Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18614

Full Text
-w

*
? 1
A/VA10 L. AIUIEBO 263
PARA A CAPITAL B LUGARES 0%DE VlO 8E PAOA PORTE
ror ires mezes adiantadoa......... itSioft
<*..........:::::::: ,S
Por am anno idem......... */?
Cada lanmero avulso........!!!!!!!.'.' X

TERCA FEIRA 47 DE NOVEMBRO DE1874
PARA DEIVTRO E FORA DA PROVLUCIA.
Por tres mezes adiantados...........
Por seis ditos idem ....
. ... ..
Por nove ditos idem .
Por am anno idem.
ARIO DE PEMAMBUCO.
PROPRIEDAOE DE 'IANOEL FIGUfclROA DE FARIA FILHOS.

i
f
\
A
------------------------------~^_________... ______
* ... *,*. Urn* Bfc. M, Sen,., d Pl,. JUmUt, jMqnim M de Oliw-dFilhc, o brt. An^njo Urn. rW,. Ar. Jolo .ri. Jolio Ch,., Antonio h. i. Sil art w j -
*W. *.*. .U^p. C.HO. a* nleiro Pr.nc. .. P^jbl a** r^.n. VI...J ., a,*. *. Z. *. S^to M L^, ".^ -"
_________________________________'" *erre'"i de Aguiar.em Cxoyanna : JoSo Antonio Maobao. noPilard.s AJaflt*^ t Aires IBngCMO POFgLAR
ElenaenCos de physlcu
uviiu.TeiicKiuo
CM sea
CAP1TULO I
BA ROM ETtlo-
arometro cle culm. 0 barometro e
um instrumeoio qne serve para medir a pre-sio
nimospheriea, bem eomu o indica o seu nome, for
inado do duas palavras grecas que -igniiicam me
rf'dfl do peso, subentendtdoi/o -tr.
O tubo de Torneeili. acima d.-scri;-fo, e um ver-
dadeiro bafbmetro, mas para que e?se instrumen-
lo podesse medir com precisao a pressao atmos-
pherica e fosse poita'.il, inodificou se-lhe a forma ;
d'ahi duas efprcies de baromefros de mercori) :
> harometro d- cuba-e o barometro de ttiphfio.
A forma niais eommum dada ao barometro de
timetros de comprfnieuto e de co ca de 1 ceniime-
tro de diatretro efterior, fecbade por uma extre
ir.edidade e peia oulra peoetrando em uma euba
circular tanibem de vidro, cheia de mercurio, cu-
ba esla que tetn a forma da um cop.' de lampada,
ma? e f-chada na p.'trle superior, nu alto, por uma'
<-akite e.-pberica, e m ponto por mde peoetra o
lubo tem uma pequena aberiura que poe a super-
licie d.i mercurio n.4 cuba em coiumunicacao com
o ar, caja pressao de^.'arie se exeree l^vremenle
sobre o me.-inu mercurio
Cheio o lubo de inercurio e raergnlhado na Cu-
ba, com as prficau;(Vs daexperieneia Je T,.rricel-
I:, adapta se o instruuienio a uma p'aacheta de
madeira mais ou menus ornamentad.i, teudo aos
lados do lubo, em cerca do meio da sua altura,
dous pequeno? thermonetros para medir a tempe-
raiura, e no alto do mesmo tubo, a:e pouco abai-
y.1 io seu veruce, uma pequeni tca!a graduaaa,
feila de cobre, e dejunada a inedir a altura do
' mercurio no lubo
Para es.*e effeiio a ^raduaja) de* a e.-cala.part*-
do nivel do mercurio ua cuba, isio e, o zero da es-
cala cjrre.-ponie a superiicie do cnercurio na mes-
ma cuba Por conseguinle, se o vertice da co-
lumna do mercurio nu tubo corresponde, por exem-
plo, ao numero "GO da escala, ist indica que ena
eolomna, desde o >eu vertice ate o nivel do mercu-
rio pa cuba, tem uma alturajde 7G0 millimetros.
Sin se iraca loda a escala da alt-> abaixo da
piancheta, porqoe seria inutil, vlsto como o nivel
no mercuno no tubo nao varia senao de alguns
<-eotimetros.
Sendo o ponto de partida da gradnarao da es?a>
la baromelrica u nii-el do roercuHb nj caba, isio
upp5e qoe esse nivel e eun.-tatite ; rnas nao eisso
reaimenie o que tem lugar, porque, variando sem-
pre a pr#s.-ao atmospherica, varia tambem na-
jueile nivel :
l. Porque, quando angmenta a preasio da at-
laosphera, passa da cuba para o tubo uma certa
I-.rcao de rnercano. qoe au^mentond- a altura da
eolumna do tub >, faz ahaixar a nivel na cuba ;
2." Porque, dimiuuindo pelocontr?ro a pres-
>ao, da se o phenomeno inverso, aagmenUndo-se
'-i conseipencia o nivel da cnb\.
Variaado, pois.constanlemente o nivel do mar
curio ba caba. J'ahi resulta qua mui rara's veies
icrresponde elle ao zero da escala.
Attenuate, por^m, esse ioconveniente dan-
do-se a cuba a forma que dhsemos de am co
po de lampada ; cuberto por uma cilote esphen-
a. isto e, construe-se ess a cuba com um peque-
co diaroetro em bairn e um raaior diametro no al-
lo, de sort? que, no lugar em quo ;i:a a superfi-
cm do mercuno, e tai a sua largtira, em relagao
,j diametro interior do tub>, qne, aitida que o tu-
t'O passe para a cuba uma parte de alguns Centi-
:i.etros di caluxna de mercuric ou vice-versa,
isto nao influe sensivelmente sobre o referida ni-
vel. por isio qne o rr.ercurio nf-sjes casos, repar
te-eigualmente por uma superficiede largas pro
porcoes em relaca >a mesma Para completar a descripciio do barometro cutn-
I re accresceiitar que para'llelamente a escala e
eotre esta e o tubo, co alto destc, tn .ve-se n'uma
corredHa onia peqnena chapa metalica. den mi-
mda cursur, a-qual do lado do tu!>o te:u um pe-
ae indicar do lado Ja escaU para o poato tu divi
-ao desta correspoudenle a .-.Itura da eolumna de
mercuno,do lado opposto, na i so para marcar
a altura da me>ma eolumna, mas tambem para in
dicai a- divioe< de uma segunda escala posta
desse lado e cuja &crventia diremc; dep ii-
Barometro de Fortin-----Kortin, cons
tructor de in-trumeutjs em Paris, adoptou uma
cuba de fundo movel ; de sorte que. abaixando ou
levantando esse fundo, pdde-se aempre dar ao
roercurio da cuba nm nivel cooslaate.
Essa cuba coropoe-se de um cylindro de vidro
d8 4 eentiinetro." de diametro sc.bre 3 de altura.
Esse cylindro e fechado no alto por um disco de
buxo (arbusloi iixado ?baixo de uma tampa de
metal. Pelo centro to disco e da tampa passa o
lubo barometrico, que se termina ca ba-e, em pon-
u afilada, cuja ponta mergulha no mercurio da
cuba. Esla e o tubo sao ligados por meio de uma
pelle de camur.;a flxada por duas fortes ataduras,
uma passando n'uma garjanta do tubo, outra pas-
sando n'outra Krgant,i de cobre praticada no alto
da tampa da cuba. Esse modo de fechamento ii
*ufficiente pan evjlar que saia o mercurio da Cu-
ba quando se deita ou revira o apparolho, mas nao
se oppoe a ac?Ao da pressio atmospherica, que
lransmitte-e perfeitamente, atravez dos poros da
camurca, sobre o mercurio da cuba.
Pela parte interior o cylindro de vidro e embu-
tido n'outro cylindro de buxo, e e no contorno des-
le cylindro que, por meio de uma atadura, se acha
fixada a pelle de pergaminho que forma o fundo da
cuba.
Pelo seu centro essa pelle repou^a n'um botao
de buxo, que repousa por sua rz no extremo de
um parafuso movel, de sorte que. segundo se mo-
ve esse parafuso n'um ou n'outn, sentido, o b^tao
obe ou desce e com elle levanta-3e ou abaixa-se
a pelle de pergaminho do fundo da cuba.
Levantando-se ou abaixando se o mercurio ao
memo tempo que a pelle de percrarainho, faz-se
gyrar o parafuso somente ate que" a superficie do
mercuno siting o nivel tixo, a!ia3 delerminadn
pela ponta de um estilete de mariim ligado pelo pe
ao tampo rostalico da cuba, e visivel atravez do
vidro da pane superior da rae.'tna enba
Como a sop de espelho, Delia se v. a imaged invartida do es-
lilete que ibe fica superior, de s^rte que 6 iu-ta-
mente quando a ponta do mesrao e-tilete e a da
sua imagem sao tangentes, que a superficie du
mercurio esta in nivel convenient*!, por isso que 6 a
t artir da ponta do estilete para cima que se conta
a graduacao da escala barometrica.
Toda a cuba 4 resguardada por um envolucro
da metal, abaixo do qual apparece a cabeca do
parafuso qoe move o fundo da mesma caba, fi-
estilete e a superficie do mercario.
Construida a cuba e Gxada ao tubo, atarraxa-se
ao pequeno lubo de rosca que existe na parte su-
r*rior da lampa Ja mesma cab* um longo estojo
a mure, 9 envolve tod. o tubo barometrico.
Esse esiojo, na parta superior tem duas fendas
jaugiiudinaese oppostas, que permitlem ver o ni-
el do mercurw no tubo, e ao seu longo corre um
cursor annullar, que serve paradeterminar e fixar
vtura da eolumna demerenrio no meimotubo,
taugenciando a respecuva soUirflcie
Quando itso tem lugar, isto e, quando nas occa
, como de bois vivos, inclusive pasto, e de cemento
sioes de observacao, o cursor anoillar Ungenciaa. aos navios da armada
superficie d
mercurio no tubo, 16 se o nuinero a
que elle correspoude n'uma escala dividida eiu
millimetrosexistentes ao lougo do referido"estoio de
cobre, e o numero lidj Indica a altura do mercu-
rio no tube.
A temperatura e daia por um thermometro fixa-
do tanibera no estojo.
fGvnUuuiii-K hay
ttm OFFICIAL
tjiovcriio tin provincia
EXI'EDIENTE DO DI.V 18 DE JULII0 DE 1874.
1' i
OOicios :
1 seccu-j.
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
m.s. -Cen^ande de aviso do nunfoterio da siuer-
ra, de 7 do correr.te, que naquella data se man-
dou loniecer pelo hospital da corle. ao desta pro-
vincia os medicamentos Couslantes da iuclusa
DOU, datida de 6 do Currente e orgaoisada na
reparticao do quartel-nn-stre general, em satisfa-
cao a i pedido que acompanbou o olHcio de V.
Exc, daiado de 10 de rnarco ultimo, sob n. 'it') '<
assim Ih'o coin.nuuico p.ra seu c>n locimeatu.
Ao mesmo. Sirva-se V. Exc. de mandar
por em hberdado o recruta Mauoel Antonio de
Lima, quo provou isencao legal.
Ao inspector do arsenal de marinha.Veri-
ticaudo-su do termo de inspeci;.ao annexe ao seu
otlicio de houtem datado, sob a. 76, a que f..i sub
mettido o aprendiz artifice Jose .\abuco de 'eras,
estar este sojfrendo de tuberculo* pulmonares, e
a.-.-.m incapaz para o servico, auloriso V. S. a
mandal-o d.sligar da respectiv. companbia.
Ao memo. Da conformidade com o que
resolveu o Exm. Sr. mmistro da ma uilia por aviso
de 7 do corrente, lica V. S. autorbado a fazer a
despeza de 200* com a acquisicao dos objnetos
constables do pedido que veio anuexo ao seu officio
de 29 de mam ultimo, sob n. 35, com deotiuo a
enfermaria em que sao tratados os oQiciaes da ar-
mada.
Ao mesmo.-Fac.a V. S constar ao escrivao
interino desse arsenal, Mauoel Jose de Almeida
Soares, que foi iudefendo pelo Exm. Sr. ministro
da mannha o requenmenlo em t,ue elie p'edio o
lugar de 3 esuripiurario da conladoria.
Ao conselho de compras de marinba. Fi-
cam approvados os contiactos celebrailos pelo
ConSclbo de compras de mannha em sSVsao de 20
de juuno ultimo, para o fornecimento, no trimas-
tre de julho a ?eterabro desie anno, do objectos
de fardainenlo, assim como de bois vivos, iuciusive
o pasto, e du cemento aos navios da armada e
estabelecimentos de marinba.
2.' secqiio.
Actos : y
0 presidente da provincia resolve declarar
que o cummissano de p Jtio Foraioso e o teueute Jose Felix da Siiva Loba-
to e nao o tenenle Jose Ferreira da Silva Lobato,
comocou>ta da pnrtaria de 4 docorreu.e.
0 pf^ssidenu*. da prewiqpi*. autoivaJo peiaf
let *. 4AM 40 M sbtil fHsorrente anfto, f-
solve nomear *argmio da guarda local do muni
ciiw de Barreiros a Jose Marinbo de HolUnda
t'alcao.
0 presidenle da provincia, a vista da pro -
posta do Dr. cbefe de policia em offiaio n. 838, de
huntem datado; resolve damiltir do.cargo.de I.".
2." e i." sapplent is do subdelegado do districto de
Correutes, do termo. de Garantmns, a Bento Fer-
nandes de Lima, Eugenio Vellea de Mello e Felix
Perreira de Brito.
0 pre^iJeute da provincia, do conformidade
com a propjsla do Dr. chefe de policia era ollicio
n. 8o8, de huutem datado, resolve nomear para o
carg, de l., 2. e 3. supplentes do subdelegado
do districto de Correutes, do termo de Garaohun*,
a Lauripdo Arcelioo Verres, Manoel Aureliano
Dias b E luardo Goncalves da Silva, na ordem em
que se acham.
Olllcios :
Ao Dr. chefe de poikia.Atlendendo ao que
e.xpoz-uie u brigadeiro commandante das armas,
e e^labeleniinealos de mari-
o communico a V. S. para seu co
relativameule ao grande saerilicio que resulta para
atropa delinba reduzida como esta, a fazer as
rondas da meia noile para o dia, porquanto a
praea que deixa este servico as seis horas da ma
nha nao podera entrar de guarda e cumprir as
suas obrigaijoes, resolvi nesta data que fosse, in-
vertida a ordem no servico das roudas, ficaudo a
cargo da forca de lioha a das ^eis horas da tarde
a meia noite, e a-Jessa bora em diaote a cargo
do corpo de policia. O que communico a V s.,
em additameoto ao meu ofllcio de hontem datado.
Ao juiz de direilo da !. vara. Remetta me
v. S. com urgencia as informacoes e d icumentos
de que tratam o decreto de 28 de naarc/i de
I860, c a circular do 28 de juuho de 18ii,), co-
mo Ihe fui exigido em 18 de raaio ultimo, alim
de ser instruida regularmente a peticao era que a
S. M. o Imperador requer o sentenciado de jusliga
Autouiu Pereira da Mdtta o perdao da pena de
gales perpetuas.-itfuJofw mutandis ao bacharel
juiz de direito do Buique, relativo ao sentenciado
de justtca Jose Ferreira de Oliveira, quauto ao
reslo da pena de 23 annos e 4 mezes de prisio
simples.
Ao juiz de direitg da Boa-Vista. Inlorrce
Vmc. com urgencia sobro o que represenla o sup-
plente do juiz municipal desse termo, em relacao
ao l. tabelliao de notas e escrivao do civel e cri-
me, na inclusa peticao, que por copia Ibe remetto.
Ao juiz de direito de Iguarassu'.Para co
nhecimento de Vmc. e devida execucao, incluso
reraetto-lhe por copia o aviso do mimsterio da
justi.a, de 7 do corrente, relativo as occurrences
que se deram no engenho Agna Fria, dessa comar-
ca. Mutatis mutandis ao promotor publico de
Iguarassu'.
Ao juiz municipal e de orphaos da Escada -
iNesia data me dirijo ao presidente da junta de
classificdcao dessa cidade no sentido de ter inteiro
cumprimentj o arl. 33 do respectivo regulameuio,
approvado pelo decreto n. 5,135 de 13 de novem-
bro de 1872, de ijae trata Vmc. em seu officio de
14 do corrente.
Ao commandante do corpo de policia.Ao
commissano de policia do municipio do Cabo,
Bernardo Ferreira de Barros Campelio, ou a queui
se mostrar devidamente antorisad.i, mao-le Vmc.
tornecer 10 annas com competente correame e
faruamento, excopio caigad^ e gravala, para 10
pracas, correspuiideule a 1 anno, de conli rmidade
com a respectiva tabella.
Ao mesmo. Ao corpo sob sen .Dicmando
mantle Vmc. recoiber as pracas do de3tacamento
de Naiaretn, que se nao alistarem na respecliva
guarda local. i
Offlci03 :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
uectare a \;S., em resposta ao seuofflcio do hon
tem, sob n /2, serie H, que nesta data providon-
cio no sentido de serem prestados a essa tbesoura
na pelas reparticdes sujeitas ao ministerio da
goerra, os esclarecimenb>s oecessrfrios para a con-
feccao da matncula de todos os empreeados ctvis
do musmo.
Ao mesmo.-Tendo nesla data approvado os
contractos celebrados pelo conselho de compras
de marinba, em sessio de 20 de junbo ultimo
para fornecimento, no trimestre de julho a selem-
bro deste anno, de objectos de fardameato, assim
oha ; assi:ii
nhecimento e direci;.'io.
Ao mesmo. Tendo autorisado nesta data o
inspector do an.enal 'de marinba a despender a
quantia de 200*000 com a acquisicao de louca e
e roupa de cama para U>o da enfermaria em que
sao tratados os ffliciaes da armada, assim ode-
ehrro--V: para .de que o iiagtmento de semeltnnte despexa deve
ra ser realisado pelo molo indicado no aviso do
mini-terio da mariniia, de 7 do corrente, junto p>r
copia.
Ao mesrao. Achando se em mao estado e
iocapazes do prestar servico, segundo declara a
brigadeiro Commandante d:>s armas em offlcio de
II do corrente, soo a. 5i3, os cinco cavallos con-
sume? da relacao junta por cooia, pertencentes a
compauhia de eavallaria, autiriso V. S. a ven-
del-os em hasta pnbiiea peranie essa reparliiao.
Ao mesmo. Para os fins convenientss com-
munico a V. S. que a 1 do corrente reassumio n
exercieio do cargo de juiz municipal e d- orphioj
do termo de Nazareth o bacharel Pergentino Sa-
raiva de Araujo Galvao, reuunciando assim o res
to da licen;a de 15 dias que Ihe fui encedida por
portaria de 7, a contar de 4 do corrente.
Ao mesmo. I'ara os fins c.iiivenientes com-
munico a V. S. que em 12 do corrente assumi j o
exercieio de p omotor publico de Nazareth o ba-
charel Jese Caval.ante de Albuquerque.
Ao mesmo-Para ts fins conveuientes com-
muuico a V. S. que em 12 do corrente assumio o
exercieio inter inu do cargo de juiz de direilo da
comarca de Goianna o re pectivo juiz mniiicipil
e de orphaos, Alfredo Ernesto Vaz do Oliveira,
renunciando assim o resto da licenca com que se
acbava.
Ao mesmo. Para seu c^ nhecimento e jevj.
dos fins remetto a V. S. copia do aviso circular do
mini.-terio da agrisultura, commercio e bras pu-
blica--, de 7 do corrente, sob n. 4, acerca dos ven-'
cimentos e numero dos praticantes e carteiros da
r--partic4u dos correios desta provincia, durante o
exercieio de 1874 a 1875.
Ao mesrao. Bemetto a V. S. para es fins
convenientes a portaiia que noineia Candido Gue-
des Alcoforado ajudante do correio da cidade de
Dim Ja, nesta prcvincia.
Ao inspector Jo thesouro' provincial. Ao
comml.-sanode policia do municipio do C bo,
Bernardo Ferreira de 8 irres Oampello, ou a queui
se mostrar devidaoieute autorisado, mande Vmc.
entregar os livros do que irata o regulamento da
guarda local Mutatis mutandis, commuaicando
quo presto u juramento em 17 do corrente.
Ao mesmo -Maude Vmc. pagar a impor
tancia da conta junta, retailva a passagetu da las a
bordo dosvapores da companbia peruambucana a
empregados provincia-js e a pracas do corpo de po-
licia.
Ao mesmo. Bespondeodo a eoosultt felta
pela junta dessa reparticao, a que so refer* o seu
ollicu datado de 13 do correute, sob u. 2S8, c m-
pre me declarar a Vmc. que nao c attendivel a
uretencao do Dr. Augusto Caraeiro Modteiro da
Silva Santos, por se achar em oppo>ijio com o
dispon-) uo ari. 3 da li-. iMl, do Jnuo passa
navega
corte,
commeM
Pedro Pi
determit
corrente]
a vapor mandem dar passagam para a da fazenda, de 13 de maio ultimo, e atlendendo a
conta do -mm.steno da agricoltura, ioformacao da recebedoria de renda. i que se re-
fere o otBcio do inspector da tbesourana de fazen-
da de 18 do
o e obras publicas, ao bacharel Antonio
reira Lima e a sua senhora, conforme
o referida ministerio em aviso de 9 do
sob d. 22.
EXPEDIENTS DO SECRETAHtu.
2.' secqiio.
OiJleh'.
Ao Dr. cbefe de policia.-OExm. Sr presi-
dente darirovincia raanda declarar a V. S. para
os linsaRvenientes que nesta data aulorisou o
thesour* provincial a pagar a i-nporiancia des-
pandid. com o su-tenlo dos presoa pobres reco
llndos not|iiez de junlio, na cadeia do termo de
OuricorjTna confitfinidade do seu offlcio de hon
tem daiado. sob n. 8G0.
Ao mesmo. De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, inclusos remetto a V. S. os ti-
tnlos de nomeacao dfl-upplentes do subdelegado
do dislriclo de Correutes,' de conformidade com o
otlicio ii. 858, de houtem daiado.
Ao joiz de direilo iuienno de Goyanna.
OExra. Sr. presidente da provincia manJa accu-
sar o iccebioicnlo do offleiu de V. >., de 13 do
coirento, eommunicaodo haver no dia antecedaote
assomido oexerci;io interino do cargo de juiz
de direito, renunciando assim o resto da liceuca
de quo g-'iav.L
Ao jiliz municip\l e de orphaos de Xazareth.
-O Exm. Sr. presidente da provincia manda ac-
cusar o rejebiraeoto do officio de V. S, de 10 do
coirenle, oo.'iimuiiicando haver na mesma data re-
assumido o exercieio de sea cargo, renunciando
assim o resto da licenca de que gozava.
- Ao promoter publico da comarca de Naza-
reth.0 Exm, accuser o re"tbimento do offlcio de V. S-, de 12
docirrente, eommunicaodo haver na mesma da-
ta assumido o exercieio das fuuecoes do seu
cargo.
Ao commissario de policia do municipio do
Cabo.'S- Exc. o Sr. pre-identu da provincia raan-
da communicar a V. S. que nesla data se provi
denciou em ordem a Ihe serem fornecidos os li-
vros, ahnamento e fardameato requisi'.ados por
V. S. em ?eu ollicio de houtem daiado, que assim
fica res^ondido. Quanto ao numero de pracas
dessa guarda, devera alistar meiade, conforme se
acha de.erminado.
3.' scccao.
Ofiicio :
Ao inspector do thesouro provincial. De
ordem do S Exc. o Sr. presiJe-'te da provincia,
remetto a V. S. .> incluso exemplar impresso do
rvgulaawnte mandado executar pelo decreto n
5,39a, de 18 de abnl deste aano, para asca'xas
ecoiiomicas e os monies de suecorros das provin
cias.
proce-
V4os parecerea da wcrio MW **_1
Or. procurador fiscaf desie'thesou o.
Ao mesmoA' vista da inelnsa conta que
remetto, mande Vmc. pag.r ao capitao de policia
samud de-Sa Montemsro a quantia de 4o*O00,
despenJida uo ir.ez do junno ultimo com o susien
to dos presos pjbres da cadeia do termo du Oari
cury, segundo o officio do Dr. chefe de polfcia, de
hontem datado. sob n. 860.
4 teccuo.
Actos :
0 pre-idente da provincia, autorisado pela
lei provincial u. 1,113, de 8 de junbo proximo fiu
do, resolve crear as .-eguiutos caileiras para o se-
xo feoiiniuo : uma na Escola Modelo, uma no
Campo-Verde, uma no Campo Grande, uma no
Fundao uma em Paratibe, uma uo Bio Doce, uma
ua Coluiua Isabel e uma povoacao de S. Lourenco
de Tejucupapo : e resolve, ua laculdade da cita
da
ei, crear uma cadeira para o sexo ma-culi-
no ua E-cola MoJelo.
- 0 presidente da provincia, atlendendo ao que
requereu Caetauo Francisco Duraes, professor pu-
blico de inslruccao primaria da povoacao i'.Agua
Preta, resolve conceder-lhe urn mez de licenca
com ordenado.
Oilicios :
- Ao provedor da santa Casa de llisericordia.
-Era vista da informacao de Vmc, de 17 do cor-
rente. sob n. 33, defer, o requerimento do Alexau-
drina Maria da Couceicao Tavares, pediudo a ad-
missao de uma lilha, de name Fraucisca. no code-
gio das orjhas, e autoriso-o a inscrever uo res-
pectivo quadro a referida menor, cuja certidao de
idade remetto dando- ihe entrada no estabeleci-
raento logo que haja vaga.
- Ao mesmo.Teudo deferido, de acordo uora
a informacao de Vmc, de 17 do corrente, sob n.
32, j requerimento de D. Bosa Goncalves de Je-
sus, no sentido de serem inscriptos no quadro do
lollegio das orphas, para terem entrada quando
houver vaga, as menores Maria e Rosa, li.has le-
gitimas do falleciJo Jose da Silva Braga ; assim o
communico a Vine para seu eonbecimento e de-
vidos elfeitos. Aompauham as cerlidoes de bap
tismo das supraditas menores.
Ao memo. -Podea junta administrate dessa
santa casa deferir o raquerimeuto de liilario Ma-
noel da Coneeicao. segundo solicita Vmc. em olli-
co de 17 do c.rrente sob n. 3i, e inscrever no
quadro do col^gio das orphas, para ser admittida
opponunamente, a menor desvahda de Dome Ma
riauua, cujos pais sao lallecidos.
- Ao mesmo.Bemetto a Vmc. para os fins
convenientes copia do acto de hontem, pelo qual
addicionei as disposicSos nelle eonstantes ao regu
lamento de 19 de dezembro do anno proximo pas-
sado, relativo ao servico morluano.
Portarias :
. A' Illma. camara municipal do Becife.Ao
offl'-io de 17 do corrente, sob n. 65, em que a
Illma. camara municipal do Becife pondera a con-
venience e nece-sidade do calgamento do largo do
Pelourinho, respondo que opportunameule sera
tomada em consideragao semelhante raedida.
- A camara municipal da villa de Gamelleira.
Em resposta ao ofiicio de 27 Je maio ultimo,
declare a camara municipal da vilia de Gamaliel
r qo i opportonamcftW n providenciara no sen-
tidode Ibe serem reraeuido. ospadidaa de own
e medidas pelo systema metrico decimal, seguado
cjnsia do aviso do ministerio da agrieultura com-
mercio cobras publicas, do 6 do eorreute, sob u.
20 A.
5." secqao.
Offlcios:
f Ao administrador dos correios. Para seu
conhe;imtnto remetto a Vmc. copia do aviso cir-
cular do minalerio da agricultura, commorcio e
obras publics, de 7 do corrente, sob n. 4, acerca
dos vencimentus e numero dos praticantes e car-
teiros dessa reparticao duraute o exercieio de
187i -1875.
Ao Rvd. Fr. Pidelu Maria de Fo.jaano.-Em
resposta a cm-ulta que fez V. Rvma. em efflcio de
15 do corrente, Ihe declaro qu-. os colonos, cha-
mados de 2' classe, daextincu colonia militar, e--
lao i.-.entos da ienua a que V. Bma se refere.'ate
que se Ihes conceda as bracas de terrenos a que
tiyerem direito.
Portaria :
I .
o secquo.
Officio :
Ao a Iministrador dos coneias. S. Exc. o
Sr. presidente da proviDdaaoaDda dsclarar a V.
S. qua nesta data rein-tten a Ihesouraria da fa
zenda rp>rtaria qn^ nopaeia Candido Guedas Al-
coforado ajudanie do correio da ciiade de Olioda.
iXi't/'ii.MK do ma 20 deji-lko.de 1871.
/- 1." $ecqi!o.
Oificfo
A;"' ^ .-
mas. -Siiv.^eT Exc. uj mandar por e(n liber-
dade u recruti Cecilian-J Pereira da Bocha, que
provou isenjao legal.
Ao mesmo. Expeca V. Exc. suas ordens,
afim de qu as randaj de roeifcoite fiesta cidade
sej.im auxiliadas por praclj de eavallaria durante
estes quinze dias.
Ao director do arsenal de guerra. Maude
Vmc sati-f.zer o pedido junto em duplicata, que
faz o commandante do deposito de recrataa, de
artigos de fardamento para o ajo.4e de contas as
pracas add das ao memo deposilo no anno de
1873
Ao mesmo Scienle pelo seu offlcro de 18 do
corrente sob n. 666, do facto crimiooso praticado
no almoxarifa to des-e arsenal uelo fiel Jeronymo
Udou Perreira itabral e o ecnvio Lourenco Nu-
oes Campelio, leubo a dizer-lbe em re bera procedeu Vine, snspeodeodo a ambos sem
tempo determinado, do que passo a dar conheci
mento ao Exm. Sr. ministro da nuerra, afim d-
resolver a respeilo desses dous empregados o que
enieuder convenienle. >
Ao mesmo -Bm aolugio ao seu olHcio de 17
Io c irraole sou n. 66"i, tauho a dizer-lhe quo a
the mraria de fazenda, recusando-sa a rubricar
os livros Jo receita, despeza e mappas do almoxa
nfado desse ^rseuii, lirma se na disposiyao d art.
10 do novo regulamento das iho-ourarias, manda-
do observer pelo decreto o. 5,235 de a de abril do
anno pas'sado, o qual, aboliude dds mesmas diver
versos trabalhos e nomeadamente a ruunca dos li-
vros da escripluraeao das repartioes nao suDordi
nadas ao ministerio da fazenda, determina que es-
te servico pas tivas reparticoes, ficando alterados nessa parte os
regulamentos que os regem.
2' sccrcio.
Actos:
0 pre-idente da provincia, attendendo ao que
requereu o oirlcial do registro geral das hypothe-
cas da comarca bacharel Fulgencio Infante de Al-
buquerque e Mello, resolve ouuceder-lne 6 mezes
de licenca para traLir de sua saude.
0 presidc-nte da provincia resolve nomear o
co-omeud dor Mauoel Camillo Pires Falcao para
substiluir o official do registro geral das hypothe
cas desta comarca, durante o impedimento do res-
pectivo serveutuano.
, 0 presidente da previncia resolve consiJerar
sem elfeito a nomeaeao de Flavio Jose dos Santos e
Silva para o cargo de coramissario de policia do
municipio de Saoio Antao, por nao tar soiicitado
o respectivo litulo.
0 presidente da provincia autorisado pela lei
u. 1,130 Je 30 de abril do corrente tinno, reselve
uomear coramissario de po icia no municipio de
ianto Autao o alieres boaorario do cxercito An-
tonio Flonano de Mello.
OfQcios: T
Ao juiz de direito do Kio-Formoso.-Com o
incluso parecsr do desembargador procorador da
corOa e soberauia nociooal, que por copia Ihe re-
metto, rospoodo a consulla de Vmc. constauta de
seu officio do 10 do juuho ultimo, sobre a compe-
tencia do juiz qne nas comarcas geraes deve no
mear o iuveutanante e remover tuteres ou cura-
dores.
_ Ao iniz de orphaos do termo de Pao d'Alho. --
Em resposta ao ollicio quo Vine me diiigio em 27
de juuho lindo, peJmdo a admissao no collegio dos
orpuaos, dos menores fllbos da viuva Francisca de
HollauJa Perreira, Hie declare que aguardo a ins-
tallacao da colooia Isabel.
Ao conraandauie do corpo de policia.Sem
perda de tempo maude Vmc. apreseniar ao Dr.
cbefe de policia 10 pracas desse corpo commaada-
das por um official, afim de seguirem para a villa
de Gamelleira.
Ao mesmo. Ao commissario de policia do
Rio-Fonnoso, teneute Joe Teixeira da Silva Loba
to ou queiu se mostrar deviJamenta autorisado,
maude Vmc foraecer 15 espiugarJas com 0 com-
petente eorream e bem assim fardam-nto, exceplo
calcado e gruvata para igual numero de pracas
corresp muente a 6 mezes e ae conformidade com a
respecliva ubelU.
3.* secqao.
Acto :
corrente sou n. 82 serie H, resolve
conceder ao praticant-i da recebedoria Jose Mauoel
Lavalcaule de Almeida 4- mezes de licenca com
ordenado para tratar de sua saude oude lie con
vier.
- GfflciO#>! 'VMt*>'
' Ao inspoctoF da 4t)e9oararia. oVs fazenda.
Bemetto a V. S. copia do ollicio do engenheiro Cm-
cal da estrada da ferro do Becife a S. Francisco
acerca de uma multa indevidamenta imnosla pelo
collector do Cabo a referida estrada de ferro e
charao sua atteocao p.ra 0 expendido. afim da or-
denar ao mesmo collector nao continue no
Jiuiento abusivo qua tem owteoUdo.
Ao.mesmo.Transmilto a V. S. para os devi-
dos bus as mciusas orJms do thesouro naci >ual
dens. 106 a UOe da 112 a 115.
Ao mesmo.-Accuso recebidu 0 officio dessa
thesouraria, datado da 18 do corrente, sob n 84
serie H, relativameote a veoda ou coacess^o de
terras puDlicas nesta provincia, sobre 0 mesrao
assumpto cumpra que V. S. trimensalraente en
vie a esta piesideucia informaco-is mmuciosa<
para serem Irausmittidas ao Exm. Sr. ministro da
agricultura, commercio e Obras publicas.
Ao mesmo.Para os (ins convenientes com
munico a V. S. qua em 13 do corrente assumio o
exercieio plena do cargo da juiz municipal de San
10 Antao 0 respectivo 2" suppleota Jose Cavalcaute
rerreira de Azevedo
Ao mesmo.- Para os fins convenientes com
jnunico a V. S. quo em 17 do corrente reassumio
0 exercieio do cargo de juiz municipal e d or-
phans do Unno de Santo Antao 0 bacharel Atl'ou-
so Jose de Oliveira Filho, renunciando 0 resto da
licenca que Die fora concedida.
Ao mesmo.-Tendo nesta data declarado ao
director do arsenal de guerra, em solucao a coo-
sulta feita em offlcio de 17 do correute, sob n. 665,
que a elle competia, e nao a essa thesouraria, ru-
bricar os livros de receita, despeza e mappas do
almoxanrado do mesmo arsenal, ex-vi do que dis-
poe a oitava parte do art 10 do decreto n. 5,255
de 5 de abril do anno passado, qua alterou oasta
parte 0 21 do art. 15 do reg. n. 5,118 de 19 de
outubro de 1872 ; assim 0 communico a V. S. pa-
ra seu conhecimeaio.
Ao mesmo. Tendo approvado ate ulterior
decisao do Exm. Sr. minisiro da guerra a delibe
ragao que tomou o director interino do arsenal de
guerra, segundo communicou-me em offlcio de 18
do corrente, sob n. 666, de suspender sem tempo
determinado 0 liel e o escrivao do respectivo al-
mox-rifedo, Jeronymo OJon Fetrejfa Cabral e
Lourenco Nunes Campelio; assim 0 declaro a V
b. para seu eonbecimento fcflos convenientes.
Ao mesmo. Itematija V. S. 0 incluso pret
era duplicate, para qua mande pagar a Joaquiin da
Silva Costa a de-peza feita com a remtssa dos
recrutas do termo do B unto para esta capitil ;' se
gundo sulicilou o respectivo comioajidaotti superior
em offlcio datado de i) do corrente.
Mutatis mutandis ae tnesoure provincial, man-
Jaudopagra despeza feila com a remessa de
presos de justiga do tecam do Bouito para esla
^nBWiart: Slande'vK S. pagar aopadie
Joao Jose de Araujo, vigario collado ua freguezia
de Sauta Maria, uo Rio de S. Francisco, na Boa
Vista, 6s veneimentos de sua congrua. relatives
0 presidente da provincia, usando da autori
us &rs. agenies da companbia brasiletfa de sajao qua sj lu uo aviso do ministerio dos negocios
aos mezes de maio e juuho findos, na conformidade
do incluso ailestaio.
Ao mesrao. -Declare a V. S.,em addilamen-
jo ao meu offlcio de 15 do corrente, que alem do
adiautamealo de ires mezes de veneimentos tirades
em pret especial pelo 9' batalhao do iafantaria, as
pracas do referi Jo batalhao, que se acham em dili
geocia na villa da Ingazeira, deve V. S. mauJar
abonar do mesrao raoJo e por izual tempo venci
menlos para 0 teueote Manoel Eiiuglio do Espinli
Saolo, c immaudante da sobredita diligencia.
Ao mesrao. Na conformidade do in:luso
pret em duplicate, mande /. S. pagar a quern se
mostrar competentemente autorisado os veuci.nin-
i> s das pracas do guarda uacional destacaJas na
villa de Garaubuns durante 0 mez de junho iinlo,
seguuJo solicitou 0 respec ivo commandante supe-
rior em otlicio de 4 do corrente.
Ae mesmo. V vista do iucluso altestado,
manda V. S. pagar ao padre Manoel Jose de Oli-
veira llego. vigario collado na freguezia de S. Lou-
renco de Tejucupapo, os veneimentos de sua con-
grua, correspondeutes aos mezes de dezemt.ro do
auno passado ate junho ultimo.
ao mesmo. Mande V. S. entregar ao ba-
charel Sebastiao do Bego Barros, juiz municipal e
de 1 rpliaos do termo de Panellas, a quantia de
100* que Ihe foi arbitrada pelo ministerio da jus
uea para as despezas de estabeleeimento, uma
vez que pela ordem do thesouro, n. 113 de 7 do
corrente, acha-se essa thesouraria habilitada com
0 credilo precise para lal fim.
Ao inspector do tbssouro provincial. Em
resposta ao seu officio de 14 do corrente, sob n.
292, e na conformidade do que lnlormoa 0 Dr. che-
fe de policia em officio sob n. 864, compreme de-
clarar a Vine, que d5 curaprimento a ordem desia
presidencia, expedida por otBcio do 1 da j; nho
Iinlo, raandando pagar mtegralmente a conta apre-
sentada pela companhia de navegacao bahiana,
visto como as pracas de linha a que ella se refere
forara a servico remunerado pelos cofres provin-
eiaes, qual 0 da coniuecao de presos para respon-
derem ao jury.
Ao mesmo. Maude Vmc pagar ao padre
Florencio Xavier Lins de Albuquerque, coadjuctor
da freguezia de Iguarassd, os veneimentos de sua
congrua, correspondeutes ao^mez de junho ultimo,
ua conformidade do attestado incluso.
Ao mesmo. Communico a Vmc. que nesta
data approvei 0 contracto celebrado pelo eagenhci
ro chefe da reparticao das obras publicas com
Autonio de Oliveira Coragem, para servir coma de
sennista anxiliar do servico topograpbico da mes-
ma repartisao, raediante as condicoes esiabelecidas
no referido contracto, que por copia Ihe remetto.
Ao mesmo. Mande Vmc. pagar ao capitao
Francisco Antonio de Assis Goes a importaucia dos
alugueis das casas que 00 termo de Barreiros ser-
vem de quarlel e cadeia, na conformidade do inclu
so offlcio por copia, do respectivo delegad', que
acompanhou 0 do Dr. chefe de policia, de 4 do cor-
rente, sob n. 800.
Ao mesmo. A' vista da sua informacao,
datada de 17 do corrente, sob n. 294, Jprovidencie
Vmc. em oidem a que seja cumpriJa no segundo
semestre a inclusa precatoria do juizo de direito
da 1* vara civel desia capital, passada a requen
memo de Joaquim Dias da Silva Guimaraes. contra
a companhia Becife Drainage.
4.' secqiio
Actos :
0 presidente da provincia resolve remover a
professora de Panellas Anna Ignez da Silva Ramos
0 presidente da provincia resolve remover a
professora di Abreu de Una. H-nriineta Amelia de
Menezes Lyra para a cadeira ulliinaraente ereada
em Paratibe.
O presideate da provincia resolve remover o
professor da extiocla cadeira da Praia dos Caraai-
ros. AurHiano August 1 de Vasconeallos, pars a
cadeira de S. Vicente, qne t acha vg ; o pro-
fessor da cadeira de Sanharo, tanbem eitiocta
Ituhao Epiphaoio Rodrigues do? Santos, nan a
do llni'iue. "^
Offlcios :
Ao Exm presidente da provincia de SinU
tathanoa C.r.n a inclusa copia da icrormaeio
prestada pelo bngaleiro commandante das arma-
3a data de 18 do corrente, sob n. 335, satisfaeo 0
qoe \. Exc solieiu em seu officio de 26 de junbo
ultimo, sob n. 138 com referencia ao capitao u-
gregado a arma da infantzria Julio Angusto Carlos
Ao in-pector geral da inslruecao nnblica.
sobre a propo-ia qo faz Vmc e.n offlcio de 1$
do corrente. sob n. 200, tnho a diz*r que agnar-
de a pnblicacao do regulamento, para eotao ser
provida a cadeira a qua se refere, raediaate coa-
eurso ou contracto.
Ao provedor da Santa Casa da Misericordia
-.^oprovo, segundo s.d.cita Vme. em offlcio de
17 do corrente. n. 37. 0 acto da junta administra
tiva dessa Saata Cm, maodando entregar 0 edu-
cando do colleg > dos orplias de nome Epipha-
nio ao mestre funileiro M^niel Igaacio, para en
sinarlhu 0 offlcio, medianie contracto de pagir-lhe
um salario depou da cert0 tempo de a renii-
zage/u.
5.' seqeiio.
Offlcios :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas. -Approvoo termo de contracto aonexo
por copia ao s?u offlcio de 17 do correate, sob n
209bis,e celebrate ent: a Vine e Anpmio d'Oli-
veira Coragem para servir cimi desenbisu auxi-
bar do servico lopograpiico dessa reparticao pelo
tempo de dous annos.
Ao engenheiro encarregado das obras ge-
raes (fata data -emetto ao Exm. mmistro da
agricultura, commercio e obras publicas 0 rala-
torio irlraensal que Vmc confeccionon, em cam-
onmento do aviso circular daqnelle ministerio
de 24 de abril de 1869. Declaro, aorem, a Vme.
que esses seus relatorios dewm vir com eoderec0
ao governo geral. aeompanhados de uma copia
para flear no archivo da secretaria desta presi-
dencia.
pniExn do saoaBTaaio
I." secqao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das armas.
S. Exc o Sr. presidente da provincia, tendo au-
tonsado a thjsouraria de fazenda a abonar por
adiantaraento tres mezes de vencimeutos para 0
tenente M. Emigdi0 doEspir to-Santo, comraandanle
da forca do 2* batalhao de infantaria, que se acha
em diligencia na villa de Ingazeira ; assim 0 manda
declarar a V. Exc. em re.posta ao sea offlcio de
18 do corrente, sob 0. 567.
Ao mesmo. S. Exc o Sr. presidente da
provincia, tendo autori-ado a satisfacao dos pedi-
dro r-ilon p.-' 1 i"ioiaod.-int- 4<> -depoito d x-
crutas, de vassonras para 0 Servian da facbina
do respectivo qnartel e do artigos de'fardamente
para ajuste de contas as pracas do mesmo depo-
sito ; assim 0 raanda declarar a V. Exc. em res-
oosta aos seus offlcios de 18 do corrente, 10b ns.
560 e 567.
"." secqiio.
para a cadeira ultiraameute ereada no Cam 00
Verde.
0 presidenle da provincia resolve remover a
professora de Venda Grande Anna Bezerra Caval-
caute da Silva Costa par* a cadeira ultimamente
ereada no Fundao.
0 presidente da provincia resolve remover a
professora de Tacaratti Maria Izabel de Melb
Moura para a cadeira ultimamente ereada na po-
voacao de Tejucupapo.
0 presidente da provincia resolve remover a
professora de Vertentes Jacintha Avelina da Ouz
para a cadeira ultimamente ereada oa colania
Izabel.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. De orden de S.
Exc. 0 Sr. presiiente da provincia communico a
V. S. que nesta data se expedio orJsm ao com-
mandante do corpo de policia aflo? de mandar
apresentar-se a V. S. nm official e 10 pracas da-
quelle corpo, com destine a villa de Gamelleira.
Ao mes do. Da ordem de S. Exc. 0 Sr.
presidente da provircia communico a V. S para
os lias convenientes que nesta data mandou-se
pagar a importaneia do* alugueis da< casas qne
no termo de Bezrros servera da cadeia e quartel .
na onformidaJ! do offlcio do deb-zaio de poli-
cia, que acompanhou 0 de V. S., de 4 do cor-
rente, de n. 80J.
Ao commandante superior dos municipio*
de Bonito e Bezerros. S. Exc. 0 Sr. president?
da provincia manda communicar a V. S. que por
oilicios desta data dirigidos a thesouraria de fa-
zenda e ao thesouro provincial expedio as neces-
sarias ordens no sentido de serem pagos os prets
que acompanharam 0 seu offlcio datado de 9 do
corrente.
Ao commandante superior de Garanhnns.
S. Exc. 0 Sr. presidente da provincia manda com-
municar a V. S. qne em offlcio desta data se ex-
pedio ordem a thes araria de fazenli, para qae
seja paga a importancia dos prets da guarda na-
cional destacada nessa villa durante 0 mez de
juuho fiudo, aos quaes se refere V. S. em sen of-
iicio de 4 do corrente.
Ao juiz de direito da comarca da Victoria.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda accu-
sar o recebimeato do offlcio de V. S., de 17 do
corrente, communicando haver na me-ma data
reassumido o exercieio de suas fanc;o9s 0 juiz
municipal e de orpha is desse termo.
Ao juiz municipal supplenle de Santo Aa
tao.O Exm. Sr presidente da previncia manda
aceusar 0 recebimeolo do offlcio de V. S., de 13
do corrente, communicando haver na mema data
assumido 0 exercieio pleno do cargo de juiz mu-
nicipal dessa termo. na qualid de de 2* supplenle.
4.' secqao.
Offlcios :
Ao bibliothecario provincial.D> ordem de
S. Exc. o Sr. presidente da provincia remetto a
V. S. para 4 bibiiotheca a sea cargo nm exemplar
impresso do regulameuio para as caixas economi-
cs e os moote sde socrorro da provincia.
Mutatis mat indis ao secretario do Ins-
titute Arcbeologico, ao presidente da Socielide
Propagadora in Instruc.ao Publica e a direcloria
do Gabinele Portuguez.
Ao secretario 'do InstitJto Arcbeologico.
S. Exc. 0 Sr. presiden e da provincia manda de-
clarar a V. S., em resposta a seu offlcio de 16 do
corrente, relativameote a transferencia do Insti-
tute para 0 edificio em que tiver de funcckmar
a Bibiiotheca Provincial, que npportunamente sera
tornado em consideracio semelhante pedido.
5.' secrao.
Officio :
Ao cog-nheiro Q cat interino da estrada de
ferro do Becife a S. Francisco. S. Exc 0 Sr.
presidente da provincia mania eommnnicar a
V. S., para sen conherimento e em resposta ao
seu officio de 13 d> c.rrente, sob n 98, que
nesta data officiou a tuesouraria de fire 11 la, afim
1 fazer ee'sar n procedimento abusivo d > collec-
tor do Ciho. m :':inio indevidamente a essa es-
trada de ferro.

rsmao
DKSfAcii is D.\ paiism :<..
de 1874.
Anlon'o Jose B.ptista.DL.Jendoeom oCQciodes-
ta diti di'igido 1 thesouraria de fczenda.
Bacharel Alipio Zacarias de Csrvaliio.-Euca-
miuhe-se.
Aatonio Gomes de Oliveira. Declare o snppli-
canle onda resuliam seus pais e 0 tarao onde tem
de ser arrecadada a neranca e 0 valor provaval
della.

i


Diario de Peraambuco Ter^a feira 17 de Novembro d6 1874
^w
Anna Emilia de Lemos Sa.-Informe o Sr. pro-
vedor da SaoU-Casa da Misericordia.
Castnciano Jose Tavares da Costa.Passe por-
taria exouerando o supplicanle.
Fraocisco Afltooio da Silva Requeira a qoero
de direito for.
Francisco Luiz Beltrai Sim.
Francisco Jose Martins da Costa.Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Felix Jose de Saut'Anna.--Deferido com o offlcio
desta dafca ao Sr. inspector do thesouro provincial.
Jose" Felix Lopes. Informe O Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Baeharel Joao Alvares Pereira de Lyra.Passe
portaria coucedendo 30 dias de licenca, com orde-
nado na forma da loi.
Baeharel Joaquim Jose de Carvalho Siqueira
Varejao. Passe portaria concedendo 2 mezes de
li :en.a com vencimentos.
Juio de Carvalho.Informe o Sr. inspector da
thesouraria de fazenda.
Dr. Joao Angnsto do Rego Barros.Sim.
Joaquim Hereulano Pereira Caldas Junior.De-
ferido com offlcio desta data ao tbesouro provin-
cial.
Dr. Joao Maria Seve. -Deferido com offlcio des-
ta data ao inspector do thesouro provincial.
Manoel Taeodoro da Rocha. -lndeferido.
Manoel Barbosa Pereira de Lucena.-Nao tern
lugar o que requer o supplicanie
Martha Maria da Malta.Sim. nao havendo in
conveniente. ',
A mesma.Sm, n;io havendo inconveniente.
Sebastiao Raymuudo Caminii In deferido, por
quanlo a captura dos deseilores, a |in allude o
supplicanie, effecluousc em virtu le de ordem do
delegado de policia.
- l' -
Antoniu Luiz de Oliveira Azevedo. Informe a
Sr. Dr. cUcfe de policia.
Aulonio de Karros llego. -Pass*" portar'n.
Bernardo Jose IVreira Ramaliiu. loiunne o Sr.
inspector do tbe>ouro provincial.
Domiogos daSilva Torres. l';i->\ .
Oamiao da Costa Leitau.Iul.i.me o Sr. ins
pector da thesouraria do lazend.i.
Baeharel Jose Eustaquio de Onve'ra e Silva.
Informe o Sr. inspector do Ihe.-ourn |.rovineial.
liacharel Joao Francisco J;i Silva isrjga Passe
portaria na forma da lei.
Jose t-'raneisco Santiago.-Informs o Sr. direc-
tor do arsenal de guerra.
Joaqui u VirisMino do Rego Barros.Deferido
com uifleio de>ta data ao inspector do thesouro
provincial.
Manoel Clementino Carneiro da Cunha.-De se.
Major Mauoel Carneiro Uavalcante de Albuquer-
que Lacerda.-luforme o Sr. Dr. juiz municipal
no lermo de Panellas.
0 mesmo.Informe o Sr. juiz municipal do ter
mo de JaWreiros.
Reiiartieilo da policia.
S.'feccao__Seeretana de policia de Pernambuco,
16 de novembro de 1874.
N. 1387.Illm. e Exm Sr.-l'ariieipo a V. Exc.
que, das coramunicacoes rec->bidas hoje nesta re
particio, con-ta que se Jeram as tegainlss occur-
renci as :
Kur.-.in recolnidos na casa de detencao. no dia
li do correuie, a ordem di subdelegado de Santo
Antonio, Fraocisco Sebastiao Seso.-tres de Barros,
pur embriaguez.
No dia to, a ordem do subdelegado de S.inlo
Antonio, Francisco de Carvalno Pinto e Francisco
Ramos dos Santos, por disiurbios.
0 subdelegado do disiiicto dos Afogados, re
mett-u ao juizo coropetente, o imiuerito a que
jDrocelcu contra Aoasueio de tal, oonbecid' por
Joaozmlio e Jesaino de tal, por crime de olTonsas
physic is grave-.
Foi reeolhido ;i cad?ia do termo de Giranhuns,
Jeronyino Ferreira de Mello, cruninoso de luga de
preos.
No termo do Bom <;>nselho, f.ii presi Felippe
Ooelho de Souza Cizura eavallos.
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm. Sr. com-
mendador Henri |iie Pereira de Lucena, digno pre-
sidente da proviucia 0 c'aefe de policia, Anto-
nio Francisco Correiu de Araujo.
visto
Para" 16 aos 30 m. da tarde. Morreu reudar a convento da cidade de Goyanna,
uma filha do conselheiro Visconde de Souza w ni! solicitouseraelhante Iicenca.
a* n; j i.- u Monteplo Portuguea Realison-se no
ao Kio de Janeiro ha doming., eorao estiva annuaciada, a poise do
I) presidente da provin- conseiho fiscal e da directoria dessa corporacao,
Franco, a qual veio
ceroa de um mez.
cia suspendeu a congrua a to 103 os viga-
rios do interior. Cambio sobre Loudres
26" 1[2 bancario.
PEENAMMG0.
REVISTA DIARIA.
ficando a directoria assira composta : preaidente,
Manoel Jose Maohalo ; vice-duo, Frauciseo Anto
nio de Souto Maior Raposo; I* secretario, Antonio
da Maia Pessoa; i' dito, Ce Papoula ; thesoureiro, Francisc> Manoel da Silva.
As setsdss da directoria serao celebradas as
quartas-feiras de cada saraana.
Subatitutyao de natas. Tendo-se
dado engano na redaccao do aonuocio da thesou-
raria de fazenda, acerca das not is em substituicao
; qie hontom publicamos, repeiimos hoje no lugar
; competenie essa publicacio, com a conveniente
provineia foi expeod.do o seguinte offlcio : } f oterla.-A que se acha a venda e a 12o.',
a Palacio da presidencia de Pernambuco.-Re- *!"* da caPella to Estanc,a- 1tte corre no
cife, ii de novembro de 1874.-2* seccao.-Trans- j a,a *"
mitto por copia a V. S. o incluso aviso do minis- A
lerio do Imperio, de 30 de seterabro ultimo, aflm Pf^'2**hJPtjm&'- ,
de quesejam imimados os governadores deste ^FT^'^JI'k^Sm^uFZJ?.
bispado ahi residentes, conego chantre Jose Joa- Pont- ejlriC,l,a aB0,8 P'Qto o le.lio de 10 saccas
quim Camello de Andrade, e padre Sebastiao Cons-, de ^^^^T^^L/,^ i u
lautino de Medeiros, para, no prazo de oito dlaS, As II e me.a boras deve ter lngar o leilao
comprirem o aviso do mesmo ministerio, de 12 de da "rga salvada do nav.o mglez Dundee, constaa-
.* (> "n ** toMrnnna a rein Itrncil
jiiuho de I87J, tambera por copia
A do Rio de Janeiro, 537.' sabe-se, por tele-
^mm&mmm
it:
(AGENCIA TELEGH.APIIICA HAVAS REUTER.)
Ijn>ailre8 in dc novembro. Kin
uma reuniao especial que leve
lunar iiitjj- foi elcvada a t-inco por
eeuto :i mxii do de Inglaterra.
Rio de Janeiro IS.Cnegaram os
vaporce MONOEGO-9 TYCIIO BR.411R.
Bahia 15. -Cheeou o paquele lira-
siieiro CONDE DEU e h.iIic amanlia
p:tra Haceio e Pernambuco ; lam-
bem cIickoii o vapor francez VILLE
BE IUU OB JANEIRO.
Rio de Janeiro 13J. Chcgou o va-
por inslcz LEIBNITZ. Saliio hoje pa-
ra os portos do -ill o vapor inglez
KEPLER.
Bahia lO. O vapor ARGENTINA
riie^uu. O vapor rrancez VILLE DE
RIO UE JANEIRO Malie amanba para
l*ernambuco.
>OIH I \N COUMERCIAE9.
Londres 11. A taxa do desconto
na praca elevou-tte a tres e tres
quartos, t onxelidadOH de 3 O/O, fob
account, a 93 3/8. Funiloo bragileiros
de 3 O/O. do anno de 1 s;r. a '>'.. Ca
fe : calmo ; [ircnm nrmctt inaltci a
dos s venderam-Me boje dous mil e
Heteccntos saccas da priuieira qua-
lidade boa (good first) do QRio. isobre
agua, a 83 por CWT para o BaKico.
Assucar: calmo; pre^os lirmes inal
terados i o carrexamento da Batata
pelo navio HENEY vendcu-se a 29/ s.
por cwt.
Liverpool 11.-Algodao : transac
I'Oi's regulares : precos nauito fir
jii' x venderam-se hoje quatorze
iml fardos. sendo mil e quatroeen-
1ns de procedencia da America do
Nut : o fair de Pernambuco a 9 9/8
d. por libra. Assucar : calmo : pre
cos firmed ina lie radon.
Antuerpia 1-t. Cafe i calmo i pre
com lirincN inalleradog.
Havre I I. (ale : lniiisa CUlares : precos muito Sirnaea. Al
godao : Iniiiaci;i>i's reeulares t pre-
con nauito firmer : o ordinario de
Pernambuco a tlO francos por 50
kilogrs.
Ilamburgo I I.Cafe : ealino : pre
cni firnaeti inalterados.
Alarsellia 14.-Cafe: transaccoea
rexularca ; preras muito flrmi's.
Assucar > o de Pernambuco 'iUAan
cos por SO kilogrs.
Kew-York 14. -Cambio sobre I,on
dres 4-8G 1/9. Ouro IIO 3/4. Care :
calmo : precos firmes inalterailos ;
o do Rio faik 19 1/4, e o good 18 l/S
cents por libra. Algodap: mediano
uplands 14 3/4 CRirrs por libra; as
ctargadas de hoje aos portos amc-
ricanos elevam-se a vinte e sete
mil fardos.
Rio de Janeiro IC-Cambio Mobre
Londres 2G 1/3 d. particular.
Bahia 18. Cambio sobre Loudres
SO 3,H a 2ii 1/3 d. particular.
(AGENC1A AMERICANA.)
Madrid 15 de novembro. -Corre que o
cabecilba carlista Lozatio e sous cornpanliei-
ros, ultimamente agarrados com ;>s arm as
na mao, foratn coiidemiisdos a morrerem
garr.>eados, sapplicio barb3ri e inl'inante.
Paris lii.0 conseiho gJ.ral d i Sna re-
cusou amnistiar os operanos coiuplicados
na revolu75o da eomavipa. Parece que
as pr.iximas eleijons municipaes s>:rao mui-
tj 'li-putalas, pois manifesta-se grauJo a-
uimacao.
Rjma 14.Foram reeleitos muitos de-
putados da opposi^ao.
Babia 16 as 8 h. e 40 m. da manlia.
Cbegou de New-York pelos portos da sua
escala o vapor emericano MERRW.iCK.j
de 1873, tambera por copia, e caso dei
xein de o fazer, providence V. S. em ordem a
que o proniotor publico dessa comarca promova
a responsabilid >de dos mesmos governadores, na
forma da lei. Dens guarde a V. S.Sr. juii de
direito da comarca de Olinda.a
Igual oOIcio foi dirigido ao Dr. juiz de di-
reito do 4* districto criminal da cidade do Recife
quanto ao padre Joaquim Graciano de Araujo.
Theatro 8anto Antonio. Realisou se
no sabbado o espectaculo que a companhia Keller
oflereceu ao Exm. Sr. rainistro do Imperio. 0
heatro estava cheio, e a companhia trabalbou a
contento de todos os espectadores.
0 primeiro quadro foi allusivo a independencia
do Imperio: os outros representavam os diversos
passos dus soffrimentos e a paixao de Jesus Chris-
to. 0 ultiui'j annuueiava o cartaz tscola de*
Athenas.
Havia curiosidade em ver esse quadro ; mas
em vez de!le receberam os espectadores uma
grande surpreza, que foi mui applaudida.
Coraecou por uma introduce^ ailusiva a e~cra-
vidao, era que um especulador tratava de vender
tres esrravos. que os trazia acorrentado, e um
cavalheiro generuso e duminado dos mais eJevados
sentunenios humanitanos, se e-forcaNa para coin-
prar a liberdade uesses infehzes, o que alioal
dnseguio.
.Nesse iutcrim o aojo da liberdado surge em
senna, arranca os ferros dos escravos, e cahe o
t>anno d i fundo, deixando ver um quadro lindo ju-
diciosamente eombina lo, no qual Ggurava no fun.I
o retralo de S. M. o Imperador, com esta ins-
rripcao -libertos. Eolre outras figuras allegori-
ricas, dotavaiii-se dous aojos ajnelhados aos ps
dos bu.-tos dos Srs. mimsiro do Imperio, e preM
dente do conseiho. Estes dous buslos estavam
em (rente do quadro.
Enlao do scenario foram erguidos vivas ao
Imperador, a familia imperial, ao ministro do
Imperio e ao gabinete de 7 de raargo. Os dous
anjos depositarain duas eordas de louros nos pe
destaes dos dous Dnstos, e causaram um hymno
a li< erdade.
As laniejoulas e as cores diversas dos focos de
lazes que estavam entre os bastiaores, deram ao
quadru- urn realce immenso.
A sensacao foi profunda, e os espectad ires, aci-
mados de um nuhre entliu'iasino, aplaudiram a
idea, e pediram repeii'.-ao do quajro.
0 theatro estava liodaraente decorado, o que
muito cuncorreu para o be'lo elTe;to dos quadros.
Ilonra, pois, ao Sr. Kelltre ao Sr. CoiiLbra.
Muito bonrosu.As alumnas e alumnos
mestres das eseolas normaes pretendem laurear
os valiosiasimos services nresiadus pelo Exm. Sr.
conselheiro Joao Alfredo Correia de Oliveira, como
ministro do impario, a instruccao publica do paiz,
e especialiDente a desta proviucia, manifestando
assim da maucira mais imponeute a gratidao que
Ihe votam como pernamhucanos que sao.
O objiicto significaiivj de sentimentos tao nobres
consiste em uma primorosa escnvauiuha de prata
que sera otferecida a S. Exc. no dia ii do corren-
te, por occasiao de serein distnbuidos os respecti
v.s titulos de habilitacao.
A escrivaninha, obra que assas recommenda o
artista que a executou, o ir. Jose Joaquim Dias do
Rego, acha-se exposta a aprciacao do publico, em
sua onrivesaria, a rua do Barao da Victoria n. i'i.
Hooros:ssimo testemunho de gloria, se por um
I iJ sobr'eleva a graudeza de seufimento aaquel-
les que prestarara, por outro perpetdi. o oorae da-
queile que por seu acrysuladu eiviatto bem mere-
ceu de seus contemporaneos.
Inquerito polieial. Pelo subdelegado
do 1* uistricto dos Afugados foi remettido aa juiz
competenie o inquerito a qas procedeu contra
\uastacio de tal, eoohecido por Joiozinho, e Jesui
no de tal, por crime de ofTensas pbysicas graves.
Captnras de criminosos. Aebam-
se reculbidos a cadeia de Bora Conseiho, Felippe
Coelho de Souza Cazumba, ladrao de eavallos ; e a
de Garanhuns, Jerooymo Ferreira de Mello, enmi-
noso por fuga de preso.
I-: vames de prcparatorios. No dia
10 lizeram exanies de francez 30 alumnos, sahindo :
10 olenamente, 9 simple*raente e II reprovados.
Estrada de ferro do Recife a Sao
Fraueisco. Esta via de uoramunicagao no
mez proximo findo de outubro:
Rendeu 60:29'**6o0
Despendeu 32:390*101
Deu de salle a favor da garan-
tiadejuros 27:90i*549
A relacao entre a receila e a despeza foi de......
53,72 0|0.
Trauaitaram na linba durante o mez 13:755 pas-
sageiros, dos quaas 567 1|2 por conta do g iverno ;
foram transL'orlados3: i2u volumes de bagagem,
pesando 56:855 kilograinmos, sendo por conta do
governo -1:821 kilogrammos,14.558:236 kilogram-
raos de raercadonas e 332 amraaes.
Nas mercadjrias estao comprehendidos 31:591
saccos de assucar, pesanra 2.i06.310 kilograin-
mos ; 509 fardos de algudao, com o peso de...........
38:391 k Ijgrainmos.
Companhia pernambucana. A ge-
rencia dessa companbia annuucia que, do presen-
te era diante, a carga que for embarcada nos seus
vapores, com destrao oo porto do Aracaty, sera
eutregue na cidade desse norne, sendo transporta-
da da barra (onde funJeara o* vapjres) em Ian
chas de propriedade da in ^sma companhia, inde-
peudeute de qualquer exigeucia de pagameulo por
um lal servico e que da mesma forma sera
iraosportada a carga que for embarcada no Uilo
porto para os outros.
Escola pratica annexa a cscola
normal..No dia U do cojre.ute, lizeram exa-
me os alumnos dessa escola, dados por nabilitados
nas materias que constituem a instruccao prima-
ria, saber :
Escripta, leiturade prosa e verso, orthographia
prabca, grainmatica purtugueza, cocprehendendo
analyse logica e grammatical, arithraelica, systema
metrico, aorangeudo reJuccoes do antigo ao novo
systema e vice versa, nocoes de geometria, de
geographia, de astrouomia, doutrina chnsta e bis-
tona sugrada.
Comegou e terminou o*acto sempre presidido
pelo Sr. Dr. inspector g^ral da instruccao publica,
com assisten'Ma do Sr. Ur. Alvaro Uchoa Gavalcan
te, director do estabelecimento, sendo exaraiuado-
es t professor da escola o os alamo is mestres ja
babilitadoi Luiz Eustaquio da Conceicao Pes*oa e
Luiz M.inoel Hodrigues Vaieoca Junior. A>:ha-
ram-se presedtes 82 alamnos, os pais de alguns
delles e outras pessoas estranhas a escola. Os
examinaiidis obtiveram o se.-uinte resultado :
Pedro l.'elso UchOa Cavalcaote, approvado com
dstuieeto.
lost Affun^o dos Santos Lima, idem.
Francisco da Fonce?a Figueiredo, idem.
Bfrnardino de Senna M iced", idem.
Ueliino Augasto Ferreira de Paula, idem.
C.iruliiio Matoias Leopold mo de Carvalho, idem.
Jo>e Calasans de Assis, approvado.
Misael Xinda de Souza, idem.
Sleuripo Joaquim Antonio de Moraes, idem.
Manoel Jacintho da Silva Cavalcante, idem.
Km aeguida foram distrtbnidos a 66 alumnos
premios de I', 2*, 3", 4" e a' classes, lendo o pro
fes-or d i cadeira era attenjao aos exames de uns
e do aproveiiamento e comportamenlo dos ontros
durante c anno.
Camara municipal do Recife.Essa
corporacao, na sua seesao de 11 do corrente, resol-
veu dar a denominacao d- praci do conselheiro
Joao ATredo ao largj do Ma^dalena, em frent-<
ao sobrrado grande, nu distr.cto da freguezia dos
Afogados, em commmora;;ao da visita a efta pro-
vineia pelo Exm. Sr. conselheiro Joao Alfredo Cor-
reia de O.iveira.
do de jacaranda e pao Brash.
Qointa-feira, 19, deve ter lugar, por interven
cao do agente Pinto, o leilao de fazeodas limpas e
avariadas, annunciado para o armazem do Bom
Jesus n. 63, assim como as prateleiras, mesas,
uma burra, um armario, e outros objectos per-
tencentes as massas fallidas de Bento da Silva &
C. e Pereira de Mello & d
Sexta feira, 20, vendera o mesmo agente dif-
ferentes move-is de escriptorio, assim como mobi-
lias emais accessorios de casa de familia, objectos
existentes nos I.*, i., .'). e 4.* andares do sobrado
da rua do Bom Jesus n. 42.
O agente Martins effectua hoje, as 11 boras
do dia, o leilao da armacao, maquinas de costura,
mesas para offlcina de alfaiate, e diversos moveis
da loja de fazendas da rua da Imperatriz n. 49,
denominadaActual idade.
Hospital Portuguez de Beneflcen-
cia. Movimento da enfermaria na semana de 8
a 14 do corrente :
Existiam 35, entraram 8, sahiram 9, falleceram
2, cxi-tem 32.
Eutra de semana o Sr. mordomo Antonio Alves
Lebre.
Casa de detencao.Movimento da casa
de detencao do dia 15 de novembro de 1874 :
Existiam 308, entraram 2, sahio 1, existem 309.
A saber :
Kaciooaes 233, mulberes 8,estrangeiros 30, es-
cravos 37,escrava 1.Total 309.
Aliraentados a custa dos cofres publicos 252.
A saber:
Saos 2)2 eenfermos 20.Total 252.
Hospital Pedro II. -O movimento deste
estabelecimento, de 9 ao dia 15 de novembro, foi o
seguinte :
Existiam 38V, entraram 52, sahiram 48, falle-
ceram 5, existera 383, sendo :
Homens 2i7 e mulheres 156.
Advertencia.
Foram visitadas as enferraarias nestes dias:
A's 6, 6, 7. 6, 6. 6 l|i, 6, pelo Dr. Ramos ; as 9,
8, 7 1|2. 8, 7 l|i\ 8 1|2, pelo Dr. Pereira da Silva ;
as 9 1|2, 8 |2, 8 1|?, 8 1|2, 8, 9 1|2, .7 1|3, pelo
Dr. Malaquias ; as 9, 8 l|2,9, 9, pelo Dr. Murillo
Vianna.
Fallecidos.
Jos6 Bezerra de Oliveira ; iclericia.
Maria Fr,-.ucisca do Carmo ; tubercufos palmo-
nares.
Antonio hidoru da Silva ; tuberculos pulmonares.
Jose Felippe Santiago; variolas conlluentes.
Seuborinha Alexandrina Esmera ; tetanos trau-
raalico.
Passageiros. Sahidos para Ltsbua na
barca portugaeza Pereira Borges :
Antonio Freire Macbudo, Joao de Oliveira Fon-
ceca e Antonio Marques de Almeida.
Navio sahido no dia 15.
CaualBrigue ausinaio Bakar, capitao Prard.za,
carga assucar.
Cemiterio publico. Obituario do dia 14
do corrente:
Jose, branco, Pernambuco, 4 annos, S. Jose ;
couvulsoes.
Antonio Ribeiro Vasconcellos, nardo, solteiro,
Pernambuco, 32 annos, casado, Santo Antonio ;
tuberculos pulmonares.
Alexandnna Seohorinha E3mera, parda, Per-
nambuco, 40 annos, caaada, Boa-Vista, hospital
Pedro II ; letano traumatico.
Maximioo, pardo, 14 annos, Recife ; variol.
Rita, branca. 6 mezes, Santo Antonio.
Maria, branca, Recife ; leiano.
Claudina, escrava, parda, Pernambuco, 30 an-
nos, solteira, S Jose ; phtysica pulmonar
-M5 -v
Marcolina, branca, Pernambuco, 10 We a, San-
to Antonio ; pbtysica pulmonar.
Narcisa Maria da Conceicao, parda, Pernambu-
co, 28 annos, solteira, Santo Antonio ; tuberculos
pulmonares.
Januario Joaquim da Silva, pardo, Pernarabaco,
30 annos, solteiro, S. Jose ; convulsoes.
Angelica Maria da Conceicao, parda, Pernam
bueo, 30 annos, casada, Graca ; tetano.
Joaquim Ferreira de Moura, pardo, Pernambu-
co, 60 annos, viuvo, Boa-Vista; phtysica pul-
monar.
ca parte do que elles lancam.
outros poutos de fornecimento, dentro de i
tempo serao aproveitados todos os liqnidos e o
Senna fieara dispensado de receber quotidiana-
mente lao grande quantidade de immnodicias
COHCLUSdBS A RESPEITO DA IRRIO.fCAO POR HEIO DAS
t AGUAS DE ESGOT0.
A' vista por Unto do que tica snmmariamente
exposto e de muitos outros elementos que por toda
a parte se encontram para provar que e de ur-
gente nece-sidade aproveitar as agaas dos esgos-
tos e empregalas taes qoaes ellas sio laocadas
sem outro processo preliminar, poderemos chegar
as seguintes conclusSes :
Os processos chimicos asados at6 hoje para
apurar as aguas de esgotos tem os seguintes in-
conveniente* :
AfTectarem a salubridade da visinbanca pela*
manipulacSes que exigem, prineipalmente pelos
cheiros que forcosamente desenvolvem.
A separacio das materias nunca e completa :
fleam sempre ou dissolvidas ou saspensas muitas
substancias fertilisantes que tao causa de corrup-
cao para os rios, em prejuizo da agricultura.
O valor commerc al do estrume e raenor do que
as despezas Mtaa para obte-lo.
Estas conrlusoes emanam das combinacfles chi-
raicas ate hoje desconhecidas ; nao se quer dizer
com isio que alguraa sabstancia ate hoje desco-
nhec da nio possa resolver o probleraa de qual-
quer outra maneira.
Em Inglaterra todas as emprezas enjo iniento
fora usar dos processos chimicos, teem sido mal
succedidas.
Na Belgica, depois de delido e minucioso exame
da questao, o resultado foi ideotico.
Na Franca as experiencias de Clichy e Genne-
velhers condrraam aqaellas ideas e resultado9, e
apezar do talento e perseveranca com que ellas
foram feitas, a depeza tem sido ooerosa sem ga-
rantirse a salubridade. Menos favoraveis ainda
tem sido os ensai ^s em Reims.
Nao sendo uteis nem proveitosos os processos
chimicos, as aguas de esgoto devem ser espalbadas
sobre as terras, taes quaes sahem dos encanamentos
das cidades, sem preparapao alguiua : apenas sera
preciso prevenir a passagem de corpos volurao
sos que impegam o irabalho dos macbioismos
quando elles deverem ser empregados para a ele-
vacao dellas.
SOPERIORIDADE DA tRRIGACAO IMMEDIATA.
Diversos saj os motivos que provam a superio-
ridade do processo de irrigacao imraediata :
P. A agua do esgoto apresenta o estrurae na
forma mats propria a vegetacao, e nograo de con-
veniente diluicao : neste estado pade elle ser ira-
mediatamente absorvido nelas plantas.
2. A vegetacao e o mais apropriado instru-
mento para a scp^ra^ao das materias fertilisantes
e nenhnm machmismo. pode purilicar tanto a agua
como a planta nem como a terra.
3. O trabalbo dos vegetaes nio desenvolve
cneiros como os processos chimicos, pelo contra-
ry suspends os que os liquidos do esgoto podem
desenvolver.
O contacto da planta produz ama desinfecea i
immediata.
Estabelecendo-s*a)referem bebera agua snja a limpa e nunca o
~ leite alterou-se.
Ora, em face de tantas provas que foram apre-
sentadas em snstentacao da innocencia da herva
nascida nos campos irrigados, e da falta de pro-
vas em eontrario, e da cabal demonslracao da in-
verosimilhanca da existencia nella dos entozoarios
e outros vermes capazes de se reprodnzir no ho-
raem, parece fora de duvida que o aproveilamento
das materias dos esgotos e no seu estado normal e
alvitre mais efflcaz de favorecer a salubridade das
cidades e prover a agricultura de meios abjandantes
de fertilisacio, e por conseguinte o que deve ser
adoptadoem geral para prevenir os diversos acci-
dentes de infeccao das aguas, do solo, e da atmos-
phera.
DtMINUICAO DA MORTALIDADB NOS LDGAUES EM QUE
SB USA DA IRRIGACAO POR MEIO DAS AGUAS DE
ESGOTO.
Por toda parte, onde se tem adoptado o systema
da irrigacao pelas aguas do esgoto, a mortalidade
tem diminuido.
0 Dr. Buchaman reconhece uma diminuicao
progressiva da mortalidade em Croydon, que se-
melhantemente se observa tambem nos casos mor-
taes das molestias epidemicas, sendo certo edigno
de admiracao que a populacao que em 1848 era
de 19:380 habitantes em 1867 subia a 50:750.
Em uma memoria lida na associacao de Bristol,
o Dr. Carpenter aflirma que em Norwood, antes
da irrigacao, a febre dizimava a populacao e de-
pois della a mortalidade diminuio. Em 1863 era
de 18,76 0/1; em 1868 de 12,07 jO/o-
Nao se diga que a salubridade da irrigagao,
conflrmada por tantas autoridades medicas, nio
dependa em nada da perfeicao com que seus tra-
balhos sao executados. Como todas as outras
applicacoes theoficas e praticas depende ella de
estudo e observacoes, e qnerer fazel-a por toda
parte sem .ter em consideracao as qualidades do
lerreno e todas as outras cirenmstancias espe:iaes
e meio facil de desacreditar a instituicao.
Se os factos apontados e verifnal s por anto-
ridades competentes na materia, nao sao bastantes
para por a questao fora de duvidas, ontros muitos
poderao ser adduzidos no caso que app2re;am
contestacdes.
Se o bosso inlento fose tntar de tio importan-
tes quesloe3 com a proficiencia qne exigem os tra-
balhos que tem algum Um premeditado ou neces-
sario, nos veriamos forcados a dar muito mais ex-
tensio e alcance a esta nossa relacao ; nosso fim,
porem, dji e senao pantentear alguraas ideas que
estao oceultas a muita gente, que lalvej lhas pres-
to atlencao e tire proveito dellas.
Desta forma o nosso trabalho nao pode deixar
de ser muito limitado, tanto mais que delle nao po-
de haver necessidade, pois qje o nosso governo
ainda ha ponco mandou a Europa ura habit me-
dico estudar a questao Jos esgotos, e este, lendo
viajado muito e estudado a questao, estava suffl-
cientemente habilitado a prestar ao seu commit-
tente as mais instructivas informagSes.
(Cont inuar-sc-ha.)
AGUAS DOS
O li
HKONK \ KUUWRIL
I JllitS Mt. ill BEL VCiO
SESSAO ESPECIAL EM t6 DE NOVEMBRO DE
1874.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHEIRO
CAETANO SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coelho.
A's 10 hor.s da tnaoha, achando-se presentes
os Srs. desembargadores Malta, Accioh, Domin-
gues da Silva e Souza Leao, foi aberla a sessao.
Em continuacao o Exm. Sr. conselheiro presi-
dente passou a fazer o relatorio dos aggravos que
alinal foram julgados por elle e os adjuntos Bortaja-
dos nas sessoes anteriores.
Aggravos de peticao.
N. 81.Aggravante Joaquim Jo-e de Azevedo,
aggravado Balthazar Pinto de Gouvgi. Julzes os
Srs. desembargadores Domiogues da Silva d Souza
Leio. Deu se provimeuto ao aggravo para se
mandar toraar por terrao a appellacl>> interposta
pelo aggravante, visto como a sentenca de folhas
49, imports,do uma decisao definitiva, della cabe
o recurso da appellagao.
N. 83.Aggravantes os administradores da mas-
sa fallida de Faria & Lessa, aggravado o juizo da
fazenda. Jaizes os Srs. desembargadores Accioli
e Souza Leio.Negou-se provimento ao aggravo,
attentas as juridicas razoes do juiz de direito da
fazenda.
N. 85. -Aggravante Lourenco N'unes Campello,
aggravado Joaquim Manoel Ferreira de Souza
Juizes os Srs. desembargadores Motla e Domin-
gues da Silva Negouse provimento.
N. 86.Aggravante D. Libania Cesar de Albu-
querque, aggravado Joao Christiaui. Juizes os
Srs. desembargadores Accioli e Souza Leao. Deu-
se provimento ao aggravo para que o juiz de vista
nos propnos autos ; porquanto, ainda que seja
regra g-ral que os embargos em taes caso? devara
ser admittidos em auto apartado, toda via e>sa re-
gra soffre excepcao como na especie vertente.
Encerrou-se asessaj a uma hora da tarde.
FUBLgeACOES A PED1BB.
Au puhlico.
Breves considcra^des sobre o abas-
tecimeuto d'agua potavel a cida-
de do Recife, seus esgotos e meios
de sanear a sua atmospbera. pe-
lo l>r. Pedro de Athayde Lobo
Uoscoso. formado em medicina
pela Faculdade da Bahia.
[Continuacao)
INCO.VVEMBNTES DA IRRIGACAO.
A irrigacao das terras com as aguas natutaes
dos esgoto pelos estudos que tem sido feitos nl-
timamente pot varias commissSes de entendido',
nenhum inconveniente tratem para a saude.
Edimbourg a duzeutos an. o- que emprega essas
aguas. Nas quiuze ou dezeseis cidades que usam
de igual systema, em Dantzig e Francfort, nenhu-
ma influencia pernicio-a se ha solTrido delle.
Em Geonevibiers onde em 1865 leva principio
a applicacSo, os resultados parcce terera sido pro-
prios a animar outras en pretas desse genero.
Os tranalhos que haviam s do ensetados em Pa-
ris para ittilisacao das aguas dos esgotos foram
in'.errompidos pela guerra prussiana, e depois por
Ordem carmelitana. O Rvm. Sr. pro- essadestruidora colUsao eenoquedos elementosci-
vincial de.---i ordem em Pernau.baeo. nos pede vis.- depois da guerra rcomecaram as operacoes.
psra detnarar qne lb" e intiramentij estraniia a Aotualmenla approyeitam se ja 8", licenca eoncedida pelo governo imperial para ar- I bicos do esgoto de Asnieres, mais oa menos a ter-
ACCUSAgOES FEITAS A IRRIGAQAO PELAS
ESGOTOS.
Divers.s teera sido as accus#;oes proraovidas
contra o emprego das aguas de esgoto como es-
trume para as terras de cultura Algumas dessas
acc.usae.oes teem sido baseadas em priucipios da
sciencia, outras porem, exageradas ou para bem
dizer inlundadas e contrcversas.
A principal dellas e a que sustenta que a irri
gacao oode ser causa de propagacao dos vermes
miestioa-s Traz-se para exemplo a China: em
primeiro lugar nao esta provado que a agua dos
esgotos seja propicia a reproduccao dos entozoa-
rios ; ao contrario alguns chimicos tem provado
exuberantemente que elia contem em muitas oc-
casions uma certa quantidade de alcool em cujo
meio os entozoarios nao podem viver : em segundo
lugar a ourioa tambem cs mata immediatamenie e
lalvez a quantidade desta que existe u'agua do
esgoto, conjunctameuje com os acidos e outros
corpos que se Ihe retfnem com os residuos das fa-
bricas, sao mais que suQlcientes para os fazer
raoirer.
_ Alem disso nao ha comparacao entre a applica-
qIo das aguas de esgoto e o processo usado pelos
chins: estes com effeito empregam as materias fe-
caes, propriamente ditas, resultado das cloacas
que sao tao imraundas que tem merecido as mais
acres censuras dos viajaoles. Alguns ha que tera
dito que a China toda ella 6 uma cloaca. .Nas ma-
terias feeaes estao em seu estado ou elemento nor
mal os ovos do- entozoarios os quaes levados pelas
chuvas aos rios ou fontes podem ser iogeridos, ou
Hear adherentes as hastes ou folhas das plan-
tas.
Outros tem allegado que os aoimaes aliraenta-
dos com a herva produzida nos campos irrigados
com o'esgoto podem nao so soffrer mais dos ver-.
mes, como suas carnes os conterem em maior
quantidade, da mesma forma que pensara que o
leite dM vaccas pode ser o vehiculo de propagacao
de certas molestias grave).
Mr. H*pe que tem dedicado quasi toda sua vida
ao estudo e observacao do proveito das aguas de
esgoto empenhou se senamente era combater estas
objeccoes.
Sub a vigilaocia da junta da Associa;ao Britan-
nica elle sustentou ura boi filho de outros muitos,
nutridos exclusivamenie com% herva nascida nos
prados irrigados da fazendaRombord, -nao Ihe
dando outro alimento senao o provenlente desses
nsesmos campos irrigados com o esgoto.
A agua era fornecida pelo poco da fazenda e
nao pelo bebedouro. Ao flm d- 22 mezes o ani-
mal foi raorto a vista do Dr. Cobbold e professores
Corlield e Marshall
O Dr. Cobbold encarregado de dar conta do re-
sultado a Associacao Britannica foi obrigado a con-
fess ar que nao pode des'iobrir parasita algum nos
diversos orgaos do animal, nem nas visceras, nem
nos musculos.
Era elle entretauto, que 1865 snstentava que a
agua dos esgotos espalhava no campo os ovos dos
entozoarios; elle que tinha provado que estes ovos
morriam em um liquido contendo ourinas, e que
-nuaca poderam ser encontrados nas hervas, cou-
ves, batatas, beterrabas, cenouras e> todas as ou-
tras hervas nascidas nos prados irrigados com o
esgoto.
O Dr Alfred Carpenter consultado pela socie-
dade microscopica de Croydon resolveu a questao
pela negativa.
t Nunca achei, diz elle, os entozoarios no esgoto
de Reddington, pur mais qua os procurasse. O pen-
sar que estes ovos podem ser transportado3 sobre
a terra, adherenles as plantas e ingeridos pelos
animaes, mostra que se nao tem idea alguma dos
effeilos da irrigacao pelas aguas dos esgotos.
A propagacao da febre typhoide pelo leite foi
sostentada ha pouco pelo Sr. A. Sines, adversario
da irrigacao.
Ja diversos medicos tinham procurado explicar
alguns ataques do typbo pelo uso do leite das vac-
cas de certas estribarias em que se fazia uso d'a-
gua infectada de certas cisternas pelas infiltracoes
de antigas cloacas. O D Bollard em 1870 aflirma
que teve provas reaes desta propagacao.
Antes delle o Dr. W. Sesgwick tinba chamado
a atlencao da Sociedade Real de Medicina sobre a
possibilidade de adquirir o leite propriedades dele-
terias susceptiveis de causar envenenamentos.
Da mesma forma os Srs. \V. Jesmer e Dr. Mur-
chison atlnbuiram a ultima epidemia typhoide de
Marylobone, ao leite fornecido pela companhia
Diinj Reform. Um inquerito official vsriflcou que
apenas uma das fazendas desta companhia podia
ser saspeitarvpor causa de um poco infecto,
de cujas agaas se serviam ou para dar a be-
ber as vaccas para lavar as vazilhas do lei-
te. Reconhecida a faculdade que tem a agua
corrupta dos pocos pelas dejeccpes typhoides de .
propagar a molestia e nao se podendo suspeitar
que a companhia misturasse o leite com essa
o Sr. Smee entendeu que devia attrmuir o
agua,
envenenamento a herva irrigada pelo esgoto, bem
que nenhuma daquellas fazenda) houvesse dado
as vaccas da herva proveniente desses prados.
Em consequencia de uma imputacao leviana-
mente smtintada, de todos os lados appareceram
formaes contestacoes, e afflrmoa se com o teste
raunho de factos authenticos e bem verificalos
que a herva alimentada com o esgoto nunca tinba
produzido symptomas endemico9 quae^quer.
Os medicos dos asylos de Sussex, de Duvon, das
eseolas de Sulton, cujos residentes usam ha mui-
tis annos do leite de vaccas nutridas com seme
lhantes hervas ; os inspectors da salubridade eos
praticos na irrigacao como os Sr.-. Latham, Denton,
Hope, Mrgan e outros declararam que a assercao
de Mr. Smith na> tinha fundamento.
Mr R ben Rawllnson < tembra que a eo mis
sao real por intermedio dos Srs. Lawes Wav, nao
venflcou indicio algum de molestia propagad'a pelo
leite Da fazenda Rugby, o
8 Pelo contrario provou-se que o raygrass de
Italia proveniepte da irrigacao pelo esgdto, alimen-
tava vaccas cujo leite e mmieiga augmentaram da
rendioieato. felo que respeita a agua que bebem
as vaccas.^am todo tempo ellas e em toda parte
loao nircano e o proi inciano
de .\uv.ai-etfi.
Meotir calumniaudo e sempre e por toda parte
a divisa dos provincianos, desvairados pelo des-
prito de vprem-se abatidos cada vez mais no con
ceito publico I
Os homens de bem, que mais se recommeniam
a estiraa publica, tornam-se por isso, mesmo as
victimas mais perseguidas da raaledicehcia daquel-
les infelizes desregrados, que considerando a des-
ordem seu estado normal, uesesperam se, morden-
do com frenesi hydrophobico as autondades que
Ihes tomam conta pelos desvarios constantes.
Nio surprende portanto e antes era natural
que o Dr. Joao ilircano, digno juiz de direito de
Nazareth, nio eseapasse a foria de um destes
mon*tros sociaes, que em vez dos noraes de homem
deviam ter o da pelourinhos, para se fazer delles
uma idea mais exacta.
E na verdade como podia a honra de tao disiinc-
to amigo estar livre de uma aggressao, sendo um
homem de bem a toda prova e uma auloridade
honesta, que priraando pela imparcialidade e pru
dencia de seus actos torna-se digna dos melhores
elogios ? I
Pois bem, os provincianos fieis a tao infame di-
visa, nao tem poupado ao Dr. Joao Ilircano ; e ain
da um dia destes recebeu elle golpes ce^os de um
desmiolado da camarilna provinciana, que se acha
em Nazareth.
O dillamador, nada achando que dizer de verda-
de contra o ialegro magistrado, compoe um artign,
que so contem torpes deseomposturas e calumnias
vans ; nao especiQeaudo factos e fallando de tor-
turas, sem mostrar quaes sejam ellas e suas vic-
timas.
Com effeito muito pode o desespero desta sucia
provinciaoa, para leva-la a ferir bomens do carac
ter do Dr. Joao Hircano, taxando-os de persegoido
res e imprudenles ; quando e certo que os actos
desta autoridade attestam solemnemente o contra
rib, ate mesmo no desempenho da ardua tarefa de
delegado de policia desta capital em ama epoca de
efTervescencia politica, em que muitos espiritos ten-
diam a ccrti vindicta pelos excessos da situacao da
liga I.
O procedimento do Dr. Joao Hircano como dele
gado de policia foi tao digno, que ibe grangeou a
estima de todos e ate dos adversaries politicos, que
rendera preito a honra e a verdade, e assim suc-
cedeu em todos os lugaros onde com geral satisfa-
cao tera desempenhado encargos sempre impor-
tantes.
O tal correspondente nao se contentoo so em fe-
rir o nosso aaign, atirou-se ainda obstinadamente
contra o conselheiro Joao Alfredo, por ser uma das
causas principaes do despeito que o consome e a
seus parceiros provincianos I
Devemos confessar que estes bomens no terreno
da diffamacao sio c die rentes, atacara sempre com
maior ardor aos que raelhor procedera e mais res-
peito merecem ; prineipalmente se encontram nes
tes difflcul lades aos seus nefandos pianos de eu-
bica.
O conselheiro Joao Alfredo-por isso mesmo que
merecidamente occupa ura lugar no coracao dos
bons pernamhucanos devia ser o alvo dos petrolei-
ros provincianos e especialmente deste de que nos
occupamos, por attribuir a influencia do illustre
conselheiro a remocao do Dr. Joao Hircano para
Nazareth, visto ser esta autoridade invencivel ob<-
taculo contra os malevolos desejos de ura commu-
nist* gangrenado que so respira peconha.
Se com effeito o cinselheiro Joao Alfredo inter-
veio na remocao do Dr. Joao Hircano adquirio as-
sim mais um titulo a e.-tima e gratidao dos filhos
de Nazareth, que muito sabem apre;iar o'alto me-
recimento de S. Exc, como fazem os bens per-
namhucanos.
E-tes distinctos cavalheiros atacados pela Pro
vincia nao se devem raolestor com seus ultrajes,
porqne acima do conceito della esta a opiniao pu-
blica, que sempre faz justica.
Continue o Dr. Joao Hircano a proceder como
ate agora, que ha de gozar sempre da esti.ma pu-
blica
Incorra-se embora nas iras dos maos, porem fa-
case o bem, que se tera em recorapensa a estima
dos boos e sobre tudo a protecao de Deas.
Recife, 13 de novembro de 1874.
G.
(*) to tribunal da rel*c-Io.
V alidade das concordatas ami-
gaveis.
Intelligencia do decreto n. 2,481
de 23 de setembro de 1859 (so se
refere as concordatas posteriores a
declaracao judicial da lallencia : as
que nao es ao nesse caso sao permit-
lidas.
Decisoes do Tribunal do Goramer-
cio da corte e da Relacao de Per-
nambuco.
Accoroao era Tribunal, etc. Reforraam a sen-
tenca de fl. 55 v., vistos os autos. Porquanto, em
vista do escripto de fl. 11, do assentamento a fl.
40 v., eonstante do livroDiario Bda flrraa Me-
nezes, Simpaio <& C, acerca do recebimjnto da
quautia de 3i7N20 e do que depuzerara as teste-
ruunban de fls. 22 a 25, nao pode soffrer a raenor
duvida que Menezes, Sampaio A C se deram por
pagos e satisfeitos do seu credito a 11. 5. Se Me-
uezes, Sampai# & C. nisso nao procederam bem,
ouatido esttvam alias no pleno gnzo de sens direi-
to se na^ pode dizer-se mal feito o pagamento
ellectuado pela reo appcllante de ac :ordo e a con-
tento dos seu ditos credores ; e se permiltido era
ao aunr appellado conlravir o proprio facto djs
credores oiig;n.rios, a.ttenia a escriptura de cessao
de fl. 6, campria-que provasse ter intervmdo frau-
de em damho d- credores Menezes, Sampno &
C. (Asseuto a*) 8* Tribunal).
() E*nmaprora do qne eu nao defend! uma
sem razao, uao sustentei um paradoxo, folgo de
acha la no toto tllustrado e sempre imparcial do
Exm. Sr. d.^embafLjador Sonza Leao, que assig-
riou-so vtucido e que sem off. nsa a seas respeita-
veis collects, passa por ser e realmente e entre
elles um des mais couspicuos.
Ora, nao fazendo o autor appellado essa prova
de fraude, quer da pane de Menezes, Sampaio A
C., quer da parte do reo appellant*, como pateo-
teiam os autos, no* pdde soccorrer se das dspo-
sicoes do art. 686 da regutamento 797 de 26 ite
novembro de 1850 por virtuie do decreto n.
2,481 DE 28 DR SKTEMB10 DB 1839, APPUCAVEL
CONFORUS SE INFERS DO MESMO DECRETO A COMMC*-
CIANTBS COM FAIXENCIA KM JUIZO JA ABERTA E DB-
CLABADA OU EM TEBMOS DE 0 SEB, t %O0 dpulltS
que, como o rio, appelliinle, nao estando em taes
cirenmstancias, obtiveram de todos cs seus credo-
res um accordo qual o de ft. 14. que trgitimamen-
te qualificado de concordata, acha se com toda a
razao nas condiciki de ur considerado uma con
vencSo, um escripto dos que a lei commercial per-
mitte e da inltira validade entre os commerctan-
tes, (Cod. do Com. arts. M, 122 e 8*8, e Reg. n.
737 arts, lil, 1* e *, e S47 | S* e 4'), a tteci-
dir de modo diverso, sera attribuir cance que nunca quiz dar.
Pot estes fuodameolos e o mais dos autos, re-
formando a dita sentenca de fl. 55 v., julgam ea-
recedor da accao proposta o autor appellado Do-
miogos Borges da Fooceca, cessionario dos fallidoa
Menezes, Sampaio & C, absolvem o reo appellant"
Manoel Perreira da Silva do pedido pelo mesmo
appellad), e a este condemnaru n;.s r.u^tas.
Rio de Janeiro, em 25 de julho da 1867.
Couto, presidente.Menezes,Lisboa.Lemos.
TelUs.
Oppostos embargos proferio-se o segainle :
Accordao em tribunal, etc. Que de-prezam
os embargos de fl. 81, v.stos os autos lasista-se
na nullidade do papei de fl 1% por ser ama con-
cordata amigavel extra-judicial ; eatretaato nao
se offerecem novos argument us : e tambem os que
poderiam ser uprescntaios e sao sabidot, nao teem
procedencia alguma. Em verdade, a eessacio de
pagamenlos entende-se fallencia, e am facto qoe a
lei nao crea e existe antes da reipeetiva sentenca
judicial, a qual apenas a venfica e legalmeote ma
nifesta : e por isso a cessarao de t agamentos oa
fallencia nao existe aos olbos da lei e para o pn
blico senao desde a sua devida apreseoiaca>, ven-
licacao e manifeslacao em juiz. competeole ; pois
so assim se torna ella o resultado da si.uacao
eonstante e real do commercian'e, para poder
produzir effeitos judiciaes.
Ora, nao se lendo provado, e nem sendo possivpl
decidir-se, com a necessaria e iodispeosavel cer-
teza, haver com effeito o erabargado ccssado os
seus pagamentos, e isso apenas pelo papel le fl-.
14 ; este papel em taes rondi-oes nao pass i e sn-
mente deve ser visto como uma remitsao ou trans
accao, para uma liqaidacao, entio de inleresse e
proveito para t idos; e se essa nao fosse a verda
deira ini'-nei d >s contratantes e estivrssem os
credo-es certos de uma cei^acao existente de pa-
gamentos, mo era presumitel que assignassem
este papel a ffs. 14 por Ihes importor tal accordo,
sendo a complicidude do art. 803 do codiiru do
commercio, pelo menos incommndos e prejuizo*
futuros ; da mesma maneira nao procMmn as
mais allegacoes, nao so porque o papel de fls 14,
o lanfaimmto de fls. 40 v. e o art. 432 do cilado
codigo conveni'era do pagamento da conta a fls. 5,
como tambera por nenhuma prova appareeer, to
que a demora do pagamento de 30 por cento fo-se
devida a eulpa oa falia do embirgaao, sem o coa
senso dos seus credores, e demais, a conta de fls.
5 estava prescripla ao tempo em que o embarga-
do fiora citado a fls. 9. Portanto, e pelo mais ao*
autos, sem embargo dos embargo* de IK 8i, cum-
pra se o accordao de fls. 79 v., e pague o embar-
gante as custas.
(Da'Gazrta Juridica, vol. 3,1874, pag. 438.)
Manoel Maria Uodrigue* do Na-cimeclo, serven-
tuano vitalicio de um dos officios de escrvao d >
juizo especial do commercio desta cidade do Re-
cife de Pernambuco, por Sua Mageslade o Impera-
dor, que Deus guarde, etc.
Ceniiico a vista dos autos de que trata o sap-
plicante em sua peticao retro, ser o theor di ac-
cordao proferido nos mesmos autos da forma a
maneira seguinte :
Accordao em relacao etc. Que feito o sorteio c
o relatorio destes autos em que sao aggravante*
Monteiro e Cruz e aggravado o juizo oa M-n le-
Azevedo 4 C. Uao provimento so aggravo inter
posto a fls 29 para mandar, como mandam, que o
juiz a quo reforme o seu despscho de fls. 73 d>-
que se aggravou ; porquanto.sc.ndo permittida-;
as concordatas amigaveis e constant > do CU-
mento a fls 15 que entre os aggravantes e aggra-
vates, e mais credores daquelles koure uma con-
cordata amigivel, sem justa causa procuram o*
aggravados abrir a fallencia dos aggravantes, sem
ainia estarem findos os praz^ s consignados em
dita concordata, nao podendo prevalecer o funda-
mento lir.nalo na certidao a fls 26, porque pode
essa divida estar paga, unt mais quanto o credor
nao apparece em juizo, nem tao pouco pole pre-
valecer a allegacao da existencia de outros credo
res, por nao exL-tir nos autos prova que sostenle
tal allegacio ; portanto, assim jnlgando, condem
nam os aggravados nas custas.
Recife, 25 de outubro de 1874. Santiago, pre-
sidente. Accioli.
Foi voto veocedor o do Sr. desembargador Reis
e Silva.
E mais se nao continha em dito accordao aqni
fielmenle copiado do proprio original, ao qual me
reporto, e a presente esta na verdade sem coasa
que duvida faca coaferida e concertada na forma
doestylo, e por mini, escrivao, no principio decla-
rado, subscripta e assignada ne-ta cidade do Re-
cife de Pernambuco, aos 6 dias do mez de novem-
bro de 1874.
Fiz escrever, subscrevo e ajsigm.
Em testemunh i de verdade, Manoel Maria R>
d'igues do Nascimenlo.
Recife, 6 de novembro de 187i.
Alt end a o governo imperial! !
A Associacao dos Praticos desta provineia tem
dirgiido ao governo imperial, arias peticoes, re-
clamando hgeiras modiflcacdes em alguns artigos
do regutamento de 28 de fevereiro de 1854, mas
todas ellas que nem ao men is mereceram as boo
ras de um indeferimento, foram lancaaas ao po
da secretaria de estado dos negocios da man-
nha 1.1
Nao obstante, os praticos, oa esperanca de um
dia serein atlendid s, enderecaram ultimamente
um outro re raerimento, reclamando do governo
impei ial au^mento de vencimentos, por nao ser
possivel que elles continuem a receber boj? os
mesmos que percebiam quaodo publieoa-se o
citado regutamento.
0 augmento de vencimentos consiste em o go-
verno autorisar que nao se accumnlem mais ao
fundo de soccorra creado pelo regulamento citado
as verbas de que fallam os arts. 22 in fine e 47,
para que sejam dividiJas no fim dos mezes pelos
praticos ; porquanto, basta boje am quarto aos
juros do dinheiro, que constitneo fundo de soceor-
ro, para pagar todas a* pensdes qne delle sahem.
Sao, porem passados quasi dous mezes e o go-
verm imperial ainda nao pode deferir uma preten
cao tao justa e tao simples I
E porque, bem pode sacceder que o ultimo re-
qaerimento lenha s rte igual a dos outros, conveni
pedir do aKo da impreosa (d'abi mais facilmente
chega a voz do reelamante as eminencias do poder)
ao g verno imperial que attenda a tao jasta recta
raacao dos praticos, qne nada solicitam dos cofres
publicos, mas somente pretendem aquillo qne
faz parte do producto de sea trabalho, alias lodo
particular.
Atteniera o governo T
Veremos
Doctor in Absentia
Os profes-ores em artes, letras e sciencias, mem-
bros da clero e rnagistrados ; todo o medico, ci-
rurgiao, deotista e artist i, que desejam obtor o
titulo e diploma de doutir, ou bacharel haoorari >
podem dirigir se a Medicas, rua do Rei, 46, em
Jersey (Inglaterra) o qual lhes dara gratuitamen-
te todas e quaesquer informacoes sobre a Uoi-
versidade.
LT DIUFD Partamaur k Paris.
1 llV Cft ** S.Ton au >uc dc laititc.
>'. lVJ.-A-ua de Florida ale Mair-
ray e Lanmmi. -Os g-.stos sio tia variaveia
rel.itivanieole a perfumes como oa ttfbas. Coas-
tudo todos os tymrmets admiram e apreciam a
champauha de Chquot, as senhoras de bom
gosto e refinadas percepcoes, admiti> m que a fra-
grancia di Agua tie Florida de Murray A Lan-
man, excede a tcda e qual |uer oatra essenm
floral.
E' o unico perfume usado na Amnca do Sal.
e se bem qae p<.uco ha qua ella foi mtrodozida
neste mercado, comtud> enconira igual favor e
aceita;ao p .s nossat bellai patricia*.
Ell i e ex'.cahida da Hires colhidaseia toaa a
joraai deade lue i vegetacio aro-
matic* UPl^r la ..'era d' 'toe
da Euro ca, a \;o:ida4Mrt-J. .raomnsr-
ciat acima ineu<::onala), .
t

,
MUTIUN J
iMI




~r-:':;.'!r3iv^iffl
Diario \
<
uin aroma raais rica a deHeado do qae qua Iqoer
uma outra composicio europea.
Para evitar as fraudulentas e despresiveis adul-
terates fraaaozas e hamburguezas, os comprado-
res devem pedir a Agua Je Florida de Murray &
Lanman, pteparada por Lanman & Kemp, de
New-York: todas as ouiras sio falsiiieayoes sem
valor.

JUNTA DOS ;ORKETORES
rraya do Recife, IO de novem-
bro de 1*34.
AS 3 HORAS DA TARDE.
C0TAC5BS OFFICiAES
Algodao do sertao sorte 7*200 pT 15 kilo
tabbado,
Algodao de Mossoro 1* sorte 7*200 por 15 kilos,
aabbado. '
Carabio sobre Londres a 90 djv. 26 1|2 d por
two Cwm^reW 4 Brjrga
Jorge Tasse.
37Rua do Anorioia?
Saca qnalqaer qaantia a prazo oa a vista so-
bre este Banco oa >uas respeclivas ageocias nas
seguintes wdade* e villa* de Portugal, ilhas dja
centes e Haspanha, a saber:
Portugal
idea* A H W i diu Idas idem a Antonio do
fi*go Monteiro.
Alfandega de Pernambuco, 14 |jiovero-
bro de 174.
O inspector,
P. A. de Carvalbo Roil.
1*. do banco.
Descontode letras 11 0(0 ao anno, sabbado.
tf. de Vasconceiios
Presidents.
A P. de Lemos,
Secreuno.
iLPANOKG*
eadimaaio j- dia 2 a 14. .
IUqs dodia 19. .
347:188*779
63:008^004
410:1964781
Duscarregam no| 17 da novembro de 187i.
Brigae portuguez Rio Vouga varios generos
para o trapiche Conceicao, para despa-
char.
PaUcbo amoricano Ernest taboado e breu
para o trapiche Conceicao, para desp-
char.
I'atacho allemao/tnno-cimento para o trapiche
Conceicao, para despacbar.
Kscanalleina-.tfaiwtfarinha de trigo jades-
pachada para' o 5' porno.
Barca ingleza Olinda baealbao ja despachado
para terra.
Barca portugaeza Alexandre Hercnlano sal
ja despachado para terra.
Patacho inglez Julia bacalhao ja despachado
para o trapiche Conceicao.
InaportaciSo.
Lugre inglez Julia, entrado* de Terra-Xova em
13 du corrente e on.-ignado a Matbens Austin
4 C, minifestou :
Bachalhao 2,260 barricas aos eonsignatanos.
Barca nacional Isabel, entrada do Rio de Janei-
ro, em 16 do eorrenie e consignada a Antonio Luiz
de Oliveira 4 Az-vedi', nnnifeslou :
Pranchfics de pinho 500 a Nazareth & Pires.
Pipas 40 aos con.-ipnatarif*. ?(i a ordem. Pedra
marmore 15 volumes a Francisco Ribeiro Pinto
Guimamaraes.
uE-tHACHOsJ OE EX.POKT.v;aO NO Dia 14 lit
OUTUBRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
- No vapor inzle-z Warrior, para Liverpool,
carregou : Braga Sm & C. 443 saccas corn 34,514
kilos de algodai; J Pater A C 101 ditas com
13,637 ditos de dito ; H & L ibille 5*7 ditas com
38,4l ditos de dito ; M. M. Moateiro 31$ ditos com
zl.ti&J difcis de dito.
Xagalera hespaahoh f.Serra, para Barcel-
ona, carregou : Amoriin Irmitos & C. 354 sacci=
c im 26,713 kilos de algodao.
No lugir portuguez Julio, para Lisboa, car-
regou : F. Feroira Coimaraes & C. 4 saccos com
30 kilos de la barriguda a 2t praucboes de ama-
rello.
No patacrio hespanhol Amalia, para a Rio da
1'rata, cattegou : P. Carneiro Maia & C. 650 bar
ncas com 71.234 kilos de assucar branco e 100
ditas com 12,121 ditos de dito mascavad-i.
Na barca naciond Marianna, para o Rio da
Praia, carregou : A. Loyo 295 barricas com
28,739 kilos de assncar branco e 118 ditas com
14,634 dilos de dito mas.-avado.
Na barca ingleza Olinda, para Liverpool,
i-irregou : M. Lathan & C. 743 saccas com 67,193
1|2 kilos de algodao. i
Para os portos do interior.
Para o Rio Grande do Norte, na barcaca
lliinha das Anjor, carregou : A. Oliveira & C. 17
barriaas com 1,342 kilos de assucar branco e 2
ditas c .ra 180 d tos de dito relinado, 16 latas com
26 ditos de doce. 17 cascos com 1,182 litros de
;.guardente : para Mossoro, A. F. de Barros 15
duos com 93 ditas de dita.
Para a villa de Touro", no hiate naciona! Joan
Valle, carregou : P6;as 4C. 2 birricas com 120
kilos de assucar reflnado.
-r Para Potto-Alegre, r,o lu^ar portuguez Laia,
'arregou : F. R. Pinta Guuoaraes 300 barricas
com 25,311 1|2 k los do assucar branco e 32 ditas
cum 3.516 1|2 ditos de dito mascavado.
Para Araeajii, no vapor nacioDal Maniaku,
.arregou : J. F. Santos Bastes 4 barricas com 240
kilos de assucar branco
Para o Rio Grande do Sul, na barca nacional
Mimosa carregou : i. F. Balthar 100 barricas com
11,592 kilos de aisucar branco e ICO ditas com
) 1,352 duos do dito macavado, 400 saccos com
30,000 ditos de dito branio.
Para o Aracaty, no hiate nacional Dens le
Guie, carregou : M. A. Senna 4 barricas com 259
kilos de assucar retina jo.
Araarante.
Anadia.
Arcos.
Aveiro.
Agueda.
Arco de Baulhe em ca-
beceiras de Bastos.
Barca.
Barcellos.
Beja.
Braganca.
Chaves.
Coimbra.
Coura.
Covilha.
Castello Branco.
Caminha.
Elvas
"stremoz.
Evora.
Esposende.
Faraalicao.
Faro.
Figueira.
Fare.
Thomar.
Tavira.
Torres Novas.
Valenca.
Vianna.
Villa do Conde. .
Villa Nova da Cerveira.
Guarda.
Guiraaraes.
Guuveia.
Lagos.
Lamego.
Lisboa.
Louie.
Melgaco.
Mindella.
Moncao.
Mealhada.
Monte-mor o velho.
Oliveira de Aremeis.
Ovar.
PenaQel.
Pinhel.
Ponte de Lima.
Portimao.
Porto.
Povoa do Vanim.
Port'Alegre.
Povoa de Lanhoso
Regoa.
Silves.
Santo Thyrso.
Villa Real.
Vinhaes.
Vizeu.
Villa da Feira.
Villa Pouca de Aguiar.
Villa Real de S. Antonio.
Moimenta da Beira.
de
Funchal.
Ilhas.
Madrid.
Barcellona.
Vigo.
Puenteaveas
Hegpanha.
Fayal.
Cadiz.
Orense.
Corona.
Badajoz.
Companhia Inderanisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:000,5000.
Thomaz de Aquino Fonceca &. C, successores
agenles.
Em companhia toma seguros roaritimos e ter-
restres, dando uestes o septimo anno gratis aos se-
gurados.
Rim do Yigario n. 19.
eguros
COMPANHIA ALLIANfA
maritimos e terreb
tres estabelecida na Bahi^
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0005000.
Toma seguro de mcrcadorias e dinheiro
i*co maritimo em navio de vela e vaporet
aara dentro e f6ra do imperio, assim eonu
fogo sobre predios, generos c f*
Santa Casa de Hlserleordia
Recife.
A junta administrativa da Santa Casa da MlMri-
cordia do Recife contrata a demolicao e recons-
trucQao fla casa sita 4 rua do Bom Jesus n. 12,
orcada em 5:325$, com quern se propozer fater a
obra por menor preco.
Os pagamenlos serao era tres prestacoes igmes,
a 1* depoij de comecar a nova obra. a 2" quando
eoncluir a eoberta, a a 3* quando entregar a obra
Descripcao da obra.
Demolir todo o predio, constrnir de novo urn o-
brado de urn aodar, deixando daas portas no
andar terreo e dnas no primeiro aodar, em eada
frente. As portas do andar terreo serao de coala-
dmbo e as do andar de assoalho reforcado de
amarello, guarnecidas com bombreiras novas e f o-
leiras novas de cordio, todas com capiteis de pedra
mulatinha ; levarao barrotes tambem de amarello
para receber as bandeiras de ferro fornidas emi-
circulares eoutras de madeira (amarello) por den
tro das de ferro.
No primeiro andar as portas terao caixilhw de
amarello e barrotes para receberem bandeiraa de
ferro e de madeira semicirculares iguaes as do
andar terreo.
As duas frentes terio cornijis, acroterios, en-
canaraentos e sacadas de pedra mulatinha com
varandas corridas, novas, roda-pe e corriraio de
amarello. 0 ladrilho sera de asphalto sobre um de
tijolo. 0 soalho do I* andar sera de louro de boa
qnalidade, secco ea?sent^do a meio fio. O trave
jamento sera de madeira de qnalidade, excluiudo-
se dessa a que lor muito flexivel. Toda a madeira
sera nova e veriGcada pelo mordomo enearregado
da obra antes de ser empregada. Todo o material
vfIho tertencera ao arrematante, nue so podera
aproveitar para a obra nova os tijolos e as telbas
que estiverem iuteiios.
A escada sera de meia volta com anoaballa de
costado de amarello. As portas, caixilhos e ban
deiras levaiao tres maos de tinta.
As propostas em cartas fechadas serao recebi-
das na secretaria da Santa Casa, no dia 19 do eor-
renie.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife, 9 de novembro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souia.
COMPANHIA-
DO
CONSULADQ PROVINCIAL.
Nesta repartijao arreeada se novameote duiau-
le o corrente met as iroporlaocias doa apparelho.-.
encanameatos, differencas e aonuidades devidas a
companhia Recife Drainage, utrim**tre de iulha
a dexembro de 1872, pelos predios si tos as ruas
do Marquez do Herval e Padre Nobrega, isto de
conlormidade com a poriaria do Sr. Inspector do
thesouro provincial e as novas relacSes em subs-
tituicao as prlmeiraa.
Consulado provincial de Pernambuco, 2
de novemmbro de 1874.
0 administrador,
_________ Antonio C. Machado liios.
SANTA- CASA DA MISEttlCOKDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da Sam* Casa da
aisencordia do Recife, manda fazer publico one
a:aalade suas sessSes.o dia 12de noverabro,pe
iaa 3 horas da torde, tem de ser arremaudas i
jaam mats vantogens offerecer, pelo tempo de um
tres annos, as rondas dos prodios em seguid;
daclarados. ^
ESTABELECIMENTO DE CAR1DADE.
vidal de Negreiroa.
Casa terrea n. 94.......3OU006
Roa iarga do Rosarm.
! andar e loja n 24 A. .
!. andar n. 24 A..
i; andar n. 24 A.
Rua de Antonio Henriques.
-asa terrea n. 26 .
310*000
408*000
25UO00
Cmimlm pemwhmm.
Porto do Aracatv.
A earga que de hoje em diante for embarcada
nos yapores da Companhia Peroambucana com
desiino ?o porto do Aracaty, sera entregue na ci
dade do rnesmo norae, sendo transportada da bar-
Tl' ^S*6 os **Pfea costumam fundear). em lan-
chas de propriedarte da mesma companhia, inde
pendente de qualquer exigencia de pagaraento
por este servijo
Da mesma fdrma sera transportada a carga
que for embarcada no porto do Aracaty para
quaesquer outroa portos da escala.
Recife, !6 de novembro de 1874.
Para o ftio d Janeiro
pretende segoir com muita brevidade o brigue
Isabel, tem parte de sen carregamento engajado :
para o resto que Ibe falta, trau-se com o seu con-
signatario Antonio Luiz de Oliveira Azevedo, rua
do Bom Je-us n. 57
A barca portugueza Gratidao, capiUo Borges
Pestona, vaisahir breve : tratase com Silva Gui-
maraes & C, praca do Corpo Santo n. 6, 2" andar,
ou com o capiUo.
99*00(.
120*000
386*000
antra fogo sobre
ondas.
Agente : Joaquirn ,
? do Commercio n.
lose Goucalves Boltran
5, 1 andar.
MARITIMOS
CONTRA E0 FOGO.
A companbia Indemnisadora, estabelecid*
aesta praga, toraa seguros maritimos sobrt
aavios e seus carregamentos e contra fog
na ediiicios, raercadorias e mobilias: ni
oa do Vigerio n. 4, pavimento terreo.
CAPATAZ1A DA ALFANDSGA 'sadiraanto df ilia 2 a li. C:767^36" 11o (Jo ;a 16 .... 834*972
7:602*39
/ObUMBS SAHID09 dis2al4...... i dia t6. ... ,meira poria Uganda pom .... "oeira poria .... r*tflcba Ccncaicso > . 19.121 138 103 231 228
coatra-lMO
19,32
SE:tV!C;; aLAlUTiSO
'.j.i'eagj descarregada do trapieha da
i fasoega.
.^^dia 2 a 14.....
So dia 16.'.....
*i trapicre Ooucaicao .
36
BBEDORLA D3 RSNDAS OTTtRNA* GE
RAES DE P8RNAKWJC
ndimeCKi <3" Mat a 14 17:578*464
to da 10 1:831*908
Maritimo e
COMPANHiA
Phenix Pernambucaaa.
RDA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro conlra-fogo
:HE LIVERPOOL & t.OSDON & GLOI
INSURANCE COMPAJNT
Itfeuitcw
SAUNDEKS BROTHERS* C.
11Corpo Santo11
0 Sr. orbeniano de- Aquino Fonseca,
csixa da companhia do Beberibe, acba-
se autorisado a pagar no seu escripto-
rio a rua do VigarioTenorio n. 19, das 10
horas a"s 3 da tirde, o 33 dividendo desta
companbia Undo em 31 de outubro do
corrente anno, na projiorgao de 3-5000 por
apolice: previne-se aos Srs. accioautas
qua o pagameuto sera" realisado em moeda
de robre.
Escriptorio da compaqhia do Beberibe,
14 de novembro de 1974.
0 secretarin.
Luis Manoel Rodrigues Valenfi.
Monte pio portuguez.
De ordem do Sr. presideate f3Co scient- a ledos
os Srs. socios que as sestoes da direcjoria serao
todas as quartas-feiras as 7 huras da tarde em
ponto.
Oulrosim, declare que toda a corre>pandencia
devera ser remetLda ao ahaixo assignado na li
vraria popular u. 59, rua Nova.
0 1 secretario,
A. da Maia Pessoa.
(J .,. Lar8da Carapina.
Ideron ll(fechada). .
Rua do Coronel Suassuna
l* andar do sibrado numero 94 .
PATR1MOMO DOSORPHAOS.
Rua do Commercio
Sobrado n. 30.......800*000
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fecbada).. 400*000
Becco das Boias.
Casa terrea n. 18.......42l*00(
Rua da Lapa.
^asa terrea n. H.......202*000
Rua do Amonm.
Sobrdo de 2 andares n. 23 6026000
Casa terrea n. 34...... 2joo<]
Ruar do Bugos.
Casa terrea n. 21.......1S3*000
Rua do Vigario.
I' andar do sobrado n. 27 243*00C
1* andar do rnesmo..... 140*000
Loja do mesmo.......300*000
Rua do Encantamento.
sobrado de 2 andares n. 13 (fecbada). 1:400*000
Rua da Semalia velha
Idem n. 16........209*000
Rua da Guia.
Casa terrea a. 25 209*0Oi
!dem n. 29......201*000
Rua da Cru?.
sobrado de 2 andares n. 12 (fechada). 800^000
Idem n. 14.........600*000
Rua de S. Jorge
^asa terrea n. 103......207*000
Os pretei'deutes deverio apresentar no icto da
arremat as aoaa* fiancas, ou comparecerem
acompaii s dos resjieciivus fladores, devendo
pagar ale reuda, o premio da quaatia em
que for se^ o predio que contiver estaboleci-
aianto com %1, assim como o servico da lim
peia e precc apparelhos.
Secretaria uta t'.asa daJMisericordia do It*
life, 17 de sstembro de 1874.
0 escrivao,
______ Pedro Rodrioues de Souzu,
Pacific Steam Navigation Company
ROYAL MAIL STEAMER
IDE 4013 TONEADAS)
Espera-se dos por-
tos do sul ate o dia 22
do corrente, e derxiis
da demora do costu-
me seguira para Li-
verpool tocando em
Lisboa, Bordeos. para onde receoera passageiros,
encommendaa, carga e dinheiro a frete
S. B.Nao sahira antes das tres boras da tar
le do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilson Rowe A C.
14 RUA DO CO MM ERCI1 0
LEILAO
DE
Um grtDrfe st lio na estrada doa Affliea**, tmtif
casa bem conslroida, to'.io e miraateeaaa a* aaa
modidades segoioles: 2 salas da viiita. fcrraUaa
estneadas, 1 quarto proprio para eapeNa, I fit*
para gabinete de leihrra, 1 dito para dormiiia, \
dito para crianca, t sala de jaotar, aote-aala cor-
redor ; no soiao, 1 salefa e 2 quarto* ; aw minia-
te, um sotio todo envidracado, coiioha, aala par .
engommar, despensa, 2 quartos para criadot. -*
solo proprio, tendo 300 palmos de frente, am craa-
de jardim, rauilas arvores (ructiferas, e div udn
por duas estradas, terrene basUite para iliu ex-
cellentes baixas de capim, oa frente raurado, gra-
de de ferro e portao.
Hoje
*s 11 horas da matthi
No escriptorio da rua do Bom Jam* o, M,
primeiro andar.
0 agente Pinho borges levara a leilao o referido
sitio, por eonta e ordem do Sr. P. M. Maory aa
se retira para fora desu proviocia.
Os Srs. pretendentea podein desde )i exan. na-
lo, qualquer esclarecimenU, & m u mesmo tmim
LEILAO
COMPANHIA BUAS1LEIHA
DE
\AVEGACAOAVAPOR
Portos do norte
Conde d'Eu (fretado)
JE
duas grandes rasas i-in-xs na povoacac da
Apipucos, reedilicaiUs ha pouco tempo
Uma casa n. 19. com 32 palmos de frente r 99
ditos de (undo, com ;. ^guintes commodidades :
2 salas grandes, 1 t->rr..;.., r, .inartos, I coriiha
3 quartos fora, mura.la. win i rtao de ferro para
o rio, e oaaaiiaada '
Uma outr i n. 17. m
dito de fuudo, c.n .-..-
2 salas, 6 qoartns. >.|,
2 quartos fur a, 1 altn e mu
orio.
li i-a Imos d frente, ,?
-oius-'s i-ommodidad -s :
para ri'j nrnar. cozit ha,
da, cum portao pira
A'S 10 lj4 hOKAS DA .MANILA
Por intervencao do agente Pinho Borges, em o
escriptorio, a rua do Bom Je>us n. 53, I* andar
Os Srs. pretendentes podem desde ja ex^mi u-
las, e qualquer esclarecirnentu com o mesmo aa si-
te.
E' esperado dos pnrtos
do sul ate o dia 17 do
corrente e seguira para
os do norte depoisda de-
mora do costume.
Para carga, encommendas, valores e passagens.
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
Agentes
Para o Jf ara.
Tlio.'BfiZ de Aquino Fonceca & C.
oiiucessftres
A caroara municipal do Rticife la', coustar a
todos os seus muuicipes quo em con>equencft da
visita que fez a es'.a proviocia o consplhe.ro Joao
Alfredo Lorreia de Oliveira, ministro do imperil,
resolveu em sessao de 11 do corrente, que se de-
nomine-Praca do Conselheiro JoSo Alfredoo
largo da Magd?!ena, no 2 ditricto da freguszia dos
afogados,
Pago da csmara muuLipal do Recife, II de no-
mliPA fia I ftT't
vernbrode 1874.
JcroDymo de Boosa Leao,
pro presidenle.
Franisco Augusto da Costa,
ScMMmrto.
MdVlM
Navios entrados no dia to.
Maceio4 das, brigue brasileiro Isabel, de 315 to-
neladas, capitao Jose Marques Vianna, equipa-
gem 10, carga madeira ; a A. L. de 0. Azevedo
A C.
BahiaII dias, brigae brasileiro llonorio, de 22i
toneladas, eapitao Jose Goncalves Pedro, equi-
pagern 11, carga 165,000 kilos de carne; a
Amorim Irmao & C.
Navios sahidos no mesno di'7.
LisbSa-Barca portugueza Pereira Borges, C3pi-
lao Antonio Alfredo Borges, carga assucar e
outros generos.
29:410,5372
O0MSULADO PfiOVlNCfaU.
naMimeou dr. ilia 2a li.
ira do Uis 16
48:815*176
7.345*272
55:360*448
AGENDAS PROVIN'CIAES
Liqaidos espirituesos.
ikadimento de 2 a 13 2:707*408
idem do dia 14 250*474
Bacalhao. etc.
Sendimeoto de 2 a 13 2:316*418
idem do dia 14 269*280
Generos
Vsadiruento de 2 a 13
Mera do dia 14
de estiva.
2-305*62!
431* 41 is
Karioba de trigo, etc.
Vndimento de 2 a 13 2:121,5364
idem do dia 14 *
Furao, etc.
.landimento de 2 a 13 1:556*124
idem do dia 14 a
H endimemo de 2
idem do dia 14
Vinagre,
a 13
etc.
779*987
70*340
2:957*882
2:585*698
2:740*030
2:122*364
1:556*124
850*327
12:812*425
Thesouro provincial de Pernambuco, 16
de novembro de 1874.
0 ascrivio,
J. C. M. da SUtji Santos.
A camara municipal do Reoife manda fazer
publico, para conhecimento dequem interssarpos-
sa, que flea sem vigor a p -stura addicional de 16
de outubro de 1873, que a(6 esta data nao foi ap
provada pela assemble* provincial; resiabelecen-
do-se assim o art 175 do codigo de posturas do
mesmo anno de 1873.
Art. 175. Nenhum carao, earroca ou qualquer
vehiculo de conduccao de generos para estabele-
cimentos e casas desta cidade ou fora delta, pode-
ra levar mais de quaxenta arrobas, aendo de 4 ro-
das e conduzido por um bol, e de 20 arrobas, se
tendo o mesmo numero de rodas, for conduzido
por um eavallo ; se o vehiculo for conduzido por
mais de um boi ou eavallo levara somente mais
nra terco d>) peso estabelecido na razao de cada
animal; se, porem, o vehiculo for de duas rodas,
nao podera conduzir mais do que dous tercos da
quaotidade estabelecida para os de 4 rodas. No
caso de contraveneao os donos de qualquer vehi-
culo serao multado- em 10*000 e no duplo na re
incidencia; licaodo problbido ob as me.-mas
penas o costume de ser os mencionados vehiculos
impellidos ou auxiliados no seu moviraento a
escravoaou possoas livres eo boi irapellidd por
forca a* fwrao Pica prohibido o uso deste ins-
trumento, excepto aos conductores de carros ded
engenho.
Paco da camara municipal do Recife, 11 de no*
vembro de 1874.
Jeronyuio de S mza Leao,
Pro-presMente.' '
Franeisco Angusto ^|a Cos!*,
___________________ Seoetario.
Editaln. 66.
CO.NSELHO DE COMPKAS DO AKSLiNAL
DE MAR1NIIA
0 conselho no dia 17 do corrente moz, a vista dp
propostas recebiJas aie as 11 horas da rnauha,
promove sob as condi^oss Aa estylo, a cora|ira dos
seguintes object )s do material da armada :
16 feixes de arcos de ferro sortidos, 400 li!ro3 de
azeite do peixe, 600 kilos dealmagre, 800 kilos de
alvaiade de chumb >, 00 kilos de agua-raz, 2,000
kilos de breu, MO kilos de ere, 1,000 cravos de
ferro n. 1, 4 curvas de sienpira, tendo de compri
mento n'uir.a ponta l,m525 e na outra 0,m9l5,
ambas com 0,m25i de largo e. 0,mr?ft de grossura,
2,000 kilos de ttstopa de linho, 40 kilo; de.flo de
algodao, HO peyas de lona Iarga, da Russia, 100
pecas de lona estreita, da Russia, 50 livros -m
branco, tie tOOfolhas, papel pautado, 40 duzias de
lpis, 4' 0 kilos de ocre, 4,<)00 kilos de oleo de li-
nhaca, 50 resmas da p.pel *lmaco pautado. 300
kilis de pregos de cobre para forro, 300 kilo-
de pregos de cobre para costado, 300 kilos de
pregos de ferro para coatado, de O.uilSO, 300
kilos de pregos de ferro para costado, de ,m;00,
400 kilos de pregos de ferro para costado, de
0,ra023, 20,000 pregos de baulgrande, 10,000 pre-
gos de batel pequeoo, 20,000 pregoi ripares, 100
kilos de pregos de cobre para batel, 1U0 kilos de
pregos de cobre ripares, 40 grozas de parafusos de
metal sortidos, 100 grosas de parafmos de ferro
para madeira, 6 pans orvos de sicupira de6,m710
de comprimento o 0,m300 em quadro, 2 paos de
peroba de 10,iu673 de eomprimento com 0,m375
de largo e 0,ml35 de grossura, 2 paos de peroba
de 9,ml50 de coniorimento com O.m'SOO de \ugo e
0,ml25 de gressura, 4 paos de peroba de 7,oi320
de &imprimento com 0,m375 de largo e O.mllo de
gr ssura, 40 meios de sola da terra, 500 kilos de
secante, fezes de ouro, SO kilos do tachas de cobre.
2,400 kilos do tinta braoca de zinco, 1,200 k los de
tinta preta, 3,000 kilos de tinta verde, 200 taboas
de peroba de 12,m200 de coinpfinrentocomO,ml73
de largo e 0,rai75 de groaara 133 tabqaa de pi-
rino de rezina de 0,m075 de grossura, 160 taboas
de pinho de rezma de O.mOSO de grossura, 120
taboas de pinho de 0,rn025 de grossura. 120 taboas
de amarello de O.mO'5 de grossura, 120 taboa* de
amarello de0,m05tf de grossura, 120-.|abosde
amarello de 0.m037 de grossura, 120 tabpas de
amarello de 0,m012 de grossura, 120 uboas de
pio carga de 0,!n075 de grossura, 120 uboas de
pao-carga de O.mi'50 de grossura, 120 taboas de
pao carga de 0,m037 de grossura. 120 taboas de
pao carga de O.mOO de grossura, 102 taboas de pao
carga de B,m06O de comprimento com 0,ml70 de
largo e 0,ui081 de gro-sura, 12 taboas de pao car-
ga de 5,ra280 de comprimento com O.mOiO de lar
go e 0,n,08l de grossura, 60 taboas de pioho ame-
ricano de 0,m025 de grossura, 12'J taboas de pinho
da Sueoii de 0,m075 de grossira, 120 taooas de
pinha da Suecia de O.mOM) de grossura, 120 taboa-
de pinho da Suecia de 0,m037 de grossura, 120
taboas de pinho da Suecia de 0,roOI9 de grossura
120 uboas de louro de 0,m037 de grossura.
f Sala das sestoes do conselho de cameras
do arsenal de marinha, 13 denovambro de
t-874.
sascam 0'ir todos os vaporcs, 3obre as seguintes
pracas :
Lisboa. Re?oa.
Porto. Cnanre*.
Rrag3 Villa-Flor.
Vianna. Miraudella.
Viscu. Alijo.
Guarda. Favaios.
Coimbra. Braganca.
Guiraaraps Lamego.
Rio de Jane ro.-
Na rua do Vigario n. 19.
Pretende seguir com muita brevidade o palha-
bote Joven Arthur, tem parte de seu carregamen-
;o engajado, para o resto que lhe falta iratase
:om o seu con^igiiatario Antonio Luiz de Oliveira
Xzevedo, a rua do Bom Jesus n. 57.
Rio de Janeiro.
Brigue '. Paulo.
Sahira com brevidade : para carga trata-se na
rua do Vinario d. 7.
Companhia Fidelida 'e
Ssguros maritimos e terrestres
A agencia desta companhia toma seguros mari-
timos e terreatres, a premios razoaveis, dando nos
ultimos o solo livre, e o sctiuio anno gratuitj ao
segurado.
Feliciano Jose Gomes,
______________________Agente.____________
De orient do Win. Sr. inspector sao pelo
presente intimados o .-x-thesoureiro da recebedo-
ria de rendas. Joaquim Maria de Carvalho, seu
cunhado, ou quern, pnr qualquer motive o repre-
sent, e qoaesquer nntros int ressados, para virera
a esta reparticao, arim de declararem, no prar.o de
30 dias, que lues Oca assignaoo. se aceitam on nao
o resoitado da toinada das coma- do me-nio ex-
tbesoureiro reUtivas ao exereicio de 1863 1864 em
que exercb" o dito lagar, sob pena de serem con-
siderados reveis e proseguir se no proce-co da
referida tomada de conta<, indep-ndente de qual-
quer nova'citacao nos termos do art. 22 do decre-
to n. 2,548'de 10 de mareo de 1860 ; devendo de-
clarar tambem seu domicilio, ou constituirera no
desta cidade procurador com os necessarios e bas-
tantes poderes.
Thesouraria de fazenla de Pernambuco, 10 de
novembro de i874.
Jucundiano Rodrigues de Oliveira,
Secretario da junta.
0 brigue portuguez Triumpho, pretende seguir
soot muita brevidade: para carga e passageiros
Tata-se com os consignatarios Thomaz de Aquino
'onceca 4 C. successores. rua do Viaario u. 19
Ilha de S. Miguel
*egoe com brevidade para S. Miguel o palba-
bote portuguez Novo S. Louren^o, para onde rece
be carga e passageiros : trata-se com es consig-
natarios Thomaz de Aquino Fonceca & C. Succes
*ore. rna do Vigario n. 19, andar.
Costa d'Africa
Segue da Bahia em 30 deste mez, para o porto
de Onnim. na Costa d'Africa, a barca portugueza
Jcsephinn, tend" hons cummodos para passageiros
LEILAO
DE
cerca de 387 pranclioes He jacaranda, e
cerca de 1,628 toros de pao Brasil, salva-
dos do patacho inglez Dundee
Hoje
as 11 l|2 boras em ponto.
Wra. K Moote, capita) do patacho inglez Dun-
dee, naurragado ao sul do porto de Gallinhas, aa
sua ultima viagem da Bahi para os E-tados-L'ai-
dos, levara a leilac, coin licenca do Sr. inspec:ur
da alfandega, em presenca lie im mesma 'eparticao para o fim rmrneadu, e por n-
lei v.nrao no agente Pinto, e por coota e nsco de
qui-ni perteucer. os pranrnOVs de jacaranda e lo-
res de pao Brasil, que iatiam parte da carga \>
referidu paucho, e ezisteaira nnarmaaem do la-
r?.o do Livramcnto, a rua do Lrum, defronte da
fabrica de sabao.
0- pretendentes polera* aasaa ja examinareni a
referlila madeira e concorrcrnn aoacto dokeilio.
LEILAO
DE
10 saccas com algodao
Hoje
AS 10 HORAS DA MAXH>
0 agente Pinto fara leilao, por coota e risco de
quem pertencer, de 10 saccas com algodao, marca
G. M., vindas do Aracajd no vapor Jaguaribt e
existentes no trapiche da compannia, onde ?e e!I-<-
tuara o leilao as 10 boras do dia acima dito.
Libra
^'endem
csterihis.
Rn?
Angusto F. d'OIi-
veira & C.
do Commercio n. 42.
uaxaail'itramKa
in >! Mkanpi
Thesouraria de fazenda
Manda o Din). Sr. inspector annunciar. que de
ordem do Exm. Sr. ministro da fazenda foi espa
(;ado ate o tim de junho de 1875 o prazo maroado
para se dar principio a snbatitaicao das notas de
303 e de*25 da quarta estampa.
Thesouraria de lazenda de Pernambuco, 14 de
novembro de 1874.
Jucundiani Rodrigues de Oliveira,
Secretario da junta.
AUMLMSTRACaO DOS CORRBIOS DE PERNAM-
BUCO, 4 BE >OVEMBHO I'E 1874
Relaciio da correspondent registrada (sem valor)
reeebidu de diversus procedencias ale esta data,
e que nao tem sido entregue por ignorar-se as
residencies dos destinatarios.
Antonio Dornellas da Camara, Antonio Luiz do
Amaral e Silva, Angusto de Sa Albuquerque, An-
tonio Feliciano Rodrigues Sette, Amaro de Oliveira
Outra, Antonio Duarte Pinto de Mesquita, Carnei-
ro & C, Clarimundo Barreto Jos .Santos, Cordigan
do Mendes Ferreira, Domingos Bentc da Moeda e
Silva, Fortunato Augnsto da Silva, Feliciano do
Rego Barros Araujo Junior. Francisco Felismlno
de Albuquerque Mello, Fortunato Archanjo da
Cruz. Franeisco de Paula Dornellas. Felix Homes
Coimbra, Francisco Octavio Ramos, Fau'to Tertu-
liano Bandeira Ferrer, Francisco Uellino da Silva,
Guiiherme Rayiuundo Uosta Leiie, Joio Henrique
de Albuquerque. Mello, Jose Bandeira de Mello,
Joaquim.Elviro Pereira Slagalhaes, Jose Manoel de
Araujo, Joio Leite, Joaquim Rodrigues Pereira,
Jose Ferreiaji de Morae% Joe Gomes YiHar, Joa-
quim Spasas. Teixeira. Jose Bandeira de Mello,
Joao Vieira da Cunna, Jose Antonio de Araujo Oso-
rio, Joao Cancio Pereira dos Santos, Julio Conola-
no Dtas, Joio Augosto da Silva Freire, Luiz Jo?e
Pereira Simoss, Luiz Augusto Botelbo, Luzia da
Veiga Pessoa, Marianna de Senna Guiraaraes, Ma-
noel Caetano Vieira da Paz, Manoel Thomaz Bar
bosa; Manoel Jose dos Santus, Manoel Domingos de
Sant'Anna, Marcolina Maria da uoncei jao, Manuel
Francisco de Oliveira, Paciflco da Silva Castello
Branco Junior, Rodolplio Maximiliano Pessoa Dor-
nellas.
0 official enearregado do registro,
Jose Candido de Barros.
leilao
Agente Pestana
leilao
DE
moveis, louca, vidros, euro, prata e bii-
Ihantes.
\o I." andar do nobrada
Vieariu Thenoriu
da rua
MS.
0 secretario,
Alexandw Rodrigueg dos Anjos.
Pela laapeetona da alfandega se fax publico qua.
as 11 boias da manlii da dia 16 do corrente se
se ha da arrematar no trapiche Conceicao livre
de direites e sujeitas ao imposto da
mercadorias abaixo declaradas.
Trapiche Conceicao
Marca MS It 11 Cains com frntus
ettado, vindas de S. Miguel
capatazia, as
i mao
Consulado de Franca em
rernambuco.
AVISO.
Successao Eda^rd Tarpin.
Os devedores desta successSo sao rogad(ja.-a sa-
tisfazerem o mais breve possivel, os debitos#t dim
successao. Outro sim, os cradores cbiOfrapha-
rios da mesma successaa sio pravenidos que um
ettado, vindas de s. Miguel no navio porttaraez dividando de SO.....*'---------- ------- ap.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
>'ve$jtco costedra a vapor.
Parahyba. \aiat. Malcao. Moaaoru.
AB*fy Ceara, Ao^racu' e Aiuar-
ra^ao, no Plauby. >
0 vapor lpojuca,
commandante Moora,
segmra para os por-
tos acima, no dia 21
do corrente as 5 ho-
, ras da urde.
Heaebe carga ate odia 10, encommendas'pas-
?ageiros e dinheiro a rrateUt6 is 2 huras da lar-
ie do dia de aua sahida ; fecriptoxio no Forte do
atte 0, 12,
DE
uma armacao com fiteiros envidragados, um mos-
trador, um iustre de crystal para gaz, arandeilas,
candieiro do 2 bicos, espelhos, mesas para alfaiate,
1 car.eira de amarello, 1 estante para livros, um
cabide, marquezoes, uma mesa redonda. 2 bancas
com gaveta, uma imporUnte machina de costura,
e outros muitos objectos.
Loja da rua da lmperatriz n. 49, conliecida
por a Actualidade.
HOtVE
AS 11 HORAS DA MANHA
Alfonso Guimaraes & C farao leilao, por iute--
vencao do agente Maruns, da armacao de seu es-
tabeiecimenta, fiteiros, lustre, arandeilas e can-
dieiro de gaz, uma mahcina de costura, e perten-
cas da officina de alfaiate, bem como diversos mo
veis existentes em dito estabelecimento, o que tu-
do sera vendido sem liraites, para liquidar.
Garantese a casa ao comprador da armacao ;
pois tem commodos para moradia e agua e gaz
encanados.
Iraportante
LEILAO
Dtf*
Um grande sitio junto a povo3cao de Duarte
Coelbo, em Olinda, com um grande sobrado e sotao
para moradia de grande familia, com as seguintes
commodidades : pavimento terreo, 3 salas forradas
e bem preparadas, 6 quartos e cozinha indepen-
dente, !.? andar 6 salas forradas, 1 copiar, sotao,
2 salas e 6 quartos, 1 quarteirao de 3 casas em se-
guida 3 gallinheiros de pedra. e cal, gradeados,
casa, senzalla e gallinheiros circulados com calja-
da, 1 grande cocheira de pedra e cal, 1 estribaria
para 6 cavallos, a vontade, 2 casas para hospedes,
tendo uma dellas 1 terraco com caramanchao de
ferro, 2 banheiros de pedra e cal, 3 cacimbas e 8
viveiros, 2 ditos principiados, 1 pomar de mil la-
rangeiras, 1 dito de 600 coqueiros, 1 grande uar-
reiral de uvas de boa qujlidade, e muitas outras
variedades de arvores fructiferas, I boa horta com
todas as qualidades de hortalice, grandes baixas
para capim, 1 grande jardim que comprehende to-
do o sitio, com Bores escolbidas, sendo nacionaes e
estrangeiras, 2 lindos caramanchSes de ferro, uma
saixa d'agua e repucho.
0 referido sitio e dividido por 3 estradas e 1 rio,
tendo sabidas com portoes de ferro para as ditas
estradas, 1 porto de desembarque e embarque no
centro do siaio, terreno proprio; a final e sito pa-
ra uma familia viver independente, so com o pro-
lucto das froctas, flores, hortalices e capim que
vegeta este sitio, e gosar do bomj viver queoffere-
ce a naturesa
HAJE
as lO 1|2 horas.
No escriptorio da rua do Bom Jesus n. 53,
primeiro andar.
0 agente Pinho Borges, bastante autorisado, *en-
dera o referido sitio livre e desembaracado, e se-
ta effectuado definitivamente, e por conta o risco
de quem pertencer.
OsSrs. preteadentes podem desde ja examina-
lo, e qualqaer esclarecimento o mesmo agente no-
de dar a quem iQterpellar relatoameute para issso.
As' ft horas em ponto.
0 preposto do agente Paslaaa, compel' ntemen-
te autorisado por uma familia que ;e retira aa a
E auropa, fara leilio p'.r conta e risco de que a
pertencer, dos maveis tlwiiro uaucionados.
A saber:
I'ma rica mobilia de jac::randa a Luiz X '.
com tampes de pedra, 1 piano de jacara da, 1
guarda ronpa de amarell", 1 guarda loaea, l
mesa elaatica d> 4 taboas, 1 ap.arelnu para'jan
tar, 1 nieio dito para almafa, 1 par de apan-
dores, I comraoda de amarellr. I meia dita, 1
rico santuario de jacaranda. 1 tuilettf. 1 par de e*
pelho, 2 pares de jarros, 2 paaat de quartinhas
12 cadeiras de amarello, 1 par de o aa
1 mesa radooda, 1 sofa, 2 cadeiras de balan^o, 2
ditas de brar >, 1 marqueza, 1 cadtira para de -
canco, 1 machina de costura, 1 candieiro a ga-.
1 |iar lanternas.
.X. R. Na mesma cccasiao v?ad<-ra 1 serr
taria para a pessoas, I prensa para copisr car-
as, 3 mesas de amarello, 3 cadeiras avnlsas, fc
mochos, 2 cabides pequeno>, 1 balcio, I rel. p ,
de parede, 3.venezianas, 1 carteira para lettra .
1 di'.a para sedulas de todo* os valores, 6 copit-
dor-s grandes de mil Mhas cada um, 1 baian.i
para carus, 2 escarradeiras e 2 rewolvers, e luu-
tos outros objectos qae ?e tornam enfadonh" d
menciona-los, os qur.es e-tarao pali-nle no an i
do leilio.
Agents Pesiana
leilao
DE
175 barricas "orn cal de Lisboa, 1 caix t
com 24 duzias de courn de lustre, 2 bar
ncas' com encbadas, diversas miudezas.
gwda quantidade de movcis, ouro pi.
la e brilbante
QUARTA-FEIRA 18 DO CORKENTE
as 11 horas cm ponto.
No anaanM deagencias de ieiloes, Irs
do Vigario Tbeuorio n. ll.
0 pfapoato do agente Pestana fara leilao st-r
conta e riseo de quem pertencer, de n-obilia* d-
jacaranda, diUs de amarello, ditas le faia eju
pianos de mesa e armario, guarda ronpa, goar
da loucas. recretarias, louca?, e muitos ontroa ar
tigos perteo;entes ao uso domestic.
DE
bons mo\eis, loucas, crystaes, alabaslros.
vidros, joias, 4 gaiolas com canes de
ratinhus brancos e i seraph ina nova
QUARTA-FEIRA 18 DO CORRENTE
as 1 f i* haras*
No i.^andar da rua do Bom Jesus n. S,
outr'oradaCruz.
0 agente Pinho Borges, basuote autorisado por
uma familia que se retiron para o Rio de Janeiro
levara a leilao os moveis e mais artigos ahalK
mencionados
A saber:
Um piano em nerfeito esUdo, do fabri am>
Blondel, 1 dr.o de armaro, de jacacaa^a, prop::
para uma raenina aprender, 1 riaa toilette de ja
caranda, com tampo de pedra e espaaho. 1 rica re
cretaria uara senhora, 1 c'ostureira de jacaranda
I cama franieza de dito, 1 raobija cuaalea, a
imiUcao de jacaranda, 1 diu de raogoo, cadeira-
de aalanco, It ditas para sala de jaaur, dibs aval
mportaa-
>a?
tes
, ditas de bracos, espreguicadeiras, 2 i
relogios de parede, 4 rtcoa jarros da i
diversos espelhos de varies Umanhoa, proprioc pa-
ra sala de viaatt, 1 guarda raapa, ooa imssi, 2
lavatorios, um de jacarandi outro da i
wsinhg pira jogo, %n
C
.







Jiano *j -r'\
costura, i dita damanivella, I thesa elastic* com' hninta,-foirl 1 9 do COITeilte
4 Utwas, i giiarca louca, dtorsos A's 11 horas a a manha
808 jarros, 3 pares de redomas com Bores, I ipa
radores, I apparelho die poreelana para jaaur, 1
dito para .almoco, t fatheteiro ae electroplate,
garrafas, calices, eopos, t pares de escarradeira*,
diverse* tapetes, e oulros muitos artigoa que esta-
rao patentee a exame dos Srs. prelendentes, antes
e no dia do leiiao. .
W
Na
PEIRA. SEN ANAL
IBRua do lmperadorlfi
ARMAZEM
Ultimo leiiao
DE
buns moveis
para liquidar
Quarta-fcira 18 do cor re ate
&s 11 horas da man ha.
]%m armairm da ma d Duqua
de Caxias n. iL-l.
0 agente Martins, autorisade pelo proprietario
do armazem acima, levara a leHio os coveis aba i
xo mencionados
A. saber :
Uma sofcda mobilia de jacaranda a Lnix XV,
comtanpos de pedra, diversas mobilias de sma-
rello, sofas, marqueeas, roarquetots, conso-
los, aparadores, guarda-roapa de amarello, t iui-
portante secreuria de jacaranda, com ettante, di-
versaa carteiras de amarello e bancas de 2 gave-
tas para escTiptorm, 4 mesa elastica da amarello,
com 6 taboa.s t cama de jacaraoda para ca.-al, 1
dita de amarello para dito, I dita de dito para sol-
teiro, lavatonos, cabides de columna e parede,
meiaa comuwdas de amarello, I camape da pitia,
cadeirinhas para crianca, t toucador da jacaraoda,
1 gnarda-louga envidracado, pequenos santuarios,
maquioas para co.-lura, e inoitos oulros objectos
3ue ealarao a vist;- dos cuiupradore*, no armazem
a roa do Duque J- Caxia o. 31.
QUAHTA-FEIRA 18 DO CORRENTE
A'S 11 HORAS EM 1'OiNTO.
Leiiao
DE
3 prateleiras, 1 armario. 1 carteira, 2 moAos, l
repartimento, 2 prancfcoes a caixoes vazios, ob-
jectos peKancentes a inassa fal!ida;de Pereirade
Mello 4 C, a exiftenles
No armazem a rua do Biun Jesus n 63
QUIN'TA-FEIRA 19 DO CORRENTE
as lO horas
Pot intervened) do ag'-nto Pinto
No referido armaiein.
DO
sobrado de um andar da rua do Bom Jesus
n. 61, edificado em chaos proprios.
Da casa terroa da rua da Imperatriz i>. 60,
e 16 meia-aguas da rua do Camarao n.
9, edificada em chaos foreiros.
SABBADO .21 DO CORRENTE
AS 11 HORAS BA MANHA.
Os administradores da masaa fallida de Pereira
de Mello 4 C, levarao a leiiao, por intervencao do
agente Pinto, os predios aeieaa men pothecados pelo socio da referida massa, Antonio
Lopes Pereira de Mello, os quaes erao vendidos
para pagamenla das mesmas bypothecas. as i 1 bo-
ras do dia acima oito. no escriptorio do referido
agpnie, a rna do Bom Jesus n. 43.
Os referidos administradores desejando ultimar
venda detes predios no leiiao daquelle dia, visto
ja ter-se effectnado a venda dos oulros dons pre-
dios, assira cotno a venda das fazendas a roindezas,
ben- que perteociam a referida massa da Pereira
de Mello $ C, convidam aos novos pjatendentes a
comoarecerera no dia, hora e lugar supramencio
uados. ____________
Alto la!!L.
0 CAMPOS 01 COHFEIThRIA
W SEll RIVAL.
Mo seu genero neuhum
estabelecimento o pode
igualhar.
E senao vejam :
Recebe eneoaiiwaila'.
Para a rece; cAo do Exm. conselbeiro mi-
t Istrn do hnperio.
E esta coma sua crifeit ria do Campos
muito bem provida de iodu quotilo 6 \>in-
ciso para que a ninguem falte cousa 1-
guma.
1STO B':
&CEFIFES 3DELICIDSDS
G tuti quanli.
2 ft" ? *
^ = .= 54
sr3 3 7 H, a
DE
fazendas limpas e avariadas
QUINTA-FEIRA 19 DO CORRENTE
V*. lO horas.
POR INTERVEN^AO DO AGENTE PINTO
No armazem da rua do Bum J^sn- n. 63.
Novo leiiao
DA5>
dividas activas ua importancia de........
8:073?502 pertencentes a mnssa fallida
de Paulo fernandes d- Mello Guimaraes
0UINTA-FE1RA 19 DO CORRENTE
A's 11 horas da manha
No escriptorio, a rua do Bom Jesus n. 53,
4 pnmeiro anoar.
' Por mandadu do lllm. Sr Dr. juiz especial do
cominerciu drsia cida le. o agente Pmbo li rges le-
vara a novo leiiao as refendas dividas, sendo in-
closivamente 3 leiiras, os prelendentes podem
desde ja exaiuina-las no escriptorio acima indi-
cado.______^_________________________
LKILAO
DE
fazendas, nvudezas. r,alyados o bonets
CONSTANDO DE :
camisas d<- linb' e algudao, mia>, chapeos de sol
de seda, boneis, al acas de cores, bnns branco
a pardo, pauno inglez, cas^mira de cores, me
rinos, esgnidVs, di-idemas, veos, cassas de cores,
boloes, vestOrios para baptizados, brincos, se-
ronlas, batdes, sapau de tranca, brim Angola,
chales e outras fazendas existecles no armazem
RUA DO BOM JESUS N. 63.
Quintrt-lVira IB do corrente
as 11 nor.is da manha
0 agente Pinto levara a leiiao, por conta e or-
dem de diveraos, difTerentes farendas inglezas,
francezas, suissas e allema?, existentes no arma
zam do sobrado da ri:a do om Jesus n. 63, sendo
que dilas fazendas seiao vendidas aocorrerdo
martslio, visio ja ler sido vendido o referido sal-
vado.
0 leiiao principUra as 10 1(3 horas.
DE
um terreno no lugar da Torre, >a estrada do rio,
a direiti depois da poule, e no fundo do sitio da
fam lia do fallecido Francisco Gomes de Olivei-
ra, com 200 palmos de frente e 800 de fnndo,
c ntendo duas pequenas canal (meia-aguas), em
nma raagnifica area, tudo em solo proprio e
com cerca nativa.
SABBADO 21 DO CORRENTE
as It t| horas
Por intervencao do agente Pinto
Em seu escriptorio, a rna do Bom Jesns n. 43.
Leiiao
De 2 carteiras para 1 pessoa, 1 dita para duas pes-
soas, mocbos, I bum, prova de fogo, 1 dita fran
ceza,3 venezianas, mesas'a mais objectos de es-
criptorio.
Sexta-feira 20 do corrente
Par intervencao do agente Pinto.
No i andar do sobrado da rua do Bom Jesus
n. 42.
O leiiao principiara as 10 boras.
LEILAO
DE
moveis, louqa e crystaes.
Sexta-fcira SO do corrente
No 2, 3" e 4 andares do sobrado da rua
do Bom Jhsus n. 42.
A SABER :
9 andar. sala da frente
Um pi no forte do muito conhecido fabricante
J. Pleyel, uma mobilia de jacaranda, cade^a* de
balance, lanQas para cortinados, 4 pares de corli-
nados, jarros par^ flores e tapetes.
Kala de dr-traz.
Uma mesa elastlca, 1 guarda lonca envidraca
do, 2 aparado es com tampos de pedra, 12 co-
nes de fino crystal, 4 escarradeiras grandes, 4
garrafas finas, 1 lavatorio e I quariinheira.
Quartos.
Uma cama (ranceza de jacaranda. 2 guarda-rou-
pas, 1 toilet, 1 lavatorio, 2 marquezoes, 1 marque-
za, 1 lavatorio de jacaranda para 2 pessoas.
3 andar.
Uma linda mobilia de jacaranda a Luiz XV e
espregui';adeira tambem de jacaranda, quadros e
esneihos.
I'ma mesa de jantar, 2 guarda Joacas envidrsca-
dos, 2 aparadores torneados, 2 ditos de ar.nario,
4 garrafas Una* de cry.-tal, copos, 2 estaotes, sa
Iciras, loufa e vidros.
Uma cama fra ceza, 1 guarda-roupa, 1 lavato-
rio, cadeiras, mesas e armariis.
41 andar.
Uma mobilia de junco a Luiz .XV, mesas, cadei-
ras, 1 raachina de costura, 1 machina de limpar
facas e muitos outros objectos de casa de fauiilia.
Dous papapaios e dua< patauvas com gaiolas.
Por intervencao do agente Pinto.
No sobrado" da rua do Bom Jesus n. 43.
LEILAO
OK
uma burr3 (cofre), uma mesa e um armario, mo-
veis pertencentes a massa fallida de Bento da
Silva a C
QU1NTA-FE1RA 19 DO CORRENTE
Pr interveucao do agente Pinto
No arn.azem da rua do Borr Jesus n. 63.
Por occasiao do leiliu de fazendas que de.ve alii ter
logar.
Feira Semanal
. mobilias de jacaranda, Com-
pletas, novas eusadas, pia-
nos, guarda -loucaf, 1 rica
secretaria, mesas para jan-
tar, (elasticas) camasfran-
cezas de jacaranda e ama-
rello, aparadores, commo-
das e meias ditas, guarda
commida8, espelhos, com
molduras douradas, ma-
quinas de costura, de pe e
mao, rewolvers novos, de 4
a 8 tiros, relogios de pare-
de, de cima de mesa e de
algibeira, de ouro e prata,
objectos de brilhantes, ou-
ro, prata e crystaes, can-
dieirosdegaz carbonicoe
.kerosene, jarros para flo-
res, quadros sortidos, com
finas gravuras luntos de
ouro, prata e aco, diversas
miudezas, objectos de ele-
ctro-plate, grande sorti-
mento de trastes avulsod,
einfinidade deartigosdo
. 8o domestico, que serao
vendidos atr5co dobara-
irO, por conta de diversos
DE
JOIAS
No dia 3 de dezembro proximo, se fara leiiao por
intervencao do agente Martins, de tdos os penho-
res constantes das cautelas secuinles, visto ter
se fiudo o prazo das transaccoes a sous donos nio
as reformarem.
A saber:
N. 1502, 1503, 1565, 1583, 1784, 1835, 18G8,
1936, 2050, 2091, 2(95, 2192, 2254, 2256, 2282.
2342, 2397, 2436. 2448, 2458, 2481, 2617, 2712,
2737, 2738, 2750, 2799, 2802. 28"7, 2867, 2871,
2896, 2929, 2945, 2972, 2987, 3007, 3023, 3034,
3037, 3045, 3060, 3065, 3076, 3093, 3(6. 3H0
3149, 3151, 3174, 3175, 3185, 3i90, 3193. 3194,
3195, 3197, 32o5, 3206, 3207, 3211, 3213, 3*18,
3220, 3223, 3247, 3234, 3235, 3242, 32?0, 3251,
3?54, 3260, 3262, 3265, 3273 3277, 3280, 3285.
3288, 3293, 3298, 3300, 3304, 3309, 3312, .8318,
3320, 3321, 3326, 3327, 333V, 3339, 3341. 3354.
3358, 3366, 3373, 3384, 3394, 3397, 3399, 3406,
3410, 3415, 3419. 3432, 3444, 3460, 3468, 348o,
3493, 3500, 35o8, 3517, 3527, 3529, 2533, 3553,
3556. 3572, 3579, 3589, 3596. A' travessa da rna
do Duque de Caxias n. 2, 1 andar, podendo di-
tas cautelas serem reformadas, pagaodo o premio,
on re?gatadas ate o bater do martelio.
AM A
Precisa se de uma ama
para cozinhar, preferindo-se
escrava: a tratar a rua do
Capibaribe n. 40.
AttenQao
Uma pessoa desta cidade, qne por todp este mez
tem de seguir para o Rio de Janeiro, asm de tra-
tar de uma questao que Ihe diz respeito, offe-
rece naquella praca sens prestimos e esforcos
para tratar de outro qualquer negocio que se quei-
ra confiar a seus cuidados, vino ser aquelle o
Cm unico a que vai, dando conhecimento de sua
conducta : a tratar na rua do Vigario n. 14 loja. e
n. 18, i andar.________________________
Casa na Varzea.
Para passara festa aluga-se nesse poveado uma
boa casa, com nmitoa commodos e grande sitio,
par 40*000 mensaes : a fallar na casa junto, que
tem terraco.___________________
Collegio da (onceicao.
O director desse collegio, sito a rua de S. Fran-
cisco n. 72, serve se do jornal para pedir pala
ultima vez as pessoas que lhe >ao devedoras de
mensalidades auiigas e deste anno, dinheiro de
empresllmo a de Qancas que pagnu, que se dignem
saldar st-u- debits antes que elle se vrja fnrcado
a lancar mio de meios qua deaeja aioda evitar.
Para os devedores desta proviucia da o prazo ae
15 dia, para os do Rio Grande do Norte e Para
hyba e Alag&as 30. a eontar d-'cta data.
Recife, 3 de novemdro da 1874._____________
Magdalena
Aloga se neeta localidade o t* andar do sobrado
defronte do hotel de Bento : a tratar na olaria da
traveua dosReaaio,com Manoel Ignacit d'Avila,
Sabonete vegetal pre-
servativo do conta-
gio venereo.
A desci'berta de um meio preervat ivo .
da infec<;ao syphilitica tem occupado a j
atten<;ao de muitos medicos noUveis
desde epoca mui remota, a isto movidos,
sem duvida pelo desejo de pouparem a i
humanidade as rnncslas cnnsequencus
do contacto e absorpcao de um pus tao
maleflco.
O Dr. Antonio Ferreira Montinho, dis-
tincto medico na cidade do Porio, e ho-
mem abasiado, quo com mafs desin-
teressarto empenho se entrtgou por
longos annos ao e.-tudo e eusaies para at-
tingir um tao louvavel <\nio numanitario
desideratum, julga ter descoberto subs-
tancias vegotaes, que reunidas em fur-
ma de sabonete, prnduzem com edlcacia
e de uma maueira infallivel o pretendi-
do effeito.
Sua convicijao e tal, em vista de nu
merosas experiencias feitas n^ huspil 1
da cidade do Porto, e do bom resultado
que o publico tem obtido do uso de tal
preparac;ao, que -lle ofterece o premio de
um conto de reis fortes, ( como se 16 no
jornal Actualidade do Porto de 2 de
maio deste anno ) a quern Ihe provar a
improficuidade de su invento.
Por autorisacao do Dr Muutinho, o
unico deposito de seu< sabonetes para
esta provincia e para todas as piwin-
cias do norte, e a Pharmacia Central, e
para obftara qualqner fraude serao con-
siderados falsific dos todos os sabonetes
que nao levarem o rotulo deste estabele-
cimento.
Ph- rmacia Central
38 Rua do lmperador 38
* CBNSULTDR10 |
5 HEDICO-CIRI'HGICO I
I Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso ;s!
W PARTElxO E OPEHADOR
*Hiia do Vlsconde de Aibuquer-i
m que ii. 39. b
* ESPECI ALIDADE
Moleeitlas denealioras e
mentnos. ^ft
Consultas das 7 as 10 horas da ma ~
oha, todos os dias.
Das 6 as 8 da noite, nas segur.das. nuar- Mh
tas e sextas-feiras. ^
Os doentesque mandarem os seus cha- mados por escripto at 10 horas da ma- ..
nha serin visitados em suas casas. 3f
W
=3
S
$
^
VINdeQUINQUINA
FERRUGINEUXdeMOITIER
Com rirHkMftaM de |
rr. Ella vinhB foi pracMuada por toda
empreoi* medical como seodo o mais ptaeroso
toDico empregado para canr a Caxoaosu,
Amu o Exuiistacao m umoi.
Deposito geral em Paris, li, roe dos Lom-
bards, LoMu-eacel, pharmacentico.
Pernamb*co, k. REGORD, e nas princi-
I paes pharmacias.
FUNDA ELECTRO-MEDICAL
INVEN^AO rRIVILEtlADAPARAIS ANNOS
pjncnnnrDMiAe dosdontores MABIB
radical ntrvliino irmaos,medicosloveotorce
44, roe de rArtire-Bec, Pabis, Vai accompan-
hada da nma noticia.
Depodtoem PernamDueoJ)ABORBelBA3BOZA.j*.
Pu
uUSJah
FR*B8racC, CU0 r TRIGUEIRO
nr;cnFiRicn
<'>: 1,7. .'ro iic l.r h'eiijii'ii < Cmiimendaderrlaordem cTIza-
bcL a CalhoKra.
iVr devr> o sen aroma
leas (til
Oal-'o drChevrl
1 uohfnHas ''.ilsa leas miajainrla ant-
inpntaii .is mias propiiot!a(!"S tliPrapeuti-
r.;is ao mesnio i mpo Vjn o tornSo agrada-
xc\ an tomnr -i>,
O senhnr O-evrfpr couipletou a ana
desenhprt" n-<>"ih'tOO Imluri'to dp fprro
:,n ii'n film- iiK'i''^ '1p n.i.M'hnu. Rxtfl
olrorlo Upr'! ilebncalliatf f rr i(;tno-
so possr.i' loiin-- 3.* hri'p ''' .'- do olno
p f'r f-rro / 'Afhcll ''.'- siSo a nunca
cn'S! prja do VMitrc
'i'mhis as cli'hridadps modii-is bprp-
rpp-ii) as ooti-ii* iiri-naiaoSps fprrugino-
sas ''(> 'iiii'p !':i o '( rr- T,',i pnlmoiuir,
nnnrhll'K n h ini<. F. Profiilna.
E lll|>l8"lm. ' -.>, !!>.
p<-pin, mnt--i- -Jciui. 1 Hiornolaia
Fraanrzn d<- i-.n-ij'*- 'ran.
deposito em paws: Bharm CHEVBJKR
21, Faubourg) Vontnvirt .
Na mesma ptiarmacia adiSo-se o Vuiao
a Bi.ixra de Coca, e^cfillpntps nrepara-
cBes tonicaa. Oa granules ile Bismntb
eompoatoe contra as diarrheas, dysen-
,erias. dorea de estoipago. etc.
XAROPE DE CHLORAL
DE FOLLET
Pharmaoantico da Paria

As precioza9 propriedades de oaxoaai. tem vivamente
captivado a attencao das pessoas scientificas e dos medi-
cos, que n3o cessam de utiiisar sua virtude nos cazos
difficcis contra os quaes se nao conhecia at he esta data
nenhum meio de accao efficaz.
0 snr Dumas ha pouco tempo se eiprimiu nos seguintes
termos, na Acadeinia das sciencias : Duas substancias
u approximativas, o chloroformlo e o chloral, que na
epoca de sua descoberta foram o assumpto de muito
h profundos e serios estudos, no puro interesse da scien-
<< cia abstracta e das thcorias chimicas, tomaram em
seguida parte cnlre. os preciozos agentos da therapeu-
tica : o chloroformiu para a chirurgia, e o chloral para
a a medecina.
0 Snr Follet teudo nionlado uma fabrica para a prepa-
ra;ao tao dclicada de chloral, garante a purpza absoluta
do seu producto, e para facilitar o empn'go deste mara-
vilhoso, iiiL'dicamciito, pippaiau una Xarope de chloral,
que contem:
uma ijramma de chloral em uma collier de sopa.
0 XAROPE D" CHLORAL. I>E FOLLET, na
dose ordinaria de uma a duas colbcres de sopa procura
e facilita aos dooutcs um sotnno tranquiilo o restaurador
que Hie faz expeiiiiienliir ma giaode allivio, rpslituc-lhe as
forcas e o animo perdido e ajuda cnormeinente a reac-
cao, scmiiunca provocar nenhum d esses accidentes tantas
e tao repctidas vexes produzidos pelo empiego dos opios.
K'pm conscquencia d'estas propriedades eniinentemente
scdativas que o XAROPE DE CHLORAL DE
FOLLET, e seiupre empregado com grande successo
nos cazos d'tBCOmttMt, nevral'jias diversas, yotta, rheu-
matisiiws, encluiquecas, asthma, brortchites, phtisica,
calicoshepdticas mt outras, earner, eclampsia, le'tanos, etc.,
e em geral, em todos os cazos em que uma ddr aguda
accarreta a falta de somno.
Uuiantc o cerco de Paris, o Snr douctor Beranger-
Feraud, chefe do servico dos feridos no Val-de-Grace,
publicou,nojfio/eJm sobre os resultados obtidos com o chloral que o Snr
Follet, tinha postoadisposicao do dito hospital; os feridos
i eclamavam o seu emprego com instancia.
0 Snr douctor Lecacheur, que muito se occupou do
emprego do chloral (ou hydrate de chloral) em therapeu-
lica, publicou sobre este assumpto um trabalho notavel
do qual passamos a dar um extract :
< O somno e um dos primeiros e mais conslantes effeitos, produzi-
c dos pelo hydrate chloral; principia sempre em geral um quarto da
a 0 somno 4 protundo e analogo ao somno normal; nSo e pertur-
bado por sonhos, e nSo e acoiapanbado nem de excita<;So psychica
a nem tSo pouco de agitac^o musculares... 0 despertar se opera sem
accidentes dusagraduveis. Geralinente os doentes, nao se queiiam
de d6res de estomago, nem de peio de cabeca, nem de cephalgia
como acontece a maior parte das veies com o emprego dos opios.
Alem do que com o opio torna-se indispensaTel elevar progres-
c sivamente as dozes para que seus mesmos etleitos se continuem
c produiir e ja o mesmo nao acontece com o hydrate de chloral. >
Para a gotta, o emprego e accao do chloral so torna ex-
tremamente precioza, assim como o senor Bpl ret da
Saint-Leger o demonstra pela observacao segunitc :
< I'm doente estaTode cama havia ja um nvi, rottidn prr ^im atta-
i que do yolla, a duiaute olo dias nao pode donuir, autda que ea-
< tenuado pela dor, insomnias e ric'oroia dieta; tudo f: ia prefer
t noites teiriveis : adininiftrou-se-lhe de oaia so vei du-- grammas
de chloral dissolvido cm agua com as t odoenteadormeceu, eo somnodurou trei lioras; amei: .oitodea-
< pertou-se sem dores de cabeca e em um etado de con" tiuinento
< indescriptivel, depois adormeceu de noto para todo rcsto da
c noitc.
< Desde entSo continua com o uio do chloral, e as ancia* .-.trorea
t dolorozas bem como as aaatrace^ea dos nwadoa osaai v..
0 chloral tem tambem uma a.-.Tio notavel s-'b: .. tosse
que canJ tanto os doentes alarnda de const ipnrOes ou
de broiichitcs.
0 senor douctor Offret, dtpuis d.; ter citado en suas
memorias algums cazos de ruras npidas pelo -hloral,
accrescenta :
a Podeiia eitar ainda varias oaU'as obsri >' ""- ':'-'- '"'-
i duos allacados do UberoilM pulmunares 'in uiltef;nJ"Si {.-nins,
de broncliites chronicas e gnd:;s.
t Estcs doentes cxlcnuados pela loss.-, prrradoe a nand r 1'"''% l,:"
t veies de um somno tranqiiillo, enccntrarim dp uzp do (.1 '. ri u;n
grande allivio. qnando mosmo a mcrr:..' n*i unlw i l.> >
f mt-iior elf.-ito, Osstiorea ..hondantos q ie i ^iinrin t. I- i piitfci-
f sicos me parecoTam diminuir t-ob a ir.!la- ia d'-.-:te in.- n ,.-iiia;
f a tosse se tem constantomente asaaignado por u:n- oat- i < OMM
c scnsivcl. >
0s jornaes de medecina e resuiuos seieatifi< aa tem
publicado, os resultados obtidos polo empi-ego de chloral
pelos Snr' douclores RichaioM>n P.nveret de Sainl-
Legcr Drodbury Ilichard B^ranger-FeraBd--
Liebreich Westphal Meyer Rarddebfa Iju-
genbeck Virohow Dieulafoy krihaber Dcinar-
qUay Gubler Jastiwitz Licgcois Xatiriac
Marjolin Mandl Bouchut Giraldes Verneni!
Simpson Lambert Tamior, etc., etc.
0 XAROPE DE CHLORAL DE FOLLET I
pols destinado a prestar seryicos importantes todas as
vezes que se trata de calmar uma dor dando ao doente
um somno reparador.
AVISO. Afim de evitar as falsificacHet ou i:nitacues
que podem ser preparadas com um pro- r-~m yf
ducto, pouco puro, deve-se exigir sobre j&crt&^Z
cada frasco a etiquelta de qoatro o&tam
tendo a assignatura.
Uma instrucsao minucioza acorapanha cada frasco.
Pre?o de frasco : 3 francos

CAPSBLAS D'tiTHEaOLfi DE CHLORAL DE FOLLET
Estas capsulas, redondas, e do tennanho de uma er-
vilha. encerram uma dissolucio de chloral em ether. Sob
esta forma o chloral pode ser administrado as pessoas mais
difficeis, o-savdr do medicamento e complecUmente nullo.
Cada capsula contem approximadamente 15 centigrammas
de chloral. A dose regular e de 4 a 6 capsulas, que se
devem engollir rapidamente com algumas colheres de
agua pura.
Preco da frasco : 3 francos.
Par* m venda por atteeado dlrlgir-M a cama de Snr L. FKIR! *9, roa J-cob. roa Tmrim
jsR^.T'd?eS

M
AS PASTILHAS DE DETHAN _
rarso as moleMias da garganta, rouquid^s, ernp das erSiiic;s, anginas, eseorbula, u'erwroea,
e Inna^nit?6e da lic.cca. Puhfica. o Halite, destroem a IrrUacSo (MWaada pelo fumo curio o.
effeito* pernidusoii do nicreuria sobre o. d*ulc. Sao prcciosas para os Sr=. prcgadorca, profosawrcN, oradorc. e
rantorea, uoraue lacilii.in a einl*ao da vox. '-
Paris, em casa de A DETHAN pharmaceulico. 90, tauboorg St-Denis. e nas prmcipaes pharmacias e droganas ioBraM.

3, aharBnaeeadco, t, rue de CaHglInc n r-iru, an'.ro proprlctartc
DE
DE FIGADOS FRESCOS DE BACALHAO
Tisica, aflecooea eacrofulosas. tosse chronica, iheumatismos, fraquea
Idoe membroe, gotha, debilidade geral (engorda e fortalece), dooe e facil j
de tomar. Mencao honrosa. .
I Exigir a marca de fabrica ahaixo indicada encobnndo a capsula ae j
_r. cads frasco de forma triangular.
Deposito em Pernambuee, A. REGORD, e nas principaea pharmaciag.
Admlnbtncto: PAK1Z, M. kaalc* I
CMRK-CRIllE.-Affecota IjailHlin. I.wpai
dn vla dlgeatiru. obftraccO obstruccfiei Tircn. coacrrcon ealcalona 4a Ml*.
HOFITal. A5trto-s Ttaa Mztirm. Ina-
modu do i-stDmacn, dlfwiao dlOcil, lM|lfi gastralRin, dj-pepsia.
CtlESTIXS. Affcc;6t> do* rlM, concrecoVt du ourinaft. gota, diabetes, albaataavta.
HMTERIVE Am-ccon dm rina, da acxls, (Rkkt,
eencre^oes das oarinaa, got*, d abctac, aleaaateeaia.
EXIGA-SE
o H01E da FUERTE ka CAPSULA
At Fontes de Vicar, acima nomeadaa, aali ee:
Em Penutmtf. HMISMSBT a UMIU. na
do Commercio. I
KKIALuA -k
N bnti'" frarir-f-Z" n. 4.'
Baa do Bom Jr*n r
PARIS
APPROVADO PELA ACADEKIIA IMPERIAL DE ME04CIN*
em 27 detembro de 1849
PAKIS
/1M;
I
PARIS
I
/)c/6)>
E' sobretudo as suas propriedades eminentemente absorventas,
qne o crao de Beiioe deve a sua grande efficacia. Recom-
menda-se-o especialemente contra' as affects seguintes ;
GASTRALGIAS <
DYSPEPSIA
PYROSIS
AZIA
DIGESTfiES DIFFICEIS
dOres de estomago
constipaqAo
COLICAS
DIARRHEA
DYSSENTERIA
CHOHPIHA
H0D0 DE EMPREGO. O *** ** (Cfcrt> deBelloe)
toma-ae antes ou depois de cada comida, sob forma de Po o de
Fntilku. Geralmente o bem eatar sente-se logo depois das pri-
meiraa doses. Uma inforraasao entensa acftmpanha cada vidro
de p6 e cada caixa de paslilhas.
DeSposito em Paris, L. FRERE, 19, rue -lacoh.
PARIS
I

I
ASTHMA
OrMtESSM, CATUIH, TtJM KSTUMM
ArRccan au fiaa at anrnttta
Cnra immediaU paw iaanc* a PAPtX
dos CIGARROS do ogieajnag*, paaraa-
ceutico do 1" class* da Eiraila do PAKJS.
Eocontra-se em toias ai atatdssw afjat-
aciu.
Deposilos em Penttmtaeo: A. RECORD;
BOTICA CEHTRAL DC PRAWUCIA.
PARIS

VEL0UTINE
* DMA
P08 at FLOR dc ARROZ
Especialnxnto preoeradoa ooon assawrroi
por eonsegointa oraaaa aooao aadarol
sobre a pelle.
K' ADHKRKWTg I s ssaaaas DCV1-
SIVEL, dando i peak one tiassata
areludado naturae*.
Preco da Ceuxmha cost beds ft tr., em
cam deCb. FAT, S.raedslaPaJxjFAPiiz
Depoaitoeaa Areeii*. A. RBOOKD.
iQMAD
MIS CAa
SI:

TO OilSriB VilLLlAk r
rcetit ir progr a.ie%w^
A SUA COR PRMIT-
iJIamihslj'n*- NttTntisy
IOUIi ** KtSTiTWIAIV OUf.Dt biAft
A S0A COB PBlaUIlVA
xito iafaitml ateaa xwe ea- ae
fci*
v mym
a BaSBaaVaara a.
TAX. re. aW*r. PaalS
iv^~no e*> pmm., *y, a. asaemsv
X



1
L
H

Jiano de i'emamouou Terca teira 17 de Novembro de 1874.
PUND1CA0 DO BOWMAN
RUA DO BRDM N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senbores de engenbo e ontros agricultores, e compradores de m
cboismo o favor de fazer uma visita a seu estabelecimento, para verem o novo sortimen
tc complete que abi tena ; sendotudo superior em qualidade e fortidao ; o que com a ins-
vaccao oessoal pode-se verificar. ,,-,,.,.
c^ l-^gjjg^AppEj,^ AQ NUMER0 E LUfiAR DE SU\ FUNDICAO
VapOreS e rodaS d'aglia dos mais modemos systemas e em tamanhos oon
venientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietaries e para descarocar
algodfo. -
MoendaS de Canna de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
RodaS dentadaS para animaes. agua e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e ftrados de alambiques.
r 1 I Podendo todo-
MaCniniSmOS Dara mandioca e algodio, e para serrar madeira. Jser movidos a ni(
n i r Jpor agua, vapor
-DODlDaS de patente, garantidas........ ton animaes.
Todafl as machinaS e pecas de que se costuroa precisar.
FaZ qiialquer COnCertO de machinismo, a preco mui resumido.
Forma8 de feiTO tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
EnCOmmendaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer machinismo & vontade do-
clientes, lembrando-lhes a vantagem de fazerem as compras por intermedio de pesso*
entendida, e que em qualquer necessidade p6de lhes prestar auxilio.
Arad0S americailOS e iostrumentos agricdas.
RUA DO BRUM N._52
PASSANDO O
PARA MO*
Precisase de uma ama,
forra (u eaptiva, preferindo
se desta ultima coudicjao, que
saiba engommar e para ou-
tros misteres de casa de pe-
quena familia; a rua do Ca-
pibaribe n. 40.___________
Aloga-se um rooleque de 16 annos, com
mail* praiica do >ervijo itomeMico, e algurna ha-
bilitacio para o service de.tanoeito, em arroazem
de a- socar : a tratar na ma Duque de Caxias
D.63._____________________________________
i Marl* Hit a Ferrelra Balthar
Fraacisco Ferreira Balbar e Da-
vid Ferreira Balthar, po5Uidos do
mais profundo senumenio pelo pas-
samento de (0* muito presada mai,
D. Maria Rita Ferreira Balthar, fab
lecida na cidade do Porto m 30 do
mei passado, mandam celebrar al-
gnmas missas na igreja da Madre de Deus, na
uuinta feira 19 do corrente, pela* 8 horas da ma-
nna, trigwimo dia de seu passamento ; e convidam
a todos os seus paren'es e aungo!> para a>si*tirem
a esse aclo de verdadeir* religiao, anUcipando Ines
desde ja todu o seu reconheciroento de eterna gra-
lilao.
Ju>e Ateveno de -ndrade e sua
fan-ili*, agradecem do intiroo d'al-
ma a todos os seus parentes e ami-
go as provas de con.-olaeao e sin-
eeri amizade, que hes deram por
occasiao de ser dado a sepultura o
cadaver de sua presada 6lha, irma
e cunhada, Emilia Angelica de Andrade ; e de
nuvu lhe* rogam o ear doso obsequio de assistirem
a aliiumas mis.as, que pel) ele^ no repouso de sua
alma, rnandam resar aigreja do convei.to da Glo-
ria, pplas 7 1|3 horas da maoha do dia l do cor-
rente, setimo dia de sen failenm-nto.
ODILON DUARTE & IRMAO
oABELLHR.EIROS
Premiados na exposicao de 1872
Collegio de Santa Genoveva.
Curso de ferias
Estao abertas no dia 16 do corrente as anlas
de preparatories sobre que ver-am os exaroes de
fevereiro a marco. Estao a cargo das aulas : de
arithmetic, geometria e algebro o Illm. sr. Jose
Ferreira da Gut Vieira ; de philosophia, geogra-
Bbia e hbtoria o Mm. Sr. Dr. Eliteu de Souia
lartina ; e de rhetorica e poelica o Illm. Sr.
Francisco Altino Correia de Araujo.
0 abaixo assignado faz sciente a pnblico,
que desta data em dianJe retira todos os poderes
3ue deu ao Sr Joaqnim de Souta Sirne, por meio
e uma proenracao, para tratar de suas cobran-
cas ; assira como pede ao eimo Sr. Sirne a bon-
dade de vir a rua do Bom Jesus n. 19, pre star con-
tas do que recebeu. Recife, li de novembro de
1874.
__________Manoel Jose- Pinto de Sonta Neves
Quern tiver um moleque de 13 a 14 annos
de idade, e o quiier alogar para vender floras, di
rija-se a rua Imperial n. 305, armazem de sal, de
Valdivino da polvora
ARMAZEM DO VAPOR FRANCE?
N. 7 Rua do Barao da Victora, outr'ora Nwa-H 7.
0 dono des'.e estabele^m'into tendo de ir a Eur.ipa, vende a precis haratosiSKS olos mmmi
atrigos, como ejm
Galcado francez
- Na rua dos Fa-cadores n. I, precsa-se alu
gar um escravo. _________
AttenQao.
0 abaixo assignado, successor de Jose do Re go
Pacbeco, faz sciente ao respeitvrel publico, que
comprou a taverna da travessa da rna Doqne de
Caxias n. 8, quese acba sortlda de bons e nivos
generos, e per isso pede aos an-igos frpguezes do
me?mo estabelecimento, o favor de continnarem a
frequenta-lo, certos de que comprarao alii mais
em conta do que era ontra qualquer parte. Re-
cife, 14 de novembro de 1874.
Augnsto Jose Nunes._______
para homem
titnhnra.
nioninogi
o meninas.
Botas e pemeiras inglezas
de montaria.
lobilias de \ime e de bit.
Sons pianos.
I)>s wftllu'e! e mais modernoi model's l
Blond> I : vende-se. troca se e aluga-se.
Quinquilharias.
Irtigesi de different** ffm%tti r
pbntMlatti.
EsfM'lhns. i*- camvews, caixmha.- de costura, albnns, qua4ro,
e caixiDhas para retrstos, bolsinhas de v**jE*3,
ditas de enaro, e cestinhas para bracos de mewta*.
chicotes, henjtalas, oculo, pince-nei, ponteiras pirm
I charutos e eigarros, escovas, pentes. cartemoba d*
! niadrepemla," tapele para laotenus, malaa, Wm
~~m< da viacens vene'iaoas para ianellas, esterioeo-
Vende-se ranito em conta, cadeiras avulsas, de '
RUA
DA
IJIPERATRTZ
{!. ANDAR.
^^^fS
?*t:uin Iw^-
el=h IB1U ** -j.
'^-^4^0^fy
RUA
DA
IMPERATRIZ
N. 82 J
1. ANDAR.
Acauam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o dos melhores con-
diccdes Dossiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Exmas. Sras. n'a-
inilln nfift for tendente & arte de cabelleireiro.
quinu 4u cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, ctiignon,
joqnes modernissimos, trances, cachepeign, tecidos. desenbos em cabellos quadros tu-
3l flnres bouuuets e todo e qualquer trabalho tmagtnavel em cabello.
mulares, ^g.11^ 8CD8.S^ pr^ido do qoe ha de melhor nos mercados estran-
wiros recebe directamente por to** us vapores da Europa, as suas encommendas eflga-
SoTdeTodas, e por tsso pude vender 20 /. tnenos que outro qualquer, garantindo
nerfeicio no trabalb.., agrado, sinceridade e pre^o razoavel.
oerteicaon^traD^ JVJJ^ ^ nQ ^beiecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcAo e a retalho e tod- os utensilios pertencentes a arte de cabelleireiro.______________
Pulcheria Maria do (3armo Fer-
reira J. rge. Manoel Anu-nio Jorge,
Casemiro Lueio Jorge, Maria Fer
reira Jorge e Francises de A sis
Jorge, irma e sohrinhos do flnado
. Manoel Antonio Jorje. mandam re-
zar niifsas uelo eterno rvpcOsO do niesmo floa-
do, na igreja matriz de N. S. da Esc da, sabbado
2i do corrente, as 7 horas do dia, setimo do seu
fMlecimt-otu ; e para as-istirem este acto de re-
ligiao e caiidade, convidam a todos sens arentes
e amigof, e a..s do finado, nao tendo feito igual
i-invite para asistirem ao enterro, nao so pela
di>tancia do lugar.'como por ter sido lepentino o
f-.llecimento .ih^m^
CASA DA MIAL
AOS 4:000,8000.
81LHETES GARAOTID0S.
A' rua Prxrnei.ro de Mar^o (outr ora rua "O
CrespoJ n. 23 e casas do cosiumt.
Aeham-se a vend* os feltzes bilhetes garantidos
d 7- pane" das lotenas a beneBciu da Impe-
rial Capclla da Estancia (123'), que se extrahira
na sexlafeira, 20 do corrente mez.
PKEgOS,
Bilheie inteiro 4*000
Meio hilhete i" Em porcao de flOOA para ctma
Biltieir inteiro *<5U0
Meiobilhete IJW0
Manoel Martina Fiusa.
Nao ha mais cabellos
brancos.
Tintura japoneza.
S6 e unica spprovada pelas aiademiasde
sciencias, reconherida superior a toda que
tem apparecido at6 hoje. Deposito princi-
pal & rua da Cadeia do Recife, boje Mar-
quez de Olinda n. 51, 1" andar, e em todas
as boticas e casas de cnbelleireiros.
balanco, de bragos e de dohrar
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, cpiata e pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de loillete,
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabopMes,
cosmeticos, muitos artigos delicados em perfuma
ria para presentes em frascos de extractos, eaixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes tamanhos
pos, lanterra* magica<.cosioi>ramas, jog os da gi v.a,
,le damas, de hagalella. globos de papH para illiiminar/les, machims 4e
tazer cafe, cspanadores depalhas, realejos de vo.
acmrdaos. rarrinhos. mnmdiras de vMrn p >r
dar lute as rriaa^s, mr.il >s oniros artigc*.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade qne se p >de desejar da to
dos os brinquedos fahrimdos em diffmite* P**"^
dU'^.rdeUU^loVne,'tudo "de"i^ta cuaiidTde |da Euro,,,. Wn 'entredto, ***** '
dos bem conhecidos fahricantes Piv^r e Coudray. i precos mais resom.dos qne e pos-.rel
FUNDICAO
J
FEKKO
No dia 16 de mez de outubro proxim I pas-
sado, do corrente anno, desapp^receu da casa de
sua senhora, o neuro Manoel, sera netihuma razio,
o qual parece ter 50 annos annos, 6 de altura e
grossura regulares. muito preto, tem denies saos e
cria barba, com alguns cabellos brancos, tanto na
barba como na cabeca ; levou ves tido cal^a
azul e camisa de riscado, e foi comprado a Joa
quira barbosa de Siqueira, morador em Pesqueira,
d'i nde e o negro filbo. Qaem o pegar leve-o a
casa de sua senhora, na Pasragem da Magdalena,
rua de Paysandii n. 42, que sera bem recompen-
sado.____________________________________
__Na rua larga do Rosario n. 16, ha uma es-
crava para se alogar.
Modista franceza
Em casa de mademois-ll* Eugeuia Lecomte tem
um elegante vestilo, pruprio para bade, vindo de
Paris, o qual vende-se.______________^_____
Aluga se a casa terrea sita na rua do Bom-
Fim, en. Olinda : a tratar na rua da Aurora n. 7o,
com o Sr. Rindel._____________________
Parts, 36, Ru Vlvlenne, IV
rgTTlim IF.DWIM SfttWIi
ARISTIDE SilSSET E. J. SODM
Tratamento'Duramente vegetal verdadeiro puriflcador do sangne. sem mercuno.
SSad arJl.a e um remedio hoje reconhecido como. um poderoso depura-
tivo e esuecial para cura de u,d as molestias que teem a sua origera na .mpureza do sangne,
cZo sejam : asPm!lestias Stphu-fticas, Bocbaticas e Escrofclosas, Rheumat.smo, Emmm, Dab-
TB0S' ^oTJfedffiffaffi qEueC- tem prodnzi o a K.sencia de Croba por toda parte
onde JSTSmSSsS expe^mentada tea, feito ajopur -o^ ^gK""
tos mais seguros e mais energieos para a cura de lodas as mdesUas de natureza SJBmnwa
T\ f\ Tt f> J \t> *|
A cada frasco acompanba uma instruc?ao para a maneira de usar.
DEPURATIF
ju'SANG
PLUS DE
COPAHU
Pomailii anli-dartrosa
Contra as affec$5es cutaneas, darthros, comicboes, etc., etc.
IngiKDlo de (aroba
Para cura das Iwubas, ulceras, cbagas antigas, etc.. etc.
UNICAMENTE PREPARADO POR
R0UQ0AYE0L IBfflAOS, SUCCESSES
Biitica Franceza
22 Rua do Bom Jesus 22
AMIGA RUA DA CRUZ )
tLTmtCOTO DO MMCK.
-----I'l.OOOcarMdasMnpIs*
;cn,ptu'ulaj. he:pts,
. irna,comtroei, . nonto, e ailetfOtt, i-
Ji:io.u do sangue, n-
fut.t^i .a?u. (Xarope vegetal
semmercurioV Oeprla *
BtMIO HliiESSAES toraao-se dou> por
semana, segnindo o tracumemo Dejmraltfo .* *
emi)reeario mtmn molestias.
I Este Xarope Curaeto d
1 ferro de CH A BLE, cura
mmMiatamenie qual-
quer purgarao, rela-
_ rapao, t aebihdadl,
e ifcuaiiuemr o.V jiuji* e floret braneo* dM
mulheres. EsU iujeccao benigna empregasie
torn o Xarope de Cttraclo de ferro.
Ur.BiarraidBio Poiuada que as cura eml dia*.
POMftDA ANTIHERPETICA
Contra: nas aJTecfoes ru'aneai e com*xoe.
PtMSlAS VECETAES 0EPURATIVA8
da Ckahie, cada frasco vrai aeeumpaiwM
da ttm folbeto.
AVI80 AOS SRS. MEDICOS.
I Cora caiorraa*, >
coqtulitclw, irntafoaa
I nervoiai mi d bra
chioi e udat a. dowf*
__________________I do petlo; bst o docnH
ma colhe rrhdea Me wropa D" r-oaarr.
th-. CBtaLi Paris. t *tc^ ,
Aluga-se o 3* an>'ar cum suUo da casa da
rua da Iroperatriz n. 53 : a tratar na rua do Ba-
rao da Victoria n. 57. ^^^_^___
Escravo i ugido
Desappareceu do engenho Biejo Goicana, do
terrao de'Nazareth, desde o dia 5 de setembro de
1871, o escrav.. perlenceule ao abaixo assignado
de norae Joaquim, mulat'< aiaranjado, de idade 34
annos, ponco mais on meno-. e co-n os >ignaes e-
guintes: alto, secco, cabellos crt-apos, olos par-
d.is, tem talla de denies- na f/vote> 4na^os e raaos
grandes, pes seer"? e eonipridos.*JK'"n-andar can
gueiro e e rendido de uma v(m*--i suppoe-se
tir seguido para o Recife, nu*de1;\islo : r atooas as auturidades polici es >jflsi,_S's. ca|iiaes
de campo .ju<: o rn-.ooirarein, -m a: pre-
hender e condmi-lo ao rrferido^epgeoju'. qu'i se-
raogenerosameute rej'imppnsapp^
Manoel Lniz de .Jlr:' l Luna.
rtlngase uma escrava para ven ler na r-a
a tratar na rua do C*buga n 3, i' andar._______
Attencao
Fngio no dia 7 de setembro o escravo do abai
xo assignado, com os signaes seguintes: Egidio,
cabra, ida.te de 20 annos, cabellos caraprhos,
olbos aboticados, altura regular, ros"o um tant'
chnpado, beicos grossos, bocca regular e nm
Unto bicudo, cabetja pequena. orelhas regulares,
h.acos, a raesma ensa, pernas regulares, tendo
a esquerda e o pe inchado, por lhe dar erysipela,
nariz regular, e bom trabalhador de olaria. e
lambem e buleeiro, e natural desta cidade do Re-
c fe, e foi comprado ao ex-capitao do prto desta
provincia, Jose Joaqim da Silva Jacques : roga o
abaixo assignado as auloridades policiaes e ca-
pitaes de campo e de navios, a sua captura e le-
varem-no a p> voar;ao dos Afogados, que serao ge-
nerosamente recompensados.
Jose Buarque Ltisboa.
i' roa do Barao do Triumpho (ma do Bran) ns. <(M a IM
CARDOSO I IRMAO
AV1SAM aos senhores de engenho e outn. agricalt res e o publico em geral )ntinuam a receber de Inglaterra, Fraiv.a e America, todas as fen-agent e machinal iw-
Mssarias aos estabelecimentos agricolas. as mais modonias e melh..r ob:a qne tem *+
to mercado
V^apOreS de for^a de 4, 6, 8 e 10 csvallns, os melhores que tern ^ndo ao ntersto
ijaldeiraS de sobresalente para vapores.
MoendaS inteiraS e meins moeadas, obra como nenca aqui Mash
TaixaS ftindidaS e batidas, dos meUvma fabncantHS
EtodaS d'aglia c0m cubaje de ferro, fortes e bem eoaba^a*.
ElodaS dentadaS de todos os tamanhos e qneHdades.
RelOgiOS e apitOS para evapors.
SOHlbaS de ferro, de repucho.
\jadOS de diversas qualidades.
H'ormas para assucar,grandes paqnenM.
VarandaS de fenO fundido, fraucezas de di versos e r..unu>s gosts.
FogOeS franCezeS p3ra lenha e carvao, obra superior.
DitOS ditOS pra az.
Jarros de ferro fundido para ardim.
P6S de ferrO para mesa h banco.
Vlachina para gelar agua.
ValVUiaS para bomba e banh"iro.
Gorreias inglezas p9ra machin-smo.
BanCOSe SOfaS Com titas de marieira, pnra jardira.
-"Iran/aorfna concertam com promptidao qualquer obra ou macmna, para o qoe te*
jVllWiuJa gua fcbriM bf,m molllfllia, eom grando e bom pessoal.
'M'TinnTriTtiPndaQ mandam vir pur nwmmw.dt da Europa, qualar.^r maeninis^M,
inCOmmenGaS o sefcorr.!5p.-dem con uma respeitavel rasa de Lm-Jm
. com um dos melhores engenbeiros de Inplaterra ; inrumbem-se de mandar raeattr
ittas machinas, e se responsebilisam pelo bom trabalho das mesmas.
^luadoBarao do Triumpho (rua do Bnim) ns. 100 a 104
b

D E
CARDOSO 4 IRMAO.
mm mmm w mus h* b
vkreibo mmm mm
Sirop du
d-FORGET
E MUITO BARATO
A 4S0 rs. d cuvado!!
Alpacas com listras e de lindas cores pelo diminuto preco de 450 rois o cova
do : na rua do Duque de Caxias, outr'ora Queimaao n. 8i, loja de quatro portas.
rpOSHu bOtca l-raiirrt*
22lina daJruz 22
Vigor do Cabello
DO
'
PREPARADO POR
BARTHOLOMEO k C;
Pharoiaceoticos da casa real de S. M. F. el-rei de Portugal
Premiados em diversas exposicoes com o primeiro pre-
mio de sua classe.
O xarope vegetal americano, garantido puramsnte vegetal, nao contem em sua coo3lf*
nms6 atomo de -pio, e sim -omente suecos de plantas ndigenas, cujas propnedades beneflcas na
enradas molestias que pertencem aos orgass da respiraca.., tem sido observadas por longo.lempo pe
tomdteos mafaTdistinctos qne ore.ommendam e preserVvo .1 todos os dias no tratamento das brou-
ohites, tanto agudas como chronicas asthma, toss s rebeldes, escarros desaugue, tmsica no primeiro
graoe' contra asirriUjoes nervosas.
IKP"SIT0 GEHAL
34 = Rua larga do Rosario =
PJ-KN4MMJ 0.
34
mm de sol
flergel de Amaral 4 C, i rua P imeiro de Marco n. 10 A, receberam um grande sortimento
ig eW)e2 de sol de seda, lisa e trancada, com bonitos cabos de unicorne, marfim e madeira, e
jwiam 0' a W If, sendo este preco meude do 'Ben valor.
Dr. Ayer.
Para a renovacSo do ca-
bello, restituiclo de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
0 Vigor do CabeiXO 6 uma preparacio a
mesmo tempo agradavel, saudavel e efficaz para
conaervar o cabello. Por meio do seu uso o
cabello ru?or grisalbp, e enfraquecido, dentro de
ponco tempo revolve a cor que lhe 4> natural e
primitiva, e adquire o brilbo e a frescura do
cabello da juventude; o cabello ralo se toma
denso e a calvicie muitas yezes, posto que nao
em todos os casos e neutralizada.
Nao ha nada que pode reformar o cabeUo
depois dos folliculos estarem destruidos, e aa
glandes cansadas e idas, mais se ainda restarem
alguma podem ser salvadas e utilieadas pela
applicacao do Vigos. I&^re de essas subBtancias
deleterias que tornam muitas preparacoee de este
aenero tam nocivas e deetructivaB ao cabello, o
Vigor s&mente lhe b beneficial Em vez de
sujar o cabello e o faeer pegajoeo, o conserva
limpt) e forte, entbellizando o, impedindo a queda
e o tornar-se iuco, 0 por oonsequinte previne a
calvicie.
Para uso da toilette nao ha nada mais a deae-
jar; nao contendo oleo nem tintura, nao pode
manehar mesmo o mais alvo lenco de cambraxa;
perdura no cabello, lhe da um lustre luxupoeo,
e um perfume muito agradaval.
Para reformar a cor da barba, 6 necessano
mais tempo de que com o cabello, porem se pode
appressar o effertb," envolvendo a barba de noite
cem um lenco molhado no Vigor.
PBKPABABO POB
Dr. J. C. AYER & CA, Lowell, Mae*,
Kstados TJnidoe,
Ch*m*o9 fruetiMM JwlrWnm
TXNUB SB3 roa
M E D. 1 CI IS A
Preparado poi
Lanman para thisi*ca
toda a qualidadt
de doencas, quet
seja na garganta
peito ou bofes..
Expressamentt
escolhidodosrhe
lhoresfigadosdc*
quaes se extreh^
0 oleo no banc<
da Terra Nova
purificado chimi-
cahnente, e suas
valuaveispropri
edades conserva
das com todo t
cuidado, emtod
0 frasco se garan-
teperfeitamen-
te puro.
Este oleo ten
sido submettidc
a umexame mui-
to severo pelc
chimico de man
talento, do go-
vemo hespanhoi
em Cuba e for
4 pronunciado po>
elle a center
MAIOR PORCAO D'lODINA
to que outro qualquer oleo, que elle tea
xaminado _V
10D1NO E UM PODER SALVADOR.
Em todo o oleo de dgado de baralhao, e na
^uelleno qual contem a maior porcao desU
invaluavel propriedade, 6 0 unico meio par*
curar todas as d. encas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtysica, bronchistes, asthma, catharrho
tosse, resfriaraentos, etc.
Una poucos frascos da carntii ao muiti
magro que seja, clarea a vista, e d\& vigo'
'a todo corpo. Nenhum outro artigo eo
' oheeido na niedicina ou sciehcia, dd tant
lutimento aosystema e ioromroodando quas
nada 0 estomago.
As pessnas ruja organisar;ao tem sido des
truida pelas affet-cOal das V
ESCROFULAS *t RHEUMATISMO
1 todas aquellas, cuja digestSo je acha (som
oletaraente desarranjada, devam tomar
OOLEO DE FIGADO DBBACALHAO
DE
LANMAK. 4 KEMP
Rua do tabuga N. o.
Os proprietiiri(,s d. vamente !iquidr o s<-u estaboUcim.-nto ; vendem para arabar todas
as suas joias d'ouro, prata e brilhantes com enorrne abat.mento nos
precos, assim como as enemm^ndas ja feit>sr que forem chegando ca
Europa, pelus precos da factura. .______________________
_ (iriinde Liquid c^
Do Museo de Joias
Rua do Cabuga n. 4
Seste iinnortante estat'eledmeh-.o, veode se para aeofcereaoe tm>
reiro proVimS futuro todas as joias eSeot s por precs ate hoje descon-h.cidos, bem asstm as re. flcss<|6
que forem Pchegn'.o da E-mpa. p^ln prec^o -h.s_tacturw.__
URAJNDIS"filQUlUACAO
TOLENTINO DE mUJj_W
Rua do Cabuga n. 1 c
Tendo resolvido liqu.dar o seu eslabocimento i's joiw, decUti
que desta data em dia t> os seus pr<-cos serao ex tTaordioeriamente
redozido, cr.mo nao poderd haver conpeteocia.-^___________________
frauae Liquifl'aCa'
0 COLLAR D'OURO
Rua do Cabugd n. S A.
0s donos desta grande loja de joias.^resolvendo-se a liq-iidar o sea
estabelecimento ate i-ri cipio do anno proximo futuro, veodem coci
gran lhante- como tambem as que for rec* bendo da Europa, pelo pre^J
da fabrica. ___^____________________________
Grande Liquidacao
Manoel Antonio Goncalves
Rua do Cabugd n. 3,
Tendo rezo'vido liqnidar no menor Iempo p-seivel o sea tsube-
lectmento, vende para actd'Hr todas as suas joias de Ouro prata e bri-
lhantus com enorn e eb-.tiini-nt'1 de piecos. E as remessaf, que f---
rem rhegando da Europa, pelo preco das facturas.
\ $! H^
i
Lindas po^eliuas de linh com salpicos e de listras
assetinadas pelo baratissimo precjci de 320 rs/o covado: na
rua Primeiro de Marco n. 13, loja das columnar, de
Antonio v. orreia de Vasconcellos.





iJimm ae mrtm*m1b\ Terea f'eira 17 de Novambrc de 1*5*4
Alugam-se
_ tarns de camuo, na Cru
9to4n 'Sim.
campo, na Cruz das Alraes e
a tratar com a comraeodador
Moleque fugido
h, moleque de 13 a 14 annos de idade,
"Xlaoo^ cbeio do curpo, rosto redondo, boni-
"c*h>* cabeilo cof tado d freico ; a'nseotou-
**_*** de 10 do corrente, com camisa de roa-
*y*"fc ^C* de brim de cdr, desbotada, chapeo
*>aawf>a&io, coaduzindo am serrote grand e
** aaundode tres tabicas, sobre o beico supe-
*jjBr"Bk* ultimameote com amas fendiohas.
>a quem leva lo a raa da Aurora no-
Engommadeira.
lawiase de uma engommadeira para engom-
ar pax* duas pessoas: a iratar na travessa da
-> *Kaano o. 1, das 9 horas as 4 da tarde, ou
3l"o. depois da estacao do Chacon.
Attengdo
influentea dos presepes
F*a estreiia do Kosario d. 35 tem, como sera
"***** annos, liudas coroas e capellas de tri-
WK e lonro, rosas douradas e prateadas
aaBastora demais infiueocia, cap-lias inais
*jl* fy as pasu.ra-.horda-se fachas a ouro com
wanmrse a gosto dos dooos. borda-se avental a
aa, a-se os ve^idos proprios, com todo gosto
aavaasyastoras, tem lindos bouquet.-, com fitas
> por todo pri'Q'), de era vos, rosas, sauda-
* a.K>da e qualquer flor, tudo rauito barato,
i i gera, brancas. azues e encarnadas.
Hotel Restaurant de Bor-
deaux
iVd->jaos Srs. abaixo meocionados, o favor de
sapasmrsm no dito hotel, para se entenderem
Jf*a!BitraJor, a cegocio de seus particula-
rs mm hisses :
Sadwaao 'mn-rai.)
Jaweaatjia Correia das flreves.
Ibi* Amaucio.
Ijob haaaat, ,
Ja*e >;sa*k> Riheiro Roma.
**8isi Pires Ferreira
Cna Jisaos (guarda-uvros).
Villa de Palmares
Na padaria denominada Maurity, aita na prara
de^te nome, ca*a de azulejo, n. 2, desta villa, esta-
beleciraento de Francisco Seraphico de Assis Vas-
con sellos, fabrica-se com a maior perfeicao lim-
peza e barateza, pao. bobcha, e tudo qua'nto se
pode obter da farinha de irigo 0 annunciante
protesta servir com esmero e agrado a todos quail-
tosquizerem bonrar seu estahelecimento e se cons-
titmrem frrgueies e consoroi lores.
Moleque fugido.
Gratiflca-se com 50,000 reis a qnem pegar For-
tunato moleqne de 13 a 14 annos, preto, baixo,
ch-io do corpo, ro chato, cabellos carapinbos e cortados de fresco ;
ausentouse na larde de 10 deootobro do corrente
anno, com camisa de madapolao, calca de brim
de cor, desbotada, e chapeo de massa preto. Gra-
tiflca se na raa da Cadeia do Recife n. 38, ou na
ruada Aurora n. 165.
Precita-se de duas amas, sendo uma para
cozinhar e comprar e ontra para engommar e
ensaboar : na roa da Concordia n. 43.
0 ADVOGADO
Ernesto d'Aquino Fonceca.
_______Pateo de Pedro II, n.
2 andar
Aluga-se o 2* andar do sobrado n. 70 a roa Dn-
qae de Caxias : a tratar na loja.
Novo divertimento
MAGUSTO
Todas as n item
NA
do Campos.
2. andar.
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores deouro, pra-
.ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
oompra-se os mes-
mos metaesepedras.
Illlil
I SaSa S7i2 SJTSS BKS885I
MOPINA
Esta encoura^ado!!!
**Utt mole, em pedra dara
Taato da ate qae a fara
Roga-seao lUm. Sr. Ignaeio Vieira de Melt
scrivio na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rna Daque de Caxias n. 36, a con-
eluir aquelle negock) qne S. S. se comprometteu a
reausar, pela terceira chamada deste jornaL em
fins de flexembro de 1871, e depois para Janeiro,
paswu i.hvereiro e abril de* 187t,e nada enmprio;
por este motivo 6 de novo chamado para d
am, pois S. S. se deve lembrar qne este negoci
de mats de .ito annos, e qnando o Sr. sen filno
acnava nesta cidade.
AMA
V
No coilegio da ConceicSo
precisa se de oma ami por
tugueza oq escrava.
Ama de leite
Qflera necessitar de oma ama de leite, ecerav!.
sadia sem vicios, e que nao sahe a rua, diriia-se a
rua da Aurora n. 39, 2* andar
Ama
Precisa sn de uma ama, furra ou es-
crava a oua da Cadeia, ( Maruuet de
Olinda) n. oi, 3.' andar.
Ama Precl,a fe de uuia ama para cozinhar
** para casa de familia de tres pessoas:
fa/deOur"'56 "" d ^^^ D' 3' loiado Co1"
OavoUo para vender
tenda-se am eavallo csstanho, grande, proprio
para selia, e especial para carro, para o qua ja es-
U expenmentado: a ver e tratar, no largo da San-
la uruz d. 'k.
Ama a Pe,ca(lor' a ""> Direita n. 21, preci-
ainhar ma am' p'ra comPT" e c-
AMA
Precisa-se de umaama pa-
ra o servico interno de uma
casa de pequena familia : a
tratar na rua da Concordia n. 63, 1' andar.
A TTlfl. Prec'*a se de uma ama para cozinhar:
J**ua> na rna dos Pires n. 34.
Ama de leite
Precisa-se de ama ama de leite :
Bom Jesus das Crioulas n. 40.
na raa de S.
Aluga-se
o segundo andar do sobrado sito a rna de Pedro
Arfonso n. 59, com agua de Beberibe : a tratar a
rnado Vigario n. 31.
Vende-^se uma casa em aberto, na ladeira da
bica de S. Pedro, na cidade de Olinda,
com 33 palmos de frente e grande quintal'
e se vende por barato preco: a tratar na rua
Daque de Caxias n. 91.
Vende-se
nma casa na lilla de Barreiroa, na rna do Goa>
mercio, por preco modico : a tratar con Taaa<
Irmaos 4 C.
Aos 5,000 cvado8 dela
A ISO rs.
Na loja do Pavao vende-se iSzinhas de mnito
bonitos gostos e.delicados padrSes. /azenda nova
no raercado, pelo diminuto preco de 160 rs. cada
am covado ; quem deixara de fazer vestidos de
12 tao bonitos e por tao pouco dinheiro ? Forne-
cem-se as amostras: na roa da imperatriz nurae-
ro60. ___________________________________
o. = a
v


Aluga-se
-master, e terceiro andare do sobrado n. 3 da
?na &> Penha, e a casa fcerrea n. 3i, a rua da
'* Porto do Laps ; a entender-se Coin o
a *>
Mm co
Ad Rangi
-eg'.iudj andar da casa n. 41
I.
Toda attencao
efeSft ."e, com frente para a rua da Amizade,
Mt I* palmos de fundo. uma porcao de opti-no
r-<_i-.lilj.Mc4o, tirada do Mtio contiguo
a !fr'-,'.- ^. s. lose* di. Manguinno, d> preca de
* /. t dam. Aunella frccte e toda murada,
laaaaao a parte posterior e a lateral extiema :
?..- e?Bdentea poJem entenier se com o Sr Dr
A'uga se o segundo andar a rua do Padre Flo-
nanoo : a tratar na rna larga do Kosario n. 22.
- Fttgio no dia 27 de outubro proximo passa-
a\ do engenho Buranhaem, freguezia de Seri-
nbaem o -3crav cr-oulo, de nome Fortunato, de
bonita fignra, alto, secco, es.adaiido, de 38 annos
pouco mats oa menos, barba rala, e a conserva na
P'ntado queixo compiida. cdr prela. bonitos den-
ies, tern os dous dedos grande* dos p6s compridos
e os outros quasi sem unha*, tem a falla urn pou-
co alta : ,juem o apprehtnder e o levar ao dito
engenho. a eotregar ao seu senhor Franciscd de
Paula WanJerl-y, f.u no Recife, rna do Vigario
Thenuno n. 3, 2' andar, n evcriptorio de Maooel
Alves Feneira & C, sera generosamente recom-
pensado.

JUyfeadoseafilhadas de Aq-
teoio de Azevedo Yilla-
mnco.
: Azevedo de Andradp, testamenteiro do
aI Dio de Azevedo Villarouco, faz seiente
hecimento .!.;s inleressados, que ate h. n
In > ;... correntemez, Ihe foram apreseotadas as
de baptismn dos afilhartos e afilbatfaa do
hi em nuraero de 8 e sao as seguintes -
i, i legitim.i de Manoel B-nto de Mendon-
- i mulher Roza Maria de Je>as-Anto-
mn ; : guimo d- iv. Miguel Joaqoim <1.-. Gas-
as e de sua mnlher D. babel Emilia
dasearenhas-Umbeina, filtia lecitima
rna ; Bastosedesua molber Candi
n ie J. -ii.- BastosAntonia, lilha legi-
I Azevedo ViUaroucu e de sna mu-
': jia Franeisca de Iirito -Jo-ephina, lilha Ie-
. Maebado Brandao e de >ua mulher
famrteOliveira-Maria, lilha |egjtima de
S.avier de Sa Leitao e de sna mulher
a de Sa Leitao Ju4o, lilho legitimo de
Salves Ferreira Junior e de *ua mu-
ioa Goncalves de Paula Ferreira-
ha leguima do Francisco de Araaral e
h< r E uilia H.jza de Jn.us.
is -M'.iteo abaixo as-ignijo, ,|ue, Beian-
vm Sr. vigario ger I deste bispado,
Bl io do linadn J. ao Marlins liibein. pro-
saa josUflcacao afim d" provar que tam-
ADVOGADO
MCOABEL JOAQCIM GDEfflfES DA
SUVA 3IELL0.
S3 ssaa ostrelta do Rnsarlo SS
primeiro andar.
Aluga-se. a casa n. ffifcom' ^om sotao, n;
ma de S. J,.ao, que fa?, esquina para o gazometro
pn.pria para :av,.-na por ser era boa localidade'
ja mais com a ponce que tem breve de atraWssar
oaCoeltios, o pnnto 6 maeailicq e o aluguel bara-
tissimo : a tratar na rua do Oarb n. 78.
i
m
\
9
ConsKltorio eiettfl
DO
Rr. MuHlIo.
8DA 1)0 VIGARIO N. 1,2.' ANDAR.
Recem-chegado da Europa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres
podera ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noite para objecto de sua nro-
nssao r
Consnltas das 6 as 8 hora* da manhS e
do meio did is duas horas da tarde.
I
Aluga-se o armazem e o i. audar do sobrado
da rua dos Burgos n. 11, assim como uma quarto
por detraz da rua da Sanzalla Velha. (Becco Tapa
do) e ama outra casa na rua do Lobato n. 4 (fre-
guezia de Santo Antonio): a tratar na rua da
Praia n. 20, com Jose Feliciano Nazareth.
Aluga-se o segundo andar do obrad o d
rua Pnmeiro de Marco n. 14 : a traiar no an
dar terreo, loja.
Aluga-se dons banheiros de pedra e ral nae
Praia de S. Francisco : a traur oa rua Fuqueo
d eCaxias n. 91.
- Aluga-se a casa da rua do Vnoonde de Pe
lotas, antigarua do Aragao n. 18, com 4 quartos,
boas salas, corredor separado, bom quintal, poitao,
e mais um quarto no quintal: a tratar com o pro'
prio dono, na mesma casa, ras 6 as 9 floras da
manha.
Alnga-se uma casa bastante
voacao da Torre : a tratar na rua
n. 20, loja i!e marraore.
s>
nw
3%
o
B 2 --
B'o op
o 3 o.
' =
33'|g.
.."'3
co-53 a.
2 -b w
8 g. 2.
B 3 ~ a>
o m o t
14 T3
5 3 |5
3-1 B
?3 a
3 3
* w
^ r,
z ~ ~-~
H
*K

ill
c-
rrsi
afS2
=-.=>
B /> "
B> v H
O =


Kfff
=-r
_
Is!
o '
COS
a m
t~,
"I

V.

-
s b ^
-I *-Q.
Baa
sa
Et
UQUIDACAO
Loja de fazendas
_ DA
Rna do Crespo n. 20.
Las de cores miudas mnito boa*
menmas a 160 e 200 rs. o covado."
La pretas. superior, a 00 rs. o covado
Alpacas de cores Anas a 320 e 360 rs
So se vendo.
pa^a roopa .
a> -t
os 2,
< f 14 IKO
m
Iresc^. na po
do linjerador
0 Sr. Joaquim Jos6 Bezerra Monieo-gro.
vindo de Maceio no vapor Para ~qae1ra tlirig-ir se
ao escriptorio de Tasso Irmaos A (J., raa do A mo
rim n. 37.
140$

iha<
idoreferidj vlliaronco, visto que a
: baptismo por elle exhibida udo prova
para poder t r attendidn.
>ra mais o abaixo as.-ignado, que tendo
I iblicar em Portugal um annuneio con-
m alllhados e aGlbadas do mesno V
GRATIS AOS POBBES.
Esptcialidttdes : Moiestias de senhoras,
da pejio e a9 crian<:a.
f
i
I
la-
iraen-
snas certidoes de baptismo a
egado que Ihes foi deixado; aguar-
i i roximo paquete d.i Europa a 25
mez par;i ver se p.,r elle vem
' <; e logo em acto contmuad-i pro-
a divisao da quantia deixada com a igual-
mmendada p-lo tesladnr.
?, 11 dei: vembro de {871.
Men;?! Azevedo de Aniimde.
o'aquelle r.ino houvessera, a iguai
litarem c.m ?uas certidoe* de bantisrpo a
r ao '-
.i la
rrente
laRoda n. 48, sobrado.
sens lettras, portuguez, francez, in-
nho linear e musica.
gao do professor Herminio
Siqueirafuucciuiiam ditas au-
-i '' 'I'imno? internos, moio pensio-
': rnos; f roece todo o mat rial
ripta ft livros aos
B mnito rnzoaveis.
^cuc o us ciiamja.
Cravos
Na rua da Uniao, atraz do Gymnasia, ns.
47 e 49, vende se sem pre cravos braocos e
encarnados.
E. A. DELOUCBE
24-Rua doHarqcezdeOIinda-24
Esquina do bceco Largo
Participa a seus freguezes e amigos que mudou
o seu estabelecimento de relojoeiro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
ae relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios do
aigiheira, de todas as qualidaues, patente suisso
de ouro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, ingiez, descaberto, dos melhores
fabneantes, cadeia de ouro, plaquet e prata, Innetns
ae tod?s as qualidades, tudo por precos muito ba-
rulOS.
Aluga se pelo tempo da festa umi casa em
Olinda, na rua de S. Pedro-Xovo, com 4 quartos,
2 salas cozinha, agua canalisada, quintal raurado,
tudo com limpeza : a tratar na mesma rua n. 39.'
0 abaixo assignado, admiuistrador do hotel
Bordeaux, coovida aos Srs. credorcs a compare-
cerera no dito hotel, no dia 16 do corrente mez em
diante, para receb.rem sua prestacao accordada
continuando todv,s os mezes. Recife, 14 de
vembro de 1874.
LIOUIDAfjAO.
0 Pans n'America esta liquidando os calcados
pelos )-eguintes precos :
Boiinas de duraque, de cores, com canno alto e
laco, a LnizXV a 5^000111
Boiinas de daraqae, de cores, tordadas. canno
alto, a o !!!
Botinas de duraque com laco a 3*.
eS3 Pretas ga^peadas, canno alto, a 4*, 5* e
Botinas lias e enfeitadas, para meninas a 3&,
Be Unas de Suzer, de cordovao com ponteira ee
nz. para homem a 8$.- Aproveitem, que e"
barato.
de di.
no
J. Delsuc.
Oderece-se um criado *para qualquer servi-
?o : na rua da Santa Cruz n. 56.
i'edido
0 redactor do neriodiro America Illustrada man-
de indemnisir ao abaixo asMguado.
____________ M.wi >ol Rodrigoes Pinheiro.
Bons banhos e dormida t'res-
ca no Monteir\
Aluga se alii por preco commodo uma casa pe
quena que tem 2 salas, 3 quartos, cozinha e bca
cacimba, e e" perto do rio : a tratar na rua Nova
loja n. 7.
Pop urgente prccisao
nheiro.
Vende-se um sitio distante pouco mais de Ii2
legua desta cidade, com perto de 200 palmos de
irente e 2,000 de fundos, com diversa.< fructeiras
grandes e pequena^. A casa tem na frente um
DorOo corn rotula e janellas envidracadas, tendo
2 salas, 2 quartos e boa cosinha com fogao ingiez.
Us prrtendentes podem dirigir-se sm receio'de
ser isso uma especula?4o e nao necessidade, a rua
do Imperador n. 6, thesouraria das loterias, a tra
tar com Joaquim Lucio de Almeida t.opes.
o eovaac
"JyjJ ,lsu" *, *Bfla Una, a 600 ra.,
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cores miudas a 280 rs. o covado
Cretones, o melhor qne tem vmdo ao mercado
400 e 440 rs. o covado.
Cambraias braocas, bordadas e abertaa, fazeoei
mais Qna qne tem vindo ao mercado, i fcaaatj
de 2*000 o metro, por 14000 a vara : f a7
chincha. *^
Ditas pretas com Bores miudas a 200 rs. o covaao
Cambraia transparenle, tina, a 34 a pec*.
Dita Vietoria. fina, a 44000 a peca.' "_
Organdy de assento braaco e de cores, com lo-
res mindas de seda e de li, a 400 rs. o covado
E pechincba.
Cortes de casemira de cores raodernas a 5*300
corle ; e fazenda de St. E' pechiacba.
Camisas de linho finas, Usas, a 354 a duzia. e f>
zenda de 55x.
Brim branco de linho a U400 a vtra.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardas, a <*
74 a peca. w^
Algodae T, largo e superior, a 54 a peca.
borgorao preto de seda para vestido e para coUew
a 34 o covado
Toalnas alcocboadas a 44500 a dnxia.
Colchas grandes a 3*500 uma.
Cobertas de ganga, forradas, a 34.
Lencoes de bramante a 24 um.
Lencos de linho, abainhados e em caixinbaa .
3*-tO0 a dnzia.
Ditos de caca de cores abainhados a 34500 a do
zia.
E outros mnitos artigos que se vende por rot
nos do qne outra qualquer parte e para se a*
so na lorem quciram mandar ver as amostras
enganaja de
Gnilherme k C.
BOMPRAS.
Aos Srs. deeugenhos
Chila com I palmos de largura, fazenda mnito
superior, a 260 rs. o covado, proprias para escra
vos: so a rna do Crespo n. 20, loja de Gui-
Iherme i\ C
- Vende
e se uma neyra que sabe lavar e coai
Mar, de meia idade : para ver na rua do Bom
Jesos n. 31, primeiro andar.
Vinho verde.
prtneipiaotes, por
a mdustria
:-se qup todas as tardese & noite ha-
i ao conl'eiteria do Campos o seguinte :
I an has assad/>s e vinho verde.
i ga -ae pelo tempo da ftsu oma bo* cau
' ae.trida d.i Torre, a margin
: na rua di Mnrjiiez !.- Olinda n. 61
de Bartholomeu
Qaein precisar de uma ama escrava, que
cozmha o diario e engomma soffrivel, dirija-se a
rna de Marcilio Dias n. 89, 1 ;.ndar.
Loopoldioa Maria da Conceigao, casadacom
o aireres Antonio Agostinho Duarte Cunha, resi-
denteem lamandare, declara que pur haver ou-
tras pessoas de igual nome, tem se assigna-Jo, dps-
de o dia 10 de s. tembro do anuo proximo Ondo
por Leepoldma Varia di Cunha, e continuara as-
signar-se pur este nome.
Taraandare, 15 de outubro de 1874.
____________Lenpoldina Maria da Cunha.
O Monte Lima
tem um complete sortimento de galao e franja de
oaro e prata, verdadeiro, de todas as larguras
abotoaduras douradas para officiaes, canutilhos e
enfeues para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets
Uilins, pastas, espadas, draonas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como um eompleto sortimento d
ranjas galio falso para ornamento, cordao de la
com borla para quadios e espelbos (conforme o
gosto da encommenda) todo por mnito menos
prei.0 que em outra qualquer parte : na pra-a da
indenendeneia n. 17, junto a loia do Sr. Arantes
Compram-se
as collecgfles de leis provinciaes de remain
buco, dos annos de 1849, 1855, 1806 e
1869 : nesta typographia.
Comprase uma casa terrea que tenha bom
quintal, na Ireguezia de S. Jo.-e ou Santo Antonio :
a tratar na rua Imperial n. 19, 1 andar, ou an
nuncie.
VSBtt.
Cavallo para vender.
Vende-se um cavallo gcrdo, bonito, novo, bom
andador : a tratar na rua da Imperatriz n. 63, l
andar. *
Especial chegado no ultimo vapor, tem para
vender em barris de qointo e de Colares em
decimos, no seu escriptorio a rua do Comraercio
n. o, Joaquim Jo.-e Goncalves Beltrao & Filho.
Cura das hernias,~pelas fun-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfei^oadas das ate" hoie eo-
nneeitias. '
Vende-se
na
i'lmrmacia e Urosaria
de
KarlalORicn C.
Para o fabrico de cliapeot
A NOVA ESPERANgA recebeu o ararae propn-
para armagao de chapeos.
BAZAR
DAS
FAMILIAS
Hua Duque de Caxias n. 60 A
Para a festa
Reis e Silva & Guimaraes, proprietary dM
bem conhecido estabeltcimento de fazendas fin ,-
convidam aos sens freguezes e amigos a sortirem
se dos artigos indispeusaveis para a festa, artiao.
da ultima modi e de finn gosto, os quaes se vm-
dem por modico pre?,., de forma qae igual nao m
eneontra em outra parte.
Ahm de que o publico avalie o qne levam dito
mLe"m a -iUa Preeiosa con>idera5io a seguinte
mencao;
34. Rua larga
Vaecina.
A'
ALUGA-SE
uma grande casa terrea com bastantes commodos
sita na estrada do Lucas : a tratar a raa do Vi-
gario n 31.
ALUGA-SE
uma casa nos Afogados, rua do Motocolombo n.
ie, contend,! duas salas, 4 quartos, cozinba fora
e quarto para criado-, grande quintal, com ca
cimba de agua de beber : a tratar no Recife, a
Atalho n. 13, B o~ncTen desencauilnhado os taloes ns. 7 648
e 8 J64, pertencentes ao segoro de vida no ban-
co Uniao, da cidade do Porto, em Portugal, a favor
do padre Jose Lopes Dias de Carvalho, fallecido em
de novembr*o de 1870, na fregaeiia de Santo
Antonio, de (.aranhuns, nesta provincia de Per-
nambuco, seu pai e herdeiro Joao Rodrigoes Dias
residente no lugar de Sarnadella, freguezia do
Pombeiro, jiilgado de Arganil, no d.to reino de
Portugal, assim o faz publico, chamando qualquer
interessado aos ditos taloes para que no prazo de
.W dias, contados da dau desta publicacao, o ve-
nham reclamar na mesma cidade do Porto, e nao
o fazendo ficara o dito herdeiro habilitado para re-
a ,1 d,l banco ('ue se 1'quidar desde o anno
de 1870 em que finalisou o seguro
Siiliidas de baile.
Amaral N^buco 4 C. receberara pelo ultimo va-
por da Furopa elegantes sahidas de baile de di
versas cores e vendem por commodo prepo : no
bazar victoria, rna do Barao da Victoria n. 2.
Lustres, lampadas e aran-
dellas.
Obra de gosto e muito mais barato do qne em
outra qualquer parte, teem para vender Joaquim
Jose Goncalves Beltrao 4 Filho, a rua do Com-
marcio d. 5.
rua do
taoaks
&
;!;'.iicao
0.,-para 1875.
OLINDA
Alugam se dna< casas terreas c m bastantes
commodos, encanamento d'agoa e gaz, quintaes
grandes e mnrados, na rua d-S. Pedro Novo ou
Pa.-so Castelbano : a tratar na rua do Queimado
escriptorio do Sr. Dr. Castello Branco, por cima da
loja do Sr. R .lim.
gratis
a raa larga do P.osario
:-i-se a slae a alcova do ;{. naitar do
n. 70 a rua Duque de Caxias, proprio
. H s Iteiros : a tratar na loja.
iiaho ou moleque de 12
a 14 annos.
i se de um que seja aetivo e fiel, para
n de casa e algnm mandado. paga-se bom
i: no caes do Appollo n. 69, ou no Man-
:>. h!>o n. 2.
Aluga-se uma escrava para o a-rvicode co
zinha easrespe^tivas compras, e um escravo pa
ra o servico de crroijas, retina^ao, padaria, etc
a tratar na casa n. 69 da rua de s. Joao.
Ados e exames
agora
Alugt-se barato urnas uieias-aguas novas, na
travessa das barreira* (becco Io Aquino): a tra-
tar na rua do Cotovello, ca.-a de azulejo n. 25.
Escravas.
Itn-se de duas que se][am perita? engom-
- -... ;ii- entenlam de stnra osaboa-
ga-se bom aluguel : no Monguinho, sitio n
muro cinzento e portao do ferro.
Fugio.
**, do sitio o. 7, junto ao sitio conhecido
.* 4 leSes, a estrada de Joao Fernandes
^BKi a escrava Maria, com os segumtes sig-
b*. alta,.bem preu e com marcas de bexigas
^mto : quem dIU der n oticia, ou a lew ao
wro sitio, cu a rua da Madre de Deus n 8
4*3o audar, sera gratnicado, prote. an-
aa-w desda ja contra quem a tiver acontada
,x do mm
Bilhetes garantidos
Run do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. aO, e casa do costume
Acham-se a venda os mujto teliieij bilhetes ga-
antidos da T parte da loterla a beneficio As
imperial capelia da E.-tancin, que se extrahira no
dia sextafeira, id do corrente mez.
l*r*cos
Inteiro 4^000
Meio 2^000
Oe tOO^OOO para clu
Inteiro 3/800
Meio 1/750
f'eato, 12 de novembro de 1874.
._________-'"ao Joaoum da Cojra
Nem ba lugar mais apropriado para solerani
sar-se os aetos e exames qae se estao
fazendo., do que na
Confeitaria do Campos.
Alii os respectivos
Estiadaoates
Encontrarao
Uma variadisii-">;a
Refeigio, com a qual
Devem presentear
Os seus collegas
E amigos.
Reparai bem
_______E' na Confeitaria do Campc.s
Vende-se um terreno no becco do 'Espinbeiro
om 135 palmos de frente e 300 de fundo : a traat
r a rua da Madre de Deus n. 5, 1 andar. -3
Vende se, seliado e enfreiado, um cavallo
rudado apatacado, com todos os andares : a tratar
no pateo da Ribeira, acougue n. 2, oa oa rua ve-
lha de Santa Rita n. 74.
do Rosa rio 34
Vaecina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalbaes
montado na corte um eompleto servico deste ar-'
tigo, tem aqui aberto um deposito da melhor e
mais recente, cujos tobos se enconiram na
Pharmacia p. drogaria
A"
^______34 rna larga do Rosario 34.
Imperial f'abrica de rape
area fioa de Moreira & C
da Bahia.
Deste excellente rape", que se torna recommen-
davel aos amantes da boa pitada tem estabeleci-
do esta fabnea o seu deposito a rua do Commer-
ce n. 5, qDe vendem por junto e a retalho fa-
zendo se vantagera a quem comprar porcio '
So na Chapeleria da Moda.
prfica M e 16.
Acabara de wceber um eompleto e variado sorti-
mento de cbapSos de pallia da Italia, para senBo
ras e criancas, ricamente enfeitados de gosros*os
mais aiodernos que ate rioje iom apoarecido no
mercado, assim como tambem receberam um va-
riadissirao sortimento de chapeos de copa raolle e
aba dura, para bomem, e vrndera mais barato do
9ue **m outra qualquer parte.
Aluga-se
E' pechincha.
A 160 fs.
os armazens ns. 65 e 69. na praca do chafariz em
rora de Portas, um oqde teve teoda de ferreiro
o fallecido E. Mahnll 0 onlro que esteve occu
pado com venda de raolhados, para o que e on
timo pela localidade e ser de esquina. ambos livres
e desembaragados de impostos: a Iratar com o com-
mendador Tasso. '
O abaixo assiguado, faz seiente ao respeita-
vel publico, com especialialidadeao corpo do com-
mercio, qne nesta data vendeu ao Sr. Manoel Pe-
reira Pavao o sea estabelecimento de molhados
que tioha sito na raa .do Visconde de Pelotas n
ftSR rn* ao Araao) sendo livre e desem-
J^tt?6!\:,".,voJ-e.:Pa!8ivo' Jal Fde
Lazinhas de cores, padroes muito lindos pro-
prios para vestidos de senhoras e meninas, e ven
de-se pelo dimiouto prec<> de 160 rs. o covaoV>
por e.-te preco so seencontra na rua do Crespo n'
20, loja de Guilhezme & C. ; dao se amostras
40^ a duzia
de camisas de linho, inglezas, bordadas, mnilo fi-
nas, pelo baratissimo preco de 40^ a duzia : na
rua Duqao de Caxias n. 88, loja de Demetrio Bas-
tos.
Qual 6 a loja que vende ba-
rato ?
E' na rua do Livramenh n. 4.
0 que vende ? .
Queira ler para saber.
Fazendas. ch4peoa e ronpas fellas.
Perfeito sortimento para todaas classes.s
Pannos finos e casemiras, brins de linho branco,
pardo e de cor, ditos de Angola, ditos de algodio
Brando e de err, gauges de Iinb> e de algodao
de cor e amarello, madapolao de di versas quali-
dades e precos, algodao branco de listras e azu
de vanas marcas e precos, Chita.*, metins e per-
cales, taptislas brancas e de cores, bnlhantioas.
alp cas de lindos desenhos, ditas com palmas de
seda e listras de --eda, ditas pretas e brancas,
chapeos de sol para homem e senhora, meninos e
meninas, ditos para cabeea de homem. senhora,
meninos e meninas, ba grande variedade aonde
se vd os de castor a U e U, Caracas de todas
as qualidades e pregos, para homem e menino,
diias de meias, ceroulas de pregos de um a tre<
mil reis, calijas, colleter e paletots, havendo gran
de quantidade para escolber a vontade ; tambem
ba cambraias l.ranca* e vie cores ; assim como
muiios outos artigos que deixaraos de publicar ;
cheguem ao araigo do bom e barato, a rua do
Livramento n. 4.
40$ a duzia
de camisas inglezas, de liuho, bordadas, mnito fl-
as, com collarmhose sem elles, 6 pechmcha : na
rua Oaqne de Caxias n. 88, loja de Demetrio
Battos.
Desj
LeiU
Precisa'
se
<*YjE*3iogo que tenha raaita pratica de servira
8 Iratar no huel d<*Bord;>anx
,m! ip ecea de uma casa de familia, no
arrabalde Parnameirim, nm par de Lrincos de eu-
ro, em forma de glebo (phrase vulgar, a balao) e
um pince-nez ae mola, ingiez, Jcom o none
do fabncante,um trancelim fino, preso ao raesmo
ludode ouro : cbama-se a attengao dapolicia so-
bre o raptor de taes objectos, assim coma pede-
se a qualquer pessoa qae noticias deile tiver, ou
doe lhe sejam mesmo offerecidos a negocio, a bon-
dage de dirigir se a esta tvoocranhia nn se-Baogem
seus credores qne se dirijam no prazo de tres
dias a cont.r da presente data, a rua do Fogo n
z, hotel. Com procurador bastante, Jose de
Souza Almeida.
Recife, 13 de novembro do 1874.
igir se a esta typographia, onfle dir-
e sea legiti
Manoel Juse dos Santos, declara qoe
data em dia-jte se assignara aor Manoel Palmoira
dos Santos, por haver outro de igaal nome
Beeife.13 de novembro de (874.
Leques gigantes
96 qaem tem dos mais raodernos a Magnolia
a rna Pugae de Caxias n 45.
Para p^darias e tavernas
Sal flao e mnito alvo : veade-se na rua Imne-
nal d. 5, armaaem. *
Fio de algodao da Bahia.
Teem para vender Joaquim Jose Goncilves Bel-
trao & riho. a raa do Commereio n. 5.
Salsa parrilha do Para.
Chegada recentemente teem para vender Joa-
quim Jose Gongalves Beltrao 4 Filho, a raa do
Oommercio n. 5.
, Fechaduras de broca.
Teem para vender Joaquim Jos< Gonpalves Bel-
trao & Filho, a rua do Commereh n. 5.
Biquissimas polinaises de gorgorao pretn hca
raenle enfeitadas, pelo diraiuuto preco de 36i
LiuJissimos casaquiohos de gorgorao preto. n
cameote bordados, sendo curtinhos conforme a mo-
da. pelo diminuto preco de 12*000 cada um
lliquissimas sabidas de baile, de la e seda nart
Jreg^de *%?"* ""**> ^ "^
Lindissimas capmhas de 15 e seda inteira^en-
mW P6l lMi8nif'cai:I Preco de 8^000 .
10*000 cada uma.
Riquissiraos cachinets de ia e seda, pelo dirainu
to preco de 6*000 cada am.
Um eompleto sortimento de :apellas com veio de
de 10*, [ii e 20& cada uma. E' barato F cl,
mo sao lindas ?l
IliquisMmos laeinhos com fivela, propri cars
pescogo de senhoras pelo diminuto preco de U50..
cada uma. r ^ *""
Lindas gravatiniias de eof, proprias para senho
ras pelo diminuto preco de UOOO cada uma.
n0,^UHLSS,mtS ru?as ,co? alfiletes. proprias par,
peito de senhoras, pelo dimiuuto prejo de 1*500
CduR um.
Cambraias brancas, bordadas de cores a ii fa
zenda moJeruissima, pelo preco de 540 rs. o cu
vauo.
Cambraia Iransparente, com dua3 larcara* Be!,,
preco de 13*000 a peca. b 'p
Cambraia transparenle Una, Saissa, t 6*500 a
pega.
Cambraia mnito fina, Victoria, a 7*200 a per.
Meias de cores para homem, pelo diminuto pro-
go de 85000 a duzia. E'barato I pr
Biquissimas caixinhas. cada nma ccm uma du
zia de lengus de linho ja abainhados Ptlo dimi
nuio preco de 5*5u0, 6*, 6*500 e 7*.
. .^3deBapK8 ^rela' iaze"da mnito superior,
1*200 o covado.
Seiim branco, Macao, fazenda superior, a 2**!,
o covado. '
Bjaojasimo sortimento de popelicas de linho. p-
lo diminuto preco de 440 e 500 rs. o covido.
Biquissimas laias de seda. fazenda modernis-i
ma, pelo commodo preco de 2*200 o covado
Popelinas de linho e seda, padroes inteira-
menie no vos, a 1*600 e 1J800 o covado E- ba-
rato I
Grosdenapoles cor de rosa, fazenda mnito sane
nor, a 1*600 e 1*700 o covado. P
Um coraolelo sortimento de las e alpacas de *e-
da com listras a 700, 800, 900 e 1*. E" muito ba
Tel lO I
320 e 380 rs. o covado.
Madapoloes, Elephante, com % varas, t 4*100
a peca.
MadapoUo, Maravi.ha, com 20 jardas, a 5*500
a pega.
Madapolao francez, Madraste n.55, t 6*200 a
pega.
Madapolao superior francez n. 60A 7*000 a
peca.
Assim como um grande sortimento de chitas es-
caras, claras e outros artfgos.
RE'S E SILVA d GUIMABAES.
Aos nervosos
Chegaram
ao Bazar das Famitfn, 4 rua Doqne de Caxias d.
desta 60 A, Imdlssimos chapeos para aenboras aue se
" 'esta yendeodo por prego mnito barato.
Aluga-se
a ew da rna (Jos Goararapes n. 8! : a Iratar na
rna aa1 Marcilio Bias n. 24.
n'mffhSrSri sr *-** -^
Veade-se dnas casas per cjiumedo prec
a raa da Poate- t'elha a. 47. e outra
tratar na
Proprios para bailes.
Chegaram em boa quadra, para a loja do Passo,
nquissimos cortes de seda com largas listras'
acharaalotadas e lindissimas cOres ; cortes de tar
latana com palmas bordadas a prata, proprios
para oailes : so na laja do Passo, a rua Primeiro
de Marco n. 7 A.
A NOVA ESPERANgA acaba de receber aqnel-
ies milagrosos annas electricos, cura infallivei do.
nervosos.
,_________
500 rs. o covado de alpacas
de seda
Ma rua do Queimado n. 43
*i ,,Va,?m ** *ova1o.
Alpacas de seda com listras, largura de caita.
padres bonitos, pe|0 diminuto preco de 500 n.
o covado ; so o 43 e quem tem, jaalo a loja da
no becco do Quiabo n. 1, Boa-Vista : t
rna da Conceigio n. It.
A loja Agrado e Seriedide, sita a rua da Im-
peratriz n. 16. vende por baratos precos 13 pars
bordar, de lindas cores, e fitas de sarja de lodas as
cores e larguras, assim como de setim.
Farinha de milho
Vende-se farinha de milho moida a vapor diaria-
lente, da V qualidade, para cuscus, 12 pataeas a
roba; daf, para capgica;epao de Provenca a II
mente,
arroba, i ,i~a tauKica.e pao a.j Kroven
palacas; da 3', para angii, a 10 pataeas; da 4*
para mangaoza, a 9 pataeas: na rna do CotoveMo
n. 25, casa de azulejo:
Allencao.
Vende-se a taverna
estacao do Caxanfa : a
e a casa propna, junto a
tratar na mesma.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPBRANCA vende papel de
proprio para cigarros. de diversas larguras.
baa
Cal de Lisboa novissima
raSunfufraDde8 6 P Ll\
Insignias ma^onicas e cadei-
ras para viagem
Amaral, Nabuco 4 C vendem ""gniai aeoai-
cas para diversos graos, e cadeiras a abrtr e ftebar
proprias para viagem : no Batar Vidtoria. r da
1 Barao da Vlctona a. 1

'1



a *

-
*,
h
Diario de fernamDuco Terca feira 17 de Novembro de 17*.
Ao baraleiro
A' rua 1 de Marco n. 1
Confrontc 'ao arco de Santo
Antonio.
Os proprietarioa deste estabelecimento, tendo
gande deposito de fazendas de la, linho, seda e
aigodao, e achando-se prozima a occasilo do ba-
lance, resolveram fazer graode reiuc^ao em pre-
cos, afim de que naquelle tempo nao tenham gran-
de trabalhu em balances ; a saber :
G0R60RA0 de seda prelo, para coliete, nm
corte por 2*. E' fazenda que sempre custou 7*.
AMAZO.NAS, linda fazenda para veslidos de
passeio, a 500 rs. o covado.
GROSDENAPLES de cores, verde, encarnado,
braneo, cor de rosa e cravo, a 900 rs., 1* e
1/200 rs o covado. Quern e qne nao comprara?
POPELINAS de linho, de qnadros e listras, bo-
nitos gostos, a 500 rs o covado. Aproveilem.
POPELINAS de linho e seda, gostos inteiramen-
le novos a 900 rs.
DITAS com listras largas assetinadas, o mais
moderno que tem vindo ao mercado, a 2*.
CRETONE francez com listras e de quadrinhos
de cores e pretos a 400 e 440 rs. o covado. Isto
so do barateiro 1
DITO francez de listras, proprio para camisas
e vestidos a 300 n.; pois so se vendo se pode
crer.
ES U AO de linho e a 1 god So, proprio para ca-
misas, fronhas, etc., etc., com 7 jardas, a 3/200, e
com 10 jardas a 4/500 a peca.
MUSSULINA braDca, com listras, para vestido, a
400 rs. o covado. E' pechincha !
MADAPOLAO francei ccm 20 varas, por 4/500.
E' barato.
CASEMIRAS de cores, para costumes (roupa de
honvm) a 3/ o covado. Ver para crer I
LAS escocezas, estamos acabanJo aos precos de
120, 180 e 200 rs. Apressem sel
CHITAS escuras e claras, fazenda flna a 240,
260 e 280 rs. ; so a rua Primeiro de Marco n. 1.
CHAPEOS de alpaca, para sol, para senhora, a
2/000. E' admiravel I
BRIM braneo n. 5, exposicio superior, a 2/ a
vara.
CAMISAS de cretone franeez de cores, a 2/50O
a ma.
CAMISAS brancas, inglezas e francezas, gran
de sortimento por precos baratissimos.
BRIM pardj trancado, para 280 rs. e400rs. o
covado.
BRIM Angola, suoerior, a 500 rs. o covado; isto
so Da loja do Barateiro t
CHAPEOS de soi de seda para homera, fazenda
superior, a 8/300, 9/000 e 10/000.
BAKTISTAS matisadas, gostos miudinhos a 300
rs. e 360 rs. o covado ; so confronte ao arco de
Santo Antonio I
LENCOS de linho superiores, abanhados a 3,
4/500 e 5/OOOJa duzia.
TOALHAS felpodas superiores a 6/500 a du-
zia. Em outra pane veDdeni por 9/ t
MEIAS cruas, superiores, para bomem, a 4/,
4/500 e 5/. E' pechincha.
BOTINAS superiores para senhora, a 4*500 o
par.
ATOALHADO alcochoado, fazeoda superior, pa-
ra mesa, a_ 1 /500 a vara.
ALGODAOZ1NHO Iranco, com pequeno toque,
a 32500, 4/ e 4/500, e marca T, a 5* a peca.
Alem das fazenda* acima mencionadas, encon-
trarao muitas outra9 que agradarao em qualida-
de e prec, e que para nao massarmos a paciencia.
de nossos freguezes, as deixamos de enumerar,
So no Barateiro
A' rua Primeiro de Marco d. 1.
Loja de Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
Nao se engacem
Pois sio os verdadeiros barateiro? t
econo-
Aos legitimos fogoes
micos.
Acabara de chegar a esta cidade os ver-
dadeiros fogoeseconomicos, ja muito conhe
cidos nas provincias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio-Grande, Ba-
bia e Alagoas, aonde tem merecido do pu-
blico a maior aceitacno possivel, e sao ja"
preferidos aos de qualquer outro systema,
conhecido pela sua muita solidez, especia-
lidade na collocagao, moderno systema,
e sobretudo grande economia no combusti-
vel ; trabalham com lenha, coke, carvo de
madeira, etc., etc. Ha do diversos tama-
nbos, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de muita familia, collegios, hotels,
casas pias, hospitaes, etc. Acham-se ex
postos ao publico, aonde se dar3o todas as
explicates necessarias: na rua
o n. 12
do Viga-
Salsa parrilha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
UlbO : na rua larga do Rosario n. 34.
Grande liquidacao de fazendas
NO
BAZAR MACHINAL
N. 7 2.Rua da Imperatriz N. 72
Imp en
DE
Mendes Guimaraes & lrmaos.
Tendo os proprietary deste estabelecimeoto resolvido dimionir o graode deposito de fa-
zendas, entendeiam fazer esta grande liquidacao, como se v6 dos precos abaixo mencionados :
Brim de cores a 400 rets.
Chitas largas a 160, 200 e 280 reis.
Vende-se chitas francezas e flnas a 120,280 e 320
o covado.
Lazinhas a 120 reis.
Vende-se lazinhas para veslidos a 120, 240, 320 e
400 reis o covado.
Chitas para cobertas a 280 reis.
Vende-se chitas para cobertas a 280 e 360 reis o
covado.
Alpacas de cores a 640 reis.
Vende-se alpacas de cores, flnas, para vestidos de
senhoras, a 640 reis o covado.
Melim de cores a 320 reis.
Vende-se metim de cores para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas finas a 280 reis.
Vende se cassas francezas. finas a 280, 320 e 360
r6is o covado.
Cambraia Victoria a 3/000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3/,
3/500 e 4/000 a peg).
Cambraia transparente a 2 e 3/000.1
Vende-se pecas de cambraia transparente a 3/,
3^500, 4/ e 5/.
Cortinados a 14/000.
Vende se cortinados bordados para camas a 14/'
16/ e 18/.
Ganga amarella a 400 reis.
Vende-se ganga amarella para vestidos de senho-
ras e roupa parameDioos. a 400 reis o covado.
Vende se brim pardo e de cores para calcas e
400 reis o covado.
Toalhas para rosto a 700 reis.
Vende-se toalhas de linho para rosto a 700 e 800
reis cada uma.
Chales de la a 640 reis.
Vende-se chales de la de quadros a 640 reis, cha-
les de melim a 1/160 reis, chales de merino
lisos a 2/, e chales de merino estampados, a
3/600, 4/ e 5/.
Aberturas a 2 Vende-se aberturas de linho bordadas, para ca-
misas, a 2/ e 3/500. Ditas de aigodao a 200 e
400 reis.
Cortes de casemira a 5/000.
Vende-se cort-s de casemiras Gnas para calcas a
5/, 5/500 e6/ '
Cortes de brim a 1/400.
Vende se cortes de brim de cores a 1/400. Ditos
de brim de Angola a 1/800 e 2/500.
Cobertas a 2/000
Vende-se cobertas de chitas de cores a 2/.
Colchas a 2/000.
Vende-se colchas de fustao para cama a 2/, 3/ e
4/.
Paletots a 3,000 rs.
Vende-se paletots de alpaca preia a 3, 3,60
5,000 rs. ;'calcas de casemira preta^e de core
leies de casemira preia e de-cores, e outra s
tas roupas feitas baratas e fazendas que est
qaidando no Bazar National, a rua da Im
lriz n. 72.
EXPOSICAO PREDILECfA
DE
fazendas e artigos de alta
d.
do
A' rua do Cabujca n. 1 A.
Os proprietarios da Predilecta, no intuito
conservar o bom conceite que teem merecido
respeitavel publico, distinguindo o seu estabeleci-
mento dos mais que negociam no mesmo generc
veem scientificar aos seus bons freguezes que pre-
veniram aos seus correspondentes nas diversas par-
gas d'Europa para lhes enviarem por todos os pa-
quetes os objectos. de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
daquelles paizes, visto aproximar-se o tempo de
festa, em que o bello sexo desta linda Veneza
mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co
novidade
NA
LOJA DO PASSO
(tua Primeiro de Marco n. 7 A.
gCordeiro Simdes A C, proprietarios -
leste importante estabelecimento.no louvavel pro-! mo. Ja recebossem pels paquete francez divers o
E com as senhoras.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, par
icipa ao bello sexo que acaba de receber da Eu-
ropa, urn completo sortimento de artigos de ulti-
ma moda, e como acha desneeessario fazer urn
nfadonbo anuuncio, por ja ser bastante eonhe-
:ida, e caprichar sempre em ter bons correspoo-
ieates, seodo a pnmeira que apresenta o que ha
le mais moderno e por precos mui razoaveis, por
isso limita-se a descrever somente o seguinte:
Setlas douradas.
8i deques dourados, de madreperola, marlim, tar-
taruga, osso, etc.
anidag de baile.
Pretientes. diversos artigos proprios para pre-
sentes.
Solinnas e punhos.
Manual para missa, com capa de madreperola,
tartaruga, marfim, velludo, etc.
SapatinlioB de setim par? baptisado.
Camisas bordadas para senhoras.
Xilsas de seda.
Franjas mosaicas.
Aderecos de tartaruga.
voltas'de madreperola.
PuUoiraM de madreperola.
Ltndas (lores para cabeca.
Belsas de velludo.
Perfumartos dos melhores e mais afamados
fabricantes.
cuapeM de sol para senhoras.
vitas de vellude de todas as cores e larguras.
Mo^pas.
Quereis livrar-vos destes malditos insectos? com-
arai uma machina de matar raoscas por 3/000
ia Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, ven-
te o verdadeiro Vigor de Ayer, que impede a
.abida dos cabellos.
Sardas epanos.
So tern sardas e panos quern quer; porque a
Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem para
Tender a verdadeira Cuticuleria, que faz desappa-
ecer estas manchas em poucos dias.
Grande deseoberta
Curativo das molestias do
peito pelo
Vnropc de sulpliit de soda
A. BERMIT
Este importante medicameDto que acaba do ser
reconhecido pelos distioctos Drs Zalloni e Paras-
chevas como urn verdadeiro espe^iBco contra a
phtysica, seguudo provaram hqs grandes nume
ros de casos po ellqs experimeiitados, como se vfi
na sessao da arademh de Parh rla 24 de marco
do corrente anno, eneontra-se unicamente no
Deposito da tharmacia e drogaria
de
Bartholomen A C.
N. 34 Rua larga do Rosario N. 34
Li<|uida(lo de velas de siermacete, a 540 rs-
o mavo, a diuheiro : no armazem de Jose Fernanl
des Lima 4 C, rua do Lario da Victoria a, 3,
irosito de nao desmentirem o conceito que os
icabam de receber de sna conta o mais nco sor-
.imenio de sedas, popelinas, las e artigos de ul-
:ima moda em Paris, e continuarao a receber
jor todos os paquetes daquella procedencia ; por
sso chamam a attencao de seus freguezes e os
.unvidam a darem um passeio ao seu estabeleci-
nento, garantindolhes que encontrarao a reali-
iade do que fica dito, e para prova dao um pe-
lueno resumo, cujo infallivelmente despertara a
itteocao dos preteadeotes.
Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
imostras mediante penbor.
.Vrtii{.s de alia novidade e
ultima moda.
Cortes de vestido de linbo guarnecidos de bico
la me-ma fazeoda e cdr, trazendo uvella, bolca,'
'.into, etc etc. |
Riquissimos chapeos para senhora, de cores e
iretos.
Cortes de cambraia brancos com lindos bor-
lados.
ni de cores com enfeites da mesma fazenda,
nrino, etc. etc.
Capas de la para meninas e senhoras, guarne
idas de arminbo.
Yestnarios para baptisado.
Riquissimas camisas bordadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Ricas colchas de seda, para casamento.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dito preto.
Sedinhas de delicades padrdes.
Setim Macao de todas as cores.
Grosdenaples pretos e de cores.
Velludo preto e damasco de seda.
Granadine preta e de cores.
Filo de seda braneo e preto.
Ricas basquinas de seda.
Casacos de merino de cores, la, etc.
Mantas brasileiras.
Capellas e mantas para noiva.
Cambraia de c6res, ditas mariposas brancas, de
lores, lisas e bordadas.
Flor do bosque (novidade).
Percalinas de quadros, listras, etc.
Brins de linbo para veslidos.
Fustao de cores.
Saias bordadas para senhora.
Grande sortimento de camisas de linho lisas e
ordadas. para homem.
Meias de cores para homem, seobora, meninos
meninas.
Sortimento de chapeos de sol para homens e
enhora.
Merinas de cores para vestidos.
Dito pieto trancado e de verao, bombazina, can-
io, alpaca, etc. etc.
Atoalbado de linho e aigodao para toalhas, e dito
iardo.
Damasco de la.
Brim de linho braneo e de cores.
Setins de lindas cores com hstras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de casemira
Camisas de chita para homerr> a ditas de fla-
ella.
Ceroulas de linho e ditas de aigodao.
Paonos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de labyriatho.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
>ara bailes, e tarlatana de todas as cores.
Colchas de damasco de is, e ditas de crochet.
Espartilhos lisos e bordados.
Foulard de seda, liadas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Popelinas.
Neste artigo temos um variadissimo sortimento,
tao so em gosto como em qualidade.
Las
ora listras de seda, ditas com pal "nas bordadas,
litas transparente* e de outras muitas qualidades.
Luvas
le pellica brancas e de cdres, do verdadeiro fa-
iricante Jouvin.
Finalmente :
apetes para sola, cadeiras, cama, entrada, etc.,
-.ambraias brancas, chitas de todas as qualidades,
oadapoloes, esguiao, bretanbas, bramantes, algo-
loes, collarinhos, panhes, meias para homem e
collarinhos brancos e de
Pentes girafe.
Pentes girafe, proprios para- senhora, ( ultima
moda) : a Magnolia a rua Duque de Caxias n. 45
e so quern tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecas de cera que cha-
mam papai, mamai, choram, andam, etc
Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolae.
A Magnolia, a rua Drlqae de Caxias n. 45, re-
eebeu gaiolas de arame de lindissimos modelos,
Eroprias para passaros ; a ell is antes que se aca-
em.
200
rs.
CaldeLisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praea 4a Cry*
Santo n. 17, 1* anaa\ escriptori > de Joasasi -
drig^es Tavares de Hello.
E' com as noivas
A NOVA ESPERANgA, rua Duque de Caxias n.
36, acaba de receber boas meias de seda propriai
para noivas. e os apreciaveis ramos de larangeira
arnaiI do nm.
A' praca circular do Apollo
vende-se:
Tijolos de mannore, de differentes ta-
manhus e qualidades.
Tijolos francezes, sextuplos.
Cimento Portland verdadeiro.
Azulejos grandes muito proprios
para rodapes.
Aznlejos verdes e amarellos, tamanho
regular.
Haquinas de descarocar algoddo.
Cadeiras de ferro, assento de palhi-
nha, proprias para campo.
0 COVADO II
Lasinhas de listras assetinadas, s6 na rua
S6UDa; ^ Queimado n. 43, junto da loja da Mag-
nolia.
E' especialidade do 43.
LSsinhas de listras assetinadas, gostos
muito modornos, pelo dimiuuto pre^o de 200
S6o 43 I Daose amostras gedinhas a 1^500 O COV rdo.
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vende se am grand* aaclsBsn-
to de cortinados bordados proprias para eassa
| janellas, pelo barato preco de 8, 9 e W,dQ m a
( par, assim eomo colchas de damasco para ism
de Doiva a 10 e 12,000 reise pechiorfca: a
rua da Imperatriz n 60, de Felix FireJra ia
Silva.
CASA
Vende-se ou aluga se uma casa terrea em Olin-
da com grandes commodos, gaz e agua encanada :
a tratar na rua I* de Marco n 6.
i
Cimeolo Portland
0 verdadeiro cimento Portland em barricas de
180 kilos : vendem Lebre & Reis, a rua do Amo-
rim n. 58.______________________________
Cortes decasimira a
e 6#000.
Na loja do Pavao, vende-se cortes de ca-
semira para caloa a 4?, 515 e 6,->oo0, ditos
muito finosde uma s6 c6r com listras ao la-
do, fazenda que sempre se vendeu a 9$ e
109000, liquida-se a 6g00O para acabar :
a rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
da Silva.
com penbor.
Colchas para camas
Na loja do Pavio vende se colchas de fustao
brancos, para cama a 2,500, ditas de dito de cor
a 4,000, cobertas de chita e de cretone, de 2,500
para citna e ditas de metim escarlate forradas com
madapolao a 5,000 : a rua da Imperatriz n. 60,
de Felix Pereira de Silva.__________________
Salsa-parrilha do Par&
Tem para.vender Antonio Luiz de Oliveira Aza-
vedo, no seu escriptorio, a rua do Bom Jesus no
mero 87.________________________________
A 500 rs. o covado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas japonezas
de corei muito modernas pelo baratissimo pre;o
de 500 rs. o covado, para acabar ; notando-se que
e fazenda que jamais se vendeu por menos de
dois crutados ; ja ha poi'cas : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao, de Felix Perei-a da Silva.
Farinha demandioca supe-
rior.
Tem para vender, Joaquim Jose Goncnl-
ves Beltrao & Filho. a bordo do palbabott
Rosita, fundfado ao pe do caes doCoIlegio,
e para tratar a bordo ou no seu escriptorio :
a" rua do Commercio n. 5.
Venham antes qne se acabem
a roal.' de Marro n. 7 A.
na loja 4*
Rendas da terra
Rendas, bicos e grades de todas as (arcana
vende se no pateodo Terco n. 52.
Cambraias
Com barras, a 240 rs. o covado,
rua do Queimado n. 43.
E' pechincha.
Cambraias com hurra, desenbos
zes pelo preco de 240 rs. o covado.
43 I Junto & loja da Mgn< lia.
<6
caine-
Ss o
E' biiuitu
As almofadas bordadas de la matisadas que ra-
cebeu a Nova Esperan^a, a rua Duque dt
Caxia "
artigos da ultima moda, veem patentear alguns
d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costnmada
concurrencia.
Adere^os de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuns.com ricas capas de madreperola e d*
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pra-
03
Aderecos completos de borracha proprios para
Into, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
nitos.
BotSes de setim preto e de cores para ornato da
pestidos de senhora ; tambem tem para coliete
>alitot
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
de seda, de palha, de chagrim, etc., etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de lone*
como de cera, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
pertinentes por falta de um obieclo que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordadoi
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulai de linho e de aigodao, de diversos pr-
'.CS.
Caixinhas com musica, o que ha de mais Undo,
com disticos nas tampas e proprios para presen-
ts
Coques os mais modernos e de diversos formz-
tos.
Chapeos para senhora. Receberam um sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindos
deseohos.
Escovas electricas para dentes, tem a propria-
dade de evitar a cane dos dentes.
Fraojas de seda pretas e de cores, existe nm
grande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de saria. de gcrgprao. de setim e de cba
mjlnt.e, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
FLt- artificiaes. A Predilecta prima em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento des-
tas flores, nao so para enfeite dos cbelloa, como
ambem para ornato de vestido de noivas.
Galdes de aigodao, de la e de seda, brancos, pr
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas corei
para sennora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, ccm capas de madre-
perola, marflm, dsso e velludo, tudo que ha dt
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bonqnet. Um bello sortimento de madre-
perola, marflm, osso e dourados por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nao so em extractos, como em oleos
banhas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Pi ver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispeosaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo par. entrada de saias. ,
Vestimentas para, baptisado o qne ha de melhor
gosto e os mais moderno recebeu a Predilecta
de or arato preco, para dear ao alcanca
qnalqner bolsa.
Cora dos estreitamento d'uretra
pela facil applicar^So das
SONDAS OLIYAES
E' BOM SAREK-SE
Que a NOVA ESPERANGA, a* rua Duque de
Caxias n. 63, bem conhecida pela snperioridade de
seus artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
ber diversas encommendas de mer -adorns de sna
reparticao, que pela eleganci i bem mostra aptidao
e bom go-to de seus antigos correspondentes da
Europa. e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sna boa
e constante freguezia e com especialidade ao sexo
amavel, a visitarem na, afim de apreciarem ate
onde toca o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer eatrar no nn-
mero dos massanles (verdadeiros azucrins) com
extensos annnncios e nem pretende descrever a
immensidade de objectos que tem expostos a ven-
da, o que serla quasi impossivel, mas limitar-se-ha
a mencionar alguns daquelles de mais alta novidade
e toma a liberaade de aconselhar ao bello sexo,
que a visitem constantemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte na<> se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sortimento
que ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nao podera complet.tr a elegaocia de seu toilet
sem que d6 um passeio a NOVA ESPERANCA, a
rua Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguintis artigos de luxo e inteira novida-
de :
Modernas settas para prender os cabellos
Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sahidas de bailes para senhoras e meni-
nas.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquim.
Bons aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de pufalo e borracha
(gosto novp). _________
Leques e flores
Amaral, Nafcuco & C, receberam leques de ma-
dreperola, braneo e queimad >, de differeotes cores,
de marfim e de tarurnpa. lisos e lavrados, sao
elegantes e proprios para bailes: vendem no Ba- j
zar Victoria, rua do Bario da V'i-'t Tia n. 2.____
CHAPEOS PAIIA StNHORA.
A Predilecta, a rua do Cabuga n. 1 A, acaba de
receber um fiodo sortimento de chapeos da ultima
moda para senhoras e meninas, e vende por pre-
cis commodos.___________________________
Breu, breu, breu
No armazem de Jorge Tasso, rua d* Amorim n.
37, eno caes do Apollo, aimazem de farinha de
trigo, do conmiendador Tasso._______________
iRetalbos de las.
0 Pavio vende uma porcao de retalhos de las
para vestidos tendo grandes e pequenos, que li-
SSIS^aI qu'da barato oara acabar, assim como uma por-
cao de cassas e chitas pretas que se vendem por
qualquer preco para acabar : na rua da Imprn-
tnz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
Espartilhos, a 3^500, 4ie a.,
0 Pavao vende um bonito sortimento dos raai9
mode-nos espartilhos que vende a 3*5.0, 41 e
5*000.
Pechinca em lencos brancos a 2 500.
0 Pavao vende duzi s de hngos finissimos de
cambraia branca para mao, sendo fazenda que
sempre se vendeu a 4.000 a duzia e ILmida-se a
2*500 por ter grande porcao de duzias, ditos abai-
nhados a 2^, ditus chines-s muito hnns e ditos
francezes escuros muito finos para quem toma
rape.
Cassas de cores a 240 rs.
Vende-se cassas de cores para vestido a 240 rs.
o covado : na loja do Pavio a rua da Imperatriz
n. 60.
Camisas.
Fmiilas Herniarias
ELECTRO MEDICAES
Para ligar perfeitamente e curar radical-
mente
as queliraduras
Ess;-s fuodas esi^belpcidas sohre os conseci-
meotos meairaes a analnicos manlem as qoetira-
duras as mais volumo.-ns e difUceis, impediado o
seu desenvulviu.enlo. Elles teem uma aocaii elee-
trica que na genera lidade dos rasos open tusa
cura radical sem qne o dim- se suj"ite a pte*-
ciipcao alguma, a excepcao do uso coutinuo del-
las. A etna opera-se no perioto de 12 a 2A m*
zes conforme a hernia mais ou bjsjm ant Linico deposito em Pernnmbuco, nli.irrna
cia e dmgeria de Brtholomeu i\ C.
Una la>ga do Kn.nrio n. 34.
Saccos
Vende se saccos de estopa cm um peqorat.
defeito, pr >prios para ensaocar farinha, mil!) etc.,
pelo diinioutu preco de ::20 rs rada um : na lo-
ja do Guilherme 4 C a rua do Crespi a. 2".
Casaquinhos
Casaquinhos de gorgorao de seda, pret s, wv-
f.rii-s para senhoras. fazenda muito fin* fM sem-
pre se vendeu por 20*, e>Uino? vendecdo pr
6* cada um ; isto so na loja do liuilhenue 4 C.
a rua do Or- -po n. 20.
Linho d'Alsaria
Linho de Alcai-ia com listras. alien.s. fazeada.
rouilo larga, padroes lindos e inieiraniente wwih,
proprio para ve;Ud< s de senhoras p meninas. pei-
baratissimo preco de
amostras : a rua do
Iherme & C.
440 rs. o cova4o
Crespo n. 20, loja
na ft
Goi-
Sargelim
Sargelim de cor trancalo proprio para forro de
vestidos e outra qualquer obra a vende se pelo
diminuto preco de 160 rs. cada covado : I rna
, Crespo n. 20, loja do Guilhernie & C.
0 Deseng.tno esta quei-
mando
Vende-se
No escritorio de Thomaz de Aquino Fonceca 4
C. Successores, a rua de Vigario n. 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinho do Porto em caixas, finissimo.
Idem em barris de quinlo e decimo, fino.
Retroz.
Fio.
VENDE-SE .
Na rua do Vigario n. 19, vende-se o segninte
Cimento.de Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, finissimo, em cal-
xas de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, ingles em caixas do duzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
DE
G01HA ELAST1CA
enhora, punhos e collarinhos brancos e de co
es para senhoras, gravatas para homem e senho-1 As mais modernas e aperfei^oadas de todas
a, peitos bordados, lencos de linho brancos e de
-.ores, ditos de cambraia de linho, toalhas, gnar-
lanapos, panno fino, etc., etc.
Loja do Passo
Asunicas verdadeiras
Bichas hamburguezas une vem a estemarcane:
na rua do Martinet de ulinda ". 51
Vende-se uma grande porijao de camisas bran-
cas com peito de linbo e de aigodao, por muito q proprieUrio deste estabelecin.ento tem reol-
menos do seu valor, por estarem um pouco enxo- yjj,, vender as fazendas existentes em seu mtmft-
valhadas, assim como seroulas franceias e de al -i |ecimento, por menos do que em ouira qualioar
godao a 1500, ditas de linho a 2j e 2.500 para parte
acabar: na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60 Vanzinese de seda
de Felix Pereira da SlWa. VeDde.se esU faZfn,,a de |jndu, patr0e, de fa.
Roupa para bomem para acabar ate ao fim (^ e palmaSi pe|o djm|DUl01-|| J m>t< g m
Na loja do Pava, liquidise uma grande porcao' *l V nns.toques de raofo, e grande pechin-
de roupa para bomem como sejam : calgas de
brim d'Angola, ditas brancas, ditas de casemira de
cor de 65 ate 12 ., ditas de brim de cores, palitots
e fraks de panno preto, de alpaca e alpacao, as I
sira como de casemiras de ares, colletes Brancos,'
pretos e de cores, '.ssim como roupa branca de to
das as qualidades, nao se olha a prejuizo, o que se
quer e liqnidar ate ao fi n do anno.
Cambraia Victoria e transparente
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen-
to de cambraia Victoria e transparente para ves-
tidos tendo 8 1/2 vara cada pessa de 3:6O0 para
cima, isto na rua da Imperatriz n 60 de Feix Pe-
reira da Silva
Collarinhos de linho para acabar a.i5
a duzia
Na loja do Pavao liquida-se uma grande porcao
de duzias de collarinhos de linho, por estarem um
pouco enxovalhados, pelo barato preco de 4 a 6* e 7* a peca ; e grande pechincha.
duzia, sendo fazenda que sempre se vendeu por | ^ p i^.TioOu r >* a
7^ e pechincha : a rua da Imperatriz n. 60, loja; _** s
de Felix Pereira da Silva. p Ric0S chapeos de sol de seda, com cabo de mar
0 Pavao ve^ch^r'casemiJa com gostos I i *"*"*
chinezes, sendo muito grandes, que sempre ven-
deu a 7* e 8.,, liqutda a 4;. Ditos de la, muito
encorpados, com listras, a 3;. Ditos de quadros,
fazenda muito boa 2
cha. Esta fazenda tambem serve para Into, par
ser toda preia ; e fazenda de 2*500 o covado.
Damasco de la.
0 Desenpano esta vendendo damasco de la de
lindos padroes e de duas larguras, pelo baratasi-
mo preco de l*(00 o covado, e fazenda de 2*50T
Aproveitem que o Desengano esta qneimando.
Casaquinhos de gnrgora > de seda.
0 Desengan i esta vendendo casaquinhos de gor-
. gorio de seda, enfeilados, pelo baratissimo preco
de 6*000 cada um, e grande pechincha. a elles
| antes que se acabem.
Organdys a 320 rs. o covado.
Vendem-se Organdys de listras, braneo, pelo ba-
rato preco de 320 rs. o covado. Aproveitem.
Madapoldi'S de 49000 a peca.
0 Desengano esta vendendo aadiaolao francez
com 20 varas a 4* a peca ; dito mniio Moo, a 5*,
Wilson Rowe & L. vendem no seu armaxw
a rua do Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de aigodao azol amencaoo.
Excellente fio de vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qnalidades. ____
MILHO BARATO
Cincoenu e seis kilos por 3*400, quasi umas 4
errobas, sendo a retalbo a 280 por meio decalitro,
qua e mais de uma cuia, no armazem da bola
amarella, travessa da rua do Imperador______
Rua Primeiro de Marc,o n. 1 A
antiga do Crespo.
% E \ m3Wa"^WA ositiojunto a igre-
ja de S. Jose do fiaogu nho, com casa de vivenda
assobradada e outras acommodacSes, todo mura-
do, com duas frentes ^ervi las por portao de ferro,
dando para a rua d* Amizade e para a do Man-
guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
lirgura e 354 de fundo ; e a casa nv de 52 palmos
de frente- e 84 de fundo. A situacao e a melhor
possivel para morada, e quem quiir edificar, tera
bastante terreno para isto, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a'gumas plantac5es de gozo e re-
oreio havendo bastante agua fornecida por duas
caeimbas, unia das qnaes e nova. A entender-se
com o Sr. Dr. Witruvio quem o pretender. ,
as conhecidas
Vendem-se
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
34Rua larga do Rosario 34
Lustres,
arandellas.
Para concertar
meias
A NOVAESPERANQA, a rua Duque de Can*.
n. 63, recebeu desta necessaria linna.
Chocolate do Maranhao
Unico deposit nesta cidade, em casa de Jose
Tavares Carreiro & C, rua Direita n. 14, onde sa
vende pelos precos e vautajrena da fabrlca.
A empreza do gaz, tendo recebido ultimarnente
uma quantidade de lustres, candieiros, arandellas,
globos etc. etc., tudo obra de gosto e de primeira
qualidade ; acha se em posicao de suppnr a sens
I freguezes, por precis men res do que antigamen-
te. Para verem as amostras, dirijam-se a rua do
Imperador n. 31.
Aos raemnos
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caxias
n. 63, acaba de receber um bom sWttmente de fl-
nas bonecas que fallsm, que hem-see choram;
1 venham ver se nao a verdade.
A 12t) rs. o covado.
Na rua da Imperatriz d. 60, vende-se para aca-
bar uma grande quantidade de las, restos de di
versos sortimeetos, desde 120 rs. ate 500 rs.; no
tando-se qua. quando havia sortimentos comple-
tos, se vendiam a 1*280 e 1*600 o covado, h
grande variedade em padroes, os qne primeirc
chegarem melhor pechmcha farao, a ella a rua d*
Imperatriz n. 60.
Na loja do Pavao vende-se madapolSes france-
zes ranito incorpados, com 20 jardas a 6,000 reis,
dito mnit fino com 12 jardas a 3,000 e 3,500 ; as-
sim como nm grande sortimento de madapol5es
inglezes de 4,500 ate 8,000 e 9,000 : a rua da Im-
peratriz n. 60, de Felix Pereira da Silva.______
sortinento de ditos de merino, lisos e de quadros,
vende de 2A ate 5. e C* : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao, de F. Pereira da Silva.
Popelina de linho a 400 rs. o covado.
0 Pavao recebeu um elegante sortimento das
i fim, a
Baptistas de lindos padroes a 400 rs. o esasd
Lizinhas de cores, bonitos padroes, pelo dimian
to preco de 160 e 200 rs. o covado. A ellas antes
a o~. uuus uo 4uauiuc, j r acaDem
assim como. um _bomto j ^mon* Vict.ria, a 3*500, 4*, 4*500 e 5* a
ict iria,
I pe?a.
I Alpacas de cores, la e seda, bonitos padiiie*, a
500 rs. o covado ; e grande pechincha.
' Metins de cores, bonitos padroes, a 280 e 30 r*.
o covado.
mais bonitas popelinas listradas para vestidos que,- c ( de |jndo3 dr0es a 2U) 260e 280
vende pelo barato preco de 400 rs. o covado* la- ^ y
vando se nap desbotam ; assim como, boniws e Eoulra, raaitas (aiendas que deixa de rueaeki-
modernas lazinhas com listras de seda a 640 rs. ag n-Q ge tornar enfadonh0- por ;J;0 0
o covado. Ditas transparentes com palminhas a .,,,^0 C0DVida a todas as pessoas a (aiereaa
500 rs., sao bonitas^ Bareges de uma so cor, pelo uma visita a seu estabelecimento. ali.n de *>
barato preco de 400 rs. o.covado, ejiechincba ?e do bsm baral0 Raa do r^ ^
jun'o a loja da esquina.
na rua "da 'Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira
da Silva.
0 Pav^vende6 MfcTaWS de cam- j I\l ha qUCIII Veldl 111818 tWlll !
braia branca com eufeites bordados de cor, la-; Gama & Brito, com srmazem de-nolhaiHOO
zenda que sempre vendeu a 7* e 8*. e liquida a jar_0 daSantaCruz ns. 2e4. vendem mant iga in-
4* para acabar. Ditos brancos de cambraia aber- _|eia em Darri| 3 800 e 1,000 rs. por cada
ta com listras e lavradinhas, que sempre se ven- gramnjag ---
a 800 e 1,000 rs.
vinho de maca a 1,200 agarrafa.
dil.
deram a 10*, liquidam se per 5*. Ditos Benoalao pjgueira a' 440 a garrafa, a Canada a 3,400 rs
com lindos enfeites de cor, fazenda que val 12^, ^u ^Qevos) liquido a240 a garraf i, velas stearinas
Pedras de marraore
Vende-se pedras de mrmores, de diversos ta-
manhos, com duas ooL'gadas de gros*nra, proprias
para muitos misteres : a tratar com Joao Jos6 da
Cunha Lages.
Para senhoras
Como sao lindas e modernas as gravatinhas qne
a Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, acaba
de receber I
liquidam se a 6$. Ditos de cassa de cores com
7 varas a 3* ; e pechincha : na rua cia Impe-
ratriz n 60, loja de Felix Pereira da Silva.
Pechincha para criancas.
Meias a 2*500 a duzia.
Toalhas de fu-tao para mesa a 2-500.
0 pavao vende toalhas de fustao para mesa de
jantar pelo bar* to preco de 2*500, e pechincha :
na loja do Pavao, a rua da Imperatriz. n. 60,
loja de F. T. da Silva.
Gros preto a 1*.
0 Pavao vende grosdenaples preto a 1* o co-
vado e dahi para cima,. ate 4j : na rua da Impe-
ratriz n. 60, loja de Felix Peieira da Silva.
Brins de Angola a 2*, 2 500 e 3*.
0 Pavao vende cortes dos verdadeiros bins de
Angola a 2s, 2*500 e 3* ; e pechincha : na rua
da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da
Silva.
Metins a 280 rs.
0 Pavao vende bonitos metins de cores para
vestidos, pelo barato preco de 280 e 320 rs. o
covado; assim como, um bom sortimento de chi-
tas de todas as cores, padroes modernos e fixos,
pelo barato preco de 280 at6 36-> rs. : a rua da
Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira da Siiva.
a 560 o'maco, velas economical a 760 o maco,
cba perola a 3,200 rs. cada 450 granami* dito al-
jofar superior a 3,000 rs. cada 450 grammas, am
completo sortimento de biscoitos em lau*, (\-v se
vendem por pr*cps baratissimos, hervilhas france-
zas a 640 a lata, marmelada muito flna a 640 rs.
a lata com m>i i kilo, queijos fre-c >s. azeite doce
de Lisboa a 640 a garrafa, assucar de pnmeira
sorte a 320 rs. o kilo, dito de segnnda sorte a 28
o kilo, dito de terceira sorte a 240 o kilo, vinho do
Porto, em barril, a 800 rs a garrafa, dito eogar
rafado das marcas mais acreiitadas a 1.003,
1,200 e l,5fK)J: o que pode* haver de meirtor a
tudo mais a vontade dos compradores, cert-is de
que enconfarao a maior sinee-idade e agrado
possivel : no largo da Santa Cruz ns. 2 e 4, anaa-
zem de Gama & Silva Brito.
Ven^e-se
na rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarrafado, em barria e em
ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa, superior qualidade.
Relaaa do Porto.
Cimento Portland, legilimo
Ao d. 9.
No progresso do pateo do Carmo vende-se man-
teiga ingleZa flor a 800 rs. a libra.________
Doce tino de goiaba
Vende-se no deposit^ do pr.leo do Terco ns. 4 e
6, patobara-o-nr-c) de Soil. H00, l*00ii_e 1*200 ;
assim como grau I" sutim nto d" caixd s_peqae
nos, propr raembarqoa; ba requeijio todas
as t5rcasfeiras e sabbados, por pro;o commodo.
E' sempre assim
AO SEXO AM4VLL.
A. Nova E"pi^ranr;i, a rua Doqae de Caxias n.
63, toma a liocrdade de avisar ao beilo sexo, qne
acaba de receber diversos a'tigi-t Hi -aii*asvi-
dade, os quaes eslio expostos a vnuda em dito
estabelecim-uto, e bom qne v-^nham apreeol-os
para por e.sta forma satisfazerem os capriebaa as
suas elugsntes ioileltes.
A Nova Esueranji, nao qu rendo torsar-se
iiinssante, hmiia se a m -ncionar alguus artajos
dos mais em v.iga no maul > da* m ifn. n rpuflr
s.-i) os seguintos :
Liodos eink-s de couro e fl^fmtk
M 'dernos bo'o 's de aco para vestides.
Novos 1'line', urantes, mati>- I
lies liv-IUs de aco para voiid"!..
zer pendentes ao cinto, -
tra

I



T-"^*
Jiario de Fernambuoo Ter^a feira 17 de Novembro de 1874.
LITTERATDRiL
A formica e a elgarra.
APOLOGO.
Quando o destioo qaer, muda sem mais aqaella
ou era sella a caogalha, ou era ciugalba a sella ;
i.orn pffeilo e assira, e sera tirar uera p6r,
*. a prova... aqoi a tens : attende me leitor.
'.oina re formiguinha, era pieiu ecuuuraia,
t,outrauo a laoorar no seu mister vivia ;
Morava perto della alia suuhora entao.
Dim doua cigarra-----a lilua do Barao___
Ora, esia gentil, esta vaidosa dama
Fidalga saiigue azul era, segundo e fama ;
Deraais cum uuibns tiuha : e, pot-, a llautear
Andava sera peusdes so a canlarolar.
Tao perdularia assim, gaslaudo e so gastando
Aziatico .'uxo-eslolida l-ostentando,
Todo dia saraos, re-tins e mais festirn,
Veliudos so rasgaado e sedas e setins,
Gozar queria so,-e sera cessar gowva,
E co'o resto, e coo mais bem pouco seine dava !
Mui guapa indo assira, pots, sera o desfalque ver
yce solTriam seus ben* no excesso do prazer
Kia se rauita vet da provtda forraiga
V^ndo-a toda empenhada era adial fadiga:
K ate disso tentou a dissuadir : porera
Teitnosa era a cotnadre, e nau cedei ilia Bern
Da tia muito afl'eita so a frivolas toleimas
ta a lil.iga alem cu'as costuraadas teimas
Tod; oauesouro seu sera peua a esbaujar,
Estulta I sem ver que e precso Irabalhar.
A pleoea, porem, sua frugal visinba
(Que, pt.r certo, de o Vivia a enthesourar ; de.orle que, aliual,
Lictameate pode haver urn cabeial :
E hoje, qae velha e9ta, folgada e milagrosa
Vida passando vai era plena paz ditosa ;
Ao uass > que a lidalga, a nobre sangue azul
De altorges por ahi aiida nao mais laful.
Uitor I tu que islo tea, cuida uu teu futuro ;
Se aiguraa cousa ten,, guarda-a ; que 6 o maisse
0 inuodo e uma bola, e sempre em gyro csta ;
Leitor I eningusm sabe as voltas, que ella da.
ralv-z por effeito da duridosa claridade: disse com voz quo parecia sahir das Drofun-
do crepusculo, mostmu-se dobradamenie
sombria a expressao do semblante do raeco
e e
A
Se tem essa especie de valor, depois
r- verdadeiramente terrivel oseu olhar. de ter passado pela experiencia, depois de
liguma cousa de satamco tiaba n'aquel- .ter triumpbado, venha, que oespera nao a
les instantes o rosto de singular belleza do minha gratidao. mas sim o meu amor ;
ffZ nnTnle- m IVeDh8' e CP"*^ como pode haver
^rtmguera podena attentar n elle sem ter- f coracoes de fogo inextinguivel, paixOes in-
AKr. i L jsaciaveis... Oh eu nasci para amar como
Anno a mala, t.rou toda a bagagem, e, nao ama nenhuma creatura, para dara vi
i--sp...-do a amooeirada roupa, vestio urn da e malar com o meri amor, para viver
fto de fiinssimo pan,,,, verde. com o meu amor e uwrrer amando ; por
Acn.-g.,u se d~p is a janella, desdobrou quese nao e o fogo do inferno > que ba na
um papel eexammou mui attentametite as minba alroi, < utn inferno de deltcias inpx-
'iiversas Imbas qun all, estavam traf;adas. gotaveis o que meu peito encerra. E para
i.'nrfto a espa.ia, pz a capa e o cbapeo, o objecto do meu amor, tenho um'sanc-
e sanio, avisando o bospedeiro de que tal- tuano a'esse inferno, e para elle vivo e
vez voltasse bastanto tarde. por elle morro. se elle morrer, e por elle
loraou pela rua a. ima, atravossou ovlar- sou capaz de todo...
^0 da Porta Cerrada, e pouco depois en- Oh interrompeu o moco com exal-
controu-se na praga do arrabalde. Despe- taqio febril. Eu tambem sou capaz lanto
dto o crepusculo o s..-u derradeiro sorriso, do crime como da virtude, porque eMou
e as trevas tnvarj,rm o espaco. desesperado, perturbado, doudo, porque me
Ue v^z emquando parava o s.niitro vuito arrasta uma vertigem irreswtivel, porque roe
|omo se duvtdasse acerca da d.rec5ao que impeile a mao i-nplacave, e poderosisstma
aeyia seguir. da fataHdade.
Dcixou em 06s de
companharDeoto de criados, um ho.nem de, Brilhava a las j o horisonte estava purofoutro
elevada estatura, enxuto de carnes, de no- e coalhado de estreNw.
eif.-!l"ent8 e.f09t0 d"grav* expressao. Eram onze horas e as ruas de Madrid es-
'
em p6s de si a Porta do Sol e logj ci>m que
iubio pela rua pode
Digja que me ama, e faca
se Ijsvante dtante do mim u
---------- ...e negro esquelbto da morle, e ante a
d eta'f^r^' nP VSpad8' qU8era m,,rte "" veri *or(ir5 prom uma pala-
pre.-iso fazer n aqu.-He^ buns tempos para vra, uma so.
atravessar as ruas de Madrid apenas cerrada Aiod*e- preeisp que meooca-. '
a "!j! e- Diga, diga.
'^8"!!..a. Ked 'le.S- Luiz e entr01? Da. rua Ku nro da beHeza do cor
'jut* J3
1869.
Francino Cismonlano.
*$oneto.
Oh fortuuati mui dolce martiri,..
(T. TassoG\ L Si quai dd forte Achilles d'alta fama
0 sublime cantor na.) taojo a lyra,
Kern o meu nome pelo globo gyra
Qual Heitor que a honra. ao prelij chama.
Si um Colombo nao sou. nem sou um Gama,
Que a Africa e Asia toda horror itispira ;
.Nem como a Creso se me inveja e admira,
Nera cinjo a Delia gloriasa raraa.
Nem por isso, das turbas retirado
Qial outro Mysantropo...certaraente
Nem por isso eujestou desconsolado.
NIo sou ambicioso, Mizmente ;
Grar.s, gracas ao C6o I que em tal estado
Vivendo em paz comigo eslou conlente.
Francino Cismonlano.
O oraiorio de Gracia.
(dama de Madrid)
I
No dia 4 de BDaio de 1850, e quando
muito perto do ocaso estava o sol, um fo-
gnso cavallo negro como oazeviche, coberto
de poeira edebranca espuma, offegante e
com mal seguro passo trotava desigualmen
te e parecia prestes a desfallecer.
0 cavalletro, que estava nao meuos co
berto de p6 do que o animal, era um mo
co que nao teria maisde vinte cinco aunos,
de branco semblantn, linos e loiros cabel
los, olhos azues e testa ampla. A delica-
d.za das feigoes dava-lhe a belleza o querque
fosse de feminil ; mas, quando se lixava a
atteiiQao p iralguns instantes, enc>ntrava-so-
lbe algo e ate muito de varonil na expres-
sao do rosto, e mui partiuularmente no
oibar. que mais do que sorabrio, pode
clssiti>ar-se desioistro.
Tmha franzidas as sobrancelhas, e cons-
tsinenierUe contrabia o labio' superior, cir-
cuinstancias estas que davam maiur dureza
a expressao do seu semblante.
Devia suppor-se que ora pessoc de qua-
liiiadc, tanto pelo valor do corcel como pela
sua toupagom.
Viam-se-lhe no rosto ossignaps inequivo-
cos do cansaco e da insomnia, e, nao obs-
tacle, com irapaciencia crescente, esporeava
sem oessare cruelmente o nobre quadrupe-
de, cujos ilhaes se viam ensanguentados.
Cala vez que o cavalleiro cravava a es
pora, o fatigado broto fungava, sacudia cus-
tosa uente a crina, e fizendo um supmmo
esforqo, tentava partir a galope, mas nao o
cons-guis.
Stistentando esta luta da vontade com a
fadiga, neixaram ap6s si a ponte de Sego-
vm e tomaram pela rua do tpesmo nome,
aterhe^aram a porta de uma pousada.
Alii puxou o cavalleiro a redea e apeiou
qiiaodti se deteve o cavallo, que estreme
ceu. cambaleou e cabio pesadamente.
0 nobre quadrupede tinba Jeixado de
existir.
Acudio o estalajadeiro, cumprimentou
respeitosamente o que parecia um perso-
nagm, e, fitando depois o olhar no cavallo,
Jisse em ar de fingida compaixao :
Pobra animal I... E e bena bonito...
Este nao custou menos de cem ducados.
11a quarto ? perguntou o viaj^nte com
voz guttural.
E bom, respondeu o bospedeiro ; por
qua eu lhe d>go, acudindo a minha casa
pessoas de mutta prosapia, sempre tenho
tudo muito arranjadinbo.
Puis entao, mande tirar d'ahi o C8-
vallo. Trazer as minhas pistolas, a mala,
e... mais nada.
0 laiajadeiro chamou um criado, deu-
llie algusMB ordens, e seguio o cavalleiro,
levaulo-o para um dos aposentas do andar
principal.
Vossa senhoria quer ceiar ? perguntou
o bospodeiro.
'^earei mais tarde, porque tenho ago-
ra dc -abtr, respondeu o mo^o.
E, mal ficou s6, assentou-se, cruzou os
br.":_ mclinou sobre o peito a cabec,a, e
fie '.v! immovel.
pg use-lhe a testa.
r- rvosa pallidez lhe cobrio o semblante.
1j--iiv,i encarar n'elle para se compre-
qne uma espantosa borrasca lhe
tva o espirito.
,utos depois entrou o estalajideiro com
a mala e as pistolas, sem que pela sua pre-1
seni;i d6ss o raoco, a quem podemos cha-
ma' mysterioso.
Oct;ultava-se o sol.
1 >!?:)ppareceram por fim os seus ulttmos
rains.
Estcn leo'se no occidente a vaporosa faxa
lo nn-pusculo
NiT.im os sinos dos templos.
O mo$o estremeceu violentamente, levan-
tou a c.ibefa, abrio os olbos e espalbou a
?i-ta em roda de si como se quizera reco-
j logtr onde estava.
quejd era conbecida c>m o nome de >va- po, nem da jfMWtade, nem dss riqoezas ;
lhp.ro det.racta. parando defronte da casa eu amo tudo luanfto e grandioso', ludo
e entao seergu,a no terreno que hoje oe- quanto e suWime,. t&io quanto e extraor-
coohecidO com o mesroo- dinario, aiuda quoseja-uma grandeaa bor-
q-- ~< <~ o'b
cupa o oratorio
nome da rua. | ri-rel como a dr'iadomsml soberba do am
s algous moraentos, avancou cabido.
Martha, Mhrtha !...
Attentavamnello ostranieuntescom curio-
stdade, e perguntavam quem era aquelle
viajante tao simplesmente vesti io, mas t3o
bem acompanhado, e que parecia pessoa
distincta. v
Por Am disse um :
E' Antonio Escou.
Effectivamente era o d-jsgragaJo. Escou,
enviado do parlamento mglez, e um dos
que tinham yotado em favor da seolenca de
morte pronuncada contra o rei t^rlos e
executada com assornbro do inundo, pois
naouelles tempos c nsideravam-se sagradas
as cabegas que eingian uma corOa.
Escsado sera" dizer qoe neste personagern
sesGtava o odi> da rnofber a quem ja co-
nbecemm.
Cbt'goo Escou a rua do Cavalheiro de
Gratia e tmtrou na casa qow segundo ja" dis-
semos. occopava o roeSMO terreno onde
esta* hoje o cratorio, e que eirtao era pro-
prisdado de *>. Elv.ra de Paredes.
Desirerrou-se uoia das jaaelfas da casa
eontigu! e moatrou si o semMiaute e parte
de cabei;a de uma mulher.
Ocutiltava-se o-sol, o por caraeguinle a
lu'? era escassa.
Quando o euviadu iuglez aepeouv demo
rou-se alguns instances para fallar eon* um
dos aens criados.
Martha Contempleu-o envolta na scmbra.
Contf.ihiram-se, eatreabiram-se e estre-
meceram os labios teirtadores da mulher
uns triuta passos mais, e entrou.no espacoso
portal de outra casa.
0 porteiro poz-se-lhe adiante e mirou-o
desde
Com todoofiigo db minha alma im-
petuosa amei um homemv cuja nobre- ca-
.s pesate a cabega ; deisou, porem, be3a se levdiitavaacimadas-demais; eanqei-
o passo litre com mostras de respeito, ape- lefcmtem foi accusado pefos que nao po
naso .no,;o d.sse : diflin Comprehende-lo, e quiz se penetrar
.. ,en- ... no fuodo da sua consciencie, e a inveja de
En este o seu nome de fam.ha. uns. a amb,cao de outros e a estupidez de
Sobio a esuada, que estava alluraiada, en-i muitos- con.erteram.se em iuiz como se o
trou numaposento, e, pronunciando alii fraco e ruim pysnen podesse fjulear\ a
a mes-na palavra ao sprinterpelladopor umigante-
servente, parou e esperuu. Qh-1.
Tornou--,e mais d.msa a palltdez do seu K.a se^tencafbipronuneJada, eaqueJ-
rosto, que pnncipiara a mudar de expressao la cabega nobre, qse se erguiaecima de to-
vingadura.
Os si-js negros e rnfrgmficos olhos bvilba-
ram coma duas luz^s ^hosphoricas no fun-
do de uiai cavt-rua.
A natiirtjia guar Ja ser^redos que a scien-
cia nao pj-ie ainda desoobrir; ba muito
desconh. cido, mysterioso-,- que nunca ha de
penetrar e>oriatura.
Oue o o iastiiicto ?.
Oue sao ospr*-sentimei>;oa?
Nao conhecem..s as causar noas os effei-j'
tavam desertas ou pouco menos, pois nao
transitava por ellas senio algurn atrevido
oamorado, ladroes, ou as roodas de esbir-
roij que andavam com passo preguigoso
de uma banda para outra.
Cinco homens, embucados em amplas
capas e silenciosos como sornbras, entraram
na rua de Hortaleza e depois no de S. Mi-
guel, parando junto a* porta da casa que
j meucionamos.
Eram Ricardo e os seus complices.
Poucos raouientos depois, abrio-se a por-
ta se.n produzir o mais leve ruido, e sem
que sahisse do interior da case o mais tonue
raio de luz.
- Sigam-me, disse Ricardo em voz
muito baixa.
E entrou.
Os demais obetitfceram, e comose fosscra
pbantasmas que se evaporassem oa se fil-
trassfm pela parede, foram desappereeendo
e outra vez ficou solrtaria a rua.
Morbida mao segtwou a dextra de Ricar
do, o infeliz estremeceu violentametrte e
sentio como se abrazadora lava, e nao san-
gue, lhe corresse pela* veias.
AqueHa mao apertou- forteraente a so*;
treiria efazia-o tremer.
Desgra$ado I
Em poucos instantes a-sua profunda pep-
turbagao produzio a vertigem.
Todos cs seus sentimentos e concentra-
ram n'um : o da sua paixao dev iradora.
Para a sua paixao pela suo paixao vivia
unicamente n'a-quelles instantes terriveis.
Nao era seahor da sua raific-, e p6de di-
zer-se que estava doudo.
Se I be houvessem perguntado que espe-
cie de sentimeotos lhe agkevam a alma,
nao teria acertado a dize-lo.
Como havia de comprebender o que !he
succedia, quar.do mal tinha consciencia da
sua vida ?
0 estado moral em que se ancontrava o
revelando, nao a ternpestade do violentas
paixo^s, senao a ternura.
D'alii a poucos instantes voltou o criado.
Entre, disse.
E, atrave^sando alguns aposentos, cbegou
por lirn o mogo mysterioso a uma camera
adurnada com luxo verdadeiraraente des-
lurnbiador.
A luz de uma lampada encerrada n'um
globo de cry?tal branco, cousa apenas co-
uhecida entao em Hespanba, espalhavauraa
claridade dulcissima e dava uma c6r quasi
phantastica a todos os obje'tos.
Assentada, recostada indolentemente es-
tava uma mulher, cuja belleza nao pode
comparar-se a cousa algutna, mal pode con-
ceber-se. por que era uma d'essas belleaas
que produzem um effeito inexplicavel, que
transtornam, que fascinam ; uma d'essas
bellezasque tem o poder de Satanaz e ante
as quaes na ha vontade que nao seja fraca,
nao ha resistencia possivel. \
Negros cabel os, coroando uma testa pal-
lid n o espaQosa, olhos negros tambem, gran-
iles, rasgados, sombreados por compridas
pestaaas, atravez das quaes fulgiam olba-
r corr>-ntes de f"go.
0 quer que fosse de poderosissimo,. de
ternvflmente grande, de extraordinario,
quasi de sobrenatural havia n'aquella ran-
Iber.
Era boa ou ma ?
Nao o sabemos, e s6 podemos dizer que
a sua belleza, que nenhuma se parecia, era a
ultima expressao, o resurao, a coacea-
tragao de todos os encantos, de todos os
feitigos
Nao era uma d'essas bellezas que podem
descrever se miuddiuente, como se descreve
uuma estatua, porque nao e descripiivel o
que infla'iima, o que perturba a ponto de
unnulUr completamente a razao.
0 rooco ficou se immovel, e com o olhar
fito n'aquelle prodigie que tinha as formas
de mulher, a graga de um anjo e o poder
irresistivel de um demonio.
Densamente palli lo estava o mogo, mas
tornou se livilo, e passados alguns instan-
tes, avermelhou-se-lhe o rosto como se fosse
brotar sangue.
Mal nolta respirar, e o seu co.agao pul-
sava violentamente.
A mulher dos negros olhos quebrou aQnal
OS'lencio para dizer :
Porque nao seapproxima, Ricardo?
A sua voz impregnada de profunda me-
lancolia, a sua entonagSo preguigosa, po-
deriamos dizer, fez estremecer violenamente
o formoso cavalheiro, que exclamou :
Ah I... Aqui me tem, senhora, aqui
me tem o mesmo que sempre fui ; lutando
e temeldo, padecendo e gozando...
Cumprio a sua palavra, e f-licito-o.
Felicita-me I... Acaso devoesparar?
Tudo ou nada... Assente-se, porem,
fallemos, e acabard de me conhecer, e como
ainda e tempo de recuar...
Nunca, interrompeu o mogo arrebata-
damente.
E travou da mao que ella lhe offerecia, e
beijou-a com frenesi, assentandose edi-
zendo depois :
Recuar I... Ha porventura cousa mais
horrivel do que a minha situag5o ? Se te-
nho de arnscar a vida...
I'm pouco mais.
Se tenho de renunciar & minha posi-
g3o e a todos cs gozos que a minha riqueza
pode proporcionar-me...
Muito mais.
Se e preci o passar pelas bumilbagoes,
pela degradagao...
Ouga-me.
Sim, falle, que tudo prefiro & du-
vida.
Imagine que entre nos se levanta urn
grande obstaculo.
Vence-lo-hei.
E que este obstaculo e o crime...
Seuhara. .
Se tem valor para sercobarde...
Isso e incomprebensivel.
De cobarde qualificam a aloivosia,
cobarde cbamam ao assassino... Atreve-se
a commetter essa cobsrdia ?
0 cavalheiro ficou ?e immovel emuJo.
Abrio os olhos como se fdra despedi-los
das orbitas.
Suor frio lhocorreu pela testa.
Nao polo faicr o rnais leve movimento,
nem artiimlar um syllaba.
Ela >-ntao roudou de postura, acbegan-
do so m^is do mogo, e envolvendo-o n'um
das as oabegas, for cortada pelo vcrdugo e
cabio aos-pes da plebe; que, obeia de es-
pant?, <: .ntemplava a sua proprea obra.
Comprehendo todo...
A vieti-aa da roindade edas ambi-
goes, das-paixoes tfeseneadeadas e da incon-
sciente vontade d'um povo extraviado, essa
victima chamava-se Carlos I de Inglaterra.
0 triste mogo, como que possuido de ter-
ror, estremeceu. inc-linou a cabega, e, sem
entender seqoer o queoovia, contfnoou ps-
outando a vo2 embriagadora de Martha.
Esta proseguio dizeudo:
Howve faoraem, cuja eloquente pala-
vra levou o convencitrjento & todosos espi-
ritos e cbj'o voto deciakj.
Escou? murmuroo surdameate o ca-
valheiro.
Pois-bem, redarguio Martha, cujas
negras pupillas se tmbam animado com si-
nistro fu!gor, eu quero wingar o Jsomem &.
quern adorei, e, depois de o ter vingado,
estarei satisfeita e tranqoilla, e como n3o
3e ama os mortos...
Sim, > seu amcFi. aquelle amor im-
menso que teve para o ret Carlos...
Ser6 para o homem que tenha reali-
sado a vioganga.
Am ir terrivel o daqa< lja mulher !
Mas Rwardo nao era senhor da 3a razao
nern da sua vontade.
Estava perturbal.>,.louco, ja* o dissemos,
eelle nao exagerava assegarando que se
seutia iuapellido pela mais horrivel -ver-
tos nao podam negar-se. {mogo era desses que nao tee.f esplicagao,
Interromoeu se de repenteo-grave Escou, |b que tao poueo. poderiam cooprehender-
remeceu, arrugou se lhe a-testa e empal- se, ainda que se explicassem.
e panrm a uma porta hehtdc ror
uma cortina.
Olharam pela estrefla abertara qae wire
as duas pacts da cortina havia, e viram
Escou assentado de coatM para a porta,
com a cabega inclinada e como que abser-
to na leitura de uns papeis que estavam sa-
bre a mesa.
A occasUo nao podia ser mais propria
para os criminosos.
Trocarara estes um olhar.
Ricardo cbegou e lerantou a cortma.
Os raiseros deram um passo, depois o i
tro, e com a ligeireza do tigre, cahirati to>-
dos a uma sobre o nobre Escou:
Ao mesmo temp> reluziram os pnnbana
c resoou um grito lacerante
Agitou-s.s a victima desesperadameo*
entre as maos dos assassiaos ; mas os pu-
nhaes totnaram a erguer-se e acabir.
E outra vezse entre abrio a curtioa, ap>
parecen io a cabega do criado, tf09 aturd -
ilo pela sorpreza e perturbado ptlo terror,
fugio grrCandii por socuorro.
Ou v,ram-*; pjs9os e rozes em dHHjreofc*
pout .s da ease.
E-cou dinxara dc existir, e estavi noebif
coberto de aangoe.
Nada tiuba que fazer alii os assassiaoe,
e ci.rreram para se por asalvo ; sauirafe-
Ibes, piir.-m, ao eucoittro inuitos servigaes,
qu-, apezar de nao saberem o qae succe-
ia, adiviiiharaiii facil.uvote que se havia
commetlido ou se teniava commetter m%
crime.
Outros abriram asjar.elia*. pediudo tare
bem soccorro.
Tudo
tigem.
Houve alguns instantes de sileacio abso-
luto, durante os quaes se percebeu.o leve
rumor e o violento hater daquolles dous co-
ragoes,
Teatador sorriso- tornou a debucbar-se
nos nao menos tentadores labios de Martha.
Nao pode o mogo resistir.
Oh I exclamou com voz reconcentra-
da. A minha alma e de Saianaz, e em
bal'Je lutarei.
Araanha ba de chegar Escou.
Bem sei.
- E, se o cavalheiro se preparou, se-
gundo as minhas indiccgo^s ..
Sim, tudo. preparei, ainda que me
eram desconbecidos os seus- pianos. Bern
sabe que occulto o meu verdadeiro nome, e
que com outr i cbeguei a* Hespanba Conto
com quatro homens decididosque, apezar de
nao saberem ainda para que os destiuo, fa-
rao tudo quanto eu d<-terminar.
Eu tambem soubeaproveitaro tempo,
e depois de amauha, a" bora que fop mas
conveniente, eu lhe facditarei a entrada na
vivenda de Escou. Se fizer aiguraa tolice
tudo sera perdido para o senhor, cava-
lheiro.
Mas se acabarmos com a vida do ho-
mem a quem eu tambem tenho odio porque
a senhora lh'o tem.
Ainda que do- cavalheiro se apodere a
justiga, n3o lhe de cuidado, que nenhum
homem sera senhor do meu coragao, e como
esta minha vida jd nao terd ponto de mira
porque hoje vivo para a minba vinganga e
para o seu amor, e se o cavalheiro deixar
de existir as maos do verdugo, antes talvez
e a seus pes acahar>i tambem a minha
existencia. E entao nao me conbecerd, o
valor lhe infuuJira o meu, e a sua cabega
poder! cahir cegada pelo ferro, mas nao se
inclinara, nao se bumtlbard.
0 cavalheiro, no auge do seu febril ar-
rebatamento, exclamou:
Se es um demonio, quero o inferno
comtigo.
Esse e" oamor, esse...
Martha I..
Retire se jd.
Ao menos alguns momentos ainda de
ventura a seu lado.
Valha-se de toda a sua energia, e a-
parte-se de mim ate amanha.
Ricardo poz-se de p6 como impellido por
um abalo nervoso.
E' tal o meu amor, disse, que valor
me sobra ate para d'ixar de a amar, se fos-
se misb-r provar asjim a intensidade da mi-
nha paixao inextinguivel.
Agora sou eu a senhora, e se o meu
cavalheiro sahir tnumpbante da provagao,
serei escrava.
0 mogo beijou outra vez com phrenesi a
dextra do Martha, e sabio sem eomprehen-
der ao cem o que sentia, sem que lhe
fosse possivel aflirmar se estava ilormindo
ou acordado.
II
No dia seguinte, e is quatro horas da
estreme
lideeeu.
- Ojue lhe saecedia?
Naoo poisrio-di7>>r.
Sutia uni malestar inexplioew!', presen-
tie, finalmente, uma desgraga-
Escou nao era-' supersticios,-. e tobarde
muito menos, a -acsbou por zorobar do que
elle quahfieav* desusto puerik
Os re!uzeot9-lbos.da damaccntinaavam
fUos eenviaud^oorreotPs de fogc aidwsdito-
sa victima.
Quando Escou-eatn>u em caea; qsiz que
o deixassem acV 9
Apoderara-se da. sua alma ama tosteza
profanda.
Eram vaos os seus esforgos paro a&star
as-negras ideas qae o alormenfcvam.
Quiaexpicar o qjuesentia, e aUribuio-o
M cansaco resuStunte da extensa. viagem.
Peuseu na sua- familia, oppriraio-se-lhe o
eopagio.
Quando acpitano. eacargo do reprasen-
tante do parla raento glez e se dispea a
partir, quiz sua'esposa acompaoha-lo ; elle,
porera, oppoz-se-,. pprque nao sabia se esta-
ria rauho ou pouKO-tepo em .lesfvmha.
iiuoiem de tanie coragao como 'clan, in-
teUigeneia, amava-Eseoa sua esposa e 3eus
Glbos com ternuro sera igual.
So I murraneou dolorosaiaente *j>6s
alguns minutos.
Teria dado meted* da vida por-se ve^en
lao rodeado de sua faioilia.
Odelicado instp gana nunca. \ esp. sa de Escou 'presentira
a desgraga ; elle,. porera, cuidou que era
uma Iraqueza ridicula lomar em considera-
530 um presentiowuuo que. prevavelnaaote,
na stgnificava rnais do que a. dor prcduzi-
da pela separagao-da pessoa amada.
Esou ter-se-bia salvado se estivesse aotre
a sua familia, porque talvez ans assaswnos
nao fosse dada cecasiao para oommetterem
o crime.
0 infeliz seniio-se tao commovido,. que
Ibefugiram dos-olhosduas lagrimas.
Eram as phmaiaas que haaia derrMnado
aa idade vinl.
Tambem dsviam ser as ultimas.
Com voz suffocada prouuuciou os. nomes
desua esposa edo seus filhos-
Para se djatrabir, para ver se mudava de
pensamentos, cbamou o ciado grave e cui-
dou de mudardo roupa ensqpanto lhe pre-
paravam a ceia.
Apezar disto, a palavra soledadc sahio-
lhe dos labios mais de uma voz.
E sozinho havia de mower.
Entreianto, Ricardo Graid, porque este
era o verdadeiro nome da.que se apresentou
em Madrid com o de Gileu, faaia a segun-
da visita a Martha.
Olhar profundo, abrasador, irresistivel, 'tarde, etHrava em Madrid, com graade a-
Desta s6 podemos dizer que tao myste-
riosa como era em Hespanha, tinha sido era
Londces, fallava pprfeitamente o inglez, as-
sim como outros idomas; mas nao era in-
gleza. Os seus antecadentes uinguem os cn-
uhecia. Gastava dinheiro como se fosse
senhora de uma grande fortuna, e era isto
quanto ao c-rto se sabia.
Duas boras depois abrio-se a porta de
uma pobrissima cast da rua de S. Miguel e
sahio um homem que recatava o semblante
embugando-se na farta capa.
Esta cautela era escus^da no meio da es-
curidao daquella noite.
0 rebugado tomou pela rua da Hortaleza,
e ao chegar a Red de S. Luiz, parou e
olbou para a casa on le iMirtha vivia, con-
templando os raios do luz que se escapavam
atravez das fendas de uma janella.
Ob I exclamou com voz surda. Abra-
za-se-me o peito, a minba cabega vai re-
bentar... NSo estarei doudo?... Martha,
Martha 1 a tua alma e um negro abysm .i, o
teu amor e um inferno ; mas impolle-rae a
fatalidade, a fatalidade o quer assim...
Seja I
Affastou-se o cmbugado rapidamcote e
sumio-se entre as trevas.
Escusado serai dizer que era. Ricardo ;
notaremos, porem, que a casa de Martha
communi ava por um pateo com a da rua
do S. Miguel, assim como desta se podia
facilmente, e saltando um muro, entrar na
que era occupada por Escou.
Quando Ricardo estivera DJ sua pousada,
souberaque haviam cbegado, dous por cada
vez, quatro viajantesiuglezes.
Eram os seus instruments e complices.
Ill
A natureza e" caprichosa, porque aftnal e
nrulher, e costuma sorrir quando mais cbo-
ram os aobres mortaes ; veste-se de gala
3uando se cobretn de luto muitos desgraga-
os.
Assim sjccedia na noite de 6.
Era digno de oompaixao.
Ainda que se tivesse arrependid, nao
liiaseria possivel-recuar, pois qte a sua
vontade perdera todas as fjrgas.
Agitavam-se coavulsivamenle os seus
membros.
Tao depressa se sentia abrasado, como
experimentava o frio desconsolado-- da fe-
bre.
Pie meio daquella profunda eseu-ri lao,
bri!bavam os seus- olnos como dees pyri
lampos-
E, como o automate que obedece ao ma-
cbinismo, deixava-se levar por essa morbi-
da mao, por essa mio ardente que, apezar
da ssa belleza, reprtsentava entao a do im-
placavel destino.
Alguns minutos decorrsram. du.-an-te os
quaes s6se percebeu orumor produaiiJe pela
respiragaodaquellao seis pessoas.
Pararam.
Outra porta se abrio-, podendo avisia?-se
entao o nacarado clarao do astro nccturuo.
Anda, disse ema voi.
A pequena e suave mao, largou > do
mogo.
Esto,- com passo mal seguro, atravessou o
umbral daquella porta, e encontrouse
n'um-puqneno pateo.
Os seus complices seguiramn'o.
Enoostado ao muro, qoe era bsi?.c, e=ta-
va uma escata.
Rioardo disse aos ;eus companheiros i
Sabam, entrem e esperem.
DeflBarara ellescair aseapas, que so. lh"s
podiom servir do estorvo, e tiraram us pu-
n I ,;,:.
Sem articuIareKi uma syllaba. foram su-
bindo e desappareoendo do outro lado do
muro.
0 mogo naraorado tambem arremessou a
capa no chao.
Pide entao ver-se-lbe o rosto Undo
transtornado.
Era um dessss miseros costumados ao
crime, e que cbe'aram ao ultimo ponto da
depravagao ?
Neo, e antes pelo eontrario aquella era
a primeira falta que o infeliz coramtttia.
Houve um iastante em que hesitou espan-
tado ante o gnto da sua consciencia ; mas
apresenfou-se Martha, ainda que sombria e
terrivel estava formosa, arrebatadora como
nanca.
Oseu olhar profondo e fascinador envol-
volvia, pode assim dizer-se, o desditoso
mogo.
Se tiveres valor, disse ella, e?peram-
te os meus bragos, espera-te a minha alma
de fogo, omeu coragao...
Martha Martha I...
0 tempo corre e perda-se a occasiao,
interrompeu ella.
E pegou. na escada e aneostou-se a face
opposU do muro, dizendo :
Ate" logo, meu Ricardo.
esplendida cauda do riquissimo vestido,
co n sorprendente agilidade subio a escada
edesappareceu.
lim surdo rugido sabio do peito de Ri-
cardo.
Depressa, a morte ou a vida I excla-
mou fora de si.
E colocando a escada onde primeiro es-
teve, puxou pelo punbal e foi juntar-se
aos seus companheiros.
A lua era a unica testemunha daquella
scena ; mas a lua e discreta como o nao e
nenhuma creatura, e nao ha receio de que
revele o mais insignificante dos muitos se-
gredos que sabe.
Os cinco criminosos, pe ante pe e ouvido
attento, atravessaram o pateo onde estavam,
entraram por uma portinha, seguiram as
apalpadelas por um corredor, subiram uma
esc .da, deixaram apos si alguns aposentos
onde havia luz, e pararam & porta d'outro.
Aabavam de ver um homem que estava
assentado, com a cabega encostada a* pare-
de, a bocca meio aberta e cerrados os
olhos.
Era um criado, o unico que nao se dei-
tara.
Esperava, nada tinba que lhe occupasse
a imaginagao oadormecera.
Se chegasse a desportar, salvar-se hia
Escou, porque um grito era bastante p3ra
produzir o alarma e os complices de Ricar-
do nao ousariam travar uma luta.
0 uamorado mogo deu alguns passos,
poz-se ao pod) servigal, eemquanto le-
vantava o punhal, acenou aos seus com-
plices p*ra que seguissem.
Assim o fizeram sem o minimo ruido,
porque o dos seus passo3 apagava-se na al-
catifa.
Depois daquelle aposento atravessaram
islo suc^edeu em muito menos
torpo do que o necassario para o referir.
Os criinin. sos, aproveitando aquelles ins-
tantes so ; mas os servigaes, que meibor coobe-
ciam o interior da casa^sahirano-ibes ao eo-
contro n'wutros aposentos.
0* assasiinos, querecdo uns later e outros
fugir, and.iram de uma banda para outra.
perdenK> breve o tino.
Atigmfiitava a gritaria,
Rangerarn as portas e janellas doa editi-
cios p^gados, e no meio de tal ccafosao.
ouviose exciamar:
iim nome do rei !
Pe*urrMdos, f.tigados e sem poderea.
sequer respirar, os crimiiusos nem acerta-
ram a fenr os seus persp^otdores.
Ricardo peusou que o esperavam os-bra
gos de Martha, e quiz fazer o ultimo esfor-
to ; a^pareceraui, porem, uns poucos de
esbirros, c ua> asespadas ocas, e um alcai-
de agitando o bastao, que dizia :
Se foje um so que seja, maodo anfor
cal-os a to.los voces.
Nao pi!ia escapar os miseros, porqpe
no quarto undo estavam entJo, sd havia a
porta guarleda pelos aguazia.
Lutar era aggravar a situagao, a os as-
sassinos ontregaram-se.
Poucos inslirrte depois contemplavam c
cadaver de Escju cheio de Uridas e n'um
charco do sangue.
IV
A justice- averiguou facilmente que ot-
criminosos tiouais eutradu pela casa da rua
de S. Miguel ; mas ninguem desconfioa
nem por sornbras de que a mysteriosa Mar-
tha losse autora do crime.
Os quatro complices do name: ado moco
chamavara-se llcJsal, Percher, Sesart e
Armes, e tadua eiles deciararam que nao
tinham feito mais do que obedecer ao cba-
madoGilen.
Interrogado este, aceitou a completa ras-
ponsabi lidade uo crime, dizeudo que rece-
bera muitos beoeticios do rei Carlos, qoe O
amava ccmo a um pai, o quizera viogar a
sua morte. Aswgurou, aleuj disto, que
nilOtioha outros complices, Jem dos que
estavam em poler da justiga, e uma ve?.
que tinha conseguido o seu deSrjo, tspera-
va o enstigo traaquillamcnte, porque nao
lbe imporiava m<.rrer.
Sempre qua Im interroga-lo, respondeu
o mesmo, daadje provas d uma sereuidado
quasi incoiicobivel.
Em poucos d:as terminou o julgamento,
e os assssiuus foram senteai iadus a mor-
rer na forca e a serem es^uar;fjados.
Rttardo, corao chefe da quadrilbe da
assassiaos, foi posto em ca.eila separada, e
devia presencior a execugao dos seus com-
plices para que assim padecesse mais.
Naquello tempo, tal qual como agora,
permitua se a entrada na uapella dos rios a
quantas pessoas a solicitavam.
Ass-utado n'um banquinno, e presas as
maos e os pes com argolas, passou Ricardo
algumas horas sem qucrer ouvir os sacer-
dotes que seapresentaram, dizeudo que so
mais tarde quereria occapar-se da sua
alma.
Ato naquelbs instantes supremos pensa-
va na mulber que o tinha perdido, e a-
ma.va-a mais do que nunca, por isso mesmc
que la separar-se para sempre della.
Tambem padecia o iufeliz lormento do..
ciumes : a belleza de Martha e as ioexgota-
L tevantou, para que nao a estorvasse, afveis debcias do seu amor, senam para ou
tro bomem mais afortuuado.
Quuido nislo pensava o mogo, contrabia-
se-lhe a testa, ruborisava-se-lhe o semblan-
te, e o fogo da ira mais concentrada lbe il-
luminava as pupillas.
Estava if urn daquelles instautes d'arre-
batamento, quando appareceu uma mulher
vestida de preto e envolta n'um man to.
A enlutada descobrio o rosto.
Ricardo soltou um gritd, cuja signiflcagio
ninguem teria podido adivmbar.
Repentinamente mudou de expressao o
seu semblante.
Reconhecera Martha.
Iria ella salval-o .'
Isto era im possivel.
Queria dirigir ao mogo palavras conso-
ladoras, jurando que nao amaria nenhum
outro homem ?
la promett- r que o vingaria, como tinba
vingado o inf liz rei ?
Nao, porque nao havia sobje quem des-
carregar o golpe vingador.
Aquella mulher satanica, porque motivo
nao deixava em paz o que podemos cha-
mar sua victima T Porque nao o deixava
com a sua consciencia, para qua reconbe-
cesse o seu :rime, cm; a sua
alma ?
0 extraviado mo;o b.i.ia o os sa-
cerdolesqoe, -m nomedoOuniiji aente, iam
off recer-lhe o perdao, e esta a disposto a
oscular o demonio teutador, ,; s de
o ter perdido u'este mundo, o pr ii,ilaria
ao sbys no da coudemuaoao elerna.
Nervosa pallidez cobria ofeiticeiro sea*
blotto de Martha.
(Caataia.)
-
.


'
.

*;
YP DO DIAWO..-RUA L'UQUE UK UXU2