Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18609

Full Text
ANNO L. AiliHERO 258
U $
f\H\ A C.1PIT1LB LIHtRGS OKDB Vt 8BP4G4 POBTE.
for tres Inezes adiantados................ 69000
Pot mm ditos idem. .'................12*000
for am anno idem..................149000
"Cad* numero vulso................. 9M0
OLARTA FEIRA 11 OE NOVEMBRO DE 1874
PAB.4 DIVIUO IB FOB 4 DA PBOVINCIA.
Por tres mews adiantados................ 097M
Por seis ditos idem................. 1S9�
Por nove ditos idem................. jQfUQ
Por am anno idem.................. 79000
PR0PRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA FILH0S.
fa Srs. Gersrio Antonio AimA Filhoi.no Par*; fionrjalves d Pinto, no Maranhlo; Joaqnim Jose de OliveiradFilho, no Gear*; Antonio de Lemus Braga, no Araeatj ; Joio Maria Julio Chr >es, no Aavu; Antonio Marqaes da Silva, Ratal ; Jose Justine
Pereira 4 'Almeida, em Mamangnape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, aa Parahyha ; Antonio Jose* Gomes, na Villa da Penfaa; Be'armino dos Santos Bolcio, em Santo Ant* ; Domingoi Jose* da Costa Braga, em flaxareth;
Antonio Ferreira de Aguiar.em ftoyanna: Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagoas : Aires d C.na Bahia ; A. Xavier Leite d C. v Rio Janeiro-
IHSISUCCAO POFUIU
ElenienCoM de physicu
LIVROTERCEIRO
SMHKMS
CAPITULO I
("roPBIBUADES DOS OAZC8, ATHMOsl'IISBA. B.VRO-
METRO
Mum gaies em tjeral. Ja vimos, no ca
1'Uulo 1 'O livro l., i)ue a-*e o noine de gazes,
*a flHidos (terifvrmes, a* subsianeias cujas m-de-
alas pn-siiein uma inobilidaJe perf-'ita, e e-tao
nimpro eolre si n'mti constante BStaao de rejml-
sio, qu* se designa pelo d-hdi* de expansibilidade,
de tensio, e dtf forca elastic ; razao pur q>in os
liropri i* uaws leceoeram tainliem o DOOM de flai
Hot elasticos.
Em cnimica sao conhecidos irinta e rjua'.ro ga
zes differnnies, aa* quaes apenas quatro sao sim-
ples, isto e, formados por uma so especio de mi-
teria : laes sao o oxygeoio, o hydrog-neo, o atflto
< a chloro.
Eotre o gaxe. algans sao cok>rido, mas a maior
parte nao tem cor. Uus teem cheiro mais on me
nos de.-agradavel. oulros sao compleiamente ino-
doros. Aiguns sao deleterios, isto 6, sao verdadei-
res veaesos para os anilines qua os respiram, e
entre estus se acham ooxydo d- carbonu prove
niente da comlmstto do carvaj e o sulfureto de
hydrogeoeo orniudo d s cloaca*, etc, etc Aiguns
ha que, nao obslante serem inoffensivos, corao o
aioto e o bydrqgeneo, comtado Dio se prestam a
que os animaes vivam em sea meio. fi-les nao
*ao deleterius, oem envenenam, ni-s nao alimen
tarn a vida. Esta propriedide e so pocsuid* pur
um gat, que e <> oxygeneo, e com pnvacao do
qaai, ainda que por poucoos momentos, perece
qualquer animal.
Emfim, a e>sas generakdades sobre os gazes,
jontemos que a maior parte deltas pole ser redu
zida do estado aehforme ao estado liquids por ef
fsito de uma forte pressao ou de urn grande res
friameato, ou ainda pel is (tout effeitos c mbinados
Someale seis gazes ainda nao foi posiivol tornar
iiquidos, por mais forte que tenha si do a pressao
,, por maior que fosse o resfriamenlo que tenha
wiuado s.ibre elles; estes gazes sao : o oxygeneo,
w hyerofeneo, o azOlo, o bi oxydo de azoto, o oxy-
do da carbon j e o gaz dos pantanos e alagados.
Os gases que assim persistem no estado aehfor-
me sao desigoados pelo nome de gazes permanen-
te$, aos outros da-se o nome de gazes nao pei'tna
nentex.
Seado communs a todas as propriedades phyai-
cas dos gazes, basta considerar um delies, que de
prsterencia sera o ar, por isso que acba-se por
toda parte e sobre o qual e faeil fazer experiencias.
O ar. -0 ar e o 'uido gazoso em enjo meio vi-
.amos Rigorosamente elle nao e am gaz, mas
iim uma mistura de dous gazes -o oxygeneo e o
azoto. A relacao em ^ue se aetum elles mistu-
rado, e pouco mais ou menos de 21 de oxygeneo
para 79 de azoto, era volume, isto e, que e iitros de ar enlram 2t litros de oxygeneo e 79 de
azoto.
E' o oxygeneo do ar que arimenta todas as com-
huitoes que se fazera em torno de n6s. E' tam
bem elta que, como ji dissemos, alimenta a vida
do? animaes.
5e o oxygeneo eslivesse so no ar, as combustoes
eriam mnito vivas e a vida muilo activa ; de sor-
td que a madeira seria consumraida quasi instan-
taneamente sob a accao do fofo, e os pr prios me-
iae3 seriam presa dx> logo. Quanto a vida, seiia
eiia promptamenie coosummida ptla accao de um
priacipio tao energico.
Havia, pois, Ulster de um segun lo gaz n ar,
proprio a attenuar os efieitos muito intensos do
primeiro : esse gaz & o azoto que, formando pou
eo mais ou menos qaatro quintal paries do ar,
: mpera a ac^ao do oxygensc.
0 ar 6 inodoro, transparent e iocolar.pelo me
uji quando em massa pouco consideravel, visto
(Ue em grande massa tem a cor azulada, e e elle
quern da essa cor ao ceo.
Sem o ar a abobada celeste seria negra, cor que
mega a apresentar para js observadores eolloca-
i i- no pico de elevadas monianhas e para os que
a etevam em batao, e qu>; teem acima de si um
tr muilo rarefeito.
I.mfun, acha-se demonstrado precedentemente
jue o ar e todos os gazes sao eminentemente com-
(ressiveis eelasticos. Depois veremos,quando tra
urmos da acu>tica, que e o ar que, por for^a da
soa elasticidade, serve para transmittir todos os
sons, desde os mais intenscs ate os mai< fracos;
da 3orte que se nao fora o fluido em cujo meio
vivemos, estariamos privados dos gozos da musi-
ca, e tambera ser-nos hia ioterdicto o proprio uso
la palavra e do canto, sa nSo houvesse ar.
(Continuar-se ha)
M&TE 0IT1CIAL
Goveruo da provincla.
KXPKDIENTE DO WA 8 DE JULIIO DE 187'.
i' StfCfOO.
aMcios :
Aocapilao do porto.-De conformidade com
j que solicits o Exm. brigadeiro coinmandaote
iiai armas, em ofBcio de 15 do corrente, sob n. 560,
providencie V. S. no sentido de ser collocado no
forte Pao Amarello o aovo mastro de bandeira,
qae para alii foi remettido, podendo ser esse ser-
..o inc^mbido ao capataz daquella localidade, a
;.i'-;m serao forn^cidos os apparelbos necessaries
para o levantamento do dito mastro.
Ao director do arsenal de guerra. -Nao dis-
pvndoa caixa de economias licitas do 9* bataibao
Je infantana de dinheiro para compra de tres cal-
delras de ferro para 100 pracas, necessarias ao
pnrparo do rancho do mesmo batalhao, autcriso
Vmc. a mandar fornecer ditas caldeiras, de eon-
fcrmidade com o pediij junto, feito pelo commao-
dante daqoelle batalhao.
2.' sec^Ho.
A^-tos : m
0 presidente da provincia, autorisado peia
loi u. 1130, de abril do corrente anno, resolve no-
maar sargento da gaard* local do Bom Jardim a
Mi-oel Euthynivo Cavaleanto de Albuquerque.
ftfflcios:
Ao Dr. chefe de policia. Remetto a V. S:
tres lubos com lympha vaccioica e am exemplar
das breves instroc^e* para as pessoas nao pro
licionaes cenhecerem e pnpagarem ;i vaccina,
extrahirem e conservarem a
>-(.m como para
pha vaccioica afim de serem enviados ao de-
Ugado do termo d'Augua Preta, e"nfome solicits.
V. S. em offkio n. 809, de hontem datado.
-. Ao mesmo.Sxpe^ V. S. saas ord^os aos
datsgados de policia de Jaboatio, O'.mda, Cabo,
llecada e Serinhaem para que entriguem aos res
jitctivos commissarios as armas. abaixo menciona-
das e de que trata sea ofBco do ! do corrente, a
sir :
Jaboatao, espingarda-. le espoleUs
^ergados........
Olinds, tercados.......
Cabo, espingardas de adarme 17
Rscada, espingardas do mesmo adarme
Ditas de espoletas.....
.Scfihaem, espingardas de adarme 17 '
Ao commandaD'e do corpo de policia.Re
commendo-lhe que tenha em boa guarda e con-
veaieatemeDle conservado !odo o armamento das
pracas que forera desligadas do corpo sob seu
commando.
Ao 2" tabelliao do publico judicial e notas,
escrivao do civil, crime e execjcoes do termo do
Bom Conselho. -Cora 0 parecer do desembirgador
procurador da cords o sutr-r.inia nacional, incluso
por copia, respondo a consolta de Vmc. era sua pe-
li;ao de 9 de junho uiinm.
3.' sec(uo.
Officios :
Ao inspec or da thosouraria de fazenda
Sirva se V. S. de inforinar sobre o que pede no
incluso requerimeuto o praucante da recebedoria
de reodas. loti Manoel Cavalcantede Almeida.tcn-
do em vista o expo-to no aviso do mioisterio da
fazemia, de 13 de maio ultimo, junto por copia.
Ao tnesmo. Declaro a V. S. para os devidos
(ins, que o engenbeiro Hanoel de Barros Barreto,
noraeado pirp coiumercio e obras publicas, datada de 20 do
raez proximo passado, para o lugar de engenbeiro
fiscal da estrada de ferro do Recife ao S. Francis-
co, arba-seem exercicio do novo lugar, conforme
me coinmuniccu em ofQcio de hontem datado,
sob n. 91.
Ao roesmo. Em resposta ao* sus offlcios
i.lad is de 25 de junho fiudo. sob n-. 828 e 832,
serie G, cabe me declarar a V. S. que nao me coo
formo com a interpr-iac4o dada por V. S. a doa
triu.i do aw.so do ministerio dos negocios da justi
ca, maidado observar pela nrdem do thesouro, n.
61, de 17 de fevereiro do 1865, e que ao contrario
6 o proprio aviso erne autonsa o pigsraento do
susteuto d"S presos de justica deontras provincial,
por Cdiita d> ministerio dos iiegocio:- da ju^tica ;
deveudo V. S pnrtanto solicitar o necessario credi-
to para indemmsar ao thesouro provincial da
quantia adiantada, uma vez que, !-egundo informs
esta esgotada a coropetente rubrica.
Ao mesroo.Para seu conhecimento e fins
convenientes,declaro a V. S. que de accordo com
a sua ioformacao datada de hontem, sob n. 967,
serie G, defer! nesta data o requerimento de Ma-
noel Joaquim de Arruda, em que pede relevacao
da multa que Ihe foi imposta pelo adminisirador da
recebedoria
Ao mesmo.Tendo em vista a inclasa conta
remeltida pelo director interino do arsenal de
suerra. em officio de hontem datado, scb n. 659,
mande V. S. pagar a empreta da illuminacao pu
blica a importsneia do gaz consumido no quartet
da compaubia de operands militares daquelle ar
senal, durante o trimestre de abril a junho deste
anno.
Ao mesmo.Na conformidade do que solici-
ts o Exm. brigadeiro commandante das armas em
officio do hontem datado, sob n. 530, mande V. S.
pagar a Joao da SilvaGuimaiAes & C. a importan
cia da inclasa conta dos ineiiteamentos fornecidos
a pharrnacia do hospital militar, do met de junho
Undo.
Ao memo.Ao paire Genuino Gomes Pe-
reira, vigario collado da freguezia de Serinhaem,
mande V. S. pagar a congrua relativa aos mezes
decorridos de Janeiro a junho deste anno, visto
provar com os allestados juntos que compric com
os seus deveres na respectiva matriz.
Ao mesmo.Foroeca V. S. a secretana desta
presidencia dous livros com applicacio ao registro
dos nascimentos e obitos dos tilhos de escravas
nascidos de-de a data da lei n. 20i0, de z8 de se-
tembro de 1871, aflm de serem remetiidos ao vi-
gario da freguezia de Tracunbaem.
Ao mesmo. Remettendo a V. S. a inrlusa
couta,autoriso-o a mandar pagar ao administrador
da empreza do Jornal do Recife, Juvencio Aure-
liano da Cunha Cesar, a importancia de 116^120,
relativa a publicacao de annuncios raandados pela
directoria do arsenal de guerra, segundo lafurma
o iespectivo director interino em seu officio datado
de honiem, sob n. 660.
Ao mesmo Vlande V. S. pagar ao juiz de
direito, Jose Maria Moscoso da Veiga Pessoa, remo-
vido da comarca do Teixeira da proviocia da Pa-
rahyba para a do Buique nesta, o ordenado cor
respondeule ao mez de junho findo; Bcando mar-
cado o prazo de 15 dias para ser exh>bida nes-a
thesouraria pelo refendo |ais de direito a guia a
que se refere a sua informacao de houtem datada,
sob d. 972, serie G.
Ao inspector do thesouro provincial.-Re-
metto a Vmc. a inclusa precatoria do juizo de
direito da I'varacivel desta capital, expedida a
requerimento da companhia a Recife Drainage
para que tenha e devido cumprimenlo.
Ao mesmo.Mande Vmc. pagar a Jose Igna-
cio do Avila a quantia de 3:8284000, provenieute
das obras do jardim e das supplementary feitas no
paco da assemblea provincial, segundo os cerilfi
cados inclusos do eogenheiro era chefe das obras
publicas.
Ao mesmoMande Vmc. pagar a Felix Jose
dos Sant'Aona ou ao seu procurador, na eon-
fbrmidade do incluso aliestado, a importancia de
4 mezes de aluguel da casa que no termo de Se
ricnaem serve de ;uartel ao respectivo destaca-
mento, segundo solicitou o Dr. ch-fe de polica em
officio de hontem datado, sob n. 807.
Ao mesmo.Haja Vmc de ordenar ao pro.
curador fiscal desse thesouro que suste o processo
de desapropriacao do sitio de Saol'Anna, promo
vido contra o bacharel Joaquim Jose de Miranda,
visto como tenho resoluldo fundar o a3ylo de alie-
nados em outro lugar.
4." seccao.
A:to :
0 presidente da provincia resolve declarar
de nenhum effeito a portaria de 3 do corrente,
que nomeou coadjuvante do porteiro da bibliothe-
ca provincial a Mariano de FigueirOa Faria, e no -
mear para o referido lugar a Francis:o Honorio
Bezerra de Menezes.
Officio:
Ao prvedor da Santa Ca3a de Misericordia.
Tendo resolvido fundar o asylo de alienados no
sitio da Tamarineira, e con v in Jo que o mesmo sitio
seja augmentado com os terrenos adjacentes, de
propriedade dessa Santa Casa, qne se acham afo-
rados a terceiros, recommendo a Vmc. que enten-
da se com os respectivos emphyleutas, afim de
voltarem os respectivos terrenos ao senhorio direct-
o, mediaote pagamento das bemfeitorias qae boa-
verem feito, cumprindo aotar qae a viuva Mesquita
cede as qae tem am dos sapraditos terrenos pela
quantia de 1:2004000. Resolvido assim sobre o
local do asylo, nesta data expeco ordem ao procu
raJor fiscal da thesouraria provincial para sustar
o processo de desapiopriacio que promovia contra
o bacharel Joaquim Jose de Miranda, relativamen-
to ao sitio de Sant'Anna.
Portaria : , : w _
A' lllma. canura municipal do Recife.-Em
. do capitao do porto, de 16 de junho proximo pas-
'sado, u. 50, ss quaes remetto em original para se-
rem devoividos com a sua informacao.
Ao i Di.'oniiriro fiscal da companhia Recife
Drainage.-Remetto p>>r copia o officio da lllma.
camara municipal do Recife, de 4 do corrente, n
67, e a informacao que a elle acompanbon, afim
de que Vmc. providoncie do modo e com a urgea-, tos, Angelo Jose Brandio, Firmino Carneiro de
cia que o caso exige
A' junta de classificscio de escrsvos do mu-
nicipi i de Pafmares. Em reeposta so officio dessa
junta, datado de 4 do corrente, tenho a declarar-
Ihe que cumpre que o resultado da classificacao
seja remettido a esta presidencia, o mais breve
possivel, conforme ordena o respectivo regula-
meoto.
EXPEDIENTK DO SKCBKTAHIO.
1.' seccao.
Officios:
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, communico a V. Exc. em resposta ao
seu otfieio de hontem datado, sob n. 53'J, que se
mandou pagar pela thesouraria de fazenda a im
portaocia do. medicameatos fornecidos por Joao
da Silva Cuimaraes A C. a pharrnacia do hospital
militar, durante o mez de junho findo.
Ao mesmo.Tendo S. Exc. o Sr. presidente
da provincia, pordespachode 4 do corrente, zon-
cedido ao recruta Jose Antonio da Silva, oito dias
de prazo p.-ra provar isencao legal ; assim o com-
munico a V. Exc. de ordej) do mesmo Exm.
Sr.
Ao in smo. S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. Exc. em resposta ao
seu officio de 6 do corrente, sob n. 526, que ao
capitao do porto se recommenia nesta data a ex-
pedicao de suas ordens no seotido de ser colloca-
do na fortaleza de Pao Amarello o novo mastro de
bandeira.
Ao me? mo. -S. Exc. o Sr. presidente da pro
vincia, tendo providenciado para que sejant forne-
cidos pelo arsenal de guerra ao 9* bataibao de in
faotaria as tres caldeiras de ferro para cem pra-
cas, coostantes do pedido, que veio snnexo ao
sea officio de hontem datado, sob n. 532 ; as-
sim o communico a V. Exc. para seu conheci-
mento.
Ao director do arsenal de guerra,S. Exc.
o Sr. presidente da prowncia manda commauicar
a V. S, em resposta aos seas officios de hontem
datados, sob ns 659 h 660, qae expediram-se as
necessarias ordeas a thesouraria de fazenda, afim
de serem pagns as contas relatival aos consume
do gaz no quartel da companhia de operarios
desse arsenal, e a publicacao de annuncios no
Jornal do Recife.
t.' seccao.
Officio :
Ao Dr. chefe de policia. S. Exc. a Sr. pre-
sidente da provincia manda communicar v, i
para os fins convenientes, que nesta data expedio-
se a nece.-sana ordem ao thesouro provincial, ao
seotido de ser paga a importancia do aluguel da,
casa que ao termo de Serinhaem serve de quartel
ao respectivo destacamento ; segundo solicitou V.
S. em seu officio datado de 7 do corrente, sob j.
807.
3." seccao.
Officio :
Ao inspector do thesouro provincial.Com-
munico a V. S., pars re*oler como entender, que
a portaria de.licenca de 3 mezes com ordenado,con-
n./li.io nur *2 tTvf* n * r nrnLiiluuLi A lrir.it' nflQ D t\
respot3 ao officio datado do 2o do raez proximo
passado, em que a lllma. camara municipal do
Recife pede a est3 presidencia que mande calcar
a praca do Pelounnho'.com os parallelipipedos que
sobraramda reposicao do calcamento levantado
pela empreza Locomotora Pernarobucana, te-
nho a dizer que deixo de dar providencias nes-
te sentido, porqae aqueKes parallelipipedos ja
foram cedidos a companhiaFerro carnlsob a
condicao de calcar par';<) da rua Imperial c parte
da rua do Barao do Tnumpho.
5.* seccao.
Officios :
Ao engfxiheiro chefe da repartigao das obras
publicas. -Worne Vmc. sobre as cousideracSes
que faz a {ima camara municipal do Recife no
cedida por S. Exc. o Sr. presidente d. |prov ncia ao
escrivao la casa dejdetencao, Vicente Ferreira No
lire Peliuca, embora teoha data de 2 de maio ul-
timo, foi solicitada pelo licenceado nesta secretana
em 2 de julho corrente, como se verilica da inuti-
lisa^ao por mim feiU o<> respective sello e da no-
ta de pagamento dos competentes emolumentos.
5.' seccao.
Officio .
Ao eDgenheiro fiscal da estrda de ferro do
Recife ao S Francisco, Manoel de Barros Barreto.
S. Exc. o Sr presidente da provincia manda de-
clarar que fica iuleirado de haver V. S. entrado
em exercicio do cago de engeaheiro fiscal dessa
estrada 1e ferro. conforme seu officio datado de
honlain, sob n. 94.
EXPEDIE.NTE DO DIA 9 DE JULIIO DE 1874.
1.' seccao.
Acto:
0 presidente da provincia, tendo em vista o
officio do inspector interino do arsenal de mari-
hha, dat do de 23 de junho ultimo, sob n. 55,
nomtia o conego Tneraisloiles Romao Pereira dos
Santos para exercer inierinamente os lugares de
capellao e professor de prlmeiras leltras da com-
pauhia de aprendizes marinbeiros.
Officios :
Ao Exm. brigadeiro coramandaDte das ar-
mas.-A'vista da informacao da contadoria da
thesouraria de fazenda, junta por copia, e do qne
ja decedi em officio do 1 do corrente, mandando
abrir nova concurrencia para o fornecimento de
generos alimenticios ao hospital militar, nada ha
que resolver acerca da pretencao de Francisco de
Paula Meodes, de que trata o director interino
do mesmo hospital no officio annexo ao de V. Exc.
de 19 de junho proximo findo, sob n. 488.
Ao inspector do arsenal de marinha.Gms-
Undo de aviso do ministerio aa marinha. de 25
de junbo ultimo, que naquella data se officiou a
presidencia da Bahia, determinando que fa;a re
gressar para esta provincia a Gavino Henrique de
Azevedo, afim de uccupar o seu lugar de ama
nuense da secretaria dessa inspeccao ; assim o
communico a V. S. para seu conhecimento.
A<- mesmo. -Constando de communicacao da
secretaria de estado dos negocios da marinha, da
tada de 30 de junbo ultimo, terse expedido pelo
quartel general de marinha asjnecessarias ordens,
no sentido de ser 0 padre Miguel Vieira de Barros
Marreca dispensado dos lugares de eapellao e
professor de pnmeiras lettras da companhia de
aprendizes marinbeiros desta provincia, nomeei
nesta data o conego Themistocles Romao Pereira
dos Santos para exercer inierinamente aqaelles
lugares, conforme propoz V. S. em sea officio de
23 do mez passado, sob n. 55. 0 que declaro a
V. S. para seu conhecimento e direc^ao.
Ao director do arsenal de guerra.Comma-
oico a Vmc. para os fins convenientes qae, se-
Sando coasta de officio da intendeneia da guerra,
alado de 30 de Junho ultimo, foram embarcados
no vapor Ceard com dastino a esse arsenal e a
companhia de cav&Maria, am caixao e am conna-
te, contendo 21 espadas com bainhas de aeo, e 71
jogos complete* de accessories para armas do ca-
libre 14,8s, conforme consta do eonheciraeoto
junto.
Ao engeohei'o das obras militares Tend"
o Exm. Sr. ministro d;i guerra anti-risado pelo
aviso de 30 de junho ultimo a despeza de 88 f 880,
co&stante do orcaraeuto annexo ao seu officio de
IB de maio proximo findo, sob n. 96, com os con-
certos precisos na coberta do quarto do medico de
dia do hospital mi'itar, recommendo a Vmc. que
chame a concurreocia para a uxecucio des?a
obra.
Ao mesmo.Pode Vmc. aulorisar, por conta
do abate offerecido pelo arrematante dos concert a
da coberta do quartel da Soledade, Baxilio Jose da
Hora, a despeza de 70/000 com a substituiclo das
madeiras da mencionada coborta, qae reconhe
cea-se estarem padres. Pica assim respoodido o
sea officio de 7 do corrente, sob n: 109.
2.' seccao.
Acto:
0 presidente da provincia, attendendo ao qua
Jose" da Motta resolve prorogar por seis mezes a
liceuca que Ihe foi eoncedida para tratar de sua
saude.
1 OfBcio :
Ao commandante do corpo de policia.Ex-
peca Vmc. suas ordens para que as pracas do cor
po sob seu commando Serati n, Ferreira dos San-
Brito e Joao Cauistrano Moraes, se ap-ezentem ao
juiz municipal Jo termo de ftambe no dia 16 d
corrente as 10 horas da maoha, afim do deporem
como testemunhas no processo instaurado contra
Manoel de Freitas Barbosa Cordeiro
S* seccao.
Officios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda. De
claro a V. S. para seu eonnecimenlo e devidos fins,
qne o eogenheiro Felippe de Figueirdi Faria, aju-
dante do engenbeiro fiscal da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco, deixou o respectivo exerci
cio por se achar doente, em d ta de 27 do corren-
te, couforme me communicou em officio de igual
data, sob n. 96
Ao mesmo. -Mande V. S. pagar ao major
sjudante de ordens do commando das armas, Jo-e
Bonifacio dos Santos Mergulhan, a importancia da
agua forneciJa a secretaria do mesmo commando,
no trimestre de abril a junho deste anno, na con-
formidade da inclusa Coota em duplicata, remelti-
da pelo brigadeiro commandante das armas, em
officio de hontem datado, sob n. 537.
\o mesma Declarando-me o Exm. Sr. mi-
niitro da marioba, em aviso de 27 de junho ultimo,
que naquella data foi permittido ao capitio de mar
e guerra reforraado, Joa > Bapti-ta de Oliveira Goi-
msrai-?, residir nesta provincia, devendo receber
por essa thesouraria o soldo que Ihe competir ;
assim o communico a V. S.. para a u conbecimen
to e fins convenientes.
Ao mesmo.Communicando-me o Exm. Sr.
ministro da marinha em aviso de 25 de jonho pro-
vimo findo, haver expedido ordens a presidencia
da Bahia para regressar a esta provincia, Gavino
Henrique.' de Azevedo, afim de occupar o seu lu
gar de amaouense da inspeccao do arsenal de ma-
rinba ; assjm o declaro a V. S., para sec connect
me&to e direccao.
Ao mesmo.-Tendo o Exm. Sr. ministro da
gueira autorisado p. r aviso de 30 de junho u'timo,
a despeza na importancia de 88'880, com os con-
certos precisos in coberta do quarto do medico de
dia do hospital militar, re<*ommeado nesta data ao
engenheiro respectivo qu > chame a concurrencia
para exeencao de taes concertos; o que communi-
co a V. 8., para os fins convenientes
Ao me3mo.Constando de communicacSo do
secretario de estado dos negocios da marinha, data-
da de 30 de Janeiro ultimo, ter sido o padre Miguel
Vieira de Barros Marreca dispensado, como pedio,
dos logares de eapellao e (rofessor de' primeiras
tettra; da companhia de aprendizes marinbeiros
desta provincia, nomeei nesta data para exercer in-
terinamente ditos lugares o conego Themistocles
Romao Pereira dos Santos; o que communico a V.
S., para sen confectmento.
Ao mesmo. -Representando o eogonheiro das
obras militares, em officio de 7 do corrente, sob n
109, qne nos concertos a que se esta procedendo ua
coberta do quartel da Soledade, contractados por
Basido Jose da Hora, venficou-se estarem podres
duas Caves do xadrez da entrada, a comeeira da
8' companhia, e bem assim duas pernas de pi rtaes
dos quartos que fleam pur baixo da secretaria, au
torisei a despeza dessas madeiras na importancia
de 70*000, que devera correr por coots do abate
offerecido pelo mencionado contractante. Oque
communico a V. S., para sen conhecimento e di-
reccao.
Ao mesmo.-De aviso do ministerio da justi
ca de 27 de junho ultimo, consta que solicitou se
do da fazenda ordens paia reabilitada essa thes u-
raria com a quantia de 100*000, para pagamento
das despezas do 1* estabelecimento do bachaiel
Fernando Affonso Ferreira, juiz municipal e de or-
phaos do termo do Boaito. Igual para pagamento
das despezas de 1 estabelecimento do bacharel e-
basliao do Rego Barros, juiz municipal e de orphans
do termo de Panellas.
Ao mesmo.-Para os fins convenientes, com
munico a V. S., qne em 7 do corrente reassumio o
exercicio do cargo de juiz muni-.ipal e de orphans
do termo de Agua Preta o bacharel Manoel Annes
Jacome Pires, conforme participou em officio da
mesma data.
Ao mesmo.Para os fins conyenientes incluso
remetto a portaria de prorogacao por 6 mezes
da licecca eoncedida ao bacharel Jose Maria da
Rocha Carvalho.
Ao mesmo.Transmitto a V. S. para os fins
convenientes 2 ordens do thesouro nacional s-b
ns. 104 o 105 e 5 da reparticao do ajudante ge-
neral.
Ao mesmoTransmitto a V. S. para seu co-
checimento e devidos effeitos copia do aviso cir
calar do mini terio da agrienltura, commercio e
obras publica?, de 30 do mez proximo passado, sob
n. 3, no qual vem declarada a quantia em que foi
contemplada esta provincia na distribuicao do ere
dim para as despezas durante o exercicio de 1874
1875.
Ao mesmo.Communico a V. S. para os fins
convententes que por aviso do ministerio do impe
rio de 30 dejanbo proximo passado, a. 3023, ficou
concedido pela terba -Eventuaes-do exercicio de
187374 o credito de 258*400 para oecotrer ao
pagamen'o de despezas com luzes no palacio desta
presidencia.
Ao mesmoTendo-se extrahido na corte a pri-
meira das toterias concedidas para as obras da igre
ja de Nona Senhora da Penha, o Exm. Sr. minw
tro do imperio declarou em aviso do ! do corren-
te, sob n. 3009, que naquella data dirigio aviso ao
da fazenda, afim de qne o prodncto da referida lo
leria flqne a disposicio desta presidencia, que Ihe
dara o deslino conveBiente na conformidade do de
creto n. 2874 de 31 de dezembro de 1861; assim
o communico a V. S. para seu conhecimento.
Ao inspector do theseuro provincial. A's col-
lectorias dos muaicipios onde forem creadas guar-
das locaesjexpeea Vrec.com ureencia suas ordens,
afim de serem pagos os vencimentos dos mesmas
guardas.
Ao mesmo.Para os fins convenientes com
munico a Vmc. que em 5 do corrente eotrou em
exercicio do cargo de oommissario de policia de
Nazareth Severiano Vieira da Par.
Ao mesmo.-Mande Vmc. pagar ao padre
Francisco Lopes de Carvalho coadjuctor da fre-
guezia do Brejo, os vencimentos do sua congrua
Ci-rrespondente ao trimestrc de abril a junho deste
anno, na conformidade do attestado incluso.
Ao mesmo. -A' vista da con'a junta em du
plicata mande Vmc. pagar a Brax Ferreira de Al-
buquerque a quantia de 36*000 em qae iraportoa
o aluguel de 6 mezes da casa que serve de prisao
no oistricto de S. Lourengo da Matta, segundo so-
licitou o Dr. chtfe de policia, em officio aatado de
hontem, sob n. 814.
Ao mesmo.Mande Vmc. pagar ao coadjuc
tor da freguezia da Gloria do Goita os vencimentos
de sua congrua ate n dia 29 de marco ultimo, data
em que expirou o praso de sua provisao registrada
na secretaria desta presidencia.
Ao mesmo.Transmitto a Vmc. para os fins
conveoieotes, copia do itficio que me dirigio a le
gacao do imperio em Londres, acompanhado do
recibo passado pelo engenbeiro Cnarles B Vignole
da importancia de 204,4, 4, que se Ihe estava a
dever como ai bitro na questao navida entre esta
Para satisfazer ao que solicita o Exm. presidente das
Alagoas, em officio de 8 do corrente, cumpre que
Vmc. organise e remelta uma nota das saccas de i
algodio daquella provincia exponadas para esta
nos exercicios de 1872 -73e 1873 -74 ; assim
co-no dos saccos de assucar eseu p-za igualmente
exportados nos referidos exercicios.
4.' seccao.
Officios:
Ao Exm. presidente da provincia das Ala-
goas. Recebi o exemplar do appeadice a compli-
Ucao das leis dessa provincia de 1835 a 1872,
que V. Exc. se dignou de remetter-me com officio
circular de 1 do corrente.
Ao mesmo. Nesta data recommendo ao
adminisirador do consulado provincial que minis
tre as Botas solicitadas por V. Exc. era officio de
8 do corrente, relativamente ao numero do saccss
de algodao e de assucar dessa provincia. exp >rU-
dos desta nos exercickw de 1872-73 e 1873 74.
Ao mesmo. -Ficara dad.is as ordens neces-
sarias para terem passagem em am dos vapores
da companhia pernamoucana, deste porto ao des-
sa capital, e por conta da respectiva provincia, se-
gundo solic lou V. Exc, em officio de 6 do cor-
rente, o soldado policial d--sa provincia, Fanstino
Jo-e de Sant'Anna, que vein apresentar-se ao tri-
bunal da relacao, o carcereiro da cadeia da villa
de Palmeira e as duas pracas que vieram escol-
tando aquella.
5.' seccao.
Officio :
Ao gereote interino da companhia peroam
buca.Mande \ mc. dar passagem ate a capital das
Alagoas, por conta da referida provincia, ao carce-
reiro da cadeia da villa de Palmeira, a duas pra-
cas do respectivo cerpo policial, e ao soldado d i
iiiL'smo corpo, Fustino Jose de Sant'Anna, que veio
esc.'lta lo por aquellas, afim do apresentar-se ao
tribunal da relacio.
Portaria :
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
uavegicao a vapor mandem dar passage no para a
corte, por conta do mioisterfo da marinha, no va-
por esperado do norte, ao 2 tenente Leopoldo
Bandeira de Gouveia e a sua senhora, e bem as-
sim para a Bahia, ao grumete imperial, Jose Claa-
dino da Tnndade.
EXPEDIENTS DO SECRETARki
1.' seccao.
Officios:
Ao Exm. brigadeiro commanlanie das ar*
ma. S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda
declarar a V. Exc, em resposta ao seu officio de
hontem datado, sob n. 5)7, que expediram-se as
necessarias ordens a tbesour ria de fazenda, no
sentido de ser paga ao major Juse Bonifacio dos
Sani is Mrgnlhao* a importancia d'agua fornec-
a secretaria desse commando, no trimestre de abril
ajanho deste anoo.
Ao commandante da corveta Recife.De or-
dem de S. Exc. o Sr. pfesidente da provincia, com-
munico a V S em respo-ta ao sou officio desta
data, sob n. 20, que flea providenciado no sentido
de serem transportados no primeiro vapor espera
do do niirto. para a edrto, o i lenenie I.eODOldo
Bandeira de Gouveia, e para a Bahia, o grumete
Jose Cludino da Trindade.
2' seccao.
Offlcios:
Ao Dr. chefe de policia.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda communicar a V. S.
era resposta ao seu officio de honiem datado, que
o thesouro provincial ja se acha autorisado a pagar
a Braz Ferreira de Albuquerque a importancia do
aluguel de 6 mezes da casa que, no districto de S.
Lourencp da Matta, serve do prisao.
Ao juiz municipal e de orphaos d'Agua-Pre
ta. 0 Exm. Sr. presidente da provincia manda
accusar o recebimento do officio de V. S., de 7 do
corronte, communicando baver na mesma data re-
assumido o exercicio das funccoes de seu cargo.
Ao commisario de policia de Nazareth. S.
lixc. o Sr. presidente da provincia manda accusar
o recebimento do ofBcio de V. S., de 5 do corren
te, communicando haver na mesma data assumidj
o exercicio das funccoes de seu cargo.
Ao mesmo.-S Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar o recebimento do officio de
V. S., de 7 do corrente, e c'mrauoicar-lhe que nes-
ta data se expedem as providencias por V. S. soli-
citadas.
3. seccao.
Officios:
Ao inspector do thesouro provincial.De or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da proviocia com-
munico a V. S. que nesta datase autori-ou ocom-
missario de policia do mnnicipio de Limoeiro a
eugajar sumente 15 pracas.
Ao mesmo.De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, remetto a V. S. para os fins
convenientes, o incluso exemplar impresso do re-
gulamento para a guarda local creada pela lei n.
1,130 de 30 de abril deste anno.igual aos fiscaes
das collectorias dos municipios de Bonito, Bom
Conselho. Buique, Brejo, Cimbres. Caruani, Gara-
nhuns, Panellas, Bezerros, Bom Jardim, Santo An-
tao, Escada, Rio Formo-o, Serinhaer, Nazareth,
Palmares, Barreiros, Ounda, P-o d'Alho, Cabo, Ipo
juca, Igusrassti, Itambe, Flores, Limoeiro, Villa-
Bella, Jaboatao, Goianna, S. Bento e Tacaratu.
5.' seccao.
Officio :
Ao engenbeiro Felippe de Figueiroa Faria.
S. Exc. o sr. presidente da provincia manda de-
clarar que fica inteirado de haver V. S. deixado o
exercicio do cargo de ajudante do engenheiro fis-
cal da estrada de ferro do Recife ao S. Francisco,
conforme sea officio de 7 do ccrrente, sob n. 24.
I.iierpaul W. ll|;oda ca
pre com flriDca Inall-iidiiM j vra
rm-ae beje^uinse mil fmr*nm, s
do (rea -nil rent procrrtrnte*
America do Mai t fair de
bueo e de Hmmfm m > t/ d
bra. Aiiucar t ralno j ppaj
sssea inultrraitOM i vrudrrai
mil e aetreentoai .irons de
vniio purcailo a *. a. <-d d. pmr
CWT.
Antaerpia 9. Cafei ealaao i pre
? Urm*im lat.-ilterailea.
Havre 9. Cafe : iraaiaaeedea dil
fleulioaax per iituaa de aurrereai
alca os posHuldorea t do Kio beaa
ordinariu oj a :H fraaiee* per So
klloKi-s VUorlnu t ralinn;
flreaeainalleradoa t o erdlaarfte
I'eriiiiiiiluico uuvrnlH fraaees
SO klloffra.
Hiiiiii.urto 9. Cdfe :
diMMloio ; precos (Irmea, seaa SSMe-
racao apreciavel, mas coin tei
cia a baixar t o do Rio real
rio 11.
Marselba 9. Cafei traoaaceoee
reaularea ; precoa Uraam. Aaaa
ear i de Prrnambutu *6 fraawdst
peliie SO kiloajrs.
New-York 9. lamblo sobre Loa
drea 4-bS. Ooro Ho i/t. Casfe i
ratnao ; precoa llmies loalteradoo t
o do Bio faih 1/4 eo coon 19 1/9.
AlKuduo: aaedlaao uplands Id >/* corr<
por 119ns; ns ehegadae de neje <
porlos aaaericanea elevarai
vinle e eito mil furdos
Hia de Janeiro io. -Canabia :
liondres inalterado
ahla O. Nada ae seaa feito eat.
tambio.
ofll-?o (agencia telegraphica havas-redter.)
llwttMlilli 1.% IrftfaM^s
Kama 9 de nuvembru. \as elei-
(oes a, que ae proeede de preseote
u Italia, foram reeleitoa todos os
nainistros de estado. depois de -
nunaeros escrutloioa.
a
Loadres io. ftotictaa autneuti
eas aqut reeebldaa dlsesas que a In*
rormacao dada de que D. Carlos e
aeu eelado maior entrarana era
Franca, nao e verdadeira.
iiiode daneiro IO.Sahlo boje o
paquete brasileiro CONDE D'EU para
os purtos do norte do imperio.
Baliia IO.-Hontem rlie^uram os
vapores Inalez OLBERS e braaileiro
f'.Wf.-t.Y.i. Chegou boje pela snanba.
e sablo a tardc para o Rio de nelro. o paquete ingles IBERIA, da
companhia do Paelilco.
NOTICIAS COMMK1U I\1;N.
Londres 9.Ataxa do desconto
na praca e de tres e clnco oltavos
por cento. Consolldados de 3 O/O
FOR ACCOUNT, 93 1/4. FundOS braMilci
ros de 5 O/O. do anno de lscs.
(AGENCIA AMERICANA.)
Para 10 a's II h. e 40 m di manLa -
0 DIARIO DE BE I. EM publicou boje
uma carta do Dr. juiz municipal do termo
de Bragan^a, na qual declara cste raagistra -
do, que nao recebera o officio du president"*
da provincia qu* lue encarregara a tyndi-
cancia dos acontecitnentos, que sederam ul
timamente em Vizeu. biz tambem, que f
esta declaracio para que em tempo algurt
nao seJ4 arguiiio de nao baver posto termu
a semrlhantes disturbius, que 4 entretatito o
que desej^ fazer. U mesmo MARIO Di:
UELEtt diz que em taes distirbios sao
cumplices um padre, aiguns ctdadaos in
fluentes do lugsr a (.' r> propi, que o goveruo nomesra aqui ulti.namcnte,
para ir ajtulnr aquelle magistrado nasyn
dicancia dus factos occorridos e ja noticia -
dos.
Londres 9. Consolidados 93 l|8. Fan-
dos brasileiros a 99 ; ditos argentinos a 88:
ditu do Uruguay a b.'J |{4. Cafe; mercado
calrao.
Liverpo 1 9.Algodao : nao soffreu site
racSo ; as vendas do de procodencia bra-
sileira foram 3,IiO far los.
Antuerpia 9.Cafe : mercado calmo ; o
bom do Ru d Janeiro 59 1|2, eo ordioa
rio 4ii.
Havre 0. Cafe: inalterado. Agodao
o mesmo. Cacio : cala.o ; cotou-se de T'-
a 74.
Bibia 10 ii 8 b. e 10 m. da manha.
Cnegou botitem ao cabir qu te nacional PAR.A SA', e hoje amanbe
ceu aqui o paqurte ingUz IBERIA, aquell
procedentij dos portos do norte, e este da
Europa por Pernambu:o ; ambos sabiraa
hoje & tarde para o Rio do Janeiro.
Kio 1U & I b. e 55 m. da tarde. Mer-
cado monetario inalter do. Vaisahr o va-
por nacional ONDE D'EV para os porto;
do nortH, indo n-lln de passagem o capita i
tpnente Francisco Jo>e de Freitas. C'iego:i
procedente de Pernainbuco a polacs hespa-
nbola FRASCISQUITA.
Pins 9.0 pref'-ito dos Alpes laarilimos
demittio-se do seu e rgo .'a e conhecido
o resultado das eleic&es nos deparlamento;
de Drome, Nurd e Oise. No primeiio o
caDdidato republicano alcan^ou 3*,70::
votos e o monarcnista lS.S'"*; no segun-
do o republican)) leve 54,382 votos c o mo
narchista i7,0lS; no terceiro o bonapai-
tista ubteve 50,8^8, e o republicano I5,i00
e o monarchists 17,771.
Roma 8.Esta ronbecido o resultado
da eleirao para deputados. No primsri .
collegio alcancaram votos : (.iaribaldi. 495,
Vittoni. 271 ; no segundo, Abatri, 506,
Rotti 341 ; no terceiro. Bacelli 329, Vec-
tur 188 ; no quarto, Rasposei 319. Lucii -
ui 294 e no quarto, Caribaldi 168 e Brai -
cbeli 83.
Lisboa 10. Entrou o paquete ingle*
BOYSE, procedente do Rio da Pratt pe'.o
Brasil.
Madrid 9.Corre que o cabecilaa Lo-
zano fora fuzilado. A policia franceza n
ll'-ndava nao encontrou o preteodenta 1*.
Carlos e sua comniva, que, segundo boa-
tos, que ninda cont nuam a correr, passai a
a frouteira e eotrara no territorio da Fran-
ca. Diz-se mesmo que o governo nesp i
ubol pf dio ao govt-ruo francai que o fizeae
interuar. 0 goveroo l.averna coegou a p
Sebastiao.
Bahia 10 as 3. h. da tarde.--M*>rcace
inalterado.
Montevideo 9.Por telegramma rec*;'
do da Colonia, eonsta aqui que a eaqaadri-
Iha arg.mtina deixou o seu ancoradouro e
foi em procura da esquadrilha rebolde ca
iIlia de S. Gabriel Ifwra Ibe dar batalhi
Aguarda-se c)m anciedade a notioia do an-
contro, a qual deve chegar de urn momento
Cafe > tranaaccdes regulares i jprc
provincia e Eduardo de Mornay. cos flrmes. Assucar: calmo ; pre-
. Ao administrador do conaiilftdo provincial.- loos flrmes lualterados,

para outro,
ri^AJOOCq
REVISTA DIARIA.
Hosplelo de allenndan -Prtaarta ass
oBorias dis parknymphos :


m
Krai ail \m\\t
'4 f i
If /m^y^ Pernambuco
Transport* ------------:4>06d
D. Urabelina de Sampaio Guedap jji
Alcoforggo,^ " ' IfjtJjfljW
M-.8N|0tt
K*Paat4j*rraiinclAl-Xa aexta-feir*
ultima, 6 do oortente, sob apresidencia do Sr. Dr.
Portella, reaoiram se os raerabros da eoraraissao
de exposic-io nesta proviacia.- Dr. Rufino de Al
mei la, Dr. Manoel de B rros, Dr. Moscow, Dr.
Paulo de Oliveira, Dr. FoMmo da Figueiroi e Car-
los Maftlert.
A commissao prosegt'.i) aa organisacao das com-
mis>6.s<< parochiae*, a foramraompostas as seguia-
tcs :
fpojuca.
Os Srs.:
Barao de MerceN.
Antonio Juvenrio^tres Fakio.
Jose Felix da Camara Pinenlel.
lustiniano J'J Mdudjti^> Lias.
Firmino dos Sam >s Noguelra.
Serinhdem.
Os Srs.:
Vicente Mendes Wanderley.
9 rvasio Jose da Costa.
Dr. Maooel Nicolao Rigueira Pinto de Sotna.
Frausisco Manoel ds S)uza Oliveira.
Dr. Jose Eapnio da Silva Ramos.
Gamelleira.
Os Srs. :
Dr. Anlenio Venaneb (>.;!- into dc ATtuqeer-
que.
Miguel Alexandrian da F aceea Gil vao.
Ir aucisco Manuel Wan ir Goriolano Velloso da Silceira.
Jose Pedro VeUoso Jj .-. .v. m.
Os. Srs.:
Barao de Aracagy.
Auguslo Butiu> d Al tn-i U.
Thamaz l.ius dc Barrat Wmderley.
Je-se de Castro I'aes tawei >.
Miiwel Bernardo Js V Os Sra.:
Jose Luiz de Callus Lin-".
Leaudro Cavalcuote da Silva GtHinarees.
Joio Antonii Alves-da, Silva
Paul) da Amorim Salgad >.
P-uliu Aogu^lo da Silva Freire.
Aaantrra.
Os Srs.:
Barao.de Palruares.
Aiisiricliou de Castro Sa Barreto.
Joa iiiiiu Lueio M jir.eiro da Franca.
Antonio Leite dc Magalhaes Bastos. ,
Joaquim Aogu-tfo Xavier da Maia.
A gut Pre! a.
Os Sm. :
Francisco da CuBha Maehado Pedrosi.
PeJro Miliano da Silva Lessa. *
Joaquim Verissimo do Kego Barros.
Hofooiaao Fraucelina Ca^alcante de Albuquer-
que.
Sizeuando Sergio dos Santos.
Burreiros.
Os Srs.:
Vigario Joao Baptista Swre*.
Aatonio da Kiciia de Ujliaada Cavalcante.
M nael Houoralo de Barros.
a)i\ FfitafeiM de Meudonca Vasconcellot.
.i y:i yi'j Veaancio da Siiveira.
Bonito
OaS*.:
Felix Fernandas Portella.
Vtgaiie Joaquim da Cunha Cavalcanto.
Joaquim Ccrdeiro Hibtiro Campos.
Joao Manoel Pratual.
Joao Branlia Corrua r Silva,
Nazareth.
Os Sr*.:
DtMaaafOi Jose da Cjsta Braga.
lose Francisco Lopes Lima.
Herculam Cavalcante de Sa Albuqaorpe.
Aarcliano Lopes Cpntinho.
Jose CaOral d-j Oliveira Mello.
Traeunluicm.
Os S-3.:
Barao de Tr-icunhaem.
Dr. Hcrculano Bandeira d^ Hello.
Vigario Basilio Jose da Silva.
Dr. J ia Silverio Marques Bacalhao.
gnacio Xavier Carnciro de Albuquerque.
$eilu4la l*ioi>.;;ailra tla Ins
tvseorai" Hubllca. No dia 3 do corrente,
rx'.as e meias horas da tardo, achando-se pre
scutes dez membros do conselho superior d'esta
Quarta feira 11 de Novembro de 1874
Q"C
'^* 4tti/i J
* #
jTrenso M.ariTinro do Pone. !ma adiantou envsdt* a aecS> da agtia ajfwirio umasu
HPjif** i ..fc A uili a^Ufl #*<,' sa> cn,,ia de deprusues, tornanJo qu
ffnjf el*"" centrnes.-Teranle S. Uku. o a liu peza. B' njanifeslo o perign de
Sr. CumRleadadorpruSi4crlte da provincii, fofam de qiie se baaiia alii quilquer preso
twntem teerta* as propostas paramo otntrata' de de^pelle. A' r^msi;*o para ladrilha
lunda^ao de engenhu;, ceotraae em diversaa mu-' iitteMas do* (aaques rospoudeu se
oicipios da proviecta. Forato cunciirreates as
Srs. Keller & C, e Allan Patterson & C. Caiaaliihas de ferro. Com o titulo a
Fema anntveraarla. -0 Moote Pio Bra- -Caminhot de ferro eslrategicn do Rio Grande do
sileiro celebrou, no domiugo 8 do oarrente, o i , Hut, #caba Dr. Jose Ewoank da Caoura, dtatinc-
anniversario de saa installaelo, cona aissa enntada c to engenbtiro civil, da publicar na corte am iute-,
a sna padroevra, e aessao magna. rcssante lolbelo, em qoe fai am eatudo compara-
Comparenaram ao acto, grande numero de so tivo dos caminbos de ferro platiaos "e rio-granden-
cios, diversaa pessoas graJas, e se Izeram repre- ses ae interesse da viacao feirea da impoi lante pro-
senur por commissSas as aatooiac^as instituto Me viocta do Rio Grande do Sul.
djeo. Moa*o Pio Santa Cruz, Ciub Popnlar, Moate; Na inlroducji j do sea opasculo dii o Dr. w-
Pio Popnlar Parnambucano, Moate Pio dos Ho-, feaak:
norarios do Exercito, Iadoatria e Go:amercio Per- A fiacjto ferraa da provincia do Rio Gr tugaez, Aries Mecoanicas e Libocaes e Artistas do Sal nio e sabordinada, tlo aomeate, ao proton-
Alfaistes. ;. gamoolo futuro dos earaiabos de Ferro nacioaaes,
A'aoiteo salao, qae soachava ornado com sim-j uem a idea nabilmeato desenvolvila pelo euge-
plicidade e eleganoia, esteve repleto de senlioras 'nbeiro Andre Ueboacas, quando tralou na sna ini-
pra assistirem a ladamha e oavirem diversos so- portaate memoria sobre garanlia de juros, do p-
oies e convidalos proaaneiarem eloquent js discur-' no geral de viu ferreas inter oceanieas.
sos, analogos ao act); terminando-se o festejo Retiro-me as condic,5es essenciaes de sstraie-
cora am hello bymao offweci Jo ao mesrao Monte gia, que o systema geral deve satisfazer.
'naajbuco, 21 aanos, softeiro, S. Jose; tulurculos
jJulBonares.
,_i 9
Ofrutovao Manoel de Cirvalaa, preto, Africa,
T6^a>uaos, solteiro. Baa Vuta; pluysica' pulmo-
oar. *wir
Joaquina Maria da Paixao, (hrda, Rio Grande do
Norte, 67 annos, casada, S. Jose; cancro no pel
to. "
^flaadida Maria Policina, branca, Pernambuco,
aWNB, *olteira, Recife : peritonite.
Joio Rodngues Bandaira, branco, Pernambuco,
38 annos, solteiro.'Pojo; hyeerlrcipbia.
Joio, branco, Pernambuco, 4 mezes, S. Jose ;
hydro eephalo.
Maria, parda, Perna nbuco. Boa Vista ; ao nas-
cer.
,-
---------
Pio, cantado por dez raeoinos acompanhalo a pia-
no, por um joven pernambacano, que muito satis-
(ez ao auditorio.
Canrarso- Com e prazo de 4 meze?, a con-
tar de 9 de corrente, acha-se a concurso o provN
mento effectivo do cadeira de inglez do'curso pre-
lsolada, sera inlima relacao com ot caminbfls
de ferro das repnblicas Oriental, Argentina e' do
Paraguay, a rele do Rio Grande do Sul, nao poae
ra nuoca prestar os servifos a que foi destinada,
neu revolver a questao de estrategia, formulada
pel i governo, aceita pelo parlaraento, mas ainda
paratorio annexo a Faculdade de Direilo, vaga pelo tilo solvida com a iateireza e vantaeem. que o in
falle^imento de Carlos Adolpbo de Avellar Alchor-
ne.
Arreinniarifa provinclaefs.Perante
a junta do tbesouro provincial vlo a praga : a l'J
do corrente, o fornecimento dos moveis necessa-
rios as escolas pnblkas do sexo femioino de Teja
teresse nacional e a defeza do impeno recla-
BMtt
c Foi, attendendo a essa condigao capital, jue
propuz me fazer estudo comparativo dos camiqnos
de ferro platioos e rio-grandenses, ten Jo em vista
desde 187i, a conveniencia de tra<;ado, quo satisfi-
cupapo, Paratibe, Rio Doce, Colonia Isabel, Pedra zesse as exigencias da guerra, a defeza e seguraa-
Molle, Giquia, e rua Imperial, constantes do edital | c" do lerrhorio nacional, sem prejuizo de iotexes-
desenvbl-
scci^dade, clebrou elle a segunda sessao ordina-
na uo correote anno, em casa da resiiencia do
seu presid-cnte o Sr. Dr. Antonio de Vasconc-llos
Menezes de Drummond.
i.i 11 um oilicio da sociedade Monte Pio Brasj-
leiro, conviJando a sociedade Propagadora, a fa-
/erse representar na sua sessao magna do dia 8
do corrente, fji nomeada para :al tim uma com-
niissao AMapoata do orador da sociedade e dos Sr?.
Jacobina, e Fragozo.
Tenlj o fir. Dr. Drunmond dirigiio cartas cir-
Col ares a diversaa pessoas da provincia, invocan-
jo o sou patrtotismo e auxilio, era favor d'aquella
sociedade, apresentou uma carta do Exm. Sr. ba-
rao de (Junga, a qu:il aeompanhdra a quantia de
100400 i, que o mesmo Exm. Sr., em resposta a
uma d'e;sas eircalares. leva a geaerosidade de the
remetter para o cofre da sjctedade, e bem assim
mais a quantia de 50,5000. que um modesto cava-
iheiro (sob o anonymo) offereceu lUe com o mes-
no destino. 0 Sr. Ilego Mjdeiros, propoz, que se
agraiecesse a esses seuhores, era nome da socie-
dade o auxilio, que d'est'arte, lbe prestaram.
0 Sr. Dr. I'into Junior, em nome do conselho
parochial da ftvguezia do Pojo da Panella, do
'jual e presideote, e em obserancia do art. 20 dos
esUlutos commuaicou, que, o concerto olferecido
por algumas dis-inclas senhe-ras, em favor d'a-
luelle conseliso. depois de satisfeitas todas as des-
pezas, na imporiancia de 38}#XK)0, tern rendido
ate o presente a quantia liquida de 2 O0J.-0JO, a
qual por delitjerajao do mesmo conselho, foi u
respeciivo tbesoureiroautonsadoa recolber no dia
seguin'! (6 do corrente), a casa bancaria New-
London ami Brasilitm Bank; assim como que
porigual se procedesse a reapeito das demais
quanuas, que pelo inesmo motivo ainda resum
cobrar.
0 Sr. professor Fragozo, por parte do conselho
parochial da frefuezia da Gra^a, da qual 6 secre-
tario, cammaoicou 0 estado em que se acaavam
os negocios relativrs aaueile conselho, e c.ncluio
pedindo que 0 ccajelho superior providenciasse
' m orden a obviar taes iQconvenieotes. Foram
ambas as communiea^dss tomadas na devida con-
sideracao.
0 Sr. Dr. Pinto Junior, propoz para, por parte
da sociedade Propagadora, aomear-se uma com-
missao qae fosse curaprimentar ao sen sock) J>o-
norano o Exm. Sr. eoaselheiro Joio Alfredo Cor-
rei de Oliveira, e agradecer-lha os servifos, quo 0
mesrao Exm. Sr. tetn prestado a sociedade ; o qae
foi nnanimemante approvado, aendo noraemla nma
corannisslo, ecroposta do Dr. Joao Diniz, Ban-
deira, e Rego Medeiros.
0 Sr. professor Monleiro Pe.'soa, propaz que
tendo de brevemenie continaar a poblica^io da
Bevis'ii, qae havia sido interrompida, se ne'measse
desde logo a commlssio para sua redaci.*-. E
sendo approvada esta raoeao, foram noiaeados
para a coramissio de rclaccSo da mftmi qs Srs.
Drs. : Aalonio Dramtnond, Carneiro 'Moateiro,
Joao Draiz, Jacobina, Bandeira de Melb, e nrof-s-
sor Monteiro Pessoa
Era conclusao, 0 Sr. presidente declarou oat
tendo ido ha ouueos dias, em eompanhia do the.
soureiro conferenciar com 0 Exm. e Rvm. Sr. D
abbade do rao.teiro de 6. Dento de Ollnla, Fr.
Joao de S. Jose Paiva, aeerca da urgente ncessi-
dade delle luodar alii um internato, para o que a
sociedade Propagadora, se offereccra a pre.-tar (he
todaasuapossivel coadjuvacao, aquelle Exm. e
Rvm. sr. reSpondeu-Ihe que, corno muito L -ra sa-
bia 0 dito presidente da raesma sociedade, ha mui-
to tinha elle aquella id6a dominante, a qual por
ora nao poderia reaiisal-a, mas aim trataria desde
ja de cfear as expensas do mesmo moiteiro, uma
escola diarna para meninos e outra nocturna
para adoltos; razaa porjae nao aecedia irnmedia
meate aos bons desejos e iervorosa instancias da
sociedade, sendo que entretaoto muito se corapra-
::ia com 0 conselho superior e muito mais 0 lou
vava pelo grande empenho que die mostrou em
bem satisfazer 0 importante e elevado fims que se
impoz a sociedade Propagadora, para que muito
brevemente invocaria a sua generosa coadiuva-
^5o.
0 conselho superior re'eebeu com snbid) agradi*
tao agradavel noticia, mandando desde ja assegu-
rar Woo seu reconheciraeoto ao Exm. e Rvm.
ar. u. abbade do mosteiro de S. Bento de Ofinda,
.^P{CI0Ji: orea^ a'1"ellas duas e^olas, e
fn i.ii in-P9,i.fB? Qrme re30'utao de era b eve
S! cotemj'10 ,Dterna,' m Unt0 aalwJa
ms&tott^l^* lraUr' !evaawu se a
Julio Ololas.-Chegou bontem a tarde da
J5' r fa esse vapor portugaez, da companhii Pro-
que v.n publicado no lugar competente ; e a 26, a
obra dos reparos do etnpedratnento do 1 e 2 Ian-
cos da estrada de Palmares, orcada era 11:8304.
lustKuto Vrchcolosit'o e Geogra-
piilco. -Arnanha deve baver sessao, no lugar e
bora do costume.
lnatitat* Modioa. H>je, as 7 horas da
noite, deve baver sessao desta corporacao, alim de
proseder se a eleicao da direc^a j e mais funccio-
narios para 0 anno de 1875
CompaaMa Pernambucaaa-N'o dia
21 do corrente seguira 0 vapor Ipojuca para a
Ainarrac.il>, no Piauhy, pelas escalas do custumo.
Vapor Ceara Proced-rate do norte do ira-
perio deve chegar amanba esse vapor da eompa-
nhia brasileira, 0 qual seguira a tardo para 0 sul,
caso S. Exc. 0 Sr. commendador presidente da
provincia assim cou",edt.
sicpbistovlieles. Pelo Puti recebemos
os ns. 18 e 19 desse apreciavel jornal critico e il-
lustrado, que se pubhea na cdrte do imperio, 0
qual ca la vez ganha novos titulos ao apco dos
seus numerosos le; lores, quer pelas chi.-tosas gra-
vuras que traz, e quer pelos interessantes artigos
que publica, escriptos pelos mais abalisados littera-
tos flumimnse-.
.\uv puiliea;ao.A's livrarias desta ci
dade acab.ra de chegar alguns exemplares de um
novo volume do popular eecriptor francez Julio
Verne, sob a denominacao de Atenluras de ties
russos etrcs inglezes na Africa Austral, no qual
0 autor narra quanto acontcceu, na viagem feita
pelos sablos russos e iaglezes nesse pr.iz, com 0
fun dc medirem um quarto do inendiano, apresen-
tando a descrip<;ao l'os lugares e Custumcs dos po-
vos que 0 habitant, bem como explicando muitos
factos da dominio da sciencia.
E' um livro agradavel e digno de apreco, espe-
cialmeDtc pela pirte narrativa chela de iutoresse.
Acha-se a venda a 2jOoO 0 exemplar.
Ltatcriado Rio.Portelegramma Jo Rio,
sabe sc Jque a^oteria 536 corre hoje.
Cenapaiiltia Diaiualica Kaiiana.
Cora de-tino ao Para, onde se demjrara alguns
mezes trabalhando, segnio bontem essa eompa-
nhia a bordo do vapor Para-
Ik couipanbia Boldriai vai eonquistar na capi-
tal daquella provincia lonros que a adraira^So e
0 entbusiasrao jamais escaccaram no palcu de
Santo Antonio.
E. Dominici e Garofoli, sobre todos gjrantem,
Ihe, se nao superior, igual successo ao que. obti-
verani aqui, onJe. seus nomss ficaram immorre-
douros na tradicao artistica do nosso thealro.
0 Sr. E. Dorainici, 0 talento genial que alii mais
lustra, incumbio-nos de soliciiar daquellas pes-
soas quo, alem de 0 bonrarera com sua almira-
5ao 0 ennobrecerara com sua estima, e das quaes
Ihe nao foi possivel despadir-se pessoalmente, 0
peroao da falta que assim commetteu.
lucstaa pennenciaria. &' da redac-
cao do Jornal do Ccmmercio da corte a seguinte
apreciafao, scbre 0 irabalho, ba pouco, escrlpto e
publicado pelo nosso amigo, Dr. Rufino de Almei-
da, a respeito do estado das nossas pris5e3:
Uesponiendo a varios quesitos f rmulados pelo
mioisterio da jostica sc bre 0 estado actual das pri-
soes, apresentou 0 Sr. Dr. Rufino Augusto de Al
meida, director da casa de detenjao do Rseife, um
trabalno recentemente impresso e que flos parece
digno de attenta consideracio.
Embora comparada com a grande maioria e
talvez com a quasi totalidade das nossas cadeias
aqaella casa de deten;ao se po3sa olhar como um
modelo, os d internas e em parte mesmo do seu regimento, ain
da a constituem uma especie de monstruosidade a
luz dosprincipios geralmeate admittidos, desde que
na pena se comejou a ver, mais do que a intirai
da?io dos maos e a vindicta da sociedade, um raeio
de regenerar 0 culpado e torna-lo membro util
dessa raesraa sociedade que elle offendera. Ne-
ahum destes defeito? occulta 0 intelligente e con-
scieocioso director, antes com varonil sinceridade
os aponta em toda a sua deformidade, para que os
corrija quem pode.
Coosistem os principaes destss deftilos na fal-
ta de asseio dos quartos, proveniente do mao sys-
tema de esgotos, na pratica mesquinha dc exi^ir
dus presos que prevejara a sua propria raanuteB-
clo, seado forjoso portanto perraittir-lbes constaa-
le comraunica^So com pessoas de fora, na comple-
ta 0 iosidade em que os deix-iin, na falta de exer-
oicio, e na promiscuidade era que vivera, confua-
didos os simplesmenle detentos ora 03 condemaa-
dos a toda especie de penas, inilusive a gales e a
morte. Dos senteaciados ao supplicio alguns alii
jazdai, ba muitos annos, sem comrhutacao nom
exeeucao de pena, sera que se Ihes tenba dado des
trao, como se houvessem sido completamente es-
quecidoa, bypothese esta que efiectivamenta se tern
dado a respeito dealgans condemnados e de ou-
tros, cujo processo nem chegou a encrrar-e em
derraleira iastancia. Nem para meaores, oern
para malaeres ha prisao separada.
Teado apsntado os incoavenientes ou antes os
horrores inberentes a este estado 4s cousas passa
0 Sr. Dr. Rulino ao exame dos meios qoe tem por
mats proficuos para desvia los. Nao 3 por eerto
a parte menos mteressaate de sea trabalho aquella
era que nos fae nrr.a breve, mas lueida, exposicao
dos diversos syatetnas peaitenciarios ate agora en-
eaiados. A respeito de cada qual indica as vanla-
g-ans colhidas e os inconveuisntes uelie encontra-
dos, as autoridades que tem por si, os paizes que o
tem adoptado com maiores ou menorea moditica-
coeg, e conclue opimmdo pelo que entre nos, atten-
tas as circumsUncias do paii e do povo, melhor
se poderia fazer neste sentido. Resume aqui 0 au-
tor em polices palawas 0 sen pareeer, como ho -
mem qae mais falla por deseacargb da eonscien
cia do qoe na esperaoea de alguma cousa conse-
guir.
a Tao poaco nos esaeramos que as idias sis do
Sr. Dr. Ruaao nestei aoass mais uostis em pratica nao de 0 ser, porem com o
coirer dos tempos, sob 0 irapnUo irresistivcl do
progre-s), e e sohretudo para apMssar essa qua-
dra que servem tiabalho* eomo este de qu$ daaios
aqui breve nofcia. i)
Nao desaniaein, pois, os obreiroe do fuluro ;
prejui
ses e vanlagens commerciaes.
t Tal 60 assumpto que pretendo
ver.
E 0 Sr. Dr. Ewbank de envolve com meitria 0
assumpto do seu apuscnlo, ao qual addicionou os
pareceres muitos honroios de tres illustres geue-
rats, dos Srs. M.rquez do (larval, conde de Porto
Alegre e viscande de Pelotas.
0 trabalho do Dr. Ewbank tera baslante inte-
re?se para a qussiao das vias-ferrea3, e merece
ser lino.
Caruaru Escrovem-nos dessa villa em g
do corrente :
a No dia 29 do passado a mi che{0U 0 capo
cbinho Fr. Venancio, e ja abrio mis.-Ges, as quaes
vlo seu do muito concorridas.
c Tem geralmente agraJado ao povo os meios
bran 'os empregados p -r e se digno ministro do
Seulior na dciuonslracao das verdades da religiao
christa, alias tao mal interprelada por oulros que,
em vez de engrandece la cada vez mais pela su-
l.hn idade de sua doulrina, toda de paz e de
amor, procuram alerrorisar ao poro, :6 tendo aos
labios auaihtmas, quo se sio 0 justo casligo dos
ptrver-os, nao devera por certo ser a unica arma
empregada na defeza e propagacao de tao sanla
doutriua I
a Em pou^os dias ja existe porcao de materiaes
para a cunstruccao de uma capella no cemitdrio
dssta cidade e de um grande alro na trenle de
nossa matiiz, bello edificio que, depois deprompto,
sera .-em duvida um dos priraeiro?, senio 0
principal do centro desta provincia.
No dia 30 lambem chegou 0 Dr. Joao Fran-
cisco Duarle, juiz de direito re mo vi Jo para esta
comarca. Nao obstante so se saber de sua vmda
quando ja estiva muito proximo desta cidade,
ainda assim luram as principaes autoridades edi-
versos cidadaos dos mais distiactos ao seu en-
coutro.
0 Dr. Duarte, pela lhaneza e cavalleirisuw
de suas maneiras, tem agradado a to los que 0
vao corarauoicando ; e, se pelos antecedents e
que sao avaliad s os consequents, como nos en-
-ma a razao, poie-se desde ja assegurar-se nesla
comarca uma boa administracao de justiga por
parle desse rnagulrado que, alem de eneaaecido
no tervigo public*, tem a precisa illuatracao e
inteireza de caracterpara bem desempenbar as
iraportanies fuacgoes de seu cargo.
Aquelle qoe luma a liberdade de expender
semelhanle juizo a seu respeito, conbece-o de-de
muitos annos. e nao e de boje que faz jnslica a
suas beil-as qua j Jades, nao sendo portanto impres-
ses de momeuto e menos lisonja, 0 que abi Qca
e&cripto e que 0 tempo justificara.
I.ut<*ri;. a que se acba a veada 6 a I2i '
a beneGcio jo altar do Senhor Bom Jesus dos Pas-
sos, da igreja do Co'M Sank), que corre no dia It
do corrente.
C.tsa dr> det-oao. Movimento da casa
de dtitencao do dia 9 da novembro de 1874 :
Exisliam 303, entrarara 8, sahiram 7, .existera
306.
A saber : najiona?s 22i, mu'beres 8, estran-
geiros i9, esoravos 4i, escravas 3. Total 306.
Aliinentados a custa dos ofres pablicog 237.
A saber : Saos 221 eenfermos 16.Total 237.
M iviraento daenlermaria do dia 9 de novembro
de 1871 :
Tivera n baixa :
Jose Francisco dos Aojos, pleurodinia
Francisco das Chagas do Monte, palpitacao no
coraeaa.
Victorino, escravo de Manoel Antonio Cabral,
cephla-agia.
Teve alia :
Aurelino Jose da Penha.
Hospital Pedro II.-0 movimento deste
estabelecimento, de 2 ao dia 8 de novembro, foi 0
seguinte :
Existiam 388, entrarara 44, sahiram 39, fade-
cerara 9, existera 38i, sendo :
Homens 2i7 e mulheres 157.
Advertencia.
Forara viaitadr.s as enfermarias nestes dias:
A's 6 li2, 6 l|i, 6 l|i, pelo Dr. Ramos; as 8
l|4, 8, 8, 7, 8, 8, 7, pelo Dr. Pereira da Silva j as 9,
9 1|4,9, 8 1|S,9 1|2, 9, 8 Ii3, 9, pelo Dr. Mala-
quias; as 10, 9, 9, 9, 9 1|2, 9 !|2, pelo Dr.
Munllo Vianna.
Fallecidos.
Salustiano Ferraira Salyro, insufflc encia das val-
vulas da aorta.
Manoel Baplista Evangelista, tetano espontaneo.
Antonia Maria da Coneeicio, tuberculos pnlmo-
Dares.
Antonio, aaazarca.
Archanja Maria da Conceigio, phtysica pul-
raonar.
Manoel Ferreira, anemia.
Francisco Monteiro, epilepsia.
Joanna, tubercjlos pulmonares.
Marcolino Jose de Santa Anna, variolas con-
fluentes.
Ciciliaoo, branco, Pernambuco, 4 mezes,
fe ; convulsoes.
Reci-
eabe Ibes a parta, ta/vet menoc bnihante. mas nao'
menos raeritoria, de prepararem 0 terreao, ajuntar
os matenaes e assentar os alicerees para a obra
que a historia imparcial tera de reeonbecer ura dia
ser mais devida a elles, do que aos que Jiverera
depois a fortuna de ergde-la.
a Ha ainda dous pontos importantissimos e
que 0 Sr. Br. Rit8no insiste com particular solici-
tude : no dever rrue tem a sociedade de proteger
0 autor de um crime expiado pela pena, para qae
resdtuido a liberdade le nao veja fatalmente im-
pellido a voltar a carreira da perversidade, c de
desviar desta, emquaoto e tempo, os raenores qoe
sera instruccao nem trabarho, verdadeiroa apren-
dizes do crima, divagate sem norte pelas cidades,
entre as trevas da ignorancia 0 os pengos da oeio-
-idade. >
cr Jantou 0 Sr. Dr. Rafino ao seu trabalho di-
versos desenhos e plantas que servem para melhor
esclarecimento do testo.
re a's ioformapSes qae no relatorio se eneontram
sobre 0 estado daeasa de deten$ao do Recife ac-
creseentaremos, dentre as verbaes qne nos den 0
Sr. Dr. Rufino, nma por demais caracterlstica. Os
tanques para banhos sao forrados de cimento que,
Paasagelros. Chegados da Ilha de Fer-
nando no vapor nacional Jqguariite:
Manoel G. da Cruz, Guilbermioa Tavares da
Silva e i fllbo, Josofa Maria da Conceigaa, Joaqaim
Correia Mascaranhas, ManoeJ Alves da Silva, Joao
Sim5es de Almeida, Manoel Thomaz dos Santos,
Lourenco Pompeu da Rocha, Alfredo Joio Miguel
Mendes, 20 pracas da policia, 23 ditos de linha, 10
seoteuciados e um alferes.
Chegados da Europa no vapor Julio Diniz ;
Beraardino Costa Campos, Joao Pereira Sampaio
Joao Evangelista Salles, Alfredo Francisco de Oli-
veira, Joaqaim Jos6 Caropts, Manoel Jose Joa
Jaim da Costa Pereira Torres, Antonio R. Guellas
uuior, Augusto Oliveira Mala, Antonio Manoel
Gongaives, Alfredo A. Ferreira.
*i*>irlo piiMteu.Obltaario do dia 7
do correute :
Joanna da Mora Mashado, parda, Pernambuco,
15 annos, solleira, S. Jose; tubercoloj pulmona-
res.
Majcolino Jose de Saut'Anna, weto, Pernambu-
co, 35 annos, solteiro. Boa Visti> hospital Pedro
II; variolas.
Maria, pardi, Pernamtaco, 2 annos, Boa-Vista;
eserofalas.
Tbomaz Nunes Ferreira, branco, Pernambuco,
21 annos, solteiro, Boa Vista; elephantiase.
Feliciaaa Maria da Coneeicio, parda, Peraara-
buco, 30 annos, casada, Boa-Vista; taberculos
pulmonares.
Jacintho Xavier da flocha, branco, Portugal,
59 anno?, viuvo, Santo Antonio ; hepatite chro-
nics.
8 -
Antonia Maria do Nascimento, branca, Pernam-
buco, 100 annos, viuva, Boa-Vista; velhice.
Thomaz de Aquino Kosaa, pardo, Pernamtraco,
I annos, casado, Santo Antonio: gastro ente-
nte.
Manoel, pard
convulsoes.
Cosma, escrava, parda, Perflambueo, 30 annos,
casada. Graca; eelampsia.
Domingos, branco, Pernambuco, 3 dias, Santo;
Antonio; espasmo.
Franeisco, pardo, Pernarabnco, 2 annos, S'
Jose; convulsoes.
Ther-za, parJa, Pernambuco, 8 meze3 Boa-Vis-
ta; gastro enteriie.
Joaquim Luoio dos Santos Ferreira, pardo, Pej-
Pernambair/, 8 fflas, S. Jose
CHRONICA Jl DII IARIL
Tit!HI \\l, i>a Rf,L\ClO
SBSSAO El 10 DE NOVEMBRO og 1874.
PRESIDEMCU DO EXM. SE. CO.NSELUE1RO
CABTANO SANTIAGO.
Seeretario Dr. Virgitio Coelho.
A's 10 boras da manba, presentes os Srs. des-
embargadores Silva Guimaraes, Lourenco Santia-
go, Reis e Silva, Almeida Albuquerque, Molta,
pr^carador da corOa, Accioli, Domingues Silva e
Souza Leao, abrio-se a sessao.
Em seguida 0 Dr. seeretario procedea ao sorteio
dos adjuotos para os aggravos de petigao :
N. 83. Aggravantes os admipistaadores da
massa fallida de Farias & Lessa, aggravado 0 Jui
zo da faienda. Porara sorteados os Srs. desera-
bargadores Accioli e Souza Leao.
N. 84.Aggravante 0 barao de Nazareth, ag
gravada a fazenda. Foram sorteados os Srs. des
embargadores Reis e Silva e Almeida Albuquer
que.
JULGAMBtVTOS.
Recuros crimes.
De Maceid.Recorrente 0 juizo, recorrido Casi-
miro Jose de Araujp. Relator 0 Sr. deserabar-
gador Silva Guimaraes. Sorteados os Srs. des-
embargadores Souza Le5o e Reis & Silva.Ne-
goa-se provimerrto.
Do Recife. Recorrente 0 juizo, recorrido Joao
Francisco de Vasconcellos. Adjuntos os Srs. des-
embargadores Sooaa Leio e Louren;o Santiago.
Relator 0 Sr. desembargador Almeida Albuquer-
que.Improcedente.
Do Inga Recorrente Manoel Alves Barbosa,
recorido 0 juizo. Relator 0 Sr. desembargador
Souza Leao. Adjuotos os Srs. desembargado-
res Accioli e Silva Guimaraes. Nao toraaram co-
nnect mente.
Appellacoes crimes.
De Pao d'Alho. Appellante 0 jaizo, appellado
Raymundo, escravo.Improcedente.
De Santa Luzia.Appellante 0 juizo, appellado
Joio Gomes de Barros Piauhy.Confirmada-a sen-
tence
De Caraaragibe.Appellante 0 jaizo, appellado
Antonio Joaquim Cobra Verde. -Nollo 0 processo
de folbas 8 em diante.
De Pao d'Alho.Appellante 0 jaizo, appellado
Paulo Francisco Barbosa.A novo jury.
De Uananeiras.Appellante 0 juizo, appellado
Irirnj) Pereira de Mello. -A nova jury.
Appehacoes civeis.
Da Atalaia. Appellante* Joao Francisco Maia e
outros, appellado Antooio de Moraes Sarmento.
Conlirraada a sentenc>.
Do Recife.Appellante Jose Joaquim Gomes de
Abreu, appellado Dr. Antero Manoel de Medeiros
Furtado. -ConQrmada a sentenca.
Do Recife Appellante Manoel de Azevedo An-
drade. appellados Mathias de Azevedo Villarouco
e outro.Reforoiou sea sentenqa na parte qae ai-
leron 0 arbitrament.-.
De MaceioAppellante 0 juizo de direito, ap-
pellado Onofre, por sea carador. AnuUou.se 0
processo pela incompetence do juiz de orphios
que iniciou a aecao.
Appellacoes comnwrciaes.
Do Recife.Appellante Domingos Pinto de Frei-
tas, appellado Antonio Feireira Braga. Reforraa-
da a seutenca.
Conflicto de jurisdicgio eutre os jnizes de direi-
t) dos feitos da fazenda e do coramercio.Resol-
veu se 0 conflicto a favor do juizo dos feitos da
fazenda.
PASSA6ENS.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Almeida Alboquerqae :
Recnrsos crimes.
Do Recife. Appellante 0 desembargador presi-
dente do jury, appellado Juvencio Manoel Tihurcio
Paes Barretto.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao Sr.
desembargador Reis e Silva:
Recursos crimes.
Do Cabo. Appellante Francisco Ca tano Hi-
beiro, appellante a ju Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
Appellacdes crimes.
Da Imperatriz. Appellante Juliio Jose dos
Santos, appellada a justica.
Appella;ao civol.
Do Cabo. Appellante Manoel Ignacio de Al-
buquerque Maranhao, appellados Manoel, Ignacio,
Laurentinc e outros.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque
ao Sr. desembargador Motta:
Appellacao civel.
Do Recife. Appellantes Siiveira & C, appel-
lado Antonio Paiva da Fonceca.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Appellacdes crime.
Do Pao d'Alho. Appellants 0 jnizo, appellado
Francisco Furtado de Oliveira Cabral.
Do Sr. desembargador Accioli ao Sr. desem-
bargador Domingues SWva :
Appellacao civel.
De Maceid. Appellante Pedro Affonso de Val-
ladares, appellada Iria, por seu curador.
Do Recife. Appellante 0 barao de Nazareth,
appellados Jesuino Carneiro da Cunha e outro.
Appellacao commercial.
Appellante Luiz Jose da Costa e Silva, appella-
dos Joaquim Morcira de Mendonca e outros.
Erabargos infringentes.
Da Areia. Embargante Francisco Antonio de
Assis, embargado Alexandre Gaedes Alcoforado.
Appellacao crime.
Do Recife. Appellante 0 juixo, appellado Ma-
noel de Barros Braga.
Ao Sr. desembargador Sonza Leao :
Appellacao commercial.
Appellantes Vicente Alves Moreira e ontros,
appellados D. Silvana Fernandes de Souza e ou
tros.
Embargos infringentes.
De Agaa Preta. Embargante Jose Affonso
Ferreira, embargado Antonio Gomes de Macedo.
Do Sr. desembargador Domingues Silva ao Sr.
desembargador Souza Leao :
Embargos Infringentes.
Embargante Antonio de Souza Rego, embarga-
do Jose Joaquim Pereira.
Do Sr. desembargador Souza Leio ao Sr. des-
embargador Silva Guimaraes :
Appellacao civel.
Appellantes Luiz Francisco de Albuquerque
Mellb e outros, appellada Anna, e Maria de Albu-
querque, herdeira do padre Pedro Gomes Ferreira
e Albuquerque.
Diligeacia crime.
Ao Sr. desembargador promotor da justica :
Appellante Aurelm dos Santos Coimbra, appel-
lados Franeisco de Paula Costa e outros. Appel-
lante 0 juizo, appellado Francisco Ferreira Rosa.
Appellante 0 juizo, appellado Francisco de Paula
Cordeiro Ciatra. Appellante 0 promotor, appella-
do Dienisio Aatonio da Silva. Appellante Aure-
liano Messias do Sacramento, appellada a justica.
Appellante 0 jaizo, appellado Gabriel Jose de
HriUo. Appellante 0 juizo, appellados Vicente, e
Franeisco, escravas
Ao Sr. desembaxadorl procarador da coda :
ApeUavaocival.
Da Fazenda. Appellante Jose Hyginio de Mi-
randa, appellada a faunda.
Assignou-se dia para 0 julgamento dos seguin-
te? feitos :
Appellacoes crimes.
Da Imperatriz. Appellante 0 juizo, appellado
Lucio Soares de Albuquerque Eustaquio, e outros.
Appellacao civet.
Do Recife. Appellante Amaro Jose dos Pra-
zeres, appellado Maaoel Marques da Silva.
Appellante 0 jaizo, appellada Archanja, e Fran-
ante*.
IMSTRIBingSES.
Recursos.crimes.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
De Nazareth Recorrente 0 juizo, recorrido
Orlan 0 Miqailino de Almeida.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
De Nazareth. Recorrente 0 bacharel Pergen-
lino Saiaiva de Arauj) i>alvao, recorrido Manoel
de Macedo.
oorreole 0 juizo, recrrido
Appcllaci) ;s crime*.
Ao St. desembargador Souza Leao :
Do Rio Formozo. Appellante 0 promotor,
appellado Felix, escravo.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes:
De Gamelleira. Appellante 0 juizo, appellada
Carolina Maria da Conceicao.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago .
De ItaaAe. Appellante Jose Joaquim Dias,
appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Da Victoria Appellantes Jose Joaqaim da
Silva, appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Itambe. Appellante 0 promotor, appellado
Maneel Nery Teixeira de Borba.
Ao Sr. desembargador Accioli :
De Buiquo. Appellante Lourenjo Jas-i dc
Araujo, appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva:
De Tacaratil Appellamte Joaquim Jose Viei-
ra, appellada a justica.
Eocerrou-se a sessao as 2 horas.
Tribunal do eonamereio.
ACTA DA SESSAO DE 9 DE NOVEMBRO DE
1874.
PRBSIDBNCIA DO BXM. SR. CONSELHEIRO AKSBLMC
FRANCISCO PERBTTI.
A's 10 boras da raanha, presentes os Srs. de-
putados seeretario Olinto Bastos, Lopes Machado,
Alves Guerra, e o Sr. supplente Sa Leitao, S. Exc.
0 Sr. conselheiro presidente abrio a sessao.
Lida, foi depois approvada a acta da sessao pre-
cedente.
EXPEDIENTS.
OOlcios:
Do presidente e seeretario da junta dos correto
res, reraettendo 0 boietira das cotafoes offlciaes da
seraana de 2 a 7 do corrente. Maudou-se ar
chivar.
Da mesma jnnta, participando a transferencia
de nove acc5es da eompanhia de Beberibe.- Man-
dou-se archivar.
Distribuiram-se os seguinte3 livros :
Diario de Pereira Vianua & H. copiador de Sa
Leitao & C, dito de G-mnino Josd da Rosa.
DESPACHOS.
Requerimentos :
De Tboraaz Rodrigues Ferreira, pedindo trans
ferencia dos livros que serviram a flrma Alfredo
Barros & Ferreira.Deferi'o.
De Luiz Antonio Siqueira, para Gear sem effeito
a proenracao por elle passada a Luiz Ant.nio Si-
queira Juaior e Clemente Siqueira. Como re-
qaer.
De Alexandre Americo de Caldas Brandao, ci
dadao brasileiro, solicitando a nomeacao de ava
liadcr do juizo do comraercio.Adiado.
De Manoel da Cruz Martins, cidadao brasileiro,
impetrando a nomear;ao de avaliador do juizo com-
mercial.Adiado.
Do Eugenio Gongalves Cascao, natural desta ci
dade, de 30 annos de idade, casado, commerciaute
de fazenJas em grosso, com armazera a rna do
Marquez de Olinda, requtrenlo matricula de
commerciante. Vista ao Sr. desembargador
fiscal.
De Fernando Gomes da Silva, natural de Porto
gal, de 31 annos de idade, casado, domrciliado e
estabelecido nesta cidade on negocio de fazendas
por grosso e a retalho, pedindo matricula de com
merciante. Vista aoSr. desembargador fiscal.
De Miguel Jose da Costa e Antonio da Silva
Maltez, apresentando a registro 0 sen contrato so-
cial.Vista aoSr. desembargador fiscal.
De Ignacio de Barros Barreto, gerento da socia-
dade Auxiliadora da Agricultura de Pernambuco,
reqnerendo 0 registro dos estatutos da mesma s>
ciedade -Vista ao Sr. desembargador fiscal.
COM 0 P.vnECER FISCAL.
PeticSes :
De Ignacio Bezerra Pessoa, cidadio brasileiro,
pedindo matricula d'! commerciante. Na forma
requerida.
Do Raymundo Renrigio de Mello Junior, cila
dio brasileiro, solicitando ser nomeado agente de
leiloes desta praca.Prestada a fiantja legal, pas-
se-se 0 competente tilulo.
Nao havendo mais nda a despaclur, S. Exc. 0
Sr. conselheiro presidente encerrou a sessao as II
horas e 1)2 da manbi.
WMO^Bao
"'JBUCACBEt a PEDJ9S,
0 regedor do gymnasio provin-
cial e o professor de inglez
do mesmo Instituto.
Nao oastaate ja ser bem couhecido do publico 0
relaxamento do professor de inglez do gymnasio 3
Sr. Dr. Cbllaco; 0 pouco zelo e nenMn )> interesse
que toma elle no desempenho da cadeira qne exer-
ce, facto que podera ser attestado por Ddosquan-
tos tiveram a felicioade de ser seus discipulos
nessa materia; eutretanto varaos apresentar disto
ama prova irrefragavel, e depois da qual a ninguem
sera mais licito duvidar do relaxamento e pouco
zelo desse professor; visto ser ella fornecida por
elle proprio, corrn moslrareraos. Duas palavras,
porem, antes de la chegarmos.
0 dia 23 do mez proximo passad) deve ter sido
um dia de gloria para 0 Sr. Dr. Carneiro Monleiro,
e para todo bomera respeitador da lei, e que se
compraz com 0 seu cumpnmenn e obediencia ;
pois foi este 0 dia de esplendida victoria do Sr.
Dr. Carneiro Monteiro sobre 0 professor Collapo ;
do direito, da razao, da lei, sobre 0 orgulho. a vai-
dade, 0 capricho, a relaxagao, etc; victoria Unto
mais esplendida quanto foi ella completa e dec >i-
va, por ter sido obtida no ponto essencial e capital
da queUao torcida e desviada para todos os lados
e sentidos pela esperteza do professor de in-
glez.
No dia 23 do mer proximo passado 0 Dr. Colla-
eo, 0 professor orgulhoso, extremamente vaidoso,
que no dia 9 de m jfco do corrente anno gritou na
secrelaria do gymnaiio perante outros professoren
1 empregados, que nao svjeitava se d medida de
oriem tomada pelo seu cbefe 0 Sr. Dr. Carneiro
Monteiro a bem do aproveitamento dos alumnos,
mandando qne 0 professor de inglez, comn j& fa-
ziam os outros professoirs tie linguas, exercesse a
sua cadeira pelo espaco de duas horas diarias ; 0
hotnem que bradou enfurecido qne nao era um mi-
seravel (!) para sujeitar se aquella medida ; ess*
homem que enttlo furioso semelhava uma fera amea
gando a Deus e ao mundo, esse individno, que ar-
rotava e arrota por toda a parte poderio, gaban-
do sc de ja ter boiado fora do gymn-isio ate regedo
res, esse homem omnipotente, no dia 23 do mez
proximo passado, abntxou a grimpa, humilhou se
obedeceu a lei, foi miseravel como contidtrou os
que cumpriam seus deveres III
dos, asm pfufusor qae aaaca tem um* timtr
observ-iyo a-fnz.-r, entranlono'exereieto da eaJw
ra, par tnero ahi despeit , laneoa ama aota q I-
cara archivada para em tnoj asapo attestar,
quanto e caj.it a sui ptiMn$H,i4e, e que c 3 a.-
cu menos a ifagu.nte:
a Os alumnos da segunda dasae par mim c ir>-
gidos em o auno proximo passado aas amniai (U
primeira classe, nao retrogradaram, a eoaacrvaai W
conhecimentos que entio adqoiriram eon algam
daaenvol'imento man; porem os 4a aria* ira
classe estao exlremamante atratadot. Teado 4 id
mnito pouco da gra'aontica,aem esse poao a*
ma sabem, pois que aaado par mim mterroga
quasi a nenbnraa pergunta reaponderant
Estando esta nott em contraaiccio com as rut
semanalmeo'e 4avao repeUdor encarregado da ea-
deira de iog.ez, e qua a desemfanaava com a a:-
zelo e dedicacao que 0 professor de inglex, raaavto j
va aquelle repetidor 0 Sr. Dr. Carneiro Monte r
uma portaria ,)edindo the explicacoes a retpe :
a qual teve a seguinn resposta :
Illm. e Exm. Sr. regedor do gymaatio ir
vincial.Respondendo a portaria qoe V. S. oif
non so dirigir-me, ordenando qna, aa qailidad t-
repetidor encarregado da anla de inglez desd. 1
de marco ate 23 do Corrente, expliqae a afe-rr
pancia havida entre as nolas por mim dadas sera*
nalmente durante t 4o esse tirociuw eseotastc:.
e a que dera 0 professor cathedratico ao a^su c 1
0 exercicio d) snas fun-^V-, aillnnaodo qu
pouco sabtdo pela 2* classe Mra co.11 olio aprec
dido 0 anno passado, e que a primeira classe act*
se nimiamenle atrazada, passo a deciarar :
0 On* nao (! cxacto 0 qne afflnca 0 reltrido jr
fessor, 1st.) e, qae geralmeate fallaaoa, aa alomi -
daquella discipiina nao sa acham atraaaon ; |
contrario, kisca e.-tiuvram e e rabiuta!am
como este an.no ; 0 qua pod* V. S. vorticar per *
ou por pessoa devidaraente habil.U !a ;
Que os da 3.* classe, qae elle proprio
fessa saberem al^jmacotu*, nem tidos foram 1 -
discipulos 0 anno passado, como por exeuplo o Sr
Henrique Millet, pa comigo e-tud^u as mateti.-
que constituem a I cant* ; bam a tira 0 Ir
Scyridiao Durval, que entau ainda nao perten-:.
a e;tc estabelecimento, matricalando se nHI* 1
orrentcanao e fregnemlaniU ammUummtt i>
mnito tempo depois do rrferid* profetfr ent
no gozo de sua MBM ticenea;
t Qae quanto a !. classe, repfto.nae esta at <
zada, como diz 0 mesrao senhor, aaveado al'
dous alumnos one podem prestar exame 4aa aaa-
terias da 2.*, como ja 0 tlieram 0 aaoo aatatc
0 Sr. Eduardo Correia do R^go Banxn qae, aii
triculado n;. aula lecciooada por aquelle protessc-
della deseitou ( oroo outros) para comiro estU'lai
particularmente ;. -r n das lenans e satrias explicacon do cmai.vr
pr lessor : e 0 Sr AUaro l>^ies Macbaao, <
comigo etudon exclnsivamoato a lintua ingI
em um anno ?': sendo duas d j* ajuauo alum 1
deste institute, qne foram apprwaoa* en eaaaa-
feito na faculdade de direito doe otto aaa s* i
metteram a exame ;
< E, era summa, qae so e unieammm mo tk-
peito, a ma fr e a pre&nra > pode ser mttrtkm _
aquella celebcrrima nota. Gyniiasio, 24 4e on t
bro de I87i. O repetidor, Frann Pinto Bandeira e Accioli de Vasconcellos.
0 que li -a ahi transcripto nesta resposta
verdade mia e crua sabida e soaheeiu por
no estabelecim^jto ; e 0 proprio professor da <-
glez ja estara eMruecido das Imgas preletcoet q -
fazia na secretana do in-imtt , en vea de :.-
em sua cadeira, quando isto deeiarava alto 0 an
sora e para quem quizesse ouvir aueniaaeim-
porlava com < magistrria ; que ia a aaaraaV
por ir : qne jncm quizesse afender tut mpni
desse, quem nio qties*e pmca se Uummam at--
nao estavu mais para esforcar-te par ensimm 1
nino'irm. etc, e'c. t Ja tera ae osqoacttk*4taa
Sirva mais esse doenmento para aausnaa aa p:
blico qual e 0 earacter do profesaor 4e iagt
desse hypocrita que anJa por ab* illalaaaO aa -
cautos, envolvido em frunhas de saaio a easta
merit 1 de altestad quer passar por homem honrado reaajMaa a.
ter em saa vida um m> acto qae prove a saa rt
gio'idadj,desse icdivilao que ousaraenir 4aseaT
damente, attriburado ao Sr. Dr. C. laoateaw o^i-
elle fez com 0 n-a: Td-.sten:p*rona secretana i
gymnasio ao receber um exemplar 4c um paajct
no e lindo discurso feito e maaoado inuiriair p
urn edueando do mesmo instituto. rm gando, deape
darandoo e atirandoo ao chao, Irabattaadeci
alumno e que ou olferecido on por qualqoar oni-
modo Ihe foi cabir na mace It Km ahi 0 a/at
0 professor Collaco, 0 homem qae se aartf-
prude ate, bem ed'cidt, etcn etc II e depol* lur.
a impudencia de vir meutir 4espejadamoHe
querendo censcrar o Sr Dr. Carneiro Mo
teiro por am acto, qne elle prattcoo, qaa so e
era capaz do pralirar.
O offlcio que 0 Sr. prof-ssor de inglez dirigto 5
seu chele 0 Sr. Dr. Carneiro Mootetro nao foi r.
gado, como talvez desejaesse professor ; Sr I'
Carneiro Monteiro nio tem o earacter do arofr-
sor de inglez; nio 0 tendo devoUido, como 1
rece 0 devia fazer, r> nserva 0 para dar-meo ccr
veniente destino.
Esleja portanto descancado 0 professor de r
glez, tudo tem seu temp >.
Conlinwrsfha \
Deve estar satisfeito 0 Sr. Dr. Carneiro Montei-
ro ; a saa victoria toi plena; obteve nesia questao
a maior victoria, que podia obter, que foi a de
chamar a ordem ura professor reloxodo s orgu-
lhoso, a deter feitoentrar no cumprimento de seus
deveres um professor enfaluado e que pretendia ca-
prichosamentt e sob fnoolos pretextos aniar arre-
dio delles
Que importi que este professor sera dignidade
e sem vergonha sem animo para carregar com a
responsabilidale de seus actos, 0 ataque, 0 morda
cobardamente nas columnas de uma folna descon-
ceituada ?
A qucstao para 0 Sr. Dr. Carneiro Monteiro, esta
resolvida, e do modo 0 mais bonroso por si.
Toda ella provem de ter 0 Sr. Dr. Carneiro Mon
teiro, e com toda a razao, mandado qae 0 profes-
sor de inglez camprisseo seujdever como os outros
professores cumpriam, desse as duas horas d'aula
diar*as, a que nio quiz esse professor sujeitar-se;
mas emfira andou, virou, mexeu, gritou, berrou
esbratejou... ate qneallnal aftaixon a grimpa,
sujeitou se a dar as duas horas d'auli, como era
e e de am rigoroso dever. Agora e deixar qoe
esse professor, desasperado pelo deseDlace qne teve
essa questao provocada so e unicamente pelo seu
relaxtmento 0 orgulho arlequinte, no terreno pa-
tri'i-o e immnndo da linguagem desbragada e in-
decente dos insultos, das injurias, dos convicios,
etc.; que tudo isto muito ben lbe asseuta e con-
diz com 0 seu todo physico e moral. Deixemo-
Ihe esta palma para coroar a Candida cabeca.
Voltemos a noiso assumpto.
Como era de prever, eise deseulace triste para
0 professor de Inglez ia offendal-o no que eile tam I
de mais melindroso, na sua corda sensieel, no su j Vossas g7*cas
orgulho e como o homem orgulhoso jnlga *e sem-
pre mais offendido, quando 0 6 em sen amor pro-
prio, 0 professor de inglez assanhada c cego de rat-
va procurou contentar. resarcir seu incommensa
ravel orgulho, fosse porqae modo fosse, no l.vro
das ootas seraanaes dos pro."98ores, esse pmfe-sor
que nunca achou outra cousa para dizer de sua
aula senao que -nao ha nada a fbtervar, as ticoes
foram regulares, e isto em todos i sabbados, en-
tretauto que os pobres alumnos se q^JftfiMn fazer
seus erames na faculdade da direilo u'lhara de ir
estudar particularmente
Padre Nosso
La desse throno excelso e radiante
Onde justo exereeis 0 poder vosso,
Compassivo atlecdei as no-sas preces
Divino Creador, j ram nosso.
Os bispo., D. Vital e D. Aatonio,
Estes homens fataei, estes dous reoa,
Torcendo a santa le de vosso filbo
Conspiram contra v< 3 ite estais iros cao*.
So cumprera 03 preceitot do Anlonelii,
Que na trica e aaMMal e cousomado ;
K qut vm qn'esse iniqao proceder
Seja bora e por vc3 santificabo.
Sao elles ca na terra mais damoosos
Que os flagellos da guerra, paste e fome ;
Castigai-os, Senhor, p'ra que por elles
Mais respeitado ?r:a 0 vosso nomk.
Estes impios apost'los da impoatara
Nio querem que 0 ma^on perteoca a vos,
Nao querem que d'humana reoaopfaa
0 frucio preck)?o vsxha a xtis.
Livrai nos, alto Lens, destes dons judaa,
De eus duros capriehos defendei-nos,
Acodi vosso povc p'ra qae elle
Pom am dia chegar ah vosso reino.
0 maahoso saian, vosso inimigo,
E' quem 01 aconselha, e quem oa paita,
Pois nio quer que ao mundo em vosso Dome
Uma so obra boa seja futa.
De pertidos rainistros, tao rebeldes,
Puni, Senhor, pnm tanta maldade ;
Cm exemplo se A6 qne leve os outros
A curaprirem fieis vossa vo.mam.
0 rebanho de Caristo, vosso filho,
Dos pastores ferido. em crua guerra,
S em xira esp'riinal e sem aprisco,
Desgarrado se acba assim na tewa.
Eia, a paz :, ncedei a vossa igraja,
Expurgai de seu greroio esses increaa.
Para que gratos hymnoa se vos cante
Nesta vida mortal a>ao nos gb-'S.
vos, does Jesus, mestre adoravel,
tal ponto exalcais 0 amor vosso,
Que nem mesmo ao discip'lo traiQoeiiv
Na cea recusa tes 0 pv> nosso.
- com ontm pessoas que
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque : 'melhor ensiaassera, sob pena de sahirem r^Cirova-
Bntretanto quo ot padres jasuius,
Com nefanaa e cruel aleivosia,
Nos negam vossas gramas e ihasoaroa,
Que conforto nos e *>: cada dia.
Por amor dessa Virgem Sacre-S^ata,
Ante quem Saunaz trepida e logo,
0 ma! remedial, oh Pai Oeaaaute I
e bonctos nos dai hoje.
Como ontr'ora ^teates li no tempk
Agora contra eHos ^^*,M, i
Das igrejas tangei os mt.*cdores;
Vosso povo va ei e pumoAi.
,r
Enxotaios, Senhor, pois chega a I
Sua negra maiieta e ealpas hvidaa,
Que chegara affirmar am vosaa casa
Que vos nao pjrdoais as nos omnaa
Apiedai-vos, men Dens, da pobreavaifea
Qu'o pastor maltratou com funa atroi,
_L


m
D5arfd^e'*effltatoe* -* ^iiaritt lelm 'lfl de Ihmmhro Be #8W:
.*
Trasmall
Com o
I-*
rr
Tjurio I...A5SisiJgpgo mc.
obtermos vo
que taes
mos offensas
pastores i
[a elles nao arde am nossos pei: .
caveis vin !ictas e rancores,
vos exigistes de nos ouiros
rdao ptra -mmsvjs df-vedores.
iellaa para ads so tern anathemas,
fracas, nuldtt&s conno sabeia ;
poU aalra aa garras da* tea lohos
aais tempo, oh Jesus, nao .nos deisliv
le do "dominio temporal
erdrram por vossa miervenjao,
padres geria tanui riespeito,
Qa'tf fez-lego c.\mi * twtacao.
ermitais, Senhor, qae nos apuros
luta terrive! e fatal,
vel desespero nos arraste
reraes qua... *5ra*iimr-xos di mil.
Por um tnagon.
(Do Mephis'ophelei)
Anastacio de Mello, desejando ir a presen-
Sna Magestado para expor suas bacaa id6as,
tamente dar a Sua Alteza toda sua lbr:o-
a ae aclia nas maos dos po ieroaoa, a qua
lomerosa somma nao se lhe iom querido en-
i d onde eonsta ter nessa mcsma quantia a
[la ama immenaiiaie de contos nos-sellos de
Ipa ; e como ae ache sera recursos, recorre
1 Exc. corao amigos de Sua Magestade e de
llteza, para qne em sea favor o queiram favo-
I nesta viagem, o qae espera o supplicante aa
|nte pessoa de Vv. Exes.-: a ser procurado
do Fogo n. 30.
Se QiUobro de 1874.
Joao A naslacio de Mello.
T THParafttTxas
a ATltBtttoT. IffarrHWL'34 Fran-
cisco 0. de Souza, 3 a Manoel M. de Aie*fc, 2 a
ManoeLrfose" da Costa, 10 a Silva Gulmaraea
' ml^lt'*n|,ni'j* afcnteire.
Ti rfc3rrtC** *ni M* C-
Figueiredo.
Sardiaha 10 caixaa a Beltrao 4 Filho.
l caixa a Joaqaim Jose de Azevedo.
Toalha, meiaa e lenjos 2 caixaa a Antonio Mar
IBS.
ana i
1 eabra a faa a Costa Olive|
Semenas
\*am*. 'Rtrnitts. Rgneira.
Guirnwies. Cottobra. Lsrrrego.
Cam*. fflrandelh. BsanSia.
Mmo. Pmaflet Valenca.
Partale*r*, _ ^!Ha Real.
je
Uvae 1 caixa a Franetaeo G. de Soota, 3
den.
VI-
Vmagra 1 harril a Manoel de A. Andrade.
nho 5 barris de quiole 20 caixas a Thoraaz it
Aquino Fenceca & Successores, 156 caixaa a CM
Qha & Irmaos & C, 126 caixaa a Joaqaim L Vi#
ra, 6 caixaa a A dos Santos Goimbra, 6 barris jft
decioo a Pogas & C
OESPACHOS DB EXPORTACAfi NO DLA 9 1)1
OUTUBRO DB 1874.
Para 01 poruu do exterior.
Na aamaca hespanhola Miguel, para Barest.
lona, carregon : Amorim Irmaos & C. 753 aaccaa
earn 57,9i9 kilos de algodSo.
No oavio anatriaco Bakar, para 0 Canal, caf.
regou : B. Oliveira 4 C. 6,000 sacco3 com 450,001
kilos de auncar mascavado.
No iugar inglez Spark, para New-York, car.
regou : P. Brothera & (1 5,000 aaccoa com 375,0(i
kilos de assnear mascavado.
No vapor francez Gironde, para Bordeaat
earregou : Bailer & C. 1 aacco com 73 kilos da
caXe, e 1 barrica com 25 abacachia.
Cabecetras"de Bastes.
Caaielto'Brtiwo.
Anew fle"Ta^e vet.
Gelotieo-tteljBjtfr.- '
Camtoha. "Bspoten*.
MarjoaMe OflBvaira da Axemets*
Ponte do Lhtia. Povoa de Vanim.
Povoa de Lanhoaa. Vianna do CasteMo.
ViUa-Novade Portimao. Villa-rova de Pa.naHcio.
Villa do Conde.
^ ilha.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terce ra.
Oompanhia Indemnisadora
do Porto.
CiHTAX 2,000:000#00O.
Thmaz de Aquino Fbneeca & C, successes
agenles.
Esu oompanhia loma seg_uros mar it i mos e ter-
restrea, dando nesles 0 aeptimo anno gratis aos so-
gurados.
m 9.

uho
raei<
' eon
ill
lid
otes
nselho director da suciedade Propagadora
struccaa Publica na parocbia de Noaaa Se-
da Gra;a (na Capunga), vem pelo presente
stejnunhar sua acnsolada gratidao a IIIma.
'mpanhia italiana, sob a direccao do distincto ca-
valh#"o Sr. Buldrini, ptla subida Bneza, com qua
soub# perrtwrar a mesma sociedade, prestando
seneaasaraante um beneficio em favor della; as-
sim oatLO assegurar lhe 9eoa sinceroa servicoa nea-
t\ cliadc, e anhelar-lhe- tdp 0 beta estar poasi
v?l.
No bngue portaguea Bella Figueirense, pa
sboa, earregou : E. R. "
aalgados com 2,808 kilos.
Lisboa, earregou : E. R. Rabello & C 234 conn
5
N. B-Pcrmillirse aus-ka expea-
der d^a Mtra sobre aci piifrrml-
rfndcs dot* pulmdea e da gargaiKa.
Quando 09 pulmdes se chegam a enfermar, po-
de sa dizer qua 0 doente se acha as bordaa de
:ima enf^rmidade Inrurav I, e 0 primeiro passo
lado em tau prrigosa siiuae lo e a toss. Toraa-se
pois da ruaior impottancia o atalhar-se a raesaia
immediataroente. Se per aeaao parfantardas d#
>)ue manelra isso se pode woseguir, prompia-
mente resp|deremos com 0 Peitnral de Ana-
'.>hu!ta, cajo excellente xirope e preparado e
.'omposto cam 0 ra.arayijh.os.* e balsaraico supco de
ama arvoap do Mexico, conheciia detdc maitos
secuios peas aborigenes, corao remedio excelso
para as enB-midades polraonares. Esta mafoiti-
ira prepara||o curara a tosse dentro em poiicos
dias, e asezes em poucas horas ; alliviaa a
asthma, curara a irr.uJa uiembrana da traciaa e
impedira ^ialmeata 0 desanvolvinanto da nhty-
'-a. Ao conlrario dc-todoa eases paitoraes e xaro-
|)83 feitos da fructas e outras substancias acres e
i!e uma naMreza duvidosa, ella nao encerra em si
nenhum acidu prnssico, 0 como igualmente nao
<:ontem nenhuma mistara de antimonk), ingre-
diente este que abundantemento se encontra nas
preparagoes daquelles, e por eonsegninte 0 sen
Sosto nio produz nausea-; 0 6 suave e agradavel
13 tomar-se.
9.........
JUNTA DOS GORRETORES
"raca do Recife, IO de novetu-
bru de 1894.
AS 3 HORAS DA TARDE.
C0TACOKS OFFICIAES
ft godao do sertao ! sorte 7*200 pT 15 kilos,
hoaijam,
A /.dao dejlossorS l* sorte 7*200 por 15kilos,
hontem.
A.godao da Parahyba I* sorte 7*200 por 15
kilos posto a bordo a frete de 3|4 e
5 Oi0, hoetem.
A.godao ao Hio Grande do Norte, em pluma,
7*100 por 15 kilos posto a bordo a frete
de M|l6e 5 i>,<).
A-sucar bruto amencano regular 1*830 por
15 kilos.
I'.mbio sobre Londres a 90 djv. 26 5|8, e 26
9|I6 <1. por i*. hontem.
Dito sobre dito a 90 d|v. 26 9[16, e do banco 26
ifl d. por 15000.
Dito sobre dito a 3d|v. 26 1|4, d. por 1*000, do
banco.
Dito sobre dito a 90 d|v. 26 1|2 d. por 1*000.
Cimbio sobre Marseille, pagavtl em Paris, a 90
d|v. 360 rs. 0 franco, do banco.
Cambiosobre Paris a 90 drr. 363 rs. 0 franco, do
banco.
I to sokre dito a 3 djv. 367 rs. 0 franco, do
banco.
' ;mbio sobrs Lisboa a 90 d|v. 103 0|0 de pre-
raio, jo ti.viM, hontem.
Dito sobre dito a 90 d|v. 102 OjO de premio,
i">to sobre dito a 3 d|v. 106 0(0 de premio, do
banco.
Cmbio sobre Lisboa e Porto a 90 d|v. 102 0(0
dj premio, hoatem.
Ombio sobre 0 Rio do Janeiro a 8 div. ao par,
hontem.
tf. ae Vasconceiloa
Presidenta.
A P. de Lemos,
Secretano.
Nojjavio portuguez S. Lourengo, para a Ilhlt
da S. Miguel, earregou : T. a. Fonceca & C. Sue?
cessores 38 barris com 5,620 litros da rael.
Na barea aacioaai Marianna, para 0 Rio da
Prata, earregou : A. Loyo 600 barricas con>
70,883 kilos de assucar braneo a 100 ditas coco
12,480 dltos de dito mascavado.
Na baroa ingleza Idalique, para 0 Rio da
Praia, carragoa : II. Forster & C. 7,000 barricas
com 523,000 kflos de assucar mascivado.
Na galera hespanhola J. Sena, para Barcer*
lona, earregou : Amorim Irmaos 4 C. 566 saccae
com 41,785 kilos de algodao.
Para 01 pottos do interior.
Para 0 Rio de Janeiro, no hiate nacional fli-l
val, earregou : L. J. Silva Guimarats 200 sa:coa
com 15,000 kilos de assnear braneo. ; M. L. Paea'
Barreto 1,000 ditos com 73,000 ditos de dito.
Para 0 i*rana barcaca Santa Jra, car-
regou : Amorim Irmaee 4 C. 500 barricas coaa
54,0!'5 i|2 kilos de assnear braneo.
1 Param Maranblo, no vapor naeioaal Pmrd,
earregou: J. J. G. Beltrao & Filho 50 Jjgrricas
com 3,656 kilos de assucar braneo e 10 dftas com
1,191 ditos da dito.
Para 0 Aracaty, no hiate nacional DeusM
uie, earregou : Ibeedo Radios 10 barrica* com
64 kHoa deaaauaar branBo ; Balbino P.daBilva,
ditas com 3lH Mos'dHlila.
.Para-Maraaoguape,na barijai S./ooo, car-|
regou : B. Gomes & C. 1 caixa com 36 kilos de
doee.
Para Macao, na barcaca [iahifia dos. Anjot^
earregou : AgoaUnbo L, Vlo>-a 3 pipes oai l^iO
litros de aguardente ; paca MQS3oro, 6 mesmo' 15
ditas com 7,?00 flilos de tiita ; Carneiro 4 C. 4
Hua do Vigario
COMPANHinLLIANCA
seguros maritimos e terree
tres estabelecida na Bahi*
em 15 de Janeiro em 1871)
CAMTAL 4,000:000^000.
Toraa seguro de mercadorias e dinheiro
taeo maritimo em navio de tela e yaporei
^ara dentro e fdra do imeario, dssim come
jontra fogo sobrt pradfoa, gdneros a f
ondas.
Agente : Joaqaim Jos^ Gon^alves Beltrio
aa do Commercio n. 5, 1 andar.
rt^^tmedialarw:a,a seaeaa -do eewtesttvo
. 2i5ulas fe-'pectivas, afira de recolherera seus de-
w-veartJi de qua, nao o fawndo 4h*h 4e
rfro, se procedefa a cobral*;a juaTelalmebteTra-
Baoow do eatxeacreso aroriaeial de Peraarata
eot rde oovembrj de 1874.
O procurador Iseal. .
ni ^ ^ Cypriano Penef.io Guedes Alcoforado,
MottQao da divida do exarcieio de r872 a 1873,
prqveniente dos impostoi da decima ufbana e
collectorfd de Pao d'AIbo.
f* *ara. Dr. 8eatt Joie da Costa U.30I
Povoa^o da Gloria. JoL RodrigueV da
DitaA^10 Alexandre Carreia Lima
ih5!f. S*" raorl* 8''a*s naata comarca.
Itaborahy. Omosieiro de S.'Bento de
Olinda MAOfl
Quatorze^O mesmo 28,000
oilo. O mesnao 22 Wo
S. Bernardo. 0 mesmo t c 99 'inn
Villa. 0 mesmo I'lSS
S. Bento. 0 mesmo 39 100
Satto Antoniq. 0 mesmo ,,* aq'^ori
Ojleiro de Pedra. OmTsL *M tS
Wleir.. da Veneta. 0 mesmo m'iOO
Engenho Goita. 0 aaeamo 3fSoo
14,514
30,210
1x0,000
240,000
IS000
261,000
144,000
180,600
300,000
288,000
0,000
264,000

ditas com 1,920 ditas de dite.
.
CAPAIAZJA DA ALKANBfiGA
landimento *> dia
idea do 4U 10

it
3:037*248
f.oa ,ni. a.
Araarante.
Aoadia.
482;648f Arcos-
______Aveiro.
4:439/896' Agueda.
------ ..... Arco de Bauihe em ca-
VOLOMBS S.ihllX.3 beceiras de Bastos.
...... 14,132' garca
Barcellos.
SEGUROS
KAMTIMOS
P
CONTRA 0 FOGO.
A coropanhia Indemnisadora, estabelecidi
aesta prar^a, tonrt seguros maritimos sobrt
aavios e seus carregamentos e contra fogt
sm edificios, mercadorias e mobilias: ni
ua do Vigario n. 4, navimento terreo.
mo Cmwmtkl k Biap
Jov*j;e Tas.sio.
37Rria do Amorim&7
Saca qualquer quantia a prazo on a vista so-
bre este Banco ou tuas cespectivas agencias nas
seguintes cidades e villas de Portugal, ilhas adja-
centes e Hespanha, a saber:
Portugal
No dia 2 a 9 . .
.Mo aw 10. . .
-.'rimeira pom ... .
iagunda port*.....
farcaira porta ,
Purpicba CcBcaieio .
*


81
824
13,124
SERVigO MARITIMO
u^arangms descarragadas no trapicha da
alfandagaJ
1o dia 2 a 9 .....
Vo dia 10.......
o trapicha Coneaicio .
24
ISCEBfcUORU DB RENDAS INTERNA3 GE-
RAES DE PERNAMBUCv.
UDdimento do dia 2 a 9 13:783 4ol
i*m do dia 10. 484J945
14:270^396
43 !eja.
4i ;Rraganca.
Chaves.
Coimbra.
Coura.
Covilha.
.Castello Braneo.
Caminha.
[Elvas.
Estremoz.
'Evora.
;Esposende.
Famalicao.
Faro.
Figueira.
Fafe.
Thomar.
Tavira.
Turres Novas.
Valeoca.
Vianna.
Villa do Conde
Villa Nova da Csrveira.
21
1
'andimanto do dia
dam do dia 10
COKSULADO PROVINCIAL
2a9
RECIFE DRAINAGE
Aendimsnto do dia 2 a 9 .
rldem do dia 10......
33:92933J
3:4444403
37:373*733
12:606*924
3:492*721
0
Guard*.
Guimaraea.
Gonveia.
Lagos.
Lamego.
Lisboa.
Louie.
Melgaco.
Minndella.
Mo n Qio.
Mealhada.
Monte mor o velhp.
Oliveira de Aremeia.
Ovar.
Penafiel.
Pinhel.
Ponia de Lima.
Portimao.
Porto.
Povoa do Varzim.
Port'AlegTa.
Povoa de Lanhoso
Regoa.
Silves.
Santo Tbvrao.
Villa Real.
Vinhaes.
Visea.
Villa da Feira.
Villa Pouca de Aguiar.
Villa Real de S. Antonio.
Moimenta da Beira.
16,800
8, 4,837
3,628
3,628
6,048
3,628
9,676
6,048
3,628
2,418
2,418
3,628
2,418
4,837
3,628
16,923
12,096
3,628
Funchal.
Madrid.
Barcellona.
Vlgo.
Puenteaveas
Ilhas.
HcHpnnlia,
Fayal.
Cadis.
Orenae.
Coruna.
Badajcz.
16.099*645
ALPANDKG\
? ?ndirasnto do dia 2 a 9 .
I ita do dia to. .
183:483*ol5
21:161*712
204:645*227
D -scarregam hoje 11 da novembro de 1874.
v.por inglex Warrior mercadorias para al-
fandega.
P^tacho alleraaoAnna raeroadoriaa para alfan-
dep.
Lagar franc* Rio Grande farinha e cimento
para o trapiche Conceijao, para despa-
char.
P^tacho araericano Ernest varios generoa
para o trapiche Conceicao, para deapa-
char.
Pn-ca portugueza-.lrobe?/alageamento para o
trapiche Conceigao, para despachar.
Fitacho amerieano-JVatk-w Jaw-farinha ja dea-
pachada para o caes do Apollo.
P*tacho allemao Primus carvao ja despacha-
do para a companhia pernarabucana.
Ljgar inglezS/W/abacalhaoja despachado para
o trapiche Conceicao.
- portugoeza -Jovem Adelaide generoa es-
traageiros e nacionaes ja despacbados pa-
ra eonsumo, para terra.
Impartapilo.
Patacho partnguez Judith, entrado do Ria Gran-
i. j do Sul em 9 do co rente e ponsignado a Pereira
v anna 4 C, manifcstou :
Couros seacos 80.
Graxa emtexigas 4,121 kilo?.
Xarque 179,635klos a ordem.
Patacho naeioaal Africano, entrado do Rio Gran- I
i do Sul *m 10 do corrente e consigaado a Amo-
r.m Irmaos >J C, manifest**:
Couroa aeecos 30.
Graxa em liexiga 2,880 kilos.
Sebo em raraa 1.83U kilos.
Xarque 191,390 kilos a ordem.
Vapor poriuguez Julio Diniz, eatrado de Lisboa
na mesma data econsignado a E. R. Rabello & C.
manifestou: % '
Castanhas-10 saccos aS. Guimarue3 & C, I a
itinoel Jose" la Cnnha Porto. Cebo'.as 20 caixas
a Silva Guinian'es & C.
Doces 1 caixa a Manoel J. da C Porto, 1 a An-
tonio J. C. Gfimaraes, 1 a Silva Gaimaraes & C.
Ervilhaa 2 caixas a Silva GuimarJea & C.
Flares medicinaes 2 volumes a Thomaz de Aqui-
no Fonceea 4 Successors. Figos 10 grades a
Heltrio 4 Filho. Prwetas 3 caixaa a Manoel Fer-
AGENQAS PROVINCIAES
Liquidua espiritnosos.
lendimento de 2 a 7 1:517*071
Idem do dia 9 189*931
ilendimento de
Idem do dia 9
Bacalbao, etc.
a 7 1:413*796
694*562
Farinha de trigo, etc.
Rendimento de 2 a 7 54*560
Idem do dia 9 991*481
1:707*002
2:108*358
Generoa
Rendimento de 2 a 7
Idem do dia 9
-------------1:016*044
de estiva.
1:002*331
368*820
Rendimento de 2
:dem do d!a 9
Furao,
a 7
etc.
713*996
37*080
Rendimento de
idem do dia 9
Vinagre, etc.
a 7 497*257
22*711
1-371*152
731*076
519*968
7:503*600
rain Mala, 2 a Manoel R. de Mendonca,
Livna 1 caixa a De-Lailhacar 4 C, 1
T. da Costa.
C, 1 Francisco
Tbesouro provincial de Pernambuco, 10
de novembro de 1874.
0 escrivSo,
J. C. M. da'Silva Santos.
SEGUROS
e contra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pernambuoana.
RUA DO COMMERCIO R. 84.
Seguro contra-fogo
rflB LIVERPOOL & LONDON 4 GLOI
INSURANCE COMPANY
Agentes
SAUN DERS BROTHERS AC.
11Corp SaotoIt
Banco do Minho.
Beltrao & Filho sacam
Joaquim Jose Gonjalves
por todos os vaporea sobre
Anadia. Evora.
Aguida. Fale.
Aveiro. Faro.
Beja. Gnarda.
Chaves. Leiria.
I Bras. ttsboa.
Monsao.
Ovar.
Porto.
Tavira.
Regoa.
Vizeo.
Augusto F. dMiveira &C.
A casa commercial e bancaria do Augusto
j d'Oliveira AC, i rua do Commercio ns
42, encarrega-se de execur^ao de ordens
para embarque de productos e de todos o-
mais negocios de commissao, quer commer'
'iiaes, quer bancarios.
Deconta lettras, e toma dinheiro a pre-
mio, compra can.biaes, e saca & vista e *
Jttzo, a* vontade do tomador, sobre as se-
guintes pracas estrangeiras e nacionaes :
Loudres. Sobre o union bank of
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIC BANK,
limited, e varias casas de l. classe.
Paris. Sobre os banqueiros rorjn
& C, HARCUARD ANDRE & C. 6 A. BUCQUR,
VIGNAL & C.
Ilauihiii'^o. Sobre os Srs. joao
SCHU BACK & FILHOS.
Lisboa. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS & VIANNA, 6 9EBASTIAO 40SE DF
ABREU.
Porto. Sobre o banco oniao do p
Oj Sr. JOAQUIM PINTO DA FONSECA.
Para. Sobre o banco commekcia-
oo para, e os Srs. FRANCISCO oaudencio da
COSTA & FILHOS.
Haranhao. Sobre'o Sr. jose fer
aEIRA DA SILVA JUNIOR.
Bahia. Sobre os Srs. marinhos 4 c
Rio de Janeiro. Sobre o banco
INDUSTRIAL E MERCANTIL, BANCO NACIONAL e
3ANQUE BRASILIENNE FRANQAISE.
IStfiMENTS 39 POBTCS.
liavios entrados no dia 10.
Rio Grande do Sul 41 dias patacho Africana,
de 173 toneUdaa, capitSo Tito Job, equipagem
10, carga 162,390 kilos de carne, a Amorim
Irmio&C.
Una de Fernando 35 horaa. vapor nacional Ja-
guaribe, de 459 toneladas, commandante Jnlio
Gomes da Silva Neves, equipagem 30, carga
varios generoa ; a companbia pernambueana.
Porto, Lisboa, Santiago = 17 dias, sendo do olti
mo porto 7, vapor portuguez Julio Diniz, de
880 toneladas, commandante Joaquim Jose Con-
tente, equipagem 53, carga varios generoa : a
B.. Rabello 4 C.
Navio* sahidos no mesmo dia,
portoa do norte Vapor brasileiro Para, com-
mandante 1* tenenle Carlos A. Gomes, earga
assnear e ontros- genaros.
New-York Barea aueca Montca, capiiao C. 1
Lenberg, carga assucar.
New-York Patacho, araerioano Sttsam. Bergen,
capitao M. Ctaanneey, carga assucar.''
SITAS.
SB
41 oroqurador tlseal do tbesonre provincia, 4
Pernambaco declara aos contribuiutesdos diveraoa
irnpoatos do exarcieio da 1872 a 1873, a cargo das
collectorias de Pao d'Alho e Limoeiro que lhes flea
marcado o prazo iraprorogavel de 30 dtaa, a contar
da publicacao de8te, na conformidade da lei n. 891
Propriedade Remedios. 0 mesmo
.,.,, t. lm*K>sU>da4Jina.
u ^wo -n- 48. Marcionilla
Maria da (iiaceieao
Boa da M*rlz-fc.-|Ctera1ijnola>S(.
t Coelho.
R Maria da Conceicao
Dili. n. Jl letnnvuio de Souza Coe-
llo ^
Vila do Bom Jardiiu,xui do Commer-
fio n. 4. Severino Ferreira da Silva
Beeco da Matrizn. 9. Viuva de Victori-
o Barges
Rua Direita n. 14. Ignacio Joaquim 4o
Nascuaeuto
Rua da Viracao n. 7. Feliciaaa Pereira
de Lyra Lopes
Rua do Rio n. 15. Manoel Jose" doa
Santos
Dita n. 4. Manoel Francisco de Souza
Bna do Sol n. 5. Jose" Antonio Brturra
de Meneaes
Dita a. 13. Joaquim GoDcalves da Costa
Lima
Dita n. 13. Geremias Ferreira da Silva
Rua do Passeio n. I a. Joao Gomes
Soarea
Dita n. 16. Severino Ferreira da Silva
Rua do Vigario ns. 1 e 3. Padre Severino
lose Benicio da Araujo
Rua da Aurora n. 3 A. Antonio Joa-
qaim Freire
Dita n. 14. Christovao doa Santos Ca-
Hit II -
Povoafio de S: Jose da Boa Esperanca,
antiga povoa;ao de Pedra Tapada,
Herculano Jose de Amorim
Dita. Bellarmiao Barbosa da Silva
Dita. Leaodro de tal
Dita. Antonio Lmz Bienes
Dita. Antonio Mendes da Rocha
Dita. T. oente Juliao Gonjatves de Li-
ma Santo Antao
Dita. Francuco Jose Martins Santo An-
tao
Povoacao da Vertente de Taquaretinga,
Joao Jose de Bruce
Dita. Manoel Rodrigues
Dita. Joaquim Bezerra de Araujo
Dita. Francisco Ferreira Goncalvas Car-
neiro
Dita. 0 mesmo
Dita. Antonio Rodrigues Alves doa San-
tos
Dita. Manoel Florentine Bezerra Caval-
oante
Dita. Antonio Rodriguea Alves dos
Santos
Impoalo de 4 por cento.
Villa do Limoeiro. Francisco Ignacio de
Lima Cabral
Suruliim. Manoel Jose de Sant'Anna
Dito. J. ao Franoisoo de Souza
Dito. Joaquim Candeia Guimaraes
Dito. Francisco de Bnto Lyra
Dito. load Bruno de Oliveira
Dito. Luiz Theotonio Bezurra
Dito. Ant nil Candeia Guimaraes
Vertente. Manoel Rodrigues dos Santos
Dita. Joao Jose de Bruce
Dita. Mnofl Lopes da Silva Vieira
Dita. Jose Pereira da Silva Lima
Dita. J-.-ao Alves
Dita. Jeronymo Corroia de Albuquer-
que
Volta. Can li-lo Pereira da Silva, ma-
rbina
Uatnmbo. .!-.-e Manoel Teixelra, ma-
china
Juea. Vicente Joaquim de Miranda,
idem
Tanques. An'O'io Jose de Agui3r,
idem
Villa do Bom Jardim. Francisco Socra-
tes do Monte .
Jita. Claudiuo Augusto do Lago, bo-
tica 5.376
Dita. Joio Rodolptio Marinho Palcao 2,688
Imposto de 8 por canto.
Villa do Limoeiro. Henrique da Silva
Rabell'i, cartono 5,376
Dita. Dr. Emygdio Marques Santiago,
eScrip'orio de advogado 8,615
Villa do Bom J rJiui. Dr. Jo.-e Antcnio
de Alcovia, idem 8'615
Dita. Eloy da Cunha Souto Maior, car-
torio 4,300
Seccao do cimtenoioso do tbesouro provincial de
Pernambuco, z de novembro de 1874.
0 ! official,
________Horacio Walfrido Peregrino da Silva.
Oonsutad / provincial.
Para sciencia dos cootribuintes do imposto de
decima urbana e 03 pfTeitos legaes, em segnida pu-
blicarrj-se as alteracpea veriQcadas no lancamento
do mesmo imposto no corrente aaao financeiro de
1874 a 1875, licando aberto 0 prazj de 30 dias,
nos termos do art. 38 do regulamenta de 6 de
abril do correute anno, as reclamaQdcs que por
ventura possam ter a fazer os interessadoi.
Alteracoea verificadas no exercicie de 1874 a 1875,
no lancamento da decima nrbana, da freguezia
de S. Jose, pelo lancador Izidoro Theodulo de
Mattos Ferreira.
Rua do padre Floriano.
N. 8. llomao Jose da Silva Marques,
uma casa terrea arrendada por lli.OlO
N. 11 Bernardo Jose da Rocha, terrea
por 191,000
N. 16. Ordem terceira do Carmo, ter-
rea por 249,000
N. 18. a mesma, ama casa terrea
Por 249,000
N. 36. Irmandade de S. Pedro, uma
casa terrea por 210,000
N. 64. Joaquim Jose" Ferreira I'inbo,
nma casa terrea arr 300,000
N. 74 Jose Joaqnim ftrreira de Sooza,
oma casa terrea por 480,000
N. 13. Joaquim Maria Pereira Vianna,
uma casa terrea por 216,000
N. 37. Irmandade ie S. Pedro, uma
casa terrea por 200,000
N. 41. Seratlm Clemente de Souza e
Silva, uma casa t.rrea dividida em 2,
tndo por 456,000
N. 61, Bernardino Josi Leitao e outros,
uma casa terrea por 261,000
N. 69. Miguel GonpaTves de Brito, ura
sobrado de 1 andar a loja, tudo ar-
rendado por 540,000
Rua de Christovao Colombo.
N. 15. Ordem 31 do Carmo, nma casa
terrea pur 300,000
N. II- Irmandade deS. Pedro, uma ca-
sa terrea por 240,000
N. 6. Kicardo Jose de Freitaa, nma ca-
sa terrea por 300,000
H. 16. Hermenegildo Netto de Azavedo
Miutinho, nma casa terrea arrenda-
da por *!6,OO0
N. 14. Jose Joaquim Goncalvea Bastos,
uma caaai terrea aor 110,000
N. 22. Tiburcio Valeriano Baptista, uma
casa terrea por 216,000
II. 28. Laiz Ferreira de Almeida, nma
caaa lerrea por 334,000
1 VT Aoa da Jardim.
N. I. iAoteoio Fvanciseo da Silva Coe-
I ho, uma casa terra* por 5164,600
N. 42. Maria da Conceicao, ami casa i
terrea por 324,000
tf. 15. Manoel Alvea Guerra, ama casa
terrea por 240,000
N. ZI. Joaqaim Tjiaa Fernandes, uma
7,257
3.628
6,018
18,114
10,895
4,837
6,048
7,257
7,257
6,018
4,837
3,628
6,018
6,018
3,628
3,223
2,688
2,668
2,668
2,'688
2,668
2,688
2,688
2.688
2,688
2,6^8
2,688
2.688
2,688
2,688
2,688
2,688
2,688
e*sa ftrtin, vAM'SdQb, jrrrWffeft
If. 29. imm 3 to esrwc, -nwa easa
terrea por
N. 33. Irmandade *e N. f. da Pai da
Soledade, nma casa terrea arrendada
por
N. 37. Clarintfo Ferreira Catao, ana
caaa terrea por
Travessados Opiarea.
in. 1. Maria Magdalena da Caaceicao,
uma casa terrea por
v Rua do !"Bfe.
W. 2. Monsenhor Francisco Muniz Ta-
vares, uma casa terrea por
N. 26. Antonio Jose" Rodrtgoas de Soo-
za, nma casa terrea por
N. 30. A menor, Maria e fiiaoa, uma
casa terrea por
N. 44. Jovino CandJdo Barral da Fon-
ceca, ami casa terrea por
N. 46. Bernardino Goncalves Salgado,
nma casa terrea por
.\. 54. Desembargaior Fraociaeo de
Asais Oliveira Maciel, nma casa ter-
rea por
N. 5. Francisco Salles Botelho, uma
casa terrea por
N. 7. 0 mesmo, nma casa terrea arren-
dada por
Raa de Antonio Henriquea.
a. 18. Luh LeopoMo dos Guimaraes
Peixoto, uma caaa terrea por
N. 20. Zeferiao daSilvaPavioe ouiros
uma caia terrea dividida am 3, e
um qaarto ao taodo, tudo arrendado
por
N. I. Jase Joa1|urm da Coaaa Leite, uma
casa terrea por
N. 11. Baaao de Una, uma casa terrea
por >
N. 15. Laiz Amavei Dubourcq, nma ca-
sa terrea por
Raa do Nogaeira.
N. 16. Igaez Maria das Dores, uma ca-
sa terrea por
N. 18. Bento de Freitaa Guimaraes 0
outros, uma casa terrea com sotao,
tudo arrendado por
N. 28, Jose Fernandas da Silva Teixei-
ra de Mello, urn sobrado de 2 aada-
res e loja, tudo arrendado por
N. 46. Irmandade de S. Pedro, nma
casa terrea arrendada por
N. 15 Joao Borges Alves, ama casa
terrea por
N. 19. lzibel Raymanda doa Santos
Pinhriro, um sobrado de 2 andares e
loja, tudo por
N. 3'.). Francisco Jos6 de Araujo, 1 so-
brado de 1 andar e loja, tudo arren-
dado por
N. 49. Joao Fernandea Ramos de Oli-
veira, uma casa lerrea por
Primeira seccSo doconsuUdo provincial, 27'da
oatubro de 1874.
0 chefe,
Eduardo A. de Oliveira.
Cooforme.-0 official Joao Joaoarv aSjjoeira
varejao.
Couforma.-Miguel Afiooao Ferreira.
CECURACOK.
216,000
141,000
111,000
516,000
400,009
360,000
144,000
180,000
300,000
381,000
720,000
300,000
300,000
924,000
660,000
420,000
consulado moxiftm.
Neita reparticao arrecada-.se MvaaoeMe dtrraa-
e 0 corrente mez as kBportaiieias alas >ppai iku
ancaqaineutos, dileren;aj a aaauida4ea dav 4m '
companhia Recife Drainage, no trime.tre de jaaaj*
a dezembro de 4872, peios predios -Uua raa
do Marquez do Berval e Padre .N'obreia, ana 4
conformidade cam 1 portaria do Sr. iasaaalii aV>
ihasouD provincial a aa novas rela^Oaa aaa suhs-
litoicao as prlmairas.
Consulado pravincial 6V PernaaaWc >. *
de novemmbro de 1871.
O administrator,
Antonio C. Hachaii* Riot.
0 Him. Sr. mspector do thesouro provin.ia
manda fazer publico, que em cuinprimento da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia, de 21 de
agosto ultimo, tem de ser centratado |>erant a
junu do mesmo thesouro, no dia IV do eerrente,
0 fornecimento dos moveis preciaos para aa esco-
ias do sexo feminino]de Tejucupapo, Paratibe, Rio
Doce, C.Ionia Isabel, Pedra Mulle, Giquia e rua
Imperia', os quaes vao declaraJos na tabella abai-
xo transcripta.
As peas: as que quizorera contratar 0 forneci-
mento, cumparetara na saia das sessoea da mesma
junta, pelo meio dia do dia acima indicado.
Secretaria do thesouro provincial de Pernambu-
co, 9 de novembro de 1874.
TABELLA.
7 quadroa com efflgie do Senhor Cruxificado
com 0,m66 de altura e 0,m44 de largura a 10 000
cadaura, 70 000.
7 mesas de amarello com I,-nil de comprimen-
to, 0,m63 de largura e 0,m75 de altura, com pes
torneados e duas gavetas, uma Hi, 151^.
7 cadeirus de bracos, de amarello, uma 16*,
112 j.
11 cadeiras singellas, uma 8a, I12|.
7 estradoa de louro com l,m60 de comprimento,
l.mlO de largura e 0,15 de altura, um 20^, 140*.
21 classes ou mesoes de amarello com 2,m64 de
comprimento, 0,ml4 de largura, 0,m72 de altura
na freute e 0,m76 do lado opposto, com pes tor-
neados, contendo4 linteiros e 3 traslados em qaa-
dros, um 34*, 238*.
28 bantoide amarello (assento de palhinha) com
2,m6i de comprimento, 0,m23 de largura e 0,ml5
de altura, com pes t rneados, nm 23*, 700*.
o cnmiirimnn,
-7 pedias para culouloe 00m t,u.o d,
to e l,ro3 de largura, uma 10*, 70*.
21 cabides de amarello com 8 tornoa am
103*000.
7 regoaa de jacaranda, ama 300 rs., 3^500.
7 escrivanias de metal, uma 5*, 35*.
7 theares singellos, um 10*, 70*.
7 jarras uma 0*, 35*.
7 cocos de folha de ferro, um 1*, 7*.
21 bacios com lampas, um i&, 42*.
7 tubos de amarello, um 7*, 49*
0 secretario,
__________ Miguel Afloiiso Ferreira.
SANTA CASA. DA M1SLRICORLJA TO
RECIFE.
A lllma. jnnta admin 1 strativa 4a Saaaa Caaa 4a
Miaerieordia do Raeafe, aaaaia fasari
aataalade suas aaaaoaa,o dia aSda 1
las 3 boras da tardn, tarn deaar
Tuem mais vantagens offerecer, pelo 1
a tres annos, aa reodas dea predioa aai aagaida
1 eel ar ados.
BSTABELECIMENTO DB CAJUiMDK.
Roa das ''ilradm
Idem n. 34........2tt>con
Vidal de Negreirea.
Casa terrea n. 114......Wt0m
Idem n. 9*.........3aftu*
Roa larga do Rosanu.
I andar e loja n 21 A.
t.'andar a 24 A..
I.' andar n. 14 A. ...
Roa de Antonio Henrique*.
'^asa terrea n. M :. .
Largo da Canipiaa.
idem n II (fochada/......l>)*00r
I!':,1 do I'l.ri'iiel Siia.-.-uua
1* andar d. s brado numer-i 91 306*00*
PATRIM' ).M<) IM >S ORPUAOS.
Rua d Moeda.
Usa tenea u. Si fschad:i>.. av*W
R<-ce<> Casa terrea n. 13....... 4S1J0M
Hu;> aa l.ioa.
Casa terrea n. 11.......*ii*JOC'
Rua do Amorim.
Sobr*do de 2 aodaTe* n. 23 COSeVMft
Casa terrea n. 31......2t*3oC
Ruar do Kngos.
Casa terrea n. 21.......153* W
Roa d) Vigario.
t" andar do sobrado n. 27 .
! andar do mesmo.....
Loja do mesmo......
Raa do Encantam^nto.
Sobrado de 2 andares n. 13 (feeaada).
Rua da Seoul! a valka
Idem n. 16.......
Roa da Guia.
Casa terrea n. 25 .
Idem n. 29.......
Rua da Crnr
Sobrado 4o 2 andares n. i2 fferhada).
:dam n. 11.........
RaadeS. J> rga
rasa te rea n. 100 (feebada) .
Idem n. 103 ...
Rua do Ampare KJ.ioda)
Ca*a tercea n. 18 (feehada)....
Os pretendentes dever^o apreseatar
arremat
acompan
pagar ale
H3iOU
240*100
300*10
209*-1K1
209*:..
sw#oo
00*<*
600*ro
311*10r>
207*100
taOiCOO
ao acto da
as anaa flanc?s, on eomparecarap
a doa respectiViM fladores, duanaaV
renda, 0 premio da quantia u.
De ordem do Exra. Sr. conselheiro director,
viaconde de Camaragibe, faco publico qua esta
posta a coocurso, com 0 prazo de quatro mezes, a
contar da data deste, a eadeira de inglez do curso
preparatorio aanexo a esta faculdade, vaga por
ter fallecido 0 respective professor Carlo-i Adolpho
de Avllar Alchorne, pelo que 08 que ae quizerem
inscrever deverao apreentar-se desde Ja com do-
cumentos que provem : l., sua qualidade de ci-
dadao brasileiro; 2.*, maioridade legal ; 3.*, mo-
ra!idade altestada pelos respectivos parochos e fo-
lha corrida nos lugares onde houwri-m resi-iido
nos cinco nltimos annos ; 4." capacidade profes-
sional, a qual pr va-se exhibindo ocandidato al-
gum dos seguintes decumentoa :titulo de capa-
cldade na materia em concurso, conferido pelo
conselhodirector da !nitruccao primaria e secun-
daria do municipio da cOrte; tilnlo de professor
tambem da materia em concurao, eoncedido pelo
governo imperial ; diploma de bacharel ou de
doutor nas faculdades do imperio on academias
estrangeiras, ou de bachareis em lettras.
As pessoas notaveis por sea laieato e reconbe-
cidamente habilitadaa, poderao ser diapenaa as da
prova de capacidade pelo governo ; e as que a
nao poderem provar ou obliverem diapensa, passa
rao por um exame antes de serem admittidaa a
concurso, tudo de conformidade com 0 capitulo
4. do regulamento de 4 de maio de 1856.
E para conatar mandoa 0 meams Exm. Sr. con-
selheiro director affixar esta ediial, que sera pu
blicado nesta provincia, na curie e nas provincias
mais proximas.
Secretaria da faculdade de direile do Recife, 9
de novembro de 1874.
0 secretario.
Jose Honorio B. de Menezea
ijne for se,, o predio qua co&iver ealabda^-
mento com \i, assim como o servico da lia-
peza e prei;o spparelhos.
Secretaria nla iJxsadaJMisericordia do F
cife, 17 de satembro de 1874.
0 escnvao,
_____________Pedro Rodrigvs -h Sowxa.
Institute Arclieoliigcico e Gcogra-
phico PernaniiiiiicaQo.
Daverd sessSo ordinaria riuinta-feira, 1 i
do correute ootubro, pelas 11 boras da mi-
nha.
ORDEM DO DIA
1. Questoes adiadas.
2." Parecercs e mais trabalhos de enm-
m issues.
." ralusna tiucimia.
Seer taria do Instiluto, 0 dc iiovembr.
1874.
J. SOARES O'A/.EVEDO,
____________Secretario pfrpetuo.
Iastituto Medico Pernanibu-
cano
Quarta-feira proxima, (I do corrente mez, as 7
boras da njite, e na saia das aeaafal do costnm .
proender se lia a eleicau da direccao e raai 'ni.
cion-iriis q-ie teraa de servir no aoao ee U:lic
de 1873. R.cife, 9 ii n'-vembro de 1874.
Dr. A. Cbaceo,
! searatario.
Irmandade
0 I:lm. Sr. inspector do thesouro proviucial
manda fazer publico, que em comprimento da or
dem do Exm. ST. presidente da provincia, de 23
do corrente, lem de ser arremalada no dia 26 de
novembro proximo vindouro. peraote a junta da
fazenda do mesmo thesouro, a obra dos reparos do
erapadramento do ! a 2 lancos da estrada de
Palmares, orcada em 11:880*, e debaixo das con-
di;5es abuixo transcriptas.
As pessoas que se propozerera a esta arremata-
q3o, compare cam na aata das se&aoea da referida
junta, no dia acima inJioado, pelo meio dia.
E para conStar a qaera interessar posaa, ae man-
dou faze pubjtoo pelo presente Dtario.
Secretaria doinesoaro provincial de Pernambu-
co, 30 de outubro de 1874.
0 secretario,
Miguel Alfonso Ferreira.
Claaaulaa especiaes para a arrematacao
1 das obras.
1."
As obras de raparoa e eapedramento do 1 e 2
lancos da estrada de Palmares a Pimeoaeiras, na
imrortancia de 11:880), serao exeeotadas de con-
formidade com 0 respectivo orcamenio a desenhoi
juntos, approvados pelo Exm. Sr. presidente da
provincia, e instru^Sss do engeoheiro encarrega-
do da fiscalisacao dos trabalhos.
0 arrematante dara comedo aos trabalhos no
prazo de 15 dias, e as cenciuira no de 5 mezes,
prazo contado depoia de findo 0 pri-
e-te ultimo
siro.
V
JBOa pagamentoa serao feiteaem quatro preatacoas
Iguaes, a praporcio dos trabalhos executados.
4.*
Finalmente, em tudo mais qae aqui nao vai ea-
peciOcado, seguir-se-ha 0 qne a respoito alapoe 0
regulamento de 21 de fevereiro da 1874.
Cabo, 16 de outubro de 1874. Asaignado, 0
engenheiro Joaqaim G.Coelao.
ilas, aluMM frccla na nintrfx J
::lli 1'ltOIlie.
Nio se ; .: > reanido numero legal 4e iru.io-
para a elei,. la mesa regedora que lea de fi.oc-
cionarnoai.M sal de 1874 a 1875, ?*
de novo coii 1 ios, da ordem do neato irana
uiz, a coinp...i..-erem no conai-torio da laiaa.t
irmandade, na sexta feira 13 do corrente, ae 4 ao
raa da Larde.
Consistorio da Irmandade das Almas, ere-'a n
matriz de Santo Antjui", aoa 10 de noveoibiu d
1874.
0 escrivao,
Francisco Ferreira Novaes Filhi.
Sttnl Caaa de WSmSZSMm aW
Reeile.
A junta administraliva da Santa Casa da Miseri
cordia do Recife contrata a demoKcio e rf ~ -
trucca.) da caaa sita a roa do Boa Jama n. if
or;ada em 5:323-^. com qnern se proposer fazer a
obra por me nor preco.
Oa pagamentoa serao em tr?s preslacrjes ignif
a 1* depoii da eomecar a nova obr.t, a 2' qaji:!
concluir a ccberta, e a 3* quando enlregsr a obr-
Decrip-;ao da obra.
Demolir to Jo 0 predio, constroir de aovo aa ao
brado de um andar, deixando qnairo porta t>
anlar itrreo a quatro no primeiro andar, en ca..
freute. As portaa do an Jar terreo serao da m 1
diiihoeasdo 1* andar 4e aaaaaaaa aaioavada
amarello, guarnec^das coa himibraras oava a -
leiras novas de cor iao, l>las eorn cipiteit de padr
mulatinba ; levario bar rotes taratem to amar T
pa'a receber as bandeiras de ferro fornidas k
i-ireolares e outras de madeira (aaareUo) por ' ..
tro das de ferro.
No primeiro andar as porlas lerao caixilk -
amarello e barrotes para reeeberem bandairas k
ferro e da madeira semi circulars* igoaea as di
:>odar terreo.
Aa duas Ii antes lerio eornijas, acrotarioa, cn-
caaameBtos e aaeadaa de pedra mulalinba oC<;ia
varandas corridas, novas, nda-pi- a corr.mac 1!
amarello. 0 ladrilho sera de asp ha to sobre um -
njolo. 0 aoalbo do 1* andar sera 4* loom 4a boa
ip-.ali lade, aeoeo eaasent'do a meio fio. 0 inve
jamento sera de madeira de qualidade,
.n dessa a qae for muil> flexivel. Toda a
sert nova e verificada pelo airdaao I
da obra antes de ser eaipr-gada. Todo o material
vt iho pertencera ao arrematante, qua ao aodera
aprnveitar para a obra nova ta tiiotos a a Mates
que estiverem inteiros.
A escala sera de aaia votta com aadaballa 6-
costado de amarello. As portaa, caixjOids a bar
deiras levario ares roios 4e tata.
Aa propoMM am carias feebaiaa aaaaa raawa
das na secretaria da Santa Casa, no dia 19 do ear
rente.
Secretaria da Santa Casa de Miaerirorana 4o Ba-
cife, 9 de novembro de 1874.
0 escrivao,
____ Pedro Hodrigaie* T
inapteMT 4a*ase*7-
4aM4adaraaaaa
faro
De ordem do Illro, Sr. _
raria de fazenda desta provincial
se.-aao da junta da it de novanaoroj
ro ira novam^nte a praca o arraadaa
prio nacionalBameftoooe aww 4a qaarM
de cavallaria, em Santo Aouro ai Salaas, fn-



Jiano ae jVernambuou Qaarta teira 11 tie Novembro a 1874 *t
eriado-se k qaera auto vaotagens offeree* i fa-
lendi: os preteudeotes que precisarem, de alga
mas explicacoei, dinjam-se a esu reparilcio.
Seeretaria da toesouiaria de faxenda de Pernam
buoo, t7 e ooto*f det874.
Jucusoiaoo Rodngaes de Oiiveira,
___ Seeretario da junta.
"T
Ttwmaz de Aquinu Fonceca 4 C.
Sneccssores
laeeam-por todos os vaporos, sobra as segnintea
pracas:
' Usboa. Regoa.
Porto. Cnaves.
Bra(t Villa Ftor.
Viacna. Miraudella.
Vtseo. Alij6.
Unarda. Favaios.
Ooiroera. Braganca.
Goimaraes Lamego.
Rio de Janeiro.
Na rna do Vigario n. 19.
PROCRESMI MAR1TIMO DO PORTO
Emprrsa porlarac de nav*iacao a
vapor enlre Portugal e o Kraall
O ^APOR
JWAO VWVL
Cmmandantc Csntente
E' esperado de Por-
togal ate o dia 11 do
corrente, seguindo de- .
pois de peqaena de-.
raora dentro do porto
para a Bahia e Rio de
Janeiro.
Passageiis, e fretes de carga, eacommendas e
e valores; a tratar coin m
AGENTES
K. R. ftatWIlo C.
17Rua do Commercio 17
Entrada pelo largo do Pelourinho.
Rio de Janeiro.
Companhta Fidelida e
Seguros raaritimos lerrostres
A ageocia desta cooipauhta toma s-gvros mari-
time* e terrestraa, a preroios razoavela, dando nos
altimos e seta livre, eo setimo aaoe tgratuitj ao
segovade.
Peticiaao Jose Gomes,
Agente.
TRIBUNAL DO COMMERCIO DE PEKNAM
BJJCO
Esta seeretaria daado eumprimeato a resolucio
r3o meritrssimo tribunal, toma da emaessao de him-
lem, fat constar qae tieara elimiaados da lista,
qae se oonieiu no edital da cunvoeicao do collegio
commercial para a eleicao quo se teiu de proce.ier
no dia & de dezembro proximo viadonro, o* Srs.
Joaquim Jose Ramos Juxi Alves Barbosa Junior,
am eonsequencia de estarem i gaimeate fallidos
Seeretaria do tribunal do commercio de
Poroembuco, 10 deuovembro de 1874.
O official- r-aior,
Julio Guimardes.
* i
Sahira com brevidade
rua do Vigario n. 7.
phuIo.
para carga trata-se oa
No dia 13 do com ute, fiada a aadieneia do
Sr. Dr. juix substituto da 1* vara, tem de ir a pra-
ea para ser arrematada por quern mais d jr, uma
araacao de louro, em uao estado, e dous bra cos
de arandellas para gaz e um r egistro, tuda avalia
do por 136*, peuborados a Ladmiao Rodolptao de
Araojo Cesar, por exeencAo do eoramendador J ae
Pedro da Silva.
Quaria feira, ll do corrente, pelas 11 boras
do dia, tem de ir a praea, perante o Dr. juiz de
diretto da 2' vara, c m o abatiraento da dita pane,
a armacao e mais objectos existeutea na loja n. 91,
sita a rua de Marcilio Dias, a qual vai a praca por
execocao de Francisco Antonio da Rosa contra Te-
mirtocles Canato de Aguiar, kudo lugar a arre
malacao na me? ma loja.
TBEATM
Santo Antonio
Familia Keller.
Especlaciiio em granle gala
ena rrgosijo i vislta do
Exm. Sr. conselbeiru mimstro do imperio
a sua provincia natal
Joao Alfredo Correta d'Oliweira,
Sabbado 14 do corrente.
Honrado com a prftsen^a de
A. Exe. o Sr. luinietro
e de
*t.-Kxc. o Sr. presidente da provincia
Prograinma.
1.* parte.
Dara principio ao espectaculo ci m o grandioso
jaadro, canudo pela compauhia :
A gloria do Brasil I o Imniio
nari 2.* parte.
Os sete qnadros A i Paixiio.
iituuiouic .ujcuic ,l iMiiiiaiiu.i.iui yvi cautus a-
-:ros dirigido pelo disliocio maestro Rosas.
1.* Senieaca de Pilatoi (Raphael).
2.* Caminbo do Gulg -tha (Kubens), conhecido
pelo nome de Pasmo da Cecilia.
3.* Ch^gada ao Mout Calvano (Rubens).
. A elevagao (Rubens).
8.' 0 ultimo sn>piro (Rubens)
&. O descimento (Rubens.).
7.* A resurreicao (Raphael)
3.a parte.
0 grandioso quadro nacional, com um prolo-
go, denominado :
A -esc- la de Alhrnas moderna.
composto por Keller e dedicado a S. Exc. o Sr
mini^tro do imperio, em memona do dia 7 de
Marco de t872.
0 precos >ao os erdinarios da casa.
Os camatotes estao a disposicao do respeitavel
publico, na i ua de banta Isabel n. 9.
THEMRO
DA
ENCRUZILHADA
Noeiedade Puriiculwr
RECREIO DllAUATICO.
Sabbado I-ft do corrente.
Snbira a sceoa c magmlico orama do immortal
Kotzebue, tradozido expressamenle para o Recreio
Dramatieo:
Misafilhropia e arrependimento
Dando liiu ao espectaculo a uuito interessante
wmedia origin 1 brasileiro :
Um defeito de f milia
Principiara .-is 8 boras.
Havera trem depoi* d- p-nnctaealo.
AWJSO
Os senbores socios p >Jem desde boje mandar
i>nscar os seas biibeius do tbeatro, das C as 8 da
noite.
CIRCO EQUESTRE
AO
Campo das Prineezas
Vende-se o eirco eqaestre, o qual consta de ta-
ix>as de pinbo, aendo frro de 18 palraos, a albo
ale IS, purcan de barrote* < graude qaantidade de
caibros de diversos tamanuos, sendo doaraca,
xoaogne e uuiras qualidadee : os pretendentes
podt-ru dirigir->e ao mesmo cireo, das 10 boras da
manba as 3 da tarde.
4VISU arUfiiriMlft
COHPWIIIA (tit ISII I 111 A
DE
navega(;ao a vaqor
* orlos do ul.
Oooaoaaaadauae 4uudrw, Junior
E- erperadu Uos ^n^rto^
do iM'te ale o dia 12 do
i-'/rrrcite e M-guira para
op do -ui no uie-niu dia
da cuegapa.
Para carga, encornmeudas, valures e passagena,
crata se no escrii>tori
7-R0A DO Ur,ARK)-7
Pereira Via.ma & C.
Ageules.
Para (i Rio de Janeiro
segue neitea pottos dias o patacbo brasfleiro Ri-
val ; aobre o peqaeoo reslo de carga qae Ibe falta
trata-se no eseriptorio de Ballhar, Oilveira dr 6*
a rua do Vigario n. I, I* andar.________________
f n o Mm
O brigue portagaez Triumpfio, pretende aeguir
:om maita brevidade: para carga e paaageirot
.rata-se cam os consignalanos Thomas de Aquino
"onceca 4 C, auccessores, rna do Vigario n. 19
Para o Fara.
Pretende segnir com muita brevidade o palha-
bote Joven Arthur, tem parte de sea carregamen-
to engajado, para o resto qne ihs falta trata-se
com o sea coaigoatario Antonio Laiz de Ohveira
Azevedo, a raa do Bom Jesas n. 57.___________
Para Lisboa
Seguira com brevidade o brwue portagaez Bella
Figueirente, capitao Hilario Rodrignes : para car-
ga e passageiros, trata-se com E. R. R bello k C,
raa do Commeicio o. 17, entrada pelo largo do
Pelourinho^_____________________^^^__^_
Ilha de S. Miguel
*egue com brevidade para S. Miguel o palba-
bote portagaez Novo S. Lourengo, para onde rece-
be carga e passageiros : trata-se com <>s consig-
oatarios Thomaz de Aquino Fonceca & C. Saccec-
jores, raa do Vigario n. 19, 1* andar.__________
Costa d'Africa
Segue da Bahia em 30 deste raez, para o porto
de Onnim, na Costa d" Africa, a barca portagneza
Josephma, tend" bons commodos para passageiros.
COMPANH1A PERNAMBUCANA
DE
Xavefacao coiiteira a vapor.
Parahyha. \;>tal. Macao. Mossoro,
*ritc:iiy, Ceara, iiaracu' e Vuiar
racao, no Piuuhj.
v *. 0 vapor lpnjuca,
commandante Muura,
seguira para os por-
tos acima, ne dia 21
do corrente as 5 ho-
ras da tarde
Recebe carga ate o dia 20, encommendas, pas
sageiros e dinheiro a frete ate ai 2 hras da tar-
de do dia de sua sahida : eseriptorio no Forte do
Matto? a. 12.________________________
Libra^ esterlioas.
V^endem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Raa do Commercio n. 42.
de gaz carbonicoe kerose-
ne, relogios para algibeira,
cima de mesa e parede,toi-
letes de jacaranda e ama-
relio, mesas para advoga-
dos, crystaeseamas de fer-
rro, muitos trastes avul-
sos, e immensos artigos do
uso domestico, que serao
vendidos a troeo do barato,
por coata de diversos.
QUINTA FEIRA 12 DO CORRENTE
as 11 horas da manha.
NA
KEIKA SEiMANAL
!C-Kua do lmperador-16
4RMAZEM
INovo leilao
dos bens e dividas pertencentes a massa fallida-de
Rostron Roock 4 C.
QUINTA-FEIRA 12 DO CORRENTE
\m 11 horas.
Em o 1* andar do : OliLda n. 37
0 agente dias levara novamente a leilao, por
despacho do film. Sr. Dr.juiz especial d cummer-
ci no dia e h<>ra acima indicados, os bens e divi-
das pertencentes a massa fallida da Rostron Roock
& C, os qaaes sao os segaintes :
Os direitos que teem ot ditos fallidos sobre o
dominio e posse na metade dos terrenos de mari
nha, sitos no caea do Rams e aforados perpetaa-
mente ao conselbeiru Pelippe Lopes Netto, terrenos
avaliados todns em 56:624*600.
0 direito que teem n'uma casa e silio no largo
da igreja da Tvrre, tendo a frente para o norte
com 200 palrno*. e o fundo para o sul com 800,
flcando entre o siti > do Sr. Gautier e propriedade
da familia do barao do Rio Formoso, ava iado por
3.000X000 :
E as dividas na importaneia de 273:427x882.
0 mandado em o qaal se actiam descriptos os
devedore-, com a respectiva quantia e data dos
vencimentos dos titulas e todos os mais esclareci-
mentos precisos, acha-se t-ra poder do agente, aon-
de desde ja pode ser examinado pelos senbores
pretendentes._________________^__________
composta da 1 soft, 2 consolos, 1 Jardineira com
lampoa da pedra, 4 cadeiraa de braces e 12 de
fuarni.ao. Uma raobiha de mogao, compotta de
HtL 1 jardineira, 2 consolos com tampos de pe-
dra, e 12 cadeiraa da gnarnicao, 1 seeretaria de
Scaranda, I cadeiraa ae balanjo, aaatriaeaa, 2
itaa espreguicadeiras, 1 rel. gio de parade, 1
toilet de jacaranda, tampo de pedra, 1 dito de
mogno, 1 banca para jogo, 1 rica costureira de
mogoo. 2 espelhos ovaes, moldura d'oarada. Uma
mubilia prela, propria para gabinrte, composta de
1 sola, I cadeiras d bracos e 12 de gaarnicao, 1
guarda roupa de mogao, com espelho, 4 sanefas
para cortinados, 1 guarda roupa de amarello, 1
lavatorio de amarello com tampo de pedra, 1
cabide de dito, 1 cama de dlto para casaL I
guarda loaca de dito, 1 grande apparador de
dito, I sofa de dito, I carteira, 1 boa maebioa
de costura de dito, 1 boa seeretaria com estante,
de dito, 1 mesa elaslica de dito, 1 guarda roupa
de dito, 1 banca de dlto, 1 marqneaa de dito, 9
cadeiras de dito, I aparador de dito, I grande
consolo de jacaranda, com tampo de pe-tra I
uacbina para limpar (acaa, 1 optima e grande
maebioa para lavar e engummar, 4 camas de
ferro, 1 guarda roupa de asgico, 4 qnadroa com
vistas, I par de conchas cum liguras de pofceJ-
Una para charuios, 1 par de visos com pea de
ebano, 1 par de jarros de marmore, 1 espelno de
moldura preta, 2 pares de redomaa com flores, 1
violio, 1 rico par de liguras de poreetiana, 1
apparelbo de porcellana d'ourada para lavatorio,
2 macbinas para cafe, I dita para agua de Sells,
I carrinbo de palba para menino, 1 cavall com
moilas para criancas, 2 mesinbaa da ferro com
pintaras cbinezas, 2 pares de esearradeiras, 4 pa-
res de garrafas de crystal para vinho, 24 pratos
de crystal para doce, copos, colheres e garfos de
meUl e muitos outros artigos qur estarao patentes
ao exaroe dos senhores conearrentes no dia do
leilao.
NOVO
LEILAO
Das dividas na importaneia de 5:3444145, per-
tencentes ao e*p<>lio de Paulino Onofre Nunes.
QUINTA FEIRA 12 DO CORRENTE
Am lO 11 boras.
i Em o 1 andar do subrado da rua do Marquez de
Olinda n. 37.
Por int-rv-ncao do agente Dias, servindo de
ba;e a off.-rta de lOOjOOo.____________________
leilao
DE
Dividas da massa falli ia|le Bernardino Pin-
to Coelbo ,na importaneia 7:O7OM)O0.
SEXTAFBIRA 13 I/O CORRENTE
0 agente Martins fara leilao pur mandado do
Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio das di-
vidas aetivas da massa fallida de Bernardino Pinto
Coelbo.
Ho armazem da rua do Impe-
rador n. -18
A's 11 horas a manha
LEILAO
LEILOES.
Novo leilao
DE
a Hmnm puriencenies a massa fallida de
Pinto Juao n. 12, becco do Pocinho n. 31 e
rua do Marquez de Herval n. 211.
Hoje
as 10 hnrai na 1.*, as 11 ua 2.' o ao meio dia
na3.*
0 agente Dia-, competentemente autorisado pe-
lo Illm. Sr. l*r. juiz especial do commercio, levara
a leilao, no dia e hora indicados, as tavernas men-
ciooadas, as quaes pertencem a massa fallida de
Pitito & Gon^alves.
Garante se as casas da rua do Marqaez de Her-
val e do becco do Pocinho.
0 inventario pode ser examinado pelos Srs. pre-
tendentes. no eseriptorio do referido agente, a raa
do Marque- de Olinda n. 37, 1 andar.
dos rnastaroos, ven$as, veins, enxarcias,
correntes, ancoras e mais "bjectos salva-
dos do patacbo iriglez Dundee, cm mui-
tos e ditT-rentus l"tes
Em contsnuacao e um so lote
Do casco, mastros reaes e mais perteocM do mes-
mo patacbo, no estado e lugar em qae se acba
enealhado, ao sal do porto de Gallinhas
QUINTA-FEIRA 12 DO CORRENTE
SENDO :
A's 10 e meia horas os salvados, ao meio dia o
casco e mastros reaes
Por intervened^ do ag-nte Dinto
A requerimento do capitao do referido patacbo.
Com licenca do Sr. inspector da alfandega.
Em presence de um empregado da mesma re-
particao.
Pur mtervencao do agente Pinto.
E por conia o rieoo de quoin pertencer. ______
LEILAO
GS9
buns moveis
HOJE
"Vo arniazran da rua do Duque
de Caxias n. a. 4
A saber:
Uma solida m -bilia de jacaranda a Lniz XV, com
tampo de pedra, diversa* mobilias de amarello,
sofas, marquezas, marquez5es, consolos. apa-
radores, guarda-roupas >e marello, 1 seeretaria
de jacaranda, I mesa elastica, diversas secreta-
ries de amarello, t cama de jacaranda, 1 dita
de amarello, lavat<>ri das de amarello, haocas de duas ^avetas para
escnpt'Tio, -anapd de faia, cadeiras de balance,
ditas para criancas, 1 tourador de jacaranda,
1 guarda lonQa envidracado e 1 santaario
O agente Mai tins fara leilao por couta e risco
de qucm pertencer, de todos os moveis existentes
no armaiem da rua Duque de Caxias n. 34, os
quaes sao todos muito bem acabados e vendidos
para liquidar
a's 11 boras do dia acima.
Feira Semanal
DE
um terreno a rua de S. Mi-
guel, freguezia de Afo-
gados
QUINTA-FEIRA 12 DO CORRENTE
as 11 boras da manba
0 agente Martins levara a leilao pela segunda
vez, por mandado do Illm Sr. Dr. juis especial do
commercio, um terreno devoluto na rua de S. Mi-
guel, o qaal f >i occupado por uma casa com o
numero um, pertencente a massa fallida de Si-
queira & Pereira.
No armazem da rua do Imperador n. 48.
LEILAO
DE
moveis
QUINTA-FEIRA 22 DO CORRENTE
A'S II HORAS DA MANHA
NA FEIRA SEMANAL
16Rua On Imperador 16
0 rgente Martin por mandado do Illm. Sr. Dr.
juiz de orphaes, vendera em leiiae alguns moveis,
espolio da i'.naoa Vicencia F. da Lnz Vieira.
leilao
DE
Uma carroca maneira com arreios para cavallos,
uma mulla grande e uma mansa para carro ou
carroca.
QUINTA-FEIRA 12 DO CORRENTE
Ao meio dia
16Rua do Imperador16
Na porta da Feira Semanal.
2 mobilias de jacaranda com
tampos de pedra, sendo 1
completamente n va e do
ultimo gosto, 1 rico guar-
da louca, 1 meza eEstica,
1 seeretaria de Goncalo
A'ves, obra de gosto, ca-
mas francezas, pianos,
guard -vestido, espelhos
com molduras douradas, de
varios tamanhos, guarda
comida, commodrts, objec-
tos de ouro, brilhante, e
prata, rewolvers novos de
4 a 8 tiros, aparadores,
cabi machinas de costura, esta-
tuas de Vonus, candieiros
LEILAO
DE
am rico apparelho de Chnstorle para cha e de um
relogio de ouro esmadado com cadeia para ;e-
nhora. -
Sexta-feira 13 do corrente
Em conliouacao ao leilao do moveis e mais ar-
tigos, em a rua da Imperatriz n. 6.
Por interveu^ao do agente Dias
Grande
Boas moveis e outros niuitss
artigos pr prios dr> casa de fa-
milia.
Sexta-feira 18 do corrente
A'S 10 1|2 HORAS DA MANHA
Em o 1* andar do subrado da rua da Impera-
triz n...
0 agente Dias, competentemente autorisado p uma familia que modoo de resioeneia, levara a lei-
lao no dia e h- r a acima in icados os movtia e
mais artigns que abaixo se mencionam.
Ainda uma vez se i-nVrece uma uptima oppw
tunidade aos senbores preten lenles de se proverem
do qae precisarem por commodos precos, pois nio
ha hmites
A saber :
Uma mobilia de jacaranda a Luiz XV, nova,
Leilao
m
Dividas na importaneia de 3:3519280
Sexta-feira 13 do corrente
0 agente Martins fara leilao por mandado do
Illm. Sr. Dr. jniz especial do commercio, das di
v das activas da massa fallida d* Jose Narciso da
Silva, na importaneia de 3:351 280.
No armazem da rna do Impera-
dor u 48
A's 11 horas da manha
LEILAO
DE
uma casa terrea sita a rua Velha n. .., no bairro
da Boa-Vista, com as seguintes cummoJidade<:
2 salas, 4 quartos, quintal, cacimba, em solo
proprio
Terca-feira 4*9 do corrente
A's tO horas e 3[4.
No eseriptorio, d rua d<> Bom Jesus n. 53,
prnneiro andar.
0 agente Pinho Borges, levara a leilao a referida
casa, por conia e risco de quern pertencer.
Iraportante
LEILAO
DE
Um grande silio junto a povoacao de Doarte
Coelbo, em Olinda, com um grande sobrado e sutao
para moradia de grande familia, com as aeguintes
commodidades : pavimento terreo, 5 sa'as fi.rradas
e bem preparadas, 6 quartos e coziuba indepen-
dent, 1.* andar 6 aalas forradas, 1 copiar, aotao,
2 salas e 6 quartos, 1 quarteirao de 5 casas em ae-
guida, 3 gallinheiros de pedra ecal, gradeados,
casa, seuzalla e gallinheiros circulados com calca-
da, 1 grande cocneira de pedra e eal, 1 estribaria
para 6 cavallos, a vontade, 2 casas para hosp-jdes,
tendo uma deltas 1 tenaco com caramancbao de
ferro, 2 baoheiros de pedra e cal, 3 cacimbas e 8
viveiros, 2 ditos principiados, 1 pomar de mil la
rangeiras, 1 dito de 600 coqueiros, 1 grande par-
reiral de uvas do boa qualidade, e muilas outras
vanedades de arvores fructiferas, 1 boa horta com
todas as qualidades de hurtaiice, graudes baixas
para capun, I grande jardim que comprehend . to-
do 6 sitio, com flores escolhidas, sendo oacionaes e
estrangeiras, 2 lindos carauiancbdes de ferro, uma
caixa d'agua e repucho.
0 referido silio e dividido por 3 estradas e 1 rio,
tendo sahidas com portdes de ferro para as ditas
etradas, 1 porto de desembarque e embarque no
centro do sitio, terreno proprio; a final e sito pa
ra uma familia viver independent, o com o pru-
duuto das fiuctas, flores, uortalices e capim que
vegela este sitio, e gosar do bom viver que offere
ce a natureza
TERQA-FEIRA 18 DO COHRNETE
as IO 1| horas.
No eseriptorio ua rua do Bum Jesus n. 53,
primeiro andnr.
0 agente Pinho Borges, bastaole autorisado, ven-
dera o referido sitio livre e deeembaracado, e se-
ra effectuado deflmlivamente, e por conia o risco
de quern pertencer.
Os Srs. pretendentes *podem desde ja examioa-
lo, e qualqaer esclarecimenlo o me?mo ageute po-
de dar a quern interpellar relativ.menle para.issso.
LEILAO
DE
Um grande sitio na estrada dos Afflictos, send i
casa bem constrnida, sotao e mirante com as com-
modidades seguintes: 2 salas de vi.-iu, forradas e
estucadas, 1 quarto proprio para capelia, 1 dito
para gabmete de leitura, 1 dito para dormida, '
drto para crianca, I sala de jantar, ante-sala cor-
redor ; no sotao, 1 saleta e 2 quartos; no miran-
te, um sotao todo envidracado, cuzinba, sala para
engummar, despensa, 2 quartos para criadns, em
solo proprio, tendo 300 palmos de frente, um gran-
de iardim, muitas arvores fructiferas, e diviido
por duas estradas, terreno bastante para duas ex
cellentes baixas oe capim, na frenie murado, gra
de de ferro e portao.
TERCA-FEIRA, 18 DO CORRENTE
as 11 h >rasda iii.niia
No eseriptorio da rua do Bom Jesus n, 53,
primeiro andar.
0 agente Pinho borges levara a leilao o referido
sitio, por couta e or tem do Sr. P. M. Maury que
e retira para fora desla provincia.
Os Srs. preteudentes podem desde ji examina
lo, qualquer esclarecimeuU, & m o mesmo agente.
A^ISU^ J
rt^U^
PUMEraMAR
Precisa se de uma ama,
forraiu captiva, pret'erindo
se desta ultima coudicao, que
sir e para ou-
tros misteres de casa de pe-
quena familia; a rua do Ca-
pioaribe n. 40
ALCATRAO DI fiOTOT
LICO* CONCCNTRADO C TITUtDO
0 SAr Guyot chegou a tirar ao alcatrao a
sua acrimonia e o seu amargor insupportaveis,
o que o torna mais sohivel. Aproveitando essa
felis descoberta, elle prepara um licor con-
centrado de alcairJo, o qual, sob um pequeno
volume, contem uma grande proporc.no de
principios activos.
0 alcatrao de Cayoi (Goudron de
Guyot) possue por eonsequencia todas as van-
lagens da agua de alcatrao ordinaria, sera ter
os inconvenienfes. Basla dcitar d'elle uma
colher de cafe :.'uracopo d'agua pan *Mer
logo um copo de eacellente agua dw alcatrao
sem gosto decagradavel. Cada eaal pad*
d'essa maneira preparar a ama agaa de al>
catrao quando d'rlla precisa, qae atVreea
economia de tempo, faciKdade de li aiipara1
e evita o manejo Uo desagradavel do alcatrao.
0 Alrairfto 4e Oajret substitue COB
vantagem muitas lisaoas mais as raraas
ineiies, nos casos de defluso*,
tosses, calarrhos.
0 aleairai* de 6a;( i empregado com o maior exilo nas mol-tias sr-guaptet:
EM BEBIDA. L'"> colher de cafe para um ropo d'agua ou duas eolkeru it
tojiapara uma gar a fa :
BRONCHITES
CATARRHO OE BEXIGA
OEFLUKOS
TOSSE PERHITA2
IRRITAQAO OE PEITO
TOSSE CONVULSA
EM FOMEHTAfOES. Licdrpurooucomiimimurod'agv.*.
AFFEC^OES DA PELLE
COMICHOES
MOLESTIAS DO COURO CAIELLUOO
EM IIUECCOES. Uma parte de licor eqvairo d'agua Umcci tot iir >> neii.i)
FLUXOS ANTICOS OU RECENTES
CATARRHO OA BEXICA
0 Alcatrao de Guyot foi experimentado com um rerdadmt exilo mm
principaet hospitaes de Franca, da Belyica e da Esponha. Foi retxmhecido
que, para ot tempot de calor, elle conslitue a bebida a mais hygienica, t $*-
bretudo durante os tempos de tpidemia. Uma intruccao accompanha eada riaVa.
Bepoalto geral eat eaei
Rio Jinnok Daaoaebelle* Cae-valew,
PnnuuDca. r. tSmmwtm e C'1*.
Bahu, Huh et C'
Odbo-Pmto, CuAMa Welle
e. rasas, is. oassa
MniMiin. Ferrelra et C".
Pilot.f, Anlrlro Lelva*.
Micrm, Fale* Dias
Votein iinwi.
n
PRODUCTOS de J.-P. LAROZE
Pharmaceutico, 2, raa des Lions-Saint-Paul. Paris.
ot*>
XAROPE DEPURATIVO^rr^JODURETOoEPOTsSSIO
Remedio lnfallivel contra as a/'/eccdea escrophulosas, tubcrculosat, can-
erosas, rheumaticaa, tumorea broncos, glandules no peito, aocidentee
syphiliticos secundarios e tercisrios.
XAROPE LAROZE
TONICO, ANTI-NERVOSO
ilMM <
L. r.nj. uu|a
Recommendado por todos oe medicos para regularizar as (uaoooes do
estomago e do intestino.
XAROPE FERRUGIN0S0^'S^0OURET0oE FERRO
O estado liquido 6 o melhor meio de inoculax o ferro contra aa cdres palli-
das, aa flores brancas, as irregularidades e falta de menstruas&o, a
anemia e o rachitismo.
XAROPE SEOATIVOii..BR0MURET0DEP0TASSI0
Chymicamente puro. E o calmante mais certo contra as uffeccSes de corafio.
das vias digestivas e respiratorias, nas nevralgias, na epilepsia, no hy/-
terismo, nas neuroses em geraf, na insomnia das criancas durante
O periodo de dentic&o.
0EP0SIT0 GERIL
NO BRAZIL
Rio-de-Janeiro : T. DOPONCHELLE t C*.
!^^^^^*feir%dfci^J^ abafcatMal atfcaiada-dtadjaa^aa-da,
'." t,. pl.urnni
At. 'aft)., l-
:' .-.;
-'-. S
( \*\
:^^S.
I IDE
Ms Ji
HOGG
iili FIGADOS FRF.SCOS DE BACALHAO
" .--.-- : :'.;.!<.!- tosse cbi -.i.--a. rbeumatinaus, tratfasap
iM'.i.jf. ;-,.-,; i..!,-:! ii-n'u.- gcral (citgi : e foriftUicc).doce o '.:..:
i.i- "l'--::'-."< ii'.vr .
fabri.^a Abaixo indlr.-nli. itiicohrindo ar.aiwi^a de
ii, i-i:i.--jjiir.
-. ....I
/ n33GORI>. e Ml principal* [ihnrraariaE.
sqaBBp^aisBJua-i hsjjworn r"-
GLOBULOS DE JOSEPHAT
0E COPAHIBA PURA
ASPECTO DA CAIXINHA ABERTA
Os Globnlos da Josepbat, como se pode ver no desenho que aqui vai, aao
completamente esphericos e pouco mais ou menoe da grossura de uma ervilha.
tornando-se d'esta maneira faceis a engolir-se; sua capa gelatinoea sendo muito
ftna, pode-sc absorvor uma quantidade relativamentc consideravol de copahiba
n'um fraco volume.
Cada caixinha contem 70 globuloa representando 28 grammas de copahiba,
into e sett grammas de copahiba de mais que as caixinhas ordinarias de commer-
cio, cujas capsuias grandes e ovaes sao engolidascom difBculdade.
Em todas as ciicumstancias oe Ghbulos de Josephat tem grande vantagem.
AVISO IMPORTANTE
A copahiba do commercio i frequentemente falsipZcada e n'este caso perde
todas as suas pro^rvdades. 0 prospeclo que acompanha cada < aixinha indioi
um meio facil de reconhecer as fabificacdes. Por este meio cada qual poderA ir-
teirarse da puma absoluta da copahiba que introduio nos meus ylobulos.
Dcposito feral: iia cut L. FRKfiE, 19, ru Jacob, en Paris
Unico deposit na pbirmaria d>- I'. Mtirer < C. rua iki fcWdbi da
Victoria n. 25.



Jiano de Feniamouou Quarta teira 11 de Novembro ae 1874.
j-
Atten<;a Jose Gakttao Pessoe de Hello nlo node fazer
transaccio algntna com a taeranca qne Ihe possa
pertencer pelo falleckaeuo da sua logra, hto esta
heranca estar rajeiu m peiamento de 1 I7*000
de am herdeiro que o raindoa cur nesta data.
Recife, S de novembro re 1874.
Uixeiru
Precisa m de am eaiieh-o para uma tavern*
neat* cidade, de IS a 16 amot, que teaba pratica :
a tratar oa travmsa do* Quarteis n. 8.
Se. Paul* Lull Caret*
Na rua Juque de Caiiaa n 3i, precisa-se fallar
com esce seabor, a negoeie de sea interesse.
Aluga se
o krmaiem n 3 da raa do Vigario Thenorio : a
tratar do mesmo.
Cravos
Na raa da Uoiao, atraz do Gymnasia, ns.
47 e 4t, vende-se sempre cravos brancos e
encartwdos.
Precisa se de am cairwro
taverna, de 16 a 10 annos de idade
Jorge q. I3|.
com pratica de
oa raa de 4.
Afilhados e afilh tdas de Aa-
tonio de Azevedo Yilla-
rouoo.
Mascot Atevedo de Aadrade, testamenteiro da
finado Aedonio de Azevedo Villaroaeo, fax sciente
para Cjiifcecimento dos ioteressados, que ate hoo
tern, n do eorrevjte met. Hie foram apresentadai as
ertid*es de baptismo d>s afilhados e afllhadas do
dito laado em oumero de 8, e si) as seguiotei :
Antonta, filbafegitima de nanoel B*oto de Men Ion
ca e de sua mulher Rota Maria de Je-as-Anto-
nio, filho lefhiirao do Dr. Miguel Joaqaim de Cas-
tro Mascarenhas e de saa mulher D. Isabel Emilia
encalves MascarenhasUtnbeina, 81ia legitiraa
de Jose" Ferna .de* Rastos e de saa mulher Saudi-
-da Heliolora de Je*us BartosAntooia, filha legi-
tima de i^se de Azevedo Villarnuc<> e de sua mu-
lher Maria Fraacisca de Brito -Joephtna, filba le-
Sitima de Joao Macbade Brandao e de s.ua mulher
oza Baria deOliveira-Uaria, tilha legitiraa de
Francisco Xavier de Sa LeiUi e de saa malber
Rita Baptista de Sa Leitio -Joao, flmo legitimo de
Antonio Goncilves Ferreira Junior e de saa mu-
lher Guilherraina Goncalves de Paula Ferreira
Carolina, filha legitima de Franeisco de Amaral e
de saa mother B mlia Rosa de Jesus.
^aa mais. scieote o abaiio as-ign^ Jo, que, per an
te 9 lllm. e Hvm Sr. vigario ger.1 deste bispado,
esta um lilho do finado Joao Martins Ribeiro pro-
duzindo sua jnstifteacao afim d prevar que lam
bem e aOlbado dn referido Vitlarouc), visto que a
eerlidau de baptismo por elle exhibida nao prova
o bastaate para poder ser attend i do.
Declara mais o abaixo assigaado, que tendo
mandado pnbliear em Portugal am ann meio con-
vidando os atilhados e atUtudas do mesmo Villa-
roaeo qae o'aqaelle reino hoovessera, a ignalmen-
te se hahilitarum com snas eertiddes de baptismo a
eoncurrer ao legado quo Ihos foi deixadu; aguar-
da a chegada da proximo paquete da Europa a 25
oa 26 do corrente mei para ver se por elle vein
alguma certidao : e logo em acto eontinaado pro-
cedera a divisio da qnantia deixada com a igual-
dade recommendada p*lo testador.
Recife, It de novembro de 1874.
_________________Mu:H Azecedo de Andrade.
Cas*
Na Caponga, alnga-se a easa n 34. com bom
quintal e bons eommndng, 4 rna do Jacobina, on
Fernambucana : a chave para ver esta junto a
casa n. 66, e para tratar no Recife, rua da Ca-
deia n. 3.
Precisa-se
INST1TUI0 PARTICULAR.
Rua da Roda n. 48, sobrado.
Prime res lettras, portuguez, fratictz, in-
glez, desenbo linear e musica.|
Sob a direcgao do professor H-rminio
Rodrigues deSiqueirafunccionam ditas au-
las todos os dias uteis.
Reef be xlumnos internos, meio pensio-
nistas e extproos ; f rnece todo o material
para escripta e livros aos principiantes, por
pre(os muito razoavew.
Consullorio medico %
DO
Dr. Hurllle.
RUA DO VIGARIO N. I, ! ANDAR.
Recem-cbegado da Europa, unde fre-
qnenton os hoapitaes de Paris e Londres,
Sadera ser proenrado a qoalqoer hora do
la oa da noite para oojecto de saa pro-
- *
fallar ao Sr. nureluno d rWtrega Vatconee llos
Leite, para entregar nraa carta vlnda de S. Mi-
gq-l: a ruajNova n. 28. ___________*r"
Aluga-se om Dotti escravo para servico d*
hotel, por ja ter mtiita pratica, oa para q aiqaer
outro : na rua do Imperador n. 5rt.
Aluga-se a casa terrea da rua do Cotovello
n. 17, com 2 salas, 3 quartus, coztnba, caeimba
propria, sollrivel quintal : para- ver, acha-se a
cbave na casa do mesmo correr n. 7, e para tra
tar do alognel, queiram dirigtr se a rua larga do
Rosario n. 36, loja.__________________________
Aluga-se uma graade casa, com 3 quartos e
2 salas, e am grande sitio, na rua das Ci ioulas n
55 : a traUr na roesma.______________________
Aluga se a casa da raa do Vitconde de Pe-
loUi, aptigarna do Aragao n. i8, com 4 quartos,
boas salas, corredor separado. bom quintal, poitio,
e mais um quarto no quintal: a tratar cum o pro
prio dono, na mesma casa, das 6 as 9 boras da
manna._____________________________________
Aluga-se a casa n. 83, com bum sotio, na
rna de S. Joao, que faz esquina para o gazo.metro.
propria para taverna por ser em boa Tocalidade,
ja mais com a ponte que tern breve de atrav. s-ar
aos Coelhos, o pooto 6 magmfico e o alaguel bara
tissimo : a tratar na raa do Ouro n. 78.
Alugvse uma casa bastante Iresea, na po-
voacao da Torre : a tratar na rua do Imperador
n. 20, loja de maraore,____________
Fugio no dia 27 de outubro proximo passa
do,_ do engenho Baranhaem, fregaezia de Seri-
nhaem, o escravo cr onto, de nome Fortunato. de
bunita figura, alto, seeco, esi>adaddo, de 38 annos,
pouoo mais oa menus, barba rala, e a conserva na
ponta do queixo eomprida, cdr preta. bonitos den-
ies, tern os dons dedos grande* dos pes compridos
e os oatros quasi co alia : quem o apprebender e o levar ao dito
eagenbo, a estregar ao sen senhor Francisco de
Paula Wanderiey, en no Recife, rua do Vigario
Thenorio n. 3, 2* andar, no eseriptorlo de Manoel
Alves Ferreira & C, sera generosameme recom-
pensado.
Traspas>o de (have de eisa
dm perraisiao do propriftario, traspassa se por
aluguel a cbave de uma casa terrea, sita em nm
dos melbores arrabaldes da cidade por onde tran-
sitam os bonds, muito fresca, da parte da sombra,
com commodos para familia, nao mu.to grande,
c m bom pdeo, quintal com boas laraogeiras de
umhigo. sapotis, um pequeno parreirai e outras
arvoies, tuoo deiiaudo fructo. Advertind o aluguel e muit osodico, e e:te nrgoeio se faz
mediante am razoavel interesse : trata-se na rua
da Iiaperainz, armazem da molhados n. 51, das
3 hi as 5 boras da tarde.
Jose Antonio Domingues de
Figueiredo
para o fim de evitar in commodos aos sens fregue
zes de virem tao longe comprar cigarros, resolveu
abrir am depoMto no bairro de Santo Antonio, a
rua estreita do Rusario n 16, esquina da rna das
Lar< todos os cigarros manufacturados em sua fabrica,
tanto em grosso como a retalbo, pelos mesmos
precos da fabrica.
Alng -se a casa n. 103 da rua do Coronel
Suasfuna, reedificada : trata-se na rua Direita
numero 8.
Aluga-se por anno ou fesla o sobrado de dous
and ares nos Quit ro Cantos, eai Olinda, com com-
modos para grande familia, agua encanaiisada e
cano para despeju, muito fresta, perto do banho e
das e-tagoes: a tratar na rua da Uniao (Una dos
Ratus) n. 53, detraz do Gymnasio.
Alnga-se 2 casas muito frescas,. oa Capn ga
com commodos para familia : a tratar no mesmo
gnar a rua das Crioulas n. 5.
Precisa-se de uma uma forra ou captiva, para
casa de familia : a tratar na rua de Hurtas n. to,
ou na raa Duqne de Caxias n. lit.
Triumpho da
I
fissao.
Consnkas das 6 as 8 horas da manha e
do meio dia as doas horas da tarde.
\
GRATIS AOS POBBE5.
Espectalidades : Motestias de senhoras,
fW da pelle e de crianca.
Offerece e nma mnlber de boa conducta
para ama de uma casa de familia, a qua! coze e
presta-se a mais services domesticos : quem pre-
cisar, dirija-se a Hoa-Vista, travessa da rua dos
Pires, aobcado n. 9._____________
ALUGA-SE
uma preta forra ou cipiiva, robusia, activa, e ba-
biiitada a gvr^r negocios na rua, em t-beleiro : a
tratar na rna da Cruz n 46, 3* aodar.
200$ k graliliacao
Fugio no dia 3 de Janeiro deste anno (1*74) o
escfavo Vicente, preto fulo, de 24 annos de ida-
de, sokeko, natural da Parabyba io Norte. alto,
fornido do c .rpo e bem feito, rosto rediindo,
bons denies, baroalo, conservando algumas ve-
xes suissas, falla mansa, com nma pequ-na cica
triz nas r.o.nas, sobre nma das espadnas, pruve-
sienle de om talbo que dera com o gaviao de
ama enchada Dito escravo que foi vendido no
dia 3 de oovembm do anno proximo passado, pelo
Sr. Joao Ribeiro Pes>oa de Lacerda, morador qne
foi no lenao de Mamangnape, daqnella prvin-
cia, donde mudou-e para o lermu tie lgnarasu
depois para o engenho Genipapi, do termo de
Olinda. e dahi para o engi-nho Uinas Novas, do
termo de Port Calvo, onde, segond consta,
perman. ceu ; foi vi-to com toda certeza em abril
deste me. mo anno p-tto de Bauaneiras, no bando
dos cigauoe, dos qnaes o cbefe era nm tal capi-
Uo Pedro, mui conbeeido em todes os serldes
desta proviocia e das outras visinbas, e com quem
o dito escravo, quan o pertencia ao dito Lacer-
da e moravam no referido engenbo Genipapo,
entrttinha r*-UcoVs e ate trucavam cavallos, iudo
constantcmeote para iso ao bando daqoeile ca
pi tao. que durante alguna mezes do anno pas
aado, eteve, como e sabido, em terras do m-
genh.. Fragoso, do mesmo termo de 01 nada,e pas-
son se depnu para Marirota e terras do engenho
Desterr.', do termo de Ignarassu. pertenceote Sr. tenente Ant..nw Lou Ferreira da Conba, a
quem o predibi eecra-o proeuroo para coropral o
dous das depois da sua anseneia daqui desta ci-
dade, desappareceodo enliu dollj ate b> je.
E' berii provav--! jue 'o sobredito escravo conti-
a&t a andar no meio de taes ciganos, devendu
delle saber e d..r emu o tal eapitao Pedro
Quem o c ptorar e o ei.tnegar no 3 aodar do
sobrado n. 34 la rna das Cr izes d.-sta cidade, re-
ceberaa uuautia aeima de 2004.
('ozinheiro.
Precisa-se de um cozinbeiro : na ma do Cor-
dnniz n. I.
P-Efita
ADV0GAD0
b\gharei. j uurm mm n
SUVA MKLLO,
b Mtr^tia ao HNnrlo
primtro aaaar.
Em tem pos modernos nenbum descuLn-
mento ope uromaior revolugao no modo d
curar anteriormente em voga do que o
peitiibMj he \m\m\i
TANTO NO TRATAMENTO
DA
Tosse, Crupo,
Astbma, Thisica,
Rouquidao, Resfriamentos.
RroDcbites,
Tosse Convulsa,
Dores de Peito,
F.xpectura^ao de Sangue.
Como em toda a grande serie de enfeimi
dades da Garganta, do Peito e do
Orgftos da reaipiracao, que tani
atormentara e fazem soffrer a humanidade
A maneira antiga de curar consistia geral-
mente na applicacao de vesicatorios, saD-
grias sarjar ou applicar exteriormente un
guentos fortissimos compostos de substeD
cias vesicantes, afim de produzir empolhas ;
cujos diflerentes modos de curar, nao faziam
senao enfraquecer e diminuir as torcas d-
pobre doente, contribuindo por esta forma
d'urna maneira mais facil e certa para a en-
fermidade a destruicao inivitavel de su.
victima Quam differente 6 pois o effeitr
ad mi ravel do
PEI10SAL DE ANACASUIU!
Em vez de irritar, mortiJicar e cauzar inau-
ditos soflrimentos ao doente,
Calma, modifica e suavisa a dor,
Alii via a irritacao,
Desenrolvo e entendimento,
Fortifica o corpo
e faz com que o system a
desaloje d'uma maneira prompta e rapids
ate o ultimo vestigio da enfermidade. 0
melbores votos em medicina da Europa, (o>
antes dos collegios de medicina de Berlim-
testificam serem exactas e verdadeiras esta.'
relaQdes analogicas, e alem disso a exp^
rieucia de milbares de pessoas da Americ*
Uespanbola, as quaes foram curadas con.
FE1T0RAL DE ANACAHUITA I
Deve-se notar que este rcmedio se acb*
mteiramente isento de venenos, anto mine
raes, como vegetaes, emquanto que algun-
destes ultiroos, e particularmute aquollw
que si" dados sob a forma de opio, e aci-
do hydrocianico, fonnam a base da maioi
parte dos Xaropes, com os quaes tao fa
cilmente se engana a creduli-lade do pu
blico. A composicSo de anacabuita peito-
ral acba-se linda e curiosamente engarrafad*
em frascos da medida quartilho cada um, e como a dose que s*
tomae sd d'uma colher pequena, bast/
geralmeute a applicacio d'uoi ou dous fras-
cos para a effectuacAo de qunlquer cura.
Acba-se a venda em todas as boticas
0, Frosters & C, agentes.
OUIA PBATICO
PARA 08 DOEKTES
REMEDIOS ACONSELHADOS
Uma combma$ao especial vm permitte de indicar ao publico
algums remedies francezes os mats apreciados no mundo inteiro, e
preparados em Pariz debaixo dos dhos dos inventores. Ninguem
ignore, os cuidados minuciosos com que se pvepar&m em Franca os
remedies. A meredda fama d'estes productos, desitwolveu a inveja
dos contrafactores os quaes deiramam, principalmentc nos mercados

do Brazil, productos conlrafeUos, assemelhando-se muito com os
verdadeiros, vendo-se o envolto e a. larja dos fiascos, mas quasi
sempre, deploravelmente jnrparados, conslUuem um perigo conliuuo
para a saude publica. Devem os- eompradores dirigir-se as casas
abaixo mencionadas, as quaes tiram os seus productos directamente
dos inventores.
INSOMNIAS' A insomnia e causada geralmente, 1 tamanhodepillulas, contendoo alcatrao da Noiuoga, liquido,
t por dtires vivas, como acontece nos casos de gotta, rheu-
matismo, nevralgia, enxaqueca, dores de denies, colicas, fe-
ridas, etc, ou por preocupaoSes meraes, on por um estado
geral difficil a relatar, e algumas vezes o grande calor. 0
Xarop* 4 Chloral 4* FoIIet tornado por duas ou tres
colheres de sopa n'om cope d'agwa, vence a insomnia e em
poucos mmutos da ao doente, o somno natural e reparador.
Ao aocordar a cabeca nio se sente pesada, mas um bem estar
perfeito e o resultado d'essa medicacao.
Munca sera suffkiente a attencSo de todos sobre este uia-
ravilhoso producto qoe se apreciara em cada familia. Pode-
se dizer sem exageracio que quem usar uma vez do Xarop*
4a Chloral da FoUat, continuara a ter em casa am frasco
d'este mesme sarope para qtiando for necessario.
INCOMMODOS DO ESTOMAGO. As inelestias
nervosas-do estemago, gastralgias, gastro-ssnteralgias, pyro-
sis, etc, curam-se com o Carvao da Belloc tomando-se
uma o duas cetheres de sopa, on algumas pastilhas na occa-
siao da comida maior numero das vezes sente-se melhoras
desde as primciras doses.
NSo se .pode insistir bastante sobre as qualidades deste
remedio, do txual o use tornou-se popular, ,pois e exempto de
perigo algum. Para as -dorncas d'intestmos 6 d'estomago, e o
remedio o mais efficac. Em 1849, a Academia de medicina
dava-lhe a sua aprovacao e aconselhava aos medicos dc o re-
ceitar n'essas affeicdes, as quaes muitas vezes desaniman
tanto os doentes como os medicos.
NEVRALGIAS. Sendo na cabeca ou nos menibros,
curam-se muito melhor, e muito mais -rapidamente tomando
duasou ti-t-z ParoJas d'essencia de therdbantina da
'Cl*. tan, do que com qualquer outro remMio. Estas Peiolas
do tamanho d'uma ervilha engolem-se com muita facilidade.
Este producto e d'uma efficacidade maravilhosa, nove vezes
sobre dez tira em poucos mmutos as nevralgias as mais
agudas. NSo se pode deixar de aconselhar aos doentes que
soffrem d'essa molcstia de usar este remedio.
"Para se obter um bom resultado, e necessario que a es-
sencia de therebenthina seja perfeitamente rectificada. De-
ve-se exigir a firma do D* Clertan na tarja de cada frasco de
Parolaa d'asaencia da therebenthina.
SOLITARIO. Fallando no Kousso, o IV Bouchardat,
diz, no seu formulario : E' o melhor toenifugo, mas e
precizo conhecer a sua origem ; pois o D' Trousseau, asse-
verou-me que algumas vezrs oKoussode ma qualidadeorca-
sionnou envenenainentos. '
Le-se tambcm no tratado de thereapeutica dos S"" Trous-
seau et Pidoux : Os pos de Kousso tendo um sabor nausea-
bundo tomam-se difficilmente por essa razao. I'n-pharma-
oeutico de Pariz 8' Nentel teve a idea de os granular mixtu-
rando-os com assucar, preparados d'este modo, a cousa
a mais simple para se tomar, mesmo para as criancas.
O Kousso granulado da Mantel 6 garanlido de
primeira qualidade.
RHEUMES-TOSSE. Desde 1820 a Pasta Pei-
toral de Regnanld e o peitoral mais afamado, na sua
fabricacao nSo entra o opium.
AFFEI50ES DO PEITO- (bsonchites, tmica, encom-
modos da sabganta). O akatrto de Guyot (Goudron de Guyot),
licor concentrado e graduado, faciliu a preparacao immediata
d'uma agua d'alcatrae muito efficaz n'essas doencas. Basta
uma colher de cha n'um copo d'agua. Poucos remedios em-
pregam-se mais frequentemente do que a agua de alcatrao;
resukado das suas propriedades incontestaveis. 0 grande
consummo deste excellente producto desinvolveu um grande
numero d'imitacdes, peores umas que as outras.
0 Verdadeiro Goudron da Guyot leva na tarja a firma
do inventor.
toman-se estas capsulas na occasiio da comida, c podera
substituir a agua d'alcalrao.
Nas doencas as que nos referimos, acontece muitas vezes
que 0 doente soffre d'uma tosse persistcnte, impedindo-o de
dormir; duas ou tres colheres de sopa de Xarope da
Chloral da Foll*t tomadas a noute ao deitar-se Ihe darao
o somno reparador ajudando a cura.
RACHITISMO TISICA. Deve se tonwr todos os
dias alcnmas colheres de sopa, d'Oleo da figado de Ba-
calhan de Berths. Este oleo preparado com os maiores
cuidados e o unico que foi approvado pela Academia de medi-
cina de Pariz.
DIARRHEA. 0 remedio melhor para curar estas
affei?Ges c 0 sub nitrato de Bismuth. O S" Bouchardat,
professor na Academia dc medicina dc. Paris, diz o seguinte,
no seu Formulario mngittral : f, geralmente muito difliril
de engolir de um ate dez grammas d'ums pos lao pesados
como e o sub nitrato de Bismuth. Erabrulhados n'uma obreia,
esta muitas vezes rasga-se, em agua assucarada os pds van
logo para 0 fundo.
0 S" Nentel, pharmaceutico em Pariz, resolveu estas pe-
quenas difficuldades niisturando, e fazendo em granulos, 0
sub nitrato de Bismuth com parte igual de assucar. Eslcs
granules vendem-se em frascos, e a tampa d'estes frascos,
mede exactamente dous grammas de granulos, seja, um
gramma de sub nitrato de Bismuth. Esta substancia prepa-
rada d'este modo e inalteravel. Basta encher a medida tantas
vezes quanto se queira tomar de grammas, e engole-se rapi-
damente, 0 que e muito facil bebendo ao mesmo tempo um
pouco d'agua.
0 Bismuth granulado da Mental & para as eriaiicas
e remedio'o mais vantajoso porque 0 tomam como confeitos.
FEBRES. Querendo-se cortar rapidamente um acesso
de febre, 0 melhor remedio k 0 sulfato de Quinina; sendo
para curar febres antigas, persistentes ou periodicas, convem
dar-se a preferencia ao Quinium Labarraque. Em pou-
cos dias a febre desaparece, e 0 melhor preservativo e de
tomar todas as manhaas um copo dc licor, deste vinho. O
Quinium Labarraque e um dos produetos de primeira
ordem que tiveram a approvacao da Academia de medicina
de Pariz.
DIGESTOES DIFFICEIS. (aquecas, tbmigus.)
Engolir duas 0 trez Perolas de ther de Clertan n'uma
colher d'agua. Effeito quasi immediato.
Havendo muitas imitacoes exigir a firma Clertan na tarja
dos frascos.
ANEMIA, POBREZA DO SANGUE. As Pillu-
lna de Vallet constituem um poderoso tonico para a refei-
c3o do sangue. 0 Xarope da Robquet de pyrophosphato
de ferro, serve melhor para as pessoas quo mal supportam os
remedios solidos; este remedio contendo os principios cons-
titutivos do sangue, tem um gosto agradavel, tanto assim
que, os doentes 0 toman facilmente.
Estes dous remedios s5o dos primeiros que tiverao a appro-
vacao muito rara da Academia de medicina de Pariz.
Ha numerosas imitacoes das Pillulas da Vallet.
PURGATIVOS. A Limonada pnrgativa da
Rog* com citrate de Magnesia, approvada pela Academia de
Medicina 6 0 typo do purgativo salino. Nao /ausa nunca infla-
macdes d'intestinos, 0 que acontece com outros purgativos
mais violentes. Pode ser preparada em casa na occaziao de a
tomar; deita-se n'uma meia garrafa d'agua um frasco de
P6s purgativos de Roge
Poucos remedios tem sido mais falsificados que os pos de
Roge. 0 Brazil esta cheio de productos falsificados, mal pre-
FALTA D APPETITE. O Rhuibarhe sempre
gozou de muito conceito para rogalaraat as funcOes do esto-
mago e fazer recobrar o appetite. Nao se applica frequentemeute
por causa do seu sabor desagradavel. O S" Mentel teve a
excellente idea de applicar a este remedio o am sjatasM de
giamilaiao. O rhnibarbo em granulos de Mental,
tonia-so um pouco antes da comida. Na tampa de cada frasce
acha-se uma pequena medida daudoa doscacu-tumada. E.stes
granulos 1 nyolei.i-sc laciliiienle oucon: uma.pouca d'agua ou
n'liina collier com sopa.
CONVALESCENT A. Quinium labarraque
approvado pela Acad.mia de Medicina i: 0 tonico por esed-
leucia. Este vinho incoritparavel < adiionislrado com gnnde
successo as pessoas fracas e dehilitadas, as nuilhcres que
actibam de parir, cs meninas qne difli.ilinente se fomiam e
desinvolvern-se.
Este remedio eonhiaado com os lesragfa^sas, ajuda muito
c faeilita a sua accao, qnxindo esses sio pccesaaries.
DENTICAO DAS CRIANQAS Para faciliUr a
denticao, prevenir as conviilroVs c o racliitisino das criancas,
nan podemns deixar de aconselhar a Osteine Mouries,
que e uma comlinacao de phosphato de cal gclatinoso c d'at-
bumina. Sendo esta preparacao feita em farinha grossa, prc-
para-sc em sopa com leite ou com caldo. Na tampa de cada
frasco, acha-se uma medida dando a quantidade que so dive
tomar.
Este medicamento teve a approvacao da Acadi-mia de Medi-
cina, c o inventor apresentou uma memoria a reaaeite d'esta
preparacao, a qual foi coroada pelo Institiilo de Fnara
RETENCAO D'INTESTINOS. A magnesia i muito
rcceitada pelos medicos como laxativo ligeiro. Sendo esta
substancia desagradavel a tomar, aconselhamos a Magnesia
grannlada do Mentel. I'm gramma e a rapacidade da
medida que se acha na tampa do frasco; a dose acustamada
e uma ou duas medidas.
DENTIFRICIOS. A descoherta do sulfato de Quinino
pelo S" Pelletier, membro da Academia de Medicina de Paria,
fez um grande servico a humanidade, elle quiz tambcm se
occupar da hyiene da Iwca, c para ease fim elle empregou
todos os recursos da sciencia.
A alteracao dos dente=, segundo as suas observacoes,
muitas vezes causada pelos dentifrices inventados c empre-
gados ate hojc, sendo riles quasi sempre compostos de acidos
que sio contrarios aos principios da sciencia. 0 S" Pelletier
inventou cntao dous denlifricios, um solido e outro liquido.
oHerecendo todas as garantias que se possa desejar para o
bem estar da boca.
A Odonline de Pelletier 6 uma massa mole sobre a
qual passa-se a escova ligeiramente. Da aos denies a brancura
tao procurada sem nunca estragar 0 esmalte. 0 Olixirio
Odontalgico da Pelletier fortifica as gengivas, perfuraa
a boca, e tira 0 cheiro do fumo. Basta deitar algumas gottas
desta preparacao n'um <-opo d'agua para Ihe dar um sabor
suave e especial.
EPIDEMIAS. Durante os tempos d'epidemias, cho-
lera, febre amarella, bexigas etc, 6 muito necessario tomar
precaucoes hygienicas. Sem mudar nada no seu modo de vida,
deve-se evitar todo excesso em tudo, sendo susceptiveis de
enfraquecer mesmo momentancamente. Lavar-se umas poucas
de vezes por dia e deitar nos quartos, agua fria na qual se
deiUra umas colheres de Licor Labarraque. En tempo
d'epidemia, este licor empregado d'este modo e o melhor pre-
servativo. E tambem muito util nos panes quentes para
desinfectar os quartos dos doentes.
Para purificar o ar e destruir os miasmas que se produzem
nas inhumacoes, os quaes sao muito permciosos, deve-se em-
nto. ., , parados e nocivos a saude. Devem exigir qae 0 frasco traga pregar sobretudo este llcSr
O 8- GUJWt Umbem prepar, umas capsulas Fondas do ! em cada extremidade um sel.o imprimido em quatio core! ' ? i JTn^JlS. com as numerosas falsifies^.
AVISO. Uma instrnVao detalhada acampaaha sempre cada um don producto* a dma meuclonnadoa.
Unic<. depositona pharmacia de P. Maurer & C, rua d Barao da Victt
PUNDICUO DO BOWMAN
SDA DO BRD1 N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhores de engenho e ontros agricultores, e eompradores de ma-
ninismo 0 favor de fazer uma visita a seu estabeJectniento. para verera 0 novo sortimen-
to compieto que abi1 tem ; sendo tudo superior em qualidade e fortidao ; o que com a ins-
truccio pessoal pode-se venfiear.
ESPEGAL ATTENtjAO AO NUMERO E LUOAR DE SU \ FUNDI^AO
Vapores e rodas d'agua dos mais modern08 s e em tflmanhog ^
vpnientes para as diversas circumsuncias dos senhores proprietaries e para descarocar
MoendaS de Canna de todos os tamanhos, as melbores que aqui existem.
Rodas dentadas p.P8 aDim8e8> 8gU8 e vapor<
Taixas de ferro fundido, batidoe decobre.
Alarabiques e fundoa de alambiques.
MacnilflSiriOS p8ra mandioca e algudlo, e para serrar madeira.
DOUlOaS de pt^nte, gannbdas........
Toda as machinx ^a8 de que ^^ precisar
Paz qiMlQUHr (M>ncerto dft ina,blIllimo,. precn mui mnnii0m
OrmaS lie ferro t(.m flS mflhorra e mats haratas existentes no mercado.
bllO(imnIl4ltK. |m-mr*-*. de maudar vlr qualquer macbinisrnc & vot.tade do-
.Hi-ntis, leml. *n o-llies a Mntageio d^ fzerH as omnpras por iutennedio de pessoe
hiii mil.la. r n,- qualqu, r n^-H^ida^ pAdn Ihrt pivtar aunlio.
Arados ajiM*ri- nos ,
" io>tra ESSENCIA
Podendo todo-
ser mnvidos a mac
por agua, vapor
on animaes.
toria 11 25
CONCENrHADa
DE
Dh
AMTOCAORS
Pharmaceutico
Pela
est'iila de
Successor de
Part*
AfilSTIDE SA1SSET E. J. SOUM
.
*
y^ggjy?"? '* verdadem. ..ur.flcador do ugne. aam mew iho.
tlvoe tmtSSVSTmJrJ^S^t f-**" ""Je reconh-ido como um poderoso d^.1.1
Os prodigiosos effcitos que tem produzi 0
onde ella tem smo ap-opriadamente xpenmentaoa
boobatica*68"08 mai9 enerK,C08 par* a cur d" *
a Eamencln d- Careka, por tod; F "*
1' feiii. amo nm dos medr. ni> .
as moieetia? de natnreza evpbri*> r 1
A cada frasco acompanh. nma laMrurcao par. a aiaar, tc usar
PoiDitda anti-darirusa
Contra as affecciSes cutout, dartbna, ommtOn, etc. etc
Ihgiirlilo id imp '
Para cura das bonbaa, oiwa., eh^s 3ljira,. ,.Ir.. ,.
aU^ DO aoHUM N. 52
RODOOAYBUL !liu>. SDC^ESSOBES
it
h..
Hi
r
22
1A .
m'A I- ... /



Di^ fa pt%ttimwtf& Quack fob* J3 de Narembco tfe l&Mw
knlmh k Aaewtli) Viilaroueo..
Pelo presi-Biinio*onvidados os afilhados e afi-
Hi .das de Alonio ue Azevedo Villarouco, falle
dJo em '-'Mitf:'! no mez de outubro de 1873, a
iprt -<-iit*ai neulro do prazo de60dl\ aeon
ur de-ta data, a certidao de seu nascimenlo, em
cats do ajpaixo assignado, testamenteiro instituido
pelo dilo fkillecido, alim de qne sejam devidamente
attendJdoi na paitilha a que tern de proceder-se
com a precisa igualdade, de accordo com a d'spo-
sicao testaraentaria. Recife, 10 de setembro de
<87i.-jlan el Azevedo de Andrade._________
Catharina fagio.
No dia 36 de a gosto proximo passado, ausen-
ioa-a9(a escrav*, a qnal torn os signaes seguiu-
ws : estatura baixa, rosto redondo, cor preta, pes
o-'queoos, costumava vender leite, anda sempre
com um eaeete que Ibe serve de arrimo por sof-
Tt-r da aheumalismo, ja e idosa e de najiio Cam-
bin 'a : quem e encontrar, negue-a e leve-a ao sitio
do CafcnJo, estrada de Joao do Barros, qne sera
gratifleado.
tiBoas easas de
Vopo a Fanelia ;
Fasao,
Alugam-se
campo, na Cruz das Almes e
a iratar com o commendador
Moleque fugido
Forlnaato, moleque de 13 a 14 annos de idade,
preto, owxo, cheio do corpo, rosto redondo, boni-
'os denies e cab^ilo coftado da fresco ; ausentou-
se na tasde de 10 do eerreBte, com camisa de ma-
ijpoK cal'-a -te brim de cdr, deabotada, cbapeo
de massa nretii, condusindo um serrote grande e
um amarra in de ires tabicas, sobre o beico supe-
rior andawi uliimamente com umas feridiohss.
firati1ea-fe a quem leva lo a raa da Aurora nu-
nero 165.
. Aluga se o 2* andar e sotao do sobrado
d* rua di> Rangel n. 73, todo reconstruido e
assMvlo, com bastantes commodos, escadn
tiidependente do I.' andar, e bem assim o
quintal; sendo muito fresco e com excel-
lente vista para a nova praca do mercado :
para ver as cbaves, estao no estabelecimen-
to de mulliadus do mesmo predio, e para
trat tonio Jose Rodrigues de Souza (seu pro-
pri-tarip.)
Escriptas
Uma poso com habilitacoes, disprndo ainda
e algum temp >, se propoe" a fazer algumas es
liptas, on f 'jam por partida3 dobradas ou sim-
ies, on sHj.nii i,or tll'cetividade ou mesmo tempo-
rariaraftfte. A muita pratica adquirida nesse
> r.i'-io. f;.rantea perfeicao de seu trabalho, e a
-ua ax.-idiii ..d-'. em duvida, satisfara a quem the
mfiaf "ens -crvicas: quem precisar uti!isar-se
de sen pr-esiimo, pode deixar nota na loja do Passo,
ndi undo n rune e Sugar para sor procur.ido.
Engenho Santos Mendes
\ oo OE GRATIFlCAQiO.
& i'tim'i < fng'da desde 20 de dezembro de 1873,
lo t geiihn S,-ntns Mende-, comarea de Nazareth,
freguuwa !a, Ci :n 50 aon s de idale pouco mais ou menos,
baixa, grn.s-a ciir preta, resto alquebrado, pes
sereos e e>pandos, tern cabellos brancos, caneias
fina-, dmis signaes cabelludos no queixo, e e bem
!ad ni ; p fa de beber aguardente e assistir a
?an>tas. Hh toda a probabililade de que este-
,3<'- Era >|i)L'in a !iwr acoilada. A pessoa que enlregar
'ylfi escrava a seu dono, que e o seuhor do euge-
n!i" aeiitiM, Lanrenlino Gcmes da Curba Pereira
i i. on n i Recife, largo do Corpo Santo n. 19,
eirn andir, serarecompenrado com a quantia
' '"'in mil lew.
- .-vim' < i lo)a do sobrado a. I da rua d<>
g;io : ir. a se com seu proprfetario, a rua do
. -i i ii 33.
A pno a dfreja Jos Martyrios : a tratar na rua
ete de hi i ii.bro n. IS.
l'r ci-a - failara> Sr. J aquim de Aguiar
rroj s : ni rua da fiuia n. 45, a negocio
! fc-i pariinilar inleresse.
En^ommadeira.'
I. ci-a '! de uma eugommadeira para engom-
, r.-i ill .- pessoas: a iralar na trave*.-a da
.. tfj V ,uin n. I, das il boras as 4 da tarde, ou
nosegoudi Mii >, depois da esta;So do Chacon.
HOTEL
Restaurant de Bordeaux.
Aberto toda a noite, nos dias de especta-
culo da companbia Italians.
0 teslamenteiro e flfuntariairtc
da fallecida D. Maria Gomes Conti
nho do Amaral,convldi aos paren-
tes eraais pessoas do conbecimen-
to da mesma fallecida, para no dia
7 do cor rente, as 7 boras da ma-
nna, assistirem as missas resadas
no convento de N. S. do Carmo, por alma da
mesma, e nesta occasiao distnbuira parts ou
tod s as esmolas designadas por ella, para os
pobres. _____
:' ^1 l.llJk mMLtf9
Joaquim Mauricio Accioli Lin, D. Rosa da Vi-
terbo Accioli Lios, D. Maria Rosa Accioli Lins,
Fr. Dciscu da Rocha Passos Lins, Maaoel Sebasliao
da Rocha Lins, Joao Baptista da Rocha Baixa Lins
e Antonio Accioli da Rocba Lins, muito cordial
menta agradecem a todos as pessoas que se dig-
naram acompanhar a nltima morada os restos
mortaes de sua muito amada esposa, nora e cu
nbada, Anna dos Reis Cavalcante Lins, fallecida
na villa de Gamellelra, aos 6 do corrente; e de
novo pedem o caridosq obsequfo de assistirem as
missas qne serio resadas na matrix de Gamelleira,
capella do Monteiro e convento do Carmo, no dia
13, as 7 boras da manha, pelo repouso eterno de
sua alma. Desd* ja manifestam se reconhecidos,
e am particular ao illm. Sr. Jo-e Germino de Sa e
Souza, os protestos de immensa gratidfto.
f% i fl j-iyil'ir?i"<
PENHORES
Na ira vessa. da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinh3o .jjiobre pe-
nhorea de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma, casa
compra-SQ qs mes-
mos metaesepedras.
D. Ja< intlia I'lacidu da Rocha.
Antonio Jose Candido de Souza, Maria Magdale-
na de Souza e Jose Candido de Souza, agradecem
cordialmenle a todas as pessoas que se dignaram
acompanhar ao enterro de sna presada sogra, mai
e avo, Jacintha Placida da Rocha, e convidam-as
novamente, assim corao a todos de sua amisade
para assistirem a missa do selimo dia, que man-
dam resar pelo eterno repouso de sua alma, no
convento de Nossa Senhora do Carmo, as 6 boras
da manha de sexta-feira, 13 do corrente mez.
Villa de Palinares
Na padaria denominada Manrity, sita na praca
deste nome, casa de azulejo, n. 2, desta villa, esta-
belecimenlo de Francisco Seraphico de Asms Vas-
oon:eilos, fabrica-se com a maior perfeicao, lim-
peza e barateza, pao, bolacba, e tudo quaato se
pode obter da farinha da trigo. 0 annunciante
protesta servir com esmero e agrado a todos quan-
["tosquizerem honrar seu estabelecimento e se cons-
lituirem freguezes e consumidores.
Aluga se um bom sitio em Beber ibe, com
asa proprla pa-a familia : a tratar na rna da Ca-
deia n 36.
Aluga-sc
o 3 andar do sobrado a rua de Marcilio Dias u.
120, com bastantes commodo3, e agua da eompa-
nhia de Beberihe : a tratar na rua do Imperador
n. Si, das 9 horas da manha as 4 da tarde.
Da e 1:000a sob prnhor
rua de llortas n. 86.
em escravo : na
Da se 2 U00< a premio sobre predio : na
rua de II irias n. 86.
Aluga se barato umas meias-aguas novas, a
travessa das Barreiras, (be-o do Aquino) : a tra-
tar ua rua da Gitovello, cisa de azulejo n. 25.
Leia.
Ainda cede se
Paltr.a n. 3i.
o quarto da frente na rua da
Moleque fugido.
Gratifica-se com 50,000 reis a quem pegar For-
tunato, moleque do 13 a li annos, preto, baixo,
cheio do corpo, ro-to e cabega redondos, nariz
chaio, cabello3 earapionrs e eortados de fresco ;
ansentou se na tarde de 10 deoutubm do corrente
anno, com camisa de raadapolio, calca de brim
de cor, desbotada, e cbapeo de massa preto. Gra-
tifica se na rua da Cadeia do Recife n. 39, ou na
rna da Aurora n. 161
Esta encourac,ado 11!
Agua mole em pedra dura
Tanto da ate one a fnrn
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vitira da -Mall
MCrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a con-
cloir aquelle negocio qne S. S. se comprometten a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
9ns de dezembro de 1871, e depoia pan Janeiro,
passou a fevereiro e abril de 1872, e nada enmprio;
por este niotivo e de novo ehamado para d
am, pois S. S. se deve lembrar qne este negoci
de mais de eito annos, e qnando o Sr. seu nlho
achava nesta cidade.
tfWS&toi
A'Ug-t se uma casa mni muitos commodos,
ra fainuia. e nu nwbiHa, agua e gaz, e por preco
i lo, i i eid de de Oliu la, rua de S. Bento n
: a filar * rua Do iue tie Caxias n. 91.
Afttncdo
.<-. i l.'i'ntrx !><>.s
'.\. ru;-. ""-;.' d i Rosari > n. 35 t- in, como sem
1 n? pi os, I'odas cornaJ e cap-lias de tri-
>, de ur. e louro, r. s s douradas e prateadas
i :>p t.r.i- de mais inHuencia, cap-Has inaia
mpl ''. a n- pi'-t'ia'.borda-se fachas a ouro com
- i-tre; uo (os donos, borda-se avental a
a Ut. : % vi.-tides proprios, eon] todo gosto
: l*>i ;.--. temliudos bouquets com litas
rdan*-, |ii 'odn trrg.), de cravo*, rosas, sauda-
s, e de t"ia e iiualqaer llor, tudo mono narato,
r as i e cera, iir-.ncas, HUM e enearnadas.
Sitio no Caideireiro
Alui:a->e imia br>a Mft com sitio e bons
i iinM (iiia f;iini|ia, por testa ou por anno :
tratar no >'.'.!.-.ir i;o, sit i do Mameds, ou no
;eife,-rur. In* T.rrea n. li.
-- Precisa se alngar uma escrava que saiba com
prar ecozinhar: na estrada de Santo Am.ro
n 39.__________________.
Aluga-se o 1 andar do sobrado a rua do
Amorim n. 41, com 1 sala bem asseiada e 1 qaar-
to com escada indepent^nte, projrio para escrip-
torio ou rapa'es Si-H-ms, por 15J! mensaes : a
tratar no armazem d'i mpsmo soi rado.
u fngitla.
Josepha -usentou se da casa de sua senhora
no dia 5 de outubro e tem os signaes seguintes :
crioula, cor preta, representa ter 25 annos pouco
mais ou menos, tern os d'-dos da mao direita
eortados, levou o tab deiro em que andava ven-
dendo cangica e continda a andar com o dilo ta-
boleiro com toda louca para nao ser agarrada,
levou saia de chita coo an babado estreito em-
baixo, traja camisa com labiryntho no talho e le-
vou GBaias preto : roea se as auteridades poli-
ciaes cu capitaes 3e campo, a .-pprehensao da
dita e.-crava e leva-la ao Caminho Novo, sitio n.
liO, a sua senhora, eu na rua da Cacimba, pri-
nuiro andar, a entregar ao Sr. J ao Francisco
Leite, que sera generosament"* recompensatlo.
E. A. DELOUCHE
l\ -Rna do MaYquez de Oliu da-24
Esqaina do beeco Largo
Participa a sens freguezes e amigos que mndou
o seu estabelecimento de relejoe rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qnalidad- s, relogios dc
algibeira, de todas as qnalida-ies, patente anisso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, inglez, descuherto, dos melhores
fabricantes, cadeia de onro, plaquet e prata, lunetas
de todfs as qualidades, tudo por pregos muito ba-
ratos.
AMA
cozinhar :
va n. 11
Ama
era-
Precisase de uma' livre
va : na rua da Uniao n. 47.
AMA Na rua da Madre de Deus n. 3,~taSica
ilJll-*1- ingleza, precisa-se de uma ama para aer
viqo de cozinha.
^hos,
AtteiiQao
Fueio no dia 7 de setembro o escravo do a
xo assignado, eom os signaes seguintes .- Egi
cabra, idade de 20 annos, cabellos carapipl
olbos aboticados, aliura regular, rdsto um taaii
cbnpado, beicos grossos, bocca regular e
tanto bicudo, cabeci pequena, orelhas regul
bracos, a mesma cousa, pernas regolares, tei
a esquerda e o pe inchado, por Ihe dar erysi
nariz regular, e bum trabalhador de olaria,
^rubem e hoJeetro, e natural de sta cidade do Re-
cife, e foi comprado ao .ex-capitao do perto desti
provincia, Jose Joaqim da Silva Jaeqres : roga o
abaixo assignado as autoridades pojiciaes e ci-
pitaei de campo e de navfos, a sna captura e te-
varem-uo.a povoaoao doe. Afogatlos, qne serao ge-
nerosamente recompensados.
_________Jose Buaroue LCisboa.
Aluga-se
o segundo andar do sobrado sito a rua
Alfonso n. 59, com agua de Beber ibe
rua do Vigar40:n..3l.
de PadM
a tratar 4
Aluga-se u primeiro audar da .caa da rua
do Torres n. 8, propria para escriptorio, ou ponca
familia: a iratar no segnndo andar da rua do Mar-
quez de Olinda.
Esowra
Para cwa da,pequena famtlia precisa-se do nu
escrava que saiba iavar e engoumar e que laea
tambem mais alguns services de casa : na rua da
frnperatriz n. 45, primeiro andar.
Aluga-se o armazem e o l. andar do sobrado
da rai dos Burgos n. 11, assim como nma quarto
por delras da rna d i Sanzalla Velha. (Becco Tapa
do) e uma outra casa na rua do Lobato n. 4 (fre-
guezia de Santo Antonio): a tratar na rua da
Praia n. 20, com Jose Feliciano Nazareth.
Aluga se o segundo andar
rua Primeiro de Marco
dar terreo, loja.
n. 14
do sobrad o d
a tratar no an
Las
A 100 re o covadn
Rua do (Joeimado a. 43, junto a loja da Maf-
nolia.
Lazinhas a cbineza, padrSes modernos, pelo
medico prego de 160 reis o covado.
So o-43.
Vende se uma casa em aberto, na ladeira da
bica de S. Pedro, na cidade de Olinda,
com 33 palmos de frente e grande quintal'
e se vende por barato preco : a tratar na rua
Duque de Caxias n. 91.
Aos 5,000 covados dela
A ie rs.
Na loja do Pavao vende se lazinhas de muito
bonitos eostos e delicados padroes, fazenda nova
no mercado, pelo diminuto preco de 160 rs. cada
um covado ; quem defxara de fazer vestidos de
li tao bonitos e por tao pouco dinheiro ? Forae-
eem se as amostras: na rua da lmperatriz nume-
ro60.
Gama & Srlva Brito, vendem manteiga in
gleza em barril a 800 rs. cada 450 grammas. Vi-
nbo Figueira das melhores marcas a 440 rs. a
garrafa. So no largo da Santa Crux na. 2 e 4.
Gama 4 Silva Brito, vendem rinho do Por-
to, flno, em barril, a SCO rs. a garrafa e engarra-
fado a 15 a garrafa. Venbam aa largo da Santa
Cruz ns. 2 4.
Gama k Silva Brito, vendem gaz liqm'do a 246
rs. a garrafa, azeite doee de Lnaoa a 640 rs. -a
garrafa. E barato, no largo da Santa Crux ns.
2 e 4.
Gama & Silva Brito, vendem velas steari-
nas a 560 o maco, viniode maca, superior, do
mais purificado sabor, proprio para senhora, a
1|200 a garrafa. Venham ou uiandem ao largo
da Santa Cruz ns. 2 e 4.
Fugio.
ha dias, do sitio n. 7, junto an sitio rmhecido
pelo dos 4 leoes, a estrada de Joao ! rnandet
Vieira, a escrava Maria, com os segmutes sig-
naes : alta, bem preta e com marcas de bexigas
no rosto : qnem della der n olicia, ou a levar io
mesmo sitio, eu a mi da Madre de Deus n. 5,
primeiro audar, sera fratiGcado, prote tan-
do-se desda ja contra quem a tiver acoutada.
Cola superior da Bahia
Oa fabrica (umnclio.
Teem para vender Joaquim Jose Gonc,al-
ves Beltra) fj Filhos : & rua do Commercio
n. 3.__________________________________
Liquidagao de bons livros.
Esta se liquidando por precos mnitissimos com-
modos e baixos, excellentes obras de direito, phi
losophia, litteratura, anthropologia e geographia,
pertencentes a nrha pessoa que ;e rttira para
Eurona no -corrente mez : a Papelaria Parisiense,
rua do Imperador n. 71.
VeniiG-se
uma casa taHtiafla fiftztef-ds, nr_ do Cos
mercio, por preco modlco : a tratar eon Taaa
lrraios & C.
Farinha de maDdioca.
Na rua do Rangel n. 67, vende-se por 6 a
sacca, mui'o boa.
Aluga-se
o sitio da estrada dos Afflictos n. 30, caiado e pin-
tado de novo, tem duas grandes salas, 7 quartos,
gabinete, cozinha, tanque para banho, cacimba,
etc., etc., junto a primeira estacao da estrala dos
Afflictos e perto dos bonds de Fernaades Vieira :
trata-se na rua do Apollo n. 30, armazem de as
wear. ____________
Aluga-se dons banheiros de pedra e cat nae
Praia de S. Francisco : a iratar na rna Fuqueo
d eCaxias n. 91.
Hotel Hestaurant de Bor-
deaux
Pede-s >;,m Srs. abaixo mencionados, o favor de
appareredam no dito hotel, para se eetenderem
com o admini-traior, a negocio de seus particula-
n inli"-ess-s :
limn* i (ma*C*J )
'- Mara Cnrreia das neves.
Manoe' Amancio.
Knit Imhalz
6 lgneii Kiieiro Roma.
* ieeote Severin < Alves.
:.: Pire i-'-rrnra.
Crna R.imos igaarda-ittns)
iabri (mascat ).
Aluaa-w pelo tempo da fesu uma casa mui-
fre-<"a sin >, no principle da estraia da Torre,
i marg in do rio, perto d-<* bonds : na rua do
,:(!'.:/. ; _: 'a n 62.
Am i ii ( andar do sr.brado n. 12, .-ito a
de a! ii.ii Oias, defronte do oitao da igreja
Uvrament i : quem precisar, dirija-se ao 1
. r d.: a bradu u. 36. na mesma rua
Precisa-se de duas a mas, sendo nma para
cozinhar e coroprar o cutra para eogoramar e
ensaboar : na rua da Cone rd*a n. 43.
0 ADYOGADO
Ernesto d'Aquino Fonceca.
_____Pateo de Pedro II, n. *
massa fallida de azevedo d c.
Os abaixo assignado adminislradores da massa
fallida de Azevedo & C., rogam aos credore3 da
mesma queiram vir apresentar seus creditos a rua
do Marquez de Olinda p. 36, afim de proceder-se
a respectiva classificacao, devendo apresenta-los
dentro de oito dias, a contar nosta data.
Recife, 30 de outubro do 1874.
Monhard Mettler&C.
2 andar
Aluga-se o 2 andar do sobrado n. 70, a rua Du-
que de Caxias : a tratar ua loja.
No collegio da Coneeicao preoisp-se do nm
homem para porleiro, que de fl.dor de sua con-
duca
'SO
-1
i teira de conro e mais alguns pa
iitoa e coutas do nonhum valor, ex
: quem a achoo, tenha a bondade
ii t rua da Cruz n. 4, hoje 3otn Je-
.na pe
I eis, -en)o n
pto a
i
-, arn iii
A if i iiin moleque de 19 annos, bom
inben ,i,'iro, inlelligenle e active, podendo
mii: i ii qtialquer outro servico de casa:
ii'atoi i ': 'a- do i-.brado n. 20 da rua da
impenM
fan h e
.;a du 'en
i'eatnra n
[ roprii t
la rua d i U
AIh^a-so
rcelro aniiire do .-obrado n. 3 da
-, e a casa tseirea n. 34, a rua da
i. do Lapa : a entender-se com o
no segand i andar da casa n. 41
lIMfftl,
ReUll
kubre 1'.": ,
rreno p..
igreja
ia po.
m CO: i
il prd nd
A'itni i
i
. Ilina ,
irraad i
3 <*. ,:
.'oclaattou(}ao
m frente par3 a rua da Amizade,
de fundo, uita porcao de oplimo
4iBcac4o, tirida do sitio cintiguo
1>j6 da Mauguinho, dj preco de
Aqnella fr-ate e toda murada,
. te postal ior e a Jajeral extrema:
podem anten or se corn o Sr. Dr.
I i!lar com o Sr. J jao Leite Torres
r> ,: cio de dm amiga que quer ser-in-
a ir tar no armarcm do Campes, rea do
ii. 'AO.
Novo divertimento
MAGUSTO
Tod is
as u iii-s
NA
C'jnfeilaria do Campos.
0 barateiro a rna Primeiro de Marco n. rece-
ben nm bom sortimento de pepelinas de seda com
bonitos gostos, e esta vendendo peio baratissimo
preco de 600 rs. o covado I Convem ver, pols
azenda que sempre euston 14000
Boa.moradia.
Vende-se um excellente sobrado, com uma
casa pequena cont'gua, litas no Poco da Pa-
nella, rna Real n. 30, com bons commodos
para uma familia grange, tendo diversas sa-
las grandes e mritos quartos, todos com
janellas; quartos para criados, cocbeira,
estribaria, grande copiar, casa de banbo
e jardira de cada lado. A casa esia" em
perfeito estado, e esituafSo e" a mais fresca
a saudavel possivt-1 :a tratar com a proprie-
taria D. Maria Purcell Raulinson, na mesma
cais^ .
COMPRAS,
Compra-se com lodo empenho um eom pen
dio de gecraetrii de Euclides, em bom estado :
na rua da Aurora n. 137.
O Monte Lima
tem um complete sortimento de galao e franja de
onro e prata, verdsrteiro, de todas as larguras,
abotoadnras dxuraitaa- para oWeiaes, canutiliros e
ententes para bordado. Tasnbem se encarrega de
todo e qualqaer fardamentn, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, drajionas, c.barlateiras, ban-
das, abotoadnras lisas e donradas, para criado
etc.; assim oomo um cornpleto soriimento rh
ranjas, galao falso para ornamento, cordio de la
com borla para qnadros e espelhos (conforme o
gosto da eaoommenda) tudo pir muito menos
preco que em outra qualquer p.-.rte : na praca da
Independencia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
Vinho superior
Na rua da lmperatriz n. 67 acaba-se de receber
excellente viuho do Porto, em barns de 50, 76 a 160
garrafas, e vende-se muito barato, garantiado se a
qualidade.
Precisa-se de uma mulher forra ou eecrav3
para vender na rua : a tratar na rua dosPraxere3
n. 9, freguezia da Boa-Vista.
Cavallos furl ados
Do sitio da Ponte de Uchoa n. 23, furtarara um
cavallo castanho, bom esquipador, o qual 6 mnito
conhecido ; uma burra cinzenta, com uma Ustra
preta no fio do lombo e outra atravez das espa-
doas, tem uma pelladura no quarto esquerdo, e e
muito pequena : roga-se a qualquer pessoa ou
autoridade, que dalles tenha ooticla, de apprehen-
ce-los e communicar no sitio acima, ou a rua do
Marquex de Olinda n. 18, i andar, que se reeom-
pensara generosamente
2. andar.
A1nga-se o segnnflo andar a rua do Padre Flo-
rlanno : a tratar na rua larga do Rosarlo n. 28.
. 5*
Tendo-se deseneamlnhado oe taloes ns. 7,648
e 8,964, pertencentes ao seguro da vida no ban-
co Uniao, da cidade do Porto, em Portugal, a favor
do padre Jose Lopes Dias de Carvalho, lallecido em
22 de novembro de 1870, na freguesia de Santo
Antonio, de Garanhung, nesta provincia de Per-
nambuco, seu pai e herdetro JoSo Rodrigues Dias,
residente no lugar de Samadella, freguezia do
Pombeiro, julgado de Arganil, no dito reino de
Portugal, assim o faz publico, cbamando qualquer
interessado aos ditos taloes para que no prazo de
30 dias, contados da dau desta publicacao, o ve-
nbam reclamar na mesma oidade do Po to, e nao
ofazendo ficara o dito berdeiro babilitado para re-
ceber do dito banco o que se liquidar desde o anno
de 1870 em que finalisou o seguro
Ados e warn,
Nem ha lugar mais apropriado para solemni-
sar-se os aetos e exames que se estao agora
fazendo., do que na
Confeitaria do Campos.
Alii OS respective^
Esfadantes
EncontrarSo
Una variadissiuia
Hefeigao, com a qual
Devem presentear
Os seus colleges
E amigos.
Reparai bem
______E' na Copfeitaria do Campo.s
Diarios.
Na rua larga do Rosario n. 27, compra-se Dia-
rios de Pernambuco e Jornal do Recife.________
Compram-se
as collecgoes de leis provjneiaes de Pemarn -
buco, dos annos de 1849, 1855, 1866 e
1869 : nesta typograpbia.
Vr.NDA$
Gheguem k grande pechin-
cha
0 Detengano esla vendendo pelo baratissimo
preco de 300 rs. o covado alpacas de la e seda,
fazenda muilo fina e de lindos padrdes, fazenda
que mn'-tOS vendem a 11200 o covado ; 6 grande
pecliincha; ct.eguem a i lias antes quese acabem :
na rua do Crespo n. 2a. junto a loja da esquina.
Saliiiias de bailc
Amaral N.ibuco & C. receberam pelo ultimo va-
por da Foropa elegantes sahidas de baile de di-
versas cores e veideni por comraodo preco : no
bazar Victoria, rua do-Barao da Victoria n. 2-
Yende-se muito barato o seguinte :400 tijolos
de cacimba, 300 ditos para forno, 3-portas de
amarello, 4 travetas, 1 pertada de araarejlo, 2 ca
vernas para eaeda, I jnnelhu de amarello, 49 gra-
des de fazer tijolos, de diversas fbrmas, 8 batedei
ras de tijolos, i feixes de ripas, uma bonita e
grande arma^ao para escriptorio, il taboas gran-
des de amarello, 4 grades de fazer temas, 4 pedras
grandes para soleira e ouiros muitos objectos,
tudo novo e muilo bom : a tratar na rua do
Visconde de Goyanna, olaria n. 63, a qualquer
hora do dia.
500 rs. o covado de alpacas
de seda
Ma rua do Queiniado u. 43
Valem ' > o covado.
Alpacas de seda com listras, largun de chita,
padroes bonitos, pelo diminuto preco de 500 rs.
o covado ; so o 43 e quem tem, junto a loja da
Magnolia.__________________
Padaria.
Vende-se um eaixao de padaria, eom pouco
uso : na rua Imperial n. 147.
Insignias ma^onicas e cadei-
ras para viagem
Amaral, Nabuco k C. vendem insignias maceni-
cas para diversos graos, e cadeiras a abrir e fechar,
proprias para viagem : no Bazar Victoria, rua do
Barie da Victoria n. 2.
Vende-se
duas balanjas, sendo nma grande, de brajo Ro-
mSo, com pesos, eorren'es e conchas, proprias para
armazem de a-.-uear ou para algodao, e outra de-
cimal, das mais modernas e do melhor aulor ;
bem como uma colleecao de letras alphabeticas, e
de algarismos de todo'o tamanho, abertos em co
ore : no armazem n. 3 da rua do Vigario The-
norio.
Bom negocio
Vende se ou da-se sociedade a algum principian-
le em uma bern afr guezada taverna, em bom lo
cal e com poncos fundos, tudo p^r ter o dono de
retirar se para for a, afim de tratar de sua saiide,
e desejar eulrega la a quem possa, pelo interesse.
dar boas contas : a Iratar na rua do Pombal a. 16,
ou a i u da Kibeira da Boa Vista n. 25.
Bom sitio.
Vende-se por preco medico o da estrada dos
Afflictos n. 31, defronte da estagao do mesmo no-
me, com solo propric, to'lo coberto de fructeiras.
boa casa de vlveada de tijolo e cal, cacimba de
agua boa, baixa de capim e cam boa : a tratar na
mesrxa, ou na rua de Santa Cecilia n. 18.
C'^IjfMlftO
KM
LIQUIDAfjAO.
liquidando os calcados
alto e
0 Paris n'America esta
pelos ;e^uintej precos :
Botinas de duraque, de cdres, com cacno
laco, a Lniz Xv a SjOe.O III
Botinas de duraque, de cbres, tordadas. canno
alto, a 6^ I!!
Botinas de duraque com laco a 3&.
Botinas preta- gasp >adas, canno alto, a a#, 5J> e
63000.
Botinas li as e eofeitadas, para meniaas a 3S,
li tinas de Snzer, de cordovao com ponleira ee
verniz, pa-a homem a 8j. Aproveitem, que e
barato.
I*or urgeme precisilo dc di-
uheiro.
Venle-se urn sitio distante pouco mais de lj2
legua desta cidade, com perto de 200 palmos ae
frente e 2,000 de fundos, com diversa^ fructeiras
grandes e pequena". A casa tem na frente um
Sji tao com rotula e janellas envidracadas, tendo
salas, 2 quartos e boa cosinha com fogao inglez.
Os pretendentes podem dirigir-. e sem receio de
ser isso uma especulacio e nao necessidade, a rua
do Imperador n. 6, tbesouraria das loterias, a tra-
tar com Joaquim Lucio de Almeida '.opes.
200 rs.
0 COVADO !!
LSsinhas de listras assetinadas, so oa rua
do Queimado n. 43, junto da loja da Mag-
nolia.
E' e.specihlidade do 43.
l.asinhas de listras assetinadas, gostos
muito modernos, pelo diminuto pre$o de 200
rs. o covado. So o 45" 1 Dao-se amostras
com penhor.
Aluga-se
os armaxens ns. 65 e 69, na praca do ebafariz em
Fora de Portas, nm onde teve ten da de ferreiro
o fallecid > E. Mabult. 0 outro que esteve occu-
pado com venda de molhados, para o que 6 op-
timo pela localidade e ser do esquina. ambos livres
e desembaracados de irtpoftas: a Iratai com o com-
mendador Tasso,
Fuudas Herniarias
ELECTRO-MtDICAES
Para ligar perfeitameuto e curar radical-
mente
as |iieJ)P{luras
Ess^s fundas estabelecidas sobre os conheci-
mentos medicaes e anatonicos maniem as qnebra-
duras as mais volumosos e diffleeis, impedindo o
seu deseovolvimento. Elles teem uma accao elec-
trica que na generaidade dos casos opera ama
cura radical sem que o doente se 9ujette a pres-
cripcao alguma, a excepcao do uso cootinuo del-
las. A enra opera-se no periodo de 12 a 20 Ine-
zes conforms a hernia mais ou menos ano'g*.
Unico deposito em Pernambuco, pharma-
qia e drogeria de B^rtholoaieu & C.
______Rua larga do Hn.irio n. 34.
Vende-se nm bonito cavallo novo o bom bal-
xeiro : a tratar no Manguinho, sitio n. 2, portao
de ftrro, de manha ate is 9 boras, e de tarde de-
pots das 1 boras.
0 Desenginoestaquei-
mando
0 proprietario deste estabelecimento tem reeol-
vido vender as fazeudas exl-tenle9 em seu estabe-
lecimento, por menos do que em outra qualquer
parte.
Varizinesc de seda.
Vende-se esta fazenda de lindos patr3es, de lis-
tras e palmas, pelo diminuto preco de 390 rs. o co-
vado, por Ur uns toques de roofo, 6 grande pechin-
cha. Ei!a fazenda tambem serve para luto, pox
ser toda preta ; e fazenda de 24500 o covado.
Damasco 0 Deseneano esta vendendo damasco de la de
lindos padroes e de duas larguras, pelo baratissi
mo prego de 4*000 o covado, e fazenda de 2jo00
Aproveitera qne o Beseogano esta queirnaado.
Cassquinbos de gorgoran de seda.
0 Desengan > esta vendendo casaquiohos de gor-
gorio de seda, enfeilados, pelo baratissimo pieco
de 6^000 cada um, e grande pechincha. A elles
antes que se acabem.
Organdys a 320 rs. o covado.
V-'ii I !! e Organdys de listras, braneo, pelo ba-
rato preco de 320 rs. o covado. Aproveitem.
MadapulOes de 40000 a peca.
0 Desengano esta vendendo madapolao francez
com 20 varas a 44 a peca; dito muiw lino, a 5/,
5^300, O^e'ja peca ; 6 grande pecbincba.
Algodio marca T, largo, a is, 4^500 o 51 a
peea.
Ricos chape'os de sol de seda, com cabo de mar
6m, a 111 cada um ; 6 pechincha.
Batistas do liudo- padrdes a 400 rs. o covado.
Lniulias de cores, bouilos padrdes, pelo diminn-
to prec.0 de 160 e 200 rs. o covado. A eilas antes
que se ac.ibem.
Cam.raia Viet Ti'a, a 3*300, if, 4/500 e 5* a
peca.
Alpacas de cores, la a seda, bonitos padrdes, a
500 rs. o covad) ; e grande pechincha.
Melins de cores, bonitos padrSes, a 280 e 300 rs.
o covado.
Chitas claras de lindos padrdes a 240, 260 e 980
reis.
E outras muitas (azendas que deixa de mencio-
na- as para nio se tornar enfadonho, por isso o
proprietario eonvida a todas as pessoas a fazerem
uma visiti a seu esUbeleeimento, afim de sorti-
rem se do bout e barato. Raa do Crespo n. IS,
junto a loja da esquina.
Vende so a uverua da Ktrolla, na entrada
do f uadao, de Beberibe de Baixo : a tratar na
mesma.
mm
LIQUIDACAO
Loja de fezeadas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miudas mnito boa* para roupa $
meninas a 160 e 900 rs. o covado.
Li pretas, superior, a 400 rs. eevado.
Alpacas de cores finas a 390 e 360 rs. o cova*
So se vendo.
Ditas com listras abenas, tesenda tea, a 08 r*
covado.
Chitas de cdres a 240 e 280 rs. o covado.
Metins de cdres miudas a 280 rs. o covado.
Cretoaes, o melhor qne Man vindo aa
400 e 440 ra. o covade.
Cambraias brancas, bordadas e abertas,
mais Una que tem irindo aa mercado, i
de SiOOOo metro, por 1*1000 a vara ; p-
chinsfca.
Ditas pretas com lores oteias a 900 rs. o eotad
Cambraia transnarente, fina, a If a peca.
Dita Victoria, fina, a 43000 a peca. -
Organdy de assento braneo a da cores, aca 8
res miudas de seda e da la, a 400 rs. a oevad
E' pechincha.
Cortes de casemira de cores modernas a 5350*
corle ; e fazenda de 84. E' pecbincba.
Camisas de linbo finas, litas, a 353 a dozia, e fa
zenda de 553-
Brim braneo delinho a 13400 a vara.
Dito Angela, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolao Irancea verdadeiro, 14 jardas, a 63
7* a peca.
Algodao T, largo e superior, a S3 a peca.
liorgorio preto de seda para vesUdo e para colls.-
a 33 o covado
Toalbas alcochoadas a 43500 a dona.
Colchas grandes a 33500 uma.
Cobertas de ganga, forradas, a 33.
Lencoes de bramante a 23 am.
Lenoos de linho, ?bainhados a on rminaai
33500 a du.-.ia.
Ditos de caca de cdres abaianados a 33500 a *i
zia.
E ouiros muitos artigos que ae vende por m.
nos do que outra qualquer parte a para sa dt'
So na lorem queiram mandar ver as ataostras.
enganaja de
Gnilhcrme k C.
Para o fabrico de chapeo-
A NOVA ESPERANCA recebeu o arame propr.
para armacio de cbapeos._______^_______
MILHO BARATO
Cincoenta e seis kilos por 3a4O0, q asi oatas ;
errobas, sendo a retalho a 280 por meio iecalitr
qua e mais de nma cula, no armazem da bo!x
amarella, travessa da rua do Imperador.
MM
DAS
FAMILIAS
Bd i Doquc de Caxias n. 60 A
Para a f esta
Reis e Sirva A Gaimaraes, proprieiarias deal
bem conhecido estabelecimento de fazendas tea.
convidam aos seus fregnezes e amigos a sortirex
se dos artigos indispensavsis para a f>-t, artigo-
da ultima mod:, e de lino postn, oa qoaes se ver
dem por modico pr. eo, do fwma que igual sio s-
encontra em outra parte.
Afim de que o pubiico avalie o qne levam dir
offerecem a sua preciosa con'ideracSo a wgain*
mt-ncao:
Riquissimas ptlinaises de gorgoran preto, rica
mente etifritadas, pelo drniinoto preco de 363.
Linlismmus casaqoinhos de gorg ran preto, r
cameole boidadc s, sendo cnrtinhr.< rcafurwe a tr.
da, pelo diminuto preco de 1230i>0 cada nm.
Riquissimas sa' idas de baile, de la e seda, par.
senti.ra, inteiran ente novidade, peio diminut
preco de I2;000.
Lindissimas capinbas de la e seda in teira m n
te novidade, pelo iusign.ucanU p.e^o de 83U0D
10 5 00 cada uma.
lb luissun.'S cacbinets de ia e seda, pelo dirainu
to preco de $3000 cada um.
Um Completo sortimento de cap. Has com veio d
bloods, proprias para noivas, pelo diminuto prec
de 103, 13 <-. 0* cada uma. L L ,:*i<, I E
mo .-ao liudas?!
Ri mis.-imos lacinhos dm flveli, pr .pris par
pesccco de senhoras pelo diminuto preco de l/5f>
cada uma.
Lindas gravatinhas Is cdr, prow as para senb><
ra?, pelo diminuto preco de 13000 : i la uma.
Liudissimas rosas com alfiiiclc.-. pr|trias par.
peito de senhora?, pelo dinmuto preco de 135(
cada um.
Cambraias brancas, bordadas de cores a la, fa
zenda modernLssima, pelo preco de 540 rs. o c.
vado.
Cambraia transparent?, com duas larguras, p'!
prego de i:i :0o0 a pafa.
Cambraia transparente dna> Suiisa, a 6^500
peca.
Cambraia muito Una, Victoria, a 73900 a peca
Meia< de cores para homem, pel) diminuto ^ri
(0 de 8jOOO a duzia. E' barato I
Riquissimas caiiiuhas. cada ama am uma dc
zia de lencos de linho ja abainhsdjs, p.lo dia..
nuto preco de 535C0, 63, 63500 a 73-
Grosdenaples preto, fazenda mu to super'rr, -
13200 o covado.
Se.iai braneo, Macau, fazenda superior, al;:
o covado.
Riquissimo soriimento de popeiinas de linbo, pe
lo diminuto preco de 440 e 500 rs. o covado.
Riquissimas faias de seda. fazenda modernise,
ma, pelo Con modo preco da 93200 o cuvadw.
Popeiinas de linho e seda, padrdes tatoira
mente novos, a 13600 e 1^300 0 covado. E ba
ratol
Grosdenapoles cdr de rosa, fazenda muito sup
rior, a I36OO e 1*700 0 covado.
Um comolelo sortimento de las e alpacas de se
da com listras a 700, 800,900 e 13- E" muito ba
ratol
Um complelo sortimento de las, a 180, 200 2i'
320 e 380 rs. 0 covado.
Madapoldcf, Elephante, oom 2< varas, a 4.51"
a peca.
Madapolao, Maravi'ha, com 20 jardas, a 535(H
a peca.
Madapolao rranccz, Madraste n. 55, a 63200 a
peca.
Madapolao superior francez n. 60, a 73000 a
peca.
Assim como um grande sortimento de chitas c:
curas, claras e ouiros artigos.
RE13 E SILVA & GU1MARAES._______
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a raa Duque da Car a
0. 63, recebeu desta necessaria linba.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANCA vende papel de Dak
proprio para cigarros, de diversas largoraa.
Alpacas a 400 ra.
0 Desengano esta vendendo pelo dtoantjla pre
co de 400 rs o covado, alpaeas de ia e soda,
lindos padrdes, fazenda mnito fina e larga, quo
sempre se venderam per 13900 o covado, e par*
acabar; a ellas antes que se acabem : na n
Primeiro de Marco n. 95, janto i loja da es Asunicas verdadeiras

Bickaa hamburgueaaa one vean a
oa nu do Marouax te ulinda . II
Chocolate doMarauhao
com
Venle-se um terreno no becco do Esplnheiro, t Unieo deposito nesta etdate, an casa do Jooi
m 133 palmos de frente e 300 de fundo : a tra* f Tavarei Carrwro {
tar a roa da Madre de Deus n. 6, t* aadar.
14 C, rna Dlrote a. 14,
1 vende pttos precos e vantage* te ftfrka.
U r':-^

I



s
V
WM.
*-cr.
ffiariO J* FernafeduW L^TjIiartdf fjfra 1 ratfm'teatbfo dtf T*74.

Fazendas e artigo* de alta
ridvidade
LOJA DO PASSO
Rua Primeiro de Utrc-o n. 7 4.
ft ordel ro Nlm3ei AC, proprfeurios
ste importante esttbeleclmento, no louvavel oro-
orosito de nio desraentirem o zmst&a one os
was Hamerosos freguezes lhes ten dispensado
cabam de receber de sua. oonu o nais nco sor-'
;imento de sedas, popelinas, las e artigos de ol-
.ima moda em Paris, e continoarao a receber
jor todos os paquetes daquella procedeneia ; por
isso cnaroani a attencio de seas freguezes e os
eonvidam a darem am passeio ao sea estabeleci-
mento, garautindo-lb.es qae encontrarSo a reali
lade do qae fica dito, e para prova dao ura pe-
tttcncSo dos pretendentes.
Haadam fazeodas a cast dos fregaezes, e dab
imostras mediante penhor.
A.rtlg*s de alta novidade e
nliiinn moda.
Cortes de vestido de linho guarnecidos de bico
>la me3ma fazenda e cdr, trazendo fivella, bolca
:into, etc etc.
Riquissimos chapeos para senhora, de coTes e
sretos..
Cortes de carabraw brancos com liodos bor-
Jados.
n; > de cores com enfeites da mesma fazenda,
urine, etc. etc.
Capas de 14 par* meninas e senhoras, guarne-
Jidas de armraho.
Vestuarios para haplisado.
Riquissimas caraisas bordadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
IVicas colchas de seda, para casameolo.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dfco preto.
Sedinhas de delicadas padroes.
Setim Macao de todas as cores.
Srosdenaples pretos e de cores.
Velludo preto e damasco de seda.
Jranadine preta e de cores.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basqainas de seda.
Casacos de merin6 de cores, H, etc.
Matitas brasileiras.
Capellas e raantas para noiva.
Cambraia de cores, ditas mariposas Urancas, de
iores, lisas e bordadas.
Flor do'bosqoe (novidade).
Percalinas de quadros, lisffas, etc.
Brins de linho para vestidos.
Fustao de cores.
Saias bordadas pira sanhora.
Grande sortimento de camisas de Hnho lisas e
ordadas. para horaem.
Meias de cores para horaem, senhora, meninos
meninas.
Sortimento de chapeos de sol para horaens e
enhora.
Merioas de cores para vestidos.
Dito pieto trancado e de verso, bombazina, can-
to, alpaca, etc. etc.
Atoalhado de linho e aigodao pare toalhas, e dito
oardo.
Damasco de 13.
Brim de iinho branco e de cores.
Setins de lindas cores com astras.
Chales da merino de cores e pretos
Ditos de-touqnim e ditos de casemira
Camisas de- chita para homw ("las de lla-
aeKa.
Cereuias de linho e ditas de aigodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de labyrinthb.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
ara baiies, e tarlatana de todas as cores.
Colchaa de damasco de la, e ditas de crochet
Espartilhos lisos e bordados.
Foulard de seda, lindas cores.
Meias de -seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Popelinas.
Neste artigo temo3 ura variadissimo sortimento,
ao so em gosto como em qualidade.
La*
om listras da seda, ditas com-palms bordadas,
litas transparent e de outras muitas qualidade*.
Lavas
4 pellica brancas e de cores, id verdadeiro fa-
ricante Jouvin.
Finn intense j
apetes para -sola, cadeiras, cama, entrada, etc..
-ambraias brancas, chitas de todas as qaalfdades,
madapoloes, esguiao, hreUnhas, bramantes, algo
'res, collarinhos, pan bra, meias para homem e
senhora, panhos e collarinhos brancos e de co-
3 para senhoras, gravatas para fcomem e senho-
a, peitos bordados, lencos de linho brancos e de
lores, ditos de cambraia de linho, toalbas, guar-
Hanapos, panno fino, etc., etc.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Marco n. 7 A
aniiga do Crespo.

=
Grande liqSmacao de fazendas
NO'
N.72.Rua d
a
J,
Imperatriz--N. 72
DE
Mendes Guimaraes & lrmaos.
Tendo os proprietarios deste estabeleciraento resolvido diminnir o grande deposito de fa-
zendas, cntenderam fazer esta grande liquidacao, como sc v<5 dos pregos abaixo mencionaJos :
candidms
arandellas.
Na
Bpifrtifhos.
a loja do Pavao, vende-se espartilhos]
(W% rfrais rnodernos a 3ff500 c 4000 cadaj
um ; assim corns bonitos cintos com lacps
de setim a 59000, e sediahas lavradas com '
toque de mofo a 13000 o covado: A raa j
da Imperatriz n. 00, de Felix pereira da
Silva.
Merino
Chitas largas a 160, 200 e 880 reis.
Vende-se chitas franceias e flnas a 130,280 e 320
o covado;
Laiinhas a 120 riis.
Vende-se lazinhas para vestidos a 120, 240, 320 e
400 reis o covado.
Chitas parti cobertas a 280 reis.
Vende-se chitas para cobertas a 280 e 360 reis o
covado.
Alpacas de cflres a 640 reis.
Vende-se alpacas de cores, flnas, para vestidos de
senhoras, a 640 reis o covado.
Metim de cores a 320 reK
Vende-se metim de tores para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas flnas a 280 reis.
finas a 280, 320 e 360
Vende se cassas francezas
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3000
Vende-se cambraia Victoria1 para vestidos a 3/,
3*500 e 4*000 a pe^a.
Cambraia transparente a 2 e 3JOO0.*
Vende-se pejas de cambraia transparente a 3i,
3J5O0, 4* 5*.
Cortinados a 14|000.
bordados para camas a 14*'
Vende ge cortinados
16* e IS*.
Ganga amarella a 400 reis.
Vende -se-gangs amarella para vestidos de senho-
ras e roupa parameninos. a WO reis o covado.
Brim de c5res a 400 re"is
Vende se brim pardo e de cores para ca'c,as t
400 rtiis o covado.
Toalhas para rostd a 700 reis.
Vende-se toalhas dt linho para rosto a 700 e 800
reis cada oraa.
Chales de IS a 640 reis.
Vende se chales de la de quadros a 640 reis, cha-
les de metim a 1*160 reis, chales de merino
lisos a 2*, e chales de merino estampados, a
3*600, 4* e 5*.
Aberturas a 2^009.
Vende-se aberturas de linho bordadas, para ca-
misas, a 2* e 3*500. Ditas de aigodao a 200 e
400 riis.
Cortes de casemira a 5*000.
Vende-se cortes de casemiras finas para cakas a
5*, 5*500 e 6*
Cortes de brim a 1*400.
Vende se cortes de brim de cores a 1*400. Ditos
de brim de Angola a 1*806 e 2*500.
Cobertas a 2*000
Vende-se cobertas de chitas de cores a 2*.
Colchas a 2*000.
Vende-se colchas de fustao para cama a 2*, 3* e
4*.
Paletots a 3,000 rs.
^ Vcnde-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. ;'calcas de casemira prrta^e de core
letes de casemira preta e de cores, e ontra s
tas roupas feitas baratas e fazendas qne est
quidando no Baiar Nacional, a rua da Im
Iriz n. 72.
A'ehTpreza1 do gaz, tsndo receMdo- aitimamente
uma qoantidade de lustres', caadteiros, araedeflas,
globos etc. etc., tndo obra de gosto e d primeira
qualidade ; acha se em posicao de supprp a sens
freguezes, por precos men.res do que ahfig'amen
te. Para verem as amostras, dirijam-se a raa do
imperador n. 31:
Geroulas e camisas.
Na loja do PavSo, vende-se ceroulas fran-
cezas de todos os tamanhos para homem a
13600, e ditas
3$fJO0.
Camisas brancas com peitos de algodSo,
fazonda fina e por estarem um poueo en-
xovalhadas a 2fJ(J000 a duzta, ou a 1800
ia. ditas com peito de esguiSo de proprias para passaros; a ellu antes qde se aca-
para
de linho a 2900, 2|$500 e
Pentes girafe.
Pentes girafo, prop:ios para senhora, (ultima
moda): a Magnolia a rua Duqne de Caxias n. 45
6 so quem tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecaa de cera que cha-
mara papaj/tpaniSl, choram, andam, etc. So na
Magnolia a rua Duqae de Caxias n. 43.
Gaiolas, gaiolas.
A Magnolia, a raa Duque de Caxias n. 46, re-
cebeu .gaiolas de arame de lindissimos modelos,
Merim') azol fino de leas larguras a IJ60O at
vado e fazeuda de 4f000, na raa do Ct-o-i t
| loja do Guilherme & C.
Aos Srs. deengenhus
I Cbila com 4 palmos de largora, (atrsda mi r.
! superior, a 260 rs. o covado, proprias para ram
ivos: so a rn-i do Crespo n. 20, loja de flu.
; Iherme A C.
liriho a Sftoilti e 3JJ366 cada uma, ditas
com peitos e punhos de cor a $000 e
2JJ500: i rua da ImperaAriz n. 60, de Fe-
lix Pereira da Silva.
Lein.
Sitio e casa
Vende-se ura sitio com uma casa nova, tendo o
sitio 800 palmos de freote e 1,115 de (undo, a casa
edificada com bons commodo3 e boa cacimba, na
estrada nova de Bebvlbe, perio da encruzilhada, senhora.
o qne se torna cormnolo por ser 250 rs. para ir Grande variedade de penteadores
na ! ordem, no trem da via frrea ; acha 96 des- enfeitados, para senhora.
j oecupado : quem pretender, dirija se a rua larga
; do Rosario n. 20.
ART1G0S DE GOSTO
Aeabam de chegar a rna ! di Marco n. 13,
loja das collumnas, de Antonio Correia de Vas-
concellos, o seguinte :
Modernas chapelinas e ch^peos para senhora.
Lindas grenadines de cores para vestidos.
Snperiores las assetinadas, gostos modernos.
RonpSes de cambraia branca, bordados, para
laiHisas.
E' com as senhoras.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, par-
icipa ao bello sexo que acaba de receber da Eu-
'opa, um completo sortimento de artigos de ulti-
a moda, e como acha desnecessario fazer um
mfadonho annuncio, por ja ser bastante eonhe-
:ida, e caprichar sempre em ter bons correspen-
ientes, sendo a primeira qae apresente o qne ha
4e mais moderno e por precos mai razoaveis, por
sso limita-se a descrever somente o seguinte:
$ettas douradas.
Sicos de cores, tanto de seda como de guipure.
deques dourados, de madreperola, marfim, tar-
taraga, osso, etc.
Ahitiaa de baile.
Presences, diversos artigos proprios para pra-
sentes.
*llnbaa e pnnhoe.
anual para mi.a, com eapa de madreperola,
tartaruga, marfim, velludo, etc.
apatinhos de setim para baptisado.
Canal sas bordadas para seakoras.
Cisas de seda.
vranjas mosaieas.
Aderecoa de tartaruga.
Voltas'de madreperola.
PalseiraS de madreperola.
Lindas (lores para cabeca,
Boisas de velludo.
Perfiimarias dos melhores e mais afamados
fabricantes.
Cnaneos de sol para senhoras.
vitas de velludo de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereis livrar-vos destes maldltos insectos? com-
orai uma machina de matar moscas por 3*000
ca Magnolia, a rua Dnque de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, ven-
le o verdadeiro Vigor de Aver, que impede a
-ahida dos cabellos.
Sardas epanos.
So tem sardas e panos quem qner; porqne a
Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem para
ender a verdadetra Cutiealeria, que faa desappa-
acer estas manohas em poucoa dias.
Ao barafeiro
A' rua 1 de Marco n. 1
C'-anironte ao arco de Santo
Aiitfmio.
6s proprietarios deste estabelecimento, 1endo
gacde deposito de fazendas de la, linho, seda e
aigodao, e achando-se proxima a occasiao do ba-
tanco, rcsolveram fazer-grande redoccio era pre-
cos, aflm de que naqnella tempo nao tenham gran-
de trabalh. era balances ; a saber :
GORGORAO de seda prfto, para colle!e, ura
corte por 2*. E' Tazenda qne sempre costou 7*.
AMAZONAS, linda 'fazerrda para vestidos de
passeio, a 500 rs. o covado.
GROSDENAPLES de cores, verde, eBcarnado,
nranco, cor de rosa e cravo, a 900 rs., 1* e
! *200 rs o covado. guem 6 que nao comprara ?
POPELIHAS de linho, de quadros e listras, bo-
nitos gostos, a 500 rs o covado. Aprovtcm.
POPELINAS de linho e seda, gostos inieifamen-
te novos a 900 rs.
DITAS com listras largas assetinadas, o mais
moderno que tem viodo ao merca'do, a 2*.
CRETONE francez com listras e de quadrinhos
de cores e pretos a 4C0 e 440 rs. o covado. Isto
so no baratei'o I
DITO francez de listras, proprio para camisas
e vestidos a 300 n.; pois so se vende se pdde
crer.
ES JU AO de linho e algodSo, proprio para ca-
misas, fronhas, etc., etc., com 7 jardas, a 3*200, e
com 10 jardas a 1*S00 a peca.
MUSSULINA branca, com listras, para vestido, a
400 rs. o covado. E' pOchincha I
MADAPOLAO francez wm 20 varas, por 4*500.
E' barato.
CASEMIRAS dfl core?, para costumes (roupa de
homem) a 3* o covado. Ver para crer I
LAS escocezas, estamos acabaoJo aos precos de
120, 180 e 200 rs. Apressem sel
CHirAS escuras e Claras, fazenda fina a 240,
260 e 180 rs.; so a rna Primeiro de Marco n. 1.
CHAPLOS de alpaca, para sot, para sonnora, a
2*000. E' admiravel I
BRIM branco n. 8, exposicao superior, a 2* a
vara.
CAMISAS de cretone francez de cores,.a 2*500
uma.
CAMISAS brancas, inglezas e francezas, gran-
de sortimento por precos baratissimos.
BRIM pardi tranjado, para 280 rs. eAOOrs. o
covado.
BRIM Angola, superior, a 500 rs. o covado; isto
so na loja do Barateiro I ,
CHAPEOS de soljdeseda para homem, fazenda
superior, a 8*500. 9*600 e 10*000.
BAPTISTAS matisadas, gostos miudinbcs a 300
rs. e 360 rs. o covado ; so confroute ao arco de
Santo Antonio I
a 3*,
LENCOS de linho snperiores, abanbadoi
4*500 e 5*000^ duzia.
TOALHAS felpudas snperiores a 6,150 a du-
zia. Em outra pane veoderu por 91 I
MEIAS cruas, superiores, para homem, a l*.
4*500 p St. E' pechincha. a
BOTIXAS superiores para senhora, a 4*S0d o
par.
ATOALHADO alcochrdo, fazenda superior, ^a-
ra mesa, a_ 1*500 a vara.
ALGODAOZINHO tranco, com peqneno tosne,
a 3*500, 4* e 4*500, e nwrca T, a 5* a peca.
Alem das fazendas acima mencionadas, encon-
irarao muitas out/as que agradarao em qualida-
de e precos, e qne para nao massarmos a paciencia.
de do8os freguezes, as defxamns de enumeraf,
So no Barateiro
A' rua Primeiro de Marjo n^ I,
F-oja de Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
NSo se enganem
_____Pois sao os verdadiros barateiros I
Aos legitimos fogoes econo*
micos.
Aeabam de chegar a esta cidade os ver-
dadeiros fogdeseconomicos, ja" muito conho-
cidos nas provincias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio-Grande, Ba-
hia e Alagoas, aonde tem merecido do pu-
blico a maior aceita^3o possivel, e sSo ja*
preferidos aos de qualquer outro svstema.! m*nto de diversos tamaxmos, Unto para sotaco-
PREDILECIA
A' rtta do Cabagra to. 1 A.
Os proprietarios da Predilecta, no intufco d
conservar o bom conceite que teem merecido dc
respeitavel pablico, distiaguindo o seu estabeleci-
mento dos mais que n< gooiara no mssmo ^enero
veera scientrCcsr aos sens bons freguezes qae pre-
veniram aos sens correspondentes nas diversas par-
cas d'Europa para lhes enviarem por todos os pa-
quetes os objectos de hixo e bom gosto, que se-
jam mais "bem aceitos pelas sociedades elegantes
daquellcs psizes, visto aproximar se o tempo de
festa, em que o bello sexo. desta linda Veneza
mais ostcoia a riqueza de suas toillettes ; e co-
mo ja recebessera pelo paquete francez diverso
artigos da ultima moda, veem patentear algons
d'entre ellos que se tornam mais recommendaveis.
esperando do respeitavel publico a costufuada
concnrreBoia.
Adereeos de tartaraga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e dt
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pra-
os
Adereeos completes de borracha proprios para
Into, tamwem se vendem meios adereeos muito bo-
I nitos.
Bot&ee de setim preto o de cores para oTnato dt
peatidos do senhora; tambem tera para cOllele
| valitot.
Bolsas para senhoras, existe um bello sorumen
de seda, de paiha, de chagrim, etc., etc, pot
barato preco.
( Bonecas de todos os tamanhos, tanto de rouft
: como de c^ra, de borracha e de uassa ; chama-
mos a atlen;ao das Exmas. bras, para eete artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas am pouco im-
i pertinehtes por falia de um objeclo que as en-
! tretenbam.
I Camisas de linhc lisas e com peitos bordados
I para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroula de linho e de aigodao, de drversoe pr
(.08.
Caixinhas com mnsica, o que ha de mais Irndo,
com diticos nas tampas e proprios para presen-
ts
Cogues os mais modernos e de diversos forma1
tos.
Chapeospara senhora. Receberara um sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como part
meninas.
Capellas simples e com veo para noiva's.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de undo*
desenhos.
Escovas electricas para dentes, tem a proprw
dade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, exute' um
grande sortimento de diverjas larguras e barato
prefto.
Fitas de saria, de gcrgurao. de setim e de cba-
maiote, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
tt-tw art'fficiaes. A Predilecu prinia em coa-
ervar sempre um bello e grande sortimento 4e&-
las (lores, nao to para enfeite dos Odferiloi, como
ambem para ornate de vestido de noiva*.
Galocs de aigodao, de 12 e de seda, brancos, pr-
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
para sennora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
Livros para oavir nrhsa, com capas de madre-
perola, marfim, 6s-o e velludo, tudo qae ha dt
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marfim, 6sse e dourados por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecu bem
provida, nao so em extractos. como em oleos *
banhas dos melhores odores, dos mais afanwA*
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hyglenica,
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao mdspeataveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commode
preco.
Sapatinhos de !i e de setim bofdadoi ,pra bap-
tisados.
Tapetes. Receben a Predilecu um bonito sortl-
Aos nervosos
A NOVA ESPERANQA adana de receber aqnel-
les milagrosos anneis electricos, enra infallivel doi
nervosoj.
Casemiras
Ni loja do Pav3o vende-se um grande sortimen-
to de casemiras de cores e mesc!adas, tanto Claras
como escuras, proprias para calca; paletots e do-
letes por precos muitj baratos, assim como no
mesmo estobelecimentos ge manda fazeT qualquer
obra tendente a alfaiate, com a maior presteza e
por precis muito razoaveis: a rua da Imperi-
triz n. W, de Felix Pereira da Silva.
Vende-se
No escritorio de Thomaz de Aauino Fonceca k
C. SUecessores, a rua de Vlgano D. 19; primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro,
Cera em velas e em grumo, de Li.-boa.
Vinhd SheriJ.
Vinho dj Portb era' caixas, finlssimo.
Idem em barris de quinto e decimo, fino.
Retroz.
Fio.
Ricos vestidos feitos de alpaca, enfeitados com
seda e rendas de guipure.
Verdadeiras lavas de Jouvin, brancas, preUs e
de cores.
E ontras muilas fazendas ou artigos de mi da.
Camisas francezas brancas de algo^an n> m:
frizo de cor a 2*000 uma, em daua a t3ja?
e pechincha : na rua do Crespo a. * leja 4<- Cb
Iherme 4 C_____________________________
191AII&POIOK*
Na loja do Pavao vcnde-se roadi^.loV* >Yari
zes muito inccrpados, com 20 jardas a 6 000 r*.
dito maito fino com 12 jardas a 3,Ooo < 3,.vw
sim como nm grande sortimento de iiuifeporV
inglezes de 4,500 ate 8,000 e 9,000 : i nil ut la
peratriz n. 60, de Felix Pereira da Silva
Cortes de cambraia
Na loja do Pavao vende se cortes 4>- aaaj
transparente com babadws largo, tanu> b'^ox
como de cores, por baratos pre,-o>. p<-r irr*r., v.
gnm pequeno defeito : a rna da Impmtnz a. *t
de Felix Pereira da Silva.
Colchas para camas
muito bem Naloja do Pavao vinde-se aakta* d.- f
brancos, para cama a 2,500, ditas dc <\.i <
a 4,000, cobertas de chita e de errtns*. !< *."%.
para cma nditas de metim escariate tanrsaaf <
madapolio a 5,000: a rua da Iniixran;?
de Felix Pereira de Silva.
w
com as noivas
A NOVA Eb'PERANCA, rna Duque de Caxias n. j veilo "o scu escriptorio,
36, acaba de receber boa- meias de seda prapriaj '. mero 57.
para noivas. e os apreciaveis ramos de laraugeira
Salsa-parrilha do i^tr/i
Tem para vender Antonio Luiz de OMaaj*. .
a rna do Rum J. Chap6os para senhora.
( aldeLisboa
Vende so cal de Lisboa : na praca in Car,
A loja da Passo, a rua Primeiro de Marco n. Santo n. 17, l anaar, escriptori'. a* J A, receben um rico sortimento de chapeoa ^rig'es rayires de Mcllo___________
aesna boras, preto.- e d^ ceres. > i
--------iy --------- l-ara bcnhor. o
y K.-W IIS^aaJ^E* Como sao linlas e modernas a* fi \
auverna sitf,T!a do iSfao df victoria n. 61. ugSm f *""^ '
aak -
muito afreguezada :
Rosario n. 40.
a tratar na raa eitreita dc
Grande liquidacao.
' azar, rna
de roindezas e chapeos: no
Marquez de Olindan 53.
novo
do
Vende-se
na ma do Vigario n. 19, primeiro andar, :
Vinho do Porte engarrafado, em barris e em
ancoreUs.
Cera em velas,- de LMbdaf superior qualidade.
Retrox do Porto.
Cimento Portland, legitimo
>Ct ^Uo^ao"^-^' i^r^S^^<
Idade
' bouito
moderno systema, I gosto e os mais" moderno recebea a PradztacU
e sobretudo grande economia no combusti-1 de or arato preeo, para near ao alcance
vel; trabalham com lenba, coke, carvfio de' tm>lquer bolsa.
madeira, etc., etc. Ba de diversos tama-
nhos, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de routta familia, collegios, hoteis,
casas pias, hospitaes, etc. Acham-se ei-
postos ao publico, aonde se darao todas as
explicacdes necessaries : na rua do Viga-
rio n. 12
Aproveitem
' 0 PARIS N'AMERICA, a rtuDaque de Caxias
a 59, primeiro andar, etta vetHendo eaKado pelos
*eguim>8 precos:
Botinas de duraqae para senhora a 3.500 r6is.
Ditas de dito preto a 4,000 reis.
Dins de dito com botrjes ao lado, a 4,000 rew.
DiUs gaspeadas, cano afto, pan seahora, a
*,000 r6 s
Ditas de pellica, ingleia, a4,000 rew.
Ditas de duraqae bordado, para senhora, a
1,000 reis.
Dius de duraqae, de cores, para meninas, a 3*.
Sm quanto e tempo .
_______aproveitem.
Grosden^ples
Vende-se grosdenaple preto, fazenda muito fina
ffiW8,,?dM P 3#808 o covado, a
1*800 rs.; aproveitem, s6 o Desesgano, a rua 1-
He Sfarco n. 23, junto a loja da eaK'
DO TASSO.
A' praga- circular do Apollo
vende-se:
Tijolos de raarmoro, de diiTerentes ta-
manhos equalidadas.
'i'ijulos francezes, sextuplos.
Cimento Portland verdadeiro.
Azulejos grandes muito proprias
para rodapes.
Azulejos verdes e amarcllos, tamanho
regular.
Maqalnaaj de descarocar aigodao.
Cudeiras de ferro, assento de palhi-
nha, proprias para campfl. ____________
Rendas da terra
Rendas, bicos e grades de todas as larguras
vende se no pateo do Terco n. 52. ,ar*Bras
( '
As almofadas bordadas de la matlsadas que rt-
cebea a I^Jova Esperanca, a rua Duque da
Caxiap" "____________J___________
Leques e fiores
Amaral, Nabuco & C, receberam leques de ma-
dreperola, branco e queimado, de differentes cores,
: de marfim e de tartaruga, lisos e lavrados, sib
elegantes e proprios para baiies : vendem no Ba-
' zar Victoria, rua do Barao da Victoria n. 2.
Cura das estreitamento durefra
pela facil appiicacao das
SONDAS OLIVAES
DE
GOMMA ELAST1CA
As mais modernas e SpeVfeic)adas de todas
as conhecidas
Tetfdetft-sc
NA
PHARMACIA K DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
____34 Rua larga do Rosario 34
E'BOM SAREMfi
Que a NOVA ESPERAN^A, a rua Duque de
Caxias n. 63, bem conhecida pela snperioriaade de
seus artigos de moda e phanrasfa, acaba1 de rece-
ber diversas encoromehdaS de mer adorias de soa
reparticao, qne pela eleganci i bem mostra aptidao
e bom go'to de seus antigos correspondentes da
Eu'ropa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque dc Caxias n. 63, convida a sua boa
e cbBstanie freguezia e com especlaUdade ao sexo
amavel, a visitarem-na, afira de aprociarem ate
onde toca o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer entrar ho nu-
mero dos massantes (verdadeiro? azOcrins) com
extensos annnncios e nem pretende descrever a
immensidade de ordectos que' tem expostes a ven-
da, o que serla quasi impossivel, mas limitar-se-ha
a mencionar alguns daquell'es de mais alta novidade
e toma a ljberdade de aconselhar ao bello sexo,
que a visitem constanteawnte, para depois qne
eomprarem em outra qualquer parte nao se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sorlimeuto
Sue ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
etti demoustra que qualquer s'enhorJr do bom tout,
rJio podera coropfetar a elegancia de seu toilet
sem qae d* ura passeio a NOVA ESPERANCA, a
rua Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguinVs artigos de luxo e inteira novida-
de :
Modernas set tas para prender os cabellos
Printorosos leques it phanUsia.
bonitas sahidas de baiies para senhoras e meni-
nas.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touqnim.
Bone adereeos de madreperola.
Delicados adereeos pretos de pufalo e borracha
(gosto novo).
Cortinados para amuw
Na loja d" Pavao vende se nm grund* v. tin
I te de cort>n^dos bordados pruprias i ah ..
ijanelhs, piii barato preen de 8, 9 e .'"
! par, assim como colchas de dama-" i .i n
Organdy de assento branco com Borei[da la e de; de LOiva a 10 e 12,000 rs-e pr. ,
rua da Imperatriz n 60, de Flix P-r.-
Silva.
Organdy
3eda, fazenda inteiramente nova, pelo baratis.-imo
pre?o de 400 rs. S6 na rua Oo Crespo n. 20, h ja
de Cuilherme & C.
covados
Alsacas
barras,
DE
E' economic*.
Graxa glycerina pnpria^para a rum mm
Brdovao; vende a RUvJ
| que de Caxias n. 63.
Grande deseoberla
de cores lisas, de flores, de listras e com i
320, 360,400, 440, 500 e 600 rs. o cova j
do. fcV fazenda fina e de padroes lindos ; a mais
baratavale IgOOO o cavado. E' grandepechincha,' ^ j i
so a rua do Crespo n. 20 loja de Guilherme & C. UEUUttTO ClaS UlOlettl
CORTES DE COLLETE
Cortes de ojlleles de gorgorao de seda preta a
2S000, o corte; e pechincha, na rua do Crespo n.
20, loja de Guilherme & C.
Madapolao
Madapolao francez largo a 4300 a peca de 24
jardas, 6 fazenda de 88890: na rua do Crespo
n. 20, loja de Guilherme & C.
Cura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das ate hoje co-
nhecidas.
Vende-se
na
Pharmaela e 'Oroajarfa
de
Bariolomeo & (J.
A"
34. Rua larga do Rosario 34
Vaccina. Vaccina.
Tendo b Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalhaes, I
montado na corte am complete servieo deste ar-'
tigo, tem aqui aberto um deposito da melhor e '
mais recente, cujos tubos se encontram na
Pharmacia e drogaria
A'
34rua larga do Rosario 34.
peito pelo
X a rope de nljahit. de o A. HHMI
Este importanle medict-meniu <(u- a-nio
reconhecido pelos dislinrtes Drs Zaii m t*rm
chevas como nm verdadeiro epr ifir nan
phtysica, segnndo provaram no grri ou>-
ros de casos por elWs exoerinieDtad.,. r
oa sessao da arademia de Paris dp tt .it- rasa
do corrente anno, eneontrase amcameak
Deposito da ;harmcia e iftam
de
Bariholoaaen at C
N. 34 Rua larga dt- Itosaz H.
Sedinhas d 1^500 o cuv
Venham ante; que se -cabem : na lot* a rnal.* de Marcc n. A.
d
Vende se ou permuta se pur car>< na cnba.
j nm bom sitio em It beribe, com t*** para faiaaa
1 tendo bastantes arroredos de fro to e ran reo .
; ficada : a tratar na rna No-a n 4(1.
A 120 rs. o covad-
Na rua da Imperatriz n. 60, vende n para na
bar uma grande quantidade de \;i* raa >te ai
versos sonimeetos, flosde 120 r*. a*" 500 r- ; a
tando-se qne, quando bavia sortim-uti* rumpJt-
tos, se vendiam a 1J28Q e ijt6H' > j >. t
Wtf IcV aCBt 8rade varitdade em c !ro>s, ,- na* ,mn-
W MU M mWWLi"f9mid o sitio junto a igre-' chegarem melhor pech ncha far"o, a*a raa 4.
ja de S. Jose do THangu'nHo, com casa de vivenda Imperatrii n. 60.
Cal deLislx)a DOvidMitiH
porci""'- l
PARA LUTO
Vende-se chitas inglezas preUs com pinUs a
200 rs. o'covado, dita franceza muito fina,Unto lisas
como com pinUs de 320 rs. para cima ; canUo
prate a 800 rs. e muito fino a lyOOO rs.; bomba-
zinas, pfineezas e alpacas de todos os precos;
lazinhas pretas lisas de 400 ate 500 rs. ; assim
come uma grande p6rcio de reulhos tanto de
chitas preUs como de las, que' se vendem por
precos baratissimos ; tambem uma grande per gib
de chales pretos de las a 1,000 rs. por estarem um
pbueo russos : a rua da Imperatriz n. 60, de Pd-
fix Pereira di Sfiva.
assobradada e outras acommodacoes, todo mnra-1
do, com duas frentcs servi 'as por portao de ferro, |
dando para a rua d.i Amizade e para a do Man-! Vende se em grandes e prquems
Sinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de rua DireiU n. 14.
gura e 354 do fundo ; e a casa m< d- 52 paln.os!
de frente e 84 de fando. A sitaacao e a melhor
possivel para morada, e quem qnizer ediflcar, tera
bastante terreno para isto, pelo lado da rna da
Amizade. Tem a'gumas plantacoes de gozo e re-
creio, havendo bastante agua fornecida por duas
caeimbas, oma das qcaes e nova. A entender-se
com o Sr. Dr. Wiiruvio quem o pretender.
Salsa parrilha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
Ulbo : na rna larga do Rosario n. 34._______
Liquidacao de roupa feita
\\ inlm
rua do Imperatriz n. 48.
a saber :
Botinas para senhoras a 2*500, dita- a 3..*^Jl
ditas de duraque a 5*, sapalos loot* para eai
nos e meninas, ricas cinus para senh<>ra -
nina*, do ultimo gosto, iiotioas para bi-4
4*o00, sendo estas estraog'ira* n aa<- na<--
grande quantidade de fitas * 'i\, san. ' ;.
rias cdres e larguras, e outras anmis-* i-nuJt-u
que se vende por menos preco qu- .m qner parte. 0 prop-ieiario convida a- En..
Na loja do Pavao li-mida-se uma grande nor- jnboras a virem visiur sea esubeiecinrtt... r .
cao de roupa para homens e memnos.como sejam: * TerJo as mercadorias e o prec/> diiainnto a*
calcas de casemiras preUs e de cores, para todoa quanto se esU venlepdo._________________
os precos e qualidades ; diUs de brim de An-] Vende-se um mulatinho cozirhciro, t>
gola para differentes precos ; ditas de brim de peiro, fiel, e entende de invermsar, farsnift *
cores, pardos e brancos ; paletots saccos, casacos; condacU, e e dira o motivo da veodi. aa nu 4
e fraks de panno preto e de casemiras de cores
coletes de todas as qualidas, por precos bara-
tissimos, assim como grande porcao de camisas t
ceroalas por menos 8 0|o do sen valor so para
acabar : a rna da Imperatriz n. 60, de Felix Pe-
eiradaSrtra,
Sl
A bordo da barca portugueza Nova Sympathy;.
veade-se a rua do Vigario p. 1, primeiro andar.
A 500 rs.o covado
Na loja do Pavao veade-se lazinhas japonezas
de cdres maito modernas pelo baratissimo preco
de 500 rs. o covado, para acabar ; notando-se que
e> fazenda que iamais se vendeu por menos de
dels erutados ; ja ba poneas : a rua da Imperatrii
n. 60, lo|a do Pavao, de Felix Pereifa da Silaii
Leques grandes e modernos.
Na loja do Passo, rua ! de Marco n, 7 A, de
CHAPEOS PARA SENHORA. Cordeiro Slmoes & C.______________________
nt^S^S^^t^^^'^Sii Farinha demandioca supe^
moda para senhoras e meainaa, e vende por pre *;-
C)s commados. riOl.
Tem para vender, Joaquim Jose Gongal-
ves BeltrSo & FiDio^ a bordo do palbabot*
Rasita, fundeado ao pe* do caes doCollegio,
e para tratar a bordo ou no seu escriptorio :
i rua do Coramercio n. 5.
Vende-se asseguintes casas: duas na rua
do Visconde de Goyanna ns. 20 e 22, ami dita em
S. Jose de Riba-Mar n. 35, nma dita na rua dos
Pescadores o. 4, e um sobrado na rna da Restaa
racao n. 54 : a tratar na raa acima n. 16, das 6
as 9 boras da manhi.______________________
Vende-se am pequeno sitio a estrada de Joao
de Barros, oa se vende pequenos terrenos no mes-
mo sitio, conforme se entender mais conveniente a
vanUjoso: quem pretender, pode-se dirigir ao
sea propriolarie Antonio Feliciauo Rodrigues Sette,
a diu estrada de Joao de Barros, casa n. 9.
Hcrtas n. 86.
Fedras de manniiro
Vende-se pedrac de msraorat, a> diverse* tt
manbos.com duas poifgadas degros urv amfrta
para mnitos misteres a uatar com Joao aa d
Cnnha Lajea._____________
Ao d. 9.
hapeos pechincha para se-
nhora
,ny^dei!ecbap6oo9 moJe'no3para senhora, goa-
if
1 daOrs. ua- rna do Passeio
n. 60
CimcDlo Porllanil
O verdadeiro cimento Portland em barricas de
180 kilos: vendem Lebre & Reis, a raa do Amo-
rini n. 58-___________________
CASA
Vet?.!'6"86 on alu8a 8e nma casa lerrea em Olin-
da, com e.!*Bde8 commodos, gaz e agua ei
r na rua" *_de Marco n 6.
Breu, Sru, breu,
Cortes decasimira a 4tft
e 6#000.
Na loja do Pavao, vende-se cortes de ca-
semira para calca a 49, 59 e 6^000, ditos
muito fiaosde uma so cor com listras ao la-
do, fazenda qne sempre se vendeu a 99 e
109000, liquida-se a 6#000 para acabar:
a rua da Imperatriz n, 60, de Felix Pereira
da Silva.
encanada
Chocolate hespanhol
muito fino, um para vender na Assemblea dc
Commercio, Meir & Lima, raa do Commercio nu
mero 22. ^
- "Wlhon Rowe & t. vendem ao seu arma
a rua do Commercio n. 14 :
vettedelro panno de algodSo azol americano
Exeelleote flo de vela.
No armaiem de Jorga TaV-'o, ma it Amorim n. Cognac de i qualidade
37, eno caes do Apollo, arroazem de farinha de! Vinho de Bordeaux
trigo, do commendadgr Tasso. CfP*0 * Pea"ra de todas as qualidade*.
a tratar
AOS IHMHHDS
A NOVA ESPERANCA, a raa Duque de Caxias
n. 63, acaba de receber am bem sortimento de fl-
nas bonecas qae'fa Ham, qae riem-se e choram;
tambem astern modas e sardas on surdas-madas
venhara ver se nao e verdade.
VENDE-SE
Na rua do Vigario n. 1% veade-se o seguinto
timento de Portland, em primeira mao.
Vinho do Porto, engarra'ado, finissimo, em cai-
xas de duzia.
Dito dito em barris e ancoreus.
Vinho Sherry, inglez em caixaS de duxia.
Vinho CoUares em ancoretai.
Cera em velas^e Lisboa.
Cera em grumVidem.
No progresso do pateo do Carmo venfc tt aav
teiga ingleza flor a 800 rs. a Kara.
Pechincha.
Gtrsmio & Leal vendem dtausco a> 11, c r.
6 palmos de lagan a l# o auaado. r^au-
dores a 1$, chapeos de s>A de ?e4 sar h-
mem a 5... e outras muitas fai-nla< qi- *<
com a visU poderio os pte'eodrat^ var a
Sranoe redoccio de preens: id aa raa IVit&r
e Marco n. 14.
Cambraia
Com barras, a 240 rs., o co>ad<>,
raa do Queimado n. 43.
B' pechinch;*.
Cambraias cma barra, den-tans
zes pelo prepi d^ S40 rs. o c 43 1 Junto a loja da Magnolia
kj
6 r.R
Sa
1, M
paiii
Vende se uma preta de id*
para todo servieo de casa, de or
com um 61 bo de 8 annos de id- -
de 22 annos, engomma e c-ziaha I
rna, de boa ligura condueu :
dro n. 26__________________
E' muito barii
A 450 rs. o covfl I
Alpacas com listras e de linda-
minato preco de 4M rs. o oovad.-
de Caxias, ootr'ora Qu?imad>\
,rtas.
aan
& -. r. Ifl a>-
ia >a ' -
41, M-* a* *


8
Jiario de Pemambuoo ~ Quarta teira 11 de Novembro de 1814.
-rr-
JORiSPRUOEHCIA
Itegiitirnto de euscee.
/ IV
0 n >vo regimento de qustas uho se hrai-
ta i> narcar os precos dos emolumentos
qu nceru os dt versos ompregados da jus-
tit; < pena.- piira os quo excedurem as ta-
b os retursos qu> sao permiltidos a as
it a- i ados que forein otYeudidos pur aquel
le* xoessos.
O novo regimento parece complemcnlar
do-r-^uldmouto u. ,82ide22de novem-
bro J 1871, para esecoo%e da lei da re
lor judiciana de 2(J deselembro do mes-
mo anno.
Assim, o novo regimento, que da motivo
is n-ssas observac.ojs e repiros, estatuetio-
tas fur'nulas para alguns acton judiciaes,
que lodavia nao deixara de ler stguras van-
tages, quer em re!ac3o as solemnida les in-
Irin-hp^s e exlriusecas, quer pelo que res-
ult a estabilidade e seg-..rancado acto.
O art. 98 do novo regimento occupa-se
d* procurators, failando dos tabelliaes de
notas. e dispde que essas procuracdes de
Ora em diante so podem serflfeitas mi livro
de notas. in depend en te de ilistnbuu.ao, e
oik para esse trabalho inciuido o primei-
r pi*, facilidade do oxpediente desse servico
ij i- >ki tabelliaes tenbaio Uvros abortus, uu
ni<-rdv)S, rubricados e eticerratlos pelo juiz
coMineteute, cum as f dhas irnpressas e os
clr is precisos. e possam tambem dar os
tr**ledos em folhas semelhantes.
T"dosconhecera o modo porque ate aqui
er'ii passadas as procurators; sendo este
assumpto de suinma importancia, e lendo
si I" tautOS e tao deploraveis os abusos e
frau ifS, mui ace'tudamente o novo regimen-
to exiiii-que as procuracd s tiqucm no livro
d tab-lliao que as passa com as assiguatu-
n.s dns uutO'gantes e das testemunhas.
Por tl modo evitars" Iia melbor a frau-
de eos abusosque praticados ficarao sujeitos
A mais facil e prompta verificagao.
J'ss- medida e nova : o ngimento de
18 s$ -v> art- "* pormittia a procura^ao fei-
ta lore i'as noll,s do tabelliao, e marcava
que se eob/asse Por esSd tral>alho de cada
outorsaate le1? eraa rotina antiga, facili-
m h por isso BkOBmo susceptivel do mais
rep. b lnseaganos, ^rros e Maudes.
Entretmto fica melt- r executada a Od.
Liv, 3
que a
'uiu nea ineiiK
Tit. 29 in prmnf' procuracao seja feita I** tabidliao.
enteiidendo os mais doutos pi7',x,stns 1ue
e'la seja, por via de regra, feita po.r escnp-
turn publica lavrada por tabelliao.
Doutrinam tambem que a apudactd S"j'a
lavrada pelo escrivSo da causa, sem assigns-
tura de testemunbas, mas perante o juiz e
ssMguada pela parte, como expressa e ts-
St-nc aluiente diz aquella ordeua3 >.
Nao obstante, ainda auam n ser feitas sem a pres^nca do juiz o
que aba's nao faz grande mal.
A pr-iposito, o novo regimento nos arts.
105 e 106 que os tabelliaes s3o obrigado3 a
declarar aas escripturas e mais papeis Ian-
i;adoi uas notas assim como nos trasUdos.
certiddes e publicas forraas. e importancia
da paga ou salario que recebem, e a rubri-
cs gratuitamente os traslados, as publicas-
f6rmas e as certidoes de mais dc uma folba.
' nutra medida, que nao estava no regi-
mento de 185u. eque n8o entende sinoplos-
mt mo com a taxa de emolumeutos ou re
mun-jiagao de servigos judiciaes
IITTERATDRA.
Origeni e destine de honaera.
(anonymo inglez )
Ao Sjbillar dos ventos tempestosos,
Dasempoladas on las ao rugido,
A pallida Afflic^ao inn/iu um dia
Com o ra'iio de um funebre salgueiro
L'ma b lla bgura subre aareia
Da praia movedi(ja.
Vagando d buiramar o surarao Jove
K' sorprendido ccntemplaudo aquelle
Bern acabado*gigaiitesco piano,
Soprou sobre a tigura ; e, para logo
Homem charoandu a. ded the ao mesrao tempo
0 movimento, a vioa.
Creatura tao bella, assim na forma
Como na esseucia, e tao assignalada
1'elos seus Crendores, dentro em pouco
I rnou-so etitre elles de contenda objeclo
Pois allegava cada qual, a um tempo,
Ojus de proprtedade.
Ella e minha (a Afflic^So a;sim dizia),
Pots eu fui que Ibe dei o nascimento,
t a crea^au a mun c que ella deve.
Eu forneci (eis que interroiupe a Terra
Os meteriaes. E (conclue Jove) eu dei-lbe
A animacAo, o aleuto.
ileuniram se os Ocuses om conselho,
E depots de attenderem, como urgia,
As razoes adduzid^s pi las panes,
Decidiram lavrondo sabre o bomem
fclsta fatal senteuga e pre nspondo
A ssi m o seu destino :
a Fique a Afflicrao de posse do seu filho,
Teque da vida os duplicados males
Nio pelo pessoal merecimeoto;
E que biazunas como o tal jumento,
P'-rqu to-1os te curvam a cab^a :
Mira te n'esle espelhn I Nio te esqae^a
Este exemplo, que 6 bom que o bomem siga;
Olba, nao te aches tu com quem to diga :
Senlmr jumento, nao se illuna tanto f
Se beija-se o altar, 4 pelo santo.
aprenderem o
desenho.
Os progresses differ^m muitu segundo us I por flin entreter a cor rente ascendents e
1873.
Francino Cismontano.
Qiiestae peniteaeierla.
ESTADO ACTUAL DAS PRISOES E DA REFOKMA
PEMTENCIARIA NA SUISSA.
ReUttorio em respostu aos questios formu-
ladon pela comrnissao organisadura do
Congresso penitenciarto international de
Londres, apresentado em no me do Con-
selho federal, pelo Dr. Huillaume, pre-
sident da sociedade suissa para a refor-
ma penitenciaria.
(Continuac,ao.)
26 quisito.
Como sao reguladas as visitas ?
Ha etitre o preso e o visitante um
empregado encarregado de ouvir a con-
versa ?
Ou este empregado deve apenas vi-
giar o preso, sem procurar ouvir a
a sua conversaQdo?
Os visitantes sao recebidos pelo Director,
ou om sua ausencia, pelo cbefe dos guar-
das : estes ou vein a oonversacao, e vigiam os
presns
Osdirectores, ou seus substitutos, procu-
ram collucar-sa em boas e amigaveis rela-
50es com os preso e visitantes, tanto quau
Cessem de o consum.r ; depots de morto, t0 6 possivel, de sorte que, estes os cons.de-
Legue seu corpo & Terra, d'onde ergueu se;
E o esptnto, emfim. ao summo Jove,
Que foi quem Ib'o outorgara.
1874.
Francino Cismontano.
p-g*
fur
:\ada tem ella de ma\ e seri optima, se
for cumprida* pois que a difliculdade das
Diedidas novas esti em terem prompta e per-
manente execufao, falta que deprecia as
nielhores reformas.
Muit i conveniente e que cada um saiba
quatito lhe foi exigido e pagou, maxima
qu.ui lo serve a terceiro, a quem deve dar
boas contas ; assim e muito preciso que cada
um s6 exija o que a lei marca, e que bem
e remunera o seu trabalho.
Nuda mais incommodo e prejudicial, ori-
g-.m de duvidas e descontian^s, m que ser
alguem for^ado a pagar uma taxa que nao
e inarcnda, o n5o poder provar que exacta-
moute p^gou-a, ou nao poder com seguran-
;a l*gl recebe-la do adversario que
con lemnado a lh'a pagar.
Igualmente, nada e mais oontrarto a mo-
rali-Ude e avesso a justiQa, do que a exigen-
cta qu^ excede a taxa da lei. excesfo quo
esta severamente pune, e para o que mui-
to reconmenda a atten^io e energia <
ju'zes competentes.
Serd por isso, para acautelar interesses lc-
gitimus. e prevenir coraplicardes e desvios,
que o novo regimento aponta as penas da
Ord. L. 1 Tit. 78, quo trata dos tabdliaes
de notas, que estatoe o modo porque de-
vem exercer o seu cargo, os prazos em que
davem dar os traslados dos enntratos qu
lavrarein, e outras recommeodaQoes e pro-
videncias que muito folgariamos se fossem
cumpridas religiosamente, em pr .veito do
p.oz e d >s proprios notarios publicos.
Cabe ueste ponto considerar que o novo
regimento tratando da rasa ou regra de li-
iina, fez um augmento consideravel.
Temos agora a rasa ou regra de 20 rs. por
iinha, nfto ptOjBodo os papeis judiciaes ter
menus de 30 lettras por cada uma linha.
Pelo regimento de 1855 essa rasa era de
0 reis por linha ou regra, com aquelle mes-
i:io numero de lettras. Vese pois, que
honve um augmento de 14 reis por linha.
E' preciso dtzer com franqueza que este
augmento e muito grande, por elle temos
presontemente que a escripta de um cader-
no de papel custa 109, o que e muito one-
roso As partes n8o semente aos que deman-
ds em juizo, mas tambem aos que pedem
doc.imentos para seus titulos e resalvas.
Passamos agora a examiner de mais per-
to, e com a precise especificacSo, as diver-
sas verbasde custas, eslabelecidas pelo novo
regiu-.ento, conservadas e alteradas do regi-
mento de 1855, e que nos parecam boas
on mas. Exporemos o nosso juizo com a
mi-sma franqueza e sinceridade com que ate
q"' o temos feito.
0 n.ivo regimento estabelece quatro gran-
des t 1). Has; a t* dosjuizes e d^s autorida-
des poiiciaos; a 2a, dos tribunaes; a 3', dos
prcuradores particulares e publico ; e a 4*,
dos oDiciaes judiciaes.
Km todas essas quatro tabellas o novo re-
gimento crea novos emolumeutos, e aug-
ments os antigos, dimiauindo os em mui
poucss especies ; e em muitas dessas taxas
faz desproporcionalmente hberalidades, mal
vistas pelos que recebem menos por servi-
his e trabaibos da maior importancia.
O cedro do Libnno.
[Paraphrase do francez, de Le Brun.)
Ninguem se julgue mcolume,
Por m iio oi>n que esteja ;
Que a sorte e varia : e, subito,
Por mais feliz que seja
Se p6de transmudar.
Mirando a fronde umbrifera
o tronco annoso, um dia
Do cebrado Libano
0 cedro assim dizia
Vfano a blazonar :
Ale'm das nuvens cerula,
A fr. nte sobrauceira
Ergo de sobre o pincaro
D'esta alta cordilbeira,
Cos ceos a topetar.
Co'a minha sombra insolita,
Abranjo a redondeza ;
Portento igual, sem duvida,
Nao fez a Ntureza
Profusa e singular.
Iropero sobre as arvores,
0 rei sou da floresta,
Oude nao vejo emulo
E em liberdade e festa
Me praz a lei dictar.
ram como amigos, diaute
UvremcQte couversar.
dos quses podem
27 quisito.
E' bom ou m3o o effeito moral
tas visitas?
des-
Em geral permitte-se com maisfrequen-
cia a correspondence, do que as visitas,
porque nem serapreestas proluzem o bom
effeito, que se devia esperar. Entretanto
accontece algumas vezes serem ellas de be-
nefico effeito, sobretudo nos presos, que
se consideram esquecidos, reuegados ou
abaudonados pelos membros de sua fami-
lia.
Alem disto, as visitas permittem ao direc
torestudar oscaracteres e condic^oes da fa-
milia dos presos, o que o habilita algumas
vezes i obrar com mais seguranr.a e ellica-
cia no interesse dalles.
presos
sao?
Qual o
que sabem
28 quisito.
numero proporcional dos
ler ao entrar na pri
inglez, 0 fraquentemeute I'l U. e.iUo' este f"18' d,J h" lera |dissecuo, i*mbnia*eem o sjstema ea vev
tilacio. 0 lobe, eaatinade a aqoecer a
ceilula, acba-se cuJoeado ver(icalm--nt e
um nicbo, e separado da ceilula por qu*
placa de font), muoida de buraeos. para
deixar por ella paaaar o calor. Do todo do
corredor ha uma abertura coafronte ao dHo
tubo, que permitte regular a passagem do
ar frio.
Em grande numera de prisdes, encontra-
mas fogtos ordiMrtos/mais ou aaenos bws
conslruidos, aquechiof com lenba on turfa.
A peuiteociaria da Tessin sttuada em uU
clrma meridhml, oao ten ueubuiu sy^tetoa
indivi'luos. Uns so fnzera uotaveis pelo ze
lo e applicant, entretanto que uutros uiu
avangam senao leutamente.
0 orgao do pensamento, pouco habituado
i funccionar, tem perdido a sua forca. >
poder da memoria faita muitas vezes,
d'ahi resulta neste senti-lo um relanmento,
queconluz & iudillTeni.a. Kntroiauto os
pregrossos sao baetamte satisficl nos, sobre
tudo entre os mocos, para os quaes esta ins-
trucsao supplementar e tardia por si so p6 le
ser ainda de muita importaucia, quando
restituidos a liber a 32 quisito.
Existem bibbottiecas nas
CoiiiO sao ellas compostas T
prisdes
0 numero dos que sabem ler ao entrar
n i prisao e avaliado aproximadamente em
71 */o da somraa media da populacAo crimi-
nal anoual.
Em cerio numero deCantdesos condem-
nados odo sao examinados neste ponto ao
entrarem na prisao penitenciaria, de sorte
que nao se pode apresentar uma somraa ex-
acts.
Mr. Orelli dd as seguintes sommas :
Lucerne, sobre 850 pres s
119 analpbabetos
Resisto ha longos seculos
Ao unpeto sanbudo
Do irresistivel A'qiulo
Sybillador, que tudo
Varre em feroz soprar.
0 proprio raio ignizomo,
Que em dia tempestoso
Tomba do alto, em colera,
Fatal, vertiginoso,
Nao me ousa fulminar.
Domino on Je a aguia altivola
Seu ninho fez a furto,
Campeio no invio paramo
Que ella no ousado surto
Vai prestes devassar.
E la* do espa^o intermino,
La* d'essa im uensa altura
Vejo a meus pes qual 4tomo
A bumana creatura
Humilde rastejar...
N'isto, eis que o bracp languido
E esnwecido e inerte
De que elle, oimio estolido
E por demais solerte
Ousara desdenhar,
A cor.la emfim, phrenetico,
AmeaQador, armado ;
E sob os golpes rigidos
Do cortador machado
0 faz no p6 tombar.
Livres da sombra incommoda
As plantas, os arbustos
Estao (banido o pamco)
Em gaudios mais que justos
Contentes a exultar.
Desfaz-se todo em lagrimas
0 secular gigante,
Por umpygmeubumilimo
De um iacto e n'um instante
Deixaudo se esmagar 1
Assim baqueia, inopino,
0 fofo orgulho insano ;
Assim o louco despota,
0 dictador tyranno
Vemos no cbdo rolar.
Schwytz,
Olaris
Appeuzell
Bale-Ville


a
27
31
5
298
criminososl42
St. Gill
(correccio-
naes 213
Argovie 316
Tessin 40
Geneve a 42
9
1
4
3
25




1
135 a
16 ct
23
Este quadro estd incompleto e as cifras,
que elle indica, nao podem ser tomadas
como base para apreciagao da instrucQao es-
colar dos presos ?
29 quisito.
Ha escolas nas prisdes.
1873.
Encontram-se esc61as nrganisadas nas pe-
nitenciarias de St. Jaques, (St. Gall), Lenz-
bourg (Argovie) e Neucbatel.
Em muitos outros estabelecimentos as li-
roes sao dadas pelos capellaes. Accontece
mesmo qne estas func^Oes s8o exercidas por
um detento, que fora professor, ou que para
isto tem aptiiao e os conhecimentos neces
sarios.
.Va penitenciaria de Zurich a escola fe-
chada ha algum tempo, serl brevemente
reaberta.
A insirucgao e mais ou menos negligencia-
da nas prisons de alguns Cantoes, em que o
o systema e o patriarcal e nas casas de cor-
recgao onde a reel isao em commum, dia e
noite, aidna existe.
30 quisito
Sob que condicoes e em que numero
sao os presoe admittidos & frequenter a
esc61a.
Nos estabelecimentos, em que ha escolas,
todos os presos com excepgSo dos dispensa-
dos pela idade (4550 annos) e dos que
es'ao sugeitos ao regimem cellular, frequen-
tam o curso das classes.
Nestas classes recebem os presos, termo
medio, de 4 a 6 horas de li^ao por se-
mana.
Os que estam em cellulas sao visitados pe-
lo qrofessor e alii mesmo come$am o curso
d'instruc^ao.
31 quisito.
0 que se ensina nestas escolas ?
Que progressos nellas se fazem ?
Em todas as prisdes existem bibliothecas
ctrculantes.
Nas dos Cantdas, on le a disciplina peui-
tenciaria as'i pouco deseitvulvida. o nume-
ro dos livros e restricto, e as obras exclusi-
vameute religiosas predomimm. Nas peni-
tenciarias melhor organisadas ^s bibliothecas
sao comp jstas de livros r ligiosos e mo aes,
de bistOria geral e da Suissa, de biograpbias,
de viaguos, de etbnugraphia, de histuria na-
tural, de obras sobre a in lustrra. sobre a
agriculture, bellas ar.es. etc., etc., etc.
Us romauces inoraes (sobre todo os dos
autores Suissos Betzins, Gottfried Keller,
Urbain Olivier, Fritz Bertboud, L. Favre)
nao sao excluidos.
A biuliotbeca da penitenciaria de Zurich,
por exemplo, possue 800 obras, forteando
I5u0 volume A da penitenciaria de Neu
chatel. posto que de crenjao moderna, con-
ta 500 volumes. A da penitenciaria de
St. Jaques possue igualmente uma collec-
cao rica e variada de livros moraes e ius
tructivos.
Este estabelecimento, assim como os de
Zurich, Argovie e outros tem, alem disto,
uma collecga* de obras especiaes, destmada
aos empregados da penitenciaria.
33 quisito
Os presos Idem muito ? Que livros
preferem ? Que -influeucia exerce so-
br<) elles a leitura T
Os pres.is Idem relativamente muito nas
pemtenciarias, em que pa sam elles os Do
miugos em ceilula, e em que tem a sua des-
posic& j c bras variadas.
Preferem, em geral, os romances, moraes
cmno os dos autores que citamos, os de
Erckmann-Chatrian, e de Henri Zscbokke :
e depois as discripQdes ou narra^des de via-
gens, bs biograpbias, a bistoria da Suissa
a bistoria geral, e as obras da sciencias- po-
pular (descobei tas, invencdes, tecbnologia,
etc., etc )
A influencia que a leitura exerce sobre
os presos e benefica.
A leitura augmenta ]o circulo de seus co-
nhecimentos geracs e, explieando Ihes o que
elles baviam aprendido pela -otina, desen-
volve lbes o saber pratico.
E', occupando-lhes constaatemente o espi-
rito, seja pelo trabalho. seja pelas recrea-
coes iotellectuaes e moraes, que se consegue
muitas vezes fazer nascer nos presos este
respeito a si mesmo, que e o molbor garan-
te contra o onanismo.
Estes meios elevados e nobrps calmam a
im ginacao ardente, e dissipam as ideas ins-
piradas por baixas paixdes, e por seutimen-
tos criminosos.
34 quisito
As prisdes couservam-se asseadas e
sadias por um bom systema d'esgotos ?
A maior parte das prisdes modernas e as
antigas que passaram por mudan^as recen-
tes possuem um systema de esgoto que, sob
o ponto de vista bygienico, nao dao lugnr
a objecQdes series. 0 systema de fossas
fixus predomina ainda : e naO 6 senao nas
novas penitenoia-ias (a de Lanzbourg e
.Neucbatel. por exemplo) que se encontra
uma canalisac,5o que pouco deixa a dese-
jar.
Em Zurich, ve-se ao lado das fossas fixas,
e das cloacas, construidas segundo os da-
dos de Ducpetiaux (architecto das prisdes)
o systema das fossas moveis e da cana isa-
V^o para escoameuto dos liquidos.
augmenlar a veuUlagao.
U ar viciado, assim pucbado para fora das
cellulas, passendo pelos nicbos, aoode estao
os vasoi d'asseio, atrabo as eraana^wes que
ali se desenvolvem.
37 quisito.
Quaes sao as medidas empregadas
para manter o asseio nas pri,des ?
A ventilayao a mais energiea seria de
nenhuma ellicacia, sobretudo nas prisdes
um que a aglomera^ao do presos e relativa-
mente consideravel, e nas em quo as cellu-
las e dormitorios sao pouco espa^osos, se
medidas aao fossem tomadas para manter a
limpeza nas prisdes. Em todas, om ou
mais presos sao design ados para> varrer e
lavar os corredores, as escadas-, os pateos,
as cloacas, as oili inas, as portas e as" ja-
n-llas.
A inspeceao especial deste servigo im-
port uito e coaiia la ao guard -juet'o.
Nas prsides celkilares cada preso o obri-
gado & conservr a sua ceilula, e todos os
objectos que nella existem, em estado da
mais rigorosa limpeza.
0 pavimeiito das cellulas das penitsneia-
rias le Lenzoourg, Bfiie, Nencbatel e d'as-
pbatto, o que toma f.nsi uno 0 seu asseio.
As paredes das cellulos sao caiadas ou pin
tadas todos os annos, eu de dous em dous
annos.
Se o seu estado exige, que isto se fac,a
ante* do prazo tiiado, e feito a custa dos
presos.
Uma ceilula limpa, o lugares bem coiv
servadosexercem sobre os presos, babitua-
dos a viver em aposeiitos porcos, uma iti-
lluencia bygieuica e moral mui salutar.
38 quisito.
Como se conserva o asseio dts pre-
sos t
A hygiene do corpo nao- so negligencia
nas pemtenciarias bem organisadas
Ao entrar no estabelecimento o condem-
nado toma um banho e, depois pde ter sido
exanunado pelo medico, troca o vestuari'i,
que nada- tem d'infamante nas pemtencia
.lias modernas.
A maior pane dos Cantoes tem conser-
vado para- os criminosos um vestuario lis-
trado.
0 preso encontra na sua ceilula uma ba-
cia e uma toalha para maos. 0 sabao e
forneci do gratuitamente, ou-mediante uaa
pequena retnbuirao.
t' punido todo o preso que deixa de la-
var o rosto e as maos, de pentear-se, de
asseiar seu vestuan t, etc., etc., etc.
Os presos sao bar ieados de oito em oito
dias: o corte dos cabelbs tem lugar de sets
em seis semauas
A conservai^io da barba e pemittida (em
.Neucbatel, por exemplo) a* titulo de recom-
pense, aos que se destinguem por boa cog-
ducta, e que, cbegados a um grao superior
deeduca^ao penitenciaria, se mostram dip-
nos de trazer este signal de virilidade.
A roupa do corpo (camizas), os lenijos
d'algibeira, os aveutaes do trabalho, as u>z-
Ibas, e as meias d'nlgodio sao mudadas u>
das as semanas as gravatas, as meias de la
todos os mezes no verdo, e todas as sema-
nas no inveruo.
Os presos tomam regularmento um ba-
nho por mez em Neucbatel, e de dous em
dous mez- s nas outras penitenciaria*.
As prisdes que nao tem calorifer s, para
preparar banhos, offerecera, com rel^ao d
este ponto de asseio dos deU ntos, condi^des
menos favoraveis. Algumas deixam mes-
mo a" desejar.
39 quisito.
Como sao dispostas as latrinas ?
42 quisito.
De que materia sao as camas ess
presos?
te que so coinpde om eama coae-
pleto ?
As cam** sao do ierro em algumas pri-
soes.
Em Lenrtonrg Bale, Neurhatof, e Geoe*
ve, sao press* i Iparedo e movodifaa, do
maneira que podem ser fevautadav e nella
arrimadas. .
Em quasi f?ias as outras sao deira.
Compdem-se, em todas as prisdes, !
uma enxerga ou jacoo cbeio de crnrroa de
palna de rnilho, de um oa dous luncde?,
de um ou 1 jus cohort res de la no veri >
de dims a quatro no inveruo,. e de unnr al-
mofada ou travesseiro cbeio de clima vege-
tal ou de palha.
Francino Cismontano,
O asuo carresado de iiungen*.
APOLOGO.
[Do hespanhol, de Samaniego.)
Certo asno, de imagens carregado,
Reputou se de todos adorado ;
Crendo a si dirigi tas certamente
As reverencias feitas geralmente.
0 manifesto engano lbe notando,
Houve quem lhe dissesse o admoestando :
Vejo no orguiho teu tua loucura ;
Esta veneragSo 'spontanea 3 puro,
Bo^al jumento, te nao e votada ;
Porera a carga tua, que e sagrada.
Tu, que elevado a posi^So subida
Te v<;5 por mero acaso d'stavida,
Nas penitenciarias bem organisadas o grao
de instruccao dos detentos e* comprovado
ao entrarem na pris&o. 0 resultado deste
exame demoostra a necessidade de manter
tres classes, cujo programma corresponde
ao dos tres grdos de instruccjlo primaria.
Na classe inferior ensina-se os principios
elemeutares, ese vaisubindo, pouco & pou-
co. ate aos ramos do ensino industrial, quo
forraam a classe superior.
No programma das penitenciarias, melhor
organisadas, vemos figurar as mathematicas,
a physics, as artes technicas, tanto quanto
estas scifneias tem applicac,3o nas artes
offtcios : segue-se o ensino das linguas mo-
dernas. o francez nas penitenciarias alle-
m8es, e o allemao na Suissa (Neochatel).
Algumas vezes permilte-su aos presos
35 quisito
Qual a quantidade d'agua destinada
as necessidades das prisdes? E' ella
de boa qualidade ?
A quantidade d'agua destinada as neces
sidades das paixdes e, em geral, sulficien-e.
As antigas prisdes possuem boas fontes d'a-
gua nos pateos.
As penitencairias modernas e as em re-
construcjao recente sao abundantemente
abastecidas d'agua, que e destribuida por
todas as partes e andares do edificio.
Em Zurich, a penitenciaria, que occupa
os aposeiitos de um antigo convento, possue
uma fonte d'agua excellente, reputada a me-
lhor da eidade; alem desta, recebe uma
penna d'agua da companhia que aliments
d'agua a eidade.
A penitenciaria de Lenzbourg tem igual-
mente nma fonte que lhe permitte distribuir
agua d descripgao.
A de Neucbatel recebe a agua do encana-
mento da Companhia da Cidade, tendo a
sua disposic,ao, termo medio, por 70 presos
de dez & vinte mil litros em 24 horas.
Em geral a qualidade e boa.
36 quesito.
As prisdes sao bem ventiladas ?
Um systema de ventilac,ao, alem das por-
tas e janellas, nio se encontra senSo nas pe-
nitenciarias modernas, taes como as de
Lenzbourg e de Neucbatel. Nestas a ven-
tilagao e combinada com 0 systema de a-
quecimento.
ada ceilula e munida de um tubo de
ventilac&o, cujo orificio estd collocado em
urn nicbo do lado da porta d'entrada por
bsixo da parede, isto 6, ao rez do chio :
nicbo feichado pelo lado de fora do corre-
dor com uma porlinba de ferro, e no qual
se colloca o vaso para as precisdes corpo-
raes. Cada um destes tubes esta em cQtn-
municarao com os graudes tubos collecto
res, que por sua vez communicant com a
grande cliamine d'appello das caldej.:asa
vapor.
Esta cbamine, do cerca de o pes de dia-
metro sobre 90 A 100 p.s de altura, encer-
ra uma segunda de. ferro com 48 pollega-
das de diametro, que produz um appcllo
encrgico.
As latrinas sao bem premitivas nas anti-
gas prisdes, em que a reclusao em commum
noite e dia ainda tem lugar. Ficam conti-
guas as salas, das quaes sao apenas separa-
das por uma porta. N'outras ba graades
vasos de barro esmaltados, mais ou menos
bem fe hados, que sao despajados regular-
mento nas latrinas vizinhas.
Nas cellulas das peniienciarias modernis
encontra se nos nicbos, de que aeima fal-
lamos, urn vaso de ferro esmaltado, cuj
lampa qxa bermeticameote. Estes vasos sao
despr-gados e lavados regularmento por um
preso encarregado deste secvicp. 0 despe-
pejo se faz uas latrinas proximas, cu em
fossas moveis, que sao depois varsadas em
uma fossa fixa, distant do edificio.
Nas olliuiuas ha gabinetes colloca dos em
um dos augulos, isulados por uma ou duas
portas, algumas vezes envidrac,adas.
As latrinas nos estabelecimentos moder-
nos sao coll icadas do lado do Norte, isola-
da das cellulas ; sao providas de bacias mu-
nidas d'apparelho inoddro, e abundante-
uiei>te abastecidas d'agua.
Nas outras prisdes as latrinas nao satisfa-
zem coropletamente as condi^des hygieni-
cas que u sciencia exige.
40 quisito.
Qual o systema d'illuminacao dos
dormitorios e das cellulas ?
i
A illurainagao d gaz foi introduzida nas
penitenciarias de Znricb, de Bale, de Neu-
cbatel, e de St-Gall.
Cada ceilula e provida de um bico, que
uma torneira de seguran^a, collocada no
corredor, permitte fechar, e prevenir todo
o perigo ou teotativa d'aspbixia.
Em Lenzbourg serve-se do petroleo para
a illuminacSo das cellulas e das officinas.
No iuverno, duraote o serao do Domin-
go, os detentos tambem tem luz.
Nos outros estabelecimentos apenas sao
illuminadas & gaz as officinas (Geneve, Lau-
sanne) e nunca as cellulas.
Em fim, nas prisdesWe ordem inferior en-
contra-se a lampada de petroleo ou a sim-
ples candeia d'azeite como meio de i.lumi-
nagio das officinas, ou dos dormitorios em
commum.
51 quisito.
Como se aquecem as prisdes ?
0 aquecimento das prisdes, da mesma
forma que anluminacSo, differe jmuito se-
gundo as prisdes sao antigas ou modernas,
e o systema de disciplina penitenciaria esta*
mais ou menos adiantado nellas.
E St-Gall, Lenzbourg, Bale. Neuchatel
e Zurich ha coloriferos, que aquecem pela
vapor todas Cellulas, e todos os comparti-
raentos do estabelecimento. A prisao pre-
ventiva de Neuchatel aqnecerse por meio
de nm ca'.oriftro de o;1 ft'ttent*.

43 quesito.
omo se alintentam os presos ?
0 regimen d'alimenlacio dos presos vi-
ria muito segundo os Cantoes, e segundo x
importancia da la ao systena peoeaeneiario.
Aon le a reforma moral dos deViitea na)
e o fim principal da prisao, a air*e!itacJ>
e pouco variada e insuificiente a rtparar as
perdas. que soffre o orguMiismo do eonwm,
sugeito A um t-abalho fcirijado.
A oarne raras Yews figota oa alimeniar,ao:
em algumas prisoes os detentos nao a CO-
mem senao duas vezes por auuo ; e earasto
vdera-se os pmsos, subnettidos pur nao.it>
tempo A um semelbante regimen, attacades
ijlanemia em grdo mais ou menos ele-
ado.
Nas penitenciarias bem organisadaso re-
gimen alimeuticio tem roe'h-irado, e at
substancias azotadas entrain n'alimenuc^a-
em maior escalla.
0 numero das refeifdes diarias 0 da
tres.
0 almoco compde-se.o* maior pactodao
prisdes, de uma sdpa de fanuha ok papa
d'avoia, na-quantidade de 3 quartos do ma
litro.
Na Suissa franceza ( Nencbatel, Laesaone
t> Geneve ;. s detentos recebem de li2 A-
3|4 de litro de cafe com leite.
Em Lenzbourg o atmo^o compc-o so at-
ternalivamento ( de dous em dous- dias )
de sdpa e de cafe com leite.
O janler compde-so, uma ou moil Yeaxs
por scraana, de uma- sdpa ( 3|4 do litro ,
preparada com pao, legumes, raizesou folia-
ceos, segundo a estac>>, e do carne.
Em certas penitenciarias ( Lenzbourg, lu-
ricb ) A carne Jentra no jaotar auitas v j-
zes na sem ana.
A came e cortada em pequenos bocados e
distribuida com, a. sdpa ou nella mislnaedw..
Em outras d dada em racd*s a parta.
Em Lausanne junta-se i aaeia liWa de
carne quatro one,as de touciuuo cru. Ea
Geneve coenta grammas de c >rue dc b n cozineada,
e nas quiotas-feiras a mesma quantidade de
carne de pocco picada e alubada com ba-
tatas.
A distribui^ao desta s>pa gorda> se faz em
certos estabelecimentos (St-Gall, por ex :
nas quintas feiras e dommgos s em outros,
( Neuchatel ) uas terces e -xtis-feiris.
afim d'estas duas refei(des, mais substaa
cias, caiao sempre nos dias. le tnbaluo.
A sdja migra e prepar.tda com pio,
graos de plaulas leguminosas, e do legumes
da esta^ao, -ntrc os quaes a batata em
grande escalla.
A ceia compdo se de uma sdpa preparaia
com arroz, cevada ou aveia, fanuha de tri-
go, ou de milho, com ou sem adicc$ao it
raacarrao,
A quantaladc de pao coocedi la por die
a crda preso varia de 750 a 80 j grammas
Agua fresca e a bebida ordinaria.
Em geral os detentos sadios nio recebem
vinho.
Em certos esbelecimenlos concede-sa,
aos que chegaram A classe penitenciaria su-
perior, autonsac,ao para a custa proprii;
mandarom vir leite, ou uma rcao tuple
mentar ou extraordinana d'alimentos sj
lidos.
Os que sao empregados em servicos peu-
dos recebem uma racao suplemeutar d
leite ( Zurich, Nencbalet, por ex :) e mui
raras vezes vinho ( Lenz-bourg).
A escolha e a conbtnac^io dos alimentc*
que deve c compor as tres refercoes diarias,
sao reguladas de modo, que alimentacio st ja
variada o mais possivel, e que os alimentjs
tornados em 24 horas eocerrem substancias
azotadas e nao azotadas era justa proper-
goes.
0 h miem mal nutrido fica pouco disposto
A sujeiiar-se A influencia moralizadora da
melhor exduca^ao penitenciaria,
44 quisito
Quaes as horas do trabalho, do re-
creio, e do sorano 1
As horas de trabalho variam segundo os
generos de occupacdes admittidos uas pte-
sdes. Nas em qua os trabaibos agricoias
ou publicos occupam grande numero de de-
tentos, ba menos reularidade, do que net
peuiteociarias.onde pre^ominam os trabalho*
inlustriaes. Entretanto pole-se dizer, que
a media das horas de trabalho e de dez A
doze. _
No estio (do 1 de Abril a* 30 de Seton-
bro) o trabalh comeca as 5 horas da nu-
nha ; eem alguns estabelecimentos as 5 l/i:
no inverno (1 de Ootubro A 81 de Mar-
co) as 5 l/2.ou 6 boras.
Nos d -miugos e dias santificados ou de
festas o signal pare levantar e da.4o uaa
meios ou nma bora mail tarde, do qoa to*
dias dc trabalho.
[CaUinuar-se-ha).
fu VG"i)SAidv>:t"-^i--i r"oBf"lSnQEt