao me-,ca de Steyer. Ultimamente o teuente-gene-
    nos que a ionovac,ao das corridas consigajral prussiano de Wuff, acompanhado do
    reverdecer as garridices e meritos de tanto seu ajulante de campo, foi alii para se cer-
    lombo, quero dizer, de tanto tomo, destes; titicar dos progressos da fabricagao da nova
    animaes, outorgando-lhes, em galardio do,arma, que alcanja mais 400 metros que a
    passado, a ?oga antiga. |Chassepot, e perraitte dar 16 tiros por mi-
    S6 issso poderi livral-osdo desaire a nuto en lugar de 12. Quanto a* artilharia
    que cbegaram de estarem sendo ioferioresjallerea e dup'.amente mais forte do que a
    a* femea, em nomeada e em estimac]ao, e(usada antes da guerra, e falla-se com o
    permiliir-Ihesque possam ainda brilbar aos, maior mysterio em B^rlim de uina nova pe-
    olhos da burra do largo dos torneios, que ca, quo 6 muito superior aos canhoes da ul-
    tem visto, por mais de uma vez, pessoas, 'tima cariipanba.
    que ja" nSo podiam comsigo, engordarem Nas manobras que ultimamente tiveram
    e nutrirem, merc6 da eaneca de leite que (lugar, o general Moltke assegurou que
    ella Ibes dispensa todas as manbas. jsob o pontn de vista de alimento o exercito
    lallemao nada ddxara a desejar, e o ministro
    Depois de possuirmos um exercito, dis-
    t poktugal. se 0 get, ra[ Menabrea ultimamente no par-
    matena crime fart. 87), quando assistirem
    & inquiridio e reinquiriQao de testemunhas,
    podem ser extensivos a cada uma destas,
    como se tern entendido por illagSo do dis-
    posto no n. 1 do art. 82.
    10.* Se em face do art. 91, deve conti-
    nuar a praxe de contar-se aos curadores ge-
    raes,pela petigao para alguem sercompel-
    lido a assignar termo afim do prestar contas
    de tutela ou curatela, proceder a inventario
    e assigna-lo,os emolumentos de petigao
    inicial em a^So summaria; e por outra
    qualquer potigSo, no interesse dos orphans
    ou curatelados, os emolumentos de petic,ao
    simples.
    11.' Se pelas diligencias a que assistirem
    nos invenhrios, quando se proceder a exa-
    mes, vistorias, etc., no interesse dos orphaos,
    devem os curadores receber emolumentos,
    ou somente nos processos prornovidos pelas
    partes e n3o nos invcntsrios.
    12.* Se o porteiro dos auditorios, & vista
    do art. 175, deve receber 500 rs. de cada
    nome de autor ou reo contido no pregao da
    inesma acc,ao ou penhora, ou qualquer ou-
    tro em que haja designat}ao de varios no
    rnes.
    13.* Se o ecnolumento de 49 por auto de
    deposito (art. 191], deve ser pago indistinc-
    taroente a cada official de justice, ou quan-
    do o deposito e o objecto principal da dili-
    gencia, e nao consequencia da penhora,em-
    bargo ou sequestro, como declarou o aviso
    de 10 de julhode 1855.
    14.* Se quando versar a penhora sobre
    rlugueis de predio por mais de um mora-
    dor, como os sobrados, estalagens e corti-
    03, e os officiaes dc justica lavrarem autos
    especiaes de declaracio, de penhora e de
    deposito, com referenda a cada um dos mo-
    radores, devem ser pagos emolumentos por
    todos estes actos, ou e geral o auto da pe-
    nbora considerandose especiaes somente
    as intimaQoes.
    iS*a Se aos officiaes judiciaes se levam
    em conta cavalgaduras, quando para o pon-
    to da diligencia houver couducgao emtrilhos
    urbauos ou camiubos de ferro.
    16.* Se devem ser contados emolumentos
    i,elas avaliagoes das dependencias de um
    predio, como raeias aguas a elles annexas,
    com sahida independents.
    17.* Se as casas de lavar ou tanques co-
    l.trtos, cocheiras, telheiros pertencentes a
    u aras, etc., devem ser considerados se-
    paradamente da avalia^ao das mesmas cha-
    cprns, aGm de so dar valor a cada uma des-
    sas construcc/tes.
    18.* Se & vista da omissSo do novo regi-
    XQurito, deve consiJorar se a avaliarao de
    terreuos como casas terreas.
    1".' Se em face do art. 201 1 e 2,
    e ou nao regular que na contagem dos au-
    * tos se glose o excesso de emolumentos ou
    Loi'iOiarios que contarem quaesquer offi-
    ciaes do juizo, tendo as partes os recursos
    do art. 197.
    E o mesmo augusto senhor manda decla-
    rar a V. S. para os fins convenientes :
    Quanto & V duvida proposta, como as
    duas r guintes, pelo juiz de paz da fregue-
    zia de Santo Antonio desta cdrte:
    Que na) havendo valor designado, dever-
    se-ba, ad instar dos arts. 3e 9, cobrar o
    emolumonto minimo de que trata o art. 1,
    3, 1' hypothese.
    Que & 2* duvida, tambem suscitada, bem
    como a seguinte, pelo juiz de paz da fregue-
    zia da Gloria, estd expressamente resolvida
    pelo art. 2, que nio permitte ao juiz de
    paz outros emolumentos, alem dos taxados
    , no art. l.
    - Qoanto 6 3, que o art. 157 s6 se refere
    eo ado da conciliagio, mas nSo 4s certid&es
    por termos extrahidos do protocollo, as
    quaes terfio os emolumentos marcados para
    predio teiiha Julie ou nao dependencias,
    se cobrarao os emolumentos do art. 179
    ns. 1 e 2.
    Quanto d 17*. que as dependencias de
    uma chacara deverao s-^r descriminadas
    na avaliacao, mas desta se lavrard um so
    auto geral, ooraputando-se os emolumentos
    como em rela^ao a Una predio.
    Quanto a 18', que sendo omisso o anti-
    go regimento, como o actual, sobre a avalia-
    cao de terreno, se cobrard o emoluments
    do art. 79. 1, por ser o minimo quanto
    aos kens de raiz.
    Quanto d 19*, finalmente, que a attribui-
    ao que ao contador confcre o art. 172 6
    restricta ao objedo ahi especificado, isto e
    d glosa do numero de regras e-letras alem
    do que prescreve o regiments e nao se re-
    fere aos demais emolumentos.
    Deus guarde a V. S. Jodo Josu de OU
    veira Junqueira. Sr conselheiro presi-
    dente da rela^ao da cdrte.
    VARIEDaDE
    As corridas de lmrros.
    (Oonclusao)
    Isso nao p6de ser, porqua estd na
    opera, e e preciso preeocher a musica com
    as palavras.
    Puis se continuarem a chamar-me
    jumento, n3o canto mais. Revolta-me a
    cbacota da platea e fico furioso.
    Ha um expediente.
    Qual e?
    Em vez do jumento...
    a Sim.
    < Cbarna-se azino. E' palavra mais
    fina, e nao a enleudem senao os litteratos.
    S6 os litteratos 1
    S6 os litteratos. Mais ninguem 1
    Pois seja.
    Estd dito.
    A' noite cantou-se a opera. Ao cbegar
    do caso, em vez de jumento, cbamou-se-lhe
    azino, conforme o ajuste.
    c Tu sal un azino I tin azino I
    Largaram Udos a rir, a rir e a dar
    palmas, em um regozijo, em uma galhofa
    de que nao ha idea.
    Corpo di Bacho! resmungava o
    baixo profundi, fulo de colera. Tutti lit-
    leratistano in la salla questasera I...
    Comquanto a festa das corridas pas-
    sasse agradavelmente, sem poder registrar-
    se queda desastrosa, nem motim atterrador,
    e constituisse de algum modo uma recreacao
    popular, ulil pelo ti.n de caridade e que se
    propunha, e risonha pela maneira por que
    foi delineada, os burros nao pareciam foi
    gar muito uaquelle campo de glorias. Sen-
    tia-se que a importancia dada a estes ani-
    maes cnegava um pouco tarde ; Lisboa, que
    teve outr'ora a mania dos burros, jd hoje a
    nao tern I
    <( >'ao havia, ha 30 anoos, maior diver-
    timento do que uma alegre burricada. As-
    sociava-se para isso um rancho de pessoas
    atnigas.
    quanto mais cabiam, mais riam ; Oi peque-
    nos faziam galopar os burrinhos em que
    iam d forga de os picarem com uma ver-
    dasquinha aparada para esse fim com o ca-
    nivete doslapis, e lhes fincarem os estrib os
    na barriga. Foi a epoca do espleudor dos
    kurros do P050 do Borratem, do Campo de
    Sant'Anna e da rua do Arco do Bandoira ;
    foi 0 grande tempo da alkarda vermelha de
    Cacilbas, das festivas correrias d Piedade e
    ao Alfeite I
    Havia burros celebres.
    Sabia-se quern alugava um que passa
    va sempre diante de todos; quern tinha
    outro que nunca cahia, quem possuia dous
    sem iguaes para cadeirinba.
    Citava-se ate* um ou outro particular,
    possuidor de algum exemplar celekre e ra-
    ro; 0 Maia, que foi caroaroteiro de S.
    Carlos e & hoje dono da konita casa de pas-
    to do CampoOrande ; 0 Carles do casal;
    oD. Vicente ilonsta...
    0 actor Pereira, do antigo Gyrahasio,
    alugava muilas vezes 0 kurrinho, que,
    A necessidade DOS exercitos permanentes da guerra faz agora convergir a sua alien
    na europa ; suas relacOes com o* pro- cSo para 0j me|lioramentos, que devem ser
    GRESSOS da I.NDUSTRIA.os campos de iutroduzidos nas LrtiGcacoas das froutei-
    MANOBRAS COMO ESCOLAS PRAT1CAS. EX- ras,
    PERIENCIAS COM OS CORPOS DE ARTILHARIA
    NA INGLATERRA, FRANCA
    convenience de exercitar os alumnos lameuto italiano, n3o devemos descuida'r os
    dos coLi.Ecios do estado. -oRGANiSAgio molborauientos, que possam tomar a sua
    militar doseremitas; antigo systema missSo ellicaz ; seria umerro fazer econo-
    dc promoqao no exercito francbz ; suas m,as> quando dellas pode resultar a inutili-
    vantagens e inco.sveniextes. projecto dade dos nossos esforgos, convem ter em
    para renovaqao do systema antigo. vista quo us economias feitas com o exercito
    0 lerritorio da Europa e um vasto campo, redundam se npre em prejuizo para a segu-
    que olTerece na variedade da? |sc*mas que alii ran5a da na$ao.
    torn lagar, ensejo para serios estudos; aquella Assirn se entmdem os allemaes e por isso
    mdle immensa de habitantes, que quasi se nem um momento param no seu progresso
    acotovelam em um tao limitado espa^o, offe- militar. Diaute dos esforcos da Franca
    rece um espectaculo curioso no seu incessau- adquirem novos brios e nova alma e nao
    te burburinbar de mtrigas politicas, de am- descancam um momento da sua faina cons-
    bicOes de progresso, de rivalidades interna- tante. Se aquelle paiz cuida da defeza do
    cionaes e de tentativas audaciosas, que tor- j seu lerritorio, a AHemanha nao descuida
    nara por demais agitado o movimento que. umbem assumpto tao magestoso.
    alii se observa. Os vencedores da Metz e Paris parecem,
    0 estado do p?z armada, que se tornou o porem, renunciar ds graudes pracas fortes e
    viver normal de quasi todas as potencies eu-; campos fortiilcados ou pelo menos, nao tra-
    ropeas, oajconcorre em pequeao grdo para tam por agora denenhurn trabalho seme-
    imprimir a um tat movimento ainda mais lhaote. Cuidam do que existe, mas ndo
    influencia no interesse que elle desperta. ^rabalbam por augmentar o sau numero.
    Talvez essa quantia parte da receita seja | A opiniao dominante entre os escripto-
    destiuada a sustentar um exercito superior res militares allemaes e que bastam al-
    a 5,000,000 de homens, e se por um lado guns estabelecimentos daquelles em
    este grande numero de bragos deisa de ser Um vasto lerritorio e quo todas as attencoVs
    aproveitado em beaeficio de muiUs indus- devem convergir para o commando das li-
    trias, as soramas que se despendem com a nhas de comraunica$ao. Por isso os seos
    sua existencia alimentam uma parte dellas,' actuaes traljalbos de fortificagao teem por
    e todos os dias vio creando outras novas. fim asseguxar as prineipaes passagens de
    Nao e menoro numero dos habitantes que rios. os desfiladeiros das montanhas e es-
    encontram trabalho nos preparativos que pecialmente os entroncamentos dos cami-
    cada nagdo e okrigada a fazer para susten-
    tar em p^ de guerra exercitos tio numero-
    sos.
    Uma parte delles dedica o lidar incessante
    nhos de ferro e estradas prineipaes.
    Na bistofia da ultima campanha apren-
    deram como um modesto fortim, como o
    de Toul, pode impedir a circulagao do ca-
    da sua intelligencia ddescoberta de novos ele-jmiaho de ferro durante muitas semanas
    mentosde destruicSo ou de defeza, e a reali-1 necessitando ate* um sitio em regra ; nao
    mqSo destes trakalhos proporciona menos ds desaproveitando a ligdo recekida, estdo ago-
    oulras industries em certo progresso relativo. (ra colhendo della proTeitoso fructo.
    Ndo avangaremos a idea de que os exer-, Os francezes, pelo contrario, fazendo
    citos permanentes sejam uma necessidade pouco caso daquelle acootecimento, teem
    imprescandivel, mas elicito reconbecer quo ate hoje deixado de tirar delle as necessa-
    no estado de imperfeicao em que se acha ain- rias premissas o v5o construindo grandes
    da a sociedade uoseu viver politico, seria pragas de guerra na fronteira, deixando a
    talvez mais perigoso faze-los desapparecer bandonadas de defeza as linhas de commu-
    na Europa, onde cirGumstancias especiaes nicacao. Depois, diz essa revista, donde
    tornam sobremodo escepcional a vida de colhemos alguns apontamentos, se em uma
    tantos estados repletos de gente e separados nova guerra alcancarera os resultados que
    apeoas por debeis tabiques, que o despeito colheram na de 1870 1871, accusar-se-
    ou a ambicao consegue em um momento hao mutuamente como agora, sem comtudo
    destruir, facultando uma immediate invasSo, provarem que uns fossem mais previdentes
    contra a qual s6 a permanencia de uma for- do que os outros.
    5a respeitavel p6de oppor obstaculos. j E porque a critica da guerra e relativa-
    E'tambem forgoso-confessar que o admi-mente facil e todos se julgam habiitados
    ravel movimeuto do progresso, de que nos para a fazer, mas 0 que se torna verdadei-
    dd wxemplo a Europa, seria mesmo efiicaz,; ramente diffic 1 e necessita de um talento
    se a seguraoga dos di versos estados ndo superior e" a sciencia da administragao, que,
    fosse mantida por essa massa de homens, tendo sempre'presente 0 passado, anleve"
    que participam dos interesses que teem por tambem 0 futuro.
    missao defender. Os conselhos do general Menabrea teem
    E' verdade que nem assim mesmo se con- sido aproveitad&s na Italia ; alem dos cam-
    segue evitar, as continuadas guerras, que pos de manobras 0 ministro da guerra or
    mais facilmcnte se ateiam, encontrando pre-'ganisou este anno exercicios trimensaes
    parados os elementos que as podem alimen- para os corpos de artilharia.
    tar, mas resta saber se, no estado em quej As primeiras experiencias deixsram pro
    se acha a Europa, a falta de um tat elemen- vado que particutarmente os regimentos de
    to nao produziria consequencias ainda mais
    desastrosas.
    Mesmo na America, onde taes condigoes
    sao differentes, exemplos bem frisantes teem
    demonstrado a necessidade de se possuir
    um exercito bem disciplinado e armado,
    artilharia necessitam de um continuado ex-
    ercicio e ao mesmo tempo de fazer conti-
    nuados trajectos, que facilmente a pratica
    dos soldados, a aptidao dos ofiiciaes e 0
    exercicio dos animaes.
    Os corpos de artilharia depois de percor-
    cooio um dos mais poderosos auxiliares da rerem grandes distancias, sukindo e desc-n-
    tranquillidade interna e um dos meios mais do lugares escarpados, prepararam as bate-
    efficazes de defeza contra as ambigOes ex-
    ternas,
    0 movimento que actualmente se obser-
    va na Europa nao deixa de ter 0 seu lado
    curioso ; cada nagdu faz exercitar os seus
    defensores em campo de manobra, que sao
    ds escolas praticas do exercito
    rias nas imminencias e depois do urn ataque
    simulado tornsram a preparar-se para ef-
    feduar uma immediate retirada por lugares
    dedifficil accesso.
    Segundo 0 que assegura unfjornal, a
    experiencia provou ser tdo favoravel que no
    seguinte exercicio os regimentos apresenta-
    Cada governo parece melhorar os seus ram ja um outro desenvolvimento nas ma-
    meios de defeza e 0 seu systema de orgaui-' nobras, e os animaes habituados facilitaram
    sagao militar.
    A propria Suissa cuida particularmente
    desta parte da sua administragao ; este pe-
    queno estado, que, pela sua posigdo geogra-
    pbica,pela sua neutralidade tdo preciosa,
    podia empregar os seus recursos em outras
    reformas uteis, praticas e sobretudo paciQ-
    cas, elevou agora o seu exercito a 200,000
    homens, collocando 100,000 na actividade
    e igual numero na reserva.
    Obdecerd esta reorganisaga*6 inesperada
    ds instigagoes da Prussia ou aos receios de
    um proximo contli :to ? A verdade e que
    este estado reconheceu esta necessidade.
    Emquanto 0 exercito austriaco se exerci-
    ta na Bohemia, 0 exercito allemao na Ba-
    viera, e 0 exercito francez nos campos de
    Chalons e d'Avons, a Suissa vai tambem dar
    comego ds manobras no cant&o de Fri-
    burgo.
    a sua regular execurao.
    Na Inglaterra as manobras dos corpos
    de artilharia provaram a suajefficia na revis-
    ta, que teve lugar por occasiao da visits do
    imperador Alexandre no campo de Mcurs-
    hot.
    0 movimento operado por varios corpos
    de artilharia de campanha, que ate entao
    apenastinham feito exercicio em separado,
    foi 0 mais satisfactory.
    Nas manobras, em que entraram perto
    de 2,000 homens com 94 boccas de fogo,
    todos os corpos operaram com facili-
    dade e bem confusdo, sendo com presteza
    assestadas as baterias e com a mesma
    promptid&o reliradas para mudar de posi-
    gdo ou para se effectuar qualquer movi-
    mento, que exigisse uma marcba iuime-
    diata.
    Os animaes jd acostumados pelos prece-
    Todas as nagdes porfiam em empregar OS 1 dentes exercicios, percorreram a galope os
    meios para nao se conservarem inferiores mais difficeis caminhos, vencendo grandes
    aos seus visinhos, considerando as escolas, distancias e ficilitando os movimentos orde-
    praticas como um recurso indispensavel.
    0 Daily News publicou ultimamente um
    nados.
    0 Daily Neios
    disse com verdade que
    artigo cbamando a attengdo para os progres-, essa occasiao em que sem trss experiencias
    sos que estd fazendo 0 novo systema de ma- nao era possivel em uma emergeacia que
    nobras militares do outono, inaugurado pe- os corpos de artilharia podessem prestar na
    las tropas-prussianas. A Suecia, Dinamar- guerra os servigos que delles se deve es-
    ca, Suissa, Austria, Italia, Belgica 0 ate a, p-.rar.
    Turquia, arrastadas pelo exemplo germani- Em Frauga as manobras de artilharia
    co, teem estabelecido acampamenlos, de teem tambem merecido agora a especial at-
    instrucgdo como no tempo dos antigos reis:
    0 acampamento de Bolonha, na epoca de
    Napoleao I, veio a ser uma especie de en-
    sino historico. _
    tengdo dos commandautes dos corpos.
    A utilidade de taes experiencias mereceu
    ser reconbecida por todas as nagdes.
    Em Portugal teem tido jd lugar varios
    A Allemaoka tern concorrido pela sua exercicios e, apreciando a sua conveniencia,
    disse o Paiz, folha de Lisboa, 0 seguinte
    sobre uma das experiencias, que tiveram
    lugar no mas findo :
    Tern continuado regularmente, duas
    vezes por seraana, as experiencias sobre a
    mokilidade da artilharia de campanha, em-
    prehendidas pelo Sr. general Caula e dirigi-
    das sempre pelo mesmo senhor.
    Ate agora tratou S. Exc. d verificar
    aptiddo para 0 servigo dos systemas de as-
    sentos de molas para os cofres de invengdo
    sua : actualmente cremos que aos seus estu-
    dos praticos se abrem mais dilatados hori-
    sontes, porquanto versam sobre 0 molo de
    aproveitar d grande distaneia un.a forga de
    artilharia, duspendendo curtissimo espago
    de tempo.
    Ante-hontcm sahio do quartet do regi-
    mento do artilharia n. 1, ds 5 horas da tar-
    de, a divisdo de pega de bronze, que desde
    0 comego foi destinada a este servigo e pou-
    co depoi> outra do systema Krupp em pas-
    seio militar.
    0 Sr. general Caula, scguido dos Srs. ca-
    pitao de artilharia Manoel de Mello c tenen-
    te de cavallaria Joao de Mello, que consti-
    tuiam 0 seu cstado-maior, acompanhou a
    primeira, dirigindo-se a trote e a galope at
    d serra de Monsanto, proximo das obrasque
    alii se cstao construindo ; ao cbegar a este
    ponlo, juntou-se d divisdo Krupp teria, commandada pelo Sr. tenente Sautos
    e seguda pelo Sr. capitdo da bateria Mt-n-
    donga e Brit:), assistindo tambem o Sr. co
    ronel Zucbelli e mais dous teneutes do re-
    gimento.
    0 Sr. general escolheu uma eminencia,
    onde mauduu postar em combate a divisdo
    de experiencia, fazendo alguns tiros. Beli-
    rou pouco depois, passando defronte de uma
    das obras e seguindo en:osta abaixo ate d
    estrada de Bernlica, recolbendo ao quartel
    quasi sempre a galope.
    A divisao Krupp seguio 0 mesmo cami-
    nh), demorando-se todavia mais algum
    tempo, 0 que foi devido a ter de serempre-
    gados os lirantes de cassonete para alliviar
    as parelhas de troiuo rnuitj sobrecarregadas
    pelo peso ilas vialuras.
    Sendo esta a primeira vez que este mate-
    rial e" submetti 10 entre nds a experieucia
    destegenero, p6de-se dizer que os resulta-
    dos sao auimadores, porquanto os meios de
    tracgdo variam consideravelmente do antigo
    para 0 novo systema.
    Com estes exercicios, empregando auda-
    mentos rapidos e por terrenos accidentados
    e de grande declive, inaugurou-sc entre rids
    um estudo, que se torna deveras proveituso
    e pde tm relevo a aptidao dos uossos ofli-
    eiaes e soldados de artilharia, atii agora re-
    duzidos exclusivamonte ao exercicio em con-
    digoes de todo 0 p< nto excepcionaes, para-
    das e mais forraaiuras de espectaculo, tendo
    apenas durante 0 anno os dous Inezes de
    pratica de cada sessdo no polygono de Ven-
    das Novas.
    Um outro melhoramento introduzido na
    exposigdo militar na Europa e o mesmo me-
    thodo de exercicio applicado aos estudantes
    de todos os collegios sustentados pelo go-
    verno e mesmo particulares.
    Oepois da Prussia foi a Franga que adop-
    tou a idea e a Inglaterra, segundo 0 Mili-
    tar ij and Naval Review, trata de lazer in-
    troduzir 0 systema no paiz.
    Sdo railbares de defensores adestrados
    estas criangas, que alegremente se applicam
    ao exercicio com a pequena arma ao hom-
    bro, diz o Moniteur, e esta boa disposigao
    de sua parte e iniciada pela declaragao de
    seus mestres, que lhes fazem ver que uma
    tal experiencia pdde mais tarde cwicorrer
    para que elles salvem o seu paiz das garras
    do estrangeiro.
    Em Paris reuniram-se ha pouco os seis
    bataHides da elite dos lyceus no pateo do
    lyceu Henrique IV. Os exercicios duraram
    uma bora. Assistiram os generaes Geslin,
    Noel e Pradier, o ministro da instrucgao
    publica, Fourtou, o antigo ministro do im-
    perio Mr. Ourny, o barao Larrey, medico
    em chefe dos hospitaes, 0 coronel Corbin,
    do estado maior. A manobra, perfeitamen-
    te executada, foi commandada pelo capitao
    Grellet.
    Quando e" que nds introduziremos nos-ly-
    ceus e collegios os exercicios militares?
    Foi a Prussia quem primeiro se lembrou
    desta excellente innovacao e boje todas as
    nagdes a imitam.
    Na organispgao militar tambem se pdde
    consrlerar de muita vantagem a escolba de
    varias commissdes para esiudarem os me-
    Ihoramentos que carecem introduzir-se no
    exercito.
    Na AHemanha tudo 0 que se tem feito e
    devido ao estudo de commissdes especiaes,
    e por meio dellas quer 0 ministro da guerra
    procurar inforraar-se da geral raodificagdo
    realisada na arte militar, para della se tirar
    o proveito que olTerece.
    Afim de cbegar a estas solugoes com pie-
    no conhecimento de causa, 0 governo fran-
    cez procedeu a um vasto iuquerito, quo jd
    estd terminado. Grande numero de offi-
    ciaes foram encarregados de ir estudar ao
    terreno proprio como funcctouam as annas
    estrangeiras, de compulsar e esludar todos
    os document js relalivos a este grave as-
    sumptOf tanto sob 0 ponto de vista do ma-
    terial como do pessoal, e de dar sobre estas
    differentes questoes a sua opiniao compara-
    tive ; por outro lado 0 ministro da guerre
    nomeou commissdes perticutares e estas aca-
    kam de terminar os seus trabelhos.
    Estes differentes elementos de instcucgao
    vdo ser reunidos por ordem do ministro e
    submettidos a uma com missao central, que
    os classificard metbodicamente e designard 0
    alcance e valor de cada um delles, afim de
    que possam servir para esclarecer a grande
    commissdo militar da assembles e a propria
    camara, quando for occasiao disso.
    E' particularmente na questao do organi-
    sagdo que a AHemanha tem dado 0 exemplo
    ds outras nagdes e que a Frauga trata hoje
    de ictroduzir reformas, porque jd reconhe-
    ceu que, em primeiro lugar, da disciplina e
    da equidade dos direitos de officiaes e sol-
    dados depende a marcha regular do exercito
    e sua moralisag&o.
    Actualmente se agitavam na Franga e na
    Inglaterra duas questoes a que a officiali da-
    de liga grande importancia.
    Fallando da primeira. destas nagdes, acha-
    mos mais couveniente transcrever 0 que a
    tal respeito diz uma revista militar :
    Agita-se actualmente no exercito fiau-
    cez, diz a refenda iolha, uma questao das
    que mais direciameute podem interessar
    uma officialidade e que mais inQuencia
    exerce sobre as instituigdes militares de um
    povo.
    Queremos referir-nos d promogao aos pri-
    meiros postos do officialato.
    Pela lti de 14 de abril de 1832 e disposi-
    c5o del6 de marco de 1838, a proraoc5o
    aos postos dealferes, tenente e capitlo an
    feita no quadro de cada regimento para U-
    vorecer o espirito de corpo, oonservar jmu-
    lacdo util entre as diveraas corporagdas da
    mesma arma e evitar grandes mudangis de
    pessoal por occasiao de uma guerra ou aiobi-
    lisagio.
    Se o systema tinba algumas van talent,
    ndo deixa va por isso de possuir gravts in-
    con venientes.
    Um del es e d)s mais frisantes era liaer
    ollieiaes com a mesma antiguidade, cccu-
    pando posigdes hierarchicas mui afast idas,
    gragas d differenga de promogdo nos diver-
    sos corpos.
    Ndo era raro verem-se dous condis-.ipu-
    los nas escolas militares, ostentando mais
    tarde um gilao de nlferes, enquau'.oo ou-
    tro usava jd 0 de capitao.
    Este estado de cousas aggravou-so muito
    mais durante a guerra, porque ao pa muitos regimentos foram aprisionados logo
    no comego da campanbt, outros, mais ou
    menos improvisados, combateram ated eon-
    clusdo da guerra.
    QuaDdo os officiaes prisiooeiros rectrfbe-
    ram d patria, encootraram-se subUtuidos
    e daqui a difficuidade de amalgamxr uos e
    outros com 0 systema de promogao entio
    em vigor.
    Para rcmediar tdo grave inconveniente
    foi prumulgada a lei de 5 de Janeiro de
    1872, est.ibelecen Jo 0 sjsterna de promo-
    gao em tola a arma.
    0 actual min:stro da guerra. reconbxeen-
    do que aquella lei foi uma necessidade im-
    prescriptivel de momento. julga conveuan-
    te, agora que as cousas voltaram qui que
    ao : eu estado normal, resuscitar a antiga
    legislacdo, na qual encontra maiores v; nla-
    gens nao sd para o servigo como pa a os
    proprios officiaes.
    Neste sentido apresentou d essembie: na-
    cional um projecto de lei, cuja urgeocia foi
    declarada, e boje serve de thema ds discus-
    sdes dtis jornaes.
    Como e natural em uma questdo em que
    os interesses pessoaes estd'i em jogo, as opi-
    nides apresentam-se mui divergentes, mas
    entre ellas ba uma que, por ntermudia,
    parece obter maior numero de adbesdes. E
    a que pro pde 0 corpo de exercito para base
    do systema de promogao.
    Qualquer que seja, porem, a opiniao \ae
    prevalege, nao serd della que sortirao van
    lagens pronuuciadas para o melboranento
    da officialidade.
    A questdo de pronogdes e muito mais
    difficil de resolver, quando se queira c.m-
    derar, ndo d luz das couveniencias parucu-
    lares, mas d do aperfeicoamento das institui-
    gdes militares.
    A commissao de guerra da assembles .iran-
    ceza, a quem talvez eslas consideragde* ndo
    s^jam estranbas, nio discutio ainda pr>jec-
    to, e parece mesmo disposta a ndo o exa
    miner, em quanto nao tenba dado pare-
    oer aoerca de todosj os eutros obj'-ctos
    que Hie foram submettidos e dizem res-
    peito d orgaoisagdo do exercito. No en tan
    to as paixdes vao acalmando-se e dVpois
    mais facil se torna d rc-solver 0 for
    mais eonsentaneo ao melhorameato doexer-
    cito.
    A questao que occup u a attengao d > mi-
    nistro da guerra na Inglaterra, seado de
    natureza ditlerento, ndo e menos importan-
    te para os officiaes do exercito e della Uata-
    remes em outra revista.
    IJTTERATDRA.
    Quest<* peniieneiarlaa.
    ESTADO DAS PRISdES DA PRI7SSIA.
    Resftoita aos quesitos formulados otln
    Commissao organisadora do Conqreuo
    penitenciario de Londrcs em ttTt,
    1.* quisito.
    Todas as prisdes da Prussia estio
    sob a iuspecgao de uma autorilade
    central ?
    Esta autoridade absorve todo? o
    poderes d'administragdo, ou os dude
    com as autoridades locaes, e em que
    pro(,orgdo ?
    Nao eiiste na Prussa uma aulori ia central pare todos os generos de prisdes.
    As prisdes locaes, exelusivamente de$*.iru
    das d detengao preventive e'as penas de
    curta duracao, sao subordinadas ao mmis-
    terio da justiga, e as grandes pwuleuei ,n-
    [prisdes cenlraes] pertencem a jurisdiegio
    do ministerio do injerior.
    Na proviucia Rhenana, conforme as pres-
    cripgdes do Codigo do procasso crim.ua!.
    ainda em vigor n'aquella parte do estado,
    as prisdes de primeira classe dependerr.
    igualmeute desta ministerio.
    Os poderes directsmente exercidos por
    este ministerio resumem-se nos seguiotes :
    Fixagao da despeza annual, e decretagdc dai
    disposigoes geraes que devem regular a
    administragdo economica de cada um e$-
    tebelecimento; do tratameoto dos pie;.,
    com ralagao d discipline, educagao relifiosa,
    instrucgdo, trabalho, vestuario e aiimtnta-
    gdo.
    Da mesma forma a nomeagao de todos os
    empre^ados superiores, e as autorisagoos oe-
    cessarias para uovas construcgdes, a si a
    como para quaesquer outras obras excaden-
    tes as forgas dos orgamentos regulares de
    cada prisdo, sdo de sua unica competencia.
    Finalmente, este ministerio exerce uma
    iuspecgao g.ral sobre este raino de adminis-
    tragao, (azendo inspecciouar periodicaritoute
    as differentes prisdes por um alto funccio-
    nario, especialmente encarregido deste
    servigo ; e decide em ultima insUnci 1 as
    queixas ou reclaraagdes dos presos e dos
    empregados.
    As autoridades administrativas das pro
    vincias iucumke particularmente a inspec-
    gdo permanente de certos ramos da senigo,
    como sejam, sobre a applicagio das dsspe-
    zss decretadas para cada estabelecime ito,
    detalhes d'administragdo economica e in-
    dustrial, tratamento dos presos, sejasnbo
    ponto de vista da discipline ou s b outra
    qualquer relagao, assim como sobra a con-
    ducta dos empregidos.
    Para isto cada estakelecimento i inspec-
    cionado frequentemente por delegados das
    autoridades provinciaes.
    2. quisito
    Qual e a classificagdo
    com rdagao
    presos 1
    Quautas prisdes por cada classe ?
    das prisdes
    as differentes classes de



    As penas que,
    Allemao, podem ser
    naes sdo :
    o 0 Codigo pmal
    impostas pelos trikW
    [Continuar-st- ha.)
    YP DO DU1U0. -tUU UitJCt Dfi CAXi<
    ------
    V