Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18419

Full Text
^
Mim xlix. xtrnm m


t~



?
k
PIBA % CAPITAL
ffor iw mazes adiantado*
Por aeis ditos -'idem .
*ot .um anno idem .
^M numero avulso .
B IMJflABKM OtDE SAO SI PAfiA PORTS.
1W0O0
fUJOOO
190
DIARIO DE
SEXTA FEIKA 21 DE \QVEMBltO DE 18)3
BAKrfTK<>
fV* trea mzes adiantado*. ". .
For Mis ditos idem.......
Pornove ditos idem......
For um anno idem. ......
POBA BA PBOVIBCIA.
RMMBUCO.
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA ft FILHOS.
fl Si*, fierardo Antonio Alves* Filhos, no Para; Goncalves & Pinto, no Maranhao; Joaquim Jose" de Oliveira A Filho. no Ceari; AMonio de Law Braga, no Aracaty ; Joao ma Juno Chans, no Asrt; Antonio Marqoea da Silra, nc? Steal; Jo* Juat
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na Villa da Penha; BeJartnino dos Santos Melo, em Santo Aatao ; Doraingos Joee da Costa Braga, em Btaaretn;
Antonio Ferreira de Aguiar, era Goyanna; Jo8o Antonio llachaeo, no Pilar das Alag^ai; Aires ., na Bahia; e Lerte, Corquinno A C. no Rio de Janeiro.
____
PASTE OFFICIAL.
Miiuisterio do Inipvrio.
Furam nomeadu* :
Oiden..iii Iiisi. Dignatario. 0conseibeiru
Mann :l Madia lo None*, m I>uim1 d ji-oi ;-, em atietieao am dislioitfiawe re-
levantes ri&)s urestad* ao o-aa lo
Cimms.*,i i i .. u b.irao do S. Francis-::> Filho,
Itolos ri'l.-vmiles service* jtresiados a reiigiao na
foalidadedo proved.* d iruuud >de d> Sanlissi
no SacramontJ de N-tssa Senli tra da C'ioria, d'es-
ia corte.
Olficiies : os Drs. Dt.riiugo* Minulm Peixoto,
presMante da iirnvineia d' Aiuuonn; Joa > Tneo-
dorn X-ivier, presi t.-nu dad.; & Pa::.'o, -. Benlo
I.uiz d.5 Oliveira Lislica, em aliened) aw reievan-
ICS servicos i|U4 Um prestadu ao eilidu.
Cavtmeiro : La> Urraundo Pulsjn, svtbdilo do
S. M. briUnniea.
Pni iiomeado presidents de S>r:'\)i o ba-
rliarel Anioui i din Passes Miranda.
Fni clevado a 60 St inensaes ejuivaUntti ao sol-
i*o dapilamto da capita a pin*ai d; Mi, tarn
liem ni-> r..< .v-i.vidida por do-'re'J Je II de
marou ld 18.;.", appnivad) poi. decrtf.<> tigialativj
, ao capi-
ia.j liMinrariii exurcit-'. Antoni-i da Ciriiia Fro-
ia, vistu-ijuc i) mesmrt capiiai ji linha ejta paten-
in data d i n-ferid-i decroto, licando p-treitt,
.vta mefre, depeud^ite io ap^rovafa-j J.i .ujoin-
J.Jea feral.
i'or de.spaeho de 5 do corrsntj foram uo-
nioad i- :
Ordrm tia Rosa.Official: 0 baoftawl HaBMl
*c Suia Gircia, pel, s rolevant^i serv^oj presu-
dos ao estido o em relacio a gaerrj lootra o
.^ivern-do Paraguay, na provin*i d-i Oeara
C'lvalkci'-os 0 alfefrti roforuiaur dj oxuroitu
Miguel G lines iLi AtevoJo, pelus relevautoi seryi-
cos prestadul em rela;,io a guerra eontta <> gover-
XKi do Paraguay, na pruvineia do 4.iranbao.
0 subdito italiauo Frederico Bariiarw
Por desiiaciio dt 3 do e >rrunta in f.)i no-
meaJo coinmendalor da ordeiu da Rosa o capiJio
usnanti Carlos da Silveira Bistoj Varjfla, por nio
podcr 7rillcar-se cm sua pessda a mercd de olll
ial da inesina orde.-n, com l-ela scgunda \nc [ue decrelo de 2 de deiembro
da 18G9.
Furani naturalisados n< subdil.is portugueze.s
AObiaki Jcse d; S.mza Guim.iriei, AAlooi-i Pinto
Mjuteim. Jota HaplisU Pinliein, J.> Gomes da
Oruz, liid-irj Maitiiw, c o ciladao ^csjianhoi Do
niaigoa Antonio de Vasconcell'.s.
'
Minisr.erii> dos negocios do HUpori i. Rio de
.1 moire en S* dc outubro de 1873.!Um. e Exin.
>.r. -VT-i!i.:an!) se. a vista 103 documeut.is cjuo
aconi(uo!taraui oolfii-io de V. Exc, de 17 de mareo
e.itiiiio, rclativamente ;'n duas LleieOe^ a qoe so
|i.-jcelea cm setambro do anno passadi para ve-
".uiores i JBIzes de paz na fregjezu do Jardim,
'iessa proviueia : I* quo n:ij houve irrogalarida-
i(e; na elei-ao feit.i no corpo da igreja matrix sob
;i presidei.cia di juii de paz ntais votado Antonio
I'alippe da silva Cardoso ; 4* qne nao saacha pro-
.adi a ercunila:i.:ia de e.lar e:a raina o corpj
la dita nmariz, a q i il sc allegoi pr.ra jastifiear a
atra elei^lo quo se d z fe.ta ua sacristia sob a
presidencia do \\iii de paz immedi ltd ai I*; 3"
jue, portanto, nab po.le sabsisiir esta ultima elci
;4o pela ineompetoucia quei do juiz d- paz que a
presidio, qucr do lugar em que fji fuita; i' que
.l.ote in ido for.im julipilas pela camira dos depu
itdos as enneoits de cleitires tambem daplicadas
fj-xe na inesina Irugaeria se realisaram.
0 governo imperial resolvcu ap^rovar o acto
i4.'ssa pre-iileneia, pel.) qual f.ji anu.Uladi a 2- das
i eferida: elei.-des, devendo prevalecr a t\ 0 quo
ij claro a N. Exc. em r ;po-t.i ao snnradito officio
I'jasguanle a V. Exc lk; e! JtHlwh Duirte
Azei&lv. -Sr. president.) da prjviaju do Ceara.
Consnlta cleitoral.Em '1 do corronte
..xpeaio-Sfi este aviso a presklontia da provineia do
Hi3 de ianeim :
Illm. e Exm. Sr.-I'e'o miaistortj &h negocios
Ujttitiea f)i tram intliiu ao do in'porio, Cin 15 do
jinho ultiiro, pir ser o assumpto do corapeiencia
!te, o ciifi.-io qm aj lello V. Etc dtrigfra com
a da 12 de novembro dj anai passad-x
i Coasta do dito offlcio cd is \y\yvA qae o acorn
t-..altam, let* V. Exc. apprnvado a resposta quo dera
. juiz do direilo dicomarea do Barra M-insa aeon*
-sita que Hie fora feila pir um joh do paz da ci-
i.dc dest'1 nome, -obre o segnfa'o pouto :
< Se pola purse em duvi.la a iegalidado do
.- -.i exereiei.i n i cargi p.ra qm. Bra cleito, pela
eircuiostancia dc nao il>e ter aiiida a respeoiva
i-amata laenicipa! defend i jurauunto como eida-
lio ii iturali-ad i, o qual iitulo cmferido ha mais
de IDannns, foi pelo luestuo :idalio aprescntado
mO tempo i esw eamara n alii resistrado, sendo o
,.. .tivo da oinmissao di di!a sofemaidade a falta
h livro especial para lanjanunij dos termos de
i.; .s juram.'atos.
a Sua oiagBttade o im^erador, aiiMriendo aeir-
lOWtaacls. denao ter sido pjr culpa do cidadio
: quern -- tratt, mas di camara municipal, que
l-iiou do 'mmprir a referida s^'ornni-iade. c tarn-
liCtn do facto de j.i haver o raesr.w cidadao, nan
nijstanle esta falta, exercido os zzTgn do vereador
liarante Uom qnatricnuio e d-3 eloior, c as fuue-
Je juii. maan ipal i\.:nj ^-.il-s^tut-j legal, man-
: declara1- a V". Exc. q:;o, se^uud-j a doulrina do
n. 48S is t'i de n-r.n'r:. do tWJ, nai tern
injaf uuf-:eera duvula a v.i;idai? .th arto. pia-
' -\i-is p do meiK-ienad ) :iJa!a> n> cxereicio dos
. irgus publieos pnra us yo ios t^.n sid > ileil) e
raza.i do vicio, qus as inquinava. de ter sido orga-
nisada a mesa parochial- pelos cidadaos im ne.lia-
tts em votes ao juiz de paz presidents, deveudo
ter sid i segnndo a dispesicao dot arts, ili di lei
n. 387 de 19 de agoslu de 18i6 e 15 das instruc
roes de 31 de dezembro de 18t>8 pelos eleitores
supplentes da legisiatura dissoivida; rasolreu o
izuverno imperial iinuullar as raeaeionadas elei-
.;)es, per ser sabslanciai u vicio r.-furida,,
Mlaisterla tJ lozenu.i
Pur deeret t de 5 do corrente :
Foi cencedida ao^Dr. Francisco de A lluen > a exoneraci i que pedio do cargo de mem-
bro d > coRselh--> fiscal da eaixa economica e motile
de soccorro do flii de Janeiro.
Foi nomeado para o reforido cai go o bario dc
Mi.-S'p.iila
IVr titulu do 6 foi nomeadi Jose Man a das Cha
gas Fernandas d<; llrilo para o lugar de ajudante
do porteiro da alfandega do Rio de Janeiro.
Furam dnmiuidos:
( 3eseriplurario da supracitada alfandega Ma-
nuel Ferreira Henln Muni! e o o(D:ial de descarga
franciseo \avier de Oliveira Pimeutel.
Por decreto de 8 do corrente :
Foi exonerad > Aristi les Pio dos Mare* Guia do
lugar de thesiiureiro da ihesouraria de Sargipe.
Foi nomeado para-o referilo lugar Odonco An-
tonio Pereira Barreto.
P-r litolot da mesma data foram nomeaios pra-
licantes:
^ Da tliesourana do Rio Grande do Nortc, Joao
Gervasia Gomes da Silva.
Da ile Goyaij Manool Gjraes dos Santos e I'rnbe-
lino Xavier de MolUsco.
Por decreto do 5 do corrente foi reorganisada
a eaixa de amortisaeao c a seceao de subslituieao
do papel-mceria.
Sa mesma data foram nomeados para essa rc-
pariiruo:
Inspector : -o actual conselheiro de estado, vis
:onde do P. >ui-Ketiro
Ajudante do inspector: o thesoureiro da seivuo
da suMituii.-ao de pauel-m >eda, cjnselheiro Duar-
te Pereira da fonto Hibeiru.
Thesoureiro: o actual, Antonio Jose da Costa
Ferreira.
Tliesonrcin- do panel moo 11: o ajudante do
thesoureiro, Antonio Moreira de Oliveira e Silva.
Ajudante do thesoureiro do papel moeda: o
trocadiir das notas do banco do Brasil, Antonio Ad-
gust ) Pinto de Sou*a.
Oorretor : o actual, Francisco do Paula Rodri-
gu<-= Lcitao.
Ajii'l intiw de corretor : o< acluaes, Jose Corrta
de Sa Die.ho e CuOadio da Rocha Leaj e Guiltier-
an Caniidb Xavier de Brito.
I" escnpturariis: os actuaes, Francisco Jose
Moreira dc Carvalho, Henrique Alfonso Korff e
Isidoro Jusd Pereira Bastos, Joao da Silveira Sam-
paio Sobrinho, Eugenio Maria de Paiva Hio e Ur-
bane do Moura.
2- escriptur.irios: o actual, Felippe Maigre Res-
tier, Antonio Carl is Cainisao, Jose Galdino da Vol-
ga e Lourearo Perfira da Silva.
onferentes : os actnaes, Jo-te Bernardo Simoes e'
Jose Ignacio de Mesquila, Antonio Luiz da Silva
Beltrao, Gabriel Jose" Pereira Bastos, Joao de Cas-
tro Walker Junior o Jnquim Ignacio da Cunha
Tavares.
Troeadores: o actual, Carlos Carneiro do Cam-
pis c Carlos Augnsto Viera.
Foram aposentados, a pedido, Joaquim lose de
X ironha no lugar de l" escripturario, e I.uiz Cae-
tano da Silva Gomes no de conferente.
Pcr'titulos do miaisterio da fazenda foram n>
meados:
3 escrtptorarios, Dionysio Frederico Korff, An
tonic l.iixeirada SiWa, D uningos Jose da Silva Ju-
nior c Jo^e Vieira do Azeredo Coutinho.
Pralicanles, Jose Ventura Buscoli Junior e Car-
los Baptists de Assis Figueiredo.
Porteiro. o actual Luiz Alves Pereira.
Carimbalores : Antonio dc Assis Figueiredo e
Iaib Alves Pinto Guedes.
Continuos: Antonio Manuel do Azeredo Couti-
nho c Joaquim Thenphilo da Rosa.
Fui cencedida a Florencio Jme Freitas dos Reis
a demissao que pedio de adiniuistrad.tr das capa-
t:i?:a- da aJfaidaga do Maranhao.
Btcrelo n. 5455 de 5 de nocenbro d*. 1813.
L'sando da aat-trisag:to conf-ri.la no art. 11 ? .
1'. fc 4', 6- e da lei n. 23i8 de to de agosto
ultimo, hoi por bem decretar o seguinte :
Art. I* Dj t de Janeiro proximo future em
diantc restart nas alfandegas do imperio a co-
branea do- Jircitos addiccionaes de 5 0/0, rrea-
dos pela lei n. till de J7 de setcmbr> de 1860, c
das -orrentagens do'28 e 21 0/0 dos direitos dc
ceasumo, fixadas pela resoln^So n. 2035 dc 28 de
aetettbro de 4871.
Em subslituieao aquellas taxas o em quanto se
nao promulgar a nova tarifa, cobrar se-na, alem
dot direitos do importacao estaltdecidos na tarifa
em vigor, ntna poreentagem calculada sobre a im
portancia dos mesmos dir-otos, pela maneira se-
guint-: 30 0/0 para as mercadorias larifadas na
ratao de iO e SO O.O; 33 0/0 para as da classe 18 ,
que aetualmente pagun a porcontagem de 21 e 40
0/0 para (odas a? outras mercadorias. A referid*
pircentagem diminuira gradualmente na prop/ir-
cao im? as futuras leis de orcamento determina-
roni.
Art. 2 Da mesma data em diante o imposto dc
aneoragern passafli a ser de 2"0 rcis por tonelada
metrica de arqneacao, scnlo roiluzida a esta
medida, para o caleulo do imposto, a lonelagem
dos navios que por outra forma se acharem ar-
queadr-s.
!. Sao sujuitos ao pagamento dev.c imposto
empregados no concerto e reparo de smbarcacoet
estrangeiras surtas nos portos do imperio.
Compete aos inspeeto.es das alfanlegas, nos
pnrtua onde os navios entr^rem em fabrlco, coo
ceder a subredita isenjtio, salvo os recursos legacs,
e me liante as averiguacdes neeessarias, na** so
para liraitar a qualidade e quantidade dos mile-
riaes dados a despacho com esse lestino, eomo
taiolMMB paw venllcar se o- eoaourio 6 effectuadu
nos mesmos ptrtos.
Art. 4. No processo da arrocadaeao, guarda e
vanda eai leilao dos salvados das embarcaeoes
naufragadaj nas costas do Brasil serio os imjos-
tos e mais despezas, que se deduzem do prodncto
da dita venda, cobraaos na razao de metade se-
meme da importancia a que ten ham direilo, seguu-
do a legislacao vigente, o* cofres do estado, as au-
toridades judiciarias e os empre/ados quo toma -
rein part" nas ditas operacdes.
Nao se deduzira daquelle prodncto o soldo da
forca publica, nos case- em que csta for emprega-
da para guarda dos salvados.
Nao se deduzira daquelle producto o soldo da
forca publica, nos casos em que esta for emprega-
d i nara guarda dos salvados.
0 govern t, pelas reparticoes competentes, expo-
dira as instruccdes neeessarias para a bAa execu-
cao dc disposto neste artigo.
Art. o. Os iospectores das alfandegas, a bom
da tacilidade d > expediente, e semprc quo a af-
fluencia deste o exigir, podenio p-rmittir que as
paries apresentem suas notas de despacho com-
pletameiite escriptas e calculadas para o paga-
mento dos direitos devidos. Ssta circumstaacia,
porem, nao isenta as ditas notas das confereneias
ou exames que os regulamentos prescrevem, nom
as mesmaa paries das mnitas em que incorrcrem,
na forma da lei, pelas' uiiferencas de qualidade o
de quantidade que se eucontrarem.
I.* As notas, assim organisadas, ten Jo a ver-
ba da confereneia assignada pelos conferentes,
irao a seccto de escripturacio unieamente para
serem averbadas no livro de rcceita, noactodt
pagamento dos direitos devidos, o passarao logo
depois da sahida das mercadorias pela revisao di
que trata o art. 29, 4* do regulameoto do 111 de
setembro de 1861.
^ 2.* Os inspectores permitiirao o previo exarae
dos volumes, provada ou allegada essa nocessida-
de, nos termos do art. 22 do decreto n. 3,217 d.;
31 de dozembro de 1863 ; podendo elevar ate 5
por cento, segundo as circumsuncias do caso, a
mulia de um e meio p >r cento de que trata o art.
6i3 2 do citado rcgutamento da 19 do setembro
de 1860, salvo a disposicao do S 3* do mesmo ar-
tigo.
Art 6.* Ficam revojadas as dispMicoes cm
contrario.
0 viscoada do Rio-Branco, conselheiro do esta-
do, senador do imperio, presidontc do conselh* de,
ministros, ministro e serretario de estado dos ne-
gocios da fazenda e presi'dente do tribunal do the-
souro uaciou.il, assim o iculia entondido o (ac.i
executar.
I'alacio do Rio de Rio de Janeiro, em J de no-
vembro de 1873.-''2- da in lependensia e do impe-
rio. Com a rubrica de Sua Magcstade o Imp.jr.
dor. I isconde do Hi -Branca.
uyaz, o deserrftargador Adriano Manol
i: tern iXXOpado de b ,a 'j, mas qtt" rumpre M* os navios^estraogeiros. que derem entrada
iura poder eonunuar a ex -r:cr qaaevjuer direitos
P .kticos, preencher a rcf>rida s:j:Mi-lade ua.pres-
. ". i, jur.injidJ exigid-t pir lei >;-::.cm lie* > da
iutnralisacaa.0 qu:U .lie devera ser dferido por
V. Ex;, ncs term s do at. 6- i> >; re!-> n. 1,950
. (2 do i -tit j de 1871.
O que eAmniiniCiJ a V. K-;. ;;ira seu conlio-
ato e Mrs ordeoar quj j'issj > exercn'.ij das
..l:s do cargo !e juiz dc pa: qaa o d:t> eida-
din oiflUfa ;ite q:e pro/.: o ''>. id) juratnertta
i eida no naturalisad >. Dju* gusrde a V.
;.M'tnofl Antonio Ihta'h >r Atectii. >
i.i.nmuni.'oi-se ao president.; d* profipeia das
uigoas, refativamenle as eieic&aa {wa vcreadores
; )iiz3S de paz, feitas out sotemtr- d< anno pas-
s%do nis friguezias quo onstiluerft omunieipio
ili cipital; i\x% nit c-Jintaolt o*w s.j livessam
-mtadi prirte^tos nu rechmap-is contra essaa
les quer durante o na pro;esso, t^u-r piste-
t 1-nvnte, polo Hoc cotrararn o* cMadaes eleitos
iu posse (i exercicw do soj' c*.go4 em lempo
competenUi; e oatr-wim no-asistinda as irregaJan-
;i '-ii-.- r-- -." \ | : : "-;:".'. '- as a"as
iia ;.' : v i. f :i: i ., "mli-
clades quo n.n Vac satntan ;!-.>. oa em simples
vicios de redaci;*o om um oil oXf > panto do aJ-
Ifamis aV.i;.s, ou flnal:ii-*nie eui prou:Qticit o il-
i'ivOes vazas pir si so5 nao pxleia funlamealar
na jnixj eerto; nao ha motivo l:p't para a an-
iiullaijao d tj^ipr-smas okirSos.
Ao p esimnte da prormeia (ij Para, que a vista
iUi acus las eleic/Ves a tfuo se proeodeu para ve-
lead-tres t juiies de paz, na parocbia deChaves,
i>m satembro l> anno passado, e 4i duvs repr-i-
sootacdes, transmif.idas palo nvsmo pr-'sidente,
lus qnaes alguas cidadats d"V >* parocfeia alie
nes portis do imperio, com carga on sem ella, vc
nham on oao dc porto eslrangoiro : exceptuados
unicameiite :
|. Oi navios quo gozarem de iscnea) om virtu-
dc de rentratos subsistences.
2.J Os de guorra.
3.' Os arnbados por qualqucr circumslancia,
devidatneatc comprovada, nos termos dalegislajao
actual.
:'. Os arribados por qualquer c rcamstancia,
devidamente comprovada nos termos da legislacao
actual.
4." Os quo transportarera colouos para residi
rcm ni. imporio em numero excedente a cem, e de
idade de 7 annos para cima. Nio entrarao
neste nuiaero os passageiros de camara, ou os que
fores admiUidos a mesa do capitao do navio,
nom o) tniividuos que por qua! juer outra razao
especial nSo possaat sor considprad^s caktnos pro-
priamente ditos.
5 -.' Os navio- q ie nao trouxerem com coloaes,
utas uui^Pfo oqaivalonto, pelo? menus a um por
viuto Unuladas rnetricas, pagara-t aancoragem
cjm abattnwMo de duas toncladas para cada
"*i 3.* 0^ que tivorom entrada por (ranquia ou
Dor esc.la, na forma do art. G&'i do regulameoto
de 15 de selembn de i860, nao ctrregando nem
dpscarreganlj, pagarao o imposto dc vinte r6is por
tonelada motri.ra em cada dia de demora nos por-
tos.
4. 0 que dentro de um anno Uverem satis-
feilo por ss vetes a aneoragern de 200 rtis, em
u.n ou mais pjrtis, ficarao isentos do mesmo im-
post) durante csso prazo.
Art 3. Sao desde ja i*nto do pagamento dos
direitos de cxportac&o a madeira e quaesquer ou
j*rm oue kW ifuiap suiwbis? owaa eluici^s cm tro> goaero* do pruduc^o_ brasihira, que forem

Hitiiiierlo da jusli^a
Por decretos de 31 de outubro :
Foi, a seu peoido, aposentado o conselheiro Ma-
nool Machado Nuues no lusar de ministro do su-
premo tribunal dejusti.-a, com o ordenadopor in
teiro na forma do art. 29 10 da lei n. 2033 dc
20 de setembro de 1871.
Foram nomeados juizes municipaes e dc or-
phans :
0 bacharel Antonio Goncalves de Almeida do
termo de Caravellas, na provincia da Bahia.
0 bacharel Jcronymo Lourenco dc Afaujo dus
termos rcunidos de Campo Largo e Santa Rita, na
mesma provincia.
Concederam-se as htnras dc ministro do supremo
tribunal de justify ao desembargador aposentado
da relacfo da Bahia, Manoel Libanio Pereira de
Castro.
- Par decretos de 8 do corrente :
Foram nomeados desenidargadores :
Da relacao de S. Paulo, o juiz de direilo Agoi-
tinho Luiz da Gama.
Da relacao de Belem, os juizes de dircito Joao
Gaetano Ltsboa, c Francisco de Assis Bezerra de
Menezes.
Da relacao de Porto- -Wegre, os juizes de dircito
Julio Cesar Berenguer de Bitlencourt, Luiz Jo~e de
Sampaio, Adriano Jose Leal, Ignacio Jose de M i.-
donca L'choa, c Luiz Correia de Queimz Barros.
Da rolacao de Ouro-Preto, os juizes de direilo
Qumtiliano Juse da Silva, Luiz Genzaga de Brito
Ciuerra, Joaquim Caetano da Silva Guimaraes, Luiz
Francisco da Camara Leal, Joaquim Francisco de
Faria, e loaquira Pedro Villaca.
Da relacao de Cuiaba, os juizes do direilo An-
gelo Francisco Ramos, Antonio dc Sonza Mondes
Junior, Vicente Ferreira Gomes, Francis co Gou-
calves da Rocha e Manoel TertulianoThonm Ilen-
riques.
Da relacao de Goyaz, os juizes do dircito Adria-
no Manoel Soares, Luiz Jose de Modeiros, Joaquim
de Azevedo Monleiro, Jose Ascenco da Costa Fer-
reira c Elias Pinto de Carvalho.
Foram remnvidos, a pedido, na conformidade
do ariigo.2* g 1.* do decreto n. 2342 do 6 de
agosto do corrente anno, os desembargadorcs :
Joao Baptista ioncalves Campos, da relacfto da
corte para a de Porto Alegro.
Ermano Rodrigues do Couto, da de S. Salvador
para a de Belem.
Antonio Auguslo Pereira da Cunha. da de S.
Salvador para a de Porto Alegre.
Antonio de Cerqucira Lima, da do S. Salvador
para a de S. Paulo. >-
Joao de Carvalho Korhandes Vieira, da do S.
Luiz para a da Fortaleza.
Viriato Bandoira Duarte, da de S. Luiz para a
dc Onro reto.
Manoel Jansen Ferreira, da de S. Luiz para a de
Belem.
Furam mais removidos, na conformidade do art.
2. % 2.* do mesmo decreto, os desembargado es :
Trislao de Alpncar Araripe, Jo-e Norberto dos
Santos, Joao Jose de Andrade Pinto, Frederico Au-
gusto Xavier de Brito e Olegario Herculano de
Aquino e Castro, da relacao da corte para a de
S. Paulo.
Leovigildo de Amorim Figueiras c Matheus Ca-
sado de Araujo Lima Arnaud, da relacao de S.
Salvador para a da Fortaleza.
Bernardo Macb ido da Costa Doria, Jose Nicol;. >
Rigueira Costa, Manoel Jose da Silva Neiva a Sil-
verio Fernandes de Araujo Jorge, da relacio do
Recife para a da Fortaloza.
Francisco da Serra Carneiro, Joao Paulo Mon-
leiro de Andrade e Sebastian Jose da Silva Braga,
da relacao do S Luiz para a de Belem.
- Por decretos de 7 do corrente f jram nomea-
dos :
Presidenles das relacoos :
Dc Belem, o desombargador Ermano Domiugues
do Couto.
Da Fortaleza, o desombargador Bernardo Ma-
chado da Costa Doria.
De Porto Alegre, o desembargador Joao Baptis-
ta Goncalves Campos.
De S. Paulo, o desembargador Tristio d>: Men-
ear Araripe.
De Onro Pr4oj| n deserahargadtf Luiz Gonzaga
de Brito Gnerrv
De. Cuiab4% p desombargador Asgeio, Francisco
Ramos.
De
Stares,
Ftram nomeados praeuradores da coroa nas
relates novaineute creadas os de>embargadores
Sdtastiio Jue da Silva Braga.
Belem
JiaeJfieola t Rigueira Costa, na da Fortaleza.
Aawbo, Jose Leal, na de Porto siegre.
J-oa^Jose de Andrade PhKu, na d< S. Panlo.
Luiz Francisco da Camara Leal, na de Ouro
Preto.
Manuel Tertcliano Thornaz Henrique?, na de
Cuiaba,
Klias Piato de Carvalho, na de Goyaz.
Pur decreto ie 6 do corrente:
Foi nomeado o desembargador Jemnymo Mar-
tiniauo Figueira de Mello, para um fef ar de mi-
nisnodo supremo tribunal dc junti.a
Por decretos Ie 8 do corrente foram no-
meados :
0 bacharel Antonio Jose do Castro Lima, juiz
de dirnito da comarcale Cannlianha, na provincia
da Bahia,
O bacnarel Clemente de Oliyeira Mendes, juiz
de orphans do torrao la Cacuoeira, na mesma
provincia.
Foram removidos, a psdido, os juizes munici-
paes e de (irphaos :
Bacuarel J.-ronymo Amtrico Rapose da Camara,
dus termos reumJos dos da Maioridade e Porto
Alegre parr o de Pan dos Ferros; todos na pro-
vincia dt Rio Grande do Nirte
Bacharel Domingos Gicalvcs Cearense, do
termo do Marvao, na proriniia do Piauhy, para o
do Pastes Bons, na do Maramao ; ficandu sem ef-
feito a sua remo^an anterior para os termos de
S. Luiz Gonzaga e Coroata.
Foram eomfhutadas:
Na p*na de gates perpetuas, |ue sera cumprida
no presidio de Fernando de Nnionha, e na de pri-
sio perpelua com trabalho a pea de morte i...-
posla aos'reos Antonio e Marcelna, escravos, em
virlude de deeisao do jury do termo de Santa
Luzia, na provincia dc Minas Getaes, por crime
de hornieidio.
_ Em urn anno o oito mezes o tc-nqo que falta ao
ree Jose Marques da Cunha Junior nara cumprir
a pena de oito annos, dez mezes e 2} dias de pri-
sao com trabalho hnposta cm virtutfe de deeisao
do jury do termo de Villa Nova da Rainba," na
provincia da Bahia, por complicidadeem tenlativa
de boinieidio.
Nai foi agraciado o reo Manoel de Stuza Caval -
canto, coudeinnado em 28 de eutubrode 1871, a pe-
na de ires annos do prisao com trab-.lln>, pslo juiz
de direito Ja comarca de Atalaia, na provincia das
Alugitas, por crime de tirada de preso It poder da
justi.a, ciiniineUido em abril do mesmo anno.
Fqi reforraado, ape lido, Antonio Joaquim de
S tuza, capKto do batdhlo d.- infanuria n. 28 da
provincia do Maranhao, no posto de major.
Fez-se mer r* da serventia vitalicia dos officios
para que foram p-ovisoriamente nomeados pelos
respectivos presidents
AowIPtos Belhurio da Cunha Lima Sobrinho
dos officVw de primeiro tabelliao e escrivio do ja
ry o ceFoV civels crimes e mais annexes
do tertnodo Quebrangulo, na provincia das Ala-
goas.
A Icaipim Lopes de Vasconcellos, dos de se-
gundn tauelliao e escrivao do orphios c ausentes
do mesmt termo.
A Bonidicto Paulino Teixcira, dos de tabelliao e
escrivao lo civel, crimo e execoc5es do termo de
Jeromcnla, na provincia do Piauhy.
A Benjamin Jose Con>tante Wanderiey do de
escrivaodc orphaos, ansenfe*, capellas e residuos
do termi das Barras, na mesma provincia
A Josi Reinaldo da Silva, dos de tabelliao e es-
crivao dt civel e crime de mesmo termo.
mais recursos e processos peodentes das retacoes
actuaes, serao nestas julga-ios.
Art. 1. A appellac<5e$ civti6 e commerctaes,
que se interputerem de ora em diante, serao diri
na relacio de gidas para a relacao do respective districto, em
bora decorra mawr prazo para a sua apresen-
tacao
Art. 11 O mQamo.las^mlt^ffr^mg/^ sppeNa--
c5es criminaes, se forem intorposlas dentro de
trinta dias antes da epoea fixada para a installa-
cao das novas relates.
Art. 1.1. Os mais recursos criminaes, processos
por crimes curnmuns e de responsabilidade, os de
habeas corpus e cooftictos de jurisdiccao, serao in-
tentados perante as relacoes actnaes ate qne as
novas se installem.
Art. 14. A* revistas cornmerci^es, qne nao ti-
verem sido distribuidas, serao devolvidas ao su-
premo tribunal de justica para que desigoe a re
laran revisora do feilo. Se ja oouverem sido dis-
trihnidas pas-arao para a relacdo da cidnde, sede
do tribunal do commercio.
Art 15. Os aggravns cominereiaes peodenles de
deeisao dos preidi-utes dos tribuiiaos do commer-
cio serao remetiidos as relacoes actuaes para nel-
las ter lugar o julgamento.
Art. 16. Os embargo* infringenles do julgado,
que se oppnzereni na execueao dos accordaos, se-
rao remettidos nao ao tribunal que os tiver pro-
ferido, m.as a relacio do districto em que a son-
tenca se executar.
Foi expedido em 7 do c->rrento o scgninle avi-
so a presi iencia da provincia do Minas-Gcraet :
Illm e "Exm. Sr. -A 28 o 31 de maio ultimo
V. Exc. consnltou a este ministerio sobre o inodo
pratico de remover as ineompatibilidades que ha,
na forma do aviso de 29 de marco deste anno, cn-
tre o juiz municipal e do orphans do termo da
Campanha e seu primeiro supplentc, por serein
primos innaos e cunhados; entre um juiz do di-
reito interino e urn primeiro supplentc da juiz
municipal na rnesma comarca por serein irmaos ;
e entre um jitiz de direito da comarca de Pintan-
gui e seu nrimo-irmao o bacharel Amadur Alves
da Silva, uttimantente nomeado juiz municipal e
de orphios do termo do mesmo nome.
Em rcsposta declare a V. Exc. que no aviso^
a. 263 de 30 de setembro de 1859 e no art. 6
I* do rejiulamenlo n. 4,82V de 22 tie novembro de
1871 esta o nietn de solver as duvidas iniciadas :
se o juiz de direilo interino e incompativel com o
suppfento do juiz municipal deve nos casos em
que esto funcciona ser^ir outro supplente do juiz
de direilo ; se o e o juiz municipal com o seu sup-
plente e o impedimento deste so prolonga por mais
dc seis mezes, deve ser demitlido o snpplente.
< Quanto a ultima da consnlta ja o governo im -
perial providenciou, nomeando o bacharel Ama-
dor Alves da Silvn, juiz municipal e de orphans
no tormo de Sahara.
a Dens guarde a V. Exc. Manoel Antonio
Duarte de Azccedo.
Par decreto do 7 do corrente foram declaradas
especiaes as comarcas das s6dc> das novas rela-
coes.
Por decreto de i'. do corrente foi raarcado o nu-
mero, funccoes e venciroentos dos empregados das
relaco es.
Rio di Janeiro. 31 de outubro de 1873. Illm.
e Exm.Sr Levei a presenai de Sua Mage Imperaatr o officio do juiz de direito da comarca
dc Piramruca, de 8 de novemhru di anno passa-
do, conaillando desdu que tempo principiam a vi
gorar ai leis o os decretos do governo imperial E
o misrm augusto senlmr, visto o parecer da sec-
.'iiu dt- jistica do conselho dc estadt, houve por
bem mandar declarar que as leis obngam na cOr-
tc oito das, e nas provincias tres mezes, depois de
pablica-as, na fonna da ord. liv. 1* tit. 2 g 10, sal-
vo quardo trazem fixado o tempo de sua execu-
eao ; e ine os decretos do governo devem ser
cuinpricos logo que delles houver noticia pela pu
hlicaclio na folha official. 0 quo communico a V.
Exc. pa-a o fazer constar ao referido juiz. Deus
guarde i V. Exc. Uinoel Antonio Duarte de
Azevedr. -Sr. prosidente da provincia do Piauhy.
Para boa rxecucao do decreto que ereou novas
relacoes foi expedido com data de 5 do corrente
urn decreto contendo as segointes disposicdes:
Art. i.* As relacoes de Porto Alegre, S. Paulo,
Onro Pieto, Forlaleta e Belem comecario a func
cionar in dia 3 de fevcreiro de 1874. As do Goyaz
o Cuyata no dia 1 dc maio do dito anno.
Art. V Os desembargadores que forem remo-
vidos divein declarar se aceitam a remocao. den-
tro de irinta dias da noticia official delta.
Art. i. Os que aceitarem a remocao podenio
continuir no exercicio nas relacoes, em que osti-
verem lorvindo ate o fim do anno corrente, uma
vez que nio flqne prejudicado o tempo indispen-
savel para a sou transports.
Art. t.* No mtervallo do exercicio de uma para
notra rtlacao o desembargadorcs removidos per-
ceberao o sen ordsnado.
Art. i. Os qae nao aceitarem a remocao ou na-
da dechrarem, ou tendo-a aceitado, nao entrarem
em exoicicio dos novns lugares na cpoca fixada no
art. 1* serao coiwiderados avulsos, nao perceberao
ordcnalo, nem se Ihes contara antigaidade em-
qnanto assim estiverem fora do exercicio.
Esta disposicao, e a do art. 2, sao applicaveis
aos juizes de direito, que foram nomeados desera-
bargadtres.
Art. 6. Os desembargadores qne scryem ac-
lualmente os cargos de presidente o de fiscal dos
tribunaes do commercio, continuarao a exerce-los
ate ulterior determinacao ; devendo, ponim, .os
MM e cs desembargadoros adjuntos dos mes-
mos tribuaaes ter exercicio desde j4 em snas re-
lacoes.
Se foren removidos, proceder-se-ba com elles
ua forma dos arts. 1 e seguintos deste decreto.
Art. 7.J Emqu?nto nio for promnlgadt novo re-
gnlamenio para os tribunaes do commercio, re-
ger-se hao ellos em suas funccoes administralivas,
pelo que se acha estabelecido no cod'go do com-
mercio, aos decretos n. 738 do 25 de novembro
de 1850 n. 1,597 do I* de maio de 1853, e mais
dis|osiv6es era vigor, abslida a jurisdiccao con
tenciosa que exercam.
Art. 8. As causas commerciaeti, peadentes par
appellacao dos tribunaes do commercio, serao re-
mettidas no estado em que se aehrem :
i* Para o tribunal de. relacao do districto a que
perteocerein, se ainda nao estavam dinribuidas.
2.* Para a relacao do districto a quo o tribunal
do commercio pertenoia, se ja estavam distn-
buidas.
Art. 9* Das appellacoes commoreiaes, que vie-
rem do* tribunaes do commercio, eouhecerao de
preiereacia os desoinbargadoi es, aos qua...- tinhara
sid t distribuidas ou que ja as hmvessem visto,
ArU 10. Serao igaalaienio remettidas a novas
reiacoes as appeJlacoes civeis, axirtantes nas rela-
poos aeluaes, qne ainda nao tiverem sido distri-
buidas.
As appollac/5e< civeis jadistribnida* q tdo9 os
"Miiii^tt-rio Concoileram-se as honras de ci.pituo ao
tenonte rionorario do exercito Joao Josd Al-
ves. em attencao aos n'levantes servi^osque
prestou na campanha do Pnraguy, aondefoi
gravemunle ferido na batalha de 24 de maio
do 1866.
De conformiilado com as immediatas o im-
perials rosolur;oes de 29 de outubro do cor-
rente ann-i, tomadas sobre consultas do con
sellio supremo militar, concc leram sc aos
ex-tcnentes pharmaceuticos coutratados para
o Serviji do oxercite Antonio Esteves Mar-
condos dc Gouveae Pedro Jos^ da Costa as
honras do posto de tenente pnar'naccutico do
corpo de saude do mesmo exercito, em at-
tencao aos fcrvicos quo prestaram na cam-
panha do Paraguay.
Foi trausforido da companhia de infanta
ria da provincia de S. ,1'aulo para o 20.
batalhao da mesma arma, o tenente Fran-
cisco de Paula Toledo Marlins.
Concedeu-se refurnna, com o refpectivo
soldo por inteiro, de conformidade com o
3. do piano quo baixou com o decreto de
11 de dezembro de 1815, ao soldado do 1."
batalhao deartilharia a pe" addido ao asyl
do invalidos da provincia de Santa Cathari-
na, Cos r Augusto de Bittencourt, vist..
aohar-sc impossibilitado para o servic,o do
exercito em consequencia de ferimento re-
cebidocm catnbate.
Por decreto do 5 do corrente :|
Foi nomeado repetidor do curso superior
da escola militar o capitao do corpo de es
tado raaior da 1 .a classe Beoja-nin Constant
Botelho dc Magalhaes.
- Por portarias do 4 do corrente :
Foram no:neados :
Luiz Ignacio Lopes da Cunha, para ser-
vir interiuamente o lugar de fiel do almoxa-
rifado do arsenal de guerra da provincia
da Bahia.
Adjunto & directoria do arsenal de guerra
da provincia do Para o alferes reformado do
exercito Jose de Souza o Abreu.
Foi nomeado Francisco dc la Sierra Pe-
reira para o logar de 2. official da secreta
ria da intendencia da guerra.
A.' alguns quesitos que polo quartel ge-
neral, foram feitos ao Sr. ministro da
guerra, S. Exc. respondou pela seguinte
f6rma.
I.* Que as pracas de qualquer batalhao
on corpo do exercito sao obrigadas a tribu
tar as continoncias devidas a"s graduactes
dos offloiaes do mesmo batalh&o ou corpo,
ombora nfto venham estes vestidos com seus
utnfonnes c insignias.
2." Que as pessoas condecoradas corn as
ordens honorificas do imperio, que confe-
rem honras militares, devem ser feitas as
contmencias correspondentes ao grdo da
conilec(rai;ao, quando os coiidecorado-
trou;xerem, do M)do competentcmeuteesta-
hoiecido, as in^gnias dp seu grdo-
3. Qurt,fm vista das lisposied^ dor arts.
13 e 14 do decreto n 2,853 d-; 7 de de
zirnbro de 186t, rogulanJo a conccssao
das wimlecorac/VrtS das onions honorificas
do imperio, nada ha a so determinir dp
novo a resperto da suspeneao do uso daS
condecoracoes-, eu da exctusno- da orJem a
que alguem perteu^a.
Por decretos de 12 do eorrente :
De conformidade com a imine liala e im-
perial resoluvao de 20 de julko da 18T0, e
das disposicdes do 1.* do art. 9-." da lei
n. G .8 de 18 de agosto de 186?. mi refor-
mat! o o tenente-corouel aggregado a arinn
de infanta ria Antonio de Campos- Mello-, vista
soffrer molostia incuravel que o torna inca-
paz do citntiauar ii i servi^o.
Em vista do que di.-po- o art. 97- do re-
gulamento d corpo de sau le do exercito,
approvado polo decreto n. 1,900 de 1 d
mnrco do 1857, concederam so ao- in.-ijor
cirurgi&u m6r de brigada honorario, ir.
I.i.iz Bandoira de Gouvea, as honras do-pos
to.le tenente-corond cirurgi&o-m6r do dt-
visao do referido corpo. em atteugao' aos
reievautes servicps que prestou, em rehicao
dguerra do Paraguay, comot.* cirurgiaodo
hospital militar da guarniijao da cdrte.
Por portarias de 8 : Foi nomeado
Joao Rodruues de Souza Faria, para o lu-
gar de amanuense da secretaria da inlen-
dencia da guorra.
Foi transfct ido do 3. hatulhao do r-
tilharia a pfl para o 1 .* regiuieoto de arti-
Iharia a cavallo, o 2. tenento Bernardo Jose
de Souza Prego.
De 12 : Declarou-so sem effeito a de
28 de dezembro do anno passado, pela c ual"
foi nomea io adjunto da fabnea de ferro-do
S loaode Ipanema Julio Kibeiro, visto nao
se ter apresontado a tomcr posse do referi-
do lugr.
Foi nomeado para exercer o dito lugar
Joaquim Ignacio do Araujo.
De 13 : Concedeu se troca entre :;i dfr
corpos. bos elferes J se Franklin Nunes Soei-
ro e Manoel Joaquim do Nascimento Macha-
do, este do 14." oaqucllo do 16." batalhao
de infantaria.
Ministerio dos negocios da guerra.
Rio do Janeiro. 28 do outubro de 1873-.
a Tendo verificado, pelas contas que sao
mensalmente remettidas a esta secretaria- do
estado, que algumas repartiyoes costniianr
cornprar, sem previa atmuencia da me>ma
secretaria do estado, livros e outros objec-
ts p^ra uso das roferidas renarligdas, esen-
lo i-so potftoiregular, pofs que, embora>
scjam taes objoctos de grande utiltd.ide,
acontecerd muitas veza? que naopossitter
litgar a sua aequisicao por nao haver creditor
na respectiva verba ; recommendo a V'^..
que nenhuma despeza seja effuctuada, alem
da qu>- fdr raeramenle relativa a expediente
como seja a que se faz com papel, -pennasr
e outros artigos proprios do dito expediente,
sem preceder a competente autorisagao- des-
te minisicrio.
Deus guarde a V...Jodo Jose de (Xi~
vcira Junqneira.Sr...
MiniMteri* da mnrinhii
Por decreto de 5 do corrento foi reforma-
do no posto do capitao de mar e guerra,
con o respectivo seldo, o capitao de fraga-
ta Jose Gregorio Affonso Lima, e proino-
vido & affecctividade do posto o 2* tenente
de commissSo Antonio Ferreira Garcia do
Andrade.
Rio de Janeiro, 31 de outubro do 1873.
Sua Mageslado o Imperador, por imme-
diata resolucio do 29 deste mez, tonuida
S4tbre consulta da seceao de guerra e nwri-
nha do con4ho de estado, datada do 12 de
setembro ultimo, h uve por bem mandar
declarar que aos segundos tenentrs de com-
missao compete o augmento dos deus tor-
sos de soldo concedido aos officiaes da ar-
mada pela lei n. 2105. de 8 de teiereiro-
do corrente anno. 0 quo communico a
V. S. para os devidos effeitos, e com refe-
renda ao officio n. 189, do 2 do agosto
proximfi pessado.
Deus guarde a V. S.Joaquim Delfino*
Ribeiro du Luz.Sr. co itador da m.tri-
nha.
Rio de Janeiro, 6 de novembro de 1873.
Illm. o Exm. St.Sua Magestado o Km-,
perador conformando-se com o paroceiT
emittido pela seogao do guerra e marinha do
conselho dc estado, em consulta de 19 do-
junhoultimo, houve por bem determiaar
po-immediate resolue.ao de 5 deste mez,
que o guarda marinha Manoel Vonaiaeio-
Campos da Paz e seus companheiros, quo,.
como paisanos, cursaram o terceiro anno
da escola de marinha, c ntem antiguidade.
na ordem de precedencia em que foren*
classihcados nos exames do mesmo anr>"
e que nesta conformidade se proceda sera^
pre que houver alumnos, constttuihdo estes-
turma distincta dos militares.0 que com-
munico a V. Eac. para os devidos effejjtos.
Deus guarde a V. Exc. Joaquim. Mfi-
no Ribeiro da Luz.Sr. vice-aloaitante;
ajudante general da armada.
Ministerio dos negocios da marinh, Riov
de Janeiro, It de novembro'de 1873.
Sua Magestade e Imperador, p r imrae-
iliata resolucAo de 5 deste mez, tomadi. so-
bre consulta da seceao de marinha e guer-
ra e marinha do conselho de detada
en h de junoo do corrente anno, houve>
por bem mandar declarar que do augmen-
to do soldo concedido is pracas do batalhao
naval pelo decreto n. 2105 de 8 de lieve-
r. iro ultimo nao resulta augmento nas gra-
tificAfues de mbarquo, ostabelecidas para.
as mesm s pragas no art. 7 do oecireto n.
007. A de 24jic novembro de 1852;
uando, BBjHtt o abQno de t?es

'#
lupri
t
3*
^ ai


A.
fl 911 Ml

ct&l ill uMdtti / i ptiftcs^5es
sol<)u ante
citado decrelj
G que com
dos effeitos u
1148 ileSdu1
Dous guardo a
Hibeiro da Lu,
rinha.
ra-
para os devi-
tw seu offlcio n.
ultimo.
V. S.Joaquim IklfiiiO
Sr. coutador da m;i-
kla
~18 DB HOTBEU1W
HryWao *c trttava eaflodaln
mns sim de separa lo d i Brasil para in
a eontederacao. Lutamos ani dne consffewflW*
frustrar esles plants.
Reconhecemjo quo o dcsojo da malaria do#
Orientaes era estabolecer cssa independencia, em-
baiahamos a espada, e fizflmos a paz; consagran-
do-a pelo facto qae firmamos. Depois disso nos-
sa aspiraeao uiiica tem sido fertilicar eesa nacii
iialidade que_se apcesentou ao mundo.Bom no
narantta. Nao ha urn facto que desminU esse nod llamas, Kstanisl
Bittencourl^Amincio Jnaiairn Pereira
lonio Jos4 IVreira da Silva, plf
ffinM'lA'lol|*h1 drWUivcira Ciaves,
G anti* AaiteMA HrmeQCgil.i > I
poamo Jo-ci l\*jr T>lo Llodru oei Vai* Cmstancio Carlo* da
tJsel c fttflno Francisco de Oliveira,
mente.
Clinica :i Santos Pop.laal, appn
Govern*
obspachos da pw8t0encia de
de 1873.
Abaixo asM|[B*ilo8, possuidores de torrenos ad-
jacentes ao no ISebtrihe aa purto da Madeira.-
Informe o Sivengeimalro ahefe III repaTtleao das
obras publica-:. ^>
Adolpholazdo Souza. Inde'eridn.
Abaixo assignation, denlores em medicina.B*i-
rijam-se os supplieantes ao juiz processaule, que e
Snnico c-iinpetenle para providenciar ao sentido
e manter a ordeni no seu tribunal.
Amaro Vieira Jose da Silva.Informe o Sr. ins-
3>ector da thesoarnna de fazenda.
Antonio Vicior de Sa Barreto.De se.
Refchior dos Reis Passes. Indeferido.
Francisco do Paula Goncalves Ferreira.Infer-
me o Sr inspector da thesonraria de fazenda.
Francisco Beatrra dos Santos. Informe o Sr.
Dr. chefe de ijovicia.
Joaquim Jose l'avares da Costa.Passe portaria
eoneedendo a licenca requerida.
Manoel Jose'Gonealves BragaEnteegae-se.
O mesmo. -Sim.
Martha Maria da M 4ta. Assigaa lo c sellado,
'volte, queronSa.
Paula & Mifra.Do se.
0 mesmo. Idem.
- 19-
Aleaandrina da Rocha Granja.- Sim.
AbaixoassijuaJos, moradores aa viUa do Brejo.
Informe o Sr. inspector da thesouraria pro
vlncial.
* Orespo Alves do Freitas.-Indeferiao.
Francisco Pereirada Cunna. Aguardese a de-
cisio do goveino imperial.
Joao Evangelisla da Siiva.Deferido com offlcio
desladata a ihesourasia provinciaJ.
JoSofrancisco Hemeterlo Portella.-Sim, e seja
aggregado ao S balalhSo do service de re-
aerva.
Tenentecorjad Joaquim Cavalcauio de Albu-
querque Bello.Forneja se.
O mesmo. Mem.
Jose da Cosia Meirelles.-Remettido ao Sr. Dr.
e.hefe de polieia para providenciar como for
justo.
Dr. Luiz de Carvalho Paes de Andrade. -0 pro-
testo do< supplicantes sera tornado em ronsidera-
cio, quando o giverno imperial resolver a res-
petto da ac iQttjclto do preilio a que alludem.
Maria Salome do SiijueiiM Varejio. Indeferido.
M.iriinho da Silv3 '^osta. Indeferido, visto nao
'tor ainla direito ao qa requer.
Mari.uina AtianasiaMireira. -GonlinnooSr. ins-
Rector d thesouraria de faicnda,
M.\n-.el Kelippe do Monte Indeferido.
Haria do Kosario de Oliveira Mello.Indefe
two.
Mmoel Alves Pereira.Informe oSr. capitao do
porto.
gimplicic da Cruz Riheiro.Infuima a senten;^
4a 'amselho director da in Seven no R"lrignes de Azevedo -Informe o 5r.
director da intruccao publica.
TiieoJoro Civaicanie do Lima. -Entreguese.
ferluiiauo Carueiro da Cunha a Albuqaerque.
J'asse portaria prorogando por Dials seSsenta dias,
a cou'ar da data da eo;nmunicacao em eada iiiu-
ill -jpio.
Seeretaria da presidencia de I'ernanibuco, 26
de iiovembro do 1873.
0 porti'iro,
Silvino A. R'drigues.
21 de Novembro de 1873. fcd:
.t.

plena-
lovao Kraucisco
monte, Antonio
fff.as" em tempo' Fraocisco'-Juiv|ttl
mente.
proposito, wnquaato qae uannrosos se p >Jem
inchcar, revelando que a cenfederacao n.io desis-
lo de seus desivnios. 1
Loaze me kvaria esta apreiiaelo historic* te
lha quiz;sse dar todo o desenvolvknento que ella
pod* tor me apercebd em. tempo que deiiei
de lado os aasumplos de ilia de quo devo tratar.
As'Camaras cont'raam a fancdonar em ses-
?Ses exiraordinarias. e se occupam agora do pro-
jecto de lei de reforraa militar, ei$cn.-ial .para
a organisacao da fazenda pobliea, e^ ou^tqae
a elle se liga; da lxac3o da
de.paz.
Estao nemeados os comissarios que por parte
do gnverno devem tratar na Europa da negociajao
do grande craprestimo de unitlcacao das dividas.
Sao o Dr. Perez do Gomar, actual ninistro da ce-
lacfies exteriores e o Dr. D. Pe Iro Bustamanle,
presideote do.ienado. Dovem parMf lra desam-
penhar essa commissio no pai|uete de tS doste
uiez.
Falla-se quo substituira ao Dr. Perez e Go:
mar o Sr. Fiangini, que por algumas vezes ja
tern occupado interinamsnte esse posto R9 gabi -
nete.
No dia 31 de outubro flndo eiitregoao Sr.conso-
Iheiro Gondim a legacao ao Sr. Vaseoncellos no
meado encarregado de nci?ocios ia.erino. (Jinsta
que S. Exc. parte no dia 13 desto uiez para
Buenos-.'iyres, alim de coaferenciar com o Sr. ba-
rao de Araguaya, e que de la segue com pouca
demora para a Assumpcao, onde elevados Ote
resscs naciouaes exigem a presenga de urn di-
plomata de criterio como 6 o Sr. Gondim.
A nota que o governo oneatal Iho dirigio em
resposta aquella em que ello commuatcava sua
partida, e asaaz bonrosa para esie disiiucto func-
cionario, e nao posso fdrtarme ao prazer <1
transcrever e9te expressivo trecho :
As attencGes a que V. Exc, so refere, nio
foram senao o preencniinento do um grato duver
em related a am luuccion.irio, que du.-aiue o
largs tempo de sua missao, soubo granwar com
uma nao conducta circumspecta e com actos ba-
seados sempre na franca e leal amisade que uoeoi
a repnbliea com o imperio do Brasil, o aprecj
MHkttdamptO que meroce o agente diguo o hon-
rado.i
A colonia brasileira ve pariir com saudados
tio ill istre reure~entante que soube contar a es-
tima geral. 0 Sr. G tadim torn urn earacter mo
desto, costuraa apregoar os servicos que faz a
seu paiz, e por isso nun ;a leva a aura la que
cerca oulros diplonvttas qua vivom de ostenta-
i;ao. Entretanto os seus servieos durante a la-
bortosa musao de quo esteve encarregado aesta
repuolica fwo relevantes, iaspirados sempre pela
dignidade nacional e fundados na ju^tica. .H*
nolas por elle assignadas qua tionranam ao.mais
eminente diplomata. 0 gnverno imperial tcem-
Ihe feito jnstica com as paobois demonstra?-5e
de reconhecimento que lha tm successivamento
dado, e com osta prova, e a consideracao do seus
concididios aclia-se elle muito satisfeiti.
Ante hontem houve uma desgraca na estrada
de ferro. Desencarrilhoa se um trem que vi
nha awn 'perarios, e resultou deste facto a inor-
le de cinco e o fei imeuto do treze.
Sao candi lat.a a senatuna entre outros, os Sr->.
D. Andre Lunas e D. Juan Carlos Gomez, sus-
(entido one pe!o< coaserondwet e aqielle pelos
./)/(iMCOS.
G-Kiies de Cergujira,
Marq'ms a l-Yancrsco
plenamenle.
a.)ateiu(ll) fi7.
tudantos :
2* anno niedict.I
EXTERIOH
M<(:it<*ti ft Mlfn.-ae putliaa justamente so fixa nestes
inji.ijiti'4 siiire os I'scaudilo.'os abusos qua o
ao"ei no urgenJuo esla pra.i ando neste paiz, com
vi':) i e ,1-s-n'.ioiento das autoridades, que ee
esiS > in istrando cooiplac-nte* de tal modo, que
aii Iki t'-rni > para classilicar esta lionlioniia.
H nit -m era u eummissario argent no \Vnght
com uuiros igeuies il< poiieia deiueuos-.\yn:s,
que, a pretext-i !-' deacoftrir aqui o supposti ins-
tiga lor I h in iaos Guerri, queteniaram asassiuar
o presiduplo Sanmento, tramaram elles propnos
o asoassiitato Uu Ur. Querencio, alma da revolu-
cio de Ectre Bios, cabeca quo desu cidaledirige
-o brae) !- Lopez Jordan.
Q nod i esia victim i inarcada palo dedo da po-
iicii argeuuna polo eseaptir em sua propria casa
a aii't.i do assassiuo pagu para immola-la, fazen-
do-u cauir m irtj a seus pes em ligiiima deleza,
aquelles agentes pretenderam fazer crer que e>ie
cadaver era o do hoinim que procurvain com
afau, ex pi ican Jo a sua moite como um acto de
pr-uiedilaea > do Dr. Querenc:o, que assim f-izia o
levar para" o eutro muudo o segredo do crime de
que u incumliira, e evitar-se de pagar Hie o prevo
jjo-taiJo p'la execucdo.
Hoiivo, poeem, um juiz independente, 6 Dr. Vil-
laca qoe, ui-l .uraoOo esto pr.ieesso, em falta prova> direcla.-. que revelassem, so se tralava de
um h jinicdio ou realraeute de uina legi ima de-
feza, aci'umulua tantas probabitidades a favor
desta h>|intoc-e, que o piano lie-Jiundo da policia
argentine lic.oo desmascarado, e convencido o
fiuiuiui>sai 10 Wrig it de ter e^tado mai. uina vcz
com Aqoilles La^abrug que telita'a assassiiur o
Dr. yuer-ucio, e que depois do mallugro desta
tentauvi iroeorava apresenta lo como u criiiiinosj
que Uus'ava com aliuco. e com o apeio da poli-
cia ,.rn nt..l, qua puzara as suas ordens alguns de
seus ageates.
Wnsiiu oiostrou se altamente indiunado contra
a dieiane.io do juiz, o os prelos gemeiam com as
suas iuvectivas, que, pel > menos, produ^iam effei
Ho na espinio Jaquslles quo na i podiam crer em
tauta au aliafo como a expres-aj da verdade. Alguns
dia- depois, o Dr. Brecto del ino, como liscal
ow-u causa, dava o seu parecer, susteutaudo a opi
man do -eo oolega, eex ibmdo provasaiuda mais
.siiiagal'ras da cumpliciJade da policia ai."i'i:ii
na tentativa de assassmatu do Ur. Quen-ncio, o
que na> deve a Jmirar quando taeion iintico>se
derjiQ ja, teudo se realisido alguiscom circums-
taoeias aggravautes, e liiando impunc os seus au
torw.
Phs bem, amda estava frcsca esta important^
que?ta->, lerivada da tob-raocia do governo Oiieu-
tal ein perimttir que uma policia cstrauha vie-se
etercer a.Oo-i de jmisdifao e de pesquizas na
tTi'pria eapiiji do .- u paiz, e ja outra uifracijao
mais o-liosa, mais coudemuavci acaba de ser de-
auoriaou pela impreu-a.
Trata-se de nada menos do que da viola;ao do
oorreap. lMencia particular, praiicada em uma
agtiucia i'o c-irreio oriental, por ageutes do pre-
8iJhuib Saranonlo que, mio cunlentes da intercep-
ts la. a puiihciirain nos pi-rlodic<>s de Bueu.is-Av-
re? f J Ate onde cnegaremos ue?le e&rainho ?
Sinquauto oue se toteiaot a aste audaz o ambi-
ciuo,viMOoo actos Ue u> un|uaiiticavel desprezu
pela sub'-raun nacional, soulu-so muitas vezas
com pretendidjs avances del Brasil, que se esfor-
r cercar Je respeito esta mesina soberauia,
consoKda la como couvem aos mais ses da Auiei ica do Sul. E' ainda invoeanao o
pkuUa>nia a politica tradicioual do iniptrio, de
querer absorver a repu Itca Oriental, que se des-
\-aira a opima-', que se levantam e se eternisam
preeni{oo nifandaJas, e se diatraa a attenpao
do povo da u u pei igo proximo, uamedia-o, Coin
a cxilkUaa; Cu.i-l.ala do UH parigo lolagiua-
rio I
A poJitica do Bra-il 6 clara, pflde coofessar-se a
Inz to dia, pir joe e iwbre. Coo,siste em manter
intacio o pat:iioooio qae recebeu qaaalo se
eniiuiipa Mao ambiciona mam territorio< do
jqa- os qu.' s -mpre pertaucer*in a in i pair a.
i priiva do que era mcap'az dessa indepenien-
ciaseai.i pujtsse su-teuti ia tutegridadaua-jiwi-
le fitrimouio. ,\-.>.sies (;/iac.'uios~Bai aa .ameaca
aJgoiua par i s wsuib >-. .Nao aspiramos c.-.m-
quistas, riei.o :'ino-um vico/eiiiaflo a recon/tT'iir
rirjo, ijuu nao pen-*, nao traba-
Evangel
arai
ro__
ado Soter
dradeji
da Costa'
I.uz-anpr.
B1HI ft
VACCLDADE DE MED1CINA
Result ad/> dos pxames.
Ante-liontem (5) (lzeram exames das
do i* anno, e foram appn'vad' s
mat?na*
os estudante*
jha ui.
dim i
ia seu o para este Hin, euja rea-
ter liir'i pila <*xtiuc{ao de tres
.i.ictis, cajaj( apiiac/Ocs e lea
da|uel!'>< pimuipio* iue nos
'rt.nu..j Estad' Orient il, que
jsponl' "i i!ctit>eiacao se ha via
re midii ao impiSti*, cun-titj ii/j cJinaosco
;ao. -
It,! iMna. no proposto da set
crji iCjQtCi'iaMil^Ww 182j
Joaquim l.eil Perreira Junior, Jo3i) Josd Godi
n' o, Jose Agnello Lelte Mello, Antonio Jo*e I'acha-
co Junior, Francisco Campello o Manoel Maria
Tounnho, pbrnamente.
Dia 6 -z- anno medico.- I1 turmn. -Jose Zefe-
rino Fi^rreira Velliso e Bayman lo Carneiro da
Sonza Bandein, com distinc.-ao; I iad Agripino
da Costa Doria e Leopoldo Moreira da Silva, plena-
men te; Augusto Fulgencio Pires da Mol'.a e Igna-
cio Justo Riheiro, simplesmente.
2' turma. -Roberto Moreira da Silva, Francis-
co Martins Mcndes e Jose Arthur Monteiro de Car-
valho, phnamento; Manuel Atfoiiso da Silva, AI-
varo Teixnira dos Santos Imbassahy o Jose For-
nandes Villa Verde, simplesnente.
3" anno medico,-Joao "anlido da -ilva Lopes,
Joao Ferreira d> Campos, ustodio Rodriguos Vas-
concellos, Jose Zaehirias de Souza e Constancio
t^ocilio SJedade, plenameute ; Alfredo Paulo de
Freilas, simplesmente.
6^ anno. -Alfredo Caria, Antonio Rodrigues Tei-
xeira, Joao Jose de Sunn MenezeS, Julio Ad dplio
da Silva, Pedro Severiano de Magalhaes c Satur-
niiio T lomaz de Aquino, plenameute.
For.un hontem (G) examinados e approvados
03 esludautes segnintes :
2* anno medico.-1 turma. Climerio Cardoso
de Oliveira, coin distinceao ; Ascinio Lopes Villas-
Boas, Francisco Anselmo ila Cruz e Carlos Alber
to Tourinho, plimamentn ; Boll irmino Jacoma de
Menezes Doria e Carlos Ferreira Sautbs, simples-
mente.
2' iurma. lo\a de Sa Cavalcante Albuquerque
o Francisco da Pau a G-mcalves da Silva Sohrinho
com distinccao ; Jo-e Antonio do Mello, Alberto
Fram-isco do Espirito Santo e Luiz Antonio do Fa
ria. plcnamente; vlarcos i\odrigues da Jesus Ma-
deira, sim.'fe-immte.
3' anno melico. -Joe Eduardo Pre ire de Carva
Iho, Aureliano Pereira da Souxa. Ali'relo Hay-
ward, Aureliano Teixeira Garcia c. Manuel Carlos
Devoto, plenamente; Josd* Luiz do Aragao Faria
Rojha, siinpl"sm>'ntM.
G' anno. Manoel Jose de r'inho, Ravmundo de
Area Leao, Francisco Muniz Ferrao da Aragao,
Manoel Ludgem de Oliveira Campos, Antonio oa-
tuiui do Harms Sobrinh > e Francisco do Paula
Oliveira Gnimarae-i, plenamente.
Clinica medica n cirurgica. Alfredo ''aria, An-
tonio Rodrigues Teixeira. Joao lose de Souza He
nazes, Julio Ad dpho da Silva, Pedro Severiano de
Magalhaes e Satnrnino Thomaz de Aquino, pl-ma-
mratn.
Fizeram hontem (7) exame e foram approva-
dos :
2" anno medico.Guilh"rme Studart, Joaqaim
Jose da Silva Sardinha, loa i Moreira de Magalhaes,
Aurelin Flora de Ca-tjo l.avor Pies, plenamente ;
Francisce Viriati da Rocha, Arttiur Grato Alves
Carnauha, simplesmente.
3" anno medico. Manoel Vict->rino Pereira dis-
thiccio; dalardo Zmo Ri'ieiro da ilva. Fclippe
Alve- da C-sta, nanoel Affoiso Cardoso, Os-
car Sunpaio, Juvenal de Oliiveira Aadrade, plena
mente.
4# anno Menanlro dos Rais Meirelles, Joao da
eiga Ornellas. Trajaun Joaquim dos Reis, Manoel
R mai ha de Csstilho Brand*), Durval Mondes de
Queir-jz, plenamente ; Flbrencio Ferreira do .Aze-
vedo, simplesineate.
6' anno. Manoel Dmtas, Rstanislao Emilia de
Brit., Macario Gomes de Oriwira. TVajano wor-
rks de Abreu Mirques, Constancio d Smtos Pon-
tn il, Francisco Alexandre Gned*i Chagas, plena*
meut".
Clinica medica e cirurgic3. -Manoel Ja-d do
Pinho, Riymundo de Areia Loin, Francisco Muniz
Perrao de Aragao, Manoel Lud*erode OTividra
Campos, Antonio Joa piiin de Barrns Sobnnhu,
Francisco de Paula Oliveira Guimar583, pluua-
mentn.
Fizeram r.cto hontem (10) os seriates. C3tu-
damtes :
z* anno medico.-Alfredo Martins da Silva, Do-
ming.s Atves da MfHo, Ant-jnio Jo-5 HtcuJau, G'-
mini^no Cyro de MHrelies, plenamente G'niiiia
hi J se da Costa e Auxencio Ja Costa Lima, win-
pli-smente.
2' anno nedifjd (pratico). GuWh8rme Stnl^rt,
J aqiiim J.ise da Silva SarOiaba, J oo VI iieiq do
M^ga^haes e Aurelio Fl >ro do Ca plenimenla; ArthurRratii ^tesCirnanbaepfetr-
cise-i Viriato (ii R rha, simplesmei,to.
3' ann .Pedro d Aakade Fr.ita, J >se I?na
cio la C-ta o A it mio Giogalves Ra nos. pleat
ne.ite Benjamin GueJes. do Mello, siu>iiles-j
mente.
4* anno -Antonio Rodrieuns I;i oa, approvado
irom dstineeSo Luiz An-elmo da Fo. eea, Jiilio
uma G.njaives Purtado, J -o Joaquim Rnipim don San-
tos, Manoe'. Bernar lino da Cista H<>drigiies e An
inol.de Atha'de, ilemme-ite.
oBapnsti, AlexandreFreire Maa
3* anno meiico.lose' de Carvalho Lobao, Ma-
laquias Alvares due Saotne e-Garlos Alberto Tou
rinho approvaobs sfmplramenle. *"
4aaao-Taiago Jose CuwiSa. Pedro Julio Bar
buda, Romualdo Antonio do Seixas e Leovigildo
llonorio de Carvalho approvadee pleaamenta, Pe-
dro Arbunense dos Navegantes a Domingos Gue-
des Cab-.il approvados simplesmente.
5* anno.Silvino Pacneco, Laurenhno Argiode
Azain!nja,.Joao Ladlslau de SiqueiraBiao, Anlouio
Augusto de Figueire.lo Pitta, Eulalio de Lellis
Piedaip, AlexnnJre de Abreu Kialhoaapjovados
plenamente.
6 anno. Gabriel Gimas de Brito, Lino Ro-
mualdo Teixeira, viccute de Paula e Silva. Joao
AUes Borges, Pedro Ribeiro Moreira, Joso Anto-
nio Ribeiro de Aratijo, Pedro Augusto Bqrgese
Jonathas de Freitas PeJrosaapprovadds plena-
mente.
Clinica medica e cirurgica.Antonio IM'mene-
.gilao de Castro, Epipoanio Jose Pedrosa, Jose Lo-
pes ia Silva Junior, Tito Rodrigues Vaz, Constan-
cio C da Souza t'sel e Paulino F. da Oliveira Ju-
nior plenamente.
Hontem (Ij fizeram acto oi segainles estu-
dantes:
i auno,,T,lfenrique Alvos & Cerqueira Lima,
Joaquim Antonio da Oliveira, tomingos Jacy Mon-
teiro Junior e Joao C>ri lino Annibal Laaislau -
approvados planaui lie. Jj.'iuim da Silva Go-
mes e Diogenes Joso Teixeiraapprovados sinaples-
menle.
5" anno.Vingilio Tavans de Oliveira e Manoel
Goncalvea Theodoro -approvados plenamepta, Aris-
tides Guedes Oabral,, V.il abm Antonio da Rocha
Bittencourt, Antonio Jose da Castro e Aurelio
Beniguo Castilh iapprorados simplesmente.
6j anno.-(Clinica ineJicae cirurgica) Gabriel
Gomes de Bnfb, Joao Abes Barges, Pedro Ribeiro
Moreira e Joss Anlouio :lil)eiro de Araujo appro-
vados plenflinenta.
Hontem (13) fizeram a:.o os saguintes esta-
dantes: >
4* anno. Joao Maiuelino da Silva Carneiro e
Theotonio antonio |5 Veiga -approvados plena-
mente, Ernesto Alvara Poreira da Miranda e Aa-
tunio Francisco de Squoiraapprovados simples-
mente.
ii* anno. -Manoe' Pereira de Mcsquita e Julio
Cesar de Castro -esus -approvados plenamente,
Romualdo Martins Alves, Agrippmo Ribeiro Pon-
tes, Joaquim Dias Laraugeiras e Luiz Jose de Le-
in >- Gonzaga approvados simplesmente.
6*311110 -(Ciinca medica e cirurgica) Lino Ro-
mualdo Teixeira, Vicente de Paula e Silva, Pedro
Augusto Birgese Jonathas da Freitas Pedrozaap
provados plenmiente.
Hontem (li) fizeram acto os seguintee ostadan-
tes:
3* anna miiico.Arthur Carvalho da Costa,
Manoel Jose" Ribeiro da Cunha, Joao Corrua de
Araujo e Artonio Monteiro de Carvalho -appro-
vados plenamente.
Epiphano da Silva Louroiro approvado simples-
mente.
Fo; um reprovado.
3anno pliarnaceuticoAlfredo Casemiro da
Ro-lia, Pelro Luiz Celestino, Vasco T de Oliveira
ChaveseJose Satyro Barbudaapprovados pie
uain-nte.
Ignacio Vieg.is da Silva e Joaquim Freire Mon
teiroipprovad'is simplesmente.
Hontem (15) tizerani acio os seguinles esludan
tos:
& anno me lico.Antono JosA de Araujo, Ma
noel Marques da Silva Acanan e Ascindioo An-
gelo los Ui'isapprovados plenamente; Jukd Ma-
ra V.lho da Silva Junior e Jose EgydioCalmon -
approvalos simplii-m-nte. )
3* anno pliarniaceutico. -Manoel Ladidau Ara-
nha Dantas approvajo com distmcyat; Siraiio
da Molta Rebollo o Jos6 Francisco Taboca Filho -
approvados plmamente; Jos6 da Silva Barauna,
Henriiioe Alfonso Botelho e Joaquim Mauricio
Cardosoapp ova los simplesmente
Hontem (I7jiizeratn acto os seguinles esludau-
tes:
1 anno medico. -Joaquim da M.ved.. Aguiar,
Prederi'.o do Cistro R-bello, Hortencio leovigildo
M-md mca Uchoa, Paulo Cavalcante Pessia de La-
cerda, Er uindo Leite de Melloapprovid is ple-
namente, Can lido de Hollanda C Freire-appro
vado simplasmcnte.
2* anno pha-maceutico. Manoel de Arvellos
Boitas e Jose Esteves da Franca Pinto ippr.iva
dos pleiiame ite, J ;--e Silvino do Lima .'inho e
Francisco Kodrigues de Albu|ae;qu apirovaJos
simplasmente.
Foram dous reprovados
DMilO hE^EKWM^JO')
DE NOVEMBftO DE 1873.

RECIFE. 21
Motieia*)
Cbaciia nontem pela manna o vapor itglez It
limani, tra/.endo da las : do Rio da Pratt 0, do
Rio do Janeiro (3 e da Bahia 19 do cor rente.
Alem do qae damns sub a rulmcaa Pi'teoffi-
ciat. Exterior e fnteri r, encon'ramos nosjoraaes
o que segue:
RFPl'ULICA DO PACiriCO.
Em Buenos-Ayres baviam sid recebides os se-
gulntiss teleKrammas de Valparaizo :
t Novembro t. As directors* d> Banw de Val-
paraiso e do Banco Sul-Americano, restlveram
continuar as >uas operacdes As aeydes jubiram
logo de valor.
lb r*eni iiioondiaram-se os depositos daestrada
de ferro de Chareas : as pcrdas sobetn I 40,000
soles.
0 presidente do Equador decretoa annstia
ral para todos os emigrados por crimes ptliiic Novnnbro 2. -0 intendeoto da Valparaizo de
cret'ii que fosse lavantada u na estatua, par subs
cripcao popular, ao benemerito Waaerignt.
\o Peru as eieiejfos foram sangrentas ; em
Zambazeqne houve vario- feridos e teutcu-se as-
sassinar o prefeilo.
Ageneia se em Lima uma snbscriprao popular
par- traslmlar os re lecidn no Chile, aquella sapttal.
Houve no Panama um tremor dc terra hstante
fort". Van pmduzio dosgracas pe^soaes.
No Eqnador incendion-se o hospital militar. As
perdas se caleulam em 200 mil pata.-oos.
Na costa do Peru naufragou o navio Elcira.
Salvoa-se a tripoJa.o.
As notirias da Bolivia sao atisfactorias. 0
governo pens* transferir-se ao littorl
.0 paquete iajjlez Potato1* sahio sabbado 1;*,
para o Hio da Praia e Liverpool, depois de re|>arar
as avarian.
0 banco de Londres, M^xieo e Sul America vai
abrir succursaes na BuHvia.
nun pitata.
A eidade da Paz foi tomada de aiszltn pelo* Jor-
dsnistts caphaneados pelo geueral Veuicio Gon
zalez.
Segnndo a hrcpria parte nffl-ial do coronel Ga-
niza, cominanlaote em ohefe, os re>eides ataca-
ram a praca cam 860 homehsde infaataria, <,COO
de eava!lari;i e 4 pe^s deartilharia, fican>io Lo-
pez Jordan nns E-tac is, a risen leguas, com o res-
to das suas IttrpM e cinco pecaj.
0 eommanitnutn da guarni^ao consegnio reti-
rar-e rom 188 hvmens para hordo do vapwr nacio-
nal Rosetti, rjne pruti"g#u es"sa operapie com a
fua ariilb;iria. Atirlhqe elM a sua eVrrita a
di**er;*o dob^iWilhao Santafecina, qarw momanto
dh C"'iibate p.-sson-"M> para o-lado Jnimigo.
A importancia desse feito de arma* 6 immensa,
mi ral e miterialmente cxntd>4li"da.
Sendu a ctdade da Paz sitnada na rlo Parana,
cerca le 40 I/uas ncim-dacidade do mesmo
aome, e -en lo tim porto limiirapbe cam a provia
cia tie Cr-l-tflM, eom a aunTo govern* argenti
n<) preclsa e-tai em oomtiiunicaeAo paraprvvar
se de reeotMi* qn o eu wterrtw naodMta,- df
h mans e cayall s, concerto se facilmentn essa
importancia pra us f.rcas enlre-riaaas, anw inn
tilisaratn a <:. mmunicar)ao e a fonlo de Kcursos,
o exercito
ando o valioso1
ar urn po
S de Santa Fe.
sultado material dessa eocuBffao foi mais
ns jftrdanistas o seguinte.^
0 desbarato da guarnicao da Paz, da qual 500
praijas cahiram prisioneiras ou se pa^saram para
o pafiida^llia>ilho. ^^r^w^F ^~~~*m*
ponto- iniportaate de oper
jarr"oiiB..
e quaii, canhoas de bfeme,
Acqui
titui.nm-
700 espi
le 230a 3:.0,00.J eartachos que cons-
rva da guarni^io, ?ssim como a de
las do denosito de armas.
Para coaiBansar taodfesagradavets noticiss. com-
ma nic.ou-se du exercito uma victoria obtida pelo
general VWI contra o general rebelde CaiabaHo,
A actao devia ter lido logar no arroio Fortuna,
perto de Qxiakgpay, morrendo li jordanisias e
fugindo o restt da forca.
0 generar/Vadia femerrta queoinimigo precipi-
tadamente. fugisse sera Hie dar tempo de lirar me-
Ihor resultado da victoria.
Dia o vencedor aa parte official :
' Esta Jornada crisTa a vanguarda um valente
ofuciaJ correntino inorto, 6 feridos e 2 con-
tuses.
Do inimigo encontrou-se no campo 14 cadaveavs
e e de suppor que leve crescido numero de feri-
dos, peis V. Exc. sabe qae a anna branca, quando
nao m.-.ta, causa ferimentos que permiltem fazer
muito caminho, e o inimigo fugia como um fu-
raijao, levando diante de si as cavalhadas.
l'edavia a impressao dessa Victoria nao desva-
neceu a do revez; era Buenos-Ayres, oude a ultima
bora corria a uolicia da demissao do coronel La
niza e a nomea^ao de novo rainistro da guerra.
Acontecimentos de outra ordem sao mais pro
pricios a republica Argentina e ao sea progresso
material.
Xo dia 5 foi solemoemenle ipaagurado o banco
nacional, com os discursos do costume, inclusive
o do presidente Sarmiento, que nestas occasioes
sempre faz ouvir a sua palavra autor'isada
Esperava se que na segunda quinzena deste mez
scria tambera inaugurada a ostrada do ferro de
Tucuman, uma daa mais auspicioeas daquellas
regides.
lvu factos de inauguracao teraos mais em Mon-
tevideoja da cstae.ai da Porongos no telegrapbo
plalino brasileiro, com a hoca dos telegraramas
de felicitacao entre diversas autoridades e cidadaos
e a de uma nova linha de trilhos uibanos de
Ricon.
Sobre o imprestimo de que demos nolicia saoe-
se que o banco Belga-Alleinao faz os adiautaraen-
tos ao jura de 1 118 (0ao mez.
0 Telegraplio siaritmo, em um bem escripto
editorial, considers a operacao desfavoravel para o
Estado Oriental.
Falleceu em Montevideo o Sr. Joao Antonio
Braga, irmao do Sr. Antonio Braga, socio da casa
Conceicao(i C.
Na estrada de ferro da Florida desencarri-
lhou um team, rcsultando o mortos e 13 fe-
ridos
Retirara so para o Paraguay o ministro bra-
sileiro Gondmi. A legacao ficou a cargo do socre-
tario Almeida Vasconcelles.
Part.a i n foreas do Montevideo para o Sal to.
Ailrihuia-se esti movimento a uma invasao prova-
vel do caudilho Carabalio para proteger a passa
gem do arma nento a Entre-Rios.
Foi apprehendido era Santa Ri sa (Uruguay)
um carregamento le annas para Lopez Jordan,
procedente de Uruguay ana. Cotnpun a- se de
2,000 fuzis 2 canhoes. um caixao de cornetas e
quantidades de muni^des
A aliandega dd Montivideo produzio no mez
de outubro mais de meio milnao de pesos fortes.
Ha via side inaugurado o telegraplio Plstino-
Brasileiro desde Montevideo ate Porongos.
O governo argeuliuo mandou responder a
conselho de guerra o coronel Rieardo Mendez por
ter abandonado a praca aa Paz, depois do ata que
dos jordanisias.
Havia graude secca no interior da republica
argenliua, por euja razao os gados se conserva-
vain uiagrus e a sapa adiada.
0 in.irechal Mac-Mahon felicitou o presiden-
te Sarmientj por ler escapado a leutativa de assas-
sioalo.
Dizia-se que foreas jordamstas haviam pas-
sado 3, 00 cavallos para territorio brasileiro, por
Moeoreta.
- C> rriam agitadas as eleicdes para presidente
da republica Argentina. Em S.wNicolao houve vias
Oe fact., ro.iuitaii.lu duus mortos e alguns feri-
dos.
Depois da tomada da Paz nada oeeorrcu de
import ante sobre a gjerra da Eulre-Rios.
Corria o oato de haver i>ido derrotado o chefe
jordanisu Garaballo pelas furcat do general
Vedia.
Dizia-se que o general Iwanoski seria no-
meado comraanilante das foreas naclonaes de En-
tre-Uios.
s. PAULO.
Datas ate 3 do corrente.
Coniiuuavain a ch. gar a capital noticias da
eleicao provincial. 0 resultado do 2 districto,
faltando apenas o collegio de Ubatuba, e o se
guiute :
i Dr. Almeida Nogueira
2 Dr. Lopes uhaves
3 Dr. Rocha Pombo
4 Coronel Paula Machado
5 Coronel Maura e Costa
6 Coruuel oaquim Serlorio
7 Dr. Pedro Vicente
8 Curoiiei Marcel ino
9 Dr. Aorauches
10 Conego iJeojaiiiin
11 Dr. zevedo Ferreira
12 Dr. Arouca
Do 3.0 disu-iclo o resultado conhecido, ( faltando
o collegio de Balataes ) era cste
1 I'liiiu de Souza
2 Esilevao de Besendo
3 Rodrigues Alves
4 Leitao
5 CuiiHii Buno
6 Coaeg* Deuwlrio
7 Elias Pacheco
8 Leouel
9 Alv.-s doi Santos
U Uchoa autra
11 Celidonio
12 PiedaOa
Manoel Aff'OSO
E oulros meuo- vutados.
Tomaram vrao de bacbarel na faculdade de
direitu os Srs. :
Antonio Augusto de Bulbfles Jatdira.
Jo-e Luiz de Almeioa NuguKr^.
Francisco BernarJiuo Rodrigues Silva.
Joao Bernardino Cesar G.-nzaga. .
Jose Evansto Alves Cruz.
Pedro Weuceslau ue Mello a Cunha.
Lioniiiigos Alves de Almeida.
Antonio Augusto Nogueira da Gama Jamro.
Americo i.antidiano Nogueiia.
Joaquim Jose dos Reis Junior.
Carlos fuse Auyu.-to de Oliveira.
Jomj Gabriel Ma.eonues Ruduvalho.
Crescencio Juse de Oiiveira Co>la.
Nos dias 31 e 31 do passado e !. do corrente
fizerainse preees na capital pela ceasacao da epi-
damia da> bexigas.
Ld se no Diario de S Paulo:
" Em Pira.-srauima, os eaieeiroe qne udre-ce-
ram abundantemenle, ecuja^ coroas pendiam com
a accao da secca, levaitaram-se aiUneirascom as
chuvas deste* ulliiuos dias, promcttendo aos fa
zendeiros uma copiusa d-lbeita.
Die o Curreio P-xdutcmt* :
a Em Juiidi ihy uma mulber deu a luz um
eurioso ieio.
Duas rri mcas era um s6 corpo on se quize
rem uma crianpi dupla, tale o fato. E'am dou-<
corpo> d.slincio-, iUM ligidos ptla barnga ;duas
cabecas distinclas, lenUo um dos curp H lies
pernas.
i As criancas nasceram eniacadas era eslreito
abrac >, e mortas.
t As p ynunomias tram perfeilamente regula-
res, trazwulo amnas a* criancas a circunastaacia
notavei de ja ti rein dente-.
UO GRANBF. DO iVU
Wotieias v,uda> Ja capital, uo dia 30, dizem
que se e>peiitvaui novas inundacCes por causa das
abundant!'-- chuvas que contiunavam a eahir.
f-egunuo ref.-re o bole, estava o mnmcipio de
S. Leopoldo a i eacado de outra enchente.
0 rio dos Sinos roait'cara a subir outra vet No
Pinhal do Mundn N vo rresMiam as a^uas mais
de 3 palmeii no dia 23, cm des ehavas que Um havido alii e na .-erra.
Dl'ia-se qua o vapor Estrrlla, Mguindo viagera
273
273
273
273
273
2;2
272
272
272
271
269
263
2=0
216
214
211
206
202
201
200
198
193
192
192
74
ao qnartel das-trincheiras.
0 biiga.leiio command'-ale da guarnicao e froa-
teira do Rio Grande havia expedido apteriorincnte
um telegramraa ao delegado de policia de Pelolas,
reqnisitando a prisao de todos os tripolantes. a or-
dem foi cumprlda, sendo estw enviadae no wpur
S Gon<;alo am nuaiero de 22, para mais tarde se-
rein transporttdos para Porto-Alegre em um vapor
de guerra qae allias agoardava.
Hefere o Ctm.iusrcial de Xl:
No Pasaa-fundo, municirio do Tfinmpho, de
rase o segninte lamentavel iiu;to :
< Urn mopD de norae Mililio, tendo .le idade
pouco mais de 20 annos, sediuira uma moca de
nome L'ernardiua, que conse.rvava em sua com-
panhia. Poucos dias depoh da aodticr;5o, Militao
^intemara-se com Bernardina no mato proximo a
sua morada, indo armado com uma pistola de dons
eanos.
A'gumas boras depois snbrcsaltaram-se alga-
mas pessoas da vistntiauca que ouviram na direc-
yao do mato por onde haviam entrado os infelizes
jovens, a denotacao do dous tiros um logo era se-
guida ao outro. As pessoas que correram ao lu-
gar encuntraram Militao e Bernardina ja sem vida,
achando-se os dous cadaveres sobre am poncne
cstendido no cliio.
t E' de suppor que Militao, depois de ler assa-
sinado Bernardina, desfeeliasse sobre si o ontro
tiro da pistola, consumando, pois, um assassiuato
e nm suicidio u
A Recista Gahrielense de 19 do outubro, dii que
haviam failecido em S. Joao Bapliita de Quantum
217 pessoas, victimas da variola J
PABAWA
Haviam se dado dous casos fataos de variola nas
immediacoes da capital.
As folhas de Paranagna noticiam a apparir;5o,
tanto no norte como no sul da costa, de algumas
pipas de viuho, o qae era indicio certo de nau-
fragio.
Refere o Dezenove d* Dezembro, jornal que se
publica em Coritina, que os estado* da estrada de
ferro que tem de ligar aquella provincia a dc Mai-
tu-grosso achavam-sa muito adiantados.
ESPIRITO SAMO.
Recebemos datas desta provincia ate 9 do cor-
rente :
Le so no Estuadurle de 26 de outubro:
No dia 18 do corrente, na fazenda de D. Can-
dida Maria de Jesu> e Souza, na freguezia de S.
Pedro de Itabapoana, os escravos Car os e Fran-
cisco assassinaram o feitor Francisco Pereira Ser-
pa, e immediatamente dirigiram-se para esta villa
segundo consla, alim de se eutregarein a prisao ;
o que porcm uao lizeram ate esta data.
a O delegado de policia do termo ja deu suas
providencias para a captura dos assassinos, ofll
ciando neste sentido as autoridades policiaes sa-
balternas dos varies districtos o aos inspectores
de quarteirao da villa. >
RIO DC 1ANE1RO.
S. M. o Imperador visitiu, no dia 14, aeseo-
la central, assistmdo aos exames das primeiras
cadeiras do 5 e 0 annos, e 2' do 4 anno, visi-
taudo o gabinete de physica, e retirando-se a 1
bora e tres quartos.
Leinos no Jornal do Commercio :
< 0 resultado d >s exames de hontem (14) na
faculJadede medicina, foi o seguinle :
1 anno medico.>Viceute de Castro Carreira,
Miguel i.ouio dos Santos Junior e Jose Caetaaodo
Almeida Gomes, approvados plonamente ; Alfredo
Alves do Azevedo Macedo e Leonidas t'eixoto de
Abreu e Lima, approvados simplesmente. Houve
um reprovado.
3 anno. -Henrique Luiz da Silva, Benedicte
Galvao Pereira Baptista, Joaqaim Jose" da Silva
Pinto Junior, Ernesto da Rocha Miranda e Anto-
nio Alfonso Faustino, approvados plenamente.
4# anno.Carlos Gutdo Vedova, Cypriano Jo-
se de Soua Freitas, Jose Ferreii a Barreto, Jose
J.T. nynio da Azevedo Lima, Jose Candido da Cos-
ta Sena, approvados plenamente. Houve um re-
provado.
o anno.Gabriel Antonio Piraenta e Joaquim
Pedro ViHaea Junior, approvados com distinccao ;
Ambrosia Vieira Braga e Carlos Pereira "da Silva
Guiuiaraes, approvados plenamente.
a 6 anno. l.uiz Augusto Correa de Azevedo,
Guuherme Pereira da Silva Belmonte, Joao de
Deos da Cunha Piuto e Antonio Dias Ferreira, ap
pn.va.ios plenamente. o
< 0 resultado dos exames da 1* cadeira do 6
anno da cscola central toi o segninte :
Approvados ple.iamonte com o grao 9, Fran-
cisco Anton.o Carneiro da Cunha e Jose Freire de
Andrade Parreiras Horta ; mu o grao 8, Alberto
Eugenw de Andrade Parreiras Horta e Pedro Be-
nin Paes Leraos ; com o grao 7, Manoel Rodri-
gues Baptista, Alcino Jose Ehavantes, Fernando
Balmeiro Pereira da Cunha, Joe Carvalho de
Souza e Jorge Benedicts Ottoni ; com o grao 6,
B.lthazar Bernardino Baptista Pereira, Marcos
Thoraaz da Costa e Sa' Joao i .hroekait de Sa Pe-
reira do Castro, Joao Luiz Pinto Campista, Tobias
Rabello Leite Junior, F.ancisco Jiie de Mell e
Souza, Antonio domes Sodrfj, Alberto Belmonte
de Aguiar e Francisco Carlos' da Costa Real.
t Os exames de hontem na ecola de raarinha
deram o resultad seguinle :
3* anno. Machinas: a-pirantes Francisco
Marques Pereira de Souza, pieuaraeute grao 3;
Jose Martins de Toledo, disuncc,ao giao S ; Fran-
cisco d- Paula Duaile e Souza, plenamente grao
4 ; Lucidio uguxto Pereira do Lago. idbm grao
4 ; Fredenco Corrfia da Caini.ra, idem grae 3;
Manoel Iguacio Belfort Vieira, idem grao 3 ; Joa
qutm Jose fle Oliveira Sobnuhi', idem grao 3 ;
Joao Pereira Leite, idem grao 4 ; Clariuuo Henri-
que Suares, idem grao 4 ; Manoel lnnocencio Pi-
res Cainargo, uem grao 4 ; Antonio Jue,e Goncal-
ves Junior, idem grao 3 ; Antonio Candido do
Amaral, idem grao 3 ; Manoel Jacinlho Pinhi-iro,
idem grao 3; Launudo Victor Paulino Junior,
idem grao 4 ; Augusto Guedes de Carvalho, idem
grao 4; Ariatide* M-raleirode Piuho, -implesmen-
te grao 1 ; mao Antonio Suares Dutra, plenamen
te grao 3 ; Arthur da Serra Piato, idem grao I.
c i L'seuho de machinas : aspirantes Francisco
Marques Pereira e Souza, simplesinente grao 2 ;
Ju.-e M.Ttins de Tuledo, distinccao grauS; Fran-
cisco de Paula Duarte e Soaza, plenamente grao
4 ; Lucidio Augusto Pereira lo Lago, idem grao
3 ; Fred.-rico Correa da Camara, idem grao 3;
Manoel Iguacio Belfort ieira, -implesinente grao
2 ; Joaquim Jo>e de Oliveira Sobrinho, plenauen-
te grao 3 ; Joa Pereira Leite, idem grao 3 ; Ma-
nuel Jacinth- I'iiiheiro, simple.-meni.- grao z ; Lau
rindo Viitoi Paulino Junior, plenamente grao 3 ;
Augusto Guedes da Carvalho, idem grao 3 ; Ans
tides Mouteiro de Pinho, simptesinente grao ;
Joao Antonio Soares Dutra, idem grao 2 ; Arthur
da Serra P.nlo, plenamente t rao 3 ; Clarmdo Hen-
rique S >ar< s, sunpl. smenie giao 2 ; Manoel Inuo-
I'em-io Pires Camargo, idem grao 2 ; Antnio lo-
se Goncalves Junior, idem-grao 2 ; Antonio Can
dido do Amaral idem grao a.
a i' cadeira do 2 anno ohyriea : paisanos Car-
los de Snuza F.rreira, simplesmente grao I ; Fer
nando Carlos de Carvalho, iiem grao .; Joao Jo
>d da Oista Figueiredo, idem gi a > I ; Francisco
Virissimo de Paula Leite, idem grao 2 ; Joao Fer
m no.es de Almeida, plenamente grii 7.
a Gmtinuam os exames da i* cadeira do 3' an-
no e couiecani hoje o- de chimiea, top igraphia e
go nnetria de-i-riptiva, e os de apparelho
i Pur provisao de 40 do corrente foi nomeado
provisor durante o impe-tiinpnto do Illm. e Revm.
immsenhor Felix Mana de Freitas e Albuquerque
e juiz dos casamentos oRevm. Sr. padre Juse An-
tonio Rodrigues. >
Por pinvisao de 11 foi nomeado vigario geral
na parte contenciosa dnrante o impedunenlo do
R-vm. mons'iiii.,1' i-elix Maria de Freitas e Al-
bu (uei'ijuo o Revm. Sr. conego Jose Goncalves
i'erreira.
Por pr visdea da messua data foram igualmpn-
te noiueados piomot.r do bispado durante o im-
pedimento do Revio. r. Ci uego i r. Peuro PeiX"to
Oe Abreu e loiuh, e para iecrrtario durante o i.u-
pedimento do actual secreiario > Revm. Sr. padre
Jose .Ant. nio RoOiigues o Revm. Sr. padre Joao
Antonio Soare. Rib-dio.
O.mmunicam nos:
IVrante sua oiag'-stade o imperador, seas se-
manarios e S. Exc. i. Sr. iiiiui.-tro daguerra, a com
mi-sao de melliuramentos do material do exercito
proeed'U hontem a segunda experience com o
raniiao Armstrong do calibre 200, que foi ultima-
niente installado ein uma das rasamatas da baieria
do lume d'miua desta fortaleza.
Antes da rxppri-uria. sua magestade exami-
dhii o I'xceibnte ri'paro dos>st ma < Scolt, > me-
lhor-d, eui que s acha iiioi.i.do o eanha >, orde-
naiido cm s.-guida qne cume;ss- a exp.Tieiuia.
Para a expeiimcia havia x maudado cullorar
um ailo flnciuame a di-lanna de 2SS in. da fur-
jus-das
ingleias era SnW: ^Bboirts aid a
evidenciadofltft fliHBI ^^^rp governo
imperial, voftceuda uw!uwte1l>fc|ue haviam at-
paiz, de que nun uma artilharia grosta podte bo>
preseote compelir com o mucaxiuamente acreditado
cannao Whitworth.
Ouiras experienciu se sarteueram a esu t-
com calibres uiawres; e de eaperar que os rasol-
tados conlinuem a justidcar a nameada aue a '-
tdharia Armstrong tem no paia qe estada e pni-
move o progresso desta anna com ura bom seBS
praticoemmucioso exame mais qae uenturo outre
da Europa.
t A publicidadaque a Inglaterra ten* permfttKc
aos conscienciasea trabalhos e etperiencias qua (
sens illustrados offtciacs de artilharia, da mar a
terra, teem f-ito, e a melnor garantia deque a ar-
tilharia Armstrong 6 a artilharia do prtunte, e
que esta lunge o futuro em que ella passara a ar-
tilharia de segunda ordem.
c Acharam se presenter os segnlnter^BMArot-
da comraissao do melhoramentos :
t Marcchal Andrea, coronel Woolf, teaente-eo-
ronel Amaral, majores Candido, Adnano Hmen
tel, Cunha Mattos e capitao Gambrja, PnaktiH
a Teixeira Junior, e tambem o coronet Lima
e Silva, secretaiio do commando geral de ar-
tilharia e o eapilao tenente da armada Gerqoeiri
Lima, que dirigio a experiencia
a 0 Commercial, do Kio Grande do Sul, da ?5
do passado, refere o seguinle :
Por um proprio vindo huutem da Mangaeira.
soube-se qae existe oncalhado no principiavi|r> Al-
bardio, no lugar denominado Quaresrna, 1 Itigar
francez Jean Buplistc. procedente do HaTTeJ&no.-
vio julga-se complclamenle perdido.
Para o luaar do nanfragio soguio hottem *
ajudante do guarda mor, o Sr. J. CjrloS^liBw,
com dous guardas da alfandega. >
a A estacao central dos tehgraphos coYndttaici
ao Joranl do Commerr.io do corrente :
c liiforma o estacionarij da Laguna osegttbKe.:
A's 10 boras da noite do 29 do passado, perdeu-
se na praia do Camancbo, pouco distante desta ei-
dade, a cseunu nacional Carolina, da praca d(>
Santa Catharina. que se achava era viagem do Rii>
Grande do Sul. A iripolacao conseRuio salvar-ae. >
Arribcu hontem (li) a este porto o vapor in-
glez Argentine Surlu, que se destina ao transportir
de gado em pe das republicas do Prata para' hjsso
porto.
Eis as noticias comraerciaes da ultima data :
ci A taxa do cambio sobre Londres nos banco--
nao soffreu altcraca-i alguma depois da sahida d>
liber para a Europa a 9 do corrente.
Sempre era p.isi^io favoravel esteveomerca-
do durauto o periudo deste boletira, relisaudo-sn
iransacc/ies s.ibre esta praga a 26 d. papel banca
rio, 20 1,8, 26 J/8 c 26 1/i d. papel particular.
c A' ultima hora de hoje o mercaaVr tirmou-se
ainda mais, e clem das taxas acima mencionada.'i
fez-se tambem alguns uegocios era papel parUcM-
lar a 26 3/8 d.
t Sabre Franca sacoa-se de 365 a 380" rs. i>j
franco.
Os descontos conservaram-se faceis de 6 a fc
0/0 ao anno; no raorcado do metaes pouco se tens
feito. Lotas insignlicantes de sobcranos fowRi
vendidus em um desles nltimos dias a 9a3S0,
9*330 e 9*320 cada um a dinheiro.
a Em fuudo3 publicos tem contiauado a ope
rar-se algum movimento.
a Pequeno3 lotos de apolices geraes de 6 0^) fa-
ram vendidos de 1:063*000 a 1.067*000 e lotes
regulares de 1.067*000 a 1:072 *u> 0 pur eada uma
a dinheiro.
a'Das do cinpnsstimo nacional de 1868 vende-
ram-si lotes regulares a 1.070*000, l:O7U000 e
1:0723000 a din ciro, e 1:072*0 0 para o dia S3
do correc'.o c 1.071JIOOO para 2i do corrente
mez.
a No mere ado de acc/fes as vendas realisadas
foram pagais ao. seguiutes precos :
Banco do Urasil por um lote insiguilican:
51^000 de preinio a dinheiro.
Banco Rural e Hypothecario 32^000 e 30j00^
de dito dito.
i Banco Nacional a 1 *0Q0 de dito dito.
Compauhia 'irasileira de Navegacao 92*"i0t*
por accao ou i07 i300 de descouto.
it 0 mercado do fretes esta mais Urine por fal'a
de navios de pequena lotacao.
As cotacScs regulam :
Canal............... de 32/6 a 37/5
Mediterraneo........ de 3-1/ a 40
a Eslados-Unidos, norte. de 22/6 a 27/5
Esladn-Uiiidos, sul... do 23/ a 30/
Nesto poriodo freuram-sc e uevem seguir eto
poucos dias os seguiutes navios ;
Para o Para: brigue norueguense Poltnii.
pedra a oO rs.; Lrigue norueguense Fotua, uedia
a 50 rs. e o patachu hoUaudez Anneti Na*eff* pi
dra a 50 rs.
Para ir buscar farinha da inandioca em San-
ta Catharina coin deslioo a Pernambuco patacbo
p rtnguez F.mto por .1:400*000.
a Para Peroambuco a ordem e Canal barea ho.t-
landeza Sphynx, algodao, a 5/8 d.
t Para a Bahia o Canal a ord'in: brigue al
lemao Colibri, cafe, assucar, algodto ou furoo,
a 45/.
BAHIA.
Proccdeu-so a elon.-ao de deputados proviu -
ciaes, sendo conhecido o segu ute resultado :
1." districto. Collegios da capital, Malta o
Abrantes :
Pacneco Branaao **
Joao Victor
Araujo Gdes Junior WX
Azevedo Monteiro
Americo Gomos
Eunapio Deir6 174
Altino Pimcnta I/O
Oirreia Garcia
Manoel Jerouyaio 67
Falu somenle o cullegio do Conde com 15 eiei-
tores.
2. districlo. Collegios da Cachoeira, Maragu-
gipe, Feira e Santo Amaro :
Dr. Araujo Lima 9*f
Dr. Olav.. G6es W3
Dr. A. Miltoa 4?*
Dr. Jose Nane3
Dr. Euzebio
Omego Brandao
Dr.'Baggi
Dr Jose Gabriel
Vigario Cuj-crlino 347
3.- districto; Collegios de Itapariea, Kazaret'i
e Jaguaripe :
Dr. ntoniuJearjuira Correia de Araujo
Dr. AmphilopBio B Freire de Carvalho
Dr. Joaquim Simoes Daltru e Silva
Commendador Be. nardo d.i Canto Brum
Dr. Gustavo Amcoto de Souza
Dr. R.miro Affmso Monteiro
Dr Felisberto Antomo d i Silva H -rta
Dr. Agostinho de Carvalho Dias Lima
Dr. Arthur Cesar Rios
No dia 17 do corrente, ao sahir o vapor da
Cachoeira, as aguas do Panguassu tinham subido
bastante ; e havt-ndo ja assoberbado o cimi princi-
pi vain a invadir algumas rasas, ,que d&us pert>
delle Dram.
- 0 brigue escuna Tonelern, qne tinba, sabjd>
para Pernamboco, vulioudos Abrolhos ypr faJxadis
manli entcs.
Foi nomeado promoter publioo de Joa'zbiro, o
bacharel Josi de Souza Reis.
Falleeeu o capitao do ifi.* balalhao d* in/ar-
taria de linha, Jose Pedro de Al-antara.
Lcmo* no Correia d> B.iAii :
Falle.-eu hont-oii(U) sepulta-se hoje, as 9
boras da manha, no cemiterio do Campo Santo, o
coronel Justimano Jose do Araujo, viethna 3" uma
pertinazervsipela que resislio a todos os e"sforc(
da arieocia.
0 flnado que conla.a ."i7 annos de idade. ba -
via .-nio n gociante mairiruiado uesla praca, a por
servicos prc>tayto a ordem publica, quando com-
mandava um dos Jiatallwes da guarda nacions!
desta Capital, for a agraciado Coin o oTtcialati, e d-
B"i< com a comnvi.da da Rosa. Reformou-*e oos-
terinimente no p-sto mmteo cargo de vemador da camara--munici-
pal.
Chamaraos a attencai do puWico para o oft -
cio abaixo, em qne S. Exc. o Sr. comnvnilador
presidente da piovincia resolve a liber iade de
cioco escravos, que doxarain do ser matriculadps
por ne;iligeneia do seu -enh..r, e que fWrainu-
herlo-em viftud- do 2 do art. S*ila lei r..
2,1 40 de 28 do scte'i4r-. de 187.'e art. 19 do
quchaixoii coin p, deer, to a 4,83 > d \.B d
tnnbro do'mesn'o aim >:
(i Palacto dypfluveiiiu da Ri.hia, 1' d- i
dp 187-1. N. 144 Tend) p.-r desp..-bo
13 do c .rreiil^iiide'erid.. o r.-pi.-rimeni
Xiouie-. Ch 1 i-o. inor.idor i
I

1
lfi7
17
IS 6
149
148
144
1*8
145
13
.*>
I
V
v
Taquay aciina, enconuara no nieio do. ri" am i taleza, tenon snlo letenninada esta di^lancia pela
gwaide1 madeiro ane e uirara m^irOa. matteadu-o' i.ibella de alcanc.s do invmno canbao para* mai-r" Atbao.isio (Toir^> Ci^.t >-o, mna!
logo a piqtJ". Na i morrera ningawn. |-elevacaM que acinploteo'.i p-imuw a caoheneirajUiiiburauas freyu zia d" Nas-j^^H
-No vapxr-naciiinal An oio dr Pel, las, piotedente Ida rasamata onde &e acha o canbao. rio dp Genl,io.Ad se. t Tin.', pe.dia ,<
mpMr-aaciiinat An -oio ir Pel tae,.
de Jaguarao, cheprm, no aia 23, a capital da J Foram feitos arioa Uphs, empregando se em maiwul.-ir dous e-cr aos seus e u-e
provincia, seta individuos dos jierlenrentes a tri-juns a polvora nacional de canhao raiadoe em ou-!relevando o deisa faiu, visto na v
hirft?
iineu



}
f
lai* a^^^BpanuO ecmo
InertosMM nii.art 8.*
S t.* da IifUll^ini MiVUAro aa 1871 e
arc I9 4>ec. qua batxou com o n. 1833 do 1.*
4e iezenbro deaieane |irv no gozo pleno
4a tiberdide, eumpre qae VrhJ f#a effoctiva a
lei, processando o eoBtrave*r- d-ll.i e persistir
eacausirvirfffmipor dwlMBeitos como es
oatraaqoe foram.. Dens guanle a Viuc. *r. Dr.
jaizaiaacipal e de orphaos do teruio de tactile.
AafMia Caniiio da Cruz Marhoio.
r N*j. Itiagua a fcarca wgleza '.Noruxoein, eapiiao So-
fort, f tie ia 4; Caiiaao para Valencia, com carre-
guaealoifegTiano. Trouxe 77 dia$ do tiagem.
a a lista dos prcpiios maiores da 3J loteria,
Mooedida a beneflcjo da matriz da Feira de
SMf AMk>, extra liida hontem :
3. .... ,.....5:000*000
8004060
500*000
20,iaooo
J0O5O 0
(OfOOD
lim, 939......
<*WV, 9i4, 73*. 1227 1840...
3?,*TJ0. 339i, 18, 1079, 3J6,
*,.'9, 2783 8070 20*000
08. 3<, 2333, 406. 1977, 2<9i,
Mg:, 3403. HT; 3435. 3438.
*> WW, 1C8,*4o8, 1801, 798, 3*Ji
......... 10*000
f litiegoeiante portuguez Antonio Jose de
B Sobrmba, estafcoleeido nesta capital com
Ftaiu.tuilharias, iatituiada Zmvo desapga-
jl aiiie-hoalem, Jem se saber por era o de3
Ppkiforni3?o"M qutt nos foram mipistradas,
Hte-queo Sr. Amnriip lioou deveudo a
tfi.ru mais de 80.000*000, por lettras, em
<|ne flgurara com) narantes o seu oroprio sogro,.
*'isiinhade o Sr. Antonio Raymundo dos
Saatas, eujas drain, liizooj geralmente, foram fal-
siScadas
Nij e infelizmcate-a priraeiro faiuo dessa na-
turexa que se da em nossa capita, cujo eommer-
cio uio p61e deixar do ser abalido uor elte*, que
sofrtvtudo .Qfluem pernictosamente po3 ereditos
4a praca
seroipe.
Reeebemos jorpaes dessa provinch ate 14 de
corraate.
No dia 10 pa>soii o prosidente Dr. Manoel
da Naseimonto da Fonceca Galvai a administra-
jlo ila provincia ao I.* vice-presidente D:. Cy-
ariafio de Almeida Sebrao.
Por aquelle prqsideule haviam srdo dcelara-
aqwradoras do i. e 4. dilriclos, (Aracajti e S.
Caristayao) 03 quaes forani reintegrados polo vi-
c-presidente.
No dia 13 do mez passado, foi barbar.-.mente
assassiaada em .V.ssa Senhora das DOres, uma
fiberta de nyme Luiza, fi ir u'n f.-rreiro de nome
ffaaeisco, ,iie llio Jcacarregara algunvi3 pnahala-
da?, aaa>pinh i da fonte deuoininala -Pedreira.
O wiuim so entregu- MttUrti .el act*, no aclo do interrogatorio a que
a&pMcMleu. I'ea-se o corpo do delk-tu, etrata-se
le Jssjaurar o compeioiito processo.
Ko dia \1, pr-ic-dau so i apara^lo dos ei-
dadias eleit)3 de mla ios provinriaes, expedindo-
diplomas aos dze m ii-* votndos em cada dis-
trtdo. g cujas n ime3 ja pablicainos.
mm
do B)fdV*os, fjoileftj horas dtpws de sahlr do
Rio do Janeiro para o'aossV forto.'na- altura
do Gabo Frio, soffreu lao grandes avarias em c*in-
beqoenefa do mao tempo t^iie rtfto*n ate- nhi,
que foi obrigado a Uroar aqaeHe porto, onde
depois de descaircgado entraria no diqua,- nllm
de Mr reparado.
Vapor Para. -No dia 13 do corfaofe sahio
este vapor do Bio de Janeiro para nosio porto
pcla e^cala sabida.
.\'u vena. No dia 29 do corrente met prin-
cipiara a de Nossa Senhora da Conoei^ao no con-
vento do Carmo de Ulinda, pelas cinco boras da
tarde. Torminara o ado com a bengao do San-
tissimo Sacramento.
Iii-no de auviliu -Gonhecida por todos,
a for^a do muito que se tern manifestado a cuida-
dosa actividade com que o Sr. Dr. Pedro de A. Lo-
bo Moscjso, tern ha tampos se dedicado a con?ecu-
c4o de mellioramenfos materiaes desta cidade, deu
olla lugar a que, por ?ua vez tambem, o Sr. Vi-
cente Ponies de Oliveira, emprezarto dos nossos
theatros, a S. S. offerewsse, para ter a applicapao
que niais caoveuienle the pareca, o producto de
ant espeetacul j no thealao de Santo Antonio em a
noito de 30 do raez corrente.
ae so tivesse por fim as*'8^^"*
0 Sr. Dr. Moscoso, grato a essc tetemnnho de mais solidos a>ylos do direito, os indestructivei
REVISTA DIARIA.
^uestait relive!>:a. TelO midisterio do
iitspeno foi expc.lil i o seguinte aviso a presideo-
:ii da provinci.'. it Ptra unliuco :
s Rio de Jaii'iiro, em 8 d.> novembro do 1873.
Iliti. e E;m. Sr. CmT.unicoti-mo V. Exc. em
oflleio de z5 do mcz [QadA q" a irmanJade do
Saaiissiia.i Sacramento da matriz do Santo Anto-
no !he Rpresentara ter o vigario Antonio Mar-
ques de Caslilha doixa.I i da freqnentar a mesma
in-tn'/ e d. praticar nelia func.Ses religiosas a
(jiK 6 obrigado, polo m'olivo de apresenlar-se nos
aefe;-; parocliiaes dasde que, por decisio do guver-
ne imperial Ihe fora levantado o inte dicto ; e que
V. Exc, i visUi deste provdimento, o eonsideran-
do que por na*b est.ir inter dicta a igr.ja matriz 6
ijfcrigado o vigario a cuiftpnr na mesuia igreja
!*eodoveres paroclraes, como dclormiua a con
*ilu:i}i do bisijido, linlia ordonado ao inspector
da thoaouraria do fazeada que n.io pagasse a viga-
ria rigum a respecliva oongraa, sem aprosantafio
4e- aUeaiado do Vrequ n -ia, em quo so acho es-1
pressamente declarado ter cumpriJo as ubnga
(ffim de sea ministerio e celobradoa miasa couven-
(ai ia propria inairiz. 0 poverao imperial ap-
preva o referido aoio de V. Exc por sor regular.
ti.-fpe eooinunico a V. Kxc. para sou conliooi-
iituito. ueevilniiido-o d. quj nesUi data dou cooie-
Hkoato do mosmo act) ao mini>tori > da fazenda.
Oaas guard3 a V. Ex;. Manxl AMoaio Dnurte
4* Azertdo.
Sahstii in';a) Ac notas. Foi expedida
p-;io niini>terio da fazonda a seguinto circular :
* JK, 391. Micisieiio dos nogocios dafazenla.
Siode JaiieiD, 4 do nivenbro de 1873. film, e
Rxtn. Sr.Commuuico a V. Exc. pa*a os fins :on-
vozaeales e em resp'Mta ao sen ofl'Ho do i'i de
bro ultimo, qu1- os prazos marcados pelas cir-
cjiiarcs n, '!() d 2! d i a ovenbro do anno passalo
; a. 8 do 1. Je m>re, uliini'', para a suh.-titui(a >
sem desconto d is n .'as de 25 e .''* da 4* rstam-
tn, foram proroga los ato 31 de maio de 1874 pa-
ra as de 2* e ate 30 de junho do mesmo anno
paraas de :>d*, devoiiu > do 1J dos scguintes me
useui dianie coniec.-ii desconto progressivo de
10(^0 m^ns^.e^ n i valor das notas, qua na > tive
rem sido gQlwtitiiidas alo aquelledia. -D'usguar-
. consi'ili.-iro lie estaJo inspector geral da ci-
.tA.daamorliear.i .
MiiaUterio da annriuha.-Era 30 de
-.luiro:
Aalcrisou-so ao quartei couer.il a contratar o
-ritaea^ Ernesto Ferroira da Cuuha, para servir do
;*ftfil4i* na enmpanhia dc a|>rendizos marinlieiros
tit pruviucia da I'arahylia.
Reiategroii-se o I' pratico Manoel dos Santos
f'er.^ra, no ompr.g) de pratieo-mor do porto do
Coara.
Coiaareas cspeelaes.-Pelo decreto n.
8 de 7 do eorreite, foram declaraJas especiaes
at comarcas do Porto \legre, S I'aalo, Ouro Pre-
in, Cayaba. ijayaz, Fortaleza c Helena.
foi decogado o decreto n. 4,826 da 22 de no-
vftasbro de 1874, na parte em qie declarou esi>3
vjaj;a as comarcas de Pao d'Alho cm Pernambuco.
dc alcaotara, niMiranft), ficaudo restaurado
bn aospectivos tonnos o iogar do juiz municipal
e. de wphaof.
As eamaroas de Port.) Alegre, S. Paulo, Ouro
IV&o, Porta eza e Bolem tera > dous jmzes de di
feKo, dos quaes um exercera a vara dos feitos da
ti.a4a e a wnvn ircial. e outro a do orphaos e a
da-prozadoria do capelias e rosirtuos, e ambos a
fiirisdi.io clH o criminal cumulativamemv.
E" mantidi a audiloria de guerra d.i cilado do
Porto AJe|r, com jurisdicao cmnulativa nascau
criiainaes.
a r.ada uma das c imrircas do Gtiyaba e Goyaz,
tiavara'ara so juiz de direito o tun juiz snbstituto
Art S. S;\a se reputai ;io especiaes as comarcas
meaaoaaitis no p periodo cmjuanto; nao se ins-
uJIr*:n as novas reliQojs.
Poi aupprimido o lugar de 2* promotor publico
da eamart.i do Porto Alegre.
festo oproposito c;n que se rnaatein esta reparti
c3o de antepor seus commode? as conveniencias
rvji;,i (piblico, see que motivos do ordem di
rs a nao icvam a constantc fait;* de seus mais
i jporuiites devere-.
EaWepnJo. coma ni'iiiiainmie aoonteceu ao
ford, tod as as malas destinadas ao norte do
vez do o fazcr ao inglez ItHtnani,
.rovia s-cieoeia de quo es!o liavia de aq ii
SeW dous dias antjs d'aq-i'dlo; outro fim nl)
fcereadaao o de ifsJiberadameute prover transtor-
fios Saeatcolayeis, nac s6 ao cmraercio como aos
pariiculares.
Haven lo dous vapores a sahir, um viagem di-
fecta, outro :.w, alia por escaUs^mandava o bom
aflaso que pilo sognndo so env'iassg snrn'nte o
jp **.''( destinada aos pontos d'aqnella, afim
4a aws, wctmai do n-na deraora PT^ada, que nc-
ii aeta- snlado ob ronvenicneia*, ao- ra-uo*
olH-etndo quaudo ha 28 dias fegura-
Us Jin? n:io iema< noticias do sal.
FeTWjws >e conli na.
(mi? mirvf < tele^-apho?- Iftn-
de ftiudeado o vapor inglnz lllim-iiu
jraahott a lorre do coiiegio apnuuciando siw
do empregado .l'aqaelle
UMiala
'ihece surtos no
.\ -\ e arou
I N Mipprima o logar.
Vaipor Menduza. aha
considerajao que Ihe e prestado, lembrou se, e
bem lemhrado foi de destinar taa valiosa oferta ao
ajardinamotito da praja Pedro II.
Snperfluo seria entrarmos deUifhadamente em
aprecianoes da conveniencia resnltanta da aequi-
sicao de mat's um ponto de recreio nesta ctdade ;
oecnpar-nos-homo-i de ontro ponto.
Na seccao competente publieamos am appello
qne o Sr. -Br. Moseoso faz aos moradores da fre-
guozia do Santo Antonio, onde Oca a mella praca,
visto como, por mais importante que venha a ser
a offerta aoSr. Vicente de Oliveira," terto 6 que
se faz preciso, que outros corrain tambem eniau-
xiho da realisacio de tal idea, atteutas as nao pe-
quenas detpezas de que el la. depaude.
E porque pensamos que nao gi-ra baldado o ap-
pello feito, juntando nossaa vozes as de S. S, fa-
zemos votos nor U'do o melhoraraento possivel a
esta freguezia, porque elle reflectira na cidade e
da cidade reffectira aa provincia.
Doze de Setembro. As pessoas que
quizercm eoncorrer a exposi^ao do dia 2 do de-
zembro proximo futnro, promovida ptr sta pa-
triotica sjciedade, dfvera remelter os product-is
par* o palacete da va&sravaj Ordem Ter'eeira do
G>rmo, das 9 boras da manuS as 6 da tarde.
Toarada. N. proxim i domin^o 23. do cor-
rente havera uma no largo d > Cirmo em Olinda.
Encuntraram-se. pelas 3 horas da tarde
de 19 do corrente, no lugar Agoa-Fna do distric
to de Beberibe, Ignacio Lair do onte tomailose
de razoes com o africano livre Zichanas. pissou
a descarregar neste algumas cipoaaV, quo foram
immediatainento respondidis com uma eanivetala.
Zicharias foi preso era flagranle e prosegue-se
uos termosdi lei.
Furto de i- *vallits Pela delegacia de
Bo nC'loselho. foi alii presi em flagranle Jose Sl-
caciode Araujo. por viver d'aqu-lla industria.
Prisao \' zelosa actividade do >ubdelegado
de Sa > Frei Pedro Gonyalves' do B'icife, o Sr An-
tonio Knncisco das Neves, deve-se o ter ?ido pre-
so e acnar-se recolhido ii casa de detpncao n in-
divi too Jose da Silva 1'ereira, que ferio grave-
mento ha p mcoa dias na rua d > 0oeidente d'a-
quella freguzia, a Jos6 vjejra da Silva
Attentad't. -No district.) do B m-Conselho
foi inortalmente ferido com cmoo facadas e diver
sas coniusoes, um individao mudo, de nome Ma-
noel de tal.
Do iniuerito a qua se proceliu a respeilo do
facto, e que ja leva o convenient denino, venii
cou se ter sido autor des3e crime Jose dc Castro,
contando p ir cumpjica a Jose GaunarJo. Ja se
achim ambos presos.
Grande emprcza. -A Reform da corte,
publica a se^uinte carta, que Ihe foi dirigida pelo
Sr. Dr. Manoel Buarque de Macedo :
Rio de Janeiro, 6 de novembrb de 1873.
Illra. Sr. Dr. Buarque d- MaceJo.
Temos a sattsfaclo de iuformar a V. S. que
em virtude do docreto u. 3,000 de 3 de ian'io de
1872, seguio para o interior em dezembro d'a- ]
quelle anno, encarregado pcla Public Works Cons
truclion Cmpany das exploracoes e esiudos pre
liminaros para o prolongameojo da estrada de fer-
ro do D. Pedro H e outra jiaha que ligue as ba
cias dos rios S. Francisco o Tocantius. o distinc.to
engmheiro o Sr. James Bavlis, ehefe da commis-
sao que tern do procedor aquellos esludo> na coin-
panhia da dita coramissao.
* Das constantes commanicago-is quo recede
mos do raesmo Sr Baylis, sabsmo* que os estudos
a s*u cargo prosogaeirir.gular a saiisficioriainen
le, achando-se a Coremissjo em 10 de ootubro pro-
ximo liado, acampada no rio' Meleiro, cinco c ineia
leguas a o 'ste dc Cnrvello, o dez e m -i leguas ao
norte do Taholeiro Grande, c.tendendo as explo-
racoes ate a barra do ria Paraopeba, deveud > ac-
tualmenle acharse uma parte d.;ssa commissao
nas margens do Eio S. Francisco.
Ve-se, Bortaato, que os estudos a cargo do
Sr. James Baylis tem proseguido rapidamente, nao
ob.tante as difflculdales proveiiipato*' da arando
distancia a que so acham cm lugares dflasi de-or
tos. cujo exito e em gran.le pane d.-vido a pratica
odtida pel) inesu) Sr. Baylis em identicos servi-
501 na India ingleza, os quaes foram coroados do
mais feliz resultado. o quo jiistiliea a acertada es
colha da Public Works Construction Compim/.
a Somo- com toJaaconsidera^de V. S. alien-
tos, veueradores e obrigado--. / Pass a in en to. Palleceu, na corte, no dia
13 do corrente. a Exm. Marqu^za de Olinda.
Loteria do Rio de Janeiro. Rosu
in da 6' loteria concodida em benoficio do hospi-
tal de i. Jitao Bap'jsta de Nictheroy, extraluda a
12 do corrente :
N. 4<4.:.................... 2':00*000
N. 333...................... 10:00'*000
N. S482..................... 4:.'00*000
N. 5873..................... 2:0005000
Ns. 2*07.e 3961 l.OOli a cada lira.
Ns. 1229, 12.10, 4012, e 4071 -80G-8 a cada um.
Ns. 379, 2199. 2321, *53, 291 i, 3762, 4037,
44'2, S1T7, e 5440-100* a cada um
Ns. 3lfi 403, H18. 1238, 16I7, I-80, 2284.
2414, 2443, a>!7, 2730, 4*139, 4H. 42 8, 4396,
4499, 4879, 3247, 3330, 5139-100* a cada um
40i a cada um dos ns. 2, 187, 433, 700, 7i7.
893, 1001, 1010, 1097. 1098. 1199, 1219, 1586,
1732, 1881, 2U4, 2197, 22'3, 2237 2301, 2131,
2234, 233!, 2362, 2404, 2326, 2)49, 2534. 2641.
264-i, 2766 2821, 2874. 3138, 3'92. 32(8, 323o,
3181, ;SK), 33 9, 3667, 3673, 3S10, 3813, 3836,
3927, 4217, 4278, 4317. 4700 8049, 5140, 3344.
5160, 5571, 5630, 5836, 5748, 5819, 598.
Loteria. A que se acha a venda e a 78- a
beneilciu da -anta Gasa de Misericordia do Recife,
que corrc h>je.
Leila t. SeganAk-Adra effictua o azente
Marims, as 10 horas da manha, o loilao de camel-
las vend las dadas em penlior; no primciro andar
do s ibrado da rua das Cruzes n. 2, casa de pe-
n hares.
Hoje (21) effect la o agonta Pinlo e leilao de
movei<, aniiuncia.lo para o sbgiindo andar do so-
brado da pra a do Corpo Santo n. 19, conforme
esta annunciadd.
Gasa tie detenca<.vMovimento do dia
19 do novembro de 1873:
Existiam presos 320, cntrararaG, sahiram 5, exis-
tem 321.
A -aber
-Vaciooaes 235, rauihores II, estrangeiros 30
acravos -i9, escravas 6 Total 253.
Alimentados a custa do3 ceres publicos 236.
Movimeoto da enfermtria do dia 19 de novem-
bro de 1873.
Tcve alia:
Jesuino Bezerra de Menezcs Tiatalha.
Passa^eiros ?"ieram dos portos do sul
tto paqucte Iltimani:
Bernardino Mmteiro, loii da Pur ficajao, Bel-
chior R. do Albuquerque, Joa"o Rodrigues llama-
cett, A. <'.hal:ariij"re, Emilio Koler, Carlos Bitten
court J >3 J >se Pereira.
Sahiram para a Europa no mesmo vapor :
Miguel I*, yalnnta, Fraqciwo P. Gomes e um
e-cavo, Jk-.'- 0. (1- flat'o*, M::!ie! .irnaud, Paul
G Gaiilon, Manoel do Farias, Manoel de L8mos,
Manoel Rodrteues Fraga e um criado, Manoel Mar
q.i-s, A. da Veiga Castro, J. C. M. Marques, G.
Gampodonico e Um Brno.
Aqnelie partido
Icon viva radiftfrM
panqucto do Irdg/tisJ ; Toe ^iln&nicesse n'nma
Slerna cstaead, l!p) Jlip.p|a|tojil) |e si o movi-
iento incessanle da vida universal, seria em theoi
l'Ll o uaraioxu. dto pratioa o imuossfcrel. So uma
razao ouftrtia oonc*e a possibilidade de tal
existir.
Reconstrue-se dia a dia o Iransforma a propria
iflanimada materia. Uuanto mais o espiriD, cujo
'particular destiqo e um inces-ante elevat-se das
plaalcies para as snmmidades, pews Impiulsus ir-
resistiveis 4o trabalho e^sa asa bemfaz que ascende o homem as eipheras era procura
da perfeicao, que 6 o seu objectivo necessario por-
que 6 providencial! Quanlo mais o espirito po i-
tioo, de si mesmo variaYel segundo as diversas or-
dens de interes.-es que nascem e desappafceem na
voragem-daa neceisidades, tambem.nluda^'els, dos
povos e dos tempos !
Nao, o partido conservador nao e a negaclo do
progreseo e da liberdade. 0 proflreseo inedilado
e o seu phanal, a libenlude op^rtuna o coineJi-
da. unica prodQctiva, oseu gall.
Elle e a negacao, sim, do arrojo irrequielo e dos-
regrado quo nada edifjea e tudo abate ainda os
defeza
. euja
PARTE POLinCA
PMiTIII* C!\'ERV%lUit
RECIFE, 21 DE SOVEMBFiO DE- 1873.
A a PrwviuetM, organ liberal
O par till. deale nome IJue
Hie reatn faxer.
11
Na) 6 a immobilidsdo a missia contitncional do
partido conservador, nera poJo se! o dc partido
baluartes da civilisaclo.
Para dar testemunho do espirito bemfazejo e
progressivo do partido conservalor, basta volvor
os olhos para o nosso passado politico.
Abi eucontrarei'", alliado serapre aos priraeiros
padr5ea de protec^ao o adiaoiamento dos povos,
quer sob o ponto de v'sta do direito, quer sob o
ponto de vista propriaraenle politico, o n one desse
partido de tao illustros e benempritas tradicd-s.
Nao e pois de admirar, ant> deve receber-so
como prova de colwrencta digna de seu passado e
de seu future, que as gloriosas libeidndes cnitidas
nas reformas - de 7 do mar$a, devam a sua adopeaoa esse inlati-
gavel e coaauminado architecto dos noasos primei-
ros in inumentos polilicos.
A impreusa liberal que nem sempre se raostra
estreme de paixdes essas nuvens qtie obscure-
cein o sol da razao e do insiincto do justo o do ho
nest'), tem dado a alennha de usorpacao a
essas reformas. Ellas uerteocem a nossa ban-
deira grit.iiu os actuaes liberaes.
Ksla-se raelteiido polos olhos que o pirtido con-
servador dove ter um programma. Ora, podera
later parto desse programma, somunte porque a
esse partido peru-uco <-lla a consurvacao de e>-
cravidao, da organisa^o judicial e da guarda
nacional como exisiiam antes da reforma, a con
serva^ao d>' I is eleituracs ^ue s lico'-s de uoia
diuliirua experiencia teiu provado devereiu ser
modilicadas einal'eiiijao ao bem i-slar de hoje que
nao pode ser o Bein-estar de hontem, -pur terse
elevado, eoino e.'a natural, de hontem para hoje o
nivel da razao publica, isto e, das aspira^oes sj-
ciaes e dos partidos ?
Se assim fosse, seria o partido conservador im-
possivel ate" no seio de uma socie lade s>-rai bar-
bara. Os proprios selvageus, na seii lento rastejar,
caminham, edendo as leis impreteriveis quo regain
a indole do homem, para um estado lUidhor, com
pativel eum a humaua na'.ureza qne nao se dis-
tingue pea obcecacao d bruto, mas pela gradual
eldvacao moral do onto racional e livta.
Quem pode, em In a fd acreditar na existencia
de um partido que tenlia por lira, no seio de uma
sociedade culla, oopor-se de ollicio aos melbora-
mcnti'S uacionaes ?
E claraam com emphase, em torn de exprobra-
jao, os liberaes:
_ UsurpasieS a nossa bandcira. Eslas reformas
sao qossa-i, e ja que as aceitais implicitaineuteie-
conbe:eis que e liberal a siUacio o devcis deisar
o coverpo.
Do que vos admirais ?
Admira-vos qtie um partido regular, cm cujas
Dleiras se tem feito os vullos mais elevados da pa-
tria, se empenho polo eii:,'randeoimento desta ?
dmira-vos que a illdstracao e o patriotismo
pranovam salutares molhorias na legiflacao e lias
instiiuicoes que se alquebraram ao peso da ancia-
nidade e das corremes de ar da universal civili-
sacao?
Se assim i5, ser.i entio licito confessar que vos
admirais dos plienoumpos logicos do espirito hti-
inano esse brtl haute sue todo dia so la pi da c
c;ida vez brilha mais. .xegaodo a uma organisa-
cao polinca astendencias naturrfes da os,>ecie, a
vos mesraos vos negais.
Se o partido con>ervador acaba de realisar rc-
forinas quo dizeis pertancerem ao vosso pr-gram-
ma, apiiiau-o- o nao oond<)naua;ao duvia mcrecer
de vos um facto que denota que entre conserva-
doivs e liberaes no Brasil uao ha um abysno.
Esse facto revelaria sermafl todos irinaos se vd
por singular conlradicio difBcil dc entender, nao
atirasseis baldSea e nao declarasseis guerra de
morto a quem realisa ideas que dizeis tambem
vosas, mas que nao e vcrosimil o sojam, visto
sempie vos haverdes mostrado incapazes de rea-
lisal-as.
Ora, eutre um partido que realisa os votos da
opiniao e outro que os nao realisa, nao pode ser
duvidosa a oscolha, nem a primazia. Ainda mais :
entre aquelle que realisa esses o ajaeH'outro que
o conlrario so tem foito o que a razao allirma,
sem raedo do errar, e que o pnraeiro tem tornado
sem razao de ser o segundo. Um nartido que nao
cumpre o que proinette, e a negaclo de si pro-
prio, e um estorvo permaneate e importuno dian-
ie daquelle que quer viver e caminhar. por si e
pcla patrta.
Que rcsta ao partido liberal fazer, depnis de
trasladadas para as lels as p-incipaos aspira;5e
da opiniao, nao da opiniao liberal, mas da opiniao
social quo c. mprehonde lambem os volos da opi-
niao conseiv.olora ?
Que deve esperar, aleoi disso ijuand i a grita re-
puhlicana intriga as insiitinciVs fnndameutaes, a
nossa essenrial organisacao politica t
Sois inonarclit-tas, liberaes 1
Se sincerauieiue o sois, a vossa "conscicncia vos
dira o que iiocessaiiamentc deve succeder cm re-
lajao a dous partidos monarehistas defroale de um
terceiro que o nao 6.
E se um dos dous tera a sciencia do govcrno, a
discipliua, a longanimidade, as tradi.oes, o mais
acrisoia-In patriotismo, o mais exact) c inherimea-
to d >s fustuma jiublioos, a mats prova la o segura
consciencia das aspiragdes nacionaes, em loruo
desti devem agrupar se os caracteres sizudos e
independentes, como em torno do genuino palladia
da nossa honra e dos nossos nuis sagrados inte
resses.
Em que pe*e aos quo tudo esperam da divisio
c do retalhameuto inlo-lino,aabsorpcao hade pro
duzir-so. natural o ineviiavelmentc par um dos
dous extremes.
0 meio termo nogativo -o partido liberal, ha de
desapparecer, ou solicitadi) pefas relai;oes consan-
guineas politicas do paitido couervador, visto am-
bas parecereai quereras niesmas instiiuicoes fun-
damentaes, ou aitrahid > pelos [acos, nao sabemos
se digam is atBus, se espurios do pepublicanistno,
quo sediiz eo.no a vertigem do abysmn.
Nao, uao e a palavra da corrup;ao o que acaba
de caliir nos d-is bicos da p mna.
0* partidos surgtiin e submergora-se onsoante
as diversas ordens de inferesses'di tempo.
Elles tem o seu nascer, o sou viver e o seu sue
emillII m
Basta olhar para a nsa hi^toria pats conlieoor
qunto os nossos partidos setem transformado.
0 partido lihera actualmenie nao iem missao.
Seu programma, tanto quaalo era possivel, esta
reali>ado.
0 que 30 nao roalisou era o sonbo, o quo se
nao roali Cam offeito, um estudo mais detido da program-
ma liberal do 1868. aehara neHe aspin-.'d'M que
melhor caberiam n'om programma republicano,
dentro do qnal todas as \is8es podem apparecer
com feicao de possiveis realidades.
Podeia o partido liberal serchamado a conver-
ter em leis taes aspirates ?
E' preciso que o partido liberal seja franco, c
pro lira a sua ultima palavra.
Seu programma possivel, com uma imprensa
mult.cor e confusa, com a indisciplina cm suas Ii
l-iras ou antes asm ellas, e con generaes de vistas
oppostas eatre si, o pariido literal deixou de ser
um pariido, para convertrsc am confusa massa,
de informe feitio, da qual s6 uma poderosa iran--
fonaa.;4o, pcJerautilisar os ivsuutea aproveilavei-
molieculo-!.
Gomo se fara essa trapsformacao
,^ Sr. Pereira de Lucona, sem o niinlmo comhien-
jario, *lar* revola'r a ma li, ironia e ineptidao com
quo foi e;*TiP{u..
A questao ," *"ul*i. ., n
Trau-ie de uma adcflllclrj 6 a un
Correspopdente: ha coBsegnfalemeiite fac^.
existenoia se prova de um.iado. de outro se'nek^
se desclasaifieam e:n face da lei da terrene da c'rl-
minalidacie ou de sua auloria, se cxplicam. se ius-
tifieam, etc.
H i questao de direito tambem,- bias de direito
ponlivo, de lei appiieavel ou nao, no easo ocaur-
rente, o nesse terreno o articulisla n4o produzio
um so argumenlo ou razio que tenlia a minima
proccdencia.
Diz a Provincit quo a Sr. Lucena cbamou a" pa-
cipcae tnnoccnte liuniao do 16 -'sedicio, e cita os
arts, iji el 2 do codigo criminal, cuja explica-
Sao naa vai de accordo com o qua allogarara os
imeeoa-direatores do Glu> na-suS deauncia.
Opporemos a analyse da Provincia, o quo diz
a propria defeza-acerca do ponto qde tanta admi-
racao causou a sua genie.
A dete/a aventando a segainle questaoseen,
tambem illicito on mbem3edioioso o caracterda
reuniao do dia 16, a resolve prectsa e previilente-
menle, attribuindo a falsas e infundada* allegacSes
dos depunciantes, quepre(ehdUni.abrigar-ca dis-
posie*>- hoje tambem sem fnndamento pelos legistas da
Prowttcia.
Diza defeza :
* vffe,,em ac ba fe ousara negar quD tal reu-
niao wi illicita.
Os precedeutes da anterior (14) 6ns ainda mais
criminosos e attentatorjos da ordem e da autorida-
de publica, os seus exaliados pMmotores que ha:
irliifli'fBpresentado o primeir.- papal naqnelle ilia,
tudo isso seria bastanle para earacterisar essa reu-'
niao, -qaando nella se nao hoavesse ainda exlerna-
do o sen pensamento e tristes intuitos.
i 0 direito de reuniao tem o seu limite no art
283 uo codigo criminal que o julga illicito a quan-
rm se ri^inem tres ou mais pessoas com a intencjlo
de se ajudarera mntuamente para commetterem
algnm nelicto, ou para privarem illegatmente a al-
guem do goso ou exercicio da algum direito ou
dever.n
a Nps artigos seguintes o codigo sujeita os an-
tores drs=e crime 4 dispersao e a certas penas,
torn; ndo facultativa a custodia dos cabecas.
0art 112 do codigo, cltado na denun-iapara
:er a V. S. um
theatro'SiTtoYutonio no din 30 -
rente, cojo resultado V. S. applicari aoquo
julgar mais conveaiente. Espero quo V. S.
aceitar.1 este pequeno servirjo do quetn c
com estima de V. S. Atteuto, venerador
e obrigadiKimo, Vicente Ponies d'Olive'ira.
Recife, 18 de novembro de 1873.
Escada,
fundamenlar o direito de reuniSo a que os denun-
rlantes o io o elasterio la rlesordem e do crime,
exceplua do caracter sedicioso o ajuntamento do
povo des'irmtdn em ortMn, para o llm de repre-
sepiar as injuiticdi ceXaciJts c o mdo procedi-
mento dos empregndus publicos.
Nao se tratando d taes actos Je empregados
publicos, oartigo citadoda lei crimi-iil nao podia
ter inv.icad I pela denuneia para a qoesUo, mesmo
porqnh nan fundamenla a lupfmsta legalidade do
pro-'e iimento dos autores da reuniao de 16.
Ao coutrario se se pole lirar dessa disposicjio
nms illacao logica e natural, 6 qua se o inovinien-
to dn 16 constitui > sedicao ou tentativa della, os
seu* autores na> se poderiaoi valer da excepjao
do art. l'2do codigo.
0 movimento do dia 16 era snspeito fun lada-
mente de sedicioso, porque os seus autores e apa-
niguados em numero croscido eram os do dia 14.
que com facas, cacetes e pedias praticaram os
crimes doscriptose couilaiados pelos eorposdo de-
lictns, juntos por copia sob n. 1.
a 0 numero superior a 20 pesaaas e o trazer ar-
mas aio roquisitos da sedivao, prevista uo art. HI
do codigo.
0 ouiro requisiloj ve-se na ann'.tUacao do acto
que loueam/inlo preloadiam o- autares da reuniao
oom aexi>ul estada nesta capital eu liavia gaiantido por aclo
exprccso (documenlo n 7).
i E' vist i, porlanlo, quo piocuranJojustilkar se
e prevenioJo a defeza de seus acto?, os donun
ciantns reconbecem a natureza do ajuntamento de
16, ahrigando se ao arligo 112 dado, que nao flies
aproveila como exeepivio, por nao se tralar d in-
ju-tifas e vrxav-oesou m.io procedimento do em-
prpgados publicos c nao eslar provado que se
achassem elles desaniiados, sendo cerlo que mui-
tos tinham cacetes g qiii,-.i puuhaes e rewolvers, a
t'da snrte de projeetis liavia- sido empregada na
reuniao anioiior
E' smgulac. entrelanto, que inverlendo as po-
sicdas. e adulierando os facios, aproveilem os de-
minMantes us elementns de sua criminalidade para
bzfitJ} accusai;.;!o contra a jnellc que curaprio o
seKever, (irev. niudo q crime \
i o qu.' Jisse o Br. Lucena ipianto ao caracter"
SPiliciovo da natriotira reuniao de '6, qoe fez tan-
tos martinet n > nartido liberal desta provincia.
Se a autoridade pode empregar a forga para
desfazer o ajuntamento illicito (art. 290 do codigo
criminal) como violara as Nsquanio se tratar de
um easo como o do dia 161
E' forga convir que a defeza do Sr. Lucena 6
inaticavel.
Demonstra ella que o presi lenle da provincia
cumprlo rigomsdmeiite a seu dev.^r
A defeza ba do ser reproduzida na imprensa
desia provincia como foi publicada nada carte, o
nessa pega os facios sao expostus fiel o pcecisa-
mente, ealem de Bocumentos authentic is, ofOciaes
e das propria-* puDIicacOes da imprensa liberal.
0 primeiro tribunal do p.aiz ja jultrou soberana
mente a douancia c a defeza, a opiniao sensata da
provincia dara o verdadeiro valor as de^lama-
c/ies apaixqnadas dos apclogistas dos heroes do
dia 16.
:-;^0iMs Ptnm
Se tiforiiias teirip', talez avfiiioremos algnmss
i*as"so6re1(la lmpriairto e 'dofieafo
Km i das
ponto.
^uet'iia.
A 'lele/n 4 r
II
Gancluio hajs a Provinciacom o seu >cgonla c
ultimo arfjga, bob a epigrapho aci nfe," a arialys*
promcttida da defeza do digno o iltnsirado i
deofe desU provincia contra n eelebro denutina
d<. Clot) I'opnlar.
Ja respondemos ne=la eolamna o qua deviamag
acerca da primeira parte do arrazoado da Pr-1 in-
, digno da denuBcia dada.
Aos muito respcitavels Srs. mo-
z'atlorc*. na freguezia Antonio.
Teiilo oSr. Vioonte Pontos.cinprczario do
theatro do Santo Antonio se dignado offero-
cer-mo um booeficio para stir sen producto
applicciJo a algum molliorainento publico,
co,no so verd da muito lionrosa carta que
adi ante voi publicada. entenli que o dc que
mais necessitamos c o njardiiiamonto da
praca Pedro II, atitig.amenle chamada do
cullegio, e por esse rnolivo resolvi-mo a
oIlV;ri!cer o dito beueQcio a v6s, Srs. mora-
hlores da freg ie/in Antonio.
E' tempo, respeitaveis. Srs do dar um
vivo nspectn n essa praca, oondigno de nosso
esta lo do adiautamento e civilisaclo; ea n6s,
qu soilioinoi o desgosto de a vcr ainda coii-
vortiJa em deposito de cisco. compete fazer
um pequeno esforgo p.ira alii form.ir-se um
jardiin, um lugar de repouso para algum
to npo das noites cligiuosas, un recreio
e nliin pa^a tolos, erri vez do am esterqui-
lineo.
Esta praga 'j o contro das mais i.mportan-
tes rep articles publfcns, o cotco geral, as
tliesoururias ge^alo provincial, o arsenal do
goerra; a -noaiar parte dos advoga los teem
alii seus escriptorio? : a concurrencia e
muita a todas us horas do dia ; alum dfeso
e mui frequentada como lugac de embarque
e ilesembarque ; porconseguiote a todos m-
teressa um mrjlliorametito dtjstcs.
Sei'qdantd 6 pesa-lo O clionrge que pre-
ten lo timar, mas sei tambeu* quo naofal-
tain homens verdajpiramento amigos do
progresso ily sua p*pvincia, o que conhe-
cend a utiiidade dos mellioraiiioiitos raote-
rians, Difci mo deixarSo so a bra^as com as
dilfieut lades.
0 pequeno obolo df muitos sera bastanto
para levarmos a Muito o nosso inleuto.
Eis-me portanto pethiiilo o concurs) de
cada um, c espero ser: ecinhido por todos,
pois com uma pi^pWw quota obtem-^o um
granle bem e parp todos.
fJ program a a do especlaculo, quo aflirma
o Sr. Vicente, deve sjo motnor, o surd an-
u ..cSpO*rt-
Jirer r -..nostejorual,
Toma^ e sob aque/.'a epigraphe, uma eapew
aranzel, mal es.'udado e porcamento expre*-
so, com o qual o b^O autor, quem quer qae
seja, procura macula.r a reputagao do eu-
genboiro Galeno, levando de envolta o raeu
nome, sobre o que diz rC5poito d prmte
desta cidado. Pelo quo me toca, devo de-
^larar quo nao aceitaria o repio langado
,por essa anonytno, e couteatar-me-hia em
rir-me delle, seuao scntisse a injustica cla-
morosa, tao cobardemeutc pra tic ada cotn
aquelle digno empregado.
0 anonymo da ponte da Escada, que tera
erguido essa gritaria, por motivos talvcz
incoufessaveis, mal comprehende a'indigui-
dade do papol quo estd representando.
E' accusado o engeuheiro Galeuo de ter
feito comigo, nao sei quo neg>cio, pois ate
hoje, diz o denuuciauJe, fgnora-se na Escada
o que houve en(fe n6>. 0 cerlo e que,
continiia elle, toia a madeira substiluida,
mcluindo as esltvas, tornou-se pro^riedade
de Motto, que com cllas Ocou recebendo,
ao mesmo tempo, por cada estiva 10s>000.
Eis alu uma seria accusagao ; o m-gocio
e bem grave ; e poderia cotnprotnetier ao
cugenheiro, so isso nao fosse uma completa
mentira, so isso nao fosse uma formal
calumuia.
0 denuncianle anonymo p6 le objectar-
nos, que nos oorre o dever do provar que
6 Cdlumniosa essa denuneia, sob pena de
ttiar de pe" a accusagao.
Entenlo eu, porein, quo tal obrigagao
nao nos perteuce.
Se o dmunoiuide mascarado torn provas
que demonstrem a ver Jade do que allega,
porque as nao oxliiba em publico ? Porque
limita se a ac;usat", touto a mini, como ao
engenheiro Galeno, dendosei que conluio
occulto, sem alids apresentar um s6 docu-
mento coaqprobatorio do quo affirma ? Se.
como diz, e de todos sabi lo na Escada
osse negocio, nao ser-.lha-hia facilimo ad-
duzir qualqucr genero de prova neste sen-
tido f Certamente ; se a accusacao fosse
justa e razoavel ; mas, e iuiqua e baixa ;
ndo p6 lo portanto achar apoio uos homens
houestos o bem intenciouados.
iNao obstante o furor, com qtu se tem
buscado wranjar alguma cousa que sirva dc
prova, qual foi por exeniplb, o charnado
de um caboelf) que tinba sido meu oleiro,
para dizer se alguma vez as cstivas da ponte
serviram de I nlia em. minha olaria; ndo
obstante isso, nada conseguio o dununcianle.
Isto posto, me parece que nao temos,
n6s outros accusados, o dever do metier
pela bocca do caoque ladra, mas nao nos
morde, um tufo do provas, para obstarqtie
uos tVa qualquer mat.
Naoe mais do que este ou aquelle des-
peitado, loviono ou insensato, embucado
no anonyno vir em publico atacar com ca-
lumnias a moralidade allioia, sem firmar
se e;n facto algum, sem fundamentar o seu
ataque, e ir-se logo ao encontro delle com
tiradas de defeza, com uma carregacao de
doeumentias! Ora, osta soria galantel
E se assim pouco importdia accusagOes
deste quilate, crcio que ellas nao sao me-
nos improlicuas, pelo que toca ao en ro Galeno ; pois que ndo e concebivel que
uma denuneia de ineras p.abvras, da In por
um individuo sem nooic, possa inlluir na
opiniao publica e na opiniao do go-
verno. (Juem tem coragem de men
cionar, como prova, do conchavo entre
mini e Galeno a bospitali.lade quo com este
eu pratioava, o pr.iticaroi t das as vozes quo
me der elle essa honra ; quem tem seme-
llianto coragem, nao merece outra rcspos-
ta, so nao um rise de desdom com um pou-
co de compaixdo.
Aceito o Sr. Dr. denunciante, e
mais o sou velno a : igo que desta cidade
Hie i'ornece aponlamentos, os nossos embo-
ras ;continue em seu trabalho, que to.ii
ido muito bem :quoiemos ver o rcsto;
no final estd tudo.
Escaia, 18 do novembro do 1873.
Alexandre da Molla Canto.
IIS'SPECf-AO DO ARSENAL DE
MAIUNUA.
Fai-se publico que nesta data, a cojmaissao de
pcritos vistoriou os vapores Pirapama, Cvruripe e
Parahyba da corapanhia pernambucana de nave-
gacao cosleira, Camarogibt e Imperudor da com-
nanbia vigilante de reboque, e os julgou em esta-
do de pdderem os vapores continual- n<*|vic,
1 que se empregam.
Francisco Romano Stepple anta*

hrqieclan
"} ha 50VB
PKA5A DO RBCIFK .
DE 1873.
as 3 1/2 HOBAS DA TABD8.
CotncScs ofBciffrM

AlgorHode sorle 8li00.por.1STi]|u:. liuuleW-
Dilo de dita 8^3nO;por 1S kilos, hoje. -
Algod.o-de Goyanna f sorle 8^000 por '-'jjllrai
Dito-de dita sem iuspeo,5o ?#8P0 por 15 kilos,
'hoje. .6jR
Carabio sobra (cadres a UO djv. 84 |ij d r
do banco 26 3|8 d. por 14, hoje. i
Couros -salgados seeeos 577 rs. o kilj, !,.
DoDonreq
MkfileaV.
ijeal evd
aecreiarift. (
a
ve.adimepto do di a la 10. .
Idem do da 20 ...
6;jJ '... aiw
711:0*U79*
Descarregam hoje 21 de oorembaa
Barca hullandeza Elisubethe -(atracada) 'acrca-
dorias para alfandega.
Barca franceza -Fedelite inercadorias/para. aJ-
fandega.
Lugar inglez Constanca Wilson niereadorla?
para alfendega.
Uiate americapo Negretta-aaueUi j* despaclia-
das para o raes do Apulia
Brigue hollandez Wereldurger fariuha ja>das -
paciiada para o eae> do Apoita.
Escuna ingleza .Wane Lizzie bacalhao ja dps
pachado para o trapichc Conceitjao.
A51111 tie Florida da Hurray &
I -a 11111 an
N.ao e difficultoso dis'.inguir se a senhnra de de-
licado e refiuado gosto, pela qualidade dos perfu-
mes de que geralmeute usa.
Tanto as senhoras da moda com 1 as senhoritas
da America Central e do Sul, dao uma indispula-
vel preferenciaa -Agua Florida de Murrav e Lap
man -em lugar de qualquer an outro perfume
para 0 lenco ; e teip-se alerrado ao mesmo para
mais de vinte annos a esta parte, a custa do inteiro
e conipleto abandono d extracto do Lnbin, assim
como de muitos outros perfumes e essencias eu-
ropi-as, mais ou menos agradaveis, mas cm ne-
11 mm caso tao aromaticos 0 de proprio.la.les tao
suaveis e refrigorantes.
As nossas proprias beldades, sao hoje as primei
ra< a justificar a ajuiza la sedlenca passada pelo
publico da America do Sul, em favor desla riquis-
sima esseacia floral, a qual vegela e se propaga
pelo maud > inteiro aliiv.i c sem rival, adquirindo
continuadamenlo novos trinmphos.
)ESPACHOS DE EXPOItTu:AO MJHIi 19 DE
NaVEMIiaO DE 1871.
Para os porins do exterior.
Na barca ingleza Belli, para Livcrpoal,car-
regaram: M. Lathan k C. 100 saecas com 8,366
kilos de algodao.
No vapor inglez Lalunde, para Liverpool,
carregou : Claudio Dubeux i caixas louca, 1 Wr-
ril com 36 kilos defarinha de mandioca, S volu-
mes com laranjas e abacachis.
No pavio inglez Batetullia, para o Canai,
carregaram : J. Pa;er k 0. 700 saccs com Si.SUO
kilos de assucar mascavado.
No lugar inglez Beltree, para o Canal, carre-
garam : J. Pater & C. I, 00 saccos com 75,000
kilos de assuear mascavado.
Na barca ingleza Paragrro. para 0 Caaal,
carregaram: J. Pator k C. ,000 saccos corn
75,000 kilos de as No lugar francez Rio Crmde, iwa 0 Havre,
carregaram E. A. Burle 4 C. 1,000 couros wer-
des com 21.000 kilos.
Na barca portugueza Gratidao, para Lisbon.
carregaram : A. Duprat 200 saccos com 15,000
kilos de assucar mascavado ; A. Cordeiro 271 ctin-
ros salgados com 2.881 kilos.
I'arao Porto, na barca portugu za B.Mi-
f.oel II, carregaram : A. E. Canioss 20 pranchoes
de amarello ; F. A. Barbosa 100 saccos com
5,800 kilos de gomma.
No vapor inglez llim me, para LUboa, car-
regou: G. A. da Silva Papoula 210 abacachis.
Para os portos dn mi'ito'
Para 0 Rio Grande do Sul, no pavio nneional
tTniao, carregar.m : H. B. de Oliveira Junior 2
caixas com 50 abacachis ; Amorim lrmi is k C.
8*i0 saccos com 61.75U kilos de assuear branco, 6
barricas com -S35 l|5 dilos de dilo, e 2 ditas com
216 ditos de dito mascavado.
Para 0 Para, na barca partngueza Recife,
earrcgou : A. C.ordeiro 25o barricas com 17,35i
kilos-do assucar branco.
Para Macao, no hialo nacional A. dos Anjos,
earregkram : G. do Maltos lrmaos 2>:4Wfl*rts 2,i00 litres de aguardente
Parao Rid Grande do Sul. n> navio bra-i-
leiro Principe, carregou: A. M, Ma -hado Juni 1"
f'io barricas cim 55,4I! kids de assucar l;ranVa.
e 10 ditas com 1,157 dilos de dilo inas.wvado.
s P:.ra 0 Rio Grande do Sul, no pataeho fcra
ili'iro D. Francisca, carregou : F. It. Pinto 6hi-
mar.aes 30 pipas com 14,i00 litres de apuirdeWe.
Para o Bio do Janeiro, A. Cordeiro iOO saciiicjni
30,0.!O kilos de ns^ucar branco.
Para a Parahyba, na barcaca Feliz Saeiria-
ie, rarreijou : A. Cordtiro I barril com i litr s
de aguardente.
Para Macao, na barcaca Jodo Viille, carro
garam : J. F. Braga 9 barricas com G36 kilos Be
assucar branco; B. J. Pereira i Irmito 3 ditas ci ,
180 ditos de dito ; Faria & Filho 1 volants cimi
16 litros de aguardeute.
Para a Villa da Penha, ns barcaca Unijio.
earn garam : B F. GuimarSes 1 barrica comOj'
kilo- dc a com 120 ditos de dito relinado.
Para Mossoro, na barcaca A tide, carregou :
A. da S. Campos 1 pipa com '490 hires de guar-
deute.
Para \Iag as, na barcaca Vencza, carreaa-
ram : Neves Irmao & C. 1 barrica corn 60 kilos
de assucar refiuado.
^Mfcf d*S Utayrm rmoo mmtcso.
Dim. Sr, Dr. Pedro d'Athayde I/abo Atos-
cos 1. ApFeoiando tlcviilamonte os esforgos
que tem feito V. S. pqra levar a realidadc
melhftrainentns que teem por fim aformosear
esta, nossa cj^^u 0 d#aaiaa.lo >ue V. S.
c .>ti(^H ^BtanJBMfto util, tomo
MUTILADO
Olea puro uiodicinal de fi^ado
fie bacalhao, dc lianuian vV
Kemp
Uma tosse p.-rtinaz e faligadora que do vez em
quando arranca sangue. com dor c oppressao no
peito, pulso alterado e ft-bril, exlraordiuario rubnr
ou vermelhidio das faces, suires nocturnes, ma-
sreza e debilidade crescente, annunciaua ao doen-
te pbtysica, que a saa vida so acha em pcrigo. Os
anodynos, o expectorantes, os tonicos e xarop-s,
e alii mesmo aimudanca de ares, sao geralmente
em vao.
Ahandone, p )is, 0 doente todos esses meios pa-
h'ativos, 0 expTimenle n oleo puro medicinal de
ligado de bacalaao, de Lanmau A Kemp E' uma
pceparacio preciosa da uaica ccusa ipie a experi-
encia tem demm-tiado, quo se pode cm todos ns
C'isos depen ler e conQar d'ella; 0 os seus bons
a eitas nunca falha 1. 0 o)eudeflgarJo de liacalaa 1,
limpido 0 puro, ii 0 remedio mais poderosa e elli-
caz para as eiifermidaik-s dna puluiue-., garganta e
bofes.de iKiant)Sse teem descoberto ate agora.
Depositai pi is inli ira i& nolle e expermepui-u sem
susto. Pordm uao vo; e-.pae.'.ais de |. d.r a prepa-
raf-to unica 0 ver.ladnira le Caniuan ^ Kemp;
porque 0 ruereadj iufdizmente acha-se imnidad.i
do composicuo< fraiiduleatas em si ii, nas como
inuteis. Examine se pois-o letreiro 0 a c.a ia afim
qus pessas ver a marca commercial da casa
Para todos.
A casa mortuaria do Paula & Mufra con-
tiniia a bem servir ao publico, em q mulus
swus pPoprielarios on sa deferidos no rr-
.carso quo intcrpdein an cou%dno
iooutra o mpnopulu) ennoo."
sdo a cantento indumms
:- B- Dafll^Kfeguuin
CaPATAZlA Da ALFANDEfiA
Roodimento dr. dia 1 a 19 i.1: Ifi8l.lt I
dem do dia 20..... 873i090
VOLUMES SAHW)0S
Do dia la 19.
Dia 20
Jnmeira porta
*egunda porta .
Tbrceira porta .
Quarta porta .
fiipicbe Conc?i?ar.
SERVICO MARITIMt)
vlvarengas descarregada? n>". trapkha
alfandega do dia 1 a 19'
Dia 20. '
Sawas atracados no trap, oa alfacic-gs
Uo trapiche Conceicio
Xavio atracado .._...

tECEBEDOHIA DE
RAES DE
iendimonlo do dia 1 a 19.
dam do dia 20
HENDAS 1NTERNAS
PERNAMBUCO "
41 728*
2:017-
i'i
41
1
<
4V
GK-
W
)XSULATfi
COXSULAliO PROVINCIAL
iendimeato do dia 1 a 19 55:73i'iJI7
Idam no dia 20 ..... l'2!2*3Gi
Oi
6:917^81
-----------------
R<:iFE
rtondimtplo do dia 19.
!dera do dia 30. .
DRAINAGE.
r:ul6*07i
1:W.
"mi:
invMvii n n.m
i u
M.
Kavfo entrado noJ|
Valparnizo e |) rtos intor,i
sendo <1o oltimo porto
IUimai, de 2.579. toad!
dante J. V. Uall, equipagetn 11
tos goueios; a Wilson R
Nnviot xnh&na no mesmo dia.
do do Sul -Brigue ora


Otono de Ptonuuatawu Sexta fein. 21 de NoVenibro de iilH

*
capitao Joaquim
assncar.
Rio Granie do Ncte Eseuna ingleza Per-
severance, capitito Lamb, cm lustra.
Liverpool e pmos intermediosVapor in
glez. Ulimani, commandanle Hall, carga a
mosma que trouxe dos portos dosul.
LiverpoolVapor inglez Laland, com.nan-
dame O. William, carga algodao o outros
gooeros.
01 strvac&o. ^
Suspendeo do laoiarao para o Rio Gran-
da do'Aorta, a b.irca I'ranceza Verone Col-
let, capitao Pemont, com o raosmo (astro
quo trouxe do Rio de Janeiro.
Idem^ara Parahyba bngu. ^ Ther_
muJhis, capitto I*. ^K;uSon, comtt0 mesrao
.JJpj^ *^'e ?*vUXO do Rio de .1 neiro.
5dom para Macejo, brigue ingle* Nora,
capitao J. Tosteven. carga a mcsma que
trouxe da Una da Boa-Vista.

I dito cm* ditas de tranca e batoadlnhos por I J.
5 manias do gase para peseoco a I*.
1 panno de crochet fpara cadeira por tj.
47 metros do setun de eores a it.OX
1 corpinho de sotim branco para senhora em
mao estado por 14.
6 Jit'- do eombraia a 24.
I porta charutas de madeira por 64.
19 diademas de metal a 500 rs.
10 duriss de meias para meofnoi a if
12 caixas corn elastwos aroraaticgs is.
t violao por 5*.
I handeja por i4.
Somma total 2:4124360; a--'lloraclos po;. ..
2JJ?* Matorin,, B--oS() lle Moll0( cr ^
Rem.g.o de ** ll(,!U.ri,uc.,
"* havendo lancador q>ioie*>a v, prrco da
avaiiacAo. a nrrematacao sera f ^ ^ ,^:, aa
adjudicae.ao na forma da lei.
E ara que chegue ao ^mhecimeirt > th tod.es
mandei passar o presep; ediul que set* pifliK-
cado pela impreusa t, affixado os lugares do cos-
tume.
Eu, Manoel iiaria Rodrigues do Nascimeate,
escrivao, o subscrevi.
Recife 19 de novembro de 1873.
' nit Ferrtira Mactrt Pinlwro.
2
Ur de 9 de folho a 31 de agosto de ltft&
Secretaria da thesouraria de fattnda de Per- >
nambuco, 16 de novembro de W73.
O secretario da l^,.
SANTA CA*> oAll^EUtjORDlA IK)
J RfiCIPK.
. alma. Junta admiDiicrativa da santa casa da
EDITAES.
0 Dr. Luis Ferreira Maciel Pinheiro, juix
substitute do jut20 especial do commercio
nesta cidade do Recife, capital da provin-
cia da Pernambuco, por Sua Magestade o
Imperador, que Deus guar-le, etc.
F*ea saber aos que o presente edital virern e
deMo noiieia tiverem que no dia 4 de dezembro do
correute anno, se ha de arrematar por venda a
<(aea mail *e.r em praca publica deste jutzo de-
eois da referida auliencia. a arrematacao ds oi>
jec*os e mercadorias exisientes na k^a do miude-
zas de moda a rua do Oarao da Vietoiia n. Go,
o segniote :
t armacao de amarello, envernisada e envtdra
^}da, com uqj mi-trador, dou* balcees e caodiei-
to a'gaz, por iO0*':0O. .
1 flteiro de dito liti> com tres gavetas por oOi.
1 dito dito, por 80*000.
1 armacao de ferro c vidro, or 38*000.
1 imesa de pinlw com pes de amareljo tornea-
1 dita oe amarello com duan gavetas, per 2*.
i banquinba de dito, porr 3*.
1 cabiJe, por 3*.
4 portas chapens, a 1*000.
1 espelbo por 6*.
5 cadeiras de fail a 3*.
1 mochode pao por t*.
1 macbina de ferro por 40*.
t abridores de luvas a 500 r?.
1 panuo para vidraca por 5*.
1 relogio de narede quebrado por 5*.
1 repetidor de dito por 3*.
23 enfeites de metal dourado a 1 *200.
3 almofadas de setim a 500 rs.
13 pares de gramoos pretos de vidro a 600 rs.
10 diademas de dito aznl a 500 rs.
2 aderecos de dito a 1 (300
i pares de brineos ditos dims a 400 rs.
G alOaetes pretos ditos ditos a 500 rs.
3 gargantilhas protas de cuntas a GOO rs.
5i ditas de Contas encarnaJas a O'l rs.
2 ditai d< perolas branca ordinarias a 560 rs.
2 pares de puliviras de contas encarnadas a
GOOrs.
6 pares de brineos de cores a 500 rs.
6 poit-monay d>! metal a 2o0 rs.
2i pares de botdos de metal para punhos a 200 r.
1 boneca por I*.
12 calungas de borracha a 200 rs.
8 duzias de collennhos para nomem a 4*.
13 carretcis com retroz de cores a 600 rs.
1 qoarta de retroz preto por 1*.
0 cartdes com diversas tlores em mao estado
por 10*000.
1 vestido de blond t>ranco por 30*.
1 v6o com capella por 10*.
3 veos brancos a 8*.
2 ditos ditos a 31.
4 ditos biancos em mao estado a 500 rs.
3 djtos pretos de filo a 3*.
3 manteletes dims d ditu a 25.
2 dilos ditos ditos de dito a 2*.
6 vestuario- de cantbraia o de fus'.ao para bap-
tisadosa 10*.
8 ditos de la do cores para meninos a 3*.
11 ditos do fosiaO branco e de c res para ditos
a 2*500.
1 dito de dito por 5*.
20 metros do filo de sedi braoca a 1*300.
193 ditos do gaso li-o do iwrea a 1*.
116 litos do dito com li 29 ditos de fazenda d.' 15 di dillercntes padroes
a 800 rs.
45 ditos de sotineta do diversas cores a 1*,
13 ditos de seda a I *.
18 ditos de dito pi eta lavrada a liO0.
5 metros de filo de seda a 800 rs.
7 peitos de camisa para limnem a 15-
\ camisa bordada para dito por M.
62 jardas de filo do linbo liso a 600 rs.
29 ditas de cambraia para forro a 300 rs.
8 metros do guipure preto a 200 rs.
37 chapeos de seda e palna para senbora e me-
nina a 3*.
9 ditos de palha por enfeitar a I*.
44 annacOes para ditos a 320 rs.
20 chapeos para baptisados de meninos a 13200.
4 dilos ditos inferior's a 800 rs.
13 toucas de filo a I i.
2 espariilhos pura senhora a 33
1 bolca de marroquim verde para senhora, 4*
7 pares &i ligas de soda com barracha a l*o00.
2 cintos de seda com lacos grandes a 4*000.
3 ditos de couro a 2*.
1 dito de soda por t *
_ 47 lafos para peito a 500 rs.
6 cintos com lacos eslreilos a 500 is.
4 gotlas d cambraia e filo a 80 7 ditas de filo de seda o bicco a 600 rs.
43 ditas de cambraia bordadas com punhos a
6C0 rs.
1 dita o I par de punhos de gros preto por 23-
4 pares de collarinhos e punhos bordaJos para
senhora a 13300.
IS leques a .'Is.
7 pares de luvas d^; pellici branca para senhora
a 1*000.
8 ditas de ditas de cores KO rs.
3 ditos do ditas de fio da Escocia para homera
a St>0 rs.
2 mantas do seda para dito a I i.
3^ gravat is J.; dita pretas para dito a 5*.
SO ditas de cures para dito em mao estado a
200 rs.
7 ditas de seda br.inca para dito a 1*.
33 ditas de cambraia dita para dito a 600 rs.
3 cooues a 2*
ii eofeites de cabelio para senhora a 3*.
4 cfeseente cle dito p:.r i*.
15 redes de vidriiho para '-oques a 240 rs.
5 ditas de seda para dito a 14.
7 chapeos do sol de seda para senhora a 4*.
6 1(2 grozas do botoesgie seda para senhora
*** ^* ^
19 metros de correntaa pretaft de borracha
609 n.
132 enrrentes de chana a ;>00 rs.
27 plumas para enfeites de chapeo a 2i"0 rs.
1 par de c- iiuitos por 1*.
% vasos com pos le arroz a 1 3500.
7 vasos com pos de arrox a 1*.
16 frascos com perfumarias a 300 rs.
12 di:os formando uvas por I*.
20 latas com banha a 100 rs.
6 paos om poinada deteriorada p>r 10 r.
27 sabouetes a I'O rs.
16 pentes de traves-a 200 rj
1 esceva para chapeo por 13.
i tapete pequeno por 3*.
39 pegas de enirwneios bnrdados a 600 rs.
32 ditas de babadi.s dtos a 8 0 rs.
1' dita diu de bico de blond branco por 4*.
19 .metros do dito dito dito a 200 rs.l
US p& as de dito de lin' o preto a 2*.
i porcio de dito dito em retalhos por 10*.
1 e rtio com rctaihos do bico de seda e de
Jinho branch p>r 6*. .
5 peeas do 11 ta do borracha branca a 400 rs.
2 pecan de dita para debrum a 400 rs.
J* metres de dita de seda de diversas largoras
a WOrs.
10 pecas de dita de veiiu-jo idem a 800 rs.
1 p-rcao 4e wlalhos de seda por 2*.
1 cartlo com retalhos de fila p*ir if.
SO metr.is-de fr c> de seda a 200 rs.
53 ditos de l.-aoga de seda a 400 rs.
S peeas d- d
54 ditos dc gal* 10 rs.
H ditas de ca. 4 ditss de
T 15 metros deli
t cartao com
freta por 2*.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacerda,
juiz de direito especial do rommercro nes-
ta cidade do Recife de Pernambuco, por
8. M. o Imperador, a quem Deus guarde,
etc. .
Fbqo saber aos que o presente edital vi-
rern, e dello noticia tire.n, que no dia 4
de dezembro do corrente anno, se ha do ar-
rematar por venda, a quem mais der, em
praca publica deste juizo, depots da respecti'
va audiencia, o seguinte : t
Quinze pipas do vinho branco, marca
Privat, avaliada por 150*000 cada pipa,
as quaes foram penhoradas por execu^io de
Joaquim Severiano Noguwra, por si e como
administrador de sua mulher, contra Tas-
so lrmao. *
E nao havendo lancador que cubra o pre-
50 da avaliacSo. a arrematacao sera feita
pelo preco da adjudicacio, na forma da
E para que chegue ao. conhecirnento de
todos, mandei passar o presente edital, que
serf affixado nos lugares do costume e pu-
blicado pela imprensa.
Recife, 19 tie novembro do 1873.
Bu, Mnoel Maria Rodrigues do Nasci-
mento, escrivao o subscrevi
Recife, 19 de novembro de 1873.
Sebastiao do Rego Bam.s de Lacerda.
j Mlsericr*a *> Recife, manda fMer puMico que
1 na sata de sum -vessftes, 110 dia 10 de aovtmibro
pelas 3 horas da tarde, tern d aer arrentaudas a
quem mats vap^gens otterccef, llo tempo de am
tr s awios, #9 rondas dos prodios -em soguida
ieclarados.
SSTVBBLEClMBN'tOS DE CARIDADE
fina -Ac Hortas
Lojb do si.brade n. M.....31)6*000
km d Viracao
Casa icirea n. 7. 2 312*000
Cwco Ponlas
Casaierrea a. 70 ..." talMM
Ifavessa de S. Jose.
Casa tcrrea n. !.......201*000
Beceo do Abreu
Sobrado de 4 andares n. 2. 180*000
Fua da Gloria
Casa terrea u. 93.......- 180*000
PATR1MOMO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla welha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Beias.
Sobrado a. 18 .......&1*000
Rua da tJraz
Sobrado n. 14....... 1:000*090
Sobrado n. 30......800*000
Rua da Mad re de Deos
Casa terrea n. 2.......* 300*006
Rua da Casa terrea n 25.......200*000
Ruo da Pilar.
Casa terrea n. 98.......i4,9ilS
Casatereei n. 99.......3S'*92x
Idem n. 10-.........8i"!5
Idem d. 102 ........241*00"
Idem n. 108.......207*000
Rua do Rosaris da Boa Vista
Case terrea n. 08.......245*000
Os preiendentos dever'o aproseatar no acto da
arrematacao as suas ftancas, ou comparecerera
won panhadits dos respectivos liadores, deyendo
pagar alom da renda, 0 pfemio da quantia em
que for seguro o predio quo contiver estabeleci-
mento commercial, assim como o sorvico da lim-
peza e precos dos apparelbos.
Socretana da santa casa da misericordia do Re-
cife, 5 de novembro de i873.
O escrivao
Pedro Rodrifues ie Souza.______
THE/VTRO I
Santo Antonio
EMPREZA^ICEiWE.
Quarta-feira 26 do corrente.
Uenvflciu do actor
Peea em 4 actos. nrnada do musica :
RecordacOes da mocidade
0 b- neficia 1o fara o papel de Manrisset
Importanle comedia em 1 acto:
HAs tcntacocs
0 programma sera puUirado na segunda-feira.
O benetlclado reeebe encoinmendas desde ja.
4VIS0S MARITIMOS.
0 Dr. Sebastiao do Rego Barros de Lacer-
da, juz do direito especial do commer-
cio, nesta cidade do Recife de Pernam-
buco, por S. M. I., etc.
Faro saber que a 20 de dezembro do corrente
anno,* as 11 horas da manna, na s;da das audien-
cias. devera icr lugar a reuniao dos credores da
massa fallida de Joaquin. Ferreira Lobo para se
veriucaretn os creditos, formar-se o contrato de
uniao, e noinear-so administradores a dita massa,
certos os credores de que nao serao admit.ido-
por procurador sem que este exhiba prucuracAo
especial, a qual nio podera ser conferida a devo-
dor dos fallidos, nao podendo outro sim um so in-
dividuo representar or dous divcrsos credores, e
que sera havido o credor que nao comparecor
como adherente as resolugoes que toraar a maio-
ria de votos dos credores que comparecerem.
E para que chegue ao conheciiuento de todos
mandei fazer o presente edital, que sera affixado
nos lugares do co.-tume e pubheado pelos jornaes
Dado e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 19 dias do mez de novembro do
1873. Eu, Ernesto Silva, escrivao, o subscrevi.
Sebastiao do Rego Bair-s de Lacerdi.
Ao.sello 300 reis.-V. S. S. ex-cansa.Barros
de Lacerda. _____ ____________
Edital n. 96
Pela inspectoria da alfandega se faz puhlico que
achando se as murcad.Tia* abaixo declaradas, no
caso de sercm nrrematadas para consumi', nos ter-
m-'s do arligo 3< 0 3 do regulamento os seus
don is uu conignasarios deverao despacha-las no
prazo do 10 dias, sub pena do tin elle, serem
vendidas por sua conta, sem que lhes flque com-
peiindo allegar cont'a os effeitos desta venda.
Trapiche Conceicao
Marca estreila127 canaslras com alhos, vindas
do Porto na barca portugueza Yenced ra, desear-
regadas em 16 da juliio do corrento anno.
Item T '' I ditas ditos idem idem.
Idem JCS -35 ditas ditos idem idem,
Idem A :S 63 ditas dilos idem idem.
Idem X-3d ditas ditos idem na barca portu-
gueza .Yota Sympathia, descarn gadas em 12 de
agosto proximo passado.
Sem maica 116 ditas ditos idem idem.
Marca SX J50 ditas ditos idem no vapor por-
tuguez Julio Dinii. descarregadas <_m 23 do mes-
mo mez do agosto
Idem T -l 16 ditas ditos idem idem.
Idem C 197 ditas ditos idem idem.
Idem M --50 ditas ditos idem idem.
Idem A 130 ditas ditos idem idem.
Alfandega do Pernambuco, 20 de novembro de
1873.
0 inspector
_____________FabioA.deCarvalho Reis.
Edital n. 97
Pela inspectoria da alfandega se faz publijo, que
as II horas da inanha do dia 21"do curenlo se ha
do anematar na porta desta reparticao 4,007 kilos
de sal commam, avaliados por 40j070, apprehen-
didos no dia 17 do corrente, visto ser a relcrida
mercadoria sujeita a damnificacao.
Alfandega de Pernambuco, 20 dc novembro de
1873.
0 inspector,
Fa Wo A. de Carvalho Reis.
De ordem do IHm. Sr. inspector da Ihesou-
raria de fazenda desta provincia se faz pnblieo
para conhecimenjo das interessados, que u tribu-
nal do tuesonro autonsou o pagamento de dividat
de exercicios, .-ujos credares sao os segnimes :
Clarindo Jose So-res 171*900
Francisco Gomes da SHca 179*400
Jose -'arqnes de Horaes 7*260
Jose Benedict.! dos Sastos 171*600
Jose Vicente Ferreira 425*700
Josino Adeltrudes Jayme da Silva 144*000
Luiz Jose Carolino 183*4*6
Manoel lose dos Santos 246*420
Manoel Mmplicio Correia Leal 71*397
Pedro Simoes da Silva 149*5*0
Pedro AfTonso de Mello 127*41!)
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambuco, 18 de novembro de 1873
i) secretario da junta
Jeznino Rodrigues Cardoso.
Perante a camara municipal desta cidade,
estarao novamente em hasta publics, com o abate
da quinta pane nos dias 20 e 27 do corrente. pa-
ra serem arromalados por tempo de um anno os
impostos do eapim de planta por 507**00, e 320
rs. por carga de peixe exposto a venda no mer-
cado publico por 12*000 ; e sem abate os 60 rs.
por pe de coqueiro de prodnccio, exceptuados dez
pes para uso do propnetario por l:002*<00.
Os pretendentes deverao comparecer com seus
fiadores habilitados na forma da lei.
Paco da camara municipal do Olinda, 13 do
novembro de i873.
Barao deTacaruna,
Presidente.
Marcolino Dias de Araujo.
___________________Secretario.____________
Sociedade Bcneliceole dos Ttpo-
flTOlns eai Pei'inrnbii *o.
Do ordem do presidente desta so-.iedjde sao
convidados todos os seus membros para compa-
recerem a sessio quo tera lugar no dia 23"do cor-
rente, as 10 horas da noite, na casa do costume.
afim de eleger-se um novo presidente provisorio.
Sala das sessoes, 20 do novembro de 1873.
0 I.* secretario,
Belmiro Ferreira da Foncecu Cadaval.
Corpode policia
Dc ordem do Illra. Sr. tenento coronel fa

blico que o fornecimento de cal;ado e fardamento,
annunciado |iara o dia 24 dj corrento, fica adiado,
aflm' de ser feito na thesouraria provincial, de
conformilade com o novo regulameuto deste
corpo.
Secretaria do coramindo do corpo de policia em
19 de novembro de 1873.
0 secretario
Jose Geraldo de Lima.
CIAMH1K RE A
UmipjinWa Franceza de Na\git
00 a vapor
Linha mmsal entre o
Havre, Lisbon, Pernambuco, Rio dc
.lanriro, (.Santos, somrnle na rol-
. la ) Montevideo, BuenosAyres,
(coin kmldeacao para o Rosario)
STEAMER
VILLE DERIO E JANEIRO
Coiuiuandante. Floury
K esperado da Europa, ate 22 do corrente, se
guindo depots da demora precisa, para os port
do snl de sua escala.
Relativamente a firetes, encommendas, passagei-
ros, para os quaes tern excellentes acommoda<;5es
por precos reduzidos : trata-se cam
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D')LIvEIRA 4 C.
42Rua doCommerctoEntrada pela rua
do Torres.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
DavegacSo costeira a vapor.
MAMAKGUAPE.
0 vapor Coruripe, com-
mandante Santos, seguira pars
o porto acima no dia 28 dc
corrente, as 5 horas da tarde
Reeebe carga, encommen-
das, passageiros e dinheiroa
frete at6 as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Mattos n. 12._________
- COMPANHIA PERNAMBOCANA
DE
TVavegacao cowtelra a vapar.
MAGCIO, ESCALAS E PEWEPO.
O vapor Giqiiid,
cotnmandante Martins
segnira psra os por
tos acima no dia 29
do rorrente, as C
horas da tarde.
Reeebe' carga ate o dia 27 do corrento, cneotn-
mendas at6 o dia 28, passageiros e dinheiro a fre-
te ate as 9 boras da tarde do dia da cjhida :
sscriptorio no Porte do Mat tos n. It.
Para o Aracaty sahe nestes ifias o hiate Ma-
ria Ameli-i, capilao Francisco Thomaz de *Kis,
tern parte do sen carregamcoto cngajalo, j-.nra o
resto qua Hie falta, trata-so com Aifloaiu Alberto
do Souza Aguiar, a rna do Amotlm ri. u\
COMPANHIA PERNAMBUC4NA
DB
!Vavegaeita cosUsIra a vapor.
fARAHTBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARAC*-
TV, CJKARA, MANDAUU, E ACAHACO'.
D vapor Ipojuca.
eofnm;jdante Moura.
segnira para os por
tes acima no dia 29
do corrente, as 5 bo
ras da tarde.
Reeebe carga ate* o dia 27 do corrente, encom-
mendas ate o dia 28, pasiagens e dinheiro a frete
ate as 2 boras da tarde do dia da sahida : es-
criptorio no For< dc Mattos n. It
PiTKHO
D. FHAMIISf,!.
Para o Rio de Janeiro pretende seguir com
poaca demora por ter dous tercos de sen carre-
^amento engajado e para o resto que I he falla,
trata-se com os consignatarios Joaqnim Jose Gon
calves Beltrao Filho a rua do Commercio n."5.
Para oRio Grande do Sul
sahira brevomente a escuna portaguoza Aguta ;
para carga e passageiros trata-se coin E. R. Ra-
bello & C., rna do Commercio n. 48.
Casa de peohores
Xadia 4 do corrento se &r^ If.iSo, porinar-
^-eacaodoasente vrtn, dos penboraa taav
tes das c^tellas al*>> oeCteradss Os donos da-
cautel'a* pndem lusfata-las e reforma-las ale
ado do leilao na trarewa das Cruzcs D. t.
N*. :J8. I04S, (>. i"*, ll-i t*. 1M0,
4331. 1*38, 1*83, 1420, 1411, >, IW, 500,
l.>*8, 1310, 15. I.1SS, 1804, ,
1659, 1673, 4633, 170'.), I71R 1733,
t7U. 1740, 77-l, *7itt. IW, ltu8>
18iO, 1812, 1861, 1W>8, !*. 1897,
1987, 20i7. -010, 20:-, 2044,
2094, 2129. 2i:t8. 2141. JU3,
2184,2192, MOS, 2207, 2S13,
2231, 2232, 2219. 2254, i,
2277. 2296, 232, 3ti, 2331,
2171. 2372, 2381, 2391. 2390,
, 2412.2421, 242S, 2>2* Hto,
24S6, 2448. 2449,24*4,2.66,2460,
*77, 2478. 2481, 2-82. 2485, 2486,
vaus, vm.
MK18,. 16 P,
17S5, 1739.
1832. 1885,
1913, m\
2030, Sttil.
*i44, 2163,
2219, 2221, 2229,
2264, 2270. 2275,
2365, 2368,
2402, 3403,
244:
IMG,
2078.
2 77,
23.2,
2397.
2441,
S474.
2487,
2517,
2567.
247b,
J493, 2498, 249, 2302, 2503, 2500, 2513,
2523, 2531, 2536. 2554, 2537,25.9, 2580,
2570, 2571, 258i. 2i85. 2593, 2398, 2600.
Cantellas B. Ns. 10 B, 25, 29. 40, 53. 84. 7,
91, 142, |2, 170,171. 194,208, 2l2,220,St,
223, 227, 233. 234, 27:1, 335, 371, 375, 417,4,
477, 499, 04, 515. 547. 569, 5T7, ?81. 594,
599, 592, 620, 633, 651, 657,66 687, ffl
728, 739, nn, 7'.2, 745, 746, 758, 731, 751 OT,
760, 761, 763, 767, 769, 771, 781, 785, 790jr80,
806, 807, 810, 812,815 8.7 822. 823, 8, *,
840. 842, 8;.o, S64, 882, 886, 8na, 889, 882,897.
Para Lisboa
sognira com brevidade o brigue portugnez Bella
Figueirense; para carga e passageiros trata se
com E R. Rabeilo 4 C, rna do Commercio ca-
mera 48.
Real companhia de paquete^
inglezes a vapor.
Ate o dia 27 do corrente, espera-so da F.uropa
o vapor inglez Keoa, commandanle H. Ras, o qu?l
depois da demora do costume seguira para Bue-
nos-Ayres, tocando nos portos da Babia, Rio do Ja-
neiro e Montevideo.
No dia 28 do corrente, espera-so dos portos do
sul o vapor inglez Douro, commandanle Thwaites,
o qnal depois da demora do costume, seguira
para Southampton, tocando nos portos de S. Vi-
cente e Lisboa.
Para fretes, passagens, etc., trata-se na agenda,
rua do Commercio n. 40.
Para Lisboa
seguira brevemente a barca pottngueza GrcUidio,
para cargi o passageiros trala se iom E. R. Ra
bello A C, rua do commercio n. 48
DE
10 duzias do rnoito aore.lita.lo licflr hes-
pereilioa
0 agenle DI.VS, autorisado, vendera em leilao as
10 mencior.adC3 duzias de hesperedina
TERfA-FKIUV 25 DO CORRENTE
is 10 horas em ponto
No sou escriptorio. a ma do atari]ucz Je Olinda
n. 37, primelro andar.
Agente Dibs
LEHAO
DE
tiiversus moveis
Consolos, mesa do mei de sala com tampos as
pedra. Was, guarda-vedidos, guarda-ronpa,
guarda lonca, aparadores, commodas, lavato-
rios, cadeiras americanas cama franceza com
colchao, banheiros, nipsas de jngo, travesseiros
bordado* para sofas, jarros para flores, costu-
reiras, caslicaes o salvas de metal lino, e moi
tos outros objectos de casa de familia e uso do
mestico ; tudo em perfeito estado
'IViq^-feira 25 oo corrente
0 agente DIAS fara leilao dos objectos acima
mencionados e por conta e risco de quem perten
cer, no seu escriptorio, a rua do Marquez de Olin-
da n. 37, primeiro andar.
Agente Dias
Agente Dias
ass
!-H^
ttciAARACOES.
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A j;mta administrativa da Santa Casa de Mise
ricordia do Recife, : mpetentemente autorisada
pela prosidencia, em data de 3 do setetnbro do
anno proximo findo, e de conformidade com o que
dispOs o 9. art. 52 do seu xovft romisso. per-
nnta nor apoliees da divida publica a fazenda de
criar gados que possue o patrimonio dos esta
belccimentos dc caridade a seu cargo denomina
da Carnauba sita ne termo de Flores desta
provincia, com terrenes para criar e plantar, e
com algum gado c ivallar e vaccum.
Rec-be para isto propostas nesta secretaria ate
o dia 10 de dezembro do corrente anno.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
si fe, 10 do outubro do 1873.
0 escrivao,
________________Pedro Rodrignts de Souza.
Corpo de policia.
Dc ordem do Illm. Sr. teuente coronel ciniman
dante, faco publico que, o corpo contnta 8lH) far-
damenlos de panno azul ( bond, farda cal a ) e
1,600 ditos de bnm (blosa do hnm pardo <- calca
de brim branco traucad'>) e I.60J pares de bane-
guins do couro de bezerro francez. A's 11 horas
do dia 24 do corrente recebem-se propr-stas era
carta fechada na secretaria do mesrao corpo.
Sec-etaria do commando do corpo de policia,
em 17 de-noverabro de 1873.
0 secretario,
Josi Gernldo de Lima.
No dia 21 do corrente, depois da aumencia
do^ Illm. e Exm. Sr. desembargador juiz de or-
phaos irao a p/aea por arrendamento as sognin-
tes casas : rna de vidai de Negreiros n. 188, tra-
vessa da Mangueira n. 9, rua do Imperador n.
29, caes it de Novembro ns. 6 e 24. larga do Rosa
rio n. 1, sitio e casa do Hospicio n. 81. 0 eserip-
to So acha em mao do porteiro das audiencias
(Bserivao Brito).
reta com vidrilbc
3 franjas
De ordem do Him. si. iu-peo.< i- .
raria dc fazenda desta provincia sao convidados
pelo pre?enu> os herdeiro* do fallecido 1 confe
rente da alfandega, Pedro Alexandrine de Barros
Cavalcante, para no.prazo de 30 riias,que lhes flea
raarcado. a contar desta data, ailegarem por es-
for a bem de seu direito, produzirem
a toniala de contas do re-
pelo tetr
> daqaeila
Jnizo dos feitos da fazenda.
Escrivao Bandeirn.
Sexta feira 21 do corrente, depois da audiencia
respectiva as 11 horas do dia, ira a prac^a por ven
da a parte do so rado de fores andafes n. It.
sito a rua do Amonm, pertencente aos herdeiro?
de Jose" da Cunha, avaliada dita parte em 700*.
Recife. 7 de novembro de 187.1. 0 soiicitador
da fazenda provincial,
____________J. e'irmino Correia de Araujo.
Irmandade das almas, erecta
na matriz da Boa-Vista.
Pela quarts ve2 roga-so encarecidamente aos
nossos carissimos irmans, a comparecerem no eon-
tislorio da nossa irmandade, domingo 23 do cor-
reute, as lu horas da manha, para reunidos, elege-
rema me^a regedora qne tem dc funccionar no
anno c mpromissal de 1874.
Consistorio da irmandade das almas, erecta na
matriz da Boa-Vis-ta, 19 de novemhro dc 1873.
0 escrivao,
Franeisco das Chasas Percira.
TU.4TRI
Santo Antonio
EMPREZA
Sabbado 22 de novembro
Definitivamonte
liLTIHA BEPRESENT4C10
do drama pnanta-tico em 6 aclos de grande es-
peciaculo :
Os bilnetes acham se a venda desde jj nj es-
criptorio do iheatre.
Aviso.
Nao sendo possivel promptifiear-se para o dia
22 o importante drama
DAM4 DAS GANELIIS
mnnnciado em be'nefieio da actriz Manuela Lucei.
fica o mesmo espectaculo transfcrido para sabba
do 29.
Havera trem depois do espectaculo ate Apipu-
cos.
Coutinua a recebr-?
ios bilhele
Kiode Janeiro
0 patacho portugoez Rival segue para o Rio de
Janeiro por ter ja parte do seu carregamento en
gajado, e para o resto da carga devem os preten-
dmtes entender ?e com Silva 4 Cascio, escripto-
rio a rna do Marquez de Olinda n. 60, 1* andar.
Par* Steam Navigation Company
Uiiliu quinzennl
OPAQUETE
COTOPAXI
- on
espera-se aqui da Europa ate o dia 24 do novembro
e depois da demora do costume seguira para o sul
lo imperio, Rio da Praia e costa do Pacifico, par*
onde rccebera passageiros, encommendas e dinhei-
ro a frete.
OS AGENTES
Wilson Howe 4c C.
14 RUA DO COMMERCIO14
Para
ca
Para o referido porto pretende seguir com pou-
demora o brigue portuguez Rscifc por ter a
maior parte do carregamento tratado : para o
resto que Ihe falta trata-se com os consignatarios
loaquim Jose Goncalves Reltrao 4 Filho, a rua oo
Commercio n. 5.
Para
Para o referido porto pretende seguir com pou
ca demora o brigue portuguez Recife, por ter *
maior parte do carregamento tratado, o para o
resto que Ihe falta : trata se com os consignata-
rios Joaquim Jose-Goncalves Beltrao A Filno, a
run lo Commercio n. 5.
COMPAMIIA LftlHAW
DE
P\Q\3E.T1S ii \r\pcm
miiruiv
Maceio, Penedo, Aracaju
e Bali in.
E' esperado dos piMlos acima ate o dia 25 do
corronte o vapor Penedo, o qnal seguira no dia se-
guinte ao de sua chegada para os mesmos.
Reeebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a irete : a tratar com os agentes Antonio
Luiz de OlWeira Axevedo 4 C, rua do Bora Je
Mia ri. W.
I OMPAMU % Hit \SII I lit \
DE
MVEGACAOAVAPOR
Portos do nortc.
PARA'
0 vapor uacional Para, esperado dos portos
do sul ate 22 do corrente, segnira para os do norte
depois da demora do costume.
Para carga, encommendas, valores, passageiros
e mais inforaia<;Se*, dirijam-se a rua do Vigario
a. 7, escriptorio da agenda.
Pereira Vianna- 4 C.
Agentes.
Rio Grande do Sul
0 patacho nacional Forfuiia segue para o Rio
Grande do Sul, tendo ja parte do sen carregamen-
to engajado ; e para o resto da carga devem os
pretendentes entender se com Silva s Cascao, es-
criptorio a rna do Marquez de ulinda n. 60, pri-
meiro andar.
0
P.-IK.4.
Acha-se proposta a eicuna portugueza Favorita,
de 1.* classe : trata se a carga no escriptorio dos
seus consignatarios T. de Aquino Fonceca A C.
Successorcs, a rua do Vigario n. 19^___________
IISIS01
Pan o referido porto pretende seguir com a pos-
siv........ origue portuguez D. A nna, per
ter ja alguma carga engajada ; e para a que Ihe
alia, que reeebe a freto commodo, trata-se com
os consignatarios Joaquim Jose Goncalv :i Beltrao
A Filho, a rua do Commercio n. b'._____________
Para o Porto.
Segue com brevidade a barca portugueza S.
Manoel II. Reeebe carga e passageiros : a tra-
tar com Tito Livio Soares, a rna do Vigario n.
17.
LEiLOEi.
Agencia de leiloes.
RUA DO MARQUEZ DE OLINDA H. 37, 1 ANDAR.
0 abaixo assignado tem a honra de scientilicar
ao respeitavel publico, com ^specialidade ao corpo
c< mmercial desta praqa, que acaba de ser nomei
do agente de leiloes, em cujo exercicio, promette,
se csfor^ara para bem merecer a cunnan;a de to-
das aquellas pessoas qne se dignarem honra-lo,
encam gando-lhe de negooios tendentcs a sna
proiissao.
Desde ja o abaixo assignado antecipi os seu?
agradecimentus para, com aquelles que o proenra-
rem : o que poderao faier dirigindo-?e a rna do
Marquez de Olinda n. 37, 1 andar.
Recife, 7 de novembro de 1873
Jo -quim Dias d>s Sanl'i.
DE
Um piano hamburguez, 1 excellent^ m tiilia de
jacaranda, com t ^ofa, I jardineira, 4 eopgojng,
com pedra. 4 cadeiras de braco, t de balan^o e 24
de guar iica<> (em um on mais lotes), 4 lindos es-
pelhi-s doiirados, 1 qnadro com 1 nco ramalhete
de (lores de escama, 1 lustre de crystal com 21
mangas, 4 serpentinas de crystal, 3 sane fas e cor-
tinadus, 4 pares de janos linos, tapetes, pannos
de chrochet o escarrad^iras.
Sofas, cadeiras e C"DColos ii jacaranda {aval-
sos) cadeiras de balanco, 1 piano dc mesa, mesa:
de jogo, 1 tocador, lavatorios guarda-roupas.com
inodas, camas para casados, solteiros e meninos,
cabides, columnas, e csteira, forro das salas
Uma raobilia "completa, do laia liraaea, 2 eta-
gers, 1 mobilia de amarello, 1 mesa elistca, 2
apaiaddres, 2 ditas turucadas, 1 sofa, 12 cadeiras,
z quartinheiras e espreguicadeiras.
Um guarda-roupa com espelho, 2 commodas de
racgno, 1 meia coramuda, I estante para livros, 2
espolnos, I raachiua de costura, e rauitos outrus
objectos de casa de familia e existcntes no
segundo andar d sobrado da pra<;a do Cor-
po *anto u. 19
.0 agente Piuto levdra a leilao. por conta de
uma familia que lixou sua residencia na Europa,
os moveis e mais objectos acima ditos, exisientes
no sobrado de azulejo da praca do Corpo Santo a.
19, segundo andar.
O 1 iiau Drmcinuira 3 10
11 an priucipiuja
hora*.
Ij2
Hoje
de am silliiio, 1 burra, prova Ja fogo (caixa po-
qivma), ricos espelhos douridos, quadro* com
ffnas gravuras, mappas do 3rasil, pianos, mo-
bilias, muitts e differentes moveis.
For intjrvenruo do agente Pinto.
rpo -;- i l?
magniOeos predios, ediOeadus ew
.'iiiios priiprins
SABBADO 29 DO CORRrNTK
0 agente DIAS, autorisado, fara leilio dc nra
magniflco sobrado de 3 andares, bem constrnido,
e com grandes accommodacoes para familia e es-
criptorio, por ser bem repartido e servir para duas
casas, e edificado na rua de Domingos Martins n.
138.
Um grande sitio com sobrado e com grandes
commodos para familia, muitos aposent-s paia
esrravos e criwdos, estriharia, excellentes viveiros,
jardim e muito bem arborisado e de boas qnali-
dades ; osto sitio torna se muito recommenoave!
por ser fresco e ficar perio da estacao da via fer-
rea, 6 eJiflcado na Capnnga, porto Jacooina, >
cujo sitio peitcnccu ao Sr. Lasser. Os pretenden-
tes poder.ao cxamimr di os preJios, ou enlende
rem-se com o mesmo agente.
Sabba lo 29 d corrente
Am IO horas em ponto.
No escriptorio do referido agente, a ran do Mar-
quez de Olinda n. 37, primeiro andar

AVISOS DVrRSOS
- Precisa se de uma escravi para eoninbar
e comprar : na rna Primeiro de Marco n. 23
ioja.
wammmmBom
Manoel Jozino do Carm- Souza
sgradece cordialmente a todos os
seus amigos e parentcs da terem
acompanhado ate ao c< mitsrio pu-
blico, sna mulher Paula Maria da
Annnncia todos para assisiirem a missa que
tera lugar no dia 22 do corrente as 5 horas da
manha na igreja da Penha.
Manoel Jose da FonsecaT
Mariz.
Jose Antonio de Carvaiho, sua
mulher, filhos e cunt ada agrade-
cem cordialmente a todas as pes-
soas que se dignaram assislir aos
snffragios <|tic se celebrararo por
occasir.% do fallecimento de sea
presado cunhado, irmic e tio Ma-
noel Jose da Fonsera Mariz ; e de novo convidam
as mesmas possdas para assistirem a algumas nv--
sas que mandarn celebrar na igreja do eonvenio
dc S. Francisco, no dia -2i do corrente, as 7 lii
horas da manha. setinio dia do seu fallecimento.
Por mais este arto de caridade christa desde ]a se
confessam eternamente reconh-cidos.
Paulino Onofrc ^nnes,
Jcse Gncdes da Lacerda manda
celebrar uma mis>a pelorepouso
eterno de sen presado amigo Pan-
lino Onofre Nunes, no7 dia de
seu passamenlo, pelo qne convida
an? amig03 e parctesdo finado para
nssislireui a esse acto religioso e da gra'idao, q:
tera lugar no convento do Nossa Senhora do
Carrao, segonda-feira 24 do corrente, pelas 7 noras
da manha.
Sociedade Nova Uniao
Pelo presento sao de n> vo convidados
socios, a comparecerera domingo, 23 W> corrente
as 7 horaa da manh?., afim de dar-se cnmpnmen-
to ao dispostono art 3.* d->s nossos estatntos.
Secretaria provisoria da sociedade recreativa
Nova Uniao, 20 dc novembro de 1873 .
Jose.Moreira,,
1.' secretaries
Perdett-se hoje, no firn da rua Nova, defron-
te do bithar da casa n. 67, pelas 4 boras da tarde
uma carteira contendo : duas letras, uma de
4004 e outra de 276*457, e um fica de 20A e miis
sessenta e tantos mil r/is e:n dinheiro, seuJo uma
notado 204, duas de 10J e as-mais dalll; do 24
8 14, e outros papois do importancia: roga-se
pessoa que achou, quo por favor lava
carteira a i04>ioa casit n. 0>7. na loja de nk
qua fazt-odo entroga de ludo, poda fie
nbeiro, por'gratific^Qao, vi iooa^^H
fendis b tras ja estao ?ci" ;-
flecifa, %i do u
HBTimW |
se dc

i
I


Diano d* feruambuco Sexta teira 21 ae Novembro ae 1873.
'
B
56 aRua do Marquez de Olinda 56 a
(oulr'ora rua da Cadeia)
LOJA DE MACHINAS
Seodo este antigo estabelecimento assaz conbecido como principal e recommen-
dado polos grandes depositos e boos sortimentos com que sempre prim a em ter das
melhoree, mais acreditadas e vefdadeiras n*chliia* americanas para algo-
aSo, desde 10 i 60 lerrai, e bavendo em todes os tamanhos diversidades de syste-
mas e melnoramentos para perfeito e rapido descarocamento ; tornam-se digit as de
lerem vistas e apreciadas pelos Srs. agncultores; os quaes, alem disto, encontrari<>
tambem mais :
Apurados vapores locomoveis, de forca
do 2% e 3'/t cavallos com todos pertwn^as
precisos para trabalbarem 4 macbinas para
ilgoUo, >u para outro qualquer mister.
Macbinas para lavar roupa.
Aradoe americanos para varzea e ladei-
ra.
Carros de mao para atterros.
Tinas de madeiras.
Baldes de dita.
Ditosde ferro estanhado.
Ditos com valvula para lavatorios.
Ditos de madeira para compras.
Apparelhos para jardins.
Guards-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
Dita dita ditos de madeiras.
Tamos de bandeijas finas.
Correotes para arrastar madeira.
Cylindros americanos para padarias.
Perteo^as avulsos para machinas.
Salitre refiiiado.
Breu superior.
Moinbos de diversos fabricates para mi-
lbo e cafe. .
Debulbadores para milho.
Azaite de spermacete para machinas.
Camas de ferro.
Bombas de Japy.
Ditas americanas.
Cofres de ferro patente.
Cannos de ferro esmaltados.
Ditos de dito estanhado.
Ditos de chumbo.
Ditos de borracha.
Folles para ferreiros.
Trens para cozinha.
Emiim muitos outros artigos, que sdavista e neste estabeleomoderaoentp s i
xaminados.
ITTilfli
ANTONIO JOSE DE AZEVEDO.
Rua Nova n. 11.
PIANOS.
BPQuerondo deBnitivamente liquids r este negocio, vende todos os que tern, novos e
usados, pelo preco do custo de factura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desenhos de 11 a 33 palmos
de largurao 100 de comprido, podendo forrar-se umasala por grande que
seja com oleado inteiro.
MAGNIFICOS espelbos ovaes para ornamentos de salas.
\N.NE > electricos para curar dores de cabeca. nevralgias e nervoso.
MUITd lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
GRAMl*OS para seuurar roupa estendida nas corlas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARC.A e papel pic ado para bordar com la ou soda.
VF.RDAiiF.lKA agua de colonia em garrafas empalbadas.
E muitos otros artigos, e por muito barato precp.
A rnn Precisa-sn de uroa ama para cozinbar
Allltt c cmprar jara pouca familia .* a iratar
na rua do Impetador n, 33. _
gnnJo an:!jr.
Cnrisa se de wua an a c|iie siba
iiiiar prefern-se
na rua do Mar-
ihrado a. 3i, se
\ S i lTi'iira se ue (Una :i
ill \ :"2!nn:,r *' engoinmaf
\ VI /l e*rnV a Ir'l;,r na
*'*** l|tIUZ de Olmdri, sobra
I'ri'ci-a k tl'- uina ama que rnnqift e
.>zii:lio para raw le pouca fauulia a
IraUr narua atraz da matriz de Santo .tutonio n.
18,2 aodar.____
AMA
MA
mja.
Prerisa-se de uraa para cozinhar
para casa de pouca familia; a tratar
a rua do Hospicio n. 46, casa lern-a
que lent bolas amarellas na cor-
A rnn. ^a raa da Alegria d. 40 precisa-se para
- viiiai anrtar rm nma menioa, uma ami de
condneta afflnncada.
Precisa-se de uma ama para cozinbar: narua
Direita n. H> remiacao._________________^^^
Precisa-te de uma ama de idade que sirva
para cozinhar, comprar e fazer algum ensaboado
para uma pessoa so : na rua das Traincheiras
njjfc_______________________________
Precisa-se de nma ama para comprar e cozi-
nhar para casa de pouca f milia : a iratar na rua
do Marquez do Henral n. 60, antiga do Oncordia.
Ama de leite.
Precisa-se de ama qne tenba bom e abundante
leite; paga-se bem : na rua Formosa u. 24, de-
frunte do becco dos Ferreiros:_________________
Precisa se de uma ama para cozinbar e
comprar para casade homem solteiro : na rua Di-
reita n. 8.
Escravos fugidos
Maria, cabra, moca, bem parecida, ladioa, de
boa altura e corpo correspondente, tent os bracos
pintados com tinla encravada de janipabo, em
forma de coracao e o no me del la, natural do Cea-
ia, e cozinheira. seodo sua occupacao actual de
enchada ; esta eacrava costuma embriagar se e
nesle estado e atrcvida, e foge constantemente
para o Recife e seus arrabaldes, aonde e muito
conhpcida, eetando desta vez ansente desde 3 do
corrente.
Felippa, negra, cabra, ja idosa, cozinheira, alia
e seers, foi e.-crava da viuva do fallecido Jacin-
tho Botelho, tern urn filho escravo do Sr Jose
Antao de Souza Magalhaes, que andava fugido,
e que veto seduzir a mil para acorapanba-lo ;
esta ausente des^e o dia 6 do corrente
Roga-se a p> licia e capitaes de campo a cap-
lura das me-mas escravas que sio do engenho
Sapucaia do Beberibe.
Casas para alugar para a fes -
taou por anno
Um sobrado no Poco da Panella, na rua do Rio
n.S, com 4 s^aa, S quartos, sa eta, cozinba fota e
quintal murado.
Uma boa casa terrea nova com oocheira, estri-
baria pequeno sitio, a margeai do rio, n. 35 da
mes*ia raa.
Uma casa pequena. porem com boas commodos
na travest* da >uz das Almas ao pe ila casa ver-
melha n. 2 Todas a tratar wm o utmrnendadoj
Taasa.
Aluga-se a casa na strada-nova que vai
para Caxanya, caiada e pintada, propria para fa-
milia ou para estabelecimento : quem pretender,
dirija-se a rua de S. Bom Jesus das Cnoulas nu-
mero 11.
Alnga-se a ea*a n. '01 a-rua dos Martyrios:
a tratar na raa Direita n. g.___________________
Na rua da Madre de Dens o. 3, botica in-
gleza, precisa-se de uma ama para todo o servi-
50 para pequena familia._____________________
0 03000 da barca sueca Marg>rctte, nio
se responsabilisa por de?peza alguma feita pela
sua tripulavao
Recite, 18 de novembro de 1873.
Herm Lundzoau.
Garanhuns.
Na rua do Barao da Victoria n. 36, preci?a-st
ailar aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto e
ose Paes daSilva, a negocio de particular inte
89e. ________________
Na Magdalena, travessa do
Laca
Altiga-se um bom sitio com grando casa reedt-
ficada de oovo, que ac.commoda graude familia,
tern quartos para escravos e cochena. duas gran
ros e 50 pes de coquetros : quem 0 dito sitio pre-
tender dirija se a Pasaagem da Magdalena, tavern*
de Manoel da Cunha Brandao, qne achara eom
f[aem tratar.
Os abaixo assignados, administradores da
massa fallida de Meudes & Carvalho, rogam aos
eredares da inestna queiram vir apresentar seus
cre de prowdor-se a respectira classificacao. devend*
apres nta-los deutro de oito dias, a coatar desta
data.
Recife, 17 de novembro de 1873.
Monhard Mettler & C.
Declaraeao.
Antonio Rndrigues de Senna "irro, morador na
cidade da E-rad.i, avisa a quem interassar possa,
que 0 St. Pedro Ferreira Lima, neohama trans-
ac^lo podera fazer com 0 engenbo Bambore, sito
na comaira de Pal mares, e com os escravos Bn*
nedicto, 4-3 82 aonos, Jo*e, de i9 annis, Manoel,
-de II annas, Maria, de 12 annos e Maria, de II
annos, tolas erioulos, sem audiencia e consent!
mento sen, porque estes bens se acham hypotbe
cados para garatuia da quintia de 20:9-0ii32
que o naesmo Pedro Ferreira Lima Ihe e devedor,
pela compra daquelie emenhn, como tudo se
acha declaradn na escriptura pubMca lavrada nas
notaa do labelliao Damasceno, devidamente re-
gistrada no cart'irio de hypotheeas.
Esta dnclar^cao e feita someute para eviiar du
vidas nuuras.
Escadi, 17 de n )vembro de 1873. __________
D-aeapparereu na tarde de hootem 16 do
cozrente, dajrua do Bartbolomeu, uma mulher de
mei* idade, da m>me Aan.i Joaquina do E-pirito
.Santo, em estado de aliena^o mental: qu-m a
eucoDtrar. por caridade a auoira levar a casa n
31 da moana rua.
_____2----------------------^-_
Atten<;ao.
Na rua estreita do Rosario preparam-so ban-
deijas com bottnhos fin>s de todas as qualldades,
com bouquets, muito bem ornadas, tudo com as-
seio e presteza, e por baaato preco, para casatuen-
tos e bailes ; hordam se fitas a ouro e preparam-
se bouquets d craves naturaes com fitas borda-
1 das a ouro, por barato precp, sendo a encommen
! da feita seis dias antes. Na mesma casa prepa-
|-ram-se, como sempre, bouquets, capellas, diade-
I mas, coroas de ouro e de louro para os influentes
I de presepes, tudo de muito gn>to 0 barato ; lindos
bouquets artifieiaes de dhalias, rosas, cravos, de
fiores de cera, de panno e papel para offertas as
pastoras, para 0 theatro, etc., tudo se achara sera-
pre protnpto. e por preco commodo.
SAQUKS
Carvalho dc Nogueira, na rua do Apollo
n. 20, accam sobro 0 Banco Commercial
do Vianna e suae agpneias em todas as ci-
dades e villas de Portugal, a vista 0 a prazo
por todos os paquetes.
t
Jornaes da Enropa.
Aafiignatnras para 1874.
Achao>.sa abertas confer me o respectivo cata-
logo.
Livraria Rranceza.
(iwiflhHra
Precisa-se de uma eo&'Bbaira para casa eatran-
geifs'da pouca familia : tratar na jua do Com-
mercio n, 38.
0 administrador da mass* falli la de Rostoon
Rooker & '-, em observancia do que foi determi
nado pelo Sr. Dr. juiz do commercio c de confor-
midade com a annueucia dos cre'dores, faz publico
que vai ser posto a venda por leilao, os direitos
que. a massa tern sbr-e os t>-rrenos de marinha o
o sitio da Torre, cujos direitos dos terreoos sao o
dminio e posse que tern na metade dos ditos Ur
renos, sito* no caos do Ramos e no sitio da Torre,
em consequencia do juljndo pelo Sr. juiz dos fei-
tos di fazenda desta cidade, julg.ido que p^nde por
apt'tllacao.
Aluga-ce nesta povoacao uma boa casa, pintada
d* novo, com mobilia de jacaranda na sala da
frente, quwtal murado c portao que ?e communi-
ca pnraorio : a tratar no largo do Corpo Santo
n. 4, i' andar.
Casa de penhores
Previne-se ao dono deste estt-bflecimeoto que
nao aceite de pessoa alguma, different*: de sea
doBO. a cautela n 3329, por ter sido perdida.
Precisa-se de nm caixelro q;?e tenha pratka
de taverna, que seja brasileiro, de i2 a 14 annos :
na rua de Domingos Theotmiio o. i.
Aluga se o andar da casa da rua da 1m-
peratriz a. 24, a quem pa?ar algumas bemfeito-
rias i a tratar na thesouram da- loterias.
Alnga-se a ca*a n. 77 da rua de S loso : a
tratsr na ru Duque de Caxias n. 44, oa ba rua
do Range! n. 41, i" andar.
V'ende-se do prefcrencia, ou arrend.vse o
engenho 8 Oaspar, sito na fregnezia de Serinhaem,
com bunt partidos de canna. de paiil e massap*! a
roda da ranonda, muito perto do embarune, e
com mitras proporc*5es desejjveis om taes pro-
priedades. Dao-se alguns annos *le fngo motto:
a tratar a rua da Aurora n. 65
Prectsa-se
Aurora n. 59.
de um eozinheiro :, na rua da
No I' andar da rua do Impera ior n. 38, pre
ci-a-se de uui bum ozjnb.eiro c unj copeiro. *]ue
a sna coqducla.
NOVAS PUBLICAQOES MUSICAES.
A. J. d'AxeveiloHun \ovn n. 11.
Acabam de publicar so, e acbam-se a
venda as seguintts musicas :
PIANO SO".
Danseespanhola, porAscher ,29000
Arabella, mazurka, por G. Wer-
tbeimer 13J500
Valsa do Fausto, por Croyzes 1^000
Sonho de uma virgem, por Alber-
tazzi 19000
Anna la Prie, cavatina 19000
Ao-Clair de la I.une, por Bussmeyer 19500
tSTRELLA DO NORTEI .. ... .-.ftAA
SmidacAo ao BAH.A}Polkabnlhante m
Cricket, por Seiias, offerecida aos
chrickets club nernambucano c
babiano 19000
PIANO ECAKTO.-
Oesf.spero", muito lindo romance
por I. Smoltz 29000
No.N m'amava, tnnnance:por Guercia 19000
Tambem re menide music.a para piano, piano 0
antoudos, mothodos, (He. etc.
MNDIQAO DO BOWMAN
RUA DO BRIM N. S2
frabsandb o ehifarizj
PEDEM AOS senhorea de eugcDbo 0 outroa agncclior^s, e etDprr^ai',.. us df m
atnismo 0 favor d omi visita a sen est?bplocimtnio, p.ra vr.rem 0 uovo >ortinctitti
ai)let que ahi tea; eado ludo superior m qoaitdade e (oriidao; 0 quo com so*
*ccio pets ial pode-ae vet iflcar.
ESPECIAL ATTENCAOAONUMEROE LUGAR DE SUA FUNDIGAO
ZflTlOrOft A m^RS A9ASmSt |iwtv 1VUW ** *5u- manbos convenieoiei para i$ diveraas
ireoMlaaciM dot lenhore* propri^urios e para doacarocar algodko.
tOflndflB do Cftnilft de todca oa tamanbos, as^welaorea ijoe iqoi
ftodas dentadas vm ,nhMM',g" fl'apor-
raixas oe ferro fundido, batido e de cob re.
llimbiqnes e fandos de alambiques.
Wafthl nlRmnft para mandioc* e algodlo,! Podendo todos
u-cM^iAAiAisiAius e p,M lerrar madeira. f aer movidoa a mio
flomhsui (p0' a0 v,pr'
WUIWW de pateote, Rarantidaa........ f on aniroaes.
T0da a8 machinaS P^a,de^e secoBWrnaprecisar.
Pas qualquer concerto de m,chiai8mo- ,pre< moi resuinido
RnffflM Ha ffKVm tem ,s aMuorea e ma'a oaratas existentea do mcr-
&n(><\mmi*n/\aa iocombe-se de maodar vir qaalqaer macbioiamo a von-
ndiUUmUiOIIUaV* Urje do clientes, lembrando-lDes a vanUgem de fizer^n-
ass compraa por iotermedio de peaaoa eoteodida, e qne em qoalqner neoasidade pode
ies preetar auxilio.
ir&dcs americanos e iMlrolDflnlo aricolM
RUA DO BRUM N. 52
PA.SSANDO O CHAFARIZ
I
Xa lrav.ssrt (In rua
;!:,i;:(;r;;/i'rj u. 2. pri-
jneiro andur, dd-se
dinheiro ^obre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brithantes, seja^
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras-.
Pant f arnireinis.
Aluga-se um t>-rruio murado, na rua da S.iu-
dade. que tpm cum palmos de frente o 0 de
fundo, com pequena casa o lelbeiro para aoi-
mae>, pmprio para pL.uUro* a: a tratar a rua
Primeim de Marco n. '23, l"ja.________________
Aluga-sc o segundo aodar do do Baran da Vict.ria n. 31, com commados pi.ra
familia : a tratar na lnj do mesmo.
Criado
Em S. Jo:5 do Manguinho, ilio de Jns*i
DuartH das Nevps, pr-cisa do nm para tratar
de dous cavallos e :n;;is algum servi.o ;t.o
mesr.:o sitio.
ft:!
Arrenda-SH a pruiribdade Barra de Seri-
nhaem, na fregnezia do mesmo nome. In ira-mares
beira-rio, com rendas das terras a cobrar, e com as melhores
proporcfies possiveis para um grande e lucrativo
cstabclecnueuto do seccos e molhados ; alem de
star localidade muito salubre, abundante-em pei
xe, fructas. etc. : a tratar a rua da Auroran. bo.
FUNDICAO DE FERRO
a
4' m do Barao do Trimnpho (raa doBrum) ns. 100a 104
CARDOSO IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para cn-
genhos, as mais modernas e melborobra quetem vindo ao mercSdo.
Vapores de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
vaideiraS de sobresalente para vapores.
MOenuaS lllteiniS e meias moendas, obra como .mnca aqni veio.
I aiXaS I Una lOaS e batidas, dos melhores fabricantes.
KOOaS Q agua com cubaje ae erro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadas de todos os tamanhos e qualidades.
ReloglOS e apitOS para vapores.
JjOmbaS de ferro, de repucho.
AraQOS de diversas qualidades.
Formas para assucar grandes e pequenas.
Concertos concertara com promptidSo qualquer obra ou machine, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOmmendaS mandn1 "r Pr encoramenda da Europa, qualquer machinismo,
para o que se correspondem com uraa respeitavel casa de Londres
um dos melhores engenbeiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar asseutar
achinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesnias.
do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
0 Sr. Jovino Ferraodcs da Lrua n chamadc a
rua do Coron*"l SuaBsnoa n.-^la negocio de p r-
tienlar tnteres;e._______________________
fugido
300^000 degratificacao
Au>entou-se desde o dia .13 de maio de 1872 o
proto de nome Alfred*:, repre^enta ter de 3o a 40
ann^s do idade, v p*>rfeit<) coziuboiro, alto basiaute,
e bem magro, pouca barba, olhos graude*. a muito
ladino, consta que tern pai n) I'ligeniiu do Sr. Ln!i'>
de Ciara, em S. Lourenco da afiilta. Kate pivto
foi eozinheiro dos n^gociantes Adriacn A I'asito e
Sr. Jose Juaquim Gom.alvos Bastos, c July; se
que esteja alugado em algum hotel ou eaa parti-
cular nesta cidade, como forro : p'ede-se a t* daj.
as auturidades e capitaes de eaotpft,. qua *> d' hbo-
brindo. o tragam a rua Unque d.> Oaxias a. 91, l-*ja
d>- miudezas dn rival stm segundo, ifue serao tilicadns com a quanlia acima. _.__
- Antonio DiHiimg-is Pinto, quet*i*i resnmirj
o seu negocio de mobilia, tern rcsolvido fa?er nm
ibatiineuto de 2o p**r cento aos precos de -uas
mobilias. as juacs sao: ricas m*bHias d jca-
randa a Lun X', fabrteadas em Fraii*,-*, diia; *i>:'
nogueira e de anable, guarlas-roupa ie-jacarao-
da de mogno c de anable com e;p*:lho, ricos
guardas vestidos dc amareilo, rieos guardas l.iu-
caL toillettes de jacar nda e de mogno, apam li* s
de mogno com tampo da pedn, dTtosdn amai'llo
com armarin, meas elasilca- para jantar. 'lit s
de mogno com abas para almo-.o, mesinns d.^
mogno para costura, e uma infinidado de ohjec-
tos que seria enfadonho mcnck.nar ; tern ro^
Srande sortimento do cadeirjs de muitas qualida--
es : a rua do barao da Victoria n. 57 e 58.
G. : An i
liiSiii.'-
iflra i
Precisa-se de 6 a 8 conto de r6is a pre-
mio, dando-.se por garantia b\potbeca em predios:
quem quizcr este negoci d> ixo carta ne.-ta ty-
pographia cum as iuieiaes T. (., ou anuoncie.
Joaquim Jose Gongalves
Beltrao & Filhos
Teem para vender no seu escriptono a rua do
Commercio n. 5, o seguinte :
AGUARDENTE de caj* : caixa de 12 garrafas.
de laranja, idem idem,
ABCOS de pao para barril.
CAL de Lisbda, recentemento chegada.
CHAPEOS de sol, para homem e senhora, cabo
de martini e 6sso.
FF.IXES de ferro, para porta.
FIO de algodao da Bahia, da fabrica do eommen-
mendador Pedrozo.
L1NHA de roriz.
OBRAS de pal) eta.
PANNO de algodao da Dahia, da fabrica do com
mendador Pedrozo.
RETROZ de toda* as qualidades, das fabricas de
Peres e Eduardo Militao.
fiOLHAS proprias para botica.
SALSAPARRILHA do Para.
HLAS de cera de todos os tamanhos.
VINHO engarrafado do Porto, caixas de 12 gar-
rafas.
c dito Moscate do Douro, idem idem.
dito Setubal, caixas de 1 e 2 duzias.
c da Italia engarrafado, caixas dc 6 gar-
rafas,
de Collares superior, em ancoretas.
de cajti, caixas de ii gar afas.
< Malvasia do Douro, caixas com 12 gar-
rafas.
Carcavellos, idem idem.
Fugio, ao.amanhecer do dia 16 de ontubro
do corrente anno, do engenho Paraizo, do termo
do Rio Formoso, o mulato Cyrilo, de idade de 23 a
24 annos, escravo do padre Miguel Pere3 de Aze-
vedo Falcio.
0 referido mulato e_ de estatura regular, c5r
roxa, cabeHes pretos, nao soltos, porem nao muito
pegados, com estrada de liberdade, ja tern bu*;o
de barba c pouca bat ha no queixo inferior, e bem
fiarecido. sirbe l*3r, porem escreve mal. 6 muito fal-
ante, bom montador em burros, trabalna de oleiro
em formas e canhoto.
Ao amanbecer do dia '9 do corrente ^novembro)
fugio do mpsmo padre e escravo, Themotheo, criou-
lo, idade 26 annos, estatura regular, bem pretn,
Sonca barba, dentes limadus : ha prababilidade
e que fugissem para a capital com o intento de
assentar praca. Quem os apprehender sera b m
reenmpensado, e os podera entregar ao Sr. major
Jose Autonio de Brito Baslos, no engenho do Meio
da Matriz da Varzea ; e sendo preso em outro lu-
gar fora da capital ou seus suburbia, sejam con-
duzidos para o referido engenho Paraizo, que se
recompensara bem, d vendo ser conduzidos com
toda a cautela,'por1He ** muito ardilosos, maxi-
m*": o mulato.
Precisa-se alugar uma ama de meia idade, po
rem que seja preta. que nao tenha vicios nem
achaques, e que affiance sua condneta, para com
prar e cozinhar para uma familia de 3 pessoas :
a tratar na cidaie d" Olinda, sitio do Amparo, ca
?a terrta grande, com pr rtao ao lado.
- Aluga se o 1 andar d*i sobrado da rua Di-
reita n. 8 : a tratar na loja do mesmo.
Ililllll
A pessoa, que porengano levou de bordo
do vapor Parand, chegado hoje neste p r-
to, um babti de 4 palmos, de solla, novo,
com vlvos oncarnados, queira mandar en-
tregar ns rua do Impf-rador n. 77, <>u na
agenda dos vapores da co npanbia Brasi-
ieira.
Arrenda-se a propriedade Barra de Seri-
nhaem, na fregnezia do mesmo neme, beira-mar
e beira rio, com bastantes coqueiros a desfructar,
e rendas das terra a cobrar; e cem as melhores
proporcfies possiveis para um grande e lucrativo
estabelorj mento de seccos e molhados, alem de
ser localidade muito salubre, abundante em peixe,
frnclas, etc. a tratar na rua da Aurora n 65.
Aluga-se uma casa terrea com trs portas
de frente e bastante elevada, com sotao dentro e
commodos para familia, na rua dos Martxrios
n. 160 : a tratar na rua do Rosario da Boa-Vista,
segundo andar, per cima da refinacao.
No dia 3 do corrente nez fugio do engenho
Timbo-Assu, freguezia de Ipojuca, o escravu Joa-
quim, crioulo de c6r fula, cheio do corpo, esta-
tura medianna. denies limados, sem barba, e
representa ter 22 a 23 annos Foi escravu de Luiz
Antonio Monteiro, de Hoxolo, sogro que foi de
Andre Cavalcante Arco-erde, para onde sup
p5e-se ter ido. Quem o apprehender e leva lo ao
dito engenho, on no Recife a rua do B >m Jesus
n. 31, escriptorio, sera generosamente recompen
sado._______________________________________
- Aiuga-se o 2 andar e sotao, com todos os
commodos para grande familia, do sobrado n. 12,
sito a rua de Hollas : i tratar na rua do T.-apiche
n. 13, armazem de assucar. Tambem se vende
cerca de 3|4 paries do mesmo sobrado.
Joaquim Jos6 Gonqalves
Beltrao & Filho.
Boa do Commercio n. 6, f.* andar
Sacca por todos os paquetes sobre o banco
*o Minho, em Braga, e sobre os MpcinfM
gares de Portugal:
Amarante.
Arco do Val de Vei.
Baroellos.
c
aixeiro.
Precisa se dc um n oco que tenha nastante pra-
tica de taverna, e seja de boa condneta ; nestas
condicoes, offereee se bom ordenado : a tratar na
rua das Crioulas n. 33, Capaoga. ________
^i VBU
0 abaixo assignado declara que nesta data
indo ao con-eio e veado seu nome na lista, pedia
a carta, e sendo lhc entregue, dita earta contioba
urns conhecimentos; o Bao pcrtenco ao mesmo
Sr.; sendo est'outro do nome igual : roga a quem
compelir que a procure a rua D.*mingos Jose
Martins n. 42, l. andar. das C as 8 da noite.
Manor! da Costa Lima.______
Aluga se uma grande olaria em a rua do
VNcoode de Gojanra, com boa casa e um bom
w'tro a tratar na rua do RiFario da Boa vista
n. 50_________________________________
Precisa .-e d*' um Jiomern para cuidardi3 um
m jardim : n? rua Aoya, loja n. 7.
Aluga so uma excellente casa na povoacao
de Duarte Coelho, em Olinoa, com bon* commo-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso, raa
Amorim, n. 37._________ --_________
Monhard Mettler A C, administaadores da
rnas-a fallida de Mendes <& Carvalho, estabelecidus
quo foram eom loja defazendas a rua da Impe-
ratriz n. 46. rogam aos senbures que se acham
a dever a referida massa, queiram vir quanto
antes -aldar seus debitos a rua do Marquez de
Olinda n. 36, pounando assim aos annnnciantes o
desgosio de recorrer a outros meios.
Recife 17 de novembro de 187.1.
- Aluga-se nma casa terrea na rna Velha n.
66, com 4 quartos, cozinha fora, bom quintal o
cacimba, rebocada e caiada : (mem a pretenJer,
dirija-se a rua do Sebo n. 8, para ver a chave.
- Aluga-se o 2 aodar do sobrado n 52 da ma
da A'i'ora, cm bastantes commodos para familia,
tend.* ) mesmo agua e gaz : a tratsr no 1" andar
do iiicr-mo sobrado.
""." ALUGA-SE
o sobrado n. it) a rua dos Ca bMwj, com comniodos
para grande lamilia. iu.-lnsive as lojas, com gran-
de quintal o estribaria : a tr.*t;ir no largo do?
Coelho- a. 15, cum Antonio Caru. in* da Canha.
Jlalrimlii Achara e a venda na todas as livraria*. map
pas impress** gura matrieula dos cavallos eon-
forme delermina a let provincial fo 17 de iunh"
ide 1873.
Chaves. s
Coimbra.
Covilha.
Faro.
Guarda.
Guimaries.
Lamego.
Lisbda. .
Mirandella.
Moncio.
Ponte de Lima.
Porto.
Tavira.
Valpassos.
Vianna do Castello.
Villa do Cornie.
Villa Nova de Famalicao
Villa Nova do Portimao
Villa Real.
Vizeu.
Valenca.
Figueira.
Aveiro.
Agueda.
Caminba.
Evora.
Oliveira deAzcm^is.
Penaficl.
No becco do Padre n. 28. precisa-se do um
criado livre ou escravo, lo li na 16 annos de
dade. ___ -%.'
Precisa-se dc um cr.ixeiro com prafic
taverna, e que seja bom bakao c d*5 conhceiHinn'-o
de sua eo:*dueta : a tratar na rna de Santa The-
reza n. 60.
Aluga-se um excellente sobradinho com b -las
de vidro, na rua de S. Pedro Novo n... ernn rom-
modos para grande familia, *> mr-lhor Ingar para
quem quizcr fr.er nso dos banhc-s nlgadus : a
tratar na praca dojOirpo Santo n. 17,1* andar.
Na rna do Barao da Victoria n. 3G precisa-se
fallar ao Sr vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
reira, a negocio do sea inleresse.
^ Consultorio homeopa- $f
0
0
thieo
0
Do Dr. Santos Mcllo
41-------Rua do Impera'or-------it
Consultas todes os dias das 11 a I da
tarde. W
Gratis aos pobres. |X
Residencia a rua Nova u. 7, segundo 5
andar, onde da consoltas das 8 as 9 da =-^
manha e das 3 as S da tarde. iC
Chamados a quaiijuer hora.
04HMHK0 0^^^"^' ^^0
4 Franc-iMaconaria e a
Revolncao.
Pelo padreGaulrelet da C. do J trd pelo C.ude
de Samodacs.
Obra dedi ada ao Bispo de PeroamLuco.
1 vol. broch. 24000.
Na Livraria Fraoona.
AlllgH-aSC
0 primeiro andar do sabrado da rua das Trin
cbeiras n. 4*, que fica defronlo da rua pstn-it^ d.
Rosario, contend*' duas salas, dous s-ibiftetes e *i
quartos, pequeno quintal, com caciml.a e Unifuo
para banno : tratase na rua de Ioip>rad criptorio n. 73, por cima da livraria *!:.<-io
MOFINA
Estd encouracado! 11
Roga-se ao Him. Sr. Ignacio Vieira de Mello
escrivao na cidade do Nazareth desta provincia, o
favor do vir a rna Doqne de Caxias n. 36, a con-
eluir aquelle negocio qua S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira cbamada deste jornal, em
fins de dezembro de 1871, e dppois para Janeiro,
passou a fevereiro e aJbril de 1872, e nada enmprio;
s por este raotlvo e dc novo chamado para dito
1m, pois Sj-S.se deve lembrar que este negocio e
le mais de oito anno.', e quando o Sr. sea ulho se
>chava nesta eidade.

I
.^e::>AS.9i. FIGADOdeBAGALHAU
FERFUGi OSC. CLA0 F TRI6UEIR0
Os;< HEVRIRK
7-iV de Leg hi de Itonra, Official do
';'.'_'r (-.:".;.. n dado? da ordem iTIxa-
Caihrtiea.
AVISO.
Moraos & Motta, proprlurios do armazem Fi-
J'lidade, a rua do Imperador n. 14. convidam
pelo pre-ente aos seas dftvedores qne tem debitos
antigos na mesma casa, de virem sa da los ate o
ftm do corrente anno^ certos de que se aasim o
riHn fiiorem. obngam oosajMMJjr a cobranea
judiculroente, sem exeegi^H P03.
1? de novembro d^
MITIUN
Oiil<-n itoChevrier deve osenaroma
a .-;:! i,,. ias !-alra- icas que winds autt-
, nioiitao as sja? jropriPdadPS therapeuti-
' '..i- ao rtiosiwi'mpo qn-'Otornfioagrada-
i i -c.
0 senhor ("iievrier rompletoa sna
! i rta a. soeinndoo fodureto de ferro
ao son olpo di figndo *le Baca^au. Rste
olio:i;- !Is;ido tleltacnlhan rrrruKlB*-
io pn.-si.o todas as prop.ieJades rio oleo
ferro. *lo fioil digestio e nunca
cansn piis'T, do vmtro.
Todas as olebridsdes medicos o pre-
I ferom ;'; ontras : r-parc8es ffetrngino-
sas. Com i-OKcm qofl
Iseempr'-fca c f. rro : Tlslc* iriaimr,
' Ri-nnrhiteH. RarhMlBmo, Enerofalaa.
' Fropijrni. Ciota. KhpajpatlaaM, Dja>
j pcpala, S*ojirnlecrctaa_d9Bora*ia a
' Frnqurza de (-nalitui^aa.
dfposito em r\n s. fifc|ipCREVRlJEB
a pharmpl poVnio
Coc, exoMMaS^Bpiara-
rootra as diarrheas
s de es'omago, ]



Diaric ^.Pfer*tt**m-' Sexta -fekaf-OT 4e Novembro de **?&

t-
E sa para a festa.
AV u!'i:i cxcilont|! casa no MonJeiro, tra-
' a q-oal se acha em muito bom e
a tr.it* r aa re a Primdrn 4e
fetatfks a&uj-s do Crespo n. ft) A, loja de Gurgel
* AiBar.il & C._____________________________
Oarros de luxo.
nn'|U'"iti"iiavel que a cocheira da rui do Bum
Jaami b. la, ii" loa mim Pies I'croira da Silva, 6 a
que trio a- m -1 bores berlindas, calecas, meias ca
iecas e victorias de luxo, proprias para qualifier
noivado. vi.it*a de etiqueta, bailes e actos da aea-
daatit.aeaido os raesraos ajaeiados de excellenb-s
pard ninaej, arreios luxuosos e boleeiros
eoaFwdamenlos do ultimo gosto, para o que se
conyfcfci mi publico a vir por si mesmo scienufi
car-atMia >ornate do que deuamos dilo, certos de
quenai ere nt.ario pomada, e sim realidade e
commutlcs pnwos.
Casa decampo
Offeree se a quvm quizer farer os concertos
nere.--:.ii..>. n arrendamento por alguns aanos, de
gra,*, iia exellente ca>a sita na Porta d'Agua,
que fi;.! rinado Dr Joa.|uim Pires Carneiro Mm-
leiro, p i-.n i->e escriplura para maior seguran
ca. A loca'idade e muito salubre, c a casa muito
fresea, lean magnifies ban ho de agna doce em
frento, e ii.iiOm comaiodo visio qne o trem passa
defronk- : qutin pretender pode dirigir-se ao Sr.
Fran-isr i ii.neiro M'Hiteiro, em Apipucos, au
Sr. Fran'-ivfi Lrnacio Pinto, na rua do Horn Jesus,
on ao Sr. Car a m, a rua do 'ommercio n. 40.
N(M
Precis:, se im ti-.ii 'hcjfadu, que tenha boa conducta e pratica
Sara iVit u Ao .-ugenho : quern estiver n-^stas con-
icSes, ineira apparicer no largo do Corpo Sanlo
-B.4!*, escript'trio.
Sociedade Benehcente Luso
Brasileira.
De o dcui do Sr. presidente desta sociedade
convido aos >r*. conselhwos a enraparecerem a
domm 'I" i- ;, iri fucM que tera iugar a* 11 ho-
ras d.: manna de dewiogo proximo vindouro.
S"'-!-.^..: i i :la So^iedaae Beneficente Luso Bra-
silciro, 20 de novembro de 1873.
0 !. secretario do conselbo,
________________Tbeoplulo Alves da Silva.
0 abaixo assigoado, filho e herdeiro do major
Mareetioo Jo-e Lopes, declara que neahuma
traiiaaecao, venda, ou oulro qualauer convenio
pedi i risar se sobrdo ongenho d'Agua, situa-
do ii. cuiiiirca de Igoarassu, vislo qae existe um
protest i p 11 preferenela intenlada pelo pai 40
meftno abaixo assignado ; e que demais, hoje
existem hor-'eirto menores que nao podem tran-
sig;r fi) j'".; .'. e que pelo fallecimpnto daquel'e
ficou snstado i processo da execugao, e nada se
podn in nova r na mesma sent que competenlemen
te sejam babjlitados todos os herdciros como e de
direilo.
_______ /i-': Pi'ppe da Silra L'ppes,
'irourtidtt eiu Oliuda.
Urn ii'^iciiinte do gaiio, achamlo entre
su.is rezos,uuui muit 1 auitnaJa a arreinelter,
a expira, tiu do ningo 23 do corrmiie, no
cun.il do piiteo do Carmo, em Olinda, a
disi)o.i<;f: > ilos atnadores do b'rinquodo:
alj,iiiis campiaas ja se alistaram para com-
baler.
lioupa perdi'la
^ Desapjiar eea da esta^io dos trilhos urbanos do
Caxanga. araa Irouu de roupa lavada ; suppoe-^e
on ;:' m >.*: k tci- n iticia, pode levar ao e-criptorio n. 62, !
au rua iS< Harqaej; de Olinda, que sera
era' 1 ;
.! d.
CtylVAir lit
(^\Oli 0.
iseiro ; no rate dosarcos.
CASA.
..1 tun: 1 t liva na rua de Vidal de
ni n. l-ii, aniiga rua Imperial, cjm bas-
. .iwJu, i Iraiai na rua do Marquez de
G '13.
Alnea-SO. 0 Mtl&a da rua di. P.angel n. 54, por
Vi:< laensafs, daado fiador ; so sc aluga a faqulia:
a trat.o' oa rua da Praia n. 34, arraazein.
Extremameote {rrato aos atuigos qae incob-
acqu .... tisilaraui nosdiasqnefendo passjfto
a -. .-.! ''. 1 intuito de rnstahefecer mioba
laula a1 ;:. la, e oa impossibilidade de pes-oal
pwule dtrig mo a cadi um ; por isto vauiio a
imprensa manifest*? mcu reconhecinieato e offe-
rec ; 111 mi us dintiaofaM peslimos na cidade de
Goya 1.1. onde tt& eacoatiarao prompto e a dU-
pos>.;a de ta 1 di.sUuc.tns amigos e cavaUteiros.
Recifa, 19 deapveaibro do Irt'.'i.
Ii.iiao de Goyanaa.
Aos ^enhores negociantes.
Gont'mua-se a bnieeer eomeJavits para fora
"I .r in i.'.- cflflMjaadoa ; algaai senbor aagoeiajMe
gue teaha de retirar a !'!. 0 quizereon deixar os scus caixeiros bem
serviiiis, quaata ao tormeii 1 ; 111 do comida, diri-
.ja-ss a ru eslreila do Rosario n. 3">, [uiuiolro an-
da;-.
Aospaisde familia o ao pu-
blico em geral.
Oma ;... a competentemeote babiliiada pcia
iaslracc/ui ,iiililka desta pmwaaia e FesMeMe etn
a casa n. Ii, no largo Ja Soledade, JncomHe-se de
prop;.).'.. .1 qoatqaer petsoa, t-oni dtfttoaeAn ii
sexo. para as CuRC.oea d ungisleiie, enipregos
'pobiicus 1; uiiae.-.::ii-:".r oatro- rarg>.s dependrnti'S
d Bfflfcorso, e&ca toda s .licitu.ie. esm"eroe Into
1 all 1 Ii guir 0 pTiajri su 0 aprovel
( i .i'i .: nkiuin ci e aUminas. O pretcii
dente pode d.-igif :: a ki, r ca3a >upra men
ia das;! ate at ;; lioras ila tardo, quo acha-
. j hi tr
All en^ao
' ia 4fi4piiiio Santo, viova de Jose
Kii| dos S+iUas, faz publieo que ningueia faca
ik(>.'!.) algum cm reUiao a bens quo the perten
caiji- >ra ;; iicv> Jose on-ira dim Santos, vi-iu
1 ii.i r.iNsad'J a pniLura.'ao qar 0 mesino sou
Ii 1 |wuco3 dias obter da annnnciante
).-. r ->! \ i- ;. leg ivfrilares. Engenlio Antas, 17
dn noyoriihi'i) de t8 J.
Ppi > M. G, antigo importador e ex|
tadav dj3esta> etoilaios, acaba de reccher da
iiur pl;ndido surtimente dessas obras,
uo d 1 piaecestis di rnalarg do Rosa-
1 :'.r munido a tiom scrvir os
lestij cidade, e fazer remessas ao-seu>
itr^i iri>vinci;.s : expr^s-o maid-
!>:. vqlaijles para res^em-nasdilos, ba-
pie i.ii-rqplo facililam i> criancas apren
a^afati em collor^Oes do mai^ir ao
is altar, na* mesmas cmdicSes, ditas
pawar dias no cam
gfA&d^ li;,i"a rouna rugi-.nimada,
e 0>,6o.jberlo.: para mlb-s bot^r se
am pretentear de feslas, salva' com
fo f'. 1, pao 0. fruntas na mesa, pratinhos
t irradas e brinquedos dc
u)pi* ib34jura rne.'iinas dc esc'Ha, mara-
a-1 t :a qfnlkisdo pa sanis. ja ros e ba
ajiii Ur 6fi 0 pap' I raggado nj esrrip
v^ra lalb'-res d me-sa, gigos pran
das do vn,i;' para ter 0 pao na palaria, roiipVins
par.t dep* im thpRKMRi rvid.i do lalSpessia,
tepias do rune e icmieira felpuda paracmnpras de
^sn ..a<'il- para coaduecao do ob-
Jerl' Ljrfci? 3 rodoudo.*, pao "!e
eieefel Hi'- to'iitk^ d<' Irlg.i. I. ilaciia- e nia*sas de
ararBia, Vtr'ai.'us lad) eedeinosa precos raidicos.
redilarta vendo
Retalha sc um vasto e bello terreno &
margera do rio.nos fun-Ios da povoa^lo Beberibf, nin la nanvisto pelu maior parte
da poj ulayao, p-r t' r si o ha pouco derru-
bado os mattos qu cobriam ilito terreno, o
qual consta do uma gran lo p'anicie, pro-
pria para edilici^io, e distanmae 3 minu
tos a ultima estncao da via f-rrea, achan-
do-sp jd divi iidn em ruas, com approvaca
da ramara do Olinda
Quern pretender p6 le ir ypr que sem du-
vida Beard agradado, e eiilendor-M com Q
Sr. Jose llonorato Medeiros (Zumba), en-
carregodo, ou com o proprietorio, junto d
ponto da dita povoacdo.
Cachorra
Perdeuse nma carhorra de raca da Terra Nova,
com n sigoaes segwinb-s muito nora, edr ah-
aenla am inalhas pi etas, fuciuho rnoiprido, cauda
tDrwscada, pes pesnabos: quern a pegarleve-a, a
rua de Pedro Affmso n. i. qne sera recompensado.
Quern precisar d um mocp de idade de 25
annos, chegado ultimaraente da Eumpa, que sabe
bem Icr e escrever, e entt-n to rte eseripturacao,
para qualquer um negncio : dinja-se a rua do
Marquez de Herval u. 57, padana.
COMPRAS
Leques,
idas de
bailes.
Amaral, Xabuco A C receberam am completo
sortimenlo de leaues de madeira -mosaico cou-
ro da Rtlffia, marflm, madrperOla da divcrsas
cores e tarlaruga, Invas de pollica fresea, e jmtiT
de tu&L, e sabidas de bailes ou capas de casemi-
r para pieservar qaaesquer incomnwdos nas sa-
bidaade reuxiides : raadom no Ban* Victoria, a
rua do Barao da Victoria h. 2.
Amaral, Nabuco k C. vend em magntaVas
eoicha3 da da, fi.isrimaa aborturas de cana-
braiade Hnfcn toordada?* para camJaas de senbo-
ras, e meias do algodao. fio dc Escocia e da seda,
para hnmeus, senboras, meniaos e utanaaaa: no
Bazar Victoria,'! rua do Barao da Victoria n. 1.

Compra-se

nma escrava que spja cozinheira p dfl boa eondoc-
ta : na pra.a do Corpo Santo u. 7, i. andar.
E
PAGA-SE BEM
cabos de chapeos de sol, bengaja. l>que ede oatro
qual'iuer objecto ja u-ado quesejade jmarltin : na
rua Duque de Caxias n. 28, deposito de carvaq
animal.
I Trastes. $
Compra se e venJe-se trastes novos d*t.
1 e usados no armazeai da rua do 4m- *
vft P^^or n. 48.
Compra-se
um sitio nos arrahaldes desta cidade. onde passe
iinha de bonds : a Ira tar na rua do imperador a.
48, armazem.
VflNDAS,
N0VID4DE
A Predilecta acaba de recebcr um lindo sorti-
menlo de fitas e^cocezas acbamalotadas, proprias
para fac us ; assim Como um lindo sortimento de
leqaes d^ madreperola; a elles antes que se aca-
bem, a rua do Cahuga n. IA.
Tlores~
0 jardim da Kan Espcranca. a rua Duque da
Caxias n. G'J. esla replecto de (lores af mais de-
licadas qne e possivel ima.^in ir se, desde 0 mai*
singello ramalhet" a mais elegante rosa, (inteira
novidadi) : ao hello sexo compete, quanto antes,
virem CoUie las oniquanU estao vicosas.
Folhinha de variedades para
0 anno de 1874
Con ten 'o ;:1,.mi do kalendario, a tabella dos
emoluments cobravi-is no tribunal do comnter-
cio desta provincia, prego- e partidas dos vaporcs
do mar e terra, no ncs novos das ruas desta ci-
da'le.tabelhs dos emulmnentos parocliiaesetc. etc.;
i venda em todas as livrarias do KeciCe. .
Prensa para timbrar.
Vendc se uma pren-a para timbrar papal, car-
toes, etc, ol<*,., a&tuipanbada de uma grande col-
leccao do typ is e uxiis p.erieuces: na livraria eco-
nomica ao pc do arco de Santo Antonio.
Ao bello sexo.
Gusinao i Leal receberam ricos cottes de gaze
de seda, fazenda inteiramente nova, e vendem
pelo barat iirepo de 'tO^OuO o corte : a elles, antes
quo se aqabein: sii na loja da ro:. i'rmeiro le
Marjo n. t'j.
Fumos especiaes
para o fabrico dos melborns Cigarros linos dc seda
e linlio, c para caximbo, a saber :
(i ver ladi-iro fumo de Daniel.
Idem do Bin Npvo desliado.
Idem cabello c picado.
Idem de Hai-pendy.
Idem de Goyaz.
Idem dePomba.
Mem do Mmeiro.
Idem de S. Paulo.
Idem dc Minas
No armazem de fumo a rua
D. 10 A, de Jo e Domingue^
O propiietario deste estabelocimento torn tido o
maior caprieho possivc! em obter do Rio de Ja-
neiro's qualiJades de fumos mais especiaes,
algamas ate me-mo nao conbecidas neste merca
d.i ; pireiu muito apreciado em outras provin
rias do impeno, como os fun os que acaba de re-
ceber pelo vap->r nacional Bihia. entrado em 6
do corrente e por isso cnnvida a t dos sens fre-
gueze-i e amigos para verem e examinarem as
n.cltiores quabdades de fumos fio, e proinette
conservar sempre em sou armazem o que hiflver
de niclhor neste ariigo, desde o$ arroba ate 8* a
bbra ; tulo a contento dos sous numerosos fre-
guezes e amigos.
da Madr<3 de Deus
do i.armo e Silva.
Casa e terreno.
Veude-se a casa de ferro e terreno em Sant.-
Anna, perto da e>ta.ao da cslrada de ferro : a
tratar com Sbaw, Hawkes S: C, a rua do Bom
Jesus n. 4.
rjon>AGAo
frii(S"h Aurora
Grande sortimento de:
Moendas de todas as quallda-
des e taraanhos.
Tachas fiindidas e batidas,
idem.' j^froemmt on?
Rodas dentadas e angulares,
idem idem.
Macliinismo, idem.
Varandas^ gradeamentos pa-
ra jardim, etc, etc.
Tmfo getfende por pre^os
muit-o em conta para aca-
bar*
N. B.
G. Starr &C, era liquida-
cao, na fu^di^ao da Aurora,
em> S*uto Atiaro.
.a.l
Rua do Brum n. 76
Vende-se zinco purn de superior qualidade,
proprio para cobertas do casas, medindoilp.il
mos do comprido e 4 de largo, por prejo mnito
em conta.
mm
Vende-se nma escellente casa com am peuueno
sitio siu no Arraial junto a casa do Sr. Ansalmo :
a tratar aa mesma ca.a, e para in/ormaooes na
taverna do Qm-imado. n. 3, l andar
ATfE^CAO
Vendc se nma taveraa n> pi.vnado de Apipucos,
confronle a estacau dos inlln'S urbanos do Racife
a Caxanga. a qual tern muitu boas fruguezias e
vepde muito : so se veude por mutivos uigontes
que se dira ao cniprad^r.
__
-----u
Ikii-.so
n. it.
Vende-se
nm sitio no largo da '.sa iqrte, com 820 palmos
de fri-nte e 370 de Nu*>U I'M^v m; s on meuos,3
"torn, easa de peira e ca), 7 quartoe, 3 saias. co-
f> ra, 1 oicmbas djve'sos arvorodo>. .do
ru:t ; ; assirb c
!vii.p, um i uiro uwnoc na 4ra.- ^Xw+Mlt_
x llanio par. i estradar*uein *yoriw'H>'
aa rua
Os proprietaries da Ptfdilecta, no iatuita de
conservar o bum coneeipque Uem rwerecido do
respeitavel publico, di-tihgaindo e seu estabeleci-
nifuto dos mais que nrgoeiam aa mesrnn gem ro,
veem s^ien'ifirar aos sus boas freguezesque pre-,
veniram aos.^eu* .coiTi'Spondentos nas diversas par-
cas d'Enropa para Ihes enviarem por todos o< pa-
quotas,-os objeetoi de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem ace/tos pilas sociedajes elegantes
daqueiles raises, visto aproximar se e tempo de
festa, em que o belle sexo desta linda Veneza
mais ostonta a riqueza de anas t-iill^ttes ; e oo-
mo ja recebosscm pelo paqucte francez diversas
artigos da ultima muda, veem patentaar alguns
d'entre elles que se tornam mais recommendaveis,
ope ran do. do respeitavel publico a ooetumada
concurrencia.
Aderecos de tarlarnga os mais liados quo teem
vindo so mercado.
Attains com rieas capas ,Se maditeperoJa e da
velludd, sendo diversos tamanbos e baratos pro1
008,
Aderecos complete-* d,e borracha pr prios para
lcto, tatnbem se vendem meios aiereeos muitoJJ>o-
nitos.
Boi5es de setim preto e de cores para orna: le
veslidos de .senhora ; tambera tern para collide
palitot. '
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
to de seJa, de pallia, de chagrim. etc, etc., por
baralo preco.
Bonecas dc todos os tamanhos, tanto de lou?a
como de ,c<5ra, de borracha e de massa ; chama-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um ,pouco im-
pectinentes por falla de um olne.:lo qde as en-
tretenham.
Camisas dc linlio lisas o com pcitos bordados
para homem, vendem se por preco commodo.
Ceroula:- (!; linlio e de algodiio, de diversos pre-
(08.
Caixinhas com musica, o que ha de mais lindo,
com disticos uas tampas e proprios para presen-
tes.
Coques os mats modernos c dc divcuos forma-
tos.
Chapeos para senhora. Receberam um sortimento
da ultima moda, tanto para seobora, como para
meoinas.
Capellas simples e com veo para noivas
calcas bordajas para meoinas.
Entreraeiiis csiaotpados c bordados, de lindus
desenbos.
Escovas elecirieas para dentcs, tern a proprie-
dade de evitar a earie dos denies.
Franjas de seda prctas e de cores, existe am
grande sortimunto de divercas larguras e baralo
preco.
Fitas de sarja, de gorguriio, de setim e de cha-
malole, de diversas larguras e bonitas cores.
Facbas de gorgurao muito lindas.
Flores artifidiarsl A Predilecta prima era con-
servar 8Pmjire nin bello c grande sortimento des-
tas flo es, nao so para enfeile dos c^bellos, como
tambem para ornato do vestido de noivas.
Galoes de algodao, de la c de seda, brancos, pre
tos e de diversas cores.
Gravatas de iada para homem c senhoras.
Lacos de cambraia e do seda de- diversas cores
para senhora.
Ligas de soda de cores c brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, com capas de madre
peroia, waffle;, torn e velliuki, tudo que ba de
fabjn.
Pentes de t .rtaruga e martini para alisir os ca-
beies ; teem tambem para lirar easi.a-.
Port bouquet. Um beilo sortimento de madre
peroia, martho, osso e douradas pup barato preco.
I'erfuinari.u-. .\uste ariigo sta a iVeddejta bem
provida, n^p. so em\ exjja/tos, com. em oleos e
banhas dus mefliores odores, dos mais afamados
fabricanles, i.oUbiu, Piver, Sociedade Hygieniea,
Coudray, Gosntl c liimel ; sao indispensavcis para-
a festa.
Saias borda-Jas para senhora, por commodo
pr*co.
Sapatinho? de la c de setim bordados .para bap-
tisados. '
Tapetes. Recebeu a PredHecta nm bonito sorti
mento de Hv. rsns tamanhos, tanto para sofa co
mo para cslrada de saias.
Vestimentas para.baptisadoo qne ha do melhor
gosto e os mais madams, recebea a Predilecta e
vende por b tp>. proso, para dear ao alcance de
qualquer bolsa.
Rua do Cabuga n. 1
,-------------------------------. ---------.
Aiachinas a viipor.
^Machinas io rlescarogar algodao.
Mat'hinits de cortar fumo.
Arab >s Americanos.
Col'res d- ferro ic varios tamanhos
Prensas para copiar rartas.
E casa de- Shw Hawkes k C.
Rua do Bom Jesus n. 4
Xarope d'agriao do Para
Antigo e omceituado medicamento para
>
U\/\!i
Una do BarJio da Victoria n. 22.
DE
Carneiro Viaima.
LINHAS
RETROZEDBALGO-
TODAS
CORl
Com as lalsiiica^Oes que tem apparecido
DAS MACHINAS PARA
ma-
Nenhuma
china Singer 61egi-
tima se nao levar
A' este grande estabelectmento tem che-
gado am bom sortimento de machinas para
costura, de todos os autores mais acredita-
dos nltinaamentana Europa, cujas machinas
sito garantidas por am anno, e tendo um
perfeilo artista para ensinar as mesmas, em
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo tambera d'um fe^
anno sem despendio algura do comprador. o>
Neste estabelecimento t mbem ha pertengas CO
para as mesmas machinas e se suppre qual-
quer peca que seja nocessario. Kstas ma- p3
chinas trabalham com tod8 a perffieao de .^
am e dous pospontos, franzo e" horde toda j g
qualquer costura por fina que s*ja, seus
precos sao da seguinte qualidade : pan tra-l Q CSta lliarca IlXa 110
balhar a mSo de 30000, 40^000. V5?000i hrstM Ha mnphirtn
e 50J&000, J>ara 4Mba|Jjar con o ; sao dc Ul Ora^O aa mad a.
80^000, f090Q, lOOWtO, 110^000,
1205000, tS5OO0, 1505000, 20 $505000, emquauto aos autores uao ha al-
teracao de precos. eos compr.iduri.s poderao
Tisitar este estabelecimento, quo muito de-
Terao gostar pela variedade de"objector que
ha sempre para vender, como sejant: cadei-
ras para viagem, malas para viagein, cadei-
ras para sa'.as, ditas de balance, ditas para
eriaiie,a (alias), ditas para escolas, costurei-
ras rtqnissimas, para senhora, jiespensaveis
para, criancas, de todas as qualidades, camas
dc ferro para homem e criancas, capachos,
espolhos dourados para sala, graudes e pe-
quenos, apparelhos de metal para chd, fa-
queiros com ca bo de metal e de marflm,
ditosavulsos, colheros de metal fin i, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar saias, lavatorios completos, ditos
simples, objeclos para toilette, e outros moi-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que *i6itarem este grande estabelecimento
que se acha aberto de-de as 6 boras da ma-
nhfi ate" as 9 horas da uoute a"
Rua do Barao da Victoria n.
Porque?
ashsas
Accesserios
PARA
mm
PARTE
DA
Machina
>MKI
!'-* oboeft
fgqb estarrg aeleaj flii
Abiibvtj*M*i..< .watdteil
I
1
J
jHai
y. -j/
*' *J o T^^ C*^
.*ons*.'.tB 9okf'A
Para evitar felsi g
hcacoes. notem-se *
bem todos os-detaHit. J
lhe? d*.: marca. &
!A dinheiro e a -prazo;
A contento das Exmas. familias
22.
Nao ha mais cabcllos
braocos.
T1NTURARJA JAPONEZA.
S6 e unicaapprovada pelas academias do
scieucias, reconhucidu superior a toda que
tem apparecido ate hoje. Deposito princi-
pal d rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, i. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
rejpo.
Do forca do d ms a seis cavallos : a venda no
armazem de Joaquim- Lopes Machado & C, tr-a
vessa do t'orpa Santo n. K. _____
Alqaciana
A 400 RS. 0 COVADO.
Fazenda intniramente nova e propria para a pre-
scnte estar;ao, pelo baratis-imo preco de 400 rs o amustras
covado, a loja dos arcos de Gurgol do Amaral &
G, a rua l.'do Marco, antijra do Crespo n. 20 A.
Sdo as mais baratas-
SSo de dous pospontos
Sdo mais simples e rapidas
apidas
Sao duradouras
MACH1NA DE SINGER
DOUS POSrOKTOS
Abainham
Franzem
Pregam tran^a
Marcam pregas
Bordam de iinha de soda
Alculchoam
E pregam cordaos.
UNICA AGENUA
EM
A CASA AMERICANA
15 RUA 1)0 IMPERADOR fe
Aguas Alcalino-Gaztisas das Pe^

PECHINCHAS
a6 o n. 20
RUA DO ORBSPO
LOJA DAS 3 PORTAS
continua a vender muito barato para apurar
muito dinheiro.
CASSA LA
Chegou csta fazenda,sendoliodospadr6os,evr\
de se pelo diminuto preca da loO rs. o covado, <.'
pechincha I t dao-se amostras.
HETINS
Proprio para vestido* o aue ha de mais gosto,
padrdes novos, pelo preco de 'i(K) rs. o covado, e
pechincha I I I doise amostras.
lA;e-cocezas
Lasiubas escocezas, padrdes bonitos, a 240 rs. o
covado.
Ditas com listras, padrGes modernos, a 280 rs. o
covado.
Ditas la e seda, padroes modernos, a 6'tO rs. o
covado, e pechincha I I I dio-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de core*, padroes bonilos, fazenda dc
UOOO a 400 o covado, c pechincha I I 1 dao-se
dras Safeadas.
Villa Rouca de Aguiar.
BICAHBONATADAS-rS' 'DICaS
Aaal j-srs do Dr. tfoso Julio Rodrl-
gues, lente da est*ola l'olytc
clinica de t.is3:i.
Esta excellente agua nsada com vaotagem nos
padecimentos das vias digestivas, urinarw, d.
cstomago etc., etc.
Vende-se
NA
Pharmacia o drogaria
DA
Rua larga do Rosario n. 34.
)|ada]ilo francez
i1
a 6$500 a pegal!
Madapolao francez fim com ponco sujoa 6i50
a peca ; c pechincha na rua do Qunmado nu-
mero 43.
Sal do Cabo Verde.
Tem para vender Joaquim Josri Gon^al-
ves Beltrio & Filho, a bordo do b-iguc por-
tuguez D.Anna, fundeado defronte do tra
piche Alfondega Velha : a tratar a bordo o\
no seu escriptorio 6 rua do Commerci
n. 5.______________________________
Vende-se' um elegante e pitoresco monte,
proprio para a proxima expnsiQao do Menin i Deos,
tendo uma cidade de madeira que e em relacao
ao mnnte, tudo por barato preco. Aprovcitem os
amadores de presepe, que o tempo urge, e da-se
por barato pr ro : a tratar na rua Nova n. 27,
loja de selleiro.
Banhos em Olinda
Camisas e ealpas de fazenda .d* ta qualidade,
prnprias para os banhos em Olinda : na loji dos
arcs a rua Primciro do Marco (antiga do Crospo)
n. 20 A, deGurgel do Amaral > C.___________
Para o cabello
TtH'ico de Jaynve, contra a caspa e a calvicc :
eneoBlra se a vmda no deposito central dc pcrlu
mams a rua Ouque de Caxias n. 28
Superfmo crom? de Jaymo, garantia dos cnl.il-
los : earontra-^e a von la no A*psito central de
cura daa Bttolestias dos orgaos respiratonos, perfumarias a rua Dngrn^ do Caxias n 28
oomo ||p| apptieado-aunda com optimos rosultados no aarua do Range! n. 41, a tratar na mesma.
11 mesma,
para o Arraial. & iu ca*a de ped/a a &7cojbJ fcf Mf-ffrPlllq 113TO, favallne
qn.rt's. co'inliajira, cacunba e al/npa aJ>ar*doi <.rfanu.i.uuia pai a uatauui, < Vende-se quatco caixoes proprios para t-stabe
A' veatta ca livnniia laa-ica, a rna doImperB- IWimentos de moHiados, a rua do Marcilio Dias
n. 73. I't e.0 40 rs. n. 76.
CRETONE
Cretone em pejas pequenas, com bonitos pa-
dtoes, pelo diminuto pre^o de 400 rs. o covado, 6
pechincha I I I dao-se amostras.
Cortes de casemira ds cores, a Sjl Ob cada nm.
Cambraia de linho de cores, a 360 rs o covado.
Ditas pretas para Into, a 240 rs. o covado.
Fustao brauco para roupa de m.ninos, a 560 rs,
o covado.
Brim pardo e de cores, a 403 e 440 rs. o co-
vado.
Cobertas de chita adamascada, a 3J300 rs.
Colchas brancas e com barra dc cores, a 3/1500
e 4*000.
Len?oes de bramante, a 2*000.
Ditas de algorlao, a 1*100.
Toalhas alcocboadas, a;6*000 a duzia.
Ditas felpudas, a 6*500 a duzia.
Lencos de cassa com barra, a 1|000 a duzia.
Ditos de cassa aban'-ados, a 9*001. a duzia.
Ditos de esijuiao linos, a 3*500 a'duzia
Cambria lisa transparente a 3*000 e 4*oW a
peca.
_,Cambraia Victoriaa a 3*800.
Atoalliado adamascado. a 9*000 a vara.
Dito tran.-ado, a i*i00 a vara.
Pujtdes de cores, a !#' 00 0 corte.
Cbales d^- merino liso, a 2*000.
Ditos estampidos, a 3*500,4*0 K) e 4*oo0.
Ditos com listras muito finos, a ?-*80o c 6/i000.
Esguiao muito fino, a 2*000 a vara.
Brim preto irancado, a 2*000 a vara.
Bramante de algodao, a 1*600 a vara.
Dio de linho de 9 c 10 palmos de largura, a
2*500 e 2*80iJ a vara.
Algodao marca T, a 5*000 a peca-
1 DUo dome-tico. a 3*000 a peca.
Brim de algodao com listras proprio para caai-
sas> a 400 rs. o ovadn.
Nanzue cambrau do cores muito fma, pelo di-
minuto preco de 400 rs. 0 covado.
86 na rua do Crespo n. 20
Gkiilherme & C.
Vande-iiiT sal do Assii a bordo do~hte JoSo
Vntle, confro.ue ao lrapich do Cuuba, caes da
CoiDpaiihia tVrnambuca, a tr;. loao lo-b
da Coaha Lagos ou com o mas tre a bordo.
{De i:\samentos
De liaiti.;ulos
De liaileN.
De soirees*
De alinoeos.
Me lanclies.
De biekniehs.
De ceias.
De luilo de ludo
Se enearrega a confeitoria do Campos.
Ealem disso
A confeitaria do Campos
Estd sempre provida
De tudo qqanto e" preciso para
Uma boa mesa.
Rua do Imperador n. 24.
I
BABIA
Tem para render em Jos6Gor^alvcs Beltrao & Filho, a rua1 'doCombwr-
cio nil.
J. o. c,.,
Tem para ve :.
Cognac de Hennessy, stfperior e verdadei;
Vinho Xeres das:melUores qnalidades.
Bitters de Angastwra.
Whisky
Cha preto em lattas de iO libras.
Todas as preparaVdes chimicas do Dr. Ayer: na
armazem da rua do Commerew- 38i
Paw> rfe afc>dao< vjj
Bahia.
Ha par*A"*nderiis'-49g8tes-rabrteaj .
S Sap/ador-
Conceicio.
Valenra.
Modeto.
N> esc riptorio de, Luiz DiWt^ a rua do Cam -
mercio n 34, aadar.
Vende-se uma wcio oa
dracada, cora balcio, pr. pria pal
^Ka traur oa rua do Cre*po
Lffla
^


\

i.;
>

Diario de Pernambuco Sexta fea 21 de>]0iiMahifl <*i> ]*$*,.

altar
da *J
DE
MB P0SP1T0S
SOARES LEITE, IRMAOS
UHICOS AGENTES
Rua do Barao da Victoria o. 28
ua do UabwgAS. 4
9 Zin
|
GOMES DEMATTOft ft IRMAO "'
Avisam ao respeitavel publico desta cidade que o sorn'mintb'e jolas,; de subkW "la-
(lor, que oxistia em sea estabelecimento, esld completamente reforcaao com o rtfatt'ele'
' gaote sortimento de novas joias, quo receberam'drrectamente' pelo ultimo vapor da'to-'
ropa, constando elle do mais variado sortiwento de'ade;
ultimo gosto com peJras preciosas e sem ellas.'fcrfu'drjs A-argota", agraffes ftaraVrefcfW _
senhoras, delicados aderegos para mentoas, meios aderec.os de crftnate'iif Imdissiroos, 'tottasf
de nogordios para senhoras, correntes inglezas de Ouro e de pia'ttoa, varied* quantldaaV
de botoes para punhos e peito, com emblem as maconicos, de Onix, tecfao de odro, ca'rfa-
fflll. ntf Krilhantpc mnndrne do rariccimrK neon's mm rihaic W/\iA#t*l r.n}c>hm*A mIA.
te lerniz,cuja falta a.ui tanto seotem
fas-Sis. labrioattt- s possuidores de earraa-
I fcetSB, acaba de eh'-gar para seu unico dpo-
Utm, das seguinte* qualidades.
tJKflHU SLPtRKI.NO PARA CAIXAS DE
CAHlltAGL.NS.
f an verniz muito claro e duravel para
caixas de oarruagens, para todos as de-
bs* ou. para a ultima somente, sobre
outros vernizes. A superficie secca em 12
boras, depois das qua.es se ttxpoe ao ar por
ifecos aBoufevarrJ, jjufeeiris di ,**uin tm^ (lue fazen.lurecer, e passa-
'argote, agraffes par* retold* d*l 13 a 18 horas P6,le Pssar-se a caixa *
*k& main Rimntaa qo wmoJo Kai.+*B ft oo n.iii.,,-,^ j *w.-l Jl feu elc- brilhantes monstrosde rarissimas agbas, em adhefs, fozetas1, pul&Hrasyalfire
\a ttlttlS BimpieS, a.8 laiS DarataS e as melnores dO mundOl tes botoes, e outros rnuitos ohjectos de- ouro de melhores ftbricante/ de Paris, quaV
Ha eiposicAo de
Elias Howe Junior',
cencedido a j venderao com grande reduccao de precos, por serem elles re'cebidos dlrectarrientdde seii*
, ; committentes.
a condecora- ^ proprietaries do acreditado MUZEB DE JOIAS. tendo seu estabelecimento iberto
cao da Legiio de Honra, por serem as macbinas mais per. | at^ 8 horas da noute, convidam as famitias que se qhizei'em proVer de fffldu jolas, *
Paris, em 1867,
a rnedalha de ouro
feitas do muado.
I virem escolbe-las a* vontade, para o que es*> em exposiQao nos mosTfadores.
A medalba de ouro, conferida a E. Howe Junior, nos
Estadoa-Unidos por scr o intentor da machina de
tura.
cos-
A medaiha de ouro na exposicao de Londres acreditam
estas machines. -, i:o ,i-.>f
A 908000
ARMAZEM
DE
Fazendas fi
Agua Morida, de Guislain,
para fazer os cabellos pre-
tos.
azenaas Unas
A aguia branea, a raa Duipe
acaba de receber nova remesaa d
UA
DE
Cordeiro Simoes & C.
Cabe-nos o deTer de annunciar que a companhia das macbinas de Howe de Nova-
fork, estabeleceu nesta cidade a" rua do BarSo da Victoria n. 28, um deposito e agencia
**ral, para era Pernambuco e mais provinoias se venderem as afamadas macbinas de cos-
ra rte Howe. Estas machinas sao justamente apreciadas Dela perfeijfio de seH trabalho, ,
1 wit ;.ntroduccao dos mais aperfeic/iados apparelhos, estamos act'ualmente habilitados a ra grande toilette; as^im corao, para o uso ordi-
*rec.jr ao exame paWico as melhores macbinas do mundo. I ?ari5'._de..tcdaS as .clasesi e po'. pr.efos vantajo-
As vantagens destas machinas sao as seguinles:
frimeh-a.0 publico sabe que ellas sSo duradouras, para isto prova incontestavel, a
4rcuuistancia de nunca terem apparecido no mercado- machinas d Howe em segun-
f* mio.
e de Caxias n. SO,
ida apreciavel agua
ilorida para fazer os cab8ll# ptetos. O bom re-
sultado colhido por quern .tem feito uso dessa
inollensiva preparacao a tem altamente conceitua-
do,e por i3SO apenas se faz lembrar a quern no-
vamente deila pxeci^e e queira se aproveitar de
si3 utilidade. Twnbem veio agna do topasfo e
oko florido para o mcsno vao, e tio aereditados
ET csta casa, ?cm duvida, uma das qne hoje,' como aqaella.
pode com primazia apresenlar aos seo fregueies Vo}tag Q brillCOS de 2XOSSOS
Rua l. ie Marco i. 7 A.
aljofares de cores.
TtitiUn esj^cs |i;u>a mm
Segunda.Contem o material preciso pars reparar qualquer desarranjo.
Terceira.-Ha nellas raenor frfcao entre as diversas pe^as, e menos rapido estrago SSbr.^tto*
que nas outras. Selim Macau preto e de c<3res.
Quarta.Formara o ponto como se ttra feito & mao. Grosdenaples idem idem.
uinta.Permitte que se examine o trabalho de arabos os fios,
* outras.
sos para os cempradores, de eujas fazem um pe-' A aguia branea, a rua do Duijao d- Caxias n.
queno resumo. i SO, recebeu novas e bonitas voltas e brincos de
Mandam fazendas as casas dos pretendentes, grosses 'ljofares de cOres, e como sempre cbnti-
para o que tem o pessoal necessario e dSo amos- 55? a vende-las por preco coramodo.
tras mediante penbor.
Gortes de seda de lindas cures.
Ditos de gorgurao de cdres.
Novos dia^jemas dourados e
com pedras.
pedra pome e dar-lhe em segoida outra de-
moo. Dao-se com facilidade ires demaos
iteste vernis sobre as tnUas, em Ires dias.
'A priaieira demao servindo de apparelho,
ajudj a seccar as ultimas demaos e produz
am eicdlente brirbo.
Vefuiz superior eceante parti
carriiKgens.
E;te verniz e 'la ruef ma cor que o ante-
cedente, mas endurece e secca com mais ra-
ptdez. Emprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e pede misturar-se com o
anterior. A dura^ao do verniz permanente
diminue na propor^ao da raistura.
VtRlZ SUPEltiOH ELASTICt 0 PARA OS
JOGOS DAS CARRUAKENS
Nao e tao vlaro como o verniz para as
caixas das csrruagens. Fmprega-se nos jo
gos das carruageus e iambem para aspri-
meiras demSos tobro cores escuras. 1'dde
passar-se a pwlra pome passadas 10 horas,
podemlo dar-se em seguida outra demao.
Verniz preto lo Juptlo, superior.
Para trabalhos om preto de carruagens.
Produz o preto mais escuro e brilhaute, t
pode passar-se a pedra pomes 10 horas de-
pois. Deve dar-se duas demaos sobre um
fundo preto o cobrir-se com outras duas de
verniz que se emprega nas caixas das carrua-
gens.
VERNIZ PARA COrROS, BRILHANTE E
EI.ASTICG.
A agnia branea, a roa do Duque
recebeu covo sortimento de bonitos diade-
de Caxias n.
os diade-
pedras, tanto para meninas
. !50,
I mas dourados e com
o one se nSo rorKetm '. Veludo PKU>- I COI^o para senhoras.
u queseiiaownsegu^ Granadine, seda preta e coUsmasn de cores Hn- PnllppfftPfil flp fraloflfifl
u. dissiraas padroes e fazenda da ultima moda. VAWlCWyUCS UC UldSld-UUH
aexta.fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um i outro lado, Popelinas de liodos padroes.
go era seguida, sem modificar-se a tensSo da linha, cozem a fazenda mais F*10 de seda franco e preto.
0. Ricas tiastjiunas de seda.
Setima.O corapressdr e levanUdo com a maior facilidade, quando se tern de mudar c^cbw de^aeda48"
OU
normas para escrever-se.
A aguia branea, a rua Duque de Caxias n. 50,
recebeu novas colleccocs ou normas para as crian-
milh^ an onmao -----------' "*------------------------------"**" rtT -2, -^ nova cstara' Cortes de cambraia branea com lindos bordados. usadas nas aulas e coHegios; e como sempre *en-
Oitavn. Murtas" companhias de machinas de costora, tem udo epocas de grandeza e Capellas e manros para n ivas. de-a>par prejo commodo.
7,S^ra.diC8eS ?ara/S,eremuUbStrtuir : entretanto a companhia das machinas de Howe Ditas rmar%oiib?ancas e de cores.
agrnentado o seu fabrico, e hoje nio attende a procura, posto que faca 600 machinas Baptista de padroes inui delicados.
r 4i. I Per.-alinas de quadros pretos e brancas, de lis-
Cada machina acompanha livretos com instrucjdes em portuguez.
A, 90dOOO A 90^000
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
do Barao da Victoria n. 28.
MCfllJVAS PARA COSIURA
A 30$000 e 30jf000.
D0US P0SP0NT0S
Nalqjade Scares Loitelrmaos, a rua do Barao da
Victoria n. 28.
pellica com pequeno toque, Espplhos de moldura dourada. do todos
Meias cruas finas para meni-
nas e senhoras
A toja d'aguia branea, i raa t'nque de Caxias
n. 50, recebeu novo sortiraento da^ueilas tao pro-J
curadas meias cruas para senhora, vindo igual-
cores,. propi ios para vestidos meute para menina^, e contimia a vc-nde-las por
precos eomiimdes.
Veos ou mantinhas pretas.
A loja da aguia branea, a rua do Duque de Ca-
xias n. 56, recebeu bofiftos veos ou mantinhas
pretas de seda com flores, e outras a imitacio de
creche, e vende as pelos baratos precos de 34,
if e 64OOO. A fazenda e boa. e esta em per[ito
osudo, pelo que oentiniia, a ter prompta extrac-
2lo
Perfeita novidade.
nma casa na villa de Barreiao?, na rn A> C
mereio, por preco nawHco ;. a tot..r eon,
Irmaos & C.
Mobil ins bar^ifc-
^0 armazem de Joaquim L n.U & C.
ha nm bom sortimpnto de mobilias de Vie
branoas epreus, que ie venlem a pree^a
modos.
Burros a venda
J. Deiro avi-a a .'ens freguezes
viagem para as provineias de Alaf
bueo, eondunndo exeellento tn-pi 3PVi
passara por Pcnedo, Pilar, Caatanl:
to Calvo. Barrciros, Riu Fojuauso, bV.-ad*. i>bo e
provavelmente por Santo Amaro do Jan axio a
Nazaret'i ; por isso pode ser avisado ou ?neoH-
trado em qualquer dVstes !ugares
Larangeira.*, 20 de outub-1 de IS'l
e*i em
Vende-se na roaa branea
Este yertiiz, contendo na sua composigao nnmero 56.
Asunicas verdatleims
Bichas hamburgaezas one vein a e-w. id"reaJo"
na ror Marquoz de ulinda n. Si____________
Chales de merin6 do oJOOOf
por 3#500.
Gostos Chinezes ; vende-se na Rosa L'r.ura, i
rua da Imperariz n. 56.
Las de quadros de 500 rs.
a 280 rs. ocovado.
E' para acabar.
Vende-se na Rosa Branea a raa la !mi>?ralria
n. 56.
Las para vestidos de gente
sinha.
Fazenda de 800 rs., vende se a 560 /?. ra ftosa
Brancae dao-se amoatras: a ma da lifi.wtris n.
56.
Colarinhos de esguiao, da 8$
a 5$ a duzia
Tamht'm si; relalha : vendc-se na rosa hiancaa
raa da Imperatriz n. 56.
Len^os de cassa a 1^000 a
duzia
a rua da Impcratrix
cores, para se-
Hnho de
Lavas de
a 200 rs.
Abotoaduras para coilete, grando sorti- j
mento a l-2o rs.
Caixa de linha de roarca, a 200 rs. Frasco com
Lauipwrmas a gaz, dando uma luz muito 19000.
Espelhos de moldura dourada,
os tamar.hos e precos.
p:Hn:MuiiAS e mildkzas.
oleo Onza verdadeiro,
de cordfio imperial, a
osso para calca, a
iiOi, a 100.
Duzia de pec,as
S40rs.
Caixa de botdes de
S00 rs.
Duzia de carreteis de linha, 200 jardas, a
00 rs.
Idem idem 60 jardas, a 2i0 rs.
Maco de tita chineza, a 800 rs.
Caixa de linha com *0 novellos, a 50(1 rs.
Meios aderecos com camafeu, a 500 rs.
Garrafa detinta roia extra-tina a louo
Poles com dita inglez*. preta, a 100 e
160 rs.
Gaixa de pennas Perry, muito boas, a
fiftOOo.
Idem idem, a iOO rs.
Caixa de nnvelnppes tarjados, a 500 r
Idem idem forrarfos, a 700 rs.
Caixa de papel amisade, beira dourada,
l 800 rs
fdem^ idem idem lisa, a 000 rs.
Duzia detalheres cabc branco, 2 B., a
5*000
Resma de papel pautadd, a ijlOOO
e59800.
Idem com Umico de Kemp, verdadeiro, a
19000.
(larrafa de agua florida verdadeira a 19200
Garrafa d'agua japoneza, a 19000.
ivieiu idem divina, a 19000.
Idpm idem Magdalona (novidade) a
19200.
tras, etc.
Brins de linho do
com barra o lisffas.
Fustlo de lindas cores.
Casaquinhos da la e de todas as
nhoras.
Saias bordadas para senhoras
Camisas idem idem
Votnarios para meninos.
Ditos para baptisadus.
Chapeos para ditos.
Toalhas o gnardanapos adamascados de
edres para mesa.
Colehas de I .
Corlinados bordaJos.
Camisas bordadas para homem.
MeiaS< (!< cotes para homens e menmos.
Completa sorlimento de chapeos de sol fxwa Bt>
mens e senhoras, com cabo demarfim.
Merin6 de cores para vestidos.
Dito preto.
Atoalhado de linho' o algodlo para toalhas.
Atoalhado pardo.
Brins de linho branco, prelo-e de cores.
Set'm de lindas cores nenm listras.
Chales de merind de cores e psetos.
riitos de ca?emira.
Ditos dt> seda preta e de core*
Dito de tonquim.
Camisas de linho.
Ditas de chita.
Ditas de flanella.
Oroulas de brim e algodao.
| Damasco de la de cores.
I Pannos de crochet para cadeira, so/a o consollos.
(bichas de dito.
,Tarlatana de Udas as c&res.
Espartilhos lisos e bordados.
Foulard' de seda.
Ca-acos a tricot.
I Riuis cortes de vestidos de linho para senhora,
de di er'as cores, com os competentes enfei-
tes, ultima moda.
. ^ A Jo
perffeit
arc m
Casemiras prrtas o de cores, cbitas, madapolSes,
taixa de pOs para dentes, a 200 rs. cambraias, panno fine prrto e aznl, coJlannhos,
blem idem de pos chinez, muito bom, a punhos. gravaus> lovan de pellica, ditas d Qo
iOO rs. 6 19000. de Ese cia, brancas e de ddre?, tapetes de todos
Potfl mm oniata Ha Binaviri Rimol n r m tamanhns, biilsas de viagem, etc etc.
i ,! aa P ^ Rime' 6 Gr0S" I Na ,0Ja do Pwso, rua Primtire de M
nel, 19 00. \Aj amigado Crespo.
Duzia de sabonetes de amondoa, a
3960.
Duzia de sabonetes de aniinho transpsren-
tes, a 29200.
Idem idem com flores, a 19500.
Sabonef* Glyoerino transparentes, a
19000.
Caixa com sabonetes, formato de fructas,
a 19<)00 e 19500.
Cosmetkos, graudes e pequenos, a 100 e
800 rs
Frasco com agua do colagne, a 200, 320,
500 rs. e 1,0000.
Grampos com borboletas, bezouros e gaia-
nhotos doursMos e coloridos.
A loja da aguia branea, a rua do Duque de
is n. Sr), rteceben-novos grampos eoni bor-
i .is, bezeuros e gafanhntos, o que de certs* 6
flska oovid-de. A quantidade- e pepaena, e
por taso em breve so acabara.
Novas gollinhas oroadascom
petUcia ou arminHo
A loja d'aguia branea a rua Duque de-Caxias
- 50, recebeu nma peooena quantidade de boni-
s e novas gollinhas, tfabattio ue la e seda, en-
j neitadas com arminho, obras estas de muito fosto
; e inteiramente novas.
j Grampos, brincos e rozetas
dourados.
A loja da agnia branea, a raa do Duque
Caxias n. 50, recebea novamente bonitos gram-
pos, brincos e rozetas dourados ; assim c<>mo
novos diadem as de aeo, e como.sempre conti-
mia a vende-los por preens rlteoevw*
Caixinhas com p6s dourados
e prateados, para cabellos.
Vende-se na loja da Agufa Bridca 1 raa do Dn-
croe de < ax las n. 50.
Luvas de pellica pretas e de'
outras co^res.
graiide quantulnde d'urrra substancia muito
semelhante ao azeite Henommadopteds baruf,
e o unico que (M lloxibilidade aocouro to
Ibo envemisado. Em geral basta uma de-
mao que deve ser npplirada muiui ligeira-
monte, com u;n pincel depois de ter limpo
o coure com ngua-raz. Exposto ao sol sec-
ca em 1 ou 2 horas, e a sombra mas ao ar
secca era 4. Em tempo humido e inutil tal
trabalho, por que nao e pussival t- mar o
verniz clastico e seccante ao mesmo tempo,
Verniz purn oppHrelho.
Depois de ter appheado 2 ou 3 demaos
deste verniz n'um intervallo de8 h"ras, de
ve-se deixar a obra intaeta por 2 ou 3 dias,
no lim drjs quaes se pode pulir com extre
raa facilicidade. E' essencialmente neces-
sario cobrir este >erniz com duas demaos do
verniz superfino para caixas de carrua-
gens.
VERNIZ SECCANTE. -
Mistura-se com as tintas de apparelho, e
sobre tudo com as tintas moidas, para que
sequem mais facilmente e para lhes dar
maii eousistencia.
Extractos muito flnos dos m Ihores au-
Idem idem IBo, a23J800, 39800 e 59000. tores.
Coques modernos, a 39000. Lindas e elegantes caixinhas com perfuma-
Duzias de pecas de tranc.as de caracol rias, proprias para preseotes, dos autores
Oranca, a 40o rs. todray. K\e#, fiIM Freres.etc.
Idem iieiqlisas, a 200 rs. Qoadros
Leques deosso e sandalo, 29000, 49 da.
e 69000. Entremeios e babados transpareutes e ta-
Fita de velludo.do todas as cores e lar^u- pados.
***' Utoa grai.de taboleta propria para qual-
Micreaxopios.com 12 vistasja 69000. quer loja.
Frasco com oleo para machina a 400 rs.
TASSO 1M AOS k G.
Em sous armazens a rua do Araorim
n. 37 e caes do Apollo n. 4T,
tem para vender por precos cOmmcdos
Tijolos encarnados sextavos para Jadrilho.
Caaos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimenlo Hydraulicc.
Machinas de descaro^ar algodSo.
Machinas de padaria.
Potasna da Russia em barril.
Phosphoros de eera.
Sagi em garrafoes.
Sevadmha em garrafoes.
Lerrtl'has em garraioes.
Rhum da aJmaica

A loja da Aguia Branca, 3 raa Duque de Ca-
x4ae n. fiO, reoebea n.>vo lerthneMD. de luvas de
piBtea, pretas e deeotraa oeaes.______________
Vendc-se
um m'H no largw da Casa-Ferte eoflt 'MOpaNnos
de frente e #70 de. fundo pouco mais on menos,
com casa da pedra e eal, 7 qn.vtos, ''. salas, co-
zinha fora, 1 eatimbas e divefsos 3fvorea"os
de ruetos ; assim como, um outro mpnor na tra-
vessa da mesma, wliando para a esirada qne vai
i para o ArraiaJ, com ea>a de pedra e cat, com 4
quartos, o-izinha fora. cacimha alguns alvore-
dos de frurto : m pateo do Carnio n. 3, ou na
rua das Tiineheiras n. 1.
Como nao 6 necessario dar lustro & ultima
demao de verniz empregadb nas caixas de
carruageus e no dos jngos, eonvem di lo
n'um local separado aonde nao Viaja p6.
Quundo a otira urge, deve pdr so & sorubra
e ao ar bvre depois de secco, isto e, passa-
das 12 boras, lava-se e enxuga-se bera com
uma esponja humida. Quautas mais vezes
sefizer ifto, mais brilhaute ticara* o verniz.
e maisdepressa ss terminate a carruagem
(em caso necessario tres dias depois d ulti-
ma demao). Durante as duas ou tres pri-
meirasseinanasdeve.se lavar a carruagem
com agua fnsca, depois de ter ser-
dido.
Os frascos devem conservar-se sempre
bermeticamente tapados, o resto do verniz
nao se deve deixar Gear no frasco, e p6de
usar-se para as primeiras demaos.
Nao deve misturar-se com este verniz ne-
nhum outro ingrediente, nem aua-raz, e
de neuhum inodo com o seccante. E' pre-
ciso limpar bem os vasos e os pinceis. e o
melhor 6 servir um piucel para cada ver
niz.
Depesito unico p^ira o Brasil, Bartbolo-
meu d C, Pernambuco, Rua do hosa-
rio a. 34.
com santos e estampas separa
Vinbo do Porto velho engarrafado
l Vinho do Porto superior, diio.
Vi:
jd ail
A

Una do Barao da Victoria o. 28
inho de Bordeaux, dito.
Vinho de Scherry.
Vinho da vadVira.
Poles com lingaas e dobradas iaf 1,
Lkores linos sortidos.
Cognac Gaulhjcr.Freres.
Lata> de toucinho inglez.
Barris com repilho em salmoura
(littp te pnra sHih.ras.
A loja do Pass, a tU* dcCrespe n. 7 A, reee-
ben pelo ottimo p^Qele, ricos chapeos para sb-
nhaca ultima curia. l_
t"
ft
-------

Os rerdadeiros
Vinhos de BourgQgne
d!w mreis-
Mm
Armazem do ftimo
9f> iq e ,'
g em;
da Madrede Deus n. 10 A.
Jmb Pemingues do .Carmo e fliiva participa tot
?eu! fregut-a-s e aetigoit que no *eu armazam a
rua da Mad re dejueu* n. 10 A, se acha um com-
aleto sOrtim<>hto de tumoem farnV.s depatente I.'.
*:* e'3. shas,dO!> Btemcres fabr^aetbs da ?aMa
e bem aasan a lor de tndos d? fmnns da cerda
em rolos, paoole>( lal*- graa'les pequerns, taa>
bem dos nmi acTHditanos fubri<*antes Torrei 4
hmWt
lar, Teixeira
mnsmos) e de outrog
Pi
OLEO
BE H6AD0 DE BACALHAU
I0DO-FERRE0
" COM QU1NA
E CASCA DE LARANJA AMARA
STttelitor DOCOOX, 13. gatme (fOrleatu [P Em aMwcamenio tacit de lomar, em rfi>aibo, it rheiro acradaotl. Pel* aa eonponleHe.
in powu* Udaliluir com vanlagrm l"da writ- de nedicaniealos,
i ptmtt% fTruqinn^ot, vU.ho tit quinn. olm de Agado de/ntcdhau, xarope de cdua dt
laranja amara. emprrgarios para ronibnltr a mirmit., a chlihoee, u alfeceOei do petto, a bnnchitt,
o oala,Tho4, j tmca. a diaMese eitrumoia, e^tfha/n^, ., ^e.
m.'*.0!!? **" enl?re80 ''. J ua acefio muliiplice e -num, da ecoaomia para m dMalea,
m med.cos precre.Tear d e porprefnreiKia a qialquer oilro BediCduieulo aindar.
Deposilo am Ptrmmbwo, A. HEGOBD. *
^ v

juo tor VHudido enina"'fti4a WrSt peic
seU jnstti vjAwv* 1"* tfWnrrogatanflr *-fi)Si
Ml >n*aida(le,. ia4-siacero, nl parkealanotatf
com MiminWi.^iaa.'poBCu oajluntam J raaWria
.pois para bem servir a lodos. t.-ai o annuDaiantf
>"PfB pralira ae ft
annos deste eouintertio.
ifl <
tie Xt m
Charabertin
Pommnrd
Virits
Vobwjr
Beanoe
/ Mrmlhek'e
Dito Bordeaux em quartollae.
Vcode-se pr hmto frty*
PAHA UQWBAtAO DE COflTAS
Rua Largii do Rosarlo 84.
Botica.
\retiue~se
no ealado em qne $e arha do 'exbmne Ho JExtTaOrdinariapechillCha.
Ingar dos Remedies, fwgueiia d. Afogados a. oKAn
21. iu.jH bveco da iravt-aaa. dos RemedM.s n il, .Tj^OWU
em chau pr> pri", i(ti. m o (JretendeT ntenda-ae ColCttas d- atg'iSt) adamWearTas mn cama
e,m oreu pr.j.r.eiarw iia-roa-de S/Francisee-peT- *ftYatlfttto,1peco Ue 2JW0 oa-Mr-doa.
rune fmm vai ,*ra a rua ea, aobraio t. 10, art,4e1lHrgel flo Amaral Gv-a rue Prkawiro
(juo so iara lodo ntgucio de Marco Cautiga do Cr'espo) n. 20'A.
Araujo Lizaur, Adolpho ScrfBtrtt 4" (? Lizaur
Sernirrrlt C VHg
olp
8 i Mn^f, TrhMJftde r Ave-
Pinto k Pnrtella (garaBrido pe*a-
ainu> nao conh.-cidos peli
publico dosia capital, jasmine:anip il^elara qnt
todo 'fumo
na venda Lataaa
. veqde-se ao,o do ter^jn ns. i a 6, doces
GH' s de todas as noalidaJes e gelra. a'retalbo e
por ataoado : unfea'caja qbe' mfmor p )de servir
aos eump'adores. AV'tePCttaiJe
feqbeijao.
Lanziobas oiii listras e^tampadas pelo diminuto
raco de 4t0 rs. ocovado.
Ditas com lislras asseunadas a 1*000 o co-
vado.
Gratwdinaa pretas com listras de cores a 500 rs.
o covado.
Metins iraucados proprios para vestido, a 390 rs.
0 covado.
Alpacas d* quadros, proprias para vestidos, a
440 rs. o covado.
eriraib*ajHC;s looa,para calcas a l500a vara.
Dito traaeado a I. oOO a vara
Dito de Cores, linho puro, a UiOO i vara.
IVdiindi.i
- Chapeos de sol de seda, cabo de eanna, a 84500
cada um, isto tudo -6 no n 20 da ma do Cre.-po,
loja das 3 nortas. de Guilherme & 'L
E para quern tem gosto.
Vpfttid'* broncos rom bbados cresma.
A Rosa Hranca vende vestidos de cambra'a
branea com babados do ultimo gosto e preon mui-
to baraHss*iTK>.
Colxas para camas a 2^800.
Isto e metade de seu valor :-quern quizcr ve-
nha.
Madapolao francez largo k
6#000.
E' madapolao de Hi l-t<> e para acabar.
jLtoalhudo moderno.
Rico aioalhad" de >ii|ierior qnahdade e novos
gostos a latiO i o metro. I.-to e por metade do
preco.
up 3Su.brains pretas
Para hlto, prwl s nitei-aniente noo< n precos
raoaveis,: na rua da Impeiairiz u. 56, loja da
llosa Branca
_^_^------.
lome *i

um exfell' nte s i > > m ea-a de iiv.i^.lia. no Ingar
denomina-l" Satitadii.ho. di-ni.-t de Olinda :
tr'afarharoa iP. r-> (..nrrl. r n ifi. f andar. pela
roanha, das 7 as il hot as, e a larde das 5 heraa ere
dianta,
V.ENUE-SE
Wil >n It-we 4 t. vendeni no seu armaxeir.
setuaifainas ha. a rua du Ciiom n-,., n. l'< :
Overladi.r u o." .1 a!jj..dao azul amencaao.
Eictlleuli fio Je wla.
CogbSc de 1 ijo.iNilMile
VinMa de lt> r-ternu
Carvao de Pedra de t Jaw a* qnnlidnrla
l-mr.i.
Paletots de casemira de
por 12#000
Obra de eneoinmenda : wnde-se na rosa bran-
ea a ma da Imperatriz n. 56.
Caseauira escuru i!e &#, u 3jffttt#
o covatlo
Para paletots ou roupa de menino por ser moito
leve : vende se na rosa branea a rua da Impera-
triz n. 56
" -
E' sempre .assim.
Quando pareee ter-se esgotado o reuertorio das
modas, pela immensidade de artUios de novidade
que tem apparecido, eis que os vetlios e rtKMsa-
veis correspcudenles da Nova Esporanea. a rua
Duque de Caxias n. 63, descobi in oturcs no
mundo elegante, aonde se conserv-ani psogitaodo
minuciosamente as novas inven^.o-..- ; r -metiem
para a ^ova Esperanva. e autorlsani na a dizer
aos seus freguezes e espeeialmeule ao bello -exo
3ue nao ere am em tal: e para prova evidcate
o que acaba dj ex por, vejam o qne abaixo se -
desereve :
MANU.aKS para missa, com capa de n.adre|ieroIa
ou lartaruga, teudo no rfntm ii;< eajM
um pequeuo relogio pentitu regula-
dor.
CARTE'.RAS, po t cbarutos, port cigarrc.- e ports
moneys no mesmo giisto.
CaRTEIHAS para netas com capa 'ie marfhf, ma-
dreperola^j lartaruga, coui o distico
Lembranfa. ^.
BOLSAS para senuora, o melhor qiic~rcrft.sin.lo ,%
esta mercado, da diveis-.-. iarnsDW>-
qualidades o raodelos du u&va raven-
cao.
PORT BOUQUETS de lindos g ir.aiiho,
especialidades para as n.-jvas.
CAIXINHAS com ninsicas e sem eilas, proprias
para preseutes.
E outros de inttira novidade.
E com os meninos.
A Nova Esperanca, a rua Duquo dc Csxftffl a.
63, recebpmos bonecos de borracliu de f'iti.atos
inteiramente novos : os rneninos muito aprceiarao
eie brinquedo.
E verdade.
Qaalquer senhora de bora gosto. pareee qne
Dad pode eompletar e ua toiHette, mi rfftr nm
pa*seio a Nova Esperanea a rua do Duiue de Ca-
xias n. 63, porque e a loja de miudezas que mais
completo esta em si rtimenti, e que mais novida-
des aprcsenta ao publico em geral.
E com as florisfcas.
A Nova Esperanca, a rua do Duijue de Caxias
n. 63, recebeu pelo ultimo apor, mi intent sor-
timento do papeis para fl-res I a dies.
Para erianca.
A Nova Esperanca, a rua do Duqs de Cixias
n. 63, recebeu um sortimento de vD-inar.os de
casemira'e alpaca para erian^as : m. d rni s e bo-
nitos.
Las mescladas. -
Um bonito sortimento de las mescladas em efl-
rea, recebeu a Nova esperanca, a raa Daquo de
Caxias n. 63.
Calpdo estrangt-iro.
Aproxima se o mez de dezembro. lemi cm
me oParis na America, a rua I>n..,. Caxias a
89, I andar, tem de dar o sen bal.-.in-o, p<,r eata
motivo, os pmprietarios deste eslabi ie-'io^uui es-
tao resolvidos a venderem seus ciilu Jos \.-.-in cua-
to, atim de minorarem o trabalho ; a-.-mi p .is os
apreciadores do bom, e com especialidado o sexo
amavel. para qiiem o Paru na Amerxa cur^< rva
com a djevida decencia) o seu gab..wte reseiva-
do, para a escolha de calcado, aprov.ritom e vc-
oham munirem-sa do que precisarcu.__________
Fazenilas baratas
: NA
loja da America.
Bramante de 4 larguras. muito bom paraTea-
coes. a 14600 a vara.
Brim luna,- superior, a I '600 a vara.
Madap.lao francez a 64000 a pici.
PAHA TOALHAS DL MKSA
Vende-se rico atoalhado com 2 larguras o deae-
nhos modernos a i 4600 a vara.
PARA VESTIDOS
Lazinhss de quadros aznes a 10o rs. n covado.
IMim tranjado, cores garanridas, a 400 r%o
covado.
Lazinhas com listras de setim a i JOOO o ovado.
Biilh.'iiitina as etina'a, cm 2 lurguras. a" 500
rs. .. covado; dain-^e amostras, na rua do Caboga
D. 10.
LOJA DA AMERICA.
Venfle-sp um soliradrv de 3 ai"!sres o so-
li >, a" rua do B'l.ii Jesus, outrVi.i n>ada
Cm/ u. 63, e um ilit".in | an,;: ia n.ixna
man 61, servlofstesin> mHiior lov.l junti a igrpja nialriz do Corpr* Santo :.i
trutar no mesmo soi ratio n. 03, anua-
zoin
f
L


A-~<
Diario de Peraambuco Sexta twa 21 de Novemora He 1872.
JTFERATmtA.
Thrat ro do Santo Antonio.
A REPUBLICA DWHPOBKES. OS AMORES DE
VUISUUIM DAS M >CAS.
Gralissjinis sao aSjimpressoes que o chro-
disla cutisfjrva Aa coite, em quo vio repre-
scyitar o irama A Republic/! dis Pobres.
Era a primeirn > z que a primorosa cuin-
postcau dramatica de Lambert Thibdusl ia
a sciia, em bet.efnio do lio Xavier. era, purtatito, uma festa artisti
ca, am ilesiijssucarssos q .e se repetem mui-
tas vezes ims tbealros e que tern sempre
par.-, os es iirilo* superioios um cunuo de
subli.no origmalMade, que atlrabe e des-
lurnlira.
E' o privilegioda nrte, quasi, se nioigual,
ao privilegio da uatureza.
Como u especlaculo do sol nasceutc, por
ser quotidiano, nada perde do sua grandeza,
de sua magestade primitiva, antes como
que no* p irewi mais bello, mais poetico e
arr.-b it.i sobienatural do arroubar as almas, cnlevar
o espirito, sempre que se reproduzem.
Eis porque o chronista, que ni > so torn
ona conta de espinto superior, sente e entbu-
siasma-se quaulo Hied dado sentr e enthu-
siasmar-se.
CimIoii do a tio agradavel pressao, passa
elle a uccupar se do drama e seu des^mpe
uho, contnrmu o conipromisso voluutana-
meuto contraliido.
A Republica dos Pobres c urn drama do
alto morito, reeommenda se tauto pclo fun-
do, como peia forma.
A thosea oxcolkooia do trabalho o por
rousegurate da virtudc, sua iima, nellu
pleuamootc discutida, afasta-se dos dramas francezes, onde entrain sempre
muluorl'S cquivocas e a lulteras, Magdalenas
pordoadas pur [rc.n a nad t muito. nao ao
croad ir mas a creatura ; theona eja para
dox-d e porigosissiraa e no Blitanto em moda,
des !o quo Victor H igo a estabedeceu Da Ma-
rion Dclorme o Dumas a dosenvolvcu e pre-
conisou na D um das Camelias.
Lambert Thiboust deixa de parte a so-
diga these da rebabilttagao da mulher pelo
amor, e estabelcce a da rohabilitagao do
homem polo Ir.ibalbo.
Nao conheccmos empenbo mais nobre c
mais elevado do que o de provar ao ho-
mem, que o trabalho 6 a fonle de to la a
.via felicidade, a escada que o couduzird d
to las as posigoes. a cbave d'ouro com que
abrird to las as portas, a sulugao do pnblo-
:na da vida e finalmente o Jordao purifka-
dor de todas as culpas.
Comprehon demos o bomem perdoado por
ter amado muito do trabalho, por que ama-Io
e amar a Dtus u'um dos seus mais sabios
preceitis : mas, que o si-ja a mulher, so por-
que depots o inf 1'inas sunte arder-Ihe no peilo a pyra do
amor, e se consagra toda que por ser sublime, nao deixa de ser mun-
sua orige n ; nao.
0 que resgatou as culpas da Mag lalena
foi arropenditnento, a dor, a verdadeira
contric^ao, a fe no C.bristo e na verdade de
sua doutrina.
No drama que ajirecianv.s acba lugar a
tnulber corteza_^j6rem naturalmente sem oc
cupar BgJic o primoiro lugar, so para con-
tra tar <-.om a virtudc.
N6s que omos avesso a escola realisla jd
pelo nentunn interesse que inspiram os
,'anks-vou-i dos saloes, o simples dialogo
sem ac^S'i e vivacidado dramatica, como
peia cxageranao de seus artistas, enconti a
mos um Iramaque pertencond<>-lhe, como a
Republica dos Pobres, nao deixa impune o
vicio; castiga-o sevaramentc.
Elle abi cstd em lucta com a virtudc, nao
para ser o biilho desta offuscado pelos seus
ou'opeis, mas, paraueder I he o passo, para
attestar que s6 ella merece o amor, aadora-
gio. u culto petpetuo do homem, porque o
uobilita, erguendo-o a altura de sua missao
na terra, illuminaudo-lhe aespinhosa senda,
da vida como percgrino em demanda das
plagas ilo ceo.
A. creanya, n donzella podem ver repre-
seotar a Republica dos Posres, sem receio
de que voltem ao lar, levando outras ina- do mundo, tudo esta" ahi para contrastar
prartoes, W nio as produzidas peia mo- com a inexparteuoia e natural recato do,
ral. Rosa Primavera, febz babiUnte da republica
A primeira ve e observa um homem, qoe dos p brs, onde, orphl e aban km*da,
era h mrado, deixar de o ser peia paixio vncontrou abrigo n meio de homens bu-
inspirada por uma dessas creaturas, que em mildes pfla condiQio, a qu^n os ricos cha-
Paris, como em toda a parte, abusando dos mariam tniseraveis, deseonhecendo que elles
dotes pbysicos fascinam o homem arrastan- eram verdadeiramentfl grandes, rxwquu a-
dn o pdo desfiladeiro do icio, da orgia-e biai'n manejar a anna piHlerosissimn do tra-
do cj-ime ; mas, immediatamento, obsnHa balbo, clavallcujos g.4pes suceombe a in-
ese mesm i homem no meio da abundam-ia dolencia, o vicio e o crim'-.
e do prazer dev->rado pelo remorso, cob- Oauet-tr quo protendeu preconisaro traba
demnadopeloimparcialissimo tribunal deaaa lho, demonstrando que s6 em seu sagrado
cousciencia, busi-ando debalde na embna miiiist^rio o homem encontra a felicida le,
guez o es juecimento de um crime, quat o pinta nos com mao de mestre os costumes,
de apoJerar-su de grandes sommas eesbao o inodo le ver, pensar e sentir dos entes,
ia ls. que compuuham essa subliinw republica.
Entao a creanga diz intimameute: o bo- (JoTlocan lo Toutinfgra em face de Rosa
mem deve fortalecer o seu espirito para re Primavera, quiz chegar a demoustracio de
sistir as tentagoes do mal; aquelle esque- que por dous mod s p61e a mulher resislir
ceu o devor, calcou a honra e por isso soffre as sodU'-yoes peia experiencia que dd o
u.na etermidade to; mentos : hei de trilnar conh"cimento do mal e iniuistra os meios
/senda da virtude, pois, vejo que ainda de evital-o, ou peia annadura da virtude,
quandose possa illudir a todos, e escnpar alqueri la pelos editicantes exemplos da
a acg3o da justiga c do opprobrio, nSo se oducagao.
escapa a da cons ;ien -ia ; aquelle homem Nada achamos que tome immoral o typo
pratic >u uma acgAo mi ; era p.mre e hou- da Toutinegra ; antes vdmos a moral co-
rado ; tornou-se rico com o sacrihcio de lorin io-o.
sua honra ; a sociedadi em que vivia igno- Esta raparigae travessa e experiente, tud-t
rava-o, e entretanto, ello soffre quando de- quer ver o experimeutar, e tudo ve e t>xpe-
via ser feliz, uma n mem de triste me-anco- rimenta sem se deslumbrar, pnderindo, a>
lia perpassa-lbe p-*la fronte, annuviando-a, tenninar o mez de sua xpenenca, vultar A
quando as auras da felicidade deviam bafe- antiga prolissao de ramalheleira bouesta.
jar-lhe as faces ; porque vive elle tSo agita- Ainda aquio auctor fez triumphara moral,
do, assaltado sempre pe'opesar? torn n lo patente, que o farfalbar i^as se-
E a consciencia da creauga respon de-lhe : das, o brilbo das perolas e dos- diaintnies,
6 porque o cruciante espinho do rern rso a luxuosidade das.carruagens, os perfumes,
lho punge a alma ; 6 porque o meu olhar a harmonia das orchestras nio conseguiram
la juiz iuflexivel pesa sobre elle folminan- eclipsar o sol da virtude, i cujos raios vi-
do-o. vificaditres se aquecia a alma da simples
E conclue a creanga: hei de ser honra- ramalheteira. 0 que aconteco depoi*. e
do, porque tenh > consciencia ; e a felici natur hssimo 6 casameutu de Toutinegra
dade, s6 sorri ao homem, quando ella per- com Ernesto Marteau. iteste facto decorrem
manece placida e tranquilla. duas consequencias o auipiro da pobre
Dcpois ve ainda osse homem, que era moca que tao importanto prova exhibira de
artista, entregar-se ao trabalho que havia sua hone>tidade, e a correcgao do mogo
abaudonado, o encontrar nelle allivio eon- extravagante.
forto. Segundo o nosso modo de er e jnlgar no
E a creanga, espectadora de t8o edificante assumpto, quo nos occupa, e a Republica
s:ena, ainda exclama: hei de amar o tra- dos Pobres, um drama muitissimo moral,
balbo, devotar-med elle, porque s6 a placi- fc*#
dez da consciencia e o trabalho as>eguram a Sob a relagSo dramatica e litteraria possue
tranquili lade e a paz do espirito. esse drama incontestavel merecimento.
A donzella, q'ie por sua vez ve, tambeai- Lambert Tniboust e artista. Rosa Prima-
uma moga orpha, simples ramalheteira no vera e um typo Undo; vemol-o descripto
centro de umacidade como a de Paris, ha- cum cores tao uaturaes, transpira tanta poe-
bitan lo ontre homens e respcitada por elles, sia.que dir-se-hia que o auctor teuton pintar
casta e pura como o lyrio aos primeiros a propria primavera, a natureza revestin
beijos d'alvorada, diz : a pobreza e a or- do-se de galas, do que um todode mulher.
phaudade ndo forgam a mulher a abdicar a Tal e a belleza, a umocencia, a ing^nuida-
honra : eis ahi um exemplo. ,de dessa rreatura angelica, que o auctor
Sublimes licgdes ile moral pratica, que o descr^ve-n s como o anjo do bem da re-
theatro, para estar na altura de sua missao, publics dos po ires.
deve offerecer & mocidadeinetperiente I A Era ella, justa.nente, peia candurad'alma
par das bellezas litterarias, que satisfazem o e pureza do coragSo, a primavura desse
espirito, deve ella encontrar a mdral, fal- mundo, d'onde, qual andorioba, emigrou
lando ao :oragao, premunindo o contra o para tornar esplendente a reliabilitagao de
vicio, incutindo-lhe admiragao polas gran- Luciano Gerard.
des argdes e rasgos de virtude, incitando-; Rosa, como os demais typ s, sio de bel-
Ihe o desejo deimital-os. lissima estructura.
A Republica dos Pobres, sob o ponto de. Ha na Republica dos Pttbres scenas arro-
vista da moral esta" neste caso I batadoras, taes como a ultima do 4." aclo
0 seu auctor comprehendendo bem a in- e a penultima do 5."
fluencia que o theatre exerce sob os costu-1 9 entrecho e bem tecido eaacgSo muito
rnes de um povo, pervortondo-os ou aura- astistica nente disposta.
lisando-os; e escrevenlo para uma socie-! No estylo Lambert Thiboust ostenta-se
dade.comoadoParis.ocoragaodaEuropa, poeta de imigmagao vivissima ; o ap6logo
na phrase do Victor Hugo, mas, o f6co da posto na bocca de Rosa no 3._acto e Undo,
licenga e da libertiuagem, em materia de
ostumes, lentou a sua moralisagio, apre-
sentando os typos bom acabados dos cida-
aquelle Ihe ?ibra o golpe foifeitocom muita consciencia, com muita
arte.
Aq leda, exp'-cialmenVe, a que la foi aou-
de o Sr. Julio Xavier mostrou s*r artista
de merito real.
0 chronista a despeito de sua incompe-
tencia, fHfcita-o, apertando-lhe cor leal men
to a mao.
Iinmttdiatameute, o artista que >nais pro
voca as noss >s au>ngds e o Sr. Rihia.
Estavamos acostuuiados a adnira lo, como
centro dramatico e comico, reputamo lo
um talento pr-gn-ssivo e ere,* lor : agora,
porem que o vim is desempi*nhir a parte
do galan, finnamos a cbnvircAo de que o
vacuo deikado por J. Augu>to, reclaraa-o.
Quando um artista mol la o s*j tal<-nto
a todos os g-meros de trabalho do molo tSo
brilhante, a aureola ljminosa da irloria cir-
cunda Ihe a fronte ; a immortalida le o
aguarda,
Luciano Gerard ensarnou-se no illustre
actor.
No 1 acto. ao ouvir do grilheta a con-
flssao do assassinato de Roberto Wilson, o
espanto, o h >rror o tedio que um homem,
manctia lo polo crime inspiraria ao de con-
sciencia titnpa o Sr. Bain a traduzio muiiis-
simo bem.
>a impossibilidade de poler aprecia -lo
em todas as scenas, nos occuparemos das
duas ultimas do 4* acto c da pemiltima do
do 5. k
Na maneira porque entra em scena ebrio,
cambaleando, traduz muito bem a elfgan-
cia. a polidoz da persooagom, que i-ni-
tava.
No monologo da pnnullima scena il<> 5*
acto o Sr. Bahia elevou-se subio muito d
emparelhar com os que melbor e mats cou-
scio itemonte possam joga-la. Que Mgpres-
sio physiono nica no dehrio, quando ouca
ra co'ii Tniafo, o filho do gale, e diz Ihe,
tu Pedro Renaud, es tu mis>-rav>d I
0 g-sto de horror com que julga ver o
cadaver do griltieta a seus pes, o transporte
com que abraga a sua otposa, julgando ser
Pernanda a mulher, que o fascinara, levan-
ilo-o a pratica do crime, a na ural iuflexao
de voz, com que pede a Bernardo os seus
pinseis para reconeg.tr a sua vi la di artis-
ta o final nente a invocagao, que faz a
Deus para que Ihe perdue abengoanJo o
seu trabalho, a sotugar convulsivo, tudo
isto e feito com ranssima habilida le.
Por muito que dissessemos do Sr. Bahia
nao diriamos tanto quaulo julgamos quo
elle mereco; pof isso passamos adianlc
enviando-lhe as n.issas saudagoes.
Chega a vez da Sr. D. Emilia Camara, a
fiel in'.erprete do typo dc Rosa Primavera.
0 papel de Toutingra naotje" de muito
faeil iuterpretagao ; ha Boll, mais de uma
situacao differente, pelo qua oao 6 propria-
meute o papel de uma ingeoua, nem de
uma coquete. D'ahi nasce alguma diffi
culdade que, desculpe-nos a Sra. J). Olym-
pia, nio ounseguio veneer.
Expressando-nos assiiO, estamos longe de
pretender m-gir Iha murecimento.
Somos movidos peia justica, a quern pro
eocamos sempre obelecer.
E' possivel, porem, que apreciemos mal
o trabalho ilequ^qupr artista*;. devido isso
a escas>ez de noss. materia ; mas o que affirmamos e que nio
louvaremos, nem tmsuraremos, senio quan-
do estiverraos couvencido de qoe o artista
torua-se cre Por isso Ion van io hoje reierva.no-nos o
direita de enticar amanua e vice-vef-sa, sem
sermos inconerente.
Os demais artist is an da ram regular-
mento.
Os d!(. d' Quimquiin das .Voces 6
uma scena coinica do Sr. Dr. Carneim
Villela.
Foi twm recebida como, merecidamente
o sao, todos os trabalhos da habil peuna da-
quelle Sr.
O Sr. Julio Xavier caracterisou-se muito
bem ao ponto do o confundirmos com o
proprio Quimquim.
Gar rick.
A traducgio do drama e esmerada.
*
D'entre os artistas que tomaram parte,na
Pelo I 'orreio
tor .
Giacomo de Marlorello
(Contiiiuagdo)
Digo-lh'o eu I Nao encontro nada que
houvesse feito e que podesse desagradal-a.
N tda ? ..
Nada absolutamonte... Repare como
e liada aquella garga.
Esta ultima phrase minim fdra occasionada
pole olhar que sorprehen li na Sra. Euphro-
sina, a qua) nos examinava.
assado um momento, luranto o qual a
pobre Sra. comprehendera que n6s deseja-
vamos nao ser observados, continuamos o
dialogo.
Foi a Zana quem comegou.
Nem mesmo alguein... ollie ella nao
vd Ihe tomar contas, por vel-o aqui a con
vcrsar comigo.
Grac-ja, prima I Ella quem ?
Faz-se de novas Ella quem mais ?
E com uma ligeira iuctinagao de cabega
iudicava a f.larinha, quo nesse momento,
livertia-se em apanhar as (lores que lam
levadas pel a corronteza e que Ihe passa vam
Apreuiamos b-stante esta Sra. que reco- '(a alcance da .nao.
Ora, prima, pois aciedita um mo-
mento...
Podera nao I Entao nao tenho olhos ?
E bem lin los... Tauto que nunca me
aos da republica dos pobres, todos servos Republica dos I'obres cabe a preceJ.
do trabalho e da honra, & contemplagio de ao Sr Julio Xavier, jd por ser a no^e da
uma sociedade que se deluia peia corrupgao. seu beneQcio, como peia excellencia de seu
Iremos ao enc utro dos que porveutura trabalbo.
classifiquem de immoral esse contracto de E' actor distincto o Sr. Julio Xavier.
Tautinegra com Ernesto Marteau, dizendo- Formdmos esto juizo, venilb-o trabalhar
Ihes, que assim parecerd. desdo que se qui- no Rodin do Judw Errante. e agora vemo-
zer dar um suntido divcrso do que Ihe deu lo contirmado de modo solerane no Pedro
o auctor. Renaud.
Concedamos, porem, que seja assim; A sua entrada em scena e de artista que
onde a graude immorabdade ? Nio a en- tern pleno coubecimento da mesma. Em
contramos ; vemos uma scena mnito natu- todo o seu trabalho do 1 acto provocou a
ral, completamente de accordo com o typo nossa admiragio : o gritoestou livrel a
em questao o ante a qual as faces da don- manifestai,ao do prazer ao ver a garrafa de
zella ndo enru iccerao, porque o seu pudor aguardente, a sofreguidio com que se atira
ndo e offen lido. d ella, bebo e enxuga os labios, Com a
Os modes um pouco desenvoltos de Tou- manga da camisa, a lucta com Luciano,
tinegra, o conhecimento que revela possuir corpo d corpo, a queda, finalmente, quando
nhecmos occupando lugar distincto, entre
as mais distinctas damas injenuas do thea-
tronacional.
0 to lo physico, a suavidade da voz. que
nio desmereceria, se fosse mais forte, o
desembarago, a natural ingenuidade, fazem-
na digna deste conceitu.
Por nio alongar demais a prcsente chro-
nica, moncionaremos a scena passa la entre
Rosa e Luciano no Pavilhio d'Armenon-
ville, em que a Sra. D. Emilia andou com
a maior naturalidale, traluzindo, peia
melhfluila te da voz, por accenlos d.i sua-
vissima poesia, os seuti nentos do coragio da
interessante ramelheteira.
0 hndissimo apologo do 3 acto, que e
uma das perolas, quo esmallam a mimosa
producgio de Tambert Tniboust, foi por
ella perfeitamente declamado.
0 trabalho da Sra. D. Olympia V. tarn-
bem reclama a nossa att-ngao.
lucumbida da parte de Toutinegra, a ra-
malheteira houesta, porem, travessa, que
tudo quer ver e experimeutar, e que tu lo
v6 e experimental nao a desempeuhou como
era de esperar. Em .dgumas scenas deu
ao papel meis galanteria comica do que
possue elle, saindo por isso das raias da n-
turahdade, por exemplo no t" acto, quan-
do Coralia p6e-lho o chapeo, para ver co-
mo Ihe fica, ahi osteuta a Sra. D. Olympia
um desembarago, nada compativel com o
caracter de Toutinegra; assim tambem ao
sair pelo brago de Eruoato ; finalmente, no
5s acto as perguutas depots, depois, sao
ftitas com intouagao toda comica.
FOUffiTlM.
luchecia son&iA
- MEMORIAS DE SATANAZ
POR
. Mnuoel Feruaudezy Gouzalez
PRIMEIRA PARTE
O GRAN-CAPITAO.
XV
l>K COMO 0 GRAN-CAPITAO SE V10 OBRIGADO A
RESPONDER POR UMA 1ALTA QUE N\0 T1XHV
COMMETTIDO.
(Continuagio do n. 266)
0 cran-capitao avangou para o advogado,
leotamente, amoagador como um leio irri-
tado.
Que quer dizer essa traigio e essa in-
juria que Ihe ou fiz ? disse Gonzalo paran-
do em vista do terror de Crespi.
Seduzio minha filha. raptou-a, tem-
Taom sou poder 1 disse Crespi, cuja vz
remia tanto do medo como de colera.
Eu tonho em meu poder sua filha 1
sclamou Gonzalo no maior auge de indig-
uagio e de sorpreza.
Sim, loia, aqui estd a prova, a nio ser
me nao tenha escriptp esta carta, a nio ser
que este nao seja o sello das suas armas. Se
me disser que nao, acredita-lo-nei, porque,
quem, como o seohor alcauga tio grand*-
funa de cavalleiro, niop6de nentir, e por-
que em vez dc o encontrar junto de minha
filha, o encontro na camara da senhora du-
queza de Urbino.
Isabel olhou do um modo terrivel para
Villoslada, como tornando-o reaponsavel
peia situagio era que se acuava.
Eutretanto Crespt apresentava a carta ao
^ran capiUio, pelo lado do sello.
Sem a raenor duvida que este 6 o sello
das minhajj armas, disse Gonzalo, e esta
parece ser u minha leltra i porem, nom eu
locrevi esta carta neti puz este sello.
E guardou a carta na algibeira.
Ah foi o seuhor I ex. lamou Crospi.
A prova estd cm que guarda uma carta quo
uao esperava tivessesidoabandonada Aca*)-
tele-se de mira, Sr. duquo de Sessa.
Nio o despedago, repheou Gonzalo
oonten lo-se, porque quero que viva para
lho poder provar que mentig^couio um in
fime, accusando-rae. Quando Ih'o liver
provado, i de si Retiro-se immediata- mais n'ella. sou ou que o quero, eu que lh'o
mente antes de quo eu perca a paciencia. mando, eua sua ainiga, eu que omprega-
Crespi sahio langandn um olhar deodio ret to los os meios para o vingar de Lucre-
para o gran-capitio. cia, porque, afQrmo-Ihe, Lucrecia atrai-
Villoslada aproveitou tambom a occasiio coa-o. Nao se tie n'aquella mulher, que
para sahir, porque comprehendia que a du- nio ama pessoa alguma, que 6 uma sereia
queza ..Ihe agradeceria que a deixasse ex- quo adonuece com os seus encantos para
plicar-se livremento com Gonzalo de C6r- devorar o imprudente que a escuta. Couhe-
doba. ce Carlos Orsini ? pergunte the quem o
A czar de todo o seu valor, Villoslada Lucrecia, o elle luedirdque e um demonio
comegava a ter medo. pnitegido por satanaz. Evite-a, pois, se
Entio a duqueza dirigio-se ao gran- ca- nio quer que Ihe succeda uma desgraca.
pitio, pa 11 id a, com os olhos arrazados de 0 menus proprio par* me apartar de
lagrimas e disse : uma pessoa, 6 dizer me quo corro um pe-
Ah 1 vejo que 6 homem fuuesto I Ins- rigo certo.
pira um a /.or irresistivel, e ao lado d'esse A temeridade nio d valentia, Gouza
amor cstd a desgraga. Eu que me julgava lo ; acredite- ne, siga os mous conselhos, ou
feliz, sinto me morrer agora. Nao me re- no caso contrario nio sahird mais de Ro-
cusea graga que Ihe pego; deixe-me ver ma.
essa carta. Sabirei, senhora, e sabirei com honra,
Aqui estd minha senhora, respondeu assim como entrei. Accusa-me um pai of-
gravemente sombrio o gran-capitao. Veja fendi lo, pois bom, darei satisfacao a esse pai
ate que ponto se pratica aqui a infamia. Se e depois pedir-lhe hei contas da sua accusa.
o conteii lo d'esta carta nio tivesse impor- i'), que 6 uma injuna. Adeus, minha
tancia alguma, se esta carta fosse uma senhora.
d'ttssts de que podessemos esquocer-noa, Nio nos tornartmos a ver, Gonzalo ?
juraria sera teraor de offender a Deus, nem E porque nio T difse o gran-capitio
de manch.r o meu nome, que fdra ea que com ura sorriso amargo. Nio acaba de di-
a escrevera. MT que minha amiga T Ver-n s hemos
E 6 falsa ? exclamou com alegria a sempre que fftr do seu agrado
duqueza. P0-5 win v* com D0118* e eu o avi-
Tio falsa como a alma do Judas trai- sarei. Quando isso succeder, nie vacille
dor que a escreveu. ena o lugar que Ihe eu marcar por mui-
Pois bem, vou provar-lhe quaulo o lo eslranho que Ihe possa parecer.
amo. 0 senhor acompanhou esta noite hei; adeus.
Angiolina at<5 d porta do meu palacio. Lu- Adeus, Gonzalo, disse tnstemente a
crecia soube-o certamente, e ella conbece duqueza.
envenr-nadores, assassiuos e falsifi.adores. 0 gran-capitio sahio.
Esta carta e obra sua e prova ou que o Nao eouhecia a casa e com tudo cfaegou
ama com loucura ou que Ihe arma um lago ao pjteo, e vendo aberta a porta principal,
de mortc. Estamos freute d frente eu e Lu- sahio para a praca del PApulo, e, seguindo
crecia. Por outro lado, esta carta prova pelo Cno, dingio-se para o Vaucano.
tambem, que o seohor falloude amor d An- Em quanto caminhava ia fazendo as re-
giolina, quo 6" seu amante, porque de outro flex6s seguwtes :
mo lo nio poderia ella comprehended esta Que peso pode ter para mim tudo isto 7
carta, e u'esso caso eu e Angiolina estamos Aborrecia me. nio sabia que fazer, e arran-
frente d frente. jei um entretonimento. Qu>r isto dizer que
Encontrei-a desmaiada n'uma casa mo esqueco de minha mulher ? Nio, nio
onde ia procurar o duquo de Gaudia ; sue- a offendu; estes amores impudicos nao po-
corri-a commoverain-me a sua formosura, deui offender uma esposa. Alem d isso,
a sua pureza, um iii set quo, que nio sei estas aventuras nio fazem com que deixe
explicar, mas nao pensava cm ter amores deser christio e cavalleiro. Ninguom du-
co n Mia do mesmo modo quo nao pensa- vida neiu da christandade nem da cavallana
va em os ter com a seui.ora. do rei catholico, meu senhor e com tudo
Oh eimana-me I Coaliecer Angio- tem mais de um Glho baitardo. Que pode
liuaenao a...a-lae impo^ivel. E, pordm. fazer ura general em campanba, o campa-
noccsario que a esquec/., que nuo pens* nha como esta om que de tudo te laoca
mao, al6 da formosura dasmulheiesT Lucre-
cia... I ab I fui um imbccil quo formosu-
ra, que engenho, que dama I Ou eu me
engauo muito, ou so apaixonou loucamen e
per mim. Poriuerazio roubou a formo-
sissima Angiolina ? E essa Bem so \t
que estou em Roma e que .ne mfeccionou
o seu ar corrompido. Nunca pensei tanto
nas mulheres... Ora adeus I convem-me
estar bem com Lucrecia c com Isabel ; am-
bas podem muito em Roma e por conse-
guinto intriga contra intriga, visto que a
guerra deve ser assim feita. Pelo que diz
respeito d Angiolina, e necessario salva-la ;
interessa-me muito essa joven, e, alem d'is
so, tenho ura empenbo do honra com seu
pai. .
A verdade era quo aquella noite do aven-
turas tinha sobreexcitado gravemente Gon-
zalo de Cordoba, collocando-o no tempo da
sua juventude, em que fdra graude ama-
dor das be1 las.
As tres mulheres mais forraosas do Roma
haviam-se apaixonado por elle d primeira
vista, o que nao era para admirar.
Gonzalo de '.drdoba era um poderoso se-
nhor, cuja eel bndade tiuha grande faina
no mundo intoiro.
As mulheres de imaginagio apaixonam-
se pelos homens celebres mesmo antes de
os conhecer.
Aldm d'isso, o gran-capitio era f> rmoso,
sympathico, e no cuidado com que trajava,
havia o quer quo fosse que agradava &s
mulheres.
Eocontravam n'elle alguma cousa do seu
sex i, a par de um valor he ico e reconho-
cido, de uma grandeza e de uma fama que
a inveja soubera respeitar, nio se atrevendo
a protestar contra ella.
Por conseguinte, Gonzalo nio podia dei-
xar de ser amado loucamente por mulheres
Ues como Lucrecia, Isabel e Angiolina.
Quando chegou ao Vaticano recolheu-se
logo aos seus apnsentos, mesmo sem co
mer cousa alguma.
Tinha mais necessidade de descango do
que de alimento.
Nio nos apro3semos, disse elle com-
sico mesmo, comsocego pensam-se o execu-
tam-se melhor as cousas.
E, mal acabava de pronunciat eslas pa-
la* ras. adonneceu profundameate
XVI
farto de olhal-os, como agora...
Olha o capim 1 gntou uma voz da
proa.
Olhei e vi que a canda ia outravez ema-
ranhar-se no balsedo. Com uma volta ao
leme hvrei a moula e coulinuei a conversa.
Sei quo engana-me... disse Zana. Mas
assim mesmo, estimo-o muito. Promette
nao fazer-me d'ora em dianle mais pi-
ructas ?
Promelto tudo quanto quizer.
Mas nao cumpre ...
Ver* !
Estaf palvvras tolas cram ditas cm voz
baixa, sonsamente, como quern nao qucria
a cousa, para nio despertar a attongio dos
espectadores.
O que aconteceu, quando as pazes esta-
vam feitas, foi que a Zana comegou a brin-
car com a agua, batendo as maos na marc-
zia causadas pelos remos. Eu vinguei-me,
por minha vez, e comecei tambem a brincar
com a agua. Nesse brinquedo, nossas maos
se encoutraram e eu achava um prazer inau-
dito nisso.
Que queres, menino ? A felicidade inode-
so pelas circumst incias que acompanham o
facto que a produz. N'outra qualquer oc-
casiio, a s6s com a prima, sem tusti-munhas,
a pegar-lhe nas maos seria uma conccssio
naturalissima, uma cousa sem seducgao,
uma uonada. Porem alii, diante do tanta
para 16 do agosto de ii97, porque assim
o exige a ordem da nossa narrativa.
Quando Angiolina penetrou no seu apo-
sento nao se deitou, nem sequerse despio ;
oentou se junto dc uma mesa e pcrmaneceu
immovel e pensativa. No seu espirito agi-
tavam-se cunfusamente, as imageusdeGio
vanni Borgia, Sawnarola e Gonzalo do C6r-
doba.
Giovanni, ao revelar-se d ella tal qual
era, horrorisara-a; deixara-a ver um bo-
mem completamente distincto d'aquelle que
ello havia sonhado e d quem havia amado.
Com a transformagao do Giovanni, que
se Ihe revelara um Borgia om toda a exten-
sio da phrase, Angiolina sentira uma dor
aguda, uma agonia infinita.
0 seu amor morrera, e quasi no mesmo
momento om quo a feria a transformagao
de Giovanni, apparecera Savonarola, anna-
do de um punhal, raostraud '-se um demo-
nio era vez do homem meigo e apaixonado
que ella vira ate atli.
Gonzalo de Cordoba era a unica imagem
que reaninava com a sua rocordagio ar-
dente, a alma de Angiolina, gelada pelo
terror.
Angiolina sentia pelo gran-capitao o quer
que fosso que nio sentira nem por Savona-
rola nem por Giovanni Borgia.
F. com tudo que podia elle esperar de
Gonzalo de Cordoba ?
Assaltava-a o triste prosentimonto de nio
ser araada.
Decorroram as horas.
De repente ouviram-so na rua os sons de
uma cythira e em seguida uma voz magni-
fica eutooM uma canyio de amores.
A v z calou-so, mas continuaram os sons
melodiosos da cytbara.
Angiolina abrio a janella, olhou para a
rua e vio um vulto informe.
A voz tornou a cantar.
Angiolina iuclinou-so sobre a balaustrada
e disse d meia voz :
Por conta de quem 6 essa serenata ?
Por conta dc um cavalheiro rnui nobre
lb poderoso que a ama c e amado.
-r Como se chama esse cavalheiro t
Goi.zalo.
Gonzalo de que ?
De Cordoba.
Angiol.na s.mtio que se lho agiUva lodu
o son. ue nas- voias o pecroaneceu calada
gente, torn a vase uui facto palpitante de
irritagao, seductor, apimentado. Foi b que
aconteceu-roe.
A cao*a jt nam sei como ia. 0 que e
certo 4 que da hi a pouco tempo paramos
n'um sombreaiio, causado pelos rauios de
u.na graadearvore debrucada na ribanccira,
largimos a poUa epreparaiaos as linhas.
Sab's tu o que epoita ? Nio. E' uma
pedra euorme amarrada i uma corda, que
faz as vezes do aacnra. Eis abi.
A pescana foi abundante 0 rio era es-
sencialmente piscoso. 0 que eu te nio
posso cbntar, porem, sao as so-uas, os po-
quenos gritos de admiragio, quando o anzol
trazia um peixe maior, os espaiiUis, OS
medozinhos das meninas, concbegando-se d
gente, os commentarms do Sr. Prucopio e
a blegria expanviva do Zana.
Figura lu uma porgio de gente moga,
na alegre kmiliari iade de quem estd sem
ceremonia, desprevenida, despreoccupada e
fards uma idea do que por alh foi.
Finda a pescana, retiramos-iios para casa,
mais apressadamente do que vieramos em
primoiro lugar por causado sol que esqueu-
tava, em segundo, por causa das exigeocias
do estomago, quo suspeitava a mosa bem
provida da tia Marianna, que nos esperava
anciosa, e que, apenas vio-uos chegar, foi
logo gritando :
Vejam so estes raeninos I Sahem por
ahi e demorara-se tanto tempo, daudo s6
cuidados d gente I Como se isto fosse bo-
into I Jd.. tudo p'ra dentro I Ate o se-
nhor meu si.briuho, que (: um homem de
juizo, inetlido neslas historias I Entio T
Deixar os outros aqui i espora delles I So-
mos todos captivos, nio e assim ? Oh I co-
mo estd eita cara, meu Deus I E' uma
baeta 1
Estas intimas palavras eram dirigidas i
Zana, que estava com effeito muito ver-
melba.
Vd jd mudar essa roupa I continuou a
tia, fallando com a Zana Como vem isto
tudo rasgado I Isto sao modos de moga I
Um vestido novinho... esld que nip. jjres-"
ta...
Ora, minha tia...fez a Zana com cara
de choro.
'Std bem... 'std bem I Vai mudar
isso...
E deu-lhe dous boijos tio estalad s, que
eu cheguei a ospantar-me, nao estando pre-
venido para aquellas raanifestagoos de af-
fecto. '
Esso dia todo passamos brincando... 0
que ? perguntards tu.
Nio te admireso padre Cura. Eu era
o padre Cura.
Em brinquedos e festas passamos ate an-
tes de hontem (i). Houve, pore n, uma
scena n dia de Anno bom, a qual nio pos-
so deixar de cootar-te.
Continuarei esta a noite, quand for aga-
salhar-me, que veio agora mesmo a preli-
nha chamar-me para jantar. Ate logo
4 do Janeiro11 horas da noite. Aca-
bo agora mesma de disparatar com o te-
nente, quo disse me quatro parvoices e
meia e eu mandei-o plantar batatas. Diz
que vai-se embora amanhi A mais tem-
po, que jd faz calor I
Ora, o diaba do homem nio se convenceu
do que a Zana podia ama-lo? 0 que podia
exigir della outra cousa que nao fosse ori-
diculo de suas gravatas? Esta e uma
boa !
Vou reforir-tc o que fez o animal.
Fiquei de contar-te certa scena que se
deu no dia do Anno-bom. Pois o quo se
deu agora tem relagao intima com isso.
No dia de Anno bom, logo depois do
jantar, fomos todos para o jardim, uma vas-
ta pega cheia de arbustus e flores, embasti-
da em alguns lugaros e com uma grande
latada ao fundo, quasi a esconder-se por
traz dos arbustos.
Dividimo-nos em grupos e-ada qual to-
rn ou para seu la Jo.
Eu ia com a Zana e o tenente seguianos
sorrateiramente de longe. Nio me impor-
tei com elle e continuui o passeio. 0 te-
nente, para mim, era uma testemunha inof-
leusiva, uma ciianga, mais ainda, uma
estaca. Juridica o moralmente estd fdra da
leie irresponsavel.
(Contimtar-sc-haf
Estou ao sen servigo, vio que tu era
bom musico e tera-me om sua casa. Esta
noite, dorraia eu profunda.nente, quando
mo despertaram e me disseram que me
charaava o meu senhor. Lcvautei-me, fui
ter com elle o disso-mc :
Pega na tua cythara, dirige-te ao
postigo do palacio da duqueza do Urbino, e
entoa uma cangio de amores com referenda
d uma joven chamada Angiolina. D-mti^o
irio uma liteira e quatro homens.
E para que sao essa liteira e esses
quatro homens 1 perguntou a joven com a
voz tremula de cmogio.
0 gran-capitao marcha antes de ama-
nhecer para Terracraa, onde o ospera un
cxercito com o qual ird a Napoles.
E nio voltard ?
__ Que tem die que fazer em Roma ?
Em Napoles, e no Monferrato d onde faz
falta e onde o entreterio por algura tempo
os francezes. Quem sabe se poleri voter
para a ver ?
No espirito de Angiolina representou-se
o ospectro vingador de Savonarola ; recoir-
dou so de soa raii morta ds punhalades
junto da columna Trajana e receiou ser int-
molada tambem pelos zedos dc Savonarola
e pelo furor de Affonso Crespi.
Acabou de aterra-la a magera do espet-
tro ensanguentado de G ovanni Borgia, de
cujo assas-inato a podiam accusar, p.r isso
que se haviam dtvulgado as suas entrevists
ainorosas com elle na Torre dos Tres Enfor-
cados.
Ao mesmo tempo, e com uma forca irrj*
sistivel, ergueu-se no seu coragio o amor
que comegara a sentir por G nzalo de Cdr-
doba. Esse amor allrahia-a de um modo
suave e fascmador ; impelliam-n'a 4>a.fa
elle, com as suas maos geladas Giovanni
Borgia, Jeronymo Savonarola e An>n*o
Crespi.
- Eo gran-capitao disse-lbe que quer ia
que eu fosse torn eHe ? perguntou Angio-
lina. *^
Sim, minha senhora, respondeu Boo-
vinetto.
Angiolina vaciHou ; mas, vendo quo a
charoava Gonzalo, para qu*m a sua alma
parecia quorer voar, decidio-se...
f^vHnuar-^t'ha.
COMO CUMPRIO B0NV11ETT0 A C0MM1SSA0 bsTalgunSI segondos.
lucrecia e o que fez Depots. Epowje o cu^ esso cavalbc.ro?
Retrocedamos e voltemos d noite de lSjdisie ella ahnal,
i

TYT.UO DIARIO RUA OlHlUfi DE CAJlUs
\ wiiiudo
j HJdJTH 1