Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18426

Full Text

I
*
i
SABBADO 29 OE NOVEMBBO BE 1873
PARA IE\TKO B FOH4 DA PBOVIMCIA.
Por trei mezes adiantarlos..... .........
Por seis ditos idem.................
Por note ditos idem................
Por am anno idem. .... ...
W750
1S9500
109150
179000
DIARIO DE PERMMBUCO.
_________r PROPWEDADE DE MANOEL FIGUiHROA DE FARIA & FILHOS.
0. Srs. Gerardo Antonio Alves 4 Filhos, no Pari; Gon^es d Pinto, no Maranhao; Joaqnim JM de Oliveira d Filbo. no Gear.; Anlonio de Lea.* Brag-, no Aracatj ; Joao Perar. d Almeida, em lUmanguape ; Augusto GomesdaSilva.ua Parahyba ; Antonio Jose Gomes, n Villa da Itaha; Belarmino dos Santos Bulcio, em Santo Antao ; Domingos Joso da Costa Brag., em Razareth,
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joao Antonio Machaoo, no Pilar das Ala#fcs ; Aires d C., na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio,de Janeiro.
i
-------
PARTE OFFICIAL
Ministerio do iniperio.
Por despacho de Jo do corrente :
Fes-se'merco do (erode moco Gdalgo com exer-
cieio nacasa imperial a Sebasliae f-into Bandeira
waimaraes, filho legitimo do iaarechal de campo
1 irao de JaguarSo.
Foi nomeado cavalleiro da ordem da Rosa, pelos
'elev&utes service prestedos a instrttcao publi-
a, Joao Francisco da Costa Ferreira.
Foram concedidas as honras de pn'.gador da
imperial capella ao padre Dr. Luiz Pereira Gon-
.alves de Araujo, da diocese do Marianna
Foram concedidas as pensdes de 400 reis dia-
ries ao soldade -taymut do de Souza Nonato e ao
'Oldado do 12. bataihao do infantaria Jose Joa-
mini Torres, os quaes, ora consequencia de feri-
ijientos recebidos em combate, ficaram impossioi
litacos de procurar meios de imbsisteneia, depen-
dendo, porem, eslas merces da appovacao da as-
-.mblea geral.
Foram natu-alisados ciJadaos brasileiros os
-abditos portuguezes : Antuuio Bernardino Gon-
'.alves de Sa, residentc na provincia do Maranhao.
Irancisco Luu do Mm iida, na de S. Pedro do Rio
Grande da Sal, Manoel Go^es Cabral Vclho e Ma-
TiOti Ignaeie Neves, residente* nesta corte.
Por despachos de 19 do corrente :
l-oi nuineado cavalleiro da ordem da Rosa Lu-
.idio Jose Candido Pereira do Lago, em attencao
eg rdevantes services prestados ao estado.
Foi apresentada o padre Zeferino Candido Pe-
leira de Avellarna igreia parochial de Tres Cora-
-.ves da diocese de Mananua.
Foram expedidos os seguinies avisos :
2." seccao.Miuislerio dos negocios do irapc-
j.Ro de Janeiro, em 19 de novembro de 1873.
lllm. e Exm. Sr.Nao havondo incompatibilida-
do na accumulacao dos cargis de vereador o de
lute de paz, mas sdmente no exercicio simultaneo
.elles, segundo a dontrina do aviso do ministerio
ios nejocios da justiga expedido ao presidente
da bahia em 18 de abril do anno passado, em
Mrtude da imperial resolucao de 13 do dito mez,
' ;mada sobre coasulta das sewdes reunidas dos
negocios da justica e do imperio do conselho de
tado ; e approvada a respo>ta dada nesta con-
rmidade por V. Exe. a consult* ra a camara municipal da capital sobre tal as
^aaipto. 0 que me declaro em solucao ao seu
< flcio n. 4 de 23 de Janeiro uMim). Dens guar-
19 a V. Exc-Mc.noel Antonio nuarte de Azevedc.
Sr. presidente da provincia do Araazonas.
a Rio de Janeiro em li> de novembro de 1873.
iurn. e Exm. Sr. -Em offlcio de 11 de juluo ulti-
mo expoz V. Exc. as irregularidadcs praticadas
uas eleirSes a qne se procedeu para ereadores e
l-aizes de paz em setembro do anno passado, na
parocaia da Boa- Vista do Tocantins. E venfican-
dose, a vista das respectivas actas, cujas copias
."ompanharam o dito officiu : 1.", qne a mesa
(jirocbial foi organisada por eleitors e supplente3
"ieitos depois da dissolucio da eamara dos depu-
ndos, e nao pelo* da legistaiura distolvida, contra
disposto nos arts. 112 da lei n. 387 de 19 de
..gesto de i8i6 e 15 das instructs de 31 de de
'c.mbro de 1868; 2*, que foram apnradas cedalas
.:'. curnero ex:edente ao dos cidadaos que effec-
livamente concorreram a e!eir,ao; 3, que deixou de
fazer mt-ncao na acta da ultima chamada dos
votantes, dos nomes dos que nao comparcceram a
;eici(i; 4, que receberam sa votos para juizes de
pax de oat districto nao existente; resolveuogo-
rno imperial de'larar nulla as referidas elei-
goes. 0 que eommuico a V. Exc, para sea cc-
.bcimento, afimde qne haja de mandar proce
r a nova eleicao, guardadas asprescripgSesle-
(aeSi Deus gnarde a V. Exc. Manoel Anlonio
I'.uarle de Azevedo. Sr. presidonte da provincia
Goyaz. _
2.3 secfao.Ministerio do3 negocios do ircpe
rio.-Rio de Janeiro, em 17 de novembro de 1873.
lllm. e Exm. Sr.Declaro a V. Exc. em resposla
s seu oillcio de 6 do mez findo, que o governo im-
perial spprovou as seguintes decisoes por V. Exc.
nmadas sobre consulta do juiz municipal do ter
o das Barra-1: 1.* Qne nao procedera o mesmo
i de conformidada com a dontrina do aviso n
:2 de 2.'i de fevereiro de 1847, 3, convocando
-a ordem de V. Exc. o conselho municipal para
.nhefsv.^i's recursos iuterpustus das deoisoes da
junta de qualincagao, quo s e reunira em 3 de
jjcstc e 9 de setembro do corrente anno. 2.*
Que riao estando ainda approvadis pelo poder
ompe'.ente es eleitores da parochia das Barrae, c
-udo caducado os poderes dos da legislatura d'3-
-Ivida, devia ser eonvocado para fazer parte do
dito conselho, na forma do aviso n. 143 de 2 de
u.aio de 1868, l., -eieitor mais votado da paro-
.;a mais vizinhaDeus guarde a V. Exc. -Mw
:; .-Uifonia Duarte de AzevecL/.ST. presidente
provincia do Piauhy. >
Rio de Janeiro, em 17 de novembro de 1873.
lllm. e Exm. Sr.Em resposla ao seu ofJBcio de
ii do corrente, com o qual submette ao conheci-
LiCOto do governo imperial a representacao infor-
ada do vereador Dr. Frederico Augusto da Silva
Lisftoa c do supplente Dr Antonio Emiliano de
>es Tourinho, reclamando contra o exercicio do
creador major Antonio Ferreira de Barres, por
ter sido este posteriormente nomeado lancador da
rccebfdoria dessa provincia, declaro a V. Exc.
ipie a questao a qne se refere a mesma represen-
. jo acba-se decidida pelo aviso n t?3 de 22 de
iarep de 1867, 2., o qual declara incompativel
i cargo de vereador com os empregos de fazenda.
I'eus guado a V. Exc. Manoel Antonio Diurte
\:.nedo. Hr. presidente da provincia da Ba-
Rio de Janeiro, em 17 de novembro de 1873.
lllm. o Exm. Sr. 0 goverco imperial rcsolveu
.. orovar os a<:tos pelos quaes essa presidencia,
iciarando nullo3 03 Jrabalhos de qualiflca^ao de
. iantes effectuados este anno nas freguezias da
.. :pital de Jaguariabyva, do Iguassil e de S. Jose
13 Pinhaes, ordenou.qua se reuaissem novamen-
... as juntas de quaiitkauao, noe termos da lei. visto
rae : Na I." das referidas freguezias nao se con-
:iuiram no prazo legal os trabalhos da I.' renniao
:, junta. Na 2.*, alera de oatras irregularidades,
enstituio-se a junta com pretorigio do disposto
i.o art.?.* e seguintes do decreto n. 1,812 de 23
agosto de 1856. Na 3.* effectuaram-se os tra-
Ihos, apezar de achar-se io^iupleta a junta por
riia de comparecimonlo de am mesario que nao
>ra suDstituido. Na *.' finaknente, fui nomeado
^inbro d> junta, e corao tal funccionou, um ci-
aadao nao qualificado. 0 quo declaro a Vi Exc.
am resposta aos ufflcios ns. 21, 30'3t e 34 de 18
do abrfl o 28 de jnnho nltimo?.Deus gnaMo a
V..Exc-Manoel Antuuio Dw-rte it Azevedo.
Sr. presidente da provincia do Parana.
Hij de Janei'o, em 12 de novembro dc 1873.
nun. Kxi;i. St."Deilaro a V. Exc, err. resposla
i ;uu officSo da 0 de oulubra nltimo, que o go-
verno imperial approvoo as seguintes decisoes
nor V. Exc. lomadas : l. Que, teada sido annul-
iada por aviso de 22 de julho ultimo a eleijao de
vereadores do mnnicipio das Barras, deviam nova-
.nenn entrar em exercicio os vereadores do ?jaa-
riemiio findo, ate a po-se dos qne forem eleitos,
de cooformidade com o aviso n. 540 de 15 de no-
vembro do 1861. 1* Que, nao podeado deitar de
3er ^peitados e aantidos em lodos os eus effei-
ios oti artoi regularmente praticado* pelos veroa
dores e juizes fto paz qne tiverem a<*nmMo e
xerctdo em boa fe aa respectivas funccoes, se-
3o a du'.itriaa do aviso n. 185 de 25 de outu-
bro do 1869, devia servir para a ^Jgjeao a que se
:a proceder a qualificacao feita n^ ....^ento anno,
estando cmcluida, na> obstante t6-la presidido o
juiz de paz cuja eleieao fura tambem annnllada na
mesma occasiao. Deus gnarde a V. ExcMa-
noel Antonio Duarte de Azevedo. -Sr. presidente
do Piauhy.
Por" decreto de 12 do corrente anno foi con-
cedida a Associacao Typographica Litteraria a ne-
cessaria autorisacao para funccionar e foram ap-
provados os respectivos estatntos.
Tern elia por tim editar obras originaes de auto-
res brasileiros, exercendo o commercio de livraria,
typographia, litnographia, xilographia e autogra-
phia, com seus diversos accessorios, comprehen-
dendo compra e venda de mannscriptos e de
obras que por sen merecimento devam set* repro-
duzidas.
o seu capital sera de 500:000*000 divididos
em 10,000 accoes de 50* cada uma, podendo ser
elevado ao dobro, se a directoria assim julgar con-
venient?.
Aind Miniaitcrlo da justiVu.
Pordecretos de 5 do corrente :
Foram rcmovidos :
0 juiz de direito, conselheiro Joao Lustoza da
Cunha Paranagua, a seu pedido, da 3* vara civel
para a 1" de orphaos da corte, ambas de 3* on-
trancia.
0 juiz do direito Antonio Barbosa Gomes No-
gaeira, a seu pedido, da comarca de Itaborahy,
de 31 entrancia, na provincia do Rio de Janeiro,
para a L" vara civel da corte, da mesma eutran-
cia.
0 juiz de direito Julio Accioli de Brito, da co-
marca do Rio Bonito, de 2* eatrancia, na provincia
do Rio de Janeiro, para a 3' vara civel da corte,
da 3' entrancia.
0 juiz dc direito Raymundo Furtado de Albu-
querque Cavalcante, da comarca de Paranagua. de
i' entrancia, na provincia do Parana, para Valen-
ca, de3* entiancia, na do Rio de Janeiro.
0 juiz de direito 'use Maria do Valle, a seu pe-
dido, da comarca de Santa Maria Hagdalena, para
a do Rio Binito, ambas de 2" entrancia, na provin-
cia do Rio de Janeiro.
0 juiz de direito Joao Braulio Moinhos de Vi-
Ihena, da comarca de Jacury, de 1* entrancia, para
do Rio-Verde, de2", ambas na provincia de Minas-
Geraes.
0 juiz de direito Joao Hircano Alves Maciel, a
ieu pedido, da comarca do Bonito para a de Na-
zareth, ambas de 2* entrancia, na provincia de
Peraambuco.
0 jniz municipal e de orphios Joao Candido da
Silva, a seu pedido, do termo de Itapemirim para o
do Cachoeiro de Itapemirjm, arabos na provincia
do Espirito Santo.
Foram nomeados juizes municipaes e de or-
phans :
0 bacharel Ignacio Vieira da Silva (Joqueiro, dos
te.'mos reunidos de S. Luiz Ganzaga e Coroata na
privincia do viaranhao.
0 bacharel Jose Jansen Ferreira Junior, do ter-
mo de Grajahu, na mesma provincia.
0 baciurel Satyro Raymundo dos Santos, do ter-
mo dc Riachao, na me.-ma provincia.
Foi concedida ao bacharel Francisco de Paula
Ferreira e Costa a demisslo que pedio do Ingar de
juiz municipal e de orphaos do termo de Lavras,
na provincia de Minas-Geraes.
Fez-se merce a Francisco Ribeiro Costa Vascon-
cellos da servuntia vitalicia dos oiBcios de label-
hao e escrivao lo geral, civel e crime do termo de
Goyanna da provincia de Pernambuco.
Foi perdoado ao reo Simeao Alves da Silva o
resto da pena de quatro anno? e n.eio de prisao
com trabalho e multa correspondente a metade
do tempo, que Ihe fora imposta em virtudo da de-
cisao do jury do termo de Mage na provincia do
Rie de Janeiro, por crime de offensas physical
graves.
Foi commutada :
Na pena de 12 aonos de prisao com trabalho,
que sera cumprida na casa de correcao da cidade
de S. Paulo, a de prisao perpetua com trabalho im-
posta ao reu Jose Pires da Cruz, em virtude de
decisao do jury do termo de Mogy-mirim, na mes-
ma pruviccia, por crime de homicidio.
No minimo do art. 237 3 do codigo criminal, a
pena de 4 annos de prisao e multa imposta ao reo
Balduino Jose de Souza Magalnaes pelo juiz de di-
reito do 3 districto criminal da capital da Bahia,
por crime de injunas impressas.
Na pena de gales pcrpetuas a de morte imposta
ao reo escravo Escolastico, em virtude de decisao
do jury do termo de Larangeiras, em Sergipe, por
crime do homicidio.
Por decrelos de 22 do corrente foi dispensa-
dc, a seu pedido, o juiz do direito Manoel da Silva
Rego. do cargo de chefe de policia da provincia do
Ceara.
Foram removidos:
0 juiz de direito Jos.- Antonio de Mendonca, do
cargo de chefe de policia da provincia da Parahy-
b.\ para igual cargo na do Ceara.
0 juiz de direito Didimo Agapito da Veiga, da
ccmarca de S. Fidelis, do 2' entrancia, para a de
Itaborahy, de 3', ambas na provincia do Rio de
Janeiro.
0 juiz de direito Abel Graca, a sea pedido, da
comarca do Goyanna, de 2* entrancia, na pro-
vincia de Pernambuco, para a de Santa Maria
Magdulena, da mesma entrancia, na do Rio de Ja-
neiro.
Foi nomeado ojuiz de direito Manoel Caldas
Barreto, para o cargo de chefe dc policia da pro-
vincia da Parahyba.
Foram designadas:
A comarca de S. Fidelis, dc 2-1 entrancia, na
provincia do Rio de Janeiro, para nella ter exerci-
cio o juiz de direito Domingos Monteiro Peixoto,
fisando scm effei lo a designacao anterior da comar
ea do Baireiros, da mesma entrancia, na provincia
de Pernambuco.
A comarca de Barreiros, de 2* entrancia na pro-
vincia de Pernambuco, para nella tor oxercicio o
jniz de direito Manoel da Silva Rego.
Foram nomeados juizes municipaes e de or-
piiaos:
0 bacharel Jose Marcelino de Souza, do termo
do Nazareth, na provincia da Bahia.
0 bacharel Aureliano Augusto Pereira de Car-
v&lho, de termo do Flores, na provincia d3 Per-
nambuco.
i. bacarel Theotonio Raymundo do Brito, do3
termos reunidos de Cacaoeira e Monsara*, na pro-
vincia do Para.
Foi reformado, a pedido :
Decio de Aquino Fonceca, tenente-coronel corn-
man iante do 1* bataihao de arlilharia da provin-
cia de Pernambuco, no posto de coronel.
Fez-se merce da serventia vitilicia dos officios
para quo foi provisoriamente nomeado :
A Antonio Joaquim de Oliveira Noronha, dos
9 do cm'.idor o distribaidor do termo de Ita-
baianoa, na provincia de Sergipo.
Foi perdoado ao reo Silverio Lopes JFerreira o
reto da pena de sete annos de prisao simples im-
Sosta em virtude de decisao do jury do termo de
tar de Hepanha, na provincia de Minas-Geraes,
por crime de homicidio.
Foi commutada na pena de prisao perpetua com
trabalho. a de morte imposta ao escravo Jannario,
om virtud) de decisao do jury do termo da capi-
tal da provincia do Rio Grande do Sul.
Foram expedidos os seguintes avisos :
a Rio d Janeiro, 14 de novembro do 1873.
lllm. e Exm. Sr. Level a presence de 3. M. o
Im^rador o ofDcjo de V.Exc. n. 117 dc 10 de julho |
ultimo, acompanhando a consulta feita pelo 4s
juiz substitute da comarca do Recife, a respoito
das duvidas segu intes : Sc nas sentencas de
que trata o art. 68 1" do decreto n. 4,824 de 22
de novembro de 1871, acha so ou na > subenten
dida a condicio de serem ellas definitivas ou com
forca definitivas. 2* Se quando os juizes subst-i
tutos funccionam com jurlsdiccao parcial, por
imnedimento dos effectivos, podem concoder diia
c5es para fora do imperio, e proferir despachos
de abertura de fallencia. E o mesmo aagusto
senhor manda declarar a V. Exc que, segundo
a doutrina do aviso dirisldo ao presidente da Ba-
hia em 13 de marco do corrente anno, os juizes
substitutes coimauxiliares dos juizes de direito das
comarcas especiaes no preparo e instruccao dos fei-
tos civeis estio inhibidos de proferir qualquer seu-
tenca por cuja expressao entendem-se todas aquel-
las de qufe caiba appellacao ou aggravo de peti-
clo on de instramento, nos termos do 1'da
art. 68 do decreto n. 4,824 de 22 de novembro de
1871, qne e appticavel ao caso da substitui;ao
reciproca a vista da 2' parte do dito paragrapho
e art. 4 1 do citado decret >. Nao podem pois,
os juizes substitutes proferir despachos de aber-
tura de lallencia, nem conceder dilaroes para fora
do imperio, porque de taes despachos ha > re-
curso de aggravo. Deus guarde a V. ExcMa-
noel Antonio Duarte de Azevedo.Sr. presiden-
te de Pernambuco.*
3.* seccloMinisterio dos negocios da juui-
ca. Rio de Janeiro 13 de novembro de 1873
Blm. e Exm. Sr. Foi presente a S. M. o im-
perador o offlcio de V. Exj., n. 154 de 27 de
Janeiro ultimo, sobro a seguinte duvida' suscitada
pelo onselho de revista da gmrda nacional de
Cacapava : t se devem considerar-se dispensados
do servico activo os guardas, que tendo sido desig-
nados na forma da lei, ceucorreram proraptarami-
te para o servico da gnerra contra o Paraguay
E o mesmo augusto senhor, confarmando-se por
sua immediata e imperial resolur-ao de 5 da cor
rente mez com o pareeer da secaa dos negecios
da justica do conselhs de estado, boave por bem
decidir que, em virtude do decreto n. 3508 de
30 de agosto de 1865, ficaram extensivas aos guar-
das nacienaes naqnellas circumstancias as vauta
gens, que pelo decreto n. 2,371 de 7 de Janeiro
do mesmo anno, foram concedidas aos voluntaries
da patria ; e portanto estao elles isentos nao
so do servico do exercito e marinha, como do ser-
v co activo da guarda mcional, quando nao se
queiram piestar voluntariamente. Deus guarde a
V. Exc Mantel Anlonio Duarle de Azevedo. -
Sr. presidente da provincia de S. Pedro do Rio
Grande do Sul.o
Ministerio da fazenda.
Decreto u. 6,468 de 19 de novembro de 1&73.
Hei por bem que coutinuem em vigor as dispo -
sifdes do decreto n. 3.631 de 27 de ma reo de 1866,
qne pennittem as embarcac7>es estrangeiras a na
vegagao de cabotagem, ate que seja regalado de-
(Initivamente este servico, de conformidade com
o^arL II, i 5 da lei n. 2,348 de 25 de agosto do
corrente anno.
O visconde do Rio Branco, eense'.heiro de est ado
senador do imperio, presidente do conselho do ml-
nistros, ministro e secretario de estado dos nego-
cios da fazenda e presidente do tribunal do (he
souro nacional, assim o tenha entendido e faca
executar. Palacin do Rio de Janeiro, em 19 de
novembro de 1873, 52" da mdependencia e do im-
perio. Com a rubrica de S. M. o Imperador.
Visconde do Rio Bianco.
Decreto n. 5,469 de 10 de novembro de 1870.
Usando da autorisacao ronferida pela lei n. 2,348
de 25 de agosto nltimo, art. 7, S unica n. 4, hei
por bem decretar :
*rt. 1.* Na casa da nioeda se cunharao moela*
de bronze do valor de 40 re., para auxiliar a subs-
tituicao das antiga^ de cobre.
Art. 2. As referidas moedas tcrio de peso 12
grammas, e 30 nillimetros de modulo ; a sua liga,
toleratcia e mai caracteristicos serao os mesmos
marcados no decreto n. 4,019 de 20 de novem-
bro de 1867 para as moedas do 20 e 10 reis do
dito metal.
Art. 3* 0 ministro da fazenda dara a* instruc-
coes necessarias para o recolhimento da moeda
de cobre em circulacao, e fixara opporlunamente
a epoca em quo deixarao de ter curso lezal.
Ar. 4" Ficam revogadas as disposi^Ses em con-
trario.
0 visconde do Rio Branco, conselheiro de esta-
do, sena tor do imperio. presidente do conselho de
ministros, ministro e secretario de estado dos ne-
gocios d fazenda, c presidente do tribunal do
thesouro nacional, assim a tenha entendido e fa?a
executar. Palacio do Rio de Janeiro om 19 de
uovembro de 1873, 52 da mdependencia e da
imperio. Com a rubrica de S. M. o Imperador.
Visconde do Rio Branco.
Ministerio dos negocios da fazenda.Rio de Ja-
neiro, 17 de novembro de 1873.
0 'isconde do Rio Branco, presidente do tribu-
nal do thesouro nacional, determina que, para
execuclo do art. 3* do decreto n. 4,721 de 29
do abrll de 1871, se observem as seguintes ins-
trnccOos :
Art. 1." As recebedorias e collectorias do impe-
rio e na falta destas as alfandegas e mesas de ren-
das onde se arrecada o imposto do sello, incum-
be a lotacao nos empregos, officios de justica e
beneficios ecclesiasticos de venclmento variavel
que nao estiverem definitivamente lotados.
Art. 2. Os cbefes das mencionadas estacoes, ou-
vindo por escripte cs serventuarios dos empre-
gos que tiverem de ser lotados, e outros fanceio-
narios e pessoas qne possim ministrar esclare-
cimentos, proferirao 05 seus despachos, designan-
do a lotacao da vencimento provavel de um anno
com declaracao da quota lixa do ordenado, grati-
Gcacao ou congrtia, e da variarel que consistir cm
porcentagem, emolumentos ou qaaesqaer outros
proventos.
Art 3." Proferido o julgamento da lotacao, sera
delle intimada a parte interassada, que podera,
dentro de 10 dias, apre^entar qualquer reclama-
cao que tenha a fazer, adduzindo pjr- essa occa-
siao iovos doeumer.to? e provas para jastifi-
ca-la.
Art. 4." Julgada improcedente a'reclamacao, ad-
mittir-seha reenrse para a auteridade superior
que e na corte e provincia do Rio de Janeiro o
ministro da fazenda, e uas outras provincias os
inspecteres das thesoararias de fazenda. 0 dito
recurso devera ser interposto dentre de 3 dias
contados da intimacao, e sem effeito snspansivo
Art. 5.* os casos om qac sc nao der o recur-
so do artigo antecedent, nem a reclamacaa de
3ue trata o art. 3, a lotacao sera consideiaJ..
efinitivamente feita, devendo flcar arcbivado na
estacao que a ella pre::den., o espectivo proces-
so, do qual so retr.ettera nbticia minuciosa, na
corte e provincia do Rio de Janeiro, a directoria
geral das rendas, e, nas outras provincias, as
competentes thesourarias de fazenda.
g l. Das infbrmacdos a que so refere este ar-
tigo setirarao das notas necessarias para o assen-
taraonto, em livro proprso, das letacoes dos em
pregjs na corte e provincias.
g 1 A directoria geral das rendas e as thesou-
rarias de fazenda ministrarao as reparticoes en-
carregadas da arrecadacao das rendas internas
nma ielacio exacta das empregos que tiverem si-
do lotado-.
Art. 6.* D.ts decisoes definitivas sobre lotacQes,
proferldas em grao de recurso. se dara c nheci-
mennto, por intermedio da directoria goril das
rendat, na &irte e provincia do Rio de Janeiro, e
das tnwourarias de fa'.enJi, ins. oatras provincia;,
a? estagpes aue procederam as ditas lotacoes, do-
volvewfc-se Ihes os respectivos processos para so-
rent artbivades na forma da art. o."
unico. Antes dessa devolucao farse-ha, a vis-
ta do processa, o devido assentamento ua livro do
que trata o 1 do citado art. a."
Art. ." As hitacdesdas empregos, ofticios e be-
neficios estipendiados pelo estado sc averbarao nos
livras de assentamento dos respectivos funcciona-
rios e bem assim nas folhas de pagamento, para
proceder se a cobranga do sello, nos termos do
art. 2' do decreto n. 4,721.
uaico. Para ease fim dar-se-ha conheciraenta
as conladorias do thesouro e das thesourarias, que
tern a seu cargo o asseatamento e processo das fo-
lhas de pagameato, das lotatoes e dos termos em
que foram feitas.
Art. 8. As estacoes fiscaes dos municipios de
fora das capitaes, quando autorisadas para pagar-
os venciraentos das serventuarios sujeites ao im-
posto, precederao a cohranca deste aa forma pres-
cripts no citado decreto e circulares de 2 da raaio
de 1870 e 5 demaio de 1871. -
Art 9.* Nao se formarto processos de lotacao
dos veacimentos dos empregados das alfandegas.
recebedorias, mesas de rendas e collectorias.
unico. Estes vencimetos seraa calculados nas
conladorias da thesouro e das thesoararias, regu
ladas as porcentagens segundo o termo medio dos
tres ultimas exercicios, e snhmettidos os calculos
a apprava^o do ministro da fazenda, na corte, e
dos inspecteres de thesourarias, nas provincias.
Art. 10. A lotacao dos venciraentos variaveis so-
ra renovada todas as vezes que, em virtude de
quaesnuer disposicoes legaes, farera augmentados
os rendimentas da lugar lotado; c bem assim
quando o thesouro ou as thesourarias de fazenda
tiverem provas de que nas lotacoes feitas se nao
attendeu deyidamente aos legitimos interesses da
fazenda naiional.Visconde rfj Rio Branco.
Por titulos do 19 e 20 do corrente foram no-
meados :
Abridor da casa di moeda, Ernesto de Souza
Reis Carvalho.
Ajudante do mesmo abridor, Felippe Nery da
Costa Ferreira.
Official de descarga da alfandega da corte, Joa-
quim Bandeira de Gonvea Filho.
Fiel das balances da casa da moeda, Jose Mar-
tin ho Corn; a.
Par titul.) de 17 do corrente foi nomeado Ca-
tao da Camara Barcellos para servir interinamen-
te o lugar de I* conferente da alfandega ds Uru-
guavana.
j for aviso d i 15 do corrente, foi nomeado o
conselheiro Antonio Jose de Bem, para fiscal da
Banco Predial, fieando encarregado de, na forma
das mstruccoes que acompan arao o referido avi-
so, J^stir ao sorteio daa leiras hypothecarias e
BscSWir as operacoes relativas aos emprestimos
faitos earn aquellas ietras.
Minister!* da guerra.
Par decretas de 19 do corrente :
De conformidade com o 2 do art. 22 do regu
lamento que br.ixan com o decreto n 772 de3l
de marco Je 1851, foi promovido a capitao gra-
duado do corpo de estado maioi |.le 2* classe. o
tenen te do mesmo corpo Leopoldo Frederico Duar-
te Nunes.
Concedeu-se ao 2' tenente aggregado a arm a de
artilharia, Francisco Martins dos Santos Junior, a
demissao que pedio do servico do exercito. _
Foi nomeado capellao alferes da reparticiio ec-
clesiastica do exercito, o padre Jeao da Costa Pe-
reira.
Foi transferido para a 4* companhia do I6# ba-
tolhao de infantana, o capitao do t8* da mesma
arma Pedro Joaquim Alves.
Em virtude da immediata e imperial resolucao
de 20 de julti > de 1870, tomada sonre consulta do
conselho supremo militar, passon a aggregado a
arma a que pertence o tenente do 20" bataihao de
inl'antaria Justino da Silveira.
De conformidade com as immeJkitas e impe-
rises resolucoes de 12 do corrente mez, tomadas
sebre eonsultas do conselho supremo militar :
Concedeu-se reforms, nos termos da 1* parte do
art. 9 da lei n. 1648 de 18 do agosto de 1852, ao
capitao do 21 balalhae de infantaria Floriano Le-
mos do Prado, visto soffrer molestia incurayel que
o torna incaoaz de conlinuar no servico.
Foi reformado cam tantas vigesimas quintas par-
tes do respective soldo, quantos forem os aonos
qne liver de servico, na forma do | 2 do art. 90 da
lei n. 648 do 18 de agosto do 1852, o tenente do
4 bataihao de infantaria, Joaqnim Aves Feitosa,
visto estar eoncludentemente provada a irregula-
ridade de sua conducta, deflnida segundo o art.
166 do cadig) penal
Concederam-sc as seguintes honras dos postos
militares do exercito :
De major ao capitao reformado do mesmo exer-
cito, Francisco Antonio Carneiro da Cunha, em at-
tencao aos bans services que prestou na camp a-
nha do Paraguay e ao grave ferimento que rece-
beu no cimbate da ilha da Kedempcio, na madru-
gada do dia 10 de abril de 1866.
De capellao tenente da repartiQio ecclesiastica
do exercito, ao capellao tenente de comraissao, co-
nego Fortunato Jos6 de Souza, em attencao aos
bons servicos de saa profissao, que durante quasi
5 annos tem prestado junto ao exercito na repu-
blica da Paraguay.
Por portaria de 15 :
Concedeu-se aa capitao reformado do exercito
Jose Francisco Machado a exoneracio que pedio
do lugar de encarregado do deposito da ilha do
Boqueirao.
Foi nomeado para o referido lugar o tenente
timbem reformado, Joao Jose Bazilio Pyrrho.
Foi transferido do 17 para 18' bataihao de in-
fantaria o alferes graduado Francisco Mendes de
Amorim.
Do 17 : ,
Foi igualmeuto transferido d) 7 bataihao de
infantaria para a companhia da mesma arma de
S. Paula, o tenente Antonio Jose da Silva Vivei-
ros.
Del8:
Concedeu-se troca entre si de corpo;, aos alfe-
res Seraflra Jose Ferreira e Silvestrc Goncalves
Passos, este do 20* e aqnelle do 15 bataihao de
infantaria.
De 19 :
Teve lieenca para residir na corte, o soldado
reformado Francisco Jose de Souza, devendo ser
pago do seu soldo pelas respectivas companhias de
refonmdos.
Nao foram agraciado3:
0 reo Jose Maciel de Arauio Rijo, ex alferes ho-
norario, condemnado em II de outubro de 1871 a
4 annos de. prisao com trabalho, em virtude de
decisao do conselho snpremi militar dc justica, por
crime da extravio de dinheiros.
O reo Joaquim Manse llispo, ex-corneta- do 10*
bataihao de infantaria, condemnado em 2 dp
agosto de 1873 a 20 annos de prisao com traba-
lho em virtude de deci-ao do conselho supremo
militar de justica, por crime de morte e resistencia
a ordem de prisao.
Ministerio da marinha.
Mo decreto n. 8,163 de 12 do corrente foi rcs-
tabelecida a capitania do porto de Santa Cathariaa.
- Foi expedido o aviso seguinte:
Rio de Janeiro, 14 de novembro do 1873. -
lllm. e Exm. Sr.Prohibindo a novissima lei para
as promocoes da armada o emprego de offlciaes do
quadro em reparti<;5s estranhas ao servico naval
activo, sem que, nos postos em que se acharera,
tenhara tres annos, pelo menos, do embarque em
navios de guerra ; e havendo tio sensivel falta de
2." tenentes, de moao a nao ser ainda possivel
dispensar os-de eommissao, imparfeitamente habi-
litadoi para o desempenho das obngacoes que
thes pertencem : S. M. o Imperador, por imraedia-
da resolucao de_ 12 do corrente, tomada sobre
consulta da sec^ao da guerra e marinha do con-
selho de estado, houve por bem indeferir a pre-
tenclo do 2. tenente da armada Antonio Augusto
da iosta LacerJa Junior a inscrever-se no con-
curso para o provinvmto de um lugar de professor
do externato da escola de marinha. 0 que a|V.
Etc fago constar para os devidos effeitos, e em
relajao ao seu officio n. 820 de 25 de julho ultimo.
Deus guarde a V. Exc -Joaquim Delfino Ribeiro
da Luz. -Sr. ajudante general da armada.
Minister!* dos estraa^eiros.
Cons to u ao governo que as rejentes sessSes se
cretas do congresso argentine tiveram por objecto
a discussao de um projecto de allianca hostil aa
imperio. A legacao em Bucnos-Ayros teve or-
dem para se dirigir a esse rospeito ao governo
argentin >. A explicacao por este dada consta na
nota abaixo transcripta:
Traduccao. Ministerio de relucees exteriores.
Buenos Ayres, 3 de novembro de 1873. -Sr. mi-
nistro. Tive a honra de receber a nota do 31 do
passado sobre certos rumores de guerra por moti-
vo das sessoes secretas do congresso.
Como o governo imperial, o actual governo ar-
gentino, Sr. ministro, consid^ra a paz como um
dos maiores benelicios para estas regides ; pode
V. Exc estar certo quo nunca provocara do sua
parte uma guerra nem celebrant allianca que
possa importer no mesmo.
Einquante atein disso, a republica se achar uni-
da ao imperio pelos vinculos da allianca que deu
por terra com o poder invasor do Paraguay, o seu
governo tera com estes sentimentos geraes,'um de-
ver de lealdade, de igual preco para elle, e que
por si so scria bastantc para assegurar ao imper'o
de qne nada 6 capaz de fazer contra as boas e
pacific!.s relacoes quo felizrnentc existem.
*e ainda nao nos temas podida entender na
questao dos tratados definitives de limites com o
Paraguay, sabe pouco ne.-ta circumstancia motivo algum que faca
receiar a perturbacao da paz, disposto como se acha
o governo argentmo a llmitar-se a execucao do
resto do accord a de 19 de novembro, e a esperar do
tempo e dos factos a consagraciio do seu direito.
Aproveito a occasiao para reiterar a V. Exc. as
segurangas de minha mats alia e perfeita conside
racao.
A S. Exc. o Sr. barao dc Araguaya, enviado ex-
traordinario o ministro plenipotenciario de S. M. o
Imperador do Brasil.Carlos Tejedvr.
( niiuuaildu U|Mi-l QUARTEL DO COMMANDO SUPERIOR INTERINO DA
GUARDA NACIONAL DO MUNICIPIO DO RECIFE,
28 DE NOVEMBRO DE 1873.
Ordem do dia n. 136.
Devendo haver corteja a euligie de S. M. o Im-
perador, no palacio da presidencia, pelas 5 horas
da tarde do dia 2 dc dezembro vindoum, anniver-
sario natalicio ao mesmo augusto senhor, em nome
de >. Exc. o Sr. commendador presidente di pro
vinria, convida a todas os Srs. offlciaes do servico
activo e da reserva da guarda nacional desta ca-
pital, bem como aos reformados, para assistirem a
esse act).
Os Srs. commandanles dc corpus da activa man-
darin as musicas dos mesmos tocarem nao so na
occasiao do cortejo, como ao recolher do dia 1, e
na alvorada e recolher daquelle dia, cm frente ao
referido palacio.
Rodolpho Joao Barata de Almeida,
Coronel commandante superior interino.
EXTERIOR.
de chama
Wanderley
Conaninndo das arnaas.
QUARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
DE PERNAMBUCO, EM 28 DE NOVEMBRO DE
1873.
Ordem do dia n. 780.
0 brigadcir- commandante das armas convida
aos Srs. offlciaes dos corpos arregiinentados, es-
peciaes, honararios e rotormados do exercito a
comparecerom ao palacio da prosidencia as 4 e
raeia horas da tarde do dia 2 de dezembro proxi-
mo vindoure, anniversario natalicio de S M. o
Imperador, afim de assistirem ao cortejo que as 5
horas sc tem de fazer a efflgio do mesmo augusto
senhor.
0 mesmo brigadeiro declara que_ hontem se
apresentou o Sr. tenente do 9.* bataihao de infan-
taria Alfredo Ramos Chaves, vindo da provincia do
Ceara, no v por Bahia, e segundo constau de
offlcio da presidencia de 27 deste mez, doixou o
referido tenente de recolher-se opporlunamente da
lieenca que gozava naquella provincia, em conso-
quencia dos desarranjas que saffreu o vapor Ipo-
juca, da companhia pernanbucaaa, em o qual
pretendia seguir para esta provincia. Justiflcada
assim a sua falta, flea sera effeito a ordem do dia
de 17 do corrente sob n. 777, que o censiderou
ausente, bem como o respective edital
mento.
(Assignado.) Manoel da Cunha
tins.
Conformc0 major, Jose B. ds Santos Mer-
pilhao,- ajudante de ordens encarregado do de-
laine.
Be|*artieSo da polieia.
t.' secclo. Secretaria da policia de Pernambuco,
28 de novembro de 1873.
N 1957.lllm. eExm. Sr Participo a V. Exc
que hontem nao foi recolhido individuo algum a
casa de detencao.
Por officios de 8 e 10 do corrente communicou-
me o delegado de Ouricury que, as 6 horas da
manha do dia 8, no lugar Tocano, do districto da-
quella villa, Joao Pajeti assassinou com um tiro
o onze facadas a Cassiano Bezcrra, sendo com-
plices de semelhante crime Isabel Maria de Jesus
e saa irma Agueda Maria de Jesus, amazia de Joao
Pajeti, as quaes ja c acham recolhidas a prisao.
Qne as onze horas da manha do dia 9, naquella
villa, Quirino Pereira de Almeida espancou bar-
baramente a sua propria mulher, Ignacia Maria
daConceicio, sendo preso cm flagrantc ; que so
hre taes factos procedeu aos competent.'* inqueri-
tos, e romettco-os ao Dr jniz municipal.
0 subdelegado do Peres coramunicou-me em
offlcio de hontem, que no dia 25, um escravo de
Francisco Casado da Fonceca, praprietario do en
genho Jangadinha, daqaellc districto, na occasiao
em que deitava azeite nos denies da radetc da en-
geaho, que ctnva moenda, fora aicancado pelo
rodete e arromcrado no cavoco, e ahi partindo a
roda d'agua os" dous bracos, disto resulton a
morte. .,
- Deus guarde a V. Exclllm. o Exm. Sr. com-
rnendader Henrique Pereira de Luceaa, dignissi-
aio presidente da provincia. -0 cnefo de policia,
Antonio Francisco Corraia de Araujo.
Correspoadeneia do Diarlo de Per
nambaeo.
BUENOS-AYRES 8 DE NOVEMBRO DE 1873
I
A diplomacia, essa chave de ouro do destine dos
povos, continua a ter a palavra na questao de li-
mites desta republica com o Paraguay.
Corre a penna, trabalha a intelligcncia, para
ver se consegue impedir o. retinir da espad i e o
nbombar do canhao ; e humanamente fallando.
Deus queira que tal resultado se possa eonseguir
para nao termos mais tarde de lamentaras delo-
rosas consequencias de uma guerra ; mas, e pre-
ciso que isto se faca rrspeitanda-se os principios
do direito e tomando-se por bussola a razao o a
justica.
Consta aqui, surdamente, que o governo argeu -
tino anda muito receioso, para nao dizer aterao-
risado, de qualquer complicacao com o Brasil.
porque actualmente nao node de modo algum rea-
gir contra ell-*, o assim trata de adiar a soluclo
da presente questao, procurando ombair ao nosso
governo com palavras doces e amigaveis, quando
no entretante, os factos o attestam, e esta re-
publica o maior iuimigo que tem hoje o imperio
da Santa Cruz
-A noticia mais Importante destes ultimo-"
dias, e a de um grande conflict.! que houve m
praca da Victoria, no dia 1* do corrente por vol-
te das 5 horas da tarde, entre dous grapos dos
partidos mitrista o alsinista.
0 diano El Argentino, que pertence a um ter
ceiro pactido. o quintanista, e o quo relate o facto
com mais imparcialidade, e por isto traduirncs
delle o seguinte :
Como estava annunciado, os partidarios da
candidatura Mitre, se reuniram na sabbado, no
theatre das VarieJades, com um grande numero.
Os partidarios da candidatura do Sr. Alsina.
que tambem a ultima hora resolveram celebrar
uma reuniao em Palermo, desde a noite anterior
estavara reunidos na typographia da Politic i, si -
tuada na praca da Victoria, de onde deviam sa-
bir para o ponto indicate, mas isto nao se effec-
tuou.
o A's 3 e meia horas da tarde, os mitristas sa-
hiram do theatro e se dirigiram a casa do Sr.
Acosta, governador da provincia, onde permane-
ceram um memento, ate qua torn an de a ma Riva-
davia, a manifestacao se dirigio a praca da Vic-
toria.
Ao chegar em frente ao palacio arceSispal,
sahio da typographia da Politica um grupo com-
posto de vinte e tantas a trinta individnos capita
neados por dous jovens que se nos refere terem
sido, um, Ortega e outre Beccar, dando vivas ao
Dr. Alsina, e morras a Mitre, aos brasileiros, etc.
< Como era de prever, ante uma provocacio se-
melhante, alguns dos mitristas os intimarani si
lencio, p rein como estes insistissem em seus gri-
tos e ate cbagassem a tirar armas, se pDduzio
grande desordem e, a nao ser a policia qne acu
dio, ainda quo oom muiii fiamora. teria ocoorn-
do alsumas desgracas.
c Os atsinistas se retiraram em seguida ate ou
trar de novo na typographia da Politica, sendo
perseguidos com pedras e punhados de areia.
Do pateo da typographia se dispararam dous
ou tres tiros, que felizrnentc nao feriram a nin-
guem
i 0 Sr. chefe de policia comparcceu com um
piqueto de vigilantes e prendeu a dous ou tre?
dos alsinistas o ate um official de policia que es-
tava om elles.
a Ferido nao havia mais quo Beccar, que o foi
por um das vigilantes.
a Varies cavalleiros se apresenteram ao chefe
de policia, pedindo-lhe que levantasse um sumnia-
rio, para averiguar quem cram as autores de-tas
desordens que lao serias consequencias podem
trazer.
Somos informados que o Sr. 0' Gorman pro-
metteu que assim o faria, e por nossa parte na
duvidamos quo procedera com a independencia.
que o caracterisa
< Depots de conduzidos os presos para a cadeia
a desordem acalmou ate as 10 e meia da noite,
hora em quo outre grapo de individuo* qne esta-
vara na typographia da Politica se dirigio a da
Naciio, gritando novamente contra o general Mi-
tre.
A policia teve que enviar um piquete de vi-
gilantes, que fez guarda na dita typographia ate
depois de um hora da manha.
A questao dos estudantes do curso de ana-
tomia da faculdade de medicina com o lente Dr
Wild vai tomando caracter importante.
Como dissemos na missiva anterior, nao foi ac-
ceita pela congregacao dos lentes a renuncia do.
Dr. Wild, mas este insiste no seu pedido, por jul-
gar qne nao p)de e nem deve conlinuar a leccio-
nar a estudantes que nao teem p la sua pessoa
n-speito e estima.
No seio da propria congregacao estao divergen-
tes alguns dos professores, e tem havido serios
desgostos entre elles, assegurando-se qne o Dr.
Guilherme Rawson tambem vai rcnunciar o seu
cargo.
Os estudantes da Universidade se reuniram u.f
semana passada, em numero maior de 200 e de-
liberaram felicitar aos seus collegas do curso de>
anatemia pela attitude honrosa que assumiram
no conflicto Wild, nao se sujeitando as iniquas
exigencias da congregacao da faculdade.
Deliberarara tambem que houvesse uma grand-*
reuniao de estudantes para manifestarem a uaa-
nimidade de sentimentos, de qne estao dominates.
e darem uma satisfacao a sociedade de Buenos -
Ayres, diantc da qual se acham accusados de'in
sudordinados e revoltosos, provando que ao con-
trario sao homens que deliberam tranquillamentt!
em plena uso de razao.
Com effeito, veridcou-sc ante-hontem a nolle,
no theatro da Victoria, a projecteda reuniao, .ten-
do a concurrencia immensa, pois a sala estava
litteralmente cheia.
Depois de orarem alguns jovens, deliberaram.
mani fester a necessidade de uma re forma na ins-
truccao publica de Buenos-Ayres, e protester con-
tra a submissive vergonhosa a que pretendia arro-
jalos a influencia de um circuit', que apoderan-
do-se do ensino superior, nao tem as qualidadc-
necessarias para fazer fructifera a sua.missao.
.0 theatro sahiram em passeiata com uma I an-
da de musica 4 frente, c chegados a prafa da Vic-
toria, tocou-se o hymno nacional e foi dissolvida
reuniao, sera haver o menor incidente desagr: da-
vel.
No dia 5 chegou a esta capital, de volta do
Paraguay, o Sr. Dr. Luiz A. de Padua Floury, se-
cretario da legacao do Brasil nesta republica, 9
no mesmo dia assumio o exersicio de seu cargo.
Ja esta concertado e trabalhando o tatejxa-
pho electrico entre esta cidade e a de Montevideo.
No dia 4 do corrente, effectnou-se nesta ci-
dade e inaugaracia do Banco Nacional, com a as-
sistencia do presidente da republica. de todos func-
cionarios publicos e de grande numero de mem-
ores do corpo commercial de Buenos-Ayres.
A fesfa f*i abrilhantada com o* discursos do es-.
tyla.
Os jornaes de hontem noticiam quo no di* se-
guinte ao la installacao do banco, descontou elh-
um milhaa de patacSes !
E' mais um poderoso auxiliar para o
cio desta cidade, qac de dia em dia prosper.'

] wininno I
j.
r km
' "


Dtalfo de Pernambuco Sabbaao 29 de Novcmbro dc 1873.
*! A.
'i
*
tniravelmente, por causa datorrenle de emigratjao
qne espontaneamenle vein da Europa, pois nao ha
vapoi chcgado dos portos do velho-mundoque nao
traga 300 ou WO euvgranles, scndo a maior pane
hespannoes e ilalutnos.
Dizem os diaries dc hontem, que na frentei*
ta da provincia de Santa Fe, houve uraa invasao
de indios, em num.to de 300.
Annav,i se alii a guarda national para ir ba-
te-los.
As eleicoes manmpaes se procederam na se-
tnaua passada no interior da rcpablica, tendo sido
perttirbada a <>rdom pubiica om algnns higares.
Em S. Nicolao eswr* o pleito sangrerrto, pois de
urn* grande luta que houve entre os paitidos que
a disputavam, resultou duas mortcs alguns fe-
rimenlos.
Da revotucao de Enlro Rios as noticias silo
importantea, e hem desconseladofas para o gaver-
uo argentino.
Segundo consla das proprias pai I '.s oftkiaes do
coronet fiainza as foreas jorflanistas obiivcram ul-
timamer*io urn grande trinmpho, tomando a cidade
de La Pai, depois de um renhido combate, no qual
teve atropa do goverao, nae defendia a ridade, a
perda de mais de 3 W horaens entre mortos e feri-
dos, fugindo om um vapor para o Parana o res-
tanto da guarnirao.
G ataque foi dado Mm i poeas de artilharia, 60ft
homens de infantarin e 1,300 de cavallana, sr-nde
dirigido pelo general rovolutionario Benfcio fion-
zales.
Lopez Jordan pennaneeeu durante o ataque, cem
o resto do sou exercito, a 3 leguas de distancia,
no lugar deno i.mado L s Estacas.
Depois de tao e.^I.endida Victoria os jordaaistas
abandonaram a cidade, suppohd-se quo, com o
intuito de irera encohfrnr as forea* igoverrirstas do
coronel Vidal ou as do goneril V-sdia para ihes fe-
rir batalha.
Taniberrt *c die qua a eidade do Parana esta-
ameacada de scr invaSida petas tropusTevolncio
narias.
0 que ha porem de enrioso e )wm apreciavel cm
tn.lo isto, e, quo o ministro da -guerre o coronel
Oainza no mesmo telegramma em que den conta
ao president!) da republica da deprota de \a Par,
diz o segmnre : O major Reims* tomon um
contrabando de farinha Je trigo : diga-me V. Exc.
0 qne A Pampa mni chistosamente responde a1 Ho dis-
paratada pergnnta do caronel Raima, do segninte
rnodo : i Para torta* cam ella Sr. ministro Oc-
cupe-se nossa tan-fa e deixe o commando do
exercito a ontro macs aeto.

Dj Estado Oriental temes datas at'-; ante-hon-
tem.
O governo rcalisou o emprestimo para que
foi antonsado pela assembles genii.
' s contratantcs adiantam ao governo 2,100:0 0
pesos em seis mensafldades, tomando em penhor
apoiid-s do emprestimo CKtraordinario.
BAt nmprestimo sera Feembolsado no termo de
om anno, c >m os dido< do emprestimo europea.
O tianco bclga aHemao fara parte do commis-
^o qii'i o gdtvrao nomcan para reali pa o emprestimo de MMltw9 libras.
0 govcrno da ao banco os 2 I \i. por cento assig-
oada por lei, como commissao de collocacao e ga-
rantia, pagando o banco todos os gastos de corre-
lagoin, piihlica^ous, soldo dos -comimssarios d) go-
v<-rno, etc., etc.
So no lim de oito mazes o nmprestimo n.lo liver
sidu noguciado o cintrato Gcara seni eltV'ito c o go-
verno rectnhnlsara ao banco belgta allemSo to.los
os gastos jnsiiiicidos qne hoover Icito de accordo
cm os cotnmissionad.a do govorno.
A imprensa de Moirfevidoo pnblicou (e foi re-
produzida ida de R'.:enns- Ayres), alguns artigos tie
jornaes iio Hii-tsianlo d > Sill, en que se sn-t^:i-
l.i. cm ju-ti.a, i|Ui! os MSttlfetOtei do Portent quo
sef ejitregaes, pore/ie so criminosos poiitieoi.
IC-i.i 6 tamlicin ,i nos-sa npiniio, e espera.xos que
sera ieiiafineiKe a do goterno imperial.
No ilia i, iM.ingi>ri3iise o tetegr.ipno Plalino-
Brasiloifo deste Montevi-.ciate Porongos.
/ulga se quo ste tim do convnte anno, tvtui
i Kio da Praia Pin C(:n:nunicai;lo cjin o Kio de
Janeiro, e Msim di-ntra cm breve tambem com
eSM provkicia.
Ill
Do Paraguay nltiinas dalas sto de 28 de ou-
tubro.
Co'itiniiavnni o? rumores de quo brevemente
rebentaria uma nova revlui;ao.
TiaUa cliegado a A*3umpi;ao o Sr. Gnrgel
Valent,!, secretario da legacao do B asil, e a elle
passou o Sr. Dr. Fleury o cargo de encarregado de
negorius i uteri no.
As dninais noticias sao destitnidas dc inte-
resse.
IV
Das repablicas do Pacifico e da America Cen-
tral ti'ins noticias, vindos telegraphicamente de
Valpanno, ale 3 deste mez.
So Chile a caniara dos deputados apprc.vou
unaniiKcmente o direito de associar-se sem previa
penniss.i, e rejeiton uma emon la que tinha sido
aprcsontila, 4pprovou o direito de reuniao tal
cimo o fonrnikia o senado, e igualmeme o de
apresontar petio&M as autoridales.
0 dirtrto da mviolabilhdade da vida humana fji
r.jeitado par 28 viitos cou'ra 26 c juniainente o
de libtrdaile de prolissoes.
A iiiAii ai;;"i i Sunta M iria deque a instruccao
seja gra'.iita e olirigatorii, foi approvali, assim
aomo ai!.'b Dun a pigr.D'io Ktitorfs qne nl> piam
mmem,puliiicon o Merairio o scguinte artigo:
;. M m j alarmado se unnisfesta notttem um lia
rio iliste p irto, e o inotivo qne assim oinqnieta
nSo e o'.ttrj senio, haver saliido, por c.rtas p.ir-
Uculares, que o senal > argentino se reunio cm
sesso-js iiecretas, a-im lie tomar e:n considera^lo
um tratido de alliaaaa pro^nslo pelo l'eni e Koli-
via, para ontr.ihal.in.; ir > que o Chile levin ceid
brarott havia ji c-jl.liml) cono imperil do Bra-
sil.
Deso qiii! o nosso collega conta qne o sena
do do Prata rojeitut a alliau^a que se Ihe oiTi.ro-
cia, n5> vemos quo h.ija ra/.io pa a alamar-se.
Se naquela respeitavei assemble.! se houvesse si
qucr suspeitado quo o Chile tramava o tfatado
que se suppoe, 6 claro qne em vez de rejeitar o
ap.iio que se Ihe prestava, o haveria acolhido com
mil a mores.
Em Buenos-Ayres, a julgar pelo que tern dilo
seinpre aimprensa seria, seencontra melhor c n-
ceito e molhores inlencdes por mis, do que as que
1 lie iiuprestarn os jorualntas <1j Peru e da Bolivia.
A isto deve-se accresceniar que nossas relates
diplomaticas nao obstante a aspereza de alvumas
notas trocadas entre nos e o governo argentino,
nao tomaram um rumo que fa^a presumir uma
ruplura ou cousa que se the pareca.
Palavras arrogantes, bravatas as vezes mais
estudadas.do que sinceras, e tudo quanto no ter-
reno da diplomacia escrinla pade fazer-nos sentir
alguin scbresaUo ; pelo quo toca is vias de facto,
depjis le tudo, qaondo a itiiaginacso tern estado
berh i-xcilala, nao vemis material suffleienle para
um conilicto, d'aqiielles que se resolvem pelo ca-
nhao.
a Sendo assim, em que cabeca Ciibe, que por
causa de fanfarronadas de alguns palrioteiros de
Lima ou de la Paz fosse a Republica Argeotina
ioraar a serio as Jmpertinencias que se nos attri-
bueni r
E* isto impnssivel, como tambem e irapossi-
vel que o Peru, con quern cdnsorvamos, apezar
de ligeiros desabrimeatos, amigavefe rela^pe^ fos-
se tjo atrabiliario e falto de senso para metier-so
em assumptos alheios., cujos resultados nao a im-
portain absolutamente. querendo eorrer o azar
de uma cartada tao perigosa
Em visU d'isto, nia damos impartincia ae-
uhuma aos rumores 3<3 correm, e danto nao o
dam que, aioda quese nos dirigissem cartassa-
bre cajias, nao acreditiiaaios senao que algam en-
grajado pretendia divortir se a nossa eneta.
Forniar a Republica Argentina aUtasea com(
o Peril para Jeixarmos a Patagonia, e tao absur-
do como seria alliarse Portugal a Kespanha, para'
recobrar o estreilo de Gilbraltar. flue iraporta ao
Peril que o Cnile seja ou nao dono da Patagoaia,;
do estreito de llag;jbaes ? Qae importa a Sue-;
njg-Ajres que o Chile tenha u:n grao mais ao;
none, nem que a Bolivia :enha um de mais ou de.
aiebosao sul '
Sobra tudo qua itaporta a apssoa vizinhoi
aldji^ojjs Andes, que sejj ou nao corto o peasa-
m/Tnw de prep mderancia ao PaciHeo, qua so nos
snpptSe f As questSes de liraUes que sustentaraoi
n.io requerera para serein resols-idxs allian;as do
nenhum ganero; i>so seria realisar o prove bio :
lu qae hua pain, Wa me at coslas.
^ i Pelo' quo twa a verg nilia qua cabiria sobra o
Chile, se se allias.se ecm o Brasil, s.i diaemos que
nao ha muito se alliou ile com a R^nubliea Ar-
gentina a a do Uruguay para "xterminar o Para
guay. I'.iysandii reduz111 a cinza na i foi ob-ta-
culo a qae-os ddoradi- e bluncos In Montevi-
deo se leli-'iiassem de aontar cm as foreas <1ov
imnerio, chamando, d.- erata, e ai negn.
Isso
de aiar^so as poteadxs
tnes em insWd?\;oos, e assnmplo
mains unifof | cellos, idem gra > 4; Joaqnim P'.uto Dia, i.le'm grao
. ouito delnt'lo. |\ ; Joa piim FranHsco '"orTda Leal, simplesmcnte
A Europx inteir.v nos
quo. quail lo hanccessidat: socollfga
mais nagoos, p'assando por cuna de todos esses es
s sabminislra exemslos dc|gia> 3 ; Carlos AlherlP; dos Santos valanoi, p'ena
sidato socolligam duas ou nj:i:le grao i ; Fr.p.jisco Thomaz Alves Nogueira,
crapulos.
t Nao exageromos, pois, a vergonlia, nm a dor,
nem o romorso que nos causaria a allianca com
o BnjisiL basta quo Jigamos quo nao ha tal allian
fa nem tal menmo morto para que flquemos con-
tentcs, e mais contentcs alnda os qne desejam nos
ver so, em companhia unleamento de nossa pro-
pria sombra.
Os tres ullitnos periods dosto artigo encema
nma cabal respo.-to a um jornal do Buenos-Ayres
quo, se referindo a faRada alliaoc* do Chile com
o Bras!!, disso que nao era acreditavel alliar-se
uma republica amerfcana a um (mperio para
c .mbater contra uma sua irrna.
Ns Peril as e.eljoes teem estado ssngrentas,
pois houve e n Lambayequo grande lata, de que
resttRou varios ferimentos.
Em Lima se intentou assassmar o prefeito,
-tgsorando mis qual tenha sido a cansa.
Na meama cidade houve nm grande incen-
dto nos depesilos do caminho de ferro de Chaucay,
-sendo os prejuizos considwaveis.
Na Bolivia o pessoal do governo ponsa reU-
rar-se para oma das proviBcias do litoral, logo
que o congrcsso feche as snas portas.
No Eqoador o governo expedio um decrcts
concedendo amnistia geral a todos os emigrados
politico*.
!ocendiou-se aHi o hnsaital militar, occasio
nando uraa perda dc 260:090 pesos.
No Panama hotrva um forte tremor de terra,
por^m, fclizmeute p.iio ha que lamentar ncohumi.
desgraca.
Bio
IS de novembro de 1X73.
Do Rio da Praia teraos folhas de 10 e II do cor-
rente, pelo paquete francez Sikig/, da linha de
Bordeos.
As noticias de Entre Rios continuam a dar Lo-
pez Jordan em marcha sobre a cidade do Pa-
rana, ao pissoj quo ontras o d.io ja tirotean !o
se com o exeicito do ministrj Gainza sobre o Sau-
ce. Cousa positiva nao se sabia.
Afiancava-se que na provincia de Santa Fe ja
appareciam guerrilhas j.irdanistas. Ao mesmo
tempo foi aquella provincia invadila por uma hor-
da de indios, que matanflo c siquoanjo^ penetra-
ram ate ao interior. Os chefes da fronteira descul-'
pavam-se com a falta de trqia e cavallos para con-
ter e.-tas invasoes. Fizeram sahir a geate de que
dispunham cm persegu^^o dis Selvagens. reeeia
v i se, portm, que cntrctanto tivessem ites tempo
le recolher-se as pampas com os sens desp'.jts.
Na provincia do iendoz* tambem havia guerri-
lhas.
A explorai.-ao do rio Vermdho continuava a ra-
racer especi.il attenclo. Para alii ia s"guir mais
um va|i. r, e para principios do anno prepirava-so
uma ex. ed ;:\o de tres vapoivzin'iis canstruidos
de prop sit i nos Esialos tnidos para a navegaefti
daqnetlfl rio, calando apenas uai pa d'agua e mii-
nidos du machinas para romn,-io dos pequenos
obstaculos que encomrarem
Sentimos ter de noticiar a morto de Jose da Ga-
ma e Catro, que foi pjr espaeo do mais de 30 an-
nos collahiraJir do Jortwl d> Oiinmercw. Gama
e Cartro fora plivsico-mir do Reino no tempo de
D. Miguel. QnanJo a carta de D. Waria II trium
plum em Portugal, Gama e Castro abandonou a pa-
iria qne nunca mats toruou a ver. Foi para a
Italia e depois part aSuissa, a alii permaneceu per
alguns annos. Sognio depois para o Rio de Janei-
ro, ondo o chamavam rclacoes adquiri las na uni-
versidade de Coimbra co n o* Pe Id de Araujo
Lima. Cr.ssfauo Socri liai da Mollo e Mattos a
outros.
Aqui publicou varias obras, a que por modestia
nunca quiz por noble de autor, como fossem o P*
demtisti, o .Yoco Principe, o Nooo Cvapaceiro,
etc. Era homem de immensa instrascio, profundo
saber e proligiosa memoria. Na polemica ninguera
manoj iva o sarcasmo ea ironia com mais vivaeida-
de do que elfe. Era legitimista, home n de antes
juebrar do que torcer. Nnnca moditicou as suas
ideas, nem descansou om flagellar as as iraeues
revolucionarias, qualquer que- fosse o paiz onde
apparecessera e qual.pier qua fossem as conse-
quents. Pode-se the applicar o verso de Ho-
raei}:
Jus/um el lenaeem proposiU viruni.
[tHpaviJam fn-irnt ruiitW.
D. Miguel o izera commendador e Ihe dera o
titulo do riscoride da Serhancelne. Mis poncas
vezes usou das inslgnias e nunca se assignon se
nao Gama e Castro.
Como cscriptor era notavel pela forca da argu
mentacao e amda mais pela pureza, "elegancia e
simpticidade da hnguag^m.
Passou os ultimos annos da sua vida am Paris,
para onde se retirara ha muito tempo. Alii vivia
muito isolado, na companhia de nma senhora in
gleza com rradm havia casado. Alii morreu quasi
ignorado e desconhecido o honrado velho, com 78
annos de idadc. Os seus restos mortaes descan-
sam no cemlterio de Passy. A terra Ihe ssja leve !
0 resultado dosexames ds hontem na Facollade
de Melicina, foi o segninte :
/ i/n;io medico, Francisco de Paula Dias de
Castro, Ernes'o Bra-ilio dc Araujo, Jose Esteves
do AnIrade Botelho Junior, Jiao Angusto Rodri-
gues Caldas, Bdoardo Joainim da Fonceca e Fran-
riso de Paula Mireira Monrao, approvados pie-
ly.uaenie.
.)" ./idio.-Gfliiuino Marques Mancebo, Joaquim
Jose Torres Cotrim, Julio Bahia doOliveira Dtjrao,
Pedro Muniz Uarreii de Araglo Junior, Theogencs
Dario de Cantalice e Joi) Ribeiro de Azeved), ap-
pn.vados plenamente.
4' anwi.Domingos de Alueida Martins Costa,
approvado com distfnceao ; Carlos Fcrrelra Alves,
lacintho Jose de CsrvaSno, Matheus Chaves de Ma-
galhles, Olympio Joaquim da Silva Pinto e Luiz
Jose Men le's, approvadus plenaminle.
J> aiiHo. Pedro Sacedo de Aguiar, approvado-
com distincciio; Joao Antonio de O'iveira Migioli
e Samuel Dutton Brandao de Souza Barros, appro-
vados plenamente ; Autuiio da Terra Pereira. ap-
prov.id') simplesmentc.
6' anno. D. Jose de Soaza da Silveira e Jose
Basilen Neves Gjnzaga Filho, approvados com
dlstinccao ; Jose RoJrigues Peixoto e Framisco
Moreira Sampaio, approvados plenamente.
Os repetilores da EscOla Central, quo pela n>n
grega^ao dos Jdntes foram habHHndos para con-
correr a vaga de rente da 1" cadafra do^8 anno,
sio os Srs. bacharel Domingos de Araujo e Silva,
Dr. Antonio de Paula Freitas, Dr. Ameruo Montei-
ro de Barros.
- 17
Os exames da ante-hontem na Escola da Mari-
nha, deram o resnltado seguinte :
1 cadeira do 3 anno : aspirantes Ii)se Angus-
to Damasio, slraplesmenta, gr.io 2 ; J. Francisco de
Mello Carvalho. idom, grao 1 ; Jose Joaquim Ma-
chado da Cuaha, idem, grao 1; Arthur Jose dos
Reis Lisboa, Idem, grao I; Ignacio Gabriel Mon-
.teiro de Meiidonca, idem, grao 2; Migdel Aatouio
Fiuza Junior, idem, grao 2.
Observatorw : Jose Augusto Damask), simples-
mente, grao 3 ; J. Francisco de Mcllo Carvalho,
idem grao 1; Jose Joaquim Machado da Cunha,
idem, grao 1; Arthur Jose dos Reis Lisboa, idem,
grao 3 : Ignacio Gabriel Montairo do Mendonca,
idem grao 2; Miguel Antonio Fiuza Junior, idem,
grao 3.
3* anno. Chi mica : aspirantes Virgilio Augusto
da Costa a Si. Alexandre Saptista Franco, Francis-
co Cordeiro Torres e Alvim Junior, Antonio Ma-
deira Shaw, RaymundoFraderico Kiappe da Coe;a
Rnbim, Joaqaim Antonio Fernandas A*wnpcIo
Junior.
S* annoTooigraphia ageoraetria deseriptiva.
A^iirautes: Joao Bsptista dis Neves, diatiuecio,
frao S : Maooal Eduardo de \zevedo, pleaaman-
t, grio i; Luiz de Azeved j Cadaval, idem, g>ao
i ; Joafuim Jose finheiro de Vasconcellis, idem,
grao 4; Joaquim Pinto Dias. idem, grao 4 ; Joa-
quim Francisco Correia Leal, idem, grao 3 ; Carlos
Alberto dos Santos Valenea, ideal, grao 4 ; Fraa-
cisco Thomaz Alves Nogneira, idem, grao 3 ; Jus-
fno Jose de Macedo Coimbra, idem, grao 3 ; Ben-
to XoM Man? Sayao, simplesmente, grio 2 ; Luiz
Ferrrira da Oliraira Moraes, plenamente, grao 3;
En^aj Oscar de Faria Ramos, idem, grao 3; Hen-
rique Jose Pedro Valladas (iarroxo, ainiplajniente,
grao 2; Henrique Ribeiro de Faria, idem,-ffao 2;
Jer-inymo Roberto de Mesqaita, i tern, grao 2.
Desenho topographien. -Joan Baptists las Neves,
distinecao grioo; Maa<*al E>luardo de Azevedo,
siiieute grao 2 ; Lniz de A .eve i > C idal, pie
oainoDle grao 4; Joaqoim Jose Pinh^iro da Vaseon-
simMesntcnta jrr\.( 2 ; Justino Joso de M.icoJo
Coimbra. pbaatnentt gra 4 ; Bonto Jose Manao
Sayao, simplosnMmte grao I ; Luiz Ferreira de 0H-
veira Moraes, plenamente grao 3 ; Eneas Oscar de
Faria Ramos, idem grao 3 ; Henrique Jose Pedro
Valladas Garroxo, simplesmente grao 2; Henrique
Ribeiro de Faria, idem grao 2; Jeroaym) Roberto
de Mesquita, idem grao 2.
I* annoapparellio. Aspirantes: Manoel Joa-
quim Nobrega da Vasoneellos, Estevao Teixeira
Junior, Joio Ximenes de Gouvca Cabral, Jose
Fructuoso Monteiro Ja Silva, Jose Joaquim Rodri-
gues Torres Sobrinho, Jose Goelho Gomes, Luiz
Carlos Freire do Souza Junior, Pedro Paolo de
Oliveira Santos, Arthur Hearique Freire de Carva-
lho, Lycurgo da Carvalho Reis, Froderica Marques
de Sa, Antonio da Souza Reis, Alfonso Cavalcante
do Uvramento, Herculano Alfredo da Sarapaio e
Elpklio da Gama Denies.
- (8
1 M. o Imperador honve por hem approvar
a nomeacao que a academia imperial de modecirva
fez do Sr. Dr. ABfrado Plragibe para sen mamlfro
titular, tendo servido de titulo de admissao
uma mersoria do mesmo St. dontor sobre a vac-
cina.
0 resnltado dos exames de hontem na Facul-
dade dc Medecina, fcl o seguinte :
1 anno medico.-Lindolpho Martins de Oliveira,
Feliciano Pinheiro do BHtencourt, Propercio Pe-
reira da Silva, Tristao de Oliveiri Torres, Joao
Guilherme da Costa Aguiar e Chateaubriand Ban-
deirt de Mello, approvados plenamente.
3 annoFrancisco Simoes Cosrea Janiore Jose
Antonio de Almeida, approvados com distinc.ao;
Francisco Luiz da Gama Rosa e Pio Antonio de
Sonza Junior, approvados plenamente; Eugenio
Pires de Amorim, approvado simplesmente. .
4 anno. Candido Braziliode Aranjo, approvado
com distmccao; Francisco dos Santos Correa e
Torqnato Rodrigues Villares, approvados pleaa-
mente ; Antonio Angusto da Cnnha Barb'osa, Jose
Maria Pereira Monteiro e Alfredo Jose Ramos, ap
provados sfmplesmeme.
5* anno.Joao da Malta Machado Junior, appro-
vado com dlsiinccao; Antonio Furtado Campos
Junior, Antonio Jose de Vasconcellos Junior e Anto
nio Jose de Faria Filho, appnivades plenamente.
6' anno.Manoel d.i Matt* Loite de Aranjo, Joa
quim Manoel de Oliveira FigneireJo Junior, Alfon-
so Pereira da >itva. approvados plenamente;
Luiz Pinto de Magalhaes Siqneira, approvado sim -
plesmente.
Os exames de hontem na escola de marinha
deram o resultado seguinte: I* cadeira do 3 anno,
asptrante: Jose Almeida Gmjalves, simplesmente,
grao 2; Jose Joaquim daFonseciLessa, idem grao
1; Godofredo Silveira da Motta (paisano, plena-
mente grao 7.
Oh-ervatorio : Jose Amelio Gon;alves, simples
mente gnio 3 ; Joso Jiviquim da Fonseca Lessa,
idem grao I; Godofredo Silveira da Motta, plena
mente grao 7.
3n anno, chimica ; aspirantes :
Francisco Marques Pereira e Souza, plenamente
gnio 8; Jose Martins Tiledo, idem grao 8; Fran-
ci-co do Paula Duarte e Souza, simplesmente grao
B; Lucidio Augusto Pereira do Lago, idem grao 4;
Frederico CoiTfia da Camara, plenamente grao 7 ;
Manoel Ignacio Belfort Vieira, idem grio 7 ; lose
Augusta Damazio, simplesmente grao 2.
1* cadeira do 2* anno : paisanos, Carlos de Son
za Ferreira, simplemiente grao 1 ; Fernando Car
los de Carvalho, idem grao I; JoSo Jose" da Costa
Figuciredo, idem gr.io I ; Francisco Verissi-
mo de Paula Leite, idem grao 3 ; Joao Fernan les
do Almeida, idem grao 2.
Continuan os exames de chimica, priocipiam
os da 2a cadeira {balistica) 1 anno e os da cadeira
no I".
0 rcsultalo dos exames do dia 13 foi o se
guinte :
1* anno, chimica : aspirantes, Virgilio Augusto
da Costa e Sa, plenairtento grao 7; Alexandre
Baptist* Franco, simplesmente grao 6; Francisco
Cordeiro Torres a Alvim Junior, simplesmente grao
3; Antonio Madeira Shaw, plenamente grao 7
Raymundo Frederico Kiappe da Costa Rubim, sim-
plesmente grao 6 ; Joaquim Antonio Fernanda de
Assumpcao Junior, simplesmente grao 3.
1 anim, appandh >: aspirantes, Manoel Joaquim
Nobrega de Vasconcellos, simplesmente gnio "
Estevao Teixeira Junior, plenamente grao 3 ; Joao
Ximehes do Gouvda Cafornl, simplesmente giiio 1
Jos6 Fructuoso Monteiro da Silva, plonaraen
4; Joaquim Jose Rodrigues Torres Sobrin
2 ; Jos6 Coelho Comes, simplesmente grao
Carlos Freire de Souza Junior, simplesmente grao
2; Pedro Paulo de Oliveira Santos, plertamente
grao 3; Arthur Henri jue Freire de Carvalho, ple-
namente grao 1 ; Frederico Mirques de Sa, pie
namente grao 4 ; Alfonso Cavalcante do Livramen
to, simplesmenta grao 1; Hercntano Alfredo de
Sampaio, s mplefmeHto grao 2 ; Elpidio da Gama
Bentes, plenamente grao 2.
Come-.aram hontem, em presenca de S. M. o Im-
perador e do Sr. marechal de campo commandan
tj geral de artilharia, os exames da 4" classc do en-
sino theorico do deposito de aprendizes arti-
Iheiros.
Chegando S. M. o Imperador as 11 horas, foi re-
ccbido com uma salva de 21 tiros dados por uma
bateria do eampanha, guarnccida por aprendizes
artilheir is.
Uma guarda de mfantaria fez as devidas conti-
nencras.
Depois dos exames S. M. Imperial percorreu to-
das as dependencias do estabulecimanto, visitando
a enfermaria, examinando as obras das oasamatas.
Sua Magestade retiron-se depois das 4 horas da
tarde.
Assistiram tambem os exames os Srs. coroneis
Woulf, Lima e Silva, e diversos ofllciacs estranhos
ao deposito.
T Domingo, 16docorrente,elfectuoaseavenda
em hasta pubiica dachacara do linado Jorge Rudge,
sltuada no lugar denominado Macaco, onde tam-
bem se acha estabelecidada a Villa Isabel.
0 governo imperial fez acquisi^ao do grande lo
te n. 119 com lit bracas de frente e 137 bracas e
S-palmos de fundos e dos lotes comprehendidos
entre a rua D. Sophia e a fazen-Ja da Villa Isabel,
tendo 90 bracas de frente para a rua D. Luiza e-
30 para a do Macaco.
Na occaciao dacompra di ia-se que o governo
destina aquelle terreno para nelle construir um edi-
licio que sim dc universidade.
- 19
informant nos quo nos terrenes ultimamente
comprados pelo governo na antiga fazenda do Ma-
caco, vai comacar brevemente a construccao de
um ediflcio destihado a servir de escola de medi-
cina.
Sera elle construido de modo que possa entrar
no piano de nma edilicacio da vastas proporcdes,
caso seja opprovado pelos poderes competentes
o pro'recto para creaca> de uma universidade nas-
ta corte.
Antonio Jos4 GoncalVcs junior, sim)ifrailrS grao
3 ; Virgilio August) da Costa c Sa, ptenamente
7 ; Alexandre Baptists Franco, simplesmente
gr.V) If.
(iideir.ido 1.* anno ; aspirantes : Manoel Joa-
anim Nobrega de Vasconcellos, iimplesmente g'tio
I; Estevao Teixeira Junior, plenamente grao 8 ;
Joaa Ximenes de Goavcla Cabral, simplesmenta
grao 2 ; Jose Fructuoso Monteiro da Silva, plena-
mente grao 7; loaqolifc Jose Rodrigues Torres
Sobrinuo, pljnamon.o |r4o 8 ; Lniz Carlos Freire
de Souza Janior, simples-mmta grao 2,
- so
A morttjWade da cidade do Rio de Janeiro, da-
ranti a qsfozena de 10 a 15 do corrente, foi a so-
uniiHe, conforme o holetjm organisado pelo Sr.
conselhclro Or. Jose Pereira Rego, presldeute da
juma central de hygiene pubiica :
Caasas de raorte.-Fnbtes intermiteuteae remit-
tentes 23, variola 124, escarlatina 1, limphalites
( crysipelaj 3, bronchites c pneumonias 20, con-
jesloes pdtoonares 33, diarrhe^* 8, alTectfes do
ngado 9, les3es organfeas do eoraeSo 2z, phileng-
masias cerebro espinhaes H, congestoes cerebraes
e apoplextss 14, convufsoei 14, tetands dos re-
cem-oascid4jj ^dejfctreaJjjnortos de nasciraento
-rao
<. grao
IV Luiz
0 resultado dos exames na faculdade de medi-
eina, foi o seguinte :
1 anno medico. -Arthur Maximiano da Rocaa
e Thejdoro da Costa Mattos, approvados plena-
mente ; Jose Pereira da SHva Vianna, Guilherme
Alves da Silva a Horae.o do Mello Correia, appro-
vados simplesmente.
3' anno.Frederico Augusto dos Santos Xa-
vier, Antonio Pereira Ribeiro Guimaraes, Manoel
do Souza Avides, Luiz Telles Barreto de Mahezes
a Candido de Oliveira Lins de Vasconcellos, ap-
provado* plenamente ; Francisco Soares Bernar-
des de Gonvea, apprdvado simplesmente.
i" anno.Manoel Teixeira Maciel Junior e Joa-
3uim Rodrigues Pereira Milagres, approvados com
istinccab ; Carlos Barbosa Goncalves, Francisco
i'rocopio Lobato, Ernest) Bartholomeu do Barros
e Alfredo Augusto Vieira BarceRoa, approvados
plenamente.
>S' anno.Julio Cesar FerreiraBraadaa e Paulino
Jose Gomes da Costa, approvados com dislinccao ;
Fiaacirco Joaquim Bittencourt de Segadas Vian-
na, Luiz Cardoso de Moura e Jose Rodrigues dos
Santos Filho, approvados plenamente ; Antonio
G uneg de Siqueira Ramos, approvado simples-
mente.
Os exames de hontem na escola de marinha
deram o resultado seguinte :
3 anna, chimica ; aspirantes: Antonio Candida
di Amaril, plenamtmle ,*rao 7 ; Aristides Montei-
ro do Pmho, simolesmeiile gra") 2; Joao Antonio
Snares Dutra, plenamente grao 7 ; Arlur da Serra
Pinto, simplesmanle grao 4; Clarindo Henrique
So*res, planaiBiwite grit 7i Manoel Innocaa-io
Pirea Camarg.t, implesmBMe grao 4 ; Joao Fran-
cis: i de MiHIo Carvalho, simplesmente grao 2.
2.* cadeira (balistka). do 2' anno; aspirantes :
Joao Ferreira Leila, simplesmente grao 6 : Manoel
Jaciptho Pinheii-., simptoment^ grao 4 ; Lsunndo
: sUmnta 428.
nacionaes 301, estrangeijos 120,
29, oulras Hlnfl
Nacionahdade
ignorada 5.
Coiidi>o ; livre 317, escrava 8", ignorada 1.
Idades ; ate 7 annos UB, de 7 a za annos 71, d
20 a 40 annos "7, de IQ a 53 annos 78, de mais
de 33 ftnnos 52,igfiorada 34.
Localidade :
Domicilios 284, hospitaes militaros, G, hospitaes
civis 138.
Sobre esta estatistlca fez o Sr. conselheiro Rego
as scguintes observaroes :
i." qne a mortalidade geral foi menor nesta
quinzena do que na antecedenle, dando se raenos
76 fallcciraeoto3;
< 2.* que da variola, posto qiie ainda avultada
decresceu nm pouco.
3. qde a das outras raolestias nada oiTerecaa
digno de attenQao, sendo cerlo qiie houve alguma
diminuicao na deterniinaJa ptlas affeccues agudas
do apparelho resprhitorio e augmentp da navida
as molestia3 do apparelho ce'rebru-e.-pihhal.
A temperatnra foi em geral pouco elevada
ncstc poriodo, oscillando .entre 78;' maxiino e 69"
mini mo ; apenas em um diaJ13, chegou as 80 a 4
horas da tarde, e .subio depois ainda mais erii vir-
tude da calma que sofcreveio.
Sopraram quasi sempre vent03 fpescos dos
quadrantes do sal para a tarde, c houve alguns
dias de chuva. tendo esta quasi sempre a noite e
sendo anpunciada por ven'.o S. ou SSE. Chagou
nos dis 1, 2 e 3, sendo a chuva prccodid.i, no ul-
timo, de trovoada de NO, com muitos relampagos
e vento forte, marcaudo o pluvioiuelro para sua
lotalidade ni stes tres dia 29"".
Nos dia: segalntes ate" 7, o tempo conServou-
se secco, amanheeendo sempre os monies e serras
mais ra menos nevoad's. Ncsteultimo dia houve
cerracao geral ate" 9 horas da manlu ; depois so-
prou E a 1 bora e SE as 4 da tarde, mas, sobre-
vindo ilhpois calma qne continuou pela noite, tro-
vejou as 2 it.2 da nohc de rumo NO, com fortes
reiampagos, mais apenas clmviscou.
Dj 8 a 13, conservou se bom tempo, amea-
can lo as vezes chuvas, e soprando sempre para
tarde SE, fresco except) no dia 12, em que venlou
S. a 1 .hora da tarde.
t No dia 13, porem, a temperatnra sn'nio muito
Sara a tarde em virtudede se apresentar calma, b
Bpois das 3 horas chuvi-cou bastante.
No dia 14 do manhS comecou a chuver,
porem pouco, e assim contin'nou com intervallos
mais ou menos espacados ate a noite, sendo entio
a chuva acompanhada de SE. com algumas ra-
jadas, indieaudo o pluviometro para a totatidade
das chuvas 8 milimetivs.
a No dia 13 bom tempo e fresco, vento sul a I
hora o SE as 4 da tarde.
a Os dias de maior mortalidade foram 7 e 0, em
que falleceram 3i pessoas em c.ida nm ; o de
menor, o dia 6, em que apenas houve 17 falle
cimento9.
0 resultado dos exames de hontem na faculda-
de de medicina, foi o seguinte :
8.* anno. -Aureliano Goncalves de Souza Por-
tugal, approvado com di>tInc<;ao ; Antonio Romu-
al-Jo Monteiro Manso, Nuno Teixeira fcages Ju-
nior e Manoel de Mello Braga Junior, approvados
plenamente.
3. anno.Joaquim Mauririo de Abreu, Lazaro
Goncalves (iorreia d) Coulo, Augusto de Souza
drandAo Junior, Luiz Antonio da Silva Santos, ap<
provados plenamente, a Felippe Rasilio Cardosa
Pires, approvado simplesmenle.
4." anno. Nuno Ferreira de Andrade, approvado
com distmccao ; Manoel Luiz Vieira, Francisco
de Paula Ferreira Velloso, Christiano Alves dc
Araujo llijcas, Alberto Leite Rbeiro e Cornelio
Pereira de Magalhajs, approvados plenamente.
6." anno. Honorio Rodrigues de Araujo Cicero,
Augusto Alvares da Canha e Caetano Ignacio da
Silva, approvados plenamente; Paulo 'Barboza
Pereira da Cnnha, e Luiz Alves Pereira Junior,
approvados simplesmente.
0 resultado dos exames da i.' eadeira do 3." an-
no da escola central foi o seguinte approvado.;
flenamepte com o grao 9 Antiocho dos Santos
aure, Bibiano Sergio do Macedo da Fontoura
Costalet, Carlos Luiz de Sales Junior, e Francisco
Raymundo Everton Quadros. com o grao 3, Jose
Thomaz Carneiro da Cunha, Manoel Clementina
Carneiro da Cunha Aranha, Fabio Hostilio de Me-
raes Rego, Heitor Sobral Pinto Cavalcante de Al-
buquerque, Jeronymo de Castro Abreu Magalhaes
G'-dofreJo Jose Furtado e Emilio Arcando Hen-
rique Segonoor ; com o grao 7, A a rio Leal da
Carvalho Reis e Candido Gon.alves Gamine ; e
com o grao 6 Guilherme Candido Xavier de
Brito, Francisco Terensio Porto Netto, Francisco
Jose de Freitas, Jose do Carvalho Muniz Bitten-
court, Eduardo Adolpuo de lAma Karros, Jcse
Mariz Mendes Goncalves, Luiz Sobral Pinto Ca-
valcante de Albuquerque, Francisco Bicudo Va-
rella Lessa, Antonio lose de Mello e Souza, e Joao
Sabino Damascen >.
Os exames de hontem na escola de marinha
deram o resultado seguinte :
2.a cadeira (balistica) do 3. aneo ; aspirantes :
Francisco Marques Pereira e joeza, distiaccao
grao it); Jose Marlins de Toledo, idem-grao -10 :
Francisco de Paula Duarte a Soaza, plenamente
grao 8 ; Lucidio Augusto Pereira do Lago, idem
Brao 8 ; Manoel Ignacio Belfort Vieira, idem grao
8; Jose Augusto Damasio, simplesmente grar 1.
Chimica ; aspirantes : Jose Joaquim Machado
da Cunha, simplesmente grao 3 ; Arthur Jose dos
Reis Lisboa, idem grao 4 ; Ignacio Gabriel Montei-
ro de Mendonca, idem grao 3 Miguel Antonio Fiu-
za Junior, idem grao 2; Jose Amelio Goncalves,
idem grao 2 ; Jose Joaquim da Fonceca Lessa ;
idem grao 4; Godofredo Silveira da Motta, (paisa
no), plenamente.grao 7.
Cadeira do primeiro anno; aspirantes : Pndro
Paulo de Oliveira Santos, simplesmente grao 6;
Arthur Henrique Freire de Carvalho, plenamente
grao 7; Frederico Marques de Sa, idem grao 7 ; An
touio de Sonza Reis, simplesmente grao 6; Alfonso
Cavalcante do Livrameoto, simplesmente grao 7 ;
Elpidio da Gama Bootes, idem grao 7.
Desenho do primeiro anno; aspirantes: Maoot-l
Joaquim Nobrega de Vasconcellos, simplesmtnte
grao t; Estevao Teixeira Junior, plenamente grao
3 ; Joao Ximenes de Gouveia Cabral, simplesmen-
te grao 2; Jose Fructuoso Monteiro da Silva, ple-
namente grao 3 ; Joaquim Jose Rodrigues Torres
Sobrinho, simplesmente grao 1 ; Luiz Carlos Frei-
re de Souza Junior, idem gra > 1; Pedro Paulo de
Oliveira Santos, idem grao I; Arthur Henrique
Freire de Carvalho, idem grao 1 ; Antonio da Sou-
za Reis, plenamente grao 3, Alfonso Cavalcante do
Livramento, simplesmente grao 1; Elpidio da Ga-
ma Beates. plenamente grao 3.
Houve dous raprovados.
Conttnuara os exames da aegunda cadeira do
lereeiro anno, terminam os de chimica e os da ca-
deira do primeiro, c principiam os exames praticos
de francez e Inglez.
Em nma carta maito fionrosa dirlgfda ao Sr. Dr.
Ladislao Netto, o professor Parlatore, pre.-idente da
sociedade de hortlcnltrira e director do muserj de
physica e bi*toria natural de Plorenpa, communi-
cathe qne em maio proximo hrfvera naqoella ci-
dade uma expusi.-So internacional de horticultura
e am cOngrewio botanlco, .e cortvido-o a compare
cer ahi e promover a remessa de vegetaes do Bra
eil.
No dia li do corrente compsreeen na primeira
delegada de policia da cOrte o Sr. Marcos Teixei-
ra la Motta, gerente da cam commercial de L
Laure*'s, e requereu qde se abrisse Inquerito para
o descohrimento do falsiticdor da firma do quei-
xoso, qne Ogurava como endossante de varias Ie-
tras descontkdas na praca.
Presente o corretor de fundos Joaquim Jose
Victor Paulino Junior,' siwpleaniiula grio 4 : Au- j Fernandas, deolarou que havia descontado no B;,n-
gusto GUeiles de Carvalho, plexiaraente grdo 7 ; IcodoBrasil duas letras, uma da qnantia de :W I
aeeita por Paolo Saroldl, jrhHAs a Wdoer om fe-
vereiro de W?\ e uma outra de 9-:423j desconta
tada a Domingos Vieira de Almeida c aeeita pdr
JosC Berne, a veneer em deze.nliro proxMiio fata-
ro, tcdas sacada3 e endessadas por Del lino & C,
apresentadas adesconlo por Joaquim Delllno. De-
clarou que* ha mais de um anno descontava (etras
saeadas por Delllno & C, coin o endosso de La-
mego, que todas haviam sido pagas no veidnsento
e que Delllno the fallara para descontar nma le-
tra de 22.000*, cujo desconto nao tinha side ef-
fectuado per achar o apreseatante mnito elevada
taxa.
Feito o eorpo de delicto, reconheceram os pen-
tos que nio so a assignatora de Motta, como a de
todos os aceitantes eram fabas, seado que apenas
se procuroa imitar a fir ma do ultimo endossante.
- 21 -
Pelas minueiosas noticias qne temos pdbHcado,
sabem os nossos leitores que espantosas inunda-
coas llagelaram vllimaarnila varios municipios do
Rio Granda do Sul, fazendo grande numero de
vtetlmas, fe -trnirido vaftosds e fl irescentes estabe
lecimentos agricolas e reduzindo a miseria (ami
lias ale entao abastadas.
Despertaram entre nos estas noticias, como era
de esperar os sentimentos caridosos ; e para dar
unidade aos esforcos dos qne des javam hvorecer
as miseras vict mas das mundacoes, organisou-se
uma comraissdo que se acha hoje co|lbs!a dos
Srs. Dr. Francisco Ferreira de Abreu, Joaquim
Josd Goncalves Ferreira, Zeferino Ferreira de Fa-
ria e Joib Valverde de Miranda.
As pessoas que desejarem auxilia la om tao ca-
ridoso empenho, podenlo remetter seus donaiivoS
a rua da Qjjj'Jgiarta n. 47.
Tomou hontem posse a mesa admimstrativa da
imperial irmaadade da Santa Crnz dos Militares,
que tern de servir no aano compromissal de 1873
a 1874, composta dos segnintcs irmaos: tenente
general visconde de SanU Thereza, provedor;
raareclial de campo Antonio Nunes de Aguiar,
vice-provedor; lenente-coronel Antonio Jose do
Amarai, escrivao ; coronel Joao Antonio de Oti
veira Yalporto, thesourciro; major Carles Frede-
rico de Lima, procurador ; cirurgiao mdr de bri-
Sada Manoel Jose de Oliveira, promoter ; coronel
asliniano Sabino da Rocha, irmao de capeHa;
brigadoiro Francisco Antonio Raposo. coronel Se-
yeriano Ma' tins da Fonceca, cirurgi.io mor de di
visao Jose Muuiz Cordeiro Gitahy, major Carlos
Frederico da Rocha, capitao Cornelio Carneiro de
Barros e Azevedo, capitao Lniz Felippe de Souza
Rego, capilao Miguel Antonio Joao Rangel de Vas-
concellos, e primeiro tenente Carlos dc OHveira
Soares.
0 resultado dos exames de hontem, na Faculda-
de de Medicina, foi 0 seguinte :
Tcreeiro anno medico. -Mirtinho Goms Freire
de Andrade, Adolpho Manoel Mourao dds Santos,
Alfredo Angusto da Costa Machado, Saturninu
Symplicio de Salles Veig.1, Jose Serrano Morelra
da Silva e Jose" Maxim) Teixeira, approvados pte-
namente.
Quinto anno. -Csmillo Maria Ferreira da Pon-
ceea e Henrique Cczar de Sou?a Vaz, approvados
com distinc-;So ; Lacio ifa Cunna Pavolfde e Menfe-
zes, approvados plenamente; Francisco Antonio
Ribeiro e Loureneo Justinian) Vieira, approvados
Mmptesmente
Sexto anno.Jose" Benicio de Abreu, approvado
com distinccao; Joe Bernardo de Loyolla Junior,
Cesario Pereira Machado e Fortunat-)"d3 Fonceca
Duarte, approvados plenamente ; Jose" Joaiuim de
Alvarenga Cunha, approvados simplesmente.
0 resultado dos exames de hontem na escola
da marinha foi o seguinte :
3 anno 2 catleira : aspirantes Antonio Candi-
do do Amsral, simjdesmente, gnio I; Aristides
Monteiro do Pinho, Idem, grao 1 ; Francisco Car
neiro Torres e Alvim Junior, idem, gnio 2 ; Ray-
mundo Prederico Kiappe da Costa Robim, idem,
grao 3; Antonio Madeira Shaw, idem, grao I
Joaquim Antonio Fernandes da Assumpcao Junior,
idem, grao I.
Chimica.-Aspirantes : loiio Pereira Leite, pie
nameftte grio 7 : Manoel Jocintho Pinheiro, sim
plesment-* grao 4; Lauriado Victor Paulino Junior,
idem grao ti; Augusto Guedes de Cat valho, idem
hrao 6; Antonio Jose Goncalves Junior, idem
grao 5 ;
9 anno.Francez (exame pratico): grancisco
o M. Pereira e Souza, plenamente grao 3 : Josa
Martina de Toledo, idem grao 3; Francisco de
Paula Duarte e Souza, idem grao 3 ; Lucidio An-
gusto Pereira do Lago, idem grao 3 ; Frederico
Con ea da Camara-, nimplesmefite gnio i; Manoel
Ignacio Belfort Vieira, idem grao J ; Joio Pereira
Lelle ; idem grao 2 ; Manoel lacintho Pinheiro,
idem grao 2; Louriado Victor Paulino Junior
idem grao 2 ; Augusto Gnc-les de Carvalho, Idem
grao 2; Antonio Jos6 Goncalves Junior, idem
grao i ; Antonio Candido do Amarai, 'dam grao
2 Aristides monteiro de Pinheiro, idem grao I
Ju'ao Antonio Soares Dntrn, idem grao 2; Ar
thur da Serra Pinto, idem grao 2 Clarindo Han
rique Soares, id^m grao 2 ; Manoel Innocencio
Pires Camargn, idem grao I ; Virgilio Angusto
da Costa e Sa, idem grao I ; Alexandre Baptist i
Franco, idem grao Francisco Cordeiro Tor res a
Alvim Junior> idem grao I; Antonio Madeira
Shaw, idem grao t ; Raymundo F. K da Costa
RuWm, idem grao 1; Joaquim A. F. do Assump
c_ao Junior, idem grao Jos'; Augusto Damazio, idem
grao I: Jolo Francisco do Mello Carvalho, idem
grao 1; Jose Joaquim Machado da Cunha, idem
grao 1 ; Arthur Jose dos Reis Lisboa, idem grao
I; Ignacio Gabriel Monteiro de M ndonca, idem
grao 1 ; Miguel Antonio Fiuza Junior, idem grao
2 ; Jose Amelio Goncalves, idem grao 2 ; Jose Joa-
Jnim da Fonceea Lessa, idm grao 2 ; Godofredo
ilveira da Motta, paisano, idem grao 2.
Inglez (exames praticos):
Francisco M. Pereira e Scuza, plenamente grao
3 ; Jose^Martins Toledo, idem grao 3 ; Francisco
de Paula Duarte e Sonza, idem grao 3 ; Lucidio
Augusto Pereira do Laga, idem grao 3 ; Frederico
Correa da Camara, siin|Hesmente grao 2 ; Mannel
Tgnacio Belfort Vieira, plenamente gnio 3 ; Juao
Pereira Loitc, simplesmente grao 2; Manoel Jacino
tho Prrih4iro, idem grao 2; Laurindo Victor Pauli-
Junior, idem grao 2 ; Aognsto Guedes de Carvalho
idem grao 2 ; Antonio Jose Goncalves -Junior, idem
graof ; Antonio Candido do Aroarnl, idem grao
2 ; Aristides Monteiro de Pinho, plenamente grao
3 ; Joio Antonio Soares Dutra, simplesmente grao
2 ; Arthur da Serra Pinto, idem grae 2 ; Clarin-
do Henri((ue Soares, plenamente grao 2; Manoel
Innocencio Pires Camargo, simplesmenle grao 2 ;
Vfrgillb Angusto da Costa e Sa, idem grao 2 ; Ale-
xandre Baptista Franco, idem grao 2 ; Francisco
C. Torres c Alvim Janior, idem grio 2 ; Antonio
Madeira Shaw, plenamente grao 3 ; Raymundo T.
R. da Costa Rnblhi, simplesmente grao 2 ; Joaquim
A. V. de Assumpcao Junior, idem grao 1; Jose
Augusto D unazio, idem grao I; Joio Francisco
de Mello Carvalho. idem grao 1 ; Jose Joaquim
Machado da 'Ciitiha, idem giao 1 ; Arthur Jose dos
ttreis Lisboa, Mem grao 1 ; Ignacio Gabriel Mon-
teiro de Mendoni.a, idem gnio 1 ; Henrique An
gusto Fitisa Junior, plenamente grao 3 ; Jose Ame-
lio Goncalves, simplesmente grao 1 ; Jose Joa-
quim da Fonceca Lessa, idem grao 2; Godofredo
Silveira da Motta (paisano), idem grao 2.
Paquote inglez Doirro, da linha de Southampton,
tronxe-nos hontem fedhas do Rio da Prata ae II
do corrente.
As noticias de Entre Rios sao -de natureza mais
negativa que po-itiva. Depois da tomada de La Pa*
desappareceYa Lopez Jordan com toda a sua- gente
como se a terra o houvesse tragado, e nunca mais
se soube delle. Assim permaneciam as exercitoi
do governo immoveis em Nagoya e VTIagaay, a
espera de ver onde tornaria a surgir o rebewe.
Entretanto preparava-se nova explir;io.parareec
cupar com foreas naeienaes La Paz, qne os insur-
gentes haviam abandonado, levando eom sigo qnanto
podia servir-lhes. Este facto indicava ane Lopez
Jordan estava resolvido a limitar-se a uma gnerra
de reenrsos, preparando os golpes, ferindo aqoi o
alii desorpresa, sem cnrar'de manler posiciles od
sustentar pra^as fc rtes.
Devezem quando apparecia em Buenos-Ayros
algnrn Megramma do ministro da gnerra annnn-
ciando qualqoer rocontfo de guerriftia--, evideite
mente sem irrportaneia. Esias dispondo de sape-
riores melos de mobllidade, nio pelejavam senito
quando qneriam ; e se aigoma vez se apresenta-
vam diante das foreas nacionaes, e deixande-se
bateY, fugiim em qualquer direccio. podia-e ter
quasi como certo qne era porqne Ires convinha
a'trahir para alii o inhnlgo. Foi assim qne alii
mamenn o general CarifbaHo chamon sobre si a
persegnicao do general Vedh, levando a engodada
para o interior, em quanto [Lopez Jordan, approxi
inando se da margem do LVngay, recebia nma par-
gae de armamento ramettid i de Montevideo.
Algumas IMnas desti uitioa cidade publicarsrm
tambem a noticia da haver Lopez Jordan derrota-
do aqni'lle general Wdia, quo retrahindo-sa sobre
a Co idrdu, esoarra centra as f ireaa da Cara-
ballo a tivera de relroreuer para Mu'oreta.' Com-
tudo de orig^m {nrdatiista, Mtiefa i mais do qa#
".op*>ifi. M
PtlstfPrh aWvflatlhs qne penefraram na proviac.'a
de Santa V* no inluito de subieva la foram balidoi-.
o tiveram de rffugiarrje nas ilbas do Parma..
Comfudo'i.i estilo daquella pr.ivinci'a ikH)iava re-
ccios e rorrla em Buenes.Avros qise o govcr>
raandara inarcliar para alii a tlflpa du linha qne
aindtinha nas fronteiras, temendo uma invaram
do niesmo Lopez Jordan. --^r-
A siluaeao commercial da capital argentina nio
era boa e a crise porqne passava era alt ibuida
em |rte a gnerra do Entre-Wos qua durance
mais de seis mezes, en tava j* a nacao maisce
analrotmiihoes de pesos fores, alem de par--..-
IfcaT otrabnlho das xarrpieadas, que matavam mu.-
las dezenas de mil ares de canecas de gado e o
movimento de trinta portcs, pot onde entravaiu
tahiam mereadoiias no valor de muitos mi-
Hides.
0 Sr. conselheiro, ministro da gnerra visitou hor;-
tem, pela manha, o quartel de S. Christovao.onde se
achavam os Srs. conselheiro quartel-mestre %em -
ral, coronel Carneiro LeJo, director das obras mi-
IrtatTS e sea ajadante rapltJto Cornelio de Barro--.
coronel Scveriano da Fonseca e oQkialidade do !."
baU.lhao de artilharia a pe, que alii ja esta aquar
tela Jo.
S Exc. percorrendo todo o ediftcio e suas deptu
dencias, examinou as obras mi construccao, reso!-
venlo sobre outras que ^ao de maior urgeneia, ?
antes de retirar-se, passou revirta as pracas do di >
batalhao, que se achavam formadas em snas cor.i-
panhias. __.
0 Sr. Dr. Joseph Spver offarecoo ispnteitr .. s
M. o Imperador, uma rlca e elcgaotfe ejrni de Ie:>
ro com culehao dc tecido elastico de arame (inven-
eao de qne ultimamente demos notfeia), otJjee?"-
para cs^j fim cxpressamente faluicados.
0 resultado dos exames no ilia 20 do
correite na faculdade de medicina, foi ">
seguinte:
i. anno. Approvados pleitaraeiite :
Constantino Machado Coelho, Manoel Cartos
Cluto Moreirt e Antonio Vieirri de Hezeiid^.
Vpprovddo simpiestnente : Mauotl i}e \\o
lez Carvaibo. Houve duas repTovnf,-6cS.
V. no di& 21 o segninte :
3. anno medico. Approvado com dis
tintgio : Cesario Alves de MagalHiaes.
Approvados plenamente : FeHsardo d'As
sump^So Cavalheiro, Arthur tireenhstgh.
Jos^ Luiz Paseyro e Manoel Ferreira de1 I"-
gueirodo.
Approvado simplesmente : Ernesto- Adol-
pho de Andrale Braga.
5. anno. '- Approvado com dJstincrao r.
Cesario Gabriel dc Freitas.
Vpprovados plenamente : Carlos Augusl'v
de Moraes Sarmento e Alexandre Fereira do
Souza.
6." anno. Approvado com dtslihc&o :
Jose Camillo de Moura.
\pprova-los plenamente. Luiz Agnpito
da vrtglr, Tarquinto Brasileiro Lopes e An-
tonio Mauoel de Azevedo.
Os exames de hontem na escoia i-
marinha deram o resultado seguinte :
2.* cadeira fWRs\ftf] do 3. anno.
Aspirantes : Joao Antonio Soares Dutra, sii.
plesmente grdo 3: Arthur da Serra Piit:>.
idem grdo 1 ; Clarindo Henrique Soave6-
iilem grdo 3 ; Manoe4 Innocencio Pirei Ca-
marg >, idem, gr.io 2 ; Jose" Joaquim Macha-
do da Cunha, idem, grao I ; Arthur Ju-
dos Reis Lisboa, idem, gra i I.
2. anno geomet'ia descriptive ) -*= As-
piranto : Josrj Antonio Ayrosa Junior, p
nanente, grao 3 ; Joaquim Francisco L*h
l-'ranoisco Jose Fernandes Pahema Junior,
idem, grdo I ; Jose da Silva Nogueira, idem,
grdo 2 ; Joaqui n Alvares da Silva Penna
Junior, idem, grio 2 ; Eduardo August-
Venasimo do Mattos, idem, gr Pereira Vranles, idem, grdo 1 ; Joao Bap
ti.'ta Gongalvos Tinoco, idem, grio 1.
' Paisanos : Francisco Nunes Pereira, sit;
plosmentu, grao I ; Carlos de Sou Ferre:
ra, idem, grdo 1 ; Fernando Carlos deCsr-
valho, idem, grdo I ; Joao Jose da Cosi-i
Figueiredo, idem, grdo I,
Ouvintes : Francisco Verissi.no de Pauin
Leite, simplesmenle, grdo 1; Joao Ferno.-i-
des de Almeida, idem, grdo 1.
Desenho topographico, aspirantes : Jose
Antonio Ayrosa Junior, plenamente, grao \ :
Joaquim Francisco Lessa de Vasconcellos.
idem, grao 3 ; Francisco Jose Fernandes:
Panema Junior, idem, grao 3; Jose dc*
Silva Nogueira, simplesmente, grdo 2 ; Joa
quim Alvares da Silva Penna Junior, plena
mente, grdo 3 ; Eduardo Augusto Verissim>
de Mattos, simplesmente, grao 2 ; Luiz Pe-
reira Arantes, idem, grdo 1 ; Joao Baptif.t
Goncalves Tinoco, plenamente, grdo 4.
Paisanos : Francisco Nunes Pereira, sim-
plesmente, srao 1; Carlos de Souza Ferreir.?.
idem, grdo 1 ; Fernando Carlos de Carvalho.
idem, grdo 1 ; Joio Jose da Costa Figuet-
redo, idem, grao 1.
Ouvintes : Francisco Verissimo da Paul.*
Leite, idem, grdo 2 ; Joao Fernandes d;
Almeida, idem, grao I.
Manobra do 3." anno., aspirantes : Fran
cisco Marques Pereira do Souza, plenamente
grdt> 3; Jose Martins de Toledo, idem, gra >
3 ; Francisco de Paula Duarte e Sousa, idem,
grdo 3 : Lucidio Augusto Pereira do Lago,
idem, grdo 3 ; Frederico Corceia da Cataara,
idem, grdo 3 ; Manoel Ignacio Belfort Vieira,
idem, grdo 3 ; Joao Pereira Leite, idem,
grdo 3 ; Manoel Jacintho Pinheiro, idem,
grdo 2 ; Laucindo Victor Paulino Junior,
idem, grao 2; AugustoG-iedesde Carvalho,
idem,grdo 2; Antonio Josd Goncalves Junk r.
idem, grdo 2 ; Aristides Monteiro do Pi
nho, idem, grdo 2 ; Joio Antonio Soares Du-
tra, idem, grao 2 ; Arthur da Serra Pinl^,
plenamente, grdo 3; Clarindo Henrique
Soares, idea), grdo 3 ; Manoel Innocencio
Pires Camargo, idem, grio 3 ; Virgilio Au-
gusto da Costa e Sd, simplesmente, grio 2
Alexandre Baptisia Franco, idem, grio 2 ;
Francisco Cordeiro Torres Alvim Junior,
idem, grio2 ; Antonio Madeira 8hasr#, idem,
grdo 2; Raymundo Frederico Kiappe da
Costa Rubim, idem, grao 2; Joaquim An
tonio Fernandes de Assumpcao Junior, idem.
grio 2.; Jose Augusto Damasio, idem, gr.io
2 ; Antonio Candido do Amarai, idem.gr,.)
2 ; Joao Francisco de Mello Carvalho,. idero,
grio 2 ; Joso Joaquim Machado da Cunlii.
idem, ^r;io I ; Arthur Jose'dos Refe "tis-
boa, idem, grdo 1 ; Ignacio Gabriel "Mon-
teiro de Mendonca, idem, grio 1 ; Migu.l
Antonio Fiusa Junior, idem, grio 1 ; Jose
Amelio Gon#ftves, idem, grdo 1; Josi Joa-
quim da Fonseca Lessa, idem,grab 2; AJc-
iefredo Silveira da Motta (-paisaati) yki~>~
mente, grdo S.
23
Do Rio da Prata entrou hontem1 o aq,,
te-argentino Po, da linha do Genova. Sa-
bido de Montevideo a 17, nio Irouxe folhi-
do dia per ter sido segundaiiewa. lie But
nos-Ayres' \emo-la5 de 1-5, na UmAfHtftjila de.rinJios jnxndir* *pffic-
cia -4a Santa Fe jptda fronteira d ii,
mas fftra prwptaei(te-*epe11id. O 4*fc-
dard nio '.credita n^ anncrnciada ittvaflo
daquella.pruvuM-ia .por Lopez- Jurdan^que
tern muito t W

P
;
\ wmm
^^ IIW)^p !!


Di*rio de Peraamouco Safcbado 29 de Novemoro de 18?6.
<> cewlidq 4os exaraes na escola de nw-
ritfka foi segainte : !.? oadeira 'balisrtica,
M*Ho Carvalho, simplesmente grao 2 ; Igna-
cioGabriel Mouteiro de Mendonga, plens-
raeate grao J; Migue! Ante iio Fiuza Ju-
nior, simplesmente grao 1 ; Jose" Amelio
Genealves; idem grdo 1 ; Jose" Joaquim da
Fonseca Lessa, idem grdo 3; Godofredo
Silveira da Molt a, idem grio 5.
Maehinass aspirantes .- Virgilio Augusto
1j Costa e Si, simplesmente grio 2 ; Ale-
xandre Baptista Franco, idem grao 2 ;
Francisco Cordeiro Torres e Alvim Junior,
idem gra" i 1 ;. Antonio Madeira Shaw, idem
grio t ; Raymundo Freienco Kiappe da
Costa Rubun, plenamente grfi-j 3; Joaquim
Antonio Fernanles deAssampcAo Junior,
simplesaaente grio I ; Jose" Augusto Daraa-
sio, idem grio I ; Joao Praneis;o de Motlo
Carvalho, idem grio 1 ; Jose Joaquim Ma-
chado da Cunha, idem grio 1 ; Arthur Jose
dos Meis Lisboa, idem grio i ; Ignaeio Ga-
briel Monteiro de Mendanca, idem grdo 2 :
Miguel Antonio Fiuza Junior, idem grao t ;
-lose1 vraelio Gongalves, idem grio 1 ; Jose
Joaquim da Fmseca Lessa, idem grio 1;
<><>dofredo Silveira da Motta (paisano ple-
njmente grio 3.
Desenho de maehinas: aspirantes : Virgi-
lio Augusto da Costa e Si, idem grao 3 ;
Alexandre Baptista Franco, idem grio 3 ;
Francisco Cordeiro Torres e Alvim Junior,
siigipleafBeBt8grij2 ; Antonio Madeira Sbaw
li^nu grio 2,4 Riymuudo Fro Junto Kiappe
ii Costa ftubim, plenamente gra) 4 ; Joa-
quim. Antonio Fernandas de AssumpeSo Ju
i.:or, simpleiinente grio 2; Jose Augusto
Damasio, pleuamonte grio 4 ; Joao Fran
Cisco de Mello Carvalho, simplesmente grio
2 ; Jose Joaquim Machado da Cunha, idem
grip 2 ; Arthur Jose" dos Reis Lisboa, dem
grio 2 ; Ignaeio Gabriel Monteiro de Men-
donca, plenamente grio 3 ; Miguel Antonio
Fiuza Junior ; idem grio 3 ; Jose Amelio
Gongalves, simplesmente grio 2 ; Jose Joa-
quim da Fonseea Lessa, idem grio 2 ; Go
dofrado Silveira da Motta (paisano;, plena-
mente grio 3.
0 resultadu dos exames de hontem na Fa-
culdade de Medicina loi o seguinte :
3.' anno medico.Approvados plenameh-
le Joaquim Francisco Moreira, Arthur da
Costal Pi res, Adolpho Arthur Ribeiro jia
Fonseea, Leopoldo Gustavo Rodrigues da
Costa, Domingos Alves Moreira da Rocha e
Joaquim Henrique de Andrade e Silva.
,4." aono. Approvados plenamente Alfre-
do Carieiro Ribeiro da Luz, Francisco Gon-
galves de Moraes, Miguel Joaquim Dias Pe-
reira, Luiz Paulino da Serra Pinto, Joaquim
Gongalves Ramos Filho ; approvado simples-
raeuteJoao ChryiJStomo Drummond Fran-
klin.
5." anno. Approvados plenamente : Joa-
quim Jose da Rosa e Francisco Jose Coelho
(Se Moura ; approvado simplesmente Fran-
cisco Cassiano Forreira Alves.
fi.3 anno. Approvados plenamente: Felix
Kodngues Seixas, Juvenal Martiniano das
.Neves, Leoncio Gomes Pereira de Moraes e
Jose Leopoldo Ramos ; approvado simples-
mente Luiz da Cunha Moreira.
Bitten-
Antonio
de Oli-
BAHIA.
FACl'LDADE DE MEDICINA
Fizeram exaraes no dia 19 do torrente,
o- seguintes estudantes:
5.* anno pratico. Laurentino Argio de
Uacabuja, Joao I.adislio de Cerqneira Bido,
'..Uonio Augusto de Figueredo Pitta, Eulalio
de Salles Piedade e Joao Correia do Arauio,
plenamente; Silvino Pacheco e Alexandre
de Abreu Fialho, simplesmente.
2." anno pharmaceutico. Dionizio Jose
da Silva, plenamente ; Pedro Leito Cher-
rr.ont e Joao Antonio Martins de Jfovaes,
simplesmente.
Fizeram exames no dia 20, os se-
guintes estudantes :
i." anno medico. Joaquim Jose Coim-
bra, Manoe! de Assis Souza e Joaquim Jose
da Camara, plenamente; Siraphronio For-
unato Delia Cella, Aristides da Silva Tosta
Americo Francelino Magalhaes, simplos-
monte.
5." anno pratico. Manoel Gongalves
Tbeodoro, plenamente. Aristides Guedes
Cabral, V court, Amelio Benigno Castillio,
Jose" de Castro e Virgilio Tavares
K-ira, simplesmente.
3. anno pharmaceutico pratico. Al-
fredo Casimiro da Rocha, Pedro Luiz Celes-
iino, Vasco Thopisto de Oliveira C.haves e
Jose* Satyru Barbuda, plenamente ; Ignaeio
Viegas da Silva e Joaquim Freiro Monteiro,
iJTaplesmente.
Entraram em exame e foram appro-
vados no dia 21, os seguintes estudantes;
l.' anno medico. Caudido Agnello da
I ostfi Espinheira e Francisco Pinheiro de
Lemos, plenamente; e Joao Baptista Vian-
na, Carlos de Cerqueira Pinto Junior, Virgi-
lio Chaves Floreuce e Fernando Augusto
Teixeira, simplesmente.
3.' anno pharmaceutico (pratico). Jose
Franciseo Taboca Filho e Manoel Ladislio
Aranha Dantas, plenamente; Si nifioda Matta
Rebello, Josi5 da Silva Barai'ina, Henrique
Affonso Botelho, Joaquim Mauricio Cardoso
e Ernesto Diniz Gongalves, simplesmente.
Sustentou these e foi -approvado ple-
namente, afirn de verilicar o seu titulo do
doutor em medicina, pela escola medico-
cirurgiea le Lisboa, o Sr. Pedro Dclphino
de Aguiar.
Entraram em oxame e foram appro-
vados no dia 22, os seguintes estudantes :
anno
Ar^imtaio Pereira da Fope#ca e Gujlhej -
mino Arnancio Bwwra, pleoaoaante ; Fran-
cisco Leocadio de Castro Waves. Jolo Cli-
naaco Machado Pe^anha e Francisco Vioira
da Silva, simplesmente.
Entraram em exame e foram appro-
vados no dia 2V, os seguintes estudantes :
1. anno me lico. EstevSo de Souza
Lima, Joaquim Ignaeio de Siqueira Bulcao
e Antonio Calmon de Almeida, plenamente ;
Jose Pereira Guimaries, Jose Bonifacio de
Me leiros e Joio Francisco Lopes Rodrigues
Junior, siniplesmente.
1. anno pharmaceutico, Manoel An-
gelo de Andrade, Gemiaiano Dias Pereira
Pinto e Joio da Silva Silveira, simples-
mente.
Foram reprovados dous.
5 anno pratico. Arthur Carvalho da
Costa, Epiphanio da Silva Loureiro, Josue
Egidio Calmon, Antonio ld$ de Araujo,
Antonio Monteiro de Carvalho, Jose Mariai
Velho da Silva e Manoal Marques da Silva
Acauan, plenamente.
Entraram em exames e foram approvados
no dia 25, os seguintes estudantes :
1." anno medico- Benjamin Franklin
de Almeida Lima, Hanriques Guedes de
Mollo, Joio do Moraes Vieira da Cunha, ple-
namente; Lucio Diogo de Araujo Borges,
Martinho Francisco das Chagas e Jose Emi-
lio da Costa lalcao, simplesmente.
1." anno pharmaceutico. Alcebiades
Ferraz Moreira, Jose" Ju-tiniano do Castilho
Brandao e Eupbrasio Jos^ da Cunha, ple-
namente ; Jose" da Fonceca e Silva, Cons-
tantino Jose de Oliveira e Veridiano Luiz
Damazio, simplesmente.
Sustentarsm theses os seguintes senhores :
Joio Jose de Souza Menezes Junior, Fran-
cisco Muniz Ferrio de Aragao, Antonio
Joaquim de Barros Sobrmho, Alfredo
Caria e Francisco de Paula Oliveira Guima-
ries, plenamente.
DURlODEPERNiMBUOU
estravio mental,
atu-ituir a tsi
1.' #noo medico. Guilherme Pereira
Itebello Junior, Antonio Porfirio Leal e Vi-
ctor Marcolino da Silva Brito, plenamente ;
Manoel Lopes da Silva Lima, Manoel Joa-
quiiti dos Santos e Ernesto Augusto Barbosa
Cnelho, simplesmente.
2." anno medico (pratico}. Jo3o Evan-
gelista de Castro Cerqueira, Pedro d'Alcan-
tara de S iuza Gouveia, Antonio Mano3l da
Costa Barros, Luiz Francisco Jon^ueira da
Luz, Euclides Alves Requiio, Raymundo
Soter de Araujo, Christovii Francisco de
Andrade e Alexandre Evaogelista de Castro
Cerqueira, plenamente.
5." anno (nratico). Romualdo Martins!0 Pi',rao lom'T Da cas? da ^f-kuseca'Jde 9uJa
. omi. |iiwk ,. esposa e cuohada erapnmoe irmao, tando vind.i
Alves, Agnpino Ribeiro 'Pontes, Aseendino
Angrtlodos R"is, Manoel Pereira de Misqui-
RECIFE, 29 DE NOVEUBRO DE 1873.
Moticias do sul do inipei'iu.
Cbegou bontem pola m.inha aa aosso p>irlo o
vapor inglez Douro, trazenlo datas : do Rio da
Prata 15, de Minas Geraes 12, de S. Paulo 21, rt..
Kio Grande do Sal e de Santa Catharina 14, do
Rio de Janeiro 23 e da Bahia 16 do corrente.
Alem do que damos sob as rubricas ParU Offi-
cial, Exleri r e Interior, encontramos nos joruaes
mais o que segue :
REPUBLICA DO PAC1F1C0.
Por via telegraphica havia as seguintes noticias
do Paciuco e America do Norte :
Valparaiso, 12 de novembro. A barsa Aletkera
en^ontrou nas ilhas Malvinas cinco navios repa-
rando avarias gros-as.
Chegou o Sr. Marques dos Reis, ministro brasi-
leiro, em s-ubstiiuieio ao Sr. Andrade.
A commissao, que foi a Europa a comprar ar-
mamento, chegou.
0 cabo da Jamaica a Cuba esta cortado.
BIO DA PRATA.
Em IS do corrente escrevem de Montevideo :
t TVnJo esc rip to ha poucos dias relatando o que
de mais notavel se havia dado aqui, insignificanle
e o assumpto para esta correspondencia.
t Parte hoia para Buenos-Ayres o Sr. onse-
Iheiro Gaesden, do qua! a imprensa de Montevideo
se despedio com palavras mui cortezes, especial-
mente o Siglo.
t Tarabem seguom hoie no Douro para a Eu-
ropa os comniissarios do governo oriental para
negociar o emprestime de resgate, os Drs. Perez
Gomar e Pedro Bustamante. Diza Tribuna que a
retirada daquelle cavalheiro nestes momentos da
pasta dos estrangeiros e uma (ortuna para o paiz,
porquo elle revelava demasiada tendeocia nos
seas acios para atirar se nos bracos da confede
nQio Argentina, do caso do um conflicto entre.
ella e o Brasil. '
t NAo rae parece destituida cabalmente de fun^
damento esta insinaacAo; nem me persuade que
o Dr. Perez de Gomar seja o unico possuido desta
mania por esta banda, com a qual devemos ter
euidado.
t Prosegue a discussio pela imprensa sobre o
merito dos candidatos a senatorit. Por ora tudo
se passa convenientemente.
Tern side abalada nestes dias nossa sociedade
com alguns crimes horrenJos.
Ainda na ha muito tempo o Dr. Luiz Alvares
dos Santos, em um trabalho sobre a exposicao de
Cordova, fazia notar a estranha influencia que
produz no homem o vento norte do Rio da Prata,
e o lugubre drama que 6 offlcialraonto descripto
nas linhas que se segaem, tern effectivamente em
um dia em que predoininava o referido vento.
Leiam e pasmem :
i Achando-rae na casa do govorno, as 4 1/2 da
tarde, pouco mais ou menos, live avi-o de que
acabava-se deperpetrar omespantoso crime na rua
Vinte e Cinco de Maion 273 e 37o (sobrado), eol-
legio do professor 0. Raphael Laiseca, cidadao.
hespanhol, vincalado no paiz por u a larga resi-
dence, por affectos de familia e por numerosa*
amisades contrahidas no exercicio do magUterio.
em Mercedes e nesta capital.
Immediatamente dingi-me ao sitio designado,
obriganlo me o dever a presenciar um destes es-
pectaculos, ante os quaes se mostra debil o cora-
5A0 mais forte,a desapparicao instantanca de
uma familia, que parecia gozar da paz e das com-
modi ladis do iar domestico.
Desde a porta da rua ate ao fundo da casa
um rego continuo de sangue assignalava a perpe-
trafao do horrivel drama.
Sobre 0 tapete da sala tinha cahido morta a
punhaladas a Joven Remedies
a Na terceira peca contigua jazia 0 cadaver de
seu cunhado, 0 Sr. Laiseca, no segnndo pateo da
casa a esposa desie desgrocado, D. Juanna Couian,
que intenlou fugir, e ao descer a e>caU foi har-
baramente apunhalada, e apenas teve alento para
sihir a rua e entrar n) armazem contiguo do Sr.
Gianati, onde cahio exanime, teodo sido conduzi-
da pelos in ),v>s do armazem para onde se achava
entao.
- o Neste momento passava 0 Dr. D. Diogo Perez
e tratou de prestar-lne alguns auxilios, porem a
sciencia foi inutil, pois acabava de expirar.
Ao mesmo tempo que isto tiaha fugar os ha
bitantes do armazem se punham em movimento
alarmados pelo< gritos de um servente quo se ar-
rojou ao pateo, e do joven D. Gregorio Durent
qae, ao ver ferido seu mestre e perseguido pelo
as-assiuo. deu alguns passos para elle, contendo-se
ao recober no peit0 uma punhalhada, felizmente
ligeira.
Para complemento desta serie de cr;me< occor-
ridos com tal rapiJez, que apenas os vizinhos po-
deram aperceber-se d'eiles, quando seu auxilioja
seria inelflcaz, 0 assassino feriu-se no peito, e laa-
(ando-se a rua na pre^encade varios transeuntes
pasma los de horror, deu em sen pesco;o am talho
com mao tao certeira, que foi cahir raorto proxi-
mo a calcada fronteira, conservando nas maos a
arma com que aleivosamente acabava de arrcba-
tar a vida a tres pessoas indefezas, jarpranden-
dj-as de tal maneira, que nem siquer poderam
recorrer a fnga.
Fit coniuzir os quatro cadavores oara a re-
particao da policia, mandei lacrar as nortas da
casa, e occupei-ine de averiguar 0 nomc do assas-
aioo, e de encontrar algum indicio que rompesse
0 profundo my^terio que rodeava 0 successo. Por
fim soube com certeza por declaracdes de pessoas
fide hgaas om 0 autor de tan'as desgracas se
clwma Joao C .vian, que tinha-se hospedado desde
tj, Mauoal Jose llibeiro Cesar de Citro Jesus, p1enanntQ; Joa-
quim Dias Larangeira e Luiz Jos^ de Lemos
lionzaga siinplesmente.
1.' anno pharmaceutico. Norbarto da
Sila lEerraz, 4>lenanaeta ;.J"rancis:o Igna-
eio Ifereira do 'Carmo, -Raphael C.onjalve?
de ShUes 0 JJJef jnso LjterFalc&o Dias, sim-
plaS'.jen
Fcram reprovados dous.
3?' anno ,|*twrm'eetrtf>o'-(pratie<;.Her-
4a povoa?ao de Rocha com 0 (Iti de empregar->e
nas Messageries 0-ientaes, cujo g^rente me de
clarou qae cm effeilo 0 havia contratado e que
davendo partir no dia 10, nlo se apresentou a
cumprir seu ajuste.
bjube tamtMin pelo criadi e pel' joven Da-
rapt que Covian passava na melhor harm >nia
Lcnii seu> pareoles, e era tratalo coino membro
da familia.
a Mais tarde oMive dados que unidos a e*sa
cireumstancia, faz :m-me crer qae nem a paixAa
nam a vinganca, nem o intoresse armaram 0 bra-
5(la assassino, in';linindo-me a admittir como
mais(pfovavel a idi*a de qu? elle pissuiosede
um aot* rop-'mtint di demencia. p its era de ca-
racter re-erid >. e imln uma physionnn'a q ir
' .A u. _." M ---- racier re-i'i i'i i unin mm pnygimi i.-ii a q ih
ulaiiO'Cymfo V^n^^CTi 1"mtenegro,' .jos.olhos da sciencia apresenUva sym/.omag d:
Por honfa de namanilla'de quero
influencia estranha sua suBita e
di?.
hi asslgdltate do Telegrapho, que diz conhe-
eer 0 assassiao, assegura em uma cam publica-
da hontem, que 0 move) qae 0 diiigio foi A ambi
cao, despertada por ter a avo legado ons campos
as pnrcas, esqueceodo-se delle. E este desgracado
linfia mulher e uma interessante filha !
0 pohre mestre de escola occupava-sc bo
instante de receber 0 golps que Ihe lirou a vida,
em copiar um reqaerimeato pedindo a sua apo
?entadoria.
Muitas historias e romances se forjaram para
dar certo prestigio ao barbaro Goviaa, que ora
se piotava como um pai irritado qae se viogava
nos mestres a quern havia confiado sua fllha da
deshonra em qae achara, ora so descrevia como
um irmao vingador da honra da irma roubada
pelo cunhado. Tudo isto cahio por terra e nao
resta mais que uma fera re vest id a de form as hu-
oiaaas, cevando-se no sangue para aat^fazer seus
ignobeis instinctos.
Outros factos criminosos tambem oscorreraoo
nestes uftimos dias de que resam as chronicas po-
liciaes.
Estamos po poito com 0 paquete Esther, vindo
de Gaoova com muitos immigrantes, entre elles 0
cholera-morbus, que ainda no dia 9 fez algum as
victiraas a bordo.
0 pamiete esta Jncomnjanjcavel, mas esta vi-
inbanca'p muito perigosa.
- No boletim sanitario ae Buenos-Ayres pabli-
cado hontem ja vefo o seguinte, qne nos deve
fixar a atlencao :
c Xa quinzena qne acaba de passar se apreseD-
taram ainda muito* easoa da aarampao, alguns de
cqqueluche, pneumonias, rheumatisms articular.
agudo e muscular, erysipela, e outros exanlhemas
agudos como a urticaria e 0 ecrema ; segue a
epidemia de parotidas, e sobre todas as demais
affeccoes predominam as gastro-enterites, espo-
cialmenle, a desiuleria, a dyarrhea a choUnna e
a diarrhea colereiforme nas meninas.
niO GRA.VDBJBO SD-.
Sob a epigrapbe de Sceaas dt tnchente, re-
fere 0 Dtai'io de Mage :
< X j dia 1 deste mas foi uma granda parte da.
nossa populaci) testemunha de am facto bem
cjmpungid'jr, cujo ratultado, felizmente, nao foi
tao fatal qnanto se esperava.
< 0 arroio que banha a parte desta eidade, as-
soberbado por uma enorme cUeia que banhava os
campos alem das barrancas, rugia Impatuoso, ar-
rastando tudo 0 que se antepun 1a a sua verligi-
nosa carreira.
Eram 4 horas da tarde, e um individuo hes-
panhoi ae aome Jose, capataz da olaria do Sr.
Tnomaz Lemos Vianna, apezar da cheia, tentava
Jassa-lo para 0 lado. do quartel d.i S regimento.
a tinha vencido a correnteza alem do moio do
arroio .quando por am brasco movimento que fez,
obrigado talvez pela for>;a das aguas sofreiiou 0
cavallo, e cahio, sendo incontipeole ariasUlo pela
voragem que 0 leyou aguas abaixo ate* umas ar
vores, onde 0 infeliz se agarrou e pode ficar com
a agua pela cin.ura, tendo de am la lo e outroos
dias bra.'os do arroio, que alii fazia com 1 uma Una
que as aguas haviaai coberto.
1 A situacao nao podia ser mais critica ; salvo
do Ui'bilhao, porem ameacado pelas aguas que
eontinuavam a eacher, sem saber nadar, e apenas
seguro em nmas pe.jueias ramas que eediam
constanteraente a fofca da correnteza, ora com
agua pela eintura, ora quasi coberto, 0 hamem
pedia socorro.
i A populacao ram-sa as scenas costumadas.
a A nossa municipaliJade uao possue um Lute,
uma canoa, am salva-vidas sequer, para estes
casos. Todos desejavam soccorrer 0 fnfeliz, mas
poucos sabiam nadar. Eatretanto, appareoeu alii
0 Sr. tenente Fortunato, que, montado em um ca -
vallo mais de uma vez atravassou 0 rio, passando
junto de Jose a quem recom nendava que se agar-
rasse a c6lla do animal; mas era tal 0 estado
em qua se achava 0 infeliz, morto de frio e de
cansaco, que nunca se pode coaseguir tao dese-
jado resultado.
0 Sr. Tolentioo dos Santos teve entao uma
feliz lembranca : atou um garrafao vazio a ponta
de um lago e trouxe tres cavallos para as pessoa3,
que, sabendo nalar, quizessem levar 0 salva
vidis a0 infeliz. Atirou-se 4 agua, ainda iniitil-
mente, um crioulo de nome Estevao, montado em
um dos cavallos do Sr. Tolentino. A correnteza
era medonha, e algumas vezes que 0 cavallo pode
passar junto de Jose, este nao teve for;as ou fal-
tou-lbe a coragem para, sem certeza de salva-
m Tit 1, largar-se das ramas em que estava seguro
a Sua morte parecia inevitavel !... Em tao
triste momento appareceu alii 0 pardo Raphael
Lucas que, nadando combinado com 0 crioulo
Estevao, puderam, nSo sem grande risco de vida,
chegar ate junto do desgracado Jos6, conseguir
que elle atasse 0 laco em volta do corpo, e que,
ajudado pelo garrafao vazio, boiasse ate a mar-
gem, puxado pel is seus esforgados e generosos
salvadores, Raphael e Estevao. Foi un momento
do verdadeira alegria para todos os coracoes que
contemplavam aqu^lle quadro afflictivo.n
De todos os lados chegavam donativos para as
victimas da inundacao.
0 presidento da provincia Wra avisado para
receber de S. M. 0 linperador, por inter me lio de
seu morJomo, a quantia de 4.000J.
0 Sr. Barao do Rio Grande, senador por
aquella provincia, reimtteu ao coronel Antonio
Israel Ribeiro, a quantia de 5.000 j para auxiiio
das victimas da eachente no muaicipio de Ta-
quary.
En Bage asubscripgio elevara-se a l:3J9i">9).
Os artiitas allemaes, estabelecidos na eidade de
Rio GranJe romelterara a redacijao do Deutsch
Zeitung a quantia de 221*200, para ser distribuida
pel-is colonos roais necessitados, que soffreram
com a inundacao.
No dia 27 do passado a camara municipal da
capital pedira a presideacia da provincia quo lhe
abrisse um credito de 3:000/, para occorrer as
de peza3 extraordinarias feitas com 0 enterramento
dos auimaes morlos pela inundacao. desinfeccao
das praias e oatras medidas hygienicas.
t Dez dias depois, diz 0 Jonial do Commercio,
ist) e, a 6 do corrente{ respondeu-lhe S. Exc. que
0 Sr. Dr. chefe de policia tinha orde.n para pa-
gar, ate a quantia de 20004, as despezas resul-
untes do enterramento dos flniraaes morlo3, po-
rem, a corporacao municipal apresentar contas
documentada?.
Infonnam nos hoje que a camara municipal
nio so deixou de aceitar osupprimento, nos ter-
111 em que lhe foi concedido, como declinou de
si a responsabilidade que podesse provir da falta
de providencias, com relacao ao enterramento
dos animaes mortos, que alastram a varzea de
Gravatahy.i
Achava se restabalecida a communicacao tele-
![raphica entre Porto Alegre e S. Gabriel, cuja
inha fora interrompida por causa da enchente.
A linba do norte, quo tambem soflrera no cabo
sub aquatico, immerso na barra da Lazuna, es-
tava tunccionando regularmente, bavendo sido no
dia 16 do passado monlada para tal I'm uma 83-
taeio provisoria ao sul da referida barra.
Desapparecera 0 colon > Jacob Kraeraer, esta-
belecido no Padre Eterno.
Noticia 0 Diari > de Pelutas :
c Fo.Tios nontein infurmados, por pessoa com-
petente e fideligua, que em Assegua uma quadri-
Ilia de salieadures ou nogros quiloinbolas, que
tem andado pelo municipio de Piratiny, tentou
assassiuar 0 brigadeiro Astrogildo e dirigio so
para 0 lugar em quo este se achava, quando, fe-
lizmente, um dos indivi luos desert ju e foi avisar
0 mencionado brigadeiro do que lhe estava re-
serva to, para que se acautelasse e tomasse pro-
videncias.
t Astrogildo e mais possoas de sua inteira con-
fianc,a, e em uumero sufflciente, sahiram ao en-
contro da roferida quadrilha do salteadores, 0
logo que a en'ontraram, alguns dos individuos
que delta lazia n parte fizeram fogo, sendo estes
obrigados a sustentar a luta, resultando a morte
le oaze dos salteadores e sendo presos tres.
Das pessoas que acompanharam 0 brigadeiro
Astr igildo nen'iuma soffreu sequer ao menos a
mais leva -.onfusao.
Em S. J0A0 Baptista de Quarahim haviam sido
victimas dn bexigis 217 pessoas.
FallHceram : em Pelotas 0 Dr. Manoel Moreira
de Kigueirndo Ma-carenhas ; no Rio-Grand.; 0
proprietary J-ise Rodrigues Vianna ; no Arroio-
Grande 0 Sr. Lai de iouza Ljma e em Uru-
guiyana 0 teqeote Manoel Aatunes de Oliveira.
O estado sanitario em Porto Alegre n> era
bom.
O chefo de policia fora a Bage para syndi-
cir das occurrencias tjue uUimamente se u>ram
alii.
Uma correspin lencia do Mundo Novo uilieia ao
Bole d S- Leop >ldo, quo a.colooia do Mn*JoNovo
nao soffreu extraordinarios prejuiaos com a en-
chente. 1
Asrrraria a \upor do Sr. 1 ralamos i'-iava nas visinbangas de Snnta
! 1 Pinhal e a agua a Uvoa, despanhan-

itiia depois C!D Uin ^y*r^' ?^ w emi-
Em Muado Novo tarabem foram achados diver-
sos pedacos de aerolitho que rebenUra naquellas
immediajoes.
A BUusa e por fora preta e lustrosa e por deotro
araarejlada.
Um pedaco foi arremecado a mais de uma legua
de distancia.
O^jue em Mundo Novo se deu com abundancia,
foram desmoronamenlos de montanbas, mas feliz-
mente em lugares onde nao causaram muito
damno.
Da colonia Santo Angelo escrevem ao Deutsche
Zeituny :
Escrevo lhe aspressas, so para dizei-lhe, que
Saato Angelo pouco ou nida soffreu com a inun-
dacao. Como sabe excluio o director barao de
KalJera, ha i-5 anaos, quando abrio as primeiras
Iinnas e delineou 0 piano geral da colonia, as var-
zeas alagadigas as margens do Jacuby e onde isso
absolutameate nao era pos.sivel, mandou os colo-
nos eaificar suas casas am lugar apropriado, onde
e impossivel cheguem as aguas.
E' certo que durante os dias da eucbente mor-
reu afugado 0 colono Henrique Kramer, mas so
porque, nSo obstante os cohselhas do colono rao-
rador a margem, teimou era passar um lageado
que estava de nado.
Voltara a novas pregarrJes 0 celebre embustei-
ro Maurer.
Eis entretanto 0 que a ultima data dizia 0 Bate,
de S. Leopoldo:
O qne as aaloridades superiores ha tempos
nio eonseguiram, obteve-o agora 0 Sr. Lucio
Schreiner, dijoo delegado de policia, pelo emprc-
go de meios brandos; essa aatoridade, em saa
fecenle estada no Padra Eterao, de tal sorte in-
sistio com Maurer. na presonca de muitas pessoas
respeitaveis, qiie este alinal confessou que tudo
nao passava de uma comedia, promctteudo espon-
taneamente p6r Bin aos seus abuses.
a 9 governo dave ser grato ao Sr. Scheiner,
qpe restituia a paz e socego 4s picadas no nosso
municipio, tomanJo alias as medidas necessanas
para impedir qae Maurer fake a sua promessa.
a O projirio Maurer encarregou-se de declarar
aos seus ade|>to3, que elles foram victimas de uma
comedia.
Sic transit gloria mundi...
Varias cartas "da Encruzilhada dizem, qae os
trabalhos a que procedem os Sr*. major Lopes e
Felippe Halm, em relagao as minas de chumbo,
progridem, emhora os proprieurios dos respecti-
tos terrenoi procurem suscitar mil eral)aragos aos
concessionaries.
As amoslras de chumbo que foram achadas sa)
riquissiinas e tudo pareca garautir que alii ha uma
rhiiieza verdadeiramente incalculavel.
Parece, pois. que 0 municipio da Encruzilhada,
quer pelas constantes deseoberlas de jazidas de
raagnitico marmore, quer peta riqueza de suas mi-
nas de chumbo, chegara a ser um dos mais im-
portantes da provincia.
Suicidara-se no lugar chamado Campo Bom, no
municipio de S. Leopoldo, o colono allemao Pedro
HirL
O suicida era de avancada idaie e tinha alguma
for tuna.
O Bote de S. Leopoldo accresceata que durante
todo 0 dia que precedeu ao suicidio, estivera Jorge
Maurel, 0 propheta do Ferra Braz, era companhia
do infeliz suicida, iguoraudo se a razSo dessa
visita.
Le se no Rio Grandense :
^ a Em S. Leopoldo trabalham os Srs. Erdmann e
Cartemole com uma dislillajao a vapor, cuja pro
priedade adquiriram, e seus productos chegaram a
um grao de perfeic&o, como d'antes nao fora al-
cangado na provincia.
Teraos visto diversas qualidadss de aguarden-
le e licores fabricados por aquelles senhores, que
em qualidade sao tao bons, senao mclhores que os
importados da Europa, ao passo quo 0 preco e ex-
traordinariameute favoravel.
Cma industria importante, iniciada pelos Srs.
Erdmann e Cartemole, 6 a aguardenle que dis-
tillara da farinha de m indioca, producto novo no
nosso^ merc;ido, que sem duvida achara muita ex-
traccao, porquo 6 inleiramenle semelhanle no gus-
to a genebra boliandeza
Os fabricantes pretendem dar grande desen-
volvimento a nova industria, e sao dignos de ani-
macao por parte do publico.o
Do Rio Grande nada ha importante.
Inaagurou-se 0 tram-way de Pelotas, sendo ja a
concorrencia de passageiros animadora.
MINAS GERAES.
t- Lfl-se no Pkarol de 12 do corrente :
NoUode Pedro Alves, deste termo Joaquim
CanWso, residente era Joao Gomes, tentou malar
a Ems, escravo de Jose Miguel de Almeida, dispa-
rajA-lhe tres tiros, das 9 para as 10 horas da
noitejdc 7 do passado.
Dizem qae Almeida suppunha Elias ladrao de
animaes eo criminoso nao foi preso por evadir-se.
A autoridade procede na formajao da cul-
pa. >
E.n dias de agosto, no districto de Chapeo
de Uvas, lugar denominado Tabodes, dous portu
guezes e dous italiaaos travaram-se de razoes, e
passando a vias de facto, resultou qne um dos
portuguezes que espancava a um dos itahanos,
caaniado Andre", recebeu deste, na coxa direita,
um pouco abaixo da virilha um tiro de rewolver.
Os culpados estao sendo processados.
Na Vargera Grande, em dias de agosto, foi vie
tima de barbaros e estupidos feriraentos uma me-
nina menor de 10 annos e que estava entregue
aos coidados da mulher que lb os praticou.
Do corpo de delicto consta que a infeliz crianca
recebera um ferimento na cabeca, feito com ins
trumento cortante que a iuizo dos peril is vira a
prodazir alienacao menUil; e alem desse recebe-
ra outros feitos com um tigao de fogo nas paries
pudendas.
A autora desse barbaro attentado esta. sendo
processada.
Suicidou se, enforcando-se na bica que traz
agua para 0 eng-nlu da fazenda do Sr. Francesco
Ferreira de Assis Fonce -a, 0 escravo Jose Martins
pardo, pertencente ao mesmo senhor.
Allribue-se csse desatino a motives amorosos
co n uma sua parceira, visto como era estiraado
de seas senhores e daquelles que 0 conheciara,
pelas suas boas qualidades.
A 4 do passado, no districto de S. Francisco d Paula, em consequencia lie ciuraes, nra homem
de cerca d: 50 annos, acompanhado de am escra-
vo, esperaram a um te'eeiro na e3trada que vai
para os lados da fazenda do Sr. Francisco Albino
da Costa Freitas, e na occasiao em que elle por
alii passava dispararam-lhe dous tiros de espingar-
da que por felicidade lhe nao derara a morte, mas
causarara-lhe grave ferimento e mesmo deformi
dale.
A aotoridade policial tomou conhecimento do
facto, e o Dr. juiz municipal procedo a foama;5o
da culpa, nao sendo preso 0 delinquente por se
haver evadido logo depois do crime,
s. PAULO.
O presidente da provincia visitara no dia 15
0 lazareto dos bexiguentos, estabelecido e irianti-
do pelo govjrno.
S. Exc. Rvm. 0 Sr. bispo chegara no dia 4 a
Areas e dia- depois partira para Queluz.
Diz 0 Itunno de 6 que no dia 14 o trtm de
carga, que vinha de lundiihy a tarde, pouco tinha
avaacado, quando a machina descarrilhou e torn-
boa, fazendo sal tar todo o comboio a excep^ao de
tres carros e 0 breck de detraz, unicos que Cca-
ram de pe\ Eram 10 ou 12 arros.
A machina deu taes cambalh.itas, que viroa
completamente, entorrando a chamin6 no chao ;
os carros umbem timbaram, precioiundo-se uns
sobre outros, quebrando-se e tres ou quatro fican-
do com 0 fundo para ciraa. Trillios e dorment'-s
saltaram em pedacos. Nom 0 fio do telegrapho
eecapou.
Ainda desta vez a Providencia revelou se tao*
misencordiosa qae -coasa extraordinaria nao
morrea hinguera I
Os emiiregados da machina e ma's pessoai que
vinham no trg.n, entre as qnaes passageiros, pu
laram para nao Dearem esmagados, e foram mui-
to felizes nesse desesper^do raeur. O trem caminhava a ineia forca quando 0 si-
nistro deu-se em uma recta e em piano, onde pa-
recia que nenhum perigo podia haver.
0 Sr. Antonjj.Joaquim Lisboa e Castro pu-
aerasen campo afim de ageneiar os donativos
precisos para a construccao de um hospital de
Jazaros em Sorocaba, ujas obras, segundo se
suppoe, devera) ser iniciadas era fevereiro ou
niaruo proximo future.
O Sr. MarceJIiao Gervao remelt-ra para S.
Paulo.duas boaitas amoslras de marmore branco,
a^tnjhidoflo- muhiciido do 8io Claro.
-;Fw>im captu/ados em Botucatu os escravos
Art>roi4i.p.Jo#p (aiwajle.de Bierrimback & C, e
es|e do tem-nte eor^oel Fiorjano de Camargo Pen-
ttadc) auibosriinusos de morte, qae eftavam
cumprindo santunca aa cadeia de Campinas, de
ondu-baviam coiBsegaldo fngir.
Refereo 1? wnade,ll ;
O-Rvm vigarioj padre Braz Magsldi, tendo en-
conlrado em deploravel estado a igreja raatriz de
Carapo Largo, reso'veu reconstrul-la com 0 an-
xilio de seus parocbianos. Para isso abrio uma
subsetipciio e immediatamente as assignaluras
elevaram se a 4.000i,.resuludo verdadeiramente
surpreodepte era uma parocnia pouco populosa,
e relativamente pohre.
O lavrador do municipio do Amparo, Candi-
do Borges Camargo, fora asssassinado no dia 10
do corrente, por um seu camarada, que lhe d!s-
parara um tiro de emboscadx
E>crcveram de lnlaialuba era 10 do cor-
rente :
Esta villa acha-se transforraado em um tu-
mulo! Nao ba mais habilaules, os negociantes
fechuram suas casas e retiraram-se para os si-
tios.
Alguns restos de aliraento teem sido vendidos
por precos fabulosos. Esporo cuvir em breve o
brado da feme I! Vejo me disposto a retirar-rae
com minha familia, para nao sourermos a falta de
alimenjo.
\ao existe aqui uma so autoridade, nem ca-
marislas para represenlarem 0 povo.
Ainda mais, consta que alguns fazendeiros
tern como sontinella em seus porloes dous escravos
para nao admiuirem 0 ingresso de gente da villa
que procura comprar alimentos, dizendo : retirem-
se que senhor nao quer ncxigas aqui.
A' ultima hora a forca pulicial abandonou o
quartel e fecharam a cadfia. Esiamos mal.
Estava extiucta a variola em Quelaz.
Em Canha (diz uma carta particular) a epi-
demia tem feito algumas victimas.
a A eidade esta em completo abandono; todas
as familias retiraram-se para diversas fazendas.
Comquanto se fundasse um lazareto e haja
toda precaucao para nio continaar esse terrivel
llagello, todavia tem-se generalisado.
Xo dia 4 passaram pela Limeira os engenhei
ros Keboajas e Paula Souza, que, segundo corria,
iam concluir os trabalhos da planla na parte' da
estrada comprehendida entre aquella eidade e Rio
a de Campinas a
Claro,
., visto estar ja terminada
Limeira
Sob a epigrapbePor causa de jaboticabas,
refere 0 Independente de Mogv mirim, em data
de 7:
Hontem as 8 horas da noute, foram feridos
por dous tiros di-marados de deatro do quintal de
Luiz Autonio da Costa dous meninos que alii ti-
nhem ido apanhar jaboticabas. Pelas declarators
tomada- pelo suhdelegado Jo compareceu no lugar do delicto, chegou-se ao eo
nhecimento de que os tiros foram disparados por
um escravo de nome Felippe, qne alii tinha sido
mandado por sea senhor para vlgiar as jabocabei
ras, dizendo ter ordem de atirar em quem quer
que fosse apanhar as fruclas. A serem exactas as
declaracdes, e Luiz Antonio da Costa, mandaiite, e
0 escravo Felippe, mandatario ; e esperamos que
este crime tera a poaa merecida, e que as autori-
dades emprcgarao toda a energia nao so para a
captura dos crimioosos, como para descobrimento
di verdade.
Falleceram : no Rio-Claro 0 Belga Joao Bap-
tista Dokel; no Bananal 0 padre Abilio Jose de
Souza Guimaries.
BIO de 1 \.\HUO
Foram arbitradas:
A cada um dos desembargadores Viriato Ban'.ei
ra Duarte, Ermano Domingos do Coat 1, Anlonie
Augusto Pereira da Cunha, Leovigildo de Amorim
Filgueiras, Matheus Casado de Araujo Lima Ar-
naud e J >io Baptista Goncalves Campos a ajuda
de custode 4:00040)0.
A cada am dos desembargadores Joao de Car-
valno Fernandes Vieira, Tristao de Alencar Arari-
pe, Olegario Herculano de Aquino e Castro, Jose
Norberto dos Santos, Joao Jose de Andrade Pinto,
Frederico Augusto Xavier de Brito, Antonio de
Cerqueira Lima, Bernardo Machado da Costa Do-
ha, Jose Nicolao Rigueira Costa, Manoel Jose da
Silva Neiva, Silverio Fernandes de Araujo Jorge,
Sebasliae Jose da Silva Braga, Manoel Jan-en Fer-
reira, Francisco da Serra Carneiro e Joio Paulo
Monteiro de Andrade a de 3:000i000.
Eis as noticias *commerciacs das ultimas
datas:
t Buenos-Ayres, 14 de novembro. -Para a mala
deste paquete as transacrdes realisadas em cambio
foram aos algarismos seguintes :
t Sobre Londres de 49 1/4 a 49 3/4 e de 49 3/i
a 49 5/8 d. por peso forte.
Sobre Franca e Antuerpia de 5,29 a 5,32 por
franco.
Sobre 0 Rio de Janeiro a 30/600 por onc.a de
ouro.
t No mercado de generos 0 movimento foi pe-
queno, gozando, por6m, os generos de procedencia
bra-ileira de condieoes especiaes, ja pela flrmeza
dos precos, ja pela falta de alguns.
c Para a aguardeute 0 mercado esta firm.', e
com procura, sendo 0 deposito limilado a 16 pipas,
pelas quaes pedem 64 pesos fortes pelos 158 ga-
mes. -
Entraram 1057 barricas e 468 saccos de assu-
car de Pernambuco, que foram vendidds a varios
precos. O mercado fecha flrrae pelo genero secco
e de boas qualidades
'a Por varios vapores entraram 411 saccas com
cafe do Rio de Janeiro, estando a maior parte ja
vendido por precos elevados. As 160 saccas, que
tronxe 0 Tiber a quinzena passada, foram vendi-
das de ps. 710 a 740, segundo a qualidade. O
mercado fechou ho|e firrae, porem mais calmo.
i Pequenos lotes da fumo em rolo de superior
qualidade roram vendidos a 5 1/2 ps., 0 em jaca, e
a 6 ps. 0 em latas. Marcas especiaes alcancaram
de 7 a 8 ps. O mercado fechou calmo.
Montevideo, 14 de novembro.Atravessou a
nossa praca largo periodo de crise e por esse mo-
tivo sra moroso 0 seu restabelecimento.
t No paquete Douro segue a eoramissSo encar-
regada pelo governo de negociar 0 emprestimo
para a con ver sao de nossas dividas publicas in-
ternas. E' muito natural que aates de chegar 0
produeto de tal emp estimo para pagamenlo de
14 milhoes de papel moeda ja tenha 0 paiz aufe
rido vantajosos resultados da nova safra, para
in.'ili irai- 0 estado precario era que se acha.
Os descent )s regularam nesta quinzena de
15 a 18 por cento, 0 0 cambio sobre Londres do
51 1/4 a 5t 3/8 e sobre Franca de 5,46 a 5,48.
t Peiarou sensivelmente a posicao do assucar,
cujos precos regularam a 23 1/2 rls. 0 branco de
1.', a 21 0 de 2.a, a 19 0 sornenos e a 17 0 masca-
vo da ultuna safra. As concessoet feitas pelos
possuidores nao animaram os compradores a ef-
fectuar grandes transacgoes. Parece que esta
safra encoulra aqui peior mercado do que a ul-
tima.
a O cafe tambem sofTreu alguma depreciacao,
nao so porque houve muitas entradas, como aclia-
mo-nos na estacio em que seu consumo 6 muito
pejueno. Ein primeiras maos exi-tem 800 sac-
cos. Cotamos n iminalmente a 30 i por quintal
despachado.
a A existencia do fumo em latas e superior a
900 calxas, ao passo que a procura 6 quasi ne-
nhuma. As marcas mais connecidis ubtem de 8
a 9 1/2 e as menos acreditad.s de 7 a 8 t
c Alcancou facilmenle a aguardente branca e
boa da Bahia c impradores a 82i ; ao passo que a
de Pernambuco por ser inferior esteve froaxa de
80 a 78* a pipa.
< Rio de Janeiro, 22 de novembro. Nao houve
hoje alteracio alguma na posicao do merc?do de
cambio, que fechou firme. Effecluarara-se pe-
qucnas transaccoes sobre Londres a 26 1/8 d. pa-
pel bancario, 26 1/4 e 26 3/8 d. particular e sobre
Franca a 362 e 364 rs. por franco.
a Negociou se um lote insignificante de sobera-
nos a 9/340 a dinheiro.
t As apoliees ceraes de 6 por cento conserva-
ram se pouco activas, mas firmes a 1:072*000 e
1:073) para lotus insignificantcs, e a 1:074* e
1:075* para partidas regulares.
a O mercado de ascdes contmuoa a mostrar
muita apathia. Apenas transpirou a veoda de
did lote das do banco do Brasil a 250* cada uma
a entregar no fim do corrente raez, de pequenos
lot s das da companhia da estrada de ferro da
Leopoldina a 44* e da companhia de carris de
ferro -de S. Cnristovio, a 446* cada uma a di-
nheiro.
Nada se fez hoje era cafe ; as vendas de as-
_,-------,-------------.-----,-----------rr_r;-------
quim de Souza Brito aquelle eslabeleciroen-
to, e fe-la desjibar, acompanba la de muita
terra, abafando todo 0 correrd* casas que
Hie flcava em frente.
Foram victimas sole pessoas qua falle-
ceram, e 5 que ficaram mais ou tnenas
maltratadas. As fallecidas sao os afrii^tnos
Napoleao e sua mulher nelfina, Joio Cle-
mente, (Worico, Esperan^a e Leitao, 6 o
portuguw Joao Vieira da Costa, que O&O le-
ria mais dc 15 annos.
Ficaram tambem aspbvsiados pit es-
magados debaiio das paredes e da terra IT
animaes, sendo 5 vaccas e bweros e 2
burros.
O predio, que era abarracadoe bastau-
te extenso, com dtversos compartiin^uto^
ao longo, nio foi todo dustruido, po,-ji, 0
que resta ameaya ruino. Pertence k'\. O.
i' de S. Francisco, e estava arrwidado o
Sr. Jose Alves Dias, que occupav* graudt-
parto com 0 sou estabuleciiuenlo de <]>irro-
eas e carros para rnudangas, vaccas do loite.
etc., sublocava diversas partes aos africaoos
que pereceram.
llouve ante boutom (iij, no collegio
S- Jose, aos Barris, uma reuniao das pessoas-
inscriptas para a projectada A^sociac^o Ca-
tbolica, desta capital, e, entre outras deii-
beracfies, resolveu-se :
One em nome dos catb licos da Bahia
dirija-se um manifesto aus Li us. oispos
do Brasil, que estfio sollrendo persuguicAo ;
uma saudagao aus dinstinctos esadstas,
que nas camaras tao relovantes servigos
prestaram & Igreja, defeudendo a causii ca-
tbolica ; e que a mesa p.ovisoria communi-
que ;i Associagao Catholica da Cdrte, e &
Uoiao Catholica de Pernambuco, os traba-
lhos preparatorios aqui realisados para a
organisajao d'uma associa^ao identica, eu-
viando-lhes copia d s estatutos submettidos
& approvacao da presidencialla privincia, e
dando-lhes conta dos embarar;os oppostos a
essa approvacao.
Tratou-se tambem, uessa reuniao, dos
meios de alargar 'a ac^ao da imprensa ca-
tholica: e 0 ensino da doutrina, assim co-
mo da acquisiijao d'uma casa, ein que sera"
fundada uma bibliotbeca orthodoxa, e em
que possam facilmente reunir-se os catholi-
cos desta eidade, bavendo-se logo para tal
fim, aberto uma subscript que produzio
nao pequena somma,
No domingo 23 do corrente amaohe-
ceu no nosso porto bastante f6ra dis anco-
radouros, 0 vapor francez Rivadavia, da
linha do Havre.
Algum tempo depois tomou a direccSo do
ancouradouro dos navios de guerra, e dan-
do volta, seguio barra fora sem ter commu-
nicagao com a terra.
Vinha do Rio da Prata, e seguio para 0
Uavre.
O vapor hespanhol Rosita y Nene
amanbeceu 110 nosso porto no dia 23 do
corrente, |f6ra dos ancoradouros, e mais
tarde foi rebocado para 0 da franquia por
dous dos vapores de reboque.
Em viagem de Mac^o do Natal, Cabo da
Boa-Esperanca e Assumpcao, corn 7 mezes
de viagem, sendo 4 do ultimo, e com des-
desLno a Havana, para onde co iduz 731
immigrantes chins, arribou por iesarranjos
no machinismo.
Com 0 temporal do dia losubioo rio
Jaguaribe a grande altura, sahind j fora do
leito. E' a terceira encbente qne este rio
aprcsenta neste anno.
Esti grassando a variola intensamente
na villa de Jaguaribe, na povoacSo da bar-
ra do Garcez e na da Estiva, augmentando
0 mal 0 isolamenlo em que deixaram os
doentes.
Conferio S. Exc. Rcvm. no domingo
23 do corrente a ordem de presbytero aos
Rvds diaconos, alumnos do seminario ar-
chiepiscopal, Joao Alves de Lima Estrella,
Jose Pereira dc Araujo Cavalcante e Lrbano
Cecilio Marlins.
Por acto de 22 do corrente foi nornea-
do 0 bacbarel Felippe Pereira Nabueo de
Araujo para o lugar de promotor publico
da comarca do Rio de Contas.
No dia 10 teve sua segu ida reuniao a
commissao de inqueritosobre a lavoura.
Foi apresentado e aprovado 0 program-
ma para 0 trabalho, dos membros da com--
missao os Srs. Sampaio Vianna e Lacerda,
que e do theorseg linte :
Em vista da urgencia com que sao
pedidas as informacoes, 0 inquerito sera li-
initado a"s seguintes localidades :
Municipio da capital, comarcas de
Abrantes, Alagoinhas, Feira de Sant'Anna,
Cachoeirs, Nazareth e Valenga.
Versari sobre cada um 1 das ditas loca-
lidades, fazendo-se depois uma exposicao
geral.
Os pontos sobre os quaes devem ser
pedidas as informacoes s5o os seguiotes ;
1. Quaes os generos de producto
agricola do municipio ou comarca ?
2." Qual delles 0 mais importante ?
3." Quaes s3o exportados, quaes ap-
plicados ao consumo interno do municipio
ou comarca ?
4. Quaes promettem maior desenvol-
sucar furam pequenas para consumo.
t Sahiram tamb.nu para consumo cerca de
6,000 arroba de carne seoca.
Nao nos cons tou fretamento algum. t
Sahiram para Pernambuco : a 21, patachos
b-asileiros Bom Jesus e Pinto ; a 2J, bare* hol-
la ndeza Sphyn.
BAHIA
Lemos no Jornal:
A forte ventania e as cupiosas chuvas da
segunda-ieira occasionaram un grande e**
daploravel desastre.
u. A' raeia nuitn, esboroando-se a terra
quo ficaa & oavalleiro do estabelecimento
conhecido por Coxeira de S. -Miguel sito &
Fonto Nova de S. Migu.l, na freguezia de
Sanl'Aiina, abalou a murelha que separava
Quaes os quo vao em
vimento no futuro ?
decadencia ?
5." Qual 0 methodo de cultura de
cada um delles ? Sao empregados macbi-
nismos nos preparo dos mesmos, e de trap
especie?
6. A cultura 6 feita por bracos li-
vros u escravos?
7." Que meios lembra para mel^iora-
mentos de cultura e preparo de diversos ge-
neros ?
-8. As terras prestam-se & cultura de
outros que nSo sejam os cultivados actual-
mente ?
a 9." Ha terras publicas ou particiili-
res em que possam ser estabelecidas cgIj-
nias agricolas?
1 Qual 0 p.-ego das terras, seguaJ0
suas qualidades ?
11. Qual a condicao dos pequenos
lavradores que trabalhtm com sous bragos ?
Que vantagens fazem elles aos proprietaries
do solo, e estes a aquelles?
12. Ha facilida le na obteneSo do
bragos livres para a gran le lavnura ?
a 13. Ha vias de con uunicagao facii.-.
terrestres ou maritiiuas para os mercados
ou portos le embarquo?
14. Qual a estrada do munioipiu,
que julga a mais impertante para faeilijud-}
de transporte ?
. 15. E' prusperoou nao 0 estado da la-
voura, e 0 motivo quoattribueo seu yd an
tamento ou atrazo ?
16. Que meios lembra para seu mair
desenvolvimento ou para reparar 0 mal <>,
soffre ?
17. Os actuaes imp istos geraes, |d-
vinciaes 0 municipaos oiitribnu.n pa
da casado Sr. engonhoiro Dr. Manoel Joa- atrazo de algum.dos raruos duprod.
] Mimm
je^u*
{ UGiVn



--.*-:

I
Oiario de Pemambuco Sabbado %$ de Novembro de 187S.
agricola ? Quaes delles convent ser extinc-
tos ou diminuidos?
18. ila ou houve algum estabeleci-
mento baneario que faca oa flzesse empres-
tiaios aos lavravdoros?
a 19. Com que condic,oes sao feitos, mes-
mo por particulares os omprestimos a la-
voura?
a Eis o resultado do concurso, a que so
procedeu no dia 17 do correjite, no Paco Ar-
diiepiscopal para preenchimento das paro-
ebias vagas nesta diocese:
SS. Coracao de Jesus do Monte Santo,
Rvd. vigario Antonio Agripino da feilva Bar-
ges, 13 pontos, notamediocre; o Hvd
Victorio Joao Pinto Neves, 13 pontos, nota
mediocre ; o Rvd. Luiz da Franca Gui
maraos, 13 pontos, notamediocre.
Sao Thiago do lguape, o Rvd. Pedro
;1'Alcantara Gomes Guimaraes 13 pontos,
notabom ; o Rvd. Sertorio Zepherino Na-
zareno, 14 pontos, notabom ; o Rvd. vi-
gario .lose da Costa Serpa, 13 pontos, nota
mediocre ; o Rvd. Manoel Pompilio Ro
drigues da Silva, 10 e meio pontos, nota
approvado.
Nossa Senhora da Conceigdo do Curra-
, jJDho, o Rvd. Feliciano Candido Rodrigues,
16 pontos, notaOptimo; o Rvd. Manoel
Alexandrine do Prado, 13 pontos; nota
mediocre; o Rvd. Prospero Ferreira de
..Souza, 12 pontos, notamediocre.
S. Bernandoda Villa d'Alcobac.a o Rvd.
Antonio Angelo G. de Mendonga, 13 e meio
pootps, notabom ; o Rvd. MarcellinoNu-
hes de Castro, 12 pontos, notamediocre ;
o Rvd Antonio Bernardo do Rosario, 10 e
meio pontos, nota -approvado.
Seuhor do BomQm da Villa Nova da
Rainba, Rvd. conego vigirio Paulino Sera-
piao d'Almeida Santos, 15 c meio pontos,
notabom; Rvd. Manoel Ferreira dos San-
tos Cunba, 13 pontos, notamediocre.
m SS. Sacramento da Villa de Minas do
Rio da Conlas, o Rvd. vigario Procopio
Jose" Rufino, 13 lontos, notamediocre;
o Rvd. Manoel Firmo da Rocha, 12 e meio
pontos, nota mediocre.
Nossa Senhora do Monte do Reconca-
vo, o Rvd. Manoel da Natividade de Maria,
J5 pontos, nota -bom ; o Rvd. vigario Joa-
quim Antonio de Cerqueira, 12 o meis pon-
tos, notamediocre.
S. Jose" do Riacho da Casa Novi, oRvd.
vigario Alvino de Magalhaes Cerqueira, 11
e meio pontos, notamediocre; oRvd. Ro-
berto Jose da Costa Cerqueira, 11 c meio
pontos, nota mediocre.
k Nossa Senuora da Conceicao do Ga-
viao, o Rvd. Joaquim Jose Pereira do Car-
valho, 10 o moio pontos, notaappro-
vado.
k Senhor do Bomfim da Nova Boipeba, o
Rvd. conogo Fulix de S. Tliereza de Jesus
Bahia, 12 pontos, notamediocre.
Nossa Senhora 'la PurilicacSo da Ca-
pella, ua provincia deSergipo ; o Rvd. Fran
Cisco Viera da Mello, 16 pontos, notaOp-
timo ; o Rvd. Joao Barbosa de Andrade, 11
pontos, notamediocre ; o Rvd. Leandro
Ribeiro dos Santos, 11 pontos, notame-
diocre.
Nossa Senhora da Piedade do Lagarto,
na mosma provincia, o Rvd. vigario Joao
Baptists de Carvalbo Daltro, 14 e meio pon-
tos, notabom; o Rvd. JuseAntonio de
Vasconcellos, 12 e meio pontos, notame-
diocre.
Sant'Vnna do Aquidaban da mesma
provincia, oRvd. Jose Cupertino Nogueira
da Silva, 12 e moio pontos, notamedio-
cre.
Nossa Senhora do Vmparo do Ge
rii, na mesroa provincia, o Rvd. Fedciano
Francisco dos Santos Aimrade, 10 e meio
pontos, notaapprovado.
Achavam-se terminadas os eleicoes,
sendo deputados pelo 1. e 2. dis-
trictos:
1 Dr. A. P. Pacheeo Brandao 252
2 Dr. .1. M. d'A. Goes Junior 219
3 Dr. Joao Victor de C. 216
4 Dr. F. de Azevedo Monteiro 200
5 Dr. Altino R. Pimenta 184
6 Dr. A. Souza Gomes 184
1/ Dr. A. Mdton 7o9
2. Dr. M. C. d'Araujo Lima 717
3. Dr. A. 0. d'Araujo G6es 694
4." Conego H. S. Brandao 683'
5. Dr. A. E-. G. d'Almeida 637
6. Dr. Jose Nones da Silva 573
7. Dr. J. M. Baggi 538
8. Vigario J. Cupertino 517
9." Dr. M. N. Teixeira 51 v
0 cambio regulava sjbro Londres
26 3/8 d.
i'ERMMBUCO,
REVISTA DIARIA.
Hospiclo de alienados. Damos em
saguida mais ira donativo para as obras deste cs-
tabelimento .
Ulm. e Exm. Sr. commendador Henrique
Peroira de Lucena.
Dando noja a V. Exc. solucao a carta com a
qoal se dignoi tonrar me, encarregando-mc de
abrir uma subscripcao nesta comarca em favor
da edificacao de uuia casa para asylo de aliena-
dos nesta provincia, sinto declarar a V. Exc. que
osmeus incomraodos de saiide me inhibiram de
desenvolver mioba aciividade em ordem a melhor
monto sausfazor as beneficas vistas d9 V. Exc. e a
apresentar um resultado signiOcalivo dos senli-
mentos generossos dos babitantes de Itambe, en
tretanto, satisfaz-me dar a conbecer a V. Exc,
que so por motivo poderoso e independente de
minha vontade, nao me foi possivel conseguir
maior donativo em favor desse grandioso empre-
bendimeffto, de enja iniciativa so a V. Exc. cabe a
gloria, tanto mais elcvuda quanto procura com in-
vejavel perseveranca levar a eiVeiio um tao uiil
e humanitario desideratum.
Da relacao qua a esta acompanha, vera V. Exc.
quaes as pessoas que contribuiram com os seus
obolos, e a sna importancia, desejando que V.
Exc. faca puibiicar suas contribuicSes para que
tenbam sciencia do seu verdadeiro destine
Com todo respeito e alia consideracao.Sou de
V. Exc. muitc atiento respeitador e criado obriga-
do.Jodo Francisco da Silva Braga.
Major Joaquim Monteiro Guedes Gon-
dim 100*000
Major Joao Alvares de Carvalho Ce-
zar 1004000
Luiz Guedes Correa Gondim. 30*000
Vigario Antonio Rufino severiam da
Cunha 10*000
Capitao Antonio Goncalves de OH-
veira 20*000
Padre Antonio Generoso Bandeira 105000
Dr. Jose Tavares da Cunna Mello 104000
Dr.Jose Eustaquio d'Oliveira e Silva 105000
Joao Jose de Souza Gomes. 10*i)00
Capitao A reel i no Correa d'Oliveira
Andrade 20j00<>
Cbristovao Vieira Leilio de Mello 10*000
Dr. Hercnlano Bandeira de Mello 10*000
Capitao Baldoino da Silveira Vi la
Secca 10100 >
Tenente Ignaiio Ferreira Guima-
raes 20*000
Capitao Manoel do Rego Cavalcante
de Albuquerque 104000
CapitJo Luiz da Veiga Pe=soa Cezar JOiOOO
Candido G>nc;ilve-< da Silva 5*000
Gabinete da presidencia de Pernambaco, tra
K de rioverabro aa 1873.
Illm. Sr. Dr. JoSo Francisco da Silva Braga.
Com a quantia de trezentos e noventa e cinco
mil reis (8954000) acompanhada da lista dos con-
tribuintes, rcspondeu V. S. em carta de 3 do
cerrente, a cm que solicitou sua valiosa iniciativa,
no sentido de abrir nessa comarca uma*subscrip
rao em favor do asylo de alienadot.
Prevalecendo me desta opportuoidade para ex
pressar a^V. S. os meus sentimenios de gratulao,
me 6 sobrerraneira agradavel fazer aqui mencao
honrosa do louvavel esforco com quo so dignou
de coadjurar-mc no empcuho de rcalisar aquclla
obra.
Rcstame oedir-lhe quo tenha a bindade de
transmitlir aos illustres signatarios da relacao
cima alludida, os mem pmlestos de reeon-eci-
mento, e assignar-me.De V. S. muiio attento
venerador e criado. Henrique Pereira de Lucent.
Citnfcrenelas lftterarias. No diaem
que do Rio de Janeiro sahio o Doum, duviam co-
mecar em um vasto salao do edificio destinado a
escolas publicas na freguezia da Gloria, e perante
suas magestades impenaes, conferencia* litterarias
sobre assuraptos que nao entendam com a religiao
ou com a politica.
A primeira das conferences, cabendo ao Sr.
conselbeiro M F. Correa, ex presidente desta pro
vincia, devia versar sobre a necessidade de ser es-
tabelecido no imperio o ensino obrigatorio.
De outras conf gundo o programmapublieado pelo Dinrio&o Rio,
os Sr?. Drs. Gusniao Lobo, Ferreira Vianna, Duq_ue
Estrada, Teixeira da Rocha, Caltogeras e vanos
outros homeqs- de lettras.
Kmbarquc -Muito concorrido, pelo qoe a
politica e as letlrai da provincia teem do im
porlante, foi | hontem o embarqua do Exm. Sr.
conselheiro Jose de Alencar, que regressa ao Rio
de Janeiro.
\ viagem de S. Exc, ao norte dj imperio, e
alii, :i sua provincia natal, foi uma peregrina
cao da gloria, quo a raros vencedores 6 perrait-
tido no mundo.
Victoriado pelo respeito e pela admiracao, por
onda quer que passou, S. Exc. recolhe ao Rio
do Janeiro, levando a consciencia de qua scu
name e ;a uma realidade historica.
Pra^a dc Pedro II.Para auxiliar as
obras t> ajar.linamento dessa praca, era boa
hora iotentado pelo Sr. Dr. Pedro da A. Lobo Mos-
coso, cujo amor ao engrandecimento material
desla provincia tern-no elle manifastado em em-
prebendimentoj dignos de toda a coopemcao;
offereceu o Sr Vicente da Oliveira, emprezario do
tliealro Santo Antouio, o productc do espectaculo,
que devo ter lugar amanha nesse thetro.
Esperando que o> moradores da freguezia de
Santo Anianio, pelo intnos, a quem muito de
perto dove interessar aquelle melhorament" pu-
blico, demo vain-se a corresponJer as vistas de
3uom, apezar de nao pernambuoano, tanto se
esvela pela nossa provincia ; pen9amos aju zar
ao certo a respeito do seatimejito dc generosi
dado que a todos attribuimoe.
Assim,. e de suppor que es. naturcza da applicacao de seu producto, atlraia
a concurrencia possivel, dispen*ando-lhe esta a
generosidade merecida.
Bandeira.A's 7horas da noile de boje, te-
ra lugar com a solomnidado propria, o hastea-
mento da bandeira de Nnssa Senhora da Concei-
cao, quese vedera na capella do arco da ponte dc
Sete 5e Setcmbro; e tocarao durante o aclo is
bandas de musica march I do corpo de policia e do
arsenal de marinha. Seguirse- a a novena.quei-
mandi)-50 om caaa uma da suas noitcs um peque-
no fogu de artifieio, ropresentando um 'dos myste-
rios da immaculada padroeira,
Para a Eurupa. Cum 23 recebidos em
nosso porto, levou o vapor Douro 167 passagei-
ros.
Dnheiro. 0 vapor Douro trouxc para :
New Loidon and Brazilian Bank 100:0004' 00
Banco Commercial de Pernain'meo 100:-mj04000
Keller & C. 43:000*000
Escola normal das senhoras. Nos
dias 2 22, 24, 25 e 26 fnfam exammadas 18
alumnas do 1 anno, seudo esta o resultado:
D. Amelia Josellna Nery da Fonceca, approvada
em as tres cadeira*
D. Antonia Feneira da Costa Braga, approvada na
la e 2-, e approvaiia plenamenie na 3\
D. Bemvinda de Souza Chaves, approvada nas tres
cadeiras.
D. CLirinda Bibeiro da Silva Guimarae?. idem.
I). Filomena dos Sant03 Solva, idem.
D. Joanna 0. d'Oliveira Paz, idem.
1). Juvenlina Amelia Carneiro Monteiro, idem.
U. Julia (Candida do Rego Barrels, idem.
D. Justina Anna da Silva Santos, approvada na 1*
e 2', o approvada planamente na 3*.
D. Maria Amelia da Silva Braga, approvada plena-
raimte nas tres cadeiras ().
D. Maria Beliza de Gustiiao Lobo, approvada nas
tres cadeiras.
D. Maria Joselina Alve> de Brito, approvada ple-
namente na e 3", e approvada na 2*.
D. Maria Rosa do Es..irito Santo, approvada pie-
namonte nas tres cadeiras (*).
D Marianna da Silva Jesus, apprpvada na 1 e 2J,
e approvada plenamenie na 3*.
D. Rita dos Santo3 Leal, approvada na P o 3', e
approvada plenamenta n (*) As alumnas D. Maria Braga e D. Maria Rosa
distinguiram-se, como d'outra vez succedeu as
suas collogas D Amelia deLemos, >. Anna Mon-
teiro, e D. Maria Hermina, que, como ellas, foram
premiadas.
Com esta resultado, poz-se ponto as faJigas es-
colarc3 dete anno.
Do 44 quo requeroram ser admittidas aos exa-
raes:
No 1" anno.
Foram approvadas 31
Foram esperadas *
Nao concluiram as provas
Nao compareceram 3
No 2j anno.
Foram approvadas em todas as cadeiras
Idem em uma so cadira 1
Nao concluio a prova
Concurso.Terminou hontem o concurso, a
que se procedeu na FaculdadedeDireito, para pro-
vimento da cadeira de lingua nacioaal do curso
de preparatorios, a alia aunexa.
Theatro Santo Antonio.-Neste thea-
tro havera hoje espectaculo em beneflcio de sua
primeira dama, a bem conhecida e applaudida
arlista D. Manuela Lucci.
0 nome da beoeficiada e a melhor recommenda
cao ao espectaculo de hoje.
Exereieio dc fogo Hoje,as 5 horas da
tarde, o 9' batalhao de infanlaria de linha, sob o
commando do Sr. tenente-coronal Hello, fara exer-
cicio de fogo no largo do Hospicio.
Monte Pio Popular Pernambuca-
no.Esta sociedade celebrara amanha o 17.* an
niversario de sua installacao com missa solemne,
as 10 horas da manba, na igreja de S. Pedro,
sessao magna depois na respectiva sede, a rat do
Imperador n. 83, terceiro andar, e lad.tinba a noi-
te. Sera franca a entrada as pessoas deceutemen
ta vestidas.
Olinda.-Consta-nos que no pateo doCarmo
desta cidade, um club dos ensaccades pretende
aposiar em corridas amanha, nao havendo duva.
Nao nos souberam dizer a hora, nem se pela ma-
nha ou a tarde.
I.otcria do Rio de Janeiro. Resu
mo da lista da 8* loteria concedida para as obras
do hospicio de Pedro II, extrahida a 17 do cor-
rente :
N. 1442...................... 20:00 >*009
N. 539S...................... I0:00"i4000
If. 1012..................... 4:t00*000
N. 1412..................... 2:0004000
Ns. 1788 e 5746-1.-000* a cada um.
Ns. 2905, 4469, 4946 e 53678004 a cada um.
Ns. 522, 1691,2296, 2415, 2983, 3772, 4150,
4532, 5615 e5969 -2"0* a N. A48. 757, 1088,1477,1505, l66f, 1764,1881,
2623, 2695, 2995, 3626, 3682, 3950, 3980, 4040,
4785, 48il, 5562 e 56001004 a cada um.
N. 10, 116, 21, 2H, 412, 520, 545, 627, 689,
874, 915, 916,961, 1021, 1170, 1172, 1210, 1219,
1224, 1277,1308,1371, 1381, 1387, I6H, 1624,
1626, 1704, 2iK)2, 2251, 2289, 2774, 2794, 2915,
3037, 3i3J, 3285, 3303, 3426, 35 9. 378), 3824,
3831, 3894. 3905, 3932, 39.9, 4119, 4u0, 4359,
4608, 4667,4827, 5027,5118, 5405, 5464, 5524,
5675 e K687 404 a cada um.
Rewuno da lista da 5* loteria a beneflcio das
obras da malm da Gloria, extrahida a 21 do cor
rente :
N. 2763...................... 20.0104000
N. 2896..................... 100004000
N. 3695 ..................... 4:000*000
N. 363...................... 2:000*000
v. 837 e 37751:000* a cada om.
Ns. 635, 1115, 4688 a 5991 800* a ca 1a nm.
Ns. 469, 6 9, 1178, 1517, 1789, 1865, 1888,
4788, 8495 e 5963 2004 a cada am.
Ns. 3, 6, 610, 803. 932, 1279, 1423, 1974,
2467, 2615. 343 55(5. 3685. 3834, 4160, 4318,
4861, fS726, 5927 e 59:16 1004 a cada um.
3i0 03, 415, 588, 608, 614, 881, 888, 924,
990. mi, 1073. 1118, 1237, 1240, 1297, 1466,
1768, 1796, 1809, 1904, 2179, 2277, 2390, 2524,
2385, 2782, 2844, 3033, 2058. 3074, 310$, 3ilT
3232, 3367, 4425, 3478, 3545, 3747. 3761 3839
3974, 4028, 4>30, 4043, 4111. 4292, 4383, 4420
4602, 4817, 4905, 4942, 5176, 5187, 5397, 5499,
5534, 5702 e 5718-40* a cada um.
Hitmlcidio. Pelas 6 horas da manha do
dia 8 do correnie, Joao Pajeii, no lugar denomi-
nado Tucano, do districto policial da villa de Ouri-
cury, assassincu com um tiro e It facadas a Cas-
siano Bezerra, tendo por cuniphces de seu crime
Isabel Maria de Jesus e a irma desta, sua ama-ia,
Agueda Maria de Jesus. Podemos noticiar que se
acham todi s pro-os.
Espancamento. Na villa de Otiricury,
Querino Pereira de Almeida, espancou barbara-
inente no dia 9 do corrente, a sua propria mulher,
Ignacia Maria da Conceicao. Foi preso em fla-
grante.
Casualidade fatal. No dia 25 do cotren
te, um escravo do Sr. Francisco Casado da Fom-c-
ca, proprietario doengenho Jangadinha, do distri^-
to do Peres, indo azeitar uma roda dentada desle
engenho, que estava moendo, foi por ella agarra-
do e arremessado ao eivoco onde cahio quebrando
arnbos os bracos ; do que the resultou amorte.
Telefrrapho submarlno eosteiro.
Devendo chegar nestos dias o vapor inglez Hoo-
per, porlador da seccao do fio telegraphic) que
deve unir o nosso porto com o do Rio de Janeiro,
foi expedido, pelo ministerio da fazenda, o seguin-
te aviso as thesourarias do Rio de Janeiro, da Ba-
hia e de Pernambaco:
c Ministerio dos negocios da fazenda -Rio de
Janeiro, em 12 de novembro de 1873. Queira V.
S. dar as necessarias ordens, afira de que nessa
alfandega scjam concedidas todas as facilidales,
de que gozam os navies de guerra de nacoes ami-
gas, ao vapor inglez H-oper. que condaz a segun
da seccao do cabo submarino entre Pemambuco
e esta corte, c qua deve alii chegar ate ao dia 25
do mez corrente ; visto ser o dito navio destinado
tao somente ao lancamento do fio telegraphico,
conforme declara o representanle da companhia
Western and Brazilian Telegraph Limited, em of-
ticio dirigido ao ministerio da agrieultura, com-
mercio a obras publicas, em 8 do raferido mez.
Deus guarda a V. S. Visconde do Rio-Brauco.
The Western and Brazilian Telegraph Com
pain Limited Kio da Janeiro, 8 da novembro de
1873. Illm. e Exm. Sr.Teuho a honra de levar
ao conheeiraenlo de V. Exc quo o vapor inglez
Hooper, que conduz a segunda seccao do cabo
submarino entre Pemambuco e Rio de Janeiro,
deve ter sahido da Inglaterra em tins do mez pas-
sado e chegar a Pemambuco ate *5 do corrente ;
ecoraoseja de maxima importancia para ofeliz
exito do lancamento do cabo a mais ampla liber-
dade de accao, muito cspecialmentc junto aos por-
tos no acto de amarrar eai terra a extrema f >rte
do cabo, rogo a S. Exc. o Sr. risconde do Bio-
Branco a expedicao das convenientes ordens as
^Ifandegas do Rio de Janeiro, Bahia e Pernarabu
co, para que aquelle vapor, que traz tat somento
o cabo telegraphico o rospectivo apparelho, sejam
concelidas todas as regalias dos navios de guerra
de nacoes amigas, isentando-o jde quaesquer for-
malidades nas respectivas alfandegas. Este vapor
destina-se tio somente ao lancamento do fio tele-
graphico, e nenlium Pun commercial tem. De-
vendo te vaper chegar a Pemambuco a cerca de
25 do corrente, ouso ponderar a V. Exc. a ne-
cessidade de qua as inslruccocs alludidas sejam
expedidas pelo paquete nacional que saho no dia
15 do co rente, a que c' ega a Pemambuco jusla-
raente no dia 25. Os agentes desta companhia
sao : No Rio de Janeiro, o abaixo assignalo. Na
Bahia, o New London and Brazilian Bank. Em
Pemambuco, Arthur Peasson. Deus giarde a V.
ExcIllm. e Exm. Sr. conselheiro Jos Fernandes
da Costa Pereira Junior, ministro e secretario de
estado dos negocios da agrieultura, commercio e
obras publicas. -Colin Macken, represenlanto da
companhia acima.
Collegio de direito publico inter-
nacional. -Le-se no Diario Official:
a 0 secretario geral da associacao nacional, para
o dcsenvolvimento da sciencia social existente em
Londres, dirigio ao enviado extraordiaario do Bra-
sil naquella corte a seguinte communicacao, a
respeito do concurso aberio para apresentajao do
mclbor projecto de um codigo de direito publico
inlernacional:
-( Associacao nacional para o desenvoivimento
da sciencia social, 2 de setembro de 1873.
Senhor. Da parte do couselho communico a
V. Exc. que e offerecido por esta associacao o
prcmio de 300 a quem apresentar o melhor pro-
jecto sobre um codigo de direito publico interna-
cional, cujas condi/oes vao juntas ; padindo uue
faca chegar ao conhecimanto do governo imperial,
para ter a conveniente publicidaae no Brasil.
Tenho a dislincta honra de ser de V. Elfo>
servo obedienle C. W. Ryalls, secretario gosal.
AS. Exc. oSr. conselheiro Josti Carlos de Al-
meida Areas.
t Premio para um projecto de codigo dc direito
internacional.
S. Exc. o Sr. D. Ariuro de Marcoartu, ex-da-
putado as cdrtes am Hespanha, offereee por inter
medio desta associacao a quantia de 300 a quem
apresentar o melhor projecto sobre o aisumpto
seguinte :
Como se devo constituir uma assemblea inter-
nacional para a orgauisa^ao de um codigo dc di-
reito publico nacional ?
Quaes as principaes bases em que deve ser
formulado um codigo?
As condicoes do premio sao as seguintes :
o l. Gs concurroates remetterao seus projectos
ate o 1 do junho de 1874, ou antes, em carta fe-
chada, com endereco a associacao (I Adam Street,
Adolpbi, Londres) contendo outro sobscripto la-
crado com o nome e residencia do autor.
a 2.* 0 projecto podera ser em francez, inglez
ou alleraio ; o devo ser acompanhado do um in-
dice.
3." Serao nomeados pela commissao executi-
va da associacao arbilros, escolhiJos de raaneira
que rcpresentem diversas nacional idades.
A decisao sera por volo escripto da maioria
dos juizes.
a 4.* Sa na opiniao dos arbitros uanhum dos
projectos for julgado no caso de ser aceito, nao
terao os concurrentes direito ao premio offerecido,
que sera reservado para novo concurso.
o 5.* Aos arbitros e permittido dar am prcmio
de 300 ou dous preraios um de 200 e outro de
e mo.
6.' 0 offerente. S. Exc o Sr D. Arturo de
Marcoartu, fica com o direito a propriedade dos
projectos que forem adoptados.
3 de agosto de 1873. C. W. Ryalls, secreta-
rio geral.
Vapor Nerrimack. -Devia partir do Bio
de Janeiro, para o nosso porto, no dia 25 do cor-
rente as 10 horas da '".inliS.
Vapor Julio Diniz. Sahio do Ri de
Janeiro para a Bahia e Pemambuco no dia 23 do
corrente.
Supremo tribunal de justica.- Na
ses-ao de 15 o Sr. barao de Montserrat expoz os
fundamentos pro e contra da
Revista commercial n. 8,430.Recorrentes, Ma-
noel JoaquimBaptista e sua mulher; recorrido,
Francisco Goncalves Netto, tutor do menor Arthur.
Feita a exposicao, passou os autos ao Sr. barao
de Pirapama.
Foi julgada a
Revisla civel n. 8,409, de Pernambuco.- Recor-
rentes, o Dr. Sebastiao Augusto Accioli e sua mu-
lher ; recorrido?, Jose Norberto Castello Brauco e
outros. Juizes, relator o Sr. conselheiro Costa Pin-
to, e revisores os Srs. conselheiro Couto e Veiga.
Relatada a causa, foi negada a revista ; unanime-
mente.
Na sessao de 19 foi julgada :
Revista commercial n 8,371. (De accordaos do
tribunal do commercio de Pernambuco.) Re-
corrente, capitao Eujienio Moreira da Silva ; re-
corrido o administrador da massa fallida de An
tonio Jose de Figueiredo.
Tendo sido concedida esta revista para o tribu-
nal do commercio desta corte, mas nSo estando
ainda distribuida, veio devolvida ao supremo tri-
bunal para ser assignada a relacao da revislo e
novo julgamento, visto a extinccao do tribunal
do commercio judiciano, em conformidade do
que pr-'Ceitua o art. 14 do decreto regulamentar
n. 5,456 da 5 do corrente
0 tribunal designou a relacao desta corte, e
esta conformidade e execucao do citado decreto
lavrou-se accordao que foi assignado por todos os
rainistros presentes :
Foram conclusas as revistas :
Pernambuco R. a fazenda provincial. R. Vis-
conde de Namur. Sr. Albuquerque. Pernam-
buco. R. Fraucisco Ferreira de Andrade. R.
Frincisco'Vaz 'ereira. S. Conto. R. Pernam-
buco. R. Manoel Joaquim Baptista. R. Francisco
G >n<;lves Netti. Sr B. de Monserrate,
Tribunal da relacao da corte -Na
sesiio de 14 do corrente foi julgada a revisla ci-
vel n. 139 Pernambaco RR. D. Engracia do Am-
parn Santa Rosa e seus filhos, R. Jose Alves Bar-
bosa. Receberam-se os embargos para annul lar-
ge o processo desde fls. 98.
Gazeta Juridlca. 0 n. 46 deste jornal
contem :
Gazeta Juridica : 1, 0 art. 74 do dec. de 22 de
novembro de 1871 e applicavel ao processo em 2*
instancia ? 2, No caso afflrmativo acba-se revo-
gain porelles a Res. de 25 de outubro de 1869?
JarisdiccOo Civil; Liber Jade conferida verbal-
mente in extremis. Embargo* a acordao devem
ser apresentados dentro dos 5 dias depois da inti-
macAO. Apiwllacao tem ambos os effeitos quando
nada ha a executar, embora a sentenca saja em
causa summaria.Apiiellacao tem ambos os effei-
tos na acca-t de obra nova.Appellacao tem am-
bos os effeitos, apezar do ser snmmario < proces
so, quando interposta da scntonca que julga pro-
vados os embargos de crro de contas. Appellacao
se reci'lie da sentenca quo homologa arbitramenlo
de 4004 pelo valor do libertando. Absolvido e o
re.) da instancia, se com o Tibello nao se junta a
escriptnra publica <|ue prove dominio da cousa
reivin licanda. Juiza de paz c ^6 o compeienle
para arrestos por quantia Inferior a 100*000.
Jarisdicqao Commercial: \; Exejuenle pode op-
por. contra embirganto 3*, a simutacao do titulo
deste, embora com elle ja sc tenna liabilitado ces-
sionario do executado por sentenca de outro juizo
oonfirmada em 2' instancia : 2'. Julgado so obriga
ou prejudica as proprias partes: Iv Execucao
pode ser feita em bens hypolhecados a 3, se o de-
vedor e insolvaval: 2, lnsolvavel pode estar o
devedor nao coraraercianta 3*. Execucao a nuila,
se a primeira citacio fui feita ao procurador, mes-
mo preposto, do executado, que expressamente
nao concedeu poderes para recebe-Ia : 4, Credor
hypothecario e competente para arguir tal nulli-
daue, como terceiro embargante. Crudor de do-
minio nao prefere ao hypothecario, quando o titu-
lo deste e anterior.Recurso de revista nao cabe
de decisao sobre aggravos Fallancia nao pode
ser declarada pela falta de um on outro pagamen-
to, sendo de necessidade tambem a prova de iusol-
vabilidade. Jurisdiccdo Criminal: 1*, Nao cons-
titue nullidada do processo ante o jury a falta de
acta da sessao : 2*, Quesilo sobre tentativa.1*.
Aos presidentes de provincia compete adiar a as-
semblea provincial quando no julgar ecessario:
2", Com a denuncia offerecida contra elles devem
ser exnibidas as provas do crime. -Nullo nao e o
processo ante q jury, por ser o recibo do libello
assignado a rogo, sem testemanhas.
Loteria. A que se acha 4 venda e a 77.*,
a beneflcio da malriz do Bom-Jardim, a qua! corre
no dia 3 de dezembro
Casa de detencao.Movimento do dia
17 de novembro de 1873:
Existiam presos 315, sahiram 0, cxisam 310.
A saber *
Nacionaes 233, mulheres 7, estrangeiros 26,
ewravos 37, escravas 7.Total 310.
Alimentados a ensta dos cofres publicos 248.
Movimento da enfermaria no dia 27 de novem-
bro de 1873.
Tiveram baixa :
Fabrino Jose Ferreira, asthma.
Antonio Francisco Marinha. anemia.
Joon BaDtista, febre.
Teve alta : %
Justina Maria da Conceicao.
Passagreiros Chegados dos porlos do
sul no paqueie inglez Douro :
Carmin Pelrola, Diogenes Dario da Cantalice,
Kepola Vicenzo Preociliano, Antonio da Silva
Freire, Joaquim da Fonceca Barbosa, Mariano
Moreira, Antonio Manoel da Costa, Jose Bonifacio
de Medeiros, Joao de Moraes Vieira da Cunha,
Leonardo Van Emps a M. Jean Mofulet.
Sahidos para a Europa no mesmo paquete :
Honorio J. '"annan, B. da Silva, M. Couchelt,
Jacintho H. de Mendonca, M. J. de Farias, Ramon
Garcel, Dr. Cyrillino P. da Almeida, Jose C. Sotery,
Lourenco Jose F. de Souza, Jose da Costa e sua
mulher, Lucio Goncalves, Miguel R. de Souza,
Manoel daS. N., Bernardioo Monteiro, Antonio
Pinho da Graca, R. Brotherole e sua familia,
Pietro Vicenle.
Ceiniterio publico.Obituario do dia 27
do novembro :
Julia, parda, Pemambuco, 5 mazes, Boa-Vista;
espasmo.
Izaura, branca, 3 annos, S. Jose" ; bexigas.
Benigna da Silva Boa-Vista, branca, Pernambu-
co, 17 annos, casada, Boa-Vista ; cerebrite.
Rosa, escrava, preta, Pemambuco, 22 annos, sol-
teira, Boa-Vista; bexigas.
Francisca Maria da Conceicao, parda, casada.
Graca; bexigas.
Joao, pardo, Pernambuco, 18 mezes, S. Jose
variolas. CJ
Manoel, branco, 3 annos, Santo Antonio ; va-
riola.
MSueACOES A PED1P0.
Diplomas acadeuiico* eoiu-
prailos.
Lcndo hoje na Gazetilna do Diario de Pernam-
buco u na noticia, qua eu ja finha lido no Jornal
do Recife do hontom, publicada em jornaes da Lis-
boa, a destas extrahida, a respeito de diplomas
ac.J -mices oblidos por dinheiro, julgo dever dizer
o qua sei desde 1871, para esclarecimen.o de al-
gumas pessoas.
Estando em Paris em 1871, e vando annunciado
em jornaes dessa capital, quo um Mr. Medicus se
offerocia para fornecer diplomas academicosaquel-
les que os quizassom, e desejando saber como isto
se fazia, e d'onde procediam esses diplomas, lhe
dirigi uma carta, em que lhe pergunlava se eu,
doulor em medicina pela Faculdade de Paris,
poderia obter o diploma de doutor em Direito, ou
em Sciencias Pnysicas, e a resposta sa nao fez es-
perar, se ma dizendo que isto era facil a vista de
ininhas hahilitacoes, me custando cada diploma
quin'ientos francos, ou setecentos e cincoenta fran-
cos vindo os dous graos raunidos em um sd diplo-
ma; accrescentandose que esses titulos eram
concedidos pela Univorsidade de Philadelpnia e
couferiam todas as regalias que os das oulras L'ni-
versidades.
Querendo ainda ver ate que ponto podiam ir es-
sas concessoes, lhe perguntei se tambem era pos-
sivel obter o diploma de Engenheiro Civil para
um amigj, que ainda nao tinha concluido seus
estudos, e se me respondeu, que o poderia conse-
guir e pela mesma quantia, ignorando se se seria
com o titulo de -doutor, o que me seria dito de-
pois que esse agente de diplomu tivesse ido a
Londres, onde se achava o delegado dessa Univor-
sidade.
Os diplomas seriam assignados pelo decano da
Universidade, pelo secretario a por quatro ou cin
co raembros da Faculdade respectiva, e teriam o
sello dessa Uoiversilade.
Sabendo o que eu desejava, interrompi a cor-
respondancia; mas poucos dias depois recbi uma
carta, era que se mc pedia que eu tomasso uma
prompta resolncao, pois que a occasiao era unica,
visto achar-se em Londres o delegado da Univer-
sidade e ter de ir a essa capital o agente dos di-
plomas. Nada respondi; mas isto nao obstou que
eu recebes-e outra carta, em que se me propunha
qua, se eu podesse obter um habilo de qualquer
das Ordens do Brasil para esse agente de diplomas,
queja era cavalheiro'de outras ordens e era esse
mesmo P. F. Vander Vyver, que se diz doutor em
Direito, e residia- em Jersey, rna dn Roi n. 46, te-
ria um dos diplomas sem que nada me custasse,
senio isto, como so me dizia,servico por servi
co. Ainda ficou sem resposta esta carta, e foi a
ultima.
NoRevue de Therapeutiaue medico cnirurgica-
le que se publica em Pans, do 1" do corrente
mez, l! sob a denominacso de Fabrica de medi-
cos o seguinte:
c E' coubecido desde algum tempo qua uma
Instituicao de Philadelphia, munida de nraa carU
tem por habito vender diplomas, e que seas pre-
cos sao tao regularmente flxados que ella os an-
nuncia publicamente. Essa InstituicSo, como se
ve de circularas e cartas publicadas em seu no-
me, pratica fraudes em vasta escala e com cuida-
dos minuciosos. Ella esta prompta para conferir
os graos de doutor em Theologia, em Direito ou
em Medicina a oscolha do compradjr, etc. ~
a Um oatro mal causa ella ao publico com essa
empreza fraudulenla, e o do lavar muitas pessoas
a confundirem essa Instituicao com a Uniwni-
dade de Pensylvama, confusio prejudicial, ate cer-
to ponto, 4 ntilidade de uma Instituicao honrada e
meritoria como esta.t
Se e para adrairar qua uma Universid ide, na
intencao de augraentar seus recursos pacuniarios,
venda diplomas scientificos, ainda mais o a ver
uma de nosas Faculdades de Medicina estar veri-
flcando titulos seraelhanles, contra o espirito da
disposicio do Art. 25 do Regulamanto que baixou
com o Decreto n. 828 de 29 de setembro da 1851.
Ainda ultiraameuto a da Bahia verificou nm di-
ploma obtido daquella Universidade por um de
nossos distinctos actores drdmaticos, sahindo este
approvado dos examos, e por consequencia com
o direito de exercer a Medicina neste Imperio I
Em meu poder tenho a these qua elle apr sentou
a essa Faculdade e sastenton, segundo se deve de-
prchender; e custa-me cror que a tivesso escrip-
to, nio so porque traz citacoes de autorea antigos
que |4 ninguem M, mas ainda diversas em latim,
que me pareca ignorar. Seja o que for: e preci-
so e urgente que o governo imperial lonje uma re-
solucao o de provideocias a este respeito.
Como nesta terra haja quem ponba era dnvida
mesmo o que se acha firmada em leis claras e po-
sitivas, e possa suppor qua improvitei, ponho a
disposicio de quem quizer ler a quatro cartas
qua conscrvo de P. F. Vander Vj ver e provam qua
nao eitou com o grao de doutor era Direito porjue
nao quiz.
Recife, 27 de novembro dc 1873.
Joaquim de Aquino Fair
Villa do Cabo,
Eleicao dos Juizes e mais devotos
que hao de testejar o martyr S.
Sebastiao. cm Janeiro do anno de
1874, na matriz desta villa
Juiz por eleicao.
0 Illm. Sr. Manoel de Barros Cavalcante.
Juiza por eleicao.
A Illraa. e Exma. Sra. Baronaza de J.ibialij.
Juisos por devocao.
Os Illms. Srs. :
Pedro Victor Boulitreau.
Joaquim Theodoro Cysneiro Gaimarais.
Dr. Nominando Vieira da Cunha.
Dr. Jose Ben to da Cunha Figueiredo Juaior.
Luiz Ftancisco de Paula Cavalcante da Albuquer-
que Lacerda.
Joao Luiz Goncalves Ferreira.
Jose Joaquim dos Santos Can,
Juuas por devocao.
As Exmas. Sras :
Esposa do capitao Vicente C. Cysneiro Cavalcante.
D. Maria da Paz Teixeira.
D. Maria do 0' Barreto.
D. Anna Joaquina do Rego Barreto.
D. Maria das Doras, filha do Dr. Luiz Felippe de
Souza Leao
Esposa do Sr. commendador Domingos M. Pereira
Monteiro.
Esposa do Sr. Jose Thoraaz de Aguiar Junior.
D Maria, Qlha do Sr. teneoie-corooei Antaro Vi-
eira da Cunha.
Juizes protectores.
Os Illms. Srs :
Major Joaquim Fransisco de Souza Leao.
Major Bernardo Ferreira da Barros CampeU).
Dr. Aatonio de Souza Leao.
Dr. padre Antonio da Cunha Figueiredo.
Major Jose da Silva C Guimaries.
Domingos Felippe de Souza Leao.
Manoel Rodrigues da Paixao.
Aatonio Fernandes d Barros Lyra.
Iguacio Ferreira Coinibra.
Dr. Alipio Jose da Costa.
Juizas protectoras.
As Exmas. Sras. :
Baroneza de Tabatiuga.
Baroneza de Carapo Alegre.
D. Eiisa, filha do Sr. major Miguel Bernardo
Qumteiro.
Esposa do Sr. negociante Jose Rodrigues Vianna.
Esposa do Sr. tenente Joao Chrysostorao de Senna
Esposa do Sr. alferes Manoel Felippe do Espirte
Santo.
Esposa do Sr. Joaquim Fragoso Pereira.
D. Anna, filha do Sr. John Chance.
Esposa do Sr. negociante Jose Tavares Estima.
Escrivaes.
Os Illms. Srs. :
Francisco Berenguer Cesar do Menezes.
Alferes Lourenco Laurentino Cesar de Menezes.
Tenente Taciano Leopoldo Mavignier e Araujo.
Autonio de Lima Maciel.
Tenente Christiano E. da Silva Gusmao.
Negociante Jose Maria Fernandes.
Jose Fidelis Bezerra.
Francisco Jose de Souza.
Manoel Joaquim do Rego Barreto.
Manoel Verissimo Correia.
Escrivas.
As Exmas. Sras. :
D. Maria Francisca Guedes Alcoforado.
D Maria Rita de Mello.
D. Adelaide, esposa do Sr. negociante Anton b Mar-
tins da Lima.
Esposa do Si. alferes- Francisco Victor J-J '.ar-
valho.
Esposa do Sr. Joao Travassos.
Esposa do Sr. Firmino Jose da Moura.
Esposa do Sr. alferes Manoel Fernandes Cam-
pello.
EspoSa do Sr. Bartholoraeu Vieira Gomes.
E&posa do Sr. a feres Joaquim Dativo Talles
Souza.
Procuradores.
' Os Illms. Srs. :
Alferes Joao Rutino Ferreira Filho.
Dr. Vicente F. de Barros Wanderley e Araojo.
Alferes Joao Pereira de (Carvalho.
Alferes Lourenco Marques Pereira.
Capitao Firmino Pompuso de Mello Falcao.
Heracho Pereira Mattoso.
Manoel Jose Fragoso.
Igoacio de Freitas Bibeiro.
Procuradores geraes.
Os Illms. Srs. :
Commendador Joaquim Pedro dos Sanlos Bozorra.
Padre Manoel Elodio Bezerra.
Thesoureiro.
0 Illm. Si. Jose Paulo do Rego Barreto Filho.
Mordomo? e mordomas, todos os Srs. o Sras. que
concorrerem cam suas esmolas.
Cabo, 26 de Janeiro de 1873.
0 vigario, Josi Luiz Pereira de Quciroz.
tu publico.
A falta de garantia que offereee a compa-
nhia pernambucana aos commerciantes, com
especiahdade aos desta terra, e sedica, 6
cranco velbo, que no mais terci um para-
deiro, gracas a sua boa adrninistragao !
E' este um poderoso motivo de ninguem
mais embarcar carga alguma em seus vapo-
res, pelo deleixo a mi direc^ao do servico
de bordo ; nao se tomando a minima res-
ponsabilidade com as mercadorias dos par-
ticulares : dando se jd o caso de os Srs.
commsndantesraandarem atirar na praia vo-
lumes com fazendas, etc., vindo-se a perder
as vezes, occasionado unicamente pela von-
tada de ferro de taes commandantos.
E' sabido geralmente que estes com-
mand8tites teem-se tornado imperceptiveis
em tomar uma corrigenda.
A inac$ao espantosa em que tem vivido a
companhia, com relacSo a pOr um freio a
tantos abusos, tem exaurido o ultimo alento
dos nogociantes deste lugar, em procura
d'uma esperanca de'porto e salvamento ,
e augmentado mais a sanha de taes empro-
gados 1
0 pouco caso que fazem do porto de Ma-
cao toca ao zenith do desafdro ; o acodamen-
to com que entrant e sahem, e mesmo o
nenlium conceito que fazem dos poucos no-
gociantes desta terra, faz com que tornem-
se incorrigiveis ; nao podendo a companhia
ile nenhuma forma dar treguas a tanto os-
candalo e orgulho fdfo de taes comraan-
dantes.
Indignado por mais de uma vez com se-
melhante proceder, lhes tenho feito ver essas
cousas ; mas tudo e de balde, porque en-
tendem elles, que nao estao para ouvir ca-
vacos de ninquem, e que acima delles so
Deus, Deus tao somente I
Todos ainda sabera que um commandan-
te de vapor nestes portos 6 um non plus
ultra, um suitao ; e que sd sua vontade
impera, omnipotente, como sem pre usa ;
grita como um pi.ssesso, e sahe barra fora
cantando Gloria das Virgens; porque em
nosso paiz tudo ha de andar do avesso e re-
trogado ; desconhecendo-se os seus princi-
paes deveres, compromissos e i.brigacSo
restricta perante a sociedade I
Para mais prova do que tenho avancado
vcjam :
Ha tempos os Srs. commandantes fizerana
um contracto particular com o Sr. tenente
l.ourengo Pinto Martins para, logo qne o
vapor aponte, enderecar aquellas candas,
que forem suflicientos para tomar conta d
carga que traz para este porto ; nao pod indo
nenhura outro tomar a si a a(m.t ';
porque o commandante nty00m*T '" &>
le
o dono apresontar-ae a bordo com os co-
nhecimentos, antes das cendas do encarre-
gado atracarera, pedindo sua carga. Nio
entrego ; se quizer va buscar em easa de
Fuio ; vi para o inferno, etc. Sao ostas
as phrases de que seservem ; com tanto que
a carga se ha de tirar da casa do Sr. Pinto,
com uma despeza cx-. que paiz ja- vitro? disto ? Seu dono ir a
bordo receb r SUW mercadorias, v61-as, o
n3o poder receter; entrogando-se a um do
peito porque u. i contrato que fez com elle I
Apro va mais esta para o meu bisaco I
Agora meson acaba de dar-so um cas>
horripilante )Mg4 e o Sr. Moura commatt-
ilante do Ipo
Apresenlaudo-rne a bordo, antes das ca-
ndas do oncarrcgalo chegarem, pedi ao Sr.
commandante que me mandasse entregar a
carga, vinda A minha cotisignacao, fer-
malmente respondeu-me que n&o entre -
gava, mandanilo logo desatracar o meu
bo to. iss no meio de grande grita, quu
como um louco bradava: nao entrego
porque nao quero acompanhando a isso
muito desafdro e palavras offensivas a meu
caracter.
la me retirnr, quando o Sr. Pinto de-
clara que elle co-nmandanto podia entregar-
me a carga.
A vista do esposto, peco e fago ver aos
SrS. negociante? da praca de Pernambuco,
que ttverem de mandar cargas a minha
consigna^ao para os diversos negociantes do
sertao, que nos va pores uao me mandem
um sd volume, porque de fdrma alguma se
pode rec-ber n bordo, por nSo querer mais
arcar com o nopotis-.no de taes reguletos,
que em cada porto querem ostentar de
grandes I
Espero, portsnto, que os Srs. negocian
tcs attendam ao que tenho exposto, nao mo
enderecando mais carga em taes vapores ;
o, no caso contrario, dirijam a outro, por
que de facto nio aceito; isso faco a ben
dos interesses dos freguezes unicamente.
Peco deseulpa, so por acaso offendi a
susceptibilidade de alguem, pois nao tivft
intencao alguma do assim o fazer.
0 orgulho e enfesamento do commandan-
te Moura, chega a tal ponto, que passando
hoje para o norte, encontrou no trapiche do
agente da companhia, 200 saccas de la,
promptas para embarcar, de diversos ne-
gociantes do Assii, Jos6 Weil, Elviro Cal-
das, Torquato Augusto etc que remettiam
para oCeara; nao as levou, mandando di-
zer apenas ao agenteque nao atracavn
notrap'che ; enviando esse recado, quando
o vapor ja suspendia ancora de volta, epoz
se ao fresco, sem algodao e sem a corres-
pondencia dos negociantes, que teem tran-
sacdes para aquolle lado do imperio. ftto
e inqualificavel! 11
Macdo, 3 de outubro de 1873.
Joao Coelho da Silva.
'Ho Correio do Assu.)
Anaeahulta peitoral.
As enra* produzidas pela coraposicao de Ana
cahuila peitoral sao realraente mila-
grosas.
D. Clementc Silva, que reside na rua do Estado,
Santiago do Chile, escrove a nossos agentes em di-
ta cidade, que havendo sotfrido atrozmente de
asthma, pelo espaco de mais de 7 annos, sem quo
medico algum jamais lhe houvesse proporciona-
do o raenor allivio, decidio-se finalmenle era to-
mar da composi'.-ao de anacahuita peitoral, e de-
pois de haver apenas tornado dous frascos, desco-
brio com sorpreza, que a grande oppressao d->
pr'itoha>ia quasi completamente desapparecido.
No emtanto, foi continuando a fazer uso delle e no
fim do tres mezes se achou perfeitarnente curado,
cam grande assombro e satisfacao de todos os seus
parautes e amigos, cs quaes ja haviam perdido as
esperancas de jamais vc-lo bom. Disse tambem
qua desde entio a e>ta parte o tem recommendado
i um grande numero de seus conhecidos que soi -
friam de differonles afl'ecgoes pulmonares, tao fre-
quentes nas costa.s do mar Pacifico, na America
do Sul, e que seu? bons resultados torn sido uni-
versaes.
ci'osce v
Como. e lie tjiic niodo
ealteilo.
0 nutrimento do cahello igual aos das (lores, sa
obtem, principalmente pela absorvi^aQ das raizes.
Sa a terra se sccca e as raizes das floras fleam
sem a necessaria humidade, ellas murcham e per-
dera suas bellas cdres; e se o craneo onde estSo
plantadas as raizes d'onde nascam as tlbras do ca-
be!lo, sa acha secco e entorpecido, o cabello so
torna aspero, sera bistro e as cans apparecem. O
Tonico Oriental remedea esse mal, reanimando a
cutis entorpecida e inerte, excitando suavementa
as raizes e os diminutos vasos do sangu*. e reno-
vando por assim dizer, o processo vegetal. A ac-
cao reproductiva desta preparacao 6 mil igrosa e
promptamenta transforma uma cabelladura rab
debit e aspera, em espessas, lustrosas e raacia raadeixas.
SOMMCRCIO.
PRACA DO RECIFE 28 DE NOVEMBRO
DE 1873.
AS 3 1/2 HOBAS DA TARDB.
Cotacdes offlciaea.
Algodao-do Rio Grande do Norte 8*i00 e 8*46<
por lo kilas posto a bordo a frete ll|16 d. e !>0(0, hontem.
Algodio-de Goyanna sem inspeccao 7/300 por
15 kilos, hontem.
Cambio sobre Londres a 90 djv. 26 fj4 d. por
1 i, hontem e hoje.
Dito-sobre dito a 90 d(v. 26 d. por 1/000, do
banco, hontem.
Cambiosobre Paris a 90 div. 363 rs. por franco,
hontem.
Cambio sobre o R'o do Janeiro a 30 djv. com
1 0|0 de desconto, hontem.
Cambio sobre o Porto a90 djv. 106 0|0 de pre-
mio, bontem.
Couros -salgados verdes 340 rs. o kilo, hoje.
Leal Save
Pelo presidente.
Antonio Leonardo Rodrigues.
Pelo secretario.
ALFANDBGA
\eadimento do dia 1 a 27. .
Idem do dia 28. .
914:156lOil
23:7021981
937:85910**
Descarregam hoie 29 da novembro
Barca franceza FedeiUe lettras para o trapi-
che Conceicao, p&ra despachar.
Barca franceza -Figaro varias mercadorias na-
cionaes e estranceiras ja despachadas
para o trapiche Cunha.
PaUchob'liiglez -Malaga -farinha ja despachada
oara o cae< do Apoflo.
Hiate americanoNegrttta -farinha ja despachada
oara o caes do Apollo.
>RSPACH0S DB EXPORTACAO NO DIA V DK
NOVEMBRO DB1873.
Poro os portos do exterior.
No vapor inglez Douro, para Liverpool, car-
ragaram : Fernandes da Costa dt C. 466 sacca?
com 37.700 kilos de algodio ; G. J. da Silva Braga
AObarricas oim38 kilos de doce. Para Son
lhampton,SimpsoniC< barricas com 10 aba
cactus.
No lugar francez Rio Grande, para o Havre,
carreearam : E. A. Burie 4 C. 387 saccas com
28,602 l|2 kilos de algodio.
Na barca ingleza Pm-aero, para o Canai,
carregaram : J. Pater k C 3,000 saccos com
125,000 kilos de assucar aascavado.
No na io inglez Hotmer, para o CanaL car-
regaram : a. Hiwie & C. IjOOO saccos com 75^)00
kilo- de assucar mascavado.
No navio italiano *ltrnueUa, para o <'anat,
carregou : Viuva Bastes i/MO saccos com 7IV0OO
Mk de assucar mascavftfc.

I HHIUDO
IlldI tl i


atf
Jiano \em-
No brifue portuguez fl. Figueir,
^h cWWtW:- B R RabaUo &
ros salpdoi com 1A88 kilos.
'"HjIWiWfciMtt/u/i'a, para Lisboa, ear
regarara : T.de A. Fonseea & (1 Succasso.es
4,000 cocos (ftucta).
No navio portuguez Manoel I!, para o
Porto, carregou: U. J ,)a Costa Sobrinho 9t
sacc; com 7,412 kilns do algodro
No brigue hespanhol Aut/ilim para Barceilo-
na, cirregaram : J. S. I. no & Fi*o iJU saceas
com .W,7*g kilos de algodao.
Para os pones do interior.
Para o Rio de Janeiro, no vapor brasileiro
Bahia, earregaram : A. F. Baltbar Sobrinho 500
saccos com fi.OOO kilos do assucar kranco ; F.
Maia & C. & barricas com 177 ditos de brmarin-
dos. Para a Babia, Amonm Irmaoa 4 C 150 sac-
cos com 11,350 ditos de assucar braneo.
Para o Ceara, no vapor braaileiro Giquia,
earregaram : M. A. Senna 4 barrio** com 2,640
Sobrinho SO ditas com 3,000 ditos de dito ; J F
Santos Bastos 10 dius com 606 ditos de dito ; j
h da Rosa SO ditas com 1,890 ditos de dito.
Para o R*o de Janeiro, no pataeho brasileiro
D. Fr.ncuca, oarnfaram : J. A S. Araojo 160
saccos con TRM kHos de assucar braaeo; L. I.
H. de Araujo 600 ditos com 45,000 ditos de dito.
Para Acaracd, no vapor national Ipojuca
cawtf iram: Fernandes & Irmio 2 barricas com
191 kilos de assucar" refinado, e 1 pipa com 480
ulros de aguardenle.
Para Maceid, no hiate naciooal Adeline,
earregaram : Moreira do Braga It barricas com
700 kilos de assucar braneo.
Para Maceid, no vapor naciooal Mandaku,
carrecaram : B J. Pereira k Irmio 1 eaixa com
Jl kilo? de doce.
, Para a ?iMada Penna, na bareaca Misltca
Cidide, earregaram : A. de Mesquita 9 caixas
com 4 1|S kilos de doce ; B. J. Coelho 3 barricas
com 180 ditos de assucar braneo.
Para Alagoas, na barcaca 6. S. Anna, carre-
aram : Moreira & Braga 1 barrka com 15 kilos
de assucar refinado.
par*; Idem p. tot........2iU0O"
Rua" do'Rosario da Boaftsi* I
Idem*. 108
Cast teraa n. 58.
Os jretendentes do
irriMhiigte as
vjompaafiados d.
pagar atom da r
Tue for segnro
raento cumiiicrei,
poza e precos dos
Secje'.ana dasa__
cife, 5 de novembro de 1873.
O escrivao
o Rodrigues de Snuza.
aprcsentar no aclo da
iMl comparoeerem
R li.nliics, devondii
o picmio (l.i quantia em
quo oonliver estabeleci-
Ssim coin.) ) gerticM il;i lim
;iarcih'>>.
ca-a da mi.-cricordia do He
Estrada de ferro do Recite
a & Francisco
AflviSO
Pelo preseMsjBconvidadoi ossenhores accio-
nisUs desta companua a receberem o vigesaimo
dividendo concernette ao semetre de Janeiro a
junbo desk anno.
Villa do Cabo, 21 de novembro de 1873.
G. 0. Mann m*L.k
Superintendente.
COMPANHU
CAPATAZIA DA ALFANDB6A
Rendinuento do dia 1 a 27 16:940*030
Idem do dia 28 575*350
17:515*380
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
9.8 batalhao de infantaria.
0 conselho economico deste batalh.lo compra 1
burro manno para (irar a carroca ^eiiinada para
a conducvao do rancho as pra'cas de servii.o na
gUarnifi) ; devemk) os pretenJeole* se dirigi-
reni a ^ecreUria do r**pm:tivo quartel, das 9 bo-
ras da nianhfi a< 2 Ja tarde.
Seereiaria do commando do 9. batalhao de in
fantaria no Hospieto, em 2S de novembro de
187J.
Odilon Fiocks Romano,
A1 feres secretario.
ADMIN1-THACAO DOS CORREIOS DB PERNAM-
BUCO 29 DE NOVEMBRO DE 1873.
Malas pelos vapores Mandaku e Giqnid
d companhia peraambucana.
A correspondencia qne tern de ser cxpedida
lioje (29), pelos vapores aclma mencionados para
os portos do sul ate o Araeaiu, e para os do norte
ate a 'iranja, sera recebida pela maneira se-
guinte :
Macos de jornaes, impressos de qualquer natu-
reza, e cartas a egistrar, ate 2 horas da tarde,
cartas ordinarias at6.3 horas, e estas ate" 3 1(3,
pagando porte duplo.
0 administrador
Affonso do Rego Barros.
Do dia 1 a 37.
VOLUMES SAUIDOS
Pruneira porta
gegonda poru .
Tereeira poru .
Quarta porta .
Tiapicha. Gonceicao
Dia 28
SERVICO MARITIMO
klyueofu descarregadas no trapieaa
airandega do dia 1 a 27 .
Dia 28.
Na\ijs atracados no trap, da allandega
No trapicbe Gonceicao.....
Navio alracado...... .
33,615
60
42
539
10
1,356
35,538
66
Recife a Olinda.
E Beberibe. \ (j
Esta companhia contrata com qOem por
raenos o Gzer, a collocai;ao de 40 i 50 pos-
tes, de madeira de quali lade, como seja :
embiriba preta, sapucaia ,etc, para flotele-
graphico da esta0o da Aurora a Fncruzi-
lhada, com 25 a 30 palmos de altura e 5
pollegadas de grossura. Com a respectiva
gerencia se entenderao os proponentes.
0 gerente,
Laurmtino Josi de Miranda.
THEATRO
Santo Antonio
EMPREZA
66
RBCEBBDORIA DE RENDAS INTERNA3 GE
RAES DE PERNAMBUCO
Rendimento do dia 1 a 27. 63:732*949
Idem do dia 28 ... 1:877*532
65:610*481
GONSULADO PROVLNCIAL
Rendimonto do dia 1 a 27. 85:117*701
Idem do dia 28...... 2:664*650
RECIFE
Rendimento do dia 27.
Idem do dia 23. .
DRALNAGE.
87:782*351
30:389*938
3:975*565
34:365*503
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 28.
Bueno-Ayres, Rio de Janeiro e Bahia 14 dias e
do ultimo 2 t|2 dias, vapor inglez Doure, de
1,728 loneladas, commanlante Thwaits, equipa
gem 113, carga varios generos ; a Adamsoa Ho
wie&C
Pisagua (no Peru) 89 dia?, brigue inglez Cognac,
de 279 toneladas, capitao J. B. Metcalf, equipa-
gem 9, carga salitre; a ordem. Arribou com
agua aberta. seu destino era Falmonth.
Navios sahidos no mesmo dia.
Southampton e portos intermedios. -Vapor inglez
Donro. commandante Thwaits, carga a .uesma
que trouxe do sul e algodao que receben neste
porto.
Rio de JaneiroBarca ingleza Traveller, capitao
Penfield, carga parte da que touxe de Baith-
more.
Portos do sulVapor brasileiro Bahia, comman-
dan.e capitao tenente Teixeira, carga varios
generos.
Canal -Etcona ingleza Mary Lizzia, capitao R.
Ward, carga assucar.
Mamangaape Vapor brasileiro Cururipe, com
mandante Santes, em lastro.
tLIIAES.
Pelo prejente se faz sciente aos professores
publicos de instruccjio primaria, que nao estaudo
ainda em vigor a lei n. 1134 de 17 de junho deste
anno, cumpre-lhes observar o disposto no art 24
do respectivo regulamento interno, organisado em
virtude do 8 7* do art. 3* da lei n. 369 de 14 de
maio de 1855, sob as penas que esta mesma lei
estabelece.
Secretaria da in3trucc5o publica de Peraambu-
co, 28 de novembro de 1873.
0 secretario
Joaquim Pereira da Silva Guimaraes.
DECURACOES.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A junta administrativa da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recite, e mpetentemente antorisada
pela prissidencia, em data de 3 de setembro do
anno proximo lindo, e de conformidade com o que
dispde o | 9. art. 52 do sea com romisso. per-
muta por apohces da divida publica a fazenda de
criar g'ados que possue o patrimonio dos esta-
beleciuMntos de caridade 4 sea cargo denomina-
da Carniuba sita no termo de Fleres desta
provincia, com terrenos para criar e plantar, e
com algum gado cavallar e vaecom.
Reeebs para is to propostas nesta secretaria ate
o dia 10 de dezembro do corrente anno.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 10 le outubro de 1673.
, 0 escrivSo,
_______ Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da santa casa da
Misericordia do Recife, roanda fazer publico qne
na sala de suas sessdes, no dia 26 de novembro
pelas 3 horas da tarde, tern de ser arrematadas a
quem mais vanlagens offerecer, pelo tempo de um
a ires annos, as rendas dos predios em seguida
declarados.
ESTABELECIVJENTOS DE CARIDADE
Rua de Hortas
Loja do sobrado n. 41.....306*000
Rua da Viracao
Casa leorea n. 7 (techada) 312*000
Travessa de S. Jose\
Casaterreaa. 11.......201*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da SenzaH* velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......421*000
Rua da Cruz
Sobrado n. 14 (fechada) .... 1000*090
Rna da Ooia
Casa ter-ea n. 25......200*000
Rao do Mar.
Casa terrea n. 98.......241*000
Casa tereei a. 99 (fechada) 35>*000
Idem n. 103.........241*000
Saciedade Palri lica Doze de
Selfinbro.
Kxposi^Ho do dia 31 de dezembro
Roga-so eacarecidameute is pessoas que
quizerera tnandar productos a* cxposigao
que o fa^am logo, afim de nao haver atro-
pello nos ultimos dias, que faltam para a
inaugurac^o.
Os productos devem ser remettidos para
o palacete da ordem ten eira do Cdrmo, das
9 horas da maoba is 4 da tarde.
Santa casa de misericordia
do Recife
De ordem da Illtna. junta admiui-trativa da
santa casa da m'sericordia do Recife se faz pu-
blico, que a mesma junta, autorisada pela lei pro-
vincial n. 1121 de 17 .de junho deste anno, acaba
de contra tar com anoel Goncalves Agra, majores
Miguel Bernardo Quinteiro e Antonio Bernardo
Quinteiro, sob a Ortna social de Agra 4 C. 0 ser-
vice raortuario e de carros funebres desta cidade,
a con tar do 1" de dezembro proximo vindouro,
e que por conseguinte de>sa data por diante to*
mente os contratantes poderao fazer semelhante
servico.
Secretaria da santa casa de misericerdia do
Recife 24 de novembro de 1873
0 escrivao,
______________Pedro Rodrigues de Souza.
CAPITANIA DO PORTO DE PERNAMBUCO, 28 DE
ftOVEMBRO DE 1873
Para sciencia dos interessados fazse pub 11:0 a
seguinte noticia maritima :
MINISTERIO DA MARINHA
Pela secretaria de estado dos negocios de mart-
nha se publica a seguinte noticia maritima :
(Traduccao do cap. ten. P. B. de Cerqu^ira Lima.)
JUNTA DO COtMERCIO
Whichall Gardens, 28 de dezembro
de 1871.
A junta do commercio rec>.beu do secretario de
estado dos negocios estrangeiros copia de um des
pacho do encarregado de negocios de Sua Mages
tade, em Bogota, acerca de um decr.to do governs
colombiaoo, em virtude do qual todos os mani
festos e relacoes de generos, que chegarem aos
portos francos do Isthmo de Panama, devem ser
certificados pelo consul boliviano, residente no
porto do embarque ; e diz qne 0 governo co-
lombiano expedira ordens aos consules para da-
rem taes documentos livre de Jespeza, quanto aos
generos em traasito. Os que forem para consumo
no Isthmo, como os que forem para os portos co
lombianos do Pacifico, de Buena-ventura e Tuma-
co, devem pagar como ate entao.
(Traduccao do cap. ten P B. de Cerqucira Lima)
JUiYTA DO COMMERCIO
Whitehall Gardens, 29 de dezembro de 1871
A junta do commercio recebeu um despacho do
consul geral da Sua Magestade, em Constantino
pla, informando-a de que 0 governo ottomano de-
clarou franca a passagem dos estreito- dos Darda-
nelles e do Bosphoro, desde 13 de dezembro de
1871 em diante.
0 seguinte aviso aos canitaes de navio, acompa-
nhado da necessaria imormacao, foi publicado
pelo consul geral :
t Consulado geral britannico. Cosstantinopta, 12
de dezembro de 1871.
Todos os navios pjdem de hoje em diante
passar pelos estroitos do Bosphoro e dos Darda-
nelles a qualquer hora do dia ou da noite.
Para evitar que os navios parem afim de ob
ter os seus passaportes (Firmans) em Constanti-
nopla, na passagem do Mar Negr para 0 Mediter-
raneo, os capitaes de navio podem prover-se, ao
chegarem do Mediterraneo, do? dous precisos pas-
saportes, isto e, um para 0 Bosphoro e outro para
os Dardanellos. Estes passaportes devem ser en-
tregues, d'ora em diante, pelos navios que vao
para 0 Mediterraneo a bordo dc um navio de guer
ra ancorado na ponta Galata, em frente de Gal-
lipolt.
a AQm de que 03 capitaes de navio possam
aproveitai-se da vantagem de nao se demorarem
em seu regresso, devem prover-se dos passaportes
para 0 Bosphoro e para os Dardanellos ao mesmo
tempo, em cujo caso deverao pagar os direitos e
emoluraentos, e tomar os recibos em Constantino-
pla, antes de seguirem para 0 Mar Negro.
Por este meio evitarao a necessidade de parar
no Bosphoro em seu regresso do Mar Negro, ex-
cepto em Cavan ou Buykdere para tomar pra-
tico.
Esta conforme.
0 secretario da eapitania
Decio de Aquino Fonseea.
CONSULADO PROVINCIAL.
Pela administracao do consulado provincial faz-
se publico aos respectivos contribuintes, que do
1 de dezembro vindouro comeca a correr 0 prazo
dos 30 dias uteis, marcado no art. 31 do regula-
mento de 16 de abril de 1842, para a cobranca do
primeiro semestre dos impostos da decima urba-
na e 5 OjO sobre a renda dos bens de ralz pen. n-
centes as corporacoes de mao mirta, no corrente
exercicio de 1873 a 1874, incorrendo na multa de
6 0(0 aquelies dos contribuintes que nao os satis-
fizerem neste prazo
Cansulado provincial de Peroambuco, 28 de
novembro, de 1873.
0 administrador,
A. Carneiro Machado Rios.
Sabbado 29 de novembro
Recita em benelicio da actriz
MANUEU LUCCI
l.a repreen(acdo
neste theatre, do drama em 5 actos, original fran-
cez do escriptor
A DUMAS FILHO.
EtHproxH portucusc de itavegfc-
cfto) u vnur eiitrc IiiJ u-:J c o
Brazil. m
0 vapor
JULIO DINE
Commandante J. J. Rodrigues
Coatente
Esperadohoje dos portos do sul, depois de
pouea demora denlro deste porto seguira para
Lisboa e Porto com escala para S. Vi. ente.
Para passagens e fretet de carga, encommendas
e valores, trattm-ge com os
AGENTES
B. Kabelle C.
________48-rRua do Commercio=48
IHLAO
Companhia aiuerieana e brasileira
DAHA DAS CAMELIAS
nistribui^ao.
Margarida Gautbier A beneflciada.
Nichette D. Emilia.
Nanine D. Olympia.
Prudencia Duvernoy D.Joanna.
Olympia D. Olympia V.
0 Sr Duval Sr Bahia.
Armando Duval Sr. Eduardo.
Gastao Rieux Sr. P. Angusto.
0 Bario de Varville Sr. Santos.
0 conde de Girahy Sr. Silva.
Saint Gaudens Sr. Camara.
Gustavo Sr. Emiliane.
Arthur Sr. Philadelpho.
0 doutor Sr. Florindo.
Um criado Sr. Procopio.
Um carteiro Sr. Antonio.
Convidados e criados
A scena 6 em Pariz, na actualidade.
Principiara as 8 1[3 horas.
Havera trem ate Apipucos.
Aviso.
Roga-se as pessoas que encommendaram b.'lhe-
tes para este espectaculo, o favor de procura-los
ate o dia do espectaculo ao meio dia.
THEATRO
GMASIO DRAMATICO
paqueles a vapor.
Ate dia 1* de dezembro e esperado dos portos
de sul o vapor americano Merrimack, commandan-
te Lwir, o qual depois da demora do costume
seguira para New-York, tocando no Para e S.
Thorn az.
Para fretes e passagens, trata-se com os agentes
Henry Forster 4 C, rua do commercio n. 8
compaMa pfikNAMBiJcANA
DE
i\'avegaco costelra a vapor.
rAJUHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', AIUCA-
TT, CEARA, MANDAHU, E ACARACU'.
0 vapor G^fttid,
commandante Martins
seguira para os por-
tos acima no dia 29
do corrente, as S
boras da tarde.
Recebe carga ate o dia 27 do corrente, encom-
mendas ate" o dia 28, passageiros e dinheiro a fre-
te ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Mattos n. 11
DE I >
bens pertenarrtfes d m.ifsn. MVvh rlc Anto-
nio iimc tlos I*i i>
S.C.L:\i>A-FKHlA ll.-L Dr7.K.\iliRO
;is 11 floras
O agenle DIAS levara a leilau, por derpikclMi do
yim. i>r. Dr.juiz especial do commercio, osrcfeii-
dos bens sendo : j^ias, raoveis. um cofre do fcr
ro, fazendas e armacao existentes na loja n. 60 do
caes do Passeio Publico, servindo de base a ava-
liacao feita que se acba em mao do agente, a rna
do Marquez de Olinda n. 37, primein andar, aon
ae pode ser examinado desde jA
Em seguida venderseha, a porta do referido
estabelecimento, 2 cavaUos perteneentes aos bens
'" dita massa.
PrecHa-so de tima para cozinhsr
para casa de pouca familia; a tratii
a rua do Ho q'ie tem bulas amarellas na cor-
Aniii (IHeilc
I'-'-i-1 w ,l.j ni'i:i natiin d:i Praia n. ."*.'!. 3
i ii : pi ; !;i.l .-c -. >n li

COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
.\avegacito costelra a vapor.
MACEI6, ESCALAS K PENEDO. *
0 vapor Mandahu,
commandante Julio,
seguira para os por-
tos acima no dia 29
do corrente, as 8 ho-
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 27 do corrente, encom-
mendas ate 0 dia 28, passagem e dinheiro a frete
ate as 2 horas da tarde do dia da sahida es-
criptorio no Fort do Mattos n. 18.
e Janeiro
0 patacho portugnez Rival segue para 0 Rio de
Janeiro por ter ja parte do seu carregamento en-
Sajado, e para 0 resto da carga devem os preten-
entes entender-se com Silva A Cascao, escripto-
rio a ma do Marquez de Olinda n. 60, 1 andar.
roupa, Iou?a de cozinha, tiS libras de mas-
sa de tomate, 9 latas com paios e hervi-
lhas e uma bengala de unicorne.
Espoho de Joaquiin .Simao dos
Santos
Terca-feira 2 de dezembro.
0 agente Martins fara leilao, por antorisacao do
Illni. Sr. consul portnguez, de 1 mobilia de araa-
rello, 1 cama franceza d-> dito, 1 marquezao pe-
queno, I commoda com formato de earteira, ca-
bides, babus de couro, 1 carteira de amarello, 1
prensa de copiar cartas, 1 candieiro, 1 tinteiro, 4
escaiTadeiras, 1 mesa de amarello para sala de
jantar, 3 bacias de Flandrts. ferro de engommar,
1 caldeirao, cassarolas, frigideiras, trinchante, ta-
Iheres e colheres.
Palitou de casemira, calcas, coleles, chapeos,
chapeira^camisas de meias, seroulas. camisas de
madapolao, toalhas, guardanapos e uma bengala
de unicorne, 38 latas com 228 libras de massa de
tomate e 9 latas com paios e hervilhas.
No segundo andar do sobrado n. 42 do pateo do
Terco, as 11 horas do dia acima. .
AVISOS DimSOS
linn de Idle
Precisa-io alugar uma ama que tenlia bastante
e ite: na rua Fcrmoza n. 18.
Ama de leite.
Prscisa-se de uma ama de leite, sadia e moca :
na rua do Hospicio n. 27, pagando-sa bem.
AMA
Prccisa-se de uma ama que sail.*
c'zinhar e enmprar para casa de
hmnem soltein : na rua oV Ped: 0
AtTonso n. 7, antiga rua da Praia.
Preci.a-se de uma ama aue saiba cozinhar-
na rua do B.ingi-I n. 8, sobrado.
Na rua da Ponte velha n. 1, preci$a-s^
de uma ama que saiba coziukar e en-
gommar para casa de fntnflia de duas pessoas.
Ama
Ami k kite.
Pracisa-se de uma que tonka bom leite e com
abundancia : na rna do Brum n, 63
ALUGA-SE
0 segnndo e terceiro audares do sobrado da rua
da Mocda oil: quern os protenler dirija-se ao
caes da Companhia Pernambucana, armazem nu-
mero 4.
Precisa-se de uma ama
que engomme e faca outros
servic.08 domesticos, em casa
de pequena familia: na rua
do Capibaribe numero 40.
Precisa se de uma escrava para cozinhar
e comprar : na rua Primeiro de Marco n. 23
loja.
Riod
Penultirao espectaculo
Domingo 30 de novembro.
A's S t\'i da tarde
Fits beneBcio do actor
SANTOS SILVA
Pela primeira vez, neste theatre, a linda come-
dia, ornada de musica :
Discordias de concordia
representada pelos artistas Xisto Bahia e Maria
Bahia.
PeU ultima vez
Defluitivameute
o primeiro e segundo actos da pbantasia burlesca:
A RAINHA CRINOLINE
OU 0
Reinado das mulheres.
A's H 1|2 da tarde.
Santo Antonio
EMPREZA^VIGENTE.
Domingo 30.
Recita eiu benefleio
eujo producto deve ser applica-
do as obras do ajardina-
mento da praea
Pedro II
Represeutar-se-ha o qni-proquo comico musical
em 3 actos :
Meus olhos I
Meu nariz!
Minha bocca!
Musica do maestro brasileiro
Para Lisboa
seguira brevemente a barca pottugueza Gratidao;
para can?* e passageiros trata se lorn E. R. Ra
bello & C, rua do commercio n. 48
Para Lisboa
scgnBlcom brevidade o brigue portuguez Bella
Figtimpnse; para carga e passageiros trata-se
ozomE/P. Rabeilo 4 C, rua do Commercio nu-
oioo48. ________
LISBOA ~
Para o referido porto pretende seguir com a pos-
sivel brevidade o brigue portuguez 0. Anna, por
ter ja alguma carga engajada ; e para a que The
alta, que recebe a frete commodo, trata-se com
os consignatarios Joaquim Jose Goncalves Beltrao
& Filho, a rua do Commercio n. 3.
Para o Porto.
Segue com brevidade a barca portugueza S.
Manoel 11. Recebe carga e passageiros : a tra-
tar com Tito Livio Soares, a rua do Vigario n.
LEILOES.
Os intervallos serao pre-mchidos por escolhidas
pecas de musica executada* pelos distinctos ar-
tistas
J. POPPE E CANDIDO FILHO
que obzequiosamente se prestam.
Principiara as 8 1|2.
Pede-se ao illustro publico desta cidade, e com
especialidade aos habitantes da freguezia de San-
to Antonio, o seu valioso concurso para a realisa-
0o d'um melhoraraento tlo necessario e de t5o
reconbecida utilidade para esta capital.
Agencia de leiloes.
RUA DO MARQUEZ DE OLINDA N. 37, i ANDAR.
0 abaixo assignadn tem a honra de scientiflcar
ao respeitavel publico, com especialidade ao corpo
commercial desta praca, que acaba de ser nomea-
do agente de leildes, em cujo exercicio, promette,
se esforcara para bem merecer a conQanca de to-
das aquellas pessoas que se dignarem bonra-lo,
encarregando-lne de negocios tendentes a sua
profissao.
Desde ja o abaixo assignado antecipa os seus
agradecimentos para com aquelies que o procura-
rem: o qne poderao fawr dirigindo-se a rua do
Marquez de Olinda n. 37, !. andar.
Recife, 7 de novembro de 1873
Joaquim Dias dos Santos.
Aos senhores negociantes.
Continua-se a fornecer comedori s para fora
por precos commodos ; algum .-onhor negociante
qne tenha de retirar suas familias para ir passar
a festa e quizerem deixar os seus caixeiros bem
servidos, quanto ao forneciinento de comida, diri
ja-se a rua estreita do Rosario n. 35, primeiro an-
dar.
E' ler e aproveitar
0 inverno nao quer deixar-nos. Mnito papel
albnminado em risco de perder-se. Se ha de ha-
ver prejuizo de um, baja pr .veito para todus
APROVFITEM.
61000 por uma dezena de retratos em cartdesl
Avisa-se a quern se quizer retratar em cartoes
de visita, que na imperial phot<,graphia, a rna do
Cabuga n. 18, ao voltar para o pateo da matriz.
tiram-se retratos em cartbes de visita a 6&000
cada dezena.
APR0VEI7EM I
0 que 6 bom dura pnuco...
Todos os dias uteis ou rantiflirados, chova ou
faca sol, das 9 horas da manha as 4 da tarde ti-
ram-se retratos.
- A]uga se a casa n. 11 da rua da Ponte, na
povoacao do Monteiro. muito propria para pas-
sar a feata : a tratar na rua do Oujue de C.i-
xias n. 71.
- Tmna-se a -qnantia de 8:000J000 a juros.
com garantia sobre escravos: a tratar na rna do
Impvrador n. 18, l. andar.
AllENCAO
Prccia-.e alugar uma ama de meia idade, po-
rem que seja p.-eta. o.uo nao Unha vic.ios nem
achaques, e que affiance sua conducta, para com
prar e cozinhar para uma familia de 3 pessoas :
a tratar na cidale d* Olinda, sitio do rtmparo, ca-
sa terrta grande, com p-rtao ao lado.
I HA MA 110
0 Pr. Jovino Fernandes da Cruz 6 chamado a
rna du Cor-nel Suassuna n. 28z, a negocio do
particular interes?e.________________________
PEKDEII-SE
Do tli-atro Santo >ntonioo ate a rua do Crpspj.
uma pulceira de ouro com pedras do nmzaico :
pede-se a pe>soa quo achou-a, Wa a bonlate
do a levar ao armazem a rua da G)mpanhi
nambucana n. 4, qne sera generosamentu y.
cado.
'er-
.fi-
Criado
Ainda se precisa de um
eriado para compras, recados
e outros servicos domesticos,
preferindo-se um molecote
captivo : na rua do Capiba-
ribe n. 40.
- ^luga-se a casa n. 77 da rua de S. J^ao : a
tratar na rua Duque de Cam." n. 44, ou na rua
do Range! n. 41, 2* andar.
Agente Dias
-- Sabbado 29 do corrente, fioda a audien-
cta do Dr. juiz substitute da vara do civel,
vao em praca por arrendamento annual, os akt-
gueis do sobrado da rua estr. ita do R.isario n.
preco
3, servindo de .base para a arrematacao
4or quanto esta alugado qne e" de 900*000 dlta
arrematacao e feita a requeriraente de Fructuoso
Martins Gomes consenhor do referido sobrado ;
assira como tambem >ao consenhores Apolinario
Pereira Badoem e sua mnlber.
Pela secretaria da camara municipal de~0lTn-
da se faz publico para connectmento ds iuteres-
-sados, que nao tendose elTectuado a arrematacao
dos impostos anoutoiada para o dia de h..j, foi
transfsrida ptra o dia 4 pe dezembro proximo vjn-
douro.
Secretaria da camara
de novembro de 1873.
0 s rrolarM/,
Marcolmj Dias de An.
AVISOS MARITIMOS.
D. FKAHi
Para o Rio de Janeiro pretende seguir com
pouca demcra por ter dons tercos de seu carre-
gamento engajado, e para o resto que lhe falta,
trata-se com os consignaurios Joaqnim Jos6 Gon-
calves Bellrlo Fllho a rua do Commercio n. S.
Para
Para o referido porto pretende seguir com-non-
ja demora o brigue portuguez Recift por ter a
mun.cipal de Olinda, 27 maior parte do carreganv-nto tratado: para o
! resto que lhe falta trata-se com os oousignatarios
loaquim Jose Guncalva Beltrao &Pilho,Trua ao
Commercio n. B.
loagnifleos predios, edificadus em
chaos proprios
SABBADO 29 DO CORRENTE
0 agente DIAS, autorisado, fara leilao de um
magniQco sobrado de 3 andares, bem construido,
e com grandes accommodacoes para familia e es-
criptorio, nor ser bem repartido e serrir para duas
casas, e ediQcado na rua de Domingos Martins n.
Um grande sitio com sobrado e c om grande
commodos para familia, muitos aposentos paia
escravos e criados, estribaria, excellentes viveiros,
l.ardim e muito bem arborisado e de boas quali-
dades ; este sitio tornase mnitorecommendavel
por ser fresco e flcar perto da estacao da via fer-
rea, 6 ediflcado na Capunga, porto L asserr por
cujo nome e bem onhecido Os pretenden-
tes poderao examinar di os predios, ou entende-
rem-se com o mesmo agente. -
Attengao
Amanha, 30 do corrente, e
o dia do grande espectaculo
no theatro de Santo Antonio,
para o producto ser applica-
do aojardim do largo Pe-
dro n.
Para passar a festa.
Nao se precisando mais de uma casa na Boa
Viagem, que foi alugada ate o ultimo de feverei-
re, tra-ipissa-se a chave da mesma : a fallar na
rua d orom-1 Suassuna n. z82.
0 Dr. Jo*6 Antonio de Figueiredo, testamen-
teiro h inventariante do espolio do fallecido Dr.
Antonio da A dnres do mesmo esnolio para que apresentom suas
contas ou timios, para em tempo serem devida-
mente apreci^dns.
Aiitniiio Uuiningos Pinto, (jueiendu resumir
o seu negocio de mnbilia, tem resulvido fa?er um
?batimpnto de 23 pur cento nos precos de suas
mobilias, as ,uaes sin : ricas nv>bilias do jaca-
randa a Luiz X fabricadas em Franca, di'as do
nogo'Mra e de anable. gur '-as-roupa do jacaran-
da de mngno c de anable com e^pflho, riens
guardas vestidos de amarello, ricos guardas lou-
Sa, tuillettes de jacar uda e de mogno, aparadnr s
e mogno com tampo de pedra. ditos di ama^-llo
com arinarii), mesas elastica- para janlar dit s
de mi till'i cum abas para almo-.o, niKxinhar. de
mogno para costura, e uma intlnidade de objec-
tos que seria enfadonho menciunar ; tem i ra
grande snrtimentu de cadeiras do niuitas qnalida-
des : a rua do harao da Victoria n. i'7 a 5><
Aluga se um excHlenie souradinho com Oolas
de vidro, na rua de S. P. dro Nnvo n.... com corn-
modus para grande familia, u niellior lugar para
quem quiziT fr^er hso d"8 banhos saigados : a
tratar na praca do Corpo Ssnto n. 17,1 andar.
I'rgftKia
Precisa-se alugar por dous mezes um
piano de artnario, do bom autor ; quem ti-
ver ai nuncio.
Pppvinc-se a quem interessar po-sa, jue a
taviTna n 41 A Ua rua Duque de Caxiat e-ta -u
jeila e dividas. o por isso n?o p6de ser vendida
sem que esteja desembriraceda dessas dividas, su-
jeitando-sea ellas eiu devida f6rma o resp.ciivu
comprador.
Roga-se
A um certo Dr. que alugou o solao do sobrado
n. 35 da rna estreita do Rosario, o obsequio de
vir ou mandar receber un^ trastes aue a mais de
seis mezes existem no primeiro andar do mesmo
sobrado; assim como satisfazer o pagamento do
aluguel do mesmo, isto no prazo de 3 dias lindo,
os qnaes serao vendidos ds mesm>s trastes para
pagamento dos alugueis.
Manoel Francisco do Reis, tendo jii"to e con-
tratado com Manoel Jose Daimsio a mmpra da
taverna n. 88 da rua de S. Jorg-, declara pelo
presente qne quem se jnlgar cem direito a mes-
ma apresente-se no prazo de tres dias, a con'ar
de hoje ; undo o qual aao se attendera a reels-
macao alguma.
Recife, 28 de novembro de 1873.
CIlAiiO
Precisa-se de um que d& iiador de sna conduc-
ta : ne largo da matriz de Santo Antonio n. 2, 1*
andar.
Aluga-se
as lO horas em ponto.
No escriptorio do referido agente, a rua do Mar-
quez de Olinda n. 37, primeiro andar.
LEILAO
jimm ]
(Em contuiuaqao)
I DE
eautella's vencidas e dadas em penhor
SEGUNDA-FEIR.4 1 DE DEZEMBRO.
0 agente Martins fara leilao de todas as cautel-
las vencidas e dadas era penhor, constando de
objectos de brilbantes, ouro e prata.
As It boras do dia acima, no obrado n. 2 da Preeisa-se de um eaiaeiro. i ,,.., d
u^vessa de penhores. Ir5o de S. Borja n. 25.
uma casa terrea com sotao o trepeira, batante
fresca e com commodos p^ra grande familia no
largo do Pilar n. 12, com -ahida para a rua do
Brum ; assim como, o priinei.-o inJar d i rna do
Coronel Suassuna n. 146, outr'ora rua de Hi.rlas,
muito fresca eeom basunte commoiios para uran-
de familia, com sahida para a rua do Cal J. reiro.
quem pretender d'rija se ao segundo andar do
mesmo sobrado das 3 as ^ da tarde.
Silio -;
Fresoo e saudavel.
Vende-se o mais bem tratado meihor collo-
cado, pequeno sitio da i one; i ua perto da igreja, e o riu nos fun<>-, emi mtiits
alvoredos e bastantes eoiuinnd >s, a vista a quem
faz fe : a tratar com o prjprietaiio no mesmo
silio.
asa para alugar.
Aluga so a casa n. 63 da rua do Hospicio, com
bastantes commodos e agua, propria para uma
grande familia : m pretendentes que que;ram
xamina la, achariio a rhave na mesma rua n. 56.
collegio de Santa Gennveva.
C'alx^l'O
Precisa-se de um upnino de 14 a 16 annos, com
pratica de taverna : narua do Amorim n. Irt.
mtmmmmmmmmummmmmam
D. Julia Vaz Pereira Ferraz.
n{2) D. Hermelinda M de C.
Souza. Justino Jose de Sou-
za Camiios, Dr. Carlos Au-
gnsto Vaz de Oliveira, Dr.
Augusto Carlos Vaz .ie Oli-
veira, Dr. Alfredo Ernesto
vaz do Oliveira, Mathens
Vaz de Oliveira e D. Amelia Augnsta Vaz de Oli-
veira, mandam celebrar algumas mi-sas rocidni-
mento da Giona no dia 29 do corrente, as 6 ho-
ras da manha, pelo eterno repnuso de"-ua piesada
filh.i e irma D. Julia Vaz Pereira Ferraz, esposa do
Hr. Silvio Pelhco Pereira Ferraz, fallecida no dia
15 do piesente mez na cidaCe de Penedo, provinci-a
das Alagoas.
Manoel Pedro Norohha
A viuva de Manoel Pedro de Nc-
ronha ronvi.ia aos parentes e ami-
go- do mesmo finado para a-sisii
rem algumas tnissas que mancla
celebrar na matriz de S Jo*e. sab-
bado 29 do corrente, as 7 boras da
manha, 1 anniversario do seu bl-

Ca
IX""'-.'.
lecimento.
Marcelino Antonio Pereira e seu-
filh..s agradecem do fundo de sua
alma a toda as pessoas qne aconi-
paiiharam ao ce niierio publico os
re>ttis inortaes de sna sempre leni
brada e cborada tsposa e inai I).
Maria Caostauca Vieira Pereira ; i
as cunvula bem como a todos os sens parentes e
aiiiigo. para onvirem no setimo dia, terca-f-ira 2
de dezembro, a* 1 horas da manha, uma missa s
memento -jne mandam celebiar por sua alma, na
ipr-ja < confessam eterna" enb' gratos a todos os .ne to -
marem parte na sua dor.
emu*
Precisa-se
de dous mnleqnes d I* a IS annos. para uw tra -
balhu muito leve : a tratar no hotel de Bordeaux

I
de om in
uos \\-\- \-
U..
na.
Precisa-se
co que leuha pi.uica na ser'ir a mesa
atar n 'i i.'l Ie Bordeaux.
<> i com muiios ooinmd*o
i victoria n. 30.


____jfc.'
6
Diaa* 4eFfeKWuaboea S&bvto'^ de-Jtomahm-tit Mfty
Boa casa para a festa.
AJawi-*; ama excellcnte casa no Monteiro, tra-
asa lo Xisto, a qual se acha em muito bom e*-
SaA* 4e Jimp za : 'a tratar na rua Primeiro de
-Sana, antiga do Crespo n. 90 A, loja de Gurgel
4a Amaral ^ C.
Acredilarao vendo
Betalha-se um vasto e bello terreno <
-atargem do no, bos fundos da povoacao de
Beberibe, ainda nlo visto pela maior parte
4a populacao, pur tcf si lo ha pouco derru-
feado os mattes que cobriam dito terreno, o
jut consta de uma grande planicie, pro-
pria para edificacio, e distancia ae 3 minu
tos a ultima estacSo da via ferrea, achan-
do-sejddivididoeni ruas, com approvacSo
iaeamara de Olinda
Quern pretender pode ir ver que sem du-
vida ficara" agradado, e entender-se com o
Sr. i.se: Honorato Medeiros (Zuraba), en-
earregodo, ou com o proprietorio, junto a
>ootu da dita povoacao.
3$ Consultorio homeopa- jg
* thico ft
W Do Dr. Santos Hello $
A' 41------Boa do-imperaior------il *k
c Consultas todos os dias das 11 a t da 25
E* urde. 0
Gratis aos pobres. ^
Residencia a rua Nova n. 7, segundo
andar, onde da consultas das 6 as 9 da
mania e das 3 as 5 da tarde.
Chamados a qualquer hora.
Manoel da Silva Faria 4 C, a rua do Vigario
a. SO, ailmini-'radores da massa fallida de Ignacio
P*jss->a da Silva, convidam aos credores da mesma
soa&sa para que no prazo de oilo dias, contados da
Jala d.'Ste, apresentem seas titulos, afim de serem
s7efifieados e cla aro de 1873.
A pesson qne annuneiou
preinio sob hypotbeea em bans de rait appareca a
rna do Hospicio u. 25, das 4 horat da tarde em
diante
precisar de 5f0* a
tie
Attencao.
Na rua estreita do Rosario n. 35, preparam-se
bandeijas com bolinrosBoos de todasas qualidades
com bouquets, muito bem ornadas, tudo com as-
seio e presiez i, e por baaato preco, para casaroen-
los e bailes; bordam se fitas a ouro e preparam-
se bouquets de cravos naturaes com fitas borda-
das a ouro, por barato preco, sendo a encommen
da feita seis dias antes. Na mesma casa prepa-
ram-se, como sempre, bouquets, capellas, diade-
mas, coroas de ouro e de louro para os influentes
de presepes, tudo de muito gosto e barato ; lindos
bouquets artiflciae3 de dhaiias, rosas, eravos, de
fiores de cera, de panno e pa pel para offertas as
pastoras, para o theatro, etc., tudo se achara sem-
pre prompto. e por preco commodo.
0 abaixo assignano deelara ao respeitavel
pubiico e ao corpo do commerci qne se despedio
desde o Jia 23 do corrente raez da casa do Sr.
Francisco Antonio de Albuquerque Mello, e nao
foi dcspedido. Recife, 26 le uovembro de 1873
Antonio Pranrfrho Araias.
Cahelro.
Precisa se de nm caixeiro : no cafe dos arcos.
ALUGA-SE
O prcdio n. 28, sit) a rua d > Barao de S. Borja,
com comnindos para grande familia : a tratar na
rua da Ponte Velha n. 75, com Kucha Leal.
Aluga-se
a primeiro andar do sobrado da rua do Duque de
Caxias n. 4i, proprio para escriptorio, ou rapaz
soUeiro : a tratar ao mesmo, loja.
AVISO
O Sr. Joaqu'm Clemente de Lemos Duarte tenha
a (km]dade de vir ou mandar a rua do Coronel
Suassuna n 282 a negocio de seu interesse.
Para carnceiros.
Aluga-se um terreno murado, na rua da Sau-
aade, que lem com palmos de frente e 300 de
"undo, com pequena casa e telheiro para ani
maes, proprio para plantac8es: a tratar a rua
Primeiro de Marco n. 23, loja.
ATTENCAO.
De novo pede-se ao9 credores da massa fallida
de Joao Hygin i de Souza, que* apresentem seus
tiiulos a rua do Vigario n. 19, I" andar, afim de
serem conferidos.
Quern precisar alugar um escravo, com tan
to que nao seja para servico de peso, dirija-se a
rua do Hospicio n. 61, que eneontrara am bastan-
te intelligent!i, e capaz de encarregar se do traba
Iho de jardim ou de bortalicas.
Aluga-se um sitio em Beberibe, com casa
propria para familia, com mobilia ou sem ella :
a rua do Marquez de Oliuda a. 36.
J4CARANDA'.
Tom para vender
l o Filiio : a tratar
do Comraercio n. 5.
Joaquim Jose Goncalves Be-I
no seu escriptorio a rua
Leques, luvas e sahidas de
bailes.
Amn'al, Nabuco 4 C. receberam um co'rapleto
sorfimento de leques de madeira mosaico eou-
ro da Russia, marfim, madreperola de diversas
cores e tartarnga, Invas de pellica frsca, e peuu.c
de swd, e sahidas de bailes ou capas de casemi-
ra para preeentar quaesqvcr iriconjmodoj aas sa-
hidas de reunites: venoem no Bazar Victoria, a
rua do *arSo *a Victoria n. 2
Amaral, Nabuco k C veadem magnificas
cokhas de aeda, fiuis-imas aberturas de casn-
braia de linho bordadas, pan camisas de senho-
ras, e meias de aJgodao, fio de Escocia e de seda,
para homens, senhoras, meninoa e raeninas: do
Bazar Victoria, a rua do Barao da Victoria n. 2.
LIQUMCAO
DA
Saeerd te
Deseja-se o'ter um sacerdote que queira dizer
as missas do Natal, e dos dias de Anno B3m e
Reis, em um engenho de communicacao facil com
b estagao de Ribeirao. Para ate fim tratase a
rua do Marquez d'Olinda a. SO, eaariptorio de Sil-
a.\ & Cascao. ________________
Alugaee a loja do sobrado n. 25 na rna
nova de Santa Rita : a tratar ua rua Duque de
Caxias n. 44, ou na rua do Range! o. 41, 2* aodar.
QUAD!)
Precisa-se de un criado, que s?ja bom copeiro
e_a-sciado : nna rua da Uuiao n 17.
Aluga-se uma ca?a no Porto da (Badeira, em
Beberibe : a tratar na rna do Imperador n. 28, ou
na Estancia n. (2.
0 vngabundo capataz dos talliadores com
saus cuuipiice assignad s no protesto contra a
i piihliir. li neste jornal, quer justiflcar-se
- de t-r co:iido bom cobre, faz bem, porque
r :-.ara mumeipal pode premia-lo com a demis-
a. >. a jine nao tardara muilo Se nao eontinuar
x taeaali r us In rs. de sua capatazia, este imposto
r.flado pr sua livre vonlade e unanime votacao
d. *is boeios, n'ada direi, nem mesmo que nao
mnlicin I'v e.mas se ahnsar, prometto levar
ao eonti-r ment i da autoridade competente, com a
Sva^Hldde d lei, servindorce de prova sua de-
ra ", |ue diz ser os 40 rs a sustentacio do
ctstre cargo.
O prejudica de S Jose. .
AlteDjao.
:'"ase alugar um sitio perio da cidade, que
teofca planta^oes e propor^oes para ter vaecas de
letic : quoin o tivcr ne?tas condii.oes, dirija-se a
j;-* On Barao da Victoria n. 63, loja.
AtlenQao
Vacfle-se barato a arma;.ao da taverna n. 60, si-
2i raa Oinlta los AfogaJos : a tratar na pada-
kt ,;i it>> n. 66.
Sobru Aluga se o sobrado n. 28 da rua D. Maria Ce-
sr (nutr'ora Scnzalla Nova) com 2 salas. 5 quartos
1 aCa Iat na mesma rua n. 20.
Aiuga-se o 2' andar e sotao, com todos os
'miaodo.-' para grande familia, do sobrado n. 12,
situ a rua de Hortas : % tratar na rua do Trapicbe
B- >3, annazem de assucar. Tambem se vende
rcace de |4 paries do mesmo obrado.
Compaiihia do Gaz.
A eunpreza dogaztem a hmra de annunciar
sopublieo qne recebou ultimente um esplen-
di(J sortini'-n'o de lustres de vidro, candiei-
fos, arainleiase globos, cujas amostras estao
no escriptorio & rua do Imperador n. 31,
e ?er prego oiais rizoavcl possivol.
Aluga se o segundo andar do sobrado a rua
d.i Barao da Victoria n. 31, com commados para
fa-.-.' a tratar na loja do mesmo.
Al icia geral de emprega-
dos.
' nte Santos Coelho reuuio as suas agencias
i Manpiez de Olinda n. 30, segundo an-
.1 da matrix de Santo Anton o n 6, rua
do lio-ario n. 38 e caes de CapiDaribe n.
13, i paieode S. Pedro n. 3 aonde tern sempre
tow. anas de lejte, seccas, eaixeirose criados.
Uma p ssoa sujeita, co n muito pouca- idade,
e qu> gauha i por dia, precisa de iOOi para sua
lilici dade, obngando se a dar fiad<>r. e a entrar
todos os nvzi's com 403 rs. ate realisar o paga-
oenii d.i principal, juros e todas as mais despezas
respwtivas e tu lo isso por meio de uma escriptu-
ra Qin'm etiver em circumstancias de fazer
tal uegoci i, annuneie.
Aluga-se tuna caru muito fresca, na Gapun-
gt, co ii co nmodos para familia : a tratar no mes-
oio lugar, a rua das Crioulas n. 5,
Biiihos temperados.
Aluga-se por festa ou ir anno, u na casa
com co : i in para grande familia e muito fres-
ca, sii U .a pitoresca ilha do Reiiri (Magdale-
ai) a m.trguin do saudavel rio Ctipibaribe : a tra
tar na ma do vijconde de Peotas, outr'ora do
Arag>o n. 12.
Uma par la escrava, boa c -stureira, precisa
de 1 0(1 para sua liber lade, offerecendo em
aaga desta quantia os seus servieos pelo ttmp I
<1 n se conveiiciinir : quern quizer fazer este ne-
gocio. diri|a-ao a rua da Imperatriz n 30, segundo
andar.
- Aluga se uma casa terrea na cidade de Olin-
da, na rua de S. Pedro Anostolo n. It, ao pe do
Passo Castelhano, com bastant commodo, 4 quar-
tos, quintal murado, estribaria para eavallo, por-
tao ao lado e penna d'agua : quem preUmder di
rijac? a rua de Santa Tbereza n. 12.
AO COMMERCiO-
0 abaWo assignado, testamenteiro de seu falle-
cido irmSo Jo.-S Juaquim da Silva (luimaraes, faz
sciente a quem iateressar qne se acham pagos
todos os credores do mesmo fallacido ; comtudo
se alguem se julgar credor apresente suas contas
no prazo de oito dias, a contar de baje, na rua da
Madre de Deus n, 7, para serem pagas.
Recif--, 26 de uovembro de 1873.
Antonio da Silva Ponies Guimaraes.
DE
Caradro Vima. _
Sociedade Liberal Uniao
Benehceute.
Nao se tendo realisado no dia 23 do correute a
eleicao do uovo conselbo que tem de reger esta
sociedade no anno do 73 a 74, como foi annun
ciado, pelo presente sao de novo convidados os
senhores socios a comparecerem domingo 30 do
corrente, as 9 horas da manha, afim de dar-se cum-
primentu ao disposto no art. '4 ae nossos esta-
tutos, concorrendo, porem, para este acto os que
estiverem de accordo com o art. 38 e mais lei
que rege esta sociedade, ficando prevenido todos
(s as-ociados qee com o numero que apparecer
estando elle na plenitude do artigo 38 proceder-
se-ha a eleicao na forma da lei.
Sala das sessSes 45 de novembro de 1873.
Ad nao Rozendo Sant'iag'\
Servindo de seeretario.
Perdeu se uma carta dirigida ao Sr. Dr.
Francisco de Paula Goncalves da Silva, contendo
dinneiro, desde a rua da Ventura (Capunga) ate
a rua Nova : quem a liver acbado e quizer res-
titui la. entregue-a na drogaria homeopathica a
rua Nova n. 4, sera bem recompensado.
FuoiJifao da Aurora
Grande sortimento de:
Moendas de todas as qualida-
des e tamanhos.
Tachas fundidas e batidas,
idem.
Rodas dentadas eangulares^,
idem idem.
Machinismo, idem.
Varandas, gradeamentos pa-
ra jardim, etc, etc.
Tudo seTende por precos
muito em conta para aoa-
bar.
N.B.
G. Starr &C, em liquida-
gao, na fundicao da Aurora,
em Santo Amaro.
PREDILECfA
A' raa do Cabuza u t A.
Os proprietaries da Predilecta, no iatuito de
conservar o bum concerto que teem mereeido do
respeitavel pubiico, distinguindo o sea esubeleci-
mento dot mais que aegociam ao mesmo genero,
veem scientificar .aos seus boas fregtiezes que pre- de ferro para bomem e criancas, caDacbos,
vemram aQ3& diversas par- Mpelhos ^ourados par, ^1., g^andSs e pe-
quenos, apparelhos de metal para chi, fa-
LINHAS
RETROZEDEALGO-
qjfj-.iknii
Com as falsificarOes que tem apperecido
DAS MACHIBAS PARA
O
A' este grande estabelecimento tem che-
gado um bom sortimento de macbinas para
costura, de todos os autores mats aeredita-
dos ultimamentena Europe, cujas macbinas
lo garantidas por um anno, e tendo um
perfeito artiata para enninar as mesmat, am
qualquer parte desta cidade, como bem as-
stm concerta-Ja* pek> tempo tambem d'um
anno sem despendio algura do comprador.
Neste estabelecimento Wnnbera ba pertencas 00
para as mesmas machinaa e se suppre qual- {
quer peca aue seja necessario. Estasma-'
chinas tihelbain com toda a perfeiga* de
urae dous pospontos, frarue e'borda toda
qualquer costura^or fina que seja, seus'
preQos s4o da seguinte qualidade : para Ura- j
balhar a mao de 309000, 409000. 459000
e 509000, para trabalhar com 0 jw sSo de
809000, 909000, 1009000, 1109000,
1209000, 130*000, 1509000, 2009000 e
4509000, emquanto aos autores nao ba al-
tera<2o de precos, e os compradores poderao
visjtar este estabelecimento, que muito de-
ver3o gostar pela variedade de objectoc que
ba sempre para vender, como sejam : cadei-
ras para viagem, malas para viagem, cadei-
ras para salas, ditas de balanco, ditas para
crianga (altas), ditas para escolas, costurei-
ras riquissimas, para senhora, despensaveis
para criancas, de todas as qualidades, camas
Cas d'Europa para fees eaviarem por todos os pa
quetes os ofcjectos de loao e bom gosto, que jse
jam mais pern aceitos pejps socjedides elegantes
daqaelles paizes, visto aproximar se 0 tempo de
festa, m que 0 beflo sexo desta linda Veneza
mais ostenla a riqueza de suas toillettes ; e co-
mo ja recebcssem pele paqqete francez diversos
Iueiros com cabo de metal e de marfim,
itos avulsos, colheres de metal fino, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-coinidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
artigos da ultima modaj v'eem patentear alguns para forrar salas, lavatorios completes, ditos
d'entre elles que se toraam mais recommendaveis, simples, objectos para toilette, e outros mut-
respeitavel pubiico a eostumada. tos artigos Jque mVUodevemagradar a todos
Precisa-se de dous retinadores para 0 Para :
a tratar no escriptorio de Joaqi im Jose Goncalve3
Beltrao & Filhos, a rua do Commercio n. 5.
Toma-se roupa de homem para engommar,
vindo ja lavada e por lavar, com todo 0 asseio e
promptidao, e por preco commodo : na rua do
Barao da Victoria n. 51.
COMRRAS
^ X rssicSa M
A (^ompra se e vende-se trastes novos jjjk
w e usados no armazem da rua do Im- W
A perador n. 48. <&.
a-se
Gompn
um sitio nos arrabaldes desta cidade. onde passe
linha de bonds : a tratar na rua do Imperador 0.
48, armazem.
V1NDAS.
Vende-se duas casas
ronel Suassuna : a tratar
refin cao.
terreas na rua do Co-
na rua Di eita n.-10.
Bom negocio
Vende-se muito barato uma casa de taipa, com
2 salas, 2 quartos e cozinha fon, com um terreno
de 72 palm-on de frente a400 de fundo, com algn-
mas fiucteira- em ponto pcqueno, sito no lugar
das Areias, freguezia dos Afogados : a tratar no
pateo do Cannon. 8.
Lazinhas
escocezas a 280 rs. o eovado.
Rua do Queiniailo n. 413
Lazinhas escocezas, padioes muito bonitos, ulti
ma m >da de Ville de Paris, pelo diminuto preco
de 280 rs. o eovado ; dao se amostras : na rua do
Qneiinad i n. 43.
ao
Os abaixo a-sigr.ados fazem sciente ao respeita-
vel coroo do commercio que dissolveram nesta
data ainigav^lmeute a sociedade que tinham no
hot-l da ru.( larga Jo Kosario n 3', 6cndo a car
go Ju soeio Franci>co I'eis todo o a'tivo e passivo,
eo -.ocio Mhiunel Carpjnteiro pago e sali>feiio de
*m capital e lucros. Recife, 20 de novembro de
IS73.
Franci-.-1 I, i-.
Manoel Caruinleiro.
Taverna.
Vende se uma
Commercio n. 9 :
na cidade a tratar na me-ma 'taverna.
do
Vende-se nm eavallo
rosso, b rugordo e bom
andador, esta sellado com bons tmos e por
preco comm. do : a tratar na ma do Barao da
Vi
Victoria n. 27, loja de selleiro.
PARA TOIM)S
A 120 rs. a libra
Do 1.* de duzembro em diante : na rua da Au
rora n. 10 i.
fr&H^O
esperando do
concurrancia.
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e de
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
Cos.
Aderecos completos de borracha proprios para
luto, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
nitos.
Bot5es de setim preto e de cores para ornate r^
vesttdos-de sechora ; tambem tem para eolle "
palitot. f i
Bolsas para senhoras, esiste um bello sortimen-
to de seda, de pallia, do chagrin), etc, etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de loura
como de cfira, de borracha e de maesa ; chama-
mos a attencSo das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tomam-se as criancas um pouco im-
pertinentes por falta de um obieclo que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem se por preco commodo.
Ceroulas de linho e de algodao, de diversos pre-
cos.
Caixinhas com musica, o que ha de mais lindo,
com disticos nas tampas e proprios para presen
tes.
Coques os niais modernos e de diversos forma-
tos.
Chap6ospara senhora. Receberam um sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como para
menioas.
Capellas simples e com v6o para noivas.
CalQas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindos
desenhos.
Eicovas electricas para dentes, tem a ptoprie-
dade de evitar a carie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, exbte ura
grande sortimento de divercas larguras e barato
preco.
Fitas de "sarja, de gorgurao, de setim e de cr.a-
malote, de diversas larguras e bonitas cores.
Pachas de gorgur2o muito lindas.
Fiores artificiaes. A Predilecta prima em con-
servar sempre um bello e grande sortimento des-
tas flo es, nao so para enfeite dos cbellos, como
tambem para oruato de vestido de noivas.
Galoes de algodao, de U e de seda, brancos, pre -
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Laces de cambraia e de seda do diversas cores
para senhora.
Ligas de soda de cores-e brancas bordadas para
noiya.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
perola, marfim, dso e velludo, tudo qne ha de
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
bel os ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marfim, dsso e dourados por barato preco.
Perfumarias. Neste ani go esta a Predilecta bem
Erovida, nio so em extractos, como em oleos e
anhas dos melhores odores, dos mais afamado? I
fabricantes, Loubin, iPiwar, Sociedade Hygienica, I
Coudray, Gosael e.Rimel ; sao iadispensaveis para I
a festa.
Saias bordadas para senhora, por xommodo ]
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
tUados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de salas.
Vestimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais modernos, receteu a Predilecta e
vende por baralo preco, para flcar ao alcance de
qualquer bnba.
Rua do Cabuga n. 1
Amaral Nabuco & C, vend m por barato
SrecA cortes de ve.-tidos de la, de chaly de seda e
e gase de corse, -vestimenta de casemira, fustao
e brim para menin s, no Bazar da Moda n. 2
rua do Barao da Victoria.
que visitarem este grande estabelecimento
que se acha aberto desde as 6 horas da ma-
nha ate* as 9 horas da noute 4
Rua do Barao da Victoria
n.
22.
Nao ha mais cabellos
brancas.
TIPMRU JAPOKEZA.
S6 e unica approvada pelas academias de
sciencias, reoonhecida superior a toda que
tem appareeido ate" hoje. Deposito princi-
pal 4 rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
que* de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
reiro.
Nenhuma ma-
china Singer 6 legi-
tima se nao levar
g esta marca fixa no
jg brago da macliina.
Porque?
Para evitar falsi
fi canoes notem-se
bem todos os deta-
iner d marca.
o
5
! A dinheiro e a prazo I
A contento das Exmas. familias
il ill
Sao as mais baratas
Sao de dous pospontos
Sao mais simples e rapidas
Sao duradouras
MACHINA DE SINGER
. DOUS POSPOSTOS
Abainham
Franzem
Pregam tranga
Marcam pregas
Bordam de linha de s&la
Alcolcboam
E pregam cordSos.
UNICA AGJ2MIA
EM
U
-
De forca de d >us a seis cavallos : a venda no
armazem de Joaquim Lopes Machado & C, tr-a
vessa do Corpo Santo n. 2o.
Alcaciana
A 400 R8. 0 COVADO.
Fazenda inieiramente nova e propria para a pre-
sente estacao, pelo baratissimo preco de 400 rs o .
eovado, a loja dos arcos de Gurgel do Amaral & amostras.
C, a rua'l.' de Marco, antiga do Crespo n. 20 A.
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 4.j
PECHINCHAS
So o n. 20
RUA DO CRESPO
LOJA DAS 3 PORTAS
continue a vender muito barato para apurar
muito dinheiro.
CASSA LA
Chegou esta fazenda, sendo lindos padroes, e ven;
de-se pelo diminuto pre?o de SoO rs. o eovado, e
pecbincha 11 I dao-se amosU-as.
METINS
Proprio para vestidos o que ha de mais gosto,
padroes novos, pelo preco de 40) rs. o eovado, e
pecbincha I I I doa-se amostras.
LAS ESCOCEZAS
Lasinhas escocezas, padroes benitos, a 240 rs. o
eovado.
Ditas com lisiras, padroes modernos, a 280 rs. o
eovado.
Ditas la e seda, padroes modernos, a 640 rs. o
covade, e pechincha I I I dao-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padroes bonitos, fazenda de
1^000 a 400 o eovado, 6 pechincha I I I dao-se
Agnas Alcalino-Gazosas das h
tm Salgadas.
Villa Rouca de Aguiar.
BICARBONATADAS-SflDICAS
Analyses do Br Jose Julio Rodri
fjues, lente da escola Puljte-
ehnica de l.isJ>oa.
Esta excellente agua usada com vanugem n; i
padecimentos das vias digestivas, urinana-. d
estomagu etc., etc.
Vende-se
NA
Pharmacia e drogaria
DA
Rua larga do Rosario n. 34.

Madapolao francez
a 6^500 a pe^a!!
Madapolao franeez fino com pouco ujo a 6^50
a peca ; e pechincha na rua do Qunmado nu-
mero 4 '.i.______________________________
Scd do Cabo Verde.
Tem para Tender Joaquim Jose Goncal-
ves Beltrao & Filho, a bordo do b-igue por-
tuguez D. Anna, fundeado defronte do tra
piche Alfandega Velha : a tratar a bordo o\
no seu escriptorio rua do Commerci
n. 5.
De CAsamentos.
De baptlsados.
De bailes.
De soirees-
De almocos.
Me lanehes.
De bicknirks.
De ceias.
m
iUx
l\
Chitas a 240 rs. o .eovado.
A 140 rs o coado.
A-440 rs.o eovado.
So na rua Duque de Caxias n. 60 A, loja da
fesqaina.
A 280 rs o eovado!
LazinHade-co*es para wsUdos s6 na rua do
Daque de.-fimlas a. 60 A, loja da wquina,
Banhos em Olinda
Camisas e cal$as de fazenda de boa qualidade,
proprias para os banhos em Olinda : na lojtdos
arcos a rua Primeiro de Marco (antiga-do Crespo)
n. 20 A, de Gurgel do Amaral k C.
Vende-se a armacjio e utensilios da taverna do
pate do Terco n. 11, barato, e propria para quem
se quizer estabelecer naquelle lugar : a tratar na
mesma.__________________________
Vende-se uma parte do eogenho Trombeta,
, proximo da villa de Palmaros : a pessoa que pre-
tender dirija-se ao eogenho Pindobal, freguezia de
Agua Preta. a tratar como a aixo assignado,
consenhor da dita parte.
Severiani Joventino Callade.
CRETONE
Cretone em pecas pequenas, com bonitos pa-
droes, pelo diminuto prego de 400 rs. o eovado, e
pechincha 11 I dJo-se amostras.
Cortes de casemira d3 cores, a 8/' 00 cada nm.
Cambraia de linho de cores, a :)60 rs o eovado.
Ditas pretas para luto, a 240 rs. o eovado.
Fustao branco para roupa de msninos, a 560 rs. Se enearrega a confeitaria do Campos,
o eovado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o cor
vado.
Cobertas de cbila adamascada, a 3/500 rs.
Colchas brancas e com barra le cores, a 3*500
e 40000.
Lencoes de bramante, a 2J000.
Ditns de algodao, a i40O.
Toalbas aleochoadas, a;6i000 a duzia.
Ditas felpudas, a 6*500 a duzia.
Lencos de cassa com barra, a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abanhados, a 2*0:1' a duzia.
Ditos de esguiao flnos, a 3*50) a duna.
Cambria lisa transparente a 3*000 e 4*500
peca.
De ludo de tudo
Ealem disso
A confeitaria do Campos
Estd sempre provida
De tudo quanto 6preciso para
Uma-boa mesa.
Rua do Impemdor n. 24
Fie i*k
Potassa
Vende-se uma escrava, prta, sailia Ce 20
annos mais ou menus de idade, a qual sabe la
tnfereco e uma mulner de boa conductafvar engom.n r e eoiinhar com p ri.dcao, e e moi-
^ara ewer cm casa de algnma familia ou mesmo jt fl 1 : na r.ia doMrquei de Oltsda n I ie-
n casa^e madame : na travessa do Forte a. 6 gund4. aodar. '
imm
Vende ae quatro caixoes proprias nara esiabe-
lecimentos 4e molhado?, a ma de Marc-flu)) iaj
n. T6.
Nova era m'los barri* a 6' 0 rs. o kilo: vendem
Cudha Irmaos 4 C, rua da Madre de Deos nume-
ro 34.____________________
Xarope d'agiiao do Para
Antigo e conceituado medicamento para
' cur* das molestias dos org3os respiratorios,
como a phtysica, bronchi tos,' asthma, etc.,
' applicant) anwte com optimos resaltarlos o
fweorbuto.
Cambraia Victoriaa a 3*800.
Atoalbado adamascadn, a 2*0C0 a vara.
Dito trancado, a 1*400 a vara.
Fustoes de cores, a 1*000 o corte.
Chales de merino liso, a 2*000.
Ditos estampidos, a 3*500,4*(M0 e 4*800.
Ditos com listras maito fines, a o*80J e 6*000.
Esguiio muito fino, a 2*000 a vara.
Brim preto trancado, a 2*000 a vara.
Bramante de algodao, a 1*600 a vara.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largora, a
2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, a 5*000 a puca.
Dito domestico, a 3*000 a pec,a.
Brim de algodao com listras proprio para cami-
sas, a 400 rs. o eovado.
Nanzuc cambrau de cores muto flna, pelo di-
minuto prdbo de 400 rs. o eovado.
S6 na rua do Crespa n. 20.
Ljade
tailherme & C.
lui/ivjyiiu/
lem para vender em seu escriptorio
Josd Goncalves Beltrlo Ffmo, a rua
cio n. 5.
Joaquir
do Comma:
-- Vende-se sal d.) As-ii a boplo do hiate Jofto
Volte, confrontt ao trapiche do Can ha, caes di
.Gompanhia Peroambaca, a tratar com Joao Jos<<
da Cuuha Lage-5 ou com o mestn a bordo.
J. 0. C. Doyle.
Tem para ve i i :
Cognac de Hennessy, snjierior e verdadelrc.
Vinho Xeres das melhores qualidades.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Chi preto em latus de 10 Imras.
Todas as preparacSes <9fmicas do Dr. Ayer : no
armazem da rua do Commwot n 38.
Panno de algodao da
BaMa.
He para vender das 9ffaiats fabrfcas :
S Salvador.
'Concei^io.
Valencia. ,
Modelo. ^ ^ '
*tofcrto)r'o de Luiz Do merclo n 34. andar. -^% <
Ve4-e uma anp.aek) de anttreilo envi
draoada, com balcao, p,ropr**para qualquer B*-
g jeio.; b. tratar na r'aa a Crespo n, 40
1 wnnmo

* i H II


/ft. '
..

i
Diarfo vfe Fesr&amtMico Sabbado 29 de 2toVi*ro de IMfc.
ensaaxM*
DE HOWE
MIS POSPMTOS
SOARES LEITE, IBfflAOS
UNICOSMENTES
A'
Rua de Barao da Victoria n. 28
N. 4Raa do CabngiW. 4
JOSEPH KRAUSE & C.
j
E sempre ussim.
GOMES DE MATTOS IftMAO
Avisam ao respeitavel publico desta cidade que o sorlimento de joias, de subido *a
lor, que extstia em sea esfabdecimeiKo, estd eomp*etamente reforeado com o mais ele
1 gante sorlimento de noTas joias, que receberam dlrectamente pete ultimo vapor d Eo
1 ropa, constando elle de mais rarradd sorlimento de aderecos i Boutetard, pulseifas d<
ultimo gosto com pedras pteciesas e 9etn ellas, bnncos d'argole, agraffes para relogk dt
' senhoras, delicados adere^os pare meninas, meios aderec/K de eamafew lindlssimos, tedta?
1 de nogordios para senhoras, correntes mglezas de ouro e de plathYa, variada quantidad<
de botoes para punhos e peito, edra embleroas maeonieos, de onht, teckJo deouro, ean.a
pulseiras, alfii e
Mobilias baratas
Yft mftkl Aimnfo* nn maia har-atftQ A ft mplhftrAfl (\f% mimdn! feu etc brilhanfcs monstrosde rarissinias agoas, em anneis, rozetae, polseiras, altt
\S QMS SimpfeS, as Mais DarataS e as meinoreS ao mumiOl1 ^ 'e ^thes, e outros muitos objectos de ouro de tnelbotw fabricantes de Paris, que
Ha exposi{0 de Park, em 1867, foi concedido a J Ten(jerao com graode reduccao de precos, por serem elles recebidos direetamente de saw
Eh*s Howe Junior, a medalba de ouro e a condecoTa-. committentes. ._. n ,mkc, .. w_
. ;, Os proprietarios do acreditado MUZEU DE JOIAS, tendo -eu estabeleeimento aberti
clo da tetfao de Bonra.por serem as machinal man per.I^ g ^ ^ ^^ ^n^4aia as familiM qne se qubrem protttr de lindas joias, >
Uirem escolbe-lss A Yonta(? para o quees'i3 em cxposicao nos mostradores.
E. Howe Junior, uos
da macbina de cos-
feitas do mundo.
A medalba de ouro, couferida l
Estados-Unidos por ser o inrentor
tura.
A medalha de ouro na exposicJo de Londres acreditam
estas machihas.
A 90S000
ARMAZEM
DE *%
Fazendas nnas
E
XA
Rua I.0 dc Marion. 7 A.
DE
Cordeiro Simocs & C.
esta casa, sera .luvida, unia das qne hoje.
Agua floricla, de Guislain,
para fazer os cabellos pre-
tos.
A aguia brano-a, rua Duque de Caxias n. 30,
aoaba de receber nova remessa da apreciavel agua
I Aorida para farer os cabellos pretos. 0 bom re-
sultado colbido por quern tern feito uso deae*
' inoffenfiva prB|taracao a tern allaraente couceitua-
. do, e por isso apenas se faz leiubrar a qem no-
; vainente doila precise e queua se aproveitar de
su utUidade. Tambem veio agua de topasioe
:ota> tlorido para o aicsmo mo, tAo-acreditados
iwih) aquella.
Cabe-nos o dever de annuociar qae a companhia das machmas de Howe de Nova-
crk, estabeleceu nesta cidade a rua do BarAo da Victoria n. 28, um deposito e agenda
^r de Howe. *Tstas macnraas sio justamente apreciadas pela perfeicSo de seu trabalho,
aapregando uma agulha mais curta com a mesma qualidade de Iinha que qualquer outra, pode com primazia apresentar aos sens fregoeaes, VoltaS e brillCOS de SfTOSSOS
aela mtroduccao dos m^ aperfeicoados apparelbos, estamos actualmente habiUtados a, um variadissimo sorUmento de fazendas fmas pa- A o
ferecer *o exTmc publicc as'melhores machinas do mundo. ^t ^^^^J^^^-
As vawtagens destas tnachtncvs sdo as seguinies: j para os compradores, de cujas razcm um Pe-
Primeirti.0 publico sabe qae ellas slo duradouras, para isto prova incontestavel, a. Mandam fazeiidas as ca9aa dos pretemtoates, grosso ljofares de cOres, e como sempre conti-
trcumstancfa de nunca tcrem apparecido no mercado machinas d Howe em segun- para o que tern o pes^oal neces.-ario e dao amos-, nna a vende-!as por precp commodo.
.mio. tras meaiante penbor Novos diademas dourados e
Sgunda.-Com-em o material preciso para repirar qualquer desarranjo. Cortesmie sed^ de Jmtecure,.
Tercelra.Ha nellas mcnor fricQSo entre as diversas pcjas, e menos rapido estrago Qrosdenaple'de todas as cures,
o ^se nts eutras.
Quarta.Formam o pohto cohio se f6ra fcito I mJo.
Qamta.Perhiitte qtte se examine o trabalho de ambos os fios, o que se n8o consegu
rrutras.
Setta.Fazera ponto miudo em casemira, alravessando o fio de um i outro lado,
V-go era seguida, sem modificar-so a tensao da linha, cozem a fazenda mais
aljofares de cores.
A aguia branca, a rua do Duque oj Gaiias h.
30, recebeu novas e bonilas voltas e briucos de
com pedras.
Gorgurao branco e preto. A aguia branca, i rua do Duaue de Caxias n.
Seiim Siacan pr6to e de cores. j 30, recebea noro orttoento de bonitos diade-
Grosdenaples idem idem. ns dourados e com pedras, umto para meninas
Veludo preto. como para seaaoras.
Grenadine. eda preta e coJwmasri te]f- ColleCCOeS de trasladOB OU
dissimas padroes e fazenda da uliiraa moda., w*wj-wv"
padr
Popelinas de lindos padrSes.
FS16 de seda branco e preto.
Rieas basquinas de soda.
^ctima.0 compressdr e" lerantado com a maior facilidade, quando se tem de mudar Manlas brasileiras
gu!ha ao comec^r noTa costura.
tiita'ya.Muitas comparlhias de machinas de costura, tem tido epocas
i Coichas de seda para noivos.
de grandeza e, Cortes de cambraia branca com iiudos bordados.
.^Jtenera. Machinas outr'ora poDulares, saohoje quasi descoUieciaas, ^jon^.^^^^J^^ ascom Mns * idaocas radicaes parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe ^^h^ & c(,rot.
<^>ttttdo a opini*o dfe I^Ras Howe, mestre em artes mechanicas, tem constanteraente
CfmeriWdo'o-sett ftbrieo, e hoje liao atlende a procura, posto que fa$a 600 machinaa
ot 'ii.*.
'"jnla macbina acom
a tivretos com instruc^oes em portuguez.
A903>000 A 90^000
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
its-
Ditas maripozas, brancas e de cores.
Nansuck de Iiudos padrScs.
Baptista de padroes mui delicados.
Percalinas de quadros pretos e brancos, de
tras, etc.
Brins de liirho de cores, proprios para vcstidos
com barra e iistras.
Fustao de lmdas cores. \
Casaquiohus de la e de todas as afteea, para se- j
nboras.
do Barao da Victoria n. 28.
MCHINAS PARA COSTURA
A 30#000 e 30^000.
mm pospoNTOs
Nalojade Soares Leite Irmaos, a rua do Barao da
(
liwlio
pelliiia
Luvas de
200 rs.
Abotoaduras
r.ento a IfO rs.
3aixa de linha de marca, a 200 rs.
de todos
Victoria n. 28.
com pequeno toque, Espelhos de moldura dourada,
' os.tamanhos e precis,
para cedlete, grande sorti-j pERtuMARfAS E MRDtiAS.
Prasco com oleo Onza verdadeiro,
Lamparaias & gaz, dscido uma luzmuito l$OO0.
>', a l^SOOO.
Duzia de pec,as de cordSo imperial, a
t*0 rs.
Caixa de botoes de osso para calca, a
iOOrs.
Duzia de oarreteis de linha, 200 jardas, a
G00 rs.
Idem idem60jardas, a 2V.0 rs.
Ia;o de fita chiueza, a 800 rs.
Caixa de linha com 40 novellos, a SO0 rs.
Meios aderefios com camafeu, a 506 rs.
'Wrala de tinta roxa extra->ftna a 13^00
Potes com' dita in^leza, preta, -a 10O e
1-60 rs.
Caixa de pennas-Perry, muito beas, al
ijpOOO.
Idem idem, a 400 rs.
Caixa de enveloppes tariados, a 500 r.
! dem ideia forrades, a 700 rs.
Caixa de pap el amisade, beira dourada,
* 800 rs.
Idem idem idem lisa, a 600 rs.
Duzia de tftlheres cabc branco, 2 8
WK)00
Resnja de papel pauiado, a 4^000
^5*800.
I dew idem Uso, a2800, 55800 e 5*000.
Coques moderaos, a 3J>000.
Duzias de secae de traa^as de caraeol
Saias bordadas para sonhora<
Catnisav -idem idem
Ve-tunos para meoioos.
Dito para baptisados.
Cbapeospara ditos.
Toalhas o guardanapos a cores para mesa.
Coichas de is.
Crtioa4os bordados.
Camisaa bordadas para homem.
Meias de cures para liomens e nieuinos.
Compteto sortimeato de chapeos de sol para ho
mens e senhoras, com caho de marHw.
Meriao de cores para vestido*.
Dito preto.
Atoalhado de linno e algodao para toalbas.
! Ateamade pardo.
: Brie ile linho branco, preto e de cores.
Setta de bndas 6res e com listraa
Cljaio dc merino de cores e pietos.
i Ditos 4e casemira.
DVtos de seda preta e de cores.
Dite de touquiui.
i^unisas de liuho.
Bitas de chita.
Pitas de flaneUa.
Ceroulas de brim e algodao.
Damasco de la de cures.
I normas para escrever-se.
A aguia branca, a rua Dnuue de Caxias n. 30,
recebeu novas colleccCes ou normas para as crian-
cas aprenderem a escrever por si mesmo, hoje tao
asadas nas aulas e coHegios; e como sempre ven-
de-as por preto ommoV>.
Meias criias fiiias para meni-
nas e senhoras
I A ioja d'aguia branca, a rua Duque de Caxias
n. 50, recebeu uovo -urUiL.uto daquellas tao pro-
curadas meias, cruas para ?enhora, viado igual-
mente psra inentn*", e contlnda a vende-las por
pwaoa coramodos.
Veos ou mautinhas pretas.
A loja da aguia branca, a rua Jo Duque de Ca-
xias n. 30, recebeu bonitos veos on mautinhas
preta* da seda com floret, e outras a imitaoio-ea
croebe, e vende as-^jeloi baratos pre.os de I*,
\i e 6*00a A fazenda baa e esta oca parteUo
estado, pelo que contmna a ter prontpta exu-ac-
de cSo
Ferfeita novidade.
ftr#mpo6 pom bwrboietas, beaourae e gaia-
J^ fato#.(dirados e coIojpkIos.
A/leia da aguia branca, a rua do Duque de
Caxias n. 50, recebeu novos granp<>s com bor-
bofetas, 1*eKoaros-e ^ahonotos, o que de certe .d
pertelta. notrtd.-de. A qunHdade e pepuem, e
por m> on areve se acabara.
Novas ffelUfibas oroa^ftseofn
Quando parece terse esgotado o reperto^o das
ttmaff, pen immeasidado de artigot de noi daae
vets correspendentes da tova Esperauga, a rua
Duque de CaxUs n. 63, descobrcm outros ao
mundo elegante, aonde se constrvam escngitando
minnciosameute as novas inren'.oes ; remettem
para a NovaSeperam.a. e aub'risam na a diier
ana sens frgiKzes e especiaimeuU ao belio .-exo
}ue nSo creiam em tal : e para prova evidence
o que acaba do expor, vejam o que abaixo se
dese revet
MANUaES para missa, com capa de madreperola
ou tartaruga, tendo no centro da capa
um pequeno relogio perfeito regula
dor.
C.^RTETtAS, po t cliarnios, port oigarros e ports
moneys no mesmo gosto.
CARTEIRAS para notas com capa f!j martim, mz-
dreoerola e tartaroga, cum o distico
Lerabnnca. .
B0L5AS para senhora, o melhor qne tem vindo a
este mercado, de diversos tamanhos,
qualidade* e modelos da nova iuvep-
eao.
PORTBOrQUETS de lindos gostos e Umanhos
especiaiidades para as noivas.
CAIXIMIAS eom musics? e sem ellas, proprias
para presenter
E outros de intcira novidade.
E com os meninos.
A Nova Esperanca, a rua Duqne de Caxias n.
63, recebemos bouecos de b<-rracha de formatos
iBteiramente novos : os meninos muito apreciarlo
este brinquedo. .
E verdade.
Qua!(iuer senhora de bora go*to, parece que
nao pode completar e ?ua toillette, sem dar um
passeio a Nova Esperanra a rua do Du \ue de Ca
xias n. 63, porque e a loja de miudezas que mais
completo esta < in si i liii.ent j, e que mais novida-
des apresetita ao publico era geral.
E com as floristas.
A Nova Eperan?a, a rua do Duque de Caxias
a. H, recebeu pelo nUimo vapor, um iuteiro sor-
Un-eDto de pap<>is para litres 1 a elles.
Para crianca.
A "Nova Espernnes, a rua do Doqnede Caxias
n. 63, leeebeu um sor.imeuto de vastuarios de
casemira e alpaca i ara t riancas : modernos e bo-
mtos.
Las mescladas.
Um bonito sorlimento de las mescladas em c6
re, recebeu a Nova tapmaet, a rua Duque de
Caxias n. 63.
Calcado estraugeiro.
Aproxima se o mex de dezembro, tempo m
St o Paris na America, a rua Duque de Caxias n
, !. aadar, tem de dr o seu balan?o, por este
motivo, os,proprietarios deste estabelecimentc ej-
t3o resolvidos a vendercn seus calQdos pel< cis-
to, aflm de minorarem o trabalho ; asslm \ ois os
apretiadores do bom, e com especialidadf o sex.'
amavel, para qnera o Part* na America c na.rva
com a devida decencia) o seu gabinete ea^rva-
do, para a cseollia de c.ilcado, aproveit m e ve-
nham munirem-se do que precisarem.
Arraazem do lurao
Rua da Mad re de Dcus n. 10 A.
Jose Domingues do Carn-O e Silva participa aos
seas fregnozes e amigos qr.e no seu armazem a
raa da Madre de Deus n. 10 A, se acha am con
plelo sortimeulo de fumoem fardos de patente |.,
2." e 3.1 sortes, dos molbores fabrirantes da ?abia
e bem assim a flor de *.odos os fumos de cords
em rolos, pacoles, latas grandes e pequenas, tam
bem dos mui acredita.los fibricantes Torres a
Arauw, LtMur, Adolplio Schmdt C, 1-uaut
Schmidt & C, A'aigas A Arauio, Triudade k Ave
lar, Teixeira Pitito & Portella (garantido pelo?
mesmos) e de outrns ainde nao conhecidos pelt
publico desta capital. 0 annunciante declara qut
todo fumo que lor vencido em sua casa sera pel.
seu justo valor, e que quando garantir a respecti
va qualidade, sera slacero, mui partirolarmenu
com as pessoas que peuco entenlam da materia
pois para bem servir a todos, tem o anauncianu
aionga praiica de 15 an nos deste coinmercio.
No armarem de Joaqnim Lopes Mac* adh A C.
ha um bom sortimeato de mobilias
brancas e pretas, que se
modoe.
do Vm<
wnicni a pfeco tarn-
A loja do Passo, a rua do Crespo n. T A,
beu pelo ultimo paquete, rieea chapooa
nhora ultima moda.
pai>-
Burros 4 Tendia
J. Deao avisa a feus fregpezes que^ esfll *
viagem para as provincias de AlagOas e Pwuaaa-
buco, condurindo excelioBte tr>pa de Iwroaa:
pn? to Calvo. Bamiros, Rio Ponuoso, Escada, !* *
provavelmente por Santo Amaro de Jaboataa *
Naiareth ; por isso pode sr avi-ado on eoa-
trado cm qualquer deses higares
Larangeiras, lO de onmb'o de 1^73.______
VENDE-SE -
uma c. sa na villa de Barreiros, na rua do f'*xa-
raercio, p r precp modico: a tratar con 1!aco
Irmaos a C.
Vende se n r commodo pre^o uma das me
res cacas a B a-Viagem, compreheudendo ^n pa>-
queno sitio, para pastagem de vaccas e tei lias
fresco, para plauta de capim : a tratai- n*
Imperadoi n. 83, I." andar_______________
FLORES
0 jan' m da Nova Esperanca, a rua DnoxteaV
Caxias n. 63, csi;i replecto de (lores nan -
ticadas q e e possivel imaainar *e, desde o a
singello ra nalhete a mais elegante rosr {intoir
aovidad.) : au bollo sexo compete, quanto >:*,-
virpm r lhi las emquauto estao vicosas.
Ao bello sexo.
oVg^att
wades*
Gu mlo & Leal receberam ricos cortes
de soda, fazenda inieiramente nova, e
pelo barato preco de 4Q#000 o eorte : a eltes.sair*
que se acabem: so na loja da ros rr'oeir9 jp
Marco n. li.
FAZENDAS
polucia ou anninlio
i A loja d'agaia braoe* a rca Duque da Caxias
] iiO, reoebeu uma pequext qpanudade 4* boni-
s e tiovas goi!inhas,'triba!bo de la e seda, en-
' neiu*aseom armtoiio, obnwostas de muito goslo
be inieiramente novas.
Grampos, brincos e rozetas
dt>uradofi.
Pannos de crochet para cadeira, s-^a e conspllo*. aj-n daamia teaaca, -4 vta do Dnque
Idem com toaico de Kemp, verdadeiro, a .^nas de.dilo Caxias n. 50, recebeu novamente bonitoe gram-
tWOO. iTaJ? ,*,u v I iZSLa dos. brincos e rozetas dourados ; assim como
II lill H Iff -^^IW lLSTLJL l^diadomas 4a a,o, a e^^npra cobU.
Garraia d'alua japoneza, a WOO. Ssa2*ttenT -. ^ a venders por precos ra^ve
Idem idem diviaa, a liWOO. .W.os cortes de vestidos de liuhj paw seftbora, CaiKilMiaS.COn* OftttoUraOOS
Idem idem Magdalena ^novilade) a ***" com 3 --*- J j e DrateadoS, para CabeiloS.
**%> de pospara dentes, a 200 BS&*Stf & ^"ettti jfeff^* *'** *
' unhos, gravatas, luvas de pelhca, ditas d flo ye e laxiasa.au.
e Escocia, br*ncas e de d6res, tapetes de to** LUVaS de pelllCa pretaS e O
outrae cores.
jUiltO
tratar
zem.
de di ersas c^res, com os competenles enfei-
tcs, ultima moda.
: Casemiraa preta? e de cores, chKao, aaadapoloes,
eambraias, paaoo Quo preto e ;izul, eollauibo.
Idem idem de pds cbiuez^ muito bom, a punhos, gravatas, luvas de pellica, (
500 rs. e 18000. | os tamanhos, *olsas de iagem, etc eto.
Poteeora opata de Rieger, Rimel e Gros- j Na loja do Basso, ota 4"nneiro de it area/a.
nel, 1CO0.
Duzia de sabonetes de amendoa,
35&00.
Duzia de sabonetes de anjinbo tranjpareo-
tes, a 28200.
Idem idem com ores, U500.
Sabonetes Glycerino transparentee, a
18000,
Caixa com sabonetes, formaio de fruclas,
a 18000 e A850O.
Cosmeticos, ^raudes e pequenos, a 100 e
> j800 rs
Frasco com agua de cola^ae, a 200, 320,
500 rs. e lfJOOO.
.Ex.tca.ctos fliuito fines dos mtlhores au-
tOTQS.
A, artiga do Crespo.
Eua do Bora Jesus xhfS
Neste cstabelecimcnto tem par* vender,
commpdos pretos, o seguiute:
Tacos muito leves para bilbar.
Carrinhos de 3 rodiis para conduzir wian-
cas.
Toroeuas de buxo de .sjstema mo-
de rno.
de trtagas
iranca, a 4*9 rs. 'jfc Codrfty,Rieger,'(JeUe Freres.etc.
Idem idemdisas, a 3M rs. Quadros com santos e estampas separa-
fxsques de ease e saudaie, a S8000, 48 das.
Vim*. Efltremeios e babados transparentes e ta-
Fito 4e relludo de todas a-eones-elar^u- pados.
ras. Itoftjgramie tafcolela peppria para qual-
.klioeoaoepios com 42 is4a4* ^000 4ttr loja.
Fraso* com oleo para maehioaa 4#^ rs.
tu Jo Bart da Victoria o. 28.
Mal*spara viagem,
EsneloQS com moldura dourada c vidro
de primetre qualidade, com 1 A de pojlftp-
Lindas e elegantes eai^inhaa comperfuma-' da de ftspessu**, verAisado parj #*itr
rias, proprias pans presentes, dps autores o mAfpflo a?e.
-----

m vnda I.apa
v inos de todas as quatidad e ^Jea.a reulho e
tor atanado : unica casa que melhor pode servir
*06 conip>adBres. A's terras se^tss feiras haj
requiJ*o. __________________________j
Bxtr^4ia^ia4^cl4w^
3|50Q
Coiebaa de algodao a|anias<*a4as para camaj
pelo baraiisslmo preco'wfc^feco na loja 4et
arcos, de Gurgel do-Amaral t,4L, a, rua Brimeiro
-ie Marco (antija do Crespo) n M A.
Vinhos 4e RauiigQgne
das marcas
Cbamuertiji
Pom raa rd
Virits
c4nay
Pandejas Unas a or.dip*rias.
Relogios fraocezes, bqps jeguJ#dpes|*:a
pries para pendurar, com cofda pa/a IP
dias.
Cadejras do Jnma.com e sem WWSjp.jpao-:
bilialigeira, propria para cases de campa,
em tempp de i'esift, pej* p^n^m^lid.adeJe sej
fechaiem, serem baratas e fort^^
Cftmplieto *prtii)Meo de nic^ad^s fan.-
cezas par* gayeJas, c4eiras .epvwft-
Macbinas para^ostur*, o mass bjm ac*-
, bado que tem vindo a este mercado, pro-,
' prjas ,p*ra tj>ebalh*r pom a rn^o, ifabjlhoj
Teito so'bre a direc^do dos S#. ,W, F. Xfapr
mas dc-de .Umdres.
Sab' netes de alcatrao do fabricap^,^
; N. Castcp, .os ^sihqnv e maj$ me^nimaes
' que tem vindo a este mercado.
A Ioja da Aguia Branca, rua Dwroe de Ca-
xias n. SO, recebeu novo sortiraoa4o.de liros de
.peJUca, iTtjHM Ae>w*ea cares.
TASSO ffiMAOS&C
19 seus itwuw* 4 rue d Aawriaa
n. 37 e cees doApoUjO.*, 47,
tea* pan* #ejwl<*rj>or .pre^o* *pmw>4in
Tijdlos encarnados sextavos para ladruep.
Canos de barro para esgoto.
.^toto Portend.
Cimooto4fedr*ec.
a de 4eseaiojir aigodae.
otassa da Ttns.su em barrfl.
'fhospnoios de eesa.
Sag**eiar*aH.
ovaeM> m sm*Q#
jnjjajja^ea,
. Jmaica.
1 dotorto'vetho j^ara(a4o
VlBho 4c wo-ipear,-*'o.
Vi*rfa*rtBaej,-*.
aha l
C.msjdoBrA
Poles comfingSas edobradas ing4ra.
licora ftawIuiWioi.
Cofnat oleier Swmt.
La^4e1tqpciBbo.^f,*1
Barns com repojhp^m s*I

mm
Vende-se uma excellent* casa com um pequeno
sltkt, siu no Arraial junto a casa do Sr. Anseimo :
a tratar na mesma eaoa, e para iu/orma.;5es na
ureroa do Queimado n. 3, { andar.
Montbelie
Dito Bordeaux em quartollas.
Ywifc-se [)of bartito preco
PARA LIQl'lDACAO I>E CONTAS
SA
Boa Larga
Rasario 84.
Botica.
.
nm sibo no largo da Casa Forte, com old palmos
dt>o 0 manos,
com casa de uedra e q*L7. 'IWflOf, 3 ^ajaaco-
zipba fora, i cadmbas I drversda arvoredop de
frnH-.a ; assim como, um BUtrb menor na tri-
veasa.'da mesma, roltando para a eslrada que v*i
para Arraial, ci>m casa de pedra e cat, com 4
quartos, cozinb.* fora, caciroba e aUuns ajjrorrdos
ae fructn : mi pateo do Car mo n. 3, ou na rua
das Ttiucheiras n. i.
Vender^
A tvaerna da ma da Penha n. 6, bem afrogue-
2ada tanto para a terra como para .0 mato;a tratar
na mesma
para 0 fabrico dos meltaorea cigarJOf.fipoiB.dp .sod*
Idem do Rio Novo
W-KafceHava***-'***
Sam
MouMk)
Wear.**._.
Idem dc Minas.
No armazem defyoifi a rua da )i*dre de Deus
n. 10 A', de To-6 ;B6mingnei do Karpo e Uv*.
0 proprietario deste aUibetenoa mmr fawob* t****** m <*l4e aie.de Ja-
w:.*mtoW & *&*,#** aapaciaaa,
algumas ate me>mo Dio conhectdas nesie meca-
do ; porera muito apreciado em on^raa projin
cia do imperio, como os fumos qae ac*ba4e re-
ceber pelo vapor nactoBai &>kia, jeatrado eat 6
do corr.eule e par issp co/ugd* a-b-dpsaeu* fre-
gUes e amigos para yer^p .e. ex.aiuinarem aa
melborea qualiaades de fumos, fiaos, e promette
conservar sempre em seu arinaaem e que houver
de melhor aeate artigo.jdeade H arrofca ate| a
ubra; it^atfpj4os m* nujneroaos fle-
guezes e atbigos.
AVISO.
Vende-se um sobrado de 3 andares e so-
tao, A rua do Bom Jesus, outr'ora rua da
Cruz n. 03, e um diio de 1 andar na mesma
rua n. 61, semlo cstes no melbor local da rua.
a igreja mattiz do Corpo Santo : a
no rnesmo scbrado n. 63, arm a-
Rua do Brum n. 76
Vende se zinco pure de superior qualidade,
proprto para eobertas de casas, medindo it pal-
mos de comprido e \ rle largo, por pre;o mnito
em eonta.
l^olhinha de variedades para
o anno de 1874
Couti'U !o atom do kalendario, a tabella dos
emolumentos cobraveis no tribunal do commer-
eio desta provincia, precos e partidas d<>s vapores
do mar e terra, nomos novos dae ruas desta ci-
dad^.labejiaa dos emolumentos parochiaosetc. etc-.;
a vepoa m todas as livrarias do Reeifo.
Vende-se
no estado em qne se acha o silio exi^tente no
lugar dos Remedios, frpguezia dos Afogados n.
ii, hoje becco da trav jssa des Remedios a 18,
em cbao prcprio, quern o pretender entenda-se
com o sen proprietario na rua de S. Francisco,
como quem vai para a rua Bella, sobrado n. 10,
qae se Mra ied negoeio ____
Ao bom torn
fcejMMI a rua do Quesmado n. 43, grandes
sgxiimisntos.de Us flinas com lindas Iistras da so-
da a U*00 o eovado, ditas de quadros padroes
muito chiquos a 480 rs. o eovado so na rua ao
2ueimado n. 43, junto a pracinna, ioja de Gnerra
Femaudea. __________
Asunicas verdadeiras
Bicbas hamburguezas qne vem a este mercado
inda a. 54
; qn
na rnr Marquez de ulii
NOVIDADE
A Predilacta acaba de receber um hndo sorli-
mento de fitas escocezas achamalotadas, proprias
para faehas; assim conio um tindo sortimento de
Jaqaes4e madrepeHa; a ettes antes que se aca-
bem, afuadfl.Cabagaia. A._________________
BatttiSKHM
r Lauaiubas com listrafi estampadas pelo diminuto
eco da .400 rs. owvado.
Ditas com Iistras assetlnadas a 1|(KX) o eo-
Granaeiaas pretas coin Iistras de cftres a 1M rs.
OOMad*. .. ^..
1<#m tra#j)dos dpfoprto* para veabdo, a 320 rs,
o cwado.
Alpacas de
440. o cova
Urm branco, iona, para catyas a 1*600a vara.
rjite 4fancado a U^D* vara,
Dito de cores, linho puro, a IfiQO a vara.
Chapeas de sol de sedi, cabo de canna, a 8*500
cada um, isto tudo =6 on o. 30 da rua do Cre.-'po,
loja das SporUs^dejipilherme A C.__________
~~7W|I on Rowe & C. vendem no seu armazem
a rua de Commi-rcio n. 14 :
0 verdadeiro p^nao de ilgodao azul americ.
Excellente flo de vela.
Cognac de i* qnalidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de toda us ijoaiidttd.s.
i quadros, jproprias para vestidos, a
Liquida se ptr t*>d" o preco o resto
ia n. 16 da
das ftu^
das csistentesna loja n. 16 da rua da Mafire &
Deos, defronte ('a g iarda da alfa dega. Aprorci-
tem, portanto. aqu lies incnos favorecidos *-
tuna lao imc rta te eccasiao, aond> podcrao s-jff-
tir se c >m po eo dioheiro. Etta fcira fewanal
principiara dijriamente as 7 boras da maab* iSfi
a* 6 da larlc, terminando iinprcterivelmenla t
fim da corrente si-mana._______________________
tluHtaria de Lisbca
Hombreiras.
Capiteis.
Soleiras.
A' venda no armazem n
Santo.
23, u travassa da &>rj
Las para vestidos de gente
sinhav.
Fazenda de 800 rs., vonde se a .VOO rs. na Ro^a
Branca c dao se amostras: a-rua da Imperolriz a-
36.___________________________________.
Vende-se
Uma ea>a leirea ua rua de S. Mi^ael n 6a,
commodo pre^o : a tratar na rua do Imperil*.*
n. 75. ______
Ciiiiiiziiibs c \m\m
Amaral .Xahuco & C., wndem enmiiinnas e pu-
nhos para senhoras, brancos de'algodlo, de linho
bordados e de cores, no' Ra ar Victoria rua do
Barao Victa ia n. ?.
UQl'IDACto ERAl
N. ti BUA BARAO DA VICTORIA N. ^t
Onde tem a bandeira cnearnada com as lettra?
Liquiilacao
Junto a loja do Carmiro
Vianna.
Um rico sortimento de mobilias genovezaa, ditas
.Ie Vienna d'Auttfia, oadeiras avulsas para saia
de j;mtar, ditas para jardins, ditas de balanepv de
viine, ditas espreguipadetr^s, ditas proprias para
lUmar- se, masinbaa oara quartos,espelhos, caraas
de ferro para hi mens e eriancus, faqueiroe para
mesa lampas para cobrir pratos, guarda^casaiu^..
objectos de mttal, ele-lro silver Plate, estojo* com-
platos^paFa homens e senhoras e uma rica S4aa)fo*
(instrumeuto musical) ; e outros u;uito3 artig-.'S
que com a presenca die visitantos bem se itevn
sortir do tudo, p>r ser muito barato tudo o qne se
acha exposto a venda : rua do Barao da Vicwia
n. 24, bandeira encarisada.___________
Vonde-se na rua do Vfgario n. 19:
C-ignac da melhor qualidade.
Retroz do Porto.
Vellas de cera.
Vinbo da Porto engarrafado emdnziaa.
Farinha de mandioca nova
Teeaa para vender Joaquim JOse Gomjalves Bel-
traoiFitfao, a^wrdodo patacho Sapho, ehegado
de Santa ~atharina, Fundeado defronte do trapschf
Barao do ^ivramcnlo; e para tratar a bc>rdo, ou
no sea escriptorio a rua do CommiTC^o n. St.______
Aloatifas ou tape es de ljnho adanwisea^ -^ \.
proprins para salasl: 4 venda ho armazem ea-J-
O. C. Doyle, raa d Commercio n. 38._______
Vafaatedc ferrft
Na Omdioao de Cardoso & JraaSo, a raa Jo Be
rao do Triumpfto, ouW'ora do Brum n. 100 a 104,
vende-se varandas- de ferro fundidas, de bonitos
modelos e preco commodo.____________________
Caixas completas com figuras pa' a presepest Ie
3.4 a 8*0(10 cada uma : a venda no Basar da rua-
Btrei&n.g4. #
Bolsas, malas indiBpensa-
veis
Amaral, ^ahuo & C receberam completo ior-
tuneato de bojeaai malas e mdispensaveis con-
ro, madeira e chagrin : vende-se no Bazai- VS&
loria, .rua do Barao da Vfetoria n. 1__________
Para acabar!
Ricos chapeos para senhora : so na rna -Staqne
da Gaaias 60 A, loja da esoujna.
M,atrjjcula para eavallo^
Ar' voada m bvrari* claavjoa,.* rua oaipera-
d Cosnwnas
Amaral Nabuco & C, vendem os mais comuxo-
dos cosmoramas com visUs aetualmente n>vas r
no Bazar Victoria, rua do Barao da Victoria-.m. t.
Venda de taverna
Vende se uma taverna no Varadeuro a. **?*,*
01 iula, com arro;n.io novae sem alcaide, .boa to-
calidala, propria para principiante, tent (Rorafie
paia fainilia e lugar para montaT febriea do et-
na ros, e o motivo por que se vende se dira aa
comprador : a tratar ao large da Santa CivMBr--
uiero 4.
UEGfVEL l
y


/
___ t. '
lb
8
YABIEDADE
lot soldado
HECORDACM DA CIT.RRA
I
Quango, depots de nosso* primeiros reve-
zes, so fez emfim a preciosa doscoberta de
quo u nosso punhado de s,>l dados na> era
bastantepara sustara^torrentehumaua quese
desp'imava contra nos, e que se dingio o
appello a todos os fnncezes de animo esfor-
giw e do boa vontade, 03 que dentre nds
nutria n maior contiauga, abanaratn dolo-
rosa.n-ntc a cabega, no ver o insigniticantc
numer > de alistados voluntarios que vierain
ongrossar as nossas Gleiras. Nesta terra de
I'rangn, cm que bastava outr'ora bater com
o pe, para fazer surgir della legides, a pal'a-
vra Patria soava em vdo. E ainda en-
tao podiam alimentar-se algumas esperan-
gas. Peior foi mais tarde. Felizes os que
nao pn-senco3ram taes verg mhas!
Htiuve, porem, generosas dedicagos;
inancebos a quem o seculo nao tivera tempo
de gangrenar, velhos, francezes dos bons
tempos, a quem as Utopias humanitarias nao
tinham con eguido alterar o patriotismo,
vieram entileirar-se em torno de n<5s: foi
nesses extremes quo se recrutoti o maior
nnnero dos nossos voluntarios.
Um dia pela manna, chega-so ao pcS de
mim urn vellio respeitavel, figura de autigo
roilitar, bigole e pera branca, magro e um
pom.r. eurvado ao peso dos sous sessenta ou
sesseuta e cinco annos. llavia nas suas fei-
gd-s nao sei que indizivel exprcssao de sof-
frimenio.
Meu capitaodisse-meclle sou dos
sous Aqui estd a tninha guia.
0 liomem vinha de Vosoul, onde tinba
senta lo praga de voluntario pelo tempo que
durasse a gu'erra.
Diario de Pernambuco Sabbado 29 de Xovembra do 1873.
... ----------------.------------------
somelbantes ndo e formada homera, tinha um aspecto que mettia dd I
E, considerad i beno, de que serviam aquei-
tas mil dores
araa victoria !
Aquartelei-o e dei ordem para que o pou- las ampatagdee selvagens do que faziall
|>assem a todo o servigo pesado ; eu o quo namento, o recreio doa olhos, a saiide do
Jesejava era illudir o seu ardor senil, obri- Pans ? Em que estorvavam a defeza aquel-
gando-o a aceitar algum dos swvigos in- les abrigos, dentroda linha dos fortes? Dir
ternos que se confiam aos soldados velhos a se-hia que desdeo priraeiro dia se suppunha
quem jd faltam as forces, e conserva-lo assim que a mais formidavel destas fortificagoes
longe do combate. Mas elle ndo se deixa- nao poderia nem sequer durante uma hora,
va levar decngolos; conhecia estas cousas sustar oiniraigo.
na palma da rado e ndo me deu folga sendo Heroica loucura defendermos-nos, dizia-
lepiis que o armei e equipei completamen- se I De todos os que se baviam arrogado o
cuidado de levantar a nossa honra e salvar
Pobre bomera !disse 'be, coramo-
vido Bella acgdo, a sua 1 Permiita Deus
que os novos o imitem I Mas diga me,
nao receiB que as forgas lhc atraigoem o
animo?..
Elle perfilou-se altivamente.
Nao toaha receio, mou capitdore
plicou Onde me ve, tenbo aspecto de can-
sado, mis sou roousto, o i I se sou !, 0 meu
capitao verd. S6 o que eu pedia, se o meu
ipitdo ndo levasse a mal, era dar-me ca-
vallo quanto antes e doixar-me partir. Fui
couraceiro no meu tempo ; ainda me lem
bro do olficio, e o meu capitao bem ve que
so me alistei, e porque t.-nho vontade de ir
d pelle aos prussianos !...
Os prussianos, os invisiveis !
Mas o pobre velho cui lava que ainda era
como d'antcs, nos bons tempos em quo a
gente via o inimigo que tinha diantc de si o
podia medir com elle o seu valor.
Perguntando-lhe eu se nao deixava fami
lia na sua terra, arrazaram-sc-Iho os olhos
de agua e disse-me :
Perddo, meu capitao, tenho Id gente,
mas saberd V. S.ao meu capitao posso
confiar-lhe cstas cousas cu ndo polia con-
tiuuar a ficar na terra. E' precis que diga
ao meu capitao que eu tinha um filho, um
moeetao do dezesete annos e um rapaz ds di-
reitas 1 Quando foi dada a declaragdo da
puerra, disse-lhe logo : Rapaz, agora e que
(-. oc asiao de um francez mostrar o qae e I
Estava para lhc pedir que me deixasse ir
assentar pra^a, meu pai! respondcu mc
elle. Foi dito e feit >. Entrou n'ura regi-
mento quo estava a partir ; so teve tempo de
chegar a Forbach ; a pnmeira bala fit para
clle 1 Depois, saberd o meu capitao, nun-
ca mais tornei a ter gosto na vtda. A mu-
!hor massava-me sempre ; dizia que tinha
sido eu a causa de Ihe materem o filho I Po-
bre velha I Bem sei que a paixao e que
Ihe transtornava um bocado a cabeca ; mas
ou nao podia ouvir aquidlas cousas, ate que
Ihe disse :Pois uma vez que assim e e que
estds s-mpre a massacrar-.ne. ndo tirnards
a ver diaitte dos olhos quem te fez perder o
teu Glho ; vou ver se o vingo 1...Alistei-
me entao e... aqui estou, meu capi-
tao I
E ao dizcr isto chorava ; eu fingia que me
assoava, porque as lagrimas rebentavam-me
tambem dos olhos. Pobre pai 1 De quan-
FOLHETM.
LUCSSCIA BOB&ZA
MEMOniAS DE SATAHAZ
POR
1*. fltinocI Fernandez y Ganzalex
PRIMEIRA PARTE
0 aRAN-CAPITlO.
XVIII
0 5RANGAPIT.\0 METTIDO C0XTRA SUA VON-
TADE, N'UMA ISTR1GA QUE TINHA POR BASE
O AMOR.
(Continuacao do n. 272)
A mao de Lucrecia queimava e tremia ;
os seus olhos despediam fogo ; o seu sor-
riso era nm sorriso de demonio, mas de um
demonio f irmosissimo e irresistivt-l.
Bonvinetto totnou eutre as suas a mfio de
Lucrecia e cobrio-a de ardentes beijos.
Marietta irritada e ter.-ivel, precipitou-so
entrc ambos para separar Bonvinetto de
lucrecia.
Bonvinetto repellio-a.
Ah sim, exclaaiou este, amo-a lou-
ca e perdidameate.
Miseravel bradou Lucrecia repellin-
do Bonvinetto e mudando a expressdo de
ainor n'uma expressdo de desprezo, de
neaga e de colera. Miseravel I Infame I
Sei jd quem matou a irma d'esta tnulher ;
(- o mesmo que pretende matar-me d mtn.
Ah vejo que me arm u um laco,
disse Bonvinetto. Satanaz oeu-lhe o poder
de enganar o de fascinar ; Orsini emb ra se
sinta m rrer aos seus pes, ndo se atreverd
a feri-la.
N'aquelle momento ouvio-se nm ruido
t?!ranho.
Era ajanella que voavaem ped'jos.
Bonvinf-tto deitou man ao punhal, mas
ji o gran-capitdo se achava no interior do
aposento.
Bonvinetto Qcou gelado, mudo e por um
momeuto immovel; depois, e antes que o
Sran-capit&o lho podossc lanrar a m3o, ga-
r,hou a porta e fugio.
Ah I disso Lucrecia, por sua causa
(.ronzalo. fui sorprondida, encerrada aqui
e aroaacada de morte, e 6 si devo a vida.
Araanbi, teriam encontra Jo u'esta casa dous
cadavers, o de Carlos Orsini envejmna in, 0
de Locrecia Borgia ;:o.t pnoh Oh I foi o c^o que o enviou, (j.
te. S6 entao 6 que o seu rosto tomou ani-
mac,ao e, rnais lesto do que os novos, dvido
de aclividade, infatigavel, pedia sempre para
fazer parte das vedetas, para bater a estra-
da sem tregua nem descanso, para partici-
aar de todos os serviyos ; era um soldado
modelo.
Estavamos de bivac na esplanada de Vin-
eennes.
Um dia veio pedir-mo liconga para se au-
sentar do bivac por algumas horas, para ir
ds provisoes polos campos. Concedi-lh'a,
re':ommendando-Ihe pru lencia, porque jd
tinhamos tido alguns homens feridos por
terem ido buscar batatas muito perto dos
postos avangados do inimigo.
Sobreviera a noite e Moiroud tinha-
me esquecido de Ihes dizer o noute e
Moiroud aittda nao tinha voltado ; comecava
a inquietar me bastante e a recriminar-me
de Ihe ter dado semelhante licence, (|uando
a portinhola da minha tenda se entreabrio e
o meu velho couraceiro appareceu, com o
sacco cheio ds costas. '
Peidao, desculpe, meu capitao disse-
me elle fui pelo bosque, dar uma revista
ds luras, e trago-lhe aqui dous coelhitos ; o
meu capitao nm sabe, eeu cd para isto to-
nho dedo 1 Quando o meu capitao quizer,
e so fazer-me signal 1
Em segtnda, d-pois deter tirado do sacco
os dous coelhos, tornou a mettera mao den-,
tro e aecrescentou com ar confidencial :
Eu queria polir-lhe um favor, se o
meu capitdo nao levasse a mal... mas que-
ria que nao dissesse nada e sobretudo que
mo nd) ralhasse, meu capitdo I Kdo me
ralha, pois nao ?
Parecia tdo contente, o pobre velho de
ordinario tdo triste, que por cousa nenhuma
lo mundo quereria eu aguar-lhe a sua ale-
gria ; por isso prometti-lhe que nada diria.
Entao ahi vai : queria pedir-lho o favor
de me guardar isto, porque desejava raan-
ialo d minha velha ; que gosto ella ndo ha
le ter !... E se o mostro cd d nossa gente,
sao capazes de m'o porem n'um prato I...
E tirando emlim a mao de dentro do sac
co, mostrou-me um capacete prussiano.
Trabalhara bet*, o bravo Moiroud Ndo
so me trouxera ilous co&nos, mas alem disso
cozera-se com a herva e com os fossos, ao
longo do Marne. e, rastejando como uma
serpente de moitas do juncos em massigos
de arbustos, de regueira em vallado, chegara
por ftm d guarita de uma sentinolla avan-
5a la, e cahindo sobre ella apunhalara a e
trazia-lhe 0 capacete para a sua velha, que,
julgava elle, havia de ficar satisfeitissima de
ver aquelle despojo de am dos as*assinos
de sen filho.
Eu tambem me lembrei dos camaradas
acrrescentou por ultimo. Para ellos tra-
go-lhes aqui u.n sacco de batatas.
Apesar da minha promessa, ralhei-lhe...
mas com brandura, podem acredttar, e pro-
metti-lhe guardar preciosamente 0 seu ca-
pacete.
II
Passadas poucas horas, recebia a brigada
ordem de montar a cavdlo ao amanhecer
para uma operagdo offensiva.
Ao darem as cinco boras da manhd, atra-
vessavamos 0 bosque ou melhor 0 que res-
tava do bosque na direc^do de Charenton.
Pobre bosque de Vincennes, d'antes tdo
aprasivel, c m os seus bollos lagos e osseus
regatos tdo frescos, com os seus espessos
massicos mysteriosos, ao sahir dos quaes se
descobria de repente, da esplanada de Gra-
velle ou de Nogent, os maravilhosos panora-
mas do Marne, que era feito delle ? Tao
nsonho poucassenanasantes,aquellegrande
e umiiroso parquo, desnudado hoje, com as
suas arvores serradas a meia altura de um
Paris, ainda mal nenhum tinba fe. Por-
que se encarregavam entdo de semelbanto
missdo, esses desalentados da printeira hora ?
Mal se distinguia ainda o dia e o ar era
bastanle penetrante. Caminbava-se em si-
lencio : a polvora principiava a fallar ao
longe ; de cspago a espaqo ouviara-se alguns
fogos de atiradores ; aqui, acold, uma deto-
naijdo de artilbaria ; tudo annunciava a pro-
ximidade de uma actjdo e, como sempre, um
pouco antes da refrega, cada qual sentia
necessilade de recolitimento : s6 0 tempo
de dar uma lembranca aquelles a quem se
ama c um pensamento A'quelle em quem
se ere.
Meu capitao disse Moiroud por traz
de mim, sopranio aos dedos enregelados
tonho cd um palpite de que vamos emfim
hoje vel-os de perto I Estreei-me bem hon-
te.n ; acrescentou elle confidencialmente
6 de esperar que continuemos I
Ao sahir de Maisons-llfort, passamos por
baixo do caminho de ferro do lado do Sena
e formamos em ordem de batalha nos
catnpos.
Na nossa frente, Id ao longe, no meio do
arvoredo, a fuzilaria augmentava de inten-
sidade ; 0 forte intromeltera se no jogo e por
cima das nossas cabegas ouviam-se passar
os projectis com esse silvo, com esse zunido
de vapor do locom tiva, que Paris conhece
hoje tdo bem. Na planiaie nao se via tropa
nenhuma.
Ld, ao fundo, corae$ava a nevoa a levan-
tar-se da terra e a estender 0 seu cortinado
por diante dos bosques ; d esquerda, n'um
pequeno baiatal vedado com parede por tres
lados, uma lebre espavorida pelas detona-
roes corria desvairada de uma parte para a
outra, rente d parede, pondo-se de pe com
ella, procurando em vdo trepar e saltar, e
ndo encontrando no meio do seu terror 0
lado l.vre ; na via lo caminho de forro, um
cavallo perteneen;e a un official, galopando
sem 0 cavalleiro ; mais proximo de n6s, um
espectaculo horroroso : um pobre cavallo a
que um estilnacodeobuz levara uma parna,
seguia andando nas outras tres pelo meio de
um campo de beterravas; abaixo dojoelbo
pendia-lhe um farrapo de pelle, barabotndo
no ar; de vez em quando 0 .nisero animal
parava e roia algum punhado de folbas ;
depois relinchava lamentosamente ; e, con-
tinuando oseu caminho, arrastaado a perna
mutilada e tracando um sulco de sangue
atraz de si, veio ter aonde nds estavamos e
acompanhou-nos era toda a nossa manobra.
Era horrivel.
Entretanto 0 fogo dirigia-se para a esquer-
da ; 0 combate parecia concentrado no trian-
gulo de que Maisons-Alfort, encruzilhada de
Pampalour e Creteil, formara os vertices.
Mandaram-nos dirigir para este lado. A pol-
vora principiava a fazer sentir a sua furia.
Postaram-nos atraz de uma bateria de arti-
lharia,da qual alguns homens abriam,mesmo
ao pe dos canhoes tres covas para cansara-
das seus que acabavam de ser mortosT Era
entdo, ao que parece desta sabia testra-
tegi t tinhamos tido jd nuraerosos exemplos
a maneira mais em voga de utilisar a
cavallaria, collocal-a a cincoenta ou cera
metros atraz de uma bateria, sob pretexto
de apoio, de modo que todos os projectis
de alcance mais longo que errassem a bate-
ria, nao ficassem por isso perdidos, e fossem
piedosamente recebidos pela cavallaria.
A nossa chegada, de resto, parece que
ndo foi muito do agrado dos artilheiros,
porque ouvi dizer a um delles :
Boa I Ndo faltava agora mais nada
sendo aquelles com as cotTracas, a servirem
do alvo I Isto ha de ser bonito daqui por
um bocado 1
Isto e um sonho o gran-capitao. Jurolhe, senhora, que
ndo conhecia 0 medo, e agora sei 0 que e
e 0 que podc esse setttiraento. Saiamos
d'aqui qujnto antes.
Espere um memento, disse Lucrecia;
e posstvel que ouvisse o que se fallou aqui.
Sim, minha senhora, ouvi tudo d'a-
quella janella ; parece que me perseguern
as a ventures desde que cheguei d Roma
- Pois bem, deve terouvido que me ac-
cusavam de ter envenenado, para vingar-
me de Orsini, ndo sei que pobre rapariga.
Porque a vio enamorada de outro ho-
mera ? 0*raeu Deus 1 meu Deus I excla-
claraou Marietta.
Diga-me, proseguio Lucrecia, ba um
certo tempo para cd ndo tent visto Bonvi-
netto taciturno e sorabrio ?
Sim.
Exactamente como quando sua irmi
era 0 amanto de Orsini ?
Sim, sim.
Pois bem, Bonvinetto matou sua irmd
para que ella ndo pertencesse a Orsini, e
quiz raatar-rae a mim, envolvendo-me
0 facto e" qae peloa oarainhos que seguiam
pelo alto do raontos Id ao longe, viam-se
desfilar eitensas eolumnas negras; era uma
numerosa artilharia 0 massas de infantaria
que chegavam de Chm'sy-le-Roi pela encru-
zilhada de Pompadour.
Na planicie via-se a arder uma grande
herdade chamada, creio.'de Nossa Senhora
das Can leias.
De certo conhoceram que n6s naquella
posii;ao s6 Dodiara >s prejudicar, porque re
cebemos ordem de desalojare pOrmo nosein
abrigo na retaguardd.
Passado um quarto de hora, produzio-se
um grande alyorogo. Ate que vamos vel-os
do perto, medir-nos, po ler exasperar-nos e
dar p'ra baixo com forga I Affianjo-lhes
que todos os nossos homens soltaram um
Emfim I de allivio e q te se pozeram em
movimento com um nobre ardor.
A quem foi devida essa adiniravel concep-
$4o quo nos fez esperar, um instance, uma
gloriosa batalha? Ignoro-o. N6s oulros,
os pequenos ccmbatentes, raras vezes entra-
mos 11 is segrodos dos deuses. 0 que 6 certo
e" que na seriede manobras cabal isticas que
fizerani a justa reputagao dos nossos estra-
tegicos durante tdo funesta guerra, esta ndo
foi uma das menos cxtraordinarias. Segundo
a voz quo corria, um ajudante de .a.npo
viera dar aviso de que uma companhia fran-
ceza que occupava a herdade estava seria-
mente compromettida, em consequencia de
avantjarem ma>sas de infantaria que ndo
podiam doixar de a ndo fazer prisionaira ;
e dizendo que uma accdo vtgorosa de ca-
vallaria sobre essa infantaria, chegando a
bom alcance de carga, podia conseguir os
mais brilhantes resultados. Serd esta a ver-
dade? Ndo 0 garanto. Como quer que
fosse, 0 facto 6 que nos dirigimos sobre a
herdade.
Abalamos, pois ; a aproxiraajao era dif-
licil; antes de chegar d planicie em que
deviamos formar para a carga, seguimos em
columna um caminho orlado de choupos ;
iamos a sahir delle para formarmos, quando
ouvimos uma formidavel bordada de mos-
quetaria, um fogo volante, animado, cott-
tinuo, entrecortado degritos de dor e de vo-
cifera^oes de raiva.
Eis 0 que tinha succe lido.
Um regimettto de lanceiros que formava
a frento da brigada eiecutara a manobra
ordenada ; porem chegan lo a trote a bom
alcance de tal herdade, occupada, segundo
se dizia, por francezes, achava-se cm frente
de uma extensa linha de paredescom ameias,
detraz das quaes um batalhao inimigo fazio
da maneira mais comraoda e segura um
fogo infernal contra elle. Agradavel sur-
preza Deixando o terreno semeado de ho-
mens e de cavallos raortos, naturalraente
impotente contra taes obstaculos, deu meia
volta e foi reformar-se ria retaguarda. Fi-
cando com a sua retir da em primeira linha,
foi contra nos que 0 fogo se encarnirou e os
meios de retirada estavara tdo bem calcula-
dos, que n<5s nem se quer podiamos fazer
um movimento para a retaguarda, porque
o twrreno estava obstruido. As balas che-
gavam, pois, ds bategas, e nos couraceiros
faziam 0 effeito da saraiva nos vidros ; os
choupos, retalhados em bocados, deixavam
cahir sobre nds uma chuva de folhas e de
raraos: duas baterias tinham tornado parte
na refrega e envivam-nos, como bouqutts
de fogo de artificio, as suas granadas com
metralbas de balas e as bombas de obuz
Cousa ad on ravel, e que prova o peso extra-
ordinario de chumbo e de ferro que 6 pre-
ciso para matar um homem e tarabera um
pouco a inbabiltdadedo tiro dos prussianos
apesar da prodigalidade com que nos
despediam tantos projectis raortiforos, pou-
cos homenscahiara. Qie desespero 0 nosso
naquella occasido Ndo ter onde assentar
nem uma espadeirada I E a morte d distan-
cia, sempre, sempre, sem ver a cara a um
s6 inimigo I E morte inutil 1 em Reischoffen,
ao menos, a gente, fazendo-se matar, salva-
va alguma cousa. Mas alii I... encurrala-
dos n'um becco. morrer estupidamente, sem
que a nossa morte servisse para o que quer
que fosse t
E com tudo, nem um grito, nem um quei-
xume naquelles esquadroes de couraceiros I
Valente gente 1 Que digoos ndo eram de
ser couduzi ios a outras emprezas I 0 seu
chefe vinha de Reischoffen; elles ndo qae
riara parecer aos seus olhos menos valorosos
3ue os seus irrados de ale'm, que elle con-
uzira d carga ; e depois, tinham um bello
exo'mplo diante dos olhos ; sereno, com
man laudo a manobra com tuita placidez
como n'uma parada, embora as bombas dos
obuzes rebentassem ao redor delle e Ihe ti-
vessora ferido 0 cavallo, 0 coronet, d forca
de digni lade e de desprezo do pcrigo, obri-
gava o menos animoso a uma attitude viril
ante d morte.
Emfim tinhamos dado meia volta 0 iamos
sah r daquelle inferno, Ainda bora 1 A
retirada estava tdo segura, que a frente da
columna, estaeando diante de uma estreita
garganta, nao podia abandonar 0 terreno
send* lesfilandoum a um. Tinhamos para
um quarto de bonr. 0 mais que podemos
fazer foi postar-nos por traz do muro de um
cpmiterio, ndo sem que as bombas dos obuzes
nos chegassem. 0 proprio tiro de artilha-
ria tinha-s.; rectificado ; as balas jd alcanga-
vam. Al$m disso, uma nova bateria che-
gava a galope, a tomar posicdo sobre a di-
reita. Estavamos perdidos, quando de re-
pente uma bateria de metralhadoras que se
linha collocado d nossa esquerda, sem que
cu desse fe, oxecuUiu uma aria tdo furiosa
com as suas dez manivellas, que n'um ins-
tante 0 fo^o do outro lado extinguio-se.
Nunca supppzera tao fulmina te effeito I
Bravo,, metralhadoras I Devemo-vos ter
escapado de boa 1
Quando me virava para ver os nossos sal-
vadores, ouvi perto de mim umestrondo por
demais conhecido e lugubremente stgniti-
cativo : um som baco e surdo, com o que
produziria o choquc de uma pedra atirada
com forca contra um pouco de barro. Uma
bala, a ultima, acabava de acertar no meu
pobre velho Moiroud ; entrara-lhe por baixo
do braco, pela abertura da courac. e va-
rdra-lhe 0 peito. 0 infeliz vacillou em cima
da s-lla um segundo, debrucpu-se para
diante e cahio no chdo.
*bbre homem 1disse euAo menos
dormirds 0 teu derradeiro sorano no meio
de n6s, meu veleute velho. 0 teu cadaver
udo o deixarei aos prussianos I
N'um recanto do muro, alii perto, estava
0 earn da cantineira. Eu e alguns solda-
dos apia no-nos e transportamos para elle
0 corpo do nosso pobre eama-ada. Ainda
respirava; Assim que 0 deitei n'uma cama
de palha que lhc tinha feito, abno os olbo
e reconneceu-me. e agarrando-me na mdo,
murraurou :
Emfim... a velha ndo serd a primeira
a ver 0 filho 1... Isto u para Iheensinar
tambem a andar sempre a regougar 1...
Em seguida, puxando-me a si, com um
supremo osforco, disso-me n'um derradeiro
suspiro:
Meu capitao... 0 capacete... d ve
Ilia... alegre... coitada 1...
E morreu.
N6s enterramo-loao pede nosso acampa-
mento, n'um recanto fechado de arvo-
res, quo escapara ao machado dos rachado-
res.
Quero, com tudo, que Ihe ndo reste a mais n'uma intriga miseravel, para que ndo per-
pequena duyida dcerca da minha innocencia tencesse a outro homem.
relativamente a esse crime. Esta mulher
quo estd aterra la e sorprendida, permane-
ceu aqui ; tranqnillise so, Marietta ; procu-
rando vingar-se d'aquella que julgava ser
a envenenadora de sua irmd, ndo me offen-
deu ; conte com a minha protecgdo, mas
responda-me com verdade
gunlar-lhc.
estremeceu ; comega a
Lucrecia era perigo
0 gran-capitdo
perder a cabeca.
0 seu amor pozera
de vida.
Proteja-me, minha senhora, proteja-
me, disse Marietta ; esquecerei ease homera.
ao que vou per-, devo esquece-lo ; ndo sei se isso me cau-
sard a morte, mas ndo me abandone por
Marietta estava abatida, conservava a ca- Deus. Perdoe-rae porque a injuriei, por-
bega incliuada e tremia como varas verdes. [que a calumniei; elle tinha-ra'o dito e eu
^-Diga-me, repetio Lucrecia, ama Bon-; acreditava tudo quanto rae dizia Bonvinet-
V'ne,t0iJio u ,t0" Eu n5 sou md, nunca fiz mal a nin-
Ah I Senhora, esse miseravel deu-me guem ; ndo roubei nunca criangas como as
necessanamente algum philtro ; 0 meu co- outras ciganas. Se digo que sou feiticeira
racao e a minha alma sdo d'elle. e que adivinho, e porque d'esse raodo ga-
Uma mulher que araa, ndo vS muito nho a minha existencia miseravel. Ah '
claro, desgragadamente, relativamente ao minha senhora, udo me abandone
homem que ama. Ndo teve nunca chimes, Recolho-a em minha casa, disse Lu-
de Bonvinetto por causa de sua irmd ? crecia. Diga, Sr. duque deSessa, tern a
Oh I sim, sim I excldmou Marietta certeza agora deque nio sou a terrivelen
com vehemencia ; zelos que ndo havia com- venenadora que suppunha *
prehendido, que ndo tinham passado de Vejo, minha senhora, que tem a des-
uma inquietacdo mortal. graca de lbe attribuirem cousas que ndo
_Por iso que ndo queremos acreditar praticou nunca.
n'aquillo que nos raata, disse Lucrecia -Oh I jure que me julga tal qual sou
olhandodeum moio supremo para Gon- isto e, uma boa criatura.
za'' i- 1 L Oque Ihe juro, minha senhora, e"
Ah 1 minha senhora, proseguio Ma- que a vejo engrandecer de um modo que
netta, acaba de illuminar a minha alma me causa espanto Quer que a aprecie, que
com um. luz terrivel ; sim, sim, quando a estirae ? Peis bem, vamos por em segu-
Julietta tardava & noite, Bonvinetto estava range esta pobre rapariga e entendamo-nos
desasocegado, distrahido ; ndo respondia is depois.
minhas palavras, ou respondia mal, de um Siga-uos, disse Luerecia d Marietta
modosevero e impaciente. Muitas fezes via dando 0 brago a Gonzalo.
Antes, porem, de chegarera & porta, esta
eu 0 olhar de BonvinVto fixo em minha
irmd, e fazia-me mal aquelle olhar ; com
tudo, ndo podia crer que elle a amasse.
Diga antes que 0 ndo queria crer, ob-
servou profundamente Lucrecia.
joven
abrio-se e appareceu um cavalleiro
e formoso.
Era Carlos Orsini.
Ao ver 0 gran-capitdo dando 0 brago a
Qjando Carlos Orsini levou minha ir- Lucrecia, empallideceu ; nos seus olhos bri-
md, quando os dous se amaram, Bonvinetto Ihou um olhar sombrio e. levou com violen-
toruou-se n-ais taciturno e sombrio. cia a mao d espada.
E duvidaainda qu foi elle quem ma- Ainda ndo Sr. Carlos Orsini, disse 0
tou sua irma ? gran-capitdo, ponSm declaro-lhe que a sua
presenga aqui poupou-rae 0 trabalbo de ir
d sua casa para atirar com a minha luva de
cavalleiro, d sua cara de assassino.
Seja jd, replicou Carlos Orsini; 0 se-
nhor estorva-me e tenho procurado desfa-
zer-rae d'esse estorvo, ndo 0 nego ; Ma
chiavelo assim no-lo ensinou. Devemos
li vrar-nos de ura inimigo seja de que modo
fdr, e quanto mais depressa melhor. Agora
vejo-o ao lado d'essa mulher, que demonio, 0 bastaria isso para eu desejar
mata-lo. Um Orsini vale tanto como u 11
C6rdoba.
Mente, repli-ou friaraente 0 gran ca-
pitdo ; um Fernandez de Cdrdoba vale tanto
como um rei ; um Orsini vale tanto como
ura bandido.
Orsini, cego do furor, levou a mdo d es-
pada.
Ndo, disse 0 gran-capitdo, pegando-lbe
na mdo, quando 0 igualei d um bandido,
e* claro que 0 ndo podia considerar mu
igual, raedindo comsigo a minha espada.
Ouga um conselho, saia de Roma, e udo
permanega 0 tempo sufficiente para que eu
pega licenga a sua santidad), e 0 accom-
metta a si e d sua canalha, no sitio onde
estdo acampados, e que a despeito do rei de
Franga 0 prenda e 0 enforque. Retire-se,
mas sem espada.
E, arrancando-lh'a do cinto. quebrou-a
SOS DCS.
Pois bem, disse Orsini, aceito a sua
ameaga como um repto de batalha : ndo
serd 0 senhor com os seus fanfarrdes que vd
ao monte Pincio, serei eu quem 0 procure
no monte Vaticano. Adeus.
E afast u-se.
Sim, vai morrer na sorabra como um
perro, disse Lucrecia.
Que diz, minha senhora ? exclamou
Gonzalo.
Carlos Orsini estd envenenado.
Envenenatio ? .
Sim ; ndo ouvio Bonvinetto dizer que
havia levado a Carlos Orsini ura retrato
meu, que mo roubou ?
Ndo me recordo.
Tenho a certeza de que esse retrato
foi levado a Orsini como um signal para que
confiasse n'uma entrevista minha com elle,
nesta casa. Elle veio, e nos seus labios
seccos, nos sous olhos engorgitados de san-
gue, apparecem jd os primeiros syraptomas
do veneno.
Mas como pdde esse homem enveno-
nar-se com 0 seu retrato ?
Espere; diga-me, Marietta, 0 retrato
foi levado a Orsini ?
DESAFIO. Houve em Franga mais um
duello entre jnrnalUtas.
Desta feita os conbatentes foram Mr. Mer-
cier, redactor em chefe do Memorial des
DeuihSevres, 0 Mr. H. de Fonbrune, re-
dactor do Pays.
0 combate tGrminou depois de Mr. Fon-
brune ter recebido um b,te no ante-brigo
direito, um pouco abaixo do cotovello.
UM MI MO DO SULTAO.0 imperador
da <"urquia mimoseou 0 marechal Mac-Ma-
hon com a placa da ordem de Osmania ;
sendo uma das mais ncas pegas no genero.
Escusado e dizer fque alii brilbam reluzen-
tes diainantes, dos mais valiosos.
MORTE DESASTROSADEUMAERONAU-
T.V. Conta o Correio dos Estados-Unidos
que morreu lesastrosamente 0 aeronauta
sir J. W Bayley, que se propoz a fazer
uma ascensdo aeorastatica.em Fair-Grounds.
0 balao, por economia, foi preparado por
Sim, minha senhora, respondeu Ma-
rietta, e Bonvinetto disse-lhe : Senhor, a
duqueza de Roumania vale-se de mim para
Ihe entregar 0 seu retrato, como prova de
que finalmente se rende ,10 seu amor. Ella
deseja fallar-lhe e espera-o era minha casa,
junto das Termas do Deocleciano. Deve
conhecer a babitagdo porque foi alii muitas
vezes acompanhando a pobre Juliette.
Pois bem, Gonzalo, disse Lucrecia,
Ors ni envenenou-se beiiando 0 meu retrato,
porque sobre elle havia uma camada de
um veneno mortal.
Ob I saiamos, saiamos E' necessario
salvar esse homem.
E' inutil porque ndo 0 oncontraria-
mos ; a noite estd escura e ainda quando
o encontrassemos, tudoseria em vdo. Or-
sini morro como deve morrer ; eu ndo to-
mo parte alguma na sua morte e como Pi-
latos lavo as minhas mdos. Saiamos, Gon-
zalo, sinto-me mal aqui.
E atrastou comsigo 0 gran-capitdo, que
se sentia aturdido, como que embriagado.
Marietta seguio ap6s elles.
Ah 1 disse Lucrecia, atravessando o
terrono como quem 0 conhecia bem, que
idea tdo infame I Entregar-me ao poder de
Orsini, que, irritado ao sontir os effeitos do
veneno, me teria iramolado d sua colera.
Oh I veja, veja, no que consiste a minha
terrivel fama, unicainente apparencias fu-
uestas. E' fora de duvida que Orsini leva
comsigo 0 meu retrato ; amanba sneontra-
lo-hdo raorto, verao esse retrato fatal, e at-
tribuir-me-bao o seu onvonenamento.
Mas, minha senhora, para que possuia
esse retrato envenenado ?
Cesar 1 sempre Cesar I No dia dos
meus annos presenteou-me com aquelle re-
trato. E' um formoso trabalho em mosai
co, copia de ura dos melhores retratos meus.
^elizraente conheci que sobre e retrato ha-
viam estendido uma preparagio venenosa,
0 veneno que chamara dos Borgias, inven-
tado por Cesar.
E com que fins po; Cesar Borgia esse
retrato nas suas mdos '? porguntou severa-
niente e gran-capitdo.
Ah I sou muito desgragada e vejo-me
obrigada a ter horror da minha familia.
Cesar, enganado pela predilecgno que eu
mostrava por meu irmdo Giovanni, e pelo
grande aff -cto que ella mc consagrava, sup-
poz, sem duvida, como provavel, que eu
mostraria ou faria preseate do retrato a
Giovanni, e que este ndo deixaria de o bei-
jr. Ora, um s6 beijo u'esse retrato d a
morte.
meio de aquecimento do ar. 0 pobre aero-
nauta fez a ascensdo agarrado d ura trape-
zio, que pead | da barquinha ; para den
tro da quan via passar, logo que se acbas-
se d grande altura.
0 fogo, porem, pegara no baldo, ao que
parece, sem 0 aeronauta dar por isso. As
cordas, chegando a se^em jneitnadas, 0
desgragado despenhou se de uma altura de
mil e quinhentos pes, pouco mais ou meaos,
e d ura quarto de railha aprexiraadamente
do ponto da partida.
Arabas as pernas batendo 00 chao, se en-
terraram no solo ate os joelhos.
0 cofpo ficou reduzidd a uma informe
massa ensanguentada. De figura de gente,
nem sombra havia.
ESTATISTICA LUGIBRE.Ura jornal
parisiense attribuo a influeuciasdas commo-
goes politics*, e das desgragas que a tantas
familias ellas occasionam, o augmento dos
casos de alicnagdo mental.
Era 1852, a ci lade de Paris figurou na
estatistica dos hospicios de alienad js com 0
ja notavel numero de 3,182.
Em 1873, es a mesma estatistica apresen-
ta ate" setombro o elevado algarismo de
6,533. Numero este que ndo representa
ainda a totalidade dos individuos de ambos
os sexos que dentro dos muros perderam a
luz da razdo, porqueinuitos deixaramde da"
entrada nos hospitaes.
As despezas q alienados existentes em Paris, com a sus-
tentagao, etc., dos desgragados alii recolhi-
dos, sobera d somma de setecentos contos
de r6is.
MANIA DE FURTO. No tribunal cri-
minal central de Londres, foi julgada no
dia 30 de outubro, com jury, Mme. Carlota
Annie Fitzgerald, casada com 0 major
Fitzgerald, accusada de haver furtado ao
ourives Collingwood, estabelecido em Con-
duit-street, um annel com diamante do va-
lor de seis libras, uma caneta de ouro do
valor de quatro libras 0 um collar com dia-
mantes do valor de cincoenta libras.
Jd referimos em outra noticia como 0
furto so descobrio. A accusada era freguc-
za do ourives, foi depois para a India com
seu marido, e ahi travou relagdes de amisa-
de com a mulher do coronel a quem ven-
dcu a caneta de ouro ; a compradora tendo
voltado para a Inglaterra, por acaso foi ao
ourivt-s Collingwood, e perguntou-Ihe quan-
to valia a caneta que havia comprado d sua
amiga; o ourives conheceu a caneta como
a que Ihe tinha sido furtada, e sabendo a
procedencia della, queixou-se d policia.
Em poder da accusada eocbntrarara-se os
outros objectos, que tambem haviara silo
subtrahidos ao ourives.
0 facto ndo foi contestado. Depozeram
como testemunhas a mdi e parentes da
accusada, e medicos que a trataram, e todos .
affirmarara que ella, depois da morte de
dous irmdos mais novos, que estiraava mui-
to, praticava inuitos actos que denunciavam
accessos de loucura, e attribuiram os furtos
a kleptomania.
0 juiz declarou a accusada ndo culpada
por insania.
Ojury ordenou que a accusada conti-
nuasse na prisdo, craquanto aprouvesse d
Sua Magestade.
E PANTALONAS PORQUE NAO ? Diz
0 Gaulois quo as grandes janotas parisien-
ses, nao contentes de usarem jd shakos de
pelles, com penacho e dolmans com alami-
res, exactamente como os hussares, eis que
trocam as antigas bolsas chamadas aumo-
nieres, por outras em forma de patrona.
Mas, nao pdra abi. Ao lado pende-lhes
uma bainha de madeira lavrada, que ao
longe todos dirdo ser bainha de um sabre.
Pore*m, ndo e felizmente: 6 um porta-
chapto de chuva.
Em substituindo as saias por pantalonas
d zuavo, que facilitam 0 respeito ao decoro,
teremos as bellas parisienses tran-t'ormad: >
exteriorraento em jovons militares da... re-
publica, ao menos emquanto ndo chega 0
conde de Chambord.
Causa horror ouvi-Ia, minha senhora,
disso 0 gran-capitdo ; seu irmdo Cesar ndo
um homera, e um demonio. Oh I per-
doe-me, mas permitta Deus que eu 0 encOn-
tre cm campo abet to ou era occasido que
possa apoderar-me d'elle.
Ahi
Que 6 isso I Fa-la estremecer a idea
dc que eu me apodere de seu irmdo Cesar ?
Ndo ; ouvi uma voz lastimosa que
partia das proximidados das Termas de Deo-
cleciano, para onde 0 levo, porque alii dei
xei a minha liteira e alguns esbirrosquc
me acompanharara ate* aqui. Olhe, ndo ve
entre as ruinas uma luz que cruza era di-
versos sentidos ? E* certamente um dos
meus homens que se dirige para o sitio
d'onde partem os gritos ; apressemo-nos,
porque deve ser Orsini.
Em breve tempo, Lucrecia e Gonzalo
chegaram as Termas.
Soccorro f gritou n'aquelle momento
uma vozdesesperada.
Lucrecia, 0 gran capitao e Marietta cor-
reram para as ruinas.
Ouvio-se n'ellas o rumor confuso das vo
zes de alguns homens, e no fundo de uma
arcada, via-se o reflexo de uma luz.
Buotti I gritou Lucrecia.
A luz moveu-se e pouco depois appareceu
Francesco Buotti, trazendo na mao uma
lanterna.
Hetirem-se todos, disse Lucrecia, e
avaoea tu sozinho ptra 0 sitio d'onde par-
tem aquellas queixas.
Os outros homens retiraram-se.
Francesco Baotti desceu uraa escadaria
de granito que ia dar a um terreno coberto
de herva e de pedras.
Aquelle terreno seguia em declive ate uma
profunda arcada, de cujo fundo partiam os
gemidos.
Francesco Buotti eotrou, seguido por Lu-
crecia, Gonzalo e Marietta.
Ao cabo de alguns passos, Buotti parou.
Tinha diante de si ura cadaver deitado
no chdo, de costas, com os olbos e os bra-
ces abertos ; parecia quo pedia viuganga ao
ceo.
Ah 1 que homera e esse ? exclamou
Lucrecia ; ndo 6 Orsini.
Os gemidos haviara cessado.
CoiUinuar-se^a.
jwpo ISD
DUQUE W'Q&Hi
1
N

j jam l