Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18604

Full Text
-----
^M
M-V
AiV\0 L. MVEHO 253
-i j.

,- .*
\ -
- f

PAll % A 1PIT4L. B IIG IRK** QIDB Vi SB V\GV PORTE.
Por tres Inezes adiaotados....... ........ 69000
Por seis ditos idem............^.....129000
Pot um anno idem..................S4#000
Gad* numero avulso........... i I 9320
QUINTA FEIRA S DE NOVEMBRO OE 1874
Por tres raezs adiantados
Por aeis ditos idem
Por dots ditos idem
Por am anno idem.
y*A DBMTBO B NBA DA PBOVIVlli
adian'


2790M
I

PR0PRIEDADE DE MAN0EL FICUEIROA 0E FARIA F1LH0S.
i----------------

"
.. KMip^ilwI^IMi *ealvm Kbio. no ^anfaio; Jo^uim Jo* *iwhlui(W*d,UM|MW >o A^, Joio Maria Julio Cb,*ea. no A*. Antonio M^aae. d. SUv. Ml Jom Jmei
Pereir. .'Almeida, m M*mignape Carlos-Auxencio Monteiro da Franca, a. ftrahjb. : Antonio Jo* Gome., n. TilM da Peaha; *,'armifld;o, Santo, Bulcio, em Santo Ant* Domingo. Jo* da G*u ir... a. BaxJ*, '
Antomo Ferreira de *gUiar. em Goyanna: Joio Antonio Machaao. no Pilar daa Atajfta*; AIto. 4 C.,ua Bahia \. Xaier Leite 4 C. v Rio Janeiro
_
e Pi-
103 DO
PARTE OFTICIAL.
Govcruo da provlucia.
EXPEDIEKTK DO DIA 1* DE JlLllo DK 1874.
1* secrao.
OHeios:
A" Bxm. brigaa>'ro commandant da? ar-
u.... -Dedarandio o Esoi ministro da guerra em
aviao de 23 de junho uliuno luver afpfc/ado,
licaudo porem reiuzidaa quart nta di&s, a lieenca
vjae concern ao teuenle homirario addid.o ao 2* ba-
i'i :issira o coinmuuico a V. Exc. para 01 Gas con-
venientes.
ao mesmo. Para satisfazer a raquisicao do
Kim. presidents da protiacia da Bahia em offlcio
tie 26 de junho proximo passado, cum referenda
ao que requerea Iho a no I lado do 18 b atalhao de
latanlaria, Jastiuo daCraz e CHiveira, sirva-se V.
I'.xc. tie enviar-me urai ccrtidio do? asseutamen
los do refarido soldado, passada pel.'* batalhao
' (a iae?ma arm a, ooda declara elle ter assentado
f.raca em 1861.
Ao mesmo. D>u solucao ao sen ofBci) do
13 de junho proximo Undo, sob n. 471, declaran-
do (he que fica arhi-.rada ao ferrador da compa-
ubia de eavallaria, no corrente semestre, a quao
t!a de *0 rs. diarios para a lorragem de cada aoi
mal de argola.
Ao inesnn. -Em re*posta o seu offlcio de
M do junho ultimo, sob a. 484, a que vieram
annexas copias da- propostas apresontadas ao coa
selho eeoooraieo d> nospital militar por Beltrao
Olireira 4 0. e /iceoe Ferreira de Albuquerque
Nasdmento, parao fora^dmento, no trimestre de
jolbo asewmbro desCa anno, os priraeiroi dos ge-
ner dos empregados do mesmo hospital, e o seguodo
de lHha, inb ) a -liter que pode ner effeetuado o
rea*ciiv contract) com este allim>, a razao de
>i890 o cento da lenha grotia em tore?. Quauto,
porem, aoi geaens alimenticios, na > devendo ser
acceita por ser exce-riva a offerta dos proponootes,
campreque o mesmo-eonwlao fa;a ncvos anaun-
oios deelarando os pregoa oflerecidos, que servi-
ilo de base para se fazer o contracto com quern
-tHrecer a oeeessaria seguranca e maior abate.
Km qaanto o eoatracto ?e nao re^lisar continuara
. proTideocia ja em execucio de ir o aimoxarife
-rxaeraodo a dinheiro os geaero* qae forem seado
i-reciao*. podendo se com a compra a?9im leita ob-
ror-Mpre^o? muiti mm reduiidoa.
Ao menno. -Sirva-se V. Exc. de mandar pi*>r
a Mberdade o reemta Verdelino Pastor dos An-
Jos, qae provoa iaeucio legal.
Ao mesmo. Sirva-se V. Kxc. de providenciar
para que um medico e um pnarmaceutico do cor-
I o de saude militar vao examioar na pharmacia
!.i Manoel da Silva Faria 4 C, a run do Vigario
Thenorio, a qualidade dos meJicaraenlos compra-
dos para a eofermaria do presidio de Fernando de
Noronha.
Ao director do aiseaal de guerra. Mande
t'mc. satisfaier os daas ioclusos pedidos que faz
comraaodante da companhia de cavallaria.sendo
de O. 1 de UtenalS, e 1 Oe n *. rt.' rollerroes rt
irias, livroi e mais objectos necessar.os a escola
r-gimental qae se vai o-ubelecer na refertda com-
rinhia, de cottfarmidade con as crdens em
vigor.
__ Ao mesmo.Mande Vme. satisfazer o incluso
i.^dido que faz o commandante do forte do Bura
ca de artigos de veatoario vencido? no semestre
f.n'do pel)* senten:iados. mililar Vi-ente Ferreira
da Franca, e do jusli;a Galixto Alves da Silva
d?Jis J ise Pereira do* Santos. uJos etr.pregad
^-.rvi^.) da faclnna do mesmo forte.
Ao engeDhein das obras militares.De con
i rmi'ia ie com o orcamento ijue TCio annexo ao
s^u nfflcio de ii ii marcn uinm), tot n. 82, na
importaocia de I:- i'Ji780. euas tennos da autori-
...gao concedida pelo mioisterio da guerra em aviso
da RdejiMho proxim) Undo, mande Vmc. pro-
rdder a construc.ao de uma sala para autopsias e
a collucacao do caixilhos nas janellas de deu; xa-
c-ezes, ludo no bos iital mililar.
Ao mesmo. -Em visa da aulorisaclC' can-
i iida pe.lo miuisterio da guerra em aviso de 8 de
jAQho ultimo, manle Vmc. proceJcr aos concertos,
c .iadura e pintura do quartel do hespicio, na
rr.portaneia is :22S45W, conforme o crcam-nto
i ie Vmc apresent a com o seu offlcio de 20 de
Janeiro proximo Gudo, sob a. 60.
Ao commandant'.) Jo ore-idic de Fernando de
IVoronha.De confirmi lade com o que solicitou
V. S. em seu offl:io de 9 de marcn prcxim) fiado,
icclusa remetto Ihe asguia> seguintes : de49 sen-
j-nciados perteocentes a provincia de S. Paulo, I
dito perteuionte ade Umas Giraes, e fmalrnenle 5
i.ertencentes a esta prov.ncia ; e epportanamente
s rao enviada3 as que faltara.
Ao conselho de compfas de rr.arinlia.Au-
i. riso o conselho de compras do arsenal de mari-
r.oa a proinover a acquisicao dos objeclcs de qoe
L'.'ces s:U offlcio de 9 de junho proximo findo.
Ao mesmo. Fica approvado o contracto con
iante da copia annexa ao offlcio do conseloo de
compra- de marinha, de 9 de junho ultimo, cele-
tradopeto mesmo conselho em se83Jo de 8 do
c-'tado mez. para foraejimento de viyeres, dietas e
catros objeitos de con nrao aos navios da arma-
da e estabelecimealos de marinha no eorrenle tri-
ces tre.
2.' secQao.
Ado :
0 presidents da provincia resolve declarar
cue o sargenlo FAncisco Xavier Fastana, nomea-
00 para a goarda local do municipio de Nazareth,
r (oi para a da Pao d'Alho, e o sargenlo Manoel
iermano da Motta e Silva, nomeado para a deste
r anlcipio, o foi para o daquelle.
Officios:
Ao Dr. chefe de policia. Piiso as aiaos de
V. S. o inclu30 offleio por copia da reparti^ao das
coras.publica<.datado de^O do mez proximo pas-
sido, 9ob n. 191, cobrioAo outro do eogeobeiro do
> di-tricio, tambem por copia, aGm de que provi-
ilc-ncias sejam dadas no sentido do que pede aquel-
IB- rcparlicio.
Ao mesmo. Communicando-ffle V. S. em
telicio de 27 de junho proximo passado que o r6o
pronunciado por crime de moeda falsa, Galdino Al-
138 Fructuo^o, evadira se do porter da escolta qae
c conduzia para o Bnique, tenho a recoramendar-
>ae as copvenientes ordens para quo o dito reo seja
logo capturado.
. Ao mesmo. Respondenlo ao effieio de V. S,
de 30 do mez proximo pa^sido, em qne solicita
provideDcias uo sealido de serem irausporlados
p&ra o presidio de Fernando de Noronha no dia 2
o.o corrente os 22 sentenciados constantes da re-
lajao que acompanha o seu citade offlcio, tenho a
dizerlhe que ficam expedidas todas a ordens paia
effectuar se -o dito transporte.
Ao meimo. -Respon >o ao cflicio de >. S., a.
773, de hontem daUdo, remettenie (res tubo3 de
lympba vaccinica para serem enviados ao delega-
do do termo de Jaboatao,
3.' secrao.
Officios :
ao inspec;or da thesourara de fazeudi.
!'endo nesta data, nos ter-noa da sua informaQio de
27 de junho ulti.ao, sob n. 847, serle G, approva-
do o contracto telebrado pelo conselho de compras
de uarinha em ses3io de 8 do citado mez, para o
toruecimenio d vi eres, dieias o oulrjs objectos
- ... i-ee
.
nha no preseate Iriroeatre ; aasim o commuaico a
V. S para os fins conveoieatea.
Ao trie-mo. TrtO'lo nesta data, de acordo
com o parecer da contadoria dessa reua tiglo, a
que ?. S. se rofei-e ein sua lofonnagio de 27 de
juaho ultimo, sob n. 865 stib ir, arbit ado w far-
rador da compaohia It cavalUrra darante o se
m stre <-orreiite a qnantia de 40 reia diarios para
a forragem de cada amraal de argola ; asaim o
communico a V. S. para > fios convenientei.
Ao mesmo. euvtto a V. S. as inctusaa c-n-
las, para que mande pagar os vettcJmanfot dqa-ot-
Geiaes, u pracas io deposit') de reeraUs, relalivos
ao mez de iunho proximo passado.
Ao mesmo. Re-pundeado ao sea offlcio de
hontem datado. aut-'riso V. S. a mandar pagar sob
respoosabilidade desta presidencia a coota qaa
acompanhou o men offlcio de 16 de jun'io ultimo,
relativa a remes.'a de aoibulancias para Muribeea,
Nazareth e Eicada, deuois de satisfeitaa as exigea-
cias constantes do offlco da contadoria, a qoe V.
S. se refere
Ao mesmo.Recommendo a V. 3 que expe-
ca as -uas ordens alim de que sejam auxfliadas pela
reparti'.-ao da alfandega as agendas para cobran-
ga do impo*to de consumo de varios generos, crea-
do pelo regulamento desta presidencia de 27 d-*
junho ultimo, em execucao do disposio no art. 45
da lei do orcament deste anno, sob n. 1,111.
Ao mesmo. Teado nesta data, Ce acor.lo
com o parecer da conta inna dessa theaonrana,
com que concorda V. S. em sua iaformacio de 27
de junuo proximo GnJo, autorisado o conselho de
compras de marin >a a proinover a aequisigao
dos objectos constantes do sea offlcio de 9 do mes
mo mez, junto por copia, dos quaes tem predsao
o almoxarifado de marinha ; aim o c immnnico
a V. S. para sea coohecimento e direccio.
Ao mesmo.Em vista da sua intormacao de
hontem datada, sob n. 883, serie G, autorisei o con-
selho economico do hospi'al militar a cootractar
com Vicente Ferreira de Albuquerque Nascimen-
to o fornecimento, no trimeste corrente, de leaha
grossa em toros a razio de 6481RI 0 cento. Quan-
ta aos generos alimenticios destinados as dietas dos
doentes e raeoes aos empregados, resolvi qae fos-
se chamada nova conenrrencia para ease forned-
mento, observadas as prescripgdes contidas em
sua cilada iuformaca0 ; devendo, em quanto se nao
reali-ar 0 contracto, sabsistir a providencia ja to-
mada de ir 0 almoxarife co uprando a dinheiro os
generos que forem sendo precisos ; 0 que tudo
c immnnico a V. S. para seu conhecimento.
Ao mesmo.Deelarando-roe o Exm. Sr. rai-
nistro da guerra em aviso de 8 de junho proximo
findo haver naqaella data solicitalo do da fazenda a
cxpedicao de ordens alim de que por coota do 5 44
obras militares do exercicio da 1874 -I8/0,
que hoje comeca, seja c mcedido a essa thesoura-
ria 0 credito de 1:2251500 para ser applicado a
despeza com os concertos, caiadura e pintura do
quartel do hoapicio, provideueio nesta data para
que esse servico sej 1 levado a effeito ; 0 que com-
munico a V. S. paVa sea conhecimento e Hns con-
venientes.
Ao mesmo.Aatorisando 0 Exm. Sr. minis-
tro da guerra em aviso de 22 de junho ult>mo a
despeza de 1:316(780, por conta dof 44 obras
mini**** o" a*". ,-'-!-
comeca, com a construcgao de urat sala par?, au-
topsias e collocaqao de caixilhos nas janellas dos
xadrozes, tudo no hospital milit-r, determino nesta
data ao engenheiro das obras militares quechame
a concurren :ia para a execucao dese servico ; 0
que communico a V. S. para os fins coavenien-
tes- .
Ao mesmo. -Deelarando 0 Exm. Sr. rainis-
tro da guerra em aviso de 22 de junho ultimo ha-
ver approvado, (icando porem reduzida a 40 dias,
a liceuca com vencimentos oncedila por esta
presidencia, ao teoente hoaorario aldilo ao 2# ba-
lalbao de iafaotaria load Francisco Paes Barreto ;
assi r 0 cimmumco a V. S. para oi Gns conve-
nientes.
Ao mesmo. Faco constar a V. S. para os
fins convenientes que por aviso d i miuisterio do
imperio de 19 de junho pr iximo passado, sob n.
200, foi concedido pela verba --TJccorros i'ubli
cos,- -do exercicio de 1873 -1874, 0 crelito de
350*000 para cobrir as despezas de igual impor-
ta.icia feilas sob a respoosabilidade d'esta presi-
dencia, provenience de ^mbulancias fornecidas por
Augu-Uo Caors & C, e remett'das para os terraos
de Ouncury, Panellas, AguaPreta, Beberibe e
Ponla de Pedra.
Ao mesmo. 0 Exm. Sr. ministro do im-
perio, por aviso de 22 d* jun'io proxim > passado,
approvou a licenca de 3 m zes com ordenado, que
em 6 do mesmo mez concert ao professor de in-
lez do curso de preparatories annexo a Facol
ade le Direito, Carlos Adolpho de Avedar Al-
chorne, para tralar de sua saiide onde lhe con-
vier. 0 que communio a V. S. para os fins con-
venientes.
Ao mesmo. Para os fius convenientes
communico a V. S. que o bacharel Augusto Egy
dio de Castro Jesus, juiz municipal do termo de
Serionaem, reassumiu 0 exercicio de seu cargo
a 18 do mez proximo p .ssado, renunciando 0 re--
to da liceui;a' com qae cstava desde 0 1 d'aquell-
mez.
Ao inspector do thesouro provincial.Mande
Vmc. abonar ao quartel meslre do corpo de poli-
cia, pela caixa do fardanienlo, a quantia do 2:000*
paraue seja satisfeita a impo'tanuia a que tive-
rem direito, por ajuste de contas, as pracas d'aqael
le corpo, que liverem de ser excluidas por exceden-
cia do praso flxado na lei n. 1,130 de 30 de
abril do corrente anno, segundo solicitou 0 res
poctivo commandante em offlcio de hontem da-
tado, sob n 274.
Ao mesmo. Expeca Vmc. snas ordens
afim de que se foraeca aos commissarios de po-
licia ja. nomeados os livros de quo trata 0 respec
tivo regulamento.
4.a secqao.
Officios :
Ao Exm. presidente da provincia de Sergipe.
Fico de po:se de 2 exefuplares impressos do
relatorio com que V. Exc. abrio a as emblea le-
gislativa d'essa provincia no dia 2 de marcn ulti-
mo, remettidos com offlcio circular de 19 de ju-
nho.
Ao Exm. presidente da provincia da Bahia.
- Recebi 0 offlcio circular de 23 de junho proxi-
mo passado, em que V. Exc communica haver
n'aqnella dati prestado jnrameoto e tornado posse
do cargo de presidente dessa provinci 1, para 0
qual fora nomeado por carta imperial de 11 de
maio ultimo. Permtlta 5L Exc. qae u'esta oppor
toDidade ea Ihe apreseaft os me is protestos de
snbida consideraclo n dislincto spreco.
Ao director iuieriuo da Faculdade de'Direito.
Segando consta'do aviso do ministeriO do im-
perio de 22 de junho proximo passado, n. 2,011, foi
approvada a licenga de 3 mezes, com ordenado,
qae era 6 do -mesmo mez concedi ao professor de
inglez do curso de preparatories annexo a essa
Faculdade a Carlos Adolpho de Avellar Alcboroe,
para tratar de sua saude onde Ibe convier. 0 qae
communico a V. Exc. para seu conhecimento.
Ao director do institato dos surlos mados.
Accu-o recebidos os doas exemplares impressos
do relatorio dos trafcaltus d'esse instituto no ulti-
mo anno lectivo, e agradecendo a offerta cum-
pre-me dizer que opportunaraente far-se-ha a pu-
blicacao solicftada por V. Exc. em sea offlcio de
rcm3ssa.
5.* secqao.
Officios :
no a .'.'..' geral '- Western mi
get*
de*
rou
pan
Sim.
Bras Ulan Telegraph Company, Limited, nesta ca-in
piral. tecoso r-e Mo o oifli-.m de V. S., de huu- Ci
lam daiasi 1,00 i|Hal>aa c^uunuaica ter sido no-
meado q Sr. Tuuuaaz Miiaas superiaiendeate
da astacao dbsia cidale. e nui a elle deveaa-aer
dirigidasquaesquer reclauucoes relatives a traas-
nrisaie de teJfgraiam.-i-. Qitaeto aa pagaoaorto
dua desp.u:bos eavudos polo g transmitti'li* por essa companhia, teaho a du-r
Ihe |ue dew* ser ru juerido a este presiiineia afim
de ser satUfeito.
- Ao efeMMr dtWe-da repa^icaj daa obm
Dublica*. Mao ie Vme. iliwnkur amaabA a imIo,
2 de julho, 0 janltiB do Campo daa Prioceias.
Ao mesiao. -A'vi.-ia da aaa 26 >e junho ultimo, n. 187. aulori.-o Vmc. a race-
her defiotivameote a obra do aefide da villa de
Pesqueira, de que e arraiualaate o toaeMe-eofonel
Severijo-i Monteiro L"ite, seguodo o ine>ino ronue-
reo, a'Jend'-ndo-se qua ja f >i concluida e receotda
provisoriaraenle ea SI de maio. dnaaoo passado,
e acha-sa em b u estada de daaurracao.
Ao president* >ia junta da ctaasiicacio d* ee-
cravi's do municipio de Villa Bella. -Omstaado-
me que ate esta data, a junta da classilicacao da
escravos desse municipio nada tem feito no senlida >,
de classificar os escravos abi exist en tes, na formal .
preacripta no regulamento a qae se refere ade
creto n. 513," de 13 de novembro de 1872. decla-
re a Vmc. que, si denlro do praso de nn/enta dia,
a contar da data dete, essa jonta nao me reroet-
ter a liata de qne trata o artigo 31 do citado regu
lamento, farei effeetiva a cada um dos seas meaa-
bros a mnlta marcada no artigo 96 do mesmo re-
gulamento. -Si o one tem dado lugar a essa junta
nao trabalbar e a fait a de escrivao do juizo de paz,
Vmc devera nomear am cidadao iloneo para
ezercer esse lugar. como esta determiaado no
citado regolaraeoto, artigo 29 -2-narte.
A' commfssao censitaria da fregaezia de Flo
resta. Nio convlndo demorar por mais tempo a
publicacio dos trabalnos censitarlos desta provin-
cia, cumpre que Vines, com a, maxima brevidade
possivel facam cbegar a eats presidencia 0 recen
seamento a sea cargo, visto ser 0 aaico que falla
para eompletar 0 qaadro estatistico.
Ao gerente int-rino da companhia perna n-
bucana. Pode Vmc. permittir qae Candida Maria
da Cooceicao siga para o presidio de Fernando de
Noronha no vapor Jaguar ibe, pagando ella a ira
portanda da respectiva passagem.
Portarias :
O Sr. gerente da companhia peroambacana
mande dar passagea para 0 presidio do Fernando
de Noronha, no vapor Jaguaribe, p nisterio da guerra, ao 2* cidero invalido Manoel
Coelho Caaado Ponies.
0 Sr. gerente da companhia peraambueana
mande dar passagem para 0 presidio de Fernando
de Noronha, por conta do ramisterip' da guerra, a
Alexindrraa Maria da Conceicao e a duas Glhas
menores, aquella irma -slas aobnnbas do MM-
cada do 2* bataibao de infantaria Ja.-tiniano Cor-
re.i ds Mello, que vai alii cuuipr>r a peaa a que foi
condemnado.
0 Sr. gereote da compiohia peraambacana
tafa receber e transaorur oor-conta do mioisterio
tos constaates da relacao junta, os qaaes foram
comprados pelo corrector geral Francisco d-> Mi-
randa Leal Seve por conta da fazenda nacional
com desiino ao almoxarifado daquelle presidio. ,
Relacao a que se refe- e a portaria supra. Tres
volumes drogas; duas pe?.as cabo de linbo; um
volume ferramenta; 11m dito ac> de Milao; um
dito papel, cartas e llvro para etcoia.; uma barrica
tapioca; seis garrafoes vioho 6 vinagre; um sae-
co arioz; quatro barricas com assajar; uma dila
com cafe; uma dita com sal; um caixote, uma
salva e tres copos da vidro; quinhentos e oito
saccos com farinha de mandioca'; dobs caixdis
com obiectos de igreja; seis- eostadinhos de am a
rello : quarenta e oito taboas de pinho; triota e
seis ditas de cedro; quarenli meios de vaqueta ;
oit centas folhas de ferro galvaaisado.
EXPEDIEKTi-. DO SSOKETAR10
1.' seegcio.
OScios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas.S. Exc. 0 Sr. presidente da provincia manda
declarar a V. Exc, para os Pas convenientes quo
nesta data ?c autorison a satisfagao dos dous pe
dilos que vieram annexes ao seu oflicio de 17 'le
junho ultimo, sob n. 480, de utensis e outros
objectos destinados a-es-ola que se vai estabelecer
na companhia decavallaria.
Ao mesmo. -S. Exc. 0 Sr. presidente da pro
vincia, tenlo providencialo no sentido ds ser 0 2
cadeto invalido Manoel Coelho Caaado Pontes trans
portado ao presi io de Fernando de Noronha ; as
sim 0 mania declarar a V. Exc. em resposta ao
sea offlcio desta data, sob n. 513.
Ao memo.S. Exc. 0 Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. Exc, em resposta ao
seu offlcio desta data, sob n. oil, que 0 director
do arsenal de guerra foi aatorisado a fornecer os
artigos de vestuario? venddos no semestre fiado
pelos tres sent-nciados empregados no servico da
fa-.-hina do Forte do Brum.
2.' seqao.
Officios :
Ao juiz municipal de Serinhaem. 0 Exm.
Sr. presidente la provincia manda accusar e rece-
bimento do offlcio de V. S., de 18 do mez proximo
passado, communicando ter naqaella data reassa-
mido < exercicio de sea cargo
Ao commandante do corpo de policia.De
ordem de S.Exc 0 Sr. presidente, communico a
V. S. para os fins convenientes qae nesta data ex-
pedic-se a n cessaria ord*-m a thesourara provin-
cial no rsntido de ser abonada a quantia a qne se
referio V. S. em seu offlcio da hontem datado, sob
n. 274.
largeoto. Manoel Riymuudo Carainba da
/ictoria.LomraissaricFlavio Jose dos San-
ltfcllva ; sargeoto, Joaquim Miguel do Ama/al.
isaada e Gaujelleira. Commissario, capiiao
lado 10 exarcilo Eslevao lasBirreto ; aar
ose Fernaodes de Azevedo.
oarassu. -Commissario, Ciristovao Francis-
Paula CavalcanM ; sargmto vago.
me-mo. De ordem do Exm. .Sr. presi.
pruviacia, communico a V. S. para os Gns
n:,es oue pur portana desta data se deata-
0 sargent) Maooel Germino da Molta e
nomeado para Nazareth, e nao para Pao
*3 o sargenlo Francisco Xavier Pestana foi
roara e:te, e nao para aquelle municipio.
5.* seeyi*.
.;
i.es;euoeiro chefe da reparlicao das obras
i Exc. 0 Sr. presidente .la provincia
jleclaar a V S., em resposta ao sea oflicio
. mei proximo passado, sobn. 191, relati-
fa istjtaa das rondas uoclurnas de policia
[canos> couservadores das estradas no 2*
1 que usla data offlciou ao Dr. chefe de
para proidauciar a respeito.
da i'k-sidkncia. do ma 3 de novbmmo
dk 1874
Lnu di Queiroz (ioutmho.Deferido
*o desta dta, dmgido a ihesouraria de fa-
de AliOijuerque.
a exigeoeia da the-
Pedro. Carat ante
lisfaca o suniicante
soarapa de fazenda.
Mm&q Jo-e da H >ra-Defend.) 00m oSdo des-
ta dan** thnoocaria d> fazenda.
daLsli.aAadr.de Luna.Delerido com
officao desta data, dirigHu a ihssunraria de fa-
z uda.> 1 l: i:r i -
Bacaa>ral Fefa/de, Ktgnuroa Faria.lolorme o
Sr. dinator d 1 arsenal de guerra.
FraoBsoo de Paula a Sua.Como requer, pa-
gos os dkvitos devidoi e provn-hidas aa diligencias
do estyl*.
Gervasio Rolriguea Campillo.A) Sr. enge
nheiro flacal para qae exija da companhia Redfo
Drama* as ioforraacoes soUcHidas. .
Jose Vicente Ferreira Barros -Fi-:am expedidas
as couvenientes ordens para ser dada a baixa do
fillio do supplicaate.
Major Joio Manoel Pereu a de ibreu.Forne-
fMt,
Joao Jose da Silva.Concedo 0 prazo de oito
dias.
( AG&S'CU TtLEGllAPUICA HAVAS REUTEIV.]
llaiirlil 8 ale notemliro. Vai me-
lliorando de wan lie o almtrante To
pete.
HWa
Londres 3. \ notleia aut orreu,
le ier sldo enrontrado nos Kstados-
I niiiis o aatigo Ki'i'i'i'iariu do coaa-
dc Arnlm. acaha le sea- desmeo
llda. '
mew-York 3.As elelroes nos Es-
Iailow I'iiitloM. para oa notos niean-
liinH do conjtresso, foram fai'ora-
vels ao piartido denaocralico aaott
<>>iailos d? l.iMitMiauia, Tennessee,
Aliihuiaa Virsiniu. c Sew-York.
Jol e Clyde elev-e ceaato sessea-
e tre mil loaseladaa 1 durante m
seiaana roram <-utretuea desoato
a*l (oaaeladas. e dea>eaaabar<-aram
des nail.
Havre 3. -Cafe < o deposlto total
eleva-te a ceata e vlate e seis mil
saecos.
HH
(ACENCIA AMERICANA.)
Liverpool 3 de nuveinbro.==Algadio :
merca-lo lrouxu ; n:n in x.vw ira.
de pro.CHiieneia brasileira.
Lori'lres 3. Cafe : mercado frouxo.
Havre 3.C'fe: vendi*ram-se 9,5 cos, sendo 8,5"0 do Brasil. Agodao :
veadas de hoje 9 proceilencia brasil ira.
Madrid 3. '-Carafe, general doscarlistas,
recusou tomar o commaudo) dos biscainhos.
navarros, all*-gan to que a attitude d'Lun.-
ropa, e" desfivuravai aos carlistas Esta
recusa tem pro luzido seiisa^ao entre os
partidanos do proton lente.
Paris 3. Os bunnparlista^ gnnharam as
eleifoes no Pa de Calais ; osseus candida-
lostiveram 8i,00o votos emquanto que os
republicauos so cuuseguiram 7i,0J0.
Lisboa 4. 0 govewi.) scabs de publi-
car urn deereto cuiisideraudo livros a to los
os liberto3 das ilhas ile Cabo Verdi,
Par* las II h. e 35 a. da manbu 0
paquete nacional CEARA' rogressa hoje A
tarde para os portos do sul.
Buenos-Ayres 3 de novembro.Estii em
frento da ci lade a osquadnlba dos revolt 0
sos. Cousta qoe foram convueadas oxtraor-
'linariaicente as camaras provinciaes. 0
cominercio estd dnsanimadissimo. A emi-
grar^ao para Montevideo torna-se espantosa.
86 nao foge qu un absolutatnenta nao o po-
de fazer.
Montevideo 2.Os acontecimentos da
republics vizinha teem feito chegar a esta
cidade um numero consideravel do fami-
lias, que vesm fugindo a revolu^ao. \ar-
que : venderam-se es <;arregamentos do
biatH inglez MA'RYANOR e da barca in
gleza GLIDE para Havana a preo de iO
reales fortes.
Rio 4 as 3 h. da Urde. Sabio para 0
Hio Grande do Nortx om lasitro 0 patachi
Inglez CROCODILLE Tambem sahio para
a Parahvba o lugar ingl-z M I RY FROST
igualmenle o
gresso, em qoe a mstroerao popnlar e a cari Jade
parecem querer banir OVate solo abeoeoado a ig
noraocia e o egoismo, bases de quasi tudoa oa eri-
ms; actualmeote que o geoin patnotieo, sor-
preodedor e humaaiiario de V Exc nao ten poo
pado esforcos e perseveranca par* dar cada vat
mais mcremento aos melhoramentoa mattriaes
muraes deau provincia, destinada a ter um bh-
inaiite porvir, ja por sua p .sicio topographica, n
pel s eiementos de prosperidade que c Diem ; d-
seandu eu fazer quauto catba era raiobas debeis
fjir^fmafiW.iiJmi^We"^ara,-f p9p*g)a?arf-aa fc-
iruccao ; venho espoataoea e respeitosameote offe-
recer-me a V. Exc. para nesta povoaca>, eooda
ha mais de seis ain.n rejo a e-ccla publics com
Iteral satisfacio dos pait de familia, e com nan,
fre.|uencia superior a triota e eiocn alumaos,
amir utna escula nocturna, e 11-lla ensioar gratai-
tameute aos adultos analpbabetos, e mesmo aos
ineninos de mais de qumze aim os, on blhos de
pais proletaries que vivam occupados durante 0
dia nos servicos agncolas, e so a noitepossam
frequentar a e>co!a : circamstanda em qoe estao
inuitos individuos nesta localidade.
"Se V. Exc.em sna alia sabedoria eamor a ias-
iruc.-ao publica dignar se aceltai e:te meu insigoi-
cante I'fferecimeoto, attendendo a necessidade qoa
ha, especialmeote no int-riur da provincia, ee taes
escolas, e as vaiKagens que deltas p idem resullar
um proveito publico ; para qu-tato antes realisar
esta idea renuncio a licenca de tres mezes, que
V Exc. me coacedea altimamente : viiu como o
grave raotivo que me coostraagea a p^li-la ja se
torn atlenuado, e iue prop >rciooa agora o prazer
de 1 ao interromper os trabaihoa de niiaha aula, e
pn-tar abas mais e-te servico.
Juigo-me com algama babibtaQio para des-
empenliar esta tarefa a qae me propoaho porqae
nao so fui sempre approvado plenamente no tiro
cinio da escola normal, mas tambem aaterior-
meuto nos exames que Gz 00 gyranasio e collefio
las artes, de portuguez, francex, inglez, latin, rhe-
torica, philosophia e geometna Deos gaarde a
V Exclllm. e Exm. Sr. coramendador. Dr. Hen-
rique Pereira de Laceoa, muito digoo presideole
da provincia.0 professor publico, Joaqmm Prdro
da Roeka Pereira.
a I'aiaci 1 da presidencia de Pernamboeo, em
3 de novembro de 1874. Aceito com agrado es-
pedal o offereomeato de Vmc constants de sen
offlcio de 11 de ouinbro proximo passado, para
ioslallar nesaa localidade uma escola noetoraa,
onde lecciono gratuitameale aos adultos aaal-
phabetos, e aos menores filhos de paia proteurios.
t 0 importantissimo servico qae Vmc. com lou-
vaveis sentimentos de patriotism.) vai prestar a
in-tru^ao publica, desperta agradecimeotos, ,ne
em uome do governo imperial, me aprosso em ma-
nifestar lhe.
<( Nesta data seientifico desse acto ao inspector
geral da instruceao publics, com quern Vmc se
e iteodera a resoeito. Deua gnarde a Vine. -Hen-
rique Pereira de L*eena. -Sr. professor da povoa-
caj de Lagoa do? Gatos, Joaqui n Pedro da Rocha
B.ihia 4 as 3 h. e3Jm. da tarde. -Cam-
bio sobrd L mdros 2o 3/8, 2d 1(2 0 26 3[8.
TOOT
Ao mesmo. -0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar 0 reesbimento do offlcio de
V. S, de 27 do mez proximo passado, commani-
caado qae 0 conselho de investigacao a qae foi
gubmetlido o soldado da 6* companhia desse cor-
po, Emigdio Franci-co Santiago, julgoa improce-
denle 0 respectivo processo, sen lo posto logo em
liberdade 0 dito soldado.
3.* tecf-ao.
Officios :
Ao inspector da thesonraria provincial.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provinci
communico a V. S. para os fins convenientes qua
por portarias de 25' e 27 de junno proximo passa-
do foram creadas as seguintes guardaa locaes, com
0 namero de pracas abaixo declaradas, inclusive o
commissario eo sarsento :
Da Gnianna...... 40
Do Nauretb...... 31)
De Pao dalbo...... :,u
De Limoeiro...... 20
Da Victoria....... 20
Oa Rscada e Gamelleira 25
De Iguarassu..... IS
Ao mesmo. De ordem de S. Exc. 0 Sr. pre
sidente da provincia communico a V. S. para os
fins convenientes qae por portarias de S3 a 27 de
junho ultimo foram nomeados commissarios de
policia e sargentos:
De Goianna. Commissario, Joaquim Hercalaue
Pereira Caldas; sargenlo, Silveno Pereira dos
Anjos.
be Nazareth. -Commissario, Severing Vieira da
Paz ; sargento, Manoel Germano da Motta e Silva
De Pao d'AlhoCommissario, Jose Carlos Vital;
sargento, Francisco Xavier Pestana.
TJ? L'TVoeiro. -Commissar! .'T.oaio Jo?<5 Poita-
'f
I.i.laa :1. Cliegou aqili O vapor
VILLA DE BILBAO, procedenle do Bra
Mil.
Bio di^ Janeiro .Proeedente da
Kurupia che*oia o vapor TENIEHS. N-
11 ira in para o sul tlo imperio os va-
pores HtfO.VEe CALDKROS. Sniin ama
nlaa p:ra a Kuropa. com esi?ala pe
la Bahia e Pernambiico, o piaquele
rranrez das messagerlas naiarillmas
GIROSUE.
\OIKI i*. CO.MUKUCIAI-:*..
Londres a. -A laxa do desconto
na praca e de tres e aaaelo por cento.
Cousuliditdos lie a O/O, for account,
93 11. Fundos brasilciros ile 5 00.
do anno de 1N05. a .Cafej cal-
nao ; precos flrines. sem alteracilo.
Aawueart n-r-atIo muito ealnaoi
prcras com lendencla a bui-tar.
Liverpool 3. Aigodao: calmo j
preros flrmes. sem allera^ao 1 veo
deram-se lieje do/.e mil fardos. sen-
do aaoveceutos procedentes da Vine
rica do Sul 1 o fair de Pcrnambueo
/ d e o de Santos t 3/4 d. por
libra. Assucar i calmo t precos flr-
mes, sem allerai'ao.
Antuerpla 3. -Cafe : muito calmo.
precos com tendeneia a baixar 1 o
de Santos bom ordinario is is
cents por libra.
Havre 3. -Cafe.: muito animado 1
precos muito llraaes. o do Rio bom
ordinario 98 a 99 francos por 59
Ullogrs. Aigodao : muito, calmo ;
preci>s com tendencias a toalxar ; o
ordlaari* de Peruambueo 99 fran-
cos, e de Sorocaba 90 francos por
50 atllofrs.
llRinburco Cl .-Cafe: calmo t pre
cos flrmes, sens alteracao t o do
Rio ordinario 9t. o de Santos bom
escolhldo .Sit. e lofes escolhldos
S3.
Harselha 3. -Cafe 1 animado t pre
cos flrmes 1 o do Rio primelro ordi
nario 103 a 195 francos por 59 acl-
loR-rs. Assueart de Pernambuco *a
francos por 59 kilogrs.
New-ljurk 3. Mereado fechado
por causa do dia feriado. As cbe
gadas de aigodao de boje aos por-
10a ainer iniuus elevaram-se a vlnte
e nove mil fardos.
Hio de Janeiro t. -tambio sobre
i.imiiIii'n 96 3 8 a 99 n it bancario.
camblti sobre Parts 899 a 36* rets
por franco.
Bahia 4. Caiubio .sobre i.oadres
G 3 8 d. bancario, 96 1/1 a 9G 5,8 d.
partlcalar. 1
E8TATISTICA tOBUKiMl ll
Londres 3.-Cafe 1 o deposlto to-
tal de todas as agualidades eleva-
se a quatorze mil toneladas, sendo
vlnte e cinco mil saccos de procc-
dencla brasileira ; durante a sema-
saa foram entregues mil e novecen-
tas toneladas, c desembarcarum
mt tccsiituj. .IlSSUO 1" : c dr-p slto
t :.". : '
iadr ".'.'.'. -r isZ,
3 '
REVI8TA DIARIA.
Autoridade policial. Por por!aria da
presidencia da provincia, de 2 do corrento, foi
nomeado IMiilomcno Porcino Newton de Anirade
1" supplente do delegado do termo do Triumphu,
e suhdelegado do 1* disuicto.
Collectoria provincial. Por portaria-
da presidencia da provincia, de 2 do correuie, fo
ram nomeados : Jose Jovino Marques e Manoel
Aniooio da Costa Giucho, e-te para cobrador e
aquelle para Ostrivio da collectoria do municipio
de Tacaratu.
Jury do Recife. C .mpareccram hontem
39 jai/es de facto, e para 0 conselho de sensenca
foram sorteados os Srs. Thomaz de Figueiredo.
Gemin'ano Joaquim de Mir-nda, Dr. Joao Raptista
Piobeiro Corte Real, Modesto do Rego Baptists,
Rodngo Jacome Mariiiis Pereira, Simplicio Oa
Cruz Ribeiro. Sabin Jo.-e de Almeida, Jose Tho
maz Cavalcante Pessoa, Dr. J0.-6 Lopes Pessoa
ilosta, Dr. Antonio Herculano de Souza madeira,
Joao lose d9 Car vai he, Jose Mende- Vianna.
Entrando em julgamento 0 reo Patricio Jose
Ferreira, pro.iundado no artigo 193 do eodifo
criminal, foi condemnado a 7 annos de pri.-ao
sim iles.
Romicidlo. F.m terras do eogenho Re
bou^as, do termo de Barreiros, 0 portuguez An
lonio Ignacio Rodrigues matou com duas esto-a
das Jovino da Cunha Souto Maior. 0 de inqaenle
foi presa
Digno de louvor. 0 Sr. Joaqoim Jose
Rolngues da Costa, regosijado por bavor recebido
hontem, seu presado fimo 0 Sr. Francisco Izidorio
It .diinues da Costa, 0 grao de bacharel em scien-
cias juridicas e sociaes, passou immediatamunte
carta de liberdade a ama sua cria escrava, de
cor parda e de nome Ephigenia, com cinco annos
deidade; obrigando-se mais a mantel a e edi-
cal-a em companhia de sua lamilia, atu que atlinja
a maioridade.
Calcamento da cidade. No lugar
competenle come/amos hontem e proseguimos
hoje a publicac.io da relacao dos develores das
quotas para a factura do calcamento em frente de
seus predios na cidade do Recife, em vista da qual
cada um delles deve entrar com a qnantia abi
mencionada denlro do prazo de trinta dias, conla-
doa de 29 de ontubro ultimo.
Propagadora da Instruceao Pu-
blica. Hoje, as 7 boras da noite, deve haver
reudao da assemblea geral dessa sociedade, na
rua da Aurora n. 65, primeire andar, afim de
proseguir ae na discassao da reforma dos estatatos
respe.-tivos.
Trllhos urbaaos de Olinda. No
dia 11 do corrente (quarta feira proxima) deve
realisar-ae a assemblea geral dos accionislas dessa
companhia, para ouvir a Idtura do relatorio e das
contas do anno Godo. <
Vapores esperados. Hoje ou amanba
0 brasileiro Gongalves M>rtins, da Bahia pelas
escalas, 0 brasileiro Parana, dos portos do norte
do imperio, e 0 fraocez Rio Grande, da Earopa ;
a 7, 0 brasileiro Ceard, dos portos do sul do impe-
rio ; a 8, o inglez Iberia, da Europa ; a 9, o
francez Girond', do Rio da Praia pelas escalas.
Vopores a sablr. A 7 d > corrente, 0
brasileiro Pirapama. para a Amarraca) no Piauhy,
Srias escalas; a 0, 0 brasileira Ciruript, para
[amuguipe.
Concurso. Com prazo de quatro mezes,
a contar de i do corrente, acha-se a concurso 0
provimento vitalicio da cadeira de philosophia do
curso de preparatories annexo a faculdade de di-
reito do RsdK vaga pela jubilacao que obleve 0
Dr. Antonio Herfnlann de Sauza Baoddra^
Escula nocturna Damos cm seguila 0
offeredmeuto feito para rcger grat'iilaminie uma
escola nocturna :
a Lsgoi i< G- i, 12 leoutaUro i'e.187*.
;: r' 1. Sr; S :. 3y:a prcpid Jo pw
*wa Dirigidas ao Exm. Sr. conseTheiro Jo5o
DA E.-' .!.. iraout.
liiui. e cam. or. consnttrmr ajao Air.-o
Correa de unvsira. -A escola normal deia pro-
vincia, nao poiendo ser indifferente ao patriidirmo
.Je V. Exc. na alta gestio dos negocios publico*.
nem aos generosos sentimeutos em ipie se inspire
V Exc. sempre que cogita de deseavolver e dif
fundir a instruceao pur toda> as classes da s cie-
dade, ja aoimaudo a iniciativa individual em as-
sampto tao grandiose, ja rcalisando as mail imp r-
lantes refonnas nesse ramo do servico publico, ja
Baaltneate promovendo na reorgamsacio do easiao
todos o-> g-.-iuJes inellioranentos que a expeiiert-
cia aconseina. c bem aaaia a consagracao daquel-
I s ideas que nestes uitimos temp .s unlo learn
pr-occupa 0 ao? governos das oacoes mais adian-
ladas ; resolvcu em congrega^ao que uma com
missan composta de um leaie de cada um do- an
uos do curso e do professor da escola pratica, sol-
a presidencia de seu director, interpreundo os
senluneuios de que ella se acha possaida, vieste
b je cum prime mar a V. Exc, aproveitaado para
esie lim 0 ensejo da visita que V. Exc. se dign u
de fazer a e-ia pr iviucia que, por mais de uas u\)
tivo, se ufaua de ver em seu solo 0 seu moilo pre
:laro lilno, e exulia de jabilo pelos imaiar.essi
veis louros que tem colbido no deseiopenJso do
^Ito cargo que tao merecidamente Ihe fora confe-
ndo.
" Digne-se, pois, V. Exc. de acolher elas mo-
destas express5es como uma conlissao solemoe.
espontanea e muito sincera do suhido apreco e ele-
vada eon-i.leraciu que a V. Exc. v.da e consagra
a e-coia not mal desta provincia de Pernambuco
Recife, 3 de novembro de 1874.0 director da at-
cola, Ale no L'choa Catalcanlc. Ayiet de Atbv-
qurrque Gama. -Jurgc Dornellas Ribeiro Pissoa
iliguel Archanjo Mindello. Vicente de Mora---
Slello. [
DOS ALUM NOS DO GYMKASIO. -lllm. e tS Sf.
conselheiro Joao Alfredo Correia de Oticeir*.
A raocidade cducanda do gymoasio per
nambucano, pelo orgao de mi nha debit vox lea
brou j dever de cu.upmneuur a V. Exc, logo qoe
chegasse V. Exc. aos lares uaiaes : e ea, cocao
del mierprete deste anhelo ooore e mui h >aroso a
estes renovos que bem dirigidos seri as futura.-
e legilimas esjerao.as da patria, cm nome dslla
motivarei as ciausasque determioaram nm tio ao-
bre quao signiticativo desiaeratnm.
1 Exm. Sr. ministro, a moddade educanla do
gymnasio, coin quanto, pela inopportunidade de sna
idade; looge esleja dos movimeatos da politic* de
-eu paiz e preoccupada se acha com as priraeuas
semeuieiras da cultura de seu espirito ; com qoaa
lo nio pariicipe inda destes ambatDSj tempeslaosos
da tribuna, da impren-a e dos coraicios, com tudo,
no l*r da familia apreode, dos centros ciiluadc
prescute os maruiurios dos encomios qae a psaoa
e aosactos de V. Exc, expaadem-se dos oraches
sinceros e sobem as alluras; por lada parts aepa
ra os effeitoa das Urgas liberaes e magainceok.-
medidas que tem tornado 0 mais patriotico, 0 mai-
liberal, 0 maiserapreheodedor de ideas nobre a fi-
ganlescas de qaantos ministeriot tem d riaido ate a
presente epoca os aegocios do estado. Esio joito
0 atlestado pel chroolca uadonal.
t E' asaim, Exm. Sr, qne no seio da faaaili.
unde as verdades sa-> ditas com franqaeza elaai
dode, ao lado do nom do venereodo a imaaarlal
vulto 0 Exm. Sr. Viseonde do Rio Braaco; eavt-
se pronanciar com ufania 0 nome e os Mtos da
um iliustre brasileiro, d'um estadista veoerando.
pernambucaao dos mais distiados pela pnrata de*
seus sentimentos ; pela nobreza de seu caractor :
pela energia de sua vonude de plantar aosolo pa-.
trio os mais puros principios qne a progreao do
desenvolvimento da p litica hao ensinado aos pai
zes cuitos; energia e constancia qoe cmsituem 1
apanagio dos heroes de todos os secoto*', patno-
lismo acritolado, ia-ignia que nos distingue dusac-
eulos idos; rasgos nobibssimos civis e moraet, qu>.
a despcito daa allirainhas e da maiediceocia dus
especulantes invejo.-cs, constituem braioes, ergaeai
cliruttieas. pigiai'
uuianas. Esta awau(
Exm. Sr.,eo vosso que enthusiasuu as Teeo*
conddadaos da'presonte idade; e qne fttk f#k>
o& das vindoaras objecto de venarac^o e typo tin"
singular do exempli.
a Com .Q\j.tj, ii*u Sr., *e a oeilinto arooc-
. em ... ItipUcldalc it ajiumptoi de
quadrus, padroes, momorias, e
histricas rivae^as gregasert
L_
.


=
, .............;, i -oaw
p de Pecn&mbuco Quinta feira 5 4 NoYenibro de 1874
qae trataaatto cargo de qua asli V.
ministrado nao tulhesse perscLuiar us ia
do vasto imperio do cruzeiro, rr J maws'
mittido-ao s#j# e a viriado* paajBs ouvia, que, quwii) o Sil.ru.
Wo se alleiiio oarisoute, fesiivo e risonho ; on
q landa baia o letto liumilo e on luU'nte a> de-
cihir do di, mMMicolico e sauloo, dous nyrmns
inGnlM, que. quaes nsetopeai angelicas se vao
reuninlo de todis os hiriaontos o subialo bis ob-
dulacO.'s da atim-ilwra a do etbar maatedor da
ordem e harmonia 'aos a-tree, at* ao ihrono do
lacrealo.
Aul Exm. Sr.ams-llttiro, esses doas hyra-
njSMttgeiw como a poetic* harraonia do triaada
dos plumigeros sares, saulaulo o Creadar pew
dejpertar da aurora; suave* s ambriagantes co
raj as cirolas donsal ai itesbr<>:liareni; tormo
s>< eencinuJeres da iiiuocdnMa e caaiara como
os l.ibios, d is quio* seso I tarn nviniles'.aaio a pure-
za de dray?'s infantis; dig) estes da as hymnos
-sio a mais ulo|ueate ap.ipeiai mioisterio, do quil
e V. Etc un d>s aiiis fulgenles ormmentos. Gi-
les sio erguid)s psla iafaaeia lib;rtala da ]ago do
j.iptiveire da vonlaJe a do captiveiro "la iutelli
/
E-rtes hymaos sao entoados pela iaf.incia qae
a-pira a libardada contra a falalidade ; a instrcc-
can centra a igu iraacta ; e qua em bre.'e ve.-ao
queirados os gnlhoes que preadam a eonscieaeia
pela imposicao d'uiu i ereoca que deve ; pode s<511
e sera naaotila e pnpigafla raliante e bella com
o seu creauir tat se nente-por fenji da verdade da
setts pnncipios. EUi os ealoi a lace dos ceos, e a
face de Ileus, par ae<, Exm. Sr. couselheira, pelo
venerando e benemerito mioisterio de 7 de mareo,
pelo augusto iraperanta que -Hinbili-a a palria, a
iiberdade, a vida, a honra e a gloria di oxciio bra
sileira.
Reeebei, pirtauto, Exti. Sr. e mr-elaeirn, da
inieidade educaoli do Ajymmsi > p-niauibucauo,
hoje qjic pisais o solo pjiti -tic > d'^ n nutt ma ores
depots de 6 aaaas de ausanaU ; h>>j'5 > rever os lares iUos, a lawiba, e o sol perajin
Pujjuo, os rail evbjras, us mil H.ulau-os, as mil
mroas p^los feilus nub>k.-s:inos d > miaisterio de
? de marco a pnl da iusirucgao e d.i liDordade do
{iar~ic*nc:ilves Uai-Sm* Vet Me
graiouta de Maceio, .-aUd-se que i-sse vapor mind
bojc em u sso porto.
-\'avi(i lateeMdiM-Jo.-Iliuteni a taide ar
ribou a n.sso porfo a galera n< iiK'(;uea-e .4.'/au-
.0, que ia de Sundi-rUul para a G>?ta d'Africa
Zmjibar) afim de .le.-ciiibjicar u cipiiio J. C
Sie^e e 9 pessoas dj equipagmu do patacho alle-
inao FAise, que, em viagt-in de LoiUre-i para o oabo
da Bja-Esperanca (E^sl Loudo), com carrega-
irento de varies generos, inceudiou se lotalmeale
aa lat. N. o' 2J" e loog. i3 e 38 0.
di rnojEssoit da m\gdalk.n\.
. Exm. Sr. ministro.VerdaJeiro apreciador
eat!iusia>la daa jiranles e geaarosas ideas tradu
zidas em (actoa, m tximc teudentes a instrue;ao pu-
b!ica, la q:nl sou u:u dis inais fracjs apjstjlo-,
aao poMa dais ir de n;sti o:casiio vir em oome
da uiisma inst urgij inbutar vos urn vote de leu
wr e homenageoi pdo rauito que por ella haveis
feito.
Seudo lnje pensamenlo qoasl universal dar o
inai ir desenvcl-imeulj pissivol a iustruccao, por
isso que to por ella poder.lo os povos.allingir ao
gra i de perfectibilidade a que devem aspirar para
o n>n.ilistno, e cadi luaiem ao suoinne fini
QU Ibe prescreveu a PMvideucia, isto e, ao sea
..perleicoauiento moral; tem sido para fos este
pcnsamento objecto do uiais accurado esiulo, ja
em graude escala execulado, como o atte?ta:n as
juiiciosa? e pro!ic:us rtforma; e regulimealos aos
prograaimas de estuJos, tamo aecuudarios cod >
primaries, a desceutralisacio do ensiao, a ini.:ia-
fio e eireiti dascouferencias _ptdagogicas -ua
corle em que tanto se distmguio o magi.tieriu
d aii; e quant) ao m.iterial, a udilicacao e prepara-
%io de apr-priadas cisas para es:oias.
a Se e magesto-o e sooerbo o mjvei qua doter-
Biua a accao, maito m lis almirado e digoo*do
reejaheciment-j publioo dare ser o ageate juo a
t;xecuta.
Trades, pirtanio, gravaio inielevelmente o
o*sa norae nas pagiaas dos aanaes da iustruc-
^lo pabli.-a, e os posterjj o bio d-; ler com vena-
racAo.
iiioJSxm. Sr., aiaitai esta simples e mtdesta of-
rla, que vos fazsm o profess ar e aumns da aa-
eilajpublica de instruccao prinaria desta locali-
iiJe,co;nj um siacero peah-or da admiracao v
;espeito que vos tnbutain, e desjfilpai o nao ser
elli la) correlativa, como desejavain, a magnitude
do assumpto que a mitivou. 0 professor publico,
imgiuto Jose Mnuricio IVanderley. a
Kitculelude de Direit dos exames prestados hontem (i) fui o se
1 anno.
Francisco de Castro sa oarreiq. simDlesmente.'
xa.j/Mi3. iau'j-'ii AVanderiey, iQem.
Alvaro d Assis O.-orio Mendes, idem.
Antonio Sergio Lopes Lima, pienameole.
respunda qua Scam dadas as ordens.
oo adnnnistrador do cenritario, participanda q
Manocl Gon^alves Agra se offerer.eu para deearar
gratuibunente aa dia de f aados a capeila daqtielle
cemiterio. -ftaa se respoda que a canaira aceiu
com agrado.
Do eageakairo, iRformando ant reqaerimnto de
O.ffiscaT da fregaeiia de S. Pr. Bedro Goncal
yes. reoaeMando doas termos de ia tida pelo barao de Livramento e Antouio Joaquim
de Vasconcellos.Ao procurador.
Oo tiscal interiao dafreguetia de S. lose,infor-
niando a peticaa de MiiTolino Jose Lopes Kibeiro.
Befcrio-se a peticao.
Oo mesmo, remettaplo arela^io dos ind,viduos
niultados dos d.as 3 e 6 do correate :
ftxc tcoot m rtantf.y,l*M"lnfl % eepubltaa, ow> dot %ti prea4wit i da laslituto Medico P^'rnarabttta-
' 4",q~ ^,n y? i iijit.iiMd.i4aa. e au ISU era deJioa I Re, pedmlo a caraara que se digae dar suas or-
vi^%e(irltwWo)UJa. R- cao foi4vlda ae Ubl<*te(> d nhas dj TaB re% que uepsa uo rBaregaramlJ ?*i qua ado mdtsp-rasa vtis_ para, effectitar aa*
vapores com SI8,779 tone'.adas, Tepresentaoo a -reaoiao solewae no dia 25 da correnle. Qua
for^a de cerca # 30 000 cavallos.
Buraate a aano do i873 esses vapores derata aos
portos da repmblica 643 viagens, nas quaes para
ella levaram Sl.eiSpassageiro*.
As diversas alfaudogas da republica arrecada-
ram h> aano de 1873 a senna de t 8.U5,t9
seaje:
Oaiaipoaacio 7.381,1*4 Jose Lacio fctas, arreaalante doa concertas da rua
I)a experlaciq I 328,84 do Quiabe, fregueaia do3_ Afogados. Mandou
Noa anuos ie 18W 1878 forao iraiwrtados na ge pagar a primeira presucao.
repuWica livros no Wor de I t.73S,305, proce-
dettaea de Fran;, leglaterra, Hespanha, Estados
riaidos, Ailemaiiha, Belgica, Peril, Italia, Uruguay,
Hspublica Argentina, Portugal, Colombia, Equa-
*r, Ciliforoia, tlollanda e Bolivia.
L.olerla.A |ue 96 acha a venda a 123'
a benelicio da matrft de Jaboatio, qae cotre hojo
5 de novembro.
LeliOes.Hoje,5, effectua e agaata Pinto o
ultimo lettta das faaendas da massa falhda-de Pe- Costa 4 InnJo, em 2|000,
re ra de Mello 4 C, assira como, madapoloes, al- j Antonio Jose ttatttfa, eiu li
godoes e 2,000 saccos vazio, avariados, e muitas Antonio da StfflBkaior, em f*')00.
outras faseadas liaapas, no arraaae.n da rua do Antonio Jose Pereira da Cunha, em I2000.
Bom Jesaa o.3. ManoetlAii 4a Sihra, em 20000.
Iljja na Feira Semanal a roa do Imperador, Autonio Jose Vieira.em 4iii00.
havera grande qaeima da raobilias, objectos de Francisco Pereira oeMeirelles, em 8fC0O.
oaro e pra'a, qainquilbariaa e iramaoo artigos Franeisfo To res da Costa, em 4SHX).
do wo djiaasttca, que serio vadidos a'troco de Abel da Roeha Pereira, emR^OuO.
barato per eata-4e di versos. j Jerony mo da S. Rulim, em 8iOO_
Aiiianha,*, deve partir as 10 1;2 horas da Vieira Macedo, em 4000 -Ao procurador.
D> fiscal inlerino da freguetia da Boa-Vista, ra
formando a peticao de Manoel Carlos dofaraao
Deteriose a peticao.
Do advogado, informando a petiQio te Oljmpio
Sebastiio di HollandaChacon. A' commissar de
negocio jndtcraes.
Dina petielo dos aerdeiros de Joao de BritaCor-
rda.-A* joraraiasio de polieia.
Uraa de Bellarraino Alves Aroxa. -A' coBassao
do mercado.
Outra de Manoel Paolo Ramo3 Chaves, rwmdo
j iiMn;s para armar uma barraca naritw* da
fregoezia de S. lose. Coneedeu.se.
A earaara or lenou que.se mande faze caiacio
e pintara dos edificios do cemiterio pibllco paia
quantia de I00000, em que foram oredaa.
A camara resclveu que se ordene ao coutador
que quando houver do fazer a folhidosordena-
dos dos empregados desta camara, elattvaraente
ao eorrente inez de outubro, a orgnise de con-
formidade erm o* augrnentos qae fv'ara dados pe-
la camara, em attencao aos augmeiios qoe foram
feitos pela assomblea provincial, n?lai do or^amen-
lo vigenle.
Fcram apreseolados os requerttentos segaiotes:
t Requeiro que o fiscal da feguezia da Boa
Vista, que se acha actaalmeatf em exercicio na
fregueaia de S. lue, infnrme cm toda a mioucio-
sidade a respeito do que tem oiservado quanto ao
servico dos talhadores, aceiodo a^ougue, eoom-
portamenl i dos m mhos mild ores e do capataz
duranta as boras em que se -cha aberto o mesuo
mercado, u mats circumstanias que houver obser-
vado duraate o sen servico.
P.ico da camara muncipal do Recife, em 21
de outubro de 1874.Dr.Afoscoao. Approvado.
a Requeiro que esia (Una. camara reconside
raodo o seu aco, peiojual foi dispensado o ca-
iiellao do cemiterio pubico, padre Vicente Maria
Ferrer de Albu (uerque. reentregue dito capellao
no exercicio do sun fwccSes, visto nao poder se
conservar o cemiterio sem capellao, contra o dis-
posto no regulameoto do mesmo cemiterio.
i.Paco da camar; municipal do Recife, 21 de
outubro de 1874. Jtsi Cesario de Mi 11pro-
vado, perceben lo o capellao o ordenado qua Ihe
e.-ti marcado n? lei u. l,i2o de 26 dejunhode
1S73 : votando cratra o Sr. Dr. Moscoso, qua pe-
d!o para apresen ar por escripto as razdes de seu
v.to, alim de serlancalo na acta, o seado atten
dido, protestou vreseuta las ua aessao seguinte.
Foram dssparbadas as pelicdes seguinles: de
D. Anna de Soiza, Antonio do Canno Ferreira,
\ni"nio de Paiva Ferreira, Albino Jose da Cruz
Ancelo Grove, Antonio Francisco da Conceicao,
Almeida & b.ui.sa, Barlholomeu Luret'.'o, des-
embargador Cietano Jose da Silva Santiago, Do
mingos J...-(i Machado, Elesbao Joaquim Dias.
Fraucisco Jo.-e Raposo, Francisco Josi Gomes,
Guilherme Jo-ii deSou'a, J>se Paulo Botelhp, Jose
Lucio Lins, Jise fires de Moraes, Jo-6 Targino
Goocalves Fialno, Jose Antonio da Costa Si>|ueira,
I -i'' Brudo, Julio Coriolann Dias, Sebastia-s Lopes
Guimaraes c Thereza vntonia Ferreira dos Smtos.
Nada mais haven lo a tratar, o Sr. pre.-iJenie
epcerrou a sessiio as 2 horas da tarde.
Joa-raim Pedro Cavak-ante de Albuquerque sim;
piesmeute.
2 anno.
I >ao Cabral ie H.JIo.plenamoute.
Odilon da Cunlia, i Jem.
ToeoJoro Alves Paebt^o, idem.
Joao do Rego Barr^s, idem.
ilaooel Estcllila Gavalcaote Pessoa, idem.
.-',rauci>co d'Assis Uezerra de Menezes Junior
idem.
3" anno.
\noni i Pi res de Souza, pleaarapnte.
Salvador Bliaa da Rosa e Siiva, idem,
oviniam Avelino Pereira Uuarte, simplcsmente.
Manoel Octaviano Guedes Nogueira, idem.
Jose Maria Metello, dirtinccao.
Amancio Olympio d'Andrade Barros, plenamente,
4* anno.
Salvador Antonio Muniz Q'Aragao, plenamente.
todolpho Epiphanio Dantas, idem.
Jos6 Gomes Coimbra, idem
ilenrique de Miranda, idem.
Gaspar de Menezes \'asconcellos de Druummond
Filhn, idem.
Jose Martins Bastos, simplesmente.
Acyndmo Vicente de Magalhaes, pienameole.
Joao Manoel Wanderley I.ins, simplesmente.
5* anno.
Francisco Octaviano da Nobrega, plenamente.
Epaminoudas Brasileiro Ferreira, iiem.
Jose Iguacio de Figueir!do, idem
Francisco I/.idoro Rodrigues da Costa, ilem.
Jose Xovaes de Souz3 Carvalho, idem.
Getulio Augusto de Carvalho Serrano, idem.
Eacola normal.Contiaaaram, hontem,
os exames do !. e 3. annos dessa escola, cuio re-
sultado foi o seguiBte :
1" arrao.
Pedro Pereira de Souza Lemcs, plenamente.
gnacio Felicio de Salles M.nezes, idem.
Francisco Manoel da Silva Alcantara, simplesmen-
Tres reprovados.
3. anno.
Manoel Sebsstiio de Araujo Pedrosa, plena
aente.
Gedeao Forjaz de Lacerda, idem.
Joao de Barros Cavalcante Lias, idem.
Jose Xavier da Cunba Alvarenga, idem.
Jgnacio Ferreira da Costa, idem.
Luiz Marques Vieira, idem.
manhaolMai express* com es passagetros o
cencurrentes ao leilio da Ponlede Uehna, cenfor-
me esia aan-uaciado.
H tje eifectna o agente Pinto o Mao de dt-
vidas e um sobrado da travessa do Carmemi. 1C
Sibbadovendera o mesmo agente diftVren-
tas preiias edlflcados eat baas mas, por *erem
commercises.
Casa de detea^ao.-Movimento Ja casa
la delencao do dia 3 de novembro de 1874 :
Exisliara 3-14, entraram 4, sahiram 39, existem
Ml
A sabar : naBionaa^ 927, nta'neres 7, estran-
^eiros 29, e-cravos 3, eserava 1. ToUl 299.
Alimeutados a custa dos cofres publicas 269.
A saber Saos 256 e eufermos 13. Total 209.
M ivimento daentermaria do dia 3 de novembro
le 1874 :
Tuveraro alta :
Joao Marcehno Pinto.
Joao Jose Joaquira de San'.'Anna
Florencio Alves da Silva.
Manoel Gcmesde Heodonca.
ttaspital Pedra II. -O movimento deste
estaljeleaiiieiuo, de 2G ao dia 1 de uovembro, foi o
seguinte :
Existiam 390, entraram 42, sahiram 33, falle-
c^ram 9, existem 388, sendo :
llouiecs 231 a mnlheres 157.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermaruas nestes dias :
A'*6 1(2, 0 l|2, 6 1(2, 7 l|4, 7,9, pelo Dr.
Ramos ; as 8 l|4, 7 lj2, 7 l|! 8. 8, 8, 7 1|2, pelo
Dr. Pereira Ja Silva ; as 9 l|2, 9, 2, 8 1|4, 9, 9 II,
pelo Dr. Malaquias ; as 9 |2. 9, 9 1|2, 10, 9 Ij2,
9 1(1, pelo Dr. Murillo Vianna.
Fallecidos.
Pedro Monteiro, lesao cardiaca.
Felippe Santiago, febre pctoiciosa.
Maria Fraacisca do Espirito Santo, entente chro-
nica.
Berth deza Francisca da Concei.jao, tubenulos
polrnonares.
Maria Carolina da C. Cavalcante, tuberculos pnl-
m mares.
Sr/erinu lose da Luz, ulceras gangrenosa3.
Th reia, tuberculos pulmonares.
LourenQo dos Santos, bexigas.
Adriana Maria Roza da Costa, erysipela.
Cemiterio publico. Obituario do dia 31
Jo eorrente :
Josepha Lmos Goncalves, preta, PernambuJO, 15
annos, casaia, Boa-Vista; ignora-se a irioles-
tia.
Jose, pardo, Pernarabuco, 3 mezes, S. Jose; con-
vulsoes..
Jose, pard->, Pernarabuco, 10 dias, B a Vista
abcesso.
Jose P,res Ferreira, branco, Pernambuco, 7i
annos, casad', Boa Vista; gastro enlero oolite.
Francisca, tarda, Pernambuco, 24 annos, soltei
ra, S. Isse; phtysia pulraonar.
Pautilha, parda, Pernarabuco,5 mezes, S. Jose;
angina.
Bernardo, es^ravo, pre'.o, Pernambuco, 33 annos
ignojia-se o estado, S. Jose ; variolas.
;-Provoco a S. 8. para e'quiudo, foi que ewpenhei-raa para sar Mralar
depor.ftrio de Joaaaim, que .In 3.-S. ^< sea os
cravo, (upzar deter ella atdo fmaorlado da Coita
il'4f:ica depois da lei de 7 de a-rvewibra da 1831.
cou'onue eta provado uos auios pela certulio de
bapUsmo), e, se nio o fizer, mats aia-s. vez tera na
Wonte o ferrele de calumnmbor.
Nio teaho em minha casa escravo algum de S.
S., que esteja era raeu poder dapowlado, e por iaso
oao posse applio.ir purgantes coaCurme diz S. S.;
6 bem pode isso fazer f n*ui de Mudit a human*-
iwk esli acostamado ; o Sr. Ardxa bem ma ea
Unde ...
St. S. S., ao menos uma vez, quer fallar a ver-
dade, declare em que cariorio e em que aano se
passou aascriptura de escravo Andre,, que foi
cemprado ao Sr. Ignacio das Coagas, pois, desejo
confundi-lo com suas proprias anuas, quanto ao
asseverar S. S. que comprou aqaelle escravo ha
ious annos.
S. S. mustrou se contran .do por e^tarem seus
escravo* procurando na lei proteejao a saas liber
dades, uns por pecutto e outrot por lerem oindo
depots da lei de 18311... 0 que nao de fazer
ettessenai isso, quando teem por senhor um re
pitblicsno de polpa qua skvicia babbabajibntb
skoi EtCRATos I ... Serf tambera historia, Sr.
Aroxa, diga-o, que Ihe provarei com o corpo de
delicto procedido em seu escravo Felippe, pela sub
delegacia de S. Jose.
Admira se S. S. de slus escravos estarem pro-
raoveudo accAo de Iiberdade e conseutire.ii nesse
abuse ; admira-se pois de pouco, nor isso que
maior espanto causa nao estar S. S. soffrendo a
puaicao dos castigos barbaros proJuzidos por S. S.
em seus escravos: Sr. Aroxa, pessoa alguma pode
mais queixar se da lei qae S. S !.....
Era ura dos topicos de sen artigo, repete S. S.
sua costumada lamentapio de que so deve dar o
qae possue a seus filltos ; nada tenho que ver com
isso e ja reaw:ti S. S. com vistas ao Sr. seu genro ;
denovo o lerno a fazer, bem como aos interessa
dos, qu9 s. S. bem os conhece, apezar de suas
fan/unices de riqueza.
No meu ultimo artigo talhei carapupas; o Sr.
ArOxa, cuja consclencia nio esia tranquilla, pro
vocou-me a que prove se se entende com sua pes
soa a historia do sertanejo e dos 11:0001 pigos
com um; ninguem melhor que S. S. sabe desta
historia, e de outras que se deram em 1869 ou
1870 com os Srs. Manoel de Araujo Costa, Morei-
ra & Costa, Ignacio de tal, conhecido por Goiaba,
Francisco Jose da Costa Gerraaiio, Manoel de Siu
za Tavares, capitao Manoel Pereira, de Serra Me-
gra, e Jose Bapti ,ta da Ponceca Junior ; para que
quer 8. S. quo eu prove, quando bem sabe que
disso nao ha docuraentos e somente testemunhas
que sabsra desse facto e Com quera alias se de-
ram... Nao se mostre azafaiuado em saber d-ssas
historias porque o prejuizo aa fanfarrice de rique
zas do ?eu auior 6 certo.
Nio desejo decantar vida de psssoa alguma; po-
rem, se S. S. deseja fazer se conhecido, mms do
que ja e, eu uio hesitarei em faz --lo, vi3to ter tem
po e coahecer da chronica dos nomens htnra
dot de minha terra.
Goutraue, S S.; certo porctn, de que ladra a lua,
visto que 6 S. S. bastante coaheci lo nesta terra,
e nao mais responder-lhe-hei.
Recife, 5" de novembro de 1874.
Felix de Figueiroa Faria.
Vis
V
I^ZSr'Ji^8^^ ^^V^U^^J^^ .ecrelario, a
Theodora Maria da Conceicio, parda, Pernam-
buco, 32 anuos, ignora-se o estado, S. Jose; vario-
las.
Joanna Augusta Cordeiro de Goveia, branca,
Pernambuco, 10 annos, S. Jose; cachexia palus-
tre.
i de novembro
Adriana Maria Rosa da Costa, parda, Pernara
buco, 30 anuos, solteira, Boa-Vista, hospital Pedro
H; erysipela.
Louren^o dos Santos, patdo, Muribecj, "JO >n
nos, viuvo, Boa Vista, hospital Pedro II; bexi-
gas.
Honoria, parda, Pernambuco, 2 mezes, Recife;
cunvulsoes. v
Manoel, branco, Pernarabuco, 8 dias, S. Jose ;
tetano dos reoemnascidos.
Amelia, branca, Pernambuco, 5 mezes, Boa-Vis-
la ; variolas confliienies.
- 2 -
Maria Luiza do Livramento, par Ja, igncra se a
naturalidade, 57 annos, Recife; cragestao cere-
bral.
Maria, branca, Pernarabuco, 3 mezes, S. Jose ;
convaltoes.
Manoel dos Anjos. preto, Africa, 70 annos, sol-
leiro. Boa Vista; anemia.
Albino, e.-cravo, preto, Africa, 50 annos, ignora
se o estado. Boa-Vista ; phtysna.
Brai Novelino, branco, Italia, I'd annos, soltei-
ro, Boa-Visla ; asphyxia por snbrae^ao.
Esperanca, preta, Af ica,45 annos, solteira, San-
to Antonio; metro peritonite.
Antonia Mai ia da Conceicao, parda, Pernambu-
co, 30 annos, solteira, Boa-Vista, h&spital Pedro
II; tuberculos pulmonares.
Manoel Baptista Evangelista, pardo, Parahyba,
38 annos, solteira, Boa-Vista, bospiial Pedro-II;
tetano.
_Sa(ustiano Ferreira Satyro, preto, Pernambuco,
37 annos, casado. Boa-Vista, hospital Pedro II;
insufllcieacia da< valvulas da arota.
Joao, pardo, Pernambuco, 4 mezes, Bca-Vista ;
bexigas.
Luiza, parda, Pernambuco, 5 inezej, Boa Vista ;
variolas.
Dr. Pedro de Athnyde Lola Moscozo, pro presi-
dente. Jose Maria Freire Gameiro.Josc Cesario
*c Hello.-Joao da Cunha Soares GuwiarHes. Jose
da Stlca Loyo Junior.
LI-
1.000000
9OA0OO
450.000
40.000
THE NEW LONDON & BRASILIAN BANK
MiTED.
Capital do Banco..........-.
Do subseripto............
Do pago.................
Fundo dereserva contra do-
preciacao do capital......
BALAN50 DA CAJXA FIUAL KM PERNAMBUCO EM 31 DE
OUTUBRO DE 1874.
Aclivo.
Letras descontadas..........
Lctras a' receber............
Emprestimos, contas correntes
e outras.................
Garantias por contas corren-
tes e diversos valores......
Caixa em moeda eorrente...
734:637*030
6i:020i630
575:463/380
845:833*730
1,416:363^070
-.
Pagadoria sic r.izcnda. -Nesla cslaeao
pagam-se hojo as seguiutes folhas:
Empregados da visiu de sadte e do itstituto.
vaccmico, efflciaes reforraados, alfandeca, eaUwi
publico. ^
ttepublis a do Chile\cabaraos de ser
obaeqiiiados pelo Sr. consul da republica do Chile
com um pequeoo volume contendo I'm vesumo da
tslaUstica commercial do enno de 1878, e ta'esta-
tistica retrospectiva dos anws de 1*44 n 1873
precedido de um exlraeto 'la relatorio apresetitudo
ao supremo goieruo pelo direct'r da repartirar.
AgradeaenJo semalhante offerta, vimo* fazer al
guns extraclos desse trabalho :
Aimportacao pelos diversos portos da republica
elevou-se nos annos:
P* '*' a H 34.657,928
De 1873 a 37 9*8,427
A exportaciio pelos mesraos portos sabio nos an-
nos;
De 1872 a i 37.122,460
Del873a $ 38.810,271
No -juinquenniode 1864 a 1808 foi inporiada
na republica a sommaide 3.27-3,072, e exporta-
da a de i l.304,432 em dinheiro; e uo iflguinia
de 1869 a l73 eleveu-?e a ioporuedo a $......
*.615,988, e, a exporlacao a fi 7,(43,778.
Nos vinta annos coworehendidos de 1854 a 1873
a importacao da republica subio a'#*53,2"0,035.
e a ajtportagao a 499.912,064.
O cuminercio de caboUgera ou maritimo inte-
iwEfSm *enaoe^IOpr08ress'v'* deeeaah de
.No qniaquenmo de 164 -1868-* 149 150 720
J,,fc de 869-1873-,g I83.6J8'799
OB 23 \ mais.iraire o primeiro e o segundo
cao anno de 1853 o oumero iota! de embarca-
3,636:357*810
era
conta corren-
713:719*150
Passico.
Capital.........,
Depositos
te......
Flxo e por a-
viso....... 7^:187*510
Garantias por contas corren-
tes e diversos valores.....
Diversas contas......>.....
Rs........
888,888*890
1,503:906*660
78L888*520
461:673*770
3,636:357*840
CAMARA MUNICIPAL.
SESSAO EXTRAORD1NABIA EM 21 DE
Ol'TlIBRO DE1874.
maaDBHda do sr. reoo b albuquerqub.
Ao raeio dii, presentes os Srs. Tneodoro Silva,
Cesario ae Mello, Cunha Guimaraes, Souza Leao,
Dr. Moscoso e Loyo JuDior, abrio-se a sessSo.
Lida e appravada a acta da ante :edente, leu-se
o segninte
EXPEDIEATE :
OOicios:
Do Exm. |>residente da provincia, iern- tiendo
dous exernplares impreesos das leis provineiaee-l
desta aano, tioiarnenie pualicados. -luteirada.
Do mesmo, communicaado a camara, que por
aviso circular de 18 do eorrente, /be foi commu-
oicado pelo Rxm. Sr. min:stro da agricultura, con-
mercio e obras publics*, qua a exposicio inlerna-
cional em Philadelphia sera inaugura'da a l9 de
abrfl de 1876, e qae foi designado o dia 7 de se-
terobro do anno proximo vindouro, para a aberta-
ra da exposijao nacienal no Rio de Janriro, bem
como o mez de abril do mesmo anuo para a das
proviu-ias, e assim o declara a eaiiara e Ihe re- ^?tr.as a paga"".: -
S. E. 4c Q.
Pernarabuco, 2 de novembro dj 1874.
!P. //. Billon, pro Manager
A. Guimaraes, pro Accountant.
ENGLISH J3ANR OF RIO DE JANEIRO
(LIMITED)
Capital (Jo.Banco em 50,:000
aeroes de -20 cad*uria 1,000:000
Capital realisado..... 500:000
Fundo de reserva...... 113:240
BALANCO DA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO
Efl 31 DE OUTUBHODE 1874.
Ar.Ttvo.
Letras di-^oneidas.............. 7 38:509*070
Emprestiraos% contas caueionadas 720:491 gtoo
Ulras a /cceber............... 41:011*050
Garantias h valores depo?itados.. 854r948*760
Mnbflia; etc. do banco-... ....... Ihl f7*710
Diversas contas.. .......-----w.t- 422:38)5680
l.'iuta evt or*o cruel.
Soraente hoje tivo sciencia de urna publi-
cag^o (tjjtn uo i 30 do mez fiodo, sob o tituto acinoa, sem
duvida com o fim de depreciar um acto j is
to e meritorio que pretendem pralicar as
alumnas e alumnos das escolas aarmaes des-
ta provincia.
Como ?ocio da Sociedada Propsgidora,
da qua! e o Exm- Sr. couselheiro Joo Al-
fredo CorrOa dcOliveira um dos rauito dig;
nos s ci'is hooorarins ; sendo eu professor
daquellas escolas, e achando-me convicto dos
servig.05 que 6. instruccao publica ha prestado
o Ex n. Sr. cons-dheiao, manifestei a al^u
mas de mmhas slumnas a idea que tive de
solemnisarmos a entroga le seus tilulps de
capacidade professi mal, i lua nova nesta
provincia, e muito util e proveitosa nos
paizes civilisados. D'enlre aquellas slum-
nas appareceram ideas accessorias que ti
nhara por fim abrilhantar maiso acto.
Vendo, pois, tao bjm apoiado mta pen^
--T""!- ,-*i^4ii3 du*1-*---------' -.....:'*:l
toaas as demais alumnas e alun nos do am-
bos os cursos, o que foi recebido com ge-
i"iil satisfagao.
I'ermitta, por tanto, o escriptor d'aquellas
linhas que eu assumindo tola a responsa-
bilidade que s6 a mini cabe, declare peremp-
loriamente que nem a mim, nem is alum-
uas e alumnos das escolas normaes desta
provincia foi feita exigncia alguma para tal
fim ; e jamais podera ser coosiderado como
extorsdo qualquer pregente que por Ventu-
ra se tenha de fazer por o^casiao daquelle
acto ; ao contrario sera a expre>siva de-
monstragao de apre^o ao muito que tem
feito e procura fazer em favor da instruc5ao
o distinclo pernambucano que em qualquer
dos ramos do servigo publico nao se tem
esquecido de sua provincia natal.
Recife, 3 de novembro de 174.
Vicente de Moraes Mello.
Ao publico.
a...
............?' M25.-O39J420
PASSIVO.
'jffe. 4,113:5013490
sira-
Contas correntes
plesil............
Deposito a praro fixo
om aviso e por te-
rras .............
9?i:87->*380
1,483:4143090
i a
Titulos e*i Aucab e aVposfto.....
i>iv.^s-eoirlas................
?,4I-390*70
5:5553090
8"4:48*76U
830*775870
Rs- 4,113:5015590
comraenda que Convide os jeus inuoicjpes para
que eoncornm a essas feet.is eora o maior nnraa-
ro possivel de prn-fucths e specimens da indu3trja
naeional, aGra de ser a provincia represenuda ion-
veuiectemente entre suas irnjls, a o Brasil, n:e-
diante o esforco d-: todos os brasileiros, devidamen-
te apreeiado no estraflgeiro.t-ll'aeam-se os convits
por meio de edittej.
; Do inspector da thssonraria de fazenda, peflpidq j ,**!
a camara que prornava a cooclu--ao do proc330 *,-l
de traasfereneia de parte do terrea& proprio na
ciial. sob n. 16, si to no Forte do Mattos; do qial -------
esia no dominio mil, por compra que dee fez a Ad. Sr. BeUarmino \. Ar6xa.
%aft&,?-.UariS Theodora daCtaAt-JaA-g/vbltdu a imprensa aoJornaldo Sde
*._.;. "1 p ra loSr-l*3uro publico.Infor.rae o, ante-honfem com as uas costumadas faftas d;
8. B A d.
"Psrhumbaco, i de novembro de 1874.
F. B. Bloxkam, manager.
It. C. Wells, accountant.
r
a mm
iudi,I'if,r a** i ,. verdade ; bem sei que nio devo discutir cum S. S..
., nntn Pabl,s. participando i nao rd por.jue o julgo nio habilitado, como por-
camara que o escnptor.c. fas obras da eonserva^o file v,jo que S. S. e apenas nessas^ublicaVfas-
aos posus a. sn provincia e^ta faaccfonando no si'matario ; porem, emattencSo ao pablico' afoda
pnrae.ro aniar.-loedifina da c:mpanhia parnarn- esia vez, (juebw o sUencio qw me propaTfer n%-
bucana.-Inte;radl n in^lin, e re-p,ndp Ihe. iV Wl m \
Brevca coiisiderayoeH sobre o abas-
tecimento d'agua potavel a cida-
de do Recife, aeus eagutott e meios
de sanear a aua atmowpbera, pe-
lo Dr. Pedro de Allaayde Lubo
oscoso, ro mi a do em medieina
pela Facqldade da Bahla.
(Continuacao)
ArnOVElTAMENTO DAS AGUAS DE ESUOTO.
Passemos urua rapida vista .de olnos sobre o
aproveitamento das aguas dos esgostjs, taes quaes
ellas sao e eomecaremos pjr mostrar, que assim
como anliquissimamente procurav.-se dar iramen-
sa quantidade d'agua pura aos habitantes das ci-
dades para satisfacio do suas mais pequenas ne-
cessidades, assim como se proeurava dar prompta
sahida a ellas depots de infeccionadas, assim tao
nem nesses tempos iramemoriacs ja se utilisavain
das aguas e materias residuarias para a agncultu
ra e floricultura.
So: re tal assumpto nao ha qua despresar o ir
fallar os livros ; e fazer uraa excavaeao aa cidada
santa, ia que como Agrippa projectamos alraves
sar a cloaca inaximi; ou que, como rauilos ou-
irya por curiosid.de ou divertimento, Jheraos era
raenle longo trajecto em Anvers ou em parte da
135 legoas de eauaes subterraneos uo afamado Pa-
ris de que tanto se ensoberbecem os francezes.
gnraa cousa i A historfa repete se, mas nao inven-
ta se.
C:ida um tem sna tarefa : multos se tem occu-
pado da superflcie : outros do que esta deb izo
da terra occulto as vistas dos que nao tem mails
euriosiJade, on se contentam em dar por visto
aquillo que Ihe parece nao ter valor scientifico
Entretaiito onde e que o philosopho vai descobrir
a sciencia e o adiantameqto do espirito human '
E' jostamente, onde parecea muita gente que na-
da ha que isso possa revelar; mas o nosso traba
Iho nfo e de alta philosopbia : e apenas daquelles
que^em por fim nvestigar a por patentes certos
specimens dos qnaes podem nascer proveito para
las classes menos favorecidas, para as quaes nao se
olha tanto, quanto apregoam esses que a todos os
momento3 fallara no pooo, ao povo e para o povo.
Jerasalem, a cidade santa, o lugar de tao eleva-
dos mysterbs, e em que se effectuou a redempcio
do g'nerothumano, a celebre capital dos Reis da
Judea, igualmente venerada pelos mahometanos,
pelos judeus e pelos christaos, conta hoje apenas
uma populacao de 25:000; mais da raetade maho-
metanos ; restos de sua anliga e sempre iremora-
da grandeza.
Fallar de seus edificios, de seas monumentos
colosaaes, de tndo quanto abi exprime a grandeza
passada e excila a admiracao da actnal geracao, e
trabalho, que nio cabe no perimetro da tarefa, me
cos impomos nem em nossaslimitadissimas forgas.
A quem interessar poderj recorraraippt}li:acaoul
limaaea'e feita pelo respeitatfilissimo prelado do-
mestico padre J. Pinto de Catnpos,' a rraal pode
forne?er mfiitas e proveito.-aa informi^ns, que.
com seus oJhos tudo vio,.tado tesJemnnhon, tudo
AW achar se-ha m abundancia com qae sa-
civta a ais exigsntj curtoaid.de. a com que^ea-
cher-ss e espirito de ideas granliosas e qua invo-
rantariaraeate aproximira o horaeoii do Creador,
easmaado a reconhecer ten gr.nde poder, sua iu-
iefcctivel sahedori.i.
K' escasato tenjar aquillo que rauitos nio pode
ram conseguir apeiar de giaade esforeo e abaiisa-
aos conheciraentos historicos.
Vamos ao qua interessa : s
Dentro dos rauroa desta cidade existem muitas
cisteraas.em que reeoitiem os habitantes a agua de
criuva, assim como ha algous banhas publico-';
tal e o taJque dos patriarenas e a foale no EMI i-
rara : oxtra-muros eocsnlrara se alguinas fontes,
coma a de Siloak, a de Maria, e outras.
0 engeobeiro Baldwin Latham, verilieoo que
com e'feito a cidade santa de Jerasalem ernprega
va des ie raoito os produetos dos asgoios. Pela
leitura dos sabios a arcbeologos se conveneen elie
que havia alii ura abastecimento abandante d'a-
gua, uraa rede Je espacoaas esgotos, cujos produe-
tos erara empregados na irrigacao.
Na importan'e obra do Dr. Whitty sobre a dis
tribuicio d'agua e a drenagera {*) de Jerusalem
acha se especificado qua Euzebio, liiho da Palest -
na, fallecido no anno de 340, se exprima do modo
seguinte:
< A agua abunda em toda ci lade dc Jerusalem ,
de tal sorte que os jardins sao irrigados pela que
sobra, e corre para fora. >
0 Dr. Georges Williams, alladinJo aos recenles
trab.ilhos de aL Pierotti, diz :
A situacao do terapla foi determinada de ma-
ueira a nao deixar duvida pela descoberla feita por
M. Pierotti, do systama de distribuigao d'agua que
alimentava o templo bebreu. Elle esta tao perfei-
to com) no tempo, em que ser via diariamenle;
durante o periodo da republica judaica.
0 estad) perfeilo de couservacao de:te systeraa
complicado de aqueductos, de esgotos e de reserva
torios sa expli:a pelo facto de lerera sido construi
Jos era rocna; e por isso nao terem que soffrer
iom a demolicao dos edificios.
Aiuda qae a historia houvesse ucado' silenciosa
a tal respeito, nao se podcria iuvidar que livesse
Uaviio ura systeraa corapieto de esgotos nos tera-
plos.
A introducciio da uraa quantidade d'agua para
diluir o saague, que sem isso se coagularia, devia
exigir canaes, que levassera para louge o sangue
a os intestines d)s aniraaes ufferoc:dos em sacnii
cio, quanlo nio havia holocausto. A historia
descrevenlo, nos revla os faatoi d;.-tes sacrdicios,
nos revela que a agua eslava di-ir.ouiJ.i de raa-
ueira, qua lavava o pateo.
As aguas que sahiara do templo, e pro-avelrasn
te da Cidade, iara ter a ura poco, qua se chama
hojr Fonle di Viryem, e que eommonlca por ura
can,al, aberto na rocha viva, cora ura ou ro poc<)
cluraado actual raente Mare le Siloam, bera que
nio siqa o verd.deiro. Resolu daUi que a Fonte
da Virgem era era sua origera uraa cava, o que nao
e conlestavel ; e que a Mare de Siloam era uma
outra cava destinada a receber isdiquilos da cis-
terna di uivel superior, alira de que o estrurae se
tornasse secco para poder ser conduzido peias Jar
diaeiros, qm o orapravam.
Mishna r^fere que existia debaixi do altar uma
bacia pela qual passavara os rest-.s das victimas e
ijjmuidioias^ara iram ao valle de tfedrom. Os
jardineiros pagavara a dinheiro o privilegio de fer
tilisarera as suas terras cjm este estrume. Os
liquiJos, quando sahiara do poco tradicional de
Siloam, serviara, como hoje, aara irriga^o dos
jardins reaes.
-\*a Lousanne (Suissa) os priraeiros actos officiaes
flrmando os direitos a irrigacao, datam de U00 ;
portanto ha mais de quairo seculos qua alii se
aproveitain as aguas de esg do
Quasi na raesma epoca coraejjram trabalhcs
iguaes era EJiraburg, que, com.) Lousanne, goza
ue va dagens, que facilitara a applieacao J>- aguas
servidas, pelo que seu solo absolutaraenie esteril,
tem-se tornado fertilissiino.
Era Novara (Italia), era Anvers (Belgic,), Gro-
uiuga (II i.lauda) e Boun (Russia Rheuaui, poJe-se
dizer que ha seculos erapregam os eisgojos na
agricultura.
Era Anvers a exploracao destas aguas 6 por
conta do thesiuro : e apezar da graude concur
rancia do guano, a renda excede de 80,0oX) francos
por anno.
A irrigacao de Craigentinny data dos aanos; d-
i7i8 e 17C0, mas parece carlo qae ella houvera
siio feita anteriormenle a 1561, conf rrae se co
nbece do iaventario dos boas da igreja c.njaista-
dos ao estado.
A!-:iid;-:en (Escossii)- A commissio^de polieia
nomeou uraa junta para procurar 0 rneihor modo
de eraprego do esgoto. Decidiose ella em favor
da irrig>cao nos lerrenos de ibtrcarfiaiiJ.
Em 1870 os represeniaates do curonel Ikaigth
"z-1"!---- -*~ n:.~A-;n anlanlpram.tp. Com a Can*
missao para fazer a irrigacao dos SpU tfFlaM*.
Era cmsefiuencia procederara aos amactus nc
cessarios para que a terra podesse receber pro
veitusamente a irrigacao, trabalho este que foi cou
liado ao iragenheiro Rodger d'Aberdeen.
Em 1871 os criadores forneceram as vaccas d
ray grass produzido nos campos da fazenda, mis
turado com feno velho ; e os carreteiros aos seus
cavallos sem que dis-o resultasse o manor incon
venieute. A venda da formgera "deixou baaelizios,
apezar dt nio obter os precos elevados do meio
dia da loglaterra.
Os ultimos pa-Jidas semeados fora de tempo de-
ram apenas tres cortes : mas fazendo se a se-
raenteira a tempo, pode-se conlar com einea cortes,
o que em um cliraa semelhanle ao de Aberdeen,
conlirma m-lhor que qualquer outra consideracao
as vantagens da irrigate pela agua dee^gito.
Cora effei:o o mais alto preco ijue sj alcangou
era 1871 foi de 1,050 francos por hecur, em
quanto os melhores prados nio irrigados foram
auxiliados de 430 a 740 francos.
Para limpar as terras destinadas a planUjiodo
ray grass Mr. Builan, director da explore cao. plan-
tou e irngou sete hectares de nabos, e quatro de
batatas. A produccao foi excellente nos lugares
qua flcaram aeceos e manor nos em que as aguas
se demoraram.
A agua de esgoto quasi nenhum cheiro des-
prendia.
1871 Bera que o tempo rauito chuvoso fosse
pouco favoravel a irrigacao, o campo produzio
rauito na fazenda de Spitall.
Treze hectares foram semeados de ray-grass :
um lerco, de tres annos, deu quatro corles; nm
outro terjo, de dous anaos, deu ciaco cortes com
pleios, dous dos quaes nos mezes do estio foram
avaliados era 50,000 kil.igr o heclir.
Apezar do desfavor dos precos, os nibo9 rende-
ram tanto como o ray-grass, pois que deram 1,100
francos por hectar.
A receita liquida da fazenda excedea m asn
de 20,000 francos : as previsSes foram de i3,000:
o lucro foi pequeno por causa do baixo prega das
forragens.
Riodv. Em Rugby, em consequencia das ob-
servajSes do Sr. Walker ajudadas com as impor-
lantes observacoes do Sr. Lawes, a raunisipalilade
encarregou se de fazer a irrigacao. Arrendju z6
hectares de terreno pedregoso por 247 o bectar,
inclusive despezis e impostos : ga as despezas necessarias para a irrigagio.
Foi semeado o grao de ray-grass na primav-ira
de 1869, no mez de julbo haviara sa feito dous
corles que foram vendidos a dez- francos por mil
kilogrammes.
0 Sr. Edmunds que nio e favoravel a irrigacao,
afflrma que as melUores varindades de liarvis nos
prados perraanentos, principalrnente os trevos sao
destruidos pelo esgoto e que este empeora as
malidades das harvas era Rugby. 0 contrario disso
tem se observado em Carlisle mesmo depois era
Rugby,
As contas apresentadas a municipaiidade lio as
seguintes:
Receita brata, lira de dezembro 13,630 fr. 80.
Despezas tataes comprehendendo a rua d'obra
durante o anno 2,190 fr. 50.
Liquid) 11,460 50.
Assira em Ragby, apezar das grandas daspezas
de estabelecimento, ha ura lucro suffhiente para
assegurar a felicidade da empreza.
[Continuar sc-ka.)
caractcristico do patrio'.ismo, reonhecimento, e
espirito de ju-tio, quo preside-a populafio di -
i1 ide do Kecife.
A pjpula;ao do Recife rereta ae mais uma ei
que sabe ser grata e apreciadora do menio.
Por nossa vez livemos tambera occa.-aao de r*
raigar a nossa conviccao da que Pernambuco >a-
inais negara respeito consideracao a quera a i^io
tern ioconlestavel direito, pelo muito que ba Ie 11
era prol do paiz, e espeeialewate em favor ar*
peraambucanot.
Sx verdada o povo pernarabacano esleve na al-
tora de um povo que oao poJe ter ludiiTereiiie
ao, devcres de graiidao, que a eonsciencia lae iti-
pde, embora forcaseslraubas, e amigas do ual
aecomgreguen para impellil o ao nao caraprimento
desses deveres.
A honra, a integridade e nobreia ie caracier, a
pureia da vida e os feitos benaficos, taes sio os
iiiulus em que se funda a divida, qae Peroarabc "
conlrahira para cora o seu bonrado e illustrado h-
Iho o conselheiro Joao Alfredo, a qual apena>
raeca a ser pagt.
linraenso e importanle sio os servijos, que esie
illuare artaduU ha prcsudo ao paiz a a Paraam-
bu:o_: iramensa s;na a ingralidaode I'criiainb'j:
se nao Ihe preparasse e Bzeue as ovacSes, que erie
recebera e a que so tem direito quern como alia ba
illustrado e dotado sua patria de gra odes melho-
ramenios.
Se algum espirito pequeaiuo, que esta eintuii-i
em odio e paixao ex^rooar ao povo pernamlu a-
no o excesso de prazer pela c.iegada do distia:;o
estaduta, a resposla nio pole ser outra saoia a
qae contem as .-eguintes palavras de am grar
orador aagrado :
a (j ji recounait les gri;ei aime a ea faire "t
en bennissaat i'mgratitule, ie plaiser de fain- da"
bien deraeure si pur, qu'il n'y a plus roojen aa
u'y etre pas sensible.
Os amigos, o povo, e todos os que, por qaalqcr
principio.se acham ligados a Pernambaco reaJe-
ram pre.to ao patriotisrao provado e virtades #fi-
cas do distinct j miui.-tro, concorrendo para que
livesse elle grande inauifestaoao dos seniaaeu: *.
de amisade e dedicacio, qae sua provincia siacr,-
menle ihe voia.
Os pernarabucanos ten s >bej is m>livos para
orgulli.r se, us quaes reduzera-se priuctpalmei^;-'
a dous : 1* o terem um palricio lio illu.-lr: a :i-
lentoso que contiodo pouco tempo de vida pjliuca
ha prestaio importautes servicos a sua palria i:i
tao grande copiae luraando se ura aoUvd asta-
dista, pela sua illusiragao e couheciiaeoim piiiii- '-
cos ; 2 o haverem provado cou os applause* e
ovacoas levantadas ao boorado coaselbeiro J f.
Alfredo, que tabera adrairar o ulenlo, di-nogiLf
o verdadeiru merilo, applaodir a caJtora d
bera.
Peraambuco, pois, dive gloriar-se, e para i-
tem razao de sobra : passue ura filho muito di-tioc
to a Ulnnlrn. em qua as iradieoes peraaml>u;ana>
relleciein.
Ua t-iitrctanto, aqai mesmo em Peraan bu:o, esp.-
rilos tao cegos pela poll Jca pessjal eiacaaaa qte
tem ousado, nio a ncgar, ponjue isso senaa awi
airronla a verdade que e.-ia na eonsciencia de to-
dos, mas a sophismar os raelhoraraealas e ser i -
cos coin que o Exm. Sr. conselheiro Juio A fr. ^
tem doiado o seu paiz e a sua proviaeia.
A e-ses espintos, que allrontara e provo^im it
ura m Ida selvatico os seuiiraeutos de um pave.
que curapre o^eudever ao receber um aMMU
|uo cooquistara a graiidao de seus ejmproviacu-
n is. peiguaarraus quem reor^ajisou a daseeatra-
lisou a in>traccao publica .' qaera n js d u o regis-
tro de iiascia.ento e obilo?' qaera (em coaarrii>
mns para que Pernambuco appareca, c dlocan U
nas presidencias de proviaeia os seus liihos ? %mm
como mioisiro tera estudado e lomado ao aana is
meios. de afastar os obstaculos qae cut >rpeee a
marcha progress!va do paiz ?
Nio vemos todos os dia* o di-tineto eMadiata re-
velar se disposto a graades empreza- ? ,
Por outro lado, nao fui u raimsierio 7 de aur^>.
qae realisou a reforraa do elemenio servtl, aeai in
derraraado uma sa gota de sangue ?
Nao foi aiuda o minislerio 7 de marjo, qae (>;
gamsou a guarda nacinnal, livraado o cidadao i
juga dos poteatados t
Nao I i ainda este mesmo mini-teno qae melt, j-
rou a ciiilicii da uo-sa raigistratura f
Nao foi sjb o dominio de-te uiia sierio que sa
nos deram diversas estradas de ferro, lianas tele-
graphicas, e lizerara se diversos coatratos atra
mtroduerao de col ra os no Brasil '
Se esses services nio sio importaaies, quaes se-
rao eniau .'
Quera os tera prestado em maior escala do q i-
oilluslrad) e honrado pernambucano '
Bem se vc que o illusira conselheiro Joao Alf*c-
d) tera concorrido para que o nosso paiz prosper'
e possua os eleraentos iudispensaveis para seu ea-
gr.n.l.i>lm.nln ; a .j.i.i a iui a 1:u1q1-irai.a ) P!:i
cheia de benelicios reaes ao pail, e nao e uraa ad-
rainistra^ao de mero expediente
Digam os espirilos pequeuiuos e cheios de p^i-
xao jartidaria o que quzerera, Pernarabuco ha
de applaudir e levanlai ovagoes ao sea illusir e
dutincto tilho, e este ha de se mostrar mais to-
post) e preparado para prandes oinraeHimeui -
de que ra sao capazes us espirilos da tempera d
S3U.
sm:to
OffereciJo a D. Cafiarma Bella, distincta
acinz da compaohia dra natica italiana
Bollrini.
Oli I symiatbica, joveo, sublimada
Actriz que em ti resumes genio e arle I
Ergue altiva, qae quero laurear-te,
Tua fr nte da encantos aJ.raada !
Es do Palco raiuha idolalrada I
Quem ousa tuas glorias onqnislar-te,
Tau sceptro, tua c'roa dis; utar-ie,
A ti pelo universo coroala 'I
Quem, te ouviaJa, nao (L-a exUsiaio,
Quaudo o-t-.ntas em sosni o lea talent>.
lornando um povo inteiro arrebaladj *!
Avante I bella actriz, que es am portent >,
Fita am ceo da estrellas recamado.
Deixa a terra, le eleva ao lirraaraent) I
Coryd-n.
X. H8.-tJaaa taaporlaaile aiata*
Pra os docntea !-Esta queslao vital, que
envulve a saiiie e bem estar de milhares a OHlaa-
res de pessoas, vai ser Submetiida a todos quest f-
frem de dyspepsia, prisao da venire, febre* oil; .-
sos, debilidida gerai, ou jual loemraa outra eo-
fermidade pracelida do estomigo, ia figado i
dos ratestin is.
Quereis pirventura persistir em asar 4a pa -
gantes drastic is raineraes, os quaes rofaaeaien-
fraqaecer, atorineutar e destruir ~ 'jitraw iaii
ro : ou quereis antes aceitar am aliivio cart ,
seguro e perraaneata p lo feliz intermedia aa* a.-
lull* assucarados da Bristol, am calhartieo veg -
lal o qaalsubjaga a molcstia sem reduzir a fer^a
physica ; e absoluUmeale braado e MafiteitM ra
sua opera cio, a que acta Imenle poupa a accai..
dade de uma coalinaada pargacao ; erasa*;-
to qae a raesma e produzida e aggravada por ra
desses purguaies viofeato* e evacuaotes ?
Se quereis, pois, gozar da ventura de oat k j
appeitite, uma robusta digesiao, um figaao si ,
avacuacoes regalares, e a pax do atpifilo rase -
taute desu reuniao de salutiferas coodicoaa, aa
pilulas assucaralas de Bristol realisarao o vo*r j
des-jo.
Experiraea:ai as e do 'si* Gear certos qoe a.'..
vos iiaveis de arrepender.
0 excellente a.:ralicioaauienlo das pilaias d- -
tro da vidriobos, garanle a soa dorabiliJade t .
todos os climas
Em todos os :a-o> aggravados ou provtnien:
de impureza d> sangue, a salsaparrilha de Bn- i
deve de ser usada conjuncumenle ccm as
lulas.
'
-
pi-
examinon. ,';sj.
8P5S5
Sk %i*
A populacao do Recife e o Exm.
eouseibelro Joao Alfredo..
A principal virtude de um povo e a gratidai.B
A gloria e a fama que um paiz adquire de
sar recon'jecido ao seu bemfeitor, fa !o aiada raais
feliz que cutro qualquer. o
Eis abi as palavras de um notavel hisloriador.
qua com rauita propriedade p6dem ser applicadas
ao povo pernambucano, cujo proceder para cora u
Exaj. Sr conselheiro Joao Alfredo nol as recor
dou.
0 facto, ou o pheuaraeno, que acabaraos de
presenciar com a chegada do illuslre a baneraerito
pernambucauo o Exm. conselheiro Joai Alfredo, 6
() Parece que este t'rrno Jrenigm tem la di-
reito a ura lugar em nosso vocabafari?. pois ella
por si so exprirae uma id>a complexa.
A"sim semprp se formi.-:m a" (iagaa?
JUMMERCW.
JU.MA DOS :ORRETOKES
Praca da Recife,* tie aaveu*Jara>
de 1S94.
AS 3 HORAS DA TARDE.
OoTACftaS OiTIClABS
Assivar bruto aacolhido J*" nor IJ I
hontem.
CarabiosM>r- Paris a k> div. 358 rs. o fraaeu.
tf. da VasconoMio*
Presidoute.
A P. de Lemos,
Saaratara.
V ItJlffRBn
! T
aLFAVk.
M3 f&9 .
I




64:47UT''
90:080

L IA


iMtotovmamaik "-
t
Doscarregam'hiie 3 Barca portugueza^.4fej*Afrr M-cu/lna -vinho
para depcfito oa.ripiehij Bafbosa, e cal
ji despfttftda pa* 4 p'onto.
Pat*<*o afterieaau Stn dfkpaWiada para tj caes Ho Apoltb.
Pataata aljeafib frrww-carviu a ferre j
deBpachalo; para ocaes do Apollo
Brigue inglez Spark bacalbao ja desoaehado
para o trapiche Conceijao.
I'aucho ingle* Jessy baaalhao ja despachado
para o trapiche Concelcilo.
\apor fraaeez Rio Grande-(esperadoi mercado-
rias para alfandega.
Vapor aaeiona'lParana--(esperado) mereadorias
najiohaes para o trapi.-he Companhia.
oaMachos Dfr bXportacao no dia 3of
OLTCBRO DE 1874.
*nra os portos do eaterior.
, Na barca sueca Monica, para New-York,
tarrteotr: Mi Aast:n & C. 630 Sttcos' com 48,730
k.b* de aosacar inascavado.
So lugaf ingtei Titania, para NewYirk,
carregou : W. Bowie & G. 600 saccos com 45,000
kilo* an assa ar mmcavado.
No lugar porluguez Julio, para Lisboa, ear-
regoa :,T. A. Fonceca & C. Suc:essores 200 cou-
nts salgadds com 2,400 kilos.
No palacho portuguez lose, para a Villa do
Cmde, carregou: J. J. G. Beltrio A Filho 50 toros
de mangue.
Na sumaca hespanhola Themoteo II, para
Barcellona, carregou : J. F. Batibar J saccas com
130 kilos de algodao.
Para os portos de interior.
Para 0 Rio Grande d > Sul, no navio nacional
Muinho, carregou : A. Loy > 382 barricas com
41,826 kilos de assuear branco.
Para 0 Para, na barcaci Santa M.^iia, car-
regou : Amorim Irmaos 4 C. 47 cascos com 16,800
litros de aguardente.
Para Acaracu, no vapor nacional Pirapama,
earregoa : J. A. G. Fires Junior 4 barricas com
161 kilos de assuear branco.
Para a Villa da Penha, na barcaei Uistica
Cidadt, carregou: A. J. L. Teixeira 1 barn ;a com
60 kiios de asinoar reficado.
CaPATAZIA da ALFANDKGa
rtondimento do
11 tx do ail 4
dia 2 a 3
1:621*618
308,622
2:13O;240
VOLUMES SaBIDOS
N> dia 2 a 3
Nil di.i I -
rViaeira pom ...
Uganda poru .....
ferceira porta .
X rpich* Ccnesie-ao .
3,826
116
114
44S
913
4,416
SERVICO MARITIMO
ti>*reng alfandas'.
No dia 2 a 3 ..... 4
N; dia 4....... 2
*i. trapicb* Coocaioao ... 2
8
fi;liB8DOIllA DS RfeNUAS LNTEKKAS GE
HAES l)K PERNAMBUC
*cuimenio do dia 2 a 3 2:918*339
nai do in 4 1:252*>94
4:1711293
GONSULADO PROVINCIAL
idimanio do dia 2 a 3
nit Ho dia 4
RECIFE DRAINAGE
:; mdimento do dia 2 a 3 .
: i-ii do dia 4......
5:598*967
6:181*338
1:810*154
1:745*0<)4
3:585*248
AGENCIAS PROVINCIAES
Liquidos espirituosos.
limeato de 2 *
I i -:ii do dia 3 519*763
Bacalbao, etc.
ri-udimento de 2 *
[deffl do dia 3 833*964
Generos de estiva.
e,;adimenlo de 2 304*676
11 m do dia 3 196*968
Farinlia de trigo, etc.
iwudiraento de 2 *
lJjindodia 3 *
Fumo, etc.
I r.dimento de 2 I
l ii do dia 3 i.
319*763
833*964
501*644
Vinigre, etc.
idlmento de 2 7*043
ideal do dia 3 282*549
289*594
Anadia.
Agaida.
Aveiro.
B-ja.
r 'Jnaves.
Elvas.
A narante.
uiroaraes.
1 ovilhi.
Melgaco.
P jrtalegre.
Arcos de val de vet
Celorico de Basto.
liiminha
Mangualde.
P ate do Lima.
P .voa de Lanhosa.
2:146*865
Thesoaro provincial de Pernambuco, 4
1 novembro de 187'i-.
0 escrivao,
J. C. M. da Silva Santos.
Banco do Minho.
J'.ajuim Jose" Gonjalves Beltrao & Filho sacaa?
p-r todos os vapores sobre :
Evora. Munsao.
Fa(e. Ovar.
Faro. Porto.
Guarda. Tavira.
Leiria. Regoa.
Lisboa. Vizeo.
Bar:ellos. Figueira.
Coimbra. Lamego.
Mirandella. Estarreja.
Penaflel Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastoj.
Castello-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzim.
Vianna do Castello.
Nova de Portimao. Villa-Nova de Faoialicao.
Villa do Conde.
IVas ilhas.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terce ra
SEGUROS
Dlaritimo e contra-fogo
GOMPANHIA '
Phenix Pemambucana.
RUA DO COMMERGIO N. 34.
Segiiro contra-fogo
rSB LIVERPOOL d LONDON & GLOI
INSURANCE COMPANY
Agentcm
SAUNDERS BROTHERS & C.
1*Corpo Santo11
Companhia Indemaisadora
do Porto.
CAPITAL 2^000: OOOjJOOO.
V rniz de Aquino FOncgea 4 C, succestores
agentes.
F.n \ eompanhia toma sagnros maritlmos e ter-
rt -rre3, dando neste* 0 septhno anno gralis-aos se-
guridoa.
na do Vi-rario n i
! COMPANHIA ALllAJffA
ie^uros marithnos e terrdH-
tres estabeleoida na-Bahi^
m 15 de Janeiro em T&IQ
CAPITAL 4,000:0003JOOO:
foma seguro de mercadorias e dinheiro
tco maritirao em narrio de yela e Taporei
jara dentro e f6ra do imperio, assim come
ntra logo sobre predios, generos> a fa
ondas.
Agente : Joaquim Jose Gon^alves Beltrio
as do Commercio n. 5, 1' andar.
SEGUROS
M4RITIM0S
CONTRA 0 FOGO.
, A companhia Indemnisadora, estabelecidi
iesta prac^i, toma seguros maritimos sobrt
aavios e seus carregamentos e contra fogc
",m edificios, mercadorias e mobilias: m
aa do Vigario n. 4, pavimento terreo.
uuo 0 liiiiiiTcial de Braga
Jorge Tasso.
37Rua do Amorim37
Saca qoalquer quantia a prazo cu a vista so
bre este Banco ou uas respectivas agencias nas
seguintes eidades e villas de Portugal,/ ilbas adja-
cente- e Hespanha, a saber:
Portugal
Amarante. Guarda.
Anadia. Guimaraes.
Arcos. Gouveia.
Aveiro. Lagos.
Agueda. Lamego.
Arco de Baulhe em ca- Lisboa.
beceiras de Bastos. Louie.
Barca. Melgaco.
Barcellos. Mir n-.lella.
Beja. MonQao.
Braganga. Mealbada.
Cbaves. Monte-mor o velho.
Coimbra. Oliveira de Aremeis.
Coura. Ovar.
(tovilha. Penafiel.
Castello Branco.-. Pinbel.
Caminha. Ponte de Lima.
El-as. Portimao.
Estremoz. Porto.
Evora. Povoa do Varzim.
Esposende. Port'Alegre.
Famalicao. Povoa de Lanhoso
Faro. Regoa.
Figueira. Silves.
Fafe. Santo Thvrso.
Thomar. Villa Real.
Tavira. Vinhaes.
Torres Novas. Vizeu.
Valenca. Villa da Feira.
Vianna. Villa Ponea de Agular.
Villa do Conde. Villa Real de S. Antonio.
Villa Nova da Cerveira. Moiinenta da Beira.
nnafl.
Funchal. Fayal.
Hcgpauha,
Madrid. Cadiz.
Barcellona. Orense.
Vigo. Cor ana.
Puenteavea3 Badajcz.
Augnsto F. 4 Oliveira i C.
A cass commercial e bancaria de August'
j d'Oliveira & C, a rua do Commercio ns
42, encarrega:se de execuQao de ordens
para embarque de productos e de todos o-
mais negocios de commissao, quer commer
"-iaes, quer bincarios.
Deconta lettras, e toma dinheiro a pre-
Tiio, compra cambiaes, e saca a vista e a
lazo, a vontade do tomador, sobre as se-
guintes pra^as estrangeiras e nacionaes :
Lionilres. Sobre o onion bank of
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIC BANK,
limited, e varias casas de 1.* classe.
Paris. Sobre os banqaeiros foull
& C, MARCUARD ANDRE & C. 6 A. BLSlCQUE,
VIGNAL & C.
Haiuburgo. Sobre os Srs. joAo
SCHU BACK & FILHOS.
Lisboa. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS & VIANNA, e SEBASTlAO JOSE DE
ABREU.
Porto. Sobre o banco uniao do p
0| Sr. JOAQUIM PINTO DA FONSECA.
Para. Sobre o banco commercia
do para, e os Srs. FRANCISCO gaudencio da
COSTA & FILHOS.
llaranbilo. Sobre'o Sr. jose per
reira da silva junior.
Bahia. Sobre os Srs. marinhos & c
Bio de Janeiro. Sobre o banco
industrial e mercantil, banco nacional e
BARQUE BRASILIENNE FRANQAISE.
QiTAES
0 Illm Sr. inspect sr do thesoaro provincial
manda convidar os Srs. proprietaries abaixo men-
cionados, para entregarem no mesmo thesouro no
prazo de 30 dias, a partir desta data, as importan
cias das quotas com que devem concorrer para a
factura do calfaraentj em frente de seus predios,
sites nas ruas abaixo meucioaadas; devendo os
pagamentcs serem feitos de conformidale com o
difposto no artigo V do regalamento de 27 de ju
nho de lSo\.
E para constar se publicou o presente pela im-
prensa.
Secretaria do tLe?oaro provincial de Pernam-
buco, em 29 de outubro de I87i. -0 secretario,
Miguel A/fonso Ferreira.
FRBGUGZIA DE St FUEI PEDRO GONQALVES.
Una de Domingos Jose Martins.
N. 12. Antonio Joaquim Cascao 45',001
N. 14. Izabel RaymunJa dos Santos Pi-
nheiro 62,400
N. 20. Irmandade das Almas do Re-
cife 43,000
N. 22. Barao do Campo Alegre 120,000
N. 24. Ordera Tercei a do S. Fran-
cisco 45,000
N. 26. Antonio Joaquin Cascio 21,600
N. 28. Antmio Jose" Thales Villas-Boas 81,000
N. 30. Joaquim dos Saatos Coelho 4S,n00
N. 32. Ignei Maria da Conflefcao 36,00.i
N. 34. Manoal Joaquim da Costa 73,2''0
N. 36. H ?rdeiros de Joanna M. da Tria-
dade 107,400
N..38 Irminlale da3 Almaj do Re-
cife 72,900
N. 40. Joaquim Antonio Pereira 45,<> N. 42. Antonio Joaquin Cacao 9i,80J
N. 44. Joanna Maria dos Saatos Mo-
rae3 36,000
N. 46. Miguel Joaquim da Costa 30,600
N. 48. Irmandade do SantUsimo Sacra-
mento do Rt-cife 150,000
N. 50. Antonio Jja |dim Cascao 87,60J
N. 52. Joaquim Mmoel Ferreira de
Souza 6i,8fl0
N 54. Antonio Joaquim Cascao 105,000
N. 56 Irmandade de Nossa Senhora do
Rosario do Recife 13,000
N. 58. Dr. Manoel Francisco Teixeira 32,400
N. 60. Francisca e suas Olhas Odena e
Sebasliana 36,000
N. 62. Iraiandade de Nosaa Senhora do
Rosario do Recife 45,000
N. 64. Joio Rodrigaaa L:ma 45, !f. 66. Joaquim Baptista Nogueira 60JJOO
N. 68. Antonio Alves de Souza e cu
tros 163,000
N. 70. Joio Jua juiua da Costa Leite e
herdiro3 de Francisco Jos6 de Mat-
to* 33,000
Jj; 71. Irmandade de S. Pedro 32,400
N. 74. Joad Antonio Guerra 32^400"
{i. 76. A menor Maria, flllia de Domin-
gos da Cota Dias
120,600
>, 80. 0 nto-telrt de S-. fientb-
Ni 9*. CaftSidp A%w*rSS(f dMdrta
N. 84. IrtiioiaiW do B*arf*'tfolfeclf*
. 86. FrAeisca e sna's-lirnaj OJealt a-
SMfelfans
tf;8fc- Aj-flWsftjas
N. 98. MSnoefdSSiWa "Santos
N. 92. Mkf eflotf ftonprtves 'da Ponte
Hi 9i Adriano Augusto de A. J rdao
N. 96. Iimandide-iJas Altuas do Re-
cife M ^
N, 98. Luiz Antonio de Siqaeira
N. 100. 0 mesmo
N, 102. Antonio Diogo da Silva
N'. 104. Manoel da Silva Lopes
N. 106. Domingos Jese da Costa
N! 108. O mesmo
N. 110. Joaquim Luiz Vteira
N. 112. 0 mesmo
Nj 114 0 mesmo
N. 116. Ferreira & Jlatheus
HI 118. Manoel da Silva Lopes
N. 120. 0 me-mo
\. 122. 0 mesmo
N. 124. Maooel Alves Barbosa
\. 126. H^rdeiros de Anna Parpetoa
Ferreira d*CRa*.
N. 128. Antonio Baptista deAraujo
N. 130. Francisco Machado da Silva
Tavares
N. 138. Vieira Lorfer
N. 140. Clementina Tneodora da Stiva
N. 142. Jose Carlos Bastos de Oliveira
N. 144. Jose Guafalties Torre*
N. 1. Antonio de Azovedo Pereira
N. 5. Jose Joao de Amorim
K. 7. Maria>Tbeodora da Assumpjao
X. 9. Manoel Antonio da Cunka
N. 11. 0 BMsOM
N- 17. Jjsd Goucalves Ferreira Costa
N. 21. Antonio Joaquim Cascao
Becco Largo.
N. 2. Herdeiros de Henrique Gibson e
Alfredo Gibson
N. 4. Os raesmos
It I. Domingos ;Soriaoo de Araujo
N. 3. Manoel da Silva Lopes
N. 5. Jose" Gon^alves Torres
N. 7. 0 mesmo
N. 9. Ant nio Diogo da Silva
N. II. 0 mesmo
N. 13. 0 mesmo
N. 15. 0 mesmo
N. 17. 0 mesmo
N. 19. Antonio Diogo da Silva
N. 21. 0 mesmo
N. 23. Bar*' de Una
N. 23. 0 mesmo
N. 31. 0 mesmo
N. 33. 0 mesmo
N. 35. 0 mesmo
Travessa do Antigo Porto.
N. 2. Antonio Joaquim Cascao
N. 4. Herdeiros de Mignel Jose" RoJri-
gues e Ben'.o de Freilas Guima-
raes .
N. 6. Irmandade das Almas ,do Re-
cife
N. 8 Ordem Terceira do Carmo
N. 1. Antonio J.wquim Cascio
N. 3. 0 mesmo
RestauracJo.
N. 2. Joao Jose Rudrigoes Loffer
N. 4. Deolindo Augusto do Rego
N. 6. Viuva de Jose Antonio da Silva
N. 8. Antonio Gomes de Miranda Leal
N. 10 Antonio, filho de Josepha Maria
da Ri-surreifSo Lopes
N. 12. Luiz Amavel Dub'urcq
N. 14. Domingos Jose Machado
N. 16 Francisco de Ptnho Borges
N. i8. Herdeir.s de loao Jo*ii de 'larva-
Ibo Mora3s
N. 20. Herdeiros de DelQna dos Santos
Teixeira
It 22. Man el Coelho Pinheiro
N. 24. Anna Joaqaina dot Prazeres
Costa
X. 26. Francisco de Miranda Leal Seve
N. 28. Jos6 Luiz de Souza
N. 30. Francisco Jose Rodrigues Braga
X. 32. O mesmo
N. 3i. Herdeiros de Manoel Pereira
Caldas
N 36. Herdeiros de Antonio Francisco
de M .i an ,a
N. 38. Francisco, Manoel, Adehno e An-
tonio Joao Furtado.
N. 40. Marcehno Jose Goncalves da
Fonte
N. 42. Franciseo Jose R'galo Braga
X. 44. Manoel da Silva Santos
N. 46. Dr. Ignacio Joaquim de Sonza
Leio
N. 48. Anna Maria da Conceic.io
N. 30. Isabel Maria da Fun-;eca Soares
N. 52. Leoncio de Sa Cavalcante de Al
tuqui'rquo
N. 54. Barao de Una
X, 56 Manoel Marlins de Carvalho
ft 58. Maria Francisca de Almeida
Gomes
X. 60. Antonio Joaquim Cascao
X. 62 Dr. Francisco Luiz Correia de
Aii'lrade
N. 61 Manoel Joaquim Ramos e Silva
X. 1. Ueariqnela Ferreira Lopes
X. 3. A mesma
X. 5. Antonio Go nes de Miranda Leal
N. 7. Joao Jose Rodrigues Loffer
N. 9. Aiil.nio Joaquim de Sauza Ri-
beiro
N. 11. Irmandade de Nossa Senhora da
Ci'nceiCAo do Beberibe
N. 13. Maria CanJida de Moraes
N. 13. Manoel Pereira Calda.3
N. 17. Antonio Joaquim de Souza Ri
beiro
N.19. Ordem 3" do Carmn
N. 21. Mmoel Duarte Rodrigues
N. 23. Padre Manrel Mnreira da Gama
e padre Jos6 Ferreira GueJes *
X. 29. Jose da Rocha Paranhos e Ti-
burcio Valeriano Baptista
N. 31. Barao de Campo Alegre
N. 33, Orlem 3a de S. Francisco
X. 33. Anna Maria da Trindade
N. 37. Antonio Joaquim
X. 39. Joaquim dos Santos Coelho
N. 41. Jo>e Jorge Pinto
N. 43. 0 mesmo
X. io. Antonio Joaquim Cascao
N. 47. Padre Manoel Moreira da Gama
e padre Jose Ferreira Juedes
N. 49. Irmandade das Almas do Recife
N. 51. Mino.'l M. de Carvalho
N. 53. Manoel Joaquim da Costa
N. 34. Anna Maria da Conceicao
D. Maria Cesar.
X. i. San'a Cruz do3 Canoeiros
X 4. Irmandade de Nossa Senhora do
Rosario ;o Recife
X 6. Jose Autonio.da Costa Siqueira
X. 8. Irmandade de S. Berito
N. i0. Mig el Joaquim da Costa
Si. 12. Jose Pereira
N. 14. Frautuco Manoel da Silva Ta-
vares
N 16. Felicia Barbosa de Farias e Ma-
Doella Joanna Barbosa de Farias
N. 18. Testamenlaria de Manoel Fer-
nandes Guedes
N. 20. Bernirdo de A. Ferreira e Anto-
nio Ribeiro Ferreira
N. 22. Miguel Aaguato de Oliveira
X. 21 Francisco da Cunha Machado
FMtrto
X. 26 Manoel Jose da Silva Filgueiras
X. 28. Domingos Jose" da Cunha Lages
N. 30. 0 mesmo
X. 32. \ntonio Ferreira Velloso
X. 3i. Antonio Joaquim Cascio
N. 36. Umbelina da Silva Qoeiroz
N. 38 Mariana da Cunha Teixeira e
Bernardo da Cunha Teixeira
N. 40. Joaqokn Felippe da Costa
N. 42. Dr. Ermlrio Cesar Coutinho, viu-
va e herdeiros de Paulo Pereira Si-
mSes
N. t Miguel Joaquim da Costa
N. 3. Manoel Jose" Pereira
M. 5. Aiilonu Joaquim da Co9ta
HP. 7.' IrmanJa e de Nossa Senhora do
Rosario do ReciTe
X. 9 Antonio de AzflVedo Pereira
X. il. Tnomaz de Aquino Fonceca
X. 13; Vlcrnr-drJuiii Ijumu Ju OtrrHra
\. 15. Man 'Cl da Silva Lopes
N. 17. 0 mesmov Jo5a, Jose, Antonio e
, Alfreds, (Uboo de Jose Aateato Mo-
reira
X It ^'!ina Maria Bastos
! 2L Francisco Josfi "Eegalo B'rJga
!t it Ignacio de Sa' Lobes FexDarl^s-
N* 23. Angelica Bernarda de Miranda
Nl 27. Irmandade d6 SeauSi: Bra TesnS
eo.utw
45,000
43,1*0
60,eoo
60,8f>
43,000
60,000
102,000.
30,000
10J.600
180,000
133,000
183,000
214,100
60,0.10
45,000
45,000
36 COO
36,0(10
195,000
>
dos Passos
TT
189,000
83,200
72.000
350,000
180,0:10
150,009
163,000
64,80*
28,800
21,600
32,400
32,400
21,600
21,600
44,400
48,600
228,600
75,600
18,000
18,000
18,000
21,600
18,000
18,000
18,000
18,000
21,600
18,01-0
18-.0.10
18,000
18,000
21,600
36,000
30.4CO
61,300
37,800
32,400
36,000
34,060
45,000
45.000
34.000
36,000
36,000
30.000
54,000
36,000
36,000
32,( 00
36,000
96,000
36,000
43.000
45,000
102,000
108,000
135,000
180,000
72,000
90,00)
104,400
36,00'
36,000
54,000
75 600
60,000
36,000
32,100
144,000
69,600
54,000
14t,000J
117.000
112,5(0
54,030
23,200
36,000
27,000
64.S00
25,200
10,800
36,000
79,200
129.000
32,400
14,400
21,600
30,001
30.000
30,000
32.400
32,400
21,600
21,600
189,000
128,400
30,0.
36000
81,000
21 600
43,000
108,300
TJ. 29 Jannarm de Olivejw Mello
2- *** I"itanlMe da* Aimaado* H?ce
n. 33 A mat ma
If. 3tanii*(aarel UtHwamj
TV wo.
. 2. Minoel de Mattos g-rnilo
It 4. Irmandade das Almas do Recife
S. 6. Mosteiro de S. B.-nto
X. 8Tlos6 GoncaUes Tores
X. 10. Ordem 3' de S. PMnelseo
N. 12. Viuva do Di. Abilio Joe Tavares
da Silva
N. 14. Padre Antonio da Cunha Fit'iei-
redo
N. 16. Gapella dos Prazerea de Guara-
rapes
X. 18. Ordem 3' de S. Franeimo
X 20. Joaquim Baptista Nogutelra
(Coa*inuor-*e-/a.)
32,400
25,200
WlWOl
ioe
' 2tf|M9
89,700
65,400j
48,600
139 000
127,300
130,0(0
123,000
330,000
103,500
126,000
232,300
ieirut uo
b, lavrei este
irfTd1;
1(1,000
122,400
126,030
36,000
32,400
18,009
36,0' 0
75,000
90,000
48.6*)
14,400
45,000
81,000
103,000
Consulado provincial.
Para sciencia dos contribuiotes do imposto da
decima urbana a os effeitos legaes, era seguida pu-
blicam-se as alteracoa? veriflcadas no lanfamento
do mesmo imposto no corrente anno linan'ceiro de
1874 a 1*75, hcaodo aberto o prazo de 30 dias,
nos terraos do art. 33 do regulanieuto de 6 deabril
do oorrente anno, as reclamac5es que por venlura
possam ter a laser os interejpad is.
Altarafd'erverificadas pelo lancador Joaquim drl
Gosraao Coelho, no lancamealo da decima n'rv
bua da ef uetia do SartB Antonio, >n aino
cdrrentff dc 1874 a 1875.
Rua de Marcilio Dias.
N. 57. Dr. Antonio de SoataCirne Li
ma, uraa casa tema arrendada'por BfAIM
N. 63. lo.iq-aira Manoel Ferreirt o>
Sauza, uni sobrado de urn addar.so-
tao e loja por 906.000
N. 75. Antonio e Josepha, uraa casa
terrea por 360,000
X. 77. Manoel Antonio da Alcantara,
uma casa terrea por 300,000
X. 79. Augusto Frederico dos Santos
Porto am sobrado de dous andares e
lo| por 1; 260,000
N. 81. Antonio Goncalves de Moraes,
urn sobrado de um aodar e loji por 600,000
N. 85. Jose da COsta Dourad i, um so-
brado de dousandares p. Ijji por 1:160,000
X. 91. Joaquim MaHrfcio GongaKes Ro-
sas e ouiros, am a.brado de dons an-
dares e lojaj)or 1:404,000
Travessa de S. Pedro.
X. 6 Jose" Feliciano Portella, ntoa east
terrea por 300jO00
X. 10 Pfrmtoa Maria Rita de Almeida,
um sobrado de uui andar, sotao e
loja por 800,000
Large de S. Pedro.
X. 1. Dina Candida Itangel, um s.bra-
do de duU9 andares e loja por 1:440,000
N. 6. Herdeiros de Francisco Joaquim
das Cbagas, um -sobrado de dons aa-
dares e loja per 960,000
N. 10. Or Jem 3" do Carmo, uma casa
terrea'por 273,000
X. 20. Irmandade de S. Pedro, uma
casa terrea por 300,000
N. 2f. A raesma, uma casa turrea por 300,000
N. 24. A mesma, uma casa terrea por 300,000-
X. 26. A mesma, uma casa terrea por 336,000
X 1 Joaquim Francisco Lavra, um
sobrado de um andar, solao e loja e
um quarto no furtdo, iudo por 760,010
X. 5. Filbos de Francisco Antonio de
Albuquerque Mello, uraa casa terrea
. com solao por 480.000
N. 9. Rita Deodata de Sonza Mooteiro,
am sobrado de um andar e loja por 620,000
Rua da ViracSo.
N. 5. Jos6 Jeronymo da Silva, uma ca-
sa terrea por 360,000
X. 33. Bernardo Alves Pinheiro, uma
casa terrea por 360,000
Rua de Lomas Valent nas.
N. 6. B-rnatdoJose1 da Silva, uma ca-
sa terrea por 504,000
N. 38. Viuva e herdeiros de Manoel
Antonio Cardoso, uma casa terrea
por 240,000
N. 42. Ordem 31 de S. Francisco, uma
casa terrea por 420,000
N. 9. Manoel Ferreira Antunes Villaca,
nma casa terrea por 240,000
Rua do Coronel Suassuna.
N. 2 Domingos Jose da Casta Amo-
rim, um sobrado de dous andares,
loja e um quarto no fondo por 1:640,000
X. 14. Rita Joanna de Cassia Ferreira
e outra, iim sobrado de um aodar,
sotaoe loja por 1:000,000
N. 22. Viuva e herdeiros de Agostinho
Henrique da Silva, um sobrado de
dous andares e loja por 1:020,000
N. 24. Juslino da Silva Boa-Vista e ou-
tros, um sobrado de dous andares e
loja por 1:020,000
X. 32 Jos6 Felieiano Portella, uma ca-
sa terrea por 300,000
X. 46. Irmandade de S. Pedro,uma ca-
sa terrea por 360,000
N. 48. Dr. Antonio Joaquim de Moraes
e Silva, um sobrado de dous andares
e loja por 900,000
X. 54. Antonio Ferreira Braga, uma
casa terrea por 360,000
X. 56. 0 mesmo, uma casa terrea por 300,010
N. 62 Auna, lilha de Joao Goncalves
Ferreira, uraa casa terrea por 360,000
N. 72. Joaquioa Thereza do Oliveira
Rimos, um sobrad) de um andar e
loja por 616,000
X. 80. Jose Pereira de AteveJo, nma
casa terrea por 300,000
X. 82. Jose Felieiano Portella, uma casa
terrea por 360,000
N. 1. Jose Jacintho de Medeiros Rezen
de, uma casa terrea com sotao por 500,000
N. 15 Albino Jos6 Ferreira da Gonna,
um sebrado de um andar, sotao e loja
por 900,000
,X. 17. 0 mesmo, um sobrado de um
anlar, sotao, duas lojas e uma sala
no fundo, tudo por 1:710,00)
N. 31. Manoel de Souza Tavares, uma
casa terrea por ____________ 180,000
dd Xasstawnfo, o qoajftt*B'tr*f 9 terora ie ft
teito do rheor se|fu*n9T'
"SrafiraMNf-*11*8 23-iteFOB**ra e 1874
na crDodefM feiiti, oil n*o eaVtorio appareee-
Ttrn os supplican*es Jose Guila-rmt AC., por
ten bastante procurador o sdliciudor Rodolphu
J'jflolBaraia de Almeida, e efoMp} peraole miin
l|t tesicraunhas iafra assicaadtt, que reduziam
"s*l> o euatendo de sbs. peticM retro, tf'de
issim o disse.-am e proteolaram, lav. '
i no qual depots de tido se firraon
dilaa testemunhan : eo SeSiMiuo Hi
Cunha, escrevente jnramonudo, o escrevl; en,
Manoel Maria Hodrigoes do Nircrmfno, :rivio,
o sabscrevi Rodolpho JV>Ao Plato Je Almeida
Francisco Joaquim Pereira t Macano de Luna
Freire.
E tendo os supplicantes prodoztdo suas teste
mnnhas que juraram eslar o sapptioado Urbano
Coelho Lemos de Andrade, aasenia em togar in
eerto e nao sabido; telladoa a preparados os au-
t)j, ra'os fet o escrivao coocKisos, e nelles profe
ri a sentenya seguinte :
Hei por justitlcada a aastnda do supplicado Ur
bano Coelho Lemos de Andrade, a quern o pro
testo de folhas sera inlunado por editaes com 30
dias de praz), ifflxados e pub i.ados Cu-tas ex-
causa. ^&^rw
Recife, 28 de outubro de 11174. Seeaetiao do
Ragd Barros de Lacerda.
?or forca desn miaha seOVcACt o escrivao fei
passar o presente, pelo qual chamo; elto e hei por
Intiraado a I'rbaflo Coelho Lemos de Andrade
para que fiq ae scienle da todo o expendido e com-
pareca neste juizo dentro do prazo de 30 dias,
aSm da allegar o que for de jtrstica.
E para que chegue ao condecimento de
todosv maiidei passar o pre^enlfe qla* sera
publicado pela imprensa e aflixado nos lu-
gs res do cosfunfe.
Cidade do Kecife, Z\ de outubro de
1874.
Eu, Rfctraet'Marm RoeVigucs do Nasci-
mento, eScfivao o subscrevi.
Recife, 3 de novembro de 1874.
Seba*tido do hego Barros de Ltikerda.
A camara municipal da cidade de Olinda,
faz sciente aos seus munieipes, que devendo ter
lugar no mez de abril do anno proximo vindouro,
nesta provincia a abertura da exposicao nacional,
espera que todos concorram com o maior nume-
ro possivel de productos e specimens da industry
mcio al, aflm de s^r represenladi lonveniente
mente entro suas irmls, e o Brasil na exposigao
de Philadel bia, que sera sua inauguragao no lia
19 do abril de 1876, mediante o esforgo de todos
os brasileiros, devidamente apreciado no estran-
geiro.
Pa5o da camara municipal de Olinda, 22 de
outubro de 1874.
Bar3o da Tacaruna,
Presidente.
Marcolino Dias de Araujo,
Secretario.
0 Dr. Sebastiao do Rgo Barros de Lacer-
da, juiz de dirvito especial do conjraer
c;o, nesta ci lade do Recife de Pernara-
buco, por Sua Magestade o Imperador,
que Deus guarde, etc.
I'.ii; > saber aos que o presente edital virem, que
por parte de Jos6 Guilfrerme & C, me foi diri-
giil a a peticao do tnejr seguinte :
Illm. Sn Dr. juiz do commtrcio. Dizera
Jose" Guilhenne & C., qoe sendj credores de Ur-
bano Coelho Leraos de -Amkade p'la quantia de
2:077^100, prindpat rftsl6 dTlntra jnnta da qnan
tia de 6:4951900, nio tendo o supplicadopago o
dito resto e seus juros e estaaio a flndar o ter
.mo fa'ftl da pre?crlpcao, querem os s'oppliemtes
para giranlirem o sea debito futuro interpor o
competent! protesto, affm de qoe seja interrom-
piia apirescripQlo e salvo o sen direito futuro, pa
ra poderem haver o dito resto e seus juros, e por
240,Of<0 is-orequerera a V. S. se digue raand.r lavraro
60,000 campetente protest1) e intimalo ao sappHeaao
14,400 para que po3sa prodaiir os sell* effeitos legaes; e
21,600 porquanto o suppfieatte seja attietrie e alo saiba
0 lugar certo de sen dotnicilio, digne-se V. S.
135,000 Admittir a ju-tiiicir a saa aasaneia para, julgada
90700 por sentene.i, ser 0 supplicado intimado por car-
21,600' ta edital com p prazo da lei, e ntais fdrmalidades
70sM do estylo. E R. M.
93.4C0 Re:ife, 20 de outubro dd"!874.-0procurador,
Rod Ipho Joaw Batata d*Aldteiiftt
Estaa'saltt4a com otelleifle eslampilha n* inv
00 portancia de 800 rs., regularmenie inutilisata, aa
oual dei o'mea'dfispacBO' do orseguiit :
DUUmatda.-'-Ceiio reqoerenl. Reevd8
ptltubro de 1874, Baroos de Lacerda.
, Em virtuda do raSu "desffacho f5ra a petifio-
tlAtt*M an etcHvScr Man&r' Marls mS/^pHS-
Faculdadie de direito.
De ordem do Exm. Sr. conselheiro director vis
conde de Camaragibe, faco publico qoe esta pnsta
a concurso com prazo de 4 inezes a aontar da
data deste, ? cadeira de philosophia do eurso de
preparalorios annexo a esta faculdade, vaga pela ju-
blltvao que obteve 0 respectivo professor bacharel
Antonio Hercufano de Souza Bandeira, pelo que
oi qae se quizerem inscrever deverao apresentor-
st Jesde ja com documentos que provera ; 1,
sua qualidade de cidadao brasileiro; 2s, maion-
dade legal; 3', raoralidade att--stada pelos resp c-
tivos parochos e folha corrida nos lugares onde
houverem residjdo nos cioco ultiraos annos ; 4*,
capacid^de prali-.si raal a qual prova-se exbibinJo
0 candidato algum dos seguintes documentos: ti-
tulo de capacidade, na materia em concurso, con
ferido pelo conselho director da in-truccao prima
ria e secundaria do municipio da corle-litulo de
professor tamb;ra da materia em concurso, con-
cedido pelo governo imperial, diploma de bacha
rel ou de doutor nas facnldades do imrerio ou
aeademias estrangeiras ou de baehar eraem let-
tras.
. As pessuas notaveis por sea talento e reconheci-
damente habiiluadas poderao ser dispeatadat da
prova de eapacilade pelo governo, e as que nio
poderem protar ou obtiverem dispensa, passarao
per um ex.irae antes de serem adraitlidas a ins-
cripc&o : teulo de confoimidade com ocap. 4 do
regnlamento do 4 de maio de 1856.
E para constar, mandou 0 mesmo Exm. Sr. con-
selheiro director -lllxar este efltal, que ssri pu-
blicado oe?ta provincia, na cdrtee enas provin
cias mais proxiraas.
Secretaria da faculdade de direito do Recife. 4
de novembro de 1874
0 secretario,
___________Jose Honorio Bezrra de Menezes.
0 Dr. Luiz Ferreira Maciel Pinheiro, juiz substitu-
te do juizo especial do comrnercio, nesta cidade
do Recife de Pernambuco, por S. M. 0 Impera-
dor, a quern Deus guarde, etc.
Faco saber aos que 0 presente edital virem, que
uo dia 5 de novembro do corrente anno, se ha de
arrematar por venda, a quem mais der, em praca
pnblica deste juizo, depois da respecliva audieccia,
0 seguinte : 3 cadeiras de madeira de atnarello,
(usadas) a 21 cada uma, 1 dita do balanco por
it, 2 raarquezas a 5J, 1 peqnena ban'iuintia por
2a, 1 consolo de mogno por 4f, um relogio de pa-
rede, araericano por 4?, 1 par de lanternas devi-
dro por 3', 1 candieiro degazcom 0 competente
globo por 4i : penhorados por exeencao de Ma-
noel Alves Barbosa contra lose* Hilario Paes Bar
reto. E nao hevendo lancador que cubra 0 pre-
50 da avaliacao, a arrematacao sera feila pc.o pre-
jo da adjudicacio, na forraa da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
roandei passar 0 presente, que sera publicado pela
impren.-a e aflixado nos lugares do costume.
Cidade do Recife 22 de outubro de 1874.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Xasciinenj '0, es
crivao, 0 subscrevi.
Luiz Ferreir 1 Maciel Pinheiro-
0 Illm. Sr. inspector do thesouro provincial
manda fazer publico, que em cumprimento da or
dem do Exm. Sr. presidente da provincia, de. 23
do corrente, Mn de ser arrematada no dia 26 de
novembro proximo vindouro, perante a juota da
fazenda do mesmo thesouro, a obra dos repar >s do
erapelramento. do l'o 2* lanco- da estrada de
Palraaros, orcida em 11:8805, e deoaixo das con-
dicoes abaixo transcriptas.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
Qio, compare^ara na sata das sessoes da referida
junta, no diaacima indicado, pelo meio dia.
E para constar a quem ioteressar possa, se man
dou faze- publico pelo presente Diano.
Secretaria do thesouro provincial de Pernambu-
co, 30 de outubro de 1874.
0 secretario,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas espeqiaes para a arrematacao
das obra.-.
1."
As obra3 de reparos e empedramento do 1 e 2
lane is da estrada de Palmares a Pimenteiras, na
ira.ortancia de 11:880 serao execu'adas de con-
formidade com 0 resptcov) orjamenio e desenhos
juntos, approvados pelo Exm. Sr. presidente da
provincia, e instru'^oes do engeaheiro encarrega-
do da fiscalisacio dos trabathos.
2.'
0 arrematante dara comego aos trabalhos no
prazo de 13 dias, e os coociuira no de 5 mezes,
e-te ultimo prazo contado depois de flttdo 0 pri
meiro.
3/
Os pagamentos serao feitos era quatro-prestacoes
ignaes, a prapor^ao dos trabalhos -rxecutados.
4.*
Finalmente, era tudo mais que aqui nao vai es-
pecificado, seguir-se-ha 0 que a respeito dispoe 0
regularaento de 24 de fevereiro de 1S74.
Cabo, 16 do outubro de 1874. Assignado, 0
engenheiro Joaquim G Coelho.
ou'iTiiio. -0 official Joao J laijui u de Siqueira
Varejao.
Conforme -Miguel Affraso Ferreira.
Edital com prazo de 30 dias.
n. 62.
Pela inspectoria da alfanlega de Pernarabueo
se faz publico, quo achando-se as rnercadoria* con-
tidas nos v.luraes abaixo mencionados, no caso de
serem arrematadas para consumo, aos termos do
cap. 6 do tit. 3* do regulamento de 19 de setembro
Je i860, os seu; donos ou consignatarios djverio
despacha las no prazo de 30 dias, sob peoa de,
Undo elle, serem vendiaas por saa conta, sem que
>hes flque competindo allegar contra os effeitos
desta venda :
Trapicho Cunha
Marca M X11 pipas vindao d-tLi^bia no navio
portuguez Cotete, entrado em 22 do abrit do eor-
rette anno e conslgoadis a E.R. Rabello 4 C.
Idem idem -5 barris de 5* Hem idem idem.
Idem idem ll-pfpas idem idem, a Silva Gui-
maraes & C.
Idem idem -5 barris de 5s tdam idem idem.
Idem A M S G 13 pipas idem idem, a J. J. G.
Beltrio & Filho.
Idem idem5 barris de 5 idem idem idem.
Alfandega de Pernambuco, 3 de novem
bro de 1874.
P inspector,
Fabio A. de Carvalho Reis.
_!__ I
tiSDlQHK'
chwsiJl'ado pRTrVr^ciAT.
Nesta repartic^o arrecada-sa novam'enie ddr an-
221*000
36S00n
3011006
te o corrente mez aa imporlaocias do* apporelbx,
encanaraeatos, different** e anouidade* devidat a
companhia Recife Drainage, no trimestre de jolh
a deiembro do 1872, pelos predios. sites as rua*
do'lbrquez do II -rval e Padre Robrega, j3to de
roMormidade com a pururia do Sr. inspector do
thesouro provincial e as novas relacSes eta inbs-
titaicao as primeiras.
Gonsulado provincial de Ptrnarabuc'), S
tie* novemmbro de W?4.
0 adittinisirador,
Antonio C. Maenad*- Rios.
Sociedade Fropag dora da
Iastruccjao Pablica
Quinta-feira 5 do corrente, as 7 da noif. ha-
vcra reomao do eoaselbo superior, a raa da An
rora-s. 65, primeiro andar, devendo em sagutda
prcsegoir em assemblea geraf a reform a do*
estalutos, para cuji fim sio convidados tod s os
soeios.
Recife, 2 de novembro do 1874.
______________0 secretario, V. de M. Me Ho.
COMPAXUIA
dos trillion nrbanot do Kecife
A Olinda c Bebcribe.
Nao tendo no dia 31 de
oBtubro comparecido nunae-
ro legal p ra funcciooar a
assemblea geral d s accio
nistas da companhia acima,
foi a sessao adi .da para o dia
[ ^y 11 do corrente roer, ao mei->
dia, cuja reuniao to fa a ni lugar doCysfMn.
devendo e nti > a msomblea finccionar nos krooi
do art. II dos seus est outos.
Recife, 2'de aoven.brn de I874.
Lui/ dp* Castillo Branco,
S-crctark).
~SAiNTA CASA MA M1SKR1CORDL4 DO
RKCIKE.
A Hlma. jnnta admim-Tativa da Santa Casa da
Mibericordla do Recife, utaada fazer publico qne
aa'salade suas sashes, dia '> de novembro, pe-
'.as 3 horas da larae, la de ser arrematadai a
iiiem mai> vautageiij j recer, pelo tempo de nrr
> trea annos, as ren>t.t.^ dot predios em seguida
leclarados.
ESTABELECIUENTO DE CA1IDADE.
Rua das Cr.li:adas
Idem n. 36.......
Vidal de Xegreiroo.
Ca& terrea n. 114.....
Idem n. 94........
Rua larga do Rosario.
f> andar e loja n 24 A.....310*000
. andar n. 24 A.......408*000
{.- andar n. 24 A. ... SS 1*000
Rua de Antonio Henrique*.
:s& terrea n. 26...... 99*C0O
Largo da Campina.
dem n 11 (fechada)......120*300
Rua do Coronel Suassuna
l* andar do s .brado numero 94 ; 386*000
PATRIMONIO DOS OUPHAOS.
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. 400*000
Becco das Boias.
:asa terrea n. 18.......42l* Rua da Iapa.
'.asaterrean.il.....
Rua do Amorim.
5ohrdo de 2 andares n. 23 .
.s-sa terrea n. 34 ....
Ruar do Bugos.
Casa terrea n. 21.......153*000
Rua do Vigari..
! andar do sobrado n. 27 .
I an iar do mesmo.....
Loja do mesmo.......
Rua do Encantim into.
yjbrado de 2 andares n. 13 (fechada).
Rua da Senzalla velha
Idem n. 16.......
Rua da Gnia.
Casa terrea n. 25 .
Idem n. 29......
Rua da Crnr.
sobrado de 2 andares n. 12 (f.-chada).
idem n. 14.........C00*0tK'
Rua de S. Jorge
Casa te-rea n. 100 (fechada) .
Idem n. 103 ...
Rua do Arapare JOiinda)
Casa tercea n. 18 (fechada) ....
Os pretendeutos deverao apresentar
irremat as suas li.:n;as, ou comparecarcrr
acoropa'. s dos respective fiadores, devend;
\ renda, o preraio da quantia em
o predio que conliver estabeleci-
di, a??im corao o serri^o da lira
apparelhos.
nla Casa da.Misericordia do R
cife, 17 de sstembro de 1874.
0 e.-envao,
Pedro Rodriqv s dr .Souse.
D. ordem do Illm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda desta provincia se declara que err.
sessao da junta de 11 de novembro prtx'mo lata-
ro iia novam ntea praca o arrendam^nto do pro-
prio. nacional-Barraea-ique scrvio de quart-'
de cavallaria, em Santo Amaro das Salinas, pre
feriodo-s a quem mais vaattpras <-fferecor a fa-
zenda : os pretendentes quo preeisarera, de algu
mas explicacocs, dir jam-so a esta repartietA.
SJcreiaria-la tiesouiaria de fazend-ide Pernam-
oujo, 27 de outubro de 1874.
Jacuodiino RoJngues de Oliveira,
Secretario da junta.
Tlimn di! iftioo tmm & t.
2o2*eon
6025000
2 2*0H'
243*000
2tnaooo
300*000
1:400*010
209*OOC
2O9*0(X
201*000
800*000
241*00
207*000
240*OOt
no tcto da
pagar ale
que for se,
memo com
peza e precc
Secretaria
3a;cam poi ;s os vapores, so bre as seguin e*
pracas :
Li.-'. . Regoa.
Port. C"ave.
Brag. Vila Flor.
Vianna. Mirandella.
Visen. A! ijo.
Guarda. I'avaios.
Coimbra. Rraganca.
Guimaraes Lamego.
Rio dc Janeiro
Na rua do Vigario n. 19.
Comp mhia Fideldai 'e
Seguros maritrnos e tcrrestres
A agenda desta companhia toma s guros van-
tiruos e terrestres, a premios raz >avi, dando c e-
ullimos 0 solo livre, e 0 selimo anno gratuit
segurado.
Felieiano Jose Oomes,
______________________Ageote._____________
CONSELHO DE COMPHAS DO ARSFYU.
DE MARIMI4
0 conselho promove no dia 6 -lo corrente me?,
a visia de propostas recebidas ate as I i bora* d.>
manhS, a compra dos seguintes ottoetet do mate-
rial da armada :
2*i0 litros de azeite de peixe, 6"W kilos de lr u.
410 kilos dn cre^, 100 kilos de co'ire em viroes d.
O.n.oOG e 0m,013, bem corao de On.O.rt, 1,0 0 kl
lot de chambo em lengol, 4cuvis dt sicupir.i.
ten 0 de oniprimento n'uma i-ona l,m'->2-> e na
outra 0,m91S, ambas com 0,m25-l de larg>
o,ml7i de grossura, 1,230 kibs de estopa d 1
nho, 440 kilos de prejtos de f;rr do colt ado, 200
pregos de ferro, caib aes, 14 kiios de pregM dc
c bre para f irro, 120 kilos de pregot de tira. d
costado, de 0,ml50, 450 kilos i!e |irrgj< de cobre,
do costad de O.mlOO, 4 pa" de sicupira de
ll.n-.390 de compriraent >, c 0,mS7S de largo, bem
eomo 0,ml38 de grossura, 18 pan de sicni'ira de
ll,mS90 de comp'lment) e O.ui.tOO eoj quadro, 18
paos de s cupira de 8,in23" de c^mprimeoto e
0.mJ73 do largo, bem como 0.in300 de grossura,
20 I paos do sicupira de 4,m57) de ooapMteal* e
O,m'200 de largo, bem como 0,'nl75 de grosmra, 6
paos curvos de sicupira de 6,m710 de cjmprimen
to e O.m.lOO em qmdro, 2 pa -" de peroba de
IO,mC7o de comprimento e 0,nH7o de largo, bem
comoO.mHSde grossura, 2 pa s ds peroba dt
9,m 1 SO de comprimento e0,m5O0 de large, bem
como 0,rat25 de grossora, 4 paos dc per.raa de
7,ra320 de comprimento e "m,375dj largo, bem
como 0,m 123 de grossora, 200 taboas de peroba
dc 12,m200 de ompriraento e0,ni75 do largo,
bem como O,m075 de grossura, 174 tabew do pa
carga ds G.mlfiO de comprimento e O.o>324 dt
largo, bem como 0,ml08 de grossura, 18 taboas
de pio carga de 5,m060 do compriraealo e 0,'u.
de largo, bera como O.ralOS de grossura, 102 ta
boas do pao carga de 5,mO50 de comprime
0,nJ70 de largo, bem corao O.mOSI de grossura.
12 taboas do pao carga de 5,m280 lo cjsprimentj
e O.m^iO do largo, bem como 0,m08t de frossura,
60 tatoas de pinbo'traarfeano de^.tSW de rom
primento 0,m35O de larfo, bem eomo OTWl
gVSJUttj 15 Uboas-de piano de riga o^^ttmmm


Jima _* FernamDuoo ijuiftta feira ;& de Novembro 1874.
d 7,m625 de eomnrinv-to e 0,ni300 da largo,
dem como 0,mO"5 de gtossura, 40 tab. as de piobo
be rlga 01 de resina de *,m5i0 de compr imento e
0,raJ50 de largo, bem eoinn 0,ro500 de grossara,
25 (raves (madeira de qual dadr) de 8,ra8 a 9,m9 de
compriroe to e O.ralSO a 0.175 em q .adro, 40 da
zias de Upis, 40 grozas de parafu>os ss com rosca
para mad ira, SO varSes de cobre dr 0,m015 d -
Sossura, 300 folhas de cobre de 24|0, (0 remos de
ia de 6,ml_ de eoinprimeat-, 1U0 remos de
faia de 5,_780 do comprimento. 0 remos de faia
de 5,m440 de comprimeoto, 50 remos de Lda de
4,m760 de coraprimeato, e 50 pralos travessos de
folba.
Sala das sessoes do cooselho de compras
do arsenal de marinha, 3 de nuvembro de
1874. '
O secrctario,
Alexandre Modngtux dos A njot.
Praqa
Sexta-feira, depois d< >udiencia d> Sr. Dr. fail
de paz da (reguezia de Santo Antonio, vao a eraca
es objecios exittenles na faDrica de cigarros siu a
roa da Penba o. 4, cujos beos vao a praca por
execucao de j. Maria da G Carvalho e Siqueira
contra Joao Alves de Oliveira. A praca sera (eita
na sala das andiencias.
loitituio
Helai;3o das cirtas que deixaram de seguir
a seus destinos per faha de franquia
Anna Caiorina, D. Anionia Joiquina Alves de
Brito, Antonia Maria da Cunha, Arthur Elster Es;
quine, A. J. Gomes Netto, Antonio Fr-ncisco Fer-
reira, Antonio Francisco de Oliveira, Antonio Joa
qnim Dias Medrooho, Antonio Jo-e da Cruz, Anto-
nio Correia Antonio Mouteiro dos San'o* (2), An
tonio R.idngues Martins l.nmera, Aufonio Ribeiro,
Barbara Jacintaa de Meteiros, Bernardo de Farias
Soares, Gotta & C, Domingos Francisco Rios,
Francisco Feroaodes Crua, Fnncisco da Silva
Luna Junior, Fraocisco Salles Mendunca da Silva
Carvalho, Fnncisco Xavier Frrr ira, Joanna Dias
de Oliveira, Giovano Te-tiro, Innocencia Rosa da
Cunba. Jnstina Rosa de Souza Pcixuto, Joaquim
antonio de Vas;on:eIlos, Joaquim Antonio Vieira
da Silva, Joaquim Jo.-e Gomes da Silva, Joaquim
Luiz Vieira, Joao Antonio Furtado, Joao Jose Pai-
xao de Vascoocellos. Joao Correia Marti -s, Joa-
quim Monteiro da Cruz, Joaquirii da Silva Maia,
Jnan Cerillo Oiavarna, Joao de Mello, Jose de PI-
Saeiredo, Jose Goncalves Martins, Jos6 Joaquim
orreia, Jos6 Joaquim da Silva, Jose Pereira de
Lima, Jose Marques de Freitas J. s6 B. Barreto,
Jose Rodrigues Terroso, Jose" da Silva Mat 0*. Lui-
za Diegnez, Luiz Tboroe Gonzaga Junior, Marga
ridd Pemba, Maria Custodia Gomes, Maria Euge-
nia Feleiras, Mara berreira, M na Gutierres, Ma-
ria Ricarda, Maria Rosa de Jesu-, Maria iso.-a da
Natividade Gomes Leite, Maria da Silva Rain ilho,
Uaria Thertza, Manoei Azxaray, Manoei Alves da
Costa, Manoei Coelho (z), Manoei de Cerqueira
Pinto, Manoei Fnnandes Monteiro, Mantel Ferrei-
ra de Moraes (i). Manoei Jos* dos Santos, Manoei
Fernandas, Seredelo C, Tneodormha, Tnereza
Balga MarliDs, Thereza de Jeus Mi havo. There-
za Marlins T;ires, Tnemoteo Capello (2), Tho
maz Jose" de i liveira, Trajano Luiz de Fra .ca,
Victorino do Almeida Habrllo, Vicente Paul.no Sil
veira.
Correio de Pernambuco, 30 de outubro
de 1874. 0 official,
A. II. de Araujo Pernambuco.
ADMJ.MSIRAg0 DOS COHRKHb HE PKUNaM-
BUi.O. 2 DE OVE'BRO E I84
Relagao d'i cnrresp'indencia rrgistrada (srm valor
recebidadedivntas pr e que nao tem si do ennegue por ignorar u at
residencies dt>s destinaiarios.
Antonio Feneira di- N e M'l'o, Amancio 0 de
Barros, Amaro de Oliveira Dulra, Aniero M.
Furtado, Ayres A Gama, Attoato R. de Souza,
AdelaiJe E. C Lius, Antnoio D. P. de Mesqaiu,
Bento J. d-i Silva, J ..-6 dos Pant a Cailado, Car
neiro & C, Fraacisso L. Osono, Fr<-acisco D. da
Silva, Fortuiuto Archaujo da rnz, Fraucisco C.
Albuquerque Lins, Fram-i-e ila G .-la Maia, Gas
Go de Arag.io e Me 11., Goilhermina A C Lins
Joao Z F. Vril .so. Joa.. Li-it- Netto. Josppha Ave-
lioa da S. Pedrosa, :..a.> B It. iVreira, J.)>e L.u
renco Goncalves, Joao ChryxM-tora Pnlagiu Joa-
quim Rodriguo- i'iTi-ira, Joao doS Reis dn -ouza
Danlas Filh, Jose Ferrcira dd M ra* s, J.ao E. da
S. Lisb'.a, Jj-ii Mattna- da \v, Jo?6 CastellAu Fi-
Ibo, Joao Cynllii Jose Gomes Villar, Luiz da Veijza Cessna, Uarianna
de Sena Guimar -, Manoei Barbosa de Araujo.
Manoei Mumz Palcio, Rodolpho Itaximiliano P.
Dtrnellas. Vicente Ferreira Muni?, -eris-imo F.
Chavfs Jun'or.
0 olli ial encarregado do registro,
Jose Candido de Barms.
CttirANVA
nfiSSAGERIES MARITiMES.
I.fnha utensal
E T-, jropa ate o dia 7
corrente, j e g u i n do
depois da demora do
costume para Bue-
nos- A\res, tocaado na
Batna, Rio de Jaaew Montevideo.
Para encommeadaB, passagen* e. Ire es, trata-ae
com
!] OSAGENTES
Hftrismendy ALabille
9 Rua do Coaiinercio 9
rn
l.inhaf
E' esperadu do's por
tos do ml no dia 9
do corrente, seguindo
depois da demora do
costume para Bur
deaux, tocando em
Dakar (Goree) e Lisbda.
Para fretes, encommendas e passageiros : a tra-
tar com
. OS AGENTES
Harisnu-inly A Labllle.
9 ftua do Comitiercio 9
coMPi\nii itit \*ii.i;iiiA
DE
NAVEGACAOAyAPOR
Portos do mhI
E' esperado dos po*tos do aorl*
ate o dia 6 do corrente e se-
guira para os do- snl, depoi
da deawra do costume.
Portos do noilo
I^Oq; TTm'p (, dita de amarello, gaarda roapa, guarda-vestilos,
JLXUjc mesas elticas, aparador>-s, mariuezas, toti*, con-
No arraazero d rua do Bom Jesus n 63 #*<, eamas de Cerro, commodas, meias ditas, ca-
Os adminisiradores da massa fallid* de Pereira de,/. ayalwa, de amarello, para sala de Jantar, I
de MWIo A C fario leilao, por interreneio do <>e Jiagem, diUs de balanco. mesas, espe
aeente Pinto, e de conformidade com a autorisacao *ps dourados, maqninas de costura, veoetianas,
qne idm do Illm. Sr. Dr. juit especial do commer- eadetras de jacarauda J bancas grandes, 2 me-
eio, do resto das faxendas pertenenies a dita mas- MS P*ra hJ0,e'. lont. jnos objectos de ooro. e
M, e e\iienies no armatera da rua do Bom Jasus ">* tn*** quantidaue de correutdes e anneis de
^83._______________________________
Leilao
DAS I Dt
divldas da massa fallida de Bento da Silva 4: C, bancos paracarapinas, taboas, praneh5es, carros
sendo cere* de 13:186*900 em lettras veoefdas,
cerea de 43:162JII68 em conla corrente divros,
e tres sitios'tn Papacaca, servindo debase a
offerta de I80f000.
plaque".
No
HOJE
s% 1 horn da tarde
armazem da rua do Bom Jesus n. 63.
(unimniiilanip Carlos Gomes
E' esperado dos portos
dosul.inclvsive o da Vic-
toria ate o dia 7 do cur-
rento e seguira para
os do norte depois da
demora do costume.
Para carga, encommendas, valores e passagens.
'rata-se no esiriidorio
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C
Agentes
l\*ra (i Hi k Janeiro
segue ne?tes poucos dias o patacho brasiieiro Ri-
val; sobre o pe:jueno resto de earga que Ihe falu
trata-se no escriptorio de Balthar, Oliveira & C,
a rua do Vigario n I, 1 anl.ir.
THEATRO
SANTO ANTON[0,.
COMPHNHU ITALIANA
HOJE
Ouinla-Mra ij de navesnbro
O.' recita Subira a see na a grande n agedia em 3 actos,
de V. Alfieri:
V
h&Amw
0 brigne portugnez Triumpho, prtlende seguu
;om muita brevidade : para carga c passageiros
rata-se com 03 cousignatanos Thomaz de Aquino
Ti.nceca-& C.. succes-ores, rua do Viaario n. 19
Para o Para.
Pretende seguir com muita brevidade o palba-
bote Joven Arthur, tem parte do seu carregamen-
to engajado, para o resto que Hi- falta irata se
:om o seu con-ignatario Antuoio Luiz de Oliveira
Vzevedo, a rua do Bom Jp>n< n. 57.________r~T
COMPAxNIHA PKRNAMBUCANA
DE
\avesacilo co.teia*a a vapor.
MAMANGUAPK.
0 vapor Cururipe,
",:..' mi laute .- seguira para o por-
to ai-ima no 'Ha 9
do corrente mez, as 5
boras da tarde.
Recebe carga ate as dez boras do dia, encom
uendas, dinboiro a free epassageos ate as 2 bo-
t'as da tarde. do dia da sahnla : iscriptorio
BO Fone do Mattos n. 12. ________________
Para Lisboa
Seguira com hrpvi.ladeo b'i lie portnguez Be//i
Figueirense, capita liilario Rodrigues : para car-
ga e passageiros, trata-se com E. R. R bello & C,
rua do Comme-cio n. S7, enirada ptlo largo do
Pelourioho.
Ilha de S. Miguel
>egue com brevidade para S. Miguel o pallia-
bote portnguez iVoio S. Lourenro, para onde rece
be carga e passageiros : trata se eon consig
natanos Thomaz de Aquino Fonceca & C. Succes
wres, rda do Vigario n. 19, 1' andar
Libra eslerlinas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Coramercio n. 42.
0 agente Pinto, autorisado pelos administradoros Co,',",' as,p;,ni
da-missa fallida de Bento da Silva & C, levara a Saut0 Anton.o urn trem.
leilao, n*o >6 a* ilivida-i, como os-tiei siting qne
fazem parte Oa retenda massa, tendo que a vrula
dos sitios e deflnitiva.
Os pretendentes das dividas poderao desde ja
examinar o |.nventario existonte em o escripto
do referid-i agente, rua do Bora Jesus n. i3, e con-
eorrerem ao leilao oo dia e hora aoima ditos.
de mio, ferrameotas, telhas de zioco, tijollos,
agulhas de marear 1 cabo de piassava, escadas,
cachilhos e p<>rias novas, e ontros obiectos.
SEXTA-FEIRA 6 DO ^GRRENTE
Na Ponte d'UcbOs
Casa em que morou o failed lo Retamba, e por
oecasiio do l->lio de Hnos cry-taes, porcelana,
objectos de electro-plate e tnoveis.
A's-10 1|2 horas partira da estacjlo do arco de
Feira Semanai
LEILAO
Villa de Palmes
Na padaria deno-ninada Maiirity, sita na prara
de-te nmne, ea-a de azulejo, n. 2, desta villa, tsta-
belecimenude Francisco Serapbico de As.-is Vas-
con ;ellos, fabrica-se com a maior perfeigao, lim-
peza e barateza. pao, bolacha, e tudo quaato se
pdde obter da farinha da trigo 0 annnnciante
protesta servir com esmero e agralo a todos qaan-
tosquizerem honrar seu estabelecimento e se cons-
tituirem fregnetes e consnmiJores.____________
Aluga se um bom sitio em Beberibe, com
casa proprla pa-a familia : a traiar na rua da Ca-
deia n 46.
DE
um cavallo an Sexta-feira 6 do corrente
a< 2 horas da tarde.
Por intervencfio do ag.-nto Pinto
Mia Potate d'Uehoa
Por occasiao do leilao de moveis, louca e crys-
taes da casa em que residio o fallecido R< tumba.
LEILAO
mobilias, piauoj, guar (ja, aparadores, commodas,
camas francezas, espelhos
com molduras douradas,
mesas redondas, guard a
vestido, mesa elastica, fi-
teiros envidracados, ban
n nftrfl it\ l^d> JJtlld.JtJgU, JlCHJ^io uc graDj0 casa de sobrado e muiia3 accommodates
parede e de cima de mesa, ^TJSBSI!% do corrente
cadeir-is de balanco, cabi-1 hora*
, i ^'u escriptorio do agente Pinto, rua do Bom Jesus
des quartinaeiras, conso- n. 63.
. j Os administradores da ma-sa fallida de Pereira
108 aVUlSOS', maqUlliaS de de Mello & C, levarSo oovamente a leilao de con-
, r iT formidade com o alvara de licenca do Illm. Sr.
DE
predios
A saber :
Um sobrado de 3 audares, edificado em chaos
proprios, na rua do Bora Jesus n. 63.
Um drtu na mesma rua n. 61, editicado em cbios
proprios.
Uma casa terrea na rua da fmperatriz n. '>0, e
16 meia aguas na rua do Camarao n. 9, em
chaos foreiros.
Um grande sitio na rua de R>achuelo, outr'ora

jli^ijlAo
DA
casa terrea da rua das ^ymphas n. 16. edificada
VerSaS milideZaS, reWOl- dim, no escnpto-u> Jo refendo agente, rua do Bom
. Jesus n 43, esperand i cmclmr a venda dos rele-
VerS, mUltOS traSteS aVUl- ridos predios no leilao daquelle dia.
sos, e immensos artigos do
uso domestico, queserao
vendidos a trdco do barato \ ''iffSJSXS ^^$\ZXS?ft
nella e porta parao oitao,
Sele meia-aguasem terreuo proprio, no fuodo da
casa acima, coin 16 palmos da frente e 18 de
fundo cada uma, pvrla e janolla de freote, com
uma caciroba tm fiento d*s.....sma-, sendo que
estas in. in atsu.is reudem Kl^OUO mensaes cada
uma, e lt>.n terrene no fundo.
SABBADO 7 DO CORRENTE
ho meio Ai;.\
Por intervene,;!'! ilo ag-nte into
RUA DO BOM JESUS N. 43.
Por occasiao do leilao '*e outros predios quo vao
sr vendi I..s a reque irneit dos administradores
da massa fallida de Pereira de Mello & C, por au-
torisacao do juiz especial do commercio. _______
Grande e importante
por conta de diversos
A'S 11 HORAS 1>A MANllA
NA
KEIHA sEviAN\L
IG-liisa da Iniperad-ir-K)
pelo agent* Martins.
LEILAO
ceroula,
pannos
UK
camisas i'ranez*s. pop.dinas, casemiras,
m-.T-ind*, se.ii*. aiiMio.'s e madaooldes.
ii^ji:
-) do corrente
Vs t*> l\ horat.
Por int-iv-n(an do ayeuto Pint j
Rua do Bum Jesus n. 63.
leilao
.
Leilao
DE
bons moveis
PfflSSag&ti rla Mng-lalenR
A's 8 boras.
mm mmmm
Companliia de mivcx-cfto ft va-
por haliiaiaa, limltada
Macei6, I'enedo, Aracajti e Bahia.
E' esperado dos portos
do ul ate o dia 6 de nn-
vembro o vapor Grncalves
Martins, o qual seguira
para os porto9 acima no
dia seguinte ao de sua
chegada-
llecebe-se carga, encommendas passageiros e di-
abeiro a frete.
Agente
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.
87-Rua do Bom Jesus-57
Facillc Meant Navigation Dompaity
ROYAL MAIL STEAMER
IBERIA
E-pera-se da Europa ate o
dia 8 de nov mbro e seguira
para Babia, R.o de J neiro,
Montevi ieo, Buenos Ayres,
Valparaizo, Ahca, Islay o Cal-
lao, para onde recebe a pas-
sageiros, encommendas e dinheiro a frete
N. B. Nao sahira antes das tres horas da
tarde do dia da sua ehegada
AGENTES
Wilson Howe A C.
14PRACA DO COMMERCIO1
COMPANHlA PEKNAMBUCANA
DE
(Vavegaeao costeira a vapor.
rAJUBTBA, NATAX, MACAO, MOSSORO', ARAC*-
TT.CRARA, ACARACU'.GRANJA E ANARRAgAO
NO P1AUHT.
0 vapor Pirapama, comman
dante Silva, seguira pan 09
portos acima no dia 7 de
novembro as 6 boras da tarde.
Hecebe carga ate o dia 6, en
commendas, passageiros e di-
nheiro a frete ate" is 3 boras da tarde do dia da
aabida : escriptorio no Porte do Mattos n. 11
Rio de Janeiro.
rlffiae S. l*auto.
Sabiri com brevidade : para carg* trata-se na
rua do Vigario n. 7.
LE1L0S3.
LEILAO
DO
sobrado de i andares e sotao, da travessa do Car-
mo n. 16, edificaio em chaos pr prios.
Hoje
A' 1 hora da tarde.
Por intervencio do ag.nte Pinto
No armazem da rua do Bom Jesus n. 63.
Por occasiao do leilao de fazendas hmpas e ava
riadas que de>e alii ter Ingar.
Agent
'e Pestana
leilao
DE
30 fardos de algodao vindos do Aracaju no
vapor Dantas, marca S
Hoje
A'S 11 HORAS EM PONTO.
No trapiche Companhia, largo do Corpo Santo.
0 pieposto do agente Pestana fara leilio por
conta e risco de quem pertencer, de SO fardos com
algodao, vindos do Aracaju no vapor Dantas.
Em um ou mals lotes, a vontade dos Srs. com-
pradores. ____
Dt
fazendas avariadas
CONSTANDO DE :
madapolSes, cbnas e saccos vasios
Hoje .
Por intervene^) do agente Pinto
No armazem da rua do Bom Jang< n. 63.
..Comecara as 10 l|i boras.
Na
Sobrado de 6 jan-lias de frente da rua de Paysan-
dti n. 40, entre a- duas puntes
A SABER:
1* sala na frente.
Uma magnifica mobilia dojicar^nda, a Luiz XV,
com sofa, i eoosdlos com Bspefh is n-i-- almofadas
4 cadriras de braco* e 12 de giiarni^ao, 4 casti-
5aes e mangas de-lino crystal, 2 jarros e 1 tapete.
2a sala na rente
Um piano, 1 scfa, t cou-olos com peJras, i ca
deiras de bragos e 12 de guarnivio, tudo de taca
raiida, 6 cadeiras avulsa-, i casti.aes e mangas, 2
jarros, I cadeira de balao^o e I Upete.
3" sala de detral
Uma mesa elastica, 1 guanlt-rou^a, 2 aparado-
res de armario, I guarda c- mida, 12 cadeiras de
gtiarnicao, 4 garraias de Cry^t-d e outros objecios.
1 qurirto tuilleite
Uma cama frnceeza de jacaranda, 1 con-olo
com pedra, 2 caslicaes com pingentes, 2 magnifl
cas cadeiras esoreguicaieiras, de jacaranJa, 2
goarda vestidos de duo, (de Berlim). 1 ri.-a toi
lette de oito, grande, com tampo de pedra e anna
rio em baixo, 1 lavatono bonito, tambein de ber
lim, 2 jarros, porcel na par* lavatorio e enfeites.
2 quarto
Uma cama para solteiro, i console com pedra,
Uma ine.-a elastica, i guarda-Iouca, 2 aparado- i poltrona estufaJa, 1 espelho oval, 1 pelle de ou-
re. de armario-, I relugio do parede, cadeiras de 5a, t bauqoinha oval e 1 bidet,
puarnicao, facus e garfos de electro plate, 1 appa-. 30 quarto
relho de electro plate para cha, I vaso para agua UlDa 9ecre,aria, com.uoda de jacaranda, com se-
gelada l gniheteira, J faqueiro de electro-plate, gfed 0Dra do Porto,- t wtaute de dito, I l.ndo
completo, garrafas, Compoie.ras, cop,.Sj colhere3 5uarda roupa de aila 0 |^nar.mezao.
de electro-plate, chiearas e oires, calices, 2 appa
Em continuaijao
ao de fazendas e miudizas
0 agente Dias levara a leilao, por conta 0 risco
de quem peiteucer, 533 ue.,as de flta de sarja,
sortnlas em cdri-s p lartiuras.
Grande e variado leilao
DE
moveis, 1. u;a, cryslaw, ohjeetos do electroplate,
flguras, e>pelhos, bancos para carapina, madei-
ra", portas, carr.nbos do inao (novo-), pran-
c des de faia. telna> ,de /inco e mutos outros
objectos, a sabr:
Uma mobilia de jacaranda, 4 espelhos donrados,
1 relogio de ;.'::. -. n r.i-oca, camlinros a gaz,
10 liguias enfeites de mesa, 4 jarros, 1 consolo
coin "spelho, 0 escarradeiras.
Uma inobdia >ie faia. cadeiras de baUnco, 2 es-
pelho? grandt-s. liguras, tapetes, mosas e cadeiras.
Uma c him franceaa, 2 cabide?, 2 cma- de fer-
r.., 2 guarda rou^as, 1 commota, 1 estante, 2 la-
vatorios, I mesa de fain, 2 camas para solteiros,
duas para menino, bid'-t", lavatonos para menino,;
2 cabides e porta-toaihas.
0 barateiro a rua Primeiro de Vlarjo 0. 1, rece-
beu nin bom sortiaento de popelinas de seda com
bonitos gostos, e esla vendendo pelo baratissimo
preijo de^ 600 rs. 0 covado Convem ver, pois e
fatenda quo ..empre<-.u*i >u 13000.
Abga-se umi casa cum bastantes commodjs,
no Caldeireiro, sitio d* Belli-Vi.ta : a tntar n0
mesmo
Da se 1:000 a sob pemor
rua de Ilortas n. 86.
em escravos : na
AlUita se 0 segundo andar Jo sobrado con
tiguo a iRreja dos Martyrios : a tratar na rua
Sete de *efmhro n. 15.
Precisa-se failar a-i Sr. Ioaquim de Aguiar
Montarroyos : na rua da Gala n. 45, a negocio
de seu particular iuterosse.
Aluga-se a casa 0. 4". ua rua do S. Joao,
com cambrone e gaz : a tratar na casa n. 47, na
mesma rua.
Preeua-se de du.is amas, sendo uma para
cozinhar e comprar e outra para engommar e
ensaboar : oa rua da Coicordia n. 43.
Confeitaria do Campos.
Alii os respectivos
Estu Jautes
Eocoittraroo
Una variadissirua
Reftic.50, com a qual
Devem preset)tear
Os seus colleges
E amigos.
Rnparai bem
E' na Cmfeitiria do Campo.1'
HiillRf-
uma pequena carteira de couro e mais alguns pa
peis, sendo recibos e conta* de neohuio valor, ex
ceplo ao dono : quem a aehoti, tenha a bondade
de eotraga-la na rua da Cruz a. 4, hoje Bom Je-
sus, armazem.
Desafio.
Corridas a cavallo. com usura, no lugar da Ta-
marim?ira, domingo 8 de novemnro.
AllpJK*ao.
Perdou se da ma do Duque de Caxias ate a do
commercio, do po ier de Jme .le S oiza Br.:z, um*
uma leltra da quantia de l:886.;8i", aceila pelo
bauco mgli ?. Of Riitd lanein. Limited, vencida lije
4 de no vein hro de 1874 : quem a a'tiou e queira
resntuil-a, pole 'dirigir-se a rua do Duque de Ca-
xias n. 39, ou a praca do Conde d'u n 10, que
sera recoin jensado. A lettra ja tem escripto nas
enstas.
relhos de porceUna para cba. 2 ditos para jantar,
quartiniia-, I quartinheira, fldiiires, potes, liltra-
dei as, e muitos outros objecto> de casa de familia.
Taboas, portas, pranchdes, telhas de zinco, car-
rmhos de man, ferramcuta para jardim, e muitos
outms objectos existentes na casa e sitio da Pon-
te d'Uehoa, juuto a punts do Sr. Justino Pereira
de Farias.
Sexta-feira B do corrente
Antouio Augusto Pereira da ^ilva, invent*riante
guarda roupa
Andar terreo
Uma mobilia de jacaranda, completa, 1 se^reta-
ria e estante envidracada, de aihartllo, I estante
de prateieiras, tambein envidracada, t marqueza,
12 cadeiras, 3 ditas de balanco. 1 mesa meia lua,
com pedra, 2 tapetes 1 mapnua de linpar facas,
2 mesas, 2 casticaes, 1 banneiro e muitos outros
objectos.
Tudo em bom e perfeito estado.
Vrci-i'-irit 1* do corrente
Escravo fugido
100^ de.gratifica(jao
Achase fugido 0 BMsravq no iue, qu foi do Sr
Tibur>'io Valerian) Alvares de Meoexe*, morador
em Nova Cruz, pr viocia do Rio Grande do Norte.
com os sijjnaes seguinte-: cir preta, h nit 1 figu
ra. estatura alta, represents ter iSaunos de idade,
suppoe-se exi-tir aciutado nas proximidale-* de
Nov. Cru/.: rofl.i-.-e, pois, a tolas as autondades
policiaes, eapities decampi, ou h outa qualqner
pessna a sua ajprehensao, e entrega-lo aos Srs.
Cunna Irmaos, no, s-u eng^oho Hha Grinde, em
Goyann nha, no Rio Gran le do None, ou aos Srs. 'Iue,n er,1'-" escra-o pr.cun.u para .-..inpral
coroui-l Migu.l Rib>-iru Dantas e Jose Paulino de
Andra'la, ein S. Jo-e de Mipil.u, que serlo recom-
pensados com a quaa.ia acima: sendo entregue
no R cife, A rua du viarquez e Olinla n 51 A
pessoa qpn .. t onx-r tera.a reciimpensa de 200*
Ac(joks entre amigos
A de um n-logio de senhora que corna com a
1* loteria de uovembro, fica transfenda para a
ultima do mesmo mez.
LEQUE.
Perdeu-se hontem, 2 do
corrente, da rua do Gapiba -
ribe n. 40 ate a esquioa da
rna da Ponte-Velha com a
rua da Matriz, um leque de
tartaruga com borla de sedt*
cor de rap6 : quem o achou,
sendo que queira entregar ao
seu dono, p6de leva-lo dci
tada casa n. 40 da rua do
Capibaribe. que serdrecom-
pensado.
mtmn wima
RuadaRoda n. 48, sobrado.
Prime ras leltras, portuguez, franctz, i: -
gltv, desenbo linear e nuisica.
Sob a lirec;ao dn professor Hermin.
Rodrigues de Siqueira funccionam ditas at-
las todos os dias uteis.
Rec-be ulumnos internes, meio pensir-
nistas e exlernos ; f.rne:c todo o rnaterisl
para escripta h livros sos principiant'is, pj"
preros iiiuitu razunvcis.
De 27 para 2H Oe muubro find t-vidio-se
escravo AsteTto, d" 2fi ann^s d'. idade, paOOO ma -
ou menus, est>tara pi.uco menos oa r fula, cheio do corpo, beias $r <, falla branr...
e sapateiro e tambem iaMila BgnaniMlc; supt
>e ter ido p.ra o Rsead p r ter ahi in'.i > ser nd
bem abi conprado : quem a apurakM It-r e leva i
"aos Srs. Rilrigur-s Al.nndi L (',, no nWln, r *
estreitn do Rosario a voita'r para o paleo do Car.
miii i7, ou ooeogeuiiu i; :i l.irl.m, na cida
ila E.cada, a seu senhor J -se HrnMlo Cavaleai
L'os. sera gecerosameote praulkado.
ranilar.
Ataga-se ) 5- jiundo andar a roa do I'adr* PI -
riatino : a :talar na rua larpa d.i Rosario n. 22.
Aluga -e doirt banhein.s de pedra e cal, n
Praia de S Francisco : a traur na rua Do i
d eCax as n. 01.
200$ de gralitiwcftn
FOfHi no ih 3 de jaueir i deste MnM (l"74)
esc avo Viceiil-, prelo fill i, de 2i IBM de iC
de, solteiro, natural da IVrahvba -N rt-, il .
fornido du c irpo e be u Mln, ro.-to red n.'
bins dentes, barnaio, c.n-ervmdo ilgiit I
z*s suissas, falla man-a, cum uma pequna cic-
triz nas C"Sias, bre uma das espaju .-, pruve-
mente de um ta h i que dera com o gav a-, de
uma vnchada. Dito eserayn que f >i vi-ndido a
dia 3 d- noyembr" do anno proximo passado, p, i
Sr. Joao Rioeiro ees-oa de Lacrrda, nn>ra>lor qi.i
foi no lernio de Ma.nanguipe, da j.ieha pr vio-
cia, donde uudou-so pan n u-rm / e liiu'as?6,
depots para u engenho Gcnii-apo, do teimo.;*-
Ulmda. o .'..'.. para o engenho Mm*s % ran, d .
t^ruio de Purl"' ("aiv>., i.n.ie, se^und cunsta.
oerman-ceu ; tol visto com to.la ceiteza em aU.l
desle :iio.-iii i u.a p t de I! o ain-o.i-, on Imu la
dos cigauos, Uos qu, es o i tiefe era um t.il cap:-
Uo Pedro, mui ctnlit-cido em tody- os serlC-s
desta provmcia e das oulras vi.-inhas, t- om que j
o dito escravo, quan o periencia ao dit Lacer-
da e moravam uo raferida enijenhn <>euii-ap'*.
entrrtinaa r> I ;'" f u ntvan nvwhK iud
coust^uli-meot i : ifa hi ao li.mdo nnfaMlnfJ
pilau, que duraute alftnas ioMtna do anno pa
-ado, esteve, cumo c ialnd-\ em terras d t-n-
genh" Fr-goso. do me- no tor mode 01 na la, e pas-
wu se depuia parav varicoia terras nK--aho
D'-steir., ou term i de Iguaras.-u. perb-m-eiite ,. i
Sr. teaente Ant. nio Luiz F-rreira da Cunha, a
anus da- i,j]i us da .-ua attsencia daqui nenta
dale, desappar^;endo euta, d.dli ate iij>-.
E' lieiu pi ntie a andar no meio de taes ngauo>, "lev-
delle sat er edr onu. o tal caimi Pedra
Quem o c pturar e o r.'tnegar no 3 audar do
sobrado n. 3' ,da rua da- Cr .zes d-sla cidole, ri -
ceberaa quautia acima de 2004.
- Precisa-se de um trabaloador para vendor
pao : na padaria da S'ledade o. i.
no Arraial uma casa e ciiio, por preco commolo :
a tratar no becco da B Zumha. ______________________________
Hotel Restaurant de Bor-
deaux
Pede-se ao* Srs. abaixo meocionados, o favor de
ap larecerem no dito hotel, para se entenderem
com o admmistraJur, a negucio de seus particula
res interesses :
Salomao (mascate) '
S Manoei Amancio.
Luiz Imhalz. .
Jo- 6 Ignacio Ribeiro Roma.
Vicente Sowrini Alves.
Joaquim Pire- Ferreira
Crnz Ramos (guarda-dvros).
Gabri"! (inascale).
Precisa se de uma mulber forra ou escrava
para vend.-r na rua : a tratar na rua dos Prazeres
n. 9, freguezia da ioa-Vi-ta.
dos bens do Bitado Fran:isco Spare's da Silva Re- POR INtKRVEHQiO UO AGENTE F1NTO
tumba, fara leilao, pordespaiho do Illm. Sr. des- No sobrado grande da rua de Paysandu n.40,
erabargador juiz de urphaos, e por intervenjao do entre as duas pontes da Passagera da Mag lalena.
agente Pinto, dos moveis e mais oojectos acima
descriptos,exi?tenies na casa da Ponte d'Uchda, em
que morou n mpsmo Retumba.
A's 10 l|2 boras em ponto partira da esta.;ao do
arco de Santo Anunio um trem expresso que ser-
vira de conducgao gratis aos concurrents ao lei-
lao. parando em todas as estafSes.
0 leilao principiara as 11 horas, por serem mui-
tos e differentes us lutes.
LEILAO
DE
FAZENDAS
CONSTANIK) DE:
de fii6 proio, 2 ditas de setim
9 p- 588 de seda Uvrada, 35 <-a-
pas de seda, 3't pecas d dnmasco de 18,
120 v^os para noivas, 63 pecas de sarge-
iim preto e de cores, 9o cbales de casu-
rnira.34 duzias 6V leni;o- de s-d, 100 di-
tBsdelenco decassa e 200 livms, copia-
dre8 de cartas
20 pefas
branco,
3 tavernas- pertencentes d massa fallida de
Pinto &G"n5alvHS, sitas em a rua de S.
JoSo n. 12, becc do JPncinho n. gl e
rua do M^rquez d- H rv| n. 211.
Nexla-feira # do corrente
as 10 h ras na i.', amm 2 e ao meio dia
na 3.'
0 ?gente Dia-, compet'-utemente autorisado pe-
lo Illm. Sr. Or. juiz e-pecial do commercio, levara
a le'lao, do dia iiora indicados, a tavernas mea-
cionadas, os quaes pertencem a massa fallida de Exra Sr- desembargador juiz de i-rpbioi, levara
Pii.to i tioncalves. a leilao, no dia e hora acima indicados, a parte da
0 inveotano pode ser examinado pelos 8rs. pre- CMa aa rna de Santa Rita n. 33, freguezia d S
tendentes, do escriptorio do referido agente. Jie- contendo i portis e t Janella de frente, S sa-
------- las, 4 quartos. I saleta junto a connha, qaintal
murado, com cacimba propna, e a metade da ca
' sa da rna do Amparo n. S, em Olinda, com 3 por-
tas de frente, 36 palmos de Urgura a 76 de lun-
j do, com quintal, sendo que esta p.ecisa de alguns
. reparos.
r I
0 leilao principiara a> 10 1)2 boras em ponto.
Os cuncurrentes au leilao encontrario um trans-
pose facil e commodo, vistu que os bonds pas-am
em frente da referidacasa de quarto em quarto de
hora.
EM TRMPO
Os referidos raoveis.tuflUMB-M recommendados
por serem bons, modernos, mastlcos e em optimo
estado de conserva^io. ___^_
IMUM
DA
parto da casa da rua de Santa Rita n. 33,
avaliada e.n 4:0000000, 795ji>62, e da
metade da casa na rua do Amparo n. 5,
em Olinda, avaliada por 6009, 300300o
SEGUNDA-FEIRA 9 DO CORRENTE
A s I I horas 'tfi mtai'ha
Em o 1* andar do sobrado da rua do Marquez
de Olinda n. 37.
0 agente Dia<, oumpetente-< ente autorisado pe-
Ageute Martins
LEILAO
DE
moveis, louca e objectos de ouro
Sexta 1'eira tt do corrente
as 1 i burah da "*aiiha.
%o HriiiHiem 4a run da loipera-
dar -IH
Uma mobilia de jacaran ta, | d.ta de mogno, 1
4!OUSU*' ft^U
>
Alnga-se o i* andar do s-.brado a rna do
Amorim n. 41, com 1 sala bem asseiada e I q >ar-
to c on "scada independente, pro jrio para e.tcrip-
to no ou rapates solteiros, por 154 m-nsaes : a
tratar no armazem do meamo sobrado.
Alogase um muleque de 19 annos. bom
cosinheir.' e copeiro, iotelligente eactivo, podendo
ser emprrgado em qualqner outro servjeo de casa:
a t.atar no 3' ai-dar do subrado n. 20 da rua da
Imperatnz._________________________________
Eni?oramadeira.
Precisa se de uma engommadeira para engom
mar para duas pessoas: a ratar na trave>sa da
rua do Vigario n. I, das 9 horas aa 4 da tarde, ou
no segundo sitio, depois da estvao do Chaewi
Alutta-e pelo tempo aa te-u uma casa niui
to fre a margem do rio, perto dos bonds : na rua do
Marquez de Olinda n. 62._____________________
\iiv; 1 uiao
Pediraos ao Sr. M F. 0. qud tenha a bondade de
publicar o seu discurso que fez no domingo nesta
sociedade, pois a esar de ser muito extenso e en-
ferrujado, omtudo isto desejamos preciar. visto
nao termos ido informa^rjes das suas asneiras.
AIrqob socios.
Pede se ao Sr. Antonio Teixeira Lopes o ob-
seqnio de vir ao acougoe n 2, no pateo da Penba,
a negocio qgg nan igpora.
Cavallos fur< ados
Do sitio da Ponte de Uchda n. 26, furtaram did
cavallo castanho, bora esqmpador, o qual 6 muito
conhecido ; um > burra ciozeota, com uma listra
preta no Go do lombo e outra atravez das espa
duas, lem u i_ pelladura no quarto esiuerdj, e e
muito pequena : rugase a qaal|ner pessoa on
antoridale. que delles tenha noticia, de apprehen-
e-los e communicr no -itio-aciraa, ou a rna do
Marquez de Onoda n. 18 1 andar, que se recom-
pensara geoerosamente
Vicente fugio.
No dia 27 de outubro proximo passalo, fugio o
escravo Vicente, de 22 annos de idade, alto bem
pr to, beic. .s gro Iba furada por ter u-ado de brinco, em peqoe-
no, 6 qu'-brado. levuu clva de bri'n de qaadros
com vivos do> lad..s e camisa de algodao br nco ;
coiikia andar i. la Mag 'aieua : recuuiuieuda e a
p- licia a ca.tura d. itiio escravo e entrtga a
1 rna da Imperatnz n. 80.
Altola!!!....
0 CAMPOS Cl CONFEITARIA
la s__n RIVAL,
K"o seu trenero iienhum
estabelecimeato o pode
i^ualhar.
E senSo v.j.;in .-
Rftcebe encu-nmanda:.
Para a rpce gaodo Evtn. ronsc-l' eiro m.-
. istro do imperio.
E esti coin a sua cmWt ria do Campo
it.u lo bem provida de tu o quanto c pr?-
ciso pars que a ninguera falte MOM :-
^uma.
liTO _:':
t_C3FIPES DSLIGID30C
E tuli quinili.
Aluga-se i ca*as mo.to fcWMMS. oa i.apu g\
com cotnmodos pa-a famil a : a tratar no mesm
gnar a rua das Crioulaa n. 6.
Casas
Alttga-se uma casa nova com boos commol
para familia, com qaintal ao lado, na Soledad .
rua do Proeresso ; assira como tambem se aiug .
a casa do Caminh i-.Novo n. lot. junto a e-tacH
da via-ferrea : a tratar na rna da Cadeia do Re-
cife n. 3.
Precisa-se de um caneiro com pratica A
molhados, ptra a c na rua de Pedro Affimio n '>______________
Aiuga se uma casa com muitos c nuoiodo
para famnia, com m.'bilia, agna e gaz, e p..r pr. .
commodo, na cid de'de Olinia, rna do S. Bmio r..
7 : a tratar na roa hnriow de Caxias n. 91.
0 abaixo asignad<', arti.-ta do r-slaiielecime;
to Ghapellerie ae* Dames declara ao le.-per-
vel publico e aos seus antigos fregueze*. fnecia-
meote, qua deixou de pertencer ao mesaso eatal
leciinento desde o dia 2 do currente.
Aproveitand) a occasiao para agradecer a.-
seus amigos e flreguezes a prefer meia que temp*
Ihe dispnsaram.
Recite, 3 de novemtro de 1874.
____________________M. Zlnard Selooppe.
Precisa.se de um ratxniru, de idade de 111
16 annus, com pratica de taverna : a traiar _
trave-sa do P ciBh" n 7,
Precisa-se de uma escrava para > *ervico 6
vender na roa : no pateo do Paraiao n. 27, ajoo
gae. ________^^
Precisa se de uma ama, prefehndn-sei
va, que saiba coxinhar e engon mar ; oa roa De-
que de Caxias n. VI, f andar.
0 ADVOMUO
ErDesto d'Aquino Fonceoa.
Pttteo _* Pedro II, a. 9_______
Alu^a se ou vende-se.
n sitio fa Maogabira,em Otiad tendo ronitos ar
voredos le frnet .s e am lobralo com c para grande famiNa e maim terreno : a Iratar _-
roa do Bom Stress em OtitMU, com vare. lint
l)i-3 .le Araujo na freguexia de N. S di Gr-ca,
roa da Capun^a n. 9, com Miran-la 0a-
rnaraes.
.







*iif^i cfc^ Fwfluwnovtw Qmata teira 5 de NQyembro^dfit-174.

I
Cousultorio medico t
I
DO
Or. Murill*.
RUA DO VIGaKK) N. 1,1' ANDAR.
Recem-chegado 4a Europa, onde fre-
quentou os bospitaes de Paris e Londres,
podera ser proeuiado a qualquer hora do
dia oa da noite para- objecto de sua prc-
lssio.
Consuitas das 6 as 8 boras da manha e
do meio dia as duas horas da tarde.
GRATIS AOS POBBES.
Especialidadet: Moiestias de senhoras,
da pelie e de crianca.
CONSULTORIO *
MEDICO-CIRllRGICO *
# D0
^ Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso ^
PARIEIhO e OPEKADOR
WRua do Vlxconde de Albuquer-fjp
sK que u. 89. jfc
ESPfcCI ALIDADE
MolPHilan de nenhorai e
menlnoi. A
Consuitas das 7 as 10 boras da ma- *
nha, todos os dias. 9
Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar- A
_ tas e sextas-feiras.
Os doenlesqae mandarein os seas cha- &
ML mados por escnpto at 10 horas da ma- at
B nha serao visitados em suas casas.
wm
CRIADO
Para tratar de am cavallo e mais alguro servi;o,
co, preetea se da om de 14 annos : no Mangoi-
pho, sitio p. 2, por lao de fer'o.
Aluga-se pur anuo oil Testa o gobrado de dous
andarea cos Qu-itro Canios, em ONnda, com com-
modds para grande familia, agua encanalisada e
cano para despejo, muito fresea, perto do banho e
das estacoes : a tratar na ma da Uniao (llha dos
Ratos) n. 53, delraz do Gvmnasio.
)
i
Sabonete vegetal pre-
servative do conta-
gio
ADVOGADO
B\CHAREL JOAQUIU GlEWES DA
SILVA MELLO.
S3 Rua entrelta do n.isario 03
primetro andar.
a a
' M = b
a a =.? -t u

If

||T;
=
-
If
I
3
il
w a.

o
5

< o
= .
3 2
Si
a 2 5
-t "a
w
ft -c -a
. ft>
?"?
id-1
o II w
if ssS
rj.g
sis
c < K,
-3
-" -
c p 2
R> ST
B9
3" 3
s
-1 ?
B-2. O
- s
! e
5. CD


w
o
p.
3
3
5
o
3 2. CD
So
a.-3
B|co

Boa casa com sitio murado.
Aluga-se a east e snio de Dr. Castello-BraDco,
junto a povoaeio du Beheribe : quern a prrtender,
dirija se ao .-ttguudu anJ^r, por cima dt loja do
Sr. Rulim.__________________________________
Muito aproposito.
Chegaraiu lin ihs Gamfoaa burdadas propria=
par. c?satnfiitiis, tmile e etos dus Srs. acade-
micos : a li-ja de .Arruda Irmao, rua du Barao
da Victoria n. il.
Para a festa
Aloga-se unia excrlleDlu casa na povoacao do
llunteiro (iravessa do Xirto), com ba! mo.ia?oe- para faiulu, a qiul se acha om p-tfeito
estado de li" peza. e al ga>e por cummudo pre^o :
a tratar na i u.i Is de Margo u. 20 A, loja de Gur-
gel oo Amaial & C.
Alu^a-se
0 sitio da estrada dus AfiQnos n. 30, caiado e pin-
tado de DO*o, t>-iu duas grandes sala*, 7 quartos,
gabinete, eutinba, lanque para banho, cacimba,
etc., etc., junto a pr.mrira esUcao da estia ta dos
Afllictos e perto dos b-iuds df FVraaades Vieira :
train se na rua do Apjllo n. 30, armazem de as
sucar.
[\
venereo.
A descoberta de am meio preervat ivo
da infecfao syphilitica tern occnpado a
attencao de mnitos medicos notaveis
desde epoca mni remote, a Isto movidos,
sem duvida pelo desejo de pnuparem a
bamanidade as fanestas consecjuenciHS
do contacto e absorpcio de urn pus tao
malefico.
0 Dr. Antonio Ferreira Moutinho, dis-
tincto medico na cidade do Porto, e ho-
mem abastado, que com i mais desin-
teressado empenho se entregou por
longos annos ao esiudo e ensaios para at-
tingir um tao louvavel qnio bumanitario
desideratum, julga ter descuberto subs-
tancias vegetaes, que rennidas em for-
ma de sabonete, produzcm com eScacia
e de uma maneira infailivcl o prtiendi
do effeito.
Sua eonviccao 6 tal, era vista 8e nu
merosas experiencias feitss n> bospit da cidade do Porto, e do bom resultado
que o poblico tem obtido do uso de tal
preparacao, que >-lle offerece o prcmio de
um conto de r6is fnrtes, ( cnmo se Id no
jornal Actualidade do Porto de 2 de
maio deste anno ) a quern Hie provar a
improncaidade de s?u invento.
Por antorisacao do Dr M"Otinho, o
unico depnsito de sem sabonetes para
esta provincia e para todas as pfuytn-
cias do norte, 6 a Pharmacia Central, e
para ob.-tar a inalquer fraude serao con-
siderados falsiric dos todos os sabunetes
que nao levarem o rotulu deste estabele-
cimenlo.
Ph rmacia Central
38 Rua do lmperador 38
!
>
)
^t|^^^ ^&jl

til
rii
MtSSA FALIJDA DE AZEVEPO & C.
Os abaixo assignado-, administradores da massa
fallida de Axevedo A C, rgam aos credores da
ii e-rna queiram vir aureseut.ir seus eredihis a rua
do Mariiuez de OlinrJa p. 36. aflm de proceder-sc
a re.-p-ctiva olassiiicacao, dt-vendo apiesenta-lps
dentro de oito dias, a cuntar rtssta data.
Recire, 30 de outubro de !87i.
>. nhi.nl Meliler&C.
Lequo g'ganlcs.
So quem tem dos mais moderaos e ia Magoo-
ia, arua do Duqup de Caxias d. 43. ____
- Pre.'isa-se de um criado
dre n 2h
no becoo do Pa-
Pre;isa-se al-igar u na escrava ou ama, for-
ra, que saiba ong im>n ir : na raa N .va, loja n. 7.
Altiga se a iMsa u. S3, com bom sotao, na
roa dn S. Joan, quo faz qmaa pan o gaz-unetr >,
pr^pria para tavinn, por *:r em boa ucdidade,
jamaii coin a p.iuto quo torn brove de alrav-.^sar
ai.s C"elhos ; o puntu e miguiiic e q al'i^uel ba-
ratissimo : a tratar na rua do Ouro h. 78.
Aloga-se a casa da rua da Palma n. 63,
muito fresca e com aceouimodat,o s para familia :
a ntendi-r-f'e cum o Sr Bernardino Pontual, a
ru a da Madre de D> us n. 36.
Precisa-se d.- uma peas < para butar papel
na machina : i esta typographia.
Triumpho da
8CKIA MEDIC A!
4^ dB
Aluga-se
os armazens ns. 65 e 69 na praca do chafariz em
Fora de Portas, um omle teve tenla de (terrain)
o fallecid E. Mahult 0 outro que esteve OCCO
pado com venla de. m.lhados, para o quo 6 op
timo pela localidade e ser de esquiua. ambos Uvres
a desemharacados de impostos: a tratar com o com
mendador Ta**o.
Jose Antonio Domingues de
Figueiredo
para o lira de evitar incommodos aos seus fregne
zes de virem ta longe comprar cigarros, resolvea
abrir am depo-ito no bairro de Santo Antonio, a
rua estreiu do It .sari., n 16, esquiua da rua das
Larangeiras, ahi encootrarao os consnmidores de
todos os cigarros roaDUfacturados em sua fabrica,
tanto em grosso como a retalbo, pelos mes.rios
prer;os da fabrica.
Preci?a-se fallar ao Sr. Joaquuu Felicia no de
Azevedo, a neg.>cio de sea ioteresse, dentro de
oito dias, a contar na data desta pnblicagdo : na
padaria da rua do Co onel Suassuna, antiga raa
de Hortas n. 5.______________________________
-Alnga-se pela fe.-ta o sobrado n. 18 da rua
de S. Ptdro Martyr em O.inda, fresco, limpo e
proximo ao banho: a tratar no Recife, raa do
Caboga o 7, primeiro andar._________________
0 Sr. Joao Alves Teixeira, queira ap-
parecer no armazem de Jose* Duarte das
Neves, para recebr um* carta d seu pai.
Uma familia hwnesta eucarreg.-su de
lavar, engommar e cozinhar para homem
-ilteiro, on casa de pequena familia, man-
ilando a pessoa buscor a comida ; bem
como pode tambem iocumbir-se de criar
uma ou duas cnantjas : a tratar na rua das
Trincbeiras n. 7, csa t-rrea.
Preci-a se de batedores : na reflnacao da
nia Dirrita n. 10.
Preci> se d^ nm..lBcul de aJfaiate : najra*
da Cadeia du R-cife n. 3
Casa de ban bos
Em
OLINDA
Funceiona regmarm-oie t. d-n i-i dias, das 6
boras da manha as 9 da no te. no editicio da com-
panhia Santa rhereia, )unto to* Mi agres.
Hanbo frk> (-em t .alha) 200 rs.
Dito frw-ftiim t ullta) 30" rs.________
Ao commercio.
0 abaixo as-iimado deixoa do ter caixeiro do
Sr. Juaqnim Alves da Silva a raa de Hot Us n.
17, e vem por. meio do presente agradecer ao
raesmo Sr.'o dafccado tra ameot. e maneiras-c^
valheirosas .dais qnseropri" o tratou.
Recife, 2 de ,u..teibr.. 4874.
_______ Joaqwro Luis da da 8tlv?.
Atag -se a ca-a o, 103 da rua do Coronel
Soassana, reediftcad* : irata-se pa raa Direita
nnmero 8.
Etrj tem pos moderaos netihum descuLn-
rnonto ope vtromaior rvolu(;Ao DO modo d
:urar aiiteriormontr; em voga do que o
IWIIIHL DI UMIIIft!
TAKTO NO TRATA.MEiMO
n.\
Tosse, Crupo,
Asthma, Thisica,
Rouquidao, Besfriamentos.
Bronchites,
Tosse Convulsa,
Dores de Peito,
ExpecturacSo de Sargue.
Como om toda a grande serie de enfeimi
OrgSos da reatpiracAo, que tarn
atormentam e fazem soffrer a humanidade
\ maneira antiga de curur consistia geral-
mente na applicagao de vesicatonos, San-
grias sarjar ou applicar extenormente un-
guentos fortissimos rompostos de substan-
cias vesicautes, altrn de prixluzireinpolhas ;
cujos differentes modos de curar, nao fazian
senao enfraquecer e diminuir as for^as do
pobre doente, contribuindo por esta forma
d'uma maneira mais facil e certa para a en-
fermidade a destrui?ao inivitavel de sue
vHtima I Quam differente 6 pois o effeito
admiravel do
PEHOSAL EE mCABUIIal
Em vez de irritar, mortilicar e cauzar inau-
ditos soQrimentos ao doente,
Calma, modifica e suavisa a dor,
Alii via a irritn<;ao,
Desenvolvo e entenditnento,
Fortifica o corpo
e faz com que o systema
desaloje d'uma maneira prompta e rapids
ate o ultimo vestigio da enfermidade. Of
melhores votos em medicina da Europa, (os
entes dos collegios de medicina de Berlim-
testificam serem exactas e verdadeiras estat
rela^oes analogicas, e alem dtsso a exp
riencia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as qtiaes foram curadas core
PEITOKAL DE ANACAH111TA I
Deve-se notar que este rcmedto se acba
inteiramente isento de venenos, anto mine
raes, como vegetaes, emquanto que algum
.iestes ulttmos, e particularmente aquelles
que sa dados sob a forma de opio, e aci-
io bydroeianico, formam a base da maior
parte des Xaropes, -com os quaes tao fa
cilmente se engana a crcdulidade do pu
blico. A composi^ao 'le anacabuita petto-
ral acba-se linda e curiosamtmte Hngarrafadr
em frascos da mediila de cerca de men
quartilho cada um, e como a dose que s*
toma e so d'uma collier pequtma, basu
geralmeute a applicacao d'um nu dous fras-
.iis para a effectua^au de qualquor uura.
Acba-se a VHiida em lu.las as boticas
H, Frosters & C, agentes.
FUNDICAO M FEKKO
4' m do Bar^o do Triumpho (roa do Brim) is. 100a UM
CARDOSO A IRMAO
AVISvM aos senhores de engenh' s e outn s agricultirei e ao^publico em gerai qu
ontinuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e macliina s ue"
essanas aos estabelecimentos agricolas, as mats mode, nas e melhor obra qoe tem tindo
o mercado
v apores de forcA de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os melhores que tem vindo ao merado
'alueiraS de sobresalente para vapores.
VlOendaS mteiraS e meias moendas, obra como nanca aqai veio.
laixaS IUnCllQaS e batidas, dos melhores fabricantes
ivOaaS U agUa COm cubaje de ferro, fortes e bera acabadas.
lOOaS (ientadaS de todos os tamanhos e qoalidades.
tieloglOS e apitOS para evapors.
BombaS de ferro, de repucho.
VJadOS de diversas qnalidades.
4>OrmaS para a88UCar,grandes e paqaenas.
^arandaS de ferro fjUldido, francexas de dirersos e bonitos gostss.
PogOeS franCezeS pig, |eDha e carvio, obra superior.
Ditos ditos pra gaz. f
farros de ferro fundido para ardim.
i es ue terro para mesa e banco.
VibCtlllia par8 ge|ar agua.
V aiVUiaS para bomba e banheiro.
CorreiaH inglezas para machinismo.
t>anCOS e SOIaS com tttas de madeira, parajardim.
'oncei'tOS coucertam com prompttdao qualquer obra oo machina, para o qoe teea
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
llnCOminendaS man<^',m v'r p<>rencommendada Europa, qualquer machinismo
para o que se correspondent com ama respeitavel casa de Londres
com urn dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assenta>
itas machinas, e se respunsabihsam pelo bom trabalho das mesmas.
lua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUND1CAO DE CARDOSO d IRMAO.
N.5 A.Rua do Barao da Victoria.N.45 A.
LOJA UK JOT AS
DE
JOSH JOAQUIti IH\S DO REGO.
I to slui ja nao e liquida^ao c qaeinia!!
0 proprietarii deste nov eslabel"c,inieni" atur.ndo com o ine-perado e-lrid t dos gritos que
surgemde todos os angui.>s d.'.-ta gra ue ciilad-, anounciando a liquidQao dos estabelei-ioienlos de joias ;
e, receioM) de bear OSIXHO, apezar de b-m avaliar as gran.le9 vantagens que neste caso deveria an-
ferir; tomou a inabalavei ie.olucao de QL'KIMAH todas as suas joias, cum o unico lim de encorporar-
se a grande ca^avana, e, com ella, i-eguu em mmaria para ......e ?...'. I
A pyr-a esta ardente as viclimas aguardam brilhantes o mumento do sacrificios6 fa/
os sacrificadore>.
I-to po.-to, fspera se, ccm ju3ta r zao, nma prande enn'carrenci \ dos amantes d econ
que nao devtm perder o enseju dese i.rnverem de ohjo'tos taes; e devero-n'o ainda assim fazer,
qne oepo-s do to.la- es^as liquidates, com onovo anno, acabam se as-JOIAS desta cidade, e nao
tera pablico aonde deltas e possa [imver
A ellas A ell: s !
PREPARADO POR
BARTHOLOMEO k C.
Phannacfolifo* da casa rral k S 51. F. el-rei de ftrlflgal
Premiados em diversas exposicjoes cum o primeiro pre-
mio de sua classe.
O xarope vegetal americano, garantido puramkntb vegetal, nao contem em saa composicao
umsiatomode pin, e >im 6niente aoeeoa de planta-. ndigenas, enjas prooriedades beneBcas na
eura das mole-tias qne pertencem aos organs da resuiraca.-, tem sido observadas por longo tem pope
los medicos mais distioctos que o re-ommendam e pre-crve .. todos os dias uo tratamento das brou-
chites, tanto agudas como chr.micas as hma, toss s rebeldes, escarros de sangue, tbisica no primeiro
graoe contra as irritacdes nervosas.
34
JiKPilT0 GERAL
Rualarga do Rosario =
PIKNAMHUiO.
34
CUVPEOS Di MIL
Gargel do Amaral & ., a rua P imeiro de Marco n. 20 A, receberam am grande sortimento
de chapeg de sol de seda, lisa e trancada, com bonitos cabos de unicorn?, marrim e madeira, e
vendem-os a 63 o 75, sendo este pre^o metade do sea valor.
AGU\ W, CBINOLIM
PARA TIMGIR INSTANTANEAUENTE OS CABELL0S
PREPARaDA por
BARTHOLOMEO & G.
Pharmacenticos da Casa Real de 8. II. F El Rei de kNirtu^al :
premiados em diversas exposicdes com o primeiro premio de
sua claawe.
1,'nico composto, cuja base principal sao principios vegetaes, que pode por isso ser
usado por tempo indefinido sem o menor receto de aJteracao de saude. Esta agua admi-
ravel 6& aos cabellos, dm poucos minutos, uma cdr e brilho natural, desde o castanbu
ato negro, e ao cmtrario de todas as tinturas conhecidas. tem um aroma agradabilissi-
m.i, que facilita o seu us.i is senhoras, ainda as mais difficeis. Afjiancam-se os seus re-
iidtados e effeitos inoffensivos, quer a appiicacfto seja limitada a barba, quer comprehen
da os cabellos da cabe$a.
DEPON1TO GGBtL
Pharmacia e drogaria
34Rua larga do Rosario34
PERNAMBUCO
P<;os (ubulares ioslanlaneos
DE
a #43^. *& AAau a
Estes poens que tem provado ultimamente muito
bem em todas es paries aonde foram collocados, em con-
sequencia dos aperfeicoamentos nelles introduzidos, conti-
nuam a vender-so por precos muito baratos.
A tratar na pharmacia drs Srs Maurer d C.: rua
,U ^^"t&f ^^^^ do Barao da Victoria (onlr'ora Rua Ho?a) o. 25 das 8 ho-
i^^fte
^.''jiy ras da manha ate" is 4 da tarue.
0D1L0N DUARTE & IRMAO
oABELLEIREIROS
Premiados na exposic,ao de 1872
RUA
Da
UPERATRIZ
. 81
{!. ANDAR.j

fewo


RL'A
a
IMI'ERATRII
!. ASDAR.
Acooam de reformnr o seu estabelecimfnto, collocan-ic-o nas melhores con-
iiccoes pnssiveis de bem servir ao pu blico desta illustro capital, e a"s Eimas. Sras. B'a-
ifniHo qoe for tendente & arte de cabelleiretro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homrns como para senhoras, tnpete, c&igncu.
.-.oqnes modernissimos, trancas, cachepoign, tecidut, ilisenhns cm cabellos, qoadrns Ij-
molares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho irnagitmol em carmlto.
O estabelecimento acha-se provido do que ha d melhnr nos mtrcados estrtv-
^eiros, recebe directamente por todos <-s vapnres da Eoropa, aasoas :: .immendas e Hf >-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 /<, menos que outro .f.alquer, garantin':-.
perfeicSo no trabalho, agrado, sinceridade e prf!;o razonvel.
Penteam senhoras, tanto no OSUbeiecauoMu conu fora ; vende-se cabellos -
porcio e a retalbo e todos os utensilios pertf nr.i ntes a arte de cahdleireiro.
ESSENCIA COHCENTRADil
DE
Premiada nas expo-
sicoes de Pernambaco
e Rio de Janeiro.
SIEDALHA DE PRATA.
(!.\0RS P*^**
MWIiw '3 prewtoo, na exn
w\ icac d.' V;rnna d'Aus
sulico I ,:':n-
r de m
Pela esrnla
Successi r de
ABISTIDE SA1SSET E. J. SOUM
Tratamento puramente vegetal veroadairo porifieadoi da mgof. sea aereorM.
A Esaencia de Caroba ts um remedio boje recookeeMe como um jv'deroso depur-
tivo e especial para cura de ti.das as molrnia? que teem a sua < riuom na imporeaa do sai>nn>
como sejam : as m. lestias Syphimticas, Bocoatkas % F-rnni-'^sAS, Biiecmat^mo, Empwcf.is. Dai-
TROS, ULCERAS, ERUPCdES, ETC. ETC.
Os prodigiosos effeitos qne tem produzi'o a Seseiirla !e Carona.por tod" r^r^
onde ella tem smo apropriadamente experimentada, a tem feito adoptar conn um /-is mliraii-i>-
tos mais scguros e mais energicos para a cura de todas as molestias de c.itur. a -yphilit""a
boubatica. .
A cada frasco.aconjpanha uma instraccao para a maoeuo dc u?ar.
Pomaiia anli-darlrosa
Contra as affeccSes cntane;!?, dartbroa, comicbSes, nc, etc:
L'BgiiPiiUi de un>ka-
Para cura das boobas, olewas, ehafas antig ic..rte.
UNICAMK.MK PRKPARADO POR
ROIIQUAYiiOL IBIAuS, EU0;,E' OBE^
Blaa ire*ia
22 Run do Born Jesus 22
ANTIGA RUA DA CRTJZ )
5ST^a^^m'lLJ

PBiSERVATIVI li EBY81PEL4
DO
Bacluirel Nanoel de Siqnejra Cavalcanti |p
Remedio fffl'-az. nao so para eorar qnaJq. er alaque da ory^o"!.*. MM
para impeoir o seu reapparfdmenlo.
A|.provado pplo G..verno Imp. rial, atb>-8S a iLpoticia di Pabiies
,com 3S repectivas ioatroecoaa, Mlesiadoa de pen is it taveis, e i

nT^fiSido grande reputacao.
Rocha Sioueira,
Depositos unicos.
ppcife:.rua do Barao da Viet na (ma Nova") n. 10, c. -.. I ?r.
Rio de Janeiro : COrtc, rua do Onvidor, 2. 78.
Gratis aos Pobres.

j
55
I I '
U b t
Constructor e afinaor il pianos
livia do Imper dor
Ex-aftnador das antigas e sfamadas cssas Ploy?l & Herz, e antigo diroc ksjiw
officioa da casa Alphonse Blomiel.
Tem a honra de declarer ao respcitav 1 publico desta cidade, qustem sh-rii
sna casa de concertos e afinacoes dn pianos, qualquer que seja 0 0 tado do intrn.nu.
A' mesma casa acaba de richer om grande sortimento de ptan^i doi a^lh
res fabricantes de Pans, como Frard Pleycl, Henri H>?r: os pianos sahidos da casa Dbibaut sao garantidos
Compra sc e recebe-se em troca os pianos BNoo*.
1
m
UND1CA0 DO BOWMAN
RUA DO BRUM N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhores do engenho e ontros agricultor*s, e compradores de W
< hinismo 0 favor de fazer uma visits a seu estabelecimento, para verem 0 now sortinit-i.
to compieto que abi tem ; sendo tudo superior em qualidade e fortidao : 0 que com a m--
tructjSo pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENQAO AO NUMERO E LUtlAR DE SU\ FUNDICAO
VapjOreS e rOClaS U agUa dos mais mndernos systemas e em tamaobof col-
venientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietariof e para descaroca'
alg- dao.
MoennaS ue Canna de todos os tamanhos, as melhores que aqui eiislem.
KOUaS QentauaS para animaes. agua e vapor.
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiques.
MaCniDlSmOS para mandioca 0 algodao, e para serrar madeira.
DOinbaS de patente, garantidas........
loaas as macllinas e pe^as do que se costuma precisar.
FaZ qualquer COnCerto de machini*mo, a preco moi resomido.
POrmaS Qe terrO torn as melhorese mais baratas existeotes no mercado.
dnCOmmenuaS. Incumbe-sede mandar vir qualquer macbinisroo A
clit-ntes, lemb'HU.io-lbes a yantaftem df fazeram as cnii^raa por iiiluilillio do
nut. ndi.ia, e que rii. qualquer B*WBiai*ladH pode Ihe* pr-star aiisi'io.
AradoB americanOS 0 ioatramentos agnc las.
ser morion* a sa-
por agoa, asnr
on aoisMjw.
-tot
;


6
D&riM a&mmmfo^~',?> fotmmfaL'&iw

iOOSOOO.
Gmifiea se com a quanta sunpra a quem ap-
arebender o escravo J &>, ce*dnpreti, crinul.,
que fusio 0 puller do abaix* ;idWfpia1<>, sea de-
pasii.rio. Presume se audar petiT nor* aa Pa
rahyua, Baumeiras^ de.ende 6 natural ; levou
aalca e cami.-a escan, chapeo de Manilha e umo
fede, alluia regular, 40 annos djuci mais ou
meuos de idade, rosto rej.ndo e sem barba, teua
oma marea de fenda era uma das pernas, e falla
de^cancado, mas com u.n pequeuo sutaque de ?a-
fo: quem o ajq>rehender leveo o, ou a rua do Vis
coode Ui: G'>yiuna n. 89, ou a rua Direita n. 71.
_________Jose Rodngues do9 Santos.
w- Aluga-se o armazem de reeolhar, do sobra-
do da rua dug Burgos n. II, por detr-z da rua do
Vigario : a tratar com Jose Febeiano Nazareth,
Tua da Praia n 20.
Famalicao:
A negocio de interesse, precisa-se saber de
Jose Francisco da Silva Quelhas, natural de Vil-
la Nova de Famalicao, resiJente em Pemambu
co em 1833 a 1831 : na rua do Imperador n. 75,
2." andar.
AnUiode Azevedo Villaroueo.
Pelo pres-'nH sao convidados os afilhados e afi
lb .das de Antonio de Azevedo Villarouco, falle-
cido ei. Portugal no mez de outuhro de 1873, a
apresentarem dentro do prazo de 60 dla a con
tar de-ia data, a certidao de sen nascimento, em
c-'a d.i abaixo asignado, testamenteiro inatituido
peio ditu fallecido, afim de que sejam devidamente
attendidos na partilha a que tern de proceder-se
com a pr> cisa igoaldade, de accordo com a d'spo
sicao testamentaria. Recife, 10 de setembro de
187*.-Man el Azevedo de Andrade.
Exmas. noivas.
Chamaros a vossa~atttncao para o novo esta
bekvimento que acaba de abrir-se a nia do Com-
mercio n. 22, denomioado ASSEMBLE.* DO
COMMERCIO onde ?e preparam nca- bandejas
com (.-rande variedade de bulinhos raprichosa
mente enfeitados, rambem se apmmptaro bon
quets.
Assemblea do Commercio
Meira 4 Lima
_____22 Rua do Commercio 22
Catharina fugio.
No di;. 28 de agoslo proximo passado ausen-
tou-se esta esrrava, a qnal tern os signaes seguin-
tes : e&tatnra baixi, rosto redondo, cor preta, oes
peqnenes, er-stnmam vender leite, aoda sempre
com nin eacetf qne Ihe serve de arrimo pnr sof-
frer de rheomatismo, ja e ilj*a e de oajao Cam-
bin a : quem e enconlrar, peguea e leve-a ao sitio
Cafcndd, strata deJoai.de Barros. que sera
. nfj.-ado.
Aliurarii-se
f. Boat casas do
IW da 1 i.i.vlla ;
T
can | n, na Cruz das Aloys e
a iralar com o commendador
Molequc fugido
For innate, moleque de 13 a li annos de idade,
prsto. baS'i enno do eurpo, ro^t. red.ndo, honi-
i '.i n e r..hello eoftado d fresco ; ausentou-
se na tarde e 10 d.. e rreote, com carri-a de ma
dapoli rat> a de brim de eftr, desbotada, chapeo
nassa nretn, eonduzindo um ferrule grand e
ui-. amarradode ire? tabiras, sobre o tieieo supe
kr andavs nltimamente com anas fendinb s.
Grati ea- e a qnetn leva Ij a raa da Aurora nu
mpro 163.
- *lujin se o2 anilare soldo dt> sobrado
da n.., en Unngel n. 73, todo reconstrui'io e
assi-iado, nuQ baslantes coromodos, cscada
iwl iri'Vnle do 1. aodar, c bem assim o
'; it.-! ; fi ndo n.uito
ta \-; ra a nova
p i-li.-.ves. esllo no estabniecinieB-
ihndos do tnvsmo pffdio, e p i ;. ihfsouraria 'las loterias com Anto
frrsro e mm excel-
prarn do mercado :
i

Restaurant
de Bordeaux
Abcrto trda a noite, uosdias de especta-
culo da coTipaiihia italiana.
Coaimcod
? ST. t
"dor J;.*, Fares
Ferrcira.
D. Maria Catharina Leonor de
Seixas Ferrao, agradece a lodas
as Pesso s que Ihe flzeram o ob
sequio de assislir ao euterro de
seu presado mar do, e convida as,
assim como, a todos os mais pa-
rentes e amlgos, para amistirem a
missa do setimo dia, que ha de ser celebrada na
igreja do reedbimento de N. S. da Gloria,-no dla
sextafeira 6 do corrente is 7 l|2 boras.
Francisco Moreira Pinio Barboita'
Francisco dos Santoj Macedo, Guilberme Fran"
Cisco Paredea Porto, Anna Rita Barbota Maeedo e
Maria Rita B rbusa Porto, assas sentidos pela no-
licia da morle de seu sempre lembrado sogro e pai
Francisco Moreira Pinto Barbosa, fallecido em Lis-
boa no dia I'.do corrente, mandam resSr missas
pelo eterno descanso do mesmo, e eonvidam a to-
dos os seus amigos e parenles a assislirem aquelle
sulTr. gin. que tera lugar na igreja da Mai de Deus,
sabbado 7 do corrente, pelas 7 112 boras da ma-
nba ; pelo que desde ja confessam a sua eterna
gratidao_____________________________
Um amigo do UnaoVnjUithermeJoaqaicndaCos-
ta manda nojabbado, 7 de novembro, celebrarho
Natraveaea'darua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-Be
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhanteB, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
MOFINA
Esta encouragado !! !
Ajjua mole em pedra dura
Tan to da ate que a fara.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mall
. Mcrivao na cidade de Nazareth -destt provincia,
convento do Carmo ama missa do setimo dia, pelo farror de vir a raa Duqne de Caxias n. 36, a con-
repouso eterno de sua alma, a qual tera lugar as & ctair aquelle negocio qne S. S. se comprometteu a
horas d,i manha" ; ruga, portantoy aos amigosW! realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
parentes do finado, se dignem comparecer a este
acto de grande caridade, pelo que Ihes sera eter
namente grato.
PARA
Natal-folia
.
!.-.' Rod i
de Souza (sou pro-
sen olds
^
;-. om h-r.iit ,i. diso r.dn ainda
' at| iwnpo, se prupde a fa*T a)goma*e
-. vi.ini por partidas dobrtdas eu sim-
(ain por tflVciividade ou ii;r.-iii.> tempo
..... A iMii?.. pratira adqoinda nesSe
ifti a |- rfeica. de 9fQ trabalbo, e a
rte, -em dovida, tatisfari a qurm Ihe
-.tv.c .. : qn. m precisar milisar-se
i i, pod deixar Dota na loja do Passo,
>me .' Ingar para w>r pn ciind .
n-i i-o i.c f'iila UchOj Cavalcantn
i i >^ r liar Cum nrgen :ia : ua ru,
narco o. 16, 1" andar
r
i. i
i*i
.;, -.| 1!
A ri 'h,i
. d.
li ' .i
bsixj i .
: '-C - !>
nho Santos Mendes
nj DE i.BMIFICflCAO.
fnmda d ?de 20 de dezembro de 1873,
r- -i;t s Mende ecmsrea de Nazarelb,
'!"''. ciiii!-aein. a i'-c r.va Maria, creou-
- i,'e idale ,>oaro mais ftp men f,
a eor nreia, r..?io atquebrado, \\f?
i adi -, ten> cabeHos branco^.eanela-
-, I.
. -
-
}' '
tr-. qilern
et >< a eu don i, que e o senhor do enge-
nh -ei" <, Lioreniino Giiines da Conha Ptreira
> Recife, larg, do Corp" Santo n. 19,
pi ru 5i.t.r,8erarecomt,el;ado com a quantia
gnaej cabellodus n aneixo, e e hem
ia de beber apnardente e assistir a
I! t da a profcabiliIxde de que e.-ie-
i r algnem, e desde ja pr-iesta se eon-
liver acollada. A pewoa'ine entrejtar
eu don
Da f.'Sta todo< desejam
Ver o dia resplendente,
Dia que nos leva a mente
Do infinite as alluras :
Oade.oa anj's o amor beijam
E a caridade festcjam,
Teem as aUnas sepnrturas
Nas estrelias que flammejam !
E nesse dia em que tern
Do iubilo rasgar o seio,
Saindo Ihe bem do meio
A c;at' ra da alegria:
E' preciso que os araantes
Da pnra gastronomia,
Venham ja e quanto antes
Do Campos ao arm^zem.
Porque so assim terao
A sciencia do prazer :
Coiner bem, melhi.r beber
Sem receio da maldade
Nein da vil fUpersti^an,
Q e jamais consesnirao
Supplant r a lil.erdade
Nos carcercs daio uisicao I
Ra.i i> Ifflpcfadoi n. 28
Do pr zerviva o requinte
Alrgre corro o trovao,
E da mesa a descrffcio
Beparem : e a seguinte :
Mesa giganta.
Presun'i.is, fiambrw, pains, chouricas.salcl.ichas
e Imguira; ; lombos de pors-is e de carneiros ;
ave3 em coreerva*, pe ixes e toncinho ; camaroes,,
ostras, lagostas e cce nos com hervilhas; cooserva-
legumes e champignons ; queijos flimengos, pra-
los e londrinos ; doces em calda e de goiaba ;
fructas em conservas, passas, amnndoas, nozes e
ameixas ; alctria, talharim e mac&rrao ;_ararnta,
topioca e cineoenta qualidades de massas finas e
nulrientes; clia, mat--, cafe e ch colate francez,
hespanhol, portognez e nacional ; bolacbinbas,
b. linhos e coofeitos, manteiga ioglezi e franceza ;
banha, arroz, batatas, cebollas, alhns, cominho-,
pimeaia, mo^iarda e molho inglez ; cervejas, ci-
dra, champagne, cognac, genebra, hesparedina,
fitters, lisores e aguardent^ de catma ; vinhos
de Lisboa, Figueira, Careavellos, Collares, Bair-
rada, Basics, Purto, Borgonha e Boideaux ; ci-
g.-.rros, charutos e uma grande (giganta ? ) quao-
tidade de victualhas raras e excitantes, nao fal-
lando nas especialidades dos preparados franeezes,
allemaes, ingl^zes, lur.-os, cbinezes, hollandezes,
tialianos, prussianos, hamburguezes e ameiica-
uos !
Alem do que:
Encontra-se um immenso deposito de no-ida-
des, como sejam : velas turada<, (?) Orcidas (I) e
de ecores, hilhas, qunrtiuhas. e outros mui-
toa objectos de grander phantasias ; assim como o
maravilhcso nieo de mn.amona preparado expres-
.-aii ..nie para eombaiera giganiomania e appla-
Ci.r o systema nerveso I Ver para crer.
Distrdcqoes:
6 PMI
^r
A
'd-
^a lu sobrado a. 1 da ru'j do
re : in ?eu proptietario, a rua do
Pilluias Catharticas
de Ayer.
Para todos os effeitos d\
tim remedio lazaota.
Nao ha segnramente, un
remedio tam aniversalment
procurado como um cathar-
tico ou purg into, a nenhura
outro tem siao '"
do tio usado em
lodOi os fi './.t e por todas a? classes, como estas PILZTT-
WJAB, S"b "^^s efficazes. A razao i evidente, formao
m i nnadi i i. uito mais corto e efficaz que nenhum outro.
Aquell oa teem ensaiado sabem que se teem curado
I iiue nao 03 ensaiarao sabem que seu9 amigos
vt"'1 em eurndo, e todos conhecem que o resultado
tra "> tirara todas as vezes, e qae as PIZZTT-
JtAf n liSo por conscquencia de ernfrou negligencia
I | i..5o.
T< i' sobre milliares de certificados refereotcs as
I .- nue hao effectuado estas pillnlas, nas ntojes-
Hai \ i' la jiH'ncir.i.nmo.-, por^-m sendo tuea cums
con!; >cl .-. .Ja a pnrteaonde teem penetrado, des necet- '
t&r t pu'tlii l-os aqui. Adaptadas a todas as idades e a '
tod:,- < )ndi .6 -, em todas as climas, nao contendo calom-
elan i no 1 otrra .jualquer droga deleteria, etlas podem ser
I Iquer pessoa com toda Beguranca. Sua
'"I oonserva sempre frescas/e as tonia gosto-
ndo tambem puramente-vegetaes, nft> po-
dem re ]'os prejudiciacs se por acaso forem tomaaaa
em ./o de -iada-_ 0 papel que serve de coberta para
ads \*Mro ''irec^oes minuciosas com rclacao as secuin-
l as riZZULAS CATHARTICAS rapi-
dan. ..': i- Para a Dyspepsia ou Indigetiao, Vi-
plir Tttidez, Falta de Appetite, devem ser
ton-, ?i moderada a fun de cstimular o estomago e
r. '. r : Tinccaos saudaveis.
Para .1= n .., do Figado e suas diversas symptomas
^u.. fllift Dor de Cabeca, leterlcia, Col-
teo I.'"-., e I rbrei Btliosai, devem e -tomar tambem
bio'ci adami >j era cado caso, para cort#(Jr a accSo viciada
ou remover < ..'.-taculos que a causao.
Paraa i-., t-ria ou Diarrhea, 6 geralmente bastante
%ia:\ 'lose p qn inn. -.
Para III ., ,. .iiUmo, Ootta, Arreiai, PatpitaeSo d
Co: r~-t l;-r.s mat ilhmrgme ou eosta*, devem ser
ton Ian con'innadManlK ate alterar a accSo dos orgaos
disregulad ie =orte que a molestia disappareca.
Fu... ,, ,rnin e Jn<0meSe Hydroptcmt, ( preciso
tom:^]-r.s rri".'iei.temente e emporcdes assas rrandes para
pcod";r o -" '"< de um purgativo drastico. (ximo Diges
Mvo para o i--.-iinr ou comida, toma-se uma ou duas para
prr-nover n dig. tao o ajudar o estomago. Uma ou duas to-
miut de >'.; cr- quaudo, ralimnlao ou estomago a obrar stvn-
- 4av,,mente.
^ubu|ul-i' que se. acha regularmente bom, tomando uma
ou -. pUlnlas se achara, muitas vezes, decidida-
Bwat' rr;" -, ^p^ o'-e]1'' ''ivt^i
Os amantes das pnlortras e boa pinga, encon-
trarao no fundo do estab^lneimento, alem -de mui-
[' fresco e agua fria, banco? macios e mesas as
seuda.., des inadas ao .-erviQo dos lunabs, que os
m:sm.is amantes poderao saborearcm ao som ma
vicso de uma elegante musiea compostt dos me.
Ih'.res cantires american^s e q^e sio coadjuvados
nor ama bicharia domestica e interessante.
Moralidadd da cousa.
E' immenso o sortimento
E se veode pelo cusio,
Pelo que e muito justo
So ao Campos coroprar ;
Vi;to que e nm portento
Dos generos o paladar I
Signaes de Raymunda
50#000.
Contimia fugida a parda Baymunda, de cor
clara, approxinando-se a branca, de 16 annos de
idade, grossa do corpo, cabellos corridos, corta-
dos curtos, nariz e bocca pequenos, desdentada
na frente, bem fallante, repretentando pelo seu
tndo ter mais idade. Foi e>crava de Henrique
"i-
,do
ngenho Minh. cas, comarca de Santo AntSo.
Hroiesta se nsar de todo o rigoi da lei contra
quem a liver occultada, e gratitica-se com a
juaotia acima a quem a jevaf ou der noticia
certa da mesma, na rua larga do Bosario n. 28,
ioja.
tins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passon i.fevereiro e abril do 1873, e nada cemprio;
por este motivo e de novo chamado para d
am, pois S. S. se deve lembrar qne este necoci
da mais de oito annos, e quando o Sr. sea fllho
achava nesta cidade.

E. A. DEL6CCHE
24-Rna do Mafpex de Olinda-24
Esquiua do becco Largo
Participa a sens frrgnetes e amigos que mudon
o sou estabeledimento d..- relojoe'ro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao nm grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e eima de me
sa, dos melhores gostes e qualidades, relogios do
algibeira, de todas as qualida es, patente suisso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaqnel), relo-
!;ios de onro, inglez, descuberto, dos melhores
abricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata, lunetas
de todas as qualidades, tudo por prejos muito ba-
ratos.
Carros de luxo.
f" E' inqnestionavel qne a cocheira da rua do Bom
Jesus n. 15, de Joaquim Paes Pereira da Silva, e
a que tem as melhoies berlindas, caleches, meias
caleehes e Victorias de luxo, proprias para qnal-
quer noivado, visila du etiqueia, bailes, e acrcs
da academia, sendo o.> mesmo.' ajaczados do ex-
cellentes parelhas de animaes, arreios luxosos e
bolieiros com fard.mentos do ultimo gusto, para
o que se convida ao publico a vir por si mesmo
scientiGcar-se da verdade do que deixamos dito,
certos de qne nao encontrarao pomada e sim rea
(idade, e coromodos preg..-
AfoA
PfcAnl^rar* cozilfcaf :
a%ffc^ a'VaWova 1 ll
Ioja.
?M*
AMA
Pretisa se de uma ama para en-
gommar, para easa 4c famdia : a
trawn na nra do Hospiclo n. 46, casa lerrea de
bolas amarellas.
Na rna Direita n. 79, pri-
Bieiro andar, precisa se de
nirta ama ftfrra ou escrava,
para o servico de mna casa de familia de duas
pessoas.
A rna. Precisa de uma ama para cozinhar
jxw.<*e engommar para casa de rap^z sol
teiro : a tratar oa raa Direita n. 139
Ama Precisa-.'e de uma ama para coxinhar
j*.iu.t* em W8a je peqnena familia; prefere-
se raulher de idade : a rua do Marquez da Oiiu
da n. 21, andar.
Precisa se de nma ama para cozi-
nhar : na praea da Independencia m.
14 e 16. ^
Precisase denma arr.a pa-
ra casa de pcquena familia :
a tratar no largo do Paraizo
n. 78, I" andar.
Ama Precisa-se de nma ama para lavar e
iima engommar : a tratar na rua 1 Je Marco
B. 16, andw.
Arn Precisa se de uma mulher para cozi
m** nhar para casa de homem solteiro : 4
rna do Dnque de Caxias D. 75, Ioja.
A ma Aloga-se uma ama para todo servico
^iixia ,je ama ,.asa ,je p0nca farajija : a rna
do Qneimado n. 70, l. andar. iilTr
tamis
Cotnpra-se uma mela comtnodi e um'gonf-
Ama
AMA
Deseja-se fallar com o S"\ Joao Leite Torres
Gallindo, a negocio de nm amip que quer ser in-
formado: a tratar no armazem do Campos, rua do
Imperador b. 28.
Boa moradia.
Vende-se um excellente sobrado, com uma
c&sa pequcna cont'gua, silas no Pogo da Pa-
nella, rua Real n. 30, com bons commodos
para umi familia grande, tendo diversas sa-
iaj grandes e muitos qu.irtos, .todos com
janellss; quartos para criados, cocheira,
eslribaria, grande copi*T, ,casa de banho
e jardim de cada lado. A casa esta em-
perfeito esta lo, e esituagSo.e" a mais fresca.
a saudavel po?siv.-l :a tratar com a proprie-
taria D. Maria Purcell RauJinson, na mesma
casa.
Pereira de Mello, do municipio do Bonito, vendi
J depnis a Joao Correia de Queiroz Monteiro, di
lajx^fre.
- Precisa-se de um menino de 12 a 14 annos,
profere-?o nacional, sendo do matto : a tratar a
rua Dir<-ita n. 130.
Yende-se ou aluga-se
"Wa cidade da Escada uma casa com arma$ao
riar.-t Ioja ouTuatro qualquer estabeleciraento
muito afregu.zada, e sendo um dos melnores
nontos deste me/cado, lendo duas frente?, na rua
lo Commercio u. 8 : a tratir na mesma.
rEzrajUDAS po
J. C Ayer & Ca., Lowell, Mass., 15.tr.
VBNDE 9E POR
Escrava fugida.
Josepha ?u-enton se da casa de sna senhora
ne dia 5 de ontubro e tem os sigDaes seguintes :
crionla, c6r preta, representa ter 23 annos ponco
mars ou nienr.s, tem os dedos da mao direita
ortadi.-, levou o taboteirn em qae andava ven-
>'endo cangica e contimia a andar com 0 dito ta-
bnleiro com toda lonca para nao set agarrada,
levon ;aia de chita com um babado estreito em-
naivo, traja camisa com labiryntho no talho e le-
von chiles preto : roga se as auteridades polj.
ciaes on capiues de campo, a apprehensao da
ijita escrava e leva la ao Caminho Novo, sitio n.
HO, a sna senhora, en na rna da Cactmba, pri-
meiro andnr. a entregar ao Sr. Joao. Francisco-
Lette, qne sera generosamente reeonyensado.
Liquidacjk) de bong livrvS.
Esta se liquidando per pregos untliwimoe com.
modos e baixos, exeellentes obras de qlreito, phi-
l^ophia, litteratura, anlhropologia. e -ftographia,
pertencentes a uma pessoa que se^otjra para
Europa, no corrente mez. A" "
se,rtta.do herador n, 71
O Monte Lima
tem nm compleio sortimento de> galSo e franja de
onro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoaduras douradas para offlciaes, canutilbos e
enfeites para bnrdado. Tambem se enearrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, ehartateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e donradas, para criado
etc.; assim como um completo sortimento d
ranjas, galio fal.-o para ornamento, cordao de la
com borla para quadros e espelhos (conforme o
gosto da encemmenda) tudo por muito menos
pre(o que em outra qualquer parte: na praca da
Independencia n. 17, junto a Ioja do Sr. Arantes.
lions pianos.
oJegados de novo. -
Vende-se.
Troca-te.
talnca-se.
Do armazem do vapor francez, a raa do Barao
da Victoria, onlfora Nova a 7.
MOBILIAS
de vime e de fnia.
Vende-se muito em conta ; cadeiras avulsas, de
balanco, de bracos e de dobrar : no armazem do
vapor francez, a raa do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n. 7.
Perfumariae.
Finos extractos, bankas, oleos, cpiata e pos den-
trifice, agna de flor de laranja, agna de toilete
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
crosmeticos, muitos artigodelicados em p'rfnma
ria para presentes em frasccs de extractos. caixi-
nhas sortidas e garrafas de differentes t. uanhos
d'agua de Cologne, tndo de primeira qn.ilidade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Cuudray,
No armazem do Vapor Francez, a rua du Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artlgos de differences ^nstus r
phantasiaa.
Espelbos, letmes, lavas, joias d'ouro, tesourinhas,
canivetes, caixmhas de costura, albuns, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de velludo,
dila da eouro,- e cestinhas para bracos de meninas,
chicotes, bengnlas, oculo, peauinez, pouteiras para
charutos e eigarros, eseovas, pentes. carteirinha de
madreperola, lapete para lanternas, malas, bolsas
de viagens, venesianas paTa janellas, esterioco-
pos, lanternas magicas.eosmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagalelia, quadros com paisagens
globes de papel para ilramtoacoes, machinas de
fazer eafe, e^Janadftres de palhas, realejos de veio,
accordaos, carrinbos, e "befcos para crian^as, e
outras muitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade ane'-se pode desejar de to-
dos os brinquedos fabrteades em differntes partea
da Europa, para entnetrmentos das criancas, tudo
a prectw mas!resnmidos que e possivel : no ar-
mazem do Vapor Franctz, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Calcado francez
A %
Botmas para homem
Acabam de chegar'grandes jacturas de botina:.
de bezerroj de cordavio( de pelica. de duraqut
com biqueira, de bezerro com botoes, e com ilho-
ses a 9j5WOO (a escolher) por ter vindo grande
quantidade pnr conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Barao d*
Vietdria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores. diQerentes
i lisas, entoitadas e bordadas.
SAPATLNHOS de phantasia com sal to, brancos,
pretos e d)c6res differentes, bordados,
SAPATOSde lapetes, chariot, castor e de tranca
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cdres differentes,
lisasj enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOSdadiversas qualidades.
3APATOS de tranca portuguezas.
Para meninos.
BOTINaS de bezerro, lustre e de corda/'So,
4BOT1NADOS e sapt5es, de bezerro, de deversas
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Guilherrae, perLir
meias perneiras para homens, e meiaa perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a raa do. Barao
da Victoria n. 7.
da louca true estejam em bom nso
phia se dira quem precisa.
nvsU typwgr*
li
nma casa na villa de Barreiras, oa rna do Com
merc:o, uor preco lno Irmios & C
rwk%
Grande descoberta
Curative das molestias do
peito pelo
Xarope de snlphitt]> de aoda
A. BtiRMKT
Bate importante medicamento que acaba de ser
reconbecido pelos distioctos Drs Zalloni e Paras-
;hevas como um verdadeiro espeeiSco contra a
phtysica, segundo nrovaram nos grandes nurae
ros de casos por elles experimentados, como se ve
oa wssao da academia de Paris de 24 de marco
lo corrente anno, encontra-se nnicamente no
Deposito da i harma'cia e drogaria
de
Rurtliolomeu 4k C.
N. 34 Bna larga do Bosario N. 34
Sedinhas a 1^500 o covu'do.
Venham aater que se acabem : na Ioja do Passr
a rial.' de Mwrco d. 7 A.
WHbtKr31o*'e & C. vdntem" no sen armaxa*
a rua do OoUftnercia n. 15 :
vwdadefro patano de alg^dao axul amencana
Sxcellente Ho Je vela.
Cognac de 1' qualidade
Vinbo de Bordeaux. '' *
Carvio de Pedra de today >s Cheguem d grande pechin-
cha
0 Desengano e3'.a" vendendo pelo baratis?imo
preco de 500 rs. o covado alpacas do la e seua,
fazenda mnito Ona e de lindos padroes, fazeoda
que. muitos vendem a U200 o covado ; 6 grande
pechincha ; cheguem a ellas antes que so acabem :
na rna do Crespo n. 25, junto a Ioja da esquina.
0 Desengano esta quei-
mando
0 proprietarto deste estabelecimento tem resol-
vido vender as fazendas existentes em seu estabe-
lecimento, por menos do que em outra qualquer
parte.
Bretanha a 20$ a pec,a
0 Desengano esta vendendo pelo diminuto preco
de 20j a peca, brftanha muito Hna e com 25 varas
cada peca ; e grande pechincha.
AlpacSo a 866 rs.
0 Desengan > e*ta vendendo pelo diminuto prej
de 800 rs o covado; e ta fazenda de lindas core
e padrSes, e fazenda que muitos vendem a lJSOO
o covado; aproveitem.
Cortes bordados a 59
0 Desengano esta vendendo pelo barato preco
de 5/, um cone de cambraia bordada, branca e de
eores, e pechincha ; e fazenda que muito? vendem
a 10*000.
Madapol&es
0 Desengano esta vendendo madapollo francez
com 20 varas cada peca, pejo barato preco de 4|,
e grande pechiacha; ditos inglezes 9 fraucezes,
Gnos, a 5, BJfOO e 6* a nega; aprcveitem.
Organdy a 320 rs.
Organdy branco, de listras, fazenda muito fina,
pelo diminuto preto de 320 rs. o covado ; 6 gran
de pechincha.
Cambraia arijo da mcia noite
Vendejeesta linda cambraia.peo diminuto pre-
co de 3f 500 o eorte ; aproveitem que o Desengano
est aqueimando.
Las
A 160 reis o covado
Bua do Queimado n. 43, junto a Ioja da Mag-
nolia.
Lazinhas a chineza, padroes modernos, pelo
modico preco de 160 reis o covado.
So Q-43._______.______________________
Venle se uma ca.-a em aberto, na ladeira da
sica de S. Pedro, na cidade de Olinda
bica
com 33 palmos de.fr ate e
e se vend.; por barato preco :
Duque de Caxia* n. 91.
grande
a tratar
quintal'
na rua
Leques grandes h modernos.
Na Ioja do Passo, rua 1- de Marco n. 7 A, de
Cordeiro SimSes & C.
Breu, breu, breu
No armazem de Jorge Tasso, rua d- Amorim n.
37, e no caes do Apollo, ai mazein de farinha de
trigo, do rommendador Tasso.
Oi
l^eiKfe-fie"
Loja de fazesdas
DA
Aos 5,000 covados de la
A I6<> rs.
Na loja do Pavao vende se lasinhas de muito
bonitos eostoj e delicados padroes, fazenda nova
no mercado, pelo diminuto preco de 160 rs. cada
um covado ; quem deixara do fazer vestidos de
14 tao bonitos e por Uopouco dinheiro? Forne-
eem se as aamMraa: na rua da Imperatriz n'nme-
ro60.
Allencfio.
Vende-se a tavern a e a casa propria junto a
estacao do Caxanga : a tratar na mesma.
Vende-se uma casa da pedra e cal, oitoes
dobrados e frenle, em caixao, tendo 30 palmos de
frente e oitenla de fundos, grande,quintal ate a
gruta: a tratar na rna do Commereio it 8.
Toda atteoejio
Retalha se, cm frente para a rua da Amizade,
sobre 191 palmos de fundo, uma porcao de optimo
terreno para edin;acao, tirada do sitio contiguo
a igreja de S. Joe do Manguinho, dj preca de
50* por palmo. Aquella frente e toda murada,
bem como a parte posterior e a lateral extrema :
os preu-ndentes pjlem entenler se com o 9r. Dr.
Wiriivioi
Vinho superior
Na rua da Impera'riz n. 67 acaba-se de receber
excellente vinho do Porlo, em barris de 50, 75 e 150
garrafas, e vende-le muito barato, garantiado se a
qualidade.
- Tendo-se deseocamlnhado oa taffies ns. 7,618
e 8;961, pertencentes ao segnro de vida no ban-
co Uniao, da cidade do PotIo, em Portugal, a favor
do padre Jose Lopes Dias de Carvalbo, falteeido em
22 de novembro de 1870) nafregae'ia de Santo
Antonio, de Garanhuns, nesta provincia de Per-
nambuco, seu pai e herdeiro Join Rodrigues Dias,
residents no lugar de SamaiMla, fregnezia do
Pombeiro, julgado de Arganil, no dito reino de
Portugal, assim o. faz publieo. caamaado qualquer
Interessado aos ditos talSes para que no prazo de
36 dias, contados da data desta. publicacao, o ve-
nbiro reclamar na mesna eMade do Pcto, euao
of caber do dito banco.e,qua se-Uqaidar d*de o aoao
de 4870 em qne finalisou o segnro
Aluga-se 3 ca-ns terreas,. undo dus com
. 80tio e nastantes commodos, a rua do CapitS'o
Papelarta Parisien Antonio de Lima, em Santo Anjaro ; trata se a
' Hm da Aurora d. 105,
Fngio no dit 7 de setembro o eseravo do abai
xo assignado, com oi siguaes seguintes: Egidio,
cabra, id^je de^W *nads, cabelloa carapiohos,
olhos aboUtado?, altura regular, r5sto um tanti
cbnpado, bercos grossos, bocca regular e um
Unto bieuda, eate'ga pequen'a, orelhas regulares,
bracos, a mesma cousa, pernas regulares, tendo
a esquerda e o pe inchado, por Ihe, 4ar.erysipela,
nariz regular, e bom trabalhador (de olaria. e
tambem S boleeiro, e natural desta cidade do Be-
e Je, e foi comprado ao ex-;apitio dn-p'.rto detla
pri.vincia, Josd Joaqim da Silva Jaeqnes : roga- o
abaixo as-ignado as autorkjades policiaes e ca-
pitals de campo e de navios, a sua captura e Ie
varem-no a pnvoaQSo dos Afogado3, quo serao ge
nerosamente recompeosados.
_______________Jos6 Buarque LCisboa.
Alnga seoi'u 2-andares da casa n. 19 da
rua do Nogueira, juntos on aeparados : a tratar
na rua. do Livraqjento n. 21, andar.
AO COMMERCIO
Jose Ferreira Braga, socio da flrma Maaoel
ose Tinocode Souza, declara que tendo' entrado
m lijuidacao a dila firma, acha-se elle encarre
gado da mesma Hquidacao.
Vende-se a loja de cbapeos que foi do falle-
cido TfaaquHiao,-4 rua Dire.ta n. 61: a tratar
a raa do Bom-lesus n. 50, armazem.
BAZAR
FAMIJLIAS
Rhi Duqne de Caxias n. 60 A
Grande queima.
Corram a pechincha I...
Riquisimas aatiidas de baile, de 15, para setb
ri. Verdadeira novidade no mnndo elegante !
Capinhas de la e sda para senhora. Ccu-
inteirauente nova I
Exeellentes cachineis de la e seda para sent
ra?, por 5*500.
Casaquinhos de gorgrao preo de seda, ri*;.
rnei.te bordados, |>< I diminuto prc^o de lO^Otx
Excellente acjuisicaoo 1
Cbales de seda a 12/. Baraaataaa I
Grosdenaple preto a 11200 o covado.
Popelinas de seda a 2i o covado.
Faia de seda. fazenda moderoissiiia, pelo ecu.
modo preco de 2/500 o covado.
Popelinas de seda, objecto da ultima moda, ;
1/ o covado I
Dilas de linho com listras c agradaveis pa
droes, a 410 rs o covado.
Cambraias transparent.;?, fazenda mui flna e a
grande procura, a 6>."00 e 7& a peca.
Alpacas de seda a 1/ o covado. Grande pechiL
cli a I
Granadmas de corns com listras assetinada.v .
800 rs. o covado. \ ellas emquant." restam 1
Cambraias bordadas a 1/liO o nutro.
1!'ch.- i .ilmai-L-r, bordadas com esmero, a c's
cada uma.
Tapetes para sofa, grandes e pequencs. Padroe.
especiaes I
Ditos pira portas.
Ditos para cauia.
E outra artigos para homens, se-hcra>
criancas, os quaes artigos nao se mencionr.m par;
nao mas*ar-s leitoras, amantes do bom e do barato, e entii-
sia?tas da grande virtnde domestica a ecos
mia I
Corram quanto antes a grande pechincha,
freguczes I
Vinde ver, enmpvar e admirar 1
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Car I
n. 63, receben desta necess^ria linha.
cigarreiros
Aos
A NOVA ESPERANCA vende papel Je
proprio para cigarr.s, do dafSJBM larguras.
llQh
Os Uerdeiros do Mlocido commendador Jose
F. P. da Srfva, reeolvepanf'vender o engeoho no
vo Santo Amaro, sita b fnetuezia- de Jaboatao,
foi luvantado o anno paaaalo, e moe com agua :
quem o pretender pode ir correlo e entender-se
com Ignacio F. P. da Silva, tnorador na mesma
villa de Jabnatao.
Gama & Silva Brit >, vendem manteiga in
gleza era barril a 800 rs. cada 430 grammas. Vi-
nbo Figueira das melhores marcas a 440 rs. a
^arrafa. So no l.irg. da Santa Ucnx ns. 2 e 4.
Gama & Silva Brito, vendem vinho do Por
to, lino, em barril,,a'800 rs: a garrafa e engarra-
falo a 15 a garrafa, Venham aa largo da Santa
Cruz ns. 2 e 4,
Gama 4 Silva. Brito, vendem g&i liquido a 210.
rs. a garrafa, azelte doce dc Lis >oa a 610 rs. a
garrafa. E* barato, no largo da Santa Crut ns.
2 e 4.
Gama & Silva Brito, vendem velas steari-
nas a 560 o maco, viauo de ma;a, sup-n ,r, do
mais purificado saber, proprio para senbera, a
1/200 a garrafa. Venham ou raaudem ao largo
da Santa Cruz ns. 2 4.
Aluga-se
o segundo andar do sobrado silo a ma de Pedro
Affonso n. 59, com agna de Beberibe : a tratar a
rua do Vigario n. 31.
Attencao &
Vende-se doas sitios pequenos bem J$
plantados de fructeiras, com casa de mo- ^
K lada, sendo nm oa Capunga, fregnezia de 5
W' N.- & de Graca, e o outro no Fundio, em ^
jgt Beberibe: quem os pretender, dirijs-se a A
* do Rangel n. 48, que ahi achara com *
I
rua
qoem tratar. a,
, Ados ecxames,
Nem ha lugar mais apropriado para solemai-
ler^e oi aetos e exames qae se eatao agora
fazendo., do qne na ^^^^^
- Aluga-se o primeira andar da casa da rua
do Torres n. 8, propria para escriptorio, on ponca
familia: a tratar no segnado andar da rua do Mar-
lpie*' Vende se ou pennuta-se por casas na ciuaae,
um bom sitio em Beberibe, com casa para familia,
tendo bastaates arvoredos de fructo e casa ree^i-
ficada : a tratar na raa Nova n. 46.
Ghoeolate do Mtaranhao
Unico deposito nesta cidade, em casa de Jos<
Tavare9 Carreiro & C, raa Direita n. If, onde s*
vende petee proeos e vantagoos da fabrica.
Alpacas a 400 rs.
0 Desergaon esta vendendo pelo diminuto pre
co do 400 r- o covado, aiaacas de la e seda, d
lindos padroes, fa .-mla mui'.o fina e larga, qut
sempre se ven ieram per 1/200 o covado, e par
I acabar; a alias antes qne se acah m : na ru.
Priuieiro de Marco n. 5, junto a loja da bsqbiiu
Asunicas verdadeira*
BichasJiamburguezas qne vem : aaaaaanuu
oa u; da Marnuez deulinda .51
Farinha domandu^ca supe-
rior.
TSm para veader, Joaquim Josd Gon(al-
ves Beltrao & ftlho, a borao Xlo palhabou
Roiila, fundeado ao pe do caes doCollagio,
e para tratar a bordo ou uo seu escriptorio .
& rua do Commercio a. 5.
Ghoeolate hespanhol
mnito liao, tem para veuder na Assemble* d.
Commercio, Meir* & Lima, rua do Commereio n&
me.ro 22. '01'
Leques e flares
Amarai. Nabnco & C, receberam leques de ma
dreperola, branco e queimado, de differentes ceres,
de marfim e de tartaruga, lisos e lavrados, sao
elegantes e proprios para bailes: veudem no Ba-
zar Victoria, rua do Barao da Victoria n. 2.
Vende-se at seguintes casas : duas na rua
do Visconde de Gayanna ns. 20 e 22, oma dita em
S. Jose de Riba Mar n. 35, nma dita a rua dos
Pescadores n. 4, e um sobrado na raa da ResUu
racio n. 54 : a tratar na rua acima n. 16, das 6
as 9 horas da manha.
ATleiH'ilo
Vende-se por todd preco a taverna sita na tra
vessa>da rua do
cipal : a tratar na
Veade-se a armargo e perteneas da fabric*
de cigarros da rua das Trincheiras n~43 : a.tra
A 120 rs. ocovadt.
Na raa da Imperatriz a. 60, vende se para aaa-
har umi grande quantidade de la-, restos de di
*ersos s riimeetos, desde 120 r.-.. ate 500 ra.; c
tando-se qne, qnando bavia soitimentos eeipbj
tos, se vendiam a 1/280 e !/60o o eondo, na
grande variedade em padrSes, os que primerr
chegarem melhor pechncha farao, a ella a raa da
tmperal-iz n. 60.
Cal de Lasboa novissima
Vende se em grandes e pequenas porcoes : aa
rua Direita n. 14.
Agora sim, boa ocrasiSo
Gema cV Siva Brito, com armazans deaaalaados
no largo da Santa Out ns. 2 e 4, vaadoa gaa
(Devoes) liquido a 240 rs.a garra/a. vinao ausca
tel do r>mro a 1/200 a garrafa, wfe do Ria, de 1*
sorte, a 320 rs cada 450 grammas, cba atjofar,
nperior, a 3/ cada.450 grammaf, manteiga iogle-
za em barris a t00 rs., 1/ e 1/100 por cada 450
grammas, vraios do Porto, flnos, por precos ban
lusimos, vinbo Ffgueh^ a 3/600, e muitos outre*
artigos quo se torna enfaconbo mencioaar. Os
gentros comp-a1o emnossos irrriazens aerio con-
Principe, denominada Forte Prln- dotldos a casa (krenmpaador, gratis; aprnveltem :
ia mearna, _______ m, largo da Santa Crarna. f e I,. annaaas de
Gama A Silva-Brltn.
Vfende sea tlvern* da rna'di PonW VWaa
tar no pateo do Carmo n. 3, oa na raadas Tria- jm Ij propnapara prlnciphtnte porter nonces fjlj-
eheiraj n. 1, garan.tind.o-se flfcarM casa, dos : a tratar oa mesma.

Rua do Crespo n. 20.
Las de cores miodas laailo boa* para raapa a*
meninas a 160 e 200 r*. o covado.
La pretas, superior, a 100 rs. o eovado.
Alpacas de cores fins a 320 e 390 rs. o covad.
6 se veado.
Ditas com lisfr'as aberta?, farenda flna, a 600 rs.
covado
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Metros de cores miodas a 280 rs. o covado.
Cretones, o mclhor qua tem vindo aa mercado
400 e 440 rs. o covado
Cambraias brancas, bordadas abtrtas, fazend;
mais flna que tem vindo an mercado, e fazend;
de 2/000 o metro, por 1W00 a vara ; e p*
cbJncha,
Ditas pretas com flores mindas a 200 ra. o covad..
Cambraia transparente, fina, a 3/ a peca.
Dita Victoria, fina, a 4/000 a peca.
Organdy de assento branco e de cores, ecm fl.
res mindas de seda e de 13, a 100 rs. o eovaao
E' pechmefia.
Cortes de casemira de cores modernas a 5/50T i
corte ; 6 fazeoda de 8/. E' pechincha.
Camisas de linho finas, lisas, a 33/ a dnzia, e fa
zenda de 55/.
Brim branco de linho a 1/400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolao francea verdadeiro, It jardai, a (/
7/ a peca.
Algodao T, largo e superior, a 5/ a peca.
Gorgorio preto de seda para vestido e para coUeu
a 3/ o covado
Toalhas alcochoadas a 4/890 a datia.
Colchas grandes a 3/500 uma.
Cobertas de ganga, torradaa, a 3/.
Lencoes de bramante a 2/ nm.
Lencos de linho, abainhados e em eaiiinhas
3/500 a dnzia.
Ditos de caca de cores abainhados a 3/500 a do
zia
E outros muitos artigos qne se vende per m*
nos do que outra qualquer parte e para se de>
So na lorem queiram mandar ver as amostrat
enganaja de
Giiilherme & C.
S
Para o fabrico de chapeo*-
A NOVA ESPERANCA recebeu o ararac propri-
para armacao de chapeos.*




Bkife de Fnwmlraco ~ Qninta feira 5 'tfe fo^mbft tfc< fbU.
Fazendas e artigos de alta
novidade
NA
IM DO PASSO
Rua Priineiro de Marco n. 7 A.
gcordclro 8imei A C, proprietaries
ieste important* estabelecimento, no louvavel pro-
jrosito de nio desmentiram o conceito que os
.eus Humerosos fregueies lttes tem dispensado,
acabam de recetrer de sua conta o raais nco sor-'
-.imento de sedas, popelinas, las e anigos ae ul-
.ima moda. em Paris, e conttaoarao a receber
?or todos 01 paquetes daqueila, procedeoeia ; por
sso charaam a attengio de seas fregueies e os
-onvidam a darem am passeio ao seQ estabeleci-
aento, garantindolhes que encontrarao a ieli-
lade do qae fica dito, e para prcva dao um pe
jueno resumo, cojo mfallivelmente despertara a
tlen**5o das preteudenles.
Mandam fazendas'a casa dos freguezes, e dao
aw3iras mediante.peubor.
Artigos dc alta novidade e
ultima ffloda.
Cortes de ve'tfdb -de linho gaarnecidos de bico
la mesma fazenda e cor, trazendo fivella, bolea,
into, etc etc.
Riqaissjnws chapeos para senbora, de cores e
retos.
Cortes do carrbraia brancos com lindos bor-
lados.
ni > de ceres com enfeites da mesma fazenda,
nrino, etc etc.
Capas de la para meninas e senhoras, guarne-
MJas de arminho.
Ycstaarios para baptisida.
Riquissimas camisas bordadas para senhora.
Leques de raadreperola, para noivas.
Hicas culchas de seda, para casameoto.
Ccrtes de seda, lindas cores.
Gorgorao de seda branca e dito preto.
Sedmhas de delicad3 padrSes.
Setim Macao de tolas as cores.
Srosdenaples pretos e de cores.
Velluio preto c damasco de seda.
jranadine pfcta e de cores.
filo de seda branco-e preto.
Rica^ basquinas de seda.
Casacos de merino de cores, IS, etc.
Haiitas brasileiras.
Capcllas e-mantas para noiva.
Cambraia do cores, tfHas mariposas brancas, de
ores, lisas e boriarias.
Flor do basque (novidade).
Percalinas de qnadros, listras, etc.
Brins de linbo para vestidos.
Fust in de cofos.
Saias bordadas p.ira senhora.
Grande sortimento de camisas de linho lis&s e
iiordadas. para homem.
Meias de ceres para homem, senhora, meniaos
meninas.
Rortrawito de chapeos de sol para homens e
inton.
Merinas de cores para vestidos.
Dito pieto trancado e de verao, bombazina, can-
io, alpaca, etc. etc.
Atoalbado de linho e algodao para toalhas, e dito
>ardo.
Damasco de 13.
3rim de linho branoo e de cores.
Selins de lindas core9eom hstras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de tonquim e ditos de casemira _
Camisas de chita para hompn* (''las de fla-
idlla.
Ceroulas de linho e dilas de algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos da labyrintho.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordado9,
ara bailes, e tarlatana de todas as cores.
Colchas de damasco de 13, e ditas de crochet.
Espartilhos lisos e bordados.
Foulard de seda, lindas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Popelinas.
Neste artigo temos um variadissimo sortimento,
ao so em gosto como em qualidade.
Las
om listras de seda, ditas com pal nas bordadas,
litas transparentes e de outras mnitas qualidades.
Ijitvas
te pellica brancas e de cores, do verdadeiro fa-
>ricante Jouvin.
Flnatanente :
apetes para sofa, cadeiras, cama, entrada, etc..
ambraias brancas, chitas de todas as qoal'oades,
aadapoloes, esguiao, hretannas, bramantes, algo-
'3es, collarinhos, punhss, meias para homem e
enhora, panhos e collarinhos brancos e de co-
es para senhoras, gravatas para homem e seoho-
a, peitos bordados, lencos de linho brancos e de
ores, ditos de cambraia de linho, toalhas, guar-
lanapos, ptnno fino, etc., etc.
Loja do Passo
Rua Primeiro da Marjo n. 7 A
antiga do Crespo.
\t) baraieiro
j-
A' rua 1 de Marcjo n. 1
Cnfrttte ao are* de Nnnto
Antonio.
Os proprietarios deste estelelecimento, lendo
gande^ deposito de fazeudas de la, linho, sedr e
algodao, e acbando-se proxima a occasiao do ba*
lanco, resolveram fazer grande redoccio em pre-
ces, aflm de one naqnefle tempo nio tenham gran-
de trabalho era balaneos ; a saber :
GORGORAO de seda preto, para collete, um
eerie por if. E' fatenda que sempre custoa "5.
AM.a7.onas, linda' fazenda para vestidos de
passeio, a 500 rs. o covado.
GROSDE.NAPLES de ofires, wda, eocarnado,
Iranco, cor de rosa e cravo, a 900 rs., 14 e
1^200 rs o covado. Qaem e" que nao comprara?
POPELINAS de linho, de quadros e lis-tran, bo-
nitos (?ostos, a SOO rs o covado. Aproveitem.
POPELINAS de linho e seda, gottos ioteiramen-
te novos a 900 rs.
DITAS com listras largas as.'etinadas, o mais
moderno qne tem vindo ao mercad, a 3|.
CRETONE francez com listras e de quadrinbos
de cores e pretos a 400 e 440 rs. o covado. I.-to
so no baralei o !
DITO francez de listras, proprio para camisas
e vestidos a 300 n.; pois so se vundo se pode
crer.
ES 11" AO de linho e algodio, proprio para ca-
misas, fronhas, etc.,. etc., com 7 jardas, a ?*200, 6
com 10 jardas a 4$300 a peca.
MUSSULINA branca, com listras, para veslido, a
400 rs. o covado. E' pechincha 1
MADAPOLAO franco, ccm 20 varas, por 4*500.
E' barato.
CASEMIRAS de cores, para coMumes (roupa de
homem) a 31 o covado. Ver para crer I
LAS escocezas, eslamos acabanJo aos pretos de
120, 180 e 200 rs. Apressem sel
CHITAS escuras e Claras, fazenda fina a 2i0,
260 e 280 rs. ; so a ma Primeiro de Margo n. 1. ]
CHAI'KOS de alpaca, para sol, para senhora, a
2*000. E' admiravel 1
BRIM branco n. 5, expcsrcSo superior, a 2* a
vara.
CAMISAS de cretooe francez de cores, a 2*300
uma.
CAMISAS brancas, inglezas e francezas, gran-
de sortimento por precos baratissimos.
BRIM pard traocado, para 280 rs. e 400 rs. b
covado. .
BRIM Angola, superior, a 300 rs. o covado; i*to
?6 na Inja do Barateiro I
CHAPEOS de sol de seda p*ra homem, fazenda
superior, a 8*300, 9*000 e 10*000.
BAPTISTAS rriatisadas, gostos miudinhes a 300
rs. e 360 rs. o covado ; s6 confronte ao arco de
Santo Antonio I
LENCOS de linho snperiores, abanhados a 3$,
4*500 e 5*000;a duzia.
TOALHAS felpudas snperiores a 6^300 a du-
zia. Em ootra parte veD^em por 9* f
MEIAS crnas, super ores, para horcem, a 4f,
4*300 e 3*. E' peehincha.
BOTINAS superiores para senhora, a 4^300 oi
par.
ATOALHADO alcochoado, fazenda superior, pa-
ra me?a, a. I *300 a vara.
ALGOO\OZ1NHO Iranco, com pequeno toque,
a 35300, 4* e 4*oXK), e marca T, a 9$ a pe?a.
Alem das fazendas acima mencionadas, encon-
trarao muitas outias que igradarao em qualida-
de e precos, e que para nao massarmos a paciencia.
de nossos freguezes, as deixam s de enamerar,
So no Barateiro
A' ma Primeiro de Marc/vn. I.
Loja de Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
Na i se enganem
Pois sao os verdadeiros barateiros I
Grande liquidacao de iaze^dars
no
N.72.Rua da Impera t ri* N. 7 2.
DE
Mendes G uimaraes & lrmaos.
Tendo os proprietaries deste estabeleomento resolvido diminuir o grande deposito de fa-
zendas, ontenderam fazer esta grande liquidaeio, comose vd dos pregos abaixo mencionados :
Brim de cures a 400 rtiis.
Vende se brim pardo e de cures para calgas e
400-reis o oovado.
320
I Chitas l.-.rgas a 160, 200 e 280 re"is.
Vende-se chitas francezas e flnas a 120,280
o covado.
Latinhas a 120 reis.
Vende se lazinhas para vestidos a 120, 240, 320 e
100 rels o covado.
Chitas para cobertas a 280 rdis.
Vende se chitas para cobertas a 280 e 360 reis e
I covado.
Alpacas de cores a 640 reis.
Vende se alpacas de cores, flnas, para vestidos de
senhoras, a 640 reis o covado.
! Metim de cores a 320 rf is.
Vende-se metim de cores para vestidos de senho-
ras, a 320 reis o covado.
Cassas Unas a 280 reis.
Vende se cas?as francezas. flnas a 280, 320 e 360
reis o covado.
Cambraia Victoria a 3/000
Vende-se cambraia Victoria para vestidos a 3*,
3*500 e 4*000 a pec*.
Cambraia transparente ale 3*000.1
Vende-se pecas de cambraia transparente a 31,
30300,41 e 5*.
Cortinados a 141000.
Vende se cortinados bordados para camas a 141'
161 e 18*.
Ganga amarella a 400 reis.
Vende-se ganga amarella para vestidos de senho-
ras e ronja parameninos. a 400 reis o covado.
PREDILECTA
E' com as senhoras.
A Magnolia, a rua Daqae de Caxias n. 45, par-
ipa a hello sexo qne acaba de receber da Eu-
l>a, um complete sortimento de artigos de ulti-
ma moda, e como acba desnecessario fazer um
mfadonho anuuncio, por ja ser bastante eonhe-
:ida, e caprichar sempre em ler bons correspon-
lentes, sendo a primeira qoe apresenta o que ba
ie mais moderno e por precos mni razoaveis, por
sso limita-se a descrever somente o seguinte:
deltas douradas.
ftlcos de cores, tanto de seda como de gnipsFe.
Leques doutados, de madreperola, marSm, tar-
taruga, osso, etc.
4abidas de baile.
-Presentes. diversos artigos proprios para pre-
sentes.
eoltnnas e punhos.
Manual para rnissa, com capa de madreperola,
tartaruga, marlim, velludo, etc.
^apaiinlios de setim para baptifado.
Camisas bordadas para senboras.
Ligas de seda.
cranjaM mosaicas.
adereeos de tartaruga.
voltas'de madreperola.
r*ulsiraS de madreperola.
Ltndas flores para cabe;a.
Soisas de -velludo. '
Perramarlas dos melbores e mais afamados
fabricates.
rhapeo* dc sol para senhoras.
Pitas de velludo de todas as cores e larguras.
Moseas.
Quereis livrar vos destes tnalditos inseetosf cotn-
jrai uma macbina de matar moseas por 3*000
n Magnolia, a rna Dujue de Caxias n. 45.
Calvice.
A,Magnolia, a rua Dnqne de Caxias n. 43, ven-
le o verdadeiro Vigor de Ayer, que impede a
:ahida dos cabellos.
Sardas epanos.
So tem sardas e panes qaem quer; porqne a
tlagnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem para
ender a verdadeira Cuttcoleria, que faz desappa-
-cer estas manchas em poucos dtas.
Cura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As melhoros e mais aperfeicoadas das ale hoje co-
nnecidas.
Vende se
na
Pharmacia e Drogarla
de
- Dartolomeo -C.
A'
34:. Rua larga do Rosario 3-4
acema.
\ accina.
Tendo b Sr. Dr. Jose Lnarenco de Magalhaes.
montado na corte nra completo servico deste ar-
tigo, tem aqui aberto nm deposito da melhor-e
mais recente, cujos tubos se encontram na
Pharmacia e drogaria
A'
34-ma larga do Rosario 34.
E'BOM SAREB-SE
Que a NOVA ESPERANCA, a rua Dnqne de
Caxias n. 63, bem conbocida pela snperioridade dc
seus artigos de moda e phantasia, acaba de rece
ber diversas encoromendas de mer-adorias de sua
repartiyao, que pela eleganci i bem mostra aptidao
e bom go-to de sens antigos correspondentes da
Europa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rua Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e constacte freguezia e eom especialidade ao sexo
amavel, a visitarem na, afim de apreciarem ate
onde toca o prircor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer enlrar no nu
mero dos massantes (verdadeiros azucrins) com
extensos annuncios e nera pretende descrever a
immensidade de objectos qae tem expostos a ven-
da, o que serfa quasi impossivel, mas limitar se-ha
a mencionar alguns daquelles de mais alta novidade
e toma a liberdade de aconselbar ao bello sexo,
qae a vi-item constaotemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte n3o se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sortimeito
que ha em dito estabeleci memo, esta razao tarn-
bem demonstra que qualquer senhora do born lom,
nao podera completer a elegancia de sea toilet
sem que ii um pas'seio a NOVA ESPEBANQA, a
rna Duque de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguintce artigos de luxo e inteira novida-
de :
Modernas settas para prender os cabellos.
Prioiorosos leqaea de phantasia.
Bonitas sahidas de bailes para -senboras e meni-
nas.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquim.
Bons adereeos de madreperola.
Delicados adereeos pretos de pufelo e borracba
(goMc novo).
Aproveitem
0 PARIS N'AMERICA, a ma Duque de Caxias
a. 59, primeiro andar, esta veodeado caljado pelos
wmintes pregos:
Botinas de dnraqae para senbora a 3.500 reis.
Dit -s de dito preto a 4,000 reis.
Ditas de dito com botoes^oiado, a 4,000 rets.
Ditas gaspeadas, caao alto, para seahora, a
5,000 re s.
Ditas de pellira, inglera, a 5,000 reis.
Ditas de duraque bordado. para senbora, a
f.,000 reis.
Ditas de duraque, de cores, para meninas, a 3*.
Em qu^nto e tempo
aproveitem.
Grosden*>ples
Vende-se grosdenaple preto, fazenda muito Una,
I que sempre se vendeu por 3*500 o covado, a
.*800 rs.; aproveitem, sd o Desengano, a rna 1'
Je Marco u. 25, junto a loja daesqaina.
i
Aos legitimos fogoes econo-
mkos.
Acabam de chegar a esta cidade os ver-
dadeiros fugOes economicos. jd muito conhe
cidos nas proviacias do Rio de Janeiro,
Mines, S. Paulo, Sergipe, Rio-Grande, Ba-
bia e Alagoas, aoude tem merecido do pu-
blico a maior aceitacao possivel, e sfio ja
preferidos aos de qualquer outro systema,
conbecido pela sua.muita soiidez, especia-
lidade ua collocnrao, moderno systema,
e sobretudo grande economia no combusti-
vel ; tr^b Ihnm com lenha, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de diversos tama-
nbos, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de niuita familia, collegios, hoteis,
casas pias, bospitaeg, etc. Acham-se ex-
postos ao publico, aonde se darao todas as
explicates neoessarias : na rua da Cruz
n. 6.
A.' rua do Cabufca u 1 A.
Os proprietarios da Predilecta, no iotuito dt
conservar o bom conceito que teem merecido do
respeitavel publico, distinguiudo o sea estabeleci-
mento dos mais que negeciam no meemo generc
veem scientificar aos -eus boos fregsczes qae pre-
veniram aos seus correspondentes nas diversas par-
kas d"Earopa para -lh.es enviarem por todos os pa-
quetes os objectos de luxo e bora gosto, que se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
dasjoelles paizes, visto aproximar se o tempo de
festa, em qae o bello sexo desta linda Venexa
mais ostenta a riqueza de snaa toillettes ; e co-
mo ja recebessem pelo paquete francez divers o
artigos da ultima moda, veem patentear alguns
d'entre elles qoe se toraam mais reeommendaveis,
esperaudo do respeitavel publico a costamada
conenrrencia.
Adereeos de tartaruga os mais lindos qne teem
vrndo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e dt
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
os.
Adereeos completos de borraeha proprios para
Into, tambem se vendem meios adereeos muito bo-
aitos.
BotSes de setim preto e de cores para oroatod*
nestidos de senhora ; tambem tem para collete
alitoL
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
de seda, de palha, de chagrim, etc., etc, por
barato prego.
Bonecas de tcdos os tamanhos, tanto de lonce |
como de cera, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencio das Exmas. Sras. para oste artige, |
pois as vezes tornam-se as eriangas am pouco im-
pertinentes por falta de um objecto qae as en-1
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem se por preco commodo.
Ceroulai de linho e de algodao, de diversos pr-
08.
Caixinhas com musiea, o que ha de mais Undo, |
com disticos nas tarapas e proprios para presen-
ts
Coques os mais moderaoe e de diversos forma-
tos.
Chapeospara senhora. Receberara am sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como pare
meninas.
Capellas simples e com veo para noivaa.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de Undo*
4esenhos.
Escovas electricas para dentes, tem a proprie-
dade de evilar a carie dos dentes.
Pranjas de seda pretas e de cores, exLrte am
g-ande sortimento de diverf&s larguras e barato
preco.
Fitas de saria. da gcrgcrrio. de setim e de cba-
mlan, de diversas largnras e bonitas cores.
Fachas de gergurao muito lindas.
Ft- r^ artificiaes. A Predilecta prima em con-
ervar sempre am beHo e grande sortimento 8e-
tas flores, nao so para onfeite dos cbeHoi, como
ambem para orcato dc vestido de noWas.
Galoes de algodao, de 13 e de seda, brancos, pra-
os et de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversas cores
para sennora.
Ligas de seda de cores e braneas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir rnissa, com capas de madre-
perola, marfim, 6so e velludo, tudo qoe ba de
bom.
Exfcratftodeearns de Liebe^s e vinh) de Arrault de qui-
nium, ferro e extracto de carne de L ebegs, preparados
com vinho do Porto.
O c|tiitiiani que >': um extracto de quina obtido pela cal. pr.iporciona aos Srs. dm-
,dicos um producto de uma dossbilidadeinvariavel, conlendo todos os priuripios activos
da quina, planta sem igual como medicameuto touico, nevroslbemiico e re. 'in-l.ttuinte.
:e como tal applicado no tratameuto das debilidades orgauicas, cachcxia, edas Mm ie
qualquer caracier.
Para se obtcr o qiiiniumnSose pode roubard quina a quiuina e a chinru*
nina, seus principios aclivos, como g-.ralmente o fazom os que preparam escs compos
tos de quina, que nos sao bem conbecidos ; e i grammas e 50 ceniigramma- de qui
ilium reprcscntam exactamente 1 gramma de tiuinitia e 50 cfiiligramuiss de clalu-
chonina, o que serve de norma [ara ser administrado aquelle poderoso agttitu toe-
reis, chales de m'erind! r8peutico, conforme reclamam os diversos padecimeutos, com quasi certezn de obter M
merino estampados, a o resukado desejado, principalmente se se-tratar uma febre intermittunte, de que a ^ii-
nina 6 o antidoto.
Devendo no maior numero de casos o quiniuiu ser emprega Jo como touico re-
conslituinte, procuramos fornecer aos Srs. medicos um cornposto, que ssli-fazen lo pic
namento suas vistas por aquellle lade, tivesse alem disso propriehdes aualept^as, e cs-
cotbemos oanalepti.o por excellenciaa tarnc.alitiiento o mais aceitavd pclos or-
gaos digf stivos e o ma:s reparador quese.conhece.
X&o sendo possivel obter toios os principios nutrilivosda carne em preparvia r.ie-
lhor, do que o mui conceitU'do extracto da carne de Liebegs, adoptamosste extracto
para preparar o nossoVinho de qiiinitini e extract* tie carat* qur se
recommenda como o melhor composto para nutrir, forlific*r c r-parar osorgaos, qu.in-
do a economia se acha exbausta em consequencia de qualquer grave padecimento, >. ., r.o
remedio intallivel ou antidoto pWa a cura das febres de qualquer caracter, ptimip^l :,
e as endemicas dos lugares paludosos.
Associamos em cutro composto Vinho dc |iiluium, Terra e extract*
de carneesle mttal que sendo uma das paries consLtutvas do sat.gue, ciu uiuitoa
casos a sua applicafjao e urgentemente redamada, quando por uma causa qi:;dqu r J:t,-
el> men to da vida perd* sua riqueza, fazendo ;pprecer, principalmeiite nas > i.l.
cssas graves molestias denominadas chloroze, |iallidu.rea, aucttiia. Cu-
res Sii'auciis-. men-trtiacdcs difUeeis, etc. EscolLemos o u.el!.s bn>-
ginozos1>". ro|lio,|>G4tto de ferro para o nosso preparado com MM unt.-l. c
empreg^mosoptimo vinho do Porlo. que nose foruecido dinctament p la ra
panhia do alto Douro, em amb^s os no.sos compostos.
NSo temosduvida de a^segurar, sem rtceio do coutost;.t;"o, que os noss s mi.bus >ie-
vcm ser preferidos e contiuuarao o grande succcsso btido nos luspitaes de I'ans i
Allemanha, on !e os prescrevem os clinicos mais iiotivt-is. Ksses vmiikjs rypwulaw na
A empreza do gaz, tendo recebido ultimamenJe J dose de 30 grammas 5 centigrainmas de (ftilnium, ou 5 centigrammas dc <; ama quautidade de lustres, candieiros, arandellas. e 30 grammas de carne.
glubos etc. etc., tudo obra de gosto e ,d>< primeira A rlose dos vinhos de qntniuua e extracto do c.iru
qualidade acha seem posi-ao de upprjr a sea. ginoso 6 como tonico-Lm coDO d licdr antes do
freguezes, por precos men. res do que aotigamen i5 ...j -i_i
te. Para verem as amostras, dirijara se a rua dojdoseno tratamento de nn>-mia, cblorose, men.tru,.roes difflcetS, etc.-Cif
Imoeradorn. 3J. fugo De 2 a i pe,uenosc pos (d viiilio de llordeaux', d.j 4 tin i boras.
Coiuo nrcservutivoNos paizes onde grossam febres, e mesmo p ra pro.e-
pir o apparecimento d^s molestias hereditarias, e ulil tomar pela mauba em]'jura ir.
copo de vinho d Bordeaux, do vinho dc quiuium c extracto de curue .c
Toalhas para rosto a 700 reis.
Vende-se toalhas de linho para rosto a 700 e 800
rais.cada uma.
Chales de la a 640 reis.
Vende-se chales de 13 de qnadros a 640 r6is, cha- >
leade metim-a 1*160
lisos a 2*, e chales de
3*600, 4* e 5*.
Aberturas a 24009.
Vende-se aberturas de linho bordadas. para ca-
misas, a 2* e 3*300. Ditas de algodao a 200 e
400 reis.
Cortes de caeemira a 3*000.
Vende-se cortes de casemiras Unas para calcas a
3*, 3*500 e 6* v
Concede brim a 1*400.
Vende se cortes.de brim de cores a UiOO. Ditos
de brim de Angola a (*800 e 2*500.
Cobertas a 2*000
Vende se cobertas de chitas de cores a 2*.
Colchas A 2*000.
Vende-se colehaa de fuslio para cama a 2*, 3* e
4*.
Paletots a 3,000 rs. ^
^ Vende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. ;;calcas de casemira preta'e de core
leies de casemira preta e de cores, e outras
tas ran pas feilas baratas e faze d das qoe est
quidando no Bazar National, a rua da Im
Iriz n. 72.
Lustres, candieiros e
arandellas.
de l.ieb gs, iiinpb s ou Im b-
qualquer nafNfio, o na m> M
iVh.i-
to
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vende se um grande sortimen-
de cortinados bordados proprias para camas e i v.~
janellas, pelo barato preco de 8, 9 e iQfiOO rs. o
par, assim eomo eolcbas de damasco para camas
de noiva a 10 e 12,000 reis-e pechincha: a
rua da Imperatriz n. 60, oe Felix Pereira da
Silva.
E' muito barato
E'
so
com as-'Beivas
NO *>
BAZAR DAS FAULIAS
A' RUA DO DUQUE DE CAXUSX 60 A.
BiquUsimos vgos de blond b.rdados a seda com
cspella, proprios para noiva, o mais moderno qae
tem vindo ao meteailo !
Ri<|uissimasca;ellas de flores de laranjeira, pelo
dimioato.preeo d-i 3 .'HO nma.
Lindissimoa lacmhos com fivellas, proprios para
senhoras, a 2:500 um.
Lindissimas gravatinhw fle seda com blonds
proprias para senhoras, a 3CO00 uma.
biquissimos aiiiuelea com ama il.,r. proprios para
o peito de senhoras on para a cabeca, pelo dimi-.
nnto preco de 2 000 urn.
Iftte e Jltlva ft Cnhnnrgcs.
Veiwie-se
No escritorio de Tboraaz de Aquino Fonceca 4
C. Successores, a rua de Vigano n. 19, primeiro
andar:
Ciraeoto Portland verdadeiro.
Cera em velas e em gruma, de Lfsboa.
Vjoho Sherry.
Vinho d > Porto em caixas. fioissirao.
Mem em barris de quinto e decimo, fino.
Retroz.
Pio.______________________________
Para senboras
Como sao lindas e modernas as gravatinhas qae
a Magnolia, a ma Duque de Caxias n. 43, acaba
de receber I
Exigir nossa assiguatura ua tarja posta sobre a rolha.
Uiiico deposito na pharmacia e dr garia de Bartliuiomeu <& C.
. 34.RUA LARC.A DO ROSARI>' 34.0.
,
Vende-se
ca ma do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto eDgarrafado, em barris e em
ancoretas.
Cera em velas, de Liaboa, superior qualidade.
Retroz do Porto.
Clmento Portland, legitjmo____________________
PARA LUTO
Vende-se chitas inglezas pretas com pintas a
SOO rs. o'covado, dita franceza muito fina,tanto lisas
como com pintas de 320 rs. para cima ; cantao
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca- pret0 a 800 rs. e muito tmo a 1,600 rs.; bomba-
illrte loam limhom hum tiror Anonika .* _
alpacas de todos
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouauet. Um tello sortimento de madre-
perola, marnm, osso e doorados por barato preco.
Permmaria*. Neste artigo esta a Predilecta ban
provida, nao so em extractos, eomo em oleos *
banhas dos melhores odores, dos mais afamados
fabricantes, Loubin, Pi ver, Sociedade Hygienica,
Coadray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis pan
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebea a Predilecta am bonito sorti-
mento de diversos tamachoe, tanto para soul eo-
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado o qae ha de melhor
gosto e os mats moderno recebea a Predilecta
de or arato preco, para ficarao a lease*
qualquer bolsa.
zmas, princezas e alpacas de todos os prejos ;
lazinhas preta.-* lisas de 400 ate 300 rs. ; assim
como uma grande porcao de retalhos tanto de
chitas pretas como de las, qae se vendem por
precos baratissimos ; tambem uma grande porcao
de chale* pretos de las a 1,000 rs. poreslimm nm
pouco rossos : a ma da lmperatriz a. 60, de Fe-
lix Pereira da Silva.
Pentes girafe.
Chapcos para senhora.
A loja da Passo, a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu um rico sortimento de cbapeos
aesna horas, pretos e de cores.
Cortes decaaimira a
e 6#000.
Na loja do Pavao, vende-se cortes de ca-
semira para calga a 4J>, 59 e 6^000, ditos
muito fines de uma s6 c6r com listras ao la-
do, fazenda que sempre se vendeu a 9$ e
10$000, liquida-se a 6#000 para acabar :
a* rua da lmperatriz n, CO, de Felix Pereira
da Silva. ________________________________
W mid \ Wm U2t~i9 9j4 o s.tio junto a igre-
ja de S. Jose do Mangn nho, com casa de vivenda
assobradada e outras acoromodacSes, todo mura-
do, com duas frentes .-ervi 'as por portao de ferro,
dando para a rua d* Amiwde e na/a a do Man-
gpinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
Isrgura e 354 de fundo ; e a casa mrde 32 palmos
de frente e 84 de fundo. A situacao 6 a melhor
possivel para morada, e quem qui/er ediikar, tera
bastante terreno para isto, pelo lado da rna da
Amizade. Tem a gurnas plantagoes de gozo e re-
creio, haveado bastante jgna foruecida por duas
cacimbas, uma das quaes e nova. A entender-se
com o Sr. Dr. Witmvio qu.-m o pretender.
Aos mcuinos
A NOVA ESPERANCA, a ma Duque de Ca:a
n. 63, acaba de receber um bom sortimente de fl-
nas bonecas que fallam, qae riem se e cboran ;
tambem astern mudas e surdas ou surdas-mud.j
venham ver se nao a cerdade.
VENDE-Sfc
Na ma do Vigario n 19, vende se o -egu;n:a
Cimento de Portland, < m primeira n.a >.
Vinho do Porto, engarrafado, hMn, <:,. ta-
xa> de duzia.
Dito dito em barris e ancoretas.
Vinho >herry, inglez em caixas de dada.
Vinho Collares em ancoretas.
Cera em velas, de Lii-hoa.
Cera em grume, idem.
j Vende-sc em sorles oe t1, palmi.s para
os terrenos silos na e.-trada do bMKirio, a mr-
gem do rio Cap'boribe, p-rtencentes a vmv -
Henrique Jorge : qnfm pretender, pode se din; r
ao engenheiro Antonio Kelitiauo RodrigLes
a estrada de Joao ae Karros, casa n. vi. Mb
Vicente Fern-ir. da Porciuncula, em ma casa Ja
rua d Imper.idor n. 83.
Cortes de oarabraia
Na loja do Pavao vende se cortes de crrasr 'A
transparente com babalas largos, tanto ham
como de cores, por baratos jnm*, v r lerem *1-
gum pequeno defeito : a rua da Impera'.riz n fO,
de Felix Pereira da Silva.____________________
Colchas para camas
Na loja do PavSo vende se cohha- de frnBa
brancos, para cama a 2,500, ditas di- diui d- r
a 4,000, cobertas de chita e de cretoue, de % O
para cma e litas de metim escarlate f rraJa* con
madapolao a 5,000 : a rua da Iiuperan ix n. 60,
de Felix Pereira de Silva.
% ^5oo e 4?ooo"cada"; ~ Salsa-pamlha do I'aS
come bonitos cmtos com lacos! a. .___,.._,_ _.
* i Tem para vender Anunio Luiz de Oiivr/ra ^a-
com | vedo, no sea escripturio, a ma do Bu:u .'.-as nu-
mero 57.

Salsa parrilha
Muito nova e grossa..
Vende-se por barato preco, era porcSo ou a re-
talho : na rua larga do Rosario n. 34.
Espartilhos.
Na loja do Pavao, vende-se espartilhos
dos mais nodcrnos a 3$500 e V-:000
u; asn'
de mtimt a 53000, e sedinhas lavradas
toque de mofo a 19000 o covado : a run
da lmperatriz n. 60, de Felix pereira da
Silva.___________^____________
Casemiras
N loja do Pavao vende-se um grande sortimen-
to de casemiras de cores e mescladas, tanto claras
como escnras, proprias para calca; paletots e co-
leies por preco3 muita baratos, assim como no
mesmo estabelecimentos se tnanda fazer qualqner
obra tendente a alfaiate, com a maior presteza e
por precos muito razoaveis : a ma da Impera-
Organ
(v
.:-
tnz n.
di Felix Pereira da Silva.
Iiquidagao de roupa feita
Na loja do PavSo Bqnidase nma grande por-
Organdy de assento branco com Bores d
seda, fazenda inteiraneute nova, pelj bar.
prefo de 400 rs. S6 na rua do Crespo u. Mt,
de Guilherme k C.
9,000 covados
DE
Ceroulas e camisas.
Na loja do Pavao, -vende-se ceroulas fran-
cezas de todo6 os tamanhos para homem a
19600, e ditas de linho a 2$00, 20500 e
390 GO.
Camisas brancas com peitos de algodao,
fazenda fina e
Al?acas de cores lisas. de More*, de lisrra
barrae, a 320, 360,400, 4V), 500 e 600 rs. o cotv
do. F.' fazenda rlna e de padrSes lind s; t n.>..*
cao de roupa para homens e meninos.como sejam: barata vale IsOOO o cavado. E' gran^ '
I calcas de casemiras pretas e de cores, para todos' 56 a ma do Crespo n. 20 loja de Guilherme A .
Pentes girafe, proprios para senbora, ( ultima > os precos equalidades; ditas de brim de An-1 /-|/-vt, mpn TM7 rif\T I i 'rp
moda): a Magnolia a rua Daqae de Caxias n. 48 gtia paa differentes precos ; ditas de brim de i I .1 | K H S | I h. I .( 1 I |i, H.
cores, pardos e brancos; paletots saccos, casacos V, / Y V .
e fraks de panno preto ede casemiraa de cores I Cortes de colletes dc gorgorao de seda preta i
coletes de todas as qualidas, por precos bva- |8()00, o corte ,e pechincha, na ma do Crespo
tissimos, assim como grande porcao de camisas J0> loJa de (
ceroulas por menos 3 0|q do sen valor so para
acabar : a rna da lmperatriz a. 60, de Felix Pe-
ein da Silva,
e so quem tem.
Papai, mamai.
Como sao lindas as bonecas de cera qae cha-
mam papai, mamai, choram, andam, etc So na
. Magnolia a rna Duqae de Caxias n. 48.
Guiolas, gaiolae.
A Magnolia, a ma n uque de Caxias n. 45, re-
cebeu gaiolas de arame de lindisslmos modelos,
Eroprias para passaros; a el Its antes que se ana-
em.
&C
E' economico.
Graxa glycerina propria para a conservacao do
cordovao; vende a NOVA ESPERANCA, a rna Da
que de Caxias n.
63.
A 500 rs. o covado
Na loja do Pavao vende-se lazinhas jiponezas
por estarem um pouco en- de c>es muito modernas pelo baratiesimo prego
xovalhadas a iOfJOOO a duzia, ou a 19800 de -m rs. o covado, para acabar ; notando-se que
cadauroa, ditas com peito de esguiao de !wt^A-&ae J*P*i se. ve!d? Eor,rae,!2s,de
linhn <. -i%t\nn Munn .j -? m<~, ~ cmrados ; ja ta poucas : 4 ma da Imperalrii
linbo a 39000 e 39500 cada M, ditas n. 60, loja do Psvao.Me Pelrx Pereira da Sftva.
peitos e punhos de c6r a 29000
coat
29500: a rua da lmperatriz n. 60, de
Ux Pereira da Silva.
e
Fe-
Sitio
DE G08T0
e casa
Vende-se um sitio com uma casa nova, tendo o
| sitw 800 palmos de frente e. 1,115. de mndo, a casa
' ediflcada com bons commodos e'boa caciba, na
estrada nova de Reberibe, petto "da enerarilha'ta,
o qne se torna commodo por ser JBO rs. para ir
AHUH H TAKI.
A' . prana Circular (IO ApollO' occapado quem pretender, diriiaVe TraThrL
vende~se:
Tijolos de marmore, de differentes ta-
manhos e qualidades.
Tijolos francezes, sextnplos.
' Cimento Portland verdadeiro.
Azulcjos grandes muito proprios
para rodnpris.
Azulpjosi vcrdes e amarellos, tamanho
regular.
linqiianas de dcscaroi;ar algodSo.
Cadeiras de ferro, assento de palbj-
nha, prcpn'3s para campo.
, do Rosario n. 20.
Aos nervosos
A NOVA ESPERANCA aoaba de receber aqnel-
les milagrosos anneis efectriccs, cura infallivel do
nervosos.
Rendas da terra
Rendas, bicos e grades de todas as larguras ;
vende se no pateo do Terco -n. 51.
( al de-Iiisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpo
Santo n. 17, anaar, escriptorio de Joaquirn Ro-
drig?es favares de Mello. ;
Acabam de chegar a roa 1* de Margo n. 13j
loja das- eollomnas, de Antonio Correla deiVas-
1 eorjaeltos, o Mgulnte :
Modernas chapelinas e cb*peas para senbora.
Lindas grenadines de cdres para vestidos.
Superiores las assetinadas,gostos roodemos.
RoBTjoea MWn
Grande variedade de ptnleadores muito hem
enfeitados, para senhora.
Ricos vestidos feitos de alpaca, enfeitados com
sedae retidas degninnre.
Verdaderras lavas de Jouvin, brancas, pretas e
de cores.
E outras muitas fazendas ou artigos de meda.
E' com as noivas
A NOVA ESPERANCA, rua Duque de Caxias a.
36, acaba de receber boa* meias de seda proprias
para noivas, e os apreclaveis ramos do larangeira
E h' nito
As almofadas bordadas de la matlsadas qae re-
cebea a Nova Esperanca, a rua Daqae de
Caxias r, 6\
a taverna sita a roa
muito atreguezada :
Rosario n. 40.
VENDE-SE
do Barao da Victoria n. 61,
a tratar na ma estreita do
Cora dos estreitamento d'nretra
pela facil applicagao das
SONDAS OUYAES
DE.
60HMA ELAST1CA
As mais modernas e aperfeicoadas de todas
as conbecides
Veftdemse
NA
PHARMACIA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & G.
84-- Rua larga do Rosario 34
Madapolao
Madapolao francez larg> 48300 a paca Je 2
jardas, 6 fazenda de 65390 : na rua do Cr*% ,
n. 20, loja de Guilherme & C.
Merino
Merino azul fino de duas larguras a t^juO e cc
vado e fazenda de 4000, na ma do Crrspo n i- ,
loja do Guilherme & C.
Aos Srs. deengenhos
Chila com 4 palmos de largura, faitnda maii
superior, a 260 rs. o covado, proprias para etcti-
vos: so a rua do Crespo n. 20, loja de Gu
lherme^C_________________________________
Camisas.
Camisas francezas brancas de algoiio fin
friso de cor a 24000 ama, em duzia a 2?.
e peehineha : na ma do Crespo n. 20 loja do On-
iherme A C________________________________
Na loja do Pavao veodese madi>loes fr-" -c
zes maito incoraados, eom 20 jard*-- a 6.000 in-
dite mail> fino com 12 jardas a 3,001 e 3,300 ; \*
sim como um grande sortiuicuto >i- :nad;.^
inglezes de 4,500 3te 8,000 e 9,000 : a ma da
peratriz n. 60, de Pelix Pereira da S iva._____
Grande liquidagao.
novo Bazar, rua do
de miadezas e chapeos : no
Marqaez de Olic'si 83.
chapcos pechincha para i
nhora
'
Vende se chapeos molernos para -
gde pra^a, por 3i ; crgandis de !
' to3J0 rs. : na rua do Passeio n. 60
,.ora.
Vende-se um pequeno sitio a estrada de Joao
de Barros on se vende peqaenos terrenos no mes-
mo sitio, cenforme se entender mais conveniente e
vantajoso: qaem prett-nder, pode-se dirigir ao*
seu proprictario Antonio Feliciano Rodrigues Sette,
a dita est.aia de Joao do Barros, casa n. 9.
AUc6$o
Vende se a taverna sita aa Enr
Delem, perlencente ao Sr. Uasbado- u
guezada e so a vende por iu?r para o matto.

? *ra


8
.jv**W de PernamDuoo Quinta teira 5 de Novembro de 1874
VARIEDADE
Vatu*.
(Couelusio.)
Na i ha homens altaraeute collocados com
quH nao se de. E, para provar em quein-
ti'ni'la le live com eltes. mm :a os trata por
consHih-iros, bardes, coramuu ladores, corao
faz-^m todas as de.-mi* pessoas.
Trata->s sempre omo se as tivesse vis-
to nascer e oshouvesse carregaJo ao collo.
0 Juea, o Autonieo, o Fraucisquiaho, o
Maiii-co, o Cazuza. ..
E Hiii la ha quem inv.-je a gloria dos ho-
rn us ominentes, pxistiodu no irum 1 > o tao
inv javel typo do fatuo !
P>rqu- este nao ten comparacjm com
nenhum outro.
(ju<> felieidade perenne e a dalles I
'Ju- traaquillidade de espirito I
To los esses aljectivos, quo tao frequen-
lenienlo se eoconlram na impreusa Jiaria,
sio propriedado exclusiva do fatuo.
O acredilado o conkeado o afamado, o
popular, o talentoso.... tu lo e inveugio
doll4, sua propriedado.- seu domnio.
K ii i li n da contas a imprensa e urn dos
olenntis mais necessarios a este typo.
O ftlu i pideria talv-z viver sem ar ; mas
sem imprensa, sem joraaes, e sem redacto-
res am gs e benevolos, nao vi.ena nem
urn itisltiite.
0 verdadeiro fatuo serve-se ate dos jrnaes
para aonuaeor quo estd em vesperas dc
ea**r, Kile ben saba (se sabe I) que isso
p mco BOS importa. que dos vinte mil leit i
res I* u ua foi ha, talvez s6 iiente dez excla-
maria n lendo essa noticia :
Homera I Entio... com que....
Fulano casa?
Mas e" precisamente para que esses dez fi-
que-n sab-md*), que elle recorre is co'.um-
nas de bib periodico, onde eslampa por ex-
tenso o mime de sua noiva.
Se flea douf dins em casa ligeramente in-
commo lado, se la/, uma viagem a fantos,
se vai to.nar as aguas daCampanha, osjor-
naus annunciamo aos quatro ventos, como
se >is sens intercssee ou a sua saiide fosse
par* mis nma questio de vida e morte !
Qie maisdirei ?
Urn dia morreu o meu amigo M. B. qie
era jalao de profissSo, e entre os papeisque
deixou encontrei uma carta, com sibreseri-
pt para mim, ptdindo-me que nun lasse in
serir no nolicinrlo de uma f dha i nportante
o seguinte DOCrologio, que encrontrei dentro
da carta, e era escripto plo proprio fatuo :
Fiuou-se hontem, victima duumaterri-
vgl t-nfermidade, o laleOtOSO jqven M. B.
u Nolle perdeu a litteratura patria urn dos
sens maisesclarocidos cultures ; a siencia um
dos s^us mais preclaros filhos ; a sociedade
um dos seiis mais conspicuos eesperanrosos
ti ladi s. >
No nm de contas, sabem quern era este
vulto literario? 0 meu escrevente de carto-
rio.

0' fatuo 0' franiulagera social I 0'
excrecencia hurnana !
Eu N8o ; c inelhor n5o proseguir.
T-Dhn muitoque dizerainda, mas melhor
rio dizer mais na la.
Entio paremos aqui.
ITTERATURil
GlilIVA10 PROVINCIAL.
APOLOGIA
A' S. EXG. 0 SU. C0N8ELHEIR0 J0.\0 ALfliEDO
CORUEU DF. OLIVEIRA, MU1TO D1GN0 MINIS
TRO DO 1.MPERI0.
Hast as a li, senhor. comtigo brilhat,
Tun gloria cs Id mesmo.
(BoCAGE. Od.)
I'estivos euges sOam numerosos...
Oue inteiro r-gosijo senle um po0 !
Rh piiuel que contemplo, jubilosos
Sig ie.s diviso de um conteuto nnvo.
\ssnn entre os humanos aconlecc
Quando um geaio immortal lhes apparece.
I m canto, 6 musa heroica 1 eia. reloma
K. honrosa lyra, pulsa audaz o pleclro ;
['. qul na Grecia antiga o antiga Koma,
Faze com que resoe oaltivo metro.
Um canto, 6 musa um bum t^cado canto
\' qoem, or ce.io, nos merece tiuto.
FOLHETIM
JOANNA
OM JOGO DE PAiXDES.
POK
George Sand.
omo os antigos bard .s inspirados
CantaniT 0s seu-t hi'roes os.seus gaerreiros, ()
Assim tinbi-m can emos exaltados
Os nossos quando vultos terdadairos ;
Que, com eiles, nas azas di Victoria,
Yoeremos. ao templo da Memoria.
uera ^T0 immortal Pernambucano,
0 bom ministro, o firme palinuro ;
Que a" grande u&n do estado soberano
Governa o leme, impavido e seguro ;
E no fausto da cfirte esclarecida
Do Pernambuco seu jamais se olvida.
Exulta Pirnambuco. e nao sem juslo
Eiplausivel motivo :que em leu seio
V) o nobre estadista excelso, augusto,
Tin de gloria e esplendor ornado e cheio.
S lencin, 6 musa teus accentos cala ;
i^ue Pernambuco nusle instante falla.
(( Bern vin lo sejas tu, dilecto fllho,
Mas antes pai, bonissimoexcelleute; (**j
Orgulh.ie timbre, >-nthusiasmo e brilho
De toda uma nacSo in lep>;ndente ;
Honor do Brasileiro Ministerio,
Cotumoa estavel do gigante imperio I
Bern vindo sejas tu, que Qrme ao lado
Bo sabio Imperador Pedro Segundo,
Muili e p ir mu tas vezes teas honrado
(Com raro tino, Qua saber prolundo)
Os teus, a patria tua, a tua gente
\' qucin amas deveras, rualmente I
a Do energico Pombal e do famoso
E prestante Cavour cala-se a lama,
Cessa do grao Bi- Genio mavorcio. quo terror derrama, (***)
Ante o teu merecido e justo none
Que o aligero tempo nSo consome.
A alta camara, o diguo parlamento,
0 conselbo immortal todo o Janeiro
Slo 'lo teu pessoal merecimento
Eloquentes pregdes no mundo inteiro ;
Tudo te eleva, sim, tulo le exalta...
Que mais, filho cliarissimo, te falta t
Se bronzeo monumento, po^ventura,
Nao tens, que attests as gera^des vindouras
Tua alma grande, generosa e pura,
Ti-rds n .lircs acQoes immorredouras ;
Teus o meu grato corajSo amigo,
Onde cons;a ii te viverds commigo.
Sim, tens a iustrucjao pubiica.al^m disto,
De quern sernpre por mil varias maneiras
Applaudido seras, sera's bemquisto
Em todas as pnvincias brasileiras ;
Pel-, que ihe pnrstaste ollicioso
Belevante servi^o grandioso.
i Bern vindo pois, 6 tu por quora suspira
Ausente e saudoso o Ganabara :
E por quern do prazer hoje delira
Nas emoQdes de uma alegria rara
0 patrio Beberibe crystalino,
Cujas nymphas te tecem grato hymno !
Eis que emmudece o canto laudative....
Agora, 6 musa, que te cumpre ?Agora
Aos ecbos ensinar o som festivo
Com o nome do heroe, que a patria adora ;
E pnromper em caloroas palmas
Ao idolo real de tantas almas I
Outubro de 1874
FrANCISO ClSMONTANO.
DISCURSO I'UOMWCIADO NO EMILRRAMEMTO
DAS AL'LAS, POR HENRIQUE CAPITOL1NO P.
DE MELLO, ESTUDANTE DO MESMO COU-
LEGIO.
Senhores.
a Junquem, juoquem o chao clieirosas plantar
B folhas odonferas cortadas
c Nos bosques e jarilins de Mauncta,
Hurtu encaniado de risnnhas fadas I
(Francino Cismontano).
I
Hoje que se solemnisa as ferias deste im-
portante estabelecimento de instruccdo, ouso
enderessando-vos a palavra, interromper
por alguns momeutos a magica harmonia
que se >1iffunde neste ambiente, e minorar
com a frieza de miohas expressoes o enthu-
siasmo de que vos achais pussuidos.
Kelevai-me, pois, que a gratidao me mo-
ve & render, a vos, senhores professores, um
preito e boinenagem is b lias qualidades
que vos distingnem, ii alta rcissao de que
f*l Imit.
[**) Vid Cimoes, Luziadas.
{***] Vid. ainda Camoes.
;TRADUCgiiO DE X. X.
X.)
vos achais revestidos e que com tanto dis-
vello e pericia desemponhais; e a dar A
v6s, meus amigos e companboiros, o sau-
doso adeus da despedida.
Eis i que me proponho!
Consuio da benev^leiicia com que me
have is de ouvir, comer;arei.
t II
! Senhores I Foi no anno de 1S00 em que
Cabral, de viagem para a India, descobno
casualmeule, levado por uma das correutes
; oceaniuas, esto precioso solo em que tivomos
a dita de uascer.
A corte portugueza, orgulbosa com a
descoberia dtsta fonte inexbaurivt-1 le ri-
quozas, procurava & todo iranse occulta-la
&s vistas avidas das oulras nae,6es europeas,
para que della podesse gozar pacificameiite,
e a mais crassa ignorancia con babitanles para que, quaes uespreziveis es-
cravus, ou infames faccinoras, curvassem
submissos a cerviz ao latego que lhes im-
punba.
Estes homens, antes animaes irracionaos,
'occupados no trabalbo material das mints,
' para quern a lei era o arbitrio do mais des-
potico senhor, nao teriam certamente a idea
santa de liberdade I (*)
Condemuados a tao obscuro e ignominioso
viver, so a palavra eloqueute dos Anchietas
eNobregas os animava e onfi.rtava.
Comludo, nesta epoca, brasiieiros bouve-
[ram, qu serviraiu de admiragao A civilisa-
da Europa, e que actualmeute a hisloria de
I nossa lillf ratura se gloria em menciona-los;
j mas etes eram os poucos i que os bens da
jfortuna permittiam sulcar os mares e men-
digar em longinquas plagas o pao da scieu-
cia.
Os nossos primeiros litteratos foram
poetas.
A seraelbauca da Grecia que em seus
tempos primilivos ueu ao mundo geuios
tao sublimes, como Homero e Orpbeu, n6>
tivemos um Teixeira Pinto, um Cafdas, um
Durau, etc.
Nem censuremos 4 estes varoes illustres
nao nos ter arrancado da apatnia em que
jaziamos !
Em um ceo escuro e medoubo o que fa-
zem algumas estrellas que sciutillam aqui e
acoli ?
Ill
Portugal, senhores, nao queria subditos
Geis, mas escravos submissos que se cur-
vassem ao seu mero aceno ; ei porque se
aprazia em conservar-nos submcrsos no pro-
fuudo pelago da ignorancia. Mas, qual
raio de luz que penetra na mais estreita
fresta, a liistrur^ao como que levada nas
azas do vento ultrapassa as mats gigantescas
muraluas, atravessa os mais intriucados la-
byrinthos, e vai com seu raio diviuo illumi-
nar a razao do pobru tofeliz que geme
opprimido pelos duros grilhoos da escravi-
dao e do despotismo.
Eutretanto esta instruccio, de que apenas
re .ebe o reflexo, dd-lbe a contMcer a mise-
ria em que jaz, mas nao Ihe di forcas a su-
pers la.
En tao se falla va em nossa emancip^ao
politico, porem isto nao passava ainda da
uma chimera.
Eis que a corte portugueza, ameacada pe-
las pretenc,6es do heroe de Waterloo, vem
aungar-se nesta sua colonia amenuana, e os
seus portos abertos ao commercio esiran-
geiro deram ingresso taiabem aoprogresso
e a" civilisarao.
Foi eotao que raiou a- nossa independen-
cia e com ella a luz da civilisarao, espan-
caodo o espesso nevoeiro que mvolvia a
f-.-riil terra da Santa Cruz, espargio-se por
todos os seus angu'os.
Escolas, collegios, academias, sociedades
bcnelicen.es e scientitkas se espalbaraiu
prodigamenle.
Nu anno de 1855 um benemerite e pa-
triota pernambucano, o St. conslbeiro Jose
Beato da Cunba Figueiredo, iuspirado pela
grande necesstdade que tinha sua provtncia
natal de um iuternato, onde o novico das
leltras viesse sugar com prodigalidade o de-
liciuso nectar da sciencia; fundou o Gyin-
nasio Pernambucano.
Eu que aqui me abrigo e que guiado por
tao distinctos preeeptores me esfor^o na ac-
quiaicao da sciencia, cum pro um dever de
(*) Plus un peuple serd plough dans les
tent bres de I'iguurance, muias il sera" par
consequent, capable d'exercer ses droits par
lui meme ; done plus ilserd facile de reguer
absolutement sur lui, de I'opprimer.
(M: IIouzel).
PARTE QUISTA
III
(Continuayao do n. 251).
No dia seguinte, minha mSi partio para
'Montpellier levando Joanna comsigo, de-
)is de ter-me assegurado era poucas pala-
\ras que ninguecu nem mesmo Mauoela,
Liberia cousa alguraadahtstoria de Joanna.
Minha mi promettera s6mente assistir ao
casamento como publico, sem se darem a
. jiiliecer, ella e Joanna. aManoela.
0 Sr. Brudnel s6 queria que sua filha
visse d vontade o rosto de suauoiva, afim
do, no futuro, poder consentir ou recu
sar vel-a mais intimaroente, segundo o
grao de sympathia que ella Ihe inspirasse.
Estando, porom, Joanna disposta de an-
te-mSO a estimala, a precaugSo era inutil;
roas eu comprehendi que sir Richard o que
receiuva era que de futuro se suscitassem
dnvirtas icerca de um casamento que ji
tDntas outras tinha suscitado. 0 que em
fim elle queria era que uinguero pudesse
dizT & sua filha :A Sr.* esW certa de que
elles 3'i casados ?
A ausencia de minha familia devia ser
apenas de alguns dias.
Procurei dwtrahir-me'eora 0 trabalbo e
com o passeio, mas senli-mecorao que inva-
dido e alquebrado por uma tristeza pro-
funda.
Se Vianne me tivesse vist naquella oc-
casiSo, talvez me tivesse accusado de ter
soudades de Manoela ; eotretanto eu pode-
ria jurar-lhe que oSo pensava nella.
Eu nao pensava sen&o em Joanna, e nSo
podia expli'-ar porque r?/So ease ppnss-
Tir-nto mo ora t8o doloroso, '
to, devendo ella permanecer nas mesmas
condi^oes em que sempre estivera, nada se
oppunha a que continuassemos a viver
juntos.
Meu tilulo de irmao era sagrado a seus
olhos, vislo como, depois que soubera que
eu nao era seu irmao, como que fignifi-
cara-me uma ternura muito mais viva.
Essa situacjio, p is, assegurava o repouso
e as doces alegrias do futuro.
Quanto ao receio de vel-a levada por seu
pai, nao passava isto eotao de uma appro-
hensSo sem fundamento e de mode nenhum
motivava o desgosto e a e que eu sentia.
Eu nao queria descer ao fundo dos meus
pensamentos. Quando se tratara de Ma-
noela, confessei a mim mesmo o que sentia
sem procurarilludir-me ; mas Joanna nSo
era Manoela.
Um ser tSo puro e tao nobre, por tanto
tempo envolto no meu rospeito e rel'giflo,
nao podia fazor em mim agitacdes do mes-
mo genero, e effectivamente minhas angus-
tias s6 partiam de um- corac^o profunda-
mente sensibilisado.
Isto nao pode deixar de ser amizade fra-
ternal, dizia eu de mim para mim ; mas
grati lao meucionaado o* nome de tSo bene-
merito cidadfio.
IV
Illm. Sr. Dr. Carneiro Montuiro, e gran-
de a s.itisfagao que experimeato em tao so-
len.no momento, pur tor occasiao de mais
uma vez saudar-vos como regedor de tSo
importante instituto.
Sao notonos os vossos conbecimentos
scieutificos e o disvello o peri ia quo raos-
trais ua honrosa tarefa do educador da mo
cidado.
A actividade e zelo com que regeis este
importante estabelecimento, depositmo das
mais lisongeiras esperanyas da aossa patria
querida, sau digaos do todos us encomios.
Cercado como 'us actiais de um censor,
typo perteito do cidadao honrado e verda-
deiro apostolo das leltras, e do repetidores
extremameuie d dicaio> d cultura do nosso
intellc to, o voo g .verno turn sido uma
serie de bemfici is prostados em prol desta
mocidado estudiosa.
Senhor, u Gymnasio prosperard em quan-
to lifer a sua Iiente citladaos tao dedicados
ao itpeitcicoauifato das tenras intelligeiicias
que nelle procuram expandir se edesenvol-
ver-se.
Que importa que alguem, levado pelo es-
pirito de politic*,, tenha ceusurado os vossos
act's, s-^ n6s que eslnmos conliados a" vossa
sabia tutella vtis I mvamos e admiramos T
Sir va-V08 do coaforto estas vossas pala-
vras quando f.illaveis ao veaeraado di-ao Dr.
Farias: Estes cenUmares de educandos,
contiados a vossa direcgao, scrao multiplas
tubas, que ua postendade tocarao em nij
cantos o quo na diree houverdes mererido.
Esta e a ImguagHMi franca, simples e sia
cera do coracAo que aia la nao esta conta-
minado pulas astucias e liagimeatos da per-
mciosa pulitina o pelas fellas seductoras e
embriagautes, mas fementidas, da sociedade
currupta.
V %
Senhores professores, v6s a quem somos
devedores do quanto sabemos, e da amabi-
lidade e interesse com que nos ensinastes,
coaseati q>in depositemos aos vosos pes um
preito devido a alta missao deque vos achais
revestidos.
E' a gratidao quem falla por n6s, se-
nhor s professores. Sots vos o manan-
ciaes quo c.orrem para a crysta ina fonte
onde a mocidade, avida do progresso, vai
saciar sua sede devoradora ; sois v6s os
raios do grande lampada que esclareee e vi-
vifica a nossa intelligence, e o quo mais
sois ? S iis a raachina locomotora do pro-
gresso ; sois a in la apostolos da sciencia.
A vdsti cou&ado todo o futuro religioso
politico e social da nacao brasileira.
Qu4o bello e ver-vos na cadeira propo-
gando a inatrue^ao e a educagio ; ensiuando
a moral e a virtude o fortalecendo os nos-
sos coracoes- ainda tonros contra o Mcio e
a porniciosa maldadu do mundo, cam a for-
9a uonvencedora de vo9sa palavra eloquen-
te, auxihada pelos subHmes e edificantes
exomplos I
Vos me ensitMistes a lingua dc eloquente
Cicero e do sublime Virgilio, de Bussuet 0
de Feaelon, do Newton e de Milton ; dtistes-
me os primeiros rudimentos da pruiliuda
matbenatica ; fiaestes mo percorrer todo 0
globo com a imaginacao ; elucidastes-me
na vasta e imrinc da historie da humanida-
de; linalmente destes-me a haurir os prm-
cipios sSos de u na pbilosupbia chr.sta, que,
sa apartando do soepticismo abrafado pela
CHguoira, ou antes cormpcao da actualidade,
me fort.ileccu o cura(8o com sentimentos
nubres e puros ; e em recompensa de tau-
tos benefieios 0 que vos darei?
Acceitii estas expressoes pobres das (lores
da eloqueuc a e dos grandns pensamentos
qpe s6 a sabedoria sabe inspirar, como uma
dadiva do cora^ao affrtctuoso. que nSo vos
podendo premiar, faz vos a declaraijao de
sua divida.
Melhor rf compensa vos dara* a postorida-
del...
VI
Agora, queridos amigos e coodiscipulos,
e a v6s qite ran dirijo.
Depois de tantas fadigas e la bo res, depois
de tantas vigilias e insomnias, eis-nos cbe-
gados a uma -las estaijoes da nossa longa e
irebalho^a peregrina^ao aos bells campus
da sciencia ; eis-nos chegados ii um do-,
marc 'S em que por algum tempo devemos
repousar.
E' grande 0 jubilo que neste momento,
qual espumaote caseata, tranaborda de nos
A verdade, que agora sei, era quo eu a-
mava Joanna com todas as I'jrcas de minha
alma, mas que meu amor estava- conno qu
impregnad' e santificado pelo habile de
amal-a como irraa.
Minha mai tinha fixado 0 dia de sue vol-
ta. Passou esse dia, e eu em vilo as- espe-
rei. Entrei muito triste, e dizendo a mim.
mesmo que 0 Sr. Brudnel retivera-as, qu
Joanna quizera ligar-se com Manoela para
rejubilar o coracSo do pai e quo por isso
ficaria alguns dias mais. com elles; mas,
neste caso, perguntei, 0 segredo do na-ci-
mento de Joanna, de que tenho tantos do-
mes* por causa da h jnra de minba mai, se-
ra* confiado, ou antes sera" divulgado ?
0 correio do. dia seguinte trouxe me uma
carta de minha mai, que li com uma avidez
s6 comparavel ao nasrao que me causou.
Dizia a carta assim :
Retardaraos nossa partida ate* amanha ;
mas, nao querendo que passes um dia in-
qui-to, aproveito-me de uma bora de des-
cango para dar-te parte do estranho acoote-
cimento que acaba de dar-se na vida jd tao
agitada de R. B.
Chagamos a Montpellier gozando boa sau
de, tua irma muito ingenuamente encanta-
como que ha uro colorido de mais, e nio e* da por ter de assistir ao casamento, eu al-
" gum tanto ouidadosa por causa de tao gran-
de sacrificio 6s convepiencias ou a escrupu-
los que julg-jva fundados, mas nao tao im-
periosos como pareciam a R. B. Ja" lh'o
son So, que, a despeito de s6 estar 0 mundo
entre nos, sentimo-nos livres em nossas af-
feigdes. Se nos 6 interdicto pertencermo-
uos um ao outro, e n6s nos estimamos
basiante para nos queixarmos, ao menos sei tinha diio, e nSo" era mais tempo de repeti-
agora que Joanna sempre me amou como lh'o.
eu a amo depois de minha volta para a- Elle veio ver-nos durante alguns ins-
qui ; mas, poderd ella contentar-se sempre tantesi noite, no hotel era que nos aloja
com um sentimento Wo restricto e tio es-!mos, e disse-nos que tudo estava prestos
teril ? 'pan o dia seguinte. A cereraonia devia
Minha raai quer que ella se] case, e e ser simplesmente um casamento e nio bddas
inadmissivel que Joanna persista em n8o 0 solemnes, e por isso, logo ap6s 0 acto, of
querer sempre. Eu mesmo devo querer esposos tomariara uraa se*ge de posta para
que ella conhec,a as supremas alegrias da irem para 0 Chalet que R. B. alugou nas
familia ; mas entSonecessariamenteseu ma- nossas viziahangas. Querendo, porem, dar
rido e seus fllhos serfio tudo para ella algum 8pparato ao casamento, elle convi-
E, assim pensando.snrprehendia-me, nio dara as pessriascom quem entretinha rela-
ys voltas com astorlurasde um ciume sen- gdes, e a noiva devia traja^ um rico vesti-
sual, mas lutand^com taes emo^oes do co- do, e tomar uma balla carruagm para ir ao
mj8, que fizeram-me cahir dosolbos rios templo protestante.
^>"n^i,"fo<; lagrjrnas, que me queimaram A's rinco hj-a? da manha fomos do-
fifccrtalas por R. "., que peJIo nos* ...
vi-siissemos 0 mais depressa que podesse-
m< s, e disse-nos :Veaham ate a minha
.asa. Deixm aqui a bagagem. Fallar-
Ihes-hei em casa, o meu carro as espera.
E deixou-nos precipitadamente.
Elle mora n'uma bellacasa que alugou
a um kilometro da cidade. Para alii fomos
e alii cuegdmos um instante depois dell e,
que viera e voltara a cavallo.
Elle fez-nos subir para seu gabinote, e
disse-nos. Nirguem as conhece aqui; as
senhoras podem passar por parentas ou a-
raigas, vindas a meu cbamado para tratar
de Mano'-la, raui gravemente doente.
a Joanna levantou-se para ir ter com
ella, mas R. B. releve-a dizendo Ihe :Nao
a procure porqu- e* nutil; ella jd nio estd
aqui, nem mais voltard. Nao merece mais
o meu perdao : fugio esta noite com Dol 1-
ros e deixou-meesta carta.
Fallou com uraa calma absoluta. Sous
tracos n8o estavam alterados, e elle mos-
trou-nos a carta de Manoela que aqui trans-
crevo fielmente. Dizia assim :
Nio, nio, nio abusarei por mais tem-
po da sua paternal bondade. 0 Sr. nio
a pude sentir amdr por mim, e eu seria
a despresivel se abusasse por mais tempo
da sua sublime generosidade. Parto
com quem me offorece 0 amor com 0 ca-
sameuto, e creio oumprir urn dever para
a com o Sr. Creio provar-lhe assim meu
reconhecimento sem Unites, meu respei-
to e teruura filial inalteraveis.
Ella partio tio mysteriosamente,
proseguio R. B., que ninguem a percebeu
da fuga nem sabaria dizer por onde passou
com a sua aya ; 0 acaso quiz que John,
iacurabido do acordar esta, so descobrisse
sua ausencia ao romper do dia.
Sem nada roferir a ninguem John
trouxc-me a carta quo estava sobro a secre-
taria de Manoela. Fochamos 0 aposento,
e prohibimos que alguem se aproximasse
della dizendo que a senora estava doente.
Mandei cnamar 0 Sr. Vianne, que sera du-
vida ha de vir, emquanto as scuhoras me
ajudara aescrever a todas as pessoas advor-
tidis ou convidadas dizendo llvs quo minha
noiva foi atacada por uma suhit.i e
.:i.iis^-osiga-., razio porqu y Kas-.i/iiU
sos cora^oej, nio tanto pirque teohainosdo
fruir por algum tempo as desejadag ferias,
mas principalmente porque arroslando todas
as dilficuldades temos avancado mais um
passo na longa vereda que trilhamos.
Eia, collegas, dados aos nossos precepto-
res os agradecimenlos que nos inspiram a
gralidio, partamos a rofazer nossas forcas
abngados ao tecto paterno, e quando nas
pressurosas azas do tempo vulver o mez de
fevereiro, corramos tjdos d alislar-nos de-
baixo de nos-as sacrosau as bandeiras e
marchemos I...
Marchemos e depositemos nos hombros
de nossos vindouros a cruz que recebemos
le nossos aatepassados I i
Mocidade poruambucana, empenhai-vos
pelo futuro de nossa patria querida.
Esta horoica "provincia, cujas brilhantes
recordagdes bistoricas, tao juslamente dio
Ihe a gloriosa fama de pruneira gu-.-rreira
brafileira, nesessita muito e muito de no-
mens de le tras.
Nos que della somos Glhos, esmeremo-
nos por d r Ihe nas leltras 0 lugar que nos-
sos antepasafos dervra-lue nas arm..s.
Avante 1 avaatel eis 0 brado do presente
acenaudo para 0 futuro.
RECITACAO FEITA POR OCCASliO DO ENCBRRA-
SIESTO DAS AULAS D GYM.NASIO. AOS 31 DE
OL'TL'BRODE 18/4.
Ueixai quo passe a nuvem
A nuvem que chamam ouro ;
Poiem que eu chamo tbesouro
Do orgulba vil, da ambicAo ;
A snibneia procurai
Sereis ricos, 8e sois pobres
Os pubres tambem s8u nobres
Us mais m>br>-s da na^io.
Vide Camoes, o condor
I.a das moutanha dos Andes
0 cantar ilos feitos granlcs
Do seu bercoPortugal ;
Pelas lettrs res dveu
0 gri problem a da vida
E se emfnn morreu na lida
Deixou seu nome immortal.
Li na praga monumento
E seu nome na h nrosa hisloria
Vao mostraudo qual a gloria
Quando leu culto o talento
lmilai-o, 6 mocidado
Esclarecei vossa mente,
Fazei nascer a semente
Da Santa Cruz, um momento 1
Ea pois, 6 mocidade
Nao tr>-pideis em marchar,
Que no mundo pole andar
Quem cUra tern a ratio ;
Vossos mestres, vossos guias
Sao aguias firmes douradas.
Do sol ardente tostadas,
Porem que nao rolam no chao
Darkness is course of God
Koowledje's evings cHmb sky.
De Deu? e maldicao a ignoraocia
Nas aias da io9trucca j ao ceo subimos.
Shakspeare.
Nao ha hoje quem nao sinta
Prazer neste ambiente,
E a mocidade cnnte
Na luz do sol da razio ;
Cantai hymnos, tapetai
O chio com cheirosas {lores
E mostrai vossos labores
Se quereis ser Salomao.
Dai um passo o caminbai
Ve le que bem perto vem
A palma que todos tern
Quando os esf ireos s3o seus ;
Dai um passo e caminbai
Que a razdo terns por luz,
Fst ella que em vos rcluz
Qual colu.una dos Ilebreus.
Hoje que na le la infancia
Cukivais vosso talento,
Deixai por um s6 momento
As Carinas de .*gar :
Elembrai-vos que um dia
Vos grandes tambem sereis,
E ao mundo darns leis
Da sciencia no altar.
Regijsjai-vos e sdde
Ca 'a qual da sciencia um atleta
De Deus qual diz um poeta,
A ignorancia e maldicao ;
E b jo se no afan do estudo
Mil di-sab >res spntimos
Finalinente ao ceo subimos
Sabre as azas da instruccAo.
Omveira Escorel.
fica damorado para alguns dias depois.
Daqui a alguns dias eu serei a fabula
da cidade, mas p<>uco me importa ; o que e
preciso e que daqui ate Id eu nao seja senao
a legenda.
Fiquem as senhoras hoje e amanha em
minha casa ; ninguem as vord, e John s6
nos servird. Os outros criados hao de sup-
por que o doente estd no seu quarto, visto
con o o genero de vida que ella levava, torna
a cousa possivel; depos de amanha pela
madrugada partiremostodos, ejulgar-seha
que levamos Mauoela para ds bordas do
mar por prescricio do Sr. Vianne.
Joanna ficou inquiota com a presenga
de espirito de sir Richard. Quanto a mim
adivinhei que, se elle estava triste e estupe-
facto, achava-se como que ajliviado de um
grande peso e como que conscience de sua
propria dignidade.
Escrevemos todos os bilhetes, que elle
assignou o que o carteiro veio buscar. 1 Mo
tinha ma ad ad > todos os criados, excepto
John, d mairie, ao templo, e d toda parte
onde mister houve de os mandar, sera nada
esquecer nem omittir.
Esperamos pelo Sr. Vianne afim de
concertarraos com elle para salvar as appa-
rencias ; mas nio o vimos. Vieram depois
dizer-nos que elle partira durante a noite
para ver um doente em caso urgente,
que talvez tivesse de pratiuar uma opera-
cao, e que sem duvida nio poderia voltar d
noite.
Entio R. B. disse-nos com um sorrisu
singular : Que pensara disto ?
Nada, respondea Joanna. Foi um
triste acaso, eis tudo.
R. B. cbamou-me de parte, e disse-
me rindo a bandeiras despregadas :
FoioSr. Vianne quem raptou Ma-
noela I
Rospondi-lhe que era impossivel, e
elle disse-me ainda :Pelo contrario, e a
unica cousa possivel.
Mas porquo razao ? Ella nao via
mais ninguem ;
Via outras pessoas; sahia muitas
vpz<*s ; e duas vezes por semaoa rocebia vi-
',':'.. (.3 piucci iiiKli-z-'S
A0 1LLM. SR. DR. MAftOCl. MRKIBA K MORAES
musiKO, km thmt os uu alujuo olym-
PIO LEONARDO rRMUMRA UMA.
Sonelo.
A miRRa gratidao sari omo fad*.
(BOCAGE.)
Si a nossos charos pais o ser devemos,
Da ma'iutencao da propria vida;
Si ordena a Natur zt e^tremncida
Que bons filbos, n6* sempre os venerenos :
Nio menos dignos sio de que o araeraos
Os nossos mestres, pois ua humana lida
Daado-nos a iostruccBo appett-cida
Os mestres sao segundos pats quo temos.
Legilimo credor d^ eterno canto,
Da'etberea L'r.-nia apostolo extrtmado
Por cuja scioncia te desvelss tanto f
Craeas, gracas a ti hei penetrado
Os teus arcanos iminortaes; porUnto
A minha gratidao it-rd meu f-do.
NO :::.Ci:ilRAMfcMo DVS AUUU DO GtMNAS> fHWIK-
CIAL, BU 30 DE OCTCBHJ DI 1874.
Amiei, slate j|"ri...
(t. tasso L'Awuita.
Hoje neste Lyceu reiae a ah-gria,
Que raz8 > para tanto h \~. eu dev.-ubro I
Vedes ?to tempo nas v Unles azas
Volveu de novo o d sejaJo ouiubr*.
Eil-o gue t-az comsig as ledas ferias
Com seu jucuiido, espteadido, cortjo
De puros risos, tin inn iont-s gozns.
Quo sinto drsde jd, e sinto que vejo I
Depois das longas horas eufadonbas,
De ntura los labores, de ar lua lidas,
Nas quotidianas successivas aulas,
-Nas monotonas classes aborridas ;
Vamos ver a familia afiV.tuosa,
Que de bracos abertos nos espera,
E mo neat ,s fdgadose tranquillos
Respirar livres em mais livre e^pbera.
Vamos, colhido o fruclo dos esforcos
Euvidados por nds no hour so esta lio
Do anno lectivo que vnec nos, twido
A constancia por unico pilladio
Vamos, de nossos pais nas mios depdUo,
Do filial amor em testemunbo ;
E a sua ben^ao recebor em premio,
Bencio divina do celeste cunho.
Vamos, vamos emlim, no tecto amigo
Nadando em onds de prazer e gloria,
Solemnisar co as palmas do tnumpho
A alcancada faustissima victoria.
Mas ah I que pensamento, que lembrani*
Trisie sombria, porlinaz, funesta,
Pairando-me na mente vem agora
Turbar os doces jubilos da fesla ?
E' a idea fatal da desp-dida,
E da separacio ; e a saudade
D'esta nossa fraterna coovivencia,
D'este no=so commor :io d'amisadej
Urge partir, no entanto. Eia, coragam I
De folga e tempo, e tempo de descaaro ;
0 lar paterno. ti) distanto, ancioso
Convida-nos ao placido remari(*o.
Antes d'isto, porem, um voto, um voto
Aos nossos dedicados preceplores
Da respeitosa gratidao r. s azas
Depositamos, atravez de flares I
I'm v >to, sim, por este augusto lenbo,
Que, cntregue sempre d destro palinuro,
Sulcando ousado o tuimdo elemento
Possa ovatite afferrar porto seguro !
Depois, concios de que, por nuis nsteril
E maninho que seja um sol iagrato
Temlo cultivo sazonados fructu
Produz, que excitam palladar o olfacto :
Conscios de que o auto natict ignorante
Nio e mais do que um pobre cego e mu It
Partamos, tendo sempre por divisa
I.ivros, trabalho, applicacAo, estudo !
Outubro de 187..
TlS KNOMill.
deravam como raariJo e mulher; algua>
raoros ricos provavelmonte nra.u disso (
sem duvida disseram que Manoela encoo-
traria facilmentn cousa melhor do queeu.
salvo o casamento. Alguns, estou certo,
virarn u'a com olbos cubicosos e de corte
pensaram em roubarera-m'a ; ra-s soment
um ho mem pode ter sent i do por ella a pai
xio subita o irresistivel que ferio seu filoo :
esse bomera c o Sr. Vianne. Decididamoo-
te a faculdade estava desiimda a eteroisar
o meu celibato. Cra^as, pois, sejam da-
das a Deus e d ella I
Mas, porque razao o Sr. Vianne,
tao frio, tio positiv.i. tio con-i leradj ?...
Justamente I Tanto elle cbaaqueou
dianto della, que intlamraou a inveucive'
necessidade que experunenta a maior parte
das mulheres de veneer aquelle que lhes
resiste. Elle consurou muito l.nureago Bor
ter ingenuamente desempenhadi o pepel
de lisoqgeador e de ter succumbido ; mas
o que $ facto 6 que desemi>enbou ainda
mais candid a mente o mesmo pa pel e que
succumbio ainda mais completamente do
que elle. Era natural; e Item nos pode
mos rir do que a uatureca tern de corni-
caraeute fatal, sem que ninguem se possa
zangar. Creia-me, minha amiga, tudo va
polo melhor. Se seu fllho uvesse dosposa
do Manoela so o faria por poulo de honra,
sendo victima de uma veieidade ; nio as-
sim o St. Vianne, que obra mais resolutt-
raonte, por isso quo, raptando-a na vespers
do casamento, obedece a uma verdadeira
paix&o, tanto mats violoula, quanto quiz
suffocar e chacotear em si mesmo essa pai
xio. Deraais, sendo elle um homera ha
oesto, nio ha razio para que Manoela nio
seja feliz ; e pois nio pensemos mais nisto.
Agora pertenco-lhes para sempre. Escre-
va a meu charo l.oureoro, e assegure-lbe
que sempre o amei ternameuie e que, gra-
cas a Dens, nunca mais baverd raulber que
nos Cat;* distanciar. Irei para onde quize-
rera, e meu chalet, perto da sua cidade,
espera-me. Nada se oppde a que paruroos
juntos. : .^00
[Contimiw-se-ha]

)
-
looalfiii, i .. ji! in H" i...v.. .,, -iv"* LLjv i *-!.*i*j