Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18523

Full Text
LOO 'LII1I I0IE10 20
'P.W.i A CAPITAL E LltAB^ OMK HLk E PACA PORTK
Por" tres mezes adiantados.....,.......^ 6)3000
P<*r seis ditos dem.....*>..... .....'. l^OOO
Por um anno idem.........'........ y 23(J000
Cada numero avulso, do mesmo dis............ 10o
DIARIO DE
|toprtafct tft J&tto
-HUA 2B DE JANBffiO DE 1881
PARA DENTRO E PORA DA PROVIMCIA
Por seis mezes adiantados............... '13)5500
Por doto ditos idem....'............. 20,5000
Por um anno idem................, 27COO
Cada numero avulso, de dias anteriores........... #100
NAMBUG
a t>* aria 4 Styos
Os Sra. Amede Prlaee |Hd.
de Ptrli, I9M sos gente
evolutivos ^Vnnunclos e
~|lc4fK*e9 da Franca e
pu-
Inglo-
ierra
*
TELEGRAMMAS
(Espacial para o Diario)
BENOS-AYRES, 25 de" Janeiro.
A epidemia iHseliolera morbos con-
tina a diminuir de Iniensldade.

MONTEVIDE'O, 25 de &flriro.

as allimai 94 taora* deram-te
aqui 13 caaos no vos e S .bitos de
(holera morliu*.
LONDRES, 25 de Janeiro.
O ministerio Saltsbnry apresentara
brevemente Cmara dos Commnns
um bill referente ao estabelccimen-
to de una admlnistraco toca! na
irlanda
CONSTANTINOPLA, 25 de Janeiro.
O geveruo da Porta o t toman a fon-
vena em tratar cem a delegaoao bal-
Sara.
Espera-se cuegar a urna solaefio
satisfactoria e que sejam aplalna-
das todas as difBcaldades soergnl-
das na Holgara.
Agencia lia vas, filial em Pernambuco,
25 de Janeiro de 1887.
INSTRCClO POPULAR
?ARTE OFFIClil.


-
4
;
,
(Extrahido)
DA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
Alimentos e snbstanclas alimenta-
res. Ilivl-nio r claiiiflrarci. Con-
posic&o dos alimentos. Begtmen
animal rgimen vegetal. Begras
bycicnicas
(Continuaba o)
Cada um pode, porm, avaliar at que ponto
esse grao de excitacao e conseqaenciai immedia-
tas lhe cspvem, e saber-se vencer, ficando nos
justos c rWoaveis limites ; se nao abusar, nao ter
ae vinho inconvenientes. Infelizmente, o vinbo
em grande numero de casos considerado nao
romo um tnico mas s como bebida de agrada -
vel paladar ; e o abuso segu mu de porto uso.
Os inconvenientes do abuso do vinhoe em geral
das bebidas alcoolicas, e de algumas d'estas muito
mais do que do proprio vinbo, sao gravissiioos.
NIo pira este lu^ar o estudal-os ; mas, fallando
de byiene, convm expol-os e fatel-os bem co-
nhecer, para que ao evitem.
(Romees o vinho por tornar o individuo mais ale
gre, mtis falladoi, msis communiqativo. Asfunc-
cocs cerebraes sao excitadas moderadamente ; pa-
rece hiver teiid'ucia para tudo se oihsr pelo lado
agradavel '" risontio. Diz-se tamben] (cm refe-
rencia a este periodo da embrixguez, que outra
coisa na i sao ua verdade os primerio* effeito- d >
vinho) : In vino verita; isto durante a excita-
i.-.io causada pe.o alcool o individuo tranco e ver-
dadero.
So este quadro rieonbo e festivo, se nada pa-
rece bav< r de inai e prejudicial n'esta excitacAo
momentnea e rapi la que o vinho causa, notare-
mos nao s que a repetido uso destas exciuces.
etubara maderadas,enfraquece, debilita e tranator-
m as fuucco s cerebraes. mas tambera que, ha-
bitoando-se o individuo depressa a porcAode vinbo
de ale iol q ao .s prodas, necessits, para que ellas
se repitam, de daes successivameote maiores e
deste augmento provem depois inconvenientes se-
rios e grave, um cortejo de syatptomas (*) de le
ses graves e geraes da economa animal, tendo
por limite extremo o chamado delirium tremen.
--Quando anda o delirium tremen nao appareca,
ou antes dclie apparecer, manifest.m se doencas
graves e que podem canear a morte em tnaior ou
menor espaco de tempo.
0 abaso dos alcoolicos prodajnylpeDcas de liga-
do, lett's graves nos tecidos (de que se podem
filiar o rheumatismo, a gota), lesoes de circo laca >
ele.
Pelo lado intelectual e moral, os estragos cau-
sados pelo abuso do alcool nao sao menores. Tur
va se a memoria, enfraquece a intelligeacia, desap-
pareca a apd para o trabalho. O carcter do
individuo traostorna-se. Ainda fora do periodo
de excitacao em que o embriagado, senr conscien
ca de si, pode dar se aos maiores deapropositos e
at a graves delicies e crimes, fra desse estado
mesmo, o adividuo uio pansa livremente ; perde
o sentimento do dever ; s pensa em beber e ex
citar-ae para olvidar os desacertos que, em um
momento rpido de lucidez, a sua consciencia lbe
apontou ; s qaer esquecer bebendo, e beber esque-
cendo o mal que a si e aos seas fas com este abuso.
Qaadro trUtissimo e vergonhoso em quo o hornean
perde o qae tein denobre na sua parte moral, para
se apresentar menos ainda do que um irracional !
Nao s o vinho e nio principalmente o vi-
nho, que produz estes mal s. Mais do que o vinho
as bebidas alcoolicas (valgamente chamadas bebi-
rlas branca) sao damnosas, pelo abaso, ecoiioinia
humana.
Zjx Inglaterra, pr.r exemplo, onde o vinh, p'o
excessivo preco e raridadr, naopodrsntrar na ali-
meLtacao do pobre nem siquer do jsdianamente
remediado, drsgracadameute maior o somero do*
qae se definham, se atragain e se eonsomecn, com
o abaso do alcool. crvero-Ihes pafa.esfe fim :
a genebra, a agurdente, o rhum, exe, bebida
tsnto mais perigosae porque o alcost que nellas
predomina muito em relacAo ao vjlume, da peior
qualidadf, esa be-seque a proveniencia dosulcooes
inflie no efteito que elles causam no cerebro.
(Continua).
( i Signaes pelos quaes se conoece ama doenca
pelo exams teito no doente.
ministerio do Imperio
Foram expedidos os segaintes avisos :
Ao director da Faculdade de Direito do
Recife
Por occasiSo de devolver com oficio de
22 de Dezembro ultimo o requerimento-em
que o alumno dessa faculdade Francisco
Chateaubriand Bandeira de Mello allega
nSo lbe ter abi permittido prestar na pri-
meira poca, conforme solicitara, exams
das materias do 4. anno, realizada a in-
scripjSt que nSo pode effeetnar opportuna-
meate e pede que o ministerio dos negocios
a meu cargo o mande submetter ao dito
exame, informa V. S. que, visto se acha-
rem as mesmas condicScs do peti-ionario
130 estudantes, dentro os quaes muitos
pretenderam igual conoaasSo, e convir n5o
s apreciar devidamente as razoes allega-
das, mas tambera deliberar de urna s voz
a respeito de todos elles, resol veu a con-
gregacao dessa faculdade tratar de tal as-
sumpto em Marco vindouro.
' Tomando conhesimento das razoes que
prevaleceram nfim de se adiar a solucSo
do pedido do mencionado alumno e dos
domis estudantes a quem V. S. allud, os
quaes, no caso de obtereru despacho favo-
ravel, s poderSo ser admittidos a exame
no citado mez de Marco, por estarem en-
cerrados desde 21 de Dezembro os traba-
lhos da Faculdade, declaro a V. S. que o
direito que, nos termos do aviso n. 254 de
10 de Julho de 1868, expedido no rgimen
dos estatutos que actualmente se observam
as Faculdades de direito, tem a oongre-
gaclo de permittir que para os effeitos le-
gaes se pague, depois do prazo regula raen
tar, a taxa relativa segunda matricula,
verificadas as causas e circumstancias de
que trata o decreto legislativo n. 1,195 di
13 de Abril de 1564. deve exeroer se a
tempo de poderem os alumnos attendidos
prestar os exaraes na primeira poca, ni-
ca a que concerne o referido aviso, sendo
a segunda destinada, de aecrdo com o
art. 53 do regularaento complementar, aos
actos dos alumnos j matriculados que nlo
hajam comparecido naquelle periodo por
motivo justificado, a juizo da coogregacSo,
ou aos exames extraordinarios a que se pro
cede em virtude do art. 20 1." do de-
creto n. 7.247 de 17 de Abril de 1879.
Deus guarde a V- 3 Bardo de Ma
mor. Sr. direetsr iai(3rino da Kaculda-
de de Direito do Recife.
Ao presidente da provincia de Sergi-
pe, em 12 do correte;
Alguna membros da raesa eleitoral da
parochia do Santissimo CoracSo de Jess,
da cidade de Laranjeiras, na eleicao de
vereadoies a que alli se piocedeu em Ju
Iho do anno paBSado, suscitaram a seguinte
duvida em representac3o qae dirgiram ao
governo:
t Se o vereador do quatriennio qae fin-
dou em 6 de Janeiro de 1882 podia ser
eleito para o quatriennio que comecou a 7
do correte mez.
Ouvida sobre esta queatao, fui a scelo
dos negocios do imperio do coaselho de es-
tado de parecer affirnsativo, em consulta de
2 3 de Satembro ultimo, por entender que,
(tendo o pensamento do legislador, na dis-
posivAo do art. 22, 2. da lei n. 3029
de 9 dele Janeiro de 18S1, distribuir nos
povoadosde maior importancia (cidades) pela
inassa dos cidadAos o muas publico para
nSo pesar smente sobre alguns, e outro-
im evitar que o longo aso se converta em
raeio de influencia para monopolio do car-
go em maos le uns com detrimento do di-
reito da oatros, fica este intuito plenamente
attendido r1 ""da que o vareador, erobora
eleito novaraente anteado fndar o quatrien-
nio immediato ao en que servio, s vai
desempernar o cargo depois de terminar
aquello quatriennio.
E ba Magestade o Imperador, tendo-
se confirmado com este parecer por sua
immediata resolucAo de 8 do crrante mez,
assira o manda declarar a V., Exc. para
os fin convenientes.
Ministerio da rustica
Por decretos de 15 do corrente foram
nnmeados :
O b .i-.harel Jeronymo Custodio Feraaa-
des da Cuuha, juiz municipal e de or-
pbAos do 'erma de. Capim Orros'so, na pro-
vincia da Rabia.
O bacharel Jos Pereira Franca, juiz
muuioipal, e de orphilos dos termos reu
oilos de CanpoLiigi e Santa Rita,
na provincia da rJhia, ficando Bem eff-ito
o decreto de 15 de Outubro ultimo que o
nomeou para igual cargo nos termos de
Diamantino e Rio Rosario, na provincia
de M->tto Grosso.
O bacbarel J iSo Raptista Alves Peque-
queao, juiz municipal e de orphos do ter
mo da ludi'pendeacia* na provincia da
Parabybs.
O baeharel Fr.ncisco Antonio de Oli-
veir S ibrinho, juiz municipal o de or
pbAos do. termo do Pereiro, na provincia
do Cear.
Foram removidos, a pedido:
Juiz municipal e de orpaSos bacharel
Rayinundu Igua ;io da Silva, Jo termo de
Capim-Grosso, na provincia da Babia,
para o do Petrolina. na de Pernambuuo.
O juiz municipal e de orpbios bacha-
rel Lua Ignacio da Silva Filho na provin
cia e Joazeiro, na Babia.
Por portaras de 18 do corrente, foi de-
clarado aero effeito: o detTsto de 5 de Ju-
nho do anno pasaado, gue nomeou o ba-
cbarel Santo* Estanislao Peasoa de Vas-
concellos para o logar dejis municipal e
de orphAos do termo de Igarapmiry, na
provin-ia do Para, visto nSo ter entrado
em exercicio no prazo legal.
Ministerio da Agricultura
Foi no me arla Sizenando de Souza Gui-
marAes para o lugar, que se acba vago,
de ofScial da adminbtracAo dos correios
da provincia do Amazonas.
Foi exonerado, a pedido, o ongenheiio
Antonio Lupicinio Buarque do lugar de
conductor de linha da estrada de ierro de
Paulo Affonso. .
.Vialsterlo da Ctoerra
Transferencias. Forara transferidos,
por decretos de 15 : para o estado maior
de artillara, o capitSo do 2* batalhAo da
mesma arma Manoel Ribeiro Carneiro
Monteiro ; para a 3a companhia do 6o ba-
talho de infantaria o capitSo da com-
panhia da provincia do Piauhy Pedro
Jos de Lima, e pira esta, o capillo da-
quella Nelson Pereira do Nascimento.
Foram reformados por decretos da mes-
ma data o oapitAo do 16 batalhAo de in-
fantaria Fabriciano Augusto da Silva e o
mestre de msica do i regiment de ca-
vallaria Jos Correia Monteiro.
Por decreto da mesma data foi dispen-
sado do servico de exercito, por ncapaci-
dade physica, o alfares-alumno Ladislao
Jos de Magalhes.
Por decretos de 15 do corrente :
Foram transferidos : para a 2a classe dp
exercito, ficando aggregados arma a qu ;
pertencem, de accordo com a immediata e
imperial resolucao de 1 de Abril de 1871,
tomada sobre consulta do conselho supre
mo militar, os seguintes oBciaes de infan-
taria :
O'.legado do termo de Floresta, em jas nessas ideas, liarmonisemos os nossos senti-
offijio lp 9 do corrente partecipou-me quelmentos, > dizia Danton aos convencionaes, no
na metna data, em companhia do Dr. pro- j intuito de eliminar desavengas fataes perma-
motor phblieo e do respectivo carcereiro, aenCia da primeira repblica: o gabinete Frey-
visitaram a oadeia publica d'aqnella vUla, Lnet reconhecia fraQCaraente que nenhum go-
encontrando doas presos, a saber r Manoel I ^ d> em
de bouz* fcerraz, pronunciado pelo cnmel ...
previsto? no art. 205, do Cod. Crim., e ap01 de lodas as frac0es do maiona da caaan
Franciaco Pereira dos Santos, sentenciados; dos depnlados. Nada, portanto, mais lgico e
nenhuma reclaramcJo fizeram ditos presos. natura) 1ue 8eu cuidado ei nao compromet-
Cornraunicou rae o cidadAo Manocil An- ter-s desde loso accaitando a rsnonsahilidade
tonio das Passos e Silva,' que em data de
22 do edrrente, tinha assumido o exercicio
5. batalhlo, CapitSo Carlos
os OJyajpio
oiio tcnilia-
Ferraz ; 6 batalhAo capitSo J
no de Araujo Lopes : 9o batalhAo tenente
Adalberto Xavier de Castro; 18 batalhAo
tenente Jos Mara da Rocha Andrade e
alferes Innocencio Antonio de Lsmos e
Manoel do Nascimento Coelho.
Para a mesma classe do exercito, de
conformidade com o disposto no art. 2
Io no decreto n. 260 de 1 de Dezembro
de 1841, o tenente do 20 batalhao tam-
bera de infantaria Manoel Luiz dos Reis
Correia, visto achar-se doente ba mais de
um anno. '
Foram nomeados para a secretaria de
estado dos negocios da guerra:
Ohefe de scelo, o Io oficial, Jos Ma-
ra de Bittencourt e Silva ; primeiro ofi-
cial, o 2 oficial Jos Alves Viseonty Coa-
racy ; 2 offi.-ial o amanuense Pedro Mo-
reir da Costa Lima. Por portara da
mesma data foi nomeado amanuense da
referida secretara de listado o pratica nte
Manoel Fernandos Machado.
Governo da Provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 24
DE JANEIRO DE 18t7
Emygdio Joaquira de Sant'AnDa. Nao
ha verba para o pagamento qae reqaer.
utycbio Mondin Pestaa.Expeca se
ordem.
G misrao. DS-se a passagem.
Francisco Pereira da Silva.Informe o
Sr. Dr. juiz de d'reito da comarca de Ta-
qu are tinga. ,m
Fia vio Concalves Lima.Informe o Sr.
inspector da Toesourara de Fazenda.
Bacharel Joao Ags ti nho Carneiro Be-
zerra Cavalcaote. -D-se.
Alferes Jos Soares de Mello.Deferi-
do cora oficio a Tnezouraria de Fazenda.
Manoel T irquauto de Araujo Saldanha.
Sim, com metade do ordenado.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, em 25 de Janeiro 1887.
O porteiro,
Francolino Chacn.
liepartico da Pllela
Secjao 2. N. 67. Secretaria da Po
licia de Pernambu< o, 25 de Janeiro de
1887. -Illin. e Exm. Sr. Participo a
V. Exc. que foram hontem recolhidos
Casa de DeitencAo os seguintes individuos :
A' minha ordern JoSo Jos da Silva,
vindo de Caruar cnuo seuteinciado.
A' oriem do sub, legado de Santo An-
tonio, Candida Mara da Conceiyao, Cae"
tao Luiz da Silv.., JoSo Francia -o Cor-
reia, JoSo Vicente Fenvirs, Fir .ino Pe
reir, Jos Leandro de Miranda e Lup-r-
cio Pereira de M-illo, p >r dstu- bios.
A' ordem do do 2." distrioto de S. Jos,
Hermenegildo de tal e I?o de tal, por dis-
turbios. '
A ordem do do 1. distrcto de Afo-
ga ios, Cosme J-i- de Oliveir, por dis-
turbios.
Em offi so de 9 do corrate enramuni-
coa-me o delegado"do termo de- Tiiumpli'
que n'aqulla d*t4, Isid >ro Jos d Fon
ts, assaabiuou a R yraunlo Caval -ante d
Laeerda, cora u i tiro, no sitio lo, per
tenreate ao referido termo.
O assHssino eva |i i se -pz o crima.
O do'egado reapeetivo tomando oonheli-
ento do ficto pro.Mira capturar o crini-
Tendo procedido inqu-rito, t z
d'este remessa ao Dr. juiz municipal da
comarca.
O subd-legado do diatroto da Palmeira,
era officio de 22 'lo corrente, parrecipuu-
me, que no dia 21 i'et-te mez, i 8 hora
da noite no lugar Sitio .nt'Anna, p.-rt-n
eente ao mesmo distrioto, foi Joaquim Gui
Ibcrmo Ro ingues espantado p ir JoA X .
vier da Silva e aeu irm&o, Jos Xavier da
Silva.
O respectivo subdelegado tomando co-
nhecimento do facto, proaegue no* t roto*
do inquerto policit-1.
do argo de delegado do termo de Oliada
na qualidade de 2. supplente.
Anda em officio destadata, parteci-
pou-raaj) cidadSo Franiisco Borges'Leal,
que na auesma data, tinha reassumido o
exercicio do cargo de subdelegado da
Torre.
Parifojtpou-me o commandante geral in-
terino da guarda civica, que hontem pelas
6 horas da noite em diante, comecou a
transitar sm frente a 3* estacAo da mesma
guarda, um-grupo de pracas do 2o batalbSo
de nfrTviria, as quaes segando consta
eram a> que regressaram hontem mesmo
do presidio de Fernando de Noronba, e es-
ta vara cora cenca do peraoitar fra de
sea quartel. f
Asreferidas pra$as todas as vezas que
eufrentavam ao quartel da Guarda Civica,
davara a entender pelos gestos e epithetos
indecorssos, que procuravam melhor op-
portunidade para atacar aquella estacao.
Isto coutinuou at as 8 da noite.
Tendo desse facto sciencia o Dr. dele-
gado do I' distrcto, e comparecendo
aquella, estacAo procurou fallar com oficial
de estado do referido batalhAo, afim de
quo fizssse regressar ao seu quartel diver-
sas pragas que se aehavam embriagadas,
a*proravam desordena quebrando copos
em uias.das vendas da ra de Lomas Va-
lentinas.
Compafeceu ao lugar ama patrulha da-
quelle batalhAo, conduzio algumas pracas,
ficando naturalmente as que estavam li
cenciadas, que naquelle momento nao se
aehavam presentes.
Mais tarde raappareceram diversas pra-
cas do mesmo batalhAo.
O alteres commandante daquella esta-
cAo tendo aviso qne em horas raortas da
noite a esticSo seria atcala, as 11 horas
da noittt acientificou o occorrido ao Exm-
Sr. co'mi'andante das armas que rara
datament'j compareceu, acompanhado de
sau aja lante de ordena, e ama forca de
eavallara dando ordens acertadas, distr-
buindo rondas as diversas freguezias da
cidade, e ordenando que em frente aquella
estacao ficass^ urna forca de 20 pracas, s
ordens do respectivo commandante.
Felizmente nenhum incidente se deu
devido as medidas enrgicas qae foram
tomadas pelo Exin. Sr. general comman-
dante das armas.
Dous guarde a V. Exc Illm. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, muito
digno presidente da provincia. O dele-
galo enearregado do expediente, SahutUh
no Jos de Oliveira.
DIARIO DE PERSA3BC0
Rctrospi to poltico de !*>
POLTICA PARTICULAR DOS ESTADOS
EROPEUS
A 7 de Janeiro estava resolvida em Franca a
crise ministerial a que deu lugar a retirada do
gabinete Brisson. Logo que foi chamado para
organisar ministerio, o Sr. Freycinet notou ao
presidente da Repblica as difficuldades que lhe
pareciam oppor-se ao desempenho d'essa incum-
bencia. A situacao parlamentar era com effeito
pouco animadora, porque, apezar do resultado
das eleices de 4 de Outubro de 1885 e do au-
gmento da opposico reaccionaria, os diversos
elementos do partido republicano continuavam
desharmomsados no seio da representagao na-
cional. Mas a eminente posigao poltica e o es-
pirito conciliador d'aquelle estadista iornavam-
Ihe a niisso relativamente fcil. Como nao ti-
nha contra si odios, nem serias prevences entre
os differentes grupos republicanos da cmara
qualrieanal, estava no caso de soicar o apoio
e collaboracSo de todos elles. E fl-o evidente-
mente, porque o gabinete que organisou corres-
ponda a todas as vanantes da opinio republi-
cana do parlamento, sem exceptuar a extre-
ma esquurda, representada nos ministros
Boulanger, Granet e Lockroy. Se a organisa-
co do novo ministerio denotava designios
de concordia, o programma com que elle se apre-
sentou s cmaras nao era de natureza a provo-
car fundas dissencoes, pois que se limitava a pro-
metter medidas de ordem (naneara e admi-
nistrativa, bem como outras providencias de ai-
canee pratico e immediaia.njnte realisaveis. Mas
se a declaracao ministerial nao ia positivamente
aliu d'essas promessas, ta nbcm nao condem-
nava de anteuiao, e em absoluto, as aspiracoes
dos mais adiantados d'entre os amigos da actual
forma de governo em Franca. Ao contrario,
ai se reconhecia implcitamente a necessidade
de reformas consoautes ao systema poltico ado-
ptado pelo paiz e ao deseavolvimento da civili-
saco. 0 essencial era que essas reformas vies-
st'in opportunas, o que s acontecera quando
fossem irrevogavelmente impostas pelo suff.-agio
universal. Por exemplo, o ministerio nao con
testava u legitimidade do principio da separacAo
da Egreja e do Estado; nao propunhi, todava,
essa medida por se* lhe augurar que a nacao nao
estava preparada para a receber. Equilibremos
ter-s desde logo accaitando a responsabilidade
de questes irritantes, e cuja discusso sena o
maior obstculo formaco de um partido go-
vernamental. As anovacOes democra'icasdis-
seram os ministrosdevem ser discutidas suc-
cessivamente e com methodo, porque nao pos-
sivel fazel-as acceitar todas ao mesmo tempo
por aquelles que se inquietara e dispersam ante-
programmas demasiado vastos e ambiciosos.
Essa profissao de f opportunista estava per-
feitamente accorde con o que o Sr. Grevy tinha
dito na mensagem dirigida aos senadores e de-
puta dos aps a sua reeleicao.
Elevando-me outra vez, por intermedio de
sua Assembla Nacional, presidencia da Rep-
blica, a Franca conferio-me nova honra, que
aprecio devidanente, e que seria capaz de au-
gmentar o meu reconhecimenlo c dedicago se
tanto fosse pqssivel. Ella quiz talvez exprimir
que est satisfeita com os estorcos por mim em-
pregados para exercer a seu contento as altas
funecoes que me foram confiadas, mas antes de
tudo teve em vista demonstrar o prego em que
tem a estabilidade do governo da Repblica, e
quo mal avisados andam os que lhe attribuem
desejos de transformaco politica que s elles
alimentam.
"Sabe a Franga, por longac cruel experiencia,
que a Repblica, a que deve ter-se "hantado
de grandes desastres, hoje, mais que nunca,
o seu governo necessario, o nico a poder pro^
porcionar-Jhe repouso, prosperidade, forca e
grandeza, o nico no caso de manter-se, por
que s elle corresponde s necessidades de um-|
estado democrtico e se harraouisa com a sobe-
rana nacional. 0 paiz viu, no espago de meio
seculo, duas vezas a monarchia e outras tantas
o imperio desraoronarem-se ao embate das re-
volugoes; e pois, os que ainda hoje lhe pro-
pem nova restaurago encontram-n'o sciente
de que acolher semelhante proposta, seria en-
tregar-se a mais urna guerra civil, e exeepcio-
nalmente temerosa, para chegar a restabelecer
um desses governos ephemeros cuja presso al-
ternativamente tem supportado e reppellido
Eis porque a Franca, tem all'ecto Rjujuliea. e
quer a permanencia desta.
Inspirando-se era taes sentimentos, o par-
lamento tem de prcoecupar-se, por sua vez com
a estabilidade ministerial, to necessaria boa
gesto dos negocios pblicos, dignidade e cr-
dito das instituiges republicanas. Essa esta-
bilidade est dependente da constituigo de urna
maioria de governo a necessidade mais impe-
riosa do momento actual, e que ser satisfeita
quando verdaderamente o quizerem os amigos
da Repblica, concentrando-se no terreno que
lhes commum, alias bstanla largo e fecundo
para que d'ahi colham com que satisfacer as
necessidades e aspiragoes nacionaes...
E para traduzir era factos os scus intuitos
conciliadores, o presidente reeleito agraciou
todos os conderanados que estavam sotfrendo
penas por delicise crimes polticos commetti-
dos posteriormente a 1870.
Mas os radicaes da cmara nao Acarara satis-
feto com essa manifestago da benevolencia
presidencial. Nao lhes basiava que as portas
das pns&es se abrissem para individualidades
taes como Luiza Michel e o afamado principe
Kropotkine; quereriam, alm disso, que os anar-
chUtas restituidos Uberdade fossem desde
logo reinvestidos Jos mesmos direitos poticos
de que hio (eito serapre to mau uso. Ora,
como a simples graca nao podia ter esse effeito,
apresentou-se na cmara um projecto de ainns-
tia. Assignou-o o deputado Rochefort, e defen-
derara n'o este e a eloquencia do Sr. Clovis
Hugues, um romntico da tribunasempre prora-
pto a advogar a causa dos excommungados do
estado social, segundo a sua pittoresca phraseo-
logia. Foi esse projecto a primeira diflicuidade
seria com que teve a luctar o ministerio Frey-
cinet. Venceu-a, todava, gragas s razoes emi-
nentemente polticas adduzidas pelo presidente
do conselho no correr da discussio da proposta.
Esta foi repellida por maioria superior a du-
zentos votos, o que desgoslou a tal ponto o ra-
vinhoso proprieta rio do Intransigente, que o
evou a resignar-se sua cadeira de represen-
tante do nena.
A' apresentago do projecto de amnista se-
guiu-se de perlo a das propostas relativas ao
banimento dos pretendentes dynasticos.
A direita. que, de accordo com os radicaos, e
emodio ao governo, tinha votado a urgencia
do primeiro, nao podia de certo achar-se as
mesmas disposigOes, quando to perto lhes to-
cavara agora por casa. Urna das indicadas pro
postas cousagrava a expulso inmediata, a outra
deixava ao governo a faculdade de a decretar,
quando o julgasse necessario. Cahiram ambas,
e os reaccionarios da cmara tiveram occasio
de votar unnimemente cora o governo, que ento
julgou iuopportuna toda a providencia tendente
expulso dos -Merentes candidatos ao throno
de Franca, throno desejadissiino, apezar dos in-
significantes commodos que offerece aps a morte
trgica de Luiz XVI eoutros factos mais recentes.
E' possivel que para_ esse primeiro resultado
abnelicoaos pretensores tivtsse concorrido\de
de certo modo a carta-que o principe Nopoleo
enviou em data de 22 de Fevereiro As duas
casas do parlamento. O principe dizia nesse
missiva, original com tudo que Ine cae dos bicos
da penna, que a medida da proscripgo era m
de si mesma, e peor ainda, porque nao pareca
exceptual-o. Ser-vos-ha licito perguntava
aos representantes da Franga collocar na mes-
ma esleir os Bourbons e os Bonapartes, o des-
cendente de Philippe Egalit, por irona da sorte
representante ds direito monarchicq. e eu, que,
descendendo de Napoleo I, nada posso ser sem
a soberana nacional ? > E em seguida escre-
veu : A Franga desgnou-me por sete milhoess
trezentos mil suffragios. t
Para que teria a Franga designado o principe
Jeronymo por lo avultado numero de votos ? E
quando os obteve ? As chronicas nao rezam
d'esse acontecimento maravjlhoso. nem a bio-
graphia do principe apparece Iluminada em
ponto algum por episodio de tamanha gravidade.
Certos decifradores de charadas chegaram a des-
cubrir que a arithmetica do divertido candidato
exprima urna reivindicago dos volos outr'ora
escamoteados por Napoleo III, reivindicaci
tanto mais singular, quanto aquelle e o principe
Jeronymo nao foram nunca duas almas n'um
corpo, duas cabegas cobertas por um s chapeo,
nao consta que tisressem amigos e inimigos com-
muns, nem est provado que o hroe de Sedan
tivesse trabalhado dnrante a sua vida para a
uuica prospendade do 'primo. Mas essa phan-
tasia do principe Jeronymo nao excedeu em no.
vidade a forga de imaginago que revelou na
sua carta, no tocante propria genealoga. Elle
podia dizer-se nerdeiro das gloria do 18 bruma-
rio e do 2 de Dezembro ; porm que s& dissess
descendente de Napoleo I,eis oque nao deixou
de ser urna aflirmativa 30 ultimo ponto estranha
e conlestavel. Nao objrtaiite tudo isso, ou antev
por isso raesmp,*a> epstola do principe tinha '
dos mritos essenciaes: mostrava a sinceridade
de qualquer unio dos reaccionarios francezes e
como a Repblica devia temer se de certos pre-
tendentes dynasticos!
Devido talvez a essa dupla prova que a pro-
scripgo dos principes foi adiada por algunsmezes
veio, al nal. e era de prever, atientas as conhe-
cidas disposiges de urna grande parle da maio-
ria republicana da cmara dos deputados e as
imprudencias dos raonarchistas, sem exceptuar
o proprio conde de Pars. Este cavalleiro deu
solemnidade exorbitante, pompa compromeUe- ,
dora, despedida de sua lilha, noiva lo pnncipe-
herdeiro de Portugal, m facto da vida com-"^
mum, um simples acontecimento de familia, to-
mou calculadamente o aspecto de um successo
poltico, dando lugar a desabusada manifestago
hostil Repblica, no seio de Paris, s barbas
do governo republicano. No palacio Gallierai
residencia urbana do conde, houvc no dia lo do
Maio urna especie de beija-mo, um cortejo,
qualquer cousa parecida com urna revista pas-
sada ao estado maior e cada vez mais hypothe-
tica siluago orleanista. Os proprios ministros
estrangeiros acreditados junto ao governo fran-
cez tinham sido com antecedencia convidarlos
para esse acto, alm do mais, excessvameote
dispendioso, e portanto, contrario proverbia1
paixo que os representantes da casa de Orleans
dedicara economa. Espalharam-se com in-
mensa profuso folhelos, cartOes, photographias,
algumas das quaes expressivamente emblem-
ticas. As folhas reaccionarias, em lugar de ame-
nisarem os effeitos d'essa demonstrago ruidosa,
aggravaram-n'os por meio de descripces ex-
ageradas e calorosas expansoes de mal coudos
desejos. Dir-se-ia, ao ll-as, que traba real-
mente soa lo para a Franga a hora da nova res-
taurago. Una d*essas folhas, e das de mais
crdito, publicando a lista das pessoas Ilustres
que tinham abrilhantado a festa do dia 1% entre
outras cousas, disse que a circumsDecgo es-
tava no caso de ceder ao patriotismo, j que o
conde de Paris, chegado o momento propicio,
sabia substituir o silencio pela acgo; que o dito
conde Uvera ensejo de ver n'aquelle da, em
torno de si, o pessoal completo de um grande
governo, cora os seus principes, diplmalas,
pares, deputados, conselheiros de estado, etc.
Todas essas imprudencias otfenderam susce-
ptibilidades e rritaram profundamente a muitos
nimos.
Em taes condigOes, achou o ministerio que
devia pedir ao parlamento a mesma auctonsaco
que tres mezes antes recusara por inopportaaa.
Se o nao fizesse, arriscava-se a ver desfeita a^
maioria que o sustentava, em proveito de qrral 1
quer outro que acceitasse a expulso dos prih-f
cipes como primeiro artigo do seu programma.,
Aceusam o sr. Freyciet de incoherente. EIIbL
defendeu-se da aecusago, dizendo que a sujVrj
moderago anterior servir apenaa*para dar masjjjy
ousadia aos inimigos da Repblica; qua se nao"*
comprometiera em tempo algum a ficar comple-
tamente inactivo ante qualquer attitude menos
conveniente dos pretendentes dynasticos; e qae
se estes nao tinham acceitado como seria adver-
tencia as intenges da cmara, a que lte urna
vez se tinha opposto, nao mereciam absoluta-
mente a repetigo do mesmo servigo. E quando
lhe perguntaram porque a Repblica, em vea de
imitar todos os governos precedentes, em vez de
empregar o direito da forga, nao se envolva ma-
gestosamente na forga do direito. respondeu :
Ha necessidades superiores que se impOem a
todos do poderes qualquer que seja o seu nome
e a sua forma. Os principe* encarnan em si
um principio de governo, e sao para com o es-
tablecido urna especie de rgimen uovo qne,
pelo facto de existir ao lado do poder regular,
icnde a enfraquecel-o, a dcsacrcdital-o, e at a
fazer duvidar da sua duragao. Nao ha um s6
governo que tolere ou (eolia toler*!, dil-o a
historia, semelhante eslaao de cousas; todos ae

P
s

r

S'
a
.
;
^S
1 ^J u
'-'"'? ' *
-4 1
*.m 1
*sm 1
9. 1
Br .
as -
B-
'

M
]
i



Diario e Pepuunhiieo(iuarta-feira 26 di^ Janeiro de 1887



-
"eem coagidos a empregar a forca para manter
a ordem material, a usar de medidas especiaes
para affromar sitna^Oes igualmente especiaes,
como as que reauHaiu da preeenea de preten.-
dentes ao poder; em face da autoridade legal
Nao ha nenhum governo que possa indefinida-
mente supportar os esfor^os nquebrantaveis de
pretengOes exorbitatnes da esphbra da legitimi-
dade, e que fazem continuo appello a lodaa as
illuses, a todos os deaejas ardentea. a todo os
descontentameotos, a todo que de um momento
para o outro pode faser bacillar cerca da so-
lidez c futuro do rgimen qqe bastante fraco
para submetter-se a urna ordem de factos de tal
naturcza.
Perguntaram ainda ao Sr. Freycinet porque
motivo a Repblica, depois de ter abrogado as
leis do exilio fim 1871, vina, quinze annos mais
tarde, restabelecfll-a como nccessarias 1 Res-
pondeu o presidente do couscUio que a causa
desse phenomeno est no desenvolvimiento his-
trico, desse mesmo periodo, notando antes de
tudo que abrogago indicada nao foi acto de urna
assembla republicana e que os republicanos
que a votaram commetteram urna grave iiupru>
dencia, serviram a causa do monarchia represen-
tada na Asssembla Nacional. E' ceito que esse
acto legislativo nao deixou ver perigos inme-
diatos. Ao lempo em que foi droraulgado os
concurrentes ao throno neutralisavam-sc reci-
procamente. Havia, segundo a phrase celebre
de Thiers, tres caberas para juna s cora, o
que devia tranquillisar os partidarios da demo-
cracia republicana.
Mas depois da mortc do principe imperial e do
conde deChainbordmodiicaramseprofundamente
as colisas. At 1883 o perigo resultante d'aquella
abrogado era muito menor, e isso pelo excel-
iep.tB motivo de que os aspirantes cora viviatn
fura di Fraila: (/inconveniente particular que
provm da existencia de um governo de espec-
tativa ao D do governo real, nao exista ento,
desde que os pretndanles tinham a nobreza de
se conservar para l das fronteiras. A contar
de 1883, o partido republicano oomecou a sen-
tir a gravidade da situacao e proourou preca-
verse convenientemente. No coraeco desse auno
o manifest do principe Jeronymo Napoleo deu
logar a que urna le perfeitamente semelhante
que o governo hoje apresenta, fosse votada por
grande maioria da cmara dos depulados, dei-
xando de passar no senado apenas por 4 ou 5
votos, nao obstante ser abi a maioria republi-
cana muito menor que actualmente.
Sea expulsao dos princ'pes constitue urna
'"viotasto do direito commum outras tantas vio-
laces desse genero foram de certo:
a prohibico ce aspirarcm a presidencia da
Repblica, imposta aos pretendentes dynasticos
pela Assembla de Verstiles, peF occasio da
ultima reforma constitucional ;
a incapacidade com que a lei eloitoral do se-
nado feriu os niesmos predendentes. estatuindo
que nao podiam ser senadores;
a resolucao parlamentar que, finalmente, os
exclua da cmara dos depulados.
Alm disso, nao era o direito commun offeii-
dido quando estavam no throno os cbefcs das
familias a que pertencem os actuaes pretenden-
tes ? O que eram ento os pnvilegios ? Para
nao citar outros factos, basta lembrar que, por
urna ordenanca de 1836, os principes podiam ser
coronis aos 18 annos, quando o direito com-
mum nao conceda a gente de mais baixo nas-
cimento semetliante prerogativa.
Essas e outras razes aduzidas pelo Sr. Frey-
cinete n'um longonolabilissimo e discurso profe-
rido perante a cmara dos depulados, na sesso
de 11 de junbo, determinaram o parlamento a
votar urna le por forca da qual ficou prohi-
bida a permanencia em territorio da Repblica
aos cnefes das tamilias que remavam em Franca
c a seus herdeiros directos em ordem da pri-
mogenitura. Alm disso, (icou o governo au-
torisado a impor a mesma probibico a quaes-
quer eutros membros das mesmas familias, por
me de decreto do presidente da Repblica,
ouv'do o conselho de ministros.
Sahiram, pois de Franca os pretendentes ao
imperio e realeza de 1830. No dia subse-
cuente ao da partida do conde de Pars para a
Inglaterra, publicavam 03 jornaes monarchicos
um manifest assignado pelo mesmo conde, e
ante cujo comeado os proprios republicanos
que tinham desapprovado a le da expulsao,
eram obligados a considrala agora to neces-
saria. quanto legitima.
(Contnu'a)

1

RECIPE, 26 DE"jANfIKO DE 1887
noticias do norte do Imperio
O paqueie nacional Cear, entrado honirm do
norte, trouxe as teguiaie.it noticia* :
Aaaiauan
Data* at 13 de Jan iro :
fJDrixt.u a aou.inistraco da provincia o Sr. Di.
rneeto Chaves no dH 9 do correut, tomando as
rea.-as do go\emo o 1* vicc-presdeute Ex jo Sr.
commendador Clemeutino Jo Fereira Omina-
rles.
__Tainaram pos?e os novns vereadores da Ca-
ntar* Municipal c-pitul, sen 1 eleitos :
Presidente, Dr Aimiuo Alvares Alfonso.
Vice-presidente, tenante-coronel Emilio Jos
More ira.
__Sob a convoccio de alguns negociantes da
espial reaiisou-ae a na re.uniij para tratar da
iandacio de um c rpo de b.mbeiros, senda eleitos
para a directora:
Presidente, \rthnr Jobnston.
Secretario, Ma loel Fraueiseo de Azevedo J-
nior.
Tbcsoureiro, Otto Pnu-e.
Cammiss&o de utatutot
Dr. Joio Carlos -utony, Juio Affinso do N.is-
oaeoto, Bernardo A de liveira Braga, M Po
lack e Luz Sehi.l.
__Durante o m-s ultimo a Alfandega rend'u
4 101:758W88; e durante o ultimo semeotre o ren-
I memo foi de 497:0234375.
__ A subseripcio aOerta era f .vor da vinva e
filaos do indituao Carlos David eievava-se a...
2314"O0.
Seg I detros preparain-se pr* uma grve, em vircade
d'uus. impisiclo do pr-S'dcnte .i* Cmara.
__ Antes de deizar a administrado, o Sr. Dr.
Chaves praticu os se/uintes aeloa :
Aposentados V seu p-dido, o epitao Thomaz
L. hy npaun. no cargo d- inspector do The .uro
Provm :ial. de aecordo c m a 2" p.re do do art.
1 da lei de 29 de Setcmbro de 1881, co n o ordenado
proporcional viute anno, quatro meses e befe
di is d ia%11.Hr arvic couforme a liquidacio
faita no mesmo Tbes-uro; e o tnajor B-ymuu lo
Antonio Fernandos, no cargo de director geral
da secretaria do g v-rno, de aecordo cotn o
art l* $ 1* U 1 i de '9 de Seteo.br. de 1881.
sPromofoe*. A director eral da secretaria du
governo, o director da secc&i Jos Ferreira
Fleory; a director da referida >-v>}io o >.fficil
Antonio C. B'beir. Btttenc ntt, ea otticial o aoja-
naense Joi Baptist.a de Faria e Souxa
Furm reuiovid" : o atnauuenst* da secretaria I
d Instraic) Publica Joo B. Monteiro Tap>js
pura igual cargo n s creUria do governo; para
o cargo de inspeotor d Theouro Prtvincial o al
aaioistrador da re.-ek -doria provincial, Dr. Maooel
Joi de Oiiveira Miranda, e para cargo d'ste o
eeeriptnrauo ia mesuia repartidlo Cnetano L
rarat
Datis at 17 de Janeiro :
Na eleicio para pre^ ncbmento d- um vaga d-
vereador aW Cmara Municipal de B lew, fot mais
votado o candidato ounaervadr, major Jos J.
Pimenta de Magalhes, que obteve 376 suffra-
g'ios.
Lemos no Diario do Orio Para de 11 :
llontem fot atacado par paisano* a patralha
da gtreneia, na occaaio em que tnorreu atogado
um menor, cuja marte attribairam os ditos paisa-
nos 'iquella patralha, que diziam elles, vendo o
menino despir-se no caes persegoi-o at que elle
precipitou-se ao mar.
A patiulha foi espancada e desarmada, e s
ba muito casto couseguio arrancal-a das maas do
povo o srg^nt> do piquete de cava laria acompa-
nbado por aUnmas praeas que fra abi manda-
do' do eOBmandaute de orpo militar de polica,
logo que tave eenhecimento d'eaavt occarrenow
Iiilormain-no que a patralha nao conoawrsV
directamente para a roorte do desgracado menino
e que si este se atiroo ao mar fui simplemeota
com leeeio dos sollado* quu apparecerain na oc-
casiao em qo* elle athava-se daspido sobre
caes.
' A autoridade competente ordenou que se fi-
zesse exame no cadver do menor e abno inque-
ritos.
Lomos na mesma folha de 12 :
Somas informados de que, em eonsequencia
do embarque para o Maranbao, por motivo de mo-
let;a, da Eluia. senhora do Sr. desembargador
Barrada, digni presidente d'e*U provincia, con-
sultou S. Ec. ae goverao Isapctial sobre a poM
bilidade de saa eiuu-racio, caso se i.ggravasse o
terrivel mal de saa virtuosa esposa, sendo a res
posta um appello do mesmo governo, para que S
Kic. ainda com tacrificio contine a dcseinp :nhr
a honrosa commis-o.
Ae que nos disaeram, o termo* da lespost
do Sr. presidente do conselho tilo muito hoarosas
para o Sr. desembargador Barradas, como era de
esperar.
FelieiUmo-no* prr eeaa resaltado, fajando vo
jm pata que nao se d o motivo que determinou
as apprebenfces que posta ter tido S. Exc.
Asstm o exige o bem da provineis, cojw des-
iia*s mui aeertadameote foram confiado* ao escla-
recido criterio do honrado e dist;nsto magis
trado.
Hsranh
D^Us at 20 de Janeiro:
As noticias d'esta provincia sao de menor inte-
resse.
L?mo* no Paix de 13:
Hovtem, s 11 boraa do di, presente* os Srs.
vereadores Silva Serra, Qomes de Castro, Mar-
ques Rodrigues, Collares Moreira, Prado, JoSo
Leite, Manoel Nina, Fernandes, Alfredo Silva,
Goncalvef Jnior e Adriano Santos, foi aborta a
seeso da Cmara Municipal.
Approva ia a acta da sesso anterior, proce
dea-se leitura da resppsta dada pela presiden
ca da provincia ao officio em que o presidente da
mesa provisoria da Cmara M inicipal deu conta
do occorrido na eessao de 7 do corrate.
De ac carde com a eolueao dada pela presiden
ca da provincia e depjis de baverem fallado
respeito os Srs. Vereadores Adriano Santos, Fer-
nandea e Gomes de Castro, foi deferido juramento
ao Sr. Fernando Aatooio de Jess, que tomou as-
iento.
Ia-se proceder eleico de presidente e viee
presidente, quando obteve a palavra pela ordem
o Sr. vereador Fernandes pa-a apresentar um re-
querimeato pedindo que se adiasse a votacao e se
conaultaase o presidente da provincia se, juramen-
tado o Sr. Fernando de Jess, podiam n'elle reca-
btr os votos para os cargos a prtcncbei.
Approvado o requerimeoto1 foi levantada a
sesea.
Lemos na ir.c.-ma folba de 15 i
Hautem, s 11 ht>ras do dte, pneseotes os Srs.
vereadores Gomes de Castro, CullWre* Moreira,
Rodrigues, Joo Leite, Matbias do Rrado, Xavier
de CarviWho, Vieira Nina, Goiicalveynnior, Fer-
nande*, Adrin* Santos, Alfredo Silva e Silva
Serra, este, na qualidade de presidenm provisorio,
abri a eessao. f
Approvada a acta da sessao-.antecedente e li
do o ufficio da presidencia d i provincia e respes
ta ao do presidente provisorio sobre a consulta
feita a requenmento do Sr. vereador Dr. Fernan-
dos, paseon-se votaco para os cargos de presi-
dente e vico-presidente.
a A requenmento do 8r. vereador Alfredo da
Silva foi nominal a votaeao, que dea c seguinte
resultado :
Presidente
.Silva Serra 6 voto
Coliare* Moreira 4
Dr. Gomes de Castro 1'
Adriano Santos < l
Votaram no Sr. Silva Serra, os Srs. : Xavier
de Carvalho, Vieira Nina, Gonealve* Jnior, tr
Fernandes (liberaee), Adriano Santos, Alfredo
Silva (maylas).
Votaram no Sr. Callares Mor'irs, o* Srs. :
Gome* de Castro, Joo Leite, Matbias do Prado e
Marques Rodrigues (conservadores).
O Sr. Cortares Moreira votou no Sr: Dr. Go-
n.e* de Castro, e o Sr. Silva Serra no Sr. Adriano
Hintos.
Vice-presidente
Alfredo Silva 6 votos
Marque* Rodrigue* 4
Joa Leite 1 *
Adriano Santo* 1
A votaeao foi a mesma, mutatit mutandi*.
m Muito propoeitalmente den -u da c mp..re.cer
sesillo o Sr. Fernando Henrique de Jess, afim
de que ficasse provado evidencia que, com a *ua
chamada para tomar parte no* traoafao* e assitn
completar o numero legal de vereadores, nao se
attendeu a interesse* de partido seoSo a una
queso de direito, tanto mais qutinti, ainda que
comparecesse es*e tenhor, nao poderia ser eleito o
candidato conservador que teria, em ve do qua
tro, cinco voto, sabioco empre victorioso o can-
didato do grupo* colligados.
lato o que desojamos deixar bem frisado.
Quanto ao resultado da el.'icao, em nada nos
surprebendeu, senda, cerno foi, a reatisaco d.
que baviamos sempre previsto, deixaraos consig-
nado no noaeo edictorial de boutem.
I pmuiiv
Data* at 9 de Jaueiro :
O presidente da provincia Dr Jansen de Mat-
tos, em -l de Dezetnbro, fez uma excuraSo at a
Vorgem da Cruz, onde ha uma cathueira, no rio
Paruahyba, percorrendo diversos povoados.
Lemos na Epocha de 9 do corrente :
A comarca de S. Raymunlo est conflagrada.
Um grugo de facinoras, a cga trente se acna nin
tal Maocl da Costa, que se intitula chefe lioerai,
mas de faci chefe de quanta desordem all ap
parece, acaba de praticar um attentado, digno da
mai* severa puoieo.
Eis o facto, tal como nos foi narrad) por pes-
soas consideradas do lugar, e como consta das
communicacoe* ofBeiae, dirigidas ao digno presi-
dente da provincia e ao Dr. chefe de polica.
Tendo o juiz municipal do tormo, nosso dis-
tincto amigo Dr. Joo Leopoldino Ferre'ra, rece-
bido denuncia de que o individuo de nomo Fren
cisco Cabral, linha em seu poder urna certa quan-
tidadu de tnoeda falsa, inmediatamente ordenou
uma basca na casa onde se achava hospedado es*e
individuo; e, como Ihe f.culta a le, foi nesistir
a mesma, acomoanhado pelo adjunto do promotor
publico e pela autoridade policial em exercicio.
Uhegando ao lugar da busca, sauio-lha ao encon-
tr, a frente de um grupo de despresiveis capan-
gas, o tal Manoel da Costa, que, nao eppos se
diligencia, como taubem dirigi ao nosso mi
go, ana familia, e as autoridades superiores da
provincia, os mais brutaes e immandos doestos,
chegando ao ponto de amecal-o, si por ventura
persiatissu em effeotuar a busca, de alargar-.be
a garganta com uma faca, e reduzir-lhe a p a
cabeca com um caevte !
O juis municipal repellio, com a moderac&o e
diguidade que Ibe sao peculiares, as iujarias des-
se acelerado ; e como elle iosistisse em maltra
talo, ordenou ao commandante do destacamento
(que se achava prea-nte com aL-uuias praeas) que
etf ctuasse a sua priaao. O Commandante ac-
bardou-se ante a superioridsde numrica dos ban-
didas e confessou-se impotente para cumprir a
ordem.
A' vista dosse acto de iraquese, o digno ma-
gistrado, na dispondo de outros meio* para fazer
eftecfiva a diligencia e prender os desord^iro ;
coahecendo que sua autoridade estava exposta a
s ffrer desacate* ainda maiorea, e que sua propria
vida nao deixava de estar em perigo, tomou o
prudente alvitre de retirar-se a sua casa.
Cootando com a fraquez* numrica do desta-
camento, os desordeiros derain larga* ao* en*
instiiicto* perverso*, dirign-am ao juiz municipal
e a tolos de ana familia as mat atroxes injuria,
e proolamaram alto e bom *om que elle e o pro-
motor publico, nosso prestanti toso amigo coronel
Piaubyiino. *eri m ambo* assassioaiot no da 3
deate mes. Para tirar a vida a esto ultimo, a
mandado do preteuso chafe liberal do lugar, Ray-
moudo na Costa, no biodido o esperou quatro
dita* n'uosa mboccada ; t como elle UM a fot-
tuna de nao cauir na cilada, satisfea-se o miaora-
vel com roubir-lh de um cercado uma mua de
sella.
Em eonsequencia de tio grsves aconteciineu-
tos, e ante o unmineute risco de vida que '-.orriam,
resolveram o jais municipal e o promotor publico
representar ao presidente da provincia, pedindo
que se dignassa providenciar no sentido de ser
restabeleeid^ a ordem na comarca, e de Ihe ser
garantida a existencia.
> O Exm. Sr. Dr. Jansen Mnttos com o zelo e
aolicifude con- quo costuma encarar o* negocios
da provincia' a*u cargo, aeaba de faser seguir
para aqqerlav'v!*, no carcter de comman lauto
do desMesnaaatO*) delegado de polica, o major
Jos MaWoat Taoernarl, digno commandante d .
corpo nolKi'il. A medida nio podia bit mais acer-
tada ; e,' na- deficiencia quasi absoluta em que nos
.lIi.lijinlil toltft publica, era a nica proficua
3ae *E3m.. poda adoptar. O desueamen** de
: Raimando, e*m uavreforco de qantro pfaeas
que'fot ha pouco enviado, e com daas piezas mus
que condu* o commandante, fizara composto de
quinze soldados, e si o .minero deste parece limi-
tado, comparado com o dos desordeiro* que all
existen), sei todava sufficieute para garantir as
autsridadesie restabelccer a tranquillidade poli ti
ca, teudo, como tom, a saa frente, um oficial da
prudencia, rectidao e energa do mf>r Taver-
nard. >
Cear
D itas at 22 de Janeiro :
Tinha chovido copiosamente na capital, e do
interior eram satisfactoria a* noticia* d* in-
vern.
De Cand* escrevoram em 10 Gazeta do Norte :
Depais de alguna dias d um calor oppressi-
vo, de 84 cent., tivemos uma boa pmicadii d'agua
s 11 hornada uoita de 15 do corrente, a cumpa-
nhada de descarga* elctrica*, pluvimetro
recolhcu 21 millimetroa.
< As chuvaa lm continuado e parecem mais ou
menos gerjes
Nao resta n menor duvda de que o invern
est francamente, declarado, e pensau 1o-qj.ssio,
os lavradores, afanosos, tratam da plautaco.
Se ir to benigno, quanto o toi seu prede-
ces*or, podemos, desde j, contar com uta anuo
abuolante.
Pela Prcbideneia foi expedida, a seguinte
portarla :
" O presidenta da provincia, attenJendo a que
no municipio de Sobral foram juramentadas e em-
possadas dua turmas de vereadores^constituin
do se cada uma em Cmara Mu.ncipil no dia 7
do corrente mez. conforme participacoes otficiaes,
que de ambas se receben ; e
Considerando que este facto resulta de ter
uma das parcialidades politieas jalgado Ilegitima
a iuterpretacao dada pelo juis de dire.fcT'la comar-
cs e pela Cmara Municipal ao accordao da Re-
la^o do districto n. 3,221, mandaado^ra eonse-
quencia desia interpreta^So procedera novo se-
gundo escretinio;
Cnsul, raudo que emquanto eitiverem liber-
tos os recursos legaes para o dito tribunal, e elle
compete corrigir ou confirmar a interpritaco da-
da ao seu accordao ;
Considerando qae nestn* cnudis023 seria m-
templRstiva a interferencia da admioistracao man-
dando que funccio'ie qaalquer das turmas de ve-
readores. emqusnto nao passarem em julgado to-
dos os actos da eleico; e
Considerando, finalmente, os intuitivos in-
conveuieutes que resultariam das fuoccea si nul-
taneas do du-s cmaras no mesmo municipio, at
que a Relar^o decida a controversia ou-ijue pas
se ii em julgado todos os acto eleitoraea ; resol-
ve mandar qua a cmara do quatriennio fiodo re-
assuma o exercicio, em que se conservar at que
fique legitimado o reconbecimento da que deve
funecionar no actual quatriennio. O que cumpra-
*e, sob a pena da lei. Palacio do governo do
Cear, em 18 de Janeiro de 1887. Eneas de
Araujo Torredo.
Da Villa da
rein
Palma communiesram ao Cea-
Na noite le 13 para 14 de D'zembro o 3" mp-
plente oo juis munieipal deste term, Sr. Trajauo
Altiiio de Aguiar com seu filho Laf*yette, acom-
pauhados de cinco capangas, todos armados de
arma de fogo e tacos, invadiram alta noite a
casa de um pobre e pacifico pai de familia, Ry-
muno Pervira do Nascimento, o peoetranlo no
quart > ende dorma o infe>is acordaram-n'o pan-
cada*. D'poia do que amarraram-n'o cem corda
ennegrecer os pulsos, e ueste estado o Hcoitaram
e espancaram brbaramente. O mepmo fizeram
eem um filho do iufeliz, accoma^tendo, efn segui-
da, uma filia menor quem teriram na cabeca.
Nem pouparam um hospede que ah. pernoitaVa,
que tambem fifi muito espancada e fertdu!
No dia seguinte apra^ontaram-se os iufelizea
ao delegado Sr. Joaquim Machado, n'esta villa,
peiindo justica, mas esta Ibes foi negada; porque
fazendo-Be eorpo de delicto os ferimeotos foram
declarados leves. Deixou de apresentar ge o hos-
pede i- Raymando Pereirs, quo nao pode vir at-
iento seu estado de prostracao e nao consta que o
delegado tenha providenciado quanto ao corpo de
delicto.
Na villa do Par-Cur fallecen a 7 do cor-
rente, tendo aidade do 10J anuos, o Sr. Ignacio
Ferreira da Silva.
De sua extraordinaria existencia o finado deixa
saudo a memoria e uma familia honrada e nume-
rosa, comp .ata da viuva, D. Alexandrina de Je-
ss, que tambem j attingio a idade de 70 annos
e 6 ti I n s, 24 netos e 9 bisoeto.
Uto tirande do Norte
Datas at 23 de Janeiro.
Constam a* noticia* da carta d* nosso corres-
pondente, publicada na rubrica Interior.
Fanilijba
Data at 23 de Janeiro
Tambem constam as noticia* d'esta provincia
ds carta do nosso correspondente, na rubrica In-
terior.
Mallo Croan*
En data da 11 do pastado psernveu o Sr. Dr.
Alvaro Rodovalho M-rcaoJ'-a dos Res, presidente
da provincia de Matts Grosso, ao Jornal do Qr-
meicio da corte.
Sr. redactor.Apenas chegnei a e*ta provin-
cia tratei de fundar um estabelecimento de edu-
cacao moral e reiigioa do* indios, bem como uma
associacao para prot. ger aquella iostiluicao.
Este m^u proeedimeuto-teve. por raovel o fac-
to de encontrar, quasi que pacificada pJe-*edi*cr
a numerosa e terrivel tribu dos ''ornado*, que, por
eapaeo de cerca de cem anno, f-i o terror des pe-
queaes lavradores da provincia, sliecesso vsta'ot-
tido gac>8 ao tino e solicitude do Ilustra'o ex-
preeidente Dr. Joaquim Galdino Puneutel.que nao
encoatrou barreira, nem obitaeutoe para a obtecn-
c&a daste importante commettasMmto.
MSMtcce, porm, que ai "fta a-mesuiaipr-
vnaakVfMos seas exiguo riii, temar a ta
desfMtWMm o custeio de taMaipartanM' Mnke,
e por nasa razio tomei a delibera^ao de correr
munificencia particular afim de levar-se a ff-'ito
este desidertum, de que, por certo, advirio bene-
ficios roaes, aos indicados indios.
Assim, pois, dirijo-me redaegao do JornaZ
do Commtrcio pedindo-lhe o sea valioso concurso,
mediante a abertura de uma subscripelo para o
rini que tenho em vista, esperando que acolher
benignamente este mea appello.
O ministerio do imperio expedio ao presidente
da provincia de Matto Grosso o seguinte avise,
com data ds 17 do corrente mes :
Iuteirado do que V. Ebc. expe em seo officio
de 11 de Dezesabro ultimo, approvo a* providen-
cias que tomou no intuito de evitar a propagaco
do cholera morbos aessar provincia, e recommea-
do-lhe qne empregue tolas as medicas tendentes
a debellar a epidemia, solando o pontos cm que
ella se tiver manifestad >.
O offlcio de presidente Dr. Alvaro Rodovalho
Marcondes dos Res do theor seguinte :
Em obediencia ordem que V. Exc., me tiana- vidade das circumstancias.
Voll i:i>, do PaclOco. Rio da
Prata e sni do imperio
O paquete inglez Galicia, entrado hontem do
sul, triare s* egainte* noticias eras que constam
da rubrica Parte Qfflal :
Pacifico I
Datas telegrapbicas at 7 de Janeiro :
Telegramma de Valparaso, datado do dia 1,
di* que Causou all grande seusaco a noticia do
fallecimiento de 30 pessoas acommettida* do cbo
lera em Santa M outro expedida de Santiago a 4, diz :
At agora o cholera aeommettea somonte a
aldea de Santa Mana.
Ante-bontem houve 16 caaos e 4 bitos.
As autoridades adoptaram toda* ae medidas
de precucao, no intuito de evitar a propagaco do
mal.
A Aacioi diz conatar Ihe por telegramma* do
Chile que o governo deste paix, dispondo de fun-
dos votado pelo Congresso, estava cem^atendo
com maiur energa a invasSo do chelera.
A epidemia acha e limitada a ama pequea
rea da provincia de Aconcagua, a qual estava
cercada por triplo cordio sanitario feito por tro-
pa de linha.
O llagcllo all combatido pelo fogo, indemni-
sando o estado o pr.judicados.
Rio da Prsi
Datas at 9 de Janeiro :
Na Repblica Argentina nenhum facto poltico
occorrera oigno de meosao.
A epidemia ia declinando, tanto na capital como
no interior.
Fallecer repentinamente em Corduva o juis fe-
deral da provincia, Dr. tiaphue Garca.
Foi aberta no dia 2, em Montevideo, a inscrip-
clo do registro civil, e era tal a agglomeracao de
gente, que alguma pessoas fie .rain ferida*.
Ruperto Fernn les, ex ministro do governo no
lempo de Santos, foi eleito senador por Minas.
Conatava que > coronel Burgos ser numeado
ebefe poltico de Canelones.
A familia do general Mximo Santos partir no
prximo mes para a Europa.
O governo da R-poblica Oriental rejeitou defi-
nitivamente o contracto ad referendum, celebrado
a 2 de Desembro ultimo, em r'ans, para e estabe-
lecimeato do Banco do Uruguay.
O ministro dos neg cios estrangeiro* commun-
cou ao du governo que a* participacoes du chele
p litico de Rivera relativa* ao procedtmento irre
guiar da* guarda* brazileiras d* fronteira tinham
ido enviada* ao ministro plen'p tenciano da re-
pblica imperio do Brasil, afim de pedir ap go-
verno imperial explicacies acerca do e*e.
Por decreto do Si d Desembro resolveu o po-
der execntivo dar por fiada a oterveoco da junta
. conomica adminutrariva da capital no* hoapitae*
e casas de beuecenvia, fieando a cargo d minis-
terio do goveruo a superitendepcia, da administra
cao de lotera* e da admiautraeio da* renda*
attrrauidas a atea ervio*.
miito por telegramma recebido rm Moutovinio
dia 15 de Novembro prximo paseado, em que V.
Ese. deelarou fechados os portos naciooaes exeep
to o da iiha uraudo ans navios proce lentas da Re-
pblica Argentina e de quaesquer outros porto*
infeccionados di cholera-m .rbus, e ua impossibi-
dade d- tomar providencias com tempo de se la-
zer.on eifieazes, se tvesse de, e?pcri.i- a ininb.i che-
gada n esta capital para do posse da presidencia
agir legalcente, delib.'rei ordenar .desdfl lo='o as
medidas quo pareceram-me mais urgente e ne-
cessaria* para impedir a invaso da epidemia em
territorio nacional.
Na coiiting ncia de infringir uma fortnalida-
de ou de deixar a i tovincia sob a iminiicncia de
urna calamidade, prefer re^olutiimoate o primeiro
alvitre, e submetto o men acto ao recto juizo de
de V. Kxc, tanto mais conscio de haver cumprido
o mau dever, quauto mais se me afligura p .sadu a
responsabilidade que me acarretaria a timidez ou
exagerado esrrup-ilocm tal emergncia.
o Como medida provisor ordeaei ao comman-
dante do destacamento da colonia da Apa, logo que
ah ch.guei,quede;larasse aos commandantes dos
navios precedentes de portos argentinos que o go-
veruo imperial hivia fechado os portos brizileiro.
s procedencias daquella repblica, portant", n'.o
Ihes podia ser permettida a entrada no porto de
Coruuib, nem commauicaco de naturesa algama
com o territorio nacional.
Ordenei nais que faos navios procedente* do
Montevideo ou Aasumpco com carta liinpa da au-
toridade competente, loase imposta uma observaco
de quatro das abaixo da foz do rio Apa, e so du-
rante a viagem e observadlo nao se desee caso
algum de moleetia a borda, f.sse p rmetlido o
desembarque, depois das ndiapenaave desinfac-
coea. devendo o referid commandante passar um
.-.tt siado de havsrem os navios se sujeitado a es-
aas preacripfo.'S.
Cumpre in informar a V. Ese. antes de ir
adiaote, que determine observB^o para as proce-
dencias de portos suspeitos, como Montevideo e
Assumpc, porque o uuico tclegrau.ma que ate
ento havia rec-bidd V. JSxc. apenas se refers
as quarentenas de rigor para as procedencias de
portos infeccionados, aim do que o Sr. ministro
do Brasil em Montevideo, depois de haver recei-
do instruccoes do governo imperal sobre esta ma-
teria, declarou-me que emquanto nao heuvesse ca-
sos do cholera naqueHa cidade deixaria subir
para Corumb os paquetes brasileires.
Agora, porm, que acabo de tar telegramas
de V. Exc, em que me declara que as quarentenas
que de rigor para as procidencias de portos infec-
cionados quer de observaco para os de portos
suspeitos, serio todas ieitas no azi.reto da liba
Grande, o que alias desde o principio se tem ob-
servado as outras provincias ; ordenei nessa con-
formidade a interrupce das communcacoes com
todos os portos mencionad.a nos tetegrammas e
aviso* de V. Exc, quer infecionado, quer suspei-
tos.
Chegando ao forte de Cumbre, officiei ao res-
pectivo commandante, communicando-lhe as or-
dene que lia va na colonia do Apa, e recommendei-
Ihe que verificasse se os navios que ah tivessem
de passar traziam o attestado a que cima me
refer, assignado pelo commandante do destaca-
mento daquella colonia, afim d-- Ihes ser perraittida
ou prohibida a entrada em Cornmb.
Finalmente, chegando a Caramba, requisitei
do commandante da fotiiba nacional o monitor
Piauhy, para estacionar na foz do Apa, e ahi in-
cumbir se do servido que nao poda satisfactoria-
mente ser deeempenhado pelo destacamento da
colonia.
Deve ainda commonicar a V. Exc. que ao pas-
sar por Assumpco soube do Sr. ministro do Bra-
sil que ahi se navia dado alguna casos suspeitos
dos qua. a dous tataes a bordo da conhoneira bra-
zileira Iniciadora, o que depois desse caso havia
partido para Corumb o vapor Antonio Joo tra-
zando a seu bordo o capitn de mar e guerra com-
mandante da flotilba. conseguiodo alcancar esse
vapor em um ponto do rio Paraguay em qne se
achava elle em communicacao com a trra, e at-
tingindo o forte de Coimbra muito antes delle,
determinei tambem ao commandante daquell
forte que intimasse o referido vapor a ama obser-
vaco de 24 horas pelo menos e que declasse ao
Sr. commandante da fl tuba que s Ihe poda ser
permiitida a entrada em Corumb se toase satis-
factorio o estado sanitario a bordo do seu navio
durante a viagem e observaco e depois de conve
mentemento desinfectado.
Chegando, emfim, a esta capital e de posse
dos telegrammaa e avisos de V. Exc,
neuessarias ordena em additamento
dado, nos termos a que cima me
portanto, esta provincia sem communi;aco algu
ma com o resto do mundo, p.ule-so dizer, o que
torna in lispensauel a reacio de um com io espe-
cial por ter-a, que nesta data solicito de S. Exc.
o Sr. ministro da agricultura.
Por ultimo, levo ao conbucmento de V. Exc.
qne no dia seguinte aquello em que cheguei a C -
rumba, manifestoa-se a bordo do vapor que me
ha va coi luzd ., e qae alias voto directamente de
Montevideo, sem tacar em "porto algum, um caso
de clicas vicenlas, com sync .pes, teore e fri
intenso uas extremidades, conforme uiform u m
o medico que nao tinha anda opimi. formada so-
bre o caso, quando part para >-sta capital.
cr Teudo-se dado a bordo durante a viagem um
caso perfeitamente semelhante, e bavendo-me de-
clarado o medico, Dr. Alvea de Barrea, que se
tratava de um iacommudo qae naos tinha de cm-
mum com o cholera, o que ficou verificado pelo
restabelecimento prumpto do d ente em dous das
de tratamento, nao me aasustou o incidente a qae
cima me refer ; maa em todo caso maudei por
precauco que ae iaoiasse o navio e que se proce-
deese, depr ia do tratamento do doeute, desiufec
cao antea da communicacao'com a cidade.
Eis ah xposto tudo quanto tem occorrido em
relacio epidemia do cholera no Rio da Prata,
e toda cene de medidas que tenho posto em pra-
tica para pieveuir invaro nesta provincia.
Esperando que as inhibas r.-eolucoes sobre
esta materia laereea.n a approvacio de V. Exc.
aproveitu a opportuuidade para releirar a V. Ese.
o* protestos de minba respeitosa estima distia,-
eta considera ci.
o rttade do Sal
Dslss at 10 de Janeiro:
A Alfandega de P.rto Alegre arrecadoa de Ja-
n*iro a Desembro de 186 3,357:172*949 ou mais
1,090:71*8111)01 do que do Jaueiru a Desembro de
lo8&.
U Correio mercantil, de Pelotas, reterindo-se
primeirt reuuiio da nova cmara, noticia que fo-
ram lomadas as seguiutes rosolug s:
Suspender por falta de verba, a illumioac,ao pu-
blica que erria por conta d cofres da cmara e
em coja 3ervico gastara 2< Ot por mes ;
Chamar oncirreotes coutinuacAo do calca-
mente das ra* da cidade, que so tasia po admi-
nistraoio, suspeudeudo-se desde j o* traba-
loo*.
Faser, por meio de concurrencia tambem, o ser-
vico de limpeza da cidade, visto reconbecer-se
que por administradlo tornase mais dispen-
dioso;
Nomeiar urna commisso qae quanto antes
aprsente projecte de *esoluc5es preventivas em
relacio ao cholera morbo*.
Da mesma folba extrahimo* as segnintes noti-
cias : |
, TenJo o Sr. Bario de S. Luz e outros caval-
leiros resi lente* nesta cidade e propretarios de
estancias no Estado-Oriental solicitado ao gover-
no imperial, por telegramma, lieen;a para passa-
rem seus gado* daquelle para o nosso territorio,
receberam hontem, pulo telegrapbo, a seguinte
ootestacao do Exm. Sr. Bario de Cetegipe. pre-
sidente do conselho :
Ha noticias do apparecimento do cholera em
Montevideo.S^ nio huuver todo o rigor e .vigi-
laucia, a provincia ser invadida pelo fligello.
Dos males o menor. Espero que V. Exe^todos ~ N. ^"ro do Alambary, fregnezi
os signatario* anxiliem
o governo. Providencian
i.fiicUes improficuas sem e concurso de todos. A
causa commum.Bario de Cotegipe .
Entretanto, sabemos ^ue ainda ante hontem o
Exm. Sr. presidente da provincia recebia do mi-
nistro braz lero residente em Montevideo a noti-
cia de que o estado sanitario da oidade era excel-
ente I .
Um respeitavel cavalleiro residente nesta ci-
dade receben hontem 7, um telegramma de Mer-
cedes, Estado Oriental, commancando que o cho-
l.-ra-morbus tinha se manifestado naquella ci-
dade.
Nio ha, pois, mais dnvidar.
Apezar das communic .co-s do Sr. ministro
Ponte Ribeiro e das affimacoes particulares, o
e bolera est em Montevideo, em- Mercedes, e qui-
f em outras localidades do estado vismho.
Nio ser lempo de providenciar seriamente
em relacio s exigencias da salabridade publica ?
.. Parece-nos que sim.
O que se fez at agora nada perante a gra-
i
*-*m
1
Invcanos o patriotismo da cmara municipal
e pedimos medidas enrgicas, prompfas, qne ao
menos trunquillisem a populacio.
Em Pao Fincado, 2- districto de S. Gabriel,
falleceu do um tiro, quo reeebera de um eseonhu-
do. oalferes Agapuo da Silvs Netto.
O assassino descarregou o tiro na eccasiio
em que pedia uma pousada victima.
A Resistencia, folha de 8. Gabriel, diz qua
nio sao coobecidosvo* motivos que determinaram
esse fat-l acoiitecimeota .
Em Bag foi empossada a nova cmara muni-
cipal.
Acama di Livramento deu apresa vulgar-
mente conheeida por Bica o nome do couselheiro
J...- Bonifacio.
Ilinns ternei
Datas a' i'i de Janeiro :
No dia 5 do corrente, as immedi&ces da cida-
de da Ponte Nova foram assasainadis um viajan-
te franeez e um camarada que com ello vinbs e
morto com dote focadas um ci que os acumpi-
nhavu No dia 12 f.-ram presos no arraial de i
quiry d.us dos Hssasainoa de nome Amerieo e Au-
gusto.
Sobie esaa priaio publica o Rio Doce, do sen
correspondente do Jequiry a segualo carta :
Di-sde hontem a noite, 10 do corrente, os ha-
bitantes desta freguezia, sabendo q je Augusto s
Amerieo, criminosos do morte para r ub.ir, esta-
vam prximos deste lugar, piUcram-ss no encal-
co deatea faain>Jrosos.
Durante t.da a noite estiveram em seria di-
ligencia, desde que avistaran) oa crimiuosos que
atiraram-se ao rio Cisca i intuito de pasaal-a a
nado. Augusto conseguio alcancar o outro lado, e
Amrica do meio do rio voltou por temer a cor-
renteza. Este ultimo deixou-se ficar dentro d'a-
gua edebaixo de uma arvore, tendo tmente a ca-
beca de fra. Foi preso pela manha; estava com
pletansente n, toado perdido no meio do ra a
trouxa e 60$ que traza para a viagem.
Hoje, s 2 horas, foi presi o Augusto, em cu-
jos boleos foram encontrados mais de 500, fruc-
to maldito e execravol do roubo .
Alm dos dois assasainoe presos, ha mais dous
de cuja captura trata a polica, tendo desenvolvi-
do a raaior activijad.l o delegado de polica, que
mais nio tem feto por ser diminuto o\numero de
praeas do destacamento da cidade.
Na roupa do viajante aasaasinado estavam as
inicias G. A. M.
No arraial de S. Domingo, termo da Ponte
Nova, no dia 1 de Janeiro a 2 horas da tarde,
Francisca Pacifico e Jos de Paula derain em "la-
noel da Paxio urna tremenda s*va de pao.
O motivo desta sva foi originado por urna ca-
misa que Paixo tomou emprestada n Pacifico e
parece que a nao quis dar.
Nos campos do morro de Sant'Anna deu se no
dia 2 do corrente urna lamentavel desgraca.
Alfonso de ta', empregado na companbia, ten-
do ido cacar, castigou um ci com a coronha da
espingarda, esta disparou, empregande se a carga
na bocea do infeliz.
Aflouso acha-se em perigo de vida.
__ No dia 10 do corrente foi preso no Hotel da
Familias, em Ponte-Nova, nm individuo que se
dizia chamar Tristio Moreira Barreto, ser tenente-
coronel do 4 regiment e ter ido de passeio
provincia de Minas. As respostas deseneontradas
e trajar immondo com que estava gerararo des-
confiancas de que era algum cavalheiro de indus-
tria, o que elle nio se demorn em provar porque,
du o Rio Doce, Depois de beber durante o jan-
tar muito vinbo, exigi uma garrafa de cognac e
denro de duas horas esgotou o eeu conteni, fi-
eando completamente embriagado, pondo se a in
saltar a todos que alli estavam e especialmente
aos mineiros em geral e de nm modo insolente!!
A' noite ameacou atirar da janella abaixo a
nm hospede muito distiucto, e quis atirar uma
garrafa n'outro rapaz que nio accedeu em beber
com elle; at que afina!, faltando a paciencia aos
hospedos e hoteleiro, deratn parte ao commandante
da forca publica, qae vindo ao hotel com duas
praeas, prenden o tal beb'ado, que como um ci
damnado foi gritando e insultando a todos at a
cadea, onde, soffrendo uma busca, encootrou-se
uma carteira com slgumas notas de viagem es-
criptas em lingua hespanhola, e tambem a quantia
de 44000 em duas cdulas de 2*000, e alguna car-
io -s de individuos re8dentes na Repblica Orien-
tal e na provincia de 8. Paulo, fazendo crer que
elle nio passa de Argentino; e quem sabe se nio
ser um criminoso ou inembro de algama quadri-
Iha de salteadores, cuja praga infecta infelizmente
Exc, exped as eata 8JIia) que trax em continuo sobresalto a classe
s qae j hava yi^j^nte, fazendeiros e at oa negociantes estabe-
referi, fieand., |ecf log ,
L-se na Verdade, de Itajub:
Os soldados que por ordem do Sr. delegado de
polica foram ha das mandada para Oaro Preto,
e que no rancho do Furaio, a urna legua dest*
cidade, onde se deixaram ficar, pratcaram distur
bos, evadiram-se d'alli, ao saberem qae urna es-
colta Ihes ia no encalco.
< A polica de paisanos, qao tem tido grande
trabalbo em policiar a polica militarisada, po ide
prender seis dos taea desordeiros, que se acham
rec libidos cadea como desertores, ordem du
respectivo commandante.
__ o di* 9 do orreute, o cidadio Jos Antonio
Penha de A rada, retraddo se para saa tazeuda
na freguezia da Vargiuba, foi aaaajsinalo com 2
tiros pequea distancia da cidade.
O assassino nao foi descoberto, mas uformam-
nos que este crime ligase a uma i,uesti > du tr-
ras.
Penha de Andrade era um bom cidadi', eleitor
e fazendeiro geraimenu estimado.
Communicam ue A't que no da 11 do pas-
sado j os Feitnsas estavam preparadas pararesis-
tirem for^a publica retorcada pelos citanos d
.Serra da Onca e Sap Entrincheirarm-se em
um sobrado de Paula Moreira, onde permanecern!
at o dia 90, quando ehegnu a forca C/tnmandada
pelo alfer- Joao Paul que oe desalojou e pren-
deu-lbes 7 companheiros.
O grupo que aompanhava a forca fez diabru-
ras: roubou tfomo pr eneauto, esporas de
prata, dentadura de ouro, papis importantes, etc.,
Os presos seguiram para a cadclVde Itabira.
ondeaquarteliou a forca expedicionaria. A opinio
publica manifestou-so entrara ao procedimento
do alteres, que em compauhia dos guarda-cost-s
Madeira, Baroosa e Joaquim G. de O.Vuira, pra-
tieon barbandadas contra o grupo Feitosa, dei-
xando em pas a malta capitaneada por Madeira e
Joaquim Gomes. Falla-se em urna lata travada
ire o* Fu tosas e os Madeiras as cabeceiras do
Rio Doce e na qual morrerain alguna homena.
%. Paulo
Datas at 19 de Jaueiro :
Na cidade du Amparo, por proposta do vereador
Luis de Souz Ueite, a Cmara Municipal creuu
um Avro de Ouro, para libertoslo de eeeravos,
O mesmo vereauur encotou a subscripcio contri
bnindo com 2:0004000 ou a libertacao de 4 es-
cravo*.
\
Em Campias, no fJ?a 14, ao atravesssr uma
ponte do rio Atibsia o abastado fazendeiro Fe-
lippe Antonio Franco, succeaea cahir a ponte e
raorreu elle afogado \
No mesmo da, s 8 boraa. da manb, Bene
Ortiz, armado de uma espiogaada, c ntendeu ci
Meaaias de Oiiveira e disparou Ae um troJ|F
do-o gravemente. ^i '
O facto deu-se no lagar denomtaadtf
do Bom Jess, do municipio de Camp^
A's 2 horas da tarde foi coniuzidooSviiiw
para a cidade, sendo recolhido ao bospifal da Mi-
sericordia por ordem do delegado de polica em
exercicio.
A'mesa da assembla prorioeiaj ficou assim
conatitmda : presidente Dr. Rodrigo Silva ; vice-
presidente, Sr Solidouo : 1 secretario, Dr. Artbur
Prado ; 2o aecreUrio, Sr. Piedade.
ia da Escs-
o, enforeen se em uma arvore o abastado lavra-
dor Bento Franco de God. y.
Em It, aogou-se uo Juudiahy o hespanhol
Domingos Conteiro, por terse virado a balsa qae
taz o servico da passagem.
Sob a epigtspheAssasanatorefere a Pro-
vincia de S. Paulo, de 19 :
Commetteu-ae antehonfem noite, nesta cida-
de um crime horrendo.
Morata nos fundos da casa do Dr. Antonio
Diaa Novae, na rus de Santa Ephigen%, un ita-
liano, Paseboal di Petlo, que tinha a seu cargo o
trato do jardim. Tinha algumas economas e era.'
bornem traba!, ador e henest. s"
Pois hontem foi encontrado em sua cama, o
pobre homem, banhado em eaogue e com a nabjfeca
quasi decepada do tronco. /^
. O iissassino entren pelos fundo* dV chacafa
commetteu onefa.do crime par roubar 1:200?'
que o assassinado poaauia.
Apolicia j preceden so auto de eorpo de delic-
to o est na pista de criminoso.
Fizeram-ee diversas prisus.
Rio de Janeiro
Datas at 20 de Janeiro :
Continuava a cthir abundantes chuvas.
Lemos no Jornal do Cvmmercio de 20 :
Reslison-se hontem, estando presentes 12 va-
readores, sou a pr.sidenca do Sr. Evaristo Veiga,
a apuracio da 1 seccio da freguezia da Lagda,
mandada fazer por accordao da Relacio.
O Sr. preaidente declarpq que convocara a c-
mara para fazer a apuracie-nos termos e letra do
acoordio, coja loitura tari o secriUrio.
O Sr. secretario le o accordao.
O Sr. Patrocinio pede para fundum-ntar por es-
cripto a declaracio do sea voto edemais dous col-
legas e apresenta a seguinte : Declaramos que
o uoso c iin;..recuieiito i sessio de h .j3 nao im-
porta adherir opniio dos que entendem que a
apuracio ordenada por accordio dojegregio triOa-
D*l da relaeao de 13 de Janeiro de 1887 deve ser
fcitu pela actual cmara. Jalgamoa oim si a sen-
tenca referid i e nessa coufonnidade fazemos a
pretente declaravo que aeni inserida na acta da
aesao como consulca ao p;d.-r competente.__Jos
du l'arocimo Dr. leixeira de Carvalho.Dr.
Jabuco de Freiias.
O Sr. Moiario diz que fez proposito de uio con-
eorrer par., que uao li.jaesao, e co-nquanto nio
concorde com a opuiio doa que entendem que a
cmara actual deve fazer a ipuragio, c iiid nuceu,
ma declara que se assignar vencido em tolas as
deliberacoes que B;< tomarem. Couclue mandando
A mesa a seguinte declarecio :
Nio desejando concorrer par qae a cmara
deixe de reunir-se, comparec, accedeudo ao coa-
vite que inefii feito, mas nicamente para fazer
uraero. Dcvo, entretanto, declarar cmara que
insaudo de molo* inteiramente diverso do que foi
pela presidencia nterpetrado o accordio da relacio,
tenho convi ci do que cmara traosacta e nao
anual compete apurar os voto do2 escrutinio ;
nessas'condiyea prestar-me-hei a aeompanbar a
camaia nos seus tiabalhos, declarando, p rom, que
assign ir ine-hei vencido, como de facto o son
vista da completa divergencia em que rae acho.
Jo'io Carlos de Oiiveira Rosario.
O Sr. presidente diz que o accordio manda som-
mar votoa, nio d ordena, cumpre-as e nio discute.
Distribuidas as letras do alphabeto procede-se
apuracio da Ia seccio da freguezia da Laga
que d o sfgointe resoltado : Dias Ferreira 37, S
em separado ; Leonardo Gomes 25, Fontes 4, Pa-
trocinio 3, 1 em separada ; Rosario 3, J nuario 3,
Evaristo, Gulberme Toixera, Leal, Rabelo, Mag-
gioli, Candido de Carvalho, Teixera de Carvalho,
Per eir Sun es e Vi I lien a cada um ; Momio, Jar-
dim. Graca, Bittencourt, Suuto Carvalho, Santos
Lima, Goufalves e Barradas 1 cala nm. Reuni-
dos os votos oesta 1* secc>o aos apurados pela
cmara paseada foi o resultado o seguinte :
sep.
Oiiveira Rosario 2464
Jos do Patrocinio 2425
Evaristo Veiga 2104
Souto Carvalho 1963
Constante Jardim 1741
Silva Veiga 169
Candido Carvalho 154
Nabuco de Freitas 154
Benedicto Hippolyto 153I
Thomaz Rahello 145
Das Ferreira 1453
Teixera de Carvalho 1443
Cardoso Fontes |'431
Jos F. G onca I ees 143
Firmo de Mourn 138-3
Leonardo Gomes 1382
Mourio de Santos 1351
Candido Leal 132
E outro* menos Votado*.
Entrando pela nova apuracio no numero dos
eleitos os Srs. Dr. Das Ferreira e Leonardo Go-
mes, o Sr. presidente deelarou que iam ser-lhes ex-
pedidos os diplomas :
O Sr. Dr. Castilho pedio certido da acta
para recorrer da apuracio que acabava de ser
feita.
Babia
Datas at 23 de Janeiro :
Pelo Dr. ajudante da inpectoria de sade do por-
to foram remettidos a 19 para o hospital de Mont-
serrat, por estarem atacados da febre amarella,
'quatro tripulantes da barca noruegueza Vasco da
Gama, a qual seguio para o ancoradouru de qua-
rentena.
Pela inspectora de sade do porto foi im-
posta a multa de 2003 ao commandante do paque-
te inglez Araucania por nio ter apresentado carta
de sade do porto de Pernambuco.
A Gazeta da Bahia recebera da commisso
de melhoramentos do rio de S. Francisco a se-
guiuce carta escripia em 19 de Novembro ul-
timo.
> Estamos muitissimo atarefados com os traba-
Ibes du Sobradiubo, afim de os concluir n'es'e anno
mesmo.
. O chefe, os engenheiros e os operarios, todos
tm estado diariamente no campo, desde pela ma-
uhi cedo at a tardinlia, dando prensa exec.uc.3o
da regulansacio do leit e do prolongamento do
molh-, e tudo vai em bem andamento.
i, Foram esfabelecidas mais algumas bausas,
de sorte que a oavegacio ternou-se facilima no
cin-.l mei llorado.
Ne dia 12 do corrente mes tivemos o gosto
i'e ver traiispr. sem o mnimo ctubaraeo todas as
cachoeiras mtlhoradas a lanchnba Cesara /, per-
tenceute aos negociantes de Jo-.sero, capitio Mel-
chiades e Reearto Ignacio da Silva, que a manda-
ram comprar na fabrica Jarro & C.
Mede' ella 6,m. 6 de comprimeoto, 1, m 5 de
largura o cala a l O.u.6, veio de JatobA no mez de
Ootubro pr. ximo & do, s. guindo quasi o mesmo
camiubo da laucha D. Pedro U.
Agora vinha olla rebocando uma barca carrega-
da, que deixou na entrada do canal do Sobradinho,
por ter a machina preeiso de alguna reparos, e na-
vegou s.zu.hi. pelas'cachoeiras.
A machina da lanehinha foi a pedido do Sr.
capitio Meicniades, concertada po um macbinista
da commisso.
No dia 14 segaio d'esta povoacao a lanehinha
reb"ando a,barca p-rfeitamente bem, deitando
cerca ue 5 kan p.r hora, com destino cidade da
Januaria, na provincia de Mmas-Geraes.
Est poi-, iniciada a navegaco a reboque
n'este grande rio, sendo este grande e importante
acontecim-nto devido a iniciativa parricolar dos
irmao* Ignacio da Silva, homens activo*, intel-
ligeutes e sinceramente amantes do progresso do
pas.
< ConstanoS que este bello exemplo ser em
breve imitado por outros negociantes, que a vista
d'este suecesso est dispoatos a mandar comprar
outras lanchas de rebrque para desenvolver mais
o couomercio e as relacoes dos habitantes das pro-
vincias nbeinnhas.
__ Sob o titulemafra, da supracitada fo-
lha de 19 a seguinte noticia :
Grande numero das pessoas que no Domingo
noite enehiam o adro do Bomfim, apreciando
festejos, testemunharam indignadas o requinte da
v,.
m




a -
L. I'' '
F

|

t
.

,
\
.
- 1 L

i mi "
\ w *
\ J 1



i
;
,

V
i--'
.
y r
I -""
i
I" "
} |

'
/ _
\


Diario de rernambueotyuari-icira ~6 de Janeiro de 1887
V
*.
perversidade e a furia sanguicaria de ama fra,
que nfe-lxraeate veste a farda de raarinbeiro da
Ma armada,
Erma*rci d,r>~tii horas, quando o imperial
marinheiro que nos diam caauar-se Pedro Jo
Lima, da guarpicio da patacho CaraeeUas, para
faaer paa-te la/oiial ?o receatemsu'.e d > Hio de
Janeiro, otros tt correr coma um endemoninhado
por eutre aquella missa compacta de oro, crapu-
nhau la urna uavalh* da que usara ua cap eiras
na Corto < coin ella vi'ar&nlo golpea a corto o a
dirsito, a^ji oulro motiva alera de su i malvadcz.
Dfversas for..m as victima dosse celerado.
y*S Sr. Ur. Joaquiaa Ignacio Blelo, medico da
- -teinada, que coui iiaenea havia chegado do Rio de
Janeiro dais das auto, e ali achava-se senUdo
JMto a urna casi, e conversando alegrein. ote en?
ama roda de s.uibora* e cavalheiros, a tfreu um ex-
terno e profunio golpi na tace esquerda, a come
car na palpebra interior at o labio superior, qu.'
fieou dividido, e um outra de uieur exceasl juma
ao primean. Por fortuna nao perdeu o olho.
O estudaute de pharraacia Arthur Torrea, que
se acbava um pouco mais adame,tioou com a face
dorsal da mi esquerda profundameuU retalhada
cm toda a sua largura, sendo cortado o tendi lex r
do dedo mximo, que fieou sagas oovimenta.
Mais ..:cii achava-ae um cabo de ordena da
presidencia, Jos Rodrigues dos Santos, o qual ali
fcara com liceoca aprecaudo os festejos dep a de
ter regreasado pira a cidade o Sr. conseiheiro pr:
sidente da provincia. O desalmado Hucau-se. a elle
e atirou-lhe um golpe ao pescaco, do lado esquerda.
A navalh cortando a gola da farda e o collariiiho,
retalhau profundamente o pescoco de cima a bailo,
deixaaiio a dcscoberta a carjtida, de modo que, s
penetra mais urna linha a arma homicida, o pobre
soldado teria auecuuibido esvaido em aangue.
O pabo, porem, um valonee. Apenas ssntiu-
se ferid', desaudou no endiabrado marinheiro t:I i
temivi'l bofetadn, que fracturou um dos ossos da
mo; mis o misers-ve! cahiu ostendida no c'iao, e
o destemid > soldado, apezar de achar-se desar-
mado, quasi degollado como ratava, atirou-se a elle.
subjugou- >, tomou-ihe a navalba e prendeu- o, pan-
do asaim termo sanguinolenta correra.
A urna eenli >ra quepusseava tranqu llmente,
e cujo nome ignoramos, o desaliado j bavia titi-
ra !> ama n-. 'alinda, feriad )-a no braco.
i CausU-nos quo houve outras pessoas feriiis.
O Sr. Dr. Bu Icio, o moco aeademico e o sol-
dado, forain reeolbidoa a casa do nosso amigo o
Sr. Dr. Freir de Carvalho, em cujas imme liavocs
se aebavara, e ali receb rain com promptidao os
prim-iros curativos1.
O sanguina! io'm irinh iro f)i recolhido ante-
hontera casa de carreas .
.So da 17 s 2 lloras da tardo, na ra do
Rosario de Itapugipe, o Sr. alferes Getulio dos
Santos Vital, da c.inpsnhia de policiamcnto, diri-
giudo-.e para um grupo de individuos que haviara
travado desardem, Oom o fin de ap^aigusl-os, re-
Cebeu urna pedrada, que suppoe-se dirigida contra
um dos desorderos, mas que infelizmente produziu
um grande f-rimonto na bocea do referido official,
com fractura dos oasas.
i..ii ulta mir aileeeu no da 14, a bordo do
paquita ingles Araucanii, o pasaageiro de 3' clae-
se Francisca Vasque* Piou, que se destinava a"
Rio de Jau iro.
O cadver, depoia das cenmoniaa de bordo, foi
laucado ao mar.
A bor lo do vaflir francos Ville de Sanios,
em viageiu de Peruarabuca para a Babia falleceu
2J, il b-iraj d> da, viutnna de escropbulose,
o mea .r J js Sobrega de Lemos,'qae cum seus
DWM i para a cap
O cadver, depoa da esaminado pelo Sr. Dr.
iup.;.;jr d : a lude d > p -rto, fui desemoarcado para
ser sepultad).
L'" e n i Ordnm i l ;- -iras :
No da 11 do corrate, uo engenho ceir! da
Igadpe, \! t u O.. lio de Carvalhj diaparo.i u'u
tiro c:'nfra o individuo de nome Profopio jo;,que
o matn ns: intaaeamente.
Amboa era-a tra-ialhidores do refer o enge-
nho contra'; e o ficto deu-se por oecasio de pa-
gaaento, que tsve 1 gar n'a^uelle dia .
Falleceraui ua eapi'al^ 31 do pastado o con-
ceituad > n gociaa'e i-> Alagoinhis, Manoel liodn-
gu 3 S ipufj, e a 17 de*U m*"2, de febre perniciosa,
o padre Kelicmoo Candido Rodrigues.
EHE!
i
Correspoa:Sencia do Diario de
f'ero;iinHfO
PORTUGAL Lisboa, 8 de Janeiro
do 1887
Reunio-33 no dia 5 o c-nselbo de estado publi-
co sob a pratilen t.a de el rei e estando "presentes
os Srs. marquez de Tbomar, Jos Luciano, J Ao
ChryiOstomo d.i Abren e Souia, Fontes, Curvo,
Serpa e Baujona.
a^und i enasta, embora houvesae algum diver-
gencia sobro a apreeiacao di.a fictos politieua, o
conselbo de estxdo votju por unanimidade em ta
vor da dis-i i'.w; > da cmara dos deputa ios e da
- pirfte e!eetiva da cmara do3 pares.
O Sr. Fon'es opi.ouu que a dissoluclo tinha sido
mais eorreet* epoia da dictadura, mas aeeresceu-
t juque, eatre jemittir o miuiaterio disaoK r at
cmaras, ao duvidava aconselbar a el-rei o se-
gundo alvitre.
Hontein foi lido em ambas as casas do parla-
mento, o decreto de dissoluclo, que fixa a convo-
cacao das nov.a enmaras para o dia 2 de abril.
E' provavel que aa eleiQoea geraes de deputadoa
cejam marcadas para 27 de fevereiro.
Affirma-se que o Sr. Jus Luciana de Cas-.ro,
presidente do conaelhn de ministro, fiel aos seus
principios, de opiniSo que rapresentaco das
minoras, p'-nsaminto esto que sempre tem defen-
dido, M nao deve di.-putar a opposicao.
Ha grnuiles atrietos entre afacnldade de
thcologia na Uaivcrsdade de Coimbra o o biaDo
daquella diocese. Parece que era reaul'ado d'el-
les acaba de ser coniemuado pelo tribunal da in-
quisicSo, em Kom^, a memoria'que o Sr. Dr. Fra-
goso, lente d'aquella faculdade, leo em setembro
ultimo, na reunio plena do conselho superior de
instruecao publica e que repreaentava o consenso
unnime da faculiade, que a tinha approvado em
todas as suaa partes.
Esta sentenca do Vaticano dfixa os professores
daquella taeuldade em condicoes eicepcionaes e
parece faz-r p-irjte de um projecto ultramontano
de maior aleance e c.nsequencias, que visa, se-
gundo por aqu se diz, suppresaao do ensino da
tbeologia na Umveridade, concentra nos semiua-
rios diocesanas a instruecao theologica sob ase-
periur direecao dos bispos, nao seudo porm os
professores respetivos admittidos sem a approva-
Co da sauta s.
Oquef-r o governo, pergunta-se. peraote o
conflicto existente entre a faculdade de tbeologia
e o Vaticano ?
Faro ostentes seto de submusao?
Resignarlo as suas fnnecoes catbedratica ?
Intervir o governo V
Tudo isto deve trazer perlurbaces espirituaes,
posto que, para a grande rcissa dos iudifferentis-
tas, a qu- &tao nao pareca da mais importantes
Nao falta mi-amo quem faca coro com a escola po-
sitivista, suaientando qu> a theelogia j fez o sen
tempo as uoiversidad-s.
Abetendo-me de mnia commentarioa para nao
miliadrur rb susceptibilidades de contcieucia de
uem quer que seja, limitme a referir com gran-
a calor no penltimo numero do Coimbnense. A
imprensa de Lisboa inda se nao apoaerou deste
acontecimento, o que asss caracteriatico.
/ Dissolucao e n.ais dissolucao do que tractam
as folhaa poricaa destes ltimos das.
Estamos em pleno periodo eleitoral ; ogoverna
far por ganbar urn-. t,rto maioria que sauccione
todas as 6UM8 nfracces coostituciooaea, rmqUHii-
to a opp'aiel.', que ucliou ser mais sensato reser-
var o seus deaabfoa para a p.uuma reuuio do
parlameuto, .a-.-ora estejs a simular dispeitos
grandes p r se terem diaaolvido as cmaras antes
de manifestar os s.na aggravoa, vai tuactar de fa-
cer eleg r os seus mais denodadas eampeoes par-
lamenteres
Fallecen repentinamente o 8r. Figueiredo
Quimaraes, o que Ihes devera ter mencionado na
miuha de d'-'e mez. Este bomem aliaa de ta-
lento, gran le l i uci i para escrever, muita verbo
sidade com ) ora J.t p 'putar, luctou sempre c m a
adversid-.de. Em tempo e*teve n > Brasil e de-
pois cm Uosjaede (frica Oecideutal) onde ten-
tou fundar urna colonia, porm, a su empresa nao
foi coroada de bora xito. Como o i era bomem
que se deixasse tncilmeutc suceumbir pouco tem-
po depois fond. u a Patria, jorual de grandes di-
mensoea, destioado a Portugal e ao Brasil e no
qual eajreviam inuitos dos mais llustres escrip-
tores daquelle lempo.
O jornal eaio por falta de recursos. Aventurou-
se entio > mallogrado emprepndedor a diversos
expedieo'es, entre elles f.bricacao d'um ewme-
tico maravilb'iso a que o seu inventor chamou Po-
mada FlorttUd. Nosei que xito aleancou o ingre-
diente, mas o ostro Figueiredo Qaiosares d'ali
em diantearregou com o peso d'uavt alcunha que
nunca mais o abaudonou.
Era p^ra toda a g.ntao Pomada Florestal. Este
ultimo golpe da dversidade pos a nota cmica em
todas as subsequentos presas d'aquella imagi
naci to fecunda coma infeliz. Parece que se Ihe
m 'tteu em cabeca fu Ur um partido novo c>m a
denomioaclo de Partido Naontl, mas a maldita
pomada f-z c>m que us troeistas eiueia o toasem
apopar aos tnnelings onde tentarafaserpropitjanda.
Impertnrba^el, iasoassive', moguesa esmo elie para
kguaotar um diluvio de epigramuaas. Quauto mais
cretoiao ttmalto, mais o ajudavaa loquella inexga-
tavel. Parece que eserevu em diterias epocbas
ts, succedenda-lae qae os que mais se aproveita-
ram iaa suas prendas de escriptor atraailUrio
m bomem ltimamente andava estndandoos compli-
cados meandros de urna d muida importante em
que ao que parees teaeionava intervir, tendo para
cate estudo alagado urna casita na provincia dos
Fiis de Deus, porque em sua easa, as repetidas
eufermidadea de sua muiher nao o deixavam tra
b ilhir com socego. Ahi qo.e a marte o foi sor-
prehender, na cama, entre m mtoas de papellada
forense, de que a polica tomou cauta no dia s;
guinte lacrando tudo. Oepoia de enterrado, foi o
seu cadver exhumado por se desconfiar que ti-
vesse suecumbido por effeito de f.lgam toxico.
Feisa a autopsia/ averigou-se que fallecer de
urna congeat&o cerebral.
Tninbem falleceu ha das o Ilustre professor
de litteratara do lyceu central do Parto Oelphim
de Oliveira Maia, autor d'um ptimo comoeudia de
litteratura para os s:ua alamuos, do Manual do
Estylo, de ama Potica e do muit >s outros livros
didcticos de recoohecido merecimento.
Era ucdi das mais prestantes i.fluencias pro -
gressistas da cidade invicta.
A sua marte foi sincerameate praute-da nao s
pe s seus correligionarios c.mo por todos quantos
conheceram de perto a fina tempera do seu ca-
rcter iuc.ucusso. Deixou recomui-iidado que o
o seu cadver fasie laucada na valla commutn e
que da sua passagera por este- mundo nao fi -
cese o menor vestigio! Nao o con. 'uir eus
honrado es|dr:(u que tan proficuas obr*j I goa para
mstruccoes da m-ocidade. Ficaram al^uns bens de
fortuna aua consternada viuva.
Snecumbiu em Lisboa de urna perlinez enfer-
midade o Sr. Antonio Al ves de Sonsa, fi.l;. segundo
do Sr. conde de Bulhao. Era casado com a Sra.
D. Paulina Francisca di Veiga, de qu- m se acba
va separado ha rauitos anuos. O Sr. Alves de Soa-
sa, frequentador assidu dn S. Carlos tinha a me-
nississima conversacSo. 'Era intimo amig> do Sr.
conseiheiro Jlo Uias Ferreirs, per quem tinha
urna esp ci de adorayao.
Ante-houtem morreu em Lisboa o bourada in-
dustrial Juo Antonio Oguoia, que em lempo fora
di.oipulo de chimico Loa I, que por muito uaos
te ve o seu laboratorio as ruinas gothicas d i Car-
mo, jude boje a sede da Siciedadd Archeologica.
Ogueia fundara ha a o aos um laboratorio de pro-
ducios chi uicos na ra de Joao de Deus Tna-
dade. Toda a gente do commerc o e inuitos ami-
go* do tinado pertencentes a outras classes soeiaes,
o aeos.pauharam seotido3, sua ultima mora I...
A cmara municipal ducou.-elbo de Ale hac
fez a couceasao de um asuena saretb para o Sitio, aos Sis, Ur. Autonio Lacio Ta-
vaiea Crespo, bario de Kessler, J. Cicorro a Fran-
cisco Maraes Affonso, que haviara requerido.
O Sr. birpo de Bethsaida foi agraciado pelo
Pipa Lelo XIII-com a grl-cruz de 8. Gregorio
Marques.
-^ Associacdo Auxiliadora dos Vendedores de
Loteras o ltalo com que acaba de se BOjBSSituir
em Lisboa una cooperativa de ciedico e caixa de
socoorro mutuo, destinada nao a aoceorrer os
S'.l. >a na doeoca ou outra qaalquer diieuldade da
ana vida, colao a agrupar a clasae para a defeza
iquiuu de seus direitis.
A mesa da Asst rabia Geral fieou emposta d s
tira: presidente, Antonio Ignacio da Fouseca,
viee-preaidente, Jlo Gomes da Costa, Io secre-
tari", Aotonio Joaquim Pina, 2o, francisco, Igna-
cio Martias. .
\ c mmissao inataliadora campo -so das se-
^niu'.es Sra ; presidente, JoideS;uza, tbesou-
reiro, Jjso Florindo Monasas, secretario, Isidoro
Antonio .Marques, vogacs, Antouio Jaciutho Vi-
dal e Auto.ao da Silva Aliada.
Parece queja foram convidados para directores
do centro militar ua vinte e quatro officiaes, que
segunda a letra dos respectivos estatutos, tem
de represantar as differentes armas do exercito e
Branda na inatallncaa e dirreco do Centro.
Dos vinto 6 quatro director, s, cito pertencflai
camnra de infantera, tres a cada urea dns a-mat
de cavalUria, engenhana, estado-maior e arti-
heria, tres armidt e mais servicos auxiliares
do exercito.
N'urna das prximas or leus do exercito' deve
apparecer a approvacia dos estatutos, como j
diasemos, c u meados os vate e qu>:tra directo-
"res que procedem & inatallaaia do centro. De
futuro a direcelo ser eleita coma se precitua
nes respectivos estatutos.
Falleceu o 8r. Manoel Carvalho Ribeiro
Vianna, socio do Sr. William Grulo.
Era um cavalheiro muito conceituado no eom-
mercie, onde a sua marte realmente sentida
Parece que ni) ser o Sr. conseiheiro Men-
dones Cortez, preside-.te da direcelo da Compa-
nkia Allianca Fabric qae substituir no cargo de
gerente o Sr. Manoel Vianna.
O Sr. censelheiro pelas variadas aptides de
que tem dado provas, competentiasimo para
a iuelle cargo e ha de continuar a manter as excel-
ente* crditos da c .mpaubia.
R-cebeu-ee em Lisboa tclegr imuia da ludia,
uotificando quea eoncordarta cu necarn a ser exe-
cutada em Ceilao sendo esperado em Madrasta o
delegado apostlico, afim de continuar os seus
trabalhcs.
O Sr. conseiheiro Andrada Corvo requisitou
do Sr. ministro da marinha seja posto a sua dis-
posieo o distmcto efliuial da armada, o Sr. Lipes
do Meudonca auctor do dr ima o Duque de Viztu
para o auxiliar nos trabalhos para a eontinuacao
do livro sobre as primicias ultramarinas, deque o
Sr. Andrade orvo foi encarregado e de que j
publicau tres volumen.
A direceSo do Palacio de Cryatal do Porto
resalveo, de aecordo com varios agricultores im-
portantes, realisar urna exposico geral agrcola,
que ser inaugurado no dia 31 de Outubro.
Foi uoir.eada nina commiasao composta dos Srs.
Conde de Samodles, Visconde de Villar Alien e
Jos Favea de Carvalho para elaborar o res-
pectivo regu.amento.
Fieou resolvido que durante a exposico baja
urna feira de vinho a experiencias praticas do
fabrico de queija, manteiga, etc. -
A 5 deste mez houve jantar diplomtico e
baile na legaclo do Brasil, para o qual foram
convidados alem do ministerio, alguns membros do
eorpo diplomtico,
A legaclo da Russiaconvidau a jantar os mismos
altos funcconaiios no dia 6.
L.
destes dous pontos que se tinham levantada
mais vivas reclamares na India, por ser aquslle
varado muito populoso e estar is partas de Gi.
A Msaeito das outtoa {tantas, proseguem as negi-
ciaooas que hlo de ultimar-ae por parte da Santa
S com a rectido que distingue o Soberano Pjh
tifiae cm todos os seos actos.
Eram pois, bem fondadas aa esperancas expres-
sadas na discurso da corda de que poderiam ser
vautajopamente modificados os limites dacircuma-
ctfco do uo88o padroado no Oriente, observa
urna folha ministerial.
A 8 do crrante reuniu-3 a Academia Real
das Sciencias cm Assembla Oeral, diacursando
el-rei sobre a publicacao do diccionario da Aca-
demia, a acceutuando a neceasidade de accelerar,
por meio do mais forte impulso, a coaciualo detta
obra.
Sobre h ortbograpbia da lingua e cerca do
plano jgerai do icxicon acadmico expoz S. M.
alguna dos pi ineipios geraes que parecem deve
rem ser >dopt seria til provocar com relaeo a este sssumpto.
O Sr. Litino Coeibo fes urna larga exposico
do catado dos trabalhos e dos m'thodos seguidos
as ledaci das artigos, na defiuicao e na historia
de cada palavra. A parto j redigi a do dicio-
nar-a constitu ina'eria dn impresaao para dius
grssos volumes ao formato e no. typo da ediccao
grande do dicionario de Litti e abrangeos voca
bulas comprbendidos atea lettra E.
R-fenndo-se aos moioa de apressar a conclusas
na obra confiadu pala academia direecao deste
acadmico renovou o Sr. Latino Coeibo urna pro-
peata que j tisera para que a tarefa quo Ihe est
incumbida se repartas! por mais um ou dous so-
cios da Academia.
Resolveu-se que as qestoa suscitadas sobre a
redcelo e a publicacao do Diccionario Acadmi-
co sejam saceessivainente discutidas em Assem-
bla das duaa claeses da academia seudo fixado o
dia 20 do corrente para a pnm.ira das reunioea
consagradas.
Foi votado socio correspondente Sr. Dr. Jlo
da Costa Lima o Castro,'-lente de clnica cirnrgica
da focuidade de medicina do Rio de Janeiro e
auctor d'um livro sobre a infefclo puraienla e a
in&eaao ptrida, o que servia de base a sua can-
didatura.
Ao dar possn ao novo presidente, o Sr. Vilhenu
Barbosa agradeceu a academia as provas de be-
neficencia que delta rec.-bew durante a gereucia
do auno fiado. Assumindo a vice-presidenca p3ra
que foi eleito no corrente anno, o Sr. conde de
Fiealbo cuinmemorou as altas quaitfades do sea
predeeejsor, fazeado o elogio o Sr. Vileua Bar-
bosa.
Parece que vao muito adiantadas as neg-
ciacus entre o goveruo de urna parte e as fabri-
cas de tabacos fusinalas da outra, eura'rea.i:ito
ao estabulecmeuto de um monapoliu pira a l\.b.-i-
caclo d-'ste artigo.
Arii, nia-ie que as bases da e. ncessaa ^o mono-
polio seri<-n, por um lado, umaugmeato aos direi-
tus de eutrada do tabico fabricado :ra do oaiz,
do o tro, a garant'a dada ao goveruo p.'las fabri
cas da monopolio de um excedente de rauitos ce-
ios de nomos de res sobre a receita actualmente
produzda pelos direitae sobro o tabaco em bruto
o fabricada.
As t-'udeucias pois deste mmapalio slo pa-
ra ni augmenta da receita, E' cvideal- que,
apezar de a-.rem'aa fabricas as que hao .io nran-
tir iisse augmento de reedita na realidade e aobst
o couauuiidor que o encargo haver de racahr.
Sobre as basca d stas informaco.-a asaantoH o
carameota: s ag,-r;eaivo8 da imprensa di oppo-
iclo.
A As.-ojaclo Coiamercial de Lisboa reunise
ha diaa era seeso solemne afim de fazer a entre-
ga doE premios conferidos aos alumnos, que ter-
minar im cam distinceSo O curso su >oror d eoa-
mercio no I stituto Iudustrial 8 Commercial de
Lisbor, ni anuo leenvo de 1881-1885. O primeiro
premio foi adjudicado ao Sr. Luiz Jos Fernan-
dos ;o seguuda ao Sr. Jos dos Santos Netto e o
t.-rceiro, cirresumdeute ao curso clemcutar ao
Sr. Jclo Iveas Farras.
Presidio tes-oa o Sr. Polyearpa Anjos, que
leu urna alloeuyi'', o discursaraoi, par pirte d.
de Mora es e
Lisboa, 14 de Janeiro de 1887.
No dia 19 pelas oito hars da noite deve reu-
nir se a Assembla Geral do centro prcgreseisU,
na antiga sala da roa do Alegra), afim de se inau-
gurar o retrato do fallecido chefe do m-.sma par-
tido, o conseiheiro Anselmo Braancamp, comme-
morando-se por essa occasio as suas altas virtu-
des e elevants ser vicos.
Espera-te um discurso esp'endido do eminente
orador Antonio Candido e a leitura de um estudo
o bhograpbico do notavel estadista, pelo Sr. Oli-
veira Martina.
Na impreusa diaria anda se debate, por amor
da arte, a opportunidade d dissolucao das c-
maras.
O decreto da dissolucclo lido as cmaras de
Ibeor eeguinte:
Usando da faculdade, que me confere o art.
74 e 4 da Caita ouatitucional da monarchia, e
art. 7 12 da carta da I-i de 34 de Julbo de 1886,
que alura differentes artigos da mesma Carta,
bei por bem, tendo ouvido o coaselho de estado
noa termos do art. 110 da referida carta, dasol-
Ver a actual cmara d s doputados da uaeao per-
tugueza e a parte electiva da cmara dos dignos
par s, mandar proced-:r a novas eleicoes, nos ter-
mos das leis vigentes que regulara os respectivos
procesaos eleitoraes e convocar as edites pra o
da 2 do prximo mes dt AbrilasaO pres-
deme do cunsetb", Jos Luciano de Castro.
Por teleramma do nosao embaxadar junto
do Vaticano, o Sr. cousrlheiro Matheus Fcrrlo,
conta que S. S. conerdeu j ao padroado porfugoez
todo e varado da Saint Warry e igreja de N. S.
ala Concedi de PooncIL A reapeito do primeiro;
corpa docente, os Srs. Jo.'.o Candid
RodrigoaAfFon>o Poquito.
Veio j publieado na ordem do exercito um
decreto couttuindo em Lisboa urna sciuicdadede-
norainidaCentro Militar do Exercitoe da Ar-
mada, do qual poderlo fazer parte todos os offi-
ciaes e individuos com graduacao de offio-ial per-
tenc-ntes a estas corporacas. Os estatutos do
Ceniro Militar foram approvados e mandados par
em exbeucao por decreto referendado pelos minis-
tros e secretarioa de estado do j negocios da guer-
ra e da marinha.
O governo propor as cortt-a o subsidio anoual
que pe a ministerios da guerra e di mirinha e
ultramar deve ser concedido ao Centro Militar.
Foi nomeaaa a drecv&o provisoria do Centro Mi-
litar ao exercito o da armada. A direecao com-
posta dos Srs. : presidente, o general cciniiar.lHU-.
te da l> diviaao militar. O commandante geral da
armada. Os vgaes pertencentes ao exercito sao
21 e 3 pertencera a armada.
Cbegam h: je, a Lisboa os Srs. condes lo Va-
lan que se tinham demorado siguas das em Ma-
drid.
_ Na ausencia do Sr. conde de Valhan, nosso mi-
nistro em Paria, que vera demoiar-se dois meses
em Lisboa, tic i encarregado de negocios e pri
meiro secretario da legaclo Sr. conde de Azeveoo
e Silva.
A legaclo de Portugal em Pariz conta actual-
mente um novo ad.ido o Sr Alfredo de Castro,
um portuenae da pnmeira sociedade, qae fez a
sua educarlo em Inglaterra, e que depois aeguia
o cura de* direito na Universidade de Coimbra,
d'onde sabio bochare!.
A 10 doste mez fallecen na eua residencia, cal
cada do Galvu, o Sr. Antonio Jos da Luz Fer-
u-.nd.-5f director geral aposentado da reparticao
tachigraphica da cmara dos diputados.
A sua raorte foi muito sentida.
Urna commiasao presidida pelo Sr. conse-
iheiro Antonio Augusto de Aguiar e composta
pelos Srs. Jlo Chiysostomo Melicio, Alfredo
Mendos da Silva, Luis Eugenio Leitlo, Antonio
Adriano da Costa, M de Oliveira Martina, Joa-
quim Moreira Marques, Polycarpo P. Ferreradus
Aojos, Ricardo Loureiro, Julio Jos Pires e Da
niel Cordeiro Feio fot hoatem procurar o ministro
das obras publicas para, em nome da direecao da
associacao industrial, sollicitar de S. Exc. o seu
apoio para a realsaeaa de ama exposico indus-
trial que se realisar na Tapada em Maio de 18i8
como preparativo para a grande exposclo de
Pariz.
Os ltimos jarnaes chegados de Redondo, tra-
zem nos a noticia do enterrameuto do nosso esti-
mado amigo e correligionario, o Sr. Domingos An-
tonio Fall Rimalho.
Toda a povoacao valida do Redondo acompa-
nh u o fretro fnebre do nosso amigo, com as la-
grimas nos olhos e a profunaa magua no coraclo.
Foi dia de verddeiro lucto paca o Redondo, por-
que o Sr. Fall era um edado sinceramente po-
pular. A iua bolsa e o seu braco estavam sempre
a disp-asicSo dos seus patricios que deveras o es-
timavam.
Publicaram-seas coutas da gerencia de 1886
do Monte Pi Geral. Este importante estabeleci -
mnto tem actualmente em deposito a somma de
7,800 contoa de ris fortes representados por
29,100 depositantes. O movimento augmenta de
da para dia.
Pelas 3 horas da madrugada de 8 desto mez
rebentou um violento incendio em urna earvooira
da ra da Vinha.
Os moradores do predio cercados de chammas
por todos os lados precpitaram-se de urna jauelia
procurando asean salvarse da morte.
Foram 11 peesoas que assim se salvaram auxi-
liadas por gente do pavo. Algumas ficaram feri-
das recolbendo por isso no hospital.
O casco afuodada em ludo, de Ville de Victo-
ria, tem rettituido ao Tejo ninitos dos cadveres
dos nufragos.
Ha das que apjtarecorem 3 ou 4 em completo
estado de p itrefaeco.
N'uma naite prxima houve testa musical
uo Sallo da Trindade, em beneficio das familias
das victimas.
A subsexipcao aborta entre a colonia francesa
setava hontem em 300 libras.
Os Srs. Souza Leal e Sooza Lara entregaran]
ante hontem no ministerio da marinha as repre-
aentaedes de Loanda a favor da mea de estable-
cer eommunicHCes regulnrea, directas entre a
metropole e ss provincias da frica occidental o
oriental.- -
O Sr. Conselheirw Henrique de Macedo, minis-
tro da marinha e ultramar est animado dos me-
ihoreu deaejos dejlevar a cabo tio patritico pen-
aamento, que considera como um das mais im-
portantes problemas a resolver para a nossa ad-
mmstracio colonial, tend i-lhe j merecido atten-
vo e demorado estado.
Reuni ante hontem o conaslbo superior de
agricultura, sob a presidencia do Sr. Conseiheiro
Elvno do Brito, director geral de agricultura,
afim de ae oceupar do inquento agrcola, decreta-
do em 30.de Dezembro ultimo.
Asiittiram sesslo os seguotes vogas : can-
iros Antonio Augusto de Aguiar e Jlo Fer-
reka Lapa, Jcamim de Oiiveira Martina, viscon-
de de Coruche, Antonio Mara de Carvulao, Pau-
lo de Maraes, Franciseo Siuaoes Magiarchi, Sabi-
no de Souz, Estevia de Oiiveira, Alfredo Le
Caq, Oiiveira Gamito o'Corroa de Barro*.
Depsis da larga discoasao, reselveu-se nomear
urna eommissao composta de cinco vogaes, afim
do elaborar inmediatamente um i-eguiameoto ess
uatructoe* que reguleoa o iaquerito do principio
ao fim, a por modo que os' trabalhos se comecaa-
sem deade logo.
A commiBs/j fieou composta dos Sia. Coaselbei-
ro* Lapa Aguiar, Ouve.ia Martin?, Magiorchi e
Paulo de Maraes
Por iudicacio doSr. Con3elbeiro Aguiar foi con-
vidado o Sr. Couselheiro Elvino de Brito a apre-
sentar a cammiaso as bases, nao s para o regu-
lameato, sena tambem paraos queatiouarios dt
estatistic agrcola, qut davam aer distribuidos
pelas juntas promotoras de agricultura e pelas
cammissoas cauueihiaa. O Sr. Elviuo de Brito
proraptitiiou-se a apresental as eam.asslo no
prximo sabbado, ou, o mais tardar, na segunda
feira.
Sebre e.te trabalha que a commsslo formu
lar o plano definitivo para ser discutido em con-
selho.
p-rtio para Roma o Sr. Carlos Santos e Silva
que vai all casar ton urna filha do Sr. Bario de
Aguiar itndrade ministro d Brasil, jarata ao Va-
ticano.
- Um ci dainnado que a polica nao conseguio
matar mordeu 4 peasoss. No di eeguinte appa*
receran mais 3 ou quatro mordidas par caes by-
dropb ibo.-, de modo que se eatabeleceu em Lis-
baa um vordadeiro .pnico em todos os bairros.
Estao-ae tomando medidas violentas que a ma-
tauca da caazoada a torto e a direito para deain-
gar a cidade de.sta praga, ao moamo passo que
fervem os autoados e as multas sobre os donos de
cle3 que nao observara o que diapoe a respectiva
postura uiuuicipal.
Como respeita a um artigo injusto ha tempo pu-
blicado no jornal Board of trade's Journal, de
que nessu epocba demos noticia, e em que se re-
coram-ndavaaoa navios ingleses qua nao aportas-
sm ao FuachaLpara que os seus tripolantes uo
tossem victimas de citadas e roubos, fez o nosso
governo a reclamacaa competente ao governo de
Inglaterra uui de serem ectifieadas aquellas in-
formacoes qae envolviam ama dura injuatica para
o povo i) Fuaehal e geral para a nacao partu-
gu-sa.
Eaia reelamaclo tai promptamente attendida e
u'ura dos prximos nmeros do .Board of Trade's
Journal vira a ractifieacao, constante de urna iu-
oiinaoao consular, que devora destruir toda a m
impressao duixada pela primeira noticia.
F-ileceu ha paucos das u Sra. D. Thereza
Xavier Battlbo, m do Sr. Coude de Carvalhal.
O funeral desta rpapetavel senil ira foi muito
coucorrido^ por tudo o que a nosaa aristocracia
tem de mais distncto.
Em Coimbra est-so proceden a a arrema-
taclo doa objectos do convento de Santa Clara
daquella cidade.
Ha graude quantidade de bous damascos e ri -
cb pa-iameiii.oa.
Prusegue os seus tramites a questao do
eouflxto que houve uo tribunal do eommercio de
Lisboa, p.r occasiaa da eleicla de jury.
luterpoaeram o recurso de appailteau o secreta-
rio do tnbuual e a Associaco Commercial de
Lisboa, e bem assim outro grupa de nsgociautes
inte: :>os a recurso do aggi'avo,
O jaiz presidente do tribunal uoandou distri-
buir estes recursos e tomar os termas compe-
tentes. *
Suceumbio houtem apoz doloroso padec-
meato o ir. D. Jola Paraty, fi-ha do_ tallecido
conde de Parsty e irmlo do Sr. D. Miguel Para
ty, secretorio da legaca de Portugal no IVo de
Jaueir .
Am-iiiha a prem..e da O >er.i Doria, do
compositor poriuguoz Augusta Maeaado, aaettf
da Lauriana, que fot oautada aqu ba tres anuos
com grando enecesso.
Corre^iondencia do Diarlo de
PeruamlHico
PARAUYBA,-2 de Janeiro de 1887
Scgrcason dn cidade de Areia'o digao cu. fe d
de poiicii% Drv Simos Daltro que, como notei-
vaoi na nosaa ual**ra de 13 do corrento mez, ali:
tora em eommissao abrir escrupulosamente a syu-
dicaneia sobre o desacato que soffreu o ex-jaiz de
direito Dr. Jos Jacintho do Souza, e de quo tanto
se tpin oceupado a opposiclo palos seus orgos o
Despertador e o Diario da Parahyba.
Por emquanto nada teto respirado sobre o resul-
tado da commsslo do Ilustre migistrado, visto
nao h-iver sida anda publicada a expoeigao que a
respeita deve naturalmente presentar ao Exni.
Sr. presidente da provincia, a qual aguar i .mas
com verdadera impaciencia por ser a palavra de
S. S. que hade fazer a luz uesse negocio, tal o
coDCeit de que gasa como autoridade observa-
dora da lei e cumpridora de s;ua deveres.
Nos termos da novaclo do contracto fcita
pelo distncto ex-prca idete, Dr. Souza Bandeira,
cora o Banco do Brasil, relativamente divida
desta provincia quelle estabeiecimcuto, pelo ul-
timo vapor foi-lbe remettido, por intermedia da
Thesourara do Fazeuda, de ordem do Sr. Dr. Ge-
ininiauo Brrsil, a prestaeao da corrente anuo, na
importancia d 40:U0'0U0.
Pela Alfandega as cousas teem estado apor-
tadas. a
O novo iuspector dominio, ba poucos dias, qua-
tro vigas, por nao lbe iuspirarem confinca, e
s irnos informadas que esse est dspoato s ir por
diante.
Fazemos votos para que os ssus esforcos, j em
pregados e os que tiver anda de empregar produ-
zam satisfactorio resultado e que aquella impor-
tante repartilo volte aos seus antigua hbitos de
crdito e moraldade.
O illastrado Sr. Dr. Geminiano Brazil
acaba de praticr um acto de verdadera economa,
supprimindo o lugar de agento externo do Consu-
lado Provincial, vago por faltedme ita de Antonio
Ferrcira Baltar, qae o oceupava, o para o qual
havia um cescid > numero de preiendontes.
Consta-aoa que S. Exc. proceder do menino
modo, quauto ao lugar de praticanto do Thesour-
Provincia que acaba de vagar com a meselo
de Adolpbo FeTeira Baltar para o de official de
descarga da Alfandega.
Assume boje o exercicio da inspectora do
Tbcsouro Provincial, o Or. Jos Evaristo da Cruz
Gouvea.
No vapor que aqu tscou 21 do corrate,
seguio com destino so Maralo o desembargador
da respectiva relacao e ex-juiz de direito d'esta
capital, Exm. Sr. Di. Joao Cavaleante de Al-
buquerque.
Ao seu embarque c.mpareccram o Exm. ,Sr.
presidente da provincia, Dr. chefe d.' polica e
diversas pessoas gradas.
O uosso integro juiz de direito, Dr. Antonio
da TriudaJe Aniones Aloira Honriqaes, aprovei-
tando-se das ferias, foi a Campia Grande buscar
a familia E' aqu esperadle 29 30 do cor-
rente mez.
Eet convocada a primeira sessaodo jury'no
termo desta capital, em o corrate anuo para u da
14 de Fevereiro, prximo vindouro.
Com effaito, o relatorio do Exm. Dr. Pereira
de Carvalho, prima principalmente, pela grande
somma de estados e dados que souba colher, ape-
sar do curto periodo de ten.no que dispoz, desde
que Ihe foram confiados os destinos da provin-
cia.
Estylo cor.ecto e ameno, precisaa de termos,
sobretodo ao jogo de cifras, quaudo se oceupou da
parte fiuaaeeira, S. Exc. revelou n'esta pe^a ofii-
cial os dotes que posaue, dando mais ama prova
do elevado couceto que geralmente gosa.
O aesumpo que mais preoecupou a S. Exc. foi
a parte em que se oceupou das fiaancas da pre-
vi acia, invocando a patriotismo e chamando at -
tonel a dos representantes, indicando os meios de
que precisa para levar avante, seus nobres e pi-
ta ioticos intentos, nao se esqueceudo a divida do
Banco do Brasil, de que, muito particularmente se
oceupou, lembrando que, couviri* nota autorisa-
clo, que estamos certis i lie ser dada immediata
men'^, par eutrar em ucearlo, innovando o can
tracto, afim de qua se carne fcil para a provin-
cia a completa excinecao desta divida.
No immenso auditorio, como em toda a Assem-
bla deixou S. Exc. muito agradavel impressl), e
sabemos qae tanto conservadores como lbjraes
estla as inelhores dsposicoes do auxilial-a, nos
meios de goveruo, e especialmente para quo a pro-
vincia a-ja dotada com um oreara :uto que, quanlo
nao faca desapparecer compiet .mente o grande
cancro dos deficiCs>(o quo impossivel em curto
espago de tempa,) concorra ao menos para quo
n'um futura, na muito remoto, so possa ver as
suas financas em desejavel p dx prosperidade e
erguidos os sena crditos altara a quo tem di-
reno.
Concluida a leitura do relatarlo e obtida vena
de S. Exc., declarou o presidente da Ass-mbis,
insudada a 2 sesslo ordinaria, da Assembla Le-
gislativa provincial, retiraaio-se S. Exc cora o
ceremonial do estylo.
Era seguida pracedeu-se a eleicla da mesa eff :o-
tiva que fieou assim constituida;
PresidenteJos Gervasio.
Vice-presidentt)Autonio Saares.
1" a- cretari i l>r. Luiz Sonto.
2o secretarioEgydio Gomes.
Na eessao de 17 o Sr. deputado Moroira Bran
dio. justifica e manda mesa um requurimento
para que ae faca inserir na acta um voto de pro-
funda magua, pela grande perda que soffreu o
paiz, cam o fallecmeuto do seujior Jos Bonifacio
de Andrada e Silva.
Este requarmauto foi unnimemente approva-
do.
Nada mais Cem feto a asaombla, seula a elei-
clo das camraissdes permanentes, estando natural-
mente 03 Srs. depuUdos, oeaupadas nos trabalhos
de caafeccla dos projectos de orcimeuto e for$a
policial, que de crer appareeam brevemente.
No inesmo dia da abertura da assembla, te ve
lagar cm casa de residencia do capillo Jos Ger-
vasio, uo jiuur po tico, que oft.TcCeu aos sous
amigos di assembla pela qual t-'ia sida distin-
guido pela ter;eira voz, cara a eleieao de seu pre-
sidente.
A' este rtspeta limitara i-nos a trau3Cr'ver a
noticia dada pela Crrelo do Natal, e que se se-
gu:
No dia 15 do carrente,em que tevo lugar a ios
tallaclo da assembla provincial, c n isso Ilustre
amiga, capita-Jos Gervasio de Amarira Garca,
sea digno presideot, oftereceu aos membros da
maioria da mesma assembla um jantar poltico
na casa da aua residencia.
Alera dos que eram particular objecto diquella
bourosi manifestae&o, estverara presents o Exm.
Sr. presideate da proviocia, padre Jai Maaoet,
Dr. J.ronyina Araarco, Dr. aiy.i'ln-: Barros,
Or. Luiz Waulerley, maj >r Joaquim Guilbe-m-,
L)r. Antonio Garca, Dr. Olivsira Sautos, Dr. Lm-
dolpho Alvaros, Dr. Jos Aicxandre e mais outros
amigas.
Reiuou a iois intima cordialidad-' o anmacao
naquetla reunilo, onde se aebavam representadas
as farctis vivas do partido conservador da provin-
cia.
Trocaram-se divcrsi brindes conespondidoi
eoin sincero eathusiasmo, saudaado-se priucpal
mente a Uuiao do partida coa crvador, de que sao
dignas chjfess Extas. Srs. Dr. Tarquinio de Sou-
za o padre Jola Mauoel.
^Este achn Jo se na meio de seua amigos, que
slo outras Untaa influencias as localidades cm
que residem ; Julgou opportuno anudar aoseu cal-
0 I na r^prosentaco moiaual, daudo teste-mu
muuho aalemno da lealdade cora qainto da Souza te.n procedida, da hirmonia que
entre 03 dous chales existe e da canfianca que se
inspirara.
O padre Jlo Man mi :iccre3centou com accento
de voz tiraje e^coovncida que no paiz inteiro na
agricnltnr entre nos, onde ss noU ausencia de re-
cursos, quo outras de ooasas irnhis podem dispor,
como bancos agrcolas etc. etc.
Anexar de dcspi-at.'gida a nossa cerra, d'este
e outros meios para seu ograndecnento, nao
caso aiuda papa descre- de seu futuro que se na*
afigura rieonbacom es elementos e fontes naturaes
de riqueza qut! conta.
Temos em uosso poder um crabalbo curioso
e interessante que revela, na soimnte gosto para
esta ordem de eaCud.s, com bastante inteligencia
e muita paciencia.
Como em todos os astas temos sempre pre-
sente o Sic vos non vbit do grande Virg lio, dire-
mos que, este curioso irabalho devido a um in-
telligente moco que exerce actualmente o lugar de
official-maior da secretaria da Assembla Provin-
cial, o Sr. Pedro loares do Araujo.
E' od quadro de todos os presidentes que t-m
administrado a provincia desde 1823 at hoje, eon
a data de sua nomeseao, poase, tempo que duroa
etc. etc.
Como seja biist.int i extenso para poder ser
incluido aqu, offere.remos a esta Ilustrada R.'dac-
clo, para Ihe dar o destino que merecer, limitan-
do-nos smeute a dar a noticia do resumo que se
segu :
Na periodo decorrido d 5 de Maio de 183,
q'lad a assumio a administradlo d'esta provincia
o seu primeiro presidente, Exm. Sr. eapitlo Tho
maa de Araujo Pereira, at II de Novembro do
anrio passado, data c-m que tomou as redoas do
governo o tixai. Sr. Dr. Antonio Francisco Pereira
de Carvalho, actual presidente, teve a mesma pro-
vincia de ser goveruada par 91 administradores,
durando as respectivas administraedes de 5 anuas
um dia, como ee v da seguiuta demousiricio :
Admnistracao de cinco anuos
dem de menos de quatro annos
dem de menos de tres annos
dem de meno3 de dous annos
dem ae menas de um anno
dem de meucs de um mez
dem de um dia
Somma
Sendo :
Presidentes
v"ice-presidente!
Cousoihcir.s de provincia
Presidentes e vice-'presidentes quo adminis-
traran! 2\3 e 4> vea
I
2 '
*
Ib Bf
60 t
18 1
__ )
9i
45 tL *",
27 9 ;
2 w%
17
nomina 91
No ds 7 do coirente prestou ju'ammto e
tomou possa a nova Cimara Municipal que si, t ra-
po ? d 10 conservadores e 1 liberal, e em seguida
foram eleitoa presidente o vereador Francisco An-
tunes das Sacos e vice-presidente Monoel Joa-
quim de Amarira Garca.
Prestarara tambem juramento os 4 juizes de paz
elcitas.
Joaaaumio hontem o exeroco da vara mu-
nicipal d'esta capital, o illu8trado Dr. Augusta
Leopoldo R. da Cmara, que se acbava no gas
de lcenea, fia d provincia.
Tambera em data de bontem hssuiuo o exer-.
cieio do respectivo carga o inepector da Tbesca-
ranu de Fazonda, ltimamente nameado e qnt
ch'-gou a esta cidadn no mesmo dia, a bardo vapor
Pirapama.

mmn diaru
RIO GRANDE DO NORTE-Natal, 23
de Janeiro de 187
O que do mais importante, occorreu depoa de
nossa ultima, foi a aenura da Assembla Provin-
cial, que tvve lugar a 15 do corrente, dia designa-
do por lei para a reidlo da 2a seasao ordinaria.
A' 1 boia da Urde, foi o Exm. Sr. presideate
da provincia, Dr. Pereira de Carvalho, reeebido
com a soleinnidade do coetuaie, tendo-lhe sido
fetaa as contineneias militares, par urna guarda
de "lonra, que 30 acbava postada em frente do paco
da Assembla.
S. Exc. foi acompanhado, pr todo o pessoal
official e grande numero de distinctos cavalhei-
ros, que se dignaram comparecer, sendo que,
no paya da Asseruola, j se acbava immeuso con-
curso de pessoas, de modo que se pode dizer sem
exagero, foi a installaclo da Assembla mais con-
corrida qu- temos presenciado.
Todos""desejvam ouvr a leitura do relatorio,
que S. Exc. tinha do fazer u'aquella occasio e
acreditamos que em Codos os espiritos deixou
aquella leitura a mais agradavel impresaao.
ha dous homens polticas que vivara mais identi-
ficados, mais telizea do que os dous rooresenUn-
tcs da provincia da Ro G.-ande do Norte. Eutre
ellos nao ba reser/as. nem segrei)3, nom sorpre-
zaa.
Conversara, discutom todos os asuaiptos quo
podem intereasar ao paiz, proviucia, ao porirdo
e >ios amigas ; pdenlo diaer-3fl que os ratoresses
do ambas so confunden porque sao 03 intTesscs
do partido a que perttncem e da provincia que
representara.
O brinde do padre Jola Manoel foi um verd-
deiro pMgrarama poltico, exposto cam sogeleza
e sincerioade, cam desvanecim'-nto e eatbasiasrao
porque a cordialidade ora que vive cora o seu il-
instrado collega o mais solemue desmentido s
propbecias agaureiras das adversarios, qufl tanto
desejam a deeharmonia eotte os dous chefes, que
constituem urna farca respeitavel o que s pado-
rla aor vencidos pela di vala as filenas do seu
proprio partido.
O digna representante da 2o diatricta, fallando
a seus amigos alin^uagom da verdidc, foi viva-
mente applauJiio por todos que sentem a mesma
cousa e tem o moamo pensnmsnto.
0 nosso estioaavel amigo capita > Jos Gervasio
dev seotir-se justamente desvanecido pelos tes-
temunhos que recebeu de merecido apreco, venda-
se cercado de amigos que o prezam e consideram
no mais ele vado grao.
Esmerndose por obsequiar a todos os seu9
convivas, soube penh^rar a gratdla dos qae es-
tavam presentes, a quem dispensou todas as at
tencoes, cuidados o desvelos de um perfei:o cava-
lheiro. t\
A 10 do corrente prestou juramento e entrou
em exercicio do cargo do ebefe de pacia da pro-
vincia, o Dr. Jeronymo A. Raposo da-Cmara, lti-
mamente nomeado e de quem j tivemos occasio
de occapar-nos.
S. S. geralmente conheei lo como um magis-
trado inteliigeote e honrado, c^eus precedentes,
alo porfanto urna garaatia do ordem e tranqmli-
dade publica.
No mesmo dia assumio o exercicio da ?ara
de direito d'esta comarea o honrado ex-ebefe de
polica )Dr. Amyntas Barros, de quem tambem j
tivemos oceasia de oceupar-nos em nossa ultima
msaiva. "
Consta-nos tambem que em daU de 10 do
corrente, foi expedido o regulamento da Instruc-
cio Publica, fructo de apurado estudo do" Exm.
Dr. Pereira de Carvalho e e:n que foi roadjuvado
muito efEeazmente pelo itlustrado director da Ins-
truecSa, Dr. Antonio Amorira Gaica.
E' um trabalho segundo nos informara em que
S. Exc. revela mais urna vez, es vastos cophe-
omenCos de que dispe, e aeu grai-de e nobre em-
penho de melberar esCe importante ama de servico
publica
Aproveitanio as ideias roai3 adiantadas res
peito da instruecio, ada'pUnda as s circums-
tancias da provincia, o trabalho de S. Exc. faz
honra a sua robusta inteligencia e tino adminia
trativn, e ba de produzir bene!tcs resuiudos,
preenebende esU grande lacinia, que sentamos.
Segundo dados seguros quo podamos colher,
a exportaco directa d'esta provincia, desde que
comecou a safra at agora, tem sido a seguate :
Entraram *6 navios.
Sabram carreados 38 com 146,720 satcns de
assuear e 22,370 de .'ilgadlo.
Existem no porto :
A carga 6 navios
Naufragado I
Arribado I
N'esta estatistica, que, c".mo se v, refere-se
soente a exporUclo directa, ao rstao incluidos
ps gneros embarcados d'es'.c porta mesmo e de
Moasur e Maco para srem ah vendidas e ex
portados e de que promttemos dar noticia quando
possaraos ter 'nforraacSes eartas.
Anda se ple contar quo, a safia 3j elevsr a
a mais um terco.
Do outra oceaaio podemos tambera fazer a des.
criminacao da produecao das v!l-s i-roductores
do aaeucar, d'ondo se vor que o do Cear-mirm
se eleva a somma admiravel.
A nossa satra, tem sida rxceilente, mas infe-
lizmente os precis, principalmente da assuear,
tem sido mnimos, de moda a na con.pencar o
[grande sacrificio e difficulddes cam que luta o
l'.omdures nob lesa. Por portaras
'do Exra. Sr. presidente da provincia, datadasd^
22 do correte, foram exonerados a pedidOgjN^rW-
motor, s pblicos das c">marcasd Pauo'la-zSrriiJa-
Bella, hachareis Joe da Cunba Liberato ole '.'-3a tos
c Antonio Candido Corroa 4e Arauy. .
Foram removidos : q.promotor publica de Gay
anna, bacharel Joao/Agostinho Curneiro Bezerra
Cavaleante, para Itainb, o de Itarab, batharal
Alfredo de Oiiveira Fouseca, para Floresta e o de
-Floresta, bacaorol Jlo Lindolmo Dornelhis C-
mara, pira Villa-Bella.
Foram naneados promotores poblicos : de Gay-
anua. o orfcharel Nilo Rodrigues d-J Miranda e de
Panelias o bacharel Jlo Bapiista Cor.-i de Oii-
veira.
AvtoriiiatteM poicaen. Foram lla-
meados para os segumtea distrietos poiciaps de
Bam Googelbo, creados par portaras de 24 do cor-
rente :
Barra do Brejo
Subdelegad", Francisco Jos de A!e.p?nh.
1." Supplemo, Lucio Hermeu'gd,ij Crrela de
Mello.
2." Di'o, Manoel Pinta de MiranaVi.
3." Dito, Bellarmina da Silva Curvello.
Taquary
Subdelegado, Custoaro Elyseu da Barros Pi-
Daug.
1. Supplenfe, Jos Borges da CosU.
2.' D.ia, Joao Jaciotho do Meti.
3. Dito, Pedro Ferreira Pierre.
Colonia Orobanolosica I-taltel Em
trein expresso, que largou da estacao das Cinco
Pontas s 10 horas da manhl de 23 do corrente,
segiairam at Palmares, e d'uhi em outro expresa
do prolongamento at a Colonia Orphanologiea
Isabel, os convidados para a feata inaugural do
engenho central modelo construido na mesma Co-
lonia, ;;raeas ao auxiio de cem conto8 de ris.
prestado pela provincia para case til c necessa-
rio moili ram.'iito do mais importante estabeleci-
ment que, no genero, txste no norte do Imperio.
O trem expresso da linha do S. Francisco che-
gou a Palmaros levando 80 paasagciivs, entre oa
quaea o digno presidente da provincia, Exm. Sr.
Dr. Pedro Vicente do Azevedo, cerca de 1 hora e
40 minutos da tarde. S. Exc. deniorou-se all al-
guns minutos a percorrer a cidade, e s 2 horas e
10 inmotos sguiram todos os convidadas para a
estacad da Colonia, oude chegou o trem a 2 baras
e 55 minutos da tarde.
Como sabido, da estacao ao alto da collina,
em cuja chapada asaenta o magestoso edificio da
Colonia, gasta-se 10 minutos do tem o, subndo-
se, ror declivio doce e suave, urna estrada em zg-
Os cauvdados all chegarao, pas, s 3 horas e
5 miiut is da tarde, sendo recebidos pelo digno
director da Colonia o Rvd. fre Fidelia Mara de
Fognano o seus compinheiros de direecao, tocan-
do a banda de msica dos educandos e estando es
demaU formados em alas.
D pois do ndispousavl repouso, foram 03 ro-
raeiros percorrer o estabelecimento, visitando to-
das as suas dependen oas, inclusive as ofh'citfas, a
secretaria, a rouparia, o refeitori'r, a biblitheca,
etc., etc-, acbando Indo na melbor ordem e co
mais rigoroso asseio e limpeza, sendo que a escri-
pturacao da Colonia prima pela clareza, de forma
a poder-se fazer de momento um juizo seguro do
seu activo e passivoe de todo o seu movimeato.
All verificamos que as obras, trras, instrumen-
tos, utensilios e auimaes da Colonia representan
urna somma de 420 cerneos de lis pouco mais ou
menos, oreando o eng;enho central devidamento
moudo em cerca de 100 cantos.
Havla na Colonia 136 alumnos raeuares, e todo
nos pareccram adis e transudando urna vitali-
dade inconrestavel, gracas tesa duvda a urn bom
rgimen alimentar e ao trabalho que, de sccordo~
com aa respectivas forcas, produzem sob a accao
vigorosa e paternal da zoloso frei Fidelia, incan- I
savel e dedicado ,-perario do bem de que desfructa *
a Colonia Isabe1, alias situada n'uma chapada pi-
taresca e saudavol, a 224 metros cima da nivel
do mar.
A's 5 1/2 horas da tarde, no vastissiuo refeto- -
rio do estabelecimento, onde eatavam dispostas
tres extensissimas mesas, foi servido o jantar,aw
abundante e confartavel refoclo to delicada
quanto poda sel o u'aquella regiao, diatante do-
R^cfe 158 kilmetros, tomando parte no repasto-
cerca do 250 pessoas, inclusive os alumnos je
parte do persoal adminisTatvo di Colonia.
A's 8 horas da noite, ao tbeatrinho da Colonia,
e par alumnos e emproxa.1oa, foram represontadss
um pequeo drama e ama comedia, de que se ti-
raram bem os improvisados actores, tacando noa
intervaltis a bandado msica das menores.
A's 10 1/2 horas 4a noite estavem terminadas ae
fes tas dease dia, e, ao toque de rccalber, reiuou o-
mais profundo silencia naauclla clmela activa e
intehigente, onde s 4 1/2 borne da madrugada
segrate, cornos esplendores do alvorescej, renas-
cen a vida e a actividade, silvando desde ontlo a
possauto machina motora do engenho madolo, pre-
nuncie do trabalha que all iacomeear dentro em
ponen.
Etfo':tivamente, a 8 horas da manhl, depais do
eut e da miaaa, quo foi celebrada n mimosa ca-
pella da Cdenia peto Rvd. frei Caetano de Messi-'
na, pref ito do bospicio de Nossa S rabora da Pe-
nba desta cidade, deaceram todos 03 convidadas
para a fralda da montanh i, onde, n'uma pitoreaca
planicie, eet assente o elegante edifieio d* fabri-
ca, todo da alvenara de cijcloi e coberto de te Iba
de construcelo ffec'u di na Colonia.
.
I'
\ '
I *
I *
[


;f
r
'









/
l

}


'"""-"- *KBffffktrz-~-TZB&Sa,> JBsV l9mtBK*a&tiSB2fi,:*
Diario de Pernambuco---tyuarta--tcira 26 de Janeiro
*

*
j
i
i
Este edificio um quadrilatero oblongo, divi-
dido m tres compartimentos. No pnmeiro estao
a moenda e as caldeires do motor. No segando
est j oa tauquea para o caldo da canna, os appa-
relboa de coainbar no vacuo, as turbinas e todo
naja apetrecho do mavimento e fabrico do assucar.
O terceiro, de pequeas dimenaoes, aerve para o
ensacamento do assucar.
O edificio foi construido sob a direcco de frei
Paschoal, capachinho, auxiliado pelo peasoal da
Coloaia, inclusive oa menores, cojo concuo foi
muito efficaa uessa obra.
Os apparclhos e machinas do cngenho sao da
casa de Moriolle Freres, de Saint-Qjintin, Franca,
foram to bem montados como sao bem eons-
rroidos. Dirigio-lhes o aosentamento um enviado
daquella importante fabrica francesa, o mesmo que
dirigi a construecSo da Usina Pinto, em Ribeiro
A's 8 horaa da inanha, presentes all todos os
convidados da festa e todo o pessoal da Colonia,
estando formados os alumno?, dividamente unitor-
misado?, e tendo frente a sua banda de musici,
procedeu o Rvd. frei Caetano ao benzimento do
toda a fabrica, tocando a banda de msica o Hym-
Do Narioaal.
Logo depois, o engenho que, para experiencias
j4 tmba funecionado, foi posto cm movimento, e
prosigui com admiravel preciso no trabalho en-
celado .
Todos oa presentes examinarais com attenco os
apparelhes variados d'aquella grande fbrica,
quem pedindo, quem dando expiieacoes ; e todos
se mostraran satiafeitos ante aquellas poderosas
machinas que vo abrir radiosos horisontes Co-
lonia Isabel.
O assucar fabricado de excellente qualidad.',
tanto no primeiro como no segundo jacto. Sahe
perfeitamente purgado e seceo das turbinas, e
pode ser, e foi alli mesmo polvensado, n'um moi-
nbo ad-hoc.
A fabrica tem capacidade para preparar de 8 a
10 toneladas de assucar por dia de trabalho ; o
que suficiente na s para as exigencias da
Colonia, mas timbem para as dos lavradores que
alli forera estabelecer-se de futuro. ,
A' 10 horas, depois de ditido exame, volteram
os romeiros e os aAimnos para o alto da collina, e
entre os convidados da festa, fez-se urna subscrip-
co para urna merenda aos educandos da Colonia,
elevann.o-se a collecta 201 5JO, que foram en
trsgnes ao Rvd. Frei Fidelio.
A's 11 horas foi 4 todos servido um excellente e
suceulento almoco, -l cuja sobremesa foram troca-
dos os seguales brindes, qao resumimos ligeira-
inentc : .
Do Or. Felippe de Figueiroi, ao txmo. ar.
Dr. Pedro Vicente de Asevedo, digna.delegado
do gevursO imperial etn Parnambuco, cuja presen
ca oaqn-lla festa industrial, era urna prova plena
do interesse qne liga- a administraco da pro-
vincia ao progresso, sempre applaudido pela im-
prensa, em cajo nome fallava, da Colonia Orpha-
nologica Isabel.
Do Exm. Sr. Dr. Pedro Viceute, agradecendo,
oriosa provincia de Pernambuco, cujos filhos tanto
te destinguem pelo amor ao trabalho e ao engran-
leciinento da sua trra, e enjo futuro cortamente
corresponder ao brilhante passado que a honra.
Dj Sr. Dr. Kilo dn Miranda ao Rvra. Frei Fi-
delis, director da Colonia, cuja existencia seria
talvez ephemera se nao encontrasse n'elle o zeta,
a dedicaco e o amor estoreado que teem alli pro-
duzido maravilhas.
Do Sr. Dr. Oliveira Fonseea ao Exm. Sr. des-
embarga ior Pereira de Lacena, o fez creador da
Colonia Orphanologica Izabel, que Ihe deve tudo o
qsw e quj conta sempre com o seu valioso pa-
i.-ot nio.
DeST i Caetano de Messina, briosa provin-
cia de Pernambuco, cujos 61hos jamis deixam de
auxiliar s obras meritorias, que trazem luz e pro-
gresso. s '
De Fre Fidelis ao Rvd. Frei Pasehoal e aos
Muanos da Colonia, sem cujos esfoiajos e dedica-
rlo tea sido impusoivel a iaaoguracao actual do
engenho modelo.
Do Rvd. Fr> i Fidelis aos Srs. desembargador
Lacena, cousuilieirj Queiroz Barros, commenda-
Jor Castro Rabello, que tem sido o caixa ^i Colo-
nia, e aos empretoiros e empregados doYrolou-
gamento da ferro-via S. Francisco, todos os quaes
uem prestado assijnalados sorvijos ao est-bel-sci-
mento da Colonia.
Do desembargad or Pereira de Luc ni aos Srs.
Dr. Jos Hygino Duarte Pereira, o iniciador da
idea do cngeuho model, como deputado provin-
cial ; desembargada Jos Manocl de Freitas, o
presidente que sanecionou a lei autorisando a des-
pi-za da cem contos de res pfra aquclle fim ; e
desembargador Queiroz Barros, o executorda mes-
ma lei ; como os trez fautores do grande melbora-
mento que alli congregava aquella Ilustre soeie-
dade. .
Dj Dr. Juvencio Aguiar a Exm Sr. Dr. Pe-
dro Vicente do Azevedo. nao como administrador
da provincia e cuja illustmco e talentos nos en
chciam de esperanzas ao ter lugar a sna nomea-
$io, e cuja admistraco tem robustecido essas es-
perances, mas com filho de S. Paulo.a provincia
das graudes iniciativas e dos bellos commettimen
tos em pi da industria e do progresso; rogando
S. Exc. que, no can iuho brilhante em que vai,
imprima 4 Pernambuco as iniciativas, a coragem,
as audacias e os arrojos da que d lo bello ex-
emplu a provincia irm, que tem a gloria e o orgu-
Ibo de contal-o entre os seus filbos illustres.
Finalmente, do Exm. Sr. Dr. Pedro Vicente
aquella que den nomc Colonia Orphanologica
Isabel, Serenissima Princesa Imperial, e a toda
a Augusta Familia Imperial, que tanto se distin-
gue pelo seu amor patrio, pelo interesse que liga
prosperidade do paiz, pelas virtudes e pelos dotes
do coraco e do espirito.
Todos esses brindes foram muit* applaufdos
SUMERGI
*oi>a co iii une retal
i>uco
de Fernn?
HLCrli, 25 DE JA 'EIRO \>E 1887.
Aa tw* horA8 Ja tarde
Ootae&e* uj.ctoe*
letras bypothecarias do banco da crdito real de
Pernambuco do valor de lu e juros
. 'le 7 l>)0 ao anoo a 94000 cada ama.
Kh hora da > olea
Veudeam-sa :
oi> letras bypothecarias.
O presidente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
O secretario.
Eduardo Dubeux.
RIVINTA COHHERCIAL
Oa emana de II 4 de*Janei
rod 1*189
Cambio sobro o Rio d'- Janeiro. d> Banco vis-
t. y.o pir;c particular 30 d. I 1/8 60 d/v 2 1/4
a i d/v 2 3/8 O/o de descont,
i.anbio sobre a Bahia: o Banco tem feito a 8 d/v
ao par.
Cambio sobre Santos. Tem-se f<-ito negocio a 30
le=conto.
Cambio sobre Porto Alegre, idem, idem.
Cambio sobre Londres, o banco tem saccado 90
22 1/2; 22 1/4 e h verba 22 1(4; 22 div por
I < 00.
C'fc'iiiiio sobre Pars, o Ruaco tem s iccado a 90
u,v 422 e 427 e a verba 426 431 iis o franco.
Dito sobre Hamburgo, o Banco teu saccado
K) dtv 524 4 529 e a verba 6S<)/31 ris oR. M.
Dito St>bre o Porto, o Banco tem saccado a 90 d|v
137 a 140 0,o e a verba 140/142 0/0 d* premio.
Dito sobre Buenog-Ayrcs, nao consta que sete-
. hi teito.
Apolic'es da divida publica de 6 o/.,eflectaaram-
as vendas ao par com juro (a sera juro a.....
'70*000 as de 1:000*000.
i-Nta provincial 7 /., idem idem ao par.
Conipaubia Segn i lndemnisadora, mantem a
na e>tc4> de 335*036 por acedo de 200*000.
0 nnpauhia Pbenix, nao se ttm feito transaccao
,iie conste.
Cmipaobia Seguro Ampbitritc, idem.
C i"jiauhia Prrnambuuana, se tem rfictuado
saskdatvdas aeces oe 200* por 70*-
Bapuihia de Fiacao e Teciios, nada se tem
iti.
.-libia de Beberibe, eontinna a sus c-tijao
fr 'i p r acsi) de 103*.
jiponbiade Sinta Therex, nao consta qne
ua ieito vondas.
sendo-o mais que todos o de honra 4 Princesa
Imperial e a Familia Reinante. a
Terminoa o almoeo 4 meia hora da tarde ; e
logo depois, feitos os cumprimentos de despedida,
dfgceram todos os convivas para a estaco, sendo
acompanhados pelos empregados e alumnos nni-
formisados da Colonia, com a sua msica 4 frente.
A' 1 hora da tarde pz-se o trem em marcha
para Palmares, tocando a referida banda ,- deten-
do-se, porm, alguns minutos em Catende, minu-
tos de que se aproveiton o Exm. Sr. presidente
da provincia para visitar as escolas publicas desso
povoado, escolas queencoutrou em boa erdem.
Aos 53 minutos depois de mel dia, ebegou o
trem em Palmares; de onde, feita a baldeacSo
para o da linha inglesa, seguio este s 2 horas da
tarde para o Recife, onde caegou sem inconve-
niente s 5 horas e meia da tarde!
Arsenal de Mariana-Realisou-se hon-
tem, como fdra annnnciado, o lancamento do pata-
cho Guararapet, ltimamente construido no Arse-
nal de Marinna d'esta cidade.
Assistiram ao acto as p imeiras autoridades da
provincia, muitos ofEciaes de trra e mar, crescido
numero de illustres senhoras, muitos cavalheiros
da mais elevada sociedade e avultada multidao,
que calculamos em cerca de quatro mil pes-
soas.
O Arsenal estava embandeirado em torno do
estalairo, bavendo alii dispostos dous palanquea,
um para senhoras e on'ro psra as primeiras auto-
ridades. Nos caes e em volta do estaleiro api-
nbava se o povo. .-
A's 4 e 1/2 horas da tarde, cortadas as pontalo-
tes e espias que retinham o patacho, desliiou el'e
suavemente pela carreira, cahiudo ao mar galhar-
damente, aos sons do hyaino nacional, tocado por
quatro bandas de msica, ao estampido de muitos
foguetes, e no meio dos bravos e pilmas da im-
mensa multidao alli presente.
Servio de madrinha ao bonito patacho Gaurara-
pet a Exma. Sra. Baroueza ds Soiedaie.
Den a guarda de honra para a festa o 2 bata-
lhSo de intantaria, e fez tambem parada o corpo
de menores do Arsensl de Marinha, estando mais
presentes^as bandas de msica do 14 batalhS), oa
polica e dos menores do Arsenal de Guerra.
Depois do lancamento, effectaado com tanta fe-
licidade quanta honra para o nosso Ar cual de
Marinha, o Exm. Sr. chefe de divisao Jo3 Mi
noel Picaneo da Costa, digno director do mesmo
Arsenal, mandn servir aos seus convidados um
profuso e delicado lunch, em cujo curso to-am tro
ca ios diversos brindes.
Assim terminen a festa, que foi esplendida, fi-
cando ao corpo de operarios do Arsiial a gloria
de mais urna vez tur jist.fic Jo os seus ttulos de
intelligencia e dedicaco ao trabalho, em que sem-
pre primaram desde o inicio das officiuas.
Conseltaelro Preitasi HenriifueN.
No paquete Ceard segu h je para a corte, levan-
do sua Exma. familia, o nosso Ilustre amigo Sr.
conselheiro Joo Antonio de Araujo Freitas Hen-
riques, ltimamente nomeado ministro do Supremo
Tribunal de Justica.
O honrado rcagistrado, ornamento da sua c'asse,
priinou sempre pelo sen nobro carcter c pelo en-
tranhado amor justica. No Tribunal da Rea-
cao desta provincia ileixi as melhores tradic-
coes.
Desejamos-lbe piospera viagem.
Pracas do balallii -Ante-hontem,
cinco minutos antes de meia noitc, fji avisado o
Sr. General Commandante das Armas, de qu
pracas do 2- 'utalhlo das vindas d-t Fernando
de Noronha audavain ao auoitecer pelas ru, re-
cciando ee urna provocac3> 4 3a est-ic-S? da guar-
da civic.
8. Exc. poovidenciou pelu teiephone imincdia-
tamente e antes de 12 horas e um quarlo, j4 se
ach iva cim uma fjrca dj cavallaria n>;s immc-
diacoi-s daquella catajai.
O Sr. General do'iando quatro piabas na esta-
ca", de8tri-uo as demais em p-itrnlhas, pira par-
curre.' a CidadejS prender qutlqncr praen que en-
coiitrasH, i dirigindn-ss para u quartel do 2- ba-
t i.liao, >.!ii verificou que apenas BStaVa'O auaeutca
duas pray ir.
Depoia de rondar as guardas e informar-se do
que ncllas neuhuma praca falta va, r^tir- u-separa
o quartel general s 2 boras da madrugada, man-
dando linda o seu iijuJ.u'.e de ordeus, perCOnet
alguinas ras.
Imperial MarlnlieiroEsta corveta na-
cional regressou hontem pela manbil da ilha de
Fernand > de Noronha.
Cmara Municipal a Kscaiia, -
Ante-bontem com as formilida-Jes do eatyln pres
tou juramento e tomou posse a nova Cmara Mu-
nicipal da Escada
Procedendo em seguida a eleico para os car-
gos de presidente e vicrt- presidente, toram leitos
os nossos amigos major Floi isrnuudo Marqu a Lima
o Francisco Napoleo da Silva Lobo.
Ounnllvo.-A Exma. Sra. D. Mara Eugenia
Gomes Peona acaba de offereojr para os daentes
do hospital Pedro II um grande carteo ebeio de
tos de lu lio.
A Im i. Junta da Santa Casa de Misericordia
em sessau do boutem, resolveu mandar agradecer
aquella Exma. Sra. o donativo.
Subdelegado da Torre. R'assumio
boutem o exercicio do cargo de subdelegado do
districto da Torre, o Sr. capito Francisco Borges
Leal.
Assassinala. No da 9 dcste mez, no sitio
Ico, do termo do Triumpho, Izidoro Jos de Fon-
tes assassinou c-;m um tiro a Raymaodo-Cavai-
caite de Lacerda.
O cr-minoso evadio-se, e a respectiva autorida-
de policial, que procura captural-o, proceden uo
inquerito, qu j foi remettiJo ao respctivo juizo.
Eupnucsinenlu. A's 8 horas da noite s
21 do correte e no sitio Saut'Aona, do districto
Comparbia de Olinda e Beberibe, eontioni a
sua cotacao de accao de 200* a 210* cada urna.
Descont de lettras, de 10 a 12 % ao aono.
Gneros nacionaes
AgurdenteAs vendas foram de 54*000 e
1 56* por pipa.
Alcool As vendas foram de 115 00 a pipa.
AssucarVendas, o braoco de 1*800 a 24i>00;
somenos, de 1*500 a 1*600; o masca vado, a
1*200 i o sruto d 1*000 a 1*160, os 15 kilos.
AlgfdoAs vendas foram de 0*303 e 6*400
os 15 kiios de Ia soite.
Arrea em casca.Retalha-aa de 2*700 a 2S800
os naceos de 80 litros.
Caf.O deposito de 3000 saceos e reta!ha-3e
de 7*800 a lUOoO es 15 kilos
Ceblas*do Kio Grande do Su!NSo houvc en-
tradas.
Cera de carnauba.Sem procura.
Couros salgados seceos. Conista vendas a 50
rs o kilo.
Couros verdes.As vendas foram de 320 ris o
kilo
Cerveja nacisual -Conserva o preco do 5* a du-
za das inteiras e 6*000 das meias.
Farinha de mandiocaDe.ram-sc entradas de
Porto Al gre em cerca de 6000 sacos, os precos
para numinalmeute de 3*000 a cada provincia 2*700 a
2*800.
lamoEm paira d 6* a 15* e em corda de
11* h 36* os 15 kilos.
Gomma de mandioca. As vendas foram de
2*000 a 2*200 ..s 15 kilos liquido.
Graxa do Rio Grande do SulConsta urna ven-
da de 5* os 15 kilos.
Gordura do Rio da PrafaNao consta vendas
nao tem liuvldu entradas.
Genebra nacional Reialha-se de 3*503 a
6*000 a caia com descont de 10 /
Mel.Cutamos a 45* a pipa numiualmcnte.
Milho retalho de 50 a 60 rs. o kilo o pre-
cd tem reguladj p.r pequeos lotes de 45c 47 rs.
o kilo.
P. II. 3 cortinasNao ba no marcado, colamos
nominalmente de 60* a 100* conforme a quali-
dade. -
Ptlles Itt cab-llo.As vendas que se cffetua-
ram foram de 1(15* o tent.
Sal do Asb e Mossor.Tem regulado 600 a
700 rs oslOOlilros.
Sebo cusdo.Consta ama venda a 6* os 15
kilos.
TapiocaRetalho de 2*5C0 a 3*203 os 15kilos.
Velas stearinas do Rio de Janeiro.Kctalhn-se
4 303 ris o masao de 6 vella?.
Ditas ditas da provincia.Retalbi-se a 230
ris o masso de 6 velas.
Vinagre do Rio. Retalbi-se de 80* u 103* a
pipa
Vinho do Rio Retalba-se de 150* a 180*000 a
pipa.
Xarquc40.000 arrobas, o retalho de 3* a
6*500 da ve,h i e 7*t)i 0 da nova
Seeros estrangeiros
Alfaz'-maR"talba-je a 8*C03 os 15 kilos cora
descont de 10 o-
de Palmeira, de Correntes, Joaqnim Guilberme
Rodrigues, toi espancado pelos irmSos Joo e Jos
Xavier da Silva.
O respectivo subdelegado tomou conhecimento
do fact e presegue nos termos do inquerito.
Hnolea nova.Para a casa edicter* do Sr.
Vctor Prealls Successor, chegou ltimamente da
Allemanha, onde foi ntidamente impressa, nma
linda polka para piano intitulada A Pandega, com-
posta p-do protessor Candido Lyra, bem conbecido
do publico, a quem recommeadamos essa nova e
delicada prodnecao. Agradecemos o mimo de um
cxemplar.
analltuto As-eheologico e Cleosra-
phlco Vernaxntsucano. mianh, 27 do
corrate, 4 1 hora da tarde, celebra esta Asso
ciaeao, coma devida solemnidade, o 25' anniver-
sarlo de sua fuadacao e o 253- da restaurado de
Pernambuco do dominio hollandez.
A' noite estara illominado todo o edificio e
abortos os ssl5es 4s pessoas qoe o quaerem vi-
sitar.
Featejosi carnavalescos.-Os morado-
res da ra dos Pires, por iniciativa do cstudante
Esperidio Lima, resol veram ornamentar a supra-
dita ra, e psra este fim nomearaso uma commis-
sdo composta dos Srs. EsperidiSo Lima presi-
dente, Domingos Guimares, J. Martins, Marcel-
lino iia Silva, Ral Campello, Oseas da Silvei-
ja, Regueita Pinto Jnior e Demostbeui de Al--
meida.
Julio de paz da fregueala de San-
to Antonio Acha-se no esercicio do cargo do
juiz de pas da paiocbia de Santo Antonio o ci-
dado Macario Fernaades de Asis, que da su as
au iiencias s tercas e sextas-feirss de todas as
semanas, as 2 horas da tarde, na sala das au-
diencias 4 roa do Imperador, e despacha em sea
esabelecimento no lsrgo de Sal dan ha Mari-
ubo u. 2.
Espectculo em .amellelra -Sao
hado, 29 do correte, 4s 8 boras da nuite, a sc-
ciedade dramtica de Game lleira levar 4 scena
o dramaO voluntario da honra e a comedia
o/isrqne/icib da um rapito, terminando o espec-
tculo com a 8cena-comica -A trra das maravi-
lhas.
A Voz do Chrtat&o. Chegou o n. 1, do
lo do corrente, desta revista mensal, catholica
Ilustrada, da qual director o Rvd. padre ManoSl
de Albuquerque, do Porto.
Eis o seu summario :
Proviso do Exm Rvm. Sr. cardeal D. Ame-
rico, bispo do Porto.
Excerpto da Bulla da Santa Cruzada, pelo Exm.
Rvm. Sr. bispo de Bethsaida.
A testa do Natal, pelo P. F. J. Patricio.
A tentacSo, por A. Moreira Bello.
Scenas da revolnc&o franceza, pelo P. Joo
v*ioira Neves Castro da Cruz.
Dispersad dos povos, pelo conego Beato Jos
Barroso.
Oratoria sagrada, pelo P. Vieira de Mello.
Scelo de consultas e legislacao, por Albuquer-
que.
Revista dos jornaes, por Thomas Anselmo.
Aa Colonias Porluiiaeaa.Tambem
recibemos o n. 12 desta revista Ilustrada, dedi-
cada aos ioteresses africanos. Eis o seu summa-
rio :
O camioho de ferro de Loarenco Marques.
Segunda carreira de uavega^So a vapor, ligando
as cMaics do Porto e Lisboa com as pm^as da
frica Occidental e Oriental.Noticias ultrama-
liaaa, .Macao, Imperio do Jupio.As uossas gca-
vuras: caminbo de ferro d Loarenco Marques ao
Transvaal; as trras alagadas na frica Central;
03 territorios adustos ua frica Central.Factos
da ultima revolta da Baixa Zambezia em 1884,
(conclut-j do n. 11). Caldas Xavier.Kacongo,
I. ni Juna, Setembro de 1886 (concluso) S. S.
Aos nossos assignantes e correspondentes, a re-
laeca iAnnuncies.
Bevislas PariNlenaea -Recebemos hon-
tem as seguintes :
Sevtie Sud-Amertcane, o. 108 sendo este o sum-
mario ;
Buroaox offieids de reneeignements sur la R-
pnbliq-ie Argentino en Enrope. Dcrnt de crea-
cin. Apprciutions de la presteLe ministre
des Aftaires traugres de la Repique Aigentioe.
Le pays des Pampas. Dcouverte, populution,
muic-s (suite), par Mariano A. Pelliza.Une
vieilie liistoire et un nouvcau livre. Le Brsil,
par provinces (auitc). Rpubliquc de Col mbie.
L pays de Cliiriqui. Bocas a.l T-ro. Valle Mi-
randa. Courrier d'Amrique. Revue couumi-
que. Revue financia e.Arte, sciences et faits
divers.Bibliographie.
Lt Brsil, n. 141, sendo este o sen summa
rio :
Anniver8aire dn 2 Deerobre.Andrien Di'S-
prez. Tlgrammes da 25 dcembro mi cou-
raue. Echos de purtout. Les ebemins tW ter au
Briil de 1886.Fernandes Pinheiro, Le^Bisil
agricol"-Alfredo Maro. Nouvdllra d^a provifi
cea : Rio de Janeiro, Rio Oraude du-Sud, Santa
Cathajina, Espirito-Santo,. San-Paulo, Pernam-
buco. Cbronique parisienne.Andrien Desprez.
Conversin des obligationsde la Compgnie genc-
mle des ('hoinius de fer brsilieus. Pacifique et
La Pi'/a. Bibliographie (pablications brsilien-
nes) A. M. Revue comuierciale.-- D. Noel, Revue
financire. J. Gaf, Mjuvement maritime. Mai-
sons recommandes, etc.
Etn tranaltoO paquete La Plata levou
hontem para o sul 664 passageiios, sendo tres to-
mados em Pernambuco.
OlnbelroO paquete Ceard troaxe do norte
para: *
Diversos 8:499*540
A Evolur&oTundo terminado as ferias em
qae entrara e te. jornal, reapparecen hontem e se
distribuir o sea n. 12.
Arroz da IndiaRctalha-se a 3*590 os 15 ki-
lot. cm descont.
Alpista.Retalha-se a 5*000 os 15 kilos, idem
idem.
AzSite de oliveira em barra.Retalba-se de 3*
a 3.200 o galao.
Dito em latas.Retalba-se a 15*503 a lata.
llacallio. Deponto 15,000 banicas, retalho
de 18*500 a 19*000 a barrica-
Banba de porco- -Retalha se a 400 rs. o kilo, com
descont.
Batatas portuguesas.0 retalho de 5* as 1/2
caixae.
Ditas inglesas.Nao ba.
BreuO retalho conforufe o peso e qasl-'dade
de 9* a 12* a barrica.
Canda. Retalha-se de 1*550 o kilo com
descont de 10 '/
Ceblas. Retalha-se por 17*000 a caixa.
Cerveja* Retalba-se de 6*200 a 7*000 a
liilZia !i;]Ul'O.
Cimeu'o. Retalba-so de o*403 a 6*109 J*n-
forme a qualidade e peso.
Cominhos. Retalha-se a 18*000 oe 15 kilos.
Cravo da India.As vendas foram de 1*500 o
kilo.
Farinha de trigo Deposito 10,000 barricas.
Reulba se : a de Triestre, de 22*000 a 24*000 ;
a americana de 18*003 a 18*500 a barrica.
FeijoU da provincia retalha-se de 10*000, e
portuguez a 12*('00 eom descont.
Ganafo-s vasios Retalha-se de 600 a 1*200
cada um.
Doces cm caldaRctalha-se a 900 ris a lata.
FareUodoRioda PrataRetalha-se de'3*SO0
a 4*000 o sacco.
Dito de LisboaRetalha-se de 4I50C cm 10
0/0
Genebra Retalha-sa-e 4*000 a 15*000 a
caixa coai descont de 10 0,0 conforme %qjiali-
dade.
Herva doce Sao ha dj mercado.
KeroseneO deposito ugular, o retaHrO de
3*200 liquido a lata.
Looca iogieza ordinaria Rctalha-se de 90*000
a 140*000 o gigo.
Maasa'de tomate Retalha-sc de 580 a 600
ris a libra.
Manteiga em barrisRetalba-se de 760 ris a
libra, com descont.
Dilaem latas Retall.k-sede 1* a 1*300 a libra,
idem conforme o fabricante.
Massas italianas Uetali a ee de 8* a 8*OJ &
caixa. *
iJOleo de nbacaRtfalba-sc a 1*500 e 1*600 o
gal3o.
l'assas cemmuesRetalha-se de 7*503 a 8*003
a caia.
Papel de embrulhRetalha ee de 6S0risa
1*400 a resma.
Piminia da IndiaRetalba-se a 1*6(0 o kilo.
Plvora ingl.zaVendas, 22*000 o bail.
QueijosRetalha-se a 3*50 cada um.
SalNo conetam entradas do estrangeiro.
SardinliasAs prluuuezas rttalba-se de 270 a
80 e as fruncezas de 290 a 320 e 1/4.
Touuinbo do Lisboadem a 11*500 oe 16
kilos.
Lotera do ParaA Cata do Ouro ven-
den a sorto de 200:000* no n. 12827, e a de
2:000* no n. 19761.
Proclaman de casamento. Foram li-
dos no dia 23 do corrente, na matriz de Afogados,
os segu n tes :
Jlo Manoel de Mello com Mathildes Francisca
de Lima.
Joaquim Francisco Xavier com Maria Enocb
Virgein da Cadeira de S. Podro.
Pedro Augusto de Araajo com Cilorinda Maria
de Messias.
Manoel de Barros e Silva eom Ignez Maria da
Penha.
Jos Ottoni Ribeiro Franco com Josepha do
Espirito Santo Pedroaa.
Directora das obras de conserva
cao dos pono*Boletim meteorolgico do
dia 24 de Janeiro de 1887 :
v
5 o
Horas O S -Q SS2
i o ta
6
6 m. 20'4
9 289
12 29-3
3 t. 290-1
6 276
Barmetro
0
760 >38
761-60
761m35
76ia24
7600112
TensSo
do vapor
20.16
18.02
19.77
19.09
19.07

o
X
3
a
78
63
65
64
70
Temperatura mxima31,3.
Dita mtaima26,2.
Evaporacao em 21 horas ao sol: 7'",8 ; 4 som-
bra: 4,0.
Chavanulla.
Direccao do vento : SE todo o dia.
Vdocidada media do vento : 3n>,49 por segundo.
Nebulosidade media: 0,58.
.eilAeaEeetuar-se-hao:
lioje :
Pc2o agente Pestaa, as 11 boras, na rus da Im-
peratriz n. 14, de movis, loocas, vidros etc.
Amanha :
Peto agente A {/redo GiDiare, ao meio dia,
ra da Amzade, de movis.
Pelo agente Gusmao, s 11 horas, 4 roa do olar-
quez de Olinda n. 19, de 144 balotes com papel.
Sexta-feira :
Peto qowie Modesto Baptista, as 11 horas, no
Caminho Novo n. 163, de movis.
Peto agente Pestaa, ao meio dia, na ra do Vi-
gario Tenorio n. 12, de 1 boi e carrroca e de 1
chalet.
Pelo agente Martins, s 11 horas, na^rua de
Paulino Cmara o. 5, de movis.
Isaas fnebresSero celebradas:
Hoje,:
A's 8 horas, na eape'la do Asylo de Mendieida-
de, por alma de Manoel Jos dos Santos ; 4s 7 |2
horas, em S. Pedro do Racife, por alma do Dr.
Jeronymo Bandeira de Mello ; as 8 horas, na or-
den, teroera do Carino, por alma do Dr. Manoel
Antonio da Silva Rios ; s 7 horas, em S. Jos,
por alma de Goncalo Jos da Gama ; 4s 8 horas,
no Corpo Santo, por alma de Manoel Jos dos
Santos ; as 6 horas, na igrejaade Noesa Senhora
io Rosario de Olinda, por alma de Antonio Fran-
cisco de Barros Leite ; s 8 boras, na igreja de
Santo Antonio, pela alma do Dr. Mendo de S4
Barrete Sampaio.
Ain .nh; :
H'e 8 boras, na igreja de Nossa Senhora do
Caimo, por alma de Manoel Alvaro da Silva Aguiar.
Sexta-feira:
A's 8 boras na matriz da Varzoa e na Ordem
Terceira de S. Fraocisoo, por alma de Ignacio
Jaques da Costa Guimar4es ; s 8 horas as ina-
trises de Santo Antao, Gravat e Bseme por
alma de Alfredo Jos da Silva.
PassageirosChegados dos norte no vapor
nacional Cear :
Fructuoso C. Rodrigues, Arthur do Amaral, J.
R. dos Santos, Jiauoel C. da Silva sua senhora e
2 filhos, A. R. da Costa Porcolii Giovani, Jos J.
Bezerra, Antonio Jscintho da Silva, Joaquim de
Oliveira, Manoel R. de Carvalho, Alfredo Moesden,
Joaquim Garca da Costa, Ovidio da Costa Albu-
querque, Ernesto Diss Monteiro, Justiniano Cesar
Vieirs, Arthur de Albuquerque, Dr. Diogo de Al-
buquerque, Dr. Santos ft. P. de VasconceMos, J.
Pereira dos Santos Farofa, Bernardino Mo-ira e 1
criado.
Chegados Ja Europa no v* por inglez L
Plata :
Arthur Dallas sua seuhora 1 filho, A. Baltar,
l. James e Rapbael Esnaty.
Sabidos para o sul no mesmo vapor :
A. J. Andrade Pinto, J. J. Harding e Alfredo
da Silva Mello.
Chegados do sul no vapor ingles Galicia :
Audr Camoron, Henry John Permau e Eduardo
Luiz.
Sahidss para a Europa no mesino vapor :
Hemy Svouaan, Joba Smitli. M.iry A. Bteutej
Manosl C. da Silva su senhora e 4 filhos.
Casa de asetencao Movimento dos pre-
sos do da 24 de Janeiro :
Existiain presos 355, entraram 13, sabiram 18,
Existem 350.
A saber :
Nacionaes 322, mulheres 9, cstrangeiros 9, ee-
ravos sentenciados 5, procesando 1, ditos de cor
reccao 4Total 350.
Arraco-idot 309, sendo: bons 292, docntes 17.
Ta-.al309.
Movimento da eirlermaria:
Ti veram ata:
Jos Thom de Oliveira.
Vicente Ferreira da Araujo c Silva.
Lotera do ParaEis 03 premios da 7*
serie da 1* lotera do Grao-Par extrahida em 25
do corrente :
12827 200:000*000
20799 40:000*000
8562 20:000*000
13301 -^ 10:000*000
Esto premiados com 5:000* :
1155 6857 11127 44661
Estao premiados cem 2:000* :
4563 9180 11664 19761 25245 31633 32537
41308 47083 47124 '
Esto premiados com 1:000* :
3450 11016 14318 17031 17537 17860 18319
19243 20975 21104 25731 26252 26348
31110 34214 36049 38912 43853 44845 56925
Approximacoes
11826 2:000*000
12828 2:000*000
20798 800*000
2C803 800*000
8661 400*000
8363 400*000
13303 i4<*0 0
13302 140*000
Toucinho americanodem a 10*500 os 15
kilos.
^elas stearinasRetalha-se de 700 a 1*000 rs. o
masso com 6 velas.
Vinagre de Lisboa-dem 150*000 a 160*000 a
pipa.
Dito de Figneira.- Retalha se de 240* a 250*
a pipa.
Dito francs BrsncoRctalha-se a 250* a pipa.
Xirque do Rio da PrataNao ba existencia.
.;ivNiilMEiNTOS PCliLUJOS
De 3 a 24
i. ni d 25
vi ae Janeiro
ALFANDEGA
*
653:556*131
17:303*688
A8' parte desta lotera tora lagar no da
lo de Fevereiro impretenvelmente.
Lotera de MaceloPor telegramma re-
cebido pela Casa Feliz, sabe so que, nal.*
pa'' da 15> lotera extrahida em 25 de Janeiro
toram premiados os seguintes nmeros :
34.121 300:000*000
34.677 80:000*000
49.270 40:000*000
45.019 20:000*000
53.876 10:000*000
3.722 5:000*000
34.024 5:000*000
Premios de CiOOOA
6.762 14.551 16.040 21.337 22.362 34.679
38.042 40.917 45.904 45.982 4S.176 48.414
54.416
premios de iiOOoS
3.466 3.536 4.752 4.877 11.992 13.097
18.107 20.334 20.880 21.579 26.876 28.763
28.816 29.938 29.977 31.830 32.842 33.058
34.924 39.177 48.426 48.537 51.922 52.838
53.897
Approoxlmacoes
34.120 4:000*000
34.122 4:000*000
34.676 2:000*000
34.678 2:000*000
49.269 1:500*000
49.271 ^SOOOOO
45.018 1:300*000
45.020 1:300*0 j0
53.875 97^*000
53.877 975*030
Os nmeros de 34.101 a 34.200, excepto o qno
sabio o premio grande, esto premiados com.....
200*.
Os nmeros de 34.601 a 34.700, excepto o que
sabio o premio de 0:000*000, estao premiados
eom 100*.
Os Bumeros de 49.201 a 49.300, excepto o que
sabio o premio de 40:000*000, esto premiados
com 100*.
Os nmeros de 45.001 a 45 100, excepto o que
sabio o premio de 20:000*0 0, esta i premiados
com 100*.
Os nmeros de53.801 a 53.909, excepto o que
sabio o premio de 20:0ij0*000, esto premiados
com 50*.
Todas as centenas cujos dous alga:ismos termi-
nan m em 31, esto premiadas com 100*, inclusi-
ve a da sorte grande.
Todos os nmeros que terminarem em 1 e 9
esto premiados, com 20*
4!rauile extraordinaria lotera das
4lagoas Esta grande lotera, cujipr.inio
grande 2,000:0JO* '00, ser extrbifla impretn-
nvelm -nte no dia 12 de Fevereiro prximo.
Os bilbetes aeham-se venda na praca da In-
dedendencia ns. 37 c 39-
IiOteria de Hinas-GeraesA 4' parte
da 1* loteria desta provincia, cujo preulio grande
6O0:0O:'*O03, ser extrahida uo dia 5 do Fe-"
vereiro, impreterivelment.
Os bilheiea acham-se venda na Roda da For-
tuna, ra Larga do Rosario n. 36.
Lotera da rrleA < parte da 202 lo
teria da corte, cujo premio grande de 100:000*
ser extrahida no dia 29 de Janeiro.
Os bilbetes acb.im-se 4 venda ua Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23. a
Tambem acham-se 4 venda ua praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera do CearA 5 parte da 3* lote-
ria u- la provincia, cujo premio grande ........
4 0:000*000 ter4 extrahida no dia 26 de Janei-
ro.
Os bilbetes acbam-so 4 venda na Roda da For-
tuna 4 ra Larga do Rosario n. 36.
Tambem acbatn-sc venda na Casa Feliz,
praca da Independencia ns 37 e 39.
Lotera do ParaaftEata importante lo
lene, cujo premio grande r> 300:030*0 K), e habi-
lita-se tirar 15:000*0 >>. ser extrahida impre-
t'-riv Imente amanb quiota-feira 27 do corrente.
Achara-scexp-jstos a venda os restos dos bilhe-
tes na Casa da Fortuna 4 ra Primeiro de Marc-
n. 23.
Loteria do RioA 3* parte da lotem
n. 366, do novo plano, do premio de 100:000*000,
aera extrahida no dia .. de Janeiro.
Os bilbetes acham-se 4 venda na Casa da Foi -
una 4 ra Prim-uro de Marco.
Tambem acham-se venda na prafa da nae-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera de Macelo de 300iOO000
A 2" partes da 15 lotera, cujo premio
grande de 3?0:000*, pelo novo plano, ser ex-
trahida impreterivelmeute no dia 1 de Fevereiro
ao meio dia.
Para New-York, H. Fsrster C. 1,500 saceos
com 112,500 kilos de assucar mascavado ; M. J.
da Rocha 1,000 saceos com 75,000 kilos de assu-
car mascavado.
__ Na barca portuguesa Vouo Stfencio, carre-
garam :
Para Lisboa, A. M. du Silva 4 pipas com 1,920
litros de agurdente ; M. J. Pereira 27 barris com
4,320 litros de mel
Para a ilha de S. Miguel, A. M. da Silva 5
barris com 480 litros de agurdente.
BilheV 4 vend>Jia Casa Fdis da praca da In-
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda Roda da Fortuna
na ra Larga do Rosario n. 36e na Casa da For-
tuna 4 ra 1 de Marco n. 23.
Precos resumidos.
Lotera do Grao-ParaA 8* parte les-
te, lotera ser extrahida terca reir/ 1 de Feve-
reiro. \
Bilhetos 4 venda na Casa do Ouro, ra do Ba-
rio da Victoria n. 40 \
Tambem acham-se 4 venda na Casa da Fortu-
na 4 ra 1 de Mareo n. 23.
trande lotera da provinciaA MI*
serie desta loteria em beneficio dos ingenuos da
Colonia Isabel, cojo premio grande 240:000*000,
ser extrahida no da .. de Janeiro, s 4 horas
da tarde.
Os bilhetes acham-se 4 venda na Reda da For-
tuna 4 ra Larga do Rosario n. 36.
Matadouro PublicoForam abatidas no
Matadouro da Cabanga 77 rezes para o consumo
do dia 26 de Janeiro.
Sendo: 55 rezes pertencentea Oliveira Castro,
& C, e 22 a diversos.
Mercado Municipal de S. JosO
movimento deste Mercado uo dia 25 do corrente
foi o seguinte:
Entraram :
34 bois pesando 5,766 kilos.
201 kilos de peixe a 20 ris 4*020
125 cargas de farinha a 200 ris 25*000
7 ditas de fructaa diversas a 300 rs. 2*100
4 taboleiros a 200 ris 800
10 Suinos a 200 ris 10*000
Foram oceupados :
221/2 columnas a 600 ris 13*500
22 compartimentos de farinha a
500 ris. 11*000
19 ditos de comida a 500 ris 9*500
69 ditos de legumes a 400 ris 27*200
16 ditos de su i no a 700 ris 11*200
11 ditos de tressuras a 600 ris 6*600
10 tainos a 2* 20*000
6 dios a 1* 6*00t
A Oliveira Castro 4 C.:
54 taihoa a 1* ris 54*000
2 tainos a 500 ris 1*000
Deve ter sido arrecadada neste dia
a quautiade 193*920
Rendimento de 1 a 24 de Janeiro 4:500*940
Foi arrecadado liquido at hoje 4:694*860
Precos do dia :
Carue verde 320 a 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
S'im j> de 5G0 a 610 ris idem.
Farinha de 240 a 320 ris a cuia.
Milho de 260 a 323 ris idem.
Feijo de 560 a 610 idem.
P lili.. .UhS A jjffjg
Consulta
Podem servir conjun-
tamente na Cmara Mu-
nicipal dous vereadores
casados com duas irmas ?
No caso negativo qual
dos dous deve preferir ?
A primeira parte da consulta respondo pela ne-
gativa.
O artigo 23 da lei de 1 de Outubro de 1828 fi-
xou os casos de incompatibilidade resultantes de
parentesco entre vereadores, disposicao essa qne_^-^
exemplificativa e nao taxativa.
Com effeito, determinando que nao devrm servir
juntamente -rano vereadores pai,filb ',)rmos e cu-
uhados, nao se poJe dcixar de comprebcnder*o av,
sogro, e genro eoutres prenles, apezar da lei nao
se referir a elles.
Assim tem sido a mesma lei interpretada por
diversas decisooi do governo, entra outras o avi-
so n. 143 de 18 de Marco de 1861, que diz :
Tenho presente o officio de V. Exc, submet-
tendo 4 consduracito do governo, a duvida susci-
tada pela Cmara Municipal de Alago Nova,
acerca o exercicio do cargo de veieador de J. N.
Borges, que se escusou de dito cargo por nao que-
rer servir conjuntamente com sea genro.
Pondera a Cmara que nao sao attendiveis as
razoes allegadas por aquello cidado para escu-
sar se do cargo de vereador, por isso que o arti-
go 23 da lei de 1 di Outubro de 1828, nao com-
prebende o caso de terem de servir conjuntamen-
te o sogro e o genro, e apenas trata da concur-
rencia do pai e filho, irmss ou cunhadoz, em
quanto durar o eunbadio.
E em resposta declaro a V. Exc. para fazer
c ilutar 4 rcienda Cmara que, embora o artigo
23 da citada le aeja omisso a respeito da hypo-
tbese vertent% nao admissivel qua funecionem
conjuntamente na mesma Cmara o sogro e o
genro, porqusQto est no espirito da lei excluir
uma semelhante concurrencia, sobretodo tendo
ella excluido os cuneados qua, sendo tambem af-
fios, esto em parentesco mais remoto do qne o so-
gro e o genro, doutrina esta confirmada pelo avi-
so de 16 de Dezembre de 1829.
Ooserve, entretanto, que no caso de estar im-
pedido o ge iro, nenhum inconveniente ira em que
lunccio.'ie como vereador o sogro, ou vice versa,
comtanto que o exercic;o de tees funecoes cesse
logo que se aprsente o Impedido. >
Esta doutrina fui ain la confirmada pelo aviso
n. 387, de 9 de Setembro dirigido ao presidente
desta provincia.
Essa interpretaeao ampliativa est de accordo
com a disposicn da Ord. do L. 1. Tit. 67 pr. e
-

.
carregou:
scos^com 1,500
Para o Interior
IMADA FROV1I1CUL
De 4 a 24
lea de i5
114;690J265
3:282*971
670:859*719
117:973 4936
jca
acauBDoai*Ds 3 a 24
fj: de 5
788:833*955
26:318*578
1:172*846
;ULA/HJ raonitCIAL
' iiua Je 25
Da 3 a 24
'iom &M
io 3 a 24
27:491*424
84:847*520
686664
85:564*184
5:234*759
134*900
5.369*659
W3FACHUS DE EXPORTADO
Era 24 de Janeiro* de 18S7
Para n exterior
So vspor inglez Derioentdale, csrregaram :
Para Liverpool, V, Neesen 10 tardos com 2,900
kilos de trapos e 25 toneladas de ossos de boi ; P.
Moreira da Silva 50 saceos com 2,509 kilos de
cera de carnauba.
No vapor inglez Gtcendcline, carregaram :
Para New York, F. C.sco & Mbo 1,600 sac-
eos com 120,000 kilos de assucar mascavado.
No brigae noruegaeuse .Einina, carrega-
ram :
Psra New-York, J. S. Loyo & Filho 1,143
suecos com 85,725 kilos de assucar mascavado.
Na escuna americana Leis E^, carrega-
ram:
No palhabote nacional 8. Bartholomeo, car-
regaram :
Para Porto-Alegre, P. Carneiro & C. 1,150
saceos com 86,250 kilos de assucar branca e 450
ditos com 33,750 ditos de dito mascavado.
No patacho nacional Rival, carregaram :
Para o Rio Grande do Sal, T de Azevedo Soa-
sa 275 barricas com 24,540 kilos de assucar
branco e 50 ditas cos 2,690 ditos de dito masca-
vado ; H. da Silva Loyo &. O 250 barricas com
24,459 kilos de assucar branco.
No lugar noruega- nse Lekna, carregaram:
Para o Rio Grande do Sul, viuva de Manoel F.
Marques & Filho 50 barricas com 5,311 kilos de
assucar mascavado e 45U ditas com 43,309 ditos
de dito brue j.
= No vapor francs Ville de. Maranho, carre-
garam :
f ra Santos, P. Carnoiro 4 C. 1,500 saceos com
90,000 kilos de asssuear mascavado e 1,000 ditos
cem 60,(X0 ditos de dito branco ; Maia & Reven-
de 450 saceos coa 27,000 kilos de assucar masca-
vade e 550 ditos com 33 000 ditos de dito branco ;
P. Alves 4 C. 100 saceos com 6,003 kilos de assu
car mascavado e 200 ditos com 12,003 ditos de
dito branco.
No lugar nacional Juvenal, carregaram :
Para Santos, F. Carneiro 6c. C. 2,600 saceos
com 156,000 kilos de assnear mascavado e 1,900
dito! com 114,000 ditos de dito branco.
No briguc norueguense Alkor, carregaram :
Para Santos, 50 pipas com 24,000 litros de
agurdente.
No patacho norueguense Gitanee, carrega-
ram :
Para 8antos, P. Carneiro & C. 300 barricas com
30,810 kilos de assnear branco e 100 ditas com
10,410 ditos de dito mascavado.
No vapor nacional Ceir, carregaram :
Para o Rio de Janeiro, V. T. Coimbra 1.C00
saceos com 60,000 kilos de asucar branco ; H.
Burle 4 V. 2,000 saceos com 120,000 kilos de
assucar mascavado e 1,000 ditos com 60,000 ditos
de dito branco ; M. Caohs 150 sacc-s com 9,009
kilos de assucar mascavado e 150 ditos com 9,030
ditos de dito branco ; T. de Azevedo Sousa 200
saceos eom 12,0u0 ki'os de assucar branco ; J. A.
da Costa Medeiros 222 saceos com 13,320 kilos de
assucar mascavado ; Bartholo.-aeu & C. Sujccsso-
res 15 caixas vinho jnrnbeba; Julio 4 Irmo 4
fardos com 188 kilos de jaborandy ; M. do as
cimento 2 eaixoes cspeciaes pennas.
Para Bahia, J. A. Coste Medeiroa 50 barricas
com 5,689 kilos de assucar branco.
No hiato nacional Deus te
Para Aracaty, J. "ontelle 30
kiloa de milho.
Na barcaca Aurora, carrega
Para Mossor, P. Alvos 4 O 40 bameae com
2,600 kilos do assucar branco.
No cter Rogerio, carregou :
Para Maracsja, M. J. Passoa 200 saceos cem
farinha de mandioca.

-.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 25
Soutbampton e escalas15 dias, vapor inglez La
Plata, de 2,069 toneladas, commandante A. H.
Dyk, eqaipagem 98, carga varios gneros ; s
Adam.-on Howie & C.
Havre e escala -20 dias, vapor francs V'llede
Maranho, do 1,7/5 toneladas, commandante
Breant, equipagem 44, carga varios gneros ; a
Angoste Labille & '.
Manos e escala12 dias, vapor nacional Cear,
de 1,999 toneladas, commandante Gnilherme
Jos Pacheco, equipagem 60, carga varios g-
neros ; ao Viscoode de Itaqui do Norte.
Valparaizo e escala21 dias, vapor inglez Gali-
cia, de 2,218 toneladas, commandante James
B. Paken, eqaipagem 93, carga varios gene-
ros ; a Wilson Sons 4 C.
Maranho e escala5 dias, vapor inglez flforse-
man, de 826 toneladas, commandante W. Lacy,
equipagem 55, carera apparelbos telegraphi-
coe.
Maco11 dias, hyate nacional Aurora 2>, de 70
toneladas, mestre Manosl Duarte da Silva, eqai-
pagem 5, carga varios gneros; a Carlos A. de
Araojo.
Navios saludos no mesmo dia
Buenos-Ayres por escalaVapor inglez La Pia-
fa, cnmandante A. H. Dyk, carga varias ge-
i-eros.
Liverpool por escalaVapor inglez Galicia, com-
mandante Jamos B. Paker, carga varios gene-
ros.
Pelotas Escuna portagueza Chrlstina, capitn/
Manoel M. Morsjado, carga assucar.
Rio do JaneiroPatacho ingle* Century, capito
Francisco P. fime; il, carga bacalho.
VAPORES ESPERADOS
Baha
Espirito Santo
AUianca
Marinho Visconde
Pernambuco
Advance
do sol amanha
do norte amanha
do sul amanha
da Bahia amanha
de Hamburgo a 28
de New-Port-News a 28
Fevereiro
Senegal
JlVesI
da Europa
do sal
a 3
a 14
m\m V

m


i
I'

Diario de Pernambnco(Juarta-feira 26 de Janeiro de 1887
1 qae, regulando o exgrfifsio dos veedores nao
permitti que servis/m camulativansBnte os p-
rente* at o quarto/^ro cou'.ados Bogando o d-
reito cannico, y
Mas contestarse essa interpretago e se du que
o artigo 23 citada le d 1 de Oatubro exclu a-
do gmente os cunhadoe nao deve ser ampliadaaoa
eoncunhados.
E' erra manifest : porquanto a Uta. do Li. I
Tit. 79, 45, trataudo da incompatibilidade re-
saltante" de parentesco chamadoeunhadosnio
ss que sao casados um com a irm de outro,
como os que sao casados con duna irms.
De modo que segundo a uossa le civel sao cu-
nhados nao s aquelle que casado com a irm de
outro, como aquollea que sao casados com duas
irms, nao sendo conhecida na linguagem jurdi-
ca essa palavrasoncunhado.
Aasim que se tem interpretado o cdigo do
processo no artigo 277, quando inhibo de servir
no mesmo coiiselho os cunbados, dorante o cnuha-
dio, e diversos avisos probbem ainda o exercicio
simultaneo de funecoes publicas entretaes piren-
tes.
Entre elles citaremos a resoluco de 2 de Outu-
bro de 1367 que dii:
Mandou Vossa Magestade Imperial por viso
de 7 de Marco do corrente, que aseefo de justi
ca do cooselh) de estado eonsltass* com o seu
parecer sobre os inclusos ppela relativos a in-
compatibilidade entre o jui* municipal e o escri-
vao de orphos do termo da Alienas par eerem
concunhadoa.
Da certidSo do respectivo yigario consta que
na verdale o dito juiz e cae. ivo alo casados
com duas irintU, tilbas legitimas de Antonio Joa-
quim Gomes.
Priscinde a seceo de justica do DtjAo do
estado da reara do direito ^auonicoAffinitat
non pirit affinitatnrporquanto a Ord. do L 1
Tit. 79 45, quo regula as incsmpatibilidales dos
juizes "officiaes de juatica por causa de parea-
teso, expresas a respeito dos concunbados ca-
sados com duts irms.
Assra que averiguado, como est, que o jais
municipal e escrivao de orphos de Alfonas sao
concuuhadoe, tora de duvda que 4 face de Ord.
do Liv. I tit. 79 | 45. Avisos de 13 de Dezembro
de 1853 e de 0 de Agosto de 1658, sao ellos iocom-
Sati veis, e que por consequencia deve um dellej
eixar o lugar, rura que cesse essa incompatibi-
lidade, que lio prejudicial a administraco da
jastiyi.
O princip, da ncompatibidade entre parentes
consangunea ou affius tem sido appcado com
tanto rigor que o decreta n. 6,810 de 16 de Feve-
reiro de 187S prohibe o pai fuuccionar como advo-
gado nos feitos em que escrivao o filho, quando
a .Ord. completamente omissa a ease respeito, e
casa iutorprctaco extensiva cerceia os direitos da
classe dos advogados, limitando o exercicio de
urna das mais nobres, das mais livres, e ao mesmo
tempj mais indispeusaveis profisses de tod* a
ordem s-icial bem constituida.
Isto posto meu parecer que nao podem servir
conjuntamente dous vereadores casados con duas
irms.
' Quanta a segunda duvida est ella resclvida
tegundi as regras ettabelccidas pelo aviso n. 17
de~23 de Seterrbro de 1882.
se com qae a molher mentiste em meu despro-
veito. A mulber compareceu ; uo sei o que dis-
se, mas s sei que os modernos inquisidores amea-
caram-n'a com trlnta das do cadeia para dizer o
que nao sabia, e que ameaca d? outro genero foi
teita pelo mesmo delegado ao escrita* da collec-
toria Joaquim Candido de Figneiredo. Esta as-
scrcao constante de nm ato de perguntas fei-
tas sob juramentos a estas duas testemaabas pelo
Dr. juiz munioipal do termo e que ficam na typo-
graphia para quem quizer ver. Apezar de taes
meios compressivos o delegado Maneeo nao conse-
gaio que testemanha alguma jurasse contra mim,
mas sendo necessario ser agrsdavel ao espirito de
alguem que j morreu, deitar mais nm fbro em
sua corda de glorias obtida na campanba de Pal-
mares, servio-se de um auto de perguntas do of-
fondido e de outros nao sei como arrumados e
atirou o men nome de encontr aos ventos da
publieidade como inspirador de nm delict!...
E boje recolhido a sua prebenda gordo effeto
do mal que procurou fazer, preaamindo quifi que
o tempo admirado par u cm ba marcha para ex
tatico contemplal-o no polestal de sua glora.
Coitado O tempo marcha, os mortos nao lhe
agradecem porgue nao nao teem odios; os que o
exploraram riera-te de si, a verdade tira-lhc o
merecimento da obra, e do tudo quante fe, so lhe
bn de ficar, afinal, o remore :> das violencias que
empregou para, por meios subrepticios, e como es-
cravo dos capricho alheios procurar com obra tal
comprometter a correligiouurios que todos porfa
concorrero com sua pedra para o edificio de sua
grandeza em que hoje tanto se extasa. Quaoto
mim, lhe perdo o mal que me procuiou fazer
pela convieco em que estou, que no afn do cor-
tejar muitos interesaos elle, coitado.oo soube o
que fez.
Mas nao poaso privar, que ouros, fallando delle,
digam com 8. Francisco de Paula : enganaste-
me, desalmado, vi-te de longe, e ulgaei-te nm ho-
rnera. Vou concluir, lembrando ao Sr. tenente-
coronel Manoel Goncalves Perora Lima que
quando um hosoem despropore u .do por sua am-
bifo de gloria, a pequenhes do emprego que
oceupa, a estatua torua-sc muito grande para sua
base, e, neste caso, vero necessariameute o es-
boroamento de tudo sera que o inufi.lo o admire ; e
que este um dos castigos com quo a gloria cus-
turna punir aquellos que sao seus escravos.
Kecife, 25 de Janeiro de 1887. .
iel Grangeiro.
I Esta va sellada e roconhecida a firma).
Resposta
Faz boj? nm anna que tombsu ao sopro glido
da m ii te o distiocto cidadSo Manoel Joe dos
Santos. Accommettido de terrivel enfermidade
que combando dos recursos mdicos deu-lhe tr-
O J>:M'harc! Fiel rangelro e OS!min3 a exaieneia, exhalou o derradeiro alent nos
aconteciacatos de Palmares
l :ua lagrima sobre o lumiilu de
l Hanoel fos dos Santos, no
1 anal versa rio Je sen passa
meato.
Ah corre pranto meu, corre saudeso,
se t podes, penetra a campa fra i
oude repous.im para sempre os restos
do amigo que tanto me aprazia.
/. C. Fernandes Pinheiro.
Deixo de responder romo merece* ao articulista
dos dous artigos no Diario de Fernambuco, do
da 20 de Novembr.i, prximo findo c do de 23 do
corrente, com a epigraphe ao juiz de direito de
Olinda, porque nao sei responder a mascarados e
nem a anonymos, sim pessoalmente e na face lim-
pa, declare-se o autor da covaxdia.
Kecife, 26 de Janeiro de 1687.
Francisco da Natividade Saldauha.
'urgaco-Vurlalcrlmento
E' alcincado mediante o uso das Plalas Assu-
caraJas de Bristol, estes dous pro essos sao inse-
Daravelmente reduaidos nm s, e o mesmo j nao
se pode dizer de nenhum outro cathartico existen-
te. Por esta mesma razio ellas sSo indabitavel-
mente o remedio alterativo o mais eficas precioso
qae jamis foi receitado para as curas da p iraly-
sia, fraqueza nervosa, debilidade geral, vertigens
e tonturas de cabecil. Estas enfermidades acbam-
se gcalraente mais ou menos ligadas, quer j co-
mo effeitos ou causas, com urna certa condicao
morbosa do estomago, do fijado ou dos intestinos.
Sobre estes orgos ss plalas op3ram de ums ma-
neira directa e com urna tul promptiJ2o e forea
curativa, qae verdadeiramente faz admirar, em-
quanto que por outro lado ellas do vigor a todo o
eviterna,
A Salsaparrilha da Uristu!, sendo de todos os
agentes o mais notavcl para a renovacSo da vita-
lidade, torna se portanto em taes casos indispeu-
savel.
Ellas se achnm acondicionadas dentro de vidri-
nbos e por iaso a sua conservado duradora em
todos os climas.
Acha-se venda em todas as boticas e lojas de
perfumaras.
Agentes em Pernambuco, Henry Fostcr & C,
roa do Commercio n. 9.
No Diario de 14 do andante appareceu publi-
cada a rocapitulacao do inquerito teito em Pal-
orafo da desolada esposa, rodeado de seus filhos
e par^utes, deixando-os iinmersoj na mais profun-
da ddr e legando-Ibes por uuico brazao a pobreza
e um nome honrado, que ello soube conquistar
mares, e por ella se v, que o delegado Manoel, pe|88u,g qaadades e virtudes eivicas, que tanto
Goncalves Pereira Lima, fundando-se em um acto
de perguntas feito ao ohVndido, o juiz de direito
da mesma comarca, e outros feitos pessoas que
ignoro, me d como tendj inspirado o triste acon-
tecimecto do dia 29 do passado. Son to conhe-
cido na provincia, onde nao sou hospede du ulti-
ma hora, qae posso dizer sem utania ser a im-
purm;ao t > buiza, que nao attinge altura de
minha roput-.cao, e se venho a imprensa to s-
mente no intuito de, explicando os factos, nao
o emalteeian e o tornavam meredor da estima de
seus concidados.
Carcter talhado a romana, alma grande, cora-
clo generoso, a sua vida foi um constante de vir-
tudes.
Esposo dedicado, extremoso para com os paren-
; tes, sincro e constante para com os amigos, lliano,
i affavel c acccssivel a todos, a saa murte deixou
um vaeu) difiicil de ser prcenchido e a sua alma
pura candida voou ao seio de Deas para gosar
consentir que os interesaos neo ifessaveis de uns,! da bemaventaranca eterna.
os odios sem fundameuto de outros aasediando um
juiz dt'svairado pela dr e possuido por um espi-
rito convulsivo ; e um delegado escravisado pela
idea de gloria e de chapeo mao cortejando um
tmulo, os impillam sobre mim e sirvam-se delles
como metralnas para marear minha reputacao.
Nao : ainda vivo para desviando o corpo, deixar
que a met-alba v alera, embora de saa exploeo
venb ama chuva de lama cobrir o rosto dss col-
Jaboradores da obra. 0
No dia 3 de Dezembro estando eu de vagem
para Garantaos, e propoeito de explicar-me
com o Dr. Pothier respeito de artigos de gae-
ta, qae desaffectos meus attribuiam mim, apro-
vetei a opportunidade pra mutiifestar-lhe o meu
modo de ver sobre a marcha que o uosso collega 1 |0f ja e
o Dr. Lu Ignacio ia dando ao3 negocios de sua | descanao
comarca e neata occasio> eu Ibe disse:que
vista da tencSo dos espirites, previa que o nosso
collega corra para um destecho desagradavel; i
que eu j tinba retirado de um a dea em qae es '.
tava de, essoalmenle, dcafbr;ar-se delle ; que ;
lhe pedia para, d- minha parte, por si manfes-
tar lhe as minhas previsojs, <, finalmente, pe-
dir-lhe para que deixasse o systhema do arroxo ;
que eu de nada sabia e que tinha perdido a raso
de saber desde que tinha ficado conhecido o meu
modo de pensar sobre o assumpto; que se de-
visasse alguma cousa o nao tivesse forca paia im-
pedir, ira por m aa eu lado para soffrer coro el-
A caridade, esta vrtude eminentemente evan-
glica e propria dos coraces bemfarejos, elle a
possuia e muitas veces ptivava-se do necessario
para levar o bolo da can Inde viuva desvalida,
ao des'-rotegido da fortuna, fazenuo por auavsar-
Ihes as amarguras da pobreza.
Els morrea porque a morto lei fatal a quo a
humanidade est suje ta, mas se seu espirita des-
prendendo-st des*<> inundo foi ter a mansao dos
justos, a sua memoria perdurar immorredora no
coraco de 6aa estremecida familia, dos amigos'e
de todos que o coaheciam e o apreciavam, e viam
nelle um perfeito vario, ara carcter sem mancha,
um typo do verdadeiro amigo, um modulo de esposo
e pai. Deas techa a sua al.-na uo santo reino da
como premio de euas virtudrs lhe d o
eterno, que a recompensa dos justos.
Em 25 de Janeiro de 1887.
___________________________Um migo.__________
O i:\iu. Sr. eonselhelro Freltas
Henrlqnes
Segu amanh para a corte, com sua Eimi. fa-
milia, o Sr. ccnselheiro JoSo Antumo de Araujo
Freitas Henriques,, que all va i exercer o honroso
cargo de ministro do Supremo Tribunal do Jus-
tica
Como juiz de direito uVsta capital, e como desein*
bargador da Relaclo de Peroarabuco, durante lou-
e, porm quo esta mesma possibilidade de poder gos annos, S. Exc coaquistou a estima e o re^p^ito
eu divisar alguma cousa era muito falvel, por de todos. Magistrado intclligente activiesuuo e
qae nem sempre ea estara em Palmares e qae integerrimo, soube alliar semnre a stve idade rio
naquella mesma oceasio estava de viagem para I juiz, amenidade do tracto. Como hornera part-
Garanhuns d'onde nao sabia quando voltaria.
A fra a altima parte, o Dr. Luiz Ignacio re-
feri em seu manifest a minha ceuvena havida
cora o Dr. Pothier, o qae pro va que ease cava-
Ihciro foi pressuroso em manifestar ao collega as
minhas previeos.
Segu no dia 4 para Garanhuns oude tai obri-
gado a demorar-me at o dia 13, quando cheguei
em Palmares to incomoiodado de um s ffrimento
de uretra qae me acompanba ba muitos annos e
que se cxactrbuu com a montara cavallo e via-
gem forjada, qae sem esperar a entrada das re-
lias, dirigi-me no dia 18 para aqu entrando no
mesmo dia em tratamento com o meu medico, o
Dr. Pontual, para o qual appello. Isto deu lugar
a que o Sr. Dr Luiz Ignacio dissesse em sea ma-
nifest que eu tinha fgido para nao ser attingido deVxei t m" cma~do bac do seu armacem j sem
cular, o Sr conselheiro Freitas Henriques, u.ua
n'esta provincia amigos sinceros, jue profunda-
mente sentir.) a saa ausencia.
Em compensago temos a certeza do valioso con
curso que.S. Exc. ha de prestar a adinmstr-.c;\< da
justica, no primeiro Tribunal do imperio.
Kecife, 25 de Janeiro de 1887.
7t vdho amigo.
1111 negociante honrado
O Sr. Domingos Teixera Bastos acaba de dar
provas de sua conducta e honradez o que nj devo
nassar sem disto dar ao pah'-oo o recoobecimonto
desto nobre o honrado neg< > tuio-m; a quantia de 4110O0 que casualmeuc
pelos estilhacos. Nao tinha de qae tugir, nao es-
tava em Iota com ninguera e se estivesse nao
coitumo nellas collocar-me no porto Prea.
En perdo a leviandade do Sr. Dr. Luis I na-
ci, qae por ser impropria de um velho, denota o
estado do seu espirito, e vou mostrar qae a impu-
tado to sem fundamento como a propria sem
razio. Toda ella asenta as previses por mim
manifestadas ao Dr. Pothier, pois, se com alguem
conversei, foi referindo a conversa com elle tida.
Desta conversa a fo.-fada conclusas, de que en
abia do faeto, e da minha viagem ao Recife a de
q je ea inspira e fagi. A minha viagem para aqu
ficou explicada, a conversa tida com o Dr. Po-
thier nao se presta a concluso, porque prever
do homem e predizer s de Deus, e nao sou tao
fnyope para divulgando ao longe famaca, nao po-
der afiirmar incontinente que l existe f )go. Em
tempos idos, em urna das questoes mumentosas de
Palmares, manifestei ao mesmo Dr. Pothier pre-
vises desagradaveis em relacio a nm collega que
estava envolta nellas.
Cheguei mesmo a aconselhar providencias qae
o bem senso aeeitou, e urna eituaco que se me
sfiguruvadirBcil, mudcu d<> repeute sem que este
collega ficasse meu iaimigo e considerasse ius-
piradjr delia, pois nao de bom senso qao o ins-
pirador de um crime manifest apprehenses de
qae elle te vai dar e peca a victima para que, pe-
los meios ao seu alcance, o evite.
Encarada por outro lado a questo, ainda mais
chata e esmagada fica a imputuci>. Nao ha cri-
me sem movel, qual pas o movel qae me deter-
minou o inspirar a pratica do desacato pessoa
do Dr. juiz de direito de Palmares ? O odio ?
Nao, porque sempre mantivemos relacoes amisto-
sas. A poltica? Tambem nao, porque cu j et-
tava maito retirado s tendas da vida privada
contemplando os estragos que a ferragem da paz
fazia as antigs armas de combate, lnteresses
de foro ? Ainda nao, porque antes da chegada do
Dr. Luiz Ignacio j tioha projectadoa minha eahi-
da la comarca e at da provincia, o que nao igne-
rava o Dr. Pethier para qnem appello Nao ha-
vendo raovcl conclaso que o inovcl foi a perver-
idade; na> contesto esta us.ercao > r.iue tooh >
certeza qu ijue me coubecem u rcpellirio
com asco e n jo.
Quando em Palmares se forgicava o inquerito
sob a inapiraC/o do Sr. Lu Ignacio e de outras
figuras representan !o odios de tolos M matizes,
fui avisado de que se me procurava involver nel-
le, e que para isto tinba sido chamado ama ex-ama
de minha cusa contando-se talvez qae o despeito
proveniente do fact j de ter sido despedida, fizes-
esperacca alguma desto diuheirj, lecordei me que
estive em dito armazem, porm sem lembranca
alguma de ter aili deixado este dinbeiro, porm
apresentei-me e commuuiquei-lhe do occorrido, elle
piomptamciite entregou-m'o.
Por mais que lhe agradec, julguei nada ter
feito sera dar disto provas ao publico.
Recite, 25 de Janeiro de 1886
Mostr da lancha Deus do Ocano,
Antonio Vieira.
Hatadonro da Cabanga"
At quaudo cuutiua o Sr. Jos Eleuterio de
Azevedo no goso do servico do Matadouro da Ca-
banga, tendo Sudado o s-'ii contrato desde Abril
do anuo passado ?
Respondam nos os illastre3 vereadores.
At lego.
Um municipe.
Aos senhores de engenho
Constando nos que um Industrial desta praca
expedio circulares a diTusgai enb-r. s de engenbo
offereceado para compra a venda de mercadorias
annunciando vantagens que nenbura outro anda
fes, viraos prevenil-os de que tenham cautela com
o tal senhor e nao se deixem lograr por esse es-
p-rtalno que nada tem a perder.
Nanea bouve quera aohssse cara a commissSo
de 3 % para os correspondentes de assucar, -
todos sauem que esse lucro, principalmente com os
presos actunea di artigo, mil ompensa o trabalho,
ao emtnto o til Z das circulares offereue se par.i
vender os assucarcs com a cummissio do 2 /o.
donando oes crer que bem cantadiobo elle ven-
der os assucar. 9 #em nada lucrar i visando o
progresio da a neultura e do commercio que
vista d'esta rat ora 0ttio s*lv.* do ahysmol
qaanta honest lado 1!
Acautelem s |> a ou Maltona de engenh e
lembiem-sc do adigio -da e mol grande o pubre
deseo rifi.
Rcife, 25 de J..neiro de 1887.
O Globo.
gJN.|2.
reruedio
est se
A Einulsio ^c Scott nSo uinn
poia ha longos anuos que
novo,
usando
na
Europa
no Litados
Unidos o maitoa outros pases o tem sem-
pre dado os aiflhoreB resultados na tisk-a,
as molestias d> peito e da garganta e uas
brofchites chronicas.
Sao geralmente conhecidas as propriedades da
quina, mas i uro erro pensar-so que todas as
cascas de quina aio boas; algumas ha sem valor,
porque contm muito pouca quinina. A que con-
tm maior quantdade deate principio active e cu-
rativo a quina real amarella, que entra na com-
posco do xarope de quina ferruginoso de Gri-
mault e C. combinada com o phosphato de ferro
soluvel. Nao se deve por tanto extranhar a effi-
eacia deste xarope no tratamento da anemia da
chlorose, da pobresa de sangue, do lymphatismo e
de outras enfermidades, que reclamam um trata-
mento jnico.
jIJTodosTos mdicos que tem experimentado na
asthma, catarros chronicos, inflammacao das mu-
cosas, tosse nervosa e outras molestias das vas
respiratorias os cigarros indios de Orimanlt & C,
tm declarado que os effeitos desses cigarros sao
de urna efficacia admiravel gracas cannabina
(principio activo do canhamo indio) que entra na
sua coinposieao.
Frogramma
DA TEADICCIONAL FESTA DE N08SA SENHO-
BA DA SADE DO PO0 DA PANELLA
A actual mesa regedora da irmandade da-Nos-
sa Senhora da Saude, tendo conseguido realirar
os melhoramentos-indispeosaveis quo reelamava o
templo, taes como a collocaco dos bancos apro
priados, no co.-po da igreja, a abertura de duas
portas lateraas e o gradeamento de ierro com tres
portes em frente do pateo, com illuminaco a
gas; e completo asseio qae se verifica em todos
os compartimentos da igreja, resolveu celebrar a
festividade da Excelsa Senhora da Saude pelo
modo segninte :
No dia 23 do corrente, pelas 8 horas da manh,
ter lugar a benco da bandeira offerecida pela
actual juiza, a Exma. Sra. D. Claudina Guima-
riles, e na tarde deste mesmo dia s 6 1|2 horas,
far a entrega solemne, depois do que ser bas-
teada com o acompanhamento das Exmas. Sras.
que se dignarem comparecer ao som da banda
militar do 14 batalbo de infamara.
Em seguida ser queimado nm elegante fogo de
vista, de bengala e baldes, fazendo sobresahir em
tudo isto a nova illurainaco a gaz, na frente da
igreja.
No seguinte dia tero cometo as novenas, en-
losado cnticos as Exmas. Sras. que mu obse-
quiosamente se prestaram ao convite da commis-
sao da festa ; e ainda para maior realce e solera-
nidade de toes actos, resolveu a commiesao desig-
nar pelos diversos povoados da freguezia 8 das
de novenas, exceptuando para si a primeira del-
las, devendo em todas tocar a al ludida irusic 1 do
14 batalbo e queimar se o fogo destinado
Facnldade de Direito
_ De srdem do Exm. Sr. conselheiro director inte*
rio declaro que no da 27 do corrente comecar a
matricula para aa aulas preparatorias, e poder
effectuar-se at o dia 8 de Fevereiro, independen-
te de despacho do mesmo Exm. Sr. conselheiro di-
rector interino.
D'esta ultima data em diante, at o 1" de Abril,
o alumno qae quiaer matricular-se dever justifi-
car perante a directora os motivos que o retarda-
ran! n'aqoelle acto.
Os alumnos podero frequentar, se o quizerem,
mais de urna aula, comante qae os qae pretende-
ren) matricularse as aulas de rhetorca e philo-
sopha, mostrem Ur apprendido latim e francs, e
as aulas de geographia e historia mostrem saber
o trancez, devendo a prova n'estes casos ser dada
por attestado passado por professor publico ou
particular, autorisado pelo governo para leccio-
nar.
A matricula as aulas de lingaas ser permiti-
da at o fim do mez de Julho, e as de sciencias
at o 1 de Abril, e todas as e ulas serao abertas
no dia 3 de Fevereiro prximo vindourc, de con-
iormidade com o art. 16 do rega lamento das au-
las preparatorias, sendo o respectivo horario o se-
guinte :
_Portaguez de 1 s 2 horas da tarde, na Ia
saN.
Litim de 1 s 3, na 2* dita.
Franses das 2 s 3, na 3* dita.
Ingles das 3 s 4, na 2* dita.
Philosophia de 1 s 2, na 4* dita.
Rhetorca das 3 s 4, na 1 dita.
Geographia e historia de 1 s 2, na 1 dita.
Arithmetica e geometra de 1 s 2, na 3* dita.
Do termo da matricula dever constar o nome,
filiacao, naturalidadee idade do aturan >, e de ter
sido sattsfeita a taza da matricula.
Pela inscripfo de ama aula 6J0O0
dem dem de duas aulas 900 J
dem dem de tres ditos 124000
Secretaria da Faeuldade de Direito do Recife,
20 de Janeiro de 1887.
O secretario,
Jos Honorin B. de Menezts.
esse fim.
para
DUTRIBCICAO DAS KOITES AOS HABITANTES DAS LOCA-
LIDADES HSPBSEXTAIIA3 PELA (; MSiISSAO NOMEA-
1/A.
2" noito -Jaqaeita rarnameirim
Dr. Manoel f U rrus Uarreto, Luiz Manoel
Rodrigues Valenca, Dr. Joao Vicente Meira de
VusC'iucellos e AdriaiiO Rocha.
3 noitcSanl'An-ia e Chacn
E. Fenton, Hyppolito Martina Gomes, Manoel
Antonio Viera.
4.' noi te.Casa Forte
Dr. Julio Hurtado de ueudouca, Dr. S Antu-
nes, Manuel Ferreira ua Costa.
t uoito.Caldcreiro
Dr. J')? U:rnardo Fi bo, Manoel Licio Mar-
ques, Joo Luis dos Santos
6 noite.Monteiro
Dr. Manoel Martins Fiuza, Francisco do Paula
e Silva, raajor Jos Bonifacio dos Santos Mergu-
Ihao
7. noite.Arrayal
Hermenegildo de Oliveira liaduem, Domiupos
G-.mcs Corris, espito Manoel Jos de Basto
Mello, eipitao Deodato Goncalves Torres, major
Mano. 1 liouies de S.
8. noite. Apipucos
Commendador Man>>cl da Silva Maia, Ricardo
CjuujIv, capitao Leopoldino Cesar C. de Moraes,
Dr. Luiz Isrnacio de Almeid* J-rdim.
3. noite.Fofo da fanella
Dr. J >t Mariaimo Cf.meiro da Cunha, Fran-
cisco H--iiriqae Ch-.rl"s, Aa^asto de Miranda Hen-
riques, lente Isidoro Theodulo de Mattos Fer-
reira.
Os distinctos cavalbeiros, Je que se" compem
as coinmisso s, psdem desde j promover tudo
aquillo que esliver ao s-u alcance em favor da
coito qae Ihes di atinada, certis de que ser mais
um vatios > aoxilio prestado a l'adroeira da fre
guezia do P1.90 da Paurlla.
No da 2 de Fevereiro ccUbrar-se ha a festa
com a solemnidade costumad > B ser publicada a
parte do programla quo lhe diz respeito.
Existe estampada a efiigie da Senhora da Sade
para ser distribuida aos rumeiros que a desejarem,
mediante um bolo qualquer pt r.i dita fer.ta.
Consistorio da irmand.cle de N'ossa Senhora da
Sade em 20 de Janeiro de. 1887O escrivao in-
terino, Btrges.
DECLAS/aJES
O Instituto Arelusolegioa o cagraphco Per
uatnbucano celebra o 25* auniversario de sua ins-
tallacao e o 253 da restaurado de Fernambuco
do poder dos hollandezea uo da 27 do corrente mez
1 hora da tarde no edifieicEscola Mdelo,
ond* actualmente a sde do ireaino instituto.
SSo pois convidados para semelhante fim era as-
sembla geral todos 03 seus socios benemritos,
honorarios, effectvos e correspondentes que se
acharera nesta cidade do Recife.
O instituto tem a honra de convidar pelo presen-
te a todas as associacoes Horarias, artsticas e de
beneficencia, a todas ss autoridades nacionaes e
estrangeiras, chefes de reparticvsj publicas, aos
cidadios em geral para assistirem a esta solemni-
dade.
As Exmt. Sras., tambem CJmpreh^rdidas ueste
convite, mer-cero todas as atteucoes e tordo pre-
ferencia as cadeirss do salo.
Para conbecimento das pessoas que tiverem de
honrar a seseSo com sua surorisada palavra, se
declara que anticipadamente s-i diiiuiro ao Io se-
eretario_para este providenciar na forma do Art.
:'8 dos estatutos, ultima parte.
A palavra ser dada 1" hus membros do insti-
tuto; 2* aes oradores das o.uimiskoea presentes;
3 sos cavalbeiros que tivercm detallar, tidos in-
scriptos por sua ordem de precedencia
Secretaria do instituto, 23 de Janeiro de 1887.
O Io secretario,
Jocio Baptista Rigueira Costa.
Correio geral
Malas a expedirse hoje
Pelo vapor Cear, esta administradlo expede
malas para os portos do sal, inclusive o da Vic-
toria, recebendo impressos e objectos a registrar
at l hora da tarde, cartas ordinarias at 3 horas
ou 3 1/2 com porte duplo.
Administracio dos correios de Pernambu, 26
de Janeiro de 1837.O administrador,
Affonso do Reg Barres.
O Sr. Dr. inspector geral dainstruccSo pu-
blica manda fazer constar s profeesoras publicas
Mari a nna Teixena da Costa Coelho e Ismenia
Genaina Das, esta da cadira do sexo feminiao
de S. Benedicto, c aquella da de Duarte Das,
que Ihes fica marcado o praso de 45 das, a partir
de.ta data, a fim do que en rem no exercicio das
1 r el i vas (.'idriras, para 011 e foram removidas.
Secretaria da lntirac<&-) Publica de Pernambu-
00, 21 de Janeiro dcl88Y.
O secretario,
Pergentino S de Araujo GalvSo.
IRMANDADE
DE
S,. do Rosario da mariz do
Corpo Santo
Sexta-feir 28 do corrente, pelas 2 horas da
tarde, haver sesso para prestacao de centas do
anno fiado, para o que se convida os rmoi da
actual mesa regedora.
Recife, 21 de Janeiro de 1887.
O escrivao,
M. F. Velloso.
COsVimiU PEWVAHBUCAIVA
DE
Navegacao Costelra or Vapor
PORTOS DO SUL
Hacei, Penedo e Aracaj
0 vapor Mandahu
Segu no dia 29 de
Janeiro, s 5 horas
da tarde. Recebe
gaato dia 2.
Enoommeadas passagens e dinheiros a frete at
s 3 horas da tolde do dia da sahida.
ESCRIPTOBIO
Caes da Companhia Pemambuwia
n. 12
COWP4>UI. PEK\la8llt\A
DE
NavegacSo costelra por vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Ara caj' e Baha
0 vapor S. Francisco
Commandante Pereira
Segu no dia 27 da
Janeiro, s 5 horas
da tarde.
Recebe carga at o
a 26.
Encommondas, passagens o dinbeiros frete at
as 3 horas da tarde dndia26.
ESCBIPTORIO
Ao Cae da Companhia Pemambucana
n. 12
Editaln.18
De oriem do Illm. Sr. Dr. inspector desta tbe-
soaro e presidente do c-onselho de compras do cor-
po de polica, faco sci'nte aos Sra. Dogo Augus
to dos Res, Simplicio da Silva Co Iho, Jos Cor-
deira dos Saatos e Rodrigo Car'hlho & C, coa
tratantes do tornecimento dos di verses artigos de
fardamento daquelie corpo, que no dia 26 do cor-
rente devem rec Iher a este thesouro a parte cor-
respondente a primeira prestacao dos meamos
artigos, visto expirar no dia 27 o praso estipulado
para entrega da mesma prestac-1.
Secretoria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco. 21 de Janeiro de U8T.Servindo de secre-
torio,
Linio'pho Campello.
martimos
Hamtinrg-SaBaameriaEisciB
DampschirtTabrts-GeselIschafl
U vapor Pernambnco
C0Hf>A.%Mi PKRHH8U n
DE
.Vavegat^So Costelra por Vapor
Tamandar e Rio Formse
O vapor Giqui
Segu no dia 26 de
Janeiro, pelas 4 ho-
ras da manhS.
Recebe carga at o
da 25.
Passagens at odia 25.
ESCRIPTORIO
caes da Companhia Peraaabu
cana n. fS
i oiiiv\iiii; des henmav:-
ries .11 arihiei
ltnha mensal
Paquete Senegal
Commandante Moreau
Espera-se da Eu-
ropa fio dia 3 de
Fevereiro seguin-
do depois da de
mera do costume
para o Rio de Ja-
ro, tocando na
Baha
Lembra-se aos senhores passageires de todas
as elasses que ha lugares reservados para esto
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne-se ao ssenhores recebedores de merca-
dorias que s seatteuder as reclamacoes por fal-
tas nos volumes que forera ruconhecidaa na occa-
8ad da descarga.
Para carga, passagens, encommendas e dmh'- iro
afrete: tracta-se com o
AGENTE
Angoste Labille
9 RA DO COMMEROIO-9
Agente Pestaa
Leilo
De um chalet em constraeco, edificado em te
reno foreiro, travessa em frente a capella de
J0S0 de Barros, t-.-nde um pequeo sitio bem r-
borisado, medindo sessenta palmos de frente, ca-
cimba, etc.
Um terreno no porto da Madera em fieberibe,
junto a estacao do mesmo nome, limitando pelo
lado oppesto com casa e sitio do Sr. Leite Gui-
marles, tendo cem palmos do frente e seiscentoe
ditos de fundo.
SEXTA-FEIRA, 28 DO CORRENTE
A' 12 horas em ponto
No armazem da ra do Vigario n. 12
Leilo
De bons moris
Constando'de :
Urna mobilia completa de pao carga com pedra,
1 cama francesa de amarelto, 1 lavatorio com pe-
dra, 2 caderas de balanco de junco, 1 meia-com-
moda, 1 gaarda-loaca, 1 mesa elstica de 3 taboae,
12 cadeiras de junco, 1 marqaeza. 2 lavatorios, 1
marquezo largo, 1 dito esti-eito, 7 caderas de ja-
caranda, 2 aparadores, 1 meza com 2 gavetas, I
banquinha, 1 cabide de columnas, 2 ditos de pa-
red?. 1 banquinha para p de cama, 1 candieiro
gas, 2 pares de jarros, copos, garrafas, 1 tabaa de
engommado e 1 jarro, e mais alguna movis de casa
de familia.
Sexta-feirft, 28 do corrente
A's 11 horas
Na ra de Paulino Cmara (antiga Camboa
do Carino) n. 5
O agente Martins, autorisado pela Sra. D. San-
tina Ferreira de Moraes, levar a leilSo os movis
e mais objectos cima descriptos que serSo ven-
didos
Ao correr do martello
I
Companhia llraileira de n .ve
gs$io a Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Baha
Commandante Joao Marta Pessoa
E' esperado dos portos de stti
ateo dia 27 de Janci.o, e
seguir depois da demora in-
dispensavcl, para o : !'
do norte at \lan:lo-
Para carga, passagens, encommendas e valorea
tracta-se na agencia,
PRAA DO CORPO SANTO N. 9
- Leilo
Sexta-feira, 98 de laneir
. -, A'S 11 HORAS ^~\
Na ra do Conde da Boa-Vista (aminho
Novo) n. 153
O agente Modesto Baptista, autorisado pelo Sr.
Firmo de Araujo, que se retira pora a Babia, far
leilo dos segnintes movis e 1 piano : 1 mobilia
de janeo, 1 cama f raneis, 1 lavatorio, 1 mesa
elstica, 2 caderas de junco de braco, 2 ditas de
balaceo, 1 sof de amarelio, 1 marquezao, 1 apa-
rador, 1 commoda, 1 quartinheira, 1 bonito relogio
para cima de meza, 1 meza para escrever, 2 mezss
de pinho, cadeiras avalsas, 1 berc,o, 1 cadeira para
escriptorio, 1 velocpedo, jarros, topetes, capachos,
quadros, copos, cabides, lonca c outros artigos de
casa de familia.
Leilo
Agente Pestaa
De um importante boi e urna boa carroga
cora o seu competente erfeerado
Sexta-feira, SS do cor re c
A's 12 horas em ponto .^
No armazem da ra do Vigario .Tenorio
n. 1?

Esperase de HAMBRGO,
por LISBOA, at o dia 28 do
corrate, segu ndo depois da
demora necessaria para
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, {pasagens, encommendas,
ro e frete tracta-se cora os
AGENTES
dinhei-
Borstelmann & C.
BA DO COMMERCJO N. 3
1" andar
Conpaahia Dahlana de navega
sao a Vapor
Macsi.S, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Babia
O VAPOR
Marinho Visconde
Commandante J. J. Coelho
E' esperado dos noriop ci-
ma at o dia 27 de Janeiro
e regressar :iara os mes-
moa, depois da demora do eos
turne.
Para csrg*, passHgcns, encommendas e dinbei-
ro a frete, trata-se na
AGENCIA
7ua do Vigario7
Dominas Alvos Malheos
?es
0
Sai, Brasil S. .
l'flued
' esperado dos portoa du
sal at dia 27 de Janeiro
depois da demora necessaria
seguir para
Maranho, Para, Barbados, *
Thomaz c .\e\v-Vork
Para carga, passagens, e eucommendas tracta-
ie com os
AGENTES
O ^Qpor Advance
Espera-so de NVw-Port
Ncv.-s. at o dia 23 de Ja-
ti'irou qual seguir depois
da demora necessaria para a
Baha e lo de aneiro
Para carga, passageus, encommendas e dinbeiro
frete, tructa-se cora oa
AGENTES
Hcnry Forster 4 C.
N. 8 RA DO COMMERCIO 8
!. anda
0 agente Modesto Baptista
Participa ao respeitavcl publico que deiss de
effectuar boje o leilo de rooveif> na ra da Im-
peratris n. 14, 2o andr, por ter cahido doente uraa
das pessoas da familia e se achar privada dos
mdicos de embarcar.
Leilo
De 6 balote* cora 144 re3na3 de papal de
cores, surtidas ero perfeito estado
Quinta fera. 97 do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n.19
O ageote GusmSo far leilo por cenia erisco
de quem perteacer, de 6 balotes .com 144 resmas
de papel de cores em perfeito estado os quaes se-
ro vendidos em nm c u mais luies vontade dos
compradores.
Em seguida serao vendidos diversos artigos de
movis, mudeas, candeiros, jarros, espelbos,
para liqnidsco.
_________Sem HanHes__________
Agente Pestaa
Leilo ,
Quinta-fetra 27 da corrente
As ti hors
Da armacao, generas e mais atoncilios
existentes na Uvera .i sita ai largo de
Apipucos n 50.
O agente Pestaus.couipeetiteuieiite sutorisado
far leilo da reterioa tovern, eui nm ou mais
lotes vontade dos >rs. cemp-adores no dia e
hora cima meoCK nado, para pagamento dos Srs.
credores.
Leilfi
Be movis. lovs. <|iiadros e
lastres para gaz
CONSTANDO DE:
Um piano de arin.'..r:o e estrado, 1 cadeim. i mo-
bilia de junco compo.tj .le l soa, 2 ecutlos, 2
cadeiras do brar;o, J : bsiitaco e 12 de guarm-
co, 1 espelbo dourade, I eBtera para forro de sala,
4 ectagers, 2 vasos. 1 Icaftc de 3 bcos, e 2 capa-
chos de coco.
Urna cama iranecs i a.- acuraud, 1 colzo, 1
toilette de jacarando, 1 caita (botu-r), 1 lavatorio
de ferro eom seus pert- asee* 1 esteira para forro
de quarto 1 capacho Urna mesa elastic* de remello, 1 guarda-comi-
da de madera. 10 cdcinw de june, 2 bandejas,
1 relogio, 1 bitanga, quadros, 1 quaitinhairo ferros
para ngommar, CHiuas e lona, tellv.s de junco,
reeadores, bacas, ioohwo para caf e mnitva ou-
tros artigos de casa de familia.
QUINTA-FEIRA 27 DO CORREMTE
Ao meta dia
Na ra da Amisade, caaa de zulej) n. G
(Capuaga)
O agentf Alfredo 0.iix ..-es, anterisada por
una familia qae retira-i i para a Europr. far lei-
lo dos movis e maU oijecti.s, cima menciona-
dos, os quaes serio eatragHts o oorret-do mar
tello.
AVISOS DIVERSOS
Aiaga-se o 2- andar da casa n. 8 ra da
Imperotris, (zcellente morada; trata-se na ra
do Imperador u. 61, 1* andar.
Aluga-se casas a 800 no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Goncalto : a tratar na ra da
fmperatnz n. 56.
AMA Precisa-se de urna, para casa de
familia; na ina do Cabug n. 2 C
Prtcisa se de utua boa co3uheira ; na ra
ds Aurcn; n. 81, 1 andar.
Pi.. : :-.- se de urna cosioheira perfeita, e que
durma em casa, para casa de familia ; a tratar
na ra do BarSo da Victoria n. 9-
Urna mofa honesta e de milito ooa couduc
ta, habilitada a entinar portugoea, desenho, flo-
res e pontos de sgulha, se cflvrece para ensinar
em qualquer nrrabalde deata cidade uu engcohon,
pois j tem eosiundo era diverso?, com tanto que
seja em casas de familias : a tratar na ra ->
Progresso n. 22. cusa de .los Martins Saldanhi.
oue-n Olinda n">s Milasres n. 2.
ALUGA-SE o 2o andar do sobrado n. 1,
ra do Visconde de Pelotas, antiga do Arago :
tratar ra da Madre de Deus n 22.
Na ra do Mrquez do Herval n. 85,
sa-te de urna mulber que saba engommar.
prcci-
Alagase o 2- e 3- andar (juntos ou sepa-
rados) da casa da ra larga do Rosario n. 37,
esquina defronte da igreja ; u tratar no pavimen-
to terreo, loja de cabelleireiro.
Precisa-se de urna ama para eoainba ; no
pateo do Terco n. 32. ___
Precisa-so do um pequeo de 10 a 12 anaos,
para criado, de boa conduela o que d fiador : a
tratar na ra velba de Santa Rita n. II, sobrado.
Vende se um bom sitio na estrada do Agua
Fra, jnto a bomba estremando enm o sitio do
Cato, com boa casa, boa agua e melhores commo-
^os ; a tratar no mesmo sitio, cu na ra Formosa
numero 25. ___
Ao commercio
Manoel Alvea de Oliveira, socio da firma Mar-
tins & Oliveira, estabelecida com a'maiem de
assucar ra do Visconde deltaparica n. 24, ten-
do nesta data encontrado outra pessoa de. igual
nome, participa ao respeitavcl corpo commcrcial,
para sena devidos effeitos, que assignar-ee-ha de
hoje em diante Manoel Martins Alves de Oliveira.
Reeife, 25 de Janeiro de 1887.
Manoel Martins Alves de Oliveira.
Copeiro
Precisa-se para casa de familia, de um menino
de 12 annos. que d fiador de sna conducta ; di-
rija-ss Cnz de Almas n. 8, Tamsrineirsf
Ana
Precisa ee de urna ama psr.i ccsbliar ; na roa
do Baro da Victoria n i*.
Ama
Precisase de urna ama-de raeia idade ; na ra
da Aurora n. U7.
Prelisa-ae
rora n. 137.
Cosiuheira
de urna cosiubffira :
na na 'la Aa-
Cosiuheira
Prtcisa-se de urna, que eoainbe com
o de uu rapaz de 12 a 16 snnos, pata
domestico de caaa de familia.
) 'TVI<{0
Ao publico
Estaudo annunciada para o dia 19 de >\vereiro
a venda em piaca d sobrado no pateo do Paraso
n. 13, por edital dj Illm. Sr^ Dr. juis.de direito
do eivfcl desta cidade, previno os senheres pre-
teudeutes, que o solo do dito sobrado foreiro a
Joaquim te S4 Lopts Fernand-s, do quvrs.:u pro-
curadnr, PCO o preaeor aniiuiicio pai-i evitar
questfca fiiturt.s. R esfe, 98 de .)anin> lu I87.
v Rccreo Iiisl divo
O p,opr. tario deste, chund>-B e mpletamen-
te apio, j.i preven do de d-irai e convidudos, j
de ptima esi4 cora ss commodidad s "'.'Js!
p.iv oensno di Jine.i, orferece o-
m.-diinte n. tribuicno aosleuie de ;od!W.
Os di.is destina.', a para recreoa fevo *^^H
. .fincados, depois de 6 horaadj
tarde, seudo qi-e i---a terjas-fciras e qniafas m^H
r ensw. ta-io ra de Ho:l
andar.

1
...
i
i
-i

i


FB*i

">l -*

I
H


$





Diario 6 PeriMuiiIraw-- tluartu -icira 26 de Janeiro
Aluga-se barato
Boa dos Guararapea n. 96.
Ra Visconde de Itaparica d. 43, armazem.
Becco Campello o. 1, 1 aodar.
Largo do Mercado n. 17, loja com gas.
As caaasda ra do Cotona Suasauna n. 141
Largo do Corpo Santo n. 13, 2. andar.
TraU-se na roa do (Jo umercio n. 5, 1' andar
escriptorio de Silva Guimaraes & C.
Alagase,
0 grande sobrado rna Imperial n. 8, que foi do
mecido conselheiro Joe Felippe, com grande
terreno, diversas fru^teiras, agua encanada egas ;
a tratar na ru estreita do Rosario n. 8, escrip-
ia/i.________________________________________________
Aiugain-se
O 1* andar e soto da ra das Trineheiras
34.
O 1 andar de n. 123 da ra da Gloria.
O andar tarreo do mesmo, ambos com agua e
bons quintses.
A tratar com o Dr. Claudino de Mello, rna do
Viaccnde de Albuquerque, antiga Matriz da Boa-
Vista n. 25.
Aluga-se
o 2-' andar do sobrado n. 35 travessa de S. Jos ;
o l- e terreo do de n. 27 ra Vidal de Negrei-
ros; o 1 do de n. 25 ra velba de Santa Rita ;
o 1* do do o. 34 ra estreita co Rosario ; todos
limpos : a tratar na ra do Hospicio n. 33.
Alti^a-sc
primeiro andr.r do sobrado do pateo de S. Pedro
n. 4, tem igua o gaz : a tratar na ra cstr> ita do
Rosario n. 9.
Ama
Precisa-so de roa orna para c servido domestico
de urna casa d- iam>lia ; na ua do Cotovello nu-
mero 46.
Precisa se de umr i.ma para cosinhar ; a tratar
no 1' aodar n. ''i, mi larga do Rosaiio.
AMA
Precsale de iimu uni^para
lavar, engoiiiiiia.* e faze roais
alguns servicos le casa de fa-
milia : menos comprar e czi-
nkar : na ra So Kiacltuwo zi.
13. Devc dormir em casa.
Ama
Precisa-se de urna rapaiiga para cuidar de urna
enanca ; na ra Real n. '0, Casa Forte.
Ama
Precisa-se de urna una que saibi cosinbar ; na
ra fio Bario da Victoria n. 30, loja de machinas.
Ama
Precisa-se de una ema para cosinbar e iaz r
osis servico domestico em caBa de urna familia de
quatro pessoas ; na ra do Commercio n. 36, 3
andar, entrada pela ra do Torres n. 36.
Ama
Precisa se de mi ama para cosinhar e lavar
na praca do Conde u'Eu n 10. ________
Ansa
Na rea da Aurora n 139, pncisa-ee de urna
ama para casa de pequea familia, para lavar e
cosinhar.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de ponca fa-
milia ; a tratar na ra de Pedro Alfonso n. 58,
antiga da Praia.
Ama
Precisa-se de urna ama para engemmar e faxer
mais servico interno de casa de pequea familia
a tratar na ra do Baro da Vict3ria n. 57.
Menina
Urna familia estrangeira precisa de ama meni-
na de conducta aflautada, nicamente para tomar
conta de urna criancinha de oito mea* s, da se boto
trato e paga te bom ordenado ; nforma-ze ra
ova de 8anta R-t n. 55. sobrado.________________
wmmmmmm
&
T}
Manoel II jura da Silva Aguar
(TIGESIMO DA)
A orchestra do Oiub Dramtico Familiar tendo
de mandar eelebrar urna missa por I"ma de sea
finado consocio Manoel M >nra da Silva Agaiar,
no convento de Nosia Senhor. do C .rmo d esta
cidade, s 8 horas da manh* d.> da 27 do corra-
te, convida aos seus pirentes e aimgis para asa i o
tii-em a esae acto de r-liiao e caridade._________
f
Antonio Francisco le Barro*
Iiette
D. Caetana Simplicia de Barros Leite, D. Apo-
liosria Castaa de Barres Leite. Ambrosio Fran-
eisco de Barras Leite, Demetrio Ranulpho de Bar
ros Leite, mejor Emygdio Francisco de Souza
Magalhs em filba D. Luisa de Franca de
Souza Magalb:Tesi D. Gnilbein.ii.a Sabna Vieira.
Jos Sabino Vieira, D. Guilhcrmma Francisca
das Chagas, D Eugenia Auxilia Ernesta Fran-
cisca das Obagas, D. Mara Oliudina Rodri-
gues Barrecho, D. Bernardina Sabina Rodrigues
Barracho, mari i pal, av, roanos o sobrinhos,
agradecen! do tm io d'alma teda a as pessoas que
se dignaije ucempanhar 09 restos mortaes de sen
sempre ebarado marid Aot nio Francisco de
Barros Leite; e de novo c nvicara a todas as
pessoas rara os^istirem as missas que serio cele-
bradas na ignja de N. S. do Rosario de Olinda,
no dia 26, s 6 horas da msnba, stimo dia"de sen
infausto paseaiCMito.
|r. Metido *> & Brrelo
atrpalo
D. CV.uarina Eulalia dt Caso; -ra Sampaio, a
Baronesa Sw '.iaiarrs. 1). nt na Porcina de S
Barreto Srmnaio, l>. Maris Eulalia da Cmara
Sampaio, Meado d* S titvi t Sampaio Fi'ho,
Bernardo Js da Cambra f uipaio, Antnio da
Ci.mura Saupaio, Aitbur ampajo, D. iatharina
Suu.paio, D Julia Samj.au, !)r. Barreto Sampaio,
maj .r A. Manoel de Sampaio. Dr. i;e:uardo Jos
da Cmara o ua inulbtr, >r. Joaqun Jos da
Cmara e sua muiher, capito Manoel Jos da
Cmara e sna muiher, Dr. J Percira e tua muiher, Dr. Luiz Joe Percira Si-
mos e na mulber, esposa, sogrs, mi, fithos,
irmaos e cunbados do Dr. Meado do S Barreto
Sampaio, convidaoi seu amibos e psreotes para
ouvirem a missa que mandau. celebrar no di 6
do orrente, trigsimo do stu pasamento, s 8
horas da oanh. na matriz de Santo Antonio
%

Manoel Jone doS Kantost
Io unuiversaiio
O director do Asylo dAlendicidade manda ro-
sar na capellii do mrfino asylo urna missa pela
alma de Manoel Jos loe .-autos, no dia 26 do
corrente. peas S boras da iiianh.
LOTERA
FAEA
EDUCACAO DOS INGENUOS
1JL
COLONIA ISABEL
\0S 24O:000$0OO
40:0008000
20:0008000
10:0008000
3:0008000
Esta lotera, cuja 12.a Serie da 24.a parte, ser extrahida
na segunda-feira. 1 do corrente, s 4 horas da tarde, no Consis-
torio da Igreja Conceico dos Militares, acha se venda as se-
guintes casas:
Ra do Baro da Victoria ns. 40 e 43.
T
Aviso
O tt'uentu-coronel couego Hanoel da Vera Cruz
declara que a eua c im terrea ti. 14, 'no pateo de
S. l'edru dtta frrgueai de Sauto Audnio, nada
deve de imp- stoi sobre bens do raiz, e portanto-
se alguua h-cuSo existo sobre ella, certamen-
te um t-Dguno. Faz esta declaracao para tvitar
duvidas. Rucife, i O de Janeiro du 1887.
Una tenhof a
Piecia-te de urna scnbora do 5 a 45 aunoa de
idade, que t queira sujetar ao servico domesti-
co, e que entenda de fazer alguns doces ou traba-
Iho de natwt. E' para acompanhar um casal
sem filbos, que vai para lugar prozimo esta ca-
pital : trata-se ca ra Imperial n. 178.
Cozinheiro oucozi-
Jicira
r*recisa-se de um cozinheiro on de urna cozi-
nheira, nacional' ou estrangeire, que eutenda de
tua arte e seja pessoa capaz. E' para acompa-
nbar um casal sim filbos pnra lugar prximo
esta capital: d se h"m tratamecto e contrata-te
na ra Imperial a. 178..
300:000|)
Lotera de Aasras
Extrac<;5o -Terca fcira 1
de Feverefre
Intransferivel
BVietes venca ua cita .feliz, l'raja
da ; c-gientitneia ns. 57 e 39.
Rclojoaria. ailenia
Corlo* Facrat
Mudcu-se do n. 4 para o n. 2 do mesmj largo
do ccuselbeiro Saldauha Marinho (antiga da Ma-
triz de Santo Antonio), onde est eze condo seu
officio com zelo o perfeioJ como sempre.
Dr. Manoel anlonlo da Silva
Uto
Os irmos c cunbados do Dr. 51aooel Antonio
da Silva Rios, convidam aos seus pareotcs e tmi-
g.-s, f do finad), p^^a 8->sis< re* : issas, que
pe" iferno r-T).oj-de.*u wtma, mandan reear
na ordem tereetru do i'bih nu da v'ii d crlen-
te, pilas 8 horas da uiaib, setheo >'" da seu
nUecimeoto ; pelo qt>- doide j4 e i i tanta
cteruirenle gr:>''
.Z:X2^:::.5S3aSi
Hanoel Jone do auto
Pastora Theodorica d .-s Santos, eeus filhos e
seca gen roe, convidam aos feus ps rentes e amigos
do seu fallecido esposo, pai e sogr, Manoel Jos
dos ^antos, para aesistirem as missas do 1- sn-
niversario, na matriz do Corpo Santo, s 8 hora?
da manb de quorla-f' ira 26 do corrente, agrade-
cendo desde j todos que comparecerem a eese
acto de religiio e caridade. _______
AMAS
Urna para cosinhar e outra para servieos ligei-
ros, atemos ; precisa se na loja de fazendas n.
44, rna Duqne de Canas.
^%W %
Alaga-se o andar de cima, da casa n. 23, ra
do Nogueira, com bou. quintal e cacimba : tra-
tar na ra Duque de Caxias n. 47.
Pillas purgativas e depurativas
de Campanha
Estas piluias, cuju preparacao puramente ve
getal, teem sido por mais de 20 anuos aproveitada
com os melhores resultados as segnintes moles-
tias : affeccoes da pelle e do figado, sjpbilis, bou
boes, escrfulas, rhagas inveteradas, erysipelas e
gonorrhas.
Modo dental-as
Como purgativas: toini'-se de 3 a 6 per dia, 14-
aendo-se aps cada dse um poueo d'agua adoca-
da, cha ou caldo.
Como regularizas : tome-se um pilula aojantar
Estas piluias, de iuvenco dos pharmauentieo
Almeida Andrade & Filbos, teem veridictum do
Srs. mdicos para sua melhor garanta, tornndo-
se mais recommendavei, por s<-rein um scguic
perejativo e de ponca dieta, pelo que podem ser
asadas em viagem.
ACHAM-SE A' VLS'DA
a drogara de Faria Sonrlntao tt
*1 -BA DO MABQEZ DE ((LINDA 41
i.
Mura do Livramento, velba octagensria c oau-
perrims, pede as almas cariciosas quu loe manic
orna csmo'a pido amor do D>-us. Mi.ra no bi cae
do Bernardo n. 51. E' nma obra de caridade.
Pcitor
Precisa se de um homem que entende de jar-
diin, plantas de capitn e mais servieos tendentes
a um sitio, preferindo se estrangeiro ; a tratar na
roa de Pedro Aff.nso n. 58, antiga ''a Praia.
Predios na Varzea
Troca-te ou vende-se dous bons predios na
s. rus d.) Sol o. 17, defronte da estscio :
tender diriju-se ra da Guio, no acoa-
cae mari ti o.
I'ranrioro de Paula Vlli-lla de
Quelruz Foiiarr.l
O prefessor Trajino de Bar cellos mauda cele-
brar urna missa segunda fera 31 de Janeiro, na
igreja cathedral de Ulinda, pelo descanso eterno
d'alma desse seu discpulo, cadete do 3- batalho,
fallecido em Jaguarao, trigsimo da de seu pas-
amento.
E i
^

Cabug n. 2.
Rangel n. 2.
Larga dO Rosario ns. 24, 36 e 42.
No mundo lotrico a nica que pelo seu plano, mais vanta-
gens offerece aos jogadores, e no Brazil, at hoje, ainda nao achou
nenhuma outra que se approximasse em vantagem na distribuico
dos premios, e para prova desta asserpo pedimos a attencao dos jo-
gadores para a seguinte TABELLA comparativa dos referidos pre-
mios distribuidos por esta lotera e as suas congneres:
lotera do grao-pai
D 70 \ de ptemio do seu capital.
IDEll DO E\il4
68 3t4 % idem.
DEM de alagoas
73 3T4\ideiB.
dem de minas-gemes
Menos de 31 io
DAY& MARTIN
forntctdortt de Sus Uajesltdi Islilla d$ IntltUrrt,
do Ejercito s C"S Utrlhu briUinlct.
CAAIXA BRiiflNTE LIQUIDA
GRAlXA.PASTiUNCTUOSA
OLEO para AEEIOS
tttdoMaeesnrio Mrtaafata(Mi ter
sot todis as Airis.
DEPOSITO OERAl. EM uUlDR^a:
*, High HoMborn, 97
ftl rVkatte* nal- *. M ITA* 5a,
u.aBV"iBKmrKMi
,

Peoral de Cambar (3)
Descoberta o preparabas de Alvares de S.
Soares, de Pelotas
Approvado pela Esica Junta Central de ITygie-
ne PubIica,auctor3a-to polo guverno imperial, pre-
miado com as medalhas de onm da Aendf mi.i Na-
cional de Puris e Expcsico Brasilfira- Allemil de
1881, e rodeado de valiosos attestades mdicos e
de inultos potros d: pfss- simples, brouehitee, stbina, rcuquido, tsica pul-
monar, coqueluche, escarros de sauguf, t te.
Prfcos as agencias : Frasee 23500, meia
dusia ia0u o dasia 240CO.
Pre;os as sub-tgeneias :Fra:c-: 2800, meia
'Juiia 15000 e dusii 28*000.
Agentes e depositar!, s gracs nesta provincia
't> Mi'Kr'd v. i "vi i\.'i 114 SIT.VA C... i
FRANCISCO MANOEL DA SILVA
run Marques de O.inda n. 32
C, a
TB3T1 ll
PARA TIN'GIBA
Mae os cabellos
Esta tinuira tingo u barba e os cabellos ius-
tantaneaa.r.'.ie, d.iu.ii Ibes nma bonita cor
e natural, inoensivo o.stu uso simples e
rpido
Venrte-o na BOTICA FRAN'CEZA E DRO-
GARA de Rouquyrol Fre-i--, snoeessores de A.
CAORS, ra do liom-Jesus (antig da Qius
n. 22.
Distribue em premios mais de 85 1i8[o.
VSNHO G1LBERT SEOUIM
anproTado pela. -A-csuieixiia. de Iffedlolna, de Vreanga.
AIS DE SES8ENTA ANNOS DE EXPERIENCIA
Vlnko de nma efficacia incontestavel como Antiperiodico para cortar as hebrea.
e como Porueante as ConvalescenfOM, IfebilUlade do Sangue,
Falta Oe Jlenstrua?o, Jnappetencia, Oigestoe* dijjteei,
infertilidades nervosa, JDebilidade.
Pharmacia Q. SEGUIN, 378, ra Saint-Honor, PARS
5 Depoilanos p-n PenamlHtco ; FRAN" ST.da S'LVAa C1.
<**
enano Jnrquin da Coala
tiulmarae
A vuva pai. madrasta, sueros, avs, tos, en-
uhadoa, irmao.; o pi irnos do finad i Ign .co JacqutS
da Costa GuimarSes, convidnm aos p.irentes e
yxaig-s do tallecido para ass'stirem as mismas que
mandam resar por sua alma na ord-'m terceira de
S. Framiseo e na matriz d* Varzea, no di>k 28 do
corrente, stimo de seu fullrciuiento, s 8 horas
di manli" ; pelo qne desde j.4 se confes3im agra-
decidos.
Carolina Etr.illa Ribeiio So uto, JoSo Itibeio
Sonto e Auelia Clara Sonto, agrnde.cm cordial-
mente todas as pessoxs que ac^mpaobaram ao
cemiterio publico os restos rajrtaes de tua muito
presada fiilis e ir.nil, Jl'i^i Esaara Sout ; e de
novament* convidam a todos o seus prenles o
amigos para i-ssistirem a missa do aetim da, que
mandam ce!ebaar pelas 7 horas d 28 do corraute, na matriz da Boa-V tta, pib que
nnf i"ii>arp o sen eterno rPconheemento.
O tDii< ubi nos e eu.|.reKados d tce^ao as
e trad de ferro rio Recife & Carear, agradecer,
todas ai pejsous que se dignaram asaupaubares
restos mottars dt-siu companheiro ftifnd) Jos
da Silva; c d> novo convidam para assistirem as
missas de sstiiu) da, que inauduu celebiaa pelo
repinto eterno de sua alma, as mi'riiei de Santo
Antao, gravat e Bezerros, no dia 28 do corr. ute,
s 8 horas da manta, por cujo acto de religio e
caridade se cenfatsam eternaireute irratis
Os proprietario8 do muito conhecido eatabelecimetito denominado
MUSEU DE JOIAS
3to a ra do Cabng n. 4, commanicam ao respeitavel PUBLICO que receberam tu>
grande sortimento r!e joias das raais modernas e dos mais apurados gostos, como ti
bem relogios de todas as qualidades. % Avisaos tambem que continuara a reecber po
todos os vapores' vinda da Europa, objectos novte o venden muito menos quo e
outra qualquer parte.
MIGUEL WOLPP & C.
D/Ge
UPEFTIBO,
Contendo o tres tetmentom
da digesto :
Pepsina, Biastas e Pancreatina
KSCEITADO POS TODOS
OS MDICOS, pa" IM^eatOss
k tarda e laboriosas, Eyapop-i
Isla, Cardalgla, Oaatrodynia,!
FOistraltla.Calmbra de eato-1
' maro, Vmitos, ConTaloscen-
oas lentas, etc.
Deposito geral : H. VIVIEN
60, Bou!' da 8trasbou rg, em Parla
m TOBAS AS FUARMAOAS
N. 4 RA DO
Coropra-se ouro e prata velha.
CABUGA----N.
XAROPEd reinvillier
^^T
Laureado pela Academia de Medicina
Ctvtiheiro tfa Lego de Honn
s0*
O0O
%-. Ctvuhelro Leg.o de Honra (
^^HATOdtCAL GE^
O Phospbato de ca a siiDaUncia mineral mais abundan! 3 do organismo e toda vea que sua
quanUdade normal diminue resulta urnaarrcc5o orgnica grave. ____, ,..^
Mais de cinco mil cura*, a mor parlo jiik.Va 1\ pelos Pn-feisores e Mdicos das Faculdades
foio obtldas ulllni.vincntc e l/crao o;n quo o Xaropc coruo o esi'JC'.neo n.ils seguro cog: a a Xislea pulmonar, Broaobltx ebrontca. Anemia,
Xacbltlamo, Scbilld-adn do Organismo. 0 Tarop do 1' Jtein.cili,cr admimslradO
diariamente as enancas faeillta a dentioo e o cresclmyuto 1 as maes e amas de leite toras o
leite mellior; impede a carie o queda dus denles Uo frequentea deools d* prentie.
Der -o Punrmaoa VZXEHQOS, 8, Place de la Magdolelne, :
Eni Ptrn-imbaro: FfAX" .1f. rf 8A VA C-, e un orir.slpu* Phirmaciai DrojtrUs.
.tvtaa Tlcttrii
Ja ftmaiatvfti 1
UUaUTtaC
rrrande xito lia
DOENCASdo ESTOMAGO
DIGCSYOES DSFFtCSIS
Dispepsias, Gastralgias, Anemia,
Psrda da Appetite, Vmitos, Diarrhea,
Debiliaade das Criar.gas
QDR*. SEGURA S RAMO* PELO
ILM.WB.iIZ
TONICO-DIGE3TIVO
ce 4uiiia, Cosa e I'epaina
\ Adoptado era todos os Hospitaes
MEDALHAS AS EKPOSQOES
I PARS,r ,aBruy3,?4,eeiBtedasasPbanaaMi.
o melbor especifico c iutra vermes : deposito cea-
iral em cata de Paria Sobrinho & C ra do Mr-
quez de Olioda i. 41,
Elstico, .err. Isidoras d'tjaiic das Mas.
Pora cvi'r as fattfteaede^
exi'ji> up.rtvii do inventor, estampada
em eudususpeneorio.
uaniuu
FUNDAS DE TODOS OS SISTEMAS
MEIAS PARA VARIZES
MmMT.lEGSIilBEC, icccasor.rjyns, 49, r. J.-J. Rbmmi B
kf
comnerao
Fonseca & C, tendo liquidado !:oje su.i= tran
saccoea comro' rciaes com o Sr. Antonio Duarte
de Figuiiredo, ficar sem eifeito qualquer docu-
mento que possa apparecer at esta data Reci-
fe, 22 de Jun' iro de 1887.
VERNIIFUGECOLMET
CHOCOLATE com SANTONINA
nriUlYEL ara dsrrtlr u LOMBUGAS
Isla vermfugo i recoaineiidido [do (L/l
sea stbor igradirel e casserri{io ladelaida. Jf/
Exigir t tisifnaUrt: _
PirUJt''WLim-l'AA6E. tahnuim rB** 't-mTAAC'
18 /f* f.
SCOTT
Fijrad
iiiuiia
aPECUMlSri
w*a enrcraso Ua sziga.
ti-ritavdo ta canal de antro,
Molestias de ansate,
hcantlaanclQ da 0rt&3,
Arela na urina, etc.
"H, P^r-rjceutico-Chimio,
. S, ?A?J3
^tc .EEDicADWTO ne u)3 gusto agradavel. adoptada orn _
na de ^O anaos pelos HieiHorss Mdicos de Harls, cura os Defluxot, Sni;*. Tof*,
*r** (tajante. Ca~r7 mtknewer. imu ds w. das Yim mart* I ** Ktfa.
NICA ir TNICA
Oc -IL.UIOL. Dk FI1.L.IOL.
IUSTANTAKEA pins bar*. } ROAOA un iu Ul I
M BB ndro, m probarle* I knacM
m linin I bu Cor primifira
l^estrcral en ParlaIJTIXUOJL, (7, rju liaiu, flaB
t Pirxav...ea. FRaw M. da BILva a VE OLEO FURO DE
o de baealho
COM
ypophospijjlos de cal e soda
ipprovada pela anua do Hy-
glene e antorisada pelo
governo
E' o melhor rom dio at hnje deacoberto para a
Hatea Eiroacttitea. escropbBla*. ra-
rlilHN. aneuiia. elsilldadc rn seral.
dcfinxoN. loaae cbronica c atTeccOe
do pello e da liarsania.
E' muito superior ao 0I1-0 pimples de figado de
lacalho. porque, alm de ter chftiro e sabor agra-
-iaveis, possue todus as virtudes medicinites e
ntivas do olc;>, aim ^r.s propriedades tgalo
;econstiruiDtrs dos byjO; hospliitos
: rngarias e boticas.
Deposito em Pernambuco
nu-
UC8B
A' venda na*
Odirect-r d-se ollegio deeisra nos pas de
seus aluicnos ao publico en geni, trae inudou o
seu cdl.-gio psrs a roa do Hos >ieio n 3, cujo
predio offerece bastantes eewaodw e coDdicocs
hygienicas ; outrosim, qnft recebe alumnos inter-
nos, fmi-infi-rnos < estero s, e as sula comeca-
jo a funecionar a 7 de Janeiro de 1887.
O director,
Ovidio Alvea Manaya.
}-' -


;
\
l
"k
1
i--"
4



\
l

' H


>


1
'Mario de Pcpnanbnco-($iarta--fcira 2f> de Janeiro de 1887
Attendite
Booqtrts d ultima invencao, para casamento,
-q^/bir-mbem capellas mertuarias de perpetua
Xaoed8 por Joa Samuel Botelhn; a tratar na
roa do Bario <*a-Vietorl* n. ?0, Mjs, e ma do
Marque de Oliiida u. 49, l"ja._________________
Menea*

PASTILHAS
De ANGELIIW MENTRUZ

,"\
<*>
\
V

as
Um perfeito cosinheiro, franca, woen-
temente chegado da Europa, offerece-so
para casa particular ou gotel, carta neste
jornal a-A. L.
Jalropb
5

^
0 Remedio mais efficaz e ^^
Seguro que se tem escoben o ate
C4| hoje pora expe'lir as Loo trigas.
BOplAM FUERES
Cosinheira
Preeisa-se de ut:i boa cosinheira ; na ma da
Aurora n. 109.______________________________
Cosinheira
Precisa-se de urna perita coHnbeira, paga-fe
bem ; a tratar na'praca do Gjrpo 8anto n. 15
primuiro andar. ___________^^^^^
aixeiro
Precisa-se de nm oiteiro de 2 a 16 anno?,
com pratica tl taverm: : na rna da Aurora nu-
mero 85.________________________________
ygvuirim M'iriiT TT*i~ --
PANCREATiNA DEFRESNE
Adoptada oflficialmente noi Hoipitast t> Pttrlt
c na Marinka Fraiutta,
O mat poderoso d'entre todos os asales
dlKesUvos connecidos, a ranereatina Ve-
fremite emurega-ae sempre com resultlo
provado contra:
ra.tlo Oastrites
KAa dleeatses I Oaitralgia
lmtnlenoiaa ao estomago
Somnolencia apa aa rafelcSea
Vomito determinado pela grande
Bafennldado do Asado
Tomada depols das refelces despert e excita
oappetnedosconvalescenles. combale eoetem
O emagrecimento dos tsicos. __
A tHtnereatina Defreane- em p e em
ptulat veude-se em todas as pharmaclas.
Manipoeira
Este medlaanwnto de urna eficacia reconhecida
no beriberi e ontras molestias em que predomina a
bydropMiat acba-ae modificado era- saa pr< para-
cao, fragas a urna nova formula de um distineto
medico desta cidade, senco que tom-nte o abaixo
asignado esta habilitado para prepatal-o de modo
a melhorar lbe o goto e chairo, em todava alte
rar-lbe aa propriedad s me-lieameotosas, qao se
conservan) com a meso actividad, ee nao maior
em vistaXdo modo por qae elle tolerado pelo
estria go.
I nlfo deposito
Na pharmaeia Conceicao, rna do Marqoerde
Olinda n. 61.
de
Cosinheiro
Precisa -ser de um, a tractai-, rna do Commcr-
cis n. 44.
Especial
Magnifico aeaucar refinado, sem igual neste
mercado. Kefinacao Sa'gneirnl, 445 numero tele-
pbonico. Rna Marcilio Das n. 22.
PERFUUARIA DO HUNDO ELEBMTf
DELETTREZ
64-, 56, Ra Rlchar, 54. 56
PARIZ
Professora
" Urna senhora competentemente habilitada, pro-
poe-ae a leccionar emcollegios e casas partcula-
'ea, as setrarutea materia : pwtoguoe, francer,
msica e pmno ; a tratar na rna do Marque do
nerval n. 10.
Celeste
Rodrigues de Faria 4 C. aeabam de receber dos
8ra. Beato de 8 4 C, urna etpecialidade em fu-
mo Rio-Novo, desliado a capricho, com a marca
Celeste,cujo emblema os sens fabricantes b3o
deixam-se desmentir, porqae realmente macio
aromatiaado, fazendo cir metmo iquelles que j
o apreciaram, que os anjos agradecidos pela felii
lembranca o batejaram: ra de Maria e Barros
n. 11.
Connheira
Precisa-se de urna que desempenhe o Ingar e
dorroa em casa; ra Duque de Carias n. 42,
por cima da typograpbia.
YEMAS
CREAgO
NOVA
ssrvu
SUAVIDADE
oonoentraQao
ICREME OSMHEDIAI
1 SA BONBTB, BXTSA CTO \
AOVA DO TOCADOR
POS DE ARROZ
COSME TIC O, BRUJAN TI NA.
OLEO, POMMADA, VINAGRE
.A Perfumara OSMHEDIa assegura ao
Plibktes f ibis
BTntuil tirai t (ir em igual
rios em Ptnumlm 1 FHuP M. da SILVA A C.


VERDADEIROT V nVLI^?D0
PURGATIVO Lll U IPILULAS
alCIEHRC
ENBBE DE LE EOT
TTJM
Os ForgatlTos Lie Roy justifleam
r'ua repuucao secular e ua auperio-
r ridade por milharcs de curas; hoje sao
adoptados por toda a parte, de preferencia
qualquer outro para cura rpida e rjouco
Pl'RCATIF aLB RO'^'onerosa*das
TEftim rauTiw m Non mimn/ OlaESTlAS CHRONICA8
,/mal conhecidas, mal curadas, e consideradas sem
Vazfio como incuraveis. N60 existe medicaco mais
fOcaz contra os humores, pW"'1*8 ou bU*8 alterad
,ue p^)vocam ou entreteem estas longas affeccoes; nao
reconsltuinte mais enrgico contra as reincidencias.
A vis Essen
Dei itiisUn Ntuillul ni Une., uf ,
la uphjuintM, m 1 ri i%
Ru de 1
Afim le evitar as Contrafa?oes :
Se deve recusar como nefficat ou perigoto qualquer Purgativo
___i Boy liquido o em pillat que nao tahis da I 01
r Pharmacia C'ottin, genro do Cirurgido li Hoy J Roe de Selne
fe ndo traxendo a atiignattrra ao lado sobre rotulo. PARS
i
y
Aos i.000:0e0$000
2oa:ooo$ooo
100:0001000
itmutTini
DB 31TE10S
Fui favor dos ingenuos da Colonia OrphanologicR Isabel
DA
PR0VINGI \ BE PERN\MBUG0
m& a 14 di Ull Al Wl
0 thesourcir -Francisco Goncalvcs Torres
>eiaEia^yy*yp<^^ije|a'ai>lw*w*"J>..........MMI

*\
SABCNETEdeALCATRAO
PAMA A TOILTTTB, 04 BANBOS E CUIDADO A DB B 0MAKCA8
Este SABOKKTE, vercUuUir ancisepftM, 6 o mat efOcas para a cura de todas aa
MOLESTIAS D4 PELLE
SAPO CARB0NIS DETERGENS
Lavas vastas vrutnrut com o SAfu CAJtuOAia iu\i.H,*.A8 afim de proiei/ei-os contra
o SRAMPO, O VARILA FEBRE ESCARLATINA
Estea SABOXBTjm sSo recomraendados pelo Oorpo medleo mtelro porque prerlnem as
MOLESTIA^ EPIDMICAS e CONTAGIOSAS e %t aaaptao a qualquer clima

Vende-se portois de ferro, gradeamentos
para muros, jardins e terraco, bandeiras de ferro
para portas, de difieren tes modtelos, ditas de arcos
pira para portas de ra, dobradicas de chumbar,
^ainheiros de ferro, carrocaa para boi e cavalle,
ferrnlbos grandes .rodas para carrreas e carrinbos
de alfandega e de mi ; no largo das Cinco Pon-
tas a. 4, aefrohu do qnartel. ^^____
P rreira & Irmo|
Teadem 1
Panno de algodao bradeo e riscado, das fabri-
cas da Baha e Rio de Jane ro, fio dd algodao
para redes, snperior qnalidade, e alguna filtros
para purificar aa aguas do Beberibe : oito de
Corpo Santo n. 25.
A RevoiuQo
A' ra Duque de Casias, resolveu vender
os seguintc-s artigos com 30 /0 de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Ver para crer
Cachemira bordada a 1500 o covado.
Mirins de oores finos, a 900 e 1^200 o co-
vado.
Ditos pretos a 1200, 1*400, 1*600, 1*800 e
2*000 o covado.
Las mescladas de seda a 600 ris o covado.
Ditas com listrinhas de seda a 560 ris o dito.
Ditas com bclmhas a 600 ris o dito.
Liadas alpacas de cores a 440 ris o covado.
Las com quadrinhos, a 400 ris o covado.
Gasa com boliubas de velludo a 800 ris o co-
vado.
Setim maco lavrado a 1*300 o covado.
Seda palba a 800 ris o covado.
Ditas de cores de 2* por 1*000 o covado.
Setim maco lieo a 800 e 1*200 o dito.
Grs de aples preto a 1*800, 2*000 e 2*500
o covado.
Setinetas lisas a 320 e 400 re. o dito.
Ditas de quadriuhos a 320 re. o dito.
Ditas pretas finas, n 500 rs. o dito.
Fustoes brancos e de cores a 320, 400, 440,
500 e 800 r. o dito.
Zephiros finos, escosseaes, a 500 rs. o dito.
Zephires de quadrinhos a 180, 200 e 240 ris o
covado.
Zephiros lisos a lfOOO o dito.
Alpaco de cor para palitot, a 1*000 o dito.
Velludilhos Ibos e lavrados a 1*000 o aovado.
Cretones finissimos a 240, 260 e 240 e 300 ris
o dito.
Ditos, ditos a 320, 360, 400 e 440 ris o dito.
Colchas brancas a 1*800 urna.
EJSeda escosseza a 360 rs. o covado.
Colchas bordadas a 4*, 5*, 7*, e 8*000 urna.
Ditas de crochet a 8*500 dita.
Camisas bordadas para bomem a 30*000 a du-
is.
Ditas para senhoraa a 30*000 a dita.
Cortea de casiaira finos de 3* a 8*000 um.
Casacos de laia a 10*00 nm.
Fichas de retroza 1*000 nm.
Ditos, de pellncia a 6*500 um, (bordados).
Cachemira de cor a 1*600 o co'ado.
Flanella americana a 1*400 o dito.
Cortinados borcUdos a 6*000 e 7*000 o par.
Ditos de crochet a 24*000 o par.
Me.aa para bomens de 2*400 a 9*000 a du-
Dites para senhoras de 3*000 a 12*000 a dn-
zia.
Mantilhelas de seda a 6*000 urna.
Bspartiihos de conraoa a 4*000, 5*000, 6*000
e 7*500 nm.
Toilett para baptisado a 9*000 e 12*000 um.
Lencos brancoe e com barra a 2*000 a dnzia.
Anquinnas a 1*800 rs. nma.
Brim de linho de cor a 1*000 a vara.
Dito pardo a 1*000 a dita.
Esguio amarello e pardo a 500 ris o covado.
Chales Je mirin lisos a 1*800 um.
Ditos estampados a 3*000, 3*500 e 4*000 um.
Cortes de cachemira para vestidos a 18*000
um.
Redes H&mbnrguesas a 10*000 una.
Panno de crochet para cadeiras e sof a 1*000,
1*200, 1*600 e" 2*000 um.
Henrique da Silva Moreira.________
WHISKY
ROYAL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky Eaceeses preferivi
ao cognac on agurdenle de canna, para fortifica
i corpo.
Vende-ae a retalho no m Iheres armasen
nolhados.
Pede ROYAL BLEND marca V1ADO cujont
me e emblema sao registrados para todo o BraaL
BROWN8 c C, agentes
LOTERA do cear
400:000^000
m rRASFERIVEL!
Corre quarta-feira, de Janeiro.
l'm vigsimo desta importante lotera est habilitado a tirar
20:0O0$0O0

240:0001000
NOVO E IMPORTANTE PLANO
MTRANSFERIVEL!
Corre segnnda-feira. ** de Janeiro
M
N. 165.- Tendo a Mrretissima
Junta Comroeri'ial por despacho de
han tero, pd vista do art. 1* do de-
creto n. 26f*2 de 23 de Outubro de
1875, reconhecido ao negociante de
igarros Manoel dos Santo FaliSo,
domiciliado nesta pr-y e neJIa e*ta-
beleiido ra de Vi.ial de Negrei-
greiros n. 30, o direito de marcar
is productoa de seu coinmerii de
cigarros com o desenlio Mprs, en
tendo a d?noiDn98o de SUZANA,
em cujo papel pret-mie envolver os
: cigarros qa" expde venda em seu
predico pgtanple. imento, fea este re-
gisirono livro competente, que con
tem a esroa verba que se l neste exemplar.
Ero enmprimento dosupr. dito despacho declaro que facru sem effeilo e re-
gistro la mfi'i n. 134 que pertencera ao indicado Manoel dos Santo Fjelo.
retara da Junta Commercial da cidade do R>cif, 18 de Maio de 1883.
O aecretario,
Julio GuimarHet.
LOTERA
DEALAfiOAS
300:00C$O0O
Esta acreditada lotera corre Ter^a-feira, 1 de Janeiro

__

s
ttencao
Vend-se on permnta-se urna casa terrea sita
na travessa do Falco n. 12, com 2 salas, 3 qnar-
tos, coBmba lora, grande quintal e cacimba, por-
tio dando sabida para a ra dos Ossos ; a tratar
na mesma com a proprietaiia, e esta far tudo
negocio por j ter o d- apacho do juia, at para
brtal.a em leilo. podendo apresentar os decn-
mentos aos permutadores, desejando tambem nma
por troca, ainda.quesea pequea, porm que es-
tija nova b>m conetiuida.
Viveiro para passaros
Vende-se dous g andes e bonitos viveiros po
p. eco com modo, sendo o mot-vo da venda tero
d.>no acabado com os paasxros que possuia ; a ver
e tratar na ra do Imperado' o. 22.
Grande liquidacao
na lja de miudzas
&o n na Nova ao
0 proprieiario do tabelt cimento Basar da
Moda, Bcien'ifica a Eiinaa familias que em vir-
tode da prxima reedificacSo do preaio em que
est elabeleeido, tem resolvido liquidar to-
das a anas mereadorias, constando de miudetaa,
perlumrase artigos de moda, coui grandes aba-
limenti 8> sendo que amitos artigs sao por presos
imeiri.m'nte barato, como ejin :
Grand vari Jadti d plaitrun a 1*')00 e 1*200
K.b nete de i.reia ae Kiager UO rs.
D'ti ingloEe?, grandes a 2U0 rs.
Doiias de dit. s a 2*(> 0.
Garrafa de agua fljr-da a 1*000.
Vao com opiata a 900 rs.
Frascos cem extractos moito fino a 1*300.
Frasco con agua de colonia menean a 500 rs.
Papis para forro a peca de 320 e 400 rs.
Guaroi^es, linbas, fitas, bico, boloee e artigo
de moda.
PARA ACABAR
'*-----------------------------------------------'
P<> Ca-stV Ht-HMItHrt
1OTR\NST,MVEL,
600:000$0'00
Esta seductora lotera corre sahbado 5 de Fevereiro de 1887
Um vigsimo habilita a tirar 30:00$000
Os billietes distas acreditadas loteriasaeham-se venda na
RODA DA FORTUNA
6-Rua Larga do Rosario--36
Bemardino Lopes Alheiro.
A' Florida
Rna Duque de casias n. 103
Chama-te a attenc&o das Exmas. familias pa
os procos segnintes :
Luvas de seda preta a 1*000 o par.
Cintos a 1*000.
Luvas de pellica por 2*500.
2 caixas de papel e envelopes 800 rs.
Lnvas de seda cor granada a 2*, 2*500 e 3*
o par.
Suspensorios pe ra menino a 500 rs.
dem amer.canos para bomem a 3*.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs., n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albnns de 1*500, 9*. 3*, at 8*.
Ramos de flores finas a 1*500.
Luvas de Eacossia para menina, lisas e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 500 rs., 1*, 1*500 e 2*.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. um.
Anquinhas de 1*5H>, 2*, 2*500 e 3* urna.
Plisss de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 ra.
Espartilbo Boa Figura a 4*500.
Idea La Figurine a 5*000.
Pentes para coco com inscripcSo.
Babadores com pintura e inscripcoes a 500 rs.
Estojos para crochet a 18000 rs.
Bico de cores 2, 3, e 4 dedos
de largura a 3*(i00, 4*000 e 5*000 a peca
Para a quaresia
Galio de vidrilho metro 1*.
Franjas de vedrllho a 1*,
Lnvas pretas de seda e Escocia.
Fianjaa e galoea fines a 2*500, S*e 4* o metr
Para o carnaval.
Lindas mascaras.
Bitnagas de p de arroz.
I lem idem de ouro.
dem pe fumadas.
Lindas franjas de seda de cores com frocos pa-
ra eufeitar vestuarios de maa caras a 1* e 5#0 rs.
o metro, fasenda qi.e j cuat^u o metro.
BARBOSA & SANTOS

200:000&OOO
__ lt PROVIMA DO PARA'
EXTRiCCiO DA 8* PARTE DA 1" LOTERA
ffl BENEFICIO DA &ART CASI DE MISEBICORDIA
Terca-feira i de Fevereiro
AO meio da
EBta lotera, por alguna tempo retirada da circulacjlo, devido a grande guerra que
lbe promoveram, como do dominio publico, vem novamente tomar o seu lugar de
urna das ventajosas loteras do Imperio.
O agente pede ao respeitavel publico a sna benvola attencSo para o plano das
LOTERAS DO GRAO-PARA', por extenso publicado nos jornaes e impresso no ver-
so dos respecvos bilhetes. O plano desta lotera o nico que em 50.000 numeras
distribue m
12.436 premios, ou qaasi a quarta parte!
Anda mais: esta a nica lotera que premia todas os nmeros cujos dous al-
garismos finaes forem iguaes aos dos
QUATRO PREMIOS MAIORES
200:000^000
40:0004000
2U:000(J'KK)
10:000^000
A SABER:
100(51 s duas letras finaes do premio de......................
60)5 s duas letras finaes do premio de......................
50(5 a duas letras finaes do premio de......................
40(5 s duas letras finaes do premio de......................
Tambem sSo premiados todos os nmeros das centenas dos quatro primeiros
premios. .- *, :
Alm destes, tem esta lotera grande quantidade de outros premios de basUnte
importancia. E' tambem esta a nica lotera que garante que n comprar 100 nme-
ros de terminacoes jiflVrentes 32 1/2 % independente dos premios avultados que
possara sabir na extraccao. ____
TODOS OS PREMIOS SAO PAGOS SEM DESCOSTO
A's extracefos sao feitas em edificio publico e sob mais Bevera fis-^Iisaglo por
parte das autoridades. Q
Os bilhetes acbam-se venda na agencia e em todas as casas, ena Santos, 3ao
Paulo, Campias, Rio Grande, bahia, Oear, Maranhao, Para, Amazonas e em -fer-
nambuco raa Nova n. 40 CASA DO OURO.
0 agente no Rio de Janeiro
Augusto da Rocha Monteiro Sallo
23Ra de l'ruguayaa23
Purgativo Julien
CONFEITO yjlGTAL, LAXATIVO E REFRIGERANTE
contra PRISO DE VENTRE
Approvado pela Junta central ne JIygiene publica r>* Bhazil
kste purgativo exclu* davel.que puruaccm suavidatte se... o menor inomniodo.V adnnravcl f"J "**#?
do estomago e ao fijado, a ictericia, bilis ;..fu.a, ausas e guies. O seu efieito n^do
e beneAco na emuqueca, quando a eca esta jpes.it,, a *' V".''SSaSS-'
falta 0 avpetif e a comida repugna, as vnchacnes de ventre ^a^l^tJ^~fT
intestinal,*, nflo irrita os ontans ab.loimnaes. Kinl.m, "?le^a^/"f^"**L"
couvulses da infamia. O Purgativo Julien resolveu o d.fl.c.l problema de purftar as
crenneas que nao aoceiUm putativo algn, pois o pedem como se fosse urna pastilha
de chocolate sahida d conleilaria.
Deposito n Paris H, Rna Vivienne, e as principaes Pharmacias e
Tainhas
Vende-se tainhas
de superior qualidade,
em quartolaseem bar-
ris, mais barato do que
em outra qualquer
parte; na ra de Pe-
dro Affonson. 11.
para
Saperior qualidade, a 6#09 a lata de cinee
ta'oes; venae'se an rabnca Apollo e em aew
depositas. __________
Turbina
Superior aaaaeat ae turbina, especial pal
doce. EeSnacSo haigoeiral ; 445 numere tele-
,ico. Eoa MareMIe ^).as n. S8.
Gabriolets
Vende se dona cabriole ts, sendo nm deseoberto
W ootro eoeerfo, em perfeito esta*), para osa ou
JtdenseavaNesr trata ma Dnqne de Oanaa
K 47.
i -
-----
!
OfflL,
x


irt
%
d

BBJ
3
r




-
/
Diario de PemambucoQuarta-<-fcira 26 de Janeiro de 1887
L
VARIEMDES
Resumo da campanha eom o
Paraguay, seguida dos nones
dos oras lelros mals dlstluetos
mortos duraste a guerra.
rOB MELCHIZEDECH d'aT^BOQEBQE LIMA
(Continuacao)
Alteres Angosto Jorge das autos
Tomou parte na batalha de 24 do Malo
de 1866 distinguindo-se muito o receben-
do am grave ferimento, do qual falleceu
do hospital brasileiro de Buenos-Ayres em
9 de Junho do do mesmo anno.
Altero* Berculano Joaquina Crrela
Tomou p.rte, oom distinga*, na defcza
da ilha da Redempcjto em 10 de Abril e
no combate de Sauce em 16 de Julho de
1866, aendo ferido no ultimo.
Falleceu no anno seguinte em 1* de
Abril.
Capello alteres Amerlco Augusto
Cnrvaitiui Coelno Santos
J tendo feito a campanha do Estado
Oriental em 1865 e rompendo a do Para-
guay para ahi seguio e continuou a pres-
tar servicos.
A88stio ao ataque e tomada de Curuzu
em 3 de Setembro He 1866, e a seu res-
peito diz o conselheiro Pereira de Carva-
lho, chefe do corpo do saude: ... pres-
tou bons servicos, j administrando com
oaridade os soccorros eBpirituaea, j diri
gindo o servico da pharmacia...
Assistio tambem ao combate do Estabe-
lecimento em 19 do Fevereiro de 1868, e
foi elogiado pelo Dr. Bonifacio de bren.
Falleceu no da 31 de Marco de 1870
a bordo do hospital fluctuanto Annicota,
em viagem para Assumpcao.
Alteres Andr los Cunen!
Sendo alferes ajuiante do 7o batalhao
de voluntarios distingnio-se na batalha de
Tuyuty em 3 de Novembro de 1867 e foi
elogiado pelo teneDte coronel Silva Tosta.
Assistio ao combate do Estabelecimen-
to em 19 de Fevereiro de 1868 e foi por-
ta na batalha de Avaby em 11 de De-
zembro da mesmo anao.
Alteres Jouquim los Bios
Sendo 2 sargento do 9o de voluntarios,
distinguia-se r.a batalha de 21 de Maio de
1866 e foi morto no reconhecimento que
as nos jas tropas em 16 de Julho de 1868
fixeram furtaleza da Humayt, j no pos-
-to de alteres do 39 da mesina denomina-
c(r.
Alteres Arlstldes Bibiano Pereira
de Paria
Sendo forriel do 16a batalhSo de infan-
taria distingnio-se na passagem do Pirana
noa dias 15 e 17 de Abril, havendo-se
sempre com denodo e sangue fri, mos-
traodo-se energoo, pelo que foi promovi-
do a alteres, e ueste posto tomou parte n a
batalha de Tuyuty.
Falleceu em 4 do Junho de 1867.
Alteres AOonso Aurelio da Fonseea
Fazendo pane do 34 batalhao de vo-
luntarios foi morto as muralhas de Cu-
rupaity no dia 22 do Setembro de 1866.
Este valente militar j se tinha distin-
guido em outro3 combates, bem como no
Ouruz, em que tinha estado 19 dias an-
tes da sua morte.
Era natural da provincia de Alagoaa.
Alteres Alvaro da erra carnelro
Mereceu os elogios de seu commandan-
te pelo valor e intrepidez que mostrou noa
combates de Sauce e Bouquerou a 16 e
48 de Julho de 1866.
Falleceu a 22 de Marco de 1868 no
acampamento do exercito em operatoes
Alteres Victorino Emilio Cabral da
Sllvelra toiiiophim
Assistio aos ataques de Curuzu' e Cu-
rapaity (3 e 22 de Setembro de 1866) e
houve-se seropre com denoio, cumprindo
os deveres de ajudante d'ordens da briga-
da comroandada pelo tenente-coronel Pa-
ranbos.
Foi morto no comdate de 18 de Julho
de 1868, dous dias depois do grande re-
conhecimento a terrivel fortaleza de Hu-
mait.
Alteres Joo Ha noel da Silva
Distinguise na batalha de Tuyuty a
23 de Maio, e nos ataques de Curupaity
em 3 e 22 de Setembro d 1866, sendo
ferido nesta ultima.
as fileiras do 31a de voluntnos foi
morto no ataque de 23 de Dezembro d e
1868 em Lamas Valentinas.
Alteres Virgilio Jos de Almelda
Campes
Tomou parte na batalha de 24 de Maio,
sendo y sargento do 2o oorpo de volun-
tarios.
Falleceu no dia 24 de Janeiro de 1869
no posto de alferes, de um ferimeoto re-
cebido no combate do Itoror a 6 de De-
zembro do anno precedente.
Alteres Jauunrlo Pereira Pinto
Assistio s duas grandes batalhas fon-
das em Tuyuty, morrendo gloriosamente
na Begunda (3 de Novembro de 1867.)
Alteres Andr Cnrslno Nerr
Fazendo parte do estado-maior da Ia
divisan foi morto quando transpunha a pon-
te de Itoror em 6 de Dezembro de 1868
Alteres Jos Chrlsltaae de Cala
sans Rodrigue
Fazendo parta do estado-maior do va-
lente e b-ioso Conde de Porto Alegre, foi
gravemente ferido na batalha de Tuyuty a
3 de Novembro de 1867.
Foi morto debaixo das bateras de Hu-
mayt a 16 de Julho de 1868.
Alteres Jos Teodoro da Silva
Sendo ferido no combate do Bouqueron
a 16 de Julho de 1866, negou-se a retirar,
so sahindo da filera, quando todos reco-
Iheram-se aos seus acampamentos.
Morreu gloriosa e denodadamente no
combate do Estabelecimento (19 de Julho
de 1868.)
Alteres Joao Rodrigue
Pertenoendo ao 6 batalbo
ria tomou parte na grande
Tuyuty (24 de Maio de 1866)
morto o cadete que levava
este bravo offieial apoderou se
da Silva
de infanti-
batalha do
e cahindo
a bandeira,
della com
Alteres Jos tJoo^alves dos Mantos
Assistio a batalha de 3 de Novembro
de 1867 e foi gravemente ferido.
Foi morto no combate de Itoror, 6 de
Dezembro da 1863, assaltando intrpida-
mente as massas inimigas.
Alteres Joo Portlnbo da Fontoura
Hortou-se com bravura na botalha de
24 de Maio.
Com o 4' de infantaria batcu-so em
Sauce no dia 16 de Julho de 1366 e as
sim exprimi so o seu commandaote :
< ...Joo Portiuho da Fontoura que
nao obstante ser bem joven, tal a sua
sorenidado e sangue fri que torna-se in-
vejado por qualquer encanecido nos com-
bates
Morreu no dia 16 de Julho de 1868 no
no reconhecimento de Humayt.
Alteres flenrlque Jos da Uva
Sendo 2 sargento do 4 corpo de Vo-
luntarios distinguise na batalha de 24
de Maio de 1866.
No posto de alferes tomou parte nos fei
tos do mez de Dezembro do 1868 e foi
morto no dia 23 em Lomas.
Alteres Joo Bellarnalno (.aupar
Marchou para a campanha como 2o ca-
dete e em Agosto de 1865 foi nomeado.
alferes em commisso.
Tomou parte no ataque de Curuzu', foi
elogiado pulo commandante do Io corpo do
ex rcito pela sua notavel bravura, e por
diversos commandantes que presenciarais
o seu enthusiaamo.
Dezenove dias mais tarde sendo grave-
mente le-ido no ataque de Curupaity em
22 de Setembro de 1866, foi levado para
o hospital de saogua e ahi falleceu no dia
immediato.
Alteres Jefto Rodrigue* da Silva Lo-
pe
Sendo ajudante do commando da 2' bri-
gada tomou parte no ataque de Curuzu',
e ahi se houve com bastante sangue fri e
cumprio satiatactoriameote o seu dever,
sendo morto por um tiro de metralha. -
FOLHETII
O flO&CJNDA
POR
pulo nm
QURTA PARTE
O PALACIO B..AL
(Continuoslo do n. 19)
II
A conversa particular
A sombra de Felippe de Orleans e a do
seu Cor cunda nao tornar rn a apparsc-er
as cortinas do gaoinete. O principe sen
i de p, diast
respeitosa, mas
todo enthusiaamo, e pondo-a a tremular, ani
mava as pracas recordando-lnes que ella
era o emblema da nosaa nacionalidade e
que ao redor della de vamos todos mor-
rer.
No dia 22 de Setembro acha-se diadte
de Curupaity, exercendo o lugar do aju
dante do mesmo oatalhao em cujas fileiras
sempre combateu com bravura.
Combaten at o momento de ser grave-
mente ferido e morreu poucas horas de-
pois.
* lenle Serapbim Morelra da
Silva Jnior
Sendo 2 cadete de artilbaria a cavallo
foi promovido* a 2* tenente pela bravura
com que combateu no dia 3 de Julho de
1868, e armado a eacador e encorpora
do ao 16 de infantaria seguio com os ex-
plora-lores na vanguarda, onde se portou
com enthusiasmo e muita bravura.
Tomou parte nos sanguinolentos comba-
tes do mez de Dezsmbro do anno cima
e morreu em Lomas no dia 21.
_
o enente Blcardo Becfcman
Sendo Io sargento das bateras do 2o
oorpo do exercito, distinguio-se muito na
batalha de xl de Dezembro de 1868, pelo
que foi promovido a 2o tenente de rom-
misso.
Avaneando com o exercito sobre Lomas
Valentinas foi morto no ataque do 25.
Alteres Joaquina Pedro de Qaadros
corpo proviso-
na batalha
Sendo 2* sargento do 1
rio de cavallaria distinguio-se
de 24 de Maio.
Pelo modo com que se baten no comba-
te de 6 de Setembro de 1867 junto a S.
Solano, foi promovido a alferea.
Morreu no grande reconhecimento do
Humayt era 16 de Julho de 1868.
tarase ; o Coreuuda ficara de p,
delle, em urna attitude
firme.
O gabinete do regante tinha quatre ja
celias ; duas para o jardim e duas para o
pateo das Fon os. Tinha tres entradas,
urna das quaes era publica, a grande ante-
cmara ; as ouiras duas, reservadas. Mas
era am segiedo de comedia. Depois da
apera as raparigas, apezar de s terem que
atravessar o pateo Orry, chegavam porta
(o duque de rUans, precedidas de lant r-
iias e manda va id bater porta com toda
a forca ; Coss, Brisan 3, Gonzaga, L.fare
e o marquez de Bonuivet. aquello bastarle
de Goutfier que a duqueza de Berri tinha
tomado ao seu sorwioo, iam bater outra
porta sm pleno dia.
Urna destas sabidas dava para o pateo
Orry, a outra para o pateo das Fontes, j
deserihada em parte pela casa do foanoeiro
Maret ds Fontbonne, e o pavilho Rault
A primeira tinha por porteira urna boa
velha, -ntiga cantora do opera : a segunda
era guardada por Le Braut, excocheiro
de Momieur. Eram bons lugares. Le
Braut era, alm dieso, um dos guardas do
jnrdim, onde tinha um quarto por detraz
da rotonda de Diana.
Foi a vi z de Le Braut que ouvimos no
fundo do corredor escuro, quando o Cor-
cunda entrou pelo pateo das Fontes. Ef-
fectivamente o Corcuoda era esperado; o
regente estava pensativo e conservava-se.
ainda de robe de chambre, apezar da festa
ter j coraecado ha muito. Os cabemos,
que os tinha formosoa, estavam com pape
lotes, e trazia daquellas luvas preparadas
para conservar a alvura das mSos. Sua
mSi, as suas memorias, diz que esto gosto
excessivo p-lo cuidado da sua pessoa vinba
de Momieur. Effeutivamente, ate aos l-
timos das da sua vida Momieur foi tanto
ou mais faceiro que urna mulher.
O regente j tinha passado dos quarenta
e einco aonos. Davam-lhe um pouuo mais
por causa da fadiga extrema que lhe lan
cava como que um veo sobre as teicSes.
Entretanto era formoso : o rosto tinha no
breza e encanto ; os olhoa, de urna meigui
ce feminina, dexavam vor a bondade le-
vada al fraqu"za. O tronco curvava-se
uA pouco quando n&o repreaentava. Os
labios, e sobretu lo as faces, tinham aquella
moleza, aquello abatimento que 4 oorao que
urna heranca ra casa d Orleans.
A princez* palatina, su mii, tinha-lho
dado alguma cousa d* sua bonhomia alleraa
e do espirito ganancioso: mas tinha f.-ado
cora a maior parte. Se acreditarmos o que
aquella expeliente mulher diz de si propria
as suas memorias, nao se esquivou a dar-
Ihe a belleza que nao tinha.
Sobre certos te nperaraentos privilegiaJos
as orgias deixam poneos vestigios. Ha ho
raens de ferro; Foppe de Orleans nSo per
tem-ia a esse numero. O seu rosto e toda
a attitude do seu corpo diziam enrgica-
mente a f aliga que as orgias lho deixavara.
Podia-se prognosticar j que aquella vi-
da gasta empr-'gava os seus ltimos recur
sos e que a morte a espreitava.
O Coround* encontr ju na porta do ga-
binete um nico criado, que o introduxio.
Foi o senhor qua me escreveu de
Hespaoha? perguntou o regente, exami
nando-o oom o olbsr.
Nao, senhor, respondeu o Corcunda
reapeitosamente...
E de Bruxellas T
Nem de Bruxellas.
i _E
Alteres Jo&o Rodolpno Nuller
Era ^nspe^aJa, quando oom o 1* regi-
ment de artilbaria tomou parfe nos com-
bates de 16 e 17 de Abril e as batalhas
de 2 e 24 de Maio, e por tal modo elle
se houve que o seu nome foi collocado no
meio daquellis que mais servicos prestaram
e foi nomeado plo governo imperial ca-
valheiro da ordem da Rosa.
No mesmo regiment e no posto de 1*
sargento bate-se com tal bravura nos dias
21, 25 e 27 de Dezembro de 1863 em
Lomas que foi condecorado com a meda-
dalha de mrito militar.
Faileceu no 2 hospital de assuropcao
em 12 de Marco de 1860 no posto de 2o
tenente.
Alteres Antonio Alilo da Fonseea
Tomou parte em todos os combates do
mez de D. zembro de 1868, foi morto no
ataque de Lomas a 21.
.Alteres Jos Lula oneulve de No-
ronba
Commandando a 8a companhia do 19
batalhao de voluntarios, auxiliou muito ao
sen commandante na grande batalhz de
24 de Maio de 1866, e sendo gravemente
ferido falleceu no dia 22 de Judho.
Alteres Hanoel Antonio da Silva
Este bravo e distincto militar tomando
parte no ataque de Curusu' em 3 de Se
tembro de 1866 foi gravemente ferido, e
apezar desse ferimanto nao se negou no
dia 22 do mesmo mez a apresentar-se no
enmpo de combate, para oombator pela
ultima vez.
Atieres Cnsslano Ladislao de Mene-
es
Distinguio-se nos ataques de 16 e 18
de Jjlho do 1866
Falleceu em 1* de Julho de 1867 no
acampamento do exercito em operacdVs.
Alteres Jos Seraplao fjapemberg
Combateu no 20 ie voluntarios e hou
ve-se com muito denodo e sangue fri no
ataque de Curupaity.
Falleceu em 15 de Abril de 1867.
Alteres Mariinho Albauo de Soasa
Era 2o sargenta do batalhao de enge-
nheiros quando tomou parte na batalha
de Tuyuty, prestando muito bons servigos
na linna de tiro.
J no posto de alferes distinguio-se ain-
da urna vez em Sauce no dia46 de Julho,
aendo ferido. Fallecen no acampamento
era 15 de Abril de 1867.
\ I reres Leopoldo Hondeo Ourlaue
Na batalha de 24 do Maio como ajudan-
te de campo do commandante geral de ar-
lilharia, distinguio-se por seu valor e assim
disse o general Andrea: ... Transmittio
sempre as minas ordens com actividade,
sendo enoarregado por S, Exc. de urna
communicacEo ao Exm. general D. Ve-
nancio Flores que commandata as forgas
que repellio o inimigo no centro do exer-
cito ; em todo o tempo que durou a accao
portou-se com verdadeiro sangue fro o
coragero.... >
Falleceu em 24 de Abril de 1867 no
acampamento da Ia divisSo de eavallaria.
Alteres Joaquina Nanoel de Almel-
da Torres
Como sargento ajudante do 2 de vo-
luntarios tomou com diversos de seus com
panheiros urna pega de artilharia. Pouco
depois foi promovido a alferes no 24 de
voluntarios e falleceu em 3 de Julho de
1868 na enfermara central do exercito
em operaco.
Alteres Jos Jeaqulm Cardoso J-
nior
Conduzindo a bandeira do 7o batalhao
de infantaria foi morto as trinoeiras de
Sauce em 16 de Julho de 1866.
Alteres Pedro Alvcs de Hattos
Como Io sargento do 2" ba'alhao de in-
fautaria portou-se com bravura nos com-
bates de 16 e 17 de Abril, e as batalhas
de 2 e 24 de Maio.
Sendo alferes do mesmo batalhao to-
mou ainda parte nos combates de 16 e 18
de Julho, morrendo nesta ultimo.
gravo contusSo no braco, s indo porem
eunr-se, depois de terminada a batalha.
Foi morto as linhas ayancadas em 5
de Novembro de 1868 por urna bala de
fnzil.
4fferes Odorlco Franklin It'osjuelra
Pinbeiro
Bateu-se com bravura no dia 24 de
Maio de 1866, sendo elogiado pelo com-
mondante do batalhao.
Combatendo em Sauee no dia 16 de
Julho do mesmo Anno, foi morto.
tes do mez de Dezembro de 1868 e foi
morto no dia 23 quando atacava-se Lomas
Valentinas.
Alteres Antonio Joaquina Crrela de
Bornes
Foi morto por urna granada no combate
do Bouqueron, em 18 de Julho de 1866,
prestando relevadttb' servigos.
Alteres Leopoldo da Bocha Morelra
Distinguio-se na batalha de 24 de Maio
em Tuyuty, combatendo com o 4o de in-
fantaria.
Falleceu no dia 2 de Julho de 1866 de
hypertrophis do ccoraco.
Alteres Jos Pinto da Fontoura
Brrelo
Sendo cadete distinguise nos taques
de Curuzu e Curupaity nos dias 3 e 22
de setembro de 1866, sendo elogiado pelo
tenente-coronel Correia da Cmara (hoje
Visconde de Pelotas e marechal do exer-
cito.)
Sendo alferes do 5 corpo de cacadores,
a cavallo, falleceu no tlia 18 de Novem-
bro de 1867 de molestias adquiridas no
theatro da guerra.
Iteres Halbla Jos uilberme
Era alferes do 2" regiment de cavalla-
ria iigeira e foi morto no combate do Pro-
tero Ovelha em 29 de Outubro de 1867,
tendo combatido heroicamente at a occa-
siao de cahir.
Alteres Manoel Curslno de Oll-
velra
Combateu com o 13 de infantaria na
batalha de 24 do Maio, sendo elogiado por
seu commandante pelo valor e desembara-
zo com que dirigi os soldados.
Morreu no dia 25 de Junho, vitima do
um ferimento recebido nesta batalha.
Alteres Bnmualdo Antonio de Hat
tos Telie de Beneses
Era ajudante do commando da Ia bri-
gada, e na batalha de 24 de Maio de
1866 portou se com bravura e sangue
fri, levando com presteza e precisao as
ordens que lhe eram dadas, at que foi
ferido.
Fallleceu no dia 22 de Julho.
Alteres Augusto Cosme da Silva
Combatendo com o 16 de infantaria,
recebeu um ferimento no combate de Es
tabelecimento. Com o mesmo corpo assis-
tio aos combates o batalhas do mez de
Dezembro de 1368 o foi morto no dia 21.
Alteres Antonio Joaquina Pontes
Barinbo
Sempre bravo e corajoso cabio morto
por uma bomba no combate de 18 de Ju-
Ilho de 1866, ferido no Bouqueron.
Alteres Alexant/re de Sonsa Dnarte
Foi ferido na batalha de Tuyuty em 24
de Maio de 1866, onde portou-se como ver-
dadeiro bravo.
Falleceu em 27 de Abril de 1867 no
acampamento do exercito em operacSes.
Tambem nao.
O regente laccou-lhe nm segunlo olhar.
Admirava-me que fosse o tal L gar-
dre, murmurou elle.
O C Tuunda comprimentou-o sorrindo.
Sim, dase o regente com meigui :e e
gravidade, nao quiz faz--r alluaao ao que
pen8a. Nunca vi Ltgarire.
Meu senhor, respondeu o Corcunda
continuando a s rrir. onamavam-no o b lio
Lagardre quando elle pertencia ao esqua
dro de vosso real tio. Eu nunca pouia
ter sido soldado.
O duque d'Orhans nao quera demorar-
se neste ponto.
Como se chama ? perguntou elle.
Mestre Luiz, em ininba casa Fra,
as pessoas como eu nao tera outro nome,
alm da alouana que Ibes dao.
Onde mora ?
Muito looge.
E' uma recusa a dizer-me a sua resi-
dencia ?
E', alteza
Felippe d'Orleans lancoulhe nm olhar
sevoro o disse em voz baixa :
Tenho urna polica, ssnhor, que pas-
sa por ser h.ibil; posso fcilmente saber.
Desde que vossa alteza real parece
ter erapenho, vengo a minha repugnan -,ia.
Moro no palacio do 3r. principe de Gron-
zaga.
- No
repetio o
palacio de Gonzaga
regHnte admirado.
O Corcunda coraprimentou e disse cora
frieza:
Os alugueis l sao caros.
O reg-nt* pare-a reflactir.
__ Ha muito tempo, dase elle, ha muito
tempo que ouvi pela primara vez fallar
nesse L*garder. Era um te nivel espa
dachira.
D pois fez tildo q'tanto poude para
espiar as suas luuuurat.
Que lhe ?
N.da.
Porque motivo elle nao veio ?
Porque me tinha disposicao.
Se cu quizesse vel-o, onde o.encoa-
traria ?
-- NZo posso responder a esta pergunta,
alteza. .
Entretanto...
Sua alteza tem uma polica, ella pas-
ta por hbil: tente.
am desafio, senhor.
Alteres SilVIao Jos Flntano Beso
Foi um dos officiaes do 21 de voluta-
rlos que penetrou em uma|trincheira iuimi
ga em Boquern no dia 18 de Julho de
1866. Foi promovido ao posto de alferes
para o mesmo batalhao, e falleceu em 21
de Novemdro de 1867, do oholers-mor-
bus.
Alferes Manoel Fernandes da Silva
Distingui se na batalha de 24 de Maio
de 1866, sendo ainda forriel.
Como alferes do 8o de infantaria tomn
parte no ataque de Humait em 16, e no
encontr de 18 de Julho de 1886, mor-
rendo neste ultimo.
Alteres sjelculsedeelc Aarao de Al
bnquerqne Lima
Rompendo a campanha do Paraguay,
este joven patriota, apezar dos seus gra-
vea padeciraentos pbiaicos foi um dos pri-
raeiros voluntarios que deixaram o lar do-
mestico, procurando esse paiz inimigo para
lavar o ultrage feito a honra nacional.
NSo teve tempo de pisar o territorio
inimigo, pos que a morte o sorprehendeu
em Urugayana a 15 do Novembro de
1865.
Era natural da provincia do Cear. O
seu nome foi inscripto na columna com-
memorativa dos bravos da patria.
g
Alteres Patrelo Ensillo Sepnlveda
Evrerard
Como alferes do Io batalho de infan-
taria, addido ao 2o de voluntarios, tomou
parto na btalo* de Tuyuty; recebeu uma
S tenente Pedro Maacarennas
- Arenca *
Tomou parte no reconhecimento de Hu-
mait a 16 de Julho, no combate de 4 de
1 Agosto de 1868, no taque de Pirebebuy
a 12, e foi msrto na batalha de Campo
Grande a 16 de Agosto de 1869.
E' uma ameaca, alteza. Dentro de
uma hora, Heorique de Lsgardre talvez
esteja ao abrigo das suas pesquizas, e a
tentativa que elle fez para desencargo da
sua consciencia, nunca a reteirar.
Entilo elle tez contra a vontade esta
tentativa? perguntou Felippe de Orleans.
Contra a vontade, o modo de dizer,
contiuuou o Corcunda.
Porque ?
Porque toda a felicidade de sua exis-
tencia o abono deati parada, que elle
poderia nao ter jogado.
E quena o forcou a jogal-a ?
Um juramento.
Feito a quein ?
- A um horaem que ia morrer.
- E este hornera chamava-sa?...
Sua alteza bem o sabe: este hoaem
charaava-se Felippe de Lorraine, duque de
Nevprs.
O regente deixon cahir a cabeca sobre
o peito.
Ha viote anuos, murmurou elle com
a voz completamente alterada ; nada esquo-
oi, nada I Amava o; meu pobre Felippe,
arnava-o. Depois que o mataram, nao sei
se toquei a mi de um amigo sincero.
O Corcunda devorava o com o olhar.
Craa eraoco poderosa via-se nos seus tra-
vos. U d instan'e elle abri a bocea para
fallar ; mas conteve-se com um violeato
esf-M-co. Seu rosto tornou-se impassivel.
Felippe de Orleans ergueu-se e disse
lentamente :
- Eu '-ra prente prximo do Sr. du
que de Nevers. M'oha irma casou-se cora
8>ra primo, O Sr. duque, de L-rraine. Como
principo e como alliado, devo proteec&o
sua ?iuvi, que, alm de tndo, a mUlber
de ura dos raeus mais caros amigis. Se
su tlha existe, proraetto que ella ser a
mais rica ardeira e que se casar cora
um principe so quizer. Quanto ao assas
sinato *lo meu pobre Felippe, dizam que eu
tenho nicamente urna virtude : -eo eaqu-v
cioiento da injuria ; e verdade ; o pen-
saraento da. vinganca nasco e moire em
iira no mearao tempo; mas tambera eu
hz um juramento qu.mdo vieram diz r
rae: F-lippe morreu 1 Neste wo-
ment rejo o EsUdo ; punir o as'sasaino de
Nevera nao ser mais vinganca, mas sira
justica.
O Corounda iocliaou se
lippe d'Orleans continuou
silencioso. Fe
Alteres Joao caplstrano Telxelra
Achou se na batalha de Tuyuty comba-
tendo com calma e valor.
Em Curupaity a 22 de Setembro de
1866, tornou-se digno de mencao pelo
modo com que investio sobre as trinchei-
ras inimigas sendo ferido.
Desse ferimento falleceu em 1 de De-
zembro uo mesmo anno.
Alteres Antonio Gomes do Nasci-
memo
Como alferes do 2. regiment de caval-
laria Iigeira carregou com bravura sobre o
inimigo na batalha de 24 de Maio.
Falleceu em 23 de Abril de 1867.
Alteres Pompen do Amaral Belota
Foi morto na batalha de 24 de M- io de
1866 ras fileiras do 26. de voluntarios
do qual era ajudante bem cumprindo o
seu dever. >
Alteres Salnstiano Jeronymo dos
Bels Fllbo
Pentencia ao 2. batalhSo de infantaria
e exercia as funecoes de ajudante do com-
mando da 14.a brigada e assim se exprime
o seu commandante fallando do alferes Sa-
lustiano Reis Filho : ... Tendo-me visto
perder o cavallo em que montava apeiara-
se para ceder-me o seu e pedindo-me para
brigar no 2. batalhao, as fileiras do qual
toi mor talmente ferido por um fogucte a
congreve, perecendo poucas horas depois
no hospital de sangue.
Alteres Lula Leopoldino Arseuto
> Barbosa
Como 2. cadete e sargento ajudante do
9. de infantaria combateu resolutamente
ua batalha naval do Riachuelo era 11 de
Junho de 1865 e pelo seu valor foi nomea-
do cavalleiro da Ordem do Cruzeiro.
J no posto de alferes foi morto no com-
bate de Sauce cm 16 de Julho de 1866.
Alteres Trtstao Ten de Alencar
Araripe
Foi quera conduzio a bandeira do 4.*
batalhao de artilharia no ataque de Curu-
paity em 22 de Setembro de 1866, conser-
vando-so sereno no meio *de chuveiro de
balas e metralha que sobre nossas fileiras
caba
Faeaeu em 14 de Abril de 1867 no
acampamento.


Alteres ullhermlno Manoel dos
Passos Bamos
Tomou parte, na batalha de Tuyuty a
24 de Maio de 1S66, sendo elogiado por
seu ceramandanti, nos ataques de Curnzu
e Curupaity e foi ferido n'este ultimo.
F.lleceu em 24 de Abril de 1867 no
hospital de sangue do 2.' corpo do exer-
cito.
Alteres Joaonim Torqnato Pereira
da Cmara
Como ajudante do '34. de voluntarios
muito se distingui no ataque e tomada de
Caiza em 3 de Setembro de 1866.
Falleceu em 17 de Abril de 1867.
Alteres Ernesto Augusto viid
Sendo forriel do 30. de voluntarios, dis-
tingui se na batalha de 24 de Maio de
1866.
J no posto de alferes e com o 31. da
mesraa denominado achou se nos comba-
__Falta-me saber rauitas cousas. Por
que motivo esse Lagardre demorou-se
tanto tempo a dirigirse a miro. ?
Porque diaae comaigo :
a No dia em que renunciar a minha tu-
tella, que a menina de Nevera esteja moca
e possa conhecer os seus amigos a inimi-
gos.
__ Elle tem as provaa do que diz ?
__ Tem-n'aa, salvo una nica.
Qual ?
A que deve confundir-o assassino ?
Conhece o assassino ?
Julga craheuel o, tem uma marca
certa para verificar as suas suspeitas.
Esta maroa nao pode servir de
prova?
Vossa alteza real julgar em breve.
Quanto ao as.-.ment e identidade da
menina, tndo est em regra.
O r-gonte r-fl-etia. .
Que juramento fez Lagardre? per-
guntou elle depois de curto silen o.
Prom-tteu ser o pai da crianca, res-
pondeu o Conunda.
Estava entilo presente no momento
da morte?
- Estava. Nevt-rs morreu confiando-
Ihe a tutela de su > filha.
Ligardere puobou a espada para de-
fender Nevera ?
F'-z o que pode. D-pois da morte
do duqu* levou a urianc, apezar de ser
s contra vinto.
S<>i qiJ nao ha no mundo espada
raaia terrivtd, murmur u o regente ; mas
as suas resp-istas to ubscuras, senhor;
se esse Lagardre assistia luta, como
diz que elle apenas tem descoofiancas
quanto ao assassino ?
Era noite O assassino estava mas-
carado. Ferio pelas costas.
Foi entilo o amo mesmo quem fe-
rio ?
- Foi. E Nevers cahio gritando Ami-
go, vinga-rae 1
E esse amo, proseguio o regante
com nras hesitacao visivel, nao era o Sr.
marquez de Caylus ?
O Sr. marqu z do Caylus morreu ha
louitus sanea, replicra o Corunda; o as-
sassino est viv Basta que vosaa alt-za
diga uma plavra, e Lagardre Ih'o mos-
trar esta noite.
Ento, disse o regente com vivaci-
I dade, esse tal Lagardr-j est em Paria ?
(Continua.)
A.' Lucllla
A SAMUEL MABTINS
Em v2o teo desd< m, dura esquivanta,
Eu te amo infeliz, desventurado,
E lembrando ditoso omeu passado
Em minh'alma renasce doce esp'ranca.
S de t'amar viver extasiado,
A contemplar-te sempre, a todo instante
Gozando ura riso teu inebriante
E contente de amar-te, sendo amado ;
Eis s meu doce anhelo, oh or querida,
Que roubar-me tentou a cruel sorte
Enlutando minh'alma dolorida 1
Mas inda creio em ti, q'es o meu norte
Linda estrella de luz enrequecida
Que meu ser guiars at na morte.
I
ju-:-

- *T .''* *
Reoife, 87
Glandim.
O Corcunda raordeu os labios.
Se est em Pariz, accrescencou o re-
gente levanjando-se, meu.
Agitou uma campainha, e disse ao cria-
do que ae apresentou :
O Sr. de Machault que venha aqui
immediatamente.
O Sr. de Machault era o teoente de
policia.
O Corcunda havia recuperado a calma.
__ Senhor, disse elle, olbando para o
relogio, no momento era que lhe fallo, o
Sr. de Lagardre espera-me, fra de^ Pa-
riz, em um caminho que nSo lhe indicara
ainda que vossa alteza o exigiese. V2o
soar onze horas. Se o Sr. de Lagardsre
nio receber nenhum aviso meu antes das
onze e meia, o "eu cavallo galopar para
a fronteira. Tem mudas preparadas e
portanto o vosso tenente de polica nada
poder fazer.
__ O senhor fioa em refena exclamou
o regente.
Oh! eu, dissa o Corcunda, sorrindo,
por pouco empenho que Vossa Alteza ti-
vease em fazer-me prisioneiro, estn em
vosso poder.
Cruzou os bracos. O tenente de poli-
.-ia entrou. Era myope, e, nao v-ndo o
Corcunda, exclamou antes que o interro-
gassera.
~ Tornos novbade 1 Vossa Alteza ha
de convencer-se de que nao se p te usar
de clemencia com semelhante desordeiro.
Tenho a prova das suas iotelligen :ias com
Alberoni. Gellemare est comproraettido
at aos cabellos, o tambem o Sr. de Ville-
roy e ojsfr;de Villais, e toda a velha cor-
te que est com o duque e a duqueza de
Maine.
Silenoio 1 d88Q o regente
O Sr. Macault via oaquelle momento o
Conuuda. Calln se interdicto. O re-
gente levou ura bom minuto ant-a de to-
mar novamente a palavra. Dorante este
tempo olhou mais do uma vez de soslaio
para o Corcunda. Este nao pestane-
ava. ,, ,
. Machault, dase afinal o regente,
mandei-o exa;tamente chamar para &ar-
|be do Sr. de Cellemare e dos outros.
esperar-me no meu primeiro gabinete.
(,Continmrre-ha)

**,
V
T/p do Diario roa Dtiqua de Caxiaa n. 42,
j