Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text
%

I
>r

AJh LilII IllIflIO 2
i
PlttA A CAPITAL E LICARR ONDE NAO SE PAUA PORTE
noezes adiantados............... ()0q
Por seis ditos idem.......... ......
Por dm doo dem......'........... 24(&00q
Cada numero avulao, do- mesio da............ iSIOq


lyA--FEIBA i DE JiNEIBO BE 1853
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados..............
Por nove ditos idem..........j.....
um anno idem..........,......
Cada numero avulso, da das anteriores..........
130500
2 27&C00
,5100
NAMBUGO
Pxopxitfbt tft ufano*! Sigam& te Jara Uijo*
ELEGEAMMAS
5S
S7i;: "ETICUM 23 SUBI
fiointe para urna desinfecto radical, devendo Pereira, sta pedid, da comarca do Vigia^para
adv-rtir-si que s a louca esmaltada ou o gre a de Gameta, 'ambas de 2. entrela na referida
9!
bida s 2 hora e 20 minutos, pelo cabo sub-
a irino).
provincia ; o ni de direito .Jos Piel de Jess
Leite, da comarca' de Tacarari, de 1 a entrancia,
forfo rtirecto, experimentada primeiro cora agua na provincia de Pernambuco, para a de Vigia, de
a ferver, poder servir em caso de necessidade. 2., ua do Para ; o jair de direito Goncalo Paes
a pedido, da c.imarca de Pao
invocados como auxiliares,sendo o Drimeiro'ex- d'Alho, de 2.* entrancia, na de Pernambuco, para
a de Ara, da mesma entraocia, na da Parabyba,
cando sem effeito a anterior remocho para a co-
marca de Viamo, de 3. entrancia, na do Kip
Grande do Sul ; ojniz de direito Jos Jacintbo
RIO DE JANEIRO, 3 de Janeiro, I cellente, e (ultimo militan vezes nocivo pos forae-
1 hora e 40 minutos da tarde. (Recete* raic*>bio processo de viagem mais'ra-
pida e portento mais funesta da que a que pode
Fol Borneado presidente da pro-
vincia do Itio Grande do Sal. ocon-
elhelro Beato Luiz de Olivelra Lis-
boa. desembar(ador da claro da
Corle.
Fol nomeado Jato municipal e
de orpnos dos termos reunidos de
Itapscur. Vargem Grande e Anaja
lula, na provincia do Harabbo. o
bacbarei llago Barradas*
PARAIIYBA, 3 de Janeiro, s 7 ho-
ras e 15 minutos da noite, pela lclia ter-
restre.
o preaidente da provincia que.
ncompanhado de dlveraoa amlio,
fura oldade do Filar, leve alli urna
esplendida recepeo.
H. Esc chegou agora em regresso
de saa excarso.
{Especial para o Diario)
LONDRES, 2 de Janeiro, tarde.
Grandes sforcos nao feitos Junio
lord Cburchili para o determina-
ren* a retirar o sen pedido de d-
iui ROMA, 2 do Janeiro, a .tard.
teba-se de novo doente. e grave-
metfte. o cardeali Jaeoblni. O neu
esladu Innpira nerios recelos.
LISBOA, 3 de Janeiro.
Teve lugar boje a abertura das
sortea portuguesas
A nieimasem real trata do pedido
que val ser relio & teman^i para
delimitar o territorio que oceupn na
proxlmldade das po*sess5es porlu-
guezas na frica.
pl. m. o re oceupa se#tambem em
sua mennagem- da reforma eleito-
rl relativamente aos pares, e de-
poi*. trata da reforma Judjtciaria.
Terminando. S. H. o rei annnncla
que vao ser estabelaeUlaiv breve-
mente direito aduanaros sobre di-
versas mercadorias de Importaco
no Intuito de fomesuir nc o equili-
brio' ercantenlarlo.
pfS-AYRES, 3 de Janeiro.
Permanece estacionaria a Intensi-
dail da epidemia do bolera mor
mis Kepalilica Argentina.
VALPARASO. S de Janeiro.
i reprehender pelos muios habitiiaes.
Ni potando, por falta de tempo, demorar-me. de (ouza, da comarca de Ara, de 2.a entran
mais sobre este ponto da miaba conferencia, tra-
tarei agorados desinfeetanfes ou microbicdss chi-
micns que, no seu conjuueto, representam ura dos
mais delicados dentre os os estados que boje se
fazem sobre o modo de evitar ou annuilar o con-
tagio e a propagacao do eholefa.. E repetirei de
novo o que ja dase e nao me cancarei de o dizer
outra ves : nada ba mais singularmente 'inexacto
do>que algamas das nocoes qaa vejo a tal respeito
correrem mundo j entre nos, foros de cidade, uo-
coes to injutificaveis que nao cncontio, por mais
que o deseje, a tortalecel-as, ou a fundamental-as,
os faetca mais recentes e e positivos da microbio-
loga contempornea.
InsuSoient'.'a'aa dses, mal escolhid&s as substan-
cias, errados os fundamentos do receituario anti-
sptico, inoteis ou vejatorias as preacripca,eis
o que, meus scnhoreiV eu vejo qnasi por da a
parte, dentro e fura-do meu paiz, com pasmo de
chimicos-e biologistas, que neste momento levan-
tara altos protestos, jaattendidos por varias est-
celes officiacs. Tudo resultado de um susto iojus-
tiricavel e ovarde qne, dando azo a am diluvio Ja
conaeihoe e de avisos, disparou sobre o publico in-
ncffensivoe innocente una tal descarga de micro-
bicidas, que muitos se afigora menos temivel o
microbio cholenco do que as estaoes officiaes en-
carregadas de o des'ruirem '
Nao posso esquivar-me a dizer-vos que toda
esta quetao dos desinfectantes cbimicos sobre-
maneira complexa e difEcil. Variando com a es-
pecie de microbio e com o seu estado de evolucao,
porque a resistencia deste ser vivo morte, no pe-
riodo normal, nao comparavel com a que Ihe op-
pdem Q9 seua germens (que nem aeinpre os ba nesta
classe de aeree), os desinfectantes cbimicosos
mais facis e uinis promptos microbicidasdevem
ser estudadoa nao e o ctfeito que produzem so-
bre o microbio propriameuts dito, como tambem
respectivamente influencia que posaa-n ter sobre
a diastase, que o microbio deve elaborar. Por
tndo isto se v, meas senbores, que a pesquisa d s
desinfectantes de certo microbio exige, primeiro
qu>- tudo, que se enheca o microbio, que baja de
dpstruir-se (o que/Uifclizmente, nao negocio re-
vivido par o do cholera epidmico i e que, arem
disso.este antisptico seji sfficaz para a diastase,
mais ou meaos veneuosa, que elle possa elaborar.
Como fazer, porm.na presente coojunctara, em
qne o espirito mal pode prever a solucao definitiva
de todos os pontos relativos a natureza e vitalida-
de'dn microbio coolerico ?
Nao ha senas) um meio, e por este respondo. Re-
sume-se em escolher os mais efficazes mic^abieidas
entre quantos se coubecens variando a especie es-
colhida conforme os caaos.om empregal-os em
d-'se tata que nenbum microbio presente, passado
ou futnro possa resistir Ihe.
(Continua).
O / boleca- saorlins appareceu
protincia de Aconeagua (Chili).
na
Agt-iii'i lvaa, filial em Pernambuco,
j de 1887.
isaaneqo popular
o csslssa ::::: i.:iii:::
erent^do proiasser J. J. Rodrigues]
I {Extrahido)
DA Q^LIOKOA DO l'OVO E DAS ESCOLAS
iG o ji i n u a f o)
Basta qe o escaldemos n'ura banho de agua fer-
vente. ouile podem portan:; entrar as rcupas do
enfermo e outros object-jS,banho que t por si
representa urna desinfecto quasi ladical, mas
cujos effitos podem cortar quaesquer duvidas se
o acdula;mos com acido sulpborico, conhecido as
drogar?! pelo nome de oleo de vitriolo. A' ebnllico,
udrante 5a 10 minutos ueste bauhoasedo,
oierobio resiste, a nao ser que a natureza,
eontusxo dos sabios e hyglstas, nos offere-
i rsn om novo microbio, que s possa ser ex-
terminad* a -fo^o e a bala.
,bem que os mesmo e&itos radicaes
fal t obtidos u nina estufa de ar bumido,
^HjsH> 110 ou a 115 durante um quarto de
HHK) mais on menos,estufa que admitte,
^^Bbpas j mencionadas, muitos outroa
enumerasJo me parece intil.
^^^kimoa que alie > seda nada aoffrem
^^^Koes sendo o unico incoovenitnte das
uente e hmido deixaremos objctoa
^^Bbdos em circuostancia i de careeerum de
a^m^m^Hp08''
asivei, dar urna
se o* i tente do banho
)t npregaudo agua
a ferfl da vasilba (que
aia ^^^^^^^^H^^^^pr posta,
MRTE 0FF1CUM.
Actos do ,poder exectitlvo
DECRETO N. 9682db 9 de movembro de 1886
Tendo ouvido o conseibo de estado pleno, na
forma do art. 20 da lei n. 3140 de 30 de Outubro
de'1882, e conformando-me com o parecer unni-
me do mesmo conselho, hei por bem decretar :
Fica aborto so Ministerio dos Negocios do Impe-
rio um crdito extraordinario de 50O:0OOJ, afim
de occorrer s despezas imprevistas determinadas
pelas medidas preventivas da invasao do cbolera-
inorbus no imperio.
0 Bario de Mainor, do meu conseibo, senador
do imperio, ministro e secretario de estado dos
negocies ao imperio, assim o tenha entendido c
faca executar. Palacio do Rio de Janeiro, em
29 de Novembro de 1886, 65 da independencia e
do imperio.
Com a rubrica de Sua Magestade o Imperador
Barao di Mamori.
. Ministerio do Imperio
Por dfiep-.chos de 24 de Dezembro foram agra-
ciados : "com o grao de cavalheiro da ordem da
Rosa, o engenheiro Luiz Schreiner ; com o de ca-
valbeiros da ordem de S. Rento de Ave, o major
de angenheiros Alfredo Ernesto Jacques Ourique
e os capites.Antonio Faustino da Silva, do de
estado-maior de 2 c.asse, Francisco Luiz Morei-
ra Jnior, do 4." batalhao de infantaria ; Eugenio
Augusto de Mello' o Heleodoro Joaquim de Oli-
veira, "este do 8. batalbo e aquelle da compa-
nbia da dita arma da provincia de S. Paulo.
Poi exonerado, do lugar de continuo da Fa
culdade de Difeito do Recite, Joaquim Ferreira
Peixoto.
Ministerio da tf ustica
Por deeret'S do 18 de Dezembro prximo jido :
Cea-se merc da serventia vitalicia dos offijlos :
De tabelliao de noUs, escrivao do civel e orime,
ae orpbitjs e ausentes, da provedoria de capeUas
e residuo* < do jurv e execuces criminaes do
Porto dV.Moz, na provincia do Para, a Antonio
Lopes Brasil, nomeado pelo respectivo presidente
para servir provisoriamente na forma da leu
Por decretos de '0 do correute :
Foram removidos os juizes de direito :
Joaquim Ignacio de Moraes. da comarca de S.
Carlos do Piubal, de 2 entrai.cia, para a de Ati-
baia, de 3 entr ncia, ambis na provincia de 8.
Panto.
Abil:o Alvaro Martina e Cistro, a pedido, da
comarca de Atiban pira a 1. vara civel da
capital da n eama provincia, ambas de 3.* en-
trsHcia.
Foram Domeados juir.es muuicipaes e de or-
pbSoe : ,
Do termo do S. Matheus, na provincia do Espi-
rito Santo, o bachare Lindulpho Erneato Al-
vares.
Do de Paracat, na de Min&aOeraes, bachr>l
Pedro Salazar Moscos> da Veiga Pessoa, fienndo
sem effeito sua anterior nomesco pura rpul lo-
gar no termo
Do
.-el E
Por
Daplaroul
792 de 24
Legislativa
cu> de escri
que ra exe
tuarios vital:
igoi.
mesma provincia, bacha-
[o corrente :
vista do disposto na lei n.
de 1885, da Assembla
a da Parabvba, o offi-
do termo di Priueeia,
nlativamente pelos M^^H
^^fcl de e 2. <^^H
s, passa a ser |^^H
do 1.* tabelliao Joilo Rodrigues da Silva^^^|
Por decretos de 24 do mesmo mex :
Foram rem ividos
O juiz de direito Antonio Osario de
vim,
de 8 icia, amb
(ieraes ; o juiz de direito Han
niba nandes da Cnnh, da comarca
ia Villa-Nava da Raioba, de 1.* entrancia, na
provincia da Babia, para a 2.* vara civel da de
Nith na do Rio de Janeiro ; o juiz
Pedro Marianni Jnior, a sen pedido,
i Faxma, em 8. Paulo, para a da
a da Rainba, na da Babia, ambas de 1 '
. ; o juiz de direito Francisco Mende
ca, para a de ViamSo, de 3>, na do Rio Grande
do Su!.
Foram nomeados : juiz de direito da comarca
do Tacarat, na de Pernambuco, o bachare Jos
No'aes de Souza Carvalho ; da de Ub, nade
Minas Ger'aes,' o bscharel Caetano Pinto de M
randa Montenegro ;. da de Alienas, na mesma
provincia, o bachare Jos Francisco do Reg Ca-
valcanti ; juiz substituto da comarca de Olinda,
na de Pernambuco, bachare Marcolino-Dor-
nellas Cmara.
Foi aposentado, nos termes do art. 1. 2." do
decreto n, 3,300 de 9 de Outubro ultimo o juiz de
direito Domingos Jos Gancalves Ponce de Len,
Seand eem efifeits a anterior aposentacao por de-
creto de 11 de Sctembro prximo passado.
}*or portaria de 20 do corrente declarou se
sem effeito o decreto de 20 d Marco ultimo, que
nomeou o bacbarei Jacintho Alvarea da Silva Can
pos para a lugar de juiz municipal e de orpaos
do (eruo de Paracat, na provincia da Minas-Ge
raes, visto nao ter o mesmo bacbarei entrado em
exercicio no prazo legal.
Ministerio da Fazenda
Por decreto de 18 do Desembro prximo lindo
foram nomeados :
Inspector da Thesouraria de Fazenda do Espi-
rito Santo o inspector da do Rio Grande do Norte
Candido Melchiades de Souza ;
Inspector da desta thesouraria o daquella, Ma-
noel Cojlho Bandeira de Mello .
Inspector da Alfaudega da Victoria, provincia
do Espirite Santo, o t* escripturaris Candido
Vieira da Coata ;
Lhesoureiro da mesma Alfandcga, Basilio de
Carvalho araon ;
Cantador da Tbesauraria de Fazonda de Ser-
gipe^^ipeetor da Alfandega da Vietoria, Jos
Fraga ;
TbfiwgibV da Alf*ndega do Para, Jos Au-
gusto a Gama e Costa.
Por decreto da mesma data foi aposentado o
cootador c)a lhesouraria de Strgipe, Manoel Fran
cisco de Argollo.
Foruut finarmte, demittidos, por decretos da
mesma data : i-'
1 cseriptnrrrio da Thesouraria de Sergipe,
Apulchro da Costa Rebello ;
O 2 escripturario da da Bahia, Salvador Bra-
silio de Campos.
Foi expedido O seguinte aviw :
Circular n, 32.Ministerio dos Negocios di
Fazenda.Rio de Janeiro, 20 de Dezembro de
1886.
Francisco Belisario Soares de Souza, presidente
do Tribunal do Tnesouro Nacional, declara aos
Srs. inspectores das tbesouraaias de fazenda, para
os devidos eJEjijos, qns a prorogdo-^* 31 ^e
Marco do'anno prximo vindouro, o prajo marca-
do para o recebimento sem descont das notas de
de 2 da 5 estampa, da 7* e 10 da fr.F.
Belisario Soares de Sosza.
Ministerio da Agricultura
Por portaria de 18 de Dezembro prximo fiudo,
foi exonerado, a seo> pedido, o engenheiro Joao
Soter Touopsoa V'iegas do lugar de ajudante da
comrnisao de meHirnientos do rio Parnabyba,
na provincia do Piauhy.
Foi expedida#aegainte aviso :
Min:sterio da Agricultura, Cammercio e Obras
Pu licas.Directora da Agricultura. 3' scelo.
N. 13.Circular.Rio de Janeiro, 23 de De-
zembro de 1886.
A's legneoes e consulados na Europa, presiden-
cias de provincias, iuepectoria geral das Trras e
Colooisacao e inspectoras especiaes.
Illm... Occorreudo duvida na ioterpretacao
da circular n. 2 de 12 de Outubro ultimo, nao obs-
tante as explicacoes dadas na de 15 do mesmo
mez, resolveu este Ministerio mais urna vez trans-
mitir a Vine... os seguintea esclareca entos
para que teubam a maior publicidade e possam
assim cuegar ao couhecimento dos interessados.
Todos os immigrantes que demanlarem o
Brasil, quer se lestinem is fazen jas e outros es-
estabelecimeDtos agrcolas, quer prefiram fixar-ae
por contra propria, ou nos nucleus coloniaes fun-
dados pulo goveruo imperial, serio recebidos, aga-
salbados por oito das a transportados por conta
d Estado, desde o porto do desembarque at as
localidades que se dagirem.
O pagamento integral da passagem aos immi-
tstabeleaimentos agrcolas, se eft ctuar, reque-
rendo o faiendeiro, que es desojar introducir,
previa autorisacao do governo imperial, e, no acto
do seu recebimeato apresentando attestados dos
cnsules brasileires nos portos de embarque na
Europa, da inspectora geral das Trras e Coloni-
cao na corte e dos inspectores especiaes ou
i ia Fonseea Nevos, Francisco de ttattos, Alberto
Foctsra Freir de Andrade, Augusto Theotonio
l'erefca, Delfioo Lorena,' Gentil Augusto Paiva
Meirs, Artbur Lopes de Mello, Alvaro Augusto de
Oarvaibo, Tancredo Burlamaqui de Moura, Alipio
Mura, Arthur Frederieo de Almoida Albuquerque,
Alfrafti Pinto de Vasconcellos, Manoel Floriano
C. d^Brio, Pi da Silva Toirelly, Joaquim de
Albi^iqerqiie Serejo, Alfredo Monteiro Peixoto,
Hoorfqse Adalberto Thedim -Costa, Gabriel de
Mello, lyoraes, Nicolao Possolo, Sabino Cavalheiro
de gneiredo, Adolpho Vctor Paulino, rloracio
Coelbp Lopas, Jos Mara do Oateiro e Pedro Ca-
valcant3 de Albuquerque.
Ministerio da Guerra
Par decretos de 18 de Dezembro prximo findo :
Foram promovidos :
Xc carpo de saude, a 1" cirurgiao, o 2* Dr. Joo
Tellea db Menezes.
Arma de infantarieA eapitSes, os tenentea :
Pedr q'e Aquino Moreira, para a 1 companhia do
20 b^italh >, por antiguidade ; Jaunario da Silva
Assu>cao, para a 8* companbia $ 3 batalbo,
idem ; Adolpho de Alencastro Graca, para a 5*
conip-mhia do 19 batalhao, por estudos.
A tenentes, os alferes : Eduardo Augusto da
Silva, por antiguidade; Thiago Pereira de Souza,
idem:.. Manoel Joaquim Ayres do Nascimentc,
idcml^Aueusto FernaDdes de Almeida Brandao,
por i-Midos ; Joaquim Pompilio da Racha Mo-
reira, 'jeta.
Fo" am nomeados : segundos cirurgioes do cor-
po d i.suude do exercito os doutores em medicina,
Antoi .jo Jos Osorio e Francisco Flix de Barros
Almeja.
CoiScfdeu-se demisso do servido do exercito ao
2" cuurgiao do referido corpo d saude Dr. Gui-
Iherow Peroira Rebello.
Pauortarias d 22 do dito mez :
FcujXi nomeados Felippc Nery da Cunha e Mel-
lo p**s o lugar de professor de primeiraa letras
da coapanhia de aprendices artfices do arsenal
de guara da previpcia do Para, e Jos Gabriel da
Silva para o lugar, que interinamente exeree,' de
porten do reter Coucedeu-se a Manoel Moreira Dias a exonera-
cao, aaf pedio, do lugir de amanuense da secreta-
ria daArieuul de Guerra da provincia de Per-
Foi nomeado para exercer interinamente o lu-
gar de_ amanuense da secretaria do Arsenal de
Guerra, de Pernambuco o escrevente de 1 classe
do mesmo Arsenal Goncalo Attico Lima.
Por decretos de 24 do mesmo mea foram refor-
mados : o cirurgiao-mr de brigada, Dr. Ayres
Je Olivcira Ramos, por achar-se aggregado ao
corpo de saude do exercito ha maie de um anno,
julgao-incapaz do aervico em inspeceo de saude;
e o tenente aggregado arma de infautaria, Hen-
riquo Manojl da Silva, por ter sido juIgaJo inca-
paz do servico em inspeccio de saude.
Forum transferidos : do Io regiment de caval-
aria ITgeira para o 5o da mesma arma, o alferes
Manpcl Correia da Cmara ; e deste para aquello
o alferea Gentil Eloy de Figueiredo ; do 16" bata-
lhao de infantaria para o 10" da mesma arma, o
alferes Jos Ferreira Dias Jnior.
ftioverno da Provincia
DESfrA^apS jDA PBE8DENCIA DO VIA 31 DE
L **- 9EzS3rBilo DE 88
'Antonio Jos Ferreira R ;finador. En-
caminhe se, devendo ser pago o porte na
repartido dos correioa
Argentina Araripe da Silva.Informe
o Sr. director da Colonia Isabel.
Ceciliano Jos Ribeiro de Vasconcellos.
-Informe Sr. inspector do Tnesouro Pro-
vincial.
Flix de Jess Maria.Informe o Sr.
Dr. Juiz das execuco*es criminaes do Re-
cife.
Dr. Joaquim da Rocha Sampaio. Pro-
roo o prazo por trinta dias.
Bacbarei Lydio Alsraao Bandeira de
Mello.Deferido com officio de hoje
Thezouraria de Fazenda.
Manoel Lopes da Paz. Informe o Sr.
inspector do Thezouro Provincial.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, em 3 de Janeiro 1886.
O porteiro,
Francdino Chacn.
Thomaz, Luiz Pereira de Souza, Manoel
Joaquim do Nascirnento, .Porfirio dos San
tos Rosas, Podro EMncisco da Costa,
Ral Deocleciano e Valeriano Raphael dos
Reis, por embriaguez, disturbios e uso de
armas defesa.
A' ordem do do Io distrieto de S. Jos,
Manoel Luiz Amaro, Florencio Jos dos
Santos e JoSo Antonio dos Santos por dis-
turbios.
A' Drdem do do 2o distrieto, Manoel
Marques da Silva, por disturbios.
A' ordem do do 1 distrieto da Boa-Vis
ta Gervazia Maria da Conceicao, por dis-
turbios .
Em officio de 31 do passado communi-
cou-me o cidadSo Joaquim de Souza No-
ves, que n'aquella data assumira o exerci-
cio de subdelagado de Apipucos como {
supplente.
Communicou-me o delegado de Pao d'A
lho, que em data de 30 do mez passa-
do, Ihe coinmunicara o subdelegado do 2
distrieto daqualle termo, que fizera proce-
der vistoria na menor Josepba Maria da
Conceicjab, deflorada por Jos Belchior.
O respectivo subdelegado abriu nque-
rito.
A mesma autoridade communicou-me
que naqaella data o referido subdelegado
f.-z remessa ao juizo competente do inque
rito policial procedido contra Jos Luiz,
conhecido por Zuza, por ter ferido mortal
mente com diversas tacadas a Jo2o Car
neiro, no dia 5 de Novembro prozimo
passado.
O delincuente poz-se em fuga.
Comrnuuieou rae o subdelegado do 2o
distrieto do Poco, que s 6 horas da tarde
de 31 do mezpas3ado, no sitio denominado
Mangabeira de Baixo, pertencente a Fran
cisco Cardoso, o subdito portuguez Jos
Mara da Silta, e o preto velho Pedro Car-
dozo, ambos empregados no mesmo sitio,
travaram-se de razoes dando em resultado
ser espancado e ferido graveroeate Pedro
Cardozo.
O offendido sendo vistoriado foi recolhi-
do ao hospital Pedro II, afim de ser tra-
tado.
O offenscr foi preso p abri ee o inqua
rito sobro o facto.
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, rnuito
digno presidente da provincia. O dele-
gado encarregado do expediente, Salustia-
no Jos de Oliveira.
Tnesouro Provincial ~ '8reuTiisi;i
DE JANEIRO DE
agentes de colou>3H9ao as provincias, certifican-
do a procedencia e partida do immigrante, sus
chega-la ao Brasil e definitiva colloeaco, sendo
esta attestada pelo juiz de paz ou presidente da
cmara municipal do lugar onde esteja situada a
fasenda, ou estabelecimento agrcola.
Fica entendido que a importancia da passa-
gem integral paga pelo Estado ao fazendeiro,
constitun favor directo ao immigrante, pelo que s
poder ser recebida por aquelle como indemni**-
cao da despeza que honver feito com o transporte
deste, desde o porto de embarque na Europa at
ao do destina no Brasil.
Fica, outrosiin. entendido que o governo im-
perial nenbuma intervengio ter nos contractos
que os fazenaeirus porventura fizerem para a
importaco de imcnigrantes, quer tejam feitis
com estes directamente, quer com interme-
diarios.
Os inmigrantes qui viewm fixar-se por conta
propria, ou nos nuclema ooloniaes do Estado, go-
zarao do favor da redcelo de passagem, embar
cando ii-'a vapores das companhias ou empresas
que tiverem celebrado contraew cora o goveruo
luiperisl para a sua introdcela, do que torio cj-
nbecimento por meioe dos agenfci consulares bra-
sileiros na Europa
Deus guarde .AntoOio da Silva Pradal

IIiniterlo dJlarlnha A' orden
Pr decreto- de. 1^ bro prximo findo, Jos Mal
m a'lei n 236 d* 13 de 'u
imcvido, por antigu-da e, no
rAt, a 1 tenente
le Jnior.
i m nomeados
machinjatas da armada ;
j i Jarreta,
ij de Andrade, JoSo Cirios Alv^a
de Siqaeira, Aureli. Bernardo da Silva, Luiz G u
ktaga de Souza Jnior, Jo:iqaim Oureia Diaa e
Dagoberto Bueno Paes L-;me
Por portaria d mesma data foi nameH'
director interino da escola naval, o en pita
gata Jos Luis Tcizeira.
Mi ;
dos a 2 tenentes da armada os *"-
marinha: Alvaro Ribeiro Or
do Car
Repartlco da Polica
Scelo 2* N. 1.Secretaria da Po
licia de Pernambuco, 3 de Janeiro *de
18S7.-Illm. e Em. Sr.Partecipo a
V. Esc. que foram recolhidos Casa de
Detencilo os seguintes individos :
No dia 31 d6 Deierabro ulirao :
A' tninha ordem, Bazilij, oseravo de D.
Joaquina de Salles, par andar fgido j e
Francisco Correia das Chagas, conhecido
por hico Lerdo, remettido pelo subdele-
gado da Varz-a, minfca disposigSo, como
vagabundo.
Ak ordem do subdelegado do Recife, An-
tonio de Almeida Saboya, requhicao
do cnsul portuguez.
^ A' ordem ero 2o distri;to de S. Jos,
Nicolu Francisco de Oliveira, e Fortuna-
to, escravo .ie Francisco'Bolitrau, por dia
turnios.
No dia 1 deste mez:
A' ordem da subdelegado do Recife,
Francisco Pereira dos Santos e Francisco
Flix, por offensas moral publioa.
A' ordem do de Santo Antonio, Marti-
nho Qongalves, por disturbios; e Prxe-
des, sravo do Izabel Oliveira Cordeiro,
por andar fgido.
A' or.lem do do Io distrieto de S. Jos,
Antopio Francisco da Araujo preso em
fl.grantp, por crirao de ferimentos leves
A' ordenado do Io distrieto da Boa-Vis
|a Albino Jas de Andrade, por aso de ar
dfeM.
distrieto do Poco,
va, preso em flagrante,
lientos grave*.
DESPACHOS DO DIA 3
1886
Antonio Bento de Oliveira.Ao Sr. Dr.
procurador fiscal para attender, nao ha-
vendo inconvaniente.
Prets e folhas do Corpo de Polica e da
Guarda Cvica. Examinero-se.
Contas do collector do Rio-Forrao30 e
/intonio Francisco Correia Cardoso e ou-
tros.Haja vista o Dr. procurador fiscal.
Padre Floriano de Queiroz Coutinho.
Declare o Contencioso se j foi prestada a
fianca.
Cramer Freir & C. e Rodrigues Lima
& C. Certifiqese.
Prets e tolhas do Corpo de Polica e da
Guarda Cvica. -Pague-se.
Pontos da Blibiotheca, Escola Normal,
obras publicas e guardas da illuminacllo
publica. Ao Sr. pagaaor nara os devidos
tos.
Francisco Jos de Moraes e Silva.
Cuupra-se a portaria de licenja.
pequeas ambices particulares, se empenias-
sem sena e lealmenle, sem o mnimo pensa-
mento reservado, na obra da paciGcago geral,
que, em tese, todos desejavara. Devido con-
tradicco flagrante, evidentissima, entre as ma-
nifestaces collectiyas c publicas das chance!- (
lanas e o peasamento oceulto de cada urna d'el-
las, que o conflicto servio-blgaro, ainda depois
da concluso do armisticio, apresentou phases
tao differentes, quanto. em geral, pouco tran-
quilisadoras.
As intencOes reservadas, as perfidias recipro-
cas dos poderosos estados rivaes no Oriente, eis,
com effeito, o que prolongou esse conflicto #llie
deu a espacos o aspecto de um problema irrt- .
soluvel.
A principio houve besitacOes acerca da deter-
minaco do lugar onde devia nimir-ae a com-
misso encarregada de estabecer as condicOes
do tractado de paz entre os estados belligerantes.
A conselho da Allemanha foi escolhida a cidad.-
de Bucharest. A commisso compoz-se de tros
delegados, sendo um da Turqua, outro da Bul-
garia e outro. (iualmente, da Servia.
Iam comeijai- as sesses da deleggo, quaiido
se propaldu que a corle de Vieuua animava o
rei Milano"u^xigencia de certa rectificacao de
fronleiras, compensativa da nio das duas Bul-
garias. Mas se Europa estava resolvida a nej-
gar toda a especie de indemnisgo de guerra
ao estado que tinha saludo triumpriante da lucta
a que foi provocado, com que procedencia se
disporia a conceder um augmento de territorio ,-
ao aggressor vencido, cuja derrota nao foi ni.u-
completa, gragas intervengo comminateria da *_
Aust/ia-Hungria ? As grandes potencias evita-
ran! a objecco, limitando o campo das discus-
ses que (wdiam oceupar a delegagao de Bu-
charest. Os embaixadores em Constantinopla
fizeram, em data de 7 de Fevereiro, as seguintes
recommendages ao governo da Porta:
1." Que a delegagao respeitasse absolutamente-"
o tractado de Berln ; que abandonasse toda ','
a idea de indemnisago em favor da Bulgaria :
3. que nao tocasse na questao da Rumeha, por-
que essa questo era puramente local; 4. que
desse aos representantes das' potencias em Bu-
charest conhecimento de todas as occurreiicias
dadas durante as negociase es.
Apezar d'essas rtcomniendagoes, os trabalhos
da commisso, que alias nao tinham sido ence-
Ujios cpmjjresjeza exigida pela gravi,^ida.il\s ,
rreram raorosamnte. As ne-
-1
I
I-
;-
m-



do
Mazda
po
legado de Santo An
andes da Albuquerque,
escravo de Florentino,
a Silva, Danii&o Cosme
Silva,
nRcriJao Ramal
abrid
ivo de Jlo
Jo3o Pereira Sin*
M Jos Jo|
da Silva, Jo:
^, Jos Leandro
js Izidoro Ferreira
(fc Medina
Jos M-' te,
Claudino Ferroi
qujm
da Silva,
rancisco
Miranda
cramen
o Jos
DIARIO DE PERMiaiiOCO
Retrospecto poltico de i .Mi
poltica geral *
(Continnafio)
Nova nota collectiva foi, todava, enviada aos
governos grego, servio e blgaro. Dizia ella,
depois de urna referencia falta de xito da nota
antenor, que, sendo urgente impedir a even-
tualidade de eollisOes futuras, as grandes po-
'encias, por iniciativa do gabinete de S Peters-
burgo, tinham resolvido dirigir-se novamente
aos ditos governoe, convidando-os a diminuir
as forgas militares e a voltar a urna attitude pa-
cifica. Dizia ainda que as mesmas potencias
estavam accordes em que, dado o caso de um
rompimento de hostilidades, se declarariam ca-
tegoricamante contra a parte assaltante, sem
distinego alguma, e em favor da parte assal-
tada, nao consentindo, outrosim, em qualquer
modificago territorial, ainda a mais insignifi-
cante, fosse qual fosse o resultado da guerra.
V-se que essa communicagao diploinajica es-
tava, pelo contexto, muito longe da coitibitiago
imaginada pela Russia, e que, como vimos, coa
sistia na acgo isolada de tres- das grandes na-
g5es relativamente a cada um dos estados per-
turbadores do ttatu qa oriental. Ella encerra-
va, comtudo, urna advertencia posi'i'a. e tal vez
tivesse um resultado prompto e benfico, se nao
existissem divergencias intimas, ambijoejop-
postas, entre os paizes de primeira ordem em
nome dos quaes era expedida. Se a Servia se
senta at certo ponto garantid* na sua imperti-
nencia pela amisade da Austria, se a Bulgaria
centava cora a tolerancia da Inglaterra, se a
propria Grecia obedecaquem sabe?a insot--
ragOes moscovitas, que valor decisivo po '
ter para ellas tantos despachos c tnti
Diz-se vuk balas de papel n
mossa, e < as podiam temer c
cous; ictos e trefego-
Balk
quecendo [K)r um n
gociages foram-se arrastando cora dificuldade
e lentido, por entre os embaragos que lhes
creavam a cada passo os recirfcos de chicana
empregados j pela Servia, j pela Bulgaria, j
pela propria Turqua.
Em fim, no da 3 de Marco estavam concluidos
os preliminares de paz. 0 instrumento d ac-
cordo tina esta simplicidadee laconismo:
Artigo nico. Fica restabelecida a paz entre
o reino da Servia e o principado da Bulgana, a-
daljr do dia da assignatura do presente tractado.^
cujas ratilicagOes serfio trocadas em Buchares t
dendio dp prazo de 15 dias, no mximo.
Como se v, esse acto diplomtico, de genojo
summarlo. nao deixou de ter a sua originalidades
Eslabeleceu a paz entre mimigos, sem fallar ao
restabelecimento de relaces amistosas entre os
estados em litigio. Houve n'isso como que urna
satyra aos grandes paizes occidentes, cujos pra-
testos de reciproca estima e offecto in'quebranta-
vel sao ncuitas vezes o signar da lucta prxima
e sanguinolenta em que entre si vo empentar-
se os protestantes.
Foi o governo servio que desejou o traffrarlo
nos termos em quoi redgido. jfcBulsaria o
a sua suzerana^-a Turqua, foram obligadas,
nao sem reluctancj,>a;.acceilal-o tal como ere,
tal como podia ser, para nto alongarem indefi-
nidamente os trabalhosda-dejegacao. A situat*)
pessoal do-rci Milano, o forto partido que conira
si tem nopaiz que ^overea, e o estado moral o'a
populagao servia, aps os desala de uma
guerra imprudentemente empjpfljnda, eis o
raftivo da snigularidude do accordo de 3 de
Margo. 0 govCmo de Belgrado quiz evuar,
como disse um hbil chronista, que sangrasse de
'mais a [cridado senlimentonacional, mostrando
que s havia cedido em caso estremo, i
deu o menos pssvelj qac se submetteu i
tade raperiosa da Europa, e nao a nc lo com que
ficasse do inimigo. Era um artificio como outro
qualquer, c que tinha por fim prevenir agita?
perigosas entre os intransigentes adversarios do
monarcha servio, a quem o principe Pedro de
Karageorvitch, gCnro do principe de Montenegro,
ainda-nos fins de Fevereiro' procurara fulminar
u'uma proc.'uraaco violenssima.
, Apezar da paz, como foi concluida, parecer
uma tregoa, taltez menos prolongada que
o propno armisticio que a precedeu, no njesrao
dia da assignatura do respectivo contrasto,
labrou-se em Sofa, um Te Deuin
grapas pelo acabamento da guerra, u princ
Alexandre, n'ui -oelamaco. agra-
deceu aos povos d Balkaas,
iior que
haviam ni :ra-iaj|Sfraudes
orificios que fizeaam nos dias tristes do per
0 soberano bdlMglMpinou recordando ao i
os bencfii-io|0" Kpra da Sublime Porta.
E tinha effectivaro
agradecid
de r
acto de reli adadi


i bucoTcr-pa-- feira
Janeiro de 1887
1a habilidn
mdre, que som
lamente, ef
: jenM p< i
places directas con
'i-cpiia o premi victorias e a
procflmento irregular.
[ mD1 ea do accordo tnrco-bulgario,
.'ularisacao dos negocios da um-
Sogundo esse accordo, cujo contedo fbi


lia.
iiaiunieado tclegr-aplcametitea todas a gran-
-. a governo da Ruoilia Oriental
i conGacki ao principe Alexandre-da Bulgaria,
observadas as clausulas db tractado de Berlin.
Em quauto sua altea^dizia o couvenio, obser-
var una attituda corredhefiel para com a corte
stBcrana, e consagrar seus esforcos manuten-
ga da ordeui e seguranca da provincia, bem
no prosperidade da pojjnlago rumelica, as
suas funcgoes serao directamente colirniaclas
por S. M. imperialo Sulto. em vlrtudo de um
fiunan que ser renovado quinquennalmente,
.forme o prazo estabelecido pelo artigo 17 do
incsioo tractado.
Em quanto a administrago da Rumlia Ori-
ental 8 a do principad da Bulgaria cstiverem ai
teclas mearas pessoa, o governo imperial ad-
ministrar dilectamente as aldeias musulmanas
\ nlia Oriental, bem como as queesto situa-
das do lado das monlanhas do Rbodope, e que
li'iii permanecido ate ao presente separadas da
inesnia Rumlia. Os limites desse eantao serio
determinados por una coinmisso teclmica, no-
inoado pelo principe Alejandre e pela sublime
Porta, tendo-se, como e natural,cm vista as cen-
dires estratgicas exigidas em bem dos interes-
ses do governo imperial.
No caso de um movimento contra este mani-
festado na Bulgaria ou Rumlia Oriental, as dis-
posicOes do 1- artigo 15 (tractado-e Berln)
serao p*stas em pratica at ao restabelecemento
da ordeni.
Na liypothese de urna aggreasao estrangeira
contra o principado da Bulgaria ou contra a Ru-
inlia Oriental, que sao partes Integrantes do
imperio, Berna expedidas as forcas ottomanas
necessarias. as quaes sob o commando em chele
do principe, promovero, junlameute com as
tropas bulgariase ruine! icas a defeza desses ter-
ritorios
Se urna aggresso qualqucr viera dar-se
contra outras provincias imperiaes da Turqua
da Europa, o principe pora ao servico de S. M.
o Sulto um o numero necessario de soldados
bulgarios, que manohraro jumamente com o
estadio imperial sob o commando em eliefe dos
generaes otomanos.
Os dctalbes relativos as medidas indicadas
serao regulados por um firman imperial, inme-
diatamente a respecliva conuenco entre a Subli-
me Porta e S. Alteza.
Todas as demais disposiges do tractado de
Di'riin concementes Uo principada da Bulgaria
e a Rumlia Oriental continuaran a ser mantidas
e executadas.
Com o fin de assegurar perpetuamente a
ordem e eranquilidade da Rumlia Oriental bem
assira a prosperidade de todos os subditos de
S M. que liabitam aquella provincia, a Sublime
Porta e oprincipe nomearouma commisso en-
carregada de examinar o respectivo estatuto or-
gnico, e de modiflcal-o conforme as ex-
igencias da situaeo e as necesidades locaes,
deveddo ter em vista os interesses do thesonro
ottomano.
Em quanto essas niodificaces nao forera
saneci nadas pelo governo imperial e postas em
execuefio, ser conliada sabedona e lidelidade
do principe o cuidado de administrar a provin-
cia, peto modo niais coufarme s'circumstancias
Liaes.
Com excepeo da Russia, todas as grandes po-
tencias se mostraram mais ou menos inclinadas
a approvar esse convenio, mal das clausulas
dclle tivevam conlieciinento.
0 governo de S. Peterburgo, para quem o
principe Alexandre de Battenberg nao voltou a
ser persona grata, rjo obstante as continuas di-
ligencia* qne para isso empregou, nao deixou
sem critica a rxmvico turco-bulgaria.
Era de esperar. Urna allianca intima entre a
Tirqnia e a Bulgaria, tal como resulta-va da*
clausulas" dessa convenci, nao podia deixar de
ser-llie profundamente aftpathica. A H
milo o dito e um espirituoso diplomata in-
glez, iracta o imperio turco como se elle fosse urna
alcacbofxs : pretende comcl-o folha a folba. E
rudo que pode embaracal ^ na satiefaco d'esse
desejo sacular, principio e lim da eterna questo
chamada.do Oriente, para os descendentes dos
Pedroo Grande e Catharinall,
HBua pouco menos desagradavcl que urna
deneia forcada euti mdades da Siberia.
Ora, sabido que urna grande Hftgaria, as
o traclaJo supra transcripto
demasiado satisfactoria
para rio moscovita. A Bulgaria con-
soante aosapetites da diplomacia russa, era sem
tirar nem por, a do tractado de S. Siefano : um
ido estendendo-se de Widdinat s proximi-
dades de Andrinopla, mas que servo.-e de guar-
da avancada do grande imperio no caminho de
Ugzaucio. duas palavras de urna attracgo im-
mensa para o formidavel collosso do norte, desde
que pela primeira vez appareceram reunidas no
alto de umareo de triumplio levantado era Klier-
son, poroccasiodafestejadaememoravel viagcm
imperial Crimea. Sem conOanca algoma no
Alexandre, que tentara sacudir o jugo
vendo a sua influencia con-
ParrUeo
.ea at 3 e te ?'alina-
la ndantma.
corr.
riamente noticiavatn-se.casos de cholera, sendo
desmentidas as noticia.
foverno er*sci nta, toma medida enrgi-
cas e -di. .
respe.! i Sesma.* pfs
.idjda pelo r
Coimmm f-nein visitaaaaaBi-
ctliarias' para velar pelo mutuo das en
Os partiewa; .m1 sua Darle mea uas
preventiva*.
Hia calor antena
(to P.a
. Datat at 17, e CutegtBnicu:4-2S de. Dezeari
bro :
Reftrmdo-e crise raiuUtBrial, di La Nacin
d Buenos Ayre:
AmpliaiDQ* h ccDfirmamo bsm notieia de
houtem acerca de prflxiuia ro dieaeio do gabinc
te nacional.
' A viettmna aaeignnladas. Dr. Wilde < Dr.
Pacheco, eato seude- comoittAui deaao o t'
de Outobeo por um- poderoso yndiaau> de depu-
tadoa e senudorra, presidido'p-lo tuturo goverua
dor do MeudoxH,-Sr. Tibuicio Bonegas.
A esta ioflucaci t p?rist"n!e e t.n-r, i:p-ind-i
efnu-zmentd peto uviuatro etfectivo u gaattn t
marintia, teve que ceder, atinal u presidei.te, d.m-
do ii.priineiro passo para eruancipa^i) da tut la do
geueril Roca.
Os acunt. ciinenl'is susci'^d-.-s pelo pnm iro
daquallca iniMim, eum varioa gowrimdorts de
provincia, a proposito de trena, e qasreutonas, C
celeraram a sua queda, iniciaado-se esta p>r uoja
conferencia recente e pouco cordial cora o presi-
denta, na qtlal recor.lou com p >uca oppurtunidaue.
mas coa muita consqutm:ii, na affiuidaUt-s pol-
ticas que o ligavatu iutiiuaajunte com o seu aote
cesor no goveroo.
Euiquanto ao Dr Pacheco, aahia se publicx-
mntc, *'o annuirciamoa quaudo se constituio o
gatiinctey que sua pasns una uo ministerio era
transitoria
Podemos ecreacentaE que era'_unicam',nte
para dcnp-jal-oda prtbideucia do Banco.Hypoihe-
car io. i...
Conaeguindo este fi"m e votada a le de crea-
ment para o auno prximo, mAnOB se o scu pr;,-
10.
Esperamos, pois, para priuciptos de nnnonovo
nm tjHbiu-te maia>e;ceiituaiio e inJeawodrinte do.
iifluuncias estranhas aetuil ordm de causas...
O eatudo econiBMoo e fiumittirj do"p!.ia pe
va sensivelrr.cnt>-.
A paralyaagao commercial protazioV. pela io-
comrounicabilidade, por causa do cholera que ap-
pnrtceu em varios, pout.es da Repblica,-paremia
pi.'xicao a o o em v-rdiiucira ruma.
Cessara quisi totalmente o trafego com o litto-
ral e o interior.
O Chile torimi-se d todo iueomicnuicavcl com
a Repblica Argeiitina; fcssitn comu o Estado
Oriental e o Paraguay.
O eemiuercio com a Europa deerescia rapiila-
meote e o grave perigo da piopagaco mia produzida a conctutraco doscapities e a li-
untaco as operv0i;8 couimereiaea.
Oa baueos da tuna folha port, ubi, nao des-
contam ou fazttn-o mui limitadameutu ; de modo
que o meio circulaute esea9seia e os pugameutos
se ternam extremamente diflieeis.
Asaoina, portante, urna crise econmica, a seus
effeitoa s.-ro desastrosos se a epidemia ae propa-
gar, como parece umeacur.
A situacao tiuaoceira de Estado tambera se
moitra diiBcil.
Em coiist-quenuia da ni situaco econmica,
as endadaade altandega, cjuio todas as nviis di-
miouetn, e nao reniieui OfBeientn para azer fren-
te aos gastos de um crcameuto exorbitartee deee
quilibrado; de modo que, ae os bancos ofliciaes
nSo fizerain ecnpi estiraos ao governo, o que seria
improprio, nao ter este os recursos uecrssaiios
para aa desptzas mais iudispensaveia da aduiuis
tracao.
Temos, pois, em perspectiva urna crise fiuan-
ceira, ni ) menos terrivel do que a econmica.
No Estado Oriental reuni ei u assembla ge-
ral uruguaya, em coiifiequeueia dadissideucia que
se dera entre as resogous propostas pela cma-
ra dos deputados e pelo senado relativamente a
duas raensagens do poder executiv.: urna refe-
rente a a economas e reduccoe* no qrcamento rjas
dspezas do Estado, outra ao indulto pedido pir
alguna cidadoa que tendo toteado parte no ultimo
movimento revolucionario, eram responsaveis por
certos actos que tinham o carcter de'delictcs
communs. *
Consistalo rsses actos em se terem ellos apo-
derado de dinheiros pblicos pura upplical-os, nao
em proveito proprio, mas em proveito da caus da
revolucio.
O senado tioha reaolvido conceder o indulto po-
dido para aquellea cidadacs na inens..gem do po-
der executivo; mas a cmara dos representantes
poz restricto -s, uo intuito de deisnr que os jiusee
ordinarios conhecssein dos*factos allulidos.
Na assemb. geral obtevo o prij^cto do sena-
do o votos e smente 7 contra; fieando assim
concedido definitivamente o indulto pedido.
Cora o outro prjeeto deu-se o contrario. Por
eouiderav^l maioria preVjleceu o pn j-cto da c-
mara dos represcutairjis, segando o qual o gover-
no dee eubmeiter cousideracao do eorpo legis-
lativo a proposta das euuuomiaa <;ue pretenda fa-
zer uo oremntuto da deapeza
A mesma assembla a'otorisou o governo para
faser aa dspezas iieeeseanas com o tira de prrea-
ver a repblica da epidemia que frasea na Rep-
blica Argentina, prestando cuntas do uso que fizer
da autonsacao.
O poder exeoutivo propoz assembla g'ral um
pn jecto de le decUraudo abrogadas us lea de
impiei>a prumulgailus a 15 'e Junho d.; 18S2 o a
30 de Omubro 606, e mandando vigorar as dis
bticad
o encargo d iaar o mii.
com grandes dilliculdadea.
Poram postas acao varias listas para a
eomposicao do novo gabinete, porm provavel
que a amant p iasa o ministerio constituir-ae de-
Goyaa
io Rio-Claro noticia o Pu-\
2ae Outubro psssado
' sitio do Sr. Measia-
de l nhof estiva tra
. a 3 leguas de dala
ouymo (Jomes, deixaudo
is tei r.-wncutas que foraia
mifBiidi iuj indios, aaeim como iuutilisa-
tusp*n.i sjantidade de gneros alimenticios,
mis*auoao-"s no chao, sem tocar-Una para co-
mer.
Jaaaa i oaartgaram algns patos,. davasta-
tama*xaa8 as fntctwras, jambos, lamnias, -ec
O Sr. Mearas atava de mud^nga para o sitio
doSr. Jeronyrao G>raes afim de uuxiliarem se
mutuamente contra os ataques doa indi .
O-Or. Ataba Nogueira presidente da com-
panhia Moyana eominuiiicou para a capital qie
tora n duftiAadas s tomadas do aeco s all reaji-
sadiis-par* o proiurignmento da Mogyaua al esta
cidade. j
A drreetoria fui a aso levada viato trr sido ne-
ceaaario convidar oe aeua accionistas para c.mj-
pletarem o capital preciso para o proloogament,
est subscreverea quasi o dobro desse capital.
Conforme determica os estatutos da coropa
nbia, desde que. os aeus accionistas sb chamados
a subscreverem, capitaes e essa snbscrip>ao al-
cance ou exceda o cipitnl necessario, sao elles pre-
feridos a quiurcqarr novos concurrentes.
Visto *er apparecido entre o* accionistas aub
scriptorea para quasi o dobro do capital preciso
(1,260:000*0.10) ni liaver rateio entre tile.
Rio rundo do flu
Dataa at 18 de Dezeinbro :
No da 30 de Novembro ultim", t^fcoite, no
V> districto do termo de 8. LeapoU, foi tsissi-
nndo Joj Lburenyo Lied e sua muiher groveuientc
feridn.
Pei autor desses ciioiea' utn peito de L:ed, de
oome Mauoel. que 'vadio-ae, e cuja prisivo a aa
toridade prncura e i empauho reabaar.
O Diario.do Rio-Grande refere o seguate :
" No astricto dq Povo Novo deu-s'- no dia 13
drf Oecembro um grave conflicto, de qu-> resultou
o teri'ntuto de alguraas pssaoas, um des quaes
mortil. *
E' o easo :
Tratava-ac do dar posee de um terreno iio no
lugar denominado Esninheiro perteuceule he-
i de Jos Pinto Ferreira e q le nltiin^mente
lia arrematado em ivaca polo Sr. Jos Alexandre
Cidoto pe :i quautia deSOlfiOO.
No trem das i horas e 15 minutos aegdir^m para
o Povo SioV os Srs. Dr. Cananiu, arebitecto
Calcagno e esi-rivo M lio Guiuierie.s.
Nao teii-io podido s-gair no m amo trem o juiz
municipal aupplt-nte, o coronel Francisco Antonio
Lopes, por ter de lser entrega ao jury d.' pro-
eessos preparados, deviu seguir no ft^m de 11 1/2.
dio, porm, a eesa hora nao estivesse tinda
deseuirugracado daquelie servico, era sua intenco
pirtir no trem das 3 e E>.
A' chegada, poiut, do ttem das 3 horas teve S.
S. esminunicaco re qae occorrera no dito tdr-
reno, meia legua mais uu. nteuos do Povo NoVu, o
seguinte :
Emquanto nao cliegava o juiz, o advogade, o
agrimensor, o dono do tereenoe nutras pcesoas se-
guiram at ao lu.'iir onde devia consdmmar se o
acto na posse. O esc.ivao ficara em urna casa da
p voaco. .'I<.' terreno encontraram-se acuellas
pesso-is com alguna liudeiros do mesmo lerr.-no, os
quaea, nSo sabemos eobre que rasoes, contestavam
os diroitoa do rjr. Carnoso ao campo que arrems-
tara. D'ahi troca de palavras, a qe- su?ceden:in
rir.a disparados pelos contendores, tendo ficado fe-
idaa diversas oessoas, orna das quae?. como j
diaseraia, gravemente, de nome Ji.s Manuel de
0iV"ira. Os ouiroa feridoa sao os 8rs. Antonio
de Medciros e Jet Alexandre Ci.idoso.
Foi pieso em Algrete,Dorotho Agiirre, fcab-
c'ui f- de urna quadrillia de salteadores que asso-
lava iiquelleraunicipio iut> rivgado pala autoridade
policial respondeu :
Que nunca so 'persuadro de ser capturado,
pois duvidava que o conbeceasem, disfarcado como
esta va ;
Quv nao fem a vida para negocio, poi tanlolhe
faz uiorrcr heje como amacha ;
Que portera ficar certos de que com jMle n-Xnja-
iom,,pois ten certezmio dempnn urna,
corda ou faca com que termine a etiste.r
Que-o eriminam de militas mortes qusndo i(pa-
lavraa textuaos) s em oito teve participacao di-
recta, e que, quanto sontras em quetoraou parte,
a outrem cabe a respcosabilidade.
Todas estas revelacoes turara feitas com o
raaior SiDgue trio, sem denotara mata leve com-
aaoQaW.
Dorotho Aguirre pardo reforcad do estatu-
ra regalar, oiliar peuctrante e muito vivaz cm
na bugu.->gem.
Kepres'.mta ter 30 annoa de dade e diz se que
ezci lente atirador e que maneja regularmente a
espada.
E' v-rdaJeiro malvado, um canmbal.
Foi nomeado gerente ea compaubia de mi-
tiera?ao do Arrow dos Ratos o coronel Joaquim
Pedro Salgado.
F-ii Heiuitido a b-.-ra da moralidide publica
do pos'o de. tcnente do eorpo de policia e delega-
do de polica ra cidadu da Cachoe.ra Jesomo
Monteiro de Albuquerque.
L-ae uo Diario do Rio-Grande:
de pedru.
do-se por alguna arr-
posi^oes do cdigo d.i proceso cnmiufcl promut-, da elb se achara do 12 batalhao.
sta que o temporal
s alguns prejmzos n:
Sao Paulo
Dataa at 24 de Dezeu
Lorena deaoncioo as me-
-es da villa do Cruzeiro, como incubas
i de 9 de Janeiro.
Comi de Campia* de 21
S. Carlos n. 'Jo cabio sai
ara raio produzindo varios estragos
i casa, prppriedade do Sr. G
Barros, niio lnvia ninguem n'iusa
do-a o propietario com sua familia
O p direit fcou rachaio.at a altara do
forro; u tilhado fionu aberto; a!i;uns pedaQs*'das
vigotaa do forro foram cahiB* i;ei-
nasudo Sr. Nicolao UoOtrtc^aafJjentae aa iMMS de
Aa/aitalin e Vinte QqirmfraU
eWto da ea^a, no p-.-<-< -se aberto um
fuudo buraco; algumas teihai dos telhados pro
tiraos foram quebradas pelos estiihacos das pedrA*
iu paiaeio.
lando se den o pheaoraeoo achava-sa a al-
loma distartcin na porta de sea negocio um indi-
viduo Ca*bMaie '.,\, quu,foi.xuhMtatto trra.
O Carreio taulittano noticia que fallecen no
-t uirin filo* donegociaute J;Vi Nihel de norte
Olg, de 2 iaoc de idade, reaidento 4 ra dos
Protestantes n. 54.
Appareeendo suspeitas de. que a infeliz crianea
uceumbira rovcueuada, foi o occorrido commaui-
eudo A polica.
DSr. Dr. Fernando de Barros procedendo au-
topsia no cadver, verificou qoe de tacto tioha -ha-
v>do envunenameuto, suppondo aquelle facultativo
eer arsnico a substancia toxica ingerida.
A autoridade policial procede as diligencias
d-> lei.
Entre acamara municipal e o Di. F. Dumou-
lin foi assignado um contracto pira eatabeleci-
meato de linhus e bonds p^ra o Bom Retiro,
passaudy pelos Campos E yseos e para a bairro da
Bella Vista.
0 provincial da Ordeui FrancUcina Plumi-
neie'- cedeu o couveuto it .'Santa Claro, di cidade
de. Taubat, para o eatibcle.iuiento do prop-ctado
lustitclto T.iubileuno de l < A tea.
Para as dspezas rio aetabeleeiraento, o Sr.
Sarao de Ti-imeuil. offereceu uui einprectirao de
10:tXKi. sem juros.
A direcca do esubelecimento ser confiada aos
padres aaiesianos.
Urna muiher residente, era Sorocaba, foi mor
dida pnr uu icosquitj azulado, scraelhaue a una
cantharida. A mordedura foi to venenosa que a
ipteiupoucas horas depois facceu no raeio de (lores
h rr^rosas.
Na rcrgem eaqB(jrda do Mngy-Guass- f i
encontrado o cadver de ama raulher ja em.e
de pittrafncao. Consta que a iuf. lia .vinba era
corapan'nia de alguna eiganoa, os quaes ss uttribue
o a sassinato.
Sob o til ule BiioiUragem cicrcveraui, da
villa do 8ap do Jah ao Diario-Vopa!ar :
Appareeeu aqui um ebtrangeiro de norae
F.i n-ito Prati, disuudo se agente da Socieitade de
Ignugariciio destacarntul, e nfsaaqualijad traKU
de r^eber dinheiro de .-rjirieires que quizeasem
colonos, pissando-ibes r.-oib e promettendo a
entrega do< iininigraiit.K, no mez de Ag-to.
Muitus fuzeudeiro8 ae ne.gavaui a cahir cora o
Cobre; mas tomo houve pessoa do lugar que asse-
verava eonlie-'er Pra'i que era heneen de bein ,
confiados nasta aaiaveracAd coitadoa ficarara
aeth cobres e sem imini^rantes, sendo contada
eulie ns viclimas a propria p ssoa que rceouiraeii-
doii 0 tal Sr. Prati.
Hoj-sabe ee tudo : Prnti ou pedio 80 de-
misaao oh (>i demittido, on -nanea .i agen(e
como ae dtaiij da Immigragao. O feto que
era dirftaelro c nem colooo8 !
n E dep,-;s d .-rara su, coma as causas andam
h.ije, aao precise a geateo'o e p ii-
geiro
St.b n den miucio de Ji.iio Cue.tauo, em
honra ao einine.if-i e.ctor fluminense, vai ser 0M-
struide, no Am,iri-, um ih-.atre, promovido por
nina asBoeac^io cftiopista. dos mais imporiantes
capitnlietas do'rnunicpio. O capital ser de.....
40:000*000.
Era S R-qae fci aaaasainado no dia 22, por
seu sobrioho Salvador Brisla, Francisco Brisla.
Ignora a a cansa.
Apresenti.u se polica da cidade da Franc-i
o criroinoao Antenio Furtado de Miranda, pronun-
ciado no arl. 193 do eodige-criminal, houiieidio.
A cmara municipal de KuntOB,permittiu que
os eidados Matbiaa Caeiairo Albert. da Cosme
Dr. J-o Eooh catabMecatn linliMS de bond-para
villa Matbias e outres arrabaldrs da cidade.
INTERIOR
Correspondencia do Diarlo de
Pernambaco
RIO GRANDE DO NORTE-Natal, 1-
* d Janeiro de 1S87
Ao encalar a nossa primeira miasiva, no novoi
i que era cooieca, nao podemos eximir-nos ao
prater de congratularme nos com esta Ilustrada
redaeco, a qu oa uossos cordiaes cora-
pn neutos o niucerts feikitacoes por ter comple-
tado aec sexagsimo segundo anuo dn uoja exis-
tencia aeaapre honroaa, pucuando coa a
dicacio peja causada patria.
Quem aouber quanto cutta, eatr,
ter urna uipreza jorualistica, quan
recia Bira tel-a n i p err que tem a -
do sustent rio de Pernarr.buco.
deixar de louvar o civismo de seas' ilktstres
prietarios c aetrtir-se posauido do mai. nobro cn-
thusiasmo.
Fazeodo esta tio justa quii sincera manifee-
tacao de noaaos at-ntimentoa, dirigimos ao mesmo
lempo os mais ardentes votes para que o novo an-
no i bu s. ja em tudo propicio e poasa esta Ilustra-
da redaccao contar aempre muitos anuos de eiis-
leueia glorios como a que teui tido at hoje.
Cabe.nos nesta occasiao, ogradfcer a bene-
volencia que nos tem sido dispensada, concedendo-
nos sempre espado para noasas deapretenciosas
missivas, protestando aoaso profundo reeonheci-
mento, e o raaior esforz e boa vootade para cor-
responder coufianya que temos merecido a;c
boje.
Para boura da populacao duta cidade deve-
mo8 consignar jue ae passou o dia da testa de
Natal, sera que tivesseraes a lamentar nenhum
disturbio ou crime, cemo aempre aa observava
aeates das uus anuos autenores. Esto resultado
sem.duvida dev'-jo a iotelligente direccao que
tem tido a policii cuja frente ee acliu anda o
hnralo chele Dr. Auiynthas Barros, sempre 11-
cnnsavel e dedicado ao cumprimeutode seus deve
res, e que tera prestado cansa publica os raa6
aEsighalades servic s.
Emb
Jacuhype. .
Madureir.-
exercicio d
ca, pasan
Ha terapos o
jurisdiccio lev
go com o Dr
sito do pro
tio Macn
eslelli ouato.
Entend..
ciel devia resp
tido ievantou o .
yerno Imperial.
.. gen ba pouco "a decisio
o fo commuir
' | roeesso.
mana
Rio de Janeiro
,!
I tatas t 25 de Dezembro :
O tribunal do thesouro nia aprovpu o acto' de
que recurve ex-offioio o inspector da thesnurrria
de Peruanibueo eui orlieio n. 127 de 11 de Junho
ultimo, pelo quul, dafldo provimento ao recurso de
Domingos da Silva Turre, que, tenao arrematado
em pra^a s portas da altaSKlgi. urna porcao de
barricas de fafjfiha de trigo-ava.dada, r.eusou-se
depoie a entrar cora o importe da e.rremair.co
ap.-xar de intimado, rnandeu considerar nuil r
insubsistente a mesma arrematacao, e aliiviou
igualmente o recrreme da umita imposta pelo
inspector da alfan'lega pea demora baVida.
O Seeulo da Maranh, de 19 do crrante,
publica o seguiste:
Em l'adua, da 4 para 5 horas da tarde do
dia 7 do vigente, ra dos Leites, Joan Rosa de
Freitas teutou assassinar Antonio Joaquim Do-
raingues, disparando-lbe dous tiros de rtv.ver,
cujos prujectie o.offenderain gravemente no rosto e.
Segundo- um jornal de Pelotae, consta por te-
legrauma de Jagaaro que foram mortos pelas
pracas que gu'arueeem aquella fr uiteira, quatro I em uui dos bracos,
individuos proc-dentea de Montevideo, os quaes | O aggredido, reagiudo,
tentaram forear o c-itdao sanitariu, para se trans-
portaren! ao iioso territorio.
No di 15 6Cgaio de Bag para a linha divi-
soria o restante di.s pmcas do >' regiment, em
numero de 54, devendu part-r a 16 t.s 80 qno ain-
irincipado pela
I tPI*l*l *i 1-1!
lo di-
; pro-
gado pelo decreto Ue 31 de Dez inbro 1S78.^
tSttgaodo teP-gramma8 publicados por diarios de
Moutevid'j, voltivao patria iiumerosos Orieu-
taes que andavam, i elas trnuteiras do Brazi'v eu
Ir os IJ^es os cnioneiB Pam, ilion, Saura, Utur
bey, Sarfvedrs, Oaleano, Loicuzo, Pcreira, Mauoel
Castio e es Borchs, Oviedo, Arispe, Cabrera,
Montenegro t Piric
ieterindo-ee a b atos de apparecimento dicho
lera era Montevideo, disse Ei 'Siglo, na edicao d,.
tarde,de 9 do crrente :
lufehzmr'ute uuufirmou se boje a noticia de se
lerem dado casos de eufermidade epidmica no
asylo de mendigos da villa da Union, siguas dus
quoes fataes.
Na corte foram publicados os seguales te-
legrammas :
Montevideo, 27 de Dezembro (retardado) :
O general Sauto contina a mandar a rep-
blica por meio de telegrammaa aos comraandaotes
dos batalhes. O ministerio pede-desiituicao dalles,
general Tajez. vacilla. (iuiBster:o era crise da-
clarada espera a resposta do presidente.
2d de Dezembro (l hora e 4b minutos da
tarde) :
Os rs. Juan Pedro Rimirez, Juan G. Blanco
e Aureiiauo Rodrguez Lareta dciaittiram-se de
ministros do interior, dos uegecio* eatraogeroe e
da. justiei..
O presidente da repblica, general Ataxirco Tu-
jca, aeeitou a renuncia e cbamou o Dr. Julio Her-
s, fitho do ministro dos negocios estr.iu-
geiroa no precedente gabinete, que aceitou a pasta
o inleriOr.
Consta que serao notreadoa : ministro dos ne-
gocios estrangeiros e Dr. Martim Berioduaga,
ex ra.mbro do tribunal supremo de Justina; e mi-
nistro da justica, cultos e ius4rneca/o, u Br. Me-
dilarzo.
ni demittides dous ch, fes militares e o
nia Dr. Clark.
1 de Dezembro (a u
A i a renuncia dos Srs. Pedro Rami-
ua"u 0. Blanco e Rudriguca Lareta toi moti
dirigida ao presideu'e da
ica, na qual censura vara varios ehefes poli ti
s sao os eoroaeia
.\bi es doe l* e 5 ha-
substituidoe pelos
orua c --
O juiz municipal supplente de S-.nta Mara
prtnunciou o Dr. Germano Haseloclier.
GhegOu a Urugoaua o parich:) de gnerr Ame-
rica, para reforca as guardas sanitarias nos ar-
roras liaiitrophes com a cofederoslo Argentina e
Repblica Oriental.
- No cernterio extramuroo, detraz de um tu-
mulo, ouicidou-se ttnCintho Menezes do Andrade.
Era orasileiro nnturalisado e efEcial de mari-
ltha mercante, tendo sido algura temp c#iamaai-
daute do vapor Jlujpayt.
Hinao-deraeK
Detas at 22 de Dezembro :
O Monitor Sui-Hineiro, de 19, diz que na tar-
de de 13 desabou obre essa cidade urna grande
tempestado, acompuubada de rija veulaua, que
deslucou muitaa teibsa das easas, arvores dos
quintiles e ras, cansando tambera As hartas C4ar-
siderav is estragos.
Ao comecur o temp .ral a chava era em grande
parte ie pedra, denoorando-se por alguns minutos.
Nao consta que o temporal teuha causado mais
que alguns prejuizos inateriaes.
N'j lyccu de artes e offictos da capital abri
se, sob a direccao do professor Carlos Korja Pe
uto, urna aubi nocturuu para os escravos, que de-
vein apreseutar l.cenct dos respectivos senhores
para seiem matricuhiaos.
Em razo deprecatoria expedida Asijniz
municipal do termo do Rio Branco e visada pelo
)r. chefe de polica d p.oviucia, foi tentada em
Aiti, termo de Itabira, a 11, a priso doa iga-
nos Joilo da C->tta Gama, Vital Jos de Saat'An-
aa e Roberto Gama, criminosos uaquelle termo.
Estes re'siatiram ordem, travando-se conflicto
di lies com a torca, raorto e nove fondee, alguus mortalmente, da
to des uganos.
Logo qiie o Dr. ch- fe de polica teve c-nlieci-
manto do tacto, a 18 tez seguir para Aifi urna
luimandada pelo
alferea Jo&o 4*er~
nmiou ao de1 o qaeatesse
seguir para i la "nes-
raa diligencia, o destacamento o'essa cidade,
guarneceado a respectiva cadma com paisanos,
que devia coutractar.
Por communcacao do MAFgado de
conseguio tambem
-^ Por comuiuiik-acaj tclegre.pbica, sab-se aqu
que este digno magistrado toi cisptnsado desse
cargo, sea w-dido, sendo-ihe designada esta co-
a do Natal Jo 3" entrancia para 6 Vil a ter
exercicio como juiz de direito.
Foi urna justa remuueracao que_ceii<;cdeu o
governo aos importantes servicoa pn.-stauos pir
este di^no magistrado, cra.nuem sobrara a par de
robusta inte.'ligenei* os requisitos precisos para
honrar a toga, que Ihe I,i confiada.
S. S. fui,juii de direito d#cmarca de Podce
Ferrae, daraute^S sanos, afr-iv-asando o peri ido
'! aun .3 de secea, que assoluu cafa ptoviucia
e suas visrobas, .restanJo-eoiQ a raai..r dedicacao
saos nriciia pupu a-.-ao famiuta v bein.aeaim
ijadiatribuieau ii^ jusiio,* aos seuMmaarcAps.
D aquella -comaiCu <-ahio S. S. p-iTa occuBa,-o
honroso e
ve de moto captar .i estima e. esjici'o de lodos,
seui mesmo levantar urna queixn dn partido ad
veioaq-iem nunca soube negar a ju-dioa .i, qUe
teem direito.
Durante o piu-iodo d,i 13 de Abril, era que assu-
ojio ii exercieui do cargo de che.i'.- de p-dicio, -le
boje foram eapturadi-s 6J crimiOOses gundj da-
,1'is que coilieicos dojoru,! da pw>acta Crrelo
do Natal sendo :
Riiaieidio 1(
Tentativa de morte 3
Ferine.ntos gravea 15
Ditos leves fi
Riubo 5
Fuito 1|
Temad.-i de preso 1
Desobediencia 2
Estupro 1
A noticia da d.sjnacao riesta coinai-c pura S.
S. foi muito beo reeehida por ambos os partidos,
urna vez que .-;. S. bastante couhecido nesta
comarca, onde fez seu quitrieei.i como juiz muni-
cipal, deixaudo urna tralicl h-rarosissima.
-- Consta uos que leudo chegado aqu o Diario
Official em que est publicada a ex aera cito do
Dr. Amyothas Barros, S. S. tez communcacao
tficitl ao Exm. presidente de ter deixadu o exer-
cicio, rec. beodo em resposta, ordem de esntinuir
s. inicio d'.iquolle cargo, at que viesa? o de-
creto do nomeado. *endo nesta occasiao distingu
do com as mais sengeiras expressoes ib parte do
Exm. presidente du provincia, Dr. Pcreira de
Carvalho. *
O comeado para substituir S. S., Dr. Jeronymo
A. R_ Cnraaja, tambem magistrado ratedigea-
te, prabo o activo, em quem a provincia ter um
peubor seguro de sua boa adrainiatracao, j leudo
dado sobejus provua de seu amor a causa publica
nos cargos qac Iie tera sido confiados.
A' 26 do p-issado, o Exm. pret-idente, Dr.
Percira de Carvalho, acompaabado do Dr. chefe
de polica e ostros distiuetos cidadoa, seguii em
trem expresto at a pitoreeca e importante cidde-
de S. Jos de Mipib. S. Exc. ao chegar aquel-
la cidade foi recebido na estaeao pelo comraen-
dador conego Lustusa, o prestimoso cidadd Ma-
uoel Alvea e nutros muitos cavalleiroa que a^om-
panharam a S. Exc. at a casa de residencia do
ccmroendadir Lustusa, onde S. Exc. recebeu a
mais esplendida hospialidade.
A' entrada da cidade, ae acbava postada urna
bauda de msica, que tocou o bymno nacional,
acompaahaudo depois a comitiva, subindo ao ar,
nesta occasio muitos foguetes.
Consta-nos que S. Exc. treuxera a melbor im-
preesao desta exeursito, tendo durante sua demora
all visitado a igreja matriz onde se festejava, n'a-
quello dia, a padroeirs com toda a pompa, e de-
pois a cadea publica, Cmara Muuicipal, casa de
instrac^o o percurreudo todas aa ras da cidade.
Per portara de houtem, consta-nos que o Exm.
Dr. Pereira de Carvalho, attendendo ao astado
KCViSTi DIARIA
ferir o agiessor, dundo Ihe um golpe de faoao nos critico do fiuancaa da provincia, e reconhecendo
dedos da nio que empuabavao revlver, outro no
braco direito, procurando "fugir ; mas perseguido
pelo delegado, subdelegado, coraraaiidaute do des-
acamento, pracas e pessoaa do povo, foi final
preso e ambos o% contendores re olhidos cadea.
O faci, segundo somos enfermados, teve por
nao aerem mais pr cisos os servaos de diversos
empreados que collaboravam na Secretaria do
Governo, Thesouro Provincial e Secretaria da
Instruccao, resolveu dispnsalos, realieando as-
sim urna economa mena -1 de cerca de 7004000.
Havia na Secretaria do Gaverno quatro colla-
oa Secretaria da Instruccao um, voncenflo estes
nove empregados de 60 a GOOOO mensaes. Alm
destes nove empreados, havia mais ora guarda
interno uo Atbeueu, vencendo 3004000asnuaes.
Encontrou tambera 8. Exc. um zelador do la-
zareto da Pieoade, veoeendo 36O.00 annuaea e
que oenbura servico prestava, porque o lazareto ^nj: -y ern que houve dozu ; 11 e l^H
prucipal motivo reeJamacuea da parte de um sub^ Jjjgjadores, no Thesonro Provincial outros quatro,
rmpreiteiro da estrada de ferro da Leopoldina,
patr) de Domingos, contra urna transacc5o frau-
dulentii, segundo izera, eflecruada por Freitas.
l'onsta-nos mais que, tendo denuncia o Sr.
delegado du polica que Freirs f>.zia parte da
ramifica, 5o de urna commandita exiatente na
corte, e que se dittrahe na Iterativa profisse de
entinar qualqucr pessoa que queira a ceutupliear
sua fortuna em poucaa horas, deu busca na resi
dcucia do denunciado, onda .encontrara duas ex-
quisitas machinas modernas, avultada somma de
diuhero-papel, cdulas aovas de diversos valores
algumas meio impressas, faltando-Ibes a asaigna
tura e parecidas com as virdadeiras.
A autoridad-; proceden a corp de deiieto i
prosegue Das deligeuclas legaes. *
Theairo (le Vnrledade Depos das
repetieoes das operetas Masc.tte o Sinos de Cor-
ueville, deu a c. mpaohia do opea-comica iyrica
italiana, ante-huntem o 7 espectculo, levando a
acea a opereta mythelogica A Bella Helena.
Tendo j emitilo nosso juizo qua*do pela pri-
meara vez foraiu cantadas, nesta temporada aquel -
las opralas, abstemo-nos de o repetir.
Da ultima, prro, ensaio que tiveram os artistas, conforme somos
informados, a represeotacao erren regular-
mente.
A Sra. Springer na parte de Bella Helena, nao
desmentioocmeeltaque anteriormente adquiri
nesta cidade, quando era o.itras vezes interpreten
c cantou aquelle papel.
Pris teve um feliz interprete na Sra. Rosa Bel-
legrandi. cuja vez mavbsanao cesaa de prender
os sena admiradores.
O Sr. Piearra loj na Bella H- lena o que tem
sido em todos os pJ>rs de que se encarrega um
ait sta completo.
_)s Jenmis ariisfas esf irCaram-se por Horadar e
guns nao o eoL.se.;uir;;iT, por iiert*i i,o foi por
Sua culpa, raaii, siui pela futatidade.
Tbescs-O Sr. Dr. Antonio .Uancio Rbeiro
T qpes, udiinamcnte formada ,ra scieucias mdi-
c.s pela Faculdadeda Babia", obsequiou-noseoai
um exemplar, que agradecemos, das theses que,
para obter o grao de doutor, M,.re,e. ton e defea-
deu .perante aquella Faculdade.
Versa o seu trabalho, escrito com muita cor-
.reccio de linguagem o uotavel taleuto, sobre a
.laeAesa oca, cujo histrico faz, e, p notrnio
uo campo seieutifico, oceupa-se suscintamente
dos diversos agentes aaesthcsi&is, para depois,
com mus vigor ed'se.nvolviin.-uto tratar da Co-
ejmi.i o ra aeeao, espceialm nic na uphtaimolo-
E' uraa ihese que oa proprios medico- encune-
cides na dioica devera 1er, po3 coutin umitas iu
dicacOds uteis e proveitoaas na protiea. E' traba-
Iho que faz honra a joven me-tico.
.\uc6ci de. um Ijvrinb. publicado u crt-jpdo Sr. A. Can-
tani.cde de Moi-aes, e. id qual e M as li-
Cojs qne reecbu do ir. .Sebastiao Mcstriuho na
arte oa siruographi.i.
O methodo simules e fueilre a fxpnsicao feita
*ra eriteric. Cremos que pajease, l.vrinho qual-
qu-r pessoa pode aprender coila seguranca a ta-
chygraphar, isto os elementos nccessiirios para
fazl-o. O mais s apratica podo dar, e uessa
arte a pratica tudo.
Obrigado pelo raimo que nos fez o autor de um
xeu>rlar do seu liwutio.
Bunlla aecoNo dia 1.a jdo crreme o
:r. t. rente Adolpho Feruandes da Silva Manta,
pratico da bura, c nce i u lio.rfado, artn onus
nem ceudicoes, avs ieus-e.cravosJ,raiicisco, de 38
arraos de idade, Jusiino rie^S^fcz de 86, .Mar-
celino de 35, e Aiitu nunca. Alera qissj,
e'raediautc a quuutia de 200 que uin-, u..erteu
tnaibem urna ma qiic liaba em cusa, da nouvi
Grwross.
Foi uuia^ belliasima atcuo dgna ter imita-
dores.
I'alItM-lmento -1,11 u hont.iii tafde
victima de padecimenios puiraouans, o capftx
Francolino Duarte, contando Ii2 annoa de idadeV '
Era apocentado como chefe d eeccio d Sec
taria do Governo, capie.o da guarda naci na e
exerceu cargos de ereiifau popular, como mtrabro
que foi sempre do partido eenservador.
Hornera estimavel pelas suis boas qualidades,
era o dolo de sua familia.
O enterraraent.) tera lugar hoja s 4 horas da
tarde, sahindo o fcrof.ro da igreja da Santa Cruz,
onde serio reaados os suffragii.a da igrcio.
N leos petames. sua familia.
Por clameNo da 30 do mez ukimo e na
Encruzilhad i de Be r; onde ai ra o.n uraa sua
tia, amasiada com o preto quinqnagauariu Maaoel
Jos da Silva, por motivo de iiiexplicav.-is ciun
foi a parda de 20 anuos de i jade e de nome Oiyov
pia da i^sla Cabrai, feri.la com um soflrivcl ra-
lbo de faca no braco direito
O Sr. subdelegado do 2 distristo da freguezia
de Nossa Senhftra da (irncu tomou c nheeimento
do fado o mandn proceder vistoria, '-que foi
feita pelo Sr. Dr. J. J. de Sonsa.
Expandido e fereloA's 6 tar
de do dia 31 do me prximo findo e i,o sitio de-
nominado Mangateira de Baixo, do distrleto da
fregueaia do Poco da Panella, travaram-ae de ra-
zoes o subdito portuguca Jos Maria da Silva e o
preto velho Pedro Cordoap, amb's empregados no
referid sitio, resultando ficar espancado o ferido
gravemente o preto, que, vistoriado, foi recolhido
ao hospital Pedro II, p ,r ordem da autoridade
respectiva.
O crimiooao foi preso ern flagrante deleto e est
sendo iuquerido. / t
EatallMtlca Horluai la No Ccmiterio
Publico do Santo Amara foram sepultados em
Dezembro :
De 1886 233 carpos
De 1885 229 I
De 1884 286
De 1883 2-4 .
De 1882 258
A media diaria dos cmerraments n i 'prximo
findo mez de Dezembre fui de 7;55r Corpus.
Os das de menor numero deetfofr.imeutos fo-
ram : 3, 5, 25, e2S, em que houve tres :
em que houve cinco ; e 16, 21 e 23, en que' irouve
seis.
Os dias de maior numero de enterramentos
~^>Stt.-i
cigan. par da
anda prvida; as pastas de estran
0 DE 186:
ludio Mel
iadas
(oes m:
jernaea- Ai
a pasta
rz, com
suba, na tard
roas,
tambem,
A o coi
\oticlas do norte do imperio
.
O paque nacional Mandos, entrado houtem da
norte, trouxa aa seguintes noticias :
Amazona*
Datas at 22 de Dezembro :
Foi adiado para a 1.a sessjo do jury do corren-
'' anuo o julgamento do reo Taciano Maurillo
Torres, aecusado de tuorte e r-oubo. Deu cansa
ao adiameuto ter-so esgotado o anuo sem se po-
der formar o conselho de jurados, 14 de Dezem-
bro.
Fallecern", o capilo J. Braule Pinto, inape
cioT aposentado do Thesouro Provincial, e I'edro
d'Alcntara Cocino da Motta.
Para
Datas al 27 de Dezembro :
As noticias sa este local.
suicidan itan, districto
irenae Joo Pan
va, cruvaudo tms faoa no peito.
Uarnuhao
Datas at 29 do Dezembro :
Aa toih
de n-.ta.
Cearft
Dstas at 31 de Dezembro :
para deMk
[icas e pro mtra o choiera-raorbus .
Fallecer Pedro Celso da Costa Aguiar.
Rio tirando do >orte
Datas at 1 de Janeir
icias da carta do nosso correa-
publicada na rubrica Interior.
Paraliyba
eat constantemente fechado.
Este empregado pedio dispensa do cargo, e S.
Exc- concedendo, acaba de realisar mais ama
economa nao provendo o lugar e cncarregando
urna praca do eorpo de polica de zelar aquello
edificio.
Tendo fallecido o ciadSo Satyro P. de Aguiar,
que exercia o lugar de amanu-nae do Hospital de
Caridade, e observando S. Exc. qne all baviam
dous amanuenses, quaudo o servicp pode milito
bem ser feito por nm s, consta-nos que nSo pre-
tende precocher aquella vaga; faieado assim
mais eau red'uccao annual de S<):)0W.
E' d- le modo que S. Exc. sa-ii causar p.'rtur-
ia^oes e cora o criterio de qu dotado, vai ze-
ndo as nossas financas realisando aquellas re-
duejoes que sao possiveis sem neuhum prejuizo
paro o servico publico.
CiotineS. Exc. na senda.que Um lineado, e
ter adquirido iucontestavel direito ao maior re~
conhteimento dosioons ro-grandenaes, que repe-
tiro sempre seu nome Com a veneracao devida
ao Ilustrado cavalheiro a quem era boa hora o pa-
gaoiucte 20 de Agosto coufiou os destines
dcsta trra.
A tarefa nao fcil, bem i, mas so-
brara em ti. Exc. aa melhti fla. o maior
tiuu e criterio, a par de re
lectui.es, para que cora a actividade de que dis
pea possa levar avante seu :os intentos.
Conata-uos que 8. Exc. meco a obra
do quartcl, de que j tratamos em urna de nessas
is, com o que prestar um grande servico,
-audo uro meiboramento tio urgeutemaqte re-
e aproveitando um edificio importante
stado at agora abanuonado.
larcarain houtem no paquete nacional
icas adidas a corapabia
de liuba, e no seguate vapor ir outro contingeo-
ea de linha fiear, se-
a 42 pracas, isto ,
i. cow.- itasafficieate para o ser-
houve onze ; e 7, 12,17 e 24 em que hoi
No anno prximo findo. no rcteri'l-. Cemite-
rio de Santo Amaro foram sepultados 3,023 cada-
veres, sendo a media diaria de 8,26.
O mez do anno ira que foi .de
enterramentos fei o de JirarrfBrabhjjave 301,
dando a adia diaria, uo mez, flu Id
O mex\ie Novembro foi o du menor iwmero de
enterramotos, pois qe houve apenas 208, dando
a media diaria de 6,93.
No ultimo quinquennio foram este o nu-
mero de emerramentca e a media diiiria de cada
uno.
' Numero de enter- Media diaria
rumen toa
3,955
3,215
3,555
3,3c9
3,023
1882
1883
1C84
1885
i886
tal, mu-
aooel Joa-
a vida,
d?8goe-
Exm.
recia:
estrago* A' I para a cidade de AtalaM.
iads mais que n
. seguir nesse dia
mcnca-i
', e ac
sata necessii
le de ordem do
onsequencia de
Para.
ir inditFercnca para
1,83
8,S1
9,71
9,28
8,28
I n felia m*eHontem, s 10 horas da ma-
nhii, laccou-se ao rio de rima da rampa da ra da
Aurora, prosima ra do Lima, Ameli
Iber do cabo do 14 batalbo de linha,
quim da Silva, a qual quera acaba
po6 eslava a icorrer de fome e
loi-a.
A infeliz- quasi rnorre atogada, sa!
vida um moco, cujo nome nao nos
zer, e que, vendo o desatino que ella
praticar, cabio immeiiatamence o'aguj
Trez filbes da referida muiher, (j
cima da rampa, queran) tambe o
sendo obstados por diversas pessoa!
A polica tomou conbecimento di
Fe rmenlo* leve* No du
te, s 4 1/2 horas da tard.
Mangue, do 1- di
a brigar com div
ciaco de Ara i
do spparecei:
47, Mil
Nao este,- o -..' n., qne paij
20 ante
vou luc
i
I
m
i
-r~
r
K
%

;


1
i
I
1
mi m d dm an-
ai 21*800 do

oelrnirem :'> P*1*
des da mattas tem cho-
vido a bao dan temen te
. 0 merend sempre'benv obMt
de vi*|pss, qm- *o eneareoeodo per
exportarlo pra o aertao
. Se ha poueoB dita coi
-carne fl aeitu par 300 n
daplo Virto estar prohib
Ufa
ae pe!o
de ar -
desjra
. diversos c<
[Unidos de p-
n e
diversos
Mi prtm:ei-A Roda da Fortuna, 4jJ|
Koaario a. 86, venden o *"*
ra da Colonia Iaahel extrahida hon-
25145 a se, V de 40:000*,
ijQ#,.alm de inultos
n. 1416 a sorte
ros de-!
mde do NoewM Sennora d
e^I^D-*** 9 do corrate deve
reunir-** ei .rn*r,dad para em assembla *e-
r.I.e.W nova .ue.a,-g,.deve du,n,..r,l a
no anuo coinpr.innsasl de Hi-nvro.
Cmara Municipal *> eclf-0 iri-
transida Rcl-ea. em sesaio extraordinaria, de
honteui. o.go> provimento o recurso para ella
mterposto o d.co do Dr. Jura da *ita disiricio que juigou valida a elnefa.para verea-
dore. d*U.A.c.|-i do Bete ha^dan..
duaa pr.m- iras seccoes oh par.cba do Foco da
Panella. f i___,__
Furam votos vencido os doe brs. desembarga-
dos Oliveira Miel P.r*G Dlutietro- O paquete^o, trouxe do nor-
!. ""* ak,J 3l:>66900
JJtVi'FSOS
Pracnta id* fragata austraca
Soid-, deve seguir para a Babia e Rio de Jane.r*)
no da S do rvrrente. __
Houtm o respectivo casmandante, ncompa-
obado pelo Sr. cnsul aut*, fo. compwwn
o Ex Sr. presidente da provi.u-ia, e depyi:
Sr. chafe de d.viafa Jos Mao*! Picaneo da
ta, digno inspector do Arsenal *s Manuha.
ai e meueioue
deB/oia
da Vos
BJaBsTcol* rmnl rie.ealiora a
o da ocledade
^.^-^itt::
Publica n Boa-Vrala
InoiriK-cao
Acrm-se ..berta a matricula para
,3 aulas desta
das
no ehegam, guanta a,
tanto tem
ca Argentia*,-tem ame-
nio tora de proposif-.,
tratamento que s
multas vidas as epidemia de 1855 e 1863.
^goqnase manifestavam os primeiroa svmp-
tomas-,-se este prmcipiavam por voasitos, appl-
eava-se 60 grammas de" oleo de resino coa urna
g itta de esaeocu de ortel pmwnta. Se poretn,
principiavsm pordWrha, appleava-se 180gram-
mas te infusao de ponyi.
Se se maorfesUvain ao inesuio tcmj vmitos
e diarrhea, drioistrava- um ccneto-cathartico
composto de .
Emtico 1 decigramma
Sulfato de soda 45 grammss
Agua de eanella s. 700 gramolas.
. Para remar um cal-x, fri, de dea em 10 mi-
nuto, ou eom raai w ou raauor eapac conforma a
graviJade do mal.
se pirlstiam dep.is da einoto-caurtico os
vmitos e disrrbii, applicava-se de cinco en cin-
co minutos, conf jrme a gravidade do mal, on e-jm
maior espac.^ urna colher da de sopa da poolo
seguinte r v,
IatusSo de ntbanla 700 grammas.
Mistura de stragn .ff 30 grammas.
Elixir paregorico 1" grammas.
Esseucia de o'tela pimenU 10 gjttas.
AIcojI a 36 15 grammsa.
A esta poca. davaa o Oome de auti-cholenco
vermelbo.
Para as eaimbra e reafriamento, aaavi^se
da fiicgio segainte. applicad* coin escora; sede-
clarava-se o peiiodo alyido :
Essencia de tberebentina j
Alcool camphorado >a 2C0 grammas
escola desde o dia 3 at o da SfTdo eorfente,
t s 8 horas da noule.
(.remio Becrcailvo familiar Hoje,
?6 horas da Urda-Anver Bessao de assembla
geral extraordinaria desta sociedade na respectiva
tde, i ra de Marcilio Dias n. 99, Io andar, para
tratar-se de assumptos di veris.
mi Illuxtrada Para a respectiva
agencia i ra de farao da Victoria, Livrana
FhMWMt, ehegoa o n. 191, do 1 do^corren te eje
deeta revista de modas, traaendo Wba de molde
t 6gurino collorido. ,
Rlta do leratorloRecebemos
o n. 12, le D.z libro prximo fiudo deta revist,
cujo summario o aego'm'e :
A tianatereneia do ObserT*torio. Grande cqua-
rorial do Observatot.o de Linck. Observatorio
meteorjlokw da repartici,. dos tolegr^phos. U4-
labor^cao. He vi ota das publieacSee. Aepeeto do
ce) durante o mes de Janeiro de 1887. Resume
das observacoes roetereologieas fetas no imperial
observatorio no mea de Novembro de 1886 Ka-
viata ci-matologicado mei de -ovembro de ISOb.
Nticiis varias.
A cotlau batida n Tejobob.e sse
iuuestj accid nte o JornoZdo CoMBjercio da eorte
publicou o seguiute telegramma :
a Li*boa, Zi de Desembro.
Hoje, As 5 horas da madrugada, um vapor da
eaquadra ingl-za, o Sulto, abalroon o vapor Ki-
le de Victoria, da liana do Havre, aqu tundeado
para sesrnir pr^ Brasil.
. O Ville de Wiatoria f .i logo a pique, po leudo
gmente parte do passageiroa e tripolacao saitar
para os bola. Os nitro afogaram-se, sendo de
40 o numero das victimas.
Salvou-ss a vmva de Rodrigues da Silva,
urna preta a o aeaoerattte Galdino Soaros.
Bonbe apprelieudloaNa delegacia
do 1 uu-trictp d capital acha-se depositado para
T'eutreifue a quem se presentar reclamaalo-o
m sacco coro uin vestid.., tomado a um gatnno em
30 de Dezewbro uiuio.
Tambem na subdelegacia da Vanea acham-se
depositados dusc.ivallos que por sua vez serao
entrenes a quem for de direito.
E' o cso, quem for =eu dono alli deve appare-
ce. re iaaoclaro Coaunerclal Beneliceo-
to. Esta RMOdaco, m 16 de Dezemoro nodo,
telegraphou, na eguintes termos ao Sr. ministro
da faxenda : .,
osaa praca Iota seria difficuldades devido
nreeo baixo productos agrcolas e falta absoluta
meiccirculanie impsssibilitaudo Banco operaren!
cambian sobre provincias. Aecrcsce escaasez
completa trocas.
. Pedimos prongacao prazo recolhimento notas
,rovid> nciaa urgentes conoiOo deaenpta.
irecedo Aswciocao. ...
Bo ursino mez, dingio-se uestes termos
ao fw' Sr- codselheiro Joao Alfredo Correia de
Olveira: ,
Houtem tf le^raphamas ministro fazenda pe-
dlndo prorogacao piazo recolher sedula por faltar
numerario liaucos nao tomam saques sobre Im-
perio, uto tem produzido grande baixa nos precos
productos proviuciaes
. Recorremos a V. Ese. para quo usando sus
influencia, consiga que Banco Brasil mande tomar
taque obre Imperio, nico meio melhorar situa-
cio, prestar V. Exc. relevante servico coinmercio
Direcgao As>oc:afdo. .
Em t de Dezembro, S. Exc. o Sr. couselheiro
F. Beliaario, ministro da faaonda, respoodeu nos
seguiutes tero :
Direcea Aaociaf;lo. 18 Desembro 86_
Reeebi telegramma. Toesouio remetteu j 1U
coutoa Tb^ouraria para substituigo de notas.
Pelo paoacte de 0 remetter raais 100 cont.
RjSveS deve ou nao st prorogado o
prazo p^^^Bento de notas.-f. Bduarh.
rerltncuia Srawe Ante hontem, ao meio
da, WilUm Ander^eu, Heury Sate, Padr.g Mea-
caria, J..se Vie-wa Patricy, Floro Chet e Pen
Dedst, tr polaitea da barca Camonge, fundeada
iunto aocaes da Compauhia Pernambucana, fize-
ram uara paiadeira, em a qoal entraram em larga
, escala, a be^da aiioolica. "....-.
Uuando j tavam todo entre a trra e o mar,
Iravaraui cUm ture i, orna lata, da qual sahio
gravemente fondo Pon Dedst, eom urna grande
i.recua na caoeca. ,uj
Forein io. sendo o terido recolhidp a
Kiifir de Demuelo.
Oireetusfea dais ara de conserva
rao do partoBoletim meteorolgico d;
dia 1 de JanAro de 1887 :
Esencia derniostarda)*. 1Q0 grammas. r
Ammoniaco liquido ) .
Cnn ete tratamento tJo simples e racional,
do'ntes que se coutava a vida por minutos, so-
brevi*erum a tio terrivel enermidade.
Aqui, DO sertao, o tratamento eom opio t.i
wnito fatal! Apeaar de muila circuinsp-Cyao u
applicac o do opia^) seus prepralos, os docntr?,
cessada a diarrhel e vomito, morriam de cons-
triccio ou nevralgia do coraco ou declrate-se o
ivpho/e a morte nao se fazia eperar.
o A proposito: a aossa edilidade na vez de
visitas domiciliarias, ordenou que e fizesse Uto
peza da ras, quando aqui nio ha lamas n^m
pantanos a dt eu'car.
solo tilo duro, que por mais copiosa que
eja a onuva, meia bora depoia- se pode passeiar
as ras om s>.pato de tapete : no eutanto la
esiao no aguda provincial mais de du*eotos ami-
gos dos fiscaes revolvendo e baurdando ai agua* .
e nos dias de feira eneben lo as iasaeiavei. b irri-
gas, a prop>rco que o povo se vai retirando para
suascasas !
Os coucertos do sairadouro do acude po
vineial, dos quaes foi arreoiatautc Uoio.lplio do
Paira, jase ach-m concluidos, e os respectivos
lrfcb!hos forana eitas conforme a planta.
. Res'a ver se urna encheut j da tres matros
arrancar, ooina diteui, a ca^a e pomar do adjan
to d> promotor publico, situad* a beira do ine|-
mo acude.
> J forarr. comisadas as obras da casa de mer-
cada desta villa, edificio grandioso que grando
iwportaoeia e realce dar a esta villa.
o Falta-ios om* eadeia, qae sir'a ao roesino
tempo para se reunir o jury e para a anuencia
dos tribunis e cmara municipal.
S os diuhetaM puolio-s fossem bem fiscal i
Sidos, a importancia dos alugueis pagos pela casa
que serve de eadeia e pela que eerve de pafo mu-
mil eecola eom 3 n.
para cad i & a'8'
eola.
nabitantee
58 m alumno, urna
weola para cada 601) habita ,'"'<
ror,
"Nii
escola cora 6 milhoes de alumno, urna e>
pasa 700 habitantes, 100 ro; -r eseol i.
o : 1,96 por cabeca.
m< <>%t ao aolteiro Foi apreseata-,
, amara dw depdtado tranecze, urna pe
poicio d'uma con'bn.cao sabr
os cell
O requenmentocomeea Cem o certificar que em
Pariz omento existan eerc* de meio milhaq de
solteiri>s,.emqaanto que o numero dos casados e de
339 mil ; nr<-sjBgda notando qae a i dea-desta taxa,
poeto que ;u1 nao todava
nova. ,,
A coavear;an francesa ndoptoe-a e ella estava
em uso na antigs repblicas.
Em Eaparta era penittido s mulberes arrasta
rem os aolteiros ao templo de. Hercules e dar-tues
ama solnrne s eete. flatia os condem-
ara a.uma multa ; Roma obrigava-o a pagar
urna rosea soma ; Oamillo foi ai.ida mais alin
e os forcou a catar comas viuvas dos oiladMs
mortos em defesa da patria.
A peticlo eonclue diaendo que esta tributo teria
urna duplicada vantagem: em primeiro lugar pon-
paria a dirainuicab da popuiacao, eom o obrigar
os celibalarioa a easarem-se ; em segundo lugar
contribuira para cobrir um deiicit do balanc.
Caa prova de que nao sao perse-
guidoO cardeal Jacobini c>>mprou em rioma
muitos milhares de metros qnadrad'S de terreno
n 21-
cria da rorie-
de 100:0(10*

It.ala da For
Hora
C T3

) ra. 26--3
^ 28 3
12 28-3
270 .8
6
Barmetro a
0
758 45
758-70
75886
757-"58
75761
TtBSaO
do vapor
18.27
19.40
19.77
21.63
20.18
o
a
a
a
P
72
67
65
77
75
-30 0.
r ,inra inaxiim
tta2&,0. .rol
--**- 24 horas ao sol: 5m,d; a som-
ESE de moia noite at
da manha ;
Visit;.
e 45 minuto da teanh; im 390 \
nato ^E at
le 7 bora
ais
iidaiii -' at meia
r segnnao.
oe-De
para em
: mateara
uicipal, diva pira se ediear um edificio magej
toso que servira de eadeia, quartel, paco muuici -
pal e p >ra o jury !
J que tratamos em eadeia e jury, este ao
sdveu na ultima sesaao grande numero de orimi-
nasos, e aquella se ach vasia, nao tenho lem-
ranca de ver a eadeia d'esta vil'a eem um preso.
. SenJo se derem faetos dignos de publicidade,
esta aera a ultima do crrente anuo ; e nao pode
mos furfr-nos aos impulso de nos* coraeao, de-
eeiaodo a aua r;daoeao e aos leitore do decano
da mprensa do nort-, quo tanto ten advegado o
interesBe do povo, testa felizes e melhor entra
da do auno novo, e que este venha conjurar 1
mais desbragada criae m nefaria que foi o apana-
gio do anno, cojo fim se approxima.
At outra ve*.
(.aninete de bellora Inatraotlva e
K.-t reaiiva aaaellelrene Este e=ta-
belecimento teve o seguinte movimento no semes-
tre de Julbo a Dezembro.
Forain oftertadas as seguintes obras :
Pelo Sr. Francisao Maximiano Alves Lima, 1
folbeto, parecer sobre a estrada de ferro do tii-
beirao a Bonito, apresentado ao Exm. Sr. presi-
dente da provincia.
Pelo senador Alvaro B. \>. Cavalcante, 1 folbe-
to, discurso proferido na sesso de 22 de Junho de
1 WRfi
Pelo autorLigelro eatudo sobre E' Zola.'l fo-
lbeto. c
Pelo socio Ribeiro da SilvaA victima glorifi-
ca a, drama em 5 quaIros.
Pelo socio Fraucisco Ooel'no de Moraes na
thild.s, romance em 8 voluices, encadernado^por
Eugenio Seve. ,
Pelo socio Astecliano de' Almeida Andrade \
furna do inferno, 1 volume eacaderuado, por Da-
Pelo autor-Embrides (p esia), 1 folbeto. Cre-
puculare (poeia), 1 fjlheto.
Pela Sociedade Litteraria do Rio Fotmoso, 1
fo;heto dos esUtatos da mesma.
Pelo aoeio capito Antonio Lopes de Siqueira
Santos A Luneta Mgica, romanee em 2 volu-
ines eueaderuado, por Maeedo.
Pelo Sr. F. A. de MendoncaDis-airso do Ur.
Rosa e Silva, preferido na sesso de 16 de Junho
de 1886, 1 folheto.
Pela Instruncio Publica Potica compillada,
de uches Blaire e entro, por F. B. Plato Bafc
deira e Accioli VasconcellijS.
Pelo Ministro e Secretario de Estado dos CJegs*
cios da Agricultura, Commcrcio e Obras Publicas
Dr. Antonio da Silva Prado, 4 volnmes em bro-
Pe'o autorO padre Antonio Teixeira de Albu-
qnerque, razoes da sna apostasia, 1 folheto em
broebura. .,
Pelo autorSons e Brados (versos), 1 folheto.
Pelo socio Ribeiro da Silva, 1 folheto. sobre o
fecbamento das porta commeiciaes, pe redac:
cao do Binculo.
Palo mesmoAterradas maravilhaa, seena c-
mica, rimada per E. Garrido, A. Azevedo e R. da
Pelo socio honorario capitn Bulisario Peraam-
buco Monograpbta da lettra A, 2 volames bro-
Pe socio benemrito Francisco Coelho de Mo-
raes Defeza do Racionalismo, por Vianna, 1 vo-
lume eocadernado.
Pelo autorResultad- dos exames dos alumnos
do Seminario de Olinda, 1 folhe
Pelaa redacooes : o 1irto de Femambuco, Jor -
nal do Becife, A Proincta, O Bfbaie, Evobr
O Ettudo. 0 Binculo. Aurora do Cavad
Outubro, ,'retana, Bevitttnka
Neto do Di
ios durante este se-
. s, rejo'bea 41o
no quarteirao ope.aria Testaccio, pararhi edificar
urna nova igreja e vasto asylos intantis e escola
populares sob a dependencia do Vaticano.
Um le urioaaLem u no Morgagni do
aples : ,. .
Nestes das o parlamento dmamarquez pprovou
urna le, que presreve que todas as peesoa quo
se acharem em Ul estado de embriaguz que na;
pssam voltar i. caa cosa as propnas pernaa sem
dar publico escndalo, deverao ser acompanbadus
em carro costa da venda ou hotel qu vendeu o
vinho. .
Esta le ter certaraent eoaso primeiro effeito
peiorar... o vinho.
CenarEtfecuar-8e-hSo!
loje:
Pelo agente Silvtira, &3 11 horas, no Pateo do
Te'rC' i. 7/do Hotel Rei-ambaie.
Pelo agente Gwm&o,. s 11 hars, na ra Th-i-
m de Siiuza n. 8, do hotel abi sito.
Amanh :
Pefo agente Stepple, s 11 horas, na ra da
onciico, de predio, animaes diversos, movis,
Velo agente Okstno, s 11 horas, na roa do
Mrquez de Oiinda n. 19, de movis e um piano.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, na ra do .\N.
quez de Oiinda n,22, de rmacoa, movis e urna
prensa para enfardar.
Jiaa ruiibre.SerSo cclbrad-.s-.
Ie : _, ,
A's 7 1/2 horas, na matriz da Boa-Vista, pela
alma de Adolpho Doiiiingoes da 8ilva.
Amanha :
A's 8 horas, n* ordam 3 do Cinn, pela alma
de Joo Baptista Rodrigues de Souza.
Sexta-feira :
A's 7 horas, na capel!.-* dis Remedio, pela alma
Jo major Delfino Lina Cavalcauti l essoa.
k>aaselro0 vapor Mando, rrocedente
dos prto do norte, trouxe os seguintes :
Joo R. Mello, Sayer* Maria do Reg e 1 fi-
H10, Manoel Antonio dos Santos, Antonio Joa-
qjimPdreira, Camiilo do Amaral' SinWano, D.
Joaquina de Almeiia Pinto, Maria Cavalcanti de
Albuquerque, Chrispim do Atnaral, Antonio Re-
usir de Queiroz, Julio Jos de Olveira, piloto
John Salvian e 4 naufrago^, Manoel Riueiro de
Carvalbo, Agostinho C. de Axevelo, Antonio Au
nato de Carvaibi, Antonio Ferreira da Silva,
Francuco Gome Marques da Fenseca, Marianoo
de Souza I'aleao, Mauael Radrgueama e Ni-
eolo Jal.
Cana dte BetencoMoVimento dos pre-
sos do da 2 de Janeiro :
Existiam presos 372, eotn ram 31, sahiram 6.
Existem 397.
A saber : '. .,
Nacioaaes365, mukheres, lO.estrangeiros II,es-
crav..s sentenciados 6, proeeeaados 2, dito de cor
reccao 3Total 397.
Arrav^Jos 346, oendo: bOn 328, doealto 18.
Tornl 346.
Movimento da enfermara :
Ti/eram baixa:
Antonio Francisco de Araojo.
Fraocelina Fraucisca Maria de Jess.
Maria Bemviuda Lial de Barros.
Tiverain alta :
Joo Francisco de Souza.
Joaquim Maiiobo Borgee.
Cosme Jos Damio.
Sebastiao Asterio P'eixoto Gadella.
Lotera da corte Eis a fi*a dos nme-
ros mais premiados na 4. parte da 231. lotera
(201, 4. parte) do Monte Po dos Servidores do
Estado, extrahida em 22 de Dezembro :
fbemiosm 100:000*000 a 1:000*000
Os bilbetea ai
(una ra
Tambem acb-
pendencia ns. 37 e :
lisMMrsa do Cearn
i 0:000*000 ser, extrab
ro.
Os bHhotes achain-s
tuna roa Larga do I
Lotera do firaa-Parn-A 4 i-arfe les-
ta lotera ser extrahida t 4 do Ja-
Ihetes venda na Casa do Ouro, ra do Ba-
rao da Victoria O..40
LaleMa de MinaN-Oerae A .3' parte
da 1* loteria desta provincia, cuja premio grande
600:000*000, aera extrahida no dia 7 do cor-
reute, inpreterivelmeute.
Os bilheies acham-se venda na Reda da For-
tuna, roa Larga do Rosario i>. 36.
Lotera de Macelo de SOOtOOOftOOO
__ A 17* partea da 14" lotera, onjo premio
grande de 2t"0:000*, pelo novo plano, sera ex
trahida impreterivelmeote no dia 4 do corrate
s 11 fcoras da mauh.
Bilhates a venda na Casa Fclis da praca da la
dependtucia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda Roda da Fortuna
na ra Larga do Rosario n. 36.
Preces resumido.
Grande lotera da provinciaA 9 >
serie desta loteria em beneficio dos ingeuuos da
Colonia Isabel* coj > premio grande 240:000*000,
ser extrahidauO dia .. de Janeiro, s 4 horas
da tari*.
Os bilhetes acham-se venda na Reda da For
con ra Larga do Rosario n. 36.
Lotera do RioA 2 parte da lotera
. 366, do novo plano, do premio.de- 100:000*000,
era exfrahida no dia 8 de Janeiro, de 1887
Os bilhetes aebam-se venia na Casa da For-
rara rna Primeini de Marco.
Tambem acham-se venda na praca da na*
pendencia ns. 37 e 39.
Hatadoaro PublicoPorum abatida n>
utadouro da Cabanga 83 reaea para o consumo
lo dia 4 de Janeiro.
tiendo : 64 reres pertonceutsa Olveira Castro,
& C c 19 a diversos.
ferrado Municipal de H. Jte<>
movimento ueste Mercado ucs dias l,2e 3 do cor-
rente foi o seguiute:
Entraram :
10-' bois pesando 16,339 kilos.
626 kilos de peixe a 20vris
63 cargas de farinik a 200 ris
16 Jitua de fructas diversas a 3011 rs.
7 taboleiros a 200 ris
61 Sumos a 200 ris
Foram oceupados :
73 1/2 columnas a nOU ris
21 com partimentos do larinha i
500 ris.
.tos de comida a 500 ris
]83 ditos de lgamos a 4i"3 ris
52 ditos de suiu a 700 ris
33 ditos de tresauraa e. 600 ris
30 taihos a 2*
4 taihos a 1*
A Olveira Castro & C.:
162'ttlh'>s a 1 ris
li taihos n 500 ris
Oeve rer sido arrecadada oeste dia
a ouantia de
o2o Coriolano de O')
Barros,
uinimemenr
De b
do dns Nevcs, recorrido Jot Pedrs Beserra
Sr. ceaaslheiro Qnsiroa Barros.Deu-se
provimi-iito, do Sre. desembarga-
dores Piros Ferreira ncilves.
De P> d'alho li Francia
Aranbi Montenegro, recorrido Flortam Carneiro
da Motta Silveira. R^lat-.r o Sr.
Queiroz Barro.Deu se provimento, uoanime-
Do BuqueHe o juiz*, recorrido M-
tela tor o Sr. cjoeeeiro
Que i se proviment-i, unanime-
12*52(j
96UB
4*800
1*400
12000
44*10i'
31*000
19<5uO
73*'20
36*4 19*S00
60*0 H i
4*900
162*000
3*000
205*810
497*1'0
2324
9655
1217
8642
13235
1981
5986
9596
12201
13423
13942
23?3
2325
9654
9656
AJTrBOXIMACOKS
100:000*000
20:000*000
6:000*000
2:000*000
2:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:0000000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
600*000
600*000
pbemios db 500*000
5913 10087 11577
6961 10139 12588
8912 10684 12890
rnaiuos de 200*000
3S5& 6250 7751
4843 6619 8358
4851 6897 8669
5051 7024 8851
6104 7137 .9854
PREMIOS DB 100*000
3631 7793 10105
3845 8426 10336
4386 8442 10769
5025 8795 11305
5624 9017 11583
5681 9147 11605
5832 9587 11616
6077 9712 11755
6240 9804 11841
6757 9873 11878
oleraLista dos nmeros premiados na
rie da 24* parte da loteras em favor dos
irnos da Colonia Isabel, extrahida no dia 3
160
904
3255
39
968
1815
2443
3274
829
1331
1493
1548
1585
2322
2471
2787
3017
3429
13453
13719
11003
12027
12333
13924
12185
12434
13129
13167
13322
13391
13417
135*4
13761
13782
"oi arreoadado liquido at hoje
freooa do dia :
Carne verde 400 a480 ris o kilo.
Carueirq de 720 a 1*000 ris idem.
Simo* de 560 a 800 ris dem.
rariuha de 200 a 320 'is a cuia.
Milbo de 260 a 320 ria id-o*.
feiiao de 560 a 80 > idem.
- Foram lancados ao mar 35 kilos de carne
arruinad pertencentes a Oliveira Castro 4 C.
Cesalierio Publico. Obituario do dia 31
de Deaambra findo :
Jt&o, Peinamt>ucov6 mezes, Boa-Vista ; convul-
soea.
Joo Serafim da Silva, Pernambueo, 2o anne,
Boltaieo, Boa-Vista ; tubrculos pulmonares.
Maria Isabel, Pernambueo, 40 annos, saltare,
Boa-Vita; cachex;a.
San -- A lelarde de Honra Mnttos, Pernumbu-
-Anuos, Boti-Jira, Santo Antonio; congeatao
cerebral.
Veridiano Morcira do Espirito-Santo, Pernam
buco, Boa-Vista ; estrangulamento,
Agostinha Frarcisca da Silva, Pernambueo, 82
annoa, solteira, S. Jos; amolecimento cerebral.
1 de Janeiro de 1887
Ignaeia Mana da Couceicao, Pernambueo, 40
annos, solteira; ccrebrite.
Jos de Lima Ribeiro, Pernambueo, 88 annos,
casado, Boa-Vista ; pu-umonia.
Anastacio Rodrigues da Silvs. Pernambueo, 0
annos, solteiro, Srnto Antonio ; repentinamente.
Mari, Pernambuc >, 5 mexes, Graca.
Julwua Maria Affouso, Pernambueo, 48 anuos,
solteiro, Santo Antonio ; hypertrophia.
Mari, Pernambueo, 8 meses, 8. Jos; ttano
expontaneo.
Severo, Pernambueo, 1 dia, Boa-Visto; as-
phyxia.
Fructuoso, Pernambueo, 38 annos, solteiro, San-
toAotoio, ttano expontaneo.
Joaquim Francisco de Azevedo, Pernambueo, 40
annos, casado, Boa Vieta; paralyaia gaL
Galdiia Mari. de Ca'-valho, Pernamouco, b-3 an-
nos, viuta, S. Jc; tubrculos mesentencos.
2 |
Antonio Pereira Lemos. Pernambueo, 26 annes,
solteiro,Boa Vista; febrebiliosa.
Jos iiunes do Rosario, Pernambueo, 64 annos,
viuva, Boa-Vista; aleo lismo;
Joanna Maria da Conceicio; Pernambueo, 20
nnnosisoiwira, Boa-Vista; absorpcao purulenta.
Jos Ramos, Pernambueo, 50 annos, solteiro,
Baa-Vista; tubrculos pulmonares.
Bernardo Pereira da Silva, Pernambueo, 18 an-
uos, solle.ro, Boa Viste; tubrculos pulmonares..
Joo lAntonio de Lima, Pernambueo, 46 aunos,
solteiro,!Boa Visto; bernia estrangulada.
Marii Josefa, Pernambueo, 3 meaos, Boa-Vistal
-entente^ ,
Marid Amelia de Oliveira, Pernambueo, 22 au-
nes, soli'ra, Santo Antonio; coogesto cerebral.
Fiel.frernambuco, 2 anuos Boa-Vista; con-
sumpe*. r ,
Felipa, Pernambueo, 5 mi-zes, S. Jo; aonvul-
ses.
me"-
leeorrente o juiao, recor-
laudino Dias de Cmpo Relator o Sr.
desembargad :r Huarque Lima. -Den-sa provi-
mento, unnimemente.
De Paulo Affon.oReorrenfa o juiao, recor-
rido Manoel Jos' de Sous. Relator o Sr. dee-
einbargador To; 'ano Barrcto.Dea se provimen-
to, unanineuie
De Paulo'AoiiaoRoaorreato o juizo, recorri-
da Joaquim Pereira Relator "o Sr.
deserabargador Toscano Barreto Deu-se provi-
mvnto, li: animeinente.
De GaranhunsRecorrente o juixo, recorrido
Miguel Litada Silva. Relator o Sr. deserabar-
gador Toscano Barreto-Xeguu-se provimento,
unnimemente.
De UananeirasRecorrenW o juixo, reeorrido
Lindolpho Amerieo Ferreira G-nlio. Relator o
Sr. desembargador Toscauo Burreto.^ Deu se pro-
vi auto, unnimemente.
De Caruar Recrrante Juvenciu Taciano
Maris, recurrido Jos Fior-noio de Souza. Rela-
tor o Sr. desembargad ,r T seano Barreto.Sao
se tomn conhecim-nto. iinaniraernent;.
De Paula Afl'usnRecorrente o juia>, recorri-
do tjuatavo Vieira Reg. Relator o Sr. detem-
bargador Monteiro d.- Andrade.Deu-ae provi-
mento, unnimemente.
De Paulo AffoosoRecarrente o juizo, recorri-
do Joaquim Valido da Cruz. Relator o -Sr. des
embargad, r M.> iteiro de Andrade. Deu-se pro
vimentn, unnimemente.
Kucerrou-se a sesso as 3 bora da ti.rde.
NDICACES clTEIS
Me d Ico
O Dr. Lobo Motcoso, de, volta de sua
vnigejn ao Rio de Jansiro, contina no
oxtt&icio 10 s 12 horas la niaahS." Espeoialidades
eperH(;5es, parto a molestias do a nhoras e
meninos. Raa da Gloria n. 39.
Dr. Barreto Sampaio d consultas de
ineio^riia s 3 horas no 1. anaar da eaea
a ra > Baro da Victoria, n. 51, Reai
d.-acia ra Sate fie Setembro _n. 34, en-
trada pela ra da Siudalo n. 2o.
O Dr. Castro- Jess tem scu cnsul
torio lueeo/ ra do Bo'ii-Jesus n. 23,
su orado.
Dr. Gama Lobo medico operador e par-
teiro, residencia ra do Hospicio n. 20.
Consultorio : ra Larga do Rosario n. 24 A.
Consultas das 11 horas da manha s 2 da
tarde.; Especialidade : molestias e opera-
res dos orgos genito-urinarios do homaro
a da raulher.
Oroaarl
Francisco van-id d/i tiicui A C. depo-
utaiios do toa a-, eapeciad-v.ies pharnsn
jeuticas, tintas, drogas, productos chitnic
a Bedieamentos hoinbsopatiuoa, ra do Mar-
que./, de Ulin.ia n '!''>.
lroBrla
Faria Sobrinho & C-, droguistas por at-
acado, ra do Mrquez de Oiinda n. 41
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e offic^na de carapina
de FranoaCa dos Sautoa Maccdo, caes
de Capibaribe n. 23. N'est grande esta-
bela.iinento, o priaoeiro da proviacia neste
genero, cornpra-se e vende sa raadeiras
dn t.idaa ia tjualidadfS, ferra-se inadeiras
de eoota alheia, assim como se preparara
obfssde carapina por machinase por pre-
go sem competencia -Pernunbno.
n.s peruas.
O servente
livro,
oito dias eom p -rdn d uidns o meta en-
oimentos.
A mea pedido, o fcxia. Sr. p."
Marianno neste meamo di%i
Sr. director fazeudo Itie ver a rniobanno-
cenci, mas nao- sondo attendiio, tive eu
de voltar para casi, sentiodo cada Vez mais
oggr.ivar se o m-u estado.
"Finda a suspensao, aprsente:
12 do currenta ao Sr. director e pirti-i,
Ihe. que eatitva eada vez peior dos m.-us
nD0d08.
No lia-aeguiote (13), como me tive-
arr-'bentalo mu grande tum:r nos
tos, deixaudo urna grande feriJa, que mais
angmentou a gravidade /lo meu estado, o
como n2o me fosse pissivel sahir de -jaaa,
escrevi ao porteiro'daqu<*lla Faculdade, i'i-
formande-o a respeito uo estado precario
da minha saude, convidando-o a vir I**-,'
soalmenta vor me. p lindu !lic qae ditjpii
mesruo Eis, pois, os meus nicos cri-.: s qi
con.orreram para que o Kxiu. Sr. enau-
lheiro Jo5o Silveir* de So z*, deaapie.l-
dament.i. sem me eubmetter um s inter-
rogatorio, s".in se informar se era.u ou no
verdadeiras'us razde-s jaatiiicativas de mi-
nha ausencia naquella repartigo, p 'dise
a conseguisse a minha deuiissao, di que
tive conheciraento no dia 25 do andante.
Estou convencido do que a estas horas o
Sr. conselheiro Silveira de Souza estaca
bastante arrepondido ; pois que sem duvi-
da ja conhaceu que eu efFeclivaraeiit-; des-
de o primeiro dia em que pareaeu ao Sr.
director que cu o t'nha desobedecido es-
tafa innocente.
De ver estar tambera "convencido de qufl
eu fui, 8ou e 8Rr^-i iacapaz do faltar lhe
eom o reapeito qua lhe devido, e que du-
rante o tempo em qua fui seu empregado
cumpri da melhor forma as suas ordens.
Resta-toe fioalmeata a gloria do qua nJtn
s o Sr. oonselhciro, como t idos os seus
antecessora e collegas hSo de ir.e faz-r i
iustiea nlo s como chefes, mas tamo
como mestres.
Sa fui demittido ag^rs, devo-o smente
a inimigos meus, qua desejando alconcar o
meu lugar e nao o podando conseguir, tn-
narara infamemente contra mim.
Foi tu .o isto o que se pussou entre mira
e o Exm. Sr. conselheiro Silveira do Sou-
la, e tanto bastou para que' fosse exigida a
minha demiss5o.
Avalie o publico cora imperoialidade o
acto do director da nossa acaiamiae anr-s
de dar a sua Rntenos integra e conveli-
da, embreas daquellas palavras profunda-
mente pensadas de Vauvenargues : as quaes
o Ilustra dire^ter talvtz ignore e que s5o
as seguintes : Nos nao temos o direito de
tornar mizeraveis aquelles que nao pode-
mos f.izer bons.
Reeife, 31 de Dezembro de 1886.
Joaquim Teixeira PeixAo
0 Norte abandonado
PIBUG4G0ES A fEBIDO
do eorrenti
25145
37885
141t>
18457
240:000*000
40:000*00)
20:000*000
10:0000tx;
5:000*0(K
te 1,J10 : endo, 650 o-
rop
1013
1329
N. m
rarnuos db 2:000*000
2500 23218 24928
7095 23328 26154
153.4 2XJ83 30*21
PREMIOS dk 1:000*000
10247 17966 2551.

ribiinal da ela?ao
*EBSlO EXTRAORDINARIA EH 3 DE uA-
NEIRO DE 1886
PBBSIDEJKJIA. DO EXM. 8B. CONSELHEIEO
i QUnmNO DE MtBANDA
k' boiiis do eostume, presentes os Srs. desera
bargadori em ame-o legal, loi aberta a sessOo,
aebois-delida e approvada a acto da antecedente.
0er*4e os seguintes
JDLQAMENTOS
Habeas corpus
Pac
Jo.i
vem a s>
A escola
12428 20*35
2 24029
1013
arraos
25755
29115
entes <
Parreira da Silva,0o.icedea-e a aoltu-
rn cunraos votos dos Srs. consethsaros presiden-
toeQieir ..= Barrse desembargad-ores Tavares
los e Toscano Barreto.
- Mandou-se onvir o
Vtagda lirande e o municipal
A mloha demisso do lugar de
de coa inno da Faculdade de
Direito 'desta cidade.
A commetlido ha mais de um raez por
urna tenaz enfnnidado que me prostou
por todo esse tempo no leito, s agora
que posso ir explicar os motivos qn i scr-
virain d fundamento -ao director interino
da Faculdade de Direito desta cidade, o
Exm. Sr. conselheiro Jo&o Silveira de
Souz, para que fosse pedida a minha de-
missdo ao governo geral.
Eis o que se deu : tondo eu adoecido de
erisipela nos escrotos no dia 24 de No-
vembro prximo pissaJo, airigi-me ao
Exm. Sr. director e fiz-lhe ver que me
achava bastaste encommodado doquella
molestia.
Nesta dfccasiao, dizendo-me elle qua des-
se parte de doente, indaguei do Dr. se-T-
tano so estacarte de doente era dala vo-
calmente ou por escripto, respondenclo me
este, que eu podame retirar, pois rjpe que
elle mesmo disto dara parte ao director
porque, quando qualquer empregado da
Faculdade adoecia por dous ou trez das,
uao era preciso participacSo escripia. Suc-

Jos de M.
ie a ordena
$(s. conselheiro
HKuss de Vas-
egou
sol
ineme
ws.Concedeu-se a sol
firmado

e isto bastou para que o Sr. director man
dassa descontar quatro dias nos meus ven
cimento.
Por esse mesmoterapofui sorteado para
o jury.
O Sr. director requisitou-m-3 entao por
nao saber eu dessa requisigo, pois acba-
va-me em casa ainJa asss encramodado
do mal que me atacan, no puda attsnder
a ella mmediatamente.
Heetu estaio fui a casa do Sr. Dr. Mos-
co e esta depois d" me t-r examinado
attentaraenta. pxssou me um attetado me-
dico que sendo remetido ao Sr, director
nao foi aeceito 11...
Eu assim mesmo bastante adoe;
entrei novament no eaeerjicio do meu Oar-
go de continuo no dia 3 do eorrento.
Nesto mesmo dia, estando em trabalbo
na salla dos actos do i.' anno, chegou o
servente daquelU Fa.-uldade de nonio Pe-
dro, quo diese-me eom arrogancia : Sr.
Peixoto traga este livro que est sobre a
mesa.
Aa que, re <> cu que ell nao
se tz-.sse tolo, qu ssa seu lugar,
pois qua e; sor rente a
por isso i levar o livro, repetio
ordem, a-Teseentando que
i o dicto livro arrevender-
IV
Quando iamo e-erever o presente artigo, cb -
gou-nos s ruaos h f .ih deaorninida O Pai*, em
oro de enjos nnraeros lemos nm interessante ea-
cripfo ob a epigrapbe : A ecasset do ntew circu-
ante. .
O allulido escripto veio corroborar a opima;
que ha din emittimos na collnmnsdeste Diario,
ix-Utivainenta insurBciencia de numerario r.
acudir necessidides do nosto eooimercio.
O factoqneniiui deuuncmmos, reprodnz-se as
pragas ne Kio d-Janeir.. e de Smi a, onde ae le-
vantaos justissimos clamores contra .. p.-oposbo em
que est c Sr. ministro da fazenda de retirir da
cireulacao a cmroa de cinco mil contos de^ reie,
embora deixando em graves difficuldades as clas-
sea mais importantes da naco agriekura e
cmirisifeio.
Ein vea de lovar mais longe a eua pretencao
antieconomica, devia i Sr. ministro usar quar.:o
antes da aatorisacJo qua Iha deu o parUnvnM
para omittir at viute cinco mil contor, qu nido as
circoinstancia o exi2eem. Realmeute, h ocea-
siao dio poda ser m-i opportuna do ,que para
aemelhante emissSo, no total, ou ao inenus em
parte. .
Abaixo publicamos o artigo snpracitado, eom o
qual estamos do mai perteitc aecordo.
E nao diriamos nada mais sobre o assninpto, se
o coriespoodente do Diaria d Papambueo na cor-
te ao dar ltimamente noticia dacrise qoe asso-
berba as duas j referidas prajas, bem orno dei
tudoqaauto alli se tem escriote relativainente ao
asaumpto, nao diesse que faltava oavir a pala-
vra autorisada do Jornal do Commfrcio, como se
erte tivesse o poder de encubrir eom os- sens ra-
ciocinios a evidencia de nm mal-estr |eralmentc
sentido n*s reiaces commereiaea do psia.
Sem qoe queiramos de modo aigatn p6r em du
viJa a competencia des redactores da indicado
Jornal, e do valor que por ventora possam ttr as
opmioes dese orgao da impreoaa fluminense, nao
eremos que o Sr. miuistro da fazenda praticasse
am acto meritorio, *e por acaso deixasse de dar aa
desde
edeu DOrem, que, por esquecitnenta, o providencias que a sitocSo requer, desde queo
ceueu, puroui, Ha> r~ 1 |..n; Aq Commercio se lembrass da awoeelhar
Dr. secretario nao fazesse tal partilo, f^* *'T oXd.mento.
gemelhante proced;
A opiniao dos r^mmercinte de tres pracaa m-
portsnltea do Brasil, deve valer mais qu a consi-
deraco's soladas oeste- ou d'aquelle escriptor do
urna folha, qne nem sempre pode ter a pretencao
de rpreaentlr o melhor daj aspiracoea nacionaea.
E' necesaario qUe as cireumstancias eonomicas o
finaneeiras, em que actualmente vivemos, sejam es-
tudadas Ue perto, e dd prtoseutidas, pararse ib..;
dar o remedio prompto e effics que esto exi-
eindo. ,
Accrescenta o mesmo correspondente que a t\l-
ta de dinheiro experimentada na prac do Rio de
Janeiro lea por ongem a remeda de qoantia
oar o norte. E pofqoe entao estamos nos aqm
aentindo a mesma Mta de numerario de-.ue opro-
prio Sal ee resente t .
O que ce'to que estamos rodeados das mais
favos difficuldades, e que ponco sio o? qoe pro-
curara enmprir exactamente os deveres inheren-
tes s altss pesices que oceupam na administra-
eio Jo pai. Se siin nfto fosse, mdubit.vel
que o Sr. ministro da fazeuda j tena tomado .es
providencias neceBsarms ao acabamento da i
monetaria que de vemos, na mxima parte, s anas
theorias financeii.
Ea i que cima nos refernao-
Escassez de misnerario
Muito-ee tallou, quando Sjper'
gislajtiv
culit
ro^, B
cpmo

i, aizenuo que
le levar o livro
tlQ 0
*
consegu;r
tanta con


j^AMMMjaMMMBMMM^MMMMMn-j
' JU

do noaa.> depreciado meio I Instruccao Publica para :

Moiii
Jiieussa ^^keoam anda aos nossos ouvides as
liados em honra do i minis-
is imprecacoei e o vituperios
ilu nico crlme de havermos
pinides de S. Exe.
^^^^^^Hh sao decorridos entretanto
/ mercado monetario est por
tal nudo desenliada que,em receio (te exageraco,
pod que nos acharaos a bracos com urna
verd= se. '
Aos Bancos falta o numerario e o commercio nao
tem para onde recorrer
Anelhoreg firmas, as de primeira agua, s- por
favor acham descont a 10 e 12 [,.
As proprias letras do theaouro sao descontadas
aessetypo !
Os saldos de caixa manifestados pelos oalancos
dos Banco aecusam urna tal deficiencia e um tal
desequilibrio com os depsitos bancarios, que a
mais ligeira reflero aasombrari o espirito da
praca, se csse espirito fosse susceptivel de assoin-
bros.
De todos os estabelecimentos de crdito est
banida o proprio crdito e estao repulsos todoi os
valores
Nao so effectuam caucoes por nenhuma torca,
seja qual for o valor e a solides d is ttulos apre-
se otad oe.
Em resumo as industrias e o commercio achat-
se por tal tonna oppriinidas, que a sua sitaacao
angustiosa e arriscada.
Bem sabemos que est nos coseos costumes en
cobrir estas difficuldades e disfarcar estas augua
tas.
Mas a depressao do crdito j chegou a tal ponto
que serios perges podem resultar da cont'nuacao
deste estado.
A escassez do numerario, seja qual for a sua
causa, manifesta : e, nao possuin Jo nos, como os
outros paizes, bancos de emssao que possain
acompanbar o elasteno natural as transacc.'s,
evidente que estamos aaecumular vapor em urna
caldeira sem vlvulas.
O principio econmico e financeiro, as pracas
que se regem por taes principios e que conhecem
o mecanismo funccional da moeda, por modo me-
nos empyrico do que entre nos, o que aconselba
iinpoe em casos taes justamente o contrario da
quillo que se pratica entre nos.
lito quando se manifestam difficuldades desta
natureza, o que a scieocia e a boa prsica recom-
mendam facilitar os Jescontos para evitar as
crises. Eatxe nos qanto mais intensas essas eri-
ges ee manifestam, mais se restringe o crdito <
mais se escasseia o dinhe ro.
Desse pernicioso processo o que resulta desde
logo o aviltamento de todos os valores.
De nada vale, para quem precisa moeda, pos -
suir predios, apolices ou acedes de real valor.
Como nao se aceitam caucoes, nem se tfeetuam
emprstimos, nem se realzum descont?, aqnelles
meamos que tm a sua fortuna fundada em solida
base sentem-na vacilar e ficam a dous dedos pr-
ximos da ruiaa.
Em tal emergencia s para o governo se pode
appellar, porque s elle est armado dos meios
necessarios para impedir, ou p> lo menos remediar,
estas crises, as qnaes, como a actual, sao ordina-
riamente o truco da poltica e da errada iresto
financeira seguida pelos nossos ministros do the-
soure.
Dahi procede, segundo nos consta que os pro-
prios Bancos, assoberoados pelas dilficuUtades que
estao opprimindo o mercado monetario, conside-
ras necessaria e opportuna a intervecao do go-
verno, fatendo este uso da autoriaacau que lhe foi
concedida, pura emittir papel-moeda at a soinma
de vinte 6 cinco rail cont*, destinada a emprsti-
mos de qoo carecam os estabelecimentos de cre-
dito que possuam apolices para caucicnal-as ao
governo.
Desde que este, pela nossa coostituicao financei-
r, o Banco Supremo e o supremo gestor da
eirculacao monetaria, a pretencao attribuida aos
bancos nos parece justa e bem fundamentada pelas
circamstancias afflictivas que esto angustiando o
commercio e as industrias.
Para que fique mais patate o abandono c-iver-
nativo em que vivemos, basta lembrar o que os
est passando nesta provincia em reluci bygie-
ne publica.
Apezar de ameacados de urna invuso do chole-
ra, nenhuma providencia seria at agora se ha to
mado no sentido de melhorar as cossas condicoes
higinicas. Nesse ponto, como em tudo, na des-
cuido phenomenal, um relajamente criminoso.
'' Basta dizer que as horas em que o sol mais
abrasador, fasem-se eccavacoes naa ras desta ci-
dade d'onde de ordinario se despeodem miasmas
perigosos. Dcssas,*as que a Oompanhia Kecife
Drainage realisa, sao de tal ordem que empestain
o ar e entontesiem os transentes, asas ha que
exhalam um ftido horrivel, pelo mo estado em
qui param moitos dos apparelhos da dita compa-
nbia.
E no entanto, ha nesta capital urna inspectora
de bygieue publica recentementa^creada O que
nos pedera acontecer d-> peior se a tal iuspectoria
nao exist8se ?
Na carta o Mimstorio do Imperio prohibi as
eecavaces diurnts as ras da cidaik.
E p-irque se nao ha de tomar aqu a sesma pro-
videncia.
Por que nos os pernarabucanos somos os eternos
desherdados das aitencoes goveroativas.
Poremos aqui termo pequen ssrie dos nossos
artigos.
Esperamos os acontecimentos: Se o julgarmos
necessario voltaremos,, ernbora com a quasi eerte-
de que estamos a pregar no deserto.
O mparcial.
trac-
desejo incorportr-ujo a lei e d
tor a recompensa mere'
Consta me que certo solicitador residente
n'esta villa fra quem redigira aquelle
communicado, que pelo estylo, correc-
$2o e elegancia, tem intima relagao com
ell. Eu o chamo aos joroaes cpra os no
mes dos pata de familias, que tem filhos
na minha escola para elle provar o seu
muito conhecidoallegado, porque deata
vez esqaeceu se da expressSocom effeito.
Sr. solicitador. Se os desejns imrnode-
rodos unindo se sua presuropclo de let-
trado os dilacera, porque v esta cadeira
cumprir seus deveres e gozar da confiauca
publica, inclusive a das pessoas mais fide-
dignas do termo, procure imtala, conhe-
cendo primeira de sua profissao para que
nSo reproduza a ignorancia, qus tem re-
velado. S. S. dissera : O que o professor
ensina, eu tambem eusinava. Conteato-o,
porque tenho muitos alumnos com habili-
tacao necessaria para leccionar-lhe as no-
c5es, que transmiti elles. Fique con-
vencido, que en o raeus collegas de ma-
gisterio sentir nos-ia corridos de injuria, se
precisasse um mentor para ensinar ou fazer
consultas referentes ao cnsino publico.
Esta oadeira tem consciencia do si; d'ella
S. S. nunca ganhar dous mil ris para pe-
ticao, como recebeu de urna que fez em
Novembro contra a professora de Pao-
Branco.
Ponua a cabeca fra do antro, assigne
seu norae e ventfa ao jornal com a respon-
sabilidade da lei, que eu lhe darei a neces-
saria reposta. So assim nao o fizer, desd
j fique o publico conhecendo mais um ab-
je-cto calumniador !...
SerinbSem, 25 de Dezembro 1888.
Franeitco Correia de Mattoe.
Ao publico
Jos .loaquim de Sonsa Martina participa que
desta data em diante assignar-se-ha
Jos Julio de Souza Martina.
Rccife, 4 de Janeiro de 1887.
(Jieslo de divorcio
Errata
Columna 3, linha 06, subindo. Em lugar de
por mais folgado deleia-se : para mais tolgada
accommodacaa.
Na misma columna, linha 39, subindo. Em lu
gar de divisoleia-se : de vizu.
Na id sma columna, linha 36, subindo. Em iu
gar detravessa diga-se: travessia.
No artigo de 1 de Dezembro :
Errata
Na 3* columna, liona 39, descende. Em lugar
deeruodiga se : dver.
Na meama columna, linha 60, subindo. Em lu-
gar deacauteladadiga-se : acentuada.
Na columna i, linha 13, desceudo. Em lugar
deprovidenciediga-ee : Providencia.
Na mestna columna, linha 22, desceudo. Em lu-
gar deincondenenledig se : n Sontnenten.
Na mesla columna, ultima liaba. Em lugar de
Tudo Jen seu termo digc-se : Tudo tem sju
tempo
la as
kS co ir mas desta capital, para ama reu-
o que ter lugar 6.' feira 8 do corren-
te as 6 horas da tarde em sua residencia
ra da Auroi* n. 21, afm de deliberar
se sobra a entrega do diploma de ouro ao
deputado eleito, Exm. Srr Dr. Jos Ma-
riam;
Shn?
Ddizai, Alina, que a vossoj ps, tremente,
Deponha humildo o respailo santo,
Ezpresso pura de amor casto e santo,
Qual beijo de mfii dado -loccraente
Era filho pequenino adormecido.
Deixai qu'eu bab i pura a inspiracSo
Do casto amor qu'enche-me o corajao
Alegre, palpitante, enfebrecido,
De teus olhoa, que dizem poesas,
Mulher divinal, visSo querida.
Deixai qu'eu vos adord delirante,
E diga-nos, em fabre, a cada instante :
a Amar-te methor que a propria vida.
Collegi de Santa Lucia
A directora d'oste eollegio avisa aos illusties
pais de familias e tutores de suas almenas, que se
dignaram conserval-as n'este estabeleeimento de
instruccao primaria e secundaria, dorante o correr
doanno.de 1886, que o mesmo collegio se abrir
no dia 7 de Janeiro do corrate auno.
Ensina-se n'este collegio : primeras lettras,
portugus, ingles e frunces (fallar e escrever),
geographia, historia, arithroetiea, desenho, msica,
piano, todos os trabalhos de agulha, e flores de to-
das as especies.
Outrosim, tambem declara a todos os que qui -
zerem honrar e seu collegio com a presenca de
suas filhas ou tuteladas, que as mensalidade* se-
rs assim distribuidas: ensino primario, internas
403; meio-pensionistas 255 ; externas 531: ensino
secundario, internas 45; meio-pensionistas 3U ;
externas 15, tendo as meio-pensionistas direito
penna, papel, caeta, tinta, lapis, e as internas di
reito ao mesmo e roupa lavada e engommada.
Ra Duque de Caxias (antiga do Queimado)
n. 50, segundo andar.
A directora,
Anna do Reg Barretto de Almeida.
He mtr oliiig
Na quinta-feira, (6) dia de Reis, haver no pa-
vilh prendas em favor das obras da igreja de Noesa
Senbora do Carmo, erecta na mesma eidade.
Pede-Be a concorrencia de todos os fiis para
que possam ser bem avanzados os beneficios em
prol da referida igrtja.
A cha r se ha presente urna commisso de senho-
ras para receber as respectivas esportulas e con-
vida-se as cobres commissoes encarregadus da
rcconstrucco do roagestoso templo para &8sisti-
rem ao mencionado bazar.
Advogado
O Dr. Clodoaldo Lopes rnudou seu gabi-
nete de advogacia para o predio n. 4,
ra Estreita do Rosario, e tem sua resi-
dencia- nepredio n. 40, ra da Palma.
ftrtlcgio 12 deMaio
(Corredor do Biepo.n. 3j
A directora deste "collegio tem a honra
de communicsr aos pais de familia o espe-
cialmente aos de suas discipulas, que no dia
7 de Janeiro,, comecar a fuocciutoar cate
estbelficimento, que se dcuica^ao nsiuo do
seguinte : portuguez, francez, inglez, rousi-
ca.e pi;no, assiiu como bordados de todas
as quali lades, trabalhos de 12, crochet e
bsturas de qualquer especio.
Parantindo zeloso trataroento,' a par de
esmero na educacao das alunaras, espra
proteccao dos Srs pais ou tutores para
quem appella.
Recite Dezembro de 1886.
A directora,
Anna Ferreira da Silva Leite.
Sob a inscripcio aciiia publicou a folha
Provinciana* 2 do'corrente na sua segun-
da pagina um comrauncicado, chamando a
attenco do Sr. Dr. inspector geral da
COMMERCIO
Escola particular
de ifistrucfao primaria para o
sexo masculino
CASA DE ENSINO MODERNO
36Kua VeJha36
O ab-iixo assignado, participa ao Ilustrado pu-
blico desta eidade, que abri sua Escola parti-
cular de instruccao primaria para o sexo masculi-
no, a ra Velha n. 36, (Boa-Vista) owde esme-
radamente te dedica, ao ensino de seus alumnos,
D< qu'eu colba o thesouM d'hurmDpW |' '"".c*lSe'"t2I?l M^^jat *****
n ...n___ .i:____;. dos prlncipaes eollegios da cor, de imperio, onde
por algum tempo demorou-se passeio, cojo sye-
tema a delicadeza, a voca(o, a paciencia
intima para o ensino, fazendo com que os seua dis-
cpulos sigam o caminho da inteligencia, da houra
e da diguidade com santos conselhos e sis lices,
afiui de que venham a ser o futuro sustentculo
da patria, da religo e da lei. e um yerdadeiro
cidado brasileiro.
Espera merecer a confianQi e proteccao dos
pais e tutores das creauoas que queiram aprovpi-
tar um rpido adiantemento de seua filhos orf tu-
telados, e em particular tem f robusta em todos
os seua compatriotas pernambucanos.
Comquanto ousada seja esta tentativa, todava
espera que os eus incansaveis estoicos, e os seus
puros desejos sejain coroadoa com a feliz appro-
vacao de todos os filbos do imperio da Sauta
Cruz.
Eopera finalmente, qoe o respeitsvel publico
saba apreciar de perto o aeu ve'dadeiro ensino
peimario, onde rpidamente as creancas abrscam
e amam de coracao as livros, as scieucias, as let-
tras e as artes.
Mensalidade2#KK) pagos adiantados, no acto
da matricula.
Horariodas 9 horas da manoS s 3. da tarde.
li;cebe meninos internos e nieio-pensouiitas,
por mensalidades rasoaveis.
Ra Velha o- 50-
Julio Soares d'Azevedo
Lyceu Triadelphico
' Directora
MARTA OLINOINA DE MELLO
30=Rua%o Hospicio=30
Comegam no dia HV-de Janeiro as au-
las deste estabeleoimento de ^.acacSo de
meninas.
O ensino primario, em virtude do regi
ment das escolas, expedido em 20 de Ou-
tubro de 1885 comprehendendo tres graos,
est a cargo da directora e de suas ir-
mas. O ensino secundario, que minis
trado pela directora e por professores de
reconhecido merecitnenlto, comprehende tres
series a saber :
Ia serie
Lingua nacional. L'eitnra correcta de
prosa e verso, grammatica e aoalyse, co-
pias e dictados, ezericios de redaccSo e
declamajSo.
Lingua ranceza.Ejercicios 3e leitu-
ra, traduccao, composijSo e conversacao.
Aritbmetica. Ejercicios de clculos e
problemas, systema mtrico.
2a serie
Lingua ingleza. -Exercicios de leitura,
traducco, coiiiposir;ao o conversajao.
Geometra plant. -N93es geraas e pro-
blemas simples.
Geographia pbysica e poltica com exer-
ciciss as cartas e espheras.
Lingua italiana Exercicios de leitura,
tradcelo, composicao e conversado.
flistoria geral e especialment3 do Bra-
zil.
Cosmograpbia.
Alm desias materias e do trabalho de
agulha, ensina-se desenho e msica em
dias eepeciaes.
O estudo e observa9ao convenceram a
directora de que o internato sempre
prejudicial s alumnas, e tende a des-
truir os lacos que devem haver entre pais
e filhas, pelo que o Lyceu s aceita alum-
nas semi-internas e externas.
Os pagamentos serao regulados pela se-
guinte tabella :
Externas
Do curso primario 20f$000 por trimestre.
Do secundario 2|J000 por trimestre.
Semi-internas
Do curso primario 250000 por mea.
Do secundario 30|5000 por rae-z.
Recife, 29 de Dezemoro do 1886.
Marij Olindina de Mello.
INSTITUTO
DE
Nona Seniora do Carato
ISSTRUCglO PRIMARIA, SECUNDARIA E
RECREATIVA
O Dr. Jais
Palmares
de direito de
ao publico
Dilacerada como teobo a alma, pelo vil
icoeiro attentado de que fui victima, na
rnfi de 29 do Dezembro, nao posso an-
da dar cunta ao publico dos pormenores
queque enobrocem em t3o triste emergen
cia, rogaodo-lhe que me d ospaco para
fazel-o depois ; em quanto que tambem lhe
peco, que tenha nojo da evasiva externa
da na imprensa.
Palmares, 2 de Janeiro de 1887.
L. I. de Mello Barreta
Diploma de honra
O major L. Cintra, em nome di confe-
KoiMa eoinmercia! le
buco
ernain-
aECIFE, 31 DE DEZEMBRO \>E 188b.
Aa tra horas a trre
(lo'ac&e* o finar i
lambo sobre o Rio de Janeiro, 3 d/v. com 5,8
0(0 de descont, houtem.
Cambio sobre o Rio de Janeiro, Pelotas, Rio Gran -
de do bul, Para, a 90 djv. com 3 1 O^de des-
cont, boatcm.
Cambio sobre o Rio Grande do Sul, S. Paulo, San-
tos, a 60 d(V com 2 3/8 0/0 de descanto.
Cambio sobre Santos, a 30 d/v. com 1 1/1 0|0 de
descont.
Cambio sobre Londres. 90 d|v. 22 1[4 d. por 1,
do banco.
Dito sobre dito, (JO d/v. 22 8/16 d. por 1000, do
banco.
Oito sobre dito, vista, 22 d. por lt do banco.
Cambio sobre Paria, vista 4'il rs. o franco, do
banco.
Cambio sobre Lisboa e Porto, a vista 141 0/0 de
premio, do oaueo.
Dia 3 de Jslhiro de 1887
Cambio sobre S. Paulo, a 60 d/v. com 2 38 0/0 de
descont.
Cambie sobre para, a 60 d/v. com 2 1(4 0/0 de
cento.
i->ito obre dito, a 30 div. com 1 0/0 de descont.
Cambio aobr% L mdres, a 90 d/v. 22 1/2. d pvr
1, particular, no dia il de- Dezembro
ultimo.
O presida
Antonio Leonardo Rodiigues.
O secretario.
Eduardo Dobeus.
: LICOS
I Mx do Janeiro de 1H-.7
ALKANDEG
aai-
V 3 25:903;
-oaitauoxiA 1> 3
,) -vsu.
C oauLA.)Vao>~iMciAL D- 3
Rb .ir iduvaios 3
1:292450
5:770*968
74*728

Entrado no da 2
-LTERACO da pauta
Para semana de 3 a 8 de Janeir* de 1887
Fumo ordinario ou resiolho, 500 rs. o kilo.
Algudao c-m rama, 333 rs. o kilo.
Alfanaega de Pernaeibuco, 31 de Dezembra de
1386.
Os conterentea,
Jos Joaquini de vi randa.
Haymundo F. de O. Mello.
DESPACHOS DE IMPORTAyAO
Vapor nacional Mandos, entrado dos portos do
norte no dia 3 de Janeiro e consignado ao Viseon-
de Itaqui do Norte, manifestou :
Bacaiho 2 caizoes a Rodrigues de Faria t C,
2 a Costa Lima 4 C, 1 a Bellarmino Correia.
Cognac 'J caixxa ordem.
Pipas vasiaa 25 a Alfonso Taborda.
Lugre ir.glrz Sumbeam, entrado de Terra Nova
no dia 3 (le Janeiro c Cuiisignadc a J. Pater dz C,
manifestou :
liacalbo 2750 barricas 'e 900 moias dias aos
consiguiitaros :
Lugre inglez Viola, entrado de Terra Nova no
dia 3 de Janeiro e consignado a J. Pater & C,
manifestou :
Bacaiho 2636 barricas e 930 meias ditas aos
consignatarios.
MOVLUENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 1
Baha, 1') das, palhabote americano Annei Bell
de 186 toneladas, equipagem 6, capitao E. 8ew-1
vis. em lastra de areia, a Jos da Silva Loyo &
F.lho.
Santos e escala. 8 dias, vapor francez Ville de
Macei de 1775 toneladas, equipagem 4ti, c
mandante PasK-berve, carga varios gneros ;
Aigusto F. de Oliveira A C
Sahido no mstmo dia
Havre e escala, vapor francs Ville de Maceii,
coinmandante Fauchevre, carga; varios gene-
ros.
Port Luiz (Mairitius), 45 das, barca sueca Elisa-
belh de 320 tneleda?, equipagem 10, caDto
J. Lei-kner. em lastro; a H. Lundgren i (j.
Sahido no mesmo dia
ParaeCesra, logar nacional Sara';, capitao oao
Diaa da Silva Cura, c&igu varios g-netos.
Entradas no Ukm$
Manios c escala, 11 e meio disj^f vapor nacional
Manaes, de 1999 toneladas, eqmpigem f,0, com-
mandante J. Waddington, carga varios gneros;
ao viseoude de Itsqui do Nortd
Terra-Nova, 28 das, lugar ingles Viola, dejl31
tooeladasajequipageai 8, ca utao James Soliiffe,
enrga bacaiho; a Johnston Pater & C. ,
Terra-Nova, 34 dias, lp-ar inglez Sumbeaa de 195
toneladas, equipagem 8, capitao R. Woilger,
Carga bacaiho ; a Johnston Pater & C.
Liverpool e escala, 17 dias, vapor inglez Eudid
de i*95 toneladas, equipagem 29, commaniante
A. Matheson, carga varios gneros ; a rjaun-
ders Brothers & C.
Snhidos do mesmo dia
Liverpool, barca norueguensc Erato, eap;
Salvesen, carga ulgodao.
Porto Alegre, escuna bollandeza Esperance
t3o B. Buonor, carga asmear.
VAPORES ESPERADOS
Este collegio fundado cm 1873, contina a tune-
Clonar ra de S. Francisco, palacete a. 72, e ad-
mitte alumnos internos, meio-pensionistas e exter-
nos.
As materias professadas sao :Prlmelraa
leltian. PortOKiiei, I.mliri. Frunce*.
Infles. Ketliorlca. atllbmetlca, Geo-
metra, teosraiilita. IliNloria. I'lillo
Mopbia. Hantcn. Danca e Oesvenho.
Os professores sao. habilitados o moralisados,
tendo os alumnos obtido sempre bous resultados,
tanto nos ezames prestados no instituto cemo no
collegio das artos.
A alimentaco ti e abundante.
O rgimen interno nao vezatoiio; ha boras
dtstinidas para o oetodo, re^reio e repouso, e em
caso neulium soffrer^o os alnmnos privaco da ali-
mentacao nem deizarao de repoussr as horas ex
gidas pela bygiene.
O trabalho distribuido de conformidade ccn a
idade e deseavoivimento pbysico e moral de cada
un.
O predio eommodo, aceiado e em geral jaro e
fresco, com espacosas salas riara aulas, retWlorte,
dormitorios o rtcreio, mobilbadas conveniente-
mente.
O collegio foroece gratis, penna?, papel, (nrs,
lapis, crayons, ardosias, livros para consultas dos
alumnos internos, no collegio.
Os alumnos internos tambem teem direito
roupa lavada e engommada, sem remuneradlo al-
gum alm da mensalidade.
Em attencao s difficuldades com que luctam os
senhores paes para educar seus filbos, uo podendo
muitos sustentar tao pesado 'encargo de 50*000
ivensal por cada um, como alumno uterno, alm
de outras muitas despezis que occorrej, ficu esta-
blecida a seguinte tabella.
POR MEZ
Alumno int. rno. 40*0-0
meio-pcnsicn6ia 25*0(0
externo d'aula primaria 5*000
secundaria (1.*
preparatorio) 5000
> (2.*
preparatorio) 8*000
. ...... (3."
preparatorio) 12*00
Aula de msica 5*000
. danca 5*000
desenho 5*000
IV. B.Os pagamentos sao feitospor trimestres
adiantados,
As aulas comecam a funceionar u 7 de Janeiro
e terminam a 20 de Dezembro.
Instituto Philomatico
Raa do Visconde de Albuquerqu3 n. 33
Internato e extrnalo
DIRECTOR
Bacharel Olinlho Yiclor
As anlas deste collegio eetaro abrt#s do dia
10 do correntc em oante.
a _^_
Collegio Amor Divino
RA DA IMPERATRIZ T. 32
As aulas abrir-se hio no dia 10 do correntc
A oirtetera,
Olj/mpia Afra de Mcndonca.
l\ern:tto s. Lalz
Ra do Imperador n. 55, 2." undar.
Com o nome acuna abrirjse-ha no dia 15 de Ja-
neiro do anno prozimo futum de 1887, am estabele-
eimento de educacao, or.de ensinar-se-hSo todas
as materiaj do curso de preparatorios, havendo
tambem nm curso nocturno das mesmas materias,
e um outro comuiercial, no ^ual ensinar se-ba se-
ment francs e iog'ex, theoriea o praticamente
aend este das 9 s l1' 1/2 da no i te.
Estatutos
Art. l.o Os paes, tutores ou currespondeates,
devero acompanhar o estudante no dia da matri-
cula, para nao f nmtricaliil-o^eomo tambem para
tomar eouhecimento do rgimen disciplinar do es-
tabeleeimento.
1 Aquellos que nao tiverem quem os apr-
sente, tambem serao aceitos matricula.
Art. 2. O pagamento da matricula ser* frito
rnensal e adiantadamente a comegar da oecasiao
da matricula.
1." Por cada matricula pagar o estudante
5*u00, havendo urna differeuca de conformidade
com o numero de materias que estudar no estabe-
leeimento.
Art 3* Cada aula constar de 1 1/2 hora, Beo-
do urna para tomar a licito do dia antecedente e
meia para explicar a do da segninte.
Art. 4." Ndo haver aulas s quintas-feiras,
porm todos os alumnos devem comparecer uo es-
tabeleeimento n'estes dias hora de suas respec
tivas aulas, para urna sabbatina, segundo a qual
os directores darao atteatados na poca dos exa-
mes.
No estabelecioiento enc-ntrarao os 4Jra. pas
correspondentes ou tutores e os 8rs e3tudantes os
estatutos como acerescentamento de tudo mais
que aqu se omitte e que os scientificaro do que
houver de mais particular, e bem assim. da con-
veniencia donethodo n'este estabeleeimento em-
pregido.
Os dirctores,
LuizJ. de F. e O. Subrinho.
A uquslo J. C. Braga.
Inglez e fraecez
Cursoo theoricop ou pruficos, conforme prefer-
rem os senhores interessadus. Ruh da Aurora n.
19, 2- andar.
X. 8. Na tsica pulmonar a potencia
da Emulso Scott como remedio mara-
vilhosa. Restaura o sangue ao seu esta
do normal. Saca as indammacoes de gar
ganta e rouquidilo. D c> s faces o aumenta a
carne e as foras.
Collegio de Nossa SeBhorj da
Ponlia
RA DA AURORA N. 19
As aulas deste instituto comecaro a 7 de Ja-
neiro.
A directora,
Augusta Carneiro. ,
Iiistiliiioii Francaise de
Demoiseiles
Itna do Bario de S- Borja u. .o
(aotlga do Sebo)
0
Dr. Fernandos ii
Medico
Consultorio na do Bom Jess u. 30.
Consultas de meio dia i 3 boras.
Residencia rna da Aurora n. 137.
Telephone n. 450
tez
Oculista
Dr. Mattoe Barreto. ex-chefe da clni-
ca de olho do IV. Moara Brasil e da
policlnica geral do Rio de Janeiro e me-
d.-o aggregado do opiUl Pedro II
desta eidade.
Consultorio, rna do Impera tor n. 65, 1-
andar, das 12 a 3 horas da tarde.
Residencia, Caminho rovo n. 159.
As operacoes sSo feitas sem dor, por J
meio da cocana.
, Consultas e operacoes, gratis aos po-
bres
Clnica medico eirurgica
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EspecalidadePartos, molestias de senhoias e
crancas. ;
Residencia Ra da Imperutrir n. 4, segunda
andar.
MEDICO HOMEOPATHA
Dr. Balthazar da Silveira
Especialidadesfebres, molestias das
crancas, dos orgos respiratorio
senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
or d>i capital.
i VIS o
Todos f>s chamados devem ser dingi*
dos pharmacia do Dr. Sabino, ra do
BarSo da Victoria n. 43, onde se indicar
sua residencia.

i
Consultorio niedico-
cirurgico
O Dr Castro Jess, contando mais de 12 anuos
e escrupulosa observacao, reabre consultorio nes-
ta eidade, ra d Bom Jess (antiga da Crus
n. 23, l.o andar.
Horas do consultas
De din : das 11 s *da tarde.
De noite : das 7 s 8
as demais horas da noite ser encontrado no
sitio travessa dos Remedios n. 7, primeiro por -
tao esquerda, alm do porto do Dr. Cosme.
Leonor Porto
><
comecara ei 10 fls Jan le
1887.
A directora,
7. Adour.
Rna do Imperador n 45
Primeiro andar
Contina a executar os mais difficeis
figurinos recebidos de Londres, Paris,
Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicaode costura, em bre-
I vi dada, modicidade em precos e fino
[ go sto.
Medico especialista
O Dr. Artbur Costa, de volta de sua viagem
Europa, ende frequentou v rios hospitaes de Pa-
rs, dedicando -se com especalidade aoestuiodas
molestias de pelle e syphilitic&s pode ser procu-
rado temporariamente para o exercicio de eua
pronssao nrac do Coadn d'Eu n. 7, 1 andar.
Scilista
/inanes .i hall
*5er opa hoja
Sergipe da> Babia a 6
Say do Havre
Baha do sul a 7
AUianca de New-Pot-N'ews a 7
Trent da Europa a 10
Peniambuco do norte a 13
Para do sul a 17
ViUedeSanUs db II a 18
Aconcagua da Europa a Ui
Niger do s
Cear do norte
La Piala Europa a 24
Pernambuco .mburgo a 25
Espirito Sanio
Trtnt do sul a 29
f
A dilTerenca i-ntre a vida e n marte
39*
Esta a distinccSo entre a Salsaparrilha de
Bristol, e todos os medicamentos mercuriaes : es-
tes cnvenenain o sogne, aqnelle o purifica e vigo-
risa. Quando as sementes d* morte se teem intro-
dusido as vcias com o uso das beberagens mine
raes, nada pide deter a marcha da vctima at
quasi s bordas da sepultura, a nao ser este anti-
doto contra esses venenos. O mesmo acontece
quando o virus de urna molestia natural, traba
Ihando no systema venoso, se desenvolve debaxo
da forma de ulceras escrofulosas, cancros, tumo-
res, carbnculos, inflammacoes brancas, abeess erupcoes o todas .as demais terriveis enfermidades
externas ; pois este grande remedio opera chimi-
camente sobre o sangue viciado e sobre os mais
fluidos animaos, tr<.nsformando-os quasi milagro-
samente em correntes puras e nutritivas, levando
a sade *vigor todos os orgos por onde cir-
culam.
Acha-se venda em todas as boticas e lojas de
perfumaras
Agentes em Pernambuco, Henry Foeter & C,
ra do Commercio n. 9.
Duruuto o verao, a falta de appetit'', os sucres
abuudantes, o abaso uos lquidos enfraquecem o
uosso organismo, e nesse estado contrahmos mo-
leitins, que possam reinar epidmicamente. O es-
tomago repugna a carne e outros alimentos neces-
sarios vida, justamente quando temos necessi-
dade de sustentar as forjas perdidas. Em taes
i j dicOes urgente fazer uso do Vinho de peplona
de Chapoteaut, saturado de carne de vscca dige-
rida e ansimilavel. Ete producto, que de nenhum
modo fitiga o estomago, um poderoso alimento
concentrado e diseolvido em um vinho tnico o ge-
neroso.
COLLEUIO
de S. Luiz Gonzaga
Com este ltalo tuode uo dia 15 de Novembro,
na ra do Hospicio n. 55 nm estabeleeimento des-
tinado instruccao primaria e secundaria de me-
ninos.
Abalancar-se a empresas dessa ordem em poca,
como a que atrav>ssamos, incontestavelmente
grande ousadia e temeridad*. Antevi per fe i ta-
imte as difficuldades com que bavia de lutar, os
mil obstculos que se me antolbariam no caminln,
mas, apesar de prever tudo isso, nao me toi poss-
vel resistir ao desejo de coniribur com o meu pe-
queo contingente para a grande obra do levanta-
ment da nst.-uccSo.
Ensinam-se no collegio as seguintes materias :
leitura, calligrapbia, portuguez, fraacez, inglez,
italiano, latim, geographia, historia, arithmetica,
geometra, algebra, p'jilosopbia, rhetorica, msica
vocal, piano, flauta, rsbeca gymnstic, desenho
e conversaco das lingoas: franceza, inglesa e
tal i ana.
A casa em que se acba o collegio nao pide ser
mus adaptada para csse fim : satisfaz cabalmente
a t jdas as exigencias de estabelecimentos dessa
ordem.
Como resido com minha familia estou em con-
dicoes, de receber meninos de mais fera idade, aos
quaes nao faltaro de certo cuidados e solicitudes.
Confiado na boa vontade dos Sr. pais de fa-
milia para elles appello esperando que me coadju-
varao na ardna e difficil tarefa da educacao de
seus filbos.
Reabrir-se-hao as aulas a 7 de Janeiro vindouro
Recite. 19 de Dezembro de 1886.
Padre Manoel habato Carneiro da Cunka.
Dr. Ferreira da Silva, consultas
das 9 ao meio dia. Residencia e
consultorio, n. 20 ra Larga do
Rosario.
Dr. Joio Paulo
MEDICO
Especialista em partos, molestias de senhoras e
de crancas, com pratica as principaes materni-
dades e hospitaes de Pars e de Vieana d'Austria,
fas todas as operacoes obsttricas e cirurgicas
concernentes as suas especialidades.
Consultorio e residencia na ra do BarSo da
Victoria (antiga ra Nova) n. 18, 1 andar.
Consultas das 12 s 3 horas da tarde.
Telephone n. 467.
ADVOCACIA
O co selbeiro Dr. Manoel dol
Nascimento Machado Portella
contina no exercicio de auar
profissao de advogado podendo< ]
ser encontrado em seu escripto-1 '
rio a ra de Imperador n. 65, f I
0 andar, das 12 s 3 da tarde.) )

s
Medico, parteiro e operad
Rezidencia ra Baro da Victoria n. 15,1- andar
Consultorio ra Duque de Caxias n. 59.
D consultas das 11 horas da manh i U da
tarde.
Atiende para as chamados s qualquer hora
telephone n. 449.
LJ-L
EDITAES
Dr. Paula Lopes
) ( De volta de sua viagem Europa,
abri aeu consultorio rna do Marques
Olinda n. 1.
Especialidades : Molestias de creancae e
sao.
Tratamentos pela electricidade (Electro
therapia.)
Consultas*: De 1 hora s 4 da tarde.
Residencia : Ra da Soledade n. 56.
Telephone* n*. 15 e41S
Licor depurativo vegetal iodo 'o
DO
Medico Quintella
Este notabilssimo depurante que vem precedi-
do de tao grande fama infalliyel na cura de todas
as doencas syphiliticas, escrofulosas, rhenmatica
e de pelle, com tumores, ulceras, dores rheumati
cas, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagas agu-
das o chronieas, cancros syphilitices, nflamma
ooes viseefaes, d'olhos, ou vaos, garganta, intes
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathericos. assim como na alopecia ou qneda
do cabeuo, e as doencas determinadas per satu-
rarn mercurial. Dao-so gratis folhetos onde se
encentrara numerosas exp ciencias feitas com este
especifico nos hospitaes pblicos e muitos atteata-
dos de mdicos e documentos particulares. Fat-se
descont para revender.
Deposito em casa de Faria Sobrinh-j & C.
Ra do Mrquez de Olinda al 41.
Edial n. S
O administrador do Consulado Provincial, em
cumprimento do que dispe a lei a. 1860, faz pu-
blico & quem interessar possa, que no espaco de
30 dias uceis, contados rte 2 de Janeiro do anno
prximo vindouro, dar-se-ha principio nesta re-
partico a cbranos livre de malta dos impostos
abaixo declarados relativos ao 1* semestre do
exrcico de 18861887 :
3 0/0 sobre o gyro de casas commereiaea a re-
Ulho.
100/0 sobre estabelecimentos ira da eidade.
12 0/0 sobre escriptorios de advogado e solici-
tadores, cousultorios mdicos, etc.
20 0/0 sobre estabelecimentos commerciaef.
200*000 por escriptorio de descont de letras.
l.-OOCfOOO por casa de garantir bilhetes.
l.-t-OOOOO por casa de vender bilhetes.
2580 por tonelada de alvarenga, canda, ete.
20/000 por escravo empregado em serv93 me-
chanico.
200 rs. por bara'.ho de cartas de jogar.
Consulado Provincial de Pernambuco, 23 de
Dezembro de 1886.
F. A. de Carvalho Moara.
i
tflSK
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
lii.ta. ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecltcr, d consultas de meio dia s.
3 boras da tarde, no 1. andar da casa
n. 51 ra do Baro da Victoria, ex-
cepto nos domingos e das santificados.
Residencia ra Sote de Setembro n.
34. Entrada pela roa da Saudade n. 25.
declrcoes
Lotera da Colonia Isabel
A 9 serie da 24a parte das loteras en
dos ingenuos da Colonia Isabel, acb
venda.
Tbesouraria das loteras parao-fur
cipaco e ingenuos da Colonia
neiro de 1887.
Othesonreiro,
Fri
lavor
Ja-
.N
I



'-
I
I
A
i
1
i


na no di
iro director in-
ireii inscripto
npareeer neita
.is 10 horas da
i eseatoer
.-ia da Faoald-ide de Direito do Bccife,
Janeiro de 1887.O secretorio,
Jos Honorio 15. de Menezes.
Correio geral
Mala a expedirse hoje
Pelo vapor Mundo*, cafa admimatracao expede
malas para oa portoa i sul, recebendo impree-
809 e*objeeios a registrar at 1 hora da Urde,
e cartas orainarias at 3 hora* ou 3 1/2 cosa porte
duplo.
Administradlo dos carreio de Pernambuso, 4
de Janeiro de 1887. O administrador,
Affonso do Reg Born.__
Com pan hia Locomotora
Pernambucana
ASSEMBLA GERAL
Pelo pr.-sente sao convidados os Srs. accionis-
tas desta compauhia a se reuuirem em aaseuibla
geral ordinaria, no sou escriptorio ra do Vis-
condo de Itaparica u. 7, is 11 horas do dia 9 do
correte, afirn Je ser lido o relatorio da adminis-
tra gao e o parecer da commisso fiscal.
Escriptorio da admiuistracao da Compaohia Lo-
comotora Pernambucana, em 3 de Janeiro de
1887.
S. de Barros Bar reto,
Secretario.
COMPANH
Jmperia
NEGl ROS contra FOCO
B8T: 1803
Edificios e tnercaiiorias
Tazas Raizas
Prtmpto pagamento de prrjuiso*
* CAPITAL
Ks. lt;,0Q0;W050r>
Agentes
BROWNS & C.
N. rV Ra do Commercio N. 5
con mm
he Liverpool & Londoa & Giob
INSMAME COMPANY
&C.
Janeiro, n 5 hora
tarde. Recebe
[rga t o dia 4.
Consulado de Portugal em
Peroambuco
Havcndo disembareado da bar portuguesa
Canwes, ntrada do Rio de Janeiro neste porto
era 9 do corrente, o seguimos volumes de viuhos,
das fabrica do Rio de Janeiro :
JV :es a Jrio Vctor Alves Mafheus.
E travos.-iVi
13 85 volurn"s i Souza Bastos Amorim & C.
OM&C W voluoips-a Gomes Maia & C.
DO i rulases a Delfino Lopes da Crcs.
Z 5 volumes Domingas Crtz &. C.
L SO v.)lomes a J. Ferteira de Carvalho 4t C.
e sendo esperado outro carregaoituto pelo uavio
Noto Sifencio,7que j se ach* un viagem, por este
consula la po f"Z leste tacto sciente ho publico,
por oraem sepunur, afim de evilar os graves pre-
juis blica.
Igualmente se faz publico que do roeemo consu-
lado ge recebs qualquer noticia de que esses vi-
nhos d sembarcaram em a declaraQao nos cascos
de que sao viuhos ariificiajs, ou oe que a elles
sao applicados rtulos falsos, designando a origem
portugueza, afim de se tolicitar da competente
autoridade sanitaria as providencias necessarias
para a reprosso de semelhante fraude coniem-
nada por todos os governos. e prevista nos regu-
lamentos em vigor.
Consulado de Portugal em Pernambuco, 30 de
Dexembro de 1886.
Vicente Nunca Tavares,
Enearregado do consulado.
COXTJIA I O.O
[\orth Brilish k Mercantile
CAPITAL
<:OOO.OOo de libra sterlinaa
A.G E N TE 8
IdomsonlIuwic&C.
SEGUROS
MARTIMOS CONTRA FOGt)
Per-
e dinheiro afrete at
la sabida.
SCRIPTORIO
Caes da Companhia Per^ambursina
n. 12
SSfioa Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Baha
Cammandante SUverio Antonio da Silva
E' esperado dos portos do sul
at o dia 7 de Janeiro, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os portos
do norte at Slanoa.
Para carga, passagena, encommendaa e valoree
racta-sena agencia
PRACADO CORPO SANTO N. 9
MMOll PACKET
GOIPANV
0 paquete Trent
Leilo
A' lOe tela oras
atondas, miudezss, movis, mobilias de
Jacaranda e de pao carga, ospelhoj, jarros, qua-
dros, colheres, vinho do Porto em garrafas, dito
bronco em barris e mu.tos movis avuleoa e obje
Ct0S- m I ti
Tere do corrente
Agente Britto
Leilo
Tioco c substituido de notas
do Thesoiir Nacional
De ordem do Illm. Sr. iuspector se faz publico
que as sedulas, que forem apreseDtadas troco
ou substituidas e que estivercm dilaceradas, de-
v*m vir devidamente concertadas, de modo que
possain ser immediatauente carimbadas.
Outro sim, para Qonh^.cimento dos interessados
abaixo se tranbcrev% os segnintr a*tigos do re-
gulamento anneio ao decreto n. 9370 de 14 de Fe-
vereiro de 1885 :
Art. 126. Nao ser permittido o troco de notas
n-".vas de grande valor por outras de pequea im-
portancia.
Art. 128. As estaeoes de arr cadaco naopo-
derao recusar o reeebimcnto de notas dilaceradas
oa das que, estando em substituicao, Ihes forem
presentadas at o dia em que terminar o prazo
para o sea recolhimento sem descont. > cowtan-
to que taes notas sejam verdadeiraa, a:hem se
completas, nSo se compouhsm de pedacos, e nao
tenham carimbo ou marca que difculte-lhes o
exame ou as inutilise.
Art. 131. A noto dilacerada em um ou diversos
fragmentos, tendo mais de inetade de um s lado,
ser trocada na Cxn de Amortisito ou as ihe-
sourarias de fazenda por outra de igual valor, se
fr recoohecida verdadelra.
A que tiver a mUde ou menos da metade, e a
que, tendo mais de metade, fr composta dos dons
lados extremos, l poder aer trocada, aindaque
reeonbecida genuina, se o portador justificar, i
satisfar i da junta administrativa da Caixa, que,
por fuVa mni.ir, rji consumida ou extraviada a
porga o que lt*.
Art. 132. Os fragmentos do notas que se nio
poderem trocar, sero restituidas ao portador, de-
po8 de marcadas com o siirnalj-in valor.
Toeeourana de Pazeud de Pernambuco, 31
de Diztmbro de 1886.
0 secretario,
Luiz Err.ygdio P. da Cmara.
Lotera de 4000 contos
A grande lotera de JO. 0 contos, em 3 sorteios,
fica trunaferida para o dia 14 de Maio vindouro,
impze4crivelmei.t', nos termos do despicho do
Exm. Sr. presidente, de hoje.
Taesouraria das Lcterias para o fundo de
eoiancipaean e ?neenoos da Colonia Isabel, 14 de
Dezembr.) de 1886.
O tbesooreiro,
Fraaciseo Goncalves Taires.
"Thesouraria de Fa-
zenda
De ordem do 111ra. Sr. inspector, convido aos
Srs. Maia e Silva & C, Soares do Amaral &
Irmios, Frasca Rocha & C, Manoel raula de Al-
buqnerqe, Maooei Joaquim Alves da Costa, Bel-
tr-i Costa fe C, Joao Rodrigues de Moura, Jos
da Silva Lsyo Jnior e Fonseca & Irraao, para
comparecer nesta repartcao at o di* 4 de Ja-
neiro prosima vindouro, afim- de assignarem na
sessao do contencioso o termo de contrato para o
fornecimento do presidio de Fernando de Norobha,
no semestre de Janeiro a Junho Je 1887.
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco, 30 de
Dexembro de 1886.O secretario.
L. E. Pinheiro da Cmara.
Crapeii di Seguros Fifleiaie,
AGESTE
iligucl Jos Alves
JS-N.
marlla--> c-*T&m%trmm
da stimo aaso, o qoo
ind Brasil! a a a
Coiiapanhla Phenli
oambucana
Ruado Coromercio n.
8
Companhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelcida em 1^55
CAPITAL 1,000:000^
sinistros pagos
li 31 de dezembro de 1884
fiaritiiuos..... -3..i0:000$000
erreslres... 316:000$000
4 Ra do 'omujerelo
co.na*.%.\'iii.&. ><: seguros
AORTIIEKN
de Londrese Aberdeen
Poirua floaneelra (lle/emliro 1885)
Capital oubsciipto 3.000.000
Fundos accumulados 3.134,34 Becelta annaali 1
Di premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 5 132,000
0 AGENTE,
John. H- BoxweU
Bl'A COMHERDOCIO K. > 1 SIHB
THEATRO
DE
VACIEDADES
Companhia
Lvrica de operetas, italiana
Dirigida pelo distincto -actor cmico
mm fibb
HOJE
Terra-IVira, i de Janeiro
Grande e yariaffo esiiicticfllo
PRIMEIRA PARTE
Pela primeira vez a comedia
Depois de IMeia-Noite
SEGUNDA PARTE
Intermedio Lyrico
TERCEIRA PARTE
Opereta em um acto
Serafn, o Grumete
QUARTA PARTE
A brilhanre comedia em um aero
0 DESORDENADO
Trem pxra Apipucos e bonds para Magdalena,
Fernandea Viiira e AtogHojos.
A'* 8 horas e 1/4.
THEATRO
GUARANY
EM
JABOATAO
CompaiMa Jiamattca
TUA^SFERENCIA
Qninta-feira 6 de Janeiro
Espactaculo em beneficio
Wersblena
drama bistorieo em 3 actos, 2 quadros e 1 prologo
em que toox.ro parte o auter e urna troupe de ama-
dores.
Fioalisar o espeetaculo com a comedia em 1
acto H
Ima criada impagavel
Depois do especta'cul'i haver trem para- esta
cidade, parando em Tigij
C..oteenras 8 l/S bora.
li
E' esperado da Europa no dia
9 do corrente, seguinde
depois da demora necessa
ria para
Macei, Bahia, Rio de Janeiro e Santo
Para passagena, trefes, etc., tracta-se :^ui os
CONSIGNATARIOS
Adamson Howic & C>
Companhia Uahiana de naega-
eao a Vapor
Macei, Villa Nova, Peaedo, Aracaj,
Estancia e Babia
0 vapor Sergipe
Ccmmtmdante Pedro Vigna
E' esperado dos domos ci-
ma at o dia 6 de Janeiro
e regressar jara os mes-
moa, depois da demora docos-
tume.
Para carga, psssagens, encommendas e dinheiro
a fret > racta-se na agencia
7tiua do Vigario 7
Domingos Alves Alalheus
Do espolio de Jos Pinta de Souza, conhe-
cido por Jos Alabama
jVo armizem de tal ra da Conceiccfa
luart feira ft de Janeiro
A's 11 boras
O agente Stepple, por mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito privativo de orphao
e ausentes, a rcqueri.mento do Illm. Sr. Vi^eate
Nones Tavares, encarregsdo do consulado d por-
tugal, tara leilo do seguate :
Urna casa terrea n. 1 no beceo do Veras, praca
da Boa-VisU.
Quatro vaccis, rar;a tourina.
Dons garrotes, dem, idem.
Urna onca (bicho).
Doua cavalles, sendo um fino, primeira estampa,
andador de baixo a meio, mellsdo escuro com cri-
nas b'ancas, e outro quarto, sella e freio, e um
rebenque de prata.
Movis, roupas e outros artigos, que estaro pa-
tentes no acto do leilo.
O Srs. pretendentes desde ja podem examinar
a dita casa e os animaes, e para qu&lquer infor-
marlo o meamo agente dar.
Peitral de Cambar |
Descobe \1 vares d
. de Pelotas
Approvado pela Exma J al de Hygie-
ne Publica,Kiietorisado pelo governo imperial, pre-
miado com as medalhas de ouro da Academia Na-
cional de Pajis e Exposico Brasileira- Al lema de
1881, e rodeado de valiosos attestadoa mdicos e
de muitos outras do pessoas curadas de : toeses
simples, bjpnchites, asthma, ronquido, tisioa pul-
monar, coqueluche, escarros de saugue, etc.
Precoa as agencias : Frasee 2/500, meia
dnsia 13/000 e dusia 24/000.
Precos as snb-agencias :Fraseo 2/800, meia
dusia 15/000 e dusii 28/000.
Agentes e depositarios geraes nesta provincia
FRANCISCO MANOEL DA SILVA & C,
ra Mrquez de Olinda u. 32
O vigario provincial. Fr. Alberto, djsejando
collocar bancos demniieira eoir. ps i'e ferro id
corpo da'respectiva igrejn, minero ile c-iucoe
recebe propostas at o da 8 do corrente mes, em
sua celia. Carao do Kecife. 3 de Janeiro de
1887.
ATTESpAO
Leilo
The ISOIPSSC
0
J
Espera-se de New-Port-
News, at o dia 7 de Ja-
neiro o qual seguir depois
da demora necessaria para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagena, encommendas e dinheiro
a frete, tracia-se com os
AGENTES
Henry Forster A C.
N. 8 RUADO CDMTuEKOlO N.-8
i* andar
onjpanhla Francesa de Pavesa-
cao a Vapor
Linba quinzenal entre o Havre, Lis
ooa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santoa
STEAMER Slllly
E' esperado u Europa
n> dia 6 de Janeiro, se-
guindo depois da indispen-
savel demora para a Ila-
htit. Hlo de Janeiro
c Kunio*.
Roga-se aos Srs. importadores de carga ploa
vapores desta linha,aueiram apreaentar dentro de 6
das a contar do da descarga das alvarengb. iaa-
quer reelamacao concernen te a volumes, que po-
ventura tenham seguido para os portos do sul.afim
de se poderem dar a tempo as previdencias neces-
aarias.
Expirado o referido prase a eampanhia nio se
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas e passageiro* pars
,a quaes tem excellentes accomodacoes.
Augusto F. de Oiiveira&L
ai;k\tes
_46 -RA DO COMMERniO -46_
"COMPANHI* PKBSI MBIC 4 Ni A
DE
\avegaco costeira por vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaiu' e Bahia
0 vapefr Jacuhype
Comrqandante Estoves
Segu no dia 8 de
Janeiro, s 5 horas
da tarde.
ecebe carga at o
Idia 7.
Encommendas, passagens e dinbeiros frete at
a 3 horas da tarde do dia 8.
ESCRDPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
_________________n. 12________________
Para Pelotas
Segu com toda a brcvidade para o portj cima
o patacho norueguense Byfoged Christie, por ter
a maior parte da earga cngajada : para o resto
trata .se com W. W Robilliard.
De 3 armaed* )8 Dglezas para fazendas, 2
bsianfas, 1 prensa para infardar, 1
cairo para caixas de fazendas, 1 relo-
gi, l meza elstica, 2 mezas para fa-
jeadas e outros movis.
40 borricas d'agua de s Ja e 70 caixas
cora gam.fas vasias.
Inaria feSra. 5 do corrente
A's 11 horas
No atmazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 22
O agente Pinto levar leilo por liquidacao
as aruacoe:-, movis e mais objectes existentes na
toja d# sobrado da ra do Marques de Olinda n.
22, ban cerno garrafas vasias novas e agua de
soda.
, entrega ser effectuadu em acto continuo.
LElLf
Quarta-feira 5 deve ter lugar -o leilo de
movis, armacoos para fsSendas, agua de soda,
garrafas vasias novas e ontros artigos por liqui
dacao do armazem da rus do Marquen de Olinda
n. 22.
Leo
De 1 piano de Jacaranda, 1 secretaria, 1 mobi-
liadeRmarollo entalhado com tampo de pedra i
Luiz XV completamente nova, 1 machina para
eDgommar._l apparador grande, 4 espclhos, 1 ma-
china de costura, (feitio de commoda), camas
francas, marquezoi-s, 1 armaco de pmho, guarda
roupa, guarda louga, miudezss, espelbos com
consolas doarados. jarros, lantemas, quadros e
muitoa outros objectos que aerao vcudidos para
techanjento de contas.
QmrUi-feira 5 do corrente
A's 11 horas
No atmazem da rna do Mrquez de Olinda
n. 19
POR INTERVENCAO DO
Agente Gusmo
l-WfljoNgrtB
Lei!o
do lufar Gordon, encalhado na barra do
Natal -
Xo da 9 do eorrente
O rente ManoHl Garca, devidamente anteri-
sado, vara a leilo, no dia 7 do corrente, depois
da cheg&da do vapor costeiro, a casco e perteneas
do lgir Gordon, encalhado na barra do Natal,
no Rio-Grande do Ncrte.
A o commercio
O abaixo assignado tem justo e contratado ven-
der o neu estabelecimento de molhados, sito ra
Imperial n. 133, ao Sr. Gomes & Silva, livre e
desembarazado de qualquer onus que possa appa-
recer ; mas se alguem se julgar com direito ao
mesmo, apresente-se no praso de tres dias para
ser satisfeito.
Recite, 3 de Janeiro de 188'/. Moreira & C,
Buecessores de Manoel Joaquim da Silva Se C.
Ao commercio
Os abaixo assigeados, tendiv justo e contratado
comprar aos Srs. Moreira & C, snecessore? de
Manoel Joaquim da Silva & C, o seu estabeleci-
mento de molhados, sito rna Imperial n. 133,
livre e de8emb rajado de qualquer onus que pos-
sa apparecer, se alguem sejalgur com direito,
aprsente sens titulas no prasc, de tres dias.
Recife, 3 de Janeiro de 1837
Gomes & Silva.
MXMMH
HOmAIS,_____
P CLERV
Avisimos aos nossos fre
ultimo vapor chegado da Europa recebe-
mos o mais moderno c elegante- sortimento
de chapeos de s .1 para homens, senhoras
e enancas, estes pela sua elegancia e va-
riedade sai'fazem ben enanca que de
presente rec ber ura ; aproveitem que ea-
tao se acabando, vendas em porcao e a re-
taiho.
Este acreditado esabelecimento, j bas-
tante conhecido quer pela seriedado e ca-
pricho de todos os seus trabalhos ; previ-
ne aos seus amigos o freguezes para Ibes
evitar que continuera a ser prejudicados
ou Iludidos, que acabaram com a loja filial
da ra de Gabug. quaiquer pedido ou en-
commenda dever sr feito para
I5-RUA DO BARO DA VICTORIA-15
los Perreira C.
verde-se era toda a part
Candida Autran de Scuza e seus filbos agr'
decem &s pessoat que compareceram ao enterro
de seu presado cunhado e to, Joo Baptista Ro-
drigues de Souza, e as convidam da novo para
assistirem as missas que por sua alma sero rosa-
das na ordem terceira do Ca'mo, s 8 horas da
manha de 5 do corrente, stimo dia do seu pas-
an ment.
, ,A?isos_Dimsos.
(- Aluga-se o 2- andar da casa n. 8 ra da
Ii peratris, excelleote morada ; trata-se na ra
d( Imperador n. 61, andar. _________^^
Aluga-se casas a 8000 no neceo dos Cot-
junto de S. Goncallo : a tratar na ra da
eratris n. 56. ^_______________^___
Precisa-sc de urna ama para casa de pouca
ia ; na ra dos Marfyrios n. 15S.
Precisa-se saber noticias e nformagoes so
bre Francisco Peres, francs, nascido no departa-
merlo dos Baixos Pyreneus, com cerca de 35 an-
uos e idade, o qual veio para esta provincia ha
algins annos, e consta que daqui seguio para a
Parihyba. Agradece-se quaesquer mformaces
dadis no escriptorio de Maia k Resende, ra do
Coamercio n. 38, 1 andar, entrada pela ra do
To:
Um homem de idade e de boa conducta, qe
quaer exercer o cargo de porteiro, airija se -rua
da Roda n. 54._________________________________
Piecisa-se da ama ama ; na rna do Impera-
dorn. 16, 2- andar.
_ AMA Preeisa-se de urna, de boa conduc-
ta, ra todo o servico de caea di pequea fami-
lia s que nSo durma fra ; na ra da Matrii da
3o'.-Vista n. 3.
1^
i.
ass
te
ter

anoel Domiugues da Silva, sua esposa e fi-
lho convidam a seus pareotes e amigos psra
tirem as missas qye mandam ressr na matiiz
oa-Vista, s 7 1|2 horas da manha do dia
feira 4 do corrente, por alma de con pre-
sa< simo filho e irmuo, Adolftbo Domiugues da
Sil i i annittMrio de seu fallecimento ; por
est| prova de anjhtade e consideraco, a->tecipam
os leas aerad
Leilo
Terca-feira,
A's
4L de Janeiro
11 hor&s
Hotel Rocambole
PATEO DO TSBQO N. 1
O agente Martina, autorisado por Vicente Per-
nandes da C>sta Lima, proprictario do hotel ci-
ma, far leilo em um s lote ou a vontade dos
compradores. O hotel betn localisado e bastante
afreguezado; o motivo do s^u dono raser leilo
nao puder continuar por se acbar doente.
Major OelOm JMns Cavalcanle
Pesmoa
D. Adelina Cvale, nte Pessoa de Mello, seus
ios, genro, irmaos, eunhados, sobrinhos e mais
reates, de coracao agradectm s pessoas qu se
gnaram aeompanhar os restos mortaes de seu
esado marido, pai, sogro,"irroo, ennhado e tio, o
jar Delfim Lios Cavalcante Pens, ao ceujite-
o publico, e rogam-lhes aos Ujmais amigos para
uvirem as missas que sero resadaa pelo oterno
pouso de sua alma, no dia 7 do corrente miz,
ilaa 7 horas da manba, na capel a de N. S. dos
medios, pelo que desde j se coufessam eterna-
n gradecido8._________________
nte
COHIMXUil PBBWMliC!
DE
*avea;aco Costelra oor Vapor
TE
or, Ara-
m
O vapor J aguan be
Commn ';
Algn amigos do tnad) jjajor Delfim Luis
Cavaleante Pessoa, residji^tcs nj 3o districto de
liClll0 Afogados, em signal de seu falleciiBerf-
_ to, re8olverain mandar una missa na
(Km eontlnnacao) igreja de N. S. da Conceico rio Barr, no dia 5
Nj hotel denominado Estrella do Norte J do corrente, e convidam os prente e amigos do
sito ra de Tbora d Souza n, 8 |fiado a"'tirpm a.ate acto, que ter lugar as
1 7 hars da manha.
armarn, co;
den,
us para casal, ditas de fer
ios objectos que serSi
martello.
i do corr
'is em pon
Gusmo
o. NareiMA-adelalde de Mano
apella do engeoho Aripib, no dia 5 do
corr. no do fallecimonto de D. Narcisa
Adelaide d Mattos, rezar urna missa pelo re-
pouso de Ba alma a pedido de Sergio de Mattos
-seu sobrioho e ufilhado, a qnem muito obrigar
quem so dignar meemaaasis'.ir pelos seus senti-
mento de piedade e religiSo
Aripib, 3 de Janeiro do 18s7.
AU BON MARCH
SX-Ba Buque de Caxias81
PARA ACABAR
Ter urna pequea Testa o freguez que atingir o gasto de 38

A M VERAS&C
MEDICAMENTOS FUNDAS E TINTAS
TODAS AS QUAUDADES =.
PHARMACE UTICOS
JOaUCIO CHIMICO-PHARHACEUTICOS E
q I ESPECIALIDADES DO PALZ
s>
^c'" '57yRua do Dupe de Caxias,5 7..1
Durante o anno findo aviaram-se 10:118 reseitas, destribuidas pelos seguintes
illastres mdicos :
Barros Cameirog 2,553, C. Leite 1,224, C. da Cunha 669, Adriao 469,
Loureiro 389, Mello Gomes 325, Cysneiro 322, AndradeLima 219, SaotaRosa 198, Tei-
xeira 192, Ferreira Alvna 191, Malaquias 179, Pontual 164, Barreto Sampaio 156, A.
Velloso 151, Coutinho 149, Maia 141, Math'-us Vaz 140, Sirr-V.3 Barbosa 134, Bandeira
131, Berardo 129, Argollo 118, Cer*|uera 118, Curio 118 Fern-ira 116, Barros Sobrinho
114, S Pereira 105, Jos Flix 88, C. L-So-85, Pitonga 82, Bonnet 74, Jo2o Paulo
70, Costa Gomes (il, Carreiro da Silva 57, A. Gaspar 56( Sev.) 54, A. Bertr2o 54.
L. Pessoa 50, F. Velloso 49, EstsvSo 46, B. Moraes 40fSoares31, Themudo 28, G.
Lobo 27, Maduro 25, Betteneour.' 20, Imbassahy, 15, Paula Lopes 15, Moscoso 14 ;
Castro 14, Cmara 12, V. da Cunlia 12. Seixas 12, Souza 9, Bottas 8, Vasconcellos
F. Barros 7, M. Barreto 6, Taques 6, Dourado fjf. Coimbra 5, Doroingues 5, Leo-
poldo 5, M. Falcao 5, Calistrato 5, Virgilio 4, P Moreira (dentista) 4, Balthazar 4,
Lyra 3, F. Beltr3o 3. A. Seraphim 3, *prtra Brito 3, Chateaubriand 2, Nereu 2, B.
Falcao 2,Cavalcanto 2, Bazilisco (dentiat;.) 2, Lagreca 1, Tristo 1, Jo3o Raymundo
1, T. Homem 1.
N'este estabelecimento continua se com a actividade n pi-rfeiyao para toda a
maiMpulagao que lbe for confiada a qualquer bora do dia ou da noite para o que tem
na sua frente urna campa elctrica afim de aecudir com mais prompti iao aos chama-
dos da noite.
j^indica-se a residencia de todos os mdicos da capita

^5
Chapeos e chapeliuas
~ 36 A40PRAQADAINDEE1EIA.....36 A t
CtT2
CC^
G/5


B. S. CAEVALHO & C.
Proprietario8 deste bero conhecido estabelecimento paatecipam
as Ex.naa. familias e ao publico em geral, que mensalmente recebem
das principae8 casas era Paris e Manchester o quo de melhor e de
apurado gos:o ha em chapclinas e chapeos para senhoras e meninas
e das priin'nms fabricas de Haraburgo o que ha de melhor om cha-
si.
es.
ce
m
2
pos para hsmee 3 crianzas,
k chapelaria.
inut<-d outros artigos cou -ornentes
sdj;-
5<2
CO
Flores artiiiuine8 para ornamento
Em casa de todos os Perfumistas e Cabelleireiros
da Franga a do Extrangeirc

i de lrdt -Anoz especial^
PRBPAADO C
OH. FA&T, Perfu
Eua de la. FaJjc, 9, 3^|
Ll U


IIPU14!
\i*.
toral- Cep^j
de Ayer j<*
(Ay:-5CherryPetoral)
pe
rOKSt.A?niMA.BR0NCHITE.
CoaUUUCHE Ol'TcSSf. CONVULSIVA
Tsica Pulmonar.
' -..1 ccot>.JCAYPaaAim,.Mi.t*fc
Aluga-se barato
Kua do Nogueira n, 13.
Ros do Bom Jess n. 47, 1.* andar.
Ra dos Guararapes a. 96.
Rui V.sconde de Itaparica d. 41, armazem.
Travesea de S. Joa n 23.
As CHsasda rus dr- Corono' Suassuna n. 141
Largo do Corpo Santo d. 13, 2. andar.
frati-se na ra do Coinmercio n. 5, 1* andar
ei.'riptorio de Silva Giiiaiaraes A. C.
Aluga-se
o 2* indar e terreo do sobrado n. 35 travessa de
8. Jos ; o 1 e terreo do de n. 27 ra do Vidal
de Negreiros ; n 1 do de o. 25 ra velba de
Santa Rita ; o 1- do de n. 34 ra cstrcita co
Rosario ; o 1 do de n. 24 rus do Araglo ; a
casa n. 35 ra da ViracSn. todos limpos : a tra-
tar na ra do Hospicio n. 33.
Aliiga-se
k
urna sala propria pra escriptorij ; na ra do
Bom Jess n. SS, 1 andar.
Ama
Precisa so de urna ama para cosinhar ; na tra-
vessa eos Pires n. 5 (Geriquity).
Ama
Precisase de urna ama para cosinbar e ensa-
boar, que seja de idade ; no largo da Santa Cruz
numero 14.
Ama
Precisa se de urna ama q e aaiba cosinbar ; a
tratar na ra Velba n. 75._______________
-% I'B ?%>
Precisa se de urna ama para eosinhsr ; a tratar
no 1- andar n. 2, ra larga do Rosario.
Pr?ciase de urna ama pa
lavar, engomiimr e fazer ninis
alguna servieos de casa de fa-
milia : menos camprar e eozi-
nhar : na rna do Iliachuelo n
13.
Ama de lete
Precisase de urna ama de leite aean filbo, ro-
busta e com abundancia de leite ; na ra do Pa-
dre Floriano n. 5, 2- andar.
I,
Mara do Livramento, velha octagenaria e pau-
prrima, pede as almas cariciosas que lbe mande
urna esmola pelo amor de Dt-us. Mora no boceo
do Bernardo n. 51. E' urna obra de caridade.
Couturire franpaise
Ex-premire coupeuso de la maison Worth, a
Paris, de Nutre Dame de Pnris, k Rio de Janeiro,
et de La Ville de Londres, a Buen ,a-Ayres, vient
d'arnver et d'oavrir son atelier, rae dd Imperador
n. 50, l.etage. Robes, manteauz, trousseauz
pour mariages, peignoirs Sarah Bernardt, garm-
tures de cbapeanx, etc.
Pastilhas vermfugas
de Pe ring
o meihor especifico cintra vermes : deposito cen-
tral em cata de Paria Sobrinbo & C, ra do Mr-
quez de Olinda n. 41.
PERFUMAN!A DO HUNDO ELE6ANT
OELETTREZ
64, 56, Ra Richar, 54, 56
PARIZ
CREAQAO
8EM
NOVA
RIVAL
Luz brilhante, sem Fumo
OLEO AROMTICO
Hygienico" e Econmico
PARA LAMPARLAS
i
KaUtTUTS* BASTOS
Pernarnbuco
NUMERO TELPHONICO : N* 33
Agua florida. Extrabida rte flores bra-
sileiraa pelo sea delicado perfume, suavida-
deesaas propriedades benficas, excede
a tudo que ueste geneio tem apparecido de
mais celebre.
Tnico aro'encano. E' a primeira das
preparacoea para a tonservacSo des ca-
bellos. Estingue as caspas e outras mo-
lestias capillarea, faz na*cer os cabellos,
impede qne embrauquecaoj e tem a grande
vantagem do tornar livres de habitantes as
cabecas dos qae os usam.
Oleo vegetal- Composto com vegtJal
innocente, preparado para amaciar, for-
tificar e dar brilho aos cabellos.
Agua dentifricia. Exctente remedio
contra a carie dos dentes, fortifica as gen-
gives e faz desapparecer o roo balito.
Vende-so as principaes casas desta ci-
dade e na fabrica de leos vegetaes ra
da Aurora n- 161.
T F.LEPHONE N 33__________
Tricofero de Barry
Garntese, que faz nas-
cer ecrescer o cabello anda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remoro
todas as impurezas do cas-
co da cabe<;a. Positiva-
mente impede o cabo!lo
de cahir on -le trnbranquo-
cer, e iniallivelmente o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada secunda a formula
original usada pelo inventor em
-!'. E' o nico perfume no mun-
do rjne tem a approvaco official de
um Govemo. Tem Uias vezes
. mais frairrancirt qne quolqner ontrn
is eauraodobrodotempo. E'mnito
:s rica, suave o deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel na
lenco. E' duns vezas mais refres-
^ennto no banbo e no quarto do
doente. 0 E' especifico contra n
frouiidao e debilidade. Cura as
dores-de caneca, os cansacos e os
desmatas.
larope Je Yiia de Mer So. 2.
u KBjWATnnrird de
iis de 20 una^^^^^
Va* Gane*.
adoptada oom rande i
hores Mdicos da Parlz, cura os Defhtwo, trio*,
kmuaite ie s*, di* ViM xfmartm 1-4 ***-
ALLAN PATERSON i
N.44--RU i do Brum~2. 44
JUNTO A ES fA(JA D6S BONOS
Tem para vender, por prflt mdicos, as seguintes ferrados:
Tachas tundidas, batidas e caldo..
Criv<,'3c.i.-de diversou tauanho.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd tbrnalhu.
Bancos de ferro com sorra circular.
Gradeamento para jardiui.
Vapores de 'orea de 3, 4, 5, 6 e !8 cavallo
Mof.u Rodas d'agUit. systema Lt-aiviro.
Encarregam-se de conoertos, e aaa< ntamiMito rio machiniamo
trabalho com perfeicau o prestezx.
c
fiX Ekw quaJ
O
VBNHO gilbert SECUIN
Approvado pela A-cadeinia de Medioica da Franca
MAIS DE SESSENTA ANNOS DE EXPERIENCIA
Vinho de urna efficacia incontestavel pomo Antiperiodico para cortar as Febtea,
e como Fortificante as ConvaipscencttB, Debilidade do Sanoue,
falta de Menstruaeo, Inappeteneia. IHgent&es Mineis,
Enfermidade nervosas, Debilidade,
Pharmacia G. 8EGUIN, B78, ra Saint-Hono'r, PARS
Deposllanos em PernambiaV : FRAN" M. da SILVA e C,
TEMA DO CEAR
400:001 >$000
m TRASFERIVEL!
Corre quartat'ira, 5 de Janeiro.
Im vigsimo desta imiortante lotera est habili-
tad a tirar
2O:000$0O0
240:(00
NOVO E IMPORTANTE PLANO
WTRANSFEim EL!
ARTES DE OTAIv-0. DBPOZS DE U8AL-4.
Cura positiva e radical detodas as forreosda
scrofulas, Syphilis, Feridas Escrofulosa,
Affeccoes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do.
eneas do Sangue^Figado, e Kins. Garntese
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangue
restaura e renova o systema iuteiro. 0
Sabao CoratiYO de Reuter
Corre segunda-fe
de Janeiro
LOTERA DE AL4G0AS
200:OqO$000
Esta acreditada lote ia corre terc,a-feira, 4
eiro.
rjp)Sei SUAVIDADE
concentracao
REMELOS
SA80.VBTB, EXTRACTO]
AOU DO TOaCADOB
POS de ARROZ
COSMTICO, aRILHANTlNA
OZjJSO, pommaoa, vxwaorb
A Pertumaria OSMHEDI assegura aos
PtlBNTES flEIS
uvintudt ttttaa t (ir sin igual
os ein Ptnamlmai.- FBAN II. da SILVA C".
Para o Banho, Toilette, Crian,
cas e para a cura das moles-
tias da pella de todas as especies
a em todos os periodos.
Deposito em Pernambu-jo casa de
Frn8Co Manoel da Silvn & C.
\on plus ultra
SurprendTite e nunca vindo a pste mercado do
vinho puro de uva sra a mnima composicao, de-
nominado
Maduro
proprio para mesa ; e escolbido eapecialraente pelo
socio na ultima viagem que tes aos lugares vinba-
teiros de Portugal.
Chegou tambera o acreditado
Malvazia
vinho proprio para coustituivGes debis, especial-
mente parasenhorap. Este vinho que tanta ap
provacio tem tido, l ponto de, baver falt, demos
as ordena precisas anm de che?ar-no8 remes-
sas, tantas guantas forem uecesarias pura con-
sumo.

7 de
60-0:00100'0
Esta seductora loieria corre ^exta-feira.
Janeiro
Um vigsimo habiji a a tirar 30:0$000
biliictcs desta i acredi sad&s loteri&s
E
do D
engoiainar
ia amn pa'Hcoeooimur c outios
: no 3- mid:,r d^i predio n. t,
rxiiis n-ir cima da typograpfai
Ao publico

QrandA, nego-
^^^pa do io
i-J pabilo e
<' nao
On-
__va de
us de Miranda.
em todos es vapores sementes novas de hortalicas ;
sssim como :snio de bicocrvilhane
-fava iiu India.
Obras de vime
BSova remessa em CESTAS PARA COMPRA.
Condenas e assafalcs
B.laios para roupa snja
Pocas H$nds C.
RA ESTREITA DO ROSARIO N. 9
aeham-se l venda na
M
DE
SCOTT
!)E OLO 1 URO DE
F^igado de" -acalbo
Hypophosphiios k cal e soda
lp;>rova gfeoe e aatdrlsada pelo
goveruo
E' o meihor remedio at hoje deocoberto para a
ilMlca^flreficnHM. eaoi>bula. ra-
ebU^ITaueiuia. btlllbic m eral.
defoiosi tON cbrunlca c affi c^dea
do pello < da BttreaiXn.
E' muito siiperinr ao oleo simples i* n'cido de
sachlbo, porque, alm de ter cli-no e saber agr-
lavis, possue todas as virtudes uiedicinaes e nu-
ntivas ao oles, im das propriedades tnicas
reconBtituintes dos bypophospbitos. A' vsnda na
f rogaras e boticas.
Deposito em Pernarubueo
Professons
^"Uma senbora competentemente bibitada, pro-
poe-se a leccionar eui cilegios e cas^s particul.i-
es, as seguintes materias : p rtoga^z. franei z,
msica e piano ; a tratar na rna do Mrquez do
Hervhl n. 10.
Aula particular
Ra Mrquez de nerval n. 31
Anna Ibeodura SiinOVs, participa ao respeits-
ve publico e em particular aos pas de suae alum-
nos, que sua aula de instruevao primaria abrir-se-
ba no dia 10 de Janeiro proxim vindouro ; ou-
trosim, que contina a aceitar alucinas internas,
meio-pensinnislas e externas.
Reeife, 30 de Dezembro de 1886.
VINHO
Contenido os trtra tesznentoa
dn cUgesto :
Pepsina, Diastase e Pancreatini
SBCBITASO VOS TOBOS
OS MDICOS, y.:i as Dlge:iloe
L tardas e laboriosas. Dyspep-i
Isla, Cardalgla, Oaatrodyola,j
laastralg-la. Calmbrai de eto-'
' mago. Vmitos, Convalcaoen-
ces lentas, etc.
Deposito eral : H. VIVIEN
CO, Boo>* de Strasbourg. em Parla
SU T0DA3 AS PHAfUIAClAS
Ao commercio
Orestes da Hosta Reg Monteiro e Berrvennto
de Souza Travatsos, nnieos represrntautes da
rxtincti tiima Orestes, Travassos & C, tendo
ajustado suas centas com os Srs. Francisco Igna-
cio de Oliveira e Jos da Assumpco Oliveira,
ficando sem responsabilidade alguma qiianto a
boa on mccbrcnca de todas as dividas activas da
m''6ma tiruia, inciu-ive as constantes de letras
que endossaraii aaa ditos Srs. Oliveira?, declaram
nada devi-r neata praca ou fra d II, quer indi-
vidualmente, quer p'r negocios aa soiiedade de
Orestes, Tiavassos & C.
Reeife, 30 de Dezembrj de 188G.
Orestes da Costa Reg > Monteiro.
Bemvenuto de Souza Travassos.
VERMIFUGE COLMET
CHOCOLATE com SANTONINA
IsTALLim lira ertrnlr as L0MBB16S *
feto ?ermlfag-o t recoaaNbb pelo (Ui
MiMtorrJ!elwiim5iiaebii. >/\
Exigir a ass/fnaturs : (J \y *E J
P^i.PI, CQUIIT-l'UaL thm>ia.mWH.'1mTlC'
DEFRESNE
tot ie Pa
O mal podero-
digestivo* conbecidos, a Pancreatttut Dr*
femum emprega-se sempre com resultado
provado contra:
raatta I 0trites
Mis dlfestSe Oastralrla
natnlenclas do ettomatro
Somnolencia wtp/j as refeleOes
Vomito determinadas pela g-mvldaX
Enfermldados do najado
Tomada depols das refeloe desperta e excita
o appetito dos oonvalescemes. combate e detem
o emagrcclmento dos tsicos.
A Fanereatina Defremte em pi 6 em.
jfulas veud0-se em todas as phannaclas.
Mtrf%ortrt<*..->ri-rfifwtv>iofi<-j>rfwwww*-
enramr
Sem dieta esem modiii-
caf oes e costumes
Laboratorio central, ra do Viconde dv
Rio-Branco n. 14
Es juina da ra do Reyente .Rio de
Janeiro
EspcdOcos prep-irados peto phar-
maceuiieo Eugenio Sarqocs
de Iloilanda
Approvndos
Repblicas di
Pariz.
Exr de imbiribina
Restabelece oa dynpeptiecs, fuui;i:-i as digea-
tes e promova as ejecews difficies.
Vinho de ananaz ternifinosi) o quinado
Para os chlorn anwntfeoe, aVbel'a a bj premia
mtertrepicnl, r. consrttue ou hydpopicoi a hcribe-
ricos.
Xarope de Sor d<- M*uei'r p n-.ut.".mba
Muito reooinuimdado nn brouebite, na beraoo^-
tse e as toases auda u Ih-'.uchs.
Oleo de testu-'.us feprgitWoO e. cascas de
laranjas araarg.fs
E* o prinieird reparador da GraqWsM do orga
nisuio, na tysica.
Pilulas ante-periodicag, prapu.'^'lits^.joai
pererina, quina e jaboraady
Cura radicalmente as febres intermitientes, re-
mittentf s e perniciosas, *
Vinho de jurubeba simples e tambera fer-
ruginosa, preparados em vinho de caj
Efficazes naa iiifluuimai;5es do fijado e bugr
agudas ou ebrouicas.
Vinho tnico de capilaria e quina
Applieado as eonvalescentas das parturiectes
retico antefebril.
Francisco Manoe! da Silva & C.
RA MARQUE DE OLINDA -
- juntas d* hyeione da Corte,
Pixt e Hc.-d^m.. lie ludustria de
fOAY&.ARTIN
forntctdorts ds Su* MaJctUd a faltas di Intlaterrt,
do Etircito i i Hirinhn britMsmloa.
ftAIXA brilhante LIQUIDA
GRAIXAPAsnUNCTUOSA
OLEO para ASBEZOS
5 EtMmB*aeflecsttirtowra-inani,tf(*i*cstr1
seo toas n turmas.
DEPOSITO OKRAi. KM UM 1DWE3 :
, nujh Holbom, *r
la hkahs : nUIC- H. M HIT***.
Aviso
Telephonc a. IOS
0 abaixo as signado seientitica aos scus amig03,
ao commercio e publico, que o Sr. Jos Luiz
de Mello se acha enennegado dt administraco
da cocheira da ra de Santo Amaro n. 1, antiga
do Pinto. Reeife, 1 de Janeiro de 188.
J. C. Freitas.
Tiiiri iiina
PARATIS-GIR A
barba e os cabellos
Est tintura tinge a barba e os cabellos ins-
tantneamente, daudo-ihes urna bonita cor
e natural, inofensivo o si.u uso simples e
rpido.
. Vende-se na BOTICA FRAfCEZA E DRO-
GARA de Rooqueyroi Fre-es, successores de A
CAORS, rna do Bom-Jeaus (antiga da Qrut
n. 22.
SUSPENSORIO miLLEREr
Elasco, sea i5adiir:s Mal iu cuas.
Pora evilar a* falsiflcacet,
exigiyttfl^aa- e> e>'/ii u*peruoi-io.
FKDAS BE TODOS OS STSTEMAS
MOAS RARA VAHIZES
IDLLrRET.LEGOHIDEC. s^f^-nr.P.iris. 49, r. J.-J-BfmCTO
RSOISTILADO

Atso
Deodato Monteiro & C. scientifieam aos seui
fregueces que modaram o eetabelecim nto que ti-
nbam no sitio denominado Atalaia n 21, para a
ra Barao da Escada n. 33, onJe podem ser pro-
enrados.
Ama
Preeisa-se de urna ama para
do Barao o'a Victoria n. .
eosiohor : na ra
Alimentagao ratrionad
das mes, crianqas, amas a convalescchtes
Por uto da PHOSfHATMXA Fnliire*,
PAJUZ, S, Avenuo Victoria, f, 1 ARIZ.
IHWlUriM ea Pernarnbuco : FHAT- M. da 3JXVA JtC^
Curso primario e se-
cundario
15na Mrquez de llerval n. 33
Jos de Souza Cordeiro -Simoes, participa ao res-
peitavel publico e em particular aos pais de seus
alumnos, que seu estabelecimento de instrucca
primaria e sceundaria abnr-se-ha no dia 10 de
Janeiro prximo vindouro; ontrosim, que contina
a aceitar alumnos internos, meia-pensionistas e
eiternos.
Reeife, 30 de Dezembro de 1886.
TINTUR,
NICA TNICA
nmm
OE
STA
Man
FIL'
tHSTARTANd.
m ndro, ir
Mffl lira. .i.
kfosJUginl >,.-.

DE FILLIOL
HndiruC
brvicos
na Cor primitiva
rxxUOX,, 47, ra lirlenne. PlkS
FHAJK K. aa SILVA. O*

FORTUNA
36Roa Larga fo Kosario36
Berntirdu o Lopes Alheiro.
ra-sc
a loja do predio da travesea do Pocinho n. 33,
propria p^ra estb(-K tar no largo do Corpo Santo n. 4, 1 andar. ,
Caixeiro
Perdeu-se
Precisa-se de nm menino hrasilfiro para taver-
08, qne Hfi>:nre 6U conducta- ; tratar uo Cami-
oho Novo n. 91.
na no: te do dia 31 para 1 de Janeiro corrate,
as proximidades da tfaeatro da Sova HambBrgo,
um ct-nto de eartos de visita com o no nado te-
nente Miguel Nunes de Freitas, subdelegado ja
fceguezia de balito Antonio : quetn o nehou far
o obsequio de o entregar a seu dono, visto
servir de til idade a ourrem.
tO FEF
UGNQS
TONiCO-CIG
com
PAUS.ri
CMorose, Anemia,Calharro pumonar,Branchite chronica,
Catharro da Bexga, Phtsica, Tosskconoutsa, Dyspepsla, Palidez.
Per das seminaes, Catharros \ntigos e complicadas, etc.
Boulevyd nenaln, 7, em PABII, e
XAROPEdRE
Co,
ls^,
Laureado pela Academia
OSjs
Cava/he/ro dateg/o i Honra
^ATOdsCA -. C3-BX*^-
as prs;
maclas.
NVILLIER
de Medicina
<&*
o&
Caixeiro
Precisa-se de um empregado com alguma pra-
tica dr lazendas, par-, lora : a tratar a ra Du-
que ile Caxias n. 117.
Curso de piano
ESCOLA MOOERSA E MfiTHODICA
Todas l tercas e sexUs-feiraa de 5 horas da
tarde em din i
53 Mu tfn lBi|H>rXlriz 53
F. de Pault. Gome*.
f-rog^Ktco;.
Benfo -Mafal'
declarar (
bito <
visto q:
U
commercio
Tibnrcio de Obveira & C tem a b,:
municar ao pubi falment'" b
guezes. qui; maiarui.
ra Mrquez deX)lind:i oa-i a
ti. 51. avude os ;n.
ti ment de i
quer de pa i roes i
fusto e de seda b
no, par^ col
oo e do Con-
de os com.'
m a visvi.
^^^febran-
phantasia e
Ama
ver.
O Phosphato de ca a substancia mineral mala ato
qrtanUdade normal dlmlnue resulta um
rorao obt.. 0 XaroL
ici polm
Sacbltlamo. Sebtlidade do < Varo
diaria
lettemeihor; Impede a <
vex qae sua
ladee
ante doorgaafsu
ar, Broncmtf c
ao ir j:
entes dep4
durtr-i i
n. 4, 1

Aos senhores alfaiaie.'
(iratifica se
i;
Vph
-
:
a^
r.
' {
II til
MTHMO


Diario de PernambueoTerfa--teira 4 de Janeiro de 1887
aa
VSQSBAEUS
iujtax.i
:igo ta bsga,
j venal de urtre,
is tic apostata,
entiesada s urnes^
.iraic na urina, etc.
AMW, Pharmsceutico-CMniiOB 5
. >-.. a* LtMWI, 12, WJU5 ^
HMIBU
NOMDS,
Pr* SLRY
Vende-s em toda a parte
'IMG
ai
le 8X9, 4X9 SX'S ; vende-** na i-rranc a va-
por, di' t' iuaiii da riilvji. co Vase Dous 'Je No-
vembro p. #
Imallii
Venda-se a tavrrna bem afreguezad*, no Forte
do Mi tros, o motivo da venda se dir no compra-
dor : a. tratar na ra de Jtfariz e Barros n. 9.
Oleo para oachina*
Eui latas conreodo cinco gaO**, 9/000; veo-
de-ae nos depsitos <1 fa-rn-n Apollo.
L
Taverna
Voude bc una taveroa rom ponco capital, pro-
prli para principiante, tetalba eoffriveltnente, alu-
gnel razn vel, re.m .uuiod.is para tuiilia, o m -
tivo por quo wmiu te, dir ao comprador ; a
tratar mi ra do Cap-rio Lima n. 82. _____
Clarinda
Vende se urna elarinefa em uso, chegada fin (
pouers dias ; tratar na ra do Imperador n. 00,
leja de pianos c uiuricas.
Vende-se
urna caca eom boas aecdtnmodacoss, sita em urna
das me llores mas da freguezia da Boa-Vista ; a
tratar na roa Vidal ce Negrctros, cas n. 13b.
WHISKY
UJKVL BLSltt) marca ViAU
tst,- exccente Whisky bwbs-'. preter*-
na ougnac ou aguardeosn de cauna, para twlfRii
0 VTfO.
Vwuiise a n-tallio O" *. lhni>-s KiinHtent
K'h.idos.
ode KOVAL BLENI) marca V1aIKcuj n
in- a mblenm sao registrados para rodo o Brai
Baowss '. C. iu nitor
Vende-se
urna caginlia de tijolo e cal, por barato preco.ua.1
ra Imp<-iial : a tratar na ireema ra u. 200 E. >
A Revoluco
M. 49
A' ra Duque de (axias, resolveu vender
oa seguintes artigos cora 30 /0 de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Ver para crer
Cachemira bordada a 1/500 o eovadn.
Mirina de coree tinos, 900 e t/200 o co-
vado.
Ditos pretoa a 1*200, 1/400, 1/600, 1/800 e
2/000 o oovado.
Lis meselaoas Je seda a 600 ris o covado.
Ditas oora listrinbas de seda a 560 ris o dito-
Ditas eom bcliuhas a 600 ris o dito.
Lindas alpacas de cores a 440 ris o covado.
Las eom quadrinbos, a 100 rio o covado.
1 Gaze eom nnliiibas de velludo a 800 ris o co-
vado.
Setim macao lavrado a 1/300 o covado.
Seda pulba a eOO ris o covado.
Ditas de cares de 2/ por 1/000 o covado.
Setim macao li-o a 800 e 1/200 o dito.
Groa de aples pieto a 1/800, 2/000 e 2/500
o covado.
Setinetas lisas a 320 e 400 rs. o dito.
Ditas de quadriiib-s a 320 rs. o dito.
Ditas pretas fiuas, a 500 rs. o dito.
Fusiona brancos e de cores a 320, 400, 440,
5C0 e8C0rs. o dito.
Z- ptiiios fino*, t'.scossezes, a 500 rs. o dito.
Zepbiros de quadrinhos a 180, 200 240 ris o
covado.
Zephiros lisos a 1J000 o dito.
A.'p*'t" de cor para palitot, a 1/000 o dito.
Velludflhos lisos e lavi-adoa k l/OOO o wvado.
Cretonea finissimoa a 240, 260 e 240 e 300 ris
o dito.
Ditos, ditos a 320, 360, 400 e 410 ris o dito.
Colchas brancas a 1/SOO urna.
Seda esc'SS'ZH a 360 ra. o covado.
Colchas bordadas a 4/, /, 7/, e 8/000 urna.
Ditas de crochet 8500 dita.
Omisas bordadas paia bomem a 30/000 a da-
la.
Ditas para sci.ho:as a 30/000 a dita.
Corteo de casimra finos de 3/ a 8/000 um.
Casacos re laia a 10^00 um.
Fiehs de retroza 1/000 um.
Ditos, de pellucia a 6/500 uro, (bordados).
CHebMDwi.de cor a 1/600 o co.ado.
Flunella americana a 1J400 o dito.
Cortmaaos bord.dos a 6000 e 7/000 o par.
Ditos de crochet a 24/000 o par.
Meias p^ra bomens de 2/400 a 9/000 a du-
zia.
Ditos para senhoras de 3/009 a 12/000 a du-
zia.
Mantilbctas de seda a 6/000 urna.
Espnrtilhoa de couraca a 4/000, 5/000, 6/000
e 7/500 um.
Toilett para baptiaado a 9/000 e 12/000 um.
Lencos brancos e eom barra a 2/000 a duzia,
Anquinbas a 1/800 rs. iiuia,
Brim do linho de o- r a 1/000 vara.
Dito pardo a 1/0IIO a dita.
Esguio amarello e pardo a 500 ria o covado.
Chales Je mirin Ijeoa a 1800 um.
Diros estampados a 3/000, 3/500 e 4/000 um.
Cortes do cachemira para vestidos a 8/000
um.
Redes Hamburguizs a lO/MlO urna.
Panno d-' crochet para cadeirus e sof a 1/000,
1/200, 1/600 e 2/000 vm.
knrique da Silva Iforeira.
f
f

m
VERDADEIROT T} T}nVLIQ!I-n)0
PURGATIVO Lll U IPILULAS
ARCIERRE
PHARI!AOE TTIM
CENDRE DE LE OT
PIBiATIF LE
nmm raitATivi di codbx docous
Os Purgativos Le Roy j astificam
sua reputaco secular e sua snperio-
ridade por milhares de curas; hoje sao
adoptados por toda a paite, de preferencia
a qualquer outro para cura rpida e pouco
jff O Y/nonerosa das
MOLESTIAS CHRONICAS
axoX conheeidas, mol curadas,*e cofistderadas sem
raaao como incuraveis. Nao existe medicaco mais
?^-efflcaz contra os humores, pituitas ou biles alterada
a.vas iissew^ pnivocam ou entreteem estas longas alTeccoe6; nSo
Di adhisat rmcUbii mi UteUk^^a rec0nslituinte mais enrgico contra as reincidencias.
m uphjjsjatM, a arii ej
Afim de evitar as Contrafa?oes :
Se deot recusar como inefficaz ouperigoso qualquer Purgativo
rJue Roy liquido ou em pilulat que rio sahis da l s+
'Pharmacia Cottin, genro do Cirurgio Le Boy ( Rae de Seine
Rae de Seinj^ nSo trazendo a asmgnatura ao lado sobre o rotulo. PARS
'-VI
km 1.000:000$000
200:000^000
100:0001000
o
DE 3 B
la. favor dos ingenuos da Colonia OrphanfilugiM Isabel
DA
PROVINCIA M PERMdBCO
Bxtracqo a 14 fle fle 1^7
tltesoureiiFrancisco Gonfalves Torres
m^^mmmyirwm
'mnwwvwvfwwwwwmmi^w^rmmw+mmmw*
SABONETEdeALCATRAO
FABA TOILETT*, OS AMBO* B CUIDADO A WM M CBIANCAS
aliaonTC, wrddet> antUepMem, o mal*! effloaz para a cora da todas as
MOLESTIAS OA l*CLLE
SAPO CARB0NIS DETERGENS
^m^mtossat Cn o SAPO VAUttOMS VMiTMiRKKSS afim de protee+os contra
o SRAMPO, VARILA PEBRE ESCARLATINA
Es tea BABOWBTE8 sao recommendados pelo Corpo medico Intel ro porque pieiinem as
MOLESTIAS EPIDMICAS e CONTAGIOSAS aaaptao a tuaiqutr cima
MARCA DE FABRICA OS EKVOLKROS B UOS PES
HDevoaAto ffrail "W. V.WBtGHT 4K6 O*, Soia-Ui-wrlc, IrONDREB
Bm FerntaiaalDiico ; Pran" 1&. dafilLVA & =u
-^-a.......*....."-''
taMMMM
**>>>

ito eonb tabelecimeato denominado
ISEU DE MAS
ttr n d. tvimm
,;grpl
MMMFPa-
LCO que recebe/ nx
urads eostoe, eom* tazt
i po
jr menos que e
A' florida
Ras Duque de taxlas IOS
Chama-te a attencaoMas Exmas. familias para
os procos seguintes :
. Lovas de seda preta a 1 /OOOJo par.
Cintos a 1/500.
Lavas de pellica por 2/500.
2 caixab de ppel e envelopes 800 ra.
Lnvas de seda cor granada a 2/, 2/500 e 3/
o par.
Suspensorios p.ra menino a 500 rs.
dem amer.canos para bombn a 3/.
Meiaa de Esrossia para enanca a 240 rs. c par.
Fitas de velludo n. 9 a 600 rs, n. 5 a 400 rs. o
metro.
Albuns de 1/500, 2/, 3/, at 8/.
Ramea de florea linas a 1/500.
Luyas de J&acssia para D'euina, lisas e borda-
das, a 800 el/ o par
Porta-retrato h 500 r*., 1/, 1/500 e 2/.
Pentes de nikel 800 ra., 700 e 800 rs. mu.
Rosetas de bnlhantes chimicos h 200 rs. o par.
Guarpicoes de idem idein a 500 rs.
Anquinbas de l/SfcO, 2/, 2/5CO e 3/ urna.
Plisss de 2 a 3 ordena a 400, 600 e .600 rs.
Espartilho Boa Figura a 4/500.
dem La Figurine a 6/000.
dem esrreitinhos eom 10 metros a 400 e 1/000
a peca.
Feotes para coi eom inscripvSo.
Babadores eom pintura e insenpeoes a 500 rs.
Par toilet
Sabo de areia a 320 rs. nm.
dem phenicado a 500 s. um.
dem alcatro a 500 rs.
dem de amendoa a 300 ro.
dem dealface a 1/000.
Agua celeste a 2/000.
Agua divina a 1/500.
Agua Florida a 1/000.
Mhc .coa de seda a 100 rs.
Meias brancas para seuhora a 3/ a dusia.
Eslojos para crochet a 4$000 rs.
Linbas para crochet cor de creme 200 rs.
Linhas para crocb.t de sedsnesclada 300 rs.
Bico de cores 2, e 4 dedos
de largura a 3/000,'4/000 e 5/000 a peca
BARBOSA & SANTOS
Grande reforma!!!...
Realmente foi grande a que ee fez ni Loja dos
Barateiros.
Hua da Impcatrl/ n. 4o
E sao os nicos que tem as seguintes especia
lidades !!!...
La e alpacas, grande e importante sortimento,
e lindissimos padres, o mais tino e apurado gosto
que tem vindo, e por pre^o baratissimo, de 600 600,
700, 800 e i/000,o covado, porm fino e bom !...
Querem ver ?... aparejara H!
Gimas, aenboras .'!...
Temos um liudissimo sortimento de tailbe, que
a vista agrada a mais excepcional fregueza ; isto
por menos do que em outra qualquer casa ; s n.
40 !....
Pois custa 600 rs. o covado.
Temos mais liados sortimento de fusoes a 500
rs. o covado.
Chitas finas, especialidade, porque houve gosto
a eaclba, e vende-se por 240, 280, 320, 360,400
5( 0 rs. o covado, n. 40.
Tambern temos!!!...
Liudoi, padroes em baptista de 180 a 200 rs. o
covado.
Cambraia victoria c transparente finas e boas
de 3/300 a 8/000 a peca.
Brim branco de linho especialidade de 1/500 a
3/500 a vara peehincha !
Brim pardos Iizob e trancados de 700 a 1/600 a
vara, aproveittm festa! 1 !...
Mobsck m grande sortimento a vontade do fre-
quez, vende-se de 400 a 56<) o covado, venham !...
Hitinetae !!!... esplendido e importante sorti-
mento nesse artigo, Beodo brancas, pretas e de co-
res, lavradaa e lizas, o que se pode desejar em bom,
vende-se de 400 a 600 o covado.
Temos mais !. .
Caaemira de todas as qualidades e cores, e fa-
cemos costumea de 30 a 60/00, barato e em
covados de 2/500, cousa tina e que a todos agra-
dam, app-trecam !
Acreditem 1..
Venham ver, para crer I! !..
Madapolo de 1" qualidade de 4/500,1 5/500.
6/o00, 7/500, 8/500 e 10/ a peca, e que ha de
melboc-
Algodao de 3/500 a 7/500 e 8/000 a pesa tem
20 jardas.
Camisas de meia de corea e branca* de 800 a
1/800 e 2/000.
Colcha de lindos deaenhos a 4/0.0, casta ii/000,
em outras casas.
Paraos d a costa do meibor que ba custa apena;
2/750, o m Bramante de linho a 1/800 a vara, 10 pul idos
para a caba.r
DA
0
COLOIA ISABEL
EXTRACCO SEMANAL
S).J1 jgfc h iV ioteria
CORRE
;\o (lia .. de Janeiro de 1887

%

Inransferml! InransferiTI!
PORTADOR DE UM VIGSIMO ESTA' HABIUTADO A TIRAR
12:006$200
-
Esta lotera est garantida, alcui da fianza, por um deposito
110 Banco Rural do Rio de Janeiro eqisfvalente ao premio grande
ac cada serie.
BILHETES A' VENDA
NA
RODA DA FORTUNA
36-Ra Larga do Rosario36
Bernardina Lopes Alheiro.
EMULSAl DE SCOTT
DE
LEO puro de figado e bacaho
E DOS
dem dealgodaoa 1/30*,'(fjanos tamben bom
i bou
Algodao emfestado, 10 pal moa- a 900 ra. o met*<
muito bom para Icncoes.
Alem das fazendas jmencisnadns temos rr.uitoFJ
artigos de modas como seja, leqnes de fino goste
gravatas, colarinhos, punhos, meias etc. etc.
Alheiro &C.
RA DA IMPERATRIZ N. 40
Coeheira venda
Vende-se urna coeheira eom bons carros de
passeio, bem localisada c afreguezada, por preco
mullo mdico em raza> de seu d?no nao poder
administrar per tes de fazer urna viagem ; os pre-
tendent:'s acbaro eom quem tratar ra Duque
de Cazias o. 47.
Approvada pela E\ma. Junta Central de llvgiene l'iililica do Rio de Janeiro e aulorisa a pelo
(overeo Imperial
E' TA0 AURADAYKL A0 PAL.4DAU COMO 0 LEITE
CURA A
Tsica piMr. HM escroD ola, raciltis fie criabas, debllflade em geral, anemia, tosse
a
a
Liquidado defin de
anno!
59-El
Combina, n'uma forma saborosa e agradavei, o oleo de figado de bacalho e os hypophoshitos de cal e soda, e etna
sju uso obtem-se, simultneamente, os effeitos de ambos estes dois valiosi s e boin conheeidos remedios. Alm de que tolerad* e
asimilada pelos estmagos mais delicados, e nao causa nem nausea, nern diarrh, como muitas vezes acontece eom o aso
o oleo simples.
Veja-sa a opiuiao de illustm mdicos de varios paizes, sobre os resultados obtidos eom o uso da Emuleao de Seott ; '
Has- -59
e-300 rs.
Lindissimos riscadinhos a 160 e 00 rs. oto-
vado 1
Napank, cores firmes, a 160 o dito !
Cretones claros e escuras a 240 e 280 o dito?
Popelinas eom listas de seda a 240 e 280 !
Meias superiores para crianca a 2/ a duzia 1
(uardanspos de linho bordados a 3/ a dita.
Atoalhans alvo,2 larguras, a 1/20') o metro!
Bramantes superiores a 900 e 1 200 o dito !
dem de puro linho a 2/ o dilo !
Setinetas lisas e bordadaf a 400 o colado !.
Ketalhos de setios e sedas, que se liquidan por
metade do custo.
Setim maco de cores a SOVl&o cpvado !
Popelina de seda branca a 500 r*. o dito I de
800 rs.
Pannos de differentea cores pata mesa a 6C0,
1/200 e 1/600 o covado.
Damascos de las para colza, 2 metros de lar-
gura, a 1/800 o dito!
Cretonea assetinados, idem, a 800 o dito I de
1/500.
dem eom lindas paisagens para chambres a
400 rs. o dito.
Cortes de casfmira inglesa a 8
6/000.
Cbeviats superiores a 3Vj
C'aseroiras dingonaes al/
Flaoeila americana azul, a
Pichas de l a 1/500 e 25
Chales de caaemira bore
de 15/ cada um.
Capaade la de todas as
Eegaroee para casaqnrahoa a 4/ e'J
lllt%/ll
Atiesto ter empregado eom vantajosos
fesultados em doentes de tuberculose pul-
ooar, em minba casa #9 sade, a Emvl-
ao d* S,cott de oleo de figado de bacalho
un bjrpbpbosphitos de cale soda.
yO xeferido verdade o juro in fide
edici.
Rio de Janeiro, 45 de Qutubro de 1884:
Dr. J. lavano.
t
ESTABOS C'MIDOS
Nova York, 4 d Setembro de 1870.
Srs: Scott & Bowne. Teubo receitado
a minha pratica particular e nos hospi-
ies, a EmulsSo de Scott de oleo de figa-
o de bacalho eom hypophosphitos, e es-
mo-a como urna preparacto de grande
alor.
A Emvlsao nao muda, mesmo no teiupo
e grande calor, e agrada mais ao paladar
o que qualquer outro preparado da oleo
;*/500e
ue conhcQo-
fioberts Watts, director do
do hospital de Chfrity.
iyo sanitario
Madapslao americano 5/ e 6/, 24 jardas.
IIGLATERRA
Royal Free Hosital. Grays Inn Road
W. C.
Londres, 11 de Marco de 1384.
Srs. Scott & Bo^uyTonbo sado
eom vanlagens, a Enidtjfc de ScqU neste
hospital, em cas jtiaes, o oleo sim-
ples de figado de bacalho nao porlia ser
Kn)9M psra 8enbor* (W"1jordada) a 3'500 e oerado, pois a Emdso saborosa, ef-
'0I' fi- oo anoto o nrvoto An nlon
s^sl
gas, de 15/, 1
te a 2/1
talhos de chita, brim, 13
ra Mqiil
ficaz e nSo se repete o gosto do oleo.
Chesatn Sansn, medico interno.
' Srs. Scott & Bowne. Desde o ultimo
anno estou applicando a Emulada de Scott,
a qual tem dado milito bons resultados, pois
almde ser urna efficaz preparacSo para to-
das as doencas as quaes est indicado o oleo
de figado de bacalho, tomase sem a me-
nor repugnancia, vantrgem immensa sob
todos osre8peitos.
r. S. Colom.
I
Vaieucis
1884.
VKWKKL'lSLsLA
^^Lezuella Io de Junho de
EiTOOi LUIDOS DECOLOH
BIA
Bogot, 4 de Junho de 1884.
Sr. Scott & Bowne. Ha alguus mezes,
esperimentei, em dous doentes a Emvlsao
de Scott. Um padeca desde muito tempo
de urna uLera escrophulosa e o outro tinha
urna atrophia incipiente do figado.
o Ambos curaram-se radicalmente eom o
uso da Emulsao.
Dr. Vicente Prez Rubio.
MXICO
O doutor Ernesto M. Hegewich, director,
do hospital de S. SebsstiSo desta ci-
d:ide.
(> niea, ter usado eom bons resultados
a Emulsao de Scott na escropliuift e na tu-
berculose, achando-a ma boa prepara-
cao que deve ser recommendada.
Veracruz, Abril 5 de 1883.
Ernesto M. Hegewich.
CUBA
Os abaixo assignados, doutores em me-
dicina e cirurgia, certificam haver empre-
gado e continuaren! a mpregar a Emulsao
Scott no hospital de car idade. para inulhe-
res (S. Francileo de Paula), encontrando
no dito preparado excedentes propredades
reconstituintes, assim cmo o conaideramos
de utilidade para as aiTeccaes do peito,
qur tuberculosas^ qur outras, -'pois modi-
fica vantajosamente o organismo as pri-
meiras, emquanto a affeceao nao tem en-
trado no terceiro periodo, e temos observa-
do as outras, que cura muitas dellas. Ac-
er es cen taremos em conclusao, que temos
acalmado algumas vezes e outras lima-
do a tosse pertinaz, que tanto affi? os
doentes do peito, eom o uso desta Enusisuo.
Nao duvidamos, portanto, recommendar a
Emulsao de Scott para todos os casos? em
que estejam indicados todos os outros leos
de figado de bacalho, e particularmente
naquelles a que nos referimos. E para
constar onde convenha, passamos o presen-
te em Habana, eos 14 de Fevereiro de
1882. '
Dr. Nicols Carballo y Gutirrez.
Dr. Nicols Jos Guitarrcz.
PORTO RICO
Caguas, W de Junho de 1884.
Srs. Scott & Bowne. Tenho a satis-
facao de participar a V. S., qu,e tenho
receitado, muitos dos meus doentes
Emulsao de Scott, tertdo obtido, em todos
os casos, b* mais favoraveis resultados.
Esta efiicaz preparadlo, pela sua frm a
agradavei e seu bom cheiro e gosto, veio
eneber o vasio, que notava-se de um me-
dicamento que! tendo por base o oleo de
figado de bacalho, nao apresentasse os in-
convenientes deste, (sobre todo pelas criaD-
9a) devido ao 'seu cheiro repugnante e>
gosto desagradavel.
^H, Domingp Cabrera.
59-
Ull
Deposito em casa de Francisco-Manuel dailvaRa do Marqu
deOHadan.23.
i-".




ario de Pernambleo pa--feira 4 de Janeiro de 1


XiVffil DSIWTSWN
TRADUCgAO
DB
P.ILEHHO E FAMA
(Continuadlo)
CAPITULO IV
O ABREPENDIMENTO DE LEONIDA8
--------Onde mora ?
O doutor Maury. ra do Larcchefau
cauld, 24.
Vae n'uma carraagem.
E' d'aqai a cem passoe.
__ E' o mesno. Trazo o doutor comti-
^^H
g
Jy dize-lhe que vaes de minha parte,
que se trata de urna questSo de vida ou de
morte. Deixar tudo; roeu amigo.
Bem, d'aqui a um quarto do hora es-
tarei de volta.
E Gilberto saiu a toda a pressa.
Jos, disse Mauricio chamando pelo
creado que cstava Da casa prxima, d-me
ether. ,
__ Aqu est, senhur, respondeu Jos,
trazendo o frasco pedido.
Depois accrescentou :
Mas essa pobre menina est suffoca-
da com o vestido ; necessario desabotoal-
o, e pl-a vontade.
_ Tens razao. Depresea, depressa, da
c urna thesoura, ura caivete, um instru-
mento qualquer que corte, e deixa-me eo
com ella.
Mauricio apoiou as alrocfadas a cabe9a
paluda e vacillante da pobre cranla, des-
coseu-lhe o vestido com o caivete que Jo-
s acabava de ar-lhe, cortou os atacado-
res do coUete, e pz a descoberto as bellas
espaduas e o seio virginal de Leontina.
Mauricio tinha apenas vinte e oito annos.
Leontina era adoravel, e os thesouros do
seu cerpo encantador deviam, fcilmente
se comprehende, attrahir e fascinar os ar-
dentes olb res de um rapaz.
E no emtanto, era tal a nobreza da or-
ganaacao generosa e eavalbairesca do ar-
tista, que seiropoz a si proprio a le de nao
fitar os olhos sobre os encantos deecober-
tos, e nao quiz ver e nao viu, efectivamen-
te, as suas espaduas puras e nacaradas,
nem os divinos contornos daquelle seio vi
ginal. ,
Terminou a sua obra de candade e de-
dicacao com urna delicadeza e um pudor
de mai pensando o filhinho querido.
O que fazia, era exactamente o mesmo,
como se a mulher que tentava reanimar
toase feia e velha, em vez de ser bella e
seductora.
Um irroao nao ter de certo procedido
com mais absoluta castidade. E, se Leon-
tina tivesse recuperado os sentidos n a-
quelle momento, nao teria de corar da sua
nudez quasi completa ; tao claramente a
exprselo, do rosto de Mauricio naicava
que qualquer preoecupacao material, que
qualquer pensamento sensual estavam lon-
go do seu espirito.
Mas Leontina nao pareca voltar vida
O seu desmaio parecia haverse transfor-
mado em letbargi, que aniquilava com-
pletamente todas as faculdades.
Mauricio fazia Ihe respirar os saes mais
fortes e violentos sem obter o menor resul-
tado.
Finalmente, no fim de um quarto de ho-
ra, Leontina entreabriu os olbos, e fez um
ligeiro movimento. \
Os seus labios balbuciaram algumas pa-
lavras inarticuladas, e que, com certeza nSo
tinham sentido.
Mauricio, entao, applicou-lhe sobre o
naris un lenco embebido em ether.
Fot de balde.
Os olhos fecharam-se-lhe novamente ; a
cabeca que ee levantara um instante tor-
nou, cahir.
Leontina voltou sua lethargica .iramo-
bilidade quasi similbante morte.
Sen'bor, estilo tocando a campainba,
disse atravez da porta Jos a quem os mul-
tiplicados aconteciraentoa d'aquella noite
deixavam estonteado, vou abrir?
De certo, Gilberto, naturalmente,
com o doutor, respondeu Mauricio.
O artista nao se eDganava.
Gilberto entrou no quarto quasi, no mes-
mo instante, exclamando :
Aqui est o doutor I
Gilberto era seguido por um hornern de
trinta e ciaco a quarenta annos, de sym-
pathica e bella figura, intelligente e ben-
volo .
Mauricio estendeu-lhe a mao.
Quem est doente em tua casa, meu
querido amigo ? perguntou o Dr. Maury.
Esta rapariga, respondeu Mauricio,
conduzindoo medico at junto do leito em
que repousava Leontina.
Ah! ah que bonita pequea, excla-
mou o medico.
Sim, encantadora...
Quem ella? Tua amante, provavel-
mente ?
NSo, um modelo que vem a minha
casa ba apenas alguns dias... urna pobre e
excellente creanca, muito desgracada e
te conta-
mnito interessante, cuja historia
rei maia tarde
Ha quanto tempo dura este desmaio?
Ha urna hora, pouco mais ou me-
oss.
A que factos se succedeu ?
Nao sei.
Ah
Sim... a causa do estado em que a
vejo para mira desconhecda. Esta rapa-
riga, ha quasi urna hora, chegou aqui pal-
uda, e degrenhada, e, depois de ter pro-
nunciado algumas palavras, desmaiou. Es-
tava extremamente commovida e profunda-
mente aterrada.
Perseguia-a alguem ?
Sim.
Um amante talvez.
Nao; Leontina honesta, e nao tem a-
manta ; o homem que a segua para a mal-
tratai era o pai. Isto, porm est intima-
mente ligado historia desaa pobre rapa-
riga, e contar-t'a-hei mais tarde.
Vejamos disse o medico.
Pegou n'uma vela com a mao esquerda,
e servu-se da raSo direita como de urna es
pecie de reflector, para concentrar a luz
sobre o rosto iruroovel ejivido de Leonti-
na. "*
Mauricio seguiu estes movimentos com o
olhar, com viva e manifesta anciedade.
O exauje do doutor durou ain^a muitos
legando*.
Entao? perguntou Mauricio.
Entilo, respondeu o medico, depois
de um momento de silencio, muito grave.
Ah Dens meu balbuciou o artista,
empallidecendo. Ha perigo, por accaso ?
Receio-o bastante-
Mas que perigo ?
V tu mesmo esta desgracada, meu
amigo. Os olhos estilo sahidos das orbi
tas o ojectados, as pupillas dilatam-se, o
carpo contrahe se convulsivamente; ha urna
lethargia mrbida, e todos os symptomas
de unja compresso do cerebro V, os
labios, as gengivas e a lingua estailS lvidas,
a respirado suspensa pela immobilidade
do thorax.^
E o que conclues de tudo isso, dou-
tor ? perguetou Mauricio, palpitante.
Concluo que esta-rapariga foi enve-
nenad!-., ou se envenenou.
~ Envenenada! exelamaram os dous
rapzes estupefnetos.
| Sim,
Ests certo disao?
Absolutamente certo, e, em vista dos
gymptomas apparent e irrecusav
at que poderiardeterranar o veneno.
Qual ?
A dratura a belladona
ou o opio. E enanos. Em
todos os caso abso-
luto que a doente su. i um
veneno vegetal, de um narctico qualquer.
Doutor !. .. doutor !. .. exclamou
Mauricio, illucida-rao; comprehendo agir
tudo !. .
O que oomprehende8 ?
O pai de Leontina um miseravel;
quera vender esta desgracada ireanj*,
tenbo a certeza, e, como ella resistiu ate
morto, tratou adormcela...
Se asaim, conseguiu-o.
Esse perigo de que ha pouoo fallasto
imminente ?
Nao posso dizer nada.
Doutor, desesperas-me !...
O que queres, meu amigo ? Nao p>s
30 fallar seno como a coasciensia me or-
dena que fall \
Mas, ao menos, nao abandonars es-
ta pobre creanca ? Vas tentar algama cou
sa.
Vou tentar tudo o que humanamen-
te possivel. Tudo quauto ^ scienciapode
tentar para a salvar, tontal-o-hei !...
N'este momento Leontina fez um Oovi-
mento brusco.
Sentou-se na cama, olhou ao redor; com
os olhos espantados e sem ver, levjm as
maos garganta, e murmurou .com voz
rouca e transtornada.
Tenho s de !...
Depois, immediatamente depois, alcabe-
la caiu-lhe para traz.
Urna violenta convulsao lhe ag
membros como se fosse presa de um
so tetnico.
Soltou alguns gritos inarticulados,
urna gargalhada nervosa, singular,
criptive], e que asaustava pela sua fu
e sinistra alegra.
O doutor, que nao deixa^a um s
ment de olhar para ella; pegou-lle
mao, que encontrou gelada, ao mesm tem
po que abundante suor lhe innum ava
rosto.
Ah ah! exclamou elle, entao
ra no duvido, estou certo do que av ncei;
fleram belladona pobre crianca
pressa, Mauricio, depressa, manda
um emtico.
Jos, vai depresea exclamo^
ricio.
Espera, disse o doutor, o
nao' ser bastante. E' necessario t mbem
quatro graos de sulfato de bioxydo
bre. Aqui teas a receita. Agora,)
corre sempre.
Jos desappareceu.
O doutor continuon :
Mauricio, tens b>m caf, nao
dade ?
Excellente.
Manda prepralo, e que se|
forte. O senhor, disae depois, dir
se a Gilberto, prepare agua acidulaca cora
de urna culbtir de
ou os
icces-
e deu
ndes-
nebre
mo
na
ago-
;ei;
De
buscar
Mau-
timetico
raargeai Bo'mesmo lugar d tiohamo
partido. ja
Gilberto eahio immew*
O doutor, auxiliado por Mauricio, pro-
parou as ligaduras* para a sangra, collo-
cou-as jauto do braceo, abri a lanceta e
picou a veia.
O sangue correu 'a printio lentamente
e gota a gota, depois cora um bello jacto
purpurino.
Lontina abri os olhos e respirou mais
livremente.
Vamo8 ? murmurou o iaedco, varaos
e que Daus seja abencoado I Creio que a
salvaremos !
O que ha mais a faz:r
Combater a' somnolencia por todos
os meiosl Velars esta noite, nao ver-
dade, Mauricio ? ,
Ah 1 de certo I...
E eu tambera, accrescentou Gilber-
to, qre voltava com a3 sunguasugas, e af-
firmo-lho, doutor, que nem elle nem eu
pregaremos olho, e que anda nSo han ve
doente tao bsm guardada
CAPITULO VI
COUGESJAO CEBEBEAL
Entao, proseguio o doutor Maury,
dm doente caf de quarto em quarto de
hora, combatam o somno por todos os
meios ; este o ponto essencial, e tudo
quanto fzeram ser pouco.
Fica descansado, respondeu Mauri-
cio taremos tudo isso.
Voltarei raanha de manba.
A que horas ?
De manha cedo. Provavelmente es-
ta noito apparecer o delirio ; nao ae as-
8ustem, urna consequncia natural do
envenenamento pela belladona.
(Contina)
VAfilEMDES
Resumo da campanha com o
Paraguay, seguida dos nomes
dos brasileiros mais dstlnctos
morios durante a guerra.
POE MELCniZEDECH d'aLBDQUERQUE UUA.
(ContinuagSo)
da eo-
vai e
e ver-
bera
jgindo-
FOLHETIM
vinagre, na proporcao
vinagre para oiea garrafa d'agaa.
Cinco minutos depois, Jos tiah vol-
tado.
O doutor, cora o auxilio do cabo ce urna
colher, introduzio o emtico entre na |na-
xilares da rapariga.
Passou-se ura quarto de hora seta que
se obtivesse o resultado desejado. ^
O doutor deu-lhe era seguida em'gua1
moma os quatro graos de sulfate de bio-
xydo do cobre.
O efFeito foi nullo-
Mauricio desesperava-ae.
O que pensa, ? balbuciou elle
voz apenas distncta, tito grande ei
commo^ao que o dorainava.
Vou 8angral-a no braco e app
lhe sanguesugas as fontes e atraz^
orelhas para ac jelerar o desengorgitame to
dos vasos do cerebro. Mas, devo diz r,
se desta vez ainda n3o obtiveraos re 1-
taira algum, a pobre crianja est perdic 1
Vao buscar sanguesugas.
O 0OR0I1NBA
POR
PAULO lLl
vfERGEIRA PARTE
SkEMDEIASD2.iOE
(Continuagao do n. 1)
III
A cinana
Subiam a escada. Henrique substi-
tuio a tranca que faltava, pelo seu braco,
que collocou atravessato. Tentarara abrir,
empurraram, examinararo, praguejaram ;
mas o bra;o de Henriquo valia urna barra
de ferro.
a __ Ests muito paluda, minha queri-
da Aurora, contnuou Henrique, quando
me vio levantada; mas s valente e acora-
panbar roe has.
< Oh sim 1 exclamei eu, transpor-
tada de alegra, com o pensamento Je o
servir.
Levou-me para a j nella
- Desceras bem p. ra o pomar por
esta escada ? perguntou-m* "elle mostran-
do-me os ramos e o tronco de um dos car-
valhos.
Sim, respond ou, sim, meu pai, se
me promettes ir imn>ediatamente ter cora-
m'igi.
Prometto ts, minha querida Auro
ra : Irei j ou minea, 'pobre nina accres-
centou elle em voz baixa, apertando roe
nos bracos.
i Eu eslava bastante agitada. Nao cora-
prabend, foi urna lo. Henrique
t em oue os
quarjo ; ser o signal ; em seguida es-
gii;ira-te ao longo da cerca at ao rio.
Estava ainda na janella quando ouvo-
se o rui'lo da alavanca que introduziam na
porta. Fiquei ; quera ver.
es:e desee 1 disse Henrique com
iropaci:ncia.
Obedec. Qu3ndo. cheguei abaixo,
apanhei um pequeo seixb e atirei-o pela
janella. Ouvi immediatamecte um raido
gurdo no corredor superior. Devia ser a
porta que forcavam. Isto paralysou-me os
movimentos, fiquei collada no meu lugar.
Dous tiros se ouviram no quarto, depois
Henrique apparaceu-mo de p sobre o pa-
rapeito da janella.
a De um salto, sem o auxilio do car-
valho, estava junto de mim.
t Ah infeliz'1 disse elle vendo-me,
julgava-te aalva 1 Vao atirar.
E carregou rae nos bracos. Muitos
tiros se fzeram ouvir na janella. Sentio o
estremeoer vinentaroente.
Ests ferido ? exclamei en.
<( Estavamos no meio do pomar. Elle
parou ao luar, e, voltando o peito para oe
bandidos que descarregavam as armas das
janellas, gritn duas vezes :
Lagardre L^gardre !
Hajor Manoel Joaqalm Ribeiro
Era fiscal do 34 de voluntarios quando
tomou parte no ataque do Curuzu' a 3 de
Setembro de 1886, portando-se na occa-
85o do perigo com valor e herosmo e a
22 tomando parte no de Curupaty, portou-
se do mesmo modo.
Falleceu em 15 de Abril de 1867.
Hajor Jouqaim Paaialeo Xelleti de
Qnelroz
Achava-se na Iba da Redemp^o, onde
tnha ido visitar alguns amigos, quando os
paraguayos atacaram-na na madrugada de
10 de Abril e distingui se por aua bravu-
ra, luctando at a ferro fri.
Tomando parte nos primeiros combates
feridos ao pisar se o territorio do inmigo,
foi elogiado da seguinte forma:O S.
tenente Joaquim PantaleSo Telle3 de Quei-
roz coramsndante do piquete de ". Exc,
o mesmo que no ataque da ilha se fez ad-
mirar dos seus camaradas pelo valor e ener-
ga, que desenvolvea, nao foi menos ad- ?0 e jg^
miravel combatendo com a pequea forja
de cavallaria qae primeir teve do fazar
frente ao inimigo, continuando depois a ex-
efeer dbm a mearaa energa as fancjSes de
ajudante da ordepa.i
Assiatio s batalhas de Estero Bellaco e
Tuyuty em 2 e 24 de Maio o aos comba-
tes do'Sauce e Bouqueron em 16 e 18 de
Julho de 1566.
No posto de capitSo e commandando o
piqueta do general era chefe tomou parte
no combate da 21 de Outubro de 1867.
e o valor que em todos os combates tem
at aqui exhibido.
Como major commandante do 7 corpo
de cavallaria foi morto no dia 28 de Agos-
to de 1868 e assim resa a ordem do dia do
commando em chufe do exercito em opera-
rles n. 248 do 31 do mesmo mez relatan-
do esse combate:
... Da nossa parte temos a lamentar
a morte do bravo e distincto major Joa
quira Pantileo Telles de Queiroz, o qual
na occasiao que eonseguindo romper a li-
nha de abatase se eaforyou por enllocar
sobre o fosso algumas pranchas para e as
salto, recebeo o ferimento glorioso que lhe
produzio instantaneamBate a morte.

Major Joo de Barros Lelte
Distinguise no combate de S. Solano
em 3 de Outubro de 1867.
Toraou parte no recoobecimento de Hn-
mayt em 16 de Julho do 1868, como aju-
dante de ordens do, commando do 3o corpo
do exarcito, cprabatendo at cahir para nao
mais erguer-se.
Major Haooel Balbioo \olastco Pe-
relra da Cuniia
Assistio batalha no dia 2 i de Maio,
aos combates de 16 e 18 da Julho de
portando-se com valor, pangue fro in-
telligencia no desemp'enho de suas obriga-
cSes.
Falleceu a bordo do vapor Alicc em yia-
geca do Paraguay para o Rio de Janeiro a
4 de Fevereirs de 1869 do febre typhica.
Mojor Joaquina Lula de Azevedo
Coraraand indo o 8o de infantaria destin-
gue-se na batalha de 24 de Maio, no com-
bate de 16 de Julho e doia dias depois
morto no Bouqueron ( 18 de Julho do...
1866).
Major Joaiiuim Cardoso da Costa
Sendo capito fiscal co 5o de infantaria
assumio no meio do combate de Bouqueron
o commando desse cVpo por se ter retira-
do do combate o seu commandante.
Com muito enthusiasmo e galhar lia pas-
sa no dia 6 de Dezerabro debaixo do mais
vivo fogo a ponto do Itorr testa do
16.
Commandando o mesmo batalh.to destin-
tinguia-se anda no ataque de Lomas Va-
lentinas e sendo ferido no dia 22 de De-
zerabro de 1868 falloce8 em 16 de'Feverei-
ro do nno seguinte.
ge um novo com
tenents Gomes dos Santos.
Restabelecendo-se do sea grave ferimen-
to eil-o outra vez no convez dos navios fa-
zendo ouvir a aua voz serena e forte.
A 15 de Agoeto de 1867, commandando
o Silvado, passou Cnrupaity e salvou o re-
boque Tamandar ; pelo que foi elogiado
pelo almirante Visconde de Inhama.
Falleceu na noite de 30 de Janeiro de
1868.
L-
tx-
Agora preciso seccar a roupa e
gar o meu ferimento.
a Bem sabia que estava ferido,
clamei eu.
Bagatella. Vem.
* Henrique dirigia-se para casa do
vrador que nos havia atracoado. O
vrador e sua mulher riam se, convela lo
na sala terrea, tendo entre si um bom
zeiro. Deitar o bomem por trra e anlr-
ra'-o com a mulher, foi para Henrique c ra
de um instante.
< Calera-se, dissa Ibes elle, pontue
ambos juigavam que ella os ia matar e
vam gritos lamentaveis.
Estivo quasi a deitar-lhes fogo c
como mereciera, mas aqui est o anjo
os salvou. NSo lhes farei mal.
< Passava-me as maos pelos cab
molhados. Quiz ajudal-o a curar-sa.
ferida era no hombro e deitava muito
gue, em consequncia dos esforc^os quej
nba feito. Emqaanto a roupa enchug
embrulhei-me na sua capa, que na occi iao
de fugir elle tinha deixado no quarto
urna atadura e amarrei a ferida.
i Elle disse-me :
s J nada simo, curaste-me.
Major Jomo d> ama bobo Bente
(avens
Com o 3 da ar^jlharia destinguio se na
batalha de 24 d Maio e nos cambates de
16 e 18 de Julho.
A 6 de Dezembro de 1868 tomou parte
no combate do Itoror e foi e'ogiado pela
bravura, serenidade, otelligencia e enthu-
siasmo com que se houve durante a accao,
pela maneira porque convenca com enthu-
siasmo 03 soldados a bem cumprirem os
sua doveres; finalmente este official
muito disuncto e prestou relevantes servi-
dos n'esse memoravel dia.
Commandando a 40. de voluntarios foi
ferido em Lomas Valentinas no dia 21
Com urna ala do 12.9 de infantaria to-
mou parte no combate de 29 de Julho de
1869
Falleceu de febre typho em 16 de Mar-
1. clrarglo Br. lose Augusto de
Sosia Pitaa*
O Dr. Pitanga nasceu na Baha em 12
de Maio de 1830 e falleceu no Rio Grande
do Sul era 8 de Outubro de 1865.
Da pleiade de bravos, diz Eduardo de
S, que despiram o vestuario das comino-
didades da corte e da vida pacifica Je com
o sorriso do martyr vestiraro o fl9gelle de
Dejamine, dos apostlos da f no porvir, e
da oeperanca na regeneracSo da patria, era
rnembro preeminente o nosso here, e com
especialidade d'essa phalange babiana, que
no enthusiasmo e no sentir mais patritico
veio tornar a vanguarda das cohortes do
nossos templarios. O Dr. Pitanga apre-
sentou-ae na cSrte em 20 de Julho e na
qualdade do l. cirurgiSo capitao marchou
no dia 6 de Agosto para Montevideo, e
d'ahi para Uruguayana que os paraguayos
o a peste devaatavam. E aquella activi-
dade e coragem, intclligencia e abenegacSo
na paz, se multiplicaran! na guerra; e
quer como medico quer como operador
eil-o em luta incansavel contra os elemen-
tos destruidores do inimigo e o virus-mor-
bido da peste. A's intemperies exposto,
esquecia-se de si para cuidar s dos outros:
a salvacjlo e bem estar de seus semelhan-
tes, era a fiamma Onde queimava aquella
mariposa, encantada pelo brilho do dever.
O Dr. Jos Augusto de Souza Pitanga!
raiasmou-se e dilacerou-se no servico da
patria.
c J doente e medicado, sabendo era sua
barraca que um soldado tinha sido acom-
metido gravemente da peste, que entao
graasava no accampamento, no delirio da
sua dedicaco, salta da cama, onde urna
transpiracao abundante lhe promettia urna
cura certa e rpida talvez, e no meio das
trevas de urna nnite tempestuosa, impedido
pelas lufidas e vigorado pela febre, l
corre o anjo da caridade a trocar a vida
pela de seu semelhante.
* AbnegacSo, sentimento exclusivo das
simas heronas, essencia pura da virtude,
destillada pelos vasos do coiacSo, mataste
o teu sectario predilecto I...
All est o pobre martyr exnime a
cabeceira do enfermo, paludo com a vir-
gem de8maiada aos ps do altar do sacri-
ficio !... Desmaiara lhe a vida na rais-
sSo do seu sublime sacerdocio.
, Bateleiro, tantas vidas salvaste da
tempestado da morte e agora quem te sal-
var ? !... J nao tempo ?... Sosso-
hrou com o seu braco despedacado no ser-
vico das ondas !.. Porm sua alma ? I...
E' ura anjo, que voou a mansito celeste e
roga a Deus pela telicidade e gloria do
Brasil!!...
Fiscalisando a 6o corpo de cavallaria jio
combate do Estabelecimento (19 de FeVe-
i-eiro de'1888)--disse o Sr. Duque do
Caxias, prov'ou mais urna vez a
snnaBBmaaasaaannBaaBaaBasapiiaj
Era n tu ral da cidae
provincia do Para.
de Obidos, da
Depois atravessou a
o rio.
Perseguiara-nos
cerca e alcanc.ou
O Arga neste lu-
gar de grande correnteza e profundo.
Procurava cora os olhos um barco,
quando Henrique, sera diminuir a carreira
e carrogando-me sempre nos bracos, ati-
rou-se no meio da corrente. Era um jogo
para elle, comprehendi-o perfeitamente.
Com 'urna das rolos levantava-me por cima
da cabca, e com a outra fendia a agua.
t Alcancamos a margen opposta em al-
guns minutos.
Os nassos iuimigos conaultavam-se na
outra roargero.
Vio procarar o vo, disse Henri-
que, nao estamos ainda salvos.
Aquecia me de encontr ao peito, por-
que estava molh'ada e tremia.
< Ouvimos inmediatamente os cavallos
galoparem sobre a outraLjaergem. Os nos-
sos nimigoe procuravadPb" vo para pasear
o Arga e perseguir nos.
Contavam que nao podaramos esca-
par-lhes por n ipo.
-uundo o : sua carreira se ex
na agua e atra-
. linha recta.
ninha que-
jaudo a
a-
a,
le
os
_
fcn-
ti-
l?a,
iz
ser muito grande para que tua Slha seja
victima desta encamisada perseguido.
Se s rica, nao podes fazer idea de
urna longa viagem atravez desta beia o
nobre trra do Hespanha, ostentando a sua
miseria orgulhosa sob os esplendores do
seu co. A miseria roa no coracao do
hornera. Sei isto muito bem, apezar de
ser muito 0109a. Esta nobre raca dos ven-
cedores dos mouros est decabida neste
momento. De todas as suas antigs e 1-
lustres qaalidade8 s conservaram o seu
orgulho de comedia, envolvido em an-
drajos.
A paysagem maravilhosa : os habi-
tantes sao tristes, pregaicosos, enterrados
at ao'pescoco'na immundicie vrgonhosa.
Aquella bella rapariga que passa, po-
tica, ao bnge e t'r.zpndo com graga a sua
eesta-;de fructas, n2o a pelle do rosto que
se s, urna mascara de porcaria. E, en-
tretanto, na Hespanha, ba rios
a O lavrador e sua mulher estavam m-
moveis como dous cadveres.
c Henrique subi ao quarto e pon 30
poia voltan cora a nossa bagagera. P to
08
e
das quatro horas da manhS,
aquella casa, montados em um
e-
deix
burro
lho que Henrique encontrn na estriban e
pelo qual ^tirou duas moedas de ouro Ira
cima da mesa
< Quando partimos, disse mulher e
marido:
Se elles voltarera, apresentem-lbes
cumprimentos do cavalbeiro Lagardri
diga-lhe8 ieto l Deus e a Vigem proteg
a orpha. Nette momento Lagardre
tora vagar paira encontrar se com elles, n
o momento ha de chegar I
1 O burro valia muito mais do qae
recia. Chagmos a Estrella ao romperla
dia e fizomos o caminho com o arrie; 1
para alcanearmos Burgos do utro lado
monta nba.
< Henrique queria definitivamente afal
tar ae das fronteiras da Franca. Os se
inirafgos eram fruncezea.
Pretenda s parar em Madrid.
Nos outroa, pobree enancas, temos
campo livre. A nossa i.naginacao trab
lha sempre, desde que ee trate de nosso
Pa'8- .'
< E's muito rica, minha mil ?
Capitao de fravnda Justino Jos de
Macedo Col mitra
O commandante Coimbra era natural do
Rio de Janeiro.
Coramandou na terrivel e gloriosa bata-
lha naval de Riachuelo a canhoneira Igu-
temy, e bateu se como bravo at cahir gra-
vementa ferido, substituindo-o o 1. tenente
O. Piraentel que.em poucos minutos cabio
no convez. Entao o valente official quer
levantar-se e assumir novamente o com-
mando do navio. Impossivel; o seu feri-
mento grave e faltam-lhe as forcas. Sur-
hespanhol aioda n2o descobrio o
mas o
uso da
t Quando em algum lugar ha reunidos
cem salteadores de estrada, chama sa a isso
urna aldeia. Nomeia-se um alcado.
< O alcaide e todos os seus adminis-
trados sao igualmente fiJalgos. Em torne
da aldeta trra fica inculta. Passam
sempre viandantes, por mais deserta que
seja a estrada, pan que os cento e um fi-
dalgo e sas familias tenham urna cebla
para comer todos os dias.
< O alcaide, melhor fidalgo que os seus
concidadaoa, tambem maia ladrito e mais
comiliao.
Tem-se visto destes autcratas come-
rom duas ceblas era vinte e quatro horas.
Mas aquellos que fazera assim ara deus da
barriga, acabara mal.
1 E' raro encontrar-se que comer as
estalagene. Ellas Bao instituidas pira cor-
tar o peecoco ao viandante, que vai para o
outro mundo sem ceiar.
O estalajadeiro, hornera orgulhoso e ta-
citurno, lotnece um monte de peina e um
farrapo cinzanto. E' urna cama. Se por
acasoo viajante nSo degoiado, duraste a
noite, paga e parte sem alraocar.
. E' intil fall ua-
)nhecido
zis.
< bacamarte guaira
no mundo inteiro
ignora que .-? I
socio
'" "*'4
s tem tres leguas a fa-
B^M
#er e
De Parapeluna at Burgos tivemos
centenas do aventuras, raas nenhuma como
a dos nossos pe seguidores. E' somonte
desta, minba mi, que te quero fallar:
c Daviamos encontral-as ainda urna vez
antes de chegarmos a Madrid.
Tinhamos tomado por Burgos, para
evitar as visinbancas das erras de Castella
a Velha.
( As economas do meu amigo gasta
vam-se rapidameate, e pouco adantava-
mos, tao cheio de obstculos era o cami-
nho. _
A narrrcSo de urna vagera em Hes-
panha parece um pouco coro um amontoa-
do de accidentes reunidos por urna imagi-
nadlo romanesca e galhoera.
3BJ
a Deixamoa afioal'atraz de na Valla-
dolid e as rendas da iua torre serracena.
Tinhamos feito mais de metade do ca-
minho.
1 Era tarde : amos contornando as
fronteiras de Leao para entrar em Seo-
via. Estavam.,8 montados no mesmo mi-
cho e nao tinhamos gua. A estrada era
boa. Tinham-nos indicado urna estala-
gem beira do Adaja, onde de7amos des-
cancar.
< Entretanto, o sol desapparecia por de-
traz das rachiticas arvoree da floreeta, que
se dirigd para os lados de Salamanca, e
nSo vamos vestigios de pousada.
t O dia cahia ; os almocreves tornavam-
ae cada vez raais raros : era a hora dos
ncontroa mus. NSo devamos ter ne-
nhuns essa noite, grabas a Deus. Foi nes-
sa neite, rainha roai, qae encontramos a
minha pequana .Flor, a minha querida,
a minha-pri-neira o nica amiga.
e^fla mnito tempo que estamos separa-
da, e, entretanto, teoo a certeza de que
ea lembra de mim.
t Doue ou tres das depois da minba
chegada a Pariz, estava na sala terrea e
cantava. De repente ouvi um grito na
ra ; julguei reconhecer a vox de Flor.
Pasaava urna carraagem, urna grande car-
ruagera de posta cora brazoes.
as estavam deacidae. J
viia engaado. Mae
eesa occasiao, rae \>az
era Pariz ? A eatr
dormind^
corti-
Tnha-me tem da-
bom quanto formoeo. Peyc
deixe de noite na estr
Henrique he
rigosso e muito
s sao pe-
1 ono cia-
quella cratiya podia s< lago, mas eu
tanto fiz e tanto atercedl que H
acabou por consentir em levar
bohemia.
1 content
< Durante
a hiato
lar
anda cha-
rato.
goH
para
a.
que paraese o macho.
i ajoelhar-me pertod
na bohemia de minha
i
'-
I
9
i
Hajor Manoel Aniones de Abren
Tomou parte nos combates de 16 e 17
de Abril de 1866 portando-se com valor.
Tomou ainda parto no ataque e tomada
de Curuz, em 22 de Setembro, e, comman-
dando o 46. de voluntarios, foi morrer de-
baixo das muralhae de Curupaty.
Major Ijula Vicente Vianna
Na batalha de 24 de Maio deatinguio-se
por sua bravura.
Sendo major do 4; batalhUo de infanta-
ria tomou parte no ataque de Hamait em
16 de Julho de 1868 e foi ah gloriosamen-
te morto.
Continua.
mimosa
adu-
nada. Nunca vi noguem mais
que Fir : era uraa graga 1
1 Flor deve agora ser urna moja
ravel. ,
< Nao sei por que tive mraediameaie
vontade de beijal-a. O ineu beijo acr-
dou-a. Retribuio-me sorrndo, raas a pve-
senca de Henrique assustou-a.
*No tenhas medo, disse-lhe en, e
o meu amigo, o meu pai, que te ha d
amar, porque j te amo. Como te cha-
mas ?
Flor. E tu ?
Aurora.
Sorrio.
O velbo poeta, murmurou ella, aquella
que fez as nossas caucSes, falla muitas ve-
zes das lagrimas de Aurora, que brilhara
como perola8 nos clices das flores. Tu
nunca choraste : mas eu choro imnitas ve-
zes.
1 Nlo sabia o que ella queria dizer com
o aeu velbo poeta. Henrique ebamava-noa.
Ella levou a mi ao peito e exclamou de
repente:
0.i! como tenho forae.
i E vi-a eropallidecer. Toraei-a nos bra-
cos. Henrique apeou-se por seu tamo.
Flor disse-nos que n3o tinha comido desde
a vespera pela roanhi. Henrique tinha um
pedsco de pao que lhe deu cora vinho Xe-
rez, que trazia no fundo d e. Cc-
rceu com avidez. Depois de beber enca-
rou cora Henrique e depois cramigo.
< Nao se parecem, murmurou1"*ella.
Porque nao tenho eu ninguem a quem
amar
Rocou os labios pela ""mSo de Henri-
que, accre8centando :
Obriga o, Sr. cavall
tito
lo me
1
If-
tii -