Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text
A\NO L. MJHEKU 2BS
\
>&
v
PiBi A CAPITAL B LUG IRES OY l>tC %lo SB PAG A POBTE.
For tree Inezes adiautados.........*....... 89000
For nw&fcw idem.......'...........129000
For am anno idem..................84*000
Cad* namero a MARIO
SABBADO 7 DE NOVEMBRO DE 1874
a^ .--*- _t|
P AB A DEWTM fOBA OA PBOVIV 14
For tree mesas adiantadoa..... ,........
Por seis dhoa idem........*..i......
Por note dHo# idem.........#.......
Por om anno idem..... .......
PR0PRIEDADE DE MANOEL FIG
.. mi
IR0A DE FARIA F1LH0S.
m
re. Gerard o Antonio Aires & Filhos, no Paris Goncaivea A Pinto, no Maranbio; Joaqoim Jose" de Oliveira d Filho, no Ceari; Artouio de Lemua Braga, no Araeatj ; Joio Maria Julio Che <*, no Amu; Antonio Marquee da Silva. Natal ; Joed Ji
Pereira d'Almeida. em Mamangaape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca. Ha Parahyba ; Antonio Jose" Gomei, na Vila da Penha; Be'armino doa Santoa Bnlclo, em Santo Ant* ; Dominfoa Jot* da Coeta Irafa. em Baurstfet
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna: Joio Antonio Macham. no Pilar daa Alagdaa j Aires A C.na Babia; e A. Xavier Leite 4 C n Rio Janeire
PARTE OmCIAL
Governo EXrgNESTII 00 DU 4 DK ICUIO DB I87i.
f SCCgitO.
Ao enmmandante da corveta Recife. -Cora a|" ao io-pector do thesouro provincial.
rnclaa copia da info-macao do offlcio do inspector
.ia u>si>uraria de fazenda, de bonlem aalada, sob
i. 926. aerie G, respimdo ao ofllcin de \ me., do *
ilG "orrente, sob n. 2, relativameute ao abuno das
i aantias preeiSH para a e mpra de verouras e so-
bremesa, e para oco.rrer a A-j pao e came rer-
boa qaalidade polos foro-eedore!.
2* $eec9o.
Actos: a
0 presidente da provincia, a vista aa pro-
usla do Dr. rhefe de polieia em offlcio n. 798, de
hootem datado, revive demittir do ca;go de sub-
ioiegado do 2* distiicto do termo de seriohaem a
Jot?Accioli Wanderley, por ter iwidado 08 dancia ; de sunpl uto do subdelegalo do I
districto do mesmn termo a Autonio Pereira da
Kocha e finaim-nte de snpplente do subdele-
-idod'o J-di.-tricto d' referido lermo a Alvaro
fc&rbalho Cavalcante Uchoa ___
0 president" 'la provincia, de con.ormidade
cm apr.posta do Dr. ehefe de polieia era offleio
u 792 de bontan datado, resolve ncmear para o
i.rgo da subdelegadodo 5* districto do
Serinhaem a Jose Francisco Accioli
termo de
Lias Junior ;
districto
ura I" supplente d.> sublclegado do districto
do mes.no termo a Una da Veiga Possesi ,eDnal-
iceute para sup'.dente do subdelegado do J* dis-
IrietO do referido termo a Salviano Moreira Caval
1 "L^'o pre>iden:e da provincia, a vista da propos
li do Dr. chefe de polieia em officio n. 791, de
bontea daiado, resolve demittir dos cargos.de
-abdelegado do 2 diftrielo do termo de Gamellei-
ra a Manoel Gomes de Barros e Silva, por ter stdo
notoeado MRpknte do juiz mamcipaJ, e de J*
saaplente a Pedro Alexandrine da Oita, por nao
>iver pr^stado o devidojnrameoto.
- 0 pre?idente da provincia, de ccnforroiaade
v.m a proposta do Dr. chefe de polieia em officio
ii 791, de bontem datado, resolve uomear para o
ivrgo de subdelegado do 2* districto do termo de
Gamaileira o respective f snpplente o cidadau
f.jbello Barbo?a da Silva, e para 8* Bellarmrao
ivorothea Rodrigues daSttva.
O i.reidente da provincia. em exeeacao da
l reaolve crear guardas lo'taes nosseg_;ntes munici
pioa, tendo cada uma o na^nero de praeaa a ma'
am ; inclusive o commissario de polieia e o sar-
eeoto, devendo, porero, alistar-se somente metade
da for5a designate, e ficando a outra metade de-
i- adenlede nova antonsa-ao, a sat-?? :
Olinda g
Itambe %. >
Bom Jardim ?y _
Rio Forms*) e Una ^g
Cabo J"
!p..]n-a ?\
Palmares -
Bonilo 10
Somma t'40 .
_ 0 presidente da provincia, em axeeneae da
lei n i 130 de 30 de abril ao eorrente anno.rc-
siive erear goardaa loeaea nos scgumtes munin-
l- os lendo cada urn c namero de praeas a mar
-Vinclusive 0 commioario de p.lieia e 0 sar-
laato ; devendo, por6m alistar sc scraente metade
forea designada, e Gcando a r.utra metade de-
t)risa?ao, a saber
1 -adente de nova a
Barreircs
Bezerros
V,
20
Somm? *8
Opre-idnnts da provincia, autonsado pela
a I 130. de 30 do abril do r.orren!e annc, resolve
i "mear commiManoa de polieia -de Darreiros.
Caspar Accioli Santiago Ramos; d.- Bererrcs, Luit
J:se Antun'S. ~ .
0 presidente da provmcia. antcriaaoo peia
[- a. I.l3',de 30 de abril do eorrente anno, re
.\ve nomear commissarios de po'icia e sargeo-
Francisco Lniz
: i
OUoda.Gomraisjario, major
9om'-Jardim.-Commis?ario, ex-tenente do cor
1 de polieia Manoel Vieira da Par
[tambr. Commi-sario, alterea bonorano do
- errito Joao Evangelisla de Souza.
RioFormoson Una.Commissar.o, ti-ac-nte Jo-
- Ferreira da Silva Lobaio ; sarceat<\ \icente
1 rreira de Franca Carvalho.
Cabo Commis.-arie. Bernardo I rancisco de
fcirros Campello ; sargento, ex-sarcealo do corpo
gj polieia Jose Aot'-nio de Farias.
ipoiuea.-Commi?sario. es-sargentc do corpo de
f if-ia Joaquim Servnlo Vieira da Paz ; sargento,
a.'eres Manoel dos Santo? Lima.
Palmares.-Conaiisario, Alexatdrmp Olympio
i t Hollanda Chacon ; sargento, ex furnel de cor-
pC de polieia Manoel Jo?6 Ferreira da Costa Jn
nior.
Banito.Corami"sario, Minoel 1-raneiseo Pessoa
diCanba; sargento. ex furriel do corpo de poli-
Qji Manoel Ridrigaes Lisboa Camargo.
0 presidente da provin:ia, a vista da propos-
U do Dr. chefe de polieia eai offleio n. 785, de 2
c>> eorrente. resolve exonorar, a pedidc. do cargo
03 3 supplen'.e do sabdelegado da frtguezia de
Muribeea a Vital Coelno dos Santds.
Offlcios : .
ao Dr. chefe de polieia.Rc3por.acD.do ao ot-
1 .0 de V. S., n. 793. da honiem daiado, solicitan-
0 algam empregado dr fazenda qae ezerca 0 car-
g de inesoareiro da polieia, por nao haver nessa
r-particao quem possa prestar a respectUa Baeca,
i-aho a dizer lhe qae n3o pode ser acceito 0 alvitre
tor V. S. lembrado. _
Ao iniz de direito da Baa-Vista. P.espon
e.'ndo ao offlcio da Vmc, de 13 dejunl.o ultimo,
c:mmunicando-me 0 protedimentc irregular do
iois municipal e de orphaos desse termo, bacna-
1 y. Francisco Santiago Accioli Lbu, qner como
f xocionano, quer como simples particular, e de-
daraado-me na> ter ainda recebido crdem de fa-
zir-lhe eflecliva a responsabilidade, tenho a di-
j.x lhe que na legislacio vigente ichara Vrac os
t:cessanos reenr-os para ehamar 0 mesmo jaiz
i; cump'imeDio de seus deveres, ser^ que para
i'.o se tome indispensavel a intervecQao desta
r-rgcidencia.
Ao jaiz municipal e 3e orf .* d\ termo do
Cnbo.Em resposta aos offiiios de Vrr.e., de 1,11,
*. e 26 de junho proximo aassadc, sdieitaodo a
1 -niissao do escrivio inlerino desse tsrmo Joa-
qaim Thomai Ribeiro Varejao, e a vista da infor-
cacao do jjjiz de direito dessa comarca em ll> do
nferido mez. tenho a dizer-lha qae na legislacao
v-'geote achara Vrac. recnrso3 bastantes para cha-
c:ar ao cumprimento-de ea9 deveres c mesrao et
o quer promivendo os leroaos de uta proceao por
cirme de responsabifidade.
3* SKf&i.
Offlcios
Ao Inspector da thesonraria de fazenda. A'
vista das ioclusas eontaa em duplieata, mande
V. S. pagar aos emprezarios da illuminacSo pobli
ea oesta cidade a quantia a qae tiver?m direito
pHo gaz censumido duranto os caeiea de.abril a
junho deste 'anno, na illuminacao dos quarteis e
deposito de recrntas.
Ao mesmo.-Para os Bus cmvenientes com-
mnnico a V. S que em I do eorrente entrju no
goso da liceni^d de 30 dial, que lhe foi concedida
pelo conselheiro pre-idente da relacao desta cida
ile, para tratar de sua saudo o bacharel Auster-
liaoo Correia de Craslo, jaiz municipal e de or
pha 'S do termo do Bom Jar Jan.
D^
aeordo com a ioformacao le sa inspector!*, de 6
de dezembro ultim >, n. 387. nesta data deferi 0
requerimento do tallecido profe sor Joaquim An
t'.nio de Castro Nunes, representado pela resyecti
va viuva, concedendo 0 premio de 200i pelas
obras elementares do compo^lQ^o do referido pro-
fessor; 0 que eommiimco a Vmc. para effectual'
a enlrega dessa quantia a qaem de direito.
4.' sccrao.
Acto :
OpresiJente da provincia resolve, sob pro
pasta d, inspector geral da loslrnecio pubiica. no
mar Tneoailla Laarioda Lins, para r-g.:r interi-
namente a cadeira do seiu femimno da villa de
Agna Preta, durante u impediaiento da respectiva
proprietnria.
Offlcios :
Ao Exm. presidente da provincia da Parahy-
ba.Nao tendo a thesouraria de fazenda dessa pro
cia remettido a desta a guia do iuiz de direito, re
movido por decreto d- 6 de unio nllimo da co-
marca de Teixeira para a de Buique nesta pro
vincia, bacharel Jose Maria M iscoso da Veiga Pes-
soa, rogo a V. S. que se digue de expedir snas or-
dens uo sentido de ser feita a remessa alludida.
\o txm. presidente da provincia do Para.
Rccebi e agradeco a V Exc. a remessa que fez,
com officio circular de 26 de junho proximo pas-
?ado, de dons txemplarcs impressos da Noticia Ge-
ral das Comarcas de Gurapa e Macapa, escripU
por D. S. Ferreira Penna.
Ao inspector geral da instruccao pubiica. -
Em vi>ta das disposicdes da lei n. 369 de 14 de
maio de 1855, e de aeordo com as informacoes
dessa inspectoria e do thesouro provincial, nesta
data deferi 0 reqnerimeoto do fallecido professor
Joaquim Antonio de Castro Nunes, hoje represen
tado pela respecti a viuva, concedendo lhe urn
preraio 200/iOOO uelas obras elemeutares de sua
composi^ao, eacabo de urdenar a cntrega dessa
quantia a quem de direito competir Releva dizer
que da peticao deferida eonsta 0 offerecimonlo
para as eseolas publicas, de 1"0 exemplares da
grammatica, H>0 de selrcta, iftO da aritbrnetiea e
250 da dontrina, atim de que Vmc. consulte aos
herdeiros do professor Castro Nunes si estao Con-
cordes na effeclividade desse donalivo.
6.' secgao.
Offleio:
Ao engenheiro ch-fe da reparticio das obras
publicas.Mande Vmc. or aui-ar plaota de duas
pontes de madeira, sendo uma para ligar o bairm
de S. Jose ao da Boa-Vista, partiodo do ponto cor*
respondeotea rua deoominada daPunte Velha,
buscando as immediacies do gazometro, e a outra
para ligar a povoacao do_ fthinirn an bigar teas
minaao naTiiaiuu. n
Po'tariss :
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegaQao a vapor fagam transportar a Bahia por
conta do mini-terio da guerra, no vapor Bahia,
o 1 cadete Felippe Augusto de Prias VilUr e o
anspc^ada Agoslinho Fructuoso da Franja, os
quaes foram iransferidos do 2* para 0 18* batalhao
de infaularia, e bem assim a mullier e. dous Dlhos
do referido anspecada.
Oj Srs. agentes da companhia brasileira de
navegarao a vapor mandem dar passagem para a
corte por conta do ministeriq da guerra, no vapor
Bahia, chezado hoje dos portos do norte, ao solda
ao volnolario Jose Dias Pereira, que se deitina a
um dos corpos do exerciio alii estacionados.
__Os Srs. agentes da companhia brasileira de
oavegacao a vapor man tem dar passagem para a
Bahia por conta do minislerio da guerra, no vapor
B'hia,'a Silvana Villar, viuva do soldado do 2*ba-
t-lhao de infantaria Jos6 Alexandre, a qual re
gressa para aquella pr ivincia, donde e natural,
era companhia de -eu cunhado 0 anspecada Agos-
linho Fructuoso de Franca, que segue no referido
vapor a reuuir-se ao 18 bataihao de infan-
taria.
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegacao a vapor mand-m dar passagem para a
cr>rie por conta do ministerio da marinha, no vapor
BakiJ, ao aprendiz mannheiro Benedicto Francis-
co de Azevedo.
de polieia Joaquim Servolo Vieira da Paz ; sargeo
to, alferes Manoel dos Santos Lima.
De Palmares. Coinmissario, Alexandrino Olyia
pio de Hollanda Chacon ; sargeato, ex-furriel do
corpo de polieia Manoel Juse Ferreira da Costa
Junior.
Do Bonito.-Commisario, Manoel Francisco Pe-
reira da Cunha ; sargento, ea-furriel do corpo de
polieia Maaoel Hodfinu s Lishtta Catrr*irp>.
4.' secgao.
Officio :
- A 1 inspector geral da inst'uecao pubiica
Communico a V. S. para os fins convenienles que
S. Exc. o Sr. presidente da provincia nomeou por
portaria desta data a Tbeonilia L rnrinda Lins para
reger interiuameute a cadeira do seto feminino
de Agua Preta, durante o impediments da respec
tiva propriftaria, sr-gundo propoz V S em offl-
eio de 36'de janbo proximo passado, sob n.
185.
5." secgao.
Editaes:
Por es'.a secretaria se convida a quem qnizer
contractar a construccao de uma ponte de madei-
ra '|ue ligue o bairro de S. Jose ao da Hoa-Vista,
partin4o do ponto correspon lente a rua da Ponte
Velha, buscando as Irainediacpes do gazometro, se-
gundo a planta orgin sada pela repartic-ao das
obras pnblieas, percebeodo pela construccao um
pedagio pelo tempo que seconveacionara, a apre-
sentar as suas propostas ate 0 dia 30 do eorrente
ne-ta secretaria, com endereco a presidents.
As propostas devem vir lacradas, e sera0 entre-
gues ao porteiro, que deciarara no invlucro, em
presenga da parte, 0 dia em que receber.
Por esta secretaria se convida a quem quizer
contractar a construccao de uma ponte de madei-
ra que ligue a povoacao do Mooteire ao lugar de-
uominado a Barnalbo. > segando a planta organi-
sadapela reparti;ao das obras publicas, perceben
do por essa construccao um pedagio pelo tempo
que ss convenciooara, a apresentar as suas pro
postas ate 0 dia 30 do eorrente nesta secretaria,
com endereco a pr -ileocia.
As propostas devem ser lacradas, e serio entre-
gues ao porteiro. que deciarara no involucro, cm
presence da parte, 0 dia em que receber.
DESPACHOS DA PBRSIDCNCIA, DO DIA 5 DE NOVEMBaO
DB l87l
Engenb iro Antonio Vicente do Nasci
rnento Feitosa.Deferido com officio desta
dara A thesouraria da fazenda.
Tenonte-coronal Antonio Fr-mcisco de
Souza MagalhSrtS.Forneja-se.
Bacharel Adolpho Siqaeira Cavalcsnte.
Dirija se a thesouraria de fazeuda, que se
acba habilitada a pagar aosupplicanta a gra
tific).c4i> correspondente aos eiercicios de
1873-1874 e 1874-1875 ; quanto & que se
r-fere aos dous es-rcicios anteriores cumpre
quu pceeeda a necessnria li^uidacao.
Anioriin da Souza Rego. -itmt- sop-
plicanta a plant" do terrenomn questao.
Anlonio Benevides Falcao.Fncatninhe-
se.
Teuente Jose Carlos Vital.Informe o Sr.
inspector do thesouro provincial.
' Jose Felix d Lyra. Deferido coin offi
oio desta data & t'nesouraria de fazenda.
Maria da Conceicio Kolriguosdo 0'.
Informe o Sr. inspector geral da instruccao
puldica.
Teuente coronel Manoel Francisco do Sou-
za Lhu>. Ueferido com otfioio desta data
ao the-ouro provincial.
B-cbarel Meneido dos Santos da Foaseca
Lins Paaea portaria concedendo um mez
de liceo^a, com or.lenado na f6rma da lei.
Kaymundo, escravo do Manoel Fortmiato
do Bfgi Barros Pessoa. -Ao Sr. desembar-
gador juiz de orphaos para deferira t suppli-
canto como for de direito.
* rnpitai eala tranqullln. mim o es
ItMlu de-Mitio I'unliiiuit. Alml:. cn
itnuitm iiiterroapldas as comma
nic:^6i'H rum Muutei ideu i> B*ael
flcuu O aeaeml Riaa, cum aa tor-
caa d> sen cuminnndii. rcStrou ae
para o Mill, s>ndo piir*t-Kiiiil<; pelas
forfaa.de (oteraa, que apprehende
mm ajna das pecas.dvtM insutWIa'
lea. Os pa,riidistas de Mitre julxam
iiHiKnii'1 'Wile essa manobra. e que
a rcliiiuiu mi se f para assegurar us futnr4is lei ins
d'araaas. Q general Arredaado
avanrn noire Men lo/.a, unite esiii
Immluenteuma balalb i enlre es
sas forras as do general Bo era.
As far^as d* governo eonflam que
poderao deirolar o general .Vrre
duudo, e que isso sera o flat da re-
viiiiicaii, qut contam nao va alem
do flat de aovembro (cohhente). A po
pulac&o de Bienus Ayre.se em geral
favoravel au general Mitre.
Lisboa ". -Cliegurain. preceden-
ces do Brasll, o vapor Ingles GALI-
LEO, e o pwquett francea. das me*-
sa^eries imperfciles. ORESOQUE.
Klo tfe J.inelri O. -ChegOU o pi
quele Ingles, da real mala. Tlltl.H
Sabio hoje para norte o vapor In-
gles OLBERS.
Banla e. Sahas boje. para Per
aainbncopor Mareid. o paquele na
cional PARA
>'IITI('I1*> COHMBKCIAB*.
Loadres S. Consolidados de
3 O/O, FOB ACCOUNT, 93 1/4. I'undo* bra-
nlleir.os de ~ O/O. do anno de flHSS.
a os. Care i inalterado. Assucar t
de Pernambueo mescavado bona
n. 8 a SS/3 por cwt.
Liverpool &. A rfies reffiilnres I preens anuito flr
mes i bouveram boas veadas do de
Maatps; veaderam se hoje cinco
mil e duzentos fardos de proce-
dencia da America do Sul i o fair
de Pernambueo e de Nantos a /
d. par libra. Assucan bom ame
rlcaaa ttt o, escolhldo de Macelo
39 por cwt; dous mile quluaea-
los sarcos do mascavado purgadn
nova Uno foram veadidas a 1 por
CWT.
Aaluerpia Cafe t ealmo i pre
eS lirmes sena nllemeao.
' Uavre a>. -Cafe trausacrOes re
irulares i precos urmes. AlgodAo t
ordlaario de Snrocaba rraaros
pelos aO kiloarrs. _1
%.mkur(o a. Caf* : anlmah- *
reeoallrmes o do Rio *
urdlnarta .o de Santos Horn es
rolhido 8, e dlto em lotcs cscolbl
dos S3 i leiiilcruiu se dous mil c
quiiitaentos saccos de S.iiiiom via
Buenos Ayres.
Harselha 5. Cafe transaecoes
rcKularcs ; prccas Ormes i o do Bio
primeira ordinu'rin. 103 a 105 fran
eos pur SO kilogrs.
New-York a. Cambio SObre Lon-
dres -1-85. Oara HO 1/4. Cafes
calmoi precos Urines sem altcra-
cao i a FAIR ilo Bio 18 1/4. e a good l
t'lCKNTspor libra. Algodao media
nou-LA.NDS 14 5/8 cknts por libra as
ehegadas de liojenos portos ame
ricanos elevam se a vinte c dous
mil fardos.
Bio de Janeiro O. -Cambio sobrc
Lionilres iualterado
Bitliia Cambio sobro beadres
3G 9 16 d. particular. Cafe de pri-
meira qualidade .*5UO a AOOO.
aescuna iugleza M.4RY LIZZIE. Cam-
bio sobre Londres 2 9|16 particular.
Rio de Janeiro G .is ih. e 45 m. da tar-
de.V*i sihir oara o Pard a corveta nicio-
al TH.UANOO. paquele francez G//10V-
DE, naosahii boutttm d tarde, coiuoiista-
+ Aiiiiun<;iiidu, luas li' manha. Sabio hoolem para P- ru imbuco
a Darca franceza VllE DE D1EPE
RECIFE, 7 DE NOVEMBRO DE 1874.
Yotieius do norte tie inaperia.
Amanheceu hooieia em dosso purto o vaoor
lirasileiro I'jrand, trazendu datas : do Amaz "oa*
21, d Para 27, e do Maranhao 30 it outnbro, d
;ear.i 2, do Rio Grande 4 a da Parabyba 5 do
.orreniii. Doj joroaes e cartis colheroos o que se
gue :
AMA7.0.NAS.
Em resposta a cominuoicarao otlliial da qu
i or a su.ipeiiso do exer>:icio do? cargo* de juiz mu-
uicipal e de orphaua^lo lormo da capital, o bachi-
rel Miguel Gome:, de Pigueiredo, havendo dingido
a presidoacia um oili u i coutiado p lavrn iuju-
rwau em ratio de um acto por elle praticado ao
exsreKio do cargo, o presidente da proviocia, re
metldQdo este documeuto a promotoria pubiica*
tendo em vista o 3.* do ar. 8.' do de.'.reto a,
1,090 do |. do seieuib o de I860,- ordeaou que
contra o mesino bacharel losse iot-ntada a de-
nuueia.
Em o texto dos ollkios jitados :
c 3.* secrao. Palacio do governo da provincia
do Amazonas, 30 de letembro de I87i.Por acto
to hoje, havendo resolvito suspendt'-lo do exerci-
cio dos cargo-i de juiz Municipal e de orphaos do
termo de-la capital, e inandado a promotoria que
contra V nc. inteutasse a denuncia por crime de
responisabilidade peraote o juiz competente, com*
tudo i- jqsu da portaria por copia, assim lhe com-
munico para sua inteiligeneia e devida execucio.
Deus guarde a Vmc. Domingos Monteiro Peisot".
-Sr. Dr. juiz municipal Miguel Gomes de Figoei-
redo, h
a lauo muai-.ipal.Mau.os 1.' de outubro de
187i. Illm. e Exm. Sr.Aeeu-o o recebimento
do olDcio de honiuui, em que me tran-mitle pur
copia a portaria da mesma data, suspeudendo me
Jos ineu cargos de juiz muuicipal e de orphaos
do termo desta capital, por motives aleivosos cons-
taules da mesma resolucao, nao possu ncra davu
deixar de proles la r eoergicamente contra o alien
tado que e-se acto encerra contra a iadependencia
Jo poder judiciario, e calumnias que nes- menio se me assaca pelo simples facto de haver
Deu->
PARA.
Comcou no dia 27 de atubro o procei-.-
crime de responsabilidade, que vai ser imuaradc
contra o issuectur da alfaodega de Belem, psk
or. juiz de direito Ja f vara da cap-ial. por xa do 2* es-ripturario dessa rep*rticao Joviiaanr
Jose Moreira.
V. .,U.i4.J. a. M -.._.;..-*..! CM .UI.
reth, que foi celebrada coni lodo o snuiastismo a*
costume, houwram grandes l"esjos, estre a>
quaes a exposicao de o-sos de diversos aawaaas
oiarinhos ante-diluviano9 peinficad *,' eaira es-
qaaes um osso lm n-r> pe-ando quatro arroba*.
- Lemos no Diane do Gram Para :
'< Foi taontem (2 ) dislnbuido na cidade o sc-
gain'e estrambulico ducamento :
Boletim da Tnlu*a Ao pom! Pa**)
ioformadoi que um intividao, cujo sonM par
c mmiseracao deixamosde declinar, aoda cosfatao-
do o povo para uma reuoia > Ii >je ;t- 7 araa sr
lrgo de Sant'Anoa, em mxae do nosso ora> po-
pular a Tribuit'i e do Exm. Sr. cooe-to Maas-i*
Jo-e dc Siqueira Mendes, que tera por
>Mtar maiinhciros.
* F.iinu mais i-jforraados, que es p i;io pelos propriot portnguezri, que o sseaaTSM-
i'.iiii desta farga, sem duvida alguraa para faa-r
recahir sobre nni e t mar no* respoonavsis par
qualquer resullado mao qae paisa ac -Bteear.
Proveniraos ao povo paraensr. aiaigo da IH
f,./i-j. que nao comparxca ao largo de SaotAnoa .
-i-m duvida e alguma armadillia dos nos->os eaear-
uo;ailm immigos, on alguma c.Ula da cbefiiara
de polieia.
Viva o povo paraense 1
a Viva a Tribuna
< Este docura-n'.i de que conservamos re'.ig:.
sameot-^ a exquisitice da forma e a perversidam 4a
idea, c mais uma prova do que pode a e-pecala
c4o torne, que ataca o principn da aaturidada
ameaca a ordem pubiica, tudo em con-equcn:ia da
existencia da Tribuna. 0 pMPaS papelucbo ate
o escnreee.
i Teodo re.-ebido um destes bolrtims, S. Exc. c
Sr. Dr. chefe de polieia, com o esrUrecaU seto.
que lhe msrece o serviij, pnbiieo, procedeo a \it.
aeertadas syn licaacias qae cossegaio as provas w
que -ffectivamente liz-rim se is eoovnei, e ou
o aulor dos mesmns convites era o solicitadof dos
auditorios Pessoa Leal.
< Yendo inaadado ehamar a sua presssca asto
individao, coafessnu elle que efTectivameata Qzera
os convites, mis por brinemieira, laoto que ia
daclaral o no DinrioHe Belem *
a lion tem (22) foi a presenca do iNastrado Sr
Dr. chefe de pi-licia o solicitador Praseisco Arvw
Pessoa Leal, e interrofado sobre o tac o da am
hootem demos n-ti ia, i-to e, a reoaiao on ctovito
de genie para raatar porlagoexes, c->nta nj.i oua
declarou que fora do sen estado normal, oiu sasia
n qae fazia, pediodo perdao do sea desvaira-
meoto.
- Leal foi severaracute almoestalo pelo Sr. Dr
camprido com o meu dever de magi-trado.
guar .a a V. Exc.-Mu.. e Exm. Sr. Dr. Doiningoi x)NIe dc polieia. e posto em liberdade, pur se kaa*
EXPEDIENTE DO SECnETAIAIO.
/. secgao.
Offlcios:
Ao Exm. brigadeiro commaodante das ar-
mas. -S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. Exc. om resposta ao seu officio
desta data, sob n 525, que Scam expedidas as con
venientesord-ns no sentido de ser transportada a
provincia aa Bahia Silvana Villar, vinva do sulda-
do do 2 batalhao de infantaria. Jose Alexan-
dre.
Ao mesrao. S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, teodo providenciado no sentido de serem
transportados. no vapor Bahia, para a corte o sol-
dado voluotarin Jose Dias Pereira. e para a Babia
o l cadete Felippe Augusto de Frias Villar a -o
anspecada Agoslinho Fructuoso da Franca, a bem
issim a mulher e dous blhos deste ; assim o man-
da declarar a V. Exc. em resposta ao sens officios
de hootem datados, sob ns. 519 e 520.
Ao inspector do arsenal de mainha.S. Exc.
o Sr. presidente da proviocia mania declarar a
V. S. em respo9ta ao sen offleio desta data, sob n
65, que (icaro expedidas as convenienles ordens
afim de ser transportado a efirte, no vapor Ba-
hia, o aprendiz marinheiTo Beaedicto Francisco de
Azevedo.
2 secgao.
Offlcio:
ao Dr. chefe de p"licia.0 Exm. Sr. presi-
dente da provincia maada commanicar a V. S.
que por portaria desta data foi exonerado o 2*
supplente do subdelegado da freguezia de Muribe-
ea Vital Coelho dos Santos, conforme propoz em
offlcio n. 785, de 2 do eorrente.
3.' secgao.
Offlcios:
Ao inspector do thesouro provincial. De
ordem do Exm. Sr presidents da provincia com-
muuico a V. S. para os fins convenienles que por
portaria desta data foram creadas guardas locaes
no3 municipios de Barreiros e Bozerros, o primeiro
com 15 pragas e o segundo com 20 ditas, sendo
para aquella oomeado coinmissario dfl polieia Gas-
par Accioli aatiaso Ramos e pira esta Luir. lose
Antunes. _
Ao mesmo De ordem de b. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, commuoico a V. S. que por
portaria desta data foram nomoados commissaries
do polieia o sargenios da guarda local :
Da Olinda.Commissario, rnijor Francisco Luiz
Viraes.
De Bom Jardim.Commissario, ex-tenente do
corpo de polieia Manoel Vieira da P. i.
De ItamDe. Commissario, alferes honorario do
exercito Joao Evangeli-ta da Silva.
De Ri<> Formoso e Una. Commissario, teneote
Joio Teixeira da Silva Lobato; sargento, Vicente
Ferreira de Carvalho.
Do Cabo.-Commissario, Bernardo Francisco de
Barros Campello; sargento, ex sargento do corpo de
polieia Jose Antonio de Farias.
De Jpojuca.Commissario, exsargento do corpo
Reparticae da polieia.
!. seceao__Secretaria de pjlicia di Pernambueo
6 de novembro do 1874.
N. 1317.Illm. e Bxm. Sr. -Parucipo a V. Exc.
quo foram hontera recolnidos a casa de dcien^ao, os
seguinles indivi luos : .
A' minlia ordem, Antoun Ignacio Gomes de t-rei-
tas e Manoel Pedro da Silva, (Indus da provincia
das Alagoas, c jmo criminosos de roubo no termo
de Garauhuns.
V ordem do subdelegado de Santo Antonio,
Fauslino a Pedro, escravos do Ouado Manoel Jose
N'ianna, por desordera.
A' or tern do da Boa-Vista, Joaquim escravc do
coronel Joaquim Cavalcantc de Albuquerque, a re
querimento do sonhor.
Pelas 10 horas da noite do dia 17 de outubro ul-
timo, na vlh deOuricu'y, foi barbaramente es-
pancado o tenente Antonio Jose 8irbosa Bahiano,
juiz de paz d districto Jaqaetl., por August ^Pe-
reira di Cunha, Franoisco de PiOla Vieira de Cas-
tro e Manoel ""lorencio de Sa, que foi preso em
flagrante, evadind) se os demais. Fez se o corpo
de delicto e proseguia se nos termos do inquerito.
Pelo delegado da termo de Bora-Conselho foi
capturado e recolhido a respectiva cadeeia, Pedro
Vital da Silva, pronunciado na cidade do Penado,
da proviocia das AlagAas, como incurso nas penas
do arti'4-) 269 do codigo criminal.
As 7 horas da noite do dia do eorrente, no
lugar Cova da Ooca, Manoel Carneiro Rodrigues,
Lourenco Tiburcio Campello e Ant mio Lonren?o
Albino, dirigiram-se a casa de Manoel Joaquim
Carneiro e o espancaram gravemente Os delin-
Suentes fo.-am prasos a contra alias esta se proce-
en io nos termos da lei.
Deus guarde a V. Exc.-Illm. e Exm. Sr. cora-
mendador Henrique Pereira de Lucana, dhjno pre-
sidente da provincia 0 chefe de polieia, Anto
nio Fmncisco (^rreia de Araujo
MMMMMMK
(agbncia
TELEGRAPUICA HAVAS REUTER.j
mi.
ljondrcs T, do nuveabro. -! niao senaaual dos direvtorcs do
Banco do Inglatorra. nenhuma al-
icraiao so fez na ia\a do deseonto.
que contlnua a ser de quatro por
cento A (axa ena freral na praca
contlnua a ser de Ires e inelo per
cento.
New-York 6.Nas elelcdes de no
vos reprrsentantes para o eoaigres-
so. a que presentemente se proce-
de nns Esiados-Cnidos. o parti do
tlrmoeratlco obicvc uma malorla
de clocoentae sels.
Buenos-Ayres 30 dc outnbro.
(AGENCIA AMERICANA.)
New York 5 de novembro. Chegam
nolicias de n ivo5 conflict is suscila los na
Luiziama entre brancus e pretos. Parses
qu-'desta vez ainda foram mais serins do
que dasoutras, p'-iis dizem haver nurnero
graude de negros mort-js e (emlos.
Londres 5.Suscitam-se nuvas desintel-
ligencias entre a China o o Japao. Pare
ce que em ambos os paiz -s ha grandes de-
spjos de modirem as suas forras.
Madrid 5. Nolicias recebidas do Iruu
di/.em que os carlistas cessaram esta tard"
o bombardeio, que fizerara contra esta ci-
dade.
Paris 5.Foi publicado o decreto que
convoca para li deste mez os eleitores,
afim de elegerem novos conselhos munici-
paes. As el igoes nesta capita 1 foram mar
cadas para o dia 29 do corr nte.
Londresfi -^jn)lidados93 1 \. Fun-
dos brasileiros 99 1/4 ; ditos arg^ntinos 9
tj2 ; dilos do Urugiay 6V. Cafe : ttterca-
do frouxo ; o do Rio bom, primeira quali-
dade 106, sogunia 88 a 90. Assucar:
hominHl ; vendas 81,335, s-ndo 3,834 do
Brasi'.
New-York 5.Cafe bom do Rio de Ja-
neiro 18 1|4. Algodao mediauo 14 5|8.
Assucar mascaado-8 3i8. Ouro 111) 1|8
de premio.
Liverpool 5.Algodao: vat melhoran-
do; venderam-se 5,209 fardos de proce-
deocia brasileira. Assucar: mecado eal-
mo ; vendas 2,500 saccos, o de Pernam-
bueo 24.
Antuerpia 5.Cafe: superior do Rio de
Janeiro 51 Ir2 ; vendas l.OoO saccos.
Havre 5.-Cafe : venderam-se hoje 3,200
saccos, sendo 3 '0 do Brasil ; precos inal
tcrados. Cacao : cota-se de "4 a 75.
Montevideo 3.Ha tre; dias que o go-
verno argentino detem os vaporis do com-
mercio. Tem reinado grando temporal
neste porto. Aluitos navios tt-m soffrido
avaria. Diversos trapicbes foram abaivo.
Perdea-se a canhoneira TAQUARY, qun
foi a pique. Tamb^m se perderam os bri-
gues OLINDA e PRINCEZA.
Babia 6 as S> h. ;io m. da manha.
Chegou o paquet'i naci >nl PARA', proce-
dente do Rio de Janeiro pelo Espirito Snlo.
Babia u as 3 h. o 30 m. da lar.le. Vai
sahir opaquete oacional PARA', para os
portos do nort-j, Sahto pare Pornambuco
louieiro rmxuio. presidente da proviocia.O juix
lauaibtpal, Miguel Gomes de Figueircdo.
t PaUcio da pre-ideocia d\> Amazuoss em Ua:
oaos, 1 de outubro de 187%. -C-immunicando bou-
tem ao bacharel Miguel Gomos de Fiyueiredo que
por acto daquella data o havia suspeodido do exer
cicio dos cargos de juiz municipal e de orphaos
do ter.no desta capital, c-ipia n. I, me dirigio eile
o offlcio que em original lhe remetteu, document>
a. 2, o qual vai por mim rubricado. Eocerrandu
esoB doenmeato iajariu a miaba pessoa, e que me
.-io dirigi las, em razao de actos que pratiquei no
cxercicio do cargo que occupo, crime a respeilo
do inal cahe a ac;ao da justica, como e-ta deter
minado no 3. do art. 2* do decreto n. 1,090 >'o
!. de setem >ro de 1860, cumpre que Vmc sem
perda do tempo iuleutd a deauncia, daudo me ..-uii-
ta do remliado Goal Jo process j. De.us guarde a
Vmc. -Domingos Monteiro Peisoio.Sr. proraotor
publico da comarca da capital.
Term noa no dia 10 o prazo para o recebi-
m.-nto de prop.stas pa "a a incorpora^ao aa pro
vincia, da coinpauhia Predial, de que trala a lei
n. 275 de 27 do maio d> atico passado.
Por acto de 9 de outubro o inspector do the
souro provincial, em virtude de deliberacao unani-
me da junta, impuz a mulla de um couto de reu
contra 03 commerciantes Jo.-e Tei&eira de Souta
& C, vi-t-1 terem infringido as cla isulas I.* e 2 *
do contrato celebrado com a provincia em 16 de
julho de 1872 para a importac.ao de mercadona*
procedeutes da Europa e Estad >s Uuidos da Ame
nca por for^a dj S 6 do art 13 da lei u. 2ii de
27 de maio de 1871
0 presidente da provincia, recebenlo communi-
cacao duL'um-ntada d acto da junta e do inspectwr
do thesouro, iufraccdes alludidas, e tendo em con
iideracao a termioaate disposicao da clausul o'
do contrato, declarou e n portaria de 10 e:lar rcs-
cindid i o contrato de que se trata.
- Sob propo-ta do inspector do thesouro pro
vinjial a parecer uaanime da junta de fazenda,
por acto do 6 de outubro, erect, o presidente da
proviocia uma collecloria na fronleira de Tabatin
ga e para a sua iastalla;ao commissioaou o I.*
escriplurario Francisco Leopoldo de Matios Hi-
heiro e o guarda da recebedoria Floreacio M mo I
Negrao, o 1.* para servir de collector e o 2." de
e-crivao. 09 quaes seguiram o sea destioo no
vapor Yc imviba, que do-ferrou de Manao* a 10.
- a agenda da Amazon Ste m Navigation
Company Limited -publicou em Maaaos o seguin
le aunuucio :
Faco publico que de accorto com o Exm. Sr.
pre.si i mte da provmcia, as partidas dos vapores do
porto de-t i capital, para as lianas do Port!-, Ma
.leira e SolimOes, foram mudadas para os dias se-
guinles :
< Lianas do Puriis : Dia 19, de madrugada.
t Lianas do Soliinoes : Dia 8, de madrugada.
a Liabas do Madeira : Dia 12 as 5 horas da
tarde.
Devendo essas alteracoes ter lugar nas liabas
do Purus e Sohmoas, de novembro proximo em
diante e na do Madeira, a comecar de outubro. >
Sob o titulo Suiiidto inioluntario -pubiica
o Commercio do Amazonas :
Escrevem-nos do Rio Madeira : No dia 29
do passado, tendo embarcado a bordo do Anajds o
Dr. AlfreJo S. Ferreira, para lamary, deixou seu
escravo Antonio em casa de Joao Franco, ate sea
regresso. No dia 30 as 10 horas do dia onvio se
um tiro, e procuraado-se a causa, encoatron so
aquelle escravo mono, tendo a bocca estran^ulada
por um tiro de espingarda qua sahio pela parte
superior do craneo.
a Ningaem foi testemanha desse horrivel acto,
presummdo-so que lan^asse mao da anna, e que
a assoprando, como refere nm menor, eila dispa
rasso, causaodo lhe iustaatanea morta.
a 0 cadaver caterrou-se no dia 1.* deste mez,
ja tarde, por e-perar se o senhor do hnado e o
obd-legado, a quem sa mandou ehamar, os quaes
so chegaram a 2, quando trataram das averigua
voes.
Era Itacoatira foi fustejado com grande pom-
pa o dia 7 de setembro.
Em a noite desse dia arderam duas casas do pa-
llia silas na praca da Matriz.
Dias depois foi reduzida a cioza3.por.um iocen-
dio a casa da rua da Estrella, oh c residiam as
senhoras Americas.
A recebedoria da fazenda provincial de Ma-
aaos arrecalou lurante o mez de setembro ultimo
a quantia de 9:413*638, sendo :
Para a proviocia 7:368f5M
Para a companhia do Amazonas- 2:0*5.046
.
recunbecido a ver.lide daquitto qa !! all^gava.
Tal 6 em resuroo a causa do alvorr.r;o qae
a boa genu "1* lVifc"a '.oum hun inatm
num a nosa popuUcao distrihnindo um impr*ac
em qae r.ao se descuid.>n de envoiver o some
do Exm. Sr. eoaego Siqueira, com a servers* e
maa.festa intenclo de ialispol-o no rosceito pa-
blico, as-ociando o sea a- mo o? maaejo- igaobeis
to que tiram vida os pas |Uiaeiros iofames, one
prostituem a imprensa do Para.
Ptlo Exm. Sr. cooselbe ro presidente do triba
ail da relacao foi eliioiad.> do namero dos -It-
Lilian is dos auditorios desta cid.de Krmcisce
Alves Pessoa Leal, por ter calu :u irregular. C>
Exm. Sr. prod lente uoegp-gic tr banal da relacic
acaba de praticar nm acto que o bonra muito, e
que muito o elrva no c. oci-ilo pub ic".
t A's occaltas, eavolvilo M negro ve> do ays
t^rii, a escuridao d* noite e com o segredo d>
passamento, poaeas horas depois de expirar to.
cooduzido aocemit>Ti> de N. S. da Sjte.laee <
Rvd. conego Jeronymo Rcbertu di Cosla Pi-
meotel.
t 0 iilntrc finado era daouellcs que se aio
pr -siam a sancrao dos actos vi.ilentos do sen sre-
lado diocesano." sem comtudo ergaer-se en pa-
blico contra elle*. lameutaodo apsnas, entre o
seus amigos, o que aciualmente se t. m dalo ac
g.iveruo da diocese, de h muito cntregae o< set
temperos de padres irr ll-onJus. Ver ladeiro nw-
n stro do altar, afcrrado a is priacipios da rclig-io
de Ghsisto, nao os confundia com as especulacde*
jtsuitloas.
Era mac- n c majon quo oonca soobe tras-
sigir.
c A c'xi-ton -ia de caraclercs como eete e orr
pesadelo para os que especalam com o doom ia
[rtligiao de Jesas Chr mo.
Quem sabe que en*olve o segreio, qae se
procurou guardar em -eu passamento e en
terro ?!
a A polieia eamprira am dever fataodo o>
syodicar do mysterio-1 Dando disso o final rnul
tado ao puoiico.
t Couvem d-scoofiar c desconflar ssmpre do*
jt-uitas. capazes de todos os crimes E os je-
suilas detostavam ao revereodo cooego Pimea-
ti'l
A presideocia la proviocia nomeou a Jose
Valeate do Couto para promotor publico da eo-
marca de Mo .te slrpa,
Lemos mais no Diarioda Gram-Paid :
Foi hootem (I6> coufirmadn. em lodai u sua
partes, pel-i Exm. Sr. conselheiro presidents so
gregio tribunal da relacao do districto, o despacso
de proauacia, qae o illu-ire Sr. Dr. ehefe de pj
licia, Dr. Samuel UchCa, prolerio contra os mto
res a cumplices do grande atteatado de Jvra-
pary.
a Congraltilamr.-nos com o hoorado chefe se
pol-cia da proviocia por ver sanccionado am aetc
qae ia'-to o eleva no conceito publico e eoai c
qual sem duvida mailo concorrea para desmeotir
o desgrarado eonceito que se forraava a reepeitc
da nossa moralidale e dos credits da magtstra-
tura do Brasil.
c A to a^ui es agentes da jastira auWica tesa
camprido escrapulosamente o sea dever.
c Temos robu.-ta fe que o jury nao ae afastara
de actos, qae precedent o sea reredictnm teodo a
justica em todo o sea rigor por nonua do sro-
cedimento, com qae, por sua vez. ten de dat-
aggravar a socieaade, o Brasil sobretado, da si-
front* qae lhe pesa.
Pela presideocia da provincia, foi em 8 de ou -
lubro endereoado o seguinte. offlcio ao Sr Dr. jaiz
de direito da comarca de Braginca:
Coofirn e as commameacues oslclaat sae re-
cebi da camara municipal, do subdelegado, e a?
juiz de paz de Vizeu, con-la qae saqaslla vsu so
espalhara o boaio de que na noite 4*6 *
bro am grapo de homns armados
ia na villa com o fun de gfrodir os
alii exisieotes, mas que tomando a pobeu as ss
cessarias cautela* nada soccedera.
i Que entreunlo, oo dia 16, as II horas da ma-
nha, toi epaocado publicaraeate por algaas deaer-
deiros o portaguez Francisco Jose de Freius, e ag-
uredido n J dia V) o de nomc Anto oio Man el f-
Qae a 21, quando o subdelegado de poltrta
na casa da camara municipal, tomara conhecimeo-
to desaos faetos procedeodo o respectivo inqontao
para iostaurar os processos, foi ieurrompido pelos
ditos desordeiros contra os qaaes nao pudasdorea-
gir immedialameote por (alia do forea saBeiMM
reqaisitou esta ao director da coloaia mil>tar d a
**


I -
, ... -. irlUUHpT0 ^ IWmba S,t''t'aj0 7 fe Noveinbr mi

Girupy, qae aceedesila promptaniente, cempare
ceu elle pTBprlo Cera algumas pracas e foi res a
belecida comple-iamente a ontecp InailHHdiTt
publica, dagM" os desorde'rros para fora da
villa.
Em Tlta,pnfs, des'sas occanrendas recommen
afim de 99at7nRar.de lags acoatecimealos, aaxi-
liaadc a antondade polinial e procedcndo nus ter-
mos legaes; certo de quo segaem para alii aesta
occasiao, afim de reiwfar a guarda local, seia pra-
-.as e um inferior Ja corp* polieJal pannanente, e
como delegado de policia 'do tar aw o tenenle do
mesmo corpo Franei-c > Antonio .Vpunuceno.
Ao consul de 8. M. fidelissima Jirigio S. Exc.
o Sr. presidente da proviacia, eru 0 de outubro, o
seguinte ofllciol^
Accuso o reeeoimoato do ofli :io datado de. 6
i > correnu mez, %a me dirfgio o Sr. Dr. Joa.jnim
Baptista Martini,eoa-ui de S. M. Fidelissima, no
jual, em vista das occurrencias qae se deiam ul-
lunamen'e na v.jla de Vizeu, pede-me providencias
nao somenle para garantir a vida e prepriodade
do3 seus compatriotos alii residentes, mas tambero
para serein punidos devidamenteos autores do es
paocamcnto qne soft'reu Fraucisco Jose de Frei
t:, sSBdilo tie sua ii.ir.~i >.
c Em respo-ta cabe-me declarar ao Sr. consul
1'je pelas respectivas auloridades locaes, foi esta
presideueka iufurmada de se ler naqui-lla villa es-
nalhado o boato de que na noite de 6 de setembro
ultimo um grupo de boiaens ai-mados >e apreseu
'.aria na povoacaj com o flin de aggro lit- os porlu-
guezes, mas que tomando a poKcia as necessarias
oautelas nada suceeJera ; e que eflirdanto no dia
16 daquella mez, as II ho.-as da uiaattjt foi ei>pan-
cado publicaroente por algum desordeifroso portu-
guez Francisco JoaC de Freila*, ; u i ilia iO aggre-
uido o de nome Antonio ilauorl iVraira.
Logo qu-3 semelaautes occuni ncias, rhegaram
ao meu couhecimento, ordenei qua ara aili seguis-
semseis prajas docorpo p.rficial permanenta, com-;
maniidas por am inferior pa: a refurcar a guarda
-bcal. uo.neando tunbein para d^legado do respec-
nvo tenno o lenenie ao corpo on p- icu. rraucueu
Antonro Nepomud'no, e acibo de u.'florar ao Ur.
jail de direito da comarca de U.-.igmga o ao pro-
moter pablico para que se iransp-irteoi aquella
villa, afim d- infjrmireii-sc de ta s acontecimen-
tj, anxiliando a auioriiaJe poJicial cprocedendo
n :>s termos legaes.
.Heitero ao Sr. consul as scguranfas do meu
Eabiiuapreeo e disiincta consider*s3lo~.
MAB*~HAO.
Por convpnicncia do servigo piblieo M re-
rrnvido da comarca da capital para a d-j Guima
faca o promotor pulilico Dr. Celso de Magaioaes,
com) melhor se vera dos dous seguinUs offl-
cios:
t Patacjn dopovsrno do Mafanhm, 27 de outu
bro da l87i. -No dia 5 de setembro proximo liudo
foi asassfnado no termo de Cururupu. comarca de
Soimaraes, no Ingar denomi ;ado Mariano, o
teneute Antonio H-levao t'e Almeida e Silva. Nao
cou-ta ate es'.a dati, que se tenha iu:taurado o
soioipario para a pumcao dos autores do tie bar-
bar.i attent.ido e segnn :o representam os filhos da
vi'tirna, nao Ut u as autoridaJes locaes empregado
a dilijencia dwejada para descobril-os
Nestas circumstancia, resolvi remove!-o da
promoton* pobltca da comarca da capital para
a de Gaimaraea na e-peranga de quo Vmc.era-
pregara todo o seu zeio na organisacio do proces-
co, requrend) as diligencias legaes uecessarias
pjra a eirectiva pi;uii;ao do autor ou autore;. do
rcfertdo crime.
. Ootro sim, informant Vmc. qu.il tern sido a
ess* respeito o procedimento das aiitoridides do
t-rmo em onlem a liabiiitar-me a provid nciar
coiuo tor de lu.
Certo de sua itifelligencia e zelo pelos iule-
rcsses dr. ju-tira, conflo que no desempenlio de.-t.i
-.o-n-issa i itrei novos motivoi para recommen-
^al o ao governo imperial. Dens guarde a Vmc.
AVQUilO Ql-jmph Gjmrs de Castro, Sr. bacharel
Oiso daCnnha M^galaaes.
Paiacio do goverpo do Maranbao, em 27 de
outubro de 1871.No dia 3 de setembro proximo
rlado fii assasrinaJo no lujinr-Mariano-dessa
man*, o tene:ite Antonio Estevao de Almeida e
Silva, sem que ate hoje conste que se tenba ias-
taurado o sumraario para a punicao do autor ou
suiores do crime.
f^JSegundo rcpresentafOM verbaes de um lilho
Ca victima, nao It! n as autoridades locaes empre-
flido a diligencia desejavel para a panigao dos cri-
::i!noso, qne ate esta daia nao sao conhecidos, ape-
ndieios art ou menos vehementcs que os
4 rn nrerideale At fpovincia, *o niesmo tema* A
,ipli- .lewimes serc^s presUdo-j por este ixft'A pu;
ftna I hi: ... mtlpd.nl.i u.ian. ... ___ Pt uT\
______
WWW J OWA
rraucamos da
que i Miaa eHtranto ja vamos um poiii-y^ian^tfoaf'
nuseria, -a^aem cohriinoe audtz aMtunwmi, e temos e a quern A ora em dirKe m ntcremos^ temudbo de que a sooiedade Protectora d i Infau-, oppurfuma.
cia Desvarida.-naoteve nma exreteneia cslerll.
a-no jraveweat). Foram pretaa os d^Iia-
t Denies.
C*es ftydropkme.nTi-0aTrepueEia do
k;o da Pauella peaem nos r|ti* roelaraonkis orn-
:<^aViaStrU** yi<1en.:u- noseatid.) d-ser mftella frepuena ore-
la da praga de caes daooadot, qua a mfes-
PfoporcioBai-lfces, pois, a iBstrw^i>seolioTes,' mis'pntpriedatle, nj dia 29 do mez passado. depeis
tornai as uteis_ a socdade, ponde-as ao abrigo da de lono< e penosos padecimentos, o Sr. Pr'answco
Fartecea .notngenho Nasceac4*tfB-oV. Un, poado to Jo o povoado em continuo sobre-
indifcencia e nao podereis juntar welhor tropheu
aoa tpuros alcancados hoje.
Falleceu o oommerciaiite Firmtno Con t de
tmos.
CEABX. *
Assumio as redets da administrafko da prom-
cia. no dia 23 de eaiubro, e Exm. Sr. Dr. Hera-
clito Graea.
Foram nomeados :
Promotores publico* : de Caninde, bacharel An-
tonio Sabiao do Monte; e do Tamboril, bacharel
Francisco Barbesa Cbrdeiro.
Inspector, procurator fiscal, e thesoureiro da
thesouraria provincial: J ao Severiano #ibeiro,
Dr. Francisco Feraandes Vieira e Antonio i-'ranoa
Alves de Mtllo.
Nj dia 25 da outubro, na capella da Concai-
cao da Prainha, S. Exc. Rvma. eonfario ordens aos
seguintes seminarislaa :
Menores ao Sr. Primenio Freire das Vir-
gens.
De subdiacona-aos menoristas Antonio de Ly-
ra Pessoa de Maria, Francisco Lopes Abath,J>ao
Florentino Cavalcaote, Joao Cordeiro da Cruz Sal-
dauha, Joaq^iim Ferreira de Castro, Jo.-e Leonardo
da Silva, Luiz Francisco de Sauza Le.Utu e Manoei
Felii de Moura.
De diaccno aos snbdiaconos :
Bellarmino Jose Games de Souzi BruncR)dri-
gues da Silva Figueiredo e Pedro de Abreu Pe-
reira.
Faliecerara : o tenonte Jos6 Cavalcante de Arau-
Manuel C^rneiro da Cunlia, membro distinct do
l partido c, manrador, a iafl Jafliia legWrna na fre-
rruezia de sua re>ideDiaJ onda prealo-a irnportan-
i tes servigae a causa publica.
(I fiuado deixoa Cofiuaa om pouia oaaiaida*
ravel.
. t Por sans dotes naturaee ejervieoa prestados
I ao piiz, marecera do goveruo imperial o oileialato
, da i rdem da Ursa
Km consequeneia de raeentet e larnenlavei-
acontacimentos na vHU do Catole do Rocha, vii
;seguir para es3s locadade, no caracttr de dele-
gado, o Sr. commandante do corpo de policia, te-
Bente coroqel Francisco Antonio Araaaa Chaaon,
da cuja eaergia esperamos os meloores result*
dos, quanta ao restabelecirnento da ordern public*
e punicao dos criminosos.
i Ficam a cargi no porta desta cidaie jito va-
pores de alti bordo.
a Eatraram no mercado desta capital, no mez
ultimo, 7,156 saecas eom algodao ; send- 4,826
por terra e 2,310 por mar. As ealradis, tanto
de.-te genero como do assucar, erescem Jiarh-
uoeate.
t Por commnnieacao do commandante < forest
ex|iedi.:i..iiina no alto sertao, ao mania do c.i-
pitao Mathias da Gama Cabral de Vasconcellos,
dirigida a S. Exc. o Sr. presidents da proviacia,
foram i IV -etua la- no termo da Souza as seguintes
prisdes, para as quaea muito valiosaraenu enn
eorreram o juiz da d.reitn da comarca damesmo
nome, Dr. Ji- Paulino de Figueiredo, e sigum.is
oairas autoridades :
o deixamos
cuiupra o
sal to.
Cumprindo nosso dever, como ahi
patente, bjm e quo a wanioipalidade
ninhelru. -0 vapor brasileiro Parani trou-
xe para :
Antonio Joao Furtado :0()04000
Per. ira Vianna & C '5:980*000
Carvaino dt Nogueira 3:878*000
J KraUBd11 C. 2:0OC*0OO
JoaiuirBioteGongalvesUeltrio & 1-ilbo 1:000*000
Iisonja,- vai a expre^sio de justa indignacao con
(* aaivu^a dos kMMes..
v*m ,,ai'dlm- Escreveo-n;s dessa
i,J>(> d.ia V de ?!Jtubro, termiu'arara aqtfl as
Uados. graBd" e **** re-
E' assim que
conclaida
J. 0. C Doyle
Jose Rodrigue- de Soa
Manoei Alves de Senna
Dr. Antonio Herculano de Souza
I deiM*
A. Iiyvernat A-C
Caetano Cabral de Vasconcellos
Km trnasito. -Com destino
perio acham e a bordo da vapor
Ban-
oOOJOOO
402*000
423*300
400JC00
386*000
.140*000
a cflrte do im-
Parand 57 es-
jo, primeiro escripturano da thesouraria de fazen-
da ; o alteres da guarda nacianal da Maranguap?, t Agostinli) da Luz, pronuociada por dime de
Pedro Coria Lima ; segundo conferente da alfan- raorle; Jose Moreno de Sanl'Anna, proaaociado
:im
aega tote ciemente Barnosa de Moraes; e Join
Marques Perrira, o mais antigo barbeiro d*ca-
pul.
Os estudantes do lyceu installaram uma so-
ciedade, denominada Dezenove de Outubro, data
Ja fuadaeao daquelle estabelecimento, cujo
principal e salemnisarem todos os anno3
com a liberlacao de nma escravinha.
O patacho allemao Catharine, sabida para o
Hivre, canduzio : 2,136 saccos com cafe, e 1,300
couros, pesando 140,124 kilos; deixando de ren
dimeuto a alfandega 3:415,70(J.
0 vapor braiileiro Ipnjuca traz do Acaracti
4,003 meius de solla para Pernambuco.
Lemos no Cearense :
c No dia 26 de outubro, o Sr Dr. Luciano de
Moraes Sarmento praticou, na Santa Cisa da Mise-
ricordia, em um menina de 12 annos de idade, a
diffljii ooeragao da talha perineal pelu meihodo bi-
er.il, processo de Dupuyfen.fazendo a extrac^io
por fdruueotoi graves ; Ignacio de Maria, pro
uuueiado por crime de furto; laBOceneio Alves
de Oliveira, pronunciadu em criise de roabo no
termo da Catole da Roeda.
Este audaciosa crimiao^o ira ehefe de am
grupo da 14, entre os quaas oonuvam-seos laini
esse dia gerados assassiaas Jesuioo Alves de Mello, conhe
eido par Brilhanle, e Manoei Papii.
Esse grujio, senda cercaio >ela for?a publica,
reswtia lenazmeate, desfechan If tiros sobre ella,
resultanlo disto a matte da crtniooso Jose Ray-
niuada, ea prisS) do referida chefa lanoaeooio,
que se acha recolhida a cade i de Pombal.
Antonio Alexandre de Gouvea, praounciada
pela marte do infeuz Cartachi, e Clementina da
Cunba, pronunciado pela mania crime.
Aeossados e?t s dous ulimos pelas diligen-
cias, contialas ao alferes E3iplian#y'* Araujo
C ildas, vieram volantariaaente aareseutar-se,
afim de entrarem em julgarrento.
cravoc, viados das provlnclas do norte.
Jury do Recife.Foi bontem subraettido
a.julgamento o rfio Joaquira Henrique de Oliveira,
pronuuciado no art. 203 da codigo criminal, por
ter na noite de 23 de agosto de 1873, no Geqaia,
rerido gravemente a Francisco Joaquim de Me-
deiros.
deonnciam.
Attribnindo em grande pane este re?ultadoa
promotor formado na comarca.-TJoT
nao.tr oDaciiaret ]o=e Pires da Fonceca, notnea-
do^.n fevereiro de5te anno, asumidn o respti-tiyo
cxerc -ia, resolvi por acm ae 13 4o corrente eXo
removondo por acto do hoje o bacliar 1
faita de um
neral
Crlso da Cunha Magalhies, da comarca da capital
para essa, e rtcommendando Ihe o maior zelo na
organisacao da processo pebreferido crime. Dan
do Ihe commnnieacao deste acto, e meu lim ch*-
legaes pars elfediva punicao de seu autor ou au-
tores.-Deus guarda aXmcAugusto Olympio
Gomes de C.istro.-Sr juiz de direito da-,amarca
Oeuuirnnraes
0 tribunal da relacao mandou a novo jury
Amancio Jose da Pai.vao Cearense e Guilhermino
de Sou:a Barges, complices na processo l'oales
V isgueira.
Lemos no I'aiz :
' Realisoa so a regata feiti a csfor^os d) Sr.
relies de Meoezes e oatros nmigos seus.
Numerososespectidoresapiabavam sc n>caes
onle era o panto de partida, e tambcm viam se em
tod is is praias e poutos donde se podia gizar o
belUasimo espectacala
Nos p-imeins pare^s a ,vela e nos outros a
romoa, observaa-se a davida ordem, send) este o
resultado, segundo una communicacai, qae nos
fn obsequiasamente rerrettida
_ Na regata a vela gar.haram :
i" pareo/>/;-patrao J. Araoha, amadar
prerraosinete de prata.
2 pareaMaria Carolina-patrao Caelho, profis-
sional preruio port* phosphoros de
prata.
3 pareo-Oceano patrao Oliveira,-amador
premiolunela de tartaruga.
Pareo dos vencedores.
I*Ocean* patrao Oliveira premio -copo de
prata. -
2* Paiz patrao J. Aranhapremio -pistola d3
prata.
Apresentaram-se 34 canOas de Pescadores,
mas manobraram com tal desordem, umas pmia-
da antes do signal dado, outris voltando de meia
viagem, ontras dirigindo se para pantos diversos,
bouve tal confusao que nao foi possivel submetle-
las a um julgamenlo, Bcando portanto nullo este
pareo.
A remos.
lu ludith -pstrao Amorira C remadores proflssionaes premio
cassoleta de ouro.
i pareo-SaudaJe-pair** Luiz Pires, profusion*!,
remadores prrftoiootea premio
cassoleta de ouru.
3'parej-Grao-Pvi-patrAo Fernandes Caelao,
profiBsional, remadores prons-ianaes,
premio med-lbade euro.
PlAHSr.
Ji achava-se de todo restabelecido o Cam. Sr.
Dr. Adalpho Lamenlia Lins, presidente da erovin-
cia.
No dia 11 de oatabro reali*ouse, na capital,
a installacao da bibliolheca publica, com tod. a so-
emmdade, pronunciando a Exma. sra. D. Candida
Lamenha Lia, esposa da pr^sidente da previaaiai
em nome da sociedade Protectora da Infancia
Desvaiida, da qie 6 presideate, o discursa se-
Ctn( i
a Sephores da socieJide promolora da imtruc-
^ao.A sociedade protectora da iofan;ia desvaiida
congratuii-sc comvosco pela inaugura.;i) da bi-
bliolheca popular.
Hoje que patenteaes tao espleadidj re-uitado
de vossos esforcps, na momento em que abris as
portas deste tamplo d'aude se irradia a luz da ing-
traccao, a sociedade protectora, vossa irma, lilha
do mesmo peasamealo, veto baler palmas aos vos-
sos triumpnas.
Marcbaes ao grandioso flm da eJucaeao do
povo : nos modeslamenta vos acampanhamos os
passos : domin*-vos a febre do progresso, o ardor
de avancar rapido na senda da civjlisacao : nris
temos por gaja 0 saota edoce senUiaenta da cari-
aada; arahos, porem nos dirigimos ao mosma flm,
aninos predomina o mesmo amor da pairia.
.^1.^ podiam09. Pois, faltar a vossa festa; e re-
f1 ^i^n9tU.oeca!i, 80lefna3 enlregar ao? vos-
U dea StSi "Utt' Foi peqaena a qojs* colheita
mas nascente aiada a sociedade u
poade levar mats Jange on seas esforjo.
de u.n c.lculo (pedra) d forma oblonga, com 411 or F6r.i tamnem pelb tijestno alferes Epipbanio
grammas de peso e lendo 45 de compriraento desbaratalo nm grapj de rfimiaosos e malfeitores
9 '" de largura. | no termo de Misericordra, sabinda feridos o chafe
O doente, qua nesta moment) se acha em via: do mesmo grupo e um oitro individuo.
de cura, foi chloroformisado, e a opera^a) correu
sem acciJente algum, durando apenas tres mi-
uutos.
0 di>liucto cirurgiao aiula uma vez exhibio
p-ov.is de granda pericia e muit.i pratic*. qn Mi la
lidadcs qae, unidas a um trato lino e dcljcad) e a
um caracter nobrp, muito o recoinmendam a eon-
sideragao publ.ca e tern penhorado aqoelles que
com S. S. entretem rtia^des, espccialmente aos
seus co!lej;a3.
S. S. ja muita conltecida em Pernambuco e
outras proviocias da imperio, onde goza de aleva-
da e merecida reputafla, acaba de firmar entre
nos os seus creditos de eximio operador, pralican-
d i com o rr.dnor exita possivel uma das mais ira-
portantes opera(;0es da alta cirurgia.
a Felicitamos aa Sr. Dr. Sarmento e ao publico
qua leve a felicidade de rebe-lo em seu seia.
r.IO GRANDE.
Nal* recebemos dessa provincia.
' PAHAHYBA.
Da capital esereve nosso orrespondente :
^ 0 projecto da creacio de uma Assoeiacao
Commercial nesta capital, de que ja de outra vez
nos occupamos, passou a ser uma realidade, desde
o dia 31 do mez proximo findo.
Mareada para as 11 horas daquelle dia o acto
de sua ins'allacao, e tendo nos reeebido o nosso
convite, alii nos apresentamos para acompanhar-
mos todos os movimentos da festa, e podermos oan-
tar a nossa historia certa.
Logo que chegou o Exm. presidente da pro
mi chistosas e dignas de
KEVISTA DIARIA.
O.u-as de coatcrvaeao dos portoa-
Par portaria da pr?idencia da provincia, de 4
do corrente, a vista As consideraySes feitas pela
engenheiro director *as obras acima referid.is. foi
aogmentado o pesssal do respectivo escriptorio
com a creacao dos seguintes lu^ares: um chefe
de secjSo do servijo insriti.no, um pratica, dous
apontadores e dous rAserv.idores de mar6s ; sendo
por oatra portaria di mesma d.ta nomeados para
esses lugares os .-idaHaas segainte, ni ordem em
que vao collocadas : Braz Jose" dos Reis, Jose
Cirdazo dos Santo, Mignel Angelo do Naseimento
Feitoza, Felippe Benecio Cavalcante ds Albuquer-
que, Firmino Candida de Figueredo, Frederico
Hennpue da SilveiraTavara eSebasliao Cavalcan-
te de Allmquerque Lins.
A nomacaa da uo dos observalares do mares
vincia, promotor dessa grand < idoa, j4 se achan
do presentes os Srs. Dr. cliefe do policia, inspector
da tho=nUrria de fatenia, dito do tbesouro pro-
Tiucial, a jmini-ira lor do eonsulado, Dr. inspector
da saude, capitSo do pnrto, secretario do governo
e outros funccionario3 pubheos e pessoas gradas,
o Sr. Custodio Domingos dos Santos, negociante da
pra$a, acclamou para membros provisurios da di-
recgao, aos Srs. Dr. Francisco Alves de Souza Car
vallio, presidente, Jose Kulino de Souza Range!,
secretario, e Henrique y Cao, thesoureiro.
Tomando assento a direita do presidente da
associaca* o Exm. presidente da provincia, a c.in-
vite daquelle, o Sr. Custodio Domingos dos Santos
proferia algumas palavras a respeito do tao impor-
tant^ aconteiiraento, fazendo notar e tomando bem
saliente a parte direct* qde nelle lomoa o Exm.
Sr. Dr. Silvino, nosso digno presidente ; depois do
que o presidente da associacao, o Sr. Dr. C*ivalho,
leu um breve disenrso, analogo ao objecto da mes-
ma associacao.
Em seguida o Sr. Dr. Custodio Domingos dos
Santos Junior, advogado da associacio, pronun-
ciou um bello discur^o, mostrando as vautagens
daquella associacao, seguindo se, apos, pela res-
pectivo secretaria, a le.tura da acta da inaugura
gao, qia foi assignad* pelo Exm. presidente da
provincia e mais pessoas presentes.
Encerraoa a sesai, o Exm. presidente da pro-
vincia pronunciau algumas palavras de sal:sfacaa,
por ver realisada uma das mais ardentes aspira-
tes da provincia, e muita especialmente da earn-
mercio ; danlo vivas em seguida a S. M. o Impe-
rador, ao governo imperial e a Associacao Com-
mercial, que foram calorosimcnte correspondidos,
bem coma o que fora dirigida a S. Exc, tocando
a banda de musiea do corpo de policia que e>tava
era frente da edificio e ao lado da guarda do hon-
ra, o bymno nacianal, ao estrepita de uma grande
girandola.
D'abi seguiram la Jos para a casa de residen-
cia da Sr. Custodio, onde foi servida am excellen-
te lunch, pronuiuiando-se nesta occasiao diversos
discursos anatogos aoacto.
A sociedade dramatica Santa Cruz, desta ca-
pital, era homenagem a tao auspieioso aconteci-
meoto, tambem pela sua parte deu nma represen-
tagio a qae assistiram o Exm. presidente da pro-
vincia e nma commiss5o do commercio.
or 0 edificio da Associacao estava eleganlemente
preparado.
t A tao importanle acontecimento, do qnal tern
Je resultar, mdubiUvelmente, granies vantagens
ao commercio e a provineia inteira, nao compare-
ceram os Itberaes da terra, a excepcao de uos tres
qua pertenceio ao commercio, nem mesmo o Sr.
Dr. Cosia Macbado, inspector da alfandega e con-
servador da commerce, que se faz tao intirao des-
aa corporocao, e de quem se diz advogado gewroso
era todas as sua* causas I I
0 Sr. Dr. Cast* MiChado esteve, sem dnvida,
muito occupado, talve* em escrever os seus tumi
nosos artigos sobre as finanr;.is da provincia, e tis
a razao da sua tao sensicel falta.
Nao ha duvida que os celebres liberaes desta
terra eslao seriamente desapoBtodos com a admi-
ni.>irajao do Exm. Sr. Dr. Silvino, a nuem odeiara
de morle, por verem que S. Exc, nao obetante a
guerra -e arnbaracos qas Die procuram aotcpar, ou
aos seus actos, ainda .or meios os mais idrpee, ea-
lumoianeJo-oe adnlteraado ine os facias por mais
simples e rasigniQcantea que sejara, como aconte-
ce e servede documents o pasqaira queeiles fscre-
vera e qae se deuomina -Despertaiorno qual 0
S. Exc. filmante atassslbado dasde a primeira ate
a ultima liuha, sem excepjio de uma s6 res, vai
S. Exc caminbando sobranccira, v?ncendo todas
as difllsuldaJes, eontinuando a fazer obras impor-
tanies e danda impalso e ammando outras empre-
zas que davem ser para o fnturofont sperermes da
riqaeia pmlica.
tjaa important a calumnia, a injuria. a diffa-
macaa ea lorpeza, o qae podem viler arraas tao
igoobeis em frente da honra, dignidade e pureza
de sentimeutos ?
craUem ao menos sabem apoarenlar uma tal ou
qoal mparcialidade, e um certa grao de justice '
daqnal se podesso melhor julg.lr da Mncerida-le
fmS,i:,avi1ia'*CU emduvid* os seqs acla* I Klles, ao contrario
se encarregam da triste missao de se d^nua.-ia-
rem pennta o publica, cajj bom senso u.m r-.
de se- illudido, e ja ha formal, a reapeift 1, u^-
noi presidenteda proviuoii- iu.m o mais hsaniMrn
bemsa emos;/ohonrosa. *
prcteclora niof Detejariam^s mi trar desta v( z trislo o mie-
!nndo-papel do *;,-:!jjo, cam rc!;ao ? Exm
tevesiogar pela aceesso dado a Miguel -Angelo ao
nascimeoto Feitoza.
wuire.st:i-;;ii pcipnlar. 0 pessoal ma-
ritimo d.* guarda -moria da alfandega desta pro-
vinsia, representado por crescida numero de gnar-
das, meslres, patrde3 e marinheiros, e lendo a
^ua/frente a masisa dos menores
ef,ra, foram aute-tujn|enii
de
cumpn-
AtfreJo
da arsenal
., a tardiuha,
racrtfar S. Exc. o Sr. eonselheiro toao
torra de Oliveira.
Cheg.i lo3 a presenfa de S. Exc, o- farriel da
respectiva corapanhia, em seu proprio nome e no
de sens collegas, proferio o seguinte :
Nos tambem, Sr. ininistro, gnardas, mestres,
patrOes e mariDheiros, da alfandega desi* provin-
cia, identificadas com o geral enthusiasm), que
ha produiida a present de V. Exc na provincia
anie teve seu hefpb e da qual estivera ausente
quatro annos, vi.-nas, por nassa vez, saudar V.
Ex-.
Dizer que V. Exc. e um cidadao prestante e
benemento; nm paruambucano illustre e distincto,
sena repetir o que sente e prociama este vasto
imperio da Santa Cruz.
Como pernambneanos, trazidos aqui pelo con-
vite do enthusiasmo, nada mais fazemos do que
depor a V. Exc. os nossos protestas de alhesao
ao patriot* ministro incanfavel no bem estar de
sua nacao.
Agora, Sr. ministro, recebendo V. Exc a
nossa mamfestacao, digne se de aceita-la como
nib* dos d:ctames de nossas consciences, assim
como mais um servico, reebmando nos de V.
Esc. que com o seu venerando collega o Exm.
Sr. visconds do Rio 3ranca dignar se-haa lancar
suas vistas sobre esta infeliz cUsse, quo nesle
momento palpitaole da praier, tern a honra de
saudara\. Ex:.i
S. Exc respandea com a cortezia e amabiiidade
que o distinguem.
Faculaadc dc DU-el dos exames prestados bontem (6) foi o seguinte :
Cyrillo Osorio Porfirio da Moita, simplesmente.
Leovigildo do Ypiranga Amorim Filgneiras, olena
mente, .
Francolino Auguslo da Oliveira, simplesn ente.
Francisco Luiz Osorio, plenaraente.
Manoei de Mesqait* Wanderley, simplesmente.
Jose Banifocio da ?i!va Camara, plenamente.
* anao'
builherme Vieira da Cucba, plenamente.
Pacifico da Silva Castelb Branco Junior
plesmente.
Francisco Ferreira Martins Ribeiro Janior, idem.
Feliciano do Uego Barros e Araujo Junior, idem
Albano da Prado PimenteJ, idem.
Manoei Pinto Brandao de Vasconcellos, plena-
mente. r
0 eooselha dejngamento compoz se dos Srs :
Dr. Joao Baplista Piuheiro C6rte Real, Sabino Jos6
oa Almeida, Jose Thomaz Cavalcante Pessca, Joao
Jose de Carvalho, Thomaz de Figueiredo, Dr. Ale-
XaK 2 ,i6 da C"3tl Valei>te, Dr. Henrique de
Ainayde Lobo Moscoso. Jaouario Constancio Mon-
teira de Andrade, Carlas Pinto de Lemos, Simpli
cio di Cruz Ribeiro, Jose Meoies Vieira, e Anto-
nio hi* Silva do Brasil.
E;n vista da dacisao lo conselho, fal o re) ab-
solvuo, appellando o desembargador presidente do
tribunal para o da relacio.
Achando se e^gotados os quioze dias de sessao.
o br. desembargaJor presidente propoz uma pro-
roga;ao de oita dias. que nao foi ac-.ita, pelo que
declarou-se encerrada a sessao.
Mocicdade Propagadora da ln-
truccau PMbllca.Na casa e hora da cas-
tume deve amauha reuair-se o coaselho parochial
da S. Jose.
Companhia ltaliana. Em beneficia do
Sr. F. Buldrini, director da companhia dramatica
ltaliana, qae trabalua no theatra Santa Antonia,
ha b ije o ultimo espectaculo, com as camedias A
crtada astuciosa e o telho endmorado, em 5 actas,
do distincto dramaturgo R. Castelvechio, e 0 ami
go rranc:sco, em 1 acto,sendo esta creacio do be-
iieficiaio.
Na primeira achara-se eocarregados dos primoi-
ros papeis os Srs. F. B.ldrini, L. Uoldrini, E. Go-
loi.eii), a Garofolli, e G. Rmotta, e as Sras. Cala-
lina Bella e M. Boldrini.
Ambas as comedias
apraco.
Rxeola .lledico Ciruraiea de i.t.-
Ih>. -Era nossa 8* pagina encetamos hoje a pu-
blicaeiio do discurso (aracla de saplencia) pro-
nanciado na sessao inaugural da aberturados cur-
sos dessa escola, pelo seu distincto e illustrado di-
rectar o Dr. Tnomaz da Cirvalho. Recomraenda-
mos a sua leitura.
Tribuual do eommcrcio. -Poresse tri-
bunal foi designada o di* 4 de dezembro proximo
para oelle se proceder a eleicaode dons deputados
e do'us supplentes, em subslitnicao dos actuaes os
Srs. Joaquim Olinto Bastos, cammeniadar Manoei
Alves Guerra, Jose" Francisco de Sa L?itia e Joa-
quim Mauricio Goncalves R)3as, cujo tempo de
exercisio terrain*.
Rcuniao de irinandade. Amanda is
10 haras di dia deve haver mesa geral da irman-
dade das Almas, erecta na raainz da freguezia de
Sauta Autonio, para se pracedara eieicia da mesa
regeiora para o anno da 1874-1873.
Anui versario. Completarase araanha cin-'
coenta e dous annos que o exereito paciflcador
lermioou a grande luta aa provin:ia da Bahia,
coin a victoria de Piraja.
ii^u de luuior. -Da um album da Sr.
Luiz Keller,_copiamos o seguinte :
I." seccao.Paiacio do governo do MaraohSn,
em 2i de setembro de 1873.Accusanda o reca-
biuieulo 4a quanUa de 919*000, que par Vmc me
fai eairegue, product) total do espectaculo que
teve lugar no theatro de S. Luiz, no dia 18 do
corrente, por Vmc generosamente cedido em be-
ueGcio d* iB'truccao pnbliea, e a que se refcra o
feu ifueio de hoje; cabe me agradecer Iba em
Uj:n do govorao imperial, a cuju conheclmcnlo
vou Icvar o seu procedinooto, esta importante
oQ'erta que faz a caosa publica; sebrasahindo ain-
da mais os seu< sentiraentos philantropicos, por
ter L-ito orrar a su* custa as despezas do refe-
rid) espectaculo, na importancia de 224*500. Deus
guerdea Vmc-Silvino Elvidio Carneiro da Cu
nha. Sr. Luiz Keller.
Pedldo.-0 nosso araigo Sr. capitao Just no
tempos, gerenle da companhia Santa Tliereza, em
prezario da illuraina;.3o a gaz e abastecimento
d'agua potavel na cidade de 0lind3, pedio no3
para daolarar o seguinte : qae associando-se da
melhor vontade e liganda a maior importancia a
noorosa visita que vai hoje fazer aquella eidaJe o
Exm. Sr. coaselheiro Joao Alfredo, fraajueara ao
publico a eutrada nos ediflcios da companhia du-
rante o dia atd 6 horas da tarde.
em 20 dias comecoa e se acha
quasi conclaida -a edificacao do cemiterio, que
lendo 140 palmo* de tesuda sobre 240 de iundo e
uma obra gigautesca, de con-truccao admiravel,
qua promette dorar seealos. Gr*?as, pois, ao
Rvm. praMlo da Penha, qne, com o poder de sua
palavra, iniciou tao importante obra, gracas tam-
bem ao taaente Nicoiao Aotonio Duarie, que en-
carregado da admini:tracao do servio), lem-se
mostrado incancavel sem se poupar a trabalho
algum, e a quem de algum modo se deve o adiaa-
tamento das obras.
Acha se tambem qnsl coaclnida a peiuena
mas linda e interessante capella que no cemteria
se erigio a Nassa Mai Santissima a Senhora das
Dores.
a Daranle os 20 dias de missaa foi espantasa
a concurrencia do povo. Dias houveram cue
deviam ter comparecido de 10 a 12 mil pes?oas de
ambos os sexos, de todas as classes, do todas as
idades, e com o maior acatameoto e respeito, ar-
dor e fervor religioso ; loda essa muitidai imnien-
sa no mais profundo silencio onvia a palavra evan-
gelica pregada pelo illustrado e venerando missio-
nary.
Grande fai o numero
das ( nunca menos de 8
5 a
ittfC^^^^^
e Jose F-
das communboes hai-
a 10 mil,) senJo que de
0 mil devia Ur sido o numero das que fizeram
a primeira communhao. 0 dia 22 foi d2Signado
pelo Rvm. missionario, para ter lugar a commu-
nhao das cnancas, e nesse dia compareceram para
mais da 600 cnancas, de um e outro lexo, e fue-
ram a communhao.
No dia 26 coraecou a demolieao da matriz e
no dia 28 seguio para Caru.ni, o incancavel e
virtue*? frei Venaocio, acompanhada de crescido
numero de pessoa3, licando entre nos o nao me-
nos illustrado e digno frei Miguel, que demorar-
se-ha algum lempo aqui para dirigir a3 obras da
matriz. i-oi, pois, uma phase bella e feliz para
esta comarca, a que veio aqui abrir o Rvm. pre-
feito da Penha, com as missoes; e Dens queira
que jaoiais se apague a irapressao viva que em
todos deixou aquelle Rvm. missionirio. s
l-oterlado Rio.Por telegram ma do V.ioJ
sabe se que a.loteria 209 corre hoje.
Loterla. -a que se acha a vea'da e a 124 I
a benelicio do altar do Senhor Bom Jesus do3 Pas-
sos, da igreja do Corpo Santo, que corre na d'a 12
do corrent-.
.cllJe8.-Hoje effectua o agenle Dias' Ieilaa,
as U horas da manha, em otrapiche junto a guar-
da-moria da alfaodega, de I bole com velas, mas-
tro e remos, salvados do patacho allemao Elise,
ultimameute incendiado em alto mar.
H >l*> 7 do corrente, elle-.tua o agente Tioto
o leilia de diversos predios e tambem o de dividas,
em seu escriptorio a rua do Bom Jesus numero
43.
Casa de detenffio.-Movimento da casa
18 deten&io do dia 3 de novembro de 1874 :
Exisliam 300, entraram 5, sahio I, exis'.em
uO*.
A saber : naiienaes 226, ma'heres 7, estran-
geiros 30, esoravos 39, escravas 2. Total 304.
Alimentados a custa dos cofres publicos 2i\
A saber Saos 234 e anfermos 13.Total JHJ.
Movimento daeniermaria d) dia 3 de novembro
de 1874 :
Tiveram baixa :
Antoni) Jose de Freila, ulcera.
Manoei Severino de Barros, ki.-t).
Joaquim Alves de Almeida, broncbite.
Teve alta :
Thejtonio Gomes do Andrade.
Passagciros.Chegado3 dos portas d) nor-
te no vapor oacional Parana :
Joao Ribeiro Gama, tenento Jose Cac-Uno d i
Silva, Jose Tavares de Azevedo, Bernardo Caadido
de Carvalb), Antonio Justino l'ereira da Silva,
Dr. Chrispim Antonio Mello, J^se Maria Pcreira,
Jose Cardoso dos Santas, Felippe Leonardo, Fer-
nando Alfredo Leal, Joaquim Bezerra e sua se-
nhora, Jose Rufino Santos, Raymunda Valeo'.e,
Antonio Cyrillo Freire, Cieiiente 8. Luna, Cle
mente A. Busson, padre Jose Cornelio Uruno,
padre Joaquim Cornelio Bruno, pidre Ij-'nacio X*-
vier da Silva Janior, D. Euioxia Anna de Souza
Aranha. ;
Seguem para o sui no mesmo vapor :
Padre Clarismunda de Souza Aranha, Antonio
P. Saolarera, 2- teneute Gastavo A. Vianna, 2'
cadete Silve ire J. Nery, 2* dito Autonio C. Nerv,
a diio Joaquim Ferreiaa, Joaa A. A. de Faria,
Aiexanava Scrior*, icoeuve Bolohiur a. iv--.e.ro. ;.
P. Ayres, 2" cadete JoSo de Deus M. Carvalho,
Jose Moreiri Carvalho, Dr. Antoaio Jose de Mello
e sua senhora, lose M. C. da Rocha e 2 filhos me-
nores, Antonio B. de Carvalho, cooego A. No-
gueira de Braveza, 13 pracas, 4 invalidas e *2
escravas a entregar.
Cemiterio publico. -Obituario do dia 5
do corrente :
Elvira, branca, Pernambuco, 110 mezes, 6ra:a
dentici-. *
Olympia da Assumpcao \ iaira da Cuaha, bran
ca, Peruambuca, lOanuos, solteira, S. Jose tota-
no tranmatico.
sira-
Antonio Pedro da Silva Marqaes, com distinccJo
Joaquim Fernandes de Carvalho, plenaraente. '
Jose Moreira Alves da Silva, com distinccau.
Augusto Jose Teixeira de Freitas, plenamente.
Manoei de Carvalho e Souza, com distinccao
Vicente de Farias Gnrjio Sohriono, plenamente
3* anno.
Joaquim Jose da Silva Santiago, plenamente
Jose da Siqueira Alvares Borgerth, idem.
Fernando Lobo Leite Pereira, idem.
Victaliuo Cirdeiro Lia, idem.
Jose de Azevedo S*ia, idem.
Alfonso Oetaviano f into Guimaraes, idem.
Antonio Amazonas de Almeida, idem.
Joaa Pedro Honorata Oorreia de Miranda, ideta-
5* ami.
Xylo lamas Romero, plenaraeoie.
Henrique Marques de HolUtida Cavalcaale, idem
Augusto Frederico de Siqueira Cavalcante idem
Joao da Silva Mendes, idem.
lose Virgo:ino Correia de Qaeiroz, idem.
Jose Carriiho de Revoredo Bairoe, idem
Eseola normal.Fizeram bontem e&aise
aesse estabelecimento os alomnosdo l.e 2" an-
dando e seguinte resultado :
l. anno.
Campareceu apenas um, que foi reprovado.
2.' anno.
Mannel Fareira Brandao Junior, plenamenl?
Antonia de Albuquerque Barros, idem.
Thomaz Antonio Maciel Munteiro, idem.
Jjft) Antonio Baplista de Souza, simpleemente.
Jo-e Gacijaives dos Santas, idem
Crave cspaaeamento. As 10 b-^a
da note de 17 de oaiubro ultimo, foi barbara-l
Pa^adoria da fazenda. -Nesta estacao
pagam-se hoje as seguintes folhas:
Guarda naeional, navios da srmada e aao-eu-
tados.
Jerusalem. De am illustraio sacerdote
da provincia da Parabyba, recebemos a carta que
adiante publicamos, escripta a 25 do pasado :
. Sr. redactor: Lendo no perioJico UniUo,
traoscriptas do Apostolo, do Rio de Janeiro, umas
crilicas a Jerusalem do monsenhor Pinto de Cam
pos, achei tanta semelhaoca entre as referidas cri-
licas e as que se fizeram outr'ora ao bem conhe-
cido livro Introducgao a vida deoota de S. Fran-
cisco de Salles, que nao pude resialir ao desejo de
reproduiir o pararello.
A' oagin* 353 da vida do granda bispo de Gc-
nebra, fallando a proposilo d'essas crilicas, diz o
historiador : te, se earccesse da cr licas, e assim era preciso Ihe
nao faltasse esta approvacao, de que oao castu-
nos,
mente espaneaii* na viHa
gusio Per.eira
ra -ie
de pa-do JUricta daquella villa, teneoie'Aqto'nTo
i nd Uarboiii Bk" ft la no. Os crim'inosos evadiramse.
Ouaro.No lugar enominado Cova da one*,
Mauuel Carneira Rodrigoas, Lonreaco Ti*areio
Carnpeaa o Antonio iourenja \lbina, dingiram-
se.a caa de Man -.1 Joaquim Carnairo, da noite
Jo 1* rJc corrente, e ahi o encontrando espanca-
mam estar i entos os de maior merecimenlo. Cer
to pre^ador, horaem lettrado, perlencenle a uma
congregagao iilustre, pouco satisfeilo de algumas
doutrinas da Introducgao da vida devota, entrou
a desfazer n'ellas, e notal-as de pouco fundadas,
deceules, etc., e, subindo am dia ao pulpito, tanto
declamoa contra ellas, especialmente contra as do
capitulo XXXIV da terceira parte, em que se per-
mitted! as daneas, e bailes em algumas oc.-asioes,
que por lim arrancou o livro do seio, lej algumas
liobas, nao sem indignacao, e desprezo; e depois
que.Uto fez, pedio uma vela accesa, a cnegando a
ao livro, o queimou a vista de toda o auditorio.
Nao houve quem deixasse da est.-anhar esta accao,
como alh'eia do commedimeoto proprio de uuuna-
bilo religioso ; enteadendo todos que, quando no
livro honvesse verdadeiramente cousa digoa de
noia, outros lermos mais decorosos pedia a digni-
dade, e graduacao do sea autor.
a Brevemente chegou esta notieia aos ouvidos
do santo bispo, reprodatida com todas a3 cores ao
natural; e vendo que nao podia deseulpar a ac-
Sao, tenton varios modos de jnstiOcar a intencao
o censor, dizeado que estimaria qne elle o lives-
se adyerUdo do- qne ach-iva digno de nota no seu
livro; porque como elle aater nao escrevdra nada
sem bons nadoras, lalvez que o censor se confor-
masse com as saas razoes, on o autor com as
dette : que ntnguem jtimaix eserevera de modo que
contentasu <* 1 diiferentes, e tao diversos os modos de jolgar, nao
era possivel que uraa^bra fosse approvada lao ge
ralmeato qae a Diaguam datagradasse : pelo que
to u adiwrava de qut- a tua tic esse um so
censor f
t Eis aqai o qae tea aedStecido com a Jerusa-
lem do monsenhor Pinto de Campos. De S. Fran-
cisco de Salles, houve um ad critico, e este padre
monsenhor Pmto de Campos tem havida um so
critico, e este tambem padre, e redactor do 4pos-
tolo, que se diz o eeho da religiao catholica I
Quando outros factos nSo revellassem a profunda
gangrena, que vai devorando o peculio das nrwas
erencss religiosag, esse a qae mr refiro bsstaria
para attestal-a, de modo pungentissimo I
Nao- o d-sseooegfe, porea 0 monueahor
iKii:!NIC.4 JLIIiriiiUL
1 'iu3ai vt. 01 (ti:i.vru
SESSAO Ed 6 BE NOVEMBRO ') 1674.
Pr.ESlDENCI.V DO EXM. SR. CONSELHF.IP.O
CAETANO SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coelho.
A's 10 horas da manhi, presentes os Srs. dei-
embargadores Silva Guimaraes, L^ureugo Santia-
go, Reis e Silva, Almeida Albuquerque, MotU,
pr=curador da coroa, Domingues Silva e Souza
Leao e os Drs. joizes de direito Quintino de Mi
randa e Carneiro da Cunha, Mtaudo com causa 0
Sr. desembargador AecioU, abrio-se a sessio.
Em seguida 0 Dr. secretario procedeu aa sorteio
dos adjuntos para os aggravos de peticao :
N. 82.Aggravante Antoni) Francisco dos San
tos, aggravado Dr. Joaquim Jose de Miranda. Fo-1
ram sorteados os Srs. dasembargadores Sauza
Leao e Almeida Albuquerque.
JULGAMENT03.
Appellapoes crimes.
De Alagoas.Appellauta Epaminondas Ja R)
cba Vieira, appellado Pedro Joaquim da Silv.. ^a
xacuniba.A novo jury.
De Palmares.Appellaote Vicente Ferreira Coa-
tintio, appellad* a justija.Iinproeedente.
Da Cabo.Appellante Manoei Antonio do Mon-
te, appellada a justica.Improcedente
Da AUlaia. Appellante Manoei Joao Balac, ap-
pellada a jati?a.-Reformada a seaienca para 0
mioirao do art. 193.
De Porto CaJvo.Appellante Jaio Alves da Sil-
va, appellada a justica. Nulle 0 process.'.
Appellagoes civeis.
De Campina.Appellante Agostinno Ferreira de
Oliveira, appellada Perpetna, por seu curadur. -
Rei'ormada a seaienca.
De Tacaralu. Appellante 0 promotor, appella':
Dionisia Antonio da Silva.
rl
DePcaado.Appellante Aureliano Messias
Sa :ramecto, appellado 0 juizo.
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
De Munci.-Appellante 0 juizo, appellado A
gusto Pereira da Rosa.
AoSr. desembargador Silva Guimaraes :
Da Itambc. Appellante a juiza, appellado Caa
dido Francisco de Mello.
Ao Sr. desem'aargador Louren;) Santiago :
Da iiainua. Appellante 0 juizo, appellado Ga-
briel lose de Urito.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
^ Da Gamelieira.Appellante 0 juizo, ap;el!*di
Ffancisca de Paula Cordeira Ciatra.
Ao Sr. desembargadar Almeida Albaqacrqae
De Pedras de Fag".Appellante 0 juizo, app?:-
lado Gailherme Com*-* da Sila.
Aa Sr. desembargador Accioli:
De Ourieury.Appellante 0 juizo, appellado Sc
verino Tyrjudtu aus Anjos.
' Apptliacoes civeis.
Ao Sr. desembargador Almeida Albaquerqae
D3 Anadia.Appeliante 0 juizo, appellada Mar
colina,p>r sea cura lor.
Aa Sr. desembargador Matt* :
De Macaio, Appellante Jaio Camillo de Arai-
jo, appellado Ant mio J ).-' da Mella Barbosa.
Ao Sr. desembargador Accioli :
Da Recife Appellante Joaqu m Candida Fe-
reira, appellada Joaquiua Bandeira de Mello.
Aa Sr. desembargador D >mingues Silva :
Da Recife. Appellante Andre Barbasa di Su-
va, appellada Faustina, por sea curador.
Ao sr. desembargador Souza Leao :
Da Recife.Appellante 0 procurator fis^i.
appellada Gailherme Augusto Rodrigues Sette.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes:
Da Victoria. -Appellante It idngaes Almeid3 A
U, appellado JoseCamallo Cavalcante Pessoa.
Ao Sr. desembargador Lourenco Saniago :
Be Coite.Appellante Maria Salomea da Cos-
ceicao, appellado Franci.-co Jose de Oliveira.
Ao Sr. dese:nL*rg*de-r Reis e Silva :
Da Recife.-Appellante Manoei Spinola de Men-
dunga, appellado Antonia Jacmtno da Cunha.
Eucerrou-s-e a sessao a bora e meia.
do Ourieury, por Ar> funite na magnanimidade 0 santo bispo de Gene-
v IL a uaaU3,' ";D(Ili?.u d1 P*u-V|.\Ht, a esteja certo de quo a sua bellfssfraa Jcrusa
Uniro e Maooel Floreacio da Sa, 0 juiz lent ba de sorrfr faturo tao proprclo e brilhante
coma ao livro immorredo^ro de S. Franelsco de
Salles. A raveja node babar sobre as paglnas de
um livro, raas rrfo tem 0 poder de jrranca! as.
O invejoso dasapparece no p6 do desprezo, e 0
autor bamquigw das lettras, e da patria, ha do
sebreviver aos bojes da raalevolencla.
N'estas pottcas Jitxttas nao vai ora cortejo de
Da Recife. -Appellante bacharel Luiz R)drigaes
Villares, appellados a Santa Casa e outroj. Re
forraaaa a seaienca.
Do Recife.Appellante Manoei da Costa Man-
gencao, appellado Dr. Antonio Acnes Jacorae Pi-
res.Desprezados os embargos.
Do Recife. Appellante Maaoel Fernandes da
Costa, appellada a faze .da naeional. = Rafarmada
a seaienca.
Da Parabyba.Appellante D. Antonia 'James da
Silveira, appellada bacharel Dario Gacoes da SU-
reira.Desprezalos os embargos.
FASSAGBNS.
! Da Sr. desembargador 3ilv4 Guimaraes o Sr.
desembargador Lourenco Saatlago :
Appellacdo crime.
D\ Imperatriz. -Appellante a justica, appeliado
Licio Soareg de Albuquerque e ontros.
Ao Sr. desembargadar Reis 0 Silva :
Apellacoes crimes.
Do Cabo.Appellaute Miguel Perreira de Car-
valho, appellada a justica.
De Nazareth. Appellante Maria Josephs da
Conceicao, appellada a justica.
Do Sr. desembargador Reis e Silva ao Sr. des-
embargador Almeida Albuquerque :
Appellacoes crimes.
De Nazareth.Appellaote 0 juizo, appelladj
Rodopiano Rodrigues de Souza.
De Paod'Alno. Appellante 0 juizo, appella do
Francisco Furtado de Oliveira Cabral.
De Ourieury. Appellaute 0 juiza, appellado
Antonio Dias do Monte e ontros.
I Do Pilar. Appellante 0 juizo, appellado Dema-
trlo, escravo
Do Sr. desembargadar Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargadar Motta.
Appellacao civel.
Do Recife. Appella ales Jom Lmreiro de Agyil-
lar & C, appellado Tasso A IrmSa.
Ao 5r. desembargador Accioli :
Appellacao clvel.
Do Recife.-Appellante Francisco Evarislo Ri-;
C.1M.1R.1 MJMCIPAL.
SESSAO EXTP.AORDINARFA EM 28 DE
Ol'TL'BRO DE 1874.
PRESIDENCIA BO Sr.. Da. LOBO MOSOOSO.
Ao meio du, presen!e 03 Srs. Lojro Junior, 3 1 -
rneiro, Cesario de Melio 0 Canh* Guimaraes, abn
se a sessao.
Lida e appravada a acta da antecedents, lea- -
) seguinte
lIMBimiH :
Offlcios :
Do contratantc das obras do raaladonro public
participanda a camara qae por autorisacio de S
Exc. 0 Sr. presidente da provincii. em despacl
de 21 do corrente foram '.ransferidas a elle cam
associado aos contratos ceiebrados com a prej
daneia da provincia e esta camara, deaccordoeon:
0 seu associada Augusto Cesar Fernandes Eira
tados os onus, obngacC.: s vantagens dos dit <
cantratos par escriptura \ :blica datada de homer
Ioteiral*.
Do administrador do cemiterio, participando qu
as- ;atacu jibas perteccentes a camara tchaat $m
todas fecnadas por nao ter ainda decorrido pr*
Z) mareada pelo regci.iraento. Ao proen-
ralor.
Dj enzenheiricorieadcr, dan lo informaeio a*r-
ca da offlcio da inspector d* thesouraria de faaea
d* com relagio a um terreno pertencente i P.
Maria Theodora da Costa Alves Ferreira, Wo d>
Forte do Mattos, tem a dizer, qae ao procurador
desta camara e que compete promoter a eoaalsa
da traosfereacia do dito !rreno, dirigiodo-aa a
ijaalla reparticio para a-signar o respectivo ter-
nia. Aa procarador.
Do mesmo, informandc uma peticli da Barbost
Santos Si (1, administradcrcs da trapiche alfaade-
gado Dautas.Man dan se que os supplicantes r-
qaeressem a quem corapetir.
Do mesmo, informandc uma peticao de Mano
Joaquim Rodrigues de Sen:*. A' commissio d-
dtflcacto.
Do procarador camara, pedindo a expedici
da suas ordens aGm ds~ que se sollicite do Exm
Srasidante da proviacia au:orisacio para despen-
er-se p5la verba -Obras novasa qoantia de
3000i, que ^em de ser sacada no dia 15 da Ja-
neiro vindauro era favor do Banco do Brasil. Pe
5a se.
Da m?smo, peiiado qae !he leve em coau n*
verba competente a qoantia de I5:600i, qne por
ordem desta camara foi saccada a favor do Ba*--'
do Brasil, por intermedia d* casa Amorim dt lttBa.
Ao contad -r.
Da mesmo, pedinl) qie se Ihe leve em coat,
n^ verba compi-tenle a qoantia da 1304500, qti^
dosp^nden, d* ordem da camara, ao procarador da
Santa Casa de Miserieordia, importancia de emu*.
Ao contador para 0 flm solicitado.
Da contador, inrarmarjJ.' una peticao de OUvn-
n Brag* A C -Deferio-se a peticto.
Da mesmo, infannanto rtm* pet.cao de Maaor,
Citudiuo Romoiilia Ja -. A 'cjinraiiiin d-
aagocios ia4ic'aas
0 1 ine.m 1, in'.-r ,.*n>' na peticio de leaqafai
Ant mio Caru 1 ., fi .J n j C!e-bao Joaquim Dias.
I iBJb;aae sera a:\ j.a tempo op?T-
:-.". .

luffljtl
-
aA 5pellaoo>s crlnfcs.
Do Ijrno.: re. Appehaaio o juizo, appellado
Joao Franciso, d' Araujo.
De Barreiruo. Appellante 0 juizo, appellado
Bernardino Gomes de Amorim.
Do Sr. desembargador M itta ao Sr. desembar-
gador Accioli :
Appellacao camaercial.
^ Do Recifo. Appellante oa agent-s da R iy.
Chant Padut ijonipanhia. appeliados 0 g rente ca
companhia pernaiuDOeana Bartoca.
Di Sr. desembaigador Domingues Silva ao Sr.
desembargador Souaa leao :
Appellcao cirel
Do Recif-=A( pellante Liiz Prancisco de All ;
qnerque Mello, appelUlas Anna e Maria de Alba
qnerque.
Do Sr. dese.tbargador Souza Leio ao Sr. des-
embargador Silva Guirnaries :
Appellacoes crimes.
Appellante Maria Joanna da Conceicao, appel.a
da Maria da Cencelcjto e David ; appe lanta 0 ju.
ao,, appellado Jov.-Dcio Manoei Tiburaio Paes Bar-
reta.
ApMtaala civel.
Appellante J.;e Antonio Guimaraes, appella;,
a admmistracv da massa Oe Manael Jo-r Lopes ,\
Irmao.
Liligencia crime.
Ao Sr. new^qbargaior prowulor da justir-a
Appellaute >:jti-j.-I de Mello F-.lcao, apn-.!
a jusli.-a.
I'iligencia civel.
Ao Sr. desembargadar procaradir in Coras
Appellante Cos re, par s^u mrad.r, appelli..
Miguel Mentirj 1 :>ires Falcao.
Embarjrante a fazSoda proviiacial, embargada
visconde de Saassnua, embargaute a fatenda n.
ciuiial, eabargalas Seixas Azevedo* C.
Ao Dr. cur.v! ir geral :
AppellaOto commercial.
Do Recife.-Appellante* herdeiros de Migu I
Archaojo de Figueiredo, appellados os admini- .-
doros da massa Ulid* d< Manoei do Ampar '.a; 1
Assignou-se dia para 0 jalgamenlo dos :: M
tos feilos :
Appellacao civel.
Da Recife.Appellante Leunilas Tito Lour r
appellado Jose Ricardo C-elho.
Appellacao commercial.
Do Recife. Appellante Domingos Pinto 1.
Freilas, appelhdo Aotonio Ferreira Braga.
distiublk;oe<.
Re--ursos crimes.
Ao Sr. desem!;ar/ador Reis e Silva:
Da Nazareth. R.-corp-uie 0 juiza, recorr-t.
baebarel Pcrgentiuo Sasaiva de Araujo Galvao.
Ao Sr. desembargador Accioli :
De Maioridade.-ll;carreule bacharel Milena 1.
Torres Bandeira, recorrido 0 juiz>.
Ao Sr. dese'.nbugador Domingues Silva :
Do Ta:ar*ru ujcorrenle 0 juiro, IMiJIli"
Francisco Paj u l'ereira da Silva.
Ao Sr. desein!' irgaJar S.uza Leao:
BoIaga-RoconaaM laaad BarkJS A 1
rtcorrido 0 jnizo,
AoSr. desembargador Silva Guimaraes :
De M-ceio. Il -tvrrente 0 juizo, recorrido Q* i -
miro Jose de Araujo.
Appellacoes [crimrs.
Ao Sr. deaenuWgadar Almeida Albuqucrqif
De Liraaeiro. Appellaute 0 juiza, ngpaBad
Chrirtovao Gomes da Silva.
Ao Sr. desembargador Accioli:
Da Recife.-Appellante Jaio de Deus Eufra:
appellada a jnsiies.
Au Sr. desembargador Domingues Silva
>
>




(
I
-


Diarist* ?eiMat*KO Sai/oado 2 de Xorctnbro da 1871
3
-
/
09 nv\^>rMM^HicW:^ cFW
Sijueira de P.iub. Doef:rio-3e a flio*) 3- I"<--f
data :
Martins Alwi>t fc*. cam o iofrajtor do art. 110,
ealnmo as tot."
Francisco, FerrdMla^f^Wf!r3,iJein idem.
Francisco-Peres Lieoteom 16*,
infracior
o0
cimo
)j arls. 47 e
infractoi
infractor do
iufra&or o
como
do art. 12, Mar* faisifea Jo.
Q mjasav) em W*, com j iufra ::-
is, Q caixas coingai.
Jlaaoel Peuoto, da La*va em Si, c^ai
do art. 42, genera lalsili^aJ-j.
r^Uro Goaiaa i C ma 30*,
art, 188,. peso (ufsiiicado.
Maude* A Piaheiro em 8^
art. JU, generos folsiikadw?.
jMw Autouia da Rusa eoi 8*, coma infraclcr
do art. i'2, idem.
jwe d. Castro Cirneira em S*, idem idem.
Antonio Gomes da Suva Junior, idem idem.
Seraphim Uorge* do Oiivei.-), idem idem.
Homao Antunes da Cunha, idem iiem.
Pejro Antonio da Silveira e:n 10.3, idem idem.
Agostinho IV.beira da Silva em 8 j, idem idem.
ADtonio dos Santos Mello em 105, c omo infractor
do? arts. 47 e 48, 6 caixas com g^z
Joa^aim Jose Fernandes em 8&, como infractor
d> a,rt. 42, genero falsilicado.
Jose Manoel de Sa em 16*. c;rao infractor do
art. 12, idem.
Manoel Dias Barges em 165, idem idem.
Antonio da Fonceca em 4 j, como infractor do
art. 43, casa suja.Ao procurador.
0) uiesmo, participando que prelendendo' a
eompanhia Recife Drainage eonstrair no largo do
forte do Mattas, em frente ao trapiche da Compa-
nhia Peroambueana nma latriua. para o qae fazia
arraacar as peIra* do cali; uv a' >;. ustoa a isso, e
intimoa o encarregado da obra para que repazes-
se as pedras arraucada-, o que a companbia nao
fez, estando assim as pedras fora de seus lagares.
Hepresente se com urgencia ao Exm. presueute da
proVincia.
Do iisc.il Interino da fregaezia da BH-vista, ia-
turmando uma peticao de Henrique S ulino Perei-
ra.Djferio-se a pelicio.
Do mesm >, informaudo uma peticao de Francis
co da Silva R -go, proprietario da casa n. 5 da rua
do Visconde de Pelotas, na qual representa contra
uma relinaria, quo uxistc na casa n. 3 da mesma
rua, tern a dizer, que se dirigio a aquella casa, e
intimou o dono da refiaaria para a remover para
0 quintal, o qual pedio lbe fosse oancedido o prazo
d-3 dous ou tres mezes para tal fim.Voile ao
mesmo fiscal para marcar o prazo de sessenta
dias para a remocao do laboratorio.
Do fiscal iuteriuo da freguezia de S. Jose, dando
as iaformarC-js que l!ie foram exigidas acerca dos
t&lhadores.A' commissao do maiadoaro.
I'm abaix) assignado, dos negociantes de car-
nes verdes.A' commissao do m:\iad6uro.
Poi apresentada o seguinte reqaerimento :
Sendo esperado aaianha, 29, o Exm. Sr. mi-
uistro do imperio, requeiro que se ordene ao por-
teire, que mande acceuder a illaminagio da frente
do Pa;) da cauiara. Canara muniM;>al, 28 deou-
tubro do 1874. Jost Maria Freire Gameiro.o
Appro vado
Foi snbmettida a seguinte proposla :
' t Propjnho que cs a casnara nomeie uma com-
missao para enmprynentar o Etra. Sr. Dr. Joao
Albedo-Correia do Oliveira, miaistro do imperio,
(j.:e ttjm de eslar nesta provincia -por alguns dias.
I'acd da camara municipal, em 2S de outubro de
ls7t Jose Maria Fretre Qimeiro. Foi unani-
memente approrado, requerendo o Sr. Loyo Ju-
ii. or, que a commissao, que fosso nomeiada, na
occasiao, era que fosse ca.nprimeutir a S. Exc, llie
. r :senta um memora idum dis nece-sidades mais
urgentes do muaicipiu para que sejam por elle at-
1 ;idas devidamente ; e send ) deferido, o Sr. pre-
-.leute norneou os Srs. Cearlo di Meilo, (iaraeiio
e Cauha Guimarae?.
Foram de^ipachadas as pelicoes seguintes :
De Antonio de S)Uia Botelho, Antonio Duarte
I'ereira, Alexandre Rodri*aes de Almeida, Cosme
J 'i da Costa Calado, Catharioa Maria da Concei-
ea', Cavalc ;ute & C, Domiegoa Jose Machado,
Francisco da Silva R^go, Prancnoe Galote, gerente
Ja estrada de ferro do Recife a CaXaBg*, Hermcne
gildo B'luardo do Re'go llonteiro, lose Borges Pa-
caeeo, Juse Duarte Perelra, J. J. de Castro & C,
loamia da Silva Ganratao, Joao fgaacio de Medei-
ros Rego, Jojii Domingues Ferreira, Laiz Jo-e da
''' ta Amortm, Maria Carolina Pereira ds Cirva-
Iho, Manoel Dus da Silva Santos, Matheus Austin
A G, Manoel Galote, Manoel
aue-nos agora a opportunidada it daftaraAlhaC
Jque, levados p.-los sentimento da ua aebar-M
ipletamente terminad* o trabaiho 40a eomt.a-
e pelodesejo que em bream aiegoaasaacca
^Sl'd'o'cor'Mn'Te* V stkf%|usaoe perfeiijao o nesmq -asrriou, aatkiaMio-
ops em manifestar-lbe 0 desejo que nutriotos Je
que opportunamente queira ell* dJ|(aar-M a aces*
tar-aos ;.ia !a a sua coadjavafBa ao saatiao de rea-
lisar-se 0 nosso desideratum e eonseguiatemente
attingir a Dossa matrix ao esplandor e MagaiSetn-
cia que ingenuameate alraejamos.
. PeJra, 31 de outubro de 1874.
Francisco Vaz Gaval caate.
Manoel Cavalcante de Albuquerque BairJo.
J se dos Santos QavaicaBle.
Luiz Marques de Souza I'io
Rufiao Marques da Cunha Cafaloante.
Manoel Le te de" Albuquerque Neves.
Antonio de Souza Yatte.
Clementino Alves de Siquaira Cavalcante.
Manoel de Siqueira Cavalcaate.
Manoel Cimello da Rocha.
Izidoro Camello da Rooba Cavalcaate.
Pedro da Costa Naoes.
Carlos do Paraizo,
TaborJa Santos &
Manoel Paulo Ramos Chives,
C Rosa Maria da Ccm:ei;ao.
XaJi rniis havenlo a tratarj Sr. prMidi*ta
encerron a sessao a I 1/2 horas aa tarde.
En, Francisco Augusto da Costa, secretario, a
vevi.
Tluodoro M ichado Freire Pereira da Silva, pro-
pr -ideute. Josi Maria Freire Gameiro. Jose
C sirio ae Mello.-Bellnrmino do liego Barros.
Dr. Pedro de .Wiayie 060 Jfoscoso. -Joiio da Ca
n''iS:>ares Guimaraes.

th
.*,
0!!

1 111 voo do jjrai'as airl^iilo ao Dim
Hv. !';. ii<;enii'i Maria tie Ilungria.
lielos baltitanics da freguezia da
I'edra,
Oi r levante3 serviens que a esta parochia pres-
t'aoRvm. missionario capueliinho Fr. Estevao
Maria de Hungria, nos obrij'. a dar ene testemu-
nao sol mine de nossa eterna gratidao, estima e
v-neracao para com tao distiocto e virtuoso mi-
nistro da religiao.
Darante 0 curao do cerca de tres mezes que
a mi csteve, n.ao hesitou elle em sacrificar a sua
? mmodidade, a sua saiiJe e nem poupon sacrifi-
1 '-> e fadigas no intuito de disseminar proficua-
mte enire todos, com vozes amorosas e pater-
,. s, a doutrina sagraJa de nossa religiao catho-
I .
N'iose limltara a in), porem, 0 sea zelo apos-
telico : ao passo que a*sim promovia 0 bem espi
riual de seu3 ouvtotes, empregava os maiores e3-
1 rcos para levar a eff-ito as obras da matriz des-
ti freguezia e de um cemiterio ; sendo que, gra-
tis a sua direcgao e ao concurso pecuniano e
mesnro servil dos povos, depois de encetadas essas
oliras, ficou a primeira dellas em elevado grao de
> llmtameoto, nao se realisando entretanto a sua
conclusao, 0 que nio 6 para estranhar era obras
dessa natureza, mixime tenlo, como a nossa ma-
triz cmsideravel dimensao.
Darante 0 exerci'io da predi.'a, almiravel foi a
. 1'ieneia de pessoas, concorrendo para ella mi-
Ihares de ouvintes.
A alluviao de pessoas que em chusrna procura-
vsra osagrado tribunal di pinitencia, demon;tra
qae nao se fizeram sera fruct> ouvir as sabias
inttruecoes e pias adraoesta^oes e exortacoes que,
1 .i) respeitavel quao eloquente pregador, sugge-
ria 0 sea zelo sublime pela salvacao das almas.
E se bem que auxiliado afanosamente no con-
fessionario por outros sacerd ites que tambem com
Internal solicitude 0 aunliarara na a tmin'utr. -/rio
da penitencia, jamais Ihes fora possivel ouvir a to-
dos os peuitentes, tamanba era a multtlao dos que
a?9im davam signal de sua conversao ; 0 qae coas-
t :ue una prova irr^fragavel de qae os habitantes
4) sentro desta provincia, estraahos as lutas co-
iiuecldas sob 0 nome de religiosas, qae se susci-
tam peUt.capitaes do imperio, conservara gravado
em seas coracoes 0 amor a religiao catbolica, sen-
ii ao mesmo tempo um protest) inontrastavel
c ntra as doutrinas fallazes que tendem a menos-
"abala.
Fazeado assim patente 0 quanta esse venerand)
missionario e digno do elevado rainisterio que oc-
c.'.pa, nio nos queremos subtrahir aos seatimeatos
d? justica e gratidao para com alguns senhores de
outras freguezias,offere;endo Ihes por nossa par-
te os protestos de nossa ingeaua gratidao pelo que
Ihes aprouve fazer em beneficio a>sta parocnia,
c-ncorrendo com os seus d)nativos para as des-
p zas das obras indicadas e prestando assim, alem
.Jis'.e, outros servic/os a seu alcanee; accrescen-
taadfl que nao nos parece conveniente decltnar os
sens nomes para nao offender a sua modestia, e
simoltaneamente para nao humilhar e propor-lbes
aquelies oatros seus comparochianos caja contri
taifSo sendo iraploradapara 0 mesmo fim, recu-
- ram fazer 0 qae podessem somente, sent 0 mini-
"<) sacrificio.
Portanto, padindo priraeiramente ao mesmo Rvm
luitoicmario apostolico permissao para em publtco
r lne este testeraanho salemne de nossa since-
:. gwiidao e reconhecimeoto para com sea _pie
I zelo era prol desta freguezia, e nao somente
laito que a bem do melhoramento moral e
" 1 desta elle operou, mas tambem pela deli-
e nrbanidadc com qae se digaara tratar a
1 e can am dos qae ac^orriara a .-aa amavei
senfa ; e outrosim manifestando-lhe a pangen-
te saudade em que nos sabmergio a sua aseqcia,
Pardk
BEI.EM, 10 DE OUTCBRO DE 1874.'
Os lelegrammas da agenda americana
desta capital.
Quando 0 representante da agenda telegrapbi-
ca americana veio a esta capital estabeleoer a res-
pectiva succarsai, fomos os priraeiros qae festeja-
rara a idea e a recommendaram aoe seus leitores,
con-encidos como estavamos do grande serviro
que a empreza vinha prastar a aossa provincia.
Receberiamos diariamente noticias iaiportaates
de todo 0 globo c trans'mittiriamos as dos factos de
que fosse theatre esta regilo.
Se, de prompto, nao subscrevemos para a em-
preza, foi, porque de nenhuraa iraportaacia, como
erara os telegrammas que uos transmrttiam, fieava-
mos na espectativa de qie 0 servico melho-
rasse
Ultimamento 0 publico ia tomando interesse pelos
despachos da agenda, e, quando suppuobamos
ch-'gado 0 momento do concorrermos para seu
deseuvolvimento, eis que 0 Sr. A. D Gomes Per-
ch'eiro, director da succursal, converta-se em
transmissor de falsidades que, lidas come se ti-
vessem 0 canho da verdade, nao so desaereditara
e deiconceituam a nossa provincia pela exagera-
cao das noticias telegraphicas, como vao provocar
inaos ju zos aontra 0 caracter e indole dos paraen-
scs, na corte, em todo 0 Imperio e no estrangeiro.
Somos fieis interpretes da opiniao pahlica, estyg-
matisando 0 pcoceder do Sr. Percheiro, que a
mesma opiniao aponta como ao service de um pa-
raen-e inJigao desse nome, de um espeirulador
vena! e corrupto I
Os jornaes da corte de 26 de aetembro findo oe-
cupara-se muito seriaraente dos assassin ito3 de
Jurupary, dao noticiado desgragado aconlecimen-
to, jalgaudo nos aqui em rios de saogue, como se
estivessem)s sob a ac;ao de uma revolacaa I
Procuraraos conbecer a causa dessa pintura
horrenla que tan*.o nos afeia diante do popula
coes cultas. e ehegamos a leitura de um telegram-
mi do Sr. Pereieiro, expedido d'aqui no dia 25 de
setembro, referiado se a um outre de 19 do mes-
mo mez.
Para que os nossos leitores saibam da faoilidade
com que aquelle nao duvidou faltar a verdade,
corapromettendo os creditos da provincia onde re-
side, vamos transcrever os dous despachos, acom-
panhando os da< necessarus coasideracod*.
No dia 19 de setembro publicarara todos os
jornaes do sul 0 seguinte telegramma :
" Para 19.
Noticias recebila* de I;irupa>y dizem que foram
assasstnados olli dous commereiantes porluguezes,
na noile de 7 deste mez, e que se nao fora a pre
senca do Sr. visconde de Arary-o do Dr. Rayol, na
ilba de Macapi, tinha havkto grande morticinio na
colouia portagueza, que'alii reside, na m.'sma
noite de 7.
0 presidenle da provincia apena3 recebeu parti-
cipa;ao do occorrido, envioa para alii 0 Sr. Dr.
chefe de policia em um vapor de guerra.
A imprensa pede energicas providencias.
Analysemos esse acervo de falsidades.
Os Srs. visconde de Arary e Dr. Rayol sao ho-
mens de bem que nao aulorisariam 0 Sr Percheiro
a jogar com seus nomes honrados era negocio tao
melindroso para 0 descredito da provincia onde
nasceram.
Nenhum daquelles cavalheiros teve a menor ia-
tervencao nos successes de Jurupary ; porque a<-
tando no centro de Marajo em casa de seu cunha-
do 9 sogro coronel Olympio, ha p uco fallecido, so
vieram a saber defies tres dias depois, porquanto,
do logar em que estavam a Jurupary medeiam
aada menos uue 50 li-an.i* t
Nui eouberam elles e nem nos e nem pessoa
algama Jesse grande morticinio projectada em Ju-
rupary :
Se este telegramma peccou pela iuverdado da
aarracio, 0 que 0 Sr. Gomes Percheiro expedio a
-"). peccou mais ainda.
" Para io de setembro, as 9 horas e 40 minutos
la manba.Vollon dailha'de Macapa 0 vapor que
alii (Ora levar 0 Dr. chefe de policia para tomar
conhecimeato dos tristes successos das noites de 6
e 7 da-ta mez, dos quaes ja Ihe dei communkaeio.
Nao foram somente dous cs porluguezes a*sassi-
nados, mas sim quatro, havendo mais dous grave
me te feridos. A casa de um outro foi atacada
pelo band) faccioso e defendila com grande esfor
co, e a isto deyeuseu dono a vida. Segundo correj
era um planlr-combinado que se punha em exe
cuquo para aTxtinc\So da colonia portuguezare-i-
deme naquella\locanlade. Com excepcao unicada
fulha TRffiUNATiatta* a imprensa desta capital es-
tigmatisa 0 acontecimento, e pede energicas provi-
dencias ao governo. Aquella gazeta, porem, diz que
ja se passaram os bons tempos em que no Para se
matavara dous a 4 porluguezes por dia, sem que a
imprensa se lembrasse de fazer alarma por isto. 0
LIBERAL DO PAR.V, ciland/) estetrecho, proiesta
contra 0 infame labeo lancado sobre a pacifica
provincia do Para. Reina grande panico no com
mereio desta capital. "
Aqui ha oma injuria oa antes uma calumnia,
que 0 Sr. Percheiro nunca deveria ter pronuncia-
do, e digamos com franqueza e convicQao n'outra
qaal |oer provincia, qua nao no Para, cujos filhos
primara pela toleran:ia 0 indole bondosa, 0 povo
teria obrigado 0 agente trapsmissor do telegram-
ma a contradicta-To no dia seguinte.
An3ly?emos, por6m 63sa peca.
I.' 0 Dr. chefe de policia seguio para 0 ter mo
de Chaves na noite de 18 a bordo do vapor Paid,
de propriedade da provincia (e nio de guerra),
percorreu diversos pontos do term), serapra no
mesmo vapor, eaqui cnegou no dia 5 do corrente ;
entretanto que ainda no dia 25 de setembro 0 Sr.
Percheiro, procurando pretexto para inventar no-
ticias, diz nesse dia que volton da ilha de Macapa
0 vapor que alii fora levar o Dr. cliefe de po-
licia !
2 Darante a demo-a ali dodistincto magistra-
do, so livemos n)ticias aqui vindas pelo Aruan,
que confirmando as dos assassinates, informou de
que ja e3iavara presos os autores do barbaro cri
rae; entretanto 0 Sr. Percheiro nao hesitou em
tornar-se 0 echo do cynico especnlador do Diario
de Belhn. e mandou dizer^para 0 sul que foram I
os assassmatos (I), e 2 feriraentos (I), e mais um
portaguez atacadn na propria casa I
fiusti acreditar quese invente seaielhantes fac-
tos sem 0 menor fundamento I
o. L'm hand) faecioso (?) atacou a casa de um
portaguez, qae com grande esforco poupou a pro-
pria vida Isto tudo 6 novidade de qae niuguera
sou'jb, nem mesmo a imprensa que andou tao bem
informada darante a ausencia do Dr. chefe de po-
licia, mis qua a imaginacao do Sr. Percheiro, jun-
ta talvez a sdle de desacreditar esta provincia,
forjou para ser raolivo de horroj contra nos, onde
fosse lida.
1.' Os crimes de Jurupary sao duplamenle la-
raeataveis, tan to por serem praticados contra dous
estrangeiros inermes, como nor se ter dado em
bora em que todo 0 paiz festejava a sua redemp-
;ao politi:a ; mas foi am crime isolado, em cujo
scenario negro so represeotaram as pobres victi-
raas e os tres raalvados sicarios. Pela leitura do
orBcio do honrado Sr. Dr. Samuel nada se podo co-
Iber a respeito do baodo faccioso, nem do piano
cot..binado; onde, pois, 0 Sr. Percheiro vio e-se
piano e esse bando 1 ,
Proposi;oes seraelhantas nio se jogam a pabli-
cidide sem rellexao a optima ioformagao da seu
obiecto. -
Vrt 0 publico os motivos da justis3ima indigna-
cao da que estamos possu'dos.
Todo o paiz, e quom sabe, tndo 0 globo esta
borrorisado do Para pelas proporcoes exageradas
e falsa* qne dea aos crimes do Jurupary 0 Sr. A.
D. Gomes Percheiro, sobre cuja cabeca cahe toda
a responsabilid&de das anas poeiias em mate
ria tao g'are I
Alii flea 0 nossa protesto lavrado em nome e
por arxf-r da povo paraeow.
'fbt Constituicau.)
no ccmlterlo publico, no dia S de
noveathva. Metlmo io raiiecinieii
to do Or. Vlnvaudre de Haiu,* Pe-
reira do Carmo.
Meus Senhores. 0 Josto nSo mWW I
O-'espirito do mortal fldiz; a quem 0 Creador Su
premo confiea a raissio de, nesta mftodq, so pra-
tiear 0 bem, despreqde-se do involacro tertsqueo,
va ae seio do Eterno, e ahi, bem coachegado, vai
compterar 0 destino que Elle, 0 Todo Poderoso lbe
havi* marcado quando lbe deu a existencla.
O Dr. Alexandre de Souza Pereira do Carmo foi
am desses feh'zes predestinados que ba de viver.
a vfver sempte em quanta p^rdurorem os filhos,
nato3 e bisnetos de3sa mvriada de entes, para quem
toi elle 0 brajo da Providencla, qoando, arcando
com a natureza, os arraocou das fauces da mono.
Se com taota razao deploramos a orpbanJade
em qae nos deixou 0 Dr. Alexandre; se com Un-
to cu-to nos podemos confocmar com a vooiade da
Omnipotente, que arrebatou tao inexperadaraenle
um araigo querido, consolemo nos, senhores, ao
menos imitando, senio todas as virludas, por que
isto e privilegio de bem poacos, aqaellas que 0 tor-
narara tao conspicac e respeitavel enlreosseus
meliiores amigos e concidadaos.j
Como fllho, qaera mais do que 0 Dr. Alexaadre
sonbe rospeitar. obedecer e amar a saapai?...
ha bem poucos dias teve elle de chorar aqui mes-
mo a perda dolorosa do progenitor, yor.quem tanto
estremecia, perda qe cfaelmente 0 feriono cora
cao, e que conttibaio, p:r carlo, para ancurlar
bruscamenteos flog de tao.precioaa eiistencia.
Como cidadjo nao onjaeci melaor, nem ravs
honesto. Em tao variadas opiniSes pofiticas qua
diviJem a nossa sociedade, uma voi nunca contra
elle se levantou queixosa.
Esplrito reflectido e toler,ante, 0 D-\ Alexandre
jamais soube criticar, nem de love, as crencas de
quem qaer qae fosse; a todos respeUava, e todos
de sua present sahiam salisfeitos
Como homem de sciencta elle acudia sempre on-
de a d6r ou perig. do seu semelhante invocava 0
seu socoowo, e nunca desamparava 0 aflli;to sem
t;r consegojJo minorar, ou extinzuir-lhe os sof-
frimentos,
Foi um verdadeiro sacerdot* da sdensia. com a
iual jamais sonbe raorcadejar; e a prova esta em
ter vivido e fallecido em hontada pobreza, apezar
de ser um do mais distinctos e mais procurados
medicos desta cidade.
Como araigo 0 que vos direi en, senhores ? Era
typo, era a dedic glo elevada ao sacrificio !
Q tantas vezes abaadonouo Dr. Abtanire inte
resses sens, que vinbam ansiliaro futuro de sua
amada farailia, para coner em basca do amigo
que reelamava osoccorro Je auas luzes? quantas
vezes, ate mesmo para ser ouvido 0 seu conselho
aatunsado em materias que nenhuma relacio ti-
nham cora sua profissao ?
Como pai de familia, ninguem raelh >r do qae
el'e soube prcencher esta missJo augusta Es
poso moJelo e amante, pai caririhoso e desvelado,
consagrando-se com a'an ao bem estar dos seus
filhos, 0 Dr. Alexandre no momento supremo
esquece-se de si, das dores lancidantes que
comprimem 0 raoribundo, valve os olhos ao amigo
presente, e com voz enfraquecida, cntrecartada de
solucos, Ihe diz :
Coinpadre, mioha raulher e maus filhos ahi
ticam : piedade para a viuva e para os tristes or
phaos
Foi 0 sen derradeir"o pensamento terrestre : de-
pois so Deu3 e a religiao occuparam sea espi
rilo.
A religiao, senh res, essa religiao catholica e
aposlolica em que nasceu e falleceu ; essa reli-
giao sellada cora 0 Saeratissimo Sangue d'Aqaelle
Martyr, que aqui uos 01 ha, e qae e>ta perscrntaa-
do os nos:os pensameutos; essa reliiio que ou-
vio no seio malerno osdelle, e os nossos primeiros
vagidos, tao desrespeitada astttalmflute.entr; n6.,
e por quem, senhores ?
Por aquelles que na qurdiJade de sujeessores
dos Apostolos maior dever lh<.'s corre de enrvar-se
ante os seus sublimes e augustos mysurios !
Ainda me comprimo 0 coranSo a lembranca de
ver 0 Dr. Alexandre recebar a Hostia Consag'rada,
que 6 0 Corpo e Sangue de Jesus Clinstr, das
maos de um padre que a trouxe occulla so^-as
vestes, de chapeo na cabeca, camiuhando pelas
ruas desta capital, catholica por ejcselleneia, ro
mo Se fi.S:e pela; do IU111.1 daj Maximinos o Doo-
cleciauos, ou pelas de Paris da Convencao de
1793 I! ,
Era esta religiao pura e santa que furmava a
base do caracter do Dr. Alexandre, e foi elia sen
pre 0 seu escudo nas tribulacSas da vida; e na
hora extrema a quo Ihe cerrea as palpebras e 0
fez cora tranquillidade dorrair no Senhor.
Foi um justo demais que 0 ceo ganhou. *
E nos, que pranleamos 0 vaeuo, que em nossas
afei50.es familiares deixen tjo prestimoso amigo ;
nos, qae por elle temos pago a natureza e fragili
dade humanis am copioso contmgcn'e de lagrima*,
animemos, exhortemos, senhores, os charoj penho
res pelos quaes elle taut > se desvelava.
Facamos-lhessenttr que 0 Justo nao morre
e qne na cohorte celestial onie ag)ra tern 0 seu
lugar, vela e velara iocessanteairmte por elles e
por seus amigos perantc 0 Pai das Misericordias.
E os sens rogos hao de ser ouvidos e altendid >s,
como nos diz a nossa f6 qae 0 sao, quando taes
supplicas partem Je um Beraaventarado, quo neste
rauado so prati^ou 0 bem com os seus semelhaa-
tes.
CY Connell Jersey.
" ^BBBEHHHHHI BHB9
A' Provincia.
E" iocrivelo modo porque a Provincia tem apre-
ciado as maaifes.lacoes dos amig)s e admiradores
do coaselheiro Joao Alfredo.
Ceasuraado o menor actor estygmatisando" com
linguagera acerba e virulenta a vida politica do
grande estadista, a.Provincia ja delira-l
Mas porqie?
Pois 0 facto de vir 0 conselheiro a sua provincia
natal, 6 um crime; e 0 partido em opposicao, ze-
lador dos interesses publicos, tern obrigarao de pu-
nil-o por i3so .' I
Pois a Provincia entende que os amigos de S.
Exc. nao tem direito de expan lir-se, do tnbutar
tola consiJeracao a um tao distiocto correligiona-
rio; altamente collocado, oque ate" hoje ainda nao
desmereceu de sua provincia ?
Qae eria por ventura a Provincia, que nada se
fizasse; ningaem fosse ao desembarquo do conse-
lheiro Juao Alfredo, enenhuma manifestacao de
rigosijo houvesse, so porque, 3. Exc. e ministro, e,
como tal, tudo quanto se Ihe faz, parece bajula-
cao?l
Quem ja contestou ao partido liberal, 0 direito
de fazer ovacoes aos seus idolos f I
Qmm iraportou-so que ao embarque do Sr. Vil-
la-Bella, concorressem para mais de 18 liberaes,
redactores daPr ovincia ?
Quem contestou, aos liberaes da Bahia, 0 direi-
to de receberem com fogueles ao Sr. seoador Sa-
raiva?
Em summa quera ja censurca a Provincia por
endeosar todos 03 dias^ qualquer individuo a quem
ella empresta qualidades qua elle nunca teve, so
porque 0 tal sujeito diz se liberal?
Ora, ja se vio que toldma I
Porem, bomens de ma fd, vinde ca I
Porque assacais tantas injurias ao nobre conse-
lheiro Joao Alfredo e a nos outros qne Ibe damos
provas da subido aprego e conslderafao ?
Mao ve les que a parte seasata de vosso partido
tem reprovado 0 vosso procedimento T
Nao ve les qae a excepjao do pequeao grapo da
Provincia, nenhum so liberal deixa de apreciar
publicaraenteo merito do conselheiro loio Alfredo
qne, incontestavelraente tem dado nome a Pernam-
buco, tem-no elevado do abatiments em qne as
vossas raiserias de todoi oj tempos 0 colloca-
ram1? I
, Jjste e 0 vosso desespero I
i Vos bem sabeis qae aqui as vossas palavras nao
fazem echo ; escreveis aesse estylo, mentis deepe-
jadamenle, desflgurais tudo comtanta impudencia,
qaa revolta aos proprios adversaries do conselhei-
ro, e unicos verdadeiros liberaes dessa provincia
para prodazir eiTeito fora, na corte, talvez; porem
enganai-vos.
Qaando la chegarem as vossas raentiras, cliega-
rao tambem as palavras dos antorisados orgaos
da imprensa desta provincia.
0 Diario de Pernambuoo e 0 Jornal do Recife
(sendo alias este, muito independente),osdoasaoi-
Oos orgaos da imprensa de Pernambuco capazes de
serem acreditados, porqaeaio se rasseatem do odio
qae respira 0 orgao de uma opposioao qne da todo
em todo ja perdeu 0 amor a dacencia, dirSo qae
ae exageracdes e mesmo as inverosimilhtncas da
Provincia sao prova? desua-dameoda.
4 QOtWncei-vos. Sr*. ii^Pnitkteki, tpa t& iffom
ve Lascar mais na escaJa. ds dfraoac*o aolitici,
,'r vasjaandaispalaliMia. B voatot dVjtacraaoadasi
%aa>MSarios a brilhante recp;io ao eonsellieiro
V ,u3 J*io Alfredo voaaaramlartorMi por oat #ez.
fvhuaa c.'ni J'^JW*. vos dizemo3, que alguns bomens de
.2 nJaawUfcnio ainda esicjam onitidoi comvosco;
paten axis oraos raaoaveis para oao aquiparal as
a meia duzia de. furiosot qaa diriga o pasipim
A voaaa guia espirituat, a He forma do Rio, nan-
cavoe dtu igaaes Iic5es, jBlli(i lbe seji f;ila ;
poiin 6s fazeis como 0 aprandii na artu de fur-
ur, Ota*logo no priraeiro dia am- qae estrou para
a escda, rouboa 0 (oestre con tat aestreza, qua
este o-despedio porsabiio de iaai<.
Namlauto.
Bom proveito ros faca.
Um cooselh0, porem, vos daremos antes de fia-
Idar.
Como viste, foi extraordiaaria a concurrencia
do pova que recebeu aa caas ao eoa*etheiro, a
muito maior a noite, no pateo do palacio, a dos que
0 feram rictoriar. Toda esta gente corre3pondea
aos vivas, e tomou parte raui dtrectt no regosijo
dos amigoB de S. Exc.
Consequeocia. Toda esta gente vio 0 qae se
passoa ; e tomou si soiidaria cora 03 amigos do
conselheiro; logo, todos deiastam as menriras e
aieivosias da Provincia; todos a detestaro, porque
apreciam a merectmenDs do conselheiro, a quem
ella iojuria.
Mas sera do programma da Pivvincit divor-
ciar-*e da populacao da capital ?
Tome lento a Provincia; e algoos-bomens bons
qua ia ainda exislem safem-se quMto antes da-
quella charco de immundicias. '
fcsdaai- Canaf tfiG9 por 43 Uoja-t -.
mucar da Parabyba *|019\pQr 1ft lutos posto
i bordo Inte: do 80* a 5 0)0, uoaleai.
Ca*4a sobre Loades a 90 d|v. 2 |2 d. par
it, do banco.
Dito sobre dito a 3 a\r. 26 l[i por 1JO0O, do
banco.
Gambio -sobre Paris a 3 i\r. 367 rs. 0 franco, do
banco.
Cambio sor>re Hamburgo a 3 d|v. 431 r. por
R. M., da banco.
Gtmbio sobre0 Ro de Janeiro a 5 div. ao par.
Dito -*abre dito a 15 d|v. Z\'t 0)0 de deseoato
Desconto de letra 9 00 ao aasaa.
8. de Vasconeeiios
Presidente
A P. de Lemos,
Secretario.
leadinaaiKo do
1 Um do dia 6
4LFANDKUV
dia 2 a 5 .
113:207*208
19.273*224
132:480*432
Recife, 6 de noverabr-o do 187.4.
BoarViagem.
Admira, que, e*m<&m orrabatde desta cidadi,', (So
ao alcanee,aas autoridades, qiier alminisbativas
qiier jadiciarias, haja cihda quem pretend* fazer
ile cositdo mor.
0 Sr.' America da Sa, nao obstante a capa do
snonyma em qtre se eavolveu, caracterisa-se per-
feitamema por essas palavras com que comecoa 0
seu artigo de hontem publicado no Jornal do Re-
cife.
Podia responderao Sr. Anerico que de copitUo
mor quer fazer, aqu(*He qjifl opliteraado as leis
sosiaes, quer ostentar de potentado, .respondenlo
com chicote aos que se vio queixar de suas de-
p-edacoes; que nio respeita a miralidade publi-
ca, blasonando de seus feitos heroicos, so confes,-
saveis alta noile e nos lugares pelo Sr. America
fr mor quer fazer aqnelle, que cyai ^araente consente
seus escravos roubar 0 capim da planta, melancias
e tudo 0 mais que o povo daqui planta ; mas nao
qnero aqailatar-me pelo Sr. America de Sa, e
mesmo porque 0 Sr. Americo do Sa nao poderia
nuuca nem pir ironia a merjeer 0 titulo de capi
tao mor porque para ser-se capitdo mor, no 3enti-
do einpregado pelo Sr. America, nio rasta ler bo-
nita figure e bravatas, seiia preciso ter digniiade,
edacacao e ser illustre rns ac ties, como e pjr
nasciraento.
Sinto demasiadameuteser forQ.ado a pronunciar-
me desta modo acerca d) Sr Americo de Sa, por-
que acostumei-me desle rajito criaocaa ser ami-
go de sua familia e amigo siucero, porem muito
mais amipo.sou da verdile e da jusflca e naocon-
sentirei nunca que pnteut.>dos estolidos queiram
cavalgar gordos giuetes e ter lauta mesa a casia
do suor do pobre p _>vo desta lacalidade, e se 6 por
defender assim os interesses do3 habitantes desta
pequena terra que mere.;o 0 00:00 do capitao
mor orgnlho-me delle,
A cobardia e a meutira parecem ser predicados
congenitos do Sr. Ante 150 de Sa, ao menos a sua
publicagao de hontem no Jornal d> Recife prova-o
por demais.
E' mentiroso e cobarde 0 homera que vem a
imprensa dizerqua satisfez a iaipor'.ancia de uma
de.-traicao feila por ammaes sea* sera ser a isso
c /agido j idicialmente, quauilo se deu exactaoiente
a contrario, par quanto so depds de ser inlimalo
e qua 0 Sr. Americo de Sa, fazendo 0 ridijulo e
miseravel papal de villao roim, porque os lilalgos,
cujos actos niio estao de cjiifjrini lade com 0
seu nasjimeiito ; saa mais do que viUdes peitando,
seduzindo, alliciando, abusando da iKnorancia de
uma mulh r para alcanear-lhe uma desi-teucia da
execu;ao a que estava procedendo.
0 que prova a declaracao da mulher que 0 Sr.
America pal.II'.on bait -in senio a sua cobardia,
porque qnanda um heinem declare quecortade
cbicote a quem se queixar das de-trjiicoes, feitas
por seus animaes, nao vai hcmildemoute implorar,
rogar a quem amsacou com o auicole para salisfa-
zer a um peflido seu.
Pique con vend Jo 0 Sr. Americo qae nao en-
contrara em raim a paciencia e bonhomia dos Dias,
podo avaliar por esta minha resposta.
Qae vai pan niim que 0 senhor seja primo do
Sr. Dr. chela de policia, como asaoalha arroganta-
meBte por toda parte?
Sera por esta circumstancia qae cspera impu-
nomente pratica; e;candalos e altentados a pro-
priedade ?
Se tS, como parece, por isto, acradito rouito na
honradez, illu-traga 1 e digaidade do Sr. Dr. chefe
de policia, para desde ja assegurar-lha que ella
nao pactua uunea com tal modo de proccder.
Pois 0 Sr. Americo de Sa podera ncgar que os
seus burros, vaccas, etc., olfendem continuameute
as terras dos habitantes desta povoacao '
Podera negar que ha pcuco tempo appareceu
ura dos seus burros com um pao atravessado e
amarrado na bocca por Drsido encon.rado des-
truindo lavouras '.
Venha, Sr Ameiicoy demonstrar que a visloria
feita pelas destruigoes de seus animaes foi poste-
rior a declare-ao que 0 senhor armncon da ma-
Hier, quando ninguem nesta povoacao ignoraqie
a vistoria ja est?.va feila muito antes do dia em
que 0 senhor foi ao juiz de paz com duas ou tres
testeraunhas, u quo poderei provar com 0 proprio
juiz de paz, e com os empregados da estacio que
0 Sr. fugio para 0 seu engenho para nao assistir
a vi toria, que se procedeu a revelia ; e ainda as-
sim 0 Sr. Americo nao seatirao sangue ruborisar-
Ihe as faces, porque talvez teufia degenerado de
seus antepassados.
FinalisaDdo, declaro-lhe qae com asco que
desco a responder-lhe, mas ainda com sacrifices
farei seoipre traa parecer a verdade.
Boa Viagem, 6 de novembro de 1871.
Fulgencio Infante de Albuquerque Mello.
Nos, os passageiros do vapiir Parana, reconhe
cidos a delioadrza e uibanidade com que fomos
tratados pelo distincto commaudane daquelle pa-
quete 0 Sr. Boaventura Borges Pamplona, vimos
pela imprensa tributar nossa gratidao a tao digno
cavalheiro, pela maneira semore atteucio^a com
qne se portou durante a viagem, esforgando-se
por satiafazer a todos com excessivo zelo e extre-
ma benevolencia,.
Queira, pois, 0 Sr. commandants Pamplona re-
levar-nos se ferimos a sua modestia, e receber es-
sas palavras como uma pequena amortisacao a di-
vida immensa qae com S. S. contrahimos.
Recife, 6 de novembro de 1874.
Fernaudo Alfonso Miranda Leal.
Clemeote A. Bnssoni.
Antonio Cyrillo Freire.
Felippa Leonardo.
Jose Cornelio Bruno.
Francisco de Carvalho.
Joaquim Bezerra Pessoa.
Joaquim Cornelio Bruno.
V :ii.-Hiio alicerce. nuoediH-
cio.Porque 6 que todas as preparaciies ordi-
oarias para o cabello dao resnltalos tao deaaoima-
dores 1 B' simplesmenle porque 0 sea effeito e"
puramente superficial.
Ellas bumedecem as fibres por am momento, e
evaporandose, deixaraasmaisseceasqaedantes, a
sua coraposicao nao tem consistencia alguraa, a
sua virtude e uenhuma.
Mui differente 6 a opera?*o desto rico e raro
aformoseador e vigorador vegetal, conhecido,
debaixo do nome 0 tonka oriental I EUe estima-
la os vases do craneo, e a cuticula q ab4orva ; e
entio reoabido pelas raiaes, e passa era segui-
da a fiUas capiUares, lubricando-as e nu-
trinda-as.
Os masmos elementoa qua oompoem as Qbras,
formain uma parte dos engridientes do toni-
00, para renovar e oonser.var 0 ci&ello, e dar-
ihe vigor, brilho e espessara -por certo qae nao
tem igual no mundo. ____
CdMMERCI6.
347NTA. DOS CORftfiTORES
Prayia da Recife, de nvvembre
de 18 4L.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTXCORS OFFICIA.ES
Algodao -dosertto 1" aort9 ?|OO0 p^r 15 kilos.
Dascarregam hoje 7 de novembro de 1S7i.
Barca portugueza Alexandre Herculano vi
nho para deposito no trapiche Barbosa, e
eal ja daspachada para a terra.
Brigue inglez Spark bacalhao ja despachado
para 0 trapiche Concei.ao.
Patacho allemao Primuscar via e ferro ja
despachados para ocaes do Apollo
Vapor francez-fli'o Grande(esperado) raercad)-
rias para alfandega e trapiche Conceicao.
Lagar francez Bto Grande mercadorias para
alfandega.
Barca portuguezaAudaeia genero3 nacionaes
para 0 trapiche Dias.
Barca portugueza' JVooti Sympalhia generos
nacionaes para 0 trapicue Carapanhia.
ImporlacSo.
Barca iagleza Fannie, entrada de Ardrasora, em
5 do corrente e coosigaada a Saundres Brothers
6 C, mauifestoa :
Carvao da pedra 600 taneladas ao3 con3igna-
tartos.
Barca p)rtugueza Nova Sympathia,^ {entrada do
Rio de Janeiro na mesma data e coasignada a Bal-
tar, Oliveira & C, manifestoa :
Barricas vasiis 100 e 200 ditas meias.
l'ipas vasias Iz5.
Sal 30i6 alqueires aos consigoalarios.
Brigue aaci : do Sul em 6 do cdrrenle e coasignado a Amorira
Innaos St C, manifestoa :
Couros seccos 90,
Graixa em bexigas 7,960 kilos.
Sebo 61 barricas.|
Xarque 216,148 kilos a ordem.
Lugre inglez Stella, entrado da Terra Nova na
mesma data e consignado a Saundre3 Brothers
& C, manifestou :
Bacalhao 3,000 barricas aos consignatarios.
Vapor nacional Parana, entrado dos portos do
norte na mesma data e cousignado a Pereira Vian-
np & C, manifestou :
Carga do Para.
Salsaparrilha 53 rolos a Beltreo & Fiiho.
Carga do Maranhao.
Barricas vasias 400 a Jo^e Tavares Carrei
ro&G.
Caraarao 15 barricas ao3 consignatarios, 10
coltos a FranMsC) Goacalves Bat)3 e Sa
Praia em obra 1 caixa a Joseph Krause >\ C.
Lugre francez Rio Grande, entrado do Havre n
mesraa data a consiguado a E. A. burle & C, ma-
nifesiou :
Alvaial" de zinco 2 barris a P. Maurer 4 C, 5
a Manoel di S. Faria 4 C, 10 a Ferreira Maia
&.C. Agua de Cdonia 1 caixa a Faria Irmios.
Armas 21 caixas a Moabard Mettler A C, 40 a
Paronie Viacna A C. Acido 1 caixa a Manoel
Alves Rarbosa, 5 a Meurcn & C. Arcoes I caixa
a ordem. Agaa mineral 2 caixas a Manoel Alves
Barbosa.
Batatas 000 gigas aos consignatarios, 300 a Ma-
noel da S. Maia & C. 2jO a llnsmealy & Labille.
Biscouto* 2 ca.xas a Francisco G. d'Araujo. Bolas
panoramas 2 caixas a Ferreira Monteiro Crystaes 12 caixas a B. Duarle Campos & C.
Dito e miudcz is aos consignatarios. Calcado 1
caixa a Faria Irmios. Cimento 300 barricas aos
coaiiiznal&rios. Chapcj* a o,ixa a Joio Chris-
tian! A I'.., 1 a Victorino Maia& C. Couros i cai-
xa a Moreira Halliday A C. Cbloroformio 1 caixa
a P. Maurer & C. Collodiura I caixa a Manoel da
S. Faria & C. Colchetes 1 caixa a Vaz Junior & C.
Espelhos 1 caixa a ordem. Enveloppes 1 caixa
a Vaz & Leal.
Farinha de trigo 100 barricas aos consigna-
tarios.
Grampos 1 barrica a Faria Irraios. Gralea-
mento de ferro 3 caixas a Theodoro Christiansen
AC.
Lapis 1 caixa a Jose de Almeida & C. Linha 1
caixa a Carneiro & Nogueira boaea 5 barricas
e 1 caixa a Ferreira Monteiro A C.
Marmore 16 caixas a Von Schston A C. Medi-
caraentos 8 caixas a ordem, 7'a P. Maurer & C,
4 a Manoel da S, Faria & G. Meias I caixa a E.
da Cunha Medeiros, 2 a Otto Bohres, 1 a Theodoro
Christiansen. Mercadoria3 diversas 4 caixas a Vaz
& Leal. Maoteiga 15 barris iateiros e 15 meios a
Johnston Pater & C, 90 e 30 a Magalhaes A Ir-
mao, 100 e 150 a Antonio Franciseo Corga, 50 e
100 a Paulino Jose da Costa Amorim (Si R. 45 e
43 aos consignatarios, 20 e 30 a Jose Marcellmo
da Rosa &G.
Ocre 6 barris a Ferreira Maia & C. Oleo do
linhaca 2 barris a P. Maurer & C.
Papel e pentes 2 caixas a Jo-e de Almeida & C
Papel 1 caixa a J. N. de Souza. 4 a ordem, 3 a
Vaz A Leal, 3 a Moreira Halliday AC, la Vaz
Junior AC, 2 a Jose L. Gon^alves Ferreira, 4 a
Faria Irmaos. Pregos 45 barrieas a Parenle Vian-
na & C. 2 a Hawkes A C, 1 barrica e 2 caixas a
Farias Irmao'. Poles de louca 1 caixa a Barlho-
lomeu & C. Piano 1 caixa a J. M. da Rosa &
Filbo3. Porcelana 3 barricas a B. Duarte Campos,
16 barricas e 2 caixas a Joaquim A. Pereira & C,
1 a Manoel Alves Barbosa. Perfumaria 2 caixas a
Farias Irmaos, 8 a Vaz A Leal, 1 a Moreira Halliday
A C, 4 a Vaz Junior (Si C
Saccos de estopa 20 fardos aos consignata-
rios.
Tecidos 2 caixas a ordem, ,2 a Keller & C, dito
e diversos artigos 28 caixas aos consignatarios.
Tlnta 1 barril a Jose Nogueira de Souza.
Verniz 1 caixa a A. Caors. Vinhetas 1 caixa a
P. Maurer & C Vidros 2 caixas a B. D. Campos
& C, 26 caixas a Bartholomeu & C, 3 a J. Pereira
& C, 1 a Manoel Alves Barbosa, 2 a Ferreira
Monteiro. Vinho 20 caixas a Harismendy A La-
bille.
Barca portugueza.Auiacia, entrada doRiode
Janeiro na mesma data e coasignada a E. R. Ra-
bello Si C, manifestou ;
Barricas abatidas l.OOO a Antonio J. de Ann-
rim, 2,01)0, a Rodrigues & Martins, 3,000 a Jose
da S. Rego Rraga.
Care 40 saccos a Pinto Mereira A C, 260 aos
consignatarios, 100 a Tito Livio Soares, 100 a
Paulino Jose da Costa Amorim A C, 50 a Joao
Jose R. Mendes, 50 a Mane el Duarfa deFigaeire-
do, 100 a Fernandes d 1 Costa (St C, Cancooeiras
de pedra 25 degrees, a Nazareth & Pires, 30 ao
baraodo do Livramento.
Pipas vasias 100 aos consignatarios.
Sal 1,000 algqaeires aos mesmos. -
Patacho allemao Anna, entrado de Londres na
mesraa data e cons gnando a Saunders Brothers &
C, manifestoa :
Acidos 1 caixa, a ordem. Amostras 1 caixa a D.
A. Matheus.
BiscoutQs 10 caixas a Jose Marcellino da Rosa
& Filhos, 14 a 0. A. Matheus.
Cadeiras 3 caixas a R. L. & Guimaraes. Con-
servas alimenticias 108 volumes a ordem, 37 a
Btltrae A Filho. Cha 16 caixas a Sauza Bastos
& C. Cimento 600 barricas a Johnston Pater &
C, 100 a J. J lives A C. 100 a ordem, 100 a Do -
mingos Alves Matheus, 50 a J. Duarte das Neves.
Cbumbo demuntcio 110 barris a Von Schston
A C. Candieiros e perteocas 3 eaixas a Ferreira
Monteiro & C. Canela 10 caixas a Fernandes da
Costa & C
Ferragem 13 volumes a Hawkes.
pjjGomma laca 1 caixa a A. Caor.
Medicaraentos 23 volumes a M. da S. Faria & C*
1 a Manoel Alves Barbosa.
Oleo de linhaca 10 barris a D. A. Matheus.
Phosphoros 1 caixa a Pareole Vianua AC Pi-
Imeota 20 saccos a Fernandes da Costa & C Pol-
vora 600 barris de quarto aos consignatarios, 400
a ordem.
' 6accodbeMft>fl) fardba Aifcmon Hwtf
A C SalVtre 89> karris a SbW do Mattoi Ir-
mios.
Tfnta 105 karris aoe eomifoalarioa, M M-
trao A Filh Va Hiaaei Alva* Barb-on.
DSPACaOS DE EXPORTACAO NO DU Ik*
OOTUBRO D 1874.
Plira M jWrtuf da exurtor.
No lagar inglez BklMz, para 0 fiaaal, car-
regou : L. J. Silva Guimaraes 1,900 saccos eons
75,000 kilos de assucar n*!ava*
Na barcaca ianlaca Jk^MnMtor, para Mkaao
re, carregoa : M. Austin A C. 5,43) sa:eo earn
407,230 kilos da assacar mascavado. -_ ^^
Na barca porkjuei Ptrdra Bore$, para
Lisboa, carregoa 9. Cafaairo 4 C Wl cakko-
salgado3 cora 3,*44 kilos.
No navio portuguet 9. Lourenco, para a !lh >
de S. Miguel, carragoo : A J**va t banica-*
(tai 120 kilos de asocar kranco.
^ No brigue portaguez Bella Figneirensr, |ir
Lisboa, carregou : E. R. lUbello A C 40 pipa.-
com 19,200 biros de aguardenta.
Para 01 portos do interior.
Para o Rio Grande do Sol, aa brigoa tins -
leiro L'niio, carregou : Amorim Irmios & C. 1,100
barricas com 83 634 l|2 kilos de assacar tiranca. e
100 ditas com 11,901 i|! dilos de dito tntcnaie.
Para 0 Cear.i, 00 vapor nacional Piraptma.
carregou: J. F dos Santo* Bastos 30 barricas am
1,792 kilos de assucar roflnado : para Aearacu.
C J. B. de Amida 10 barris am 960 litros de
agaardenie.
Para' Mamanguape, na bircaca Par te, carregou : J. A. G. Plret Junior ft e.nxa com
53 kilos de doce.
Para a Villa da Penln, na barr>7i JKs'*e>i
Cidade, carregoa: A. B. de Freittt t barnn* cm
112 kiios de assacar braoco.
Para 0 Rio de Janeiro, no va^or aacida*!
Parana, carregou: Leal A rmao ivt) fcarnca*
com 7,50) kdos de assacar hraoo.
CaPATAZIA 11= \ KMDKGA
-taadiraento do dia 2 I 9 .
Idem do dis 6 -
VOLUMES s*.r:'DOS
.So dia 2 a 5......
Ho dia 6 -
'rimaira port*
Uganda parta ...
ferceira portt
ftrpicha Geaeatcio .
2:619*1*:
456*535
T 073*70!
tjm
ftO.127
SERVigO MARITIMO
sJ>ar*ngai descarregadas no irapick* Aa
a'.fandaia.
So dia 2 a 3 ..... 10
to trapiebs Goncaicao ... t
IBCEBEDOHIA DB RENDAS INTfcRNAS GE
RAES DB PERNAMLDC'-
laadimoam do dia2a5 60S8*2">x
4m do ill 6 1.5C/iW
7:334;h;-;
G5NSULADO PROVINCIAL,
^ndimaato do dia 2 a 5 10 22a*77
dem da dia 6 .... 3.184*J6K
10:
4iiS/74
RE ;IFE DRAINAGE
Rendiiiic-nto do dia 2 a 5 .673^"< 1
Idem do dia 6...... L:34*)l '
7:037*'
AGENC1AS PHOV INCI.VF.S
Liquidos espirita 1- m.
lendiraento de 2 a 4 1:055*912
Idera do dia 5 57*710
Bacalhao. etc.
ttendimonto de 2 a ft SAHi'Jo'h
Idem do dia 3 h
Generos de estiva,
^endimeuto de 2 a 4 552*920
Idem do dia 5 94*472
Farinha de trigo, etc.
ttendimento de 2 a 4 51PM
Idem da dia 5 I
Fumo, etc
ilecdimento de i a 4 *
idem do dia 5 633;35
Vinagre, etc.
lanJimjnto de 2 a 4 -.jitiQl,
demdodiao 112*105
i\nt>f-
833*?*'.
647*i -
54* Ju'
(J23*J
k9k#MO
3.679*30.
Thesouro provincial da Pernambuco, <
de novembro de 1874.
0 escrivSo,
J. '. M. da Silva Sanlos
v 1

GDR08
ii;j e coiilra-fogo
GOMPANHIA
Phcriix Pernambuoana.
RUA DO COMMERCIO N. J4.
Seguro coiilra-fogo
THK LIVERPOOL d LONDON A <-! '*
INSURANCE COMPANT
Agent***
SAUNDERS BROTHERS* C.
11Corpo Sento11
Companhia Inderaaisador,.
do Porto.
CAPITAL 2,000:0005000.
rhomaz de Aquino Fcneeea A C, tvecessne
agentes.
E*t 1 companhia toma secures raarilimos o tor
restres, danlo nestcs 0 septirao anno gratis a -.
gurados.
Sun do Vigaris n. 1.
COMPANHinLLIJaSCA
seguros maritimos e torrob-
ires estabelecida ua Baltic
era 15 de Janeiro em 18V0
CAPITAL 4,000:0003000.
Toma seguro de mercadorias e dinhr-it-
uco maritimo em navio de vela a vapor--?
oara dentro e f6ra do imporio, assim tent
wntra logo sobre predios, feneroa a f
-ondas. .
Ageute : Joaquim Jose GonflaJ>eaBeU-a.
ua do Commercio n. 5, t* andar.
Banco do Minho.
Joaqnim Jose Gonealres Beltrio & Rlho
?or todos os vapores sobre :
\nadia.
Aguida.
Areiro.
aeja.
Shaves.
Elvas.
Amarante.
juimaraes.
Evora.
Fale.
Fara
Guarda.
Leiria.
Lisboa.
RarcaRos.
Goimbra.
Porto.
Tarira.
Regaa.
Viaao.
Figaeira.
Lamas*.


'


Swilfcl
Jiano de fernambucu Sabbado 7 de Novembro de 1874.
kL
Melgaco.
Pwaleare.
Areas ee Til 4* vet.
Cetorieo de Basto.
Caminha.
Mangualde.
?onte do Lima.
ovoa do Lanbosa.
Mrrandelta. Ssfarreja.
ftoaaflei. Valenga.
Villa Real.
Cabeceu-ae da Bastes.
Caste! Ic-Braaeo.
Kepozende.
Oiiveira da Acemeis.
Povoa de Varnm.
Vianna do CasteUo.
VilDvliova do Portimio. Viiu leva de Pa^aabcio.
Villa do Conae.
Naa ilkaa.
"Madeira, S. Miguel, Faisl e Terce ra.
SEGUROS
NAR1TIN0S
CONTRA 0 FOQO.
A oorapaiihia lndemntsadora, estabelecidi
aesta pra^a, toma seguros maritimos sobr
uavios e carregamentos e contra fogi
em ediScios, mercadorias e inobilias: n
rua tfltt Dnuim ial de Braga
Jorge Tawao.
37Rua do Amorim37
Saea qoalqaer qaaatia a prazo oa a vista so
ore este Banco oa uas respectivas agendas nas
egariMes cidade* a villas de Portugal, ilbas adja-
centos Hespanba, a atoer:
INtrtaniil
Amarante.
Aaadia.
Arcos.
Avetro.
Afueda.
Arco de Baulbe em ca-
beceiras de Bastos.
Barca.
Barcellos.
Beja.
Bragan;a.
Ghaves.
Coimbra.
Coara.
Covilha.
Casteik) Braoeo.
Caminba.
Elas.
Esiremoz.
Evora.
Esposende.
Pamalicao.
Paro.
Pigueira.
Pafe.
Tbomar.
Tavira.
Torres Novas. ,
Valeoca.
Vianna.
Villa do Conde.
Villa Nova da Cerveira
Guarda.
Guimaraes.
Gouveia.
Lagos.
Lamego.
Lisboa.
Louie.
Melgaco.
Mir-ndelia.
Moncio.
Meafhada.
Monte raor o velho.
Oiiveira de Aremeis.
Ovar.
PenafieL
Piobel.
Ponte de Lima.
Portimao.
Purto.
Povoa do Varzim.
Port'Alegre.
Povoa de Lanboso
Hegoa.
Silves.
Santo Thyrso.
Villa Real.
Viohaes.
Vizeu.
Villa da Feint.
Villa Puuca de Aguiar.
V-lla Real de S. Antonio
Moiiuenta da Beira.
Funcbal.
IHiu*.
Madrid.
Barcellona.
Vigo.
Puenteaveas
Henpanha,
Fayal.
Cadiz,
Orense.
Corona.
Badajiz.
MOViMENTU flu WKTU
Ravios entrados no dia 6.
Asau-8 dias. patac o nacional Leopoldina, de 207
toneladas, capitao Mauoei E Lopes, equipagem
9, carga sal ; ao mesmo capitao.
Para e porter iutermedios7 dias, vapor brasilei
ro Parana, de 850 tone'adas, comm-nlante B
B. Painpl .oa. equipagem 5*, carga difforentes
generos ; a Pereira Viauna & C.
Rio de Janeiro31 dias, barca portugueza ^ cia, de 5 6 t-neladas, capitao Antouio C. Paiva,
equipagem 12, em lastro ; a E. R Rabello & G.
Montevideo 26 dias, brigue hespanhol Principe,
de 187 tmelada.s, capitao Grauja, equipagem 1J.
em lastro ; a ordem. ^"
Havre-ii dias '"gar fran:ez Ri> Grande,de 20%
toneladas, capitao Valla, equipagem II, carga
(azendaa e outros gener s ; a E a. Burle & C.
Terra Nova-36 dias lugar iiiglez Stella, de li\
toneladas, capitao Mitchell, equipagem 9, carga
3,000 barricas Mm bacalliao ; a Saunders Bro-
thers & C
Lonores-53 dias, patacho allemao Anna, de 130
toneladas, capitao L. Lange, equipagem 7, car-
ga p.i|v,,ra e outros generos ; a Saunders Bro-
tbeis & C.
Observagao.
Nao houve sabidas.
011 fits
presente pela im-
27,000
36,000
36,0011
27.000
66,00*1
36,000
20.700
25.200
36,000
39 600
3o,000
30.0i0
2i 600
36.000
32,400
28,800
28,800
25,200
2S,zOO
36,000
io.OOO
144,000
45.000
36,000
36.OW0
70,020
21,600
28,800
36,000
54,000
28,800
43,200
36,000
28,800
47.800
32VOO
144,000
23,200
2:.200
36,000
0 Illm. Sr. inspect >r do tbesouro provincial
manda cunvidar osSrs. proprietaries abnixo men
cionados, pa;a entregarem no mesmo tnesouro no
prazo de 30 dias, a partir de.-ta data, as importan
cia* das quotas com que devem concorrer para a
factura do calgaroento em freute de seus predios,
sitos nas ruas abaixo meuciooadas ; devendo os
paga uenl s serem feitos de conformidaie com o
dispo-to no artigo 2* do regulainento de 27 de iu-
nbo de i834.
E para constar se publicou o
prensa.
Secretaria do tbesouro provincial de Pernam
buco. em 29 de nutubro de 1874.-0 secretario
Miguel Affonso Ferreira.
FREGUEZIA 0E WSE.
Rua da Assumpcao.
N. 2. Jose Martins da Silva
N. 4. Vlonsenhor ?rancisco Muniz Ta-
vares
S. 6. Recolhimento da Cunceicao de
Olinla
N. 8. Fortuoata Rod vinda da Con-
ceijao
N. 10. Jose Francisco Pinto
N. 12 Joaquim Pereira Arantes
N. 14 Irmaadado das Almas do Re-
cife
N. 16. Manoel Antonio de Alcantara
N. 18. Feroandes Masearenhas
N. 20. Antonio Fernandes Velloso
N. 22. Maria Joaqoina da Cunba
N. 24. A mesma
N 26. LuizAmavel Dubourcq
N. 28 Irmandade do Santis.-imo Sacra-
mento de, Santo Antonio
N. 30. Mariana da Cuuha Teixeira
N. 32. Serafim Clemente de Souza o
Silva
N. 34. Jos6 Maria Ferreira da Canha o
outros
N. 36. Francisca Ignacta de Paula
N. 38. Mosteiro de S Bento
N. 40. Antonio Fernandes Velloso
N. 42. Manoel Goncalves Perreira e
Silva
N. 44. Netot de Raphael Fernandas
Abranles
N. 46. Gadino Temistocles Cabral de
V a scon cellos
N. 48. Auionio de Azevedo Viliaronca
N. So. Pidre loaauim Pf reira Preire
N. 52. Salvador Loelho Drummond Ca-
valcanle de Albuquerque
N. 54. Jose Joaquim da Ounha
N. 56. Jose Francisco de Paula Ra-
ni ">*
N. 58. Joaqnim de Souza Mail
N. 6(i. Autouio Igoacio Pereira Coelho
e viuva de Jose da Silva Pavao
N. 62 Francisco da Cuuba Machado
B-ltrao
N. 64. lrm ndade do S^ntissirno Saera-
mento de Santo Antonio
Ji. 66 Fraacuco Juse R>galo Braga
N.. Beruardino Anlonb da Silva
Lii-bua
N. 70 Jao Francisco Regis do Rio
Carvjibo e Bernardo Jacintbo Fra-
g'wo
N 72. Antunio Francisco de Sanl'Anna
n. 74. Mallei da Silva Lopes
. 76. Irmandade do Sennor dos Mar-
tyruw
ciN 78. (gnaa Joseph a de Jesus
N 80. Mauoei Fernandes Masearenbas
N. I. Ju^ijuim Antonio Pereira e Jose
Pedro uo Svuza e Silvj
" i. Jose" Joaqqim Soares
Doming'! Tkeotoolo.
S. 2. MMca Luiza Gone* ve Praau
N. 4 A ma-ma ^
N. 6. Man .el Francisco Marques
N. 8. Viuva de Custody Domingos Co-
deeeira
N. 10. Jose Lopes Roza
N. IS Jerony oo de Soaza Pacheco
N. 14 Luii di Silva Perreira
N. 16. Jose da Silva Franco Pimen'el
N. 18. Francisca das Cbagas de Jesus
PimBte!
N. 20 Fioriana Maria da Concerto Ma-
ni' Tavares
N. 22. Joao Pedro da Rocha
N. 24 Antonio Pinto Bezerra de Aze-
vedo
N 26. Marcolino Pedro de Souza
Braga
IjL 28. J oo Pedro da Rocha
W 40. Francisco da- Silv Rego
N. 42. Joii Pedro da Rocha
N. 44. Antonio Marcolino de Souza
N. 46. Filbos de Manoel Jose Ba:tus
Mello
N. 48. Joanna Maria da Trindade
N. 50. Francisco Pereira de Meirelles
N. 52. Geralda doa Santos Menloo^a
N. .'ii. Hermelioda Gomes do Sa
N. 56. Jose Verissimo dos Anjos, e Mo-
reira 4 Ouarte
N. 58. Joao Pedro da Rocha
N. 60. Miguel, Thomaz e Maria
N. 6t J se Nwola i Ferreira
.v. I. Irmandade do Santissimo Sacra-
mento de San'.o Antonio
N 3. Tiburcio Valeriano Baptista
N 5. Hennenegild>> Jo-6 de \lcanUra
N. 7. Irmandade 1 > Senhor Bom Jems
dos AfJlictos
N. 9 Miguel Francisco de Sooza Rego
X. It. Francisco de Souza Rego Mon-
teiro
N 13. 0 mefmo
N 15. Francisco de Msllo Cavalcante de
Albuquerque
N. 17. Joao Felix da Roza
N. 19. Tiburcio Valeriano Baptista
N. SI Jeronymo Jose Ferreira
N. ?3. O mesmo
N. 25. Delflna Maria da ConcsicSo
N. 27. Barao de Una
N. 29. Irroan iade do Senhor Bom Jesos
dos Martyr os
N. 31 Antonio M. CampanhSo
N. 33. ReCoihimento da Gloria
N. 35. Antonio Jo.*c .andido de Souza
N. 37. Antonio Moreira Reis
N. 39. Tiburcio Valeriano Baptista
N. 41. Antonio Moreira Reis
N. 43. Felicias* Maria Olympia
N. 45. Francisco Tavares Lima
N. 47. Antonio Moreira Reis
N. 49. 0 mesmo
Travessa do Sirigado.
N. 2. Olyrapio Goncalves Roza
N. 1. Joao fort Siiveira
N. 3. 0 mesmo
N 7. Maria do Amparo Costa
N. 9. Joao Francisco de Medeiros Re-
zende
M. II. Francisco Antonio da Roza
N. 13. 0 mesmo
Antonio Henriqa3.
N. 2 Jo!& Ignacio do Medeiros Rego
MoMeiri
N. 4. Kilhos d Jose Rodrigues do Passo
H. 8. Manoel de Funtes Gomes
N. 10. Recolhimento da ConcelcSo de
Olinda
N. 12. Joaquim Moreira Pinto
N. 14. Anna Eduarda Alves Ferreira
N. 16. Joanna Maria dos Santos Moraes
W. 18. Ljiz Leopuldo dos Gnimaraes
Peixoto
N. iO. Antonio Ignacio Pereira CoeMho
e a viuva e filbos de Jos6 da Silva Pa-
vao
N. 22. Bernardino Jose Leitao
N. 24. O mesmo
N 28. Maria Joanna do Carmo
N. 30. Anua Tnereza do Sacramento
S. 32 a mes a
N. 34. Joaquim Antonio de Oiiveira
N. i. JihS Joaquim da I'.osta D-ite
N. 3. Antonio piogo da Silva
if 5 0 mesmo
N. 7. 0 ninsmo
N. 9. 0 ineMiio
N. 11. Barao de Una
N. 13. Lini Amavel Dubourcq
V. 15. O mesmo
N. 17. As iiien"res Molina e Hilaria
N. 19. Antonio Jacintho de Jesus Gon-
calves
S. SI. Jot.; AnUnio Pereira
N. 23. Pedro Tertoliao i da Cunha
.N. 25. Iguacio d .-'i Lope Feiuandes
Rua de santa Cecilia.
N 2. Francisco Ignacio Tiuoco de Sou-
za
N. 4. Leopoldina Celina Temporal
N. 6. Jooqunn tntouio drueiro
.\ 8. Capella do Arco da CouceiQao
N. 10. Os Qieuures Francisd e Emilia
N. 12. lrmaudade do Livram^ato
N. 14. Bernardo Jose a" CuMa Valente
N 16. Jo IN. I. Guiliirrmo Tiburcio dos Anios
Paula
N 3. Justino Pereira de Faria
N. 5. Uinbelina Uoiumgas do C. Santo
e Maiia da Annunciacao
N. 7. J.i-e Dias d,i SiUa Gunnaraes
N. 9. Autouio Fernandes Velloso
N. It. Viuva de Jose Joaquim da Con-
cei^a i
N. 13 Manoel de Souza Tavares
N. 15. Evaristo Hiiano de Carvalho
.S. 17. Irmandade de Nossa Senhora do
Livr^meuto
N. 19. Irmandade de Nossa Senhora do
R'iSario de Santo Antonio
N 21. J>auoa itaria dos Santos Mo-
raes
N 23. Francisco Jose Vianna
N. 2'i. Joaquim Am^ncio Lima
N. 27. Manoel Jo&e de Matios
N. 29. Luiz Gomes silveri.
N. 31. Joaquim Felippe da Costa
N. :<3. Tiburcio Valeriano Baptista
N 35. Umbelina Maria Rosalina da Sil-
va
w.ooo
3,<0
ts,too
54,000
36.000
90,0 H)
85.200
68,i(W
S2 500
54,000
14.400
36,000
27.000
36,000
36.000
31,600
39.600
$5,200
25,200
41,400
45,000
S-*,80)
45,000
25.200
36,000
36,000
45.000
do'
N. 15. Man el Ferreira Ramos
N. 17. to* Fenundes Lima
N. 19. Antonio Jose Rodrigues
Souza
N. SI. Maria do Carmo Nunes Fer-
reira
N. S3. Antonio Rodrigues da Silva
N 25. Pulcberia Esmenia da Silva
N. S5. Pedro de A. dos Gaimaraes Pei-
xoto
N. 29 Felix Pereira da Silva
N. 31. Francisco Jose Leila
N, 33. Joaqmna Maria da Penba Costa
N. 33. Miguel Jose Barbosa Gaimaraes
N. 37. Antonio Jacintho de Medeiros
If. 39. Francisca Jacobina da silva
N- 41. Irmandade das Almas do Re-
cife
FRBUUBZIA OA BOA-VISTA.
Rua do Hosyicio.
N. 1 Viseondetsa de Waimoar
N. 4. Jeronymj R. Nascimeato e ou-
tros,
N. 6. Thomaz de Carvalho Soares
Brandao
N. 8. Pedro de Carvalho Soares Bran-
dao
N. 10. Herdeiros de .Joao Fernandes
Parent* Vuuna
N. IS. Uerdeiros de Aquino Fonceca
N. 14. Decio de Aquino Fonceca
N. 16. Joao de Aquino Fonceca
N. 18. 0 mesmo
N. 20 Heleod .ro de A. Fonceca
N. 22. Isabel Maria Ribeiro de Aguiar
24. Joaquim Angelica Ribeiro de
36,000
25.S00
36,000
118.800
36,iO0
36,000
38,600
25.000
45,000
36,000
101,600
S8.H00
;i 6,000
91-800
garaadoooatuoM.
Cidade do Recife, 31 de outubro de
1874.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do .Nasci-
mento, esurivao o subscrevi.
Recife, S de novembro de 1874.
Sebastido do llego Barros de Lacerda.
S.
28 800 Aguiar
25.200 N. S6. Dr. Nabor Carneiro Bezerra Ca-
2S,800 valcanti
N. 28. 0 mesmo
36,000 N. 30. Antonio Joaquim Ferreira. Porto
36,000 N. 32. Ju.-tino Jose de Souza Caropjs
N. 34. 0 mesmo
36.000 Jf. I. Francisco dos Santos Neves
28,800 N. 3 Dr. Jose Bernardo Galvao Alco
(orado
21,600 N. 5. Comraendador Vioente de Paula
S5.S0O 0. Villas Boas
2I,6"0 s. 7. 0 mesmo
16.300 s. 9. 0 mesmo
16.200 N. II. Zerermo de Almeida Pinto
18,000 N. 13. Dr. Bento JosiS da Costa
14,400 s. 15 Commendador Vicente de Paula
0. Villas Boas
18,000 H. 17. 0 mesmo
18.000 .\. 19. 0 mesmo
18,000 N. si. 0 mesmo
45,OOf N. S3. O mesmo
45,000 N. 25. Tnereza Carolina da Fonceca
36.0(H) (4. 27. Clara Carolina da Fonceca
28,800 4\. S9. Luiz Salazar Moscoso da Veiga
54,000 Pesoa
lo.'.'Ot' N. 31 Clara Clementina da Fonceca
28,80 jj. 33. Ur. Juaquim de Aquino Fon-
36,< 00 ceca
N. Jo. Tbereza Carolina da Fonceca
aS? N. 37. Hflleodoro de Aquino Fonceca
*8.Oi x. 39. Manoel Gomes Viegas Junior
12'Slr ^- 41- Cusiodia Carolina Augusta da
25,200 SBva
M. 43. Valeriano Manjo da Costa Reis
I?'XX 43- Jos6 Carlos Manso da Costa
21,6o0 rbis
^ N. 47. Dr. Jos<5 Paulo Monteiro de An-
drade
N. 49. Dr. Cbristovaj dos Santos Ca-
valcanti e outros
Conde da Boa-Vista.
N. 2: Arthur Angusto de Almeida e
out os
N. 4. Or. Virgilio de Guiiuao Coelho
N. 6 U mesmo
N 8. Baroneza de Beberibe
N. 10. A mesma
N. 12 Dr. Emardo Candido do Oli
veira
N. 14. 0 mesmo
S. 16 Jo>e Alves da Silva Guimaries
N. 18. 0 mesmo
N. 20 O mesmo
N 22. O mesmo
Jf. 24. 0 mesmo
Sete de Setembro.
N. 13. Arcelina Xavier Rodrigues Cam-
pello |
N. '5. A mesma
Couforme. Miguel Affonso Ferreira.
144,000
18,000
124,000
82.J0J
225,000
108,000
60,000
60,000
54,000
165,000
60,000
54,000
151,000
6",000
75.000
125,000
60,000
120,000
. 250,000
45.000
2\800
32.400
45.000
28,800
36.000
32,4 0
25,200
54,000
23 400
21.600
16 200
14.400
14,400
14.400
36,001
21,600
18,00i
2l,t>00
21.600
18,000
..6. Ml
I8 0IO
25,200
25.200
25.201
2l,tOJ
25,200
36,1:00
ji.OJO
45.000
2>,8oo
32.4' 0
21,6.0
36.000
36,000
21,600
36,000
21,600
32.400
21,600
14,40)
36,(X)0
18,000
160OO
34,000
54,000
60,0.0
54,000
44,000
60,000
eo.oio
60,000
36,000
60,000
72i.O)
60,000
60,000
82,500
120,0 0
180.000
120,000
108,000
75,000
72,. 00
60,000
120,000
72,000
60000
3ti,0o
36,000
&i,000
60,000
75,600
OO.OuO
18o,000
120,0)0
165.000
180,00)
216000
195.000
180,000
Faculdade dedireito.
De ordem do Bxm. Sr. coaselhelro director vis
conde de Camaragibe, faco pnblico qoe esti.posU
a concurso com prazo de 4 Inezes, a contar da
data deste, cadeira de philotophia do enrso de
preparatorios anexo a esta faculdade, vaga pela lu-
bilai-ao que obleve o respectivo professor bacbarel
Antonio Hercnlano de Soau Bandeira, pelo que
os quo se quizerem inscrever deverao apresentor-
se lesde ja com docomentos que provem : I;
sua 'juaiidade de cidadao orasifeiro; S, maion-
dade legal; 3, moralidade attestada pelos reap c-
livos parochos e folha corrida nos lugares onde
huaverem residido nos cinco nltimos annos ; 4,
capacidide profi o eandidato algam dossegaintes docomentos: ti-
tnlo de capacidade, ua uiateria em concurso, cou-
ferido pelo cooselho director da instrnccio prima
ria e seenndaria do mamcipio da cdrtetitulo de
professor tambem da materia em concurso, con-
cedido pelo governo imperial, diploma de bacha
rel na de doator nas facnidades do irarerio ou
academias estrangeiras ou de baehar em em let-
tras.
As pessoas notaveis por sea talento e reconbeci-
damente habiilitadas poderao ser dispensadas d
prova de capacidade pelo governo, e as que nio
poderem provar oa obtiverem dispensa, passarSo
per om exame antes de -erera admittidas a ins
cripclo : teudo de coofoimidade com o cap. 4'do
regnlamento de 4 de maio de 1856.
E para constar, mandou o mesmo Exm. Sr. con-
selbeiro director fflxar este edital, quo sera iu-
blicado ne.-ta provincia, na cortee enas provin
cias mais proximas.
Secretaria da faraldade de direito do Recife. 4
de novembro de 1874
0 secretario,
Jose Honorio Bezrra de Menezes.
O Illm. Sr. inspector do tbesouro provincial
manda fazer publico, qu*) em cumpnmento da or
dem do Exm. Sr. presidents da prevtneia, de 23
do. corrente, t>m de ser arrematada no dia 26 de
novembro proximo vindouro, perante a junta da
fazenda do mesmo thesoaro, a obra dos reparos do
empedramento do 1* e S* laocos da estrada de
Palmares, orcada em I < .-8804, e debaixo das con-
duces abaixo transcriptas.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
cio, comparecam na sata das sessoes da referida
junta, no diaacima indicado, pelo meio dia.
E para constar a quern ioteressar po*sa, se man-
dou faze pub.ico pelo presente Diarto.
Secretaria do tbesouro provincial de Pernambu-
co, 30 de outubro de 1874.
0 secretario,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes para aarrematacio
das obras.
1.*
As obras de reparos e empedramento do 1 e 2*
lancos da estrada de Palmares a Pimenteiras, na
im ortancia de 11:8801, serao execuiadas de con-
formidade com o resp*civo orcamenio e desenhos
juntos, approvados pelo Exm. Sr. presidents da
provincia, e insiru-.coes do engenheiro encarrega-
do da fiscalisacao dos trabatbos.
2.'
0 arrematante dara comedo aos trabalhos no
prazo de 15 dias, e os conciuira no do 5 raezes,
o-te ultimo prazo contado depois dc findo o pri
raeiro.
3.'
Eiitaln (54.
Pela inspect.i'ria da alfandega se intima. de con-
fonuidade com o ait. 745 do regulamenlo da* al
ianaegaS,io passagciro do vapur fiaucez Villedc
Rio de Janeiro, duuo de 2 rewolvers, appreb^udi
dos no 2 porlo HsCal, as 8 boras da mauba de 24
deoutuoro do corren:e, para 'dentro do prazo de
15 dias improrogaveis pruduzir sua defeza no pr.i-
eesMi de apprehensao dus releridos rewolvers.
Alfdii lega de Pernambuco, 6 de novembro
de 1874.
0 inspector,
F. A. de Carvalho Reis.
V 3.
Pela inspectoria da alfand.g se fa', publico que
a II buna da manna do dia 9 do corrente se ha
de arreinatar na porta desta reparticao, livre de
direitos e sujeita ao imposto da capatazia, uma
caixa de inarca triangulo, tendo no centro B T C,
e por baixo P D, n. 390. vinda de Liverpool no
vapor iriiilcz Student, descarrpgada em 2 de outu
bro proximo nudo, coniendo 56 kilogrammes de
cassas de algolao lisas, e^tampada e iO ditos de
renda de l^odao ponio de guipure, em cortes ou
guarnu;i5es para vestidos, no valor de 1:4934333.
e abandonada aos direitos ppr Brown Tnomson
&. C.
Alfandega de Pernambuco, 6 de novembro de
1874.
0 inspector,
Fabio A de Caroallio Reis
QOs pagamentos serao feitos em quatro prestaijoes
iguaes, a pr porcao dos trabalhos executados."
*"
Finalmente, em ludo mais que aqui nao vai e*-
pecitlcad), seguir-se*ha o que a respeito diipoe o
regulamento de 24 de fevereiro de 1874.
Cabo, 16 de outubro de 1874. Assignado, o
engenheiro Joaquim G Coelno.
onformo.0 official Joao Joaquim de Siqueira
Varejao.
Couforme -Miguel Affmso Ferreira.
ut;UJMCOES.
36,000
45,00
30,i to
59,400
32,400
25,200
27,000
9,000
36,000
18,000
21,600
28,800
25,200
N. 37. Ordem Terceira do Carmo
N. 39. Eugem o leixeira de Maura
N. 41. I-aiiel Maria da Fonceca Soares
N. 43. Joaqu m Antonio da Silva
N 45 Maria Joaquina ae Moura e Sil-
va
N. 47 Herdeiros do Juliana Maria da
Coneeipao
N. 49. Tnomazia Maria de Jesus
iN. 51. A mesma
N. 53 Marianna Falcao de Souza
N. 55. Ursula Paulina das Virgens
Traves.-a dos Quartets ou Bom Jesus das Crioulas.
N. 2 Manoel Maria Rodrigues do Nas-
cimento
N. 4. Jose Antonio Pereira
N. 6 Manoel Joaquim Baotista
N. 10. Viuva de Justino Ferreira dos
Passos
N. 12. Viuva de Custodio Domingos Co -
deeeira
N. 14. Antonio Diogo da Silva
N. 16 Irmandade do Santissimo Sacra-
mento de Santo Antonio
N. 18 A mesma
N. 20. A mesma
N. 22. Herdeiros da Joaquim Jose Viei-
ra
N. 26 Viuva e herdeiros de Domingos
de SmzaLeao
N. 28. Filhos de Jose Rodrigues dos
Passos
N. 30. Barthoiomeu Francisco de Souza
N. 32. Marcolino Pelro de Souza Braga
N. 34. Luiz Amavel Dubourcq e Anto-
nio Di..go da Silva
M. 36 Luit Amavel Dubourcq
N. 38. Barao de Una
N. 40 Minoel Kibeiro de Carvalho
N. 42. Pedro de A. doa Guimaraes Pei-
xoto
N. 44. Alexandrina dos Gnimaraes Pei-
xoto
N. 46. A mesma
N. I. Manoel Antonio de Jeans
S 3. Igoacio Fernandes Eiras
N. 5. Toereza da Costa
N. 7. Clorindo Ferreira Catao
N. 9. Manoel Pereira Lemos
N. II. Manoel, fllbo de Manoel de
Souza
N. 13. Herdeiros de Jose dos Santos
Lima
32,400
21.600
36 0)0
14,400
18,000
25,2 0
27,000
25.2(H)
28,800
14,400
21,60
23,200
22.500
22.500
22,500
30,000
54,000
36,000
28,iiOO
21600
93 000
39,6 0
28,800
45,000
45,000
60.000
54,000
21,600
30.000
25,200
25,2 0
18,000
30,000 0 Dr. Sebsstiau do tb*go Karros do Lacer-
da. juiz de dirt-ilo especial do cotiraer
cio, uesta ciiade do Recife de Pernam-
buc., por Sua Mngestade o Imperador,
qu Deus guarde, etc.
Pac;o saber pelo presente, que Jos6 Feliciano
de Nazareth, por sen procurador, mo dirigio
a peticao de theor seRuinte :
Illm. Sr. Or. juiz de direito e especial do com
mercio. Jose Feliciano >le Nazareth, commer-
ciante nesta praga, sendo credor de Duarte Hi-
beiro, Duarte & Lins, Duarte S Coutinho, Ma-
noel Goncalves M-rtins, Martins & Fernandes e
Jose de Araujo Pinheiro, pelas Icttras que juntas,
quer de novo interroraper a prascrippio dellas,
pelo que requer a V. S. que se digne mandar
ijue 0 escnvao a quem for esta distnbuida lavre
o respectivo termo, alim da, assignado pelo sup-
plican'e ou seu procurador, seja intimado a aquel
les devedores, e porque se achem em lugar in-
certo e nan sabido, requer tambem a V. S., se
digue admitti a nece-saria justificacio, para que
julgada por sentenja, se passem editaes por 30
dias, para 0 rim de ser-in intimados, na forma
da lei. juiganlo se alinal tudo nor sentenga.
I'ede a V. s. deferimento. E R. M.
Recife, 24 de setembro de 1874. Miguel Jose
de Almeida Pernambuco.
Estava uma estampilha do valor de 2i 0 rs. le-
galmente inutilisada.
De-pacho.Distnbuida. Como requer.Recife,
24 do setembro de 1874. Barros de Lacerda.
E nada mais se continha em dita peticao e des
pacbo, e por forca do mesmo despacho fdra feita
a di.-trihnieao ao escrivao deste ju'zo Ernesto Ma-
cbado Freire Pereira da Silva ; depois do que
via se o termo de protesto do theor seguiote :
Termo de protesto. As 24 do setembro de
1874. nesU cidide do Recife em raeu cartorio,
perante mim e as t stemunhas infra assiguadas,
compareceu 0 supplicante Jose Feli :iano de Na
-areth, por seu pr..caradr, >olicitador vtiguel
Jo-6 de Almeida Pernambuco, e por este foi diti
iue reduzn a termo 0 conieiido de sua pelipao
retro, que offerecia como parte deste, em que de
pois de lido assigooa com as in iicadas te-temu
nhas. Eu, Francisco Xivier de Souza Ramos, es
crivao interino, escrevi, Miguel ioe de Almeida
Pernambuco, Frederico Cbaves e Faustmo Jose
da Fonceca
E oadi mais se continha em dito t^rmi de pro-
testo, aqui li-lmente cupiado, pelo theor dt qual.
hamo, cito e h-i por citado os referi.los devedo
res acima mencionados, para qne deutr > do pra-
zo de 30 dias, comparecam Deste jniso, por >i, ou
por seu> procuradores, all'ginlo e pro que for a bem de *eu direito e ju-tica ; porianto,
tod a a pessoa, parentes, amig is oa cinn-jides do~
reftrid>.8 devedores, p >dei ao faier scientedeto
do 0 expendido.
E para que cbegue ao ro iheciin^nto de
todos, inandei pass
36,000
36,000
r o pres> ute que seri
publicado pela imprensa e affixnuo nos lu-' ivo Antonm de Andrade Luna.
Secretaria do tribuaal do
com mercio de Pernam-
buco.
EDITAL. "
0 tribunal do commercio da provincia Jo Per
uambuco convida aos Srs. commerciantes nacio
oaes matriculados e residentes neste districto a
comparecerem no dia 4 de dszembro proximo fu
luro, as 9 hor^s da manna, na sala da Associacao
Commercial lleneficente, para proce_der-se a elei-
gao de lous deputados commerciantes e de don
su-plentes que no seguinte quadriennio de 1875
a 1878 tern de fuacciouar na forma do titulo uni
co do codigo do commercio e decreto n. 696 de 5
de setembro de 185), visto liudar este anno 0
prazo da eleiga> em virtude da |ual funccionaram
como deputados os Srs. Joaquim Olinto Bastos e
Manoel Alves Guerra, e como sapplentes os Srs.
Jo>e FraociscoSa Leitao e Joaquim Mauricio Gon
gaives Rosa.
E para constar man! m 0 smredito tribunal fa-
zer o presente e dial, que ass gnado pelo sea se
cretario, sera publical 1 no Diario de Pernambuco
e Jornal do Recife e afBxado na praga do Com-
mircio com a listade que trata 0 art. 5 do citade
decreto; e quaes.juer reclam igoes por omissdes
serao attendidas at6 0 dia 3 d> dito mez de de-
zeuibro.
secretaria do tribunal do eomroorcio do Per-
nambuco, 5 de novembro de 1874.
0 secretario,
Joaquim Olinto Bastos
LISTA.
Antonio Jose Leal Reis.
Antonio de Souza Pavolidj.
Antonio Gomes de Miranda Leal.
Antonio Luiz dos Santos.
Antonio Mnmz Manhado.
Antouio Valeutim da Silva Barroc.i.
Antonio da Silva Ferreira Junior.
Antonio Alves Barbosa.
Antonio de Moara Rilim.
Antonio Ignacio do Rego Modeiros.
Antonio Jose Silva do lira.-ll.
Antouio Joaquim de Vasconcellos.
Autouio Frauci-co Pereira de Lyra.
> nt m 10 Gomes de Mattos.
Antonio Climaco Moreira Ternporal.
Antonio Luiz de Oiiveira Azevedo.
Antonio Jose Dantas.
Aureliano Augusto de Oiiveira.
Augusio Frederico de Oiivoira.
Alfredo Henrique Garcia.
Amaro Jose dos Prazeres.
Augusto Ocuviano de Souza.
Antonio >eraphim da Silva.
Antonio Joaquim Seve.
Antonio Macnalo Pereira Vianna Junior t
Barao de Ouricury.
Barao de Bemliea.
Barao da Soledade.
Barij de Nazareth.
Barao de Santa Cruz.
Barthoiomeu Francis ;o de Souza.
Bernirdioj de Sena Pontual.
Caetanu Cyriaco da Costa Moreira.
Oirniuian j de Aquino Fonceca.
Claudino Juso de Sant'Aana.
Carlos Pinto de L-m-is.
Carlos Jo-e de Medeiros.
Candido Jose da silva GuimarSes.
Domingos Alves Malbeus.'
Denetrio Acacio de Araujo Bastos.
Daniel Ce.-ar Ramos.
Eius BapUsla da Silva.
Eduardo Candido de Oiiveira.
Fr ncisco Ferreira Baltar.
Kiancisco Antonio Uomes de Mattos.
Francisco Apolooio Bezerra da Silva
Fetippe Antonio Rodrigues da Costa.
Francisco Accioii de Gouveia Lins.
Feliciano J <6 Gomes.
Fr^uciscii Antonio d Rosa.
Francehno Xavier da Fonceca.
Francisco Joaquim Ribeiro oe Brlto.
Francisco '^uacio do Oiiveira.
Fi rtunsco de Albuquerque Mello.
Francisco Antonio de Assis Goes.
Fancisco Ferreira Baltar Junior.
Fraoci-co Jose da Silva 'juiinaraes.
Francisco Vieira Perligto
Felisberto Ferreira de Oiiveira.
Genuino Jo-e da Rosa
Henrique Fernandes de Oiiveira.
. H-rmiuio Egydio de Figueiredo.
Jose Jeronymo Monteiro.
Jose Marcelia > da Rosa.
Joio Ignacio de Medeiros Reco
Jose Frauciscw Sa Leitao.
Joaquim Mauricio Goncalves Roa.
Josd Gomes Leal.
joao da Cunha Magalbaes.
Joaquim Jew da Costa Fajozei.
Jose Rodrigues Pereira.
Jose Pereira da Cunha.
Jose Joaquim Dias Fernandes.
Jo>e Veiloso Soares.
Joao Chrisostomo Goncalves Rosa.
Joio Joaquim Alves.
Jose Pereira da Cnnha Junior.
Jom5 Moreira da Silva.
Jo-e Augusto de Araujo.
JoioBa.listaGomes Penna.
Jose de Sa Leitao Junior.
Join Pinlo de Lemos.
Jo-,'; Francisco do Rego Mello.
Jose Antonio Moreira Dias.
Joio Manoel Pmtnal Junior.
Jose Ferreira da Silva.
Jo-e Feliciano Nazareth.
Jose Frai Cisco Lavra Peona. '
J jio,u 111 Felippe da Co.-ta.
Joaquim Oliuto Bastos.
Joio Pereira Rego.
Jio Jore da Silva,
Joio Jose de Carvalho Moraes.
Joio da Rocha e Silva.
Joaquim Geminiano de ArruJn.
Joaquim Jose. Haraos.
Jose Alves Barbosa Junior.
Joaquim de Souza Silva Canha.
Joaquim \lvaro Garcia.
Jom: da Silva l.oyo Junior.
Joio Waif re do de M-deiros.
Jayme Romsgnera Filho.
Joaquim Bernardo dos Reis.
Joaquim Lopes Machado.
Jose Ferreira Baltar.
Joaquim Francisco das Chagas e Silva.
Jose Domingues do Carmo e Silva.
Joso de Assumpcio Oiiveira.
Jose Luiz de Mello.
Joio Rodrigues de M ura.
Joiqnim Ild-fon Jo-e Rofino Climaco da Silv-..
Jose Luiz Goncalves Penna Junior.
Joio Antonio da Silva Bastos.
Jo-e Antoni 1 Pinto.
Luiz Antonio Siqueira.
Luiz Jose da Silva Gaimaraes.
Loureuco Luiz das Neves.
Luiz Goncalves da Silva.
Luiz Alfredo de Moraes.
Luiz Jose Pereira Si 1 noes.
Leonidas Tito L .ureiro.
Manoel Duarte Rodrigues.
Manoel Antonio da Silva Moreira.
Manoel Joauuim -amos e Silva.
Marcelino Gongalves Rosa.
Manoel Joaquim Rodrigues de-Souza.
Miguel Jose do Ahreu.
Manoel Jose da Silva Guimaraes.
Manoel Pereira Lemos.
Manoel Victoi de Jesus da Matta.
Manuel Januario de Arruda.
Manoel Moreira de Souza.
Manoel Aives Guerra.
Manoel Pereira da Cunha.
Manoel do Nascimento Cesar Barlamaque.
Bacharel Manoel Gomes de Mattos.
M Olympio lioncalves Ro-a.
Pedro Joa mim V anna de Lima.
Pedro Gon alves Pereira Casein.
Pedro Osorb de Cerqueira.
Satyro Serapnim da Silva
Thomaz Francisco de Salles Rosa.
Tnnmaz Teix.-ira Bastos
Vicente Mendes Wanderley.
Vicente Jo-e de Brito.
J.>viniano Mania.
Antonio Rodrigues de Souza.
Francisco MameJe de Almeida.
Antonio Pereira da Cunha.
Joaquim J -e Gong<.lves Beltrao Junior.
Ia 1 iutho Nunes da C sta
Esta coi.fo me Secretaria do tribunal do
com nercio de PernaiuDuco, 5 de novembro de
1874-0 official maior, Julio Augusto da Cunha
Guimaraes.
Lusq Brasileira,
A directoria tendo na sessio de hoj sciencia
do fall, cnnento do I'un-ocio Guillierme Joaquim
da Costa, resuivi-u maudesar uma missa de
requiem, na segundx-fera 9 do Corrente, is 7
toorsa da mauba, n> o>>uy..nt^ d.t i"nrm.i. A diTPC
t.'ria convida a famdia, parentes e amigos do falle-
cido e'aos ass..r.iado^ em geral, para assistirem a
este acto de frat roidade.
Irmandade
das Almas, 'eracti na 'oatriz de Santo An-
tonio.
Nao se tendo reunid nnmero legal de irmaos
para a eleicao da mesa regedora qu- tem de fuoc
cionar uo auno coinpr .mi-sal de lr<74 a 1875, sio
de iiovj ooovidados, de ordem do nosso irmio juiz,
a comparecerem no coosistorio da mesma irman-
dade, uo duinmgo 8 do corrente, pelas 10 Ijoras da
maulii
Cmsistorio da irmnnlade das almas, erecta na
matnz do Santo Autouio, aos 4 do noveiubro de
i874. -0 escrivao,
Francisco Ferreira Novacs Filho.
do dtoposto no artigo do decreto a. 1^56 M 23
de outubro de 1882.
Secretaria do tribunal do commercio 4*
Pernambuco, 6 de novembro de 1874.
0 official-rnaior,
.. ___________________Julio Guimaraes.
--------------------- UFA* ill A--------------------
d (rilh m Olindia e Beberi>JM.
Nio lead* ao dia 31 a*
outubro cosapareeiee nurae
ro let al p ra foncciooar a
asremblea feral dot aceio
nutas da compantua acima.
foi a sessin adi-da para 0 tfia
II do corrente mez, a* aek>
reuniao te f-a ao logar do eoMaaw.
devendo >nUo a assemblea funccionar nos MnM
do art. II dos st-us esuiulos.
Recife, i de novembro de 1874.
Luiz Lop-s CasteUo Branco,
,^^^_^_^^_S' crMarin.
A camara municipal da cidade de Obt4a,
taz sciente aos seus munieipea, qoe deveido tor
ragar no mez de abril do anno proximo viodoaro
n<^ta provincia a abertura da exposicao national'
c=pera que todos cmcorram com o maior aanv-
ro possivel de pr..duct>s e specimens da indu-ir,*
Dieional, aQm de ser representada ------iliaii
mente entre ruas irmas, e o Brastl oa -fpininim
de Philadtl hia, qoe sera sua inaognrario ao a*
19 db abril de 1876, roediante 0 esforco de todo*
os brasileiros, devidameote apreciado no estraa
geiro.
Pago da camara municipal de Olinda, 0*
outubro de 187.
Mario da Tacaruna,
Presidente.
Marcolino Dias de Araujo,
Secretario.
3104000
4084000
251*001)
9940W)
120*01*
386*0rit
400*0ti()
S03*0f<)
608601*
SUOOli
IS3*'-a
143*000
54n*000
300*00a
1:100*>
309*000
209*0011
241*000
5O7*O0a
No dia 9 d.) andante mez, depois da aadien-
cia do Sr desenibugador juiz de orphaos, vai a
praga de venla e cas da rua do Pocinbo n. 18,
oertencente ao inveutari 1 de Evaristo Salgado, q e
foi avaliada,por 2:no0*, com o abate da quinta
parte.
CONSULADO fHU-lMCUL.
Neta repartigao arre-ada se novamente da-an-
e 0 corrente mez as importancias dosapparelhos,
encanamei^tos, differengas e*anuuidades devidas a
comp,nhia Recife Orainage, no trimestre de jalh 1
a dezembro de 1872, pelos predios situs as ruas
do Mirquez do II Tval e Padre Ni>brega, i-to de
conformidade com a portaria do Sr. inspector do
Ihesouri provincial e as novas, relagoes cm subs-
tituigao as prlmeiras.
Consulado provincial de Pernambuco, 2
de novetninbro do i74.
0 a iministrador,
Antonio C. Mavhado Hios.
No dia 13 do correuie, liuda a audieucia do
Dr. juiz sud tituto da 1* vara. tem de ir em praga
paraserem veadidos, pir quem mais der, a arma-
gio e generos existent% nt taverna da rua da Flo-
ren'.ma n. ... por execugio da ordem terceira do
S. Fiancisco contra Joio Francisco da Silva
Braga.__________________
Co mm undo das armas
0 suldado ref >rinado do exereito Jos6 Pereira d
Cun'ia, de ordem de S. Exc 0 Sr. general com-
mandanle das armas, 6 cnamado ao quartel gene-
ral para objecto de service.
Secretaria militarem Pernambuco, 6 de novem-
bro de 1874.
0 coronel graduado, secretario,
_________Francisco Camello Pessoa de Lacerda.
Juizo dos feittx- da fazenda
Escriva 1 Bandeira
9exta-feira, 13 de novembro vindouro, depois
da anliencia do Dr. juiz dos feitos, serao arrema-
tados por venda os segumies predios :
O sobrado n. 9 do larg 1 do Carmo, com 64 pal-
mos de fnndo, 13 ditos de vao, 2 s^las, 2 quartos,
sotao e cozinha, avaiiado em &:00o*.
As casas terreas n. 6 na travessa da Viracao,
com 36 l|3 palmos de fundn, 14 ditos de vao, 5
salas, 1 quarto, cozinha interna, quintal pequeno,
avaliala effi 1:000*; ns. 22 e 24 da rua do oto-
colombo, fregnezia palmos de fundo, 19 de vao, 2 salas, 2 quartos,
cozinha interna, quintal murado e caciraba meeira,
avaliada em 2:000*, e esta 68 palmos de fundo,
30 1|2 ditos de vao, 2 salas, 1 gabinele, 2 quartos,
cozinha externa, quintal murado e cacimba. ava-
liada em 3:* ; todos etes ediQcados em solo
proprio, v*o i praga para pagameuto do que deve
i fazenda Joaquim da Silva Costa.
0 solicilador,
F. Correia de Araujo.
TRIBUNAL DO COMMERCIO DE PERNAM-
Companhia FidelcUi e
Seguros maritinos e terreslrcs
A agencia de-ta cempaabia toma s. goros mari-
timos e terrestres, a premins razoaveis, dan do bo
nltimos 0 so'o HTTP, e c setimo anno graluit .-
>egurado.
Feii-.'r.oo Jose Gomes.
A genie.
LNSPEOCAO DO ARSENAL DE
MARINHA.
Faz-se publico que em d>u de 4 d> corrente
mez fo_ain vistoriados cs vapores Pirapnma Cu-
ruripe, da companhia perrtamhucana de naver.:.-
cio costeira, e a coramissao jnlgou os era estao
de poderem continuar nc servirjo em qoe se crr--
pregam.
Inspecgio do arsenal de marinha de Pernamf I
co, 6 do novembro de 1874.
Francisco Jose Coelho Nettn.
______ Innec|or
bu:o
Est> secretarii fa* constar, de or.iem do meri-
tissimo tribunal do commercio, que em dezembro
proximo vindouro, nnda-se 0 triennio das nomea
cdes dos aviliadores commerciaes, e que os pre-
teadentes a dito cargo devem quanto antes babi-
litarse perante 0 mesmo tribunal, 0 qual breve-
4a tfeguezia 4e N
3. da Grag.., teem do ser arreraaUlos os alu^aet-
da cisa b va. -na a Baixa-Vor I.-, na i.iponga, con.
.< jauell.is de freute c porlio, e porta 11 o.u sala.
5 quartos e cozinha, avaliada em 16 (-i-o mensa,
por execugio de Jose Maria ft d Silva eoa-
I, Ira Senho.iuUa Cesar da Out Medeiros; cqja
mente effectuara as nomeagdes dos avahadores qne I praga tem logar no dia 9 ii e rreute, as 4 tttv
teem de servir de 1875 a 1877, em cumpriraenio'da torde.
Escola normal do aexo femi-
nino
Exaaaea.
Do ordem shporior scienudco a todos os inter -
sados, que a congregate de.-ta escola, era
ultima se>sao, resoJveu que os exa ues do e 8*
annos eomegassem no dia 10 do corrente, p-laj -
horas (em ponto) da tarde, em turmas de 10 aiun -
nas por dia, e nas me*mas sains oiide fiinc^iooa'v
as respectivas anlas. As cenhoras alumnae o-
ambos os annos, que preteoderem ser exam n-d.'
deverio aprese tar os seas requxrimeut is ao Ii
Sr. Dr uiyuipo Marques da Sdva, aciual director
aid o dia 9 do mesmo mez. obIm -im soealiS- .
aqaelias senhoras alumnas do f* anno ^ue mraro
e-oeradas era alguma das Cideiras d> I*. qaa de-
verio primeirainentc apresrnur-e iiabhud>
nestas, pira odVrem ser admnddas as provas oV-
seu respect 1 v. > anno.
Secretaria da scola normal do senboras, 3
novembro de 1874.0 seer Urio.
__________________Joao L. I) tn-i as Camara.
Peraule o Sr. juiz de p>z
1
SANTA CASA DA MlSERlCOKDlA DO
RECIFE.
A lilma. junta adminisirauva da Santa Cam da
Misericordia do Recife, manda fazer publico qo
m.salade soas sessobs,o dia 5 de n>.veinbro, p-
las 3 horas da tarde, tarn de ser arrematada; a
Tuem mais vantagens orferecer, pelo tempo de ua
a tree annos, as rendas dos predios em seg^-.-
declarados.
ESTABELECIMENTO DE C.4BIDADB.
Rua das Calcadas
Idem n. 36........3SI*ora>
Vidal de Negreiros.
Caaaterrean. Hi......362*0.*
Idem n. 94.........30i*0(
Rua larga do Rosario.
! andar e ioja n 24 A. .
1'andar a. 24 A.......
I* andar n. 24 A. ...
Rua de Antonio Ileariqucs.
'asa terrea n. 26......
Largo da Campina.
Idem n 11 (fechada)......
Rua do Coronel Soassuna
! andar do s brado numero 94 .
PATHJMON10 DOSOKPUAOS.
Rna da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. ,
Beeco das Boias.
Ca^a terrea n. 18.......421 *0>*'
Rua da La pa.
lasa terrea n. 11.......
Rua do Amorim.
Sobr.do de 2 andares n. 23 .
Casa terrea n. 34......
Ruar do Bugos.
Cam terrea n. 21.......
Rua do Vigario.
2* andar do sobrado n. 27 .
! andar do mesmo......
Loja do mesmo.......
Flu a do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13(fechada).
Rua da Senzalla velha
'd?m n. 16.......
Rua da Gala.
Casa terrea n. So .
,|Jem n- 29....., tMJiw
Rua da Crnz.
Sobrado de 2 andares n. 12 (fechada). 800*000
Wema.1*..... 6004000
Rua de S. Jcrge
^asa tcirea a. 100 (foci ada) .
Idem n. 103 ...
Rua !; Ampare )01inda)
Casa tercean. IS ;fechada). 24O*0(K>
Os pr6ter denies deverao apresenlar no acto da
irremat is stias liincas, oa comparecerem
a>i.ipaii J^3 respcaivos fiadores, devend 1
DJcar ale renda, 0 preraio da qaantia m
iue ror ses. 0 preaio que contiver esiabelec--
mento com \1, assim como 0 servigo da !:trj-
peza e preco apparelhoa.
Secretaria nta Casa daJMisencordia d,. ?
:ife, 17 de sslemt,ro de 1874.
0 escrivao,
fidr.t Rn.lriquri He _*.______
Di ordem i j Illm. Sr inspector da th>--
raria de faztorla Ssla prcvineia te declara qoe en
sessao da jiu. 1 A I! em vembro proximo futr.-
ro iia novam nte a praca 0 arrendamento do pr -
prio nacional Barracao-qne servio de qnar'.o"
de eavaliaria, em Santo Amaro das Salinas, prf
ferindo-.se a qcem mats vantagens offereccr a fa
zenda : os pretendentes que precisarem, de alg'i
mas explicates, dirqam se a esta reparticio.
S-cre.anaoa '.nesouiaria de fazenda de Perna'^-
Duco, 27 A*, oatnbro de l74.
Jucundi mo Rndngues de Oiiveira,
Secretario da jonta.
rtiuniaz de Aquiui Fonceia & t
Snccessores
taceata oor todos isvaoeMB, Hfeaa as wmtom
praras :
Lisboa. Regoa.
Porto. Cnaves.
-Brana Villa Flor.
Vianna Mirandella.
Viscu. Ahjo.
Guarda. Favaios.
'xiimbra. Bragann
Guimarv Lamegc*
Rio de Janeiro.
Na rua do Vigari.) n. 19.



II
-
?
)
. ."Z.N a irmaadj.de da* almas da natrit do Corpo Santo,
am vinude de sea eorapromlo, distribue pek
poaVN is esm >lu que tem de costume dar depois
do offloio geral.
Recife, 6 de noverabro de 187V.
escrivio,
J. (I H' Han la Albuquerque.
4! ^jRUE16s 5iJ PEfa:
Jimo de i*ftrhamoiac Sabbado 7 de Novembro ae lf%
HAatBUCO, 7
THEATRO
IK
DB .TOVEMBRO EE I87i
Mnlaa a sxsedir-se
Pjws vapres naaooae* Parand e Goaci/ws
awrtMM, e-ta admiaistracao ex >ede maias para os
Prtoe do anl, inclusive os de Aracaju e Penedo,
Recebem-se jornaea, impressos de quakraer na
toreta, e eartas a registrar, art t hora da urde.
eartas ordinarias ale 2 horns, e estas ate 2 ir?
pagando porte duplo. '
As eartas e jornaea qua 3e dirigirem ao Rio da
Pirata^pagarao premmente, aqueTlas a taxa de
300 rs por 15 mrnmas ou fraccao de 15 gram-
2K ** a w ft- P 40 grammas ou.ral
AJtS?W aM Prowao estabelecida
Domingo 8 d i corrente
Grande espectaculn do muito apparatoso drama
I prolog.* e 4 actos :
Cabo Simao
Terminara o espeetaculo com ama graciosa co
media, a qnal sera anuaociada pelo cartaz.
Va ft horas .In tarde
- rfc nI^^C,on*, ftP. MUadministra-
Mornrd, Aracaty, &,*. Acaraeti, Gran'a e Amar-
racao, ao Puuhy, hoje 7.
Recebem-se jornaes, impresao- de qaalquer na
!-^tt, e.S*rta*. re?'*'w, ate 2 boras da urde
eartas ordmarias att3 horas, e estas ate 3 111
com porte daplo.
0 admmistrador,
Affmso do Rego arros.
TUBIM
MIA MIIITHH
EM
S.JisGRna do Aleerim.
Espeetaculo em benefkio do actor
ValerUno.
Sabbado 7 do corrente.
Sobira a scena o drama na S aeBoa
oil
O talisman de minha mat.
Em aef *a a scena eomica :
<*urnt*o \nl<, Hrailrira
desempenbada p*u> Denefkiado.
Terminara o eapectacuto eom a comedia em I
aoto :
aMa quern pode.
A M. Himcipiara as 8 ti2 horas
O resto de aguns bilhetes acham-se a venda
na escnptono do theaBro.
0 beoefinado desde i> se torna somraawente
(;rato aos jpbs araigos e eom especialidade ao il-
astrado pubft'eo.
THEATRO
Santo Antonio
Familia Keller.
Sspeclarulu em granle gala
ena re$ sijo a visit a da
Exm. Sr. cnn>elhHiro ministro do imperio
i su pmvincia natal
Joao Alfredo Correia d'Olivelra,
Sabba Hoorado com a presenca de
S. Kxe. o 53r. mialstro
e de
*. Exc. o Sr. presidente da prevlncia.
Programma.
i-.* perte.
Dara principio ao nspetitaeolo cm o grandioso
qaadn, cant--do pela coinpaohia :
i 'hria do lira*.. < u o hvmnu
nicinnal.
2.' parte.
Os sftte i|ii;nlrs d i l*ai\a.
Harmonrc-mente arompaobados por cantos sa-
cros dirigido pela di-iiucio maestro Rosas.
I i'[iu-!ii,'i da Pilato* (Rauhael).
2.* Catoiatio do G.lg alia (Kubens), conhecido
pelo nom d-5 Pafmu da Cecilia.
3. Cht-gala ao ijiuta Calvano (Rubens).
i. A eleagan (Rubens).
5.aOultKiin .'u pir.i (Ruten.-,1
6. O dfMUMDtj (Rubaiis).
7. A resurreicao (Itaphael)
3.a parte.
0 grandioso qu*Jro naeional, com um prolo-
go, denuuiinado :
4 esc la de Aihenas moderna.
composto por Keller e dedieado a S. Exc. o Sr
mini>tro do imperia, em memona do dia 7 de
Marco de 1872.
Os precos .-a j os ordioarios da casa.
Os caroarotes estao a disposicio do respeitavel
publico, na ma de Santa Label n. 9.
THEATRO
SANTO ANTONIO.
C0MPANH1A ITALIAN*
HOJE
Sabbado 7 do corrente
l itlma recHa de dtpedlda e dec!
ma de nsstguulura
BEVEPiao
do artita e empreiariu
4VISDS MARITIMOS
'at'illc Steam Navigation Gooipasy
ROYAL MAIL STEAMER
IBERIA
Espera-se da Eoropa ate o
dia 8 de novembro e seguira
6ira Babia, R,o de J..neiro,
lootevi'leo, Buenos Ayrei,
Vaiparaizo, Arica, Islay e Cal-
lao, para unde recebe>a pat-
tageiroa, encommendas e dinheiro a frete.
N. B. Nio sahira antes das ires horas da
tarde do dia da sna chegada
AGENTES
Wllsn Rowe C.
liPRAi^i DO COMMERaO~l
COMPANUIA PERKAMBLCANA
DB
N*V*gmQmm cotelra a vapor.
aBUHTBA, NATAL, HACAO, MOSSORO', AKAO-
TT, CF.ARA, ACARACU'.GRANJA E AMARRAgiO
NO PIAUUY.
0 vapor Pirapama, com nun
dante Silva, seguira pan os
portos acima no dia 7 de
novembro as 5 boras da tarde.
Recebe carga ate o dia 6, en
commenda*, passageiros e di-
obeiro a frete ate as 3 horas da Urde do dia da
escriptorio no Forte dn llattos n. 12.
Uma cm term na rua da Imperatrix b. 60, e
16 meia aguas na rut do Camario n. 9, em
chios forelros.
Um grande slUo na rua 4* Riachuelo, ootr"ora
torredor do Biip, 0 61, em chao proprios, com
grande casa de sobrado e muitas accommodacBe*
para grande familia.
Hoje
km It horas
No escriptorio do agente Pinto, rua do Bom Jesus
. a 63.
Os admmistradores da massa fallida de Pereira
ae Mollo A I, levario novamente a leilao de con-
rormidade com o alma de hcenea do lilm. Sr.
Dr. )uii de direito especial do commercio, e por
intervencao do agente Pinto, os predios acima
mencionados, os quaes sorao vendid^s oara pa-
gamento das hypothecas, as it horas d dia acima
dito, no escriptorio do referido agente, rua do Bom
Jesus n 43, esperando eoncluir a venda dos rele-
ndos predios no lei la- d'aquelle dia.
dd
DA
casa terrea da rna das Nymphas n. 16. ediflcada
?? JiH* pro*""io,> c"n *8 palmos de freote e
* de fundo, com travejameuto para sotao, ja-
. nella e porta para o oitab.
Sete meia-aguas em terreao proprio, no fundo da
casa acima, com 16 palmos de frente e 18 de
fundo cada uma, porta e janella de frente. com
uma cacimba em frente das mesmas, sendo que
estas meia-aguas rendem lOgooo mensaes cada
uma, e Mm terreao no fundo.
Hoje
ao irieio dia
Por intorvenrao do agente pinto
RUA DO BOM JESUS N. 43.
Por oecasiao do leilao ^e outros predios que vao
ser vendidos a reque iroeat. dos adminislradores
da massa fallida de Pereira de Meilo 4 C, por an-
tonsa;ao do juii especial do commercio.
40, entre as doas ponies
. ASABEK:
1* sala na frente.
uma magniflea mobilia de jacaranda, a Lair XV,
com sofa, 2 consolos com espelhos nas almofadas,
eadeiras de braco* e It de guarnieio, & casti-
caes e mangas de flno crystal, 2 jarros e I tapete.
2* sala na irente
Um piano. I sofa, 2 console*, com pedras, i ea
deirasde bragos e 12 deguarnicao, tudo de jaca-
randa, 6 eadeiras avnlsai, casticaes e mangas, 2
jarros, 1 cadeira de balauco e 1 tapete.
3* sala de delraz
-J5? mesa e,astic*. gaarda-louca, 2 aparado-
res de armario, 1 guarda coraida, 12 eadeiras de
guarmcao, 4 garrafas de cry.-ul e oulros objectos.
1 quarto toilleite
hida
Rio de Janeiro.
LEILAO
DE
Hrlgue a.
Sahira com brevidade :
rua do Vigario n. 7.
Paulo
para carga trata-se na
Com a magnitica (ome-lia em 5 teles, em ve-
qo mastelliano e em dialeeto veneziano de R.
CardelvAecbio :
A criaila aslueiosa
O velho enamorado
E, a pedido, o seguodo aeto do grande drama :
Os d us sargeolus.
N. B. O faeneOcio *5 sem reparto.
Todos os concurrents terio direito a um argu
mento em 3 idtumos- da peea.
Depois do eepectaeaio havera trem para Api-
pucos.
A's 8 boras.
((MIPAMIIA
^ESSAGERIES MARITIMES.
I.inha men sal
Rio (iraHde
Espera-se da Eu-
ropa ate 0 .dia 7 do
corrente, s e g u i n do
depois da demora de
costume para Bue-
nos-Ayres, tocando na
Bahia, Rio de Janeiro r Montevideo.
Para encorameDdas, passagens e fre:es, trata-se
com
OS AGENTES
Harismendy A Labille
9 Rua do Commercio 9
I.inha mensal
(.irViide
E'.esperado dos por-
tos do sul no dia 11
do corrente, segnindo
depois da demora do
costume para Bor-
deaux, tocando em
Dakar (Goree) e Li>bda.
Para fretes, encommendas e passageiros : a tra-
tar com
OS AGENTES
Harismendy A Labille.
9 Rua do Commercio 9
COMP4-VHI4 BRASIbLKIHA
DE
\AVLUA^AUA VAPOR
Portos do norte
um bote com rnastros, velas e remos
Hoje
A's 11 horas damanha
Em 0 trapiche em frente & guarda-moria da
alfandega.
0 agente Dias, com pete ntemente autorisado pe-
lo Sr. i. G Siege capitao do patacho allemao Elm,
ultimamente incentiado em alto mar, em sua via-
gem de Londre- para 0 Cab. de Boa Esperanca,
com a respeetiva licenca do Illm. Sr. inspector da
dlfandega, e em presenca do Illm. Sr. consul da
Allemanha, levara a leillo, no dia e hora acima
indicados, 0 mencionado bote, salvado do referido
mcendio.
Uma cama franceeia de Jacaranda, 1 con-olo
com pedra. 2 casUcaes com pingantes, 2 magmli-
caa eadeiras espreguicadeiras, de jacaranda, 2
guarda vestidos de dito, (de Berlim), i riea toi
i?IIeJBet0,.t0 grande, com lampo de pedra e anna-
no em baixo, 1 lavalono bonito, tambem de ber-
lim, j jarros, porce!*na para lavatorio e enfeites.
V quarto
uma cama para solteiro, l consolo com pedra,
1 poltrona estufada, 1 espelho oval, I pellet de on-
ca, I baoqumha oval e 1 bidet
3* quarto
Uma seeretaria, commoda de jacaranda, com se-
gredo, obra do Portu, 1 esunte de dito, 1 iindo
guarda roupa de dito e 1 marquezao.
Andar terreo -
Uma mobilia de jacaranda, completa, 1 seweta-
na e esUote envidracada, de amartllo, 1 esUnte
de prateieirw, tambem envidracada, l carqueza,
12 eadeiras, 3 ditas de balanco. 1 mesa meia lua
com pedra^ 2 la petes 1 maqaina de liupar facas;
2 mesas, 2 easticaes, 1 banheiro e muitos ontros
objectos.
Tudo em bom e perfeito estado.
Ter?a-reira ill da corrente
POR INTERVENgAO DO AGENTE PINTO
No sobrado grande da rua-de Paysandu n. 40,
entre as duas ponies da Passagem da MagJalena.
0 leilao principiara as 10 l|2 horas em ponto.
Os conenrrentes ao leilao enconirarao nm trans-
pose facil e cororaodo, visto qae os bonds passam
em frente da referida casa de quarto em quarto de
bora.
EM TF.MPO
Os referidos moveis torn m-se recommendados
por serera bom, modernos, masslcos e em optimo
estado de conservacto.
PARA EWJ0U4I
Precisase de uma ama,
forra cu captiva, preferindo
se desta ultima condicao, que
saiba engommar e para ou-
tros misteres de casa de pe-
quena familia; d rua do Ca-
pibaribe n. 40
CASA DO OURO
2. andar.
A'oga-se o segundo andar a rua do Padre Flo
rianno : a tratar na roa larga do Rosario n. 22.
-; Alaga se dous banbeiros de pedra e cat, oa
Praia de S. Fraooisco : a tratar Da raa Duquc
d eCaxias n. 91. ___________
mam nmmxi
Rua da Roda n. 48, sobrado.
Prime ras lettras, portuguez, francez, iu-
glez, desenbo linear e musica.
Sb a direccSo dn professor Herminio
Rodrigues deSiquiirafuncciouam ditas au-
laa todos os dias uteis.
Recebe alumnos internos, meio pensio-
uistas e externos ; f .rnece todo o material
para escripta e livros aos principiantes, pur
precos muito razuaveis. .
- De 27 para 28 de outubro Ondo evadio-se o
escraro Asterio, de 26 annos de idade, pouco ma-s
LEILAO
Contsnandante Carlos Gomes
E' esperado dos portoi-
do sul.inclvsive o da Vic-
toria at6 o dia 7 do cor-
rente e seguira para
os do none depnj3 da
demora do costume.
Para carga, enexxnmeadas, valores e pasagens.
'.rata-se no e3crii>torio
7RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
_________________Apenles___________________
F.ira (i Hi i dp J iiiciro
segue ne?tes poucis dias o patacho brasiieiro Ri-
val ; sobre o pequeon resto de carga que Ihe lalta
trata-se no escriptorio de Balthar, Oliveira & C,
a raa do Vigario n I, 1 anW.
PIKAII PllKI'll.
0 brigue portaguez Triumpho, pretende seguii
.am maita brevidade : para carga e passageiros
rata-se com os consignatanos Thomaz de Aquino
"onceca & C socees>ores, rua do Vieario n. 19
Para o JPara.
Prptende segoir com muita brevidade o pallia-
bote Joven Arthur, tern parte da seu carregamen-
to engajado, para o resto que In* falta irata se
com o seu con-ignauri i Antonio Luiz de Oliveira
\zevedo, a rna do B'>m Jesus n. '87.______
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
NavegaeSo ce teira a vapor.
MAMANGUAPE.
0 vapor Cuniripe,
commandante Aantos,
seguira para o por-
to acima no dia 9
do corrente mez, as 5
boras da tarde.
Recebe carga ate as dez horas do dia, encom
nendas, dinheiro a frete e passagens ate as 2 bo-
ras da tarde do dia da sahidi : tscriptorio
ao Porta do Matte* n. 12.
Para Lisboa
Seguira com brevidade obri.ue portuguez Bella
Figueirenu, capita Hilario Rodrigues : para car
ga e passageiros, trata-se com ERR bello & C,
rua do Comme>cio n. 17, entrada pelo largo do
Peluurinho.
D')
sobrado de 2 andares e solan, ds travessa do Car-
mo n. 16, edificado em chaos pr prios.
A' 1 bora da tarde.
HOJE
Por intervencao do agente Piuto
No escriptorio da rua do Bom Jesus n. 63.
Por oecasiao do leilao de razendas hmpas e ava
tdaa que de^e alii ter ingar.
Leilao
DAS
dividas da massa fallida de Bento da Silva 4 C
sendo perca de 13:186*900 em lettras veocida'
cercade 43:162*168 era coou corrente dn H
vros, o tres siuo^ -m Papacaca, serviodo de base
a oilerta de I8000ii.
a 1 hora da tarde
No escriptorio da rua do Bom Jesus n. 63.
0 agente Pinto, autorisado pelos admirji>traaore>
da massa fallida d Bento da S.lva ^ C, levara a
leilao, nao so as dividas, corao os lies sitios oue
faaem pane da referida massa, sendo qce a venda
dos sitios c delmiiiva.
Os pretendeutes das dividas poderio desde ja
examinar o .mvutario pxisteote era o escriptorio
do refendi agenie, rua do Bom. lean*^ Jk* -~~
LEILAO
has
dividas na importancia de 5:34iQii.'>, per-
tenceDtes ao esp.d.io de Paulino Onofre
Hones
No sobrado da rua do Marques de OlinJa n 37,
primeiro and r.
Em enntiuua^ao a leilao de predios.
0 agente Dias, competente ente autorisado pe-
la comrainao !i tuidataria do espoiio de Paulino
Un-ifr.- Nunes, levara a leilao a.-> men ionadas di
vidas.
0 inventario e documentos aeham-se empoder
do referido agente, aonde podem desde ja ser exa-
mraados.
Leilao
D4.
arma^ao, moveis, fazendas e perten^as da
loja de miud>-zas da rua da Iinpuratriz n. 8tf
Massa fallida de lose Bernardo da Mutta
SEGUNDA-FEIRA 9 DO CORRENTE
0 agente Martin- levara novamente a leilao, por
mandado do Illm. Sr. Dr. juiz especial do com
mercio, a armacao, fazendas, miudezas e moveis,
pertencentesa massa fallida deJse Bernardo da
Motta, na loja da ma da Imperatriz n. 86.
A'a 11 hoaa do dia acima
LEILAO
DO
sohrado de 2 andares e sot3o editlcado em
solo proprio, em a rua do Fngo n. 18
SECUNDA FEIRA 9 DO CORRENTE
Em o I.* andar do sobrado da rua do Marquerl
leOlrada n. -7.
Em coDtinua^ao ao leilao de predios.
0 apente Dias, competentemento autorisado,
levara a teilao h menci.-nado sobrado de 2 anda-
re* e sotao. em a rna do Kogo n. 18, o qual rende
aonnalmente 1:300000
Paraqualquer informa{ao a rua do Marquez de
Olioda n 37, primei a andar, escriptorio do
agente.
Thealro Escola Dramatica
Em S. Jos6-ma do Alecrim
Lin io e variado espeetaculo
Domingo 8 do corrente, as 7 horas da
noite.
Dividido em 7 panes.
1.* A scena dramatica Cerrafao no mar.
2.* Aria eomica, iolitaMda P' mada.
3.* A s-'-ena camiea Any* music I.
4.' aria omica Mtu ydq6 voce me miUi.
5 0 matuto aparvalludi pelo ariisia Fla-
viano C elho.
6' A comtdia em 1 *- to Mania quern p6de.
7.' e nlhma pane a lioda pontoanma A
vitilo do diabo.
Os bilheves acban) se a venda op escriptorio do
theatro
Bha de S. Miguel
*egue com brevidade para S. Miguel o palha-
bote portuguez JVoco 8. Low-erica, para onde rece
be carga e passageiros : trata se eom ? fonsig
naUrios Thomaz de Aquino Fonceca & C. Succe*
jores, raa do Vigario n. 19, 1' andar'
Libra esterliuas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Com mercio n. 42.
LEILOES.
LEILAO
m
predios
A saber:
Um sobrado de 3 sodarns. edificado em chaos
propnos. na rua do bom Jeius a. 63.
Um dito na mema rna n. 61, edificado em chaos
propnos.
XjB
DA
parte da casa da rua de Santa Rita n. 33,
avaliada e.n 4:0009000, 7959U62, e da
mi'tudo da casa na ru do Amparu n. 5,
em Olinda,'avaliada por 6009, 3009000
SEGUNDA-FEIRA 9 DO CORRENTE
A'* I I hor,is a iiiMnha
Em o* andar do sobrado da rua do Marquez
de Olinda n. 37.
0 agente Dia*. competentei ente autorisado pe-
lo Exm Sr. desembargador juiz de orpbaos, levara
a leilao, no dia e hora acima indicados, a parte da
easa da rua de Santa Rita n. 33, freguezia de S
Jo.-e coniendo i portt* e I janella de frente, 2 sa-
las, 4 quartos, I saleta junto a cozinha, quintal
murado, com cacimba propria, e a meUde da ca
sa la rua do Amparo n. 8, em Olinda, com 3 por-
tas de frente, 36 palmos de largura ^e 76 de faa-
do, com quintal, sendo que esta pi eeisa de algous
reparos.
Grande e impo.tante
leilao
DE
moveis, louca e vidros
Tcr^a-feira IO do ecrrente
No 2.- andar da rua da Senall a, Velha n.
1141.
as tt haras eaa pon to.
O preposto do agente PesUna, competentemente
autorisado por uma familia que se retira para o
Rio de Janeiro, fara leilao dos bons moveis abaixo
declarados:
Sala da frente.
Uma riea mobilia de jacaranda com tampos de
pedra e com muito puueo aso, e do ultimo gosto,
I tapete, 4 espelhos, 6 quadros a oleo, 2 pares de
lanteroas, 2 pares de jarros, 3 bustos de pedra, o
cestas para flores, 1 candieiro a gaz e 2 escarra
aaraa.
1. quarto.
Uma cam* de jacaranda, 1 bidet, 1 toilette, I
guarda-vestidos e 1 cabide.
2." quarto.
Uma marqueza, 1 commoda, 1 sautuario, 1 ca-
bide e 1 tianquinha,
3. quarto.
Uma estante para livros, 1 cabide, I commoda
1 mesa de amarello, 1 leitopara criaoca 9 1 mar.
queza.
4. quarto.
Uma cama para solteiro, 1 guarda-vestidos com
gaveta, 1 par de consolos e I mesa radonda.
Sala de jantar.
Um sofa, 2 eadeiras de'amarello, 1 par de apa-
radores, I quartinheira, I espregnicade-- -jr
sa para jatrtar, t nco pparelho *r r-r iantar, 2
fl-iir,- uc'^unniutMi. wiAijuiua de coslura, uova,
de Singer, 3 riuzias de coys para agua, 3 ditas de
calices, e muitos outros objectos, que por se tor-
narenladooho nao se annnnna.
I'erca-feira tO do corrente
No seguudo andar da ru* da Senzalla Ve-
lha n. 110.
as it hras ens ponto
AO CORRER DO MARTELLO
Importante
LEILAO -
DE
Um grande sitlo junto a povoacao de Duarte
Coeloo em Olinda, com um grande sobrado e sotao
para moradia de grande fainilu, com as seguintes
cumraodidades : pavimeoto terreo, 5 salas forradas
e bem preparad dente, t.' andar 6 salas forradas. 1 copiar, sotao,
2 salas e 6 quartos, 1 quarteirao de 5 casas em se-
uuida, 3 gallmheiros de pedra e cal, gradeados,
casa, senzalla e gallmheiros circulados com calca-
da 1 grande cocheira de pedra e cal, 1 estribaria
para 6 cavallos, a vootade, 2 casas para hospeiles,
teado uma deltas 1 terraeo com cararaaU'hao de
ferro, 2 banheiros de pedra e cal, 3 cactsnbas e 8
vivoiros, 2 ditos priocipiados, I pomar de mil la-
raageiras, 1 dilo de 600 coqneiros, 1 grande par-
reiral de uvas de boa qualidad9, e muitas outras
ariedadesde arvores fructiferas, I boa horu com
todas as qualidadesde horlalice, grandes baixas pa-
ra capim, I gpande jardim qae corajrehende todo
o-sitio, com flors eseolhidas senBo nacionaes e es*
trangeiras, 2 lindos caramancboes 1e ferro, uma
caixa d'agua e repneho.
Orefendo sitio e dividido por 3 estradas e 1 rio,
tendo sahidas com portdes de ferro para as ditas
estradas, 1 po to de desembarque e embarque no
centro do sitio, terreao proprio; a final e s.tto pa-
ra um familia Wver independente, so com o pro
ducto das fructas, lores, bortalices e capim que
vegeta este sitio, e gosar do bom viver que offere
ce a natnreza.
TEfiCA-FEIRA, 10 DO CORRENTE
8 II h -rasda minha
No escriptorio da rua do Bum Jesus n. 53,
1." andar.
0 agente Pinho Borges. bastaote autorisado, vea
dera o referido sitio, por conta e risco de quem
penencer.
Os Srs. pretendentes podem desde ja examina-
Io, e qaalquer esclarecimento o mesmo agente po-
dedar a quera interpellar relativameote para isso.
Novoe
Ultimo leilao
DE
um grande sitio com casa de v venda, tendo 2 sa-
las forradas, I gabinete forrado, 4 quartos, co-
zinha, toda a casa envidracada, gnmde terreao,
cacimba e muitas arvores frurbferas, junto a es
tacao do Saluadinho, em Olinda.
TERQA FEIRA 10 DO CORRNETE
as tl 1| horas
No escriptorio, a rua do Bom Jesus n. 53,
primeiro ano"ar.
0 agen e Pinho Borges vendera o referido sitio
em leilao, por conta e risco de quem pert-ncer
Os Srs. pretendentes podem desde ji examina
lo, qualquer esclarecimenta, com o mesmo agente.
on menos, esutura pouco menos da regular, cor
fula, chelo do corpo, beicos grossos, falla branda.
6sapateiro e tambem destila aguardenie: sOMde-
se ter ido pra o Recife p r ter ahi mai e ser tam-
bem ahi comprado : quem o apprehender e leva lo
aos Srs. R idrigues Almeida 4 C, no Reciic, rua
estreita do Rosario a- voltar para o pateo do Car-
mo u 47, ou ooengenho Bom Jardim, na cidaoe
da Escada, a sea senhor J .se Hermillo Cavalcante
Lins. sera generosamente gratificado.
aSADAFORHA.
AOS 4:000)1000.
BILHETES GARANTIDOS.
A rua Primnro de Marpo (oulr'ora rua c o
Cretpo) n. ts e casas do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos sens fe
liies bilhetes um meio n. 2699 com 4:000*000, um
meio n 843 com 700X000, ao iateiro n. 2922 com
100000, e outras sortes de 40* e 20* da lo
teria que se acabou de extrahir (123*), convida
aos possuidores avirem receber na conformi-
dade do costume sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garautido-
da 6' pane das lotenas a baaaflrtn das obraa
do altar da irraandade do Senhor dos Passos (124*1,
que se extrahira na qninta feira, 12 do corren-
te mez.
PRECOS,
Bilhete inteiro 4*000
Meio Lilliete 2*IKM)
Km iioi vao de loos para oiuia
Bnueie inieiro 3*500
Ueio bilbete 1*730
_____________Manoel Martins Fiuza.
- Na cidade da Escada, rua do Barm, vende-sj
uma casa de pedra e cal, oilSsa e frente deondos,
em caixio, teodo 3o palmos de frente e '..itenta de
fundos, grande quiclal ate a gruU : a traur na
rua do Commercio n 8.
Aiieiii'a.i a iiuiilico
A confeitaria das Ki.ires, rua do Bom Jesus u.
II, fazscieouao rwpeilavel publico pemambuoa
no, ijue vein de hmoaar a seu estab-lecimento i.m
yXSt&S&MHiNk. ?ouaVarfta-r.-rtjo?, TS I
com<> ovos quimbos conf>-itados, pastel de data, dl
to folhado, empadas decarne, dit.s de eamarSn,
fructas era cal la e eryatalaada- para embarcartp ra
fora da cidade, geleas aniiiiaus e v^getaes. Rece
be se encommendas Bantu oara ca-amento, com
para baptiaado, tudo coin pmmptidno e aceio.
Ahiga-se
o sitio da estrada dos Afflicto* n. 30, caiado e pin-
tado de lovo, tem dua? grandes sabs, 7 quartos,
(abinete, cozinba, tanque para banho, cacimb.i,
etc. etc., junto a priineira estacSo oa estra >a do-
Afflictus e perto dos b->nds dt- Ferna ides Vieira :
trata se na rua do Apollo n. 30, armazera de a?
sucar.
Bilhetes garantidos
Rua do Hardo da Victoria jaaJr'ara Nov j
n. 30, e casa do costunu
0 abaixo assignado acaba de vender n> tea-
uuito felizes bilhetes a sorte de *00*tiOQ en
me; > Lilhi-ie de n. 8)3, alem de outras sorw* me-
n ,r.-.s de 40*000 e 20*000 da loteria que aca
bou de extrahir (133*} ; convida acs pomiiitmu
a virem receber, que proinpBamente seric p.tfo*.
0 uicav.o abaixo as: ignado convida ao resptia-
; 'el imblicu para vir ao sen eslabelecimaoio w,r -
prar us maito felizes bilhetes.qno nao deixario A*
drar qualquer i-remki, como prova pelo* mo-ax
annuncioj
Acham-sf a venda oi> muito felizes biiamrai ga-
"anudoe da (j- pane da Intena a baaalaa i -
obras do altar da irmaudado do Senhor doa Pa>
qne se extrahira dj du ^uinta f-ira, IS do wr
rente mez.
I'rev
taeiro 4*O0O
Meio i*ooo
Oe lOOTOOO para rim-
Inteiro -i*A00
Meio |*7W
llociife. 1 de BHaaafera d ia74.
loan Joaouim Cost* Lent
Oiipeiro.
Precj^ se de nm n\ rua Novan. J3
IVrdeo-sc
na none do do Nm>, ao sahir lo bond jro!.
ao srrco de Santo Antonio, nm relopb de mw
para senbora, com corrente, tendo preso um ?, -
qnei.o-album-umbem de oaro eom emial:*
pret i : quem o tiver arhad aatajff entre gar r.
arsenal de gnena, -era recompensado.
Casa
Na Capunga, alnga-*e rasa n :>4. com *
quintal e Imns comra.Mls, a rua do Jacobiaa. on
rernambn.-ana : a chave para ver esta jam
casa n. 56. e para tratar M Recife, rua da f"a-
doia u. 3.
Perdeu-se
no dia 4 do corren e, do noder do abaixo assigt.-
do, da rua Duqne de Caxias aie a do Como trek.
uma letra sacada em \ de agosto proximo p* do da quantia de I SNojSiu, sendo sacadur J>I.'
Manoel R dngues, acei'a por o b nco inglez Bar}'
or Rio de Janeiro Lmiled, vencida hontem 4, tea-
do o sacadur firm do em data de hontem, dia de
(eu vencimenio, j.ara o abaixo assignado paar
reforma la pr ootra, e tendo o abaixo assi^nai
dado por ':ilt. da d!ta letra na occa>iao de faer i
transae^o n) dilo banco, skra aviauu ao >r p
gancr ; e como nioguem a pole reerber oa **.;
eiar, por mo ser o verdadeiro dono, pede a
quem aachu e queira festituir, leva la ama
Duque de Caxias n. 39, ou a praca da Coade d'Ea
n. 10, ou ao banco ran, qua -Ta recompeasadi.
Recife, 3 de noven bro de 1874
Jose de Souza Praz.
Aluga-se
os armazens ns. 63 e 60 na praca do chafarii em
Fora de Portas, um undo u-ve teuia do ferreiru
o fallecid E. Mabult 0 outro que esteve neea
pado com venda de molhados. para o que e cp
timo pela localidade e ser de esquina. ambu.- Iivre>
e desemhara^ados de impostos: a iratar coin o com
mendador Ta-so.
Jose Antonio Duininguea de
Figueiredo
para o fim de evitar incommodos ao? sen? fregnp
zes de virem tao longe comprar cigarros, re.-olveu
abrir um depo^ito no bairro de S nto Antonio, a
rua estreila do Rosario n 16, esquina da rua das
Lar-Dgeiras, ahi encontrarao os cunsuniidores de
todos os cigarros maoufacturados em .-ua fabrica,
tanto em grosso como a retalbo, pelos mes/nos
preQos da fahriea.
0 Sr. Joao Alves Teiieira, queira ajc
parecer no armazera deJ-se I'UHrte dns
Neves, para receber uma cur'a d- ^u pai.
Uma farailia hoin-nin miMing -se >ie
lavar, engommar e envabar para homcni
solteiro, ou casa de pequena familia, man-
dando a pessoa busur a cumida ; bem
como pode tambem incorobir-se no criar
uraaou duas crunr.-is : a Irntar na rua das
Trincheiras n. 7, casa terrea.
Casa de banbos
Era
OLINDA
Fancciona reguiarmente loan is dias, das 6
horas da manha as 9 da noite, no ediflcio da com-
panhia Santa rhereza, junto ao> Mi .igres.
Banho frio |sem toalha) fOO rs.
________Dito frio (com t alba) 30u rs.
Alug -se a ca-a
Suassuna, reedificada
numem 8.
n. 103 da rua du Coronel
; trata-se na raa Direita
StflSuSi^^HSOh
DE
bons moveis
Na Passagem da Magdalena
Sobrado de 6 jam-lias de frente da rua de Payaan-
Alifi-se
o segundo e tercelroandire do sobrado n. 3 da
rua da Penha, e- a casa terrea n. 34, a rua da
Ventnra, porto do Lapa : a enlender-se eom o
propneurio, no segund) andar da casa n. 41
da rua do Raagel. .
Q Precisase de um caixeiro com praticade pa
dana, na raa Imperial no 236. Na mesraa padaria
vende-se um cylindro inglez, em bom uso.
Alnga-se pur anno ou lesta o sobrado de dous
andares nosQuatro Canios, e.. Olinda, cum cm-
mudos para grande familia, agua enrauaiisada e
cano para despejo, muito fresca, perto do bauho e
das e>tac5es : a tratar na rua da Uuiao (ilba dos
Ratos) n. 33. detraz do Gymnasln.
- Alnga-se 2 casaS^Bunlo lre>c>,. ua i.-pu ya
com coinmodos para familia : a tratar no uiemu
gnar a rua das Crioula- n. 5.
Oasas
Aluga-ss uma ca.-a nova com bons commota*
para fan.ilia, com quintal ao lado, na >oledade.
rua dc Pmgresso ; af-ira como tamtiem se aloga
a casa do Camioho-Novu u. i3l. junto a MBacao
da via-ferrea : a tratar ua rua da Cadeia du Re-
cife a. 3.
Quem achou a l^lra per.lid veucida no dia
4 do correnie, do Banc Invlet do n, ,ie Jan-iro,
queira tratel a a rna Duque do .xias n 39. qae
recebera do" proprio d-no a qoaa.ia de 23*00''.
Precisase de um Uuwf casa de familia : a traiar na ro- de il na n IS,
on na rua Duqae de i'.obm i. >|i
Bons bai.hus e dorui-la fresca no I
teiro
Aiuga-se alii, por pre go commudo, uma casa k.-
jue.ua, quo tein 2 niaa 3 quartos, cozinha. tka
caciuba. e 6 perto d>rio : a tratar na rna Xov
loja n 7.
ALU&A-SE
uma preta forra on eapiiva, rohusta, acti'a, e h
bihtada a g\r-r Hfgocwi ni m>, cm tiboleiro :
tratar na rua da Cruz n 46, 3* andar.
\llftc;ia
0 abaixo .is-ignato rade perdido o nilheut o
209 loteria do Rio de Jaarfra de n. 2;f)8 pr
ne a qmm jinpetir da nai pigir. aaa -eja i r-
miado, a |0em quer que o apr^eata, e laa
psoa qoa della estiver de p tut tt man.la k m
iiegar ao nmmi abaixo as? aaade. -i m, n.....
J J. Maia
.008 k gralili^c8
Fngio no'dia 3 dejaoafa Jest'anno (1874)
e.-c avo Vicent pretti ful->, de -It annus d d
de, solteiro, natural da Parahvba do H rt ;!!
furnido do crpo o bem oiii, m-tu red l
bons deiites, barbadn, >awr*iaaj algmi>a> v.
zes sniss-, falla maii.-a, com uma ptqmna ric;
iriz nas coslns. s-lirenma das espajoas, pr-.
men'.e de am BaUm que dera eom o gav.a
un:a enraada. Dim e>crav. qoa foi v.ndido
dia 3 de oovembrudoaaaspmximo pa-.idi>, p-i
Sr. loA > Uitieiro ces-oa do Lo'-r la, n^n! r .j;:
foi no lermo de ilamiajaap1', Jaqoella pr \ir
cia, doude mudou-se para u BHUM oe Ijiuj>.-i-
depois para espratto tSeaiiapa, do term" c*
ulinda. e dahi para o easraatt Minas Noras, d
t'rino de Porto Catvi-, onde, second const.
iiennan-ceu ; foi vislu eom |oda ceiteza em aii '
desie meriTio anoa p>ito dc Raiianeirs", no baod
dos cigauos, dos quaes o rhen era um tal rap -
tao Pedro, n ui d-Dttrcid* nm todo- os seiio.-
desta provincia e das onliaa nsiaMMj ecomqu'i.
o dito es:ravo, jua:i j prrteasa ao dito La -i
da e aravaai no re'ffido lagaaa flaaaaa
entrttinha r>|af3ra o at-; Bmeavaa cavallos. tmt
coiistanti :hi nto i>ara is-o ao Laudo ia pieik- .-
I'U.i'j. que durante aipuns mezes do anno pa-
aado, esteve, comu ii salnd >, em Berras d>- in
genh.. Fragoso, doma>au let mode 01 nala, e pM
sousedepois para t>arirala terras do eng>-nl
Dfstprr.-, do teimo de lnuaris-u. pertr-nceuie .
Sr. teneoBe Aflttau Laa F'rreira da Cuoh
quem o prediki uera*o pmcuma para comprai
dous d as depois da .-ua auseacia daqui desta c
dade, desipj.ar. cendo entao dalli ate b< je.
E bem provavt-l que obredai escravoco
nde a andar no meio de tae cipanos, deven.
delle safer edar ct.nla o tal capitao Pedro
Quem o c piorar o o enmegar no k> andar d.
sobrado n. 34 oa rua das Cnues dest ddaaa t~
cetera a quanlia acima de 200*
CRIADO~
Para tratar de nm cav.llo 9 raais algum ajpag
en, precisa .-3 de um de 14 annos : nj Maata
nho, sitio n. 2, poi tao de fen 0
M SSA FAI.UDA DE AZEVKDO A C
Os abaixo as-ignado-, adminis'.radorea da ou fallida de A&vej.. 4 C-. rgam aas cred.ire d.
mesina queiram vir apresei.Ur setts credit-* a ru 1
du Marquez de Ulinda n. 36. aiim de proceder *.
a re>pectiva classiflcacao, drv^ndo apresenu If:
dentro de into dias, a conur desu data
Recife, 30 de outubn de 1874.
__________ a-nnard Hettler&c.



.


So quem tem do mais modernos e '
ha, arua Jo Duqne de Caxias n. 45
a Mage
A'*a ="? a easa n. 83, com bom sotio, n.
rua de S. Joao, <|Ue fat quina para 0 gazorortr
propria para taverna, por ser em boa loeabdaaV
jamais cm a ponte qne tem breve de aBrav-va-
a.a OiePir.3 ; o ponto 6 magmfi: e 0 alnguel ba
ratissimo : a tratar na rna d- Qoro n. 78.
Alaga-se a casa da ma da Palira n 43
muito fresca e com acconnnmla^S-s para familia
a moiidT-e com o Sr B-mardino ?ontni. 4
rua da M^dre de D- us n. 36.
Precisa-se d^ uma peas ia para boUr pape
na machina : c>Ba i>graphia.
0 ADVOGADO
Ernesto ii'Aiuino Fonceea.
Pateo do Pedro it, a.
2" .illll.ar
Aluga-se 0 2* andar I i>ra 01 u. 70, a rua Du-
que de Caxias : a traur na loja.
Aluira se ou vende-se.
n sitio da Mangaln'ira.eni O ind.<, tendo mni'..r. at
voredos le froct s e um s bra to com coim..4n
para grande f.,oolia e muito leireuo : a tratar as
rua do Boo. S crvss no Olmda, fi-m Mai* bac
Ous- de A'ajjo na fr^Koeia de N. S da Gi a,
rua da Ca|ninita n. 9, e<>iu 0 Mir-nia Gut-
marae-.______ ^^_^^__
Desufi.i
Co-rirtasa >av. Biu cm uaiira, no lugM da Ta
marineira, dumingo 8 de novemoro.


<6
Di*ik ite^anamw** **- Cuttwfiib.7 &> ISmnhni-^.liML
IMA*)*.
NSraiHTca se com a quantia suppra a quern ap-
^K*feead<:r o ui'Wo JsV, ce eor pret^, crioulo,
taefesrio d,--^wdc du.abajJ.o.a8igni,lo, sea de-
rssturio. P.'esnrrre se andar pefo uorte da Pa
arabyba, BMaoeiras, d*.cad e natural ; levou
cal^a e camisa escura, ehapeo de Manilha e umo
rie, allura regular, 40 anaos poueo mais ou
mooos de idade, rosto relondo e sem barba, tern
iiEi aiarca de ferida em uraa das peroas, o falla
4 gn; auem o apprehender leveo o, ou a rua do vis-
:onie de Gimnna n. 89, ou a rua Dlreita n. 71.
Jos6 Rodngues dos Santos.
Famalicdo:
A. negocio de ioteresse, precisa-se saber de
Jose" Francisco da Silva Quelhas, natural de Vil
(a-Nova de Famalieao, resiJente em Pernambu
co em l33 a 1834 : na rua do Imperador n. 75,
3.* andar.________________________
4ntn!.i de Azeveilo Villaroneo.
Pelo presente sao convidados os afilhados e afi
Hi .das do Antonio de Azevedo Villarouco, falle-
cido em Portugal no mez de outubro de 1873, a
apr?>entarem dentro do prazo de 60 dlas aeon
tar desta data, a certidao de sen nascimento, em
casa do abaiso assignado, testamenteiro instituido
pelo dilo fallecido, aflra de que 8ejam devidaraente
alleadido* na partilha a que tem de proceder-se
torn a precisa igualdade, de accordo com a d'spo-
sfcao testa mentaria. Recife, 10 de setembro de
13" 4. Man el Azovedo de Andrade._________
Catharina fagio.
Sa dia 28 de agosto proximo passado, ausen-
,i seasta escrava, a qual tem os signaes seguin-
tes : estatura baixa, rosto redondo, cdr preta, p6s
peqoeofw, costumava vender leite, anda sempre
com am cacete que lhe serve de arrimo por sof-
frer de rneomatismo, ja e idosa e de nacao Cam-
b;a*la : quem e encontrar, pegue-a e leve-a ao sitio
do Cafundo, estrada de Joao de Barros, que seia
gratiflcado. _________^^^
Aberto toda a noite, nus dias db> espteta-ji
culo da compauhia italinna.
0 testamenteiro e inventarisqle
da fallecida D. Maria Gomes Conti-
nho do Amaral, convida aos paren-
tes e inais pessoas do conbecimen-
to da mesma fallecida, para no dja
7 do corrente, as 7 he ras da ma-
nha, assistirem as missas resadas
no convento de N. S. do Carmo, por alma da
mesma, e nesta cccasiao disinbuira parte ou
tod s as esmolas designadas por ella, para os
pobres.
Tenente Jom- Maria Ferrelrn da
Cunlm lillio
A offlcialidade do batalBao de infantaria da
guarda nacional do municipio do Recife, sentindo
a morte de sen distincto companheiro o tenente
Jose" Maria Feneira da Cunha Filho, fallecido na
cidade de Caruaro, manda resar algumas missas
pela sua alma, e convida a Stus eollegas a amigos,
e a familia do me-mo tenente para assistirem is
missas que deverao celehrar-se no convento do
Carmo, as 7 horas da manha de 7 do corrente mez,
trigei-imo dia de sen passamento. _____
II HIiillUll WWII Hill'III Will """III" IMB
K'ancisco Elisiario da Silva Cavalcante
Francis -o Antonio da Silva Caval-
cante, sua consorts e Dlhos, agra-
decem cordialmente a todas as pes-
soas que acompanharam ao nltimo
jaz go os restos mortaes de seu
sempre lembrado filho e irmao ; e
de novo rrgam o caridoso obsequio
de assistirem a missa que mandam resar pelo
eterno repouso de sua alma, na igreja de N. S. da
Graca, as 7 boras da manba de segunda feira, 9 do
corrente mez, se'imo dia do sea passamento, pelo
que qVsde ja seconfessam summamenle gratos.
Poeo d.
!Ta?so.
Alngan-se
casas de campo, na Cruz das Almes e
Panella ; a tratar com o commendador
Moleque fugido
Forrunato, moleque de 13 a 11 annos de idade,
,. eto, baixo, cheio do corpo, rosto redondi, boni-
kn dent"s e cabelio cortado d> fresco ; ansentDU-
ae na tarde de 10 do corrente, com camisa de ma
ii cal a de brim de cor, desbotada, chape"o
4>; aassa nrelo, condazindo am serrote grand- e
.::,< amarra lo de trcs tabicaf, sobre o beico sape-
:r andava Qltimamente com umas fendiohos.
ijratiica- e a quern leva lo a raa da Aurora nu-
.Tj.tj IG-j.__________________________________
Aluga se o 2 andar e sotao do sobrado
da rua d<> Rangel n. 73, tcdo reconstriiido e
ft, c.nn bastantcs commodos, escada
i.'.!df:i'ii itnte do 1. andar, e bem assim o
quintal; stttAo n:uito fresco e com excel-
e vista para a nova prac,a do mercado :
ver as cbaves, estao ao estabelecimen-
to de nuilliados do mesmo predio, e para
:rstar na tli'-sour.iria das lotcrias com Anto-
to-aio J'-e Ilodrigues de Seuza [seu'pro-
tari.-.j_____________________________
f
Natravessa d^rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, (M-se
dinheko sobre pe-
! nhores <}e ourOj pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-^se os mes-
mo s metaesepedras.
HHaKH
miiA
a.trattar a ru* Nova q. 4%
foja.
Iprecisa. Re.4frn> ^TJ P-
A i*l /* a casa.de peque,na familia '.
^UPr-JT-JB. -^*- a txaUr no largo dp Paraizo
A'_ Precisa se de uma mulher para coai-
m<* nhar para casa do homem solteiro : a
ra do Dnque de Gaxias d. 75, Icja.
AmQ Aluga^a uma, apia nara todo serviQo
JXlli,a |j0 u,na casa de pouc^ fauiiaa : a rua
do Queimado n. 70, !. andar.
Sarua do Duque de Caxias n. 74, precisa-se de
duas araas. sendo tima para cozinhar e outra para
a^_ Precisa se de uma ama para cozrabar .
AIIIU a tratar na praca da lndependencia ns
87 e 29.
Preqisa se. de uraa' livre ou escra-
ATua va : 0a rua da Uniao n. 47.
i if \ Na rua da Madre de Dens- n. 3, botica
A HI-"- ingleza, precisa-se de nma ama para ser-
vico de cozinha._____________________
qo Arraial umV fejsl < riuo, 'pdr^Jeca commodo :
a tratar ao becco da, Ooia n. 14, siuo quatoi do
Zurrjba. ______
Alaga>s pelo tjmpo da'feta oma casa nfui-
tp frecae silio. uoptineipio da estrala da Tofre,
a margeoa dp rio, Rerto dos bonds: na- rua do
Marquez de Olinda i. 62.
Vr:NDAS.
uma oasa ap) viite d* Bureiroa, na i
mecoip^ pp* tacp mpdvo : a, tyalM
Ifmaos & C. _______________
K
ii
*. -i
Villa de Palinares

Na padaria denominada Maurity, uta na praga
deste nome, casa de azulejo, n. 2, desta villa, esta-
belecimento de Francisco Seraphico de Assu Vas-
con;elIos, fbrica-se com a roaior perfeicao, lim-
peza e barateza, pao, bolacba, e tudo qnanto se
pode obter da farinha da Irigo. 0 annunciante
protesta servjr com esmeroe agrado a todos quan-
tosquizerem honrar seu estabelecimento e e cons-
tituirem tregnezes e consumidorea._________
senptas
-so-' com habilitaiiiss, disp;cdo aicda
- i-r'ii tempo, se propoe a fazer algumas es
I -. on sejatn pbr partidas dobradas on sim-
. i i sejam por effectividade ou mesmo tempo
te. A muita pratica adquinda ncssc
. ante a perfeiQao de seu trabalho, e a
lui lade, sem davida, satisfara a qu^m lhe
-cus servicos : qurm precisar utilis.-.r-se
n pre.slimo, pode deixar D' ta na loja do Passo,
lo n nome e 'ngar para sor procurado.
Aluga so um bom sitio em Beberibe, com
casa proprla pa'a familia : a tratar na rna da Ca-
doia n. 36.______________________________
Aluga se o'seguudo an tar do jobrado da
rua Primeiro de Marco n. 14 : a tratar no an-
dar terreo, I'ja.________'______________
^F^gio no dia 11 de outubro proximo pas-
sado, o pscravo Jose, mulato, altura e corpo re.
gulafes, pernas arqueadas para f6ra, p6s ebatos,
falta de denies na frente, lvou camisas brancas
e de algodao de listra, calcas de caseraira e al-
gedae, chnpco preto de feliro. Este e.cravoja
foi pegado no engentio Carrapato, tcrmo de Rio
Formoso, e muito de presamir quo tomasse o
mesmo deslino. Roga se as autorid des policiaes
e eapitaes de campo. sua apprehsnsao, o leva-lo
a rua D. Maria Cesar, outr'ora Senzalla Nova,
n. 30, qua se traiillcara.___________^^____
Estja eneoura^ado !! !
Agun mole m peilra dura
Tan t it da ate ue a fur a.
Roga-se ao mm, Sr. Ignacio "Yiaira de .
sscrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Duque de Caxias u. 36, a con-
cluir aquelle negocio que S. S. se compromeuau a
realisar, pela terceira" ciajnad,!, degte jprnal, en
fins de dexembro de 187L deupjf nara jafleufo,
passou alfevereiro e abril 3e 187i,e naaa cumpno;
por este motivo e de novo obamadd para d
am, pois 8. S. se deve lembrar que este naffoei
ie mais de eito annos, e quando o Sr. tea nuo
achava nesta cidade.
^^%%
a V
Attencao
Fogio no div 7 de setembro o escravo"do abai-
xo assignado, eom os signaes segointes: Egidio,
cabra idade de 20 annos, eabellos carapiohos,
ojhos'aboticados, altura regular, r6sto um unto
coupalo, beico's grossos, bocca regalar e um
unto biendo, cabe^a pequena, orelftas ref ulares,
braeos, a mesma cousa1, pernas regalares, tendo
a esquerda e o pe inchado, por lhe dar erysipera,
nariz regular, e bom trabalhador de olaria, e
tambem e boleerro, e natural desta cidade do Re-
cife, e foi comprado aO ex-eapitao do perto desta
provincia, lose Joaqim da Silva Jacques : roga o
abaixo assignado as autoridades policiaes e ca-
nitaes de campo e de navios. a sua captura e le-
varem-no a povoaglo dos Afagados, que serao ge-
nerosamente recompensados.
lose Buarque LCisboa._____
Cbeguem d grande peehia-
cha : t
0 Desengano esia vendendo pelo baraiissimo
preco de 600 rs. o covado alpacas de la e aeda,
fazenda moito fin a e de lindos padrSes, fazenda
que muitos vendem a 1*200 o covado ; 6 grande
pechincna ; cheguem a ellas antes que se acabem :
na rna do Crespo n. 28, junto a loja da esqnina.
Las
A 160 r&s o covado
Rua do Queimado n. 43, junto a loja da Mag
nolia.
Lazinhas a cbineza, padrocs modemoi, pelo
modico pre^o de 160 reis o covado.
So o-43.
Loja de feiewlas
aj)_ Preeisa-se
dre n. 28.
de um criado : no becco do Pa-
Chui Francisco de Paula Cchoa Cavalcante
r. .' j-:i se fllir com urgencia : na ru,
Eugenixo Santos. Mendes
1 t)9 DE GRATIFJCACAO.
C i' i : ig'da dosde 20 de dez'embro de 1873,
mi hi i Santos Slende-, comarca de Nazareth,
a ua de Tr.-icunhaem, a escrava Varia, creou-
, xitp 90 agnoa de idale pouco mais ou menns,
i, -. a eor preta, rosto alquebrado, pes
.....paoados, tem eabellos brancos, canelas
d us signaes cabelludos no queixo, e e bem
la ; g la de beber aguardente e assislir a
bas Mi toda a probabililade de que este-
il ; r alpuem, e desde ja | rotesta se con-
i qi !in !,v. r acoit.ida. A pessoa que entregar
v, a sen don >, que e o senhor do enge-
.-, Laarentino Gomes da 'Cur.ha I'ereira
j i, a r. i Recife, largi do Corpo Santo n. 19,
eiro aiid-ir, sera recoiupen:ado com a quantia
' cem mil reis. ,
iwuga-s -,i loja do sc-brado a. 1 da rua do
: ti a se com seu proprietario, a rua do
:io it. :!:>.
- Ai i s o (egundo andar do sobrado con
igreja dos Marlyrios : a tratar na rua
de Setembro n. t*>.
Pr ci^a s fallar > Sr. J .aqunn de Apuiar
rroj : na rua da Guia n. 45, a negocio
feu i*articulat interesse.
lii(,'a .-e a casa n. 43, na rua de S. Joao,
I eamhrooe e gaz: a tratar na CD3a n. 47, na
-.ii rua.
Engommadeira.
i'.-; eisa -e de nrna engommarjeira para engom-
ir iihri rina< ppssoas: a iratar na travessa da
n. I, das 9 horas as 4 da tarde, ou
9 segootjo siii depois da estacao do Chacon.
Alugi se uma casa com muito3 commodos,
familia. com mobilia, agua e gaz. e por preco
ma i>, na cid de de OliaJa, rua de S. Bento n
7 : a tratar na rua Duque de Caxias n. 91.
O aiiaU'i as-ignado declnra que ne.-ta data
deixon Jh ser editir do periodico America IIUis-
i la, e qtje r;ada mais tem com aquelle period!-
Apro-aita a oAca.-iao para pedir-ao Sr. lose
Caetanu de Albuquerque baja de liquid.r quaotu
-,ntf- as si; cootas com o mesmo abaixo assig-
-t!o. Hecife, 3i de outubro de 1874.
Manocl RoJrigues Pinluiro._____
nga-se uma casa tcrrea na rua da Punte,
h Bja viagem, com muitos commo
pertO dos banhos salgjdo e doce : quem pre-
, Ii ijvse ao pateo do Terreo, casa n. Si, ou
Af nl '.-, raa do MoU'Cilombd, casa n. 15, que
i quern tratar.
Alaga-sc
o 3 andar do sobrado a rua de Marcilio Dias n.
1J0, eom ba&laolM commodos, e agua da compa-
nhia de Rtb-Tihe : a t-atar na rua do Imperador
n. 8i, da? 9 li' ras da manha as 4 da tarde.
Previne-e ao proprietario da casa de penho-
res, na rna das Cruz^s, que nao entregue o con-
leiido da cautela n. 1938 B, sen;o ao seu proprio
dono, o qual lhe passasa o competente recibo,
vi to o me>mn ter perdido a cautela. Recife, 6 de
novembro de 1874.________________________
em escravo : na
-
Ahiga-se
Vende se uma casa em aberto, na ladeira da
bica de' S. Pedro, na cidade de Olinda,
com 33 palmos de fr.-tite e grande quintal'
e se vende por barato preco
Duque da, Caxias' n. 91.
a tratar na rua
Breu, breu, breu.
No armazem de Jorge Taaso, rua d Amorim n.
37, enocaes do Apollo, aimazem de farinha de
trigo, do commendador lasso.
a seghndo andar do lobrada, sito a rua de Pedro
Alfonso n. 59, com gua de Beberibe : a tratar a
rua do Vigario 6. W: _______ ____
Da se 1:000 j sob penhor
rua de II irtas n. 86.
Da se 2.000* a premio
rua de II >rtas n. 86.
sobre predio : na
tar na rua do Citovello", casa do azulejo"n."
Sophi.. fugio.
An i i:i u-.-c da casa de seu senhor a parda So-
phia, de 22 annos de idade. estatura regalar, sec-
ca do corpo, peitos grander, nariz chato, beicos
grossos, boa dectaoura ; nsa cabell repartido ao
meio e tem uma pinta azul no lado esquerdo ou
direito da to-ta, tem o passo curto e parece dancar
quando anda, pernas gros^a9, e as vezes costuma
inchar os pes do tornozelo para baixo. Presume-
se que esteja occulta nesia cidade, ou na de Olin-
da, onde t> in parentfs, pelo que se pede sua cap-
tura, pr itiMando se desde ja contra perdas e
damnos. Gratifica-se bem a quem a levar ou der
noticia exacta da mesma. na rua do Cabuga u. 16,
sobrado.
E. A. DELOUCHE
24-Rna do llarqnez de Olinda-24
Esquina do beeco Largo
Participa a sens freguezes e amigos que mudou
o sen estabelecimento de relojoeiro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de ma/]
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios dc
algibeira, de todas as qualidades,, patente suisso,
de onro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, iuglez, descuberto, dos melhores
Tabricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata, lunetas
de tod?s as qualidades, tudo por pre^os muito ba-
ratos.
Carros de luxo.
r E' inquestionavel que a cocheira da rua do Bom
Jesus n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e
a aue tem as melhores berlindas, caleches, meias
qucr uoivauu, 'line '..J =^.|JrJ-../,-iT.ji9ra anal.
da academia, sendo os mesmoa ajaezados de ex-
cellentes parelbas de_ animaes, arreios hixosos e
boiieiros com fardam'entos do ultimo gosto, para
o que se convida ao publico a vi.- por si mesmo
scientiGcar-se da verdade do que deixamos ditp,
certos de que nao encontrarao pomada e aim rea-
lidade, e commodos prec-a
Leia.
Ainda cede se
,.lu.a n. 34.
quarto da frente na rua da
Moleque fugido.
GraliQea-se com 50,000 reis a quem pegar For-
tunato, moleque de 13 a li annos, preto, baixo,
chtio do corpo, ro-to e cahega redondos, nariz
chat>), cabellu3 carajiDhos e cortadosde fresco ;
ausentou se na tarde de 10 de outubro do corrente
anno, com camisa de madapidao, calpa de brim
de cur, desbotada, e cliapeo de niassa preto. Gra-
tifica se na iua da Cadeia do Recife n. 39, on na
rua da Aurora n. 165.
Deseja se fallar com o S^. Joao Leite Torres
Gallindo, a negocio de um amigj que quer ser in-
forraado: a tratar no armazem do Campos, rua do
Imper-ador n. 28.
-r Precisa sealugarumae.-cravaquesaibs.com-
prar e cozinhar: na estrada de Santo Amuro
n :;'..____________
Aluga-se o 1 andar do s .brado a rna do
Amorim n. 41, com 1 sa!a bem asseiada e 1 qjar-
to com escada indepeudente, proario para escrip-
torio ou rapazes solteiros, por 155 mensaes : a
tratar no armazem do mesmo sobrado.
Yende-se ou aluga-se
Na cidade da Escada uma casa com armacao
para loja ou oulro qualquer estabelecimento
muito afreguezada, e sendo um dos melnores
pontos deste mercado. tendo duas frentes, na rua
do Commercio n. 8 : a tratar na mesma.
t> Oiret"r do collegio da Concei^ao, sito a rua
Franeisee n. 72, serve-ss do jornal para p -
: ; i uiii.ia vez as pessoas que Ibo sao devedo-
. men .alidades anligas e deste anno, dinbeiro
..i ii -ii i ede fianpas que pagou, que se dig-
raidar ptu debitos antes que elle se veja
. i a la gar rcito de meios que deseja ainda
Pai os deveiore3 dc-ta proviecia da o
l ias, para os da do Kio Grande do
\o:.-, : ir ,ba e Alagoas 30, a contar de^a data.
I n -v-embro de 1874.
Attencao
Escrava fugida.
Josepha r.usentou se da casa de sua senhora
no dia 5 de outubro e tem cs signaes segointes :
crioula, cor preta, representa ter 23 annos pouco
mais ou menos, tem os d dos da mao direita
cortados, levou o tab' leiro em que andava ven-
dendo cangica e contnvja a andar com o dilo ta-
boleiro com toda louja para nao ser agarrada,
levou saia de chita con um babado estreito em-
baixo, traja camisa com labiryntho rio tafho e le-
vou chales preto: roga ee as autoridades poli-
ciaes ou capilaes da campo, a apprehensao da
dita e-crava e leva-la ao Caminho Novo, sitio n.
llO, a sua senbora, ou na rua da Cacimba, nri-
iiii-iro andar, a etUregar ao Sr. Juao Francisco
Leite, que sera generosamente recompensado.
Boa moradia.
Vende-so urn excellente sobrado, com uraa
casa pequena cont:gua, sitas no Piigo da Pa-
nella, rua Heal n. 30, com bons commodos
para uma familia grande, tendo diversas sa-
les grandes e muitos quartos, todos com
janellas f quartos para criados, cocheira,
eslribaria, grande copir, casa de banho
e jardim de cada lado. A casa esti em
perfeito estado, e esituafao 6 a mais fresca
e saadavel possivel :a tratar com a proprie-
taria D. Maria Purcell Raulinson, na mesma
casa.
Precisa-se rt" duas amas, sendo nma para
cozinhar e coroprar e ontra pan engommar e
ensaboar : na rua da Cone- rdia n. 43.
> ilnflucaates dog prescpeg
nna do Roeario n. 35 tern, como sera
mo?, lindas coroas e capellas de tri-
, de nru f lonro, fosas donradas e prateadas
isp -tira< de mais inOueacia, capellas mais
iimpl pastoras.borda-se fcbas a ouro c9m
c< i .,; ..guslo dos donos, borda-.-e avental a
or I n ,s vestidos proprios, com todo gosto
<> ias, tem lindos bouquets com f'tas
'odo prrco, de cravos, rosas, sauda-
1 e qualquer llor, tudo muito barato,
brancas, azue< e eu-aruadas.
d
r
-1.
! !
MiLHO BARATO
& ii e - Tola n o a retalho a 280 por meio decalitro
i" uma cuia, no armazem da boja
?-nar>tia, t, ivessa da rua do Imperador.
Lava-se c engoinma-se wr preco rasoavel
na rua da Cadoia Nova n. 48.
3
%
C<;ns!i!!orio medico
DO
Dr. Murillo.
RUA DO VIGARIO M. 1, 2.' ANDAR.
Recem-chegado da Europa, onde fre-
quentou os hospitaea de Paris e Londres,
J podera ser procarado a qualquer bora do
"j dia ou da noite para objecto de sua pro-
*j fissao.
f> Consokas das 6 as 8 horas da manha a
*i do meio dia as duaa horas da tarde.
GRATIS AOS POBBES.
Etpecialidad.es : Moiestias de seahoras,
da pelle e de crianga.
O Monte Lima
tem um completo sortimento de !gafao e franja de
ouro e prata, verdadeiro. de todas as larguras,
abotoaduras douradas para offlciaes, canuti'hos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como um completo sortimento de
ranjas, galao falso para ornamento, cordao de la
com borla para quadros e espelhos (conforme o
gosto da encommenda) tudo por muito menos
preco que em outra qualquer parte : na praca da
lndependencia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
Toda attencao
Retalha se, com frente para a rna da'Amizade,
sobre 194 palmos de fundo, uma porgao de opti no
terreno para ediflcagao, lirada do sitio cmtiguo
a igreja da S. Jo-6 do Mangulnao, |j preco de
50^ por palmb. Aquella frente 6 toda mnrada,
bem como a parte posterior e a lateral extrema !
os pretendentes podem en tender se com o Sr Dr
Witrnvio.
Vinho superior
Na rna da Imperatriz d. 67 acaba-se de receber
excellente vinbo do Porto, em barn* de 50, 75 e ISO
garrafas, e vende-ie muito barato, garantiado se a
qualidade.
Ados eexames,
Nera ba lugar mais apropriado para_solemni-
sar-se 03 aatqs. e exaraes flue se estao agora
fazendo., do que na
Confeitaria do Campos.
Alii os respectivos
Estadantes
Encontrarao
Una varia-lissima
Refeir^ao, com a qual
Deveny presentear
Os seus eollegas
E amigos.
Ileparai bem
E' ns Confeitaria do Campo.
Aluga-se o primeiro andar da casa da rua
dp Torres n. 8, propria para cscriptorio, on pouca
fa.milia: a tratar no segundo andar da rua do Mar-
quez de Olinda.__________^^_^____^_
Qual e a loja que vende ba-
rato ?
E' na rua do Livj-ament n. 4.
0 que vende ?
Queira ler para saber.
Fazendast cliApeus e roupaa fcitas.
Perfeito sortimento para todaas classes.s
Pannos finos e casemiras, brins de linho branco,
pardo e de cur, dilos de Angola, ditos de algodio
brando e de ccr, gang>s de linbo e de algodao,
de cor e amarello, madapolao de diversas quali-
dades e precos, algodao branco de listras e azu
de varias marcas e precos, chitas, metins e per-
cales, baptistas brancas e da cores, bnlhantiaas,
alp, cas de lindos desenhos, ditas com palraas de
seda e listras de eda, ditas pretas e brancas,
chapeos de sol para homem e senhora, meninos e
meninas, ditos para cabeca de homem senhora,
se \'e os ue-casiur-d *Vh VEd? iWMilrtB'Vl UlBflt
as qualidades e precos, para homem e menino,
ditas de me as, ceroulas de precos de um a tres
mil rdis, calcas, colletes e paHots, haven.lo gran-
de quantidade para eacolhtr a vontade ; tambem
ha cambraias branch e de cores ; assim como,
muitos outos artigos que deixamos de publicar :
cheguem ao .amigo do bom e barato, a rua do
Livramento n. 4.
Aos 5,000 covados dela
A 160 rs.
Na loja do Pavao vende-so lazinhas de muito
bonitos* Kostoj e delicados padrOes, faaflnda nova
no mercado, pelo" diminnto pre?o de 160 rs. cada
um covado ; quem deixara de fazer vestidos de
Ii tao bonitos e por tao pouco dinhelro1? Forne-
cem se as amostras: na rna da Imperatriz nurae-
ro60.
Attencao.
Vende-se a taverns e a casa propria junto
estacao do Caxanga : a tratar na mesma.
Vende-se a loja de chapeos que foi do falle-
cido Tranquilioo, a rua Dire ta n. 61 : a tratar
a rua do Bom-Iesns n. 56, armazem.
Gama & Silva Brito, vendem manleiga in-
gleza em barril a 800 rs. cada 450 grammas. Vi-
nbo Figueira das melbores marcas a 440 rs. a
garrafa. So no hrgi da Santa Cruz ns. 2 e 4.
. Gama & Silva Brito, vendem vinho do Por-
to, fino, em barril, a 8f0 rs. a garrafa e engarra-
fado a .1$ a garrafa. Veuham aa largo da Santa
Cruz ns. 2 e 4.
Gama 4 Silva Brito, vendem gaz liquido a 240
rs. a garrafa, azeite doce de Lisioa a 640 rs. a
garrafa. E' barato, no largo da Santa.Cruz ns.
2 e 4.
Gama & Silva Brito, vendem velas steari-
nas a 560 o inaco, vinoo de maca, superior, do
mais purificado sabor, proprio para senhora, a
1^200 a garrafa. Venham ou maudera ao largo
DA
Rua do Crospo n. 20.
Las de cores miudai muito boas para roupa
meninas a 160 e 200 rs. o covado.
La pretas, superior, a 400 rs, o covado.
Alpacas de cores finas a 320 e 360 rs. o covado
So se vendo.
Ditas com listras abertas, fazenda flna, a 600 rs. c
covado.
Chitas decdres a 240 e 180 rs. o covado.
Metins de cdres miudas a 280 rs. o covado.
Crelones, o mettor qe tem vindo ao mercado i
400 e 440 rs. o covado.
Cambraias brancas, bordadas e aberUs, fazend*
mais flna qne tem vindo ao mercado, e fazendi
de 2*000 o metfo, por l#00O a vara; i pe
chincha.
Ditas pretas com flores miudas a 200 rs. o cotado
Cambraia transparente, fl, 3I peca.
Dita Victoria, flna, a 4i000 a pea.
Organdy de assento branco e de cores, com Bo-
res miudas de seda e de II, a 400 rs. o covado
i E' pechincha.
Cortes de casemira de cores modernas a o#50u c
corle ; e fazenda de 8*. E' pechincha.
Camisas de linbo finas, lisas, a 35* a duzia, e fa
zenda de So*.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Dilo Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardas, a 6*
' 7* a peca.
Algodao T, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgorao preto de seda para v a 3* o covado
Toalbas alcocboadas a 4*600 a duzia.
Colchas grandes a 3*500 uraa.
Cobertas de canga, forradaa. a 3*.
Lencoes 4eamaate at* ora.
Lencos de linho, abainUados e em caixinhas
3*500 a duzia. *" v/wx
Ditos de caca de cores abainhados a 3*o00 a do
zia.
E outros muitos artigos que se vende por ma
no* do que ontra qualquer parte e para se de<
So na lorera queiram mandar ver as amostras.
enganaja de
GuilkTiiie & G.

da Santa Cruz ns. 2 e 4.
tW2
Para o fabrico de chapeos
A NOVA ESPERANCA recebeu o arame propn.
para armagao de chapios^__________________
\
Chocolate do Maranhao
Unico deposito nesta cidade, em casa de Jos*
Tavares Carreiro & C, rua Direita n. Ii, onde sf
vende pelos precos e. vantagens da fabrica.^
Leques e flores
Amaral, Nabuco & C, receberam leques de ma
dreperola, branco e queimad'">, de differentes cores,
de marfira e de tartaruga, lisos e lavrados, sao
elegantes e proprios para bailes : vendem no Ba
zar Victoria, rua do Barao da Victoria n. 2.
M
0 barateiro a rua Primeiro de Marco n. 1, rece-
beu nra bom sortimento depopelinas deseda com
bonitos gostos, e esla vendendo pelo baraiissimo
preco de COO rs. o covado I Couvem ver, pois e.
fazenda que sempre custcu I
Hotel Restaurant de Bor-
deaux
Pede-se aoa Srs. abaixo mencionados, o favor de
apparecerem no dito hotel, para se entenderem
com o admmUtralor, a negocio de seus particula-
rs interesses :
Salomao (mascate).
Jose" Maria Correia das :\eves.
Manoel Amancio.
Luiz Imhalz.
Jo:e Ignacio Ribeiro Roma.
V'iceote Severing Alves.
Joaquim Pires Ferreira.
Cruz Ramos (guarda-livroa).
Gabrie.i (mascate).
A bordo da barca portugueza Neva Sympathia;
vende-se a rua do Vigario n. 1, primeiro andar.
"" nuptfrw P1R1 .SKNHORA.
A freauecta, a rua do Cabuga n. i a, acaua uc
rtceber um lindo sortimento do chapeos da ultima
moda para senhoras e inemnas, e vende por pre-
cis commodos.
Gimeoto Portland
0 verdadeiro cimento Portland em barricas de
180 kilos: vendem Lebre & Reis, a rua do Amo-
rim n. 58.
CASA
Vende-se ou aluga-se uma casa terrea em Olin-
da, com grandes commodos, gaz e agua encanada :
a tratar na rua de Marco n 6.
Taverna a venda
Vende-se a taverna n. 88 sita a rua de S. Jorge,
em Fora do Portas, bem afreguezada e com pou-
ccs fundos, prop ia para um principiante : a tra-
tar na mesii;a taverna
Precisa-se de uma mulher forra ou escrava
para vender na rua : a tratar na rua dos Prazeres
n. 9, freguezia da I'.oa- Vista.
Cavallos furtados
Do sitio da Ponle de Ucboa n. 23, furtaram um
cavallo castanho, bom esqnipador, o qual e mnito
conhecido ; nma burra ciuzeota, com nma listra
preta no Go do lombo e outra atravez das espa-
doas, lem ama pelladura no quarto esjuerdo, e.d
mnito pequena : roga-se a qualquer pessoa ou
autorjdaic, que delles tenha noticia, de apprehen-
te-los e communicur no sitio acima, cu a rua do
Marquez de Olinda n. 18, 1 andar, que so recom-
pecsara generosamente.
PESDEII-SE
nma pequena earteira de couro e mais algans pa-
pels, sendo recibos e eontas de nenhnm valor, ex
cept'i ao dono : quem a achou, tenba a bondade
de entraga-la na rua da Cruz n. 4, hoje Bom Je-
sus, armazem..
Aluga-se um moleque de 19 annos. bom
eosinheiro e eopeiro, intelligent^ e activo, podendo
ser empregado em qualquer outro servico de casa:
a tratar no 3' aodar do sobrado n. 20 da rua da
Imperatriz
200
rs.
I
*t*xaaQeco*<3GQSQej
Tendo-se desencamlnhado os taloes ns. 7,648
e 8,964, pertencentes ao seguro de vida no ban-
co Uniao, da cidade do Porto, em Portugal, a favor
do padre Jos6 Lopes Dias de Carvalho, fallecido em
22 de novembro de 1870, na freguezia de Santo
Antonio, de Garanhuns, nesta provincia de Per-
narnbueo; seu pai e herdeiro JoSo Rodrigues Dias,
residente no lugar de Sarnadella, freguezia do'
Pombelro, jnlgado de Arganil, no dito reino de
Portugal, assim o faz publico, chamando qualquer
ioieressado aos ditos taloes para que no prazo de
30 dias, contados da data desta? publicacao, o ve-
nham reclamar na mesma cidade do Porto, e nao
o fazendo ficara o dito herdeiro habilitado para re-
ceber do dito banco o qne se liquidar desde o anno
de 1870 em que Gnaliaou c se&wo
Aluga-se 3 caeat terreas, sendo duas com
sotao e bastantes commodos, a raa do CapitSo
Antonio de Lima, era Santo lAatsro : trala se i
rua da Aurora n. 103,
0 COVADO I!
LSsinhas de listras assetinadas, s6 oa rua
do Queimado n. 43, junto da loja da Mag-
nolia.
E' especialidade do 43.
Lasinhss de Iwiras assetinadds, gostos
muitomodernos, pelodiminutopre^o de 200
rs. o covado So & 4- I Dao-so amostres
com penhor.
Vende se a taverna da Estrella, na entrada
do Fnndao, de Beberibe de Baixo: a tratar na
mesma.
Bicos de seda.
A Madresilva acaba de receber um riquissirao
sortimento de bieos de seda, brancos e pretos, e
recommenda os as Exmas. Sras. para os grandes
bailes, por ser fazenda de gosto e inteiramente
nova.
irndc liquida^ilo no Star da
Rainha
rua do Imperador n. 48.
a saber:
Botinas para senhoras a 2*500, ditas a 3,500,
ditas de duraquea 5*, sapatos focos para meni-
nos e meninas, ricas cintas para senhoras e me-
ninas, do nltimo gosto, botinas para homens a
4*500, sendo estas estrangMras e nacionaes,
grande quantidade de litas de tdla, sarja, de va-
rias cdres e larguras, e outras mnitas mindezas
que se vende por menos preco que em outra qual-
quer parte. 0 proprietario convida as Exmas. se-
nhoras a virem visitar sea -estabelecimento, e en-
tao verao as mercadonas e o pr,eca sdiraiauto por
quanto se esta veniendo.
Vende-se um mulatinho cozinheiro, bom eo-
peiro, fiel, e entende de invermsar, garante se a
eonducta, e se dira o motivo da vendi: na rua de
Hortas n. 86.____________________________
Pedras de raarmore
Vende-se pedras de nmrmores, de diversos ta
mauhos, com duas polegadas de gros-ura, proprias
para muitos misteres : a tratar com Joao Jose da
Cunha Lages.
BAZAR
FAMILIAS
Rua Duque dc Caxias n. 10
Grande queiraa.
Corram a pechincha I...
Riquissimas saaidas de baile, de la, para senh
ra. Verdadeira novidade no mundo elegante I
Capinhas de la e seda para senhora. Cou--
inteiramente nova I
Excellentes cachineis de la c seda para senh.
ra?, por 5*500. -
Casaquinhos de gorgorao prtto de seda, n
meote bordados, pelo dimiauto pre^o de 10*0>n.
Excellente acquisicaoo 1
Chales de seda a 12*. Baratissimo !
Grosdenaple preto a 1*200 o covado.
Popelinas de seda a 2* o covado.
Faia de seda, fazenda modernise! aaa, pelo com
modo preco de 2*i00 o covado.
Popelinas de seda, objecto da ultima moda, -.
1* o covado I
Ditas de linho com listras e agradaveis pa
droes, a 4i0 rs o covado.
c.^.K;,o fransoareates, fazenda mui fina e a
grande procura, a 6*o00 e 7* a peca.
Alpacas de seda a 1* o covado. Grande pechin
cha I
Granadiuas de cores com listras assetinadas, ;
800 rs. o covado. K ellas emquanto reslam 1
Cambraias bordadas a L*l< 0 o metro.
Ricas r-i-linalses, bordadas com esmero, a 3,
cada uma.
Tapete9 para sofa, grandes e pequencs. Padr'
especiae3 !
Ditos para portas.
Di'.cs para cama.
E outros artigos para homens, seahoras
criancas, os quaes artigos nao se meBcionara par
nao massarse a benevola attencao dos leitores
leitoras, amantes do bom e do barato, e enrt..
siastas da grande virtade doraestica a ecoci
mia I
Corram quanto antes a grande pechincha,
freguezes I
Vinde ver, coraprar e admirar I
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Dnqne de faxia.
n. 63, recebeu desta necessaria linha.
Aos cigarreiros
A NOVA ESPERANgA vende papel de linh
proprio para cigarros, de diversas larguras.
Alpacas a 400 rs.
0 Desengano esta vendendo pelo diminnto pre
co de 400 rs o covado, alpacas de la e seda, di
lindos padroes, fazenda muito fina e larga, que
sempre se venderam per 1*200 o covado, e par
acabar; a ellas antes que se acab< m : na ru
Primeiro de Marco n. 25, junto a loja da esquina
Asunicas verdadeiras
Bichas hamburgnezas an" vem a este marc* :
aa ma do Maronex de olinda n. 51
Farinha demandioca supe-
rior.
Tem para vender, Joaquim Jose Gon^al
ves Beltrio & Filho, a bordo do paJhabot
Itosita, fuudeado ao pe do caes doCoile^io
e para tratar a bordo ou no seu escriptorio
& rua do Commercio n. 5.
*
Ao ii, 9.
;*Aluga-se o armazem e o i. andar do sobrado
da rua dos Burgos n. II, assim como uma quarto
por detraz da rna dvSsnzalla Velha. (Beeco Tapa-
do) e nma outra casa na rua do Lobato n. 4 fre-
guezia de Santo Antonio): a tratar na rua da I
Praia n. 20, com Jose Feliciano Nazareth.
No progresso do pateo do Carmo vende se man-
teiga ingleza flor a 800 rs. a libra.
Pechincha.
Gusmao & Leal vendem dmasco de la, com
6 palmos de lagura a 1* o covado, copia-
dores a !,' chapeos de sol de seda para ho-
mem a 5j, e outras muitas fazendas que s6
com a vista poderao os pretendentes ver a
grande reduceio de precos: so na rua Primeiro
de Marco n. 14.
Cambraias
Com barras, a 240 rs. o covado, s6 na
rua do Queimado n. 43. .
E' pechincha.
Cambraias com barrw, desenhos chine-
zes pelo prer;o de 240 rs. o covado. S5 o
43 I Junto & loja da Magnolia.
Chocolate hespanhol
mnito fino, tem para vender na Assembler d
Commercio, Heir? & Lima, rua do Commercio nu
mero 22. ________^^^^^
A 120 rs. o covado.
Na rua da Imperatrix n. 60, vende-se para aca-
bar uma grande quantidade de las, restos de di
versos sortimeetos, desde 120 rs. ate 500 rs.; do-
tando-se que, quando bavia/ sortimentos comple
tos, so vendiam a 1*280 e 1*100 o covado, b:
grande variedade em padroes, os qne primein
chegarera melhor pechincha farao, a ella a rua d
Imperatriz n. 60.
Cal de Lisboa novissima
Vende se em grandes e pequenas porcoes : na
rua Direita n. 14.
Agora sim, boa occasiao
Gama & S.lva Brito, com armazena da molhadoi
no largo da Santa Crnz ns. 2 e 4, vendem gaz
(Devoes) liquido a 240 rs. a garrafa, vinbo musca
tel do Donro a 1*200 a garrafa, cafe do Rio, de !
sorte, a 350 rs cada 4TO grammas, cha atjofar,
superior, a 3* cada 450 grammas, manleiga irtfle-
za em barris a b0 rs., 1* e 1*100 por cada MO
grammas, vinbos do Pofto, flnos, por prejos bara
tissimoSi Tinho Figntira a 3*000, e muitos ontrc-
artigos que se torna enfadonho menckmar. Os
Seneroe ocmpraloiem nossos armazens serto con-
uzidos a sa \> eprador, gratis; apiwettem :
no largj da SanU Crux ns. 2 e 4, amaieBs de
Gama a: SiWa Brito.__________
Vends se a taverna da raa da Ponte Veiha
n. I, propna para principiante por ter poacos fun-
dos : a tratar na mesma,
.



.
i


*t*ki&W^%&^ ^ Sabbado 7 Qe tfbvehlbro de T*74.



EXPOSiaO
Fazendas e artigos de alta"
novidade
LOJA m nm
ttua Prinieifo de UJaNjft i. A;
fjCerdelr* Kinoes & C, _proprietarios
Jeste importaate estabelecimento, no louvsvf I pro-
prosito de nio desme-oiirem o eoneeito que os
teas Humerosos fregnexes lues tern dispeusado
ioabam de receber de sna conta o mais nco sor
jmento de sedas, popelinas, las e artigos ae ul-
,ima moaa em Paris, e contrauarao a receber
<>or todos os paquetes daquella pfocedeneia : por
mam a atiengao de sens freguezes e os
1
Grande liquidacao de fazcndfcs
NO
para senhora, de cores e
cambraia brancos com lindos bor-
ma fazenda
meninas e senhoras, guarne-
-SSO
eonvidam a darem nm passeio ao seaT estabeleci-
mento, garantiudo-lhes que encontrarao a reali-
dade do que Gca dito, e para prova dio nm pe
ineno resumo, cnjo iufallivelmente despertara a
uteccio dos pretendentes.
Mandam fazendas a casa dos freguezes, e dao
roostras mediante penhor.
Artigos de ia novidade e
ulliiaa motlu.
Cortes de vestido de linho guarnecidos de bico
i.i mesma fazenda e c5r, trazendo fivella, bolca.
-into, etc etc. w
Riqnissimos chapeos
*retos.
Cortes de
_ tados.
ni de cores com enfeites da mesma fazenda
"rino, etc etc.
Capas de la para
:idas de arminbo.
Vestoarius para baptisado.
Kiqaissiraas camisas bordadas para senhora.
Leques de madreperola, para noivas.
.tic as colchas de seda, para cr-samento.
Cortes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda bianca e dito prelo.
Sedinhas de delicadss padrSes.
Setim Macao de todas as cores.
Srosdenaples pretos ede cores.
Vellu-io preto e damasco do sofa.
Granadine preta e de cores.
File de seda branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Casacos de merino de cores,
Manias brasileiras.
Capellas e mantas para noiva.
Cambraia de cores, uitas mariposas brancas, de
ures, lisas e bordadas.
Flor do bosque (novidade).
Percalinas de quadros, listras, etc.
Srins de linho para vestidos.
Fustao de cores.
Saias bordadas pira senhora.
Grande sorlimento de camisas de linho lisas e
jrila la-, para homem.
Meias de cores para homem, senhora, meninos
i meninas.
BnrWMcnU) de chapeos de sol para bomens e
woluru.
Merinas de
i> t J

I
N. 7 2^


Mendes Gufmaraes & lrmaos.
Tendo os proprietaries deste estabelecimento resolvido diminnir o grande deposito de fa-
zendas, entenderam fazer esta grande liqnidacSo, como sc ve dos precoe abaixo mencionados :
Lustres, mMm e
anmdenas.
^^npreza do pet, tendo reeebido nltimaments
nma aiaondadB de lustres, caadieiros, arandellas,
globos etc. etc., ludo obra de goslo e de primeira
quahdade ; acha se em posicio de suppnr a teat
fregnezes, por precos metres do que antigamen
Para verem as amostras, dlriiam-se iTua do |
Imperadorn. 31.
Eepartilhos.
Na lrlja do Pavao, VeDtte-se espartilbos
oostnsfis modernos a 3?pS0b e 4#000 cada
um ; assim come bonitos cintos com laoos
de setim a 58000, e sedinhas lavradas com
toque' de mofo a 19000 o covado: & raa
da Imperatriz n. 60, de Felix pereira da
Silva.
m
enno
Pentes girafe.
I Pfn'es-g'rafe, proprios para senhora, ( ultima
moda): a Magnolia a rua Duque de Cax^as n. 45
e so quern tem.
li, etc
Chitas largas a J60, 200 e' 280 reis.
Vende-se chitas francezas e flnas a 120,280 e 320
o covado.
.Lazinhas a 120 reis.
Vende-se lazinhas para vestidos a 120, 240, 320 e
400 r&s o covado.
Chitas para cobertas a 280 reMs.
Vendese chitas para coberla3 a 280 e 360 reMg o
covado.
Alpacas de cores a G10 reis.
Vende se alpacas de cotes, flnas, para vestidos de
senhoras, a CiO reis o covado.
Uetim de cores a 320 rck
Vende-se metim de c6res para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas flnas a 280 reis.
Vende se casaas francezas, Bnas a 280, 320 e 360
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3*000
Vende se cambraia Victoria para vesjidos a 3J,
3*500 e 4*000 a pep.
Cambraia transparent a 2 e 3*000.""
Vende-se pecas de cambraia transparent a 3i,
3^600,4* e 8*.
Cortinados a 14*000.
Vende se cortinados bordados para camas a li*'
16* e 16*.
Ganga amarella a 400 rti-<.
Vendese ganga amarella para vestidos de senho-
ras e rouja paramenjnos. a 400 re"is o covado.
Brim de cores a 400 re.s
Venie se brim pardo e de cores para ca'^as i
466 reis o covado.
Toalhas para rostoa700 reis.
Vende-se toalhas de linho para roslo a 700 e 800
reis cada uma.
Chales de IS a 640 reis.
Vendese chales de la de quadros a 640 reis, cha-
les de metim a 1*160 reis, chales de mcrind
hsos a 3*, e chales de merino estampados, a
3*600, 4* e 5*.
Abertnras a 2&009.
Vende-se abertnras de linho bordadas, para ca:
mi.-as, a 2* e 3*B00. Ditas de algodao a 200 e
400 reis.
Cortes de oasemira a 5*000.
Vende se. cortre de casemiras finas para calcas a
8*, 3*560 e 6*
Vend, se ^fc^^j-g. U ig-JP-j: j PmMto, ft*i*?KX
Vende-se colchas de fustio para cama a 2*, 3* e---------------------'----------------------_____________
cha-
Sona
4*.
Paletots a 3,000 rs.
^ ^ende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. :'ca!c.as de casemh-a preta'e de core
leies de casemira preta e de cores," e outras
tas roapas feilas baratas e fazendas que est
quidando no Bazar Nacional, a rua da 1m
Iriz n. 'ii.
Ceroulas e camisas.
Wa loja do fa-vio, vende se ceroulas fran- j
So VHtS 06jamnuh0S fSrtSa*- rMM lind bonecas de ce'ra que
o^aa' de linho a 2*00' 2*500 e nBam P?Pai- Itfam*i' choram, andam, etc
3*MtK). j Magnolia a rua Uuqae da Caxias o. 45.
^1J*Bi brancas com peitos de algodSo, GaiolaS, gaiolas.
' SSJldi^ Slffi^fT" Um PT2 I .A *jfc a rua Duqu? de Caxias n. 45, re-
xovamadas a 20,5000 a duzia, ou .a 19800 cebeu gaiolas de arame de lindissimos modelos,
cada um*, ditas com peito de esguiio de proprias para passaros ; a ell u antes que se aca-
linho a 8JO00 e 3JJ500 cada uma, ditas b-em-_____________________________
^&Xt^?.'\ ARTIUOS BE GUSTO
I Acabam de chegar a rna 1 di Marco n. 13,
_____________, loja das collumnas, de Antonio Correia de Vas-
concellos, o seguinte :
Modernas ohapelinas e chipeos para senhora.
Lindas grenadines de cores para vestido?.
Superiores 13s. assetinadas, gostus moderno3.
Roapoes de cambraia branca, bordados, para
senhora.
Grande variedade de penteadores muito bem
enfeitados, para senhora.
Ricos vestidos feitos de alpaca, enfeitados com
seda e rendas de Kiiipure.
Verdadeiras luvas de Jouvin, brancas, oretas e
de eOres.
E oulras muitas fazendas ou artigos de mrda.
lix Pereira da Silva.
Sitio e casa
- VeS5f-s* um 9itio com ama casa nova, tendo o
sitio 800 palmos de frente e 1,115 de fundo, a caa
ediflcada -K--------------
Aos nervo808
A NOVA ESPERANgA acaba de receber aqnel-
; les milagrosos anneis electricos, cura infallivel doi
uervosos.
Ao barafeiro
cores para vestidos.
Dito pieto traucado e 3e verJo, bombazina, can-
to, alpaca, etc. etc.
Atoalhado de linho e algodio para toalhas, e dito
jardo.
Damasco de li.
Brim de linho branco e de cores.
Setias de lindas cores com hstras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de casemira
Camisas de chita para homw <*itas de fla-
aella.
Ceroulas de linho e ditas de algodao.
Pannas de crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de labyrinthb.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
sara feailes, e tarlatana de todas as cores.
Colchas de damaseo de li, e dilas de crochet.
Espartilbos lisos e bordados.
Foulard de seda, lindas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
PopeHnas.
Neste artigo temos um variadissimo sorlimento,
ao so em gosto corao em qualidade.
ova listras de soda, ditas com palnas bordadas,
litas traa?parentes e de outras muitas qualidadee.
ie pellica brancas e de cores, do verdadeiro fa-
oricante Jouvin.
Flnaltnente :
apetes para sola, cadeiras, cama, entrada, etc..
ambraiss brancas, chitas de todas as qnal'dades,
aadapolSes, esguiao, brelaahas, bramantes, algo-
ioes, collarinhos, punhes, mtias para homem e
lenhora, punhos e collarinhos brancos e de c3-
es para senhoras, gravatas para homem e senho-
a, peitos bordados, len^os de linho brancos e de
3res, ditos de cambraia do linho, toalhas, guar-
Loja do Passo
Rua Primeiro de Marco n. 7 A
antiga do Crespo.
E' con as senhoras.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, par-
:cipa ao bello sexo que acaba de receber da Eu-
ropa, um compieto sorlimento de artigos de ulti-
ma' moda, e como acha desnecessano fazer um
infadonho anuuncio, por ja ser bastante conhe-
:ida, e caprichar sempre em ter bons correspon-
dentes, sendo a primeira que apresenta o que ha
de mais moderno e por precos mui razoaveis, por
.sso limita-se a descrever somente o seguinte:
Settas douradas.
8icos de cores, tanto de seda como de guipure.
Lequr* dourados, de madreperola, marfim,tar-
taruga, osso, etc.
akidas de baile.
Presenter, diversos artigos proprios para pre-
sentes.
Collntaas e punhos.
Mannai para missa, com capa de madreperola,
tartaruga, marflm, velludo, etc.
Sapatinhos de setim para baptisado.
Camisas bordadas para senhoras.
(leas de seda.
Pranjas mosaicas.
tdereros de tartaruga.
Colias de madreperola.
Pulseiras de madreperola.
Lindas (lores para cabeca.
oisas de velludo.
Perfumarlas dos melhores e mais afamados
fabricantes.
Cbapeos de sol para senhoras.
vitas de velludo de todas as cores e larguras.
Moscas.
Quereis livrar vos destes malditos insectosf com-
jrai nma nuchina de matar moscas por 3*000
aa Magnolia, a rua Duiue de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, ven-
ie o verdadeiro Vigor d* Ajer, que impedo a
.ahida dos cabellos.
Sardas epanos.
S6 tem sardas epanos quem quer; porque a
lagnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem para
'ender a vei;dadeira Cuticuleria, qne faz desappa-
ecer estas manchas em poucos dias.
A'rua 1 de Marion. 1
Confronte ao area de Santo
Antonio.
Os proprietarios deste estabelecimento, tendo
gande deposito de fazendas de la, linho, seda e
algodao, e achando-se proxima a occasiao do ba-
ianfo, resolverara fazer grande reducgSo em pre-
cos, afim de qne naquelle tempo nao tenham gran-
de trabalho era balances ; a saber :
GORGORAO de seda preto, para collele, nm
cone por 2*. E" fazenda que sempre cuslou 7*.
AMAZONAS, linda fazenda para vestidos de
passeio. a 500 rs. o covado.
GROSDENAPLES de cores, verde, encarnado,
iranco, cor de rosa e omvo, a 900 rs., 1* e
1^200 rs o covado. Quem e que nao comprara ?
POPELINAS de linho, de quadros e listras, bo-
nitos gostos, a 500 rs o covado. Aproveitem.
POPELINAS de linho e seda, gostos inteiramen-
te novos a 900 rs.
D1T.AS com listras largas assetinadas, o mais
moderno que tem vindo ao mercado, a 2*.
CRETONE francez com listras e de quadrinhos
de cores e pretos a 400 e 440 rs. o covado. Isto
so no barateito I
DITO francez de listras, proprio para camisas
e vestidos a 300 n. ; pois so se vendo se pdle
crer.
ES iU AO de linbo e algodao, proprio para ca-
misas, frenhas, etc., etc., com 7 jardas, a ?*200, e
com 10 jardas a 4*500 a peca.
MUSSULINA branca, com listras, para vestido, a
400 rs. o covado. R' pecbiocha I
MADAPOLAO franco; ccm 20 varas, por 4*500.
E' barato.
CASEMIRAS de cores, para costumes (roupa de
homem) a 3* o covado. Ver para crer I
LAS escocezas, estamos acabando aos precos de
120, 180 p 200 rs. Apressem scl
CHITAS escuras e Claras, fazenda fina a 240,
260 e i80 rs. ; so a rna Primeiro de Marco n. 1.
CHAPEOS de alpaca, para sol, para senbora, a
2*000. E' admiravel I
BRIM branco n. 5, exposicao superior, a 2* a
vara.
CAMISAS de cretone francez de cores, a 2*500
uma.
CAMISAS brancas,- ioglecas e francezas, gran-
de sortiraento por precos baratissimos.
BRIM pardo traucado, para 280 rs. e 400r3. o
covado. |
BRIM Angola, superior, a 500 rs. o covado; isto
so na loja do Barateiro I
CHAPEOS de sol de seda para homem, fazenda
superior, a 8*300, 9*000 e 10*000.
BAPTISTAS n.aiisadas, gostos miudinhos a 300
rs. e 360 rs. o covado ; so confronte ao arco de
Santo Antonio I
LENT.OS de linho superiores, abanhados a 2&,
i*500 e 5*000'a duzia. i
TOALHAS felpodas superiores a 6*500 a du-1
zia. Em outra parte vendeni por 9* I
MEIAS cruas, superores, para homem, a if,'
i*500 e 5*. E' pechincha. i
BOTINAS superiores para senhora, a 4*500 o
par. j
ATOALHADO alcochcado, fazenda superior, pa-
ra mesa, a_ 1*500 a vara. i
ALGODAOZINHO tranco, com pequeno toque, I
a 32500, 4* e 4*500, e marca T, a 5* a pe^a. |
Ale'm das fazendas acima mencionadas, encon-
trariio muitas outras que agradarao em qualida-!
de e precos, e que para nao massarmos a paciencia.
de nossos freguezes, as deixam< s de enumerar,
So no Barateiro
A' rna Primeiro de Marco n. 1.
Loja de Agostioho Ferreira da Silva Leal & C.
Nao ae engaaem
Pois sao os verdadeiros barateiros !
G muito barato
E'
s noivas
com as
NO
BAZAR DAS FAMILIAS
A' RUA DO DUQUE DE CAXIAS N. 60 A.
Riqnissimos veos de blond bordados a e"da com
capella, proprms para noiva, o mais moderno que
de laraojeira, pelo
A' rua do Cahagr* 1 A.
Os proprietarios da I'redilecta, no intuito d
cooservar o bom concerto que teem merecido do
respeitavel pubiico, distioguiodo o seu esUbeleci-
mtnto dos rnais que negociam no mesmo generc
vcem scienlificar aos sens bons freguezes que pro-
veniram aos sens correspondentes nas diversas par-
cas d'Europa para Ihos enviarem por todos os pa-
quetes os bjectos de luxo e bom gosto, que se-
jam mais L?m aceitos pelas sociedades elegantes," Kiquissimos alflnetes'com nma "flor nroorios nara
daque.'I's paizes, visto aproximar se o tempo de 0 peito de senhoras on para
festa, em que o bello sexo desta linda Veoerji nnio preCo de 2 000 um
mais ostonia a nqueza de suas toillettes ; e eo-1 d.j8 si; "
mo ja recebessem pelo paquete francez diverso """ l9"wn
artigos da ultima moda, veem patentear alguns Casemiras
E' com as qpivas
A NOVA ESPERANCA, rua Duque de Caxias n
36, acafca de receber boa- meias d8 seda proprias
p-Ti noivas, e os apreciaveis ramos de larangi-.ira
Chapeos para senhora.
A loja da Passo, a rua Primeiro de Marco n.
A, lecebcu um rico sort'.mento de cbapeos
aesna boras, preios e de colts.
Merino azul lino de Jots largnras a 18609 t *>
vado e faaeoda de 4|0O0, na rua do Cre*pj-a 20
loja do Guilherme & C.
Aos Srs. de eDgenhos
Cbila com 4 palmos de largora, fa&nda w
superior, a 260 rs. o covado, proprias para e#r&
vos : so a rna do Cre>po i. 20, loja de 6a.-
lherme A C
Gmms.
Camisas francezas brancas "de algclSo fin rim.
trizo decor a 2*000 uma, em dnzfa a tS*WK
e pechincha : na rua do Crespo a *> lta o.> G>
lherme & C
Ka loja do Pavao vendese madapoloVn franct
zes muito incorpados, com 20 jardas a 6.000 rdi-
dito muito flno com 12 jardas a 3,00 e :t,50O ; a*
aim como um grande sorlimento d* m^rtapol^
inglezes de 4,500 ate 8,000 e 9,000 : a rua da km
peralriz n.60, de Felix Pereira da Silva.
Vende s em sortes de 30 palinus para Sc..
os terrenos silos na estrada do Lameira >, a cr
gem do rio Cap-baribp, pfrtencentes a viB>M.
Htnrique Jorge : quem pretende-, pode e diriglr
ao engenhciro Antonio Feliciano Rodrigce? Sette,
a estrada de Joao ae Harro*, casa n 92. on a) W
Vicente Ferreir- da Porciuncula, em su casa 4>
rua d Imperador n. 83. ___________
Cortes de cambraia
Na loja do Pavao vende se cortes d* Ml
iransparenle com babads largo>, Usia t r,
como de cores, por baratos precis, p".-r tert-n at
gum pequeno defeito : a rua da Imperatr./ 6C.
de Felix Pereira da Silva.
tem vindo ao mercado
j RiquJEsimas caiellasde flores
: diminuto preco de 3--'.00 uma.
Lindissimos lacinhos com fivellas, pnprios uara
senhoras, a 2 500 um.
Lindissimas gravatinhas de seda com blonds
proprias para senhoras,a 3JOO0 nma.
ima flor,,_
a cabec.a, pelo dimi-
iV Guimaraes.
a tavern a sita a rua
muito afreguezada :
Rosario n. 40.
1NBE-SE
do Barto da Victoria n. 61
a iratar na rua estreiu dc
o
roveitem
0 PARIS N'AMERICA, a ma Duqne de Caxia*
0. 59, primeiro andar, esta vendendo cal^ado pelos
Botinas de duraque para senhora a 3.500 rdis.
Ditas de dito preto a 4,000 reis.
Ditas de dito com botoes ao lado, a 4,000 reis.
Ditas gaspeadas, cano alto, para senhora, a
5,000 re s.
Ditas de pellica, tagleta, a 1.000 reis.
Ditas de duraque bordado, para senhora, a
6,000 rdis.
Ditas de duraque, do cores, para meninas, a 3*.
Em quanto 6 tempo
aproveitem.
Grrosdent>ples
Vende-se grosdenapfc preto, fazend*muito Goa,
one sempre sa vended por 3*500 0 covado, a
1*800 rs.; aproveitem, so o Desengauo, a rna !
de Marco u. 25, junto a loja da esquina.
Aos legitimos fogoes eeorto-
micos.
Acabam de chegar a esta cidade os yer-
dadeiros fogdeseconomicos, ja" muito conhe-
cidos nas provincias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio-Grande, Ba-
hia e Alagoas, aonde tern merecido do pu-
biico a maior aceitacto possivel, e sao ja
preferiJos aos de qualquer outro systems,
conhecido pela sua muita solidez, especia-
lidade na collocarao, moderno system a,
e sobretudo grande eoonomia no combusti-
vel ; trabalbam com leoba, coke, carvfio de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
nhes, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de moita fnmili, collegios, boteis,
casas pias, hospitaes, etc. Acham-se ex-
postos ao pubiico, aonde se'darao todas as
explica^dea necessarias: na rna da Cruz
n. 6.______________________________________
DHAM
A' praca circular do Apollo
vende-se:
Tijolos de marmore, de differentes ta-
manbos e qualidades.
Tijolos franctzes, sextuplos.
Cimenlo Portland verdadeiro.
Azulejos grandea muito proprios
para rodapes.
Azulejos verdes e amarellos, tamanho
regular.
' *a9'n1na* de descarogar algodSo.
Cadeiras de ferro, assento de palhi-
nba, proprias para campo.
Rendas da terra
Rendas, bicos e grades de toda? as larguras'
vende se no pateo do Ter.o n. 51.
d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel pubKco a eostamada
conenrrencia.
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e dt
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
os
Aderecos completes de borracha proprios para
Into, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
nitos.
Botoes de setim preto e de cores para ornato it
pestidos de senhora ; tambem tem para collet*
j valitot.
I Bolsas para senhoras, existe um billo sortimen
de seda, de palha, de chagrira, etc., etc., por
barato preco.
, Bonecas de todos os tamanhos, tanto de Iotk?
: como de cfira, de borracha e de massa ; d>ama-
mos a attenoao das F.xmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
. pertinenles por falta de um objecto que as en-
! tretenham.
I Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulai de linho e de algodao, de diversos pre-
1O8.
CaLxint.as com musica, 0 que ha de mais Undo,
! corn di.-licos nas tampas e proprios para presen-
ts
Coques os mais modernos e de diversos forma-
tos.
1 Chapeos para senhora. Receberam nm sortimento
da ultima moda, tanto para senbora, como pars
meninas.
. Capellas simples e com veo para noivas.
Cal(as bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindot
desenbos.
Escovas eleclricas para dentes, tem a propria-
dade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, existe nm
grande sortimento de divercas larguras e barato.
pre?o.
Fitas de saria. de g^rgnrao, de setim e de eha-
ml<-ts, de diversas larguras e bonitas cores.
Facbas de gorgurao muito lindas.
Fltm artiiiciaes. A Predilecta prima em con-
ervar sempre um beHo e grande sortimento des-
tas Cores, nao so para enfeite dos cfceHos, como
ambem para ornato de vesiido de noivas.
Galoes de algodao, de la e de seda, brancos, pra-
os et de diversas cores.
. Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas corse
para sennora.
Lrga* de seda de cores e brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
perola, marfim, Osso e velludo, tudo que ha d
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marfim, Osso e dourados nor barato preco.
Perfumarias. Neste artigo !ta' a Predilecta bem
Erovida, c'.o so em ex tract os, como em oleos
anhas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Lonbin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Rimel : sao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de !I e de setim bordados ,para bap-
tisados. r
Tapetes. Receben a Predilecta nm bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de saias.
Vestlmentas para, baptisado 0 que ba de melhor
gosto e os mais moderno receben a Predilects
de or arsto preco, para ftear ao ateanc*
qnalqner bolsa.
N^ loja do Pav3o vende-se nm grande sortimen-
to de casemiras de cores e mescladas, Unto clarai
eomo escuras, proprias para cal^a ; paletots e co-
leles por precos muito baratos, assim cdmo no
mesmo estabelecimentos se manda fazer qualqner
obra tendente a alfaiate, com a maior prestera e
por precos mnito razoaveis : a rua da Impera-
triz n. 60, de Felix Pereira da Silva.
meiro
Vende-se
No escritorio 4e Thomaz de Aquino Foneeea
C. Srjccessores, a rua de Vigario n. 19, primei
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grumo, de Li^boa.
Vinho Sherry.
Viulio di Porto era caixas, Gnissimo.
Idem em barris de quinto e decimo, fino.
Reiroz.
Fio. ____________ -
Grande liqui'daqao.
^e miudezas e ehapdos : ao neve Bazar, rua do
Marqnei de Olindsa 53.
Vende-se
na rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto enga'rrafado, em barris e em
ineorelas.
Cera em velas, de Lisboa, superior qualidade.
lU-troz do Porto.
Cimento Portland, legitimo _____________
Cora dos eslreilafflenlo d'urelra
pela facil applicacau das
SONDAS OLIVAES
DE
. GOMMA ELASTICA
As mais modernas e aperfek;oadas de todas
as conbecidas
YendBm-se
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
34 Rua larga do Rosario 34
rgandy
Oigandy de assento branco com Acres de la e de
s6da, fazenda inleiramente nova, pelo baratissimo
pre?ode 400 rs. So na rua do Crespo n. 20, I. ja
de Guilherme 4 C.
9,000 covados
DE
Alpacas de cores lisas, de flore3, de listras e com
barras, a 320, 3C0,400, 410, 500 e 600 rs. 0 cova
do. E' fazenda lina e de padrOes lindos; a mais
barata vale l000 0 cavado. E' grandepechincha,
so a rua do Crespo n. 20 loja de Guilherme & C.
CORTES DE COLLETE
Cortes de colfetes de gorgorao de seda preta a
28000, 0 corte; e pechincha, na rua do Crespo n.
20, loja de Guilherme & C.
Madapolao
Madapolao francez larg > a i5'00 a peca de 24
jardas, 6 fazenda de 6.5590: na rua do Crespo
n. 20, lojadeGoilherme & C
Cuf a das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das ate hoje co-
nbecidas.
Vendese
na
Pharmaeia e Drogaria
de
Barlolomeo *t C.
A'
34. Rua larga do Rosario 34
Vaccina. Vaccina.
Tendo 0 Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalhaes,
montado na corte um compieto servico deste ar-
tigo, tem aqui aberto um deposito da melhor e
mais recente, cujos lubos se enconiram na
Pharn acia e drogaria
A'
34rua larga do Rosario 34.
Colchas para cam/as
Na loja do Pavao vende se colchas de fu-u.
brancos, para cama a 2,i*>0, ditas d.' rln>> .1 c-
a 4,000, eobertas de chita e de cnl.ne. du IS
para cnu e ditas fe ineiim es-*ar1a'- J rr mm
madapolao a 5,000 : a rua da luii^rairn o ft1
ie Pelix Pereira de Silva.
Salsa-parrilha do V*nr&
Tem para vender Antonio Luiz de Oliv
vedo, no ^ca escriptorio, a rua Ao hm Ji
mero S7.
al de Lisboa.
pre^o
I varas
thapeos pechincha para ser
nhora
Vende se cbapeos molernos para senhora, gos-
ede praca, por 3* ; organdis de listras, covsdo
!'.'320 rs.: na rna do Passeio n. 60.
0 Desengano esta quei-
mando
0 proprielario deste estabelecimento tem resol-
vido vender as fazendas existences erft sen estabe-
lecimento, por meaos do que em notra qualmer
parte.
Cretan ha a 209 a pega
0 Desengano esta vendendo pelo diminuto
de 20* a peca, bretanha mnito Aha e com 25
cada peca ; e grande pecbiocha.
Alpado a 800 rs.
0 Desengano esta vendendo pelo diminuto pree
de 800 rs. 0 covado ; aeta fazenda de lindai core
e padrr.es, e fazenda qne muitos vendeu a 1*500
0 covado; aproveitem.
C6rtes bordados a 55?
0 Desengsna esta vendendo pelo barato preco
de Hi, nm eorta de cambraia bordada, branca a de
-jres,e pechincha ; 6 fazenda qne muitos vendem
Madapoloes
0 Desengano esli vendendo madapolio francez
com SO varas cada pecar pelo barato preco WU.
e grande pchta finos, a 5*, 5*600 e 6* a peca ; sprcveitem.
Organdy a 320 rs.
Organdy branoo, de listras, fazenda muito flna,
pelo diminuto preco de 320 rs. 0 covado: e gran-
de pechincha.
Cambraia anjo da meia noite
Vende-se esta linda cambraia pe 0 diminnto pre-
eo de 3*500 0 c6rte; aproveitem qne 0 Desengano
;4 aqoeimando.
E'BOM SARER-SE
Que a NOVA ESPERANCA, a rua Duque de
Caxias n. 63, bem conbecida pela superioridade de
sous artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
ber diversas encommendas de mer adorias de sua
reparticao, que pela elegancii bem mostra aptidao
e bom gorto de sens antigos correspondeates da
Europa, e por eata rtzio a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convlda a sna boa
e constant* freguezia e com especialidade ao sexo
amavel, a visitarcm na, afim de apreciarem ate
ondetoca oprimor/d'arte.
A NOVA ESPERANCA 3o quer eotrar no nn-
mero dos massantes (verdadeiros aznerins) com
extensos annuncios e nera pretende descrever a
immensidade de objectos que tem expostos a ven-
da, 0 qneserfa quasi impossivel, mas limitar-se-ha
a meneionar alguns daqnelles de mai? alta novidade
e toraa a liberaade de aconselnar ao bello sexo,
que a visitem constantemente, para depois qne
comprarem em ouira qualquer parte dSo se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sortimento
qne ba em dito estabelecimento, esta ratio tam-
bem demonstra qne qualqner senhora do bom tola,
nao podera ccmpletar a elegancia da sen toilet
sem que de1 um Jasseio a NOVA ESPERANCA, i
rna Duque de Caxias n. 63. a qual acaba de' rece-
ber os seguintes artigos de luxo e intetra novida-
de :
Modernas setias para prender os cabellos
Primorbsos leques de phantasia.
Bonitas sahidas de bailes pan senhoras e meni-
nas.
iDteresaantes gravatas para senhoras.
Elegante* facbas de touquim.
Bons,adereco8 de madreperola.
Deilcados aderecos pretos de pnfalo e borracha
(gosto boyoIj
W Kd M I f lli" Eid 0 sitio junto a igre-
ja de S. Jos6 do Mangu nhc, com casa de vivenda
assobradada e outras acommodac.3es, todo mura-
do, com duas frentes :ervi 'as por portao de ferro,
dando para a rua da Amizade e para a do Man-
guinho. Tem der terreno proprio 194 palmos de
largura e 354 de fundo ; e a casa ntede o2 palmos
de frente e 84 de fundo. A situacao e a melhor
Eossivel para morada, e quem quizer edificar, tera
astante terreno para isto, pelo lado da rua da
Amizade. Tem a'gumas plantaySes de gozo e re-
creio, havendo bastante agna fornecida por duas
caeimbas, nma das qGaes e nova. A entender-se
com 0 Sr. Dr. Witrovio quem 0 pretender.
Vendese cal de Lisboa : na pr^cx d O rj
Santo n. 17, 1* andar. e^criptorij d ja
I'rig^e^ Ta\ares do Mello.
Para seokorM
Como sao lindas e modernas as gravatmha* <%t-
a Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, .-
do receber I
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vede se am grand.' ..i^iii,-; :.
10 de eortinados bordados pmpria< t-ara >-\r-
janellas, ptlo barato. preco de 8, 9 e 10,000 i-
par, assim eomo colchas de damasco pa,-
de noiva a 10 e 12,000 rus e pec m- ha ;
rna da Imperatriz n. 60, de Pesll P- ( ;ra C
Silva.
E' economic*
Graxa glycerina prrnria p^sra a 1 1 m nti
cordovao; vende a NOVA ESPEP.AXCA, a raa &3 -
que de Caxias n. 63.________
Grande descotwla
Curativo das moleslias d
peito pelo
Xaropc lc sulnhitr- !< aJ>
DE
A. BER\ET
Este importante medicamento qne acsae C-
reconhecido pelos dislinctos Drs Zallnni ^ Pana
chevas como um verdadeiro espei iho*. e..nlr-<
pbtysica, segundo provaram no? grai.i< nna*
ros de casos por elles experimentadi, ,-
aa sessao da arademia de Paris de Ji ce rr
flo corrente anno, eneontra-se unicam.-nf rr
Deposito da ; barmsria e drnpana
de
Bartholomeu 4b C.
N. 34 Rua larga do Rosario .V 3>
Sedinhas a 1,^500 o cuv d,
Venham antes que se acabem : na hfa do P*~
a roal* de Marro n. 7 A._____________
- Wll.-on Rowe & C. vendem ao w* M*rr.x*a
a rna do Commercio u. 14 :
verdadeiro panno de algodao azal aiuervM
Excellento fio de vela.
Cognac de qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as quaMao
Vende-se a armacao e pcrtencaV< fab.
de cigarros da rua das Trincaeiras nil: a ira-
tar no pateo do Carmo n. 3, on aa rua Im Tria-
cbeiras n. 1, garantindo se Scar na cm.
Vende se ou permuta se por ca^as ui ridad?
nm bom sitio em Beberibe, com cas para f roHia
tendo bastantes arvoredos de frn to e car? ree i
ficada : a tratar na rna Ha \i n. 46.
Salsa parrilha
Muito nova e grossa.
Vende-se por barato prejo, em porcao ou a re-
talbo : na rua larga do Rosario n. 34.
Liquidacao de roupa feita
Na loja do Pavao liinida-se nma grande por-
cao de roupa para homens e meninos,como sejam:
calcas de casemiras pretas e de cores, para todos
os precos e qualidades; ditas de brim de An-
gola para differentes precos ; ditos de brim de
cores, pardoa e brancos ; paletots saccos. casacos
e fraks de panno preto e de casemiras de cores
coletes de todas as qnalidas, por precos bara-
tissimos, assim como grande porcao de camisas t
ceroulas por menos 3 0|fj do jseu valor s6 pan
acabar : a rua da Imperatria n. 60, de- Felix Pe-
eira da Silva.________________'
Vende-fe as seguintes casas : dnas na rua
do Visconde de Goyanna ns. 20 e 22, nma dita em
S. Jose de Riba-Uar n. 35, nma dita ca rna dos
Pescadores n. 4, e nm sobrado na rna da Restau
raclo n. 54 : a tratar na ens acima n. 16, das 0
as 9 horas da manbi.
Para aboaconservacao
VOSSOCA BELLO
fltfJWrfc
e certo t
E' bonito
As aknofadas bordadas da la matlsadas que ra-
cebeu a Sova iperaiKa, a rna Duque d<
-axia? r, %\
PARA LUTO
Veftde-sa chitas inglezas pretas com pintas a
BOO rs. ojcovado, dita francezamdtto fina, tamo Haaa
como can pintas de 320 rs. para cima ; eattao
a 800 rs. e muito tlno a 1,000 rs ; bomba-
as, pnncezas e alpacas de todos os precos;
as pretas Hsa* de 400 at 900 rs.; assltt
como nma grande porcao da retalhos tanto de
chitas pretos como de las, qne se veodem por
precos baratissimos : tambem nma grande porcao
Vende-se um pequeno sitio k estrada de Joao
de Barros, on se vende pequenos terrenos no mes-
mo sitio, conforme se entender mais convenieote e
vantajoso : qnem pret-nder, pode-se dirigir ao
?eu proprielario Antonio Feliciano Rodrignes Sette,
a dito estrada de Joio de Barros, casa n. 9.
Cortes decasimira a 4#,
e 6#000.
Na loja do PavSo, vende-se cortes de ca-
semira para calca a 49, 59 e 6(5000, ditos
muito fines de iirna su cOr com listras ao la-
do, fazenda que sempre se venden a 9# e
10#0OD, liquida-se a 6^000 para acabar :
i rua da Imperatriz a, 60, de Felix Pereira
da Silva.
Aos Hicninos
A NOVA ESPEftANgA, k rua Duque de Caxias
n. 63, acaba de receber nm bom sortimento de 11-
fteihales preto, de las a 1,000 "rsTpSrestaremnm ^T^+t1' <* "em-ae e cboram ;
A 500 rs. o covado
Na loja do Pavao venda-se lazinhas japonexas
de cures muito modernas pelo baratissimo preco
de 500 rs. o covado, para acabar ; notando-se que
6 fazenda que iamals se venden por menos de
doia oruudM ; ja ba poucas : 4 rna da Imperatriz
n. 60. loja do Pavao, de Felix Pereira da Silva.
Leques grandes e modernos.
Na loja do Passo, rua i de Marco n. 7 A, de
Cordeiro SimSes & C.
VENDE-SE'
Na rna do Vigario n. 19, vende-se o seguinto
Cimento de Portland, em primeira mio.
Vinho do Porto, engarrafado, Gnissimo, em cal-
xai de duzia.
Dito dito eW barris e ancoretas.
Vinho Sherry, inglez em caisas dfl duzia.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
Elle e* um preventivo seguro
a calvice.
Elle da* e restaura forca e sanidade 4 pa..- >
cabeca.
Elle de prompto faz cessar a qu<>!;. r -
tura dos cabelles.
FUedi grande riqueza de lustre aosea-
bellos.
Elle doma e faz preserver os cabelk, wi.
qualquer forma ou posicio que se dee-
jo, n'ura estado fortnoso, liso e mac!
Elle faz crescer os cabellos bastos e cocap-
os.u
Elle conserve a pelle e o casco da cabi- *
limpo e livre de toda a cspecie de taiir*
Elle previne os cabellos de se tornaren b^a -
cos.
Elle conserva a cabega n'um estado de fraa-
cura refrigerante e agradavel.
Elle nio 6 demasiadamente oloosay fordr-
rento ou pegadico.
Elle nio deixa o menor cheiro deaagr
vel.
Elle e o melhor artigo para oa cabeik' ** i
criancas.
Elle e o melhor e o mais aprasivd Mif
pan a boa conservaclo e arranjo dos- c~
bellos das senhoras.
Elle 4 e union artigo proprio para o puafca
do dos cabellos e barbas dos senhora*.
NENHUM TOb'CADOR DE SINHORA .
PGDE COiNSlDERAR COMO COM-
PLETE) SEM 0
TONICO. ORIKN^Ab
o quol preserve, limpa, fortifica o;dbnao~e
6. ABEL *3
Acha-M & vemla los estab'.
H. Fowler principles loja de perfumarias e





8-
>
^iario de Peraambuoo Sabbado 7 do Novembro do 1874.
irTTERATURA
Hr. vtocende de Ports Seguro-
(Concksio)
N> museu ethnograpbico fomos agrada-
velmente surpreneodidos com toda a part*)
reliliva aos Caraibas o espeCialmente com
OS grandes quadros a oleo do pintor A
Erkoat, feitosno Brasil, de 16V\ a 16*3 ;
OS quaos sao das primeiras pinturas. ex u-
tads na America d'apris nature. A-tgum
desses quadros. como os dous ns 123, 124,
125 e us ns. 132 e lit) eslao ate pelo pro-
pno A. Kckout ass:gnalos, mas Bio tarn
t)Hin do meson pincel os pendant nio assi^
naduse o n. 128. Os dous m 140. repre
seutan lo um preto e urna pr* ta tern mais
natural encarnadura quo os quo represen
taio os indios. Pelos accessunns se recom-
mends a rnestiga debaixo de um cajueiro,
de onjos fructos cahidos comem alg.uns por-
quintios da Iniia, etaruben o mesligo seu
compauheiro do tanga branca, cim espada
de roca e mosquete.
No todo, C ipenhagoa excitaria mais DOS-
sa admiragio se tin depressa nao tivesse
viol Sto kholmo conquistar Ihe a preco-
deucia. Stockholmo esU situada na an-
gustura de um fiord ou profundo golfo, que
no propri i local em que f )i fun la la a cila
de, MM suas aguas salgadas a% doeea do
igualmrnteTomprido lag) Malar semelhan-
te a tntos outros em que abun lam as cos-
ta- g auiticas da Suecia e Noruega. O nu
deo da povosgao, como seu luime indica (1),
f i a p'incipm somente ni itha quo tica n
oieio dessa angustur, extenden io-se depois
4s outras knmediatas e ao coutiiiente, tudo
hoje eotre si ligado por lueio de po tes, al-
gu "as das quaes sio t;l > almir*veis que
fazem crer muito prova el, n> futuro, a
reuniao por meio de alguma altissima pon
te, do morro do S. Bento & ilha das Co-
bras, cujo aspecto tanlo faz recordar a par-
te menos povoada de Stockholmo desde
Skinnarvikeo a Langbolmen
Tal pome nao sera" considerada nenhum
milagre Dara os que tiverem atravrssado a
da estrala do ferro sobro o braco de mar
juni i a Roterdam, ou houverem visto os
pil res da outra roaior em projecto. tambem
tin Koterdam. A' circumstancii de haver
sido fundada a pnmitiva ci lade juslamente
ca paragem da juncgao das aguas doces
com as salgadas deve hojo Stockdolmo o
achar-se, por assim dizer como o Mexico,
sahoreando os peixes de agua doco de urn
lado e os da salgada do onlro. S rare a si-
luagao do Gotemburgo, segunda cidade do
mo*) e postada tambem no fun lo de oaten
ftorde de mnrgens igualmonto graniticas,
leva a de Stockholmo n granle vantagem de
serem as agoas raais corretitos e sera esses
canaes de agua menos transparentes e que
cnncluem por srem doentias. Km Sto
ckhifl.no do cimo das pontes sa estao vendo
transparentar os peixinhos n'agua. Sto
ckbo mo, como as outras cidades uiaritimas
da Suecia e da Noruega, ver-se-hia hje
muito mais prospera e rica so os sous habi-
tantes tiv-ssem menos horror a emigrar.
Nao se creia isto um paradoxo. A cidade
de llumburgo deve talvez & emigra^ao a
sua maior prospo idade, o grand:! numero
Jos palacios e casas d.is margen> d >s dous
bas-iins do Alster provieram de fortunas ad-
quiri'ias nas duas Americas, q'le ahi vioram
a empregar os que as baviam feitOj em an
nos de economia e actividade, Iongo da pa-
tria.
Stockholmo e a perola da Suecia e Norue-
ga, e vale por si so quasi tanto como gran-
ae pane do reino de que e* capital e cOrte,
alids hquissimo pelo seus mineraos de fer-
ro e de cobre, e por suas madeiras, que
con^ena se fossem devastando menos, de
raodo que deem tempo n crescer e forma-
rem-se novos bosques das novas sementei-
ras. Dos terrenos de formaijao granitica, em
que tant > abunda a Suecia, sao as madei-
ras a mais segura pro luncao; e e de esp -
rar que as muitas lagoas que hoje os cor-
tam se vio pouco a pouco dessecando por
nioinhos, como na Holhnda, convertondo-
se u'sfu fundo em jarlins, como em nossos
proprios dias vimos haver succedido em
llarlem.
A inven^ao dos pequenos botes que, por
uma iusigniticante inoeda de oobre, servem
eomo os omnibus em outras cidades, e es
(1) Stock, estreito; holm, ilha.
pecial de Stockholmo e dignissima de ser
cipiada en muitas outras maritiitMM
Se a siluv;ao de Stockholmo e superior a
ie Copenhague, os seus estabelecimentos
publicos tio_p )U''.n lhe sio inf-riores. Se
nio p >ssue um museu de Th rwaldsen,
nem os quadros de A. Eckout, possue un
grande museu nacional, do estylo mais so-
t>rio e seno da Renaissance, cuja construe-
i,ao, ultima ia em 18>>5, importou em mais
de mil cont s. Contem uma bella collec-
i;ao de qu'drns de tudas as escolas, com
magnificos Rembrandls, supenores Rub ms,
h un grande numero de originaes de rarias
esuolas, assi n antigw como couteupora-
unos ; acbando-se beu reprosentada a pro-
pria Suecia. No mesrao edillcio >-sii u mu-
seu historico, classificado em varias idad^s,
nquissimu especialmentn nas da pedra,
bronze ; firm, nas regioes escandinavas
Em outro andar do mes.no edicio encou-
tram-se varias salas, contendo collec^jdes de
estampas, de esculpluras originaes, e outras
modidadas em gesso, m liolicas, uma b-lla
armaria, vestuanos historicosde C trios XII,
Gustavo Adolp jo e ouims reis.
0 museu geologico, so respectivo ao* pro-
duces da Suecia, dA uma excellonte lie.
da riqueza do seu solo em ferro, cobre, por
aro, granitos e mannores. Pouco alia ite
se ve, por uus poucos ie ores, um curioso
museu etbiiMgraphicoforraadi to to seutes par'.ioulires, ile objeitos do paiz,
com liguras ao natural, representando os
costumes e os trajo< dos habitantes, de va-
ries provincias, e s^us U'ensilios, incluindo
.ilgiios antigos. A Bibliotiteca Publica deve
ser visita la para su adimrar a Biblin do.
lhabo 0 Gig'as Librorum, manusenpto de;
300 pcrgaiuiuhoi, dequatro palmosde alto.
*oi trazido do u n couveuto de Praga, quan-
1 > os suecos tomaram esta cidade em
1648.
Sao tambem digims da ser vistos, nao s6
o gran le palacio real no seu interior, como
varias igrejas. Na e-taiua equestra do rei
Carlos Joao (R^rnadutio), se admir justas proporgoes do corcel ; o a ile Berselius,
bom como a do joven e intrepido Carlos XII,
co a a os a !a desumoaiuhada'-ua mao direi-
ta e a esquerda apontando para a Russia
seriam maisapreciadas.se, coloss es como
sio, eslivessem sobre plintbos um pou#i
mais altos. E' o grande defeito que se no-
ta no recente monuraento erigido em Ber-
lin as glorias da Prussia. A Victoria ticou
pouco t-levada, para nao dizer baixa e ras-
teira, nem que o piano f >sse dado por al-
gum archiiecto dos in pouca q Mi'Tusi la Ie com que foram tratados
pelos vencedores.
Devem tambem ser visitados o extenso e
umbroso parque, o Palacio dos Cavalleiros,
a Academia de Agricultura e o seu campo
de expenencias, o Museu do historia natu-
ral, e a Escola de art s e ofGcios ; e por
lira nao po le o visitante de Stockholmo t-xi-
nir-se de f.u t a excursdo de um dia a
L.isal, para ver a sua L'uiversidade, gloria
do grande Linneo, e autiga cathedral em
que si coroaram lanios reis.
Stockholmo ganba em ser visitada entran-
do ii'-il.i o viajante vindo do mar, e subin-
do pelo seu extenso golfo durante horas; e
quem po ier devera" alii aportar partindo do
Neva, e seguindo pela polynesia finlandica.
Porem, e tempo de nos occuparmos tam
bem da Russia, que deixamos para ultim
lugar, porque sao mais conhecidas entre
n6s as suas prcci'sidades, gramas ao grande
papel que hoje representa no mundo, e &
preciosa ob-a publioaita e.n portuguez, em
1868, na ilha da Madeira, |pelo Sr. Platao
I.vovitch Vakeel. Limitar-nos hemos pois,
a escrever aqui algumas linbas, apontando
as impressoes que nos foram deixadas por
um rapido trausitar por esse iraperio col-
lO:SO.
A Russia europea, qao comprehendendo
o Caucaso nem o sul da Crimea, e uma
grande plan cio com insignifi :antes ondula-
coes : pla raaior parlecoberta de bosques,
especialmente de pinheiro> e alamos bran
cos, que hoje se tin -ie-vatando, como na
Suecia Cortara estes bosques um sem nu
mero de lagos e lagois, uiuhoi prados na-
turaes e bastantes terras do pan, geralmente
de avea e centeio para as bandas do norte.
As prinmpaes cida les distinguem-se de to
das as da Eu-opa pel* largura das suas ruas,
e especial nente p-|os seus templos de gosto
bysautino, com umi grande cupula no meio
e quatro meoores formando-lbe corteji aos
, qoatro augulos, sur vindo u nas vezes tod as,
{outras so alguma dellas para susp-oder os
sinos, talvei uo rho grego de mais uso do
que nas igrejas catbolicas. Em Kgtmas
jas m..demas hi sd a cupula de zimborio,
e os sinos se vein em uma torre i pane. A
forma mais ordimria das cupulas e a de um
balao invertido, de ioodo que no perlil se
me!him-su a > da corda mperial. Sao ge
ralmen e forra las de chapas de metal,
quasi semp e de lutenle latao, a*s vezes dm
rado. Nas povoa^oes maiores, e aspecial-
mente em M -scow, a cidade das cupulas
por excellencia ha as de tolosos gostos ;
pralea las', pintadas celeste com estrel as e ate la branco ; na-as
tambem de euros enmbinadas, de ttrraa
qualrmgulo pyramidaes, etc. Nas alleas
destauain-se as igietas raui sensivelmente das
suas casas, em geral de madeira com tecto;
pintados de verde; a ponto que por vezes
p .recom uo no um prado em ladeira.
Se us tr-ijis especiaes do p iz vio na
Russia dusapparecendoentre as mulheres, nao
succ'.de outro tanto entr- os horaens. Ge-
ralmente conservam suis botas alias, e tam-
bem o seu cafelau asiatico, especie de robe
de chambre que sobrepde n cintura, e abi
se faz tirme-com uuu fa>:ba arme-im, is ve-
zes ulrerneala d outras cores. Os cocbei
ros d s droskyt usa n, a era deste traj", do
um ch peo preto, baixo de copa larga,
cingido por uma lita prtta aQvelada adiaute.
Os dos diplnnaticos, quanta levam este
traj, juntam o U50 ou tope nacional e.n ci-
IBi dessa ilvela.
Os droskys sdo descobertos, e tern, aldm
do asseuio mui estreito para 0 cocbiro,
outro pouco raaior atraz, era que diflkilraente
p lea) siutar-se duas pessoas
0 povo russo e talvez hoje 0 maisdevoto
e quasi super^ticioso da Europa. Benzem-
se trr-s vezes (a seu modoj quando passam
por alguma im-gem, e na la mais frequente
do que ver, nos log stas de Moscow, ao lado
do Stcho, c .ni que fa/.em suas cotilas, e do
jogo ue d'mas con que entreiem as hor-s
de onio, uma la npada de azeite vegetal,
accesa a alguma imagera na propria taji. Ate
0 respeito que ^uar la n aos porabos, sym
bold do Espirito-Sauto, e* urn co oprovaute
da sin :e.idade le seraelhautes sentimeutos
eligiusos. Na Russia ao estes volateis mui
f.-liz-s: to los Ines Jao de comer, e ninguem
0 usa matal os, nem proval-os.
S. Petersburgo .em rtquissimos palacios
iraperiaes e gra i-duuaes, mereceudo muito
ser visitados na cidade 0 imperial e 0 de
marmore, e nos arredores o de Peterbof e
de Tsarkoe-Selo. Este conta salas de todos
os capnehos, sendo uma de lapis-lazuli e
outra toda de ambar, e possuindo um salao
raaior, only tivemos a honra de assistir, em
1872, a um jantar imperial dado a perto de
300 couvivas, todos levados em carruagens
iraperiaes desde a estaQdo, seguindo depois
a Pavlovsk, lugar mais faraoso hoje pelo seu
Vauxhall, Uo frequentado no verao. Pus-
sue Petersburgo soberbos monumentos, co-
rn eg an lo pela nobre estatua a Pedro I, em
cima de um monolyto bruto de granito e
lendo 0 braco creador estendido sobre a ci-
dade. Entre as igrejas distingue-se a clas-
sica e riquissima de Isaac, com suas colum-
ns* inteirigas de granito vermelbo, coroadas
de capities de bronze, alem de mais dez ou
loze de malacbita e duas de lapis-lazuli no
interior, seu grande sino com muita liga
de prata, suas muitas joias, etc. 0 mu-^u
da Hermitage conte n rauitos quadros bons
e e especial nas antiguidades do ponto. A
bibliotbeca publica e riquissima em ma-
nuscripts antigos orieutaes, a escola demi-
nas possue uma curiosusima colle gao dos
productos mineralogicos da Siberia e da
Russia toda, o museu de historia natural
recomraenda-se pelos seus mastoiootes com-
pletos, em um dos quaes ate foram encou-
trados, dentro da neve, fragmeotos da pelle
com polios conforme ahi se vS.
Porem apezar de todas as riquezas de S.
Petersburgo, Moscow leva-lbe a vantagem
pela sua posigao raais saudavel, pelo seu
cunho mais nacional e ate pela sua riqueza
commercial, hoje que o seu coti>mercio tan-
to ganbou cora os camiuaos de ferro delta
para o Volga, e tambem para Odessa, para
S. Petersburgo e ate pira Varsovia, 0 que a
poz mais em contacto com a Europa central,
sem d -pendeu aa da capital de Pedri o
Grande. 0 crescimento que successivamen -
FOLHETIM
" JOANM
UM JOGO DEPIIXOES.
POR
George Sland.
JRA.DUCQ30 DE X. X. X.)
PARTE QUINTA
IV
(Continuasao do n. 253).
Hei de sempre lembrar-me dessa primei-
', ^ffusao de D-issas almas como de um s-5
bo em alguma ilha encantada, longe dos
fcmit-s do mundo real. Deixamos de per-
tenier a realidade, a essa cruel realidade
nu pnr tatito tempo fora am como muro
de bronze posto entre n6s I
Hi poucos meninos criados juntos que
r:a0 se tenham conhecdo muito para pode-
Meremse idealisar mutuamente. N80 e- s6-
rrpRte uma moralidade desde muito esta-
belecida que os preserva de se amarem mui-
to, Iu^oes.
tytaoto a mira, deuse porem 0 facto de
sr Joanna am ser tao perfeito e tio puro,
que, cm minhas lembrangas, eu nao a po-
dia 'Mfoparar a nenhum oatro.
Ouinto & ella, que nunca se enganara a-
corci do nosso parentesco, ligara-se a mim
invancivelmente, e nunca poude admittir
qae. n'um momento dado, eu deixasse de
ser o c-mpanheiro de sua vida inteira.
Tud> isso era muito simples, mas fo-
ram n s precisas horas para dizer-mo-nos
mutuamente, e ainla nos pareceu qne na-
da tmhamosdito do que tinhamos para di-
z.t mo-nos.
0 Sr. Brudnel queria deixar-nos antes
dos esponsnes. Resotvi em consequencia in-
formar-me por mim mesrap se tinnara fun-
damento os temores e receios relativns a"
raemoria de Fanny Ellingston. Parecia-me
que nem elle nem minha mai fazlam ide*a
perfeita da rapidez com que entre os inlif-
fereotes, mais de rinte aunos passades lei-
troera a impressao de acoutecimentoi par-
ticulares.
A pessoa que a tal respeito melhor poiia
consults 0 Sr. Brudnel era o seu braqueiro
de Bordeaux, que tambem fora banqueiro
da familia de Mauville, e a quem entretan-
to elle jamais ousara interrogar com receio
de trahir-sc.
Fm .i casa desse homera, a raaodado de
sir Richard, buscar alguns fundos, e c m-
segui agradar-loc tanto quanto bastou para
que elle me convidasse e instasse para jan-
tar. Eis as injormagoes que me fornece
ram sua conversa e asquetive com outras
pessoas, que cora todas as possiveis pre-
caugoes, pu le apalpar :
0 marquez de Mauville, tnorto era estado
de loucura, segundo era crenga geral, ti-
nha'om ma" > caracter sem consistencia e
que ninguem tomava aoserio. Algumas
pessoas chegtvam mesrao a-sereoo injustas,
e nao admittiam que elle jamais tivesse ti-
do serias razoes de queixasde sua mulher,
que, a despeito do seu crime, era tida como
uma reputagao alva de neve. Dizia-se que
fora victims do odio de sua sogra e dos
ciumes insensatos do seu marido. Asse-
gurava-se que ella nunca tivera relagoes
com sir Richard Brudnel, que estava justa-
mente ausente do paiz na epoca em que o
marquez matara na coutada um cagador
furtivo, a" q-iem tomara por um rival. E a
isso juntavam detalbes e minudencias que
nSo pude verificar.
Accusava-se uma das cunhadas de Fanny
de ter tido no castello uma intr'ga amorosa
muito seria, que fizera recahir as suspeitas
do marqaez sobre sua desventurada mulher.
Em lira era unamme a opiaiio em favor
da marqueza ; e suas relagoas com meus
pais, na epoca da sua more, passaram des-
apercebidas n'uraa grande cidade, em que
occupavamos bem pequeno espago.
Para a;baras cKcumstancias, cujo con^
fronlo receiava nos, fo a mister estabelecer
e fazer um rigoroso inquerito, e otuguem
no mundo tinna razoes nem motivos para
fazel-o ou pedil 0, porque quasi toda a fa-
miha de Mauville tinha djsapparecido-, as
terras tinham sido vendidas, e ninguem
com aqni'ilo nome babitava aquella tacali-
dade.
De BjrdeaTjx fui para Marmonde, onde
0 raoa nome erduito.ramcotcdesconhccido,
te tem tido esta cidade se demoostra pela
simples inspecgio da sua planta. Depois
do recintj do Kremlin, nucleo originario da
povoagAo, h rave outros dous terminanio
igualmente no rio. Seguio se um quarto
pela actual rua dos Jar tins, que passava
pela Porta-Vermelha, vindo a actual iinha
das barreiras a ser o quinto.
Em outras muiias ci lades da Europa a
simples inspicgao dos pianos, indica os re
ciutos das povoagdds primitivas; lembran
do-nos de citar Dresla. Leipzig, Bremen,
F ancfort. Brunswick, Hamburg), Dantzig.
Berhm, Viinn.i, Padua, Muitua, Verona,
Milao, etc., et;.
A parte mais interessante da ci lade e" sem
duvula o Kremlin, com suas bdlas igrejas,
seu palacio e seu grande sino cahido e que-
brado, de raais de 46.000 quintaes de peso,
e que chega ate um primeiro andar, e ape-
nas itoleser abarcado por umas 15 ou 16
pessoas de brag os abartos; nias nio e menos
curioso o bairro imme liato chamado Cidade
Chineza, com 0 seu Gastiuoi-dvor, especie
le caravanserai em que se vdem arruados
ourives, capellistas, franqueiros, etc.
Alguuias igrejas se nos ligoravam no in-
terior como forra las de chapas de ouro nu
de prata l&vradas, com pequenos buracos,
por on le apparecem as ma is e caras dos
santos. No exter or vee.n se a"s vezes fres-
cos ; porem o que mais altrabe a aitengao
fas mesmas ig' ejas sio as suas cupulas ; o
a igr.'ja do beato Basil 10, froutcira a* porta
sagrada do Kremlin, tem varias e de taes
uaprL-Qos que nerecem consi terar-se como
extravagaheias da arcbiteciura.
Quem esleja em Moscow, no tempo da
feira, no mez de sgosto, nao po lera deixar
do dar uma cbegada a Nisni-Novogorol,
junto ao Volga., paragem mais oriental do
mundo, oude temos posto os pes, e com a
qual terminaremos. E' uma Babylonia de
povoa do todas as ragas orientaes, lartaros,
persas, armenios, buckares e outros. Tar-
tarus S&o quasi todos os trabalhadores que
se distinguem pelo cabello r.ipado.
E' enorme o cal r que gyra na leira, e
tolda o ar o dens 1 p6 que, com 0 an Jar de
gente, so ve levantar do cbao. Da Siberia
vem ahi ferro, pe Iras preciosas e outros
productos ; do Caucaso excellentes tapetes ;
da Persia fructas seccas, las erauitoalgodao
em rama, etc. Veera-se tambem gran les
rimas de caixas de cha" ; mas uem to lo elle
vein da Coina, e sim parte d .s portos do
norte da Alleraanha. passau lo por Moscow,
ja* arranjado em caixas forra las do couro,
para parecer de dravana. Como lembrau-
gi da nossa vtsita a esta feira pousamos
couservar eternamente uma enorme sapbira
nao lapidada, que abi alquirimos, e faz a
admirgao de quantos a vtiera.
Desejaramos tambem muito ter visitado
as antigas cidades de Kiew e de Novogor d,
celeore esta pelo seu original monument > &
existencia da monarchia russa, que vim is
pintado em um maguiQuo quadro uo palacio
de Tzarkoe Selo, mas que nao n s era pjs-
sivel ir ver sem faltar a outros deveres ;
pelo que pedimos que nos veuham a contar
0 que viram outros mais independents e
feliz.es, que melhor possara dispor d 1 tempo
que seja todo seu.
Stockholmo, 28 deagostodel874. Vis-
conde de Porto-Seguro.
assustem, nem rebates que nos sobresaltero., ,pena, IhefaHafa via moo para a f-jroal-
.Sibemos q ie 6" tudo fugaz e tran-iton >
DISCURSO DO SR. DR. TH UIAZ DE CARVALHO,
DIRECTOR OK ESCOLA MEDICO-CIRCRG1CA
DE LISBOA, NO DIA DA ABERTL'RA DOS CUR -
SOS, NO CORRENTE ANN'O, NO MEZ DE OU-
TUBRO ULTIMO.
Sunhores.Cabe-me uma triste e dolo-
rosa obrigagao. Quer a lei que neste dia
soletnue se recordem os su -cessos mais n -
taveis do anno escular, e nenhum para n6s
teve maior imporlancia, nenhum nos sor-
prendeu 0 affect >u mais profundamente do
que a morle quasi repentina do professor
Abel Jordao, arrebatado no vordor dos
aunos, e quando apenas comegava a colber
os fructos dos largos estudos a que se hivia
dedicado.
Por ollicio hdamos com a morte, e apren-
deraos a eucara-la co a animo e desassora-
bro. Nos a.nphitboatros e nos hospitaes te-
mos dianameutu a sua imagem diaute d is
olbos; a caia pagina a encontraraos nos li-
vros de medicina ; reflecte-se no esp lbo
das nossas meditagdes; e acaba por ser a
nossa coustaute e permanente preoccupagao.
Nao tem, nao po Je ter sorprezas que nos
e alii encontrei a minha aversao, porem
mais firrae e com mais detalhas, falsos ou
verdaieiros, ainda mais desfavoraveis ao
marquez, a* sua mai, e a suas irmSs. Al-
gumas pessoas lembraram-se ainla da ma-
nina Moessard, digoa e doce raocinha que
0 marquez expell.ra se motivos, n'um ac
cesso de colera. Depois disso ninguem ou-
vira mais fallar della.
Pude. pois, destruir os temores de Joan-
na e do Sr. Brudnel ; e os banhos foram
publicados cora 0 prazer de nao termos de
nos separar.
Isto causou grande admiragao na cida-
de ; mas, sendo a nossa posigSo Uo clara e
facil le provar, sendo Pau uma ci lade tao
exclusivamenta absorvida pela exploragao
dos estangeiros, e sendo miaba mai e mi-
nha irma tao respeitaveis e irreprehensi-
veis, pouco durou essa airairagao, e em to-
do caso nao foi malevola nem obstinada.
0 Sr. Brudnel passou por ser nosso bera-
feitor, mas ninguem expticou sua amizade
por 116s senao como retribuigao dos cuida-
dos que eu lhe tinha prestado, e isto bem
depressa me deu mais reputagao do que se ludido sorriso entre os espinhos de um ca-
eu houvera operado curas admiraveis.
Desde eotio fui eu 0 maisfeliz dos espo-
80s, dos filhos a dos pais, ao mesrao tempo
que tornei-me 0 mais occupado dos medicos.
Pudemos comprar uma casa mais vasta
e mais pruxima da cidade do que 0 chalet
do Sr. Brudnel, e podemos alii nos reunir
ao nosso melhor amigo, cuja vida espero
prolongar bastante para que elle possa a-
bengoar seus netos.
Mas nao devo eucerrar esta historia sem
aqui transcrever uma carta de Vianne, que
recebi em Pau. poucos dias depais do meu
casamento. Eil-a :
a Agora, meu amigo, ja sabes por que
razi), com submi-sao e repeito, deixei de
pretender a mao daquella que consid'-ravas
tua irraS. Ella deve ter-te dito que, ven-
do-me muito incomraodado ante sui hesi-
tagao e conhecendo a solidez do mob carac
ter, dignou;se contiar-me 0 segredo do seu
nascimento e 0 do seu devotamento por ti.
Apr. senta-lho as homenagens ue um re-
pelhdo, que ha de ser sempre, tanto para
ella como para ti, 0 mais dovotado amigo.
guanto 'a mim, dispuz do meu des-
tino.
a Depois de ter desspparecido de Mont-
pellier durante quatro mezes, para ahi vol-
tei casa lo com uma boa, linda e araavel
creatura que tu on ieces. Raptei-a na ves-
pora do seu casameato com esse excellente
e cavalbeiro inglez, que talvez me queira
mai por isso, mas que nao tem razao, por
que creio que prestei-lhe o maior servig >
que um bomem pode prestar a outro, qual
0 de preserval-o de uma loucura, tao fu-
nesta quao generosa.
Acbei-me para com elles ni nesmo
pe le relagdes era que estiveste, cora uma
>6 difforenga, que foi nao ter me ligado es-
turdiameute a nenhum deltas e nao ter cons-
trui lo para mim raesrao nenburaa especio
de romance.
Venfiquei os factos sem deixar que as
apparencias m'os impuzessem, e vi: de
u n lado, um bomem saciado de emogoes
violentas, carecenJo de repouso, preoccu-
pado antes detuio com um sentimenlo pa
ternal, que 6* a unica paix&o seria nessa
idea sacrifieando aos escrupulos previstos
de Joanna seu rep >uso e sua liberdade, e
em lira mettendo-se com um triste e desil-
saraento desarrasoado ; de outro lado, uma
moga desgostisa, jdoenle, boa tambem,
boa antes de tudo, mas lassa de araar em
vio e de correr ap6s pnaotasmas, devotan -
do-se sem logica a um velbo que nao a de-
sejava, e que tendo outra familia, nao ti-
nha carencia de uma raoga para tratal-o.
Mnnoela, desconhecenlo muito o mun-
do e a vida, nao podia nem pode dispensar
saos e severos cons-lhos. Foi por isso que
pedi > consolhos & minha expeneiuia, sem
occultar me suas oMessidades e impruden-
cias, qae aliAs eu ja conbecia.
Ella nao se apreseutou aos meus como
aos teas olbos sob 0 aspecto de um enigma
dialed de peaetrar ; e nu, tomandd-a pel)
que ella era, disse-lbe, sem raa"o humor e
sem tremores nervosos, verdades menos
duras, porem mais posilivas do que as que
por ventura he dissestc.
Eu dava muito valor & cura de sua
pret nJidi lesuo de coragSo, visto que ti-
nha certeza do meu diagnostico.
< Offereci lhe, pois, ado um culto idola-
tra, por que fora mentir, uem caricias em-
bnagantes, por que nao e*^isto uma espe-
cialidade, mas tao somento o casamento
Ella tevo mfido odeaconfiou ate 0 ulti-
mais fugaz e transitoria a vida- que todas as
cousas que sabemos. E apezar de quanto
mediiamos, de quanto a experiencia nos
diz, e a sciencia nos ensina, os nossos sen-
limentos io incredulos; revoltamo nos im-
pacieutes contra as leis da nalureza, e accu
samos a Providencia por nao dar a eterni-
dade ueste mundo dquellesr a quem consa-
gram >s os altactas do nosso enragao.
Homo sum, et nihil humani a me alie-
nian pub), diz o poela. U medicu.com ser
medico, nao d-ixa de ser bomem, e de ter
lagnmas nos olbos para todos os soffrinvm-
los human os. A morte do professor que
uesia sossa.J, ommemoram js, -or,>rendeu-n a
a todos, e seja-nos licilu lameutar a perda
que sotlremus.
Outra razao maiwr nos moveria, quando
nao bastassem o altacto u a saudade, a re-
cordar a vida do professor que todos esuma-
vamos. As c >rdas de car alho nao foram
utiioameate tecida> para os heroes, os mo
11 a men ;os inveutados para os grandes da
terra, os ehgios para os soberbos e vaidosos
do tnundii. Kepouse o guerreiro ua sua
campa, lerabrado aos ctvos no canto dns
poetas imm irtaxs. Se bal.ilbou cornjosa-
mente como 0 Cou lestavei, w salvou a pa-
iria com i u rei a quem servia esse grande
capilao, tem direiio i j, viudouroS. Erga-se inoiiuuieiilo pe-
reuue ao bomfeitor da bumamdade; esse
foi grande na terra, e ninguem Ibecuntesta-
ra o tnbulo da gratidao que mereceu. Mas
ha outros tambem, menus levantados na
admiracii do mundo, de mais escssa me-
mona, e mais modesta fa ma, espiritns reco-
Ibilos, e ubreiros infaligaveis. que sao
igualmeiile cred<>res do respeito que lhe
I vem os, e das pal nas que Ibes votamos.
Bista que a sua vida seja exemplo de virtu-
des, 0 nos sirva de estuuulo pira os s-guir-
uos e iraitarraos. 0 professor Abel J inla >
foi um desses espintos -mltos e recolhidos.
um desses eiiertficos e infatigaveis obreiros
da sciencia, a quem por dever nos cumpria
Uvrar esta coinmHiuoragau.
Como succede quasi sempre aos predes-
tiuados da sciencia, logo nos primeiros annos
revulou os dotes que depois o baviam d^
fazer sobresanir ; uma curiosi ia do insacia-
vel, e um espinto precoceneute reflectido.
Conlribuio para o desenvolvimento destas
preciosas fac.uldades uma educagao pruno-
rosa eesmerada, entre os preceitos de sua
mai, senhora de alevantadu en'endimento, e
os con-^elnos de-eu pal, arao cuja lama ng
fdro ponugu.-z ainla hoje 6" lembrada pelos
seus omamentos acluaes.
Receiam alguns moralistas da exagerada
ternura dos parentes nestas primeiras ini-
ciagoes da vida, e pret -ndera qne o espirito
se enerva, embala lo pelos carmhos affec-
tuososdeuma educag3> familiar. Qu ran
logo os pupillos implumes lancados no tur-
billiao do munlo, aprendendo & custa da
propria experiencia, e avigorados na luta
para que se devem preparar. A vida 6 um
combate, vita pugna, e nunca e celo de
mats para enlrar nelle.
Nfio vivemos em Sparta, e confesso que
me commovem mediocremente as memonas
dessa pequena republica da Grecia. Dene-
mos cres :er as azas & avezinha, que, depois
dellas crescidas, podera* correr os qoatro
horisontes. Nas prim-iras idades e o cora-
g3o que havemos de f irmar, e esse encargo
piedoso pertence naturalmente aos pais. Os
pedagogos virSo depois tomar conta do en-
tendimento, quando for occasiSo de entraj
seriamente na existencia.
NSo tevo Abel Jordao do queixar-so dessa
pnmeira educagao familiar. Guardou sem-
pre na raemoria as palavras atf-ctuosas da
m3i, a quem vottva um culto supersticioso,
e foi um bomem bonrado co no o pai, cu-
ja memoria sjube veuerar etn toda a sua
vida.
Destinado para medico, e terminados fe-
lizraente os estudos preparatorios, foi cursar
a faculiade de raedicina do Coimbra. Ahi
com 0 exemplo de coudiscipulos dislinctos,
e com as ligoes dos sabios ra stres qu > o es-
timavam, soube maoter a reputagao de um
estudoite applicado e de talento, conseguin-
do algumas vezes 0 premio dascadeiras que
frequentara, e sempre bourosa distin gao em
todos os seus exam^s.
Uma circumsta icia curiosa 0 fez abando-
nar repentinamente a universidade, quando
tu-a.
Tinha penetrado mo Coimbra o conUfie
da phil.ophia alUjuii, introduzida por ai
guns rivros francezes, que mai sbiam inter-
pretal-a. Nio 6" essa philo-ophia para ee
(wrebros neo latinos, e ma I se poderi adi
mar no paiz do sol 0 das flore*. Co oDre-
bendem-se aquellas e-peouUg6s profumlw
e metaphysicas transcn le.uta s na regiit
los nevoeiros perpetuos n > territurio claaai-
: das lendas e dos ii.y-.len >s Tudo ad
conspira para o recolhimento do espinto,
para a vida do enten lim^nt >, para a exis-
tencia subjecliva Uo ptiilosopho e do me tivo. Ain ia por II eiistem aquellas flores-
tas extensas e grandiosa-, como as descre
ve Tacito, em que os soldados roman< nic
ousavam peuelrar temidos e receii.sos seu mysterioso s lencio. e dos formi iavei-
louses q ie netlas babKavam. A n turezt e
ainda nesma, fria, get* 'a, tacilurna e me
lancolica, com o temperamento. como o ge-
1110 de todos os seus habitantes
A pbilosopbia allerai e, por assim dizer, 0
ultimo termo da grand* revolugio operada
por Lutbero. Quando us nosso* escripto
res, contemporani'osdo reforuudor, ms der-
ramavam em improperius contra o abomioa-
vel frade Martinho, e os in inisi lores per
s- guiam a Damiao de G6es, pe as relagdes
que com que elle tivera na Allemnba, efarr.
nfluidos unicamente p*lo fanatismo intok
raute da epoca, c mai adivinbavam a pro
funds alte flea,1 que pro luiiri>m no espiri
to da humanidade as duas grandes liberda-
les proclamadas pela refor-na Todas a*
sr.iencias se resenliram daqmlle moviasenlc
intcsliii0. que mnis ou menos ptmeirou em
tola a Eu-opa civil sada, como nos profau-
dos cataclys nos ia terra o abal se nao It-
tuita ao foe..) da sua mai0,- explosao, mat
se props*a e esteo os seus etTei os deslruidores.
A philosopbia. enredada ainda nos laby-
rinths da escolaslica, que por s culos a to
ve suspen-a entre o espiritualisnio contem-
platitiv.i de Platao, e o sensun'ismo eipen-
nental de Plut.io. e o smi^u-lismo eiperi-
menlal de Aristoteles, foi a pnnyira a ex
perimentar os resultados da f.rmidavel re-
volugio, e a separar se vi^l.-ntamente da
theologia cujo imperio ousou sacudir,
cujos dogmas ousou mdagar a nova e esplen-
deute luz da cntica e da razao.
Iiisse jue essas cogitacoes iranswndenttes
repugnavam aos cerebros n-n-lntinos ; e
com t-ffeito, nao me recordo de pbilosopbo
portuguez que acompaohasse na sua evoki-
gao o c.urso das novas i ies uascidas da n-
forma. Collocados mt rxtremo occidente
la Europa, e tendo di rate as vistas e deser-
tas plaaicies do occeano, para abi voltimoi
a nossa febrilactivtdade, e tivemos a fortu-
na de alcangar nome e gloria descobnodo
ao mundo absorto o caminbo das formosa-
regioes da luz. Foi a nossa missij provi-
dencial. Podemos g.tb navegadores, de esforcados e de mclyto-
guerreirus ; as seiencias especuUti-as. po-
rem, pouco nos devem, como se na grand-:
faina dos nossos trabalbos mantimos, e de-
pois na conteraplagao inerte dos nossos fai-
tos nos nao rostasse tempo para reflectir a
meditar.
De um so me lembro, que a historia da
razao proclama com respeito ; e esse mese
apen-s nos pertence pela familia, porque f<_:
preciso n-scer na Ilollamla para se cullocar
ci frente do moderno luovimenio pbil isopbi-
co. Fallo de Spinosa, cujas obras 1 minor-
taes inspirara ., os maiores peusadoros da
Allemanha. Quando foram publicados C
tratado tbeologico politico e a Etbica, p races
compr- heuderam o S) sterna do meditative
de Amsterdam ; a theologia, porem, vigc-
rosa ainda, tanto a otbolici como a prc>
testante- de accordo na luta com os sectf-
rios do Talmud, arremessou as suas armaa
mais valentes contra a nova philosopbia.
Durante cincoenta annos se outio u.
innndo das lettras 0 ruilo desse ombate
extraorilinario. Pareciaji de todo t-rmi-
nado, e morto o spiuosismo, quando, um
secul 1 depois, appareceudo de novo, retol-
vendo as seiencias com a crilica da razi;
pura. Knut po/. tudo outra vez era proble-
ms, o ho ue n, o univers j, e Deus. 0 sea
livro e o amphithealro anatomico do espiri-
to humano, como Ihn thama ura celebr;-
escriptor.
[Contin'uar-se-ha.)
mo instante ; mas, de repente, daven lo ca-
ar-se a"s oito horas, ch-'gou a minha casa
as cinco boras da mauha. Louvei-ibe a
coragem, e uma bora depois cornamos
pela estrada da Italia, deixando sem duvida
0 noivo'sorprehendido, mas libertado de
certo.
a .Nao a illudi. Desposei-a, e trouxo-a
abertamente para aqui, escan lalisanlo os
meus conci ladaos, que sem duvida nao the
apreseatarara suas mullieres, mas a cada
um dos quaes espero traiquillameute no
lia seguinte ao de uma b Ja doeuga, de que
he do saber cural-os, conjuran lo-a. Euiao,
nao in-, "a Imirarei do b> a acolhiraento que
hei de ser feito a* minha mulher, tao doce,
tao tirai la e tAograciosa.
Najsou le certo i.eauu n pistor da Ar-
;liaJia, e nem tio pouco sou algura Lara,
e se na escolna de uma corapanheira nao
tenbo prejuizos, tambera nao tenho illu-
sdes.
Foi juslamente pelo facto de ser Manoela
um en to sem neubura lago com o mundo
social e sem nenhuma apreciagao dasc'ousas
humanas, que dei Ibe a preferencia sobre
qualquer outra.
Ella pertence-me absolutamente, sd ve
pelos meus olhos, so ouve p >r meus ouvi-
dos, e s6 fdla pelos meus labios. Ella e
um objecto meu, e isto Ih'o digo eu sera
offansa, por que provo-lhe ao mesmo tempo
por meus cuidados e amizade que 6 um
objecto muito lmdo e muito precioso.
Em fim curei-a; ella ja* nio tem senao
quinze annos, ea eperanga de um neuem,
que sera" seu iddal ; e o seu todo garanta-
me a circu nspecgao de uma creatura que
por muito tempo contentou-s^ com os cie-
zinhos e papagaios do seu harem.
Arranquei-Ibe esses recursos contra 0
vago da alma, ma? deixei-ltie sua terrivel
Dolores, de quem nio me arreceio, porque,
desvaneco-me em dizel-o, tenho mais pers-
picacia e espirito do que ella.
Tudo 0 que levo dito e s6 para n6s, e
so t'o digo, alim de que na 1 te julgues 0-
biigado a lameutar minha loucura.
Por meu lado estou longe de duvidar
da tua felicidado. A ti era necesserio o
flto do empyreo, assim corao a mim con-
vera a satijf igio da base.
Na) 11-g) a f.'licidd In nas cui-ho
elcvadas, 0 l.ouvo ^ ^^Ma^Kr) w as .
pirei ; mas cheguei a uma si e pliilos phi-
1:' apreciagao daqudlo que, nas nossas Im
guas incompletas e privadas de gradagde?
commummeptesechama felicidade.
Esta palavra designa um absoluto que
nao existe. Salisfar.ao sem duvida te ha
de parecer, como a mim parece, muito
brutal para sutistituii-a, pois que admitl
as alegr.as do espirito.
E' por isso que digo que a felicidade.
c rasa essencialmente relativa, tem de excel -
lente prestar se a todos os generos do aspi-
ragoes. A nao ser assim, seria apenas c
quinha> da poucos eleitos.
Face volos para que Deus te conserve
com saude, e tica certo de que continuo a
ser como d'antes teu fiel
Medird Vianse.
Post-scriptum.Minha mulher pergun
ta-me se ha inconveniente em apreseutar-k
os seus cumprimentos. Eu autoriso-a a
dizer sua amizade. Daqui a* 10 annos.
lembra-te bem da data, nos ireraos aperur-
Ihes as maos, e as cousas reputadas peoo-
sas ou delicadas serio como se jamais ti
vessem se realisado.
Esta carta que julguei dever dar a ler a
sir Richard, tranquillis-ra-o sobre a sorte
de Mmoela. por quem elle coutinuava a
interessar se, se bam que satisfeito por tor
recobrad > sua liberdade.
Ha alguns annos, tratanlo de pdr em
ordem seus negocios. elle perguntou-oo*
com encantadora bonhomia se lhe daamo*
permissio para restituir, por uma disposi
gao testamentaria, 0 dote que elle destmava
para Manoela e que, em quanto vivesse, de
certo 0 Sr. Vianne recusaria. E nd$, en
de accordo co n Joanna, convencionamos
em manler esse legado.
Sem duvida Vianne tinha razio em coo-
si lerar o quon6schamamosfelicidade coroc
uma cousa relativa i idea que della se faz :
mas, a mim e a Joanna, parece qne existe
uma felicidado que cscapa & crilica das d-i-
nigoas, e que coast*) na aspiracao coostan-
to pelos altos gozos do espirito yc do cora-
Q&o.
FIM.
I'll 1 ^i.V.Uv. -l.C.i ll V

'