Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text
1
\
* I
'"AIIO LIIJ NDMEBO 19
g^a^
PARA A CAPITAL E LL'GARJKft OSDE SAO SE PACA PORTE
Por tres mezes adiantados............... 6 Por seis ditos idem.......... ...... l^OOO
Por uin anno idem................. 23000o
Cada numera avulso,1 do mesijo dia............ 010o
DIARIO DE
'__ TEfiCA-FEIBA 25 DAIl DE 1887
PARA DEMTRO E FORA DA PROTDTCIA
Por aeia meses adiantados. *.......... J 134500
Por nove ditos idem................. 20#000
Por um anno idem................. 27LOO
Cada numero avulso, de dias anteriores. .......... #100
NAMBUGO
Pnrprirtrate tft Jttannel ^tfiicira Z>* aria i iJUp*


>
Y

Os Sr. Amede Prlnee tV C.
de Pars, i os nessos Sgent e
exclusivos wo annnnclos e pu-
blioacSes la Franca e Ingla-
terra
TELEGRAMAS
SSBVI53 PAWCTL.4B SO BIABIO
PARAHYBA, 24 de Janeiro, s 2 horas e
20 minutos da tarde. (Recebido s 3 ho-
ras e 10 minutos, pela linha terrestre).
Decreace m epidemia de refere ama-
relia na villa de Araruna.
Cnegon boje a este porto o paque-
te nacional CE ARA*.
RIO DE JANEIRO, 24 de Janeiro,
s 3 horas e 25 minutos da tarde. (Rece-
bido s horas e 55 minutos, pela linha ter-
restre).
Fonm nomeados:
Jniz de dlrello da comarca de Cin-
tra, de 1.a entrela, da provincia do
Para, o bacbarel Affono Barbosa da
Cunta Morelra.
Jalees manlclpaea :
Do termo de Draganra da provin-
cia do Para, o bacbarel Antonio Aa-
susto o* Santos Porto Fimo:
Uo termo de Igarap-mlry, lam-
bem da provlnclado Para.o bacbarel
Borgea Perelra.
Permnlaramaareepectlvaa comar-
cas, da Imperatrls da provincia do
Maranhao e de Camaqaam. da doBlo
.rancie do Sal. oa julaea de direlto
Jos Jacyntbo Borgea DI ni* e Igna-
cio Accloly de Vaaconcelloa.
sssti;: i- a&eki.. s.v..
(Especial para o Diario)
CAIRO, 2S de Janeiro.
ConOrma-ae a noticia de terem oa
abyaainloN lavaoUdo o Soldo.
I m exerclto baatante numeroso
estfi em mareba aobre Maaaoaab.
' *
aj

I
LISBOA, 24 de Janeiro.
SS. AA. o Conde e a oGndeaaa d'Eu
partlram para Sevllba.
SS. A A. n sis tira m na le garo do
raall ama grande recepeo da
colonia braailelra aqu realdente.
PARS, 24 de Janeiro.
o ministro da fazenda aceita o
projecto de orcamento para ISSY
tal como fot apreaentado pelacom-
misso da enmarados Depotaaoa.
VIEN'NA, 24 de Janeiro.
A noticia uiii mmente dad acerca
da priso dt> Sr. KankoiT peina auto-
ridades bulgaraa c boje considera
la como falso.
MONTEVIDE'O, 24 de Janeiro.
>as ultimas *4 boraa deram-se
aqal 4 caaos no vos e 3 bitos de ebo-
lera-morbus.
BUENOSAYRES, 24 de Janeiro.
sji>e hontem para boje deram-ae
aqu 11 nasos novoa e 8 bitos de
cholera morbns.
*a provincia de Aconcagua, no Chi-
le, no meamo lapao de lempo bausa
- peras, figos (*) macis, etc., sao em geral pouco
nutritivos. Predomina nelles a materia sacchari-
na sendo a azotada reduzida a proporcoes mnimas.
Teem, alm d'isto, na aua compjsco cidos di-
versos.
A ajimentecio consiste nio s em alimentos so-
lidos (da composicio de alguna dos qoaea, oa prin-
cipaes,demos urna idea), mas tmbemeos lquidos.
Entre os lquidos, devenios mencionar em pri-
meiro lagar, pela sua importancia absoluta e re
lat va, a agua.
A agua fax parte de todos os tecidoa vegetaeB e
animaes em proporcSes variadas.
Entra, portento, a agua na nossa alimentacio,
coojunctemente com os solidos que ingerimos.
A agua que assim fazemos entramo organismo,
pela alimentacio, nao porm suficiente para a
nutricao ; e somos oorigadoa a ingerir porcao
maior ou menor deste liquido no seu estado na-
tural.
Sabemos que a sgua compota (*) da oxyge-
no e bydrogeoio. A sua formula gj 0 H O.
Em 100 partes ha 11,13 de bydrogeno 88,87 de
oxy genio.
Esta a composicio cbimica da agua; porm
entram nella diversas substancias que ah se con-
servam em dissolacio e suspensio e que a tornam
entre certos limites, nm verdadeiro alimento.
ExpHquem-noa. A sgua cbimicamente pura
(iato H O) nao a que nos serve para alimen-
tario. A agua, cabida das nuvens em orma d
ebuva e infiltrada mais ou menos pelas diversas
eamadas de terreno, arraata, dissolve e incorpora
em si saes diversos, una utes, inconvenientes outres
para a nutricio, de modo que u agua potavel va-
ria na aua omposicao ; e a sua importancia na
alimentaco depende da quantidade e qualidade
das materias que tras di atol vidas e suspensas, bem
como da qualidade dellas.
As aguas de que nos servimos para a alimenta-
cao provem de origens diversas. 8io aguas das
chuvas, de ras, de fu tes, de minas ou n aseen tes,
etc.
As aguas de rio e de nascente sao geralmente
preferiveis s de chuva ede cisterna por causa das
proporcoes variaveis de materias mineraes e de
gazes (ar e acido carbnico) que conteem. A exis-
tencia de urna certa quantidade de saes na agua
(como o carbonato de calcio, chloreto de sodio
etc.), torna-a mais salubre.
Na constituicao cbimica da agua potavel entra o
ar atmospherico (conteni 32 por 100 de oxygenio
em lugar de 21), asido carbnico livre, saes solu-
veis de calcio, de sodio e de magnesio, algumae
vezea silics, alumina e oiydo de ferro, e finalmen-
te-urna certa quantidade de materias orgnicas.
Em seguida agua devemoa mencionar, entre
as maia asadas beoidaa, o vinho.
O vinho o sueco fermentado do sumo da uva.
E' um composto chimico complexo e variavel.
Em rigor a palavra vinho (conforme diz o Sr.
Lapa na sua Techonoloqia rural) gata a todo o
liquido asaucarado, que pode dizer : vinho de uvas,
vinho de peras, de macis etc.
No sentido .usual e commercial, por vinho en ten -
de-ae a o que teito de uvaa. \ com pos cao do
vinbo muito complexa. Daremos no lagar com-
petente urna tabella dos componentes df ste liquido.
Baste-nos por agora dizerTjeno vinbo entram :
agua, alcooes diversos, aldehydes, etheres, saes
vegetees e acidoa livres. etc.
Variam os vinhos segundo a proveniencia das
uvas e ajuantidade de alcool que lias conteem,
formndomete o seu principal distinctivo de impor-
tancia relativa.
Aa proporcea dos componentes do vinho variam
segundo a proveniencia, cultura, eiposicao das
viohaa, epocha da colhaite da uva, e segundo o
grao de fermenta;o, e portante segundo o proces-
to da fabricacSo.
E' o assucar, que existe na uva, que pela fer-
mentacao alcoolica (**) d ao vinho o seu alccol,
no qual se desdo ora, proiusindo tambsm acido
carbnico que se emvolve todo ou em parte.
Oa vinhos de Bordeus, Borgonha e Champagne,
teem de 8 a 25 / de alcool. Oa vinhos portugue-
ses, alguns, chegam a ter 25 '/ do alcool.
O vinho pode consideiar-se nm alimento, pois
quo contem, alm das materias corantes, materias
azotadas, materias gordaa e saes.' O tanoino pre-
domina nos vinbos tintos, que difireos ainda doa
brancoa pela materia corante e por terem menoa
quantidaie de materia azotada.
Oa vi ihos espumosos diftirem dos cutros pelo
acido carbnico que esoservam em si. E' a este
gas qne devido o estampido prodnsido no acto de
abrir ama garrafa de Champagne.
O uso moderado do vinho nao tem inconvenien-
tes, e at certo ponto pode huje diser-se ser um
alimento indispenaavel pira certos gneros de vida
e em certas localidades. Se o vinho (considerado
alimento) se nao pede em rigor olhar como alimen-
to plstico, nem orno respiratorio, um auxiliar
utilisaimo em certos casos pela excitacSo momen-
tnea que prodnz. Perm sao se devem exceder
certos limites neasa excitacSo ; e impossivel de-
terminar por meio de regras esse limite, variavel
segundo os individuos, segundo os hbitos, modo
de vida, etc. Nio poasivel dar urna regra fiza
mvariavel clara e precisa a este respeito.
(Continua).
() O figo nao ~um tracto, mas urna especie de
innoresCfucia, composta de muites fructos reuni-
dos. Veja-se pag. 67 da Botnica (vol IX da
Biohoiheca do Povo e das Escolas).
() Consulte o leit r a este, respeito o vol.
XXVII da biblktheca do Povo idas Escolas pag.
24 e s< guintei.
(***) Veja-ae o que a este respeito ficou dito no
tratadinbo de Chimica orgnica (vol. XXXIX da
Btbliothtca do Povo e das Escolas).

Agencia Ilavas, filial em Pernambuoo,
24 de Janeiro de 1887.
IHSTRUCCiO POPULAR


\

HYG11E DiJLllTAP
(Extrahido)
i l>A BTBLIOTHECA DO POTO E DAS ESCOLAS
lmenlo* e substancias alimenta-
res. Divlaaoeelaaalucaeo. Con-
peslra doa alimentos. Heglaaen
animal e rgimen vegetal. BegraaJ
wglcnlcas
(C o s t i n h a c & o)
Oa froctoi csrnoso e asiocarados, tees como
*s
?ARTE OFFICUl
l-overno da Provincia
F.XPKOIF..1TE DO DA 22 DI DMEMBZ0 DE 1886
Aetos :
O presidente da provincia resol ve, nos ter-
mos do artigo 2 do rcgulamento de 27 de Abril
de 1854, exonerar Augusto Octaviano de Souza
do cargo de thesoureiro das loteras ordiuarias da
provincia, noineando para subatituit-o a Jos Can
dido de Moraes, que s entrar em exercicio depois
de prestar flanea idnea e sujeitar approvaco
data presidencia novo plsno para as loteriat, de
accordo com a lei, regulamento e inatrucc,5es res-
pectivas.
Fica salvo ao tbesoureiro exonerado o direito
de fazer extrabii anda a lotera anunciada e
venda de cujoa bilbetes ji estejam impressos.
Kacam-so as precisas cominuuicaces.Commum-
cou-ae aoTbesouro Provincial e ao ex-thesoorei-
lo das loteras, ao Dr. ebefe de polica e ao no
aseado.
O presidente da provincia attendendo ao que
requereram as costureiras do Arsenal de Querr
egi pe ti cao de 13 do corrate, e tendo em vista a
anterior iufirmacao da Tbasouraria de Fasenda,
prestada em 19 de Novemoro p.oximo psssado,
tob n. 810, acerca do meamo assumpto, resol ve, de
accordo com a circular do ministerio dos negscios
da fazenda, de 13 de Setembro de 1862, a. 431,
abrir, tob sua respmaabiiidadc, um crdito da
importancia de 474*200 i verbaFardamento
do ministerio da guerrs, exercicio de 18851886,
para ter lugar o pagamento di misma auantia s
peticionarias pelas manufacturas concernantes
2* quizena do mes de junho deste anno.Bemet
teu-se capia a Tbesonraria de Fasc-da.
O presidente da provincia, -.e conformidade
com a propoaU do Dr. ebefa d- polica em offleto
n. 1,244, de hontem datado, resolve exonerar, a
pediao, Joo Ferreira de Mello Lyra do cargo de
subdelegado do districto de S. Jaetano da Rapo-
so, e nomear para substituil-o, o capitao Justino
Jos de Nogueira e Mello. ,
Officios :
Ao inspector da Thesourria de Fazenda.
Mande V. S. ajusfar cootes ao atieres do 2* bata-
Ihis de infantera Jos Soares de Mello, que se-
gu para a corte, onde vai assistir a formadlo da
culpa uo processo que lbe instaurado pelo crime
de falsidade.
Ao mesmo.De accordo com a informado
csi Thesouraris, de hontem datada, sob n. 865,
autoriso o director do Arsenal de Guerra, a man-
dar comprar adminstrate a-nente cinco livros em
branco, destinados escriptursco dos mappas
das tres seccoes do almoxarifado do dito Arsenal'
mediante a quantia de 20 'iOOO, segundo o ores-
mento organisadonaquella repart cao.
O que declaro a V. S. para seu conhecimento e
devidos fins.
Ao mesmo. Communicoa V. S. paraos fins
convenientes, que o bacharel Manoel de Mesquita
Wanderley Lina, assumio o exercicio do cargo de
juiz municipal e de orpbos do termo de Sari-
nhem, em 16 do corrente mcz.
A) mesmo.Communico a V. 8.paraos fins
convenientes, que o bacbarel Joaquim Manoel
Vieira de Mello reasaumio o exercicio de sea car
go em 17 do corrate.
Durante o seu impedimento toi substituido pelo
respectivo adjunto Tiburcio de Oliveira e Souza.
Ao inspector do Thes'suro Provincial. Ke-
metto a Vmo. os papis juntos, referentes ao prazo
requerido pela companhia da estrada de ferro do
Reeife ao Limoeiru para a prestado dos estudos
do prolongamento at Bom Jardim, e a despeaa do
imposto municipal, afim de que o Dr. procurador
fiscal desse Tbesouro emitta parecer, tendo em
vista o aviso, tambem junto, do Ministerio d'Agri-
cultura, Commercio e Obras Publicas, de 3 do cor-
rente, sob n. 19.
Ao director do Arsenal de Guerra.De con-
formidade com o que solicite o Exm. presidente da
provincia do Rio Grande do Norte, em offi.no de
25 de Novembro rindo, sob n. 14, autoriso Vmc. a
mandar coacertar eom brevidade, nease Arsenal,
10 sabres bayonetas do syatema Comblain, per-
tencentes a campanhia de infantera d'aqaella
provincia, oa quaes foram acondicionados em um
caixote, remettido em um dos vapores da Compa-
nhia Pernambucana ltimamente procedente dos
portes do norte.
Ao mesrao.Autoriso Vmc. conforme solicita
em officio n. 684, de 15 do corrente, a mandar
comprar administrativamente, pela quantia de...
2002000, constante do orcamento annexo ao cita-
do officio, cinco livros em branco destinados es-
cripturxcio dos mippas das tres seccoes do almo-
xarifado d'esse Arsenal, attenta a ingente neces-
sidade que ha de tees artigos, para cuja deepeza
existe crdito, segundo declara a Thesouraria de
Fazenda, em officio de hontem ditado, sob n. 868.
Ao inspector da hygiene publicaEm solu-
cao a materia do officio de Vmc, de 7 do corrente,
sob n. 31, transmuto copia da intormacSe presta-
da pelo fiaCj da companhia Recife Drainage, so-
bre as previdencias tomadas pela respectiva ge-
rencia quanto "analieaco da mesma^companhia,
com direccSo iiha do Nogueira.
Ao juia municipal e de orphaos do termo da
Bom Coaselho.Nao pode ser autoriaado por este
paMdenciafo pagamento da quan'.ia avultada de
800J, pela qual toi libertado nesse termo o escra
vo menor Fortunato, por conta da 7* qnota do
tundo de emancipacao, conforme a relacao em du-
plcate, que acompanhofl o officio de Vmc., de 13
do corrente.
Verificando-se de um dos autos de reclamacSo,
annexa ao dito officio, que o escravo Fortuaato e
son irmao Hyppolito, pertenceram ao espolio de
D. Mara Villela, de quem saj herdeiros Augusto
Martmiano Soares Villela e outros, e devendo ter
ido ellos avaliados em inventario, pode ser dis-
pensado o accordo ou arbitramento, na forma do
art. 37 do re8ulamento de 13 de Novembro de
1872; o que cumpre ser examinado por Vmc. A
nio dar-se esaa cireumstaucia, sao todava in-
aceiteveis os accordos feitos pelo collector geral,
muita vezes dispendiosos em prejuiso do fundo de
emancipaco e pro vulto dos intaressodos, tanto
mais quanto, viste do disposto no 7 do art.
3* da lei n. 3,270, de 28 de Setembro do anno pas-
aado, nao est em vigor a tabella do 3* de art.
1 desea meama lei.
Outrosim, informar Vmc. se foi entregos carta
de liberdade ao proprio Fortunato, como estebelece
o aviso circular do Ministerio da Agricultura,
Commercio e Obras Publicas, de 9 de Abril da
1881.
Portara :
A' Cmara Municipal de Afogados de loga-
zeira.De poose da informaco prestada pela Ca
mar Municipal de Afogados de lngazeira, em of-
ficio de 4 do corrente, declaro que deve a mesma
Cmara completar o padrao de pesos e medidas do
syatema decimal, que foi admittido em 1872, ve-
rificando onde se acham os que tiverem sido des-
tratados e providenciando a respeit > nos termos
de seu de ver e attribuic5es.
Do resultado deve esta presidencia ser iuteira
da brevemente.
A' Cmara Municipal de Gravat.Declaro
Cmara Municipal de Gravat, que nio podem
ser approvadas as arremateedes dos impostes con-
stantes do termo annexo ao seu officio de 30 de
Setembro ultimo, por nio terem sido ellas proce-
didas com a devida regularidade, porquanto, se-
gundo informacoes que colhi a respeito, tendo o
nico auppleate do juiza municipal de termo de
Gravat passado o exercicio de seu cargo em Maio
do corrente anno ao vereador mais votado, este e
os demais o foram por sua vez transmittindo aos
immediatos, at que ficou no ultimo vereador Se-
verioo de Barros Wanderley, que o tem conserva-
do, pelo que acbavain-se impedidos para o servic>
da Cmara todos oa vareadores, segundo a doutri
aa do aviso circular n. 592 de 11 de Desembro
de 1869 e decisoes deste presidencia constante de
officios jautus p>r copia de 2 e 6 de Setembro
ultimo dirigidos Cmara Municipal desta ca-
pital .
A' Cmara Municipal de Gamelfeira.Acon-
tando o recebimento do officio do 9 do corrente
mez, em que a Cmara Municipal de Gamelleira,
trazendo ao m ;u conbecioiento os tactos occorridos
em sesso de 4, relativos nullidaio das arrema-
tarles ltimamente procedidas nesse municipio,
pede approvf.cao dellas, declaro mvama Cmara
que foi irregular o seu acto, visto como sosente a
esia presidencia cabia resolver sobre o assumoto.
Entretanto, a vate das irregularidades que Uve-
ra in lugar par oceaaiio de en-m licitados os im-
posto, recommeado mesma Cmara que proceda
nova arrematarlo, que dever aer t'eita com a
devida publicidade, sendo oa impostes arremate-
dos cada um de per si, com a denomiuacio que
Ibes d a lei n. l88do crreme anuo, o que se
mencionar dos respectivos termos.
Oatro-sim, previno A Cmara, que se os arre
matantes nao twerea deposito de quantlas pecu-
niarias ou de ttulos de divida publica para ga-
ranta de seus dbitos, dever exigir que essa ga-
ranta s efCactue por meio de bypotbeca legal-
mente constituida pelos meamos arrematantes ou
aeus fiadores.
A' Cmara Municipal ds S. Jos do Egypto.
Determino a Cmara Municipal de S- Joa do
Egypto, que aspee* as devidas communicavoes e
di as pro vi den e i aa do eatylo, afim de que se pro-
ceda no da 25 de Fevereiro prximo vindoaro
eleigao de juize* de paz dos diatrictos de S- Jote
e S. Pedro, visto ter sido aonuliada pelo Tribu-
nal da Reluci do Recife, a que ltimamente te ve
lugar n'aquelles doot diatrictos, segando declarou-
nnoEi'ii. Sr. conaelh iro presidente d'aquelle
Tribunal em officio n. 2652 de 8 de Novembro
ultimo.
O Sr. agente da Companhia Brasileira faca
transportara provincia do Rio Grande do Norte,
por conta do Ministerio da Justioa, no vapor es-
perado dos portoa do sul, os soldado; Antonio Pe-
dro Alves e Belmiro Agostinho de Lima, os quaes
d'alli vieran escoltando at esta capital sentencia-
das eivis que aportaram aquella provincia.Com-
muaMpu-sa ao commandaote das armas.
4r> Sr. gerente da Companhia Pernambucana
miaaV conceder passagem de r, at Penedo, ao
Dr. Philadelpho Barroso da Silva, por conta das
gratuitas a que o govorno tem direito, no primei-
ro vapor que seguir para o sul
O Sr. gerente da Cbiapanbia Pernambucana
mande dar passagem de proa at o presidio de
Fernando de Noronha a Anua Jovta Ferreira mu
lab- do sentenciado militar Valerio Teixeira de
Aoreu, quo para all segu e a seus filbos Jose-
pba, de 14 annos, Lagos, de 4 anuos, Ernestino,
de 2 annos e Viriasimo, de 2 meses por conta das
gratuitas a que o governo tem direito.Jommu-
nieou,-se ao director do presidio.
-0 Sr. gerente da Companhia Pernambucana
manda transportar opportunamente com passa-
guos gratf|ba de r, at Penedo, a Mara Jos
Pereira AfW* professora publica do Varzea Re-
douda em Tacarat, a seu marido e a sua mii.
4 KXPIDIETE DO SECRETARIO
Offieias:
Ao commandante das armas. De or.iem do
Exm. Sr. presidenta da provincia, communico a
V. Exc, em resposte ao ssu officio de hontem da-
tado, sob n. 623, que ficam dadas as providencias
para o ajaste de contea e transporte corte, do
offic.al de que trata o citado officio e bem assim
do criado que o acompanba.
Ai inspector do Tbesoaro Provincial. -, O
Exm. Sf. presidente da provincia manda commn-
n\fir afv. S. que boje exarou o despacho seguinte
na petfeio do padre Francisco Verissimo Bandei-
rs, sobrs a qual esse Tbesouro intormou em offi-
cio de 3 do corrente, sob n. 295IndeferidoO
suppliuante recorreu ds deciaio da junta do Tbe-
soaro Provincial de 27 de Maio, e nao obteve pro-
vimente por despacho de Setembro.
Est pois julgada de ha muito a sua pretencao,
qne ainda em grao de revisio nio p le ser atten-
dida por ser expresas a dispesicio de lei n. 1320,
de 4 de Fevereiro de 1879, e arts. 85 e 86 do re-
gulamento de 2 de Julho do mesmo anno, que ter-
minantemente prohibe a accnmuUcao de aposen-
tadoria a emprego remunerado, ceaaando aquella
em quanto exercer o emprego ou coramiasao. dis-
posica > esta que tem sido applicada a todo3 que
se acbam em idnticas circunstancias, segundo
informa o Thesouro e nio sooente ao supplicante,
como allega em seu requerimento.
Ao meamo. S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que na peticio de
Jos Joaquim da Silva Barrete a que se retere a
sua informaco sob n. 312, de 15 do corrente, pro-
ferio o seguate despacnoIndeferido, podendo
entretanto ser removida a barreira para outro lu>
tr nos termos da informacSo do engenbeirs ehefe
Reparticio das Obras Publicas, de 15 do cor-
rente, sob n. 213.Communicou-ae ao engenheiro
cSvefu da Repartieo das' Obras Publicas.
. Ao commancantq da escola de aprendizes
marinbeiros. S. Exc O Sr. presflente da pro-
vn,cS manda declarar a V. S. que segando par-
tieipou o flaca1 da companhia Recife Drainage
em officio de hontem, foram executedos os concer-
tos precisos nos bacios dos apparelhos da escola
de aprendizes marinheiros requisitados por V. S.
a quem Deus guarde.
Ao Dr. juiz de direito da comarca de Be-
aerros. De ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia remetto a V. S., conforme solicitou em seu
officio de 16 do correte, um exemplar das lois
desta provincia publie idas este anno.
Ao Dr. juic de direito da comarca de Flo-
resta.- De ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia transmiti a V. S. em solucio do seu officio
de 29 de Novembro findo, copia do de n. 1235, de
17 do corrente mez, do Dr. chete de policii.
Ao Dr. juiz municipal do termo de Seri-
obem.S. Exc o Sr. presidente da provincia in-
teirado do assumpto do officio de 16 do corrente,
recommeodo a V. S que transmita a certidio do
seu exercicio.
EXPEDIENTE DO DA 23 DE DEZEHBBO D 1886
Officios :
Ao presidente da provincia de Matto Grosso.
Recebi e agradeco os doua exumplares impres-
sos do relatorio apreaentado por V- Exc. As-
aembla Legislativa d'essa provincia, que acom-
pao aram sen officio n. 79, de 6 de Novembro
findo.
Ao cemmandante das armas.Faca V. Exc.
substituir por outro oficial o alferes Antanio Va-
lerio dos. Santos Neves, no commando do desta-
camento existente na comarca de Tacarat.
Ao iuapaator da Thesouraria de Fasenda.
Mande V -8. ajuster coates ao major do 14 bate-
ihio de infamara os Francisco Ribeiro, que
segu para a provincia do Piauhy, onde vai ser-
vir no conaeiho de gnerra do major Genovez.
Ao meamos- Mande V. S. pagar ao alferea
quait'el meatre do 14a batelbio de infantera a
quantia de 3p"960 proveniente da despeza feta
com o enterramento do cadver do soldado do 2
batalhio da mesma arma Manoel Beserra de
Vasconcellos
Para os devidos fias, transmiti a essa inspec-
tora a conta em duplcate que o commaado das
armas apresentou-me com oficio do hontem, sob
u. 626.Communicoa-se ao commandante das ar-
mas.
Ao mesmo.Tbndo em vista a informscao
de V. S., de 18 do corrente, sob n. 861, autoriso-o
a mandar pagar a quautia de 3J1960 correspon-
dente a despeza feita com o enterrameoto do ca-
dver do anspecada do 2 batalhio de infantera
Jos Ignacio da AsaumposVo, do qual trata a conta
junta em duplcate.Communicou-se ao comman-
te daa armas.
Ao mesmo. -Sirva-se V. S. de mandar pa-
gar aos interesaados os valores dos eacravos cons-
tantas da relaco junte, libertado no termo de Be-
zerroc, por eouta la 7" quote do fundo de eman-
c paio, exceptuando o do nome Marcolino, acer-
ca de cuja idade (15 annos) neata data exijo do
respectivo jtiz de orphio a devida prova. Com-
municou-se aojoiz municipal. .
Ao inspector do Thesouro Provincial.De
contorinidade com a informacio de Vmc. de 7 do
corrente, sob n. 303 e nos termos do certificado
que devi-lvo passado pela reparticio das Obras
Puolicas em 11 de Novembro ultimo, autoriso-o a
mandar indemnisar a Antonio Hermino de Sena
arrematante da obra de reparos da ponte sobre o
rio S-rinhom no engenho Po-Sangue a quantia
de 85O450J dedusidoa os 10 / d* responsabilida-
de do estylo, importancia da primeira prestecio
da mesma obra, cuja d-speza corre pela consigna
oSo distribuida pelo g 30 do art. da lei n.
1,860 do orcamento vigente. Commuaicou-se a
reparticio das Obras Publicas.
Ao insoejtor geral da lastruccio Publica.
Autoriso Vmc. a justificar asfaltas de exercicio
escolar do protessor Manoel Carlos Vital, alludi-
das em seu effioio a que respondo n. 385 de hon-
tem datado.
Ajengoubeiio fiscal da estrada do ferro do
Recife ao Limoeiro.Para cumplimento do avino
de Ministerio da Agricultura, Commercio e Obras
o. 216, de 14 do corrate, erva-ae Vine, de in-
formar sobre o requerimento junto em que a com-
panhia Nortu Brasilian Sugar Faetones Limited
pede que a directora deesa estrada* de ferro seja
aatoiisada a construir desvos para transporte doa
canoa dos eogenhos Massiape e Camossim pela fa-
brica central de S. Lourenco da Matta.
A' junta classificadora de eacravoa do muni-
cipio de Bezerros.Declaro a Vmc. para os fins
convenientes, que por occasiao da futura applica-
cio do fondo de emancipaco nesse municipio de-
ver ser classificada em 1 le r para ser liber-
tad i a escrava menor Leonor, nlha de Gamillo, al-
lomado por conta da 7* quota, se permanecer el-
la nesse municipio em estado de solteira nos ter-
mos do aviso circular do Ministerio da Agricultu-
ra, Commercio c Obras Publicas de 19 de Janeiro
de 1883.
Porteras:
O Sr. agente da Companhia Brasiieira, faca
transportar a provincia do Maranhio, por conta
do Ministerio da Guerrs, no prximo vapor espe-
rado do sul o major do 14* Oatalhio de infantera
Jos Francisco Ribeiro, que vai servir no conse-
ibo de guerra do major Gomes, na provincia do
Piauhy, e bem assim um creado de nome Joaquim
que acompaoha o dito major Francisco Ribeiro.
Communicoa-se ao commandante daa armas.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana,
mande transportar gratuitamente a r at Macei
quando para isso se apresentar a Jos Brasiliano
Cavalcante de Albuquerque.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Officio:
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda
O Exm. Sr. presidente da provincia manda trans-
mittir a V. S. a inclua ordem do Ministerio da
Guerra datada de 13 do corrente mez, sobre car-
ga ao saldado desertor do 2* batalhio de infante-
ra Joio Angellino de Oliveirs Cabral, da quantia
de 224950.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA EM ADDITA-
MENTO AO DA 21 DE JANEIRO DE 18t7
Capitio Manoel Thomaz de Villa-Nova.Como
requer.
22
Antonio Flix do Monte.Imforme o Sr. Dr.
chefe de polica.
Bacharel Alfredo Seraphico de Assis Carvalbo.
Concedo, com os vencimentos a que ti ver di-
reito.
Arsenio Alfonso Pereira Borges.Concedo.
Fieldem Brothers, o mesmo e o mesmo.Remet-
tido ao Sr. inspector do Thsouro Provincial para
mandar pagar, de accordo com suas informacoes
na. 375, 377 e 379 de 18,18 e 19 do corrente.
Joa Francisco Corris.Deferido com officio
de hoje ao brigadeiro commandante das armas.
Jos Francisco de Mello.Indeferido.
Joio.Informe circumBtenciadamente, com ur-
gencia o Sr. juiz municipal e de orpbos do termo
de S. Bento.
Manoel Leonardo da Costa.Informe o Sr. Dr.
chefe de polica.
Capitio Manoel Tbomas de Villa-Nova.In-
forme o Sr. director da Colonia Isabel.
Mana do Livramento da Silva.Sim, mediante
recibo.
Mara Auta de Jess Campello.Remettido
junte medica provincial, a quem a supplicante se
aprsentela para ser inspeccionada.
Silveira & CNeste data dirijo-me ao inspec-
tor do Thesouro Provincial a respeito do que re-
quer atsjpplicante.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, em 24 de Janeiro 1887.
O porteiro,
Francdino Chacn.
Repartico da Polica
Secso 2.' N. 61.Secretaria da Po
licia de Pernambuco, 24 de Janeiro de
1837. -Illm. e Exm. Sr.Participo a
V. Esc. qne foram recolhidos Casa de
Detengo os seguintes individuos :
No dia 22:
A' ordem do subdelegado do Recife, Wm Hko,
John Dorley, A requisicio do cnsul inglez.
A' ordem do de Santo Antoni Aguida Mara
da Conceicio, Florencio Jos dos Santos, Joio
Francisco dos Santos, Joio Francisco de Lima, e
Mara Joaquina da Conceicao, por disturbios.
No dia 23:
A' mioha ordem, Jos Roberto da Silva Boi, por
est soffrendo de suas faculdades mentaes.
A' ordem do subdelegado do Recife, Jos Mara,
Carhino Ferreira dos Santos, Rosendo Theodoro
de Lima, Manoel da Paixio, Vicente Ferreira de
Lima, Manosl Marinho de Azevedo, Jos Nones da
Silva, Luiz de Franca do Valle, Pedro Baptista,
Joaquim Manoel Cardozo, Marcolino Joa Antonio,
como vapabnndos, e Mara Belmira, por offenaa8
moral publica.
A' ordem do do 1. districto de S. Joa, Libera-
to Francisco Corris de Araujo, Sabioo Raymun-
do das Cbagas, por-disturbios, e Luis, escravo de
Manoel Martina de .moriui, requisicio do seu
senhor.
A' ordem do do 1. districto de Afogados, Ma-
noel Vicente Ferreira, Manoel do Nascimento Oli-
veira, e Joaquim Jos do Moote, por disturbios e
embriaguez.
A' ordem do do 2. districto do Poco, Sebasbao
Antonio do Reg Barrete, mioha disp isicio.
Pelo subdelegado Carcuipe,pertenenteao termo
de Agua Preta, com officio da boje, foram remetti-
doa a eate reparticio 9 facas de ponte tomadas a
individuos desordeiros naqaelle districto.
Deu guarde a V. ExcIllm. o Exm.
Sr- Dr Pedro Vicente de Azevedo, muito
digno presidente da provincia. O dele-
gado encarregado do expediente, Salustia-
no Jos de Oliveira.
Thesenro Provincial
despachos do dia 24 de janeiro
de 1887
Hermelinda Brasilina Canuto de Lima. Infor-
me a seccio do Contencioso.
Genesio Geroncio Peixoto de Albuquerque. -
Facam se as notas da portara da licenca.
Contes da Colonia Isabel e do collector de hal-
gueiro.-Hsja vista o Sr. Dr. procurador fiscal.
Silva & C, Mana Felismina Tavares de Aqu
no, Urbano Joa Carneiro, Joa Paulo Botelho,
,ntonio Domingas Lyra 4 C, sdminiatrador da
Casa de Detencio, Aotono Fernandea Xavier de
Lima, Graciliano Octavio da Cruz Martina e Ca
millo Lins do Amaral Arago. Informe o Sr.
contador. _
Joio Antonio de Mello, Gertrudes Mana do Es-
pirito Santo o Manoel Germano de Azevedo.-Ao
Contencioso para attender.
Francisco "Deodato Lina. Registre-se e facam-
se os assentemeutos.
Consulado Provincial
INTERIOR
DESPACHOS DO DIA 24 DE JANEIRO DE 1887
Antonio da Silva Fontea Goimaries.V 1"
aeceo para attender
Browus afc C. Em face do art. 108 do Reg. de
4 de Julho de 1879 us supplicantes nao podem ser
attendidoa psB"ate repartico.
Joio Gints da Coaw, Jos Francisco Mamede
de AlmaiJa.T~Inforuie al anecio.
Franjase > Joaquim Ribeiro, L-onidas Tito Lou-
reiro. L* eredto para es devidos fina.
Jjj# R. Ra Coste.Deferido de accordo
I informayCei.
Imposto territorial
(Jornal dos Economistas)
E' ainda ama queatao a resolver-se no Brasil, o
aproveitamento da grande extencio dos terrenos
baldos.
Mais de urna vez nos temos manifestado contra
este especie de monopolio territorial, e vai ser
um dos noasos principaes objeetivos a propaganda
em favor do imposto terrtoi ial, medida sem du-
vida urgente e necessaria, para obrigar a cultora
do solo e o aproveitamento de muitas forcas espar-
cas, que por ahi vagueiam por nio terem um palmo
de trra na immensa extencio, que existe nominal-
mente possuida.
' to importante o assumpto de que nos temos
de oceupar que, antes de desenvolval-o como me-
rece, vamos publicar primeiro o importante pro-
jecto do Ilustrado negociante d'eate praca o Sr.
Gustavo Trioks.
A leitura deste trabalho muito orientar a dia -
cusaio, que vamos produsir, e sem davida apro-
veitar aos que se dedicam a tio serios estados. ,-
Esboco para a lei do imposto territorial
Que tem por alvo:
O augmento das rendas do Estado ;
A abolicio dos direitos de exportecio sobre pre-*
ductos nacionaes ;
A franqueacio das trras possnidas, mas nao;
cultivadas, colonisacio nacional ou estran-
gera.
Ponto de partida
As trras representam um capitel em que tem
interesas igual cada habitante e que est confiado
administradlo do governo imperial.
C governo imperial conceder a cada preten-
dente de trras a rea que esse requerer, mediante
urna retribuido que redundar em beneficio com-
mum.
Esta retribuicio ter o titulo de Imposto terri-
torial e ser subdividida em :
Imposto territorial geral.
o provincial.
a municipal.
Imposto territorial geral
O governo imperial mandar dividir todas a3
trras poesuidas, asaim como as trras devclntas
que franqueiar immigracio ou ao cultivo, em
quadrados iguaes de 10,000 bectares, ou de 10 ki-
lmetros de cada lado, cada um
Os engenheiros encarregados desta divisio for-
necerio oa dados neceasarios para com clles se
construir um cadaslro geral, abrangendo todo o
Imperio.
O imposto geral ser basesdo sobre o mnimo do
valor official das trras devolutas de 1/2 real por
Oreen quadrada.
Este valor de 1/2 real por braca quadrada, frac-
cSes desprezadas, corresponde a 0,i res' por metro
quadrado ou a
10:000000 por quadrado de 10 hectrea.
Calculando que o governo ter de des-
pender outros
10:000*000 com a medicio e cadastreaclo dos
terrenos, obtem-se a somma de
20:0001000, como valor nominal de cada quadrado
de 10,000 hectrea de terreno medido e cadastrado
( quivalente a 2*000 por nctares) de que o gor i
verno imperial levantar, sob o titulo de impostl
territorial geral, os juros razio de 6 "/o por anno,
do capitel ou 1:200400.) por quadrado de 10 nc-
tares, en 120 ris por bectare ou 10,000 metros
quadrados.
O rendimento proveniente deste imposto, dsduc-
cio teite das despesas, ser applicado de prefe-
rencia reduccao dos direitos geraes de exporte-
cio de productos nacionaes.
Imposto territorial provincial v
Compete aos govemos provineiaes a arrecada-
cio do imposto territorial provincial, que consiste:
V Nos juros razio de 6 / Pr nno do "t*'
tal despendido com a subdivisio, demarcacao e
cadastreacAo das trras j i ossuidas, bem como
das terraa que forem franqueadas aos inmigran-
tes ou colonos escolha dos respectivos preten-
dentea.
2 N'uma certa porcentagem annnal sobre o
custo primitivo daa estradaa de ferro a que ceta-
rio sujeitas todas as trras dentro de nm circulo
de 10 kilmetros de raio, quo tenha por centro orna
estacio de estrada de ferro.
Tomada por centro as estacea das estradas de
ferro pagario da mencionada |iorcentagen :
40 /, as trras no circulo de 2 kilmetros de
raio.
25 */ idem dem de 2 at 5 dem.
20 /. idem idem de 5 at 8 iaem.
V) % idem idem de 8 at 10 idem.
Os lucros auferidos deste imposto serio sppli-
cados ao desenvolvimento das vias frreas e A re-
duccio das tarifas de tretes de productos, da lav-
voura.
Imposto territorial municipal
Ser cobrado razio de 6 / Pr Aaa0 sobre;:
1 O capital despendido com a demnreacio e
cadastrescio de loteB urbanos e suburbanos.
2 O custo primitivo das estradas dtrodagem
que cortam os terrenos dos respectivos municipios
e a este imposto sujeitos todos os terrenos situa-
dos deotro de dous kilmetros, medidos rectngu-
lamente, de cada lado de todas as estradas de ro-
dagem, e cada terreno pagar tantas veses o im-
posto quantas elle pertencer zona de qnalquer
estrada. ...
O rendimento do imposto municipal ser appli-
cado conservasio das estradas, as bemfeitorias
publicas e s escolas primsrias.
Diaposicoes geraes
O imposto territorial estende-se sobre todos os
terrenos, cuja posse pretendida tanto por pes-
soas particulares como por corpoiaces, ou pela
toifia ou peasoai pertencentes familia impe-
rial.
Far-se ha urna excepcio dos impostes geraes
para as corporacea qne queiram adquirir maior
rea de terreno com fias colonisadores. Estas cor-
poraces pagario o impoato integral s medida
que aa terraa for. m distribuidas, oceupada e cul-
tivadas por colonos, o terio a preferencia na ac-
quisisao futura de maia terrenos, logo qne entr m
uo seu plano de colonisacio, pagando urna tb vea
o imposto sobre trras reservadas.
Neste periodo, porm, desde a acquiaicio provi-
soria e reservada at a acquisicio definitiva, me-
diante o pagamento do imposto integral, ser pro
bihido, tanto s carporacoes como aos particulares,
a derrubada nesses terrenos pelo corte de mattas
ou mad/iras, e mais actos, que possam prejudtear
o valor das trras.
Nos campos, oade i preponderante a industria
pastoril extensiva, os terrenos dedicados a esta
cultura, aando cercados por vallas ou cercas de
madeiras ou de rame, pagario a metede do im-
poste territorial geral, sendo, porm, sojeitas aos
impo8tos provineiaes e municipaes os demais ter-
renos. _
Os terrenos com ou sem suas bemfeitorias serio
traBsfenveia cerno qualquer outra propnedade e o
respecvo imposto de transmiSBio actualmente cm
vigor, em ves de aer cobrado no acto da trans-
miaso, ser addicionado ao eapttal de eoja renda
se constitue o imposto territorial.
No (aso de abandono de um terreno, que se pa-
tntela pela ceasacio do pagamento dos imposioa
territoriaes, as bemfeitorias nelre existentes sewto
Ifquidadas a bem dos respectivos municipios.
us govemos proviooiaes ficaram aotoriaaoos a
coneeder reduccao ou mesmo iseocio do imposto
proviucial sobre trras de qualidade,inferior, p*ra.
assim evitar que taes torras perm*n*cam oesoeou-
padas.
' ^
.-

,
.-,- .

1


T
m --
-
i

,"
f
A

9 --
mJ
-
L

X
4 RHTHM0 V


'"S^*~
;....;
H^BBBH i '~fi-iZ
Diario de PernambncoTersa--feira 25 de Janeiro de 1887
Jt




^



xr

' 2
i


Piscicultura
(Jornal dos Economistas)
Por decreto.de 24 de Desembro ultimo, conce-
den o governo imperial privilegio por 15 aonoi ao
Sr. Manad de Lima Cmara para oa tanques de
ravenco do Sr. Domingos Coelbo da Silva, desti-
nados a conservado do peixe vivo.
A piscicultura ama industria que entre nos
anda nao est devidamente explorada e as vai ta-
geus que d'ella resultam si mcontestaveis a cer
*. .
Como mercadoria de consumo, o peixe tem pro-
priedadea nutritivas uteis economa humana,
pelas substancias azotadas e principios alcalinos,
que conten ; por iaee, a exploracio da nova in-
dustria tornase de urna vantagein incontestavel.
pjr vir trazer ao mercado o abastecimeuto de um
genero inliepensavtl e necessario alimentario
publica.
O* concessionario vio principiar a faser appli
eaclo da sua industria em navios, sob a forma de
chalupas, para a pesca de- barra-fra. Tirado o
peixo do mar logo lineado no tanque, onde con-
serva-s vivo, e d'abi sabe para immediatamenfe
ser entregue ao consumo.
A conveniencia d'esto systama palpavel, e
senao vejamos o que diz u Ilustrado Sr. Pedro
Soa'es Caldeira, no aeu atilissimo tiabalba0
eirte do mangue, a reapeito do peixe entregue ao
consumo depois de morto loogas hars :
Cumpre mi e&quecer teu ambiente, entra em agonta pela profunda per-
turbacio das euaa naturaee coodices de existen-
cia ; os eaforcos que omprega e ae traduzem em
nrovimentos convulsivos, deven) alterar-lbe pro-
ludamente a sanidade, a qual nao pod.r ser
iudiff-rente soffrimeuto to prolongado, qual a
vida fra d'aquellaa ccndicoe?. Este soffnuiento
ou longa agona podem b.-m ser comparados aos
que traria ao h ;mem demorada asphyxia por aub-
merso. Organismos delicados, qual o do peixe,
nao podem deixar de resentir-se muito de seme-
ihaute martyrio; nSc deve ser sSo o peixe que
vive loogas horas fra d'agua. Inclino at erer
que o peixe cuja vida for extiucta, logo dopois de
retirado da agua, se conservar pcrfeito e sa-
boroso por maior espieo de temso, porque ento a
inorte provir de subit mea cessaco das tuncc5es
vilaes, nao da grada! e pen sa exbaustaco d'estas
onecoes, superexetadas pelo supremo esforco de
aaergia com quo todo o ser, na esphera dos seus
ineios de accio, Uta pila vida. Nio sei se este
tao natural phencmeno ter sido notado as suas
re lacees con a alimeutscSo humana; pequea ou
grande, porm, alguma influencia deve ter na asti-
macb dos uoa .s alimentos mariuhoa a pbase
em que houver cessado a vida dos seres que nol-os
fornecem.
Alm do fazer cessar o inconveniente apontado
pelo Sr. Caldeira. o proeesso dos tanques nos pe-
der fornecer ainda um genero de exportaco eeta
o peixe vivo, como fazem e Bheno, o Danubio e a
Suissa, que expirtam para a Franca repovoar as
saas aguas e melborar as especies de peixe.
Se nao bartasse isto em favor da nova industm,
iramos buscar os argumentos as ostreiras da In-
glaterra, que eflerscem provas bastantes em favor
da acclimaco do peixe.
Opportunamente voltarensos para dsmonstrar as
vanttgeos da piscicultura, pelo systema dos con
eesaiooarios do privilegio de 24 de Desembro.
KhviSTA DIARIi
Tribunal do Jury I Beclfe.Procc-
deu-se hontem no paco da cmara municipal os
aorteios dos 48 juizes de facto seguintes afim de
servirem na 1' eesso do jury couvocada para o
da 21 do mez de Fevereiro prximo :
S Frei Pedro Goncalvts
Jos Francisco Cardoso Ayres.
R mo J( s de Fontes Ferraz.
Jos Augusto Goncalves Penna Jnior.
Antonio Marques de Amoritn Jnior.
Santo Antonio
Manoel de Arujo Lima.
Luiz Vernet.
Joo Vieira 1) .mellas Cmara.
Demetrio Aff-onso de Barr-s Temporal.
Lua Pereira de Faras.
Manoel Ca-tano de Albuquerque Mello.
Augusto GuoCarves da Silva.
Panlic Francisco lie Barros.
S. Jcs
Jos Placido Lucas Bion.
J avnelo Aureliano da Cunha Cezar.
Joaquim Gomes de S4 Leito.
Boa Vista
Manoel Bruno dos Santos Aimeida.
Claudio Ildebourcq Carneiro L?al.
Jos Gomes Leal.
Antonio Luiz Teixeira Elias.
Joao Vict- r Alves Matheus.
Dr. Jos Francisco de Ges Cavalcante,
Manoel Alfonso de Aquino Albuquerque.
oronymo Jos Ferreira.
quim Jos de Azevedo Santos.
iebastiSo Jos Bezerra Cavalcante.
Joao Jos de Oarvalbo Morses.
Jos Goncalves de Medeiros.
Jos Pesar Paes Barrete
Dr. J s Joaquim Seabra.
Jos Iriueu da Silva Antunes.
Jos Tbomaz do Amaral Mello.
Jos de Castro Rabello.
Jos Monteiro de Castro Amaral.
Grafa
Pedro Pedroao Velloso da Silveira.
Hcliodoro C. de Oiiveira Coragem.
Dr. Bento Jos da Oosta.
Manoel Joaquim de Miranda Seve.
Manoel Jos de Amorim.
Jos Francisco Goncalves Ourem.
Afogados
Il-lefonso Vieira da Cunha.
Luiz Pereira de Miranda Fufado.
Bento Manael de Castro Mello.
Jos Francisco de S Leit&o.
Poc
Joo Augusto da Fonseea.
Jos Adolpho de Oiiveira Ltma.
Vanea
Sebastil i Cavalcante do Albuquerque Lins. i
Antonio Uoh. Caineiro Leao.
8. Lourenco da Matta
Jos ferraz Daltro.
liitnia de tiro.Ante hontera,pelas 4 horsa
da manhi depois do toque do alvorada seguio a \
eompanbia de cavallaria, com o Exm. Sr. General t
Commaadante ds Armas em passeio militar para j
Beberibe.
A's 0 horas chegaram ao pvoado, dirigindo-se
depois para o local escolhido para ettabelecimeuto
de nma linha de tiro.
Acamparan] no sitio do Sr. caprtao Luciano de
Mello, e as pracas por turmas, sob a direcoao do
Sr. capit) de engenheiros Dr. Taumaturgo de Ase-
vedo, continuaran os trabalhos da linha, que ficou
eoncluido as 2 horas da tarde, tendo-se aberto SO
metros de picada.
A linha mede 400 metros de extensao, sendo a
maior que se podo obter njs arrebaldes desta ca-
pital.
Ha postes numerados de 50 em 50 metras, sen
do os intervallof de 10 em 10 metros tambera mar-
cados com postes menores.
A's 4 horas da tarde a companhia de cavalla-
ria eomecou o exercicio dirigido pelo r. capitSo
Joo Ju9tiniimo da R,cha, e sob a inspeccio do
8r. General Commaadante das Armas.
O resultado foi satisfatorio, attenta a cireum-
stanria de atirirem os soldad s pela primeira vez
com bala.
Collocado o alvo que representa um soldado de
infantaria a 150 metros, foi o alcance com ae da-
vinas a spencer de 25 por eento.
A companhia da esjada de ferro de 01 inda e
Beberibe poz um wagn disposicb para trans-
porte de materiaes e rancho das pracas e forrageus,
e os Srs. mijor Antunes e capito Luciano de Mello
fbram solcitos em obsequiaren o Exm. Sr. general
Clarindo e seus officiaes. Ambos esses cidadaos
muito auxiliaram os trabalhos da linha, que fiecu
em condicoes de funceionar sem despesa alguma
para o Estado.
Alguna trabalhos de pequeos a trros que res-
tan! fazer e que nao impedcm o funeconamento
da linha, sero feitos pelas turmas que d'ora em
diante forem para os exercicioa.
Patacho Gaararape*Ser lancado ao
mar h j>% s 4 horas da tarde, o patacho d'estc
nome, construido nos estaleiros do nosso Arsenal
de Marioha por ordem expedida no aviso n. 781 de
30 de Maio de 1884, firmado pelo Exm. Sr. ministro
da M irinha de ento, conselheiro Antonio de Ai-
meida e Oiiveira.
Este navio, que destinad j para os exercicios
da companhia de appredizes marnbeiros do Ma-
ranbao, tem de emprmenlo, entre perpendicula-
res, 23 metros, de bocea extrema 6,15, de pontal
29, atado seu calado medio 2,3d.
O risco de sua liada construccio foi dado pelo
babilissimo iatelligeat* eapito-tenente Joto
Candido Brasil, primeiro constructor naval do Ar-
senal de Marinha da corte.
Todo teito do madeiras do paii e de accordo
com as regras da arte, rigorosamente observadas,
o novo patacho fas honra aos intelligentes e ai-
siduos operarios do noaso Arsenal e especialmente
ao nosso comprovinciano, mestre da officioa de
eonstrucco naval o habilissimo constructor Fran-
cisco Gomes de Figueiredo, e aos Srs. Thosoaz
Alves Vieira' e Aatonie Rufino de Barros, este
mestre da oficina de carapina e aquello mandador
da menas cfBeina, oa quaes nSo pouparam eafer-
V*e no seotilo de apresentarem um trabalho'per-
feito e capas de rivalisar com os que, no messao
genero, se encontram na velha Europa.
E' de justica que se ponha em relevo o mereci-
mento do Sr. Figueiredo, um artista to modesto
quao distincto e que muito honra claase, a que
perteoce.
O patacho Guararapet devia ter sido laucado
ao mar em Outubro do anno prximo pasaado, fo
ram, porm, tantas as difficuldadeJ e impecilhos
que surgiram durante a sua cooslruccao, quedad-
mente hoje, gracas attitude enrgica e dedica-
cao provada do digno inspector do Arsenal, fui
possivel pdr termo a um trabalbo que ameacava
prolungar-se ainda por al^uns meses,
No intuito de tornar solemne o acto, a qie nos
referimos, o honrado inspector ebefe de diviaao o
Sr. Jos Manoel Picaneo da Costa, dirigi cinvi-
tes s principaes autoridades da provincia e va-
rias peaaoas gradas da noaea sociedade, franquean-
do alm d'isso, s 3 horas da tarde, ao publico
para o mestno fin, a entrada no Arsenal.
8;ndo bem poucas entre nos aa festas do trabi-
Iho, de esperar que o puWieo d'esta capital aon-
"co'ra ao Arsenal de Marioba, hojf, corresponden
doassim ao con vito que Ihe feto pelo Ilustre e
honrado inspector.
Col ledo de S. los Abiiram se hontem
as aulas d'este vxcellentc collegio de educacSo de
meninas.
Para as externns e raeio pensionistas abrir-se-
haoas aulas no da l" de Fevereiro prximo.
Imperial Wociedade dos Artistas
Mecbanlco e Liberaes Ante bonteai
prcedeu-sa eleicao da directora d'esta socieda-
de para o corrente auno, sendo eleitoa :
Director, Manoel Goncalves Agr, reeleito.
1* adjunto, Manoel dos Santos Villac.", re
eleito.
2* dito, Jos Castor de Ar injo Soasa.
1 secretario, Paterniano Cecilio da Fouseca
Barroso.
2 dito, Maaoel Ignacio de Torres Baudeira Fi
Iho.
Thesouieiro, Guilberma Spie er, reeleito.
Orador, Francisco Augusto Pereira da Costa,
reeleito.
Procuradores, Joaquim Roberto Guitauraes e
Manoel Genuino Alves Sactiago, teeleitos.
Conselbeiros, Belchior Miguel dos Santos, Joilo
Nepomuceuo Ferrcira da Costa, Iunoceneio Paz
Meudouca, Manoel Jos de Souza, Joaquim Lopes
Teixeira, Candido Jos de Ges Telles.
Commisoio de exame de c ntas, Flix Venancio
de Cautalice, Jeronymo Telles Jnior, Jcaquim
Fr n':isco Collares.
Engenbo central de BarcellosO
Sr. coaimendador Theodoro Chriatianne receDeu o
seguinte telegramma do engenho central de Bar-
cello, catado da :
S. Joao da Barra 20 de Janeirs de 1887.
Resultado da difluso plenamente satisfacto-
rio. Sigo Fevereiro.Assignado, Nitielt.
t i-iitrO Uc|iubIicai:o Reunido antc-
hontem, o Centro Republicauo, procedeu a eleicao
da cemmissao executiva,que tem d dirigir os seus
trabalhos durante seis PresidenteDr. Isidoro Martins Jnior, (re-
eleito).
SecretarioDr Argemiro Aicha.
ThezoureiroO ph irmareutico Martiniano Ve-
ras.
ConselheirosDrs. Albino Meira de Vasconcellos
e Fracisco Pinto Peasoa.
Foram todos impossados de seus cargos.
Precisa ser proaidonelado Comnu-
nicaram-nos o seguinte :
Nabarreira de Afugados, onde cobrador um
pobre bomem j velho, casado e de comportameato
insuspeito, tem sido elle por varias vezes insultado
pst estes vagabundos que a falta 4a oecupac*;
gastam o tempo em brincos selvagens.
Um destes das, um Laurentino de tal e Joa-
quim, por alcuoha Doceiro, amrecaram-no de Ihe
dar bordoada e a uo ter ello procedida com pru-
dencia, talvez dsse isso lugar a algum desagui-
sado.
A quem competir, pois, recommendamos os
referid s hroes.
Jornal dos Economistas -No dia 15
Jtste c ucee.nu a poblicar se na corte 0 2" ann.i da
revista -quiuzonul sob o titulo cima, sendo seus
redactores os Srs. Drs-, Manoel Faliaberto ia Silva
Figurir e Joaquim Jos de Sequeira.
O Jor-iai do* Economistas vem cumpnr urna
missao toda patritica diz seu programma os
aacumptos que eonstituem sua especialidade sero
tratados com o mximo uteresse, e para isso ba a
b"i vontade de nossa sincera dedicacao.
Promover a iniciativa particular em bem dos
dive.sos ramos da industria, da immigraco e co-
lonisaco; estudar a organisaco de todas as asso-
ciav'.s econmicas, de crdito e beneficiara ;
discutir e estudar todos os assamptos de economa
poltica, cm suas mltiplas dependencias e appli-
ca(e.i; a organisacaj da proprledade e do traba-
lbo livre, estatistica, e todas as dcmais economas,
qua se prendam aos iuteresses da poltica finan-
eira e internacional ; taca sao os diversos pontos
ue eonstituem o nosso progrmalo na impreosa.
A poltica financeia ser descutida sob o ver-
dadeiro ponto de vista scieutifico; ninguem notar
no Jornal dos Economistas o inais leve indicio de
paixo partidaria ou opposico systematica; estu-
daremosia administrayo publica de accordo como
systema econmico, qui- adoptamos.
< Discpulos da escola de Frederco Bastiat,
acceitamos como doutrna tdos os seus principios
compendiadas as Harmonas Econmicas, & ultima
palavra do grande mestre sobre a suenca que o
immortalisou !
Es, em synth-'se, as nossas ideas.
O summari do 1' numero o seguinte :
I -O reapparecimento: Programma.
Protecco aduaneira.
Imposto territorial.
as
car-
IVPiscicultura.
VMovimento da minigracao em 1836.
.VIUm servico real.
VIIO primeiro trllhi fabricado na Italia
officnus de Terni.
VIIIO qae pode prsduzir urna tonelada de
vo do pedra.
IXRevista commercial.
X Indicador ecoaomico.
XI -n nuncios
Desejamos-lhe longa e prospera existencia.
t'nlo MedicaRecebemos os fascculos
11 e 12 aeste Archivo Iuternacional de Sciencias
Medicas, publicado na certe pelo Sr. Dr. Vieira
de Mello director.
is o summari do de n. 11:
Trabalhos isenditosDa tubrculos ocn'ar, pelo
Sr. Dr. J. C. Bettencjurt.
Archivo clinicoObaervacao de um caso de gan-
grenas dos artelbos em um docnto de diabe-
te saccharino, pelo Sr. D. T. Lopes de Aimeida
Boletim bbliograohicoEstud.s cliniques sur les
maUdiTs*Ws femmes, par e Dr. Ueari Schafier.
Colaborado ettraugeiraDe la rsorcine das le
traiteuient des fivies eruptivos; par M. le Dr.
J. Andeer.
Therapeutica e formular.Tratamento da va-
rila pela medicado etbero-epiacea. Trata-
mento da tuberculose pulmonar pelos cly.te-
res de medicamentos gaz izos Giyeoroleo
contra as queimaduras.Tritamento do psr-
riatis sypbilinco palmad pelos baobos locaes de
sublimado.Tratamento abortivo da syphilis.
Tubereulose da pella o das mucosas.Trata-
ment de coryza agulo.A papaioa na dy pe-
sia das creancas.Trantamento do prurido vul
var.Pomada e supp;sitorios RoyerElixir
chlorhydo-pepscj Gr^y.
SupplemeotoEspecialidades medicas e pharma-
ceuticas.
Eis o summari do de n. 12 :
Trabalhos inditosDa tuberculose ocular, pelo
Sr. Dr. J. C. de Bitteocort,
Archivo clnicoTratamento de cholera morbus
pelo acido tannico em en'eroclyse, pelo Sr. Dr.
Anuido Cantani. Diagonitico diferencial
entre o sarcoma e o carcinoma do seio, pelo Sr.
Dr. Tillaux.
Colaboraco estrangeira-Sur un nouvea traitement
de la mrite chroniqoe et particulier de l'endo-
lrrite par la galvanocaustique chimiqaa iatra-
utrine, parM. le Dr. G. ApatolL
Corresdonpeocia scieatificaCarta Pafis, pelo
Dr. Cb. Eloy.
Boletim Bibliographico.
Therapeutica e formularioTratamento da blen-
norrhagia virulenta pelas injecc5es antispticas.
Tratamento da leucorrha e dos corrimentos
vagiuaes ftidos.Tratamento de conjunctivite.
^Tratamento das syphiiis pelas injecces sub-
cutneas de calomelanos. Cathetersmo na"mu-
Iber p--r meio de urna pena de pato.Da estry-
cbnina como preventivo das hemorrbagias.
BoletimO Dr. Simoesda'Fonseca.P disgetivo
de Royer, Dispepa.
Supplemeoto Especialidades medicas e pharma-
ceuticas. 4Kstttl
caos la AuroraChamamos a atteuclo
da Cmara Musicipal para a quantidado de tijolos
que pasaam das e das indeterminados, empilbados
no des 4a Aurora, occapanio o em quas: toda a
extesria e obstruindo o passeio do referido caes.
Dmu, no pequeo es paco que fica para e lado
do rio, o lugar escolhido pelos vagabundos, para
a prsasta de indecencias e desrespeitos morali-
dade publica.
Paquetes naclonaes do sal e da
norte -O Espirito Santo sahio hontem da Bahia
para os portos do norte e o Cear da Parabyba
para os do sul.
Este deve aqu chegar boje pela manb.
IstfeelroO vapor Giqui chegado do Fer-
nando trouxe para:
Antonio da S. Campos 1 .SlOf 500
Jos Joaquim Alves 700*V'00
Res & Santos 1:198*000
I ni sen loo real. L:mos no Jornal dos
Economistas da corte de 15 do corrente :
Com todo o pr.nzer vamos traduzir para as
nossas columnas o lisoogeiro artigo, que a respei
to do Brasil publicuu. a Revista da Union Ibero-
Americana de Madrid, ao receber a noticia da
fundaco nesta corte da seccao d'aquelia impor-
tante sociedade, cuj is fina sao de iiteressts eco
nomicos, selentifieos e literarios para os psizes
da Pennsula o da America latina.
Es o que piblicou a conceituada revista ma-
drilea em seu numero de Desembro ultimo
O Imperio do Brasil.Devemos ooufeasar
que, ec sempre tivemos f quo Portugal e Brasil
uos ajudariam s*:m o menor recio e n nossa ale-
vantada empreza, por nao se parecer cjeo oatros
projectos fantsticos ou presumido-, nein ter com
elles a mais leve semelbanca de tendencias, sen-
do, pelo contrario, urna aspiraco completatoeute
original e nuica, que partido das respectivas
organisafes sociaes e respeitando o estado pol-
tico de cada paiz, te dirige exelusivament; ao
implantameuto dos bons tratad .3 do commercio e
aoestadi de tudo quanto possa preparar o caminbo
da inteligenc.a no vasto e piciuo cainpi dos iu-
teresses econmicos e litterrios ; comtudo, nao
acreditavam-s quo to proinpto houvessem de
ticar os resultados da nossa propaganda n?
Brazil.
Honra ao fl Mundo que com sua sensatez e tuu ir .ticas ge-
nunamente americanas, tem sabido e sabe con-
duzir os destinos de to vasto territorio, a -tesar de
acbar se cm contacto com outros Estados de di-
versa forma de governo o at, diga-se aiuds, ro-
dead) de irmos de o.'.tra uca 1
Sua attitude para c m a Union Ibero Atneri
caita mais nma confirmaco do grande seuti-
uun'.n poltico que anima u Brazil, e uins nova
piova de que com totas as formas de governo so
pode dar reden solta communuo da sentiuien-
tos, que concorrem para unir o laco mais forte da
familia ; familia ibeio-americana, a mesina no
Velho e no Novo Mundo ; familia legendaria, cu-
jos feitos, verificados na epecha de Homero, de-
ram Hssumpto para urna nova e mais alta epo^ta,
qual a legada pelos bures de Troya, de Peopo
ueso n tantas outras facanbas da idade antiga.
A imprensa do Rio de Janeiro, que caussu
o.ii admiraco pelas suas condices ntellec-
tuaes e materiaes, responde dignamente attitu-
de do imperio. O Paiz, Jornal do Commercio,
Gateta de Noticias, O Rio de Janeiro, e outros
igaos, foram iuterpretes dos sentimeutos da
nacao.
IItmenlo da immigraco em
1 880O Jornal dos Economistas publicou a se
guinte interessante noticia :
Kutraram Segairam pa-
ra as provin-
cias
7622
631
bal Hal e outros ; o ptimo entro todos o easi-
nado pelo Pacini, de Floreces.
Directora dao obras de conserva
cao dos portosBoletim meteorolgico do
di* 23 de Janeiro de 1887:
Horas Barmetro a 0o T.BSo do vapor S i -a 9 til
6 m. 264 7599i 19.20 74
9 29'2 76155 20.7 66
12 313 761*47 20.21 59
8 t. 3 -9 760>23 21.33 67
6 284 7 .0-1174 20.55 72
Janeiro a Junbo
Julho
Agosto
Setembro
Outubro
Nov.mbro
Daaembi-o
11.373
1.102
, 1.563
- 1.381;
. 2:119 'M
\l-748 ,
il.784
21.
m
W62
Vfi3
.082
H78
1.491
701
30.313
8.902
11
6.030
599
426
Total
Passaram em transito
Para Santi s
Para S. Francisco
Da Europa para o Rio da Prata
Do Ro da Prata para a Europa
Para diversos destinos
Retiruram-se do Imperio :
Para a Europa
Para o Rio da Prata
Para diversos destinos
Esto cotnrirehendidos as entradas e sahidas os
immigrantes, que estiveram na liba Grande.
Addicionando-se aos 21.135 entrados os 2.192t
quo passarum em transito para Santos e S. Fran-
cisco, o total elevou-se a 2J.327 inmigrantes, e
deduzindo os 7.055, que rebrarara-se do Iuj
o augmento da populaco, por effeito da im
cao, foi apenas de 16.272 almas, dando, emr
mo, o reguintc resultado a immigracSo em 1
Entrados no imperio 23.32
Sabidos do imperio 7.''65
Augmento da populaco por immi-
grantes 16.272
Embora seja este resultaio o que se conhece s
do movimento pelo porto do Rio de Janeiro, foroo-
so eonfessir que ainda nao corresponde s nos-
sas necessidades econmicas e est muitc a quem
do que deveriamos ter como p:iz de immigraco.
A noasa prosperidade futura resultar da pro-
dcelo, e esta nao apparecer sem os productoras.
Anjssa ap'egoada riqueza est tao embryo de
urna extensao territorial immensa e deserta oSe -
recendo vida a milbares de .habitantes, que se
traiisp Ttam com o que ha de mais ajintoa fami-
lia, e na nova patria procrala implantar ese
amor, que nasce com um futuro de espersnflhs e
se traduz na justa ambicao do bem estar, qu 6 o
verdadeiro estimulo para o trabalho.
Moccorros aos afosrados Quando um
bomem est para afogar-se, quem o v e sabe na
dar instinctivamente se langa nagua, e por mais
hbil nadador qu; seja, pode tambera afogar-se,
se no sen arremesso nao desenvolver muita arte
O atogado agarra-se ferozmente ao primeiro ob-
jecto que encentra, n estando fra de si, arrasta
ao abysmo tambera o salvador.
Para fugir a este perigo o vulgo ensina diver-
sas ridicularias, por exemplo, estas :
D-'ve-se agarrar o af .gado como re puder.
Nao agarris jamis um afogado, que se debate,
porque morrerei. Deixai que elle venba a cahir
cm ayocope.
Antes de agarral-o, da-lhe um murro bem for-
te na cabeca para at irdoal-o.
Tres sao as manobras que difierentes autores de
medicina ensinam que se devem empregar para
salvar o atogado, as quaes pir d"peoderem de fi-
guras, afim de serem melhor explicadas, deixamos
de descrever.
Posta era torra o afogado, attendei bem para
que nao so commetta o erro de suspendel-o pelos
ps ou dobral-o sobre urna tina para que vomite
a a Retirai o da multidao curios, distendei c sobre
a rclva, sobre a areia, sobre ama mesa, e raelhor
ainda, se o podis, n'um leito bem queote.
Despi-o o mais breve que fr possivel das rou-
pas eusopadas, cortando-as com tesouras ou com
faca.
Reparai bem que nao se deve dar nunca clys-
teis de fumo.
Enxugai bem e envolvei-o n'uma coberta e col-
locai-o sobro um dos fl incos afim de que posea f-
cilmente vomitar.
Expande os olhos delle a urna luz intensa.
Tirai rpidamente as mucosidades que obstruem
a bocea e as narinas, abrindo se fr preciso, a
bocea com o cabo de urna colher ou cousa sema-
Ihante e manteudo-a aberta com urna rolha de cor-
tica posta entre os dentea.
Fazei-lhe frieces em todo o corpo com urna es-
cova ou um pedaco de la aquecida ou com as duas
m s nas e seccas.
Aquecei-lhe as mcmBros com tijolos envolvidos
em pannos.
Nos casos de semi-atphyxia, estes meios-sim-
ples e facis conseguem sempre a faser enea-
miahar as funcedes respiratorias ; mas, quando o
caso mais grave e a inorte apparente contina,
eonvm faser a respiraedo artificial, e entre os
Tesaperatura mximal",8.
Dka aiuima26,2.
Evaporaco em 24 horas ao sol: 7">,5-: som-
bra : 4,0.
Chuvaaulla.
Direccao do vento : E de meia noite s 7 horas
e 15 minutos da manh; (com interrupeo de 3
horas de calmara); ESE at 10 horas e 30 minu
tos da tarde; SE at meia noite.
Velocidade media do vento : S">,23 por segundo.
Nebulosidade media: 0,39.
Proclamas de casamentoForam li-
dos na matriz da Boa-Vista no dia 23 do corrente
os seguintes :
Manoel Alves de Oiiveira com Joaquina Me-
deiros da Costa.
Antonio Damio da Silva com Delphina Ale-
xandrina da Conceicao. *
Antonio Francisco Xtvier Nunes com Francis-
ca Mara da Conceicao.
Jos Cecilio Caraeiro Monteiro, viavo, com Leo-
poldina de Barros Correia.
Jos Agripino da Cunha com Anna Gomes da
Silva. f
Antonio Francisco Caraeiro com Capitalina.
L,filff-HEttcctuar-ae-ho:
oje :
Pelo agente Silveira, s 11 horas, ra do Pires
n. 20, de movis.
Peu agente Gusmao, s 11 horas, ra do Mr-
quez do Oliuda n. 19, de movis, loueas, vidroj,
miudezas, etc.
Pe/o agente Brito, s 10 1,2 horas, na ras, de
Pedro Aa oso c. 43, de miudezas o movis
A man ha :
P/o oyente Modesto Baptitta, s 11 horas, na
ra da [,u;>.T.itnz u. 14, de movis.
Qaiuta-teira :
Velo agente Pestaa, as 11 horas, no largo de
Ap;pucos n. 50, da t tberna ah sita.
Peto agente A l/redo Gianaraes, ao meio da,
ra da A'uizade, de movis.
Mlssas fnebres.Serao celebradas 1
Amanh :
A's 8 horas, na capcila do Asylo de Mendicida-
de, pir alma de Manoel Jos dos Santos ; s 7 si2
horas, etn S.Pedro do Rcite, por alma do Dr.
Jernoymo Btodeira de M-jl! >; as 8 boras, na or-
dem tereira do Carmo, por almi do Dr. Manoel
Antonio da Silva R03 ; :s 7 h)ras, em S. Jos,
por ulmi de Gonoalo Jos da Gami ; i 8 horas,
no Corpo Stiro, por alma de Manoel Jos dos
Santos ; s 6 horas, na igreja de Nossa Senhora
io Rosario d; Oliuda, por alma de Antonio Fran-
cisco de Barros Leite ; s 8 horas, na igreja de
Santo Antonio, pc'a alma do Dr. Mendo do S
Barre 11 Sampaio.
Opcracdes cirurKlcasFuram pratiua-
das no hospital Pedro II, no da 23 de Janeiro, as
seguintes :
Pelo Dr. Malaquias;
Amputaco da perna dreita pelo methudo cir-
cular reclamada por esmogumento da perna.
Dia 24 <
Pelo Dr. Pontual :
Posthotomia pelo proeesso de Ricord, reclama-
da por phimosis congenita.
Casa de toetenco Movimento dos pre-
sos do da 23 de Janeiro :
Exiatiatn presos 339, entraram 20, sahirara 4,
Existera 355.
A saber :
Nacionaes 824, mulheres 9, estrangeiros 12, ee-
iravjs sentenciados 5, processado 1, ditos de cor
reccao 4Total 355.
Arracoados 308, sendo: bons 291, docntes 17.
-yTo:al3.08.
''>!a>K3mStkinr't: '*
|>Ote>laLista d"-numeros pretiiado na
llsijie da 24 parte das loteras cm favor dos
ngc^is da Colonia Isabel, extrahida no dia 24
Os bi Ihe tes acham-se venda na Roda da For-
tuna roa Larga do Rosario n. 36.
Tambem acham-se venda na Casa Feliz,
prjea da Independencia ns 37 e 39.
atadouro l'ubtlcoForam abatidas nc
Matadouro da Cabanga 81 rezes para o consume
do dia 24 de Janeiro-
Sendo : 60 rezes pertencentsa Oiiveira Castro,
Se C, e 21 a diversos.
Das 60 rezes pertencentes aos 8rs. Oiiveira Cas-
tro & C,. 1 foi para a caldeira.
No mesmo estabelecimento foram tambem
abatidas para o consumo do da 25 do corrente 88
rezes.
Sendo : 65 pertencentes a Olivei a Castro & C-,
e 23 diversos.
Mercado Municipal de M. JosO
movimento deste Mercado sos das 28 e 24 do cor-
rente foi o seguinte:
Entraram :
75 bois pesando 13,060 kilos.
309 kilos de peixe a 20 ris 6189
70 cargas de farioha a 200 ris 14*000
21 ditas de fructaa diversas a 300 rs. 6*300
7 taboleiros a 200 ris lpAftO
33 Sumos a 200 ris 7*600
Foram oceupados :
45 columnas a 600 ris 27< 00
42 compartimentos de, faruha a
500 ris. 21*0(10
35 ditos de comida a 500 ris 17*500
136 ditos do legumes a 400 ris 54*400
32 ditos de suioo a 100 ris 22*4 >0
22 ditos de treesuraa a 600 ris 13*200
20 talaos a 2* 40*00
14 dios a 1* 14*900
A Oiiveira Castro &C:
108\alhs a 1>) res 108*000
4 talhoa a 50U res 2*000
Oeve ter sido arrecadada neste dia
a quantia de
Rendimento de 1 a 22 do Janeiro
354*980
4:145*960
4:500*940
ingofWts
do correnta
19.162
11.668
29.7:
240:0TI&b00
40:000*000
20:000*000
10:000*000
5:000*000
foi arrecadado lquido at hoje
Preooa do dia :
Carne verde .120 a 480 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris dem.
Sainos de 560 a 610 ris idem.
Varuiba do 24') a 320 >-is a cuia.
M.lho de 2J a 320 ris id-m.
Feijo de 560 a l*i.00 dem.
Ccmlterlo Pultlico Obtuano do da 22
de Janeiro:
Mara das Dores, Pernambnco, 8 das, Boa-
Vista ; fraquesa congenita.
Julia Laura Souto, Pernambuco, 21 annes, sol-
teira, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Ignacio Joaquim da Coito Guiuares, Pernam-
buco, 28 auaos, casado, Santo Antonio ; meuen
gte.
Alexandre Paulino, Pernambuco, 25 anuos, sol -
teiro, Boa-Vi>ta; cmigesto cerebral.
Mara da Couccicao, Peruainbuco, 60 anuos,
go'teira, Boa-Vista ; cachexia.
Lydia Coletuda Coneeie", Pernambuco, 13
annos, Baa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Francisco Marques, Bahia, 25 anuos, casado,
Boa-Vista ; queimaduras.
Mara, Ueruambuco, 8 dias, Boa-Vista ; f.-aque-
za congnita.
23 -
Juventina M, 11 le-: de Carvalho C'Sta, Pernam-
buco, 39 anuos, casada, S. Jos ; ulcera cance-
rosa.
Jos, Pernambuco, 10 ntezes, Boa-Vista ; ente-
rite.
Januaria Mara da C necie".", Pernambuco, 50
annos, sultera, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
Jos Valentim da Silva, Rio Grande do Norte,
24 annos, s;lt ir. 1, Boa-Vista; pneumona.
Jo'i Rtdrigaes Baptista, Pernambueo, 50 an-
nos, solteiro, Rj:.-Vista ; gastro enterite.
Manoel Patricio do Sacramento, Pernambuco,
68 annos, solteiro, Boa-Vista ; gastro enterite.
Vicente, Pernambuco, 40 anuos, solteiro, Boa-
Vista ; paralysia^
Antonio Martins Eugenio, Pernambuco, 40 an-
uos, casado, Boa-Vista ; tuberculose laryngea.
Cypriano Jo do Patrocinio, Pernambuco, 50
annos, viovo, Boa-Vista; hemorrbagia cerebral.
Antonio Augusto Dantas. Pernambuco, 20 an-
nos, casado, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
INDICARES OTIS
PREMIOS di 2:000*000
4,915 8.73J 12,447 22,410 22,680
23,984 29,998 31,843 32,193
pbbmios de 1:000*000
3.427 3,057 6.462
11,192 18,075 20,098
28,669 28,930
34,028 34,799
37,981 39,544
3,036
11,150
25,866
32,585-
27,60D
32,729
37,916
N. mais alto 39544
N. mais baixo 3036
.. aPFBOXWACOES
19.161 T
19.163 ,
11.667 A.
41.669
37.719
37.721 a
3.174
3.176
19.088
19.090
7,979
23,794
29,836
37.426
1:000*000
1:000*000
4:000*000
4:000*000
3:000*000,
tantos methodot aconselhados por Sylvestre, Man- < ro.
2:000*00'J
l:000*t(X)
1:000*000
850*000
850*000
Os ns. de 19,101 a 19,200 esto premiados com
400*. aftcpto o da sorte grande.
Os ns. le 11,601 a 11,700 esto premiados com
200*, excepto o da sorte de 40 contos.
Os ns. de 37,701 a 37,800 estao premiados com
100*, excepto o da sorte de 20 contos.
Todoas as centenas, terminadas em 62, estao pre-
miadas com 100*, inclusive a da sorte grande.
Todos os ns. terminados em 2 e 8 esto premia-
dos com 24*-
liOterla do Grao-Para A 7* parte les-
ta lotera ser extrahida terca feir, 25 do Ja-
neiro.
Bilhetcs venda na Casa do Ouro, ra do Ba-
ro da Victoria n. 40
Tambem acham-se venda na Casa da Fortu-
na ra 1 de Marco n. 23.
liramle extraordinaria lotera das
Alagoas Esta grande lotera, cuja premio
grande 2,000:000*'/00, ser extrahida imprete-
rivelmente no dia 12 de Fevereiro prximo.
Os bilbetes acham-se venda na praea da In-
dedendencia ns. 37 e 39-
IiOterla de Mlnas-GeraesA 4' parte
da 1* lotera desta provincia, cujo premio grande
600:000*000, sar extrahida no dia 3 do Fe-
vereiro, impreterivelmente.
Os bilbeies acham-se venda na Roda da For-
tuna, ra Larga do Rosario n. 36.
Grande lotera da provinciaA 12
serie desta lotera cm beneficio dos ingenuos da
Colonia Isabel, cujo premio grande 240:000*000,
ser extrahida no dia .. de Janeiro, s 4 horas
da tarde. "**
Os bilbetes acham-se venda na Reda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 86.
Lotera de Macelo de 300:000*000
Al* partea da 15 loteis, cujo premio
grande de 390:000*, pelo ndVo plano, ser ex-
trahida impreterivelmente no da 25 do corrente
uo meio dia.
Bilhetes venda na Casa Folia da praca da In
dependencia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda Roda da Fortuna
na r ja Larga do Rosario n. 36e na Casa da For
tuna roa 1 de Marco n. 23.
Precos resumidos.
Lotera da rrteA '* parte da 202* to-
rera da corte, cujo premio grande de 100:000*
ser extrahida no dia 29 de Janeiro.
Os bilhetes ach.m-ae venda na Casa da For-
tuna rus Primeiro de Marco n. 23.
Tambem sebam-se venda na praca, da Inde-
pendencia na. 37 e 89.
Lotera do RioA 3> parte da lotera
,1 366, do nevo plano, do premio do 100:000*000,
era extrahida no da .. de Janeiro.
'Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda ua praca da nae-
pendencia ns. 87 e 39.
Lotera do CearA 5* parte da 3* lote-
ra desta provincia, cujo premio grande ........
4 0:000*000 ser extrahida no dia 26 de Janei-
Medicos
O Dr. Lobo Moscoso, de vojta de sua
viagem ao Rio de Janeiro, cohntia ne
ozercicio de sua proBssao. Coasltuas das
10 s 12 horas da manha. Especialdndes
peracoi's, parto e molestias do s-uhoras e
e
meninos. Ra da Gloria n. 39.
Dr. Barreta Sampaio d consultas
de
mcio-dia s 3 horas no 1. andar da casa
a ra 10 Bario da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 34, en-
cada pela ra da Saudade n. 25.
O Dr. Castro Jess tem o seu consul-
torio medico, ra do Bom-Jesus n. 23,
sobrado.
Dr. Gama Lobo medico- operador e par-
teiro, residencia raa do Hospicio n. 20.
Consultorio : ra Larga do Rosario n. 24 A.
2 000*000 Consultas das 11 horas da manha s 2 da
arde. Especialidade : molestias e opera-
res dos orgaos genito-urinarios do homem
eda mulher.
Dr. Joaquim Loureiro medico e parteiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, l.-
andar, de 12 s 2 da tarde ; residencia no
Monteiro.
Irrogarla
Francisco Manoel da Silva & C. depo-
stanos de todas as especialidades pharmh
oeuticas, tintas, drogas, productos chimico
_, medicamentos homoeopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Drogara
Faria Sobrinho & C., droguistas por at-
tacado, ra do Mrquez de Olinda n. 41
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e oficina de carapina
do Francisco dos Santos Macedo, cae
de Capibaribe n. 23. N'este grande esta
belecimento, o primeiro da provincia neste
genero, corapra-se e ende se madeiras
de todas as qualidades, serra-se madeiras
de conta alheia, assim como se preparara
obras de carapina por machinas e por pre-
go sem competencia Pernambuco.
11 KLlUlOtS A HUIDO
A' viajante
Hontem tive a ventura de estar prximo a
ti... e aspirar febricitante o tea balito perfumo-
so. &Ia8, no teu semblante, delicado o bello ob-
servei eelere tristeza Softres ?...
Kecife, 24 de Janeiro de.1887.
O e.icontro a bonds.


Da maneira como se deve vivrr
4
E' por certo urna cousa mu fcil para urna pea-
soa embutir se quasi mortalmente com remedios
purgativos compodt >s de minen.es acres e veneno-
sos : porm igualmente se acha ao seu alcance o
poder restabelecer a sade e forcas laucando mo
do nica cathsrtic o capaz de restaurar as inter-
rumpidas funeces do apparelbo digestivo eecre-
co e cxpulso, a um estado perfeito de sade, sem
que durante a sua operaco curativa dsbihte o
systema. as Pilulas Assucaradas de Bristol,'en-
cuntrar-se-ha este grande resultado, o qual tem
sido por tempo iramemuriavel debalde procurado e
desejado. Ellas sao de urna inestimavel aceitaco
para os dygpepticus, os que soffrem de pnso de
veutr os biliosos, es rbeumaticos, os hydrcpicos,
os extenuados de foroas, n'uma palavra sao o*e
summa efficacia paraos que soffrem molestias pro-
cedentes do estotnigo, do ngado ou dos intestinos,
sendo um meio prompto e seguro para o alcanas
de um immediato aliivio.
Em todos os casos de molestias ebronicas (como
sejain rh -umatismo, affeccoes do figado, bydrope-
sia e nevralgia) ou quando a enfermidade apr-
sente um aspecto ulceroso, nesse caso a Salsapar-
rilha de Brjstol, como um poderoso meio deNenri.
queccr e purificar o sangue, pode ser tomada com
summa vantagenS-.conjunctamente com as pillas.
Ellas se acham aciwjdicioiadag dentro de vidri-
nhos e por isso a sua coaservaco duradora em
todos os climas. -^
Acha-se venda em todas akboticas e lojas do
perfumaras. \
Agentes em Pernambuco, Henrr Foster & C
rna do Commercio n. 9.
Frrquentemente os convalescentes ficam anmi-
cos, expostos a recahidas perigosas ou a corttrahr
novas molestias. Para evitar semelhantes perigos
necessario que estes deentes tomem mesa, duas
vez s por dia, o xarope ou o vinho de lacto-phos-
phato dtcale Duaart. Os mdicos reconheceram
desdo moito tempo que o phospalo de cal, que se
eocontn as preparaces de usart, de mistura
com os principios tnicos e aromticos nm vinho
generoso, ou um delicioso xarope, o medicamento
mais efficax para dar a todos os seres vvob a ener-
ga e a torca de seco necesarias em todas as cir-
cunstancias da vida.
. MIMO Dril
Continua a funceionar este estabelecimento de
educacSo, sito rua do Progresao 11. 1 (Soledede).
O servico das aulas acha-3e distribuido d) se-
guinte modo :
Portugus e arithmeticaO director.
Francez e latim -O viee-director.
GeometraDr. Bernardo Lins.
InglezDr. Julio da Mello.
Qeographia o historiaDr. Ayres Gama.
RbetvricaO vice-directar.
PhilosophiaDr, J. J. Martins Jnior.
Algebra e sciencias naturaesDr. Ayres Gama.
A censoru est a cargo dos Srs. Dr. Bernardo
Jos da Gama Lins e acadmico Tranquilino G.
de Mello Leito.
A aula infantil eot a corgo das Exmas. Sras.,
DD. Maria do Patrocinio U :h* Porto Carreiro
Mara Oliudina Pires Forrera, auxiliadas-pel
rs. director, vict-director, censores c acadmico
Leopoldo Pires Ferretra.
Par as demais informaco s deve-se procurar
no instituto o director
N. B. Tanta as aulas du Instituto como na*
da aula infantil, os professorca fazem repetices
afim de evitar completamente o easiao mituo, e
os alumnos nao se oijeuparem em leccionar os seus
companheiros.
O director,
Luiz da Costa Ferrcira Porto Carreiro.
Programma
DA TRADICCIONAL FESTA DE NOSSA SENHO-
RA DA SAODE DO PO0 DA PAXELLA
A actual mesa regedora aa irmandade de Nos-
sa Seuliura da Saud-, trudo conseguido cal ear
os m-lharumentos indippensaveis quo ret anta va o
templo, tats como a eollocsco dos bancosapro
priado!, u-j co po da igreja, a abertura de duas
poitas lateraes e o gradeimento de ferro com tres
portoes em frente do pateo, eom itluminaco a
gaz ; e completo asseio que se verifica em todos
os compartimentos da igreja, resolveu celebrar a
festividade da Excelsa ijenbora da Saude pelo
modo seguinte :
No dia 23 do corrente, pelas 8 horas da ffianba,'
ter lugar a benco da bandeira offerecida pela
actual juiza, a Exma. Sra. D. Claudiua Guma-
res, e na tarde deate mesmo dia i 6 1|2 horas,
far a entrega solemne, depois do que ser bas-
teada com o acompanbamento das Eitou. Sras.
que se dignarem comparecer ao som da banda
militar do 14 batalbao de infantera.
Em seguida ser queimado um elegante fogo de
vista, de bengala e bales, iazendo sobresahir em
tudo isto a nova lluminaC/o a gaz, na frente da
igreja.
No seguinte dia torio coureco as novenas, en-
toando tanticos as Exmas. Sras. que mu obse-
quiosamente se prt-staram ao convite da commis-
so da festa ; e ainda para maior realce e solem-
nidade de taes actos, resolveu a commisso desig-
nar pelos diversos povoadas da freguezia 8 dii
de novena, exceptuado para si a primeira
las, devimdo em todas tocar a alludida trusici do
141' bata'hao queirear-se o fogo destinado para
esse fim.
DISTBIBDI9AO DAS NOITES AOS HAB1TAXTES DAS LOCA-
LIDADES KKPHCSENTADA8 PELA COMMIS3AO OMEA-
LA.
2" noito -Jaqaeirae Pamameirim
Dr. Manoel de Burros Barreto, Luiz Manoel
Rodrigues Valcnca, Dr. Joo Vicente Meira de
Vasconcellos e Adriano Kocba.
3. noiteSant'Anna e Chacn
E. Fentc-n, Hyppolite Martins Gomes, Manoel
Antonio Vieira.
4." noite.Casa Forte
Dr. Julio Furtado de tendones, Dr. S Antu-
nes, Manoel Ferreira aa Costa.
6 noite.Caldereiro
Dr. Jos Bernardo F ho, Manoel Licio Mar-
ques, Joo Luiz dos Santos.
6. noite.Monteiro
Dr. Manoel Martins Fiuza, Francisco de Paula
e Silva, major Jos Bonifacio dos Santos Mers-u-
Iho.
7. noite.Arrayal
Hermenegildo de Oiiveira Baduero, Domiugos
Gomes Correia, espito Manoel Jos de Basto
Mello, capito Deodato Goncalves Torres, major
Manoel Gomes de S.
8.* noite.Apipucos
Commendador Manoel da Silva Maia, liicardo,
Ganar/, capito Leopoldino Cesar C. de Moraes, I
Dr. Luiz Ignacio de Aimeida Jardim.
9. noite.Poco da Panella
Dr. Jos Marianno Carneiro da Cunha, Fran-
cisco Henrique Charles, Augusto de Miranda IJen-
riques, tenecte Isidoro Theodulo de Mattos Fer-
reira.
Os distinctos cavalheiros, de que se compdem
as commieaoes, podem desde j promover tudo
aqnillo que cstiver ao seu alcance em favor da
noite que Ibes destinada, certos de que ser mais
um valioso auxilio prestado a Padroeira da fre-
guezia do Poco da Panella.
No dia 2 de Fevereiro celebrar-se-ba a festa
com a solemnidade costumadi e ser publicada a
parte do programma que Ihe diz respeto.
Existe estampada a effigie da Senhora da Sade
para ser distribuida aos romeiros qne a desSJarem,
mediante um bolo qualquer psra dita fer.ta.
Consistorio da irmandade de Nossa Senhora da
Sade cm 20 de Janeiro de 1887.O escrivao in-
terino, Btrges. m
N. l.E' maravilhosa a rapidez com que
os tsicos, os anmicos, os escrofulosos, os de-
bis e os que padecem do peito e da garv
ganta restabelecem-se depois de terem tor^*
ruado a Emulsao de Scott.
Collegio Diocesano ,
Faco sber aoa pas de familia e a quem possa
intere8sar que no da 3 de Fevereiro prximo,
ieabrm-se as aulas deste grande estabeleci-
mento de instrueco.
Nelle ensinara-ee todos os preparatorios exigi-
dos as academias do imperio; e, por conseguin-
te, aceitam-se alumuos, nao s para a carreira ec-
clesiastica, como para qualquer carreira scientifi-
ca das ixistentes no paiz.
A penso de cada alumno de 35000, fra o
avado e engommado de roupa; sendo dous ir
mos, pagaro na raso de 30*000 ; sendo tres,
um delles pagar 11 #600, sendo quatro, um 'ser
gratis. \
As peosoes devem ser pagas em prc3iac5e*s
adiantadMS.
Para admiss dos internos preciso a certido
de baptiemo, que prove ser o alumno menor de 14
annos, eo certificado de vaccins.
O Collegio Diocesano funeciona em Olinda, no
mesmo edificio do Seminario Episcopal; mas-em
seccoes separadas.
O.iuda, 22 de Janeiro de 1887.
Conego, Marcolino P. do Amaral,
Eeitor.
\
i.
u
.


1

f "
''


Advogado
O Dr. Clodoaldo Lopes raudou seu f b-
nete de advogacia para o predio n. 4,
ra Estreita do Rosario, e tem ana resi-
dencia no predio n. 40, ra da Palma.
J.
-.:-.


Mkfl
HHBi &
iK'
tT~ "T-TTTi t\m~~
Diario de PeniambacoTerfa-cira 25 de Janeiro de 1887
&
Emulso de Lanman
Kemp

'I
A Eur<"flsao de oleo do figado de baea-
lho coicos hipophoaphitos de cal, aoda e
potaaW, preparada pelo acreditada casa
de Idtnman d Kemp da Ncva York, a
mel'jor, a mais perfeita, e a mais efficaz e
agradavel que ai agora se tem eflorecido
ao publico.
' urn regenerador poderoso das consti-
tuijSes debis a um remedio certo para
todas as affecc^oes do peito, da garganta e
dos pulmoes.
Use se t a ErauUao de Lanman &
Kemp nio coafundindo-a cora as outras.
Vendase em todas as drogaras e pbar-
raacias.
COLLEUIU
de S. Luiz Gonzaga
Com este ltalo fandei no da 15 de Noveoabro,
na ra do Hosdico n. 55 um estabelecimento des-
tinado instruccao primaria e secundaria de me-
ninos.
Abalancar-se a emprezas dessa ordem em poca,
como a que atravessamoa, incontestavelrnente
grande ousadia e temerldade. Antevi perfeita-
mente as difficuldades com que havia de latar, oc
mil obstculos que se me autoluarian no caminho,
mas, apeaar de prever tudo isso, nao me toi possi-
vel resistir ao desejo de contribuir com o roen pe-
queo contingente para a grande obra do lcvauta-
mento da instruccao.
Ensinam-se no collegio as eeguintes materias :
letora, calligraphia, portuguez, francs, inglez,
italiano, latirn, geographia, historia, arilhmetica,
geometra, algebra, philosopbia, rhetorica, msica
vocal, piaoo, flauta, reboca gimnstica, decenho
e eonversacao das lioguas: francesa, gleza c
tahona.
A casa em que se a cha o collegio nlo pode ser
mais adaptada para esse fim : satisfaz cabalmente
a tidas as exigencias de estabelecimentos deesa
orden.
Como resido com miuha familia estou em con-
dicoes de receber meninos de mais tenra idade, aos
quaes uil> faltaro de certo cuidados a solicitudes.
Confiado na boa vontade des Sr. pais de fa-
milia para elles appello esperando que me coadju-
varo na ardua e difficil tarefa da educaco de
seus filos.
Reabrir-se-ho as aulaa a 7 de Janeiro vindouro
Recife, 19 de Dezrabro de 1886.
Padre Manad Lobato Carnciro da Cunha.
Escola particular
de inslrucfo primaria para o
sexo masculino
CASA DE ENSINO MODERNO
36Kua Velha36
O abaizo asignado, participa ao Ilustrado pu-
blico desta ciliada, que abri so* Escola parti-
cular de instruccao primaria para o sexo masculi-
no, ra Velha n. 36, (Boa- Vista) onde esme-
radamente ee dedica ao enaino de seas alumnos,
Educa e instrue a infancia pelo melhor systema
dos principaes collegios da corte do imperio, onde
por algum tempo demorco-se a passeio, cujo sys-
tema a delicadeza, a vocaco, a paciencia
intima para o enaino, faz nio com que oa seus dis-
cpulos sigam o caminho da inteiligencia, da honra
e da dignidade com santos conselhos e sis lices,
afim de que venham a ser o futuro sustentculo
da patria, da religfJo e da le, e um verdadeiro
cidado braaileiro.
Espera merecer a confian?a e proteceo dos
pas e tutores das creanoas que queiram aprovei-
tar um rpido adiantemento de seos fiihoe ou tu-
telados, e em particular tem f robusta em todos
os seus compatriotas pernambu anos.
Comquanto ousada seja esta tentativa, todava
espera que os seus incansaveis esforcos, e os seus
puros desejos sejam coroados com a feliz appro-
vaco de todos os filbos do imperio da Santa
Cruz.
Espera finalmente, que o respeitavel publico
saiba apreciar de perto o sen ye-dadeiro eosino
primario, onde rpidamente as creancaa abracam
e amam de coraco as livros, as sceucias, as let
tras e as artes.
Mensaiidade2*000 pagos adiantados, no acto
da matricula.
Horario-das 9 horas da manh s 3 da tarde.
' Recebe meninos internos e meio-pensiouistas,
por mensalidades razoaveis.
Ra Velha n. 56-
Julio Soares d Azevedo.
r. Joao Paulo
MEDICO
Especialista em partos, molestias de senhoras e
de crianzas, coso pratica as principaes materni-
dades e bospitaes de Paria e de Vieona d'Austria,
faz todas as operaees obsttricas e cirurgicas
coucernentes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na ra do Baro da
Victoria (antiga ra NdVa) n. 18, 1- andar.
Consultas das 12 s 3 hora; ds tarde.
Telephone n. 467.

ADVOCACiA
/
i / O co sc-lhtiro Dr. Manoel do
INasciroeato Machado Portel*
jj contina no exercicio de sua i
. /profissao de advogado podendos
s | ser encontrado em seu escripto-J
) (rio a ra do Imperador n. 65
} j 1." andar, das 12 s 3 da tarde
i\
.

'
.^.

Inglez e fraacez
Cursos theoricos cu praticos, conforme prefer
rem os senbores iuteressados. Ra da Aurora n.
19, 2* audsr.
Externato (
ana da Penha numero *3
Entino de primeiras Ultras e preparatorios
Neste estabelecimento, que se acba em
condices vantajosas por ser o uuico que
existe em taca immediscoes, leccionam
se as materias constitutivas daquelles
dous cursos, abrangendo urna aula de in-
gles, que se ensina a traducir, escrever e
rallar correctamente. Conta igualmente
um curso de msica, instrumentaco e
vocal isacao.
A coutrihuco a mais simples possi-
vs\, c mediante ella os alumnos tero di-
reito a objectos e livros de estudo, e ou-
tras regalas constantes dos respectivos
estatutos.
Collegio de Nossa Senhora da
Penha
Ja-
RUA DA AURORA N. 19
As aulas deste instituto comecarao a 7 de
neiro.
A directora,
Augusta Cmaro.
liisliliiliiiii Franc-aise de
Demoisolles
Ra do Baro de S. Itorj.i n .o
(antiga do Sebo)
Collegio Amor Divino
RA DA IMPERATRIZ N. 32
As anlas abrir-se-bio no da 10 do eorrente.
A airectera,
Olimpia Mara deMenionca.
Ao publico (J
O Sr. Bernardo Jos dos Santos, residente no
Cerrito, municipio de Pelotas, provincia do Rio
Grande do Bul, querendo prestar ama homenagera
verdad-, tomando publico as virtudes do pel-
toral de combar, preciosa descoberta do
Sr. Alvares de S. Soarea, de Pelotas, fez publicar
o eeguinte importantissimo documento, em diver-
sos jornaes da referida provincia :
Levo ao conhecimento do publico mais um
triumpho alcancado pelo popular remediopel-
toral de cambardescobeita e prepara-
co do Sr. Alvares de S. Soares, de Pelotas.
Havia seis anuos que urna toase grave me
atormentava dia e noite, fazendo ultimamento dei-
tar j abundantes escarros de sangue : os pulmoes
com certeza acbavam-se affectaios e en teria iu-
fallivelmente de snecambir terrivel tsica pul-
mocar !
Um amigo sabndo do mea estado, aconse-
lbcu-me o precioso peiloral de canibar.
e smente com o uso de 12 vidros deste impur'au-
tissimo medicamento, consegu curar-me radical-
mtnte, sentndo me hoje forte e podendo j entre-
gar-m.; s lides de mipba faz uda do Cerrito.
< Dipois deste caso, tenho a.-onstlhado a muta
gente o peiloral de cambar, e todos tm
colindo resultados importantes.
Actualmente faz uso deste preparado, com
muito aproveitamento, miaba filha Neufndes, que
tambem se acha s^lrendo i Faienda do Descanco, no Cerrit", 24 de Ou-
tubro de 1884.Bernardo Jos dos Santos.Re-
conbeco como verdadeira a firma supra. Em tes-
temunho de verdade. o escrivio de paz Roldao
S. de Gouveia.
nicos agentes e depositarios geraes nesta pro-
vincia Francisco Manoel da Silvadl C.
ix ra Mrquez de Olinda n. 23.
< <>I.l.i:4.IO
DE
N. S. das Victorias
IO Rus do Hospicio IO
As aalas abrir se-hSo no dia 10 do corrate .
A directora,
Baronesa L. V. d'H Cliniea medico elrnrca
DO
Dr, Alfredo Gaspar
Especiali da dePartos, molestias de senhoias e
enancas.
Residencia Ra da Imperatriz n.J4, segundo
andar.
Leonor Porto
Ra do Imperador u 415
Primeiro andar
Contina a ezecatar os mais diflices
figurinos recebidos de Londres, Pars,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeic^ode costura, em bre-
Ividade, modicidade em precos e fino
[gosto.
Para exemplo do que deixamos dito, va
ios referir certas factos que estabelecem a
rerdade da nossa affirmaclo.
Ha cerca de dous annos, urna das se-
boras mais bellas de New-York, abando-
nada pelos facultativos em um caso deses-
perado de tisica (pois era este o nouie que
os mdicos davam molestia) julgava-se
condemnada a morrer. Os pais da doente
resolvern! leval-a a Pars, esperanzado
em que, na capital de Franja, a Facnlda-
de descobriria algum remedio contra o mal
que ameegava a vida da joven senhora
Esta esperanca nao se realisou, mas feliz-
mente em Pars os amigos da moribunda
ouviram fallar de ura novo systema de tra-
tamento alopiado primitivamente pelos
Shakrcs do Monte Lebanon, no Estado
'de New-York e empregado depois par ou-
tras pessoas com um xito extraordinario
em muitoa casos do Dispepsia. Aos pais
da infeliz pareeeu que era possivel que a
doenya que ffligia sua filha poderia talvez
denominar se Dispepsia ou lndigestao, e
nao a Tisica que tanto temiam, e abriga-
vam a esperanza de que, em tal caso, se-
ria fcil salvar a desditosa joven.
Apressaram-se, pois, a alcancar urna
quantidade de um medicamento intitulado
Xarope Curativo de Seigel, e preparado
com o fim especial de curar a Dispepsia,
A doente tomou algumas dozes deste re-
medio, e o resultado do novo tratamento
oi maravilhoso. Uoje. aquella senhora, j
restabeleuida, vive feliz e goza de ama
aade perfeita. Certo que, neste caso
os mdicos tinbam tomado urna doenca por
outra, e quando se doscobrio a origem do
mal, e se explicou o verdadeiro remedio,
os symptomas da Tsica desappareceram
immediatamente.
O caso que acabamos de citar nao o
nico neste genero. Ha milhares de infe-
lizes que actualmente rstSo tomando re-
medios para curar enfermidades do figade,
dos rins e dos pulmSes, doencas provo-
nientes dos vapores miasmticos, etc., ao
passo que realmente nao existem em mui-
toa casos taes affeccoes, sendo a indiges
tilo a verdadeira causa dos symptomas que
tanto terror inspirara aos doentes; e se
estes appli'assem o verdadeiro systema de
tratamento, nao tardariam a curar se.
NSo ser por demais o recordarmos ao
leitor que o xarnpe curativo de Seigel se
vende cm todas as pharmacias do mundo
inteiro, assim como na casa dos proprieta-
ros, A. J. White, (Limited), 36, Farring-
don Road. Londres, E. C
Depositarios na provincia de Pernaiiibu-
co : BartholomeuA C, J. C. Levy & C,
Frantisco M. da-Silva & C, Antonio Mar-
tiniano Varas & C Rouquayrol IrmSos e
Faria Sobrinhe & C.; em Bello Jardim :
Manoel de Siqueira Cavalcante Arco Ver-
de e Manoel Cordeiro dos Santos Filho ;
em Independencia. Antonio Gomes Bar-
bosa Jnior; em Palmares : Antonio Car-
doso de Agniar; e em Tacar.t, Jos
Lourenjo da Silva.
phaos. e ausentes e Crimea por distribuicAo d'esta deoei. Pede a V*. Ezc defermento. Espera re-
comarea creado em virtude do decreto de 30 de'ceber merc. Recete, 10 de Janeiro de 1887. O
Janeiro de 1834, combinado com a le provincial
n. 52fi de 2 de Junho de 1862 vago por ter falle-
cido o respectivo serventuario Majar Ignacio Viei-
ra de Mello, coovda os preteadentos, aos respec-
tivos offieos a apresentarem aeus requerimentos
dentro do praso de 60 das, a contar da data do
presente edital, segando dispoe o art. 11 do decreto
n. 817 de 30 de Agosto de 1854 e decreto n. 9344 de
16 de Dezembro de 1884 art. 7.0
Faz anda saber aos pretendentes que deven-
vir Instruidos seus requerimentos com ezame de
suficiencia, de conformidade com a dispotioio do
decreto n. 8276 de 15 de Outubro de 1881 e mais
formalidades exigidas no art. do decreto n. 817 de
31 de Agosto de 1861.
E para que chegue ao coohecirnento de todos
uiandei passar o presente, que ser atusado no lu
gar mais publico e do cotume e del.'e se extrahir
urna eopia para ser remettda ao Illrn. Ezm. r.
presidente da provincia, para fim hidieado noait.
157 do decreto n. 9420 do 28 de Abril do 1885, de
30 de Agosto de 1851, art. 11; de 5 de Janeiro de
1871, art 2- com dedaracSo do dia em que foi afil-
iado e publcalo o presente edital, o qne ser cer-
tificado jielo portairo dos auditorios, como dispoe o
art. 153 do decreto n. 9420 de 28 de Abril ds 1885.
Dado c pausado nesta cidad- de Nazaretb aos
20 das do mez de Dezembro de 1886.
Eu Joo Btzerra Vieira de Mello eserivo inte-
rino escrevi.
Manoel Cabral de Mello.
Certifico que plo porteiro dos auditorios me oi
entregue a eertido de afHxaco a qual 4i tbecr
seguate :
Candido Correa Dantas, poiteirodoa auditorios
de Nazaretb em virtude da le: Certifico que affi-
xei na porta da cmara municipal desta cidade,
hoje, o odtal convidando os pretendentes dos ru-
cios de justica vagos pelo fallecimento do respec-
tivo serventuario major Ignacio Vieira de Mello.
O referido verdade, don f. azareth 20 de
Dezembro de 1886. ) porteiro dos auditorios.
Candido Correa Dantas.
E mais se nao coatiaba em dita eertido cima
copiada do proprio original a que me reporto e doo
l,
En J0S0 Bezerra Vieira de Mello, eBcrivo inte-
rino o escrevi.
0
coiap en 10 le Janeiro He
A diredora,
/. Adour.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico oeu-
litta, ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, d consultas de xneio dia s
3 horas da tarde, no 1.* andar da casa
n. 51 ra do Bario da Victoria, ex-
cepto nos domingos e das
Residencia ra Sota
34. Entrada pela ra da
3
!
da Victoria, ex-
lias santificados. 1
i de Setcmbro n. \
la Saudade n. 25. J
Dr. Cso Leite
Medico partetro e oprr.-.dor
Retideneia ra Bardo da Victoria n. 15,1 andar
Consultorio ra Duque de Caxias o. 59.
D consultas das 11 horas da manb s 2 ds
tarde.
Attcnde para oa chamados a qaalqner hor
telephone n. 449.
;>
L
-'t4lisU
Dr. Ferrara da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, n. 20 ra Larga do
Rosario.
i
MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Bailhazar da Silveira
Especialidadesfebres, molestias das
craocas, dos orgljs respiratorio
senhoras.
Presta-se a qualqaer chamado para
ort da capital.
MVIO
Todos fg chamadas devem ser diriga
dos pharmaca do Dr. Sabino, ra do
Bario da Victoria u. 43, onde se indicar
sua residencia.'
i;
(consultorio medico-
cirargieo
O Dr Castro Jess, contando mais de 12 annos
de escrupulosa observayo, reabre consultorio nes
ta cidade, ra do Boro Jess (aotiga da Crui
u. 23, i. andar.
Uoras de co asaltas
De dia : das 11 s 2 da tarde.
De noite : das 7 s 8.
as demais horas da noite ser encentrado nc
fitio travessa dos Remedios n. 7, primeiro por-
tio esquerda, alm do porco da Dr. Cosme.
l'ma enfermldade tomada por
outra!
Equivoco do lacultativjs
O fallecimento de algum amigo ou p-
rente a quem amamos ternamonte sem-
pre urna desgrana lamentavel : mas a ca-
lamidade verJadeiramente terrivel quan-
do os factos nos manifestara que a pobre
victima suecurubio por ae ter empregado
um systema de tratamento que nao era
apropriado para a sua doecga. Com tudo,
casos ha em que o erro dos mdicos se
descobre antea de desappareccr a ultima
esperanca, e nestes casos, algumas vezes
e consigue salvar a vida do doente.
llltn. Sr. pltarmareuiico Lola CarlOM
de triinia Hendis
S. Carlos do Piuhal, S7 de Maio de 1885. N
Presadissimo senhor.Acerca de 8 mezes que a
miuha senhora sutfra de horrives dores nos ou/i-
dos acompaabadas de corrimento, dedui que ia
deixando.a surda, e a'm disto siffria d feridas
na garganta que j se va obrigada a alimentar-
se a caldos; paseando noites sem dormir, e das
sem poder cuidar dos interesses da casa. Todo
este tempo viveu ella seropre em dieta de rigoroso
tratamento, sem ooter saude.
Desaninada, couiecou com es cens (santos) pre-
parados, o Licor Antipsorico junto com os Pos De-
purativos, e logo a saude veio ebegando, e boje
gracas Providencia, posso com todo o prazer
annunciar a V. S. e a todo o muodo quo minfaa se-
nhora acha- se completamente boa dos ouvidos e
da terrivel frda de garganta, e autoriso V. S. a
publicar esta a beneficio dos que sofirem igual en-
fermidade.
Sou com estima. De V. S. amigo, venerador e
obrigadoEduardo da Silva Tavares.
DepositariosFrancisco Manoel da Silva & C,
droguistas, ra Mrquez de Olinda n. 23.
Ao publico
Os abaizo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas udustriaes e rotoloa das
suas preparacoea na junta commerciai do Rio de
Janeiro de confe rmidade com as prescrpees das
le8 do imperio do Brasil, declarara e participan
aos interessados, que como nicos proprietarios,
tem dirrito exclusivo de usar as marcus udus-
triaes e rtulos relacionados com manufactura
fabricado e venda das sr gn'es preparat5s ;
Agua de Florida de V urray e Laman.
Tnico Oriental.
Peitoral de Anacahuita.
Pastilhas Vermfugas de Kemp.
Oleo de figado de bacalho de Lanman & Kemp
Emulso de oleo de figado de bacalho com hy
pophosphites, de Lanman & Kemp.
Salsaparrilha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e que, portante, perseguirlo a todos os falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas industriaos e
rtulos, procurando que sejam castigados com toda
a aeveridade da le.
Tambem acautelamos e publico contra todos
aquelles que itentam substituir as nossas prepa
racoee cima mencionadas com artigos falsificados
que levam rtulos ou marcas industriaes qne imi-
tam as nossas.
Lanman & Kemp.
Licor depurativo vegetal od o
DO
Medico Quintella
Secretaria da Presidencia ue Pernambaco, em
21 de Dezembro de 1886.
De orden de Exm. Sr. presidente da provincia
e em observancia do art. 5 do decreto n. 8266, de
8 de outabro de 1881, notifico o Sr. juiz de direto
fJoncalo Pacs de Azevedo faro que por decreto de
Desembro do aono fiado, foi S. S. removido da
comarca de Pao d'A'bo para a da rea na provin-
cia da Parahyba, ficaudo sem effeto a anterior
remoco para a de Viamo no Ro Grande do Sul,
sendo-Ihe marcado o prazo de 4 mezes a contar do
da 9 para assumir o excrciem.
u secretario
Pedro Francisco Correia de Olveira.
advegado, Gomes Prente.
Estava sellada na forma da le. E mais ae nao
continha em dita peticoaqui copiada, depois den-
se o despacho do theor eguiute :
Despache.Destribuida. Como requer, deaia;-
oando o eserivo, dia, para a justificaco. Recife,
10 de Janeiro de 1887.Mootenegro.
E mais se nao continha em dito despacho aqu
bem e fielmente copiado, em vista deste despacho
fra feita a dislribuico seguate :
Destribuico.A' Ernesto Slva.-^Oliveira .
E mais se nao continha em dita destribuico
aqu copiada, depois vase o termo de protesto
que do theor seguinte :
Termo de protesto.Aos 10 de Janeiro de 1887,
em meo cartorio, perante mim e as teatemunhas
seguintes compareceu o supplicante per seu procu-
rador, Cussy juvenal do Reg, e por este fjj dito
q'ie reduzia a termo o protetto coustantte da pe-
tico retro que offerecia como parte deste. Do
que fis este. Eu, Ernesto Mach .do Freir Perera
da Silva, Cussy Juvenaldo Reeo, Francisco Ma-
noel de Almeida Jnior, Antonio Barbosa Cor-
deiro.
E mais se nao continha em dito termo de pro-
testo aqu bem e fielmente sopiado, depois vase
que tendo o justificante produsdo suas teatemu-
nhas que depuzeram convenientemente acerca do
allegado na petigo aqu transcripta, o respectivo
fazenio sellar e preparar os autos os fel os conclu-
sos que nestes va se a sentenca do theor se-
guate :
Sentenca:Vistos.Hei por justificada a ausen-
cia em lugar incerto dos justificados., mando que
sejam elles intimados por editaea com o praso de
trota dias do protesto de fls. para interrupeo da
prescripeo dos ttulos de fls. e fls., castas ex-causa.
Recife, 11 de Janeiro de 1887. Tnomaa Garcez
Paranhos Montenegro.
E mais se nao continha em dita sentenca aqu
copiada.
Em virtude desta sentenca o respectivo eserivo
fei passar o presente edita pe!o qual o seu theor
chamo, cito e hei por citades os justificndos ausen-
tes em lugar incerto e nio sabido, para que com-
parecam ante este juizo dentro ao praso Je trinta
das por si ou por seus bastantes procuradores,
allegando e provando tudo quanto for a bem de
sea direto e justica.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandou pussar o presente edital, que ser publi-
cado pela imprensa e aifixado nos lugares do cos-
tume.
Dado e passado nesta cidade do Recife capital
da provincia de Peruambuco, aos 11 de Janeiro de
1886.
Subscrevo e assigno, Ernesto Machado Freir
Perera da Silva.
Monte Pi Popular Per-
immbncano
De orden do noaso respeilavel irmo directat,
scientifico aos dignos socios desta sociedade, que
a primeira sesso ordinaria do conseibo adminis-
trativo, ter lugar quarta-feira 9 de Ftvereir*
prximo, por ser o dia 2 sautificado.
Recife, 24 de Janeiro de 1887.
O secretario,
Benjamn Foaseca.
O Sr. Dr. inspector {.'eral da inatmeco pm-
blica manda fazer constar .a profestoras publicas
Maranna Teixeia da Costa Coelho e Ismeoia
Genuina Dias, esta da cd ira do sexo femiaino
de S. Benedict", e aquella da de Duarte IMaa,
qne Ibes fica marcado o praso de 45 das, a partir
de ta data, afim de que en rem no exercicio das
respectivas cadeirar, para on le fjram removidas-
Secretaria da Instruccao Publisa de Pernambc-
oo, 21 de J.-neiro de 188/.
O secretario,
Pergentino S de Araujo Galvo.
Corapanhia Locomotora Pernara-
bocana
Awaenibla geral j
Sao dovrmente convidados os Srs. accionistas
doata companhia a cempareeerem cm seu escrip
torio ra do Viscoode de Itaparica n. 7, s II
horas do dia 29 do eorrente, afim de se rc-nnirea
em 'sesso da aaeembla geral ordinaria, para se
preceder a eleico da commisso fiscal e ser lido o
relatorio da directora e o parecer da cominss
fiscal.
Em virtude do art 64 do Reg. n. 8,821, de 38
de Dezembro de 1882, funecionar a sesso cera
qaalquer numero de accionistas que comparecer.
Escriptorio da administraco da Companhia Lo-
comotora Peroambucaoa, em 17-de Janeiro de
1887.S. de Barros Barreto, secretario da aimi-
nistraco.
Escola Normal
O administrador do Consulado Provincial
dando cumpriiaento a portara expedida pelo Illm,
Sr. Dr. inspector do Thesouro em 19 do corrate,
faz publico a quem iateressar posea, que, no eepa-
cc de trinta das utes contados da data do pre-
eoce edital, ser effectuada por esta repartico a
cobranca, livre de multa, das anuuidades e mais
scrvicos da Recife Drainge Company relativa ao
1 semestre do exercicio de 1886-1887, conforme
a re ic3o iufra.
Consulado Provincial de Pernambuco, 22 de Ja-
neiro de 1887.
Relaco a que so refero o edital supra
Freguezia do Recife
Pas : Mrquez de Olinda, Boa-Jess, Alva-
res Cabral, Coamercio, BUpo Sardinha, Torres,
Thom de Souza, D. Mara de Souza, Vigaro Te-S
noric, Barreto de Meneara, Maa e Barros, Bur-
gos, Amorim, Moeda, Tuyuty, Companhia Per-
nambucaoa, Madre de Deas, Domingos Jos Mar-
tina, Mascates, Restauraco, D. Mari Cesar,
Visconde de Itaparica, Pharol, Areial, S. Jorge,
Vital de Olveira, Guararages e Baro do Triuji-
pho.
Pracas : Assembla, Chaco e Pedro II.
Travessis : Vigaro, Maare de Deus, Campello,
Domingos Jos Murtins, pira o Corpo-janto, anti-
ga do Porto, Boin-Jesus, Areial, para a Fundic-
co, Accideute, Guararapes e praca de Pedro I.
Beccos : Abreu, Noronha, Largo, Pindoba, Ta-
pado e Paschoal.
Largos : Alfandega, Corpc-Santo e Assem-
bla.
Caes : Companhia, Brum e Apollo.
Freguezia de Santo-Antonio
Ras: Imperadjr, 1- de Marco, Duque de Ca-
rias, Cabug, Baro da Victoria, Trincheiras,
Larangeiraa, Larga do Rosario, Estreta do Ro-
sario, S. Francisco, Joo do Reg, Uha do Car-
valho, Roda, Patos, Calabouco Vclho, Santo Ama-
so, Matbias do Albuquerque, Paz, Paulino Carne -
u; Fogo, Lvramento, Peni, Visconde de Inhan- ,
rus, Pedro fFoaso, Nova d Praia.Marcilio Dias, i eBCrever p snbscrevi.
Viraco, Lomas Valentinas, Coronel Suassuna, i Joaquim da Costa Ribeiro.
lrrla|TehCrfd:ia2N0dveaMa,' **"* ""^ ^ O Dr. Joaquim da Costa. Rjbe.ro, ja
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
O Dr. Joaquim da Costa Ribsiro, juiz de
direto do civel desta cidade do Recife da
provincia de Pernambuco, pal Sua Ma-
gestade o Imperador, a quem Deus
guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital vircm ou
delle noticia tiverem, que lindos os dias de pre-
goes e s pracas da lei e na audiencia deste juizo
do dia '6 de Fevereiro do aono prximo vindouro,
iro praca por venda a quem mais der o maior
lance i fferecer oa bens constantes da aviliaeio do
theor seguinte:
Urna mobilia composta de 18 cadeias de guar-
uico, 4 ditas de biaccs, 2 consolos com tampoa de
pedra, 1 sof, 1 mesa redonda com tampo de pe-
dia, tudo de Jacaranda, usada e avaliada por. .t
i-'i' ; 2 guarla-roupa de amarello usados, ava-
hados por 60J i 1 toilet e>m tampo de pedra e es
pelho grande, avallado em 35/ : 1 lavatorio de
pedra para 2 bacas, com espelbo, avahado em
20 ; 1 commoda com tampo de pedra, por 40j!;
1 secretaria de Jacaranda, por 402; 1 guarda-
louca de amarello, avahado por i0 ; 2 aparado-
res de. amarello, avallados por 20 ; 1 mesa cls-
tica com 5 taboas, avaliada em 4 ; 12 cadeiras
de junco, avahadas por 30 ; 2 marquesas, sendo
urna de Jacaranda e outra de amarello, avahadas
por J ; 1 candelabro para 5 velas, avahado per
10; 2 serpeutioas, avahadas por 10/ ; 6 pares
de jarros de porcelana fina, avahados por 35. E
assim sero es mesmos bens cima mencionados
ai rematados por venda a quem mais der e maior
lance offerecer no dia e hora cima indicados e fo-
rsm penborados para pagamento do principal c
custas da aeco executiva que a Luis Antonio Pe-
rera move a Ordem Terceira de Nossa Senhora
do Carmo desta cidade.
E para que ebegus a noticia a todos, mandei
passar o presente edital, que ser afExado nos lu-
gares do oostume e publicado pela imprensa.
_ Dado e passado nesta cidade do Recife aos 15
dias do mez de Dezembro de 1886.
Ea, Felicissmo de Azevedo Mello, eserivo fiz
ir
Este notabihssimo depurante que vem precedi-
do de to grande fama nfallivel na cura de todas
as doencas eyphiliticas, escrofulosas, rheumatica-
e de pclle, come tumores, ulceras, >dores rbeumati-
caa, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagias agra-
das o chronicas, cancros syphiiiticoa, inflamma
coes visceraes, d'olboa, ouvidos, garganta, intes
tinos, etc., em todas as molestias de pello, simples
ou diathericoa, assim como na alopecia ou qaeda
do cabello, e as doencas determinadas per sata
racn mercurial. Do-se gratis folhetos onde <
encentram numerosas exp .'riendas feitas com
especifico nos hospitaes pblicos e muitoa ,.
dos de mdicos e documentos sarticalares.
descont para revend'-r.
Deposito em casa de Faria Sobrinhs & C.
Ra do Marques de Olinda n. 41.
EDITAES
Secretaria da presidencia de Pernambuco 21 de
Janeiro de 1887.
. Secco, De ordem do Exm] Sr. Presi lente
da Provincia em observancia ao desposto oo art
157 do decreto n. 9420 de 28 de abril de- 1885,
taco publico ao edital abaixo trinscrit", pondo em
concurso com o praso de 60 das os tfflcios de es-
erivo privativo deorphoa e ausentes e crime por
distribuico do termo de Naiareth^
'J secretario
Pedro Franjisco Correia de Oliveir i
O Sr. Dr. Manoel Cabral de Mello juiz
municipal de orpdSos do termo do Naza-
ret& por SuaMagestadeImperial bnem
Deus huarde, etc.
Faz saber aos que o presente edital Virtm e
delle noticia tivereme a quem interessar posea que
achsndo-se os oficios de eserivo privativo de or-
Campo : Priuceza.
Largo3: Paraso, Carmo, Peuha, S. Pedri e
Praceta.
Trav ssas : Queimado, Crnzcs, Mrquez do Ro-
c^fe, Bella, Quarteis, Calabouce, Expostas, Matriz,
Flores, Cano, Bomba, Lvrament, Arsenal, 1 da
Praia, 2 dita, Carcereiro, S. Pedro, Viraco, lo-
bato, becco do Falco, Pocinho e Concoidia.
Beceos: Da ra Bella, Calabouco, Mrtyris, 1-
da Camba, 2- dito, 3- dito, Falco, 1- e2- da
Cadea-Nova.
Caes : 22 de Novembro.
Praca : Pedro 11.
Freguezia de S. Jos
Bas : Marcilio Dias, Lomas Valeotna, Coro-
nel Siussun.i, S. Joo, Palma, Mrquez do Her-
ral, 24 de Maio, Das Cardoso, Passo da Patria,
1 Padre Nobrega, Victoria. Cadeia Nova, Vitol de
Negreiros, Fre Heoque, Dique, Assumpco,
Domingos Theotonio, padre Fleiiato, Chnstovo
Colombo, Jardim, Fortes, Antonio Henqae, Nj-
gueira, Saota Cecilia, Santa Rita, Nova de Santa
Rita, Praia de Santa Rita, S Jos, Pescadores,
praia do Forte, Ypirunga, Imperial e Luiz de
Mendonoa.
Travesas : Martyrios, Ramos, Pocinho, Cal-
dereiro, Gas, Forte, rata, Serigado, Copiares,
Nova de Santa Rita, S. Jos, praia do Forte,
Pcixot, Lfms e matris de S. Jos.
Beccos : Palm*', Caldereiro, Gaz, Assumpfao e
travessa de Santa Rita
Lnrgos : Forte e Mercado.
Freguezia da Boa-Vista
Roas : Imp ratriz, Concecao, Tambi, Viscon-
de de Albuquerque, Aurora, Capibarbe, Ponte
Velha, Conde da Boa-Vista, Riacbaello, Unio,
Saudade, Sete de Setembro, Hospicio, Camaro,
Rosario, Gervasio Pires, Atalho, Socego, Princi-
pe, Santa Cruz, S. Goncalo, Coelbos, hospital Pe-
dro II, General Soiv, Coronel Lamenba, Alegr'a,
Lfo Coroado, Baro de 8. Borja, Soledade, Vis-
conde de Goyanna, Attracco e Visconde de Pe-
lotas.
Traveseas: Gervazi- Pires, Coeihos, Atalbo,
Barrcras, Veras, Quiabo, Joo Francisco, Man
gueira, Campia e Palacio do Biapo,
Pracas : Conde d'Eu e Santa Crus.
Largo : Campia.
Beccos : Coelbos e S. Gooealo,
O Dr. Thomaz Oarcez Paranhos Montene-
gro, commendador da imperial ordem da
Rosa, juiz de direito especial do commer-
cio desta cidade do Recife e seu termo,
capital da provincia de Pernambuco, por
S. M. o Imperador a quem Deus guar-
de, etc.
Faz saber aos que o presente edital virem ou
d'elle noticia tivercm, qne por parte de Domingos
Pinto de Freitas, administrador da massa fallida
de Joa Tavares Pinhe'ro, Ihe foi dir'gida a peti-
co do theor seguinte :
Petizo.Illtn. Eim. Sr. Dr. juiz do commercio.
DommgcS Pinto de Freitas, na qualidade de ad-
ministrador da massa fallida de Joa Tavares Pi-
nheiro, quer interromper a prescripeo das letras
juntas do ucceite de Pedro Correa de Miranda, Jos
Rodrigues Pontual,, Joaqoim Jos Hellcno, Joo
Po da Silva Vall-nc/i, Joo Carlos Beserra Ca-
valcante, Luiz Halauo da Cunha Aniirade, Igna-
cio Teixira de Barros, J.e Rodrigues Pontual,
Jos Tbonnz de Aguiar Juaior, Aatonio Netto de
Barros Loureiro, Joo Fraocisco Cunda de Araujo,
Manoel de Barres Nctto Ouvalcaule, Jos Wences-
lau, A. R. T. Bastos, Sergio D. de Moara Mattose
Manoel Jus Luiz Ribeiro, e como quer que os tup-
plcados morrm em lagar incerto e nao sabido,
para que tenba lugar a ctaco par editos o sap
{ilicante reqarr a V. Exc. se digne de o aduiittir a
ustificar o allegado pastando-so dep-is os respe-
ctivos editaes, tudo de conformidade com a lei.
Nestes termos, sendo esta distribuida por depen
z da direito
do civel nesta cidade do R"cif.- e seu termo, ca-
pital da provincia de Pernambuco, por Sua Ma-
gestade Imperial e C nstitucioaal o Sr. D. Pe-
di o II a quem Deus guarde etc.
Fuco saber aos que o presente edital com o pra-
so de 20 dias virem ou delle noticia tivercm, que
no dia 19 de Fevereiro do anuo vindouro, depois
da audiencia deste juizo se bao de arrematar por
venda a qom mais der e maior lance otereeer os
b ns seguintes :
Um sobrado de um andar de pedra e cal n. 13
oo pateo do Paraso : o pavimento terreo comduas
portas e urna jmila de frente, eervindo urna das
portas para o sobrado, com duas salas, dous quar-
t'.s, cosioha fra, quintal murado, cacimba ineei-
ra; e o andar com tres partas de fente com va-
randa de ferro, com duas salas, dous quartos, co-
sinba fra e em mo estado a coberta e o assoa-
lho ; mediado de freate 5 metros e 20 centmetros
e de fundo 11 metros e 90 centmetros, avahado
por 4:000*000.
Urna casa terrea na ra da Roda n. 25, com
duas portas e urna jmila de frente, com duas sa-
las, quatro quartos, cosinha fra, com um porto
3ue d sahida para ra dos Patos, send> a casa
e pedra c cal, o solo foreiro, medindo de largura
5 metros o 65 centmetros t de fundo 14 metros e
15 centmetros, em mo estado a coberta, avaha-
da por 3:000*000.
Urna casa terrea, mei'agua, de pedra e cal, fei-
ta a moderna na ra dos Patos n. 8, cota urna por-
ta e urna janella de frente, com urna sala, um
quarto pequeo, ama pequea cosinba, terreno fo-
reiro, mciindo de largura 3 metros e 90 ceotime-
tras e de fundo 5 metros e 5 centmetros, avaliada
por 500*000.
Penborados por execuco de Victorino Domn-
gues Alves Mais, contra o cnsul de Portugal,
como representante do espolio de Ignacio de S
Lopes Fe man des ; pelo que toda e quslquer pes
soa que m ditos bens quizer laucar o poder fa-
zer nos dias de praca.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei passar o presente edital que ser publica-
do pela imprensa e affixado no lugar do eos turne.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 10
de Dezembro de 1886.
Subscrevo e assigno, eu, Pedro Tertuliano da
Cnba, eacrivo.
Joaquim da Costa Ribeiro.
DECLARARES
Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife
Por esta secretaria sao chamadas as amas,
quem estn entregues os expostos, a virem receber
a importancia das mensalidades do trimestre ven-
cido de Outubro a Dezembro fiado, no saio do
respectivo estabelecimento, pelas 8 h: ras da manha
do di* 28 do correte; devendo para isso trazerem
todas as cresneas que Ihe esto confiadas.
Secretaria da Santa Ca^a de Misericordia do
Recife, 24 de Janeiro de 1R87.
O eserivo,
Ptiro Rodrigues de Souza
Lotera de 4000 contos
A grande lotera do 40')0 contos, em 3 sorteios.
fica transferida para o dia 14 de Maio viodouro,
impretcrivelmenti*,-^ termos do despacho do
Exm. Sr. presidente, de boje.
Thesouraria das Loteras para o fundo de
emancipuco o ingenuos da Colonia Isabel, 14 de
Dezembro de 1886.
O thesooreim,
Francisco Gonealves Taires.
Matriculas
Por ordem do Sr. Dr. director, e em observancia
da disposico do art. 74 do regiment interno de
17 de Setcmbro de 1880, faz-te publico a quem
interessar possa, qae as matriculas deste corso rs-
taro abertas desde o dia 24 do eorrente at 3 de
Fevereiro prximo.
Os r< querimeotos para matricula no J> aono d*
curso devero ser instruidos com os documentos
seguintes :
1. Certicao de idade maior de 18 anuos para os
alumnos do sexo masculino e de 16 para os do fe-
minino.
2." Certificado ou ttulo de approvaco em exa-
me ua9 escolas publicas de instroeco primaria.
3. Folba corrida ou eertido de ao haver sof-
frido condemnacao por algum dos crmes que po-
pem motivar ao professor publico a perda da ca-
deira.
4." Attestado de moralidade passado pelo para-
cho on autoridade, quer policial quer Iliteraria da
freguezia em que residir o peticioaario.
Os matriculando qae.nao poderem exhibir ttu-
lo legal de exame em e.-cola publica de eosino pri-
mario, devero nscrever-se para es rxames de ad-
mieso, de que tratara Os aits. <5 a 77 do citado
regiment, e que comecarao no da 24 do eorrente.
Para as matriculas do 2o e 3o anuo?, basta que
as peticops sejam documentadas com a eertido de
approvaco no exame do Mino precedente; guar-
dada a rtstricco do art. 21 do j mencionado re-
giment interna.
Secretaria da Escola Normal de Pernambuco,
10 de Janeiro de 1887.0 secretario,
A. A. Gama.
Gymnasio leniaiiiliiiciino
Em 1S de Janeiro de l*ss
Pela secretara do Gymnatia Pernambucano se
declara aos senhores pas de familia, o a quem
mais interessar possa, que a abertura soleme da
curso scientifico e litterario ter lugar no dia 3
de Fevereiro prximo vindouro, e desde j se acha
aberta a inscripeo da matricula para aquelles
qae pretenderem estudar as segua tes disciplinas
Lingua nacional.
Dita latina.
Dita franceza.
Dita ngleza.
Dita aleme e italiana.
Geographia antiga e moderna.
Historia sagrada enliga e-moderna.
Geomctria e trigooomttria.
Arilhmetica e algebra.
Pbilesophia.
Rhetorica c potica.
Historia e cborographia do Brasil.
Scier.cias naturaes.
Desecho.
Gymaastca. ^
Mostea.
O corpo doceote do instituto composto de lt
profesores, occupsndo-se cada um delles somente
com a materia eosioada em sua respectiva ca-
deira.
-- O instituto aceita alumnos cm tres cathegorias.
confoime se acbam divididos, persoastas ou in-
teroo?, meio-peosioaistas e externos.
@s pensionistas residirn no instituto, tendo
direito de estudar as materias de que se eompoe o
curso, ensinadas. segundo o programla estabele-
cido : a ser alimentados adia e abundantemente,
tratados em suss enfermidades pelo medico da
instituto, f rnecondo-lbe tambem este medicameu-
to, a ter roupa lavada e eogommada regularmente
duas vezes por semana, banho, etc. ; tudo sto pela
mdica quantia de 400* por aono.
Os meio pensionistas se apresentaro no esta-
belecimento aos das lectivos, hora em quo at
aulas se abrirem, esjdesde euto at serem encer-
radas tarde, sao equiparados aos otemos, tendo
como estes os mesmos dircitos quanto ao estudo,
alimentaco e recreio, isto pela mdica quantia
de 2400C0.
Os externos tee n direito s licocs e explica
coes das materias ensinadas no corso, quaesqner
que ellas sejam, pagando apeaas na acto da ma-
tricula a taxa igual a que pagam os alumnos no
collegio das artes.
Os alumuos internos devero presentir o en-
xoval prescrpto no regiment interco e ter cor-
respondente na capital, para com promptido sa -
tisfazer as pensoes e entra qualquer desposa ie
qae tiver ehe necessidade.
As pensSes sero pagas na secretaria do insti-
tuto, por trimestres adiantados.
O secretario,
Celso Tertuliano Qontella.
Lotera da Colonia Isabel
A 12> serie da 24* parte das loteras em favor
dos ingenuos da Colonia Isabel, acha-se exposta i
venda, caja extraeco ser no dia do eorrente.
Thesouraria das loteras para o fundo da eman-
ciparlo e ingenuos da Colonia Isabel, 3 de Ja-
neiro de 1887.
O thesoureiro,
Francisco Goncalves Torres.
O lostiluto Ariheologico e Geographico Per
natnbucano celebra o 25" anniversario de sua ina-
tallaco e o 25S da restauraco de Pernambuco
do peder dos hollandezes no da 27 do correte mex
1 hora da tarde no edificioEscola Modelo!-
ondn actualmente a sede do n.esmo instituto.
Sao pois convidados para semelhaote fim em as-
sembla geral todos os seas socios benemrito?
honorarios, effeetivoa e correspondentes qae se
acbarem nesta cidade do Recife.
O instituto tem a honra de convidar pelo presen-
te a todas ss associacoes i'terarins, artsticas e de
beneficencia, a tedas es autoridades naeionaes e
estrangeras, chefes de repartieres publicas, aos
cidadaos em geral para assietirem a esta solcmui-
dade.
As Exm. Srss., tambem comprehendidas oeste
convite, mer- cero todas as attenc,5es e tero pre-
ferencia as cadeiras do salo.
Para conhecimento das pessoas que tivercm de
honrar a sesso com sua autorizada palavra, se
declara que antecipadaoiente se diiigiro ao Io se-
cretario para este provideociar oa forma do Art.
l8 dos estatutos, ultima parte.
A palavra ser dada 1 aos memores do insti-
tuto ; 2* ao oradores das ecmmistes presentes;
3o aos cavalheros que tverem de fallar, tidos in-
scriptos por sua ordem de precedencia, .
Secretaria do instituto, 23 de Janeiro dt887.
O Io secretario.
Joao Baptista Rigtieira Cotta.


I
I
*

m
m
.*?.
-

i

.

-
i
i

r.

--.
;

v

.
\


-V.
- 'f-'Rr-j*j
tfta^MC
Diario de PeraambucoTer^a-feir 25 de Janeiro de 1S87
I




IRMANDADE
H. S do Rosario dama riz do
Corpo Santo
Bexta-feira 28 do eorrente, pelas 2 horas da
tarde havera sesso para prestaco de contas do
aaao'fiado, para oque se convida os irmos da
actos! meaa regedora.
Bcife, 21 de Janeiro de 1887.
O escrivo.
M. F. Velloso.
Companhia PhenixPe
nambucana
Moa termos do art. 15 do. estatutos serio ven-
didas deaU companhia dea accoes na. ttX> a 8b0.
Os pretndante* sao convidados a apresentar as
snas propostas em carta fechada, por intermedio
do corrector geral at o dia 29 do eorrente. ao
meio dia, neste escriptorio. -
Companhia Phenix Pernambucana, 21 de Janei-
ro de 1887.Os administradores,
Luis Duprat.
Joo Jos Rodrigues tiendes.
Hanoel Gomes de Mattos.
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro ehefe, fac:>
publico que em virtnde da autorisaco do Exm.
Sr. presidente da provincia, no dia 7 de Fevereiro
prximo vindouro, recebe-se na secretana desta
repartioo, ao meio dia, propostas em cartas fe-
chadas e competentemente selladas, para a execu-
eo das obras de reparos das pontee de IguarasB,
de Araripe de Baixo, na estrada do norte, e dos
Car va boa sobre o rio Jaboato, na estrada do sal,
oreadas : a primeira em 1:679*800, a segunda na
de 2:695*280, e a ultima 670*.
Os orcamentos e mais condicoes dos contratos
acham-se a disposico dos senhores pretendentes
para serem examinados.
Secretaria da reparticio das obra publicas de
Pernambuco, em 2 de Janeiro de 1887.
O secretario,
Joo Joaquim de S. Varejo
MtaliJJ "
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector deste tba-
aouro e presidente do conselho de compras do cor-
po de polica, taco sente aos 8rs. Diogo Angus
to dos Reis, Simplicio da Silva Coelbo, Jos Cor-
deire dos Santos e Rodrigo Car albo & C, con
tratantes do fornecimento dos diverses artigos de
fardamento daquelle corpo, que no dia 26 do cor-
rente devem rec^ lher a este thesouro a parle cor-
respondente a primeira prestaco dos meamos
artigos, visto expirar no dia 27 o praso estipulado
para entrega da rnesma prestac*.
Secretaria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, 21 de Janeiro de 1387.Servindo de secre-
tario,
Lindotpho Campello.
Companhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelclila emliS
CAPITAL 1,000:
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 1884
Martimos..... .,HO:000$000
Terrestres,.. 3.6:O0O$OOO
4 I Ra do < oiiimei elo
sLondon and BraslHan Ba
United
Ba do Commercio n. 32
Sueca por todos os vapores sobre as ca-
as do mesmo banco em Portugal, sendo
m Lisboa, roa dos Capellistas n. 75 No
Porto, roa dos Ingleses.
Gnjttl S Ero Sii,
'lie Lista
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7RA DO BOM JESS-N.
Hernro mariilanoa e lerrealres
Naste ultimo a nniea cosapanhia aeita prac
que concede tos Srs. aegurades isesnpcode paga
ment de premio em eada stimo aaao, o sjb*
equivale ao descont de cerca d 15 per canto em
avor dos segurados. _________-____
GOMFAMIA DE SEQUBOS
CONTRA FOfiO
Sorlb Brilisb 4 Mercantile
CAPITAL
tiooo.ooo de libras sterlinaa
A GEN JES
idomson Howie & C.
( OM1 A\IIIA Dfi SEGUROS
NORTIIEIIX
de LOndreo c Abertleeu
Poaira flnanrelra (eicmbro I SHZ,
Capital oubsciipto
Fundos accumulados
Beeelsa nnnual t
Da premios contra fogo
De premios sobre vidas
De juros


3.000.000
3.134,348
577,330
191,000
132,000
O AGENTE,
John H- Boxwell
III A COHERDOCIO M. O I ANDAR



THEATRO
DE
(Jompanhia
Jmperiai
DE
# ' SEGUROS contra FOGO EST: 1803
-" Edificios e mercadorias
Taxae baixat
Prompto pagamento de prejuito
> CAPITAL
fia. 16,000:000*000
Agente* BROVVNS 4 C.
N. 5Ra do CommercioN. 5
/
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia Phenix Per-
nambucana
Ruado Commercio n. 8
" SECUBOi
CONTRA F(MM
The Liverpool k London k Glob
INSURANCE COMPANY
se.
VARIEDADES
Companhia
h rica de operetas, italiana
Dirigida pelo distincto actor cmico
wm ficam
HOJE
. icrfa-l'cira. 2S de Janeiro
EsDBCtacpl^ oilraoTftinaTio
Beneficio do actor cmico
&ms ws&m
Com a opereta mythulogii a em 3 actos
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Ol.-
veira, e quando or pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
lias Carvaiho.
Durante a auzencia
doabaixoassignado na
Europa todos o s recibos
dessa empieza deve-
rao ser passados emta-
loes carimbados e fir-
mados pelo Sr. Samuel
Jones sem o que nao
tero valor algum.
George Windsor,
Estrada de ferro do Ri-
beiro ao Bonito
Por deliberaco da directora sao convidados os
Srs. 8ccioDstas a alisaren) no London & Brasi-
lian Bank, no praxo de 60 das, a contar de boje,
a 4 entrada da 10 0/0 do vxlor nominal de soas
accoef, nos termos do nico do artigo 4 dos
estatutos.
Recite, 7 de Janeiro de 1887.
O secretario,
Jos Beliarmiio Pe/eira de Mello
BOYAL HAILSTE4 PACKET
COIPANV
Vapor La Plata
' esperado daEuropa no dia
S5 do eorrente, seguindo
depois da demora necessa
riapara
Baha, Rio
video e
Para passagens
de Janeiro Nonte
Buenos Ayrcs
fretes, etc., traela-se ctm os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
Toma parte toda a companhia.
Acabar o espectculo com o ongrac-iJo duet-
tino cmico, napolitano, desempenbado pela Sra.
Nagbel e o beneficiado:
Leate a e aromes ella
Urna banda de masica tocar nos iotervalKs.
A's 8 1/4 em ponto.
Bonds para Magdalena, Fernacdes Vieira e
Atogados.
Trom para Apipncoa.
Ssndo esta a primeira vez que o actor MILUNE
fas beneficio nesta capital, espera toda a protec-
cao do llustrado e bondoso po/o pernaicbucano,
ao q'ial desde j se confessa grato.
11
COMPANHIA PKBXAUa IICAX1
DE
.HaTCgacSo Costeira or Vapor
PORTOS DO SUL
Penede e Aracaj
0 vapor Mandahu
9BHH
't^s&z:
Segu no dia 29 de
Janeiro, as 5 horat
da tarde. Recebe
carga at o dia 2#
&ncommcndas passagens e diuheiros a frete at
s 3 boras da taide do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Femamhncaia
n. 12
COMMERCIO
i

i
olsa commerclal de Pernam-
buco
&EX3IFE, 24 U JA -EUtO 9E 18b7.
As tres horas da tarde
i-otace* ujiciac*
Cambio sobre S. Paulo, a 60 d/v. com 2 114 0/0 de
descont.
Cambio sobre Londres, a 90 d/v. 22 1/4 d. por
lf, do bancu.
ito sobre dito, vista, 22 d. por li, do banco.
Cambio sobre Lisboa, i vista 142 0/0 de premio,
do saco.
O presidente,
Antonio Leonardo Uodrigues.
O secretario,
Eduaido Dubeuz.
EMPREZA DO GAZ
Pede-se aos Senho-
res consumraidopes que
queiram fazer qualquer
comunicaco ou recla-
macao, seja esta eita no
escriptorio desta erapre-
za ria do mperador n
29, oiide tarabem se re-
ceber? qualquer conta
que queiram pagar.
VI. j c.t Janeiro
>
AliFA-NtUA
kuu aitsax.
i ir i+ 22 29.803/439
i < U. 24 23; 750 692
,n;us
653:5:6/131
MWI raormciiL M i a 22 17.244560 liew cu 4 7:445*705 114;6v0i265

msUl 768; 216/396
4waaoosuAO 3 a 22 25:3196ii6 998!>12
20:8184578

C ^*^xil) i'aovmciAL-Di 3 a 22 ma de 24 83:67*7lt l;.'ly, 803
1.647*520
.i- .r KiHio e 3 a 22 d 24 4:5191168 7156U1
5:231/759
10
P.
DESPACHOS DE IMPORTACAO
Vapor ingles Orator, entrado de Liverpool e
Lisboa, no dia 22 do eorrente e consignado a
Jobnston Pater & C; manifestoa :
Carga de Liverpool
Amostras 9 volames a diversos-
Ac 1 feixe a Albino Silva & C, 3 a Reis &
Santos.
Arroz 450 saceos ordem, 200 a Scares do
Amaral Irmos, 150 a Paiva Valent" & C.
Arco de ferro 210 feixes a Victo-- Netsen, 120 a
Reis & Santos.
Biscoatos 12 csixoes a JoSo Fernandes de Al-
meida.
Barras de ierro 260 aos Hurdeiros do Bowmam,
26 e 132 feixes a Reis & Santos, 145 e 253 W.
Halday i C.
Cognac 240 caixss a C. Playo 4 C.
Cha 15 canas a Souza Basto, Amorim & C, 6
a Joaquim Perreira de Carvaiho & C, 37 or
dem, 6 a Joaquim Felippe & Aginar.
Cerveja 15 barricas a Fernandes & Iricacs,
a Rosa & Qaeirot.
Cbapss para fogio 40 a Albino Silva & C.
Chambo de muoicSo 85 barra a Samuel
Johnston C, 10 a Taiva Valeute & C;
Cravo da India 3 saceos a Domingos Ferreira
da silva & C.
Cidra SOcaixas a Paiva v'alente & C, 30 a Do-
mingos Ferreira da Siiva C-, 25 a Rosa ce
Queiros.
Calcado 1 caixo a Ferreira Bsibosa
o dem, 2 a Manoel de B. Cavalcaute
Ci us & C.
Canos de chambo 4 baericas a W. Hallidsy
6 C.
Cofre 3 ordem.
Estanho 1 barrica aos Uerdciros do Bcwman.
Esteiras 15 rolos a Joaquim Luis Teixeira, 12
aJF. Gurgel do Amaral & C.
Eoxadas 42 barricas a A. D. Carneiro Vianna,
45 a W. Halday A C, 10 a Oliveira Basto
AC.
Esldpa 31 fardos ordem, 43 a Julio & Irmao,
1 a Goncalves Irmao C.
Fio 4 fardos ordem.
Fogareiros 259 n Prente Visnna dk C, 4'0a
A. D. Carneiro Vianna, 20J a Ferreira oima-
r3e 4 C.
Ferragms 3 voiumu Recifu Dra nage Crm-
paoy, 2 Miranda reira Guimaraes & C, la Vianna Castro & C,
20 a Prente Visos 4 C, 1 a Cardozo & Iimo,
7 aos htrdeiroB de Bowmanu, 11 ordem, 30 a W.
Halliday, 4 C., 32 a Samuel P. Johnston & C 1
a Nctto Campos 4 C, 8 a Albino Silva 4 O., 141
a Adtlpho V. Pederneiras, 6 a Gomes de Mattos
Irmao, 14 a A. D. Carneiro Vanos, 1 a Joao Be-
ierra, 1 a Nubes FotuKca 4 C.
Companhia Haitiana de navega
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Bahia
O VAPOR
Marinho Visconde
Commandante J. J. Coelho
E' esperado dos oorrop ci-
ma ate o dia 27 de Janeiro
e regressar oara es mea-
mos, depois da demora docos-
tume.
Para cargu, passagens, encommendas e dinbei-
ro a frete, trata-se na
AGENCIA .
7Ra do Vigario7
Dominas Alves llallicus
ioivt\iin hekxamiii cv\ t
DE
-\avesaco costeira por vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaj' e Bahia
0 vapor S. Francisco
Commandante Pereira
Segu no dia 27 t
Janeiro, s 5 horas
da tarde.
iiecebe carga at o
Idia 26.
Encjmmendas, passagens e dinbeiros frete at
s 3 horas da tarde do dia 26.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Pernambucana
n. 12
Pacific Sieaai Xa vigatlon Lompanv
STRAITS OP MAQELLAN LINE
Paquete Galicia
Espera-se dos portos do
suf at o dia 25 de Ja-
neiro seguindo pa-
ra a Europa depois da
demora do costme.
Eslcpaquete eos qoe dora
em diante seguirem tocaro em
Plymontli, o que facilitar clie-
garem os passageiros com mai
brevidade a Londres.
Para carga, passagens, encommendas e din
heiro a frete tracta-secom 0B
AGENTES
Wilson Soas A C, Limited
S. 14- RA DO COMMERCIO N. 44
lO*P\HI PKRffAMSl'C4:14
DE
Xavegaeo Costeira por vapor
Tamandar e Rio Formse
O vapor Giqui
Segu no dia 26 de
Janeiro, pelas 4 ho-
ras da man ha.
Recebe carga at o
'dia 25.
Passagens at o da 25.
ESCRD7TORIO
riel da Companhia Peraamhn
cana o. 12
Unue Ues M\ Brasil.8.8. C.
o
E' esperado dos portos do
sul at o dia 27 de Janeiro
depois da demora necessaria
seguir para
Haranlio. Para, Barbados, S.
Thomaz c New-York
Para carga, passagens, e encommendas tracta-
O vapor Advance
Compaotla Braillelra le naTe
gaci*a Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Bahia
Commandante Joao Marta Peatoa
E' esperado dos portos do sul
ateo dia 27 de Janeiro, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os portos
do norte at Manos.
Para carga, passagens, encommendas valoree
tracta-se na agencia'
PRAC A DO CORPO SANTO N. 9
PORTOS DO SUL
O vapor Cear
Commandante o 1.' tente Ouilherme Pa-
checo
E' esperado dos surtos do
norte at o dia 25 de Janei-
ro e depois da demora in-
dispensavel, seguir para
os ps do sul. (Inclusive
o da Victoria).
Recebe tambem carga para t anta Catharina,
Grande.il) Sul, Pelotas e Porto Alegre,frete mo-
dic .
Para carga, passgens, encommendas e valores
trata-se na agencis
PRACA DO CORPO SANTO N. 9
LEU.UE&
Lcilo
De mobilias, pianos, camas francezas, guarda-
louja, guarda vestidos, commodas,'marquezes, so-
fas, tnarquezas, consolos, cadeiras, machinas de
costura, cabides, grades de ferro, portas, quadros,
jarros, espelhos, miudesas, relogios e muitos outros
objectos que estaro patentes no acto do leilao.
Terca feira '& do eorrente
A'S 11 HORAS
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 19v
Por iniTvenrao do agente
Gusmao
Leilao
spera-se de New-Port
News, at o dia 28 de Ja-
neiro o qual seguir depois
da demora neeessaria nava a
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinheir'i
a froto, tracta-se com oa
AGENTES
Hcury Forster k C.
N. 8 RA DO COMMERCIO 8
1.- anda>
& C, 1 a
1 a A.
Formas para astucar 12gig.sa Alian Pater-
son & C.
Folhas de ferro 34 a Miranda & Souza, 50
Samuel P. Johnston & C, 20 a Ferreira Goima-
res & C, 20 a W. Halday & C.
Familia de milho 112 caizas a S luuders Bro-
tll'TS & C.
), .'ir-i 131 gigas a Joaquim Ferrira de Carva-
iho 4 C. 40 ordem, 15 a W. Halday & C-, 64
e 1 barrica a Jote de Macedo.
Ijiiihnc o caixo s h Gomes de Mattos Irmos, 21
a Netu Cuuipub &c U, 4 M. Iubella & C, 5 a
Nones Fooseca & C, 2 a F. Lauria & C, 2 a
Manoel Collaco & C.
Materiaes para estrada de ferro, 481 volames e
pefae a Great Weateru of Brasil, ditos para, en-
canamento d'sgua 59 volames e pecas a Compa-
nhia de Beben be.
Machinas 5 eaixas a Reis & Santos.
Miudesas 1 cana a P. J. Jacume, 1 a Gaima-
raef Cerdoso & C.
Mercaderas diversas 1 caiza Jos Hulms, 10 a
Antonio Pereira da Cunha, 7 a Gomes do Mattos
Irruaos, 5 ordem.
Movis 9 caixo. s ordem.
Mucbinismo 1 cairo a Samuel P. Johnston &
C, 4 a Joaquim Jote de Castro Medeiroe, 2 aos
consignatarios, ditos e feri agens, 58 volames e
pecas a Cardeso & Irmo.
Objectos para gaz 10 volnmes a empresa.
Oleo de li^hacn 50 barris a F. M. da Silva &
l'.. 3 a Ferreira Guimaraes tt C.
Object. s para escriptorio 5 caizas a JoSo Wal-
tredo de Medeiros.
Perfumara 1 caiza a Eugenio Goncalves Cas-
cao.
Ps do ferro 50 feizes a A. D. Carneiro Vianna.
Presuntos 2 chzms a Paiva Valen te & C.
Pimeota 10 saccas a Domingos Cruz ce C.
Papel 8 caizas ordem.
Queijos 25 caizas ordem.
Retratos 1 caiza a C. Pluvn & C.
Tinta 4 caixts a F. Manoel da Silva A C.
Tijolos de limpar facas 50 caizas a Domingos
Ferreira da Silva & C.
Tazas de ferro 77 a Cardlo Si Irmao.
Trilhoa de f'-rro 1.667 a Great Western of
Brasil.
Teeidos diversos 79 voluntes ordem, 1 a F. Pe-
Irocelli A Irmao, 24 a Olinto Jardim & C, 13 a,
Guerra & Fernandes, 85 a Luir Antonio Sequeirs,
8 a Couto Santos 4 C, 2 a Eugenio Goncalves
Cascdo, 8 a Bernct 4 C, 3 a F. Lauria C, 15 a
Narciso Msia & C, 3 a F. de Arevedo & C, 4 a
Silveira 4 C 7 a Machado & Pereira, 9 a An-
drade Lopes & C, 5 a A. de Brito & C, la
Jos Luis Teixeira, 1 a Gomes de Mattos Irmos,
2 a Joaquim Agoetiuho &('., 5 a Goocalves Irmo
lOJIPIMfii: DE wr.%H.\UK-
MK'M n.XKlTtnEH
UNHA MENSAL
Paquete Senegal
Commandante Moreau
Espera-se da Eu-
ropa no dia 3 de
F do depois da de-
mora do costume
para o Rio de Ja-
ro, tocando na
Baha
I Lembra-so sos senhores passageirse de tudas
as clasees que ha lujares reservados para esta
agencia, que podern tomar cin qualqner lempo.
Previne se ao ssenhores recebedores de merca
dorias que s se attender as reclamaces por fal-
tas nos volumes que forem reconhecidas na occa
sio da descarga.
Para carga, passagens, encommendas a frete: tracta-se com o
4ognste Labille
9-RA DO COMMERCIO-9
Quinta-feira 27 da eorrente
As 11 horas
Da armado, goaeros e mais utencilios
existentes na tavern^ bita ao largo do
Apipucos n. 50.
O agente Pestan8,coiipetentemeute tutorisado
far leilao da referida (averna, em nm ou mais
lotes i vontade dos Srs. compradores no dia e
hora cima menc:nados, para pagamento dos Srs.
credores.
Leiii)
Da armaco c baldo, miudezas, faesndas, mo
veis, mobilias de Jacaranda c pao carga, cadeiras
de amarello, e.Uu'.-s de amarello, vinho de diver-
sas qualidades, c9pelhos grandes, colheres, jar-
ros, quadros o muitos outros objectos.
Na ru* de Pedro Affonso n. 43
Terea-feira S& do eorrente
As 10 12 horas
Urna mesa elstica fl^aniarello, 1 guarda^omi-
da de madeira. 13 cadeiraaVde junco, 2 bandejas,
1 relogio, 1 bslanca, quadros, (^quartinheiro ferros
para engomntar, camas de lona, tc.'has de janeo,
regadores, bacas, moinho para caf / amitos ou-
tros artigos de casa de familia.
QUINTA-FEIRA 27 DO CORRERTE
Ao meio dia \
Na ra da Amisade, casa de azulejo p. 6
[CapuDga) ^v ,
O agente Alfredo Guimaraes, autorisado dor
uma familia quo retira-se para a Europa far ler-
lo.dos movis e mais objectos, cima menciona-
dos, os quaes sero entregues ao correr do rnar-
tello.
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se o 2- andar da casa n. 8 ra da
Imperatris, excellente morada ; trata-se na ra
do Imperador n. 61, 1* andar.
Aluga-se casas a 84000 no becco dos Coe-
ihos, junto de S. Goncalio : a tratar na ra da
Imperatris n. 56. _________
AMA Precisa-se de urna,
familia ; na roa do Cabug n.2-C
Precisa se de ama boa cosiabeira ; na ra
para caa de
da Aurora n. 81, 1 andar.
Precisa-se de urna cosinheira perfeita, e que
durma em casa, para casa de familia ; a tratar
na ra do Bario da Victoria n. 39.
Urna moga honesta e de muito boa conduc-
ta, habilitada a ensinar portugus, desenho, flo-
res e pontos de agulha, se offerece para ensinar
em qualquer arrabalde deata cidade ou engenhos,
poia j tem ensillado em diversos, com tanto que
seja em casas de familias ; a tratar na roa do
Progresso n. 22. casa de Jos Martina Saldanha
ou era Olinda nos Milagree n. 2.
ALUGA-SE o 2 andar do sobrado n. 1,
ra do Visconde de Pelotas, antiga do Aragao :
tratar ra da Madre de Deus n 22.
Na ra do Marques do Herval n. 85, preci-
sa-se de urna mulher que saba engommar.
A!ugaaeo2- e 3' andar (juntos ou sepa-
rados) da casa da ra larga do Rosario n. 3T,
esquina defronte da igreja ; a tratar no pavimen-
to terreo, loja de cabelleireiro.
l'ieeisa-sa de urna
pateo do Terco n. 32.
ama para cosinha ; na
\
_Agente Brillo
Leo
Quarta-feira 26 do eorrente
A's 11 horas
No 2- andar n. 14 da ra da Lnperatriz
O genio Modesto Baptista autorisado pelo Srr
Eolyehio Mendin Pestena, que se retira para fra
desta provincia far leilao do seguinte :
Urna mobili* d<> inogno composta de 1 sof, 2
cadeiras de bracos, 12 ditas de guarnico e 2
consolos, 1 Eof e 9 cadeiras de pao carga, 1 con-
solo de Jacaranda, 1 piano novo de Pleiel n. 6,
1 nspelho com moldura daurada, 2 mesas redon-
das, 1 guarda-roupa de mogno, 1 guarda-vestido
de mogno, 1 mesa para etereve-r, 1 estante. 1 bo-
nito toilett de jaCarand, 1 commoda de mogno
com tampo de pedra, 1 relogio de parede, 1 cama
para casal, 2 ditas para solteiro, 1 commoda de
amare] lo, 3 mezinhas de amarello, 12 cadeiras de
junco, 1 mesa elstica de 7 taboas, 4 aparadores,
1 marqueso, 1 grande bereo de mogno, 8 eta-
gers, 1 carteira, 1 bonita caixa de msicas, 2
cadeiras para piano, sendo nma estufada e outra
asaento de palha, 1 panno forrado de pellica para
cobrir piano.
Todos estes objectos acbam se qaasi novos e
aerao vendidos ao correr do martcllo..
Agente Pestaa
Peilorai de Cambar (3)
Descobcrta e preparaba de Alvares de S.
Soares, de Pelotas
Approvado pela Exma Junta Central de Hygic-
ac Publica,auctorisado pelo governo imperial, pre-
miado com as medalhas de ouro da Academia Na-
cional de Pars e Ezposico Brasil eir- A! lema de
1881, e rodeado do valiosos "attestados mdicos e
de muitos outros do pessoas curadas de : toeses
simples, broncbtes, asthma, rcuquidSo, tsica pul-
monar, coqueluche, escarros de sangue, etc.
Prreos as agencias : Frasee 2500, meia
duea 13*000 e dusia 24000.
Pre?08 as sub-agencias :* Frasco 2*800, meia
dusia 154000 e dusi i 28*000.
Agentes e depositarios geraes nesta provincia
FRANCISCO MANOEL DA SILVA & C,
ra Marques de Olinda n. 32____________^
Timar i hh
PARATIN'GIRA
barba e os cabellos
ios-
Leilao
& C, 4 a A. L. Guimaraes, 3 a B. Maii 4 C, 9 a
Lonreiro Maia & C.
Vidros 17 barricas a B. Daarte Campos & C,
1 ordem.
Vmbo 2 caixss a H. Huwie.
Carga de Lia LO.
Bagas 1 barrica a Jos A. da Vallo.
Ceblas 75 eaixas a Silva uimnni'-s
Campecbe 4 eaixas a G. Laport d C.
Cal 50 barricas a T. de Mello Genro
& O., 25 a Bento de F. Guimaraes.
CartSas 1 caixa a Rouquayrol Fieres.
Drogas 1 volante aos meamos.
Ervadoce 9 saceos a Baltar Ira>aos<& C.
Ferragens 5 eaixas ordem., 4 a Vian-
na Castro A C, 2 a W. Hallidsy & C.
Irnpressos 1 caixa a Landelino Rocha.
Iraagens 1 caixa a Parete Vianna C.
Liaba 3 caixoes a A. Duarte Carneiro
Vianna, 4 a Nunes Fonseca & 0., 1 a W.
Halday & C, 2 a Netto'Campos 4 C
. Poanne 2 caitas a BeltrSo d Costa.
Pregos 16 barricas a W. H-lliday & C.
2 a Reis < Santo?.
Tmaras 10 eaixas a Baltar IrmSas & C.
Sementes 1 caixa a Reis & Santos.
Vinho 15 pipas a F. R. Pinto Guima-
raes d C 6 a Costa Lima d C, i) e 5
barris a Souza Bastos, Amorim d C, 14,
20|5 20[i0 a Antonio Mana da Silva,
130 barris a Silva GuimarSes & C, 20
ditos a J. Costa da Silva Maia, 30 a Fer-
reira Rodrigues d 0., 15 u Joaquim
Dutrte SiniSes d C, 1 a Manoel Joaquim
Pereira. dito branco 2 barris a Rouqusy-
rol Frercs.
De movis, toncas, quadros e
lastres para gaz
CONSTANDO DE :
Um piano de armario e estrado, 1 eadeira, 1 mo-
bilia de junco cemposta de 1 sof, 2 conslos, 2
cadeiras do bracos, 2 de bataneo e 12 de gnarni-
co, 1 espelho daurado, 1 esleir para forro de sala,
4 ectagers, 2 vasos, 1 lustre de 3 bcos, e 2 capa-
chos de coco.
Urna cama francesa de Jacaranda, 1 colxo, 1
toilette de Jacaranda, 1 caixa (boer), 1 lavatorio
de ferro com seus pertences, 1 esteira para forro
de quarto 1 capacho de coco e 1 cabide torneado.
Esta tintura tinge a barba e os cabellos
tan'aneamente, daado-lbes urna bonita cor
e natural, inofensivo o a cu uso simples e
rpido.
Vndese na BOTICA FRANCEZA E DRO-
GARA de Roaqufyrol Freres, successores de A.
CAORS, ra do Bom-Jesns (antiga da Crui
n. 22.
Falsifiraffies
Para evitar falsificaces com referencia ao co-
ndecido fEITORAL DE CAMBABA, deve exi-
gir-se este preparado com a firma do anetorAr-
vares de S. Soares em rotlo circulando a ro-
Iha do frasco e a marca da fabrica nos involtorios,
cirulada pelo nome dos agentes e depositarios,
geraes em Pernambuco Francisco Manoel da
Silva & C ra do Mrquez de Olinda n. 23
Pastilbas vermfugas
de Neriog
o melbor especifico contra vermes : deposito cen-
tral em casa de Faria Sobrinho & C, roa do Mar-
ques de Olinda n. 41.
Peitoral de cambar
Agentes e depositarios geraes nesta provincia
FRANCISCO If. DA SILVA & a
com armazem de drogas raa do Marques de
Olinda n. 23.
Precos : Frasco 2*580, 1/2 dnzia
___________131000 e dusia 24*000
Tendea toase ou aoffrea do pello !( Usai o melbor remedio, que o PEITORAL DE
CAMBARA', e veris como vossa sofFrimento des-
apparece. Vende-se na drogara dos nicos agen-
tos e di positarios geraes na provincia, Francisco
Manoel da Silva <$ C, ra do Marques de Olinda
n. 23.
Bacalbo 2,923 barricas, 894 meias e
75 caizas aos consignatarios.
DE'iPACBUS DE EXPORTADO
Em 22 de Janeiro de 1887
Para o exterior
No vapor ingles Dcrwentdalt, carregaram :
Para Liverpool, S. P. Johnston C. 500 sac-
cas com 45,920 kilos de algodao; J. Pater & G.
1,050 saceos cora 78,750 kilos de assucsr masca-
vado ; J. H. Boxwell 1,500 saccas com 119,481
kilos de algodao.
Na barca noraegaense Prinee P., carregou :
Para Liverpool, J. II. Boxwell 1,000 saccas com
14,779 kilos de algodao.
Na escuna americana Lewit E., carregon:
Para New-York, M. J da Rocha 500 saceos
com 37,500 kilos de assncar mascavado.
Na barca portognesa Novo Silencio, carre-
garam :
Para o Porto, M. Lima & C 460 saccas com
41,549 kilos de algodao.
Para Lisboa, M. J. Pereira 18 barris com 2,880
litros de mel ; B. Oliveira 4 C. 71 couros espi-
chados com 497 kilos.
t*arsi o Interior
Lugre inglez Florence, entrado de Ter-
ra Nova era 22 do corrento e consignado
a Saunders Brothers d C. manifestou
Bacalbo 2,975 barricas e 1,050 meias
aos consignatarios.
Lugre inglez Leander, entrado de Terra
Nova na mesma data e consignado a Saun-
ders Brotbors & C, manifestou :
Na escuna portuguesa Christina, carrega-
ram :
P ra Pelotas, 8. G. Brito 300 saceos com
22,500 kilos de assucar branco; Maia & Rezende
50 barricas com 5,292 kilos do assucar masca-
vado.
= No patacho noruegnense Byfoged C, carre-
gou :
Para Plelas, E. Barbosa 150 barricas com
12,521 kilos de assncar branco.
= No vapor francos Viile de Afarankao, carre-
garam :
Pra Santos, S. Guimaraes & C, 500 saceos com
30,000 kilos de assucar branco.
No brigtie noruegnense LilUand, carrega-
ram :
Para Santos, P. Carneiro & C. 100 saceos com
tJ.000 kilos de asssucar branco.
No vapor nacional Principe do Gr&o Para,
carregou :
Para Baha, M. Moraes 203 saccas com 12,460
kilos de algodao.
No hiate nacional Correio de Natal, carre-
garam :
*- Para o Natal, P. AIv?s & C. 6 barricas com 360
kilos de a-suear retinado.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 23
Santos, escala8 das, vapor francs Ville de Per-
nambuco de 1595 toneladas, equipagcn 41, eom-
mandante Chancberel, em lastro; a Augusto
Labille.
Fernando de Noronha 50 horas, vapor nacional
Giqui, de 223 toneladas, equipagem 29, com-
mandante Souca Lobo, e:n lastro ; Compa-
nhia Pernambucana.
Cardiff36 dias, barca noruegnense Frenad, d
498 toneladas, equipagem 11, capito F. Se-
mowaen. carga carvSo de pedra : ordem.
Navios saludos no mesmo dia
Havre, escala vapor francs Ville de Pernambu-
co, commandante Chancherel, carga varios g-
neros.
Rio de Janeirovapor ioglez T James Thonson, carga carvo de pedra.
Rio Grande do sullugar portugus Costa Lobo
capillo Antonio R. .dos Santos, carga varios
gneros.
Porto Alegre lagar nacional Othelo, capito
Luis N. Ramos, carga assucar.
Entrados no dia 24
Terra Nova31 dias, lugar ingles Florence de
212 toneladas, equipagem 9, capito Samuel
Facey, carga bacalbo : Saundres Brothers
Cabo da Boa Espranos21 dias, barca mgleza
Clarence de 1302 toneladas, capito John W.
equipagem 17, em lastro; ordem.
Hamburgo60 dias. brigue austraco, Pinuz de
360 toneladas, capito A. Sumnichp, equipa-
gem 10, carga varios gneros ; 4 Fonseca Ir-
mos & C.
Saludos do mesmo dia
Parabyba barca norueguense Aor, capito S.
Evensen; em lastro.
VAPORES E3PERAD
Ville de Maranhao da Europa
Vie de Pernambuco do sul
Cear
La Plata '
Galicia
Espirito Santo
Allianca
Marinho Visconde
Pernambuco
Advanoe
do norte
da Europa
do sul
do norte
do sul
da Bahia
de Hamburgo
hoje
hoje
hnje
hoje
hoje
a 27
a 27
a 27
a
de New-Port-News a 28
ZVea
Fevcreiro
do al
fl
-v
'.:

l
*-
r -
j





-'
1

:
. .'.
tv
-:. ..
1

..

f- .




\) '-
j-
I'--"
>
'
M
I -
1
-'
i
X
'
y
>
I *

1
/-
a 14
WKm
k


Mm^^f^v>
m^m
\ .





..i


i
>
i
Diario de PcraarabucoTer?a--feira 25 de Janeiro de 1887
5
lo c^mmercio
Fonsca 4 C-, tendo liquidado boje suas tmn-
sac{5ei coMimereiaes com o 8r. Antonio Duarte
de Figofiredo, ficar sena effeito qoalquer docu-
mento' que posa* apparecer at esta data. Reci-
fe, 2 de Jantiro de 1887.___________________
J
loubo
Hootem, por volta das 9 horas da manhS, foram
roubados da casa n. 35 da ra daa Cruces, pri-
meiro andar, os seguintes objectos : i cordo de
ouro, 1 medalha com diamante no centro, 1 par de
brincos e 1 frasco de extracto ; pede-se a quem
appreheoder taes objectos, o especial favor de k-
val-os 4 dita casa.
Caixeiro
Prcciaa-sc de um caiieiro de 13 a 16 aonos,
com pratica de taverna ; na ra da Aurora nu-
mero 85.
Viveiro para passaros
Vcnde-se dous glandes e bonitos viveiros po
pieco con ir o Jo, sendo o motivo da venda ter o
dono acabado com os passaros quo possuia ; a ver
e tratar na ra do Imperado; n. 22.
Grande liquidado
na loja de miudzas
50 Una Xova 5
O proptietario do fstabelecimentcBazar da
Moda, scien'ificu s Exmas. familias que em vir-
tude da prxima reedificado do predio em que
est c8tabeleeido, tem resolvido liquidar to-
das as buhs mcrcudorias, constando de miudezas,
perfumaras e artiges de moda, com grandes aba-
timentos, sendo que muitos artigos sao por prejos
inteiramente baratos, como sejam :
Grande rariedade de plastrnj a lOOO e 1/200
Sbunetcs de areia ae B3gev a 200 rs.
Ditrs ing'.oze?, grandes a 200 rs.
Duzias de ditos a OlO.
Garraf.i de gua liorida a lfSOOO.
Vasu cem opiata a 900 rs.
Prast a com extractes muito finos a 1/300.
Frasco con agua de colonia americana a 5(0 rs.
Papis para forro a peca de 320 e 400 rs.
Guarn:,oc3, liabas, fitas, bicoe, boles e artigos
de moda.
PARA ACABAR
Pcitora 1 de Cambar
()
PBEC08
1(2 duzia 13/ e
1|2 Jtizia

CONTIHUA ATE' D FIM DO
A BON MARCH
81Ra Duque de Guias81
PARA ACABAR
Aproveitem antes que se acabe
Camisas
PRESOS
as agencias : frasco 25C0,
duzia 2000.
as sub agencias : frasco 2/800,
15/000 e duzia 23iO0O.
Agentes e depositarios gerara em toda a pro-
vincia Francisco M. da Silva Ac C., S ra do
Mrquez d Olinda n. 23. __________
Antonio Francisco de Barros
Leite
D. Cactana Simplicia de Barros Leite, D. Apo-
liasria Cactana de Barros Leite, Ambrosio Fran
eisco de fiarras Leite, Demctiio Rjnulpho de Bar
ros Leite, major Emygdio Francisco de Soma'
Uagalhaes e aua filha D. I-uiza de Franca de
Souza Magalhesi D. Guilbermii.a Saboa Vieira.
Jos Sabino Vieira, D. Guilbennina Francisca
das Chagas, D Eugenia Amelia Ernesta Fran-
cisca das Cbagas, D. Msria Olindina Rodri -
gues Barracho, D. Bernardina Sabina Rodrigues
Barracbo, marido, pai, av, manos e sobrinhos,
agradecis do fumo d'alma todas as pessoas que
se dignaran acompanbar os restos mortaes de eeu
sempre cbarado marido Anfnio Francisco de
Barros Leite ; e de novo convidam a todas as
pessoas f ara assistirem as missas que serSo cele-
bradas na igri-ja de N. S. do Rosario de Olinca,
no dia 26, s 6 boras da inanba, stimo diade seu
infausto pnssamento. ____________
SS>ta*
Dr. Vendo de N Brrelo
Sampaio
D. Caiharina Eulalia da Cmara Ssmpaio, a
Saroneza de Palmares, D. Antonia Porcina de S
Brrelo S*mpaio, D. Maris Eulalia da Cmara
Sampaio, Mendo de Sa Barrete Sampaio Filho,
Bernardo JtsdaCamtra Sampaio, Autsnio da
Cmara Sampaio, Arthur Sampaio, D. Catbarina
Sampaio, D. Julia Sampaio, Dr. Barreto Sampaiu,
major A. Manoel de Sampaio, Dr. Bernardo Jos
da Cmara e sua mulhcr, Dr. Joaquin Jos da
Cmara e sua mulher, capitao Manoel Jos da
Cmara e sua mulber, Dr. Jos Hygino Duarte
Pereira e sua mulber, Dr. Luiz Joto Pereira Si-
moes e sua mulher, esposa, sogra, mi, filbos,
irmaes e cunhados do Dr. Mendo de S Barreto
Sampaio, convidam seus amigos e parentes para
ouvirem a missa que mandan, celebrar uo dia 26
do corrente, trigsimo do seu paseamento, s 8
horas da manha, na matriz de Santo Antonio,
noel ls- loS Sanina
1 anniversario
O director do Asylo deMe.idicidade manda re-
sar ns capella do mesmo asylo urna missa pela
alma de Manoel Jos dos .-autos, no dia 26 do
corrente, peas 8 horas da manbS.
Dr. Manoel Antonio da Silva
Rio
Os irmaos e cunhados do Dr. Manoel Antonio
da Silva Ros, convidam aos seus parentes e ami-
gos, e do finado, para assistiren as missas, que
pelo eterno repens de 6ua alma, mandam rosar
na ordena terceira do Carmo, no da 26 do corren-
te, peiae 8 horas da manh, stimo dia da seu
fallecimento ; pelo que desde j se onfeessm
eternamente gratos.
Manoel Joa do* ajilo*
Pastora Theodorica dos Santos, seus fi'bos e
seus genros, convidam aos seus parentes e amigos
do seu fallecido esposo, pai e sogr, Manoel Jos
dos dantos, para aesistirem as missas do an-
niversario, na matriz do Corpo Santo, s 8 hora-
da manha de quarta-feira 26 do corrente, agrade
cendo desde ja todos que compareceris a esse
actodereli/iao e caridade.
Hnralo JoJo Aasb.Tto Copea, compadre u aroitco do fi-
nado Goncato J.e da Gama, muito" agradece
todas tf pessoss de sua aaiitadb e as do mesmo
finado, em acompanhal-o ao ecmiterio publico
desta eidade ; e ao mesmo tempo as convida para
assistirem as missas do stimo dia, que rero lu-
gar na groja de S. Jos de Riba mar, na qoarta-
feira 26 do corrente, pelas 7 boras da manh, an-
tecipando desde j tens agradecimentos.
CAV1BRAIAS BORDADAS
de linho com e sem collarinho
c selins finos ,de (odas as cores
Por inelde do prefo-
SO NA LIQ1DACAO
Al BOIN MARCH
SI-Roa ftn FUNDICAO 6ERAL
ALLAN PATEKSON ft C
N.44-RU i do Brom-N. 44
JUNTO A EP TA^AO DOS BONDS
Tem para vender, por pret mdicos, aa seguirttes ferragens:
Tachas fundidas, batidas e caldcadas.
Crivac3e6 de diversos tamanhoa.
Rodas de espora, dem, dem.
Ditas angulares, dem, idera.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Varandas de ferro batido.
Ditas do dito fundido, de liados modelos
Portasd fornalha.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavailoa.
Moendas de 10 a '40 pollegadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Eccarregam-se de concertos, o assectamento do macbinismo
trabalho com perfeijSo e presteza.
CURA CERTA
de todas as AffecgSea pulmonares
<,
fc
CAPSULAS
SyCREOSOTADASY^
ft/do Dr.POtTRlTIE.i
nicas Premls^AS)
Na EipotictodeParii em 1S78
ZXI.M-M A HJlXDA DI
gauntu nr.MD
&RlS**z
Todos aquelles que soflrem
Ido peito, devem experimentar!
[as Capsulas do Dr. Fournier.1
Depositarios em Pernambuco:
FRANCISCO M. da SILVA 0>.
o execatam qual
mm
imm
JOSEPH IvRAUSE ft C.
Acaban) de augmentar o seu j bem conhecid
Deportante estabelecimento roa
de mareo n. 6 com mais
nm salao no 1 andar Inxnosamenle prepa-
rado e prvido de urna exposi-
fltfe obras de piafa o Porta eefedre-pfate
dos mais afamados fabricares do
mundo inteiro.
nonvida, pois, as Exilias, familias, seus nume-
rosos ^amigos e freguezes a visitaren,
o seu estabelecimento, atim de
apreciara a grandeza bom goslo com que
nao obstante a grande
despeza, o adornaran), em honra
desta provincia.
&GHA-SE ABERTO DAS 111 DA NOITB
? Approvados pela Junta Central de Hygiene da Corte.
* Aperientes, ostomachicos, purgativos, depurativos, contra a
J Falta de appetite, Pristo de ventre, Enjtaqueca, Vertlgrens,
jf Congenie, etc. tse ordinaria : l,s 3 urios.
* : fJTinTFTWlrUTS?! com ojaiuio em 4 cores, c a
,* as laflBaaBLlHEBBiB assigni'Jl .1. Rouviere cm tinU mcaraiU.
Em PARTZ, Pharmacia 1ZBOT,
DEPSITOS EM TOD.VS AS PRINCIPAES PH.VRMACIAS
MANOEL DOS SANTOS FALCAO
N. 165.Tendo a Meretissima
Junta Commercial por despacho de
hontem, em vista do art. 1 do de-
creto n. 2682 de 23 de Outubro de
1875, reconhecido ao negociante de
cigarros Manoel dos Santos Falcao,
domiciliado nesta praca e nella esta-
belecido ra de Vidal de Negrei-
greiros n. 30, o direito de marcar
os productos de seu coinmercip de
cigarros com o desenho supra, con-
tando a denorninajao de SUZANA,
em cujo papel pretende envolver os
cigarros quo expoe venda em seu
predito estabelecimento, fez este re-
gistrono livro competente, que con-
tera a mesma verba que se le neste exeinplar.
Era cumprimento do supr.^ dito despacho declaro que ficcu sem effeito e re-
jgistroda marca n. 134 que pertencera ao indicado Manoel dos Santos Falcao.
Secretaria da Junta Commercial da eidade do Recife, 18 de Maio de 1883.
O secretario,
Julio Guimaraes.
QuininadePelletier
ou das trez firmas
O Sulfato de Quinina Pelletier
preferido por todos os mdicos, por
ser inteiramente puro, contra as
Enzaquecas, as Nevralgias, os
Acceseos de f ebre.con traas f ebres
intermitientes e paludosas, a
gota e rneumatismo, e os suores
nocturnos. Cada capsula, da gros-
sura de urna ervilha.contm 10 centi-
grainmas de sulfato, e nella l-se
PELLETIER.Estas capsulas tem >"^
accSo mais prompta e maisiramiu
segura do quo as pilulas e\,_jf
confeitos, e engole.n-se maia fcil-
mente do que as hostias.
Deposito em PAFlIS,8,Rd Vivienne
e as prinoipaet Pharmaciaa s Drogaras
&^&&yC .n*/ crfo<&ctf]

>-*
ce
es
-3
0)
t co
es C*
o

"^ s:
s
ce
O
O
Q
EueiHio Marques deHollahda.
^
?. 9WcCi4xctunxt*vtcr/veuk^a'-ix~\
v Rheumatismo.Cancros,Bobas mpi^ens --* {
ptodafta9 molpstutii que tenhoena on^etn
. na impureza do tiangue devida a syphi
- Ar----------------------S*
uo para aaviisi v.i
^A*ruj>cmM* ^----------- _^J*
------- ;tf**- --------r-Si^f^^J---------^Sr*Z,--m. A
ABORATORlO^ENTRAl DE^ROOUC.TOSl|tOIClRAU
DA FtORA BRASItERA.
r Ra do Visoonde do Rio Branoo
|A
i
KIOI>K JAXKIKO'
/'

e
a
"
c
ce
"
p^
0
1
a
p
-a_
g! i
O
ai
^ .
6S 2-
= hr
O ^
S z:
0
a. a
r> ' ce
, 0 lrrm O
*
ss
29 M
P
= O
O
?0 H-*
os O.
P
L^-J
or
N-

--
99
&
O
OleodeFigadodeBacalhau
do X>r J3XJOOXJ2K:
todo-Ferruginoso de Quina e Casca do Laranja amarga
i* "'-------------------
Este medicamento hcil de tomar, nao provoca nauseas,
e do cheiro agradavcl. Pela sua composico, possue todas as
qualidades que lhe permittem combater :
a ANEMIA, a CHLOROSE, as AFFECCES do PEITO
a BRONCHITE, os CATARRHOS, a TYSICA
a DIATHESE ESTRUMOSA, ESCROPHULOSA, etc.
Em vista do seu emprego fcil, da sua acejio multplice e
I segura, da economa para os doentes, os mdicos reccitam-n'o
de preferencia qualquer outro medicamento similar.
DEPOSITO OERA-L. s
PARS, 209, ra Saint-Dems, 209, PARS
TENDEIt-SE EM TOlikS AS PRINCIPAES PHAKMACIAS DO IMVKB-O
DESCONFIAR DAS FALSIFICACOES E IMIXACOES

'cLcaaa *

VERNIIFUGE COLMET
CHOCOLATE oom SANTONINA
UFAUJTEL para destruir u L0MBRIS1S .
hit VormlfaRO rtcomotodido pel9 ffr*
sea sabor tgntos e eouemtto indtiUa. Ir/ A
Exigir 1 isiitvrt : O \J{ M^ I
FlfH.WCaUllT-<,AA6E. tifwimta.FHAir-M.tliSrtTHIi I
DOMESTIC
Sao reconheciaa8 ser as mais
elegantes, as mais diiravcls
em todos os sentidos.
AS HBLHQRBS
Pura procos, e circulares com
ilIu8lraco.!8 de to'ios os estylo diri
jam-se
^ Domcslic Sewng Machine
NEW YOR, U. S. A.
Tctephone n. 158
;.
?????^??????????^?????????^????^???t
0 MAIS ENRGICO E 0 MAIS ACTIVO DOS RECONSTITOINTES
---------------------------11 ^ i'---------------------------
O ARSENIATO DE OURO se impoe a todo aquclle que for cuidadoso do seu_ ora estado de sade. Com um ou dous
granulos por dia, mita o appetite, as forcas augment3o> una sade perfeita smeede rpidamente d um estada inquietador. Nenhum
medicamento pode competir com elle no tratamento daa Molestias chronicas do Peito e do Estomago, Afeccoes
intestinaes e nervosas.
AMEMIA, ES60TAMENT0, MOLESTIAS NERVOSAS, MOLESTIAS DE SENHORAS
O Arseniato de Ouro dynamizado do Doutor ADDISON, resultando da combiuacao de dous medicamentos
heroicos, combate victoriosamente a Tsica, Bronchites chronicas, Asma, Rheumatismo chronico e todas as
Molestias que resultfio do Esgotamento do systema nervoso.
Nfio tem rival nos Enfraquecimentos que resultSo de urna Ionga molestia. Suas propriedades tnicas e reguladoras da
innervacSo tornAo-no superior ao Ferro contra a Anemia, as Flores brancas e aa Nevralgias. As Febres que
resietem ao sulfato de quinino cedem ao Arseniato de Ouro.
O Arseniato de Ouro torna as mulhercs jovens e nutridas. Auxilia poderosamente o utravessar a poca tSo temida da
idade critica e eommunica urna nova juventnde.
MOLESTIAS 00 SAN6UE, APOPLEXIA, MOLESTIAS DA PELLE
' Gracas sua propriedade de restabelecer o equilibrio entre os elementos constitutivos do sangue, o Arseniato de
Ouro dynamisado recommendado s pessoas de idade como preservativo das differentes espe.-ics de Apoplexia e Con-
gestoes. Tomado era fortes doses, cura rpidamente qualquer Molestias proveniente de impureza do sangue.
Combinado com um tratamento local, cura infallivelmente as Molestias mais rebeldes da pelle. Lupus, Eczemas,
Milhares de Doentes devem hoje sua cura aos Granulos de Arseniato do Ouro do Dr. ADDISON.
Innmeros attestados forao dados, citaremos aqui alguns.

O FRASCO : 6 FRANCOS
(em Frazi^a)
Desconfie-se das Contraales
e exija-se aVERDADEIRA ETIQUETO
com a MARCA DE FABRICA assim
como a assignatura ^^^)
e a do Snr.
nico Preparador
^A^^\^^W>A^^AAAAyw
Deposito Geral :
Pharmacia G-ELX1T
38, ra fochecfiouart, em Parlz
E AS PRINCIPAES PHARMACIAS
Em Pernambuco:
Francco M. da Silva & Cta.
ATTESTADOS DOS DOENTES
Sor. Gelih, Pharniicotico de 1 cUsse, em Ptriz.
Tendo tirto dores no peito, estomago e dorso,
indo perdendo as forjas, nao podendo mais comer,
vomitando quanto tomaca.em pregue i os GranulM
de Arseniato de Ouro dynamisado do Doutor Addion.
Empoucos das dcsappareceram as dores voitan-
me o appetite, '
Queira entiar-me mai um frasco dettes gra-
nulos. ...
Na espera, tenho a honra, de cumprunental-o.
Ladrest. Reloj. OtoHees em BrezoUes (E.-et-L.)
Nota- Autoriso-o apub'icor esta carta.
Snr. Gei.im, PharmaceatfcodeHclasse.em Pariz.
Estou milito satitfeito com o emprego dos Gra-
nlos de Arseniato de ouro dynamisado do Dootor
Addson. Ha dous anuos que os Granulos de Arse-
niato de ouro do Doutor Addison commecou a Jtenr
em roga n'cste paiz e tem augmentado, pois cum
cuantos delies jacOo uso.
Muito Iht- seret agradecido de me cnciar oinaut
brete possiccl dous frascos deste medicamento,
tem sido o nico remedio que tem acalmado min-
has dores neurlgicas.
De V. S. m~ aW' V**.
F.
Em Cabricrc.
F. Armand. Adjunctn d Afttirie.
terestTAciunpnp. l'I*le*$-Sorgue(VaucL)
Caro Snr. (f.i.in,
O effeito do* Granulos de Arseniato df ouro dyoa-
misado do Doutor Addison, tem sirio mameilhoso!
Ainda naovoltei de minha surpreza. Nao tenho
mais as iiiupport'>c**> dores de cabcea e d febre
dcsappareceu.
Julgaca me desecad n ido. e s6 lhe tinha pedido
detteproducto a ttfufo de ensaio. pois no acre-
ditaca na su'i cfflcacia O que aora crcio. bem
romo na minha curts.
Tenha a bondade de flPM>t(tp-M6 mais cinco
frascos destes gran:i/'
Na crpeetatira de sua remessa tenho a honra
de trans' 'ttir-lhe meul protestos degratidSo.
La Ronche, ra faiett*. II. em Chcrbourjo.
Snr. Gblin, Pbv a ewtfee do I ciaste em Parir.
Logo que recC't~ o/&$<* comecei toao lomar;
em poucos di i me arictra euradn.
Fui tratado sem res/Ufado por mudos^A/edieo.'.
Felizmente que reeorrt nj Arseniato de TOro djraa-
mi^dodo Dontor Adtson.
Tenha a Oo/idn-ft Sur I, ln. de r;i":'ar-me um
frasco de Granulo, d-; Ar.*mcia> de ouro dynamisado do
Doutor Addison ; jlm de wernrcr-im. contra urna
rccahto.
A/uito-lh* aqr^,i"s-n /,-/* me e-.t uo deste medi-
camento, que < cautn de minha em? >.
Vinoi (Krnest).
A Quendcs. par SezanJie (Marne).
Snr. Gelix, Phrtnaceutte* de la classe m Pars,
Tendo maia ronfinneo em seus Granlos de Arse-
niato de oore. dyumi-ieJo 4<) Onutor Addison, desde a
curaradi al de nu-i-o Jkl.ha.peco-Che de mauflar-
me mais am frasco d?str etficatnenfq.
Agradeco-l-he /.- -nte -f^Oo. \
Bt iw- y. fiCQ-i^ant* de cinhos.
A Perrignij ** Serrj\far Noyer (Vonne).
Sor. Gnus, Parinacetico de la clu$e cm Ptrii.
AcabH eprn orrasco de Granulos de Arseniato de
oure dynamisado do Doutor Addison que lhe i>cdi lti-
mamente. PrQ possp attriouir winha cura ao effeito reste feli'
medicamento. Disto quKtodos os que tenha' at
"nto emprcQuet ficaraMsem resultado
%$? %tt*eer^$r'm mais <"*/>"*<
Trocv. Reloj. Ourices.
________A Pioncara, protincc d'Oran (Algeria).
pS-f' Gel"'" Ph*rmacentico de la darse em Pariz.
Tenho a honra de incluso remetter-the seis
jraneps importancia de um frasco de Granulo i de
Arseniato de ouro dyoamisado do Doutor Addison. que
terd a bondade de remetter-me
bmpreguei este medicamento que comprei em
,Zl?frf^f*Crt,c'Jvresp0'idnte e LletJlquei
nuuto satisfcJo com os seus promptos e ea-cellenies
KPi FKsWT. institutor.
Lt,y Rcbreucc. pertode Houdoin (Pas-de-Calais),
Snr. GeLik. Pharmaceutico em Para*.
segundo os coneclhos de um Medico empreguei
a* Granulos d* Arseoiato de ouro dynamisado do
Doutor Addison.
Em vista do ii-uraoiihoso effeito que comecei a
experimentar desde que principia a usar dos
Granlos de Arseniato de ouro dynamjsado do Doutor
Addison. roQQ-lhe de entnar-me o mais breee
sie el mais dous frascos.
IH V, S. att" V" Cr" Obg*:
J arj a ye. Joio Paej, proprietario.
Em Vercoiran. por Le Ruis (Orme*

i :

1
r. f

.

fft<
iAAAAAAAAAAAAitA
iibBD
}







Diario de PemambueoTer$a--cir& 25 de Janeiro de
CUIDADO COM
AS FALSIFICACOES!
/>;
kA/f
o*
^
PARA
jENCO O TOUCAOO"
E O BANHO.
Alagase barato
Kua dos Gu arara pes n. 96.
Boa Visconde de Itaparica o. 43, armazem.
Becco Campello n. 1, i andar.
Largo do Mercado o. 17, loja com gaz.
Aa caaasda rus do Corono) Bnaasana n. 141
Largo do Corpo Santo n. 13, 2." andar.
Trata-se na rua do Commercio a. 5, 1* andar
icriptorio do Silva Gui maraes fe C
Aluga-se
o grande aobrado rna Imperial n. 8, qne foi do
allecido conselbeiro Jos Felippe, com grande
terreno, diversas fructeiras, agua encanada egaz ,
a tratar na rua estreita do Rosario n. 8, escri-
torio. _________
Ahigam se
0 1* audar e soto da ruadas Trineheiras
34.
O 1 andar de n. 123 da na da Gloria.
O'andar terreo do masmo, ambos com agua e
bons quintses.
A tratar com o Dr. Claudino de Mello, rua do
Visconde de Albuquerque, antiga Matriz da Boa-
Vista n. 25.
Aluga-se
o 2S andar do sobrado n. 35 travesea de S. Jos ;
o 1* e terreo do de n. 27 rua Vidal de Negrei-
ros ; o 1 do de o. 25 rua veiha de Santa Rita ;
o 1- do de n. 34 rua estreita ci Rosario ; todos
limpos : a tratar na rna do Hospicio n. 33.
Muga-sc
o primeiro andar do sobrado do pateo de S. Pedro
n. 4, tem agua e gaz : a tratar na rua str> ita do
Rosario n. 9.
Ama
Precisa-se de urna ama para < servico domestico
de urna casa de familia ; na rua do Cotovello nu-
mero 46. .
Precisa se de ums ama pera cosiuhsr ; a tratar
no 1 andar n. 22, raa larga do Rosaiio.
AMA
Precsa-se de uiua ama para
lavar, engommar e faze rmais
alguns servico de casa de fa-
milia : nienos comprar e cozi-
uhar : na rua do liiachiielo n
13. I>evc dormir eui casa.
Ama
Precisa-se de urna rapariga para cuidar de urna
enarca ; na rua Real n. 20, Casa Forte.
AMAS
Urna para cosinhar e outra para servidos ligei-
ros, iaternos ; preeisa se na loja de fazendas n.
44, rua Duque de Canas.
Ama
Precisa-se de urna ama de inda idade ; rarui
da Aurora n. 137.
\
Ama
Precisa-se de urna ama que saibi cosinhar ; na
rua rio Bario da Victoria n. 30, loja de machinas.
Alnga-se o andar de cima, da easa n. 23, nu
do Nogneira, rom bom quintal e cacimba : tra-
tar na rua Onque de Cusas a. 47.
Boa morada
Aluga-se a casa terrea n. 129 rua Vidal de
Negreiros (Cinco Pcntas), com 3 quartoa, grande
quiutal, e est limpa ; para ver, as chaves estao
na padaria do Sr. Gnimaraes, e trata-ae na rua
de 8. Jorge n. 56, taverna.
Punas pnrgaiivas e depurativas
de Campanha
Estas pillas, cuja preparaco puramente ve
getal, tecm sido por mais de 20 annos aproreitadai
com os rr.elhores resultados as segnintes moles-
tias : affecces da yelle e do figado, sypbilis, bou
boes, escrfulas, chagas inveteradas, erysipelas e
gonorrhas.
Modo de unal an
Como purgativas: tome-se de 3 a 6 por da, te-
bendo-se apos cada dos' um pouco d'agua adoca-
da, cha ou caldo.
Como regaladoras : torae-se um pilula ao jantar
Estas pilnlas, de invencao dos pbarmaceuticoe
Alrceida Andrade & Filbos, teem veridictum dot
Srs. medico para sua melhor garanta, tornndo-
se mais recotnmendaveis, por serem um segu c
purgativo e de pouca dieta, pelo que poden, ser
osadas em viagem.
ACHAM-SE A* VENDA
Ha drogara de Farla Sobrliiho d>
Al BA DO MASQUES DE OUNDA 41
i
A.elffls caites
Mara do Livramento, velba octagenaria e pau-
prrima, pede as alma3 -caridosas que lhe mande
urna esmola pelo amor de Deas. Mora no becee
da Bernardo n. 51. E' tim obra de ca idade.
CONTRA
DuIwj, Ortppe, Bronchites,
XrritAQSea do Paito, o XABOPE eaPASTAptritoral
deNAF IeDELANGRENTEBsaodenmefflcaciort
Terica 1 por Mcicbros da Aairmia Ae Me iica* da Pmnc.
Sem Opio. Morpkina era Codr.na il-*r Ma receto 6b
cranca* affect*4a* de Tosse -u Coqueluche.
PARIHj rma Yirienn*., *9, JPAM
E CU TODAS AS PHARHACIAS
DO MONDO.
Menina
Urna familia estrangeira precisa de urna meni
na de conducta flaneada, nicamente para tomar
sonta de urna eri'.ncinha de o:to mrz. s, d s bom
trato e paga se bom ordeado ; informa ae i rua
ova de 8anta Rita n. 55. sobrado.
Predios na Vanea
Troca-se on vende-se dona bons predioa na
Varze, rua do Sol a. 17, defronte da estacao :
qom pretender dirija-as roa da Guia, no acou-
aau aritino.
Tricofero de Barry
Garante-Eo que faz nas-
cerecresccr o cabello anda
aoa maia calvos, cura a
tinta e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabera. Positiva-
mente iinpcde o cabello
de cahir ou do embranque
cer, e infallivelincnte o
torna espesio, niacio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvu$3o oficia? de
uro Governo. Tem dnaa vezes
mais fragrancia que qualquer outra
t. dura o dobro do tenipo. E' muito
mais rica, suave u delicioso. E'
inuito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
len>;o. E' duas vezas mais refres-
canto no banho e no quarto do
docnte. E' especifico contra a
fronxidao e debilidade. Cura as
dores deamaios.
Xarope Je Viia le Eeiter Ii l
airxEE te T/sii-o. dxpois dk sal-<.
Cura positivas radical de todas as formas de
jecrofuTes, Syphiiis, Feridaa Escrofulosa,
Affecc3es, Cutneas e aa do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do-
noaa do Hangue,Figado, e Bins. Garante-sa
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangua
restaura e renova o systema inteiro. 0 i
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian-
cas e para a cura das moles-
tias da peile de todas as especies
ra todos os periodos._______
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C
DE
SCOTT
'E OLEO PURO DE
Figado de bacalho
COM
Bj-poplhiiphilos de cal e soda
Approrada pela Bunta de Uy
SjieBf e anorisRis pelo
gofcrao
'o meili. i enw dio at luje deocoberto para a
ilftira kroMChitva. mcrcphulas, ra
cbIHH. anemia. < eliil iitnif c em aeral.
defloia*. loa-se lirontca c iTitroei
do iirim f da mritar.ta. 5sa
E' muta 8-' r'cr ao oleo simples de figado de
aacaiho porque, :t!m de Jer cheiro e sabor agra-
iaveis, pose!'.- todaa as virtudes medicinaes e nu-
tritivas de oleo, -m das propriedades nicas
reconstitat!' ^ dos iiypof-hospbitos. A' venda nai
(rogaras ddboticaa.
Deposito em Pernambuco
Avisamos aos nossos fregu'-zes que pelo
ultimo vapor chegado da Europa recebe-
mos o mais moderno c tingante sortiment
de chapeos de s.l para bomens, senheras
e criancas, ettes pela sua elegancia e va-
riedade sati^fazem bem enanca que de
presente receber ura ; aproveitera que es
to se acabando, vendas em porcao e a re-
talho.
Este acred'tado estabelecimento, j bas-
tante condecido quer pela seredade e ca-
pricho de todos os seus trabalhos ; previ-
ne aos Beus amigos e freguezes para Ibes
evitar quo continen) a ser prejudicados
ou Iludidos, que acabnram com a loja filial
da rua de Cabug. qualquer pedido ou en-
commenda dever ser feito para
15 -RUA DO BARO DA VICTORIA-I 5
Jone Forre ira 4 C
Ciligfl PareiT""
Odirectir date ollegio declara aoiiaisde
seus aluirnos e ao publico em geral, que aiudou o
seu cilicio ''an a rna do Hosjicio, n. 3, cajo
predio offerec i bastantes commodos e coudicoes
hvg:enCHS ; cutrosim, qoe recebe alumnos inter-
nos, stmi-ieirruos c ejtcrn e as nulns cuuieca-
rio a funecionar a 7 de Janeiro de 1887.
O aireetor,
Oiidio Alvcs Manaya.
Compras por atacado
O l'oil.ira! de Cmbara
tem precos especi^cs pira acuelles que compra-
ren) grandes pur^oes. Distribu'm seimpressosv
qu< m es pedir, contendo as eondicoes na n a do Mrquez de Olinda n. 23, drogara dos
aicos gentes depositarios geraes
Francisco M. da Silva Clnica lioimeo-alifl-
pathica
O Dr. Francis^p de Paula Stares di contnltas.
d'era cm dame, na 2 ander do rohrado n. 29
raa df Viial de N^greirrs, das 11 horas ao mei."
da. Na roesma occasi&o vaccinar, gratis oo
mediante icmuDeracSc, a quem se aprescutar p-.m
isto.
Os trtaments continnsro a ser feitos pela
borroBipathia oo allopatiria, s eundo ntaiir proba-
bilidade c cura por orna ou outra dontrina.
A respeito sabe quuuio o snnuotiante prima u'este ramo de
secvito. Espi cialidadesMolestia de criancas
Vario'as.
Os coaomdiB (por escript) serio para all, en
para sua residencia i rna d'Aarora n. 133.
LOTERA
PARA
EDUCACAO DOS INGENUOS
1.A.
COLONIA ISABEL
AOS mo:ooosooo


40:000S000
20:0008000
10:0008000
3:0008000
Esta lotera, cuja i.a Serie da 24.a parte, ser extrahida
na segunda-feir. 24 do corrente, s 4 horas da tarde, no Consis-
torio da Igreja Conceico dos Militares, acha-se venda as se-
gnintes casas:
Rua do Baro da Victoria ns. 40 e 43.
Cabug n. 2.
Rangel n. 2.
Larga dO Rosario ns. 24, 36 e 42.
No mundo lotrico a nica que pelo seu plano, mais vanta-
gens offerece aos jogadores, e no Brazil, at hoje, anda nao achou
nenhuma outra que se approximasse em vantagem na distribuipo
dos premios, e para prova desta asserco pedimos a attencao dos jo-
gadores para a seguinte TABELLA comparativa dos referidos pre-
mios distribuidos por esta lotera e as suas congeneres:
LOTERA DO GfilO-PAlU
D 70 \ de premio do seu capital.
DEM DO CE.4I1.V
68 3i4 \ idem.
DEM de alagoas
73 3i4"j idem.
dem de munas-gehaes
Menos de 81 [
\
Scmdietaescm niodifi-
ca?6es de costumes
Laboratorio central, rua do Viconde \d
Kio-Brunco n. 14 N.
Esquina da rua do Reqente .Rio de ^
Janeiro l
EsjrCcicos preparados pelo phar-
Diaceulico Eugenio Marques
de Hollanda
Approvodos pelas juntas de hygicne da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Pariz.
Elixir de imbiribina
_ Restabelecc os dyspepticos, facilita as diges-
toes e promove as ejeccoes difficies. ,
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anemicos, debella a hjpoemia
intertropical, rtconstitue os bydropicos e beribe-
ricos.
Xarope de flor de arueira e mutamba
Muito recomuH ndado na bronchite, na hemop-
tyse e as toases agudas ou ehronicas.
Oleo do testuus ferruginoso e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraqueza do orga-
nismo, na tysica.
Piluias ante peridicas, preparadas cora
pereriua, quina e jaborandjr
Cura radiealmente as febres intermitientes, re-
mittentcs e perniciosas,
Vinho de jurubeba simples e tambera fer-
ruginoso preparados e m vinho de caj
ErHcazes as iuflaumacocs do figado e baeff
agudas ou ebronicas.
Vinho tnico de capilaria e quina
Appiicado naa convalescencas das parturientes
retico antefebril.
Francisco Manoel da Silva &G.
RUA MRQUEZ DE OLINDA
Leilura para senboras
Broches nikelados e dourados a 2()000.
Bonites grampos dourados a 500 ris o
mago.
Esplendido sortimento de galSes de vidri-
lho.
Grande variedade de leques de setiin a
000.
Frizadores americanos para cabello a 300
ris o maco.
Setas de pbantasia para cabello.
Bonita colleccito de plisss a 400 ris.
Briacos iinitacSo de brillante a 500 rea.
Aventaes bordados para creancas a 2^000.
Chapus de fustao e setim nara crean-
938.
Sapatos de merino e setim para crean-
gas.
Meias brancas e de cores fio de Escocia.
Pomada de vozclina de diversas qualida-
des.
Sabonet08 fiaos de vogelina e alface.
Extractos finos de Pioaud, Guerloin, e
Lubin.
Lindas bomas de couro e velludo.
Fichus de 13 para senhora a l5i00.
Sapatos de casemira preta a 2000,
Thesouras para costura do 400 ris 9
3000.
Pacotes de p de arroz a 300 ris.
Fitas de todas as qualidades e cores.
Iinmensa variedade de botoes phantasia.
E milhares de objectos proprios paro tor-
nar ama senhora elegante, e amitos ou-
tros indispensaveis para uso das familias
tudo por pregos admiravelmente mdi-
cos
\a Graciosa
t Rna do Crespo 9
Duarte &C.
Distribne em premios mais de 85 li8[o.
INJECQO DE GRIMAULT E CT fiTPEPTQA
Preparada oom as foUias do Matico
ppnvada pela Junta d'Hygiene do RIo-i+J*B9n>
Esta tnjeccao preparada com as folbas do Mtico do Per para a cura
da blennorrbagia, adquiri cm pouco tempo urna reputacao universal por
ser a nica innocente, contendo apenas vestigios de see adstringentes, que
se encontrio em outras em grande quantidade. Em pouco das ella acaba
com o* corrimentos mais dolorosos e mais rebeldes.
Deposito em Pars, 8, Ru Vrvieane, 8
Cada frnaeo tova a marca da fabrica, a firma a o sallo da nosaa asa.
Os proprietarios do muito eonhecido estabelecimento derromroado
MUSEU DE JOIAS
sito a rua do Cabug n. 4, communicam ao respeitavel PUBLICO que receberam us
grande sortimenlo r*e joias das mais modernas e des mais apurados gostos, como tan-
bem relogios de todas as qualidades, Avisam tambera que .-ontinuam a receber po
todos os vapores vinde a Europa, objectos novos o venden* muito menos que er
outra qualquer parte.
MIGUEL WOLFP & C.
[n. 4rua do
Compra-s ouro e prata velha.
CABUG
N. 4
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLL WAY
\
As Pilula purlftcao o Sangue, oorrlgem tedas as deeordems de Estomago b f
dos Intestinos.
FortaJecem a saude das constitueoes delicadas, e sao d-'um valor incrivel para todas as enfermidades |
pecaliares ao sexo femininn era todas as edades. Para es meninos sciro como tambera para as
pessoas de idade avanzada a sua efficacia e incontestaveL
Euu medicinas slo preparadas s&mente no Eslabelcdmcnto do Professor Hoi.Low/.y,
78, NEW OXTOEB STBEET (antes SS3, Oxford Street), L0VSKE8,
E vendemse em todas as pharmscias do universo.
WV comprsdNca sao convidados respeitosamenlc a examinar os rtulos de cada cauca e Poto se nlo t*EH
direc^io, sj3, Oxiord Street, sao falsitcacoes.
Em casa de todos os Perfumistas e Gabelieireiros
da Franga o do Extrangeiro
13 A -DTO O T3..n
di (glrdt (Arroz especial
PBBPARADO COM BISMCTHCT
Perfumista
FJLEH&, S, lena de la. "Paiac, S, PARS
Sob a tnsa dd XINHO de JPEPJ.-ONA ]
preoarado por Seiresa* d9 Fr, uiy
aBeccanMnto qae moli caatribue (ara fci-
litar as funoceas io sstomago, e regalaria a 2
disestlo, onic a eio Je {ta#s t MtrisSs
as dotte.
Sennuaero e e^.er'enii text psios
acis sfamados radico 4t Pama ?utros
Sizos demttstrara a efa:ia doVXfBO,
E FEPTONA DEFRSira; na im-
pnaibilidade em que esiscci de r>prodozir
todas as sosa cartas, irsitamo-io a a jira-'
sentar aju a carta diriga 90 Sor Oefrs&s'
par tiai fsopl'.itivo, ciyc usmi n a fama ik,
Im couhecidos palo mundo ledtea!.
Taz o J> ZaiJet ao Sfir Refi bb :
SarJis, a !A ie Ma-co ds 1881
( lenjo o costo de Iba marjfester a a-.
Ssfaeio rrue tire com 1 OS FVtftoaa, Ml<
i tai rasaitadsft o se coa alia ctcaneei aos'
i isos graves em q~ue a teobi en pregada.
s Seniora ruando Uve de trata r om e*ta-\
Eiea cansada, doente on cora \yts dicatv
tees. a saa preparacae allivion o
4 je:tle. *qahorsad9-lhe as funcc&ea digest-
vsa, o KOftas as-lhere id&sas, outra
saeda ac r& da Peptona. Por iss i a;
eorjdens ch um vsrdadeiro dever o re
yjaaeaiti-o. ca aecsdoeoes n'un grande 1
numero e cass-
a T^aiopraUcado cos'> medico (ratieeda-
nt-c es aunes v^e tfflt 3 1 oeriodo sm
ose a .".ecisidadv' de ttigsrir os ulimentas,'
Lr.r.iadiatamenSs a_nsuma".os era menos im-,
D*riasa do qne hoje; enio m eonst^ic&es.
ra mais vigorosa, sngninsas. enficas
* i-uda 4'urn robusto ^poetita. taror ridat
jar nnu prinde abundaccLi de surcos gas'
friese \ii vovoeava a prompta tran-'onna-
cic dos Wr.entos mais refractarios.
s Hoje, porm, i4 qae os estmagos dstili-.
t. Jos earecem de energa, 4 eonvenists
Ucear ir.io ds todas v substancias t"ne fa-
cilitara a digestao, como, or oiero'.ia, d
saa Passre-liaa.
1 0;rceltoe b'gicne mais impsrtsnte,
[orrr. mais desprea^e este : Gestor
lauto cuta renarar fHu'v. E ssto <
greio da saude", e duraste muits tempe
meu.- esto.rffli tiverara estr assampto por
Srir.cipi. objecto; slm d'isso- a ntnha si -
lOcio de medico na Repai tico de Benan-
[ cenca d'ssta cidade. em qne os scrof alosas
,e lymrhjlico abundam lora de uedida na* i
Sermi't:e.\i fizer murtas felites ipplkapdss j
s sena ejSMlits productos, s j
' Aclia-ss o deposito de tio vaMcso edi-1
rcaroeoto as Pharmacias e Orogarivj d'asss^
'cidade. E'^/octio euilar n iwi*ieissM^
[e nis recitar as imitaefies. 2iirioso
.-redW.1
Aviso
0 tonente-coronel conego Manoei da Vera Cruz
declara que a sua c sa terrea n. 14, no pateo do
S. Pedro desta rr-guezm de Santo Antonio, nada
deve de impestos sobre bns de miz, e portante
se alguna ezecucao f xiste sobre ella, certamen-
te um engao. Faz esta declaracao para < vitar
duvidas. Recite, 80 de Janeiro de 1887.
300:000$
Lotera de Alag s
Extraer Terca f el ra 93
do corrate
Intransferivel
D he tes veriria na ci Fa feliz, Frsfa
da *n pendencia ls. 37 o 39.
lima senhora
Precisa-se de urna senhora de 35 a 45 aunos de
idade, que se queira sujeitar ao servico domesti-
co, e que entenda de fazer alguna doces on traba-
ibo de massss. E' para acompanhar um casa!
sem filbos, que Tai para l-:gar prozimo esta ca
pital: trata-se na rua Imperial n. 178.
eRecre.o Instructivo
O proprietario deste, achando-se ccmpletamcn-
te apto, i preven do de di mas e convidados, j
de ptima casa com as commodidades exigidas
para o ensino da dsnea, offerece os seus servicos
mediante mdica contribuido ao alcance de todos.
Os dias destinados para recreios serao os do-
mingos e dias santificados, depois de 6 horas da
tarde, sendo que as tercas-fcir&s e quintas have-
r ensino, tudo na rua de Uortas n. S, primeiro
andar.
Cozinliciro oucozi-
ihcira
Precisa-se de um cozinheiro ou de urna eozi-
nheira, nacional cu estrangeiro, que entenda de
sua arte e seja pessoa capaz. E' para acempa-
nbar um casal sem filbes para lugar prozimo
esta capital: d se bom tratamento e centrata-se
na rua Irrp Ama
Precisa-se de urca ama para cosinhar e fazer
mais servico domestico em casa de urna familia do
quiltro pessoas; na rua do Commercio n. 36, 3*
andar, entrada pela rua de Torres n. 36._______
Ama
Piecisa se de urna ama para cosinhar e lavar
na praca do Conde q'Eu n 10.
Ama
Na ri a da Aurora n. 139, precisase de urna
ama para casa de pequea familia, para lavar e
cosinbsr.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de pouca fa-
milia ; a tratar na rua de Pedro Alfonso n. 58,
antiga da Praia.



-




-

" m
.

\ ti
ma

Preciss-se de orna ama para engeroroit efaier
mais servido interno de casa dn pequea familia
a tritar na roa do Barao da Vietaria n. 57.
Relojoaria allema
Carlos Fnerat
MudcH-se do n. 4 para o n. 2 do mesmo largo
do couselbeiro Saldanba Marinho (antiga da Ma-
triz de Santo Antonio), onde est exoi-cendo sea
officio coin zelo e perfeico como sempre.
I

>


Diario de PernambucoTcrga-fcira 25 de Janeiro de IS87
.'Precita -se da om, a
co n. 44.
Cosinheiro
tractar, a roa do Commer-
J
WXSAWYWWV III 111*111 i i
H
TERMMETRO MEDICO
de Lon BLOGR
(murtnno*
Systema extra-uensivl
Ou nAo experimenta variarlo algoso.
de vida a conlxacao da vidro.
dopttdo pe* Academia de Mediein* di Ptrlt
t 22 de septembro de 1SS5.
tttt (t neii UstrwMitM troto. taf'fiA.j; -
Aoba-se nos principan Casas de Instrumentos
de Cirurgia.
Teflda era Grosso: 18, rsa lbaiy, m PiRIZ
Deposito em rertuntu* :
FRAN" M. da SILVA & O
u as principaea Pharmacias.
/ li lili 1111 r .\\\\Y\\\\\\
Ailenco
1X9
PASTILHAS
De. AN6ELIM & MENTRUZ
GHAfDE
m
frn-r

as

a
S
=
s
I
CT
e
Um perfeito cosinheiro, francs, recen-
temcnte chegado da Europa, offerece-se
para cata particular ou gotel, carta neste
jornal a*A. L.
Jalropli
Manipoeira
Ene medicamoto de ama eficacia reconhecida
no beriberi e outras molestias cm que predomina a
hydropeaia, acha-se modificado eos sua prepara-
cao, firaeaa a urna nova formula de um distincto
medico desta cidade, sendo qae tmente o abaiio
atsignado est habilitado para preparal-o de modo
a melborar lhe o goato e theiro, leu todava alte
rar-lhu as propriedad. medicamentosas, que se
conservara com a metra* actividade, te nao maior
em viata do modo por que elle tolerado pelo
es tt mago.
Iniro depoaito
Na pharmacia Conceicao, ra do Mrquez de
lindu n. 84,
Becerra de Mello
Professora
r Urna tenhora competentemente habilitada, pro-
poe-so a leccionar em cellegioa e catas particula-
res, at teguiotea materias : portogu msica e piano ; a tratar na ra do Mrquez do
Herval n. 10.
Celeste
Attendite
Bouquett da altitaa invencio, para casamento,
etc., e Umbetn capellaa mertuarias de perpetuas
fabricados por Jos Samuel Botelho ; a tratar na
ra do Baro da Victoria n. 30, loja, e roa do
Mrquez de Olinda n. 43, loja.
Especial
Magnifico aeaucar refinado, eem igual neste
mercado. Kefinaco Halgueiral, 415 numero tele-
pbenico. Ra Marcilio Diaa n 22.
f

M
Rodrigues de Faria & C. acaban de receber dot
Srt. Bruto de 8 & C, urna eepecialidade em fu-
mo Rio-Novo, det6ado a capricho, com a marca
Colete, cojo emblema os seua fabricantes dSo
deizam-se desmentir, porque realmente macio
aromatiaado, fazendo err mesmo iquellea que j
o apreciaran), que os anjoa agradecidos pela feliz
lembranca o bafejaram: ra de Mariz e Barrot
n. Jl.
Cosinheira
Preciaa-ae de unta que dese-npenhe o lugar e
durma em caaa; ra Duque de Caziaa n. 42,
por cima da typographia.
VENDAS
B-S

O Remedio mais effica e
Seguro que se tsm dexoberfo ote
oje pero eupe'tir as i.cn trigas.
R0Q1UA10L BBE
Cosinheira
* *

^

Vende-ae portte de ferro, gradeamentos
para muros, jardina e trra co, bandeiras de ierro
para portas, de differentes modelos, ditas de arcos
pira para portas de ra, dobradicat de chumbar,
Kaliinheiros de ferro, earrocas para boi e cavalle,
ferrrclbos grandes rodas para earrrcas e carrmbot
de alfandega e de man ; no largo das Cinco Pon-
fus n. 4, defronu do quartel.
F-vireira & Irmao^
Vndem :
Panno de algodo branco e riscado, daa fabri-
cas da Baha e Rio de Jane ro, fio de algodao
para redes, superior quslidade, e alguna filtros
para purificar as aguas do Beberibe : oito de
Corpo Santo n. 25.
LOTERA 00 CEAR
400:000^000
INTRASFERIVEL!
Corre quarta-feira, j|. de Janeiro.
Um vigsimo desta importante lotera est habilitado a tirar
20:0O0$0O0
Virgen*
Preciaa-ae de urna
Aurora n. 109.
boa cosinheira ; na ma da
Cosinheira
Feitor

Preciaa-se de nma perita cosinheira, pnga-re
bem ; a tratar na praca diC-rpo Santo u. 15
primeiro andar.
Precisa-sede um bomem que enfeuda de jar-
! dioi, plantas de capim e mais serviles tendentes
a um si t i o, prefertudo se estrangeiro ; a tratar na
I ra de Pedro Aff jnso n. 58, antiga <*a Praia.
/

>
..
(Molestias da garganta
PASTILHAS DE PALANGi
da Chlorato da Potassa e Alcatrfto
^
Para as enfermidades da bocea, infiammafao da garganta, aphta, ulceraco dae
gingivas, accitra da linguaedo paladar, rouquidao, inchaco d nSo ha remedio mais eflicaz e rpido do que o chlorato de po'assa. Si se lhe junta
o alcatro cujas propriedades balsmicas e purificantes sao vi ersalmente reconhe-
cidas, accclera-se a cura destas pequeas enfemiidades e a iia-ae sua repetigao, ,
dando ao mesmo tempe maior forca aos orgos
As Pastilhas de Palangi =e uissoivem lentamente na bocea e obrao como gar- l
garjo; passao, depois paia o estomago e dalli para o sangue que se purifica sob a
benfica influencia do alcatro.
Estas pastilhas sao m.iito usadns pelos Cantores. Advogados,Plegadores e todas
pessoas que sao obripadas fal/ar em publico.
Deposito em Pars, 8, Raa Vivienne, e em todas as Pharmacias,
as


Aos 1.000:000$000
200:000*000
100:0001000
GR.1NDI LOTERA
DE 3 SOETEIOS
Em favor dos ingenuos da Colonia Orpbanoiogica Isabel
DA
PROVINCIA DE PERNAMBUGO
Extracc a U ii Maio Se mi.
0 thesoureiroFrancisco Gon^alves Torres

V..
?V
Ozea P.
Ozea Sachet.
Ozea Ettencia.
Ozea Agua de toilette.
Ozea Vinagre de toilette.
Ozea Agua para os dentes.
Ozea Pasta para os dentet.
Ozea Olee.
Ozea Sabo.
Ozea Pomada
Ozea Fixavo
Ozea Cosmtico.
Ozea Brilhanfina.
Ozea Cold Cream.
L
Estas exquisitas preparacoes s&o mnito apre-
ciadas na mais distincta sociedade pela deli-
cadeza do sen perfume.
Wy RIECER'S
TRANSPARENT CRYSTALSOAP
(Sabj transparente cristalino)
reconhecido como i mais perfeito do todos os sabaos de toilette pelas suas
propiedades higinicas, pelo aeu aroma o pela sua larga duracao.
Eepsi: j :...} prfMtB^. rerfamarias, Farmacias, dea.
O melhor e mais puro de todos os viobos de
mesa, que se encontrara actualmente no nosso
mercado. Marca JSS Salgueirol. A venda na
travessa da Madre de Oeus n. 21, JoSo Fernandea
de AJmeida.
A Kevoluco
M.4IS
A' na Duque de Caxias, resoK-cu vender
os seguintes artigos com 30 /0 de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Ver para crer
Cachemira bordada a 1500 o covado.
Mirins de cores finos, a 900 e 1200 o co-
vado.
Ditos pretos a 1200, 1*400, 1*600, 1*800 e
2*000 o covado.
Las mcscladas de seda a 600 res o covado.
Ditas cora listrinhas de seda a 560 ria o dito.
Ditas com belinhaa a 600 ria o dito.
Liadas alpacas de cores a 440 ris o covado.
Las com quadrinhoa, a 400 ria o covado.
Gaze com bolinhaa de velludo a 800 ris o co-
vado .
Setim maedo lavrado a 1*300 o covado.
Seda palba a 800 ris o covado.
Ditas de cores de 2* por 1*000 o covado.
Setim maco lito a 800 e 1*200 o dito.
Grt de aples preto a 1*800, 2*000 e 2*500
o covado.
Setinetas lisas a 320 e 400 re o dito.
Ditas de quadrinhos a 320 rs. o dito.
Ditas pretas finas, a 500 rs. o dito.
Fustoes brancos e de cores a 320, 400, 440,
500e800rs. o dito.
Zephiros finos, escossezes, a 500 rs. o dito.
Zephires de quadrinhos a 180, 200 e 240 ris o
covado.
Zephirot lisos a 1J000 o dito.
Alpaco de cor para palitot, a 14000 o dito.
Velludilbos lisos e lavrados a 1*000 o cavado.
Crotones finistimos a 240, 260 e 240 e 300 ris
o dito.
Ditos, ditos a 320, 360, 400 e 440 ris o dito.
Colchas brancaa a 1*800 nma.
(Seda ese iss' za a 360 rs. o covado.
Colchas bordadas a 4*, 5*, 7*, e 8*000 urna.
Ditas de crochet a 8*500 dita.
Camisas bordadas para homem a 30*000 a du-
ia.
Ditas para tenhoras a 30*000 a dita.
Cortes de caeisura finos de 3* a 8*000 um.
Casacot de laia a 10/00 um.
Fichs de retroza 1*000 um.
Ditos, de pe lucia a 6*500 um, (bordados).
Cachemira de cor a 1*600 o co'ado.
Flanella americana a 1*400 o dito.
Cortinados bord.dos a 6*0:KJ e 7*000 o par.
Ditos de crochet a 24*000 o par.
Meias para bomena de 2*400 a 9*000 a du-
zia.
Ditas para senboras de 3*009 a 12*000 a du-
zia.
Mantilhetat de seda a 6*000 urna.
Espartilhos de cooraca a 4*000, 5*000, 6*000
e 7*500 um.
Toilett para baptisado a 9*000 e 12*000 um.
Lencos brancot e com barra a 2*000 a duzia.
Anquinbas a 1*800 rs. urna.
Brim de linho de cor a 1*000 a vara.
Dito pardo a 1*000 a dita.
Esguiao amarello e pardo a 500 rit o covado.
Chales Je mirin liaos a 1*800 um.
Ditos estampados a 3*000, 3*500 e 4*000 um.
Cortea da cachemira para vestidos a 18*000
um.
Redes Hamburguesas a 10*000 urna.
Panno de crochet para cadeiras esof a 1*000,
1*200, 1*600 e 2*000 om.
Henrique da Silva Moreira.______
WHISKY
BOYAL BLEND marca V1ADO
Este ezcellente Whisky Escessc preferm
ao cognac ou agurdenle de canna, para fortifica
> corpo.
Vende-so a retalho noa tu lhereo armazens
Dolbados.
Pede BOYAL BLEND marca VIADOcujono
me e emblema silo registrados para todo o Brazi
_________BROWN8 Cabriolets
Vendo-se dout cabnolete, sendo um deacoberto
e outro coberto, em perfeito estado, para um ou
dous cavallos; tratar 4 ra Duque de Cazias
n.47._____________________________
Borracha para limas
Vendem Bodrigues de Faria & C, ra riz & Barros n. 11, esquina da ra do Amorim.
m i:
240:000*000
NOVO E IMPORTANTE PLANO
INTRANSPERIVBL!
Corre seg-unda-feira. 24 de Janeiro

/*
.
lotera de alagoas
300:000^000
Esta acreditada lotera corre Tere,a-feira, 25 de Janeiro
'.
K WMW

- 600:000$000
Esta seductora loleria corre sexta-feira, 3 de Fevereiro de 1887
Um vigsimo habilita a tirar 30:00J000
Os bilhetes destas acreditadas loteriasacham-se yenda na
RODA DA FORTUNA
K-Biia Larga do Rosario--o(
Bernardino Lopes Alheiro
/
i
!

-
.
200:000^000
EXTRACTO DA 7* PARTE DA I* LOTERA
EM BENEFICIO DA HUTA CASA DE MISERICORDIA
Terca-IVira 25 de Janeiro
AO MEIO DA
tta lotera, por algum tempo retirada da circulasSo, devido a grande guerra que
lhe promovern), como do dominio publico, vem novmente tomar o seu lugar de
urna das vantajosas loteras do Imperio.
> O agente pede ao respeitavel publico a sua bencvola atten^ao para o plano, das
LOTERAS DO GRAO-PARA.', por extenso publicado nos jornaos e impresto no ver
so dos respectivos bilhetes. O plano dests lotera o nico que em 50.000 nmeros
distribue
12.436 premios, ou qaasi a quarta parte!
Ainda mais : esta a nica lotera que premia todos os nmeros cujrs dous al-
garismos finaes forem iguaos aos dos
QUATEO PRECIOS MAIORES
100*
605
50*
m
A SABER
s duas letras finaes do premio de.......
s duas letras finaes do premio de.......
s duas letras finaes do premio de.......
s duas letras finaes do premio de.......
200:000^000
40:0005000
20:0000000
10:0000000

t+eA*.*.*,*****************
>>
VIHHO e GRAGEAS doIor VIVIEH
E UnflUCflO DOTOR
Extracto natural de Fijado do Bacalhao
AOO COM EDALHAS DE OURO I
pela ^L.ca.d.emia Nacional
Ordenados nos Bospitaes de Franfa, America, Inglaterra, Russia, etc., etc.
Administrar so* forma mu facile agradavel todos os elementos curativos do oleo evitando
asslm o cheiro ^ sabor nauseosos useste. alem d'lsso esta preciosa preparac&o tem urna
superloridaiie lncontestavel sobre o Oleo porque pode ser usada durante os grandes calores
manto o uso daquelle impossivei, tal o eminente servico prestado pelo Dootor
Vntan'l a experiencia tem continuado o bom xito d'estc producto.
a Irma do Inventor M. vivimrn em duas odres ao redor do crgalo de cada
a com,j sello oa Una.) dos Fabricautos.
ARIN SO, Boulevard fe Strasbourg, SO PARS
UPAMMB SO,
MORSONs PEPSINA

lesto tBfaitlTel e apdaTel
HB CntlATTIiS A
INDIGESTAO
Sob a lorma do
raseos, vos
uGI.OBjMI.
VNDESE no MUNDO INTEIR0.
PREPARADOS D*
Pepsina .Hormn
Muito recommendadu
pelos principies Medios.
MORSON SON
Soutbinstn Etv, luU-Squre
LONDON
i w**n i r.
ttmiWrioimPerntmbuoo :FriseM ixSILVA*C".
ltenlo
Vende-te ou permuta-se nma casa terrea sita
aa travti'H do Paicao n. 12, com 2 talas, 3 qdar-
tos, cos-nha tora, grande quinta) e cacimba, por-
tio dando sabida para a ra dot Ostot ; a tratar
na ineema com a propriefaiia, c esta tara todo
negocio por j ter o despacho do juiz, at para
bctal-n em leiliio. podendo apri'sentar os docu-
mentot aos permutadoras, detejando tambem urna
por troca, ainda que s> a pequea, porin que es-
teja nova a bem construida.
Tambem sSo premiados todos os nmeros das centenas dos qu%tro primeiros
premios.
Alm (lestes, tem esta lotera grande qaantdade de outros premios de bastante
importancia. E' tambem esta a nica lotera que garante quem comprar 100 nme-
ros de terminacSes dffrrentes 32 1/2 % independente dos premios avultados que
posEara sabir na extraccao.
TODOS 08 PREMIOS SlO PAGOS SEM DESCOMO
A's extracc3es sSo feitas em edificio publico e sob mais severa fis alisagao por
parte das autoridades.
Os bilhetes acham-se venda na agencia e em todas as casas, era Santos, SSo
Paulo, Campias, Rio Grande, Babia, Cear, Maranho, Para, Amazanas e em Per-
nambuco rua Nova n. 40 CASA DO OURO.
O agente no Sio de Janeiro
Augusta da Rocha Monteiro Sallo
23Ba de Uruguayas.-23
A' Florida
Una Duque de Caxias n IOS
Cbama-ce a atteneo das Exmas. familias para
oa pr. eos seguintes :
Lavas de seda preta a IdOOO o par.
Cintos a 1000.
Luvas de pellica por 2*500.
2 caixas de papel e envelopea 800 rs.
Lavas de seda cor granada a 2 o par.
Suspensorios para menino a 500 rs.
dem amer.canos para bomem a 3*.
Fitaade velludo n. 9 a 600rs., n. 5 a 400 rs. s
metro.
Albunt de 1*500, 2*, 3*, ate 8*.
Samot de flores finas a 1*500.
Luvas de Etcossia para menina, lisas e borda-
das, a 800 e 1* o par.
Porta-retrato a 500 rs., 1*, 1*500 e 2*.
Pentes de nikel a 600 rs., 700 e 800 rs. om.
Anquinbas de 1*51-0, 2*, 2*500 e 3* ama.
Plisss de 2 a 3 ordena a 400, 500 e 600 re.
Espartilho Boa Figura a 4*500.
dem La .Figurina a 5*000.
Pentes para coco com inscripcao.
Babadores com pintura e inscripces a 500 rt.
Estojes para crochet a I$000 rs.
Bieo de cores 2, 3, e 4 dedos
de largura a 3*000, 4*000 e 5*000 a peca
Para a qnaresaa
Galio de vidrilbo metro 1*.
Franjas de vedrllho a 1*,
Luvas pretas de seda e Esencia.
Franjas e galSes fines a 2*500, 3*e 4* o metr
Para o carnaval.
Lindas mascxrae.
Bienagas de p de arroz,
dem dem de ouro.
dem pe fumadas.
Lindas franjs de seda de cores com frocos pa-
ra eufeitar vestuarios de mas caras a 1* e 500 re.
metro, fasenda que ja cutton o metro.
BARBOSA & SANTOS

.-

i
.-:

i


11-


m$)V**rV*++tMt1el**+l++*i*+**++i*^^
ELIXIR &VINH0
TROUETTE-PERRET
de PA,PANA (Pepsina vegetal)
sao os mais poderosos digestiros conhecidos at agora, para combata* m
AFFECQES DO ESTOMAGO: GASTRITES, GASTRALGIAS
DIARREAS, VMITOS, PESO NO ESTOMAGO, MA DIGESTAO. ETC., EF-
UM GAit LOOO nKPOIS DA COMIDA BASTA IARA CUBAR OS OaSOS MAIS >
i vtnda ntt principses Pharmacias Drogariat.
Ttnda em grosso m Paria :TROETTE-PERRET, bouUvari Voltaire,
Dere-se exigir Sallo do Oorerao rrancsi sobra os Frascos para evitar as a'aiaiatstfCM.
$$poeJ1oemP*rn*m)>M*,na&m.mtW.VA+ \f
Vende-se lanhas
de superior qualidade,
em quartolas e em bar-
ris, mais barato do que
em outra qualquer
parte; na ra de Pe-,
dro Affonson, 11.
Oleo para machinas
Superior qualidade, a 6*4 a lata de cint.
gares; vende-te oa fbrica Apollo e em eu
deposito*.
Turbio

Superior a-^uear ie turbina, especial
doca. Befinacao fcalgoeiral; 445 numero
pbenico. Sua Marcilio Vas u. 82.
pira
tele-
Tavcrna
Vende-te a tavrrna alta no largo de Apinao!
n. 50 ; a tratar na taverna n. 14, oa a raae 9.
* fnaeim 86-.
-
T


i
i11! i ii m r ""t^Mt :mrrfc \w?
i
'.;*
^mmmmm
Diario de PcrnambucoTcri?a--Ieira 25 de Janeiro de 1

/



LTTERATbu"
Visitei-a, com eAfeito, a
vezes a historia do sea amor
A orelha de urso
m
s (Contuao)
Lnette fui sempre concentrada, eu pelo
contrario era expansiva e at um poueo
exaltada, Jos e eu liamos juntos ; herb-
risavamos nos bosques de Rembercourt,
situados prximo de urna quinta de mea
pai. Jos era muito sabido em sciencias
naturaes, e, sem dtixar de ensnar-me bo-
tnica, acabou por aperceber-se que me
amava e que eu o amava. Dissemol-o um
ao outro nessa quinta de Rembercourt,
ama roanha em que as orelbas de urso co-
mecavara a florescer nos algretes, e resol-
vemos guardar o segredo da nossa affei-
clo mutua at o dia em que eu completas
seos meu8 21 annos. Mas desprende-sede
um amor escondido um perfume subtil que
o denuncia. Miaba irma Laette foi a pri
meira a percebelo. Offendida na sua vai-
dade, furiosa por ter sido desdenhada, de-
nunciou-nos a meu pai, que nad tinha bom
wonio. Houve estralada em casa quando
Joe confessou tudo o pedio a miaba md.
Meus pas despediram-n'o com aspereza,
prthibindo-lhe que nao tornasse a poros ps
em casa. Debalde chorei e suppliquei ;
nada enternecen meu pai, que fora secreta
mente incitado contra mim por Lnette, e
Jos, desesperado ausentou-se depois de
ter-me escripto a carta que leste.
A Sra. Sophia ficou por um momento
silenciosa, conservando as mos trmulas
o voluroo das Carias Persas, aborto no
lugar em que a orelha de urso fura guar-
dada.
Elle jurara nao sobreviver ao desas-
tro do nosso amor, e cumprir o juramen-
to. Era realista ardente e entrenha re-
lac3es com agentes do Conde de Artois.
Em Outabro de 1793, foi preso quando
transpunha a fronteira suissa, conduzido
para Pars e citado para comparecer per-
anto o tribunal revolucionario. Soube da
sua morte por urna gazeta que Lnette dei-
xou ficar intencionalmente no meu quar-
to... .
A Sra. Sophia tornou a abrir o eofrezi-
nho, desprendeu a fita azul e mostrou-me
dous papis que aeorapanhavam a carta que
eu havia lido : o primeiro era copia de um
decreto da commisBAd da salvagao publica,
datado de 10 Brumario anno 11, que man-
dara comparecer perante o tribunal de Pa-
Jiz o chamado, Jod Jos Quiod, le 5 a.i-
de idade, aecusado de ter entretido re-
es com os irmaos do antigo rei, e haver
"tentado fazer passar para paia estrangeiro
moedas de ouro e de prata; o segundo
era um fragmento do jornal de 20 Bruma-
rio, conteudo a lista das pessoas exeeutadas
na vespera, e, ao lado do nomo da cidada
Roland, li o de Jos Gniod.
E8 o que me restava delle, disse
nossa viziuha, enxugando 03 olhos e atando
de novo a muito custo a fita azul em volta
doa papis amarellados.
Depoaitei tudo neste cofrezinho e alli en-
cerrei tambem o meu corac&o. Desde essa
data horrivel nad vivi mais senSo com as
minbas recordacoes; nad faliei com nin-
guem daquillo que a minha irma Lnette
chamava caridosamente as irregularidades
escandalosas do meu procedimento. i Mais
tarde, qando miabas irmae acbaram casa-
mento, quizeram tambem casar-me, mas
recusei-me categorimeate. Jurara a mim
mesma ser fiel a Jos, e cumpri o meu ju-
ramento. .. Fiquei velha solteirona, e
quando olho para o retrato daquelle que
morreu amando-me, parece me que vejo
os seus labios moverem-se para me dizerem
que fiz bem.
Adoro-a, Sra. Sophia, exclamei com
enthusiasmo, amo-a com tadas as forjas
de mea coracSo...
E atirei-me ao pescoco da velha vizinha,
__ E's um bomrapiz! disse me acari
ciaado-me tambem. Vem verme a mia-
do. .. tallaremos delle.
> miudo, <
ior os
cao daque
e maitas
s Quiod
appareceu as nossas conven* Ella ti-
nha guardado a recordacad daquelle tem-
po com os menores rainudencias e a sua
conversa fazia' resuscitar urna poca intui-
r, j esquecida. Para a velha vizinha,
era como urna rejuvenescencia; para mim,
era a evucac&o de em tempo ido! Esta
paixlo, que datava de mais do meio so
culo, espalhava em volta de nos urna at-
mosphera de ternura e de primavera ; o
antigo aroma das flores de orelha* de urso,
perfuma vaoi-me o corelo, e na minha jo-
ven imaginaclo eu senta desabrocharem-
as primeiras senientes da herva do amor.
Dous annos depois ao regressar de urna
excurslo feita durante a semana de Pas
choa, pediram-me que fosse ter com a Sra.
Sophia, que cahira doente e desejava fal-
lar-me. Tinha ella apanhado as corren-
tes de ar das suas aguas-furtadas urna de-
fluxZo que, na sua idade, ameacava ter
>esenlaco funesto. Encontrei a deitada na
sua cama de madeira pintada. Estava of-
fegante e j muito fraca.
E's tu, marmuroa com voz sutfocada
quando ficamos sos ; chegas a proposito,
porque j nao tsnho mu'to tempo para vi-
ver... Sinto que est tudo acabado..
Ouve-mo bem... Depois de minba mar-
te, os meus prenles hao de vir tomar con
ta do que meu ; nao quero que as mi
nbas reliquias caiam as mos de minha
irma Lnette. Seria isto um sacrilegio.
Parou para tomar respiraco e tirou de
debaixo das cobertra o cofrezinho com in-
crusta c3es.
Lego-t'o, proseguio, guarda-o como
lembranca. Abre-o de vez em quando,
pensa em Jos e tambem na velha Sophia
que o amou muito e que ha de morrer
com o seu nome nos labios... Adeus ;
toma sentido na tarupa qae nao est muito
solida, e esconde tudo isto debaixo da tua
sobrecasaca.. Agora, vai te ; minha ir-
ma Laette aSo-tarda ahi...
Separei-me della muito commovido e
fechei o cofresinho na minha gaveta. Dous
dias depois, a Sra. Sophia estava morta.
J l se vio muitoB annos depois d'i.sto,
mas guardei cuidadosamente o cofresinho.
O retrato de Jos Guiod contina a sorrir
no sea circulo de ouro ; a sua carta com-
move-me todas as vezes que A releio, e,
no velhu voluroe das Cartas Persas, a ore-
lha de urso, enegrecida, tllame sempre
das primaveras longquas em que florescia
9 amor fiel de Sophia.
Andee' Thecriet.
VARIEDADES
FOLHETM
O OOKCNDA
POR
Resumo da campanha com o
Paraguay, seguida dos nomes
dos bras lelrosmals dstinrtos
morios durante a guerra.
POR MELCHIZEDECH D'ALBDQERO.E TJMA
(Continuagan)
Tsente Senastl*o l'almcrn da
l':>iiioiira
Batea se com digoidade e valor na gran-
de batalha de Tuyuty em 24 de Maio de
1866, e foi elogiado pelo comraandante da
5a divisad. Como ajudante de ordens do
General Jlo M. Mena Barreto foi morto
no dia 7 de Junho de 1868 no reconheci-
mento de Tebiquary victima de sua bra
vura, commaudaudoumaguerrilha no passo
da Estancia.
qae de Curupaity,' onde morreu gloriosa-
mente.
Teaeiile Joi Onofre aranaford
Carnoso
Distinguiu-80 na batalha de 24 de Maio
e no combate do 16 de Julho de 1866, em
qae foi morto.
1* Tcuenle Vrenle l'ercira Das
Sendo Io tenentedo corpode engenheiros,
f^zia parte da commisslode engenharia no
Paraguay e achou se em setembro de 1866
junto ao forte de Curuzu'.
Na noite do dia 2 para 3 trabalhou com
alan uo levntamelo das nossas trin-
cheiras o no dia 3, quando os nos
sos batalhuis penetravam no forte inimigo,
o bravo e distincto Io tenente, aura dos of
fi'iaes mais iotelligentes e esperancosos
receben urna bala de artilharia qae esten-
deu-o morto.
alferes Ylrlaliano Cordelro Lina
Ponencia ao 21 de voluntarios e foi
morto ao dia 18 de Julho de 1866 em Bou-
queron, quando penetra va em urna trinchei-
ra inimiga.
Era natural de Pernambaso.
airares Joaquina Benjamn da Silva
Bat-u-se contra os paraguayos na noite
de 9 de Abril de 1866, chegando sua
coragem ao ponto d*e ir, com diversos offi-
ciaes e 12 pracas, bater uos paraguayos
que dentro de um fGsso causavam-nos gran-
de damno.
Estove na batalha de 24 de Maio e
achando-se no combate de Sauce em 16
de Julho de 1866, foi morto por urna gra-
nada inimiga.
Pelos actos de bravura que praticou,
merecen ser agraciado com os hbitos de
Christo e da Rosa pelo gorerno imperial.
Era natural da cidade de Parintins da
provincia do Amazonas, cuja Assembla
Provincial, no dia em que a Mandos che-
gou a noticia de sua morte, suspendeu im-
mediatamente a sessao, a requerimonte do
deputado Freitas GuimarSes -como pu-
blica demonstroslo de apreco em que ti-
nha a provincia aquello filho dilecto o da
profunda aor que llio causava sua morte.
Havia sido promovido a tenente no ba-
talbSo da guarda nacional a que pertencia;
mas a morte o urrebatou antes de ter co-
nhecimento d^sta promocao e da graca que
lhe con ferio o governo imperial.
No palacio do governo do Amazonas exis-
te um quadro com o retrato a crayon des-
te joven, distincto e mallogrado amazo-
niense.
ai reren Joh- oacalves Maxalne*
Carduao
Foi dos diversos offiaes do 21' de vo-
luntarios que foi morto dentro de ama triu-
cheira inimiga no di 18 de Julho de 1866.
,*i rere Delflao lavares da Silva
Dlaa
Este valeate official comegou a distinguir-
se logo no comeco da campanha e pelos actos
de bravura praticados no ataque do Cor-
rientes, em 25 de Marco de 1865, entSo
L sargento e pertencendo ao 12 corpo de
voluntarios foi nomeado cavalleiro da or-
dem da Rosa.
Fazendo parte do 2" corpo do exercito
ao mando de Porto-A legre distingui se no
ataque e tomada do Curuzu' e no ataque
de Carupaity onie foi morto em 22 de Se-
tembro de 1866.
Tenente Simplicio LuIk de Mallos
Sendo i' sargento distingua-se uos com-
bates de Sauce e Bouqueron nos dias 16 e
18 de Julho de 1866.
No posto de tenente foi morto no dia 23
de Dizembro de 1868 no ataque de Lo-
mas.
Tenente Joaquina Tneodoro dos
Santol
Sendo quartel-me8tre do 32 do voluota-
rios offereoeu-se para tomar parte no ata-
Espe-
paulo nm
QRTA PARTE
O PAL.CIO SEAL
(Continuaeuo do n. 16)
I
No Pavlllio
Era em torno da estatua do Deus Mis-
sissipi qae a Nivelle, as meninas Desbois-
Duplant, Hemoux, os Srs. Leguay, Sal-
vator e Pompigoac, deviam daosar o bai-
lado indiano para o qual eetivam contra-
tadas quinhentas pessoas.
O compauheiros de prazer do regente,
o marquez de Coss, o duque d i Brissac,
Lafare, o poeta, a Sra. de Tencin, a Sra.
de Royan e a duqoeza de Berri tinham
escarnecido um poaco de tudo aqaio, mas
nao tanto como o proprio regente. Ha
va nicamente um hornera para exceder
o regente nos seus gracejos : era o bom
Sr. Law.
Os saloes estavam j cheiot o Brissac ti-
nha aberto o baile, por ordea, coui a Sra.
de '1 oulouse.
Ilavia ama maltidSo no jardim, e olans-
quenet reinara em todos os pavilhSs mais
ou menos selvageni.
Apezar dos piquetes de guardas france-
zc-3 (disfarcads em indios da Opera,) col-
locados em todas as portas da casas pr-
ximas qae davam para o jardim, mais de
um intruso tinha conseguido esgaeirar-se.
Viam ae alguns domin* dispersos, cuja ap-
parencia nao era nada catholica. Era grao
de o ruido, ama maltidSo ondulante e ale-
gre/ disposta m divertir-se. Entretanto os
rei da fiesta nao tinham teito anda s sua
entrada.
ESo ae tinha visto neu regente, nBi
Alferes Dionisio Antonio de Oll-
veira
Foi morto na batalha de Avahy em 11
de Dezembro de 1868, j tendo a 6 dis-
tinguido-se por sea valor eealma na ponte
do Itorr.
Alferes Augusto vieira Bodrlgues
Sendo secretario do 4o corpo de cagado-
res a cavallo tomoa prt3 ao combate do
Estabelecimento em 19 de Fevereiro de
1868 e ahi combaten com bravura at ca-
hir morto.
ammmmmmmammmi
Alferes Domingos Lucinda l launa.
Distinguise na batalha de Avahy em
11 de Dezembro de 1868 ea 21, tomando
parte no ataque de Lomas, foi morto de-
baixo dos seas terriveis reductos.
AJferes Laarlndo Ferelra Primo
Sendo sargento ajudante do 16. baU-
lh3o de iufantaria tomou parte no combate
de Sodce, recebeado urna contusad e foi
elogiado pela calma e sangue fro que mos-
trou durante a luta, animando e fazendo
as pracas cumprirem o sea dever.
Foi morto no combate de 3 de Julho de
1868 no Par-Cu no posto de alferes.
uarda-marinna Antonio Augusto
de Araujo Torreo
E' este o nome de um dos bravos do
Riachuelo.
Moco anda, sonhando glorias, contando
com a victoria sem lhe importar o perigo,
elle arrostava o inimigo com a maior sere-
nidade.
Torread pertenoia valente guarnicao do
Mearim.
Vejamos o que dia Pereir da Costa:
c O Mearim, em seu posto de honra ba-
tia-se galharda e intrpidamente; e no
meio da horrenda luta cahe aos ps do bra-
vo TorreSo, morto por urna bala inimiga, o
chefe da pega que elle commandavar. Tor-
reSo langa-Be immediatamente sobre ella,
subBtitue aquello marinheiro que aaabava
de cahir sem vida na defeza da honra da
patria e no momento em que tapava o ou-
vido da pega para nova carga, voa outra
bala dos navios paraguayos, decepa-lhe a
mao e o fere mortalmente. O bravo Tor-
reSo, na phrase inspirada do Dr. Macedo,
cabe sobre a cul-tra da pega bradando an-
dafogo !... seu sangue cahe em jorros
das artilharias e pouco depois expira, mur-
murando Patria... Nem teve a conso-
laco de saudar a grandiosa victoria da
patria em Riachuelo.
Tinha 20 annos de idade e era natural
da provincia de Pernambuco.
4-unrda marinna Francisco los de
tilma Barros
Tinha 18 annos de idadequando a bordo
do Jequinbonha no dia 11 de Junho de
1865 foi morto depois de haver combatido
por espago de 5 horas.
... Batea-se desde as 8 horas da ma
uha quando comegou a luta at s 3 horas
da tarde, diz o autor dos apontamentos bio-
graphicos, quando urna bala da artilharia
iaimiga levoa-lhe a cabega e com ella a
vida, urna vida to cheia de herosmo no
prosete, tao rica de esperangas no futuro 1
Era bello de ver essa creanga de 18 an-
nos, collooada no ponto mais descoberto de
um navio, guardando seu posto de honra,
no proposito firme de vencer ou morrer.
Lima Barros havia nascido no Rio de
Janeiro.
CSuarda-marlnna foo fiulinerme
Gresnnaig
Este bravo e denodado marinheiro foi
morto na batalha naval de Riachuelo de-
teniendo o pavilhSo nacional na corveta
Parnahyba.
Tinha 17 annos de idade.
Depois de im mensa luta Grosnhalg co-
berto de ferimentos cahe no convez do na-
vio, tendo enrolado-se com a bandeira.
Um oAEcial inimigo correa para elle gri-
tando :Larga esse trapo.
Por um ultimo exforgo o valente guarda-
mariaha apona o revolver que aiada ti-
nha na mSo e o inimigo cahe, fi.-.ando vio-
gado o ultrage feito ao pavilb&o nacional.
Assistio aos combates do Chaco em
Maio de 1868, feridos entre os paraguayos
e a columna commaoda pelo coronel Barros
Faltad (depois mareehal de campo).
Distingui se em muitas outras acgSes e
ao dia 12 de Agosto de 1869, j no posto
de alferes, acha-sa diante de Pirebebay
onde feriio, fallecendo no dia 7 de Se
tembro.
Alferes Francisco Lola Bittencourt
Fez parte do estado-maior do general*
Albino de Carvalho nos dias 3 e 22 de Se-
tembro de 1868, distmguindo se em ambos
os ataques (Curuzu e Curupaity.)
Falleceu em 20 de Abril de 1867.
Alfares Emilio Maaoel Horeirft de
Figuelredo
Tomando parte na batalha de Tuyuty
(24 de Maio) foi logo no principio da ac-
eito ferido, mostrando sempre valor e san-
gue fro.
O ferimento recebido n'esta batalha poz
termo aos dias do valente alferes Emilio
de Figueiredo em 9 de Junho.
Alfares Joaqun Tarlanno Blas
Era secretario do 20. batulhad de vo-
luntarios e tendo entrado em aogSo no dia
24 de Maie de 1866 foi morto por urna
bala de fuzil.
Alferes Juan Eugenio Perelra de
Mello
Falleceu no dia 15 de Janeiro de 1869
de um ferimento recebido na batalha de
Avahy, onde portoa-se com excessiva bra-
vura uas fileiras do 36. de voluntarios.
Alferes Maaoel Arlno Machad da
Silva
Esteve na batalha de 24 de Maio de
1866 mostrando-se sempre intrpido e re-
soluto, e sendo gravemento terido no fim
do combate fallecen no dia 16 de Julho no
hospital de sangue em Corrientes.
Alferes Aniceto Cardse Lessa
Bateu-se com bravura diaute dos reduc-
tos de Lomas e no dia 25 de Dezembro de
1868 foi morto combatendo diante d'elles.
Alferes Florisbello d'Avila I Assistio aos combates de 16 e 18 de
Julho de 1866 no Sauce e Bouqueron, sen-
do 2. cadete 1." sargento do 3. corpo de
voluntarios.
No posto de alferes tomoa parte no
combate da ponte do Itorr em 6 de De-
zembro de 1868 e foi morto na batalha de
Avahy em 11.
f
commandate do batalhlo e outros officiaes
foi tambem victima da batalha do Itapiru'
qae matou a quasi todos.

Alferes CVlos de Lima \
O alferes Carlos Miguel de Lima e Sil- I
va, achou se na Uha da RedempcSo, quab.
do os paraguayos, na noite de 10 de AbrilX. ^_
de 1866, atacaram-na e ahi portou se este
joven militar com muita coragem e deno-
do, at receber um grave ferimento que 0
obrigou a retirarse do combate e entran-
do em fogo no dia 17, foi novamente feri-
do e falleceu pouco depois. -
Alferes Candido da Silva Portella
Tomou parte e combatea valorosamen-.
te nos dias 6, 11 e 21 a 27 de Dezembro
de 1868.
Falleceu no dia 5 de Novembro de 1869
de urna bala que receben ao dia 21 de Ou*
tabro do mesmo anno.
Alferes Balduino Antonio Dia*
Sendo Io sargento do 5o corpo proviso
ro de ca vallara, hnrese com muito de-
nodo na batalha de 24 de Maio de 1866.
J no poste de Alferes, distiDguiu-se nos
dias gloriosos do raez de dezembro de .
1868 e morreu no combate do dia 21.
Alferes Florencio Perelra da Trln-
dade
Pertencendo ao 5o corpo de guardas na-
cionaes tomou parte no ataque e tomada
de Curuzu' e 19 dias mais tarde cabiu de
debaixo das balas inimigas as muralhas de
Curupaity em 22 de Setembro de 1866-
Alferes Francisco Nogueira Pontes
Este bravo foi morto no dia 3 de Setem-
bro de 1866 em Curuzu' atora duas balas,
urna sobre o paito esquerdo e outra na bo-
ca que lhe sanio pelo crneo combatendo
como um hroe.
Alferes Francisco Antonio de Panla
Madurelra
Falleceu no dia 13 de Janeiro de 1S69
de um ferimento recebido na ponte do Ito-
rr combatende as columnas do 2o de
infantaria.
Alferes Artnur Bodrlgnes Ferrelra
Sendo cadete do 5o batalhSo de volun-
tarios e empregado na secretaria do 2"
corpo do exercito quando soou a hora do
perigo no dia 22 de Setembro de 1866 foi-
se apresentar ao seu batalhSo para comba*
ter e portou se como bravo.
Morreu em 24 de Abril de 1867, como
alferes do 29 de voluntarios.
V#



(
.
ti
N

<
as prioeezas, nem o bom Sr. Lavr.
rava-se.
Em urna tenda de velludo encarnado,
guarnecido de franjas de ouro, tinham-se
reunido muitas mesas. Esta tenda estava
situada nsto muito longe da rotonda de
Diana, debaixo das janellas do gabinete
do regente. Continua numerosa co.Dpa-
nhia.
m torno de urna mesa coberta com urna
toalba, jogava se um laosquenet turbu-
lento.
O ouro rola va s roSos cheias : gritava-
se, na-se.
NSo longe dalli um grupo de velaos fi-
dalgos conversara discretamente junto de
urna mesa.
Na mesa do lasquenet estavam Chaver-
ny, Chassy, Noialles, Qironne, Naco, Ta-
ranne, Albret e outros. O Sr. de Peyrol-
les tambem l estava e gaahava Era um
costume que tinha, e que todos conheciam.
Qeralmente, nad lhe perdiam de vista as
mSos. De resto, durante a regencia, tra-
pacear ao jogo nad era peccado.
S so ouvia fallar em algarismos de um
para para outro lado. fCem luizes I cia-
coenta duzentos algumas pragas dos
jogadores caiporas e a risada involuntaria
dos que ganbavam.
Em torno da mesa, como natural, to-
dos os rostos estavam descobertos. as
alamedas, pelo contrario, muitas mascaras
e muitos dminos passeavam conversando.
Alguns lacaios de librea de fantasa, e
na maior parte mascarados para nSo denuu-
ciar o incgnito dos amos, conservavam-
8e do outro lado do vestbulo do regento.
Esta ganhando, Chaverny ? per
guntou ura domin azul que metteu a ca-
bega encapachada pela abertura da tenda.
Chaverny despejava o fundo da bolsa
em cima da meza.
Cidalise, exclamou Qironne, nympha
das florestas virgens, vem era nosso auxi-
lio. Um outro domin appareceu por de-
traz do primeiro.
__ Dad liceoga ? perguatou o segundo
domin. .
Nd urna personalidado, Dubois,
a minba p^queaa, respondern lhe, trata-
se de florestas.
A inda bem 1 disse Mlle. Dubois
Duplaut, que entrou.
Cidalise dea a bolsa a Gi onne. Um
dos velhos fidalgoa sentados mesa do re-
veriino fez um gesto de aborrecimento.
No nosso tempo, Sr. de Barbanchois,
diste elle a seu visinbo, estas cusas fati-
am-se de outro modo.
Est tudo perdido, Sr. de la Hu-
oaudaye, respoadeu o visiaho, est tudo
pervertido.
Goste, Sr. de Barbanchois. '
Abastardado, Sr. de la Huaandaje.
Invertido 1
- Podre I
Sujo!
E ambos em coro com um grande sus-
piro :
Onde iremos,
Alferes trinen Barbalno Beserra
Tomou parte na grande batalha de 24
de Maio de 1866 cora o 4.* batalhSo de in-
fantaria e a seu respeito disse o comman-
dante Pasaos :
... O 2." sargento Irineu Barbalho
Bezerra excedeu aos seus companbeiros
pela bravura, calma e desembarago que
apreseotou quer na linha de combate quer
na de atiradores...
Alferes Antonio Gentil Ipirapltanaa
as fileiras do 24 de voluntarios foi fe-
rido no dia 21 de Dezembro de 1868 ata-
cando Lomas Valentinas.
Antes j se havia distinguido no com-
bate do Itorr e na batalha de Avahy.
Falleceu em 12 de Novembro de 1869
ao Paraguay.
Alfares Aurelio Jos da Silva Pinto
Tomou parte e foi ferido na segunda ba-
talha, ferida em Tuyuty a 3 de de Novem-
bro de 1867.
Portou-se distinctamente no combate do
Itorr, na batalha de Avahy e foi morto
no ataque de Lomas Valentinas em 21 de
Dezembro de 1868.
Alferes Jos Corlolano Mendes
Lina
J tendo mostrado na batalha de Tuyu-
ty (24 do Maio de 1866) ser um verdadei-
ro soldado, achou-ae no dia 22 de Setem-
bro no ataque de Carupaity, mostrando
muito voltr e avangando at a seguuda trio-
cheira inimiga, foi morto no momento em
qae a galgava.
Alferes Carlos Luis %Voiif
Era secretario do batalhSo de engenhei-
ros.
Esteve no combate da ilha da Redemp-
g3o ou de Cabrita, portaodo-se com bravu-
ru e indo para bardo de urna ohata com o
Alferes [Francolino do Amoral
Sendo 2o sargento do 47" de voluntarios
distinguiu se no ataque de Curupaity, me-
recendo ser elogiado por seu commandanto
como um dos mais bravos e fei ferido.
Fallecen em 21 de Abril de 1867, como
alferes.
Alferes Francisco Tavares Freir
Jnior
Portou-se heroicamente desde o princi-
pio at o fim do ataque de Curupaity em
22 de Setembro de 1866.
Falleceu em 13 de Abril de 1867.
, (Contina).
Perdo
Perdi se por te amar commetto um crime!
Perdo se em ter-te amor en non ousado !
Perdao para o infeliz desventurado
que o seu soffrer a penna nao exprime.
Acaso inda nao basta? inda achas pouco T
aos teas ps pos temar-se um desgrasado,
sedente de te amar e despreaado,
por ti viver soffrendo e quasi um lonco?
Basta de desdenhar se por vinganca
em nada bou culpado aos ps te juio,
oh formosa mulher, gentil crianca!
OI tu no meu amor que santo e puro !
O teu perdao espero, que a esperanja
o a estrella tu s do meu futuro t
Nemo.


barad 1 onde
leu as noticias T Hontera urna mulher as-
sassinou junto do Templo a Lauvel, um
agiota.
Esta mauha, um empregado da paga-
doria da guerra, o Sr Sandrier, foi tirado
do Sena na ponte de Notre-Dame.
Por ter fallado em voz alta deste es-
cossez maldito, disse muito baixo o Sr. de
Barbanchois.
Silencio I disse o Sr. de Huuandaye ;
iremos 1 6 o dcimo primeiro ha oito dias I
O Sr. barSo de Barbanchois prosegoiu
pegando em um dos botoes de agatha que
ornavam o antigo gibad do Sr. bario de
Hunandaye :
Quera esta gente, Sr. Barad ?
Tambem lhe pergonto, Sr. Barad.
Aoceitas, Taranne? exclamava n'a-
quelle momento Montaubert; cincoenta I
Taranne, resmungou o Sr. de Bar-
banchois. Nao um homeui, urna ra !
Auseitas, Albret ?
Chamam-se, disse o Sr. de Hunan-
daye, como a m5i de Henrique o Grande,
Onde foram pescar eses nomes?
Onde foi o Bichon, o cao da Sra.
baroneza, pescar o d'elle ? replicou o Sr.
de Barbanchois abrindo a boceta de rap.
Cidalise, qae passav, metteu impuden-
temente os dous dedos na oaixa de rap ;
o barad ficou de bocea aberta I
E' bom 1 disse a rapariga da Opera.
Minha senhora, repeta gravemente o
barad de Bsrbauchois, u5o gosto de mistu-
rar. Quer aceitar a caixa ?
Cidalisa nao se escandalisoa. Pegou a a
caixa e toeou com um gesto de caricia no
queixo do velbo fidalgo indignado.
Depois fez urna pirueta e afastoa-se.
Oada iremos parar ? repetio o Sr. de
Barbanchois, que suffocava. O qae dira
o fallecido rei se visse estas cousas T
No lasquenet :
Perden, Cha7erny, perdeo l
E' a mesma cousa, tenbo anda as
minhas trras de Chaoeilles. Voa tado.
Seu pai foi um digno soldado, disse
o barad de Barbanchois. A quem perten-
oe T
Ao Sr. principe de Gonzaga.
Deas oes livre dos italianos.
Osallemes erara melhores, Sr. barao ?
Um conde de Hora suppliciado em Greve
por asaaeaiaato l
Um prente de Sua Alteza. Onde
iremos parar ?
J lhe disse, Sr. barita, qae acabarlo
por degollar-se em pleno dia no meio das
roas I
En I Sr. barito, j comecamos. MI
gritaram
Oriol, Oriol I ao inimigo !
todos os jogadores.
O gordo e baixo agiota appareceu na en-
trada do pavilhao. Trazia ama masoara,
e e seu trajo, de urna riqueza grotesca,
tiaha produzido no baile um successo de
riso.
E' adrairavell disse elle, toda ageu-
te me conhece I
No ha dous Oriols l exclamou Na-
vaille.
Estas senhoras achara qae basta um I
^iss9 Noce.
Iavejoso 1 exclamaram de todos os
lados, rindo se.
Oriol parguotou :
Meus senhores, n2o viram Nevell 7
Diaer se que este pobre amigo, ex-
clamou Qironne, solicita em vio, ba oito
mezes, o lugar de fioanceiro escarnecido
e devorado do nosso caro Nevelle !
Iavejoso I disserara outra vez.
_ Viste d'Ogier, Oriol T
Tens os teus pergaminhos ?
Oriol, sabes o nome do teu antepas-
sado que vais mandar para as cruzadas i
E os risos augmentaram.
O Sr. de Barbanchois esfregava as
mads; o Sr. de Huuaudaye dizia :
Sao fidalgos, Sr. barad, que erace-
jam com cousas santas l
Onde iremos parar, seahor, onde ire-
mos parar 1
Peyrolles, disse o pequeo
que se approximou da mesa, vou os
coenta luizes, por ser com o seahor ;
levante as mangas.
Como T disse o facttum do Sr. de
Gonzaga, costurao gracejar nicamente com
os meus iguaes, ouvio ?
Chaverny olhava pira os criados que
estavam por detraz da escada do regeate.
Com a breca l raurmurou ello, aquel-
las tratantes pareceos estar aborrecidos l
em baixo. V busoal os, Tarauoe, para
que o honrado Sr. de Peyrolles tenha com
quem gracejar um pouco.
O facttum nad ouvio dta voa.
ae zangara cora todos.
Contentou-se em gaobar os ciocoenta
luizes de Oriol.
Papel 1 dizia o velho Barbanchois,
sempre papel I
__ Pagara as nossas penses em papel,
barad.
__E os nossos arrendamentos. Que re-
presentan! aqaelles trapos ?
A prata gasta-se.
O ouro tambem.
Quer que lhe diga, barao, caminha-
mos para urna catastrophe.
Mea amigo, [ coutinnoa Hamaudaye,
apertando furtivamente a m2o de Barban-
chois, caminbamos para ella ; a opiniad
da Sra. baroneza.
Entre osvjlamores, os risos e as grajo-
las que se cruzavam, a voz de Oriol er-
gaeu se de novo.
Sabem da novidade ? perguntou elle,
a graude novidade T
Nlo ; vejamos a grande novidade.
Doulhesmil; adivinham ?
O Si. Lar fez-se catholico T
__A Sra. Berri bebeu agua ?
__ O Sr. de Maiae mandn pedir um
convite ao regente T
Nad, adivinham, disse Oriol, nSo adi-
vinham, meu caros, nlo adivinharlo nun-
ca I
A Sra. princeza de Gonzaga, a incon-
solavel viuva do Sr. de Nevera, Artenisa
votada ao luto eterno. .
A'quelle nome da Sra. princeza de Gon-
zaga, todos os velhos fidalgos prestaram
attenyad.
Pois bem, continuou Oriol, Artenisa
acabou de beber as cinzas de Mausole. A
Sra. princeza est no baile.
Riram-se; era urna oousa incrivel.
Vi-a, affirmou o pequeo agiota, cora
os meus proprios olhos, seutada junto da
.jftiseai palatina. Mas vi alguraa cousa
agina) alfhja mais extraordinaria.
O que ? perguntaram todos.
Oriol deleitou-se. Estava seahor do cam-
po.
Vi, coatiuuou elle, e entretanto nao
estava a dormir, estava bem acordado : vi
o Sr. principe de Gonzaga nao ter entrado
na porta do regente.
Fez se silencio. Isto interessava a toda
gente. Todos os que cercavam a mesa do
hnsquenet esperavam a sua fortuna, de
Gonzaga.
O que ha nisto de ad-nirar ? per-
guntou Peyrellos. Os negocios do esta-
do...
Neste momento ua altes* ra*l nio
oom os
Cla-
mas
Nao
se oceupa absolutamente
do estado.
Entretanto, se um embaixador...
Sua Alteza nSo estava com um em-
baixador.
Se qualquer capricho novo. ..
Sua Alteza Real nSo estava com urna
senhora.
Era Oriol que dava estas respostas cla-
ras e cathegoricas.
A curiosidade ge ral augmentava.
Mas com quem estava Sua Alteza
Real?
Toda a gente, o perguntava a si mes-
ma, responden o negociante: o proprio Sr:
de Gonzaga ae informara com muito mo
humor.
E o que lhe respondern! os criados T
interrogou Navailles. ,
Mysterio, meus senhores, mysterio l
O Sr. regente anda triste, depois de un
certa missiva qae receben de Hespanha.
O Sr. legante dea boje ordem para que
fosse introduzido pela porta pequea d
pateo das Fontes, nm persongem que ne-
nhum de seus criados vio, excepgad de
Bloudeao, que julgou ver no segundo ga-
binete um homnculo todo vestido de pre-
to, um corcunda.
Um corcuada! repetiram todos ;
vem corcundas 1
Sua Alteza Real fechou-se com elle.
E Lafare e Brissac e a propria duqueaa
de Phalaris encontraram a porta fechada.
Fez-se novamente silencio.
Pela abertura da barraca podia-se ver
as janellas illuminadas do gabinete de Sua
Alteza.
Oriol olhou para aqaelle lado por acaso.
Olhem olhem I exclamou elle ; an-
da estad juntos.
Todos os olhares se voltaram ao mesmo
tempo para as janellas do pavilhlo. Sobre
as cortioas br*ucas destacavam-se a som-
bra de Felippe d'Orlenj: pasaeava. Urna
oatra sombra indecisa,. collocada do lado
da luz, pareca acoropanhal-o. Foi queatad
de um atante ; as duaa sombras tinham
passado a janella. Quando voltaram ti-
nham modado do lagar. A sombra do re-
gento era vaga, ao passo que a do seu mis-
terioso coropanheiro se desenhava com cla-
reza sobro as cortinas ; urna cousa disfor-
m8 urna grande corcuada sobre ura cor-
po pepueno ; e uns bracos maito compridoi
que gesticolavam com vivaoidade.
(Continuar-te-h)
'' ->


V

"Tro do Diario ra Duque de Carias s. 41f3
1