Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text

Jd.


anno xlix. mmm 266
JKiABTA FEIHA 19 D NOVEMBRO DE 1873
PilU A CAPITAL B MJGABE9 OIBE 9AB SB PAQA 1
es mozes adiantados................
los idem..................
no idem..................
ada numero aruLso..................
1TB.
12*000
'"S3
PABA UE.KTRO B FOB A BA PBO VISCIA.
For tret meres adiantados...............
Por seis dito* idem.
Por dots ditos idem
Por am anno idom.
mnu




Ml*ff
<*
DIARIO DE
PROPRIEDAOE DE MANOEL
MAMBUCO.
DE FARIA 6 FILHOS.
0* Sn. Geraxdo Antonio Alvesd Filhos,no Pr4; Conceives A Pinto, no Mwaflhio; Joaqaim Jose* de OUVeira & Filho, no Ceari j
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Auguaio .Gomes d SUra, ua Parahjba ; Antonio Josi Gomea.na
Antonio Ferreira de Aguiar, em (ioyanna; loho Antonio Machaeo, no Pilar das
tonio de Lttm* Braga, no Afdcatj j Joio aria Jalio Charea, no Ad; Antonio Marques da 8iht, noSatal; Josd /art
; Beftrnrino dos Santos Buldto, em Santo AntAo ; Domingos Joa6da CostaBraga, em Nazareth;
a j Alves d C, a* Bahia; e Leite, eerquinho d C. no Rio,de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
.....- .
.' 3 t"
(ioveruo dm. provlucia.
^TRniESTF. DO DIA 9 DB SKTEMBRO DE 1873.
/.* SKCtlO.
Aeto :
O presidente da provincia, attendendo ao
tue rcqucreu Francisco do Figueiroa Faria, araa-
Muenn do arsenal de guerra, resolve cofieedef-
ihe 3 mezes de Henri, com vencitneuto* u.i forma
r de sua satide, a contar do dia
t* do corrente.
OIBcios :
An Exm. brigideiro commandante dts ar-
tnat.Mande V. Exc. por em libcidade os reeru-
las, Jose Francisco dos Santos e Manoel Jose Man-
i-ioio, visto serem iucapazeiyara o service militar,
cgundio termo de mspeccao annexo ao seu offl-
cio d<: 6 do correno >ob n. 901.
- Ao director do arsenal do guerra. Fae.a
Vmc. opportunauiente reseller a recolher a csse
llianl 4 caixdes qua, segundo os conhecimcntos
juntos, devem vir da cOrto no-vapor Pard ; sendo
dous com armainenlo e dons com medicamentns,
destinados. estw h spilal militar e aquelle ao
9* bata'iia io.'muria, e bem issnn um outro
eaixao eontundo duas cornetis destinalas a pro-
vincia do Rio Grande do Norte, para onde deverao
sec enviadas na primaira oeoaaiao.
Ao on^iirtlieiro das ob.-as MiUUraj.Repre-
^eniand) o Exm. brigadaifj) cominaudante das ar-
i.ui eai ofRi-i.. do 6 U, tot rente sob n. 90) ustar
preslc* a desalar a Roberta tie am pe |uen com-
partiroento contiguod secretiiria do 2- batalbJto de
alantaria, no ijuartel da< Cineo Pontas, recent -
toeido a Vmc. tjue com urgencia me apresente o
ornament) dos reparos que sao alii precisos.
Ao consi.-llio de eonapras 11 arsenal de ma -
tinha. -Autoriso o conselho do compras de mari-
;iia a promover a acquiaicao dos objectos do ma-
irial da armada, men .-iouados em seu ollicio de '>
I* eerrKnti', o-* quans sif> preeisos para proviinoa-
to do re.-pectivo aliuoxanfado.
Ao consul de S. M. britaaica. Em resposta
ao oMcir quo na data de o do agosto ultimo me
lirifio o Sr. Bentinck \V. Dojlo, consul de S. M.
rriunica, n*;-ta provincia, rciativamente a pri-
>lo a requisiglo Ue^se cnsulado, dus maruios
tngfeies, por faltas commeltidas a bordo dos
>ous oavios, tenhu a dizor que a unica pri-
-iio civil cxi-tente nesta capital e a casa de
i :tc<^i&, untie o Sr. causul, meJiante a neces-
iArJa requisicio, podera lazcr recolher Ues niari-
nheiros ; send > que asdotnais prisoes sao militares
a stem de nao dispurcm da guardas sufficieutes, so
uodem a t lias ser rei;elhidos os militares on os que
liverem titulos que Ibes dtiut direilo as honras
.neudidas a.| telli's. Com este utotivo renovo ao
Sr. IVntinrk W. Ooylo |as perfeiU ealiuia e distincta considers.;! >.
3." seoriio.
\cV>* :
0 presideaie da provincia, a vista do ofllcio
fij I*, chefe de patieia, n. l->76, de hoje datado,
solve exenerar do cargo*dc subdelegado do 1*
district') do terrao do Bom Jardiut o cidadao Joao
Lopet Dtlgado Leal.
O presidiMite da provincia, d.i conform dade
om a proposta do Ur. chefe de policia em offlcio
n. 1376, ie hoje datado, resolve .nomear o alferes
. corpo do policia, Fraueisco Pereira Lagos para
cargo de tubdelegado do ia tiistricto do terino de
Horn Jardim.
0 presideute da provincia, a vista do offlcio
do Or. chefe de policia, n. 1^67. de hoje datado,
resolve exonerar, a seu piidido, Taurino Lourenco
Jo KezenJe Range! dV cargo de 2* supplente do
.ubdelegado do t districto do tcrmo de Bom Jar-
Aim, o a bem do servico publico Feliciano Jerony-
mo Gorrea de Amnrim do dc 3*sup;)lento do dito
-obdelepB.
O presideute da provincia, do acordo com a
:,;c>i09ta do Dr. chefe dc policia em offlcio n.
i j'67, de hoje datado, resolve n linear para os car-
troa de 2 e 1 supplente^ do subdelegado do 1"
'Jistrictt do terino de Bjm Jardim os cidadaos se-
guintes, na ordem de sua cj||ocae"u:;Joao ':apitu-
liio.de Aquino Guerra, Jose Januario Pereira de
Qneiroz.
OIBcios :
Ao Ur. chefe de policia. Para satisfazer o
Ksposto no aviso junto por copia, do minislerio
des negocios de agricultura, co.nmercio o obras
noblicjM, de 29 de agosto ultimo, remett3 me V.
^.. com urgencia, uma rela^aj de todos os jor-
ilaetanajfiaa constantesdo ntencionado aviso.
Ao inesmo. -Coo:ta de ollicio do Exm. pre-
-idente da provincia de Sergipe, ter vindo para
esta capital, com destino ao presidio de Fernando
do Norouha, o rtio Antonio, escravo, que tern de
-.amprir a pena de gales porpeluas, em que foi
-'..raiuutada a de morle, que lhe foi imposta pelo
jnry do lermo de Simao Dias, da di'.a provincia ;
<:nvio*i que V. 5. o fa^-a seguir para o seu des-
uno, com a necessaria sagaraaca> na primeira op-
. ,iuaidade, frtzendo seguir para Ara:ajii as 3
rracas de policia,que vicram escoltauJo c dito sen-
leoeiado.
Ao comniandante superior de Caruard.In*-
ionne V. S. se o alferes da o companhia do bata
1hao n. 27, a que allude o seu ollicio de 27 do
mez proximo passado, esta ou nao fardado, e
-i o sen nome 6 Manoel ou Antonio Bezerra
Madtiro, cento ctmsta da matricula da secretaria
desta presidenda, e veio na proposta, pcla qual foi
ttofneado
Ao juiz de direito do Rio Formoso. Envie
Vine, com urgencia cop:a das peeas essem-iaes do
jjfocesso inslaurado, por crime de moeda falsa
liessa comarca a Jose Fabricio Gomes, como esi-
ga o aviso do ministerio da justica, de 28 do mez
proximo passaJo, cop'uu quo ja feram solicitadas
e iuizo.
Ao juiz de direito da vart civel -.Trana-
mitto a V. S., para o- devidos tin;, a eopia jii'ita
do decreto de 7 de abril ultimo, que commuta em
/Ms f erpetuas a pena capital imposta pelo jury
do termo de Siiuao Dias, da provincia de Sergipe,
ao cciminoso, escravo. Antonio, o qual, segundo
("Sficio dt presidente daquella provincia, veio para
-ta capital no vapor Maiulahu. aflin de irpara o
iircsidio de Fernando de Noronlia.
Ao comniandante do corpo de policia.Afirn
\ satisfazer o aviso do ministerio da justica, de
Hi do mez proximo passado, envie Vmc com ur-
:;-ncia o mappa da forca policial s >b o seu com-
mando, com declarable da votada e da eilech'va,
quanto tern de sol lu, etapae mais vantagens cada
pcaca, co nprehendi los, o* officiaes, subalternos,
jp.iVrioros, cab is e sol dado.-.
Ao mesmo. PoJo Vmc. engajar no corpo
.sob o sea commando, sendo idoneos, os paisanos,
Jose" Claudino dos Santos, Felix de Moraes Leite
.do Swua elridro Alves do Nascimento, que, se
jtir.idose'i oflntio n. 510, do 'i do corrente, loram
iii itupeccao tie sadde julgados aptos para o ser-
\iCO.
3.' sectffo.
OIBcios :
Ao inspector da thesouraria de lazeoda.
Commnaico a V. S., para os devidos fins, que a 22
do mez-proxiiiu passado deslacaram em Pesqnei-
ra 8 pr.-.easda cuarda nacimal, de conformi lado
. c+tdk as orden? desta presidencia.
Ao mesmo. Comnlunico a V. S.. para os de-
vidos In*, i ie a S3 lo mez proximo passado en-
troae ctda.tat Francisco de Castro Nune* noexer-
cieio do cargi) de adjunto do promoter publico da
comarca de. Carnard, no termo de S. Batrto.
Ao mesmo. Contiuunioo a V. S., para os de-
vidui tins, ([tie a 23 do mez proximo passado, assu-
mio o exTcicio'iaterino do cargo de juiz de direi-
to da vifti do Bonito n bacharcl Angelo Caval-
cante de Sotna Cousseiro, para ai*tir a f.rrmacio
de culpa por crime, de m-ieda falsa.
Ao mrsmo. ConiniLirico ;i V -S., para os de-
vidos fin% que a ,3o d>; mz proxima passado ce-
assumioo bacharel M. d-is \njos Barroj x*rcMt)
do cargo do juiz municipal de Ingazeira.
Ao ntesm. Re nelto a V."S., para, o* dc--
dos tins, a inclusa porUm de Luiz de Barros Pe
reira Rego, agente nomeado para 6 correio da vil-
la de Garanhuns, desta prnvinciii.
Ao mesmo.Trausmitto a V. S. as contas
jniilas em duplicata, que mt; reinetteu o director
interino do arsenal de guerra coin ollicio de C do
corrente sobn. 48o, alim de que niande pagar a
quantia de 5V 1*100, provenleme das despezas teitas
com a conduccao de diversas pecas, armamenlo
e utensilios do mesmo arsenal para o quartel do
9.' batatbio de inr.tntaria do exeroito.
Ao mestni. Tr.insmilt'; a V. S., para os de-
vidos (ins, o decreto junto de 2 J do mez proximo
passado, que concede ao jniz de direito Francis-
co de Assis d'Oliveira Maciel honras de desembar-
galor. e hem assim a poruria de H do dito mez
concedendo 30 dia; de lieenca com raetade do
ordenado ao do Ouricury, bacharel Marnel Caldas
R.irretlu, para tratar de sua saude onde Ihe t-oii-
vier.
Ao mesmo. Expeea V. S. snat ordens no
sentido de serom pagos ao sargenlo Felismino
Beserra de Sobral, a vista da relacao e pret juntos
em d'iplicata, os vencirnentos do des&camento da
guanla naciunal da villa do Bonito, relativos ao
mez de agosto ultimo, couforme soUcftoo o res-
pectivo commaudante superior em offlcio de i do
corrente.
- Ao mesmo. Annuindo ao quo soiieitou o
comniandante superior do ir.unicipio de Tacaralti
em ollicio de 23 de agosto ultimo, autoriso V S. a
man lar pag.tr a Flavio Goncatves Lima, a vista
d is in-lusos prets em duplicata, os vencirnentos
das pni'.-as da guarda nacional deslacadas no dis-
tricto de Campinas, a contar do !. de jnlno deste
anno a lo do citado mez do agosto, segundo indi-
cam os tnesinos prets.
Ao mesmo. Communico a V. S, para seu
conhecimento e lies convementes, que por aviso
do ministerio dos negocios da agricultura, com-
mercio e obras publicas, de 20 de agosto ultimo,
me foi declarado ter shin approsads o credilo de
138^387, .tberto sob minha respunsabilidado para
necerwr ao pagamenlo da qninta partt? dos vouci-
menlos do engenhoiro Paulo Jose de Oliveira, du-
rante. o tempo que substitute o ajudante do enge-
uheico fiscal da estrada de t'erro do Recife a S
Fraiicisco.
Ao inspector da thesouraria provincial.Au-
toriso V. S., nos lermos de sua informs jao de o d.
corrente sob n. 386, dada acerca do incluso re-
querimento, a rnandar pagar o adianUmento da
tjuantia de 400*000. a que tern direito Anna Ignez
daSilva Ramos, professora da villa de Panellas, em
virtudo do art. 2j da lei n. 5>J8 de 13 da maio.de
1864, afim de poler seguir para aquella villa, oride
vii exercer o seu maaisterio.
Ao mesmo. A' vista da relacao e conta a
este appensas, mande V. S. pagar ao Dr. Manoel
Pessoa de Siqueira Campos, conforme soiieitou o
Dr. chefe de policia em offlcio de 6 di corrente
sob n. 1567, a quanlia de lOiJiOil, proveniente da
desneza fcita com o sustento dos presos pobres d*
caleia do lermo de Flores, segundo demonstram
aquelles documentos.
Ao mesmo. -Ao subdelegado do districto de
Cruangy ou a seu procurator mande V. S. pagar,
a vista do incluso recibo,que me foi remettido pelo
Ir. chefe de policia com offieio de 6 do corrente
sob n. I8Q5, a quantia de 122000, era que impor-
tou o aluguel da casa quo n'aquelle districto serve
de quartel ao respective destacamento, a contar de
17 de agosto d'este anno.
Ao mesmo. Recominendo a V. S. que, a
vista da inclusa peticao. mande pagar a Firmino
Antonio Rodrizue;, proprtetario da c;isa que no
district i dos Afogados serve" de quartel ao res-
peclivo destacamento, a quantia de 4iO0O, des-
pen lida durante tres mezes com o aluguel da re-
ferida casa, segundo requisitou o Dr. chefe de po-
licia cm offlcio de 6 do correnle, sob n. 1568.
Ao mesmo.Mande V. S. pagar a Jos6 Ca-
valcante de Mbuquerque, ou ao sau procurator
Andre de Abreu Porto, a quantia de 50i portancia de uma casinha de taipa desapropriada
para a construccao da ponte de ferro do Tahyba
na villa do Pao d'Alho, e ;i que elle tem direito,
segundo informa o engenheiro chefe da reparticao
das obras publicas era offlcio de 4 do corrente sob
n. 333, cobrindo o requerimento, que lhe remetto,
do rcferido Cavalcante.
Ao mesmo.Commuuicando me o Exm. pre-
sideute das Alagoas em offlcio do l. do corrente
ter mandate pagar nessa data a importancia, pro-
veniente do sustento dos presos pobres d'aqueha
provincia, recolhidos a casa de detencao nesta ca-
pital ; assim o declare a V. S. para seu conheci-
mento e devidos fins.
Ao mesmo. Mande V. S.'pagar a Jose Elou-
teno de Azevedo, a vista do certificado ancexo ao
incluso requerimento, a primeira prestacao na
importancia de l:258jl8l, proveniente do 2. lan-
co da estrada do rodagem da cidade da Victoria a
Gravata, e a qne tern direito em virtudc do res-
pective contracto.
Ao mesmoTransmitto a V. S., para os de-
vidos fins, a guia junta de soccorrimeuto dc tres
prajas do corpo de policia da provincia de Ser-
gipe, qne vieram escoltando um criminoso que
tem de tr para o presidio de Fernando de No-
ronha.
4." sec^ao.
Oflicios :
Ao Exm. presidente do Para. Attenden-
do ao que no requerimento junto pede u sol-
dado do 9. batalhao de infantaria, Maximiano dos
Passes Alves, rogo a V. Exc. se sirva de minis-
trar me um documento comprobatorio da allega-
cao que faz a referida praca, de haver, na quali
dade de guarda nacional designado do 9. bata
Ihao dessa provincia, se afireseutado voluntaria-
mente para tomar parte na campanha do Para-
guay.
Ao provedor da Santa Casa da Misericordia.
Accusando a recepcSo do offlcio do V. S., de 5
do corrente sob n. 550, concede a aulorisacao
nella sottciuda, em nome da junta administrate
dessa Santa Casa, para serentregue a Jose Vicen
te Godinho o orphao Manoel Francisco da Paz,
mediante as condicoes epecificadas no seu al-
Indido offlcio.
Ao juiz de paz, presidente da junta de qua-
lificacao da fregnezia .de Serinhaem.Em resposta
ao offlcio de Vine, de 9 do mez findo, oje soraen-
te recebid tenho a dizer-lhe que na revisao de
qaalificacao dessa freguezia nao devem ser cora-
prehendiJos os volantes do territurio desmembra-
do para a de Gametleira. Exigindo coosultas
desta ordem, solncCes promptas e opportunas,
curapre qn Vmc. providencie de molo a que haja
mais presteza na retnessa de seus offlcios.
Portarias:
A' camara municipal da cidade da Victoria.
-Declaro 4 camara municipal da cidade da Vic-
toria, om resposta ao offlcio de 26 do mez findo,
hoje recehido, qne a petica i de Luiz Joso da Silva
Cavalcante, que foi a informar a essa camara por
despacho do 9 de lulho ultimo, nao acompannon
ao sea o-D^e de 24 desse met; ctimprindo quo a
sna fetnessa sc effectue.
A' camara municipal da cidade de Caruard.
- Dediiro a camara municipal tla cidade de Ca
ruarti, ont rasposta ao offlcio de 2 do corrente,
qne o art. 13 das instrnccoes baix.tdas com o de-
creto dc 18 de setembru do anno findo delcrmidK
qne as camaras marquem a porcentagem qne de-
vem pereeber o aferiJ.res ; nio sendo per -o
pennittido qne ?e arbiere gratiftcacSes por ette
senijp, como fez essa camara; e por cuji> moflVo
dcixo de approtar s rcsolnejo de que trafa 6 sea
alludido offlcio.
fr sectfo.
Portarias :
Os Srs. agentes da companhia de navegacSa
brasileira mandem dar passagem ate a proriucm
da farahyba, por conta do mini-terio da justica, a
re do primi-ir.) vapor dessa companhia que segnir
para os portos -lo norte, ao major FraUcisco Fer-"
nandes Lima, qne d'alli veio acompanhanJo o pre-
so, major Antonio de Brito Lyra.
Os Srs. agentes da companhia dt! navega;ao
brasileira mauOem dar passagem para a c.rle, por
conta do ministerio da marinha, no vapor espera-
di> do norte, ao soldado do batalii.io naval Antonio
Pacheco e ao imperial marinheiro Basiiio Antonio,
os qnaes seguem para alii a duposlcao do repec-
tivu quartel-geueral.
Os Srs. ageutes da curnpanhit de navegaca^
'rasileira fagam receber a bordo do vapor espe-
rado do norte, e conduzir a corte por conta do inf-
nisterio da guerra, um caixao contendo uma ban-
deira imperial, que pelo director interino do ar-
senal da guerra e para alii remsttida com Jertuto
ao 14* batalhao do iofantaria.
EXPEDIKNTE DO SECRETARIO.
/' seccao.
Oflicios:
Ao corainandante da dirisao nava: do 2* dis-
tricto.S. Kxc o Sr. prosideate da provincia man-
da declarar a V. S, em repo da 5 do corrente, sob n. 257, que Hunt expediJas
as convenientcs ordeus para serein transportados a
corte, no proximo vapor, o soldado naval Aa'.onio
Pacheco e o imperial marinheiro Basiiio An-
tonio.
Ao director do arsenal de guerra. S. Exc. o
Sr. presidente da provincia raanda declarar a,V. S.,
em resposta ao sou offlcio de 6 do correote. safe n
486, que licam expedidas as necessartas '"drdens
para ser recehido a bordo do vapor esperalJo doj
norte, e couduzido para a corte, um eartttio con-
tendo a bandeira imperial dostinada aj 14 batallmn
de infantaria.
2' seccao.
Oflicios :
J
Je^
ir de
da, I
quaj
rentti >
val ton
I Ao
Ao Dr. chefe do policia. -0 Exm. Sr. presi-
dente da provincia mand* declarar a V. S. quo
nesta data expedio ordoiri a thesouraria pr.)vin'
cial, no sentido de serem pajtas as despezas, de que
tratam o? seus offlcios do 6.destemez, sob ns. IMS,
1567 o 1568.
Ao mesmo. -De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, transmitto a V. S. o trtulo
junto de nometejo de subdelega lo do district '
do termo de Bom Jardim, le conformidade Com
a^mpusta de V. S. em offlcw^JfaggQ
Ao mesmo.De ordem do Exm Sr. presi-
dente da provincia, transmitto a V. S. os titulos
juntos de nomeacao do 2' e 3' supplentes do sub-
delegado do 1" districto do terino do Bom Jordim,
de conformidade com a ptpposta de V. S. em offlcio
n I5S7, de hoje.
Ao commandante superior do Brejo. 0 Exm.
Sr. presidsnte dt provincia manda accusar o re-
cebiment do offlcio de V. S., de 29 do mez proxi-
mo passado; em que participa ter a 22 destacatl)
mais 8 prajas da guarda na:ional em Pesqueira,
licando elevado assim o desttcamenlo dessa loca-
lidade a 18 pracas, sob o commando do alferes Ma-
noel Vicente Ferreira t'anulo.
Ao commandante superior do Boniio.-Sua
Exc. o Sr. pre-idente da *>rovine;a manda declarar
a V. S. que a tnesouraria de fazeuda foi nesta
data autorisada a pagar os veucimeutos do desta-
camento d.t guarda nacional, d! que trala o seu
offlcio de 2 deste m >z. _
- Ao commandants superior de Tacaratu.0
Exm Sr presid mte da provincia manda declarar
a V. S. que expeJio a conveniente ordem a the-
souraria de fazenda. no ratuito de serem pagos a
Flavio Goncalves Lima os vencirnentos das pracas da
guard nacional, de que trata o seu offlcio de 23
de agosto ultimo.
Ao juiz de direito de Villa Bella.-OExm.
Sr. presidente da provincia manda accusar o recc-
bimento do offlcio de V. S., de 22 do mez proximo
passado, m que participa ter nessa data encerra-
do a 2* sesslo juiiciaria do jury do termo de Vil-
a Bella.
Ao bacharel Angelo Cavalcanie de Soika Cous-
seiro.0 Exm. Sr. presidente da provincia manda
accuzar o recebi.nento do offlcio de V. S., de 25 do
mez proximo passado, em que participa ter n essa
data assumido o exercicio do cargo de juiz de direi-
to da comarca de Villa Bella, para assistir a forma-
eao da culpa em um processo de crime u-i moeda
falsa. Igual, mutatis mutandis, ao bacharel Mi-
guel dos An|os Barros, por ter renunclado a 30 do
dito mez o cargo juiz municipal de Ingazeira, e ao
cidadao Francisco de Castro Nunes, de adjunto do
promoter publico dc Caruaru em S. Beuio, a 25 do
referido mez.
EXPEDIENTK DO DIA 10 DE SBTEMBBO DE 1873.
1.' secgao.
Oflicios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. -Sirva-se V. Exc. de mandar por em liber
dade o recruta Miguel Bellarmino do Espirito San-
to, que provou iseneiio legal.
Ao mesmo. -Em solucao ao seu offlcio de 30
de agosto ultimo, sob n. 874, relativamente ao sol
dado do 9> batalhao de infantaria, Manoel Jose da
Silva, que se acha preso pr ser escravo de D. Ma-
ria Thereza de Jezus, lonho a dizer que, htrendo o
ministerio da guerra por aviso de 14 de junho
deste anno man dado indemnisar o valor do dito
escravo, na importancia de 1:2004.000, deve ser
elie relevado da prisao em que esta, e servir no
exercito pelo temp) qne compete aos recrutados,
como e expresso no citado aviso, junto por
copia.
Ao mesmo.Mando V. Exc. apresentar ama-
nha as 7 horas do dia na cast d; deteh'ao um in-
ferior e cinco pracis de 1' linha, afim tie escolu-
rent ate Cirabres dons criminosos qne vao alii res-
ponder ao jnry.
Ao mesmo. Declaro a V. Exc, cm solucao
ao seu offlcio d. sta data, sob n. 909, quo as pes-
soas que testemnnharam os factos pelos qaaes tem
de rcsponder o tenente coronel commandante do 2
batalhao do infantaria, Alexandre Augusto de
Fr.as Villar, foram, alem de outros, otenente coro-
nel commandante io corpo de pol cia, o secretario
deste e a offlcialidada respectiva, c bem assim o
bacharel Antonio Goncalves Ferreira e o capitao
de engenheiros Jose Tiburcio Peroira de Maga-
thaes.
- Ao mesmo. Sirva se V Exc de mandar por
em liberdade os rccrutas, Jiiii da Malta It idrigues
Chaves e Francisco Bezerra da Silva, visto serem
incapazes do s-rvigo tnilttar, segundo consta do
termo de inspecci.) anuexo ao seu ollicio de hon-
tem datado, sob n. 905.
Ao mesmo. -Havendo falta de forca policial,
recotnm^ndo a V. Exc. que mande uma eseolta
de doze pracas do I* linha para Pao d'Alho, afim
de, finda a sessio do jury, u-anspomrpara esta ca-
pital os rdos que forem jutgados.
Ao m-Miop.C ivi> domioiste-
guerra de 27 de agosto ultimo, que na-
data se expedio ufden* a inteudencia da
a para mandar fornecerJajip batalhao de in-
ia os livrus ousiantes tlojwdido que acom-
" o offlcio de V. Exc, n. 7?f de 23 de juiho
i Undo ; assim Ih'o connnonir em respos-
citado offlcio.
Ao inspect't do arsenal de marinlia. Em
iuieutu do aviso do ministerio da utarinha,
de agosto ultttLu, com referoucia a requisi-
dos negocios do imperio, mantle V. S.cons-
ise arsenal uma pequoua baleeii a de qua-
iocs para o servico das visitas de s.mde e
do porto, devendo opportnuameute enviar-
t destino aquelli secretaria de estado, a
la despeza que se fizer com essa obr.t, alim
ftigar a contoetente indemnisacio.
to mesmo. f^ousUndo de a visa do minis-
_t inafinlia, dd ii de agosto ultimo, tor-se
ido ao guardiio extra-uumerario da arraa-
toel Antonio dos Santos, empreg.tdo no ser-
a escavacio do port.) dost4 provincia, na
de do mestre da Uraga n. J, permiisao pa-
Cilrte, atim de tratar de sua saude, cumpre
S. uus termos do ciledO aviso snbstitua na-
servicoo referido gaardiSo.
Ao capitao do porto. DecUrando me o Kxm.
Sr. ainistro Ua niariulia em avis,, do 1 do cor-
coui referencia ao parecer do conselho na-
tittido em eonsulta de 19 de agosto ultimo,
q juHwiia I .sobn. 118. para augmeutar-se o pes-
soal Atpraticagem, nio pode ser Ionia Ja em con-
sidtncao por falta de observaucia do que dispoo o
art. n do re^ulamento tk 28 de fevereiro de 1854
e a ultima part* do arls'o de 21 de dezembro tie
f87t: assim o communico a V. S. em solucao ao
citada offlcio.
-r- Au mesmo. Determinaodo o aviso circular
do ministerio da marinha, de 30 de agosto ultimo,
nun no interne do servico e exacta fiscalisacao
do cmisuuro de objejfos de sobresalentes dos pha-
roes do iinp-fio as capitanias dos portos declarem,
seirpre que liverem de fazer pedidos daquelles ob-
jeclos, a quantjdade ou nutnero dos existentes em
deposito ; assim o communico a V. S. para a de
vida exeeurao na parte que Ihe toca.
Ao mesmo -Tendo nesta data, de conformi-
dade cm o que dcterminou o aviso do miutsterio
da marinha, de 23 de agosto ultimo, aulorisado o
inspecUr'da thesouraria de fazeiid i j mandar for-
ri-ver a cousuiite da noti junta por copia ; assim o com-
munico a V. S. para xeu conhecimento.
-1 Ao engenuWo das ohras militares. Estando
autorisada pelo aviso d.. minister.'o da guerra de
W'de agost) uhhno, por conta do exercicio cor-
rente, a de mhnio qne veio annexe ao sen ofllcio de 27 de
splcinbro do anno passado com a obra da transfe-
rendia da capella Jo hospital milltar, do lugar em
qne se acha para a sala onde outr'ora f unccionou
a secretaria do mesmo hospital, souundo propoz o
rejpRCli 'J uirector. recommeudo a Vine, quo man-
de prvicoler h ease servico.
k J '>. seccAo.
-^(i^t*il^iSWriiieU,an;i;nlenJoati qne
reqaereu u bacharel Francisco G rates Pinto de
Campos, juiz suhstitnt) da 1" vara civol da comar-
ca de Pan d'Alho, resolve conceder-1 te trinta dias
Be UceBQa, com vencirnentos na forma da lei, para
tratar de sua saude onde Ihe coavier.
Oflicios ;
Ao Dr. chafe de policia. Em resposta ao
oiti:io de V. S,de C do corrente sob n. 1,574. te-
nho a dizer-lhe que, a vista do que expoe o delega-
do do termo do Rio Formoso, deve eile procurar
uma ontra caa cent accommodacoes e necessa-
ria segnranca para servir de eaddia e quartel
no dit termo.
Ao juiz da direilo do Boniio.Proceda V. S.
de conformidade com a lei contra os individuos
constantes do >ffieio innto por copia. do juiz mu-
nicipal do termo do llonito, de 27 do mez proximo
passado, por tereut abanlouado os respectivos
cargo.-.
Ao jtiiz de direito de Cabrobo. Tendo nesta
data aui irisado o bacharel Jose do Carvalho Ce-
sar a entrar em exercicio do cargo de juiz muni-
cipal do termo d Cabrobo, para o qual foi no-
meado por decreto de 14 dejulho proximo passa-
do, segundo consta do diario official n. 165 de 20
tlo dito mez, independente do respective titulo, quo
me sera apreseotado no prazo de dous mezes : as-
sim o communico a Vmc. para seu conhecimento
e fins convenient"?-
Ao bacharel Jose de Carvalho Cesar. Offl-
ciou-se naqnelle sentido.
Ao juiz municipal de Ipojuca. A' vista do
que expoz V. S. em offlcio de 26 tlo mez proximo
passado, teulto a dizer-lhe que deve considerar
vaga a servenlia do offlcio a que allude, ponJo-a
a concurso na forma da lei.
3* seccac.
Aclos :
0 presidente da provincia resolve nomear
Luiz Jose Monteiro e Patrick) Gomes da Silva,
aqueile para o lugar da collectcr da collectoria do
municipio do Bouito e este para o do escrivao da
mesma collectoria.
0 presidente da provincia resolve exonerar
Florencio Carneiro da Silva e Jose Polycarpo de
Freitas Junior, aqueile do lugar de collector da
collectoria do ir.unicipio do Bonito c este de
escrivao da rnesma collectoria, poi assim o haver
pedido.
Offlcios
Ao inspector da fiesouraria de fazenda.-
Transmitto a V. S., para os fins convenientes as iu-
clusas ordens do thesouro nacional, de ns. 164 a
170, e bem assim uma reservada.
Ao mesmo.Em solucao ao seu ofllcio data
do de honiem sob u. 127 serie E, tonit > a dizer a
V. S. que pprovo a arremalacao feita em hasta
publiea, do terreno nacional sito a run do NDguei-
ra, pe'a quantia de 850i000.
Ao mesmo. -Communico a V. S.,paraos fias
convenientes, que por aviso do ministerio da
marinha, de 28 de agosto ultimo, foi approvada a
deliberacio (uetomeide mandar pagar aoenge
nheirn Julio Alvaro Teixeira de Macedo a quantia
de 1:2004000 proveniente das gralifica ao mesmo pertenciam, vencidas nos mezes de
maio e junho proximo flnJo.
Ao mesmo. Tendo nesta data autorisado o
bacharel Joaquim Carralho Cesar, a entrar em
exercicio do cargo de juiz municipal e de orphaos
do termo de Cabrobo para o qual foi nomeado
por decreto de 14 de julho proximo passado, se-
gundo consta do diario official o. 16"! de 2 ) do dito
mez, independente do respectivo titulo, que me
sera apresentado no prazo dc dous mezes; assim o
communico a V. S. para os fins convenientes.
Ab mesmo. -Constando de aviso do ministe-
rio da guerra, do 29 de agosto ultimo, ter-se na
mesma data solidtado do da fazenda a e\pedic&)
das nocessarias ordens, para jae seja annullado o
credito daquantii de 283*140 que por conta do S
14obras militares do exercicio de 1872 a 1873
f ii concedido para as despezas com tnrasferencia
da capella do hospital inihtar para outro local
mais deceate, e bem assim para qne no corrente
exercicio seja essa thesouraria habiiitada, a conta
da mesma rubrica, coat um outro- credito da igual
importauria, afim de occorrcr ao agamnnt-t das")
referidas despezas ; assim o- declaro a V. S. para
sea connect nento e direc^to. -
Ao mesmo. .'e conformidade com o dispo.t-
to no aviso do ministerio da mar nha, de 23 de
agosto proximo a&>: ntaode V. ?. kru-wuf aos
guardas do pharol dc Olinda a mobilia coestante
da nofa inclusa por copia, nio devendo o custo
total escoder de 984200, em que foi orcada.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar a quenr se
mostrar competenteroente autorisado a importan-
cia constante dos prets inelusos, relativos aos ven
cimant-js do destacamento da villa de Garanhuns
durante o mez de agosto findo. na conformidade
tlo qu.-soiieitou o respectivo commandante supe-
rior e.n seu offlcio datado de 3 do corrente.
Ao mesmo. Tendo o Exm. Sr. ministro da
marinha, segundo declarou-nie em aviso de 27 de
agosto ullimo. concedido ao guardiao extranume-
rano da armada Manoel Antonio dos Santo*, era.
pregado uo servico da escavacao do porto, na
qualidade dc me-tre d.t draga n. 3, permissao
para ir a corte. allt) de tratar de sua saude, assim
o communico a V. S. para seu conhe:imento.
Ao mesmo. D.-claio a V. S para seu conhe-
cimento e fins convenientes, quo flea marcade, a
contar de hoje, o praso de 30 dias ao 3' escriptu-
rario da alfandHga desta provincia Joao de Assis
Pereira da Roclia. nomeado para o lujar de 2* da
do Rio Grande du Sul, afim de poder elle seguir
ao seu.uovo destiui.
Ao inesmo.Communic > a V. JS., para seu
conhecimento e tins convenientes, que em data de
28 de agosto lindo foi respondtdo offlcio d.t enge-
ulieiro da estrada de ferro d i Recife a S. Fran-
cisco, datado de 20 do mesmo mez, com a copia
das iuformacdes ministradis por V. S., sob n. 996
serie D, com as qnaes nte conformei.
Ao inspector da thesouraria provincial. -
lnteiradu de quanto expoz V. S. era seu offlcio de
4 do corrente sub n. 379, tenho a dizer em res-
posta que nesta data acabo de exonerar, por assim
naverem pedido, o collector e escrivao da collec-
toria do munieipio do llonito. Florentino Carva-
lho da Siiva, Jose Polycarpo da Freitas Junior, e
bem assim QOiOeei Luiz Jose Monteiro e Patricio
Gomes da Silva, aqueile para o lugar de collector
e este para o de escrivao da mesma collectoria.
Quanto as colleclorias que aind.t nao funcciooam
por nao terem prestado jtiratncnt e rogistrado os
seus tiiulos os empregados constantes d.t nota que
veio annexa ao citado ofllcio, convent marcar-lhes
air, praso para assim o nzerem.
Ao mesmo. Tan do por ado desta data no-
meado o bacharel Paulo Jose de Oiiveira, engc-
nluifo flsctl da estrada de ferro do Recife ao Li-
moeiro ; as.-im o communico a V. S. para seu
conhecimento e tins convenientes.
Ao mesmo. Commnnico a V. S.. para os fins
convenientes que nesta data defiro a peticao de
Francelina Brigida Soares Monteiro, mandando
admittir uo collegio dos orphios o seu lilho Ma-
noal que esta nn condi;6es do t do art. 14
da lei u. 611 de 2 de maio de 1865.
i." seccdu.
Actos :
0 presidente da provincia, attendendo ao
que re luereti Maria d'Assumpcao de Luna Almei-
da, professora de instruccao primana da 3* ca
deira da freguezia de Santo Antonio desta cidade
e tendo em vista a informajao do Dr. di-
rector interim) da instruccao pnblict, de 3 do cor
rente, epi ollicio sob n. 267, resolve couceder-lho
tres mezes de licenpa, eom rencimontos na Y6rma
da lei, para tratar de sna sadde, onde Ihe convler.
t CCp.residente da provincia, attendendo ao que
reqaereu Quiteria de Almeida Bastos, pwfessora
particular de instruc.a > prunaria, e tendo era vista
a iuLrtn.ic.io do Dr. director geral interino da
instruccao publiea, de 3 do corrente, em ollicio sob
n. 268, rosolve noraea-la para reger interinaraente
a 3' cadeira da freguezia de Santo Antonio des-
ta cidade, mediante a graiifkacao de 504000
mensaes e durante o impedimeiito da respecliva
professora.
'Offlcios:
-r Ao Exm Sr. presidente da provincia do Rio
Grande do Sul.Communico a V. Exc. para seu
conhecimento que nesta data marquci o praso de
30 dias ao 2 escriplurario nomeado para a alfan
dega dessa provincia, Joao de Assis Pereira da
Roclia, afim de poder seguir dentro desse praso ao
seu destino.
Ao conselheiro director interino da faculda-
de de Direito. -Em curapri.nento do aviso do mi-
nisterio do imperio, dc 27 do mez Undo, commu-
nico a V S que S. M. o iraperador houve por
bem dispensar a Salvador Henrique de Albu-
querque das provas de capacidade profissional,
afim sotnenle tie iuscreverse para o concurso a
cadeira de georaetria e lingua nacional do curso
de preporatorios, annexo a essa faculdade.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
-Communico a V. S., para os fins convenientes,
que nesta data dcliro a peticao de Francelina Bri-
gida Soares Monteiro, a que so refere a sua in-
lorraarao de -V do corrente em offlcio sob n. 547,
concedendo que seja admittido no collegio dos or-
phaos o seu lilho de nome Manoel, nos termos do
art. 14 1" da lei n. Gil de 2 do maio do 1805
Acompanha a este a respeeiiva certidao de idade.
Portaria :
A' camara municipal de Serinhaem.De-
claro a camara municipal de Serinhaem, em res-
posta ao offlcio de 4 do mez findo, honiem
recebido, que approvo a sua delibcra;ao de cou-
ceder gratuitatnente o terreno annexo ao paco
municipal, alim de ser nelle edifieada a casa des-
tinada a escola de instruccao primaria de ambos
os sexos.
5.' secrao.
Acto:
O presidente da provincia
formidade com o art. 5* da lei n
abnl de 1S7I, nomear o bacharel Paulo Jose de
Ohveira eugeahciro fiscal da estrada de ferro do
Recife ao Ltmoeiro:
Offlcios :
A' junta de emancipacao de escravos do
munieipio da Serinhaem.lutoirado do que expoe
Vmc. em seu offlcio de 4 tlo corrente, tenho a
dizer Ihe que, havendo sido a freguezia de Ga-
raelleira annexada a comarca d.t Escada pela lei
n 1093 de 24 -de maio deste anno, a respecliva
junta emancipadora devem ser remettidas as lis-
las dos escravos porteucentes aos proprietary's
residentes naquella freguezia, alim de que pro
ceda a mencionada junta nos termos subsequen-
tes e de contorraidade com o quo pro-emu o re
gulantenlo de 13 de novembro de 1872.
A' da Escada. -Tendo nesta data offlciado
ao presidente da junta emancipadora da fregue-
zia de Serinhaem, ordenando-lhe qne remeta a
essa junta as listas dos escravos pertencentes aos
respectivos proprietaries residentes na freguezia
de fiamelleira, annexada a essa comarca pela lei
n. 1 '.'! de 24 de maio ultimo, afim da que se
proceda dos termos subsequentes e de conformi-
dade com o que preceitua o regulamente de 13
de novembro de t872 ; assim o declaro a Vmc.
para seu coahecimento e Gas convenientes.
Portaria :
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande dar passigem ate Aracaju, por conta do
ministerio da justica, a tres praca.- do corpo de
policia di proviflcia da Sujjipa, que dahi vieram
escoltando um criminoso.
EXPKMIBm DO SECRETARIO.
-.seccao.
OlllctOa "
Ao Dr. chefe de policia. -0 Exm. sr. presi-
deute tla proviucia manda declarar a V S. que
ficam expedidas as convenientes ordens, no sen
tide do que trata o seu ollicio a. 1516 de 9 de cor
reuio
- Ao meimi. -0 Exm."Sr..presidente da pro-
viacia. uunda declarar a V. S. que ficam expe-
didas as ordens convenientes, no sentido deque trata'
0 seu offlcio n. 1580 dc hontem datado.
Ao commandante superior de Bom Conse-
1 ho, Uuiqtie e Garanhuns. -De ordem de S Exc
o Sr. presidente d* provincia, communico a V. S.
que por offlcio desta data foram expedidas as ne-
cessarias or lens a thesouraria de fazenda, no sen-
tido do que requisitou em seu offlcio datado de
3 do corrente.
DESP.VOHOS DA PKBSWKSCI.V DE 17 I* .10VEM0BO
DE 1H73.
Antonio Joaquim de Oiiveira Maceio Junior
Como requer,
Antonio Francisco de Salles Dutra. Satisfaga. o
supphcantc a exigencra da Sauta Casa.
Augusto Xavier Carneiro da Cunha.-Sim. .
Florencio Domingues da Silva. -Recorra o stto-
plicante da multa que lhe foi imposta, alleganlo
razSos t(ue comprovem a juslica de seu p.j
dido.
fr uaotiada de Xossa Senhx^ra da Assumpcaodiis
Fronteiras, da imperal capelia da Estaneia.- D<>-
ferido com- offlcio desta datt ao Sr. inspector (la
thejouraria provincial.
Jose Claudino. Concede o prazo de 8 dias.
Jose Man'l Cavalcante de Almeida. -Passe por-
taria concedendo a liconga reqaerida.
Jose Goncalves da Silva Carneiro. Deferido com
offlcio desta data dirigido ao Sr. inspector da the-
souraria de fazenda,
lo.-i pini fgnacio da Fonceca.Sim.
Jose Joaquim- Fernandes. -Conto requer.
Jniio Mo'eira de Mhndonea,Traosflra-sc.
Maiio-'l Francisco Cavalcaute e Gustavo Bttt-
peu Rochael de -Miranda. Nao sendo os suppltcau-
tes professores elfectivos, nao tent lugar o que r-
querem.
Mai tinha Maria da Conceigao.-Iuforme St*
directer do arsenal de guerra.
Crania Nymph., da Silva. Nao tem lugar O
que requer a supplicant?-, em vista das infornut-
Sdes da directoria da- instruccao publiea, de S e 13
deste mez.
Secretaria da presidencia de IVrnamboeo, 18
de novembro de ISTi.
No impettimento do porteiro,
Yitgas.
resolve, de con-
974 de 24 de
EiTERIOR.
(iirlm de um vertlutleiro liberal
sobre as erdeiiw religlosaaa.
CARTA I
Amico. Tans raiio. Da provas de vilatidadt.
de euergia, e de adiaotado grao de eivilisacao, o
povo que se amma e entbusiasuta pelas grantle*
questues que premie.ti com os mais altos tutores-
ses sociaes, a o futuro ate, nao so de uma pairia,
mas da pstria grande, que se denonina o mopdc,
a humanidade. Imporla pouco acbar o erro de-
fensores, erabora eloquentes, pooerosos ; Uesde quo
as ideas lutam om arena franca e leal, bem sabi-
a verdade que o dia do triumpho ha de ser
sen.
Veem pois com satisfar-ao os amigos deste abeu-
.-;-. d i pai?, que a opiniao nelle se preoccupae apai-
xona por tantos ttrogressas de orlem material e
moral. Nestes ultimos annos as theses tem des-
cido das regioes nebulosas da theoria para os do-
uiiuios positivos da pralica. Arduas questoes in-
teinacionaes ; de assumpto religioso o moral ; d*
educae.'i-i e ensino piipular : de adiantamento ju-
dicial ; de varialissitnos melhoramentos mate-
riae? ; de credito o fazenda publiea ; de defeza do
solo e da ordem ; de transformacao na lei do tra-
balli i ; dc verdade na reprcsentacao nacional; de
preparativos para proscripcao de uma instituicao
execravel; essas e outras materias de agigantado
alcance tem con.-tituido a ordem do dia perma-
nent!.- nestes tempos cm q.ie os beneticios da paz
pcrmittem cousasrar a attencao as mais alias con-
veniencias publicas.
Era [Kirtanto mui natural quo os espiritos se
applicassera tambem a uma coutroversia, a que
urge por termo : a do definitive destino das ordens
religiosas, objecto este sobre que exiges a minha
desautorisada opiniao. Nenhuma importancia tem
ella, mas teu illustr.ido e-pirito, fazendo me justica
as intengoes, desculpara meus ei ros ; nio dogma-
tiso, consulto. Ftita esta prolissao do fe, ja mc
sera licito eraittir parecer franco, desde que a
ninguetn o imponho.
C>me<;arei pois, dizen.lo que me parece nao se
poder nem muds um dia procrastinar a solucao
deste litigio : Content que as ordens /eliijiosa-
vivniu ou M'DTtua ? Comprehendo a senteng-a pro-
feritla n'um ou n'outro sentido ; o que uao com-
prehendo e a eternisag.4o desta anomala posicao
dtibia em que as ordens vegetain no Ura.-il, duvido-
sas do seu por vir. ignorantes da sna sorte, amea-
eatlas na sna existencia, suspe.tadas na sua orga-
nisagao, desfalcadas am seus meios de accao, ja
impotentes para o bem por culpa em parte
alheia, navio sem bussula, soldado sem arnia.
Tem is conventos ? Sim, porque ahi pompeiaui
sobre visos da t-oiinas essas moles solitarias, oadu
ainda reside um ou outro raonge.
Temos conventos ? Nao, porque essas fileiras
cada dia se vao mais rareando, e ja hoje estao in-
capazes de satisfazer sua missao.
Ota, este fat e wio e o pessimo dos arbitries. E'
a instituicao inconveniente acabe se com ella;
e util ? restitua-se-rae a vida. Se isso e mao, por
que o tolerais? se e bom, porque o proscieveis?
Tal situagao deve ter um terrao, e prompto; com
esta perplexidade tudo perde : a reiigiao, o estado
as ordens, e a politica. Estude se a assumpto com
incero desejo de acertar; econcluidos prestesos
debates, veaham em fim as obras ; trant|uillisem-
se os anim s ; e saiba cada um qual o dever que
lhe i esta a cumprir.
Tenho visto recenteraente na imprensa artigoa
escriptos. ora com vigor, ora com elegancia de
estvlo ; mas tratam elles a questao com itr.par-
cialidade ? nao revelam dose de odio ou agasta-
mento, que deixa hesitacoes sobre a equanimidade
de seus autures na.. imiiam as paixdes aos ven-
tos, quo se um d:a orandos enfunaut as velas, ou-
tro dia ievantam as tempest tdes ? havera justiga
em coucluir de um caso para uma regra, de um
homem para uma instituigao 1
Desejo ticar eslrauho a parte incandescente
pessoal dessa poletnica ; nio sei, nem quero saber
quem nella tem razao. Se algum raonge praticou
acto desconfurrae dos seus altos deveras, n'mcou -
cluamoi, desse erro individual, contra as ordens.
Se nao ha razao nas exprobracoes, aceiteaso in-
juriado a 'conta dos votos, que proferio, de pacien-
cia e hutnildade.- Quanto a mini, eliminarei nomes
de vivos, successos da hontem. recri-ninacdos do
noje ; e terreno oscorregadio, e porque aspiro a
que me respeitam a inteireza das opinides, tribute
igual acatamento a ractida) das alhoias Pech-j
olhos a Ag istinho, B :nt), Jeronymo ou Domin-
gos ; abro-os para observar no seu complexo a
ecclesiastica railicia ; a que tmu todos os nomes, a
nao tem name alzum o ente vago sem cahecaa; a
per-cnatidtde sem pessoas.
Sc as iniu'tts cartas tiverem de valer pouco
pelo peso, dili^.jticiare; que tambem te nio abor-
rei.-.trn pela raedtda ; duviio do placAu, mas do.
eslo tret fa poles tu Qcar certo.
Um verdadeiro hbtta!--

mm i

i
BMBi
rjyeJHi
^...... i.. i


PI A RIO l)R*ff RUMftffV
RECIPE. *9 DIMMISKMKKU DB 187.
Exp 11 Ipjpimsrleola
A snciedada paHOffclvDoze do Setembro, qne
tanto ja se weommena'a ao paiz pelos services
prestados ao sfeu engrandecimimio moral, nao quiz
i.l u
eio da scnda qua
' erutca, ilira -e
uowex conquijtas da
in..wade pelos meiosao
de preduetos agripola^
polares i
pae^Bimensas que a
i prodigy
0 presUeMe 4a piov'mci.-v, nsandodas aitri. 0*HM *Wkti^
iUXm ...... lu. .. ,r.-___ -- i. i -......i........ tt. i^i..ujjiuui:iu._ sem quer Oca" esiacion
tern sabido tnlhar ; e,
ac-a eampas gloriuso:
jMdema civilisacao,
Ml alcanee uuia ox
- 4esia wovinoia, com
o desenvulvimonto d;
mio do homem pode ^^Bcar^^Be%
natureza do solo ujrnaj^Kcano.
Animar liio genjr'soa. tmamen-, quo atteslam
As force* vivas^V actnBad^rivaflkjHIiar
Ho esforcad)* almoios lo oelreikiar a palrTa; e do,
pelapalm, carregar qua peart, eatb ira pepiena,
para o odillei) do progress) quo o seculo XIX os
tenia, k por sem duviaa urn dover imperioso para
iiajyjsa, e desse.devir uiio nos queremos no-
KhlaJfrTna\Tin?"qaanj e :i .tori) que'umcerto
indiflereutismo pareco lor tomad ido assaltu o espi-
rito de alguma* .-lasses da sociedale em que vi-
vemos. w.l. > .
0 dia 2 d; Jezemhr.) proxim vindouro, as-ig-
naladopara a citada ex os liiraos saldes d > m .d ernissim edificio. <|ue ha
de ser hospital da ordom terceira carmelitan* : o
dia 2 dc dezembro, dizem>s, na. hi do passar des-
ajuTcebidu para as classes laboriosas quo tiram
da teirr o pao quondian ', e ha de foreosamente
reromtneudar-se, a tudos quo esiremeceiu o lorrao
tmBfcomo um arco mcmoravel da mats brillian-
ts euipreza de iniciativa particular.
S'/i tempos quo vao e >rren 1> ri;t dos c bellos
para, a civilisacao' do< p->vos ; c.n qae se diff.lnde
ala* em.jorros suavissimis eoino quo para mais
aprojtnjar o lomem do idea! da perfectibililade ;
cia iron tudo tendo, tudo so esforca para lesifi ir n
dosefciwf:m<'U'.) m >ral e material das nacres; em
iju? a alavanra do trabalno se gasta o s'6 eonsome
gloriosamente no exercicio Jos labores a qne se
appiioam os opflirniiiM do progre*w; em qTie de
lodos os cantos do inundo se ve a poria aborta da
offl^inaV assijnalada p dos mil oumm-'itiinentos da-
ij : los quo prozam e juorom a iran-ioza dos po-
Viis; socia a t fl i pr,^a condemnavol o nosso csmo-
reeiniHato, o. nosso quietism >, cstnq >c nos.quiz.'s-
in is s^grc^ar do corpo commum dis triamphan-
<2.- 'O'!adiador.>-.
N'.te, crac< a Deus, aihda nao oli^ga-nos ao
4XMit>> Jo eerrar os onvidos as ondas son EraS qtif a
tiitflliuenciae ..Irahaliioespalbam p.rtodoo iniin-
esptflfJP no fnmro, como em urn .lensageiro de
c para a palria.
E' nor isso quo a prosima exposijao agri nos afler.ioe oomo nm tnumoho qne ha la ahrir
a- p.trias da sociodade luasileira a tanitos ouiros
lriuA^dio:, como ouir'ora a primeira evposigao
frau^ozi rranqn^n mfinifos esjiafes as mils es-
plendi las manifesla^oes da inlclligenoia e do tra-
nallio.
Que.n ha alii quo. nossa escuroi-er os innumeros
o magirilicoi bencfinios i]U". as exposures, gcrabs
"\i r''areia.'s, univ^rsa.-s on particular'"', em pro-
di!;.:!rSdo s povo3 ?
Maii'do quo tern proliuido ossos eoriamens da
paz n d,a civilisacii ainda nenhum ontLO.tenlamem
(),i stitrilb IwMerno prlazio, niio olrUanle os
o-i-'-.cr.is feito.: on) quasi tihi sofUlo tie aprofun-
dado- ostud i loiii-idas analyso* sobro a vida
mi -ral jflattsiia! d .- po-'S
I'il a ori a l i noiaveis resnltados I
Kd101.0oi nto i i.i-a rjs lo em quo as ex
;i <<*-:, e>Tl tHi I >;>.*, o 001 todos ix Itlgl-
r s. ton sid-> sn.iis di que meros bo*caros .lo
4iT-.il!!!>*. m .is do quo uma laxoosa exhihioao
da- aotividad-'s siciao-, e;n RaiSa ou arromodo
d.^ j igu lecrcati o- las v dhas e coinbalidas so
v:' 1 i4 V:io, longo do i 'i.,- o ii vi;ia ujoras fommlas
e-npiricas. lonsr" .fc i r ;uar-so expanlir Jou-
iriu'as e thoorias ,irn:al ba>u c impreliendou n s-'oi-dado do hojo qu>)a> <:x-
po-ioios dovi|Mi e \ovem l"r como !im principal
a obt.moa.) do'ivsnltados pnticos, uo bcneHiMps
rcaes paftf osfinvos.
E realmenlo : queror quo esses centres atrac-
livo-, para ondo converge cada qual com o que
ton:, o d&oudtt pod: collier por ostioiulo e impor-
tam'ia um promio a.sous esfor;os, um resu'lado
i 'biliudor pira si e para a sociedadj, se,aia me-
ro-; c .acurs.is 'simples ailaenria do originali-
dalos, quo p .u.;.> dopois si i alufilas polo voo do
"'qu'i'i.noiit i : e n^.gar o pr .funlo ellaito da so>
iabili lads, que.'; incontestavelmeate a vida real do
oni.'r.i!il.'ciinonin do hoiueiii.
r'or is-.) iizemo- quo, e-q>eeialmenta uoste paiz,
a- I'spo-ocfK-s, lacs como ellas deem ser, tondo
em vista a obt-msao dos mdhores resultados pra-
lieos, >aoiun valio so, niaxiuio qunnd.) ess*s expusicoes sao. agricolas,
vi^o como e a rgricnltara a nossa industria mai,
a (out'! de loda a no-sa riqueza. a bas>^ mais se*
gura da nossa 8o< kfaje.
E, por vontura, liavcri quern c.atosto que, em
nieio das rotineira* praticas a que se atom OS nos
os agricultoros, as exposi.;ii;s agricolas sao uma
p iorosissima aiavau.'.i de irausformacao ?
E e -ini'*ri.l:-.do dossa transforiu^i;ao '?
IS'ao, na r 1'i'do ; e, (juanto mais o ospirito se
piirde em conjocturas s'ib're a transforma.ao dj
Iril.albo esoiavo om trabalho livre, Unto mais so
convince Ja iinperkisa necossidade, da oxigente
carciioia do t.io.lilar a translorinajoo d->s proco.ssos
agricolas nuo so peia oxhihicao, a lodas 3-> vistas.
di>' apparelbos mais aporfeicoado*. mas tanbom
pela api-.'soulaoao dos imdmres produotos, obtido}
com aquollos o' pelos processos uioilernos o mais
rcmoiieradores.
Eis o per qae so n > afiirura immeao, extraor-
dinari-i, impagav.d, o servigo quo ao paiz vai pros-
lar a soriedade Do'.o d.- Selembro, promovendo a
*"Kposioao agncota, quo dove sor inaugar.ida a 2
d: dezi-nibri proximo vindouro.
E, so se con-idor.ir que as nossas Oorest3S su-
licraliuiidain do seia e hrxuosidade, estendondo
os verges seios a It. oca d .s sous habitadore.-, avi-
.dis do leitoo mais iividos ainda de conhecimento*
mtolectoaes ; e, so se comiderar que o nosso solo
cn;erra em sua* eniraulns riquezas apenas sonha-
das e quo podem sobropiijar as necassidades de
-mui'iis inilhoes de Uomons; e, se depois so reflec-
-t:r em que tudo isso jaz como quo desprezado, por
ii*\> quo a iqercia, ess a paraaita da alma, estende
p res suas rai es esterilisadora.-; entao so conprehen-
dora todu o alcanee das expusicoes agricolas como
pod -rosNsimn ele nento trans'iormador, como o
juacludo do lenhador que docpa a for.;a coher-
cttiva do inonstro iracundo da iuioleacia, infcrliz-
ii-vnto lao arraigado em nossa sociodado.
VoHcer e.sta fatal iadolencia, abrir us oihos dos
int'i ossailos a iuz do progrosso, facititando-lhes os
iiioi s do cammbar na souda da civiiisaci), is'.o e,
do so avaotajarein em bens inoraes e m*triaes ;
Ikes sao os designirs da sociedade patriotica Doze
do S.-ii'inbro. taos sao o- quo on nos movem a er-
uuer unitiradodesp .rttdoraquelles.iueserefocilain
ua rolva. e qne fazom c.nsi-in- a vida a'um inmu
lavel tribalho dacainpo, sentaa lose, ao cahir da
tvdo, a yorti da casa do vivoad;i, como qne es-
txaecidos de qae, al-im d'aqtid o. na uma escada a
sa'iir, da terra ao sol, do sol a Dens, e cajos do-
gruM sao as paginns do livro.
E* osso abaaidono, 6 csse osquecimeato que e
iO'C no loslruir ; e jarais cBltrBaqa.llns corebros uma idea deengraadeci
mento que Ihos afouueio a m.-nte, in-pirando-os a
seyuir.ia por vori-das mais largas, farendn-os er-
cii-r asvi.tas para o alto, (lira Uou-, e inostran-
do-lhoj aos pus o element.) uocessario as mais no
liilitaxias odaqaUtas, a solo, a nossa inSi uma mn,
liujo .iosi.rotida, mas sempre promiita a dar o >eu
leilo a qucm a tract i com carmlics o agradoe.
Cultivar a terra, devo .ser para cste paiz uma di-
-vi-a de houra e t. do qiianlo nVsse intuit, so fi-
Zf Sobojameaiu c mipeusara us lab-ires e.niiroga-
dos, jj.,r isu quo a uberdaJi do solo 6 iaexgo-
dawl.
C i lure, pnia, |IM oos-e aiivloloncia, c. quo den*
appirea indifforiMjtismo, e.-as dias cliag.s laa
p.-rnioiosas; < q.i (wlii eomiT'diondaiml- quo u
fufuro da pairia depende da agriculture, eoiitrosim
goo nd.i;ii. -'..- liro;.-, I's-'j.s is do abnr
. i-iujiis e oxple.idi.ti- hiirisoiit-s quo a iudus*
tri-i o a .oij;r;:i \ticm a saa dispusir', .
Para i^mi, rapaiii iu lo, i MSpiHiga>i quo -o vai
i;i oar a 2 Alira "o'-i n tod i>,sp mm ., e, .'-po^ialmiinlii OS
apri- oil .r.w, c roam .s.t.dos ao twruinm e on o
<* lojtiogoBUn, CKftos da 'quo Drnis sera, por
ads, p ,,, |,5S Mi-nos pe o fuluro.
buicoes que liio conforom p arj. 4; d > r.-gjil unoii;
to que biixou coin o Jecreto n. 4,8*A de 22 de no-
vembro'de 1871 e art. "21 f, $ 10 oj regiilaraeuto
n. 120 de 31 de Janeiro de 1812, resolve duclarar
a ordom da substitnigao dos juizes do direito das
comaraaa desta nrovincia p la forma s.gninte :
Comarca do Rieife.
A substitute!.) da prim-ira vara .-ivel gora om
primeiro In^ar fcita polo juiz de diroit) da sezun-
da vara, em sognijlo pelo nrovedor do eapellas e
residuoa, on teroairo polo juiz de direito do or-
p'.'ios. em quarto pe!> dos fo.t .j da fazenda e era
quinlo pelo do coniinorcio.
A da'aegunda vara sera em primeiro lug
polo I* eomiii"rei4. om sogun.te pelo da primoirS
. i-a. em lorcoiro pelo'da prove'dorla do eapellas.
em uuarto pelo d'orphaos e cm qnmto nelpdoa fei
tos da fazenda.
A da provedoria de eapellas e resiJaos sord
om primeiro lugar pelo de orphaos, em segundo
poTo da ptTmeira vara civel. em terCeiro pelo da
segunda vara, em quarto pelo do eomtnercio, em
quinto pel) dos feitos da fazenda.
A dos feitos da fazenda >era era primeiro lu-
gar pelo provedor do eapellas, em segundo petode
soganda vara civel, em terceiro pelo de orphaos.
em quarto pelo do coramercio e em quinto p.-lo de
primeira vara.
c A de orphSos em primeiro lugar sera pelo da
prim ira vara civel,om segundo polo de provedoria
de eapellas, cm terceiro polo dos feitos da fazenda.
em quarto pelo da segunda vara civel e em quinto
pelo do commerci).
A do coinmercio sera em primeiro lugar pen
dos feitos da faz.-nda, segundo pelo de orphaos, em
terceiro pelo da primeira vara, e.u quarto pelo
provedor de eapellas, c cm quinto pelo da segun
da vara civel.
Na mesma conforraidade so regulara a rcci-
proca dos juizes substitute" da mesma comarca.
c Contirea de Olinda,
0 juiz de direito dessa comarca scrasubsti
tnilo pelo respective juiz "substituto o no impedi-
meuto deste pelos sens snpplentes.
Comarc i de Igiiarassi.
0 juiz da direito sera sub-ntuido pelo sub=ti:.
tut) respective e este pelos sens supoleates.
Comai'ci de Pdo d'Alho.
0 juiz de direito da primeira vara civel sora
substituidi pelo da segunda Vara, civel o vice-ver-
sa e nos sous impedimenlo.s' pelos respeetivo= subs-
titutos na mesma ordom e ests polos supplentcs.
Comarca d* G >yanii(t.
ii Ode Goyanna polo juiz municipal respective
e em sua falta pelos respective* supplentcs.
'omirri de Tlwnbe.
0 dc Itambe polo jui-. mun cipal e de orphaps
c na falta deste pe|os seus snpplentes.
o 'Comarca de ntSarem.
n 0 do Xazareth pelo respcetivo juiz municipal
e do orphaos e em seu impeJimento pelos seus
suppjetes.
t Comarca do Cabo.
0 do Cabo em primeiro lugar pelo juiz mu
nicipal de Rp'qjuca, e em segUua > pelo do Cabo e
em falta delles, prime ro pel is snpplentes do tor-
mo do'Cabo u oin seajundQ pel >s do de Ipojuca.
Gtwi'irca do Rio-Formow.
0 do Ria-Forii'o-o ser;i substitui.lo em primeiro
lusar pelo juiz municipal e do orphaos do termo
dess'e nomc, e om seguul i pelo do de Serinhacm,
e em falta dellos 'polos respect ivos supplontes na
mesrria ordem.
Cottarcn da Victoria. .
0 Ja Vi.-toria polo juiz municipal do termo
de Sauto Aulao e em sua falta pelos rcspecfivtijl
soppleut-s.
a Comarcq dn E$ca&a.
0 do Escod.1 pelo juiz municipal o do orphaos
losse termo e cm sua falta pelos rospcct| os sup-
pleBtes.
a Comarca de Palmate*.
0 de I'alm.ires sora em primeiro l.igar pelo
juiz municipalc doorphaos d'Aiual'reta e em
segundo polo do lUrreiros o na falta dellos pelos
rjs'poeii/os supplentes. '
Cotmreade Limoeiro.
0 do I.imociro pelo primeiro |uiz municipal e de
orphaos de Limoeiro, e em segundo polo de Bom-
Jardim e na falta idles pelos supple dies respec-
tivos.
t Comarca do Bonito.
0 de Bonito sora pelo juiz municipal do termo
do Bonito e em filta deste pelos supulentes respee-
tivos e om segundo lugar polo do Bezefros.
Comarca de Carwiru'.
0 de Caruaru, primeiro pelos juizes munici-
paos de Caruard e.Panellas, segundo pelo de S.
Beuio o em falta dellos pelos rospoctivos snpplen-
tes na mesma ordem.
Comarca de Gtiranlmns.
t 0 do Garanhuns pelo juiz municipal e de or-
phaos do termo desse norae c em falta dellc pelos
snpplentes respectivos.
Conarca dc Buiijue.
t 0 do Buique (>elo juiz municipal do termo dc
Buiquo e em falta deste pelos rospoctivos sup
pl-.-ntes.
Comarca do Bom-Comelho
0 do Bom-Cniselho sera em primeiro lugar polo
juiz de Bom-C.onselho c AgnasBellas e em falta
delle pelo.1 supplentos respectivos na mesma ordem
Comarca do Brejo.
0 do Brejo pelo juiz m inlclpal e de orphaos
do Brsjo e na falta desle pelos respectivos sup-
plentcs.
Comarca de Cimbres. .
0 de Cimbres pelo juiz municipal e de orphaos
do Cimbres o cm falta desle pelos seus supplen-
plentcs.
e Comarca de Floret.
0 do Flores em primeiro lugar pelo juiz mu-
nicipal a do orphaos de Flops e era segundo pelo
dc Ingazeira, c na falta de ambos polos supplenles
respeotivos.
Comarca do Villa- Betta.
t 0 de Villa-Bella polo jufz municipal e de or
pha >s dos termos de Villa-Bella c Triumpho cem
falta deste polos supplentcs respectivos na mesma
ordem.
Comarca de lacantu'.
0 de Tacaratii pelo juiz municipal dos termos
do Tacaratti c Floresta, na falta deste, prim iro
pelos sudplentes de Tacaratd 6 emsegundo pelos
de Floresta.
c Comarca da Boa-Vis'a.
0 da Boi vista p.do juiz municipal e de or-
phaos de Boa-Vista.o na falta deste polos respecti-
vos supplontes.
Cowrca de Ouricury
i Ode Ouricury, primairo pelo juiz municipal
ede orphans de purfcufj, segundo p_elo de Exd e
em fa|ta d >stes polos respectivos 'snpplentes na
mesma orJem.
Comarca d) Cabrobo.
O de Cabrobo pelo juiz municipal e do or-
p/aaos de Cabrobo : salgueiro e em falta destes
jelos snpplentes respectivos na mosma ordem. -
Hcnrigue Pcreira de Lncena.
Collecturiit provincial. Por portaria
da pre-iiencia da provin.-ia, do I7_d.i corrente, foi
exooerado a seu pedido, de escrivao da collectoria
provincial de Serinhaem, Antonio Joaquim do Oti-
veira Maceia innior.
Gaurda aaeional. -Par portaria da pre
sid'-ucia da provincia, de i7 do corrente, mandou-
s agg egir ao 9* n^talba de infantaria do mini
cipio de Olinda, o alferes Joa<|iiim Ignacio da pon
ceca, do bafalhao de infantaria do- municipio
do Heeife.
30
:ti)
2a
M
3-i
dis-
Am
m
M\ DIA.IUA.
in dos juices, de direito.
Oeputados provineiaes. Recebemos
hontem o seguinle resultad > oleitoral :
* dislrici-
Oill^gid'Aguas-Bellas.
Tenenie-coronel Ernesto Silva
Joaqnim peio Hego
Dr. Albuquerque Lacerda
Dr ErustoVjtara
Dr. I'i-ss0a
Vig.irio Tito
Resumo de todos os tollegio* dost?
trlclo :
l>r. A. Lacerda .
Or. Ernesto Vieire
J. da Mel 1.1 IIego
V^rio Tito
t)r. Fiiiin I'essoa
Vigarid Cunhu (^avalcanto
Sao esles pois, ..s depulad'M eloito.s polo i'
tricto.
S' diilricto.
Collegio do Brojo.
Dr. Francisco Alvos da Silva
r. Antonio Paulino Cavalcante de Albuquer-
que
'V. Fabio \ do< Ris e Silva
Or. Jose Nicola < Tdentiu do Cirvalho
Or. C.iicmato Alvv- Cavale.into Camboim
Dr. Arc m.-io I'ereira da Silva
Vjgari-i Antonio Josa Fir.pind* de Novaes
Dr Joaquim Fraiici-o Paes Barreto
Dr. Manuel da Silva Rego
Dr. mmVxiVHbviol
Artoncio
Mlva Aago
rio Nonas
io Atbco
Resumo
HFAlvos da
9t. Antonio
Of. Ja-o Xical
fl|. Ctncinaja
P*io
Pals B
t. ArAino
W. Sitva11
Coneao Novaes
AntAil fli
s C-imbraia
a Silva
Wanderioy Lins
do Sauza Martins
)se Correia Leal
Aives Feilosa
omingo- Barretto Leite
Francisco de Albu juerque de Hollanda
toon t
PitaMMc
teinbra. -A oxposiQao de produetos agricolas e
in.TUstriaes, que preTende' osra "soctedadB'rualisar
no dia 2 de dezem
maguifico palacete
do Carm >, observan lose ooseguinte regularaeutOi;
D;.'pi.!.f5w pretminarts.
Art. t.'-A.exp.wisi) tymevar^ <) dia 2 .-de
dezonioro do corrente anno e termlnara no dia que
tor annuuci i l>i.
0 local para ello d'jtinalo 6 o palacete la
Ord'in Terceira do Carrao.
4 Art. i." -A sooioJaic patriotica tDoze do Se-
tembro dosignara a hora ^a abartura sojemne da
exposi(;io, obsetvando-so o corominial por ct^i es-
tabolscid.) om tempo opportuno.
' Art. IJr-A oxposi'Qio ostara aberta das 8 bo-
ras da tnanlta a 1 h ra da tar Jo, e das I 4s 6 da
tarde:
a Art. 'i.'-Darante'o tempo qne cllause conser-
var aber'a ostara no ediflcio uma .commis'ao para
d.-ir aos visitantes as exolieaQd'os que forem preci-
sas,
Classificasao dv produetos.
.< Art o.-Os pr.'iuetos e objoetos serao dis-
poses em classes, segunrlo a ordeiir'estabefeclda
no art 6.*, pol mdo o'expositor reebmaj* pela col-
li-wacao que Ihe ptre.-er mais orrvenfente, com
tan'." qu" nao alters a ordom gnral da exposicao.
.dos om classes pela fnrma.scgninte :
;i.' classe. -Pr)dncli)3. naturaes.
l.".Srinerae,s.Rochas adpliciveis a construe
cao como L-raiiitos, crystal de rocha, pedra calca-
rea, pedra de amillar, dita para calcamento, ter-
ra vegetal, c.arvi. dep-dra. rtflneracs de forro,
chum'io conre e oiitros m-'taos.
2 Vegotaes. -Madeiras do construfoao, cas-
cas modiciriaes, folhas ia'e.CO, nizos i Um, cip.-s,
batata-", tubeiviilos,
2.' classe.Produetos agricolas.
Assucar, algodSo, Tumo. cacao, milh), arroz,
fcijao, favas, amendoins,'brvOhas, e ontros, oleos e
fructos.
j 3.* classe,FlorlnjUnra. '
Flores do todas a? |uilidados, plantadas era
vasos apropriados, seoientes e batatas.
i.' classe. -Gado.
E-pecimens do galo vaccum, cavallar, lanige-
ro, muar e snlno. Prodflct'o' tra cre.ic.io do gado,
coma couros, nue.ijos, mantoiga e ontros.
* 5.5 classe. -Produetos da posca.
' i PelSe'S 3Pcfio?; saljadiis.'om s'almoura, szeite e
grude do peixe, coraes, esp'onjas e moluscos.
ii 6.'classe.
" a Machitus e in.'irnntenHiS agricolas. M
i J))s expositors*.
Art. 7." A coramissao central fornece osmas-
Iradorcs o arranjos.neces?arios a coll6?acao dos
artigos, a-is oxpo-itoras, fica'n'do lh a liber.'
le lev'ajjtar a sen g ade
uooo
UIKJ.I
25000
14 00
uooo
11000
UOOO
S#OL>0
514000
S*00o
5(X)'
idencia de Pernarabuo.em 17
73. Hint Sr. Dr. Manoel Jose
carta qua V. S me dirtgio em
ubro ultimo, acempanhada da
e da lista dos respectivos con
__ter appUcacao a obra dp
llirraa ecarrmppodoa mmoa ea- Anna
lybfll01') tV de selembro ultimo a V.
'.. me dirigi para tal fim. Louvando e agrade
eendo o- bencvutu esforc) de V.-S., em auxillar me
'If TTM JT' tt#iBT> oflPPJ^* doj|j|ar fc imoMiante obra, pep
i WmmaM d^OrdMnfeatoPi mftWi^'ininlW#ria^IMpr aos cidadao*
constawtes da ralacao aciina reforida, os meus
nrolos'tos de rcconhecimento e gratidao. De V.
s\, nyilo attento venerador e criado. -Henrique
Pereira de Lncena.
111m. e Exm- Sr. commendador Henrique Pe-
reira ae Lncena. Raspnndendo a carta que V.
Exc. me enderecou, cabo-me a bonra de enviar
junto, a esia a quantia de cem mil reis, destinada
ao htispicio quo tem do servir para abrigo dos in
feitees alienados, de cuja inspira<;io sublime e hu-
manitaria tem V. Exc. a bein rnerecida gloria de
a'ter iniciado. Cora attenciosa cousideracao sou de
V. Exc. amigo e criado, Jose Duarte das Seves.
S. Jose do Manguinho, i de setembro de 187:*.
Gabinete da prcsidencia de Pernambuco, era 17
do novembM de f873.film. Sr. Jos6 Duarte das
Neves. Accuso recobida a qiiintia de cem mil
reis, que remetteu-me V.-S em carta de I de sa-
lemnro ultimo, para ser applicada a construccio
4q asvTo do alienados.
Em resposta tenho a dizer-lhe jue, agradecendo
o seu donativo, o louvo pelos sonlimentos de pa-
triotismo e caridado que elle revela. Do V. S.
raudo aiteneioso, venerador e criado Henrique
Pereira de Lucena.
Gajimete da prosidencia de, Pernambuco, em 17
de novemiiro de 1873. III u. Sr. Domingos Tei-
xeira Bastos. -Em carta de 13 do corrente dign.m-
se V. 3.'do uflefeccr-'nie jijra a obra do asylo do
alionados a quantia ainda nao liquldada, quo tern
dereceberda gorencia da capata.'.ia da aUanlega,
idmo inlcmnisa;ao de uma caixa de ponteiras de
espnmi do mar, vjnda de Flamburgo em Janeiro
deste anno por via de Liverpool no vapor Gladia-
rciaas,' fru'etds oleosos, fl'-' tor e com sua marca D. T. B", sob n. 781.
.m resposta ea'be-me dizer que aceito debom
offererimento de V. S., cum
qiialqner afmacao que jqlgarcm mais apj^ipriados
a amenta.v i Jos seus produetos, suboriraahd'o-as,
camludo ao piano geral
  • Art. 8." Os produ'jtos serao recebido3 oa no
    ediflcio, on nas cstacoes das estradas do forro, li-
    vres dc. tran^porte desde o dia ate 30 de novom-
    bro. Aos produetos devera acompanhar uma grtla
    com as segujntes declaracoes: nome Jo expositor,
    sua rcsidoncia,' iiualidado com quo se apresenta,
    peso ou raeJida dos obj.-ctos expostos. preco com-1
    mercial, uieio de transporto e sua despeza aproxi-1
    madamenfo, e quaesquer observagoas que decor-
    ram para tornar cmiiecidas as qualidafles do
    prodnato.
    i Art. 9.' Aos expositores se dara urn re^ibo
    com as eanvenientcs declaracSes, e nolle se ndjtara
    se sSo cedidoa gratuitaraente, em beneilcio dM-
    ceu .( Dt>s visit antes.
    < Aft. 10. A eiitrada do eiilieio sera pelo lado
    do pateo do Carmo e a sihida pela parte posterior.
    E' iiermittiia a entrada no edifnio a.todi e qnal-
    quer pesso'a quo se apresentar docentomento ves-
    tida.
    Art. 11.Os visitantes que nao se portarem
    dignunente serao advertiios, ou mandados retirar
    do ediiicio
    Art. 12.E' prohibido aos visitantes furaai
    dentro do ediflcio, o tocar nos objoctos cxpostos;
    sendo resp msaveis pelos damnos que causarem
    era qual quer delles.
    Do i-ury de recumpensas.
    Art. 13. -A comatlssjo central convidara pas-
    soas de reconhecida intelngencia e aplidao para
    formarera tantas comraissoes especiaes, qnantas
    sao as classes designadas no art, 6.* 0 primeiro
    nomoado sera o pn-sideiite, rclator da commissao.
    a Art It.listas comraissScs formarao ojurv
    especial do qualificacio, a quem inenmbe nao so
    avaKar e julgar os prodnct >s exp stos, propondo
    os premios que mor.-cerem, coraq tambem estudar
    os molhoramontos de que forem susceptiveis, fa-
    zendo de todos os sous trabalhds am relat irio cir-
    cumstaneiado, que sera ontreguo antes da soleni-
    nidade do encerramento da oxposi^ao.
    u Art lo.i>s prerafos consistirao cm diplomas
    especiaes de tros classes, do moJelo opportuna-
    m-nte, adoptado, e serao distribuilos segundo a
    perfei^ao dos proJuctos c csforcos inteUigenfes
    para obtel-os.
    Art 16.Os preraio3 serao propostoa pela3
    coinmissoes especiaes e conferidos pelo jury geraJ,
    Sue sera composto destas e da direccSo da socie-
    ade.
    n Art 17. -0 julgamen'.o para os premios de-
    verao ter lugar tres dias antes do encerramento da
    exposicao.
    Art. 18.Os nom.es dos expositoros que ob-
    tivorem premios serao logo declaradoa o se fi-
    xara nos respectivos objectos a designacao do pre-
    raio.
    Art .iu. \ distribuieao. dos pseraios sera fei
    ta com a maior solemnidade possivel no dia, o
    pelo modo deriignado nela sociedade.
    Art. 20, -S comaaissio central encarregar-
    se-ha.do wtalogo dos ohjectos expostos, qua sefa
    dislribuido petos visitantes e expositores.*
    Asyirt de alienados. Nao cessam os
    obolos em favor de tao pia inslituicio.
    Villa do Bum CaWelni), 27 de outubro do I873.
    -Illm. 0 K:;hi. Sr. omraendador president desta
    provincia. Aceusando a recepcAo da bonrpsa car-
    ta qua V. E'te. ae lignou da eo-lere.-ar mo em
    data do 24 de s-Woibro ultimo, no seutidi deabrrr
    ou nesta t>>marca, oiide sou promotor publico, uma
    subscript*, cm bonfici.) do um monumeato com
    a donominacao do asylo de alienados. qug V. Ejo.
    pretonde wmlruir na cidaaj* do R -cifo, cumprn
    me di/.or a V. Exc. quo, promovendo a dita.sub-
    cripcio o ouvidaQ.'ii mratsso tud.ji oa'maiu* quo
    o-fi.rao) possive.s. jaijto pela imnortancia 0 ne-
    cesMdade de som-liumo monomento como por
    maeuTor a obrigacao de curaprir 01s ordeus do
    V. Exa, mesmo ien lueses a qualme* 8m.particu-
    lar, apenas pude obler a irajx^rtuneia do 5i^000.
    product) doa obolos oflerecidus pelos cidadaos
    causlaiiies.am.TelacaOj, qne a.asta^coippaflha, bau
    cumo a referiaa iuiporta/icia. n rogy a V Ec. qua
    grado o generoso
    prindo 0 dover de agradecer-llie essa manifesta-
    ;ao do seus seutiinentps da caridado e philantro-
    pia eni prol de um. estabelecimento tio importan-
    te quanta humanitaiio. As-igno me. De V. S.
    amigo aiteneioso, venerador e crialo -Henrique
    Pereira dt Lncena.
    Paeuldaile de Direito. Fizeram acto
    do 3 anno no dia 18 do corrente e receberam 0
    grao ile bacharel os seguihtes estudantes :
    Antoni^ da Amorim Garcia, approvado plcnamen-
    te..
    Alexandre 'orreia de Crasto, idem-
    Eluardo Javme Gomes do Araujo, idem.
    Caio Lustoza da Cunha, idem.
    Argemiro Martiaiano da Cualia Galvao, idem.
    Berflar.Kno de Seana I'^ista Feito-a, idem.
    Utiiidade publica.-Amanha, as 11 ho-
    ras do dia, deye baver sessao da ass^mhlea garal
    dos acciiiiistas desta companhia de segiiros, anra
    da se reaver sobro a recusa apresentada por al-
    guns dos accioaistas, de assignarem a acta da ul-
    tima sessao.
    Missas Tunebres. -Hje, as 7 boras da
    manha, manda a Exma. Sra. D Maria Jorge Pe-
    reira do Rego. celebrar, na igreja do convento do
    Carmo do Recife, uma missa pela alma de sen fi-
    nada marido 0 Dr. Jacintho Peroira do Rego, por
    Ispic 0 Irigcsimo apos 0 sea pas-amento
    Amanha, as 6 horas do dia, mandam os Srs.
    Drs. Francisco Goncalves de Moraes e Antonio
    Goncalves de Moraes celebrar missas no convento
    de S. Fran-isco do Recifo, pola alma de sua mai,
    por ser 0 s"timo ap6< seu fallocimento.
    Cousultorio medico.0 Sr. Dr. Ameri-
    co Vespuoio transforio o sea da rua da Cruz, no-
    de 0 bavia estabolecido para o do Impe a dor n. 50,
    primeir) andar, on le p ida sor procurado a qual-
    quer iiora do dia e di noite.
    K.>eipii:iil v>hilotimla. Esta socie-
    dade eonvida os seus associados para assistirera a
    uma sessao extraorJinaria que '.elehra hoje, as
    6 :-i horas da tarde.
    Exercicio aiiiitar. Hoje (19), 0 9 ba-
    talnao de infantaria, do commando do Sr. tenente-
    coronel Bellrt, fara exercicio de fogo no largo do
    flospicio em frenle do quartet do mcsino batalliao.
    Duarte Coimbra- Amanhi, a noite, ba-
    vora i-.-peetae.ulo no thoatro do Sauto Antonio om
    bon.'Deio do seu proprietari0 0 Sr. Antonio Jos6
    Duarte Coim ra.
    Indo a scena nessa noite 0 ja bem succedido
    drama intitulado a Republica dos Pobres e tendo
    de derivar 0 product) do espectaculo em favor
    a* volho e sy npathioo emprezario do Sauta Isa-
    bel, nao ha esperar quo deixe de ser aquella noite
    uma das mais cheias de gratis corapensaeoes
    que ainda; possam haver pira aquelle que, como
    0 art.sta de. que'o nos occupamos, tendo sempre
    incerta e fugiliva a estrella do dostiao, encanecido
    e alquobrado, retirou-se da regiio d'arte com os
    laureis myrrhados da gloria ephemera, a mourejar
    na vida mais ob-cura os dias rostantes de sua oxis
    tencia duramente trabaJhada.
    Como emprezario do S-nia Izabtl, Duarte I'oim
    bra sempre eseropulosp na escolha Jo pessoal do
    suas companhia'. deu-nos a connocer verdadeiras
    notabilidades artisticas que de cerlos tempos a ca
    teem raread > eitfre nos da nianeira lamenuvol ;
    as co. up i- i'.'j 's dra 0 a tic as de cuoho genial cram
    frequootes no pal 30 d'aquelle thoatro ; ao' alto
    drama jamais foi preferida a farca burlesea que
    so anna a hilaridarle de uma concurrencia nurae-
    inMfnRll.aMF
    Adcerltncia.
    Poram vtsiumas aa enfonnarias mestos dias : a
    8 M2. a, 7.||3, 8,- 7 hJ, 7 ly'2, C VA, pek Dr.
    li.lti.'i. ; as i,.9 Ifi, M, l l|2. 10 t\i, polo. Ir,
    .Sarmonlo ; as 9 i|2, 9, 7 1/3, 8, 9 1|2, 8 Ii2, 9
    pelo Dr. lalaquias ; as 10,9, Bi\\; 8, 8,9, pelo
    or. R. Viaiiua.
    PaUecido*.
    Joanna Francisea da Lima ; tuberenlos pnl-
    "anonares.
    Hatheus ; maraamo.
    itento Jose Joaquim de Sanf Anna; cacbexia pa-
    lustre.
    Theodorin.a ; anaiarea.
    Jose do Rego ; bydropesia.
    Manoel Moreira'ia Silva ; cacbexia palustre.
    Man .el J1 'intlio ; variolas confluentos.
    Uini.eliiia Maria da Coueeicao; variolas ajnfl'icnlos
    Pascal lirasi ho ; variolas confluentos.
    asylo Ju-e Pedr i dis pantos, cacnexia palustre.
    ineningito cerebral.
    Maria ; tuberenlos pulm-mare-".
    Gertrudes ; velhice. __^
    Ccuiiterio pablico. -Obituario do dia i'i
    de novembro :
    Jos6 Pereira Braga Junior, branco Pernambuco,
    Iz annos, Boa-Vista; anemia.
    JosS, escravo, pardo, Maranhao, 30 annos, sol-
    teiro, Boa-Vista; bexigas.
    Tiburclo, parlo, 3 mozes, Santo Antonio, igno-
    ra-se a naturalidade e a molostia.
    Manoel. branco, Pernambuco, 7 annos, Santo An-
    tonio ; pneumonia.
    Maria It im ma Forraira, branca, Pernambuco,
    io annos, casada, S. Jos6 ; cancro no utero.
    Eduardo, preto, Pernambuco, 3 annos, S. Jose;
    entoro eolite chronico.
    Maria da Peoha, pretat Pernambuco, 60 annos,
    solteira, Poco; constipacao.
    Manoel, branco, Pernambuco, II dias, S. Jose;
    espasmo.
    B nodicto, preto, Pernambuco, 7 mozes, Boa-
    Vista; espasmo.
    , Joanna Maria d)s Santos, branca, Pernambuco,
    83 annos, S. Jos6; inanigao.
    16 -
    Jose Pedro dos Santos, pardo, Pernambuco, 20
    annos, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro II ; ca
    choxia paludosa.
    Gertrudes, preta, Pernambuco, 60 annos, soltei-
    ra, Boa-Vista, hospital Pedro II; velhice.
    Anna, escrava, parda, Pernambuco, 18 annos,
    solteira, Boa-Vista; raenegite.
    Maria, escrava, parda, Pernambuo, 25 annos,
    solteira. Boa Vista; tuborculos pulmonar.
    Antonio, e.scravj, preto, Ceara, i3 annos, casado,
    variolas.
    Agrepino, pardo, Pernambuco, 20 moze?, Santo
    Antonio; variola-.
    Elisa, branca, Pornambao, 16 mazes, Boa-Vista;
    irritaeao gastrica.
    Maria, preta, Pernambuco, 7 dias, Boa-Vista;
    tetano.
    Francisco parlo, Pernambuco, S m;zes, S. Jose ;
    bexigas.
    S ihino, escravo, preto, Africa, 40 annos, solteiro.
    cogesiao pulmonar. ,
    Jose, pardo, Pernambuco, 7 annoi, S. Jose ; fa-
    bro perniciosa.
    Anna, parda, Pernambuco, I anno e 8 mezes,
    Recife; tnberculos mezentericos.
    Maria, preta, Pernambuco, 3 annos S. Jose ; va-
    riolas.
    - 17 -
    Joanna Maria Baptista, parda, Pernambuco, 28
    annos, solteira, Boa-Vista; tuberculos pulmona-
    res.
    Benedicta Maria da Concel^ao, preia, 23 annos,
    solteira, Santo Antonio, ignora-se a naturalidadej;
    variolas.
    Juse, bran?o, Pernambuco, 3 mczes, S. Jose ;
    variolas.
    Joao, branco, Pernambuco, 12 annos, solteiro,
    Boa Vista; hemaTbagia.
    Arnaud, branco, Pernambuco, 5 mezes, Graga;
    entente etironico.
    R>"cemnascido Martiuiano, pardo, Boa-Vista ;
    ignora se a molestia.
    Leonef, pardo. Pernambuco, 5 annos, S, Jos6 ;
    variolas.
    Belizia Baptista dos Santos, branca, Pernambu-
    co, 38 annos, casada, Afogados ; tuberculos pul-
    raonares.
    Um homem, preto, 40 anno*. Boa-Vista, hospi-
    tal Pedro II, ignora-se o nomo, naturalidade e
    estado; apoplc-xia cerebral.
    Panla Maria da Resurreitao, parda, Pernam-
    buco, 18 annos, casada, S. Jos6; homorrhagia
    puerperal.
    Manuel, bran'-o, Pernambuo, 6 anno, Graca ;
    vermes.
    ott>ciai a qieacwnada, ralacao,-rD* V. Exc. sou
    fSouKodp oirespaito e davida ^onsidenacio, sttou
    cioso venora.lot e obrigado criado. -Manoel Jote'
    tk&esjitufof;.
    P. S. Oimve mais d.JtJs il.J!4i*.-n pcofaa a
    -1.., sinnma do 56iOiO.
    236 |Sui)sripc.ao proin-ivida pJj promofor publico da
    2261 iiuarca Bum C:nsellw,>.to boijofioio do asy-
    lo do alionadop.
    Padro Ma^inD P.do.AnMi^.r.-
    JnsdifrGj de;A.)jo C.
    NaVdia G Tudo Pmto i>espo
    Jo5o Corrai* de JJeUo P.
    Man >ei Dias Tavaros
    Vicente Forreira dn Croa
    Th-wna* Porreira ite, Handonca Villa-Nova
    Val.livino GwnoalVa*. do Lima
    Antouio Feitos 1 da Silva
    AnU'ro NiiBi-s do Rego
    ITertnliano Teoorio W.
    Nicola) T iontiuo Figneiredo
    Luiz Tenorio de Albuquerque Mello
    263
    261
    236
    193,
    dw-
    38
    38
    38
    38
    32
    20
    8
    nca.
    E nao licavaahi 0 zelo do artista a dp empre-
    zario; aiimanlo 0 palco, animava 0 artista, ani-
    mando, aste nio se esjuecja de animar tambem a
    vocacAo litleraria, irma da v^cacao arlistica ; os
    Srs. Ferreira de \euiar. Franklin Tavora, Luiz
    Guimaraes Junior, Victoriano Palbares o outros,
    foram por elle franca a dolieadaraenle obsequiailos
    por occasiao de serein levadas a scena suascom-
    posivqes.
    0 Sr. Duarte Joimbra tuJo torn a confiar do
    um public-), quo ainda nlo soubo e*quecr 0 1110-
    rooimonto de qurni realmente o tenha.
    Prisao. No. pov .ado d> ft'iw foi ante-hon
    tem prso tfanoel Joaqmm do Nascimonto, por
    crime de ferimentos e resisfencia
    .Vttentado. A's 11 horas da noite de 8 do
    corrente foi encontrado na e-trala pubiica de ja-
    boatao, cahidti, sem sonlidos, tendo uma ore)ha
    cartada e bastaote contuso de pancadas, 0 pardo
    Rogaciano Francisco do E*pirilo Santo.
    A autoridvle local, torn a ndo o conhecimento do
    facto, prosogue nos t.-rrnos da loi.
    Ini|ucriti*. Pela auQdetegacia, de Beberibe
    foi rMnettido era i7 do corrente, ao Dr. juiz do
    iiroito da comircade Olipda, qu* teva lugar
    contra Jose Padfo Geraido, por Crimea de feri-
    mentos graves
    Dnsastre. Hontem, por volta das 7 1/2 ho-
    ras da noite, um dos irons da liaha forrea do Re-
    cife ao Caxaaga soffrea um desartro, da cuja
    cpnieqtiencia na0 foi pos-ivel avabar ate a hora
    de entrar o nosso jornai para n prM O qua se
    sonbe d Uo foi apenas que a mac iua quo gumva
    0'train dosencarnlhou, tombando para am lado.
    Amanha diremos a nudnu exacts doqueoc-
    correu
    sa (ir possivel se diptftmandar, poblicar na,'fo|ba l."ter.ta..-A que se acha. a.venda, 6 a 7 >. a
    3*000
    4*000
    10*000
    3*100
    1*0.0
    2*00
    litni]
    1*000
    beneilcio da quo c rro m dia ti
    . .fioilaa. -H.je, otfoctua 0 agonta Martins, as
    II.horas do dia, oleilJodHti ca*a torroas, no ar-
    iaa em da raa do loip-irador u. 48.
    Cmsa de detecaHMovimauto d di.
    17,de novembro de 1873
    gxisVara presos 317, enlraram 7,saoiram 4, oxis-
    lom 320. f'
    x saber
    Xacionaes 237. maiheros 11, astrangeir.s 29,
    soravos 39. .'s.-ravas 4 -Tolil 320-
    Oimentados a cu-rta dos .'ofres onblioo- 2! .
    , Mixvjme it) da aofannaria do dia 17 d n vera-
    bro d. 1873.
    IVve baixa :
    lento Jose da Silva, hrameb'ta.
    T-'va lu :
    Mam>-l Antonio do Barnn.
    Hospital P^.lro II. 0 movimanta deste
    e->ubdlociineot... da
    1871 (oi 0 seguinta .
    sabiram 49, falleceram 13, axistom 369, sendo : I to,, ap.nllada a justiga.
    i RitOMCA il DMI1ARI*.
    TBlBaJ.^lL. I>V RKI, 1C iO
    SESSaO DE 18 DE NOVEMBRO DE 1873.
    'BBSIDK.NCU DO KXM. SB. CO.ISKLUEIBO CAETA.NO
    suni\e.
    Sccretario Dr. Virgilio Coelha.
    A's 10 horas da maniia, presontes os Srs. des
    iinliargadoros Loureneo Santiago, Dominguas Sil-
    va, Regueira Costa, Arau.o Jorge e Neiva, faltando
    com causa os Srs. desembargadores Almeida Al
    buquerquc e Doria, procurauor da coroa, abriO'
    se a sessao.
    niLGAMBKTOS.
    Recursos crimes.
    Recorrente 0 juizo de direito de Nazareth, re
    corrido Ant.nio Piacido Gomes. Juizes os Srs.
    desembargadores Louren;o Santiago, Dpmingues
    Silva. Araujo Jorge 0 Neiva. Improcedeote.
    Recorrente o juizo de direito de Garanbuns, re-
    corndo Jose Antonio dos Santos Traneancia. Jui-
    zes os Srs desembargadores Araujo Jorge, Lou
    renco Santiago, Neiva e Regueira Costa. Iinpro-
    cedeute.
    Recorrente 0 juizo de direito de Gaj-anhuns, re-
    corrido Manoel alonteiro do Nascimento. Juizes os
    Srs. desembargadores Dominguas Silva, Araujo
    Jorge, Neiva e Lourenco Santiaga -Improcedente.
    Rocorrente Joao Coelho do Rosario, recorrido o
    juizo de Olinda. Juizes os Srs. desembargadores
    Arpuj-i J >rge. Regueira Costa, Neiva a Laurenca
    SantiagoNao loraaram conhecimento.
    Aggravos de peticSo
    Aggravanto Carlos Luiz Cam'brone. Juizes os
    Srs. desembargad .res Noia, Araujo Jorge a Do-
    mingues Silva Negou so provi-nento.
    Appe)lac5es crimes.
    De S. Francisco.Appellante Domingos da Cos-
    ta Araujo, appellada a |U-tic.i. A navo jury.
    Do Pilar. Appellante 0 juizo, appellado Manoel
    Francisco das Chagas. Reformada para 0 mininn
    do art. 193.
    Appellacdes civais.
    Do Recife. -Appellania u. Levina A. da. Brito
    Mello, appellada D. Senhorinlu G. do Espirito San-
    o Coiiflnnada a sentnsa
    Apiiellanto Antonio V. da Silva Barroca, appel-
    lado Antonio C. Morcira Dias. CoanruuuJa a sea-
    tenca.
    Da Parahyba. -Appollanta Vicente Ferreira da
    Sihh, appellado Antonio Quirino dos Sanlos. -
    Daspr izados os crabarg >s.
    Uo Natal. Appellante 0 juizo, appellado Jose
    Florencio do Oliveira Reboncas. Conllrmada a
    sentenra.
    PASSACKMS.
    Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ao
    sr dosembargadoi Almeida Albuquerque:
    Do jury de Ciugnarelaua. Aopellauta 0 juizo,
    apiwllado Joao Coelho da Costa.
    Di led. Appellants Joaquim Jose de Mello, ap-
    pellada a justica
    Do Sr. desembargador Domingnes Silva ao Sr.
    de."inharyad ir Rtgueira Costa :
    Do jury de Se i ihaera. Appellante 0 juizo, ap-
    pellado Antonio F da Paixao.
    ik> Sr. desembargador Regueira Costa ao Sr
    le-embargador Araujo Jorge;
    AppelUcdes crimafe.
    Appellante 0 juizo, appellado Manoel Joaquim
    do.- Sanliis ; rppellaato J ivenal Pereira dos Sao-
    tos, appellada a HfUoa ; appellauto 0 juizo, appol-
    lados Claudano J.me T.morio a eulros ; ap(jiU
    te o juizo, appelia lo luiiao lose dos Santos.
    Appellacao civel.
    .\|),.ellaute o iuizo, aypoll;tl > Balthazar Can-
    did 1, por >eu curaUor.
    Do Sr. dosenioarg.idor Aranjo Jotga ao St. deac
    smbargador Neiva .
    .\pp.dlac5es civeia.
    Ho R.cife.A|i;m llante Joe AJves Barbosa, ap-
    pellado vntonio le Sanaa Bras; appellante..Benio
    Autfnsl 1 da Silva, appWIada-D. Maria RicanLt do
    So-i/.a Hego.
    Appellacao crime.
    Do Assari. Apj.lldUte 0 juizo, appellado Igna-
    cio Blear to Arpnat
    D Sr. doseiib-irg.i'lor Neia ao Sr. dasembar
    gador Umoida Amiqna'^ua;
    Appella.iift*
    enmasi
    r,o T aipii.A;ip dlautrt o juiz -, appellado Apri
    10 40 dia 16 ile ii< v.nilir.. deigio Hi.dr.goes Uo Alliuquarfae.
    existiam X80. enlraram 51,1 De Goyanna. Appellante Jus lino Jose, dos San
    De O'lixorvr
    iqdos AoijBibfcftJfcttp I
    Da Parah>ba.
    do Ant- nu Karl
    A|>polla.-3fl
    Do Alagoas. Afp(Ma nlo
    rao de Ala lava.
    De [guara.-sii. Appell. ippeWads-
    Joao, por ?ou curaflor.
    Do Recife -ApnalUnto bacharel L*z Rodrigrjo-
    Villares, appol'adoa Prancisco da CnWia M*cha*
    Pedrosa aouircs..
    Diligencia crime.
    AoSr. desemhargador precuradof da jnslica :
    Appellauto Luiz de Barroa Luna, appellada *
    justiea ; appellante Jose Pefifira d Araujo, ap-
    pellada a justica; appellante 0 juizo, appellad*
    Maria Pastorado Nascimento.
    Asslgnou-se Uia para julgamento 'dos foilc*
    seguintes:
    Appellacoes crimes'.
    Appellante 0 juizo, appellado Manoel Paulo da
    Silva
    Da Saboriro. Appellante o juiso, appelia lo too
    do Nascimento Bay.
    Appellacoes civeis.
    Do Limoeiro.Appellante Maiia Lucena Barb*.-
    sa da Silva, appellado Manoel da T. Cameilo P-
    soa.
    Do Passo.Appellante 0 juizo, appellado Ce?a-
    rio, escravo de Francisco Luiz dos Rois.
    Do Recife. Appellante Josephma Maria das Do-
    res, appellado Antonio Joaquim Fcrnandej da
    Silva,
    D1STP.IBIIIC0B8.
    Aggravo de pe Ao Sr. dosorabargador Alaieida Alfcuqn'jrtT,*
    Aggravanto Elisa G-xlvai Carapeba.
    Ao Sr. desembargador Doria : t
    Aggravanto Manoel Vntonio Pereira.
    Apiiellacoos crimes. ^mf
    Ao Sr. desembargador Regnoifia Costa :
    De Serinhaem. Appellante e appi'llados jna!^,,
    mente o juizo e Francisco Antouio da Silva.
    Ao Sr. desembargador Araujo Jorge :
    De Flores. Appellante Francisco Antonio d.
    Luna, appellada a justica.
    Recursos crimes.
    Ao Sr. desembargador Almeida Allmquerqu
    De Garanhuns Rocorrente o juiz ', recorrk.
    Lourenco Jose da Araujo.
    AoSr". desembargador Domingues Silva ;. ^
    De Garanhuns, Recorrente 0 juizo, recorrijo-
    Antonio Pereira dos Santos
    Appellacdes civeis.
    Ao Sr. desembargador Domingues Silya ;
    De Oliuda. Appellante Valentina, por sens ft
    Ihos, appellado Silvino Augusto Nunes de MoIm.
    Encerrou-soa sessao ao meio dia.
    Tribunal do conuuereltt.
    ACTA DA SESSAO ADM1XISTRATIVA DE 13 D*
    NOVEMBRO DE 1N73. na-
    pHRSlUESiCIA 00 KXM. SR. OONSKUIflRO ANSB1J* .
    fRANClSOO PBRETTI.
    A's 10 boras da mauha, preseutes os Srs. tm- >
    putados secretario Olinto Bastos, Lopes Machajh>
    e supplenles Sa Leitao e Alves Guerra, S E.
    0 Sr. consolheiro presideute declarou abarta s
    sessao.
    Foi lida e approvada a acta da precedes!*. ;
    sessao. "ta4n
    EXPEB1KNTE.
    Distribuiram-sc os seguiuU-.s livros :
    Seis copiadores de Auiurun Irmaos & C, na--'
    pialor 0 diario >ic Manoel Joaquim Lobatn-4C.
    copiador c diario de Mendouca Corroia & C, cj-
    piador e diario dc Figueiredo & .'..,- diario d%-
    Pedro Lopes de Mendouca, diario do Jose Jo-
    Suim Goncalves Bollrao St C, diario.de Mauricn
    ose dos Santos Ribeiro e 0 livro para asvenda&dft
    casa commercial do Phipps Brotners & C.
    DKSPACBOS.
    Reqaerimentos :
    De Francisco Jose de Oliveira Rodriguea, per
    dindo ser provide) no offlcio do corrector gefar
    desta praca. Vista ao Sr. desembargador disenl-
    De Lydio Alerano Baudoira de Mello, pedwdo
    certidao da nomoacao do seus caiXfiroft^-Paaaa*
    sc certidao.
    De Joao Bapti-ta Boaventura Rodrigues da ,Ae-
    moida, pediudo que se crtifique se elle fez ragisr
    trar nomeaedes de caixeiros. -Dc-se-lbe
    Do Aogusto C. do Abreu, pe lindo que flque-
    sem effeito a- procura.-oes 0 uomoa^oes de cai-
    xeiros, as quses fez registrar em dlvcrsas epocas.
    Como requer.
    De Antonio Jose Silva do Brasil, sobmettendcr
    a rogi.-tro a notneacao de sens caixeiros. Sim.
    De Alvares Quintal & C, tambem sulmieitenoV.
    a roijistro as iociusas oo.neafoes deseus caixeiros.
    Na forma reamerida.
    De Antonio Pereira Dias, solicitandoc registrw.
    da nomeacao de Constantino Pereira Dias. lannv
    pede.
    De Costa & Alvares, impelrando 0 registro |da
    nomeac-io de seu caixeiro Antonio Iguacio d
    Albuquerque. Como raquer.
    De Cunha & Manta, trazendo a registro a no-
    meacao de seus caixeiros. Na forma pedida.
    De Francisco dePanla Lima, registro da nome.. -
    sao de seu raixeiro Constantino Rodrigues d
    C sta.Deferido.
    De I aria Irmaos, registro da nomeacao qne
    deram a Jose Antonio da Costa Maia. Facn-se
    0 registro pedido.
    De Joao CJirysostomo Goncalves Rosas, registro
    da Inclose riiimcacao de seus caixeirc. Shn.
    Do Jose Antonio Goncalves Penna, requeresoV
    0 registro da nomeacao de seu caixeiro ManoM
    Eduard) de Sant'Aona. JRegistre se.
    De Santos & Aranjo, sujeilando a registro a n.-
    meaclo de sou caixeiro ; ornelio Rabello Padi-
    fba Seja rcgistrda.
    De Charles Reym, para que se ordeoe o regisiro
    da nomeacao dc seus caixeiros. Deferido.
    De Antonio Jose Candid.) de ouza, registro da
    nomeacao de Luiz do Mello Albuquerque.lift
    forma requerida.
    De Agostinho & Irmaopara registrar-SB jjk
    meacao deseu caxeiro Joao de Araujo Cesar.
    Proceda-se ao registro pedido.
    Do Amerio & Irmao, offerecendo a registra.R
    inclusa nomeacio de seu caxeiro, Camillo HypoKtu
    da Silva.-Sim.
    De Grcgorio Thammaturgo do Sa Leiiao, para
    proceder-?e ao registro das nomeaedes annexes.
    Sejam regislradas.
    1 >e Caetann Jose Mopdes.-apresentando o rejistrc
    a nomeacao quo dou e Mareelino Antonio Al*?a-
    dc Brito. Deferido.
    De M6raes & C, submettendo a registro a no-
    meac.ao junta de seus caixeiros. Como rape*-.
    rom. v
    De, Manoel Antonio Pego, registro da nomeecaa
    de seus caixeiros Sim.
    DolSIesban Juaquim Dias, registro da cvdou a Julio Coriolano Dias. Faca-seo regjstK
    perlido.
    De Pereira da Silva & Irmao, registro d* de'Ma-
    noel Carlos Teixeira. Registre se.'
    De Jose Antonio Domingnes de Ftgn'irede, re-
    gistro da nomeacao inclnsa de sen caxoTro.'' Si|dr
    registrada.
    Do Maia k Landelino, tambem registro d wt-
    meac. o que juutara. Na f .rraa pedida.
    Do li'Tmindo T eodoro dos Santus, pedindetV -
    rogi Im de sna nomeacao decaxet.*o de JosdMafle
    Freire Gameiro. Como requer.
    Do Jos6 da osta Cazerio, registro da nomtacao
    de seu caxeiro Manoel Nupes Pacheco. Na for-
    ma requorida.
    De Heitor Sampaio. registro da de Sebast*o
    Antonio do Iraeida. Sim.
    A De 1 "an lido Theotonio da Caraara, registro *>
    Jo Saatiuo rnetonio da (Uinara. I'efendo.
    De Mannpl Ferreira doi Santos, reglstr'i da do*.
    meacilo annexa do seus caixehxjs nnvi requer,
    Ant'.S de moratoria de Bastos dtSi^a, Tr*ti ae
    Sr: desembargador fiscal. Foi o despacho ^
    cripto pi-Jo Sr. Sa Leila", como, secretario a I hoc
    e assignado pel 1 raesmo Sr!. pel Sr. Alves Onwrej.
    e pr 3. Bxc o Sr. cons-HheirO presithnte.
    ' Ao mnto dia S. Etc. 0 Sr. conselhetro prpsi leottf"-
    pneerroa a sesslo por nio haver mais o que qm**
    pacbar.
    SESSAO JlfDICIAlWA EM IT DE V&fl&jBlt*
    DEI8-
    'HESIDE.NU* DO KXH. SR. CONiSLHRISO ANSBUSe-
    VMItCUCn PRBKTTl.
    Secretario, Jafte fiitm<4efc
    A meia hora di tardeestando reunidos r>s Srs. des-
    embargadores >ilva Guimaraes, Rej-e Silva. os Srs-
    doput ..I' is Olint) Bastos r Lope> Machado e os Ssf*.
    supplontes,.* LeiUa Guerra, faltando com
    puticipa.ao de.d Ii, *. Exc. o Sr. cooselneiro presWauia abrkn a.
    sessao
    Foi lida e approvada a acta deoiearte aWle
    Cednolt*
    11 ascrivao d,lbuquroiue ragistroofOtalWJOjpfc.,
    Jisto do l,-tiia,a !> do .rrmiM nw. sob.#
    3,00V ; e 0 escf.vae Alves de BritQ>a'ti doBWMB*-
    mez, sob on.3,917;

    f wtiuum
    ILEGlVEl j



    .tm*r* teJ^inittoabo^^i4hiu^itta U ote&mK&r&foi&U.

    ~ ; vOMmss
    I'LOAUtNTt'S.
    Carvaiho
    pellante
    lUal'S 03 al'ii
    Vlarques Barroa
    laa* senhore3 depu-
    Dointa
    #eU
    fetnfiaa, appelhdos Je-
    ibiic tutr >* ; appella it-- Severino Jr-
    (ppalla in Francisco I'mlo de Syuza Ne-
    I Joaquim J'*e AHriin, appella li o
    \ieioti Wanderi*? Canmrfj,; ap-
    mtlia LWdeii, aporHalo lb-mime
    j iQfiaz; emOargaate Joao da Aaeveio Ramos, em-
    iargadi Antonio Ganealves Fdrrefra Casciio. Fal-
    toa o Sr. desembargador tVccioll e par isso niio fo-
    m prounstos.
    ^ppellaale (be uiverpoil 81x11,00(1)0 and globs
    insnrawv company, appellado Jostid Matcruo de
    AzeJ>8wlun.4)Sr. Olimo Bastos ni> apre-
    *eatn4 I II < Ii
    E'.abar^ante Jose Alves do Paris, cmlnrgapTo
    Jose lereirwArau(rt. (J'tHitiiia em poder do
    I ac.c; iavos.
    loreo especial do en nmorcio: aggravante aggra-
    -4'I'>a'|iim Salvador Possoa de Siqueira (aval'
    Filial do Uauco do Uraail u-sia ciJaJo.. 0 Sr. des-
    ab*rgad< r Silva liuimaraes deu provnnento ao
    ^tgfcaoi uiternoHto peto agffravanlB Siqueira Ga-
    .*aaleale o den-goa ao interpnto pela direc-
    toria.
    Juizo esp'jwaitlaco'Bin'.'rcio: agiravante* Anu-'
    .'ijlhi'WW '*< augravado Par mte Viauna & C. ;
    aggravante Tneodoro Chrisiiauseu, aggravad>< Gu
    ail* & Mau'.a. -0 Exid Sr, coininandador presi-
    - 4awl>i idea-^'a frtviiflpnto.
    Bacfrruii-.se a sessao a tuna hora da tank.
    P
    MTE P0U1TCA
    i'tllfilll) CO.lMBHVtbiMI
    HKOIFK, 19 DE NOVEVIBKO OE 1873.
    APOSENTADOniX. ,
    Atira se a Provincia contra o honrado o ill as-
    rada ftr. Lneeia, por haver c mceJido algumas
    ^poseuUlorias, fundito isi lei e na e|u>lade.
    Comeeon aquelfe nrglo p ir cehsijrar a S. Exe.
    peSaeftnee-si. da aposentadorta .!> B Joaqaim Portella.
    Er.tre as diver-as nzoes apreseatadas pela Pro
    rlucia para orgar a justica da apo^-ntadoria, on
    jkw outra, para ilescompoi desbragalamente a S.
    Kit. a Sr. pre-irtente, diz-se ifii <> aposcntado e
    m, e como la I old podia recebar 6 favor "|iie a
    Sei co'ieede a enipregados cneanccidos noservifi
    jJBWir.i.
    Antes de r.'fatir e*?e disparate, ha outra ou-a
    a.fatr: rumnrenos indiear a RrHMadJ dns eon-
    j*iar i';oes ijue n ine-in > artigo saofeitas ijuaolo
    d jfi.-'i;a e eo:i jrfev.'anoo, era qne se eonsigua a faeuldale da
    *pc-entr-e o empregado divnittida, reititegrado
    am d it atiteriores a mosma lei.
    < ff ab-stu-d a essa lei, diz a Prvincii; par-mo
    "fetrotrahe ao pa jflttiAdo o earacl-*r essoncial da lei dove seestabe-
    1er oormisDara o fuiaro e nao regras d.; pro-
    *eder para oT)aisadi.
    O erro desla donirina e evideale.
    En rcgra as les nao W:m relroaottrldade ; mas
    4aanlt *a trala do printipi) da nao retroaetivida-
    4e da* lais releva primeiro que tudo indagar sa o
    *n da lei e premiar ou casiigar, se a lei t-nde a
    pi'r paradeiro a pratisa da faetos delktuosos, ou
    e teade a bcneBciar os assoeiados.
    Se i tinula lei 6 matar a pratica das ncos. qife
    alguma fonna sao offensive a sociedale, en
    uam tiling, a lei nao teni effalto ratroaetiwj
    E' sob eftto ponto de visla qae ns professioaaes,
    maxi;ne os criininalistas, susientam com lodas a<
    iofijis o principio da nao reiroactividade das leis,
    ^mnripio ipio fin sanceionado pela nossa consti-
    Jnie.io n > art. 179 3'. e pel > nosso sodigo cri
    miaal uo arl. 1.", em os seguintes ternios : nao
    iiavera crime ou delictq (palavras. synonimas ne'i-
    le codigo) -em uma lei anterior que oqualil'n|;ie
    Ora, dtsle quo a lei nao foi promulgada coin
    inlvutos ile livrar a soci^dade de actos que Ihe sao
    ^rejudicia''s, desde (|ue a iai nao implica com os
    aaier -isses dos asoeiaios, antes a am lenilivo para
    S quo loraoi dinnitlidos injustamante, e c rV) qua
    des* ipareca a razao p^la qual a lei se afigura a
    Procincia oomo absurda. ,
    Absorda uma lei que traz uma reparirlj do
    a ma inju-tiea !
    Pel a eontrarin essa lei i justa, porquc e precei-
    4o natnral nemuwu ladere.
    f?e o iim da lei, norem, 6 benefico e nao traz
    por modo algum otfensa a direi'.os alheios, enta> e
    urn e ro diJerso (pie a 1-i nao deve relrolrahir.
    Essa lei assim seria iojusta ;e nia irowce.se u
    ,jvrineipio da reiroactividade, porque 6 injusta a
    a5o repara;ao de urn damno.
    Mas, a Provinaa ileve saber que o easo nao da
    Sagar a que e invoquo a nao reiroactividade pur
    iiue a lei foi confeccionada exactameuta para
    aqaclles f.-etoi, e a retroactividada on a nao re
    Jroasthridade s6 e invjeada qiuada intorpretan-
    do-se uma lei quo deve regular astos futuros, se
    proeura abranger algum facto passado.
    0 pansar dos Sr-. liberaes e cxdruxulo.
    Var es modo fiearia a provm.-ia impossibiliU-
    Udedar increment o a algum a industria ou in-
    *.'enrao, porque, entendeni os Srs. Iiberae, sem
    d'azer a precisa distinccao, que a lei so deve ter
    -;n vistas I'acti- futuros.
    O pobre que lifer uma descoberta, no entenler
    4oa liaerae.% qio dove moreeer alguma coocessio,
    Ser<|ue a desc ihe ta esia j;i feita, e a asscinblea
    sa deve lagisbr sobro faetos futures a nao passa
    dos.
    Pi-fjiidiaaes aos inleresses du piotincta di* a
    Pi'otiucin.
    Em que consiste o preiuizo t
    I'uis uma lei que conU o tempo do empregado
    deixa &> exercer n lugar par motives mde-
    tendeiiles le sna vontade. e foi demiltido par pre
    -laxto frivoKi e prejudicial .'
    for asse i-'mcipio dever-se-liia nao justili^ar a
    falta do empregado qu.uvli_dei.xasae de irarcpar
    ticao.por uMiwH de niolcslia,
    Se durante o tempo que
    mellair^; aairbI9 pinln, porem, > notieiador c nvh
    eleito, sa acha non informa 1 >, cdovenca e qoa o
    illustrado admimstrador da provincia nem legiti-
    awracssa farca, fteta oonsuntira qua sa ladibne
    as sum agendas. im.ii
    W.
    .-. mveeessaeeao de exerciciM|iH^iai;U do emprega
    eaiWa q
    #lei manda conttr
    |U0 pruduzio esle
    d., cumpre pror.urar a caf
    affeiio, e qnetn a promovei
    ftjffl tu 11 sophismam osajfs. libpradfw^jcii-am
    a uresideocia porque "aposima o Sr. Dr.joaquiin
    BMuila, quo diz ser nu.o, a ao'iisain
    tempo a presidencia porque .1to Mud, qua diz ter ot) annos de^rvico
    I.iberaes incompreheiisiveis *
    Eis ahi urn case que se pode applicar a rifan
    * preso por ter cao e preso por nao tor cao
    e-ra i
    rro
    ^mycAOflEs a nnw
    A iiV zin ile Ciiuiielloira.
    Na Ckivnir.ii da Proomciti sob a epigraph: -
    Mi\* am e-candalo se le o seguinta :
    < 0 Sr. Lucena approvou linalmente as el^icdes
    Aa Terea lores de Gamelleira. n E a seu geiio o
    .. 'i-h l if narra, mais uma das hisbtrias de mil e
    -.inijs desmenlilo : o que se tern passado referi
    IWMOS.
    O E -iat qua elevou a villa, a freguezia de Bomelleija,
    irdeuou que se uroeelesse a nleicio da verea U
    ran. ejniz-s d>.' paz do novn municipio declarando
    !xc. a eamara municipal da Seriohaom que ex-
    *dj>se or lem ao juiz de paz mais votado do 1i>-
    tnclo mais praximo de Gameilaira para fazer a
    *aa*oea;ao das votintes, o reiaottessa Hie a list*"!
    |M qualilicados residenles n) territorio desmon-
    iwfdn de SermhAem e igoal lista pxigt-sa da ca-
    \ da Ksfiada, relativa aos residontus no terri|o>-
    linello municipio o quo poslerwrmenle pas;
    wii psra (Jmeileira.
    A caraara municipal de Serinhaem cumprio im-
    i*diatamente a ordem preiidcncial, o por ?.ua
    spacuvo juii-de paz do l. districto daraatru
    At Serial!"lem fez atllxar os olija 's de c nvoc*i>ao
    4i votaulea para aeleic.ii de 14 de oa^ubro. ^ n<*
    pjit disto feit.i, offlcion aeamara nunieipal a SKxc
    rand qua am Gara-dNra havia j w. dj u*i
    '.xercicio, eleito em Wit (7 d& aej ipbro ), e
    . a esta competia os actas preparaU.rias e prer
    Attir ao process) eleiloral, e que seado a-jim 11)8
    Jtireciaja haver iaauiar;V> de nallidade, por s,er
    cijavoc.ijia dos vulantcs illegalmente feita. S.
    ea a liar a elei
    ma d^inga da n vemliri cxpelin-
    ma.-a municipal, qua tambein
    paz de GaiuelWua, l''tsr
    into S. Rx--. que so-n.-nte sj pre*
    I, u l. -
    iMaiM i
    reiaelo aos uej;
    eg, aoo verba.
    0 Sr. Dr. Joaquim VntoniD Oarneira da
    Cunha Miranda nSo refere cim sxactMSo na
    publicagi'), que fezneste jornal, o que se
    passou relativatnente ao prncesso inteutado
    contra Epiphauii) Astunlillo y Bussou.
    Kste ilizia em attobtaiios ser dootor em
    mediririS e cirurgta pela Universi la le de
    Madrid,* quan 1> apenas era Iieencialo ein
    rnodicim, e o Sr. Dr. Mirau la, advogaJui
    do Busson, nao oongiio qu^ fosse e\\w
    absnlvil'), com') assuvera, no pmcesso que
    contra Busson instaurara o deloga Ii) le p>-
    licia, e. ao contrarto, foi Bussun cm le'nin-
    do, e enlao, recorrendi) para o Dr. juiz ile
    diroito, que era o Bxm. Sr. (Ipseiotwrga fc>r
    Xeiva, foi pwst o Buss:>n, antes qim sa Ine for nasse novn
    proceaso, relirou-se para o Ceari, onde
    HKKfeU. ,
    P61e dizer o que qaizer o Sr. Mirnnla
    mas nunca fard crer que lictneiado seji
    doutor.
    A prova do quo p uiO e, alem de inuitas
    outras, e quo a FaaulcUde do He iioin i
    llio de Janeiro considers o tittWo dolicen-
    ciado t como equivalento ao de bicharol
    formado, que por certo nao e o ra>-smo qua
    doutor : os exomplos forneci los. por Wsa
    Faculd ide sdo mnitos, e a proposito de Bus
    sou verilicou-se o mesmo.
    Quern tern de de;i los r\Sn e o Sr. Miranda, M9 as escolas nejicina do iiuperio, de confor.nid a lie com
    o decreto n. 1,387 de28 de abrit de 18ai.
    Sem ter diploma concedido, ou veriticado
    por ossas escolas, nitiguem p6 le exercer a
    medicina, ou qualquer de sens rainos, como
    aiiga o Kg.,que baixou com o d<^creto n.
    828 do29de satembro de 1851 ; e, mesmo
    assim, s6 o p6do fazer, conformando-se com
    o disposto no art. 2'J desse Reg-, que diz o
    seguinte :
    Sem que so tenha feito a rnatricula do
    modo determinaio neite R>-(,'., nao e licito
    o exercicio da medicina em qualquer de sous
    ramos, ainda quanlo tonbam silo preen-
    clndas as obrigag&BS do art. 25 e quo gozem
    dos favores dos arts. 2G c ii.
    Seal a verifica^ao dos titulos, concedi los
    por Universidades es'.rangeiras, peraute as
    escolas de medicina daste imperio, nao 6
    perrnittida a rnatricula desses titulos, como
    o exige e art. 23 do citado lleg., e sem ossa
    venlicagao, ndo e perrnittida a respectiva
    rnatricula.
    Resta iluvida de quo nostas condicoes n3o
    estaoos titulos dosdous uespanhoes Uo.nni-
    guez e Mascard ? I'or certo que niio. Kilos
    mesmos nao po lem pretender ser doatores ;
    mas, quan lo o pretendam, teem qu^ sub-
    motter sous titulos a" verificacfin pefante as
    faculdades medicas do imperio, provando
    com documentos, emanados de nossos agon-
    ies diplomaticos, a idenlidade do pessoa,
    sujeitando-se is provas exigilas pIo Dec.
    n. 1,387 e pagan lo a joia e mais despozjs,
    de que ninguem os pole isentar, porque
    seria desfalcar as rendas publicas.
    Todos sem excepijao, nacionas e estrun-
    geiros, se teem ujeitado ao que exige a lei
    Je 3 do outubro do 1834, o o que so fat no
    Brasil e o mesmo que so faz em todos os
    paizes.
    0 govorno imperial nao permitlio, nem
    mesmo, que fossem matriculadas as cartas
    dc pireiras, concedidas aqui, em virtuile
    de uma lei provincial, do que ntsultou ser
    extincla a cadeira creada por essa lei.
    por que os dous bespanhoes de que se
    trata, tiveram de retirar-se de Portugal ?
    Nao se os persegue; pede-se, exige-so o
    cumprimeuto da lei, que deve ser igual para
    todos.
    Tem-se recorri lo atodos os subterfugios
    para isental-os ilesse uumprimento ; mas nao
    sao su Herfugios que estabelecem excepj6es,
    que a lei nao admittc.
    Da Europa se esperam informagoos e do
    govorno imperial, que torn de deeidir, ouvi-
    do o coiiselho de estado, has de vir provi-
    dencias.
    Justus.
    D0CUMENT0.
    Carla do minittro Orasileiru em Madrid,
    conselheiro Antonio Josi Duarte de Araujo
    Gondim.(Sallo}.Legagio do Brasil am
    Madrid.Madrid : 24 do setaoobro de 8G4.
    Dim. Sr.Accuso a recepgao da carta
    corn que V. S. me honrou em data de 13
    de agosto ultimo, acompanhando copia de
    urn diploma passado pela junta superior
    governaliva dos reaes collegios de medicina
    e cirurgia deste reino, cm 27 de marco de
    1834, a favor do I). Kpiphauio Astudillo y
    Bussou, e perguiitan lo-me so o mesmo di-
    ploma confere ao intero-sado o titulo de
    loutoi- em medicina.
    Infommdo competentemante sobre o as-
    sumpto, posso declarar a V. S. que, a nao
    possuir o referido Sr. Vstudillo y Buj&on
    outro diploma, nao tern o direito de assig-
    nar-se O/ficialmentc doutor em-imdicina ;
    porquanto esse, que apresenta e do que V.
    S. me manda copia, so Ine da o titulo de
    licenciado com a faculdade de exercer livce
    mento a medicina. Quasi to los os medieos,
    que nao aspiram ao lugar de lento da Fa-
    culdade se contentam com o simples titulo
    do licenci'iio, que Hies basta para o exerei-
    cio da sua prolissao.
    Para o titulo de doutor necessitam urn
    anno mais de estudos dehistoria medica, no
    fim do qual defendant uma these, paganda
    alendisso, pelo diploma do doutor, direilos
    bastante elcvados.
    E'. tudo quanto sabre o. assu.npto posso
    infirmara V S. em resposta d supracitad.i
    sua carta, prevalecoudo-meda occasiao para
    rotf"recer-lhe as cxpressoes .la minha tincta consideracao. (\ssignado) Antonio
    Joii Duarte di Araujo Gondim.
    N. B.Esto ducumen o original p6de ser
    njQstrado a quern qaizer vol-o e sera apre-
    setitfido cm juizo.
    urn iwihntwiufca aai tjyh tMMrtrtBTiaMniKaf v*.
    NOllM kSM d^rt'toj**1
    que u:na preparifao vagMal imm
    -Hloiar qual o inul celsbre e ainnm i-> TmiciOrl
    ental, qne coosorva os poroe do enmaa: e os
    vasos capillares em am esudo vigorosoj e ao
    mesmo tempo precrva o oabalh macio e ratplan-
    leceate, 6 o melhor gmero queella- podem u-ar.
    Nao adraira pois que esta. (amosa e requls-ima
    preparagao, hoje em'dla esle^ pondo em der-
    roU e fazendo desapparecer de sob a face d*
    terra tudas essas vis e peruiciosas comoico>ts
    de oleos e pomadas -e presentamente tornou-sa
    em uma verdadeir* nece^idade p^ra Udo o tou-
    cador organisado no mundo occidental.
    Johnston
    Anaeahuita peiaoral.
    _Uma simples tosse pode chegar a apr mortal se
    nao se atalhar a tempo ; porem eviiar-se-ha
    completaman'" o purigo fazendo se uso immadiato
    itla .4 luicuaiMto jtgilural,: a, qpal ,4#eJiinit) a,. aoa
    benafica infl lencia, faz cea*-.*pid8m*mte a iuri-
    tacao dos pulim5o a gM^apla, :raMal>eleae sua
    accao vigomsa, regiilat a sapdavel. 0< qu..- pi-
    zem que a as liiaaa incajrayeJ, muilo se onjgaaam.
    Essa firtificante composicao vegetal snbjuga
    essa afflictiva'molestia, ainda myatao quaailo da-
    luixodas for was as uais. nbitinpdas a asgra-
    vaates. As anginas nunea termitiarao era bri)n-'
    chite*a tosse em thysfca 'tiem a,rpua
    asthma, se desde logo oof' aiui3 pr'inciiJi
    atailiad.is com esta balsarno ve^Bjal,aaavisad
    sadatiso ; sain beueueos eSfaiios sao |irompt
    menta exeeutados oaa eaAnoidaldes doe pulm^e
    dos vasbs broacai'4a oteura.
    lo publloo.
    f.misUrid'i ao abaixN assignaijo que al-
    g'iem se tern ineumbido de espalbar qua $
    elle o en/j.arrega'lo da fesXa, do cprfeifte
    anno, dV-S-. S; tlo^-ffenregantes r apressarso
    e mesmo abaifp, fssKBido em declarar que
    o isto inteiramentalarsJl visto como nada b|m
    elle e nem quor ter com a data l'esta.
    Recife, 17 tie noveinbro de 1873.
    Balthazar J^si dm Reis.
    Para, todos.
    A casa mortuaria de Paula & Mafra con-
    tinua a bam servir ao publico, jem quangos
    s-us proprielarios ku sdo defcridos "o re-
    curso que interpoeiu ao coiiselho d'estanfo
    contra o monopolio concedido a'OWwm.pu
    sao a contento indomnisados pelos monopo-
    listas. E para que ninguem se illuda a res-
    peito, scientificam ao respeitavel publico que
    se acham providos do material necessario e
    com carros novos.
    Srs. redactores do Diario. Tendo Vv. Ss. se
    dignado publicar as linhas que escrevi co.a rela-
    5a>i aos medicos hespau!i6r,, sahiram tres err>^
    graves, o primeiro foi qur em vez de ain la q 11
    julgo o in.:apai do cynismo qual o que se aareg^a,
    *ii. d) coi-al) qua a;irgoa': ,0 aeguud;, que
    in-'u Boufc -ahio -It. Adoui, em vez da Ramua^do
    Alves d'Oliveira, be:n como a dara que deveria Jer
    li saliio 1 de novembro.
    RuVii porlantu, a pulilicajao destas linhas para
    remediar 6s erros
    ife'.dS de novembro de 187).
    llom>ii''!> Alves tie Btlvefea.

    \ Iilsturlu ds>s ;'.,-Iirtfs irtrtl eu-
    ris !
    E^t literal da p ... i
    Mm bacalhao
    AC.
    Ilha da Boa-VggilttilCabo-Verde j 14
    dias, brigua^^wt!l*7J, de 2 8 tonela-
    rtas, capitan James Yosterin, equipaga.n
    9, carga sal; a Lindslon Robiliard & C.
    Rio de JaMito 33 -lias, barca fra'nceza
    Vercnd Collet, de 335 toneladas, capitao
    Pimont, | equipagem 13, em lastro; a
    Ariamendy & Labille.
    {Cardiffio dias, barca franceza7o:inrt de
    Arc, de 262 toneladas, capitao M.Segajo,
    equiipagem It), crya carvao; a ordem.
    Rio de Janeiro22 dias, briguo norueguen-
    se Tordemhiold, de 232 toneladas, .:a-
    piWo J. RoRgeu. eq jpiem 10, em ijs-
    tro^,a Moilslaliwtf* iiC.
    H&vioi satritlos no mesmo dia.
    Clptn^)Mafibft suec no, capitao i\ord-
    qnest, t'SFga as3ucar.
    sa faz puhtao. qne a pirtidb^los poles tres para
    at agendas de Iguarassu, Goyarrfla e Rambe, sfra
    '(su data h.ti dianta ^o *'r t 4, 7, t<; ft, 16,
    19, 2', 23 J8 de CM* pedestres a tocaran(if|li| je volia na agencia de
    Olinda, fechando as respeetivas malas s 2 boras
    da tarde, e as da reglslro a I hora da tarde.
    Corrcio do Pernambuco, 13 de novembro de
    1873.
    Oadministrador
    ________________Affjno d-i H"go Karros.______
    .No dia it Jo em-renta, dep-.us Ua auuieocm
    do IIIii. e Exm. Sr. deseinbargador juiz do or
    phaos irio a p.'aca por arreudainento as seguin-
    tes casas : rna de Vidal Jo Negreiros u. 188, tra-
    vsa da Hangueira n. 9, rna do Imperadi r n.
    W, caes a* da Novembro 9.6 e 14. larga do Rosa
    rlo n. I, sitio o casa do Hospicio n. 81. 0 -eacrip-
    to se acha em nio de porteiro dan audientias
    (Bscrivie Brito).
    lo-
    !few-orfc ."brigue iiprueguense ftathilde,
    _ capitao ^ S. .Xiolson, carga assucar.
    .fihservQfdo.
    Suspaadcu do Umarao para o Uio (iran -
    lapitao ^it-byre, com u inesmo' laslro que
    iutt* #* RfeW>lairc*o\q >Ali-l ir
    Aparece ao norto uma barca.
    6
    iUHcoEl
    vaadimento do dit 1 "a 17.
    'dera do dij 18. .
    ii68:6287o8
    62:817^8:0
    . 631:446*388
    Desearregam hoje 19 de novembro
    Barca franceza -Fedelite mercadorias para al-
    fandega.
    Barca hollandeza -Elis ibethe (atracada) raerca-
    dorias para alfaulega.
    Lugar inslez Constnhca Wilson machimsin*
    e ferro para o ti-apiebe ConoeiijAo, para
    de.-pachaj.
    Brigue pnrmguez Ligeiro HI pedras de can-
    taria para o trapicSe Cmceicao, para
    despachar.
    Barca iagl>za -Metheor bacalhao ja despachado
    para o Irapiche CoaceicJfo.
    Lugar ingles -Lemuler -bacalhao ja despachado
    para o trapkshe Concei^ao
    Brigue hollandez Wereldurger farinha ja des
    pacliada para o Wpi do Apollo.
    Hiate americano Negrelta -kerosene para o caea
    do Apollo
    Vapor poituguez Jutti Dim's vinhos para de-
    posito nos trapiches Gnnha e Barbo-a.
    Importacao.
    Brigue inglez Nra, enlrado do Gabo Verde em
    18 do fcorrenle e consignadc a Lindston & Rbbil-
    liarde/manifestou :
    Sal 4,800 alqueires aos consignatarios:
    Escuna ingleza Mary Liziie, entrada de Terra
    N i .'a na mesma data e cvasignada a Johnston
    Pater i G. mannifestou:
    Bacalhao 2,i7iibajricas aos consignatarios :
    >KSPAGH0S DE EXPORTAGAO XO DIA 17 DE
    NOVEMBRO DE 1871.
    Para os porlot do exterior.
    No vapor inglez Lalande, para Liverpool,
    carregaram : 3. Brothers & G. 1,064 saccas com
    130,129 kilos de algodao ; F. da Costa C. 714
    ditas com 58,"'33 1|3 dilos do dito ; Isidore Bistos
    4 G. 293 ditas com 34,593 ditos de.dito.
    Na barca ingle/a Belli, para Liverpool, car-
    regaram : M. Lathan 4 C. 535 sac:as com 48,799
    kilos de algodao ; T. Christian-en 140 saccos com
    10,500 ditos de assucar mascavado.
    No lugar inglez Beltree, Dara o Canal, carre-
    garam : J. Pater & C. 1, 00 saccos com 75,009
    kilos do assucar mascavado.
    - Na barca americana Cisco, para Newvork,
    carregaram : II. Forster & G. 4,200 saccos com
    315,000 kilos de assucar mascavado.
    - Na sumaca hespanhola Venturita, para Bar-
    celona, carn-garam : P. Carneiro & C. 136 saceas
    com 11,511 \i kilos de algodao.
    Para os porlis do interior.
    - Para o Rio Grande doSul, no navio nac'nnal
    Uaitlo, carregarcm : Amorim Irraais 4 G 4W1
    barricas con 23.850 kilos de assucar branco ; A.
    Loyo 101 ditas com 31,728 ditos de dito
    - Para o Aracaty, no navio nacional Graciosa,
    carregou: J. Bruno 24 barricas com 1.S86 1|2
    kilos de assucar branco.
    - Parae uacaty, na barcaQa Aytt, carregou :
    A. S. Campos 10 pipas com 4.800 litros de aguli -
    dente.
    CaPATAZIa Da ALFAWEi'.a
    Rendimccto ci dia 1 a 17 lOO'^iaOi
    tdaai dr>dia 18 1:139*993
    A ommissao liquidadora do primeiro pc.iodo
    da companhia convida a todo> os senMures accio-
    nistas a uma reunion em assembled geral, no l*
    andar da casa 7 da rua do Bom Jesus, as II
    horiS:'ao dia 0 loeurrente, para resojverem e-
    bre a rieusa apresentada for algous dus mesm.is
    seftbores aasslgoatura UacU da uliima sesSao.
    Recife, 17 de novembro de 1873.
    .Miguel Jose Alves.
    Francisco Joaquim Ribeifo de Brito.
    Jose joaqniui Mureira.
    Sexta-feipa-il do aorreote inez, thida a au
    dienci:i do Sr. Dr. juiz de direito da 1' vara, van
    a piata para i-erem aTematados por quera mais
    der, os bens seguinles : uma casa de taipa no lu-
    gar de Beberlbe, avaliada por 3004 ; outra dila
    tambem de taipa na villa de Gabo, avaliada per
    90; cujas casas sao pcrtenceDtes .a finada altina
    Maria da Cmcci.-ao, as quaes foram dadas para
    pagamento do qua Qcou a dever a referida Altina
    a Jose Ignacio de Avila.______________________
    Saata Oasa da Miserieordia
    do Recife.
    A junta admini-trativa da Santa Gasa de Mise-
    rieordia do Recife, : uipetenfemente autorisada
    pe!a prejidencia, cm da'.a de 3 da setembro do
    anno proximo (ind>, e de conformidade com o que
    dispoe o | ft" art. t'2 do seu com romisso. per-
    nnla por ap'rdicos da divjda publica a fazenda de
    criar gados qua possue o patrimouio dos esla-
    belecimcnlos do caridade a seu carg" denomipa-
    da | Garninba sita no teroio de Flares desta
    proncia,'com terren(T5 para criar e plantar, e
    eoaralgum gado cavallare vaccum.
    {Rect-be para isto propostas nesta secrelaria ate
    o'dia 10 de dezembro do corrento anno.
    Secretaria da santa casa da miserieordia do Re-
    :ife, 10 de outubro de 1873.
    0 escrivSo,
    Pedro Rodrigues de Souza.
    11.219*355
    Do dia la 17.
    ftmoJra porta .
    >egunda porla .
    "re lira ;rta .
    Quarta porla -
    i'lapictis GoBceljio
    VOLUMKS SAHtDO*
    Dia 18
    11,831
    122
    l3
    <8i
    13V
    2,164
    14,896
    SERVICO a.MlITlMO
    U\*Tflaifas Joscirrogadas p> trapic:.-.
    all'aadega do dia I a 17 .
    Dia 17.
    vv.us alracados no trap, xt, ityzix^i-
    *o tran#elte01dtatolc|o %'
    Navio atracado .* ." I .
    37

    1
    ">
    IRCKBE'DORIA DE RBMOAS INTEBNAb G-
    RAES DR PEtiN'AHBtrCO
    tendimento do dia I a 17. s9.8S43il*
    dara do dia 18 1;331K(
    , ..,- i i
    il.205;ty
    CO.VSL'LADO PROV1W1AL
    eid.moito do'lia t a 17 49:Hlfl4
    I i-'.r-j .to dia 18 I.
    EHEgWH DKAlHAalE.
    ii."idi:n.,aij ilo dia 17. .
    item dodi.i 18......
    SiU.'*ai.".MEJt
    W:lfli*7rHJ
    i:liliia
    _____

    iuh ut mil
    i?f
    Vat no tfoi^lS.
    i -50 dias, escuna ioglwHwifci'y
    Sociftliule Beiieikoato das Tyjio-
    De ordem. fa praJMcnte desia so;iedade sao
    conVidados tboos o trjus" inenibros para compa-
    recereuuMBMrfqCii-aJflgac'aft dia 19 do cor-
    reoie, as 7 hqras da noj|e, na casa do eostuma,
    afim le tralar-si; de urgaeio de alia trancenden-
    cia.
    SakdMfiifca^U dalpvemijro de 1873. .
    Oi.-secmario,
    Belmtro Fetretra da Fonceca CadacaL
    Em beneflcio do plania^a
    . pcrnamftiicauo
    De ordem do lllm. Sr. iuMecir aa i>i.a-
    raria de fazenda d>sl provincia. sao convidados
    pelo prefente os herdeiros do Tallecido 1 confe-
    rento da a'fandega, Pedro Aleaandrino de Barfos
    Cavali-ante, para no prazo de 30dias,que Ihes fl -a
    mar.-ado. acontar desu'data, allegarem par es-
    cri|ito, u que for a bem de seu direito, produzirem
    deeumentos, etc., sbre a tomada de contasdo re-
    ferida I- eauferento palo tenuio que servio intei i
    namente de tfteseureiro daqnella repartiaao, a cfin-
    tar dp 9 de jullio a 31 de agosto de 1865.
    Secretaria1' da theinuraria' de fajenda de Per-
    namaaeo, 16 de norembro de 1873.
    i) secretario da junta,
    Jesuiun Rodrigues 'ardoso.
    ril dc Per
    Pernambuco
    Coinpanhiu forro Car
    Cc
    mhia utiiidade
    Pela ihosouraria provincial se faz publico
    que, era obscrvancia da ordem da presidencia, de
    10 do corrente, perante a respeiliva juuta, sera
    posto em prac>, no dia 20 deVte mez, o arrenda-
    meaio. por tres annos, do sitio dos Remedies,
    adjudicado a fazenda prorincial.
    Secrelaria da thesouraria provincial de Pernam-
    buco, 13 de novembro de 1873.
    0 oiBcial-maior.
    Miiruel Alfonso Ferreira.
    De ordem do lllm. Sr. iaspector da tbesoura
    ria de fazenda fiesta provincia se declara para co-
    nheciraenlo de quern interessar, quo o prazo para
    a substiluiQao das notas de 2*0uO da 4* eslampa,
    linda nidia 30 do novembro corrente, cineeaudo
    em l" de dezembro vin louro o de^conto, sendo 10
    0[0 no pr imeiro mez, 20 0|0 no segundo, e assira
    suceessivam^nie le a exlineeaodo valor da nota.
    Secretaria da tliesourariade fazend;ide Pernam-
    buco, ?0dc novembro do 1873.
    0 Jezuino Rodrigues Cardoso.
    -'Oadministrador da rccetiedoria de reudas
    iutcnias, gi.-rae:', sciimtiliea dos conlribuintes do
    imposto pessoal quo e nesta nez de novemVo que
    lem do ser page sem multa, o I semestre do exer-
    cicio corrente do 187371, e coin a multa de6"/.
    depots de fmdo o referido mez.
    Reecbedoria de Pernambuco 4 de novembro de
    1873.
    Manoel Caraeiro de Souza Lacenlt.
    DOS
    TRILHOS URBANOS
    no
    a
    Recife a Olinda,
    EBelM'rihe.
    0 pr sidente d'assem-
    blea geral dos accionis-
    tas da companhia aci-
    mo inem:ionada, man-
    da siientilicar aos Srs.
    nceionisJas ue.por fal
    ta dc num-r-j iegal dcixou de funceionar
    ordiuariamanlo dila a-ssmblea no dia 31 de
    outubro proximo passa lo, para o qual fora
    convocada ; por isto u nova men tc convacada
    paxa o did 19 da corrente mez is 4 horas
    da tarde e no lugar de soas sessdes, certos
    do que agora fuutcioiiara com qualquer
    auraero d'acciouislas preseutus segundo o
    art. 11 dos eslatu^$.
    Oeveiu os Srs. a< ci.mis'is ter em canside-
    ra^ao que a reunia lent por fim a apre-
    seiitajao las conta- e n-blono da directoria
    em retajffo ao somestre proximo findo ;
    como tambem petl'a tr.itar-s--lia das impor-
    taoti-s materins adiadas, e que muito inte-
    rossaai d comiunina.
    Recife, 4 ile tiqiventbro dc, 1873.
    0 aeoaeUrk).
    l.uiz Lopes CasiHto /franco.
    ri> ale potieia.
    : lie ordem do lllm. Sr. ieueiUe coronet coioinan
    dantc, fac> public) que, a o*pn contraia.800 fir
    dam-ntosde paaqo aznl fbonet, farda calal e
    s de bnm (blusa de bnm pardo h cal;k
    icad-O .e; 1.007 pares de. barfcfr
    urns do ediifv de baierro Innc'iji ,A*a 11 horas
    'Jo lia 24 aVcjorrwIe i pr-stas bm
    carta feetj^da. a^ec)cet;iria do m-.'smo corpo.
    nitmMMif I mtmrhrm
    Street Riitway
    Convido a todos es pessnidorcs de bilhet'w de
    oassagoin nns carrns VMsta companhia, ainda exis
    tenths em c:irculac.ao com a assignaiura de-^H.
    H, Swift, Asst Tre.sr. a trazo-los ao troco por di
    nhciro no eseriptorio da companhia a rua dc
    Brum.em lodus os dias uleis, das 10 horas da ma-
    ltha as 3 da tarde, ate 31 de dezembro proximo
    vindooro ; prevenindo, outro sim, que os djtos bi-
    Ihetes serao reputados sem mais valor para qual
    quer effeito, a partir do l. do Janeiro dc 1874 em
    d;annte, ns termos do aviso do ministerio da fa-
    zenda do 0 de agosto proximo passado e da pnr-
    taria da presidencia desta provincia de 0 de ou-
    tubro corrente.
    Recife, em 7 de outubro de 1873.
    0 gerente,
    Gustavo Adolpho Schmdit.
    "santa casa jja misericoruia du
    reofi:.
    A Hlnia. iujilaadmiaistrativa da santa casa da
    V'isericordi.i do Recife, manda fazer publico que
    oa sala de suas sessfios, no dia 20 de novembro
    pelas 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
    quern mais vantagns offerecer, pelo tempo de um
    ra tr s annos, is rendas dos predios em seguida
    Icclarados. i,
    ^STABELECIvlENTOS 'HE-CARIDADE
    Rua de Hortas
    I.oja do sobrado n. 41.....300^000
    Rua da Vira^ao
    Casa teorea n. 7. ; 312*000
    Cinco Pontas
    Casajerrea n, 70 25Ii5f>A0
    Travessa de S. Jos6.
    Casa torrean. ;i. ........ 2015000
    Becco do Abreu
    Sobrado de 4 andares n. 2. 4805000
    Rua da Gloria
    Gasa lerrea n. 93.......1805000
    PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
    Rua da Seozatla valha.
    Casa terrca n. |6. ?LJ t 209*000
    Becco das Boias.
    Sobrado n. 18 .-.,.,. 4215000
    Rua da Cruz
    Sobrado n. 14........1:0005090
    Sobrado n. 30......8005000
    Rua da Madro de Deos
    Casa lerrea n. 2........ 300*000
    Rua da Guia
    Casa terrea n 25.......200*000
    Ruo do Pilar.
    Gasa terrca n. 98.......24UOoO
    Casatereei rv. 99........35'5000
    Idem n. 10'.........241*000
    Idem n. 102........841*000
    Idem n. 108........207*000
    Rua do Rosario da Boa Vista
    Cass terrea n. 58.......245*000
    Os prclendentes dever o apresentar no aclo da
    arrematacao as suas tiancas, on comparecerem
    aco:npanliados dos respectivos liadores, devendo
    pagar alem da renda, o premio da quantia em
    que for seg:uro b predio que conliver estabeleci-
    mento commercial, assim como o servi^o da lim-
    pets e precos dos apparelhos.
    Secrelaria da santa casa da miserieordia do Re-
    cife, 5 de novembro de 1873.
    0 escriviio
    Pedro Bodrigues de Souza.
    iicerio
    Pttla uflima vez iinpreienvelnietite, pela compa-
    nhia dramatica o primeira aclo da phaotasia bor-
    lesca : ii y
    it RA1HIU CWLINE
    7ji\ m. r n ,
    grande oaveriura dc HefiiH. executada fiV'tf**,
    pelo beneliciado e o di-tincio maestrofe
    4.' parte.
    0 seguudo aclo da
    Raii>ha Griaoliue.
    S.* parte.
    Phantasia sobre a somuam-
    "bula
    be-
    do maestro Bellini, por Leiliak. execntaJa i
    neflciado.
    Principiara as 8 li? hor.s.
    0 ben^fleiado iri n'om tins totervados. ao? ca-
    em serai.
    \J in !!' lltMUU 11* U Ull* "*0 MI1X.I 'now.-. /-' "-1
    oiarote-s cuinprimeqtar oaseqscoui'idado.-.
    desde ja agradee,' bem couu a t.
    Quiuta-feira 20 do coiTeate.
    As H i| horas.
    JRecita de c nlialo rut favo? do
    SLbira a soena o exctliente drama em rproto-
    go e 4 aclos i /" i
    De ordem do lllm. Sr. inspector da thesou-
    raria de fazenda desta provincia se faz publico
    para conhecuneino dos iuleressados, que u tribu-
    n?.l do ttiesouro.autorisou o pagamento de divida:
    de exercicio?, rojos rredores sao os seguin'es :
    Clarindo Jose So-res 171*900
    Fraocisco Gomes da Silva 1795400
    Josci Marques de Moraes 7*260
    Jose Bcnedicto dos Saut.s 1715600
    ioti Vicente Ferreira 425*700
    Jo*ino Ad.dtrudus Jayme da Silva 144*000
    Luiz Jose Carolino 183*4' 6
    Manuel lose aos Santos 246*4*0
    Manoel >impli*cio Correia Leal 715397
    Pedro Simoes da Silva 149*5tO
    Pedro Af)no de Mello 1275419
    Secretaria da the>ouraria de fazenda de Per-
    nambuco, 18 de novembro de 1873
    0 secretario da junta
    Jezuino Rodrigues Cardoso.
    Perante a eamara municipal desta cidado,
    estariio novamente em ha>ta publica, com o abate
    da quinia parte nos dias 20 e 27 do corrento. pa-
    ra serem arromatacios por tempo de um anno os
    impostos decapim de planta por 5075 iOO. e 320
    rs. pot carga de peixe cxposto a venda no mer-
    cado publico por 125000 ; e sem abato os 60 rs.
    por pe de coqueiro de produccao, exceptuados dez
    pes- para u'stVdo proprietario por l:002*i'00.
    Os pretetidentes deverao comparecet com seus
    liadores habilitados na forma da lei.
    Paco da eamara municipal de Olinda, 13 de
    novembro de 1873.
    Bar*) de Tacarnqa,
    fnsiSeme.
    Marcolino Dias de Araujo.
    Seerplarie.___________
    Monte-Pio Santo Amaro.
    De ordem do Sr. presidente de-ta sociedade
    convido aos socios respeclivos a comparecerem
    na sede,'da mesma uciedade, atim de rennidos cm
    assemblea geral diseuiire n a refurma dos esta
    uio* no dia quinta-feira 20 do corrente, as 7 ho-
    ras da noite.
    0 secretario interino,
    Jose Alves de Mello.__________
    Correio geral
    Relacdo dos objectos registrados existent*
    na ndmini%lracdodo's correios desta pro-
    vincia, para as pessoas abaixo decla-
    radas ':
    Augasto L-opoldo Raposo da Camara, Bernardo
    Lindolpho de Jlendonca, Cactano .1/arques, Jbs6
    Francisco IVreira da Sdva, JOiqiiim Salvador Pes-
    soa de Si [beira ''.avalcante. Jose Pereira de Car-
    valho, Pirmiuo TW^otonio da I'amara Santiago,
    Manoel Machad > Dias Manoel Dejo :.-s da Silveira,
    Manoel da Costa Mortira, iianoel Joaquim da.Gon-
    ceicao, Raymundo Viauna Ribo'ro, Vicente Anas-
    tacio de Abreu.
    Administracao do correio do Pernambuco, 15 d5
    novembro de 187;'..
    J.'Si' Candido de Barros
    Encarregado do rgisaln.-
    BPWWWW,l-lilU--LLll.lWl|aeMBBBggB>
    rl^
    im
    n
    !/
    s^-sasaBafoaB-.
    Santo v^ntonio
    EMPREZMIffiNTE.
    rdl*^o^i.'*d.,'".l,1p, de'pVii^a, Quarta-ieira 19 do corrente.
    - eSa If vea>*rd de 4873. ^ ,
    O'ueiTfciftrip IVnn ln,iiiM.A'
    0 secretario,
    Ksjwda^h-r.-jMfir
    ^^B
    TradacfAo do distinclo artisla
    Julio \iuir.
    Dara fim ao esppctaculo com a pseslMii.iiiu-
    cit" do aotor Cosla Lima, iotilulada :
    0 liliiu e\iia4#
    e representada em obzeqaio ao beneQciado pel
    distiucto artista dramalico o Sr
    EDVaSDG ALVARSS
    0 beneflciado desde ja agradoce as pesaoaa eue
    hoiiraram-lhc aceiiando billietes para o eu be-
    neficio.
    Na noi'e do espeetacnlo o heqeficiado mardari
    aos cam votes uma pes decer aos seus convidados.
    Haveni trsm at6 Apipucos.
    rlfE
    Santo Antonio
    EMPREZA
    Sabbado 22 dc njovembro
    Recita em benelieio da acln'z
    MANUELA LUQCl
    I nica repi'cseutayao'
    do rr uito desejado e excellenle ilrama em .'' ac-
    los :
    J9L.
    DAM1 DVS
    desempenhando a beneflciada o papel da prolego-
    Disla
    Margarida Gauthier.
    Havera trcm depois dc cspectaculo
    Rccebem-se eneommendas desde ja no essr'.p-
    torio do Iheatro.
    Ao publico
    A beneficiada pede dei-culpa de nio f;izer pes-
    soalinenlc os sens c mvites par nehar-se nmim
    (.ccupada com os cnaaios da pena, e espera nais-
    uma vez ser merecedora da proieccao do iilus-
    trado publico pcrnambucano.
    France
    i dc Kav(!ga-
    Gonipshhia
    f&t) a vapor
    Linha memal entre o
    Havre, Lisbon, Prrnambuco, Rio d>
    Janeiro, (Santos, soin^nte iia v>I
    ta ) Minin-vi.-iiMt, ItuenosAyreK,
    (com Eialdeaeao p-M-u oUosariel
    STEAMER
    VlLLl, uKlllO I. JA.NKIRO
    Uoni)iianilai)li>. l^leury
    E* csperado da Europa, ate 22 do eorfentc. se-
    guindo ttepxus'da demora presisa, para us Iwrt.s
    do sul de sua eseala.
    Relativamente a fretes, encaminendas/^pastagei-
    ros, para os quaes tem exci-llenip.s aeommoil:
    por precos rcduzidos : trala-.-e com -.
    OS CONS1G.NATAK10S
    AUOUSTQ V. D'oLI EIRA & C.
    i-2Hua do.ContunercioEiitraJa pefo riw
    dil Torres.
    COMPANHIA PKLlNAMliUCANA
    DE
    liavegaoua conteira a va^p**'-
    MAMAiSGUAI't..
    0 vapor Coiiuijpet c
    uiaudante Saatps, segjtf.ipa'*
    oporto acuaa no <*a,,$8'l
    corrente, i* a boras 'la tardit
    Recebc r-iirga, oticdnime-n
    das, passflgeiros e dinheiroa
    frete ate as 2 horas da tarde Jo dia da sabida :
    eseriptorio no Forte do Mattos n. 19!_______
    Para o Piirlo.
    Segue com hrcviriade a liana jH.rtugutz.1 &
    Manoel II. Recebe carga e nassageires : a tra-
    iiar com Tito Livio Soares, a rua do. Viaario n.
    17.
    Kiq de Janeiro
    Q pataehn portug;--i Bin
    Jaaei-1 por ter j
    g^jaoo, e para o resto da:
    ri.-- i raa J
    ; a de
    ireuo-
    f".'-

    ^^^l^Hi^B^^BBB


    to de Pemambuoo Qaarta. feira 19 de Novembro de 1871.
    t -

    PirfBr Steam Navigation (lompain
    (John qtiiiizenal
    0 PAQUETK
    COTOPAXl
    QUARTA-FEA 19 DO COHRENTE
    as 11 horas em ponlo.
    .Noarmaxem do fr. Annes, defronto da alfcndega
    aspera-seaqui da Europa ate o dia24 die novembro,
    depois da demora do costume segaira para o sol
    do impetio, Rio 4a frata e costa do Pacifico, para
    eede recebera passageiros, encotmaendas e dinhei-
    *oa rrta.
    OS AGENTES
    WHson Ruwe *C

    U RttA DO COMMERCIO14
    COM
    STEM
    puny
    Unit* quinzcnal
    0 FAyUKTE
    m, ILLIMANI
    epera-se dos portos do sul ate odia 21 le novetn-
    tto, e depoiii da demora do costume, seguira para
    Liverpool, ria S. Vicente e Lisboa, para onde re-
    eetocra passageiros, cncommendas c carga a frete.
    OS AGENTES
    Wilson Rowe A C.
    14----RUA 1*0 COMMERCIO14
    Para o Aracaty sane nestes dias o hiate Ma-
    ria Amelia, capitao Francisco Thomaz de Assis,
    torn parte do seu carregamcnto engajado, para o
    resto quo Ihe falta, trata-se com Antonio Alberto
    de Souza Aguiar, a rua do Amorim n. 60.
    I
    3ara
    Para o referido porto preteude seguir com pou-
    ea deinora o brigue portuguez Rrcife por ter a
    maior parte do carregamento tratado : para o
    resto quo Ihe falta trata-se com os consignatarios
    Joaquim Jose Goncalves Beltrao 4 Filho, a raa ao
    Commercio n. 5.
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    VavnffucSo costeira a vapor.
    MAC.Eld, ESCA1AS E PF.NEDO.
    0 vapor Giqma,
    eommandante Martins
    seguira para os por-
    tos acima no dia 29
    do corrente, as 8
    horas da tarde.
    Recobe carga ate o dia 27 do corrente, eucom-
    niendas ate o dia 28, passageiros e dinheiro a fre-
    te ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
    escriptorio no Forte do Mattes n. 12.
    ~ COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    MavegacAo eosteira a vapor.
    f AR.VHYB.V, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACa-
    TY, CEARA, MANDAHC, E ACARACU'.
    0 vapor Ipojuca,
    eommandante Moura,
    seguira para os por-
    tos acima no dia 29
    do corrente, as 5 ho
    i ras da tarde.
    Recebe carga at6 o dia 27 do corrente, encora-
    mendas ate o dia 28, pasagens e dinheiro a frete
    ate as 2 horas da tarde do dia da sabida : es-
    criptorio no Forte do Mattos a. 12
    ~P*TA.:MO
    D. HMKMl
    Para o Rio de Janeiro pretende seguir com
    pouca demora por ter dous torros de 9eu carre-
    gamento engajado e para o resto que Ihe falta,
    trata-se com os consignatarios Joaquim Jos6 Gon-
    calves Beltrao Filho a rua do Commercio n. 5.
    Para oRio Grande do Sul
    sahira brevcmente a eseuaa p'irtugueza Agma ;
    para carga e passageiros trata-se com E. R. Ra-
    bello & C., rua do Commercio n. 48.
    Para Lisboa
    segaira coin brevidade o hrigne portuguez Bella
    Figueirense ; para carga e passageiros trata se
    com E R. P.abeilo & C, rna do Commercio nu-
    mero 48.
    Para Lisboa
    egnira bre'.'entente a bnrca poitugueza GratuUto ,
    para carg< ; passageiros trata se z-m E. R. Ra
    hello A C, rua do commercio n. 48.
    Rio Grande do Sul
    G patacho national Fortuna segue para o Rio
    Grande do Sul, tendo ja parte do sou carregamen
    to engajado ; e para o resto da carga devem os
    protendentes entcnder se com Silva A Cascao, es-
    criptorio a rua do Marquez de olinda n. 60. pri-
    meiro andar.
    0
    PA It4.
    Acba-sc proposta a eseoaa portugnoza Favorka,
    de 1.* classo : trata se a carga no escriptorio dos
    sens consignatanos T. de Aquino Fonccca & C.
    Snccessores.. a rua do Vigario n. 19.
    USHtlA
    Para o refsrido porto pretenileseguir com a pos-
    sivel breviilaleo briguo portugucz 0. Anna, por
    ter ja algutm carga engajada ; a para a que Ihe
    alta, que re'.ebe a freto eummndo, trata-se com
    os consignatanos Joaquim Jose Goncalvcs Be'trao
    8c Filho, a rua do Commercio u. o.
    LEI10I$.
    LEILAO
    i)E
    400 caixss co:ii batatas, niarca I) DM
    Qnartu-fcira 19 do corrente
    A'S 11 HORAS KM PONTO.
    0 preposto di agente Pestana fara leiliio, por
    conta e risco Jb \aem perjen^er, de 100 f-aixas
    com batatas muito novas, dcsemharcadas ultinia-
    mcnte, marca D D M.
    Ifi'jC
    as 111 liin-aM em pou to
    No annazern do Sr. Ana<, defronte d'aifandega.
    Lei lad
    DE
    50 barriers com cervaja Bsss, sortidas, dts-
    BtTtbarcadas iltinian*uto
    DE
    cerca de 20 cafxas com asstioav, iivariado
    Hojo
    \o uteio dia
    No traiiiclw \\o BarAo ilo Livramento, n>j
    i:aos do'Apnlln.
    A. LindauMiii'caiiitaa, 4<> patachoaltoawi Ai/i-
    fu, vindo de ArcajU cum cairryauietK" He Mil'
    car, com destino a Faitaouth, entradn n com agua aberta, bra leilao, com ikeuca do Sr.
    inspector da alfandega, em presenca de urn em-
    Sregado da mesma reparticio, para o fim nomea-
    o, com assistencia do consul do imperio allemao,
    per mtervenijao do agente Pinto, e por conta e ris-
    co de quern perteacer, de cerca de 20 caixas com
    assacar avariado d'agua salgada, parte do car e-
    gamento do dito aavio, existente no armazem al-
    landegado do Rarao do Livramento, no caes do
    Apollo, onde se effectuara o leilao ao meio dia do
    dia acima dito.
    6=3
    oceaaiao aectBari diu woto com (para maroor
    Tantagara oBerecer, ao rneio dia do dia aema dtto,
    no escriptorio do referidV agente, na rna do Boa
    Jesus n. 13.
    Leilao
    e
    SENDO:
    Uma C8sa terrea n. 23 na rua ria Gait,
    Inn dila dita n. 47, na mesma rua.
    lima dita dita n. 7, na rua das Aguas Ver-
    des.
    I'ma dita dita n. 11, na mesma rua.
    0 agente Martins fara leilao, coinpetentemcnte
    autarisado, dos predios acima, que podem desde
    ja ser examinados pelos pretendentes, e para
    qualquer explicacao entendam-se com o inenmo
    agente
    0 leilao tora In gar as 11 horas da man ha, no ar
    mazem da roa do Imperador n. 48. _________
    LEILAO
    DE
    60 barris de 1 arroba cada urn, com chou-
    rirjas, vindos de Lisboa pelo ultimo va-
    por, marca F D L
    QUINTA-FEIRA 20 DO CORRENTE
    as 11 herast em ponto.
    0 preposto do agente Pestana fara leilao pos
    conta o risco de quera nertencer, de 60 barrir
    com chourioas, vindos de Lisboa pelo ultimo vapor
    QUINTA-FEIRA 20 DO CORREME
    as 11 horas em ponto
    No armazem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
    ' DE
    Urn piano liamburgue/., t etcellooto mibilia da
    jacaranda. c.io I sob, I jardineira, 4 eoocolos,
    com pi'dra. i ciideiras do braco, t de balancw e 24
    de guar licii fm urn on n'.ais lo'.es). 4 ImJos es-
    ivlruis (tnmavl de (lores de es'-aina, 1 lu.-tre de crystal com 24
    mangas, 4 swpentftias de crystal, 3 sanefas e cor-
    linados, t p.ips de jarrns finos, lapetcs, pr.un.if
    de chrodi-1 e e-Tarradoiras.
    Si.fas; cadeiras e onacuai^ de jacarnnda (avni-
    sos)icaileiras do b:d.in>;o, I piano de mesa, mesa*
    de jogo, 1 tocador. lavatorin-p^araa-rnnjus, com
    modas, camas para casados, uttairtis o lueoinu*,
    cabides, colnmaas, e estoira, form das salas.
    Uma mobilia completa, gers, 1 mobilia de amarello, t men eiastca, 2
    aparadores, 2 ditas turneadas, t sofa, 12 cadeiras,
    2 quartiBheiras e espregoicadeira.*.
    Urn guarda-roupa com espelbo, 2 commodas de
    mogno, I meia commoaa, I estante para livros, 2
    espelno.-, I machina de costura, e mmtos outre*
    objectos de casa de familia a exiatantes no
    sef undo andar d> sobrado da pra^a do Cor-
    po Santo u. 19
    SEXTA FE1RA 21 DE NOVEMBRO
    O agente.. Pinto ievara a leilao, por conta de
    uma familia que flxou sua retideacia aa Europa,
    os rooveis o mais objectos acima ditos, exlslentes
    no sobrado do ajlejo da praca do Corpo Saalo n.
    19, segundo andar.
    O l*-ilao priucipiara as 10 l|2
    hora?.
    nioveis, louca e crystaes
    Sendo:
    Uma mobilia' de amarello contendo 12 cadeiras
    de guarnicao, 2 de braco, 1 sofa, 2 concolos e
    jardineira, 1 rico guarda-vestido de amarello, 1
    cama para casa], 1 marquezao, 1 commoda de
    amarello, 1 lavatorio, 1 mesa eiastica, cadeiras de
    amarello, tapetes, capachos, louca para jantar, di-
    ta para almoco, escarradeiras, copos, calices para
    champagne, compotoiras, machinas para costuras,
    quadros, vasos para flares, figuras de porcelana,
    garrafas para vinho, 1 caixa de musica, 1 machi
    na dc costura e mais outros artigos do uso domes-
    tico
    QUINTA-FEIRA 20 DE NOVEMBRO
    A's 11 horas.
    A' rna estreita do Rosario n 19, primeiro
    andar.
    0 agente Pinlio Borges vendera em leilao, ao
    coTer do martello, tod js os moveis acima decla-
    rados, os quaes se acham em porfeito estado.
    DE
    oaalas dacouro para viagem, avariadas.
    QUINTA-FEIRA 20 DO CORRENTE
    A's It horas da man ha.
    0 agente I'into Ievara a leilao por autorisacao
    do Sr. gereute do consulado de Franca, em pre-
    senca de seu chanceller, e por conta e risco de
    quern pertencer, de uma caixa J L M C em baixo
    n. 154, contendo malas de couro para viagem,
    avariadas a bordo da barca franceza Rio Grande,
    capitao Vialla. 0 leilao sera effectuado as 11 ho
    ras do dia acima dito, no escriptorio do referido
    agente, a rua do Bum Jesus n. 43.____________
    LEILAO
    DE
    cadeiras dt bra^o, avariadas
    Quinta feira 20 de iiDVemhro
    as 11 horas
    0 agente Pinto fara leilao, por autorisacao do
    Sr. gerente do consulado de Franca, em presenca
    de seu chanceller, e pur conta e risi'o do quern
    pertencer, de uma caixa marca MA C L cm
    baixo, n. 3,378, contendo cadeiras avariadas, a
    bordo do vapor francez Henry IV. 0 leilao sera
    effectuado a: 1 horas do dia acima dito, no es-
    criptorio do referido agente, a rua do Bom Jesus
    n.|43.______________________________
    x
    DE
    36 duzias de marroquim avariado
    QUINTA-FEIRA 20 DE NOVEMBRO
    A's 10 1 horas
    0 agente Pinto fara a leilao, por autorisacao
    do Sr. gerente do consulado de Franca, em pre-
    senca de seu chanceller, e por conta o risco de
    quern pertencer, do uma caixa marca A Se R em
    baixo, n. 9,236, contendo 36 duzias de marroquim
    avariado a bordo da barca (ranceza Rio Grande,
    capitao Vialla. 0 leilao sera eflVcluadn no dia e
    hora acima ditos, no escriptorio do referido agen-
    te, a rua do Bom Jesus n. 43.
    as 11 horas em ponto.
    O preposto duaeanle Pestana fara leilao, por
    COBta '? risgbJi- qua n p'lrtrnror, de 30 barricas
    cam Cl >v rnent \ aaj|jB|rao veDdidas
    IIRER DO MARTELLO
    Hoje
    LEILAO
    PARA LIQUIDACAO
    QLTNTA-FEIRA 20 DO CORRENTE
    CONfOANI 0 DE :
    Uma linda mobilia genovez.i, do madeira especial,
    com 12 cadeiras de guarnicao, 2 ditas de bra-
    co, 2 de b-ilanco e sofa, I grando sortimento
    de espelhos, cadeiras de diversas qualidades,
    malas de viagem, ricos lavatorios com espelhos,
    uma seraphiua, ternos de bandejas, tapetes para
    sala, costurciras, cobertas de arame, cestas
    para compras, behpalas, rhicotes para carnw,
    ricos estojos d^ navalhas, facas Unas, cnlhcrcs e
    garfos de electro-plate, albnns para retratos, e
    uma inlinidade de objectos de gusto, que sefao
    vendidos para Uqnidar.
    0 agente Martins fara leilao das mercadorias
    existentes no armazem da rua do Barao da Victo
    ria n. 24, junto a loja do Carneiro Vianna, as 10
    horas do dia acima.
    Leilao
    DE
    fazendas avariadas
    Quinta-feira 20 do corrente
    A's 11 1| hariM.
    Por intervencao do agente Pinto, em sen es-
    criptorio a rua do Bom Jesus n. 43._______'
    Os abafato aesignados, adminlstnsores da
    masaa fallida de Mendes dc Carvalho, rogam aos
    fcrsaorcs da mesma qaeiram vir apresenur sens
    creates i raa do Marquez de Olinda n 36, aflra
    de prooeder se a respectiva classiticacao. devendo
    apresenta-los deatro de oito dias, a contar desta
    data.
    Recife, 17 de novembro de 1873.
    __________________ Monhard Mettlcr & C.
    Declaracao.
    Antonio Rodrigues do Senna -irro, morador na
    ctdade da R que o Sr. IVdrn rerreira Lima, nonhuma trans-
    accao poilera fazer com o engenho Baintmrp, sito
    na cmarca de Palmares, e com os wcravos Be-
    ii-.-dicio, ite 22 aioios, Jo-e, de i'.l ann is, Manofel,
    d>- It anmts, Maria, dr.- 12 annos o Maria, do 11
    am**, todos crii.nlos, rni audiencia e consent!
    unlit'. s cadis para garantia da quantia do 20:9iiO*t32
    que o mesmo Pedro Ferreira Lima Ihn a devedor,
    pela compra daquelle enjenho, corao tudo se
    acha declarado na escriptura publica lavrada nas
    no Us do tabelliao Damasceno, devidamente re-
    gistrada no cartorto de hypothecas.
    Esta declaracao 6 feita. someate para evitar du-
    vidas futuras.
    Escada, 17 de ntvembro de 1873.____________
    Precisa-se de um forneiro : no pateo do
    Terco n. 63, padaria.
    CASA DA FORTH
    AOS 4:000#000.
    BILOETES GARANTIDOS.
    1' rua Prwttetro de Marfo (oulr'ora rua d
    Crespo) n. 23 e casas do costume.
    Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido?
    la 16* parte da loteria a benericio d.i Santa Csisa
    da Jlisericordia do Recife (7o"), quo sc extrahira
    n.i s/jsta-feira, 21 do corrente mez.
    pre;os
    Bilhete inlciro i*000
    Meiobilheto 2^000
    EM ['OhtjAOUE 100^000 PAliA ("-1MA.
    Bilhete intoiro 3*otlO
    Meio bilhete 1*75(1
    __^_____________Manoel Martins Fittta
    Kegente.
    No largo do Carmo n. I, precisa-se de uma tmi-
    lher idosa, portugueza, seria e de boss costumes,
    para regente de uma cua de hoinem solteiro ;
    paga-se bem.
    Desappareceu na tarde de honlem 16 do
    corrente, da raa do Bartbolomeu, uma mulher de
    mei* idade, de nome Anna Joaquina do Espirito
    Santo, em estado de alienacao mental i quern a
    encontrar, por caridade a queira levar a casa n
    51 da mesma rua.
    Aluga-se oma casa terrea na rua Velha n.
    66, com 4 quartos, cozinha tora, bom quintal e
    cacimba, rebocada e caiada : quern a pretender,
    dirija-se a rua do Sebo n. 8, para ver a cnave.
    Precisa se de nm feitor : a tratar na travessa
    da Madre de Deos n. 10, Recife.
    Casa de penhores
    LEILAO
    No dia 24 do corrente se fara leilao, por inter-
    vencao do agente Martins, dos penhores constan-
    tes das cautellas abaixo declaradas. Os donos das
    cautelLis podem resgata-las e reforma-las ate o
    acto do leilao, na travessa das Cruxes a. 2.
    Ns. $38, 1045, 1053, 1064, H"3, 1162. 1220,
    1231, 1268, 1283, 1420, 1435, 1456,1485, 1500,
    1502, 1503, 1528, 1540, 1565, 1583, 1604, 1616,
    1638, 16.6, 1659, 1673, 1685, 1709, 1728. 1733,
    1735, 1739, 1743, 1748, 1773, 1784, 1791, 1803,
    1832, 1835, 1840, 1842. 1861, 1868, 1896, 1897,
    1913, 1923, 1936, 1987; 2007, 2010, 2031, 2044,
    2050, 2061, 2078, 2094, 2129, 2138, 2141, 2143,
    2144, 2165, 2177, 2184,2192, 2205,2207,2213,
    2219, 2221, 2229, 2231, 2232, 2249. 2254, 2261,
    2264, 2270, 2275, 2277. 2296, 2312, 2324, 2331,
    23i2, 2365, 2368, 2371, 2372, 2381, 2391, ^2396,
    2397, 2402, 2403, 2412, 2421, 2425, 2i28, 2432,
    2441, 2443, 2446, 2448. 2449, 2454, 2.fi6, 24C9,
    2474. 2476, 2477, 2478, 2481, 2.82, 2485, 2486,
    2487, 2495, 2498, 2499, 2502, 2503, 2509, 2513,
    2517, 2523, 2531, 2536,2554, 2557,2559, 2560,
    2567. 2570. 2571, 2580, 2585, 2595, 2598, 2600.
    Cautellas B. Ns. 10 B, 25, 29. 40, 53, 64, 87,
    91, 142, 159, 170,171. 194,208, 212,220,222,
    223, 227, 233, 234, 273, 335, 371, 375, 417, 454,
    477, 499, 504, 515, 547, 569, 577, 581. 584, 585,
    590, 592, 620, 633,651,657,665,687,692,707,
    728, 739, 74<, 742, 745, 746, 748, 751, 752, 759,
    760, 761, 765, 767, 769, 771, 781, 785, 790, 802,
    806, 8u7, 810, 812,815 817, 822, 823, 826, 839.
    840, 842, 856, 864, 882, 886, 888, 889, 892, 897.

    Atrl$ '.
    - Precisa se de uma escravi para cozinhar
    e comprar : na rua Primeiro de Marco n. 23
    loja. ____ ^^^
    GsammBammmmuMmmmmmm-
    0 Dr. Francisco Goncalves de Morae: e capitao
    Antonio Goncalves de Moraes convidam de novo
    aos sens parentes e amigos para assistirera no
    setirao dia (iO do corrente mez), as 6 horas da
    manha, quiota-ftira, no convento do Carmo, as
    nussas que so tcm de celebrar pela alma de sua
    finada e presada mai D Joanna Maria dos Santos
    Moraes. Assim como aproveitam a opportuoidade
    para cordialmente agradecerem as pessoas que se
    dignaram comparecer nao so ao sen enterro como
    as que tiverem de assistir as referidas missas.
    LEILAO
    DO
    sobrado de azuD'jo da rua do Bom Jesus a.
    26, dc 2 aivliins e soldo, cdiGcado em
    chaos proprios, ha 3 arums
    QUINTA-FEIRA 20 DO CORRENTE
    Ao nteio dia.
    0'asnte Pinto Ievara de novo. e pela nltiraa vez
    a leilao, servmdo de base a otferta de 3.0(i04, o
    predio scima mpncionaJo, sendo qne n'aquellal
    Missa funebre
    LuizGomfs Hezerra, sua mulher e filhos agra-
    decera do iutimo de sua alma a aquella* pessoas
    que se dignaram acompanhar os restos raortaes
    de seu semprc lembrado filho JoseB zerra Pessoa;
    e de novo pcdem-lhes a caridoso obsequio de as-
    sislirem a alaumas missas que se devem celebrar
    pelo repouso eterno do iiuado, no dia 20 do cor-
    rente, as 6 horas da manha, n convento de S.
    Francisco, pelo quo so confessam eternamente
    gratos.
    D. ;daria Jorge Pei eira do Hego, convida os
    seus parentes, os amigos e collegas de seu sem-
    pro chorado esposo, Dr. Jacmlho Pereira do Re-
    go, para eavfrera mais uma missa que por sua
    alma pretende later celebrar, na igreja do con-
    vento do Carmo, no dia 19 do corrente, trigesimo
    primeiro do sen passamenso, pelas 7 horas da ma-
    nha.
    -*sTHt r^ I, irar-in^*i
    >^{) Jnao Francisco Soares
    (Zongue) e scus filhos agra-
    lecem derde ja do iotimo
    d'alma a aquellas pessoas
    que se dignarein assistir a
    missa de sua -empre cho-
    rada osposa Francisca Ma-
    ria de r-aula, ao dia 23 do eurrento mez, selimo
    dia do seu pissamento. na povoacao do Caxauga,
    as 7 l|2 horas da manha.
    a11 an iiarniaaasaMaaaaaaaaaaaaasaaaaBspi
    Antonio de Azevedo Viila-
    rouco.
    A junta ailministrativa do Hospital Porliiguez
    dellenjlicncii, inanda celebrar na quinta-feira
    20 do corrente mez, as 7 horas da manha no ora
    t-rio do mesmo hospital, uma missa pelo eternj
    rupouzo da alma do bomfeitor Antonio de Aze
    veoo Villarouco.
    Sao convidados para assistir a esse ?cto de ra-
    ligiao us s icios do meaciooado hospital, os pa-
    reutes e amigos do finado, anlecipando-lhes a juu-
    ta os votes ue sua iuttira gratidao.
    Sacreteria do Hospital P.irtuguez de Bcn cia em Pernambuco, :8 de novembro do 1873.
    Luiz Duprat,
    L* secretario.
    Cozinheiro
    Precisa-se de um cozinheiro para casa de pou-
    ca familia : a tratar no armazem n. 25 da traves
    sa do Corpo Santo.____________________________
    Escravo fugido
    300)?000 de gratificacao
    Au>entou-se desde o dia 13 de raaio de 1872 o
    preto de nome Alfredo, representa ter de 30 a 40
    annos de idade, e perfeito cozinheiro, alto bastante,
    e bem magro, pouca barba, olhos grandes, 6 muito
    ladino, consta que tern pai no engenho do Sr. Lulii
    de Caiara, em S. Lourenco da Malta. Este preto
    foi cozinheiro dos negociantes Adriano A Castro e
    Sr. Jose Joaquim Goncalves Bastos, e julga-se
    que esteja alugado em algum hotel ou casa parti-
    cular nesta cidade, como forro : pede-se a todas
    as autoridades e capities de campo, que o desco-
    brindo, o tragam a rua Duque dd Caxias n. 91, loja
    de miudezas do rival sem segundo, que serao gra-
    tincados com a quantia acima.
    SAQUES
    Carvalho & Nogueira, na rua do Apollo
    n. 40, accam sobre o Ranco Commercial
    de Vianna e suas agencias cm todas as ci-
    dadfs e villas de Portugal, a vista e a prazo
    por todos os paquotes.
    Garanhuns.
    Na rua do Barao' da Victoria n. 36, precisa-se
    allar aos Srs. Pedro do Bego Chaves Poixoto e
    ose Paes da Silva, a negocio de particular inte-
    Na Magdalena, travessa do
    Luca
    Aluga-se um bom sitio com grande casa rcedi-
    ficada de novo, que accommoda grande familia,
    tern quartos para escravos e cocheira. duas gran
    des baixas de capim, diversos arvoredos Iructife-
    r-.is e 50 pCs de coqueiros : quern o dito sitio pre-
    tender dirija se a Passagem da Magdalera, taverna
    de Manoel da Cunha Brandao, qne achara com
    quem tratar.
    Ao publico.
    Avisamos que, sob pretexto ou condicao alguma,
    se faca negoci" com Manoel Iguacio e Salvador de
    Siqueira Cavalcante, tendente aos bens do casal
    do finado mojor Salvador dos Santos Monteiro Ca
    valcante, por quanto ditos bens se acham geral
    mente empenbados por dous inslrumentos publicos
    de hypotheca, montantes a 79:0(iO000, tendo-se
    precedido a sequestro por nm desles litulos na
    maior parte dos bens daquelle casal por inandado
    do Dr. juiz municipal da Escada, os quaes f ram
    depositados, na forma da lei, em poder de pessoa
    de reconhecida idoneidade, como tudo pode ser
    visto no cart>>rio do escrivao daquella localidade,
    Jo;io Damasceno e Silva.
    Outro sim, protesta-se desde ja contra a veuda
    do escravo Henrique, que sendo dos bens dc que
    se trata, nao podia ser vendido, como consta que o
    fora, a um senhor do engenho Caxoeira pelo mes-
    mo Salvador ou Manoel Ignacio em nome da viuva
    que, nao sabendo ler nem escrever, tudo praticam
    em seu nome.
    Recife, 16 de novembro de 1873.
    Um das credores hypolhecarios.
    VV:
    Manoel Jozino do Carmo Souza
    agradece cordialmente a todos os
    sens amigos e parentes de terem
    acompanhado ate ao comiterio pu-
    blico, sua mulher Paula Maiia da
    Annunciacao e de.de ja eenvida a
    todos para assislirem a missa que
    tera lugar no dia 22 do corrente as 5 horas da
    manha na igreja da Penha
    tmr~
    adode
    0 abaixo assignado deciara que nesta data
    indo ao coneio e vendo seu nome na lista, pedia
    a carta, e sendo Ihe eotregue. dita carta continha
    urns omhociineiUos; a nao pertence ao mesmo
    Sr.; sendo tst'outro de nome isaal : rogi a quem
    competir quo a procure rua Dumingos Jos6
    Martiis n. 42, I." andar. das 6 as 8 da noite.
    Mdnoel da G'sta Lima.
    - 0 capitao da barca sueca Margmttt, nao
    *e respni^abilisa.por despeza alguma feita pela
    sua tripolacio.
    Recife, 18 de novembro de 1873.
    Herm Lundzcan.
    Na rua da Madre de Deus n. 3, bolici in-
    gleza, p:eci co para pe^uena familia.
    Aviso.
    No hotel do becco do Sarapatel n. 1, fomcce-se
    almoco, jantar _e ceia, por 30* mensaes, com as-
    seio e promptidao.
    Fructuoso M. G, antigo importadur e sxpor-
    tador de cesta* e balaios, acaba de receher da
    Europa um esplendido sortimento dessas obras,
    no deposito de pao e cestis da rua larg do Rosa-
    rio. Acha-se pois este munido a bem servir os
    habitantes desta cidade, e fazer remessas aos seus
    freguez.s de oulras proviucias : expres festo, bercos volantes para rescem-nastidos, ba-
    laios quo de prompto facilitam as criancas apron
    derem a andar, acafatesem collecgoes do maior ao
    menor, condeca* altas nas mesmas condicdes, ditas
    para acondicionar vostidos do passar dias no cam
    po. bandeijas grandes para roupa eugommada,
    baliios cobertos e descubertos para nrllcs botar-se
    tudo <|ue queiram presentear de festas, salva- com
    pe para por-se o pao e fructas na mesa, pratinhos
    de viii,e para massas torradas o brinquedos de
    meninos.ceslinhas para meninas de cscola, mara-
    cas, bolsinha para ninhos de pa saros, ja ros e ba
    laios para ajuntar se o papel rasgado nos escrip
    torios, balaios para talheres de mesa, gigos gran
    des de vime para ter o pao na padaria, roupeiros
    para depo-ito do roupa -ervida de I a 12 pessoa-,
    cestas de vime e madeira felpuda para compras de
    came, canastras, pauaeds para conduccao do ob-
    jectos pesados, capachos curtos e redondos, pao de
    excellente farinha de trjgo, bdlachas e massas do
    araruta, torradas, tudo cedemos a precos modicos.
    Aluga-se nesta povoacao uma boa casa, pintada
    de novo, com mobilia de jacaranda na sala da
    frente, quintal murado e portao que se ivmmuni-
    caparaorio: a tratar no largo do Corpo Santo
    n. 4,1* andar._________________________________
    Casa de penhores
    Previoe-sa ao dono deste estrbelecimento que
    nao aceite de pessoa alguma, ditTerente de sea
    dono. a cautela a 3329, por ter sido perdida.
    t>^!
    AO ARMAZEM
    r-to
    VAPOR FRANCEZ
    RUA DO BARAO DA VICTORIA
    tf. TOutr'ora NovaN. 1
    irauecz.
    Precisa-se de um taixelro qae ten ha prattca
    de taverna, que seja brasileiro, de 12 a 14 annos:
    na rua de Domingos Theotonio n. 2. ____________
    - A pessoa em poder da qual se acharetn uns
    antes de executivo de Jose Antonio Teixeira Bas-
    tos contra C. L. Cambrone, queira ter a bondadc
    de entrega-los ao advogado Jo.-e Maximiano Alves
    Cavalcante, no seu escriptorio a rua do Crespo n.
    12, de quera recebera uma gratificacao.
    Aluga-se o I* andar da casa da rua da Im-
    peratriz n. 24, a quem pagar algumas bemfeito-
    rias : a tratar na thesourana das loterias.
    Aluga-se a casa n. 77 da rua de S Joao : a
    tratar na rua Duque de Caxias n. 44, ou na rua
    do Mangel n. 41, 2 andar.
    Vende-se de prefcrencia, ou arrenda-se o
    engenho S Gaspar, sito aa freguezia de Serinhaem,
    com bons partidos de canna, de paul e massape a
    roda da moenda, muito perto do embarque, e
    com outras proporcoes desejaveis em taes pro-
    priedades. Dao-se alguns annos de fogo morto:
    a tratar a rua da Aurora n. 65.
    Agencia de leiloes.
    RUA DO MARQUEZ DE OLINDA N. 37, 1 ANDAR.
    0 abaixo assignado tem a honra de scientiticar
    ao respeitavel pnbhco, com especialidade ao corpo
    commercial desta praca, qae acaba de ser nomea-
    do agente de leiloes, em cujo exercicio, promctte,
    se esforcara para bem merecer a confianca de to-
    das aquellas pessoas que se dignarem honra-lo,
    encarregando-lne de nogooios tendentes a saa
    profissao.
    Desde ja o abaixo assignado autecipa m seus
    agradecimentos para com aquelles que o procur: -
    rein : o que poderao fa'.er dirigindo-so .4 rna do
    Marquez de Olinda n. 37, 1 andar.
    Recifo, 7 de novembro dc 1873
    Jor.guim Dias dos Santos.
    Preci&a-se de mu cozinheiro : na rua da
    Aurora n. 59.
    Casas para alugar para a fes
    ta ou por anno
    Um sobrado no Poco da Panella, na rna do Rio
    n. 5, com 4 Silas, 5 quartos, saieta, cozinha fora e
    quintal murado.
    Uma boa casa terrea nova com cocheira, estri-
    baria pequeno sitio, a tnargem do rio, n. 35 da
    mesma raa.
    Uma casa pequeua. porem com bons commodos
    na travessa da Cruz das Almas ao pe da casa ver-
    nielha n. 2. Todas a tratar com o commendadoj
    Tasso.
    CASA DO OURO
    Aos 4:OOrOOO
    Bilhetes garantidos
    AUa do Barao da Victoria (outr'ora Nova
    n. 63, c casa- do costume.
    0 abaixo assignado acaba de vender nas seuu
    nuito felizes bilhetes a sorte de 4:000j'K)0 em
    bilhete inteiro de n. 482. e nm bilhete inlciro de
    n. 1939 com a sorte de 700*000, alem de outras
    sortes menores de 404000 e 205000 da loteria que
    se acabou de extrahir (74*); e convida aos pos-
    suidores avirem receber, que promptamente serai
    pagos na fdrma do costume.
    0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
    vel publico para vir ao seu estabelecimento com
    prar os muito felizes bilbetes.que nao deixarao de
    tirar qualquer remio, como prova pelos mesracj
    annuncios.
    Acham-se a venda os muito feli-es bilhetes ga-
    "antido.s da 16* |>arte da loteria a beneficio da
    santa casa da misericordia, que se extrahira no
    dia 21 do corrente mez.
    I*re*s
    luteiro 'i000
    Veio 2*000
    U tOO^OOO para vliiiu.
    Inteiro 3*500
    Meio 1*750
    Recife, Id de Bivenibro de 1873.
    Joan Joaquim da Costa IjeiU.
    AVISO
    \tteii(;ao.
    L
    Na rua estreita do Rosario prep.iram-se ban-
    deijas com holinbos tin is de todas as qualidades,
    com bouquets, muito bem ornadas, tudo com as-
    seio e presteza, e por baaalo preco, para casamen-
    tos e bailes ; riordam se titas a ouro c preparam-
    se bouquets de cravos naturaos com fitas borda-
    das a ouro, por barato preco, sendo a encomraon
    da feita seis dias antes. Na mesma casa prepa-
    rain-se, como sempre, bouquets, capellas, diade-
    mas, coroas dc ouro e de louro para os influentes
    de presepes, tudo de muito gusto e barato ; lindos
    bou piets arlifleiaes de dhalias, rosas, cravos, de
    (lores Je cera, de panno e papel para olfertas as
    pasloras, para o theatro, etc., tudo se actiara sem-
    pre prompto. e por preco coimnodo.
    PrecKi-se do um peri to forneiro : na raa
    da Guia n. 54.
    0 administrador da mass a falli la de Rostoon
    Rooker & (', em observancia do qne foi determi
    nadu pelo Sr. Dr. juiz do commercio o de confor-
    midade cun a aniiueucia dos credores, faz publico
    qne vai ser posto a venda por leilao, os direitos
    que a roa>sa te n s bre os t'-rrenos de marinha o
    o sitio da Torre, cujos direitos dos terrenes sao o
    d.niDio o posse que tem na metade dos ditos t' r
    renos, sito* > caes do Ramos e no sitio da Torre,
    em coanequencia do julgado pelo Sr. juiz dos fei-
    tos da fazeoda desta cidade, jnlgsdo qne ptnde por
    aiqjellacAo.
    a autoridale competente para que lance suas vis-
    tas naquellas tavernas da rua de Paysandti e Cho-
    ra-iii.'ii n i. que nao se contentando em vender das
    6 as 2 da tarde, nos domingos, ainda vendein pelas
    rotulas, das 2 horas etn Oi.inte.________________
    Engommadeira
    Precisa-se de uma perita engommadeira : a tra-
    tar na rua do Bom Jesus, outr'ora rua da Cruz n.
    53,2 andar. _____ _____^^
    No bocco do Padre n. 28. precisa-se de um
    criado livre ou escravo, 1e 14 ou 16 anuos de
    dade.________________________________________
    No i" andar da rua do linpera tor n. 38, pre
    cha-se Jo um bom cozinheiro e um copeiro, que
    affiance spa eondncta.
    O balanciador
    Jeronymo Jose da Costa, mais antigo desta pro-
    vincia, pode ser procundo no pateo do Carmo n.
    13, venda, que se lho dira aonde esta trabalbando,
    ou sua moradia.
    0 Consultorio homeopa- 0
    & thico


    Do Dr. Santos Mello
    41------Rna do Impera 'or------41 i
    ^ Coasu!tas todos os dias das 11 a 1 da 2
    W tarde. 0
    gi Gratis aos pobres.
    Residencia a rua Nova n. 7, segundo g
    andar, oude da consultas das 6 as 9 da
    9f
    Mf manha e das 3 as 5 da tarde.
    *|5 Chamados a qualquer hora.
    8
    Ao commercio
    Os abaixo assipnadss fazem pnblico qne nsta
    data dissolveram a sociedade que tinham na ta-
    verna sita a travessa dos Martyrios n. 8, que gy-
    rava sob a tirma de Pereira & Cunha, ficando
    com o activo e passivo o socio Cunha, e Franci-co
    Alves Moreira e Porcira pago e salisfeito de seu
    capital e lucros, e desonerado de toda e qualquer
    responsabilidaae. Re:ii"e. il de novembro de 1873.
    Diniz Dias Pereiia.
    Jose da Cunba.
    Para h
    BOTINAS de bezerro, cordavao, peHica, loslra
    de duraque com biqueira, dos melaocw
    fabricantes.
    SAPATOES de be erro, de cordavao o de csts-
    mira.
    SaPATOS de lustre com salto.
    SAPATOES atamancados com sola de pao,. pro-
    prios para banbos, sitios e jarains.
    SAPATOS de tapete, chariot, castor e da traica
    francezes e portuguezes.
    Para eahora.
    BOTINAS prctas, brancas e de cores differeaiea,
    lisas, enfeitadas e bordadas.
    5APAT1MIOS de phantasia com salto, brancos,
    prctos e de cores differentes, bordades.
    SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca.
    Para mealnas.
    BOTINAS pretas, brancas e de cores differeatea.
    lisas, enfeitadas e bordadas.
    ABOTINADOS de diversas qualidades.
    SAPATOS de (ranca portuguezes.
    Para meninos.
    BOTINaS de bezerro, lustre e de cordavao.
    ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de diversas
    qualidades.
    SAPATOS de tranea francezes e portuguezes.
    Botas de montaria.
    Fotas a Napoleao e a GuiuVrme, perneiras
    meias perneiras para homen e meias perneira*
    para meninos.
    No armazem do vapor franco', a rua do Barao
    da Victoria n. 7.
    Mobilia de vimes.
    Cadeiras de balanco, de braco, de guernicoes,
    sofas, jardineiras, mezas, conversadeiras e cos>a-
    reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
    levos. e >s mais proprios moveis para saletas ega-
    binctes de recreios.
    No armazem do vapor francez, a raa do Barao
    da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
    PIANOS.
    Acabam dc chegar muito bons pianos forte) e
    de elegantes modelos, dos mais notaveis a bem
    conhecidos fabricantes ; como sejam : Alpbonse
    Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff AC: no
    vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou-
    tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
    Perfumarias.
    Finos extraclos, banhas, oleos, opiata e pos den-
    trifice, agua de llor de laranja, agua de toilete,
    divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
    cos neticos, muitos artigos delicados em perfutaa-
    ria para presents com frascos de extractos, cai-
    xinhas sortidas e garrafas de differentes tania-
    nhos d'agua de cologne, tudo de primeira quali-
    dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Cou-
    drav.
    No armazem do vapor francez, a rua do Barao
    da Victori?, outr'ora Nova n. 7.
    Quinquilharias.
    Artigos do differentes gostos e
    phantazias.
    Espelhos dourados para salas e gabinetes.
    Leques para senhoras e para meninas.
    Luvas de Jouvin, de fio de Escocia e de camurca.
    Caixinhas de costura oroada com musica.
    Albuns e quadrinbos para retratos.
    Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
    Diversas obras de ouro bora de lei garantido.
    Correntes de plaque* muito bonilas para rek>-
    gios.
    Brincos a imitacao e botoes de punhos de pla-
    qu6
    Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de ct>u-
    rinho de cores.
    Novos objectos de phantazia para cima de mssa
    e toilette.
    Pincinez de cores, de prata dourado, de acn e
    de tartaruga.
    Oculos de a?n tlno e de todas as gnarnicoes.
    Bengaias de luxo. canna. com casttios de mar-
    o*a.
    Jenga I las diversas tm grande sortimento para
    homens e meninos.
    Chicotinhos de baleia e de muitas qualidades
    diversas.
    Esporas dc tarraeha para saltos de botas.
    Ponteiras de espuma para charutos e cigarrcs.
    Pentes de tartaruga para despmbaracar e para
    barba.
    Ditos do marlim muito finos, para limpar '.'a-
    beca.
    Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den-
    ies.
    Carteirinhas de raedr.perola para dinreiro.
    Gravatas brancas e de seda preta para homea**
    e meninos.
    Campainhas de mola para ch mar criados.
    Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
    mino e outros muitos differentes joguinhos allo-
    m5es e francezes.
    Malas, hoi., as e s^cos dc viagem de mar e ca-
    minhos de ferro.
    Argolinhas de marfim para as crianras morde-
    rem.Dom para os denies.
    Bercos de vimes para emhalar criancas.
    Cestinhas de times para braco de meninas.
    Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
    criancas.
    Venesianas transparentes para portas e janellas
    Reverberos transparentes para candieiros de
    gaz.
    Estereoscopos e cosmoramas com escolhidas
    vistas. j '
    ^antnrnas magicas com ricas vistas de cores em
    vidros.
    Vidros avulsos para cosmorama.
    Slobos de papel de cores para illumina^oes de
    festas.
    Baloes aereostaticos de papel de seda mui facil
    de subir.
    Machinas de varios systemas para cafe.
    Espauadores de pallia e de pennas
    Tosourinhas e ranivctes linos.
    Tapetes com vidrhhos para mangas e lantemas.
    Tinteiros de l"in;a branca, modelo bonito e bora.
    Tiras de molduras douradas e pratas para
    quadros.
    Quadros-ja promptos com paysagens e p^anta-
    na.
    Estampas avulsas de santos, paysagens e phan-
    tazias.
    Objectos de magicas para divertimentos era fa-
    milia.
    Realejos pequenos de veio com liadas pecas.
    Realejos i annonicos ou accordions de todos oe
    araanhos, e outros muitos artigos de quinquilha-
    rias difuceis de meucionar-se. No armazem do
    vapor francez, rua du Barao da Victoria, outr'ora
    Nova n. 7.
    Medidas de 40 a 100 metros.pes e pahios para
    medir terrenos.
    Brinquedos para meninos.
    A mamr- variedade que se pode desejarde todos
    os brinquedos fabricados cm differentes partes
    da Europa para eutre'enimento das criancas tudo
    a pre os mais resumidos que e possivel: np ar-
    mazem do vapor franeez, rua do Barao-da Vic-
    oria, outr'ora rua Nova n. 7.
    Ceslinbas para coslnra
    Grande sortimento de bonltos modekts chegados
    ao armazem do vipor francez, cua do Ba-lo da
    Victoria (outr'ora Nova) n 7.
    Precisa-se Je um criado que entonda de copeiPO
    e faija a mais servico de casa de familia, dandd
    fiador 4 sua eondncta: na rua da Liipuratriz a.
    37. andir.
    j mm. i
    MaBaaWaa*^

    * w
    f


    .*.'
    ! /

    1
    aRua do Marquez de Olinda 56 a
    (oulr'cra rna da Cadeia)
    LOJA DE MACHINAS
    Sendo este antigo estabelecimento assaz conhecido como principal c recommen-
    dado polos grandes depositos e bons sortimentos com quo sempro prima em ter das
    melbores, mais acreditadas e verdndeiras machinas americanas para algo-
    rf desde 10 i 60 aerru, e havendo em todos os tamanhos diversidades de syste-
    e rnelhoramentos para perfeito e rapido descarocamento ; tornam-se dignas de
    ereni vistas e apreciadas pelos Srs. agncultores; os quaes, alem disto, encontrario
    tambem mais
    Apurados vapores locomoveis, deforca
    de 2'/ e 37 cavallos com todos pertancAS
    precisos para trabaiharem 4 machinas para
    algodao, ou para outro qualquer mister.
    Machinas para lavar roupa.
    \rados americanos para varzea e ladei-
    ra.
    Garros de mao para atterros.
    Tinas de madeiras.
    Baliics de dita.
    Ditos de ferro estanhado.
    Ditos com valvula para lavatorios.
    Ditos de madeira para compras.
    Apparelhos para jardins.
    Gti ards-com idas.
    Tarn pas para cobrir pratos.
    Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
    Dita dita ditos de madeiras.
    Ternos de bandeijas finas.
    Correntes para arrastar madeira.
    Cylindros americanos para padarias.
    Pertencas avulsos para machinas.
    Salitre refmado.
    Breu superior.
    Moinhos de diversos fabricantes para mi-
    lho e cafe.
    Debulhadores para milho.
    Azaite do spermacete para machinas.
    Camas de ferro.
    Bombas de Japy.
    Dims araericanas.
    Cofres de ferro patente.
    Cannos de ferro esmaltados.
    Ditos de dito estanhado.
    Ditos de chumbo.
    Ditos de borracha,
    Folles para ferreiros.
    Trens para cozinha.
    Emfim muitos ontros artigos, qoe sdavista e neste cstabeleomoderaoentp s i
    examinados.
    Precisa-se de tuna ama para cozinbar
    o comprar jara ponca familia : a irataf
    na roa Jo Imperador n. 3.1. _\
    Pn-.i-a s-e
    r. ; nh;ir : ;t iraU
    i.c il:i;iv/ II. I, loja.
    MM

    I
    Diario de Pernambuco Quanta feu* 19 de Novembio de 1873.
    PnA&tte dc nma au:a pa-
    ra Iratar de ( riatxras : la rua
    de Paysandn ii. '. Diora-Me-
    niuo.
    Mia ama qne >*>\) j
    r u:< iu.. Pr&i.eirf
    PUNDICAO
    RDADO
    DO BOWMAN!
    N. 52
    Prccisa-se de nma ama para torn-
    prar e cozinhar para duas pessaas :
    r.a rua da Seruala-nuva n ?*3.
    ~ Precisa so de nma area qiie s*
    cminhar c cngoiiun.tr preferc-**
    escravn : a iraur na rua do Mar-
    quez de Olinda, sobrado n. 34, se-
    gundo andar.
    m Precisa se de uma ama que coropre e
    cozinhe para casa de pouca familia : a
    tratar narna atraz da matriz de Santo Antonio n.
    18, 2- andar.___________________________
    i i r i Precisa-se de uma para eoxinbar
    \ W A para casa de pouca familia; a tratar
    f\ VI r\ rna dg Hojpleio n. 48, casa terrea
    L Y11X1 A. ,,(, tem bolas amarellas na cor
    Na rua da Alegria n. 40 precUa-se para
    andar com nma nienina, nma ama de
    conducla afflancada.______________
    "^-Precisa-se de nma ama para cozinhar: na rna
    Direita n. 10 refiuacio.
    Precisa-se de uma ama de idade qne sirva
    para cozinhar, comprar e fazer algum ensaboado
    para uma pessoa so : na rua das Trainchciras
    n. 10.
    Ama de leite.
    Quem prf cisar de uma ama de leite nas melbo
    res condicdes : dirija-se a rna do Duque de Ca-
    gias n. 2a, loja, quo chara com quem tratar.
    Escravos fugidos
    Maria, cabra, moca, bem parecida, ladina, de
    boa altura e corpo correspondente, tem os bracos
    Siiniados com tinta encravada de janipabo, em
    orma de coracao e o nome del la, natural do Cea-
    ra, e cozinheira, sendo sua occupacao actual de
    enchada ; e>ta escrava costnma embriagarse e
    neste estado e alrevida, e fuse constantemente
    para o Recife e seus arrabaldes, aonde a mnito
    conhecida, estando desta vez ansente desde 5 do
    corrente.
    Felippa, negra, cabra, ja idosa, cozinheira, alta
    e sccca, foi escrava da viuva do fallecido Jacin-
    tho Botelho, tem um filho escravo do Sr. Jose
    Antao de Snaza Magalhaes, que andava fugido,
    e qne veio seduzir a mat" para acompanha-lo ;
    esta ausente desde o dia 6 do corrente.
    Roga-se a pulicia e capitaes de campo a cap-
    tnra das mesmas escravas qne sao do engenho
    Sapucaia de Beberibe.
    Podendo todos
    Mr movidos a mio
    por ago*, vapor,
    on aniroaes.
    e pecas de qne te cottoma precisar.
    de machiaismo, a preco mui rssomido.
    ITTiipi
    ANTONIO jpst DE AZEVEDO.
    Rua Nova n. 11.
    PIANOS.
    JP Querendo definitivamonte liqnidar este negocio, vende todos os que tem, novose
    usados, pelo prec,o do custo de tactura.
    Tambem acaba de receber o seguinte:
    OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desonhos de 11 a 33 palmos
    de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala por grande que
    seja com oleado inteiro.
    MAGNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
    ANNEIS electrieos para curar dores de cabeca. nevralgias e nervoso.
    MUITU lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
    fiRAMlOS para segurar roupa estendida nas corJas, a 200 rs. a duzia.
    TALAGAB.CA e papel picado para bordarcom la ou sc-da.
    VERDADE1RA agua de colonia em garrafas empalhadas.
    E muitos outros artigos, e por muito barato pre?o.
    II
    !
    HESPE
    P6de obier em ponco tempo com o oso do malhor dos licoreaa affamada
    lift 1> /A.
    yac oilo anoos que e conbecido este precio&o tonico, e e difficil acasr nma paMii
    nae, tendo experimentado pesaoahnente, nao faile em sen lavor, ji como bom eatomao
    e apetisador, tomando nm calix della antes de jantar, on cou?o fscilitador da diRefta.
    tQDMtlCO-Q dtpOM.
    A BASE
    da HESPERWINA 6 a LARANJA AMARGA, Bio ba um s6 habitaDte do BRAS1L (a terr.
    especial das laraDJas) qoe nac coDheca as propriedades roedicinaes da don-ada frocu
    ora be, *
    NOVAS PUBLICAGOES MUSICAES.
    A. J. d'AsevedoRua Nova n. 11.
    Acabam de publicar-se, e acbam-se i
    venda as seguinlbs musicas :
    PIANO^O'.
    Danseespanhola, porAscher 2J6O00
    Arabella, mazurka, por G. Wer-
    theimer 1JJ500
    Valsa do Fausto, por f.royzes 1JJO00
    Sonho de uma virgem, por Alber-
    tfftzi 15000
    Anna la Prie, cavatina 15J000
    AoClair de la Lune, por Bussmeyor 1550O
    ESTRELLA DO NORTE p ,fc fa ah fo mQQ
    Saudaqao ao Bahia I
    Cricket, por Seixas, offerecida aos
    chrickets club pernambucano e
    bahiano 1^000
    PIANO E CANTO.
    Desesi'EI.o, muito lindo romance
    por I. Smoltz 2*000
    Non m'amava, romance por Guercia 1000
    Tambem reccleu da Europa grande sor-
    menide musioa para piano, piano e
    antoudos, methodos, e,tc. etc.
    (rjLssahdo ?> i^afam)
    PEDE.M AOS aaiib-jrwi de eagiubo e ontfos *gnculiorta. eeuiprt-^o'J >*r w
    amhuno o favor de etna viaiu a sea e8tabelecim<'Bb>, para ver/m o uv*n fiiitinienti
    HBpleti qoe ahi tem; matki todo auperic-r em onalidade e tortidaj; > qne i-.u a m
    cclo peaM ESPECIAL ATTENCAO AO NUMEROE LUGAR DE SUA FUNDICAO
    7nnnrAa m rnri aa d'acrnA d0fl m,i8 mo1erDo systemas e em u
    vapurOB O rUUOS U agua maDboa convenieDtea para aa diversa*
    vcoutaociaa doe leohorei proprietarios e para deecarocar algodio.
    tfoendas de canna i! *uoaanh08' a8^elbore, *"* a<01
    aodas dentadas para aDifnae,: ag"e'aPr'
    raixas de ferro fundido, batido e de eobre.
    ilambiqnes e fandos de alambiqnes.
    HffoAhittiamrMi Para mandioca e algodio,
    ILttUlUDlSmOB t p,r, tm m,deira.
    rSODlDaS ue paieote. garaolidat........
    Todas as machinas
    Fas qualquer concerto
    (farm A A lift ftkWn tem M me!DOre' rai'* Daralas existentea no mer-
    fl'rJonmmonrlQfl locumbe-ee de mandar vir qualquer machinismo a voo-
    SUvUlllIIlOUUaD* ;je doa clientea, IerobraDdo-lhea a vantagem de fazerem
    iom comprai por intermedio de pessoa entendida, e qoe em qaalqoer Deccssidade podi-
    bee preeUr aoxilio.
    irados americanos e tallrol,8ll* ,*ricolM
    RUA DO BRUM N. 52
    PASSANDO O CHAFARIZ
    FUNDICAO DE FERRO
    A' rna do BarSo do Trimnpho (rna do Brnin) ns. 100 a 104
    CARDOSO it IRMAO
    RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para en-
    genhos, as mais modernas e molhorobra que tem vindo no mercSdo.
    VapOreS de forca de 4, 6,8 e 10 cavallos.
    Ca.ldeiraS de sobresalente para vapores.
    MoendaS mteiraS e meias moendas, obra como aunca aqoi veto.
    TaixaS ifillldidaS e batidas, dos raelhores fabricantes.
    EtodaS d'agUa com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
    RodaS dentadaS de todos os tamanhos e quaKdades.
    RelogiOS e apitOS para vapores.
    BombaS de ferro, de repucho.
    AradOS de diversas qualidades.
    FormaS para aSSUCar grandea e psquenas.
    HonpprtnR concertam com promptidio quatquer obra ou machin, para
    wuwawD sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
    35
    m.
    ;::>-0 \'/.\'-- is. -J
    ::.i::^! :;;:tUr\ i
    diiihoiro >:obie
    nhorcs de onro,
    (a c hrilhantcs,
    qual for a quant
    Na mesma
    compra-.se os
    mos metnesepe
    Aluga-e um titia vm Rl- riln*, com ca?a pro-
    pri.i para familia, pern d<> daubo : a iralar na
    rna da Hailirio n. 'Mi.
    r
    Fara carr {eir< s.
    Aloga-w um t.rren> itmnuls na rua d* Sao-
    dade, que loin cijii palau.s do !ivnte e :i0 lie
    fuiidn, cum pequma .:?a e telhciro paraaai-
    maes, pn.piin para pbntaciVs : a tratar a rua
    Primciro do Marv B. t3, Uija.________
    - l?n nudar c a loja,
    Alii:<-.-c o liTceirn aiilar do prdlio a roa de
    Man-iii" Dia* n. 10. iiiiil- fresro, l*ila vista,
    excfllrnlfs cmni'ilo^, emu *nli>, e arli^a do
    nu'stvi", pro; ria pa. a 'pjal-iuer s!.i!ck<'i|p|mw :
    a tratar a rua h< U:;y.i-t hr n. 8'. T !. os pa-
    vim till'- IriH ::;..
    - Pugin mi ilia SU !' oi'Jru | r-iximi> pas
    fadn ih onjji-ii'i.i Arciiicpu i:p|>n<-zi.i ilo Ip-jnca,
    o mni o-rntvn Ip's.i^in, i;i u.< jii-i>;"~s s'gaintrt:
    cabra arvhnHaiKi: 20 an:i s >*a lad'-, attara
    corpo ri'?n'an^: rthM* prmi* > Tespos, higndc
    lino, muito ponca harlia r.a p->rita d" f|n<.'ij:o. tem
    Dill can i inho do ir.n Uli da ranclla por f6ra,
    n.ii lem unh.i- no pi'v. a i-\.vpc.ii ?c nni iwdo,
    tem no corpo n.:irci> .!: .iliir.-to, c :.o pd airaito
    um po.meno c !!.. falla man^a bai.\a, cara bo-
    zl^osa e iitbos lirannu.
    Dftu cent' mil ti&> dc griti!ii-.u;Sa a qaem
    irooxcr ao dito engctho.
    Areiul-:pe, t. do nev:i bro dt
    Man-v 1 Fel ppo
    o
    d- 5 m?a L' So Junior
    .i U >. *
    tJ
    wvAks.
    Aeham se a vou-la om l.la :\> ii.rarias nwp-
    t iiimresstis *ara man.,n! '* cvalhscon-
    d- 17 dt juuho
    pas liiipicssos ;jara mail a
    forme delene'iia a i pciviii
    de t873.
    1
    ,n;
    o
    lir. ft, J" e do Mwg'iiuhn. vi io !- .Qnst;
    Pnarto das Ncvrs, pr ~<'*s : 'liir
    de dons imvoIUw o >' al^nul -vrvivo ; i 0 -
    DIWUIO Mtio. .
    Aluga-sft
    o primeirn andar d.. -..!na.i...ia nu d) jine do
    Caxias Ii ii, pPM*w para s>Tip!orii>, o\ rapaz
    solteiro : a iratar b > UK>?in. luja.
    *
    a &
    I1 I-.
    8 $ "O g <
    2. _** 3
    i
    3
    I
    O
    RuadoBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
    * FUNDICAO DEC ARDOSO & IRMAO.________
    Fngio, ao amanhecer do dia 6 de ontubro Arrenda-sa a propriedade Barra de Seri-
    do corrente anno, do eneenho Paraizo, do termo nhSem, na fregnezia do mesmo neme, beira-mar
    do Rio Formoso, b mulato^CyrHo, de idade de 23 a e beira-rio, com bastantes coqueiroa a desfructar,
    % annos, escravo do padre Miguel Pcre* dc Aze- e rendas das terra a cobrar ; e cem
    em 160 Aavtdo natural tem om gosto pouco agradavel, e o Berilo da Hesperidina cod-
    iste em roter saaa boas propriedades, e ao ffiesmo tempo apresenta-la como
    EXaUISITO LICOR
    A HESPERIDINA como INOUSTRIA NACIU.WL nio tem nada qne iDvejar a.
    melbores importacoes enropeas de csthegorio semelbante. Estas, qoando muito, pndat
    er gostosas, porem a Resperidioa e a combinacao perfeita do
    AGRABAfEL SAIJDAVEL
    Para .prova de qne A am artigo no qnel pode-se ter iotcira confianca, por larpori
    innooeote* brsta dizer-ge qoe -fei plen;tmer4o ap;irov3da e autorisada pela
    Jijii 1 ut niultnt
    4)o Rio de ianeiro, pernattlindo sua livre elaberacao do impsno; ontra
    Arrenda sii a prupritdade Barra de Seri-
    nliaem, na Ireguecia do mesmo nome, b ira-mares
    beira-rio, com bastantes coqueiros a desfructar e
    rendas das terras a cobrar, e com as raelhores
    proporcoes possiveis para um grande e lucrativo
    estabelecimento de seccos e molhados ; alem de
    ser localidade muito salubre, abuadante em pei
    xe, fructas. etc. : a tratar a rua da Aurora n. 65.
    Precisa^e de 6 a 8 contos de reis a pre-
    mio, dando-se por garantia h* putneca em predios:
    quem quizur este negocio deixe carta neta_ ty
    pograpbia com as ioiriaes T. G., ou annuncie.
    0 i}i***ro vflhn total Hesperidina para ofeter
    VIGOR
    0 bonea dnentn torn* Heapondina para ohter
    SAUDE
    O horoera debit toma Hcsperidiua para obter
    BARTHOLOMEU et C"
    pharmaceuticoe premiados em diversas exposicoes
    ELIXIR SEDATIVO PEITORAL
    ANTI-ASTHMATIGO
    ESPECIALIDADE
    Joaquim Jose Gronqalves
    Beltrao & Filhos
    Teem para vender no sen escriptono a rua 4o
    Commercio n. 3, o seguiute :
    AGUARDENTE de cajii: eaixa de 12 garrafas.
    de laranja, idem idem,
    ARCOS de pao para barril.
    CAL de Lisboa, recentemente chegada.
    CHAPEOS de sol, para homera e senhora, tabc
    de marriiR e dsso.
    FE1XES de ferro, para porta.
    FIO de algodao da Bahia, da fabrica do cornmeu
    mendador Pedrozo.
    LINHA de roriz.
    OBRAS de pal' eta.
    PANNO de algodao da Bahia, da fabrica do mendador Pedrozo.
    RETROZ de lodao as qualidades, das fabricas 4t
    Peres e Eduardo Militao.
    ROLHAS proprias para botica.
    SALSAPARRILHA do Para.
    1 ELAS de cera de todos os tamanhos.
    VINHO engarrafado do Porto, carxas de IS gar-
    rafas.
    c dito Moscate do Donro, idem idem.
    dito Setnbal, raixas de I e 8 dnzias.
    da Italia engarrafado, raixas de 6 gar-
    rafas,
    de Collares superior, era anooretas.
    de cajii, caixas de 12 gar afas.
    Malvasia do Duuro, caixas com 13 gar-
    rafas.
    Carcavellos, idem idem.
    vedo Falcao.
    0 referido mulato e de estatura regular, c6r
    r(*fxa, cabellos preto?, nao soltos, porem nao mnito
    pegados, com estrada de liberdade, ja tem bujo
    de barba e ponca baiba no qneixo inferior, e bem
    parecido. sabe I6r,porem escreve mal, 6 muito fal-
    lante, bom montador em burros, trabalha de oleiro
    em for mas e e canhoto.
    Ao amanhecer do dia 9 do corrente (novembro)
    fngio do mesmo padre o escravo Themotheo, criou-
    I j, idade 26 annos, estatura regular, bera preto,
    pouca barba, denies limados : ha prababitidade
    de qne fugissem para a capital com o intento de
    assentar praca. Quem os apprehender sera b< m
    recompensado, e os podera entregar ao Sr. major
    Jose Antonio de Brito Bastos, no engenho do Meio
    da Matriz da Varzea ; e sendo preso em outro lu-
    gar fora da capital ou sens snburbins. sejam con- \
    duzidos para o refei ido engenho Paraizo, que se
    recompensara bem, d vendo ser conduzidos com
    toda a cautela, porque sao muito ardilosos, maxi-
    mc o mulato.
    AT MCAO
    l'reci?a-se alugar uma ama de meia idade, po
    roni que seja preta. aue nao tenha vicios nem
    achaques, e que affiance sua conducta, para com
    prar e cozinhar para uma familia de 3 pessoas
    a tratar na ciria.le d> Olinda, sitio do Amparo, ca-
    sa tprrta grande, com p. rtao ao lado.
    Novo iraUiuwto da Attkma, (mm, emtuka. tpt tern Into imporunlet cmi, e m 4 boie o unioe aoceito peioa aolhores Medicos.
    DEPOaiTO obRAJL, u, na Largo do lloaaHo, PBIOfMMBVQO.
    COZINHKIHO
    Preci>a-Si; do um eoztnhelro livre ou escravo.
    no hutcJ do Apipud's : a tratar no mesmo, ou na
    rua do Marquez de Olinda n. 28, Barar do Lon-
    drea_________
    Cozinhffea
    Precisa-se de uma cozinheira para casa estrau-
    geira depoUca familia : a tratar na rna do Com-
    mercio n. ."'8
    - Ti-4-passa-se a cltave da (oja da trayessa d
    Duque de Caxlas n li, eom uma armafAo to
    da envidncada, propna para cigkrretm, on on
    tro qualifier negncio : a tratar na venia junto;
    on coin Manuel Azevedo de Andrade, a roa do
    Crcpo n 8.__________________
    - Precisa-se da quanu'a do oOOaOO'i sebrehy-'
    potheca em bens de raiz : a pessoa oiH quizer
    iRior eff nego^lo inonnfie para ser pr-icurado I
    mm
    No dia 3 do corrente rrez fngio do engenho
    Timb6-Assd, freguezia de Ipojuca, o escravo Joa-
    quim, crionlo de cdr fuJa, cheio do corpo, esta-
    tura medianna. dentes limados, sem barba, e
    representa ter 22 a 23 annos. Foi escravo de Luiz
    Antonio Monteiro, de Moxoto, sogro que foi do
    Andre Cavalcante Arco-Verde, para onde sup-
    -se ter ido. Quem o apprehender e leva lo ao
    ilo engenho, ou no Recife a rua do B >m Jesus
    n. 51, escriptorio, sera generosamente recompen
    sado.
    Agencia de empregados.
    A agencia que funccionava na travessa da matriz
    de Santo Antonio, passou a funccionar so no
    pateo de S. Pedro n. 3, loja, aonde contimia a
    fornecer boas amas, seccas e de leite, caixeiros e
    criados.
    AlleiiCiio.
    Precisa-se dc um criado para uma casa de
    pequena familia : a tratar na travessa do
    Vigario n. 1. escriptorio.________________
    "Aiiiga-se o 2* andar e sotao, com tod>s os
    crnnmndo:. para grande familia, do sobrado n. IS,
    sito a rua de Hmtas : n tratar na rua do Trapiche
    n. '3, ariiiazem de .issucar. Tambem se vende
    terra de :<|i paites do mesmo sobrado. ____
    Gaixeiro.
    Precisa se de um noeo que tenha Dastante pra-
    tica de Uveraa, o seja de boa condujla ; n-^tas
    conilirotSi (dTereee-f* bom orrfpnwi tfatar na
    rua tik* Crioulas n. 33, Capung.i
    Aluga se Oina excelleDte casa na povo.icao
    tl'. DuariHi'Joelho, em Olincri, sam tKau-4|mBO-
    elos p;:ra familia; a tratar am Jorga Tasso, rna
    Auiiri'ii. h. 37._________________________ __
    -" M. iil.urd-Mettler C, adminislajolores da
    m:ip-.- f;.!li'l.i de Mendes & Carvalho. c>t,-i!.'leridos
    q:.. wi.iiii com loja to fazendas a rua da Impe-
    ra:i!,'. ii. I aos senh >rc< tm
    l it. wr a nl'iiiiia ma-.i, i|mir;i'ii viv .ii'.nto
    antc< .-aHar .-ens Jtbims-a rna**.1 Mrf* lie
    Olin la 'ifi p iUl'ldO a-- in -i."i < o
    desgoslu ii>' i'c^iic; a nutij.- niei
    Recife 17 mbm dc 1873.
    AIiijj gundo :ini)ai du mjli-aiio a rua1
    do y.Tf. ii- tIcpnan. V, fOW ccmn>ado para
    fati.ilia : a traiar pa l'Ji di mesnift.__________
    Aluga-sao 2" audar do so'bra lo u Hi da rua
    da Airora, C'.m bastantes commudos para familia,
    ten do1 o mesmo acua e jz : a tratar rfn 1 andar
    do n'remn snbrano
    proporcoes possiveis para um grande e lucrativo
    estabelecimento de seccos e molhados, alem de
    ser localidade muito salubre, abundante em peixe,
    frnctas, etc a tratar na rna da Aurora n. 65.
    Aluga-se uma casa terrea com trcs portas
    de frente e bastante elevada, com sotao dentro e
    commodos para familia, na rua dos Mart\rio?
    n. 160 : a tratar na rna do Rosario da Boa-Vista,
    segundo andar, per cima da refinacao._________
    Joaquim Jose Gonqalveb
    Beltrao & Filho.
    Rua do Commercio n. 5, 1.* andar
    Sacca por todos os paquetes sobre o banco
    *o Minho, era Braga, e sobre os seg'inte*
    'gares de Portugal:
    Amarante.
    Arco de Val de Vex.
    Baroellos.
    Beja.
    <^baves.
    Coimbra.
    Covilha.
    Faro.
    Guard*.
    Guimaraes.
    I.amfigo.
    Lisbda.
    Mirandella.
    Monc^io.
    Ponte de Lima.
    Porto..
    Tavira.
    " Valpassos.
    Vianna do Cstello.
    Villa do Conde.
    Villa Nova de Famalicio
    Villa Nova do Portimao
    Villa Real.
    Vizeo.
    Valenga.
    Figueira.
    Aveiro.
    Agueda.
    Caminba.
    Evora.
    Oliveira deAzemeis.
    Penafiel.
    Rogda.
    M0F1NA
    Estd encouracado 1 !
    Roga-se ao Illm. Sr. Ignacio Vieira de Mello
    escrivao na cidade de Nazareth desta provincia, o
    favor de vir a rna Duque de Caxias n. 36, a cun-
    cluir aqnelle negocio qne S. S. se comprometteu a
    realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
    fin? de dezembro de 1871, e depois para janeiroi
    passoo a fevereiro e aliril de 1872, e nada cuwprio:
    a por este motivo e de novo cbamado para dit.
    8m, pois S. S. se deve lembrar que este negocio e
    de mais de oito annos, e qnando o Sr. sea filho se
    ichava nesta eidade. __________
    -.. Oostureira modista
    Na rua da Carahoa do Cairao, loja do s brado
    n. 21, fas so vestidos de todas as qualidades de
    fazendas. ditos para ca criancas. assira'como lava se chapeos de palha e
    enfeita so com p-rfeicao e brevidade, tudo por
    figurinos modernos, o quaes estao a disposicao
    das senhoras que aprociam 6 bnm go*n da moda.
    Na mesma casa acata-ae m.?nina para etiiiutr-M
    a me s ""
    Vgi* 6. SI
    S 9.1 S e--T>' ^
    Sa ; J ? ^? =: PI
    sil|||s g4-, 3-m
    llii
    S a s
    2 I
    c= c -a
    ii I
    -^ So -w S = a = t;
    Ha.5!ig|>|!l
    fllliillll
    pa <^ --it0
    SiSulwii
    .- as z =r. S
    "3 fa
    3 -3
    . -. ^ i -.

    !lsl|
    3 PlSa aba o=- s
    La ft >~
    iiiiMillPi'
    E
    r 9
    * S'ri
    *i
    B
    I
    V
    o
    V-
    VELOUTINE
    ft UMA ESPEC1E DE
    POS de FLOR de ARROZ
    Especialmentepreparadoecom bismuth
    le por conaeguinte d'uma accao sauduvel
    I sobre a pelle.
    E' ADHERENTE e totalraente INVI-
    ISIVEL, dando a pelle nma freecnia e
    | aveludado nat uraes.
    Preco da Caixinha com borla 5 fr., em
    |casa deCh. FAT, 9,ruedelaPaix, PAHIZ.
    Depositoem Pemambueo, A.REGOKD
    GRANULOS ANTIMONIAES
    dr. PAPILLAUD
    Nova medicacio contra as moleslias do cora-
    clo, asthma, catarrho, coqueluche, tisica etc.
    QRANULOS ANTIMONIAES FEPRUQI
    nosos contra anemia, chlorate, amenor-
    rhea. nevralgia, nervasa o molestia:: etcro-
    phuloxas.
    GRANULOS ANTIMONIAES FEfRUGI
    nosos com bismuth, contra as mtltslias
    nerviosat, das vias digestiras.
    Pbarmacia E. HOOSRtER em Sanjon, (Cd.v
    renle-liderieure), Francia.
    Depn-ito em Pernambuco : A. RECORD;
    HAURGR, pharmaceulico.
    BMHBMMwrn
    warn
    AGUADIVIKA
    E.COUDRAY
    DIT-TA AGUA OE SAUDC
    Freconlaadm para o toneador, como conterrando
    coostontf mente aa bellu corat da moddade, e preaer-
    Taodo da petre e do cholera mnrbo.
    ADTERTERCli 1BP0RTANTE
    Umas imitacfes e falsiflcacfiea franduleoUu,
    is mai- veze- 'itamnosas a saiide, eicitadas pela
    fama tin ju-ianicnle adquirida pela Agua 4i
    vina, obriRao-me a reenmmendir aos 11 ns >iti-
    dure- de recnnhecer uniramenio como 'eg".
    a* garrafa* no gargalo das qua*) acha-so aa
    Sequenna f.ixa con a min
    rroa marca de fabrics.
    qual
    inns
    I'AKiS, l, run 'Ea\a
    Eaoontra-ieem cau de todoi 0! prlndpac I
    t u.-...-; j: .- o ^ellclmr

    wm^


    \

    I
    r
    \J

    atha ifeim 19 de- SfctawME oJHJK
    u casa para a festa.
    p-vgma excellpnte rasa no Monteiro.
    tra
    1 I"'"
    Fpr- ]
    1.:. / '-K!
    e Gurgel
    0.

    m
    m
    9 BEStOni'RTAS MEDiCIN'AES
    l'EI.-O BACH HF.L
    ^anoel de Siqueira
    ('avalcanti.
    * o Pr.-sftrvatlvo da *ry-
    *iprl;i : para eurar com cerpn,'
    tu. pen** tompo, qualquer ataque de
    ervsinela, c prevcnir o seu reappare
    eimmto.
    Este niodicamcato tambcm e muito
    pcderoso para o rheum.itismo.
    *' a Rcguladar da mciis-
    traacuo : para fatta, irregularida-
    **. r imie-?ai> repcntina da mo.s'ina-
    $S, !! chins, sshIM como par|
    K>.J r,- ,i rinvntoa devidos aqueltas
    gph >lf.-cci<. s. Amli.is estes medieamentos
    W* )U ?io iiuii" coiii'i-ittiados, e proeura-
    dii.: neu province, c na do Rio de
    Janeiro
    ;elia*v-se a venda somente em caa
    do autor, das 9 horas do dia as 3 da
    tar ie, e a qualquer hora em casos ur-
    Sentes.
    GRATIS AOS POMES
    I'.aa fla fmperatriz n. 14, 2* andar.
    # ^# &*#.##
    Carros de luxo.
    TtepwUnnavel quo a corheiri da ma do Bum
    *Kv n. Io, (t* Joaqmm I'aes Pereira da Silva, e a
    ^je turn as ineluores boiliudas, catenas, meias ca
    i\.ii e vieii-;'.a> de luxo, proprias para qualquer
    wnvado, ua< de eliqueta, bailes e ar^s da aea-
    d~-i:a, send.) os mesmos ajaezados de excellent s
    |r*r.iha3 di' animate, arreios Iuxujsos e boWiros
    c& fardaiii'-iiios do ultimo gosto, para o qoe se
    cuivida ao publico a vir por si inesmo scieu'.ifi-
    car-se da vcTJ.ide do quo deixauios dito, certC3 de
    lBe*5o fiii-....iirarau pomada, e aim rcaiidade e
    mnmodos prog. >s.
    Casa de campo
    OTereee se a qu.-m quizer fazcr os concertos
    aaeessarios, n arreudamento por alguns annos, de
    graea, da excdlento casa sila na Porta d'Agua,
    ^ce.fuido RualoDr. Joaquim Pires Caruein II >n-
    iir passamlo-se escriptufa para maior seguran-
    a,. A loca'idade i muito salubrc, e a casa muito
    fresea, lem magnifico bauho de agua doco cm
    fftttfe, e e i.iuko eomuudo vislo que o trera passa
    SaSunte : quern preloader pdde dirigir-se ao Sr
    rrawisco Carneire Montciro, em Apipucos, ao
    Sr. rrap j Ignario Pinto, na rua do Bom Jesus,
    so ao s. CaimaB, a rua do Louinereio n. 40.
    Esenin ftigido.
    IOO.^vOOO de gratifica^ao
    Dr.-anparpce l dj novo, de bopJo da barca bra-
    sileira S .fate, o ftscrtvo Joaquim, preto de na-
    {SC1, o '|oal aada bem vestido e calcadg, deixan-
    &i pro-i.cr .i- cabelios a modi) de moia eaboiteirpi.
    Esse ecravo perteocea ao bUecido Dr. Uiym
    ftfare^itiou la Silva, que o havii eomprado aa
    protiBcia de Minns fern 3. JoSo d'EI rei onOnr*-
    Prtlo), c ro':) idle segoio para o Hio de Janeiro e
    d'aili para etla pruviucia, dimde foi para Xacefo,
    *tixlo o vendulo aili a Justiuo Epaminondas Ne-
    ?es, a queoi o coiiipraram os abatko essignadoe.
    Sabe pi.ziohar, ocpnpaeao a que estava dedicado,
    *OBh.'.;e se peh falla que e afneano.
    OT r.;.:.'' a gratilicacao aeiuia a quern o ap-
    ff^hi n '. r u roga-se a todas as autoridades a sua
    C-- .
    R-. G daonl 18;:l
    Jo-.' d.i Silva Loyo i$i Filho,
    hi ioio Divniii.u i- I' nt.), quejfiiidivTesumir
    r. .- i "ncio de iii.li.ii.i, iPoi resulnd'i fa?ernm
    I ij pr ccRte- uos prjeos de suas
    Btotuii ., (piaes sa> : ricft m f&ias de jaia-
    fftada .i i.oiz X fabricadas em Fraura, ditas de
    .1 .-*(:.:.. ,..-,: r'.-i-Hiupa de jacaran-
    *'" tit: ii'.-.giio i1' anabli- cum eqdljo, ricos
    *.: .!.!- : ; i- -iti, riens j,"iardas-lou-
    *a, i. pool taoip .. |..'.ir.. di'.os >i" aman-llo
    'io. o.i-.i- ilisiiea- para jantar. ita't s
    i ruii ;i.-..- para almo-o, mesiuhas de
    : ira oi.ii-.,..' lima inlinidade de ojjjec-
    Cas i)ie seri.i untidonbo mencionar; tern um
    5i-ani]j Bort: nt-ntu da cadeirai i' nuiitaa qualida-
    *s : a re* do llaran la \ icloiia u. ;i7 o oS.
    *mtw-
    PAua-SE U^M
    cabos de chapeo* d-'n-d. benjala. 1-qne eda outro
    lual.,\ef objecto ja u rua D-ique de Caxias n. 28. deposits de carvao
    animal.
    jft< a rsstcs*
    fSk Compra se e vende-se trasles aoros gK
    *Xf e usados uo armazeui da rua do Im-
    *3&i Pora^"r n 4S-
    Compra-se
    am silio nos arrabal I > daU cidade. oodo passe
    linhaile bonds : a t.-atar na rua do Imperador n.
    48, anuazem.________________
    Corapra-se
    um sitio nos arrabaldes u>sta cidade, onde paste
    linba dc b inds : a tralar na rua do imperador h.
    48, armazem.
    J
    ip
    Tern para vender Joaqaim Jgae Goncalves R -!
    io Fii'io : a tratar i;o saifscriptorio a rna
    do Gommercio n. 5. i___________________
    Leques, luvas e sahidas de
    bailes.
    Amaral, Nabuco & C. receberam um corapleto
    sortimento dfi leaue< de madeira mosaicn con-
    ro da Kussia, marfim, madreoerola iM diver-^ai
    cures e tariaruga, luvas de peiliea fresca, e ftmux
    de sued, e tabidas de bailas ou eapas de casemi-
    r para pre>omr quaesqner incoramodos nas sa-
    aidas da reunioes: veadem no Baar Vicuna, a
    rua do BaraO da Victoria n. 2.
    Amaral, Nabuco k C veodaai M(aiicas
    colchas de seda, finissimas aberturas de -earn-
    braiaie linho Dordadas. para camisas de seotH-
    ras, e meias de algodao, fio de Rscocia e de seda,
    para homens, senboras, aieninos e ineainas: no
    Bazar Victoria, a rna rto-Barao da Vfetnria n. i.
    LINHAS
    RETUOZEDEALGO-
    Fiindifao
    i-f

    fl
    Ao bello sexo.
    Gusmao & Leal recebera-n rices cortes de gaze
    de seda, fazeuda inteiraiuputn uova, e vendem
    pelo barato pre-.o de 4030(H) o curte : a eHes, antes
    que se awbem: so na iuja da rou tV:meiro de
    Marco n. 14._______________________
    Fumos especiaes
    para o fabrico dus melbor s cigarroi finos de seda
    6 linho, c para caxiaibj, a saber :
    O vor lad' iro fimo de Daniel.
    Idem do Rio Novo desliado
    Idem cabellu e pieado.
    Idem de iiaepeudy,
    Idem de Goyu.
    Idem ilePi.mba.
    Ide'ii do Moieiro
    Idem de S. L'auto.
    Idem de Minas
    No armaiern de famo ;i roa da Madro .de.Deus
    n. 10 A, de J >-1- Domiu^iiei do carmo e Silva.
    0 proprietario desto esiaUelecimento tem tido o
    maior caprirho pos/ivel em obter do BiedaJa-
    neiro;as qnalida le< da fumos mais eapeciaes,
    alguma* ale me-mi uao &>uhecidas neste merca-
    do ; porem muit.i apreeiado em ontras provin
    cias do imperio, corao rs fumos que acab"a.ie re-
    ceher pelo vap. r nieionai II 'hit, enirado eui 6
    do correute e por isso convida a t dos seus fre-
    gnatas e aswgoj p.>ra veram e examinarem as
    melhores qualldades de fumos Boos, e promette
    eonaervar si-mpre em seu armazem o que hr.uver
    de melbor neste artigo, desde 53 arroba ate 8*.a
    bbra ; lodo a cunteuto dos seus numerosos frc
    guezps e amigos.

    Tmiito em
    aa
    8 ft
    Vende-so umso'uraJo de 3 andares eso-r
    tao, & rua do Bin Jpsus, outr'ora-rua da
    Cruz n. G3, e un ditode 1 andar na mesma
    rua n 61, sendoestesno mclhor local da rua,
    junto a igreja tnatfiz do Corpo Santo: a
    tratar no niosmo sourailo n. 63, arma-
    zem.
    Casa e terrene
    Vende-se a casa de ferro e terreno em Saot.-
    Anna, prto da estaeao da estra^a do ferro : a
    tratar coin Shaw, Hawkes & G, a rua do Bom
    Jesus n. 4.
    d i i.' i'. ii
    Fernandas da Cru* e. cbamado a
    Suassuua c 282 a negocio de par-
    \\M
    iigaiio leron rfo Lord-)
    A pessoa, quo our
    do vapor Pum/ni, ciiegsdo hoje i.tste p r-
    ^>, u:m Utiiii de ') pal.uos, uq sol la, novo1,
    ccxn vl'iw ar na rua do linp^rador n. 77, os na
    ncia dos wpores da companhia teasi-
    i-tra.
    --------------------------------------------,--------.----
    o si. : Clemejile de Lem is Duarte Jpnha
    n fade d'i >ir nu mandar a rua do Coronel
    Jnasimiia n 2S2 a neeacia dt! seu laterogse.
    far iiuta-se ou v.'i!(le-se a ea-a terrca e um
    rri-he jnnte >m 33 palmos de (rente c :U0 de
    h.! |a com alieer.es, u.uro e puilas na frente
    ia :!.-imba, ^il.i aft fivguczia do ""
    a a de Joao Peruandes Vieiia n. i
    . h esta MUMda em cluos propjios :
    ^iiern preb :n!er pode difia^r aa i rua da Impora-
    9'-% it. ii, 'i*io ;-e dira com quern teve trainr o
    t!^._____..______-_
    Na i im Bar ,.i i; \ u-toria n. 30 prea-se
    J.'ar a. Si vi rario Andre Curciuo de Araujp Pe-
    r^ir.. a -i < sm:i inter*
    Grande sortimento de:
    Moendas detodas as qualida-
    des e tamanhos.
    Tachas fundidas e batidas,
    idem.
    Rodas dentadas e angulares,
    idem idem. ; "^ f,
    Macbinismo, idem.
    ar*ndas, gradeamentos pa-
    raejafdimyetc, etc.
    Tudo sevenoipor preeps
    conta para aca-
    "*' *.B. "I
    tr Starr <&C, em liquida-
    9ao, na ftmdi9ao da Aurora,
    em Santo Amaro.
    As.unicas verdadeiras
    Bichas hamburguezas qne vein a e.-ie mcrcado-
    rur Marquez de oliuda d. 3t
    to
    )
    Vende-se uma liqda .victoria com 1 asseatos
    eitade eBConuaeada e Paris, com arreios para
    duos cavallos : na rua da Aurora ji. "0, ondepo
    dera ser,eiaminada.da8 9baras da nianbi ate as
    5 da tarde.
    io Barao da Victoria n. 21
    DE
    Garneiro Viaona.
    eon
    """t
    EflHiS
    Acceagorlos
    tttA
    QUALUUER
    PARTE
    Maehiira

    lOJ
    Com as fakiftcaCfOes que tem appareuido
    *
    .a
    c3
    X
    rI
    o
    o
    Hua do Brum n. 76
    Vende so zioco ptiro de superior truabdade,
    proprio para coberias de <;;<, mediodollpal
    mos de compiido e 4 de lar^o, por pre;* mnilo
    em conia.
    \mmk& batatas
    NA
    rl% America.
    laVgnras, muito bnm para Un
    Loja
    Bramanfe do i
    abas, a laG-W a var..
    Brim lona, uperioi, a I "GOT- a vara.
    Madapulao fraiiee' 6iO'l:Ja j.efa.
    i'aha walhas de mi;sa
    Vende-e rico waHude c. nbos ir.o lervos a 1 |60u a
    i'.vi'.A VKs,T!DOS
    Jazi''ias de quadros a?u- a iOO rs.o covado.
    Metkn francaao, cores garan'idas, a 400 rs. o
    covado.
    I.azinli;:, eom listrai de setim a iiOOO o covado. .
    Ciilban'.ina as>u:,na.la, com 2 larguras, a oOO,
    rs. n covado; dam-se amosiras, na rua do Qabuga
    n. 10.
    LOJA DA AMERICA.
    Aicaciana
    A ':'l0 RS. 0 COVADO.
    Fazenda inb iraraente nova e propria para a pre-
    scnte estaeao, pelo bar tis-imo preco da 400 rs o
    covado, a loja dos ar;os de Gurgel do Amaral &
    C, a rua i. de Man;", am%a do Crespo n. 20 A.
    mEMO
    Friimc-Ma^apia.e a
    Pelo r'a're Oiutrel le J trjJ. pgo Co:ide
    ... Ay Si
    Obra ii.- !i ...la ao Ui.- a de i'ei'naaibuco.
    \ v. I. '..-..eb. 2 .000.
    v.i Liw.u-ii Krace7a.
    Vondp-se uma exe!!ente casa com um pequeno
    tio, siu no Arraiai junto a casa do Sr. Anselmo :
    a .:-r na ..... .,-, parae io/ormafdes na
    taverna do Qntimado n.JJ, andar
    Xarope d'agriftd do Para
    Ahtigoe cuiiceituado medieaiuonto para
    cure das molestias dos orgaoa respiratorios,
    como a pbtysiea, lir(iiici)its, asthma, etc.,
    appiicado ainda com optimos resultiidos nr.
    eseorbatA.
    ^N.2627.
    :. i doiio l.j cst-iItelecinnuilo de pe-
    jRtiores. Mto i, i ma d'1 ''"'jr. s n. 2. qu'nSo pa-
    .i raiitela n. -i>-27, por ir ter-e desertraminlia-
    <*c de -.'.ii proprio rtono. _____
    i 2auJat di .svbrado, com bas-
    . w!its aoiiMBoj-wpara (ainjlia, silo a rua islreila
    j ioUogario n. .1. a tratar no armazem do mes-
    s aso. -
    Veade*se um eltgante e pitoresco monte,
    prop.io para a proxima ex i'sic.ao do 'Mcniu; Deqs,
    tendo uma cidade d > madera que 6 em relacao
    ao monie, tudo p-ir barato preco. Aproveitem ead
    amadorps de p'wepe, uup o tempo urge, a da-aej
    no)- barato pr >fo : a tratar d rua Nova n. 181,
    loja de selleiro.
    iiaga-se
    Opi :! ,r do cabrado da rua dat Trin-
    que ftea dei'ronle da rua estreita do
    n>. i mi< u.l thus s! -. duns gabinetes e 6
    ijjPiito")-p*j'itiio. .tpiMtiui, wna rtfcimba oj'anque
    l^ara ban o : trata sn ua rua do I,iipi-rad"f no es
    ip!or. 7.'l, por ciiua J.i liviaria cLisjica.
    de nm horaem para cirfda^de um
    r. : na rua ova, loja n. 7.
    .g.W'ni.iji
    !JR
    m
    |e*f
    Veude-e a taverna da ru i do Barao do S.
    Borja n. 27 (jati^.i rua d) Sebo) por seu dono se
    retir;ir para '.urop i, a qual 6 oetu localisada, lan-
    to para a terra co.no p.rao uiato : a,tratar na
    mesma.

    CotM-pra-se
    I *pj- r p )].> boa #nn'luc-
    ralar.
    Matricula para cavallos.
    A' venda ra Ivraria clasrica, a rua do Impera-
    dor n. 7i. Pre.-o iQ.rs.
    V ende-se
    nm sitio no laigo da Casa Korte, eom 520 palmos
    de (rente e 370 de (undo ponco m.s oa menos,
    eom casa de peora o caL 7 olarws> 3 salaa, co-
    ziuba fora, \ cicimbas d. .erso* arvoredo* de
    'ru.-t ; assim como, um utro menor na tr*-
    ves-a da mesma, vuliaujo u .ra a oslrada que v*i
    para o Arraiai. com casa de pedra. e cal, com 4
    quart.*, cozhrha forn, c; iffnba e al^uns alvor^do*
    de fi-ncto : no pateo do Girmo n. 3, ou na rua
    das Trinclieiras n. I.
    Burros a-venda
    J. Dfiiru avi a a fens freguezes quo csli .cm
    vian-^m jmra as pn--vincias dc AlagiVis c Pernatn-
    Bo eoMMtiodti exeelwite tropa de bui
    iffi por Prned '. 1'iiar, CastanbaGrande, Por-
    Puo-l'uin >, Ereada, Cab.-: 0
    I'^.vaTPltnt'iite e Nere|n ; por is pude ser MtsadO- on
    1873.
    Os proprietarios da Predilecta, no intuilo de
    conservar.o bum conceito que teem raerecido do
    respeitavel pubJico, distinguindo 0 seu estabeleci-
    mente dos mais que hegociam no mesmo genero,
    veem sientificar aos seus bons freguezes que pre-
    venira.m aos seus correspondente- nasdivefsaspar-
    {as d'Europa para Ihes enviarem por todos ospa-
    quotes os objectus de luxo e bum goito, que se-
    jam mais bem acoitos pelas sociedades' elegantes'
    daquelles pause, visto aproximar se 0 tempo de
    festa, em que -0 bello sexo desta linda Veueza
    mais osteuta a riqueza de suas piillettes ; Ve co
    ma ja recebessem ,pele paquete francez ditersos
    artigos da ultima mpda, veem patentear :*'guns
    1'entre elles que so tornam mais recommendaweis,
    esporando do respeitavel publico a costumuda
    concurreucia
    A(lerecps de tartaruga os mais lindos quo tocm
    vindo ao mercadn.
    Albuns con ricas capas de madreperola e fde
    velludo, sendo di versos tamanbos q biratos. pre-
    08.
    Adei'ecos coiupletus de borraeba pr prios para
    lr.to,tambem sc v.cudem moios aJerecos muitu bo-
    nitos.
    Botocs do sctim proto e de cores para oroato de
    vestidos de scbura ; tambem torn para collete e
    palitot.
    Bolsas para sunhuras, existe um bello sortimen-
    to de seda, da pallia, do cbagrim. etc etc., por
    barato preco.
    Booecas de todos os tamanbos, tanto de luuca
    como de cera, de borracha e de massa ; chama-
    raos a alten..ilo ds Exmas. Sras. para este artigo,
    pois as vezi's tomam-se as criauras uu>. puuco im-
    pertineutes por (alia de um obieclo que as en-
    tretenham.
    Camisas de linho lisas c com, poitos bordados
    para homem, vendpm se por preco couimodo.
    Ceruulat de linho e de algodao, de diversos pre-
    cos.
    Caixinhas com musica, 0 que ha de mais iiudo,
    com disticos uas tampas e proprios para presen-
    ter.
    Goques os mais raodernns e de diwrsos forma-
    tes.
    Chapeospaj-a senhora. Beaeberam um sortimento
    da ultima nioda, lanlo para seobora, como para
    meninas.
    Capellas simples c com \6n para.noivas.
    i.alcas bordadas para meninas.
    Kniremeits cstampados e. bordados, do liadjs
    desenhos.
    Ejcovas elertiieas para denies, tem a proptie-
    dade de evitar a rarie dj; dentes.
    Franjas de seda preUs e de cores, exi.-to um
    graffde sortimento de mVcrcas larguras c barato
    prego.
    I'itas de sarja, dc goigurao, de setim e de cha-
    rnslote, de divursas Jarguras PacHas Klorea aruticiaes A Prcdderta prima am coo-
    A* este grande estabelecimento tem che-
    gndo ttm bom sortimento de machinas para
    costura, de todos os autores mais acredita-
    dos ultimajnentena Europa, cujas machinas
    sio gaenDtidBS por urn anno, e tendo um
    perfeito artist*, para ensiuar as mesmas, em
    qualquer parte acsta cidade, como bem as-
    sim concerta-las polo tempo tambcm d'um g,g,
    ^nno sem despendio algutn do comprador, j o
    Neste estabelecimento Umbem Ua purtencas CO
    para a mesmas machinas e sc suppre qual-
    qtier pe^a due seja necessario. Estas ma-
    chinas trabalham com toda a pcrfuicao de
    um e dous pospontos, franze e bords toda
    qualquer costura por fina que seja, seus
    precos sfio da seguintc qualidade : nara tra-
    balhar a mao de 305JOOO, 405001;. 3J000
    e 505JO0O, para trabalhar com o \>6 sao de
    409000, 909000, 1009000, 1109000,
    120?M)00, 1309000, 1505000, 200JOOO c
    2509000, emquanto aos autores nao ha al-
    teragSo de precos, e os coqj^radorfs poderao
    visitar s|le estaftielefiineiitd, q,ue muito de-
    verSo go$Jar pela flriedade de .objecto.' que
    ha sempre para render, como sojam: cadei-
    ras para viagem, raalas para viagem, cadei-
    ras para salas, ditas de balanjo, ditas para
    crianca (alias), ditas para escolas, costurei-
    ras nquissimas, para senhora, despensaveis
    parar criangas, de todas as qualidades, camas
    de ferro para homem e crianQas, capachos,
    espelhos dourados para sala, grandes e pe-
    quenos, apparelhos de metal para cha, fa-
    qaejros coin cabo-dometal e de marfim,
    ciitosavulsos, colheres de metal finn, condiei-
    ros para sala, jarros, guarda-comidas de
    arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
    para forrar salas, lavatorios completos, ditos
    simples, objectos para toilette, e outros mui-
    tos artigos quo muito devemagradar a todos
    que visitarem este grande estabelecimento
    que se acha aberto dede as C horas da ma-
    nh5 ate" as 9 horas da nouto a*
    Rua do Barao da Victoria n.
    ___________22L___________
    Nao ha mais cabelios
    bnncos.
    TiNTURARIA JAPDNEZA.
    S6 e unicaapprovada pelas academias de
    sciencias, reconhecida superior a toda que
    tem apparecido ate hoje. Deposito princi-
    pal & rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
    quez de Olinda, n. 51, 1, andar, e em
    todas as boticas e casas de cabellei-
    reiro.
    ma-
    Nenhuma
    china Singer elegi-
    tima se nao levar
    Porque?
    g esta marca fixa no
    braco da machina.
    Paraevitar&lsi
    (icagoes notem-s^
    .
    bem todoaosdeter
    lhes di marca.
    i
    TO
    ! A dinheiro e a prazo r
    A contento das >Eana. mwilias
    1
    m
    Sio a$ mais baratas
    SSo de dous pospontos
    S3o mais simples e rapidas
    - Sao duradauras
    MACHINA
    DOUS
    Abainham
    Franzem
    Pregam tranca

    Marcam preg3S
    Bordam de liuha de seda
    Alcolchoam
    E pregam cordiios.
    UNICA AGENUA
    EM
    45
    A CASA AMERICAN
    RUA DO IMPERADOR 45
    De forca de dms a seis cavallos : a venda no
    armazem de Joaquim Lopes Macnado & C., tr-a
    vessa do f^orpoSanlo n. 23.
    Potassa da Russia em meio>
    barris a 509 rs. o Mto
    Desembarcala ha poucos dias veude-se n
    escriptorio do Olivoira Filhos 4 C, largo do Gorp'
    Santo n. 19.
    sm-arise.mi.re,urn bello e rande sortimeoto'des-' pri,pria3 para os' btulns em Oliuda : nalojidos
    arce a rua Primeiro de Marco (ant-'
    n. 20 A, de Gurgel do Amaral A C.
    la* flo evnae so para esfeile dos cMlos, como -re, s
    tamhem paraomato de vcsttdifde n'Mvas.
    Galoes de algodao, du la e de seda, brancos, pre
    tos e de divi rsas cores.
    'Gravatas do s^dapara homtm e senboras.
    Lagos de camfcaaia e de seda de dive rsas cores
    Banhos em Olinda
    Camisas e calcas de fazenda da boa qualidade,
    Ds em Olinda: nalojidos
    de Marco (autiga do Crespc.)
    '
    para senhora.
    laigas d*i seda de cores o brancas bordadas para
    r> iva.
    Livros para ouvjr missa, com eapas de madre-
    perola, marfim, oso c velludo, tudo que ha de
    bom.
    l'eutes de tartarnga e martim para ahsar os c-
    liel os} teem tamitem para t*mr wpat.
    furt bouquet. Um bedo srtrtimento de madre-
    perola, marfim, ossn c dourados p r barato preco.
    Perfumarias. Naste artigo^sta ^teddecta bem j
    [irovida, nio so em baohas d> [pclhoie's Jklwes; *js. mais afamados j
    fabricantcs, LocDTn, Piver, SoPtedaae Hygienics, j
    Comiuy, Gotael e liimel ; sao-indispensaveis para
    a festa.
    Saias bordadas para senhora, por commodo
    preco. .
    Sapatkihos de la c dc setim bordados .para bap-;
    tisado.
    Tepetes. Hecebeu a Pn ditecta tun bonito snrti-
    Bnrris \\m azeile ou niel
    Vende-se por barato preQO a* rua Larga do
    Rosario n. 3i.
    Olco de liniiiifa
    Vende-se em grosso e a retalho, na rua
    Larga d<> ftosarion. 34.
    yadapolao IVancez
    a6i$500 a pec,a!!
    Madapolao franrez fino com pouco sujo a 6^S0
    ; e peehineha 1 na rua do Queimado nu-
    a peca
    mcro 43.
    BATISTAS
    mf.%feS^fa'sh0i'' M,opmso,aM-a 400 rs. o covado, a rua do
    Queimado n. 43, em frente
    VeKtiment'.< para, hapiisado o que ha de melher;:
    gosto e os mais mudernos. recebeu a Predilecta e
    ,wde por boato preco, parattcar ao alcanee dc
    qualquer bolsa.
    maehii
    itoas a ap>>r.
    -_ Machinas dp dcgRnrofn algodao.
    Machina1; ilofrirtar fumo.
    Aralos-mericanos.
    4 pracinha.
    Balistas Tinas com liudos desenhos a 400-rs. o
    orado : sd a rtia do Queimado n. VJ, loja deGner-
    ra 4 Fernando?.__________________________
    8cd do (Jabo Verde.
    Tem para vender Joaquim Jose Concal-
    Cofresd.- fern, do vanoslaoiauhf* ^^k^K. & 'Filho, abordo dob-igue por-
    rrensas'paracoptar.^rtas. ., | Sd* ** faSa "ft- -bdWfll^Wk^ i C. piche-AIfaudega Velha : a tratar a hordo.*
    Ruad^Bomae8STi;4 y* ^^odo'&^']') r^'nc,ci-:

    PECHIKCHAS
    So o n. 20
    RUA DO CRESPO
    LOJA DAS 3 PORTAS
    continue a vender muito barato para apurar
    muito dinheiro.
    CASSA LA
    Chegoa esta fazenda.senilo lindos padroes, even-
    de-se pelo diminnto preco de 2u0 rs. o covado, e
    peehineha I I dao-se amostras.
    MKTINS
    Proprio para vestidos o que ha de mais gosto,
    padroes novos, pelo preco de 400 rs. o covado, 6
    pechincba I I I doa-se amostras.
    LA5 E-fX>CEZAS
    Lasinhas escocezas, padroes bonitos, a 240 rs. o
    covado.
    Ditas com listras, padroes modernos, a 280 rs. o
    covado.
    Ditas la e seda, padrSes modernos, a 6i0 rs. o
    covado, 6 peehineha I 1 dio-sc amostras.
    ALPACAS DE CORES I
    Alpacas de cores, padroes bonitos, fazenda de.
    1*000 a 400 o covado, e peehineha I I I dao-se
    amostras.
    CRETON'E
    Cretone em pocas pequenas, com bonitos pa-
    droes, pelo diminuto prego de 400 rs. o covado, 6
    peehineha I dao-se amostras.
    Cortes de casemira dj cores, a Sji 00 cada nm.
    Cambraia de linho de cores, a 360 rs o covado.
    Ditas pretas para luto, a 240 rs. o covado.
    Fust io brauco para roupa de m jninos, a 560 rs.
    0 covado.
    Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
    vado.
    Cobertas de chita adamascada, a 3*300 rs.
    Colchas brancas e com barra de cores, a 3*500
    e 4*000.
    Lenecs de bramante, a 2*000.
    I)it.is de a'godao, a 1*400.
    Toalhas alcochoadas, a;6*000 a duzia.
    Ditas felpndas, a 6*500 a duzia.
    Lencos de cassa com barra, a 1*000 a duzia.
    Ditos de cassa abanhados; a 2*0Mi a duzia.
    Ditos de esguiao finos, a 3*500 a duzia.
    Cambria lisa transparente a 3*000 e 4*500 a
    peca.
    EJCambraia Victoriaa a 3*800.
    Atoalbado adamascado, a 2*000 a vara.
    Dito trancado, a liiOO a vara.
    Fustdes de cores, a i / 00 o corte.
    . Chales da merinaiisxya 2*000.
    1 Ditos estampidos, a 3#50Q, 4*0^0 eiiSW-
    I Ditos com listras muito fiiins, a f;*IPJ) ^ H*00Q.
    EsguiiQ nmitQ.tino, a.i*000 a vara.
    ( Brici preftrtrangaile, a 2*000 a vara.
    | Bramante de algodio.a-44*00 vra.
    j Dito de linho de 9 10 palmos dejargura, a
    tl'HW e 2*800 a vara.
    it Algodao marca T, a-BSCKK)* r*3i
    !' Dito domeMico, a 3*000 a peca.
    Iltim de'aigWBo eom listras proprio para caroi
    aas, a 400 rs. o covado.
    i'Jiinzae cambraia de cores muito flna, pelo di
    rainto pre?o de 400 rs. o covado.
    Apias Alealino-Cazosas das Pe-
    dras Salgadas.
    Villa Rouca de A^uiar.
    BICARBONATADAS-Si DICAS
    Analyses du Dr. Jose Julio Rodrl-
    gues, lente da eseola Pulyle-
    clinica de Lisboa.
    Esta excelleute agua usada com vantagem nos
    padecimentos das vias digestivaa, nrinanas, d*
    estomago etc., etc.
    Vende-se
    NA
    Pharmacia e drogaria
    DA
    Rna larga do Rosario n. 34.
    1
    De r:\saiueiitos.
    De baptisados.
    De bailes.
    De sairees-
    De aluiucos.
    Me lanchcs.
    De bicknlcks.
    De coins.
    De tudo de tudo
    Se enearroga a confeituria do Campos.
    E alem disso
    A confeitaria do Campos
    Esta* sempro provida
    J.Pe tudo qtianto e preciso para
    [lima boa mesa.
    Rua do Imperador n. 24
    FIO **Ei
    LG0I)A0D4B\BIA
    Tem para vender cm seu escriptorio Joaquirr
    Jose Goncalves Gellrao cfc Filho, a rua d<> Coraroer
    cio n. 3.
    *
    WMm*ti*) Crespo n. 20
    l.oja do
    Guilhefeme '<& C.
    ysjtsaj do Assu a j i
    pnto.iao irapki
    impanhii Pprnamhuca,
    dl Cunha Lngesou com o me-
    C'ju!'ii, u
    II X,
    .'lem, pata iVM^:
    ^.gp:, de^^mnjtoy,, M^orrerf erdadein>.
    Bitters de Angostura.
    Wbjajty. .f.( t
    CM sritofradatteydajM UNfft. ;
    i foda* at prtfaref& chimieaa-do On.
    armazem da rua do Commen'io n 3S
    Pabs^.'de/Mgodao da
    Bahj>.
    Ha i*ra,v|nder.-da)i %9guiftte,f%bfioaf
    CejlCp'CS- '
    Talet'ca.
    Modelo.
    Na esc ntofio dc I.uiz Du,
    mere!-' n !V, r r,n!at.
    .-r wa iMm tumuli i.i,

    m



    a
    i

    r
    T7 B|
    3:*-v-
    ^
    Diario vie Fernatotme Qu^tta* feif* t# tie Novah*e :id#^14W
    ull
    =
    [A
    MIS POTTOS
    shares ma, IMAOS
    UNICOS AGENTES
    N. 4-Ruivdo CabugfNT, 4'
    JOSEFB KpAUSE & *5?
    GOMESW MATTOS & IRMAO

    Avisata ae respeitavel ptMico desta cidade quo 0 sortimento do joias, de sobido va
    lor, que exhtia em seu estabelecirnento, esta complelamonte reforoado com 0 mais ele
    Mate sortimento de novas joias, que.receberam directamente pety ultimo vapor da En
    : ropa, coostando elle do mais variado sortimento de aaerecws a Boulevard, putseiras dr
    ultimo gosto com pedras preciosas e scm ellas, brincos d argola, agraffes para relogic d*
    senhoras, delicadus aderecos para meninas, meios aderecos de camafeu lincnssimos, yoltat
    de nogordios para senhoras, correntes inglezas de ouro e de ptatina* vanada quantidadf
    de botoes para punhos e peito, com erablen.as.macomcos, de onix, tecido de ouro, cana
    feu etc., bnlhantes monstrosde rarissimas agoas, em anneis,Totetas, pubeiras, alflte
    que st
    posicao de Pans, em 1867, to, couceoiao a g*g---------------------------------------------------------------------- ***
    EHas Howe Junior, a medalha de ouro e a condecora- j 05 proprietaries do acreditado MUZEU DE JOIAS, tendo sou astabetecimento aber^
    cao da Legiao de Honra, por serem as machinas mais per. ate 8 horas da noute, convidam as faroilias que so quizcrem prover de lmdas joias,
    f itas domundo vircm esc0,b-,as a 'onta^e. para 0 que es'ti em exposicao nos mostradorcs.
    A medalha de ouro, conferida j
    Estados-Unidos por scr 0 inventor
    Rna do Barao da Victoria d. 28___________________
    IB DiaiS silQDleS, aS mais barataS e a& melhoreS do mimdo! ies 'e botocT,'e"omros'muTtos objectos deouro^dcmelhoresfabricantea deParis, q<
    ^ Na exposicao de Paris, em 1867, foi concedido a venderao com grande reduce de promos, por serem elles recebldos directamente,de

    ARMAZEM
    E. Howe Junior, nos"
    '. machina de cos-.
    ------------- ,..
    tur*.
    A.rnedalha de ouro na exposicao de Londres acreditam fj1 rkrrr\T\ rloc tl ^ ** C
    estas machinas. ^_ ^ J- dLttllildb lilld&
    NA.
    DK
    A 908000
    Cabe-nos o dever de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-;
    iorfc> estabeleceu nesta cidade a ma do Barao da Victoria n. 28, urn deposito e agenciaj
    aral, para era Pernambuco e mais provinciasse venderem as afamadas machinas de cos- j
    Rna l. de Marco n. 7 A.
    DE
    Cordeiro Simoes & C.
    esta casa, scm duvida, uma das qua lmje.
    Vefnizesosj: [wra cww-
    Esta verniz, cmja faUa icoi tanto soutem
    os^9ij fabrirBM>s p geua, acafea deicbbgnr para seu unko d.>po-
    sito, dS a-guioto- qnnlid.tdes.
    VHAMKL-SLPeaVINO PAUA CAIXAS DE
    CAlLHlMGhflte..
    ^V 'un -\ipmiz ami to rlaro e diravel para
    asmas --Iq carruagens para todas as de-
    mAos^ou piii a ultima soinente, sobre
    oatros veemv.es. *. \ Mpariidn secca em 12
    hor6, depwi das qu..e -, s(. expOe ao ar pnr
    algum temfo, o qua fazons3-
    [dta l^a 18 hoi.-o pddc pssar-s>. ., a ^[^ a
    pedra pome o dar-lb* .i scguida ou.Mri dj-
    mao. D*o-se com tacilidado res (leninvr,s
    MlA vernizsubre s tintas, em tres d:as.
    A primeira dcmao strviudo de apparnlbo,
    ajuda .a-'Seei.ar as uttii.iss deinios e produz
    :um excelteflW brilhn.
    Yraiz ii|)Ci.-i'>i' eceato para
    oarriukgous.
    Esle vroiz e 'a rn-iiiia cOr qua o ante-
    cedente, ma* 9 dnreco c srica com mais rn-
    pidez. Emprep se com bom etito nas
    obras-urgent node mistoraivse com 0
    anterior. A'duraca*-do vmiiz pepnianente
    drmimie na proporv-...> da mistura.
    Asrua 4lrida, de Guislain.
    para fazer os cabellos pre- VrRiz swhwor iiaukico para os
    irta JOGOS HAS CAURUAdESS
    A agbia branca, a rua Duque de Caxias n. 50,
    acaba det^ebernova remessada apreciavel agua
    tlorida parJtoorw eabeHos prelos. Obotore-
    sultado cuibim por.quern .ton feito uso dessa
    inolfensiva prejjaracao a tem allamente conceitua-,
    do, e por issfi aVnas se faz lembrar a quem qq-
    vamente delta pre\se e queira se anroveitar de
    s-ia utilidade. Taii|m veio agna de topasio e
    oko florido para. 0 amgwo two, e Uo acredit
    cornu atjuelUi.
    ^4s varkagens destas machinas sdo as segmnies:
    sabe que ellas s5o duradouras, para isto prova inc<
    torem apparecido no mercado machinas d Howe
    queno reaumo.
    llandam fazeodas
    Priaieira.19 publico sabe que ellas s5o duradouras, para isto prova incontestavel, a para 0 que tem 0 pes?oal necessario
    1 ? j a > meuis
    as casas dos pretendentes,
    c dao amos-
    -Ircumstancia denunca torem apparecido no mercado machinas d liowe era segun- g^^J^J^J^g c,-rcs_
    "' 1&&0'- Ditos de gorgurao de cores.
    Segunda. Contera 0 material preciso para reparar qualquer aesarranjo. Grosdenaple de todas as cores.
    Terceira.Ha nellas raenor friccao eatre as diviirsas pegas, e menos rapido estrago Gorgurao branco e preto.
    o oae nas oulras. *Mm Macau preto e de cores.
    (Juarta.-Forraam 0 ponto corao se fdra feito a mao. 'y^preto.
    <)uinta.Pennine que se examine 0 trabalho deambos os fios, 0 quesenaoconsegnj Granadine, seda preta e coligoiasrt, de cores lin-
    >#j autras. dissimas padroe's e fezenda da ultima moda.
    Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando. o Co de urn i outro lado, Pppelinas.de lindos padrdes.
    . Vogo eraseguida, sem raodicar-so a tensao da linha. cozem a fazenda mais JSs 13^%""^seda
    'til. Manias brasileiras.
    Setiraa..0 compressor 6 ievantado com a maior facilidade, quando se tem de mudar coirhas de scda para noivos.
    . ^ulha ao $wqv nova costura. SS^/SS^SIStSL? liDd0S LordadoS-
    Oitava.^-Muitas companbias do machinas de costura, t&n Udo epocas de grandeza e ^S^mo loZS^ll^om listras de 90<}a-
    ecadencia. Ma'chinas outr'ora populares, sao hoje quasi de5COLhecidas, outras soffreram. cauibraias de cores
    - idancas radicaos parapodcrem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe nitas maripozas, brancas e de cores.
    Nansuck de lindos padrfles.
    &res.
    L j>tando a opiniao de Elias Howe, mestre em artes mechanicas, tem
    tgiftentado o sou fabrico, e hoje nao attende a procure, posto que faca
    cr dia.
    r.*da machina acompanha livretos com instrucQoes em portuguer
    constantomente
    600 machine?
    icnmii acompanna nvreios com
    \ 96^000 A 90^000
    SOME LEITE,
    A"
    do Barao da Victoria n.
    2 6.
    MCHINAS PARA COSTURA
    A 25^000 e 45^000.
    D0US P0SP0NT0S
    Nalojade Soarcs Leite Irmaos, a rua do Barao da
    Victoria n. 28.
    pellica
    Luvas de
    * 200 rs.
    Abotoadu^is para collete, grando sorti-
    mento a J20 rs.
    Caixa do linha de marca, a 200 rs.
    Lamparinas & gaz, dando uma luz muito
    boa, a 19000.
    Duzia de ]*ecas de cordao imperial, a
    *i0 rs.
    Caixa da botdes de osso para calga, a
    800 rs.
    Dsziadecarreteis de linha, 200 jardas, a
    OOOrs.
    Idora idem 60 jardas a 240 rs.
    Ifaco de nu chineza, a 80O rs.
    Caixa de bnha com 40 nomUos, a 500 rs.
    Meios adore^os com camafeu, a 500 rs
    com poquono toque, Espelhos de moldura dourada, de todos
    'os.tamanhos e precos.
    Para a boacon^rvacaa
    DE
    YOSSO CAB&te
    Elle e* un preventivo s?gnro ecerto i-.>nln'.
    a ualvice.
    Elle da" e restaura fon.a e sonidadc & ]&;&
    Fllacab':!;a-
    Llle de prompto faz cessar a qu.-da \cr.ta-
    turai ik >s cabolles.
    ^wdagrauuui., rjqutM de islre
    belles.
    Elle. dome c fw. prostv
    iOCi
    'var os cabt:i,
    q..e 6-i
    .:
    Mo'i-tAo claro roin o vernizparaas
    caixas das onrrnagans. Iiopivga-se rwis jo
    gos das carriiubciis e titiTibem para asp.'i-
    taeiras demao sobre t6res tscuras. W*
    toa998T-e a peura pwqe paswwtae 10 horas,
    pnd*fid*'rtar-soem Mtftianla
    Vernix preto do Jp3, superior.
    Pata tralwbios ci;i pr-tu de carruageus.
    4'msotti-o preto BMM esi;uro e brilbaute, e
    de errOSaOS !pod pawr-6R a pvilra ponws to horns de-
    po. Dev4> l*r se rtuas fundo prto e cobrir-se cum outras duas d;
    verniz quese uiiiiwi^a nas caixas das carrua-
    ^rens.
    VEIW1Z-PARA (.01 HOS, ..BHll.HANTE E
    1.1.,. Silt. 0.
    Este verniz, contmdn na sua composi^ao
    grande quantid.idp d'uma suhr'u-i'.nia muito
    semelbante ao weiaa itvwpmiimflopM> bceuf,
    ao rcuro ve-
    rhoewerntsado. i.m ral basta uma de-
    m^o- qUe deve ser appli' .-ia muito lig^ra-
    mewteycom um piuci-1 d^pois de ter !in;po
    o eouro oi iijji>a-r>/.. '..xpusto ao sol sec-
    ca em 1 ou 2-hoias, e & soinbra mas ao ar
    secca n A. Em itt-mpo numido e inutil tal
    trabalbo, for qatarto e" pnssival t- mar o
    verniz elastico e seccantf ao mesmo tempo,
    Vcruiz\pi' apporelho.
    Depois de teApplicado 2 ou3demaos
    destevorniz r.'um'Hitorv !lo de 8 horas, dc
    PEWUMARIAS E MIUDEZAS.
    Frasco com oloo Oriza verdaaeiro, a
    15000.
    Idem pomtoiiico de Kemp, verdadeiro, a
    15000.
    Garrafade aguaflorida verdadeira a 15200
    Garrafa d'agua japoneza, a 15000.
    Idem idem divina, a 1C000. ,
    Idem idem Magdalena (novidade) a
    15200.
    Caixa de pos para dentes, a 200 rs.
    Idem idem de pos chinez, muito bom, a
    500 rs. e 15000.
    Pote com opiata de Riegor, Rirool o Gros-
    sabonetes de araendoa, ft.
    Garrata.de tinta roaa xtra-6na a lannO'nel, 15 00.
    Poles com diu inglexa, preta, a 100 e Duzia de
    UM.n. (35600.
    Duzia de sabonetes deAnjinho transparen-
    Baiilisla de padroes mui delicados.
    Per.ralinas de quadros prn)s e brancos, de lis-
    tras, etc.
    Brius de linho de cfres, proprios para vestidos
    com barra e listras.
    Fustao de lindas cores.
    Casaqnjnbos de lii e de todas as cores, para ,e-:
    nhoras.
    Saias bordadas para senhoras
    Camisas idem idem
    Ve^tuanos para meninos.
    Ditos para baptisados.
    Chapcus para dtlps.
    Toalhas o guardanapos atJamascados de linho de
    cores para mesa.
    Colchas do 1 .
    Cortinados bordados.
    Camisas bordadas para homem.
    Meias de cores para homeRa e ineiii(io.
    Complelo soriimento de cliapeo* de sol para &(
    mens e senhoras, com oabo d piarfim.
    Merino do core* para vestidos.
    Dito preto.
    Atoalhado de linho c algodao para loalhas.
    Atealbado pardo. .
    Brins de linho uranco, preto e de cores.
    Setim de lindas. cores e com listras
    Cliales de merino de cores e pietos.
    Ditos de casemira.
    Ditos de seda preta o de core?.
    Dito de tomjuim,
    Canusas do linho.
    Ditas de chita.
    Ditas de Hanella.
    Ceroulas de brim e algodao.
    Damasco de la de cores.,
    Pannos de crochet para cadeira, sofa e consollos.
    Colchas de dito.
    Tarlatana de todas as eSrcs.
    Espaniihiis lisos e bordados.
    Fouiaid' de ?eda.
    Casacos a tricot.
    Riuis cortes de vestidos de linha para senapra,
    de di ersas cures, com os competentes enfei-
    tes, ultima moda.
    Casemiiaa pretas e dc core,cUilas, madapoloes,
    cambraias, panno lino preto e azul, collarinhos,
    punhos, gravaus, lavas de pellica, ditas d no
    de Esevcia, brancas e de dwres, tapetes de todos
    os tamanhos, bolsas de viagem, etc etc.
    Nalojado Passo, rua Pruneiro de Mar?o..D.
    A, nuliga do Crespo^___________________
    Caixa> de pennaa Perry, muito boas, a
    ldom ide-n.a iOO rs.
    Caixa de enveloppes tarjados, a 500 r,
    Idem idem forrados, a 700 rs.
    Caixa d papel amisade^ betra dourada,
    r 800 rs
    Idora idem idem lisa, a 600 rs.
    Duzia da talheres cabc braneo, 2 B., a
    h?000
    Resraa de papel pautado, a 45000
    p55800.
    tes, a 25200.
    Idem idem com (lores, a 15500.
    Sabonetas Glycerino transparent*. a
    15000.
    Caixa com sabonetes, formato de fructas,
    a 15000 e tr5(0.
    Coeaaeticos, graudes e pequenos, a 100 e
    800 rs
    Frasco coraaguada colagne, a 200, 820,
    500 rs. o 10OOO.
    Extractes muito fines dos m^lnores au-
    TASSO
    \
    es
    rua da Duuue dj Ca^Uafrn.
    30, recebtu. novas'e bonitaj volas e. brincod.da
    grossos "ljofares de c'ores, e coinoNsemprd canti-
    nua a vende-las por preco commodo.
    Novos diademas doura^os e
    com pedras.
    A aguia branca, a rua do Dooue do CaxiaXn.1
    30, recebeu novo sortimento.de lionitoe diade^ e o unico quo da tlexiUili mas dourados e com pedras, tauto para meninas
    como para simhorai.
    Collecqoes de traslados on
    normas para escrever-se..,.
    A aguia branca. a rua Duque de Caxias n. 80^
    receueu novas SjfleccCes ou normas para as crun-
    ras aprenderem a escreyet por f mesmo, hoje t*o
    usadas nas aulas e eoltefiios; c como sempre ven-
    dq-as por prerQ.comowdo. t
    Meias cruas finaspara meni*
    nas.;,eseolioras .'
    A loja d'aguia brjwfc.-.^rua^uque de Cax^J
    n.bO,
    cura.da
    mente .
    precos coniiiio,!.'.-..
    Veos on marrfciiihas pretas.,
    ' A loia da aguia branca, a rua dopaque dc Ca- L
    sias n. 50, recebeu bonfrbs veos ou manttnnas
    pretas de seda com flores, o outra9 a imitac&o de
    erocke, e vehdfi-s peb> batatas preto* M
    i* e 6jS000, A lazw^a c boa e.^U.cm pcrfaw
    estadd, pielo que('contlniia a tor Lronyta.e^rac-
    caf
    N Perfeita novidade..
    Grampos couvbonbote^aa, bezour.oa::e aiar
    nholea daudos cqloridoa.i,
    A iJft da aauia branca, .a, r,ua do Duque d
    f^xiaM'VpeabeS novos grampn* rom bor-
    boletasmezonros e gafanhotos, o que de certo 6
    perfottJrnovid do-. A'quantwade e pepuena, e
    por isso em breve >se acabar^,,
    Novas gollinhasoraadascom:
    , pplijcia ou arminho
    A loia d'aguia branca a ixa 1)00,0^ da Caxias
    - 30, recebeu tinia pequena, qaanljdad.-. deljoni-
    s e novas gollmfca*, trabatho de \i c da, en-
    neitadas com armiolio, obras estas *o mnrto goato
    a inteiramente novas,
    j Grampos, brincos e rozetas
    doucados^
    A loia da aguia- Jjraaoav a rna do Du^na.
    Caxias n. 50, recebw.flovaineftta LoBUos, gram-
    pos brinces e rozetas dourados i assim como
    novos diademas de aro, e comofempre corrti
    nU> a vende-ios por prcos raaoaw -
    Caixiulias compos .douradosi mbmi servi
    e prateados, para cabeUo.-;
    Vende-se na loja da Aguia Branca* raa do Dn-
    Ee de t'axias n. K0:;
    uvas de pellica pretase de
    outras ooros.'
    A loja da Aguia ftnaca, rea 0*l-f *^-
    xiaaa.. 50, rtatbea. noro>SMlii.4e Jra* da
    pellica, pretet. ft. da outras qualquer forms on posit,t.^n
    je, n'ui.i i-staih. fornosii. Its.. ,
    Ello faz trescer os citbeUosbasti)' eS. ^^mj.
    os.
    Elle consfirva a pelle o o casc< di Mj
    limpo c livie de toda aespftcie d* czp.
    Elle previneoscabellos dc so toruareai bam-
    cos.
    Elle conscr*a a oabeQa n'uiii ostac^o i bet-.
    com refrigerante e agiadavel.
    Kile uao c ilcmasiadauionte oleoso, gi-
    reiup ou pcgadico.
    Elle nao dcix;. o menor chciro desasjradt-
    vel
    Ei'c e o nulhor arligo jiara c- (v'..ilo dm
    cnan^as.
    Elle ii <> uielhor e o mais 5;'r..?;ve?^r^f
    fi.ira a Ln.'o i.oiis^rvo^ao ai.ar.jo da-
    cllos las M-niiHrns.
    I'.lio e o uiiico arliyi proprio pa:a o jawJe*-
    do '''.'s taV'lio.-. c uarbas do? Sfnti****.
    NEiSHiftl TOUIVDOR DE S'-.MlU^A S.
    .LODBCO^InErtAR L00 COii-
    PI.ETC SrM 0
    TOMCO CiivrAL '
    o qua! preserva, limpa, ti>nilitaeaforroosj
    O CABEBXO.
    Acharse a venJa Bos cstabi'lfci.nei.tws ia
    U. Forster A C. ag.'; U-s. E ?:u iooas *
    principaes lnjas do perftunarias e b:>li< -is.
    Triumoko da
    r
    i
    A
    \
    ve-se-deisar aobra itnaita por 2 nu 3 dias,
    no ttm dee quaos so pfciu puhr com exlre
    ma t'aoilieidade. E' essicialmiite neces-
    sario cobrir csto verniz co. duas demaos do
    verniz supertino p-^ra .^auus de carrua-
    gens. \
    VERNIZ SECCANTE.V
    Mistura-se com as tintas de app^relho, e
    sobre tudo coin as tintas moidas, para que
    sequem mais facilmente e para lb
    mais consistencia.
    Como niio enecassario dar luslro a ultii
    demao de verniz emprcgado nas caixas de
    iQarjMMgeiis e Ofl ''os jngQJ, envena da" lo
    u'um local separado Hmde nao Imja p6.
    Quando a oUra urge, dwM' por so a sor..br
    *aq.ar Uvre dopois di: s.cco, isto e, passa-
    A&& 12 boras, luva-se e enxuga-se.hem com
    uma esponja huinida Quantas mais vezes
    se titer isto,. mais brilbante iicapi o verniz,
    e maisdepressa ss Wr dnaid^ a oarruagem
    (em caso necessario ti d*as depois d- ulti-
    ma detpao). Du rante f.s duas ou tres pri-
    meiras semanas deve se lavar a carruagem
    com agua fusca, depois de tcr ser-
    'dido.,
    Os frascos devem rnservr^-se sempre
    hermeticament^ tapados, o resto do v iz
    dAo se deve dtlxar ficar no frasco, e p6df-
    uiar-se para aslnrimeiras demaos.
    ! Nao deve mftturar-seconi eslo verniz ne-
    nhum outro inarediente. nem agua-raz, e
    de nenhum 1110^) com o seccante. E' pre-
    ciso liropar bei* os vasos e os pinceis. c 0
    "r um piucel para coda ver
    Deposits uniio para 0 Brasil, Bartholo-
    meu & C, I'erftaiiibuco, Rua do Rosa
    rion. 3i. )j____________________

    .^ ^' &> v
    Idem idero Hso, a 28800, 39800 e 8*000. tores.
    i^jques modernos, a 8WMH> Lindas e elegantes caixinha* 00m perfuma-
    Ouzias de pecas de trances de caracol rias, proprias para presentes, do autores
    l.rsnca, a-^00 rs. E. Codray..Kiw, tielld Freres.etc.
    Idjem WUinalisas, a 200 rs. Quadros com santose estampas separa-
    Leques ie osso; e sandalo, a 29000, 49- v 09OOO. Entremeios e babados* transparentes e ta-
    Fita de veHudo de todas as cores e largu- pados.
    T4S- Uma grande taboleta propna para qual-
    Microscopios com 12 vistas.ga 69000. quer loja.
    Frasco eon'-oleo- para machina a 400 rs.
    Rua k Barao da Victoria n. 28.
    Em seus armazens A rua do Amorim
    n. 37 e caes do Apollo n. 47,
    tern para vender por precos commodoi
    Tijolos encarnados sextavos para tadrilbai
    Canos de fearrn para esgoto.
    Gimento Portland.
    Gimeuto Hydraulicc.
    Machinas, de descaro^ar algodao
    Machinas de padaria.
    Potassa da Russia em baoil.
    Phoephoros de cera.
    Sagu em garrafoes.
    Sevadinha em garrafoes.
    Lenti'has em garrafoes.
    Rhum da aJmaica
    Vinho do Pertu vaHia eDgaeratadu
    Vinho do Porto superiora 4iio.
    Vinho de Bordeaux, dito.
    Vinho de Scherry.
    Vinho 4a Madeira.
    Po*> com linguae e dobradas ingUza* -
    Licores tinos sortidos.
    Cognac Ganlhier Preres.
    Latas de toucinho1 mglei.
    B^rrfs com repnlho ertf safinWWfc'
    \
    se
    Baraiissimo
    .Lawiahas com b>ira< enanipadas pelo diminuto
    recede A60 rs. o oovado.
    Wfacom listras afselmadas a UOOO o co-
    Granadinas.prctas com "stias de cores a ouo rs.
    Metins U'sujados proprios para ve tido, a 320 rs.
    da Ca9 Port* mn 6*0 patewa '0 oovado.
    Alpacas de quadros, propria* para vestidos, a
    440-sa- o covadu.
    Brim ifcraaOyiiMia, p.-.ra c"vas a 1 \500 a vara.
    JDito iraucado a 1*600 a vara
    Difo de WteS, linho puro, a t400 a vara.
    rwliiurliii
    'CaopdM.de sot de aada, cabo de canua, a 8^500
    cada-OfBi-jjlaiado f6 non. iO da rua do Cre>po,
    loja das 3 doi tas. de Guiiherme A G._________
    um sitio no largo
    de fre*no WO dBfandoaontOiUjaiA oumeaes^
    com tasa dei4rae ,cal, ,7 quartos,,2 ala.e<*
    zinha f6ra, 4 cacirobas o div(.rsos arvoredos
    de ructo.-*; assim coiiio. wn outro mmor na 'tra-
    vel- -da weNtttifohaitdowa a wtrad* ijne.w
    paia o Arraial, cum casa do pedra e cal, com.* *l
    SuarWs,-aauiba fcra, aciuba o ilgima- alvore-'
    osde frurlo: no paten do Carrao n. 3, ou na
    rua das Trihcbeiras n. t.
    ~
    A loja do passo; a tua do'reip^ a. r A, rece^
    beapelaUIIIaopJtt*te> Ti09'tap<5et'par'
    nhra atara med*. .________.

    paq
    Os verdadenros1
    Vinkos: de Bburgogne
    Lindas pnup^Rhas de linho espda^o <6>\s, tazenda mUito
    em dm> actuiihii.iitf na Eurupa. e iiiteirani.-iite propria para
    a preseate estoc^o, pelu baratissimo preco de 400 rs. o co-
    vado.
    Na rua Prinr.piro Hr Mar^o {; ntiga do Crrspo) n. 13, loja
    das Culumnas, de Ant

    (fas warcas
    I Chaasbertin
    pummard
    Virite
    Volnay
    Bean**!
    MontneTie-f''' lj a
    Dito Bordeattfem ^uartella*.
    Yend-si |r bamlo preco
    TAftA LIQUlDAgiOVttE COKTAS"
    NA
    Rua ILttrs do Bosario 34.
    Botioa.
    "i a
    Armazem
    i).
    Jose uomingues do Carmo e ?ilva pwtWpaatal
    seu?frefTMivemfea|Uf m
    a. 10 A, 6e achaum com-
    .:E para -quem tem gosto.
    Ve0*'*Jranco> com bubadoa crespos.
    'A Boaa.>firanoa vende vestidos de cainbra-a
    branca com bahsdos do ultimo posto e prejo mui-
    to baratissimo.
    Oolxaspara camasa2j^800.
    , iJsto'* Btetada de seu valor : qoem qaizer ve-
    Madapolao francez largo a
    "bu armaaeaa
    a dA iladfeyite Dew* u. 10 A, ee acha- um cum-
    eto sortimenUHle fumo em Tards dc pajeBteJ
    ^le3.bserteirtfcTtieHKJ!rfabTlr i
    e bewawai-a Bo* *^itoto'oa'fnis' A^aWda'
    .arssasasapss^^ i; r issihado modemo.
    ^4n de supprKT qnal.dade e novo.
    &W^^^^SS^.X eosTa i*m:o metn, Mo e por metade do
    irieWjatie 4iinaosi>iBd ua^-voatecMD*i4k, W? n4.~
    fbBucodesu capitak; O aB.aunaiflulp.-drtclara.que | (jamDraiilS pretaS
    lodb.iumo qua for vendido em sua taaa seraipeR* vgmfl\m?-'i& vl%^34WKfsa gfsgt.- *> *** *,oja da
    Mi para twm gervjr a todos tem o annunciaa< i , ^n#a prtbca^5 *uf*" <***.*>n>mrmo. \f fLtV*Ur*,*Oltt
    Veode-se
    T-*-
    Ucad^i
    R' in^dapoUo de 8i. It- e pra acabar.
    r
    i
    Em tem pos modernos nenhum dosc-uLu^
    opeuromaior rcvoluQao no uooda *
    arileriormento cm voga do que o
    m BE ftttMBft*
    ASTO NO TRATAMENIO
    d\
    To.ss.- Crupo,
    Asthma, Thisica,
    Rouquidaoj Roil'riameotos.
    Bronchites,
    Tosse .CouvL'lsa,
    l)ores de Peito,
    Kxpfctituracao do Saig"ie.
    Como em toda a grande >...ie ('e oiifenai-
    dadus da Sai-ganltt do E*.itotdQi
    Oi-gAoN < -4.-.|!i,a;ft, que tuii
    atormentain o fazom sourer a h,iimaviid*du
    A maneira antiga do curar consi^Ua gcrJ-
    mentc na gnas sarjar o.. applicar exteriornv nte ji-
    guentns fortissimos compustos d siitstan-
    cias vosicauios, afim de produzir-wm.olb.aii;
    cujos di.Terentes modos de curar, uao faziast
    senao cnfr.iqueci-r e diminuir as l'orcas pobredoente, contribuiudo por esta ion*
    d'uma maneira mais facil o certa pai.i a cti-
    fermidade a dcstruir;ao inivitavel de
    victima 1 Quarn differente 6 pois o c-tkiit
    admiravel do
    FEIT3EAL DE AHAdS7I!AI
    Em vez-da irntir, mertiiicar c uauzai uiaa^-t
    flitos soflrimentos ao dot nte,
    Calma, moditica- e suavisa a dor,
    Allivia a irrita^ao,
    Desenvolveo entendimeuto,
    Fortifica o corpo
    e faz com que o syslerna
    desaloje d'uma maneira prompta-e vapnia
    ate o ultimo vestigio da enfermidade, Qa
    melhores votos em medicina da l;:ii){ % [ea
    e.ntes dos cullegios de medicina do U'vUio)
    lestiflcam srem exactas e venjadakas esias
    relacdes analogicas, e alem disso ? n?b-
    rieucia de milhares de ppssoas la Ameriaa
    Hpspanhola. as quaes foram curadas cant
    Ste -narat lhoso remedio, sao mais quo sali-
    cien es para sustentarem a opmito do
    PL1TOHAL DE ANACA11L1TA 1
    Deve-se natar que este rcmodio sc acha
    inteiramente isenlo de venenos, tanto nirai..
    raes, como vegetaes, einquanto que p'xumt
    dites ultimos, e particula .nentc sque'laa .
    que sa dados sob a forma de opio, e jki- .
    do hydrocianico, formanl a basedamaiar
    parte dos Xarnpes, com os qnaes tie V
    cilmente se engana a crcdulidade de ]*-
    blico. A c^imposi^ao de anaoahuila pet-
    ral acba se U'nda e curiosamente engarrafila
    em :" >S da me. I id a do cerca de nvaa.
    quarrilho caila um, e como a d6se que ae
    toma e s6 d'uma colher pequena, bsCa,
    geralineute & applica^ao d'um ou dous fias-
    cos para a elTectuaQao de qualquer _rura.
    Acba-se a venda em todas as b tint-
    H. Ertistefs A C, agentes.
    lini^os agentfs nestii provincia os "vs. J*
    0. D. G>yle, rua do Commeicio n. 38.
    m
    ^
    no estado am que se acha sitro axtHeata no
    Ingar do Remedios. freguetia -d**- Af*^adS n-
    Si. hoje b.-cco da travessa do-4i*mpdii>i>.-B 1^
    em >:hiio pr-.prio. (|uem o pretender entaada-se
    i eoai o seu prnprt^tario na rna-'der S.Wttclseo,
    i coaio quem vai para a rua BelHay-aebniftutb' 10,
    1 que se fara todo negocio.
    na venda Laaa
    TeoAaHW nobfMeM^tac. iaafo>.ns, 4 a 6.doae'
    fin-sdeio.las.as .|U* pnv atacado : unica casa que roemor podte servir
    aos eomp'adorts: As terqas e sextasfeiraa ta
    requetjao._______________________________
    Extraordinariapechincha
    3^500
    CoTebas' oV a!g dao adam-gcadas para csma
    per bahti*rm af^os, de Gurgel do Amaral C. a rna Primeiro'
    da Marco (antiga do CrespoJ a. SO A.
    otn eHeeOpDlP1* t" m W-a de m..radia. no lugav
    dfO*n*taf.'SalJwdinh.., di-lrkii dc Olinda : a
    *iaiai!iiariia*tn Pi:p:'r;:dcr n. 16. S* andar, pela
    manha, das 7 5s 0 limas,.. a tardc das 5 i.oras en
    dlan'g,_______________'__________',
    Wil >-n tli-vv & t.. ,udem ao sen armazem
    a'traa de ft>;iii. raatii. It !
    O'verttMlniru p uu.> df algodao azul amencane.
    Eictibanlf fl >' *cla.
    Gngnac dc V ijualidade
    VinWo d? R.r.tc;ou
    Carvio de Pedra de t_^das as onalidaae_______
    ~'VenTf-sc umaatnia ^ l-nro, moiln Pr"
    VF.NDE-SE
    uma r** na villa de Barreir.*, na rna do Cca-
    mercki, p<>r preco modico : a tratar com !.
    lrmats 4 0. _________________ _
    i;tas
    Mi>bilias ban
    No armairm de J aquiin Lop-s Mac ada ii *i.
    ha um bom s-rtim-nto de m'>i>ilia> -U 7'uma
    br*n* eftreU^. que ae enl#m a pre^je *.%*>
    IM.-d.8l________ 2
    , ,, r.n.le balcao.enmai Vender uma ar.nac>.o de anrel!4 ca*
    ;<

    i



    Jt- >
    8

    -
    Diario de Pemambuco Quarta leira^ i9 de Kovembra do 1S73.
    V.7X
    MX

    S
    Pelo Correto
    (liacnmo de .Vartorello
    Sorge-3 de jaueuo de IK66. Sabes tu
    Weuino, ;i que hMf.is acordei hj? Nao
    |i^!03* ailiviiili.tr. A um.n liurajia tarde.-
    T;t nbo.n driH-inu a- 5 da m-uiha e dormi
    on. boras s,'g.iida.>, posa-lamente, estupi-la
    m-ntfj. A causa fie tudo isto, de tola es
    ta kuiii'ira, o a vida q;:e tenho levatlo ulti
    mamente. .la .ni.hiva i osnoitado, e dbmo
    quo idiota, com iima sobrvoxka$io n>-r
    ^o-.a, h live medu que a minha imagiuaria
    mofos'.ia rlo novw viesse nccommetter rat.'.
    Estoo, feiiz.unite, aeahna Jo e livre do
    esta fame to a quo me deixei levar.
    Tambem crew que em tuinba vi.fa nig
    itie lombro ter nunca pulado tanto, feito
    tantt extravagancia, coino pela testa tal e. Jo Anno-bom.
    Prometti contar te Upto o que por aqui
    so passasse, ebasda aturar-im- quer quoi-
    ras quer duo. Iw.-dumos p or paries.
    a f-sta d qe f.-.U.-i teve lugar 0 mais
    cstrrmdirs'a do que oa julgiva.
    no lia em que te cscrevi apenas. umas
    qualm hohas, estava npqvfi a familiar em
    e*sa do minha tia coiu im fonniguciro.
    53 .i via gotite de !da a tasta, typos de to-
    do > gouere : no a galena complcta, onde
    os Imslos resaltavam em re.cvos mats ou
    men s origniaes e bnrlescos.
    V marezia in e vinha nas vastas varandas,
    cirji-Mvast:, ruiuorojava; c.mtava, rin-so.
    lumava ; alegre, doscuidosa, cxpansiva o
    commiinicativa.
    Qaares algu us perils para a tua colloc-
    e,ao I
    A hi vao :
    0 eapitio FLavrador influents, eicttot
    c vereador da camara. Solidamonto c : s-
    truilo. Largas ospa loas, pusco$o d', lou-
    ro. brag s musculosos o grandes maos de
    grossas rcias esoaras, scnolhantes a cor-
    ddo.s, do dous ceotimetros de dia metro.
    Tnguciro e do polle cslrag.-ida |>elo sol. Ca-
    bellos cnrtus, asporos e amiivascados (tam-
    bm .ffeitos do s d ) Phisiouomia abertae
    fran a, olhcj d flordo rosto e bocca synipnti-
    camente rasgada,seonprecom urn rno bo-
    n u.lieirao bos labios gvossos. Uico e li-
    bexal. Nfto faz muiio caso da soa iafluaa-
    Cia, a qua! Hie e dada som que c-ile a pe^a.
    A su.i fazcnda < um arniial. Do iki a vni
    to familias moram cm suas terras, sera Ihe
    pag-irom o aforamento.
    Os competed es pais dess,is familias sao
    CtfMZos do cortar o pescoc/i por causa do
    temento, pordm Sem affeetaglo. E' solteiro
    e sabe latino.
    0 moco Landolpho.-Dezoito anoos.
    Producto inactivo da illustre familia dos
    Souzas. Representa pelo nome o gosto de
    seus progenit res, pelo romantisnoo e por si
    nada representa. Toca violio e canta mo-
    dmhas. Tom um correspondeate na capi-
    tal que o foniece do que ha de raais chic
    e da mo'la. E' uma taboleta irritaoto de
    mdo gosto. Estupido corao um pio
    do lenlia e pretencioso como jjht peni.
    Traz ii cabello repartido ao raeio, desdo a
    testa ate o cog6te, alisade a cosmetico e
    oleo do babos i. Sabe apeuas soletrar, por
    quo o pai taz lho toil as as vontades e elle
    nunca quiz aprender a ler. Emprega-se
    om fazor nada E' abrutalhado e tem
    maos e pes enormes, creado a manga lat.su,
    na liber.lade luvas de algo-lao.
    Phisionomia chata, c mmum e agordu-
    :"da. Sadi > e constantemente suado. L'sa
    bate; de caono encarnado, que elle deixa
    apparccer por tafularia, q-iaodo se assenla.
    Traz uniforme eompleto de cachemira tt-
    de-eauna, com salpicos roxos e usa collari-
    nhos dc-itados, com uma cabega de cavallo
    em ada ponta. A gravatae verde e ama-
    relladas qoNS uaciouaes. Ri-se alvar-
    mente, deixaudo apparecer, pelo forte arre-
    ga<;amento dos labios, gougivas proeminen-
    tes e dentos taibados em pontas agudas.
    Tern as maxilhos largamente deseuvolvidas,
    como os caniivoros. Falla grossa o de ne-
    capi ao. lutelligftiile, mas ignorante. J4
    fez w.an viagoin A Kuropa, e eslranh u os
    eomeres do bordo. Enritirece se faiil-
    nionto,
    i-' capaz do esbnrrochar n:n novilho com
    um rniino, mas an la de gatinhas com o
    tilho a"s cost is, c a filha faz delle u quo
    quer. E' o pai da Clarinlia. Veste rou-
    pas largas de cachemira cscura, ponim mal
    feitas. Gosta d' andar sempre a cavallo o
    com grandes botas .1 rus'siana. 46 an-
    nns.
    0 alferes M.Vivo de suas ageucias e e
    juiz ile paz na proxima freguezia. Magro
    e r.ervos >. Cara, cuja acentuac^o tem al-
    guma cousa da bisbilh lice do furao.
    Olhos panlos 0 sorrateiramente escoiiihdos
    debaixo das arcadas laperciliaes, do uma
    prof-minencia aterradora. Pequesas oj-e
    lhas encurvalas. Ouvo como um tisico.
    E' a chronic i ambulante de -tndb q'uanto
    so tem passado na eoroarca, de "10 annos
    pra ca*. Falla pelos rotorellos e ssliva de-
    masiadamenU'. Mesureiro q adolador.
    Tem butica bomcopathica e cara a.is Dobres e aos amigos. Isto dd-lhe -Ji
    roito a um dizi.no nas ga,Hinhas dos primei-
    ros od bos provisSo dc/sua dispensa. Al-
    gumas vezes a Ivogi aTscrve de procurador
    em etusas perdidas/ Mo se lho p6lo mar-
    car precisamente alidade. De 30 & 50 an
    um. Aspecto de folha secca Ostedla um
    certo chic no vistuario. Calca (lor de afa-
    zema, colleto branco com grandes boto^s
    de vidro v^rde, oitavados, sobrecasar.o pre-
    to. Cab'olleiri corrida e pentcada reluzen-
    F0LHETIM.
    IUCESCIA BOE&IA
    MEKORIAS OE SATANAZ
    POR
    n, Muno*l |.'ernanlet. ydiouxalez
    PH1MEIRA PARTE
    0 GRAN-CAPITlO.
    \l\
    A DUOL'EZA D'liKBINO.
    (COntiuua(;do do n. 264)
    Lucrecia era mais mulher, mais tontido-
    ra que Augiolina ; mas esta era uma espe-
    cie de anjo em risco de queimar as azas no
    fogo da vida, e Lucrecia tinha muito de de-
    monio.
    0 gran-capiiao nio comprobendia como
    podia elle petisar naquellas duas mulheres,
    existiudo D. Maria Manrique, sua nobre e
    formocaesposa.
    Alum disso, euvergonhava-oo andar cor-
    rendo aventuras como qualquur pagem ou
    gala.
    Com ctrteza que el-rei meu senhor
    n9o faria o que eu estou fazendo, pensava
    elle i nao sei c q\ie (bqo aqui, formando an
    tecamara a essa senhoia quese esquece de
    si mesma ate ao ponto de amar um aventu-
    reiro, sem lho importar que eu 0 saiba ;
    nao, o rei, meu senhor, embora nisto esti-
    ve^se empenhado 0 seu reino, n3o faria isto
    c alegrar-se-bia muito com saber que 0 fac,o
    oa, para murmurar de mim.
    Nao saberaos a razao porque, em todos
    os momentos um pouco importantes da sua
    ^ida, 0 gran-capitSo se punha em paralello
    com Fernando V, e em decidido antago-
    uismo.
    Cohsistia isso, certamente, em que os dois
    0 estimavam no que valiam, invejavam-se
    e ivsultava diiso que o gran-capitao era
    u.uito vassallo jiara Fernando V, e Fernando
    pouci) rei para 0 gran-capitao ; era que
    eram-no tim de contas, dousreis de facto,
    um coroado e cutroscm coron, porem que
    *ccrescentaia 0 reino de Granada & corfla dos
    sou* reis, devendo accrescentar ainda um
    de NapoJes.
    isaallo:. jue dao reinos aos seus reis,
    come Aimazor, o Cid e 0 gran-capitao, sao
    verddeiros reis que attendendo tao s5men-
    e i sua honra, e para se nao mancharem
    com a fama do rebeldes, sdffrora a eua vas
    0 coronel SouzaPai do citado Landol-
    pho. Rico como um porco e burro como
    tres camellos. Paparrotao e de rades ins-
    tmctos. Faz eiwprestimos ao governo e
    persegue os do partido opposiciouista. Re-
    cruta. processa. faz cercos, solta presos,
    manda espancar os teirnosos e tem guarda-
    costas. 0 tilho vai-se creaudo com estes
    vxemplos. Pelle secca de pergarainho
    amarellado e focinho do lobo. Olhos pe-
    qnenos e vivos. Orgulhoso e com tenden-
    cias d nobroza. Sonha com um baronato
    e gosta de ..stentar riquezas, sendo alids
    um unhas de fome. Maltrata a mulher,
    segundo se diz pela bocca callada. Sultao
    le scnzalla. Dizemquetem uma morte no
    custado.
    A Sra. EuphrosinaMulher do prece-
    dente. Phisionomia escaveirada e tristo-
    nha. Tom de resignacao soffredora n-j
    somblante. Pallida e mal vestida, ambora
    suas roupas sejam defazenda fina. Disseram-
    me que em casa ella anda de chita coberta.
    0 marido compra-lhe sedas por causa
    dos zunszuns pubheos. Nao tem forga
    moral para com as mucamas, porque
    o marido passa-Ihos a rnao pela ca-
    beca. Roconhece se quo -tem um grandc
    pezar, Sinto me lovado por uma svmpa-
    thia compassiva para ella. A sua distrac-
    cao consiste nos seus santos e oratorios.
    Disseram-me que -esa muito. Parece ter
    sido bonita, c o \.,rtz e de um talhe muito
    correcto, de azas pequenas e palpitanles.
    Tem olheiras.
    0 Sr. Ppocopio Faz-tuds da freguezia
    em que njora. Tem uma vonda e advoga,
    cara, eVvetorinari >, lira denies, sangra vac-
    cina.e delegadolitterario. toca flaita, ajuda
    missa, canta nas igrejas, faz fogo de vista
    e cura de cobra. Baixo, repolhudo, cora
    do e sempre alegre, Anda depressa, e vi-
    vo, saltitante e conta anedoctas. Tem uma
    collactjdo de Almanaks de Castilho,
    um mappa-mundi, um formulario de Cher-
    noviz, formularios de processo eum exem-
    plar da Thereza Philosopha. Entre rapazes
    passa por maganao. Tem seus actos de pe-
    queno scelerado. Boa pessoa no fim de
    contas inoffensiva. E' calvo e usa oculos.
    42 annos e ID mezes de idade.
    A meniua NCarinha de agnus dei e
    voz de assucar em ponto Grande crino-
    line quo bate no sobrado quaodo caminha
    das de gaiola, pelo que pareceu-me. Vi-
    a um dia pela manha, simplesmente com
    um vestido de percale, enesgado, e estava
    a malar com os cabelbs fartos enrolados
    no alto da cabega. Paramentada Qca ridi-
    cula. Sabe versos de desafio, mas prepara
    uma torta a lmiravelmente. Sabe atirar e
    sallagem. Genzalo irritava-se por ostar &
    espera de uma duqueza ilaliana ; mas nao
    se unpacieutava por isso que b entretinha 0
    pensamento.
    Afinal abrio-se uma portaeappareceu uma
    mulher, de trinta annos aproximadamente,
    singelamente vestida, de cahellos louros
    penteados em tran^as, sobre os cabellos uma
    peqnenina touca de velludo rdxo com uma
    simples bordadura do ouro, c vestido do
    velludo i& mesma cdr.
    Gotizalo poz-se em pe estremecendo ; jul-
    gou que tinha diante dos olhos a sua nobre
    rainha Isabel, a Catholica. A fascinate,
    porem, passou logo,
    A duqueza d'Urbino era iuGuitameute
    mais formosa e mais joven do que Isabel, a
    Catholica, e nao poiia haver eompa.-acao en-
    tre ellas.
    Isabel, a Catholica, era a grande dama, a
    dama por excellencia, a creatura nascida
    para representar sobre 0 throno a grandeza,
    a pureza, a virtude, 0 enthusiasmo, a ma-
    gestade sem alfectacao e sem soberba ; era
    um anjo-rainha, um phenomeno, o con-
    juncto mais corapleto de qualidades nobres,
    l sadia.
    A menina GenovevaRomantics, da fa-
    milia das Beatrizes de intornafo. Litterata
    achlorotica. Suspira ajMQ'dadamente e 6
    sceptica. Come pouco e debilita-se pro-
    gressivamenta. Tom gritosinhos assustados
    quando monta a cavallo.
    A Sra EsmoriaMatrona escorreita e
    activa. Especialidade-faz doces 0 laby-
    rintho. Usa mangerona nos cabellos e pen-
    te de tartarujja. Tem juras de granadoiro
    0 fuma cachimbo.
    Basta Por ahi verds 0 quo ia entao pe-
    la casa da lia Manauna.
    A varanda o-tava eiplondidamento ador-
    nada : *a cos de murla, (lores, arjry, lan-
    tern de papel de cores, etc. Respirava-se
    um perfumo agradavcl, acre, campestre,
    que pre lispunha 0 organismo para affron
    tar o cansaoo.
    Ao canto da varanda estava armado 0
    presepe para para 0 qual fortemente cou-
    tribuira a habilidade do Sr. Procopio, no
    preparo dos boiiecos de barro, do repuxo,
    dos patos e do ceo do algodao anilado.
    Dizia-se d bocca cbeia jue nan havia lem-
    branca de ter apparecido um presepe tao
    bouito como aquelle. As vestimentas dos
    reis magos, aqui para nos, forara cortadas de
    um vestido de seda furta-cdr da Zana. So
    primeiro piano do presepe havia uma pas-
    tora de porcellana, e as fortalezas da cidade,
    ao fundo, assestaram pecas de artilharia aos
    circumstantes.
    A' noite, depois de uma ladainha obriga-
    toria, houve dan^a. A musica esj .'a con-
    tratada para tres dias, e Tie"ra da villa pro-
    xima.
    Houve suas scenas do ciurae da Zana, por
    causa da Clarinlia.
    Tudo s6 porque eu danoei a segunda con-
    . tradanc.i com a Ciarinia. Pored existe
    ainda aquelle ridicuLvsymbolo da segunda
    I ser dos namorados.,
    Pois a prima zaligou-se por isso, a ponto
    ide querer mette)r-me ferrinhos, dando uma
    attencao despeitada ao eslafermo do teneute
    Fildca.
    A melhpr, porem nSo d essa.
    Vaiste rir, mas n&o importa. Pois olha,
    e serio. Fiquei com ciumes do teu ente.
    Nao estd me dan lo na veneta de gostar
    pordemaisda prima?
    N'ussa noite passa inos toda a festa em
    arrufos. Eu estava seriamente incommo-
    dado.
    Bern via que a razao da attencao prestada
    ao tenente era a que te disso, mesmo por
    que a prima atirou-me iudirectas.
    Mas quo queres, meu velho ?
    Eu uao po lia ver a Zana, empregar-so
    mesmo briucando com o tenente.
    0 animal exultava.
    Nao houve missa d meia noite, por mo-
    lestia do padre que estava apalavrado.
    Tambera pouco se perdeu.
    A' meia noite fomos a ceia.
    Olha que os banquetes de Homero, eram
    nada junto aos de minha tia. Havia de
    tudo: -leitoes, carneiros, patos, penis, gal-
    linhas, caca, aves do carapo, peixe, etc.
    Mas tudo pesado, succulento, forte, indigos -
    to. Enormes travessas com pecas inteiri-
    nhas, trescalando um oddr confortativo,
    compoteiras vistosas, os faqueiros de prata
    alinhados e brilhantes, as cobertas de louea
    fina, os velhos vinhos engarrafados, 0 cora-
    do dos leitoes, 0 tostado dos penis e, no
    meio da mesa um edificio de cartio levan-
    tado tambem pelo Sr. ProcoDio, d'onjle
    pendiam fructos e doces, tudo isso fazia/-
    espectaculo agradavcl aos olhos e prom .
    dor ds exigencias do estomago.
    Na ceia heuve brindes publicos e parti-
    culars. Tu sabes... Esses mysterios que
    se fazem entre 0 guardanapo e a galheteira,
    tneias palavras allusivas, iniciaes excitantes
    de curiosidade, toques inigmaticos, indirec-
    tas... frivolidades. A Zana atirou duas ou
    tres pedradas i Clarinha, e outras tantas a
    mim. Eu flz-lho'um brinde publico.
    Dancamos ate ds 4 boras da raadrugada.
    Eu jd estava morto de cansaeo, porque
    antes da festa, tinha entrado nos trabalhos
    e preparativos della. Nfio podes fazer ide"a !
    Trabalhei come um raouro.
    Alem dos trabalhos com a toillele da pri-
    ma. tinha as fructas a escolher para os do-
    ot, os otos a bater, a calda a provar, as
    flores a arrumar, os vasos, os arcos, os
    ramos, 0 presepe, tudo isso a que a tia me
    obrigava. E olha que parte eu fazia por
    gosto, ou por novidade.
    De sorto que eu estava caocado, e vim
    procurar socegar.
    Mas... por fallar em socegar, isto-e torde,
    11 horas da noite. Apesar ite ter eu dor-
    mido muito, vai me chegando 0 somno de
    novo e vou agazalharme.
    Amanha contluuarei esta, que vai um
    testa mento.
    Alem disse a tia Marianna nao gosta muito
    que se leve ate tarde. com luz no quarto,
    por causa de chamar murissocas, que se es-
    palham por toda a casa. /
    Pur isso ate amauha.~ F. Joao.
    Jorge.15 de dezembro de 1865.Gran-
    de novidade no becco I
    Appareceme.^m mais nem menos, a
    entidade de obligatoria de todos os ro-
    mances. um rival, realisada un figura
    secca e imwjrtigada do um teneute da guar-
    da riaciomil, batalhaon. 44, compauhia 6.,
    actualiiyjule a passeio cd na fazonda.
    Antds de le dizer quern e este figurSo,
    quero explicar-to como foi que cahio-me
    e*ta bomba em casa. Nao vas julgar agora
    que eu temo a sua concurrencia. Nao I
    Depois de descrevel-o, verds que nada ha
    de pretencioso uesta minha tranquillidadc de
    possuidor, attento o caracier iuolTeiisivo do
    supra- itado teuente.
    Foi 0 caso que, lendo eu de fazor uma
    viagem d uma fazenda proxima (oito leguas)
    com o fim de pagar uma visita. Id me de-
    morei cinco dias, mais do que desejava. 0
    dona da fazunda e um perfcito cavalneiro,
    e agasalhou-me de tal nodb, tratou-me tao
    hem, instou com tal porsuasao para quo eu
    me de.norasse em sua companhia, quo nao
    pude deixar de acceder. Alem disso.....
    Vai suspeudondo desde ja a objurgaloria, e
    guarda-a para quando acabares ite ler esta
    carta, d'onde tirards a minha justifioaeao.
    Alem disso, dizia-te eu, 0 horaem tem
    uma filha, liuda como os amores, e tu sabes
    que a companhia de uma mulher bonita
    uos e sempre agradavel. Foi o que se dea
    commigo.
    Vi a pequona e, no segundo dia, estava
    jd habituado a vela. Comprohendes o quo
    ntoquer dizer. Ndo e que eu me apaixo-
    nasse logo (nem tenho timedes defazelo),
    mas o costume... 0 bom estar qqe a gente
    experimenta junto desses domoniuhos, isso ii
    que nao estd em mim deixar de sentir.
    Que queres? Sou assim 0 creio que nao
    mudarei.
    Diras com tigo :entao a Zana ?
    Oh I A Zana e outro genoro. Eu a amo,
    adoro-a, c nao 6 Id 0 simples 0 innocente
    facto de gostar da companhia do mulheres
    bonitas que fara com que eu mo esqucca
    della.
    No primeiro dia da minha estada na fa-
    zeuda do tal meu amigo, as saudades da
    prima foram de matar. Eu nao achava lu-
    gar onde estivesse bem, tudo me desagrada-
    va. Tinha ido com intencao de voltar no
    dia seguinte pjla manha, porem amanheceu
    o dia tao chuvoso e carrancudo, que impos-
    sibilitou-me a viagem. Choveu ate rneio
    dia. Quiz partir & tarde e nao consentiram
    que 0 fizesse.
    Eu jd havia reparado na belleza da Clari-
    nha, e como so chama a rapariga em ques-
    tao, e palavra que a palestra que tivo com
    - ----------- *~'- *- T- -'
    /jHH8 nessa tarde despertou-me um juizo mui-
    * M lisongeiro d seu respeito. Fallamos d\
    Zana, quo e sua amiga, e aquelle assumpto
    igradava-me sumraamento. Passei, sem
    sentir, a tarde toda e o serdo, ate perto de
    meia noite, hora homericamente adtantadi
    e desconhecida nos anna'es serooiros destas
    heroicas paragens.
    Quando fui deitar-uie, a imagem de Cla-
    rinha dan;av.-i-me na frente dos olhos. A
    minha pata idctflista coruerava a deitar a
    unha de fora. Dormi como um justo ate
    muito tarde, e... nao fui ainda uesse dia,
    nem no outro, e assim passei alii cinco
    dias.
    De manha formava viagem. Ahi vi-
    nbam os pedidos, os argumeutos, os racio-
    rado de Isabel, a Catholica, ao ponto de a
    recommendar no sou testamento aos reis
    seus successors.
    Isabel infiltrdra em Cisneros a msma
    idea grande, mas imprudente, e apenas o
    tiemondo frade franciscano se vio, pela
    morte de Isabel, a Catholica, pela loucura
    de sua filha D. Joanna, e pela necessidade
    do seu neto Carlos de Gante, regente de
    Castolla, atacou a Africa e conquistou Oran
    em seu norao e em memoria da sua rainha
    Isabel. Verdade 6 que quem conquistou
    Oran foi 0 conde Pedro Navarro, mas a
    empreza era de Cisneros.
    Fernando V modificava, pois, os impetos
    do enthusiasmo de Isabel, a Catholica, ao
    passo que a nobre 0 expansiva condicfio de
    Isabel, euibellezava 0 procedimento de Fer-
    nando V.
    Naoexistia. pois, nem podia existircom-
    paracdo alguma entre a grande rainha de
    Castolla e a cortezd intrigante e hypocrita
    que se chamava duqueza d'Urbino.
    Comtudo, 0 trajo, a estatura, a cor dos
    cabellos e dos olhos, 0 a excessiva alvura da
    duqueza, sorpronderam .por um momento
    bellas e grandes que Deus permittio baixas-jGonzalo de Cordoba.
    se d terra. A duqueza vestira-se de proposito, como
    Gonzalode Cordoba tinha fanatismo pela so dizia que vestia habitualmente a rainha
    sua rainha Isabel; venerva-a como podia Isabel, o que devia ser muito ympathico
    venerar uma Santa, e por ella nao doixara ao gran-capitao.
    Alem disso, a duqueza revestira-se de uma
    certa magestade, de que resultara 1 fascina-
    cao momentanea de Gunzalo de Cordoba.
    A duqueza avan^ou garbosamente alguns
    0 servico do ingrato e invojoso Fernan-
    do V.
    Reconhecia 0 alor, 0 talento e as gran-
    des qualidades de rei de Fernando V, po-
    rem estava desgobtoso delle pelo seu caracter' passos, cumprimeatou Gonzalo con
    desconfiado e pelo seu modo de atacar as feiticeira im hnacSo de cabeca e um sorriso
    questdes ndo do frente, mas sim como 0 ti- puramente italiano, e sentou-se n'um sofd.
    gre que procura apoderar-se da sua victima Queira sentar-se, Sr. duque, disse
    pelfis costas. lella, estd na sua casa, e meu marido quo 0
    Se nos fdra permittida uma phrase estra- sabe, estima-o prufundamente.
    nha e um tanto ousjda, diriamos que os reis Gonzalo de Cordoba sentou-se, depois de
    catholicos foram uns reis cbronometros; barer respondido, com todo 0 respeito, in-
    componsavam .-e um ao outro. Sem a as- clmando a cabeca, ao cumprimento da du-
    tucia, sem a previsao, sem o sangue frio, queza.
    sem a politica machiavelica de Fernando V, Seja-nos permittida uma obsOrvac^io. Of
    Isabel, a Catholica, com a sua vehemencia, acoutecimentos que referimo* tinham logar
    com os impetos violeutos da sua virtude, do em agosto, eues^e mez faz em Roma um ca-
    seu enthusi sempre que so sentisse provocada, praticado Apesar disso, temos apresentado sempre
    emprezas temcrarias, 0 teria sido muito os nossos personages com capas ou raantos
    possivel que aquelle anjo, aquella santa, porque, esses objectoseram indispeosa eis'
    perecesse com 0 seu exercito, intentando naquelte tempo, ao trajo de ambos os se-
    uma conquis a sobroa Ifrica, d ^ue ar- 10s.
    rastavam o seu ptriotismo, 0 seu zelo E' corto que ficou sorprendido ao
    religioso e o seu afau do gloria, como moio *er-me? disso a duqueza. Julgou um ins-
    eoulo depois succamlmi o seu bisneto D. tanto quo tinha diante de si uma grande
    Scbasliao, do Portugal. dama & quem coruagra uma grande affei-
    A conquista d.- Warrboos foi 0 gonna Io- 5&0 ?
    Essa dama ndo p6de confundir-sc
    comsigo, replicou Gonzalo de Cordoba ; e"
    muito mais alia, morena, tem olhos e ca-
    bellos pretos, n'uma palavra, minha esposa,
    D. Maria Manrique, nao se parece nada com
    a senhora duqueza d'Urbino.
    Dizem, porem, proseguio a duqueza
    um tanto coutrariada 0 dissimulando mal
    a irapressao que lhe haviam causado as pa-
    lavras do gran-capitao, que a rainha Isabel
    se parece muito comigo.
    Visto isso, a senhora duqueza, refe-
    ria-se d rainha minha senhora, quando me
    porguntouse ou julgara ver em si uma dama
    muito minha araada ? perguntou Gonzalo
    do Cordoba dando a phisionomia uma ex-
    pressao terrivel.
    Sr. duque! oxclaraou nturdida a du-
    queza, pelo modo porque haviam sido pro
    nunciadas aquellos palavras.
    Queira perdoar, minha senhora, re
    plicou 0 gran-capitao, certamente que me
    enganoi; teuuo a conviccdo de que a se-
    nhora duqueza nao quiz empamar com uma
    s6 palavra imprudente a purissimae inviols-
    vel honra da minha rainha e senhora, nem
    o nunca desmentido e profundo respeito d
    virtude e & grandeza de um cavalheiro sem
    mancha como eu. Ha palavras quo pene-
    tram no coraeao e 0 amargaram, que pe-
    netram na caLeca e a enlouquecem 1 Nao
    respondo d si, senhora duqueza, respondo d
    supp sicio impia do alguem que dissesse
    que tive para a minha rainha um pensamen-
    to impure I Ah I que se alguem 0 disse,
    se alguem 0 suppoz, mente como um vdldo
    iufame e traidor. So o pod*ra-> dizer quan
    do eu estiver reduzido a p6 I Nao pude ser
    senhor de mim, subio-me 0 aangue d
    cabeca, tremi de colera, e nao sei 0 que
    disse.
    A duqueza olhava com assombro para 0
    gran-capitao.
    Aquelle estava tremulo, pallido como um
    cadaver, e nos seus olhos negros brilhava
    uma sombria expressSo de morte e de exter-
    hiinio. '
    Era 0 heroe irritado no terrivel momento
    da bataba, entre os cerrados esquadrdes do
    inimigo.
    Ah 1 eu no 0 conhecia, disso a du-
    queza. Em Roma nao se acredita, nao se
    adiviuha quo hoja homons como o senhor.
    Rodeia nos aqui 0 !o-io ea misoria. Que
    nobreza e geueroaidade a sua, Sr. duque do
    Sessa I Julguva-o so um grande general,
    mas n5* u u tao grande hoim-m
    E foi para dizer-mc soraento isso que
    mo maadou cuamar ?
    cinios; gastava-se tempo; as vezes sella-
    vam-se os cavallos. Punbj-se 0 alinoco i
    mesa. Eu nao havia de commelter uma
    incivilidade. Almo^ava. Palestra depois
    do almoco. 0 sol esquentava, ou vinha
    chuva, e eu Gcava. As tardes por cd sio
    mas para viagem.
    Partirei amanha sera falta, dizia eu
    commigo.
    E ao outro dia nao partia. Finalmento
    isto havia de ter um tenno:tomei a reso-
    luQao extrama e partir.
    Acoritoda, porCm, que, para os ultimos
    dias da minha estada na tal fazenda, a con-
    versa ia tnmando com a Clarinha um aspecto
    mais serio, c 0 nome da prima causava-m-
    uoja especie de... remorso nio, porem desa-
    grado, impertinencia, desaprumo. N3> sei
    se jd pass.istes -por osse estado de espirito,
    mas affia:igo-te quo e* iucommodo. E'
    assim uma espocio de raosca miral que nos
    importuna, uma cousa que se quer banir do
    espirito, mas nao se pode ; que sei eu ? um
    facto inexplicavel que so sente, mas 1180 so
    descrevo.
    Ao quarto dia recebi um bilheto da pri-
    ma, por intermodio do um passagoiro.
    Eram umas recriminacoes sem motive, umas
    queixas com um ou outro orro de orthogra-
    phia 0 um pedido para que eu voltasso
    depressa.
    0 grande caso e que parti.
    Na volta, porem, vim encontrar ohospe-
    do atraz citado. Quando vi aquella figura
    esguia e arrebitada, nao pude sustern riso.
    Imagina tu um iodfviduo com a altura
    legal exigida pela craveira militar, magro,
    fino, da exissuidade transparente do espargo
    ch6cho, leao, hirto; cun uma cara de
    quem parsce estar sondo constantemente
    empalado, com a cdr monotona e esbran-
    quicada do milho vordo, um cavaignac de-
    bil e raro, a augmentar-lhe o comprimento
    do.rosto, os olhos pequenos e pardacentos,
    orelhas enormes, pendentes e separadas do
    craneo, como se elle soffresse de elephantia-
    sis, uma cabelleira enormo, corrida, esfia-
    pada, ruiva, oleosa e immoral, e terds 0
    o nosso homem...
    Encontroi-o vestido de ponto em branco,
    a jogara bisca de nove cora aZan, que
    quasi atirou-lhe com as cartas d cara, com
    a minha chegada.
    A toilette do Levelace de banda e talim
    era nessa occasido o que ha de mais exquii
    et recnerce nos annaes do janotismo
    matuto. I.'m cstoradinho de carapanario.
    Umas calcas de brim listrado, d distancia
    rcspeitosa dos artolhos nodosos 0 cora todas
    as onlula^ocs e rugas iinaginaveis 0 denun-
    ciadoras de uma tesoura albardeira ; um
    paletot de alpaca cdr de fogo, curto e a dan-
    sar lhe no corpo, como se estivesse pendu-
    rado n'um cabidc, camisa de raadapolao, a
    pregas enviesadas e coliarinho de pontas
    compridas, deitado e em revolu^do continua
    coutra 0 no da gravata solferino : um gran-
    de botdo de ouro, tendo ao meio um dia-
    mar.to cravado em prataeis o vestuario do
    her6e.
    Caracteristicotraz chinellos novos de
    tapete e desconhece 0 uso das meias. Ves,
    por ahi, que nao posso temer uma compe
    tencia desta natureza, nem a prima da-me
    razao para isso.
    So se circumslancias muito particulares...
    Eu sei! I'aprichos de quem ndo tem o que
    fazer, ou en'ao instinctos burguezes subita-
    mente despertados... so isso daria razao ao
    meu tomor.
    (Podia fazer-te aqui um pedaco de phi-
    losophia a proposito, mas poupo-te d'esta
    vez. )
    Mas a prima nao e caprichosa, e creio
    nao ser burguoza, ao ponto do dar corda a
    semelhante estafermo.
    -' 0 desgrayado a estas horas estd espichado
    n'uma rede, na santa influoncia do sua p#s-
    sividade preguigosa, lendo a Folhinlutjle
    Laenmert, no interessantissimo ponto em
    quo alii se dd a signifieacao amorosa das
    flores e fructas.
    A Zana, cose, ndo muito longe de mim,
    uns babados 0 tuyautis, para a proxima
    festa do Natal. 0 molde do vestido foi dado
    por mim, e ella ndo quiz confiar as mulatas
    coslureiras da tia Marianna o feitio do seu
    vestido de foulard cor de chumbo.
    T sabes que eu entendo um pouco d'os-
    tas frioleiras, e eotio sou o conselbeiro eci
    momentos do duvida. Tenho um joroal da
    modas ao lado, e faco todo o possivel para
    ir sempre da encontro is suas regras de
    est'ielicade guarda-roupa, e aos seus axic-
    mas sobre a seda e a cassa chitada.
    0 tenente, esquecia-me dizer-to, veio .1
    negocio ate a villa proxima, e entao ticou
    por ai de passeio e ndo sei quando ir-ss-ha
    embora. Chama-se Philomeno, vulgo sio
    ftlica. E' rapaz de alguns haveres, e julgo
    ser causa do seu passeio as proximas olei-
    goes, nas quaes elle terd de'proUger a can-
    didatura do pai.
    Quanto ao moral do individuo em questao,
    basta dizer-te uma cousa :elle ouve missa
    nos dias sautos e de fesUs de guarda, jejiia
    pola quaresmao torn medo de almas do ou-
    tro muudo. Sabe, por ouvir dizer, quo ha
    uma cousa quo se chama grammatica e im-
    plica solemnemente com os RRe SS iinacs :
    Anda sempre em guerra aberta com a cou
    cordancia. Quaudo pequouu [palavras tex-
    tuaes dellit) apreiuleu a Ifr por cima li-
    vro e carta de fora.
    Ahi tons o sujeito, tao corapleto como e"
    potfivel, pintado nos. limites de uma carta.
    Agora. 0 como descobrir eu que elle gos-
    tava da prima, isso e quo nao te disse ainda.
    Quasi que ndo precisa dizer-te, (torque es-
    tas cousas veem-so clararaente. Os rubo-
    res idiotas e fortemente coloridos do nossc
    tenente, os desastramnntos abrutalhados qu
    lie pratica na presenga da Zana, as araabi-
    lidades deugosas e ridiculas que lho dirige,
    o cuidado que toina no vestuario, as grava-
    tas que ata por dia, as novidades de toiletk
    que expoe, tudo isso era indicio mais que
    bastante para o individuo menos perspicaz
    adivinhar-lhe a paixao.
    Mas nao e s6 isto. 0 animal chegou a
    fazer-me seu confidonte, e eu aceitoi o en-
    cargo. Conta-mo tudo quanto faz e quanto
    pretende fazer. Se eu te referisse a manei-
    ra de que elle se serve para as suas decla-
    racoes, era para arrebentarcs de riso. Isso
    (ica para quando nos encontrarmos.
    Agora dirds :e como trata-o a Zana?
    Indifferentomente. A Zana e muito boa
    menina, e co no recebe agrados d'elle, faz-
    lhe ds vezes certas concessdes inoffeiisivas :
    jogar a bisca de nove, comer as fructas
    que ello vai apauhar e, de vez em quando,
    ridicularisar lhe as gravatas. Estas cousas
    o etii-vani soberanameute.
    Por ahi verds a vida que contiuuo a le-
    var por cd iiiagmfica I Creio, porem,
    que, se udo fosse a Zana, em primeiro lu-
    gar, e um irritante, como 0 tenente, que
    appareco de quando em vez, era para oior-
    rer-se de tedio.
    Pelo Natal ha uma festa ca na iazenda,
    e a tia Marianna prepara-se para ella, com
    o que ha de mais gordo nos gallinheiros 9
    cercados. E' uma dessas fostas tradicio-
    naes, que meu defuuto tio, costuraava fa-
    zer lodos os annos, e que minha tia conti-
    nua a fazer para guardar a tradi^do.
    Julgo quo torei bastante com que me di-
    vortir. Coutar-t'a-hoi pelo miudo, logo que
    tiver tempo.
    A tua cbegou-me aqui com uma demora
    extraordinary, quasi ao mesmo tempo qua
    a segunda que me escreveste.
    Com que aquelle ratdo do Tonico casou-
    se ? Conta-me isso. Com quem ?
    Tu como vais com a pequena da rua de
    * ?
    1
    A veatliiiha que me podes, e que ji estd
    arranjada, ird na proxima viagem da Pom-
    biitha, ao cuidado do Auastacio.
    Adeus. Da saudades aos teus e abraga 0
    T. do coracAoFrancisco Joao.
    Jorge. 241265. Escrevo-te as
    pressas. A casa de minha tia regorgita do
    povo. Barafunda completa. Apenas o
    tempo de aperlar-te a mao. A Clarinha
    presente. A Zana liudissima! 0 tenente
    j sempre com t pequeno ) ridiculo. Adeus.
    T. do ('..Francisco Joao.
    Nao, mandei-o chamar para intrigas,
    para cousas om que, segundo vejo, nao pode
    tomar parto, porque as repelliria. Tinha-
    me enganado, e tenho a lea Idade de 0 con-
    fessar. Supplico Ihe por tanto, que me
    confira a sua estima, qu#rae tenha por sua
    amiga e que me nao constdere como uma
    das peiores damas romanas, nem como uma
    mulher que corametteu jd 0 crime que raata.
    Agora, Sr. duque, gride Dear ou ndo, e re-
    pito-lhe com toda a sinceridade da minha
    alma, que estd aqui em tua casa.
    Diga-me, minha senhora, 0 capitdo
    Cristobal de Villoslada conhecia as suas in-
    tencOes a meu respeito ? perguntou Gonzalo
    de Cordoba.
    0 capitao Villoslada enganou-o, Sr.
    duque; e elle 0 chefe dos raeus esbir-
    ros.
    Ah f a senhora duqueza tambem tem
    esbirros ao seu servico?
    E quem e que os nio tem ? Os Bor-
    gias servem-se delles para matar, e n6s para
    defender-nos dos Borgias, dos Orsinis e dos
    Sforzzas quando andamos de noite pelas
    ruas, ou quando sahimos dos muros do
    Roma.
    Que esse homem ndo torne a appa-
    recer diante de mim, quando nao man
    do-o ao meu preboste para que 0 enfor-
    que.
    Sentenceia-me d mim nesse 'iso ; Cristo-
    bal obedeceu ds minhas ordens e falla sem-
    pre do Sr. duque eom veneracao o enthu-
    siasmo.
    Nao precisa defende-lo ; s6 lhe farei
    mal se 0 acaso 0 pozer na minha presenca.
    Adeus, minha senhora.
    E o gran-capitao levantou-se.
    Um momento, disse a duqueza; es-
    tirao-o mais do que pensa, e portanto per-
    raitta que lhe de um conselho. Nao se fie
    nos Borgias e sobretudo afaste de si Lucre-
    cia. Fiado no sou vai >r, commetteu esta
    noite a imprudencia de ird casa della, de
    acompanha-la n'uma excursdo e esteve a
    ponto de ser assassmado. Seja como for,
    Sr. duque, deve-rae a vida. Se eu nao ti-
    vesse mandad-J a Cristobal de Villoslada que
    velasse, que 0 acompanhasse sempre que
    sahisse de noite, que empregasse para u de-
    fender a sua espada e o muito que conhece
    de Roma, 0 Sr. doque seria d estas horas
    um homem morto.
    E' possivel, dou-lhe os raeus agrade-
    cimentos, e procurarei pagar-lhe 0 que ihe
    rtevo, sem querer saber do interesse que tem
    om faze-lo.
    Fi-lo porquo me importara auito e
    (Continuar-se-ha;
    porque 0 queria ter ao meu lado. 0 du-
    que vale tanto que todos aqui o buseam,
    papa, Lucrecia, o rei de Franga, Carlos Or-
    sini. eu... e quem sabe, todos os que tem
    ambicao ou inimigos. Saia quanto antes de
    Roma, porque ndo pdde ser amigo de to-
    dos. 0 aquelles, a quem ofo satisfizer os pe-
    didos, corca-lo-hao de intrigas. Uma sd
    pessoa couheceu esta noite em quo se pdde
    fiar, 0 da qual se enamorou provavelmente,
    porque e' a joven mais formosa de Roma e
    de toda a Italia. Angiolina, segundo me
    disse Cristobal do Villoslada, poz no lugar
    do duque morto, um duque vivo e ganhou
    na troca.
    Soccorri apenas uma joven e nada
    mais, disse Gonzalo de Cor oba.
    Ndo pretendo ser o sou confessor, e
    visto ndo termos nada que fallar, porque eu
    ao ve-lo tao nobre e tao geoeroso, desisti
    das minhas intoncoes a seu respeito, pdde
    sahir ou ficar, porque 0 dia ndo tarda em
    romper.
    E que me importa isso, minha se-
    nhora ?
    Os assassinos de Roma sao como os
    morcogos, sahem cora as sombras e occul-
    tara-se com elUs. 0. dia c 0 seu inimigo e
    entao poderd atravessar sem risco as ruas de
    Roma.
    Nunca rccoiei 0 perigo, minha se-
    nhora.
    Sei isso, mas sei tambem que a par
    do seu valor elogiam a sua prudencia. Se
    se tratassc de um perigo desses que pode e
    dove arrostar todo o homem vaiente, ndo
    seria eu que o detivesse, Sf. duque ;: mas ii
    esta noite 0 perigo foi gravissimo para si.
    Vio-se atacado por oito homons h&bituados
    a matar e valentes, apesar de que eram as-
    sassinos ; e possivel que seja esperado ou-
    tra occasiao por nomero maior oeu nio po-
    derei ajuda-10. Cristobal de Villoslada nio
    lhe inspira jd confianca, e menos ainda Ih'a
    podem inspirar os meus esbirros. Dete-
    nho-o, pois, sente se aqui e sd quando
    fdr dia claro o deiiarei sabir.
    A duqueza sentou-se o Gonzalo de Cordo-
    ba imitou-a.
    Nio quero que morra, disso a du-
    queza pegando-lhe nas mios, porque 0
    amo \




    \
    Continua r-se-ha.
    TVT4)D DUiUU ffiJTWtUfi Cfi Ottfi
    r
    PHMOTBHMB
    rmm
    .**&