Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18613

Full Text
*>
ANNO L. MJMEKO 262

'p

r
f
J
h
t
.'
1
f
+r
r
y
-v
PARA A CAPITAL B MICIASBS OUDK Vt SB PAGA MITE.
for tres mazes adiantado*............... 69000
Por seis ditos idem................. 139000
Por urn anno idem................. S4JO00
Cada nume.-o avulso................. 320
DIARIO DE
SEGUMIA FEIRA 16 DE N0VEHBR0 DE 1874
PAAA DGMTBO B FBA DA PBvWINCIA.
Por tret mexes adiantados................ 09TM
i Por seis ditos idem................. ltHfO
Por nove ditos idem................. MEMO
Por am anno idem................ ITfOtt
MAMBICO.
PROPRIEDADE DE HANOEL FIWEIROA DE FAR1A & FiLHOS.
ArET%J
no Cetrf i Antonio de
9m tra- fterardo Antonio A!w4 Filhos.QO Pari; Goncalvea d Pinto, no Maranhio ; Joaqnim Jose" de Oliveira d Filho, no Oari; Antonio de Lemut Braga, no Aracatj ; Joio Maria Julio Chfei, no Assti; Antonio Marquee de Silvt, Ratal; Jon* Jastisa
Perftira a" Almeida, em Mamangnape ; Carlos Anxencio Monteiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Jose* Gomea.na'BUada Penha; Be'irmino dos Santos Bnlcio, em Santo Ant* ; Domingos Jose1 da Costa Braga, amSanrethi
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna : Joio Antonio Machaw, no Pilar daaftfacAt* t Alves d C.oa Bahia ; A. Xavier Leito d C. p Rio Janeira-
BgttWCM POrULAS
Elenaentos de pbysica
LIVRt) TEilCKIRO
Gazes
CAPITULO 1
MRDIDA DA PRESSAO AT&iOSPHERICA, BAROMETT.OS
Avaliaeao da pressao aimosphe
rica em Ktlasraramos. Uma vez die-
gadus ao pooto de utter u.ue, ua supt-rlkie da ter-
ra, os corpos suppor;a;n. da park) da at noaphera,
uma pressao igual a quo supportariam se fossem
^boerlos por uma omada do inercurio de 76 cen-
timetres de ailura, faei! c avaliar essa pressao em
4ilogrammos.
Com efkito, e considcrarmos primeiramente
uma superneie de 1 centimetre quaurado, e kigieu
qua essa superb" ie npporla a pressao de uma co-
lumna de mereurio de i centimetro quadrado de
t>ase-d 76 centimetres do altura. Dividindo-sj
essa columna em 76 paries iguaes, cada uma de I
centimetro cuoico, sea volume sera de 76 centi-
inetros eubicos ; porlanto a sua pressao sera
lantas vexes 76 quaulas votes mais pesadj for o
mereurio do que a agua.
Ora, ja viuios que 1 ceu'.unetro cubico d agua
pesa 1 gramma, e, como o morcurio e 13,6 vezes
uiais pesado do que a agua, segue se qua 1 centi-
metro cubico de mereurio pesa 13,6 grammas.
Por coosequencia' a c duuiua de mercuno de 1
centimetre quadrado do base e de 76 centimetres
de altura pesara 76 vezes 13,6 grammas ou 1 ki-
l-tgrammo e 33 grammas; de onde se eonclne que
ewe mesmo e o peso ou pressao almospberica so-
bre nma superlicie de I centimetro quadrado
Sobre 1 decimetro quadrado, que equivale a 100
enlimsiros qnadrados, essa pressao e 100 vezes
imior ou 103 kilogratnmos e 300 grammas, e so-
bre t metro quadrado. que vale 100 decimetres
.^uadrades, e ells de 10,330 kilogrammos.
Essa pretsio de 1.033 grammas, para cada cen-
timetre quadrado, e desiguada pelo noine de pres
tvo de uma atmosphera ; e enleode-se por pres-
sao de I, 3, i, 5 aimospheras uma pressao igual a
2, 3, 4, 5 vezes 1,033 grammas.
Quando se diz, por esempto, qoe nm certo gas
oa vapor, contido n'am reservaterio fecbado, esla
na pressao de seis ahnospberas, quer isto dizer que
esse vapor ou gaz, em virtude da sua forca expan
siva, exerce sobre cada centimetro quadrado da
fiarede interior do vaso, uma pressao equivalent"
a seis vezes 1,033 gramuas, isto e igual a C, k.
198 grammas. '
Cxpcriestcias de Pascal. Logo que fei
.-Abida em Fr;io;a a cxperieucia do tube do Torn
ceili, Blaise Pascal, quetondo venacar se era com
"fieiio a'pressao atmospherisaque susliobao mer-
eurio no tubo, fex as duas segumtes experien-
eias:
i.* Alin de verificar S0j diminuinde a pressao
aunospnenca, dimmui^ Uimbem a altura da co-
'amna de mercuno, Pascal pedio a urn de sens
{.tareotes, que morava do Auvergue, qne repetisse
a experiencia de Torriceili no alto da montanha
de Puy de-Done.
Assim praiicou elle, e obssrvou que a roedida
que se elevava, decrescenuo e pe^ da atmosphe-
ra, pois que o observdor liaha acima de si uma
massa de ar meoos cousid^ravel do que no pe da
uontanba, abaixava-se meraano no tubo, no en-
tanto que alii se elevava a oisdida quo o cbserva-
dor descia para o pe da montanha.
D'ahi, pois, se concluio qua era roalmente a
[jressao atmospherica qne fasia subir o mereurio
i,o tubo.
2.* Ui^se ainda Pascal, no intuito de verifkar o
lacte, que se era realraonJa a pressao atmospheri-
ca, que sustinha o murcuno no tubo, enao uma
jiropriedade particu.ar a essa liquido, mudandose
de liquid >, devia se obter altoras tanto maiores
quanto nienos densos fossem os liquidos emprega-
dos, pois que era isso u'ister para que no interior
do tubo fosse a pressao coatantemaat6 igual a
pressao exterior da atmosphera.
l'or cunseguinte fez elle em Ruao. em 1616,
e.'t'outra experiencia: lomoa um tubo ,eroelban.
le ao de Terricelli; mas de 15 metres de com
pnmenlo, e, tendo-o enchido de viaho, e collocan
do-o sobre um vaso chcio do mesmo liquido, ob-
servou-o. Vio entao o vinho descer ao tubo ate
deter-se na altura de 10 metres e meio, isto e, ate
uma altura cerca de i* .ezes maior do que a do
mereurio.
Dabi concluio elle que o facto era verJadeiro e
a experiencia do Torricelli coneludente, por isso
que o vinho era e 4 exactamente cerca. de li ve-
zes menos denso do que o mereurio.
(Coiit'tiuar-se-haj
maud Die do 9.* batalhae de infantaria, dos objectos
necessarios aescela regimental, no 2. semestre do
corrente anno, de conforimdale com a labulla pu-
blicada na ordeui do dia a. 253, de 20 ds abrii de
1861.
2' serqao.
Actos:
O presidente da proviocia, a vista do otflcio
do Dr. chafe de policia, n. 854, d? houtem datado,
resolve considerar sem effeito a njraeaQio de An-
toaio Carles Cavalcante de Albuquerque para o
cargo de 2* supplente do subdelegado do 1* dis-
tricto d<> lenno da S;cada, por nao ler prestado
juramento.
- 0 presidente da provitfeia, de confermidade
com a proposta de Dr. chefe de policia, em offlcio
n 854, de hentem datado, resolve nomear oara o
cargo de 2* supplente do subdelegado do 1* dis-
trict do termo da Escada o 3, alferes Alexand e
da Metta Cause, e para este lugar que flea vago, o
alferes Tiburcie Valeriauo Baptista Cesta.
OiDcius :
Ao de-embargador procarador da coroa e
soberania nacieual. -Com aposatvel brevidade dig-
ne-se V. S. de emiltir seu pare-er sobre a inclu^a
peticao de Firmino Evaris" Ribeiro Varejao, na
pane em que o roesme se queixa da suspen.-ao do
oQlcio de selicitador de causas, oMenada pelo juiz
municipal e de orphaes do termo do Cabo.
Ao coramaadante superior da guarda nacie-
ual do municipio de Cabmbo e Exii. -Em respos-
ta ao dfllcio de V. S., de 26 de junho proximo pas-
sado, censuHaodo a quern.deve pas-ar o exercicio
de seu cargo, uma vez que o decreto n. 5,573
supprimo os chefes de estado-maior, teoho a di-
Zer-lhe que o mesmo decreto nao alterou a ordem
da substitu-cio nos impedimentos desse commando
superior. Assim devera V. S. passar o respectivo
exercicio ao official mais a' tigo e mais graduado,
na furma da lei.
Ao juiz de direito do 4 distneto criminal.
Alim de se cumprir o aviso do mim-terio da jus-
uca, de 14 de marco ultimo, remetta-me Vmi. in
formacoes circumstanciadas a respeilo do processo
instaurado por crime de fabrico de moeda falsa
contra Jacob Te Keck, JeSo Evangelista de Cistro
e outrjs, como ja foi solicitado em 18 de abril
proximo findo.
Ao juiz de direito de Tacaratt'i. 8m respos-
ta ao seu offL-io de I de maio flndo, cabe-me de-
clarar a Yrnc. que Gco inleitade dos motivos por
que nao foi cassada a norae igao do promoter inte-
rino, a que se referio a ordem desta presidencia,
de 29 de maie Je-te anno, e que sendo validos os
actos por elle praticados bona fide, sio-lbe devidos
os vencimentos de cargo durante o tempo em qne
o exerceu.
Ae commandante do corpo de policia. -Ten-
do resolvid", em vista das ponderacoes do briga
deiro commandante das annas, que seja invertida
a ordem do servico das rondas, ticando a cargo da
tropa de linha as de seis horas da tarde ate rasia
mute, e sendo prestadas as dessa hora ate e ama
nbecer pelo corpo sob seu commando; assim o
communtco a Vine, em additamento ao men officie
de huutem, a lira de que ueste seutido dfi as cen-
vcnicutes ordons.
Ao mesme.urdene Vmc. ao commandante
do destacamenle de corpo sob seu commando, exis
teute em S. Lourenco da Malta, jue faca racolher
immadiaumente a esta capital 5 pracas, e bem
assim ao de Penta de Pedra, que faca tambem re
colber 4 ditas.
Ao mesmo. -Ordene Vmc. a j commandante
do destacamente desse corpo, existente na cidade
tori-ado os vencimento' das pracas de guarda na- jeaSat CI>aino a atten;a> da illina. camara para
" esta cunside.-acoes.
5.* WC(*0.
Icios :
A<> eogenbeire chefe da reparticao das
obrai pu!rovV o ter.nj de coatracto
;opia me fei rem^gJ por Vine, com see
ie hentem, sob n. 9V*. celebradn n-s'a re
cional dexiacidas nx villa de Potnoiina, duraote o
nez de m.no ultimo, seguudo solicitou o respe
etivo eommandaate superior, em offlcio datado de
20 de juohe linde.
ao mesmo. Para os fins convenientes com-
munico a V. S. que, em 30 de j untie proximo pas-
sade, assuiuio o exercicio pleno das fumr^-M de
juiz municipal de Floresta c respectivo 3* supple* parNeao com dun K-n.le Doinbre para servircemo
te Jcse Genus Torres.
Ao inspector do thesouro provincial. Net
termos da sua infermacao de 6 do corrente, sob
u. 231, autoriso Vmc. a mandar entragar ao Dr.
Joaqnim Correia de Oliveira Andrade, 1* stcrela
rio da assemble il egislutiva provincial, a qu^niia de
1:600* destinada pela lei do orcameuto vigeute
para o expedienle e asseio da casa da mesma as-
semblea.
Ao mesmo. A' vista, da ioclusa folha man
de Vmc. pagar a import a 2 seutenoados existeates no calabeuco do quar
tel do cerpe de policia. e empregados no service
da fa bin a, no semestre de Janeiro a junho desle
auno ; couforme selicitou o commandante do cor-
po, em olDcio ie 14 do current? sob n. 291.
Ao mesmo. Remetto a Vmc. o certiflcado
incluse do eogenbeiro em cnefe das obras publican
para que mande pagar a Severiane Monteiro Leite
a quaolia de 66*0, imporlaocia da preslacao de
responsabilidade a que ttm direito.
Ao mesmo. Communico a Vmc. para os
6ns convenient s qne se acha exercendo o lugar
de thesoureiro da Santa Casa de Miseric >rdia o
mordomo Libanio Caudido Ribeiro, em substituicao
ao major Laurentino Jos6 de .Miranda, que se
ausentou desta cidade por espace dn um net,
guodo participou o respectivo provedor, em otH;io
de 14 do corrente, sob n. 26.
Ao mesmo. Maude Vmc. pagar aos arre
raatantes da estrada do uorte Tbomaz de Carvalno
Soares Brandao Sobrinho e Dr Joao Cavalcaote
de Albuquerque a quanlia a que tain direito em
vista do incluso cerlilicado do engeabeire em
chefe das obras publicas, na conlormidade do
parecer fiscal a que se reporta Vine, em sua in-
hrmagao de 15 do corrente, sob n 293, coin a
qual me conformo.
Ao mesmo. Remette a Vmc. para seu co
ubecimento e fins convenientes. copia do termo de
contrato celebrado pela reparticao das obras pu
blicas com Louis Emile Demble para servir como
eugenheiro auxiliar das obras do 1* dittricto, de
confermidade com as disposicoes cemplemeula-
res do reg. da referida reparticao.
4.' secqito.
Actos :
0 presidente da provincia, autorisado pela
lei provincial n. 1,143 de 8 de junho proximo pas-
sado, resolve supprimir as seguintes cadeiras de
sexo mascnlino:
Praia dos Carneiros, Propriedade, Tacaite, Man-
dacaia, Peg.) Fnndo, Varas, Sao Vicenlfl da Serra
dos Vealos, Tabeca>, Sao Joao do Arahpe, 2* Ca-
delra de Ploresta, (Mho d'Agua dos Bredos, Assu
rema, Sanbaro e Carahj has. -
0 presidentH aa-'prcvincia.'-anC'-iisado pela lei
provincial n. 1,1*3 de 8 de junho ultimo, rrselve
supprimir as segumtes cadeiras do sexo femeniue:
Gravala de Jaburu e 2' de Afegados de luga
seira.
0 presidente da proviocia, tende em vista o
officie do proved ;r de Santa Casa de MUsericordia,
de 26 de junho proximo Undo, sob a. 972, resolve
que se addicieuo ao regulameute
de servico mer
de Olinda, praQas, regresse o mesme destacamento para esta ultimo, as segumtes disposicoes.
mn offiohl
di*vero da
provincia
KIPBMEXTE DO DU 17 DC JL'LHO DE 1874.
J.* secgao.
Aclo :
0 presidente da provincia, tendo em vista o
termo de exame annexe por copia ao offlcio do
inspector inierino do arsenal de marinaa, de bon-
tem datado, sob n. 74, do qaal consta haver lu-
men Pita del Pol prestado exame, na conlermida-
de do art. 3.* do ragalamanto que baixou com o
decreto n. 1,324, de 5 de fiverciro de 185i, e ob-
tido approvacao nnanimo para servir o lugar de
3.* maetunista da barcas a vapor, determina que
ao examinado se de' a competente carta de habili-
tacao, ua conformidade do art. 5. das iostruecoes
annexas ao docreto n. 2,830 de 2 de junho de
I860.
Omcios:
Ao Exm. brigadeiro commandante das armat.
Tomando em considerate o que no offlcio desta
data, sob n. 564, pondera V. Exc, relativamente ao
Baerideio qne resnlla para a tropa de linha o fazer
as rondas da meia noite para o dia, providencio
nesta data para qua seja invertida a ordem desse
servico, passando a serem prestadas pela ferga de
linha as roudas das seis horas da tarda ate meia
noite, e pelo corpo de policia as dessa hora at6
an amanbeoer.
Ao mesmo. Com ainelusa copia do pare
cer da couladoria do fa;ju^a, u quu s^ rete respectivo inspector em sua iaformacio de i6 do
r rrenie, sob n 67, serie K, rcsponlo ao offlcio de
V. Exc, de 7 desta roez, sob n. 535, incluindo
wutro em que o coairaanc!a3W_ da^companbia de
cavallana pede ama coasiguacao ra/asal parafser
applicada a compra do medicamenlos dastiuados
ao curativo da cavalbada.
Ao inspeeler do arsanal de marinba.Tendo
nesta data, a vista do termo de exame annexo por
copia, ao sea offlcio de bontem datado, sob n. 74,'
mandade passar a Ram en Pita del Pol carta de
habilitate para servir o lugar de 3. machinist!
de barcas a vapor; assim o communico a V. S.
em reposta ao citato offlcio.
Ao capitao do porto.Concedo a ant risacaj
qne V. S. solicits era ?eu cffl:io ds houtem datado,
sob a. 59, para mandar encaderoar oMversos volu-
mes do- ultimos relalorios do miui.-terio da man-
naa, colleccoes cie leis, alnunaks e offlcios desta
presidencia, reiatuos ao anno de 1873.
Ao director do arsenal de goarra.Mande
Vmc. satisfacer o iaelaso pedido, qne faz o com
capital.
Ao mesmo. Ao sargeuti da guarda local
de Jaboatao, Sebastiao Raymundo Camiaha, man-
de Vmc. fornecer 10 arnas con o competeute
cerreiame e fardamento para 10 pracas, corres-
pondent a um anno, except" calcado e gravata.*
Ao mesmo.Ordene Vmc. ao commandante
do des acamento do cerpe s b seu commando,
existente na villa de Limouiro, que apenas estive-
rem alii engajadas 10 prr^as da gnarda local, re-
gresse para esta cidade com todo o seu de-taca
meute; expedindo Vmc. igual ordem ao de Seri-
uhaem, apenas contar a raesma guarda 5 pracas,
ao da Victoria 10, ao A* Bom Jardim 5, ao de
Itambe 5, ao do Cabo 7, aj de AguaPreta 6, e fi-
nalmente ao de Jaboatao 4.
ii.- secgao.
Actos :
0 presidente da provincia resolve exonerar,
a sea pedido, Jose Mariano de Holland a Falcao,
do lugar de esenva > da collectoria provincial do
municipio de Bezerros.
0 presidente da provincia, atlendeado a ia-
formacao do contador da thesouraria de fazenda,
a que se refere o offlcio do respectivo inspector,
datado de hoatem.sob n. 60, serie H, resolve abrir,
sob sua responsabilidade e nos termos do decreto
de 1 de feverelro de 1862, o credito de 2:138*067
a verba -Eventnaesdo ministerio da guerra no
exercicio de 1873 a 1874 para occorrer a diversas
despezas propnas da referida verba, e que so
acham enumeradas na demonstracao que acompa
nhou aquelle offlcio.
Offlcies:
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Trausmilto a V S. para seu contiecimeoto e tins
convenientes, a ioclusa portaria, por copia, pela
qual resolvi abrir o credito de 2:138*067 a verba
Eveotuaesd> ministerio da, guerra no exerci
cio de 1873 a 1874, ha conformidade da informa
raoe demonstracaio da con laden* dessa repanicae.
a que se referio V. S. *ra sen offlcio de houtem
datado, sob n. 60, serie il.
Ao mesmo. Remetto a V. S. os inclusos
prets em dnplicata, para que mande pagar ao ca
pitao Francisco Antonio Pereira de Barros ou ao
seu procurador, Flavio Gongilve- Lima, os venci-
mentos das pracas da guarda nacional destaeadas
durante os mezes de maio e j untie, em Campiohos,
do termo de Tacaratti, segando solicitou o respec-
tivo commandante superior, em offlcio datado de
2 de corrente.
Ao mesmo. Para os fins convenientes com
munico a V. S. que em 13 do corrente tomon pos-
se do cargo de juiz muuicipal e de orphaes do
termo de Panellas, o bacharel Fernando Affbnso
Ferreira.
Ao mesmo. Para os fins convenientes" com
munico a V. S. que nesta data abobei as faltas de
exercicio do promoter publico da comarca de Ou-
ricary, barharel J)e Lenndro Dantas Sena, a con-
lif de 1 j a 23 de juane proximo undo
Ao mesme. Tendo nesta data autorisado o
capilio do porto a maudur encaderoar varioi vo-
lumes dos relalorios do ministerio da marinba,
colle^oes de icis, almanaks e offlcios dcsla presi-
deuoia, reialivos ao anno de 1873 ; assim o com-
munico a V. S. para seu conbecimeuto e direccao.
Ao mesmo. Transmuto a V. S., pa a os fios
c-nvtuienies, as-inclu-as conlas da receita edes-
peza do hospital militai, concernentes ao mez de
junho proximo passado, bem como o parecer da
junta da inspeccao qne examinou ditas conlas, uos
termos do aviso de 29 de dezembro de 1861.
Ae mesmo. -Maude V. S pagar a Alexaudre
da Silveira Lima Veneno a importaocia de 50 i,
como remunerate de trabilho que leve co u os
desvalidos atacados da variola e sarampo na fre
guesia de Craangy, o que devera f izer sob res-
ponsabilidade desta presidencia, caso nao haja
crwiilo aa verba respect! va.
Ao mesmo. Na conformidade da folha e
pret em duphcaia, que incluso remetto, mande V.
S. pagar a qnem se moslrar compelentemente an-

Art. I." Iacerrera na multa de 100 ?. e de 2U0
na reinoiileocia, qualquer pessda que fizer o ser-
vice uiorluario e de carros fuoebres; offrfodeade
assim o privilegio transferido a Agra & C, pel -
respectivo contrato.
g"Uuico. A multa sera imposta pelo mordomo
eocarregado de inspeccioaar esse ramo de service
ao dono do carro ou do estabelecimcnte, o qual
podora recorrer para a presidencia deulro de pra-
zo de dez dias contados da inlimagao.
Art. 2* 0 producto de laes multas revertera em
beaolicio da Santa 'Jasa de Misericerdia.
E manda que neste seotido se t'aca as devidas
communicacoes.
0 presidente da proviucia, sob proposta da
IHma. camara municipal do Recife, ceostanle de
offlsie dell do corrente n. 63, resolve, na confer
midade do art. 2' da lei de 25 de outubro de 1831,
approvar provisoriamente e mandar que se execu
te e observe o artigo de posluras, abaixo traus-
cripto :
Art. I'E' prohibido tocar em objeclo algum
dos jardins publicos, tirar Qores, sementes ou parle
alguma dos arvoredos ou da.nnili-al-os per.qual-
?uer forma: os infractores sera) raultados em
0 > e tres dias de prisao e obrigados a indemnisar
o damno causado.
unico. i\as mesmas penas incorrem aquelles
que por qualquer ferma damnificarem as arvores
planladas nas ruas e pracas, uu as gaiolas que
as protegem, quer estendendo roupa sobre elia,
qu r amarraudo animaes, quer lani;ando-lhes
qualquer substancias, que as pessa prejudicar.
Offlcios :
ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
-Fico inteirado pelo offlcio de Vmc, de 14 do
corrente, sob n. 26, de ter sido nomeado o mor-
domo Libanio Caudido Ribeiro para sub-tituir no
lugar de thesoureiro dessa Santa Casa ao major
Laurentino Jose de Miranda, que se ausentou
desta cidade por espace de um mez.
Ao juiz de paz presidente da junta qualifi.-
cadora da freguesia de Alogados. Devolvo a co-
pia da lista dos cidadaes voianlcs qualificados
nessa freguezia, para que Vmc. faca desapparecer
a irregulandade nella existente, juntando a copia
da acta da forraarao da junta quahficadura, con-
forme determina o art 21 da lei de 19 de agoslo
de I s 16, e avisos de 15 de marcn e 26 de abril
de 1847. Cui/ipre tambem, de accordo com o dis
posto no art. 24 da lei citada, que cada folha da
referida lista seja assignada por todos os membros
da junta.
Ao Sr. Joao Baptista Gomes Penna. Agra-
deco o offerecimento feito por Vmc, constante de
seu offlcio de bontem datado ao qua! respondo.
Portaria :
A' lllma. camara municipal do Recife.
Accuso recebido o offlcio da III ma. camara muni
cipal do Recife, de 11 do corrente, sob n. 63, sub-
mettendo a approra^io pr*visorla desta presiden-
cia duus feltigua de pesiura-, o resiirnde, enian le
copia do act > desta data, quo appr.va o primeiro
dos rcferidos artlgos. Quanto -ao segnndo, que
mpofl a mudanca dentro do praso de neve moze-,
das cocbciras de carros funebres e de pa>seio,
assim como das serrarias e ferrarias existeates
na rua do Imperador e no caes da 22 de uevein-
bro, nao pode esta presidencia re solver sem que
a lllma. camara designe o lugar para onde devera
ser transferidos taes estabelecimentos Releva,
entretauto, ponderer que, sendo a ma do Impe-
rador nma das mais arejadas e largas desta cida-
de, e achando-se localisada mui proximo a s cSes
o que facilita aquelles estabelecimentos promptus
meios de limpeza e boas condicdes de hygiene, pa-
rece inconvenienle a mudanca detles para outra
rua, que nao se ache em igualJade de circam
stancias, Accrece^|ue a.rua de Imperador esla
situada n > ceatro da cidade e tendo uma das de
maior moviraento sob qualquer relacao sem Ihan-
les estabelecimentos alii offerecem ao publico mais
facil obiencAo de commedos, qne nao se deve dif-
ficultar, maxima em uma cidade populosa como
engenheir" auxiliar das obras do 1* rtistricto, de
coaformidade cem o art. 17: das disposicoes comple
mBtari':-. do respective regulameote.
ao presidente da ju-itade quilificagao de es
eravo* da Escad iDeelarando ma o juiz munici-
pal fl^aeorphAo* desse termo, em offlcio de 14 do
connate, qne ate esta data nao recebeu ainda o
livro da c!a-sille,acao da escraves, r^laiivo ae auao
proximo passado, e de qne trata o art. 33 de res-
oectivo regiilamento, apnrovado pelo dec eto n.
5135 de 1872, provideocie Vmc. para que taes
disposicieds de lei tenham inteiro cumprimento.
BxreMaKTg uo skcretario.
1'. s.-crao.
Offlcios :
A<> EsiU. brigadeiro oiniinn lante das ar
mas. -S Eve. o Sr. presidents da provincia tenltfj
nesta aVta autorisado o loruecimeoto de_ objectos
pedido^ pel) commandante de 9* bitalnao de in-
fantaria, para a escola regimental uo 2* semestre
do corrente anno, assim o manda declarer a V.
Exc. wn resposta ao seu offl rio de hontem daialo,
sol. u." sag.
io mesmo.Da orde n de S. Exc. o Sr. pre-
sident* da pnvincia, communico a V. Exc. em res
p -ta ao sen officie datado de 7 do corrente, que
aegutid) a li.tonnacao da th-sourana de fazenda,
fei atiero tun credito a verbaEventuaes do
miuisWrio da guerra, coin o que bcou aquella
repa'iiei. hShilitada a pagai os vencimentos dos
capella.'.-. das fertah'/.as.
2' secgao
Offlcios :
Ao commandante superior de Tacaratti.-De
ordem de S Exc o Sr. preiideaie da provincia
c immunic a V. S para oj tins convenientes, qu*
nesta data maud m-se psgar os vencimentos das
pracas de guarda nacional destaeadas durante os
metes dc mile e j mho no quarteirao de Campi-
ohos ; na confermidade do seu offlcio datado de
2 do corrente.
Ao commandante superior dos municipbs de
Boa-Vista e Ouncury5. Exc. o Sr. presidente da
provio'ia.nianla commnnicar a V. S. para os fins
convenientes, que per ofHcio d'esla data actorisou
a rtiesonreria de fazenda a pagar os vencimeotes
das pracas de guarda nacional dstacalas durante
o mz de maio ultimo na villa Petrolioa ; na con-
formidade dos pret' que V. S. remetteu em seu
offl -ao datado de 20 de junho flndo.
Ao presidente de cense the da revista da
da guarda nacional de Fleresta 0 Exm. Sr. pre
sidnoK: da provincia manda accu-ar o recebimento
do offlcio de V. S da 13 de corrente, comrnunieau
do haver na mesma data o eonselbo de revisao da
guarda ntcional d'gsse municipio encerrado us
sena-lMrbalhos. ._ v .
Ao jiiiz municipal e de orphaos de Pa<
d'Alho. 0 Exm Sr. presidente da provincia
manda aecusar o recebim-jnte do offlctode V. S.
de 13 do aorrent*, commiinicanloha ver na mes
ma data tornado posse do seu cargo.
Aojuiz mnor.loal suppleaie do termo de
Floresta.0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda a;cusar o recebimento do offkio de V. S.
de 3 de juohe proximo flndo, commuoicanl > haver
na niesma data assumido o exercicio pleno das
funccoes de juiz municipal d'esse termo, como 3*
supplente.
\o adjnnto do promoior publico em Ipejuea.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda de-
clarara V. S. em nwpe*la ao seu offlcio de 11 io
corrente que em 15 desta mez feram remettido*
ao Dr. juiznvanteipal d'esse termo alguas, tubos
de pus vaccinico e uma carteira de niedicamentos
hemeopaticos apropriados ao trata "ento da vario-
la, tende assim providenciado no seotido que soli
cita V. S. em seu" meuclouado offlcio.
Ae commanle do cerpe de policia.-S Exc
o S-. presidente da proviacia manda eomraunicar
a V. S. que, por offlcio i'esta data, dirigido ao the-
souro provincial, mandouptgar a imp irlancia abe-
nada a 3 sentenciades empregados u>> servico da
fachina^'esse corp >, duranle o semestre de Janeiro
a junho desta anno, na coofer -idade do seu offl
cio de 14 do corrente, sob n. 291.
3.' secgao.
Offlcios : _
Ao inspector do thesouro provmcial. De or-
dem de 5 Exc o Sr. presidente da provincia com-
munico a V. S. para os fins convenientes, que por
offlcio d'esta data dirigido ao thesoureiro das lote-
rias mandou-se entregar a Fr. Veaaneto Maria de
Ferrara o producto liquido da parte da lotana ex-
trahida em benefiei das obras da igreja de N. S
da Penha, e declarou se que o recibo da quantia
seria recolhido a essa reparticao por occasiao da
prestacio das respectivas conlas.
4." secgSo.
Offlcio: .
Ao 1 secretario d i assemblea provmciai.-n.
123Tendo o Exm. 3r. presidente da provincia
autorisado nesta data o inmector do thesouro pro-
vincial a maodar entregar a V. S. a qu ntia desti-
nada pela lei do orcamenlo vijente para o expe-
dienle e asseio da casa da assemblea legislativa
provincial, assim o comrauoico a V. S. para sen
conhecimento e em resposta ao seu offlcio de 18 do
mez flndo, sob a. 47.
5.' secgao.
Offlcios :
Aoengenheiro fiscal d companhia de tri-
Ihesurbanos da Recife a Olinda e Bebenbe.-S.
Exc. o Sr. president da provincia manda commu-
oicar a V. S. qae fica inteirado de haver assumi
do o exercicio inierino da gerencia de-sa estrada
de ferro o Sr. Joto Joaqnim Alves, em.substituicao
ao major Laurentino Jose de Miranda, que segut-
ra| para a corte.
Ao gerente interino da companhia pernam-
bucana.-S. Exc. o Sr. presidente da provincia fl-
ea inteirado de que essa companhia expedira no
dia 22 d* corrente para os portos do aorta ate*
Acareai o vapor Gt^uid. Assim julg ter rcspon-
pido offlcio de V. a. dalado de le de.te mez.
zittnc acini chczon.ea vlazena para
Madrid.
^S^^^\ "%i \^^^s
Madrid 13. As fori-aw do govrmo
pcrni'ifui-m os carlitisaa. tendo antei*
liueitJiwta -imzeuias awnr perlwr
eenles aos |artidario dos canta-
tas.
Rio de Janeiro II. ntoniem aqiai
chegoa o puqaete ingles, da linlsa
do i'iicillco. MEM A, e sabio koje pa-
ra o sul t tambem ehexaram o pa-
qaete brasilniro I'AH.iX 1. e o vupur
inales KEPLEH. KaUiram lioj- pnra o
sul os vaporcx frnnci'SKS HI') t.:.'M.Y-
DK e II 1-:\M IV, e brasileiro AMXu<.
Bataira 1-1. -Cbetaram li>j<> aqiii
o vapor inglez COPEHUICUS, e o patftie
te lirasili'ire GEAR A. seauindis este a
tarde para o Rio de Janeiro.
XOTICI.IS COMMEItCIAEM.
l.onilri's IS. -Continua a tres e
cinco oitavos a laxa do desronto
na |irai:.i. Consolidados de 3 O/O.
FOR ACCOUNT a V3 IS. FuiidoN Itrastilei-
ros de S O/O. do anno de 1H05. a :.
Cafe i transaceoes rejulnres s pre-
cos mui if flrnaes s no leilao dc loj'
venden-se o lavado do Rio de OH a
105 s. por cwt. Assuear t Iransae
coes rt'sularex i precos mui to Br
mes : o mascavadit bom de Pernam-
hunt n. H a 99/ por CWT.
Liverpool S3.Algodiio t trunsne-
rSes regulares t preeos tlrsnes ;
vendeiam se heje ojuaturse mil far-
diiH, sendo dons mil e duaentos de
procedencia da America do Mui t
0 fair de Pernambueo e de Santos
1 f/S d. por libra. Assuear i trans-
aceoes resulares ; precos urines ;
o amerlcano bum a S3.tt. o masca-
vado pursado SI/, e o mediano. de
Maceld S3/3.
Antuerpla 13. -Cafe s ealmo i pre-
cos Acmes Inalterndos.
" Havre 13. -Cafe : transaceoes re-
sulares I precos muit<> Arsses. Al
tioiliio : anlmado t precos Armes.
Haiuburgo 13.Cafe : transaceoes
rcKulares t precos mui to Braes.
Marselha 13. Cafe: transaceoes
regulares ; precos suuito Arnaes.
Assuear : de Pernambueo SB fran-
cos por SO Icllosrs.
New-York 13. Cambio sobre Lon-
dres itB I/S. Ouro UO 3/4. Cafe i
calnio s precos Armes inalterados ;
o do Rio fair 19 1/4. e o good IS 1/S
cents por libra. Algodao: mediano
rpLAKDs 14-S/4 cnurs por libra;
rhegadas dc lioj<> aos portos ame-
ricanoH elevaui-se a vinte e oifo
mil fardos.
Rio de Janeiro 14.-Cambio sobre
Londres SO I/S d. bancario. Cam-
bio sobre Paris 3GO r-is por fran-
co.
Bahia 14.Cambio sobre Londres
SO 3.s d. bancario, SS 1/S a 3u r./s
d. particular. Cambio sobre Paris
350 re is por franco.
ESTATIST1CA COMMERCIAL.
Liverpool 13. .Vlsodao : o deposi
to total e de quinbentos cincoenfa
e cinco mil fardos. sendo oitenta e
novc mil de procedencia brasilel-
ra s dsiraute a scmaua venderam-
se noveafa mil fardos. dos qnaes
quinze mil de procedencia braasi
leira; a importacao da semana foi
de cincoenta e seis rail fardos. sen-
do quatro mil do Brasil.
(AGENCIA AMERICANA.)
Liverpool 13 de oovembro. -Algodao :
o mercado esld firrne, as venias de proce-
iencia brasileira montaram hoje a 2.2 Oo
fardos, as >JOtaQ6es foram : Pernambueo
7 7/8, Parahyba 7 1,2, Ceara 7 5/8, Bahia
7 1|4, Msranhao8 !i8, Macei6 7 15[1G.
Havre 13.Cafe : mercado inalterado.
Algodao:
Hatnburgo
Para 14 a> 2 h. e 45 m. d t. A TRIM -
NA insults desbracadamnnte so rei da Por-
tugal, ao ministerio porluffupz e guaroifao
da corveta portugueza SAGRES, chegada
aqui ultimamente. Sahio psra Liverpool
pelo Maritnh&o e Ceara o rapor roi l.IS-
BOSEXSE.
Rio li as h da t. Cambio sobea
Londres 26 1|2 bancario. 26 t|M o 26 5|S
particular. Noticii oOi levicli'-.) diz que fora pr^so em Meiidou ua
official cliileno, c que seaiflliiiilo prisao de-
ra causa a que a B"SnJasa em Buno*-Ayri
se .-ipresenU-se tumulttiosa e vociferaodo as
purtas da legarao do Chile, e arrancasse vio-
lentnmKntu as annas dsquella republic*,
que alii havinra.
Pans 14. A assemblea permanento in-
n-rp-llou o governo sobre o augmento das
tarifis nos caminbos de f rro, sobre as elsi-
i;oes municipaes em Tolosa as perseguir>a-
feilas a imprensa e a iii'liii'-nm^a cosn que
vio os iiisullos feitos ao Sr. Thiers.
Madrid 14. Cheg a noticia de ter aid*
eompletamente dispersada a faccio Ga-
in undi.
Lisbon 15. Ch"gou,procedente do Bra-
sil, <> pnquele portuguez ALMEIDA GAR-
RET. Ssbio para IVrnainbuco o brigue
portuguez LIGEIRO TERCEIRO.
Cadiz 14. Sabio para o Ceara o OLI.\-
DA
Bahia 15 as 12 h. e4Sm. Cbegou do
Rio de Janeiro o vapor nacional COMDE
I/EU.
INTERIOR.
A reform* eleltornl.
A eleirao directa nenbum
parndo a tjuer, aem pode ser
a bandein de nm bunna
pro deals.
Ella prMippo> a reforma
ie uos poucos de artigos da
c.iu-lili;li;:'iii.
0 pnuieiro dos sen* effei-
tos e dar injut;i inflnenca
as suminnladus coalra a ma*-
sa ger.l dus votante*.
(Conselkeiro Zucharias, 1867)
A el-if in directa e a repre-
sentac.lo d.i barguezia, ex-
cluiado tola opovodeoto-
per. F.ii obra *na a revoln<;aj
fraiieeza de 181K
(CoMselheiro Msn\ 186*).
0 d Ds ( 'lar cx{iaosio e ampU-
tndc ao dirt-ito do snffrapio e
e a loclalerra danlo em IMS
o direitu do volo a classe me-
dia, e cbamando em 1866
rams de aou.< raillioes de ar
tistas para os eomicios ehi-
torae?.
Itepartictlo da policia.
!. seccao__Secret an a de policia de Pernambnco?
14 de novembro de 1874.
N. V&i.lll.is. o Exm. Sr.-1'articipo a V. Exc.
IM liunteai nio foi recolmdu a casa de detenjao,
iDdiviluo nlgnm.
N)dia2J do outubro fiudo, no Ingar Bitrnga,
do lermo do Tnumpbo, foi aasaasUiada ioao de
Sonsa e ferido Uidoro de S^uxa, sendo autores
desse* crimes Manoel Ignacio, Gabriel de tal e Ma-
ooel Cordeiro, os quaes ograram evadir-se.
0 res ectivo delegalo proceden a tal re?peito
nos termos da lei.
Deus guarde a V. Exc.-Illm. e Exm. Sr. eom-
meada lor Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
udente da provincia -0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Cnrreia de Ariujo. ________
lirme, nao soffreu alteraQao.
13.Cafe : calino, cuta-sede
77 a 78 o ordinario e de 86 a 87 o bom
do Bio de Janeiro. Tabaco: tirmissimo.
Algodao : vendeu-se a 73.
Madrid 13. 0 JORNAL IMP ASCI AL
diz que recebera cartas de pessoas importau-
tus de Portugal a favor da formacao do reino
Iberico.
Porto 14.Sahio BEMFICA para Per-
nambueo.
Bahia 14 ds 11 b. 55 m. da m.Xar-
que : o mercado sustenta-se; eaistencia do
Rio Grande do Sul 1,760.080 kilos ; dita
do Rio da Prata 121.000 kilos; precis, o
do Rio Grande 272, e o do Rio da Prata
395 a 4u9 o kilo ; durante a semana ven-
deram-se 321,030 kilos, de ambas as pro-
cedencias. Entrou o paquete nacional CL'.l-
RA, procedente dos portos do norte. Vai
sabir para o Rio de Janeiro o paquete portu-
goez JULIO DlPilZ.
Para 14 a 1 h. e 10 m. da t.Consta
qae o presidente da provincia expedira uma
portaria suspendendo a coogrua a todos
os vigarios do interior, que accudirain ao
chain .do do governador do bispado, afim
de toraar parte tids reuuioes que houveram
*\2, 3.e 4 desto mez, e firmaram o protesto
quo deram em resposta ao aViso do gov-r-
no naperial, mandando levanlar os interdic-
tos. As ultimas nolicias recebidas de Vi-
S'U dizera estar restabelecida alii a traaquil-
lidado public.).- a
- Algodao : firmo, precos
Brasil venderam-sc hoje
3iflfi3flifrWaja*M!Sfa:
(AGENCIA TELEGRAPH1CA HAVAS-REUTER.)
sVl|\',u%l.l\s "%\o\^T.^
Lisbon 13. O ex-mareciial Ba-
Liverpool 14.
inalt>-rados; do
1,400 far .os.
New York 14. Cafe : bom do Rio de
Janeiro 17 1(4. Algodao : mediano 14 3(4.
Assuear: masca**do 8.
Havre 14. Cafe : mercado ealmo, o do
Bio 98 e o de Santos 103 ; deposilo .........
10,546,000 kilos. Algodao: li.-mc. Cacao :
ealmo, cota-se 73 a 74.
Battia 14 as 3 h. % 25 m. da t.Cambio
sobre Londres 26 3[8 bancario, 26 li2, 2 5[3 particular. Vai sahir o paquete CEA Ii A
para o Rio do -lansiro.
E' melhor ol) re form a r
do |'i; reformar tiraado di-
reitjs dc qne o iiaix ja esta
de potte, nio dijo bem ti-
rasia, mas direi sophis-
inaadv, annuilanlo esse di-
re.n.
(Conselheiro Saluco, 1870>.
0 Di nio il i Hi locou boje a postos.
A consiituicao, diz elle, n io pede ser am em-
baraeo as aspira^oes nacionae- Ueunam-se, pois,
os partidarios da eleicao dirccta*o, a prevalecerem
na geoeralidade dos paieceres os e.-crupnloj co;s-
titucioaaes, proponha-se francamenie a reforma
da coDstituicao.
Est.is palavrat desaGam naturaes inlerroga-
Qoes.
E' um imples desejo o qne manifesla o contem-
poraneo 1 E' um uovo proeramma o qne se no
aauuncia ? Resnltou elle de accordo espresso ou
tacito de liberaes e conservadores uue. sem se en-
tenJf-r ti> cm poatos cardeaes da reforma, cada
um defendendo a sea roodo nm ceru medida de
capacidide eleitoral, guerreando se abertameote
ao modo praticu de distribnir o novo direito elei-
toral, iaculcam-se lodavia apparenleoienle uoido.-
em torao do peasamenlo commum de sobstiluir o
voto d.recto ao indirecto ?
Como quer qae seja, ama e a verdade :Ten-
ta-se illudir o paiz, quer quando se (alia con ama
ndicula gravidade em aspiracao nacional a res-
peilo da eleicao directa ; quer quando sa deixa
eutrever que, par* levar ao cabo a ambiciona**
reforma, baslara tec reunido nma constitoiate;
quer tiaalmeoie (e este pooto e o mais grave)
quando se anna a popnlaridade, fazeodo se depca-
der da eleicao directa a impruscindivel coadicao da
verdade do systema que nos rege.
Diz-se qne a opfnao manifestada na camara
temporaria, apenas contida por escrupalos ou sas-
ceptiuilidade consiuucionaes, foi em sua maioria
favoravel a eleicao de am se grao
Nao e, porem, verdade. A graade maioria da
camara temporaria nao aceila a eleicao directa.
com reforma ou sem ella da constituicao. Isto e
maieria de facto em que nio podem haver aaas
opinioes conlradictorias, ambas sincer.s.
Ponpando uo< ao trabalbo dc ama contagem #e
votos, o que seria alias facilimo em vista das opi-
mOes manifestadas, carlo e qne o projecto da re-
forma pendentc do parlameoto foi adoptado per
grando maioria em duas discn-sSes, alcaneaaaa a
ultima ate ao art 6.* 0 facto protests, por tanto,
contra a frivol a presumpeio de qne o parecer da
camara temporaria se incline em sua maioria para
a eleicao directa.
Se alguas amigos do governo, como r Sr. Go-
mes do Castro e ootros, qua nao esUrr dos a nomear, veem na letra e espirito da coasti-
luicio o nmco obstacnlo que os delem cm sua as-
piracao pela eleicao directa, dissilcnics ha aao ce
apartatn do gro-so de seas amigos para defende-
rem, com nma nobre isencao e unpardalicadt que
honram aliamento o sen bom seaso e r. sinceridi-
de de saas conticcoVs, o systema qu a cnosiilu
cao cuasajrou, a sombra do qual teuios dado lar-
got passos dj cammbo d todo os pfog'esaos, e
que, embora desbgnrad t;--rvarJB' riir maa
conspiracao de causes occauulajpj lenfv.
nos tern dado ainda assim annos d-, p*.. b dc pros-
peridade, buns parlamen'.., lioncxos vcrnos, l.
se nao tudo aqnillo de quo not povo precisa para
ser livre, ser grandc, feliz, ricne'exer vr no m*-
cbanismo politice a inQucocia a qne t -m direito,
ao menos lno lem dado mais, rocsmo luaiu mai.-,
do que a outros povos o syslema eleitoral da uia
so grao.
0 Sr. conselheiro lose de Alencar, qae nao e
um governista, vale bem o Sr. Gomes do Castro,
que o e dedteado. Nem e de boje qae S. Ksc. *-


""" '*''.'."?
I
ttl VJ!
Diario de Pernambueo fc>euiida feira 16 de Norembro de 1874.
-:-,.f
-i

fende a eleicio indirecu. Na imprensa e aa tri-
baaa, no governo e n* -ortposicio, o tllustre ^arta-
toeniar, a quern nmham outro ja exeedvn no Bra-
sil e:Q ulemo e illutra(iu, tent side inaReravef-
menle ardente dereusor tlo systeraa de dans graos.
O Sr. Joao Maudes tern am lagar de honra aa pri-
tnvira liana dos defens res da eleicae iadirecta. 0
Sr. Du jue Estrada Teixeira, que e inconiestavcl-
mente o talento mais orilnaote do grupo dissident"
e ii'in sido o seu orador mais aciivo, nao desfarca
as 'lias coaviccSes em favor da eleicao de dous
graos. Do Sr. Tarqainio de Souie, apenas aparta-
do do gahiaete na questao religiosa, nio se sabe
que defeat* a eleicao directa, antes e certo que
nais de uma vez o tllustre repreeotame doR:o
Granda do Norn dectarou oa samara qua nao ti-
ll ha uutro niutivo para discordar do programma
do gabioete a nio ser a politics realisada ao con-
flicto provocado pales bispos. Os Srs. Dingo A'.
Vasconcello* e Carlo* P--ixoto sao sabidaraante
defensores do systems constitutional. Puderamos
indicar outros memr,ros da dissidencia, reputados
co:do panidarios da eleigao indirecta, se oao te-
.nessemos incorrer em inexactidoes.
VV-e qae uma cotucienciosa aoreciacao de vo
tos leva a urn resuludointeiramenteopp'osto a pre
mtssn, de que n Uiu;o tira razao para propor quo
se intente a reform t da coastituicio.
&' Cifto quo s constiiuicao de urn povo nao deve
ser um obslieulo a realisacao das aspiraro.-s na-
cionaes. A lei fundamental o prefki sal'iiamante,
decretaado ella prupria os Irainitvs de uma p ossi-
Vel reforms.
Mascsmo e porqur? belts se r----l i;i in altura
de uma a>pira;ao iiacmu.il e-s.i i.,!-i-.iru agrta-
c-io que ahi se Simula em favor di ei"*;i so grao f Code o crUcrium earn qne, em >;i con-
s.-ieocia e recto jmzo, sepole repuura t-leirio di-
recu uma aspiracio d pail'
Se buscamo* ease eriterinm b>h orgios leases
da soberania, o que e que vein i- a m.r.oria da*
duas easas legi-laiivas, A iuoiMtawim-nte pela
efaicao iadirecta ; a quasi uua -i ,od< t- la- wteoi-
Mdas provioeiaes coiu-i a da< e.iu.i. ,< mjaiciiises,
nin su sssoetaado a projai;iii-la ii-v-antad^ m prol
da eleie3 dirocta, i.-itphettiiiMaie hs:n aYHrmado o
sen vuto em favor da eleici) d- .|..i ira i-.
Eta e-se crilerium im iui|>r.'0-.i >u< a Iff
preusa divide-s^ sobre BMa grave qneiao. Se ba
uma pane do jornalism quu d.-f-m.j a mei.ao di-
recta, iimra a combate aoursmeate em todan a*
protfiocias do iroperia desde ograuJe jorn.il ate o
rej>rceat li-i.i e<-e crilerinm no vali.r das opiaiSes emit-
lidas f Pur m us qua esie nieio da eutiliecer a von
tsde utcmnal > uiis aligure dillicil e exposti a er-
ros. tui- o aceiiiraos.
E u Sr. Nabuco do Araujo qnem defende hoje
mn > raro prestigio de sua auiirisad* palavra a
elei>ao de am so grao ? Mas S. Exc, ehefe de
um g'ande partido, lunsconsulti, poblieista, ora
dor. mdo islo e:n ponto grande, nio 6 todavia um
d';>p ita 1 > peusauiento da popularidade, qua o*
ar.-a^ti: apo< sua palavra se^undo a iiapressao de
sua uliima Icilura.
En 1864, o Sr. Nabuco da Araujo era o Sr.
Nabuco de Araujo, com uma so diffarenca, e 6 one
S. Exc. nao capitaneava eatiu um partido para a
conquisu do pod t. I'jm bem : -rsto raesioo cne-
fe, jurisconsult), publicists e orador, via em I8i<
as cieicio di recta sburgaezis iripndianio sobre
os direito^ da massa geral da popolaeiu.
E' .|;n!.! / arm is nio passam impuiiemente pa
ra quern, cumo o sr. Naoueode Araujo, le, estu-
dez anaos ao Sr. Nabuco de Araujo, |ij estudi e re-
flect- Imra por hora ? Dmhos enuo novos tUi an
nos ao Sr. Naauco de A'aujo, e quando S. Exc.
noa puder anoansiar o programma dos nrjgrsm-
mas,omu ultimo e deliuitivo programma, curve-
ni)-ni)s todus diauie desta omaipoteacia de nosso
tempo.
Nem siopinioM hoje defendidas pelo illustre che
fe contraftam sdmeote com as de I86i. D; e-jiao
para cs lodos s.itiem que u Sr. Nabuco tern se em
pregado um ti^to sctivanteoteem fazer program
inis de partidos. No de 1SG9, que eremos sero
ultimo na orlem chronologica, o Sr. Nabaco que-
ria a eleicio directa eomo ensaio, corao tentativa, e
K^mente para as cidades do popula<;io superior a
ftujMIU aim>s. Tidooresto do imperio, o qoe
equivalo a dizer a sua grande extensao territorial,
de>ia Hear s..t> o regimen da eleicao indirecta.
Am la em 1870 o Sr. Nabaco preoccupsva e da
exteosao do d.reno do sullragio. Q ie imo fazer ?
pergunuva S. Exc. ao Sr. Paulino de Souza a
quern, oor e<*e tempo, a escula liberal nao via com
a benevoleneia, admiraciio e lerna syrapathia que
hoje I lie dispensa. Pois quan lo o desideratum das
BOciedados mais ealtas e alargar o direito eleiioral
quando a laglaterra chama para os eomicios clei-
loraes mais de duus milhdes de eleilorcs, e que
vos teut-.is anstocraiisiir o voto?
fin anno depois, isto e, em 1871, o Sr. Nabueo
de Araajo defeadia no programma liberal um sa-
bio plan.i qu.?, como m sabe, n:io rep>usava sobre
a eieic.Vj dueeta.
Fui de 1871 a I87i quo a elpir^^* directa se
CODStituio aspiraCM) naeional? QoaJ 9 essa ex-
eepmoa?l iaitrumeato de obaervacao pelo qual so
90 Sr. Nabaco e dado, acomp .ntiar, quasi moo.eu-
ro a momenta as menos pereepUveis inutar/jsda
k-olieio aaeiunsl ?
PaHaremos do Sr. consellieiro Zaesrisa ? Mas,
a menos que algam receute breve tentia modifica-
-rrrr
~
Borges de Casttlho, vigano geral e governador do po biPapo nonfe
No dis 4 eelearoa o dero was roanSo, em
que foi lavrado o segaiate protesto : do
Reuaido o clero paraense em assembles geral f anto.mo, bwpi do Para. .
para tratar de neg.wios da diocese, s .ube com Portanto, teiaos agora a resistencia a a oooo
sann ipeur qae ocaTarao imperial continda oa'aiaso aetira do clero do Para, as Srdei *?Jo
?F
Dada em Belem do Para sob o si
nosas rnas, aos 20 de mar$
****
mn.
tarefa insana de perseguir o clero desta diocese,! verno.
ordeaando ao digno governador da diocese que le-
vante os interdictos legitimos e justamente lanca-
dos pelo bispo diocesano sobre as irmandades ma-
Cmisadas.
t 0 clero parsense protesU contra este acto de
violenta prepoteacla e audsz asurpscao da auto-
nomia e iadependencia da igreja, e declara alto e
bom som que nao se mancbara com o enma de
apostasia, desrespeitando os interdictos e sutpen-
sues canonicamente impostos pelo digno e illustra-
do bispo desta diocese.
a 0 clero paraense alegra se com a esperanca
[updafia que oentium sacardote aparur-se-ha da
Nio busco fazer commentirios a questio;
cada um que tire as illacoas de scmelhante proce-
dimeoto, e veremos ooda- este aegocio, assat UB-
portantn a maliadroso, its parar.
Estao Umben em luta pela.lropreasa, os arf-
sassmatos de iucupary, em ratio da irritaeao da
impraasa portogneza contra este attentado
a Como Ibes disse este iamaatavel a:onteciffea-
to, as-im como outros Isctos, em referenda aos
Portuguese* aqui resideates. chegaram a todoe"ai
pontos do globo, moi de-ligurados a csrregados
de n>gras cores, acredWaudo-se que tudo aqui era
morlicinio e lava ravolacionaria, que submergira
seu prelado, estando todos a sociedade paraense, na pessoa e na propriedade
de astrangeiros inermes I
Tern naido protestos a cmtraprote*tos a inz
da publieidade nos jornaes Constituii-an, Liberal
do Paru e D-ario de, Belem ; daquellas em aome
dos resp-.-cuviw partidos e neste ultimo, sob diffe-
rentes anonymea portuguezes.
A discussao esta travada e pode ir longe, se
lidelid..de devida ao
promptjs a sobVer pela rerdada a pelajustiya.
Assemblea serai do clero paraense em Belem
4 da novembro de 1871, festa de S. Carlos Borro-
meu. -Conego Dr. Joao Tolenlino Guedelha M >u-
nio, reitor do seminario-maior. C mego Luiz Bar-
rozo de Bastos.Arcediago Jos i Gregorio Cool ho,
viganogeral do Baixo-Amazouas. Cmego Luiz
Martinlio de Azevedo Ciu'o. Conego CleiuenUno nao Imuver crit-rio e moderacao
Jose Pmheiro. Conego Lazaro Pinto Honors i A agnncia americana discu'te em transcrip-
Lessa -Conego Eugen... Antonio de Oliveira Pan- icdes do Ghbo, a veracidade e exactidio de seus
tuja.-Conego Bernardino Hannques Dioiz-C- leie.rammas, transmitlido* para o Bio de Janeiro,
ne^o Jeronymo Joad Fernandes Carne.ro.-Padra sobre a s.tuacao desta provioeia, a respe.to dos
Joao Monteiro da Caaba, vigano.-Padre Joa) An- acootecimeutos a que acima alludo
R?SlBi2l5: ^nco' iBarlu--"*PiA[? los6, ', ii,a'M P>r m lUjmundo Bittencourt, yigarw. Padre Manoel; de imporUole ; a provincia, e verdada, esta em
Angelo Tayares Bastos, vigano.-Padre Jose sera i paz e se.n mslorm receios de altencao da ordem
piao Pmheiro, vigano.Padre Antonio Theves, vi- pubbca ; eutretanto, e forcoso d-clarar qne a T,i
gario. Padro Manoel Antonio Baiol, vigario. Pa
die Jose Joa-juim de Castilho, vig3rio.-Fr. Joao
de Santa Cruz, vigario Paire Francisco da S.
DeJgado Leao, rigario. Padre Eugeoio Jose de
Oliveira Panjoja, vigario.Padre Jose Henriques
bund, contiuda na propaganda de evangelissr os
maos priacipios, subversivos do justo do razoavel
e do bone-fto.
Diz que nao quer a revolucio j mas eonstan
temente auca com suas duotnaaa as autoriddes,
f. mibriiz Dacia.eoadjuctor.-Padre Manoel Jose os estrangeiros e os brios de uma nacionalidade.
Sanebes da Bnto, vigano.-Padre Dr. Mancio Cae- ] Discut,. a utilida ie e cooveoieueia do c .mmercio
tano It.beiro, viian..-Padro Joao Felippe de, a relalho ; porem, de envolu com estas ideas, que
vmza Tavares, coadjuctyn-Padre Hennenegildo so -e diseutem, em face da scieuc.a e das necessi-
I) .mieiano Cardoso Perdiyaw-Padre Milita,. Man-! dades e convenien :ias socia-s, aggride, sem recato
so Mau.to, v.gario. Conego Jose Piuto Marques, e audazmeu* a todos .jnantos Ibe embargam o=
-.o-meuor. Padre Riymundo; desvairados intuitos. E" una situa> e propa-
reitor do
Amaueio de Mraada. -Padre Jose Nicolino de Soa I ganda que nao poie cootinuir, wff*Mas "ie tris-
eJoao Siraphcio das tfeteaP. tissimos result-.Jos ; porq.w semelhanta discussao
se aggrava da dis a dia E' lempo do govarao in -
tervir e t >mar provideocias energn;as aos desman
do< da impreusa.
Acafia de naver um la-nentavel aaufrigio na
em uma
daTa
deSouzi, vigario.-Padro Joao Bodr;gues da As
sumpjao. -Padre load Pmheiro Lobo.-Padre Joa-
qoiff Gjmes da Rocha.Padre Juliao Jjaquim de
Abreu.-Por proenracao do Rvd. conego Joao Fer-
d a sua opiniao na qaesiao eleiioral, o que de
. Exc. aabemos e tr:z, respjodendo e/n 1807 ao
Dourado Sr. bario de Cotoaipe, nio somente via na
eleicio direct i uma perigOaa idea, repugnante a in-
d de do partido liberal, mas ate repugnante ao bom
enso.
T^ra-se di'n, mas nao nos 6 licito crelo, que o
Sr. Zacarisa d-leiide hoje a eleicao directa. Antes
que S. Exc. dos permitta coohecer a sua nova opi
niao, se e que a m jdiGccn, bavemos cilal-o .como
ltitrapido e couveucido defensor da eleicao do doas
graos.
Homens do porte de S. Exe. nao tern s d reito
de, em ponto tao grave, dcixar morn r entre os
quatro muros de im velho casarso e^sa autorisa-
da palavra, qus a Itefarma chamou ha poucos dias
n'um estjlo semi-apocalyptico a trombeta doZaca
rias conclamando as turbos.
Reatemos, porem as nossas reflexoes.
Qae se unam os defensores da eleicao directa
qne o sao conscisneiosamente; que combinem os
seus esforcos e tentem a reforma da constituir;io,
e este sera o meio de eoovence-los de que nao lera
por si nem a miioria das duas casas legislativas
Dam ado paiz real.
Em boa hora o tentem Se e-sa faoesti.'siraa
reforma da eleisao directa tem de ser realisada,
que o seja ao menos plos trami'.es constitucio-
naes, tendose a coragem de pedir ao paiz quo de-
leguo representantes com a commissao de o esba
lhar Jo mais precioso direito da ordem politica.
Que o paiz saiba o qae vai fater, qne mesa o al
cance de sua escolha, e qae aao se onsa u-ar de
um mandato contra os proprios que o delega-
raui I
(Nafta).
DIARLOD PERNAMBUOU
RKCIFE, 16 DE NOVEMBRO DE 1871.
Koticlasi da America Piir;i.
Amanheceu sabbaio em bosso porlo o >apor
americano Merriwnck, trazendo datas : de New-
York 23 de oumbro e do Para 8 do correct;.
ESTADOS-UNIDOS.
Nada adiantam as no!icia3 as que reeebemM
por via de Portugal.
para'.
Da capital escreve ono= o correspond^c:: :
Poucoou nada ha accreseentar a minba pre-
cedente carta r,-nieit da pelo Ceard.
a A ordem do dia e a resistt-ncia do clero desta
diocese, ao aviso do mini'terio Jo imperio, maa-
daudo, deatro de oito dias, qne se cumpra o le-
vantamento dos ioterdictos das irmandades rcli-
giosas su-peosas nesta capital, pelo bispo 1>. An-
tonio de Macedo Costa.
a 0 Diario do Grim Pard paolica o seguinta :
Em 3 do correate a pre.-i-i ucia da provioeia
enderecou o seguinte oiBcio ao governo do bis-
pado :
Palacio do governo do Para, 3 de novembro
de 1874.Illm. e Rvra. Sr.Teudo sidorecon'reci-
da pelo gov^roo imperial a portaria ie 20 de mar
^o do eorreota anao, A i Rv-u. bipo diocesauo que
nomerm V. Rma. governador Jo ms,.a lo, S If, o
Impendur houvn por bem deiprmiaar-um por
aviso do i. de ou'auro proximo fludi, quo intime
corao por este o faco, a V. Rvina., para q no
prazo de ni> dias (8) contalos 1esu daU, cumpra
o aviso de 9 d* agosto fa 1873, expedido em wr
tudo di imperial resolo^ao q ie deu provnn.-nl
aos reearsos interpostos pelas v'eneraveis Ordans
Terceiras de Nossa Sechora Jo M mte do Canno c
S. Francisco da Penilencia, e pela confraria do Se-
uli'jr Bom lesoa dos Passos -ia>ta capital contra o
acto ^ue as declarou iut-rdicu.-, sob pna da
V. Rvma. rsspoaasMbsal.' ii (6-?a da I
ca;o de recasa. Deas tjuarae a V. Rvaa.- '
i'i-nlt de Aznedo.^. Rt^*. cneg; 8c -?tia-> I:- s delcgr.'.
souzaLonego Antonio Goncalves da Rocha.
Coaego Maal da Foneeca Bernal.Por procura-
Oio on Rvd. padre Joao d-; S. Tnomaz A-. Aquino
Jorreia, conego Luiz Martinlio de Atevfdo Couto.
P. j). do Rvd. padre Manoel Antonio Ribello, viga-
no de iuuuoa, o arce liago vigario geral do Baixo
Amazona), Jo-e Gregorio Coelho.P. p do coad-
juclor de Santarera, padre Joao Antonio Fernan-
d-s, arcediago Jose Gregorio Coelho. P. p. do
Kvd. Ur. Jose Manoel dos Santos Pereira, cooe-
go Joao Tolentia) Guelelha Mourao. P. p. do
Kvd. padre Cleraentini Ridrignes de Sanaa, viga-
rio de Aveiros, sreehago Jose Gregorio Oadtfao.
Por autorisacao, os l\;ms. padres : Manoel Fer-
reira Barreto.-Alexandre de Lvra Lobato -Feh-
ciaau Jose Pereira Daniel Pedro Marques de
Oliveira.-TheoJoro Gabriel Taucy.Jose Joaquim
da Silva Marims.
No dia 6, respoadeu a presidencia da provin-
cia o governador do bispado :
Govern i do bisaado, 6 de novembro de 1874.
Itlm. e Bam. sr Accuso recebido o offl:io
de V. Exc, intiman lo mo em virtude do aviso de
1 de outubro proximo undo, para que no prazo
d: oito dias cumpra o aviso de 9 de agosto de
1878, expedido em virtude da imperial resolucao
que deu provimento aos recursos interpostos pelas
cenerurcis ordens terceiras de Nossa Senhom do
Monte do Carmo e de S- Francisco da Penitencia,
e pela confraria do Senhor Bom Jesus dos Passos
desta capital.
a Ale.m de nio reconhecer competeocia na an-
toridade civil para ordenar o levantaraento de in-
terdictos caoonicamente fulminadas. accrece que
S. Exc Rvd. n'uma portaha de 20 de marro, pela
qual fui noraeado primeiro governador do bispido
em sua auseDCia, reservou a si o poder de levan-
tar interdictos.
Os termos da portaria, cuja copia authaotica
envio a V. Exc, Bfu do theor .>eguinte :
a Nao poderao (os governadores do bispado) le-
vantar os iaterdictos que tem >s imposto as capel
las das ordens terceiras de S. Francisco e de Nos-
sa Senhora do Carmo, assira como as suspea-oes
das fonc^oes religiosas on das sagradas urdens
que houvermos fulmin^do as irmandades e aos
clerigos.
Exra. Sr., minha jurisdicjao e toda delegada,
e o governo imperial reconnecendo-a legitima)
deve necessariamente admittiros lia,ites marcados
pela autoridade, d'onde deriva.
Poderia eu aduiinistrar o sacramento da Con-
Ormaeio sem uma de.legacao especial do bispo r
Nao.
t Poderia eu validamente absolver certos pec-
cados reservados ao Papa ou ao ordinario 1 Nio.
a Poderia eu sem sacrilegio ordenar sacerdo-
tes? Nao.
E a razao e qne careco de poder para Unto,
haveudo na economia ecciesiastica attribuicoes so
proprias do caracter episcopal, ou dependeutes de
su i autoridade.
< Demais, e caracter proprio de toda jorisdiccao
dolegada nio poder uitrapassar as restriccoes im-
poatai pelo delegante.
Portanto o acto, que o governo exige de raira
sob pena de responsabilidade, e irrito, nullo, e tao
inefHcaz como o do juiz.de direito, que levantou
os interdictos fulmraados pelo bispo diocesano.
0 governo de S. M 'o Imperador nao querera
por certo ohrigar rs governadores do bispado a
praticar uma parodia religiosa, que, alera de nao
produzir os devidos effaitos, traria funestissimas
consequencias a Religiao e ao mesmo Estado.
Se, porem, nao forern aceius esus razoas,
que levo ao esclarecido eriteno de V. Exc.declaro
que nao levaotarei os interdictos, nao por desobe-
diencia as autjridades tonstitnidas, mas para nao
maucbar minha con:iencia com o crime de apos-
tasia. E nesta resolucao estao lodos os sacerdo-
tes da diocese, como vera V. Exe. do protesto,
cuja copia junto a esta.- Dens guarde a V. Exc.
lllm. e Exm. Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo,
presidente da provincia.Conego Sebastiao Borges
de Castilho, vigario geral e goveroador do bis-
pado. >
A portaria do ordinario da dioceso, a qae se
refere este oiBcio, e do tbeor segaiate:
Tendo nos ja, nests data, prevenlo a violen-
ce qne nos vai ser feita. nomr-ado aquelles que
teem de governar o bispado era nossa ausencia,
julgamos tDtnar as medidas seguintes para serern
publicadas e executadas em tempo opporluao,
caso o exija*m as eventualidades:
a I.* S3 por qualquer impediment) os tres go-
vernadores nomeados Rvdm. coaegos Sebastiao
Borges de Castilho. Dr. Joao Tolentino Guedelha
Mourao e Luiz Barro.-o de Bastos, ficarem inhibi-
loa de exercer as fucccoes d'esse cargo, desde ja
Noraeamos para os subuitnir os seguiutes Rviras.
conegos, arcediago Jose Gregorio Coelho, Jo.-e Pia-
to Marjues, Joao Ferreira de Andrade Muoiz,
cura da So Luiz Martinho de Azevedo Couto, pa-
dres Raymundo Amancio de Miranda. Joao Sim-
plicio das Neves Pinto e S >uza, Jo.-e Nicolino de
Soaza, os quaes, flrmes conao sito nos principios
catbolicose na obedieacia ab'seu legitimo prelad ,
srvirao cada um por su* vez, e p^la ordem de
/ram afi
milagrc
queim
perece-
. que
agrcsamente poderam salvar se em um pas-
nas costas de flarajo
Nestes dias, depoia da partida do Ceard hea-
ve mais uma falleac;a de um logista a rua dos
Mercadores ; a situacao da praca, como Ihe disse
na u mha ultima, apresenia-se retrahida e sem
uiaior eouGanca.
Acaba de chegar do Porto a barca Amazoms,
de Liverpool, o vapor Ceorense por Li-boa, e dus
Estados-Uoidoa o Uerrimack portador dapreseote.
Por emquanto aqui liudo.
B
BEVISTA DIARIA.
Conaellieiro da recepcao feiU a.> Exra. Sr. coaselheiro Jo5 i Al-
fredo Corrda deOiiveira, na coroarcade Govaona, e
especnlmente aa cidade desso nome, escreve nos-
so correspondent em 12 do correnle :
Apeztr do compromisso estabelecido de noti-
ciar-lne, por quinzenas, os factos aqui occorridos,
a materia de que vou occupar-me, e qne contitue
i assumpto importante, faz-rne desrespeitar.
aquelle compromisso para rouito especialraente
descrever ihe recepcao que, nesu cidade, acaba
de ser feita ao Exm. sr. eonselbeiro Joao Alfredo
Correi de Oliveira.
a Elevada e nobre e a missao da imprensa, re-
percutiudo os louvores, que se levantam aos cida-
dsnt preclaros era honra de sen mereeimento.
t 0 sentimento de juslica, que e a feicao carac-
tenstica desta entidade soberana -a opiniao pnbli
ca -expande-se npsses louvores, celebrando o
tnumpho daquelles que, na emhera dos genero-
sos eraprebeoilimentos politicos e sociaa', consor-
cUm a elevac4o da idea com a tenacidade e fatme-
gacao do esforco.
A esses voltos ?randiosos, qne, no presente,
destacam se como luzeiros da patnotismo e sabe-
Boris cunsagrando ao futuro, em sua im-moria, um
mouumento de proveitosas HfiSes, a patria, sempre
recoahecida, levanta fervoroso e sincero o culto
da gratidao. E, nesta gloria, s mais immorredon-
ra. a que pode o homem inclinar a fronte, se sea-
te-se ufano, attingindo o mais elevado de suas as-
piracoes,-colho estimulos para melnores empre-
aendimentos, fiuado mais largos horisontes.
Merce desta verdade, pode a briosa provincia
de Pernambueo afagar a esperanca de que o Exm
Sr. coaselheiro Joio Alf edo Correa de Oliveira
oao considerara terminada a sua tarefa com as
ovaco-s que ba accarretado anos si. Sem va\da-
des a servir, inspirado somente pelo patriotismo
que gera todas as virtades politicas, e illaminado
de uma intelligencia superior ;em orgulho, em
prehendedora com aitivez, elle 6abera prover-se do
estimulo que tao prudigamenle Iho subministram
essas ovacoes.
a Estadista insigne, pelo denodo com qne, nos
mais arnscados lances, ba respeitado, em sna
missao, o apostolado da prosperidade publica, mais
sentira exaltarem-se Ibe os brios pelas homnageos
que Ihe tem sidu tnoutadas.
a Honra e gloria, pois, a heroics provincia que
sempre agitadasob asredobres palpitacdes do pa-
tnoiismo, sen unico movei, qnando se trata de
victoriar o mento do esforoa coosagrado a caasa
publica, levanU-se alvorotsda, para aaudar em
transports djubilo o seu illusire filho, o Exm.
coaselheiro Joao Alfredo.
a S. Exc. que, no meio das reiteradas e pompo
sas ovacoes qua Ibe eram tribuUdas na capital,
aguardava impacien'.e o raomento de partir para
esta cidade, onde. d'eavolta earn os eflluvios sa-
gradosdasaffeigoes da familia, fruiria as graUs
recordacoes de sna itrra natal, pode, na manna do
dia 8 do corrente, realisar este desejo. Untao,
acompandado de seu venerando sogro o Exm. Sr.
barao de Goyanna e de numerosos amigos, fez o
seu primeiro trajecto para a cidade dc Olinda, e
ahi demorou se ale as 5 horas da tarde desse dia,
ieslejado pelo inodo como ja foi oottciado.
. A'quella hora. partindo d'alli, acompanbado
amda de numerosos amigos, veio pernoiUr na
villa de [foarassa, seado acolhidj, segundo n is
consta, do modn o ni ds significaiivo ; e, finalmen
te,ua madruga-ia do dia seguinte demandou esta
cidade, qne tambem, por sna vez aguardava ima
pacienta a chegadado ilustre filho.
E a impaciencia que ja nos nbimos momento-
exced;a todos os limites. dispersou grnpe-s de pes-
soas a pe e a cav^llo pela estrada ate a distancia
de 3 legna- da cidade. No ponto denominsdo
Fontainhas surgio o primeiro grapo de csvsllei-
i ros. e prehMinu se eno a solemne os!nucto de
regosijo com qae s habitaotes desu comirca,tes-
ternuuiiaram a gratidao qne consagrm ao Htastre
eonselbeiro, e o eothuiamoem qne excltam pelas
qualidades qae o distiagaem.
a Deste ponto em diante admirava a coacarrea-
cia sempre crescente da grapos a pe e a cavallo,
que snrpiam de todos os lados da estrada, vicio-
riaodo S. Exc. e ncorporando-se a comitiva que
sagridua b--sji4i a frente do enorme roa j peliaastrondoios vivas a S. Exc
o Atua do Amparo.que lenoina com a largara
umpateo, estava caprichosa e eleganrerhente
4teorada. B
Columnas de folhagera junto is oalcadas d'ura
e onlro lado. embandeiradas e uaidas entre si por
arcos tambem de folbagam ; no centro, dous arcos
de madeira decorados com esmero, conlendo as
seguntas inscripr;ies:
-0 Primeiro: Viva o*xra. fc-. conaalheiro Dr.
loso Alfredo Corrda deOiiveira e viva.* heroioa
cidade da Goyanna.
t 0 seguado, que se achavs collocsdo no largo
Portas de Bmna :* Viva a n*0o brasileira e vivs S.
M. 0 Imperador.
No centro destes dous arcos erguia-se uma
columns de forma pyramidal, com um grande pe-
destal grafleado, no cimo da qual se oetentave o
payjlhao aacional
t Apparecendo S. Esc. alii em direcca) a casa
de seu digaocunbado o Sr. tenente coronel Antonio
Gmedes Gondim.onde o esperavs sna Exm. familia,
ostentoa-se, era todo o realce das miis vivas cores
e da expressao do eocanto, um quaJro de jubiloso
entbusiasmo. Estrepitc^os vivas, correspoadidos
ate por phreneticos aceaos com lencos pelas farai-
lias que se achavaja, as janellas das casas, duis
musicas tocando, snecessivas gyrandolas de fo-
guetes, e prineipalmenla uma do SO duziss, quei
mada no momeato em que S. Exc. transpunha os
limiares do sobralo, onde se achava S. Exma. fa-
milia ; tudo isso demonstrava a vehemencia e sin
ceridade do sentimento que se expandia era tao
esplendida festa.
Decorado de globos de cores, do pavilhao na-
cional e de outros symetricamente dispostos, o
edilicio, que S. Exc. occupou, ollerecia um aspec
to imponeute.
A'raaDireita, onde acha-se collocado o edi-
Bdio era qne fuocciona a caraara municipal, acha-
vase umbem ornada de lindos arcos, flores. ban
deiras, etc.
Durante o eorrer do dia foi S. Exo. eonstan
temente cumprimentado por grande numero de
amigos.
A's 4 i|2 boras da tarde foi servido nm deli-
csdo e profusoijantar, em que tomaram parte cerca
de 200 pessoas, levantands-se por essa occasiao
alem d'outros,, os segaintos biindes, precedidos de
brilhantes discursos:
Do Sr.Dr. Teixeira de Si a S. Exc. o Sr. ccn
selneiro Joao Alfredo, pelos relevantissimos servi
gas prestados ao paiz.
De S. Exc. o Sr. conselheiro Joao Alfredo aos
seus numerosoo amigos, a quem reconhece dever
a po-icao que occupa.
t Do Sr. conselheiro Dr. Teixeira da Rocha ao
Exm Sr. barao de Goyanna como o aerabro mais
prestimo-o do partido couservador desta besli-
dado.
a Do Sr. Dr. Alfredo Vaz a S. Exc. o Sr. conse-
lheiro Joao Alfredo por seus consumes desvelos
a cau-a da instruccao popular.
Do Sr. advogado Lydio de Albumerque a fa-
milia Corrt5a de Oliveira, por seu civisrao, e pelo
grato regosijo de .jue se achava possuida, acolhen
do em seu -eio o distincto conselheiro.
a De monsenhor Pinto de Campos ao Exm. Sr.
conselheiro Joao Alfredo, pela attitude honrosa, e,
sebre ludo, louvavel, que tomou na que;tao reli-
giosa, maiitendo a harruonia enlre os interesses do
estado e da igreja.
Do mesmo Exm. Sr. Pinto de Campos ao reva-
rendo vigario da freguezia, Dr. Moura, como pas-
tor desvwiado e c.uidadoso de suas ovelhas.
a Do Sr. Dr. Joaquim Correa ao Exm conse-
lheiro Dr. Teixeira da Rocha, como distincto par-
laraentar, e uma d*s notabilidades medicas do
paiz.
a Do Exm. Sr. eonselheiro Joao Alfredo a S. M.
o Imperador, em cujo maguanimo eoracao palpita
priaeipalmeate o mais acrysolado amor da patria.
Uma banda r>e musica solemnisava cada brin-
de que era feito.
Ponco depois de 6 1|2 boras da tarde. hora
em que termmou o jantar, o Sr. Dr. Alfredo Vaz,
delegado da instruccao publica, acompanbado de
grande numero de pais de familia, e de c-rca de
150 alumnos das 4 escolas de seu districto, foi
cumprimentar a S Exc. como o mais desvelado
protector da insti uc^-ao popular.
Duas coinmis?Ods, sendo ama eomposta de
meninos e outra de meninas, forara os fleis inter-
pretes dos sentimentos de que todos se achavam
possnidos.
Oirigio-se, em primeiro lagar, a S. Exc o
aluraan 0 ivio Marcilio Dias Tavares, que reci-
tou a seguinte allocu^ao .
t lllm. e Exm. Sr. conselheiro Dr Joao Alfredo
Correa de Oliveira. Quando de todos os coracoe*
transborda o enthusiasmo, e de todos os labios ae
dosprendem canto' de alegria pela vinda de V.
Exc. a esta heroica cidade, nos, as csperancas da
patria, a mocidade, o sangua mais precioso do eo-
racao deste paiz americano, vimos deslumbrad s
pelo explendor que irradia dos consumes desvel-
los que V. Exc. tem despensado para com a moci-
dade brasileira, abrindo Ihes as portas do grande
templo da sciencia, onde lauto banquoto se offerece
as intelligencias famiuus de instruccao, erguar tam-
bem o aosso caoto de louvor em hoara a V. Exc.
que, por sua dedicacao e incan;avel empenho a
caasa da instrucao popular, tem merecido titulos as
bencdes da pa.ria.
a Logo depois dirigio-se tambem a S. Exc, a
alumna Altioa Bella Floresta de Mello, que offere-
cendo a S. Exc. em nome de suascollegas. um undo
raraalhete de cravos, recitou, por sua vez. a seguinte
poesia :
*4
Subatltulfiuo de aednlaa.-Em virtu-
aa-ate ordem do miniitario da fazenda a tbetoura-
na desta provincia, foi prorogado ate o fim de ju
Bho do anao proximo viadouro o prsio marcado
para darse principio a substiiuicao das sedulas
de 50a e 2s_da 4" estampa.
Tubarua.-Jaformam-nos qae no sabbado
ultimo, pela manha, esundo o Sr. oSstevao Jorge
B aptista a banhar-se na praia de Fora de Porus,
foi assaludo por am iubario de 9 palmos de eom-
primento, do qual seria viclima, se, descobriodo-o
a tempo, oao ganbatae a terra.
Foi Uo violeoto o arrameaso desse tigre mari-
nho, apreximou-se taato de terra, qae, fugiado a
vaga em qae subira, Ucou em secco e ahi foi mor-
to. Estava em extremo faminto ; ao abrirem-n'o
so Ihe eneoatraram aa barriga um gato, ja muito
putrefacto e fragmantos de outros peixe-.
mendadur presidaate da provincia, em virtode do
aviso do ministerio do imperio, do 1 de ontubro
ultimo, olliciou no sabbado ao Rvm. Sr. conego
Jose Joaquim Camello de Aadrade, governador do
bispado, marcaodo-lbe o prazo de oito dias, coa-
tados d'essa data, para el'e dar corapriraeato ao
aviso de 9 de agosto de 1873, expedido era virtu-
de di imperial resolucao que deu provimento ao
recurso interposto pela irmandade do Sacramento
da freguezia de Santo Antonio do Recife, sob pena
de ser S. Rvma responsabilisado na forma da lei,
no caso de recusa.
Rcuniao eaclesiaisUca. Bealisouse,
no sabbado p-la manha, na semiaario da cidade
de Oliada, a
Jnvencia de Almeida Piato, eom Aiexaolrina Ma-
ria das Virgens.
Joao Prancisco de Soaza Ben to, eom Maria Fraa-
cisca da Conceicao.
Joao Teixeira dos Rios, am DoasUlde Csnd da
Jose Coelho de Carvalho Dias, com Francec*
Malvioa de Medeiros.
Francisco Alvea bezerra, com Felismina Vieira da
Albuquerque Mello.
Bslevao Joae Coelho, com Ameaa Francises Al-
Bacharel Francisco Pothier Roirigues Lima ccob
Anaa Isabel Csrneiro Leao.
Josue de Jesus Jardira, com Maria do LivrsmfD
to Mariaho.
Joaquim Euzebio dot Passos, com Francisca Ma-
ria do Amor Divin >.
Valeriano Joae Viul, eom Ananias Joaquiaa io
Roaaria *
com Gullhermi a
com Maria ds Coo:n
Francisco Preciliano Broxera
Lmbelina de Mello.
Jose Ramos da Penha,
cao.
2.' uennD-.iacic.
Joao Pereira de Almeida, com Emilia Maria th
Conceicao.
Manoel Luiz Cncalves do Cab* Maseareaba*
com Rosa Giiceria de Oliveirra Guimaries.
Mauoel Pessoa Ferreira, com Maria Lucia da
Silva.
Thomaz Mauricio Bandeira de Abreu, com Mar*
Isabel da Silva Mindello.
\nna Fraaeeliu
Candida Vir;
-r .._., convite do Rvm. Sr. governador do cproi,, (ir,*rr,
bispado. uma renniao de padres e Trades, em na- p2m 0Da J"*'<,"
mero de 85, para o fim de del.oerarem qual a '
forma de proceder na occasiao de ser essa auto-
ridade intimada para levantar os interdictos laa-
cados sibre templos e coofrarias.
Depois de reobida discassao, segaado nos in-
formam, na qual tomaram parte di versos mem
bros do nosso clero, resolveu-se: qu-, nio tendo
eornpotencia o poder civil para ordenar o levanta
mento dos interdictos, nao pode nem dava o go-
verno do bispado dar curapriiu'nto a ordem que
n esse sentido Ihe for intiinada ; qae, quando ve-
nha o governador do bispado a resoWer-se cum-
prir nina tal ordem, nao Ihe obedecam os sacer-
dotes da diocese, visto como no espiritual so devem
obedecer ao seu chefe legitimo, o diocesano; e que
se redija um protesto solemne ao governo, no
qual se expoaham as razojs porque o claro da
diocese recusa acquiescer a ordem do governo im-
perial'.
Facnldadc de Direito. No sabbado
(14) Ozeram exames nesse tsubelecimento :
i-o
o anno.-AcindinoCavalcanle Simoes, Ant-nio
Tambem nos a festa vimos,
Dedicado protector
Desta beroina d'America
Onde nascestes, senhor:
Em concerto harmonioso.
As aossas vozes s'abracam,
Os nossos peitos se onem,
As nossas almas senlajam.
P'ra saudar-vos neste dia
t Nesse dia grandioso
< Era que o sol s'osteata explendido.
a Seb um ceo prambeo, formoso.
Acceitai, pois, estas flores
a Qua vos prenda a gratidao :
Cada pel'la symbolisa
t Vosso amor pela instruccao.
sua nomeacao, no impediment i dos ontros, seado j o segaia, aobreuhiadq am grupi de cerca de 200
estes os aossos uoicos delegadas, legitima e cauo- cavalleiros e de maitoa crros qne o e^perava logo
nicamente noieados. depois do povo.do Cajueiro.
Tanto os nossos governadores primeira-1 N'aqnelie ponto, "a inargem 6 estrada, e com-
mente nomeados, como estes outros que agora no .posto, em sua totalidade.de gente pobre, er-
meamos terao plena jurisdic;ao episcopal para go-' guiam-se Kidos arcos de folhas, orladosde fruclas
veraarem e administrarem a diocese do Para em do prodaccio da looalldade, e o chao achava-se
nossa ausencia, excepto as humacdVs seguintes: jaoeado de flores e folaas. GyianlJs le fugue-
1.* Nao poderao conceder em^teuipu uenhum tes subiram ar, apea is M divulgada a coiuiuva ;
lettras dimissorias para a ordenacai. caloros'g vivas pchoaram ; e, en quanto S. Exc.
%. Nio poderao levantar os ioterdietoa qae f izia traj ct > pen; mt-nur Jnlle, era da coa!e-n
teiuos imoosto as capellas das ordens i^rc-iras de ; pi ir--e h nao d' oes-.r-ver se, com toda* as suas
S. Fraocisco,e de Nossa Senhora do Carmo, assim iMpwauaW, a aceoa one nlTri-ciaiu s hibiunies,
como as sjspeasoes das fanceoes i-e|igi..-as ou ds dipuiaiid sagradas cirdens que bjaverm is fulmi ia,lo as ir- da eolhu-iaMii.. qiial ioaarM-mais Dire* suMMo
ra^ndidi-s e acs clerigos. ,carro que c u.o/m *. Etc.
s 3.- Nao dario damissao, nem suspenderao daa Sempi* mv-uinoas *- -iisrii^iis da est-a-la por
samas ordens a neohum s.rerdot-, nem adoitti- peaa&as mMoValea mm mim inniriucO^-, innn-
rao na dioceso nenhum de fora, em qu aejam -s rsm-sa com mi is ovico^- iir eaVeptiwkM vivas
primeiro consaltadjs, servind j-se do t-"legr*,ibo e repelidas gyr..i i .? d f guale-, ate qua u ,J
am raso de argencia. mra do aagwibo B jary, noao paintl se desdobra-
4.* Nao farao, linalmenta. mndin^a alguma, va eeganl- e enciu de aiiimafao e belleza. Lin-
nem na direccao do seminari i, n :, no ivta lo da dos arcos asp ^. I p.ir outros de folhas enriosa-
(Vt-osp. srn consult. drraogi i n meoi- entrepvM; :-, ba.-i ieira9 de todas as cores, a
, potoeetes t am o > ,fi.-. i< j lores, e'aladi em .aversos
i e cavallo; finalmeutena
i -'- '' ''* cidaJ'i, \ inusica marcial to-
'
Em segnida o mesmo Sr. Dr. Alfredo Vaz levaa
ton os vivas seguintes, qae foram estrepitosamen-
te correspoadidos:
A' religiao catholica, apostolica, romana.
a Ao Illustrado conselheiro Joao Alfredo Cor-
rea de Oliveira.
< Ao rainisiro protector da uvtraccao popular.
A' briosa e heroica cidade de Goyanna.
S. Exc o Sr. conselheiro Joao Alfredo, com a
amabilidade que tanto o distingue, agradeeeu a
significativa prova d'adhesao, quo tao solemne
mente acabava de Ihe ser manifestada,
0 immenso grnpo, que applauJia tao brilban
te festa, precedido da mesmi musica, qae o h..via
acompanbado, seguio em passeiata pelas ruas da
cidade dando ainda repetidos vivs a S. Exc.
a A' noite foi queimado um linde fogo de arti
Gcio, e, tanto nesia, como nas noites seguintes
bouveram illummacoes- nas mas principaes da ci-
dade, noundo-se pnncipalmente a do paco da ca-
mara municipal, e a que abrithanuva a pyramide
coilocada em frente da casa em que se achava S.
Exe. bospe .ado, a qual mnito sobresahia pela
grande quaniidade de (uses.
a No dia seguinte ao da chegada, seguio S. Fxc.
as 6 boras da manha. acompanbado de gran ie nu-
mero de amigos, para o -engenho A'oro, residencia
de seu di.no sogro, o venerando bario de Goyan-
na, d'onde voltara boje por ter de segair amanha
para essa capital.
i A'signalida por tab inequivocas e solemnes
damonst acoos de apreco e eontenumento, a visits
de S. Exc. a esta cidade dispensa commenta-
ries.
Ha scenas que, fecundas de eomraocdes, opu-
lint<8 de Dt-lieza e tocjdas em cheio pela mais
lu.ilaute luz. basU serern noticiadas para fallarem
aiti sobia o seu mereeimento. Neste ca-o se
acbaui as d. festa, cuja deseripc&o motiva a pre-
seule missiva
P ra a volu da S. Exc, o Sr. eoaselheiro
Jiao Alfredo, que aegoe amanha em vapor ex-
i.rc->o, ia nov.. apo-ratos se pdem em movimento
! i port, e no canil para a occasiao de sen embar-
que.
Fillom e'la- par al mesmas coustituindo-se a
uiut.di glniadj nlustre Peraambucano.
Compuiitai i de Beberlbe.Em seu es-
cripi.ii..., a rua do V^ario Tanorio d. 19, e 4as 10
horas da ma aha as 3 da tarde, acha-se o caixa
dessa couipanlna, o Sr. Corbeniano do Aquino Fon-
ceci, promplo a pajar o 53' Javidendo da mesma,
fi ii l eui 3 de ontubro ultimo na iw..a/> o_
Gomes Pereira, Antonio Frederico Rodngues de
\ndrade, e Joao dos Reis de Souza Dantas, todos
pleuaiii'-u .
xamea de preparatorioa. No dia
14 do correnie nouveram, no collegio das arlcs :
30 exames de lingua aacional, sanindo t alumno
ulenaraente, 14 simplsememe, e loreprovados; e
24 de liugua franceza, sahiado 8 alumaos plena-
meuta, 7 simplemente, e 9 reprovados.
InatUutu Jledieu Pcrnauibucaao.
No dia tl do correnle, presentes es Srs. sccios
Drs. Cosine. Chacon, Santos Mello, Pereira de Bri-
to, Seve, Tristao, Marillo, Beltrio, SanU Rosa. Joao
lloyinaodo, Cysneiro, PiUnga, Villas-Boas, Ermi-
rio Coutinho, Estevao Cavalcaote, Malaquias, Cu-
rio, Ramos, Adriao, e pharmaceuticos Barbosa,
Kirchhofer, e Rouquayrol, abrio-se a sessao, sob a
presidencia do Sr. Ur. Cosme.
Depois de approvada a acia da sessao passada,
de resolvida uma questao susciuda pelo Sr. Dr.
Estevao, e de acclamados socios bonorarios d;
lustitato os Srs. Drs. Carlos Frederico dos Santos
Xayier de Azevedo, e Eugenio Bouchut, procadeu-
se a eleicao da d.reccao e mais funcciouarios para
o anno de 1875 e foram eleitos os Srs :
Presidente. -Dr. Cosme de Sa Pereira, reele.to.
\ ice-presidente. Dr. E^tevio Cavalcante de
Albuquerque.
1* secretario.-Dr. Augusto Trajanode Hollanda
Chacon, reeleito.
f secretario.Dr. Francisco da Cuaha Bcltrao
da Araujo Pereira.
Taesoareiro.Pharmaceutico Manoel Alves Bar-
bosa, reeleito.
Procurador.-Dr. Praxedes GDmes de Souza Pi
tacga.
Commissao de redaceab.Drs. Malaquias jAn-
tonio Goncalves, reeleito ; Ermirio Cesar Couti-
nho, reeleito ; Joao Raymundo Pereira da Silva.
Commissao me-liea. Drs. Ignacio Alcibiades
Velloso, reeleito; Affoaso Arthur Cysneiro de Al-
buquerque, reeleito; Jaciuiho Silvaao SanU Ro3a ;
Munllo Meades Viauna, reeleito ; Joao da Silva
Ramos.
Commissao cirurgica.Drs. Raymundo Mendes
Vianna, reeleito ; Guilherme Naegeli ; Joao Maria
Seve, reeleito; Jos6 de Mu an la Curio ; Silvio Tar
quiuo Villas-Boas.
Commissio de seiaaaiai acces-orias.Dr. Adr ao
Luiz Pereira da Si.Wa. reeleito; pharmaceuticos
Joaquim Rortrigues das C dias ; Fraocisco Ferreira
Maia, reeleito ; Jacob Kirchhofer ; E. Rouquay-
E,aio bavendo m?is nada a traur-se, levantou-
se a sessao as lo horas, e o Sr. presidente deu
para a ordem do dia seguiute : discussao do pa-
recer da commissio sobre as contas apresentadas
peio Sr. thesoureiro, di.-cussio da proposu do Sr.
Dr. Estevao para a creacao de uma commissao de
estatistica medico.
Governo do bispado. Por provisoes
de tft e 13 do correate, foram nomeados, por mais
nm anno : o Rvm. Izidoro Gomes de Souza, viga-
rio encommendado da freguezia do Jardira, ao
Rio Grande do Norte; o Rvm. Christovao de
Barros Rego, de coadjutor da freguezia de S. Jose
de Agna PreU; e o Rvra. Manoel Simplicio do Sa-
cramento, vigario encommendado da freguezia de
Sam'Anna da Leopoldioa.
> uiieiro. 0 vapor Mandahu levou de
nossa praca para:
Penedo 5:000*000
Maceio 20:100*000
0 vapor americano Uerrimack trooxe para :
Halt ir, Oliveira & C. 14:OOJ*000
Pereira Vianna & C 3:620*000
A. L. de Oliveira Azevedo & C 3:000*000
Jose Rodrigues de Souza 804*000
3* p"r apulic, etl.-ciuaado-se
uoeaa de coure.
a* proporcao do
laj pagamenlo em
Voeiedade Propagadora da ins
truecao Publica em Pernambueo.
fK*u sociedade, apenas com ires anoos de
exisiencia nesU provincia, qne muito se tem em-
penhado para preencber satisfactoriamente saa
nobre missio, e qae, em verdade seja duo, muito
ja tem podido conseguir, ora fuedando esolas pri-
marias para amBos os sexos e am carso da escola
normal para as senhoras, do qae tem resuludo
grande aproveitamento; ora esubelecendo ama bi
bliotheca popular, boje assis frequenlada na fre-
guezia do Poco da Psneila ; tudo isto, at raves de
innumeros obices, qne natnralmenta oecorrem em
aosso paizem todos os actos, em qae por si so
appsrece a iaiciativa particular (Ulvez por -ansa
do graode arrefeeimento actual do espirito publico),
acaba de dirigir attenciosas cartas circulares as
pessoas residentes nesta cidade e fora delta, notoria
mente dislinctas por seu eoracao verdadeiramente
patriatico, por seus sentimentos generosos e qaa dis-
pdem de brilhante fortuna, pedindo-lhes encareci
damenle sna valiosissima coadjuva^io peconiaria,
nao so para que ella possa brevemente inangnrar
oulra bibliotheca popular em algam dos bairros,
ondenenharaa outra publica hajs, ampliar o desen-
volvimento de ensino pnmario, e floalmeo;e fazr
reapparcer a sna importante Revista mensal,"
que deixou de pubhear por deficiencia de recur-
sos.
E nois a mesma sociedade espera e coafia em
exti eino, que tao nobres cavalbeiros, assim roga-
dos, nao deixarao de pressuro-os man Jar seas doJ
nativos para Uo uleis fins a rua da Aurora n.
65, ou i do Imperador n 20 (sobrado); oj qnaes por
certo alia reeeberi com o mais especial agrado, e
acrisolsdo recoohecimeoto; e disso, sabera dar-
Ibes solemoe testemnnbo.
Logo, que a dita sociedade obtiver mais aignns
reearsos, tratara de promover o estabelecimento
de conferencias a de outras bitili-.ihecas popuiares,
bem como a fuuda^ao de am internato para as
classes desvalidas.
A provincia de Pernambueo, a patria consume
de todos es prdieaas oommetumeaios, o Leao ao
Norte aio hade por certo ficar a quem doeievado
desenvolvimenlo pi estado a tnsiruccio publica,
quer na cdrie. qu-r em alguinas provinciss, mais
proxiinamfote bafeiadas pela indefectivel protec-
ts governamenti-l j-prt cipalmente por ter sido
Peruarabuco, uuda pela pnmeira vez sargio, e avnl
tou brilhantemenie Mo auspieiusa i lea, svmuolisada
pela diia socieUie, a onde nec-;sariameuie deve-
ra prosperar, com o p deroso aaxili dos briosos
pemanibucanos.
Pn>claniua.-Firain oo dia 15 iidosos se-
giunies, ua igreja de Bjema Senhora do Rosario, que
serve actualmeuta de mairiz da freguezia da San-
to Antonio.
1.* deuuaciuc.0.
Dam' io Fdippe Sau.tagi, C
Couceicrio.
Jostm j Uiguel da Costa, com
Bastos.
Joao Francisco dos Santos, com
aia de Oliveira.
Francisco Antonio de Oliveira e Silva, eom Can -
lioa Pires de Magalhaes Breves.
Manoel Jose Marques Bacalbao, com Maria Frai.
cisca de Assis Albernaes.
Antonio Pereira da Goes, com Mans Juvenca
de Souza Ribeiro.
Clementino de Faria Tavares, com Idarina #e
Jeans Munteirn.
Joao Pinto Cavalcante, com Lvdis de Lima Cai
vai ho.
Deodalo Luiz Francisco Monteiro, com laa
Maria dosSantos*
Etelvioo Aureiiano de Castro Leio, com tUrn.
Duvinda Selte.
Antonio Geraldo do Bego Barro:a, eom Locil'.i
da Canha de Qaeiroz Foneeca.
Antonio Pedror. ., com Maria dos Anjos.
Jose Tiberio Aives Barreto, com Anna Jali.
Teixeira Lima.
Francisco Augusto do Couto, com Jastina Mam
da Conceicao Ribeiro.
Jose Francisco do Nascimento, cam star..
Perpetua de Oliveira.
3.* denunciacao.
Manoel da Cunha Lobo, com Julia Amelia d.
Silva.
Francisco de Salles Costa, com PetronilU J*a
quina Barbosa.
Affonso Fernandes de Oliveira, com Amelia Ca
rolina da Silva Braga.
Alferes Manoel de Alcantara de Souza Coasse.r
com Franceiina Rosa de Gusmio.
Joio Cardoso de Moraes, com Felicia Maria i.
Conceicao.
Antonio Joao da Foneeca, com Maria Ignacia <
Athayde.
Mananno Joaqaim Goncalves Motu, com His
ria Candida Goncalves.
Lauriano Jose Gomes, com Maria da Las An
dreza de Mello.
Alferes Antonio F-rnandes de Soaza Coutsetro
com Anna Vilella de Castro Mariz.
Manoel Francisco Ribeiro, com Maria Caetaca
Ribeiro.
Manoel Arebanjo da Silva Antnnes, com it
Rosa Muniz Tavares.
Alexandre Jose Beaevides, com Luiza Maria da
Conceicao.
Protestos de letraa. 0 eserivao a>
protestos, Pares Carnpello, esU de semaoa, a roa
do Imperador n. 48, 1 andar.
F^oteria.A (;ue se acba i venda e a 1*5/
a b. n-iicio da capella da EsUncia, qae corre a*
dia 20.
Causa de deiencio.-Movimenio da casa
de delencao do dia 13 de novembro de 1874 :
Existiam 320, sahiram 12, existem 308.
A saber :
Naeionaes 230, malheres 8, e-tran;eiros 31, e-
cravos 37, escravas 2.Total 308.
Alimeoiadas a cusia dos cofres pabikos *51.
A saber:
Saos M eenfcrnvu 16.ToUl 251.
Movimento daemermaria do dia 13 de novem'-'-
de 1874 :
Juriiin Manoel da Cruz, palpiujao.
Lucindo de Gouveia Ferraz. bronchites.
Antonio Tertuliano do Nascimeoio, dores a>
peito.
Joio BaptisU EvangeluU, febre.
Paavaajelros. Sabidos para os portos
norte no vapor nacional Parana :
Dr. Joio Gabriel BaptisU, sus malher, sogra, r
1 filho menor, 1 criada e 1 escrava, Jose da Axe
vedo e Silva e sua irma menor, Jesaion Gomes da
Silveira, sua irma e 3 escravos. Dr. Juvenal K.-
drigaes Pmheiro, Dr. Affoaso Pinto, Dr. Mare:-
de Souza, Luiz G. de Aranjo Cardoso. Felicisr
Jose Gomes e 1 escravo, Dr. Deasetrio Bt-
zerra da Rocha Moraes, Julias Scblapper, lria*'
de Araujo Bezerra, Antonio Marlins da Suva Por-
to, Jose da Meira Lima Sobrinbo, Frederico Boi
dnne, sua mulher e 3 Slhos, Eu ico DutBaMas.
sua malher e :2 filbos, Ernesto colomello a sua
malher, Jose Risotto e 1 alba, Augaito GuohA:.
Catbarina Bella Amorosa, Henrique Boklnoi, F.
Toscano de Brito, A. Jose Teixeira, F. Borges a>
Abreu Marques e 2 criados, O. A. de Magaloie-
Dr. Jose Antonio Saraiva Sobriabo, Aotnaio Ama
zonas de Almeida, Antonio de Sa G. e 1 escravo,
Joae T. de Azevedo. Dr. Joio Henrique V. da Silva
1 escravo. Dr. Jose Vianna Vaz e 1 escravo, Fi..
riano Correia de Santa Anna, Jese Alexandra a>
Carvalho, Feliciano Primo de Jesos, Aroakao O-
pnano F. da Costa, Domiagos P. de Soaza Mais r
Maooel de Araujo
Vindos dos port s do norte, no vapor aaaeri-
cano Uerrimack :
. Lapban, H. F. Helen e Joaqniaa (liberta)
Sahidos para o sal no mesmo vapor :
Dr. Francisco da Costa. Dr. Jose G. de M Ri-
beiro e 1 eriado. Jesuiao da Silva C daa Prasere-
Baptista Ramurier, R. E. de S. DanUs, H. de >'
Rsbello, J. B. de Castro Rabello, P. L. J. Fiiho e t
cnado, Thomas Comber, D. Ross S. G. 4a Mora*
E. de Moraes Rosa e 1 criada.
Ceoalterlo publico.Obitaariodo dia 12
do correate :
Maria, parda, Pernambaeo, 2 dias, S. Jose: tr
uno.
Sebastiao Arruda Ponies, branco, Portaiai 4-
annos, casado, Vanea; am c.incro.
Emilia Angelica de Anlrade, branca, Pernam-
bueo, 20 annos, sclteira Bia-Visu; iesao ao cora
gao.
Antonio Joaqaim de Carvalho Meoezes, braaae
Pernambueo, 38 annos, casado, S. Jeae; seta ban
do flgado e anazarcba.
Theotoaio de Mello Santiago, ignora sa a cor.
Pernambueo, 2"t annos, miliur, Boa-VisU, bospiu.
militar; phtysica pulmonar.
Manoel, pardo. Peraambuco, 1 anno, Boa-Vau -
dentijio.
13 -
Antonio Izidoro da Silva, pardo, Paroambaeo,
27 annos, solteiro, BDa-Vista, hospital Pedro D '
taberculos pal mom res.
Jose Santiago Felippe, pardo, Pernambaeo, li
annos, casado, Boa Vista, aoapiul Pedro II: vark-
las.
Francisco Bento de Soaza, branco, Portugal, U
anaos, solteiro, Boa-Visu ; escrofuUs UuerenJo-
sas.
Felismino, pardo, Pernambueo, aanos.
MarUoha, escrava, preU, 10 annos, Saato .\ato-
ii! o- bexigas.
Joao BaptisU Cesar, pardo, Pernsmaaro, 30 aa-
nos, solteiro, S. J'se; puiysica pulatoaar.
Joao, pardo, Peduarabuco, 15 mazes, Saulo J^-
tonio; convnlsces.
Tbereza, escrava, parda, (vrnamouoo, X5 auu -
solteira, Graf a; hemorrbagia.
CoustMclre fjiuedca.
Reeebi o- |oroaes dia nos e a foih. Pninaciu,
e apezar d; pirafuza-Us, uuaca mam ue f i !**-
eivel di.-uoguir ii oat ueila- ,-ra a liberal.
Antigam-u! *lem de >erem os liberaes luuiie
conioeeidos p- r s-us feu ,s gi..ri.,.i, sav^iu ate
| tope da contioh s ve ... + Mt'>->lis a eoapea,
Ihoiee tal ,- n4U eane s> eaflo
.ia dajqaeii p>\" r- --r.
I v -h-ilieho, l-.)-nto-
i

4



"\
i


Diario He Fterflambcpw Segunda faira 1$ de Novembro de 1874.
H
das as snas gracas e dssgracas. E' am arrene-
;*do aa pilberia, e segaada aid lafonnain, 6 a
rabiscador do (oltieti n da til h*rocincia.
Tem o sea sal, compadre Gaedis. mat ea Urn-
be m hei de salga-lo, se a lanto mo ajudar a misa
a arte.
Oi mais arrojados sio 01 qoo se aasentarara das
senzallasdos eoaservadorw a procuraraa nuvos
senhores.
Dous qneira que uio venha par ahi reprodu-
zir-se o aatigc unilorabo de Jfj/uBjuinAo ; aado
cam o credo ui bocca, porqie oao sai cuno cs
seanores antigoa conieiiliain an Jar o que e sea
tolto no muado, sera Ihe dar o meaor cavaco !
Bam ma dizem que a policia aada de olaoa fa
chados a este respeito, e e a razao porqae os
meas aodam de vista espantaia qaaado os ruanlo
a aervico.
Em parte elles tem razio, porque, quem uio
wla o qae e sea, o resultado ou e ama quilombada
oa aadar procuri, vucd vio.
Os meas oao pegain disto, porqae uos dias
uteis, do eageaho para o aervico e do aervico
para o engenbo, e nos doming is e dia< de guarda
tocam charaicellas a minha vista.
Se lodos os donatarios Qzessem o que eu fago,
nao havia de estarmos ennstan'.oraente a lutar
com qaein dos deve obedecer.
0 Zacarias (oi qaem eorapreceodeu o oegocio,
aeoitou-os por algum tempo, o dipois, vendo que
uio valiam uma cachimbada de fumo, os aban-
douou, porque realraente com moleqaes nao se
vaia festas.
Este Sr. Zacarias e oa vcrdade a:n homem sem
compaixao : acolttu esse pobre povo, e depois
sea mais nem mais o mandoa a tabua, para agora
aadar tamoem no Rio de Janeiro de chapeo de
tres paocadas com Figueira, Tarquinio e outros, a
eontar estrellas ao meio dia.
Sr. Tarquinio, olhe o codilbo, olho vivo, qual-
quer dos dous e bom na brocba I
Compadre. olhe o que me disse o Carrao a res-
peito do t.il poviabo qae o Zacarias o mandou
plaaur pes de burr j : qae em seas dias nao se
lembrara ter visto am canalhismo mais sevan-
dija I
Entao e poata oa cabega, esta ou nao o Zaca-
rias em perfci to accord* com o Carrao acerca da
safadeza polilica dessa gente ?
Por este lado estou igualmeate em pleDa har-
rnonia com o Carrao a o Zacarias e naoca me
esquecerti da Cniquinha do angico torto.
Esta espirituosa mulher sempre me esti a di
zer: os liberaes de Pernambueo racrreraru em 17
e o resto em 24. e os que se tern seguido, a ex-
capgao de urn ou ontro que nio talia, sio borra de
liberaes, e b^rra fedorcata qua \endem gato por
lebre.
A cara de urn o de lodos, sao verdadeiros mas-
carados qua an lam e desandam na politica como
um corropio ferinJo e cortando a tudo quanto se
aproxima.
Veja o que fizorara nltimameute na Soledade,
eonvram coin arraa en punho a malar o bispo e
toda padraria que enconiraJse, e Jspois de babe-
rem o saague le alguas e no dia seguinte tenlv
rom contra a vida do ttresidente da provincia aia-
da com as mesmas armas lintas de sangue e de
sacola as mans, perdendo a presa jomecarara com
protesto a fechar o olbo ao governo denuniiaudo
uns aos ootraa I
Os aclio baatantemeote hnbilitados para empu-
nuarem o poder e pjr Isso mesmo se ea tives?o
amiads com o booi miai.-tro que ahi anda, pedia
por elles.
Que quer compadre .' nio posso desprezar o
letomlmd), o Macha linli >. 3 o pito de macaco ; sao
tres /lores da i ,1 Procincta, tres crambos que
annoyis devem tracer n> eabelln : porque i^to de
matar padres e frades nao qoer dizer nada, ao
:oenos tinham poopalo aoLoala com risco devida
andar aa depois a> tr.'!:is com tiles.
Compadre ees abuires oao teem cruz nem cu-
nho, quizeram h |aidar .< bi>po na poota oa nicuda
e ag>ra o estao d fen leads : este angociosaho cou-
sa governo uaoeDriaeodejuneo, quaado menos se
e.*perae-ti na parta d-i diaate t Je detrai d bres de rozario de bko a data e outro a mao fa-
zendo almas d > outro moodo.
Proviueiaaot, eaattio U-j camp? anda abi, toda a
ujite ougj assobiar, um preto, am barbado, um
fusco, a um einpititurrado. Ate logo compadre
(iuedes, dija a vlacaadiaho, que me recommauda
xi cara de veaJo ch.iaiba.lo, quo brave o visitarei.
Ties Coucos.
Ao (tiiliSico.
Hreven consideraciica sabre o abas-
(eciaionto d'agu potavel :i clda-
le do S&ccife. stcus e^^iiton o meios
de H-.ineai* a r*u:i ataausphcra. pe-
lo Dr. Pedro de Atiiayde l^nbo
tluscoMOa roraiado em medicina
pcla Facnldade da Bnliia.
[Conlinw.yjdo)
Poderiamos citar outras maitas localidadcs em
que a iirigagai torn siJoaJoptada, sendo que algu-
raas d^llas estao t:io bem sltaadas que nada liies
temcustad" a experiencia, eotrelanto que era ou-
iras as primeiras despezas tem sido avulladas,
uao so pr eaosa do Direl relative da cidade ao do
eampo aravel, com > peto amaaho apropriado que
axige este, H-n lo iadispeosavel em certcs casos
fazer uma drewigem me'.hodica.
Entretaoto cumpre coafe.-?ar qae nao consta
que o procssso eai parte algumateuba aidoaban-
donado depot; de. ama vel eoosUtoido, e pelo con-
trario cada dia procura-se aperfeigoalo mais, at-
l-mto3 Oi lucros qae em augmento vai produziado.
RAP1DE7. DAS C0LHEITA3.
P. ra dar uma idea da rapidez com que as co-
lheitas podem sneeeder-se om essa irrigagao, cie
tam -e casos ein qua de Janeiro a julho deramss
qoatro Iheitas de rag-grass de Italia ; (*) depot*
uma colheita de nab s i.raocos em novembro, fin-
da a qual se lez a pi tntagao da trigo ; ba em tudo
i.-to uma grande vantagem que e o re;ultado certo,
por mai< de.-favoraveis que sejam as estacoes.
Os redJitos da eitada utili-aeio tem sido taes
qua se tem propagado oor todo o contiuento e se
-ten lido ja as po>s^.j?oes inglezas.
Em Madras a fazenda experimental tem qainze
hectares. Emjunbode 1869 os eommissarios mu-
nicipaes tomaram couta della e as dperagoes co-
meearam por am nectar. 0 terreno formado de
argilla compaeta, misturado de areia, elevado ape-
nas am metro e vinte cestimelros do nivel do mar
-e inliltrava e conrervava aguas estagoadas du-
rante^semaoas uleiras.
Dep iis de praparado conveaientemente recebe o
esgoto dos aquartelaracntos do Peiambore e de
uma abteia visiuba.
0proveito tiralo do amanhod;s?a terra arisea
Toi extraordinario. As-iiB : como forragem ajui-
nea grass plants Ja no dia 11 de Jaloo dava no dia
27 de agosto am corte de am metro de altars, m
dia 21 de setemiiro um segnnda corte, pesando 27
tonelada por hectar : desta f6rraa poJer-se-hia
dar oiio c6rtes por anno. 0 litirriala ordinaria,
as ber-ilha*. os rabanetes. as abobaras, as batatas,
-.3 toraatesdao perfeiiam*nte, acstaa como o eo-
.iueir>, a jaj'ieira, a tamarineira A In erna nao
produzio bem.
Em Worthing, Norwood, Malvern, Tavistock e
oatros I .gares delnglaiarraom qne a operagao
^m sido feita om as coive li-ntes precaugdes, os
r'sullalos tem sido satisfaclirios nao >6 quanta a
utiHdade que presta a agricuiura, como a salu-
bridade, cmo acima oi ^e'u<:3.
Em Wurthiag, diz aoommi :emos a-hadoo systems qae fou&iioaa a um anno
o melbor oo: sivel : um so caso d; molestia nao se
attribuio a irrigacao. Mais adiante declara a com-
missao que em .'Jurwooa nao ap.jareceu queixa al-
^ama da< jeisoas aua rapr-iSentara este districto
ao eonseiho de ->aii W : a o ms-iiu em Malvern.
A cjmraisjai a!5m dissojnlg* qua nao ha razao
para qua nao sejam aprotitadastodas as mate-
r:as dos esg >t>>s dos e'taDelacime.atos, das peque-
nas villas e mesmo ias ca>as isolaala*.
Em con^eqaencla dis?o lem-se tornado as devi-
da^ precaugoes para serem-aprotett-JdM as aguas
dos epgotos da prisao da Stratford, do asylo de
aii> uados de Broadraoor.
Para coniluir a relagao de algamas das diversas
iocalidades em qae na loglatfirra se tem adopiado
0 systema do aprjveiUinent > das aguas do esgoto,
julgamo aos adstrtetos a fiaer moncao especial do
mais nouvel, do mais lmportaate de todos os pia-
nos que ate hojese tem meditado oa execatado :
6 e^se o que tem em vista* utilisar os residaos da
parte norte de Londres, qae serve a uma popula-
cao de perto de tres railnoes de habitaates.
Ha nelle grandeza de coaaopgio e covidade do
ideas.
I*) Ray-grass de Italia e uma herva oa capira
que serve para alimentagao dorados. Diaem qua e
de effeitos maravilhosos para engM-dai-os. Cons-
ta-me qae ji fcraai eftctaadas algaraas tentativas
em engenhoa, mas qae as semeules nio nasceram.
Fizeram a primeira experiencia e como nao pro-
duzio bem, aBandbruram. Assim vai tado eatre
nSs.
Efla empreza te>e por base o interesse agricola, | t porqae a opiniao publica nlo poJia contiooar in- j sio mandados ao polo
difTereote a perda annual de 30 ou 40 rairhoes de '
estrames.
De varios projestos qae se apreseotaram preva-
leceu o dos Mrs. Hope e Napier a a eieeagio foi
oontratada com a companhia MetropcKtaoa.
Pensoa el I a que podessa faaer tod as as snas
obrag sem uma sabvengao e foi esta a causa da
demora qae tem tido as saas obras.
0 aqueducto de derivacao dessas aguas e de
forma circular e tem tres rnetros de diametro e se-
tenta kilometros de extensao, de vendo servir a to
das as sitaagSes intermedias que as qaizeram
comprar e as sobras langadas sobre as aretas das
praias. #i
A companhia para fanccionar recebeu multos
favores do governo, bun como o c'ireito de de&-
apropriar e de abrir nas estradas pablicas conduc-
tos lateraes. Aiem disto orcoa todas as despezas
de installagao em 60 milhoes. Para reembolso dos
eapiUes eupregados calculava em 18 milhoes a
rend* bruta por aono, sendo 3,300,000 fr. da venda
de am tergo das aguas dos esgotos; e 3,000,000
de franco* do aluguel das areias de Maplio, sobre
as quaes se derramanara os dous tercos das aguas
da esgoto que nao achassem veoda.
Sem enlrar em outras minadencias a que os li-
mite3 do nosso trabalho nao dao espago, faremos
passageiras observacoes sobro os praductos obti-
dos pela companhia nos camao3 qae ella tem sob
sua direcgaoe amanho.
Ella alugoa uma sitaagao de 81 hecta-es de
mats terrenos de sub-solo pedregoso, cuja coosti-
tuigao e tao pobre qae em rauitos lugares nao ha
terra capaa dc lavrar-se e aa peJras vem a super-
flcie.
Em agosto planton-se ahi ray grass de Italia,
depois de ter feito passar dez toneladas d'agua de
esgoto por hectare at6 o l*'de julho de 1867. Em
abril de 1867 tirou se 200 quintals de herva, no
meiado de maio 2o0, e no lira de jnnho 300 quin-
taes. Em outros partidos a cjlheita ainda foi
mais abundante, e tirou se couves cenouras, bata-
tas, morangos, aipo, linho, lozerna, etc., etc.
Emfim a companhia tem um abundante producto
de ieite qua vai diariamente para o mercado de
Londres.
A's grandes ideas sempre grandes obstacnlos.
Grande foi a guerra que se fez a Harvey quan-
do annunciou que o sangae circalava no corpo :
grande foi a guerra que se fez ao vapor : grande
tem sido a guerra que se tem feito aqnelles que
trabalham e estudam e patenteiara alguma idea
grandiosa.
Nao ha, porunto, qne admtrar qae esses quo
nada fazem, se oceupam sorneote de ultrajar e
rldicularisar aos que entendem qae pole presUr
algum service importante a humanidade e que as-
pirant a deixar um penbor para a posteridade qne
e so queni faz a devida justica a todos, conforme
seu merecimeoto.
Vamos, portanto, entrar no conhecimento do
que se tem allegad", com oa sem fundamento, con-
tra o aproveitamento das agoas dos esgotos.
Tem sido feitas varias objecc.Ses a< ideas e pra
(Mas dacompanoia apezar dos resultados por ella
apre-entados. Entre outras, diz o sabio Licbig
ao main de Londres: t E' tempo perdido que-
rer tran*formar as areias de Maplin em terreno
fertil, que prodaza uma bella vegetacao : para
eon.eguir se essa resultado seria preciso mais de
dous milhoes de tonelaias de argila, atim de for-
mar na superficie do solo uma caraada de uma
pollegada de espessura. EJta oltjecgao era de
summa gravidade e por isso a companhia delibe-
rou-se a responder a ellas com factos visiveis a
tod) mundo. Fez transport ir aria da Maplin a
Barking- Creeck, em que espalhou sobre um hec-
tar e meio de terreno, em uma caraada de 2o a 30
ceniimetros de espessura.
l';ni pane da saperficie foi planuda de captm
e a outra Jq differentes legumes, como hervilhas,
cenouras, espargos, nabos: depois espalhou-se
agua dos esgotos em abundaocia.
As cenouras e espargos vieram de um tamanho
adaiiravel, e a herva crescia 10 e 11 centimetros
per semana, isto e, perto de 0 metros por anno.
As mais fertes terras de outros climas nunca da-
ram melheres colheitas. E' de certo es^e o meio
mais seguro de responder a esses que querem du-
vidar de tudo.
Vluitds outras emprezas semelhantes tem sido
organisadas em oite principaes cidades aguas aci-
ma da Londres, como sejam Oxford, Abiogtom,
Reading, Kingston, Rhhmond, Tevic'iubam, Is-
leworth e Brentford, com o lira de aproveitarem-
se das aguas do esgoto.
A cidade de Bruxellas adoploa pars suss aguss
de esgoto o mesmo systems ds Londres, com a
difference que esta nao quer saber de purilicagao
primordial.
Milao aproveits di mesma forma as suas aguas
de Mgoljs' que recabom as malarias fecaes, e com
ellas irriga uai milhar de hectares de.prados si-
tuados aguas abaixo da cidade.
Ua cuncumitancia cam os enjaios de combina-
goes chimicas que se tem feito em Crichy e Ger
meviliiers, a ciaade de Paris sob a direccae dos
engenhsiros Mills e Durand-Claye tem feito expe
rieucias sobre a utilisagao agricola directa que sao
dignos de nota.
Estas experiencias, por6m, nao podem dar igual
resultado ao de outras, como Londres, por
que em Paris ainda se co^servara as cloacas Si-
T.as, e as materias fecaes e detrit is das casas nao
oassam para os esgotos como em Londres : e
certo que as aguas de Paris nao compensavam,
com seu valor actual, as despezas de iostallagao ;
poderiam au,'meutir a roods agricola, mas aunca
dar ao emprezario ama renda commercial, pois
que as aguas privadas aclualmente das materias
fecaes e dos re-iduos da cozinba nao val-m a me-
tade das aguas de Bruxellas oa de Londres, e em
geral das cidades inglezas.
Valor das pguas de esgotos.
Os elemenlos fertilisautes conlidos em am me-
tro cubico de esgoto em Londres, segundo os cal
culos de il. Tn. Way pesara 0'551 e valem 0'266
fr ; e os de Paiis cjnforme Mrs. Mille e Ourand-
Cluye pesam 0*183 e valem O'l 10 francos.
0 mais que podenamos relatar seria acerca dos
raeio< praticos de levar a effeito o uansporte das
aguas aos eampos de lavoura : alera de -er mnito
longa essa narragao, pou:o nos interesaria a vista
das differengas do* nossi situagao em relagao a >s
campos em que com mais preveito se poderia fazer
a irrigagSo, e prii cipalmente qaando aindajiin-
guem pensou em aproveitar ao material, dos esgo-
tos, como depois veremo*.
Os mglezes ijue nao deixam de dar importancia
aos calculos linaaceiro", nao tepouparam a tjrnarl
saliente a qaantidade enorma da libras sterlinas
que se perdem nos rios ou no mar com o derra-
mamento das aguas de esgoto, e o Sr. Corfield de
dicou um capitulo inteiro da sua importante obra
a esta materia. Elle avalia em seis schellings e oi-
to dinh^iros o valor das excregoes animaes de ca-
da individuo, o que faz subir a um milhao de li-
bras sterlinas o valor das immundicias de Lon-
dres.
Victor llago disse em sen romance os Misera-
veis que cada golfada do esgoto d9 Paris custava
mil francos.
Sem duvida e maito dinheiro qae se perdc ;
e ainda peior e qas seja isso em prejuizo da
sailde de rauitos milhoes de indiviJuos, que habi-
tant o mundo.
Nao podemos eximir-nos de inserir neste nosso
imperfe>to trabalho as bellas phra servio tao. nota vel escriptor para descrever o pre-
juizo quo.soflre a lavoura com a falta de reslitui-
cao qae deixa de f; zer lhe o homem nan pre'tando
a terra o alimento sem o qaal ella nao pode crear
nem produzir cousa alguma. A diccao brilhante
do apDiaudido sabio amenisara am pouco a aridez
da iiiateria
* A terra empobrecida pelo mar.
Paris lanca per anno a agua vinte e cinco
miihoes. E isto sera metaphora. Como, e de que
modo ? dia e noite. Com que lira ? sem tlm al-
gum. Com qae pensamento t sera em tal pe'.sar.
Para que ? para nada. Por meio do quo orgio ?
pelo seu intestino. Qual e o seu iutestjno 1 a sua
cloaca.
t Vmte e cinco milhoes, tal 6 n mais moderado
dos calculos approximados que dao as avaliagoos
da sciencia especial.
A scieneta, depois de ter an-.Udo mnito tempo
as apalpadellas, sabe hoje que o mail fecandante
e elficaz dos estrames << o -estrume humane. Os
chins, confesserao-lo para vergonha nossa, ja o sa-
biara antes de nos. Nao ha camp'raez chim, a
Eckeberg quem o diz, quo va a cidade sem trazer,
nas duas pantas do sea bambii, dous baldes cbeios
do que n6s chsmamos irarauntJicias. Gragas ao
estrome hamano, a terra na China ainda hoje e
tao nova como no tempo de Abrahao. 0 trigo
chiuez da cento e vinte por um. Nao ha guano
comparayel ao excremenio de uma capital. Uma
grande cidade e o mais opulento dos estercora-
rios. Empregar a cidade em adnbar o campo se-
rfs o meio de obter am bom exito inf?llivel. Se o
nosso oaro e esterco, em epmpensagao o nosso es-
terco e oaro.
0 qae fazem deste oaro esterco ? lancam-n'o
ao abysfflb.
eaoa DaPnoa tjott
ra tomar earte-
famentos de estruuxi aVPHRw e passarinflos, e
o fncafcofavel etofrreato o> wnlencia qne tett a
taki, afiram-a'o ao mar. Todo o adubo hnmaoo
annual qne o mowlo perda, empregado na terra
em vez de ser laocado a agua, baauna para ali-
mentar o mundo.
a Esses monies de lixo dos *antos das ro#>,
essas carrc^gas de lama qae circulam de noite
com estrepitosos soiavancosieasis hediondas pipas
da iimpeza publica, esses fetido.s escoamentos de
lama subterranea, que a caJ^axla nos encobre, sa-
beis o qne e 1 E' o eampo es/naltado de flores. 6
a herta terde, e o serpao e 6 lomilho, e a salva,
e a eaca, 6 o gado; a o magi a tardmha, e o feno perfuntado. e o trigo dourado,
e o pio na nossa mesa, e^o sangne qnente nas
nossas veias, 6 a sadde, e a alegria, n a vida.
Assim o qoer essa mysteriosa creagao, que e
iransfermagao na terra e traasflguracao no ceo.
c 1 oodo Isso no grande cadinho, delta sahira a
abandancta. A nutrigio dos campos da em re-
sultado o sustento dos homens.
a Pudeis maito erabora perder esta rlqneza,
e achar-me ridiealo ainda era cima. Assim co-
roareis dignaraente a vossa Ignoraneia.
< A esutistica tem calculado qne a Franga so
por si lanca todos os annos ao Atlanlico pela
bocca dos seas rios meio milhar de milhoes No-
tai bem com estes qainhJJgJntilh5espagar-se-hia
a qaarta parte das desr^zfPBjb orgamento. A ha
bilidade do homem e tal qae elle prefere descar
tar-se destes qainhentos railhSes atirandoos a
agua. E* a propria substancia do que levara ao
oeeano, aqni gotta a gotta, aeola em ondas, e mi-
seravel vomito dos nossos canos do esgoto e o vo-
aito gigantesco dos nossos rios. Cada golfada das
nossas cloacas cu-ta-nos 1,000 francos. Daqui
dous resultados: a terra enfraqnecida e a agoa
empestada. A fome a sahir do sulco e a doeuga
do rio.
c E' notorio, por exemplo, qae ne.-te momento o
Tamisa enveneaa Londres.
na -.nte a Paris, teve-se nestes ultimos tempos
de transftrir a maior parte das embocaduras dos
esgotos para alem da ultima ponte.
a Um duplo apparelho tabular, munido de vai-
vulas e de embolo*. aspirando e recalcando am
systema de drainage eleraenur, simples como u
pnlraao do homem e qae ja fnneciona satistacto
namente em diversas parochias da Inglaterra, bas-
taria para trazer as nossas cidades a agua pura
dos campos e para levar aos nossos campos a agua
fecandante das' cidades, e este facil vaivem, o mais
simples do mnndo, reteria era nosso porter os qui
nhentos milhdes que pomos for3. Mas pettsa se de
modo diverso.
o 0 systema actual e pernicioso querendo er
benafico. A intencao e boa, o resultado e friste.
Suppoem desinfectar a cidade, e debilitam a po-
pulagao. Um cano de esgoto e um erro. Quando
a drainage, com a sua dapla funccio, restiluindo
o que leva, huuver substituido por toda a parte o
esgeto, simples lavagem debilitadora, entao, sendo
isto combinado com os dados de uma nova econo-
mia social, o producto da terra tera aupmentado
na razao decupla, e o problema da miseria achar-
se-ha singalarmente atienuado. Ajuntai a suppres-
sed dos parizilismos e tc-!o beis res. Ivido.
a No entaiii", a riqueza pnblica la vai para n
rio, c segue-se o escoaroento. Esc amento e o
terrao proprio. A l.atopa arrulna-se assim por
e-gotamenlo.
o Quanto a Franga, acabamos de dizer quanto
ella perde. Ora, contenJo Paris a vigesima quinta
parte do total da popnlagao franceza, a sendo o
guano parisiense o mais f'-cundo oe todos, licaraos
aquem da virdade avaliando em vinte e cinco mi-
lhoes o quiohao da perda de Paris no meio milhar
de mib-oes que a Franca daita f6ra annualmenle.
Es'.es vinte e cinco milhoes, empregados em sub-
sidies e em conforto, duplicariam o esplendor de
Paris. A cidade gasta-os em cloacas. De sorle
qae podemos dizer que a grande prodigalidade de
Paris, a sua fesla tr-aravilhosa, a sua lnur.ura Beao-
joa, a sua orgia, o seu ouio espargida a mao*
cheias, o seu fausto, o seu luxo, a sua maguiii
cencia, sao os seus canos de esgoto.
a E' desta modj que, na cegueira de uma ma
economia politica, deitain fora e deixam ir pela
agua abaixo e-perder se nos abysmos a fartura de
todos. Deveria has-er rede3 de Saint Cloud para
a lortona pubblica.
Eoonomicameute, o facto pode ranmir-se
assim Paris cesto rotoParis, a cidade mod-lo,
o padrao das capities bem feitas deque cada um
povo buses ter uma eopia, a metropole do ideal,
a patria augusta da inicialiva, do irnpnlso e da
tentativa, o centre c o lugar dos espiritos, a cidade
nagao, a colmdi do pwrvir, o cemposto de Babylo
nia ede CorinthoParisem relagao ao objeclo
que acabamos de assignalar, faria i|iiali|uer cam-
ponez de Fo-Kean encolher os hornbros.
- -Imitai Paris e Rear- is arruinados. De resto,
particularmento neste despfrdicio immemoravel
e insensato, Paris nao faz mais do que imitar.
Estas estupendas inepcias uao sao novas, nao
sao uma asn como os moderncs. t As cloacas de Roma, diz Lie
big, absorveram todo o conforto di> campooez ro-
mano. Quando 03 campos de Roma se acha-
rara arruinados pela cloaca romaua, R-ma x
haurio a Italia, e depois de ter potto a Italia den-
tro de sua sen'.ioa, alii deitou a Sicilia, depois a
Sardenha, depois a Africa. A cloaca de Roma en-
gulio o mundo. Essa cloaca, olf-recia a sua vora-
eem a cidade e ao universo. Urbi et orbi. Cidade
eterna, cloaca insondavel.
c Para estas eousa, bera corao para outras, Ro
ma da o exemplo.
a E Pans segue este exemplo com toda a esta-
pidez propria da3 cidades de espirito.
a Para as necessidades da operacio a cujo res-
peito acabamos de explicar-nos, Paris tem por bai
xo de si outro Paris; uma Paris da cloasis, com
snas ruas, seus largos, suas praga*, snas hetesgas,
suas arterias, e sua circulagao que e a lama, corn
a forma huimna de meco3.
Porquant-t, cumpre nao lisongear, nem mesmo
um grande povo, onde ha tudo, ba ignomia ao I a
do da sublimidade ; e, se Paris content Athenas,
a cidade do luz, Tyro, a cidade do poderi', Sparta,
a cidade de virtu de, Nintae, a cidade de pro -ligio,
content tarabem Lutecia, a cidade da lama. DeTtais
n'isso esta tambem o cunbo do seu pedt-r, e a ti-
tanica sentina de Paris realisa, entre os%mooumen-
to^, o ideal estranho realisado na hurtianidide por
algans hom"ns taes come Machiavello, Bacon e
Miraheau: o sublime abjecto.
0 sub solo de Paris, se o nosso olhar podesse
petetrar a KUperficie, apre^entaria o aspecto de
uma maJreperola colossal. Uma esponja nao tain
taatos buracos e monndrs como o lorrao de terra
de seis leguas da circumferencia sobre o q al esta
assenUda a anti^.1 cidade grande. Sem fallar nas
catacaiiibas, qae sao tun snbterraneo a part-, sem
fallar na inextricavel rede de encanaraeuto do gaz.
sem contar n vasto systema tubular da distribui-
rao da agua viva que vai ter a todos es chafart-
zesi as eloaaa* ^6 por si formsm debaixo das duas
martens do Sena uma prtidigiosa rede tenebrosa:
labyrinths pi- tem p ;riio u seu declive.
Ahi apparece, no meio d:i nevoa humida, o
rato, qae e cjiuo o f roducto do parto de Paris.
[Continuarse-hd).
Via a fjiie^n ennber a carapuca.
Fazeoi s timbre, e mesmo um proposilo no>so,
ser teleraates, e condasieudaatcs, para com a*
aliieias fatlas, qu--r de araigos, quer de iuinii; .-;
logo que sjjara ellas caloadas n i imperio das ue-
cessidade, mu oriuudas do conjunct > dacireuns
cias, ou filhas das occasile*; iiusquAn.lt ellas se
toruatu rt-.inci :eutes, e que em menos prago
a vossa lolarancia; enta-j fa It > nos a paciencia e
sobeja-uas o direito da clarcar contra quem quer
quo seja.
Desta verdade & prova inconcmsa o modo silea-
cioso porque temos, sera dar um.i so palavra,
se.a f.izer uma so queixa^ toierado o estado ace-
phalo, emqu vivo eauinfehz fregaezia. da -Qui-
papa, ha auoos; opi,;aV qla^nv, p.-rec, sjao ha di
reito >i.-s ui'-! i i'arii-:aMi(^.b>aericio-i de qua zam as deuuiisj porqae ; tfexjw um psroche dis-
tincto e dirfno le ionVorAs, como 6 o Rvm. Tito
Cord* de Barros ; e logo, com tao ma > fad", que ra
petidas liaergasnos privatu de suas tie bella, qy'o
util residncia em sua freg-lezia; se se faz sobsti-
tuir, por um nio menos digao ;1h louvor, a>u vai o
peso dos annos, e a mf) dfe um terrivel morbus
privade do camprimeato de seas ilevere*, hi, m u
de seis mazes, ^giildb at* a impossiblllul-n de
celebrar as nuasas paroehiaes e de adminis'.rai
qusl'quer outre Sacramento, qua a nSo ser ahu-
ma'nItarieflau>* g5o PaeS e Plrfa, qne rbdito aos rem peuuotaJo
pela promot'.i o, ielo, e desioteresse, enra qne, in-
cansavel prets a (odbso* Sens servicos; acadindo,
com prompn-i o, a todas, eom os socaorros epiri-
tuaeu, sempre qne;a elto rbcorram, qnal por um
os saeafroeHto*, seal ouvir a palavra consoladora
do mini-tro do altar, nos ultimos momeatos nas
boras telricas da agonia, quando o espirito trans-
p53 osumbraes da eternidade; porque o nosso
dijfno pro parocho se adia, ha quasi 9ois raezes,
impos-ibihtado, no leito dos soffrimenios.
Nesta dolorosa siluagao, quando nos embalava-
mos na doce esperanga de velo em breve digna-
mente sabstituido pelo nosso dedicado amigo o
Rvm. Fr. Pedro da Punftcagao Paes e Pata, qae
a esfargos nossos, e so depois de mnites pedidos de
diverss amigos, aqui, elle veu:endo a repognancia
que ostentava para a aceitacao da tal encargo, me
disse: aceltaria, emiim, para n:ie ser pur nos
laxado de ragrato; eis que sob a maior surprexa,
soubemos a< qae aiada the nao viera a sua provi-
s4a a despeit mesmo de o tercom reuita satisfagao,
proposto ao Exm. Sr. governador do hispado, o
nosso digno vigario Tito de Barros Con-da, nao sa-
bemos, emfim, a que attribuir isto; se a ma vonta-
de que possa haver contra o Rvm., no governo
do bispado, ou se a poaca onsideracao que votas-
sem a proposta do oosso Rvm vigario Tito, on se
fioalmente a ma serta desta infeliz freguezia. Em
flm nao querem is per hoje fazer censura a al-
gueni; apenas aos Irraitamos a, carpiado a nossa
ma sorte, pedir a qaem quer que com pita curar
destas necessidades, quo de* saas provideocias no
sentido de que nio c-miiuaein is, p-jr mais tempo,
a meodigar favores espirituaes, privados de um
cura d'aimas; onerando de incommodes e sacrifi
cios ao nosso amigo Fr. Pedro da PariQcacao Paes
e Paiva. que tamo nos tem utilisado nesta fregue-
zia de Quipapa. Por hoje terminaremo9 aqui.
Quipapa, 2 de novembro de l>*7'*.
Izidoro Ferreira Boielho.
Tacaratd e Floresta.
E' incooteslavel, e cbarao a atteacao do governo
imperial e do publico sensato, que o film. Sr.
comrnaudanta superior da guards nacional d'a-
Snelle mumcipio, coronel Francisco de Barros do
ascimento, nao 6 esse homem d'uma conducta
sensuravel, e de nm coragao rancoroso, fallem os
muilos dignos e bonrados exquiz de direito a'a-
quella couiarca, Dr. Maroel da Silva Rego. e Dr.
Marcos Corrda da Caraara Tamarindo, e todos os
cidalaos honrados d'aquella mesma comarca.
0 Sr. coronel Barros tem se dedicado sempre
com patriotismo a causa de seu paiz, o bera assi-
gnalados servigos lhe tem prestado : foi o unico
d'aquella comarca que eoocotrcu para as despe-
zas da guerra do Brasil com o Paraguay, dando
annaalmente um conto de reis ate a sua realisa-
q\o, e o nnlco que tem so encarregado de commis-
soes do governo, dispendendo de sua foi tuna, per-
dendo por cssa maneira os seus interesses parti-
culares: foi o uuico que a custa da suas fazendas
arnscando a sua propria vida, com o auxilio do
governo, fez desapparecer o crime, que ha bem
pouco tempo horrorisava aos habitantas d'aquclki
comarca.
0 Sr. coronel Barros tem subi Jo ganhar a esti-
ma dos caracteres sizudos e rectos, peia sua intei-
rcza o criterio, pelo seu. patriotismo e civisrao
pela sua dedicacao a virttide, a pela homenagem
qua, corao homem de consciencia sabe prestar a
justiga, que 6 ceitauiente a base em quj pole re-
pouar coat tranquiHidada o gov-ruo das soeieda-
des: digain me que Bsrvteo* tem pretado outro
qoalquer homem u'aquella comarca ? intoresses
pessoaes para estarem roendo o ossosinho de go-
verno : o Sr. oorouel Barros, mereco ura alto lu-
gar nos destinos do paiz, porque a sua reconhu-
cida probiiiade, o seu coragao bondeso bera canhe-
cido de todo o mttndo.cleva o homem a uma altu-
ra. imoaeaaa: porem os seus servigos ainda nao
firaai recompensados : leaho fallado com a tin-
gnagem da vcrdade.
Recife, 15 do novembro de 1871.
0 apredador do raerito.
Vfli'Mtla o governo iiupci*inl! !
A Associagio dos Praticos desta provincia tem
dirlgido ao governo imperial, -arias peticoes, re-
claiuaudo ligeiras modHkarSas em aiguns artigos
do regiilamento de 28 de leverei-o de 18oi, mas
todas ellas que nem ao menos merecerara as hoa
ra- da am indef-riwieatu, foram langadas ao po
da secrctaria de estado dos uegocio's da marl-
aba I 1
Nao obslante, ns praticos, na esperanga de um
dia serem attendid s, enleregaram ultiraamente
ura outro re lutrimente, reclamaado do governo
impei ial ausmento de vencimentos, por nao s-rr
possivel que elles continuem a receber hoje es
rncsmos que percebiam quando publicou-se o
citado regulamento
0 auguieuto de vencimentos con-iste era o go
verno aut -nsar qae uao se accumulem mais ao
fundo de soccorro creado pelo regulamento citado
as verbas de qua fallam os arts. 22 in fine a 47,
para que sejam dividiJus no fiai aos mezes pelos
-praticos ; porqiunto, b.!.-.t.i hoje um quarto do.>
juros do dinheiro, cjua constitueu fumTo de ro, para pa gar tolas a^ [icnsSesqaa dello sahem.
Sio, porem passadus quasi dous mezes e o go
verno imperial ainda nio pu le deferir uiua praien
cao tao justa e tao linptes !
E porque, beai pode sucader que o ultimo re-
qaei in t mo tenha s vie igual a dos outros, con vem
pedir do alto da impreosa (d'ahi mais facilmeute
chega a vez de reclamaule as eminencias do poder)
ao g verno imperial que atu-nda a tao j-a-ta recla-
majao dos praticos, que uada solicilam d" cofres
poblicos, mas sdiuenta preleodera aquiib qu-s
faz par'.e do producto de .seu trabalho, alias todo
particular.
Atteniera o governo ?
Veremos....
I\I. 3S!>. Os oaarlyres que leiam.
a ma palavra uos dyNpegtticos : Suf-
Ireis martyrio, e -6 us que sabein o que e dyspep-
sia, podem comprehender vosso* soffrimenios.
Agora ha um remedio a mao, immediato, absoluto,-
infallivel; o qual se acha, p"r assim dizer, a aorta
da vossas c.isas. Esse remedio e a salsaparrilha
da Bristol. Deveis coohece-la.' Quem ha que oao
tenha ncvido fallar d'ella? Usai a, e v.s rireis
das iadigestoes e de todos os seus concomitantes e
c.iusequencias. N'uraa semana Iliviara o repleto
deposito desse perigoso material, qua tanto vos traz
atormenlado. A flactulencia, a oopreesao do esto-
mago. a falta de actividade tant > do corpo como
do espirito, as vjgilias e as angustias durante o dia,
as dores de cabega, as nauseas, as indoscriptiveis
sensagoas que acompanham a dyspepsia, e nao ha
nenhuma oatra molcsstia qua nao desapparega
qaal sr.mbra passageira. Tirai lhe a prova, expe-
rimental-a.
Courbs *de boi seccos salgados 557 rs. e kilo.
Folhasmedicinaes 500 rs. o kilo.
LI barrignda66(5 rs. o kilo.
Alfandega de Pernamboco, li de novembro de
1874.
0 1' conferenteJos6 Amaocio do Outeiro
0 1 conferenteFrancisco das Chagas Galvso.
Approvo. Alfandega de Pernambuco, 14 de
novembro de 1874.
Servindo de inspector,
Pedro Lopes Rodrignes.
Importacilo.
Bngue portoguez Rio Vouga, entrado de Lisboa
em 14 do corrente e coasiguado a Silva Guiraa-
ries & C, maoifeslon :
Agua mineral 1 caixa a Manoel Alves Bar-
bosa.
Cebolas 30 caixas a Leio Roeba & C. 20 meias
ditas a Jose Rodrigues. Cevada 10 barricas a Me-
reira & Annes. Congros 1 barril a Jose dos San-
tos Lima. Cal 50 barris a Ohveirs, Filbos & C,
100 a Jose P. da Fon^ca, 50 a Duarte, Amaral &
C. Cordoes de pedra 9 a Jose Augasto de Aranj >.
Farelio 100 sacens a Jorge Tasso, 50 a Moreira
6 Annes, 50 a Pinio, Moreira & C, 50 a Jose
Uuarts Simiie?, 1,550 aos consignatanos.
Medicamentos 3 volumes a Manoel Alves Bar-
bosa, 2 a Barlholomeu & C.
Peneiras 2 fardos aos mesmos. Padras 4
caixas a Francisco R. Pinto Guimaraes. Di-
tas de lagedo 147 toneladas a Jose Angusto
de Araujo. Ptscadas 4 barris a Jose Rodri-
gues.
Vidros 1 caixa a Manoel A. Barbosa. Vinagre
7 pipas e 15 barris de quinto a Thoraaz de Aqui
no Ponseca & Successores, 8 e 45 ao consignata-
rio, 3 pipas a Leao Recha & C Vinho branco 25
barns de quinto a Tbomaz de Aquino Fonseca &
Successores, 25 aos consignatanos. Dito tinto 6
barris de quinto a Barlholomeu & C, 10 e 3 pipas
a Thomaz de Aquino Fonseca & Successores. Ve-
ias stearinas 100 caixas aos eoii-iguaurios. Ditas
de cera 25 caixas a Oliveira, Filhos & ti
Patacho hespanbol Ainalia, entrado do Rio de
Janeiro na mesma data e consignado a Pereira
Carneiro Maia & Caimanifestou :
Pipas vasias 58 a ordem.
Vapor americano Merrimack, entrado de New-
York na mesma data e consignado a Henry Fors-
ter & C, manifestou :
Impressos 1 volume a De Lailhacar j( C.
Mercadorias diversas 1 volume a Rodrigues Martins, 1 a \V. A. Campbell.
Ratoeiras 2 caixas a Souza e Sa & C.
Tecidos de algodao azul 2 caixas a B. Thomson
4C.
Barr.a ingleza Princess Alice, entrado de Cardiff
na mesma data o consignado a Saunders Brothers
Carvao de pedra 568 toneladas aos consigna-
tanos.
SendimeiMo
idem do dia
13
Salt
1:4071604
118*320
Vinagre, etc.
Hendimento de 2 a 12 7794987
Idem do dia 1.3 *
1:556*12*
II 987JJ9W
Escuna allema Magnett, enlrala de Trieste na
mesma data e cousignada a Henry Porster i C,
raanife.'tou :
Farinba de trigo 1,782 barrica3 aos consigua-
tarios.
0ESPACH03 DE EXPOUTAQAO NO DIA 13 lit
OUTUBP.O DE 1874.
Para os portos do exterior.
No n:.vio ingle'. Stella, parao Canai, enrre-
trou : S. Brothers &C. 2,800 saccos com 210,000
kilos de assucar mascavado.
No aavio austriaco Dakar, para o Canal, ctr-
regou : T. Christiansen 1U0 saccos com 7,300 kilos
do assucr.r mascavado-
Na barca portugueza Pereira Borges, para
Lisboa, carre.jsou : M. L. Paes Barreto 100 saccos
com 7.500 kilos de assucar mascavado e 100 ditos
com 7,500 ditos de dito braneo ; A. V. da Silveira
1 barrica coat 50 ditos de cafe; Amorim Irmaos &
C. 50 saccos com 3,750 ditos de assucar braneo e
-ioO ditos com 18,750 ditos de dito mascavado ;
S Guimaraes & C. 100 ditos com 7,500 ditos de
dito braneo e 100 ditos com 7,500 ditos de dito
mascavado.
No brigue portugoez Bella Figueirense, para
Lisboa, carregou : E. EL Rabello & C. 92 ceuros
salgados oum 1,104 kilos
Na barca nacional Marianna, para o Rio da
Praia, carregou : A. Loyo 532 barricas com
5\i i.i J kilos de assucar braneo.
Na galera hespanhola /. Serra, para Barcel-
ona, carregou : Amorim Irmaos 4 C. 316 saccas
com 25,590 kilos de algodao.
Na suraaca hespanhola Miguel, para Barcel-
ona, carregou : Amorim Irmaos & C. 35 couros
espicbados com 245 kilos
Na barca nacioaal Santa Maria, para o Rio
da Prata, carregou : Amorim Innaos & C. 98 cas-
cos com 41,280 litro3 de aguardente, 1,270 bar-
ricas com 136,791 kilos de assucar braneo o 100
ditas com 11,741 ditos de dito mascavado.
No patacho hespanhol Felisn, para o Rio da
Prata, carregou : P. Carneiro, Maia &C 75 cas-
cos com 26,400 litro3 de aguardente.
Paro os portos do interior.
Para o Rio Graude do Sal, no lugar portu-
gu zLoin, carregou : M. L. Paes Barreto 25 bar-
ricas com 10,594 k tos da assucar braneo.
Para Penedo, no vapor nacional Mandahu,
carregou : Bartltolomeu & C. 1 barril com 90 li-
tros dealcool ; A. Carvalho &-C. 1 barrica com
60 kilos do assucar braneo
Para a Parahyba, na barca Flavia, carre-
gou : Bartholomeu |tll barril com 95 litros de
alcool.
Para Caissara, no hiate nacional Joao Valle.
carregou : Braga Gomes 4 C. 3 barris com 224
litros de aguardeote e 2 barricas com 149 kilos de
assucar braneo.
Para o Natal, na barcaca Dous Amigos, car-
regou : L. da Silva Braga 2 volumes com 60 kilos
de doce.
Thesouro provincial de Peruambuco, 11
de novembro de 1874.
0 eseriviio,
J. CM. da Silva Santos.
SEGUROS
Marilimo c conlra-l'ogo
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
RUA DO COMMERCIO B. 3i.
Seguro conira-fogti
TBE LIVKUPOOI. A- I.OBUOl GLOt
INSURANCE COMPANY
SAUNDERS KKOTHEIlSd C.
11CnrfM< Sanid11
anro txiiii;rrial tie Braga
37Rua do Amorim37
Saca qualquer <|u:i:itia a prazo ou a vista so-
bre este Banco ou uus respeclivas agendas nas
seguinles cidades e villas de Portugal, ilii.n adja-
ccntes e ilespanha, a saber:
PortHKal
Guarda.
Guimaraes.
Gouveia.
I^gos.
Lamego.
Lisboa.
Louie.
Melgac".
Mir n lei la.
Moh^io.
Mailhida
Monle raor o vel'no.
Obtain de AremeU.
Ovar.
I'ana lie).
i'inliel.
Poole de Lima.
Pottjarito.
Porto.
Povoa do Vanim.
Port'Alryre.
Pov-a de Laohoso
Regoa,
Silvaa.
Santo Tiivrso.
Villa H. il.
Viahaee.
Vjzeii.
Villa da Peira.
Villa Puaca de Agniar.
Villa Real do S. Automo.
Moimenta da Beira.
Araarante.
Anadia.
Arcos.
Aveiro.
Agueda.
Arco da Baulhe em ca-
beceiras de Baslos.
Barca.
Barcellos.
Beja.
Hraganca.
Cbaves.
Ceimbra.
Coon.
Covilha.
Castello Rranco.
Caminha.
Elvas
"stremoz.
Evara.
Eapoaande.
Fauialicao.
Faro.
Ficueira.
Fate.
Tlmniar.
Tavira.
Torres Novas.
Valenca.
Vianna.
Villa do Cende
Villa Nova da Carveira.
Funchal.
flhas.
taatmsm
*U
m
*\
JUNTA DOS OORKETORES
f*r&a do Recife, 1 4 de ooveiu-
brn de 1SS I.
A3 3 HORAS DA T VKDR.
C0TAC0F.S OFFIOIiKS
Assucar do Hio Grande do Norte 25050 por 15
kilss posto a bordo, honlem.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 26 112 d. por
1JJ, do bane).
rt. ae Vasconceilos
Presidente.
A P. da Lemos,
seeretario.
CAPATAZ1A
-tendimento do dia 2
Idem do dia 11
DA ALFANDKGA
a 13.
6:167*009
G00,:3oS
0:767*367
Madrid.
Rarcellona.
Vigo.
Puenteaveas
Hespanha.
Fayal.
Cadiz.
Jrensa.
Corona.
Cadajtz.
Companhia Indemaisadora
do Porto.
CAPITAL -2,000:000i)00.
Thomaz de Aqmno Fonceca k C, successes
agen'es.
E restres, dando nestes o seplimt anno gratis aos *e-
surado*.
Rua do Visario n. 19.
Cl
-.c
VOLUMES SAH1D03
Xo dia 2 a 13......
So dia 14.......
*rimeira pcrta.....
Jagucda porta .
rrceira porta
frvpicba Ccncai?ao .

18,117
197
136
225
298
18,973
rasgo de deferedeia wskn nos, como SO fflesmo Al^dJoftn rama oa A128 n. o kilo,
pro-parocho ^e le fl^gnsid'o vlf, eom nSo peque- Affltttarmascavado 107 fs. o Wlo.
no aacrificiq, diatriboir op4o espirltual, evfrmffftf AWWj-JJW ff litto.
neMto ulUmOs oVimlHl*. as missas eoflventaaes, CaT-Branck W rs. o Mlo.
estariamos condemn idoa t viver e a AoYrer sem
4LPANHWU
\eadimenw -i* dia Sa 13.
I -na do dia 14
312:762 .'493
34.426*283
347:l88i779
riescarregam bojn li'i J novemori' la WW*.
Patacho americano Ernest Mario |a despa-
chado para o B* pimto.
Barca ingleza ~ Olinda i-acalhao ja despachado
para o trapiebe Coo ;eic*o.
Patacno americano -Francis J madeira ja des;--hades para o caes do
Apollo e 1* ponto.
Patacho allemao Anna -elnwnW para o trapiche
Coaceicao, para despacnar.
Barca portugueza Aro6e.'/a-lagpamento para o
trapiche Coneeicao. para d-pachar.
Barca portugueza Alexandre Hercnlano pe-
dra* para o trapiche Concelijae, para des-
pacnar, e sal ja despachado para terra.
Brigue portuguez Rio Vouga varios generos
para o trapiche Couceicilo, para despa-
cnar.
Patacho hespanhol Auii'ia generos nacloaaes
para o trapiche da companhia.
U-TKRAgAO KA PAtTTA DOS PBKCOS DOS 0KNRR0S
8CJBITOS A DntEITOS DS aXPORTAljAO, It A SKUAMA
M f6 A 91 D9 TOVSMDRO Oft MJ74.
SERVigO MARITIMO
a^arsngas descarregadas no trapiche da
alfandega.
So dia 2 a 13.....
So dia 14.......
34
M
tiiCEiJSDORIA DS RENDAS INTshNAS GE
RAS DE PERNAMBUC-
andiraenlo do dia 2 a 13
dra do dia 14
18:984*860
8:59311604
27:578*464
CONSULADO PROVINCIAL.
^ecdimeIito do dia 2 a 13
darn do dia 14
RECIFE DRAINAGE
Rendimento do dia 2 a 13. ,
Idem do dia 14......
44:885*950
3:929*2^6
48:815*176
33:6u8#395
4
33:908^395
AGENCIAS PROVINQAES
Liquidos espirituosos.
Sendimento de 2 a 12 2:414*221
Idem do dia 13 293*187
tendimento de 2
Idem do dia 13
Bacalhao. etc.
a 12 2:316*418
i
Genems de estiva.
Rendimento de 2 a 12 2:155*898
Idem do dia 13 349*724
i*4okilo.
: Farinha de trigo, etc.
Rendimento de 2 a 12 1:414*364
\ Idem do uia 13 708*000
Fumo, etc.
2:707*408
2:316*413
2-305/832
2:152*364
.OHPAKHIA alliasca
guros maritimos e terres-
tres estabelecida na Bahia
em 15 de Janeiro.em 1870.
CAPITAL 4,000:0008000.
toraa seguro de mercadorias dinhein.
ui i maritime) em navio dfl vela e var. >
>ara dentro e fo.ra do imperio, assim c.-mo
xmtra fogo sobre predios, generos a fa-
eudas.
Agente : Joaquim Jose Gonr^alves Bei'.rao,
aa do Cornmercio n. 5, 1 andar.
SEGUROS
NAUT1M0S
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Tndemnissdora, MHNlMMa
aesta praca, toma seguros maritimos -
tavios e seus carregamentos e contra hgi
ita "niificios, mercadorias e mobiliss -. u
ua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Revista coauiuercial
Da semana de 9 a \ i de novembro do
1874.
Cambio sobre Londres, 90 d(v 26
26 9',s d. por 1*000.
d. 26 ', j d
Dito sobre
duo, 90 d(v 26
sobre dito, 3 d|V 26 {
sobre Paris 90 d|v 363
I
por 1*0 .
bar.r'.
Dito sobre dito, 3 d|v 26 { d. per I
banco.
Hito sobre Paris 90 div 363 reis o fiasco,
banco.
Dito sobre ditj, 3 d|v 367 reis o franco, b
Dito .-otire Marseile, pagavel era Paris, M
360 rciso franro.
Dito sobre Lisboa, 90 d[v 102 por cec: I
premio.
Dito snbre dita, GO d|v 103 per cento de pre-
mio, banco.
Dito sobre dita, 3 d|v I0t por cecto de prem.o.
banco.
Duo sobre Lisboa e Porto, 3 djv 106 por cen; >
da premio, banco.
Dito sobre o Porto, 90 djv 102 por cento de
premie.
Dito sobro Hamhurgo, 90 d|v 447 o reic't-maik
bine'.
Dito sobre o Rio de Janeiro, 8 d|v ao par.
Dito sobre o dito, 15 div '. por cento de d?-
conto.
Dito sobre o dito, 30 d[V */t p>tr cento de das-
cento.
Dito sobre Bahia, 8 djv >' por rento de ',
conto.
Dito sobre dita, 15 d|v ;( por cento de de-
conto.
AccSes da companhia Indemaisadora, 320fHt
nda nma.
Desconto de lettras, 10, 9 e 8 /. ao anno.
Algodao do Rio Grande do Norte, em ploaa.
7*lc0 por 15 kilos, posto a bordo, frete 1I/H
por cento.
Dito da Parahyba, 1 sorle 7*200 por 15 kike,
posto a bordo, frete J/ e 5 por ceaio.
Dito da dita, sorte 7*150 por 15 kilos, posi*
a bordo, frete de s/ a 3 por cento. '
Dito de Mossoro, 1* sorte, da 7#20O por 15
Utah
Dito do sertio, 4 aorta, 7*aW.J!fr ."??:
Dito para a Russia, 1* aorta, 7*400 por M kilos.
Dito rronxo, { aorta. 7*080 por kilos.
Dito madiaaas. 6*300 por 15 kilos.
Dito sectnkt, 5*300 aw llkakw.



Jiaao He feraamDuou Seguada teira 16 de Novembro ae 1874.
Eutraram 2,35i saccas por term e mar.
Assncar do Rio Grande do .Norte, 5.-030 por 15
kilos posto a bordo.
Dilo da Parahyba, Lstro, 1*900 por 15 kilos.
Dito bruto americano, regular, 14850, por 15
Dito brato americano, escolbido, 1*900 por 15
kioa.
Dilo Canal, de 1*250 a UI50 por 15 kilos.
Esta semaoa emraram 38,085 saccos por terra
e mar.
Frete de assncar para os Estados-L'nidos, 30
sens, aeoi eapa.
Dilo de dilo para Liverpool 40, 42/ e 5 por
cento.
Dilo, de algodao para Liverpool, e 5 por cenlo.
Dito de assocar, Canal, para ordem 50 schs. 5
por ceolo.
Aguardeote. Cotamos a 60*000 a pipa.
Arruz. Cbegaram 75 saccos, colamos de
2*450 a 2*500 pur 15 kilos.
Azeite doce ein caixas. Sem chegada, colamos
a 10*000 a duzia.
Dito dito em barris. Cbegaram 25/s colamos
a 2*700 o galaq.
Alpiste.Cbegaram 20 barricas.colamos a 6*000
por 15 kilos.
Banna.Cbegaram 435 barris, cotamos de 914 a
958 reis o kilo.
Dolacbinbas.- Chegaram 150 barricas, cotamos
a 4*000 a barrica.
Breu. Chegaram 2 a barrica.
Batatas. Cbegaram 52 caixas e 100 meias, ven-
das de caixa 2*200. e giga U200.
Bacalbao. Cbegaram 3,503 barricas. Deposito
10,000 barricas, e reialbase de 17*500 a 19*000
a barrica.
Came. Chegaram 321,923 kilos. Deposilo
66,000 arrobas, lliu Grande, relaluu de oiiQO a
6*400.
Couros seccos salgados.Cbegaram 1,303, venda
de 556, 559 e 551 reis o kilo.
Diios verJes saigados, venda 349 reis o kilo.
Cafe.- Cbegaram 2,387 saccos, cotaraus de
7*800 a 8*000 pur to kilos.
Cimento. Sem cbegada, vendas, 9*000 a
barrica.
Cebolas. Chegaram 305 caixas, vendas a
9*000.
Cha. Cbegaram 67 caixas, e 68 meias, vendas
de 34920 a 4*792 o kilo, cunforme a qualidade.
Canela. Sem chegada, cutamos a It 655 o
kilo.
Cerveja Bass, Nuruega, e Tenente. Cbegaram
366 barricas da nuva, cutamos a Ba>s a 6*500 as
inleiras e 7*500 as meias; da Noruega cotamos
a 5*000 as inleiras e 6*i0o as meias; da Tenen
te, colamos 3^500 as inteiras e 4*500 as meias.
Cognac. Sciu cbegada, cotamos de 9*U00 a
22*000 a dntia, coufurine a qualidade.
Carvao de pedra. Cnegaram 805 toneladas,
cotamos a 20*0o0 a tunelada.
Farinba de trigo. Chegaram 2,690 barricas, e
176 meias. Deposilo o raesuio da setnana passada
e retalba-se :
Huogria d* 30*000 a 314000.
Trieste de 27*000 a 2'J*iu0.
Americana de. 18*000 a 2:j000.
Saccos, do Chile, 9*000 o saccq.
Farinha de milho. Colamos de 4*100 a
4*500 a caixa
Dita de mandiuca. Chegaram 2,288 saccos.
Deposilo 6,000 saccos, retailio a 3*000 o alqueir-.
Figos. Cbegaram 10 grades, cutamos a 4*C00
a arroba.
Farello. Chegaram 100 saccos, venua 5*000
o sacco.
Fnmoem rol s. Cuegaram 16, ultimas vendas,
11*600 a 12*500.
Dilo em laias. Sem chegada, venda de 12*500
a 13*500.
Dito em caixas. Cbegaram, vendas de 12*500
a 13*500.
Genebra de laranja. Sem chegada, cotamos
a 7*000 a duzia.
Dita comuum. Sem cbegada, cotamos a 4*
a duzia.
U ta de Hollanda. Sem chegada, cotamos a
5*000 a duLia.
Diu em boiijas. Sera chegada, colamos a 380
reis pur butija.
Dita lauierna magi -a. Sem chegada, cotamo.-
a 4*500 a duzia.
Dita vida elerna. Sem chegada, cotamos
a 5*400 a duzia.
Kerosene. Sem cbegada, cotamos de 4*500 a
4*600 a lata.
Louca ordinariae Una.Chegaram 10 caixas, e
50 gigas, colamos a 42o pur cento de premio subre
a fact ura.
Milho. Cbegaram 300 sacccs, cotamos a 80
reis o kilo.
Massas. Chegaram 16 caixa}, cotamos a 8*
a caixa.
llanteiga ingleza em latas. Chegaram 198
caixa;, vendas das latas ruuxas a 2*287 o kilo, e
das araarcllas de 2*396 a 2*505 o kilo.
Dita ingleza em barns. Cbegaram 97 barris,
colamus a 2*1/8 o kilo.
Dita franceza. Sem chegada, cotamos a 1*655
o kilo.
Piraenta. Sem chegada, cotamos a 1*045 o
kilo.
Passas. Chegaram 9 caixas, cotamos a 7*000
a caixa.
Papel de embrulho. Lhegaram 1,000 resmas
e 4 far-ins, v-MiJa a 1*00) a resma.
Ptiosphoros. Sem cbegada, cotamis a 2*800
a groza.
Queijos flamengos e prato Chegaram 48 cai-
xas, retalha-se o ll.imeugo de 2**00 a 2*6M) o
queijo, e do pralo reialbu de 1*307 a i*459 o
Sal. Chegaram 280 alqujires, vendas de
1*100 a 1*300 > alqueire.
Sabio ingle- ordmariu. Cbegaram 50 caixas,
cotamos a 280 reis o kilo
Dito da terra. Vendas de 400 a 440 reis o
kilo.
Sardinhas de Lisboa. Chegaram 100 barris, 90
meios e 10 caixas.
Dita de Nantes. Sem cbegada,vendas a 265 rs.
a lata de }{.
Touciuhu. Chegaram 140 barris, cotamos a
13*000 por 15 kilos.
Velas stearinas. Sem cbegada, cotamos a 520
reis o maeo de 6 em libra.
Vinagre. Chegaram 5 pipas e 16 quintos,
vendas de 115*000 a 125*000.
Vinho tinto da Figueira. Sem chegada, co-
tamos de zOO^OOO a 225*000.
Dito de Li-boa. Sem chegada, colamos de
200*000 a 210*000.
Dilo francez. Sem cbegada.
Dito branco francez. Sem cbegada.
Dito branco de Lisboa. Cbegaram 16/;, vendas
de 220*000 a 240*000.
Dito do Estreito. Sem cbegada.
Dilo do t-'ortu. Cbegaram 529 caixas, cota
mos a 10*000, conforme a qualidade.
pagem 8, carga 2,260 barricas com bacatoio
a Malbeus Austin & C.
Bahia 9 dias, escuna ingleza Mary Lezzie, de
148 toneladas, capitao Downie, equipagem 8, em
lasiro; a Johnston Pater & C.
Navios sahidos no mesnoiii
New-YorkLugar inglez Stella, capitao Melchell.
carga assncar.
BarcelonaPatacho bespanhol M-gul capitao
Salvador Manstany, carga algodao.
eOlTAES.
Coasulad provincial.
Para sciencia dos eontrlbaintes do imposto da
decima urbana o os elfeitos legaes, em segnida po-
blieam se as alteracoes verificadas no lancaiueutu
do mesmo imposto no corrente anao tlnanceiro de
1874 a 1875, licando aberto o prazo de 30 dias,
nos termos do art. 38 do regulamento de 6 de
abril do corrente anno, as reclamacdes que por
ventura possara ter a fazer os interessado.
Alteracoes veriflcadas pelo lancador Juaquim de
Gusmao Coelho, no laocameuto da decima urba-
na da freguezia de Santo Antonio, no anno cor-
rente de 1874 a 1873.
Rua de Santa Tbereza.
N. 22 Barao de Una, uma casa terrea
avaliada por 300*000
N. i6. Antonio Teixeira d'Avilla.e An-
tonio Guncalves de Moraes, uma casa
terrea pur 240*000
N. 34..Ordem 3* do Carmo, uma casa
terrea por 333*000
N. 44. Filhos de Manoel Jose Bastos
Mello, uma casa terrea por 360*000
N. 54. Douiingos Nunes Forreira, uma
casa terrea por 168*000
N. 36. 0 mesmo, uma casa terrea por 168*000
N. 58. Antonio Guncalves de Moraes,
uma casa terrea por 273*000
N. 33. llartholomeu Francisco de Sou-
za, uma caa terrea por 240*000
Travessa do Lobato.
N. 18. Ordem 3.* do Carmj, nma casa
terrea por 273*000
Travessa do Becco do Falcao.
N. 6. Jose Juaquim da Costa Leile, uma
casa terrea por 240*000
N. 10. 0 meiuifi, uma casa terrea por 240*000
Travessa do Pocinho.
N. 4. Bernar Jo Jose da Costa
156*000
1:256*000
l:296i000
300*000
300*000
240*000
240*000
240 000
240*000
240*000
240*000
240*000
24i'*0('0
240*000
464*000
3005000
420*000
mrmmn m pmn
Valente,
nma casa terrea por
N. 26 Antonio Climaco Moreira Tem-
poral e Sebastiao Jose Gumes Penna,"
um sobrado ae um andar, soldo e 3
lojas, por
N. 38. Antonio Fernandes Jorge, um
purtao que da entrada para nove
meias aguas arrendadas por
Rua 24 de Maio.
N. 8. Jusd Fernandes Lima, ana casa
terrea por
N. 26. Autunio Climaco Moreira Tem-
poral, uma casa terrea por
N. 28. Seba.-tiao Juse Gomes Penna,
uma casa terrea por
Travessa da Concordia.
N. 10. Manoel Antonio Vieira,uma
ca-a terrea por
N. 12. 0 mesmo, uma casa terrea por
N. 14. 0 mesmo, uma casa terrea por
N. 16. 0 mesmo, uma casa terrea por
H. 18. 0 mesmo, uma casa terrea por
N 20. 0 mesinu, uma casa terrea por
N. 22. Manuel Antouio Vieira, uma
casa terrea por
N. 24. 0 me.-mo, nma casa terrea por
N. 26. 0 mesmo, uma casa terrea cum
suiau por
N. 46. Domingos Nunes Ferreira, uma
ca.-a terrt-a por
N. 11. Auna Tbereza dos Santos Pe-
reira, uma cisa terrea por
Alteracoes feitas no langamento da decima urbaue
da Ireguezia de S. J^e, no exercicio corrente de
1874 a 1875, pelo lancador Izidoro Theodulo da
Maltos Ferreira.
Boa nova de Santa Rita.
N. 70. Jore Jacume Tass), uma casa
terrea com sotau e 4 quartos no quin-
tal, ludo arrendado por
2 oecco da rua Nova de S. Rita.
N. 2. Tiburcio Valeriano Baptista, uma
casa lerrea arrendada por
N. 9. 0 mesmo, uma casa terrea arren-
daJa por
N. 15. 0 mesmo, uma casa terrea ar-
reudada pur
Rua de S. Jose-.
N\ 20. Francisco Juse Leite, 1 sobrado
de 1 andar e loja, ludo arrendado
pur
N. 26. Bartholnmeu F. de Souza, uma
Casa leirea pur
N. 28. Maiia Kagalhaes Ferreira dos
Passos, uma casa terrea por
N. 40. desembargador Francisco de
a.-sis Oliveira Maciel, uma casa ter-
rea arrendada por
N. 50. Autunio Juse dos Santos, uma
easa lerrea arreuJaJ.i pur
N. 58 Manoel Ferreira Autunes Villaca
l.ilia casa t-rrea pur
N. 60. Maria do Carmo Maciel e Silva.
uma ca?a ierr--a pur
-N. 64. Mauoel Dias da Silva Santos,"
uuia casa terrea por
N. 7. Manoel Juaquim Baptista, uma
casa leirea por
N. 13. Maa >el Jose Goncalves da Silva,
uma casa terrea arrendada por
N. 27. Foriuualo Floriodo da Concei-
cao, uma casa lerrea arrendada por
N. 41 Irmandade do Divino Espihto
Ssuto, uma casa terrea por
N 45. Aulumu e Anacleto, filhos de
aoacleto Antonio Soares, nma casa
terrea por
N. 51 Manoel Ignacio de Arrada, 1
casa terrea com 1 quarto no fundo,
arrendado tulo por
Becco da rua de S. Jose.
N. 1. Antonio Jose Tavarez Lins, uma
casa terrea ajrendada por
Travessa de S. Jose.
N. 3. Francisco Butelbo de Mendonca,
uma c ..-a terrea arrendada por
N. 9. Jujtxjuim Lopes da Costa Maia
& C, uma casa lerrea por
Rua dos Pescadores.
N 16 Francisco Augusto da Costa e
outros, uma casa terrea arrendada
pur
N. 20. Manoel Fernandes Mascarenhas,
uma easa lerrea airendaJa por
N. 26 Herdeiros de Araaro Francisco
de Paula, uma casa terrea arrenda-
da por
N 5. Joao Jacintbo de Medeiros Rozen-
do. uma casa terrea arrendada por
N. 15. Antonio Rudriguei da Silva, e
outros, uma casa lerrea arrendada
pur
N. 17. Desembargador Francisco de
Assis Oliveira Maciel, nma casa ter-
rea arrendada por
N- 21. Benedicto Juse Duarte Cedrim.
uaia ca-a ii-rrea arrendada
972*000
144*000
168*000
I92*CO0
382*000
240*000
216*000
240*000
300*00
264*000
240*000
300*000
180*00
180*000
300*00
333*000
240*000
4200000
336*000
Fu, Floriano Corria 4e Brilo, esorifio, o
fiz escrever e subscrevi.
Francisco de Assis Oliveir* Maciel.
Ao sello 300 rs. Valfca sera seNo ex cau-
sa.Oliveira Maciel.
NaJa mais se continha em dito traslado,
aqui tieliuunte transcripto, extrabido dos
proprios autos, aos quaes me leporto. Fiz
escrever e assigriar.
Racife, 5 de aovembro de 18/4.
0 1 escrivio de nrphios,
_________Floriano CorrSa de Brilo,
A camara municipal do Recife ntaoda fazer
pnblico, para conheciraento dequem inlerssar pos-
sa, que Oca sem vjgur a p stura addicional de 16
de outnbro de 1873. quo ate eta data nao foi ap-
pruvala pela MsetnMM provincial ; restahelecen-
do-se assim o art. 175 Uo codigo do poslura.- do
mesmo anno de 1873.
Art. 175. Nenbnm carro, carroca ou qnalqaer
vehiculo de conduecio de geoeros para estahele-
cimentos e casas deita cidade ou fora detla, pode
ra levar mais de quarenta arrobas, *endo de 4 ro
das e sonduzido por um boi, e de SO arroba<, se
tendo o mesmo nnmero le rodas, for eonduxido
por nm cavallo ; se o vehiculo fur conduzido por
mais de am boi ou cavallo levara snmente mais
um terco d < peso estabelecido na razio de cada
animal; se, porem, o vebienlo for de duas rodas,
nio pudera condpzir mais do que dons tercos da
quantidade estabelecida para os de 4 rodas. No
caso de ontravencao os donos de qualquer vehi-
culo serao multado- em 10*000 e no luplo na re
incidencia; ficamlo prubibido sob as me.-mas
penas o costorae de ser os mencionadus vehiculo*
impellidog ou auxiliados no seu movimento a
escravos ou pessoas livres e o boi impellido por
forca de ferrao. Fica prohibido o uso desie ins-
irumento, excepto aos conductores de carros de
engenho.
Pt{0 da camara municipal do Recife, II de no-
vembro de 1874.
Jeronymo de Souta Leio,
Pro-president?.
Francisco Augusto da Cota,
___________________________S^cetario.__________
0 Dr Sesbatiao do Rego Barms de Lacerda, juiz.
de direilo especial do cr Recife de Percambuco por S. M. o Imperador,
que Deus gaarde, etc, etc
Faco saber aos que o presente edilal virem ou
delle noticia tiverem qoe no dia 20 do corrente mez
e anno, as 11 horas, na sala das audiencias, devera
ter lugar a riun.au dos credores da massa falhda
de Amurim Fragoso Santos & C. para proceder se a
tomada de eontas dos adraioistradores da dita mas-
sa fallida, certo os credores de que nao serao admi
ttidos por prncuradores, sem que estes exMbam
procuracoes espeeiaes, as quaes nao poderio ser
conferiJas a devmores dos fallidos, nao podendo
outro sim nm >6 individuo represeutar por dous
diversos ere lures e que sera havido o credor que
nio comparecer como adh* rente a quitarao plena
aos fallides nos termos da lei E para que chegue
ao conhecimento de loJos, mandei passar o presen
te que se- a publicado pela imprensa e alllxado nos
lugares do costume
Recife 6 de Novebro de 1874.
Eu Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivao, subescrivi.
Sebastiao do Rego Barros de Licerda.
kilos da prejos de ferro para cosudo, de O.mlOO,
400 bios de pregos da ferro para costado. de
0.m015, 10,000 pregoa de biu 1 grande, 20,000 pre-
gos de batel pequeno, 20,000 pregoi ripares, 100
kilos de pregos de cobre para bate), 100 kilos de
pregos de cobre ripares, 40 grozas de parafosos de
metal tortidos, |00 grosas de parafmos de ferro
para madeira, 6 paos cirvos de sicupira de 6,m710
de tomprimento e 0,m300 em qnadro, 2 paos de
peroba de 10,m675 de comprimento com 0,m375
de largo e 0,ml25 de grossura, t paos de peroba
de 9,ru 150 de comprimento com 0,m500 de largo e
0,ml25 de gressura, 4 paos de peroba de 7,m320
de comprimento com 0,m375 de largo e 0,ml25 de
gr .ssura, 40 meios de sola da tern, 500 kilos de
secante, fezes de ooro, 50 kilos de.lacbas de cobre,
2,400 kilos de tints branca de zincu, 1,200 kilos de
tinta preta, 3,000 kilos de tinta vfcrde, 200 tabots
de peroba de 12,m2O0 de comprimento com 0,m 175
de largo e 0,mi75 de gros nho d rezina if 0,m075 de grossura, 160 laboas
do piubo do rez.iu de 0,m05O de grussura, 120
laboas de pinho de 0,mO25 de grossura. 120 taboas
de amarello de 0.m075 de grossura, 120 taboas de
amarello de 0,m05 de grossura, 120 taboas de
amarello de 0,m037 de grossura,
amarello de O.mOlS de grossura,
pio carga de 0,ro075 de grostura,
i ao carga de 0,mn5O de grossura,
pao carga de 0 m037 de grossura,
pao carga de 0.m09 de grossura, 103 taboas de pao
carga de 5,m060 de comprimento com 0,n>270 de
largo e 0,m081 de grossura, 12 laboas de pao car-
ga de 5,m280 de comprimento com 0,m040 de lar-
go e0,m08l de grossura, 60 taboas de pinho ame-
ricano de 0,m025 de grossura, <2-i taboas de pinho
da Suecia de 0,m075 de gross ira, 120 taboas de
pinho da Sueca de 0,m050 de grossura, 120 taboas
de pinho da Suecia de 0,m037 de grossura, 120
taboas de pinho da Suecia de O,m0l9 de grossura,
120 taboas de iouro de 0,m037 de grossara.
Sala das sessdes do coaselho de compras
do arsenal de marinha, 13 de novembro de
1874.
0 secretario,
________Alexandre Rodrigues dos Anjos.
Jaeondlaoo Rodrigues de Oliveira,
_____ Secrelario 4a junta.
ISO
120
120
120
120
laboas de
laboas de
taboas de
taboas de
taboas de
Elitain. H6.
Pela inspectoria da alfandega se faz pnblico que
as 11 horas da manha d< dia 16 lo corrente, se
se ha de arrermtar no tr.ipiche Cinc-icau, livre
de direitos e sujeitas ao imposto da capatazia, as
mercad has abaixo declaradas.
Trapiche Coaeeicio
Marca M S M 11 caixas com fruft3? era mao
estado, vindas de S. Miguel no navjo portuguez
Arabella, descarregadas em 9 do correute e con-
signadas ; .lose do Rego Borges.
Idem ARM -I dita idem idem a Antonio do
Rego Mouteiro.
Alfandegi de Pernarubuco, 14 de nove^n-
bro de 1874.
0 inspector,
A. de I'.arv.tllu
Consulado de Franga em
Fernambuco.
AVISO.
Successao Edu rd Turpin.
Os devedores desta successio sao rogadoa a sa-
tisfazerera o mais breve pjssivol, os debitos da dim
snecessao. Outro sim, os eredores cbirographa
rios da raesma successao sao prevenidos que um
dividen io de 20 \. tera lugar na chancelleria des-
te con horas da manha as 4 da tarde.
ADMlNISTKA AO DOS CORRE10S OK PER-
NAMBUCO, 27 DE OUTOBttO DE 1874
Ageneu do corre>o.
Fac^i publico que funcciona d'ora em dianle a
agenda do correio ullimamenta creada na povoa-
ca i de Lagoa dos Gatos, sendo a respectiva mala
expedids. nos dias 3, 7, II, 13, 19,23 e 27 de cada
mez, e a currespondencia recebida ale as 3 horas
da tarde.
Alfonso do Rego Barros,
__ ____________ Administrador.
ADMINISFRACAO DOS COKREIOS UE PEKNAM-
BUCO, 4 DE -OVEMBRO >E 1874
RelacSo da correspondencia regi/trada (sem valor)
recebida de diversos procedenrias ati esta data,
e que ndo tern sido eniregue por ignorar-se as
residencies dos deslinalarios.
Antcni'! DoracNa* da Camara, Antonio Luiz do
Amaral e Silva, Augusto de Sa Albuquerque, An-
tonio Feliciano Rodrigues Setie, Amaro de oliveira
Duira, Antonio Duarte Pinlo do Mt>squila, Carnei
ro 4 C. Clarimundo Barreto dos saoios. Cordigan
do Mendes Ferreira, Domingos Bentc da Moeda e
Silva, Fortunate augusto da Silva, Feliciano do
Reno Barros Aranjo Junior, Francisco Felismlno
de Albuquerque Mello, Fortunalo Archanjo da
Cruz. Francisco de Pacla Dornellas. Felix Gomes
Coimbra, Francisco Oclavio Ramos, Faasto Tertu-
liano Bmdeira Ferrer, Francisco Delfino da Silva,
Guilherme Raymundo >sta Leile, Joao Henriqne
de Albuquerque Mello, Jose Bandeira -de Mello,
loaquim Elviro Pereira Magalhies, Jose Manoel de
Aranjo, Joio Leile, Joaquim Rodrigues Pereira,
Jose Ferreira de Moraes, Jose Gomes Vlllar, Joa-
ouira Soares Teixeira, Jose Bandeira de Mello,
Joao Vieira da Cunna, lose Antonio de Araujo Oso
rio, Joao Cancio Pereira dos Santos, Julio Coriola-
no Dias, Juio Auguslo da Silva Freire, Luiz Jose
Pereira Simoes, Luiz Augusto Botelho, Luzia da
Veiga ivssoa, Marianna de Senna Guimaraes, Ma-
noel CaeUno Vieira da Paz, Manoel Thomaz Bar
Don, Manoel Jose dos Sanlss, Manoel Domingo* de
Sant'Annt, Marcolina Maria da ooncei ^o, Manoel
Francisco de Oliveira, Paciflco 3a Silva Castello
Branco Junior, Rodolpho Maxirailiano Pessoa Dor-
nellas.
0 official encarregado do registro,
losi, Candida de Barros.
V.
Reis.
336*000
336*000
216*000
240*000
300*000
264*000
300*010
.160*000
iVauios entrados no dia 14 do corrente.
New Yoik por S. Thomaz ePaia2 dias, sendo do
ultimo porto 4. vapor americano MerrimncK. de
2050 toneladas, commandande Slocum, equipa-
gem 66, carga differenies generos : a Henry Furs-
ter & C.
Rio de Jaaeiro -19 dia-, patacho hespanbol A malia, novembro de 1874.
de 133 toneladas, capitao P. I. Lopes, e jmpagem [ 0 chefe.
10, em lastro; a Pereira Carneiro Maia Cardiff-52 dias, ba ca ingleza Princeza Allies, de ___________________________
356 teneladas, capitao Jubn Temper, equ.pagem 0 desembargador Francisco de Assis Olivei-
10, carga carvao: a sanniers Br.ither- AC u i i .
ra M-cii-1, oflicial da imperial ordem da
Santa Casa de Uisoricordia de
Recife.
A junta sdministrativa da Santa Casa da Miseri-
Cordia do Recife contrata a demolicio e recons-
trucQao da casa sita a rua do Bom Jesus n. 12,
onjada era 5:3251, com queto se prupozer fazer a
ubra por menor preco. .
Os i agameotos serao em tres prestacoes iguies.
a la depois de comojar a nova obra, a 2" quando
concluir a Cuberta, e a 3' quando entregar a obra.
Descripcao da obra.
Demolir todo o predio, construir de novo um so-
brado de urn andar, deixando duas porlas no
andar ttrreo e duas no pritneiru andar, em cada
frente. A porlas do an Jar terreo s-rao de costa-
dmho e as do 1* andar de assoaibo reforcado de
amarello, guarnecidas com hombreiras novas e so-
leiras novas de conlao, todas com capiteis de pedra
mulatmha ; levarao barrotes tambem de amarello
para receber as bandeiras de ferro fornldas semi-
circulares e oulras de madeira (amarello) por den
tro das de ferro.
No primeiro andar as portas terao caixilhos de
amarello e barrotes para receberera bandeiras de
ferro e de madeira semi circulares iguaes as do
andar terreo.
As duas frentes terao cornijjs, acroterios, en-
canamentos e sacadas de pedra mulatmha cum
varandas corridas, novas, roda-pe e eorrimio de
amarello. 0 ladrilho sera de asphalto sobrn ura de
tijolo. 0 soalho do | andar sera do luuro de boa
qualidade, seccoeass nt do a nieio fio. 0 trave
jamenlo sera de madeira de qualidade, excluiudo-
se dessa a que lor muil flexivel. Toda a madeira
sera nova e verifkada pelo mordomo enearregado
da obra antes de ser empregada. Todo o material
vt Iho i.ertencera ao arreraatante, que sd podera
aproveitar nara a obra nova us tijolos e as telhas
que estiverem inteiios.
A escada sera de meia volta com anaaballa de
costado de amarello. As portas, caixilhus e ban-
deiras leva-ao tres maos de tinta.
As propostas em :artas fechadas serao recebi-
das na secretaria da Santa Casa, no dia 19 do cor-
rente.
Secretaria da Santa Casa de Miserieordia do Re-
cife, 9 Je novembro de 1874.
0 escrivao,
________________Pedro Rodrigues de Sou73.
COMPINHIT
DO
BEBERIBE.
CONSULADO PRO. INClAL.
Ne.'U reparticao arrecada se novamente duran-
te u corrente mez as importancias dos apparelhos.
encanaraeaMs, differencas e anuuidades devidas a
companhia Recife Drainage, no trimestre de jslk-i
a dezembro de 1872, pelos predios sibis as ruas
do Marquez do Herval e Padre Nobrega, isto de
conlormidade com a portaria do Sr. inspector do
thesouro provincial e as novas relates era subs-
titoicao as priraeiras.
Consulado provincial de Pernambuco, 2
de novemmbro de 1874.
0 a-iministrador,
____________Antonio C. Mavhado Rios.
->ANTA CASA DA MlSERICOKLlA DO
RECIFE.
A lllma. junta admimsrrativa da Santa Casa da
Hisericordia do Recife, manda lazer publicn que
Q4 salade suas sessoes.o dia 12 de novembro,pe
as 3 horas da tarde, tern de ser arrematadas s
raem mais vantagens offerecer, pelo tempo de urn
a tr's annos, as rendas dos predios em seguids
l-clarados.
ESTABELEaMENTO DE CAR1DADE
vidal de Negreirot.
Casa terrea n. 94.......301*006
Rua larga do Rosario.
!. andar e loja n S4 A.....310*000
f andar n. 24 A.......408*000
J.- andar n. 14 A. ... 251*000
Rua de Antonio Henriques.
"asa lerrea n. S6.....99*00(
Largo da Campina.
!demn ll(fecbada)......ItOKm
Rua do Coronel Snassnna
1" andar do s brado numero 94 386*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua do Commercio
Sobrado n. 30.......800*000
Rua da Moeda.
Casa terrea n. Si fechada).. 400*000
Becco das Boias.
Casa terrea n. 18.......421*001
Rua da Lapa.
lasa terrea n. 11.......808*000
Rua do Amorim.
Sobr.do de 8 andares n. 83 6024000
Casa terrea n. 34......22*CXKi
Ruar do Bngos.
Casa terrea n. 21.......153*000
Rua do Vigario.
z* andar do sobrado n. 27 243*000
! andar do mesmo..... 240*000
Loja do mesmo.......300*000
Rua do Encantamento.
iubrado de 2 andares n. 13 (fechada). 1:400*000
Rua da Senzalla velha
(dem n. 16........209*000
Rua da Guia.
Casa terrea n. 25.....209*nm
idem n. 89......20i*00(>
Rna da Crnz.
Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada).
idem n. 14.........
Rua de S. Jorge
Casa terrea n. 103......
Os pretendentes deverao apresentar
irremat
acompan
pagar ale
CIRCO EQUESTRE
Campo das Princczas
Vende-se o cir?o equestre, o qual consta de ta-
boas de pinho, sendo forro de 18 palmos, g-alho
de 12, porgio de barrotes e grande quantidade de
caibros de diversos tamanhos, sendo dearaca,
mangue e oulras qualidades : os pretendentes
podemdirigir-se ao mesmo circo, das 10 horas da
manha as 3 da tarde.
MUmMSS
candielro de I bieoa, npelkos, mesas pan alfaiata,
1 carteira de amarello, 1 esuiia para lines, a
cabide, marquezdea, nma mesa redoada, 1 (
com gave"u, uma importanie macbtea de <
e outros maltos obieetos
Loja da rua da Imperatriz n. 49, coobecida
por a Ar.tualidade.
Terea-felra 1* wweaie
AS 11 HORAS DA MANHA
Alfonso Gaimaries & C tario leilio, por i
vencao do agenle Marlins, da ansafio de m
tab-leeimento, flteiro*. lustre, arandellas
dieiro da gaz, nma mahcina de costura, e pel
cas da offlcina de alfaiste, bem como diversos i
veis existentes em dilo estabelecimento, o qoe It-
do sera vendido sem limiles. para liqui.lar.
Garante se a casa ao comprador da armaeac;
pots lem commodos para moiadia e agna e i-t
encanados.
Pacific Steam Navigation Coatpaij
ROYAL MAIL STEAMER
(DE 4013 TONEADAS)
Espera-se dos por-
tos do sul ate o dia 22
do corrente, e depois
da dem&ra tJocostu
mesegnira para Li-
verpool tocando em
Lisboa, Bordios. para onde Mcebera passageiros,
ancommenlas, carga dinheiro a frete
N. B.Nao sahira antes das ires horas d3 tar
le do dia da sna chegada.
AGENTES
Wilson Rowe A. C.
14 RUA DOCOMMKRCI-l 0
(OHPWIlli BBA91I.E1R.%
DE
VAVEGACAOAVAPOB
Porio* do norte
Conde d'Eu (fretado)
E' esperado dos portos
do sul ate o dia 17 do
corrente e seguira para
os do norte depois da de-
mora do costume.
SOOiOOO
600*OO('
Para carga, enebmmendas, valores o pafsasens,
trata-se no escrintorio
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
^__________Agenles
Para o Para.
Pretende seguir com muita brevidade o palha-
bote Joven Arthur, tem parte de seu carregamen-
engajado, para o resto que Ihe falta trata-se
;om o seu con>ignatario Antonio Luiz de Oliveira
\zevedo, a rua do Bom Jesus n. 57.
Con
americana e iwasileira
de paqueles
207*000
no acto da
as suas flancas, on comparecerem
a dos respectivos fladores, devendc
i renda, o premio da quantia em
300*000
Pnmeira seccao do consulado provincial, 3 de
Trieste-72 dias, escnna allema Magnet, oe 154
toneladas, capitao P. V. Ebven, equipagem 7,
carga 1,782 barricas com farinha ae trigo; a
Heory Fori-ter & C.
Trieste 59 dias, bngoe inglez Adela, de 180 tone-
ladas, capilau Saiuurl Poid, eqnipagem 8, carga
2,116 baricas cum farinha de tngu; a Juhnston
Pater & C. Seguiu para a Babia.
Lishoa 33 dias brigon portugnez Rio Vouga, de
180 toneledas, capita Jose dos S ntos L Junior,
equip:-gem 13, orga differentes generus ; a Sil-
va G .imaraes & C.
Santos 15 dias. bngue inglez Nillie, de 204 to-
neladas, capitao James Crancb, eqnipagem 9,
em lastro ; a am il & C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio da Praia B-rca brasileira Santa Maria, ca-
pilau Adelmo JUfe da CoU, carga a-sucar.
Barcelona Sumaca hespanhola Puuln, capitao Jo-
se Miia, carga algodao.
Portland Barca iogleza Idalique, capitao Mecbel-
sen, carga as.-ucar.
itorios do Sul Vapor americano Merrimack, com-
maodanie Slocum, e rga a mesma qoe trouxe '
An portos do irrle.
Navies entrados no dia IS.
Rosa, cuvalbeiro da de Cbristo e juiz pri-
vativo de orpbdos e ausentes da cidade do
Recife e seu termo, porS. M. o Impera-
dor, que Deus Kuarde, etc.. etc.
FaQu saber aos que este virem o delle tiverem
conhecimento quo a reqnerimento de Gertrudes
Cbrist.na do Espiriio-Santo, meeira e inventariante
dos bens quo ficaram por fallecimeato de seu ma
rido fa-chual Alves de Aguiar, vai ser vendido em
haota publica. ia cum o abate da quinja parte, cor
rendu tres p.-ai;a someute, a casa terrea na rna do
Co.ido da Boa Vis.a sub n. 86, com nma pona e
uma jaoella de frente, 18 palmos e 3 pollegadas de
vao, 2 salas, 3 quartos, eosinba exteraa, quintal
mora o, solu prupriu, oitao de taipa, carecendo de
senos reparos, 1:500*000
E uan bavoudu lau^ador na priraeira praca vai
agora com o relVrid abate, por 1:200*000.
E pra c osiar, tan ilfi passar o presen-
te, que sera aiRxodu nos lugares do costu-
me e publicsd < pela imprensa.
e passadu sob mea signal
0 Sr. orbeuiano de Aqu no Fonseca,
caixa da companhia do Beberibe, acba-
se autorisado a pagar no seu escripto-
rio & rua do Vigario Tenorio n. 19, das 10
boras as 3 da tirdo, o 53 dividf-ndo desta
companhia findo em 31 de outnbro do
currente anno, na proporsao do 3$l)00 por
apolice: pruvine-se aos Srs. accionistas
que o pagamento sera realisado em moeda
de cobre.
Escriptorio da companhia do Beberibe,
14 de novembro de 1974.
0 Sf-cretario,
_______Luiz Manoel Rodrigues Valenca.
que for se^ o predio que contiver estabeleci
mento com v, assim como o servicp da lim
peza e preco apparelhos.
Secretaria nta Casa dagtfisericordia do R
eife, 17 de sstembro de 1874.
0 escrivao,
_______________Pedro Rodrigues de Souza.______
Thesouraria de fazenda
Manda o film. Sr. inspector annunciar qne, de
ordem do Ex n. Sr. mnistro da fazenda, foi espa-
cado ate o llm de junbo de 1875 o prazo marcado
para se dar priocipio a substituicio das notas de
50* e de 2000 da quarta estampa.
Secretaria da inesoutaria de fazenda de Pernam-
buco, 14 de novembro de 1874.
Jacundiano Rodrigues de Oliveira,
Secreiario da junta.
a vapor.
Ate o dia 14 de novem -
bro e esperado do nor-
te o vapor Merrimack,
commandanle Slocam,
o qual depois da de.
mora do costume, se.
guira para o R o de Janeiro c ra escala pela Oahia
Para passagens, trala se com os agenies Henry
Forster 4 C, rna do Commercio n. 8.
Agente Pestana
leilao
DE
4 caixas com castanhas de Lisboa e 1 caixe
com 100 latas com figos em calda
Seguuda-feira IO do rnrrrate
A'S II HORAS EM POSTO
Xo armaxem d Hr. tnnrv
0 prepeaw do agente Pestana fara leilao, ptc
coou e risen de quem pertencer, de 4 eaixa co a
caslauhas de Lisboa. e 1 dita com 10u lalas eoia
flgos em calda, os ouaes -erao veodidos em ma
ou mais lotes, a vontode dos Sr. compradores.
Importante
LEILAO
DE
Um grande sit;., junto a povoacarie
Coelho, em Olinda, com nm grande >obrado e sotae
para moradia de grande hats, em as ngnint<
commodidades : p;.vimtntu terreo. 5 sa'as f.rradas
e bem preparadas, 6 quartos e cozinba indepei -
denle, !. andar 6 salas forradas, I cupiar. solaV>,
2 salas e 6 quartos, 1 qnarteirao de 5 casas era ** -
guida, 3 galiinheims de pedra eral, gradeado-,
casa, senzalla e gallinheiros cirrnlados com eal>-
da, 1 grande cocbeira de pedra e cal, I rstribaria
para 6 cavallos, a vuntade, 2 casas para bi*pde-s.
tendo uma dellas I lenaco com raramanrbao de
ferro, 2 banheiros de pedra e cal, 3 cacimbas e S
viveiros, 2 diti'S principiados, 1 p mar de mil U-
rangeiras, I dilo de 600 eoque,ro, I grande pai-
reiral de nvas d boa qualidade, e muitas utrss
variedades de arvures frnctiferas, I boa horta com
todas as qualidades de hurUlice, graodes baixas
para capim, 1 grande jardim que comjirehende to-
do o sitio, com Cores eseolhidas, sendo oacioaaes
estrangeiras, 2 lindos caranianchSes de ferro, nm t
"aixa d'agoa e repuchu
0 referido sitio e divjdido pnr 3 estradas e 1 ft,
tendo sahidas com portoes de ferro para as dilas
ostradas, I porto de desembarque e embarque >
centro do sitio, terreno proprio ; a final e silo pa-
ra uma familia viver independente, s6 com o pro-
Incto das frnctas. Beret, hortalices e c..|.im qn
vegeta este sitio, e gc3ar do bom; viver que oflere-
ce a natoreza
TERgA-FEIRA 18 DO COHR>ETE
t%s IO \\Z horan.
No escriptorio >;a rua do Bom Jesus n. 53.
primeiro andar.
0 agente Pinho Borges, baslanle autorisado, vea-
dera o referidu sitio ivre e desembararado, e se-
ra effectuado deflnilivamente, e pur conta o liseo
de quem pertencer.
Os Srs. pretendentes podem desde ja examina -
lo, e qualqaer esclarecimento o mesmo agente po-
de dar a quem mterp-H.ir relitiv-mente para issc.
LEILAO
DE
Um grande sitio na estrada dos Afilictos, seadr
casa bem construida, soiao e miraniecom as com
modidades seguintes: 2 salas de vi-ita, forradas
eslucadas, 1 quarto proprio para capella, I diu
para gabinete de leitura, I dito para d.rmida, f
dito para crianca, I sala de jantar, aote-sala cor
redor ; no solan, 1 saleta e 2 quartos; no miran
te, nm sota todo envidracado, cotinha, sala pan.
engummar, despensa, 2 quartos para rriadot, en
solo proprio, lendo 300 palmus de frente, um gran
de jardim, muitas arvures fructifera*, e divi id
por duas estradas, terreno bastnte para duas ex
cellentcs baisas ne rapim, na Irente mnrado, gra
de de ferro e porlao.
TERCA-FE1RA, 18 DO CORRENTE
* 11 horas da BKuifti
'So escriptorio da rua do Bom Jesus n, 53,
primeiro andar.
0 agenle Pinho Borges levara a leilao o referid<
sitio, por conta e ordem do Sr. P. M. Saury qo
se retira para fora desta provincia.
Os Srs. pretendentes podem desde ji examina
lo, qualguer esclarecimenn, c< m o mesmo agente
LEILAO
Dado e passadu sob mea signal e sello
ou Vfllba sem sello ex-causa, nesta cidade do
Nc?a 37diaT paueho mgiez"Mm, da Rec'f de Pernambaco, aos5 do novembro
JJ3 looeladaa, capitao Bemjamia Bredge, eqai- de 1874.
COiNSELUO DE COMI RAS DO ARSENAL
DE MARINHA
O eooselho no dia 17 do ^-rreoie mz, a vista de
proposias recebidas aie as II boras da manha,
promuve sub as coudi^d-s d > e-tylo, a compra dos
seguintes object > do material da armada :
16 feixes de arcos Oe ferru sgf lidu-, 400 litros de
azeite de peixe, 600 kilu- de almagiv, 8no kilos de
alvaiade de cnumb >, 00 kilos de agoa-raz, 2 0>K)
kilos de breu, MO kirns decre, 1.1KI0 eravus de
ferro n. 1, 4 curves de sicui.ira, tendo de compri
meoto n'u a poota C.in.'iJ.S e na outra 0m9i5
mb^> Com 0,inS5 de Urt- Otnil7-'i .le grossura,
2.000 k......lee-tiua ih-lmni, -*Mlf,nn >4^flu >e
aigoiia.. | 0 peva* pesa- de lona e-.tie.ita, da Russia. 50 l.vros m
branco, d lOOfolhas, papel pauudu, 40 duzias de
I -pis, 4 (I kilos de ocre, 4,'KX) kilos de oleo de li
nnaca, 50 resroas de p pel -lmac pantado. 3o0
kil >a de pregos de cobre para forro, 300 kilos
de pregos de cobre para coUdo, 300 kiioi de,
pregoa de ferro para ceaudo, de 0,ml50, 300'
Thomaz de Aquino Fonceca & G.
Snccessores
saicara por todos os vapores, sobre as seguintes
pracas :
Lisboa. Regoa.
Porto. Cnaves.
Braga Villa-Flor.
Vianna. Mirandella.
Viseu. AlijO.
Gnarda. Pavaios.
Coimbra. Braganca.
Gnimaries Lamego.
Rio de Janeiro.
Na rna do Vigario n. 19.
Companhia Fidelida e
S^guros mariiimos e terrestres
A agencia desta companhia toma s- garos man-
limos e terrestres, a prembs razoaveis, dando nos
nltimososolo livre, eosetimoanno gratuit. ao
segurado.
Felieiano Jose Gomes,
_________Agente._____________
De onem do lllm Sr. inspector sao pelo
presenie inlimados o x-tbesoureiro da recebedo-
ria de rendas Joaquim Maria de Carvalho. eu
ennbado, on quem, por qnalqaer motivo o repre
seme, e qoaesqaer outros int ressados, para viiem
a esla feparttcao, aflm de declararem, no prazo de
30 dias, qoe Ihe-* fka assignado, se .ceilam >.u nao
o resmtaio da tomada das conta- do me-rilo ex
tbesoureiro relativas ao exercicio de 1883 1864 em
que exerce" o dito logar, sob pena de serem con-
>iderados revel* e prosegmr se no processo da
re'enda tomada de conu*, independents de qnal-
qoer nova citacao nos termos do art 22 do decre-
to n. 2,548 de 10 de marco de i860 ; devendo de-
clarar tambem sea domiciio, on coastiiairem no
desu cidade procorador earn os necessarios e bas
ttntas poderes.
Thesouraria de faxenda de Pernambuco, 10 da
novembro de 1874.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\'ave*acao eostelrara vapor.
Parahyba. \:t(i. llacao. Mossoro,
Araenij, Ceani, Acarara' e Ainar-
ntcao, no Piaaby.
0 vapor lpojuca,
commandanle Mour-t,
seguira para os por-
tos aciraa, na dia 21
do corrente as 5 ho-
ras da tarde
Recebe carga ate o dia 20, encomraendas, pas
jageiros e dinheiro a frete ate as 2 horas da tar-
de do dia de sna sabida : escriptorio no Porte do
Mattos o. 12.____________________
Rio de Janeiro.
Brlgae V Paulo.
Sahira com brevidade : para carga trata-se na
rna do Vigario n. 7.
11 Ul
0 bngue portnguez Triumpho, pretende seguir
;om muita brevidade: para carga e passageiros
rata-se com os consignatanos Thomaz de Aquino
?onceca A C. snecessores. rua do Vigario n. 19
Ilha de S. Miguel
bote portnguez Novo S. Lourenco, para onde rece-
be carga e passageiros : trata se com os consig-
aatarios Thomaz de Aqnino Fonceca & C. Succee
Costa d'Africa
Segue da Bahia em 30 deste met, para o porto
de Onnim. na Costa d'Africa, a barca portugneza
Josephtna, tend" bens commodos para passageiros.
DE
duas grandes casas terreas na povnagao il
Apipucos, reedificadas ha pouco tempo
Uma casa n. 19, com 32 palmos de (r- nle e '..
dit -.- de fundo, com as seguintes commodidades :
2 salas graodes, I terraro, 5 imarlos, I coxiaha
3 quartos fora, murada. com porlio do ferro para
o rio, e canalisada a gaz.
Uma outra n. 17, com 32 palmos de frente, S5
dito" de fundo, com as seguintes commodidatfes :
2 sala-. 6 quartos, 1 sala para engommar, euttaba,
2 quartos fora, 1 dito e murada, com porlao par*
orio.
Tcrra-feira 11 da corrente
AS 10 fl4 HORAS DA MANHA
Por intervencao do agente Pinho B- rges, em sen
escriptorio, a ma do Bom Jesns n. 53, I* andar.
Os Srs. pretendentes podem desde ja ex.oM'aa
las, e qnalqaer esclarocimento com o mesmo agen
te.
LEILAO
DE
cerca de 387 pranchoes de jacarandd, e
cerca de 1,628 toros de pao *rasil, salva
dos do patacho inglez Dundee
Terea-feira I? do cer'eate
as 11 i|2 boras em Donto.
Wm. K. Moore, capitao do patacho inglei Dun-
dee, naufragado ao sul do porto de G .llinbas, oa
sna ultima viagem da Bahi. para os E-udos-Uni-
dos, levara a leilao, com licenca do Sr. inspector
da alfandega, em presenca de um empregadu da
mesm > eparti;.lo para o fim nomeado, e por m
tervencao no agente Pinto, e por conta e nsco de
quem pertencer, os pranendes de jacaranda e to-
rus de pao Urasil, que faziam parte da carga do
referido patacho, e existentes no armatea de ba-
rao do Livramento, a rua do Brura, defruoteda
fahrica de sabao.
0- preteodentes palerao desde ja examiaamn a
referlda madeira e Concorrerem aoacto do leilao
Libra esierliuas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commemo n. 42.
LEIIOES.
leilao
LEDLAO
It
10 saccas com algodao
TercM-feira 19 do corrente
AS 10 HORAS DA MA Ml/
0 agente Pinto fara leilao, por coot* e riaeo de
quem pertencer, de 10 saccas com algodi, marca
G. M., vindas do Ara^ajd no vapor J jxnribe, e
existent-* no trapiche da compaonia, on le -e eiec
tuara o leilao as 10 boras do dia ac.nia di to.
Agente Pestana
leilao
DE
amaarmacioeom fiteiros eovidracados, nm mot-
trador, nm lustre de crystal para gaz, arandellas.
DK
vid'o*., ouro
Ib'-nies.
mov. is, louc,
No andar
Viaorl*
TERCA FK1HA
As* It boi
0 prepoalo do agenle Peataaa,
te autorisado por nma familia qoe
pmia e bft-
t
\
17 DO CORRLNTK
BOBlO





Jlario de fernainouw Segunda teira 16 de Novembro de 1574.
'f


iv.
uropa, fari leilao por codU e risco de quem
perteneer, dos maveis afraixo menciooados.
A saber x
Uma rica mobHia de jacaranda a Luii XV,
com umpos de pedra, 1 piano de jaeara da, 1
guarda roapa de amarello, 1 gaarda louca, 1
mesa elastica de taboa, I apparelbo para jan
tar, 1 meio dilo para alrooet, 1 par de apara-
dores, 1 commoda de amarello, I meia dita, 1
rico santaarlo de jacaranda, 1 toilette. 1 par de es
pettto, i pares de farm, 2 pares de qoartioba?,
IS cadeiras de amarello, I par de eonsolos,
1 mesa redonda, 1 sola, J cadeiras de balanco, 2
dilas de bracos, 1 marqueza, 1 cadtira para des-
canfo. 1 maebina de coslora, 1 candieiro a gaz,
1 par lanternas.
N. B. Na mesma oeeasiaa vendera t seere-
taria para 4 pessoae, I prensa para eopiar car-
at, 3 mesas do amarello, 5 cadeiras avuUaa 4
mochos, S eabides pequenos, i balcio, 1 relogio
de parede, 3 venezianas, 1 ear teira para lettras,
1 dita para sedalaa de todos os valores, 6 copia
dares grandes de mil folhas cada am, 1 balanca
para eartai, 1 esearradeiras e 3 rewolvers, e mm-
tos outros objectos qae se tornam eafadonho de
meneiena-los, os qaaes esurao patents no aelo
do leilao.
0 agente Pinto levara a leilao, por conta e or-
dem de diversox, differentes fatendas inglezas,
franeexas, missis e allemin, existentes no arma
tern do sobrado da roa do Bom Jesas n. 63, sendo
qae dilas fazendas serao vendidas ao eorrer do
martello, visto ja ter sido vendido o referido sal-
vado.
________0 leilio principi ira as 10 1|2 horas.
LEILAO
nma burr a (cofre), urn a mesa e am armario, mo-
veis pertencentes a massa fallida de Bento da
Silra C
QU1NTA-FEIRA 19 DO CORRENTE
Por intervencao do agenie Pmio
No armazem da rua do Bon Jesus n. 63.
Por oceasiio do leilao de fazendas qae deve alii ter
Ingar.
Agente Pestana
leilao
DE
175 barricas ?om cal de Lisboa, 1 caixa
com 24 duzjas de coaro de lustre, 2 bar-
ricas com encbadas, diversas miudezas,
grande quaotidade de moveis, ouro pra-
te e brilbante
QUARTA-FEIRA 18 DO CORRENTE'
as tt haras em pouto.
No armazem de agendas de leiloes, a* rua
do Vigario Tbenorio n. 11.
0 preposto do agente Pestana fara leilio por
conta e risco de quem perteneer, de < obi lias de
jacaranda, ditas de amarello, ditas de fail, e junco.
pianos de mesa e armario, goarda roupas, gaar
da loncas, secretarias, loacas, e maitos outros ar-
tigos perteneenlejS ao aso domestic.
Feira Semanal
LEILAO
DE
bons moveis, loucas, crystaes, alabastros,
vidros, joias, 4 gaiolas com casaes de
ratinhos brancos e 1 seraphina nova
QUARTA-FEIRA 18 DO CORRENTE
as I01|S boias^
No andar da rua do Bum Jesus n. 8,
outr'i radaCruz.
0 agente Pinho Borges, bastanle antorisado por
nma familia qae se retiroa para o Rio de Janeiro,
levara a leilao os moveis e mais artigos abaixo
mencionados
A saber:
Urn piano em nerfeito estado, do fabri -ante
Blondel, 1 dito de armaro, de jacaran a, proprio
para uraa meoina aprender, 1 ri.-a toilette de ja-
caranda, com tampo de pedra e espelbo, 1 rica se
cretaria para senhora, 1 costnreira de jacaranda,
1 cama franjeza de dito, 1 mobilia cdinoleta, a
imilacao de jacaranda, t dita de mogno, cadeiras
de balanco, 12 ditas para sala de janiar, ditas avul-
sas, ditas de bratos, espreguicadriras, 2 importan
tea relngios de parede, 4 ncos jarros de alabastro,
diversos espelhos de varios tamanhos prourios pa-
ra sala de visits, i guarda roupa. com espelho, 2
lavatorios, am de jacaranda e on ro de amarello,
mesinhas para jogo, 1 excellente maquioa para
costara, 1 dita de manivella, 1 mesa elastica com
4 taboas, I gaarda lonca, diversos quadros, diver
sos jarros, 3 pares le redomas com Bores, 2 apa-
radores, I apparelbo de yorcel.na para jantar, 1
dito para almnco, I galheteiro <'e electro plate,
garrafas, calices, copos, 2 pare? de esearradeiras,
djversos tapetes, e outros maitos artigos que esta
rao pa ten tes a exaiue dos Srs. pretendentes. antes
e no dia do leilao.
bns moveis
para liquidar
Quarta-feira 18 do corrente.
as 11 hora8 da manna.
\i armazrm de Caxius ii. 3.1
0 agenie Martins, autorisado pelo proprietario
do armazem acima, levara a leilao os moveis abai-
xo meucionados
.4 saber :
Dan solida mobilia de jacaranda a Luiz XV,
comtanpos de pedra, diversas mobilias de ama-
rello, sofas, marqnezas, marquez6tsu conso-
los, aparadores, guarda-roapa de amarello, I im-
portaole secretaria de jacaranda, com estante, di-
versas carleiras de amarello e bancas de 2 gave-
tas para escripl.irio, {mesa elastica de amarello
com 6 taboa, i cama de jacaranda para ca dita de amarello para dito, t dita de dito para sol-
teiro, lavatorios, eabides de colnmna e pa/ede,
meias coromodas de amarello, I carnage de pina,
cadeiriohas para criauca, I toucador de jacaranda,
1 guarda-iouga envidracado, pequenos santuanos,
maqainas para costura, e mu;tos outros ubjectos
que estaran a vista dos corapradores, no aruiazem
da rua do Duque d^ Caxias n. 3i
QUARTA-FEIRA 18 DO CORRENTE
ASH MORAS EM PO.NTO.
Leilao
DE,
3 prateleiras, 1 armario, I carteira, 2 mochos, I
repartimeuto, 2 pranctoes e caixoes vazios, ob-
jectos pertencentes a inassa fallida.de Pereira de
Melk) 4 C, e exi>tentes
No armaz-m a rua do Bi)in Jesus n 63
QC1NTA-FEIRA 19 DO CORRENTE
as lO horas
Por intervencao do ag-nte Dinto
_______No referido armazem.
liblJLAO
DE
fazendas limpas e avariadas
QUINTA-FEIRA 19 DO CORRENTE
.%'. lO horas.
POR INTERVENCAO DO AGENTE PINTO
No armazem da rua do Bom Jesus n. 63.
]Novo leilao
DAS
dividas activas oa importancia de........
8:073r50i pertencentes A massa ftllida
de Paulo Ferntndes de Mello Guimaraes
QUINTA-FEIRA 19 DO CORRENTE
A's 11 horas da manha
No esenptorio. & rua do B ft pnmeiro andar.
Por mandado do lllm. Sr. Dr. jniz especial do
ccrnroercio dest* cidaJe, o agente Pmno Borges le-
vara a novo leilao as referidas dividas, sendo in
olusivamente 3 leilras; os pretendentes podem
desde ja exaraina-las no escriptorio acima iodi-
cado.
LEILAO
DE
fazendas. mmli'zs. mlvfl-ios e b'>nets
CONSTANDO DE :
capii-as d>* 11nh > e aigodao, in-'ia*. chapeos de sol
fle s<>da, bonet", a I acas de edres, bnns tiraneo
f iiard>>. i>a>ino ioglz, ca mira de cdres, me
nn6-, esguiS s, in .demas, teos, eassas de rdren.
hpioe-, *v-iiiri'is para tia..iza io, brioeos, se
Foolas, baloea, sapau,s de Utuca, brim Augola,
enales e oairas fazendas existuDtes no armaiem
ii
RUA DO BOM JESUS N. 63.
Qulnta-rrlra IS da corrente
fc 11 boras da manbi
mobilias de jacaranda, com-
pletas, novas e usadas, pia-
nos, guarda-lou^ar-, 1 rica
secretaria, mesas para jan-
tar, (elasticas) camas fran-
cezas de jacaranda e ama-
rello, aparadores, commo-
das e meias ditas, guarda
commidas, espelhos, com
molduras douradas, ma-
quinas de costura, de pe e
mao, rewolvers novos, de 4
a 8 tiros, relogios de pare-
de, de cima de mesa e de
algibeira, de ouro e prata,
objectos de brilhantes, ou-
ro, prata e crystaes, can-
dieiros de gaz carbonico e
kerosene, jarros para fo-
res, quadros sortidos, com
fiaas gravuras lun^tos de
ouro, prata e aqo, diversas
miudezas, objectos de ele-
ctro-plate, grande sorti-
mento de trastes avulso.?,
e infinidade de artigos do
uso domestieo, que serao
vendidos atroco dobara-
to, por conta de diversos
Quinta-feira 19 do corrente
A's 11 horas ( a man ha
NA
FEIRA SEMANAL
.6-iua do hnperador-.f)
*RMAZEM
P1I4E.W0114I
Precisa-se de uma ama,
forraC'U captiva, preferindo
se desta ultima condi^ao, que
saiba engommar e para ou-
tros misteres de casa de pe-
quena familia; a rua do Ca-
pibaribe n. 40.
Menino
Prer.ija se dn nm menino livre oa nscravo, para
vender veninra* : a tratar na rua da Imperatriz
13. I ija de Ulysses tt Irmao.
Aluga-se um muleque de 16 annos. com
maita pratica do -ervieo domestico, e algama ha-
bilitacao para o service de tanoeiro, em armazem
de aisucar : a tratar na roa Daqae de Caxias
o. Si._________________________"____________
Traspassa-se o arrendamenti da olaria a rna
do Moodego n. 63 : a tratar na rna nova de Santa
Rita n. 49. ________________
Aluga-se
o pnmeiro andar do sobrado da rua do Padre
Fli-nano n. 69 : a tratar na'praca da Indepen-
dencla ns. <8 e 80___________________________
l iIhi-iu MUa f'errelru Hitllliar
Francisco Perreira Bal bar e Da-
vid Ferreira Balthar, possuidos do
maii profnndo sentimento pelo pas-
-araento de xoa maito presada mai,
D. Maria Rita Ferreira Balihar, fal-
leeida na cidade do Porto >m 30 de
mez passado,mandam celebrar al-
pumas missas ua igreja da Madre de Deas, na
ijurnta feira 19 do corrente, pela* 8 boras da ma-
nha, trig- simo dia de sea passamento; e convidam
a todos <>s seas parentese amigos para a>si*tirern
a este a to de verdadeira religiao, antecipando Ihes
desde ja todo o sen reconhecimento de eterna gra-
in ao.
WWl llllll 11| || llWIIMMBMa
Jose Azeve fan.ihi, agradecem do intimo d'al*
ma a todos os seus pareuies e ami-
gos as provas de con.-olagao e sin-
cen amizade, que bes deram por
occasiao de ser dado a sepnltura o
cadaver de sua preaada (ilha, irma
e canhada, Emilia Angelica do Andrade ; e de
novo lhe. rogam o car doso obsequio de assistirem
s aLuni'ts mis-as, que pelo ete ao repouso de sua
3lina. mandam resar na igreja do convento da Glo-
ria, p- las 7 1(3 boras da raaoha do dia 18 do cor-
rente, setinio dia de seu fallenmento.
Ultimo leilao
DO
sobrado de um andar da rua do Bom Jesus
n. 61, ediQcado em cbaos proprios.
Da casa terrea da rua da Imperatriz n. 60,
e 16 raeia-aguas da rua do Camario n.
9, edi6cada em cbaos forpiros.
SABBAD0 21 DO C0RBENTE
A'S 11 HORAS DA MANHA.
Os administradores da massa fallida de Pereira
de Mello & C, levarao a leilao, por intervencao do
agente Pinto, os predios acima mencionados, hv-
pothecados pelo socio da referida massa, Antonio
Lopes Pereira de Mello, os quaes serao vendidos
para pagamento das mesmas hypothecas, as 11 ho-
ras do dia acima aito, no escriptorio do referido
agenie, a rna do Bum Je-us n. 43.
Oa referidos administradores desejando nltimar
yenda destes predios no leilao daquelle dia, visto
ja ter-se effectnado a venda dos outros dous pre-
dios, assim como a venda das faiendas e miudezas,
ben que pertenciam a referida inassa de Pereira
de Mello & C, convidam aos novos pretendentes a
comparecerem no dia, hora e lugar supramencio
Dados.
DE
um terreno no lngar da Torre, a estrada do rio,
a direiti depois da poote, e no rondo do sitio da
fam lia do fallecido Francisco Gomes de Olivei-
ra, com 200 palmos de frente e 800 de fando,
c ntendo duas peijuenas casas (meiaaguas), em
nma m-gniQca artia, tudo em solo proprio e
com cerca nativa.
SABBADO tl DO CORRENTE
Am II 1| horas
Por intervencao do agente Pinto
Em seu escriptorio, a rna do Bom Jesns n. 43.
AVISOS DVii
AMA
Precisa se de uma ama
paracozinhar, preferindo-se
escrava: a tratar a rua do
Capibaribe n. 40.
CASA DA f ORTIA.
AOS 4:000^000.
1LHETES GARAiVTIOOS..
1 rua Prxmexro de Marfo (ov.tr'or a rua ao
Crespo) n. 23 e casas do costume.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garannai-
da 7' parte das lotena* a benencio da Impe
rial Capella da Estancia (145*). que se eitrahira
na sextafeira, 20 do crr PBEGOS,
Bilbete inteiro 4^000
Veto bilbete 'z*ono
Em porcao de lOOA para cima
bilneio inteiro d*500
Meio bilbete 14750
Manoel Martini Fiuza.
Attencao.
O abaixo a??ignadu, successor de Jo^e do Rtgo
facheco, faz sciente ao re*peiuvel iublico, que
com prou n taverna da travessa da rua Doqoe d>
Caxias n 8, quese acha sortida de bons e & ivo*
generos, e per isso pede aos an igns frguezes d..
mesnio esubeieeimeiiU), u favor de ouimuarpm ..
fre,|uenta-lo, cerios de que comprara.) alii mai>
e.n eonta do que em oulra qualqurr parte. Re
eife, 14 de novembro d 1874.
_________________Aogustu J.ise Nones.
O Sr Ivo An irade de Paria. vmdo de Por
togal em 1870 no hngae Triumpho, e qae b*
ponco esteve empregado no bngue de goerra
Recife. 6 rogado a vir 4 rna do Imperador n. 28,
armazem do Campos, receber nolicias de sua fa-
milia.
De um sacerdoie que falleceu e lui sepulla lb
na cidade de Nazareth, foram seu* ossos exhu-
mado? e trailadados para a igreja de S. Pedro
desta cidade, onda se acham eocerrados : seas
consternados pai=, pedem aos clirisiaos que, por
caridade qaizerem oavir nma missa, <|ue em
suuKui i de sua alma tern de i-elebrar se na mes-
ma igreja, eomparecam ahi no dia sabbado 14 do
corrente : a gratidao nao sera pur ostentacao e
sim por bamildade christa, cemo Ihes cuinpre.
Ceraldo Correia Lima e Joaquim
Leocadio Viegas, n.aa J- in celebrar
algumas missas em snffragio da
alma de 0 Maria de Castro Foo-
epea, mulher do capitao Francisco
Luiz de Castro, fallecida na cida-
de de Natal, para assi-tirem e ou-
virem as mesmas missas, convidase aos parentes
e ami.; do dito Sr. cap tao, a comparecerem na
igreja de N. S. da I'enha, no dia 16 do corrente,
segunda-feira, as 7 horas da manha
Bons banhos edonnida fres-
ca no Monteir .
Aluga se alii por preQO eommedo uma casa pe
quena ()ue tern 2 salas, 3 quartos, c< zinha e boa
cacimbii, e e perlo do no : a tratar na rua Nova,
loja n. 7.
Aluga se a casa te Tea sita na rua do Bom-
Fim, em Oiiada : a t alar na rua da Aurora n. 75,
com o Sr. Riedel. '
Patfia, 38,~Rii> Vlvtenne, D*
HSH3H HF.DEcm spechl
^myiinn-a MS SEXOAIS, 4S a>riccou
MjTwayt do S4MI8
M.OOO enraa AatimfH*
icns,puitula*.lte'pei,
irna, comuoet, acri-
nonia, e allergists, vi-
\r.iosas do sangu*. vi-
ru. eiuic, ,ois i.. 'injue. Xarn]ie vegetal
seiu merc.irio). Oc jurail < TegeUei
mim arniERABS tomao-sr dou.s por
seuiciua, scguiado o tracUmeoio Depuratu o :
rBBenmrin i -nesnias molestias
I Gste Xarope Curacto da
I'erro de CH A RLE. cara
mraediatamenie qual-
juer purgtuao, rila-
eafatt, e dr.bilidade,
e igudUiieuu oa j.u-io- e floret bruncoi das
mnlberes. Ksta iuieccao tenigna einpregasM
am o Xarope de Citraeto de ferro.
raorraidan I'oiuada qlie as cura cm* dial.
POMAOA ANTIHFRPETICA
Cooira' nas ajfreeoes tutaneai i rnmixots.
PI/.ULAS VEGETAES DEPURATIVAS
do vbabir, cada frasco rai accouipabad*
de um folticto.
AVISO AOS SRS. MEDICOS.

DEPURATIF
Jn SANG
PLUS oe
COPAHU
Sirop du
d^FORGET
| liura caiarrtioi ,
coqutluchu imiafott
ncrvosa* ta$ do* broi*-
I chwi i lodai at doatfm
do pcito; ba*l* ao doenit
ua ooltM rebOea da.te urops D" Foaerr.
Vr. cntwa tm Paris, ra* tnkaat, a*.
i'epusitu botica Fraocna
22 Rna da( Yuz 22
Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade prtmrtiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello 6 uma preparacSo ao
mesmo tempo agrndavel, saudavel e efficaz para
conservar o cabello. Por meio do sou aso o
cabello ruco, grisalho, e enfraquecido, dentxo de
pouco tempo revolve a cor que lhe 6" natural e
primitiva, e adquire o brilno e a frescura do
cabello da juventade; o cabello ralo se torn a
denso e a calvicie muitas vezes, poeto que naO
em todos os casos e neutralizada.
NSo ba nada que pode reformar o cabello
depois dos folliculos estarem destruidos, e as
glandes cansadas o idas, mais se ainda restarem
algums podem ser salvadas e utilieadas pela
applicacao do Vigor. Libre de essas substancias
deleterias que tornam muitas preparacoes de este
genero tarn nocivas e deetructivas ao cabello, o
Vigor sdmente lhe e beneficial. Em vez de
sujar o cabello e o fazer pegajoso, o censerva
limpo e forte, embellizando o, impedindo a queda
e o tornar-se ruco, e por consequinte previne a
caivicie.
Para uso da toilette nab ba nada mais a dese-
jar; nao contendo oleo nem tintura, nib pode
oaanehar mesmo o mais alvo lenco de canibraia;
perdnra no cabello, lhe da um lustre luxurioso,
9 um perfume muito agradavel.
Para reformar a cor da barba, 6 necessario
maw tempo de quo com o cabello, porem se pode
ippressar o effeito, envolvendo a barba de noibe
*>w um lenco molhado no Vigor.
tUZTAMJiDO FOB
Dr. J. C. AVER A CA., Lowell, UflM*
Bstados TJnidos,
Chimicos j+mctlcot n AnulvHeot,
VKN.UB SBJ JPOR
Oollegio de Santa Genoveva,
Curso de ferias
Estio aberlas uo dia 16 do corrente as aulas
de preparatorios sobre qua ver-aiu os ex-me* de
fcvereiro a uurro. Estio a cargo da aulas : de
Uitbmetica, geumetria o algrbro o lllm. Sr. Jose
Ferreira da G uz Vieira ; d piilosopbia, geogra-
phia e tustona o Mm. Sr. \ir. Elizeu de S..uza
Martins ; e de rhelorica a poetica o lllm. Sr.
Francisco Allino Correia de Araujo._______^^^
Modista franceza
Em casa de. nudemoisrll* Eugenia Lccomte tern
om elegante vt^do, proprio para baile, vindo de
Paiis, o qual vendene.
Alerta j
Da rnn das Larangeins n. 27
Aopunlico fazem sciente;
Qao itane Ramoi- namoradr,
EsUdementelll*
______________Yoyo Ir.mhriga
O abaixo as.-ignado faz sciente ao publico,
que desta data em diaure retira todos" os pudtxes
que deu ao Sr Joaquim de Souza Sirne, por meio
de uma procuracao, para tratar do snas cobran-
cas ; assim como pede ao n esmo Sr. Sirne a boo
dade de vir a rua do Bom Jesus o. 19, prestar con-
tasdo quereceoeu. Recife, lido novembro de
__________Manoel Joie Pinto de Soi'za Neves.
Quem tiver um moleque de II a Ii annos
de idade, e o quizer alugar para vender Uores, di
nja-se a roa Imperial n. 203, armazem de sal, de
Valdivino da polvofa.
Hoje sahira a luz o numero do Bizouro, jor-
nal critico jococerio.
Deseja se fallar ao Sr. J'ise Antonio da Silva,
a negocio ce seu particul r ioteresse : na roa de
Doroingos Jose. Martina n. 81
Na rna dos Pe-cadores a. I, prec sa-se alu-
gar om esTjiv .
Admlnbtra^lo: PAHIZ, M. bwiyart Uontmartre.
CRtNDt-iaiLlE.- ABtafln lymphatleu, doer?..
UmimjItMhm, obtreccOe. do flgado e do b^o,
olstroc?0. TUcerae., eoncrr9on c.Omlot.a da bflST
M0riTl. AffeccOes du vl dlBesHTBi, lncom-
Doda. do estomago, dlg,|o dlfflcil, iaappctencla,
gj.tralsl., dyrpepsla. n '
CELESTINS. Affec90edoi rln, da beilga, arelu.
eoncrecO- s das ourinas, gota, dlabelaa, altumlnuila.
HAUTERIVE. AffectOc. do. rlnj, da bexlga, arcla.'.
concre50e da. onrlna,, gora. d abeles, albominoria.
EXIGA-SE
o 1EOME da FDERTE na CAPSDLA
I
A. Fontea ds Vichy, acini, nomeaila., arhtn .11:
Em Pernambuco, HSRISMENOT a LABILLE. 9. na
do Commcrclo. 1
HKTAl.U.V
Na botica rVancz* n. 22
AGUA DJVIMA
M -WHIIl
DITTA AGUA DE SAUDE
Preconltada par* o toncador, como cODserrando
conitantf mente u bellss cOrao d moddade, proter-
riado d prate e do eholera morbo-
ADfBRTBRCU IBPORTAHTE
Umas imitafOea e falsificacOes (raadoJentas,
as mais vezes damoosas a tauda, eicitadas pela
fama Uo ju-lameote adqnirida pela Agna di-
vina, obngao-me a recommeadar aos coDsumi-
dores de reconhecer nnicamenle como legitimas
as garrafas no gargalo das quaes acha-se nma
pequenna fdxa coo a minba
flrma e marca da fabrica.
PARIS, IS, roe tt'Eachlen.
am null todo. o. prindpaaaPMfamlilj
Phamacmtleoa a Caballarairo. da AmOsc..
Verdadeiros
,+ GRA0S DE SAUDE
\*do doutor FRAif CK.
-j melhor e o mais
util Hos purganles con-
heeidos. .lunn'ro-
PM fnlslcl.a(r.
e*lateWm U'exle mo-
dieuiu*-nto.Bxigir,
afem da assiiinalura em tinta VEHMSLEA
de A. ROUVKRE, o lelreiro, aqui junto,
feito em 4 COOES.
Paris, pharmacia i.eroy, 13, rua rl'Anlin.
Deposilo em Pemamhu o A. REGORD.
Gh. ALBERT
CCRA KaDlCAL, PBt'HPT. B 6UUa. PBLO
TIHH0 DI IAL8APAJLBILHA : Impigem, I
| alporcas, Dorbulhas, olcerms, yicioa de |
I sacgue, debilidade, tumores.
B0L08 ABMEN10B : Corrimt-itos recentes I
oa antigua; florea brancas, cOres pallidas. I
Pans, IS, r. llontorgueU. Folheto gratis'
Depotlto em Pernambuco X. REGORD.)
DE
BRISTOL
:URA OS CASOS MAIS DESESPERADOs
A SAFSAPARBILHA DE BRISTOL pun
nca a massa do sangue, expelle para fdn
todas as materias e fezes viciosas e impuras
regula todas as secregoes, da" vitalidade r
-uergia a todos os orgaos e ild forija e vi-
izor ao systema a fun de poder melhor resi
tir a todos os ataques da enferm idade. T
pois este um remedio constitutional. Ell
nunca distroe afim de poder curar ; portm
constantemente assiste a natureza. Portanti
em todas as doencas conslituciomics e em to-
das as molestias locaes dependents d'um es-
tado vicioso e imperfeito do systema em ge
al, achar-se-ha que a Salsaparrilua di
Kristol e um remedio seguro e ellicassissi
no, possuindo inestimaveis e inoontestaveu
vrtudes.
As curas milagrosas de
{scrofulas,
Ulceras,
Chagas antisaM
ENFERMIDADKS SYl'Hll.!, 14S
ERYSIPELAS,
RHEUMATISM,
NfcVRALtJlAS,
ESCORBUTO.
KTr..,RTC, ETC.,
iue tem t{rangeado e dado allo reiiome
Salsaparrilha de Bristol
r todas as panes do um verso, sao tio so
memo devidas ;i
DNICA LEG1T1MAE ORIGINAL
Salsaparrilha de Bristol
PHARMAOA ULNIRAJa
f '

ARMAZEM DO VAPOR FRANCEZ
N". 7 Rua do Barao da Victor.a, outr'ora Xova* N 7.
O dono degie estabele:imnlo tendo de ir a Europa, venJe a iire,-.>s haratissioHM ti!o* osawa
atngoo, como sej-rn :
Calcado fraocez
para homem
enhora,
meninoa
e raealnas,
Botas e perneiras inglezas
de montaria.
Mobilias de vime e de faia.
Vende-se muito em conta, cadeiras avulsas,"ile
balancp, de bracos e de dobrar.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, cpiata e poa den-
iriflce, agua de flor de laranja, agua de milleie,
divina, florida, lavande, pos de arm, abouetes,
cosmeticos, muitos artigos delicados em perfnma
ria para presentes em frasccs de extractos, caixi-
obas sortidas e garrafas de different&s tamanhos
i'agtia de Cologne, tado de primeira qualidade
dos bem conhecidos fabrican'es Pjver e Condrav.
Bons pianos.
Dis mclh-i'o* e mam nvderaot modeloa d*
Blond-1 : Vfn. troca so a aluga-se.
Quinquilharias.
*nigo* de fliilereateai ^mmtrnm *
pbanla*la.
Espeihrs, Imixn, -,.-;.-, _na-d'ouro, t^^iur-Llun.
camveles, caumlii- do a-siura, albun '|u''roa,
ecaixinhaa para r-:.-atos, bolsinhas o* m-llaio.
ditas de floom, ^ retmhas parabraco- d^r.-^u naa.
chicotiw, bencala*, uculn, pince-nez, pi nteirv oara
charnun e eigar.'n*, evovas, pettes. esl^Mia >
madreperola, tapfte para Santsrnaa, rala. N4san
de viagens, v>neiacas para janella- rstrn-ieo-
pos, laiiii-ri'iis lnacira-,coJ|l(l^,-nla^, ftgm <\ p' 'ria.
de damas, de hajafila, qnadrns can >>ancfen*.,
globos de pap.d para illiimin > ;<>.s, n :u-hi-.> 4a
fazer cafe, espana.i ns depalfcaa, real.: e vote,
accordios.rarrinh'*, m-imadoiras de vidn |ra
dar leite as ctlaatas, e muit stutro> ^rlifi*.
Brinquedos para.ineuiiM8.
A maior vari>>osde que se pode deaejar d ta
dos os brinqued- s fabri da Eurojia, para nMkMM ri.is crianca>,
i preCM mais res'imidrs (|uo e po^,^:!.
^UNDICAO
<*
U.dM
k* ma do hrlo do Triiaplifl (na k km) s. too i M
CARDOSO A [RMAO
AV1SA.M aos senhores de engenh'-s e outrf s rgricultrr*s o so publico cm geral -jo
.ootinuam a receber de Inglaterra. Franca eAooeriea, todas ".s rragetw a immm uft
ssarias aos estabelecimentos agricolas, as mais mode, nas .- meihor'ob. a qte umd mido
'O mercado.
VapOreS de forr;.a de 4, 6,8 e 10 ravallos, os mlhoro qmlsm vnds ao na*r*'o
jaiQeiraS de sobresalente para vr.pores.
>10enCiaS lUieiraS e rneias moe&daa, obra como nocca aqai ten .
LaiXaS lUIldlda8 e batidas, dos mcibores tabnear.:es
tCOuaS a aglia com cubajede ferro, fortes e bean ecab .
UOuaS uentauas de todos m tamanboa e ajaaiktadi s.
Relogios eapitos para ewpon.
BombaS de ferro, de repocbo.
ajaQOB de diversas qnalidades.
donnas para assiicaf,grand,s e :..qut.a.
^arandas de ferro fundido, rrawwaa & diwraoi ba >*. mm
DOgOeS IrancezOS para leoha e earrao, obra soperior.
Ditosditos p,ragaz.
Jarros de ferro fundido paM _*__.
tes Qe ierrO para rnesa banco.
jlacnina para geiar agaa- .
V aiVUiaS para bomba e banheiro.
Correias inglezas para macbinismo.
tSanCOS e SOiaS com tiras de madeira, para jaMim.
OoncertOS concertem com prompticUto qunlquer obra oa macawa, para o taue
sua fabrica bem montd;, eon grande e bom paaVBti.
SnCOniniendaS man^am v'r por eocoinminda < Europa, quaiquur ma<-nuiiM>
para o que se correspoaden com uma r:?rreitavcl on d Umdi _
com um dos melbores tmgenbeiros de Inglaterra ; iiMillilllmil mi do 'nandar a**ia
lites macbinas, ese responsabilisam pelo bom trabalho dasmesmsr.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Bruin) m.. 100 a 104
PUND1CAO Dt CAHUOSO A IRMAO
iii liouioacao Wim mn
mm mm mm
A. SlIC:itAT^11y%.
Rua do Labugd N. 6.
Os proprietarios desta anliga loja de joias, res ilv-nlo-so l.-uaiti-
vamente liquid-r o seu estabclt i imento ; vendem para scabor MUi
as suas joias d'ouro, prata e brilbantes corn eootma ^buim^nto $
prer^os, assim como as encnmmemlas ja" feit.is. que forein chegando fla
Europa, pelos pre^os da factura.
iinmk Liquid, cao
Do Museo de Joias
Rua do Cabuga n. 4
Neste importante estabelecimsmo, vende-se para acabar tai ieve-
reiro proximo futuro'todas as joias de ouro, prala e hrilbates i-lli
existentes, por pre$uS 8te" hoje desconhrcidos, bem assim as remessas
que forem cbegan URAMIE LKjUlDACiO
TOLENTINO DE CARVALHO
Rua do Cabuga n. 1 c
Tendo resolvido liquidar o seu estabecioento de joias, declara
qua desta data em dia< te os seus precos serao extraordinanamenta
redozido, como nao podera* hav^r conpftencia.
Grande Liquidac^i
0 COLLAR D'OURO
Rua do Cabuga n. 3 A.
Os donos desta grande loja de joias.'resulvendo-se a liqoi.lar o sen
estabelecimento ate i>rn>cipio do anno proximo futuro, vendem com
grande abatimnnto de precos tolas .s aura joias de oaro, prata ebn
lbante- como tambem as que for recrbfodo da Europa, peln M
da fabrica.
Grande Liquidacao
Manoel Antonio Goncalves
Rua do Cabuyd n. 3.
Tendo rezoividn liqui lar no mt-nor ttrnpo p)ssiel o sou esfcba-
lecimento, vende para acabar todas as suas joias de Ouro prata e bn-
lhantes. com enorn e abntiuifnto de prt^jns. E as remeM>as que f-
_______rem cbtgando da Kun>pa, pelo prego das lectures.
... UN'.
Lindas popelinas de linh com saipicos eilts.iatM
assetinadas pelobaratissimoprecede320 rs. ocova-lo: in
rua Pnmeiro de Marco n. 13, loja das coiumna^, di
Antonio CQfreia de Vasconcellos.
i


&
j*iw ue rwuajumiou fcegunda ttoira 15 de Eovembt de 1824
float ensas
Poco da Pant Ha
Tasso.
Alugam-sc
de
campo, na Cruz das Almes e
a traiar com o commendador
Moleque fugido
Portunato, moleque de 13 a 11 annos de idade,
preto, baixo, ebeio di> corpo, rosto redondo, boni-
tos deutes e cabello cortado d* fresco ; ausentou-
ae na Urde de 10 do correnle, com camisa de ma-
olapola calca de brim de c6r, desbotada, cbapeo
de massa preto, conduzindo nm serrote grande e
aiu amarrado de tres tabieas, sobre o beico supe
nor andava ultiroaraente com umas fendiobas.
IratiSca >e a qaem leva lo a raa da Aurora na-
nero 165.
Engommadeira.
Precisase de uma engommadeira para engom-
mar para duas pessoas : a -ratar na travessa da
ma do Vigario n. 1, das 9 horas as 4 da tarde, on
10 segnmlo sitio, depois da estacao do Chacon.
Villa de Palniares
Na padaria denominada Maurity, sita na praca
deste nome, casa de aznlejo, n. 2, do.-ta villa, esta-
belecimento de Francisco Seraphico de Assis Vas-
con:ellos, hbrica-se com a maior perfeicao, lim-
peza e barateza, pao, bolaeba, e tudo quaoto se
pode obler da farinha de trigo. 0 annunciante
protesta servir com esmero e agrado a todos quau-
tosquizerem honrar sea estebelecimento e se cons-
tituirem froguezes e consumi [lores.____________
Ataga-se
o 3" andar do sobrado a raa de Marcilio Dias a.
120, com bastantes commodos, e agua da compa-
nbia de Beberibe : a t atar na raa do Imperador
n. 81, daa 9 boras da manha as 4 da tarde.
Attencao
Aos influentca dos presepes
Na rua estreita do Rusario n. 33 tern, como sem
pre todos os amos, lindas coroas e capellas de tri-
go, de euro e lonro, ros;s douradas e prateadas
para aspast ira* de raais influencia, capellas mais
simpli'spara a> pastoras,borda-se facbas a ouro com
03 letreiros a gosto dos donos, borda-se avental a
euro, e faz se .is ve.-tidos proprios, com todo gosto
para as pu-toras, tem lindos bouquets com fitas
borJaJa-, por todo preco, de cravos, rosas, sauda-
des, e de toda e qualquer flor, tudo muito barato,
cor >as de een, brancas, azues e encaroadas._____
Hotel Restaurant de Ror-
deaux
Pede-se ao? Srs. abaixo me'.cionados, o favor de
appareeerr-m no dito hotel, para se entenderem
com o adiri.n^traior, a ucgocio de seus particula-
rs 1st -.-esses:
Satan*-! (ioa-'cate).
'jse Maria Correia d3s .\eves.
Matiie' Arsiancio.
,uir. (mhalz.
Jo-e Ignariu Ribeiro Roma.
I taquim Ferreira.
Crot Rani-H fgaaTda-livros).
iabrV! (io&scate).___________________
Alaga-se
t. rceiro and -re do fobrado n. 3
second > t. rceiro and -re do fobrado n. 3 da
,-. da i'eiiba, e a casa tserrea n. 3i, a rua da
7e.' 'jr >':.rt do Li pa : a entendcr-se com o
pro; n t -. "o sejund) andar da casa n. 41
darn' di-Raogel. _______
Moleque fugido.
GratiOca-se com 50,000 reis a quem pegar For-
tunato, moleque de 13-a 14 annos, preto, baixo,
cheio do corpo, rosto e eabeca redondos, naris
chato, cabell03 carapinhos e cortados de fresco ;
ausentou se na tarde de 10 deontubro do corrente
anno, com camisa de madapolao, calca de brim
de cor, desbotada, e chapeo de massa preto. Gra-
tifica se na rua da Cadeia do Recife n. 39, on na
rua da Anrora n. 165.______________________
Precisa-se de duas amas, sendo uma para
cozinhar o comprar e ontra para engommar e
ensaboar : na rna da Gonciirdia n. 43.
"0 ABVOGADO
Ernesto d'Aquino Fonceca.
Pateo de Pedro II, n.
2 andar
Aluga-se o 2* andar do sobrado n. 70, a raa Do-
qne de Caxias : a tratar na loia.
Toda attencao
Retalha ?.', com [rente para a rua da Amizade,
sobre 194 paluvis i!e fundo, uma uorQan de optimo
;crreuo pan ed0eac4o, lirada do sitio contiguo
t i-ir-ja de S. Josfi do Manguiuno, dj prega de
50< por pdmo. Aquella trtute e toda murada.
bem CftOK) a parte posterior e a lateral extrema :
o^ pretwCdentes podem etilen.'er se com o Sr Dr.
Witr.ivi
Afilhv-.dose afilhadas de An-
tonio de Azevedo Villa-
Ii UCn.
Manoel Azpvedo de Andrad", testameuteiro do
D ( nti-nio de Azevedo Villarouco, faz sciente
para i'>nhecijn^iito dos interessadus, que ate hrn
I do ifrente met, She foram aprescntadas as
<:! ifl it- baptismo dos afiibadoa e afilhadas do
dit li'H in '!:> iiumero d.' S, sio as segnrates :
ii !. filUa l"!-r:tiiiia dn Mano"l lieutn de Mendon
: inulber Roza Maria de Je-us-Anto-
i gitimo J-' l>r. Mignel Joaqnim drf Cas-
lr'' >< e de .-ua muiher I). Isabel Emdia
|r. MatearenhasUmbe.ina, Ultia legitima
- Ferna des Bastes e de sna muiher Landi-
I |i d r- de Jesos PastesAntonia, lilba legi-
j >' !'. Azevedo Villarouco o de sua mu-
Mana Frai eisca t'e P.rito -Jotephina, lijj.a le-
i J..5o Maehado Brandao e de -ua muiher
H I rii de OSiveira Maria, lilha legitima de
in'-i c' Xavier de Sa Leitaoe de sua muiher
Bapti>i i tin Sa Leitao-Joao, filho legitimo de
: .; nc^lves Feireira Junior e de sua mu-
nh rinina Goncalves ili I'aula Ferreira
'. i i. i lia I'gitima de Fraoetseo de Ainaral e
de sua rmii.'i- r E :;iiia Roza de Jesas.
ii- ;.le o abaixo as.igai.Jo, qua, peran-
n Sr. vigario geral deste bispado,
RI-; n finsdi J'Si Martins Ribeiro pro-
unu i .. iU-tiiicai.Uii afira d provar que tarn-
. I. do referido Villarouco, visto que a
irtismo por elle exbibida nSo prova
'a poder ser attendtdo.
iais o ab;.ixo assignado, que tendo
uliear em Portngal am ann .ncio con-
ifllhados 8 afilnad.is do mesno Villa-
'' i .lie reino hoovesai w. a ignalmen-
m cun sua? certidoes de baptismo a
'gado que Ihes foi deixarlo; aguar
i
i'. >; e logo em acto continoado pro-
: -j i da quautia deixada coin a igual-
iad" rr .i- :i!i'udada pi- lo testadnr.
ii.- iff, li denovembro de 1874.
Mcnel Azevedo de Andrade.
1 .-;
' idii
I
; UCO :' -
I'lfT
i i rozfmo paqbMe da Eorona'a 25
ilu rreiite mez para ver sp pur elle vem
Novo divertimento
MAGUSTO
Todas as n itcs
NA
Confeitaria do Campos.
1 andar.
A'uga-se o segundo andar a raa do Padre Flo-
rianno : a tratar na rua larga do Uosario n. 22.
Fugio no dia 27 dn oatubro proximo passa-
do, do engenho Buranhae-n, freguezia de Seri-
nhaem, o escravo tnoulo, de nome Fortnnato, de
bonita Bgora, alto, secco, espaditido, de 38 annos,
pouco mais on menos, barba rala, e a eonserva na
punta do qneixo comprida, cor preta. bonitos den-
ies, tem oe dons dedos grznrtes dos pes compridos
e os outros quasi sem unhas, tem a falla um pou-
co alta : quem o apprehender e o levar ao dito
engenhn, a eotregar ao seu senhor Francisco de
Paula Wanderl-y, eu no Recife, rua do Vigario
Thenorion. 3, 2* "andar, no escriptorio de Manoel
Alves Ferreira & C, sera gensrojamente recora-
pensad".
Cf
ADYOGADO
DACKAREL JilAQUlM GUESSES DA ]
SUVA HELLO.
S3 Kua CKtreita do Rosnrio 33
priinoiro andar.
Aluga-se a casa n. 83, com com sotao, na
rua de S. Joan, que faz esqoina para o gazometro,
propria para taverns por ser em boa localidade,
ja mais com a pinte que tem breve de atravtssar
aos Coelhos, o ponto e magnifico e o aluguel bara-
tissimo : a tratar na rua do Ouro n. 78.
Coflstiliorio medico
DO
B)r. Muriilo.
RUA DO VIGARIO X. 1, 2.' ANDAR.
Rer-em-chegado da Europa, onde fre-
quenton os hospitaes de Paris e Londre9,
podcra ser proenrsdo a qualquer hora do
dia 0Q da noite para objecto de sua pro-
fiasio.
Consultas das 6 as 8 hom da mauhi e
do meio dia as duas horas da tarde.
a
i

GRATIS AOS POBBE5.
Especialidades : Moiestias de senhoras
da pelie e de cnanga.
.1
IXSTITBTO PABTIP"
Run da Roda n. 48, sobrado.
Prime rs lettras, portuguez, fraDcez, in-
;;! z, rteafliho linear e musics.J
S- !) a 'irirrao dn professor Herminio
Itudngin 1-^ in in- in dias uteis.
R- ceb> luinnos ititerno^, meio pensio-
aistas* pars escripia o livros aos principiautes, por
precis muito razoaveis.
AO
E a
CIO
industria
A'i.-;i-a- ,ii" todas as tardese 4 noite ha-
rri on <-mfeitaria do Campos o seguinte
Ci>taii!i;; sadns e vinho verde.
- Vlni! i se uma escrava para todo
..-) rOrt da filoria n. 146.
o serviro :
Almaivriks de Bartholomeu
C.,para 1875.
Di-trin >i So
gratis : a rua larga do Rosario
Advertencia
Pi j.) o a'
r a. ]-
0 ii '
' ij.: :
:.o mesoiu
' a-s:gnado ao Sr. th=oureiro das
- pagae a sorte que sahir no meio
vistn ter sido suutrahido por um
lu.-tri*. hi occasiao di; ser offerecido
bflLetairfl,
J ilo Gualberto
-- \l n. h a Sail e a alcova :> 3.* andar do
o lo .. 7'\ a -ua Duque de Haxias, proprio
in i os s iiiros : a tratar ua ioja.
AllPHCao.
i^ntinu ='" a foraecer comedorias para fora, e
' im ". encarregar do foraecar para al-
:\v>> eoHe no, nor anno on por festa, na ausencia
dw -en d r : -res que tive'em de ir passar fora
' almofos (! jantares avisos e man-
rta e 'lira- i :i casa flos a?signantes : a tratar na
. -tn-ia .|p Uosario n. 35, s-,br,-.un._________
rdi in) ou moleque de 12
a 14 annos.
Wjjfccj:^ nm qne seja aeUT0 e fjg^ para
scrvl casa e algnm maadado. paga-se bom
, : caes do Appollo n. 69, ou no Man-
n.i, >.ti n. 2.
Escravas.
Pretfsam-se de duas que sejam peritas engom-
^adetras e qne entendam de eostura e ensaboa-
do, pa -a se bom aluguel : no Monguinho, sitio n I
:2 com roaro clnzeato e portao de ferro,
Cravos
Na rua da UniSo, atraz do Gymnasio, ns.
47 e 49, vende se sem pre cravos brancos e
encarnados.
Fedido
0 redactor do periodico America Illuslrada man-
de indemnisar ao abaixo as.-iguado.
Man-iel Rodrignes Pinheiro.
Uuein precisar de uma ama escrava, que
eozinha o diario e engomina soffrivel, dirija-se a
rua oe Marcilio Dias u. 89, 1" ;-.uJar.
Loopoldioa Maria da ConceiQao, casada com
o alferes Antonio Agosiinho Duarte Cunba, resi-
dente em Tamandare, declara que por haver ou-
tras pessoas de igual nomo, tem-se assigna Jo, des-
de o dia 10 de si-tembro do anno proximo findo
por Leopoldini Maria da Cunha, e contmuara as
signar-se nor este nome.
Tamandare, 15 de outubro de 1874.
Leopoidina Maria da Cunha.
ALU&A-SE
uma grande casa terrea com bastantes commodos,
sita na estrada do Lucas : a tratar a rna do Vi-
gario n. 31.
ALUGASE
uma casa nos Afogados, raa do Motocolombo n.
18, contendo duas salas, 4 quartos, eozinha fora
e quarto para criados, grande quictal, crm ca
cimba de agua de btber : a tratar no Recife, a
rua do Atalho n. 13, Boa-Vista.
OLINDA
Alugam se dnas casas terr?as cm bastantes
commodos, encanamnto d'agua e gaz. qointaes
grandes e mnrad.is, ca rua de S. Pedro Nnvo ou
Passo Castelbano : a tratsr na ru do Queiraado,
escriptorio do Sr. Or. Casteflo Branco, por cim da
Ioja do Sr. Rolim.
Alaga-se uma escrava para o s-.-n ico de co
zinha e as respe.-tivis compras,ja um escravo pa
ra o servico de c^rrocas, rehnacao, padaria, etc. :
a tratar na casa n. C9 de rua d- S. Joao.
Alnga-se bart.i omas meias-aguas novas, na
travessa das Barreiras (Ucco io Aqnino): a^tra'
tar na rua do Colovello, casa no aMlejo n. 25.
PENHOKES
Na iravessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-Be
dinheiro sobre pe-
nhores deotffc,pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
AMA
No collegio da Concei^iD
preeisa se de uma ama per-
tugueza on escrava.
Ama de leite
Quera necessitar de ama ama de leite, escrav i,
sadia. sem vicios, e que nao suiie a rua, dirija-se a
rna da Anrora n. 39, 2* andar.
Araa
Oltnda)
vrecisa se de ana ama, forra on es-
crava : a oua da Cadeia, ( Marqaet de
n. 52, 3* andar.
MOFINA
Esta encouratjado! J!
Agua mole em pedra dura
Tanto da ate que a fora.
Roga-se ao lllm. Sr. Ignacio Vieira de Hell
tscrivao na eidade de Nazareth destt provincia,
favor de vir a raa Duque de Caxias n. 36, a con-
cluir aqnelle negocio qne S. S. se compromettea a
realisar, pela terceira cbamada deste jornal, em
ons de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passoa a fevcreiru e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este raotivo e de dovo chamado para d
am, pois S. S. se deve lembrar que este negoci
de mais de >ito annos, e qnando o Sr. sea filho
ichava nesta eidade.
Oavallo para vender
Vende-se am cavallo castanho, grande, propria,
para sella, e especial para carro, para o qne ja es-
ta exuerimentado : a ver e tratar, no largo da San-
ta Cruz n. 4.
Vende-se ama casa emaberto, na ladeirada
bica de S. Pedro, na eidade de Olinda,
com 33 palmos de frente e. grande quintal'
e se vende por Derate preco : a tratar na raa
Dnque de Caxias n. 91.
^ Preeisa se de uma ama para cozinhar,
Aul" para casa de tarailia de ires pessoas :
a entender-se na rna do Cabuga n. 3, Ioja do Col-
lar de Oaro._______________________________
Attencao .
Fugio no dia 7 de setembro o esravo do abai-
xo as3ignado, com os signaes segnintes : Egidio,
cabra, idade de 20 annos, eabellos carapinhos,
olbos aboticados, altnra regular, rosto um tante
chupado, beicos grossos, bocca regular e am
unto bicudo, eabeca peqaena, orelhas regnlares,
bracos, a mesma eoasa, pernas regnlares, tendo
a esquerda e o pe inetado, por Ibe dar erysipela,
nariz regular, e bom trabalhador de olaria. e
tambem e boleeiro, e natural desla eidade do Re-
cife, e foi comprado ao ex-capitao do perte desta
provincia, Jose Joaqim da Silva Jacques : roga o
abaixo assignado as aoteridades policiaes e ca-
pitaes de campo e de navios, a sua captnra e le-
varem-no a puvoagao dos Afogados, que serao ge-
nerosamente recompensados.
Jose Buarqae LCisboa.
.^^L^
E. A. DELOUCHE
24-Rua de Marquez de Olinda-2-.
Esqulna do> heeco I,nrj;o
Participa a seus freguezes e amigos qne mndon
o sen estabelecimente do relojoe ro para a mesma
ran n. 24, onde eneonlrarao um grande sortimento
de relogios de parede, am^ricanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidailes, relogios dc
algibeira, de todas as quaiida es, patente suisso,
de oaro e prata dourada, foleado (piaqnet), relo-
!;ios de onro, ingtez, desenberte, dos melbnres
abricantes, cadeia de ouro. piaqnet e prata, rnnetus
de tod?s as qaalidades, todo por pregos mnito ba
rates.
CASA DO OURO
Bilhetes garantidos
Rua do Bar&o da Victoria (outr'ora Nova
n. 30, e casa do costume
Acham-se a venda os mnito (elites bilhetes ga-
'antidos da 7* parte da leteria a beneficio d
imperial, capella da Hstancia, qne se extrahira oo
dia sexta-feira, 20 do corrente mez.
a?reoa
Inteiro 4^000
Meio 21000
He 1009000 para ciaia.
Inteiro itSOO
Meio I47M
Recife, 12 de novembro de it>7i.
Jeit AMfMn da Gotta LmU
Pharmacia.
Precisaoede dons praticos, na parmacU barae-
rlcana, a raa Daqae de CAXias n. 57.
O Monte Lima
tem nm complete sortimento de galao e franja de
onro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para offlciaes, canutilhos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, charlateiras, ban-
das, ahotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assira como um complete sortimento d
ranjas, galao falso para ornamento, cordao de la
com borla para qnadros e espelhos (conforme o
gosto da encommenda) tudo por muito menos
pree/> que em ontra qualquer parte: na praca da
Indenendencia n. 17, innto a loia do Sr. Arantes.
Tendo-se deseneaulnbado os taldes ns. 7,648
e 8,964, pertencentes ao seguro de vida no bau-
co Uniao, da eidade do Porto, em Portugal, a favor
do padre Jose Lopes Dias oe Carvalho, fallecido em
22 de novemlKo de 1870, na fregae/ia Je Santo
Antonio, de G3ranhnns, nesta provincia de Per-
nambuco, scu pai e berdeiro Joao Rodrigues Dias,
residente no lagar. de Sarnadella, freguezia do
Pombeiro, julgado de Arganil, no dito Teino de
Portugal, assim o faz publico, chamando qualquer
interessado aos ditos taldes para que no prazo de
30 dias, contados da data desta publicacao, o ve
nham reclamar na mesma eidade do Po to. e nao
o fdzendo ficara o dito berdeiro habilitadopara' re
ceber do dito banco o que se liquidar desde o anno
de 1870 em que finalisou o seguro
Ados e exanies,
Nem ha lugar mais apropriado parasolemni
sar-sb os <>tos e exames qae se estao agora
fazendo., dn qi:e na
Confeitaria do Campos.
Alii os respectivo*
Estn dianteai
KDCuiitrarao
U'na varn.lisM' a
Rutigao, pom a qual
Devem presentear
Os sous collogas
E amigos.
Reparai bem
E' na Confeitaria do Campc.s
Alaga-se
os armazens ns. 65 e 69. na praca do chafariz em
Fora de Portas, nm onde teve ten 1a de ferreiro
o fallecido E Mabult. 0 outro que esteve oecu
padn com ven-la de molbados, para o que e op
timo pela locandade e ser de esquina. ambos livres
e desemharacados de impostos: a tratar com o com-
meiulador Taso.____________________________
Aluga-se a casa terrea da rna do Cotovdlo
n. 17, com 2 lalag, 3 quartos, eozinha, cacimba
propria, soffrivel quintal : para ver, acba-se a
chave na casa do mesmo enrrer n. 7, e para tra
ar do aluguel, qn^iram dirigtr-se a rua larga do
tcsario n. 3>. oja. ______________^
0 abaixo assignado, faz sciente ao respeita-
vel publico, c--.ni estrcialialidade ao corpo do crm-
mercio, qne nesta data vendeu ao Sr. Manoel Pe-
reira Pavao o sen estabelecimente de molhados
qne tinba wto na rua do Vk^onde de Pelotas n
19, (antiga rna do AragSo) sendo livre e desem-
baracado de todo u activo e passivo, o qual node a
seas credores qne se dlrljam rio prazo ae tres
dias, a cent r da presente data, a rua do Fogo n.
28, hotel. Cnm procurador bastante, Jose de
Sonza Almplita.
Recife, t; Oe novembro do 1874.
AI ISO
Manoel Jj-6 dos Santos, dtclara qne desta
data emdiaijt- se afsignari por Manoel Palmeira
dos Santos, p< r haver outro de jgnal Home.
Reeife 13 de novembro m
4luga-sc
Aos 5,000 covados dela
A ISO rs.
Na Ioja do Pavao vende-se lazinhas de mnito
bonitos gostos e delicados padroes, fazenda am
no raercado, uelo diminnto preco de 160 rs. cada
nm covado ; qaem deixara de fazer vestidos de
\i. tao bonitos e por Uo poaco dinheirat Forne-
eem-je as amostras: na raa da Imperatriz nume-
ro60._____________
Vende-se
ama casa na villa de Barreiros, na rua do Cea-
mercio, por preco modlco : a tratar com
lrnioe AC._____________________
o segundo andar do sobrado sita a raa de Pedro
Alfonso n. 59, com agua de Beberibe : a tratar a
rua do Vigario n. 31.
Alnga-se o armazem e o l. andar do sobrado
da raa dos Burgos n. 11, assim como uma quarto
por detraz da rua da Sanzalla Velha. (Uecco Tapa
do) e ama oatra casa na rua do Lobato n. 4 (fre-
guezia de Santo Antonio): a tratar na rna da
Praia n. 20, com Jose Feliciano Nazareth.
Alnga-se o segundo andar da >obrad o d
raa Primeiro de Marjo n. 14 : a traiar m. m
dar terreo, Ioja.
Fugio.
" "iihecilo
Ft rnandes
ha dias, do sitio n. 7, junto ao sitio
pelo dos 4 leoes, a estrada de Joao
Vieira, a escrava Maria, com os seguin es sig-
nals : alta, bem preta e com marcas de bexigas
no roeto : quem della der notieia, ad a levar'a
mesmo sitio, on a rua da Madre de Deus n. S,
primeiro andar, sera gratilieado, prole tan-
de-se desda ja contra quem a tiver acoutada.
Alugase dous banheiros de pedra e cal nae
Praia de S. Francisco : a tratar na raa Fuquen
d eCaxias n. 91.
Alugase a casa da rua do Visconde de Pe-
lotas, aoti'ga rua do Aragao n. '.8, com 4 quartos,
boas salas, corredor separado, bom quintal, portao,
e mais um quarto no quintal: a tratar com o pro
prio dono, na mesma casa, oas 6 as 9 boras da
manha.
Aluga se uma casa baslante tresca, na po-
voacao da Torre : a tratar na rua do Imperador
n.20, Ioja re marmore.
0 Sr. Joaqnim Jose Bi-zerra Montenegro-
vindo de Maceio no vapor Pard^qaeira dirigir-se
ao escriptorio de Tasso frmaos 4 C, rua do Arao-
rim n. 37.
Alto la!!L.
B CAMPOS DA CONFEITARIA
, SM RIVAL.
R"o seu genero nenhum
estabelecimento o pode
igualhar.
E seuao vejam :
Recebe enco.-nm3nda.
Para areco, QSodo Exm. conselheiro mi-
i istro do iuiperio.
E estd coma sua confeit ria do Campos
mu.to bem provida de tudo quajito e pre-
ciso para que a ninguem falte cousa i>1-
guma.
ISJT3 E':
A.G3PIPSS
DSLICIDSDI
z
E Hill quiinli.
-I re
Z3?
T,-^i
B = 58

tej
*k
3 Eg
ias-3
3 g a
a. -2. ax *
SB-O
i2a3
o a
^ P w -
un
| a f
S-5 =
o
33^
M K
ft.
= 3 2.
< o
I
S's
*
g|9
3 P
ffl 3
*
2
Its
23
gSo
s a
a
s to
T>
go
S.9
fit
to P
C =3
3 -
V 9
0
&r>
Mr-rn
a.3 ,
11.5
S 3. OQ
rs-
as
5=3

3
B
Ct3
, a W>
140^
Aluga se fielo tempo da festa ama casa em
Olinda, na rua do S. Pedro-Novo, com 4 quartos,
2 salai, co/.inha, agua canalisada, quintal murado,
tudu com limpera : a tratar na mesma rua n. 39.
0 abaixo assignado, administfrador do hotel
Bordeaux, co. vida aus Srs. credores a compare-
erem on dito hotel, no dia 16 do corrente mez em
diante, para rrcebrrem sua preslaeao accordada,
continuando todus os mezes. Recife, li de u j-.
vembrode 1.S74. '
______________________J. Delauc.___________
* Offerece-se am eriado para qualquer servi-
co : na rua da Santa Crn< n. 5ri. __________,
Compram-se
as collec^Ses'deleis provinciaes de Pemara-
biico, dos annos dei849, 1855, 1866 e
1869 : n^sta typngraphia.
Compra-se uma casa terrea que lenha bom
quintal, ua freguezia de S. Jo.-e cu Santo Antonio :
a tratar na rua Imperial n. 19, 1 andar, oa an
nunrie.
IK
Cavallo para vender.
Vende-se um cavallo grrdo, bonili, novo, bom
andador : a rratar na rna da Imperatriz n. 63, !
andar.
Sahidas de bite.
Amaral Nabuco 4 C. receberam pelo ultimo va-
por da Purnpa elegantes sahidas de baile de di-
versas cores e ventlem por commodo prefo : hd
bazar Victoria, raa do Barao da Victoria n. 2.
Chocolate dalfaranhao
Dnico denaiito nesta eidade, em casa de Jose
Tavares Carfwo 9t C, raa Dfrelta n. If, onde se
vende pelos pif|M I ***** da fabric*.
i,3
rma. = |
-% & JO *
gpo^
W5j "
a 2 05
r =r 3
150.5
B 1 a>
s a>
3j T> x
0 =-
b -i.
E u
00* O.2.
o o o ~
*5 3 IQF?
-r
w S <
-5C3
?^
0 ??
fo.1
o S 5
CD
&e:3
.__
V _
H ^
<
9 9.X
S" <"
. m
Iff
<
m
M m Si
p t
;
offl =
V
rn10
a a cti
I
n an
ma
K
fsflfi-
htg
S "3
a l>M
OS 2.
m 99
&
sr
GljJLliO
m
L10UIDACA0.
0 Paris n'America esta liquidando os calcados
pelos teguintes precos :
Botinas de duraque, de cores, com canno alto e
laco, aLuizXV a 5*000 111
Botinas de duraque, de cores, bordadas. canno
alto, a6* 111
Butinas de duraque com laco a 3*.
Botinas pretas gaspeadas, canno alto, a 4*, 5 j e
6$C00.
Botinas li-as e enfeitadas, para meninas a 3*,
B< tinas de Suzer, de cordovao com ponteira ee
verniz, para horaem a 8*. Aproveitem, qae e
barato."
Por urgento preclsfto do di-
nheiro.
Vende-se um sitio distante pouco mais de 1|2
legua desta eidade, com perto de 200 palmos de
frente e 2,000 de fundos, com diversa.i fructeiras
graodes e pequena<. A casa tem na frente am
portao com rotula e janellas envidracadas, tendo
2 salas, 2 quartos c boa cosinha com fogao inglez.
Os prctendentes podem dirigir-se sem receio de
ser isso uma especulac&o e nao necessidade, a rua
do Imperador n. 6, thesouraria das loterias, a tra-
tar com Joaqnim Lucio de Almeida '.opes.______
Aos Srs. deengenhos
Cbila com 4 palmos de largura, fazenda muito
superior, a 260 rs. 0 covado, proprias para escra
vos: so a rua do Crespo n. 20, Ioja de Gui-
Iherme & C
LIQIJIDACaO
la
Loja de fazeodas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miodas mnito boas para roupa
meninas a 100 e 200 rs. o covado.
La pretas. superior, a 400 rs. o covado.
Alpacas de cores finas a 320 e 360 rs. o covado
So se vendo.
Ditas com Ustras abertas, (azenda fina, a 600 rs.
covado.
Qntas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cores nrrudas a 280 rs. o covado.
Cretones, o melbor que asm vindo ao mercado
400 e 440 rs. o covado.
Cambraias brancas, bordadas e abertas, fazeod*
mais fina qae tem vindo ao mercado, e fazeod:
de 2*000 o metro, por 1*000 a van; e pe-
ehincba.
Ditas pretas com Bores miadas a 200 rs. o covado
Cambraia transnarente, fina, a 3* a peca.
Drta Victoria, na, a 4*080 a peca.
Organdy de assento branco e de cores, ccm lo-
res miadas de seda e de la, a 480 rs. o covado
E* pee h inch a.
Cortes de casemira de cores modernas a 5*500
corte i e fazenda de 8*. E' pechincha.
Camisas de linho finas, lisas, a 35* a duzia, e fa
zenda de 5a*.
Brim branco de linho a 1*400 a van.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardas, a 6*
7* a peca.
Algodae T, largo e superior, a 5* a peca.
GorgorSo preto de seda para vestido e pan coBeu
a 3* o covado
Toalhas alcochoadas a 4*500 a duzia.
Colchas grandes a 3*560 uma.
Cobertas de ganga, forradas, a 3*.
Lencoes de bramante a 2* tun.
Lenfos de linho, abainhados e em caixinbas
3*300 a duzia.
Ditos de ca;a de cores abainhados a 3*500 a da
zia.
E outros mnitcs artigos qne se vende por m*
nos do qne ontra qoalquer parte e para se det
So na lorem queiram mandar ver as amostras.
enganaja da
Gniiherme & C.
Vende se urua negra que sane lavar e coxi
nhar, de meia idade : para ver na rua do Bom
Jesus n. 31, primeiro andar.
Vinho verde.
Especial chegado no ultimo vapor, tem para
vender em barris de qqinto e de Colares em
decimos, no seu escriptorio a rua do Comraercio
n. 3, Joaquira Jo:6 Goncalves Beltrao At. Filho.
Cura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das ate hoje co-
nnecujas.
Vendc-se
na
Pbarmaeia e Dro^aria
de
Barlolomeu ft C.
A'
34. Rua larga do Rosario 3-4
Vaceina. Yaccina.
Tendo o Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalhaes,
montado na corte am completo servigo deste ar
tigo, tem aqui aberto mu deposito da melbor e
mais recente, enfos tobos se encontram na
Pharmacia e drogaria
A'
34 rua larga do Rosario 34.______
Imperial fabrica de rap6
area fina de Moreira & C.,
da Bahia.
Deste excellente rape, oue se torna recommen-
davel aos amantes da boa pilada tem estabeleci-
do esta fabrica o seu deposito a rua do Commer-
ce n. 5, qne venJem por junto e a retalhn, fa-
zendo se vantagem a quem c< mprar porc.in.
Qual 6 a loja que vende ba-
rato ?
E' na rua do Livramenti *n. 4.
0 que vende ?
Queira ler para saber.
Fazendas, ch.ipeos e roupa* feitas.
Perfeito surtimento para todaas classes.s
Pannos finos e casemiras, brins de linho branco,
pardo e de cor, ditos do Angola, ditos de algodao
brando e de ccr, gauges de linho e de algodao,
de c6r e amareilo, madapolao de diversas quali-.
dades e preco9, algodSo branco de listras e azu
de varias marcas e |.recos, chitas, metins e per-
cales. bptistas brancas e de cores, bnlhantiaas,
alphas de lindos desenhos, ditas com pafmas de
seda e listras de ^eda, ditas preta3 e brancas,
chapeos de sol para homem e senhora, meninos e
meninas, ditos para eabeca de homem. senhora,
meninos e meninas, ha grande variedade aonde
se ve os de castor a 1.5 e 2*, camisas de todas
as qualidades e precos, para homem e menino,
ditas de me as, ceroulas de precos de um a tres
mil reis, cal;as, colletes e paletots, havendo gran
de quantidade pari escolher a vontade ; tambem
ba cambraias hrancai e de cdres ; assim como,
muitos uutos artigo3 que deixamos de publicar :
cheguem ao amigo do bom e barato, a rua do
Livr.imento n. 4.
Fio !e algodao da Bahia.
Teem para vender Joaqnim Jose1 Goncalves Bel-
trao & Filho a rua do Comraercio n. 5.
Salsa parrilha do Pard.
Chegida recen'emente teem para vendor Joa-
qnim Jose Gn?alves Beltrao 4 Filho, a rua do
Commercio n. 5.
Fechaduras de broca.
Teem para vender Joaqnim Jose Goncalves Bel-
trao A Filho. a rna do Commerce n. S._______
Para o fabrico de chapeos
A NOVA ESPERANCA recebeu o arame propn*
para armagao de chapeos.
BAZAR
Proprios pai-a kiles.
Chlgaram em boa quadra, para a loja do Passo,
riquissimos cortes de seda com largas listras
acnamalotadas e lindissimas cores ; cortes de tar-
latana com palmas bordadas a prata, proprios
Sara nailes : so na laja do Passo, a rua Primeiro
e Mar^o n. 7 A.____________________________
Farinha de milho
Vende-se farinha de milho moida a vapor, diaria-
mente, da 1' qnalidade, para cuscus, 12 pataas a
arroba; da 2% para eangica'.e pao de;Provenca a 11
pataeas ; da 3*. para angii, a 10 patacas : da 4*,
para mangunza, a 9 patacas: na raa do Cotovello
n. 25. casa de aznlejo:
Veude-e a typograpbia Commercial,
sita & rua
par ser visto estd aa mesma.
e a typographta Commercial, ^5!'^
do Rdsario fl. 1 ; o bal(Bn}' DroDrSna
FAMILIAS
Vm Doqne dc Caxias n. 60 A
Para a festa
Reis e Silva & Gnimaraes, proprietarios deste
bem conbi-cido estabelecimento de fazendas fina-
convidam aos teus fregnezes e amigos a sortirea
se dos artigos indispensaveis para a festa, artigo.-
da ultima mod;, e de lino goslu, os quaes se ven
dem por medico preco, de forma qne ignal nao c
encontra em ontra parte.
Alun dc que o publico avalie o qne evam dito
offererem a ana preciosa con-ideracio a seguin'
mt-n^ao:
Riquissimas p' linr.ises de gorgcrao pret \ rica-
mente enkitadas, pelo dimiouto preco de 36*.
LinJi.-simos casaquinhos de gurgorio preto, r-
cameute bordados, sendo cartinhos conforme a mo
da, pelo diminuto preco de 12*000 cada um.
Uiquissimas samdas de baile, de la e seda, par-
senu. ra, inieiramente novidade, pelo duninut
preco de 12*000.
Lindissimas capinhas 4s Ii e seda inteiramen-
te novidade, pelo insignificanto preco de 8*000
io L i)o cada uma.
Riquissimos cachinets de la c seda, pelo dimind
lo pier;o de GfOOO cada am.
Um complctu sortimento de capellas com veto dn
blonds, proprias para noivas, pelo diminnto pnc
de 10*, 13* e 20* cada uma. E' barato t E co-
mo sao liudas ?1
Riquissimos lacinho: com lirela, prcpri s par.
peseoco de senhoras pelo dimiouto preco de i*5Gt
cada uma.
Liudas gravatinhas de cor, proprias para senh---
ra.-, pelo dimiouto preco de 1*000 cada uma.
Lindissimas rosas com alfinetes, proprus para
peito de senhoras, pelo diniDuto preco de l*o<4
cada um.
Cambraias brancas, bordadas de corns a la, fa
zenda moiernissima, pelo preco de 540 rs. o co
vado.
Cambraia transparente, ccm daas larguras, pelo
preco de 13*000 a peca.
Cambraia transparente fina, Snissa, a 6*500 a
peca.
Cambraia mnito fina, Victoria, a 7*200 a peca.
Meias de cores para honvm, pelo diminnto pre-
co de 8*000 a duzia. E' barato I
Riqnissimas caixinbas. cada ama com uma dn
zia de lenc/.s de linho ja yhainhado*. ptlo dim
nuto pre?o de 5*500, 6*. 6*500 e 7*.
Grosdenaples preto, fannda muito superior, a
1*200 o covado.
Setim branco, Macau, fazenda superior, a 2*2
o covado.
Riquissimo sortimento de popelinas de linho, pe
lo diminuto preco de 440 e 500 rs. o covado.
Riqnissimas fai:;s de seda. fazenda modernissi
ua, pelo c Popelinas de linno e seda, padrdes Inteira
men to no vos, a 1*600 e 1*800 o covado. S' ba-
rato I
Grosdenapoles cdr de rosa, fazenda muito supe-
rior, a 1*600 e 1-5700 o cvado.
Um comoleto sortimento de las e alpacas de se-
da com listras a 700, 800,900 e 1*. E" muito ba
rato I
Cm cnmplelo sortimento de las, a 190, 200, 2i'
320 e 380 rs. o covad\
Madapoloes, Elephante, com V varas, a 4*40ti
a peca.
V.adapolio, Maravilha, com 20 jardas, a 5**'<'
a peca.
Madapc !ao Trancez, Madraste n. 53, a 6*200 a
peca.
Slad.ipolao superior franeez n. 60, a 7*000 a
peca.
Assim como um grand* sortimento de chitas es-
cn/as, clar e ontros aitigo*.
RF.I-> E -SILVA & GUIMARAE>.
4os nervoso
A NOVA ESPERANCA acaba de r-oober aoaal-
teS mibgrosos anneis etectricos, cur lufaUJvef dot
nervosus.
500 rs. o covado de a.pacas
de seda
!\'n rua do Queintado n. 43
v a lean SA e covado.
Alpacas de seda com listens, Ur/ura de cMta,
padroes bonitos, pelo dimiout pnc" de 5H rs.
o covado ; so o 43 e quem tem, junto a Ma da
Magnolia.
Attencao.
Vende-se a tavern e a casa propria, joato i
estacao do Cai^oga : a tratar na mesma.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPFAANCA vend toel' de tmi
proprto para carroe, os divwsas Urtraraa.______
Insignir.s m&c.onicati ecadei-
ras para viagem
Amaral, Nhbaeo S C. feodem ins4gnias nMconi-
liveiM*jraM, fl daMraa ts*i efeckar,
no Baatr Vtotoria, ma do

ropnas para
iirlodaVktona'n.1
' '


1 <-'"

Diario de tfernanibuc Segnndataira 16 de Novembro de MT4
.>'

.i
t '

/'
Ly


listras, proprio para camisas
; pois so se vendo se pode
Ao barateiro
A'rualde Marion. 1
'nfronte ao arc* de Santo
Antonio.
Os proprietarios deste estabelecimento, teode
gande deposito de faxendas de IS, linho, seda e
algodao, e acbando-se proxima a ooeasiio do ba-
lanco, resclveram farer grande reduccao em pre-
Js, afim de que naquells tempo nio leuham gran-
e irabalhu em balances ; a saber :
GORGORAO de seda prtto, para eollete, nm
corte por 2 j. E' fazenda que serupre euttou 7*.
AMAZOXAS, linia f.izenda para veslidos da
passeio, a 500 rs. o covado.
GROSDENAPLES de cores, verde, encarnado,
branco, edr de rosa e cravo, a 900 rs., 1* a
1*200 rs o covado. Quern e qne nio coroprara?
POPELINAS de linho, de quadros e listras, bo-
mtos gostos, a 500 rs o covado. Aproveitem.
POPELINAS de linho e seda, gostos inteiramen-
le novas a 900 rs.
DITAS com Ii9tras largas assetinadas, o mais
moderno que tern vindo ao mercado, a 2*.
CRET0NE francez com listras e de qnadrinbos
de c6res e pretos a 400 e 440 rs. o covado. Isto
so bo barateiio I
J)ITO francezde
e vestidos a 300 rs.,
erer.
ES 5U AO de linho e algodao, proprio para ca-
misas, fronhas, etc., etc., com 7 jardas, a 3*200, e
com 10 jardas a 4*300 a peca.
MUSSULINA branca, com listras, para vestido, a
400 rs. o covado. E' pecbincha I
MADAPOLAO francei ccm 20 varas, por 4/300.
E barato.
CASEMIRAS do cores, para eostnmes (ronpa de
homem) a 34 o covado. Ver para crer I
LAS escocezas, estamos acabanJo aos precos de
120, 180 e 200 rs. Apressera set
CHITAS escuras e Claras, fazenda lina a HO.
260 e Ml rs. ; so a ma Primeiro de Marco n. 1.
CHAPEOS de alpaca, para sol, para senbora. a
2/000. E" admiravel I
BRIM branco n. 5, exposicSo superior, a 2/ a
vara.
CAMISAS de cretone franeez de cores, a 2/500
ROM.
CAMISAS brancas, inglezas e francezas, gran-
de sortimento por precos baratissitnos.
BRIM pardj tranjado, para 280 rs. e 400 rs. o
covado.
BRIM Angola, superior, a 500 rs. o covado; isto
so na loja do Barateiro !
CHAPEOS de sol de seda para homem, fazenda
superior, a 8/500, 9/000 e 10/000.
BAPTISTAS matisadas, gostos miudinhos a 300
r9. e 360 rs. o covado ; so eonfronte ao arco de
Santo Antonio I
LENCOS de linho snperiores, abanhados a 35.
4/5IK) e SZOflOJa duzia.
TOALHAS felpodas gnperiores a 6/500 a du-
zia. Em outra parte veDdem por 9/ I
MEIAS eruas, super.ores, para homem, a 4/.
4/500 e 5/. E1 pechincha.
BOTI.N'AS gnperiores para senhora, a 4/500 o
par.
ATOALHADO alcocboado, fazenda superior, pa-
ra mesa, a. 1/500 a vara.
ALGODAOZIXHO branco, com pequeno toque,
a 33500, 4/ e 4/.'0, e marca T, a 5/ a peca.
Alem das fazendas acima mencionadas, encon-
irarad muitas outras que agradarao em qualida-
de e precos, e que para nao massarmos a paciencia.
de nossos freguezes, as deixam-s de enumerar,
So no Barateiro
A' rua Primeiro de Marco n. 1.
Loja de Agostinho Ferreira da Silva,Leal & C.
Nao se engacem
Pois sao os verdadeiros barateiros I
Grande liquidacao de fazenda s
NO
BAZAR JNACFONAL
N.72. Rua da Imperat riz S. 72
DE
Mendes Guimaraes & lrmaos.
Tendo os proprietarios deste estabelecimento resolvido diminnir o grande deposito de fa-
zendas, entenderam fazer esta grande liquidacao, como se v dos precos abaixo mencionados :
Chitas largas a 160, 200 e 280 reis.
Vende-se cbitas francezas e Unas a (20,280 e 320
o covado.
Lazinhas a 120 reis.
Vende-se laiinbas para veslidos a 120, 240, 320 e
400 reis o covado.
Cbitas para cobertas a 280 reis.
Vende-se chitas para cobertas a 280 e 3G0 reis o
covado.
Alpacas de edres a 640 reis.
Vende-se alpacas de cores, finas, para veslidos de
senhoras, a 640 reis o covado.
Metim de cores a 320 reis.
Vende-se metim de cdres para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas finas a 280 ris.
Pentes girafe.
Pantos girafe, proprios para senbora, ( ultima
mooa) : a Magnolia a rua Duque de Caxiaa n. 45
i; so quern tern.
Papai, mafnai.
Como sao lindas as bonecas de cera qua ha-
mam papai, mamai, choram, andam, etc
Magnolia a maOuqae de Caxias n. 45.
Gaiolas, gaiolae.
A Magnolia, i rna Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de arame
200
rs.
rua
0 COVADO II
Lasinbas de listras assetinades, s6 na .
So na do Quinja(Jo a. A3, .junto da loja da Mag-
nolia.
E' especialidade do 43.
Lasinhas de listras assetiuadas, gostos
Cal de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Con.>
Santo n. 17. 1* anoar. escriplorin d loaqwa It-
drig'^es Tavares de Mello.
calcas s
Vende-se cassas francezas, finas a 280, 320 e 360
r&s o covado.
Cagbraia Victoria a 3/000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3/.
3/500 e 4/000 a pe?'.
Cambraia transparent a 2 e 3/000.">
Vende-se pecas de cambraia transparente a 3/,
W500,4/ e 5/.
Cortinados a 14/000.
Vende-se cortinados bordados para camas a 14/'
16/ e 18/.
Gaoga amarella a 400 ttb.
Vende e gaoga amarelia para vestidos de senho-
ras e roupa parameninos. a 400 reis o covado.
Brim de cores a 400 reis
Venae se brim pardo e de cores para
400 reis o covado.
Toalhas para roslo a 700 reis.
Vende-se toalhas de linho para rosto a 700 e 800
ris eada uma.
Chales de la a 640 reis.
Vende-se chales de la de quadros a 640 reis, cha-
les de metim a 1/160 reis, chales de merino
lisos a 2/, e chales de merind estampados, a
3/600, 4/ e 5/.
Aherturas a 2g009.
Vende-se aberturas de iinho bnrdadas, para ea*
misas, a 2/ e 3/500. Oitas de alsodao a 200 e
400 reis.
Cortes de casemira a 5/000.
Vende-se enrtVa de caserairas finas para calcas a
5/, 5/500 e 6/
Cortes de brim a UiOO.
Vende-se cortes de brim de cores a 1/400. Ditos
de brim de Angola a 1/800 e 2/500.
Cobertas a 2/000
Vende-se cobertas de chitas de cores a 2/.
Colcbas a 2/000.
Vende-se colchas de fustio para cama a }/, 3/ e
'*/
Paletots a 3,000 rs.
Vende-se paletots de alpara pr*ta a 3, 3,60
5,000 rs. ;;calcas de casemira preta.e de core
leies de casemira oreta e do cores, e ontras
tas roupas feitas haratas e fazendas aue est
quidando no Bazar Nacional, a rua da Im
Jriz n. 72.
pSiffSS 2SZA MfflSSa n""' -""-,?* -!. im 2o sj^
Cortinados para carnal
Na loja do Pavao vende se am grande sortiMD-
to de cortinados bordados proprias para caaua
janellas, pelo barato prec<- de 8, 9 e 10,000 n.
par, assim como colchas de damaseo para raM
de noiva a 10 e 12,000 rei-e nec-iocha: a
rua da lir,peratriz n. 60, de Felix Pereira ca
bem.
E' com as noivas
,RA N0KVA,ESPERANgA, rua Duque de Caxias n.
jd, acaca ae receber boa- meias de seda proprias
para noivas. e os apreciaveis ramos de larangeira
EXPOSICAO PREDILECTA
DE A' Nia do fnhnmi n A
fazendas e artigos de alta
novidade
NA
LOJA DO PASSO
(taa Pfiflieiro de Marco d. 7 A.
Cordelro SimSes A v..
proprietarios
A' rua do Ciibn^a n. t A.
Os proprietarios da I'redilecta, no intuito da
conservar o bom conceile que teem merecido do
respeitavel pnblico, distinguindo o seu estabeleci-
mento dos mais que negociam no raosmo generc
veens scientificar aos seus bons freguezes que pre-
veniram aos seus correspondentes nas diversas par-
cas d'Europa para Ihes enviarem por todos os pa-
quetes os objectos de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
daquelles paiaes, visto aproximar-se o tempo da
(esta, em que o bello sexo desta linda Venera
mais ostenta a riqueza de suas toillettes ; e co-
leste imporiante estabelecimento, no louvavel pro- mo ja recebessem pele paquete francez diverso
Aos legitimos fogoes econo-
micos.
Acabara de chegar a esta cidade os ver-
dadeiros fogoes economicos, ja^ muito conhe
cidos nas proviucias do Rio de Janeiro,
Mines, S. Paulo, Sergipe, Hio-Grande, Ba-
bia e Alagoas, aonde tem merecido do pu-
blico a raaior acoitarflo possivel, e sio ja"
preferidos aos de qualquer outro systema,
conbecido pela sua muita solidez, especia-
(idade na coll oca rao, moderno systema,
sobretudo grande economia no combusti-
vel ; trabalbam com lenha, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de divursos tama-
nhos, proprios para casas de pouca, regu-
iar, e de muila familia, collegios, hoteis,
casas pias, hospitaes, etc. Acbam-se ex-
postos ao publico, aoude se daruo todas as
explicacoes necessarias: na rua do Viga-
oii. 12
jrosito de nio desmentirem o coneeito que c
icabam de receber de sua conta o mais nco sor-
imento do sedas, popelinas, las e artigos de ul-
ima moda em Paris, e contmuarao a receber
jor todos os paquetes daquella procedencia; por
:> chamam a aitencao de seus freguezes e os
Salsa parrilha
Muito novae grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao on a re-
Ulbo : na rua larga do Rosario n. 34.
G com as senhoras.
a Magnolia, a rua Duque de Caxias a 45, par-
icipa ao bello sexo que acaba de receber da Eu-
ropa, um completo sortimento de artigos de ulti-
oa moda, e como acha desnecessano fazer um
infadonho anuuncio, por ja ser bastante eonhe-
eida, e caprichar sempre em ter bons correspon-
dentes, sendo a pnmeira que apresenta o que ha
4e mais moderno e por preJjos mui razoaveis, por
isso limita-se a descrever somente o seguinte:
Settas douradas.
81 co de cores, unto de seda como de guipure.
LequeM dourados, de madreperola, marfim, tar-
taruga, osso, etc.
abidas de baile.
Preeeatee, diversos artigos proprios para pre-
sentes.
Golinhag e punhos.
annal para roissa, com capa de madreperola,
taruruga, marfim, velludo, etc.
Sapaiinhoi de setim para baptisado.
camiaas bordadas para senhoras.
Lisa* de seda.
Pranjaa mosaicas.
idrreruH de urtaruga.
Voitas'de madreperola.
>*nloirafl de madreperola.
Ltndas (lores para cabeca.
elsa de velludo.
Perrnmarlas dos melhores e mais afamados
fabricates.
cizapeoi* de sol para senhoras.
'Han de velludo de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereis livrar-vos destes malditos insectos? eom-
orai ama ma china de matar moscas por 3/000
aa Magnolia, a rua Duque da Caxias n. 45.
Cal vice.
A Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, ven-
le o verdadeiro Vigor de Aver, que impede a
ahida dos eabellos.
Sardas epanos.
S6 tem sardas e panes quern aner; porque a
Hagnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem para
tender a verdadeira Ciittcuteria, que faz desappa-
ecer estas manchas em poucos dias.
para senhora, de cores e
com lindos bor-
ma fazenda,
meninas e senhoras, gnarne-
(iraadc descoberta
Ourativo das molestias do
peito pelo
Europe de sulphite de nedu
DE
A. BERWET
Este irnnorupte medicamentb qne acaba de ser
recnhrcidn pelos distinetos Drs Zalloni e Paras-
cb^va;, como um verdadeiro espe-lfico contra a
phty-ica, seguudo provaram nos grandes nume-
ros d casos po elles exDenmeuiados, eomo se ve
na *ssai> da ara-.inmia de Paris de 24 de marco
do corrunie anuo, eocontra-se mcamente no
Deposit., da harmacia e drogaria
de
Kartholomtn C.
r N. 34- Rna larga do Rosario N. 34
Lii]nid.,cj de velas de S(ermacete, a MO rs-
o rr r;., ^ -':.hfciro : w> armaiem do Jose Feruanl
ties fin* & C, iua do Barao da Victoria n. 3.
nvidam a darem nm passeio ao seu estabeleci-
nento, garantindo-lhes que encontrar5o a reali-
lade do que fica dito, e para prova dao um pe-
lueno resumo, cbjo infallivelmente despertara a
utencao dos pretendentes.
Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
imostras mediante penhor.
Artigos de alia novidade e
ultima moda.
Cortes de vestido de linho guarnecidos de bico
la mesma fazenda e cor, trazendo fivella, boJca '
:into, etc etc. |
Riquissimos chapeos
>retos.
Cortes de cambraia brancos
lados.
ni de cores com enfeites da mesma fazenda
ormo, etc. etc.
Capas de 12 para
"das de arminoo.
Vestnarios para baptisado.
Riqoissiraas camisas bordadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
Ricas colchas de seda, para casamento.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dito prelo.
Sedinhas de delicadas padrdes.
Setim Macao de todas as cores.
Grosdenaples pretos e de cores.
Velludo prelo e damaseo de seda.
Granadine preta e de cores.
Pilo de sed-i branco e prelo.
Ricas ba>' uinas de seda.
Casacos de merino de cores, li, etc.
Manias brasileiras.
iapellas e mantas para noiva.
Cambraia de cores, uitas mariposas brancas, de
ores, lisas e bordadas.
Plor do bosque (novidade).
Percalinas de quadros, listras, etc.
Brins de linbo para vestidos.
Fustio de cores.
Saias bordadas para senhora.
Grande sortimento de camisas de linho lisas
ordadas. para hom^m.
Meias de cores para homem, senhora, meninos
meninas.
Sortimento de
M>nhon.
Minnas de
chapeos de sol para homens e
cores para vestidos.
Ditopteto trancadoe de verao, bombazina, can-
to, alpacaj etc. etc.
Atoalhado de linho e algodao para toalhas, e dito
.ardo.
Damaseo de li.
Brim de linho branco e de cores.
Satins de lindas cores com hstras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de easemira
CatLisas de cfaita para uoauw a (litas de Qa-
eua.
Ceroulas de linho e ditas de algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc
Lencos bordados e ditos de labvrinthb.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
ara bailes, e tarlatana de todas as cores.
Colchas de damaseo de la, e ditas de crochet
Espartilbos lisos e bordados.
Foulard de seda, lindas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Caserairas pretas e de cores.
Popelinas.
Neste arligo temos um variadissimo sortimento,
ao so em gosto como em qualidade.
Lai
m listras de seda, ditas com palnas bordadas,
litas transparentes e de outras muitas qualidades.
Lavas
te pellica brancas e de cores, do verdadeiro fa-
iricante Jouvin.
Finalmente :
apetes para sola, cadeiras, cama, entrada, etc.,
-ambraias brancas, ehitas de todas as qualidades,
nadapoloes, esguiao, bretanhas, bramantes, algo-
loes, cUarinhos, punhos, meias para homem e
nbora, punhos e collarinhos brancos e de cd-
es para senboras, gravatas para homem e senho-
a, peitos bnrdados, lencos de linho brancos e de
lores, ditos de cambraia de linbo, toalhas, guar-
Uoapos, panno fino, etc., etc.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Marco n. 7 A
antiga do Crespo.
VKt iP.I^~3fti osltio junto aigre-
ja de S. Jose do Mangu nho, com caea de vivenda
assobradada e outras aeonimodagoes, todo mnra-
do, com diws freutesiervi 'as por portao de fertOj,
dando para a rna d Amizade e para a do Man!
guinho. Tetn de terreno proprio 194 palmos de
largura e ;t54 de fundo ; e a ca-a nude 52 palmos
d frente e R4 de fnndo. A situacao e a melhor
possivel cara morada, e quem quuer ediDcar, tera
bastante terreno para isto, pelo lado da rua da
Amizade. Tm a wnoa-> plautacSes de gozo e re-
Vreio, havendo bastaute ugiia fornecida por duas
caeimbas, u.r.a das qr.ae? e nova. A entnder-se
com o Sr. Dr. Wiirovio qu^ro .. pretender
JPecJiincha.
Gusraao k Leal vtadem d masco de 15, com
palmos de lagura a 1 o covado. enpia-
ehapet>s de sol de seda para bo-
6
dorti
a i
m a t^i Dtttrn maifa> h' ulas qu s
com v*-' "j
grande redu-vao de
de Ma.-$f u. i'4.
..
ver a
'/imeirj
artigos da ultima moda, veem patentear alguns
d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Aderecps de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola* e de
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pra-
os.
Aderecos completos de borracha proprios para
Into, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
nilos.
Botoes de setim preto e de cores para ornato dt
pestidos de sethora; tambem tem para eollete
valitoL
Bolsas para senhoras, existo um bello sortimen
de seda, de paiha, de chagrim, etc., etc, por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tan to de louc;
como de cSra, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes lornam-se as criancas um poueo im-
pertinentes por falta de um obiecto qne as en-
tretenham.
Camisas de linbo lisas e com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulas de linho e de algodao, de diversos pre-
(OS.
Caixinhas com mu3ica, o que ha de mais Undo,
com disticos nas tampas e proprios para presec-
te
Coques os mais moderuos e de diversos forma-
tos.
Chapeos para senhora. Receberam um sortimento
da ultima moda, tanto para .senhora, como para
meninas.
Oapellas simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindos
desenhos.
Escovas electricas para dentes, tem a proprir
dade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, existe am
grande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de saria. da gcrgiirao. de setim e de cos
"lo!e, de diversas larguras e boaitas cores.
Fachas de gorgurao mnito lindas.
FL-tm artificiaes. A Predilecta prima em eon-
ervar sempre um bello e grande sortimento des-
tas (lores, nao so para enfeite dos c*bellos, como
ambem para ornato de vestido de noivas.
(aloes de algodao, de li e de seda, brancos, pr*
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senboras.
Lagos de cambraia e de seda de diversas cores
para senhora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva. i
Livros para ouvir missa, com capas de, madre-)
perola, marfim, ds>o e velludo, tudo que ha dt
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para ahsar os ea-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marfim, 6sso e dourados por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
Srovida, nao so em exlractos, como em oleog
anhas dos melhores odores, dos mais afamados
bbrkantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygjenica,
Coudray, Gosnel e Rimel; sao indispensavets para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapaunhos de la e de setim bordadw ,para t>ap-
Usados.
Tapetes. Receben a Predilecta njn bonito sorti-
mento de diversos tamaehos, tanto para sola co-
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno reeabeu a Predilecta
de or arato preco, para near ao alcance
qualquer bolsa.
AiiMiiH do nm.
A' praqa circular do Apollo
vende-se:
Tijelos do marmore, de differentes ta-
manhos e qualidades.
Tijoloa francezes, sextuplos.
Cianenlo Portland verdadeiro.
Asulejoa graudea muito proprios
para rodapes.
Azult-Jos verdes e amarellos, tamanho
regular.
llaquiiias de desc&ro<;ar algodao.
Cadeiras de ferro, assents de palhi-
nbB, prvtpnas para campo.
CASA
Vende-se on aluga se urr.a casa terrea em Olin-
da. com grandes commodos, gaz e agua encanada
a traiar aa rua i* de Marco n 6.
Giioeiilo Portland
0 verdadeiro ciment.i Portland em barrieas de
180 kilos : vendem Lebre & Reis, a rua do Amo-
rim n. 58.
rs. o covado
com penhor.
So o 43 I Dao-se amostras
Colckas para camas
Na loja do Pavao vende-se colchas de fnslao
brancos, para cama a 2,500, ditas de dito de cor
a 4,000, cobertas de chita e de cretone, de 2,500
Sedinhas a 1#500 o cov do.
Venham antes que se acabem : na loja do ('*
a ruai.- de Marco n. A.
Rendas da terra
as larguras
Rendas, bicos e grades de toda-
par'a oina e ditas de mebm escarlate rorradas com I vende-se no pateo do Tereo n. St.
madapolao a 5,000 : a rua da Imperatrii n. 60,' "
de Felix Pereira de Silva.
Salsa-parrilha do Para
Tem psra vender Antonio Luiz de Oliveira Ase-
vedo, no seu escriptorio, a rua do Bom Jesus no-
mero 57.__________
A 50 Ors. o covado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas japonezas
de cores muito roodernas pelo baratissimo preco
de 500 rs. o covado, para acabar ; notando-se que
e fazenda que jamais se vendeu por menos de
dois cruiados ; ja ha poucas : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao, de Felix Pereira da Silva.
Vende-se um terreno no becco do E-.pii.'#ir
I om 135 palmos de frenie e 300 ce fundo : a tr>-
r a rua da Madre de Deus n. 5, I andar. 3
Cal de Lisboa novissima
Vende se em grandes e pequeta* porcdes : aa
rua Direita n. 14.
Farinha demandioca supe-
rior.
Tern para vender, Joaquim Jos^ Goncai-
ves Beltrao & Fiiho. a borao do palbabott
Rosita, fundcado r.n pe do caes do Collegio,
e para tratar a bordo ou no seu escriptorio :
& rua do Commercio o. 5.
Cortes deeasimira a
e 6#000.
Na loja do Pavao, vende-se cortes de ca-
semira para calr^a a 49, 59 e 65000, ditos
muito fiuosde uma sd cor com listras ao la-
do, fazenda que sempre se vendeu a 99 e
109000, liquida-se a 6$000 para acabar:
a" ru* da Imperatriz a, 60, de Felix Pereira
da Silva.
E'BOM SAMK-SE
Que a NOVA ESPERANfA, a rua Duque de
Caxias n. 63, bem conhecida pela superioridade de
seus artigos de moda e phantasfa, acaba de rece-
ber diversas encoromendas de mer-adorias de sua
repartieao, que pela elegancii. hem mostra aptidao
e bom go-io de seus autigos correspondentes da
Enropa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constante freguezia e com especialidade ao sexo
amavel, a viaitarem na, atim de apreciarem ate
onde toca o primor d'arle.
A NOVA ESPERANCA nao quer entrar no uu-
mero dos massantes (verdadeiros azucrins) com
extensos annuneios e nein pretende deserever a
immensidade de objectos que tem exposlos a ven-
da, o que seria quasi impossivel, mas limitar-se-ha
a mencionar alguns daquelles de mais alta novidade
e toma a liber .ade Ao aeonselhar ao bello sexo,
que a visitem eonstanteaienie, para depots qne
comprarem em outra qualquer parte nao te arre-
penderem, a vista do bom e e.-culhido aoriiffieato
que ha em duo estabelecimento, esta razao tam-
bem demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nao podora compietar a elegancia de seu toilet
sem qQed6um passeio a NOVA ESPERANCA, a
rua Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
bor os seguintes artigos de luxo e intcira novida-
de :
Modernas settas para prender os eabellos.
Prjmorosos leques de phantasia.
Bonitas sabidas de bailes para senboras e meni-
nas.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes facbas de touquim.
Bons aderecos de madreperola.
Delicados aaere^os pretos de pufalo e borracha
(gosto novo).
E* Ntito
As almofadas bordada? de la m.itlsadas que rs-
cebeu a Nova Ksperanca, a rua Duque dt
Caxia* '*
Leques e fibres
Amaral. Nabnco 4 C., receberam leques de ma-
dreperola, branco e queimad de differentes cores,
de marfim e de tartaruga, lisos e lavrados, sao
eiegantes e proprios para bailes : vendem no Ba-
zar Victoria, rua do Barao da Viet ria n. 2.
Oanibraias
Com barras, a 240 rs. o covado,
rua do Queimado u. 43.
E' pechincha.
Cambraias com barra, desenhos
zes pel.* prego de 240 rs. o covado.
43 1 Junto i loja da Maguolia.
Ed
ca
cbiu-
Sd L
V
S-Pft
No lupar da Tamarineira. venda do arco
de, um pore* muito gurdo e de grande an
cao.

Fundas Herniarias
Para
ligar
CtUPEOS PARA SEN1I0RA.
A Predilecta,,a rua do Cabuga n. 1 A, acaba de
rtceber um Undo sortimento de chapeos da ultima
moda para senhoras e meuiua>, e vende por pre-
;:.s commodos.
Breu, breu, breu.
No armazem de Jurge Tasso, rna da Amorim n.
37, e no caes do Apollo, aimazem de farinha de
trigo, do commendador Tasso.
de las
que li-
Vende-se
No escritorio de Thomaz de Aquino Fonceea k
C. Successores, a roa de Vigarto n. 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Lisbea.
Vinho Sherry.
Vinho d> Porto em eaixas, Qnissimo.
idem em barm de quinto e decimo, fino.
Relroz.
Fio.
-SE
Na rua do Vigario n. 19, vende-se o eegnmte
Cimento de Portland, em primaira mao.
Vinho do Porto, engarrafado, finisaimo, em cal
xas de duzia.
Dito-dito em barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez ejn oaixas de duzia.
Vjnho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
Asunicari verdadeiras
Bichas hambarguezas one vent a ste mareaor:
oa tus do Mar.in.ei do ulinda -..IH
.Wilson Rove d( C vendem bo mu armaxa*
a rua do Commercio n. li :
verdadeiro panno de algodao axni americano.
Excollente fio de vela.
Cognac de 1* qualidade I
Vinho da Bordeaux.
Carvao de Redra de todas as onaiidades
Cora dos (Ktrotameiito dwrtra
pela facil applicagao das
SONDAS OUVAES
DE
. GOMMA ELASTIC!
As mais modernas e aperfeicoadas de todas
as conhecidas
VBdeiB-se *
NA
PHARMACIA E;DR0GAR1A
DE
Bartholomeu & C.
3& Bqa larga do Rosario 34
i-
Lustres, caoilieiros
it
A empreza do gaz, tendo recebido ultimamente
uma quantidade de lustres, candieiros, arandellas,
globes etc. etc., tudo .mra de guotu e d- pnmeira
qualidade ; acha set m posicao de snpprir. a seas
freguezes. por precis men,res do que autigameo
te. Para verem as amostras. dirijam-sa a rna do
Imperador n. 31.
VS '-PltJHHS
A NOVA ESPERaNCA,* rua-Buqoe de Caxias
n, 63, acaba d- in-. t-r uui li.un si>rtiweo|ade fl-
na- imueca- que uil.nii, qu>- rlem v e enoram;
tau.iieii. a-tniti mu.ia- > surdaa uu sardas mudas
iveuiiaw ver se .... c verdade.
milhobarato
Qncpaoia eceis, i^loa por 3/400, quasi umas 4
errobas, sendo a reialho a 280 por meio deealitro,
qua e mais de uma cuia, no armazem da bola
amarella, travessa da rua do Imperador.
A 120 rs. o covado,
Na rua.da Imperatriz n. 60, vende se para tea-
bar uma grande quantidade de las, restos de di
versos sortimeetos, desde 120 rs. ate 800 rs.; no
tando-se que, quando havia sortimentos comple-
tes, ae vendiam a 4*280 e I <600 o covado, hi
grande .Kju-i<-dade em padroes. os que primeiro
ctiega^m jnelhor4>ech,incha farao^ a elja a, roa d
Imperatriz n. 60.
Na loja do Pavao vende-se madapoloes france-
zes muito incorpados, oa -20 jardas a 6,000 reis,
dito moit fino com 12 jardas a.ajOOO e 3,500 ; as-
sim como um grande sortimen to de madanolfee
icglezes de 4,500 ate 8.000 e 9,000 : a rua da Im-
pefairiz d. 60. de Mix P Vende-se pedras de m rmores,
manhos, com dua- 90I -gadan d
para muilos misleres : a tral
CuDha Lagns
tRetalhos de las.
0 Pavao vende uma porcao de retalhos
para vestidos tendo grandes e pequenos,
quida barato para acabar, assim como uma por-
cao de cassas 0 chitas pretas que se vendem por
qualquer preco para acabar : na rna da bnperj-
triz n. 60, de Felix Pereira da SirVa.
_ Espartilhos, a 3*300, i| e i:,
0 Pavao vende um boDito sortimento dos mais
inodemos espartilhos que vtnde a 3d!.'0, il e
5*000.
Peskiiica em lengos brancos a 2;300.
0 Pavao vende duzUs de ltn^os finissimos de
cambraia branca para mao, sendo fazenda que
sempre se vendeu a i.COO a duzia e liquida-se a
24300 por ter grande [ior.;ao de duzia*. ditos abai-
ntiadosa2_, ditos caioez^s muito linos e ditos
francezes escuros uiu.to fines para quem toma
rape.
Cassas de cores a 240 rs.
Vende-se cassas de cores para vestido a 240 rs.
0 covado : na luja do Pavao a rua da Imperatriz
n. 60.
Camisas.
Vende-se uma grande porcao de camisas bran-
cas com peite de linho e de algodao, por muito
menos do seu valor, por estarem uin pouco enxo-
valhadas, s-sira como seroulas francezas e de al-
god:.o a li.560, ditas de linho a 85 e 2i&00 para
acabar: na loja do Pavao rua da Imperatriz n. 60
de Felix Pereira da Silva.
Roupa para homem para acabar ate ao iim
do anno.
Na loja do Pava> liquida-se nma grande porjao
de roupa para bomem como sejam : cal gas de
brim d'Angola, ditis brancas, ditas de ca-.emira de
cor de 6& ate 12-j, ditas de brim de cor .s, palitots
e fraks de panno preto, de alpaca e aipacao, as-
sim como de casemiras de a re.-, ccllete3 brancos,
pretos e de cores, r.ssim como roupa branca de lo
das as qualidades, nao se olha a prejuizo, 0 que se
quer e liquidar ate ao fi n do anno.
Cambriia V ;ctoria e transparente
Na loja do Pavao veode-se um grande sortimen
to de cambraia Victoria e transparente para ves-
tidos tendo 8 1/2 vara cada pessa de 3:600 para
aima, isto na rua da Imperatriz n. GO de Felix Pe-
reira da Silva
Collarinhos de linho para acabar a 4s
a duzia.
Na loja do Pavao liquida-se dma grande por^o
de duzias de collarinhos de linho, por estarem unr
Souco enxovalbados, pelo baru'1 preco de 4j a
uzia, sendo fazenda quesempio se vendeu por
73 e pecbincha : a rua da Imperatriz n. 60, loja
de Fejjx Pereira da Silva.
Chales de casemira a 4*.
0 Pavao vende chales de casemira com gostos
qhinezes, sendo muito grandes, que sempre ven-
deu a 7* e 84, liquida a 4a. Ditos de la, mnito
enrorpados, com listras, a 3j. Ditos de quadros,
fozen4a.ffQ.ito. boa 2-; assim como, nm bonito
sorti.nento de ditos de merino, lisos e de quadros,
vende de 20 ate Sj e 6* : a rua da Imperatriz
n. 60, loja do Pavao, de F. Pereira da Silva.
Popelina de linho a 400 rs. 0 covado.
0 Pavao recebeu um elegante sortimento das
mais bonitas pepelinas listradas para veslidos que
vende pelo_ barato preco de 400 rs. 0 covado, la-
vando-se nao desootam ; assim como, bonitas e
modernas lazinbas com listras de seda a 640 rs.
0 covado. Ditas transparentes com palmiohas a
500 rs., sao bonitas. Bareges de uma so cor, pelo
barato preco de 400 rs. 0 covado, e pecbincha :
na rua da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira
da Sjlya.
Cortes de vestidos para liquidar.
0 Pavao vende a 4g, of e 6* corte de cam-
braia branca com enfeites bordados de edr, fa-
zenda que sempre vendeu a 7* e 8*, e liquida a
4* para acabar. Ditos brancos de cambraia aber-
la com listras e lavradinhas, que sempre se ven-
deram a 10*, liquidam-se per 5*. Dit^s Benoatao
com lindos enfeites de edr, fazenda que val 12|,
liquidam se a 6$. Ditos de cassa de cores com
7 varas a 3* ; e pechincha : na rua da Impe-
ratriz n .60, loja de Felix Pereira da Silva.
Pechincha para criancas.
Meias a 2*500 a duzia.
Toalhas delustao para mesa a 2i&00.
0 pavao vende toalhas de fustao para mesa de
ianjar pelo barato prejo de 2*500, e pechincha :
pa loja do pavao, a rua da Imperatriz n. 60,
kjadeF.-T. da Sil.
GroT preto a 1*.
0 Pavao vende grosdenaples preto a 1* 0 co-
vado e dalii para cima, ate 4s qa rua da Irape-
ratnz n. 00, loja de Felix Peieira da Silva.
Brius de Angola a 2*. 2 .300 e. 3*.
0 Pavao veDde cortes dos verdadeiros bins de
Angola a 2;, 2*500 0 3* ; .'; pechincha : na rua
da Imperatriz n. 60, loja de Felix Pereira
Silva.
Metins a 280 rs.
0 Paiio vende booiios metins de cores para
vestidos, pelo barato prec/* de 280 e 320 rs. 0
ELECTRO MEWCAK8
perfeitainente e curar ra mente
as quehriidurits
Ess^s fundas esiabelecidan sobre os conh-.
mentos meaicaes e anatomcus maniem as qu-bf-
duras as mais volumosns e difficeis, iup-ijil.> t
seu desenvulvirr.ento. Elles t-ew uma atca* eie-.
irica que na generalidade isi casos opera uu*.-.
cura radical sem que 0 doente se sujeite a pies
cripcao alguma, a excepcao do uso coatiuuo de.
las. A cura opera-se no periolo de 12 a 20 tut
zes conforme a hernia mais 011 mrnos antigi.
L'nico deposito em Pernambuo, pksraM
cia e drogfria de Rirtholmi.eu A C.
Rua ldrgn r!o Ro.ario 11. 3i.
Sacco
s
Vende se saccos de esuipa cm urn Mfjptc
defeito, proprios para ensaccar farinha, oi!h\ -i:
pelo diminuto preco de :j20 rs cada um : na I
ja do Guilherrac & C, a rua do Crespo 0. 2'.
Casaquinnos
Casaquinhos de gurgorao de seda, pretos, pr. -
prios para senhora*. fazenda muito fina qu^ sem-
pre se vendeu por 20*, eslaro..s vendtnd. p.
6* cada um ; isto so na loja do (iuilherme 4 C
a rua do Crespo n. 20.
Linho d'Alsaria
Linho de Alcacia ojiii listras. abrt\s, fazeno^
muito larga, padroes iind-s e inteiram. nte miwvt
proprio para vestidcs de senhoras e meninas. pel
baratissiino preco de iiO rs. o cva-i.>; ssom
amostras : a rna do Crespo n. 20, lob do (ai-
lberme & C.
Sargelim
Sargelim de cor tranca Jo proprio para forro d.
vestidos e outra qualquer obra e vende se pel:
diminuto preco de f60 rs. cada covado : a roi
^ Crespo n. 20, loja do Cuilherae & C.
0 Desengano esta quei-
mando
0 proprieurio deste esUbeleciaeiito tem rem*J-
vido vender as fazendas exislentes em sea eUt>-
lecimento, por menos do que em outra qual luar
parte.
Vanzinese de seda.
Vcnde-se esta fazenda de lindos palr.Vs, de lis-
tras e palmas, pelo diminuto preco de 320 r-. 0
vado, por ter uns toques de m6fo, e grande pc-'Wo
cha. Esta fazenda tambem serve para lot \ j.-
ser toda preta; e fazenda de 2*500 0 covad.)
Damaseo de la.
0 Desengano esta vendendo damaseo de la o
lindos padroes e de duas larguras. pelo ttsaitjM-
mo preco de 1*000 0 covado, e fazenda de 2i30t
Aproveitem que 0 Desengano esta queimando.
Casaquinbos de gorgorao de> seda.
0 Desengano esta vendendo casaquinnos o> --
gorao de seda, enfeitados, pelo baratisiimo sni
de 6*000 cada um, e grande pecbir :ha. A tUv
antes que se acabem.
Organdys a 320 rs. 0 covrdo.
Vendem-se Organdys de listras, branco, pelo bo
rato preco de 320 rs. 0 covado. AprbveUem.
Madapoloes de 49000 a peca.
0 Desengano esta vendendo madapolao frar.c*-.
com 20 varas a 4* a peca; dito muiio fino, a 5*
5*500, 6* e 7* a peca ; e grande pechr.cha.
Algodao marca T, largo, a 4*, 4*500 e if a
peca.
Ricos chapeos de sol de seda, com cabo de L,a -
fim, a 12* cada um, e pecbincha
Baptistas de lindos padroes a 400 rs. 0 covad-.
Lazinhas de cores, booiios padries, pt.j amim-
to preco de 160 e 209 rs. 0 covado. A ellas antes
qne se acabem.
Cambraia Vienna, a 3*300, 4*, 4*"'"0 e 5* i
peca.
Alpacas de cores, II e seda, bonito- padroes, -
500 rs. 0 covado e grande pechincha.
Metins de cores, bonitos padrdes, a t <0 e "WO n
0 covado.
Chitas Claras de lindos padroes a 240, 260 e 2f-.
reis.
E outras muitas fazendas que deixa de mcici.-
na- as para nao se tornar enfadonho, pur isso 1
proprietario convida a todas as pesoas a txzerec:
uma visita a seu estabelecimento, afim de sort*
rem-se do bem e barato. Roa do Crespo a. i ,
junto a loja da esquina.
fedrasdc mrnure
ar com ^i**^****^^^*^ ^^^iXZA
E' sempre ass:m
AO SEXO AMAVE .
A Nova Esperaoca, a rna Duque de Caxias r.
63, toma a liberdade de avisar ao beiio sexo, qu
acaba de receber diversos artigo-t de a.u nor -
dade, os quaes. estio exposlos 4 vunda em J11
estabelecimento, t bom que veuham K. l-f
para por esta forma satisfazerem os ,....-'
suas elegantes toilettes.
A Nova Esperanca, nao qu^rendj tgfti f
j'imassante, liraitase a mencionar algiiu a go
dos mais em voga no nijado das mod.i.-, mi
1 sio os seguintes :
l Lindos cint.s de couro e flligrana.
Mudernos botoes de aco para ve-tido?
jtra Hnhoras
lPv------~ prec.
Imperatriz n. 60,
Om> sin lindas e modema- as gravatinhas qne
a Uaituoiia, a rua Du.iue de Caxias n. 45, acaba
de receber I
loja de Felix P-reira da Sitva.
liolsas de couro
Ao 11, 9.
- : zer pendentes ao
e filigrana,
cinto,
os.
eu
pr. p i
-ara tri
Tara, concertar
Vende-se
No progresso do pateo do Carmo
, teiga ingleza flor a 800 rs. a libra.
Ha
j A NOVA ESPER.\Nr,A, a rua Du .v
vende se : .rn- n. 63. recebe. -'esta neceasaria lw
na rua do Vigario n. 19, primeiro andar : .L/OCO DnO Qt) gOiaba
Vinho do Porto engarrafado, em barris e em Vende-se no deposito do pateo d 0 Terco n. 4e'
ancoretas. v 6, pelo barato preijj de 800. 00r i*000 a 1*20" ;
tera e ,. velas, de Lishoa, superior qualidade.. assim como grande sortiu. nto da caixO |*<
RttT'z do-Porto. 1 nos, proprios para exbarque; ha reqnen tot.*
Cimeuw Poruand, legiUmo .a? t-r;asfeiras e sa'Jjados, fw prc.o cot.uiod.j.
Lustres, lampada*
dellas.
*-
Obra do go 1 e mjl

qu
irewn. .

MS
I' '*"
.
---------~~2aS9 SSSZZ^sw
1 i


_.


8
Jiario de Pernammiou Segunda teira 16 de Novembro de 1874.
OTERATURA,
crtiucllo anorailo em mestre-
cscola.
APOLOGO.
Corc.v- do camello antigamente
(Nio s-i que diabo deu-lbe na cachola)
m&o grado a estupidez, q>e lhe e iimata,
Lunbrou-se detoruar-S'; mestre-escola.
Sua aula abrio no centro da floresta ;
Oque, leitor, apenas se annuucia,
Av. i.i >i instruc(,a >, inc ntinente
Aiil .y, acode toda a bicbaria.
Ei-la eo'a teura proln iNa esparrella
Te Sua Magestade Leonina
Ci >. loatriculando o mogo Infante
?titn do aproveitar aquella rnina.
Cboviam deferencias, e de estima
c nsideragio todos cercavam
A> o!ii.i profe-sor, cujas palavras
I f.dliv.is oraculos julgavam.
Ei 'o r.; magistral cideira augusta
Otn-g'Ticamanle repimpado,
Ao- -'ivipuloi seus lecionaudo,
M>s... oque ? Nao no sei, nem.6 nsrrado.
Assim ia passando o tal mestrago
IJ i>n vi la folgada e milagrosa
N ti ii a carta mez por cada alumno
p.ic-ueudo unia somma fabulosa.
Alera d'isto, presentes numerosos
E-tivfl .i receber diariamente
D >s pnlpavos, quo tudo que apanhavam
M u iflv.un-lbe de mhno iocootioeote.
E-.1--S. ttdas as vezes que Id ia:n
A es D- id Strfuvam mais que satisfeitos
t >t.nnis deitados a diz-?r comsigo.
Tans T\ra as pomadas, que vendia
0 a-tuto mestre de afamado cunbo,
Assun o.i'uni certo nr de gravidade,
Ocutos i.o nariz, ferula em punho 1
Ora yuis. muito bem. i'assa-se o tempo,
lc < tempo eis que choga ofim do anno ;
Liit* I i que se vi i, uao sem sorpreza,
0 progresso da escola, soberano...
0' Mumnos alii nada apreuderam,
llis, mi compensagao, muito apanharam ;
Esrtirram mais brutos do que d'aates,
Qindo por grande caiporismo eatraram.
M > cum isto nao deu cavaco o mestro
E .I'rt r.rtou so, nimio descarado
Du"ii I" d cada pai de cada aiumno :
U eu pequeno e por demais tapado.
Quant- Quh c-rtameute fazem outro tanto,
D-~de que os profrssores euiparelbas
D- ram para surgir de qualquer canto 1
E (o que e mais engragado I) por servigos
A' p-dxeinstrucgao publica prestados,
AIk'ius ha que, comendo, gordos cobres,
Am la em cima sao coudecorados !
*:
1S73.
Francino Cismonta.no.
Moneto.
Dolce me da tun mono... anco la morte.
(Silvio Pellico. Trag.)
SI fineza se paga com fineza,
0' E-udla 1 0' meu iris de bonanza,
Cja ini.igem nao risco da lembranga
On le indelevelmente vive preza :
Cfimo e quena mais horrida iacerteza
M diiservas, burlando-me a esperan^a i
Ab I rque tao insolita esquivan^a,
TamaDha ingratidao, tanta frieza ?
Vrr.a p-lavra sy defioitiva 1
S-in. decide, decide a minba sorte I
Que n dura illusao nao mais eu via !
Vmiha embora mortal, certeiro c6rte...
Pms, c nosabes, 6 formosa esquiva,
Do ch m'e" da tua raano... anco la morte.
1*73.
Francino Cismontano.
O lavrador e seus fllhoai.
{Ap'dogo. Do franccz, de La Fontaine.
Trabalbai com todo o afioco
htis qoe o trabalho e em summa
0 abedal, o thesouro
*_t -is menos falbar costuma.
V' ndo-se as portas da morte,
Urn lavrador abastado
Qi.iinou todos os seus filhos,
K Ihesdisse segregado:
Nao se destagam da nossa
Awta herdade, sentido 1
ii^ii se desfaij.am... que n'ella
il.i urn thesouro escondido.
< 0 lugar nao sei ao carto...
Mas estou que com pequeno #
i 4 \) charao n'esse terreno.
Sim, para que tal coosigam
P. sta, basta ua verdade
Que logo a pus a colbeita
'. i em o campo da herdade.
< IWolvam a terra toda
Oitrt.t p, e com a enxada*;
S :n deixem uma s6 geira,
Si i que seja bem cavada.
Hurto o pai, correro os filhos
Ao -ampo, c o revolvem todo ;
r que no flm do anno
Pr !uzio messes & rodo.
Afiora, qnanto ao dinheiro,
Qumto ao thesouro enterrado...
llitorias ? Nem sombra d'elle,
Mem signal foi encontrado.
Mis foi por demais discrete
O bom velho moribundo
. n n. strarlhes que o trabalho
E' ihesouro sem segundo.
18ti9.
Francino Cismontano.
Quadros da vlda clal.
RESuaaEiCAO.
Todos os dias dSo-se factos de grande si-
gnilica^ao, quo st-rvem para profundos es
tudos o largas consideragoes para aquelles
que os quizerem estudar e conhecer-lhes as
causas e effeitos.
No entretanto, ja pela sua constante re-
p"ti(;a.i. j.i pela sua pouca importaocia
apparente passam e'les desapercebid >s.
0 que vou contar ouvi do proprio autor
e nao sei se serei indiscrete em fazel-o pu-
biico. ,
____
ila um certo desejo da parte dos fazeu-
deirus do interior de bdssbs provincias em
tar uin filho a quern veja dar os mais o
tratamento de Sr. doutor, embora ri elle
depots de fonuadn p-gar d>iarado, deixaodo
de lado o pergaminbo.
Isto nSo importa ; o que se quer e que
haj-i na famil a um doutor ; como era cos-
tume de nossos antepassadose supponho
que i aiuda hoje algures.
'.j;i3i;.io, na familia ha um varSo, nio
ha duvida : esto ba de ser o doutor/
Foi o que succodeu ao meu amigo Pe-
dro Snares, lilho do tenente-coronel Silverij
Soares.
Tiiilia .penas uma irma mais nova dous
a.nos do que ele.
Nao havia portanto remedio ; ham de
estular para st-r doutor,6 om 1866 eio pa-
ra o Rio de Janeiro. .
Ora, o Rio do Janeiroe am abysmo par
o moco quo cbega da provincia e nao tern
um cicerone que o guie.
Se quaudit aqulaporta cahe logo no foco
da grande Babylonia, adeos minhas encom-
mend;is: la se vai tudo pelos ares I No
dia seguinte suppOe nao ter mais cara de
pro in iano ; trata logo de andar como o
nelbor petit crevf. da rua do Ouvidor; ji
tem tido dez paixoes, julga ter iospirado
outras tantss, pelo menospensa elle,
d> z mo^as ja o olbaram de um certo mo-
do...
E' um dos perigos que o provinciano no
Rio i!e Janeiro deve ter todo o cuidado em
evitar a mulher.
I;i est-)U ouvuilo alguem murmurar em
meu outido : B >a duvida I a mulher 6
perigosa trn tola a parte.
E' BtTi engano
A I'rom.a possue a parasiense, a Hespa-
nha a audaluza e a Italia a uapolitana : o
Brasil possuo a Ouminesse ; ainda restrinjo
mais: a carioca.
A carioca um mixto de tudo isto : tem
a graga e vivacidade da parasiense com
todo o seu artefacto de p6s de arroz, car-
luin e tudo quanto serve para illudir ; a
languidez da andaluza, e a paixao da napo-
litana.
Uma carioca em compras de dia pela
rua do Ouvidor e o que se p6de conceber
mais perigoso para o provinciano chegado
ha pouco.Sao cousas do que elle nunca
formou idea; dahi a allucinacdo do pobre
diabo.
Na provincia s6 se vean a saber que uma
moQa e bonita quando se a pilha de geito
de raaueira a nao dar tempo a fugir. As-
sim mesmo sem prestar attencao ao vestir,
pi r queentao... somos capazes de achal-a
feia.
No Rio de Janeiro jd nao succede o mes-
mo : toda a moc.a veste-se bem e de um
raodo como s6 o sabe fazer a flumineose,
que, ao eavez daquella, procura occasiao
para mostrar-se,e tal sorte que, de qua;-
quer lado que se a olhe, parece sempre bo-
nita.
As vezes succede serem terriveis, as des-
illusoes, quando se faz uma analyse do que
vai pelo rosto... Mas isto nao obsta a que
a primeira imprcssao recebida seja agrada-
vel.
Eu noto ainda ao leitor que estes factos
s6 se cao rom as iluminenses, ou antes com
a carioca; ou entao com aquellas que ja"
estao acclimata las no grand mondc ; por
que a provinciana no Rio de Janeiro, por
melhor que vista-se e sempre provinciana,
pnlavraque os leoes tomam comosynonimo
de ingenua.
Dabi a pouca a attencao que se lhe
presta.
Neste segundo perigo nem sempre cahe
o provinciano: -medo de profanar um
primeiro amor deixado li, receio de abra-
sar-se no fogo de tantos olhares, etc. etc.,
sao cousas que o fazem retrahir-se um pou-
co, e evitar mesmo a sociedade elegante,
para perder-se em uma outra peior.
E' um dilema a escolher : ou uma ou ou-
tra.
Ua um terceiro perigo, que e o que os
rapazes chamam ordem franca.Se o pro-
vinciano e" entSo um raoijo liberal, no fim
de quinze d as ja* nao sabe a quantas
an la.
0 segundo perigo e, como ja fiz notar, o
que varia, sempre, pore'm, debaixo dames-
ma I6rmaa mulher.
Foram justamente estas tres cousas :o
luxo, ajnulher e a ordem franca que poze-
ram a perder o meu amigo Pedro Soares.
No fim de quatro annos o rapaz estava es-
tragado.
Nao se lembrava que tinha familia ; af-
fectava scepticismo; nSo sabia que cousa
era religi&o; conhecia o melhor cognac pe-
lo cheiro, e cbamava a cdrte um Eden.
Sabe cemprehender a vida ? diziam
ironicamente aquelles que nao podiam fazer
o mesmo.
Libertino? exclamavam os compa-
nheiros de suas loucuras.
c Bom rapaz I observavam aquellas
que mais lucravam em tudo isto.
Havia uma pessoa que costumava uma
vez por outra langar suas vistas d'olhos so-
bre Pedro Soares:era o seu correspon-
dente, o qual, vendo o caminho errado que
ate* alii tinha elle seguido, e sem querer to-
mar juizo, nSo pdde conter-se : escreveu ao
pai. Manlar immediatamente ordem pa-
ra envial-o, foi cousa que pouco custou ao
tenente-coronel.
Nio quer ser doutor? dizid o velho
furioso. Pois ha de trabalhar de enchada e
com os pes na lama !
Par.cia incrivel a Pedro Soares o que
leu na carta que lhe tinha oscripto o
pai.
Como I pois elle o roo<;o elegante, ia vol-
tar para casa, deixar a corte com todos os
seus enCantos, seus divertimentos, seus
prazeres, suas seduc^oes e suas mulhe-
resl
Ne emtanto, murmurava elle com a
carta na m8o, estd escripto I
Depois, dobrando-a fleugmaticamente e
mettendo-a no bolso, disse resqlutamente :
Nfio irei.
A prmeira cousa em que pensou foi em
procurar um emprrgo. Mas um moQocomo
BiU nil" era para sujwitar se a qualquer
emprego ; e d-m.iis, as ditficul lades, as
suas poucas hauilitagde* e outrns incoiue-
niontos mais fizentm-no por logo de lado se-
melbante idea.
a Seen tirasso a sorte grande... pen-
sava elle- Misqunl I isto do sorte graiide
s6 se ileixa para os rieos ou os tolos. E
quern s.ibri I tdvezque seja tao una Uto-
pia ; n in exista. Comprei sempre l-ilhetes
e os malditos Sfinpre" brancos. Qne diabo
h-i de fazer enlio I fr para a casa ? Mas
ist'l e liorrivel I Motterme m mato. ent>-e
prelos. vegetar.... E' usuicdio moral,
e o meloor 6 acabar com tudo hto logo de
uma vez: mato me I....
E dormio com esti resolura Mas os
labios li iviam dito baixmho :
A anal de contas o velbo tem ra-
z2o...
Na rnanba do dia seguinte, emquanto la-
va va o rosto, mudava de designio.
Emprfg.Mi aeloquencia, dizia ellle,
e o papai nao tera" outri* remedio senao
maiiiiar-me utra vez para cd
Dirigi >ise & casa do correspondente, e
doosdiis depnis embarcavi em demanla
da tecra natal.
Ju-iiea seja feita a Pedro Soares: ia com
remorsos.
Quando cnegi>u a* casa. o pai deitou-Ibe
a benra i rhuito carraucudo e Dio Ibe disse
palavra. So tia um en'.e que nestas ocea
sides esqueceo h>mem para s6 ennhergar
o lilho : e a nai. Ella abracou^o com ef-
fuvio. e depois, pousando-lbo as inaos nos
bombros, f diou-lbe quasi a cborar :
- Pobre lilho I Cmo estais muda-
do I Soffreste muito, nao e assira T Nao
te deste bem no Rio ? Fostes tao gordo, e
agora. .. Ah I fedrinbo 1 devias ter man-
dado dizer que audavas doent-i para teres
vindo mais cedo. E eu tanto cuidado que
tinha em ti 1..
Silverio Soares assistira enternecido esta
scena.... Seus labios primeiro disseram :
Como o a ma 1 depois : Kst.s mais I.... e
por fim, sahindo da sala de uia modo
brusco:
a Sao afinal de contas quem deitam
a perder os filhos.
Mas, estava bastante sensibilisado.
Com a irma zangou-se logo Pedro Soa-
res por causa das successivas perguotas que
lhe dirigio. Se tinha dezeseis annos. ..
0 aim ; j nes>e dia foi triste. Pedro
Soares levautou so da mesa cabisbaixo, e
foi para a sala da frente. Nao tinha o que
fazer : principiou a passeiar de um para
outro Ldo.
Quando se passeia em uma sala, peosa-
se. Pedro Soares pensava. Em que ? Elle
proprio nio n'o soubera dizer. 0 monoto-
DO compasso do relogio de parede, pois
havia na sala um relogio,exasperava-o ;
o barulbo do seus passos incommodava-o.
Era um cynismo horrivel I dizia-
meelle. Por vezes tive impetos deescan-
galhar o relogio.
A irma observava-o :
0 que teri elle ? Estard se lem-
braudo da cdrte ? Melhor e deixal-o en-
tregue a si.
E assira passoa pedro Soares ate" a hora
do jantar, depois do que disse-lhe opai :
Amanha e preciso acordar cedo para
ir ver o servigo dos pretos. Pode dar as
ordens quo quizer.
Pedro Soares nao admirou-se : jd espe-
rava por isto ou cousa semelbante.
A' noite o luar era tao bonito que con-
vidava a sahir de casa. Sahir I Mas para
onde ? Uirigio-su elle para o terreiro e
assenlou-se no primeiro cepo que encon-
trou. Poz-se a mir'ar a lua, e a scismar,
quando desse devaneio veio tirar-lhe um :
B
Admiradissimo, cumprimentou Pedro
Soari-s com a cabeca o Seu interruptor.
Pois olle tinha um compadre ?
0 homem proseguio :
a Seu compadre jd 6 doutor ?
Pedro Soares continuou calado. 0 com-
padre nio se deu por achado.
Sua afilbada estd espertinha que e
um desespero ; ainda nio vi menina mais
levada da breca I Tambem jd tem quatro
annos, ole I Foi baptisada quando fiz a
minha primeira colbeita de milho ; jd Id
vio tres annos e ella tinha um, sim, se-
nhor. Foi pelas vesperas do compadre ir
para os estudos. Minba mulher jd teve
mais dous 1 Isto assim nao vai bem : jd
sio muitas boccas em casa. Olbe, o seu
compadre nao faca ceremonia: tenho ago-
ra um cavallinho andador, que faz gosto.
Quando quizer passeiar, e sd mandar bus-
car por um destes moleques vadios, que
ha tantos ahi. Faz um icez que o troquei
pelo outro com o 16 da Portfira, voltando,
com o devido respeito, um purquinho e
um carneiro, porque quem comtnette a tro-
ca 6 quem volta, e por signal foi morto
pela Paschoa. 0 Ze da Porteira tirou bom
cobre delle. Aquelle outro que tinha quan-
do Vmc. foi p'ra cidade jd nem sei por on-
de anda: era um bom cavallinho ; mas era
fidalgo : s6 queria sei la... Nio lhe fallas-
se era cangalha, jd estava elle zaogado.
De sorte que vi-rae obrigado a trocar por
um alasao que vendi, vai fazer dous mezes
doming*) que vein, e com o dinheiro e
mais alguma cousinha que tinha guardado
comprei este que troquei com o Ze da Por-
teira. A sua comadre vai indo sera novi-
dade, sim senhor. Ella sempre perguntava i
Sinhi-Dona por V. S. D'estar que ella ha
de vir cd fazer uma visita com a sua afi-
lhada.
E o bomem, sem toraar folego, conti-
nuou a fallar em sua linguagem propria,
que escusado nos seja repetir ao natural.
0 obstinado silencio do compadre fe-lo to-
da via desconfiar. Retiroa-se, murmurando
esta sentenca:
Isto de cidade e o diabo I Como o
compadre veio mudado I
Quando a mulher perguntou-lhe como
havia chegado o padrinho de sua filha, elle
respondeu lhe :
Sei Id I A raodo que estd raudo ;
pelo menos nio falls I
Pedro Soares continuava no emtanto as-
sentado no mesmo lugar. Inseusivelmente
principiou a pensar nesso homem rude, e
arrependeu-se de nio te-lo recebido me-
lhor. Pobre compadre pensava elle
quando os pretos que tinbam acabado todo
o servico do dia vieram um a um tomar-lhe
a bencao, repetindo:
Louvado seja Nosso Senhor Jesus
' Christo!
E em vczde, como do costume, irem-se
retirando para suas senzalas, permaneceram
no mesmo lugar, e formaram-se em deredor
| de Pedro Soares, atorraenjando-o com per-
guntas, pedidos, etc. Era de mais : o mo-
50 levautou-se furioso e deitou-se, fazondo
consideragdes sobre a escravidio. Antes de
deitar-se mandou preveoir ao pai que por
incommodos nio podia ir no seguinte dia
ao servico ; ao que tinha tido em resposta
hstabom.
Seria mesmo incommodo ou acanhamen-
lo ? No dia immediato poz a chapeo de-
pois do lm >co, e ahio. Nao foi muito
louge : deitou-se d sombra da primeira ar-
tore que encontrou.
Estove ahi uma hori; Ipvantou se boce-
jaudo efoi para cast Kucontr.u na sala
de jantar a maua, fizindo crochet: pux"U
uma cadeira, e sentou so junto dolla. Em
que se entretiuha elle 1 Em olbar para os
dedos da irma, a quem, depois de algum
silei cio, perguntou :
0 que e que estds fazondo ?
A irma levamou a cabeca espantnda.
Pois voce vem do Rio de Janeiro e
nio sabe 0 que 6 crochet ?
E' u ii outro facto : quem esteve na cor-
te tem nbrigaQio de saoer e entonder de
tudo.
E ou le aprendeste isto ? continuou
0 irmao.
No collegio. Estive Id dous annos.
Aprendi a bor lar, proseguio ella, lar
..:au lo o servigo e marcando com a agulba
no dedo 0 que ia dizendo, a fazer crochets.
a tocar piano e ate a ditsenhir.
I'ois tu aprendeste tanta cousa ?
Sim. senhor ; quer ver T
E foi iiu-car um esp"cim-"n desta ligeira
adoetqlu que as nossas meninas recebem
nos collegio-. Havia de tudo : eram cro~
chats, di-senhns a lapis, d agulha, borda-
dos de I.i. etc..
Depois, rindo-se para 0 irmao :
a. E eu que nao me lembrava ?
0 que ?
Uma cousa que tinha feito para ti
e jd mo tinha esqueeido. Tambem jd fez
tauto tempo I... Espera que eu vou ver.
I. voltou, trazendo um porta-relogio de
li.
E o piano? perguntou 0 irmao.
Papai dis^e que custava muito caro ;
que era muito custoso trzer-s ; por isso
nio o tenho. Demais, para que piano aq"ui ?
Para 0* pretos e as pretas ouvirem ?
N'estas palavras para pretas e pretos ou-
virem n-'velavi-se a vaidade femenil.
E ella continuou a tagarelar, a contar
muitas historias do collegio ; os brinqu^dos
que 'azia com suas companheiras, os pre-
mios que obtivera, etc.
De remorso ou de pezar de nao ter feito
0 mesmo, as lagrimas brotavam dos olbos
de Pedro Soares.
0 que e" isto ? Choras?
Sim, Luizinha, cboro. Foste tu
quem me arrancou estas lagrimas, e com
ellas lavaste alguma mancha negra quo por
venture bouvesse em minba consciencia.
Com el (as volta ram-me as crencas e so-
nhos da macidade ; a esperanga no futur >
e osrisos do juventude. Yt's ? Jd no
choro. Sinto-me alegre. Obrigado.
E deu-Ibe u n beijo na testa.
Luizinha nio comprehendeu nada disto.
E porque nio voltas para 0 Rio afim
de estudar ?
Quem ? Eu ?
Sim.
Pedro Soares calou-se.
E se papai te mandar outra vez ?
^ Talvez...
a Eatio queres ir ?
a Nio digo isto...
Mas, iusistio ella, so papai man-
dar-te tu vais?
a Vou.
Esturtas ?
t Estudo.
Entio...
E fez uma pausa.
Entao o que ?
Nada.
Tinha Id as suas ideas.
Quando os filhos tem algum negocio de
importaocia a revelar, procuram sempre os
pais, e as filhas ds mais. Mas o caso era
grave : Luizinha procurou a mai.
Ella escutou-a rin 10, e disse-lhe :
Porque nao vais fallar a teu pai ?
Papai anda muito zangado.
Nio faz mai; vai sempre.
A menina foi ter com o pui.
0 velho escntou-a calado. Quando ella
deixou de fallar, elle pareceu concentrar-se
e meditar profundamente. Oloava para a
filha. para 0 chao e para 0 ceo. Passado
breve tempo :
Foi elle quem te pedio para me
vires fallar ?
- Nio, senhor.
E calou-se de novo, para perguntar-lhe
logo depois :
a Fallaste a tua mai ?
Fallei.
a 0 que to disse ella ?
Mandou fallar ao papai.
Novo silencio. Devia ser grave o que
pensava nesse m imenlo 0 tenente-coronel.
Por fim respondeu d filha com um riso
paterno :
Olba Id ; se elle for e nao estudar,
es tu quem paga I
Estd dito.
Grave responsabilidade !
A' noite houve prolongada conferencia
ent e 0 tenente-coronel e sua mulher. De
manha muito cedo mandou chamar ao fi-
lho e principiou a fallar-lhe em morte de
escravos, em atrazos, prejuizos, em mdos
tempos, em uma filha moca, na sua idade,
na de sua mulher e acabou por perguntar
ao filho :
Estds resolvido a estudar ?
Estou, sim, senhor.
Pois bem ; vai. Ficando na cer-
texa de que, se no fim de dous annos nio
estiveres na academia, nio voltes d minba
casa, porque nao es mats meu filho.
Pedro Soares amda levou um mez na
fazeoda. Oito dias depois desta scena jd
elle achava encanto cm tudo quanto 0 cer-
cava. Procurava o compadre para conver-
sar, 0 que deveras 0 doleitava ; ia todos os
dias buscar a afilhada para jantar comsigo ;
levava horas 0 boras a desraanchar a li
que estava cmbaracada para a irmi bordar;
d noite esperava os pretos quando voltavam
do servigo para dar-lhes fumo ou dinheiro.
Nao era sem dor quo via aproximar-se o
dia da partida. Achava agora ua vida do
campo um prdzerque nunca sonhara ; sen-
tia-se viver I
, A saadade estalava-lhe 0 coragao : mas
era preciso partir ; era preciso vir Uusca:-
00 Riode Jtceiro a gloria para si, e a ale-
gria para 0 coragao de seu velho pai.
Partio,
Foijnesta occasiiSo que encontreioo e con-
tou-me esta historia.
E' hoje um mogo estodioso, bem proce
dido, e Id uma vez ou outra faz os seus
versus. Quando escreve ao pai, dirige sem-
pre uma cartiuha a Luizinha. Cuata-lhe
a vida que pas-a, a felicidade que g -za, o
prazer que encontra nos livros, e qual a
mo ia mais na voga no Rio. Finalisa sem-
pre dizendo :
I'u lo isto a ti devo. Obriga lo.
Pedro Siares tem um ideal a familia.
Rio. 187.
ToSCANO DE BRITO.
QuestiEo penitenciaria.
ESTADO ACTUAL DAS PRISOES E DA RKFORMA
PEMITEMCIARIA NA SLISSA.
Relalorio em resposta aos quesitos formu-
lados pela cornmissao organisadora do
Congresso penitenciano internacianal de
Londres, apresentado em no me do Con-
selho federal, pelo Dr. Guillautne, pre-
sidente da sociedade suissa para a refor-
ma penitenciaria.
(Couliouacio.)
- Os revezes da forluna, os^desgostos do-
mesticos, a morte de uma boa mil de fa-
milia, podem provocar um desanimo, se-
guido de inercia prolongada, de embriaguez,
e de di'boch', que preparam o teireno,
onde bem de pressa germinam as ideas cn-
minosas.
Entretanto estes casos sio menos fre-
quentes eutre n6s, do que a rapa idide
grosseira, aavareza sordida, ea mania das
demandas, que conduzem ao crime pelos
mesm s caminbos.
A iuligencia ea miseria ni>s tempos or-
dinaries nao constituem frequentemeute na
Suissa causas directas de crimes e delictos.
Ellas nio obrara senao indirectameute,
e, na inaior parte dos casos, sio effeitos
de uma md educacio, quo e sempre ca.
minho facil a uma maior oumenor depra
vagio.
Acontece ainda e mui frequentemente,
que.ves.uarios, relogios. dinheiro sio rou-
bados, e que a miseria e indicada como a
causa destes roubos : mas, se sao examina-
dos com cuidado todos estes casos, se reco-
bbaca que bem poucas vezes a necessidade
iufluio alguma cxisa; e quena maioria
defies, os sous autods 1-vavam uma vida
desregrada, e que nelles as nogoes do mo-
ral se iara extinguindo, se jd de todo nio
se tiuham extiuguido:
Muitos ratouoiros excusam seus crimes,
allegando o abandono e miseria em que se
acbavam.
0 quadro seguinte, extrabido do relato-
rio trienal (i860 d 1870) de Lenzberg, e
que pode ser applicado d Grande numt-ro
de Cantoes Suissos, apresenta sobre as cau-
sas dos crimes uma exposigao interes-
sante.
Publicamol-o entretanto sobre todas as
reservas, porque eimpossivel classificar,
com uma complita exactidio, as causas dos
crimes.
Em 192 criminosos, entre os quaes 170
homens, encontram se 92 ^54i0) que se en
tregavam d embria^uez, ou que commette-
ram crimes era semelbante estado.
Entre os correccionaes a proporgao e de
60V
Dos 192 criminosos :
30 (13, 6(.) eram criminosos no verda-
deiro sentido da palavra :
41 (31, 3[,) estavam em estado de de-
cadencia moral :
85 (44, 3[,) dovem seus crimes a levian-
dade de caracler :
13 (6, 7|0j em consequeucia das condi-
goes miseraveis en que se acbavam :
23 (12|0) acbavam-se em um momen-
to de excitacio.
De 241 correccionaes :
19 (7, 8[0) eram criminosos n'accepgao
da palavra :
KJo (440lo) estavam em um completo
estad) de abatimeuto moral :
106 (4-3 i"i; tinbam commettido faltas
por leviandade de caracter :
2, em consequeucia de circumstancias
de miseria.
Se a proporgao dos criminosos, propria-
mente ditos, e cm sua metade maior d.o que
a dos correccionaes, e isto compensado pela
poporgao in versa dos correccionaes, que
perderam todo 0 sentimento do dever e da
ho nra.
Sbre296individuos, recolhidos na peni-
tenciaria neuchatelense durante os dous ul-
timos annos, contam-se 123 que eram or
phios antes de attiogirem a idade de 15
annos: Z% eram meninos desprezados ou
abandonados : 5'J ficaram orphaos entre os
15 d 20 annos.
Assimi 72 7, quasi tres quartas partes
dos detentos criminosos e correccionaes, fo-
ram privados na infancia e juventude dos
cui lados paternaes ou maternaes; e neste
curaero 23 eram orphaos de pai e mae.
Os orpbdos sio sobre tudo mui numero-
sos entre os correccionaes e reincid-ntes,
isto 6". entre os que sio condemnados fre
queutemente por pequenos furtos e por va-
gabundagera.
0 numero dos Neuchatelenses forma mais
de metade da cifra total dos detentos. As-
sim, em 211 correccionaes contam-se 121
Neuchatelenses, e 90 procedentes de outros
Caotoes Suissos ou de paizes estrangeiros, e
entre estes conta-se um certo numero de
Suissos nascidos no Cantao, e que podem
ser assemilbados aos Neuchatelenses.
Entre os criminosos, os Neuchatelenses
nao fornecem senio 34 %. *s se juntar-
mes os procedentes d'outros Cantoes, que
nasceram no paiz e nelle foram educados,
a proporgao dos naturaes so approxima da
metade da cifra total, 0 que estd em harmo-
oia com a proporgao existente entre as ci-
fras da populagao Neuchatelense e nio
Neuchatelense.
Em 296 detentos encontram-se 130
(43 /0) que nio aprenderam officio al-
gum : -j.0 / nio estiveram em aprendiza-
gem, senio um anno, e 26 mudaram de pro-
fissao.
Quanto d fortuna nio encontramas mais
que 10 % dos que, se pode dizer, tinham
racursos: 89 % nio tinham outros. senio
o^eu trabalho : ora, como cerca de metade
nio tem profissio, este recurso e frequen-
temente precario.
Todos sabem quo os jorualeiros c os
obreipos sao muitas vezes privados de traba-
lho, quando 0 tempo se torna desfavoravei
e que esta feria produz a preguiga e favore-
se a embriaguez.
0 numero do crimes estaria reduzido en-
tro u6s a um minimum, se a educacio dos
orphios abandonados e miseraveis fosse ob-
jecto de uma vigilancia mais concentrada,
mais perseverante e mais methodica.
Socuorros ndo faltam na Sui;sa : tamos a
assistencia publica conmunal, numerosos
bospicros, bem dotados a, sobre lado, f
assistencia livre, destiaada I substiloir a da
corporagdes communaes.
Estas ultimas nio prestam muit* iTim^tir
ua escolha das familias d que coufUm a edu-
cagio dos orphios, a dos manioos abando-
nados. As familias booestas que, por eari-
dade e por ver ladeiro dovolam-oito cbris-
tao, recebem em sett scio os infelizes sio
ainda mui raras.
Os d"tolhes estatisticos^ que segu-m, da-
rio uma idea da proporgSo dos meninos
desprezados e abandonados, e dos cui lados
de que sioobjecto.
0 Cantio de Neuchntel contava era 1871
95:179 almas, das quaes 47:365 someot*
sio d'origem Neuchatelense. e que fazem
parte de uma ou outra das 75 corporagdes
communaes do Cantio.
54 destas Communas educaram (em 1871)
776 meninos de mais de 4 annos, termo
medio, dos quaes 417 rapazes, 327 rapari-
gas ; 81 cujos seios nio se declarou: 72
de 1 d 5 annos, 220 de 5 d 10 ; 282 da
10 d 15, 34 do 15 a 2O, a 168, cujas ida-
les nao foram dec aradas.
Destes 776. oitonta e oove sio orphios
de pai e mae, 269 de pai som'-nte a illegi-
timos, 154 dl.-git.mos, 129 abandouados,
expo-tos, desprezados, idiotas et etc. etc.
e ii~ sem coudigocs indicad^s.
512 Foram eiitregues pelas Communas d
particularos, 190 poslos nos orpnelioalos,
ii ispicios, rasas de saude, de reforms etc.
etc. etc. e 74 cujos destiuos nio eoosta.
673 meninos, a>sim destribuidos, cus-
tam a sua commuua 199 fr. por anno e por
menino, isto e, 38 centimos por dia : despe-
za total 92:903 fr. 50 c.
A despeza com 130 menin is, postos em
aprenJizagein, imports em 76 frs: por an-
no e por menino, isto e21 centimos; total
7:817 fr. 50 c.
Osestabelecimentos de beoeGceocia, desj
tinados a iufancii desvatida neste Camio,
sio :
A casa dos orphaos ( Neuchatel) que em
1871 derigia a elucagao de 31 meninos:
lidmonl, estabelecimento agricola e pro-
fessional. 37 rapazes.
Les Eillodes au Locle 100 rapari-
gas:
O/jlcina de relojoaria de Locle23 ra-
pazes :
Casa de caridade (Chauxde-Fonds.)
45 rapangas.
Prebarrau em Ncuchalel 25 rapari-
gas :
Grande champ d Bondry 25 rapazes e
raparigas:
.layto dos Bayards 53 rapazes e rapari-
gas :
Asylo de B'tttes 15 rapangas :
Asylo des Loges[V&\te Ruz) 12 rapazes
e raparigas.

A Suissa possue numerosos estabeleamen-
tos para orp aos e expostos.
Pole avaliar-se em 70 onumero das ins-
tituigoesque recebem meninos viciosos. A
populagio defies e de cerca de 2,500 me-
ninos.
E' impossivel precisar 0 uumero de meni-
nos, cuja educagaj e neglic-iuaada : entre-
tanto p6de se atfirmar qua, es que encon-
tram abrigo nas instituigoes de benoncencia,
nio constituem senio uma pequena parts do
numero total, e que a educacio da maior
parte dentre elles, s->bre tudo quando diri-
gida pelas communas, deixa muito d desejar.
Os velbos, qnenecessitamdesocorris, sio
algumas vezes postos em peusdes pelas Com-
munas em casas de familias pobras, onde
correm o perigo de tornarem se mendigos,
vagabundos e ladrdes.
A iostrucgio primaria e obrigatoria em
todos os Caotoes com excepcao de dous, e
gratuita em muitos : apezar disto accontece,
qu: nestes os menioos escapam d inspecgio,
e naoapproveitamos beneficios da iostrucgio.
i mesmo succede com mendicilade,
interdicta por lei, mas que subsiste ainda,
apezar das casas de soccorros e da assisten-
cia publica, porque muitas pessoas nio re-
cusam uma esmola aos ; obr. s, quo lhes ba-
tem d porta e appellam para i sua compai-
xao.
Casas de jogos nao existem. por assim di-
zer. A que se abrio no Cantao de Valais
tem sido objecto do recriminaco s geraes, a
0 seu contracto nao serd provaveLneote re-
uovado.
0 gosto pelo jogo existe, e os ociosos,
que frequentam m numerosas tascas de ven-
der vinho, procuram babitualmente uma
distracgio o um estimulaute no jogo.
Os bordeis nao sio tolerados senio, ra-
rissimas vezes, nos grandes eentros de po-
pulagio. Nio falta, porem, a prostituigio
clandestina.
Finalraente devemos indirar, como uma
das ongens do crime, os def:itos da maior
parte das lei, penaes e a auseucia de um re-
gimen penitonciario conveuienle em alguns
Cantoes.
Procura-se estancar estas origens. do cri-
me ; mas este brabalho sauitari j nio se faz
com bastante uniformidade. Em cada Cantao
0 progresso tem uma marcha differautimen-
te lenta. Disto resulta que os resuludos
obtidos por aquelles, que iatroduziram me-
Iboramentos em seu systema penal e peni>
tenciario, sio prejudicados pelos numeros
casos de reincidencia por individuos prove-
nientes dos Cantoes vizinhos mais atraza-
dos.
Para appressar a realisagio do progresso
em toda a Suissa, numerosas vozes se tem
levantado, por occasiao da revisio da Cons-
tttuigio Federal, para pedirem, senio a
centralisagio, ao menos a uoificagio do Co-
digo penal, a promulgagio de leis federaas
para assegurar a diffusio da iostrucgio, re-
gular os soccorros d pobreza, abolir as ca-
sas de jogos, etc., etc., etc.
Estes progressos se realisario am dia;
mas um semelbante trabalho exige 0 tem-
po, que reclama a lei geral do progresso
humano.
56 quisito.
A refor ma do preso eo fim principal
das prisdes em vosso paiz ?
0 estudo das questoes sociaes, empre-
uendido por numerosas socicdades de utib-
laie publica, e os relatorios apresenUdos
nas reunides da Sociedade Suissa para o oaa-
Iboramento do systema penal e do regimen
das prisoes, tem esclarecido a opiniio po-
blica d tal ponto, que as assembles l"gisla-
tivas da maior parte dos Caotoes sio favora-
veis as propostas feitas, uo sentido de se
admittir a roforma penitenciaria nas suas
prisoes.
Continuar-st-h*


\
r-

YP DO DIA*JO.t-W* PCQUE DE CAX1I2
1
*