Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18602

Full Text
*
ANNO L MJMEBO 2S1
PARA A CAPITAL. E LUGlRBi Oi'OB Vi SB PAA POBTE.
tor tres raezes a-Jiantados................ 63000
Por seis ditos idem................. 129000
Por am anno idem................. 84*000
Cada numero atulso................. #380
jjijp
PARTE OFFICIAL.
TERCA FEI11A 3 DE WVEMBR0 DE 1874
PABA DEiDTBB B FMIA 1>A PBOVL1C1A
Por tres mazes adianlados..... ..........
Por seis ditos idem ....'. ....... i ?
Por nove ditss- idem......._.......
Por am anno idem..................1TB099

PR0PRIEDA0E DE MANGEL FIGUEIROA DE FARIA FILHOS.
fit trs. Gerardo Anton* Altesd Filhoi, no Par*; Goncaires d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose de Oliveira d Filho, no Ceari; Antonio drf Leznos Braga, no Aracaty ; Joao Maria Julio Chr1 es, no Assd; Antonio Marque* da Silva, Natal ; Jose" Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Josd Gomes, na VU.U da Peiflm; Be'armino dos Santos Buleio, em Santo Ant* ; Domingo* Jota da Costa Braga, em Raxareth|
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna t Joao Antonio Machaeo, no Pilar das Alagdu; sfrei d C.na Bahia ; e A. Xavier Leite d C. v Rio Janeiro-

mmandaote da? ar-
ultr por em liber
de Smi'Anaa, que
de mariaha. -Em
3 ila m ii) proximo
auuexos o inj-a neolo
eisa para a sua con
siruccao uesse arse-
vincia
n>:o-aria<
da que se|a paga
Gavcruo da p ovlaciu.
RtMOIENTE DO DIA t3 D' JUNTO DE 1
1.' secgai
Offlcios : .
Ao Exm. brigadeiro a
mas.-Sirvase V. tixc de id
lade o recruta Braz Joa |Oi
provou iai;ai legal.
ao inspector do arse
resposta ao seu offlcio do
tiado, sob a 28, a que vieram
-i planta das obras de i|ue p
clasfto o novo edilicio em
Dal tenhJ adizer-lhe qae imdortandu a respectiva
.iaspen na avultada quvotialde 41:07 !jS600 reis,
seeendo o orearoento c lUieeeioualo pelo eoge-
QOMTo das obras inilitares, e nao seodo a dita des-
i>eia nalureza das rouiprehendidas nos decre-
es de 7 de main de I8i2 e 1 de fevereiro da
1861 para o tin de ser o - *-.b responsabilidade da presideneia, curaprcaguir-
dar a orde n do governo imperial, aao id por as-
tar a eneerrar-se o correnw exercicio, como por-
q-ie o *aldo da verba -Obras -ja e-ta sujeito ao
pagamenU de ouiras auljrisad*s e maadadM
ezMMtf nesse arsenal.
Ao director do arsenal de guerra.-bin res-
posta ao sea otBcio de h oalem datado, sob u. ti-53,
em quo solicita seja reuarado o telhado do quar-
ts da companhia de operanos inilitares, visto
caover nos dormitorios e em oulros compartimen-
toi, tenho a diier Ihe que inande lazer es*e ser-
viro pelos oDprarios de^se arsenal, visto eoroo a
mtmlfin das obras iinlilares aao dupdfl de pes-
dOtJ paraesse Urn.
2.' secfao.
A?t :
O presidente da proviocia, alienJendo ao qae
reqaarea o deserabargad >r da rela^ao do Kecife
hm Wippe de Sous Leao, resolve conceder-ihe
urn aaas 4 licenca coin ordenado para tratar de
*ui sadde onde Ihe aprouver.
3.* seqfio.
^cios :
Ao inspector da thesourana de faieoda. -
l'ola era vista a inclosa coa'a, inande V. S. pa-
gar ao furriel do corpo de oolicia Man >el Rodrt-
gies Lisboa Caraargo a quanlia de i<800 r?ts
dispeodida com os recrulaa na inesma conta tnaa-
oioaados, e que jtiverara o coovenienta desiino,
>-'U3do ioforma o Or. cnefe de iwlicia era 3eu
offlci datado de hontem, sob n. 75G.
Ao inspector da ihe.-oarana provincial.-L:r.
addrtamento ao meu offljto de *) do corrente, au-
toftso Vine, a adiantar companhia Recife Drai-
njge duas ter;as parted da nnp-jrtancia daj eon-
ta< qae estio a Ii |uidar se nessa tnesouraria, de
v-jodo esse adiantaraento ser feilo na coaformi -
ilads do citado olDcio.
ETPEDIEXTB DO SECaETAIIIO.
8.' seqao.
iJiScios : ,
Ao Dr. ehefe it policia..0 Kxm. ar. presi-
i o^ de V. S., n. 735, de hont*5datado corn
manicaado haver no d.a anteoeleote subde e
.MdodoS' dislri:to da DroglWaU de h. lose pav
l!do o exercicio do sea cargo ao respective *
^TmemoS. Exs.oSr. oeesideole da pro-
raanda eommanicsf a V. s.. para oa lion
at^ qae Mir ufflcio destt data expedio as
ordeas a thesoorafia de fateoda a lira
paga BO farriel do corpo de polici
Mia'oel RodrigMS L.sb6a Cvnargo a 'r^"\''3;
u7ndtia con os recruta^, mencionados na cunta
H acompanhoa o olcio de V. S., daUio do hon-
lem, sob n. 756.
BtPEDIBMTB DT Dl 23 DS JL'NHO OB I87i.
1.' StCQUO.
Actes: .
0 presiienl'J da orovincia,
aga requereu Antoaio Ferreira d
i c>nceder-lhe permlMio P"a r ao aresMn
A Fernando de Soroaha no primeiro vapor que
Lira alii soguir, levan lo em sua companhia os
^aeros conslautes darcla.ao junta assignada peto
.-"urioda pre--ideacia; uio poiendo porem =er
diembaread ,1 os Jitos genoros som qua por parte
dTresoectivo eommaadiBta se proeeila a exame,
aim de conhecor-?e si ha sgaardanta ou oatra
nalauer bebi-Ia rtspirituosa.
_ ft presideute da proviucia, attenloodo ao
1-j.e requerett -vntonio Machado Pere.ra Vianna
f'aior resolve conceder-lhlicen;a para erabar-
eat com destino ao presiJio de Fernando de >o-
Dnha, no primeiro vapor que para alii segair .a
-drera eotresue- ao pais ao CleraKnte de Magalhes,
oi generos fconstantes da rela;.ao itaas8f>nada
i^tosecretario da presideneia; osfquaes uan podcrao
Ser desembarcados aaquelle presidio sera que por
uirte do commandante do mesmo se prcceda a
exame, afim de se verificar si ha aguardeate oa
oatra qaataaer bebida espintaos*.
0 presidente da provincia attendendo ao que
reaaerea Antonio Ferreira de Oliveira, re?clve
oaceder-lhe licenca para embarcar com destino
ao presidio de Pernanio de Norooaa, no primeiro
vapor que para alii seguir, a serein entregues a
Aatonio Francisco de Medeiros, oj geaeros coa-
jaates da relacao joata, assigaada pelo secretano
da presideneia ; os quaes nao poderao ser desem-
barcados naquelle presidio sem que por parte do
resoectivo commandante se proceda a exame, anm
de se verificar si ha agaarieate oa oatra qualquer
bebida espiriliiosa.
Offlcio :
Ao Exm. brigadeiro commaadaale das annas.
Transmitto a V. Exc. para os ftos coavea.eates
a ioclusa copia da labella que nesta data appro
vai nrovisoriaraente, em juaato nao o for deliniti-
vamente pelo Exm. miohtro da gaerra, arbitrando
em 470 rs. a estapa, e em 100 r. a forragem, que
tern de ser pagas a tropa de liana, duraote o se
nwslre de luloo a dezembro do c-orrente aan?.
2' $ec<;uo.
Acto:
0 presidente da provincia, a vista da pr-opos-
ta do Dr. chefe de policia em offlcio de to do cor-
rente, sob a. 73s, resolve exonerar, a pedilo. 0W-
naate Jose Carlos Vital do cargo de delegado do
twmo do Triumphs.
Otfiico :
Ao commaodaate do cor?.o de policia.beui
perda de tempo expe^a Vmc ordens aos coaimao
danles do3 deslacamentos da policia qae estio pelo
interior da provincia, afim de qua facam recolher
ao repectivo corpo as prac^s que qaizerem ali'tar-
se nasguarJas locr.es; deveaJo vir dos dasucameo-
KM de % pra^s 2 ; dos de 12 i ; dos de t'i 3; dos
de tO 8; e dos de 30 10.
3.' secfSo.
Ao inspector da thesoararia de fazeoda. -lea-
do approvado pro'isoriamente, emquanto uio o
for dennitivamente pelo Exm. Sr. min.stro da gaer-
ra?* tabella qae veio annexa ao seu offlcio ae b
do corrente, sob n. 700 serie G, arbitrando o valor
da etapa e forragem, que temde ser pagas as tropa
de liaaa e guarda na.cioaal destacada, dnraate o
samestre de lalho a dezembro.do corrente HBO ,
assun o commomco a V. S. para sea conhecimea-
to e direccao. ,
Ao mesmo.De acordo :om a sua latonaa-
constante do offlcio de 22; do corrente sob n.
atteadead-i
de Almeida,
J*
C
Hslro Lin3 da multa quo Ihe loi imposta polo ad-
ministrador da rerebodoria, em virtude da infor-
macao do art. 21 d > regulamenlo n. i,8J.'i de t de
dezembro de 1871; o que cominunico a V. S.
p ira seu coaheci nento e devidos fins.
Ao mesmo. Para os tins conveaieates, com
muaico a V. S que a 8 do correate reassumio o
exerceicio do uar^o de jui; municipal e de orphaos
do tenno de Limoeiro o bacharel Joaqu m Fraa-
cisco de Arruda.
Ao mesmo. Para ?o flas.coaveaiealas com-
muoico a V. S. qae a li do corrente, assnmio o
exercicio do cargo de juiz de direitu ioterino da
eomarea do Bom-Cousoiln o cidadao Pedro Ca-
valcante d'Albaquerqtie.
Ao mesmo.-Para os fins coaveaiente com
munic j a V. S. quo a li do corrente assumio o
exercicio do cargo de juiz municipal e de orphaos
do termo do Bom O.nselno, respective V sup-
plente, Aogosto Martiaiino Soares Vilella.
Ao iospeclor da :hesouraria provincial.-De
conformidade com a inclu^a coota documeotada,
inande Vmc. pagar aos emprezarios da illuminacio
publica Je.-'.i cidi.le a importaacia a que tiverem
direito pelo gaz c insumilo durante o mez de maio
proximo fiulo com a lluminacio da me-ma ci-
dade.
Ao mesmo. Mande Vmc. pagar a Raphael
Francisco Kereira a quanta de 117X200, em que,
seguad-j as iuclu-as cuntas, remetiidas pelo juiz
de direito da cidale de Caruarti em 19 docorrea>
te. importa a despeza feita durante o mez de maio
fiado com >> tuttealo dos presos pobres recolhidos
a cadeia daquella cidade.
Ao mesmo. Recommendo a Vmc. qae sem
perda de tempo contracte a factura de 320 blu
sas e 320 cal^as de brim pardo, 160 bonets, 160
capotes e 320 pares de sapatos, com applicacao a
guardas locaes que acabam de ser creadas nos
manicipios de Goyanna, Nazareth, Pao I'Aiho, Li-
moeiro, Victoria, tscada s Gamelieira ; podendo
effectuar o coat-acto para semelbante factura com
o mesmo fabneante que esta preparando o fa-da-
raeato do corpo de policia.
4.' sec{fio.
Oflicios :
Ao provedor interiao da Santa Casa de Mi-
sericordia. Informe Vmc. si es eraprezarios do
servi^o mortaario torn dado execucao aos arts. 6,
8, I't e 17 do respecliro regulamento.
Ao regedor do gymnaiio provincial. Fica
pro'ideociado, com offlcio desta datt aoengenheiro
fiscal da compmnia de gaz, sobre as fallas qae
actuaimente se dae na illuminacao desse institato,
sogundo coinraunic^a Vmc. em 23 do corrente.
Ao mesmo.Pode Vine, atmittir como alun-
ao interno desse instituto, caw haja vaga, um
dos menores de qua trata a lei provincial n. 961
de 23 de julao de 1870, filhos de Sebasliao Jose
do Rego Uarros, cujo requeriraento nesta parte de
feri.
5.* secrao.
Gfflcios :
Ao Dr. Maooel do Nascimento Maehado Por-
tella, presidente da comraissao eacarregada da
promever a acquisicio de productos para a ex-
posi(ao universal de Philadelphia. Em soincao a
dun da que V. S. propoe em otikio de Mi do cor
rente, soh -~ f^>..s 4<
calar do mini terio' da agricoltura, comraerciire
obras publicas, do i de dezembro do anno pro
ximo passado, declare a V. S que essa noraeacao
ileve ser lei a pela comraissao central sob sua
presideacia. ..
Ao eagenheiro fiscal da compaahia de il-
lamiaa.-ao a gaz.-Haia Vmc. de providenciar no
seotido de uao coatiauar a haver filta de luz no
gymnasio provincial, onde os candieiros se apa-
gara antes das h>ras couvenieules, em prejuizo
da b)a orlerh e regularidale dos estados, se5,'ando
diz o respective regedor em offlcio de 2J -o cor-
rente.
Ao gereute interiao da companhia pernam-
bucana. -llavendo muita conveniencia em a ad-
miaistraijao dos correios desta proviacia ter um
empregado seu a bordo dos vapores dessa compa-
nhia. qae fazem vugom daqui para o presidio de
Feraandj de Noronti* o vice-versa, e undo o chere
daquella reparticao designado o praticante Ant)
nio Augusto de Gliveira Quintal para liscalisar
nos ditos vapores a eatrega e recebiraeato da cor-
respondeacia, como por cobro a coutrabando de
cartas se a sellos do Vmc. provideacias ahm de
que o referido empregado lenha as precisas pas-
5agens. Deste modo licara cumprida a clausula
9" do contracto que essa mesma compauhia cele-
brou a 14 de raarco de 1372 com o direct rgeral
dos correios, approvado pelo decreto n. 4,944 de
30 de abril do mesmo anao, conforme declarou o
dito chefe de reparticao em offlcio desta data, sob
n. 426.
Portaria : .. t ., .
Os Srs. agentes da companhia brasileira ae
navegacao a vapor facam transportar por conta
do raiaisterio da marinh, n vapor esperalodo
noru, para a Bahia,o f tenente Ma.noel Goncalves
do Valle Guimaraes, e para a cOrte tres grume-
tes de marrahagem.
EXPKDIENTE DO SECRETARtO
i/ seccao.
Ao commandante da coTvel&'fiecife. S. Exc.
o Sr presidente da provincia, Undo expedido
necessarias ordens para serem transportados
vapor esperado do norte, para a Bahia o 1
nente Manoel Goacalves do Valle Guimaraes, e para
a corte ires grumeies da raarinhagem ; assim o
manda declarar a V. S. em resposta a seu offlcio
de 23 do corrente, sob a. 17.
2.1 ?cfo.
Offlcios:
Ao juiz de direito da cidade de Caruani.S.
Exc. o Sr. presidente da provincia. manda decla-
rar a V. 5., em resposta ao sea offlcio de 19 do
corrente, qae nesta data foi autorisado o inspector
da thesoararia proviocial a roandar pagar a Rapha-
el Francisco Pereira a importancia de 1471300,
despendida jom o sustento dos presos poores da
' cadeia dessa cidade durante o mez de maio pro-
ximo undo. I _
- Ao juizde direito intenno da comarca do bora
Conselho.-O Eim. Sr. piesineute da provincia
manda aectisar o recebimento do offlcio ae V. S,
de 14 do corrente, commanicando ter naquella
data assumido o exercicio interiao do cargo de juiz
de direito dessa comarca.
Ao juiz municipal do termo do Limoeiro.
0 Exm Sr. pre-ideate da ptoviocia mauda accu-
sar o receWmento do offlcio de V. S., de 8 do cor
rente, com runieaodo ter naquella data reassuraido
o exercicio do sea cargo. ..... _. ^1
_ Ao2'upolente do jaiz municipal e de or-
phi jo termo do Bom-Gmselho.-O Exm. br.
presidente da provincia manda accusar o recebi
raento do offlcio de V. S., de 14 do corrente, com-
manicando ter naquella dataassumtde oexerciuo
do cargo de juiz manicipal o de orphaos desse
termo. .
Ao commandante do corpo de policia. -De
ordera de S. Exc. o Sr. presidente da provincia e
para M*ias convenientes iaelusa remetto por copia
a Vmc. a portaria Jque reformoa esse corpo.
5.* seccao.
Offlcio : *'i
Aoadmini3trador dos correios.S. Exc. o
Sr. presidente da provincia manda declarar ay.
S que nesta data expedio ordem a companhia
peraambucana afim de dar passagem daqui para
Fcoando e vice versa ao empregado dessa repar-
ticao Antnni) Augusto de Oliveira Qaiotal, por
vfs. desigoado a fazcr somelhaote viagera a bem
as
os, no
!. te-
do servigo pablico, segundo solicita
cio de hoje datado, sob n. 426.
KXPIDIEME DO ?1A 26 DE JVNHO DE 1874.
1.* seegtio.
Actos :
0 presidente da proviacia, alien Jen 1 > ao qae
requerea Jos6 Lopes, resolve c raieder-lhe licenca
par. ir ao presidio de Fernaado de Noronha, no
proximo vapor qas paia alii tem ae seguir, e bem
assira levar os generos consUates da rela^Ao juuia,
assignada pelo secretario d\ presilencia, os quaes
nao poJerao ser desembarcados aaquelle presidio,
sem que por parto do respectivo commaadaale so
proceda a exainu, afim ae si verilicar se ha aguar-
dente ou outra qualquer bebida espirituosa.
0 pretiJ-nte da proviacia, attendeado ao qae
requereu Antonio Bao, resoive cooceier Ihe licea-
ca para embarcar coin d;sliao ao presidio de ?er
nando de Norouha, ao primeiro vapor que para alii
seguir, cs generos eoostaates da reiacao junta, as
signada pelo secretario da presideneia ; os quaes
nio poderao ser desembarcados naquelle presidio
sera que por parte do coramaudaute do mesmo
se proceda a exame.alim de verificar si ha aguar-
dente ou outra qualquer bebida espirituosa.
0 presidente da provincia, attendendo ao qae
requereu Manoel Xavier Correia Lima, resolve
eonceder Hie licenca para embarcar com destioo
ao presidio de Fernando de Moroaha, no proximo
vapor que para alii tem de seguir, a serem entre-
gaes a Antonio Carlos RoJrigues Cardoso, nove
barricas com assucar retinado e um caixao com
bolacha; nao podendo taes objectos ser desem-
barcados no mesmo pros dio sera qua por parte do
respectivo cominandaate se proceda a exama afim
de se verificar si existe aguaidento ou outra qual-
quer bebida espirltnosa.
0 presidente la proviacia, attendendo ao qae
requereu Joao Simao de AlraeiJa, resolve conce
der-lhe permissao para ir ao presidio de Fernando
de Noronha no proximo vapor que para alii tem
de segair, afim de tratar de negocios de sea par-
ticular inUresse.
Offlcios:
Ao brigadeiro commandante das armas. -
Constando de aviso do mioisterio da guerra, de 10
do corrente, ter-se naquella data, em satUfacio do
que solicitou o delegado do cirnrgiao mor do exer-
cilo nesta provincia, raandado fornecer pela iaton-
dencia da guerra ao hospital mditar os iustrn-
raentos cirurgicos consumes da nota junta por co-
pia, datada de 8 deste mez, organisada na reparti-
cao do quar-el mestre geoeral; ssim o commuaico
a V. Exc. para o fazcr coostar a |u.die delegado.
Ao mesmo.Sirva-s > V. Exc. de roandar por
em liberdade o recruta Joaquim Domiagues Ca-
bral, que provou iseacao legal.
Ao mesmo. -Teado o governo imperial inde-
ferido o requeriraento era que o corneta do 9." ba-
lalbao de infantaria, Maaoel de Jesus, pedio baixa
do scrvigo do exercito, allegando fazer feito tola a
cimpauha do Paraguay, como guarda aacioaal de-
sigoado, visto ter elle .-id ) coagido ao servji-o de
guerra, seguodo coasta da inforraacao junta por
copia, prostada pelo commaalaate superior de
Alagoinhas, na proviacia da Bahia, recommeado a
V. Exc. que mande averbar a dita iaformacao nos
.......main, daquella prac.a, coaforraa detenni-
renfe."''-" *> mtaUtaia daeaerra. de 9 d or
Ao mesmo.Visto qae o soldaao rcmna .w
toaio Guilherme de Amarautho, tendo side submct-
tido a nova inspeccao, foi considerado mcapaz do
servico militar, p'or sottfer de palpitawes aerro-
sas, como se v.- do termo auoexo ao seu offlcio
desta data, sob a. C0, autoriso V. Exc. a roandar
dar Ihe baixa e remette-lo ao Dr. elude do policia.
-Ai> mesmo.Expeca V. Exc. suas ordens para
que tres oiflcia^s superiores desta guaruicio co:n-
parvcam neste palacio, as 12 horas do dia 2 de ju-
Iho proximo totjro, afim de c usiiluirem a junta
de justica que era ultima iostauc a tern de julgar
o processo iastaurai;- contra o sollado da 8' com-
oaahia do corpo de policia, Manoel Joaquim dos
Saotos. .
Ao inspector do arsenal de mannna. uim-
raunlco a V. S. p:.ra seu eonhajimento que por
portaria do raiaisterio da mariaha, do 11 do cor-
rente, foi Joaquim Jo.e de Carvalho amueira Va-
reiio nomeado para o lagar de desenhador desse
arsenal, de conformidade com o decreto e regula
mento a 3622 de 2 dj maio ultimo. .
Ao mesmo.-Constando de coinmaoicaf.au ua
secretaiia de estado d negocios da raaunha que
na data de 13 do corrente foi Trajaao Augusto de
Carvalho exouerado, a sea pedido, do cargo de
director das coastruccoes uavaes desse arseaal ;
assim o declare a V. S. para sen coohecimenlo.
Ao commandante do presidio de Fernando de
Fernando ie Noronha. Transmitto av.b para
seu conhecimento e devida execucao copia do avi-
so da 13 do corrente. no qual o Exm. Sr. raraistro
da gaerra, referindose a evasao, que ultimameata
tivera lugar, de quatro scntenciados, que cum-
priam pena nesse presiJio, indica os meios de
que deve I near mao esse commando no intaito de
impedir faclos identic js.
Ao eagenheiro das obras militares. Kepre-
sentando-me o brigaJeiro comraandaate das armas,
em offlcio de hontem datado, sob n. 497, que o tu-
bo conductor a'agua para o hospital miluar se
acaa estragado era um de seas pantos, deixaado
escapar por e le graode quantidade de liquido, de
maneira a privar o deposito do que e necessano
para o abastecimeoto do mesmo hospital, recom-
meado a Vmc. qae examiae o dito tabo e informe
com urgencia sobre o modo de ser remediado esse
Lcouveniente.
Ao director do arsenal de gaerra. uecia-
raodo o Exm. Sr. miaistro da guerra, por aviso do
12 do corrente, ter oessa data expedido ordem a
intendencia da gaerra para fornecer a esse arse-
nal, afim de poder salisfazer o pelido da compa-
nhia de cavallaria, as espadas e capsulas fulrai-
Dtbtas, caja remesaa solicitou Vmc. em seu offlcio
de 13 de maio ultimo, sob n. 65; assim lu'o com
muaico para 3ea coobecimeoto.
2.a secqao.
Actos: ...
0 president da proviacia, attendendo ao que
requereu Francisco Martins Pereira dos Santos,
tabelliao de notas da villa de Jaboalao, resolve eon-
ceder Ihe 6 mozes de licen;a para tratar de sua
saade.
0 presidente da proviacia, de conformidade
com o disposto no art. 1 do decreto n. 1,294 de 16
de dezembro de 1833, resolve nomear para exar-
car iaterinaraeate o offlcio de tabelliao de notas da
villa de Jaboalao, ao unpedira-uio do respectivo
serveatuario, o tenente Mieuel Germaao dos Saa-
tos Pereira Bastos.
Offlcios:
Ao Dr caef-j dd pdicia. Tenlq nosti data
resolvido a soltura do recruta Antonio GjiIIktiu
de Araarantho, visto ter sido considerado era ins-
peccao de saade iucapaz dp servtco militar, deter-
raiael que fosse dito recruta remettido a V. S- afim
demaodar proceder contra el.e pelo crime dc ha-
ver tentado estuprar uma crianca de dez aunos
de idade, conforme consta de seu offlcio de 29 de
maio ultimo, sob a. 609, com referenda ao que
eommunieou-lae o delegado do Rio Pormoso. 0
que declare a V. S. para seu conhecimento.
Ao juiz de direito da I* vara crime.Tendo
desigoado o dia t de jalho proximo, as 12 horns
da raanha, para reuaiao neste palacio da junta de
justica, qae deve julgar o processo iastaarado con-
tra o soldado da 8a compaahia do corpo de policia
Maaoel Joaquim dos Saotos, iaclaso remetto o dito
processo, aftrn de qae V. S. compare?* e faca o
'relatorio do'estylo.

em seu offl-. Ao pronjotor publico da capital. Teadlo II- ductos, que pelo means equivalbara a ura aceres-
I Infill. I S i II tfl W^l(\r il.' *n ilii -, "i i ,.i(,i (nlAnin nim. An S? ,. aam.a A ...... ........!........ .. .k.___~
a;ao com Antoaio
Bezerra de Mtaeses, m-ira lor a rua estreili do
Itosano, carrigado com polvora um cjoo de ferro,
e raandado djsparar por ura a cnaaei, quo por isto
Hcou com graves feriraeutos, criarao a atten;ao de
Vmc. para iquelle facto cniuiooio, s que deu se
oo dia 23 d cotTente.
3.' secgao.
0 presraente da providcia resolve, do confor-
midade eom oi arts. 6 e 83 do regularaeato de 6
de abril ultimo, promover o 3.* escripturario
do coasululo proviocial Feliot) do R^gi Bar
ro3 Pess a para o'ugar de lancador da mesraa re-
psrtiQio.
0 preidente oa provincia re olve trans Eerir
o feitor eonferente d) consulado proviacial Edu.ir-
do ?rederico Baoks kara.o lugar de 3-^criptura-
rio da raesraa reparticao. '
Offlcios :
Ao inspector da '.hesouraria de fazenJa. -De
coaformidade com o aviso junto por copia, expe-
ca V. S. as neeessaria: ordens no seotido de. ser
abouala a ajuda de cudo de transporte e prepa-
res de viagem, a que tivr direito na forma da le-
fislacio em vigor o 3* escripturario de-sa thesou
raria Pedro Reginaldo Tiixeira, que se acha uo
rueado para identico euprego na da Bahia, afim
de poder elle segair a sec povo destino na priraei-
ra opp'.rtiuidade.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar a Jose Lo-
pes Alheiro a importancia los inclusos prets, rela-
tives aos venciraentos das pracas de guarda aacio
aal, destacadas durante us nezes de abril e maio
em Villa Bella; conforme solicitou o respectivu
commandante superior em oflcio de 3 do correate.
Aj mssrai.De conforuidtJa com a ordem
desta p.'esidsnca, de tl do co-rente, mande V. S.
pagar a Rufiuo Manoel Cruz Cousseiro a qaanlia
de 323/880, por quanto contnetou us concertos
necessaries nas forjas e charaites da offl;rua de
ferreir >s do arsenal de guerra, una vez qae, se*ua-
do declara o eagenheiro das olr.s militares em
offlcio de 21 dests mez, acham-a. coacluidot taes
concertos. '
Ao mesmo.-Transmitto at.S. para os de
vid' s effeitOs o tltulo pelo uual Jiaquim Jos 5 de
Carvalho Siqueira Varejio e uometdo para o lu
gar de deseahidor do arseaal deraariana des>a
proviacia.
. Ao mesmo. -Constando do conmunica?io da
secrelaria ae esodo dos negocios (.% marinha, de
13 do correate, que na mesma data foi rrf.jauo
Aagnsto do Carvalbo exonerado a leu pedido do
cargo de director das constructs navaes do ar-
senal de marinha dssta provincia ; assim o com-
inunico a V. S. para os lius convenientes.
Ao mesmo.Jeclaraudo-me o Exm. Sr. mi-
aistro da mariaha, em avi-o de 10 do corrente, ha-
ver coulirmado o acto desta presilencia maudaado
ahrirsob su respoosabilidade o cradilo da........
3:032i233, alim de occorrer-se a diversas daspe
zas da rubricahospitaesi/o exercicio vigoiite ;
assim commuaico a V. S. para seu conhecimento
e d recc*i).
Ao mesmo.Paraos lias convenientes iuclu
so reme,itoaV^3. q decre.ij,^
rente ,^>'^,
"_s uo
cimo de o por cento do qae actuaimente se obtera.
Para isso toraara por base &om feixes de cannas
ie 24 libras cada um, on 2,i00 libras no todo, cu
jo caldo tenha 10" Btume, e colhidas de oatubro
a mareo, as quaes produzen commumroente 96 li
bras de assucar purgado e secco : iendo 64 librae
do branco, 16 libras do somenos e 16 libras do
raascavado, alera de 96 libras de rael de 33* Bau-
me.
Art. 2* Coraproinelte-se mais :
A erapregar appareibo* simples e economicos, os
quaes consistirao principalmeote em alt-r.ir o a<
senta nenu> da m>eola co.mourn de tres cylinlros,
alaptando-lhe mais uracyiindro esraagador ou de
alimenticao, de men r diaraetro qae os oatros,
le sorte que a mesma moenda produza mais re
sultado.
A apei feicoar o processo da extraccao do caldo
por meio da maceragio a quente do bagaco, po-
deodo o producto d'essa macerafao ser akoul
pelo menos de 2l Carlier, quando facilmoote nao
possa ser assucar ;
A aperfeiQoar a defeca;a> e clarificaQio actuaes,
evitaodo o mais possivel os ma s efl'eitos da cal,
quer pelo emprego do tannino que possa exirahir
das arvores de cortume existentes no paiz, quer
pelo do acido carbunicn; e, si Ihe convier, de phil
tros. a iraita;ao dos do Taylor, c de prensas de
espuraa ou de philtros prensas;
A empregar o cosimeoto a vapor, ou mesmo a
foo_nu eom rapidez, de sorte que nao impossi-
bilite uraa segura obteocao pelo menos de uma
recosedura;
A empiegar appar>-lhos ceatrifugos ou oulros
na extracjao accelerada do mel dos assucares de
jactos s eundarios.
Art. 30. 0 enntractante, no prazo de 20 tnezes
contados da data da assigoatura do contracto, dt-
vera ter concluidos os melhoramentos especitica-
dos nos artigos antecedenles, que produzara pelo
menos os 50 por cento promettnlos.
Na aprecia^ao do augmento de 50 por cenlo da
base estabelecida levar se-hao essencialraente em
conta os valores brutos dos producto*, seguadu
os preeos obtidos na praga do Recife, e eonside-
ra*-se ha como valores das dilTerente.- qualidade-
de assucares tornados os ua media das cota^oes
da praca da mesma ssmana; seado qua quanto
us 96 libras de mel deve se considerar produzirem
commummente 22 litn-s de aguardente de 21*
Cartier, na temperatura ordinaria.
Art. 4 Dos result.!ios obtidos e das ianova-
cOes, alterafdes oa introduccao de novos appare
Ihcs, dara pela impreosa conhecimeolo aos agri-
cultores, noticiando as vantagens e es meios pra-
ticos de obtelos.
Art. 5.* 0 governo por sua parte obriga-se a
emprestar ao cootractaote a quanta de 10:000*
era apolices de 7 por cento an par, pagavel em
luas prektacoas, uraa de 4:000.000 depnis da
prestacao da competente Qaaca, e outra de 6:000 >
logo que prove ter comecado as obras e compra
do todos ou parte los apparelhos, precedendo a
fianca nos termos do ail. 7, hypothese 2*.
Art. 6." A quanlia emprestada uao vencera juros
duranu o prazo de 20 mem, e s6 depois desse
de Paula
k-idos di-
iin-
pnaos'To i-rmo iTefiores.
Ao mesmo. -Remetto a V. S. os
Oome.cao dos conselheiros Francisco
Bapti*t'a e Joiio Silveira da Souza, paracomnea-
dadores da Ordera de Chri>to, alira dc serem en
Uelues a quern se moslrar compelenteraenie i
risalo'a recebsl os, depou de pagisos dev
Ao mesmo.-Remctlo a V. S. para os
couveoientos copia do aviso do mimsteno do im-
p-rio do 9 do corrente, a >b n. 1,869, declarando as
ouantias quo foram distrinuidas a esta presidea-
cia para o exercicio de 1874 -1873 do credilo coo;
eedrao aquolle ntmsiterto pela lei o. 2,JW e -j
de a*osto do anuo passado.
Ao mesmo.-Transmitto a V. S. para os de-
vidos lias as inclusas portarias dc nomeacsw de
Juvencio Pereira de Brito e F:ancisco AagasW a
Miranda, esle para ajudante do correio da Vntona,
e a luclle para o do Limoeiro, nesta provincia.
-- Ao mesmo. -Mande V. S. orgaaisar com ur-
gencia uma tabella ind.caudo a qualidade e quan-
tidade dos obj-:tosespeciaes de que anaualmente
-'-- ...ia r ret-laos vnte mezes. --w
S os titulos de Art. 7.- ram garanta d >s da l pres
podem precisaras emprezas e corapanhias, quo go
Lam Jo iseucao de direitos de coasumo, existen-
tes nesta provincia, alira desta presideacia rilisfa-
zer o que foi exigido era aviso circular do minis-
terio da agricultura, commercto e obras pubucas,
de 18 do correate, sob n. 12. .
Ao inspector da tnesourana provincial.e
raetto pur copia o offlcio que rac dingio o Exm.
presideute de Alagoa-, era 2z d* corrente, afira de
que Vino, satisfaca a exigeacianelle contida.
Aomesraff. Transmitto a Vine, a inJlusa >-o
pia do acto de hoje, pelo qual resolvi contractar
com o Dr. Igaacio de Barros Barrelo o mdhora-
raeato do faorica de assicar nesta provincia, sob
as bases eoostaates do mesmo acto, anm de que
oessa thesourana seja lavrado o respectivo termo
de contracto.
4." secqao.
A' lllma. caraara municipal do Recife.Era
resposia ao offlcio de 23 do corrente, n. o9, am que
a lllma. cararaa municipal do Recife pondera sobre
o desta presideneia. de 28 de maio ultimo, relevar
a multa que fdra imposta pela mesma lllma.
camara ao cratractaou do mercado publico, te-
nho a dizer qae o goverao imperial, a cujo conhe-
cimento se submetteu a materia, tera de decidir si
essa corporacao 6 oa nio competente para resol
ver multas nao procedentes de posturas ; e em
quanto semelhante decisao nio for profenda, a
lllma. caraara nao deve iosistir ua razao de com-
potoocia. Accresce que, quanto nenhuma davida
houvesse a tal respeilo, a liiraa. caraara nio pode
ria decretar, como decretou, o relevameato da mut
la alludida sem subraetter esse sou acto a approva
cio desta presideneia, o que deixou de fazer.
Quaoto ao que solicita com relacao ao aai pro-
seguimeoto da accio execuUva, ate que o goverao
imperial resolva sobre o poato couteslado, respoo
do que, nao tendo sido ainda iniciada a accao, co-
mo allega a lllma camara, pode aguardar a sobre-
dita decisao.
5." ttCfaO.
' 0 presidente da proviacia, no intaresse de
de3envolver a coltura da canaa e de aproveitar
por meio de iatroduccio de melhoraraealos po la-
brico de assucar graude parW de resultados de que
e ella suscaptivel. mas que se perdem no esta-
cionaraento qae a opprime ; e ao raesmo tempo
leado am vis'.a qne as cooseqaencias praticas dessa
raeJida se tornera o^teo-ivas e palpaveis a massa
dos agricaltores da proviueia, be:n como que ae
facil e prompto accesso lhes seja a apreciagao aas
machioas, dos iustrumeolos agrarios e dos pro-
cesso3 erapregsdos, e do aprovdtameolo das forjas
oaturaes na prodaccao dos mesraos resultados ;
resolve, aos termos do art. 23 da lei n. 11113 corabi
nado com o art. 30 da lei a. 1,141, contractar com
o Dr. Igaacio da Barrus Barreto. mediau-.o o em
prestirao da qaantia de 10:0003006 ao mesmo
feito, o melhorameoto do fabrico de assucar nesta
provincia, sob as bases que seguem, e que serao
remettidas a thesouraria provincial para serem re-
dazidas a termo, lavrando se o respectivo contr*c
to e observando-se as dimais formal lego.es do de-
Tido processo.
Art. 0 conlractaal: obriga-sa a obter pro-
prestac-io da
[uaotia emprestada, dara o contractante em hy-
pothec! a parte quo possue no ongenno Macuje ;
e para a V dara prcviaments fianca idonea.
Art 8.' Ffca 0 enntractante, no caso de nao,
cumprimeLto de todas ou pane das obrigacoe> j
contrahidas, sujeito, como multa. a pagar o pre-
mio de 10 pur cenlo da quantia emprestada, a
eontar da data do recebimento da pnmeira pres-
Art. 9." 0 presidente da provincia concede!a
ao coiitractante autonsacao para raaodar fabnear
oo arseoal de marinha as pe^as ou machioas ae
que possa preeisar, com tanto quo nao soirra o
servico publico, e inderanise a fazenda naeional.
Art. 10. Si dentro do prazo eatipulado o coo-
tra:ta to provar, a juizo de uir.a comraissao de
livre nomeafio da presideacia, que obteve as
vantagens a que se comproraettera, de modu
satisjactorio, fica com o direito a novo erapreslirao
de igual quanlia e com identicas condiijoes.
Offlcios : .
Ao engenlieiro fiscal iatenuo da esirada de
ferro do Recife ao S. Fraaeisco. latime Vmc. an
cereate d'essa empreza para dar cumprnoeoto a
i condirio do acardo celebrado entrc esta pre
Mdeacia'ea mesma empreza a 21 de dezembio
le 1871. approvado pela*mesma presideacia em
2G do citado mez.
Ao mesmo. 0 Exm. Sr. ministro dos ^e-
go;ios da agricultura.commercio eubras publics,
accusando em aviso da 8 do corwnle, sob n. 20,
0 relatorio apresentado por Vine, sobre as occur-
rencia3 havidas n'es-a estrada de ferro no mez de
abril ultimo, recommend a que sejara feitas expe
riencias de resistencia na ponte do Pirapama, e
informe Vmc. mais cireuraslaaciadaraenU sobre
o eslado dessa poDte, ouvindo o supennUndecie
da companhia. Determino Ihe, portant", que de
curapriraeuto a essa ordem, trazendo ao couheci-
mento desta presideacia o resultado de tudo.
EXPBD1ENTB DO SECRETARIO.
1* secqiio.
Offlcios : .. ._,_. ,
Ao commandante superior dos manicipios ae
Villa Bella e Triumpho. S. Exc. o 3r. presidecte
da provincia manda communicar a V. S., para cs
Gns convenienles, que o'esla data foram expedt-
das as convenientes ordens a thesoararia da fa-
zenda no sentido de ser paga a importancia dos
vencimeatos das pracas de guarda naeional, des-
tacadas durante os mezfcs de abril e maio em
Villa Bella ; stgando solicitoa em sea offlcio data-
do de 3 do corrente.
Ao bacharel Pedro Jorge de Souza. 0 bxm.
Sr. presidente da provincia manda communicar a
V S. que n'esla data remette para a thesouraria
da fazenda o decreto de 6 de maio proximo pas-
sado, nomeando-o para o cargo de juiz municipal
e de orphaos do termo de Flores.
5" secqao.
Offlcios: *
Ao administrador dos correios. De ordera
do Exm. Sr. presidente da proviacia, declaro a
V. S. para seu conhecimento e devidos efl"ei os que
oesta data remetleram-se a thesoararia da fazeoda
as portarias de nomeacao, de Javeocio Pereira de
Brito para o lugar de ajudante do correi > da
Victoria, e de Francisco Auguslo de Mirauda para
igual cargo no de Limoeiro, nesta provincia.
- Ao engenheiro Luii Jose da Silva. Comma-
nico a V. S. que o Exm Sr. presidente da provin-
cia, era cumprimento do aviso do rainisteno da
agricultura, commercio e obras publicas, de 8 do
corrente, recommeadou nesta data ao inspector
da thesouraria da fazenda que mande abonar-lbe,
como engenneiro de 2* classe, iacumbido d^ dis
crimiaar terras puulicas nesta proviacia, o trans-
porte ho raaxirao, levando-se essa despeza ao ere
dito concedido a presideneia para o servico de
terras publicas e coloaisacio.
boniiM de que oa eliefes dos cotriSo-
tas esfao em nesocia^Aes para
arsniticio com o goveran de Mea-
panha, eom o Oru do llraaur te m
paz.
IMfllKMJliA %%^llb\ % MUM
I.ondreH t Oil sr que mU||(u
secretario parlieular da eoade Ar
nim acaba de ser desewberto mm pi
dade de s. i,ni/. nos EsSados-Ual-
dos, e qae em seu poder forum em-
contrados os docuinentos qne fal-
lmm. Tendo sido rhamado. por
telegram in is do priacipe Bluaiark
e pelo cuiiiic Vniim, secretario
particular partlo de >'cw York para
Berlim xabbado passado.
%ttt%|ft1A ^\^\^\^%%,
Rio de Janeiro at de ouiubro.
(hi'narnni i tiontesa. o paquele aa-
glez da real mala DOL'HO ; e fcaje.
os vapores tngleses DONATI POrt/S/.
e tYanccaes MRO.VDE e VILLE DE RIO
DE JANE I HO.
Bahia I* de umenihro. C hrson
boje do IIio de Janeiro a vapor la-
slec VALPARAISO, e sabe amaaSaa pa-
ra n Europa.
Rio de Janeiro S. Cbesarass mm
paqaetes RHONE e CERVANTES O pa-
qurte incles da real mala DOURO
sahio boje para Montevideo.
>OTKIlS (OHMEHCI.iEk.
Londres 31 de ouiubro. -Consoli-
dados de S oo. for acoocNT, a 1/9.
Fundos brasllelros de S O da
anno de flSCft. a i dltas da I'ru-
luar de O/O. da anna de 1st I, a
o 1 i ditos arceatlaos de 6 o/o. da
anno de i* I. a 88. Merrado de
cafe quieto; vendeu-aa a carresa-
m .mi to do navlo .-l.V.V STAN I LAND a 8d/
parcWT. Mercado de assucar laai-
terado.
New-York SI. -Caaabio sobre Lss-
dres 4 -S-I. Ouro HO. Cafe do
Rio fair a 18 1/-1. e uood a t ft/9 cssts
por libra. Alsodao mediaao urutros
a Id S/8 cents par libra i aa checa
das de boje aos portos amersea
nos elevaaa-ae a trlnta nail far
dos.
Liverpool SI. Mercado de alue-
dao desanlssada t veaderasa ae hoje
olto mil rardoM. seado quiaheatee
e cincoeata procedentes da Ameri-
ca do 9ul i o faii de Poraaasbneo e
de Macel6 a 9 9/9 d e a de Saatee
a V Si d. por libra. Mercado de as-
sacar laalterado.
_.Aatuerpia 3lk ^Qs_presos do caffe
lendrm j anblr I O de 9aatoa
/
eseo-
lliiiloa S3.
Havre 31. -Mercado de case quletu
e os preeos inalterados.
Marseiha SI. Cafe do Rio bom er-
dinario a 99 francos. ajnMaMjBP de
Pernambuco n. SO a 99 francos.
Hio tie Janeiro 31. -Camblo sobre
Londres inalterado.
Bahia 3ft.-Camblo sobre l.ondres
r, H d particular.
Rio de Janeiro 9.-Camblo sobre
liOndreH 90 3 8 d. bancarlo. Camblo
sobre Paris 3tt3 reis por franco.
Baliia *. Camblo sobre i.ondre
tUiHd camblo sobre Paris 3s
reis por franco. Camblo sobre
Hamburso HO reis por M. B.
governo russo acaba de
homens para o servico
:^fl^ ( AGENCIA TELEGRAPHIC^ QAVAS REUTER.)
Loa.IreH S do novcmbro.-Corrcm
(AGENCIA AMERIO.VNA.j
Madrid 1 de novembru.Foi publicado
um ilecreU rreaulo um imposto para sus-
tenlar a yuerra. Duen que D. Altoow e
1) Branca, sua esposa, apenas uiitraram do
terntono da Franca, receberam onlem da*
.luloridades, para so internarein. CaMJM
o Sr. Castellar.
Londres 1.0
chauiar 150,000
do exerr
ltio 2 ... 0 m. da tarde.Lbegou hoje
los portos do norte 0 paquele naeional
CERVANTES. Sahio houterd P"5*
mesmos portos o paquete naeional P.rnS-
Mercado inalterado. \>
Para 2 as 10 h. e 15 m. da mauhi O
DIA RIO DE BELE.V publicou hontem
um artigo energico no qual diz, que, a vis-
ta da attitude assumida pela folha CON ST I-
TUICAO, apoia esta gazetaas d.>utrinsda
Till BUNA, se eque naoesia assocwda ft
ella, pois uita trechos desta, nos quaes ditto
ullaqueo seu desapparecimento se*l vinga-
doquaudotivereiodeatear fogo a revolucio,
lo cujoscombusliveis estd rninado o Brasil ;
que a TRIBUSA sera a primeira apre-
sentar-se na prar^a publica quando soar o
grito dealarma, equeobrado as armas,
soltado por ella, repercuiira por tada s.
parte. 0 mesmo DIA RIO DE BELEH
publicou hontero um proleslo asssjoado
pelos portuguez>s contra a attitude assumi-
do pela CONSTITUlC.iO arespeito del-
les. A BOA NOVA, folha religiosa aius-
tentada pela mitra, contests as recUmacdes
feitas pelo consul porluguez, e qoa teto
sido aceitas pelo governo da proviacia, di-
zendo que nao tem ncm direito e oem ra-
zdes para tal fazer. Esta folha paraeaaaso
ciar-se & CONSJITUlC.iO. Na villa da
Vigia foram espalhado* avulsos imprwacs
dizendo quereis ver scenas de Jurupary,
e dizerera que sao ellas promovidas P*'0* *"
migos do conego Siqueira Meodes, e ellas
se repetirao. Reina panico geral oesU ci
pital. 0 commercio esti compleUmeote
paralysado. No se faz uma so traosacc*o.
Bahia 2 is 3 b. e 50 m. da tarde. -Si-
bio para rernambuco Q patacbo BELLI)
DESTINO. Cambio sobre Londres 26 5 H
particular d:recto, 26 3/V particular di-
reeto. Sobre Hamburgo WO o R. M. So-
bre Paris 334 o franco.
MIUhDO J


__^
------
,I)iario de Teraambucci Tcrqa feira 3 de Novembro de 1874
3
INTERIOR.
A cleleo direct* o seus
Virus ores.
A etei^ao directa nenhum
partido a quer, nem pode ser
a baadeira de urn homem
prnaente.
Kl a presuppie a reform,
de uus poucos de artigos da
conslituicao.
0 priraeiro dos seus -eflfei-
los dar iajusta roflueocia
ai nmcnidades contra anus
m ger.il dos volanles.
(Conselkeiro Y.ockariat, 1867)
A eieieiod rerta ea repre-
senUcao da burguezia, ex-
cluindotodo o pove de ele-
ger. Foi ohra sua a revolucao
franceta de 18i8.
(Comdliciro Sabuco, l8Gi.)
8-se qne a eleicao directa tem por defensores
09 liberaes, grande numero de conservadores, e
tia qoem accrescente coin emphase, a grande
tnainria da nai.-So.
E' isto verdade ? nao e.
Ha cooservadores eomo ha liberaes qne defen-
detn a eleicao directa, ma* nmj aquelles se en
leudein com estes, nem estes se eoiendem entre
si. A*pir*cio vag* e indetinida, sem ponto de
apoio Da consciencia publica, temendo a prova da
experieneia com as suas desiUusoes simrss, an-
ce.MDdo uina falsa popularidade a que nao pode
jsyirar senao com a c oidu,ay j utm set compre-
hend i Jo por aquelles a i]U*-m hfl iicmoiimenle in
teressa, 0 systema da eleteio directa far. foliar
mnito dos defeiios do systema outrario, do? vi-
cioie irreguTiridades da dkHrio do d m< graos. e
poaco ou nada de >i iiia*i, O que cite quer e
eomo 0 quer, nicgnem 0 sab!* tin Is. A tnbunu
e a impreosa posus a servi^n do systema lem-se
-ovideBtementa conumts-lo em caliimuiar a eleicao
in iirecta, e em I a near a eonta uV'mi -\>tema 0 que
delfa nao provem e siiu de c^a< que Iba sao
muito alneias. Da eleicao directs Mn s'i niesina
disse se pouco, mesmo muito pi'ii ?<>, e nada ou
; i'si nada da medida de capaodade que dividiria
a t'Opdlacao em eldtores e nan eteit-irev
Este pout* e todavia capital, e dceis vo para as
siga.iiar 0 carapo dos periidos. Os ron-i'i vadures
qje querem a eleicao directa, ou nao a querem
senao como conservators a podem querer, isto e,
-, in suffragio reslnelo a urn censo elevado, ou
de outro niodo conlrariam a indole que foi em
todos o tempos a de seu partido. Os liberaes,
p'tr sua parte, on obedecem as nataraes tendencias
uo partido oroclamado do movimenlo e da arcAo, e
0 sulfragie para elles nao pode Hear restringido a
outra medida que naoseja a da constiiuieao, ou de
liberaes so aspiram an ninie.
fisus dnas aliernativa* deixam liberaes e con-
servadores na seguinte posiclo reciproca:
cuerra nber'a sobre 0 censo tieitoral -impossibi-
iidad-: radical de aecorJoperigo do um lalo e
perijw de outto n'um caso 0 snfFragio intule-
ravilHJrnte restricto. n'outro 0 snlfracio univer-
sal. fc
N.li ha possivel meio i-ium Ou se 0 ha, por-
que nao annnneiam ? porqne se lem deixado ese
grav ponto envoi to n'nm siuis'.ro segredo por-
qae.uns e outros nao dizc>m do uma vgi toda a
verdade ao paiz, para que elle saiba ate onde 0
i 'fcrtl Icv.ir ?
iVu'soria psperanfa seria a que tenta?e por por
ac : serra-Iores' que cedessam a pres-;1o das eircurm-
nii-ias para Iran igir sobre a resiflc^So do sfiTf: a-
gio dfrecto, seriam tao pouco cosiservadores cem'd
seritrd liberaes os que trsnslgissem sobrea exten-
sao do dffeito eleitoral. Debaldo se tcntaria um
iito&tts cicewti ao de;refar a reforma. Mais ou
menoscedo cooservadores seniir sebum confer
vadtffe*, c l.beraes iiberae-. 1 "ma das tendencias
viria a nredo/ntnar, e desde es?e dia a dolorosa al
'ernativa do sotfrapio sristocratisado ou do suf-
Iragio universalisado viria a impor seaos partidos
como a fwuesta cmueqaencla de um accordo
provlsorio, KteoiBfleatfl e exposto a mil pe-
Muda-se aos rios 0 leito, mas nao se mud a aos
|K-rtidos a natnrera
i'Me pre- v,-. tores pels elei^io directa om^nte nSo'e mons-
tru(ft9, porque nao e sincere, porqne cada nm en-
tra nelle com tima bagagem de precaucfles e de
desTWitlancas arespeito de seus alliados de oeea-
ciao; porque nao e um accor.lo, e nu) con-
CiliiVU.
f. ;'..........;**" "Ki""="'-">, a uidu ueisua-
Ai'-'A 3Eii .cotJ-"a 'ti)K*3tvertrtera g&.
!f9 n falte, foM, tW tan accordo qirerfJa TTtnwm; Sr fl*i Hacbado, oar amor a hn-
oxsle |-: aatnrtadas cousas rep*Me. -,iaianidade, tlies tem preslado irnme*sos rervicos,
Os poucos couservadores, que qnerem a eleciK? 1 ora curando du c direct*, querem* ao sea tnddo, cenformada i' ift-! qualquer bora as pobres victimas qa** gemetn ua
dole de seu partido, e nao camo os riberaes a deM' feltoda *3f da miseria'.
vem pretender.
Esta difl'erenca
seiicial.
nio 6 seenndaria, mas
(Naqfo)
es-
PERMM3TJC0.
REVTSTA DIARIA.
HilcIdlo.-Eni 2 do mez proximo findo,
Loureago Vieira de Mello raatoa am sea cunhado
de none Joao iJarra, no diOrieto de Japy, do
termo de S. Bento : 0 delioqaente evadio se.
Tiro.-No lugar denominado Una de Semiao,
do termo de S. Bento, Jose de Sant'Anna desfe
chou um tiro em sua eserava QuHeria, que flcou
leveinente ferida : evadio-se o delinquente.
lntiucritos policiaes. Tiveram 0 con-
0 jst:no os que ellectuou o subdelegado
O 4elegado dote termo, Sr. major Antonie
PeregriM, ten-se mostrado aelaso ; ja tem oil-
ciado ao governo a tespeito, e anima ao caritativo
religioso para quo nao abandone os miseros enfer-
mos, ate que seja aemeado um curandeiro. E' a
mais acertada providenoia m se deve tomar. I.uta
se mais com a grande diflculdade de dar se se-
pultura aquelles que morrem, porque todos os ba-
bitaot>-s s negam. II >je sd se trabalha por di-
nheiro : a Caridade- e uma^palavra vasia de sen-
tidos t >
<- ciiploinaticoConsU nos qne esti
nomeado enviado extraordiaario e ininislro pleai-
potenciario do Brasil na Republics do Peru, 0 Sr.
eonselheiro Jeaquim Maria Nascente de Azambuja.
jQCioterla. A ?ue se acba a vend* e a 123",
a benelicio da matriz do Juboatio, qae corre no
dia 3 de novembro.
i.otevia do Rio.Por telegramma recebido
do Rio, sabe-se que;a loteria 315 corre boje.
I.elioes. -II ij", 3, as 11 horas em ponto, deve
partir da esucao do arco de Santo Antonio, 0
venieDte
do 2* districto de S. Jose contra Rodolpho Julio da trem expresso "quo servira de conduccS) gratis aos
Saude e.Marcolino lose do Patrociuio, por crime de concurrentes ao leiiao dos moveis, buca e crys
ferimentos. j taes da casa de resi lencia do Sr. A. C Coohan, no
Afo{rados -Hontem, pelas 6 1|2 horas da : Monteiro.
tarde, succurabio a asphyxia por submertao, 0' Hijetamhem effectua 0 agente Dias, em sen
subdito italiaao Braz Novellino, que estaodo a ba-, escrlptorio, a rua do Marquez de OliiJa n. )/, 1
nhar-se no rio Capibaribe, em seu ponto corres- [ andar 0 leiiao de fazendas e miudezas, as II no
poudente ao lugar denommadoCoelhos, da fre-, ras da rnanha.
que se chama a ex-
censo
verdadeira
etei
ano-
Oneamos a grande mestra
perteacia.
directs, pura e simples. P,ecoDisaCdo-a para as
.Jades JJopalosas, romente para eHa, para todo
oVVn ,m,"^^':' ')!,e eqnivale a dizer para a
SEES? TT''d d:,.na':i0. er'g*a em programma a
eleicao de duns graos.
IfeHW ^ntao nm ministro conservador qae, ten-
ando uma aproxmacaoda doutrina po ..iga pelo pn gramma liberal, conceben um vs-
tina em (|ue, ao par de eleitores directos, deve-
rum Jigurar eleitores indir^c os. 0
* oral pjssuia 0 segredo desta
main.
St nSo eram rignrosao-eote identicos, os dous
sjstemas approximavam-.se ..-videntemente. A dis-
l.DCCio que o systema liberal fazia entre a citade
Jorwio do paia. onovo ysterna estabelecia em
'ir iiS'. em ?*$* plro::llia. em toda pane, on-
tre cidadaos e eidadftos.
Os dous svslenna nao se approximavam somen-
te duminava-os a mesma preoccupapao.
,Hrt,iQH SC0Uia?' laat0 'rajortt distinguir
Onde qne a eidade nao faria repr.sentar no par-
lamento as suas obras darte, e 0 camno as nu
22S?Daluroza> ^*"S3t"ff
7XiSiSiPMKfBJn Wi,li "raa quesao
ae torraa que de pnncipio.
Isto nao obhtante, Dao ha mem ienc*e er
^CnOdf0i/eCebi('0 na camara ^ -lo Sr
Aabuco de Araajo.
S. Exc. vio enoarnado nesse hr ipctc, o nn
n^ento de mntilar a re.f;ifma *& /
.u-la de seu fim ; d-nunciou-lbe
.frigosa tendencia aara aristecratisar 0
e, nunca tecdo sido mats sincero interprele
nVJttJ,e.na,.n' ?PJE, dS, Ineulcada reforma : 0 desidera-
S-i a e^pos dar exPan5o B amplitude ao
direito do suffrage; e a Inglaterra dando em 1832
o dlreuo de voto a classe media, cbamando em
Ibbb mats de doas.milboes de artistas para os co-
m.cios eleitorses hi 6 a tendencia de nosso
ts.apo Ort, a reforma do mbre ministro consiste
"Taiir ? suffrgi0- lm *wr 0 cenToa
S?^ik.qu2 S0Ve,n tem ra'Bhwo podera voter.
5irli, 7 ^ re,orra ao que nbnur tsrando
SdS 'r6' ******* araultando
guezia da Boa-Vista, foi ter a um poco em que
desapiareceu.
Gl(can(a.-A exposicao da giganta franceza
baixou 0 preco ; esta a 500 reis a entrada.
Afogadoa.Pedera-nos que supyliquemos ao
professor publico de iostruccao primaria dessa
freguezia, que nao puna as faltas escola-licas de
seus alumnos com 0 emprego de trains, que sao
uns meios arremedos de torturas inquisitoriaes.
Alguma dessas pode dar-lhe com a policia em
casa, isto e, na escola.
\ (renciaa flscacs.No mez de outubro ul-
timo arrecadarara as seguintes agendas flsuaes
provinciaes :
Oe liquidos espirituosos 4:8634823
De bacalhao, etc. 6.097#17G
De generos de estiva G:i59jtt2G
De rarinha de trigo, etc. 8:119*723
De fumo, etc. ( 4.079*361
De vinagre, etc. 77*5Gi
30:396*073
visitan ao oemlterio. Duran!^ todo 0
dia de hontem foi extraordinary a concurrencia
de familias ao cemilerio publico do Recife, em
visitar aos seus pareates ou amigos. Os tumulos,
as catacurabas, e em geral todo 0 estabelecimento
acbava-se aceiado, e convenienl>:mente praparado
para a solemnidade, peio que e digno de louvor 0
Sr. aduinNtrador.
ConsiilnUo prcviuelul. Durante 0 cor-
rente mez continua essa reparticao no recebimento
das importancias dos apparelhos, encanameotos,
differencas e annuidad?s oevidas a companbia Re-
cife Drainage no seraestre de julno a dezembro de
1372, pelos predios sitos as ruas do Marquez de
Heival e do Padre Nobrega, de conformidade com
a porttria do Sr. Dr. inspector do tbesouro pro-
vincial e as novas relays em substiiuicao as pri
meiras.
l'..<-.->!: normal dati acnlioras. -A
congregacao doa professores desto escola resolveu,
e:n sua sessio de 29 do passaJo, que os exames
omecassem no dia 10 do carrente, pelas 5 horas
da tarde, em turmas de 10 alumaas, devenlo co
mecar pelo l anno. As alumnas do 2 anno, as
que fattarem algum dos exames do anno anterior,
doverao requerer ate 0 dia 9, aflm de se apresen-
tarcm habiliiadas para fazer acto do seu anno.
IIoje, pelas 6 horas da tarde, havera sessio
da congregacao da mesma escola, no lugar do
costume.
Kici<;ao i 11 directa C-m^tt-nos que di-
rerras eamaras municipaes desta provincia teem
dirigido representayoes a camara dos deputados
era favor da eleicao por dous graos; e que a desta
capital foi a primeira quo represents cm data
Ue li Ji mez lindo.
Consulado de Portugal. 0 Sr. Dr.
Claudino de Aranjo Guiraaries, .acaba de dirigir
BOB a seguinte carta :
a Srs. n'iaclores do Diarh de Perntimbuco.
Uu dos orgios da itnpreasa desta eidade, allti
dindo a nao terem os consalados estrangeiros le-
vantado nos matros das casas consulares 0 pavi
Inao de suas respectivas nacQes por occasiao do
di.'sembarque neste porto do Exm. Sr. ministro dos
TOa nao o fueram,
Amanha, 4, ao meio dia, deve t?r lugar, por
intervene*) do agente Pinto, 0 leiiao dos saccos
com cacao salvados do patacho mglez Dundee, no
armazem do barao do Livramento, caes do Apollo.
Hospital Portuguec de Beueficen
eia. Movimento das enferraarias do dia 23 a
31 do mez findo 1
Ficararn em tratamento 37, entraram durante a
semana 4, sahiram curados 4, failecet 1, exis-
tem 36.
Entra de seraana 0 Sr. mordomo Felix Pereira
da Silva.
Casa do dotencaa. Movimento da casa
d? deteneao di dia 1 de novembrc de 1871 :
Existiam 329, entrou 1, sabinm 3, existem
327.
A saber : nasionaes 261, muneres 6, estran-
gtiros 23, e Ali'iieniatH a cu*ta dos cofrei poblicos 269.
A saber S.iis 23Gcenferm 13. Total 269.
M ivimsnto dienfurmaria djdia 1'de novembro
de 187-i :
Teve baixa :
Manoel Joaiuim de Sijueira.ophtalmia.
Teve alia :
Lncio Celesiino Torres.
Paesageirog. Sabiios para os portos do
snl no vapor nacwnal M-nwih 1 :
Caetano Rogero, capitao /. P. Bararso, Jose Rj-
gero, teneate-coronel Alexaidre Magno Peixoto de
Alencar, Auguslo de Aloeida Mjnteiro, Josd de
Aguiar B. Ilarros e I escrjvo, Manoel Branco, Dr.
drlos de Souza da Silveira, Antonio J >s6 Siqueira
Valente, D. Maria Pastoia do Livramento, Pedro
Gorreia Vieira, commencador Manoel Antonio* Su
pardo, F. C. da Silva Ctfta, Jos6 Raphael Batalha.
Ceoiitcrio publfco. Obituario do dia 30
do corrente :
Antonio Lui: de Siqieira Maciel, branco, Sergi-
pe, 17 annos, sellers Boa-Vista ; febre ty-
phica.
Candida do Jesus Cavalcante, branca, Pernam
bnco, 60 anoos, solleira, Boa-Vista; bron-
chite.
Saverino To e da luz, igoira-so a or. EM annoa
siiteiro, Boa-Vifta, hospital Pedro II; ulceras
gangrenada.
Thereza, preta, Ternambaco, 36 annos, casada'
Boa-Vista, hospita'Podro II; tuberculos pulmona-
res.
J taquifla Mari? da Con;eicao, preta, ignora se a
natoraliJade, 33annos, casada, S. Jose; peretoni-
to chronica.
Joaquina Marb do Sacramento, branca, 47 an
no?, S'-nto Anttnio ; tuberenlos mezeulinius.
Franci-^.l, esrava, preta, Pernambneo, 30 an-
nos, solleira, Pja-Vrsta; entente cbrouica.
accrescentar que 0
a meu cargo, deixou de
nacional levantado na casa consu-
ma-la, de
uma
voto
a.
presidente da provincia para este fim
se rectificar (se'assim'o tiverej,' "pTr" 000^^X1
2"^!' ViJ,0.''U.0 neh^'co'vite ;"c "bi
do Exm. sr. presidente da provincia para Ml lim
oemueconsta que nenhum dos meas col cLas 0'
recebesse; podendo Vmcs. -
consulado de Portnga
ter 0 pavilhao
lar, pela unica razao de nao me achar'eu nacasa
do consulado a hora do desembaruTe de S Ex
0 Sr. ministro do imperio, porque nao ser essa
c.rcumstanca independente da nao haver Vece
bido couv, e algum, quer official e quer palticu ar
pa.a fite-la ; e nao obsUnte nao ser da pracna-
tica official, elevar o paWihao nacional nos on.
su ados estrangeiros, no caso a qne me reflro eu
IXSSESS* f3Zer P0r aut0 Ponlaneo, e'ern
r ^f mh dc.rt,Peit0 e consideracao devida para
com um ministro de um paiz, que estt liiado
por la^s de amizade tao intina. Concluo subs
derSf De V? 8f e?tima e ***** S3-
Ti}'..A ^- ?* a^'Knante e rauito attea
uosocnado obr.gado.-Claudino dc ArauioGtii
mantes. -Recife, 2 de novembro da 1874
Pasaiioria de faasenda.-Nesa esta;n
papam-se hoje as seguintes folhas-
irihnnal do commercio, p^^oai da nolicia Mn
hSS utrucill- Z Sr VMtemt pablico
de \l de ienV^'0'0 Wander'ey acompanhado
do i r,n7,\ aLumno\ ciraprimentou no dia 30
do daz findo ao Exm. Sr. eonselheiro ministro do
irnpern. em nome da instruccao publi da loca-
lidade em que se seba a saa StfMS
offerecendo, por intermedio de nm dla?SSm

k ram.
Ao publico.
a necessi-
e da meilior quali-
Bieves coztsideraeoea aobre o abas-
tccicaonto d'agua potavel a clda-
de do Kecifc( aeua eagotoa nielos
fie 8;inear,w,su;i nlmosphera. pe-
^.:. acullane a -SKll'S^'**
(Continuacao)
S.\Mi: A(.:\0 DAS MATKHIAS PUTRIDAB.
Sappomos ter licado sulBcienlemente esclare-
Blflo o triiseiro pjuto de nossa tarefa
dade d agua em abundancia
dad a.
Passaremos sgora a fazer uma resenha dos
meios, que tem sido empregados pela sciencia com
0 nm de neutralisar as panes putrefactorias que
adjjnirem essas aguas, depois de .-ervidas peb-
babitan.es das cidades, ou do applicalas n'esse
raesmo estado aos campos de lavouras, onde ellas
v_4o deixar todos os pnncipios infeccionantes, que
sao yerda-Jeiramente os fertilisadores da terra: c
depois de livres e purlflcadas d'elles entrar nos
nos ou no mar, onde a seu turno evaporadas ve-
nhara outra vez a servir para nossos usos.
A necessidade d'este processo apurador, nin-
guemhoie contesta: ella e de suramo interesse
para a agnsaltura e para a salubridade. Era ori-
uieiro lugar para a salubridade, porque as aguas
ae esg' :c sao as mais daranosas que ha; pois que
eiias reunem todos os principios de infeccao, en-
. ouos das habitacoes, os quaes, mais que quaes-
quer outros, alteram as agoas potaveis e a annos-
virtade da qualidade dos gazes alumnos, um lindo ramo de Bores de cera, do qa
pendia um elegante lajo de fits verde "
as cores
franjado de
imperlaes, com a si
Esus palavrss encerran: um e0eHo prrrfando
cs Z' Z;'bre,l0Jr 8 iror,s de labri
,m. ?apra 0! *1II,;>lrtar 6 explicar. Ellas sao
um verdscten-o ponto fle partHa das aspirates J?
Svat'd'eTe'for'mi1^ ^f lda8 a?
cendeneils pUlio para aferir faas
Tudc qae nio tiiadasirasse dtillcaUim de al-r
beran, oao i uma idea literal oa 0 partido
1Tt'*h DSme de ,i,'era'- rnega-6e a si n e' no
S Sr V,ehnf/HataZ d? """nento assig.alado'
E, ; Kfc.l9/"^0' c,,em fa:: dedireiio
eleikTs elle nao pode querer dar oaoh" de sadsa
a intensniade do voto com perda de sna extensao
SL(?,T*OVOt0,Mreito' H]3S !<-ndendTo a
,E' isfo 0 qae anerom os conservadores Van
evidentemente nao. Nem precise e ouvi-ios dies'
nao querem e nSo podem querer 0 snftn-'to uci
versa directo sabstituindo 0 snffruio uni.
tSeIDdireCl9' qU8 b'ie IeD103 COffl ^ves res"
Elles qnerem 0 roia directo, 6 certo, mas
JaT'\ reiiriet, wbordinado a ama
querer capaeid**8 ae ''beraes
veni^PntV ^?DS DOi*os adveraartos. Elles de-
sens SsSTh?"5 aPri0XiraaaM de n6s do quede
ffitoSS-? tfigt ^^V0 ^ Ade-
%PZ%7 r^^ad-
ouro, symbolisando
guinte inscripelo;
rJJ,^en,0S'- "!''* Dr. Joao Alfredo
torrea de Otheira, tntnistro e secretvio de estate
dos negocios do .mperio, exifnio vropuqZZda
*uaM* mstrucrao publico, fantopr!2rU,Como
seenndaria, offerecem este singeh i dimiuuto s?n
nil deapregyhomenngem. TfJUSrTSSJL
di eseoh, publics de instruccao pimTria d,pZ
cagem da Mapdalena, em tfde-oZlul'c?de 874
Deoo.s de hda pelo re'erido profes' or uma fell
^ao, S. Ezcccom palavras e^pres ivasTrade-
e tao sigwficativa demonslrako, dipen""ndo
a sum tempo em iofcrmar.se do cstodoWstrac
?M mquelle local, e do adlantameRto dos\ Z
prnmettendo visitar a escola do Sr WaSley'
hntendemos que fui bem merecido. Yauu-nel-
issociacae I'ortn-noia de Bene
dlflVrentes cargos desta soeild.de, So ele"
m os segmntes eenhores
desenvolvem da putrefacclo das materias fecaes e
outras de natures, animal.
Nio faltarn.por toda parte faclos, que provam
ate a evidencia a proposigio que acabamos de
emittir: mortes repentinas que uao eneontravam
motivo explicativo, acharam a na d#scoberta de
particulas organicas por meio do microscopio.
A cholera, a febre typhoide, as diarrheas ende-
micas sao outra prova nao menos convineente da
verdade do que Jizemos.
Nao sao de certo de originalidade de nossa la-
vra sernelhautes opiniSes: pertencem ellas aos
hygienistas europtus e entre eUes especialmente
Oguram 03 de Inglaterra, que mais se tem occu-
pado 0 estes questoes, desde que 0 terror, tao ius-
tamente p.-opagado pelas clrcumstancias peculia-
res, em qae se acharam, obrigafam-os estudar os
meios delivrar, prlncipalraente a grande eidade
de Londres, da mcrte certa, que* ameacava de
todos os lados os seas quatro milhdes de
tantes.
habi-
. < Fac,i,an:, a *>* de muitos factos e ob-
serves.,?, snstenu qae a causa da cholera-mor-
bus e a contamfnaClo das agaas potaveis pelas 01-
tra5633dos esCotos. Para elle nao haproces'o
cnyrateo, nem material one oossa Mosmp ,vm\o
Presidents-Antonio
I.
AssentUra geral.
da ,Maia Pessoa.
vu-.e.presiieute. Manoel Francisco Pocm
2* -rice-presidente. Manoel -
qae possa separar d'ellas
que acabam sempre por
os principios animaes
corrompel-as.
Saa .opiniao de muitos annos e qae nor cons-
ri^^-pnpria8.os P"dn03 excrementici.es
sejam mm prompta e completaraente refrad. s
que 0 ar e 0 solo dos lugares habitados eteiara
sempre litres de qualper impureza fecal Em
sagundo lugar que, a-ago. qae se tem de* ferae-
cer a popnlagao seja trazida de fontes: e nor m-
que se torne impossivel qne ella s Jfra
n.es
cen-
ccrfa me-
nao podem
iWro.-l0se Pradnncio dos Santos.
_. Directoria.
D rertor.-A. Joaquim Baitosa Vienna.
Jiee-dircitor.-Manoel Gongalves de Barro
I secn-tario.-Jos^ da S-lt. Rodrigae"
2 ditn. Francisco de Souza Oliveira
TllesonrciroAntonio Bento de Campos
voga!.- Jo.-o Joaquim liodrigues Um.'
l^fci.-Manori Fraocisco Ferreira.
D.to-Salvador J. Ferreira Guimaraes.
Duo.-Manoel do Rego Amaral.
Di .-XI-.noel Maria G. da Silva Cunha
Dito.-Antonio J. da Costa Araojo,
i,,- r. Exame te conhu.
Antonio Gonjalves de Barros
M.inoel Soares Pinheiro.
Jo-6 Arthur Pinto .ie \bren
Flarra de Merlnuaera. -
dosra locafidade :
hdirtP Vap'^-3K graS5a. c!Xrn ratoJidade nesta hca-,
Faz horror 1 0 Kxm, Sr. cerameodador a d
msis insigniScaute ataqae das materias excremen
Diz man, nao haver (Tuvida qua osdisMc-
A separacSo dos liquidos dos solilos tem sido'o
proossso lu mais teni|io empregado, porqae pot
esU forma se diminue muiio 0 volume das mate-
was, d.uda escoamento inimediato para 0 esgoto
jmbiico das paries liquidas, e deixando as solidas
00s apparelhos moveis,-que so applicam as latri-
nas. A utilidade d'este systema 6 lirmaJa, em
que as materias assira isoladas sao mais custosas
de apodrecerem, resultando d'isso que podera ser
os apparelhos conservados por mais tempo em
casa sem deseovolver mao cheiro; e quo as ma-
terial solidas sao mais difflceis de se infillrar no
solo.
Diversos tem si lo oa systemas ate 0 presente
adoptados e modilicados para obter-se separar os
solidos dos liquidos. Em Paris, emprega se- 0 ap-
parelho de Dugkre, que tem, na caixa oa barril,
uma divisao de cimento orivada, por onde sepa-
rara se os liquidos. Era oatras casas usam de
colhas lillrantes da companbia Richer, as qnaes
dispedem os liquidos para 0 esgoto e conservam
os solidos, que sao com ellas retirados de tempos
em tempos. Convcm nio esquecer goo julgaraos
excusado fallar das covas inamoviveis, cuja exis-
tencia ainda hoje 6 a mais viva alfronta ao con-
forto e a saude pelos incorrigiveis inconvenientes,
que encerram; as qu.es, e de suppor, com os
actuaes esforgos da mtelligencia, da razJo e da
sciencia venhara a desapparecer em pouco tempo.
Nao nos demoramos em especiflcar os mais sys
teraas ainda usados em Paris, por qua todis elles
sao peiores do qne 03 pessimos ja de-criptos.
Era Nantes, lem se experimentado os appare-
lhos de invencao dos Srs Segue e Dangny, com-
poses de varies fillres, cuja complieacio siem da
dilllculdads da os trazer aceiados, os tem impos
iiilitadode ser geralmente aceito>, apezar da
vaniagem conheciia de retur com maior quanti-
dade de solidos, que nenhum outro.
As celhas de reactivos dos Srs. Blanchard e
Chateau, e as da com janliia de Oeste, trabalham
com oilo a nove htros de mate-ias filtranles, taes
como bosta secca, turfa, etc., embebidas de om
litro do phosphate duplo de magnesia e ferro.
Todos os liquidos do servioo da casa passam atra-
fit d'este OKro; e, depois de abandonarem a
maior parte do seu azoto e enxofre no estado da
phosphato, amraoniaco magnesiano 0 sulfure'to de
ferro, vao ter aos esgfitos ou rios. A quanlidade
de materia, era forma pastosa quo se oLlera e
avullada; mas deve se observar que a proporcao
que se augmentam os desejos do aceio, a qoauti-
dade de phosphato ammoniaco magnesiano dimi-
nue ; porque elle 6 pouco soluvel, nas aguas mni-
to saturadas dos esgotos, inda que 0 seja muito
n'agua pura. Estes apparelhos sao proprios para
os lugares de cullura, em que se faz muito uso
dos estrumes, e talvez por isso tenhaai lido muita
applicacao n colonia de Mettray, e no asylo e
prisao de Besancon.
Uma outra companhia emprega como Qltre a
cal extinda, que tem a propriedade de absorver 0
ammoniaco e como este existe em pequena quan
tidade nas materias fecaes recentes e facil desin-
fectal-as com promptidao. A cal tambera absorve
a maior parte. dos saes contidos nas ourinas e a
corapanhia vende este estrume, q ie e muito pro-
curado com 0 nome de cal supirsaturada*-
Para terminar a noticia abreviala que damos
soure algunsdossyiteraas adoptados para separar
as materias ou desinfe:tal-as, cumpre-nos referir
qae em Inglaterra se tem empregado alguns appa-
relhos que fuuecionam, por meio de um pequena
mechaaismo com einza ou terra secca, cujo
principal effeito e tirar inteiramenle 0 cneiro das
materias fecaes.
Com quanto estes diversos apparelhos, quer
separadores somente, quer tambem purificadores,
tenh-.m prestado servicos reaes em varios lugares,
em que tem sido usados, nao se pode deixar de
confe-sar que elles teem seus granites inconve-
nientes, seudo 0 principal a evacuarao das aguas
filtradas nos esgotos, e por conseguinte 0 augmen-
to da insalubndade d'estes, alem do mal que se
faz aosjios; e muito peior inda e quando essa
evacuagao se effectua em covis 00 sumidouros,
i]ue como ja vimos, ainda hoje se utam era al-
guns paizes; e mesmo entra nos, que custamos
muito a nos desarraigar da.-, mannas velhas. Aleni
d'isio, nao se pode deixar de acreditar, a vista dos
repetidos ex*mes e analyses chunjea- a quo se
tem procedido, que a agua, qua passa pelos filtros
coulom sempre em dissolucao ou suspeasao quan-
tidade facilmente perceptivel de materias organi
casz prodnctos chimicos, que Ihes sao estranhos;
ratio porque todos 03 hygienistas as consideram
emineutemente suscepliveis de putrefacclo no que
estio perfeitamente Concordes os mais nataveis
hygienistas.
Sempre foram eoasideradas insupportaveis as
cloa:as ou covas, que existiam e ainda boje exis-
tem om Paris em crescido numero de casas ; por
causa do cheiro infecto e nauseabunlo que dellas
se exhale auando > fzi n |r.iiQi"qtJ, Q9\elH:ilSL
levar as f hricas extramadoras e com pouca d,f-
rerenga o mesmo se pode dizer dos barris ou va-
sos qae outras corapanbias erapregam, Da uma
destas inf I zmeute reee emos uma excell.-nte li-
cao, e foi da companhia Carabrone, a qual com)
nao tmha 0 insano privilegio de obrigar com 0
terror dos can hoes ioglezes a recebermos os seus
despreziveis apparelhos nem tinhi por caixeiro 0
thesouro provincial, teve de em pouco tempo pas-
sar pelo dissabor de nao haver quern quizesse
nem de gra^a seus barris.
Verdade e que semelhante atrevimento do povo
em nao querer aceitar 0 logro cambronico fOra
severamente punido : poi3 que a companhia Reci-
fe Drainage, se concedeu amplos poderes para
collocar era cada casa tres ou quatro tocos de in
feccao permanente com os seus inQmos e despre-
ziveis apparelhos sem agua, alem de todas as ou
tras proezas que tem ella pralicado, dando as vol
tas que bem Ihe apraz com 0 sen ventaroso cano
de chumbo de menos de meia pollegada iagleza a
750 rs. 0 palrao.
E' a especulagao mais atrcvida qae tem havido
e que podera haver I !
Nao escapariamos ao juste julgamenlo de con-
tradictorio, se houvesseraos de prestar nosso as-
sentimento a apparelhos quaesquer quo elles fos-
sem, que nao funccionasseai com muita agua, e
prompta evacugao de todas as malarias residua-
rias do homem 0 de sua habitacao. Pelas razoes
que a principio expendemos, so onsideramos, no
estado actual da sciencia, 0 menos offensive a sa-
lubridade 0 systema que i baseado na evacuaclo
prompta e immediata de udos os element )s sus-
cepliveis de decaroposiclo.
E', alem de muitos outros, a opiniao do Sr. Dr.
Tardieu, autor do dlccionario de Hygiene Publica
e que assim se expressa :
0 meltaor meio de acautelar a infeccao dos
esgotos e fazer passar por elles uma quanlidade
c onsideravel d'agua hmoa ; por que por tal meio
se retiram todas as materias sujeitas i\ pulrefac-
glo ; e quando nao sejara reliradas, a agua as
dissolve e leva corasigo os prodactos da pulrefac
-jlo a proporcao que elles se forraara.
0 Sr. Bourland diz : o Que senao e passivel
fazer uma distribuiQao d'agua potavel em uma
eidade sem estabelecer logo um esgoto, para re-
ceber as sobras, tambera nao se pode constrnir
ura systema de esgotos em condijoes hygienicas
e salubres sem qne com antecedencia se" teuham
tornado as cautalas necessarias para que haja
agua em abundancia para os lavar.
Estas sentenciosas expressoes acabamos de ver
repetidas em upn meraoria ha pouco publicada pe-
lo celebre e respeilado S:. Dr. Bernardino Aotonio
Gomes, muito conhecido, como nm dos mais bel-
Verdade incontesUve! e qae os antigos aie[cido, corar ; 0 coa^htur,, i<^ ir,.^ 4.
ptavertaram 0s prodnctos dos' esgotes nao so p.- ,& m i LV^fTn^ T
isarein os camj)os, como para aduuarem wa je||a um so ntine ;'e *
as terras do* seus jarJins como adianie vercnos.
(VominUf'a.)
Gymnasio pernambucano.
Teve lugar no dia 31 de outubro as ferias deste
institute de educajlo com a devida solemnidade.
As' 10 horas da manhi, reunidos os lentes e
alumnos em uma das mais espacosas salas do es-
tabelecimento, 0 mui digno e illustrado regedor
interino Dr. Carneiro Monteiro, subi j a iribuna ;
e era breve, mas eloquente improviso sobre a
conveoiencia dos estados, em geral taoto scieti-
Icos como linguisticos; e em especial sobre o|das
matbematicas, declarou dadas as ferias.
Em seguila sobio a tribun. 0 Sr. Dr. Francis m
Jaciotho Sampaio, preceptor da cudeira de latim :
e em discurso fbrido e bello, cheio de rasgos
aloquentes tanto am relacao as lingaas vivas,
como em especial da latina, captou applauses do
auditono.
Seguindo 0 Sr. Dr. Moraes Pinheiro, illustre ora-
d or que ja poi rauitas vezes tem occupado a tri-
buna, e illustrado a imprensa pernambucana com
seus scientiflcos escriptos, e como lente do geogra-
puia e bisteria, espraiou se longamente memorae-
do os trajos mais vivos dos progress :>3 da sciencia,
era qae indubiuvelraente exeree a mestna ; e
com muito gosto e dedicaoao 0 magislerio desde 0
anno passado.
Terminou 0 Sr. Dr. Moraes Pinheiro 0 sea ins- j
tractivo discarso comparaado 0 nosso caminhar
na marcha do progresso scientifico com 0 dos
Estados Unidos : compara^ao e demoustraclo,
que muito nos honra.
Aos dignos lentes qae mencionamos, succede-
ram na tnbua os alumnos : Henrique Caplulino
Pereira de Mello, por pane de seus coliegas inter-
nes, recitando um discurso bem traoalhado pela
forma e pelo pensamenlo; Emilio Arnbrosio Mari-
nho Falclo, recitando uma poesia analog, as fe-
rias, com aquella mestria mimica e oratoria que 0
lem diitioguido.- 01iveira.EscoreI, alumno externo,
uma coraposieao de go-to e arle, devidamente fes-
lejada : Olympio Leonardo Ferreira, um soneto
.4 minha gratidao sera eternaproducclo mi-
mosa e elegante, dedicada ao seu digno lente 0 Sr.
Dr. Moraes Pinheiro.
A banda de musica constiluida pelo3 proprios
edacaudos do gymnasio tocara dillerentes pecas
apos os discursos, e loda a corporacao dos edu-
candos com enthusiasmoapplaudirae cumprimen-
tar.i a cada um dos oradores.
A este eutretimento lilterario sueeedeu a uma
hora da tarde reuniao da congregacao da con
formidade com 0 disposto uo regimenio do ins-
titu 0.
Offerecidos e approvados oapontos.sobre 03 quaes
devem versar os exames, 0 regodor indicou para
serorador na aburtura djs uovos trabalhos leciivos
do anno proximo futuro, ao Sr. Dr. Liu'z Carlos de
Magalhaes Breve, professor de grego, e que, ha
annos, tem exercido a cadeira de eloquencia pue
tica com a melhor dedicacio, perieiae muito ap.o-
veitaraento d)s alumnos.
A' noile, poram, estava reservada pe! os alum-
nos ptra outro feste,o comraemorativo das ferias
do institute e de regosijo pel. vinda de S. Exc. 0
Sr. ministro do imperio a esta provincia, sua terra
natal; consistindo elle na representacao do Ires co-
me lias e uma scena com ca pelos mesmos edu-
candos e nm capo d'agua offered do pelo rege-
dor ao Exm. Sr. ministro do impario, presi
denie da provincia, director da instruc;io publica,
chefe de policia, professores do institute c suas
Exmas. familias, e as dos educandus.
Com etfeito as 7 horas da naitc comecaram a
n ill air para 0 estabelecimento os convidados.
0 edificio achava se bem illuminado por dentro
e por for. ; 0 jaroim alumiado por grande nume-
ro de haloes coloridos, fazendo sobresahir pjlo
clarao que deffundiam 0 verde da folhagcm e os
dillerentes matizes das (lores de cores vivas, pro-
duziara um effeito maravilhoso.
0 espectaculo teve lugar no vasto salao do re-
feitorio, onde acima do piano do seu pavimento
se levanlou 0 palco para 0 scenario, cujo panno de
bocca, pintado e cfferecido ae Sr. Dr Carneiro
Monteiro, pelo professor de desenho 0 Sr. bacha-
rel Siqueira VarejSo, apresentava a perspectiva de
uma barraca bra-ileira aa guerra do Paraguay.
Divisavam se as annas e as bandeiras imperiaes,
0 symbolo do chrisiiaoismo e n'um escndo 0 no-
me de S. A. 0 Sr. Conle d'Ea.
Na fachada exterior da cornija da barraca liam-
se os no-Dos das provincias do imperio e na parte
que apparecia da facoada do interior da mesma
cornija eslavam e-criplos os nomes dos generaes,
que se dislinguiram naquella guerra.
p.-
Nllinlprinr rl, -;\l- ,1 ar>->7i.w Ivantad0 UIQ Ca-
re 1 to com esmero 0 destinado
los ornamentos da classe medi:. portagueza
a scisncia com os seus
Es:revom na3
do
0 voto
dii*'-;ro c
tos do sul de Londres, lem sido cada \
preservados da contagio da cholera, a pronorcao
KEZ*daMnamp>ahi ionm delxandoPse de
f.iraeser, aguella populacao de quasi um milhao
de almas, acuas imparts pelas dos esgotos
O illustrado cftymico Lobig, apo? trouhavi com
a maior craeld.de a Inglaterra'; porque para en
treter a fer:i!idade de seu solo, esgotado nefala
voura e pelas iadnstrias, la bascar 5 toda parte do
mnndo os estrumes, de que tinha neces Made
Con:praTa-a a am .ampira^que do fundo de saa
Una sngav* a nutrigao dos pwvos, e sem duvida 05
malaria a fame nm dia ra nao se cahibiwe de
s;ms deu-jdv.is praticas. J"misse ae
I .J?Jm toJa c7twaz a e8?fi! rapenbos do grande
jcbymieo que se devear e forma, quo boje fa esta
pondo em pratlca na Baropa oeeidenta e cS's
IbeneficosresaluJos Ho da tal quilate one dao
mmac3} a ionumer.3 outros, qae dia por dia vlo
asompanhaido a por toda parte por dJa vao
pyerecs_iem sido os processo* empregados para
:./ecca. das materias dos esg^fes : us tern
das liquMas; outros,
10s damnosos satide ;
novos inoflenfives spr-
,'T.ndo sc da. o.-n.n.naf,w e reaches cnymicas
sio- I.u-eoa ja mandou rmedioii r1, UJS raaiBrIas
di- ro doi doentes milrVvr.- L?. par,a 50ccor" '.PT ,!:n **P*T*r as so idas
-: acrts^ft fear awjias? .mw
/BBS
que muito tem honrado
erudites escriptos.
Sera censuravel que nos abroquelemos sob 0
mdestruct vel estudos dos afamados Tirdieu e
Gomes ? RepeUr as veracidades ensinadas pe-
los amestrados, 6 sempre honroso para qu*m as
repete e para os raestres; por isto nio deixarerao*
daasseverare repetir porcentenas de vezes que
a expulsao dos principios infectantcs do interior
dos esgotos, facilitando se a entrada nelles do ar
atmospherico, este cede 0 oxygenao para qaeima
rem se as materias organicas e os sauuretos : e e
esse mesmo 0 effeito que se consegue quando se
facihta a entrad3 do ar no solo impregnado de
pnncipi03 miasmaticos.
Se ate 0 presente se tem perdido fabulosas som-
mas de capilaes cjm 0 abandono dos nuteriaes
dos esgotos, se tome os conselhos dos amestrados
guiados pela liclo da expertencia e ee mude de
rumo.
Neste raspelto nao parece qae 03 nossos remo-
tes remotes antepassados se achavam mais adian
tados do que n6i ? Apezar da verdade historioa.
e.upre contestamos o seu grao de adiantamente
posto que neste e em outros assomptes ainda nos
hoje estoraos mnito Jonge delles. Nao laltara
quetn pense, por ouvir fallar repetidas vezes em
barbana e ignorancia qoo os povos antigos to
ram todos barbaros e igaoraotw; se soubassera a
quegraode illuatracao ascenderara ps.gregos e as
romancs, certemente se arreeeiariam qae estas lu
zes de boje qae Unto brilhara e quo Jauro os 4ei-
lurabram fl^assem ofTuscadas pelas d'aquUes
tempos.
a S. Exc. o"Sr. mi-
nistro do imperio, Sr. presiifente da provincia e is
priacipaes aut ridades. Este camarote so se com-
municava com um camarim havido (era do arco
do saldo que devia receber os mais conv|jados ,
aposento decorosamente orn.do e alealifado con:'
o camarote se franqueava ao ingresso pelo lar-
dim.
A sala destinada ao locutorio achava-se devida
mente preparada, tendo no s>-u local de hour* a
efllgie de S. M. Imperial e nos lugares competentes
a seus altos cargos sociaes estavara collocados os
retratos 10 Exm. S. eonselheiro Joao Alfredo e do
Exm. Sr. senador Jose Bento da Cunba Fieuei-
rddo.
As primeiras familias chfgadas ao estabeleci-
mento foram conduzilas ao salio do iocuioiio ; e
como ja esiivesse este apinhado a nao caber mais
senhoras, foram ellas convidadas para occupar-.m
os asseotos reservados quj Ihes estavam destina-
dos no salio onde tinhara de assistir ao especta-
culo.
A's 8 horas e meia chegaram os Exras.Srs. eon-
selheiro ministro do imperio e presidente da pro-
vincia, que sendo recebidos. na entrada pelo rege-
dor e corpo cathedratieo e pelos collsgiaes, foram
conduzidos para 0 eamarira que para elles estava
preparado.
Logo depois da chegada de Ss. Exs., subindo 0
panno e expondo a vista dos espectidores a efligic
de S. M. 0 Imperador collocado sob um tbrono de-
ceotemente ornado, (ra cantado pelos educandos
OOH tinhara de tumar parte na raprosentacio, devi-
daraente uniformisados 0 hymno nacional, sendo
acompanhado pela orchestra composta dos colle
giaes : apos do qual 0 alumno Emilio Arnbrosio
recitara uma elegante e hem elaborada locucao
laudator a ao ministeno de 7 de marce a especial-
mente ao Exm. Sr. ministro do imperio.
Seguira 0 espectaculo, 9endo 0 numero de espec-
tadores de arabos os sexos da classe mais distincia
da soeiedade pernambucana,.superior a seircntas
pessoas.
Em todas se divisava 0 contentamento e 0 rego
sijo.
A ordom e separacao havida entre as senhoras
e coliegi.es e os homens muito acreditam 0 rigor
da disc-iplina observada no institute.
Tendo S. Exc. 0 Sr. ministro de partir para fora
da eidade pela madrugada do doraingo relirara-se
com 0 Sr. presidente da provincia, as 10 horas, de
pois de terem subido a sala onde estava preparada
uma esplendida mesa e abi tornado com snas
Exmas. familias am copo d'agua.
Findo 0 espectaculo foram convidadas a tomar
uma ehavena de cha as familias das professores e
dos educandos %ae com lhanesa aceitaram 0 offe-
red inen to.
Fur. uraa festa que muito agradou aos convi-
vas : e que indicara nio so ocontentamento dos
oducandos como a pratica que tem tido do exer-
cicio da rajmoria e ontoria pelo bom dosempenhc
com que cada um exerceu 0 papel Je qne fi>a in-
cumbido.
nunca e (<^|ut-
- qae n oilus^ar-^
pclos fauslosdo pod^joo Um lpfowUrto vt
eugraudece-i 1. aa a ft|Undo ao mesmo tempo a
deveresdeieuca-go,0qUe|hetem graoteado a
estima do paiz intetrof
A tinda de S. Exc. B esta provincia foi saudaua
com tanto enthusiasmo, que 0 dia della wn*u-
tnira ama epoca Jnemoravel aa hisuna
tria I
Quem tesk-munhonuepois da vbita de S. M. a
Pernambu.'o igual iemonstracao publica qu
teve lugar por cccasiis do desembtrqoe do coc-
selhei.ro J'Ho Alfredo j as qne vao se repet nd
durante sua estada torn nos T Ninguera por
certo I
0 que sigoiflci issi? sera mero eapricho do
POVOT
Nao, e ao contrario a prova da justa estima *
pessoa de S. Exc, pelos relevanlissimos service*
presudos ao paiz e especialmente a sua provincia
natal.
Nao 6 a grandeza do poder qne gera 0 enthus.a- -
mo em um povo e sin 04 mios beaeieos qw
emanam delle !
Se algum excesso de jubilo pode ser noUdo em
laes manifestecfts. nao deve adimrar, por ser u:a
f.cto lo io natural ; pois 0 povo qnando applaude
nm individtio, julgando- benemenlo, quer que as
suas votes, proclaraand, a dfci>a., ecbOem por
toda parte e con 0 seu esiridor emmuitecam Me
zoilos, que doiiinados pfe dcspeil., e mivjleute 4
loucur.i. prelenJam escarecer o bnUw daqaii:.-
era cuja luz 0 pwo se nyra alegremeute.
0 dia 2C." de outubro foi cerumenteude crat,!
festa popular uesta cidage I
Era de surprehenJenl eflaito ter se a uniio do
povo com a autonJadJ inostranlo a:si:n, esta*
duas entidades como qu\ da proposita, ae niatlre-
rccem cbegado cue nenhum disgosij entre u exu-
te ; e que es-a paz e ainda o resuliado da eoafian-
ca, inspirada a I dos pe governo de que e!!e Ut
parte I
Entre os eelreaitosoa v(vu erguiJos pela multi
dio ao digno ministro do imperio ojvimb m tam-
bem os nomes daa primeiras autondades da pre
viacia, prova de que ellas cumprem com teio seu-
deveres, tornando se d -nas de consumes lon-
vores.
0 povo raras vezes se eagaoa, quando r^ade
ireilo as virtudes individuaes e feluinenie ped--
mos afllrmar que tem sido juste com a pessoa d.
eonselheiro Joao Alfredo.
Es e distinct pernamLuc.no podera ser imitado,
pon-in nunca (.xcedido no amor e dedicacio i u
provincia !
0 ineritu lem sido a cundicao de cada um, para
ser chamado por ella ao- cargos publicas ; a ot
isso a eroulacio entre os tilnos da Perntiuouw
cresca da nm modo e.s;'^ u>o.
Par inici tiva dclie e>U provincia enntioa. a
mostrar as suas irmis que tem hi bos aptu* pira l
drsempenh-i das uusaoes mais importaotes.
Nao pbantasiamos e para attesu.-io do qae d.a:-
mos, basta alt-.ader se ao numero dos peruambu
canos, cluxiU.s sem dislinccao de partites ao>
cargos mais emioentas. Xa magistralura, na
pi mcipaes repartifoes publicas da corle i-i impe-
rio, e ate n-j e:t.aag iro nguraiu ellas em amscldw
numero.
Quantas p-jvmcias nio se acham sob a aimi
nisiraelo del.es V I
Alem disso d^vomos ainda acresceotar que 0 ii
lustre estadisti procura realiwr grandes Maaa.
Muitos inelhiramentos e reforasas imp rUntissi-
mas tem iairitda no paiz, e para outras tew cta-
corrido com 0 maior interesse.
E se ainda nao gozamos da todjs ot meliura-
raeutos, de que temos necessidade, e porque uc-
para ser realisados daraandam de lonzu taaps e
ds acurados estados preliminares, outros da me-
lhor opportumdide, em vista do estado liuaocan
do paiz.
Nassas reformat S. Exc. tem todo empenru eu
aUcar pela base os mates, de que nos reseaumos.
nio se coutentando somente em combaler os seas
ell'eites.
0 dign ministro, comprehendando ser a falte d>
iaslruc;ao no povo a causa, qua tora. uapvs?..vel
0 progresso das nacres, lem lixado na te pout os
seus matures caiuados; e gracas a Uo heroico
exemplo tem te desenvolvid) o maior interesse
pelo derraraarae.'ilj da insiruccio em toJo im-
perio.
Cada um por sua vez quer ter parte neste gran-
de benelicio.
Milhares la associates tem se forma Jo para til
dm e as lei* de ref-.r ua d. instrnccao vein cm au
xilio dellas em Odas as proviacia*.
Os cidadaos ja
procuram dottr as localida-
desem que resiLvn um casas apropriadis ;..:.
esc ilas DUblkas
Ainda nao podemos colher todos os fructis i-
Uo importautes traualhos. porque Isso d-p aJ .
muito tempo, porem ninguem cnte-ta qu- u
smo de boje, nio e 0 de poucos annos aSL e q j.
se acha Uo espalhaio quant) perraittem ss ,'orci-
do paiz. ^
A vista de lantea beneficios todo aqoellc ;u
anima em seu corafio 0 sentimrao de patri >u m
nao pode d >ixar da amir a bem diter u nome d.-
quem aaals se awHargHI em promave lu 1
Durante 0 longo periodo de 4 annos 0 aaaaasW
ro Joao Alfredo nio teve um insunte de rep;a"
ainda mesmo ..naodo a saude Ida faluva, sead.'
pois sua vida de ministro um lidar incesnte a--
agora I
Era juste que depYn de UnUs faligas, e qua-i
Ihe faltanlo as for;as antes de complettr sna mi-
sao, viesse descan^ar alguns dias nos lares eatrn-
onde melhor ellas se refazam.
Nenbuma occasiio miis oppcrtana de serem
tnbuladas a tea illustre obreiro do progres-u i-
homeuagens e adhesOes, conqaisudu por seus :n
Rentes teites I
Os pern.mbiiean.i5 por coracao e aaseimeu
bem comprebenderam i.-so; e eu nfmos, sauian
do com 0 maior enlba-iasmo ao seu cjtnprov.n
ciano ; e procuraado a.-sim anima lo a continual
na aogasta mis-ao do qua se acha encarregid
pela confianca da ejpoa.
Com r .tue toaaae dito, nao preteademos lisoa-
gear ao ministro do imperio, e sim pagar por aa.-
sa parte a contribu>;ao de apreco a S. Exc poi
ser isso um davjr que nos impoe a qaaJida'ste de
pernambucano.
0 lisongeiro exagera 03 iactos, porem n.>- para
e simplesmeote narramos a verdade, visu por l>
dos, com excspcla dos que se fazem cegos par^
torpes manejet, que ddaominam-conveuifnda*
poliucas.
Assim, pois, nos assidaudo ao enibasiasmo do
nossos comprovmcianos, saadamos do inlimo d'J-
raa ao varaa iiiiistre. que en lobraceado
a patru
se constituia para ella uma de suas glarias '
R.'dfe, 2 de ccvembro de 1871.
t'ai pn-nanbucaiu.
Ao publico
Ao illustre peruaiubncano o
eonselheiro JoSo Alfredo.
A homenagem que a soeiedade tribnta ao eida-
aao benemento, collocado nas summidades do po-
der, em vez de sigaiSear fraqueza e abatimenw,
ao contrario ailesla 0 seu aperfaicoamenta moral,
que nio e outra cou^a, senao a del observancia
dos deveres sociaes. E quando um povo os reco-
nhece e cumpre, 6 feliz, porque precede inspirado
pelo patriotismo, seutimento que promove as fe-
licidades publicas 1
Nao 6 deponente a ami populacao saudar com
ruidosas manifestacoes a um patricio illustre p r-
que a uobreza do povo nio consiste em deixar sen
reparo os feitos dos indiviJuos> e sim no devidc
apreco ao merecimentodelles.
A virtude civica e tao credora de preite, quanto
a patria da dedicacio de seas filhos
Se ella tem 0 dever do cutigar aos degtuera-
dos, 0 tem ainda mais imperinso de cremiar aos
que me servam com o maior de.ivelo I
Se estes principios sao verdadciros,lamb,>m c cer-
to que a sernore briosa
acaba de curoprir
fosteraanh) solemn
cebendo jabilon
Foi com esp.-ato que vimc- no D,ario de />-
nambuco de 2 do correnle, ama deelaracao dt.
nosso companboiro de casa, 0 Sr. Pedro
Vellozo Filbo, p.-ocuranda eximir se da 1
bilidaie das aetes praticados na casa de"
residencia a rua do Imperador n. 48, no dia da
hegada do ministro J.ao Alfredo Aasomindo a
respansabilid.de de taes actos, declaramos com
tudV) que 0 br. Vellozo foi am dos antores da
lesla, senao 0 princi.-al, pelo qne nas admire a
muito a saa dedarajlo ao publico. Realmesie
nada mais deviamos esperar d. boa educoc&o d.
Sr. Leio Vellero c do sen conhecido mododer--
cedfr. r
Recife, 2 de novembro de 1874.
Oro.'ino Ramos.
Pedro aluniz Leio Vellozo.
Ob proviaciaao8.
Andam os prov.'ncianos a caU de tetfas ni -
enfeitarem os seas jiaaJeiros. Farcistai a aret
pisias pevinem-se. ^
Approxima-se a festa.
E mna mania, como pft exemplo, editar ateai
de qailjuer padre, rn engazopar a hnanaNade
com iesuiias de toda* M maneiras e raodoTaiaa-
dos fritos, a fricando e ate 4 Id Pompadour.
vareito: a'bardr-se 0 jamente- a voalaaa da
dono.
Mas in:oamoda-aos 0 continno tiair dos gnlzwf
de taes arlejumj, c m;s cnj aa as chalacas <*
uo desencbabidos trcoVis.
E" rr.:::sj acabtr ram a raca de tic vis rent",
que sempre vao 1 !ani. v.; base, da menrira e ea-
lumnia para ferir 0 inimigo.
A meniira 6 a sua arms predilecu,ea.ealBmt *
o seu uliimo recarso.
Volvem e retolrem pr.i3.dos fMfloe, qae aenacre
si> anafysados co;?) paixao e odio, e semare )-
ura a polfno-'ia f Trlst? condi in1
Senvre iraoas, sornpre inconsequentes.
I f


*-


'$'
Dfaria fle Feraagzfraco Terea teira 3 de J^vembro dis'ates avis meee# canngsirtcse, qr> olio.
') Sr. eon*lli*eir, l>aM #j*e" set- Le.n ree>
bido, por|Udioa crjaeervua-eqi sident* uespal Uirxi sijji airickM. Mas boo
observam os provinei. dos, qae o povj reunido a 16
de roaio nao era pdrnambucano, era vista do pro
testo de IS de maio.asiigoado aelae summidades
Irberaes desta tana ?
Se o povo de 16 do maio era pernanbueano, e
se a reuniac era licita porque os mani'eslantes de
17 o> maio nao provaram com facto ou cam factos
em corao a reuniao era licita ?
PalavrSss, detianiacrjes1
Jlompante de hespanho' e parada de seodeiro
flr. Dr. -L'.Kwau curaprio torn o sau dever, e
uijuh atto. qoe qualquer caordira dos prooincin
90s,, falla o result-ido da celebre qaejxa do Club
Popular.
Or/de a cooces?an d* piilacios felta peio Sr. con-
selheiro Joio Alfreds ? Onde os favores illegaes ?
Spalaciodo bispo J
s ordeuados dos professores do seuiinario ?
Qnando houve concessao do palacio, Srs. pro-
vincianos) Demmstrai a iliegalidade dos favores 1
De*le qua se pode fazer favores, quaiido os faze-
mas nao praticaruos iliegalidade, e pelo contrario
praticamoi o que se a;ha ao nosso alcance, e era
oosso direUo.
Onde os favores de mlmos ?
3d patavra e aceasacd" h sem ba38.
Res ret, mm verba.
0 lente a uue afludera os provMd'MJ* tem ap-
tilojs conforme reqaer a fei, e estando habilitado
corn.t> provar!n os eoneursos, foi jr.slicelramen
te noaeado, mas desde que nio e do agrado dos
prwincianos seja elle- desnomeado I
0 Sr. conselheiro Or. Joao Alfredo nao bate as
teada* e nem as barracas dos provincianos, tem
niuita dignidade, e conscieneia de sen; aclos.
0 paiz inteiro fat Ihe Ju-tica e nio serio quatro,
oa cinco esquentadot qae o derribarao do honro-
so pedestal, onda o eollocaram a gratidio, e o re-
c "abecimenrto do povo brasileiro.
Os beneficios, que goza Pernambuco, e qae na
actnalidade sao em gracde pane devidos aos Exms.
Srs. conselheiro Joao Alfedo e commeadador Lu-
eeca sejam esquecidos porrmo isso e do ajrado dos
)>r. vincianos 1 !
Outro rumo timoneiros.
Srs. provinrianos, raaati, rnenti. Cumpri o vos-
so faio, oa sina, mas pelo amor d:> Cruoifioado
lende am ceitil... de vergonha.
Um pernambucano.
X'. 1S8 Ayua dc Florida dc Mar-
ray c Lanman Alem da saa avantajada sa-
p-;rioridadecim) um perfume sobre as mais valio-
sas eoroptwicoos c^trangeiras, etta deliciosa qolo
1 'eitavel eweaya lljral, forraj una agradavol
l.i"agern para os denies e geugivas servinlo de
Ojaierjativo para os mesraoj, e applicacjki suave
e Tiodificanle para a pelle d > rosto depois'de se ha-
ver feit'o a barb.i, diluida em agua.
i"m leaQo molbado cjio algamas gotas da raes-
...i e applicad a testa, as fontts, promplamenle dis-
sipa e faz desapparecer as'dores de iiabe;a as mais
violentas; e as senhora=, que prezim s-jbretudo
nrna compleicao clara e traasparoalc, acompaoha
Ja de ama pelle maeia e avelluJada, acharao
qae ella 6 exircm.imente ulil, em remover ebulli-
5*68, espinha?. sardas, sipiahos, miculas, assim
e .nio todas as m ils erup;oes externas a descolori-
dos que mililam contra a pureza, iransparencia e
.'1-xibilidade da pelle.
REHOlJIfrfTO DA IPIEZA D3 OBRVSE
CAPAXAZIA DA Alff-ANiEiA DI PERNAM-
OTCQ. fWLATIVO M> EJ WHO DE CHI-
TCBRO DE 4874, )JtPlVAt COM 0 DE
OUTUBRO DE 1873
Verbas de receitos
P5
2
Tasa de ernbarqae
i&a dc dooinbari|uo
Dtta de armazenagi-ui
Dita de erjlbarcacpes
Dita de alvaMngas
Dita de bagagens
Dita de diversos
Total
?6^287
37I#S3Q
8$d*if
4;188|30O
353^it
3;:793aSI6
9:J28iiB:
943^700
270*500
1:108*660
20:57i#m 13:639*973
Tlisoiiraria da empreza das obras e capalaaia
da alfandeca de Pernambuco, 2 de novembro de
187i.
Antonio Jose" Leal Reis Filho
Fiel do thesoureiro.
Conforme.Antonio dos Passos Miranda,
Ajudante de fiel de arraazem.
CaPATAZIA DA ALFANIiKiA
itandimento do dia 2 406*826
30
Vo dia 1 a
No dia 1 .
'rimeira poru .
Uganda poru .
Perceira porta .
rivpicht Ccncticio
RAE3 DE
undimealo do dia 2
VOLUMES SABIDOS
33,8)1
m
165
166
838
1,323
namJiuco.
BILIfCTBS DE PASSAOEM.
fislfl corupanhia, nao podendo e.cwirar moeda
de nickel em abundancii para sitlsfazer aos tro-
?os, resalvea Tender do dia 1. clo proximo raez
em dlante, aos Sr.. passageiros, bilhetes que va-
Jewclneo Bawageos, e que serSo umcamente re-
cebidos nos carros.
Cada bilbete e dividido em cinco partes, cada
ama das quaes t| uma passagem, e sera enire-
gue peio paesageire ao conductor do carro, que
immediatamente devera inntilisa la com o alieate.
Recife, 30 de uutubro de 1874.
G. A. Scltmidf. gerente.
"S^SSS^;*-*. 1&iV* fwro-Carril de
Villa .i.i J>#)ba-#V koma, ihiate nacif|a?j
fidr do Uio Grande, de 42 toneladas, Q-|r
phuafligurf i*ctarrjo (h osta, eqaipa-
**n5, cnr aepucar; a Lyo 4c. -Sobri-
nho.
ffavio aahido no 4ia t do corrertte.
New-Yflrk. -Bara iugk-za Helen Isabel,
capitao Ralston, carga assucar.
NaiAas entrados no dia 2
Montevideo35 dias, polaca Jiespanbola
Tres Dorotias, de 288 toneladas, capitao
Gabriel Rou, e^uipagem ti, em lastro;
a Pereira Carneiro Maia & C.
Rio Grande do Sul-8l,dias, patacho por-
tugoet Timbre^ de 444 toneladas, oa^i-
tao Jos^ F, da Sil?a Nanes.equipagem 9,
cargaj I44,00i0 kilos de came ; a Amo-
rim Irmfto & C
Cabo da Boa-Esperaoc,a27 dias, brigue
inglez Anne Catharine, de 210 tpnela
das, capitlo B. Reis, eqirpagem 9, em
lastro; a ordem. Spguio para Para-
bjrba.
Terra Nora45 dias, liigar inglez Spark,
de 197 toneladas, capitaoSullewan, equi-
pagem 8, carga 3,175 barricas com ba-
calhao ; a Henry Porster & C.
Observa Nao houve sabidas.
ihnftrici Sotiedein dos AniMas Medmtico)
Ltberaes.
Feaio-se ja eflfectaado a tnudanca da sede desta
socied de p:,ra o 2* andar do sobrado n 63 da
mesma rnrda laperatriz, contianara as aatas do
Lycfiu d'ora era dJaaia a uiDceaarrn aos dias e
auras ia designadD*.
Secreiaria do lyeen, 26 de outubro de 1874.
0 secrelario,
________________-P- P. dos Santos.
mairiz da Boa
RENDAS LNTERNAS GE
PERNAMBUCO
. 2:022*968
XW'SULADO PROVINCUi.
\eadimeau> do dia 2 2:308*317
RECIFE DRAINAGE
Rendimento do dia 8 .
136*060
AGENG1AS PROVINCIAES
Liqaidos espirituosos.
tiendimeato da 1 a 30 4:828*817
dam do dia 31 36*976
5i
5*? IVi
JUNTA DOS XMUStOUES
I'raca lAo Ki'ciF; ,*i d; zrtverabro
de tS74.
AS 3 MORAS DA TAI1LE.
COTACOES OFFICIAES
$ dao de Mossoro I' sorte 7*030 por 13 kilos,
sabbado.
\ jodao de l sorte 7/00-3 oor 13 kilos, sab-
ba^o.
ibi > sobre o R o de Janeiro a 8 div. ao par.
. ae 'Vasconceilos
Precidente.
A P. da Lemos,
Seoretario.
Rendimento de 1
Mem do dia 31
B3calbao. etc.
a 30 6:097*176
*
Generos
Sandimento de 1 a 30
idem do dia 31
de estiva.
6:088*391
71*032
Farinha de trigo, etc.
aenditnento de 1 a 30 8:419*723
idem do dia 31 *
4:8G5*823
6.097*176
6:159*126
EDITAES.
[rmandade das almas da
Vista.
De ordem do irmao juiz convido a. todos os nos-
3os irmaos para comparecerem as C.-horai da tar-
de do dia !. de novtmbro proxfmo fatnro, alim
de em m-sa geral se proceder a eleigSo da mesa
rcgfdora qne tem de funccionar n> anno de 1874
a l87o.
Conslstorio da irmandade em 27 de outubro de
1874.
0 escritao,
Manoel Hygino de Carvalho Goato.
Fumo, etc.
Readimento de 1 a 30 3:790*313
idem do dia 31 289*018
------------8:419*723
ftendimemo de
Idem do dia 31
Vinagra,
a 30
etc.
77iJo6i.
4:079*361
771*561
. UUeEiO do
ALFANKGA
20:017^737

s
U-'icarregaiD iiuju 3 denoembro de 1871.
Bar. a portugaeza Alexandre Uerculano -varios
generos para o trapiche Conceicao, para
-,. (tfltniwh.i. _______.
Hi la nationalF/or do Rio Graade do Sorte -Re-
n-ros naeionaes para o trapicba Loyo.
E :ana iogleza Sarah bacalbao ja despaebado
para o trapiche Concei.ao.
I :bo amaricauo Suzan Bergfn fsrinha ja
despaehada |iara o caes do Apollo.
P.t'.acho allein3o I'runns crvaj ja despacba-
do para o cae? do Apuilo.
luaporia^So.
male naciona4 Graciosi, e.atrado doAssuera 31
!.- >utubro econ manilestoa :
Algolao 119 ?a:cas a Gomes de Mrttos Irmaos.
Cooroa se;cos 8 aos raesrao.-.
-'.eiras 176 m>lhos aos m^smos, 109 a ordem.
i'jiba de carnaaba, 10 fardos a urdem.
Sa! 469 al>|ueires ao consignalario. Sola 100
m-ijs a Gj-nej do Mattos Irmaos.
\a3Suaras de p ilba de carnauba 2 fardos a or-
la. Velas de ccra da carnatiba 6i caixas a Go-
:.. a de Mat'. )s Irmacs.
Brigue national Rum, entrado ao Cabi Verde.
rail do correiita e cjnsiguado a Amoritn Irmaos
A CJ uianifestou :
Sal !00 moiss aos consignatarios.
3JCCa portugaeza Alexandre II realano, entrada
I I.isboi na mesma data, e C3n ignada a A'liorira
Irmaos & G., manifestou
Agua iog!eza 2 caixas a Birtiiolomeu & C.
Cat 100 barris a Jos6 Peixuto da Foncrca, 50 a
Andre M. P. Fonceea, 30 a Aatonio Alves de Arau-
; SO a Oliveira Pilboa A C. Cera em grume 3
baoteai a Toomaz de Aquino k Successures. Ce-
bo las IcO molhos a Silva Guima'aes & C.
Droga 1 caixa a Bartholomea & C.
i'lor-s medieinaes 4 fardos as ma i i 1.210 saccos a Silva Guimaraos ^ C-, 300 a or-
d ;.n, 300 a Bellrao & Fiho, 50 a Pinto Moreira i
C, 50 a Moreira & Annas, 3'3 a Jose J. Tasso.
LageJo 110 varas a Thomaz de Aqomo Fonce
A Successores, 209 a 113 metres a Jose Augus
to Ja Araujo. Lavatorios e per'eac.as 1 caixas a
Baraardioo Duarta Campos.
Mobilia 5 caixn a Luiz Jose da Silvi Gaima-
ria c\ C. Marmore 3 caixa-. a J. Joaqaim de Li-
iaa Bairao.
Obras ife vime21 yjlami3 a F. M rtias Go-
m?i. ,
i'edra decantaria 4 caixas a Antonio Valentim
.1. S. Barroca.
Sal 100 moios aos consignatar'os.
Vinagre 11 pipas o 30 barris de qiinto a Tho-
i3wde Aqaia) Foac^aa & Sa-wessores. 10 ditos e
23ditoS a Oliveira, Filhos 4 G, a e 25 a BelirSo
., ,.U) Vinho Braoco 25 barris de qainte a Tno-
niaz de A julno Fonceca & Saccessore^, 23aOli-
ve ra Filbos A C, 23 a Baltr.to & Filho. Dito tinto
S3 pipas e 32 barris de quialo a E. R. Rabello A
:, 40 ditos e 35 lits a BeUrao A Filho, 20 e 20
a Silva Guicaaraes & C., 40 e 10 a Sjuza Bastos
'< C, 33 e 10 aTboraiie Aqaino Fonceca A Sac-
. .-sores, 13 e 10 a Rosa & Irmao, 3 e 10 a Oli-
veira Filbos & C. Vaso de pedra 1 a Rosa A Ir-
xio.
Iliate national Fl6r do Rio Granle, eatradn da
vi'.ia daPenha en 1 do eorreote e consignado a
J da Silva L^yj Sobrioho, manifesto* :
Algolao 24 saccas a ordem. Assucar 5*0 sac-
ccs aos coosignatarios, 200 a Maaoel da Silva Maia,
3d a Sonza Moutiaho A C
t'atacho portuguez Timbre, entrado do Rio Gran-
Is do Sal em 2 A'> corrente e cjniigaado a Amo-
rim Irmao & C, manifestos :
Xarqifl 136,500 kibs a orlem.
ACH03 DR EXPOftTA^AO NO DIA 31 I)b"
OUTUilO DI 1874.
Paro w pattu fa iaxtripr.
Para Uruguayana, ac> Iiia'.e Bae.-n
^is.carrepjn: ft. fcoiaMlO tarriei*om
{t kiloa de assnear branco.
^P^raS^rttaf^etfti, w *arc*5 'IMM
Citade, cartegoq ^ Aj J. L. Teixaira 1 Jwxfca eera
^iostdfltWrtJiV+eBoado
Para Porto Calvo, na barcaca VniSo Froler-
n ". carregon : IJ. G. & C. 1 barrica com 60-Hlfl|
ic r^iizT refiwdo.
Tbesouro provinciol
de outibro le 1874.
0
30:396*073
de Pernambuco, 31
escnvao,
.). C. H. da Silva Santos.
Banco do Minho.
Joaqaim Jose Goncalves Beltrao & Filho sacam
por todos oi vapores sobre :
Anadia. Evora.
Aguida. Fafe.
Aveiro. Faro.
Seja. Guarda.
Chaves. Leiria.
Elvas. Lisboa.
Amaranta. Barcellos.
Guimaraes. Coimbra.
CovUhS. Mirandella.
Melaraco. fanfll
Portafegre.
Arcos de val de vez.
Celorico ii Bas'.o.
Caminha.
Mangualde.
Ponte da Lima.
Potoa de Lanhosa.
Villa-Nova de Portimao.
Monsao.
Ovar.
Porto.
Tavira.
Regoa.
Vizeo.
Figueira.
Lamego.
Estarreja.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos.
Castello-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azemois.
Povoa de Variim.
Vianna do Gastello.
Villa-N'ova de Famalicao.
Villa do Conde.
Has ilhas.
Kadeira, S. Miguel, Faial o Terce ra.
ail Bom
n,373
M aritimo e conlra-fogo
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro coiitra-fogo
THE LIVERPOOL & LONDON & GLOI
INSURANCE COMPANY
Agentcs
SAUNDERS BROTHERS & C.
11Corpo Santo11
Companhia Iademaisadora
do Porto.
CAPITAL 2,000:000(5000.
Thomas i? Aquino Fonceca &. ft, successors
agentes.
E-t companhia toma seguros raaritimos e ter-
restres, dando nestes o sepurao anno gratis aos se-
gurados.
ilaa do Vigario n. 19.
GOMPANmlALLIANgA
seguros maritimos e terreb-
tre3 estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 1870
C.VPITAL 4,000:0009000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro *
itco maritimo em navio de vela e vapores
jara dentro e f6ra do imperio, assim com;
jentra fogo sobre predios, generos a .fa
ondas.
Agente : Joaquim Jose" Gon$alves Beltrao
at do Commercio n. K, 1 widar.
SEGUROS
UIHTIIIOS
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indamnisadora, estabelecida
aejta pra^a, itoma seguros maritimos sobrt
larioc e seas iarnegampatos e contra fogc
an edificios, mercadorias e mobilias: ni
;-pado Yjgario'i). 4., ^avj^aento terreo.
0 lllm. Sr. inspector do Ihesouro provincial
manda fazer pnblico, qae em enmprimento da or
dem do Esm. Sr. presidente da provincial de 23
do corrente, tem de ser arrematada no dia 25 ^e
novembro proximo vlndouro, perante a janta^da
fazenda do rnesmo thesonro, a obra dos reparos do
empedramento do e 2 langos da estrada de
Palmares, orcada em 11:880*, e debaixo das con-
dicSes abaixo transcripta*.
As pessoas que se propozerem a esta arrernata-
5J0, compare^am na sata das sessoes da referida
junta, no dia acima indicado, pelo meio dia.
E para constar a quera interessar po;sa, se man-
dou faze pubiico pelo presente Diano.
Secreiaria do thasoun) provincial de Pernambu-
co, 30 de outubro de 1874.
0 secretario,
Miguel Aff'.mso Ferreira.
Clausulas especiaes para a arrematacao
das obras.
1.1
As obras de reparos e empedramento do 1 e 2
langos da estrada de Palmares a Pimenteiras, na
imyortaneia de lhOSOj, serao execn'aUas de con-
formidade coin 0 resptcjvo oro.imenio e desenhos
juntos, approvados pelo Exm. Sr. presidente da
pruviocia, e instru'-cois do eogenheiro encarrega-
do da facaUsacau dos trabalbos.
%.'
0 arrematante dara comeco aos trabalhos no
prazo do 15 dias, e os conciuira no de a mezeg,
esle ultimo prazo contado depois de findo 0 pri-
raeiro.
Os pagamenlo? serao feitos era quatro prestagoes
iguae?, a pr>.porcao dos trabalhos txecutados.
*-'
Finalmente, em tudo mais qae aqui nao val es-
pecificadj, seguir-se-ha 0 quo a respeito dispoe 0
regulamento de ti de fevareiro de 1871.
Cabo, 16 de oatabro de 187i. Assigaado, o
engenhtiro Joaquim G Coelbo.
Conforme.Oollltial Joao Joaquim de Siqueira
Vaiejao.
ConformeMiguel Affmso Ferreira.
0 Dr. Seb^stiao do. ttego Barros de Lacer-
da, juiz de dirtilo especial do cooimer-
cio, nesta cila/Ie do Recite de Pernam-
buco, por Suai Magestade 0 Imperador,
que'Deus guarde, etc.
Faijo saber aosyqae 0 presente ectltaf virem e
delle noticia tiveiem que a requerimento de Fer-
nanies & C s; /ciia aberta a fallencia do n^go-
ciante Autonio Jr>:6 Vieira, pela ;entenija do theor
segninte : i'
A' vist* dajaeticlo inieial, letras de folbas e
aepo'i 11.-..;. '' iHnni.u flu iuhiwj u iii'u*
por di-clarada^fc anertura da fallencia do nego-
cianle Antoniolfose Vieira, a datar de' 21 de se-
tembro findo, nwmeio curadores fiscaes aos cre-
.iores FarnandesiSt C, que prestarao juramento.
Proc<-da-se immeldiatameote ao invenlnrio, sendo 0
depositario nurneafdo por mim, 0 qual servira ate"
que os credores, nos termos do art. 812 do codl-
ro commercial, fai;am a nomeacao que lhes com
pete ; e para isso 03 convoco a se reunirem no
dia 5 ie novmnbro, ao meio dia, na sala das au
diencia3. Custas pagas pela massa.
Por editaos publiquese este despacbo e faca se
a convocaQio dos credorrs.
Recife, 30 de outubro de 1871. Sehastiao do
Rego Barros de Lacerda.
E para quo chegue ao conhecimento de
todos mandei passsr o presente que sera
publicado pela imprensa e afikado nos lu-
gares do costume.
Cidado io Recife, 31 de outubro de
1874.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivao 0 subscrevi.
Recife, 31 de outubro de 1874.
Sebastido do Jlego Barros de Lacerda.
Luso Brasileira.
ir. Alexandre de Souica Pereira
de Carnao.
A directorit querendo cumprir com odever de
rehgiao, imposto pelos estatutos, manda resar no
dia 4 de novembro vindonro, as 7 boras, no con-,
vento do Larrao, uma missa por alma do consocio
Ut. Alexandre de Sjuza Pereira do Carmo. A di
rettonaconvidi a todis os ^eahores assotiados,
a Hxma. (amilia e aas parentes e amigos do falie-
cidc a assistirem a este acto de caridade. Recife,
31 de outubro de 1874.
Rodrigues da C sta,
Secretario.
Sociedade Recreativa Ju-
ventude.
De ordeji do Sr. presidente, onvido aos Srs so-
cios a assistirem os responsos e mementos que
por alma dds nossos consocios f llecilos se roza-
rao na igreja.de S. Pedro, pelas 6 1|2 boras da
manha de hsje, 2 de novembro. .
Secretaria ia Sociedade itocreativa Juventade,
30 de oatubro de 1871.
Orestes Monteiro,
._______ l. secretario.
ASSOCUCAOCOMMERCIAL BENEFICE.NTE
De ordem da dreccao desta associacao, convido
aos Srs. socics a S) reuairera era asserablea geral
no dia 3 denovemtro, a 1 r.ora da urde, no lugar
do costume.
Recife, 30 de outubro de 1871.
0 secretario,
K Gomes de Matlos.
Arrematacao.
No dia 6 de novembro do corrente anno, ira a
praca para ser arrejnelado peranle 0 IV "-' "'
sicipal da Victoria, 0 engepho ""..uiTaete, avalia-
do, na primeira avaliacao por 20:000 e agora por
0:400i ; morale-ircorrente d'agua 0 safreja mil
e qninhentos piles, proxr.no a BStafAn de Frechei-
ras dnas leguas, pertenceule ao cspolio de Jose
Ignacio do Mello.
u, COHaRfilO
RelajSo das cartas que deixaram de seguir
a seus destinos por falta do frsfiquia.
Anna Calorina, D. Antonia Joiquina Alves de
onto, Antonia Maria da Cuoha, Arthur Elster Esi
qume, A. J. Gomes Netto, Antonio Francitco Far"
reira, Antonio Francisco de Oliveira, Antonio Joa
quim Dias Medronho, Antonb Jose" da Cruz, Anto-
nto Correia. Antonio Monteiro dos Santos (2), An
Jonio Rodrigues Martins Lamera, Antonio Ribeiro,
Barbara Jacinth* de Medeiros, Bernardo de Farias
Soares, Costa & C, Domingos Francisco Riot,
Francisco Pernandes Croz, Francisco da Silva
Luna Junior, Francisco Salles Meadonca da Silva
Carvalho, Francisco Xavicr Ferreira, Joanna Dias
de Oliveira, Giovaao Testaro, Innacencia Rosa da
Cunha, Justina Rosa de -Souza Peixoto, Joaquim
nntonio de Vasconceilos, Joaquim Antonio Vieira
da Silva, Joaquim Jose Gomes da Silva, Joaquim
Luiz Vieira, Joao Antonio Furlado, iolo Jose Pai-
xao de Va.-concellos, Joao Correia Maitiis, Joa-
quim Monteiro da Cruz, Joaqniin da Silva Maia,
Joan Lerillo Olavarna, Joao de Mello, Jose de Fi-
Kueiredo, Jote Goncalves Martins. Jose Joaquim
Correia, Jos6 Joaquim da Silva, Jose" Pereira de
Lima, Jose Marqnes de Freitas. Jose B. Barreto,
Jose Rodrigues Terroso, Jose da Silva Matios. Lui-
za Dieguez, Luiz Thome" Gonzaga Junior, Marga-
rida Pemba, Maria Custodia Gomes, Maria Eage-
nia Feleiras, Mar a Ferreira, M^ria Gutierres, Ma-
ria Ricarda, Maria Rosa de Jesn, Maria Rosa da
Natividade Gomes Leite, Maria da Silva Rainillio,
Maria Thercza, Manoel Azxaray, Manoel Alves da
Cosia, Manoel Coelho (J), Manoel de Cerqneira
Pinto, Manoel Fernandes Monteiro, Maneel Ferrei-
ra de Moraes (2), Manoel Jose dos Santos, Manoel
Fernandes, Serzedelo & C, Tbeodorinba, Thereza
lialga Martins, Thereza de Jesas Miahavo, There-
za Martins Torres, Theraoteo Capello (2), Tho-
maz Jose" de Oliveira, Trajano Lniz de Fraoca,
V.ctonno do Almeida Rabello, Vicente Paulino Sil
veira.
Correio de Pernambuco, 30 de outubro
de 1871. 0 official,
A. II. de Araujo Pernambuco.
HOJE
Mlinw dia tic expo^o da
(Iganla fruncczat
Deuuitirameuto
Com reduccio do pre^o de eaiaaJa a 560 r*
por pessoa.
mm mmms
COJIPA.NHU PERNAMTOCJMU
DR
Vavfjacflo costeirM Taper.
Maceio, escalas, Peoedo e Aracaju .
O vapor B,mm\*m.
c niuiandante M nho, sefoiri para e*
r1Marina>i*a3l
rorreole as 3 bo-
ra? da lard>.
Recebo carga ale o dia JO, enco mmenda, paw
sageiros e dinheiro a frete ate as .1 hcra* da tar
de do dia de sua sahida : escriptcm do Forte 6c
Mntios n. H.
Rio de Janeiro.
BriRnr
Sahrra con bn>\-nia4^ :
rua do VifKiri^ i 7.
para cwft twa :e ra
De ordem do lllm. Sr. inspector da tbesou-
raria de fazenda desta proviacia se dec.ara que em
se.-sao da junta de 11 de novembro proximo fulu-
ro ira novam nte a prar;a 0 arrendamento do pro-
prio n3cional Barracaoque servio de quartel
de cavaliaria, em Santo Aiuaro das Sidinas, pre-
ferindo-se a quem mais vantagens offereccr a fa-
zenda : os preteadentes quo precisarem, de algu
mas explicates, dir.jam se a esta reparticao.
Sacreiaria da tnesouiaria de fazenda de Pernam-
buco, 27 de ontnbro de 1871.
Jucandiino Rodrigues de Oliveira,
Secrelario da junta
ADM1N1STRAQAO DOS COItREIOS DE PERNAM-
BUCO, 1 DE NOVEUBRO DE 1874
Relacuo dt correspontlencia registrada fsem valor)
recebidade diversas frocedenci-u ate esta data,
e que nao tem sido entregue por ignorarse as
residences dos destinatarios.
Antonio Ferreira de N e Mello, Amancio 0. de
Barros, Amaro de Oliveira Dalra, Antero M. M.
Furtado, Ayres A Gama., Antonio R. de Souza,
AdelaMe E. C. Ling, Antonio D. P. de Mesquita,
Beulo J. da Silva, U Jose dos Santos Callado, Car
neiro & C, Francisco L. Osorio, Fr*ncisco 0. da
Silva, Fortunato Archanjo da Croz, Francisco C.
Albuquerque Lius, Francisco da Costa Maia, Gas-
tao de Aragao e Mello, Gailhermina A. C Lins.
JoaoZ F. Veil jso, Joao Leite Netlo, Josephs *-
lina da S. Pedrosa, Joao B R. Pereir> ",'
ren^o Gon;alves, Joao Chrvo- I1*?*'- ,oa'
qnimRodnW P'JT! "f'dos Bei? de >nn
Dantas Fl|h "-'c rerreira de Moraes, J.iao E. ila
S 1 :..,i, Jose Mathias da Silva, Jose Castellao Fi-
ino, Joao Cyrillo de Lima, Jose Gomes de Sooxa,
Jose Games Villar, Luiz da Veiga I'essoa, Marianna
de Sena Guimariief, Manoel Barbosa do Aranjo,
Manoel Muniz Falcao, Rodolpho M.iximiliano P.
Dcrnellas, Vicente Ferreira Muniz, verissnno F.
Chaves Junior.
0 olli rial encarregado do regislro,
Jose" Candido de Barros.
(i m
0 brigue portngur] Triumphn, pretend" tentr
;um muita brevidadi-. para carga e passafeiro*
'.rata-se com os
?onceca A
IK'.',
AUMINISTHACAO DOS CORRE10S DE PER-
NAMBUCO, 3 DE NOVEMBRO EE 1871
HulaH a expedir-Me
Pelo vapor national Jaguaribe, esta adminiilra-
gao expede malas para a Ilha de Foruando de No-
ronh*, hoje 3.
Recebem-se jornaes, irapressos de qualquer na
lureza, cartas a registrar c carias ordinanas ale
11 horas da manha.
0 administrador,
Affonso do Rego rarros.
------^.ioi i.i.'. v 1 uy .iiul.ul LID
MARINHA.
Faz-se publiio que em data de 2 do corrente
1'oi vistoriado 0 vapor Jaguaribe da companhia per-
nambucana de navegacao costoira, e a commissao
julttou-o em estado de podcr conlinuar no servico
em que se emprega.
lnspeccio do arsenal de marinha de Pernambu-
co, 2 de "novembro de 1874.
Francisco Jose Coelbo Nclto,
Inspector.
Tlioiiiaz de Apino EScca & C.
Suecessores
s
us,
Sociedade Fropagadora da
Instrucgao Publica
Quinta-feira 5 do corrente, as 7 da noite, ha-
vera reuniao do conselbo superior, a rua da Au-
rora n. 65, pr i:n 'iro andar, doveudo em seguida
prcseguir em assembled geral a reforraa dos,
estatutos, para cuj0 fim sao convidados todos os
so cios.
Recife, 2 de novembro do 1871.
0 secretario, V. de M. Mello.
Quarta-feira 4 do corrente, p^las II turas
do dia, tem da ir 4 praca a arraatiio e mais ob-
jectos existentes na loja n. 01, sita na rua de
Marcilio Dias garantiodo-se ao arrematante 0 ar-
rendamento da mesma loja, cuja arrematacio se
ra fe;ta em presenga do Sr. Dr. juiz de direito da
sngunia vara e por execucfto de Francisco Anto
nio da 11 sa contra Teinistocles Caanto de
Aguiar.
sa:cam por todos os vapores, sobre as segnin'.es
pr&^as :
Lisboa.'"--. Regoa.
Porto. Slaves.
Braga Vianua. Mirandella.
Viseo. Alijd.
Guarda. Favaios.
Coimbra. Braganga.
Guimaraes Lamego.
Ri. de Janeiro.
Na rua do Vigaric n. 19.
Santo Antonio
Cirautle e pomposo espectaculo
cm regosiju ti visitn do
Exm. Sr. conselheiro
Ministro do Imperio
louo Alfredo Correia d'Oliveira,
A esta briosa provincia de Pernambuco.
Quartafeira 4 do corrente.
Honrado com a preseoca de
H. Exc. o Sr. ministro
e de
:. Ekc. o Sr. presidente da provincia.
"i-r Hp tocadj pela orchestra o
iljhlliu ?*"'AlH1J|1
subira a scena o magnifico drama e...
Srs. Dumanoir e d'Ennery
n !.in .s Thomaz de Aqua*-
"re*, rua do Viiario a. IP
HESSAftERIES MARITIMES.
I :iMi; iix'iisal
Mb Grande
E-pera-se da Ec-
ro)ta ate o dia 7 fk.
corrente, s e g i a d<>
depoi* da dewra d-
costume para Bee
Li>5aj*u*-i*!**^^S** nos-Ayrw, tocaado ea
Biliia, Rio de Janeiro Montevideo.
I'ara encommendas, passagnt e fretes, trata-se
com
OS AGENTES
llarismendv A l.tliillr-
9 Rua do r.omnicrcio 9
Links v.
uir Bile
E" e-peradodospnr-
Is do sul no dia '
do corrente, segoiad
dtpou Ja dem ra d"
Cb.-iame para B:r-
deaux, tocando em
D:ikar (Goree) e Li^r)Ca.
Para fretes, oncomraeudas c passage
tar coin
OS AGKXTES
iliwwdljr A Lahille.
9 Kua do Commerete 9
~ *01 J \\M I % BB 4-*ILIiimA
DE
\AVEGACAOAVAPOR
Porton do n1
Commnnilaulr I'ampionaa
K' esperado dos porios do nutt*
ate o dia f> do corrente ae-
fruira para os de *ol, depots
da deuora do costnrne.
PorlOM do none
refros : a
ira-
Wmaftinnm
tiavios sahidos no dia 31.
fcr>cjii &po*losinteraaedio.Vporineto-
nel Mandahu, commn"JantQ Marinho,
CO.NsULAUO t'UO-J.SClAL.
Ne-ta reparticao arrecada se novamente duran-
te o corFente mez as imuoruncia? dos apparelhos,
encanaraeatos, differencas e annuidades devidas a
companhia Recife Drainage, no Uimestro de julh>
a dezembro de 1872, pelos predios sitos as raas
do Marquez do Hirval e Pajlre Nobrega, isto de
conformidade com a poruria do Sr. inspector do
thesouro provincial e as novas relajoes em subs-
tituicSo as prlmeiras.
Consulado provincial de Pernambuco, 2
de novemmbro de 1874.
0 administrador,
Antonio C. Machado Rios.
COIF<4MfllA '
ti-ilhoM u->au<> Uo BocilV
A Oiinda Iletoeribe.
Nao lando no dia 31 de
opfubro r legal p.ra fanccionar a
assemblea geral dos accio-i ^oi>rtdo Ae t aqdaais
nistas da companhia acima,.
foi a se;sao adiada para odia
H do corrente mez, ao meio
_, cuja reuniao jje.fara no lugar do costume,
devendo entao a aeeomUea fooccionar nos termos
do art.rll dqi sns>stMatos.
JRw do noa-ewfera d>4M4.
UwUfW Casl^Uft Brapqo, -
; i S.oaemip. :
':*. V "
dos
Praea.
Terca-fek* a 1 aora< 4a 4iMa^ aateala das aue
rai),j>naa >*> Mtoao, esnui4*rWtos
,pa(Ubr .d9 iOjga*flo *jb>4*WW
\,.WXf1>Mi rto a praica,#ar ax^W^MM
Maria daConoel^o Carvalh o e Scuia contja-,*)*
Alves d Oliveira,
SANTA CASA DA MIShlnlCOKDlA DO
RECIFE.
A Blma. junta administrativa da Santa Casa da
Misericordia do Recife, manda fazer pubheo que
aa^sala de suas sessoos, o dia 5 de novembro, pe-
las" 3 borae da tarde, tem do ser aiTematadas a
quem mais vantagens offerecer, polo tempo de ure
i tres annos, as rendas dos predios era seguida
aeelacadoa.
ESTABELEQMENTO DE CARIDADE.
Rua das Cali;adas
Idem n. 36.......
Vidal de Negreiros.
Casa terrea n. 114.....
Idem n. 94........
Rua larga do Rosario.
is andar e loja n 24 A.....?A2*222
2.%ndar n. 2i A.......*0^^
I; andar n. 24 A. -
Rua de Antonio Heuriqueii.
"lasa terrea n. 26
Largo da Campina.
Ideron ll(fecbada).....
Rua do Coronel Suassuna
l* andar do s brado nuraoro 94 .
PATBJMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Moeda.
Casa terrea n. 21 fechada).. .
Becco das Bolas.
Casa terrea n. 18.
Rua da Lapa. __.__
<^sa terrea n. 11. ...'..- *OO0
Rua do Amorim.
5obr*do de 2 andares n. 23 .
i^sa terrea a. 34
Ruar do B.ugos.
Casa terrea n. 21. .' .
Rua do Vigarso.
T andar do sobrado a %1
1* andar do oaesmo......2404000
Loja do mesmo.......300J000
Rua do Encantamento.
Sobrado de 2 andares n. 13 (fechada). 1.400*0)0
Rua da Seazalla velaa
Uem n. 16 ......209*000
Rip da Guia.
Ctap terrea a. 23 .
Ideai a. W .
JAua daCrnz.
it 4fecha4.
.Idem o. Uk. f ,4
Ana de a doMia
<^aa itArnai *0J 6b*ada> .
Idem n. 103 ... .
Rua do Ampare JOILnda i
Casa tercea n. <$^WMi* *
Os preiepden^ajNIfPPi apresjpt^r
arreraat as suas ttancas, ou comparecerem,
wbxapm a auoereupeetivoa flado;-es, -dtfreodo'
pagat ale irJauda, 6 piemio ds..(jnaatia am
221*000
3624000
301*006
231*000
99*000
120*000
386*000
100*000
i21*00(
602^000
22*000
1334000
243*000
dos
SIMAO
Commnndante Carlos Gomes
j^^ __j E'esperad d.>s puftr.
do .-ul.iaclv.-ivr o da > ic-
toiia ate odia 7 d > c--r-
e sejrairi para
os do MTM dr i- di
~,X-m. !' '''> '' do > "-1 TI .
Para carga, eacornmeudas, valores e pa>sagev<<.
trata se no escrii-torio
7-RUA DO VIGAP.IO-7
Pereira Viiop.a & C
AgaaAw.
i paishia aiueii;anac brasilfirc
a vap ;r.
Ate orti'.tl de rT*t
L.oeespirado do ci
i vap >r Ontario, com
d aodaste Weir,
qual depati da daoo-
ia r?) coMume. sr-gni-
cscala pelo Para e S.
dc paqude
0
Vclho cabo de esquadra.
0 principal papel sera desempenhado pelo ar-
tista
Flaw* Wandeek,
109*001
101*000
800*000
600*000
lildOWi
MUM
240*000
no acto da)
Para p
Former A
fjompa
pot- .
Maceio,
Secrgwru \Z Ma
itlii 17 do sstembr*
^pntwt-r .afUbeieci-
Mw.wdia-doR4-
escrivSo,
Pedro RodriQues de -Sou:
Tendo o celebre artisla
E. Dominici
pedido que se preparasse um espectaeulo, pela
compinbia naeional, em que toraasse parte o ar-
tista brasileiro
Flavio Wandek
coincidindo com. a opportunidade da occasiao se-
melhante desejo d'ura irmao d'arle, e com a
prompta coadjuva^So de teas amaveis collegas,
e speclalmente do artista Coimbra, oode o arlista
Flavio preparar o especUcalo acima, que tera lu-
gar no dia sapra, pela ordem seguinte :
0 theatro estara oruado, como ro^uer uma tal
festa, pelo Sr. Manoel Goncalves Agra, que promp
ta egiaciosamente aceedea ao pedido que para
isto lhe foi feito pelo artista proprietario do thea-
tro, Antonio jcs6 Duarte Coimbra.
A* cheg*a de Si. Exes, que sera annunciada
por ama gyrandola de foguetes, as bandas- de
musica, cjllocidas em lugares re3pe:tivos, toca-
rao o
Hymno naeional
Era segolda a orchestra do theatro seLra ouvir;
depois do qu?, tera comeco a exhibi^So do gr3ndo
drama.
Comevara a chegada de Ss. Exes.
THSATRO
SANTO ANTONIO.
mm mm
Benellcio da aetriz
Gti|anii Bella
Com o draaja m tr^s ACtps :
0 #w e o roinbto
1 A'sShorss.
*. rocita da KJftuiura
A grande tragedia annunciada de Y. Alfieri.
^doUitii:vno**yn:c* ,,cnrV
do navi"^pA ^= ^7
jiaaa, lla^itada
Pcued Iracaji e Bakia.
E' <-r;>L-rado dos port*
do sul ate o dia 6 or a -
v. inbroo vapor G."-.
Martins, o qoal sriru-ra
para os portos acima n-
dia seguiule ao de tB-
chegada.
Recebe-se carga, encummeodas pasiageircs edi
aheiro a frete.
Agci.te
Antoaio Luiz de Oliveira Azevedo.
57-Rua do B >m Jesus57
ROYAL MAIL STEAMER
1BERU
E-p.-ra-se 4* Eur pa ate
dia 8 de ottm mbro e lagnii
para BaWa, R o de J Montevi ", Buenos Ayres
Valparaiz >, Anca, llav e Cat-
lao, para onde reo-be-a t as
lageiros, eneoo-rneodas e din'reiro a frete.
N. B. Nao sab ira antes das traa boraa dz.
arde 3o di3 da sua chegada.
AGENTES
Wil 14PRAgX DO COMMtttf.lO 1
COMPASsliA PtrlNAMBUCAHA
DE
!%'avegaeao cj*t Ii-a at capor.
ifUflYBA, NATAL, UXCkO, MOSSORO', AAC*
TT.CKAAA.ACARACU'.URAXJA E .UUJUAS^-
NO Pl.VUUY. ____
0 vapor P; apjma, eoaoua -
m <&- ^ *ante Si,va' "n*1* r
- .<^fe~^fe W portos acima no dia T i
<*'/ I/m*T* novembro a5 bnraada tar*.
2|Attij|, Recabe carga ate odia 6, en
HflBVHVP comciend.'S, passafeiro? e li
oheiro a frete ate aa 3 horaa da tarda do dia di
?ahi la : e?criptono no forte do Mattoa a II.
Bi Grande 4 Sol
A barca brasileiaa Mimosa reeebe carga a (ret *
para o Rto Grande do Sul: a tratar na MHH>
de Bailar, Oliveira & C, a rtja do vigaria n. 1,11
mairo andar. _____________________j
Para oFara.
JPflude.sKUjr com mniU brevtdade o ptjka-
boteVoun Arftnr.tem parts de s^jfllfWp""*-
to engajado, *ara o reato aje wjFf CTRi1?
com 6 sea cflqsjguaUru Antonio wa *euui*u
Atcvedj?, a'ruaTio vm lesus n. 97.


<


.
IMM
JT"*
i


'. x
Jiano de JFernambucu Terca feira S *fl
Para Lisboa
Seguira com hrevidadeobriue portaguez BMa
Figueirente, capHao Hilario Hodrigue* : para car-
fa e passageiros, trata-*e cow E. R. R bello & C,
rna do Commercio n. |7, anirada pelo largo do
Pelourinho.____
Ilha de S. Miguel
Segno com brevidade .para S. Miguel o palha-
feote portngnei Novo S. Ixntrengo, para onde rece-
de carga e piissageiros : trata se com a consig-
oatarios Thoifcu de Aqnrao:Fonc*ca & C. Sacce*
eores,roado Vigario n. 19, 1* andar._________
Utah eslerlioas.
Vendem Augusto F. d'Oli-
veira & C.
Rua do Commercio n. 41.
LEIUtES.
saccoi com cacao avariado, parte do carrega-
iiieoto do mesrao patacbu, e exi-teute no armaiem
alfatidegado do barao do Livramento, Cae do
Apollo, oode SB effjctuara o leilao, as 12 horaa do
dia acima dito.
Ultimo leilao
DE
om graode sitio com casa de vivenda, tendo 2 *
las fnrradas, 1 gabinete forrado, 4 quartos, co-
zioha toda envidiacada, grande terreno, cacim-
ba, o muiias arvores fructiferas, junto da ecta-
eao do Salgadinho, em Olioda.
Quarta-feira 4 de novembro
as I I h >rasda manhS
Ho-oscriptorio da rua do Born Jesus n. 83,
1. andar.
Serviudo de base a offerla de 3:4OOO0O.
0 ajente Pinho Borges ^endera o referido sitto
em leilao, por coDta e risco de qnem pertercer.
s Srs. pretendentes pudein de>de J examina-
lo, e para qualquer informacao com o ihesioo
agente.__________________________-
Leilio
DE
moveis, louc. e crystaes
Constaudo de :
Urn piano f Tte do bem coobecido (abricante
Hertz, 1 mobilia de jacaranda, 4 mesa de sofa, ca-
deiras debalauco, 18 quadros com Gaas gravuras,
candieiros a gat, jarros, 1 esteira, forro de sala,
2 mesas para jofto, I dita para xadrez, cadeiras
spreguicade:ra^, 6 cadeiras de guarnicao, 1 mag-
nifies secretaria de mngoo, 2 candieiros pateute.
Oma caraa grande, 3 colchSes, 1 goarda-roupa
cooespelDO, (mesa de toilette, i esjelb), 2 por-
ts toalhas, tapete, 1 bacatella e pertencas, 1 es-
tante para livros, I eabide para chapeos, C cadei
ras, 1 mesa de jacaraoda, 1 maquina de costura e
1 barometro.
Uma mesa elaslica. I gaarda-louca, I guarda-
comida, I jam de filtraragua. (filtrador) 2 mesas,
1 armario, louca para cha e janiar, opos, calices,
garratas, louca para lavatnrio, I apparelho de
electro-plate para cha, I escada americana e ou
tros muiles objectos de casa de familia.
Hoje
No Honteiro, casa alia dpois da casa que foi da
familia de Henrique Jorge.
A. C. Coogan, lend i de fazer uma viagem a
Earopa, fari leilao, por intervencao do ageote Pin-
to, dos moveis e mais objectos de casa de sua re
eidencia no Mouieiro, uma casa alta a eesquerda
da entrada da puvoa<;4o do Monleiro.
A's 41 boras em ponlo partira da estacao do ar-
co de Saoto Antonio um trera, servindo de con-
duccio gratis aos concurrentes ao leilao.
0 leilao pr ncipiara as tl 1|2 hr.ras._________
"Till LAO
in,
fazendas, costumes de brim e cau,^.. _
ra meninns, e miudezas
Hoje
A's 11 horas da mnha
Em a rua do Marquoz de Olinda n. 37, la andar.
O agente Dias, levara a leilao, por conta e risco
de quern per'encer, no dia e hora acima indica-
dos, as fazendas e miudezas, que abaixo so men-
clonain
A saber :
32 costumes de brim para criancas, 90 ditos de
fustSo, 15 ditos de alpaca, 33 ditos de cambraia,
8 duzias de punhos e Kollinlias para senliora, 9
basquiaas para sennora, 10 babariure* de brim pa-
ra crianca, 7 ditos de cambraia, 78 duzias de gra
vatas de chita, 30 dilas de ditas de seda preta, 3
ditas de dita de scda branca, 21 pe^as de 016 de
seda e de algndao de rores, 8 pe^as de tarlatana
de cores, 4 ditas de chaly, 2 ditas de pranadine,
9 vestuarios para baiititados, S cb prlinas de fel-
tro, para senhora, 100 baloes para senhoras e me-
ninas, 147 pecas de fita de veliudo prelo, com bico
de crochet, 144 dilaa d- franja de ?eda, t"9 ditas
de tranca de soda, 129 ditas de franja de seda,
com vidrilhps. 20 ditas de velludo, soriidas em co-
LEILAO
DA
armacio, fazendas e pertencas da lojs de
miudezas da rua da Iinperatriz n. 86
Massa faliida de Jose Bernardo da Motta
QUAftTA FEIRA 4 DO CORRENTE
O agente Martin' fara leilao, por maodado do
Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, d'arma-
cao, fazendas e per oneas da loja de miudezas da
rua da Iraperatriz n. 86, i>ertencente a massa fal-
iida de Jose Bernardo da Motta.
\'m Ilhoas do dia acima.
LEILAO
DO
sobrado de 2 and ares e sotao, da travessa do Car-
mo n. 16, edificado em chans pr prios.
QUI.NTA FEIRA S DE NOVEMBrtO,
A' 1 hora da tarde.
Por intervencao do agente Pinto
No armazem da rua do Bom Jesus n. 63. v
Por occasian do leilao de fazendas limpas e ava
riadas que deve alii tor lugar.________________
Agente Pestana
leilao
DE
50 fardos de algodao vindos do Aracajii no
vapor Dantas, marca S
Quinta-feira 5 de novembro
A'S 11 HORAS EM PONTO.
No trapiche Corapanhia, largo do Gurpo Santo.
O pieposto do agente Pestana fara leilao por
conta e i i-co de quem pertencer, de 50 fardos com
algodao, vindos do Aracaju no vapor Dnmtas.
Em urn ou mais lotes, a vontade dos Srs. com-
pradores. ______________________
LEilift
20 pe^as
branco,
res e larguras, e ouiros inuitos arngos que esta-
rio patentes ao cxarne .dos Srs. compradores no
dia do leilao.
DA
arraacSo, medidas, bilanr^as, candieiro e
t, gaz, carloira, escada, utensiiios e geno-
ros existenles na taverna situ ;i rua da
EJSenzalla Velhn n. 102
Hoje
as 11 horas da manha.
* Por mandado do Illm. Sr. desembargador juiz
de orphans e ausentes deta cidade, o agente Pi
nbo Borges levaia.a leilao o que a<*.in>a se declara.
pert' nennte- ao espoho do fallecido JoaquimGon-
calves do And ade.
0 mesmo agente girante a casa ao arrematante
queQcar com a annacao c u'.ensilios da referida
taverna.
Acha-se em poder do agente o inventario r
pretendentes podem desde ja pxami"* '
LEILAO
DE
um terreno devoluto na freguezia de Afo-
gados, rua de S. Miguel
Hoje
C O agente Martins fara leilio por maudado do
Illm. Sr. Dr. juiz especial do commercio, de um
terreno a rua de S. Miguel, onde existio uma casa
com o n. 1, pertencente a massa faliida de Siqoei-
ra & Pereira.
A's It horas da manha
!%o armazem da run do Inipera-
dor n 48
DE
FAZENDAS
CONbTANDO DE :
de fii6 preio, 2 ditas de setim
9 peQas de seda lavrada, 35 '-a
pas de seda, 3>i pe<;as de damasco de la.
120 voospara noivas, 63 pegas de sargc-
lim preto u de cores, 96 chales de case-
mira, 34 duzias de loncns de s*da, 100 di-
tasde. lenco do cassa e 200 livn>s, copia-
dnres do cartas
QUINTA FEIRA 5 DE NOVEMBRO
No annnz-m & rua do Bun Jesus n 63
0* admini" radores da massa faliida de Pereira
de M>-llii A C. faiao leilao, por iuiervenQao A
agente Pinto, e de conformidade com a auton que idm d.i Illm. Sr. Dr. juiz especial do cummer
cio. do resto das fazendas oerienenies a ditaji"--,
sa, e existentes no armazem da rua uo douj je.-ua
n 63.____________________ __________
DE
fazendas avariadas
CONSTANDO DE :
madapoldi-s. chuas e saccos i'asios
jU NTA-KIIRA 5 DE NOVEMBRO
Por intervencao do agente Pinto
No armazem da rua do Bom Jesu n. 63.
Comecara as 10 l|2 horas.
Leiiao
DAS
dividas da massa faliida de Bento da Silva & C,
sendo eerca de 13:186^900 em letlras vpneidas,
cerca de 43:>62AI68 em conta corrente divros,
e tres sitios m Hapacaca, servindo de base a
offerta de 180(K)0.
QULNTA-KKIRA 5 DO CORREMTP
lit hora d -*"*
No armazem- '--" Bm J.-sus n. G3.
0 .___. nno, aulorisaao pelos admini-traoore>
._ .uassa faliida df Bento da Silva & C., levara a
leilao, nao .-6 as dividas, como os tre< sitios que
lazem parte da referida massa, sendo que a ven la
dos sitios ( deiinitiva.
Os pretendi'Dtes das dividas poderio desde ja
examinar o |.nventario existente em o escnpto
do referido agente, rua do Bom Jesus n. 43, e con-
correrem ao leilio ao dia e hora acima ditos.
LEILAO
DO
sobrado de 2 andares e sotao edificado em
solo proprio, em a rua do Fogo n. 18, e
a 5a parte do sobrado de 3 andares edi-
ficado em solo proprio, em a rua do
Amorim n. 31
Quarta-feira 4 de novembro
Am lO lit horas
No sobrado da rua do Marquez de Olinda n.37,
primeiro and: r.
0 agente Dias, competenlemente antorisado,
levara a leilao, no dia e bora acima designados,
o sobrado de 2 andares e sotao, edificado em chao
proprio, em a rna do Fogo n. 18, o qual rende
annualmente 1:300000, e da 5* parte do sobrado
de 3 andares, edificado em sob proprio em a rna
do Amorim n. 31, o qual rendo annualmente,..
!:000000.
Para qualquer informacao a rua do Marquez de
Olinda n. 37, primer n andar, escriptorio do
agente.
LEILAO
he
predios
A saber:
Um sobrado de 3 andares, edificado em chaos
prnprios. na yia do Bom Jesus n. 63.
Um dito na mesma rua n 61, edificado em Chios
pmprios.
Uma casa terrea na rua da Imperatriz n. 60, e
16 meia agoas na rua do Camarao n. 9, em
chaos foreiros.
Um grande sitio na rua de Riachnelo, ontr'ora
Corredor do Bisps n. 61, em Chios proprios, com
grande casa de sobrado e nmilas accommodacoes
para grande familia.
SABBADO 7 DO CORRENTE
as 11 horas
No escriptorio do agente Pinto, rua do Bom Jesus
n. 63.
Os ad mini st radores da massa faliida de Pereira
de Mello Si C, levarao novamente a leilao. de con-
formidade com o alvara de licenca do Illm. Sr.
Dr. juiz de direjto especial do commercio, e por
intervencao do agente Pinto, os predios acima
mencionados, os quacs serie vendidjs para pa-
gamento das hypotbecas, aj 11 boras d<< dia acima
dito, no escripto Jesus n 43, esperando concluir a venda dos rele-
ridos predios no leilao d'aquelle dia.
Feira Semanal
LEILAO
DE
cerca de 260 saccos com caca*o, salvado do
patacbo inglez Dundee
QUARTA-FEIRA 4 DO CORRENTE
Ao meiO dia.
Mo armazem alfandegadi do Barao do Livramento,
Caes do Apollo.
Henry Forster & C, consignxUrios do patacbo
iOflez Dundee, naufragado e eocalhado ao sal do
wrto de Galliobas, na sua nllWna viagem da Babia
-4>ara os Estados Unidoi, farao leilao precedida a
competent* licenca do Illm. Sr. inspector da alfan
dega, em p;e euca de um empregado da mesma
reprtifi >, por ioUtrreocao do ageute Pinto, e pur
conta e risco de qoem pertencer, de cerca de 360
mobilias, pianoi, guaria lou-
ga, aparadore8, commodrts,
camas francezas, espelhos
com molduras douradas,
mesas redoadas, guarda
vestido, mesa elastica, fi-
teiro8 eavidracados, ban
cas para jogo, relogios de
parede e de cima de mesa,
cadeiras de balanco, cabi-
des quartinheiras, conso-
los avulsofi, maquinas
^costura, objectos de bri-
lhante, ouro e prata, di-
versas miudezas, rewol-
vers, muitos trastes avul-
sos, e immen80s artigos do
uso domestico, queserao
vendidos a tr^eo do barato
por conta de diversos
Quinta-feira 5 do corrente
AS 11 HORAS DA MANHA
NA
FEIRA SEMANAL
16Boa do luiperador-16
pelo agente Martins.
leilao
Em continuacjio
ao de fazendas e miudezas
0 agente Dias levara a leilao, por conta o risco
de quem pertencer, S33 pecas de fita de sarja,
sortidas em cores e larguras.
Grande e variado leilao
DE
moveis, louca, crystaes, objeetos de electro-plate,
fignras, espelhos, bancos para carapina, madei-
ras, portas, carnnhos de inao (novo-), pran-
f. oes de faia. telbas de xinco e matosoutros
objectos, a saber:
Uma mobilia de jacarandi, i espelhos dourados,
1 relogio de pedra com musica, candieiros a gaz,
10 figura, enfeites de mesa, i jarros, 1 coisolo
com spelbo, e escarradeiras.
Uma mobilia de faia, cadeiras de balanco, 2 es-
pelhos grandes. tiguras, lapetes, mosas e caeiras.
Uma cama francoia, 2 cabides, t camas ie fer-
m, 2 guarda roupas, 1 commola, 1 estante, 2 li-
vatorios, I mesa de faia, 2 camas para sdieiros,
ditas para menino, bidets, lavatories para menino,
i cabides e porta-toalhas.
Uma mesa elastica, I gnarda-lonca, Japarado-
res de armario-, t relogio de parede, wdeiras de
guarmcao, facas egarfos de electro pla,e, 1 appa-
relho de electro plate para cha, 1 vast para agua
gelada. I galheteira, I faqueiro de ilectro-plate,
complete), garrafas, compoteiras, copos, colheres
de electro-plate, chicaras e ires, cslices, 2 appa-
relhos de porcelana para cha, 2 ditoi para jantar,
quarlinhas, 1 quarlinheira, flandres, potes, filtra-
deiras, e muitos outros objectos decasa de familia.
Taboas, portas, pranchoes, telhs de zinco, car-
nnhos de man, ferramenta parajardim, e muitos
outros objectos exi>tentes na casa e sitio da Pon-
te d'Uchda, junto a ponte do Sr. Justino Pereira
de Farias.
Sexta-feira B tie corrente
Antomo Augiii-to Pereira d;- Silva, inventariante
dos be'ns do fioado Fran:isco Soares da Silva Be-
lumua, faia leilao, por despieho do I.iin. Sr. de--
enibargador juiz de orphios, e por intervencao do
agente Pinto, dos moveis i mais olijectos acima
descriptos,exi-tentes na caa da Ponte d'Uchda, em
que moron o mesmo Betcmba.
A's 10 l|2 horas em ; in > partira da estacao do
a;<-.- '- **auti) Ant.'nio u.n treui expresso que sor-
firadecouour,". graii> aos concurrentes ao lei-
lao. parando em ioda>.; estacSes.
0 leilao principiara as 11 noi.-., por serem mui-
los e different?.-* os lutes.
siisavi ^m
3-
Aluga se dous banheiros de pedra e cal, na
Praia de & Fran-isco : a tratar na rna Duque
d eCaxia- n. 91.
Facto horroroso.
Foi limit'-m (para mai"r segur^nija) re-
ciilbi'lo 6 csn tie ileteDQan) Fidippe, pardn,
escravo d B larmiuo Alves d*Ar6cba, para
ser vistoriado em consequence do barbaro
castigo que sufl'reu ; este bomem que assim
.i>i I'MMI jm .,,.r.i(,!vi ,.Ma, i
que 6 republican!) 1 T I eouro, Srs. redac-
tures, c a opiniao iln homem I Seja- porem o que
for, o c rto e que esta' preso o refyrid<
escravo para ser vistoriado, e se pruci-der
na fjrma *1 l-i contra o autor de um tao
barbaro castigo;portaBto pedimosnao s6ao
Illm. Sr. delegado do 1. diatricto a quem
i'Std fie eta dita ques'So que proceda com
'.ndo r gut' da lei, atim do que desapparec,a
para Seuiprti d'entre ti6s ca&Ugos desta or-
ilem que sendo conformam com o progresso
apregoado mesmo do alto do tlirono do
Sr. D Pedro II, e tambem pede-se ao
Eim. Sr. p- M>iiip <>. i- ..incia que tome
este facto ii rV.-:Ja COnsid ri,ao'.
IWvixl, 2 u. .,vii.oiu di! 1874.
V X X.
CASA DA INTi
AOS 4:000^000.
8ILHETES GARANTID0S.
A rua Primeiro de Mar go {outr'ora rua ao
Crespo) n. 23 e cas as do costume.
0 abaixo assignado, tendo vendido nos seus fe-
nzes bilhetesum meio n. 581 com 4:000<000, um
inteiro n H06 com 700^000, dons meios n. 1237
com 200i00'. um meio n. 3840 com 100*000, um
meio n. 2667 com lOOgOOO, e outras sortes de
10* e 20* da Interia que seacabou de extra-
nir (122*), eonvida aos possuidores avirem re-
ceber na conformidade do costume sem descon-
to algum.
Acnam-se a venda os felizes bilhetes garantidu^
da 9* parte das loterias a beneflcio da raatriz
de Jaboatau (123*), qne se extrabira na quin-
ta-feira, 5 do inez vindouro.
PHEgOS,
Bilhete inteiro 4*000
Mem hilhete 2*000
Em porcao de flOOA para cima
tiiine.ie inteiro 3*600
Meio bilhete 1*7I!0
Manoel Martins Fiuza.
llTITUTO PARTICULAR.
Rua da Roda n. 48, sobrado.
Prime ras letlras,, portuguez, francez, in-
glez, desenbo linear o musica.)
Sob a direccSo do professor Hnrminio
Rodrigues de Siqueira funccionam ditas au-
las todos os dias uteis.
Recebe nlumnos intemos, meio pensio-
nistas e exteruos ; fornece todo o material
para escripta e livros aos principiantes, por
precos muiti) razoaveis.
De 27 para 2S de outubro Qndo evadio-se o
escravo Asteno, de 26 annos de idade, poneo mais
on menos, esi-tura poaco menos "a regular, cor
fula, cheio docorpo, beicos grosses, falla brand*,
esapateiro e tambem destila agnardenle; snppdd-
se ter ido p ra o Recife p r ter abi mSi e ser tam-
bem abi comprado : quem o ap pre header e leva lo
aos Srs. R ilrigues Almeida iC, no Reciie, rua
estrelt i do Rosario a > voltar para o pateo do Car-
mo n 47, mi ii'ieugenho Bom Jardun, na cida da Escada, a seu senbor J >se Hermillo Cavalcaote
Um, seri gennro^amente gralifieado.
LEQUE.
Perdeu-se hontem, 2 do
^corrente, da rua do Capiba-
ribe n 40 ate a esquina da
rna da Ponte-Velha com a
rua da Matriz, um leque de
tartaruga com borla de seda
c6r de rap6 : quem oachou,
sendo que queira entregar ao
seu dono, p6de leva-lo a ci
tada casa n. 40 da rua do
Capibaribe, que sera recom-
pensado.
CASA DO OURf
Aos 4:0007000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Novo
n. 30, e casa do costume
O abaixo assignado acaba de vender nos sens
nuito felizes bilhetes a sorte de 100*000 em
men bilhete de n. 3820 e um meio de n. 2667 com
a sorie de 100?, alem de outras sortes menores
de 40*000 e 20*000 da loteria que se acabou
de extrahir (122') ; eonvida aos possuidores a
virem receber, que promptamente serau pagos.
0 mesmo abaixo assignado eonvida ao respeit*
"el pnblico para vir ao sen estabelecimento com
prar os mnito felizes bilhetes,qu9 nao deixarao de
'irir qualquer premio, como prova pelos me,*mcs
annuncios
Acham-se i venda os muito felizes bilhetes ga
rantidos da 9' parte da loteria a benencio d?
igreja matriz de Jaboaiao, que se extrabira no dia
quinta-feira, S de novembro vindouro.
Precoa
inteiro 4*000
Meio 5*000
Me 100&000 paraelaaa.
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Recife, 29 de outubro de 1874.
Joao Joaaum da Cotta Lett*
0 ADVOGADO
Ernesto d'Aquino Fonceca.
_____Pateo de Pedro II, n.
Aluga-se ou vende-se.
o sitio da Mangabeira.em Olinda, tendo muitos ar-
voredos de fructos e um sobrado com commodos
para grande familia e muito terreno : a tratar na
rua do Bom S"ccessu, cm Olinda, com Marclino
Dias de Aranjo, na freguezia de N. S. da Graca,
rua da Capunga n. 9, com o Miranda Gui-
maraes.
Casa de ban hos
OLINDA
Funcciona regularmente todos os dias, das 6
horas da manba as 9 da noite, no edificio da com-
panhia Santa Tben-ra, junto ao> Mi:agres.
Banho frio (sem toalha) 200 rs.
_______Dilo fiio (com t -alba) 30!) rs.
till
fri-se
uma casa na estrada do Encanamento, Ingar mui
to fresco e saudavel, tern 2 sals*. 4 quartos, I >dos
com jau Has, cozinha fora, quartos para pretos,
terraco e sitio com alguns artoredos : quem o
pretender, dirija-se a loja de cakado ns. 37 e 39,
praca da Indspendencia, ou na rua da Uniao nu
mero 58.
Aluga se um moleque de
ay'^VJg eiflojtif,"-i.'ifott\Eente
a t.atar no 3- a dar do subradol
Imperatriz
annos. bom
fctivo, pqdendo
.n,TTtrcasa:
20 da rua da
Precisa-i
de um criado de 12 a 14 aanos de ilade, prefe-
rinlo-se portuguez : quem pretender, dinja so a
rua Illume de Caxias n. 39, butequim, que se
ilira quem precisa.
Precisa-se de um oaixeiro com pratica de
molhados, p\ra a cdade da Escala : a tratar
na rua de Pedro Alfonso n "ii
Ao commercio.
0 abaixo assignado deixou de ser caixeiro do
Sr. Joaqnim Alves da Silva, a rna de Hortas n.
17, e vem pnr meio do presente agradecer ao
mesmo Sr. o dehcado tratamento e maneiras ca-
valbeirosas com que sempre o tratou.
Recife, 2 de uovembro da 1874.
__________ Joaquim Luiz da da Silva.
Leques giganles.
So quem tem dos mais modernis e J a Magno-
lia,,' arua do Duque de Caxias n. ii.
Precisa-se de um criado :
dre n. 2S.
no becco do Pa"
Presisa-se altigar u na escrava ou ama, for-
ra, que saiba engommar : na rua N>va, loja n. 7.
Precisa se alugar
nesta typographia.
um preto de meia idade
Oiferecase para caixeiro de ven la ou loja>
com especialidade para botica nm menino brasilei-
ro: quem pretenler dirija-si ao caes do trapi-
che Jo'6 de Mattos, ate as 9 hjras da manha,
qne a*hara com qnem tratar._______________
Aluga se a casa a. 83, com bam sotSo, na
rua de S. JOS'), que faz quina para o gazometro,
propria para taverna, por ser em boa localidade,
jamais com a ponte que tem breve de atravessar
aos Coelhos; o pooto 6 magnific > e o aluguel ba-
ratissimo : a tratar na rua do Ouro n. 78.
Alto la! !L.
0 CAMPOS U CQNFEITARIA
YK SaWl aiViVl,
t"To seu genero neohum
estabelecimento o pode
igualhar.
E sendo vejam :
Kecebe encommandaj.
_ Para a roco.^.ao do Exm. conselbeiro mi*
. istro do itnperio.
E esli coma sua confeitaria do Campos
muito bem provida dc tudo quaoto e pre-
cise para que a ninguem falte cousa al-
Ruma.
ISTO K':
AHEP1PES DEUGIQSQS
E luti quanti.
ESTACAO PRINCIPAL.
a rua Nova de Santa Rita
ns. 55 a 59.
c trafego dc suas linba: nn
ESCRIPTORIO
a rua da Companhia Pernam-
bucana n. 2.
Esta empreza de transporte de mercadorias, inaugura
dia 10 de agosto do corrente anno.
Servlf o do Eataefta das Cinco Poutan para o Recife.
A empreza encarrega-se da entregadas cartas vindas pela estrada de ferro aoastus
freguezes, de tirar e entregar-Ihes.ate as 8 boras da manha, as amostras do assuca
chegado na vespera, pagar i vista do conhecimento o respectivo frete e fazer cooduzir >>
assucar e os outros generos com a roaior promptidao para o armazem dos compradores
ou recebedores.
Oprego do transporte comprehendidos os servigos acima mencionados, a carga,
descarga, e arrumagdo no armazem 6 :
Por sacco de assucar................ 120 re*is.
Por fardo de algoddo................ 160 n'-is,
Aucoras ou barns a razao do......... 28000 reisa pipa.
As target destinadas aos engenhos e rcmeltidas i>e1os frtguezts da empreza stria
trans por tadas froMtamtnte para a estacao das Cinco Ponlat, eserao recelidasnao in
onde ixistirem os trilhos, mas em qualquer ponto dos baivot do Jtecife e Santo*/'
onio.t
Nervieo do Forte do Mattoa para as ruas do Apollo c Bram
A empr ezeancarrega-se de reober com o seu pussoal os assucarcs e mais genero
dos trapicbes ou do caes, com direcc,$o aos armazens das ruas do Appollo e Bram *
qoaesquer outras do bairro do Recife na proiimidade de saas linhas.
0 prego de transporte comprehendida a carga e descarga c arrumagno no M m
zem c :
Por sacco de assucar................. 80 r&s.
Por fardo de algodao................. 100 reis.
Por ancoras ou barris A raz3o de........ 1 (53*.f0 re"ts por pipa.
Recife, 1 de agosto de 1874.
GRANDE LIQl'IDAC.40 DE JllhS ATE H-
PROXIMO FDTliRO
Mua do Labugd N. 5.
Os proprietarios desta antiga loja de joias, resiilvendo-sc deGniti*
vamente hquidar o seu estabelecimento ; vendem para acabar todas
as suas joias d'ouro, prata e brilbantes com enorcre hbat'mento nos
precos, assim como as encommendas jd feitas. que fcrem chegando de
Europe, pelos precos da factura.
(ininde liquid c&>
Do Museo de Joias
Rua do Cabugd n. 4
Neste importante estabelecimento, vende-se pa>a acabar ate ftve-
reiro proximo futuro todas as joias de ouro, pruta e brilhatcs AW
existent"S, por precos at^ hoje desconhpeidos, bem assim as remessas
que forem chegando da Europn, pelo preco das facturas.
GRANDE LiuDlDACAO
TOLENTINO DE CAhVALHO
Rua do Cabugd n. 1 c
Tendo resolvido liquidar o seu estabectmentc de jnias, deciara
que desta data em dia> te os seus precos serao extraordinariamente
redozido, como nao podord haver competencia.
(iranile Ltqyidiii'au
0 COLLAR IVOURO
Rua do Cabugd n. 3 A.
Os donos desta grande loja de joias,^rcsolvendo-se a liq-udar o seu
estabelecimento ate priucipio do tnno proximo futuro, vendem com
grande abatimento de pn-gos todas as su >s joias de euro, prta c bri-
rhanto-como tarobem as qoe for- rcct-brntk? ^aiua^v^-pr^!

da fabrica.
Grande Liquidacjio
Manoel Antonio Goncalves
Rua do Cabugd n. 3.
Tendo rezoivilo liquidar no menor ti'mpn pissircl o seu rstxbe-
lecimento, vende para acabar todas as suas joias dc ouro prata e hri-
lhantes. com enorrre abatiinento de precos. E as remessas qin* fo-
rem chegando da Europa, pelo prc^o das farturas.
41 Rua do Imperador \\
0 novo proprietario deste acreditado e bem montado estabelecimento, com o na. m\
conservar os creditos de unico neste genero, b m ref^rroado e melhorado complctamern-
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provincias do norte e in-
terior desta, garantindo perfei^So em todas as prep*racdes, aceio e raodicidade nos precos,
compativel com este genero do drogas.
Cbegou a grande rernessa que fizemos de pharmacia homcopathica de i.
Epss & C, de Londros, composts de medicamen'os, cartciras, pocolotes. OpodeldocV d*
Rbus, de Ruvonia, de Arnica e de pos especiats para denies.
Tem & disposicao dos amantes da bomeopathia a excellente, r bra do Dr. Mure Me-
dico do povo, ja* em 3.a edii;ao.
Tem carteiras de globulos e tinturas de 12 medicamentos ate 120, i escolha do : >n-
prador.
ipera amordedura do cobras.
Chocolate homeopath .co.
Para bexigas como presorvativo. Cafe homeopathico.
! EJor d'araruta.
! Pds para dentes, inglezes.
China cruzeiro, para intermittentes.
Schynus, para anginas.
Calendula, para queimaduras. I_ ,
Taranlula, para paralysia. Jeric0- Pra eumatismo.
Tintura m8i d'arnica, para contusOes, cor- Matta-matta ou jaboU, para tosses.
tes, etc.
ria.l
onao A CHEGAREM -
2. andar.
Aluga-se o a-KQodo andar a rua do Padre Fl
riinao : a tratar na rna larga do Roiarlo n. 1 i.
Preciaa-ae da qnanua de qobtroeeDtos roi|
reis a juros, daod-se -pur garantia uma eicrava
rooca, biinita flgor, perffita eogommailpira, hna
coimbeira e cote : a pessoa qO quner fazer eate
dirija-se a rua do Coronel Suissunan.
andar.

A,, npgocio
f*e| |87,3.'
Alaga-se 2 casaa muito frescag,. na Capnaga
com commodos para familia : a tratar no mesmo
gnar a rua das Crinata* n. 5.
Terreno.
Venda-ae um terreno de eiquina, na rna do
Principe, na Boa-Vinta, ten dra e cal, com as meloores proporcoes para um
bom eaubeiecimeuto : frata se na rna do Destmo
n. il, aobradi>.
En^ommadeira.
Pre*f-M de oiia para lavar e emgommar para
ea>a de familia: a tratar na rna do Marquei de OHo
da n. 13,1 andar, dts 10 da manha as 4 da
Urd.
Opodeldock d'Arnica.
DitodeRhus \
>para rhematismo.
Dito deRryoniaj
Acha-se constantemente A testa do estabelecimente e
naracdes o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santos Hello
Espirito
ra.
de Habereman ou de cc- '*
Cactuc grande fldrus, para pnenmo-..-
mokstias do coracao.
inspeccionando toda* a? pro-
COIsSULTORIO HOMEOPATHICO
\ m IS. 0
Lindas popelinas de linh > com salpiooe e ctajiotm
assetinadas pelo baratissimo precp de 320 rs. o covado: na
rua Primeiro de Marco n. 13, loja das columnas, de
Antonio Correia de Vasooncellos.
f

i


*-
-V--


-.''
.__l
Jiano de Fernamouoo Terca feira 3 de Xovembro de 1*74.
I00S000.
Gratifies *e cum a quaat>a suppra a quern ap-
prebender o escravo J.4o, ce cor prwU, erionlo,
que fagio a puder do abaixo as-ignado, sea de-
positary. Presume se aadar pelo none aa Pa
rabyba, Bananeiras, de onde natural ; levou
calca e camisa escura, ehapeo de Hanilba e umo
rede, altura regular, 40 anaos pjuco mais on
- menos de Idade, rosto redondo e seat barba, tem
uma marea de fenda em nma das peroas, e (alia
descancado, mas com u n pe<|ueno sutaq'ie de ea-
go: quem o apprehender leveo o, ou a rua do Vis-
conde de Guyanna n. 89, on a rua Direita n. 71.
Alugase o armaiem de recolber, do sobra-
do da ma dos Burgos n. II, por detr-r da roa do
Vigario : a tratar com Jose Peliciano Nazaretb
ma da Praia n. 20. '
Massa fallida de Azevedo
& C.
0 arrernitanio das dividaa aclivas dusu mas-
aa, convida as pessoas que ficaram devendoa
raesma, a comparecerem a rua das Trincheiras
n. 48, primeiro audar, aflraoe saldarem seus d -
bitos, certos de que o nao fazendo em dez dias
da data deste, se empregario os meios iudiciaes.
Recife, 14 de outubro de 1874.
Lava-se e engomma se Ci>m perfeicao e com
modopreco : na rua Imperial, beeco do Coxicbo
n. 23.
Consiiiiorio medico
DO
Dr. Murlllo.
RUA DO VIGARIO N. i, ANDAR.
Recem-chegado da Europa, onde fre-
quentoa os hospitaes de Paris e Londres,
podera ser procurado a qoalquer hora do
aia oo da noite para objecto de sua pro-
fissao.
Oonsnltas das 6 as 8 horas da raanhi e
do meio dia as dnas horas da tarde.
CRIADO
Para tratar de uro.cavallo e mais algtim servi-o,
co, precisa-ee de urn de 14 anno) : no Mangni-
nho, sitio n. 2, poitao de fero.
Alugase por anno ou fesla o sobrado de dous
andares nosQuatro Canios, em Olinda, com com-
modos para grande familia, agna eneanalisada e
cano para despejo, muito fresca, perto do banho e
das estates : a tratar na rua da Uniao (llha dos
Ratos) a. 53, detraa do Gymnasio.
Aluga-se ol'el' aodatcs n. 22, a rua da
Imperatrir : a iralar na rua de II rtas n. IC6.
*
)
I
Sabonete vegetal pre-
servativo do conta-
venereo.
GRATIS AOS POBBES.
Especialidades : Moiestias de senhoras,
da pelie e ae crianca.
$ CONSBLTDRIO *
* MEDICO-CIRURGICO *
D0 m
X Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso
PARI El '0 E OPERADOR
do Vittconde de AEItuquer-t
moiestias de senhoras e flr^
Mf menlnos. W
que n. 33.
ESPECIALIDADE
IHolestlas de senboras e
menlnos.
Consultas das 7 as 10 horas da ma-
nha, todos os dias.
JKL Das 6 as 8 da noite, nas seguodas, quar-
S tas '' sextas-feiras.
'R Os doentesque mandarem os seus cha-
mL uiados por escripto at 10 horas da ma-
^ nha serao visitados em suas casa?.


***** ******- &
ADYOGADO 1
mm jiiAQi-in mm da
SUVA MELL.
*3 itua estreita do Rosario S3
J
A descoberta de um meio preervativo
da infec.io syphilitica torn occupado a
attencao de muitos medicos notaveis
| desde epoca mui remota, a isto movidos,
sem duvida pelo desejo de pouparem a
humanidade as fnnesias coniequencias
do contacto e ab3orpeio de um rus l*
maletico.
0 Dr. Antonio Ferreira Moatinho, dis-
tincto medico na cidade do Porto, e ho-
me m abastado, que com u mais desin-
teresado empenho se entregou 4>or
longos annos ao estudo e eusaios para at-
tingir um tao luuvavel quao humauitario
desideratum, julga ter descoberto subs-
tancias vegotaes, que reumdas em for-
ma de sabonete, pruduzem com efflcacia
e de uma maneira infallivel o pretendi
do effeito. .
Sua conviccao e tal, em vista de nn
merosas experiencias feitis no huspiH
da cidade do Porto, e do bom resultado
que o publico tem obtido do uso de tal
preparacao, que file offerece o premio de
um conto de re"is fortes, ( como se le* no
jornal Attualidade do Porto de 2 de
maio deste anno ) a quem Itie provar a
improficuidade de seu invento.
Por autorisacao do Dr Mutinho, o
uoico deposito de seus sabonetes para
esta provincia e para tudas as provin-
cias do norte, 6 a Pharmacia Central, e
para obstara qualquer fraude serao con-
siderados falsific-dos todos 08 sabonetes (
que nao levarem o rotolo deste estabele- '
cimento.
Ph.rmacia Central
38 -Rua do ltnperador- 38
Alugase uma casa com bastattea commo*
dos, no Caldeireiro, sitio da Bella Visla : a tratar
no niesmo.
Fugio o Jose
cabra, com 18 anuus de idade, pcuco mais ou me-
nos, com os signaes seguintis: cabellos carapi-
nhos.elhos pequenos, pes grandes e chatos, pas-
sos largos, levou vestido calea de casemira cin-
zenta, jaqoeta pre'a e velha, camisa de algodaozi
nhn branco ; aoienton se da casa de seu tenhor
Marc-lino de Suuza Travassos, dtsde o dia tabba-
do 31 de outubro a noite : quem o pren^er e
leva-h,ou delie der n ithii ao seu senhur acima
nomeado.a rua daGloiia n. 125, seia generosa
meote reeompeasado.
primeiro nndar.
r? C = f < a
ST. Cta-S3,-.Q.!
o B m oScg-2
o vs :
a -. n a
S3
8fii:
- B e
?T Q m
"So.
< Si
B g 5 e
lag's-
tig
B3-B
B3SJ
1 ,__
ft-" -M
> a _
-- -; -
C
f!
III
c S3
u= -
I?
o
o o-
m
m. a
I EM

CD
ALUGA-SE
uma preta foria on er-crava, n bu>ta, acliva e ha-
bililada a gyrar negoiio na rua,-m taboleiro :
a tratar na rtia da Lruz n. 46. 3. mdar
Vicente, fugio.
No dia 27 de outubro proximo passado. fugio 0
escravo Vicente, de 22 annos de idade, alto bem
pr.to, bei^js gro^os, naiiz chato, tem uma ore
lha furada, por Icr usado de hnoco, em peque
no, e qu^brado, levou calca de brim de quadrns
com vivos dos lad.13 e cami-a de algodan br nco
consta andar pt-la Magdalena : recommenda e a'
pi-lieia a capture dj dito escravo e entnga a
rua da imi>eratriz n 80
Quem pteoisar de uma ama
iroeure no pateo ile S, P |... n S
para cozinhar,
a
9
B H
B
u a
sl
^
^3
11
C t*
If
g
Oa
O
X
P
3
to
os
P*o
n
oe-
Boa casa com sitio murado.
Aluga-se a casa e sitio de Dr. Castello-Branco,
junto a povoacao do Beberibe : quem a pretender,
dinja se ao segundo andar, por cima di loja do
St. Rolim.______________
Muito a proposito.
Chegarara lindas camisas bordadas proprias"
para casamentos, baile- e^ctos dos Srs. acade-
micos : a loja de Arruda Irmao, rua do Barao
da Victoria n. 41.
Para a festa
- Aluga-se nma excellenle casa na povoacao do
Monieiro (travessa do Xisto), com bastanles accom-
moJac5e: para familia, a qual se acha em p-rfeito
stado de li.i peza. e aloga-se por commodo preco :
a tratar na rua 1 de Marco a 20 A, loja de Gur-
el do Amaral & C.
Aluga-se
sitio da estrada dos Afflictos n. 30, caiado e pin-
tado de novo, tem duas grandes salts, 7 quartos,
abjnete, cozinba, tanque para banho, caclmba,
etc., etc., junto a primeira estacSo da estra la dos
Afflictos 0 perto dos bonds de Peroaades Vieira :
trata-se na rua do Ap3llo d. 30, armazem de as
sacar.
Aluga-se
VELOUTINE
ft UMA ESPECIH DE
POS de FLOR de ARROZ
EspecialmentepreparadoBcom BISMUTH
por oonseguinte a'mna acfao Mudavel
Boore a pelle.
K' ADHEHENTE e totalmente INV1-
SIVEX, dando i pelle nma fresenra e
aveludado natnraee.
Preco da Caizinha com borla 5 fr., em
caaa deCh. FAY, 9, me de la Pali. Pariz.
Depoeito em Pertiambueo, A. REGORD.
0 IMXTMIUIVEL

eelebre
os armazens ns. 6.'i e 69 na praea do cbafariz em
F6ra de PorUs, um onde teve tenda de ferreiro
o falleeid E. Maholt 0 outro que esteve occu
pado com venda de molbados, para 0 que d op
timo pela loealidade e ser de esquina. ambos livres
e desembaracados de impostos: a tratar com o com-
nendador Ta Jos6 Autonio Domingues de
Figueiredo
f>ara 0 iim de evitar incommodos aos seus fregue
sea de virem tao longe comprar cigarros, resolveo
abrir am depo-ito no bairro de Sanlo Antonio, a
roa estreita do Rosario u 16, esqoina da rua das
LaNngeiras, ahi encontrario os consnmidoreg de
todoi os cigarros mannfacturados em sua fabrica,
Unto ea groso como a retalbo, pelos mesmos
preeos da fabrica.
Preeba-se fallar ao Sr. Juaqoim Feliciano de
Azevedo, a negocio de seu interesse, dentro de
oito dias, a contar da data deMa pablica^ao : na
padaria da rua do Co. onel Suassuna, antiga rua
to Horns n. g.___________________
18 da rua
fresco, limpo e
Recife, rua do
Alnga-M pela festa 0 tobrado
de S. Ptdro Martyr em O.inda,
proximo ao banho : a tratar 00
Caboga n 7, primeiro andar.
Da-so 2:0 04 a premio modwo, aobre hypo
theca em predio : na rua de 11 xtas n. 66, so-
brado.
FamaMo&o:
A negoeio de interesse. pre
" Hhai
interesse. preciaa-se saber de
Jose Praneixro da Silva Queiha, nitural de Vil-
la Nova le Pa-n-licao, resiiente em Pernambo
eo em 8:j3 a 1834 : ua rua do Iolerador n. 75,
andar.
a.
ana
DE
MURRAY rt Li\lll\.
L;ma pura distillacao das mais raras fl
tKS dos tropicos. Cnntem, para sssim ui-
zer, quasi 0 odor odorifero das florcs ao
tropico da America, csua frngancia e quas
uicxbausta ainda mesmo por continuada
1 icomparavel a qualquer outro perform
qnc ha de venda para :
DESMAJOS, ATAOUES NEttVOSOS, DOR
BE CABECA, DEBIL1DADE E
HYSTERICOS.
um oerto e ligeiro allivio. Com 0 bom
>n, tem conservado sua iofluencia pari>
cima de vinte e cinco annos sobre todos os
t^rfumes, nas Indias Occidentaes, Cuba,
Mexico, America Central, e do Sul e no*
yj)tn toda a confianr;a 0 recommendamos
uimo um artigo,j)elo seu aroma muito de-
licado, riqueza de odor e permanencia, nao
pode ser igualado. Tambem faz removei
da pelle:
ASl'EREZAS, EMPOLAS,
QUEIMADURAS DO SOL, -
SARDAS E BORBULHAS.
Sendo reduzida com agua, se torna um
excellent* mistura para banhar a pelle.
dando um aroseado e c6r clara a complei-
flo nublada, sendo applicada depois d.
barbear, evita a irritajao que geralment-
occorre, assim como tambem garganteandu
se, 0 cheiro do cigarro desapparece, e ra*
Ihora a condi<;3o dos dentes e gengivas.
Cqrao ha muitas imitates, as quaes na.
possuem nenhumas d'estas propriedaoci
deve-se tomar cuidado e contar s6mente 0
0 faraoso perfume e cosmetico do sul d*
Amorica, chain
A Ii 1A FLO It 11) 4
DE
MIJKriAl |,A\!lt\,
fra acha & venda em todos odrngu
porfumari s da nioda.
FUNDICAO M FERRO
4 m do Barao do Triumpho (raa doBrnm) ns. 100 a 104
CARDOSO IRMAO
AVIS AM aos senhores de engenh-s e outrns agricultures e ao publico em geral qu
-ommuam a receber de Inglatetra, Franca e America, todas as ferragens e machinas ne-
essanas aos ej&belecimentos agricolas, as mais modemas e melhor obra qae tem vindo
o mercado
rv
^ apores de forga de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os melhores que tem vindo ao raerado
VlOenaaS inteiraS e meias moendas, obra como nunca aqui veio.
tatxa8 IUndidaS e batidas, dos melhores fabricantes
tXOCiaS d aglia com cubaje de ferro, fortes e bem acabadaa.
AOdaS dentada8 de todos oa tamanhoa e qualidades.
ftelogioseapitx>8 para evapors.
BombaS de ferro. de repucho.
VradOS de diVenas qualidades.
'"ormas para assucar,graQde. e poquenaa.
Varandas de ferro fundido, fraQcezas de diverse* e bonhos gost.
r OgOeS tranCezeS para lenha e carvao, obra superior.
Ditos ditos para ga2.
Jarros de ferro fundido
Pes de ferro
Via china
Valvulas
ardim.
para
para mesa e banco,
para gelar agua.
para bomba e banhoiro.
Oorreias inglezas para maChinismo.
QanCOS e SOfaS Com bras de mideira, para jardim.
vOncertOS coucertap com promptidio qualquer obra on machina, para o que teen
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
'InCOmmendaS ma,,<*'"n *ir Pr encommenda da Europa, qualquer machinismo
para o que se corruspoudem com uma respeitavel casa de Londres
com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assenta-
ltasmachir^, e se respunsabilisam pelo bom trabalho daa mesmas.
Sua doBaraa do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO d IRMAO.
N.5 A.Rua do Barao da Victoria.N. 45 A
LOJA DE JOIAS
DE
JOSfi JOVOUM D1\S DO REG0.
I^to sirn j uno 6 liquulacao queima !
0 proprietary deste nov estabelMcimento aturdido com o ine?perado estridx dos critos aue
rarm de todos os angniusd^ta gra-de cidad-, annunciando l.quidacio dos estabelecimentos d'"--
e, receioso de Hear OSI.W), apezar de b-m avaliar as grandes vantagens que ne*taj^-^ uevcria an
ferrr; tomou a inahalavel >esolucao de QUEIMA It tudas as suas joias, com n rtco"finTde eneorporar-
se & grande caravana, e, cum ella, sepuir em romaria para 1!_1^-i .cgredo I
A pyra esta ardente as vjctimas aguardam brjlitwaii\9 utooraento do sacrificios6 fa/
C3 sacrificadores. r^"^
I-to posto, espera ?e,comjnsta r zlo, nmi pranle C'incurrenci i dos amantes d econ
qoe nao devem perder o ensejn dese uroverem de objectos law; e devemn'o ainda assim fazer,
qne depo-s de todas PS>as liquidates, com o novo anno, acabam se as JOIAS desta cidade, e nao
tera pabliso aonde dellas s- possa ptwver
Aellas! \ ell !
PREPARADO POR
I'harf^cciilu'os da casa nul de S. 1. F. el-rei de Portugal
Preraiados em diversas exposigoes cum o primeiro pre-
mio de sua classe.
nma- 2,S?2 *^Ma.wer,fano> garantido puramentb vegbtal, nao contem em sua composiclo
SirnS^SJS P,' e "- 6n,enle "fS" de plaDla< n,1't?enas, cujas propriedades beneQcas na
1^T oertencem aos ..rgaos da resniraca,, ,era sidoobseVvadas por longo tempope
rhitE nta,i&SSTJ?. .,,re-nmrt'"la,D e Pre^ .. t,.dos os dias no tratamento das brou-
o DEPOSIT0 GERAL
34 Rimlarga do~~Roario = 34
PtliNAMHUcB.
wm DE SIL
Gorge! de Amaral & -, a rua P imeiro de Marco n. 20 A, n-ceberara urn grande sorMmeoto
de chapeS do sol de seda, lisa e trancada, com bonilos cabos de unicorne, marlim c madeira, e
vendem-os a Zi. e 73, sesdo cste preco metado do seu valor.
AGUA DE CHINOUNA
PARA TINGIR INSTANTANEAMCKTE OS CABELLOS
PREPARaDA por
BARTHOLOMEO & C.
Ph: rmneenliroN I Caaa Real dffil. II. P El Rei de *oilusl ?
premiados cm diverta expasietfes coiu primeiro preaaaio de
sua claaaie
Unico composto, cuja base principal sSo principios vegetaes, que p6de por isso ser
usado por tempo indt-finido sem o menor receio de aJturacAo de saiide. Esta agua admi-
ravel ai aos cabellos, ^m prtucos minutos, uma cfir e brilho natural, desde o castanho
atd o negro, e so c>>ntrario de todas as tinturas conbecidas. iem um aroma agradabilissi-
m-, que facilita o sf;u us<> As senhoras, ainda as mais difliceis. Affian^am-se os seus re-
sultadose effeitos inoffensivos, quer aapplicajio seja limitada a barba, quer comprehen
da os cabellos da cabe^a.
UEPOMTO GERIL
Pharmacia e drogaria
34Rua larga do Rozario34
fERNAMBUCO
DESCOHFIAR DOS LADROES!
0s lAdrdes mais perfid0s que existem saos os falsifications que
vsurpam a assignatura e rotulo (Thorn-ados negociantes.
Fomecendo a maior parte das vexes um producto detestavel e
nocivo & saude seh um envoltorio semelhante ao do inventor, lanfa
sobre este artigo um descredito naS merecido.
0sP6 purgativos de Og, medicamento approi-ado pela
Academia de medicina de Paris, e" um dos productos franceus mais
frequentemente falsificado, por causa de sva consideravel venda.
Para evitar aos compradores toda
a confutSo posrivel, uma modificacSo
acaba de ter feita nos envoltorios dos
frascos.
Consi4ere-se, de hoje em diante, como
unicamente nuiMuM os frascos tendo
em cada extremidede um carimbo im-
presso em QUATRO CORES, e do qual
damos aqui u facsimile em preto.
0D1LON DUARTE & IRMAO
oABELLEIREIROS
Premiados. na exposicao de 1872
RUA
DA

IjIPERATIUZ
[1/ ANDAR.J

HLA
A


:PERATRII
ii 8J
l.' AM1AR.
Auouam de reformar o seu estabelecimento, coliocai.dom uts melhores Coti-
iio^des possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Eia:as. Sra. n'a-
quillo que for tendente & arte de cfltTelleirciro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homenscomo para st-nhoras, lupetc, cnigr.m.
toques modernissimos, traumas, cachepeign, tccidos, desenhos em cabeiios, q.jadr tu-
tnulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho majhbave! em cabello.
O estabelecimrnto arh-se provide do que ha de mHhor nos mercados estrtn
geiros, recebe directamente por todos i.s ftpofes da Europa, as suas eneommendas e flgu-
riuos de modas, e por isso pode ven ler 20 / menos que outro qualquer, garantmd.
perfeicAono trabalho, agrado, stncerilade e preco razuavei.
Penteam senhoras, tanto no estabelectmonto como fom ; veude-se cabelioa ?m
porcdo e a retalho e todos os utensilios pertencentes & arte de <:a!,elleireiri.
ESSENCIA CQNCENTRADA-"-
DE
DE
Premiada nas expo-
sicoe8 de Pernambuco
e Rio de Janeiro.
prata.
APomwts;
Pliaimacenlico
Pela cscola Ic l*arii
Successor de
Premiada na exp>
5i.;ao de V:naa d'Aus-
tria.
ARISTIDE SA1SSET E.
Tratamento puramente vegetal verdadeiio puriflcador do sangue. asm mercuric.
A Esaencia de Caroba 6 nm remedio boje reconhtcido com um poderoso depora-
tlvo e especial para cura de tudas as moiestias quo teem a sua orkea nA impnrera do ar>|irt.
como 8ejam : as moiestias Sypiiiliticas, BeOBATtCAS e F.scBoni. . tros, Ulceras, Eiu:pc5e.s, etc. eic
Os prodigiosos eiTeitos que (em prodnzi'o a Eaen<-ia de Caroba, por t d par>
onde ella tem siao apropriadamente experin:entaaa, a tem feito adoaW como nm dos m-^u-,,
tos mais seguros e mais energicos para a cura de todas as moiestias de jUrrr*** "*'
boubatica. -v ,,cjr
A cada fraseo acompanha uma inslruc^ao para a "
Poips&i mm-darlrosa
Contra-^ -.-Cots cutancas, darlhros, ccmithoos, etc., etr. ^
Para cura das boubas, nleeras, chaps antigas, etc.. Mr.
&NICAMENTE PREPARADO POR
ROUQDAYEOL IRIAoS, SOCCES ORES
Boliea Fraicez.
22 Rua do Bom Jesus 22
AMIGA RUA DA CI'.HZ )
PRESERV4TIY0 BA ERVMFEU
Jin
Bacharel Nauoel de Siqueira Cavalcanli
Bemedio efflcas, nao s6 para enrar qualqi cr atjque de erysipoli, as
para impedir o seu reappan-rimento.
Approvado pelo Guvuiio Imperial, a-base a dipnsiVSo do I'll M
,com as respectivas inatruecSea, attestados de pessoas nitaveis, e de Medicos
do grande reputafao.
Depositos unicos.
Pecife: rua do liarao da Vic-t ria (rua Non) n. 40, cas:
Rclia Sioucira.
Rio de Janeiro : Corte, rua do OavIdDT, n. 78.
Gratis aos Pobres.
d Sr.

I Mi
Couslriidor e atiaaor de pianon
55Rua do Jmper dor55
Ex-aiioador das antigas e afamadas cases Pleyel ^t Uerz, e antico dire* tm4m
officina da casa Alphonse Blondel.
Tem a honra de declarar ao respeitav->l publico desta oidade, que tera aW*
sua casa de concertos e afinar^des de pianos, qualquer que seja o e-tado do nMrtuMM
A' mesma casa acaba de receber um grande sortimento d piann= i>s ndn
res fabricantes de Pans, como Erard P'.cyel, Henri Hers* Alnh-vr Z'.'^mW) todjf
os pianos sahidos da casa Dhibaut s3o garautidos
Compra se e recebe-se em troca os pianos usados.
FUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO BRUM N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS senhores de engenho e ontros agricultores, e compradores de m.
chinismo o faor de fazer uma visita a seu estabelecimento, para verem o novo aorUm
to completo qua aht tem ; sendo tudo superior em qualidade e fortidio : o que com a in-
truccAo pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO A0 NUMER0 E LIV.AR DE SU\ FUNDIC'\0
VapOreS e rodaS d'agua dos mais modern* System.s e em tamanho. cm.
v\?nientes para as diversas circumstancias dos senhores proprietarios e para deacaroca
alg did, ^
Moenda de Canna de todos os tamanhos, as melhores que aqui existem.
RodaS dentau^S para auimaes, agua e vapor.
Taixas de ferro furi^do, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de ^ambiques.
MachiniSIDOS paramandiocealg0dao.e-w^r '^^imSSS^S
BombaS de patente, garantida......... (7ttiS& ^
Todas as machinas e pecas do que 3, C09tulPa* precisar
Faz qualquer concerto de roachiDismo,, preco moi mn^
Forma8 de ferro tem as melhores e mais baratas existentes no mercado.
linCOramenaaS. Incumbe-se de mandar vir qualquer machinismo i ronUde Am
clwites, lembrando-lhes a vantagem de fazerem as wTn.pras por intermedio de petso*
ent. ndi-18, e que em qualquer necesjidade p6de Ihes prestar auxilio.
Arados americanos e instrument agric w.

--*.


$
Dixdo de AfeAfiifittiicn Terca-fefra 3 de Novembre de 18 T 4
m
two rival,!
if
um tini-'o
ue sc deno-
faa o,-. Rotalfc lao po^u!osa cora)
jw..' i--uffl:ieD".e a eswteo ia
agMeti-nm-Rto nu genero daqi:t-l"e
xass Sonf'.ilaria do Gam;*.*.
if %He c motive porque acaba de s brir-se a
iae-.. TMieia ptiblica no bairro do Recife, a rua
fc*M*.is?fco n. 22.. uma casa commoda e de-
Mtt*r *>& o litulo de Assembled do Commercio
*w*? rr-peinvel publico encontrira sempre
*a? SH asar, u necessario par:i :
3Si MMBrtUlV;
I";:ia soiree.
Ura b^ptisade e
Um lancbe.
KztMnbcm :
ftaafa 7arii'(5aJe de bebidas Riias.
fJnsjfrto si rumento de does? para ombarques.
Mte!to3 sortidos e fractas de delict 1o sabor.
fftjas eaprichrsamente preparadas.
Sawa-res e lauche a qual jner hora.
tak-ceai esmcrado sceio, presteza e pregos eqni-
Man*-.
22 Rui do Commercio 22
Meira A Lima
_______Assemble* do Commercio.________
It\ m k! Azevedo Villaroueo.
F* < presents sao convidados os aGlbados e afi-
Sl>4ai de Antonio do Azevedo Villaroueo, falle-
tsa era i'orrngal no mez de oulubro de 1873, a
3jprvBtarem denlro do prazo de 60 dia-, a con
tarsia dita, a certidao da sen nascimento, em
ten* &> baii assignado, testameoteiro insiimido
fsft> *&> failed lo, alim de qne sejam devidaraente
na p-'-rtilha a quo tem de proceder se
f!8ss z pr. ci- 'snaldade, de accordo com a d'spo
-- :e>iamtnj.iria. Recife, 10 de selembro de
tgtt.'-iaapNtT~Azevedo de Andrade._________
Ex mas. noivas.
Cfcarcae os a vossa alttneao para o nnvo esta-
Mfcfasento^nM acaba de abrir-se a rua do Com-
n k. a. 22, d.euominndo ASSEMRI.fiA DO
OWHERCIO ontle se (reparam nca< bandejas
era jrar.di! variedade de bolinhos caprichosa
cwsl- ntfeitados, tambem se apromptam bou-
I
f
Assemblea do Commercio
Meira & Lima
________2-> Rua do Commercio 22_______
Uatharina fugio.
Sa tiia 28 de agosto proximo passado, ausen-
tae-wes; i wttan, a enal tem os signaes segain-
tea: tatora baixa,rosro redondo,cor prela, p6s
paaneans, coMumava vender leite. anda scm;>rr
.a- i,-qne Ihe-seive.de srriroo por s-of-
fca i .- tfleumatisirio, j;; & iJosa e de na;?io Cam
tef.i: .jqi m e enconirar, peguc a e leve-a ao sitio
fendo, estrada de Joio de Barrc3, que st- a
Alugam-se
^TaPan^ n* ,.
ci
Cruz das AlflAes e
m o cemmendador
/
- Molequo fugido
fl rtnsm, mileqoe de 13 a li annos de i!;:''e,
>... cheio do c >rpa, -ij.-t; redond boni-
to- i tit e h .1 coftadj d- fresco ; ausenlou-
j* rsrde e *' il" e rrente, coin carni-a de rr-a-
n .c brim dc cor, desbotada, chapeo
" :., eonduzindo um serrCle.grand-'e
. ',:-: l Kit, I re o beifo snpe-
lava ullimamenl-i c-rnt nmas f'fidiah;s.
' n i-e a quem leva I. a raa da Aurora nu
?p. o ?." amlar e sutao do sobrado
i [l.uigel n. 73-, todo reconstroido e
i:'i bastnntes rommodos, escada
te i!o l. Btidar, e Lrm assim o
'i nruko frtsco e com exoel-
, :-a n nova ; raja do mercado :
rrarcs, estSo no estabelecimen-
i llwdos do rr'?::. i i-n !!>, e para
i hisouraria da? loteriss r-.sr. Anto-
llodrigues de Souza (sea pro-
Restawxmt de Bordeaitoc.
Aborto toda a noite, nos dias de espedta-
culo da compaubia iloliana.
Domingfls Fcrrcira Mala.
Algnns amicis do failecido Domingos Ferrei-
ra Maia, mandam dizer por soa alma missas as
dia 20 do corrente, setimo dia, na igreja de S.
Fiancisc as 7 horas da msnha, convidam aos
nmir-o- do falleeido, para a ellas assislirem.
if>A^.aUHIHHHpHHHHanan
Dr. Alexandre de Souza Perelra do
Carmo
D. Anna Lins Accioli do Carmo,
sens fllbos, nora e mano (aasentc),
agradecem cordlalmenie a todas as
pessoas e a corporacao medica, os
cuidados que tiverara para com o
seu Gnado marido, pai, sogro e ma-
no, as'im como as que acompaoha-
ram ao nltimo jazigo os restos mortaes do mesmo
liradn ; e de novo regain o caridoso obsequ'.o de
assislirem a missa que pelo repoaso eterno do
mesmo flnado, mandam re.-ar na terra-feira, 3 de
novembro, as 8 horas da manhi, na capella do
ccmiterio, 7 dia do seu passamento, pelo que
desde ja eonfessam eterna gratidao.
Slartinbu da Silva
Costa Junior
JoSo Vicente da Suva
Costa Janior manda ressr
uma missa no dia 4 de no-
vembro, pelas 7 horas da
manna, no convento do Car-
mo des:a cidade, por alma
de seu primo Martinho da Silva Costa Junior, tri-
gesimo dia de seu fallecimento; e convida sens
parentes e amigos e os do flnado, para assistifem
a esse acto de religiao e caridade ; pelo que desde
ja se confessa eternamente grato.
r. Alexandre de Souza Pereira
do Carmo.
0 coronel Antonio Pedro de Sa Barreto con-
vida as pessoas que quizerem assistir as missas que
manda rezar na capella da Torre, pelas 7 horas
da manhi do dia 3 de novembro, 7."* dia do
passamento do illustre Dr. Alexandre de Souza
Pereira do Carmo, e de to que ^em;ire foi ao mesmo Gnado, agradece es-
te acto de rtligiao e caridade.
C'oiuiuencliidor Jose Pares
Ft-rreira.
S^E?!'^!^: D. Maria Catharina Laonor de
Seixas Ferrao, agradece a todas
as Pesso s que Ibe Gzeram o ob
sequio de a?sistir ao enterro de
seu presado marido, e convida as,
assim como, a todos os raais pa-
rentes e amlgos, para assistirem a
n issi do selimo dia, que ha de ser celebrada na
igreja do recolhimento de N. S. da Gloria, no dia
sezta-feifa
I I
li
lit
6 do corrente as 7
PAUa ^
l|2 horas.
NiiaHUla

o /-
- ff

aip.da
algunias e*
t ...
- ;

-:
-
1 -
'
-

"
i-.-ni halilii: ui-s, disp rdo
. ae pro| Be a fazer
iam po,r pariKias dobradas oasim-
ft tfleclividade oa m mo tempo-
A moita. pratica adquirida nesse
: perfeicSo de seu trabalho, e a
. in i ;....:., salisfara a qni m Ihe
qaeoi preciiar niilisar-se
i. ped leixar nwa na I ija do Pa&so,
m>me e logsr para ur pr.'cnr du.
Cisco de Paula CJchda Cavalcante
i.-a se f Hai com nrgencia : na ru.
ireo p. IC', 1 .!:.'.:
PENHOEES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinhdro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
ALIU-SE
uma grande casa terrea com bastantes commodos
siia na estrada do Lucas : a tratar na rua do Vi-
gario n. 3L______________________
MOFINA .
Esta encouragado 1! !
Agua mole era pedra dura
Tanto da ate que a fura.
Roga-se ao Illm. Sr. Ignario Vieira de Hell
ascrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Daqne de Caxias n. 36, a eon-
flair aqaelle negocio qae S. S. se compromettea a
realisar, pela terceira chamada desie jornal, em
flns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou ajfevereiro e abril de 1872, e nada eomprio;
t por este moiivo 6 de novo chamado para d
3m, pqis S. S. se deve lembrar qae este negoci
le raais de oito annos, e quando o Sr. seu filho
ichava nesta cidade.

.
: :o bantos
- DC iiftATiPJCAGaO.
M< ad< s
-
i ;!;. desde 20 de dczemr-ro de 1373,
Mend > r n ?rca (' Suzarelb,
T aconhaem, a eserava Varia, creoa-
s i!j idale pooco mais oa '.'. n s
. i cor preta, rosto n!qm!r.!>. pea
! -, lem cabellos braoco=, caneias
. ;-,.; .-'- >; Hud -ii queixo, c e bem
. > !.-i de beber aguardente e a^iife?-
:; ida a probibjil^^rrsecon-
r lP"*"|^ftJjrrTTnrrri rjnr rntrrg^r
> tjAfotn, qne 6 si nbj r do edge-
28
:
m n-
, l.aiirenlino G^ mes 'li Cnuba Pereira
' Recife, larp; do Orpo Santo n. 19,
.3'ia:ecc:o;en-ado c>m a quanlia
r/'i ._____________________________
'' ja ao scbrado a. 1 '.i:i rua n.
f -se com seu proprielario, a rua do
j*.>.-_.~
HLinlas Catharticas
de Ayer.
Para todos ob effeitoa d
um remedio laxanta.
Nao ha seguramentc, un
remedio lam universalmcnta
procurado coroo um cathar-
tico ou purgar.te, e nenhum
outro tem siao tao nsado em
I.' :' mv i pr todas n= cli.ss.'S, como cstas PILLU-
- arras dim pfficazes. A razao e evidente, formao
c: reawdio inuito mais ccrto c efficaz que nenhum outro.
J>f-lics quo o teem ensaiado sabem quo se teem curado
i '.i3o, os quo nao os eii^aiarao sabem que seus amigos
se teem rumdo, c todoj conhecem que o resultado
tma vez. se tirara todas as vexes, e que as j>/z,zr-
*^.oanca falliao por consequencia de erro ou negligencia
j:. aafc coraposicSo.
l.nvos sobrc milharcs de certificados referentes as
(m curas quo liao effwtuado estas pillulas, nas moles-
em seguida mencionnmos, portm sendo taes curas
da B parte nonde teem penetrado, des nece
| ubliea ,. aqui. A.iaptadas a todas as idades e a
', -, era todas a? climas, nao contendo calom-
outra qimlquer droga deleteria, ellas podem sev
par qualquer peisoa com tuda seguranca. Sua
i pre.
port
Da f ^t.'l todos desejam
Ver o dia r.^plendente,
nia qae ros leva a rrente
Do intinii" a; alturas :
O-idc os anj< s o amr.r beijam
E a caridade fe.itcjam,
Teem a- abnas sepulinras
Nas estrdlas que (lainmejam I
K nesse dia em que tem
Do jubilo rasgar o seio.
Saindo Ihe bem do meio*
A eratera da alegria :
E' preeiao que os amante-
Da pnra gastrnnomia,
Venham ja e quanto an'o-
Do Campos ao armazem.
Porqne so assim terao
\ sciencia do prazer :
Comer birn. melhr.r beber
Ni in da vil supersti^ao,
Q -e jamais eonseauirao
Supplant, r a liberdade
Nos earceres dain ,ui?i^io I
M\ k Iwymto' n.
Do pr zcr viva o requinte
Alegre couo o trovao,
E da mesa a descripcar.
Reparem : 6 asiguinte :
Mesa giganta.
Presunt)?, fiambres, patos, chourica=,sa!chich33
e liogaieas ; lombos do poreos e de carneiros ;
aves < in conservas, pe ixes e toucinho; camar5es
ostras, lagostas e coe'i-os ciim hervilbas; conserva*
legumes e cliampignoos ; queijns flamengos, pra-
tos e tonitincs ; deees em calda o de goiaba ;
fractas em eonservas, passas, amendoas, nozes e
ameixas ; al tria, talharim e macirrao ; araruta,
topioea c cincoeuta qiialidades de massas finas e
nuiricnte3 ; cba, mate, cafe o ch colate franr^-
hespanbol, pcrtuguez e nacional l JV"' "rf
ESSZZZtS* -*?. iSU minh";
ld "j; '" .'--trtiua e mrltio mglez ; cervejas, ci-
J'.l.,.',Bcn3mp'igne, cognac, g bitters, lieores e aguardente de canna ; viohos
de Lisboa, Figueira, Carcavellos, Collares, Bair-
rada, Bastes, Porto, Borgonha e Bcideaux ; ci-
garros, chaiutos o uma graude ( giganta ? ) quan-
tidade de victualhas raras o excitantes, nao fal-
lanrtn b?a especialidades dos preparados francezes,
all- maes, ingL-zes, tureos, chinezes, hc!landezes,
lialianos, prussiano-, hamburguezes o atneiica-
uos I
Alem do que:
Enccnjra se nm immenso deposito de noida-
drs, c-mo sejam : velas Inradas, (?) urcidas (!) e
de eeorea, bilhas, quartinhas, e outros mui-
tos objectos de grandes phantasias ; assim ccmo o
maravillHso oleo de mmamona preparado expres-
saisonte para corabatera gigantomania e appla-
car o systema nervoso I Ver para crer.
Distrr, echoes:
Os amantes das palestras e boa pinga, encon-
trara-. no fundo do estabelecimento, alem de mui-
t" fresco e agua fria, baneos macios e mesas as
|seiada-, des inadas 0 servico dos lunclis, que os
I ratsmos amantes podr-rao saiiorearcm ao scm ma-
I vie so de uma elegante musica composta dos me.
| Ihores cantores american>,s e q..e sao coc.ljuvados
por uma bicharla domestica e interessar.te.
Moralidadj da cousa.
E' ima.cnso o sor'.imcnto
E se vende pelo ensto,
Pelo qu e rauito justo
So ao Campos comprar ;
VUo que e um porterito
________Dos grneros o paladay I______ '
Signaes de Raymunda
50#000.
E. A. DELOLCHE
24Roa Ks|tilna do liceco i^rjo
Participa a sens freguezes e amigos que uiudon
o son eslabelecimenro do relojoeiro para a mesma
rua n. 2i,onde encostrarao nm grande sortimento
de re logics de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios dc
algibeira, de todas as qualida.es, patente suisso,
de onro p prata dourada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, inglez, descuberto, dos melhores
fabricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata, lunetas
de tod?s as qoalidades, todo por pre;os muito ba-
ratos.
Carros de luxo.
I* E' inqnestionavil qne a cocheira da rna do Bom
Jesus n. 15, de Joaqnim Paes Pereira da Silva, e
a qne tem as melhores berlindas, caleches, meias
calcches e Victorias de luxo, proprias para qnal-
quer noivauo, viua uo wijuok, u, ..
da academia, sendo os mesmos ajaezados de ex-
cellentes parelhas de animaes, arreios luxosos e
bolieiros com fardamentos do ultimo gosto, para
o que se convida ao publico a vir nor si mesmo
scieutilicar-se da vcrdade do que deixaraos dito,
eeru-s de que nao encontrarao pomada e sim rea-
lidade, e commodos precis _____ ____
Deseja-se falUr core c Joao Leite Torres
Gallindo, a pe" ae um am,KJ 1ue Quer serm-
form-J- a tratar no armazem do Campos, rna do
imperadeir b. 28.
Boa moradia.
Vende-so um excellente sobrado, com uma
casa pequena contgua, sitss no Poco da Pa-
nella, rua Heal n. 30, com bons commodos
para uma familia grande, tendo diversas sa-
Ias grandes c muitos quartos, todos com
janellas; quartos para criados, cocheira,
eslribaria, grande copir, casa de banho
e jardim do C3da lado. A casa esta* em
perfeito estado, e e situacao e a mais fresca
9 saadavel possivel :a tratar com aproprie-
taria I). Maria Purceli Raulinson, na mesma
casa.
. i.i i. la. 0 papel que serve de coberta para ,
! ill direceocs minuciosos com rclacio as secuin- ', elara.
CoiitiMia fu^ida
..
a parda Raymanda, de .cor
as com rciacao as secuin-! "laraM appmxlaando-se a branca, de 16 annos de
corpo, cabellos corridos, corta-
z e uocca pequenos, desdenlaOa
fallante, representando pelo sea
rmccSos saudaveis^ j todo ter m.is idade. Foi e-wava deitfenrique
*-* as i>,.. ,lCn do Fiwdo c suas diversas sj-mptoma= Pereira de Mello, do monicipio do-Bonito, vecdi-
, -at :::nos . c< r,hre,Buu>iat, dercm se tomar tambem engenho .^linhccas, comarca do Satto Anlio.
.men-cemcad BMo, pwa.correger a aceao vcada ^.,, ge ^ fa Mq 0 jjg0r. ^ w
liver occultada, e gratifica.se
estomogo
i'ira a X//
.
:ien!os que a causSo.
iitcrla ou Diarrhea, & geralmente bastante | quem
a
Ktte*imaH*m*i Gotta, Arrelat, PalpftacSo do
" turaai ou cqs )ai4eirte, nt# alterar a'accio " 'tamo,
-**5o. Dor,.- not ilhnrga$ ou
Sa c
, dc aorte fcue r. molestia disappareca.
cu, deyem ser
I quantia acima a
erta da mesma,
loja.
contra
com a
qci'ii'i a
ua rua
Ivar ou der noticia
rga do Rosario a. J84
i*ank a .jtrttjtraUl e InchaeSet Hydropicas, 4 precise
fcosa-I-as freqnentemente e em porcCes assas
(o itm T\nativrt Arm
odes para
urgat
tawpara o j/iniar ou comida, toma-se uuia qu duas para
rw>over ndi --tao c ajudar o estornago. Tjma ou duas to-
* oe rez em quando, estiinuljio ou estornago a obrar srm-
HO* i i '
--........'-- e ac5ia rcgularmente bom, tomando uma
.iUulas m at^ar*,mitUas vex : razao quo ellas purificam e rejUurSo a
/ uii -tiro.
)
JC C. Aver & Co., Lowell, Mass., E.V.
Um prpto e umaama
Precisa-se de uovprejo nar,a iodo_s^rvie^ de, i^npa
casa de familia, aiatoVcomo de m'a araarjira en-
O Monte Lima
lem um completo sortimento de galao e franja de
onro e prata, verdadeiro, de todas as larguras,
abotoadaras douradas para oCQciaes, canutilhos e
enfeites para bordado. Tambem se encarrega de
todo e qualquer fardamento, como seja : bonets,
talins, pastas, espadas, dragonas, charlateiras, ban-
das, abotoaduras lisas e douradas, para criado
etc.; assim como nm completo sortimento d&
ranjas, galao falso para ornamento, cordao de la
com borla para quadros e espejhos (conforme o
gosto da enenmmenda) tado por muito menos
preco que em outra qualquer parte: na praca da
Independencia n. 17, junto a loja do Sr. Arantes.
Toda attencjio
Retalhase, com frentepara a rua da Amizade,
sobre 194 palmos de fundo, nma porcao de optioio
terreno para cdiflcacJo, tirada do sitio contiguo
a igreja de S. J >:e do Manguinno, d) preco de
oOj por palmo. Aquella frente e toda murada,
bem como a parte posterior e a lateral extrema :
os pretendentes poJem en tender se com o Sr Dr.
Wilruvio.
Vmho superior
Na raa da Impcra'.riz n. 67 acaba-se de receber
excellente vinhado Porto, embarris'de'SO, 73 e!50
garrafas, e vende-se mijjto barato^garantiado .se<-
(lualidade.
~ Tendo-se desencamlnhado os taloes ns. 7,648
e 8,961, pertencentos ao seguro de vida no ban-'
co Uni3o, da cidade do Porto, em Portugal,,a favor
do padre Jose Lopes Dias de'Carvamo, lalleeido em'
it de,novembro de .W70, na <*egoe'ia -de 8anto
Antonio, de Garanimns, nesta provincia de PrJ
nambaco, sea nai e herdeirojoao Rodrigues Dias 1
residente no lugar da SamaiWla, Jreguezia do]
Pombeiro, jalgado 4e Argaoil, no hto reino de I
Portugal, assim o /sz noblico, ohaaaodOvqualqner
goramadb, prefere-eescravos i.AlraUr 'na.-coa-, mieressado aos dites Wrloes -rtra nwJto erazo de
feitaria do Campos. ^ \ 30 dias, contados da dltafli^ta puUic^, o.w-
AMA
Para comprar e cozinhar :
a tratar a rua Nova n. 11
loja.
Precisa ae de uma ama para en-
gommar, para casa de familia : a
tratar na rua do Hosprcio n. 46, casa terrea de
bolas amarellas.
IMA
Atrlfl Procisa-se de uma mulher morigerada
iAliiti para tratar de duas meninas- orpnas de
mai: na rua Duque de Caxias n. S',, bja.
Ama de leite
de leite :
Eserava (iigida.
Josepba r.usentou so da casa de iua senhora
no dia 5 de outubro e tem os signaes segulntes :
crioula, cur prela, represenla ter 25 annos pouco
mais oa menos, tem os dedos da mao direita
cortados, levon o taboleiro em qne andava ven -
dendo cangica e continda a andar com o dito ta-
boleiro com toda louca para nao ser agarrada,
levou saia de chita co.n um babado estreito em-
baixo, traja camisa com labiryntho no talho e le-
vou ebales preto : roga se as auteridades poli-
eiacs oa capitaes de carapo, a epprebensio da
dita eserava e leva-la ao Caminho Novo, sitio n.
UO, a sua senbora, eu na rua da Cacimba, pri-
meiro andar, a entregar ao Sr. Joao Francisco
Leite, qae sera generosaroente recompensado.
a tratar no
Precisa-se de uma area
largo de S. Pedro n. Vi
Precisa-se de uma aim livre ou eserava,
Sara coziobar em casa de pouca familia : na rua
o Imperador n. 27, 2 andar.
Ama de leite.
Precisa se de nma ama de leite
Bom Jesus das Crioulas n 40.
na rua de 5
Na raa Direita n. 79, pri-
meiro andar, precisa se de
uma ama forra oa eserava,
para o servico de ama casa de familia de duas
pessoas. ____
AMA
Ama
Precisa-se de nma ama para
cozinhar ,para easa de pequana
familia na praca da Indepen-
dencia ns. 27 e 29.
Ama
teiro :
Precisa se de uma ama para cozinhar
engomraar para casa do rapaz sol-
a tratar na rna Direita n. 139.
Ajy>n Preeisa-se de uma ama para cozinhar
iAllla em csga (je peq0ena familia; prefore-
se mulher de idade : a rua do Marqaez da Olin-
da n. II, 1." andar.
Ama
14 e 16.
Precisa-se de nma ama para cozi-
nhar : na praca da Independencia ns.
AMA
a 18, 1 andar.
Precisa-se deuma ana pa
ra casa de peqnena familia
a tratar no largo do Paraizo
Bods pianos.
Cozinheira.
Precisa-se de ama ama para comprar e cozinhar:
a tratar na raa do Marqaez de Olinda n. 43, !
andar, das 10 da manhi as 4 Ja tarde.
MASSA FALL!DA DE AZKVEPO & C.
Os abaixo assignado-, administra J ores da massa
faliida de Azevedo & C, regain aos credones da
mbsma queiraro vir apresentar seus creditos A raa
do Marqaez de Olinda p. 36, afim de proceden-se
a respectiva elassificaeao, devendo apresenta-los
dentro de oito dias, a contar dasla data.
Recife, 30 de outubro de 1874.
________________^onhard Mettler&C- '
- Aluga-se o primeiro andar da casa da rna
do Torres n. 8, prcpria para escripiorio, ou pouca
familia: a tratar no segnndo andar da raa do Mar-
qaez de Olinda.
Vfc#k-se
uma casa na'villa de Barreiros, na rna do Com
mereio, por preco modico : a Wlv -con Taste
Irmaos & C ________
C6MPBAS.
Coroprase ama meia commoda e um guar-
da louca que estejam em bom aso : nesta typogra-
pbia se dira quem precisa.
*
liarao
Chegados de novo.
Vende-se.
Troca-sc.
No armazem do vaner francez, a rua
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
MOBlLu/
de fime de feia.
Vende-se muito em conta ; cadeiras avulsas, de
balan^o, de brncos e de dobrar : no armazem do
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, outr'o-
ra Nova n. 7.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
irilice, agua de flor de laranja, agua de toilete;
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetesj
crosmelicos, muitos artigo delicados em perfnma-
ria para presentes em frasccs de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de differente3 tamanhos
d'agua de Cologne, tudo de primeira qualidade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Condray,
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
JLrtigos de differentes gostos c
phantnzitts.
Espelhos, leques, lavas, joias d'rAro, tesourinhas,
canivetes, caixinhas de costura, afcuns, quadros,
e caixinhas para retratos, bolsinhas de velludoj
dita de couro, e cestinhas para bracks de meninas,
chicotes, bengalas, sculo, pencinez,flonteiras para
charutos e cigarros, escovas, pentes. carteinnha de
madreperola, tapete para lanternas, mklas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternas magicas,cosmoramas, jogostda gloria,
de damas, de bagatella, quadros com paisagens
globos de papel para illum'nacoes, machinas de
f ^C CAiLyJUJpf*-~ ^flalpiaj a a vaia,
accordaos, carnnbos, e bereds para erfcneas,
outras muitas quinqnilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade qur. se pode desejar de to-
dos os brinquedos fabricados cm difftph^ parte.-
da Europa, para entretimenlos das eriancas, tudu
a pregos mais resumidos que e possivel : no ar-
mazem do Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outr'ora Nova n. 7.
Calcitdo francez
Botinas para homem
Acabam do cheaar grandes jactnras de botina;
de bezerro, de cordavao, de pelica. de duraqnt
com biqueira, de bezerro com botSes, e corn ilho-
zes a 9000 (a escolher) por ter vindo grande
quantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem do Vapor Francez, a rua do Bar5o it
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores, diflerentei
lisas, enleitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranoa
Para meciiaas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeiladas e bordadas.
AB0T1NAD0S de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
4 BOTINADOS e sapatoos, de bezerro, de deversas
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Bota3 de montaria.
Botas a Napoleao e a Gnilherme, pen, -?
meias perneiras para homens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
Grande descoberla
Curativo das molestias do
peito pelo
Xarope de sulphito de soda
A. BERXET
Este importante medicamento quo acaba de ser
reconhecido pelos distinctos Drs Zalioni e Paras-
rhevas como um verdadeiro espu ifico centra a
phtysica, segundo provaram nos grandes nume
ros do casos por elles experimentados, como se ve
aa sessao da academia de Paris de 24 de marco
lo corrente anno, encontra-se nnicamente no
Deposito da pharmacia e drogaria
de
I5arll!oIom'H A C.
N. 34 Rua larga do Rosario N. 34
LIQUIDACiO
NA
Loja tie fazendas
DA
Rua do Crespo n. 20.
Las de cores rniudas muito boas para rotrpa d.
meninas a 160 e 200 is. o covado.
La pretas. superior, a 400 rs. o covado.
Alpacas de cores liuas a 320 e 360 rs. o covado
So se vendo.
Dius com UsUfts aberlas, fazenda fina, a 600 rs. t
covadfl.
Chitas de cores a 240 e 280 rs. o covado.
Matins de c$res miudas a 280 rs. o covado.
Cretones, o inajnor qae lem vjado ao meewdo .
400 e 440 rs. o covado.
Cambraias brancas, bordadas e aberUs, txien&i
mais fina qne tem vindo ao mercado, e fazendj
de 2^000 o metro, por 1*000 a van ; pe-
aftfrisi
Ditas pretas com flores miudas a 200 rs. o covadc
Cambraia tcansnarente, Qna, a W a peca.
Dita Victoria, fina, a 41000 a peca.
Organdy de assento brpneo e de cores, ccm Ce-
res miudas de seda e tie la, a 400 rs. o covado
E' pechincha.
Cortes de casemira de cores modernas a 5*500 t
corle ; e fazeqda de 8*. E' pecl.incba.
Camisas de linho Unas, lisas, a 33* a duzia, e fa
zenda de 55*.
Brim branco de linho a 1*400 a vara.
Dito Angola, verdadeiro, a 600 rs. o covado.
Madapolao francez verdadeiro, 24 jardas, a 6*
7* a peca.
Algodao T, largo e superior, a 5* a peca.
Gorgorio preto de seda para vestido e para colieu
a 3* o eovado
Toalhas alcochoadas a 4*500 a duzia.
Colchas grandes a 3*500 ama.
Cobertas de ganga, forradas, a 3*.
Lencoes de bramante a 21 am.
Lencos de linho, abainbados e em caixinhas
3*500 a duzia.
Ditos de cacade cOres abainnados a 3*500 a du
zja.
E outros muitos artigos que se vende por me
nos do que outra qaalquer parte e para se de-
So na lorem queiram mandar ver as amostras.
enganaja de
Giiilher.ae A C.
Sedinhas a 1^500 o eov; do.
Venham anles que se acabem : na loja do Passi
a rua!.* de Marco n. 7 a.
AtleiiQao
Fugio oo dii 7 de setembro o nseravo'do abai
xo assigoado, com os signaes seguintes : Egidio,
cabra, idade de 20 annos, cabellos carapinhos,
olhos aboticados, altura regular, rdsto am tanto
chapado, beicos grossos, bocca regular e nm
tanto bicudo, cabeca pequeua, orelhas regulares,
bracos, a mesma cousa, pernas regnlares, tendo
a esquerda e o pe inchado, por Ihe dar erysipela,
nariz regular, e bom trabalhador de olaria, e
tambem e boleetro, e natural desta cidade do Re-
cife, e foi eeraprado ao ex-capitJo do parto .desta
provinda, lose Joaqim da Silva Jacques : roga o
abaixo assjgnado as autoridades policiaes e ca-
pitaes^de cainpo ede navios, a -sua captura e le-
vanem'-no a p.voaeao dos Afogados, quo serio ge-
nerosaraente recompensados.
Jose 'Buarqne LCisboa.
Aluga j-e o e-'2*andares ^ida casa n. 19 da
aa do N^igueira, Juntos ou separados : a tratar
na rua'tfo Livramento n. 23, 1 a.ndar.
Wilson Rowe ex L. vendem no seu anna*.?
a rua do Commercio n. 14 :
verdadeiro panno de algodao azul amencano.
Excellente uo de vela.
Cognac de 1' qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de :odas a3 qualidades.
Cheguem d grande pechin-
cha
0 Desengano esia vendendo pelo baratissimo
prego de 500 rs. o covado alpacas de 11 e seda,
fazenda muito Una e de lindos padroes, fazenda
que muitos vendem a 1*200 o covado ; 6 grande
pechincha ; cbeguem a t lias antes que se acabom :
na rua do Crespo n. 25, junto a loja da esquina.
0 Desengano estci quei-
mando
0 proprielario deste eslabeleciu.ento tem resol-
vido vender as fazendas existenles em seu estabe-
lecimento. por menos do que em outra quaUuer
parte. T*
Brotanhi a"20?f a prra
0 Dessnsrano esta vendendo pelo dirainnto peec.o
de*20 a peca, bn tanha innito fina e com 25 varas
cada pega ; e g/ande ^solwha.
iVpajcao i'S0 fs.
0 Dosengan i*.ti vejideivlo eaovjniauto pree
de800 rs. o covado ; e ta fazenda de lindas core
e p.droes, eXazeuda.qae.iu4toSfVetidcin a IpOO
o eovado ; aproveitem.
iGories .bordaJg>6 a S
0 Desengano -eta veAdtuido pelo ibarato preco
de-<3*, um corle ,dd cambraia bordada,ibanca e de
co>es, e pechincha ; e fazenda qaemuitosiwndem
a 10*000.
Wadapoloos
0 Desengano esta vendendo madapolSo francez
com 20 varas-oada peea, pelo barato preco de 4*,
e grande peehiaclia; *tos inglezes e franeezes,
linos, a 5^, 5*500 e 64 a pe;a; apn veitera.
Organrly a 320 rs.
Organdy branco, de listras, fazenda muito Ona,
pelo uiminnto preco de 320 rs. o covado ; e" gran
dc pechincha.
Cambraia anjo da meia noite
Vende-se esta linda cambraia ceo diminuto pre-
co de 3*500 o corte ; aproveitem que o Desengano
est aqueimando.______
Chocolate do Maranhao
Unico deposito nesta cidade, em casa de Jose
Tavares Carroiro & O, rua Direita n. 14, onde s*
vende pelos precos e vantagens da fabrica.
Para o fabrico de chapto
A NOVA BSMMMQft recebea o arame propn
para armacSo de chapees.
BAZAR
DAS
FAMILIAS
Las
A 160 rels o covado
Rua do Queiinado n. 43, juuto a loja da Mag-
nolia.
Lazinhas a chineza, padroes modernos, pelo
modico preco de 160 reis o covado.
So o-43.
L'al de Lisboa
Vende-se cal de Lisboa : na praca do Corpc
Santo n. 17, 1* anaar. escriptorio de Joaquim Ro-
drigres Tavares de Mello.
Rua Duque de Caxias n. 60 A
Grande cmeima.
Corram a, pechincha I...
Riqaisslmas saiiidas de baile, de la, para sanhc
ra. iVerdadeira novidade no mundo elegante !
Capinhas de la e seda para senhora. Cou-
inteirairente nova !
Excellentes cachineis .de ia e seda para seLi,
ra?, por 5*500.
Casaquinhos de gorgorao preto de seda, r!
mtpjTT bordados, pelo'diminuto preco de W*>>
Excel!- iito aciiuisi^aoo I
(hales de seda a 13*. Baratissimo I
Grosdenaple preto a 1*200 o covado.
Pupelinas de seda a 2* o covado.
Faia de seda, fazenda modernissi na, pelo Com
modo preto de 2*200 o covado.
Popelinas de seda, objecto da ultima nioda, ;
1* o covado I
Ditas de linho com listras o agradaveis pa-
droes, a 4'i0 ra o covado. ,
Cambraias transparentes, fazenda mui Una e &
grande procura, a 6*300 e 7* a pe^a.
Alpacas de seda a i* o covado. Grande pecbir,
cba !
Grsnalinas de cores com listras a?setinada?. i
.800 rs. o covado. \ ellas emquanto restam I
Cambraias bordadas a I100 o mttro.
Rioaa polinaises, bordadas com esmtro, a 38*
cada uma.
Tapetes para sofa, grandes e pequencs. PadrtV.
especiaes I
Ditos para portas.
Ditos para cama.
E outros artigos para homens, senhora?
eriancas, os quaes artigos nao se mencionam pa%
nao mas>ar se a benevola attenr;ao des ltitores .
leitoras, amantes do bom e do barato, e rntbu
sia?tas da grande virtude domestica a econc-
mia I
Corraiii quanto antes a grande pecLincha,
freguezes !
Vinde ver, comprar e admirar I
Para concertar meias
A NOVA ESPERANCA, a rua Duque de Caiia.
n. 63, recebeu desta necessaria linha.
Aob cigarreiros
A NOVA ESPERANg.-V vende papel da liah
proprio para cigarros, de diversas larguras.
CMA&O.
Caixdro.
'Na raa Nova n. 7, segrrtdo andar, precisa se
irq 4ae,^a.ftaerayo._______________^____
Jose" Ferreira Braga, socjo da flrma ManojJ
os6Tjarj'-o,rJe&pzav Oeclara.qae.t^ndo ectraik
nham reclamar na mesa-oid^e do Porto," e" Dioll^'S^SSjl/aKii^ Mha"M elle encarre"
o fazenio ficara lMWKtado para fe-' 'l8*0^** >Viwa
Vende-se ura pequeno sitio a estrada de Joao
de Barros, ou se vende pequenos terrecos no mes-
mo sitio, conforme se entender mais conveniente e
vantajoso : quem pretender, pode-se dirigir ao
sen proprielario Antonio Feliciano Rodrigues Sette,
a dita estrada de Joao dc Barros, casa n. 9.
Vende se uma casa era aberto, na ladeira da
bica de S. Pedro, na cidade de Olinda,
com 33 palmos de fr-nte e grande quintal'
e se vendo por barato propo : a tratar na rua
Duque de Caxias n. 91.
Leques grandes-e modernos.
Na loja do Passo, rua i de Marco n. 7 A, do
Cordeiro Simoes & C.
Breu, breu, breu.
No armazem de Jorge Taeso, ?na da Amorim n.
37, eno caes do Apollo, armazem de farinha de.
trigo, do commendador Tasso.
Aos 5,000 covados dela
A lOO rs.
Na loja do Pavao vende se lazinha3 de muito
bonitos costos e delicados padroes, fazenda nova
no meroado, pelo diminuto preco de 160 rs. cada
um covado ; quem deixara de fazer iiitHmi de
Id tao bonitos e por tso pouco dinheiro t Forne-
cem se as amostras: na rua da Imperatriz numc-
ro60.
-^.^- ; -..... ; ii r .* i b -a i i
Precisa-ae A? nm owaiiio de 12 a li annos,
prefere-?e nacional, sendo do maito ; a traiar a
rtta -Direita 139. V
Precisa se de
rua Direita n. 10.
batedore* :''ila rtfln^'c^o' (Ja
ceber do dito ba
de 1871: em qae
>-#e..M jJwidar desie oannoi
i* mm
Alkga-ae 3 caSiM 4.err*, kendo /duas com'
sotao i.bastantescorm***e, m do CapitSo
Antonio 4e Lima, em Santo Amaro : trala-se A
rua da Aunj p. j^5.
j
sBgnnlo ahdar flO-srAra'do slto' a riia'de PedM
AfTonso n. 89, com agua de Beberibe
Viganos.34.
a tratar a
AllCllCilO.
Vende-se a taverns e a casa propfaa junto a
estacao do Cajtangi : (ralar aa mesma.______
Vende ee a betas' sfft (fa BncrnztMda de
Belem, perteocene ao Sr. Machado; esta liem afre-
guezada e td a vende por qaerer retirar-se par*
*para o matto.
Alpacas a 400 rs.
0 Desengano esta vendendo pelo diminuto pre
co do 400 rs o covado, alpacas de la e seda, d*
lindos padroes, fazenda muito fina e larga, que
sempre se venderam per 1*200 o covado, e pari
acpiijr; a elhs antes qae se acabem : na ra;
Primeiro de Marco n. 25, jnnto a loja da esquina
Asunicas vefdadeiras
Bichas hamborguezas qne ven. a erte mareadc:
oa ina do Marauez de ulmdu .51
Farinha demandieca supe-
rior.
Turn para vender, Joaquim Jose Concei-
ves Bdtrao & Filho, a bordo do palhibot.
Rosila, fundeado ao.pe do caes doCollegi'-,
e para tratar a bordo ou no seu escriptorio
d rua do Commercio n. 5.
Chocolate hespanhol
mail-) lino, tem para vender na Assemblea d
Commercio, Meir> & Lima, rna do Commercio nu
naero 22._______________________________
A 120 ts. o covadc.
Na rua da Imperatriz n. 60, vende-se pfa aca-
bar uma grande qoanlidade de las, restos de di-
versus s rtimeetos, flesde 120 rs. ate 500 rs.; no
tando-se que, quando ha via sortitnentos comple-
te, se vendiam a 1*280 e i *600 o covado, hi
grande varifdade em padroes, os qne priaeiri
cnegarem melhnr-pechmcha farao, a ella a rua de
Imperatriz U.-60.
Cal de Lisboa noviseima
-Veejle.-pfl em grandes e peqnenas porcdes : na
rna Direita n. 14.
Agora sim, boa occasiao
Gama A; S Iva Brito, com armazen* de molfaado*
no largo da Santa Cruz ns. 2 e 4, vendem gaz
fDevoes) liquido a.2*0 rs. a garrafa. vinho musca-
tel do Douro aa/200 a gariafa, c-fe do Rio, de !
sorte, a 320 rs cada, 450 grammas, cha aUotar.
uperior, a 3* cada 450 grammas, manteiga Wg'le-
zaii bar>is a^rs., II 1*100 por c*da*ai
granrnfas, vftihoVflo Porto; ftsos, por pretos hara-
tiasimos, vinbo Pfgueira a 3*600, e muitos eMros
artigos "qne "se topn enfadonho mencionar. Os
Seneres compra*t|p|^l^aM iraBfzens serio eon-
uzidos a casa do comprador, gratis; aproveitem
ti8ja1Q!oS%JWw ns.fbi, armawns^e
M
Sir
Veode-sa-a-faveriada raa*a !pone VeJba.
n. l, propna para principiante por ter poaws four
dos : a tratar na mesma.
o
J
iaaai.il
JU


4k


Diario de Pernamfeoco Terea felra a de Novembro de 1&T4.
fazendas e artigos de alta
novidade
NA
LOIA DO PASSO
fina Primeiro dc Marco n. 7 A.
fiCordrlr* Mmfi^t C, proprlelarios
leste'importable estabelecvmento, no louvaTel pro-
yrosito de nio desmenlirera o conceito que os
teas aumerosos rreguefees Ihes tern dispensado,
c*bam de receber de spa conta o mais rico sor-
(imewo de sedas, popelnus, las e artigos de ul-
tima moda em Paris, k continaarao a receber
por todos os paquetes dlquella procedeacia ; por
sso chamam a attencto de sens freguezes e os
convidam a darem umfpasseio ao sen estabeleci-
mento, garantindo lhesf qne encontrario a reali-
dade do que fica dito, I e para prova dao urn pe
queoo resurno, cujo injfallivelniente despertara a
altencio dos pretendeotes.
Handam fazendas a casa dos freguezes, e dao
tmostras niediabte pe ilior.
Artigos de i ilia novidade e
ultima moda.
Cortes de vestido d< ljnho guaruecidos de bico
4a mesma fazenda e c Sr, trazendo fivella, bolca,
sint, etc etc.
Riqaissimos chapSoi para senhora, de cores e
erelos.
Cortes de cambraia brancos com lindos bor
la dos. 1
ni de cores com enfeites da mesma fazenda,
nrino, etc. etc. I
Capas de la para nj
cidas de arminoo.
Vestuarios para bap isado.
fiiquissimas camisas bordadas para senhora.
J.eqaes de madreper ila, par* noivas.
Ricas colclias de seda para casamealo.
Cortes de seda, linda i cores.
GorgorSo de seda br anca e dito preto.
9edinhas de delicada s padroes.
as cores.
e de cores,
asco de seda.
cores,
preto.
da.
e cores, 14, etc
Grande liquidacao de ftem&*as
NO
N.72.Rua da Imperat ria"N. 7 2.
Ao baraleiro
A' rua 1 de Marco n. 1
< onfVonte ao area de Santo
Aatmata.
Os proprietarios deite estabelecimento, tendo
gande deposito de fazendas de la, linho, sbda c
algodao, e achando-se proxima a occasiao do ba-
lanco, resolveram fazer grande reduc^So em pre-
cos, aflm de qne naqnelle tempo nio teoham gran-
de trabalhu eru balancos ; a saber :
corteRiSpii E VzenVa'ne^more cuSu 7? Tex,,io os proprietarios deste estabelecimento resolvido diminufr o grande deposito de fa-
AMAZONAS, linda fazenda para vestidos de *emJ*9' onteaderara faier esta grande liquidacio, eomo se ve dos preooB abaixo mencionades :
ParRncnJ^i?c.-C?ad- Chitas h.rgas a 160, 200 e 280 rtts.
JSSPSPF** de Core,' wd0%eilc"?!do' Vende-se ehitas francezas e finas a 120,280 e 3M
braneo, cor de rosa e cravo, a 900 rs., U e 0 covado.
DE
Mendes Guimaraes & lrmaos.
AHRAULT DI Will*
E
Liuiahas a IM reis.
Vende-se lazinlias para vestidos a 120, 240, 3M e
400 r6is o covado.
Cbitas para cobertas a 280 reis.
Vonde'se ehitas para cobertas a 280 e 360 reis o
covado.
Alpacas de cores a 640 reis.
eninas e senhoras, guarne-
1J200 rs o covado. Quem 6 qne nao coroprara ?
POPELI.VAS de linho, de quadros e listras, ho-
nitos gostos, a 500 rs o covado. Aproveitem.
POPELINAS de linho e sed, gostos inteiramen-
te novos a 900 rs.
DITAS com listras largas assetiaadas, o mais
tnoderno qne tern vlndoao mercado, a 51.
CRETONE franeez com listras e de quadrinhos
de cores e pretos a 400 e 440 rs. o covado. F*to Vende se alpacas de cores, flnas, para vestidos de
so no baratei o I senhoras, a 640 r6is o covado.
DITO francf z de listras, proprio para camisas Metim de cores a 320 reis.
e vestidos a 300 n. ; pois so se vendo se pode Vende-se metim de cores para vestidos de senho-
crer. ^ ras, a 3M ris o covado.
ES iU AO de linho e algodao, proprio para ca-1 Cassas flnas a 280 rfiis.
misas, fronhas, etc., etc., com 7jardas, a 3*200, e',r ^ .
com 10 jardas a 4*500 a peca. I Vonde se cas-as francezas; flnas a 280, 3M e 360
MUSSULINA branca, com Jistra5, para vestido,a' reis covado
400 rs. o covado. E' pechincha I I Cambraia Victoria a 3J0OO
MADAPOLAO francetccm 20 varas, por 4*500. **!2? ?2Hf v,etona Para vestidos a 3*,
E' barato. 3* e 4*000 a P^C1-
CASEM1RAS ic cores, para costumes (roupa de' Cambraia transparente a 2 e 3*000. l
homem) a 3* o covado. Ver para crer I I e?2:*e AefM_ _de cambraia transparente a 3*.
idas
Setim Macao de to
Grosdenaples preto
Velludo preto e da
Granadine preta e d
Pilo de seda braneo
Ricas basqtiinas de
Casacos de merino
Mautas brasile
Capellas e mantfas para noiva.
Cambraia de coyes, aitas mariposas brancas, de
ores, lisas e bordadas.
Flor do bosquaT(novidade).
Percalinasid/Tquadros, lisiras, etc.
BrinsdiJiffnho para vestidos.
FusJiao de cores.
Sjaias bordadas p^ra senhora.
#rande sortimento de camisas de linho lis&s e
^orldadas. para homem.
lfleias de cores para homem, senhora, meninos
Jneniaas.
Sortit>pnto de chapdos de sol para homens e
wnhora.
Merinas de cores para vestidos.
Dito pieto trancado e de verao, bombazjna, can-
to, alpaca, etc. etc.
Atoalhado de linho e algodao para toalbas, e dito
aardo.
Damasco de la.
Brim de linho braneo e de cores.
Setins de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos
Ditos de touquim e ditos de casemira
Can:isas de chila para hompn' d'tas de fla-
aella.
Ceroulas de linho e ditas de algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras, etc.
Lencos bordados e ditos de lat yrintho.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana, bordados,
jara bailes, e tarlatana de todas as cores.
Colchas de damasco de la, e ditas de crochet.
Esparlilr.os lisos e bordados.
Foulard de seda, lindas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Casemiras pretas e de cores.
Popelinas.
Neste artigo temos urn variadissimo sortimento,
ao so em gosto como em qualidade.
Las
Mm listras de seda, ditas com palnas bordadas,
iitas transparentes e de outras muitas qualidades.
IdRU
'e pellica brancas e de cores, do verdadeiro fa-
sricante Jouvin.
Finalnaente :
apetes para sola, cadeiras, cama, entrada, etc..
-.ambraias brancas, ehitas de todas as qualidades,
53adapoloes, esgoiao, bretanhas, bramantes, algo-
loes, collarinnog, punh s, meias para homem e
euhora, punhos e collarinhos brancos e de c6-
e3 para senhoras, gravatas para homem e seuho-
-a, pcitos bordados, ien^os de linho brancos e de
;ores, ditos de cambraia de linho, toalbas, guar-
Unapos, panno nno, etc., etc.
Loja do Passo
Rua Primeiro de Margo n. 7 A
antiga do Crespo.
LAS escocezas, estamos acabaoJo aos pregos de
120, 180 e 200 rs. Apressem sel
CHITAS escuras e Claras, fazenda flna a 240,
2G0 e 280 rs. ; ?6 a rua Primeiro de Marco n. 1.
CHAPEOS de alpaca, para sol, para senhora, a
2*000. E' admiravel I
com as senhoras.
A Magnolia, a rna Duqne de Caxias n. 45, par-
lcipa a<< bello sexo que acaba de receber da Eu-
:opa, urn completo sortimento de artigos de ulti-
ma moda, e como acha desnecessario fazer um
nfadonbo anauncio, por ja ser bastante eonhe-
:ida, e caprichar sempre em ter bons correspon-
dentes, sendo a pnmeira que apresenta o qne ha
le mais moderno e por pretos mui razoaveis, por
sso Iimita-se a descrever somente o seguinte:
Seita* douradas.
8icos de cores, tanto de seda como de guipure.
Leqjnes dourados, de madreperola, marfirn, tar-
taruga, osso, etc.
ataidan de baile.
Preaen(es. diversos artigos proprios para pre-
setted
Qollnhaa e punhos.
Manual para missa, com capa de madreperola,
tartaruga, marlira, velludo, etc.
sapstiinlinw de setim para baptisado.
Camisas bordadas para senhoras.
Llgas de seda.
Prnnjas mosaicas.
iderecoa de tartaruga.
voitas de madreperola.
PulselraS de madreperola.
Ltndas flores para cabeca.
Bolsas de velludo.
Perruiuarlas dos melhores e mais afamados
fabricantes.
Chapeos de sol para senhoras.
Pitas de vellud> de todas as cores e largnras.
Moscas.
Quereis livrar vos destes malditos insectos? com-
orai uma machina de matar moscas por 3*000
-a Magnolia, a rua Du-jue de Caxias n. 45.
Calvice.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 4o, ven-
Je o verdadeiro Vigor de Ayer, que impede a
.ahida dos cabellos. ,
Sardas epanos.
So tem sardas e panos quem quer; porqne a
Hagnolla, a rua Duqne de Caxias n. 45, tem para
ender a verdadeira Cuticuleria, one faz desappa-
ecer estas manchas em poucos dias.
BRIM braneo n. 5, exposic^o superior, a 2* a
vara.
CAMISAS de crelone franeez de cores, a 2*i'0O
uma.
CAMISAS brancas, inglezas e francezas, gran
de sortimento por precos baratissimos.
BRIM pard > trao^ado, para 280 rs. e 400 rs. o
covado.
BRIM Angola, superior, a 500 rs. o covado ;' iito
so na loja do Baratdro I
CHAPEOS de sol de seda para homem, fazenda'
superior, a 8*300, 9*000 e 10*000.
BAPTISTAS roatisadas, gostos miudinhos a 300
rs. e 360 rs. o covado ; so confronte ao arco de
Santo Antonio I
LENCOS de linho snperiores, abanhados a 3f.'
4*500 e 5*000Ja duzia.
TOALHAS felpudas snperiores a 6/500 a du-
zia. Em outra parte veDdem por 9* I
MEIAS cruas, supfrores, para homem, a 4*,
4*500 e 5*. E' pechincha.
BOTINAS superiores para senhora, a 4*500 o
par.
ATOALHADO alcochoado, fazenda superior, pa-
ra mesa, a. 1*500 a vara.
ALGODAOZlNHO braneo, com pequeno toque,
a 35500, 4* e 4*500, e marca T, a 5* a pega. '
Alein das fazendas acima mencinnadas, encon-
trarao muitas outfas que sgradarSo em qualida-
de e pre<;.- s, e que para nao massarmos a paciencia.
de nossos freguezes, as deixam s de enumerar,
So no Barateiro
A' rua Primeiro de Marfo n. 1.
Loja de Agostinho Frrreira da Silva Leal cv C.
Nio se enganem
Pois sao os verdadeiros barateiros !
3&500,4* e 5*.
Cortinados a 14*000.
, Vende se cortinados bordados para caraas a 14*'
16* e 18*.
I Ganga amarelia a 400 reis.
I Vende-se ganga amarelia para vestidos de senho-
I ras e roupa parameninos. a 400 reis o covado.
Brim de cores a 400 re"s.
Vende se brim pardo e de cores para Calais e
400 reis o covado.
Tealhas para roato a 700 reis.
Vende-se toalhas de linho para rosto a 700 e 800
reis cada uma.
Chales de 1i a 640 r&s.
Vende se chales de lade quadros a 640 r6is, cha-
les de metim-a *K0 reis, chales de merino
l'ss a 2*, e cha^a de merino estampados, a
3*600, 4* e 5*.
Aberturas a 2{JC09.
Vende-se aberturas de linho bordadas, para ca-
misas a 2* e 3*300. Ditas de algodao a 200 e
400 niis.
Cortes de casemira a 5*000.
Vende-se cortes tie casemiras finas para calcas a
5*. 5*500 e6*
Cortes de brim a 1*400.
Vende se cortes de brimde cores a 1*400. Dilos
de brim de Angola a 1*800 e 2*500.
Cobertas a 2*000
Vende-se cobertas de ehitas de cOres a 2*.
Colchas a 2*000. .
Vende-se colchas de fustio para cama & 2*, 3* e
4*.
Paletots a 3,000 rs.
Vende-se paletots de alpaca preta a 3, 3,60
5,000 rs. ;!calcas de casemira prelate de core
leses de casemira,preta e de cores, e outras
tas;rouaas feitas, baratas e fazendas que est
quidando no Bazar Nacional. a rua da Im
lriz n. 72.
Cura das hernias, pelas fun-
das de borracha.
As mclhoros e mais aperfeicoadas das ate* hoje eo-
nnecidas.
Vende-se
na
Pharmacia e Drogarla
de
Bartolomeo ft C-
A'
34. Rua larga do Rossrio 34
Vaccina. Vaccina.
Tendo 6 Sr. Dr. Jose Lourenco de Magalhaes,
monlado na corte um completo servico destn ar-
tigo, tem aqui aberto um deposito da melbor e
mais recente, cujos tnbos se encontram na
Pharmacia e drogaria
A"
_____ 34rna larga do Rosario 34.
E'BOM SARER-SE
Que a NOVA ESPERANCA, a rua Duqne de
Caxias n. 63, bem conbecida pela superiorjdade de
seus artigos de moda e phantasia, acaba de rece-
ber diversus encommendas de meradorias de sua
reparticao, que pela eleganci. bem mostra aptidao
e bom go-to de seus antigos correspondentes da
Europa, e por esta razao a NOVA ESPERANCA,
a rna Duque de Caxias n. 63, convida a sua boa
e coustante freguezia e com especialidade ao sexo
amavel, a visitarem na, alim de apreciarem ate
onde toea o primor d'arte.
A NOVA ESPERANCA nao quer entrar no nu-
mero dos massantes (verdadeiros azucrins) com
exteusos annnneios e nem pretende descrever a
immensidade de objectos qne tem expostos a ven
da, o que serta quasi impossivel, mas limitar-se-ha
a mencionar alguns daquelles de mais alta novidade
e toma a libenade de aconselhar ao bello sexo,
qne a visitcm constantemente, para depois que
comprarem em outra qualquer parte nio se arre-
penderem, a vista do bom e escolhido sortimeato
qne ha em dito estabelecimento, esta razao tam-
b'-m demonstra que qualquer senhora do bom torn,
nao podera completar a elegancia de seu toilet
sem quedenmjasseioa NOVA ESPERANfA, a
rna Duqne de Caxias n. 63, a qual acaba de rece-
ber os seguint s artigos de luxo e inteira novida-
do :
Modernas settas para prender os cabellos
Primorosos leques de phantasia.
Bonitas sabidas de bailes pan senhorae e meni-
nas.
Interessantes gravatas para senhoras.
Elegantes fachas de touquim.
Bons aderecos de madreperola.
Delicados aderecos pretos de prrfalo e borracha
(gosto novo).
roveitem
0 PARIS ITAMERICA, a rua Duqne de Caxias
a. 59, primeiro andar, esta vendendo calcado pelos
seguinti'8 preces:
Botiaas de duraqne para senhera a 3JS00irtis.
Ditas de dito preto a 4,000 reis.
Ditas de dito com botSes ao lade* a 4,000 reii.
Ditas gaspeadas, cano alto, Data senhora, a
5,000 rt.j. r
Ditas de pelliea, itrglesa, a 4.C0O ne^s.
Ditas de duraqne bordado, para senhora, a
5,000 reis.
Ditas de dowrae, de cores, para meninas, a 3*.
Em quanto 6 tempo
aproveitem.
Grosden^ples
Vende-se grosdenaple preto, fazenda muito Qna,
! .qoa^vSempr0 se veDdea Pr 3*308 o covado, a
l*00 rs.; aproveitem, s6 o Desengano. a rua 1*
de Marc/) u. 25, junto a loja da enjoina.
Aos legitimos fogoes econo-
tnicos.
Acabam de cbegar a esta cidade os ver-
dadeiros fogoes economicos, j muito conbe
cidos nas provincias do Rio de Janeiro,
Minas, S. Paulo, Sergipe, Rio-Grande, Ba-
hia e Alagoas, aonde tem rnereado do pu-
blico a maior accitagSo possivel, e sao ja"
preferidos aos de qualquer outro systema,
conbecido pela sua muita solidez, especia-
lidade na collucaruo, moderno systema,
e sobretudo grande economia no combusti-
vBl; trabalbam com lenna, coke, carvao de
madeira, etc., etc. Ha de divt-rsoa tama-
nhis, proprios para casas de pouca, regu-
lar, e de muita familin, collegios, boteis,
casas pias, bospitaes, etc. Acham-so ex-
posUis ao publico, aonde se darao todas as
explicates necesssrias: na rua da Cruz
n. 6.
A' rua do Caboga n. 1 V.
Os proprietaries da Predilecta, no intuito 4*
conservar o bom conceit que teem merecido do
respeitavel publico, distinguindo o seu estabeleci-
mento dos mais que negociam no mesmo generc
veem soientificar aos seus bons freguezes que pre-
veniram aos seus correspondentes nasdiversaspar-
(as d'Europa para lhes enviarem por todos os ,pa-
quetea os objectos de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
daquelles -paizes, visto aproximar se o tempo d
festa, em que o bello sexo desta linda Venexa
mais oitenta a riqueza de suas toilleites ; e co-
mo ja recebessem pels paquete franeez divers o
artigos da ultima moda, veem patentear alguns
d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
concurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola d
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
08.
Aderecos completes de borracha proprios para
iato, tambem se vendeni meios aderecos muito bo-
nitos.
Bo toes de setim preto e de cjres para ornato d*
nestidos de senhora ; tambem tem para collete
^alitoL
Bolsas para senhoras, existe um bello sortiman-
de seda, de palha, de chagrim, etc., etc.
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de lone* I
como de cera, de twrracha e de massa ; chama-!
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo, i
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
pertinentes por falta de um objeeto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, veudem-se por preco commodo.
Ceroulai de linho e de algodao, de diversos pi-
i08.
Caixinhas com musiea, o qae ha de mais Undo,
com disticos uas tampas e proprios para presen-
ts
Coqnes os mais modernos e de diversos forma-
te?.
Chapeos para senhora. Receberam nm sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Caigas bordadas para meninas.
Lustres, cundieiros e
arandellas.
A empreza do gaz, tendo recebido nltimamente
uma quantidade de lustres, candieires, arandellas,
globos etc. etc., tudo obra de gosto e d 7 primeira
qualidade ; acha seem pesicjio de supprir a seui
freguezes, por precos metres do quo antigamen
te. Para wrem as amoslras, dirijam-se a rua do
Imperador n. 31._________
Cortinados para camas
Na loja do Pavao vende se um grande sortimen-
to de cortinados bordados proprias para camas e
janellas, pelo barato preco de 8, 9 e 10,000 rs. o
par, assim eomo colc'as de damasco para camas
de uorva a 10 e 12,000. r.;is-e pecbincka : a
rua da Imperatriz n. 60, de. Felix Bereira da
Silva.
E" muito barato
E'
'g6
noivas
com as
NO
BAZAR DAS rAMILIAS
A' IllA fit) DUQUE DE CAXIAS N. ,60 A.
Riuuissiiaos veos de blond bjrdados a seda com
pw i oapella, proprios para noiva, o mais moderno que
| tem vindo ao mercado I
Ri'jui6sima8a;llas de flores de laTaajeira, pelo
diminuto pr$co de J-UK) uma.
LindissimosJacinhos.com fivelias, proprios para
i senhoras, a 2=500 urn.
I Lindissimas gravatinhas de seda com blonds
1 proprias para senhoras, a 3SO0O nma.
liiquisdiinos altlneates-om uma flor, proprios para
: o peito de senhoras ou para a catiftca,, pelo dimi-
i nnlo prepo de 2.000 um.
Hi-is e Slivn Al l.-.i.^unVs
ende-se
No escritorio de Thomz de Aquino Fonceca &
C. Successores, a rua de yigario jj, 19, primeiro
andar:
Cimento Portland verdadeiro.
Cera em velas e em grnmo, de Lisboa.
Vinho Sherry.
Vinho d > Porto em caixas, Onissimo.
Idem era barris de quintp e decimo, pno.
Betroz.
Fio.
Extractode carno de Liebags e viah) de ArrattH de f|oi-
nium, fecro e extracto de carne deLebegs, prep*rA.lu
com vinho do Porto.
O cs. m*
dicos um-producto de uma dosabilidadeinvariavel, coutendo todos os priwipio.* iliit
da quina, plantu sem igual como modicameuto touico, nevrostbennico -....." '"yrrla,
6 como talapplicado no tratamento das debiltdades organicas, caubexia, e Ja- l quaLquer caracter.
l'ara so obter p qulniumnaose podo roc' ar d quina a quiuina e a cliinriao
niua, seus principios activos, como g ralmente o fazem os que preparam law Ciki>k
tos de quina, quo nos sao bem conbecidos ; e i grammas e 50 a-nugramma- <]<- jw
niiiua representam exactamente 1 gramma de quinina e 50 c^utigrarainos il* etaim-
chonina, o que serve de norma para ser administrado aquelle poderoso g*tile Ue-
rapeutico, conforroe reclamam os diversos padecimentos, com quasi certezi de cbiur am
o resultado desejado, principalmeute se sa traUir uma febre iiUermillcnte, de que q *-
nina e o antidoto.
Devendo no maior numero de casos o qainiutu ser emprega !o com< juaarn te-
constituinte, procuramos fornecer aos Srs. medicos um cornpi/sto, que sti-faaen namente suas vistas por aquellle lado, tivesse alem disso proprio lades atiai-pl cai, ohv>
oolhemos oanaleplio por excellenciaa Carne.alimento o mais aceiu>>-l pelv>ar-
gfios digestivos e o ma;s reparador quese conbece.
Nao sendo possivel obtor to Jos os principios nutritivos da carne em piepam'to &e-
llior, do que o mui conceitutdo extracto da carne de Liebegs, adoplamos uata rflMaa)
para preparar o nossoViulio de qiiiuiuua e extracto de cars*.- tyaa am
recommenda como o melhor composto para nutrir, fortificar e rjparar os"fju, qaa
do a economia se acba exbausta em consequencia de qualquer grave padceim-ntu, rxo
remedio infallivel ou autiduto para a cura das fobres de qualquer caracter, pi i \\ Inaa
eas endemicas dos lugares paludosos. *
Associamos em outro composto Vinho fc qtiiiiium, Icrro e *-xlri*t
de carneeste metal que sendo uoia das panes const.tutivas do saiigue, nu i.-iuhqb
easos a sua applicagao e urgentemente re. lama Ja, quando por uma causa q aloa
eleroen to da vida perdu sua riqueza, fazendo spparecer, principalmeute Baa & essas' graves molostias detiominadascliluroze, pallid as cores, anemia, alo-
res bcaacas, aueiaatruaedes diHlccis, etc. Esculbemos o mel: t l l-fm-
ginozospyrophospliato de ferro-para o nosso prep^rado com nlr >uaat, e
empregsmos optinto vinho do'Por to, que nos e foruecido dircctatnei.t p L ntsk
panbia do alto Douro, em ambjs os no:sos compostos.
Btio temosduvida de a^segurar, sem rcceio de c<>titestat~o, que os noss s *hi*< >-
vemser preferidos e continuirao o grande Sbccesso obtido nos In spitaes Ja Naoadi
Allemanha, onJe os prescrevem os clinicos mais notavcis. ~Esses vinbos rt-picv-iH* -*.
dosede 30 grammas 5 centigraramas de qulnitiin, ou 5 centigrammas dr iu*
e 30 grammas de carne.
A dose dos vinbos de quiniuin e extracto do earn; de I.kbcgs, simp: < i-u "i
ginoso e conio tnnico Um copo a licOr antes de qualquer roMfla. im u.-aaut
dose no tratamento de anemia, chlorose, mcattraao&es difiaeeis, etc. -<"-iu frhrl-
fu^oDe 2 a 4 pequenosc.-pos (d vinho de Bordeaux^ dc 4 cm V boras.
Como preservativoNos paizes onde grossam fubres, e mesmo ;>-:
nir o apparecimento des molestias hereditarias, e util tomai pela ruauba eutj^paiaai
copo de vinho.i Bordeaux, do vinho de qiiiaimu e extracto de curie L
begs.
Exigir nossa assiguatura na tarja posla sobre a rolha.
Uuico deposito na pharmacia e drogaria de Barthoiomeu & C.
N. 31.RUA LARf.A DO ROSAR1-N #4.0.
Chapeos para senhora.
A loja da Passo, a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu um rico sortimento de chapeos
aesna horas, pretos e de cores.
Corte
;3
decasimira a
e 6|000.
i
Acs racifltts
Na- loja do Pavao, vende-se cortes de ca-
semira para calga a \t, '6t e 6 muito finosde uma s6 cor com listras ao la-
do, fazenda qne sempre se veudeu a 9j> e
10000, liquida-se a G^OOO para acabar:
i rua dalmperatriz n, 60, de Feljx Pereira
da Silva.
A NOVA ESPERANCA, a rua Duo,ue (W
n. 63, acaba do receber um bora n f-
nas bonecas que fallam, que rier.i 11 ct- tambem as tem muda= e surdas ou -u. d.is-ciai*E
vuuham ver se nao a verdade.
"TtTTFT
lAJUJU k\tvj
Na rua do Vigario n. I**; vende-se
Cimento de Portland, em primeira ii.au.
Vinho do Porto, engatratado, Om.-.-im... o e*-
xas de duzia.
Dito dito f ra barris c ancoreta-.
Vinho Sherry, inglez em ciixas di- dudt
Vinho Collares em ancurc'.as.
Cera em velas, de Lisboa.
Cera em grume, idem.
Vendes- em surtes de 3 palm pau .at
os terrenos silos na eslrada io um>t*ti <, a owr-
gem do iio Cap'brri'je, pTteuceni".-
I Henrique Jorge : qutm prelude < jao engenheiro Antonio Peliciano Rodrmi
' a estrada de Joao ae Harm, casa u !* i Sr
Vicente Fenvir- da Porciuacula, na nm c*n At
rua in Imperador n. 83.
Entremeios estampados e bordados, de linden
tesenhos.
Escovas electricas para dentes, tem a propria-.
dade de evitar a carie dos denies.
Franjas de seda pretas e de cores, exute nm
grande sortimento de divercas larguras e barato
pre^o.
Fitas de saria. da g^rgnrao, de setim e de ciia- Como sao lindas e modernas as gravatinhas qne
ocalnt.e, de diversaa larguraa e bonitas cores. a Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, acaba
Fachas de gorgurao muito lindas. i de receber I
Fl. tm artificiaes. A Predilecta priraa em con-
ervar sempre um bello e grande sortimento des-
tas Sores, nao so para enfeite dos c.bellos, como
ambem para ornato de veslido de noivas.
Galoes de algodao, de la e de seda, brancos, pre-!
os ei de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
LaQos de cambraia e de seda de diversas cora
para senoora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
ooiva.
Livroa para ouvir missa, com capas de madre-
Eerola, marfim, Osso e velludo, tudo que ha dt
01II.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bellos ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marfim, dsso e dourados por barato preeo.
Periumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nio so em extractos, como em oleos
banbas dos melhores odores, dos mais afamados
fabrieantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Condray, Gosnel e Rimel ; sao indispenaaveia para
a festa.
Saias bordadas para, senhora, per commodo
pre?o.
Sapatinhos de la e de setim bordados .para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta nm bonitO'sorti-
mento de diversos tamarhos, tanto para, sofa co-
mo para entrada de salas.
Vestimentaa para, baptisado o qne ha de melhor
gosto- e os mais moderno recebeu a PredBecta
de or arr.to preco, para fica ae alcance
(raalqner bolsa. ,
Fara senhoras
Vende-se
na rua do Vigario n. 19, primeiro andar :
Vinho do Porto engarrafado, em barris e em
ancoretas.
Cera em velas, de Lisboa, superior qualidade.
Retroz .do Potfo.
Cimento Portland, legitimo________________
PARA LUTO
Vende-se ehitas inglezas pretas .com pintas a
900 rs. o'eovado, dita franceza moito fina, tanto lisas
eomo com pintas de 320 rs. para cinia; cantao
preto a 800 rs..e muito bno a 1,0<)0 rs ; bomba-
zinas, princezas e alpacas de todos os. precos,
lazinhas pretas lisas de 400 ate 500 rs.; assim
como nma grande pcrcao de retalhos tanto de
ehitas pretas como de las, qne se vendem per
precos baratissimos j lam bem nma. grande porcao
de cbales pretos de las a 1,000 rs. por estarem.uio
pouco russos : a rua da lmperatriz n. 60, de Fe-
lix Pereira da Silva.
Salame de lyon
A isoo a libra
So na A.-scaiblea do Commercio n. 22, rua dc
Commercio, Muira & Lima,_________________
W' MJ_-1}< ositiojuuto a igre-
ja de S. Jose do Mangu nho, com casa de vivenda
assobradada e outras acommodacoes, todo mui a-
do, com duas /rentes .-ervi dando para a rua di Anizade e para a do Man
guinho. Tem de terreno proprio 194 palmos de
largura e 354 de fundo ; e s casa m de 52 palrroi
de (rente e 84 de fundo. A situacao e a melhor, como"de cores, por baratos pre;os. i-r if:
possivel para morada, e quem quker edificar, tera ] gum pequeno defeito: a rua da Iinj aralr
bastante terreno para isto, pelo lado da rua da de Felix l' Amizade. Tem a'gumas planta^Ses de gozo e re-1 /y
creio, havendo basiante agua fornecida por duas VOlCiMlS TKXTCi OU-W'jA
cacimbas, nrna das quaes e nova. A entmder-se' Na)l)u do PavJo v,ni1fitfl c0|,.
cora o Sr. Dr. Witruvio qu-'m o pretender.
Cortes de cambri
cortf.s
rgo
Na loja do Pavao vende se
transparente com babadi
CHto>.:
UM i hraaear
at
Salsa parrilha
Muito novae grossa.
Vende-se por barato preco, em porcao ou a re-
talbo : na rua larga do Rosario n. 34.
Pentes giratfe.
Pentes grrafe, proprios para senhora, ( ultima
moda) : a Magnolia a rua Duqne de Cax as n. 45
e so quem tem.
Papai, mam^i.
Como sao lindas a*'bonecas de -cera que cha-
mam papai, mamai, choram, andam, etc. So na
Magnolia a rna Duqae de Caxias. n. 45.
Galolas, gaiolae.
A Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu galolas de arame de lindisshnos modelos,
proprias para naasaros ; a ellu antes qne se aca
para homem a bem.
A 500 rs.o covado
Ceroulas e camisas.
Na loja do Pavao, vende-se ceroulas fran-
cezas de todos os tamanbos
19600, e ditas de linho a 2j?00, ^500 e
39000.
Camisas brancas com,,peitos de algodio, iHa loja da Pavfiovende-ae laainhas, iaponeias
fazonda fina e por estarem jim aonco jen- de cores muito modernas pelo baratissiuw prego
xovalbadas a 204000 a duzia, ou a 19300 e rs- covado,para acabar ; nqtando-se que
cada uma, ditas com peito de esguifiade' i5'2*-2?! .IT". Te2d-i fJiS22i
Lnho a 39000 e 39500 cada uma, ditas n.fiQ,lojaao 'p^jo, pdt FeIiE &*, fl &,.
com peitos e punhos de cor a 39000 0 "
29500: 4 rua 4a lmperatriz n. 60, de.Fe-
lix Pereira da Silva.
Sitio e casa
ABHAIEH DO UU
A' pracja circular do Apollo
vende-se:
Tljolo de marmore, de drfferentel ta-
manhos equalidades.
Tijolas frencezes, sextuplos.
4 iitiento Portland verdadeiro.
Azulejoa grandesi muito proprios
para rodflpe"s. Rendas, blcos e grades de tcdas
Aztalejog verdes o omarellos, tamanho vende se no pateo do Ter^o n. 62.
^'aquina, de descarocar algodao. FlimOexpOlte best Birds Elje
Cadelran de frrro, assento de palhi-' Au*?'' N*bua & a Jendem furao,iDllex Para
nha, proprias para carapo. P VicSn/i0 BaUr ^^ m dfiarto da
AUTIGOSDE GOSTO
Aoatoav de cnegar a rua lkde Sarco n. W,
loja daa eollomnas, de Aatoaio CoTreia de Vas-
eMj^llos, o seguintf.:
Mddenias.ciianeiipas e cUip^oa para seabora,,
Lindas grenadines de cores para vestidos.
Superiores Us assetinadas, gostos Kodemos.
decabraia braneo, bordados, para
Vende-se um sitio com uma casa nova, tendo o
sitio 8G0 palmos de frente e. 1,1 lo de fundo, a casa
ediBeada com bons commodos e boa caetaba, na !
estrada nova de Beasribe, perto fla eneruzilhana, { Buapoes
0 que se toma commolo por ser 2o0 rs. para ir seahora.
na 1* ordem, no Iran da via ferrea ; acha-se des- { Grande variedade de frenteadares. muito bem
occupado : quem pretender, dirija se a rua larga enfeiudos, para senhora.
do Rosario n. 20. I Ricos vestidw feitos de alpasa, edfaitados com
1 7 ------------1-----n aeda e rendas de goipare.
AOS nerVOSOS I. Verdadeuas iuvasde Jootin,, brwicas, pretas e
A NOVA ESPBBAH&A-acaba de receber aqnel- de cdres'
les milagrosos anneiaelectricos, cura infallivel do*
nervosos.
Rendas da terra
as
arguras
E outras muitas fazendas ou artigos de meda.
E' com as noivas
A NOVA ESPEftANQA, rna Duque de Caxias n.
36, acabaide receber boa- melae de seda proprias
(para natoaa. e os apreciaveis ramo de larengeira
t bnQito
As alraofadas bordadas de la matisadas qae re-
cebeu a Nova Esperanea, a rua Duqas dt
Caxlajiud\
Espartilhos.
Na loja do Pavao, vende-se espartilhos
dos- mais modernos a 39500 e 49000 cada
um ; Maim come bonitos cintos com Iac_os
de setim a 5?000, e sedinhas lavradas com
toque de mofo a 19000 o covado
da lmperatriz n. 60, de Felix pereira da
Silva.__________________________________
Casemiras
Na loja do Pavao vende-se um grande sortimen-
to.de casemiras de cores e mescladas, tanto claras
como escoras, proprias para calc,a; paletots e co-
letes por pregos muito baratos, assim como no
mesmo estabelecimentos se manda fazer qualquer
obra tendente a alfaiate, com a maior prssteza
por preaes muito razoaveis : a rua da Impera-
triz n. 60, de Felix Pereira da Silva._________
Liquidaqao de roupa feita
Na loja do Pavao liquida-se uma grande por-
cao de roupa para homens e meninos,como sejam:
taigas de casemiras pretas e de cores, para todos
os pcefos equalidades; ditas da brim de An-
gola para differentes precos ; ditas de brim de
cores, pard os e brancos; paletots saccos, casacos
e frais de panno preto e de casemiras de cores
coietes de todas as qnalidas, por preoos bara-
tissimos:, assim como grande porcao de camisas
ceroulas por menos 3 Oio do sen valor s6 para
acabar : 4 rua da lmperatriz n. 60, de Felix Pe-
eira da ^trva.____________________________
E' economico.
Grasa grjceriaa prcpria para a eonservacao do
cordo.\e; vende a NOVA ESPERANQA, a rua Du-
qne de Caxias n. 63.
j brancos, para cama a 2,o00, ditas (' .* ^e ear
j a 4,000, cobertas de chita e de n.. ..- i.M*j
\ para cma e ditas de metim escarlat- bnaaa* tie*
madapolao a 5,000 : a rua da Im,-..i.. .;. i>,>,
de Felix Pereira de Sjlra. ____
Salsa-parrilha do PftvS
Tem para vender Antonio Luiz d>- 811 van Aa>
vedo, no sen escriptorio, a rna do Rtai fatal aa-
mero 57._________________________
Organdy
Organdy de assento braneo com fl >->d-U -
& rua sc^a fazen(^a ioteiraraeuie nov.i, p.' hatauMaVa
prejo de 400 rs. So na rua dj Crr- a. i
de Guilherme & C
9,000 covados
DE
Alpacas de cores lisas, de (lores, d< listras ova
barras, a 320, 360,400, 440, 500 e ft ) nv e< a
do. R' fazenda Qna e de padrdes lindos, .
barata vale IpOQO o eavado. E' grau '-pt'cltic- u
so a rua do Crespo n. 20 loja de oa'aflnaf 4 -
CORTES DE COLLhTE
Cortes de colletes de gorgorio de >da preta a
2$000, o corte; e pechincha, na rua do Cr~>soa
20, loja de Guilherme & C
Madapolao
Madapolao franeez larg > a HfpOO r--ra *
jardas, 6 fazenda de 6sio90: na rua Uo K?taa>:
n. 20, loja de Gailherme c\ C.
VENDE-SE
a tavnna siu a rua do Barao da Victoria n. 64,
muito a/regue.zada : a tratar na rua ettreita do
'noaarro u. |0.
Cora dos eslreilamento d'aretra
pela facil applica^io das
SONDAS OUVAES
DE
GOHMA ELAST1GA
As mail modernas e aperfeicoadas de todas
as conbecidas
YwidcHHe
NA
PHARMAQA E DROGARIA
DE
Bartholomeu & C.
3i- Rua larga do Rosario 34
Grande liquidacao.
de miadetaa e chapeos: no novo Bazar, rua do
Marque; do Olinda a. 63.
Meri
no
Merino azul fino de dnas largura- a l^odvt aa-
?ado e fazenda da 4.
loja do Guilherme & C.
Aos Srs. deengenhos
Chila com 4-palmos de largura, Uz<:oda awaaV
superior, a 260 rs. o covado, proprias para wen-
tot: sd a rna do Crespo n. 20, Joja da
lherme d C
Camisas.
Camisas francezas brancas de algodao Ccj
frizodecor a24600nma, em 4u*ia a WW
epectnnoha: naraa do Crespon. 4" pJ4'0a
lherme k C__________________ _________
Na loja do Pavao vende-se mad .< rrar*-
sea mrirto rncorpados, com jar t. -. 0 00 **.
dito mo* Sao com 12 jardas a 3.0 '' v a
sim como um grande sortioivut"
mglezes de 4,500 ate 8,dOO e 9fiO0 : lav
peiatritn.60. de Felix Pereira d.i ___
Grande novidade t m 'f'quea
Josd Ferrefra da Silva, successor <*! aV
ves, a rna 1'rimriro de Marc^ a. ifl. t .am-
ceber am bonito sortimento de lequ <>0t*n*aM
mais go.-to era Paris.
()hap6os pechincha ,>ai>
nhora
Vende-se chapeos modernos par.
to Je prara, por 3f ; crgaudis d
a 320 rs.: aa rua do Pisseio b. 0>j


r
}


JL
8
Jiario de Pernammioo Ter^a teira 3 de Novembro de 1874.
JDBISPRDDEHCIA
Becimeolo de custas.
II
A nova tabella para indemnisagdo dos
servicas e gastos ju Iiciarios ndo salisfaz a
aspirardo popular, por isso que o pivo ve
nos ageutes da jusltga detega los do pa z,
q ae ndo devem ser pagis polss paries, o quo
ao mesmo tempo e ardentemente deseja uma
justice facil, principio anligo qua na de/e
dear em descredito, mas precisa de incre-
mento $ a nova tabella comtulo, embjr<
si harmonise, pjr emquanto, com a neces
sid.i le confes.-ada da epoca e cjm as exi-
genmas da actual ordem docm-ns, consa
gra outras inn ivagdesbrilhantes e especiaes,
que parecsm ser de vantag m real.
0 p ineipio gratuiti 6 realmento uma adiantada idea dd
pragressoe do civilisHQSo, e tern si Jo sus
teutado era alguns paizes da Europa, e ja
Urabera entre nos por abalisadjs juris :on-
sultos, com graade vantage.!).
Mas e fore, a confessaf quo ainda este
p*iz ndo estd no pe de ter inn justica
gr.iluila.como paga feita aos contribuintes
do tbes >uro national.
Ne u o alviire da creagao de um imposto
ju'liciario po lia trazer esse resultado, e
Hies no seiia mal recebido pelo paiz, e ndo
proluziria as vantagens almejadas.
K quan lo o paiz h'h pode pagar, ao me
cos in capital do imperio, um advogado
pifblico, que defends o d reito quo o pobre
tem ds garantias do liberdade e deseguran-
ga in lividual, como e que ha de reahsar
aqu.-ll.i conquista da sciencia maderna ?
Essa bella idea preaccupa os espiritos
cullivados e esquecida no novo regimento
re-tponda d ospectativa, porquanto, em vez
de re lueg-do, teraos ate" um grande accrasci
mo d" custas
Era bem possivel ensaiar a aboligdo das
custas ua parte criminal.
Leis anteriores tem revogalo algumas
penas que erara impnstas ao ven'cido : a di
.mm:a da chancellaria, o imposto dos 2
*[., etc.
A alta das castas nao faz tdo grande mal
nesti capital co no nas pequenas Q longin-
quas localidades, onde a vida e mais diffi-
cile os interesses dotrabalbo maismingua
dos, onde faltam osrecursos, e a hscalisagdn
doj a tos poderes do paiz ndo 6" tdo promp-
ts e eificaz.
Embira se pretenda que ahi sao mais ra
ros os procossos criminaes e as demandas,
e que os empregados da jusiigt ndo tem
muitos lucres e interesses repetidos, parece
liquidoque, ra-smo assim, bouve muita li-
':. -r hi iaie nas taxas, til que pode gravar
muito a sorte dos habitantes do centre, mais
abaudouados e desattondidos dos que cs das
grandes cidades.
Kssa elevagao da tabella das custas e tam-
bem nociva ao elemento municipal, por-
que nos processos coraegado* em nome da
justiQi, e naquolles em quo el I a continua
por hrca da oi, havendo condemnagdo dos
cofres das camaras municipaes nas custas
embora s6 piguem a meiade, equivale esta
parte das actuaes custas ao todo das custas
oiarcadas no regimento de 1855, o que e
um onus muito pesado lang-ado sobre o
poto
Ora, e- geralmente conhecida o deplorada
a exiguidade das rendas das camaras muni-
cipaes, quo nao cbegarn para as suas obras
publicas, para o concerto e conservagdo das
vias decoraraunicagdo, das fontes e outros
|melboramentos.
0 oue significa para a prosperidade e
desenvolvimento do elemento municipal,
de modo que possa attingir seu fim de bera
estaro felicidade popular, essa grande ele-
Tagao do custas, subsistiudo a obriga^ao do
pagamento deltas pelis cameras munici-
paes ?
Seria mais acertado se ellas (ossem allivia-
jas desse onus, que s6 deve pesar sobre o
thpsouro publico.
E nao e indiscri^ao ou imprudeinia
affirmar que era opportuno realiasr essa re-
forma.
Assim, o novo regimento conserva a dis-
posigao do art. 51 do regimento de 1855,
disp'iido no art. oi que, quaudo a muni-
lipali lade for cond.-inn.ida nas custas, pa-
gard somente a raetade dos emolumentos
taxaios, e osj';izes, escrivaes e mais era-
prega los a quem oompetirem. perderao a
outra motado : e accrescenta que, nas cau-
sas em que os promotores decahire n, a
camara municipal serd obrigada somente ds
custas desde o p into em que os mesmos
promotores tomarem a accusacao, o que
alids era subtendido, e sempre se tem se-
Suido.
Porem o novo regimento nao providen-
cnu e resolveu uma queslao importante
qie se levanla, principal men te pel a integra
do seu art. 54. A municipalidade, con-
demnada nas custas, paga somente a neta-
de dos emolumentos taxados aos juizes, es-
critaes e mais empregalos, ou tatnbera pa-
ga metade aos hononrios dos advogados e
dns salarios dos solicitadores e dos outros
emolumentos e gastos que a parte Gzer ?
Esse systema de so pagar a metade,
quandoo trabalhose fiz, e a parte despende
Bern demora.e desconto, parece contrario
aos principios da moral e dodireito.
Outra questdo aio menos importinte,
nao tem solugdo pelo novo regimento de
custas, eera urgente tel-a, e.a visti de dis-
posed ss da nova refor -ta judicaria No
:aso de inquerito policial, ex oflicio, em
que se admittem defeza, testemunhas de de-
feza, e que a parte seja aoompanhada de
advogado para con'radict.ir econtestar tes-
temunhas, se esse inquerito e julgado im-
proredenfci e ap;nas se man la archivar,
deve a camara municipal pagar custas,
ou hade a parte que hi iucommodada e
pi-rseguiJa perder totalmente o que dis-
pendeu ?
Ainda outra qunstdo nao menos grave
clama, pela commissao do novo regimento,
[lie nao a cousiderou como devia. As
ustas devidas pelos re is pobres que segun-
lio art. 90 da lei u. 261 de 3 de dezera-
bro de 18*1, e art. 468 do regulam-mlo
n. 120 de31 de Janeiro de 1842, perce-
bem os escnvaes do cofro di municipalida-
de, recebendo s6 raetid--, continuara a ser
pagas pela edilidade, ou o artigo 54 do
novo regimento rovogou ns artigos citados ?
Este art. 54 mamem que as camaras mu-
nicipaes so- pagan custas qua*ndo nellas fj-
rem condemnadas, como se eutendeu, e
nuitas vezes seguio-se com a disposigao do
art. 51 do regimento de 1855, levantando-
se continuadas duvidas, e provocando se
consultas ao" poder executivo 1
Temos presontes muitas decisdes do go-
verno imperial, consagrando que as camaras
municipaes nao eram obrigadas a pagar
cust is dos processos de averiguacoes poli-
etaes. Mas, iuqueritos policiaes os nao se
equiparam a essas indagac.6es da antiga le-
gislajao, o d'ahi vem a duvidase as cama-
ras municipaes devem pagar as custas des-
ses inquentos.
0 novo regimento nao altera sjmente as
custas judiciaes, como se deduz do decreto
de 2 de seiembro u timo, revoga em sua
quasi totalidade aquelle regimento de 1855.
Entro as innovacdes que faz, vemos que
extingue u arbitrament que cabia aos ad-
vogados para baverem os seus honororios ;
mamem o executivo Sfgundo as taxas que
estabelece, ou pela importancia certa e h-
qui la dos contratos, quo podera fazer com
os cjiistuuintes por escriptj particular, de
qualquer valor, assignado pelo advogado e
pelo clisntd ; e dispoo que a folia de coutrato
sujeita os advogados ds taxas indicadas.
Foi assira revogado o art. 185 do reg-
mento de 1855, que p> nnittia aos advoga-
dos, que se ndo conformassem com as taxas
raarcad.is para os seus trabalhos, requorer
arbitramento por raeio de louvados marca-
dos por ambas as partes.
I'.'-^m assim muitos abusos reprebensi-
veis ; ticam advogados melhor garantidos ;
e as partes htigantes libertas J desses odiosos
arbitramentos, nos quaes conjuravam o es-
pirito de classe e o interesse proprio contra
a razao e ajustiga.
Desapparecera os mans effeitos desse ar-
bitramento, que na maioria dos casos era
uma vsrdadeira violencia ao direito.
SCIEHCIA E AWES
Instituto medico Peruambu-
cano.
RF.LAT0RI0 APRESENTA00 EJl SESSlO DE 21 DE
Ot'TL'BRO PElA COMMISSAO DE REOACgAO E
LIDO NA SESSlO SOLEMXE DE INAUGURAgAO
NO D.'A 25 DE OUTUBRO DF. 1874, PELO
SR. DR. MALAQU1AS ANTONIO GONgALVES,
RELATOR DA MES.MA COMMISSAO.
(Continuagdo.)
Se tocamos neste ponto 6 porqtn elle in-
flue poJerosaraente sobre o progresso da
sciencia e sobro o modo porque Oexercida
a prolissao medica.
0 alvo do medico nao deve se estender
clieiitela com sacrificio de seus estudos, e
sim curar os doentos, e quanpo isso ndo for
possivel allivia-los de tuas dore; e tie seus
sjlfrimentos, e aidda oa impossibilidade dis-
so consola-los. I'ara o exercicio conscen-
cioso la medlcina e necessario que aquelle
que a everce so colloque em condic/ies do
inJepeudencia, pra ndo se sujeitar uem a
prejuisor, e muito menos d coprichos sem-
pre prejudiciaes aos doentes e ao credito da
sciencia.
Agora, senhores, devemos dizer-vos o que
fez o Instituto durante o tempo que jd tem
vivido e assim teretnw terminado a nossa
tarefa.
0 Instituto Medico Parnarabucano ndo
ficou inactivo dnraflte < sua vida embryo
naria o procurou ndo sd constituir-se de
um modo soli lo e permanente, confeccio-
nan lo e discutindo os seus estatutos e regu-
lamento interuo, como questoos importan-
tes c"lamaram a sua tribuna alguns de seus
membros.
A primeira questdo que mereceu a at-
teiiQdo do Instituto foi Qual o valor semeio
logico da th-i. inoini-tria -A preferencia do
Instituto por uma questdo co no esta, 6 nSo
s6 perfeitamente justilics la, como mostra
bem quo elle prefere as questoes de uma
immediata applicacdo pra ica ds de mera es
peculacdo s lent lica. -Isio nao quer dizer
que o Instituto despreza a tbeoria, para se
entregar a uma pratica cega e rontineira ;
ndo, elle aceita e deseja a theona com a
uuica e solida base de uma so pratica.
Dous membros do Instituto se occuparam
desta questdo, e ambos muito merecem
pelo modo brilhanle porqufeo fizeram.
0 primeiro, o no3so distiricto collega, e
Sr. Dr. Ermirio Coutinho, em duas longas
conferencias com mothodo, clareza e preci-
sao ndo sd bistoriou a descoberta e appli-
cacdodo therm -metro aos estudos da tempe
ratura do bomem >Ao ou do-nte, como de
um mo'lo eloquente demonstrou a impor-
tancia deses estudos. 0 orador, com a
quasi-totalidade dos autores modern< s,
considora a tomperatura, vigorosamonte ob-
servada pelo thermometro como o elemento
o mais essenci.il e o mais -importante d > es-
tado febnl, e um guia segur t para o diag-
nostico, prognostic) i tr tias, quermedicas, quer cirurgicas. Camo
deducgao logica desse seu modo de pensar, o
orador entende^qne a observaQdo thennome-
trica da teniperatura dos doentes 6 no esta lo
actualde sciencia medica uma obrigac,ao, a
que o medico ndo se de^e furtar, sob pena de
errar muita vezes alii onde ndo erraria se
tivesse ocuidado deestudar a marcha da
temperatura ; o thermometro e. poU, hoje
um instrumento iodispensavel ao clinico.
Pars demonstrar de um modo pntico a
importancia do estudo da temperatura ob-
sarvada pelo thermometro nas molestias para
o diagnostico, proguostico e tratameuto das
mesmas, o collega passa em revista a mar-
cha da temperatura em divers s especies
morbidas e mos'ra que muitas vezes a ob
servacAo cuidadosa da temperatura 6* por
si so um signal suiOciente para o diagnosti-
co de uma molestia e mais que isso e algu-
mas vezes o uuico dado que pode tor o cli-
nico para poder fazer um diagnostico diffe-
rencial, principalmente uocomec, i, quando
a molestia nioestd amdabem caraclensada.
Estuda a marcha da temperatura nas di-
versas intlammatorias, quer do apparelno
respiratorio e circulatorio.quor dos centros
nervosos, e se deraora pnacipalmente na
pneumonia, na pleuriz, quer simples, quer
com derramamen o, brauchile capillar, me-
ningite, encephalitp, e pericardite. Estu-ta
igualmente a temperatura nas diversas to
bres, chamadas essenciaes, e nas febres
seruptiva, e por essa oceasido mostra- a
grande importancia cliuica do estado da
temperatura principalmente na febre typhoi-
de, quer sob o ponto de visti do diagnosti-
co e prognostico, quer sob o ponto de vista
das indicates th rap* uticas. A febre inter-
mit te nte, a febre amarella, o cbolera-mor-
bus, a variola, o sarampdo, e a escarlatina
nao Ihe merecem menos importancia, e em
todos esses estudos estabelece lets de grande
valorpratico edediaria applicacdo clinica
Mostra a grande importancia do estudo da
temperatura para o diagnostico differenciil
entro a uremia e a eclampsia, e instate so-
bre esse ponto. 0 orador ndo limita o seu
estudo as molestias melicas, e passaa estu
dar ds cirurgicas, e por essa oceasido mos-
tra que a observaQdo thermometrica nos
grandes traumatismos faz evitar muitas
vezes deserem praticadas operagoes cirur
gicas inuieis, que ndo aproveitando ao
doente. por ser a morte infallivel, seviriara
apenas para augmentar-iho os soffrimentso
com o descredito da arte.
Eis em pallido resumoos principaes pon-
tos sobre que mais se demorou em suas
eloquentes dissertagoes o nosso intelligen-
te collega, que se mostrou senhor da tri-
buna pel facilidade, com que expSe a sua
autorisada opinido.
Depois do nosso sympathco collega o Sr.
Dr. Ermirio Coutinho, subio d tribuna do ins-
tituto, o distincto Or. Santa Rosa, que occu-
pou a attengdo da associacAo durante tres
longas conferencias snbre o tnesrao assunp-
to de que se occupara o orador precedente,
e manifestou-se eratu do Sectario das mesmas
doutrinas.
0 modesto orador demorou-se em de-
monstrar a importancia do estudo da tem-
FOLHETIM
JOANNA
UM JOGO DE PA1XDES.
C-eorge Sand.
jRAoucgao deIJx. x. x.)
PARTE QUINTA
I
(Continuacao do. n. 249).
i Ndo, nada se deve queimar, disse
Joao Bielsa. Ndo con vem inutilisar o unico
laco que prende Joanninha a seu pai; isso
constitue um direito para essa menina, e
dia ha de vir em que, s a-sim o Gzessemos,
eila nos criminard por .tel-a privado de taes
documentos. Coovenho em que esse di-
reito 6 apenas moral, mas ds vezes valera
bem os direitos escriptos e legaes. De-me
todes ossas cartas, Sr.* marqueza ; repondo
pela tnioba honra era oomo as guadarei
bem.
Funny entregou a meu marido o pa-
cote de caitas que trazia comsigo, e meu
man.] i guardou-o oo bolso do seu casaco.
Foi esta uma inspiracdo do ceo, porque,
subindo aiguem pela escada do nosso apo-
fento, e iudo Bielsa abrir a porta por sup-
por que aiguem viuba ehamal-o do arma-
cem, so teve tempo de voitar-se para n6s
/.ora um gesto energico, que acompanhou
com as seguintes palavras, dtias em voz
tiara ealegre:
< Ab 1 ndo podia vir mais a proposi-
ng Sr. marquez 1 Ja escrever-lhe, e agora
mesmo fallavamos no senhor... Entre,
totre, seja bem vindo, Sr. marquez!
Elle afastou-se para ura lado afim de
deixar entrar o marquez de Mauville, que
appareceu .i porta, pallido e com os denies
cerrados.
c Joanna, ao vel-o, recostou se na pol-
trona e fechou os olhos para ndo encontrar
os delle.
Ndo, disse marquez, o bera ve
que nao vim a proposito.
Perddo, Sr. marquez, disse teu pai
com a sua joialidade intrepida. A sor-
preza.... e que.... nos diziamos precisa-
samente : Se o marquez chegasse agora,
ndo so ellle, mas tambera a Sr.a marqueza,
ficariam satisfeitos ambos.E, sem deixar
que outrem tomasse a palavra, accrescen-
tou :0 Sr. teve tantas inquietacoes I ndo
e verdade ? Sem duvida suppdz uma gran-
de desgraga 1 Gragas a Deus, porem, ndo
passou de um desgosto e de uma doudice.
A marqueza diz que sua mai ndo gosta del-
la. Isto e possivel, e tem sido visto muita
vez ; mas ndo e razdo para que ninguem se
mate. Ella pensou em Deus, e voltou a
si, fugio, e veio ter com minha mulber ; e
ja la vdo oito dias que nos a atormentamos
para que volte para a casa acompanbada
por nos, ou para que nos perraitta escrever-
lhe. Ella, porem, ndo o queria. Que quer I
tinba a cabeca exaltada I
0 Sr. devia ter escripto a respeito d.s-
so, disse o marquez, a quem Bielsa inter-
rorapeu com vivacidade, dizendo :
Sim, Sr., deviamos tel-o feito ; mas
ella ameacou-nos de fugir novamente e ir
occullar-se n'outra parte. Mioha mulher
julgou entao que era melhor obter a cousa
pela persuasdo, ejustamente ella acabava
de ceder quando oSr.'entrou.
E' verdade Sr.1, perguntou o mar-
quez a sua mulher, que a Sr.a consentia
em-.voltar. para casa?
a -- Sim, Sr., e verdade ; respondeu
peratura morbida, e historiando esse estudo,
disse-nos que o maior observador, Hypo
crates, dera-lbe graude importancia consi-
deran-lo a ele>agSo da temperatura, como o
acto fundamental do estado fobril, que Ga-
lenoseguira-lbe as pegalas, e que so o gran-
de Boesbare, e outras abandonaram essas
ideas, 0 testeraunho unanime dos trabalhos
modornos veto dar iuteira e completa razdo
aos antigos. Ndo exist; febre, di-se-nos for-
I raalnonte o collega, quango a temperatura se
acha no estado normal, ao passo que a fre-
quencia do pulso p6Je atiingir os ultimas
limites sem quo baja movimonto febnl.
Historiou longamento a des;oberta do ther-
mometro o le sua applicacdo para a apre-
ciaijdo da temperatura annual, e nessa par-
te do sua imporiaute coaferencia e com os
vultos eminent s do Swaramesdan, Sancto-
rius, Biesbare, Ven Sw^ten, De tl>en, quo
tolos coaorreram co n grande contiiigonto
para a ihermo netria cl nica. Nestes ultimos
tempos, quer na Franca, quer na Inglater-
ra, quer ua Ulemauua, graude) vultos da
sciencia se torn omregada com ardor ao es-
tudo da tbermometria, e granles sdo as
v.mtagens quo a sciencia teai lira hi
dess-s estudos. Ha ranija foi Biwillaul,
quo pri ueiro teve a gloria do despurtar a
altenyao Ijs praticos pira lao importdute
asumpto ; seguiram Iba os passos Piorry.
An Ira, Gavarrut. Iloiiry It-.ger, Claude
Bernard, \larey, Cbarcot, opilbman, Picard,
Jacc aid o mait is outras.
Na In^laterra d'oatre outros mere.:e a at-
leni;d > uo c illega os trabalbos de Sydney
Ringar. Nd \liemauba ciloa os nom-is res-
peitavois -In Traube, Barenspruax, Wuador
licUe oatros, que granles progresses roc-
lisara a em therraoineiria. 0 nosso colle
ga nao se esqueceu igual nente do mencio-
n.ir os trabaibos imporianies do Dr Alva-
renga, que sdo em Portugal o echo brilhan-
le d is pnigrossos realisados nos pa zes que
marcliam ua vanguardi da sciencia.
Depots de bbloriar longa>oenteos progres-
ses re.ihsados era ihermometria nos tem-
pos mo lei nos, o l)r. Santa Hosa desenvol-
veu a tneoria do calor animal e uassou im-
oediataiuente a considerar a temperatura
nas molestias.
Ua molestias em qu. a temperatura se ele-
va, ha outras em que pelo contrario el-
la baira, e outras em que se.conserva nor-
mal, pelo que a medico na i po consi lerar era estado- de saudo o individuo
que conserva sua temperatura normal, po
rem p6le consi lerar como doente todo
aquoile que aproseitt r uma temperatura
aenna de 38." e abaixo de 3t> centigra-
dos.
Passaolo a esludar a lemperatura nas di-
vers is rudividuali lades morbidas o oosso
talentoso collega, demorou-se longaraente
Sobre a febre- typhoide- m deslia em que
apreciou detidamente a marcha regular, e
unifirme da tomperatura, e principio as-
cendente, depois estaciouario o depois de-
cresi-eute, e desse estudo deduzio leis impor-
tantes para o diagnostico e p-ognostico dessa
insiiiosa m.d.-slia. Depois passou a estu-
dar a temperatura nas febres eruptivas, fe
bre amarella, typho, pneumonia, como o
typo das molestias inftammatorias, na me-
ningito, quer simples quer tuberculos.', fe-
bre traumatica, f bre puerperal, etc. ; de
pots mosiroi.i as differenc.as, que se notam
na temperatura das criancas e dos vclbos
nas molestias estudadas.
0 collega ndo desprezou o estudo da
temperatura nas molestias cdronieas o de-
morou-e no estudo da pbtysica pulmonar.
Depois desses estudos passou a considerar
ascondi^oeso as molestias que deterraioaai
abaixamento de temperatura.
0 collega ainda occupou-se com o estudo
das relagoes mantidas entre a temperatura e
outros elemeutos morbi los do estado fobril,
e em particular com o pulso, o o estado das
ourinas e entao termioou duas longas e bri-
Ihaines prelecgdes, que foram ouv;das com,
toda a altencdo pelos membros do Insti
tuto.
Depois do illustrado collega Dr. Santa
Rosa, nao havendo mais quem so inscreves-
se para fallar sobre o assumpto foi el e jad-
gado sulQcientemente uiscutido, em virtude
do quo foi encerrada a dis.:ussao
Quaes as coudicoes e contra-inaicagoes do
esmagido'- de Cbassaignac, e qual em par-
Uicular o seu valor como bemostt'ico ? Eis
o segun lo ponto do que se occupou o Ins-
tituto, que ainda uma vez mostrou sabedo-
ria em sua preferencia.
bobre esse ponto de cirurgia pratica dis-
sertou era duas conferencias o nosso presti-
raoso consociooSr. Dr. R-ymundo Vianna,
cuja ausencia neste momenta lamentanos.
Nellas o nosso collega historiou a d*scober-
ta do instrumento, que segun lo sua opinido,
pertence t-xclu-i-amento a Cbassaignac, in
dicou as modilica^des qm elle tem solTrido
posteriormente, raostrando serem todas ellas
Fanny, a quem eu tinha reanimado e que
comprehendera que negando perdia-uos
juntaraente comsigo ; e logo em seguida,
erguendo-se, accrescentou :Estou promp-
la a acompanhal o.
A Sr.* esld em estado de partir jd?
perguntou elle em ar de duvida.
E porque ndo estaria ? perguntou
meu marido, accrescentando : A Sr.a mar-
queza teve um grande desgosto e chorou
muito e todos os dias, mas, gracas a -Deus
e aos bons cuidados de minha mulher, ndo
esteve doente. Ahl oSr. exam ma nossa po-
bre morada ? Ndo tem nada de bella, mas
6 Timpa, e dentro em breve estard mais
mobiliada ; so tinhamos um Qlho, e breve
teremos dous
Bielsa, assim fallando, acompanhavi
os olhares penetrantes do Sr. de Mauville,
que se tinhara Gxado no berc,o destinado ao
meu segundo filuo. Depois elle dirigio sua
atten^do para mim e vio que meu marido
ndo mentira, porque, se Fanny conseguira
occultsr sua situa^do, era-mo impossivel
occultar a minha.
Pareceu acalmar-se, e em ar de falsa
banbomia disse que ndo era necessario se-
parar tdo bruscamente a marqueza de seus
amigos devotados. Depois dirigindo-se d
j Bielsa, ajuntou : -Quero fallar-lhe.
> Sahiram juntos, e o marquez, amar-
rotando um papel que tinha nas mdos, deu-o
A Bielsa, perguntando-lhe era ton impe-
rioso :
a Onde estd a crian.,,i:
Bielsa vio queo papelera uma cirtade
sir Ricbard, que o marquez sorprehendera;
e, comprehenden Jo que era impossivel que-
rer enganal-o a tolos os respeitos, respon-
deu :
a Acrianca morreu ao nascer.
Quo declaracAo se fez ?
A de pais incognitos.
inaceitaveis por tornarem o instrumento in-
ferior ao primitivo ; ialicou as qualidades
dos tecidos seccicnadvs pelo esmagador,
instrumento que os.naga e serra ao mesmo
tempo, de forma a constituir sobre a ferida
uma camada protector.!; indicou o raeca-
aismo porque sdo prevenidas as hemmorrha-
gias nas operacoes praticadas com o esma-
ga lor ; pa-sou depois a referir as grandes
vantagens do mettndj operatorio de Cbas-
saignac, que sao menor iuflararaacAo e sup
pur.n;a.i, auieucia de hemmorrhagins, quer
primitivas, quer secun larias, ausencia de
erysipela, e do infeccAa purulenla, vantagens
previstas a priori, e verifioadas na pratica ;
disse quaes sdo as condieoes que deve pre-
encber um esmagalor, para que possa me-
recer confianga, e quaes as regras que deve
observar o operador para conseguir todai as
vantagens do metbodo, e concluio mostran-
do quaes ai operaQdes em que deve ser o
e>magador do prefarencia d qualquer outro
melbodo. Em uma palavra o distincto ora-
dor mosjrou-se sectario conveucido da me-
mo lo do professor Cbassaignac, cuja excel-
loncia dein nstrou de u n modo claro.
0 nosso collega na domoaslracd > de suas
pr iposiijOes, referio-se muitas vezes a ope-
racoes por elle praticadas e observadas p >r
diversos collegas, entre ellas referio se par-
ticularraente d uma amputa^do do penis
praticada em um velbu- francez, marador
na rua Nova, que solTria de ura sarcinoma,
e no qual derain-e he-norrhigias secun la-
rias quia principio n.i> sabia a que attn-
tmir, porem, cuja causa alle posteriormente
descobrio residir nos elos da ca leia, que
eram impares e ndo pares como devem
ser.
Dep is das eloquentes conferencias feitas
pelo Dr Ray uun lo Vianna, eoubq a pala
vra ajbumil le socio, que neste momenta
occupaa v issa attenc&o; qua coihtraste de
p tis do Sol quo allumia, o o talento que e-
clarece, as liov.is, oa intelligeacia mesqui-
aba, que nao poleiu dar luz, e so rece-
be la.
f.ontudo, Srs., e forjoso refenr-nos o que
entao disse o Dr. Malaqaias em tres confe-
rencias perante o Instituto, p irque so ellas
ndo trouxeratD como estamos eertos, luz a
discussao da importante materia, ao menos
[I'Ovaui a sua boa voutade e seu amor a
Institui^ao.
0 ultimo dos membros do Instituto em
ttluslracAo e taleulos corae^ou as suas con-
ferencias, sobre as iudic co-^s e coatra-iudi-
caijdei do esrnagador de Cbassaignac descre-
vendo o ins ruraenla c u mecanisrao porque
eUe secciona os teci los es.nagan lo-os e
serrando-os ao mesmo tempo, de forma a
constituir sobre a ferida resultante da ope-
racdo uma camada protect >ra forraadi por
ura tecido especial, compararel a i tecido do
feltro ; disse que a gloria da descoberta d<>
esmagtdor pertence toda exclusivamente ao
professor Cbassaignac, gloria que nao con-
seguio destruir a inveja de Maisouneuve,
servida pelo seu grande talento: disse mais
que todos as moditicacoes feitas no instru-
mento de Chassaiguac o prejudicam, longe
deo melhorarem ;.,descreve as inodilicaijo- s
feitas por Maisonneuve e por Charriere, ediz
em que ellas sdo defeituosas ; diz que gramles
sdo as vant8gens observadas nas operacoes
praticadas com o esrnagador de Cbassaignac,
vantagens, .-litre as quaes enumera : menor
inllamaeao e suppura^do, cicatrisai;ao mais
rapida, infiltraroes purulentas prevenidas, as
dores consecutivas menores^ as hemorrha-
gias, quer primitivas, quer secundarias,
preveni las do um modo quasi certo, infec-
c,do purulenta, e outros accidentes cirurgi-
cos semelhantes. taes como erysipela, po-
driddo de hospital, igualmente prevenidas,
vantagens todas devidas ao modo porque
sdo seccionados os tecidos, o d camada pro-
tectora, que impede a ac$do, tdo prejudi-
cial, do ar.
Depois disso passa a enumerar as opera-
coes que devem ser praticadas com o esmaga
dor de Cbassaignac, entre as quaes re fere as
soguintes: araputacdo da lingua;ab!agdo dos
tumores hemmorrhoidarios ; tratamento da
queda do recto; ablacdo dos polypos do
mesmo orgdo; tratamento da fistula do
anus ; extirpagdo do cancro do recto; ablacdo
dos p"lypos uterinos; amputafjao docollo do
utero; ainputacdo do penis; curaradicaldova-
ricocele, amputagao dosacole; operagdo da
circuracisdo ; extirp.icdo dos turaores erectir
e ablaraode alguns turaores sub-cutaneos: e
sobre cada uma dessas operates faz
consideragdes mostrando as vantagens do
esraagamento linear, referindo casos de sua
clinica, quer civil, qurr nosocomial.
Depois disso o orador passa a fazer o pa-
ralello entro o esmagamento linear o os mo-
thodos rivaes: descreve ligeiramente cada
um delles e mais minuciosamente a galva-
no caustica, que considera como o metbodo
capaz de disputar as vantagens do esmaga-
mento linpar. mais que ndo consegue levar
Quem furtou a marqueza ? Quem
a troxe para aqu> ?
Eu.
Para reunil-a a seu amante ?
Oh I nao de certo ; s6 para salvar a
Lsua e a houra delle.
a Moreno, disse o marquez tirando
da algibeira a carteira, sempre me serviste
bem, e eu estimava-te. Acabas de prestar-
rae um servico muito roaior. Posso con-
tar com o teu silencio e com o de tua mu-
lher T
Bielsa respondeu :
a Gosto muito do dinheiro ganho
com otrabalbo, mas ndo aquelle que cons-
titue uma mancha de despreso. Se o Sr.
ndo tem confianca na minha discrigdo, e
porque nunca me estimou. Neste caso ndo
tem razdo em querer pagar-me, porque nin-
guem pode contar com quem aceita taes
condic.6 -s. Deraais ndo me cumpre aceitar
imposigoes, e a mim cabe dictal-as. Cal-
ls r-me-hei, pois, com a condigdo de que o
Sr. bajde perdoar a sua mulher e ha de
tratal-a com dog ura.
a A esta bora, disse o marquez com
urn sorriso singular que ndo escapou d
Bielsa, jd posso esque cer o passa do, com
taut.) que a marqueza aceite o presente.....
Entraram.
Na sua ausencia, Fanny, entregue ao
desespero, tinhs-se exaltado muito. Eu
ndo pude ucalraal-a sendo dizendo Ihe que
ella poderia fugir raaistarde, tomando mais
o melhores precaugdes.
Sr.", disse o marquez ao oatrar, tu-
do estd esclarecido e concertado. E'-lhe
penoso morar com minba mdi, tomaroraos
casad parte ; deraais Mauville sd Iherecor-
daria cousas tristes. Um de QOSS0S amigos
ccaba de morrer alii de morte violenta, Sir
Richard Brudael, u compatriuta, queren-
vautagem ao esmagamento linear, por too-
tios, que expOa -e assim termiua a* suas
conferencias.
0 Instituto julga a Materia sufflcien.emen-
te discutida pela que e ella encerrada. *
Ale'm dos dous pantos scientificos qot
prenderam a atlengdo dos membros do Insti-
tuto durante muitas sessdes. o nosso illustra-
do o modesto collega o Sr. Dr. Estevdo Ca-
valcanti forneceu uma observagio clinica,
colhida por S. S. em uma das enfenoarias
do hospital de marinha, observagdo que cba-
mou d tribuna do Instituto grande numero
de seus membros
Na observagdo trata-sode um doente que
reco hido ao hospital para cu arse de uma
blennarrhagia. cornplicada de pbimosia,
que bo a desses incommodos depois do uso
do raeios apropnados e de operagdo indica-
da fdra rapidaraent *, ac-nnmetti lo de uma
mnl stia, que se maoifestara par dous ac-
cessos febris, separadas pir uma aperexit
completa.Os excessos fcam caraderisa-
das por febre, ma i estar g-ral, agilagao ex-
traordinaria, e engaigitaineiiio eicoisira-
mente doloroso dos gaaglios das r-gides
ingumo cruraes, o.irenli no ultimo ac-
cesso delioia e perda do c inbecimeoto;
durante o period > apyretico o engorgita-
aionto d lorosodjs gl ugioys udo ced-u cam-
pletimenle, porem ill am a do um modo
assds notavel, a p into da iloeute cansiderar-
se curado e desejar alta. ,a autopsia foi
feita, e nad i de important^ fat u h.i 1 > oem
oara o figado, uem para uaa^a. quo podiarn
ser coiisiderados norraaes, e apenas faz-se
di^no de meiigi > o estido congesto do ce-
rebra, o oe tad dos gangli'os da* regid-s in-
guina-cruraes, quefai miiiucios-iaenle des-
cripla. O sutor di ob$erva Srs. Drs. Tristda e Velloso, que viram em
confo t-ncia o doente, e -que assisUram i
autopsia cadavenca capituiiardin a molestia
de febre perneiosa, e Mr. Argollo, que
tambem vio o doente no ul timo aco-ss >, af-
fastara se dessa opinido, e appellara para
uma erysipela metaatica sobre o cerebro
para exolicar a mono do iJoent -. A com-
missao medica do Instituto comcorduu ple-
namento cam a opinido da aut or da > bs- r-
va^do, e estabeleceu corao diagnostics, pre-
cisar.do mais, uma febre permci-.-sa lavrada,
msscarada sob a capa de uma ade./ule, for-
ma sob a qual se apresenta algumas <.!*<>
a febre peruiciosa em nosso p>u, s-guulo
a opinido do illtistrado pr lessor de clinicaA
medica da faculdade -jo Kr> de Janeiro, el
procura fundamentar 0 seu modo de pcn~|
sar.
Eii Ira ndo em discussao a observagio to
pirecer toon a palavra o humildo socio,
que nesta oceasido vos diriga a pala vra, e
diz que estd de accordo com a apiaido emit-
tida pelo distincto autor da observagio, e
aceita pela illustre commissao, que outro
diagnostico ndo pdde cam vaut ige n ser
susientado. e proveita a occauia para com
bater a idea de erysipela met tica. opuaao
que lamenia ndo ter sido combatnla pela
nobre commissao, e pelo auto, da observa-
gdo, cujp silencio sobro este pouio parece
iudicar a aceitagio da existeiicia de ua
facto pathol >gico semelbante.
Para u rador as motastates em medici-
na tendera de dia em dia a limiiar o seu
circulo, e a restriugir o seu ikjiuinio a fac-
tos muitos particualres e ousa esperar ver
um dia esse temor riscado iuteirameute d:<
iciencia como hlba de uma thuaria iilogwa
e insusteiitavel perante a pbyaiologica pa-
tnologica ou acitus perante a pattiogeuia
Usa depois da pa 11 vra o Ur. t'.ste.ao que a-
penas diz ndo ir tdo lunge como o orador
queo preceiera, sobro as motastates eoa
mediuiua Depois cabe a palavra ao distincto
collega o Sr. Dr. Pereira da Silva, que
combate o diagnostico de febre pemiciosa
por ndo ver na observagdo causa algu-aa
que o autorise, e Uepen le o diagnostico de
erysipela fundauio-se principalmente na ex-
isteucia doeogorgitameuto dalorosadosgan-
glios, e para fundameniar essa sua opinido
estriba-se em uma proposigao de Chomel,
que diz que tadasj as vezes que observa se
o appareciicento de iuflamagdo de glan-
glios, o medico deve su-neuar o appa-
recimento de uraa erysipela na parte
em quo se distribuem os lympbalicos rea-
pectivos. Depois do Sr Dr. Pereiri da Sil-
va, falla o St. Ur. Sautos Melto que mani
festa-se de accordo com a opiuiao da com
missdo-, e em apoio desse seu modo de ver
refere um casa de sua clinica. Depots do
precedente orador tem de uavo a palavra o
Sr. Dr. Estevdo que sustenta a sua opinidc
raanifestada ua observagdo, e mostra quo
o Sr. *Dr. Pereira da Silva ndo couae-
guio nem ao menos demonstrar a existentit
de erysipela.
[Continuar-sc-ha., ?- %'
do saltar um fosso da contada, matou-se com
sua propria carabina.
E inclinando-se para ella, accrescentou
era voz baixa, mas que teu pai ouvio :
E assim ha de perecer o tilho de
sir Richard, se por ventura vier rodar em
torno de mira. Agora perddo, e que tudo
seja esquecido I
Elle juntara a estas ultimas palavras
atterrado, corao nds, pela expressao do ros-
to de Fanny. Esta ndo eslreraecera, mas
seus olhos tomaram-se Gxos e seu rosto li-
vido. Elle estendeu-lhe a mdo ; mas ella
ndo levantou a sua, e pertrjaneceu immovel,
e gelada : estava morta I
Quizemos duvidar do que viamos;
todos os cuidados porem foram inuteis. 0
marquez, aterrado, Gcou como louco, e
exclaiiou: Fechera-lho os olhos, fechera-
Ihe esses olhos terriveis, que nao querem
deixar os meus I
Sahio e sd quinze dias depois chegou
ao oastello, alienado, furioso, quando ndo
estava aoiquilado e sombrio.
Dous annos depois, morreu, precipi-
tando-se d > alto de uma das torres do seu
castello.
Quanto a nds, aterrados e desespera-
dos, em vio chamamos um medico nosso
amigo. Nada poude fazer com que Fanny
voltasse d vida ; ella morreia fulminada
por uma phrase cruel daquelle marido ul-
trajado que julgava perdoar quando Ihe
dava a morte.
a Alguns dias depois dei d luz uraa criau-
ga simi-raorta, quo recebeu o nomede Joa-
na e que apenas viveu algumas horas.
a Cheia de dores e alquebrada pelas fa-
digas, odiei a minha casa, e queria raudar-
me dalli, quando teu pai foi forgado a co n-
raunicar-rae ura novo desaslre. Estavamos
reduziJus a- aaj^nduuar o nos'in pequenon1?-
gocio, que abscrvira loajs os iussoj .-..ur-
sos sem nos dar nenhuma co-npensagdu I
Depois de ter pago as despezas feita-
com ura modosto turaub que mandamos
erigir para Pinny e do qual ninguem so
occupou, apenas restava-nos o preciso para
ir procurar trabalho n'um local onJe a vi-
da fosse mais barata.
Teu pai jd tinha entao concebido um
projecto que ndo me conliou, e nem ficou
abatido, nem falto de coragem. Jurou sal
var-ms a todos tres, pois que Joanna era
contada como lilha, e estavamos resolvidos
a leval-a com a sua ama para onde qoer
que fosse-cos, visto como suppuhamos sir
Richard morto e ella orphd.
Assim, pois, partimos todas juntos lo-
go que estire em estado de viajar, e passa-
mos dous annos em S. Joio de Luz, onde
exerci a industria de costureira e onde teu
pai comegou, sem que eu o soubesse, as
operdgdes que sabes e cujo fundo eu igno-
norava.
( Soubemos coojurar a miseria, mis
ainda eraraos muito pobres quando elle nos
trouxepara aqui, onde Joanna passou fa-
cilmente por nossa filha, visto que ninguem
nos conbecia.
Continuamos a ignorar o que era feito
do marquez, e eu vevia sempre reeaion
delle por causa dessa pobre menina, ate que
uma mercaddra arabulante, que eu vira va-
ries vezes em Mauville, tran-|uillioa-a>e,
dan Jo me sciencia da morte do marquez.
Sabeddra disso, informei-me delta a
ccrca do Sr. Brudnel; mas a mulher nada
me pooda dizer, porque ndo se lombrava
de tel-o visto. Perguntoi-lbe entao se, dous
annos antes dessi data, ni-i fara morta ac-
cidental nente uma pessua na contada do
Mauville ; e ella respondeu-me que nio ou-
vira fallnr nisso.
{Cot linaar
rVP l>v> tuUuu.,-UUi KXWk l> taXUi
H