Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18616

Full Text
-r-TT-
r
AMAiO L. MJMEItO 265
r
V '
I

PARA A CAPITALS LIIttARBS \DK RlO UPAfiA PORTE
For tras mazes adiaoUdos................
Por sew ditos idem..................
For am anno idem........
Cada namero avulso -


woo
15*000
349000
9330
QUOTA FE1RA 19 DE NOVEMBRO DE 1874
PARA DK\TRO FOR A DA PRO VINCI A.
Por tres meies adiaoUdos..............
For seis ditos idem...............
For note ditos idem .
For om anno idem. .
DIARIO DE PERMMBUCO.
_________________ PROPRKDADE IDE MANOEL FICUEIROA DE FARIA FILHOS.
- ____________________________________Antomo Furor. Atuig, em Goyum.: Joio Amonio M.ctieo, KoPiUrJutlgtMi AbuC.,i Mh, A. X.yier Uiu 4 C Rio Imbr
--------------- ____.______________________ V. _____________________. ____________
inccio POPULAS
Kleiuento* de physlca
L1VR0 TERCEIRO
Ghcs
CAPITULO 1
0 presidente da proviacia, a vista da propos
(a do Dr. chefa de pulicia em ofllcio d. 836, de
Jinniiiin i1iinilii>ii il4i-o
sss|n HW'iJlfl
teoeote Maaoel
gado do termo de Garaohuas, o
Aprigio de Morses.
0 presidents da proviacia, a vista da propos
ta do Dr. chefe de pulicia eih ofllcio n. 886, de
hooteiD datado, resolve deniillir do cargo de 2.*
>uppleaie do delegado do termo de Gameileira a
BanoMetros IAntonio Joaquim da Fonscsa Carvalho.
Condlfdeci para que um Indica^Ses 0 presidente da provinna, de cooformidade
* barometro sojam exactas. Para Mm a proposta do Dr. chefe de policia em offlcio o.
que am barometro, quer de cuba, quer de sipbao W6, de houtein datado, resolve uoinear para o
| maoico a Vmc. qaa em 18 do correate assumio
I Lffir'ciQ--dfl-' cattt?-l<* niimiat**M>Mafc
7T\
di" indicac5es precisas, e necessario que a parte
superior do tubo, que nao tem mercuno, tambeui
nao conteoha ar nem hamiJade.
C m effeito, se b >avesse ar do alto do tub j, esse
ar, em virtude desua forja elastica,comprimiria a
colomaa de mercurio e impedi-la-hia de attiogir
a altura que deve ler pira represeutar a pressao
da atmosphera.
O mesmo dar se hia, e as paredes interiores do
tube se achassem humidas; porque, nesse caso,
fortnsr se-hiam vapores, que, como veremos oo
estudo do calor, possuem uma cerla forca expan-
siva.
1 supplente do delegado do
o tenente Maaoel Aprigio
termo de
de Mo-
cargo de 1
Gameileira
raes.
0 presidente da proviacia resolve coosiderar
sem elTetfo a uomeacao de Joaquim Miguel do
Ainaral para o cargo d-j sargeato da gaarda local
do muuicipio do Saato Aatao, por oao ter accei-
tado.
0 presideuie da proviacia resolve remover
para o muuicipio de Saoto Aatao o sargeoto da
guarda local de Barreiro, Jose Marinbo de Hoi-
laada Falcao.
0 presideuie da proviacia, autorisado pela
lei a. 1130, de .10 de abril do correate aoao, resol-
de Barreiros
Ora, nos tubos de vidro, ha sempre uma caraa
da de ar e de bumidade aJherente as paredes, tau-1 ve nomear fargenio da guarda local
to exteriores com j ioteriore*. Sob a pressao cr- a Francisco Aatoaio Lopes
dinaria da atmosphera, diulcilmenle es. sbandona o vidro ; mas no vacuo barometrico, on-' Ao Dr. chefe de policia.Respoodendo ao
de nao ha pressao, ella se separa, e d'ahi resulta \ oDlcio de V. S., n. 883, de bontem datado, tenho
ami mistura de ar e de vapor, que obra, como aci-',a dizer-lhe que, *i o armamento fornecido pelo com-
ma disscmos, para rebaixar a columna de mer- (mando superior da guarda nacional do respectivo
curio. I municipio se acha etu mao estado, ordeae V. S. ao
Nao se consegue expelliro ar e a humidade que: delegado de pulicia daquelle termo que o faca ra-
adherem ao tubo encheado este de mercurio sim- eolher sem demora ao arsenal de guerra, ariin de
plesmente ; convcm aiada e tambem que se faca ser devidameate reparado.
ferver o mercurio no proprio tobo. Ao juiz de direito da eomarca da Boa Vista.
Para isso colloca se esse tubo, devidamente cheio Transmittindi-por copia a Vmc, a portaria o
de mercurio, e tendo a extremidade aberta volta-' ofllcio reinettidos pelo inspector da tbesouraria de
da para cima, sobre uma grelha inclioada, a que fawnda, rejommendo-lhe que proceda nos terrms
pouco e pouco se vao chegando brasas ate que o : da 'ei contra o collector geral desse municipio, Jo-
mercurio ferva, isto e, en:re em eaolicio. Pro-! w Pereira Brandao, que deixou de recolber no
lonaando esta por alguns minulos, o ar e a hurui- [pra*> marcado pela alludida portaria aos cofres
dade -ao eomplelameate arrastados para fora pe- da tbesouraria a imporlaacia de 288^996, saido
los vapores que se despreu Jem do mercurio. das renda por elle arrecadades e o< respeclivos
0 tubo de sipbao de Gay-Lussa: e expurgado juros, sob a omunnagau do art. 6J di decreto n.
do are bumidade pelo mesmo processo, e antes de, 657, de 3 de dezembro de 18ib.
recurvarse o tubo capillar de junccao dos dous
ramos. E' so depois da ebuliijio que $e curva a
dita parte capillar, aquecendo-a em uma lainpada.
Reconhece se qua&do um barometro se acna
bera expurgado de ar e de humidade, Inclinando-
o docemente. Se o tubo nao contem ar nem hu
midade, o mercu io, aproximaodo se da extremi-
dade do tabo, bate produxiui i um. torn mcco e
metallico, que e indicio de que nao ba ar nem vji-
por que Ihe modificasein o choque ; se, pelo con-
trario, existe ar ou humidade, o som e surdo, por
que nesse caso o ar e o vjpor modiflcam o mesmo
clioque.
Prcferencla dada ao mercurio pa-
ra a conslrur^ao iIm baraiuct E* facil de ajuirar o porque se emprega o mer-
curio na eonstruccio dos Darometros, e para iss *
basta saber que, sendo elle o mais deoso dos li-
quid is, uma pequena columna desse liquido, me-
nor do que a de qu-lquer outro, f3Z equilibrio a
pressao Ja atmosphera.
Por exemplo, se, em vez do mercurio, se Intro-
duzisse agua no tubo barometro, sendo este liquido
13 e t|2 vezes menos den.-o do que o mercurio, fo-
ra mister um coraprimento de tubo 13 e l|2 ve-
zes maior do que 76 millimetros (altura ordinaria
do mercurio) ou cetca de 10 raetros.
Ao commandante do corpo de policia.
Achaodo-e engajaJas na guarda local da Nazareth
12 pracas, inclusive ciuco do destacameato desse
eorpo, alb exislente, mande Vmc. retirar o mesmo
de.-ucamemo.
Ao mesmo. -Maude Vine, retirar os desta-
camentos de pracas desse corpo, extslSDles em
Tunbaaba, Groaagy e M-ioto.
3.' UCQOO.
Actos :
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu e provou com attesUdo de facultat vo
Jose Seoastiao Bazilio Cyrrho, praticante da thesou
raria de fazenda, e sobre que informou o respecti-
vo inspector; por ofllcio n. 112, serie H, datado
de 22 do corrente raez, resolve conceder-lhe 50
dias do iicenca com ordenado para tratar-se onde
Ibe convier.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o laneador do coasulado provincial,
Juao Pedro de Jesus da Malta, resolve conceder-
Ibe dous mezes de Iicenca. com os vencimentos
a que tiver direito na f6nna da lei, para tratar de
sua saude oude Ihe convier.
0 presidente da provincia, attendendo a de-
monstra^ao e irjforma^oes da contadoria da the-
| souraria de fazenda, a que se refere o ofllcio do
IrtlillcTpffJ tTJ-Cfmoerro 6 afferes Antonio Jose Pes-
Una.
Ao mesmo. Providencie Vmc. no seotido
de ser paga a Joao da Silva Salgado ouao sea pro-
curator a qaantia de 361000, em que importa o
aluguel da casa que no termo do Cabo serve de
quartel ao respectivo destacamento, a contar da
marco a junho deste anno, couo se ve* das inclusas
contas que me remetteu o Dr. chefe de policia
em ofBcio de 22 do corrente, sob n. 879.
Ao mesmo. Ao sargento da guarda local
do municipio de Ja>oatao, Sebastiao Raymaodo
Caminha, mande Vmc. fornecer os livros de que
trata o art. 43 do respectivo regulamento.
Ao mesmo. Mande Vmc. pagar at
da estrada de ferro do Recife a OUnda e Beberib
quautia de 60/000, proveniente do aluguel da 6
mezes da casa que no districto da Belem serve da
quartel ao respectivo destacamento, a contar de
Janeiro a junho desta anno, eom> se ve* da ioclusa
conta que mi remetteu o Dr. chefe de policia em
offlcio de 22 do corrente, sob n. 881.
Ao mesmo. Transraitto a Vm:. a relacao
e conta juntas, para qae mande pagar a Jos6* An-
tonio da Silva Gal vac a quautia da 3784210, des
pendida durante o mez de junho ultimo com o
suslento dos presos pobres da cadeia do termo do
Buique, na conformidade do qua solicitou o Dr.
chefe de policia em ofllcio datado de 22 do corren-
te sob n. 880.
Ao mesmo. Communico a Vmc qae nesti
data expedi ordem ao engeoheiro chefe da repar-
ticao das obras pablicas para miadar recebr de-
finiiivamenie as obras do acude da villa de S. Ban-
to, das quaes 6 arrematante Antonio Bento de
Oliveira, e passar o compe'ente certiQcado para Ur
lugar o pagamento do que se Ibe dever, visto ha-
ver terminado o praso da responsabilidade.
4.' seccao.
Actos:
0 presidente da provincia, de aeordo coin o
disposto do art 21 da lei n. 1,113 de 8 de junho
do corrente anno resolve supprirair a cadeira de
instraccao primaria do sexo mascnlino da locali
dade Caraboa de Pan d'Albo, por ser frequentada
por menos de 10 alumnos.
0 presidente da provincia, de aeordo com o
artigo, 21 da lei n. 1,112 de 8 de junho do corrente
anno, resolve supprimir a cadeira de instraccao
primaria do sexo feminioo de S. Jose do Ingaseira,
visto ser frequentada por menos de doze alum-
nas.
dejnnho ultimo com o snstento dos nresoa. bj ""laim 1m "Ml
*saaWfcMI^W#*rWrtBB (* BflriWRl ii'irnnirn nfT. I mi* rforuirj nna
^^^*^^^r 99rt9^ylf pm
Wl^e^mrqwr segmia-o sofF que depois possa ser attendid._a7rTtencaode JosI S??nf^mpo d" Pnoceus. >&cv, torn
tea offlcto de 22 do corrente, sob Ignacio d'Avila, que pede permissao para vender ffi!*fift.* .."!-3' q~*i-
sua casa siu em terreno de mannba na rua do Gaz fflfiffBLttfi er $e-ev!1todo '*
n. li. Jesw "sviuo ralta de observancia las mesmas or
- Ao mesmo.-Tendo nesta data, de conformi- 3g,J*!^g,-!!g%P* eff<5cti'r* *f dade com o parecer dessa contadoria, a que se re- a ?nih curaPr,d*s-. a
ere a sua informagio de 23 do corrente, sob I Recife Drama 1 felKT t co,nlna"
UO, serie If, approvado as Drooostas acceitas a^I "rainage. Devando os esiragos qua -
pela commissao de compras do anSn I de em ra iT noJ aPrelno. compaobh? se? repa
em sessao de 26de junho ultimo Tara o fomecf-' T/doS !S*S- ftS" M ? io **io7
memo dos obieecos de que Siu o Jr? 93"tto rS" tTlTm* de *' >T'To de l87S- r*00,
laraento de 19 da outabro da 1872, e autorUdoo Sg?*!?* 9**."a
resoectivo director a mandar lavrar os devidos aSZlX 1^ d SS? n 3.d* ".
contractos, nos quaes se devera guardar as indi- gS'^g'"."*"'" lfc>*R
citon V. S em seu
n.880.
Ao commandante superior de Garanhun1.
De ordem da S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
communico a V. S para os fins eonvenientes que
nesta data foratn remettidos a thesouraria de fa-
zanJa o prets qae acompaabaram o seu ofllcio de
13 do correote, relativos ao mez da marco deste
anno, recommendando-se o pagamento da respec-
tiva imporlaacia.
Ao commissario de policia do Limoeiro. 0
Exid. Sr. presidente da provincia manda accusar
o recebiment) do olllcio da V. S., de 18 do corren-
te, commuQicando haver aa mesma data assumido eacSes feiias pela mesma conladori!TsStaa llm- t,SSf^fe **>'***! 'uem coube''
o gerente o exercicio do sea cargo. i munico a V s nar, ln Zhl!, 7- bildade do* estragos do mesmo.
]^rt I' = 7..Ao ^a^an.egsuperior. de Villa-Bella.-1 *-^J^^^STtlS&SSf^ ~^ *lS?K Mi
S. Exc. o 8r. presiiente da provincia manda com 23 do correote, sob n. 123 serie HeTndo em Veg??!? a vapor-IUn,JeiD Vmci transporlar por
mamear a V. s., em respo^U ao sea ofllcio da 6 do vista o exposto no incluso' recursoTib Jos6 Fran conto do.nn'-terio do ii,perio, no or.me.ro vapor
corrente, qus |a se acha aut risada a thasouraria c SCO Fragoso, racommendo a V S aue mande m" qUe 252 P*ra Pro*'oc'a ***. om* eais>
de fazenda a mandar pagar a imporUncia dosjprets levalo da mulia imposu pelo collector Keral do mea'c.amentos, enderecada ao Exm. prsMoas
das pracas da guarda nac.onal desucad.s duraa- mtnicipio da EscAi,tm^h^^T\i^rKSl''Ka-
te os mezes de maio e janao na villa do Triumpho. tr/cula no prazo da lei o ingenno j"e mho deTna PorAari* L
- Ao conraaadaote sapeior de Fioresta. -De escrava Isabel. 8 ~ 0i aeotes da compaoaia brasileir^
ordem de S. Exc o Sr. presideote da proviocia Ao mesmo.-Teodo em vista o exoendido no ^" .naveaCao a aPr mandem dar passagem par.
communico a V.S. para os linsconveniantes, qua recurso interoosto por Antonio CamelloPes^ae r P'r e1\do m,n,s,e"'
por omco de^ta data autorisou-se a thesouraria a inform.cao de V. S em offlcio deiM do corre'n! ".P"*> <* none, ao tenente Unriaoo Jos-
de fazenda a pagar os preu que acompaaharam o te, sob n. 131, serie H, recommendo-lhe one mande fPlineD.ta(Ioe wndo alferes do f batalhao de in-
seu offlc.0 daudo de 3 do corrente. releval-o da multa que IneToMmpos iff eoflec? *^MS~+ *** P^to, e la-ificad
f7i.^ ir^?rnl.!rfdarpha0ideS* ?iD,* tor Beral d0 mu^.pio de Itambe, poMnfraccio
-0 Exm. Sr. presidente da provincia manda ac do art. 21 do regulamento n. 1,835 do l" de da-
Cora semelhante altura o barometro seria im-' do respectivo inspector, datado de 22 do corrente,
praticavd. I sob n. 177, serie H, resolve abrir sob sua respon-
Da mai', a agua produziria no vacuo barometri- sabilidade, e nos termos do decreto de 1 de feverei-
oo, vapores, que deprimiriam a columua liquila ; I ro de 1862, o credito de 6:092 j833 a verba -cor-
o que nao tern lugar com o mercurio, porque es- po de satide e hospitaosdo ministerio da guerra,
te nil produz vapores na temperatura ordinaria no exercicio de 1871-74, para occorrer a despe-
da atmosphera.
Aiiura media do barometro.-Quan-
do se observa a altura do mercurio no birometro,
oota-se que e.-sa altura soffre continuai varia<;oes,
a io so de um dia para outro, mas tambem no mes-
mo di i.
As variacoes do barometro, a raediJa que se ca-
minha do equador para os polos, augnentam, no
entanio que, ao contrario, diminuem quando o ob-
servador se aproxirna do equador.
Pwden Jo a altura do barometro variar de hora
em bora, chama se altura media de um dia aquel-
la que se obtem sommando as 21 alturas observa-
das sucsessivamente de hora em bora, durante
um dia e uma noite, e dividindo depois essa som-
ma por 21.
Tem-se observadoque a altura media de cada
dia 6 sensivelmente aquella que tem lugar ao meio
dia.
Da mesma forma da-se o nome de altura media
do anno aquella que se obtem sommando as 36"!
alturas observadas em cada dia ao meio dia, du-
ranta todoanno, e di-idindo depois essa somma
por 365*.
No nivel dos mares, no Havre por exemplo, em
Cherburgo, em Breste, a altura media do anno e
de 763 millimetros; em Pans, porem, essa media
6apenas da 757 raillimatro*. o que se explica pelo
facto de ser Paris elevado de31 metros aci'jia do
nivel dos mares e por ser consequentemenje ahi
menor a pressao da atmosphera.
(Continuar-se ha)
za a fazer-se por conta da respectiva verba, nos
mezes de maio e junbo ultimos.
Offlcios:
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Remetio a V. S. para o seu conhecimento e devida
0 pre.idente da provincia resolve, em virtu-
de do art. 21 da tot n, 1.143 de 8 de junho do
\euiitium atrne> sumKnii m caderras de instruceso
primaria do sexo muculino de Leopoldina e do
Capim, visto serem freqaeutadas por meaos de
12 alumnos.
0 presidente da provincia resolve remover o
professor de Sanharo Rafino Epifanio Rodrigues
dos Santos para a cadeira de Pesqueira, ficanlo
sem effeito a portaria de 20 do corrente, que o re-
inoveu para Buique.
0 presidente da provincia resolve remover a
prolessora da cadeira de instraccao primaria do
sexo feminino da povoacio de Cirabres Ursula Ge
sarina de Andrade Luna para a cadeira de Lagoa
dos Gatos.
5.' seccao.
Offlcio:
Ao engeoheiro chefe da reparticSo das obras
publicas. A' vista da sua informacto de 22 do
corrente, sob n. 214, e mais documentos annexos
a peticao de Antonio Bento de Oliveira, arrema
tante das obras do acude da villa de S. Bento, au-
toriso Vmc. a mandar receber definitivamente as
mesmas obras por haver terminado o praso da
responsabilidade, e a passar o competente certifl
cado para ter lugar o pagamento do que se estiver
a dever.
Ao mesmo. Nesta data deferi o requeri
mento do gerente da companhia Ferro Carril
de Pernambuco, no qual pede permissao para
retirar as madeiras que empregou nos repa-
ros executados por conta da mesma companhia n\
execucao, por copia, a inclusa portaria de abertura velha ponte do Boa Vista, o qae estao marcadas
com uma cruz feita com tinta verde segundo elle
PARTE OmCIAL
Governo da provincia
EXPEDIENTS DO DIA 21 DS JULHO DB 1874.
1.' seccao.
Otlkios:
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mis.Sirva se V Exc. de mandar por em liber-
dade o recruta Joio Joaquim Paes de Lima, que
provou isenQlo legal.
Ao director do arsenal de guerra. Providen-
cie Vmc. de modo a ser reparado o armamento da
guarda local do municipio de Olinda, que Ihe for
mandado apresentar pelo Dr. chefe de policia.
- Ao mesmo.Da ejnformidade com o pedi-
do junto do commandante do forte do Brum, man-
de Vmc. fazer o ealafeto de que precisa a canoa de
carreira do servico do mesmo forte, a qnal esta fa-
zendo agua, segondo declara o Exm. brigadeiro
commanJante das armas em offlcio de bontem da-
tado, sob n 575.
Ao conselho de compras do arsenal do ma-
rinha.Ficam approvados os contractos qae. se-
gundo as copias aonexas ao seu offlcio da 8 do
correote, celebroo o conselho de omp as do ar-
senal de marinha em sessao de 27 da junho pro-
ximo Undo, para foruecimeuto, no corrente exer-
cicio, de ambulaocias aos navios da armada e ser-
vices de barbeiro a enfermaris respectiva ; as-
sim como de lavagem de roapas desta e da com-
panhia de aprendiies artifices, durante o mesmo
tempo.
2/ seccao.
Actos:
0 presidente da proviacia, attendendo ao que
requereu o juiz de direito da eomarca de Gara-
nhun?, bacbarel Joaqnim Cordeiro Coelho Cintra,
resolve conceder Ihe 30 dias do Iicenca com orde-
nado para tratar de sua saude onde Ihe convier.
de credito, da que trata o seu offlcio de 22 do cor-
rente, sob n. 117, serie H.
Ao mesmo.Coamnnico a V. S. para os fins
convenimtrs qae, na conformidade do que solici
tou em seu offlcio de 22 do corrente, sob n. 113,
serie H, recommendei nesta data ao juiz de direito
da eomarca de B6a-Vista que procedesse contra o
collector geral Jose Pereira Brandao, nos termos
da lei.
Ao mesmo. Tendo nesta data, nos termos
da sua informacap de hontem datada, sob n. 120,
serie H, approvado 03 contractos celebrados pelo
conselho de compras de marinha em sna sessao
da 27 de junbo ult'rao.fpara o fornecimento, no
actual exercicio, de ambulancias de navios da ar-
mada e prestacao de servicos de birbeiro a enfer-
maria respectiva, e da lavagem .de roupa desta e
da companhia de aprendizes artifices, darante o
mesmo tempo ; assim o communico a V. S. para
seu conhecimento e direccao.
Ao mesmo. Remetio a V. S. os inclusos
prets, relativos aos vencimentos das pracas da
guarda nacional destacadas na villa de Garanbnns
durante o mez de marco deste anno, para que
m Hide pagar a respectiva importancia a quern se
mo -Ira r competenteme ate autorisado, na conformi-
dade do que solicitou o oommaodaote supeiior em
offlcio de 13 do coi rente.
Ao mesmo. Remelto a V. S. os ioclusos
prets, relativos aos vencimentos das pracas de
guarda nacional destacadas durante os mezes de
maio e junho nliimos na villa do Triampho, para
qae mande pagar a quern se mostrar competenle-
mente autorisado na conformidade do que solicitou
o respectivo commandante superior em ofllcio de
6 do corrente.
Ao mesmo. Para os fins eonvenientes com
munico a V. s. qae em 8 do corrente o bacbarel
Aristarco Cavalcante de Albuquerque assumio o
exercicio do cargo de juiz municipal e de orphaos
do termo de Bonito, para onde fdra removido dos
termos reanidos da Telha e S. Matheus, na provin-
cia do Ceara, por decreto de 27 de marco ul-
timo.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar ao capitao
Francisco Antonio Pereira de Barros ou ao sea
procurador os vencimentos das pra;as de guarda
nacional destacadas na villa de Fioresta durante a
ultima quinzena do mez de junho, na conformida-
de dos iuclu-os pro'.' ij o.-1 ac i.npauii i an o o'fl:i >
do respectivo commandante superior, datalo da 3
do corrente.
Ao mesmo. Para os fins conveaientes com-
munico a V. S qae em 23 do corrente entroa o
juiz de direito da eomarca da Goianoa, bacbarel
Francisco Teixeira de Sa, no gozo da prorogacao
da Iicenca que Ihe foi concedida por portaria do
ministro da jastica, de 9 de junho ultimo.
Ao inspector do thesouro provincial. Res-
pondendo ao seu offlcio datado de hontem, sob n*
299, cabeme declarar a Vmc. que a fianca de que
trata o art. 36 do reg. de 27 de junho ultimo nao
pode seramesmaprat)dosos agentes dos impostos
de consume, e que ao contrario, deve ella ser ar-
bitrada, tendo-se attencao ao rendimento diarlo de
cada um dos agentes, correspondence ao termo
medio.
Ao mesmo. Para os fins eonvenientes com-
diz; devendo, porem, fazel-o com a assistencia do
engenheiro do 1* districto das obras publicas ; o
que communico a Vmc. para os fins eonvenien-
tes.
Mutatis mutaiiUs ao engenheiro fiscal da com-
panhia Ferro Carril de Pernambuco.
Ao mesmo. Mande Vmc. fazer com ur-
geocia os reparos de qae precisa o portao do
quartel do corpo de policia, a porta do corpo da
guarda e a da reserva da 4* companhia, conforme
solicitou o respectivo commaudaote em offlcio de
22 do corrente.
Ao engenheiro fiscal interiao da companhia
Recife Drainage. Mande Vmc. orcar o custo
de uma caixa de ferro para o apparelho colocado
por essa companhia no xadrez n. 5 do quartel do
corpo de policia, aflm de qde possa lesolver sobre
a sua informacao de 22 do corrente.
EXPEDIENT*. DO SECBETARIO
1'. seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas.S. Exc. o Sr. presidente da provincia, tendo
autorisado o arsenal de guerra a fazer o ealafe-
to da canoa a cargo do forte do Boraco, como pe-
dio o respectivo commandante ; assim o manda
declarar a V. Exc, em resposta ao seu ofllcio de
hontem datado, sob n. 575.
Ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. Exc. para os ftas cou-
veaieales que por portaria desU data resolveu
abrir o necessario credito para occorrer a despeza
a fazer-se com a verbacorpos de siiide e hospi-
taesnos mezes de maio e junbo ultimos, na con-
formidade do offlcio do inspector da thesouraria
de fazenda, datado de 22 do corrente. sob n. 117,
serie H, a que se refere o de V. Exc, de 11 tam-
bem dc corrente, sob n. 540.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.De ordem de S.
Exc o Sr. presidente da provincia, incluso remet-
io a V. S. o titulo da n imeacao do tenente Manoel
Aprigio de Moraes para o cargo de 2 supplente
do delegado de Gameileira, de conformidade com
o offl-io de V. S., n, 886, de hontem datado.
Ao mesmo.De ordem de S. Exc, o Sr. pre-
sidents da provincia, commanico a V. S. qae
ta diu a autoriaou o iomector do thesouro pro
yiucial a maudar pagar as pessoas iudieadas p..r
V. S. as quaalias consumes dos documentos an-
oexos aos teus ofliebs de 22 dofcorreaie, sob us.
879 e88i, proveaientes de alagaeis das casas que
servem de quarleis aos destacamentos de Belem e
do Cabo.
Ao mesmo.De ordem de 3. Exe. o Sr. pre-
sidente da provinpia, communico a V. S. que se
installaram as guardas.Iocaes dos municipios de Na-
zareth em 5, de Bonito e Cabo em 17, e de Escada
em 21 do orrente mez, ordenando-se nas mes-
mas datas que fossem dissolvidos os destacamen-
tos de guarda nacional.
Ao mesmo.De ordem de S. Exe. o Sr. pre-
sidente da provincia, commanico a V. S. para os
fins eonvenientes qne por offlcio desta data expe-
dio-se a necessaria ordem ao thesouro provincial
afim de ser paga a importancia despendida no mez
cusar o recebiment > do ofllcio de V. S. de 10 do
correote, communicando haver no dia 8 assumido o
exercicio do cargo de juiz municipal e de orphaos
dase termo, para onJe fora removido dos termos
reunidos da Ttlhi e S. Matheus, por decreto de
17 do mez ultimo.
Ao commandante do corpo de policia.De
ordem de S. Exe. o Sr. provincia, communico a V.
S. qae nesta data se expedio ordem ao eogenhei.*o
em chefe das obras pablicas provinciaes para que
mands fazer os reparos de que precise o quartel
dasse corpo, seguodo solicitou V. S. em offlcio n.
300, de 27 do correote.
5.* seccUo.
Offlcios:
A' commissao liquidadora das contas da es-
trada de farro do Recife a S. Francisco.0 Exm.
Sr. presidente da provincia manda declarar a Vv.
Ss. qae tiveram o convenienta destino os documen-
tos que vieram annexos ao sen olli io de bontem.
Ao gereote ioterino da companhia pernam-
bucana.-o Exm. Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. S., em resposta ao seu offlcio de
iWfltaai, qu*o van or C&urtpe poda seguir para
os port-is *> sal te Araeajti no dia 31 do orrea-
te as.) boras da urde.
EXPEDIENTS DO DIA 23 DE JULHO DE 1874.
1' secca<>.
Offlcios:
Ao director do arsenal de guerra. Remetto
a Vmc. as inclusas propostas, que nesta data ap
provei, e forain acsritas pela commissao de com
pras desse arsnal em sessao de 26 de junbo ul
timo, consumes do termo annexo por copia ao seu
offlcio da 30 do citado mez, sob n. 660, para for-
necimento de varios objectos, afim deque, de con
formidade com as mesmas proposlas, mande la-
vrar os respect.vos contractor aos quaes se deve
ra mencionar,!nao 56 ascondi^oes especiaes, oorao
as outras clausulas e condicoes communs a todos
os contractantes, nos termos do parecer da conta
doria, junto por copia.
Ao conselho de compras de m?rinha. Ap-
provo, de aeordo om 0 parecer da contadoria de
fazenda, junto por copia, os contractos, que pre
cedendo recebi termo annexo, tambem por copia, ao seu offlcio de
14 do corrente, celebrou 0 conselho de compras
de marinha com Manoel do Nascimento Aranjo e
Francisco Manoel da Silva & C, para fornecimen-
to do almoxarifado respectivo, aquelle de 50 to-
neladas inglezas de carvao de ferreiro a 35 ca
da uma, e este de 60 kilos de fezes de ouro a 610
reis 0 kilo.
2* seccao.
Ado :
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu 0 alfere3 porU-bandeira do 9." baulhao
de reserva da guarda nacional de Iguarassii, An-
tonio Francisco Lopes de Almeida, e a vista da
informacao do respectivo commandaute superior
em offlcio de 20 do correote, resolve mandar pas
'ar a guin, de que trata 0 art. 45 do decreto n.
1,130 de 12 de margo de 1853, para 0 municipio
de Olinda, onde (em lixado sua residencia.
Offleios .
Ao juiz de direito de Guricury.Afim deque
Vmc. proceda na forma da lei, inclusa remetto-lbe
em original a peticao da qaeixa do bacharel Manoel
Rohm de Alencar contra 0 1. supplente do juiz
municipal e de orphaos desse termo, em exercicio,
Antonio Leonel de Alencar.
Ao mesmo.Afim de que Vmc. proceda na
forma da lei, inclnso remetto Ihe em original a pe-
ticao de queixa de Herculaao de Lima Alencar
contra 0 1.* supplente do juiz municipal e de or-
phaos desse termo, em exercicio, Antonio Leonel
de Alencar.
Ao commandante superior da guardanaco-
nal de Olinda e Iguarassu. Para conhecimento
de V. S. e devida execucao, communico Ihe qae
por portaria desta data mando que se de* gaia de
passagem ao alfares pona-bandeira do 9. batalhao
de lofanlaria de reserva desse municipio, Antonio
Francisco Lopes da Fonseca, de conformidade com
0 art. 45 do decreto n. 1.130 de 12 de marco de
1853.
Ao juiz de direito da eomarca de Villa Bella.
- Em respoita ao seu ofllcio de 9 do correate,
submettendo ao conhec.menio desta presidencia a
resposta que Vmc. deu a consulu do juiz munici-
pal supplente desse termo, sobre 0 facto de negar-
se uma testemanha a depor, mandando, na hypo
these, usar da faculdade do art. 204 do codigo do
processo e 486 do regulamento n. 120, tenho a di-
zer-lhe qua a testemuoba deve ser processada por
desobediente, nao pelas razoes expeadidas nor
Vmc, porque. em materia criminal se nao pode
argumentar por umelhanca, e sim porque esse
caso se acha previsto por disposicao littoral do
art. 128 do codigo criminal.
Ao commaudaote do corpo de policia.Re
coramendo a Vmc. que mania pdr em liberdade 0
recruta Joao Policia da Hora, que provou isencio
zombro de 1871.
Ao mesmo.Sirva-se V. S. de mandar ajas-
tar contas e passar guia desoccorrimento ao te-
nente Lauriano Jose Pimenia, que, sendo promo
yido aquelle posto e classificado no 14. baulhao de
infantarla, tem de seguir para a cine a recolher-
se ao mesmo batalhao.
Ao mesmo. De conformidade com 0 pare
cer da eontadaria, a que se refere a sua inforraa
cao de honlem datada, sob n. 136, serie H, autoriso
j>- mandar entregar ao capitao Jose Joaquim
Coelbo, commandanle da companhia de cavaliaria,
a segunda prestacao na importancia de 1:600.000,
para ser applicada a c mpra de cavallos para 0
servico da mesma companhia, visto ja ter preslado
contas do emprego da primeira.
. Ao raesmo.-Tendo em visU a sua informa-
cao de 23 do eomnte, sob n. 124, serie H, dou
provimfnto ao recurso interposto por Josepha Ma
na da Conceicio, da multa qae Ibe irapoz 0 col
lector geral do municipio da Escada, por nao ha-
ver ella dado a matricula no prazo legal a inga
aua Joaona, filba de sua escrava Maria : 0 que
enmmnmco. a V. S. para seu couhecimeoto.
Ao mesmo.Tendo approvado nesta daU, de
aeordo com a sua inferraacao de 23 do corrente,
sob n. 134, serie H, os contractos celebrados pelo
conselho de compras de marinha em sessao de 9
do corrente, para 0 fornecimento de di verses ob-
jectos precisos para provimento do respectivo at-
moxanfado ; assim 0 communico a V. S. para os
fins convenienle-.
Ao mesmo.A' vista dos inclusos prets em
duphcala, que iransmitlo a V. S., mande pagar a
Jose Antonio Pereira Braga os vencimentos das
pracas de guarda nacienal desUcadas duran-
te 0 mez de junho em Villa Bella ; segundo so-
licitou 0 respectivo commandante superior em
offlcio de 15 do corrente.
Ao mesmo.Tendo ne>ta data, nos termos
do parecer da contadoria dessa thesouraria, a que
se refere sua informacio de hontem datada, sob
n. 140, serie H, autorisado 0 conselho da
a conliactar com Manoel do Nascimento
Actus:
3." seccao.
0 presidente da provincia, alien lendo a que
Jose Joaquim da Silva Guimaraes nio wcuiiou 0
lugar de agente arrecadador do imposto sobre
furao, tabaco, rape, eigarros, sabao e armas de
fogo, para que rdra nomeado por portaria de 23 do
corrente, resolve'declarar sea eneito essa poru-
ria, e nomear 0 bacbarel Jose Anastacio da Silva
Guimarate para exercer 0 referido lagar.
0 presidente da proviacia, attendendo ao que
requerea 0 porteiro do consulado provincial, Joio
Baptisudo Rego, resolve conceder-lhe dons mezes
de Iicenca, com vencimentos, na forma da lei, para
traur de sua saude onde (he convier.
Offlcios;
Ao inspector da tbesouraria de fazenda. Pro-
videncie V. S. no sentido de ser satisfeita a exi-
geocia da contadoria, a que se refere V. S. em sea
Franeisco Manoel da Silva & C. 0 fornecimento,
estes de 60 kilos de fezes da ouro-a 610 rs. cada
um, e aquelle de 50 toneladas inglezas de carvao
de ferreiro a 35-000 cada uma; assim 0 commu-
nico a V. S. para os fins eonvenientes.
Ao mesmo. Dando provimento ao recurso
interposto por Joao Gameiro Lins Barradas, a vista
de sua informacao de 23 do corrente, sob n. 126,
serie H, recommendo a V. S. que mande releva-lo
da multa que Ihe foi impista pelo collector geral
do municipio da Escada, por nao haver elle no
prazo legal dado a matricula a ingenua Caro'ioa,
Glha de sua escrava Cosma.
Ao inspector do thesouro provincial.-Remet-
to a Vmc. 0 incluso attestado, para que mande
pagar ao coadjuctor da freguezia da Escada, pa-
dre Manoel Barroso Pereira, os vencimentos de
sua congrua, correspondentes aos mezes de abril
a junho deste anno.
Ao mesmo.Mande Vmc pagar ao delegado
do termo do Triumpho ou ao seu procurador a
auantia de 8 jftOO, consume do recibo junto em
up!icau, em que importou 0 aluguel de um mez
da casa qae aaqaelle termo serve de cadeia.
4.' seccao.
Acto:
0 presidente da provincia resolve declarar de
nenbum effeito a portaria de 22 do corrente, que
removeu a profes9ora de Tamandare Anna Elysa
Pereira Dutra para a cadeira de Venda Grande,
e remover para esta a professors da cadeira de
Duarte Dias, Henedina Fioresta dos Santos Cor-
deiro.
Offlcios :
Ao Exm. presidente da provincia das Ala-
goas. Nesta data expedi ordem aos agentes da
companhia brasileira de navegacao a vapor afim
de fazerem transport ar no prlmeiro vapor que se
guir para essa provincia nma caixa contendo os
medicaraentos quo V. Exc solicitou em offlcio de
17 e telegramma de 21 do corrente. Apresento a
V. Exc. a conta dos medicamentos preparados na
pbarmacia de Augosto Caors & C
Ao Exm. presidente da. provincia da Para-
hyba.Passo a responder o offlcio de V. Exc, de
28 de maio ultimo, relativamente as guias e des-
pachos da alfandega e consulado desta provincia,
remettenlo em original as informacoes junUs, mi-
nistradas pelos inspector e administrador daquel-
las reparticoes.
Portaria :
A' Illma. eamara municipal do Recife.De-
clare a Illma. eamara municipal do Recife, em res-
posta ao seu offlcio n. 62, de 4 do corrente, que
as interrupts dos apparelbos da companhia Re-
cife Drainage devem ser reparadas pela mesma
companhia, ou pelos proprietaries ou inquilinos
dos predios em qae ellas se derem, segundo forem
motivadas por negligencia da mesma ou defeito
da obra, e por deleixo destes, na forma dos 5 1*
e 2 do artigo 15 do regulamento de 12 de Janeiro
de 1872 ; pelo qae recommendo nesta data ao res-
pectivo engenheiro fiscal que faca effectivas aquel-
las dispo8ic.des conforme lor de direito.
5.' seccao.
Offlcids :
Ao engenheiro fiscal da companhia de trilhos
urbanos do Re:ifa ao Caxanga. Dando solucao
ao assumpio constante do seu offlcio de 3 do cor-
rente, sob n. 137, tenho a dizer-lhe que caducou
a autorisacao concedida por nm cLs meus ante-
eesscres ao gerente dessa companhia para sup-
primir os bilhetes de assigoatura, por isso qae,
obteado-a em 17 de outubro de 1872, nao se utili
sou della ate boje ; razao bastante para se presu-
mir que desapparecea a causa que originou aquel-
la medida.
Ao
no 14* da mesma anna.
BXPBOIENTE DO SECRETARIO.
__ I.' secrao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar
mas. S. Exc. o Sr. presidente da proviacia, tend
expedido as necessarias ordeos a tnesooraria d
fazenda, no sen ido de ser entregue ao capitao
commandante da companhia de cavaliaria a qaan-
tia de 1:6004, afim de ser applicada a comora d
cavallos para a mesma companhia ; assim o manda
declarar a V. Exc. em resposta ao sea offlcio d-
13 do corrente, sob 0. 551.
Ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. prest
dente da provincia declare a V. Exc, em resposi..
so seu ofllcio de bontem datado, sob n. 577, an*
fica provideociado para que ao tenente Laoriaao
Jose Pimenia nao so se passe guia de soccorri-
mento, mas tambem para que seja elle transpor
Udo a corte no vapor Cearo, eiperado do aorta.
2.* seccao.
Offlcios : ^^
Ao Dr. chefe de policia. -S. Exc. 0 Sr. pre-
sidente da proviacia manda coraraunicar a V. S
para os fins coavenieotes que por offlcw desta
dau expedio ao thesoaro provincial a iiriiiaiix
ordem -para ser pago o aluguel de am mez da
casa qne 00 termo do Triumpho serve de cadeia
na conformidade d > recibo que acompanbou 0 seu
offlcio daudo de 23 do correote, sob a. 888.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar 0 recebimento do ofllcio d*
V. S., n. 888 bis, de 23 do corrente, commuoi
eando 0 resultado das diligences por V. S. prati
cadas na villa de Gameileira, com relacao ao<
factos qne ultimamente alii tiveram lagar.
Ao c.mmandante snperiar de Villa Bella.
De ordem de S. Exc 0 Sr. presidente da pro via
cia, commanico a V. S para os fins eonvenientes
3ue nesU data mandou se pagar os vencimentos
as pracas de guarda nacional desUcadas duraat>>
0 mez de junbo liudo em Villa-Bella, na confor-
midade do que solicitou V. S. em sea efflcio de
6 do corrente.
. r Ao ?irieal da Pwrda |oca| d9 uboaiao.
M10 Exm. Sr. presidente da provincia manda accu
Araujo e
sar 0 recebimento do offlcio de V. S., de bontem
datado, eommuoicaodo haver em 14 deste mez
assumido 0 exercicio das fun -joes da sea cargo.
3" seccao.
Offlcios :
Ao iospector do thesouro provincial. De
ordem de S. Exc. 0 Sr. presidente da proviacia,
communico a V. S. para os fins eonvenientes qae
em 14 do corrente assumio 0 exercicio do carg
de sargento da guarda local do maaicipio de Ja
boatio Sebastiao Raymando Caminba.
Ao mesmo. De ordem de S. Exc. 0 Sr
presidente da provincia* communico a V. S. qae
nao tendo acceiudo Jose Joaquim da Silva Guima-
raes 0 lugar de agente arrecadador do imposto sobre
fumo, tabaeo, rape, eigarros, sabao e armas de
fogo, foi por portaria de boje declarada sem effeit
a de 23 do corrente, e nomeado para exercer o
referido lugar 0 bacbarel Jose Anastacio da Silva
Guimaraes.
despaciios da presidency do dia 17 de novekbr"
db 1874.
Antonio Jcse Bittencourt, Informe o Sr. inspec-
tor da tbesouraria de fazenda.
Antonio Ferreira Ramos.Em vista da informa-
cao da Illma eamara municipal, nada ba a dele-
rir.
Christovao de Hollands Cavalcantee Mello. In-
forme oSr.joiz municipal de Barreiros.
Francisco Xavier Accioli.Deferido com ofll-
cio desta data ao provedor da Santa Casa de Mi-
sericordia.
Jose Pereira da Silva.Indeferido.
Jose Amancio do Outeiro.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Luiza Jovina da Paz. Nio ba vaga.
Dr. Luiz Aalooio PimenUDeferido com offl-
cio dirigido nesta data ao Sr. inspector da tbesou-
raria de fazenda.
Maria Joaqoina de Azevedo Villas-Boas.Ia-
forme oEim. Sr. general commandante das ar-
mas.
Manoel Cbaves Camelto de Lima. Informe c
Sr. Dr. juiz de direito da eomarca do Bonito.
Olegario Marlins Torres Barbosa. -Indeferido.
Rosa Maria de BarrosIndeferido, sm visU da
informacao do provedor da Sanu Casa de Miseri-
cordia.
Tbomazia Maria de Jesus.-Informe o Sr. Dr.
chefe de policia.
ltcparii?ao da policia.
I.1 seccaoSecreUna de policia de Pernamboeo,
18 de novembro de 1874.
N. 1394.Illm. e Exm. Sr.Partidpo a V. Exc.
que foram reeolbidos a casa de deteoeao os indi-
vidos seguintes:
A' minha ordem, Antonio Cardira de Sant'An-
na e Jesoioo Lima dos Prateres, por crime de fc-
rimentos, a disposicao do juiz de direito do & dis-
tricto criminal.
A' ordem do Dr. delegado da capital, Jose Mili-
Uo Dias Cabral e Maria da Couceicao, por distnr-
bioe.
A' ordem do sabdelegado do Recife, William
Hompsoo, a reqnisicao do respectivo consul.
A' ordem do do 1* districto de S. Jose, Vicente,
escravo de Joaquim Xicolao Ferreira, a Theresa,
escrava de Gliceria Francisea Alves, por offenses
a moral publi a.
A' ordem do da Boa-Vita, Alexandre Jose Car-
los, preso em fiagranle pelo crime previsto mis
arts. 300 e 271 do cod. crim.
No dia 27 de outubro undo foram caplurados ao
lugar denominado Penba. do termo
da Fioresta,
1 Francisco Leonel das Neves, Jose Deodale da Sil-
va Joao Antonio de Souza e Balbino Francisco Ne-
pomuceno, pronnnciados alii como incursos di
penas do art. 125 do cod. crim.


'
IXarw tie Peraambuco Qumta feira 19 de Novembro de 187*.
fcW^tto,Uilffl/^7A/4i
Pelo subdelegado
.remettido ao Dr juiz de direito do 4.* district? cri
minal, o hHTaentj-qtre prbceTIeiT eoirrTTrcents
Martins Ferrera, por crime de ssrimaatos.
Deua gwdaa V. Exc-Illm. e Exra. Sr. com;
mendadorrYehrique I'ereira do Lucena, Jigao'pre:
idente d* pnrrineia. Pelo'chefe de polim. ode-
legado, DJmtCiin Cavalcante de Albuquerque.
(AGENCIA TELEGR-VnilCA UAVAS REUTER.)
Loadres IS ate novtniiiro.-(l ,
icrna da inglaieri-a uti fafeor
iir dentro em pouco uiea cjcpedl.
linra ivplorur ;i iiin urctica"
septcnirfttfial.
Bcrlina 19. O governo allcmao
resolveu se a mandar processar e
JUlg'ir no ciUlltC Aruiuu iiur ler
oeculliido dorumcntos do ICMtado :
iletcndu o jiiiuiiincnio rcalisar oc
no dia It de dczcoibro.
Madrid U.-CheKnu honieua aqul
o ex-mareriial Itazuitic.
i
Londrcs 19. -At-alm de sallir o va
por SOnS'En.lS .eo a 8a
Imnlo nmn p;rto tl; caJw tclcgra-
phtro aiihniarlno pisrn nbr collucado
i-ulrr KiMiicr.ir :i e tajillilil. A 111
limit parte ncjriiira n ra deslino
rlentro piii poatii iciuji i a bordo da
api>r W30T EH.
ISA b la 19. -A Inaucuracan Official
da GOLUMXA DE OXZR [)E JUSHO, orl-
Kid a na |>ra<;a de Riarliuelit. em
rvu-e- da Bolea (praca du conamcr
i:>). em eumnieBiorayno das virto-
riiiH ai<- inradnx pelaai armiis bra
sileiras uoa cautpos do Paraguay.
Hera cele nrada na aegunda feira
proxima (33) ao meio dia. O mo-
nomeoto Col construido not* a di
reoesto vanlt.
Rio de Janeiro IS.-Cucgoii lin-
ti'iu (i p i taiije p vapor porintctiez JULIO MXIZ
Italfia I ft.-Hoje clirgau o npui
M'UEXS, c sake amaiilia para a Eu
i-u pa.
>;.rii i \s comiEnciAES.
Londrea 19.A lava do ilppnni(i
a praca e de qaatro e si-ic oita-
pur cento. Conansidadofl de
.'I O/O. FOR ACColtNT. a PS 1/4. Iisiidim
iirasileiros de 3 O/O. do annii de
I*.". a Cafe i calmo ; prcco
Urine* inaKcradux. Aetsucar : ideas
idem.
!- crpool 19. i'soilao s aninaa
dot preciiM Urines i ienderun-e
Hoje qtiinze mil Cantos, seudo duut
mil e Meteeriiliia de procedeuria
nrasileira : a faiu de IVrnambueo
9 a s ii por libra. Asisucar > calmo;
iirccas Urines innlicrado*.
Aninerpia 19.Cafe: caluio t pre
cot* firim-.x Inaltcrados.
Havre 19.-Cafe t transacefics re
KUlares t prccos naullo Itrnacs. Al
Lilian : imiiio animado : precos Ur
wiMMimoM.
Uaiuour^o 19 Care i transaccoes
lejjulilics! prepos innito Hi in. -
AsMiicar > o de Pcrnambuca 90 fran-
cos e 95 centimes pelos ro KHogrs.
\i\v-Vuik 19.- lamliio snliri' Lon-
dec* t-SO l/t. Ouro ill it. Cafes
calmo s precos urines Inalterados ;
o do Rio F\in 19 ;t i. e o good IS 3/4.
i g.srs por libra. Algodao: mediano
UPLANDS 14 9/ SOrrt por libra; as
< im'^ailas de lioje aos portos ante-
ricanos clcvarain-se a trtuta mil
rardos.
Uiu !e Janeiro is, --s.ila so tern
IVilo cm tranmaccucs rambiaea ao
bre Lundrea. Apolices serai's a
iiOiasooo cada uma.
llaliia I*. -Cambio sobre Londrea
'fa 1/4 d. banrario, to s i. parti-
cular. Cambio sobre Paras 303 rets
por franco bancario. e 3SS rels par-
ticular.

ale,.
S4fOM,
e cmrOTPflTc
ir_?i Mtte siTjwrfit ifffi
e 6s Mraites dc.-te terino, com os de Pi
iUnCS a-aiprfticui,d*;gfa4 ^,-
solta destruindo as lavqurase tijrvaailo
sera apprenenifida e arrematada em hastea oatdir
C3, reterteudo o sea producto *m favor'da ajoiji
cipalldade. !*Mfn
* Art. 3. A dispoiicao do artigo antecedetrte-4
applicavel aot pjreos e aoimaes quo foremen-
.contrados nas fazendas distraiodo iavouras ou
turvaodo as aguas de sertidio as BUtmas faten-
das.
Art. 4.' FKatambem prohibido, sob as pena
do ajtigo aateceieote, ter-gft aaiujaea sollos na ?il'
la epovoi'laB da tettno.
Art 5,' Sa vilfii e po|U|eoe- do termo 6 tx
preaaameort pn-btoida a difieacie casr
meeaado at pela retaguardfjCOma dajmmio
Dvmmnn cohjiercial.
Londrea 19.-O deposito total do
assucar. em Londrea. Liverpool.
Bristol e Clyde, ele.va-s.r- a cento
i-inriieiilii c SciS mil toncladus I du
ranlc a semana foram enireguea
iiuatorze mil toneladaa e desem-
barcarain dez nail.
C0Rreci;\0 NBCSS3ABIA.
Por engano do copista sabiram bontem com a
data de 15 de novemjro as notkias commerciaes
de IG.
de <-i i-gaas ; as infra< tores nJn*ifi.> a m
20*000 e o dot-ro m reiueidWia.'
f.Art. G. At Uoaoaas^aaeaditM pat*
para ediflcacao de casas sera) cassadas, se depois
de 6 inezes, o rei|aefjat naj prtactpiar A obra f
provar gue tern o material auifl :iente pan feclur
i frente das mesma.
-~lJ&LJJu>i JlQUiia.da aeia;agaai..da asm.
aetualmente existentes nesta villa e povoa^des des-
te termo flea concelido o prazo de 6 mtzes, con-
tados da publicacao destas posturas, para fazerem
as avancar para o aliubamenio das raas e feehar
as f rentes; s ib pena -1e 39^003 de anil la e o du-
plo, passados outros.C raezes.
i Art. 8.* Fica prohibida a pesca bj acide de<
ta villa. Os infraetores pagarao 3^000 de mulla
e solfrerao 2 dias de prisao.
Art. fl. Niogaem podera render medreimen-
i > ououlra qaalqiiar droga a peso inelicinal nas.
lojas, veu las e outros estabalecimsolos do maaiei
[plo. Toes melieamea'os so polerio ser veadtdos
nas boticaa estabelecidas, mediante liceaca da ca-
mara municipal, por pnarmacedti'cos competenle-
mente habilitalos na forma do artigo So do rega-
UmenlQ due balxou com o docrew d. 8ij8 do. x9
dc setembro de 1831. Os infactores iuorrerit na
rnulla de (00^0^0 e na rsiacideacia em | 040OJ: a
to dius de caleia, oonforme -o artigo ciiaio pela
licenca para abrir botic'a, pagar.se.-ha anuualmeate
Si'X)) a caraara muuieiual.
a Art. 10. Fieaan ilid) m< agoagaij desla villa
e povoacSes o.'aso do macltado qua sera subs iiui
Ao pelo serrole : os infrau ires sollVer.lo a mulla de
5/003 ou 2 dias de prisao.Ikkriqae Paeira de
Lucena. >
Consulado provincial. Alii o Iiui do
corrente mezesUjirorogad > o prazo para pagamea-
to, nessa repartigao, do que ainda exisle em divi
da a C'.'injinhia Drainage, proven^-uie de colloca-
;a i .1.: appareluos, difTereoca dos mesinos, caxtali-
saclo e annuidades. relauvamente ao semesUe
ftodo emjunbo de 1S73.
Evamca de preparatorloa.- Hiuvdi
ram hoatein, na FaculJade de Direito, 7i exames
Je preparatorio-, eojn o seguiote resuitado ;
France*. -Com dis:iu<-eao I, ple:iaiaeuie 0, sim-
plesrnente i3 e reprovados 10.
Latim.-Plenamente 8, simplesmente 2, repro-
vados i.
Lingua national. Simplesmente 21, reprova-
3o9 0.
luquerito pwiieial.1'i.i remeUidoao jui-
zo competenle o. qua so levou a elfeuojiela subde
lega:ia da Boa-V
reira, por crime de feriiritintos
A ldfia.Recebemos e agrajecemos o 5 na-
'mero dessa revisia mensal, cuj i sammario resa o
seeaiote: a revolacio argenlioa. artigo da redac-
\'u, esliilo crilico, observar,oesi do- clmica cirut-
yii'a e e.-lu^o .-obre a pathugejiia do beriberi; en-
igcjlbaria. doidivers-s meios empregados para des--
truir os ubslaculos que so oppj.su>. a navega^aj
natural doi ri-i's, pblogistico e comLasiao; a l*-
bcrdade logleza em Iraj.is menores; urn poeta de
hontem; uuvem pur Juno; e palestra litwr*-
ria.
Opera.dor dc ratios. -Na. see^o com-
peteute anauocia o Sr. K ller, operador de calJos,
reciiber assiguafuras para, por prej-j razoavel, ex-
irahirsem dor-os callos as pe.-soas victimas de
semelbaute padecimento.
Recommendando a atlenjao de nossos leilores
aioelle annuncio, so temas a alfirmar |qua.o Sr
er acln-se garanlido com aiteslad >s valiosos de
setao qaeiinados a troco do barato. Na Faira Sft-
manal a raa de Impendor.
Casa de detencao.-Movimenio da cas^
da detencao do dia 17 de novembro de 1874 :
d BKistittb'ad, eutraram 9, sahiram S.':exlstein
-A M^Af -i q
Naeiqnaeslis, ranlneres 9, estranieiroi W'W-.
'r4^s;jRHelrcAvas2.-ToUl 316. .., ^T
Alimentados a custa dos cofres publicos 251.
A,saber:
Sao 212-^Blermot9. Total 2ot.
< emiierlo puJkttco.Obituario do dia. 17
do coerento:
Elisa, ascrava, prta Peraambuco, 4
Santo Aqtoflki c invirtwes.
MarJotid^BaiTos V^ga,
aanos, tolujro. Re-iff; 'coa|a
Art&ar, bran:o, I'^aambueo,
ta ; laa^cto
t o trih.iml ,ii i.,r .... ._ 1--I-- "-"i.-woi /icp umuuiiu, jane ujmee ae- soaza
liWadteai-iflJ? nJ^,L?l faW ?5m. lej,e*unna9 Err, Bertino Lopes de Arapjo, Luiz Fer,iaodes
flffirbnin^ Prr\i7Llm^ "-derto PerW, Minoel Ramos do' Rego Mello, Felisberlo
nnoso elles se acliatw>m companhia.Pereira Leite-, Joio Alves GoSdira, afanoel Alves
po, Portugal, CO
BUimonar.
13 4ias, BMt-*ii
amii'
Aimm
ffe rauitas pessoas dislame do lagar do crime.
Ora, nenbam juiz pode ser paoido, e nem roes-
ma accuiado par ter deixado da osar dafacaldA-
aa de. appaUar; a appettacao J
do art. 79.4b lei de 3
esppaiweo eiimmeui
partir, ,
tyrreccoes,
"a da justj
etente
a e ,'mt
offlcio, q
_:pmotor t
rnent j da parte
ka9
annas, e%J0
Seukares itdnctirik {') E' do BJea de-vef
proiestar contra aljrumas DrtDJsicoflj de Jimif--.
ftrgTo THserl i" nas conTmnas da PropTaeia de hoje
sobre o julgasawto, aos asnhores. Chacon/ a
omo o nao pw?3 e bem deva fazel o }4, sem
que previameute me entenJa com os Sr*. aca;-
domieos Popp < e Uiraa la, o primeiro a quern
entao defendi e o segaodo meu compaaneiro na
defeza, peco ao publico que aguarda por alguas
dias o que leaho da dizer, pois qua de alguo mo
do afTecta n.io e6 a minha como a dignidade da-
quelles cavalneiros.
Recife, 17 de nova,mbro de 1871.
Jo3o Francisco' HeixeircL
ma -H
sd elle
ser eapi
interposj
sador
procei
do cit
Sou
ace onus ante
por II votos
(AGESCIA AMERICANA.)
Liverpool 17 do novembro. Algodao :
mercado firme; do procedencia brasileira
venderaro-so hoje 2,000 fardos.
Loadres 17. 0 descoato l'oi eldvado; a
ciuco por cento.
Havro 17.C*(e: do Rio 99, e-o de
Santos 104. AlgoiMo: mercado firme ;
vendas de boja %&& fardos ; pregot !10 e
Rio-de Janeiro 18.Chegja hontem o
paquete nacional CEARV, procedante dos
portos do norle.
Bataia 18 ds t<2 h. e 35 va. da tarde.
No dia 23 sera" inaugurada a memoria que
o cqumercio fez erguer para commemorar
as victorias aIcanQ3uas no Paraguay pelo ox
ercito e arrrads nacionaes.
ftio de Janeiro 18 as 1 h. e 10 m. Ha
tarde.Cambio sebre Paris 358 a 362-. Re-
ceheram-se noticiis de Moutenidiij. 0 oair.
nistro da tazenda convocou os direct ares
dos bsnoos para uma rennioo : to Jos se re
casaram a cojiparecer. Chpgou. proce-
dentedo Pornambuco, o CORXELIl.
Babia- 18 is 3 h. o 3o m. da tiric.
Mercado inalterado.
PERMAMBUM
---------------.
REVLSTA DIARIA.
im.iriic.au publtca Per portiria da
preaidenoia da provincia, de 6 do corrente, foi re
movido o professor publico da cadeira primaria do
pe.-soas por elle operadas, niio so desta cidade,
como de ouiras do imperio.
Ex c al a \ornial de Seiihoran. I r
miaaram do dia 17 do corrente os exames dos
dous anuos desta esaola, cujo resultado foi o se
guinte:
L: anno.
Josephina Amalia Monleiro, approvada com dis-
tinctao.
F.uzia de Medeiros Britp, iJem.
Maria do Carmo Garrido, idem.
Franci:ca de Faria Duraes, approvada plenamente.
FlurinJa Maria da Conceicao, idem.
Mditana Candida Correa da Silva, idem.
Cjrilla Ribeiro da Cunha Guiraarae.-, idepi,
Autonia de Souza Prau, idem.
Maria de Nazareth de Castro Nunes, idem.
lovina Maria Pessoa da Saboya, idem.
Deolinda dos Reis Fonceca Cesar, approvada.
Alvina Franciica de Mello, idem.
Maria Antoma Candida da Costa, idem.
Anna Benlla dps Santos e Silva, idem.
Maria Juventi ia Tavares da Costa, idem.
Idalina dos Santos Leal, idem.
Maria do Bom Parto Marques, idem.
Maria Irmina Dornellas Pessoa, idem.
Grata Candida de Alcantara Couto, idem.
Secundina Tertulia. Correa de Abreu, idem.
Amelia, Anionia de Paiva Loyolla, idem.
Maria Alesandrina Callaca, idem.
Julia Amelia dos Santa?, idem.
Joanna Maria da Coacfcicjto Cruz, idem.
Picaram esperadas em diversa? cadeiras deste
anno 17 alumnas; das quae3 1 era todas as ca
deiras; 2 na l; 2.' e 3*; 3 na 1%3'el'; I na
V, 3' e i*; I na 2' e V ; 2 sbmente- na 3'; e "4
na 4' cadeira..
Fizeram exarae vago da V cadeira do 1 anno,
as seguintes alumnas:
Fllomena GualhercniRa da Silva Sampaio, approva-
da plenamente.
Guilhermini Pires poraellas, approvada.
2." anno.
Maria Hermina Correi da Silva, approvada com
distinccao.
Amelia Rosa de Lemo?, idem.
Maria Josephina Alves de Brito, idem.
Joanna Tlbui tma da Silva l.ius, idem.
Anna Candida Finnino Monteiro, plenamente.
Leopoldfna Franciica d"a, Costa Pereira, idem.
Ilellarrnina Franeisca Lobo, idem.
Jqventina Amelia Carnoiro Monteiro, idem,
Jnitina Anna da Silva Santos, idem.
Clarinda Ribeiro da Cunha Guimaraes, idem.
Asielia Josu. hina Ner.y da Foaceca idem.
Julia Can.1iJa,do R?go Barret-i, approvad*.
Firmina Filonilla de Olivejra Cru, ide,
Maria Leopoldina Pires Perreira, idem.
Marlanoa da Silva de Jesus, idem..
Loocadia Julia de Castro^ idem.
Emilia Orympia Telles Beteria,. idam,
Antonia Ferreira da Costa Braga, idem,
Maria do Livramento Sonata, i Jem.
Maria Saiurnina Prudeociana da Cruz, ide.u
Rita dos Ssntos Leal, Mem,
Idalina Porliria do AmwaJ,, idem,
ricou 1 esperada na 1* cadeira.
Doming*, 23 .do corrente, pela* 11 horaa da
manna, aaraoidmribaidos com solemni lade- os ti
lulos de capacidade e os premios que altrumaa-das
algmnas obtiveram ; para cujo acto convi*t -nor
su& ptrle o cooselho parochial do Santo AnWaio z
todea os inUBessadoa a aselslir a essa Testa da
mstraccao.
Onile **Jn.--EsteT3p0T, fretado pela cqoj
panhis Bfasileira para fatpr a 2' viagenrtro cor-
reate mez aos portos tfo nerto do fmperio, sahio
bootem as 2 honas da tardu de Maceid pijra o nos
so porto, onde deve ahnntiecer.
Bsse iapor, em conseqaeucia cTeatraz) que trail
na preseate vla^feaj, devido a-circnmstanelas im
<'iiman-a do Ouricury.
o juiz m: direito no ounicunv, ao publico.
Tea lo si Jo prosente ao egregio tribunal d i re
lacao, no carlo periodo de 6 dias, duas denuaeia*
contra mini, assignadas par Reiaaldo G)ncalves
Torres, aceilas e distnbuidas, fui ouv.do nos ter-
miS. d-j Il-i.
Firmalo na emseieaoia d) dever, aguardava a
le -isaj doiribanil, depois de minhas resptstas
documenUdas, para vir, ante o graode jury da oai-
niao publica, expar os motivos dd semelhantes da-
auaoias. epublicar minha defeza proloudi ante o
tribunal judiciario, vistj como exige a honra e o
melindre do magislradn, quo quanlo ac;a sua defeza nao selimite aos triouoaes )ul4ci*rios.
Julgava quo havia dado ao egregio tribunal da
relasao uma raaaoata cabal as ealumOias que me
lorain arguidas pelo meu deouaciant?, que hiu-
vesse espan:ada as trevas da meotira eom a lut da
verdade, e demonstrado quo essas calimaias eram
a expres.-a* cL> odio, dodespaito o de raeros ea-
pciciios, eque nio passavam do instrumentos odio-
na de periegu cao, movida contra mim, por lo-
terposla peseoa; pois que a liz competeutemente
locumintada, e com a coaviccao qua inima aquel
le que,. lirme pela conscience do dever, nao re-
-_: a enirar no exame de anas acr,o.>s.
Mas, enganei-me, e sem duvida pela rataoda
niognem po ler julgar de suas proprias accoes, on
ser juiz em causa propria.
Boganei-me, sim, pur jua li, e o pablico dm
ter lidi na a-.u da sess.io da tribunal da relacaa
ga:ia da Boa-Vuta contra Vicente Martins Fer- do dia 29 de setembro dndo, puWioada no Diario
de 3J do mesmo raez. uma deeisao do tribunal,
mindanlo in juerir testemouhas de a ma dessas de-
nuncia*.
Jalguei entao conveniento aai gmrdar p<-.r mais
tempo silencio sobre os motivos do semelhantes
denuaeias, silencio aan pa*dria ser mil interpra-
iad>>, aenao p-jr aui Hea quo me conhecemda
pert i, eteem aco:apaohalo a is actos do minha
vida pablica e privada, an menos pir aquelles que
pao me canhecem.
A e*te-, pois, priocipalmente me dirijo.
Sane o publico qua a trad cjjs deata comarea
e.iusiiliiein uma pagina negra nae^tatisticados cri
mes e quo impotedte tern silo e poder da autori
Jade para.plantar no Ouricurv o imperio da lei e
a justica.
A prepoteocia a mais iniebita eabsarda por
mai de uma vez, tern reagido contra o poder da
aulocidade, sempre leaue e fraca nestas alturas.
Ora e o bacamirts, era si) as amaapas com
princip'O de execucao, e oaa, lioalinente, e a ca-
Ipninia quern reina c qiem goverai o Ouricury;
auncaporem a aututidade.
Iteinava a jui a hydra da anarchia, 03 crimes se
reproduziam,a orden era desordem, o um momeo*
to bastaria para que as lavas de um vulcao a ludo
spssobrasse, quando, despachado ]aiz de direito
desta eomarca, para aqui parti sem perda de tem
pp, por rccommendavoes terminautes de S. Exc. o
Sr. commendador president!! di provincia.
Sao sou visionario oem hyperbolico, o qua leva
dito consla de parte oilkiaes.
Assumindo o exercicio de meu cargo, lembrei-
me ao que havia Jit > Alp/umse Esqueriu, que, as
ptixoes se acalmam pela toleranca, coraoasreva
lucoes se terminam pela liberdade ; lembrei-me
ainda do qne bavia ilito lord Chatan, qua, quanta
mais as circumstancias sao ameacaduras tanto
mais a juslica deve moitrar so calraa eimpareiai.
Foi e>ta, pois, aqai, a minha norma de conduo-
u; de modo que em menos da dous mezes ha
via eu pacilicado os animos, plaatado nesta co-
marea o imperio da lei a da juslica, e recebido le-
licitar,Oes que feriam ate minna modestia, quando
julgava eu am la ter feito pouco. Abaixo verao os
leiiorea transcriptoa esles nocumentos que faco pa-
blico, nao por vaidade, mas para prova da minhas
assercoea.
Assim como depois da tempestade eostuma vir
a bonanca, depois desta vera sempre o conlrario,
vem a negacao do perfeito, porque a felicidade 6
uma deusa voluvel e fragil, como e o homem.
No silencio do gabineto, sem interesses partlda-
rios, sem o odio ou paixao, sem nonbeeer ao me-
nos as pessoas de minha comarea, julgava e deci-
dia eu como me parecia do direito e jostica.
Forcoso era, porem, punir o crime, e livrar a
innocencia. opprtmida ; havia en estu lado os ma
let, cumpria-me applicar e reraedio da lei; e poa-
to que a juslica agrada a todos, esabido quenin-
guera a quer em casa; e eis aqui o tnotiva das
denuncias.
Reiaaldo Goncalvos Torres, men denanciante,
foi me in-iieado como am dos nuiores desordeuoa
deste term baviam-me coramuoicado crimes nor-
rorasos por elle prat.ealos, desde Innga data, dot.
quaes havia ficado inipune, a na quahdado de juiz
de. paz de um districto do interior da fregueaia
havia feito e continuava a fazer horriveis extor-
s6es. Nao cessavain as queixas de pessoas do seu
dittruto, um clamor pabliap. alinal se levantara
contra dit i juiz.
Nan preciaava tanto, mas era pre ;iso tempo pa-
ra bem conhecer da procedencia e merecimenlo
das quoixa*.
Depois de ma dura rellexio exame, conheci
quperam proeedeatea, e entao ordenei ao promo-
tot publico. Dr. Argentina Gal3o, qoe, veriflean-
dp. us facios criminasjs ae.qua era acuusado Rei-
oaldo, proeedease aos termos da lei. i
t> promoter vantpris- o-seo deVef, denanciando-
Reinaldo por man de /Wftwtwfc, pettas, concus
Ot
-....'". "<-------------------------"r~'.----------
^u^sadCeVumde^^^^
'iatldaa rt iS da Aln^ S,lva Al*0* ***fa* do. Mirandas J*e LaoataaTaa Craz Ne-
iae>, na entfe^iUa, qaejwan-1 ves, Idanoel Alvej Gondim, Jose Gjmea do Soaza
o juiz, como dispoe o
'de aWrofi1
Gondim Junior, Jose Pereira de Soaza, Joao Pe
reira de Souta, Braz Pereira de Soaza, Paulino
Peixoto de Vascoaeellos, Joao de Sa a Araujo, Aa-
tonio de 3a Araulo Neves, Jose Alves Gondim,
Manoel Francisco Pereira, Manoel Bent) da Silva,
Antonio Pereira do Nascimento, Manoel Fernando
Bomlim, Pedro Joaa Barboza, Antonio liarboia da
Cruz, Florastino Sa/boza de S ,tua, Ferrai, Fran-
cisco Petmtfdo Dels, Manoel Jann&rio Ferreira,
Fehx Jaseda Silva, ManoeJ de AraBJo de Vascon-
celios, Jose Igoacio de f ikon dalles, Htynando
He xoto dff?scoticelIns, aias,'Frreirade Oli-
veira, Luiz da Rego Bafrbs, Antonio Soares del men"t0'
Britto, Francisco de Britto Rosado, Franci*co Fer-
z de Barros, Benova-
. Francisco Rodrigues
id,*Severiano da Silva Dodoa, Joaquim.Go-
Victoriano da Silva.Manoel Mendea de F-
gudiiMo. rJnFn
, M.I.
Illm. Sr.-Mais uma vet awaa oirbanald?
jury deste termo, cootrabio para com V. S. ami
di vida de gratidlo qne por meio da presenle veti
manifeslar.
Se na segunda sessao judiciaria do corrente ai-
n) a primeira qne V. S. presidio na qualidade it
jaiz de direito desta eemarea, dea nos provas
bem coniincentes de rectidio a justica, a par da
grtade illusiraipio, nio menos digoo loi sea cos-
portamento na tercsira sessao qne hoje aeaba de
eocerrar se, sob a presidency de V. S.
Sa ba facto qae man possa coocorrer para est -
malar o zelo ao dever do fuaceiotalismo em to oa ramos do tarvico publico, d iacintestavi-lmeni*
later se pataaia seosaer7iuns e tornal-os not'.-
riamente conaeaatos.
v. S. lea direito a esie pleno recopheci-
PflaMMVHt^iglill PLSWPP |M^ *i Aksaadrmo da Crasffern. viiro
wuoaeauDCifflp ceriitTaoT domandado pelo qual Lopes de Hellanda, Valerio Pereira Barbosa Ma-
maadei por os.^os fneoatinente em jiherdade, (lo uoel Januario Pereira uimasa, na
N. 2.
cumenta unico que }untda a denuncia)
.?"? ^IWaffftim "ena d*Vl4* ^? }fl' I,,m- Sr Dr Antonio Lopes da Silva Barros.-
gar o ter sida aceita a deuuacia. sem o qual falta- Oi abaixo as^ignados. sinceros aoreciadores dos
^Sl^ttSilSl ^^* 4i C0dig8 liote8' d* "rt^ cWicas e moraes que e^obre-
do procejso) Tonge de provar ama falta, um erro cent a pessoa de V. S, faltariam a um dever de
ffiWWJPTr^-W?1 J^CegratidioseaodeixarVSoTxercicioSo
pr memo que o juiz havia dado as di,pos.coes da cargo de juiz municipal e de juiz de direito in'.e
., rlD0 desta comarea. nao vie*setn ante V S teste
^i^ani Hi JL lea Jf^w^fegulaaeoto, tr ibntam a pessoa de V.9. V*'
om'-i^nVJlMw5* .,aPPdufi,.1aan^ Magistradoihonrado. intelligenle,.' illastrado.ree
2 1 qn\* interpjsta pelo promo or ou pela t0, Independenie, sincero, grave e circumspecto,
%%VX$J?Zi??**?* eJe,lJi da 3P e a, raesmo le" airavel'eSlleneloto. sSo predi-
r? a r?., inf-n^-, ^.l? V, *V ^ ,p8^ e* S^. 5ados 1* lmgaem. e que os abaixo assigna-
mi, ,,1 it8,3": 6l d Kaianp,n i ,ue so" Os abaixo assignadas, pors, rendendo homeoa-
S8r?J d??rt ,?nP.9?f ,t aPPella5a d P," gem *os ^ais I'lulos e vi'rtudes, fazem votos
^mg&JW&ifo^m^Z Kq o govern, deS. M. Im^ia., fazendo
cam peoa de nuite JUsnca ao seu verJadeiro merecimenlo, o cbame a
***, ou prisao com Irttbalh) por 20 annos ou occupar um lugar distincto na magistratura do
muu aums.e pnstto simples. perpitaa,eUsoq\i&Q- pai, 8 iucio u0isiravura
do a decisSj do jary Bio hoavar silo uaanime, e Magistrado como V S p do nne eatoAa o
claro que, n5) tendo eu appelladd das deelsoei,d> pau q precisa o
jury, esendopcrimo deque ecam os rios accu-, Nao tamos nor Q n Sr dvitir offender tan
$$#mkm'snath BswS&flaSffSS
ver SaweVatii rfmn -trt?-* 5"ft,-' *?? Cesario Claudiano de Oliveira e Aranjo. Oimis.o
XJ?'u*S> Hf'i Ada !n e l,*^ic'a Baa-teflo Bezorra de Menetes, professor Jose Sesi
JfcnS nrmrSetf44 n^n'i? Y?!* TS'' naado de Maria Xeaefonte, Manoel Furtado Leite,
Snhs Sri,; im ffiS ^ .**e?TO-f ohm Alvares de'oi.vaira Cabral, Francisco Gomes
..afumnias argajdas sera cnlarw, e^proprias de de Sa Ualioira, Joao Dias Ribeiro Jose Antonio
Svarf/mfexDS?, *?*.*> Baptiata fe raanoel JoarS^de Maria A.buc
matevoia, cjnjo expressao de olia e da despeit), nuera lie
dffqaem foi pw mim Impedija ua carreira dos N3
da Silva Barros.
no desvelado era
mandato de sens mani
rela^io, mandaudi i.o luerir ^astemuahas de uma
de suis doaaflcla'* dad,i contra mini, (em produzi-
tlo. neste termo uma reaceijo comolela poatra o
prin.'ipio da aatgridade, e hem ab menos cooto
t?i.*.Sil,J5a.pa.,*i:a m>hiltnl* ?^P"d3,dezerobrodoaono proximo passado, escolheado a
praniir mraha autorrdide, e: se nai m.nha ex.s- pe530a do v. s. papra juiz pAe dire'il0 desla co.
cipes, em ses.-ao oxlrior ioaria de hoje, resolveu
com.) primeiro assnmpto, envi r ama commissao
composta de tres de-seus membros, felicitar a V. S.
pela esclarecida resolu^ao com que o g.verao
imperial acaoa de assignar o decreto de 2d de
a
marca.
Ssmelhaote ao fragil batel, impellido na tempes-
tada pela encrespada onda, era presnmpcao ana-
nime de neste termo, tudo sossobrar.
A man da Provideneia, porem, qne vela inces
i *
---------. previstas, seguira hoje mesmo a noile-para os por-
Salffaelro, Jose Belizarw Marinho Falcao, para a tos do norte do Imperio. V
doi Triampho. Soelcdad fropagadorn da Inn-
Camera municipal de Oaranhuns. truccao Publlca.-Hoje, fr, 6 horas e meia
Par pormria da presidenoia da proviac.ia, do 10 da tarde, deve haver sesslp do conse bo 'aoerior
do corrente, foram approvados provisoriameirte, dessa aoeiedad*-, na rua da Aurora n ft! e em
'. e oidros.de responsibilidide, tendq jantado
denuncia flocnmenMs-valiesos.
pnwido o denoSiclado, jn*taurei o processo e pro-
turrcief o r*o em crime inafian$ave!, era face do
qute rara prese-. Teado, porem, reco-rido de men
de|pach*,dB'prdBuocia para o egregio tribunal da
retacSo, otoeve o reo prorimenro do recurso-, an'
nu|lando>ae o proee9so, enjos motiTos ainda ignort.
ho Dr. prnmolbr-piiblieo-erjsioalho a denuncia
uma acneaifa, que o de.mo*ren a abanionar a co
marca, faeth' a>que aft jactata- dun Reinafdo, e
pela qaalfOra prtMjesaado eacha-se pronnnciado.
A mim euswunne taroe cettas ameacas e em
rprealia 6>ws denuaeias, nas quaes sou aceusa-
doide juiz violento, aibilrarh- fprottetor denimi
nosos. Arhrrrario e viofetrto porquo rrre a otisa-
dia de p'ce?sar-e proosnetar an roea denunciaa
te, pfoteetor de criimeosoa, -perqae eomo preslden-
te- do tribaoal do jury deixei de appellar de uma
N"i) sou visbnaria, a.0arwary c Urra bom co-
Ohe^ida !
Nioi 6 curia! que fal'o di mim, nus anecassi-
Jaie da defeza onriga uia a Isto, tanto mais quan-
la'rm apiS"a d' jU'Z a dr8ufda}e d0(santemente sobre todos os destioos da hamani-
A ,., ,__K > i dade, no momento mais critico, enviou-llie am
nA d?i m?^ ^SROT' r- ^ P?I: !ww PJtoto. caja primeira raanobra, expanlio de
3?nT\t ^ffi1 -ea,e fo'* orimaira WJos 0-terror,-e parece levarnos a porio se-
^?aJftr.S*.tf3-M OUi0fer,r*We,punsso guro; e na ^ \iaoag^ti esperanca perma-
veitru a lttprensa com oacanhamenta que e na- necem *"' """ :"
l2SKml,(.etHQlra m Pr"n3ira V6ieinam-| Ela'caraara, portanto, nao pode deixar de
Cn ^?f-ii" a B*BB*Bali a?. S. a !misftclo em que folga
w edentes, porem,..die um magistrado peii procedimento, com que ji caraeterisou V. s.
podera SCr .avocados em c rcimstaacas taes, ergo \ dirJccj0 da eoinire,. q Ji aci
l?,ZD^r,d8 qU,a Sa V p^a apaUri Aproveita a occasiao, para deelarar que com o
*;" W*WJ* mmhi vidvpMica e pn-\mils ,incOT0 inWreMe; ^nlara v. S. 2om o seu
,7ro! rt,,,.-, = ._ i 'toco auxilio no desempenho das funecdes de sen
oervi quasi sete ann33 o* cargos da promotor resneiiavel cargo
pUArl'dairtt!f S^W OT SKi n. Pa^ da e*""'* municipal de Onricary, 16 de
ao aeixar o exercicia da cargj de promotor na marco de 1874
nl"in,i-m'? m, Psbi ****** de ^fR A comm.ssao': -Bsnjamin Beltrao de Alencar.
njcipal era Jard.m a M.lagres no Ceara, era IG Janeiro de 1806, fui hanralo pelas povos daquella
villa com.a fekciiacla qae apaix) verao os leito-
res (n. I)
Ao coacluiro meu aualriennio de juiz munici-
pal, fui ainda honrado co;n a feUciiac.io, qua tam-
Dem abaixo versa os leUores.'ia. 2.)
E Itoalmeate tenhj nesta comarea sido. honrado
cam felicitajSes das duas c.raaras munjeipaas da
comarea, por mais uma vez da tribunal do jnry e
atti com os loaros de um poeta, como verao os
lei tores dos docaraentos abaixo- transcriptos, (as.
3, 4, 5, 6 e 7) docaraentos que me honram e que
nio os solkilei, tanto mais quanta, bem longe es-
tava eu de sappor que tao cedb seria victima de
calumnias, que tem merecido a mais solemne re-
pnovacSo e o estigma da lodpi. os homens de bem
desta comarea, de ambus os credos puliticos.
Par amor a- brevidade devo oonclair, mas nao o
farei sem maoifesiar am voto degratidao ao aator
de urn communicado escripto da villa de Ova-
mto, pubheado no Diario de Side, setembro Undo,
sob n. 2i.*i, bem como ao autor de um uutro com
municado, pablica do no Diario de 91 do mesmo
mez escripto desta villa, pelas expressoes honro-
de Araujo.
N. 4.
Illm. Sr. Dr. Antonio Lopes da Silva Barros.
Os abafxu assignados.juizes de facto, na presente
sessao judiciaria deate termo, faltariam a um sa-
grado e rigoroso dever, se por meia da preseutc
manifestacao, nio viessem agradecer a V. S. a
attengao e delicideta com que V. S. se dignoa
trata-los, na qualidade de juiz ds direito e presi-
dento da tribunal do jury.
E com fiffeito, raerelissimo senhor, talvez em
tempo argum, se sentasse nessa cadeira um juiz
que melhor soubesse concitlar estes doos seali-
raento3 : Justica e benevolencia ; justica em
snas decisSes, benevoleacia pela lado sooial e pelo
trato.
Ha muito a camarca de Oaricury se. resentia da
falta de am jaiz de direito que, possaindo as
altas qualidades que ornam V. S, representasse
com tndependeocia e dignidade a santidade do di-
reito e da justica.
Felizmente estio satlsfeltas as snas aspiracoes,
por que o decreto imperial que o nomeou para tio
importante cargo neta comar-a, foi ama nova era
sas com que ambos-ae dignmm defender-me des- qug,ne abrio Je garantias e* prosperfdades.
LAS (lfifltKiCliiM. t..^;..-. i -__. ti n ias
ria Canlioto.
foram
sob aroposla da camara municipal de Garanhun--'
os segnintes artigos de po>tura>:
Art. 1" Fica probibido a criacSo deCabras e
pores aolto3 em todo oterreno comDruhendido ea-
Ire asCmites seguintes: a partir pela esira-la que
vera da Jucara para Pogos, do linado J >ao Carloo e
dabi aos silios Murissoca, Cruz dos Vieiras, Mimo-
sinha^Jardimv Brejo Grande e Cego e de onde era
linha reeta, piuara por Tiririca eiBK}M da Ca \ .tetlao.-Hdje. na forma do cjsrnme, hmti setu1o"qae TalveT uiW larde o ni
tingaa-dahi teguira pela estradideS tai, a bewOeio da cape'ia- da Esraoda, qae carfe no
dia 20:
jasta sentenca proferida m Rivot de Antonio Jose
8arbosa Baniano, juiz de paz do primeiro districto,
e- Antonio luarmho Ribeiro, snpplente da delegado
de policia deste termo.
(*) Handei estas linbis para as columnas da
. Provinqia, onde deixaram de ser publicadas nurouo
segaidasessao da assemblda gcral dos aoeios, sen-, fijo nw subqjelHfeaJlancao. quVqm?f^r 04*
do esta para a a>scns!S.o da reforma dos'eUalutos. canregad^ di publicacao -deasa foin, a L n
ILuito Braaiietra. ;- Nessa1 sodedade ha JoseLrianno "carmaw da Cunha,
hoje, at 6 boras- e ffleta di tarde*; sessjo. dd con'-'! '4 alteracaa cbniislla aasubMimicao datnait-
:sf2Jik-.. l -^m.^ vras taluHMni da /Voi>iiifia,-DeJas palavaW-
l^tWarla.-A qntJesjcfu a.veaaa, e a 123.' sec{ao 4<# pubpca&es solkdadat da/Vot,ncT
A mo.iTbbacao parece de pouco alcance"~pni&
live razlet vahosissiaiaspara naa concordar rtflUa*
las denuncias.
Nao vim a impceoaa por ora, para defender-me,
e sim pedir ao publico, qne. suspeuda sen juizo
sobre os motivos dessas. denaacias, assignadas
con ra mim por Reinaldo Gonralces Torres II...
reo preso, na cadeia desta villa.
Tenbe conviccao in lima deque as portas dos
tribuqaes do meu pajt nunea foram abeitas a ca-
lumniaa.
Naa devo nada nwis doer por emqaanto em
minha defeza ; aguardo sabraisso a respeitoso a
deciaao do tribunal, e em taaipo opportuno volts-
tei a imprensa. .^
Villa do Oaricury, 26 de outubro de 1874.
Antonio Lqpfs fa liloa Barros.
N. 1.,
Ilm. Sr. Dr. Antonio bones da Silva Barrbe.
Os abaixo assignation bBbifeutes d.isto termo, pos-
suidos.di) mais ardeote prazer, vjnio quo por de-
oretodeai de novembro praximo pass*la, hoave
ppr bem S. M. I. fazer a aoartada escottiade oo
rnear a V. S. para o importante cargo dj juiz mu-
nicipal e de orphans do termo do Jardim. provin-
cial do Ceara, cargo quo por sem dnvidasera por
V. S. mui digoamenle aesempenhado-, veem de-
positar nas bemtaaejas maoa da V. S. o presente
penbnr, como prova de eatreila e sincora amisade
que felizmente consagra V. S. an* abaixo assig ia-
dos;, e ara geral a totoa. os. .'laliitantes aoste mea-
m> termo* o quaeajamaia sa eaqaecerio das da-
ces e aitractivas maneiras. com que ha um anao
.e djous mezes de effectiso erctcio de promotor
publico desta comarea, tem V. S. tratado aos abai-
xo asiigoBdos, dbtriliuida justica 3 todos, eom a
aet|viuadii telo imparciahdade, qua caracterisa
| dassqaidB V; S..
... Os aaaivo assignadas, muito digno Sr. dou-
tor, lemuradoa dos beaelicios qne ha V. S.
preuudo a.esta iocaliiladf, pur ter, no caracter da
seu represeniante na assanablea irrovincial, ele-
vaddo-a a (jatkegoria de villa a termo, obeendo,
alom de oulros beoeficios, uma quota para cora-
pra de uma bem construiia cadeia, qae hoje f liz-
men to possae esu villa, nao podem deixar de sin-
ce ra me nte seuiir grande falta qua vai later V. S.
a elta termo e comarea ; mas, tendo em vista os
abaixo assignadoi ahonroeacarreira da magistra-
tura que vai V. S. seguindo, sati-feitos Ccam, poe-
que oiabrwo terlo de ve.- HM( collocado no mais
aijo grao, da migisaratue* do-part; assim como
lm terleza da que, am qualjaer pane que o
govern*aj-raavar ltval o, gozara daqadlle eoooer-
u> qua tempre taatlpisado aesta provlwSa.
/frame, e tmmmd .rtigo3
Jto&an&scofei&imy;
V
Ac
Assim, digna-se V. S. aceitar' e?ta pallida e
detngarada manifestaQao, como uma prova do
apreco e considerajlo, em qae os abaixo assigna-
dos a V. S. tem.
Sala das sessoes do jury do t~rmo de Ouricnry,
23 de maio de 1874. Capilao Francisco Jose Bar-
boza Veihiuho, capilao Secundina Jose Barboza,
alferes Raymundo Aatonio GoBcalves Vianna, Ku-
frazip Alves da Castro, Francisco Monteiro de
Sam'Anna, Augusta Pereira da Cunha (escrivao do
jum, Antonio Jose Barboza Baniano Junior, Al-
varu Jose Soares, Antonio Cezarin Alves de Castro
Juaior, Rozario Alves dos Santos, Francisco Gal-
dino de Araujo, Damiao de Souza e Silva, Jose Ma-
noel de Sapulveda, Umbelino Gomes de Souza. Jose
Pereira do Alencar, Mode-to Ferreira Lin>Seve-.
rlno Rodrigues de Souza, Moyses CoperUuo Rodri-
gues de Aragaa, Manoel Francisco de Castro,
Cosme Jose Delmondes, Telespaoro Lopes da Si-
queira, Leonel Jose Delmondes, Aatonio Manoel do
Nascimeato, Clementioo Jose- Delmondes, Luiz Jose
da Costa, Antonio Espendiao de Arruda, Candido
Teixeira Delmondes, Caetano Pinto de Miranda
Feijo e .\ragao, Albanazio Demostbeoos de Vas-
concellos Arag.io. Anacleto Jasb do Fariai, Joao
Francisco da Silva, France lino Alves Feitoza, Es
tevio Olympio da Cunha e Anton:o Estolaao Maria
Seixaa.
ea *
PaQi da camara monlcipat da v.lla de Granito,
em sessao ordinarla de 10 de jajho. da 1874.
Illm. Sr.-Estj camara njlo era indifferente a ad-
nislracJo da Justica onblica aor V. S. up exercicia
d8stfancc5es do alto cargo dejulz de direito da
comarea, que sabiamsnte ihe. foi conQado; mas,
penhorado pelo zeto e interesse com qae tem V. S.
pracurado auxiliar o progresso esperancoso de sea
mnpieipio, resolveu, em sessii de hoje, scienti-
ncair-lhe sua gratidao.
Bspectadora, como foi, das reprehensiveis con-
dicoes sociaes de Ouricury, quasi aoarchisado
quando V. S. assnmio o exercicio de juiz de di-
reito da comarea, admira a habilidade com que
dissipou a presurapcao do mao desfecho daquelle
lugar, acnlmandn os animes, pumndo os crimi
noses, e fazendo imperar a lei.
Bsta camara^ qne na> tem por flm favcoear 3
pestoa on autori.Jsde dp V. ., leceado etogios on
afegiricos, mat leodo por nprma o dever e a
ca, (elicita-o peli fonna, porqae tem mode-
it a*niiris*rtelo da eorriarca do Oaricury. e
mais viva satisfitcio, offerece sen pr'es-
E' por isso qae os abaixo asaignados, cheios de
jubiloe conleniamepto, veem ainda hoje maoifes-
tar-lhe a gratidao de qae se acham possoidoa pe-
las mineiras affavei* e cavalheircscas com qoe
V. S. se dignou tratal os duraote os trabalhns des-
ta sessao, sera que esse tialo. cnmproraeUeas-,
ainda qae de leve, a discipliua dt.-te tribunal e j
desenvolvimenlo da juslica.
E cam effeilo, Illm. Sr, a reelid io em anas di-
cisoes cm materia de dircit", o allerro qae leti
mostralo na ajiplicacio da l<-i, a eloqiiencia, t
energi.i, o oslylo, tada indi^a que V. S. c.imiah i
apressadamente para conquislar a mais iiibre dai
aspiraro*sa gloriae piier mais drde mon-ar
se um dos mais bellos ornamental da magi.-tratur i
do Brssil.
Que Den, realise sua nobrrs ambiroes e d.
Ihe forcas para conlinuar na senda do dever, qu;
bonrosameote trirha, ?5o votos quo fafetn os abai-
xo assignados, ao despr-direra-teide V. S., i
quern Deus guirde.Tribunal do jury do ter
mo de Ouncurv, em 17 de outubro de 1874,
Illm. Sr. Dr. Antonio Lopes di Silca aWTM,
jaiz de direito desta comarea.O promotor pabli-
c, Jose Leandro Dantas Se.rra, Antonio E-tolan i
Maria Seixas, capitao Secundino Jost- Barbosa.
Francisco Galdino de Arauj), Aatomo Marinb .
Ribeiro, Antonio Jose Barboza Babiano Junior, ca-
pilao Francisco Jose Barboza Yelliiobo, Araanci-.
KodriguesCoelho, Manoel Rodrigues de Souza, ca-
pilao Gancalo Jose Ridrigaes Coelho, Reinaldo Bc-
drigues Damasceno, Joaqaim Pardeos Rjlngnei
Seixas, Lucinio Carlos Rodrigues de Macedo, Sa
lustio Maria Tavares, Francisco da Costa Gomes,
Antonio Pereira Rodrigues, Evaristo Jose da Silva,
Manoel da Cosla Games, Manoel Raymundo d'
Amorim, David Soares da Sil/a, Viceule Jise d
Andrade, Germano Goncalves de O.iveira, Maooc I
Sabino Ribeiro de Sepulvida, Manoel Neves de
Oliveira, tenente Manotl Pereira de Castr., Fran
ci.-co Ferreira Lima, Ezequi-I Alves de Souz?.
Antonia Marinho Falcao, Augusta Pereira da Cu-
nha, escrivao do Jury, Manoel Leile Monteiro, Te-
I isph iro Lopes de Siqueira, Juao Gomes de Souia
Marcolino Alves Feitosa, Ridrigo Castor da Rochi
Barros, Leocadio Pereira de Camlbo e Mano i
Ravmutido Delmondes.
N. 7.
HONTEM E HOJE.
Ao Sr. Dr. Silva Bairos.
Sob a pressio d'anarrhia
Eai miserias mergultiado,
Vivia este uaricury
Ja no horror sepal tado ?
O crime imperava altivo
No batel da corrupcio,
Ea s?nta liberdade
Fogira do cora^ao.
A prudenciaera fraqucza
A virludeera dezar
A innocenciaera crime
A energiacalar I
A leidesapoarecera
Imperava a tirannia
0 Direito.... suffocado,
Na mais plena luz do dia !
Tudo estiva nesse eataao
Assaz desanimado
Quando o paterno govern:
Nos manda remedio a dor:
Em Ingar do imperft-ito
Juiz chamadoRorira-
Urn decreto imperial
Nos trcuxe am Barros, por fun.
Reverteu o bello tempo
Da ratio e do direito,
Appareceu a justica
Tudo tie ou satisfeito:
Nto mais a dara oppressao
Veio nos manietar,
Nao mais o poder despotico
Quiz entre nos imperar!
E< De justica e equidadc !
Quando a menlira se eseoode
Surge imponente a verdade;
Ceasoa o granie rumor
Esse rumor... marcial,
Q'eutre n6s desenvolvea
Aquelle juiz fatal "
Tado boje e liberdade
Q'assegura a garantia,
Hoje tudo 6 independencta
Qae so reina em pleno dia :
Louvores mil sejam dados
A quem'de bom ccracto
Calcando o absolutismo,
Pot a lei em execucao.
GLOZA.
Ameno Oaricury, es bem ditoso ;
Ja das portas do abysmo esca paste
E o mal epidemico de qne enrau ;
Na comarea ia sendo eontagioso;
Mas o Deus do Orbe tao podercso
I'm medico te envioa la do Salgueiro
Que com balsamo pbilanlropico no tinteir:
Descreve o scien iflco sea systeraa
Cahe do brace do infeliz o par de algema
Por forga do remedio verdadeiro.
Epidemias
eitfcpou, & uatapenaloabrac-idosabai- i n*seaiido de anxilia^lo nas'^abias TunccSes
IJerjjsmarde a V. S.-IrHn. Sr. tJr: Antonio Lo-
pes da Sirva Barros', malto'dfj*i juiz de direito
da oomwea.Frarrctsco Carlos da Sitva Peixoto,
xe assignados, fraco, mas purapeobap da* slaoer*
etlitn* e cordial amiaada qua trftutam a iigfia
pestea dft-V. $., e qae talaez pnrdoago lampe nio
tenbaaa a fortuaada repatll o.
ViUa do SaJgueiro, 16 de jaaeiro de 188*-*0
pro presileo|e.-Alexandre Jes'j deOliveira.-Ma- res decabef;a neTvosss.
Dnrante os tempos da epidemia, ba certas pre
caucoes que convem lomar. Em primeiro lugar
convem evitar os excessos de qual^uer sorte, a>
bebidas Trias, os banhos frioe, os vestidoa mail
qnentes ou muito leves, 6 precise observar MM
am termo medio. C avem continaar com o ge-
nera de vija ordinaria, lenda o cuidado de tomar
as precaucoes acima indicadas.
Um escelleo'a meio de preservajao consisle
n'um graode emprego do ti'cor lr Labmrraqu,
(chlorureto d^oaydode sodium) mistnrado com
50 paries d'agua. Borrifa-se os aposentos ou
deita-se em vasoa aaartos, coUooados sobre aatras-
tes. As cavallaricas, curraei, etc.. devem ser bar-
r fades uma cu duas vezas par dia com o Ucoi
de Labirraque, igualmente misturado com 50 par.
lea d'agua. Em dote de ama ou doas colheres
grandes por litro d'agua, emprega-se o com gran-
de vanugem para o a:eu do carp j, os baonos e
locoes.]
0 emarego do Lioor de Labarraque tem pres-
tado grandes services, sobretulo nos paizes quen-
tes, durante as tempos de epidemia de loda a tt-
pecie.
a. Qaatro mar nbeiros gr. gos, e logo depois
oito marmnei.'os bespanhbea, auciaea de typao
nautioo, eutraram para o lazaret >. Os cirorgioas
e os guardas de saiiae. eaear.egadoi de- os tratar,
emprcgaram o Licor de Labarraque em hvagens,
aspcrsoes, ablucoes. Apezar de um eontacto de
quarenta dias. nentnm delles contractou a mo-
lestia.a (Helatorio do Sr. Robert, medico do laza-
reto de Marselba, aa minisiro do iaterior).
i Dnrante a ultima peste de Alepe, oSr.de
Lesieps, consul gral de Franca na Syria, a o Sr.
Dr. Caporal, medico de S. E. Joassouf Pacha, ex-
periraentaram o Licr de Labarraque. Elles dt-
claram que as pessoas one dajije iittram oso tra-
lavam impuoemenla as ompaHados lae supp!.'-
rara Je aiaaiar psra a Orieote ama graode quan-
UJado desae iwderoso preservauvo. (lUUtorio
dos.Srs. mordomos do lazareto de Marselba ao m.-
nisiro do interior).
*\. 123.Toranentas da rabeca.
Uma rraperfertn digestao, seguida de loda a soa
ravtriavei cvroitivi, um dtsturtiio synpafnetico do
dgado e dos ioteshuos, e a causa excitanle das i -


mmmmmBm
-mmamm.

WOTWwnnvmpQP
W


Diario de Peraambuco Quiiita feira 19, de Novembro de 1874.
.
Porque ratio, psis. sofTrcis a saa atormentado-
ra agoaia e desalinadas dores. quando am eirso,
e em algaas casos, uraa s6 d6ie de pilalas assu-
caradas de Bristol, nao so p6de remover a causa,
corao tambem as consequencias ?
Oores de cabeca chronicas, de am caraelero
mais ob9tinado, invariavelmenle eedem a este re-
raedio de Ddos, o mais braodo e o mais efflcax
de quaatos calturiieos e anlibiliosai medicinas
existem-as quaes, nenhuma enfermiijade proce
deote de um estomago desarraigado, um estado
morboso do firalo, irregularidade ou prislo do
ventre, oa as difllculdades inherentes ao bello
sexo-podem resislir por moito tempo.
Em todos 01 casos em qua o Ugado se ache se-
riamente affeetado, a salsaparrilha de Bristol, o
purilicador o mais potente dos lluidos animae3
qne o man Jo jamais coobeceu, gran Jemente faci
litara a cura.
As pilulas acham-se mettiias deatro de frasqui-
nhos de vidro, e por isso con3ervar se-hao perfei-
tas em todos os climas.
COMMFJCiO.
JUNTA DOS CORRETORES
Praca do Recife, 18 de noveiu-
lr de 1834.
AS 3 IIORAS DA TARDE.
cotacSks officiaks
Algodao do sertao 1* sorte 7*200 pr 15 kilos,
Algoaao de Mamanguapo sem inspeccao 64iO
Dor 15 kilo3, hontem.
Algoaaode Pcnedo sem inspeccao 6^100 por 15
kilos.
Algodao da Parahyba 1* sorte 7*200 por IS
kilos posto a bordo a frete de 3|4 e
5 0|0, hontem.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 26 9|I6 e 26
5,8 por li, hontem.
Cambio sobre Liverpool a 90 d[v. 26 5(8 por
1-5000, hontem.
Cambio sobre o R:o dc Janeiro a 8 div ao par,
hontem.
Deseontode letras 10 e 12 0)0 ao anno.
a. ae Vasconceiios
Presidents.
A P. de Lemos,
Secretario.
ALFANPKtifc
Hendiraanto dr> dia 2 a 17. .
lUn do dia 18 .
451:0524871
23:131*646
474:184*517
Dascarregam boje 19 de novembro de 1874.
Brigae purtuguez Rio Vouga varios generos
para o trapiche Conceicao, para despa-
char.
Vapor nacional -Conde i/'/Ju-(esperadu) geaeros
nncionaes para o trap cite da companhia.
Patacho inglez Julia bacalhao ja despachado
para o trapicbe Conceigao.
Escuna alleraa-A/aone-J-farinha de trigo jades-
pac'ia ia para o 5* pon'.o.
Lugre inglez Ethel bacalhao ja despachado para
o 2 ponto.
Lugre inglez Alice bacalhao para deposito no
trapiche Conceicao.
ImportacSo.
Lugre inglez Alice, entrado de Terra Kora em
18 do corrente e consigoado a Henry Foreler
>S C, manifestou :
Bacalhao 2,063 barricas aos consignatarios.
Brigae alltmao Vottigeur, entrado de Trieste
na me.-ma dita e consiguado a Saunders Brothers
& C, manifeslou :
Farinha de tri^o 1924 barricas aos cosigna-
tories.
DESPA'THOS DE EXPORTACAO NO DIA 17 I)h
OUTUBRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
No vapor inglez Warrior, para Liverpool,
carregou : J. D. C. Monleiro 1 volume com 30
kilos de folhas medieinaes.
No pata:ho araericano Ernest, para New-
York, jarregou : H. Pcrster & C. 2,371 saccos com
177,083 kilos de assucar maseavado.
No lugar francez Rio Grande, para o Havre,
canegou : E. A. Burle & C. 1,500 couros verdes
com 31,500 ki'os.
No patacho hespanhul Felisa, para o Rio da
Prata, carregou : P. Carneiro, Maia & C. 40 pipas
com 19,200 litros de aguardente.
No navio portuguez S. Lourengo, para a Ilha
de S. Miguel, carregou : J. C. Goncalves 50 barri-
eas com 3,767 kilos deassucar branco e 100 ditas
com 8,(85 ditos de dito maseavado.
Pora os portos do interior.
Para o Aracaty, no hiate nacional Deus te
Guie, carregou : A. C. Araujo 2 barricas com 194
kilos de assucar retina :o e 4 ditos com 421 1|2
ditos de dito branco.
gara o Para, no vapor nacional Conde d'Eu,
carregou : M. Z. dos Santos 10 barricas cc m 7,796
\\i kilos de a*sucar branco.
Para o Rio Graude do Sul, na barca nacional
Mimcsa, carregou : J. P. Ballhar 700 volumes
com 54,523 kilos de assucar branco ; J. R. Ferrei-
ra 400 ditos com 34,805 ditos de dito.
Para a Parahyba, na barcaca Constancia,
carregou : Carpinteiro Filho & Sobrinho 20 bar-
ricas com 1,981 kilos de carvao animal.
Para S. Jose, na barcaca Bella Flor, carre-
gou : J. J. Rodrigues Mendes 2 barricas com 197
kilos de assucar branco.
Para o Rio Grande do Norle, na barcaga
Unino do Norte, carregou : Scares do Amaral *
C. 1 barrica com CO k las de assucar branco.
CaPATAZIA
rtandlrueato do dia 2
IIia do dil 18 .
DA AI.FANDSGA
a 17. 8:452*730
.... 353*949
8:806*671
Vinagre, etc. .
4endimeoto de 2 a 16 1:012*940
Idem do dia 17 17*304
1:030*244
15:647*534
Tbesouro provincial de Pemambuco, 18
de novembro de 1874.
0 escrivSo,
J. C. M. da Silva Santos.
Companhia Indemnisadora
do Porto.
CAPITAL 2,O00:000(J00O.
Thomaz de Aquino Fonceca k C, succesttres
agent es.
En i companhia toma seguros maritimos e ter-
restres, dando nestes o septimo anno gratis aos se-
gurados.
Baa do Vigarie n. 19.
. COMPANHIA ALLIANQA
ieguros maritimos e terres-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 18 70
CAPITAL 4,000:00CW)00.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
i*co maritimo em navio de vela e vaporei
ara dentro e f6ra do imperio, assim come
iontra fogo sobre predios, generos a fa-
-ondas.
Agente i Joaquim Jose* Goncalves Beltrio.
ua do Commercio n. 5, 1 andar.
hiico Commercial dc Braga
Jorge Tnsso.
37Rua do Amorim37
Saca qoalqaer quantia a prazo oa a vista so
bre este Banco ou mas respectivas agencias nas
segaintes eidades e villas de Portugal, ilhas adja-
centes e Hespanha, a saber:
Portugal
ga 1,053 barricas com bacathao; a Henry Pors- tomada de contaj des adminislradores da dita mas
Amarante. Guarda.
Anadia. Gnimaraes.
Arcos. Goaveia.
Aveiro. Lagos.
Agueda. Lamego.
Arco de Baulhe em ca- Lisboa.
beceiras de Bastos. Loul6.
Barca. Melgaco. Mir.ndella.
Barcellos.
Beja. Moncao.
Braganca. Mealbada.
Chaves. Monte mor o velho.
Coimbra. Oliveira de Aremeis.
Coura. Ovar.
Covilba. Peoafiel.
Castello Branco. Pinhel.
Caminha. Ponte de Lima.
Elvas Portimao.
"stremoz. Evora. Porto.
Povoa do Varzitn.
Esposende. Porl'Alegre.
Pamalicao. Povoa de Lanhoso
Faro. Regoa.
Picueira. Silves.
Fafe. Santo Thvrso.
Tbomar. Villa Real.
Tavira. Vinhaes.
Torres Novas. Vixen.
Valenca. Villa da Feira.
Vianna. Villa Poaca de Aguiar.
Villa do Conde. Villa Real de S. Antonio.
Villa Nova da Cerveira. Moimenta da Beira.
Unas.
Funchal. Fayal.
Hespaiikn,
Madrid. Cadiz.
Barcellona. Orense.
Vigo. Corona.
Puenteaveas Badajcz.
ter & a
Trieste-84 dias. brigae allemio Vottigeur, de 113
toneladas, capitao H. V. Arand, eqaipgem 9,
carga farinha da trigo ; a Saunders Brothers
& C
Vavaa (ilk* PrenJiy ao sol do mar Pacifleo) -83
dias, barca alleml W'andrahon, de 800 tonela-
das, aapitaoSieveit, eiuipage.ii'.lO. carga coco
secoo, ao mesmo capitao. Veio refrescar e se-
guio para llumburg'.
Cardiff-S3 dia-s briu inglez Hmnh, de 243 to-
nelaJaa, capitao Hughes, equip igera 9, carga .
carvio; a Lmdttone Robilliard & C I
Navios sahidos no mesmo dia.
AracatyBarca portugueza Arabella, capitao Ma*
noel, Cuimiro Pacheeo, em lastro do assu-
car.
Barcetoa-Galera hespanbola Joaquim Serra, ca-
pilao Jote Yren, carga algodao e outros gene-
ros.
Rio da Praia-Barca brasileira Mariana, capitao
Jose Manoel Rodigues, carga assucar.
ia fallida, certd oscredores de que nao scrao admi
ttidos por praenradoree, sem que estes exbibara
procoracoes e.peciaes, as quaes nao poderio ser
conferiJas a develores dos fallidos, nao podendo
ootro aim nm >6 indiwduo represeutar por dous
di versos ere lores e que sera havido o credor que
nao coroparccer conio adherente a quitacao plena
aos fallidee aos terraos da lei. E para qae cbegue
ao conhecimento de toJos.mandei passar o proven
to que seia poblicado pela imprensa e affiiado nos
lugares do costume.
Recife 6 de Novebro de 1874.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nasciuento, es-
crlvio, subescrivi.
SibastiaodoJUgo Barros de Licerda.
EDITAES.
0 Him. Sr. inspector do thesouro provin.ia
manda fazer publico, que em eomprimento da or-
dem do Earn. Sr. presidente da proviacia, de 24 de
agosto ultimo, tem de ser contratadj grants a
junla do mesmo thesouro, no dia If do corrente,
o fornecimento dos moveis precisos para as esco-
las do seso femininojde Tejucapapo, Paratibe, Rio
1 Doce, Colonia Isabel, Pedra M. lie, Giquia e rua
Imperia1, os quaes vao declaradoe na tabella abai-
! xo t-aoseripta
As pessias qae quizerem cuatratar o forneci-
mento, comparecam na sala do$ sesioes da mesma
junta, pelo meio dia do dia acima indicad \
i Secretaria do thesouro provincial 4e Perbambu
co, 9 de novembro de 1874.
TABELLA..
7 quadros com efli/ie do St-shor Cruxillcado
0 Dr. Laiz Ferreira Maeiel Pinheiro, ja'z sabsli-
Into do Joizo especial do eommercio desta cida-
de do Recife de Pemambuco, por S. H. 0 Impe-
rador,ete. ,
Faco saber aos que o preaente ediUl virem que
no dia 19 de aovambro do corrente anno, se ha cora 0,ra66 de altora e 0,m44 de largnra a JOiOOfi
de arrematar por venda a qaera mais der em p'aca ca(ja a(tl| 70:0O0.
publica deste jnlzo, depois da reepectiva audien-, 7 mesas de amarello com l.rall de comprimen-
eia, 0 seguiute : uma armacao de madeira de lou- to,0,m65 de largura e 0,m73 de altura, com pet
ro, usada e envidra;ada, teodo alguns vidros que- torneados e duas gavetas, uma 2}*, 154*.
brados, por 300* ; ama dita com vidros quebra- ( 7 cadeiras de bracos, de amarello, uma 16*.
dos e desmanchada, por 40* ; ambas as arma- 1.12*.
cSesseacham na taveroa sita na povoacio de, ttcadeircs siogellas, ama 8.*, 112*.
Apipueo*, penhoradas por execucao de Souza Bas-, 7 egtrados de louro cora l,m60 de eomprimento,
tos & C. ontra Francisco Marques da Silva Men- i,m40 de largura e 0,15 de altura, am 20;, 140*.
des. K nao navendo lancador que cubra 0 preco 21 classes on mesoes de amarello com z,m64 de
da avaliacao, a arreraalacio sera feita pelo preco eomprimento, 0,m44 de largura, 0,m72 de altura
da adjudtcacao, na forma da lei. na frente e 0,m76 do lado opposto, com pes tor
E para que cbegue ao conhecimento de todos deados, contendo 4 tinleiros e 3 traslados em qua-
raandei passar 0 presente, que sera pubheado pela nro9> nm 34*, 238*.
imprensa e afflxado nos lugares do co*tu-ie. 28 bancos de amarello (assento de palbinha) com
Cidade do Recife, 31 de outubro de 1874. 2,m64 de eomprimento, 0,m23 de largura e 0,mi5
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, de altura, com pes t rneados, am 25*, 700*.
escrivii, 0 subscrevi. n I 7 peiras para calculos com l.mO de comprimen
Recife. 5 de novembro de 1874.
Luiz Feneira Model Pinheiro.
0 Dr. Luiz Ferreira Maeiel Pinheiro. juiz substi-
tute d< juizo esrccial do commercio, nesta cida-
de do Recife de Pemambuco, por S. M. o Impe-
rador, a quem Deus guarde, eic
J-'aco saber aos que 0 presi nte edital virem e
delle noticia tiverem, que no dia 19 de novembro
do correute anno, se ha de arrematar por venda a
quem mais der, era praca publica deste juizo, de-
pois da respectiva audieocia. 0 s guiote :
Uma casa de taboas, coberta de zioco, entre 0
gvranasio dramatico e 0 circo, no Carapo d s
Princezas, avaliada por 150*, peohorada por exe-
cucao de Antonio Ferreira do Carvalhe centra Joio
Francisco da Silva Braga.
to e l,n de largura, ama 10*, 70*.
21 cabides de amarello cam 8 tornos um
105*000.
7 regoas de jacaraodi, ama 500 rs., 3*500.
7 cscrivanias de metal, uma 5*, 35*.
7 iheares singullos, u:n 10*, 70*.
7 jarras um 5*, 35*.
7 cocos de folha de ferro, om I*, 7*.
21 bacios com tampas, am 25, 42*.
7 tubos de amarello, um 7*, 49*
0 seeretario,
Miguel Affonso Ferreira^
j De ordein do Exra. Sr. conselheiro director,
1 visconde de Camaragibe, far.0 publico quo e.-ta
posla a coneurso, com 0 prazo de quatro raezes, a
[ conlar da data deste, a cadeir* de inglez do curso
E nao havendo lancador que cubra 0 preco da preparatorio annexo a psla faculJade, vaga por
avaliacao, a arrem3tajao era feita pelo prego da [er fallecido 0 respoetivo professor Carlos Aiolpho
adiudieagao, na forma da lei. | de Av. ilar Alchorne, pelo que os que se quizerem
E para que chegue ao conhecimento dj t)do<, joscrever deverao apreeniar-se desde ja cora do-
mandei passar 0 presente, que sera publieado pela cumeulos que pro vein : I.*, sua qualidade de ci-
burensa e afflxado nos Ingares do c-stume. | dadao Drasileiro ; 2.', maioridaae legal ; 3., mo-
Cidade do Recife, 12 de outubro de 1874. ra'idade atiestada pelos respectivos parochos e fo-
Eu, Manoel Maria Rod igues d) Xascimento, es- jna corrida nos lugares onae houverem residido
crivao, 0 subscrevi. Re:ife, 22 de outubro de n09 cinco ullimos annos; 4." eapacidade profes-
1874. {sional. a qual pr.va-se exhibindo 0 candidato al-
________Luiz Ferreira Maeiel Pinheiro. gum dosseguinles decumentos :-tilulo de capa-
fTJTr 1 11,7 u\.rruira Mu>ii-I Pmh-iro iuiz cidade na malcria cm coneurso, conferido pelo
0 Dr. Luiz Krwira Macitl I UP>uo, ju z con5elnodJfect substitutodo juizo especial do comtiercw darja do niuojcjpi0 ja curie; titnlo de professor
nesta cida-lu do Recife de Pemambuco, tambem da maleria era coneurao, concedido pelo
Sua Magrtstade Imperial e Constitu- governo imperial; diploma de b.icharel ou de
1 doutor nas faculJadei do imperio ou academias
e^nngeira?, ou de bachareis em leltras.
As pessoas nojaveis p r seu taienlo e reconhe
Sr. D.
Pedro II, a quem Deus,
por
cionai 0
guarde etc.
Fago saber aos queo presente edital virem, e! ciiamerTle tijbilitadas, poderiio ser dispensa as ds
VOLUMES SAHIDOS
So dia 2 a 17......
No dia 18.
Primeira poria.....
Sagunda porta.....
rrceira porta .
fivpicre Ccncaivio
20,859.
21,758
3ERV1C0 MARITIMO
ii>arengu desxarregadas no trapicb* da
attaaaaca.
So dia 2 a 17.....
S: dia IS.......
o trapicte Concaigao .
3d
2
1
it
:-3SDOr\lA DS RENDAS INTEKNA3 GE
IIAES DE PERiNAMBUCC
Sandimento do dia 2 a 17 36:589*156
dam do dis 18..... 876*735
37:465^891
CONSULADO PROVINCIAL
^andimento do dia 2 a 17.
.dm do dia 18 ...
69:157*228
3:591*749
63:748*977
AGENQAS PROVINCIAES
Liquidos espirituosos.
Rendimento de 2 a 16
Idem do dia 17
2:986*815
135*367
Rendimento de 2
Idem do dia 17
Bacalhao, etc.
a 16 3:276*886
*
Generos de estiva.
Rendimento de 2 a 16 3395*950
Mem do dia 17 319*376
3:121*882
3:276*886
Farinha de trigo, etc.
Hendimento de 2 a 16 2:776*272
Idem do dia 17 *
Fumo, etc.
Rendimento de 2 a 16 1:926*924
idem do dia 17 *
3.715*326
2:776*272
1:926*924
SEGUROS
MARITIMOS
E
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecidi
lesta prac,a, toma seguros maritimos sobr*
oavios e seus carregamentos e contra fogc
sm edificios, mercadorias e mobilias: ni
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
SEGUROS
Maritimo e coalra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro coulra-fogo
THE LIVERPOOL & LONDON & GLOi
INSURANCE COMPANY
Agentes
SAl'NDERS BROTHERS & C.
11Corpo Santo11
Augiisto F. (fdliveira & C.
A casa commercial e bancaria deAugusto
j d'01iveira& C, a rua do Co.-nmercio ns
12, encarrega-se de execucao do ordens
para embarque de prodactos e de todos 0-
mais negocios de commissao, quer commer-
uaes, quer bancarios.
Deconta lettras, e toma dinheiro a pre-
nio, compra cambiaes, e saca A vista e t
lazo, & voatade do tomador, sobre as se-
guintes pragas estrangeiras e nacionaes :
Londres. Sobre 0 union bank oj
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIC BANK,
limited, e varias casas de 1.* classe.
Paris. Sobre os banquciros fould
& C., MARCUARD ANDRE & C. e A. BL4CQUK,
VIGNAL & C.
Hamburgo. Sobre os Srs. jo.v.
SCHU BACK & FILH08. "
LklMR. Sobre^ oa Srs. fonsecas,
SANTOS & VIASINA, 6 SEBASTIAO JOS^ DB
ABREU.
Porto. Sobre 0 banco uniao do p
0 Sr. JOAQUIM PINTO DA FONSECA.
' Para. Sobre 0 banco commekcia-
D0 PARA, 6 OS SrS. FRANCISCO GAUDENC10 DA
COSTA & FILHOS.
UaraabSo. Sobre'.o Sr. tost fer-
KEIRA DA SILVA JUNIOR.
Babia. Sobre os Srs. marinhos & c
Bio de Janeiro. Sobre 0 banco
INDUSTRIAL E MERCANTIL, BANCO NACIONAL e
KANQUE BRASILIENNE FRANCAISE.
no dia 19 de novembro do ccrrenle anno, se lia
de arrematar pf r venda a quem mais der, em pra-
ca publica deste juizo, depois da respeclia au-
diencia, as mere.dorias e objectos da laverna sita
na [lovoa^ao de Apipucos, abaixo declarados:
Um lampeao pira di.-ticopor 1000, 90 panellas
de barro a 60 r?., 6 macoa eoiu 310 abanos a 10
rs., 3i ourinos braucos com lampa a 400 rs., 0
lalas ctm bola-hinha- a i00, 10 maeos de pali-
tos de logo a 200 rs., 19 lalas de peix-) a 300 rs.,
2 pares de tamancos a 200 r?, 4 colbercs de pan
a 100 rs., G8 tig. Has a 80 n 96 ditas pe.iuecas
a 60 rs., 40 botijas com cerveja a 200 rs., 00 gai-
rafas com cerveja a 200 rs., 57 ditas com viuho
Bordeaux a 400 r?., 4 ditas com biter a SCO rs., 4
ditas com xarope de aiacaxi a 400 rs., 8 ditas com
conagc a 500 r.-., 2 di'as cora alditom a 500 rs., 60
latas de doce de marmelada a 300 rs, 15 itas dita
a 30J rs.. 5 latas com ameixas a I000, 6 garra-
fas de vinho Bordeaux a 400 rs, 13 frascos eom
conserva a 300 rs.,4 latas de rnauteiga de 2 libras
a lgilOO, 6 fra?cos com sal refinado a 320 rs., 4
caixas de traques a 100 rs., 19 meias botijas de
cerveja a 200 rs, 3 ditas dita? a 200 rs., 2 meia<
garrafs de champagne p -r l00i), 3 mar.oa de maca
para S"pa a 200 rs., 9 calungas de luuca a 200
r*., 2 bules de Flandres a I000, 40 garrafas de
cerveja a 3C0rs., 2 garrafa* de tmta ruxa a ICO
rs., 1 fraseo de uecea larga por IgOOO, 2 urupe-
mas por 400 rs., 4 aafoa de lira logo a 200 rs., 2
garrafoes com herva-doce a 30l 0, 4 dttus ratio) a
1, 2 ditos ditos por 2, raeiaarroba de herva-doce
por 1600, 11 esteiras de perpcri a 200 rs, 6 di-
tas de Angola a 300 rs., uma porjao de canndos
para cachimbos por 50 rs., 30 caixas de obrcia3 a
40 rs., 2 copos grandes a 200 rs.,2 iitos pequenos
a 100 rs.. 3 calices 1 ICO rs., 10 barricas vatias a
prova de eapacidade pilo governo ; e as que a
nao poterem provar ou obiiverem dispensa, passa
rao por um exame aob'S de serem admiltidas a
coneurso, tudo de conformidade com o capitulo
4. do regulamento de 'i de maw de 1856.
E ^ara coastar msndou 0 mesnu Exm. Sr. con-
selheiro director afllxar e;te edital, que sera pu-
blieado nesta prowncia, na c6rte e nas provincias
mais proximas.
S-eri-taria da faculJade de direito do Recife, 9
de novembro dc 1874.
0 secretario.
lose' Ilonorio B. de Menezes.
O lilm. Sr. inspectur do thesouro provincial
manda fazer publico, qui em cumprimenlo da or
dem do Exm. Sr. presidente da proviacia, de 23
do corrente, Um de ser arrematada no dia 23 de
novembro proximo wndcuro, perante a junta da
fazenda do mesmo tnesouro, a <;bra d >s reparos do
empedra:nen'.o do 1* e 2' laocos da eslrada de
dalmares, orenda em lt:830j, e debaixo das con-
Piques abaixo transcriiaas.
As pes?oas que se propjzerem a esta arremata-
cio, compart 5am na lata das s^stoes da referida
junla, no diaacima lmlicado, pelo meio dia.
E para constar a quem interessar po-sa, ie man-
dou faze pub.ico pelo presenle Diario.
SeiTetana do thesouro provincial de Pemambu-
co, 30 de outubro do 1874.
0 secretario,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas e.=peciaes para a arrema'.acao
das obras.
1.*
As obras de reparos e empeJramento do 1 e 2
lancos da estrada de Palmares a Pimenteiras, na
100 rs., 5 barris a 500 rs., 3 pipas vazias a 20OO, ira^ortaucia de 11:880*. serao execu'adas de con-
I8pe.'as de cordasa 20 r3., 1 cuia grande por 200 formidade cora 0 respectvo on:ameino e desenhos
rs., 1'caixacom rolbas por 1S000, lOmacos co3 1 juntos, approvados pelo Exra. Sr. presidente da
cigarros a 20 rs., 1 mesa de pinho por 2000, 1 provincia, e instru-.r;oes do engenheiro encarrega-
barrll vaiio para vinho por 500 rs, I caixa com a'-
fazeraa por 3^000, 1 relogio deiconcertado por
lgOOO, 100 pares de paas para taraaneos a 100 rs,,
tudo na importancia de 275=500, penhorados por
execucao de Antonio Ferreira de Carvalho contra
Francisco Marques da Silva Mendes.
E nao havendo lancador que cobra 0 preco da
avalicao ,a arremataijao sera feita pelo preco da a l
judi acao, na forma da lei.
E pira que chegue ao conhecircentj de
todos, mandei
publieado pela imprensa e ailixado nos lu
gares do costume.
CiJado do Recife, 31 da outubro di
1874.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, cscrivao 0 subscrevi
Recife, 2 de novembro de 1874.
iuiz Ferreira Maeiel Pinheiro.
A escala sera de meia volta eom andstalla de
cottado de amarello. At porta?, caixilnos e ban-
deiras levario tres maos de tinta.
As propostai em eartas (echadas serao recebi-
dai na secretaria da Santa Casa, no dia 19 do cor-
rente.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 9 Je novembro de 1874.
0 eserivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
COMPANHIA
DO
BEBERIBE.
0 Sr. orbeniano de Aquino Fonseca,
caixa da companhia do Beberiba, acba-
se autorisado a pagar 00 seu escripto-
rio a rua do Vigario Tenorio n. 19, das 10
boras as 3 da tsrde, 0 53 dividendo desta
companhia findo em 31 de outubro do
corrente anno, na proporcSo de 39000 por
apoiico: previne-se aos Srs. accionistas
que 0 pagamento sera realisado em moeda
de cob re.
Escriptorio da companhia do Beberibe,
14 de novembro de 1974.
0 secretario,
Luiz Manoel Rodrigues Valenca.
A eamara municipal do Recife fazconsiar a
todos os seus monicipes que em conseqoencia da
visita que fez a esta proviacia 0 conselhe.ro Joao
Alfredo Correia de Oliveira, miuistro do imperir,
resolveu em sessao de II do corrente, quese de-
nominePraca do Conselheiro Joio Alfredo0
largo da MagdMena, no 2 di.-tricto da fregu-zia dos
afogados,
Pacp da eamara muni:ipal do Recife, 11 de no-
vembro de 1874.
Jtronymo de Souza Leao,
pro presidente.
Franisco Augusto da Costa,
Secretario.
COSSL'LADO FRO.INC1AL.
Ne-ta reparticao arrecada se nova men te du' an-
te o corrente mez as imporlancias dos apparelhos,
encanameatns, different** e annuidades devidas a
companhia Recife Drainage, no trimestre de julh.
a dezembro de 1872, pelos predios s-itos as ruas
do Marquez do llerval e Padre Nobrega, isto de
eonformidade com a portaria do Sr. inspector do
thesouro provineial e as novas relacoes em subs-
titui^ao as primeiras.
Consulado provincial de Pemambuco, 2
de novemmbro de 1874.
0 administrador,
Antonio C. Macha&o Rios.
do da fiscalisacSo dos trabathos.
2/
prazo de 15 dias, e os conciuira no de 5 metes,
e-te ultimo prazo contado depois de findo 0 pri
meiro.
3"
Os pagamento? serao feitos em quatro prestacoes
iguae.?, a pr.-porcio dos trabalhos executados.
4.*
Finalraente, em tudo mais que aqui nao vai es-
"1 necifuad) esuir-se-lia 0 que a respeito dispiie 0
r 0 presente, que sera S^nto"e 24 de fevereiro de 1874.
Cabo, 16 de outubro de 1874. Assignado, 0
engenheiro Jja-iuira GCoelbo.
i onforrae.-O official Joa? J)aquin de Siqueira
\arejao.
Conforrae.-Miguel Affonso Ferreira.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrate da Santa Casa dt
Uisericordia do Recife, manda 'azer publico qne
Qi'salade suas sessoes.o dia li le novembro,pe-
as 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas ;
mem mais vantagens offereeer, pelo tempo de am
1 tres annos, as rendas dos predios em seguids
leclarados.
ESTABELECIME.NTO DE CARIDADE.
vidal de Negreiros.
Casa terrea n. 94.......301*006
Rua larga do Rosario.
! andare loja n 24 A fechada 310*000
t.* andar n. 2iidera......408*000
3.-andar n. 24 A idem 25l*(Xx
Rua de Antonio Henriques.
".asa terrea n. 26 ... 99*000
Largo da Campina.
idem n 11 (fechada). ilem. 120*000
Rua do Coronel Suassuna
! andar do s brado numero 94 ,. 386*000
PATR1MONIO DOS ORPHAOS.
Rua do Commercio
Sobradon. 30.......800*000
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. 400*000
Bccco das Boias.
Casa terrea n. 18.......421*00(
Rua da Lapa.
Casa terrea n. 11.......202*00C
Rua do Amorim.
3obr*do de 2 andares n. 23 60260OC
Casa terrea n. 34......2*00t
Ruar do Bugos.
Casa terrea n. 21.......153*000
Rua do Vigario.
! andar do sobrado n. 27fechaJa 243*000
! andar do nsesrao idem .... t40*000
Loja do mesmo fechada.....300*000
Rua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fechada). l:400*ty;o
Rua da Senzalla velha
(dem n. 16........209*006
Rua da Guia.
Casa terrea n. 25.....209*00i
idem n. 29.......201*00(
Rua da Cruz.
Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada). 800*000
Idem n. 14.........600*OOC
Rua de S. Jorge
Casa te-rea n. 103......207*000
Os pretendentes dever:io apresentar no acto da
arremat as suas flancas, ou comparecerem
icompan s dos respectivos fiadores, devendc
pagar ale > renda. 0 premio da qaantia err
que for sej, 1 0 predio que contiver estabeleei-
M, assim como 0 servico da lim
apparelhos.
'. nta i;a?a daJMiseriiordia do Rt
life, 17 de sstembro de 1874.
0 eserivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
mento com
peza e preco
Secretaria
0
THEATRD
Santo Antonio
QUINTA FEIRA 19 DO CORRENTE
Beneflcio do fellheielr* 4on* Brl
gucx I'lntactro
Represeniar-se-ha 0 muito lindo drama em 4
actos, intitulado :
As mais arrependidas
Dara fim 0 especUculi com 0 leropre ran 11
applandido daeto :
0 tneirinho c a polire
Priocipiara as 8 hora.
0 bcaeficiado conla merecer do il u?trado pu-
blico a sna generosa coocurrencia, disde ja to
confessa grato.
Em um dos intervallos o beneiiciado iri aos
camarotes agradecer aus seus convidados.
4YI50S MARITIME
COMPASHIA PER^AMBUCARA
DE
Kavegarito covtelra a vapor.
Parahyba. "Vi:ii. Mnraa. Mor.
Aracaly,(car:i, Arnruru' o Aoaar
rarao, no I'hmli? .
O vapor Ipojmca,
commandanle Moorx,
seguira para os por-
tos ai-ima, oe dia 21
do correote as 5 ho-
ras da tarde
Recebo rarga >.ii; o dia 20, encommendas, p-u
>ageiros e diulieiro a frrte tei 2 horas da Ur-
de do dia de sna sal.i la : escriptorio do Forte do
Hanoi a. 11
ConipanhiM u lliunc/a ruaritiaaa
poratieuHO
Empreza de navcg.tcao entre 0 Brasil e Por-
tugal
PARA 0 PORTO
Barca portugueza Jocen Adelaide, a sahir eon a
maxima brevidade, recebe carga e passageirrjs : *
tratar com os sem consignatarios Jo-e da Silva
Loyo 4 Filho.
Briyue Raio ao Pard
Esli prempto desde ja a receber carga a frete
para 0 dito porto, visto ja ter parte engaj.da : a
tratar com Amorim Irmao & (..
Companhia pcrnjiiiiliiicana.
Porto do Aracaty.
A carga que de hoje em dimle tar emhareaJa
nos vapores da Companhia Pernambucana cc in
desiino ao porto do Aracaty, sera uitn-guc oa >:i
dade do mesmo nome, senlo tran^pc.rtada da bar-
ra, (onde os vapores cotlumam fundeai 1, em Ian -
chas de propriedade da mesma compaubia, inde-
pendenio do qualquer exigencia de pagamett >
por este service
Da mi sna forma sera transport;.da a rarja
que fur embarcada no purtu do Aracaty para
qaaesqu'r outros portos da escala.
Recife, 16 Je novembro de i*~i.__________^_
irUpdrto.
0 brigue portuguez Triumpho, pretende lefwr
:oro muita brevidade: para carga e pasaageu, 1
.rata-se com os consignatarios Thomaz de Aqoia
'unceca A C. successores, rua do Visario a. 19
Para o Rio <1p Janeiro
pretende scguir com muita brevidade o briga-
isubW,lem parte de seu carr.-gamenlo engajadt
para 0 resto que Ire falta, trata-se com 0 sen eon-
figoatario Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, rua
do Bom Je-us n. 57
Lisboa
A barca Dortuzueza Gratidao, capilio B.1
PoSUsa, vaitabir breve : trala re com Silva Co -
maraes i C, praja do C.rpo hM u. 6, 2' an J r,
ou com 0 opit*o.
Pacific Steal Navigalion (Iviapaii)
ROYAL NAIL STEAMER
QECLASAMEI
Dr. Sebastiao do Rogo Barros de Lacer-
da, juiz de diroito espocial do commer-
cio, nesta cidade do Recife de Pemam-
buco, por S. M. Imperial e Constitucio-
nal, etc., etc.
Faco saber aos que 0 presenle edital virem que
no dia 19 de novembro do cyrrenle annn se
de arrematar por venda a qiism mais der, em
praca publica deste juizo, depois da respe'liva au>
diencia. 0 seguiate : Uma barcaca de nome Fere
Fogo. nao tendo mastros e nem velas, avaliada
por um con to e quinh ntos, penborada por ex-
ecneiio de Fran'.'i-eo Gomes da Silva Saraiva |con-
tra Josri Antonio Marques Guimaraes. E nao ha-
vendo lancador que cubra 0 preco da avaliacao, a
arrernatarjao aera feita pelo preco da adjudica-
cao, na forma da lei.
E para que chegue ao conhecimento dc
todos, mandei fazer.* presente edital, que
sera afflxado nos lugares do co-tume, e publi-
eado pelos jornaes.
fj Dado 0 pa-sado nesta cidade do Recife
de Pernambu;o, aos 31 dias do mez do ou-
tubro de 1874.
Eu, Manoel Mtria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivJiOj 0 stibscrevh
IHQViMINTO DC PORTO
Santa Casa de lliscricordia do
Recife.
A junta fdministrativa da S.inla Casa da Miseri-
cordia do Recife conirata a demoliyao e recons-
truct da casa sita a rua do Bom Jesus n. 12,
orcada era 5:325-. com quem se propozer fazer a
ha! obra por menor pre^o.
Os ragamentos serao em tres prestacoes iguios,
a depois de corae;ar a nova obra, a 2' quando
concluir a Cjberts, 0 a 3' quaudo eutregar a obra.
Deseripcao da obra.
Demolir todo 0 predio, conslruir de novo um so-
brado de um andar, deixando daas portas no
an Jar terreo e duas 00 primeiro andar, em cada
frente. As porias do andar terreo s.'rao de costa-
dinho e as do 1 andar de aseoalho reforcado de
amarello, goarnecidas com hombreiras novas e so
leiras novas de eorlao.lodas com capiteis de pedra
mulatinha ; levarao barrotes tambem de amarello
para receber as bandeiras de ferro fornidas semi-
cireuiares eoutras de madeira (amarello) por den
tro das de ferro. .
No primeiro andar as portas terao caixilhos de
amarello e barrotes para receberem bandeiras de
ferro e do madeira semi circulares iguaes as do
andar terreo.
As dua9 frentes terlo corniiis, acrotenos, en-
canamentos e sacadas de pedra mulatinha com
varaoda* corriJas, novae, roda-pe e corrimio de
amarello. 0 ladrilho sera de asphalto sobre um de
0 Dr. Sesbaliao do Rego Barros de Lacerda, juiz tijolo. 0 soallio do i andar sera do louro de boa
do direito especial do ct mmercio desta cidade do qualidade, eeceo e a*e:nt>do a meio no. 0 trave
Recife de I'ercambaco por S. M. 0 Imperador,' jamento sera de madeira de qualidade, excluiudo-
que Deus gjarde, etc, etc. se dessa a que for muit .< flexivel. Toda a madeira
Faco saber aos que b presente edital virem ou sera nova e verificada pelo mordomo enearregado
delle ncticia tiverem que no dia 20 do corrente mez da obra antes de ser empregada. Tode 0 material
e anno, as 11 horas, na sala das andiencias, devera velho pertencera ao arrematante, que so podera
os tijolo* e as telbas
Recife, 5 de novembro de 18
74.
Companhia Fidelida e
Seguros maritiitios e terrestres
A agenda desta companhia toma seguros man-
limos e terrestres, a premios razoaveis, dando nos
ultimos 0 solo livre, e 0 setimo anno gratuitj ao
segurado.
Feliciano Jose Gomes,
_______________________Agente._____________
TlioiiKiz dc Aquino Fonceca & C.
Successores
sa:cam por todes os vapores, sobre as seguin:e
prajas :
Lisboa. Regoa.
Porto. Cnaves.
Braga Villa-Flor.
Vianna. Mirandella.
Vtseu. Alijo.
Guarda. Favaios.
Coimbra. RraganQa.
Guimaraes Lamego.
Rio de Janeiro
Na rua do Vigario n. 19.
(DE 4913 TOXEADAS)
m L-pera-se dospir-
tdosulateu dia 12
d.icorreiite,e dei
da demora < 11.e -eguira para L
teipjut, tocando m
Lisboa, Dordeos, para ocde rc.;bera passageu
jncommendas, carga e dinheiro a frete
ll. B.-.Nao sahira antes das ires horas da tar
le do dia da sua chegada.
AGE.NTES
Wilson Howe A C.
14 RLA DO COMMERC11 0
Para o Para.
Pretende seguir com muita I ruvidade 0 i I
bote Joven Arthur, tem parte de feu carrcgam s
a engajado, para 0 resto que lh- falta ir;:
iom 0 seu con-ignatario Anlonio Luiz tie Oil"
Azevedo. a rua do Bum Jesus n. .ri7.___________
Rio de Janeiro.
Krijrue H. Paulo.
Sahira eom brevidade : para carga trata se i .
rua do Vigario n. 7. __
Iiha de S. Miguel
Segue com brevidade para S. Miguel 0 palha-
bote portuguez iVoro S. Louren;o, para onde 1
be carga e passageiros : trata se cora os consig
natarios Thomaz de Aquino Fonceca & C. Sue ?-
?ore, rua do Vigario n. 19, 1" andar.________
Thesouraria de fazenda
Manda 0 Illm. Sr. inspector annunciar, que de
ordem do Exm. Sr. ministro da fazenda foi espa-
cado ate 0 fim de junho do 1875 0 prazo marcado
para se dar principio a subs'itui<;ao das notas de
50? e de 23 da quarta estampa.
Thesouraria de fazenda de Pejaarabuco, li de
novembro de 1874.
Jucundiano RoJrigues de Oliveira,
Secretario da junts.
CO.NSIUDO PROVINCIAL
De conformidade ccm a purlaria do Sr. inspec-
tor do thesouro provincial se declara aos contri-
butes que deixaram de realisar 0 pagamento d3
seus debilos devidos a companhia Recife Draina-
ge no semestre findo em junho de 1873, pelos
apparelhos, d fferenca dos mesmos, encanamentos
e annuidades, que 0 podem fazer, visto aehar-se
1>rorogado 0 r:cebimento ate 0 fim do corrente
mez.
Consulado provincial, 18 de novembro de
1874.
0 administrador,
Anlonio C. Machado Rios.
Ratios entrados no dia 18.
Terra Nova-47 dias lugre ingler. Alice, de 12b ter lugar a nun.ao dos credores da massa lallida aproveittr para a obra nova
lone'iadas, capitao M. Collum, equipagem 6, car-' de Amorim Fragoso Santos & C. para proceder se a que estiverem intetroa.
Costa d'Africa
Segue Ja Bahia em 30 deste mez, para 0 \ ir'
de OmifB na Costa u'Africa, a barca p >rtu?
Joseph'no, tend-i lions comrrodis ram passag'
Libras esterlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 4J.
Li HOES.
Leilao
DE
3 prateleiras, 1 armario, 1 carteira, 2 much w. I
repartimento, 2 prancboes e eaisfies vazios, 1
lectos rcrlvncentes a massa .'allida.de Pereiia d
Mcllo A C, e exiitentes
No armazem & rua do Rom Jesus 11
aa IO horas
Tor inlervenjao do agente Pinlo
No referido armaaem.
ADllNISTRAi.AO DOS COHREiOS DE l'ER-
NAMBUCO, 17 DE NOVEMBRO DE 1874
Fa jo publico que 0 exame doa candida'.os a um
lugar de praticante desta administracao, que devia
ter lugar a 19 do corrente, Oca transferido para 0
dia 12 de dezembro.
Affonso do Rego Barros,
Administrador.
INovo leilao
DAS
divides ac.ivss oa importancia de....
8:7*fW2 pertencentes a massa fa lid
de Paulo l'ernaudes de Meiio Uuimar^
QLLNTA-FEIRA 19 DO CORRENTF
HOJE
l
II
^
.....


m
*r
JiadO de Pemambuoo Quinta feira 19 do Novembro do 1874.
A's 11 horas damanha
No escriptorio, a roa do Bom Jesus d. 53,
f primeiro andar.
For mandado do Illra. Sr. Dr. juiz especial do
commercio dwti cidaJo, o agente Pinho Herges le-
vara a oovo leilio as 'efendas dividas, sendo in-
<:loaivamenle 3 lettras; os pretendentes podem
desde ja eiaraina-las no escriptorio aeima iodi-
cado.
liEIIiiO
DE
fazendas liropas e avariadas
A's fO horas.
POR INTERVENCAO DO AGENTE PINTO
No armazem da roa do Bom Jean* n. 63.
LEILAO
DE
fazendas, miudezas, calcjidos e bonets
CONSTANDO DE :
camisas de linho e algodao, meias, cbapeos de sol
de seda, bonets, ait acas de cures, bnos branco
e pardo, pauno inglez, casemira de cures, me
rinos, esguiiks, diaaemas, veos, cassas de cures,
botdes, vesluarios para baptizados, brincos, se-
roulas, baloes, sapatcs de franca, brim Angola,
cbales e ootras fazendas existentes no armaiem
da
rua do bom jesus n. 63.
dojc
is 11 boras da manba
0 agente Pinto levara a leilao, por conta e or-
dem de diversos, diiTerentes fazendas inglezas,
francezas, suissas e allemas, existentes no arma
xem do sobrado da roa do Bum Je.us n. 63, sendo
que ditas fazendas serao vendidas ao correr do
martello, visto ja ter sido vendido o referido sal
vado.
0 leilio principi.ra as 10 i|2 boras.
LEILAO
ns
uma burra (cofre), nma mesa e am armario, mo-
veis perteocentes a raas.-a fallida de Benlo da
Silva 4 C
Hoje
Por intervencao do agente Pinto
No armazem da rua do Bon: Jesus n. 63.
Por occasiao do leilao de fazendas que deve alii ter
___________________lugar.__________________
Feira Semanal
mobilias de jacaranda, com-
pletas, novas e usadas, pia-
nos, guarda-lou^ap, 1 rica
secretaria, mesas parajan-
tar, (elasticas) cam as fran-
cezas dejacarandd e ama-
rello, aparadores, commo-
das e meias ditas, guarda
commidas, espelhos, com
molduras douradas, ma-
quinas de costura, de pe e
mao, rewolvers novos, de
a 8 tiros, relogios de par 4
de, de cima demesa ede
algibeira, de ouro e prata,
objectos de brilhantes, oh-
ro, prata e crystaes can-
dieiros de gaz carbonica e
kerosene, jarrospar o flo-
res, quadros sortidos, com
finas gravuras, lun^tos de
ouro, prata e aco, diversas
miudezas, objectos de ele-
ctro-plate, grande sorti-
mento de trastes avulsos,
e infinidade de artigos do
uso domestico, que serao
vendidos atroco dobara-
to, por conta de diversos
i direiti depots da poute, e no fbndo do silio da
familia do fallecido Francisco fames de Olivei-
ra, com 200 palmos de frente e 600 de fnndo,
c ntendo dns peqnenas casas (meia-agoas), em
uma magniflca arria, tudo em solo proprio e
com cerca nativa.
SABBADO SI DO CORRENTE
As II I|* horas
Por intervem.-ao do agente Pinto
Em sea escriptorio, i rua do Bom Jesus n. 43.
LEILAO
DE
moveis, louca e crystaes.
Sexta-feira %Q do corrcnte
No 2, 3"e 4andares do sobrado da rua
do Bom Jesus n. 42.
A SABER :
andar, sala la frente
Um piano forte do muito conbecido fabricaate
J. Pleyel, nma mobilia de jacaranda, cadeiras de
balanco, lancas para cortinados, & pares de corti-
nados, jarros para flares e tapetes.
Sala de detraz.
Uma mesa elastlca, 1 guarda louca envidraca-
dc, 2 aparadores com tampos de pedra, 12 co-
pos de fino crystal, 4 escarradeiras grandes, 4
garrafas finas, 1 lavatorio e 1 qnariiobeira.
Quartoa.
Uma cama franceza de jacaranda. 2 guarda-rou-
pas, 1 toilet, 1 lavatorio, 2 marqueioes, 1 marque-
za, 1 lavatorio de jacaranda para 2 pessoas.
3* andar.
Uma linda mobilia de jacaranda a Luiz XV e
espregui.-adeira tambem de jacaranda, quadros e
espelhos.
Uma mesa de jantar, 2 gnarda-loucas envidraca-
dos, 2 aparadores torneados, 2 ditos de armario,
4 garrafas finas de ery.-tal, copos, 2 estantes, sa
leiras, louca e vidrot.
Uma cama fraoceza, 1 guarda-roupa, i lavato-
rio, cadeiras, mesas e armams.
4 andar.
Uma mobilia de jnnco a Luiz XV, mesas, cadei-
ras, 1 machina de costnra, i macbina de limpar
facas e mnitos outros objectos de cata de familia.
Dons papagaios e duas patativas com gaiolas.
Por intervencao do agente Pinto.
Agente Martins
leilao
DE
moveis e louca
Sexta-feira 20 do corrente
A'S U HORAS DA MANBA
\o armazem da rna do Impe-
rador n. 48
De mobilias de jacaranda. com tampos de pedra,
ditas de amarellr, ditas de mogno, gaarda-vetti-
des de amarello, guarda ronpa de dito, mesas elas-
ticas, ditas para escriptorio, cadeiras avulsas de
amarello, consolos, marquezo s, raarqaezas, sofas,
mesas redondas, guarda-looca, machinas de cos-
tura, lavatorios, camas de ferro, estantes, costurei-
ras, 1 rica secretaria de jacaranda, 1 Importante
apparelbo de pdrcelana para cba, lanternas es-
carradeiras de porcelana, descaogas para facas, 2
baiizinhos de tartaruga, para costaras, diversas
miudezas, cadeias, correntes e anneis de plaqne\
relogios de prata, ditos de ouro, e mnitos outros
objectos que serao vendidos ao correr do mar-
tello.
LEILAO
A's 11 horas da man ha
NA
FEIRA SElMANAL
16Rua do Imperador-iO
ARMAZEM
DAS
armaches, moveis, drogas e mais utensilios
existentes em a bolica denominada Popu-
lar, sita em a rua da Imperatriz n.
pertencentes Fialho ck C.
SEGUNDA-FEIRA 23 DO CORRENTE
A'S 11 HORAS DA MANHJ.
0 sgente Dia", coropetentemente autorisado pe
lo Mm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, levara
a leilao, no dia e hora aeima indicados, as arma-
ches, moveis, drogas e mais utensilios existentes em
o referido estabelecimento.
0 mandado contendo tcdos os esclarecimentos
proci-os acha-se em poder ao mesmo agente, onde
pode de3de ser examinado pelos Srs. pretdentesen.
Coltegio da Conceicao.
0 director desse collegio, sito a rna de S. Fran-
cisco n. It, se ve se do jornal para pedir pala
ultima ves as pessoas que lba tio devedoras de
mensalidades aotigas e deste anno, dinbeiro de
emprestimo e de flaneas que pagoa, qae se dignem
saldtr sens debitos antes que elle se vela fbrcado
a lancar mao de meios qne deseja ainda evitar.
Para os devedores de sta provincia da o prazo de
15 dias, para os do Rio Granle do Norte e Para
hyba e Alagdas 30, a eontar desta data.
Recife, 3 denovemdro de 1871.
Magdalena
Alnga re nesta locabdade o ( andar do sobrado
defronte do botel do Bento : a tratar na olaria da
traves-n do Remedios, com Manoel Ignacio d'Avila.
Aluga-4e a sala e a alcova do 3.* andar do
sobrado u. 70, a lua Duquc de Caxias, proprio
para mocos Itciros : a tratar na Iota. ______
PARA 0 PUBLICO VER
HalM
Por qae razio o Sr. tenente Jose Caetano da Sil-
va nio indemnisa ao Sr. editor da Amtrica f
100$
Fugio da povoac^o de Caranhas, termo da villa
de S. Joio do Cariri- Ve!ho, o escravo Braz, mala-
to de cor clara, cabe'l s chegando a carapinha, al-
tura regular, cbeio do corpo, nariz chato, olhos
acastanhados, perfeito de denies na frente, faltan-
do-lhe qaeixaes, barba nao muito cerrada, pes
cambidos, com sigtaes de ealor de figado nos cal-
canbares, com marcas de relho nos quartos, cabe-
ca grande, tomador de torrado. cachimbista, sam-
beiro e gostador de rapariga : qnem o pegar, le-
ve-o a casa de sea senbor, o abaixo assignado, qae
recebera a gratificacio aeima. e mais, conforme
sen trabalbo: pede se as antoridades policiaes que
por sna vez empregnem tod is os meios para a
captora do mesmo escravo, e protests se contra
quern o liver ocenlto.
_______________Alexandre Correia de Queroz.
Aluga-se a casa da rua do Visconde de Pe-
lotas, aiitiga rua do Aragio n. In, com 2 las,
corredor separado, i quartos, bom qnintal e por-
tlo : para tratar na rua da Ponte-Velha n. 2.
igencla dc emprPKadoi
Amas de leite, seccas, caixeiros, copeiros e cria-
dos : qualquer senbor pretendenti, qae orecisar
dos raesmos, pode dirigir-se ao pateo de S. Pedro
n 3, loja, e na rua da Koda n. 19, onde poderao
fazer os seus pedidos por escripto.
A WOO
Li para bordar, lindas cores, sapatos de tranca
a If, botinas para senhoraa it e 3/, cano alto,
fitas de sarja de todos os nnmeros e lindas cores,
a precos baratos, sapatos de castor a if linha de
carretel Alexandre, de 200 jardas a 900 rs., bur-
zeguins francezes para bomem a 3x : na loja da
rua da mperatriz n. 16.
Vidros para espelhos
de todo3 os tamanhos e de superior qualidade :
vende-se na rua da Imperatriz n. 25. Corta-se tarn
bem a vontade dos compradores.
Casa
Aluga-se a casa nova (em folha) com muitos
cimmodos e bom quintal, com portao de ferro, na
Soledade, rua do Progresso n. 29 : a chave, para
ver, fstana taverna que fica defronte, e tratase
na roa da Cadeia n. 3, He rife.
Modista franceza
Em casa de mademoiselle Eugenia Lecomte tern
um elegante vestido, proprio para baile, vindo de
Palis, o qual vende-se.
LEILAO
Leilao
DE
um lustre de crystal de 6 bicos, 1 dito de brenze
de 3 bicos e 6 arandHlas de bronze.
SEXTA-FEIRA 20 DO COItP.E.N'TE
ao meio dia
Por interveriQSo do 8gente Pinto
No 2 anlar do sobrado da rua do Bom Jesus n.
42, por occasiao dc leilao de moveis.
Leilao
De 2 carteiras para 1 pessoa, i dita para duas pes-
soas, mocbos, t burra, prova de Togo, 1 dita fran
ceza, 3 venezianas, mesas e mais objectos de es-
criptorio.
Sexta-feira 20 do corrente
Por intervencao do agenle Pinto.
No 1* andar do sobrado da rua do Bom Jesus
D. 42.
0 leilao principiara as 10 boras.
Ultimo leilao
DO
sobrado de um andar da rua do Bom Jesus
n. 61, edificado em chSos proprios.
Da casa terrea da rua da Imperatriz n. 60,
e 16 meia-aguas da rua doCamarao n.
9, ediGcada em chaos foreiros.
SABBADO 21 DO CORRENTE
A'S 11 HORAS DA MANHA.
Os administradores da massa fallida de Peraira
de Hello & C, levarlo a leilao, por intervencao do
agente Pinto, os predios aeima mencionados, by-
Eotbecados pelo socio da referida massa, Antonio
opes Pereira de Mello, os quaes serao vendidos
para pagamento das mesmas hypoihecas, as 11 bo-
ras do dia aeima dito, no escriptorio do referido
agente, a rna do Bom Jesus n. 43.
Os referidos administradores desejando ultimar a
venda destes predios no leilao daquelle dia, visto
ja ter-se effectnado a venda dos outros dous pre-
dios, assim como a venda das fazendas e miudezas,
bens que pertenciam a referida massa de Pereira
de Mello & C, convidam aos novos pretendentes a
., comparecerem no dia, hora e lugar supramencio-
nados.
DE
um bom piano, moveis Ioui^a, vidros o
trem do cozinha, existentes no hotel da
rua do Marquez de Olinda n. 6 V, pri-
meiro andar.
TERCA-FEIRA 21 DO CORRNETE
AS 11 HORAS DA MANHA
0 agente Dias, competentemente autorisado, le-
vara a leilao, no dia ebora aeima indicados, os
moveis e mais artigos existentes em o referido
hotel
A saber :
Um bom piano, 1 espelho com moldura donra-
da, 1 guarda-buga de amarello, 1 mesa elastica
de dito, i consolos de dito, 1 mesa redonda de di
to, 1 quartinheira de dito, 1 aparador de dito, 1
mesa para jogo, 1 relogio de p3rede, 18 cadeiras
de guarnicio, 2 eabides, 1 deposito para facas, 1
marquezao de amarel'o, louja para almogo e jan-
tar, copos, calices e garrafas para vinbo, bules de
metal, 1 trem de cozinha, vinhos e licores de di-
versas qualidades, e muitos outros artigos que es-
tarao patentes ao exarae das Srs. concurrentes no
dia do leilao.
I'rograninaa da festa de \ossu
Senliora do Bom ISuccesso dos
IVavegantes, na igreja do
Pilar.
No dia 20 do corrente as 7 horas da tarde le-
vantar-se-ha a bandeira da mesma excelsa Senbo-
ra, da igreja para o mastro, acompanbada pelos
devotos, assim como pelas bandas de musics, com-
panhia de aprendizes menores do arsenal de ma-
nnlia e ccrpo de policla ; no dia 21, as 7 horas da
tarde havera as vesperas com ladainha no dia 22,
as 11 horas entrara a festa. Cantar-se ha a gran-
de missa de Santa Isabel, cuja regencia sera exe-
cutada pelo maestro Francelino Domingues de
Moura Pessoa ; sera orador o Rvd. padre Leonar-
do Joio Grego, e o mesmo maestro Francelino to-
cara um solo na rabeca, ao pregador ; a tarde ha-
vera alguns baloes, tocando as mesmas musicas;
as 7 hcras eDtrara o Te Deum, sendo pregador o
mesmo do Evaogelho ; fiodo o Te-Deum tirar-se-
ha a bandeira para a igreja acoa panbada pelos
devotos e as mesmas musicas; flnalisando a festi
vidade com um lindo fogo de artiucio ; o encarre-
gado da festa pede per obsequio para brilhantis-
mo da festividade, de illumiuaretn suas moradias.
hilsoira perdida.
Perdeu-se na noute de 16 do corrente mez, ao
enlrar para o palacete da Associagao Commer-
cial Beneficente, uma pulseira de fios de perolas
com fecho de brilhantes : quem a liver achado
e quizer restitui-la, dirija se a rua da Aurora,
casa n. 09, que sera recompensado.
Casas.
DE
JOIAS
No dia 3 de dezembro proximo, se fara leilao por
intervencjio do agente Martins, de todos os penho-
res constantes das cautelas seguintes, visto ter-
se lindo o prazo das transaccoes e seus donos nio
as reformarem.
A saber:
1502, 1503, 1565, 1583, 1784, 1835, 1868,
2050, 2091, 2095, 2192, 2254, 2256, 2282,
2397, 2136, 2448, 2458, 2481, 2617, 2712,
2738, 2750, 2799, 2802, 2807, 2867. 2871,
2929, 2945, 2972, 2987, 3007, 3023, 3034,
3045, 3060, 3065, 3076, 3093, 3096, 3110.
3151, 3174, 3175, 3185, 3l90, 3193, 3194,
3197, 3205, 3206, 3207, 3211, 3213, 3218,
3223, 3227, 3234, 3235, 3242, 32SO, 3251,
3260, 3262, 3265, 3273, 3277, 3280, 3285,
3293, 3298, 3300, 3304, 3309, 3312, 3318,
3321, 3326, 3327, 3334, 3339, 3341, 3354,
3366, 3373, 3384, 3394, 3397, 3399, 3406,
3410, 3415, 3419, 3432, 3444, 3460, 3468, 3480,
3193, 3500, 3508, 3517, 3527, 3529, 2533, 3553,
3556, 3572, 3579, 3389, 3596. A' travessa da rua
do Duque de Caxias n. 2, 1 andar, podendo di-
tas cautelas serem reformadas, pagando o premio,
ou resgatadas at6 o bater do martello.
Aluga se a loja de moradia da casa n. 61 da
rua do Apollo, e a casa na Capuoga n. 54, porto
do Jacobina, ou rua das Pernambuoanas ; a cba-
ve para ver, esia na casa n 55 : a tratar na rua
1a Cadeia n. 3, Recife.
Ao commercio.
0 abaixo assignado de:lara que nesta data ven-
deu seu estabelechneoto de molhados, sito ea
Sant'Anna, aos Srs. Soteleno & RicSo, livre e des-
embaracado de qualquer onus, ficando o activo
e passivo a cargu do abaixo assignado.
Sant'Anna, 16 do outubro de i874.
________ Pampbilo Julio da Costa Cirne
AVISO.
0 ac.ual administrador da grande proprledaa*
Apipucos, acbando-se em embaracoi para poder
regularisar o interesse de todos os consenhorai da
mesma propriedade, por isso pede aos mesmos con-
senbores qae tenbam a bondade de comparecar
no escriptorio da capella de nc isa propriedade, as
3 boras da tarde do dia 29 do corrente, para uma
renniio extraordloaria, afim de mostrar os emba-
racos qae tern encoatrado em sna actual admiaia-
iraQSn, assim o espera o mesmo administrador qne
Vv. Ss., alem de seas interesses, comparecam do
dia aeima indicado. Apipucos, 14 de novembro de
1874.______________________________________
Aiugjim se tres casas na rua do Coronel
Suassuna, preparadas de novo, e com comraodos
siifrii-.iontes : de n*. 103, 193 e 198 : a tratar Da
rua Uireitan 8.
Aluga-se umaescrava para vender na rna
a tratar na rna do Caboga n. 3, 2* andar.
=3 S B
e*fif
a 5 w v f

q = D
f o 5
tfl
-4
1*11
lili
2 aTp 2.
28--.
life-
_. _. pi -
a o
"_
_.
9 S

! a *
ii
do
E MUITO BARATO
4 450 rs. o covado!!
Alpacas com listrss o de lindas cores pelo diminuto prpro de 450 reis o ccva-
na rua do Duque de Caxias, outr'ora Queimado n. 81, loja deqoatro portas.


. _._
_ a o
S' 2-
Is-S
_._
2 _
a %
3 2?.
a _
fill
_
a
m o M
Hi
Hi
Is
Ell1
-_:3
S B
a
3 3
_. a

if
II
fe?__
_^ __
*M __
S3
a"
Sis
a
P3
s

_-
" S 5 no ?__Z
_
a
_ =.-
II
2
r_i
"S 3
9
_. W>
PARA 0
Natal-folia
N.
1936,
2342,
2737,
2896,
3037,
31i9,
3195,
3220,
3ioi,
3288,
3320,
3358,
DE
iP terreno no lugar da Torre, na estrada do rio,
AVISOS PjfgSOS
AMA
Precisa se de uma ama
para cozinhar, preferindo-se
escrava: a tratar a rua do
Capibaribe n. 40.
Uma escrava de boa conducta, precisa para
complete de sua liberdade, da quantia de 6501,
sujeitando-se a ser ama da pessoa que emprestar
dita quantia ate ser descontada : quem quizer
fazer este negocio, dirija-se a rua larga do Rosa-
rio n. 50.___________________________________
Hanoel Jos6 M nleiro Torres.
Keller & C, administradores da massa fallida
de Manoel Jos Monteiro Torres, pagam aos cre-
dores da mesma massa o primeire dividendo a
zaio de 19 por cento.
AttenQao
Fueio no dia 7 de setembro o esrravo^do abai-
xo assignado, com os sigoaes seguintes : Egidio,
cabra, idade de 20 annos, cabellos carapinhos,
olhos aboticados, altura regular, r6sto um tanto
cbupado, beicos grossos, bocca regalar e am
tanto biendo, cabeca pequena, orelhas regulares,
bracos, a mesma cousa, pernas regulares, tendo
a esquerda e o pe inchado, por lbe dar erysipela,
nariz regular, 6 bom trabalhador de olaria, e
tambem e boleeiro, e natural desta cidade do Re-
cife, e foi comprado ao ex-capiUo do perto desta
provincia, Jose Joaqim da Silva Jacques : roga o
abaixo assignado as autoridades policiaes e ca-
pities de campo e de navios, a sua captura_ e le-
varem-no a povoagao dos Afogados, que serao ge-
nerosamente recompensados.
Jose Buarque LCisboa.
Casa na Varzea.
Para passara festa aluga-se nesse povoado uma
boa casa, com muitos commodos e grande sitio,
por 40*000 mensaes: a fallar na casa junto, qne
tern terra jo.
Aluga-se
uma das lojas da casa n. 32 da rua de Marcilio
Dias (rna Direita) : a tratar na botica da rua lar-
ga do Rosario n. 34. _______________
Alnga-se um moleque de 16 annos, com
muita pratica do servico domestico, e alguma ha-
bilitacio para o service de tanoeiro, em armazem
de aisncar : a tratar na rna Duque de Caxias
n.83._____________________________________
Alnga se a casa terrea sita na rua do Bom
Fim, em Olinda : a tratar na rua da Aurora n. 75
com o Sr. Riedel.
Da festa todos desejam
Ver o dia rerplendente,
Dia que nos leva a mente
Do inQnito as alturas :
Onde os anjos o amor beijam
E a caridade festejam,
Teem as almas sepulturas
Nas estrellas que flammejam I
E nesse dia em que tern
Do jubilo rasgar o seio,
Saindo lbe bem do meio
A cratera da alegria :
E' preciso que os amantes
Da pura gastronomia,
Venham ja e quanto antes
Do Campos ao armazem.
Porque so assim terao
A sciencia do prazer :
Comer bem, melhor beber
Sem receio da maldade
Nem da vil snpersti^ao,
Que jamais eonseauirao
Supplantar a liberdade
Nos carceres dainqui9ii;ao I
Rna do Imperador n. 28
Do prszerviva o requinte
Alegre como o trovao,
E da mesa a descriprio
Iteparem : 6 a stgninte :
Mesa giganta.
Presunto?, fiambres, paios, chouricas.salcbichas
e lmguicas ; lombos de porcos e de carneiros ,
ave9 em conservas, pe ixes e toucinho ; camaroes,,
ostras, lagostas e coeibos com hervilhas; conservas
legumes e champignons ; queijos flamengos, pra-
tos e londrinos ; doces em calda e de goiaba ;
fructas em conservas, passas, ameixas ; aletria, talharim e mac&rrao ; araruta,
topioca e cinuoenta qualidades de massas finas e
nutriente3 ; clia, mate, cafe e chccolate francez,
hespanbol, portuguez e nacional; bolachinhas,
boliDhos e confeitos, manteiga ingleza e franceza ;
banha, arroz, batatas, cebollas, albos, cominbos,
pimenta, moslarda e molho inglez ; cervejas, ci-
dra, champagne, cognac, genebra, hesparedinn,
bitters, licores e aguardente de canna ; vinhos
de Lisboa, Figueira, Carcavellos, Collares, Rair-
rada, Bastos, Porto, Rorgonba e Roideaux ; ci-
garros, charulos e uma grande (giganta ? ) quan-
tidade de victnalbas raras e excilantes, nao fal-
lando nas especialidades dos preparados francezes,
allemaes, inglezes, turcos, chinezes, hollandezes,
tialianos, prussianos, hamburguezes e america-
uos I
Alem do que:
Encontra-se um immenso deposito de novida-
des, como sejam : velas furadas, (?) torcidas (I) e
de ecores, bilhas, quarlinhas, e outros mui-
tos objectos de grandes phantasias ; assim como o
raaravilhoso oleo de mmamona preparado expres-
samante para combatera gigantomania e appla-
car o systema nervoso I Ver para crer.
Distraccoes:
Os amantes das palestras e boa pinga, encon-
trarao no fundo do estabelecimento, alem de mui-
to fresco e agua (ria, bancos macios e mesas as-
seiadas, destinadas ao servico dos lunebs, que os
ratsraos amantes poderao saborearcm ao sum ma-
vioso de uma elegante musica composta dos me.
lucres cantores americanos e q<:e tio coadjuvados
por uma bicharia domestica e interessante.
Moralidade da cousa.
E' immenso o sorlimento
E se vende pelo custo,
Pelo que 6 muito justo
So ao Campos comprar ;
Visto que e um portenlo
Dos generos o paladar I
1 I
2. I
_._-
S w 3
S m, B
a. o
T_.M
_3 W
E__0 B
" ooa
IT
_ 9 _
5 i,
i_.
I!
_
B g.
a n* h
^ u -I W O
_ -i a o
_ _.'_
1 re -*r _
| Iff
M o
B-
I: .
ft
o
I
\
9
2 '
CP
- B a
I
3 _"
i i
o
m

=
it
a.
a.
o
5
m a. k
^ no a*
s s
_ a
5> v
o
l- i
1 _i i
re P_ .2
i
-a
a
B
8
a a
I z
o
- s
i s
2 g 25
PREPARADO POR
BARTIIOLOMEO k C.
Pkaniiacculicos da casa real de S. M. F. el-rci de Portugal
Premiados em diversas exposicoes com o primeiro pre-
mio de sua classe.
0 xarope vegetal anuricano, garanlido puraxfntb vf,;f.tal, nao content em sua composicao
um s6 atomo de pio, e sira rdmente succos de planta* n ligenas, cajaa propriedades beneflcas na
cura das molestiasque perlencem aos orgaos da respiraca', tern sido observadas por longo tempo pe-
los medicos mais distinctos que ore-onmendam e prescreven todos os dias no tratamento das broo-
chites, tanto agudas como chrcnicas, as:hma, toss s rebeldes, escarros desangae, tbisica no primeiro
grao e contra as irrita;5es nervosas.
DEPOSITO GERAL
34 = Rwilarga do Rosario = 34
PERNAMBUlO.
\
(I
Lindas popelinas de linho com salpicos e de listras
assetinadas pelobaratissimoprecode320 rs. ocovado: na
rua Primeiro de Jtfarco n. 13, loja das columnas, de
Antonio I orreia de Vasconcellos.
GLOBDLOS DE JOSEPHAT
DE COPAHIBA PURA
ASPECTO DA CAIXINHA A BERT A
Os Globules de Josephat, como se pode ver no desenlio que aqui vai, sao
complctamente esphericos e ]>ouco mais ou menos da grossun do uma ervilha,
tornando-sc d'esta mancira facets a engolir-se ; sua capa gelatinosa sendo muito
fina, pode-sc absorver uma quantidade relativamenle cotisideravel dc copahiba
n'um fraco volume.
Cada caixinha contem 70 globulos representando 28 grammas de copahiba,
isto e sete grammas de copahiba de mais que as caixinhas ordinal ias de commer-
cio, cujas capsulas grandes e ovaessao cngolidascom difficuldade.
Em todas as circumstancias os Globulos de Josephat tern grande vantagem.
AVISO IMPORTANTE
A copahiba do commercio e" frequentemenle falsifuada e n'este caso perde
todas as suas propriedades. 0 prospecto que acompanha cada caixinha indica
am meio facil de reconhecer as fahificacoes. Por este meio cada qual poderd it;-
teirar-se da pureza absoluta da copahiba que introduzo nos metis globulos.
Deposito gcral: na casa L. MERE, 19, rua Jacob, tin Paris
Unico deposito na phirmacia do P. Msurer & C r :a do Daro da
Victoria n. 23.
OLEO
DE FIGADO DE BACALHAU
I0D0-FERRE0
COM QUINA
E CASCA DE LARANJA AMARA
do Dontor DTJCOtJX, 13, galerii d'Orleans (Pa;o Real), Pan*.
EtM msdicameito facil de tomar, sem resaibo, e de cheiro agradavtl. Pelt na eonpoiifl*,
poMQi todai u qualidades qne lhe permettem substiiuir com Tantacem todaa aerie da medicameiUs,
como pilulat ferruginostu, vinho de quina, oleo de figado de lacalhau, xarope de east* dt
lararda amara, empregados para combater a anemia, a chlorose, as affeccOes do petto, a bronchi It,
oa catarrhos, a tinea, a diathest estrumosa, escrophulosa, etc, etc.
Par motive do fan emprego facil, da sua accSo moltiplice a segnra, da aconomia para oa doaataa,
os medicos preserevam no por preferencia a qualquer oulro madicameoto similar.
Deposito am Pernambuco, A. REGORD.
VERDADEIRO ELIXIR DO D" GUILLIE
TONICO ANTI-FLE1M0S0 E ANTI-BILIOSO
PREPARADO POR PAUL GAGE, PHARMACEUTICO
Unico proprletarlo, ma dt GrentUt Saint-Germain, 9, em Parii.
A a<(Io da iuxlr aoJOM 4 Inlelrimecte bentBca. Un folhtlo qce i am verdadtlro tratado da medlclna
Como portaUvo nlo debillia coao 01 oatroa ramedloa usual a domestica sa da da graca cob cada girrafa
daau qoalldada, porem lonlBca rafraaca no mesmo da ELIXIR. Ella indica u doanjaa undo o ELIXIR
tempo : osJIla a corrlga todaa u aecre?0es; d forca oUl a o modo da aaar della.
aoa diversos orglos: nlo eiige ama dieta severe, pelo Aa paaaoaa qua qulxeren consulUr aaia folhato
contrarlo e preciso tomar uma boa refoicao a tarda antaa da usarem deata ELIXIR, podem dlrigir aao
quando se user dalle; pode aer administrado com pedldo franco ao S. Pun. Gaoc, am Paris a aa
egual ex-to na mala tenra Idada coma na mala adlan- provincia oo cos palxaa estrangelroe, am caaa doe
tada velhlca aem nonca causer accidents qualquer. depositaries; eata folheto lhes sari entregue da
Nt dosa d'uma colherada pequena dentro d'nm graca el Immadleumenle.
pouco da agua asaocarada, aeja antaa aaja depois da co- Desda cincoenta annos a repula^Io do Bllxlr ima
mida.eslimula o appetite, aviva las funccSes dlgestlras, aspalhou-aa no mundo Inlerlo peloa serritoa qua
substilue a losna (im(*t), o t*nu*tk a bebldae amar- que cada dia alia praala aoa eaedlcoa a aoa enfaraaM an
gaa qua se costume tomar. casoa grayaa oo desenganadoa.
E sobretudo utll & classe operaria, a qnem elleiponpa gastos considera-
vels de doencas e tempo perdido, pols com o ELIXIR GUILLIE, as enras
sao rapldas.
O Elixir Gutllie vende-se em todas as principaes pharmacias das Antricu, nomeadamente
no Ptruambuco : A. REGORD; BARTHOLOMEO X C.


....
Oiario de Pernamtraco Quinta tern 19 de Novembro do 1674.
5
T
s __
FUNDIQAO DO BOWMAN
RUA DO BROM H. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhores de engenbo e outros agricultores, e compradores de ma
ehinismo o favor de fazer uma visita a seu estabelecimento, para verem o novo sortimen
to completo que abi tern ; sendo tudo superior em qualidade e fortidao ; o que com a ins-
truccao pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUV FUNDICAO
V ap0r68 G rOQaS Q aglia venientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietaries 6 para descarocai
algodlo.
MoendaS UG Canna de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
KOdaS dentaaaS para animaes, agua e vapor.
Taixas de ferro fiindido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
MacniniSITlOS para mandioca e algodao, e para serrar madeira.
i>OmbaS de patent, garantidas........
lO&aS as macninaS e pec,as de que se costuma precisar.
FaZ qualquer COnCertO de machimsmo, a pre$o mui resumido.
T OrmaS de ieiTO tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
EjnCOmmGndclS. iDcumbe-se de mandar vir qualquer machinismo a* vontade doi
clientes, lembrando-lhes a vantagem de fazerem as compras por intermedio de pessoa
entendida, e que em qualquer necessidade pdde lhes prestar auxilio.
Arad08 americanOS e instruments agricrdas.
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Podendo todo
ser movidos a mao
por agua, vapor,
ou animaes.
ODILON DUARTE & IRMAO
tABELLEIREIROS
Premiados na exposicao de 1872
RUA
* DA
UPERATRTZ
N. 82
(1.* ATTOAR.]
i
RUA
DA
IMPERATRIZ
N. 82J
1." ANDAR.
Acauam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
diccSes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
quillo que fdr tendente A arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, cnignon,
coques modernissimos, trancas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
0 estabelecimento acha-se provido do que ha de raelhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 / menos que outro qualquer, garantindo
perfeicao no trabalho, agrado, sinceridade e preco razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento corao fora ; vende-se cabellos em
porc3o e a retalho e todos os utensilios pertencentes d arte de cabelleireiro.
ESSENCIA CQNCENTBAD4
l|]
ARISTIDE SA1SSET E. J. SOUM
Tratamento puramente vegetal verdadeiro purificador do sangue. sem mercurio.
A Essencia de Caroba e urn reraedio hoje reconhecido como urn poderoso depura-
uvo e especial para cara de todas as molestias que teem a sua origem na impureza do saDgue,
:omo sejam : as molestias Syphiliticas, Boubaticas e Escrofulosas, Rheumatismo, Empixgens, Dar-
iros, Llceras, Ercpcoes, etc. etc.
Os prodigiosos effeiios que tem produzi.'o a Essencia de Caroba, por toda parte
i nde ella tem sido apropriadamente experimentada, a tem feito adoptar como urn dos medicamen-
tos mais seguros e mais energicos para a cura de todas as molestias de natureza syphilitica
Dubatica.
A cada frasco acompanha uma inslruccao para a maneira de usar.
Pomada anti-darlrosa
Contra as affeccoes cuuneas, darthros, comichSes, etc., etc.
Inguento dc Caroba
Para cura das boubas, ulceras, chagas antigas, etc.. etc.
UNICAMENTE preparado por
ROUQUAYROL IRHAUS, SUCCESSORS
Botica Franceza
22 Rua do Bom Jesus 22
A.NTIGA RUA DA CRUZ )
PARA EVGOHHAR
Precisase de uma ama,
forra (u captiva, preferindo
se desta ultima condiqao, que
saiba engommar e para ou-
tros misteres de casa de pe-
quena familia; a rua do Ca-
pibaribe n. 40.___________
Aluga se
a ea? terrea da rua de Vidal de Negreiroa n. 174
(ouir'ora Imperial), terdo 4 quartos, t salas, quin-
tal e ca;imba : a tratar na rua do Creapo n. 17,
1" andar.
ioo Pereira da
Silva
Ha uma carta para este seuhor : na rua do Co-
rODel Suas.una n. IS.
D. Maria
^
lia Ferrelra Balthar
Francisco Ferreira Bal'har e Da-
vid Ferreira Balthar, po mail profundo sentimento pelo pas-
famento de sua muito presada mai,
D. Maria Rita Ferreira Balibar, fal-
lecida ua cidade do Porto em 20 de
mez passado, mandam celebrar al-
gumas missas Da igreja da Madre de Dea9, ua
quinta feira 19 do corrente, pelas 8 horas da roa-
nha, irigesimo dia de seu passamento; e cenvidam
a todos os seus parents e amigos para ajsistirem
a esse at to de verdadeira religiio, antecipando Ihes
de?de ja todo o seu reconhecimento de eterna gra-
tidao.
Hanoel AntonijjFerrelra.
Pulcheria Maria do Carmo Fer-
reira Jt rge. Hanoel Antonio Jorge,
Casemiro Lucio Jorge, Maria Fer-
reira Jorge e Francisca de Assis
Jorge, irma e sobriohos do linado
Manoel Antonio Ferreira mandam
rezir missas pelo tlemo repouso do mesmo lina-
do, na igreja matrix de N. S. da Escida, sabbado
21 do corrente, as 7 horas do dia, setimo do seu
al lecimeuto ; e para asMslirem a este acto de re-
i giao e caridade, convidam a todos seus iarentes
e smigo*, e aos do finado, nao tendo feito igual
convite para assistirem ao euterro, nao so pela
di.-tancia do lugar, como por ter sido repentino o
fallecimento.
CASA DA FORM.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
A' rua Primeiro de Margo (outr'ora rua do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidos
da "' parte das lotenas a beneficio da Impe-
rial Capella da Estancia (125), que se extrahira
na sexta-feira, 20 do corrente mez.
PRECOS,
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilbete 2*000
Em porcao dc lOO& para clma
Bilbete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuza.
Aloga-se o primeiro andar da casa da Pra-
?a do Condo d'Eu o. 21 : a tratar na ra da So-
ledade d. 27, cum Jo-e Henrique da Silva Guimao
raes._______________________________________
Paris, 38, Rua Vivienne, X3
IHSMHH HEDECIS SPGCM,
das mruunDAMi dbs seidaes, as atfic^om
r.I TA"K\"5. F
DEPURATIF
ALTFBAgpFS DO SAHOCK.
30,000 curas das i mp gem.puttuUu, herpes,
sarna, comtxoei, oeri-
[^T'lOf M """''"' f o'.ler^oes, vi-
JfeiUALJcwc! do sangue, vi-
rus, eaueiaiocs do sangus. (X a rope vegetal
sem mercurio). Depnratt vaa tcieUsi
B%\UH MEH.tF.fi timao-se dous por
jemana, seguindo o tractameato Dtpnrativo: 4
empregado nas mesmas molestias.
I Este Xarope Citracto de
ferro de CHABLE, cura
immc-diatamenie qual-
Iquer pur gar ao rela-
__I cufiio, e aebiUdad*,
e igualiueuie os jiuxos e flores braneas daa
mulheres. Esta iujeccao benigna empregasu
com o Xarope de Citracto de ferro.
emorroidaa) Pomada que as cura ems dial.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: nas affeccoes eutaneat e comixoei.
PI/.ULAS VEGETAES DEPURATIVAS
de > enable, cada frasco vrai accompahada
de urn folheto.
AVISO AOS SRS. MEDICOS.
PLUS DE
COPAHU
Sirop du
DrF0RGET
ARMAZEM DO VAPOR FRANCEZ
N. 7 Rua do Barao da Victoria, outr'ora Xova' N 7.
O dono deste estabelecimento tendo de ir a
'I'.rigos, como sejam :
Galcado frabcez
para homem
aenhora,
meninos
e meninas.
Botas e perneiras inglezas
de montaria.
Mobilias de \ime e de faia.
"" Vende-se muito em conta, cadeiras avulsas, de
Valanco, de bracos e de dobrar.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e p6s den-
'.riflce. agua de flor de laranja, agua de toillete,
uivina, florida, lavande, p6s de arroz, sabonetes,
cosmeiicos, muitos artigos delicados em perfama-
ria para presentes em frasccs de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Coudray.
------------------7 ------------. .
Europa, vende a precos baratissimos odos osseus
Bods pianos.
de
Dos melhores e mais modernos modelos
Blondel : vende-se, troca se e aluga-se.
Quinquilharias.
Artigos de differentes gostos e
phantasias.
Espelho?, leques, luvas, joias d'ouro, tesourinhas
canivetes, caixinhas de costura, albuns, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de vellndo,
ditas de couro, e cestinbas para bracos de meninas,
chicotes, bengalas, ocnlo, pince-nez, ponteiras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. carteirinba de
madreperola, tepete para lanternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas magicas,cosmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, quadros com paisagen?,
globos de papel para illuminacoes, machinas de
fazer cM, espanadores de palhas, realejos de veio,
accordaos, carrinhos, mamadeiras de vidro para
dar leite as criangas, e muitos outros artigos.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de to
dos os brinquedos fabricados em differntes partes
da Europa, para entretimentos das criancas, tudo
a precos mais resumidos que & possivel.
Collegio de Santa Genoveva.
Curso de ferias.
Estao abertas no dia 16 do corrente as aolas
de preparatories tobre que ver-am os eximes de
fevereiro a mareo. Estao a cargo das aulas : de
arithmetics, geometria e algtbro o lllm. Sr. Joe
Ferreira da C>ux Vfeira ; de pt ilosophia, geogra-
6hia e hUtoria o lllm. Sr. Dr. Elizea de Souxa
artins; e de rhetorics e poetica o lllm. Sr.
Francisco Allino Correia de Arau|\
Nao ha mais cabellos
brancos.
Tintura japontza.
So e unica approvada pelas academias de
sciencias, reconhecida superior a toda que
tem apparecido ate) boje. Deposito princi-
pal i rua da Cadeia do Recife, boje Mar-
quez de Olinda n. 51, 1* andar, e em todas
as boticas e casas de cabelleireiros.
No dia 16 de mez de oulubro proximo pa-
sado, do corrente anno, desappareceu da casa de
sua senbora, o negro Manoel, sem nenhuma razao,
o qual parece ter 50 annos annos, e de altura e
grossora regnlares, muito preto, tem denies saos e
cria barba, com alguns cabellos brancos, tanto na
barba como na cabega ; levou ves tido calca
azul e camisa de riscado, e foi comprado a Joa-
quim barbosa de Siqueira, morador em Pesqueira,
d'onde e o negro iilho. Qaem o pegar leve-o a
casadesna senbora, na Pasfagem da Magdalena,
rua de Paysandtf n. 42, que sera bem recompen-
?ado.______________________________________
Na rua larga do Bosario n. 16, ha uma es-
crava para se alugar.
Precisa-se alugar uma escrava cozinheira
na rua da Imperatriz n. 15, 2* andar.
No Kosario larga rua
0 trinta e seis cootinua
A dispor d'um novo sortimento
De cestas, ar.sfates, balsios e bergos,
Aos interessados cbegou o momento
De tudo terem a innmos pregos.
Ao antigo deposito de pao e cestas da rua lar-
ga do Bosario, cbegaram da Europa os muito
pre-timosos acafates de vime brancos e de cores,
para todos os misteres das familias, especial men
te de costuras ; bercos volantes para criancas ;
balaios de meninos aprenderem a andar ; bande-
jas mudianas e grandes de distribuir reupa en-
gommada ; balaios roupeiros de deposito de rou-
pa nervida ; ditos de bolar papeis rasgados nos
escriptorios e cartorios ; ditos faqueiros de vime ;
ditos com pe para por fructas na mesa ; ditos ra-
sos de por u pao idem; pratiohos de vime idem ;
ninhos de canarios para viveiro ; maracas cober-
tos de pallia, (ones ; condecas e condecinhas,
estas para doces seccos e aquellas para acondi-
cionar roupas braneas e de cbila, de quern passar
dias no camp i ; cadeiras de vime branco, com
bracos ; cestinhas Qnas, optimas para as senho-
ras nos passeios depositarem objectos de miude-
zas ; cestinhas de correia-madeira, de meninos
nos sitios apanharem fructas ; cestas de vime de
todos os numeros para fazer-se as compras no
mercado ; canastras de correia madeira, optimas
para a trafico de padaria ; capacbos compridos e
redondos, nao grandes; gigas de vime grosso, pro
prias para as prensas de algodao depositar as
amostras ; rolo de cera branca em novello, para
luzes. t Convidamos p< is aos nossos bons fregue
zes desta cidade, da Parahyba e Alagdas, deter-
minem euas ordens que serao fielmente cumpri-
das, por iofimos precos aos anteriores.
Aluga-se o sobrido da rua das Flores n. 3,
com bastantes commodos : a tratar na rua de Pe-
dro Alfonso n. 49, 2 andar.
FUNDICAO DE FERRO
t' rna do Barao do Triampho (run do 6mm) ns. 100 a 104
CARDOSO IRMAO
AVISAM aos senhores de engenh's e outn a agricultures e ao publico em geral qu
;ontiiiuam a receber de lnglaterra, Franja e America, todas as ferragi-ns e macbina s ie-
^essarias aos estabelecimentos agricolas, as mais mode nas e melbor obra qr.e tem vindi*
10 mercado.
VapOreS de for$a de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os melhores que tem vmdo ao merado
U&10.eiraS de sobresalente para vapores.
aOenGaS lnteiraS e meias moendas, obra como nunca aqai veio.
laiXaS iUncllQaS e batidas, dos melhores (abneantea
tvOCaS Q agUa com cubaje de ferro, fortes e bem acabadaa.
tvOUaS (lentaaaS de todos os tamanhos e qualidade*.
Relogios e apitos pr evapor..
OOmbaS de ferro, de repucho.
AjaQOS de diversas qualidades.
Formas para assucar,grandespequeuas.
Varandas de ferro fundido, fraiiCezas de diversos e bonitos pmm
POgOeS iranCezeS para leuha e carvao, obra superior.
Ditos ditos para ga2.
Jarros de ferro fundido para ardim.
teS Qe IeiTO para mesa e banco.
.viacnina para geiar jg-oa.
V aiVUiaS para bomba e banheiro.
Correias inglezas para machinismo.
DanCOS e SOiaS com Ural de madeira, para jardim.
OoncertOS concertam com promPtidao qualquer obra ou macbina, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande e born pessoal.
EnCOmmendaS man<^3m ''r Pr encommenda da Europa, qualquer mathiuisrao,
para o que se correspondem com uma resPeitavel casa de Londres
com um dos melhores engenheiros de lnglaterra; incumbem-se de mandar assentar
(itas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brurn) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
PRESERVAT1V0 BA EBTSIPEU
DO
Triumpho da
1 V* V Jl 1IJ1JUVKV
I Cura calarrhot, lot Its
coinieluckes, irrilacits
nervosas sal dos Jroa-
ehios e todas as dotnem
I do pcito; basis to doenta
ma colhe rchdea data xarops D' Forget.
Dr. CHflil in Paris, rua vmeaae, ,
Deposito botca Franceza
22 Rna da Cruz 22
Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello & nma preparacSo ao
mesmo tempo agradavel, saudavel e efficaz para
conservar o cabello. I'or meio do seu uso o
cabello ru^o, grisalho, e enfraquecido, dentro de
pouco tempo revolve h cor que lhe e natural e
primitiva, e adquire o brilho e a frescura do
cabello da juventude; o cabello ralo se torna
denso e a calvicie muitas vezes, posto que nao
em todos os casos e neutralizada.
Nao ha nada que pode reformar o cabello
depois dos folliculos eatarem destruidos, e as
glandes cansadas e idas, mais se ainda resterem
algu-ms podem ser salvadas e utilizadas pela
applicacao do Vigor. Libre de essas substancias
deleterias que tornam muitas preparacoes de este
genero tarn nocivas e destructivas ao cabello, o
Vigor sdmente lhe e beneficial. Em vez de
Bujar o cabello e o fazer pegajoso, o conserva
limpo e forte, embellizando o, impedindo a queda
e o tornar-se ruco, e por consequinte previne a
calvicie.
Para uso da toilette n5o ha nada mais a dese-
jar ; nao contendo oleo nem tintura, nao pode
manehar mesmo o mais alvo lenco de cambraia;
perdura no cabello, lhe da um lustre luxurioso,
e um perfume muito agradavel.
Para reformar a cor da barba, e necessario
mais tempo de que com o cabello, porem se pode
appressar o effeito, envolvendo a barba de noite
ceui um lencp molhado no Vigor.
PBEPA&VDO FOB
Dr. J. C. ayer & ca., Lowell, Mass.,
Estados TJnidos,
ChUsUeos Practical e Analytical*
VENDE SE .POR
Em tem pos modernos nenhum descubri-
mento ope uromaior revoluc,ao no modo de
curar anteriormente em voga do que o
ii DI AMilf A J
TANTO NO TRATAMENTO
DA
Tosse, Crupo,
Asthma, Thisica,
Rouquidao, Resfriamentos.
Bronchites,
Tosso Convulsa,
Dores de Peito,
Expectura^ao de Sangue.
Como em toda a grande serie de enfeirm
dades da Garganta, do Pcito e doi
Orgaos da respiracito, que taut
atormentarn e fazem soffrer a humanidade
A maneira antiga de curar consistia geral-
mente na applicacao de vesicatorios, San-
grias sarjar ou applicar exteriormente un-
guentos fortissimos compostos de substan-
cias vesicantes, afim de produzir empolhas ;
cujos differentes modos de curar, nao faziam
senao enfraquecer e diminuir as forgas do
pobre doente, contribuindo por esta forma
d'uma maneira mais facil e certa para a en-
fermidade a destruicao inivitavel de sui
victima I Quam differente e pois o effeito
admiravel do
peitobal.de ahacabuiiai
Era vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
ditos soflrimentos ao doente,
Calma, modifica e suavisa a dor,
Allivia a irritagao,
Desenvolvo e entendimento,
Fortifica o corpo
e faz com que o systema
desaloje d'uma maneira prompta e rapida
ate o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa, (os
entes dos collegios de medicina de Berlim-
testificam serem exactas e verdadeiras estas
relates analogicas, e alem disso a expe-
riencia de milhares de pessoas da America
Uespanhola, as quaes foram curadas core
PEITORAL DE ANACAHL1TA I
Deve-se notar que este rcmedio se acha
inteiramente isento de venenos, anto mine
raes, como vegetaes, emquanto que alguns
destes ultiraos, e particularmente aquellee
que sao dados sob a fprma de opio, e aci-
do hydrocianico, formam a base da maior
parte dos Xaropes, com os quaes t3o fa-
cilmente se engana a crcdulidade do pu-
blico. A eomposicao de anacahuita peito-
ral acha-se linda e curiosamente engarrafada
em frascos da medida de cerca de meio
quartilho cada um, e como a d6se que se
toma 6 s6 d'uma colher pequena, basta
geralmeute a applicacao d'um ou dous fras-
cos para a effectuacSo de qualquer cura.
Acha-se a venda em todas as boticas.
H. Frosters AC, agentes.
Bacharel Nanoel de Siqueira Cavalcanti |^
Remedio efficaz, nao 56 para curar qualqcer ataque de erysipe'a, como v
para impedir 0 seu reapparecimento.
Approvado pelo Governo Imperial, acha-se a di.*p- ':;.v: do I'uMici *<
,com as reapectivas instrucgOes, a'.testados de pessoas notaveis, e de Medicos ^v^s
do grande reputacao. Qva
Depositos unicos.
Becifo: rua do Barao da Viet ria (rua Nova) n. i0. casa do Sr. _
Rocha Siqueira,
Rio de Janeiro : Corte, rua do Ouvidor, n. 7S.

Gratis aos Pobres.
ESCRIPTORIO ESTACAO PRINCIPAL.
a rua da Companhia Ternam- a rua Nova de Santa Uila
bucana n. 2. ns. 55 a M>.
Esta empreza de transporte de mercadorias, inougura 0 trat'eso de suas linhas 1
dia 10 de agosto do corrente anno.
Servicodn UstacSo das Cinco Poutns pnrn o llccffc.
A empreza encarrega-se da entrega das cartas vindas pela estrada da ferro MWtet
freguezes, de tirar e entreg.ir-lhes ate as 8 horas da mnnha, as amrslras du aawcai
chegado na vespera, pagar d vista do conhccimcnto 0 rcspectivo I'rete e fazer eondanr
assucar eos outros generos com a maior promptidiio para o armazem dos coaoprawn
ou recebedores.
O preco do transporte comprehendidos os scrviros acima m.i:ciono.:!os, a cargo
descarga, e arrumacdo no armazem & :
Por sacco de assucar................ ISO reiS.
Por fardo de algodao................ 100 rtis,
Ancor8S ou barris d razao de.......... StOOO reisa pipa.
As cargas destinadas aos engenhos e remcll'ulas pelos fregue:** da empreza sr,
transportadas graluitamente para a estacuo das Cinco Pmta$,esfr&o rccebida* n'10 n
ondeixislirem ostrilhos, mas cm qualquer ponto dos bairros do Recife* Santo \n
onio.l
Servicodo Forte do Uattos para as runs A empr ezeancarrega-se de recrber com 0 seu pessoal os assucares c mais pattern
dos trapiches ou do caes, com direcgao aos armazens das ruas do Appollo e Drum
qoaesquer outras do bairro do Recife na proximidade de suas linhas.
O preco de transporte comprehendida a cargo, e descarga earrmuacao no armi
zem 6 :
Por sacco de assucar................. SO reis.
Por fardo de algodao................. 100 reis.
Pur ancoras ou barris a raz&o do........ i#3C0 reis por pipa.
Recife, 1 de egosto de 1874.
N.5 A.Rua do Barao da Victoria.N.45 A.
LOJA DE JOIAS
DE
JOSE JOAQIIH DIAS DO REGO.
Iato sim ,ju nilo 6 liqnldacao u qiieima! !
O proprietario deste novo estabelecimento aturdido com 0 inesperado estridor dos gritos qu-
surgemde todos os angulos desta grande cidade, annunciando a liquidacao dos estabelecimentos de joia
e, receioso de Hear SOSINIIO, apezar de bem avaliar as grandes vantagens que neste caso deveria au-
ferir; tomou a inabalavel resolugao de QUEIMAR todas a3 snas joias. com 0 ucico fim de enrorporar-
se a grande caravana, e, com ella, seguir em romaria para.......e segredo I
A pyra esta ardente-as victimas aguardam brilbantes 0 momento do sacrificio6 fa
os sacrificadores.
Isto posto, esperase, com justa razao, uma grande concurrencia dos amantes at econ
qae nao devera perder 0 ensejo de se proverem de olijectos taes ; e devem-n'o ainda assim fazer,
que depois de todas es;as liquidagijcs, com 0 novo anno, acabam-se as JOIAS desta cidade, e rik)
tera publico aonde dellas se possa prover.
A ellas A cllas !
I
55.
Constructor e alinaor de pianos
Rua do Imper^dor-
55
Ex-afinador das antigas e *famadas casas Pleyel & Herz, e antigo direc tordar
officioa da casa Alphonse Blondel. pijfa*
Tem a honra de declarar ao respeitav-1 publico desta cidade, que tem aberto
sua casa de concertos e afina^oes dr pianos, qualquer que seja 0 estado do instrumento.
A' mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos mdhc-
res fabricantes de Pans, como Erard Pleyel, Henri Herza .llphotm Blondel] todos
os pianos sahidos da casa Dhibaut sao garantidos
Comprase e recebe-se em troca os pianos usados.



sac
T*
"i-.ii1*"
ff
ihano de rernaraouco Quinta (eira 19 de Novombrc de 1874
.$.

Aluga-se
o segnndn e tercelro and;ire do sobrado n. 3 da
raa da Pcnha, o a casa tserrea n. 34, a rua da
Ventura, purtu do Lapa : a entender-so com o
proprietario. do segunda andar da casa n. 41
da rua do Raogel.
Toda attencjio
Ret;.lha se, com Rente para a rua da Amizade,
sobre 19i palmog de fund >, uma porcao de opiimo
tefteno para edilii-aQio, lirada do sitio contiguo
a igreja de S. Jose do Maogumno, dj preco de
50* por pjlnio. Aquella frecte e toda mnrada,
bem como a parte posterior e a lateral extrema :
os preteudentes poiem enten'er se com o Sr Dr.
Witrovio
Afilhadose afilhadas de An-
tonio de Azevedo Villa-
rouco.
Hanoel Azevedo de Andrade, testamentei.-o do
finado Antonio de Azevedo Villarouco, faz sciente
para cmhecimento dos interessados, que ate hi n
tern, iO do corrente mez, Ihe foram apreseniadas as
certidSss de baptismo das afilhados e afllhadas do
dito finado em oumero de 8, e sao as seguintes :
Anionia, fllha kpitima de Manoel Benin de Mendon
ca e de sua mullier Roza Maria de Je-us-Anto-
nio, filho legitimo do Dr. Miguel Joaqnim do Cas-
tro Mascarenhas e de sua mulher D. Isabel Emilia
Goncalve< MascarenhasUmbeina, filha legitima
de Jose Ferna' des Bastos e de sua mulher Candi-
da Hell, dors de Jesus BastosAnionia, fllha legi-
tima dp J \*6 de Azevedo Villarouco e de sua mu-
lher Maria Francisca de Brito Jo-ephina, lilha le-
gitima de Juao Machado Brandao e de sua mulher
Roza Mai i deOiiveira Maria, lilha legitima de
Francisco Xavier de Sa Leilao e de sua mulher
Rita Baptista de Sa Leitao-J.iao, filho legitimo de
Antonio Goncalves Ferreira Junior e de sua mu-
lher Guilhermiaa Goncalves de Paula Ferreira
Carolina, Glha legitima de Francisco de Amaral e
de sua mulher Eoilia Itoza de Jesus.
Faz mais se.euleo abaixo assignado, que, peran
le o Illm. e ttvm Sr. vigario geril desle bispado,
e-!a urn filho do fiaado Ji-ao Martins Ribeiro pro-
duzinJo sua jusiificacao afim de provar quo tarn-
bem e afilhadi .1" referido Villanmco, visto quo a
cerhdao de bai.lismo por elle exhibida nSo prova
o ba.'ta'ils para poder sor attendido.
Ueclara mala o abaixo assignado, que trndo
mandado pnblicar em Portugal um annjncio con
vidando os alilh?.dos e afilhadas do mesoio Villa-
rouco que n'aquelle reino houvessem, a igualmen-
te se babilitarem com suas certidocs de baptismo a
eonccrrer ao legado qua Ihes foi dcixado; aguar-
da a chegada da proximo paquete da Europa a 2*>
(u 2G do corrente mez para ver se por elle vem
alguma cert: !ao ; e logo em ado continuado pro-
cedera a dtvisio da quantia deixada com a igual-
dade recomunndada p-lo testador.
Recife, II de novembro de 1871.
_________________Maw11 Azevedo de Andrade.
MT11I0 PARTICULAR.
RuadaRoda n. 48,sobrado.
Prime rss letlres, portuguez, francfz, in-
glez, desenho linear c musics.'
Sob n direcQiio dn professor Ilerminiu
Uodrigucs de Siqui ira finiccionam ditas au-
las lodos os dias uleis.
Ivcibo alumnos internos, rr.eio pensio-
nistas e extrrnos ; fornecc todo o material
para escripia n livros 80S principiantes, por
prr-fos muilo razoaveis.
Villa de Palittiires
Na padaria denominada Mauritv, sita na praca
dene come, car a de azulejo, n. 2, desta villa, esta-
belecimento de Francisco Seraphico de Asms Vas-
con :ellos, fbrica-se_ com a maior perfeicao, lira-
peza e barateza, pao, bul pode obler da farinha da trigo. 0 annunciante
protesta servir com esraero e agrado a todos quan-
tosqnizerem honrar sen estabelecimento e se cons-
lituirem freguezes e consumidores._________
Moleque tugido.
Gratiflca-se com 50,000 r6"is a quem pegar For-
tunate, moleque de 13 a 11 annos, prelo, baixo,
cheio do corpo, roto e cabeja redondos, narii
chato, cabello3 carapinhos e cortados de fresco ;
ausentou se na tarde de 10 deoutubro do corrente
anno, com camisa de madapolao, calca de brim
de cur, desbotada, e cbapeo de massa preto. Gra-
tifica se na rua da Cadeia do Recife n. 39, on na
rua da Aurora n. 165._______________________
Precisa-se de duas amas, sendo uma para
1 ozinbar e comprar e outra para eogommar e
1 nsaboar : na rua da Concordia n. 43.
0 ADVOGADO
Ernesto d'Aquino Fonceca.
Pateo 2 andar
Aluga-se o 2* andar do sobrado n. 70, a rna Da-
que de Cixias : a tratar na loia.
I
7^
c
a
mcio
industria
Avisa-se qu tudas as tardese a iioite ha-
vuia na conft'iteiia do Campos
Castanhas assados e vinhn verde
o seguinte
Aluga ;o pe!o i nip da festa uma boa casa
maito fresca, siia a Oatrada di Torre, a margem
.1) ri:: na ma do Marquee dfl Olinda n. GJ.
Aluga se baraio
n lar !crre.) da sobrailo da rua do Vi.'conde
' Alba |derqae, oatf'ora da Matrix, n 2i : a
ratar na rua dj Cabogi n. II, loja.
Pardiulio ou moleque de 12
a 14 annos.
Precisa-se de nm que seja activo e fiel, para
servipj de casa e algum mandado, paga-se bom
alugel : no cae3 do Ajipollo u. 60, ou no fcfafl-
gniaho, sitio n. 2.
Escravas.
Precissm-se de duas qua sejam peritas engora-
' qua eaten 1am de datura e ensaboa-
d i, paga se oom aloguel : no MoDgninhs, sitio n
82 corn rniro cinzento e porlao de ftrro.
Boas casas do
Poco di Panella ;
Ta-fo.
Aiugam-se
campo, na Cruz das Almes
a tratar corn o commendad
140$
Aluga-se pelo tempo da festa nmi casa em
Olinda, na rua de S. Pedco-Novo, com 4 quartos,
2 sala--, cozinha, agua canalisada, quinlal murado,
ml i com limpeza : a tratar na mesma rna n. 39.
Novo divertimento
MAGUSTO
Tod as
as uo itcs
NA
Confeilaria do Campos.
i ADVOGADO
.JACH.4RELJ0A0C1HGUE.1ES DA
S1LVA HELLO.
S3 Kan esfrolla do Rosarlo S3
primeiro imilar.
Ama de leite
PENHOBES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Quem necessitar de uma ama de leite, etcravi,
sadia. sem vicios, e que nao sahe a rua, dirija-se a
I rna da Aurora n. 39, 2* andar.________________
'Ama
forra ou es-
( Uarquet de
Precisa se de uma ama,
crava : a oua da Cadeia,
Olinda) n. 52, 3." andar.___________
Precisa se de unu ama para cozinhar
para casa de lamilia de tres pessoas :
a entender-se na rua do Cabuga n. 3, loja do Col-
lar de Ouro._______________________
O pescador, a rua Direita n. 21, preeT-
sa de uma ami p lAma
Ama
zinhar.
AMA
I'reiriMise de uma ama pa-
ra o serviQo interno de uma
casa da pequena lamilia : a
tratar na rua da Concordia n. 61, I* andar.
Precisa se de uma ama para cozinhar:
na rua dos Pi res n. 34.
M0F1NA
Esta encouragado! 11
Ama
Ama de leite
Precisa-se de uma ama de leite : na rua de S.
Bom Jesus das Crioula n. 40.
Aluga-se
o segondo andar do sobrado sito a rua de Pedro
Affonso n. 59, com agua de Beberibe : a tratar a
rua do Vigario n. 31.
Aluga-se o armazem e o t. andar do sobrado
lira Bra da raa dos Burgos n. 11, assim como uma quarto
Tanto da at* une a fura gf detr" da.raa dl Sln"lla yp'ha- (Becco Tapa
Roga-se ao Him. Sr. Ignacio Vieira de Me 11 do) e. Ql" fasa na rua do Lobato n. 4 (fre-
wcrivao na cidade de Naiareth destt prorincia, Pf* Santo Antonio): a tratar na rua da
favor de vir a rua Duque de Caxiaa n. 36, a con- Praia n. 20, com Jose Feliciano xNazaretn._______
elnir aqnelle negocio que S. S. se comprometteu a A rrin Precisa se alogar uma ama que sirva
realisar, pela terceira cbamada deste jornal, to \ a-ua' para carregar um menino dc lu mezes,
flns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro, e mais algum s9rvico : a raa do Cotovello n.
passon a.fevereiro e abril de 1872, e nada enmprio; 129.
por este motivo 6 de novo ehamado para d
am, pois S. S. se deve lembrar que este negoci
le mais de oito annos, e quando o Sr. sen nlbo
achava nesta cidade.
Precisa se de nma ama para
comprar e cozinhar, para casa de
pequena familia : a rua do Cres.o u. IS, segundo
andar.
4MA
f tXSKSdOQQ t Consullorio medico
DO
r. Mil! ill...
RUA DO VIGAHIO N. 1, 2.* ANDAR.
Hecem-chegado da Europa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres,
podera ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noite para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas das 6 as 8 horas da manhS e
do meio dia as duas horas da tarde.
\
Cravos
Na rua da Uuiao, atraz do Gymnasia, ns.
17 e ii), vendc se sempre cravos brancos e
er.carnados.
l'edido
O redactor d) periodico America Illuslrada man-
de indemnisar ao abaixo asignado.
Manoel Jlodrigues Pinheiro.
da
GRATIS A05 POBBE3.
Exp'cialidades : Moiestias de senhoras,
peiie e de crian;a.
Quem preci-ar de uma ama escrava, que
cozinha o diario e engomma soffrivtl, dirija-se a
rua de Marcilio Dias n. 89, 1 *ndar.
ALUGA-SE
uma grande ca?a terrea com bastanles commodqs,
sita na estrada do Lucas : a tratar a rua do Vi-
gario n. 31.
ALUGA=SE
uma casa nos Afogados, rua do Mutocolombo n.
18, conttndo duas salas, 4 quartos, cozinha fora
o quarto para criadoj, grande quintal, com ca-
cimba de agua de beber : a tralar no Recife, a
rua do Atallio n. 13, Boa-Vista.

AM Ar
Precisa-he de uma para co-
zinhar e comprar para duas
ssoas : a rua da Concordia
10
AMA
Precisa-se de uma, pertta
na rua do Livrameuto u. G.
./. :i:i : I a
ja
Ama de leilo.
Precisa-se de uma, para (uma
poucos dias dias: na rua Direiu n.
da torre do Livramento.
nianea de
2, defronte
E. A. DEL0LCHE
24--Rua do Narquez dc 01inda--2.
Esqulna do beeco I.nrgo
Participa a sens freguezes e amigos que mudou
o sou estabelecimento de relojoeiro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de pa rede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios dc
algibeira, de todas as qualidarles, patente suisso,
de ouro e prata dourada,- foleado (plaquet), relo-
gios de onro, ingiez, descuberto, dos melhores
fabricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata. lunetas
detod?s as qualidades, tudopor prejos muito ba-
ratos.
Escravo lugido
Desapparecea daengenho Brejo Gcicana, do
terrao de Nazareth, desde o dia 5 de setembro de
1871, o escravo pertencente ao abaixo assignado,
de Dome Joaquim, nrjlato alaranjado, de idade 34
annos, pouco mais ou menot, e com os tignaes se-
guintes: alto, secco, cabellos crespos, olbos par-
do3, tern falta de dentes na frente. bra;os e maos
grandes, pes seccos e compridos, tern o andar can \
gueiro e & rendido de uma verilha ; snppoe-se
t ;r seguido para o Recife, onde foi visto : roga se
a todas as autoridades policies e aos Srs. capilaes
de campo que o eneontrarem, o queiram appre-
hender e conduzi-lo ao referido engenho, que se-
rao geoerasamente rejompen?ado.
Buritis.
Aos 5,000 covados dela
A 160 is.
Na loja do Pavao vende-se lazinhas de muito
bonitos eostoi e delicados padroes. fazenda nova
no mercado, pelo diminulo preco de 160 rs. cada
um covado ; quem deixara de fazer vestidos de
IJ tao bonitos e por Uo pouco dinbeiro ? Forne-
cem-se as amostras: na rua da lmperatriz nume-
ro60._________________________^__________
LIQUIDACAO.
Vende-se
uma casa na villa de Barreiros, na rua do Cam
mercio, por preco modico : a tratar eon Tatw
Irmaos ^ C
alto e
canno
O Paris n'America esta liquidando os cal^ados
pelos tegninte* precos :
v Botinas de duraque, de cures, com canno
laco, aLuizXV a 5*000!'!
Botinas de duraque, de cures, tordadas.
alto, a 6*111
Botinas de duraque com laco a 3*.
Botinas prelas gaspeadas, canno alto, a 4i, 5*> t
6*000.
Botinas li-as e enfeitadas, para meninas a 3*,
lii tinas de Sozer, de cordovao com ponieira ee
verniz, paia bomem a 8*. Aproveilem, que e
barato. _________
Cura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das ale hoje co-
nnecidas.
Vende-se
na
I'barmacia e Droajarla
de
Bartolomeo dc C-
A'
84. Rua larga do Rosario 34
Vaccina. Yaccina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalhaes,
montado na cOrte nm completo servico deste ar-
tigo, tern aqui aberto nm deposito da melbor e
mais recente, cujos to bos se encontram na
Pharmacia e drogaria
A'
_______34-rua larga do Rosario 34.________
Imperial fabrica de rap6
area fina de Moreira & C.3
da Bahia.
Deste excellente rap6, que se torna recommen-
davel aos amantes da boa pitada tern estabeleci-
do esta fabrica o seu deposito a rua do Commer-
cio n. 5, que venlem por Junto e a retalho, fa
zendo se vant3gem a quem c< mpnr porcao.
Fio de algodao da Bahia.
Teem para vender Joaquim Jose Goncalves Bel-
trao & Filho. a rua do Commercio n. o.
Salsa parrilha do Para.
Chegada recentemente teem para vender Joa-
quim Jose Gongalves Beltrao 4 Filho, a rua do
Commercio n. 5.
Fechaduras de broca.
Teem para vender Joaquim Jose Gancalves Bel-
trao & Filho. a rua do Commerch n. 5.
Aluga-se o sitio dos Buritis, no Arraial, com
plantagao de mandioca, macacheira e grande baixa
de capim, tern excellente casa para rr.oradia, ba-
Lho e muitas arvores fructiferas : a tratar no
me?mo sitio das 6 as 8 horas da manba e das 5
as 7 da tarde, ou na rua do Amorim n. 6, das
10 as 3 da tarde, nos dias ulni?.__________
Offerece*e uma ecrava, mulata, com habili-
dades para casa de familia : na rua da lmperatriz
c. 20, andar.
I'ftiprios para bailes.
Chegaram em boa quadra, para a loja do Passo,
nquissimos cortes de seda com largas listras
achamalotadas c. lindissiraas cores ; cortes de lar
latana com palma3 bordadas a prata, proprios
para oailes : ?6 na laja do Passo. a rua Primeira
de Marco n. 7 A.
Farinha de milho
Vende 3e farinha de milho moida a vapor, diaria-
| mente, da 1* qualidade, para CDSOBS, 12 patacas a
arroba; da 2*, para canfiiea.e pao de Provenja a 11
1 patacas; da 3*, para aDgii,' a 10 patacas; da 4",
para manguoza, a 9 patacas: na rua do Cotovello
n. 23. eata de azulejo:
COMPRAS.
Compram-se
as collecQoes de leis provincials de Pcrnara
buco, dos annos de 1849, 1855, 1SGG t
186!) : nesta typographia.
OLINDA
Alugam se duas casas terreas c m bastanles
con,mados, encanamento d'agua e gaz, qaiolaes
grandes e murad s, na rua de S. Pedro Novo ou
I'a.-so Castelhano : a tratar na rua do Queimado,
escriptorio do Sr. Dr. Caslello Branco, por cima da
loja do Sr. Rolim.
Aluga-se nma escrava para o servico de co
zinha eas respe:tivas compras, e nm escravo pa
ra o servico de carrncas, refinac.ao, padaria, etc. :
a tratar na casa n. 09 da rua de S. Joao.
CASA DO OURO
Bons banlios e dormida fres-
ca no Monteiro.
Aluga se alii por preco commodo uma casa pe
quena que t in -J salad,
eaciioba, ee perto do rio
I ja n. 7.
3 quartos, c. zinha e bca
a tratar ua rua Nova,
\lto la!!!....
i
ff
0 CAMPOS Oft
o seu
estabelecimento
igualhaT.
E scniio V'jam
genero
CQNFEITARIA
nenhum
o pode
Reeebe encommanda^.
Para a reco.Qaodo Exm. conselheiro mi-
bistro do iuiperie.
V. islii coma sua confeitaria do Campos
mu to bem provida de tudo quanto 6 pre-
cise para que a ninguem falte cousa tl-
gama.
ISTO 10':
rlCSFIPES D
Aos 4:000?
Bilhetes garantidos
Rua do Bar do da Victoria (outr'ora Nova
n. 30, e casa do costume
Acham-se a venda os muilo felizes bilhetes ga-
"antidos da 7' parte da lot. ria a benefieio da
imperial capella da E^tancia, que se extrahira no
dia tcxta-feira, 20 do corrente mez.
Preyos
Inteiro 4^000
ileio 2*000
Be fiOOcOOO para clmat.
Inteiro 3*300
&Jeio U730
Recife, 12 de novembro de 1874.
________Joan Joaentm da Costa Leite
Desapparecea de uma casa de familia, no
arrabalde i'arnameirim, um par de Lrincos de ou-
ro, em forma de gfebo (phrase vulgar, a balac) e
um pince-nez de mola, ingiez, ^com o nome
do fabricanie, um trancelim fino, preso ao mesmo,
tudode ouro : chama-se a altengao dapolicia so-
bre o raplor de taes objeclos, assim ctmo pede-
se a qualquer pessea que noticias dc lie fiver, ou
que Ihe sejam mesmo offerecidos a nrgocio, a bon-
dade de dirigir se a esia typograpbia, onde dir-
se-ha quem e seu ligiiimo dono.
O Monte Lima
tem um completo sortimento do galao e franja de
ouro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para offlciaes, canutilhos e
enfei,tes para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonet3,
talins, pastas, espadas, dragonas, cbarlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como um completo sortimento ds
ranja3, galao falso para ornamento, cordao de la
com borla para quadro3 e espelhos (eonforme o
gosto da encommenda) tudo por muito menos
prego que em outia qualquer parte : na praca da
Independent n. 17, junto a loia do Sr. Arantes.
Tendo-se desencamlnhado os taloes ns. 7,6i8
o 8,9Gi, pertencentes ao seguro de vida no ban-
co Uniao, da cidade do Porto, em Portugal, a favor
do padre Jose Lopes Dias de Carvalho, fallecido em
22 de novembro de 1870, na freguezia de Santo
Antonio, de Garanhuns, nesta provincia de Per-
nambuco, seu pai o herdeiro Joao Rodrigues Dias,
residence no lujrar de Sarnadella, freguezia do
Pombeiro, julgado de Arganil, no dito reino de
Portugal, assim o faz publico, chamando qualqner
intcressado aos ditos taloes para que no prazo de
30 dias, coniados da data d^sta publicacao, o ve-
nbam reclamar na mesma cidade do Porto, e nao
ofazendo ficara o dito herdeiro habililado para re-
eeber do dito banco o que se liquidar desde o anno
de 1870 em que linalisou o seguro
Velho
Compra-se elm mho velho, coLre e lalSo : no
armazem da bola amarel a,
Imperador.
a travessa da rua do
Vr:NDAl
LIQUIDACAO
NA
Loja de fazendlS
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miudas moito boa* para rows
meninas a 160 e 200 rs. o covado.
La preus superior, a 400 rs. o cov*4o.
Alpacas de cores fioas a 320 e 360 rs. o covado
So se tendo.
Ditas com listraa abertaa, fazenda nna, a 600 rt..
covado.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cores mindas a 280 rs. o covado.
Cretones, o melbor qne tem vmdo ao nereaio i
400 e 440 rs. o covado.
Cambraias braoeas, bordadas e abertas, fnmi
mais fina qne tem vmdo ao mercado, e fnaii
de 2*000 o metro, por 1*000 a van; 4 p*
chincha.
Ditas pretas com (lores miudas a 200 rs. o covadc
Cambraia transpareote, flam, a X# peca.
Dita Victoria, Una, a 4*000 a peca.
Organdy de assento branco de ceres, com to
res miudas de seda e de la, a 400 rs. o coidc
' pechincba.
Cortes de casernira de cores modernas a 5*50 <
corle ; e fazeada de 6*. E' peebiadia.
Camisas de linbo tinas, lisas, a 35* a dnzia, ? fa
zenda de 55*.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolao f rancez verdadeiro, 14 iardas, a 6* .
7* a peca.
Algodao T, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgorao preto de seda para vestido e para ecUew
a 3* o covado
Toalbas alcocboadas a 4*500 a dnzia.
Colcbas grandes a 3*500 uma.
Cobertas de ganga, forradai, a 3*.
Lencoes de bramante a 2* nm.
Lencos de linho, abainhados e em caixmfc a ,
3*500 a duzia.
Ditos de caca de cores abainnados a 3*500 s do
zia.
E ontros muitos artigos que se vende por m*
nos do que outra qualquer parte e para se d*
So na lorem queiram mandar ver as amosira .
enganaja de
Guilherme k C.
Para o fabrico de chapeot
A NOVA ESPERANgA reccben o ararae prtpnr
para arnucSo de chapeos.
BAZAR
DAS
FAMILIAS
Ru-i Iliiquc de Caxias n. 60
Para a festa
i
Ina-
Cal de Lisboa novissima
pequenas porcoes :
Vende se em grandes e
rua Dinita n. li.
2LIGIOSGS
lull quanti.
Alten^ao
a pes^oa de?la cidade, que por lodo C3te mez
d seguir ara o R'o de Jam in, afim de tra-
tsf l: uma qnestio qne ihe diz respeito, offe-
naqoeila pra^a seus pre^imos e esforeos
[ar di outre gaalauer negjcio que se quei-
a is, vi-!j ser aquelle o
i a qu vai, dando coniiecimento de sua
: ,i U. ur na rua do Vigario. 14 loja, e
lnr i andar. _____________
Cgzinheiro
:ub ^daiAiegria n. 40, aiiidi se precisa de
j7i cn7inhi'ir..." arefero se pscravo.______________
.' d 3' an Jar com stt.lo da casa da
- 53 : a tratar na rua do Ba-
*. an. 57.
Engommadeira.
Precisa-se de uma engommadeira para engom-
mar para duas pessoas: a tratar na travessa da
rua do Vigario n. 1, das 9 horas as 4 da tarde, ou
no segundo sitio, depois da estacao do Chacon.
Hotel Restaurant de Bor-
deaux
Pede-se aoi Srs. abaixo mencionados, o favor de
apparecerem no dito hotel, para se entenderem
com o administralor, a negocio de seas particula
res interesses :
Salomao (mascate).
Jose Maria Correia das iveves.
Manoel Amancio.
Lniz Imhalz.
Jose Ignacio Ribeiro Roma.
Joaquim Pires Ferreira.
Cruz Ramos (guarda-livros).
Gabriel (mascate).
Ados e exaines.
Nera ba lugar mais apropriado para solemni-
sarse os acto3 e exames que se estao agora
fazendo., do que na
Confeitaria do Campos.
Alii os respectivos
Estud antes
Encontrarao
Uoia variadis-ima
Refei^ao, com a qual
Devem presentear
Os seus collcgas
E amigos.
Keparai bem
____ E' na Confeitaria do Campc.s
Cavallo para vender.
Vende-se um cavallo g(rdo, bonito, noyo, bom
andador : a tratar na rua da lmperatriz d. 63, 1
andar. u&r -
Lustres, lampadas e aran-
dellas.
Obra de gosto o muito mais barato do que em
oulra qualquer parte, teem para vender Joaquim
Jo.e Goncalves feeltrao & Filho, a rua do Gora-
morcio n. li.
Vende se, sellado e enfreiado, um caval
rudadoapatacalo, com tocLis os andares : a tratar
no pateo da liibeira, acougue n. 2, ou na rua ve-
llia de Santa Rlla n. 7i. _______________
E' pechineha.
A m rs.
E' sempre assim-
AO SLXU AMU EL.
A Hova E'perangi, a rua Duque de Caxias n.
63, toma a Iiaerdadedi! avisar ao bello sexo, que
aeaba de receber diversos artigos de-aita covi-
ladc, os quaes estao espo.-tos a vuuda em dito
estabelecimento, 6 bam que veuham aprecial os
para por esta forma salisfazerem os caprichos de
uas elegantes toilettes.
A Nova Esperanca, nao querendo tornar-se
massanle, limita se a mencionar alguns anigos
dos mais em voga no manio das modas, os quaes
sao os seguintes :
Liodos cioti s de couro e Gligrana.
Modernos boioes de aQo para vestidos.
Novos k-ijues, grandes, matisados.
Elegantes livellas de ago para vestidos.
Delicados ramos de flofes de larangeira.
Bolsas de couro e filigrana, prcprias para tra-
zer pendentes ao cinto.
Lazinha9 de cores padioes mnito lindos pro-
prios para vestidos de senhoras e meninan, e ven-
de-se pelo diminuto pre^o do ICO rs. o covad ,
por este pre^o so se encontra na rua do Crespo n.
20, Icja de Guilheame & C. ; dao se amoslraj.
40^ a duzia
de camisas de linho, iuglezas, bordadas, muilo Ti-
nas, pelo baralissimo preco de iO* a duzia : na
rua Duque de Caxias n. 88, loja de Deinetrio Bas-
tos.
Aluga-se
Precisa-se
os armazens ns. 6,"> e 69, na praca do chafariz em
F6ra de Portas, um onde teve tenda de ferreiro
o fallecido E. Mahult. 0 ootro que esteve cccn-
pado com venda de molhados, para o que e op
timo pela localidade e ser de esquina. ambos livres
e desembara^ados de impostos: a tratar com o com
mendador Tasso.
40$ a duzia
de camisas iDglezas, de linho, borJadas, muilo fi-
na?, com collarinhos e sem elle?, e pechineha : na
rna Duque de Caxias n. 68, loja de Demetrio
Bastos. .
Breu, breu, breu.
No armazem de Jorge Tasso, rna d? Amorim n.
37, e no caes do Apollo, aimazem de farinha de
trigo, do commendador Tasso. ________
Aos Srs. de engenhos
Chila com 4 palmos de largura, fazenda muito
superior, a 26i) rs. o covad.\ proprias para escra
vos: so a rua do Crespo n. 20, loja de Gui-
Iherme A C.________________________________
CHAPEOS PAUA SCISHORA.
A Predilecta, a rua do Cabuga n. 1 A, acaba de
rtceber um lindo sortimento de chapeos da ultima
moda para senhoras e meninas, e vende por pre-
cis commcidos.
Vende se duas casas pur commodo pre?',
sendo uma na rua da Pocte- 'elha n. 47, e oulra
no becco do Quiaba n. I, Boa-Vista : a tratar na
rua da onceicio n. 22.
A loja Agrado e Senedade, sita a rua da lm-
peratriz n. 16, vende porbaraDs precos la pars
bordar, de lindas cores, e fitas de sarja d: todas as
cores e larguras, assim como de setim.
Boa occasiao.
Xa loja do Bom PasUr, a rua da Imperalriz d.
2, tern para vendcr-se um apparelho de phntp-
graphia com todas as suas perlencas, do fal.ri-
cante J. H. Dallmeyer, e um excellente pantogra-
pho, do acredilado fabrfcante Adrien Gavard. Os
pregos sao os mais razoaveis possiveis._________
Leques gigantes
So quem tem dos mais modernos ( a Magnolia
a rua Duque de Caxias n 45.
Aluga-se
a casa da rua dos Guararapes
rua de Marcilio Dias n. 2i.
n. 81 : a Ira tar na
Alnga se uma escrava para todo
na rua da Gloria n. 146.
o servigo
de um moco que tenha mnita pratica de servir
em hoteis: a tratar no hotel de Bordeaux.
Aluga-se duas boas casas para passar a
festa no lugar do Caxanga, sendo perto do banho
e da estajao : quem pretender, dirija-se ao silio
da llha, que achara om quem tratar.
Moleque fugido
Fortunato, moleque de 13 a 14 annos de idade,
preto, baixo, cbeio do corpo, rosto redondo, boni-
tos denies e cabe.llo cortado di fresco ; ausentou-
se na tarde de 10 do corrente, com camisa de ma-
dapolao, calca de brim de cor, desbotada, cbapeo
de massa preto, canduzindo um serrote grande e
um amarrado de tres tabicas, sobre o beigo supe-
rior andava ultimamente com nmas feridinhrs.
Gratifica-se a quem leva lo a raa da Aurora nu-
mero 163.
Para padarias e tavern as
Sal fino e muit^ alvo : vende-se ua rua Impe-
rial n^j^armazem.___________________________
Chegaram
ao Bazar das Familias, a rua Duque de Caxias n.
60 A, lindissimos chapeos para senhoras, que se
esta rendendj por prejo muito barato.
VENDE-SE
uma balanca decimal das melhores que tem ap-
parecidj neste genero, podendo pesar ale 500
kilos : no armazem n. 3 da rua do Vigario.
mi ----..... *
iT
VENDE-SE
um terreno na eslrada de Beberibe, antes da es-
tacao do Porto da Madeira, com uma casa armada
para receber telbas, tendo de frente 87 palmos e
de fundo 200, todo o terreno se aeha cercado:
quem o pretender, d rija se a rua da Cadeia No-
va n. 13, loja, que achara com quem tratar.
Bom
remessa.
Vinho Verde de Aniaraule
donvida-se os apreciadores a virem apreciar o
que ha de mais excellente neste artigo"; vende-
se em deciraos'e a retalho, em easa de PSgas
4 C, a rfla estreita do Rosario n. 9, junto a
igre'ja.
negocio.
Vende se o estabelecimento de molhados sito no
Caxanga, freguezia da Varzea, a saber : uma ar-
mzcao com todas suas perten;a3, pesos e medi
das, poucos fundos a vonlade da pessoa que quizer
estabelecer se em um bom bom local, ja pela ca-
sa ser muito afreguezada, e alem de que o refe
rido estabelecimento tem commodos para fami-
lia, alem de ootras vantagens que se dira ao
comprador : a tratar no mesmo estaaeleeinenlo,
confronte a casa da Exma. Sra. D. Maria Lopes.
Cha verde e prelo
Amaral, Nabuco & C. declaram a seus amigos
e freguezes que receberam pelo ultimo vapor
de Europa, nova remessa de cha verde c pretc,
garantem sna boa qualidade e vendem no seu
Bazar Victoria, rua do Barao do Victoria n. 2.
Liquidacao de velas de spermacet-, a 540 rs-
msaco, a dinheiro : no armazem de Jose Fernanl
de Lima & C, rna do: Barao da Victoria n. 3.
Reis e Silva & Guimaraes, proprietaries
bem conhecido esubelecimento de fazendas
con vida m aos seus freguezes e amigos a sortirem
se dos arligos indispensaveis pjra a festa, anig( -
da ultima mod;, e de lino gosto, os qnaes se ven
dem por modico preco, de forma que ignal nio s-
encontra em outra parte.
Atim de que o publico avalie o qne levam lit
offerecem a aua preciosa consideracio a sect in
mtncao:
Riquissimas polinaises de gorgorao prrt.\ rica
mecte enfeiladas, pelo dimiouto preco de 36*.
Lindissimos casaquinhos de gorgorao preto. ri-
camet/te bordads. sendo curtin'if.j cenfurme a
da. pelo diminulo preco de 12(000 cada um.
Riquissimas sabidas de baile, de la e seda, | ar.
senmra, inteiramente novidale, pelo dimi-
preco de 12*000.
Lindissimas capinhas de la e seda int^iran-
le covidade, pelo insignilicantc preco do 8JaK<0 t
105' 00 cada uma.
Riquissimas eachinels de ia e seda, pelo din a
to preco de 6000 cada nm.
Dm coraplelo sortimento de ;ape!las com vei. u-
blonds, proprias para nuivas, \:h diminulo pici-
de 10*, 13* e 20* cada uma. E" karate E S
ico sao linda? 11
Riquissimos laciiihos com flvt-la, pr pri i par*
pescoco de senhorispelodiniinjto preco de I,
cada urns.
Lindas gravatinhas le cor, pruprias para sat
ras, pelo diminuto preco de 1*000 cada uma.
Liudissimas rosas com alGueles, proprias ;
peilo de senhoras, pelo diminulo prero de 1*
cada um.
Cambraias brancas, bordadas de cores a la, fa
zenda mo lercissima, pelo preco de 319 rs. J c
vado.
Cambraia transparente, com duas larguras, rc
preco de 13*000 a peca.
Cambraia transparent fina, Saissa, a 6*900 .
peca.
Cambraia muito fina, Victoria, a 7*200 a peca
Meiaj de cures para homem, pel) diminuto
CO de 8*000 a duzia. E" barato I
Riquissimas caixinhas. cada uma ccm nira
zia de lencus de linho ja abainnados, p.-lu d i
nuio preco de 5*5X0, 6*. 6*500 e 7*.
Grosdenaples preto, fazenda muilo superior, .
1*200 o ccvado.
Seiim branco, Macau, fazenda superior, a 2*2
o covado.
Riquissimo sortimento de popelicas de linh"1, j
lo diminuto prec de 440 e 500 r-. o omm%.
Riquissimas faias de seda. fa^enia modernis-
ma, pelo C"ii modo preco de 2*iii o c vado.
Popelinas de linbo e seda, padiO .- inieira-
menie ncvos, a 1*600 e l*SO0 c covado. E' 11
ratal
Grosdenapoles cor de rrsa, fazenda muito snp>
rior. a 1*600 e 1*700 o covado.
Um comilelo soriimenlo de las e alpacas de -
da com listras a 700, 800, 900 e I*. E' muiu
ralol
Cm completo sortimento de las, a ISO, 200. 2',
320 e 380 rs. o covado.
Madapolucs, Elepbante, com V- varas, a 4*i
a peca.
fcadapola >, Maraviha, com 20jarda., a 90
a peca.
Madapclao Tranccz, Madraste n. 55, a 6*200 *
peca.
Jladapolao superior francez n. 60, a 7**W a
peca.
Assim como nm grande sortimento de chitas ei-
curas, clarss e ontrns arligos.
_______REIS E SILVA A C.nMARAES.
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA acaba de recober aqce -
les milagrosos anneis electricos, cura infallivel 41
nervosos.
500 rs. o covado de alpaca-
de seda
Ha rua do Qiickanad* n. 43
%'alem SA o iinadu
Alpacas de seda com lisfas, argura de chit..
padtoes bonitos, pelo diminut) preco ds 500 r
o covado ; so o 43 e quem tem, jnnt i a loja d i
Magnolia.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANgA vende papal de lies
proprio para cigarms. d'e diversas Urgnras.______
Insignias maconicasecadei-
ras para viagem
Amaral. Nabuco A C. vendem insignias macon-
eas para diversos graos, e cadeiras a abnr e fechai,
proprias para visgem : no Bazar Victoria, rna I)
us raa da Victoria n. 1


'.'. .>*
wr
v .



> .
.1 ftirK> to IVwittiDtico^ *-' X3UiH$r#k 1 rffi^&ribtf? tflPtt?
4.
b
Ad D'araieito
_*di t__ji*frl 4e>iMarco n. 1
et-tzab t^r^supAJMMiHi1.1 ''' "'-
.f:ei gante (Upcsim de futadas d* Ja, IMM seda e
4^pJ#o, ,, aflndje proxima a oeoasiao do ba-
lance, resolveram fazer grande reduccio em pre-
cos, afyn de que naquella tempo aid teaham gran-
de traba*o era balances ; a saber :
GORGORAO sate prito, para collete, ora
ccrte per 24. E' fazenda qoe sempre cuslou 70.
AMAZONAS, lioia fazenda para vestidos de
passe** a 500 rs. o ebtfaoo.
CROSDeSAPLBS de ofires,-verde. encarnado,
braneo, cor de roaa e cravo, a 000 rs, 10 e
MMiTi> co**"*0;. ue 6 qoe nao eoroprara? j'
POPELffiAS de Iinho, de quadros e limn*, bo-
toon
? vi q i
I v \ 1
:e/ Gtaade Jiqui4feto de fez^das
N.72. Rua da Im peratri'z^


i
*_ Jotcod itoJ
- btt
tid
I
i ', '
. i H

>


Sienaes (juimaraes & lrmaos.
Tendo oi proprietario* desta estabefecimento resolvido diminuir o grande deposito de fa-
zendas, cnteoderam Uzer esta graode liqnidacao, Comose ve dot precos abaixo mencionados :'
-para senhora, ( altima
jgntrtiTfu^iiwiffr^ir M
Chhas largas a 10, 2Q0 e 280 reis.
Vende-se chitas francezas flnas a 120,280 e 390
OCOTadQ. j
Lazinhas a 120 reis.
.
400 rto o covado.
Chitas para cobertas a 280 reis.
bUob gostos, a 500 rs o covado. A'proveitem.
FGPRLtNAS de MM e sed, gostos inteiramen-
V#Slom iuirukrsu^Melvada. o mais VeP^J! <5bil* ara eoberlas a 280 a 360 re* c
moderno qoe Jem vindo ao mereado, a 2*. covaao.
CrWlWE Iraoeez ceui listras e de quadrinhos.1 A,Pacas de cores 6l0 '** ..
it? oores-s pretos a-408 e-440 ts. o covado. Isto Yendeia^lpacaa de oowa, Qnas, para restidos de
"VSkw-"'* i. r -1 sennom,a 640 reis o covado.
DITO trancM da listras, proprw para camisas Metim de cores a 3J0 rei3.
S.yejtidos a 300 r*.; pois ^o se vendo te p6* Vende-se metim de cSres para^vesUdos de senhov
Veodese laztnhas para vestidos a ISO, 240,320 e Vende-se loalhas de linho para rosto a 700 e 800
LOft rtiim t\ or,v*An r6iq d^ nml '
crer:
1 'IS i AO de Jmho e algodSb, proprio para ea
mm\ froaibas, etc^ etc., com 7 jarfas, a 3*200, e
;om 10 jardas a 4*o00 a pe(a.
MUS^CLlNA braoca, com listra;, para vestido, a
iOO-rs: o covado. B' pechincba I
MAOAPOLAO franco: ctm 20 varas, por 4*300.
E' barato.
CASEMlliAS d cores, para costumes (roupa de
honv>m) a 3* o covado. Ver para crer I
LA5 escocezas, estamos acabaoJo aos precos de
190, i80 e 290 rs. Aprwsem se!
QilTAS escnras e ctaras, faaenda 6na a 240,
260 e 280 rs. ;;oa rua Primeira de Margo n. 1.
CUAPEOS de alpaca, para sol, para seuuora, a
2/000. E' admiravel I
BRIM braneo n. 8, exposicSo superioTj a 2* i
vara.
CAMISAS de cretone francez decdres, a 2/500
uma.
CAIIIS'AS branca', ingtezas e francezas, gran
-de sortirwnto por precos baratissimos.
BRIM pardj tranrado, para iW r. e 400 rs. o
covado.
BRIM Angola, snoerior, a'SOO rs. o covado; isto
.-6 na bjja do 1Hrat4ro (
CUAPEOS de sol de seda para hometn, fazenda
superior..a 8*-Ml, 9/000 e {(k/000.
BAPTIST AS roatisadas, gostos miadinho- a 300
rs: e 360 rs. o covado ; so conlronte ao area de!
fcmto Antonio t
- I4E.NC0B de HMMsnperiores, abanhados a 3J,
i/500. e 5/090^ dozia.
TOALUAS ftflpndas snperiores a 64500 a du-
'.ia. Em cuira pane veDdem por 9/ I
WETAS crnas, suptriores, para homem, a 4/,
VfKlfl e 52. B' pechincha.
BuTlNASsuperiurcs para senhora, a 4/500 0
par.
ATOALIIADO alcocooado, fajenda sunerior^pa-:
ra mesa, a_1 JSOO a vara.
ALGODAOZlNHO tranco, com petraeno toqoe,
a 34500, 4/ e 4/.100, e marea T, a 5/ a pe.;.i.
Alem das (azeodas acima innciona tfarao rauitas outtas que agradarao eaj qualida-
dB e precp?, e qnepira nao rhassarmos'a'p'aciencia.
de DO830S fregneze*, at-dcKtamos de enamerar,
So no Baratetro
A' rua Prtoeiro do.Marco a. 1.
' j.i de Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
NSo se enganem
Pois slo os verdadeiros baiateiros!
ras, a 320 rets 0 covado.
Cassas fiiias a 280 reis.
Vende se cas'as francezas. Com a 280, 320 e 360
reis 0 covado.
Cambraia Victoria a 3/000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3/,
3/500 e 4/000 a pei;.
Cambraia transparente a ie 3/6O0.1
Vende-se pecaa de cambraia traDsparente a 3/,
3*500,4/ 5/.
Cortinados a 14/000.
Vende se cortinados bordados para camas a 14/'
16/ e lft/.
Gaoga amarella a 400 reis.
Vende-se gaoga amarella para vestidos de senho-
ras e rottpa paramenlnos. a 400 reis 0 covado.
mamVa
Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
0aipla3f gaiolae,
A Magnolia, a ran Duque de Caxias n. 45, re'
ceben gaiolas de aram* de lindisiimos modelos,
Etopnas para passaros ; a ell w antes que se aca-
em.
I
Tfr
-------
----------n
bis
-,
0 GOtADO !i
j. Uaiahas de list ras assetinadfts, s6 na mi
ik'ifflrrchoram; an'dain, etcxT&onf Q>ieimdo n^ 43, junto da loja da Mag-
nolia.
W
Brim de cores a 400 reis
Vende se brim parde e de cores para ca'^is jl,
400 reis ooovado.
Toalhas para rosto a 700 reis.
E com as noivas
A NOVA^ESPERANCA, rua Dugue de Caxias jj.
36, acaba-de receber boas meias de seda proprias
para noiHl. a as apreclavets ramos de la
wm<&*
"Vende-se ,cal de Lisboa
SanMM|9,< WtMlff eft,
9$.$*a cmae
Can*
1> e'.u rfi
E' eepecialidade do 43.
.Na-lojadp Pavao wnde ? nm |
to dfe cornnados hdrdados iroprias para camas*
janellas, pelo birtw pfec/i de8, 9 IOjOOO n. o
Sr, antes eomo e<>clias de damasco pita 'caa.-
Doita ,# 40 12, Lasiunas ue ustras asseunacios, gostos rua da Imperatriz n 60, de Felix Pertir* da
muito rxioo*ernos, pelo diminutoprego de 200 'Silva.
rs. o covado
com penhor.
So o 43 Dao so amostras
reis cada nma. t. ,
Chalesde la a 6i0 reis.
Vende se chales de la de qnadros a 640 rtis.eh*-1 .,, ,
1/160 reis,cbale9 de m*rin6 A 'pTOX^I, CirCUjAr .juQ.ApOllO
M'Tittl
lisos a 2/, e chales de merino estampados, a
3/600, 4/ e 5/.
Aberlnras-a 2^009.
Vende-se abertoras de linbo bordadas, para ca-
misas. a 2/ e 3/500. OUas de alRodao a 200 e
400riis.
Cortes de casemira a 5/000.
Vend* se cortt-s detasemiras fioas para calcas a
5/, 5/300 e6/
Cortes de brim a 1/400.
Vende se cortes de brim de cores a 4/400. Dilos
de brim de Angola a 1/800 e 2/500.
Cobertas a *WW0
Vende se eobentas de chitas de cCres at/.
Cokhas a 2/000.
Vende-se colchas de fu.-.tao para cama a 2/, 3/ a
Paletots a 3,000 rs.
Vende-se paletots de alpaca prela a 3, 3,60
5,000 rs. j'calcas de casemira prelate de core
leies de casemira preta e de cores, e oulras
tas ronpas feitas barataS e fazendas qoh est
quidando no Bazar Nacional, a rua da Im
Irit n. 72.
.
EXPOSIGAO PREDILECTA
I :
Aos legitimos fogoes econo-
micos.
Acabam de cbegar a esta ctdade os ver-
ladeiros fogoeseconomicos, ja" muito conhe
oidos nas praviacias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, llio-tirande, Ba-
bia e Alagoas, onde tem merecido do pu-
blico a maior aceUaQSo possivel, e sao ja"
preferidos aos de qualquer outro systema,
unhiiciJo pela sua rnuita solidez, especia-
Udade na colloca^AO, moderno systema,
o sobretudo grande ecouomia no combusti-
vel ; trabalham oosn leoba, -cqltc, carvpOi.de
madeira, etc., otc. Ha de diversos tama-
ibus, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de rnuita familia, collegios, boteis,
;asas pies, bospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao publico, aoude se dar&o todas as
'xplica^pes uecessarias: na rua do Viga-
o it, li
K com as senhoras.
A.^lagnoIia, a rua Dnque de Gaxias n. 45, par-
;eipa aj bello sexo .que acaba de receber da Eu-
-opa, urn cbmpfeto sortiraenlo de artigos de ulti-
oa mo Ja, e como acha desnecessario fazer um
mfadonho annnncio, por ja ser bastante conbe-
:ida, ecapricbar sempre em terbons eorrespen-
ientes, sendo a primeira que apresenta o qoe ha
le mais moderno e por precos mui razoaveis, per
sso fimiia-se a descrever somenle o seguinte:
Soitan donradas.
Biros de cores, tanto de seda como de guipure.
beque* doarados, de madreperola, marfim, tar-
taruga, osso, etc.
aabidaa de baile.
Presentes, diversos artigos proprios para pre-
ssntes.
Bolinbas e punhos.
Manual para mista, com capa de madreperola,
tartaruga, marfim, velludo, etc
SnpaiinhoM de setim para baptisado.
Camisas bordadas para senhoras.
Ltgaa de seda.
vranjaa mosaicas.
tden-ros de tartaruga. ,
volta* de madreperola.
Polseiras) de madreperola.
Lindas Bores para cabeca.
olsas da velludo.
Perfumarlas dos melhores e mais alamadqs
fabricantes.
Cbapeoa do sol para senhora?.
vi tan da velludo da todas as cores e largura;.
jioscas.
Quereis livrar-vos destes malditos Insectos? cpm-
jrai uma machina de matar moseas porH/OOO
*i liagnena, a ma Duque de Casias n. 45. ; B'
Calvie8.
A Magnolia, a raa Duque de Caxias n. 45, vefl-
le o verdadeiro Vigor de A yet; ijritf'imped? i'
uhida dos cabaUoa.
DE,
fazendas e artigos de alta
novidade
KA
LOJA DO PASSO
ftoa Pfimciro de Marco n. 7 A.
fiCordciro simi leste imporlante estabefeCimento, no louvavel pr> mo. Ja recebessem pela paquete francez diverao
jrosito de nio desmentirem o conceit* que- 6s artrgos da ultima moda, veem patentear alguns
eus HBmeTosos ffepuezes Ihes tem dispensado, d'entre elles que se tornam mais recomraendaveis,
icabam de receber de sua conta o mais nco sor- .esperaado do respekavel publico a costnmada
imento de sedas, popelinas, las e arligoa de ul-; concurrencia. arliflosde moda e pbaaUsU,acaba-de reea-
ima moda em Pans, e continuarao a receber Adei^w de taruruga o mais Imdos qfle tewfc^ dive*a3 encOTmePaaTde mer-adotias fle soa
A' rua do Cabuga n. 1 A.
Os proprietarios da Predilecia, no iatuito d
conservar o bom concetto que teem merecido di J
respeltavel publico, distinguindo o sen estabeieci
mento dos mais qne negociam no mesmo generc
veem seientificar aos seas bans fregueeesque-pre-
veniram aos seus correspandentes nas diversas par-
cas d'Europa para Ihes enviarera por todos os pa-
quetes os objectos de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem aceitos pelas eociedades elegante?
daquelles paizes, visto aprortimar se o tempo de
festa, em que o bello sexo desta linda venera
mais ostenU a riqueza de suas tuillettes ; e co-
v^ide-se:
Tijoloa io rbarmore, de dlfferentes la-
maohos e quaKdades.
Tijeloa france?;es, sextuplos.
CimenCo Portland verdadeiro.
Azulejos grandosi muilo proprios
para redape"s.
Azalrjos verdes e amarellos, tamanhp
regular.
Maquiuas de descarorar algpdao.
Cadeiras de ferro, assento de paltu-
iaspsra campo.
SaJsa-parrilha do Para
Tem para vender Antonio Lniz de Oiiveira Axa-
vedo, no eu escriptorio, a rua do Bom Jesus nn-
mero 57.
Na loja do Pavao vende-se lazinhas laponezas
de cures muito modernas pelo baratissimo pre^o
de 500 rs. o covado, para acabar ; notando-se qne
e fazenda qua jamais se vendeo por menos de
dois crujados ; ja ha poocas : a rua da Imperatrij
n. 60, k)}i do PavSo, de Felix- Pereira da Silva.
uba,
pronna
. '
I
Vende-se oa ataga.se uma casa terrea em Olio-
da com grandes ct/mojodo^jaz e agua eocanada :
a tratar na rua 1* de Margo n 6.
CASA
Cimciilo Porllamt
,0 verdadeiro cimento Portland em barricas de
180 kilos: vendem Lebre fi;"Reis, a rua dd'Amo-
rim n. 58._________________________________
Cortes ;.de. ^imira a 4$^
e 6^000.
Na loja do Pavjo, vende-se cortes de ca-
semira para celi;a a i-3, 59 e 6^000, ditos
muito ftnosde uma s6 cor com Ustras ao la-
do, fazenda" qae sempre se vendeu a 3ji e
105000, Jiqylda-se" a 6^000 pat;a acabar.;
i nia da trrrperatrlz d, GO."de Felix Pereira
da __r~
v.
E'BOM
Qne.a-NOVA'ESPBRAKCA,. a rua Difqne tie
ijaxias u. 63, bem epnhcqida pela superioridade de
Colchas -para camas
Nalejado Pavao vende-se colchas de fuslao
brancos, para cama a 2,500, ditas de dito de cor
a 4,000, cobertas da chita e de cretone, de 2,300
para emu e ditas de metim .escarlata iorradas com
madapolan a 5,000 : a rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Silva.
A 50 Ors. o covado
Sedinhas 4 1#5(W) o obf do.
i Venbaw antes qne se acabem : na loja do Pmm
aroat/ -e Marco m, a A.
RenaasdatteM"""
Rendas, Wens e grades de toda targani
.Vende -se^itffpateVt. do ferco n. ^.^ ^

lusmaiu' i *: ( "'-v- Com barMd, _NMt re,of*o, *-He
rua do Uueimdo i^i 48.
- E' p^h^^:,
f.smbraias com liarra, deseubos
zes pelo prcjo'de 2V0 rs..o covado.
13 1 .Junto & ))ja da #egm,\^.
% c
? i>i
.f.w
Fundas lloruiarias
Fariaha deraandioca supe-
rior.
Tem paa vender, Joaquim Jose Goncal
ves Bcltrao & Filbo, a bordo do palhabob
Rosila, fundeado so pe do caes doCollegio,
e para tratar a bordo ou no seu escriptork):
a" rua do Commercio n. 5.
>IIM

-
' boQito
As almofadas bordadas de la matlsadas qne r-
cebeu a \na Egperanca, a rua Duque d
Caxia-- ""
Leques e flares
. Arcaral. Nabrreo & C, receberam leques de ma-
dreperola, braneo e qutimad-i, dedifferentes cores.
Be marfim e de tartaruga, li?os e lavrados, sao
elegantes e proprios para bailes: vendem no Ba
tar Victpria, rua do Barao da Victoria n. 2.
vindo ao mereado.
Albans com ricas oapas de madreperola- e d
v!ludo, sendo diversos tamanho3 e baratoa pra-'
os.
Aderecos completos de borraeha proprios para
Icto, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
ot tos.
Boloes de setim preto e de cores para oraato d
pestidos de senhora ; tambem tem para collete i
>alitot .
Bolsas para senboras, exlste um bello sortimaa
de seda, de paiba, de chagrim, etc., ete., pur
e cor, trazendo fivella, bolea, barato preco.
Bonecas da todos os tamachos, tanto da k>oc>
So temt sarflat e panos quem qner; porque a
Uagnolra, a roa Qqne de-Caxias n. 45, tem para
'ender a verdadeira Guticuleria, que fas desappa-
ecer estas nuacbas em poucos dias.
e
Grande descoberla

peita
Xrope de sulphtto de soda
A. BBRNET
Este iraporunta raedwamenm t|ire acaba deaer
reconbftcido, nalps .4is(inf:te Drs ZaJioai a Paras- jssbbradada e ontras acommbdafdes, todo mura
:hev"as coffioutB vertadwo especinoo. cputra a.
pbtysica, aefumro provaram nos grandes nnme
:os de casos por elles experimentados, como se ve
na sessao da academta de Paris de Si de awrco
do corrente anno, eneontra-se noicamente no
Deposito da pharmacia a drogaria
de
Rardiolomen dfc C.
N. 34 r Rua larga do Rosarto N. M
Vinho verde.
Especial chegada^np ftliimp vapor, tem para
vender em bafrts'de QHHffl b m tolares em
decimos, no seu escriDtorio a rua do Comiaercio4
a. 5, Joaimjp foje Cojyarves Beltrao &.Fili


jor todos os paquetes daqueHa procedenoia ; por
sso chaman a attencao de sens- freguezes e os
-onvidam a darem rrm passeio ao seu estabeleci-
nento, garantindo-lhes qua encontrarao a reali-
lade do que Oca dito, e para prova dao um pe
lueno resumo, cujo infaliivelmente despertara a
utencJo dos pretendentes.
Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
imostras mediante penhor.
Vrtisos de alta novidade e
Uiam moda.
Cortes de vestido de linho guatnacidosde Nco
umesma fazenda
into, etc etc.
Riqaissimos chap^os para senhora, de cores e
jretos.
Cortes de cambraia brancos com lindos bor-
udos.
N > ,je cores com enfeites da mesma fazenda,
nrino, etc. etc.
Capas de II para meninas e senhoras, guarne-
idas de arauobo.
Vestuarios para baptisado.
Riqnissimas camisas bordadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Ricas colchas de seda, para casamento.
Cortes de seda, Ivndas cores.
Gorgorao de seda branca e dito preto.
Sedinhas de nelicadas padroes.
Setim Macao de todas as cores.
Grosdenaples prelos e de cores.
Veiittdo preto ojdamasco de seda.
Granadine preta e de cores.
Filo de seda braneo e preto.
Ricas basquinas de seda.
Casacos de merino de cores, 12, etc.
Manias brasileiras.
Capellas e manias para noiva.
Cambraia de cores, aitaa mariposas br&neas, da
ores, lisas e bordadas.
Flor do bosqne (novidade).
Perealinas de qoadros, listras, etc.
Brins de linho para vestidos.
Fustao de cores.
Saias bordadas para senhora.
Grande sortimento de camisas de linho lisas e
lordadas. para nomem.
Meias de cores para bomem, senhora, meninos
meninas. ..
Sortimento de chapeos de sol para bomeus s a
enbora.
Merinas de cores para vestidos.
Dito pi eto trancado e de verao, bombazina, can-
io, alpaca, etc. etc.
Atoalhado de linho e algodio para toalhas, e dito
iardo.
Damasco de U.
Brim de linho braneo o de ceres.
Setins da lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de touqoim e ditos de casemira
Caaufiaa de chita para hom^n- a ditas de fla-
.ella.
Ceroulas de linho e ditas de algpdao.
Pannos do crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e rfitos de labyrintho.
Ricos cortes de vestidos de tamtam, bordados;
ara bailes, e tarlatana de todas as cores. '"-
Cukhas de damasco de li, e ditas de croebeL
Espartilbos lisos e bordados. ,,
Foulard de seda, lindas cores.
Meia* da seda para senhoras e meninas.' "sm-*
Cuemiras pre tas a da core?. "
I'opelluas. .
Xeste artigo temos um variadissimo sortimento*
iao so em gosto como em qualidade.
ft. its
jom listras de seda, ditas com pal-nas bordadas,
litas transpareotas a da ootras muitas qualidades.
I
avaa
le patrlca -brtnras e de cftres, do verdadeiro fa-
Sardas epanos. ^canle ioayia;vt^1mimnUs:
Metaipara boI^, cadeirai, cama, entrada,jete
:ambraias brancas, chitas da todas as ..
oadapo13es, esgnfao, bretanhas, braraantes, aigo-
loes, collarinhos, punhas, meias para bomem a
enaora, punhos a collarinhos brancos a de co-
ves para senhoras, gravatas para homem e senho-
-.ores, ditos de cambraia de linho, toalhas, guar-
moiestias do,.; l^p^p^f,^^^
Ror Prinwiro da-MM^o tt. 1,3tL
ntiga do CreSpo.
_______y-,
ia, comduaa frentes serviias por porlao de ferro,
qiando 'n'ara'a ma da Aoiiza,dB e papa a dp Mao-
guinBff. ftto '96 terrene broprlo f9i palmos. de
largura e 384 de fundo ; e acasa'fflede 62 ptfhaos
da frente e 84 de fundo. A situacao a a melhor
possivel para morada, e quern quiier eaificar, tera
bastante terreno para isto, pelo lado da rua da
Amizane. Tem a'gnmas plantartfes de gozo e re-
creic-, havendo -bnsiaMe agua lwnecida pot dnas
cacimbas, uma das quaes e nova. A terlder-*{"
com o Sr. Dr. ytoftvip quern o pretender.
*ara concertar meias
Pft^iNlJA,' a' rtia Duque 4fl CaXtaj,
O. 8, receben desta necessaria HnhaT mivul"H
como de cera, de borraeha e de massa ; chama-
mos a attencio das Exmas. Sras.para este artigo,
pois as vezes tornam-se as crian;as um pouco im-
pertinontes por [alta de um obieeto qua as en-
tretenbam.
Camisas de linho lisas e com peitos bordadoi
para homem, vendem-se por preco commodo..
Ceroolas de Mnho a de algodao, de diversos pra^
^08.
Caixinhas com musica, o qae ha de mais lindo,
com. dislicos pas tampas e proprios para presen-
ts
Coques os mais modernos e de diversos forma
tos.
Chapeos para senhora. Receberam nm sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com-t6o para noivas.
Calcas bordadas para- menina?.
Eniremeios estampados e bordados, da lindos
desenhfls.
Escovas electricas para dentes, tem a propria
dade de evitar a carie'dos dentes.
Pranjas de seda pretas e de eores, ex-iste -am
grande sortimento de divercas largnras a barato
preQO.
Fitas de saria. Aa gcrgurao, de setim a de c.2 a
oalnte, de diversas* largnras e bonitas cores.
Pachas'da gorgorao mnito lindas.
Fi. rr artiticiaes. A Predileeta prima em con-
ervar sempre um, bello a grande sortimento des-
tas flores, nao so para enfeite dos cbelloi, como
ambem para ornate de vestido de noivas.
Galoes da algodao, de li e de seda, brancos, pre
os ei de diversas cores.
; Gravatas de seda para homem a senboras.
' Lacos de cambraia a de seda de diversas corai
para senbora.
j Ligas de seda'de cores a brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, com capaa de madra-
Eerola, marfim, 6s=o e velludo, tudo qne ba d
om.
Pentes de tartaruga a marfim para ahsar us ca-
bellos ; teem tambem para tirar easpas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marnm, (sso e dourados por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predileeta bam
Jrovida, nao so em extractos, como em nleos
anhas dos melhores odores, aos mais arfamados
tabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel a Rimel; sao indispensaveia..pan
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
'Sapatinhos de la e de setim bordados ,para. bap-
tisados. >
Tapetes. Receben a Predileeta am bomito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sdQ eo-
mo para entrada de saias.
. Vestimentas para, baptisado o qne ha. da aalhor
gosto e os mais moderoo raoabes .a Prediietta ,'
de or arsto preco, para ficar ao aJcauea
qualquer bolsa.
Ban*'aderecos de madreperola.
Delieadaa adereeoa pretos de pufalo e borraeha
/.gasto novp).
Cura dus eslrcitaenlo d'urelra
pela fatil applioaQlo -da*
SONDAS OLIVAES
': ,. \. :: : DC
^razrs^^T^^^ ** mats m&si^&^^^m
% as conhpeidfls
a
r.-ual j i .i-iL-'^oajm. ,u-jiil uoa kuz a e
PHAR-MAGU* DR08AMA
E3g3&28imto- itf_Ki__^
Aos
iii i>'i"
*9b 6 Bb|Bifi ? -!
avs ueunos
A NOVA EaPBRAjD^A, a rna Duqne de Caxias
n. 63, acaba de necubar am bom sorUmenta de fl-
nas bonecas que faUam, qae liem-se a ohoram;
-%em as tem mudas e surdas ou surdas-mudas
m ter r nlo 8 terdade.
Bl'LU'ILn


->B el
^ parrilha
Muito nova e grossa.
, Vfende-se por barato preco^m porcjio ou a re-
tarn i: na rua larga do Rosario n. 34.
repartii.-a'--, que pela efegancii hem mostraaptidao'
e Ixira fo to de seus antigos eorrespt>Ddeiites da
Europa, e por u>(a, razao a NOVA E8PERANCA,
]i rua Duque de Caxias h. 63, couvida a sua boa
je constante freguezia e com especialidade ao sexo
iamavel, a visitarcm na, afim de apreciarem ate
unde toca o primnr dtarfe.
I A NOVA S?ERANCA nio quer eairar no nn
mero dos massa ores (verdadeires azucrins) com
jextensos annuneios e nem pretende descrever a
immensidade de objectos que tem expostos a ven
da, o queseria quasi impossivel, Bs limltar-se-ha
a mencionar algons daquelles de mais alta novidade
e toma a liLenade de acouselhar ao bello sexo,
que a vlsitem constantemente, para depots que
compraremam oatra qualqaer parte naa se arre-
penderem, a vista do bom e e.-eolhid sortimento
Sue li a em dito estabeteciroenlu, esta razao tam-
era demoujtia qua qualquer senhora do bom torn,
oao podera completir a elegancia de seu toilet
sem qne rua Duque de Caxias a. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguinus artigos davlttxo a inteira novida-
8e :
Modernas settasvpara prender os cabellos.
primordsos leqoes de phantasia.
Boautas saljidas de bailes para senhoras e meni-
'-ad-ii -.= Si
Intar^ssanjfis gravatas para senhoras.
Elegantes facbas de tuuquim.

-se
Wo escritorio de Thomaz de Aqnino Fonceca &
C. Suee6tsere*,.a: rua de Vigario n,49, primeira
andar:
i Cimeoto Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grurao, de tisbpa.
Vinbo Sheny.
Vinho d i Purto em caixas, finissimo.
Idem em barns da quinto e decimo, fino.
Retroz.

Na rna do Vigaiio n. 19, vende-se o segnjnt e
CimeBto de Portland, em pr'meira mao.
Vinbo do Porto, angarrafado-, finissimo, em eal-
xas de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, ingiBz em caixas de duxia*
Vmhe.Colteres em ancoreHrs.
. Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
Wilson Rowe & C. vendem no sen armai
a rna) do Commercio a. U,:
verdadeiro pando de algodao axnl amencana.
cellente fio de vela.
ac de i* qualidade
deBrdeanx. '
ao de Pedra da todas as qualidades.
'A. 12,0 rs. o covado.
^a rna da Imperatriz n. 60,, vende-se para aca-
bar uma grande quantidade de las, restos da di
varsos sortimeetos, desde 120 rs. ate- 800 rs.; no
Vando-sa^ua, quod* Aavia .sortimentos eoraple
tos, sa vandiaju a 1*2W e 1/600 o covado, ba
grande yarjedadeem oadi^, ,ofc1quarimeu'<-
-chegarem melhor peclimcha farao, a el la a rua d<
j B iiliuini lu.jtii. mnut>
US

Para rigar.p^yainente e curar
.-.k.. rfrfWfy^t..
IsatSiftWdas estibeTecidas sotjre os conhe*.
aeotoa meoieaej JtaaAMetn MrnfeVn as qu'bra-
dairas as m^w ^tihiajofpe .idtlBe<-i<, rn^AnAcr*
scti.desenvi.lvi.xeMo. ^lftsOavuit aecao*Moi
irica que ba generalidade. dus ea'^os vpcra um
Cura radical sem 'fjac' o 'dr^nte sa 'ijj^ite a ptt>-
feipcao .alguma, a-?xiepcS* do wj cmrtiuno del-
las. A cura opera-se no periolo de tla .
xes cpufcjwae,^ hexpia! rui_ on n.. dos aoiigav
ubico deposito .exp ^iTpainUica, [ lura
ci^ tfr.igena do. B rthvloti.aja A C.
ITua UrA do1Wrio:r.3,i.
..! *1 -cv -.TT'J
Vende se saccos de estopa c^m um peqnerr'
' ji%pr.*Tfiio>#ra MlMM farisba. tmHm, **t
ja-db GuHherrrfe1* C.S'fua do Crrspo n. 2v.
i^CfeaqtlfnhoB'-d'e fe^tgpra.i de seda, pretos, p*-
krios para seohora>.: fatonilk trrriito firfa que tiM
pra se rendwr tor *0#. tsramr.* v.-micrd > pV
6^.cada aoj .u|ft;sa aa.toja do-fiuiikeraM 4 C|
I rU40,CSJ(g g.'20....j..;-< ;L. i .;
Linho d'Ataria
j LilAoBe AltWia cora Ihfris, aberts, fazenda;
mdito 'larga, aadfoes-llodiwa mtetfameotf novo
jr. pno para ve-iid/^ do stohwras e raeainis. p*tt .
paratissimo preco de &40 rs. o c.ivaio ; diD4*.
amostras : a roa do Ccespp p. JO. loia dv Ge
^argelim
i 'Safgelira d cfir tranvaftrpfdpria pars forro "
vt-siid >s-e- ootra }u*tti9r AKra e vende ? p-*- -
iajnujto.piecd de ,f6*> cat* eo^dr.r_-r*>
fCrespo n. 20, loja do Guilherne & C. .
lOS
.' 3
iRetalhos de las.
0 Pavao vende uma porcao de retaHios de las
para vestides tendo- graodes e pequenos, que li-
quids barato para acabar, as.-im como uma por
cao de ca?sas e chitas pretas que se'vendem por
qualquer preco para acabar: na rua da Imp-.ri-
tri* m 60, da Felix Pereira da Silva.
Espartilhos, a 3x30&, 4/ e oj,
0 Pavao vende um bonilo sortimento dos mais
mode-nos espartilhos que vnde a 3*ou0, if e
OpIKiO.
Pechinca em lencos branc-s a 2 500.
0 Pavao vende duzns de bncos finissimos de
cambraia brauca para mao, sendo fazenda que
sempre se venden a 4,006 a duzia e liquidate a
2#i>00 por ter grande porrao de duzias, ditos abai-
nhadbsa'2i, ditos ciiiuez-s muito finos e ditos
francezes eseuros mu.to finos para quern toma
rape.
Cassas de cores a 240 rs.
Vende-se cassas de cores para vestido a 240 rs.
o covado : na loja do Pavao a rna da Imperatriz
Camisas.
Vende-se nma grande porcao de camisas bran-
cas com pelto de linho ede algodao, por muito
menos do sea valor, por-estarem um pouco enxo-
valhadas, assim como seroulas francezas a de al-
godao a l-.'iOO, ditas de haho a 2j e 2*500 para
acabar : na loja do Pavao rua da Imperatriz n. GO
de .Fehx Pereira da Silva.
Roupa pata. homem para acabar ate ao fim
do anno.
Na loja da Pava > liquida se uma granda por;ao
de roupa para bomem como sejam : calgas de
brim d'Aniola, ditas brancas, ditas de casemira de
cor da 64 ai&.l}*, ditas de brim de cores, palitols
e iraks de panno preto, de alpaca a alpacao, as
sim como de casemiras,de ceres, colletes brancos,
pretos e de cores, assim como roupa branca de to
das as qnalidades, nao se clha a prejuizo, o que se
quer e liquidar ate ao fi n do anno.
Cambraia Victoria a transparenta
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen
to de cambraia Victoria e transparente para ves- *r toda pr^ta ; e fazenda de 2)300 u Covado.
tidos tendo 8 1/2 vara cada pe-sa de 3..600 para liamasco de IS.
cima, 1st j na rua da Imperatriz n. 60 de Felix Pe- O-B*eaoaor> esta veo*ndo damasco de lid'
reira da Silva Undo* awkoes, a de duaa larca*aK pate bmWM- '
Collarinhos de linbo para acabar a 4 mo preco de ItfOO o csvadr, e fie*4a de Hb .
a duzia. Aproveilem qoe o Deseogano esta queunaodo.
i Na loja do Pavao liqnida se uma grande pbr;ao Casaqainhos de' gorg.-.rt.i de se.-la.
de daaasde collarinhos de linho, por estarem um ', o-OesengalWesta rendemfo casaquinlrs de cot-
pouco enxovalhados, pelo barato preco de 4, a U^*,***;; eufeHa*#, eto%aratlrifflo pref
duzja, sendo fazenda qua sempre se vendeu por ^ 6i000 cada um, e grands pertincba. piV -
7g e pechincha : a rua da Imperatriz n. 60, loja -,. ,,- cp-acahom.
de Felix Pereira da Silva. aDlei q n^vt^ ^n r r> c, l_3
Chales da- casemira a a. I 0rg8"d) s 320 rs. 0 covado.
0 Pavao vende chales de casemira com gostos >'JjP^^M"?J>' toliiK^twuo.v*l*i#
chinezes, sendo,muito grandes, que sempre ven. rfw W* "Or^ o; coTadc. Aproveikm.
deu a U e 8j, liquida a 4j. Ditos de la, muito, '! Madapoe*dc WOOOa pr?a.
eneerpados, com listras, a 3g. Ditos de quadros.' |D*igaita veWrado madapoiso francer
azenda muito boa 2; ; assim como, nm bonito-' cob. 20 wat-kii a pec*, ito miiio Jaw, a Sf
fjruxento de ditos de.merino, lisos e de qnadro^ 8f3Pft*'6*5e H.b&Vi-* i",P* pochincba.
vfnde de 2o ate 5i e 6* : a rua da ImperatriZi b! Aigodi^marca T, .largo, a 44, l*30o eo* -
m 60, loja do Pavao, de F. Pereira da Silva. W{*. p9"Jn"'n .-^'T
PopeKna de linho a 400 rs. o covado. rjRicos chapeos de sol de seda, com cabo de mar-
0 Pavao recebeu nm elegante sortimento das- Hftwu^M oad*uai;-e perksaetu
ntais bonitas pepelinas listradas para vestidos que; |Ba^UsUa4e liBdo^,luadru*8 *400 re. o eovai .
vende pelo barato preco da 400 rs. o covado, ian JLtonWf ^MreSMni^os pad/6>s,pelo dimiB*
vandose nlo desbolam ; assim como, bonitas e, Wpfe^tf'ie Re tQ% rs. o covado. A ^Has aav
ajoderoas lazmhas com listras de seda a 640 rs. 9 tfpBMtHUt
0 Desen^ari^estaquei- -
\ti ..paanao
,p .proprietario Aest* esMboateiBiento tem res*4-
viflo vender as,.f_zeridas.exiieoles- mi *n jtab*
leeircefjto, per menos do qne. xK oulra qualaiMi
dattrf;'-'-r".'
Vanzineso^JfWtTa.
VendiMe asm faxrta-ia de^hAos patrort, de It-
traa*,_*fmasYoeJp,4inHnul9orce0a 340 rr. o <
rtadq,.ngr.ternq* tquede awK>atal ecfc_- i
qtra: Est* ftzenda' Umbem serve, para luki, par
o.eowdo. Ditas traneparentes com palminhas a
j*0 rs., sao bonitas. Bareges de uma so rtr, peto<>p4ca.n\
barato prego da-400 rs. o.ovado, a pechincbaiii jjAJpacas de *res.
na rua da Imperatriz n. 60, loja do Felix Pereira. if 0ri. tf-d6v*d6 ; e i
Cortea da vestidos ptra liquidar. '^ o cavaAV :
;0 Pavao nde a.4,5# e 6 eorte de caa n Cbjta^fi^, da lindos nadroaa a 240. iiiw* l*v
braia hranca com eufeites bordados de cor, fan
,cas.
zenda que sempre vendeu a 11 a 84, a liquida ^
44 para acabar. Ditos brancos de cambraia aber- t
ta. com lialras e lavradinhas, qoe sempre se ven^
deram a 104, liquidam-se per 54- Dilos Benoatao n
com lindos enfeites decor,, fazenda que val 13*,
liquidam se a 6;. Ditos de cassa de cores com J
7 varas a 34
KM
Na loja do Pavaovfld-se mada polSes fraaee
ze3 muito incorpados, com 20 jardbs a 6,080 reis,
ditp mujto lino com 12 jartt>s a 3,000 e 3,500 ; as-
sim eomo trm grande sortimento de madapoloes
ingleies de 4,5*) ate 8,000 e 9,000 : a rua da^Im-
^atri|.iil#8^^BaWl_d>erah. daSRvo.
ratriz-n 60, loja-.da Felix Pereira da Silva.
Pechincba para criancas.
Meias a 24500 a duzia.
Toalhas de fustao para mesa a 2&300.
O pavao vende taalhas de ttstio para mesa "de5 iL
jantar pelo barao preco de 346X10, e pechincha ,: M ^n-,-
oa loia do Pavao a pnQ ^Q TmnoMrn. n tu: ".
ioja de'F. T. da Silva. ^
Gros- preto a 14. [" "
0 Pavao "Hnde grosdenaples preto a 14 o co"
vale e-dabi para cima, ate 4, : na rua da Im
ratriaiL, 60, loja de Felix Pareira da Silva.
IJM*8l:_i Aa^ **> 2*.30..e 3*:. un S a,
da marones,,de Arenos ta-
ega^dagtas.awjMaprus
: a tratar cB, loao Joan da
>. rdua^efihoras
Como si* lindas e modernas as gravatmhas qn
? Magnolia, a rua D_que de,-Catae *. W; jwafcb ->>;
linodje gpiaba
Vende-se no deposito dp paten d o Terco
a, pelo barato preco de 800, 900, !40We
6siro comograpde s"Ptimenlo de caixois
nos, fjrtfrm 9Wb iMBbawittty ha reqwljao ladas
a* fcr|jaa;|B^aj g| satdjadptypor preco commodo.
Sahidas k \mk.
1 iJUl
ob | -it
. -. i fi
AmarMNabocp k. CL cecebauam palo ultimo va
per d rorops elegantes saniOSs da bane de di-
versas cores a vendem per eommoifb preco ? tio'
bazar Victoria, rua do Barao da Victoria n. 2.
6 pechincba : na rna da ImpV-
OTatfti vende cortes dos verdadeiros bins dW .
ATajala a 2c, 20880* 34 ; e pechincha : na rutP
4a Js^jeimtTiz h. 60, loja de Felix Pereira
difcWl*Bin SBM-aHilM. I1.M.WMM *
6-NMrtTOl.boriM meiins de cores p.rf g ^^'ttf^f^^^S^T^
vestidos, pelo barato preco da 260 a 320 rs. B-
" <; assim como, am bom sortimento da chi^
todas as cores, padrdes modernos e files,
tbpTecdUe 280 ale 10 rs. : a- rua dr
'H. Oi*e e- FeHx Perefta da Bliva*
M O
Ao t.'l


No progresso do
teiga ingleza dor a
-
3
idli-il
ao do Carmo venda-se rnanv nq
rs. a libra._______ sai
11 nr> .,/ me ;0feMftcBe.
em ras ttcaiBUBfti *Umm >.
etide-se
o* rua do Vigario n. 19, primeira andar :
, inho do Porto engarrafado, em barris c
anppretas. mafe.
Cera em velas, de Lisboa, superior qualidade. melc
Retroz do Porto. riai
Cimento Portland, legitimo aba Stray r-
=------r-Uae Maioa*mO]*aio*aV pans
<5iocolate do Maranhao
Camtxaaa Viet jiu, a 30100, 40, 40000 a 5 a. ;
eda, bomtospadtoea, ?
-dineehineha.
^adrWs, a Oe 30H-* *l
i ontras muitas fazendas qne detxa de aiencic
,S'fau^ nid a* M_ar esradMrtie*, per isso
prietario convida a toatkav at pasta** a fanrea*.
a visita a se|i e
3%8!1bo bom e
te-kteja^a *tq
^Wfeggrf"
IW ^0_rMtovLc(**^a)on*im*0* moHtalis.ao,
I^^f ItW a {arrafa Jit_
. roa da Imperatriz n. ^,(^^^^^S_J_5^^ i2J,
vefida uiwiaftta!
4^pjei_i_V,i*awi-
rfrflrr&,Pfca^^'
mm
a 760 o ravaco.
g/auunas. dito al-
Iwlfraftm..*, um
nmiauP,4ff*mkotm^r*: q* **
or precos baratissimos, bervilha* fraoae-
?Jatt, warmejaia mutie liu a MO rs.
HtJPWkflB, te AreeiSiiWa sorte a 2P

sivel : no largo
itdfrsortafy
a#<*3
A- cxiOd
op o alaatub .It air-.
0UKKM av.
0*19*
Unico deposito nesta eidade, em casa de Joaft j. a t
Tavares Carreiro & C, rua Direita n. 14, onde se f Bicaas hamburgnexaa qne vem :. este marcau--
vende pelos precos e vantagens da tabrica. na rua do Marqnei da oliada n. 51
ILEGtVEL



1
8
Jiario de Peniambuoo Quinte feira 19 de Novembro de 1874.
r-
CTTTES
^"v9n
Jjistico o cen*hn*lA
K duas theorias.Paratlelo s jlis
tni^OTTrliyap^ Ja^avoiswr. MResur-
reigaodo pfcrbgtticbY'qpiniSo de Odling;
Opinieo de Vftitiiy tf2Va) feflwOes.
, A necdssidade tto >eorrar> a Ues epe-
da phlogistico, que*ho dizer 'deli jeferf [5),,
.a.tftdos eucaulava pela sua epftarente aim
plicidade, moitra que Ibi fraud an sefitia
ella desde as p;imeiras.|>bsw*ac.es;de La-
voisigr, sobre a calcinagao tL* Mfctgsjj -1 o
dwiaden u jptpe Ti* iTdesaaaesaia quango o
chimico ft^e*d%fcufio a detbrnposigio do
o^4e>tterftiti*peH'*fig*or' .semjJlkrveacftaidft "v!a*fc du de -qetiu
rJSfe **, H*fl!B5loy reso
pondef que verdadeirameute nesta foperagi
jjiodia-se di*pa*r:,cotaclo de carvao^ mas
que pelo menos eranapessario qua a rete?-
ta onde se eaeetuasse-ao^racAji recebesse a
UTTERATDBi.
Jjtiestito penitenciaria.
ESTADO ACTUAL DA8 PRISOES B DA REFORMA
PEKITBWCIARIA NA SCISSA.
Relatorio em resposta aos quesitos formu-
lates pela commissdo organisadora do
Congresso penitenciario international de
Londres, apresentado em nome do Con-
i selho federal, pelo fir. Guillaume, pre-
,_ 1 sidente da sociedade suisia para a refor-
ma penitenciaria.
luz do carvaVefh bras'a ~od esUveese era ore-
sengA de eeWdes ardentes.
"*Ofh6"que"'.ds'aldmds' arrancos da
Stahl!.. Vaos.eafur^oi! O pldd-
Layoisier dovia vir
Up caminho- da verda-
feam domd
theoria de
gislico devia- raor
inicier a chimica
de!
A luta, diz Wiiflz/ fdra agitada ; a victo-
ria Immense'(&),' nio obstante Scheete,
morreu def;n ieudo-a como para coufirmar
o aneiim :--o costume pddrj tudo.
A victoria sobre a tbeoria estava pois ga-
nha, mais reslava ainda a de convancer-lhe
05 teimosos sectaiios, e segunda se ditr,
Fourcroy, Uuyton-Morveau e Berthollet.es-
clarecidos por conference tidas coid o
grande chimico nio tardaram a adberir d
nova*scola. nt .!
Caveniish, publicooamda em 1781 uma
engenhosa defeza da theotii, mas,1 sem ce-
der de t-do, deixou logo depois de fazer le-
naz opposigao ds i leas' nasceutes. __
Prieestrey.obstinadj einquieto comoera,
raorreu em 184 <^wedcldV*inda da ver-
dade do facto a nuoca fendo cessado de do-
feadel-o.
Lavoisier leva coratudo a samraa salrsfa
580 de assistrr ao triampbo quasi completo
de suas iddas,
Quaado era 179i. bo desvaria revolu-
ciontrio fai condemnado -eaxeootado, 1ua
ria da deitar por terra. E' tetdade que 1
queimaodo se os corpos perdem alguma
cousa : &o principjo combustfrel, diziam os
sectaries do pfclogistieo ; 6 0 alorico, die
Lavoisier, e accrescenta, cousa essencial, ga-
nhara oiygeoeo. \7)
Helatiramente a esta parts vd-se pois que
voz bem poderosa ergue-sa contra o- dler
de Odling.
Kncaremos por oulro lado a questlb.
Havera" unidade no modo de Stabl e
Odling comprehendorem 0 phlogistico ?
Escutemos a op'miao de ambos a este res-
petto :
Eis aqui, diz Hoefer, o pensamenfo (Continuagao.)
prodoioinantada.Stahl, despidodeltas con- Pr outro lado, a opiniao publica sd-
sideragoes accessories' onda o espirito da ento se mostra favoravel as despezas des-
diicussao occupa bam amplo iugar. tinadas ao melboramento da sorte dos cri-
0 fogo affecta dous estados diflerentes ; niinosos. quando 0 Estado tern primeiro
0 estado de combina^o e 0 estado de liber- dotado 0 paiz com hospitals, hospicios de
dade. Todos os corpos contem am princi- lwoados, com *scolas, orphelinatos, etc.,
pio decombustibilidade, que se tradaz pela etc-> etc-> '^ ^ com todo3 estes estabeleci-
aptidlo a comb narem-se. E' este fog.>, este centos destinados a* pobreza honesta.
principio combustivel, fixado ou c >mbinado,' ^os CanlOes, onda estas institutes exis-
que Stabl chama das terbrennliche. Wesen, km, a antiga tbeoria da repressao penal,
0 principio combustivel, e que saus discipu- bazeada ni vinganga, tern dado lugar a
los chamhram phlogistico. Esta principio, '^^as raa's bumanitarias.
lizem elles, impalpavel no estado de connbi-! Comprehende-se melhor a responsabilida-
nagao, so sa torna apreciavel a nossss sen- ^e> 1uo cae a sociedade na tnaior parte
tidos quan io si desprenle de um eorpo *fas causas do crime, e 0 regimen, admit
qualquer. Retoma entSo suas propriedades l'Jo na maior parte das prisOes, tem por
ordinarias, torna-se de novo fogo, com &m a refjrma dos presos.
acompanbament) de calor e de luz. a! E'verdade que 0 Codigo penal de mui
oombustao nada menus e que a passagem.tos Cantdes e baseado na puuigao, intimida-
do fogo combinado, do phlogistico, ao esta- G^o, e expiagfio, mas apezar do text J do Co-
do de fgo livre. Assim todos os corpos se'digo, que muit is voz-jse anterior aos me-
compdem, em ultima analyse, de um ptin-tiUjoraawolM da prisio, procura-se nas pe-
cipio inflammavel ou phlogistico, e de um nitenciarias, ( sobre tudo nas que estao
outro elemento que varia segundo as espe- J classiQcadas nos dous grupos supariores
cies.
1'alla agora Odling
do
citando e commentan-
empregar meios, qua possam conciliar ao
mesmo tempo & repressao cem a regeneragao
um trecho do Dr. WaUon que tile diz theoria tinha recobido % sancjao da maior mais propriedades.
ser traducgao de um outro de Stahl .
Sabe-se que 0 cbumbo fundido em um
f6co energico, desapparece queimando como
madeira podre, suas propriedades annullam-
se, 0 chutnbo Qca por conseguinte reduzido
a cinzas. Se se expozer estas cinzas de
cbumbo d um calor intenso, fandir-se-bSj;
mas a substancia fundida ja nao c um metal,
e um vidro amarello ou c6r de iaranja. Se
se triturar este vidro e 0 submelter, ou as
cinzas de cbumbo, a* uma cerla quantidade
de carvao pulverisado, a um calor capaz de
os derreter, obter-se-ha nSo ja um vidrot
nao um metal identico ao cbumbo pelo pe-
so, pela cor, pela consistencia e todas as de-
parte dos homens competentos.
Era tal 0 nome a astima de Lavoisier n'a-
quello tempo que pessoa alguma acfedttara
na execugio da sentenga, e seus araigos,
entre os qoaes figorava Gwtohilorveau
que de muito podia valhor-lhe, embalaJos
pela doce cert j.\ 4o.respsitoqua lha'teriam,
con$ervaram-s9 imraoveisi excepgao do
chimico Loysel que debalde, trabalbara a
sen favor.
A cabega do grande chimico, que no vi-
gor da iJade mandigava alguns'djas para
terminar sua obra,' rwlou 6* ceYtaf sob o
raachado dotribarrtl que.sophismando di-
zia :Nao firo Lavoisier,, lira o rendeiro
numero 5,mas sou nome f randioso dei-
xou resteas bem lumiuosas na historia da
cbimica.
as auas^artes precedentes temos procu-
rado resumir 0 que a respeito das duas
tlioorias escreveram Wortz a Domast nero
outro podera ser o nosso intento a* jvista da
exigoidade de forgas e da importancla a
difliculdade doassumpto.
Nesta que se segue trataromos partiou-
larmentede um artigo de Odling, Itessnr-
reifdo do phlogistico, tradoztdo na 'Iievista
Scientifica de Paris, em jiinho Aq.WI^.
Como obedecendo a, uma M fatal "que
proteja esta tbeoria, como vendo um msul-
toaogeniode Stabl na destraigao coraple-
ta de seus principios ftmdamen'ta*," Odling,
tantos annos depois efgue-se bradando,:'
11a relagOes intimas entre as duas theories.
N5o temos direito de affiangar que 0 phlo*
gistlco e uma mentira 1
E 0 que leva a isto 0 il|ustre chimico in-
glez ? 'i
L;m modo illosorio talve'z de compfeuen'<
der a doutrina do grande raestre.
Arraslado'por uma'serie de cohaideragdes
que.faz reUtivamente a uma passagem do
Dr. AVatson, Odling afflrma serem as duas
theorias longe de'antagooistas, complemeb-
tares. -.
Conhece defeitos na theoria -da eombas-
tao e como que parece opbor ao argnmet)^
to de peso de Lavoisier a segjiia^ opioiSq
do doutor Crum-Browif: Sabwaos bojei
que ocompasto ao eotSgrntadb 6 qne baa-
via nas substancias componcntes,;. ha algit-f
ma cousa'de jneri^'bao^Lemos^o'qde'sa-'
ja ; charoarla-bemos k$eg&JQtom\a&, mat
que seja- a
nao temos 0 direito de duvidar
mesmo qua es-'cbimlcatfdo-aeeute-XfHF ea^ vam-lhe do carvio, com o qual
tendiam por phlogistico.. g. .. ''-, ^mllm, que a energia cbimica
Assim as cinzas de chumbo fundidas
sem carvao transformam-se em vidro, as
cinzas de cbumbo fundidas com carvio pro-
duzem um metal, 0 carvio communica-ibes
pois alguma cousa que as transforma de
vidro a metal. 0 carvio e composto de
cinzas e de phlogistico ; as cinzas do car-
vao unidas is de chumbo nio podem pro-
duzir um metal; e pois mister admillir que
e 0 outro elemento do carvio, 0 phlogisti-
co, que tenJo cedido s enzas do cbumbo
restitue-lhes com sua uniao, a forma metal-
lica. As cinzas do chumbo nao podem ser
de novo levadas d forma metallica sem te-
rem sido misturadas a alguma materia que
contenha phlogistico, e podem ser racondu-
zidas a ete estado unindo se a toda mate-
ria que contem phlogistico, quer pertenga
esta ao reino animal, ao reino vegetal ou ao
reino mineral. Dahi poderaos concluir que
0 phlogistico c uma parte necessaria ao me-
tal, mas que possue uma identidade pro-
pria, seja qual f6r a substancia de que pro-
venha. E esta assergio torna-se ainda mais
geral, se nos lembrarmos que as cinzas dos
metaes podera ser ao mesmo tempo recon-
duzidas ao estado metallico pe.os raios sola-
res e pela faisca electrica. >
Faga-se ou nio caso das oxydagoes e
desoxydagOes produzidas, descrever-se-ha
de maneira pouco dilTerente, mesmo hoje,
os phenomenos expostos neste escripto ? Nio
hcostumamos dizer que o carbono, o enxofre,
o chumbo, sao corpos que gozam de uma
energia chimica potencial, que e o phlogis-
tico ; que no acto da combustio esta ener-
gia a principio potencial se torna sensivel
ou dynamics, e dissipa-se sob a forma de
calor e de luz; que os productos da combus-
tio, inclusive 0 gaz, que ssbe-ae hoje ser
produzido pela combustio do carbono, sio
substancias desprovidas de energia cbimica,
is,to e, de phlogistico ; que quando a subs
tancia acida produzida pela combustio do
eoxofre e aquecida com carvio nio queima-
dp e transmittida ao enxofre -queimado,
eiactamente como a energia de* um corpo
sospenso pode ser transmitida a um corpo
gihido, de tal sorte que 0 enxofre qneima-
,p torna-se enxofre n3o queimado, provido
e energia e capaz de queimar de novo
o^mo 0 peso cahido e levantado provido de
eiergia e capaz de cahir uma segunda vez;
que a energia cbimica potencial do chumbo^
fptallico nao foi gerada no chumbo, mias
fun Jio-se;
do proprto
I?arpcn4o refer-ae ."a~mLq facto* pot^m" c^i*ao, sua capacidade de qheimar, seu po-
disse.ultimamanta Wurtzi a thamn dufeh < iq4r de obrar em uma palavra, seu pblo-
Os elemfhtos u>tod^&' pW< &mar 8^codu,aa P0^*0 'oubada por elleao
corpos compostos nada VM^mES&im fflj^ rai0S so,ares? *
tancia : perdem Tnna~cB'u^lf^6MerajreTlf. I !*a,J D0S parece 0 mesmo modo de com-
-> calor d;sprendido no' m&nWnt*: dipcMlldli pijehender 0 phlogistico. Odling, como que
i',ao. Dahi esta oancapgio de LavAisjwy er ibevecido pelas ideas da mecanica chimica
; 1a um corpo wmples4l?c^^1d.vJStte!ieB' *postas primeiraroente por Mayer, e hoje
onstituido, p iniaoiotima da malaria 'pooueraveij-o-vyge- ^i.''c0 como um phenomeno identico d af-
neo, com 0 tluido imponderavaJ fpa leorwll- 4r d>de chimica. A energia potencial, a
tueo principio do oalor e/'q6all|f^ria^i|ar Brgia que nio existe, mas e" possivel, a
1 slorico, concepts moftffjdafl^^J^mi*^l j^^*|a0 aS8 cqmbinar, ou principio com-
modjerna adoptou, dabdtiniba uma. /orwai ,pM*aue/ nio nos parece uma e outra cousa ;
dill'erente. ,- ai:-irtn*d ^kj it^ eh Sf 1 nosso espirito permanece a duvida.
-Nao ha poiarazao de-^ef tem, a'Aer^le1 mo tambem s6 temos visado ate* aquj a
rido .u'tl*amerflea\j;ysjg'^(|v^^[^^& Aq6tio das duas theorias noponto de vista
rancia do quo ba de !^'SW^Oj|pbM(ijB|ii] % Mrico, a outros Qque 0 demooslrar a ver-
da corabusiao e teatax-setc rehxbil^aciio de da le ou falsidade do facto.
I^do obstante, ao terminar ndo desdenha-
dizer que a tbeoria do phlogistico,'
(5) Ferdinand flaefeT.'^/fti^fWe*'fJM I'h'/vrjue etdeta Chbnte^ J -( >Sri"-^ nonstragio de que 0 bomera, este ser
-.- "Ui :.lr 9*, f.t.m',** p0nt0 0^ partida 0
Cantdes (os dos dous grupos infenores) 0
principio da represio e 0 unico admittido,
vemos 0 Cautio de Zurich dar obom oxera-
plo, inscrevendo no seu Codigo penal, (Ou-
tabro de 1870), que tapplkacao da pena
deveposiiivatnente ter por fim a regene-
racdo do criminoso.
Este principio, que um dia serd applica-
do com tod js as suas consequencios, data
de hontem.
Assim nio & para admirar, que nos acha-
mos neste periodo de transigao, em que 0
principio da intimidagio luta ainda contra
0 principio da reforma moral do crimi-
noso.
0 espirito de viganga nio estd inteira-
mente extincto : nota-se ainda a sua existen-
cia todas as vezes, que um crime atr6z aca-
ba de ser commettido; mas o momeato da
indignagio e passageiro, o que indica que
um grande progresso se tem jd realisado, e
que continiia a desenvolver-se sem cissar,
apezar de alguma reacgio, que ainda appa-
rece raras vezes.
57 quisito.
Os presos sahem da prisSo melbores
ou peiores ?
Os bons resultados obtidos na reforma
moral dos detentos, submettidos ao regimen
penitenciario dos astabelecimentos moder-
nos, excitam os outros Cantdes i reverem
seu codigo penal.
Sera duvida alguma que existe um nu-
mero de criminosos, nos quaes a influencia
do melhor sj sterna penitenciario nio se fard
sentir. Como nos alienados, existem mo-
lestias moraes inruraveis.
; Os individuos, cujo senso moral estd com-
pletamente extincto, nio se deixario im-
pressionar em uma penitenciaria, senio
pelo mal qua possam soffrer, e serio insen-
siveis 4 todo o bem, que se lhes queira fa-
zer Felizmente 6" muito maior o numero
dos que estio longe de serem depravados :
a! forga moral dos que forma-n esta cath9-
goria augmenta na prisio.
1 No momento de serem postos em liber-
dade sentem-se reconciliados com a socie-
dade, a tem a firme intengio de tornarem
d ganhar, por uma boa conducta e trabalho
bonesto, a estima de seus concidadios.
Nio e facil & um detento, posto em liber-
dade, por em pratica suas boas resolugdes :
tm que affrontar muitos prejuizos, veneer
obstaculos, e resistir d bastantes seduegOes,
ds quaes succumbird por vezes, se uma
mio bemfazeja nio vier em seu auxilio.
provisona
58 quisito.
Empregam-se esforgos emajudaros
presos, postos em liberdade, d encon-
trar servigo, e assim preserva-Ios de
uma recahida no crime ?
0 que i respeito se fax ?
Que resultados se tem alcangado 1
Ha sociedades de nroteccio
elles ? F
Sio em grande numero e activas
0 que fazem ellss ? Que rasultados
obtem ?
para
doutHrado pblegistiaosq^^tftitta^M^^ ji |
------------ :-'(< ., .yng,i c" *
Ao
prestou-30
facto
tanta
fr2.b HMLm : Ifrii
'Tia,dehajisir
Odling, conta-sa^i s
e Depois que as
de Lavoisier sobre a iytf
da agua foram repetidas com VesulatJo pe-
rante uma commissao ya,,A^a'cJgia. 4?-^St-
encias em ll'JO, reuolom .icatym"ytaa
honra do autor uma assemble* peranto a
qual a Sra. Lavoisier mWa 4eef96(>jl^
mara sobre um altar os cjMires"*
la chirnia dogmatical 'M'^emtnetait.^
Stahl, durante 0 que wa'-feeii>trieTiuai
),tem par ponio de partida 0 nada e
f""fermo 0 infinite nunca flea estaclona-
no carainho que 0 progresso 0 manda
tri bar, se lhe faltam dados positivos para
pn vadoque intenta explicar, nio dasani-
rai, encosta-se ao seio nitido e fecundo de
im iglnagio, que dd-lbo em recompense
E comofim de prevenir as racahidas
dt^s detentos postos em liberdade com, ou
sem condigdes, que se tem formado na maior
parte dos CantOes sociedades de protecgao.
|0 Cantio de St-Gall foi um dos primeiros
que disto se occupou.
iHa trinta annos, que neste Cantio se re-
sojveu a fundagio de uma prisio peniten-
ciina, organisada segundo 0 principio da
emenda dos condemnados: mas a sua ex-
eepgio foi essencialmente subordinada d
creagio de uma sociedade, que teria por
mjssao velar sobre os presos, que fossem
postos em liberdade.
No outomno de 1838, a penitenciaria de
SUJacques estava acabada, e a 2i de ou-
tubro deste mesmo anno votava-se sobre as
pebas crimlnaes a nova lei que dispunha
na art. 6. r
W Depois de solto, todo 0 detento, cida-
dibdo Cantio ou nelle domiciliado. deverd
por-se durante tras mazes no minimo aid
seis annos no maximo, sob a protecgao de
uma sociedade da patronaaem.
Era 15 do mesmo mez 0grande Conselho
de St-Gall tomava sobre a administragdo da
penitenciaria a resolugdo seguinte :
Art. 6.* A commissao directora vigiard
qui todos os presos postos, era liberdadaen-
tutos homologados pelo pequeno Conselho.
Notaremos que a Commissao estd autori-
sadad enlregard policia os individuos, so-
bre os quaes nio pode exercer vigilancia
ou que se tornaram indignos da sua pro-
tecgio, mas desta aulorisagio qu-si que nio
tem ella feito ozo ate* hoje.
No Cantio de Zurich uma sociedade de
palronagem foi fundada em 1855.
Differe da de St Gall, em que e baseada
sobro o principio da liberdade dacgio, e
nio conhece nenhum constrangimenu go-
vernament I.
Sua proteccio e do preferencia concedida
aos menores delinquentes, 0 se est^ude nio
s6 aos sahilos das penitencianas, como
tambem aos quo cumpriram penas em uma
prisio de distneto.
Em quanto que em St Gall a Commissao
recebe do director, seis swnanas antes da
solturt do detento, inf jrmago^s relatival d
sua i lade, conducta, vocagio, causas da
oenietnnagao otc.e decide se o detento me-
rece ser patrocinado, e quaes as mudidas i
tomar a seu respeito ; em Zurich, o direc-
tor e 0 capellio, que fazem] parte da Com-
missdo central, sio offieialmente chamados
d dar-lbe todas as informagOes, e a proper
o que julgarem conveniente ao detento. Isto
fsito, 0 presideute escolhe para cada deten-
to (entre os raembros da Commissio) um
rclator, encarregadj de apresentar uma ia
formagio d seu respeito e somente depois de
discuti la esta, a Commissdo torna uma re
solugao definitiva. A liberdade
existe neste Cantio.
Afiiu de que 0 protector pos.-a bem co-
nhecer 0 detento, e interroga-lo sobre os
s-ius futuros projtctos, e lhe permittido vi-
sitalo na prisao.
fem-se admittido, como u.n principio,
que a prote^gio nio se concede aos que mo-
ral e naturalmente della nio tern, precisao,
ou a recusao, e, finalmente, aos que nio
dio a meuor esperanga de emenda, ou rae
Ihoramento de conducta.
Este ultimo facto, bem como muitos ou-
tros, indica que ha ainda melhoramentos d
introduzir na nossa legislagao penal d res-
peito da duragio das penas.
A sociedade de protecgio de Berne, fun-
dada em 186i, deve a sua existencia d so-
ciedade de utilidade publica.
A sua organisagio nio d.ff :re em pouto
algum essencial da das out ai, de que nos
temos occupado.
Era sua exposigio sobre oj trabalhos do
primeiro anno, a Coraraissio fez asj)bserva-
gdes seguintes :
No comego tivemos em vista para a
protecg5o, sdmente os detentos, que pela
conducta anterior e presente offereciam ga-
rantias suflicientes : era mister que os pri-
meiros ensaios nio trouxessem desaoimo d
sociedade. As nossas esperangas foram per-
didas, nem um resultado colheraos.
Nio f>i senio, quando nos resolvemos
d proteger os reincidentes e grandes malfei-
tores que 0 successo foi completo.
Posto que Mr. Dick, capellio do esta-
belecimento, nio cessasse de fallar dos be-
neficios da protecgio aos detentos, jd nas
predicas, e jd nas suas visitas particulars
a elles, mui raros pedidos ti vemos para
prestar protecgio.
Nio viria i proposito, propor esta
questio, digna de sir examinada, d saber :
Se nao converia que a sociedade de vrotec-
cdo aos detentos livesse uma posicdo o/R-
tial,l r "
No Cantio de Bale-Ville, ha um certo
numero de annos, que as sociedades de be-
neQcencia e do utilidade publica tem jun-
tado ao seu vasto campo de actividade o pa-
trocinio dos c indemuados d reclusao por
correcgio. Tem ellas se occupado especial-
mente dos menores, cuja reforma moral of-
ferece mais probabilidadesdebom resultado,
e procuram comesforgo colloca-los n'apren-
dizagem de algum oflicio. Ate hoje os re-
sultados obtidos sio mui satisfatorios.
Em 1835 uma sociedade de protecgio
constituiose em Neuchatel, e funccionou
por alguns annos.
Em 1844 appareceu a mesma idea por
meio de uma commissao, que a principio
teve 0 apoio material e moral do governo,
para mais tarde ficar reduzida a nao ter ou-
tras rendas, senio 0 producto das collectas.
N5o obteodo resultados moraes, foi des-
animando ate desapparecer por occasiao dos
acontecimentos politicos de 1848.
A causa destas decepgOes era attribuida,
e com justas razdes, nds assim 0 cremos,
d ausencia de um estabelecimento peniten-
ciario raccional. Assim, por occasiioda
abertura da penitenciaria actual, namero-
sos cidadios dos seis districtos do paiz,
por irapulso expontaneo, adheriram ao pro-
jecto da creagio da uma sociedade de soc-
corros aos detentos postos em liberdade.
Esta sociedade fundou-se, e os seus es
59 quisito.
Em resumo, estaes satisfeitO com 0
regimen penitenciario do vosso paiz ?
Quaes 01 vicios qua noties nelle T
Que alteragdes desajarieis, que se fi
zesse ?
|J c A figure anda sampre por maito nas
1 cousas da vida.
Lma boa ippareocia deci-
de as vezes da sorte. 0 burro tem grandes
qualidades; mas por ser feio ninguem lb as
leva em conta. E' dotado da iapanaaaval
paciencia, 6 muito obaequiador, daixa e
sustentar por uma bagatella, tudo Ibe bara,
0s limites deste relatono nio permittem unscardoTque maSa pelo caminhoam
nin.l S SSSiffi d n0SS -SySl^ma I quanto 'ai a"danda. uma fblha secca, um as
penal, e da disaplina da nossas pnsdas. Pelo'isemeasitas.
qae fica dito, se po le bem colligir, quaes
os melhoromentos desejados. Limitar-nos-
hemos, pois, d resumir nos pontos seguin-
tes as reformas que nos falta execotar :
1."Umficar o codigo penal, baseado no
principio da reforma dos criminosos.
Nem precisa de cocbeira para habitir,
nem de mogo para tratar dalle.
Pdde immenso: carrega com tudo ;
nio ba como ello para augmentar unsseirdes
com decencia ; empresta o lombo a quem
lbe quizer trepar para cima, 6 0 bam parado
renTiH *S ^^ "^ P d5 P*6"38 *" "^* dos r,Paies P^"^
que andam a brincar pelo camiuno, dos
preventiva.
' 3.Augmentar 0 numero dos estabele-
cimentos para a reforma dos menores de-
linquentes, ou viciosos, e das casas de tra-
balho para os vagabundos e vadios.
4.Construcgio de penitenciarias nos
Cantdes, que sdmeate possuem antigas de-
tengdes, nio susceptiveis de uma transfor-
magio racional.
Esperando que a Confederagio centrali-
sard este servigo no interessa coromum de
todos os Cantdes, dous ou mais destes ul-
liraos Cantdes poderiam estender-se para a
fundagio de uma penitenciaria commum,
ou former uma concordata com osquejd
possuem estabelecimentos conveoientes, e
fandar outras penitenciarias d servir de
prisdes intermediarias segundo 0 systema
gradual Irlandez.
5.*-Estabelecer a educagio especial dos
funccionarios eempregados das prisdes.
6.*Melhorameuto do regimen discipli-
nar e de educagio nas penitencianas, tendo-
se era vista a reforma moral dos detentos
7." Pur nas mios de uma direcgio espe-
cial governmental a direcgio e alta ins-
pecgao, nao sd da administragdo de todas
as prisdes. como tambem da de outras ins-
tituigoes preventives dos crimes, como se-
jam ; a assistencia publica, as casas de or
pbiis, as colonial agricolas, os refugios, os
hospicios, as sociedades de protecgao aos
detentos postos em liberdade etc.
8.Uuidade d'acgio do Estado e das so-
ciedades livres philantropicas e de utilidade
publica.
9.0 aperfeigoamento de todas as ins
tituigdes preventtvas do crime, seja no do-
rainio da educagio, da instrucgio, das
condigdes sociaes etc., seja no da policia e
da justiga.
Neuchatel, 27 de dezembro do 1871.
Suissa para a re-
Em nome da sociedade
forma penitenciaria.
0 presidente relator,
Dr. Guillaume.
{Continuar-se-ha.)
VARIEDADE
As corridas de hurras.
Ha quem faga subir a invengio das cor-
ridas de cavallos d mais remota antiguida-
de_; divergem, porem, de tal modo as opi-
nioes, que nio se pdde com certeza marcar
0 seculo e 0 povo d quem cabe tal gloria ;
ao seculo actual nio se pdde, porem, negar
a de ter iniciado as corridas de burros.
Foi a cidade de Lisboa que teve occasiio
de ser a primeira a presenciar este curioso
espectaculo.
Alguns amadores lembraram-se de pro-
mover alii uma corrida destes animaes, e
nao sd pela novidade como pelo desejo de
ver a Cgura que fazia o pobre jumento em
um tio apertado apuro, que contrariava os
babitos de sua vida pacifica, os espectadores
acudiram em massa a presenciar a disputa,
que, pelo programme, promettia ser cu-
riosa.
Tmha-se annunciado qua, na ulnma cor-
rida, ganharia 0 preraio 0 dono do burro
que corresse menos, e para o fim do espec-
taculo uma grande novidade. *
Correu 0 divertimento no meio das es-
trondosas gargalhadas dos espectadores: no
entanto, segundo a noticia que sobre 0 facto
pubhearam os jornaes de Lisboa, ve-se que
os pnvilegiados burros cumpriram com 0
seu dever ate mesmo na ultima corrida.
Nesta, com effeito, com mais vantagem
podia o pobro animal mostrar a sua excel-
lent qualidade de ser vaporoso.
Os dous adversarios por sua vontade te-
riara ate mesmo ficado no mesmo lugar;
mas 0 publico exigia que lhe fosse applicado
ochtcote; havia escolhido dous animaes
manhosos e, ou porque estivessein ensinados
ou porque fosse a sua principal qualidade
contrahir a applicagdo do castigo, cada um
delles fez os maiores esforgos para se con-
servar na retaguarda; como a demora fosse
prolongada,
, 0 publico entendeu que, para
fi?iM approvados em 6 de abrii dejacabar, era melhor applicar elle os meios, e
um dos animaes teve de chegar ao pontoim-
em Hm#m w esperanga"-a hypothese.
1871.
Como todas as sociedades livres tem ella
mostrado, desde 0 seu comego, muito zelo
eenthusiasmo pelo fira, d que se propde
chegar.
Os Cantdes de Lucerne, de Thurgovie,
d'lppenzell, de Vaud, e de Glaris, tem
sociedades organisadas, como as de que to
mos tratado.
No Cantio d'Argovie occupam-se igual-
mente com a protecgio aos detentos, que
deixam as prisdes; e como.nesta Cantio a
liberdade provisona foi admittida por lei,
fex-se questio deencarregar se as Confrarias
religiosas da tutella e cuidado dos detentos
libertados.
Pordm, como neste Cantio acaba de ser
admittida a separagio da igreja e do estado,
a protecgio dos detentos sard hoje confiada
de preferencia aos empregados civis.
Por toda parte aonde existem, as socie-
dades protectoras auxiliam os detentos pos-
tos em liberdade com seus conselhos, velam
sobre a sua conducta, protegem-nos contra
9$ offenses de outros, fazem com elles as
compras necessaries de vestuarios. de uten-
ciljos etc. Procuram antes ajuda-los, nro-
curando-lhes trabalho, do que dando-lhes
dinbeiro.
Apezar de todos estes resultados deixam
ainda
Jjjtubro de 1875.
each
__

en

ff7) M. Wurtz.Uiscours.
1 a despjar, e, como se pode julgar
coitremum-a occnpaCio honesta, e sejam[pelb que fica dito, nio ha bastante unifor-
V' ^*,Prte*4- Par* >sto conseguirfinidade, nem unidade de ideas naorganisa-
pweuYard fundar uma sociedade particular, 'gaoda protecgio aos liberaods.
d qjual o pequmo Conselho podera confiar 0
Pereira StMdES. cai i*o,<*os presos segundo um regulamen-
to tor elle approvado.
tas disposigdes facibUram singularmen-
te organisagio da patronagem de St-Gall:
*gosto
de 1874

Revue Set-lemilO de junho de 1839 a sociedade estava
1 ffunHada, e a 21 do mesmo ra seus esta-
E' este um dos grandes inconvenieutes,
que a sociedade Suisia para a reforma pe-
nitenciaria procure fazer desapparecer pon-
do de aceordo todos que, nos diversos Can-
pellido pela immeosa algazarra e assobios
da multidio.
A novidade promettida para 0 fim do es-
pectaculo foi um burro em miniatura.
Appareceu na arena um animal quo, pela
figure, parecia mais um cio do que um ju-
mento, tio pequenas eram as suas propor-
gdes. r
0 divertimento terd naturalmente de re-
petir-se, em vista da ovagio que teve e 6"
mesmo possivel que elle se popularise e con-
corra, quem sabe, para apurar a raga
azma.
A novidade depertou ao galhofeiro espiri-
to do Julio Cesar Machado assumpto para
um interesSante folbetim, no qual aquelle
feliz escriptor presta ao quadrupede plebeu
justiga, que aid hoje se lhe tem negado, e
torna patentes muitas das qualidades que
elle possue e que 0 collocam na ordem nio
muito inferior d do homera.
Depois das corridas de cavallos, diz 0
humoristioo folhetiuista, vieram as corridas
de burros; se teem feito isto em ordem
transporta, era um progresso; deste modo,
mesmo em gracejo, lembrava am pouco,
como todas as nossas cousas de dia para
dia, uma decadencial
0 que tem sempra perdido 0 burro d
pd-lo ao lido do cavallo ;' foi desta vez au>
da 0 que 0 perdeu. 0 cavallo e bonito, e
airoso, d esbelto, e elegante e nobra ; o ca-
vallo d para a guerra, para os dias de para-
da, para as balladas araorosas, para asar-
riscadas correrias da luta, da vioganga, do
amor. 0 burro, coitado, estd abaixo delle,
e ser segundo d diabolico1; Cesar sabia-o, 01
a onncar pelo camiuno,
cautoneiros que, ao largar o trabalho, am 0
eneontrando, 0 montara sem pagar nada,
ajoujados de eoxada a cabaz de raerenda.
Podia ao menos gozar de syrapatbUs,
ser bem visto no sitio, ter amigos, haver
quem se lembrasse de Ibe fazer algum baa ;
mas, nada disso; vive a levar lambada I
Desde a gente das aldeas ate aos bum
queiros de Cacilbas e ao faraoso Lindi-Olu
de Cuitr.i que jd teve a honra de ser eito-
do em um livro de apontamentos da Tit-
gem, escripto por um lord inglez, qua 0
destinou, diz elle, para os que vierem visi-
tar 0 nosso paiz for travellers in Portugal,
e tambem desde o Lindi-Olhi ate o jaooU
que dd o seu passeio de burrico, ou i ele-
gante que vai d Peninba e d Coilaras, todos
entendem que o burro veio a este mundo
para trabalbare levar sovas, sem outra razno
senio a de ser esse 0 costume e por se en-
tender que e de rigor conserva-lo naquel a
escravidio aviltante.
Nas corridas do byppodromo a S. Se-
bastiio da Pedreira, os burros pareciam es-
tar vexados. Todo aquelle apparato de jury
no seu palanque, jockeys o gentlemenridr.'
vestidos de setim, parecia-lhes tal vez a ulti
ma ironia e a ultima gargalbada com que
destino os zurzia.
c Era a primeira vez que a multidio lhes
dava importaucia, e, por maior aggraro, a
attengio que se lhes prestava era mais qce
nunca motejadora. Figuraram nos pro-
grammas os seus nomes, que elles ate ess-
dia nio baveriam nunca- julgado destinadc'
d publicidade da capital simples alcunbas
campesinas, com que talvez houvessera sicto
criados, o feijao frade, o cuco, 0 roux.-
nol...
Depois adiante do nome, dizia-se a ida-
de que tinbam.
a Nada havia esquecido t Nada... senio
o arre burro e o arrocho, a que o mundo
os acostumou quando andam, e elles \i pe-
recerara ds vezes lembrar-se disso, quando
insistiam em ir devsgar, quando paravara
ou quando atiravam comsigo ao cbio, como
dizendo a toda aquella gente que calgdi a
luvas para ir rir-se delles :
a Ah! sim ? Pois entio venba tam-
bem agora 0 arrocho e o arre burro !. .
E* que, por fim de cjntas, o jomento
um philosopho, e vale-lhe isso parasuppor-
tar o desabrimento, a efflicgio da vontade,
0 abatimento de anirao por tantos incider -'
tes que 0 enfadara e a que a sua aversio
nio pdde obstar. Se nio fdra philosopho,
aspiraria a ser poetico e ficaria tolo, como
se tivse quatro pes. Basta lembrarmo-nc*
que alii onde 0 vemos, elle representa um
desterrado. Anda fdra da patria, anda es-
cravo e perdido, emquanto outros da sua
raga vivem Id no deserto, que e a patria
delles, a saltar, a correr d vontade, ou pres-
tando galbardamente os sens servigos era
uma domesticidade acolhida com estiraagac.
Nio sei como elle serd tratado em ou-
tros paizes, mas em Portugal parece haver a
mania de nio quererem considera-lo sim-
plesmente burro e aprecia-lo como tal. Tu-
do '
que-
a Com isso lbo afeiam
zem desmerecer.
0 pobre animal nio e dado i ostenU-
gao va, nio tem de si presurapgio sem fun-
damento, nem fumagas de bonito. A cabe
ga d grande e ratona, aquillo a que o povo
chama uma cabegorra ; os olhos, muito se-
parados, como que estao aos couces um a<
outro ; a beigana e grossa ; 0 rabo um pou
co calvo, as orelhas por ahi alem e a vo>
completamente fdra da ordem commum e
da raedida ordinaria, sem concorrente nem
semelhante, passa de oitava a oitava core
tanta faciltdade como elle passa com a den-
tuga de uma quarta de cevada para a outra.
se lh as derem de ragio.
t Com taes prendas seria difficil ser bo-
nito, e persuado-me que elle se nio propde
a isso.
Na festa das corridas um dos premios.
0 premio realmente mais gracioso, pareceu
de algum modo ter a intengio de vingar a
raputagio offendida da raga.
Era urn burrinho alegre, bem feio,
gentilissimo I 0 tom-pouco dos burros I
Uma miniatura encantadora.
Dotado de maneiras delicadas, colloca-
va-se ao lado das pessoas muito cortezmen-
te, como quem pedia, nio uma mangedou-
ra, mas um talher.
E' possivel que, com a idade, elle ve-
nha a perder a alegria e se lorne mediuti-
vo, que d 0 que os perde a elles e as vezes
a dos. Pensar de mais d mdo. Bem sei
que se alcanga em profundidade 0 que se
perder em graga e quando mesmo aquelle
burrico venha a ser burro sabio; nao lo-
grord nunca agradar tanto como naquella
tafde em que todo o publico dos palanques,
das cadeiras, do campo e do outeiro, accla-
mou em um sorriso a sua galanteria I
E foi, diga-se a verdade, a primeira
vez que eu vi sorrir para um burro. 0
costume, de ordinario, d rir. Rir de o ver;
rir atd de lbe ouvir 0 nome. Havia ba
annos an S. Carlos um baixo profuudo,
chamado Porto; um homemrarrio como
uma torre, que canteu o AttUa, e, entre
outras operas, a Chiara de Hozemberg.
Nesta Chiara de Hozemberg chamavam-lne
burro, e a platea applaudia vivamente e ria
durante meia bora, porque 0 tal baixo pro-
fnndo era conhecido como um bestiaga em
/ar
f Coppolia era 0 director da orchestra e 0
baitxo foi procura-lo.
0' Coppolia ?
* Que quer vocd?
E' praciso supprimir aquella brin-
cadeira de me chamarem burro.
e quererem compara-lo ao cavallo. Pars
e? Se elle e burro !
0 credito e 0 fi-
tdes, se occopam da protecgao aos deteotps grande Cesar, que tinha por maxima 1 An-
tes ser primeiro dos ultimo*, que segundo
(dos primeiros I jyp-
liberados.
(- Conlmuar-se-ha.)
'
DO DLAiUO. -tlA UULHJE PR QH,;
'
i