Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text
41
1}
\
-v
'

I
Jf
I
Ih Sr. Gerardo Antonio Aivesd Filuos.no Part; Gon$alves 4 Pinto, no Maranhao; Joaquim Josd de OUeir d FLUtft, no C#*ri Mtamo de Leu** Brtga, no Artcaty ; Joio aria Jnlio Chares, no Assu; Antonio Marques da 3iWa, no 5aUl j Joatf Jo*
Pereira d'ALraeida, em Maraanguape ; Aagusto Gomes da Silva, an Par.ihyba ; Antonio Jose Gomes, na Villa da Foniw; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Antio ; Domingos Jose- da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das Alagoas ; Aires d C, na Bahia; Leite, Cerquinbo d C. no Rio,'dc Janeiro.
PARTE OFFICIAL
CSovemo tlit provineia.
tDulTAMxVO AO KXPRWEXTG 00 DIV 30 DE AOObTO-
4.' sfCi-'Vt
Aeto .
Q presidente dst jmwiiicia. tcrrdo em vists a
proposta da camara municipal da villa de Aguas-
Bellas, feita em effleio de 5 do julho ultimo, re-
solve, dc cinforuiidadc com o art. 2* da lei de 23
de oulubro de 1811, approvar provisoriatnente e
mandar que se executom os artigos de posturas
abaixu irati.-cripios:
CAPITILO I.
1' seecno.
Art. 1." \ camara municipal da villa do Aguas
Bellas, para u bum desemeenho de suas attribui
coea, tera o* cmpiegaJos seguinles uui seereta-
rio, um procuradur, dous Useaet, a saber : um na
villa e I'Uliu ha Assurema, um porteiro, don* Cor-
deadores, um zeladur do curral e matad mro e um
adruiaistraJor e zeladur do cemilono publi:o
Art. t." Todos estes empresates serAo da no
com a necessaria rlareza e particutaridad^.
Art. 12. 0 cordeador por qual pier omissao de
camprimentn de seus deveres sera multado ate a
quantii de cinco mil reis.
Art. 13. 0 lugar de cordeador podera ser
exereido pelos flseaes nos districtos de suas juris-
diec5os.
T seccui.
Do 7. 1 ilor (L> corral c maUduuxo.
Art. II. AozotaTftr do curral e matadouro com
pete :
jj I Velar ua conservacao e limpeza do cur-
ril da cauiara, participaudo a ella os reparos que
fore n precises c ficando sujeito a faze lus a sua
custa, ijuando estes provicrem de culpa ou negli-
gencia sua.
2 Desigaar, orecedeudo approvacao da ca-
uiara, o lugar onde devera ser feita a matanca
da--, rezes que forein desiiuadas ao consumo pu-
blic,).
Art. lo. 0 zelador do curral e uiatad ;uro sera
multado ate a quantia de tres mil rdta por qual-
quer omissao de seus deveros.
S' tergfio.
Do aiaiinistrador e zeladur do ccmitcriu.
moaeio da camara, que os podera de.niitir quau-l, *',' Slr"8*^ 4ll,n'"lsirdUur *-
j & ft- Uvrein .vnfiau.-a ** do <*"'"<"'<> acl.arac niarcadas no rupee-
livo regulamento, e sera multado por qualquer
omissao d- seus deveres aU5 a quantia de vinle
I
m
I
Da sccreUi'ia
Art. o iiicuiiibe ao sccrelano, alein das obii-
pacCfS q Hie no impostas uo art. 7'J da M do
J* outubic dc 1828, o !>egtiitiie :
I.' Bacrtver as actas dasscssGos da eainan e
le-las ar; quc poesabi ser approvadas e assigna-
das pelo? vereadurwi queacllas liverem assisudo.
8." Lit a< petic ts quo as acompanliarem.
g :i." list-r.-ver os deeparboa ou a v.ordaos da
camara *as ditas pcti ces e uu* rcspectivos livros
s termos dt jurauieutu e contiacto, tomadas de
cootas,c uiganisar os lialan ;os para serein reinat*
(idos a assi oiblca proviucial.
4.* Escrever loda c irrcspondenci.i da camara
> regiitra-l:. BO livro uara isso destinado.
$.* Registrar no hvru competente as cartas ou
ldulos dtis nupregados, > o,ue de'era fazer por lei
ou artigo d'posturas, ansim c mio as marcas e
signaes de quc liata o art iii dantai posturas.
g 6." Cla-iMiiear todus m papeis di> archivo,
eauwiia lua meliio licameate e fazer o que uiais
iiecesjaiio u*T para que sejam bum coiiservaJos.
Art. 4.* H secreUrio e obrixado *.is despezas
uhamadas u cumpriiiK nlo dc sous devores sera mullado ale
a quaalia de quiuze mil rcis.
3.' sect;ih:
Do procur.idor.
Art. S. Aleui das obrigacoos cspe :i!icadas no
artigo f*l d;, K-i do |* de outubro do I8i8, eompe-
16 ao prucurador o Soguiuli! :
g l.j Bwcr.ps daip^pjHqua esliverem autorisa-
das j. i in uti ariigus d" uosiuras o as que forum
tlifCliiinMfn pcla camara.
2" Pronimorcom hida actividade a arreca-
dafio da* roadaa municipaos, qualquer que for a
s-oa Btttttreza, imposios, rendas e multas, ja om-
pre?aiido os meius paciiicos e ja os jutiiciaes.
3." Apn.-jcnlar ati o teiwiro dia de cada ses-
-ao ordiuaria soaa co Has em forma, devidamenle
documfntadas e escripfuradas ro^ularmeuie, e
bom .issim em moeda o s.ddo quo bouver cm
favor do c -colhido.
i. Pfoi-or a cauiara tan'.o os meiis de au<-
luenlar suas rendas, eomo os de tornar mais
'acil e meiios dispeiidiosa a suui arrecadai;ao.
g o.' 0 p.\icurador e respousavcl pelos prcjui-
/. s, qi:c pur sua culpa ou negli^encia dor ao ren-
diaieoto da camara, (- podria ser mullado ate
qoareoia rail rcis por qualquer folia quo possa
"UUla'tlCr.
4." teeo&o.
Dos liscaes.
Art. tj.# Aoj liscaes compei-s :
I.* Viginr ua observaocia das postural e
(eis prr.vinciacs, promovoudu a sua cxecu^.-ao por
advertt-ucia, quer parlicularmente e quer por meio
i oditaes, lurnaulj-os effecuvos.
% $.' Visiiar diariaiiuule os acougues e maia-
doorus, cas'.s dc taereados u quaes-mer ostabele-
ehaeatua ,ue possara intcressar a saluhriiade
puMica, aliui de providenciar conlia os abusos
\^.j disaefem rcspeito aos objectos qua nelles
ao expostos a venda.
oV' luiuor multas aos conlravciitoivs das pos-
turas municipaos, remotleudo immediatameuu- a
camara para que esta, depwis de approvalas.
niande atrocada-ias pelo respeetivo proourador,
na forma cslabelecida uo 2-' do art. 5 destas
posturas.
8 4.* Executar todas as ordens da camara.
5j 5.'' Apresontar a caunra em todas as sessues
itrdibarias um n-latorio sircurosUnciado, em que
darao conla exacta da liscalisaclo dos seus res-
peefavos districtos e das multas que tiverem im-
poslo, pudend) propor as medidas que julgarem
cunvenienie?.
6." Fazer correicSes dentro da villa e povoa-
.;ijus no I" de cada inez, e fora deltas no oaea de
inaio de c.iiia anuo, afim de conbocor si sao ob-
-eraadas *s posturas e deliboracocs da camara,
hem como si as estradas se acham deviJaaienlo
abertas, para o que Ihe fornecera a camara uma
ajuda de custo raaoavel, mas uao exoedendo esta
\<-. trinta mil reis.
Art. "." A jurisdicyao do fiscal da villa compre-
beaderi o 1" disirito de paz, a do fiscal de Assu-
rcma eonif rchendera os limitos do 2 districto de
VzQo nies.no noine.
Arl. 8 Os liscaes por qualquer infracjia de
s-us 'I-cth* serao inultados ale a quantia de
,.-mi mil rels.
5.' secguo.
Do porteir.i.
Art. y.c Ao porteiro compete:
S 1 Tor em sua guarda as cliaves da isaioara.
g 2" Alirir as porlas da mesina as otto e ires
ilc fuudiooar, e seumre que for necessario para
:;- aadionrias las diOereiitos autorilades ou para
.|ialyuoi acto publico.
| i* Varreras salas, esnaoar os uioveis o man-
^r o acctif e regnlaridadu da casa.
g 4. Duiante as sessoes da camara devera
rooservar so juulo a porta do salio. para lallar as
paries. reeeber-Ihes as ped^Ses e Ihcs Jar o de-
vido destino.
.">. Curaprir com diiigon^ia as ordens d.t ca-
mara e as (ic seu presidente.
J 6.- Acompanbar o fiscal quauJu eslc julgar
precise dontro da villa, e cumpnr exaciamenie o
i'iue prto me desempenho de seus deveres.
% 7." Gmaprir o que Ihe for datormmado pelo
secretario, no que for roucernenle au servic/j dase-
crelaria o seu expediente.
Art 10 0 n'rtein. por qualquer :'alia de cum-
prm.. -l.-v.-r -. ;;i o.:il!.!.. ;.'' -
.la 14 iS mil ICIs.
ff' teccto.
L^l)^ cordeadui'os
Art II Aos cordeaflores nos respeetivrta irictus, qi sao os mesmos dos liscaes, iacuui-
be :
8 1." Ai'iiur, auUs que sn ucJcuiuocjj, todof os
odifieas publico* e particularcs quo na villa e po-
voic3es so bouverem de levan'.ar, em vista de li
ceaoa da camara.
S S.* Obiervar o cj prir exaswmente os pre-
i-biWS jymHricos e rogulares.
'.. DsJlarar na licenca o aliahamonto dido,
mil rei
ff' secgiio
Dos ordenados e emolnmenloj.
Art. I". Os ordenados dos empregados da ca-
mara serao marcadoi annualmonlo no respeetivo
orcameuto, e alcin de seus ordenados, terao emo-
lumentos os seguintes empregados :
8 i. O secreiario tera de cada licenca concedi-
da pela catnars. seja qual for o seu objecto, qui-
nhcutos r6is.
2.* De registrar qualquer inarca ou distincti-
ve trezentos reis.
% 3." Idem de cada titulu ou caita quinhentos
rei.
% 4. Das certidoes que se passarem, dos termos
de juramento qus prestarem pannta a camara as
autoridades do termo, a exeepcao dos empregados
da camara e juizes de paz, tera o secretario qui-
nhentos reis, pagos pelas mesmas autoridades.
o. De quaesquer outras certidoes que passa-
rem a requeriineuto de parliculares percebera
mil n'-is por busca o certidao.
% 6. 0 cordeador tera cincoeuta reis por cada
palmo de terreuo que alinhar.
% 7.* 0 porteiro tara, das policies que rcceber
das paries, depots de aeoaSdeapaabos, com rei-.
10' sec<;ai>.
Dc varias disposicoes.
Art. 18. Em qual juer impedimeoto dos empre-
gados da camara, somente a esta compete dar-lhes
substilulos, os quaes terao direitoa melade do or-
denado do effeciivo pelo tempo que servir.
Art. 19. As multas em que por rentura iacor-
rerem os empregados da camara somente allies
(hidorixo ser impostas- |r ella, depois de ouvi-
los.
Art. 20. 0 procurador nao pagara e nem tera
despeza alguma que nao esliver comprehendida
no respeetivo orcameuto, ou que nao for expressa-
inente ordenada pela camara, sob pena de nio ser
levada em conta.
CAPITULO II.
1" secqao.
Da construcciio das casas.
Art. 21. Nat casas que se cdificarem ou se re-
pdincarem depois da publicacao das preseutes pos-
turas se observarao as seguintes contlicoes:
| i." As que se edllicarem ou roedificarera nos
limites desta villa terao 2 m ode altura e 1
m. I de largura, e jancllas de I m. 4 de altura e
1 m. i de largura.
g 2." Os clafos de umbraes serao todos iguies
em largura.
% 3." As calcadas terao 2 metros de largura nas
ruas e 1 ni. ii nos beceps.
g 4." As casas que se cdificarem ou reediuca-
rcm dentro dos limites, as frentes serao de ti-
jolo.
g .")' As casas que deitarem os fundos para
frente de outras rua?|serao muraias e calcadas.,
e os muros terao portas ou janella> ao meiios fin-
gidas sob pena de oito mil reis dc inulta.
% 6." Os que nao observarem quabjuer destas
eondi^Sea serao inultados em doz mil reis.
Art. 22. Todos os proprietaries de casas desta
villa, oijas frentes ainda esliverem em preto, se-
rao obrigados a vesli-las dentro de scis meze9 de
pois da publicacao destas posturas, o os contra-
ventores pagarao a multa de oito mil reis por ca-
da reincidencia.
Art. 23. A mesma pena sera inlposta aquelle
que edificnr e ruedificar casas depois da publica-
cao destas posturas, e nan satisfizer o disposto no
art:go antecedento ^nm anno depois de as ter co-
berto.
2a seci&o.
I) limpeza das ruas.
Art. l\. 0< proprittarios e inquilinos de casas
desta villa e povoacoes do municipio nao poderao
lancar nas pracas, ruas e beceos lixo ou outra
qnalquer cousa que possa incommodar ou damni-
ficar o publico, devendo o fiscal designar lugares
para 4aes depositos : os contravenlores soffrerao a
multa de tres mil reis ou tres dias de prisao e se-
rao obrigados a fazer a remocao a sua custa.
Art. 25. Os proprielarios e inquilinos de predios
desta villa e povoacoes do municipio licarao obri-
gados a mandar varrer todos os sabbados as fren-
tes dos mesmos, assim como os beceos aid a dis-
tance de 36 palmos; os infractores pagarao a mul-
ta do dez mil reis.
Art. 20. Todo aquelle que dollar animaes nas
ruas e nos lugaros contieuos a villa, bem como
no meio de estradas, soltrera a multa de cinco mil
l eis. ,
Art. 27. A mesma pena sera imposta aquelle
que, vendo um animal .-eu morto. nos ditos luga
res, immediaiauiente nao c. fixer remover para
olitra parte.
Art. 28. Tudo aquelle que tizcr excavacoes nas
ruas e pracas desta villa e povoacoes do munici-
pio sera obrigado a entulha-las, apenas conclua a
obra, em virtude da qua| foram ellas feiias: os
contravenlores pagarao a multa de dez mil rcis e
serao obrigados a entulha-las sob pena de ser feito
pelo fiscal a custa dos mesmos.
CAPITULO III.
3* Si'CrSo.
Da policia municipal.
Arl. 29 B' prohibido conservar abertas as lo-
jas depois das nove boras da noite|: os infractores
pagarao a multa de quatro mil reis.
Art. 3). Todo aquelle que vender bobidas espi-
ritu sas a escravos, filh.'.s-familia ou famulus sem
oscriplos de seus senhoros, pais e amos, softYera a
multa d: scis mil reis.
Art. 31. Niiiguein podera neste municipio dar
tiros do salva nem sollar busea-pes ou fogo do ar
-. do ariiil.-in tuf festejo-, sem licenca da camara :
os infractores pagarao a inulta de cinco mil ri'-is.
Arl 31 Todo aquelle quo tiiar madeiras, tapar
cercas ou for cocontrado dentro de cercadas ou
quintaes alheios, sem litenga dc sens donus, sof-
frera quatro mil reis de multa on oito dias de pri
sio, alem de ser obrigado a leparar o prejuizo
causado.
Art 33. Niuguom podera abnr loja, taverna ou
qualquer esubelecimento commercial, assim como
officinas, sem tirar licenca da camara : os infra.
ctores soffrerao a multa de cinco mil reis ou oito
dias de prisao.
Art. 3i Os negocianles ambslintea nao poderao
abrir venda de suas marcadrias nete. municipio,
sem licenca da camara : os infractores soffrerao a
multa de quatro mil reis.
Art. 33. E' prohibido atravessar nas estradas
generos de primeira necessidade, assim como com-
pral os por atacado, sem ettarem expostos a ven
da por espaco de tres horas em tempo regular e
por quatro em tempo de penuria : os venJedores
e eompradores serao multados em seis mil reis.
Art. 36. Todo aquelle que jogar com filkos-fa-
milia, famnlo* on escravos, soffrera cinco mil reia
de multa ou cinco dias de prisao.
Art. 37. E' prohibido criai' porcos solios d^u-
tio da villa : os contravcitoros pagarao a inulta
de seis rail reis por cada pirco que.fdr oncontra-
do solid, e n duplu aa rencidencia.
Art. 38. To Jo aquelle que eriar cabras e ove
lhas dentro da villa sera obrigado a recolhel-as do
noite em prisao segura, sendo os donos obrigados,
quando soltal-as, a mandar pol-as fora das rjas :
es contraveotorea pagarao a multa de dez rail r6is
por cada cabeca que for encontrada a noite nas
calcadas, e o ouplo na reincidencia.
cawtulo iv.
1.' secqdo.
Do inatadouro.
Art. 39. A camara fornecera aos m.uchantes
ou a outra qualquer pessoa curral sufttcicnte on-
de sejam recolhidas as rezes deslinadas ao coosu-
mo publico; devendo o douo.das rezes pagar qua-
renta rtis por cabeca, o na) poderao ser recolhi-
das em outros curraes : os contravenlores paga-
rao a multa de oitocenlos r6is por cada rez.
Art, 40. A matanca para o consumo publico sera
feita as quatro boras para as seis da tarde, e s6
podera ser a came exposta a venda no dia se-
guiote : os contravenlores pagaraj a multa de
cinco mil reis.
Art 41. Aquelle* que maUrnu rezjs denies
cancadas ou aperreadas para o consumo publico
soffrerao a multa de oito mil reis e a caruc sera
tirada do mercado a sua custa.
Jr.* tecgSo.
Do apougue.
Art 42. Ninguera podera ter agougu: aberto
neste municipio sem que tire licenca annualmente
da camara : os contraventores pagarao a mulla
de seis mil reis.
Art. 43. A camara fornecera aos roarchaules
oalan;as grandes e pequeuas, pesos, medidas c
mais utensilins neeessarios.
Art 44. Todo aquelle quo usar do pesos, medi-
das e balancas falsas, soffrera a inulta de seis mil
reis.
Art. 43. Os marchantes serao obrigados a man-
dar lavar todos os dias a tarde as balancas, cepos
e haneos em que tiverem de collar came, e a
conserval-os sompre limpos, sob (iena de tros mil
reis de mulla.
CAPITVLO v.
Seo^ao nnica.
Da agricultura e criacao.
Art. 46. Ficam cxclusivamente destinadas para
agricultura todas as cordilheiras das serras Cu-
mnnaty t Santa Maria, pertenceutes a este munici-
pio ; sendc, porftm, os donos dessas propriedades
obrigados a fazer cercas seguras com sete palmos
de altura, afim de que os gados nao invadam a
agricultura : os infractores pagarao a multa do
quatro mil reis.
Art. 47. Nas serras designadas para agricultura
e prohibido conservar se animaes de qualquer us
pecie que sejam, sem que estejam deniro de cer-
cados seguros, amarrados ou pastorados : os in-
fractores pagarao a. mulla de dous mil reis por ca-
beca. alem de indemnisarem o damno causado.
Art. 48. Todo o mais te.rreno do-to muni -ipio
sera destinado para criacao, e aquelles que quize-
rera plantar nelles deverao fazer cerca- seguras
para impedir destruicoes; nao podeudo cobral-as
nem maltratar os animaes domesticos quo entra-
rem nas rocas, sob peua de solfrerom a multa de
quatro mil rcis pelo maltrato, alem de indemuisa-
rem aos donos o damno causado.
Art. 49. Ninguera podera entrar em pasto"
alheios para cacar animaes domesticos, e mesmo
silvestros, assim "como tirar abel .as. derribar ar-
voresque sirvam para alimentapao e descanco dos
gados e tirar madeiras, sob pretexto algum. sem
previa licenca dos donos : os infractores soffrera i
a rnulta de dez mil reis ou oito dias de prisao por
cada rez.
Art. SQL Quando, porem, o dono do pasto nao
quizer dar guia ou licenca para se procurar os
animaes no mesmo, pjder-seha fazel-o sem esta ;
devendo, porem, recolher no curral da fazenda para
d'ahi con luzir os que Ihe pertencerem (exceptua-
se no tempo de tingui).
Art. 51 Ninguera podera tirar couros de gados
alheios que charem mortos, sem previa licenca
de seus donos : os contraventores pagarao a mul-
ta de cinco mil reis ou cinco dias de prisao.
Art. 32. Todo aquelle que derribar angico ou
manicoba em tempo de primeiras aguas, nas fa-
zendas de eriar, e nao queimar as folhas iinme-
diatamente, soffrera a multa de dez mil reis ou
oito dias de prisao, alem de indemnisar o damno
causado.
Art. 53 Na mesma pena incorrera aquelle que
puzer fogo em rocados, sem as caulellas necessa-
rias, para evitar que o fogo se communique as
rocas ou mattas visinhas.
Art. 54. Todos os criadores deste municipio
serao obrigados a registrar ua socrdaria Ja ca-
mara, em livro para isso destinado, os ferros e
signaes com que costumam distinguir seus gados
e criacoes, sob pena de quatro mil reis de muJla.
UispMqoes geraes.
Art (S3. As licencas que a camara houver de
conceder, nao estando esta reunida, poderao ser
passadas pelo prcsideule, e em falta deste pelo
voreador mais votado que se aohar na vdla.
Art. 56. As ubrigacocs do zelador c admiuistra-
dor do cemiterio se acharao no rospeciivo regula-
mento.
Art. 57. Desdc ja sera empreirado o systema
raetricu decimal de pesos e medidas, na forma da
lei geraldc 26 de junbo de 1862 : os infractorei
incorrera) na mulla de dez mil r6isou soffrerao
cinco dias dc prisao.
despaciios oa presiobncia dk 8 de novembro
ob 1873.
Carlos Corruthers Johnston.Sim.
De I.ailhacar & C -Informs o Sr. inspector ia
thesourarla provincial.
Epi|iliamo Fedrosa e Ezequiel do Lima e Si
Os suppiicantes devem encaminhar o seu recurso
ao thesouro uacional, por intermedio da thesoura-
ria le fazenda.
Francisca Maria da Conceicao. Concedo o prazo
de oito dias.
Herraencgildo Eduardo do Rego Monteiro.En-
tiogue-se.
Joaquim Apridio'Rosa da Costa,Passe porta-
ria coucedendo 2.) dias do licenpa, com veicimeo-
tos na forma da lei.
Joaquim Jose de Mel.o Andrade Lima. luJtfe-
rido.
Jo-o Francisco Nunes Soares Falcao. Sao exis-
te a vaga 4 que o supplicante so refere.
Joao de Assis Pareira Rocba. -Deferido com offl-
cio desta data a thesouraria de fazenda.
Joanna Candida de Froitas.Satisfaca a oxigaa-
cia da Santa Casa de Misericordia.
Juaqu na Maria de Jesus. Satisfa^a a exigen-
cia da Santa Casa de Misericordia.
Joaquim Pinto de CaiBpoi. Passe portaria, na
forma do estylo.
Maria Fel;npa. Informe 6 Sr. inspector do ar~
seaal de martn'ia.
Bacaarel Perpontiuo Saraiva de Aranjo Galvao.
Passe portaria wucdead i a licenca requerida.
Ttwotomo Jose Pafiiira. 0 supplicante ja foi
matdado por em lib.irJ.wlo.
Seefctaria da P'-esideneia de Pernambaco, 10
de novwnbro do 1873.
O p.irt iro,
Silcino A. R;lnti><
l#artii;i du |licia.
I.* *c.cvi. oecretaria da policia de Peruambuc,
tO de uovembro de 1873.
N.-I861.lllm. eExm. Sr.Parucipo a V. Exc.
que ioraai lumtem recolhiilis a casa de delencao,
os rndsViduis seguintes:
Na & 8do corroute, a ord ;;n Li sub I lega lo
do >eoife. Loureaco, o Uarllus, a lequerimonto'de-tes.
A ordem do dj 1 distric'o de S. Jose. Q nteria
de ul e Antonia Maria do Espinlo Santo, por of
f.-:*i a mral public
No Jia 9. na > foi rocolhido inlividuo algum.
P4" oltkio de*ta data com.iiunicja-m o subde-
legadjo ao Pores, que houtem pilas 9 boras da
nottet Luiz Xise do Nascimento, travaado-sealll do
razufti coin Garaldo de tal, foi por este ferido gra-
veraauto com u n i fastdj, logranli evadir-;o .>
criiuiBoso, q tez o corp i do delicto c pnMgnta
nos lerra is doinquerito.
data de 3 deste raez, c mvnauicou me o do-
) do Goyanna que as dias horas da tarde
anterior, u'aquolla eidade, estando u me-
aucisco fie Assis Albuquerque Maranhao a
me.i!ar ana espingarda, succeJcu dispa-
a mesm anna e ferir a ("an lida Alta d.i
lerque Maranhao, inn ia dj sjbredito me-
Anna Maiia do Sacramento.
este fao o respeetivo Dr. juiz muuicipal
logo conliocimenio u prosegma Bus termos
truarde a V. Exc lllm. e Exui. Sr. com-
Jor Henrique Pereira de Luceua, dignissi
si-lento di proviucia. -O chefe do policia,
FranciKO Correia de Aiaujo.
PmUQDEr'KtmMciUaj
RECIFE, II DE NOVEMBRO BE 1873.
!%'!icin d lOuropu.
Ananheccu hontem em nosso porto o vapor iu-
giez HMjelUu, trazendo datas do Lisbua ate 29 de
oulubrp, a-* 2 boras da tarde, adiantaudo pin- taoto
cinco dias as noticias que recebom>s sexta-bira
pelo Erym rn'k'j. Eis o qua coldo n << dos j.irnaes
e cartas:
KllANgA.
Ojmcja a situacao pditica da Fr.in;^ a dose-
nhar-se com mais nitidez. 0 ininisterio de Bro-
glic, ate agora bastanle reservado, pan.ee pronun-
ciar-se en favor la restaurao-io monarcliica. A
priirngacao due poderesao m.irechal Mac-Mahon 6
positivamente elimiuada do lerreuo p^liiico.
0- oiarechal Mac-aiiioa daporia o seu cargo, e
seriafidlistitnido p+i geitcral Ladmirault, durauie
o interino que decorresse entre a proelamac;ao de
Henrique V pela assemblea, se essa proelamacao
effeclivameiito so roaiisasse, e a entrada triumjihal
do rei em Paris.
Ao mesmo tempo sahi-ia do gabineto o Sr. Mague,
e com elle oSr. Deseilligny, representaote do cru
po Target.
Perguntaso, porem, on.le e que os leaders do
movimento m marcbicii podario eucotilrar os votus
que hies sa<< indispensaveis para reunireut a rr.aio-
ria em favor dos seus projeotos, no caso de se rea-
lisar esta ruptura como parece provavel ?
Diz o Menoiiiil Dtplom-itico que >abe de boa
fonte que o turnip do CnamborJ partbipava aos
gatiinetes das grandos p.Hencias eumpoas, que a
sua exalt.icao ao throu i francoz, nao ia per tor bar
a pdieia das p.iteucias, nem o statn-qw territorial
da Europa.
0 jornal francoz Aoenir National f i suspen-
so, em conicqij'ncia do artigo que public ju contra
o conde de Chambord.
SUISSA.
Os padres catliolicos de Ccnelua oDrigados a
abandonar os sens curatos aos seus successores
ultimamente eleitos, tentaram promiver alguma
agitaciio a propoaifi da sua relirada.
Nao o coaseguiram, porem ; na nuite de 10 de
outubro alguns grupos completes especialraente de
creancas e de raulheres vdhas tentaram fazer ma-
nifestacoes tumultuosas. A policia restabeleceu o
S(>cego sem granle dilllculdailo.
Os 9acerdoles calholicos do Jura bernez, recente-
mente condemnados-pelps tribunaes superiores do
estado de Rbrna, pela reousa de obediencia as
leis, tem-se frecusado a apresentar ua secrotaria do
governo, para ouvirein a leitura da sentenpa e de-
clarar em ultima instaacia se eslavam dispostos a
submetterem se As lcis.
Sobre esta recusa so rosta ao governo prover a
sua substituicio. As didiculdades que ao princi-
pio receiava encontrar a este respeito, nao pare
cem dever reproduzirse. Nio taltam candidaios
para os lugares vagus.
0 Correio de Genebra public in o textn de
aentenca de excommunhao lancada por Mr. Mer-
mnlod contra os tres novos cura9 oleitos para as
parochias de Genebra.
No scrmao pregado pelo novo cura eleito o ce-
lebre abbade /icyntho Loys^n, dis-e este, fallando
da elei;ao dos curas, que nao aceitava a excommu-
nhao lancada por Mr. Mermillod, fundando-se na
Biblia, na opiniao dos padres da igrej i e nas reso
lucdas dos concilios.
ITALIA.
As cartas tro:adas eolre o papa e o imperador da
Allemanha cootinuam a ser vivamente corameuta-
das pela imprensa allema.
A carta datada do Vaticano, excitoa cm t-ida a
Allemanha protestante um movimento de ind g-
uacio.
0 jornal Gennaaia, que e o nrgao mais logoso
do ufiraraontinismo, confessa mesmo que desta vez
o papa infallivel, se enganou.
Na Austria a imprensa liberal applaude enthu
siasticamente as palavras leaes e viris do velho im-
perador.
As elei.-oes de que actualmente ae trata, neste
iraperio resentirse-nao provavelmcnlo.
Na Inglatorra. as folhas liberaes, o Times e o
Daily Newt acham que a linguagem que pozeram
na bocca do santo padre e p'ueril e injuriosa.
0 Tinas nota por esta occasiao que sompre o
papado foi o inimigo da' Inglaterra, e que as pre-
lenj5es que elle trata de fazer reviver, araeacam
iniirectaraente a ordem publica e a paz interior
do imperio britannico.
- Diz-se que sua santidade vai pnblicar um
breve coucedendo aos calholicos da Allemanha e
da Suissa que se encontram privado i 1 o clem or-
thodoxy dispensar, e facoldades, para o desemjic-
nbo de seus deveres Migiosos.
- 0 cardeal Patrizzi ja recebeu aviso official ae
quo a casa geral dos jesuilas doixa dosdo ja de Ibes
pi-.rtencor. Estes, porem, ainda nao haviara rece
bido inandado de despejo.
A Gazeta Official publica decretos ordonando a
expropriacao de varios cinventos par causa de
ulilidade publica.
- 0 rei decretou o eacerrameulo da sessao
parlamentar e a abertura da nova sessao para lo
de novembro.
I.NGLATEatIA
Sir John Bright foi QuammemeDle reoleito para
membro do panaraento pelo clreulo dc Birmin-
gham.
No seu dseurso aos eleitores Sir John Bright
defende a polilica do partido lioeral, apesar de
citicaralguraas pr.videncias do gabineto. Julga
necessario modiliiir ompleiamoute a lei de edu-
caja i e julga qua o pariamealu querera abando
nar os estiheli.ciniuatos da Africa occidental.
Cirtas de Aden do 28 de seisrouni dizem quo
os ingleze se oppdem a accupacao de Beriiera
pel*-agypeioa,#quao SPtwaador de Adrev-
viou a itakala um vapor di guerra com um fane-
cionario encarregado do pe.dir a annnllaeao da
venda feiU pelo suliao de Makala de metode do
seu terrilirio ao raj ah Gaheto, pirque a quarta
parte delle ja palo sultao precodonte havia sido
veudida aos iuglezes, que, nao se aunullando a
venda, ev/uia uma forte mJemnisacio.
DI.NVMARCA.
0 folketbing dioamarquez aceitou o do-afi.i quo
Ihe havia laocado o minislro presidente, e nao re-
cuou ante a ameaca de uma dissolucao no caso
em que a camara recusasso entrar na discussao
Depois de debates apaixonad is qne duraram
quatro dias, a caui.u a docidio por .:>3 votus contra
4-i quo nao passaria a sugunda leitura da leituri
da fei ornamental.
No dia segci nto o presidente do coiiselho de mi-
nistros, conde Holsieinvvou liolsteinbourg lou um
decrelo real, resolvendo a dissolucao do fulke
thing e tixanio as novas cloigdes para o dia 14 de
novembro.
A opposicao ja sabia da sorte que a esperava ;
torn a confianca de que ua camara nova ha de vol-
tar e.ii maioria ; e separou-se aos gritos de viva
o rei! viva a consltluigao 1
Autos da dissolucao ja o miuisterio tiuha relira-
do o project.) de* lei sobre a reorganisacao do
exercito e da armada, que n.io tinha probabilida-
des alguraas de ser aceito pelo fulkething nas cir-
cumstrncias actuaes.
Afilanca-se uue a Allemanha vai d.ir cun:-
primento ao'traiado de Praga, cedendo a Dinauiar-
ca a parte dinamaruueza do Schleswig.
ALLEMANHA.
0 impcrador da Allemanha, acompanludo pelt
canddatos
NaCorinuia foram eleitos quatro
pertencentes ao partido constilucional.
Na Bohemia, de 28 representantea eleitos, 17 sao
tcbeques ell allemaes. Os primeiros perteooem
todos ao partido chamado dos declarant's; entre
os ultimas contain-so quatro liberaes novos, e
sete conservadores velhos.
Resta ainda proceder") a duas eleicoes, uma na
communa rural de Eger, oade provavelueni sera
elett) um allemao liberal e outra na de Pracltatiz,
3uo pareco indinar-se para o lado dos conserva-
ores.
Nas sete communas ruraes da alta Auslria fo-
ram eleitos seis candidates conservadores-ciericacs
e um do partido constilucional. Finalmence a
Istua olegcu dous clericaes e um liberal.
Por estes dados nao se pode ainda sabor, qual
a maioria que preponderant no futuro reichsralh;
mas pode-se ao menus avaliar que se fariio repre-
se.niar todos os partidos que abundam na racoar-
chia austro-hungara.
HKSPANHA.
Ar-erca desto paiz esorevo nosse corres|wu-
doiite de Lisboa:
t Foram mod ficados alguns dos impostos crea-
dos uliimamente. 0 imposto de exportacao dos
raineracs e creaes lica reduzido a 1 0|0.
a o goveruo osia tratando de levantar um em-
prcstimo em Londres, cuja negociaclo parece cor-
rer bem.
0 governo actual foi olBjialmento reconuerido
principe de Bismark, chegou no da t" de outubro
a estapao de Saint IVp.lten, per!o de Vienna. 0
imperador Francisco Jose linlia ido ao encontro do
imperador Guilherme, e a sua entrevista foi de
uu a perfeita cordialidade.
Em Penzing o principe Rodolpho e os archi-du-
3ties vieram saudar o imperador Guilherme, e
epois das apresentaeoes do estylo, o imperador
da Austria conduzio o seu augusto hospede a ro-
sidencia de Schmobrunu.
A Corresp lutencia provincial quiz registrar o
sentido e o alcancc politico da visita de Guilherme
1 em Vienna. 0 orgao ministerial dc Berlim cor
tifiea qne acccdeudo a i convite do seu imperial
visinho, o imperador da Allemanha quiz dar-Ihe
um i nova prova do apreco quo liga a renovac-io
das boas relacoos com a casa imperial, e com a
monarcliia autro-hungara, tantn no que pessoal-
mente Ihe diz respeito, como no interesae da polili-
ca europea proseguida em comraum pelos dous
esta dos.
A imprensa austriaca esforca-se tambera em
tornar bem saliente o sentido politico da visita do
imperador Guilherme a corte de Vienna.
A Gazeta de Vienn i diz que esta visita aperta
os la? is de amisade e de sympalhias reciprocas que
suhstituiram felizmente para os dous estados as
aniigas rivalidades.
Nao so as novas relacoes entre os di.us impc-
rios, offerecem as nacoes risinhas garantias de
paz, ma< sao tamnem de natureza a exercerera
sobre ellas uma forca de attracgao que dara a si-
tuacao europ6a a seguranga maior de que ella tem
gozado.
Os pianos politicos sao completamente eslranhos
aos mutivos immediatos da visita ; mas c, da na-
tureza das cousas que taes entievistas tragam
comsigo consequencuw politicas dc grande al-
cance.
Os outros jornaes cxprimem-sc no mesmo senti-
do ; a sua linguagem e das mais sympathies para
o imperador Guilherme e mesmo para o principe
de Bismark,que sempre tinha si loo ponto de uiira
dos sous ataques.
0 acolhimento feito em Vienna ao gran-duque
de Bade, e a gran dnqueza filha do imperador Gui-
lherme, tem um certo alcance politico; termina
uma reeonciliapao entre as duas ctirtes.
Em 1866 o gran-duque de Bade, convecado eomo
membro da confederacai germanica, a defende-la
sob a direccao da Austria, preferio conservar-se
afastado. Os jornaes d'esta epuca attnbuiram
mesmo a attitude deste soberano a derrota das
forjas federaes.
Seja. porem, como fur, passou-se uma esponja
sobre os acontecimentos de entao, e o gran-duque
e noje uTioanede festejado da corte de V ienna. Os
gran du;]Lis* ti'lbanj orecedido um dia a chega-
da dt imperado'r GuiliierrtiS, c liaviam sido rece-
bidiTcomo este o foi, na estacab de S^int Poelten,
p^tC imperador Francisco Jose.
Tambem chegaram a Vienna no dia 21 o
principe Carlos da "Prussia e sua esposa.
Tem-se como certo que apenas regressar a
Berlim o imperador Guilherme, o principe de
Bismark, hoje mais poderoso c influente do quo
nunca csteve, sera nomeado chanceller da Prussia,
como ja o e de Allemanha, retirando-se o feld-
marechal Roon, actual presidente do conselho.
Parece que esta resolucao foi tomada em conse-
quencia da direccao que tomatn os acontecimentos
era Franca e na Hespanha
Entre as novas leis preparadas pelo joverno
allemao para serera presentes ao lansdlag, Ggura
uraa autorisando-o a expulsar os bispos qne se
re'tisem a cumprir as sentencas judiciaes contra
elles.
Aggravou-se o ostado de saude do -rei da
Saxonia. Os accesses asthmaticos renovain se
tide i os d as, di que resulta um enfraquecimento
geral das forcas Jo doonte.
0 estado 4 desesperado.
0 fallecimento do bispo de r'ulda vai prova-
velmente dar lugar a novas complicagdes entre o
governo prussiano e a Santa S6.
Segundo os usos, o capitulo nomeou para dura-
pao da vaga da sede episcopal um administrador
diocesano. Se como e provavel o eleito se abs-
tem de notilicar a sua eleicao ao governo, sera
repuJiado, e o conflicto rebentara.
Com mais forte razao, a escolha de um bispo
torna se impessivel neste memento, porque o pre-
lado designado deveria uao so ser aceito pelo go-
verno, mas ainda prcstar juramento de fidelidade
ao imperador-rei, e as leis do paiz, em conformi
dade da* novas leis ecclesiasticas, o que nao e de
pres'er.
Alem disto, este incidente ja nao causa estra-
nheza na Allemanha ; porque' ha ja bastanies
annos qne a sede metropolitana de
no gran-ducado dc Bade esta vaga e
sob uma aduiinistracao provisoria sem
inconveniente.
Em todas as escolhas feitas ha vinte annos pelo
Soverno prussiano, teve este sempre dc lastimar
e ter mal cgllocado a sua confianca.
AUSTRO HUNGKIA
Centillium as eleicoes para o reichsrath na
Austria cisloitliana. No Jia 14 verificaram-se as
eleicoes das communas da alia e balxa Austria.
No-la ultima previociados dez candidaios, que
foram oleitos, quatro pe-tencem ae partido clerical,
ties ao p ir:U/democratic.) e tres ao partido con-
servador.
Ifoutros districtos os clericas? alcaajarara fortes
maiori
Frihourg,
collocada
o menor
pelo dos Estados-Unidos de Venezuela.
a Foi enviada uma nota ao representaole de
Hespanha era Paris, para que elle se queixe alii do
mode come alguns ageotes diplomaticos frmneezes
teem proccdide na questio cantonal de Carthagena.
Teem sido transferidos e demittidos varios gover-
nadores civis.
Os carlistas foram derrntados outre as povoa-
coos de Irun e Andoain, sobre o rio Ozia. Ape-
zar das fortes posiroes que occupavam, o brigadei-
ro Loma conseguio tuna-las, e desbaratar comple-
taraento aquella frac.ao commandada por Lizar-
raga.
< 0 cabecilha Santos assalteu em Cuenca, a nnc-
eursal do banco de Hespanha, levando todo o di-
n ho iro encontrado, e da povoacio o producto das
contriliuicoi.'s, 70 cavallos, muitas arraas e muni-
coes. As autoridades respeclivas vao ser submet-
tidas a um conselho de guerra, por se ter provado
que houve deleixo, e falta de energia no modo
como se honveram com aquella forpa. Fall.i-se
tambem no ronbo de duas meninas, filhas de fomi-
lias muito eonhecidas alii.
0 general Moriones tem estado muito doente
com um ataqne de rheumatismo. Vai melhor.
t Parece que uma forte guerrilha invadio a vil-
la de Sagunto.
c Os di-fensores de Carthagena estao em grar.de
desharmonia. 0* principaes chefes eslae a bordo
da esquadra.
A guerrilha do padre Felix era Prades (Tar-
ragona), fei batida pela columna do batalhio de
cacadores de Barcelona que tore logo dc re tirar,
porque aquella forpa foi reforrada.
a A esqnaara insurgouie, opuih) ** %mw
dias em frente de Valencia, retirou por ver que a
resistencia daquellas pracas nao podia ser ven-
cida.
Os carlistas converteram em campo enlrin-
cheirado os arredores de Estella, cnocentrando a
maioria das snas forcas enlre aquella prapa e as
povoacoes immediatas.
t Falla-sc na reintegracao do Sr. Fernandez de
los Rios, para a legacao de Hespanha Cm Lisboa*,
sendo o actual ministro transferido para outroi>os-
to diplomatico.
p Os radicaes declararar.i-se republicanos em
um manifesto, considerando o meio de salvar a or-
dem e a Unidade Naeional.
Os carlistas foram novamente batidos no Ara-
gao, deixande muitos prisioneiros.
t A esquadra leal apresentou so em frente do
Carthagena no dia 25 do corrcnte, formada em li-
nha de batalba, aproximou-se do porto, julgande
qne os insurgentes' iam sahir, mas estes nao se
atrcveram. Os fortes flzeram alguns tiros de artr
lharia, raas os projectis nao alcanparam. Dentro d
Carthagena nao havia mais do que 3,000 toueladas
de carvao.
i resto das numerosas existencias que havia
daqnelle combustivel foi consumido pelos canto-
naes.
Foi rssignado o manifesto dos radicaes. As
assignaturas nao se publicarao emquanto se nao
colherem todas.
< Diz-se nas declaracois respeclivas que a re-
publica foi acceita por uns como realisapilo de nm
ideal, e por outros pela forpa das circumstau-
cias. >
A' ultima hora accrescenta esse nosso zeloso
col aborador:
Parece que D. Carlos esta em Estella Com 19
b.italhoes, em forca de 16 a 18,000 bomens e6pe-
pas de art'lharia. 0 cibecilha Sobarregos entrara
reui Torralha de Calatrava e tirara d'alli dinheiru,
municoee e gado de muitas ca/,as. As guerrillas
de Tristany aodavaro peia'prdvmcia de Lerida.
c Em Madrid houve uma reuniao dos repabli-
canes democratas, presidida pelo Sr. Marios, coo-
corroram 4?K) pessoas Tratou se da leitura do
manifesto do partido, que foi approvado unanime-
menle.
c Nao tem importancia as noticias de Cartlia-
gena.
PORTUGAL.
- Em 28 do outubro escreve nosso correspon-
dcnle de Lisboa :
Proseguem as sessSes do conselho de guerra
no castello de S. Jorge, para jnlgamento dos reer
militares implicados n i celebre processo da re"ol-
ta. Tem-se alii dado, porem, cases muito graves
que revelam a urgente necessidade de uma relbr-
ma radical no processo militar.
t Um jornal nosso, ha poucos dias, rcferindc-se
a este assurapto, observa com acerto :
Quando em um processo tao notavel como e
aquelle, e com um conselho de guerra constitoido
por offlciacs superiores em Lisboa, estaraos veado
postergadas todas as regras da jnstica e preteaidos
os principles estabelecidos nas leis vigenles, que
nao tera sucredido nos ronsolhos de gnrrra orga-
nisados naprovincia, onde ha meno3 racurso para
a publicidaae e onde as -adiencias se fazem dian-
te de diminuta concurrencia ?
Naquelle processo flguram como defenwire*
do* reos, a4vogados distinctos, com pratica do foro,
e inrapazes de rebaixar a alta missao de que eiitaoi
investidos. Pois, apczar. disso, de tantas dezena*
de reqnerimentos que tem submcttido a despacho,
o tribunal rpenas tera deferido a om on dous!
Pois 6 crivel que so duas ve-es os advogados
requ elles nnnca tenham razao ?
t Estes e outros cemmentarios precem denim-
ciar no conselho a firme tencio d9 conderanait m
us rdos, embora flque provada pleuamente a inno-
cencia defies.
c Nas sessoes mais recentes tem se apresentado
depoimentos realmcnte dignds de lastima, pois sa
de homens que no summario pareciam saber de
tudo, incriminando em denuueias muito posit ivas
os reos, emquanto agora, interrogados, dizem que
nao tinham consciencia do que entao assevarj.m e
qct foi por serem fascinatns pelas snggoatdes de
certas possoas. quo nosse tampo se presurara as
aflirmativa* que'hoje nao sustentam. Uma destas
tfshonunhas foi autoada coma perjura.
Tola a imprensa Mraou posiflo decisira con-
genora! cerntnaudanlo qas gnarda1*
ruEiia

[ wwinMHi
^IHHH^HI
WBKK^r^^^
I




mi m mtmw id 11 i^k\i^^eY
ianibueo Tei
zero como respolia
-mi Hie cliatria1
io calabnflco do nuartt*l do
inaudito a que Die refer!
nte. DKia-ihcs eu enlao
clo a crr que a guarda
municipal na > lin a matado p pobre ebrio as eo-
roohaoas no ealabouc-L^imrem a .leiluca dos do
tae, ii
fiocm
lit Antouio d
Car mo wn L
na mintu de
qne estava rr
es yye^> ddVf
raaVrcs Midas So
m, ou para mellor
irfcnte reeehida do
e rcdujHLola-
egunda vec. nAta
-pilal de S. os.', onde li|-

ninenio!t pa ilicad.
eral barau do Z
tire as au?a da i:
sitter, rontirisiam
que alii fi moid
iDeaioso csiado e
uoile d-u eitrada1
leceu meii hora
Abaixo a Ijajja-ila^KnicJJM, e pci-, a ultima pa
lavra da 'lu4flrlu*V jo#'* ; -abaiH co%i-
mandante, joWeui vHnrnm part a mencia
seus sol lad >s, exclamam outros I E no meio do
toda esta relcuma, em que toda a gente da capi-
tal se interessa, purquo imiguem esta isenlo do
verse envolvido, d'um instant* parao outro u'uma
deaordeio qmtqner'. e-f*>i tanl de eahir nas gar-
rasd'H pret iii.nios .i.uuicipaes, as folhas do mi-
nisierio i> mam uma posrcau das mais tibias e van
deixando crescjjr a onda da opiniao.
Tfcw-sadlto n'estes ulhi)i<*s dias que to coro
iH Valladas, command ime do batalhao de caca-
dore* n. 5, seria coniiado u commando das tfuar
das mumci|taes ; ouiros tern fallado uo general
Fran;a, oulrns emllm no general Schwalback.
Seja cnmo for, ja n.-io e peqneno absurdo um
neral-* de divi-ao
Dia* deiwiis do Oa*> de Antonio d Andrade-,
hoove grussji paocadana n'uma barraca d'espec-
lacutoa n,i leira do Camp i Grande, a guarda mu-
uicipal fez proeaase aculileu, baleu, deu noatapes,
let tiopettas o Wgundo a uo.-inmc, lieuu impune,
por pic u samee satin e dar pirn baixo. No dia
seguiuie iiutra ruaca alii para o becco do Monete
(eni Luboi); tnternlio a guarda,e toda a visinlun-
i> arrofaTa pucaros, alguidaivs e pa not las d'agaa
4a javella? por cima djs siddados a que prova
ilo sotwj-i a animosidade cjue fermenta contra este
eerpo.
Um periodico ministerial ja nontm a noite
di?.ia que at atitoridaoos recpeetivas estau iuves-
ligaado miiw -losamente aeerca dos factos occorri*
uicipal de l.i*boa Que 6 natural que -ssitn sue-
end* sem que o goveino tenha de cstimular o zelo
dos faricetonarios militares e civis, a quern loca se-
iu.'lliauu obr.gacao, por quinto imporla inquerir
para apurar a verilide.
Dado, porein, e nao concedido (|ue nosla ques-
iao{liojeirriiada) do espancamento do trabalhador
Audiail.', nan seja rcsponsavel o commandante da
guarda munii-i|ial, nao e de Uo poucos dias ainda
a ruaca do castello, em que OS soldados do barrio
jjui.au de ar.i.i praca du cscadores 3, ten in iL-pois
UM'vcaar, porque a juanlu do casd-llo os expul-
sou a Daion^Ia ral.ada. havendo muitos ferimen-
tos e al^uns grai-es por es^a oecosiao r
0 governo carece de dar pi aniplaniente uma
sali-fa;au a opiniko publica justameoti: iudignada,
p ir,|iitj o no--1 rfcimen de bberdnde nao e eoM
pai'vel com o-Ui* ib-spolism >s e. violencias. Senao
a da, exonerando u baiiio du Ktzere promptamen-
te, ji i-l- lr<>poi;ar no sen i-aininho, purquo hoje a
qmsiHo (5 politico. Se nao reorganisar a pulicia,
tiraml. o caracter inilitar as guinlas municipal's,
lira iiniito mal; ipie >i'.'ni!icam aquelles corpus,
rondaado da *pngardas, (pje hi Ilia* podem ser-
vir enino mawas para ipiebrar cabu'-.-as ou parlir
- >stellas, e lig irando do innsica e purta-macbados
n dias de para la on pincissoes ?
XUmut-Ai fue da eloieAo municipal de6isboa
aii-i .-< bust eaiaffa An fcaM a potitica, e se pensa
o iijiatiisai n.ua ii-la p-alrlleiKa, mas grata an
pil.utar dos qu i|u>tv!ii quo os rercadores a lun-
oi.-ti'.-iii.
' A eleiran S a 1G If m.venibro.
No dia S'i .I'Tam-se a sepultura o. MHtV mor-
Um il'uoia ii laJ.i ria-aca, filno do mcu amigo. e
"oilfga Sr. AHtonio d>t Oastillio, proprictano e re-
dactor do jornal 0 Biutil. A precisa iululligencia
d'arpielli'. inetiiuo, a a sua angelical ineigui v fa-
nam delW o eetew da mu pais, e de todas as
jKissoi. que o I'.onlreiririm.
Esta uma antoridade superior Je liscalisacio
das alfandegas do i'orlug.il unplicada couio pas-
s lb r de aniianienlo para os carlistaa, como Ines
duse, crew.
No Barnuro, na margetn osquerda do Tejo, e
dbfraala de UsUa forani tornados pla policia,
n caixdes com armr,mento, com destino para
os eanislas. Foram presos, uesta occasiao, dous
*. >.-,.; i,i. "_.-> ^ um I'm tui;ur/- ijuc fvi 1 amgeulo du
infantaria do exereito Ue Portugal. Um dos hes-
paniii'n's intitula-se capitao de infaularia.
Sciri'lliane apjirehensao teve lugar proximo
a cidade de Deja, euconlrando-se entre outros ar !
U'/oi de armaiiiento GO fcrros de lanca, G cspadas,
it ospingardas, 1 bacauiarto e \9t cartuxos. Tu-
docstava ent.-rrado junto a uma meda de pallia.
A comm no ;ara a exoiisic; o que se deve effectuar em
baMfca Hi proxiuiu futuro anno, e onde se pre-
tende ijul- ligurera us vinhoi poringuezes, ja
apresi.'utD'.i o prejeote para a reuniio, preparo a
exp ii lacao das amostras que alii devem fijurar.
Das 100 variedailes de vtano portuguez foram es-
ealtfdan \'2 principal's (jue romporio a collec^aj
de amostras e que sao us que mais convem ao
moicadu iuglez, denoM do convenieulejuento pre-
|taradvs.
Koi approvaJa pel) governo de Portugal a
rtNilucao tomada polo govern?dor de Macao, de
pr liibir ii emharqoc de colonos em navios do ve
Ka/dasie u priucipio de setembro ate IS de otitu
bro, em eonseipiencia das viagens n'aquella epoca
serein muito noeivas a saude dos colonos.
F.ii as.-iir.i,"lo o cajulralo com a companlna
franceza de Fives Lille, represenlada pela enge-
nheiro Labille, para a eoaslrueeaa de uma poiite
srjbre o rio Silv.-s, na cstrada quo liga Villa Nova
de Porliinao a Villa Heal de Santo Antouio^AI-
j-arve). A ponte e forinada de 8 caixijes de lor
ro, 6 pi-go>s e i cnci'iiUos do cantaria. 0 tabo-
1eiro ede madtira de earvalho Turn II 0 metrns
de coinpiimenio. 0 governo ubrigou-se a pagar a
<:oinpanhia a ji:antia de 1G8:3004 ra 6 prcsla-
cue*, sendo a aiiiiaa depois de approvado > auto
da* provas d\nimica e cstatica. 0 prazi da cous-
-^'4p :!l mezes.
a No dia IMaJiavera recepeSo em granle gala
por molivo do IBniversario natalicie de el-rei o
St. D. Luiz I. .\\ecepc_iio pelo anniversario de-i-
m:u augusto pai o \Sr. Ii. Fernando (a t&) licou
transferida taiubem para 3i.
Aabo de rzbet que so fara um meeting cm
Lisboa parade lira dtraissao dobarao deiezere;
(outra vezo barao!)
* Hhi't in causadores do descarrilliamento na iinha ferrea
iLarmaJal) de Torres, enlre Louves e o sitto da
Fieixeira. i.hamam-se Mathias dos Reis, Fran-
eisco di-is tteis, !)omings Roque e Antonio Ventu-
ra. Sao todu: do lugar do Cadoifo e aimoereves.
0 sagacissimoe policiaes Paes e Ferreira e que ti-
veram artes para descobrir estes malvados. A
companliia tinlu. ufferecido 20 libras de preinio a
quem descobr sse os criminosos.
fiontem venderam-se na bulsa inseripgoos de
asseolauicnto .t 44.80. Titulo* do emnrestimo com
o desembolso elb 10 por cento corn 0,25 por cento
de descouto.
Divida inteina de llespanha com o coupon
corrente para 12 de novembro vendeu-3C a Ki,9o
e para27 de no.'erubre a 1G. e 13, 97.
o Acooes do lanco de Portugal veudera.n-se a
332^000.
a Por lim se effereciam por titulos de empresli-
ino com lodas as untradas 40 91 com 10 por cento
do desembolso, 0,o33 de desconto, o por inscrip-
fSea do assentauento 44.70
No Impartial ctiegado houlerji le se o seguin-,
le telegaarnma du ageucia Fobra :
a Pins :\ o Sr. PenedoW eaviado a Rima
pela governo bra aleiro para iralar das questoes
**cleiistic s d'aquello paiz.
c Desmente se a noticia dos minislros da Ameri-
ca e de Poitugal tcretn prolestado cmtra
pac.u dos coiivontos de fioma pelas autoridades
<-ivi.s.
Em 29 as 2 horas da larde acci-esceula o
o c#rr*8i/jjidente :
Aloan.aiu a 5 de seteiubro as uutu^as du Loan-
da viudas pelo lapor Zaire, que desta ve;'. .-e do
moruu muito por causa de un desarranjo ta ma-
chiaa. Tinlia a 23 arnbado a illia da Madeira, o
que logo foi cminmaicado pafa uabCn, pelp caia
subuiariao
I P^lffros amigos poligcus a'estagao principal d..
catnlnhn de fen\. 0 Sr. Santos Stlv.v 6 inn dos
luinlnares do trnlrohiitorlco. E'Hrador do pri-
meira plana e ja par vezes lem si lo iadigilada pa
ra Diinutro. Vem.um-poaco melhor.
0 banco de Portugal annuncion que os 10
por cento de entrada nor conta do emprestimo
13,00 itOOO* itviam de scr pagos iiijijWvelm.
te no dia 31 de oulnbro. Os titulo*-do empr
mo desceram nm peoco na balsa.
Palla-se ouria voz n'ufD novo amnrestirno
oitBanove mil eontos de rdte para se applicar na
-aclusao de loJasas estradasde 1* elasse,
anuualmen'e destinada no orcamento tuna;
rajuro- e amortisacao do dilo umpres-
'Dr. G6us CiwVanl
-'. i CT' w. Pcrutii "i i
Dr. Alvpio Costa
Dr. Ratw c Silva
r. AiiVniu
eira
'OS
11 de Novembro -de 187S.
na? da ilortt (Kayal) dice* q
terminate naqnella cidade a
bexiga* que alii tern grassado, continuando po-
rem a fazer grandes estragos na frdgaezia dros e n'algumas localidades da ilia do Pico.
f Falla-se agora n am jantar quo o marquez
do VaHada natural que o festiin leve agua ao bico.
Faltam-nos ha tres dias folhas de Franca.
Cada vez peior esta o servico postal o otelegrau i-
co por causa das tropellas dos nossos vizinno*
hespanhaes.
Foram pronunrjados em Faro (Afgarve) C'jmo
suspeito* de cumplicidade no assassinato do Dr.
Guer.-eiro CdrteReal, Jose Lourenco Quintino, all-
ihado do fallecido prior e interessado na annulla-
cao do sen testamento, que se diz fdra antor do cri
me, -Joao Rodrigucs Affonsj, Baudeirinba e Joa-
quim Martins, guarda.
Chegaram houtem do Brasil os vapores Ebro
a Corcovado.
i A 10 de novembro proximo ha uma corrida
de cavallos na Gallegan, promovida pelo club
equestre.
Na Bolsa venderam se hontem inscripcoes do
44,46 a4V,80 e bonds a 42,8') e 42,81. Rcarain
aquelles titulos afferecidos a 44,70 e 44,80. Hau
ve trausaccSes de fuudos hepanlroes a 15,82 c
10,19. A olTerta ao fechar da Bolsa erade 15,83
e 13,84. Venderam-se titulos do emprestimo na-
cional como desumbolso de 10 por cento a descon-
to de 3.30 e ",33 por cento
0 meu amigo visconde de Sanches qne ha
dous mezes regressou a Portugal de Baena, offere-
receii a bibliotheca publica, um exemplar de cada
um dos relatqrios que pelos diversos miuisterios
do tmperio do Urasil tern sido apresenttdos ao
parlaraento desde 1887 ate hoje; um exemplar
dos annaes da eamara do seoado; nm exemplar
do rico relatorio dps aconteeimenMs daqueila pra
ca em 1858; um exemplar dos almanaks de
Laemmert e um exemplar de um dos mais Impor-
tantes almanaks do ministerio da marinha duran
te a guerra. Com este valio=o presente e com o
que fez o Sr. visconle 4 bibliotheca em 1868, com
pleti se a colleccao de todos os relatorios do im-
peno Jesde a sna independencia ate hoje, tao rara
em Portugal como no proprio Urasil.
A iinprensa toda lece louvores a qtiem roc*
mo qu.mdo eslA longe se n5o esqaeeo da terra
OHde nrtsceu.
Chegaram os navios: 4 Lisboa Rio Grande
e Garonne (v.) do Pernambuca, Viajante do Para
e iVoro 8. Lmirenro de Pernambuco a 25 ; ao Por-
to Baropa do Maranhao a t'i.
a Sahiram de LisbOa os navios: a 26 Soberano
para Pernambuco, a 28 Liskmcnse (v.) para o Pa
ra e Ceara.
Achamse a carga os navios : era Lisboa-
Vanda para Pernambuco, IJgeiro para o Para ; no
PoMoTriumpho para Pernambuco, f7nio para
o Para, e Maria Carolina para o Para e Miranhao
0 brigue So'ierano sahido para Pernambuco,
levou : 99 pipas, 50barri, 2 ancoretas e 18 rai-
xas de viuho ; 19 pipas e 101 parris de vinagr'e ;
77 barns de azoite; 65 de loucinho ; 25 barncas
fe alpiste ; 10 rolames de mobilia ; 50 caixas de
ceholas; N3 de azulejo : 8 caixas e 5 barris de
eora : 70 sac&is de em-ada ; 3fl ancoretas de azei-
lonas ; 3ii pelras de cantaria ; 430 barris de
cai; t70rodas de a cos ; 715 sa cos de farello e
11 volrtmes di versos.
liotiuias da im erica.
Por via de Lisboa reccbemo3 as seguiotes :
Telegrammas de 23 de outubro annuneiam que
o governo americano comecara hrevemente a pa-
gar em metal; e que es bancos decidiram a termi-
nar no l. de novembro com a etnissao dos certi-
flcados dos ompreslimos.
REVISTA DIARIA.
Dcputailos provlneiaes-Hontem de-
viam u?r ficado conchndos os trabalhos eleiloraes
para a legislatura de 7475.
Xo collegio do Recife do primeiro dislricto, foi
este o resullado, sem contar com tres ceduia?, cu-
jos votes foram tornados em separado :
Dr. nlanoel Portella 221
Dr. Dario Cavalcanle 208
Dr. Jose Tiburcio 178
Dr. Arruda 174
Dr. Manoel do Rego 170
Dr. Pmto Junior 163
Dr. Alcoforado 153
Dr. Joao Uarbalho 151
Dr. Pernambuco Filho 128
Dr. Fehp|ie de Figueiroa 126
Dr. CalJas Barreto 113
Dr. Gervasio Campello 111
Dr. Antran 93
Dr. Vaz de Oliveira t 80
Dr. Nabor 77
Dr. Antnncs 71
No collegio do Pai d'Aiho, obtiveram votos:
Dr. Portella 86
Dr. Pinto 80
Dr. Dario 74
Dr. Arruda 73
Dr. Joao Barbalbo 72
Dr Tiburcio 68
Dr. Manoel do Rego 61
Dr. Figueiroa 57
Dr. Cr.ldas 56
Dr. Pernambuco -$5
Dr. Vaz de Oliveira ^, '1 Ji
Dr. Gervasio 2f
Dr. _.A!c&fO?ado 8
Sao, pois, deputados pelo prlmoiro districto os
senhores :
[.* Dr. Portella
2. Dr. Dario
3. Dr. Arruda
4. Dr. Tiburcio
5.' Dr. Pinto
6." Dr. Manoel do Rego
7. Dr. Joao Barbalbo
8. Dr. Figueiroa
9." Dr. Caldas
2. destricle
Deste districto teuios os seguintes rcsullados
Collegia de Iguarc.ssu.
Dr. Agniar
Amaral
Dr. 0. Andrade
Dr. Gomes Parente
Dr. G. Ferreira
Dr. JoJo Vieira
Dr. Guedes Gondim
Dr. Barros Rego
Dr. Travassos de Arruda
Dr. Herculano
Dr. Vaz Curado
Colegio de Nazareth
Dr Barros Rego
Dr. 0. Andrade
Dr. Herculano
Ur. G. Gomlim
Dr. Aguiar
Dr. G. Ferreira
Dr. G. Parente
Amaral
Dr. Joao Vieira
a occu- Dr. Travassos de Arruda
Dr. G. Piiaaga
Dr. Vaz Curado
Dr. Correa de Crasto
Ileiuuio dos collegios de Dliiidi, Iguarassd eNa
zarelb :
Dr. Oliveira Andrade
Dr. Barros Rego .
Dr. Guede* Gondim
Dr. Ferreira de Agniar
Joao Francisco do Amaral
Dr. G lines Parente
Dr. Ginealves Ferreira
_
. anno,
o Augusto de Magalhurjhfca, arprovadol
nente.
1) Lyiiilolplin de MenS^Hftm idem
i-ss..a do Siqueira CiW.KIchi idear.
iiioaiu Gomes Tavares Juuio4$ctlcm idem.
Arthur Annes Jacome Pires, idem idem
Francises RibeiroJiachjdi^dam idenv.
orinitl, liino resuUado
-! nnnm meslrerd ) 3'anno desle
ino de OHvtira Coragern. appruvado
naiMrite
Elojr Pornrto-de Lima Ribajm. Hem idem.
Antonio Carlos Carneira iMoWKaHpie-niente.
Dous reiBtHBti is.
Hos|Ma lc allenailo*.DaoMS era se-
guida niaBBra relacalMla pesSOas qua concorre-
ram par^*wbras ueKe estabekJeimeoto, acei-
tando o Hymno a caridade :
tllu/*, comtneadadw Dr. Pedre de Alnay-
daLobo M'lscoio. -lunlo encontrara V. S. a qnan-
tia d<> 188*0 jM piita, a quern retfleUt atgnmas das suas cirettla-
Dr. Oliveira Maejej. wmr^m^am ^.-- ^ re's, acompajjaaado a oymoo por V. S. composto
mfltJ-M m VriLB 0 emlienelicwdoasyloMealienados,
30 7
282
247
246
215
231
223
183
17!
73
73
70
65
65
65
65
G3
5
40
2!)
71
74
74
70
60
45
44
40
38
35
35
25
23
199
189
187 Paulo da Costa Espinheiro, idem idem.
a Foi esto loltgramma o primeiro de m
la peni iabo que deve tuicar m-is tarde i
em Penuuibu*' IDi'. Vieira de Araujo
#F iopatado o Sr. Gencaives Cardoso. Dr. Travassos de Arruda
contra aliniranle. | Dr. H reulano
iolitic is em L'sijua tern ftito ran.-1 Dr. Vaz Curado
is dias para cnml.iaarc-m as lis-|Dr. Pitanga
at ua pro:., Dr. Cuireia de Crasto
Ur Delphino Cavab-.ante
< tlcgrc-suu ; |^^b-i 3." districto.
i uiidadi o dejji. Jollcgio de Ipojuca:
183
164
164
161
151
-r. Harros Fr, _
Dr. Arclianjo 10
Cy.iini.sj;> proYiMfctl DenWi do* pra-
zo de 3 in-, ritados de 10 doxorrente, devem
os pats W <^rfes|ton4errtesTJos amiarfA do gyni-
na.sio nrovinci.U maudar satisfazer as pensoes, que
se aonain e;rt debtto, sead'i ?'pois des-e prazo em-
pregalos para seiii*lliante fun os radios autorisa-
dos por 1m.
Para o sul do imperlo.Com 9 rece-
tiidos em n^s > porto levou o vapor StagtUatoti'i'i
pa^sageiros
Uinlieiro. 0 vapor Magellan levou 4b os-
sa praca para \ da Babia 70:00i}g009.
O vapor Rahia levoa para :
Natal 20:000i000
Ceara 18:8834750
Para 8:. 0)$0M
0 vapor Curur^pe trouxc para.:
Amorim frinaos & C a Monteiro Gregorio & C. 1:0004000
Jose Duarte ias Neves 8004000
Ferreira Maia 6i 4134540
ITui-tii de l^iverpmol -Deviaia ler sahido
para o nosso porto : a 22 de outubro navia Jane
Man*, a 2 vapor Student, e a 27 uavio Fuiilicr.
.\i>t:tM a i-tteolher. No corretle inez ter-
mina c prazo Uo recilliiaieatu, sera dasconto, das
sedulas de dous rail reis hrancas, uwdelo antigo,
e no mo/, vindouro tannina. tarabeia a prazo *em
descouto para o recolhjmento das seJsJas >de- in-
coenta mil reis, numeca^lo azul.
Julio Din Ik. Esie vapor troine, em Iran-
silo para o sul do imp-irio. 186 pas.sageiros.
Vaparctt^ transatlantic***. Du-aos
nosso corresp indenle de Lisboa :
a A 5 'Hi G de uuvemhro tocara em Lisboa e
paquete Vide de Rio de Janeiro franceza Chargeurs Reunis. All tinaos o Gnra-
ne da cornpintiia do Pacitico ; a .4 o Neon, da
Royal Mail e a 23 o Corcoado.
Que todos m ou^ata! V prnposito da
iiulicia que, sob e>la epigraphe, l:o item pubtica-
ni >s, impetraudo das sooiedades beaelicentes o lit-
(orariase das almas caridosas, u.n auxilio ana pro!
do iiurido lesoravu) de Anna Maria da Coneei^io,
procuruu-u rs o Sr. barao de Nazareth, e dec arou-
nos que, quaodo coinnrou aquelle oscravu, igoo-
rnva qne eile vivesso maritalraeote coin Anna, e
que, nesta ignorancia, mandou-o para o Rio da
Janeiro ; mas que esta prorapto a anxiliar a^uel-
la infeliz espota no empenho de nmr-se ao sea
inarido, para o que dar lhe-ba recomendacoes
para alii, afira de que >-lla consiga o seu lim, sem
embarg'l todavia do que em beta do referiijg es-
cravo, possarp fazer as assooiajiws e individups
para quern fizem >s appeHo.
0 procedi neuto do Sr. barao de Xazarelli e por
certo credor de encoiuios, e ale ecrto ponto faci
lita a dcsgragarla mulher a estfida yye a deve
condii'ir aos hrrtcos fle seu >narido.
Monte I'in Piirtu;*up*. Ante-honlem,
em assemblea geral, pmcedeu se aeleicao da di-
rectoria, convdho fiscal e commissao lie exarne dc
eontas, eujo resuttado Foi o seguinte :
Direetoria.
l*rASidente -Joai Jose Rcdrigues Meudes.
Vice-dilo Antonio Lopes Braga.
I* serretririoJoaqaim Xavier Vfetat Ligo.
2* dito. Antonio Guedes Valeute.
Thesour iro -BernarJino Duarte Carnfcm.
Consclho fiscal.
Presidente B Trtsrdlnd &imes de Carvalao.
! secretario -^Firmino Antorrio Sou to Maior Ra-
poso, I I
2* ditoAntonio Goncalves de Barros.
Conselheiros.
Joaquim Alves da Silva.
Jose Fernandes dos Santos Bastos.
Antonio Francisco Marlins.
Antonio Francisco Moreira.
Jose Joaquim Alves.
Joaquim Jose da Silva.
Joan da Silva Ferreira.
loaquiin Dias da Silva Guiuinraes.
Jose Cardoso de Sa.
Francisco Manoel da Silva.
Manoel da Cuntia L"bo
Jose Estevao Teixcira de Souza.
Eduardo de Barros Mattos.
Joaquim Antonio de Carvalho.
Joaquim Soares Neves.
Fructuosi Goncalves Ferreira.
Justino Francisco Junqueira.
Jose Joapiim dos Santos.
Krancisco Pires Licate.
Bernardo Antonio da Motta.
Antonio da Maia Pessoa.
Francisco Medeiros Raposo.
Exame de eontas.
Antonio Nunes Ferreira Coimbra.
Commendad r Jos? Joaquim de Lima Baii'ao.
Francisco Jose dos Passos Guimaraes.
Estivoram presentes 62 sieios.
Aisoeiacaii Portagrueza de Itene-
flccneia. II miem reunida a assemblea geral
dos socios da Associacao i'orlugueza de Bmeficen-
cia dos empregados no commercio e industna em
Pernambaco, slim de cumpr>rem o qtte determinam
osseus estatutos, forani eleltos om substituicao
para o anno soelarde 187! a t87i, an astual, pre-
sidenle e secrelarios da assembloa geral,- direeto-
ria e coramissao de exame de eontas, os seguintes
Srs.:
Para assembles geral
PresidonteJose Joaquim Affonso Guimaraes.
i vice-dito -Antunio Joaqnim Barbosa Vianna.
2 vice>ditoJooo Paes de Oliveira.
1" secretario-Jose Cardoso Pereira.
21 dito. Leonardo Antonio da Silva.
Para a direetoria.
Director Jose Goncalves da SHva Brito.
Vice -ditoJose Lopes Alheiros.
1* secretario vNpip Angasto ferreira.
* dito -Jos6 Joaquim Sahjado.
ThesoureiroBernardo Antonio da Motta.
Vogaes Manoel Goncalves Cazelro, Jose Joa-
quim Ribeiro Vianna, Augusto de Castro Monleiro,
Antonio Goncalves de Barros, Francisco de Sou-
za Oliveira e Domiugos Martins Gomes.
Para commissio de exame de cootas.
Virissimo Ferreira Cnaves Jnnlors Jose Rodri-
gues da Silva Rocha e Rodrigo Machado di Ca-
nha.
Desattencao. 0 Sr. Joaquin Feliciano
Gomes foi victima da mais erosseira desatlencao
que com elle praticou o conductor n. 10, Adelmo
Augusto Pereira de Carvalho, da Iinha ferrea do
Recife .i Caxanga, no trem qne descia ante-hon-
tem as 7 horas e 33 minutos da rrftuha, por ter
aqnelle senhor reclamado com urgencia ma at-
tencao sobre um passageiro, que em estado de
embrijiguez e abandonando o legar qae pagaral
na 2* classe, passara-se para a 1* com o proposito
deliberado de insnltar a um amigo do Sr. Felicia-
o, qne alii tambem se acbava.
0 aggredido ja representou convenientemente,
aeerca do occorrido ao .respective' engenbeiro
fiscal.
Ultimamente teem-se repetido scenas dessa or-
dera ; e 6 isto muito de lastlmar. Poblicando-as,
lemos por Um despertar o zelo das respecttvas'ge-
rencias.
Faculdade dc Oirelto.Fizeram acto
no dia 10 do corrente oi estudattles segnirrtes :
I.* anno.
Manoel Jo4qnim de Albuquerque Lins, approtado
plenamente.
, e bem assan
uiua relacio da quantia subscripta por cada uma
das mesmas. "Ontras mats discipulas qae tenho
a quern igualmenle reraetti o citado hymno devol-
Teram-rao por haverem-no nvfebldo de V. S.
Tendo procurado corresponder da forma que ma
foi poseivel a cenfianra que V. S se dignou dis-
pensar-me, seja me licito dirigir-lhe agora minhas
fehettacoes pew modo porqne se ha V. $. identili-
codo com a grandio.-a o huinauitaria idea do 11-
I stradi admiaistrador desta provincia, prs-
tando asslm urn conearso por demais valioso a
realisacao dessa obra gigsnlesca em faror dos
desveuturados entes a quem a Providencia apaga
ra a leve lu* da rario. Son com respeitosa esti-
ma ---De V. S. attwteioso venerador e criado. .-
Jjnqnim Bernardo de Mtndonca Recife, 7 de no-
vembro do 1873.
D, Ttiereza Vieira, fllha do Sr. coronel
Epaminondas V. da Cunha 304000
D. Clara da Konceca, inna do-Sr. Fran-
cisco Joauuim Ribeiro de Srito 204000
D. Maria Adelaide e D. Valeria Lins,
filhas do Sr. Dr. Alexandre do Souza
Pereira doCarmo 105000
D. Anna Car ill, Ulna de John aroll JOjOOO
D. EmiHa BKto, tilba -do Sr. Ploriano
Correia de-Bnto 104000
D Carolina Viegas, fllha da Sra. D.
Maria Leopoldtna Miranda Viegas lOjOO.i
D. Maria Citharim, filha da Sra. D.
Maria Paragnassu de Albaqaerqne
Maran ao 34000
D. Ansberia Ferreira. filha da Sra.
D. Maria Theodora da Costa Alves
Ferreira 54000
D. Cemodeces Peres, espoza do Sr. Dr.
Luiz Antonio Pereira 54000
D- Maria Ramos, esposa do Sr. Anto
nto Francisco das Chagas 34000
D. Carulino Serallco, filha do Dr. fn-
Boeencio-Seraieo de Assis Carvalho 54006
D. Maria da Gloria, fillia do Sr. Antonio
Jose de Souza 54000
D. Amalla Augusta do Rgo Dantas 34000
D. LeopoWina Peteira, filha do Sr. Dr.
Antonio Joaquim d- Moraes e Silva 54000
D. Amelia do Nascimento, lilbadi Sr.
Se'bastiao Marques do Nascimento 54600
D. Maria das Neves, filha do Sr. Manoel
Antonio Rodrlgues Pinheiro 54000
D. Joanna Bastos, fima do Sr. Jose dos
Santos Bastos de Oliveii a 54000
D. Urcina Ekiy, filha do Sr. Antonio Eloy
Rodrigues da Silva 34000
D. Julia Laeerda, esposa do Sr. tenente
coronel Apolioarlo de Albnquerque
Maranhao 2/00)
D. Thereza Laeerda, firha do adminis-
trador Manoel Carneiro do Smiza La-
eerda 24000
D. Amalia Cavalcante, filBa do Sr. te-
nente-coronel Herculano Cavalcante
de Sa e Albuquerque 24000
D. Maria Josepha, II hi da Sra. D. Ge-
numa Severiana LeopoWma dos
Santos 240D0
D. Maria da Coneeicio, fllha do Sr.
Dr. Praxedes Gomes de Souza Pitanga 24000
Tiiesauraria de Tarenda. Pag; in se
hoje as seguintes folhas: hospital militar e todos
os demais funccionarios que rocebera por meio
de recibos avnlsos e tambera os que deixaram de
receber nos dias que Ihes foram inarcados.
Santa Casa da .lli.sericurdla. 0
pessoal de enfermos e educandos recolhid>js nos
estabetecimentos pios a cargo da Santa Casa no
mez de outubro foi o seguinte :
Hospital Pedro If 382
Filhos de enfermos 11
Hospital dos lazaros 43
Hospiciu dc alienados 84
Asylo de mendigos 94
Collegio dos orphaos 90
Dito das orplias 156
Casa dos expostos 90
Meninos em criacao 76
Total 1026
Conflieto.No povoado do Peres, em 9 do
corrent-, pelas 9 horas da noite, Luiz Jose d) Nas-
cimento, entrando em razSes com Geratdo de tal,
foi por este ferido gravemente com uma facada.
Casualidade.Em t do corrente, estando
o menor Francisco dj Assis Albuquerque Mara
nhao, Da cidade do Goyanaa, a experimentar uma
espingarda, succedeu disparar-se a arma, ferindo
a (landldo Alto de Albuquerque Maranhao, irmao
**ot^WW^^^ IClVk^. 0 escriva i Jos n
tcstos JoM> Mariaanat erri dj scmana,. canto
onde foi a secj-ota.ria jle policia, sala do iado iia
nine. ,
Missa funebre Sera Injo celebrada, no
convruto le S. Franoiscr> de*ta cidade, pelas sele
boras do dia, uma raissa pela alma do sempre
choradu Dr. iBlamin "'"gaJA' T"----Ron,jfjr-
. .?r A^iofjaacioHHitrresltatideira, filh ,
do fallecido" Br., oaDtida a seus amigos a aenisn-
rem esse acto rel^oso, coulessjiBdo-se desde ia
reconliecido.
I.oteria. -A qae se acha a venda e a 74.* a
benelicio da anatrH da Boa-Vista, a qual corre no
dia 13.
Casa ale deton^a^o.Movimenti do dia
9 de novembro de 1873 :
Existiara presos30l, exiatam 301.
' A saber .^^^
Nacionaes 217. muiheres 13, estrangeiros 29,
weravos 38, eacAvas 4.--lal 301.
AJuhentados a ensta dos oofres puhlicos 236.
Passa^elros. Vindos no vapor Julio
Diniz:
Manoel de Silva Amorim e sua mulher, Joaquim
Antonio d'Oliveira, Manoel Jose Alves, Antonio
Rodrigues, Domiugos Piuto da Motu e sua muilier,
Jose Ferreira da Silva, Bernardino da S.lva C.
Campos e .-ua sentiora, Eduardo Pereira Mello.
Albino Jose, Manoel d Andrade, Bernardino Jose
d'Azevodo.
Vindos ao lagre portuguez Julio :
Alfredo da Costa Marques, Jorge da Costa Mar-
ques, Jose Feliciano, Joao Pereira.
Vindos de Mamanguape no vapor brasileiro
Cururipe :
Taciano Gomes da Silveira, D. Maria Gomes Sil-
veira, Francisco da Silva Neves e 2 criados, Carlos
Salim, Adelino Gomes de Carvalho, Joaquim Jose
Correia de Magalhaes, Jose velho de Mello, Luiz
Francelino d'Aguiar, Ameneo V. Slmonet e'l
criado, Francisco Jose da Costa Ayres, 1 esjravo
a entrcgar, Goacalo A. G. Leile, Jose Coelho Uo-
reira, Jos* Silveira Gomes r ilho.
Sahidos para os portos do none no vapor
brasileiro Bahia :
Dr. Custodio Domingos dos Santos Junior, Dr.
Affonso Pinto e I criado, Dr. Dcmetrio R. da Rocha
Novaes, Bertino Jos6 de Miranda c 1 criado, Dr.
J. Thomaz da Silva, Ant nio Amazonas d'Almeida,
Francisco A. Bezerra Junior, Custodio Gauealves
Beichidr, Antonio Dromont, padre Antonio Baptista
Espindola e 1 criado, Theodoro Alves Pachoco e 1
criado, Arlindo Francisco Nogueira, Paciflco da
Silva Castello Brauco, Acendino V. de Magalhaos,
sua mai e 2 criados, Dr. Francisco Texeira de Sa,
sua senhora e i inna, Uriel Gomes de Sa, M. F.
Mello e 2 eMiravos, Joao Henrique Vieira d* Silva,
Antonio Pinheiro L. de venezes, Antonio P. A.
Pequeuo, Joaquim Olirapio de Paiva, Miguel P. C.
Vieira e 1 criado, Francisco Almeida Braga, sua
fain Iia e I criado. Lingo Pongetori, Jose da C.
Junior, Pedro Domingues da Motta, Antonio P. de
Oliveira, Patrlcio Regon.
Vindos da Europa no vapor Magellan :
Peter Fuhzraann, W. A. Bilton, N. Thompson.
S. R. Clerke, Dr. D. J. King, J. J. d'Oliveira,- A.
L. Ribeiro, J. Q da Agra, J. F. Eira Junior, A.
Martins, B. A. Silva, J. G. dos Paes, M. de Leuios,
J. R. Caspar, J. B. L. Bastos, M. F. da Costa Filho.
J. J. M. Reis, J. M. Reis, Antonio D. Domingues,
Nai, Cberubino Bandeira, Benoit Levy, A. M.
Pmto1 I. A. Pinto
n wti t

i mama pi
iiceda-sc ao re
Alexaiidrino Dias Guimaraes, idem idem.
lose HeracJides Ferreira. idem simplomente.
Joaquim Fernandes de Carvalho, pronamente.
Cm rejrovado.
4. anno.
152[Rufino Pereira de Abreu, approvado simplis-
149 menle.
45 Francisco Octaviano da Nobrega, idem .idem.
35 Jos6 Bento Vieira Bafcellos, idem olenamenle.
25 Jose Carrilho de Revoredo Barros, raerh idem.
1 Augusto Frederico de Siqneira Cavaieanti, idem,
simplesmente. ^^
Umbel'no de Souza Marinho, idem plenamente.
daquelle, e a Anna Maria do Sacramento.
0 respectivo Dr. juiz-municipal tomou immedia
tameute conhecimento do facto, o prosegue se
gundo a lei.
Telejsrraplao para Waeeio. Coramu-
nicara-nos da estacao telegraphica da ma Duqao
de Caxias que se acham reatadas as commnnica-
cfles telegraphicas entre o Recife e Macei6.
Theatro Santo Antonio. -Neste thea-
Iro represenla-se hoje o importaute drama em
cinco actos -A mendiga,seguido do lindo dueto
0 estudante e a lavadeira,em especlaculo ge-
nerosamente concedido pela empreza Vicente
a benelicio d > cofre da sociedade litteraria Amor
no Estndo.
Esperamos qne seja muito concorrido este es-
pectaculo, attenJendo-se a boa applicagao do sea
resultado
Itamhe Escrevem-nos desta villa, em 5 do
corrente :
A sadde publica val sem alteracao.
t 'elinnente a variola nao se lembrou ainda
de viskar nos, como o tern feilo em outros lugares
visinbos.
Entrou no go de dous mezes de licenca o
nosso juir de direito Dr. Joao Francisco da Silva
Braga, e logo o Dr. Jose Enstaqnio, que estava
exrcendo fnterinamente o lngar de promotor, pe
dio sna exoneracao.
a Gousia-nos, ate passa por certo qne foram
desprpnuueiados Jose Joaqnim Pereira Cam-
pos e ljelizario de tal, indigitados antores do assas
sinato do major Henriques.
t Na realidade sempre tivemos como uma ver-
dadeira calumnia o que se propallou contra o
primeiro, no intnito de persegui-lo, raas Dens vela
sempre em tavor da innocencia.
Belizario e lido eomo alienados porein, in Ja
asslm, campre qne o juiz competente proceda de
modo a que isto fiqne bem provado, para qne a
lei se faca respeitar.
Corre que acaba de ser denunciado o subde-
legad i do 1 districto Manoel de Freitas, em virtu
fle de uns factos que entre elle 9 mais nm Sr.
Agripino se derem em am dia de feira. dos quaes ja
fiz.nien.rao, ainda que bem succintamente, era mi-
nha primelra missiva.
Ha poucos dias tivemos de lastimar mais nma
morte que se deu la para as bandas da Aninga do
districto de Crnangy.
a Tambem cm Salgado de Timbatiba, nm
individuo. cujo uome ignoramus, deu um tiro em
Sm pobre coitado. Talvez a lalta de proteccao
este, molivasse a que esse facto nao aierecesse a
attencao das auloridade3 polieiaCs, e por isso
a teniativa ficasse impune.
a Repito o que disse na missiva anterior ; mni-
ta falta nos tem feilo o nosso in elligente delegado
}e policia o Sr. eapil2o Gracindo Lobo. Ao menus
mqnanto este mHrtarestevfe por aqui, o crimi
nosos nao escaparam a accao da justica, e a
lei nao soffria violacSo.o
lachegroa. A obra 0 Arcipreste de S. Pan-
to Joaquim Anselnto de Oliteira e o clero do Bra-
'/, la qual fallamos ba poucos dias nesta Re-
Sista ja cheaon do Rio de Janeiro e acha-se ex-
jsta a venda na rua do Barlo da Victoria n. 1L,
armazem de musicas do Sr. Antonio Jo e de Aze-
vedo.
Como notidamos, e uai -vorameemB' francer de
3j67 paginas e vende-se ao prejy de 600 rs. 0
ahtor, fendo feito todas as despezas da i .mressao,
nada qner do resultado da venda, o qual .pplica
a caixa da emancipacao dos capiivos.
'HRUMLM JUUiriAKR
Tribunal da- poiii.iicreii..
ACTA DA SESSAO -VDMINISTRATIVA DE 4 DE
NOVEMBRO DE 1873.
PBESIOE."Ct\ DO EXM. SB. (MifSKLHEinO A^SELMO
KRASCISCO PERETTI.
A's 10 horas da manlia, presentes os Srs. de-
putados secretario Oliuto Bastos, Lopes Machado
e supplentes Sa Leitao e Alves Guerra, S Exc.
o Sr. conselheiro presidente declarou aberta a
sessao.
Foi lida e approvada a acta da precedente
sessao.
EXPEDIENT!:.
Olflcio do presideate e seerulirio da presidency
da provincia, rciuettondo tres volumes de collec-
coes das leis do iraperio e decis6e3 do governo
do anno de 1872. Para o archive.
Otflcio do presidente e secretario. da junta dos
corretores, remettendo o boletim das cotajoes offl
ciaes da semana de 27 a 31 de outubro.Para
o archivo.
Offlcios de ditos funccionarios, em resposta ao
do tribunal, com a data de 28 de outubro e relati-
vos aos livros do ex corre tor Patchet.O tribunal
flcon inteirado.
Foram a rubrica os seguintes livros :
Copiador de Cunha & Manta, dito de Manoel
Azevedo de Andrad, dito de Joao Ramos & Ma-
chado, dito de Sa Leitao A Coimbra, quatro ditos
de Augusto Frederico de Oliveira.
DESPACHOS.
Requeriraentos :
De Augusto Pinto de Lemos, corretir geral,
niqstrando haver pago o imposto dojeu offJciore-
lativo ao primeiro semestre do presente exercicio.
Registrado o conhecimento junto, seja entregue
ao supplicante.
Tiveram o mesmo destino as peticoes seguintes,
feitas no mesmo sentido : de Lniz Amavel Du-
bourcq, de Bernardino de Vasconcellos, de Henri-
que Guilherme Stepple, de Antonio Botelho Pinto
de Mesquita, de Francisco de Miranda Leal Seve,
de Jose Isidoro Martins e Antonio de Pinho Borges.
De Antonio Ferreira de Carvalho, pedmdo que
so Ihe mande dar por certidao achar-se on na re-
gistrada a uomeacao de seus caixeiros Manoel Vic-
toriano dc Lima Junior e Argemiro Edmundo
Falcao. Passe-se.
De Bastos Irmaos, registro da nomeacao anne-
xa.Registrese, servindo de secretario ad hoc o
Sr. deputado Lopes Machado.
De Angelo Dias de Araujo Cardeal, soucitando
o registro da nomeacao de Manoel Antonio Felix.
Registre-se.
De Antonio Dias da Silva Cardeal, trazendo a
registro a nomeacao de seu cai'xeiro Joao Fran-
cisco da Silva.Deferido.
De Joaquim Jos6 da Costa Fajozes Junior, sn-
jeitando a registro a nomeacao de sea eaixeiro
Joao Francisco da Silva. -Deferido.
De Joaquim Jose da Costa Fajozes Junior, su
jeitando a registro a nomeacao iaolusa de seus
caixeiros.Como pede.
De Francisco Antonio de Brito & Filho, reque-
rendo o registro da nomeacao que deraru a Jose
Luiz Inuocencio Poggi.Registre-se.
De Manoel Bast s de Abreu Lima, para que or-
dena-se o registro da nomeacao de seu eaixeiro
Antonio Garcia Chaves.Na forma pedida.
De Antonio' Seraphim da Srlva, tambem para
registrar-se a inclusa nomeacao de sens caixeiros.
Na forma requerida.
De Francisco Jose Goncalves de Siqueira, impe-
trando o registro das nomeacSes juntas.Sim.
De Geraldo Henrique de Mira, pedindo o regis
tro da nomeacao de Antonio Bezerra do Mello e
baixa em a de Praxedes Claudio de Miranda.
Deferido.
De Joaquim Francisco Rodrigues Silva, apre-
sentando a registro a nomeacao de eaixeiro que
deu a Getulio Jose da Fonceca.Registre-se.
De Manoel Victor de Jesns da Malta, ofTerecendo
a registro a nomeacao de J. Lueio Rodrigues.
Como requer.
De Raymundo Jose Tavares, sobmetteudo a re
gistro a nomeacao que deu a Felismino Thomaz
de Aquino.Sim.
De Rudolpho Xavier de Souza Fonceca, registro
da nomeacao de Alvaro Feuelon do Rego Barros. -
Seja registrada.
De Bento Jo-e Corn'1 a, registro da nomeacao de
Joao Antonio Nunes. Como requer.
De Joaquim Maineae do Nascimento, registro
da do Lniz Jose Valerio de Franca. Deferido.
De Tavares & C, registro da de Alvaro Affon-o
de Oliveira.Gimo pedem.
De Francisc j Antonio das Cbagas, registro da
de Adalb rto Francisco das Chagas.-Sim.
I'a companbia do> trllbos urbaoos do Recife a
Olinda e Beberibe, aprvsentando a inclusa copia
de seus estatutos, para archivar-se.Diga jue-
creiaria.
De D Viuencia Espinola de Mendonca, pedindo
que se junte ao summario contra ella instanrado,
a prcsflBte peticao e docomantos anuexos, Jun-
te-se aos aulos, aos quaes tambem se annexara a
copia do narecer do consellio de estado qne vem
em o o 248 do diario oScial.
Da mesma D. Vicencia, no mesmo sentido.
Como requer.
Inlormacio da secretaria, cobrindo a nomeacao
de eaixeiro que fizeram Gnrgel do Amaral 4 C
Prooede a duvida.
Docorretoia^WW AiilAni*Hr>lMh| Pinto a> M*?
quiia. i npotraodbiseas.inezaaiial ^Hn-.a.Na tir-
mn roqueriila. -j
Autos de rehabilitacao de Jose Haria Pairneifa
- Seja convidado o Sr. desembargador &t\f
afia> de a--tatfr a decisio praxima primeira sessao.
Summario -officio contra D Vicencia Espi;-
dolade Mendonjai, armadora do. kiata Miita-fome.
- Fie marcada para o julajmaenio a proxHim
Pfimeira ses-io, depots de juntos os papeis qiK
bojo se mandarara aamex.ir, e precedendo convite
ao Sr. deserabargador fiscal, para assistir o dit
jul farms aio.
_ Ao meio dia.nto havaodo mais qne de*paehar.
S. Exc. o Sr. *oelheiro presideote eneerron a
sessao.
Srs. redactores do Diario de PernatubuiO.
Amo a liberdade. quero a publicidale.
Li no vossw Diario de hoje o resultado da tu-
tacao dos actrts do 4* anno da FacuKfade fle Di-
reito no Recife ; e como nio se saiba quae* os m-
provados, venho declarar que um delles d me*
irmao, Canlido Borges da Fonceca.
Rogo-vos a publicidale destas linhas em vos*
jornal.
Recife, 10 de novembro de 1873.
ticttio Borge; da Fonceca.
Ad publico
L\n iutWiiiiciaac que diasnnJTfomn-
cia ii.' hontuui, relativamenle a ininha re-
mocao do car^o de secretario da rltrecbind"dn
instrucgao publica, para o de secretary do
gyinnasio provincial, devo, por amor & ter V
dade, declarar qae, nao foi S. Exc. o Sr.
presidente que me offeraceu o lugar "oV
juiz municipal.
Too lo eu ido exp6r-lhe os motivos pelo.'
quaes nao podia acceitar o lugar de socrefs-
no do gymnasio, S. Exc.offerecu-meoutros
lugares, que nao pude acceitar, pelos-rDoJjjra*
que Ihe declaret; sendo que eu proprio foi
que fallei-lhe em um lugar de juiz munici-
pal, o qual todavia nao posso acceitar poi
circumslancias peculiar< quo nao pole sahir desta cidade, como j fiz vera S. Exc. -
E* o que se passou a semelhante rp*-
peito.
Estou convencido que S. Ejuj. mo
tem intenQao de prejudicar-me, nem ilcixo
r Recife, 10 de novembro de 1873.-
Aureliano Augusto P. dc CarcaUui.
Tribute* de gratidao
0 abaixo assignado, pobre, de eondicSo-. a mais
obscura, de tndo em ludo desprotegido do-flestioo.
aoacabarde ser beneficiado pur alguns distant
tos cavalheiros, com a mais generosa ptiilantro-
pia, com a caridade mais evangelica, nao p6de dei-
xar de vir manifeslar pela iinprensa, da mrukejra
mais solemne, a essas mesmas pessoas, o eierno e
proluudo reconhecimonto que Ihes consagra ; vls-
to como, mitros quaesqiier meios Ihe fallecem pa-
ra expressae da gratidao.
A esta cidade do Recife chegando o abaixo- as-
signado de Itibaiana da Parahyba, onde i elk
morador, a custa de enormes sacrificios, aunt de
procurar salvar a vida de um seu filho roeno? dt-
seis annos, victima dc uma enorme pedra ni, be-
xiga, aos modicos hespanhdes, de presente nesta
cidade, foi levado pela proclamada pliilaniropta c
caridade dos mesmos, a pedir-llies por esmola .-.
salvacao da vida da misera criancinba.
F i infeliz, p uem, o abaixo assignado peregri-
nou qninze dias as portas daquelles medicos bc-
nemeritos com seu filho nos bragos, e nao honve
nunca para elle a hora da caridade.
Ia o abaixo assignado retirar-se para sna rasa,
afim de alii esperar o dia da morte de seu pobre
filhinlio, quandodeparou'eom um caridoso coracao
que o am pa ron nodesespero de sna dor, I'ortaJe-
ceu-o com os necessarios reenrsos, eonstituiado-
so seu desvelado protector.
Deus havia-se compadecido das palernaes ao-
gustias do abaixo assignado.
Fallaram-llio eniao de um medico, nao bespa-
nlinl, brasileiro, nesta cidade muito acreditado per
bemfazejo e caritativo, procurou-o, falloa-lhe> e,
por elle recebido do modo mais animadort teve a
suprema alegria de ver em poucos aias sea lilhi-
nho operado e restituido a Tida e ao sea amor.
0 medico generoso, caritativo, christto, verda-
deiro amigo do pobre que esta accao praticou foi,
digo-o bem alto para que todos o oncaui e a elle
admire, o Sr. Dr. Cosme de Sa Pereira.
Somente Deus sabe e pode premiar actos de la*
natureza.
0 Sr. Dr. Cosmo dc Sa Pereira, em compantois
dos Srs. Drs. Francisco Goncalves de Moraes, Cae-
tano Xavier Pereira de Brito, Iriueu Brasiliano d>
Carvalho Silva, extrahio da bexiga daqueila crian-
ca de seis anno?, uma pedra do volume de um
ovo : restituio o a vida.
A todos esses senhores, pois, e especial men te ar
Sr. Dr. Cosme de Sa Pereira, sera sem Kmites o
mais sincere recoohecimento do abaixo aesigtiado
Joaquim Corrii dc Araujo.
Recife. 10 de novembro de 1873.
Despedida
Partindo para a Europa, e nao me pcrmittmJ-.
a brevidade do tempo despedir-me individualrneH-
te das pessoas qne me lionram ccm sua amizade,
valho-me da imprensa para cumprir este grato
dever e as-egurar aos meus bons amigos qne a
continuacio da minha temporaria. ausencia nio
afronxara jamais os lacos de cordial affecto que a
files roe prendem e a esta formosa terra cuja
prosperidade sincoramente almejo.
Recife, 8 de novembro de 4873,
Joaquim Pinto de Cnmpvt
Para todos.
A casa mortuaria de Paula it Mafra con-
tinua a bem servir ao publico, em quanto
seus propnetarios ou sao deferidos no recur-
so que nntepoem ao Conselho d'Estado con-
tra o moaopolio concedido a oulrea, ou sao
a eontentii indemnisadas pelos monopolistas-
E para que ninguem se illuda a respeito,
sciontificam ao respeitavel publico que sc.
acham provides do material necessario e
com carros novos.
aOMMERCIO
COM 0 PABBCEB FISCAL.
Peti -ges:
Dp Joio Jose da Cunba Cages Junior, para pas-
sar selhe carta do hiate JiiSo falte. Sim.
Of Jose Antoni i Scaphfco Carvalbri e
Jose Felix Perfira, registro d > &eu eontrato. Re-
gistre-se, na foi ma do ddcreto n. 4,3114.
De Henrique Adour, registro do eontrato qae
Seguro conlra-lbgo
THE LIVERPOOL & LONDON d CLO*
INSURANCE COMPANY
Agentes
SAUNDERS RR0THERS4 C-
11Corpo Santo11
NORTHERN.
oajutal..... 20,000:000^090
foodo de reserva. 8,000:0009^6
Agsntes,
Mills Latham & C.
RL'A DA CRUZ N. 38.
Munmw

COMPANHIA ALLIANCA
seguros maxitimos e terreir
tres estabelecida na BaW*
em 15 de Janeiro em 1870.
CAPITAL 4,000:00OOOO.
Tema seguro de mercadorias e dinheictj >
i.eo nantimo em navio de vela e vaporaa
(Wra dentro e tdra do impehu, ausinar eBD
contra fogo sobre predios, generos e
A
j
j
I ILEGIVEL
fr' I I. I I I ~w



JL--
Efctfio ^Pemambuco Terc,a feira 11 de Xovemoia de 187 6.
-*#sale ; Jjoaquim Jos4 tyilajbs Bo'.irJo,
ru dft-'flnn'mercio n. 5, 1* andar.
4 Cart >.
Azeite-Joc< 50 La 3.* a Luiz Jose
da Silva Guimaraos, -20 -2 e SO de a.0 a
SEGUROS
WARITIMOS
COJStRA 0 FOGO.
lconi| anhia Itulemnisadora, estabelecida
waUpra'ja, toma seguros maritimos sobre
sivios 6 seus carregamentos e contra fogo
tt edificios, mercadorias o mobtlias: n
r^i do Vigario u. 4, [uviiuciito terreo.
COMPANHIA
Phe nix Pernambucaaa.
Totna tiscos maritimos em mercadori'is,
tfetos, dinbeiro a risco e unalineute- de qual-
r nalureza, em vaporcs, naviosd vela oo
'sareacw, a promios muito niodicos.
RUi DO COMMKllCIO N. 34.
:*ACA DO RECFE 10 DE NOVEMBRO.
DE 1*73.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDB.
<2otac3es ofOciaes.
oio sabre Londres a Dddjv. 26 h8 d. cor
IJ, d hanco, sabbadr. e hole.
jt*i -sobce Lisboa a 3 df. 110 (^0 de premio,
dn banco, sabbado.
Daoourcq
PresideDte.
Leal Seve
.Secretario.
ALPANDEGA
,--.Ka-iHU to dia 1 a 8 .
e.." i1- dia 10 .
294:934*739
Desear-rezam hoje 11 de novembro
W*CW ingta! fjilande- (atracado; luercidorias
pa a alftmdega.
^xttcaa national -Ormczinda mercadorias para
a-lfandega.
Vajjot pirtaguez JW/o Dm/: -varios generros
para o trapiche Coneccao, "para despa-
cU.ir.
Sritffe port ague* Ligeiro lit vinho, vina-
in e azeile para deposit) ao trapiche
Barbosa, eed ja despachaia para con-
I mn para o Caes Barbosa
ImprtaeaO.
Vqpar-iuglez Lilande, entrado do Liverpool em
*j* 4o eorreuto, tooaudo em Lisboa e eonsignado a
.i&iineers Brothers \ C, mauifeslou :
Carga de Liverpool.
Armr. 100 saccos a J. J. K. Mendes, 100 a M. da
SP.vi- Paria. Amostras 79 volumes a dlversos, I
a s. Pbna &. Ba-to, 1 a Lyra & Vianna, 2 .-o-
hurtes a .Vfonhar.l Mettler & C, I barrica a Do-
7"S Alves Mathehs. Agulhas, 1 ealxa a Faria
A Irmaos.
.&*m* I caixaa Parento Vianna A: C.
Canserv:;* .->7 eaixas a J. Christiansen & C. Ci-
garros 1 ealia aos mesmos. Cachinibos de pao 1
caiia a Moraos A; >'., I a J. J. do Azevedo. Cal-
*ado 3 cabas a Keller *C, 1 a J. C. Carnoiro da
Cuniia, 2 a Lyra & Vianna, 1 a J. P. Aranies, 1 a
*r4era, I a Rarliiolomeu & C, la Goncalves, Ir-
ssio & G, I a I'orto & Dastos. Cobra 3 barricas a
M. (ios Santo* Villaca. Chape .is 1 eiixa a Cuuha
idla Parente Visonu- & C, 1 a R. Irmao &.
iiarSes, i a Monfciro, Gregorio & C, ditos do
> t did a Keller *G 5 a Chrtstiansen & C,
ti tyrti & Vianna. Cha 1 cnixa a L. Rocha A
C, a ordein, 20 a A. ST. MontHro, > a LebPe
* rtets, iO/2 a r rdem, 3 a F. (. Ba?tos e Sa, 30
jjjra.? e II'i a /. J. Aires A C, 20/2a F. da Costa
4 C, 5/2 a J. J. Leifao A; C, 17 a Ksso frntfos
4f C C -apeis de sol de alg>dao 1 caixa aMo-
tifcard Mottlcr Ow C. Carvao de pedra .'il topela-
4as a Recife Drainage Company. Cerveja GO bar-
-was a M. da Sil.a Faria & C.,'l3i) a F. da Costa
* .,.30 a J. M. da Roza & Filhas, K a F. G.
.*) & Sa, iK) a L J. C. Amorim 4 C, 90 a A.
P.deCarvaiho, 23 a A. M. Mmteic.), 10a ordem.
Cataiaas 1 catRa a >ilva Barroea & Pilbos. Cali-
I 1 caixa a D.F. Bastos. Cabas, il rolos a C.
V.. da Costa Moreira, t'-i a ordein, 53 a Keller A;
. Chales d'algudio l caixa aCfaaier Fray & C,
l x Moaliard Settler 6. C.
Doce 1 caixa a J. Chrisliani A; C. Drogas 3cai-
;'iorde::i, 1 banicas a Santa Casa de Miseri-
dia.
ESastfco, I caixa a D. P. Wild.
?3rragens 2 eaixas a Faria 4 tnnaos, 1 a Olto
HoJvres, 1 a Moreira Halliday & C, 2 a Souza Sa
..5 a ordem, 17 a Parente Vianna & C. Flan-
3r?> itO eaixas a ordein. Fitas de scda 1 caixa a
luistiaci 4 G
LflUfCa 2 eaixas a L. A. Sii|aeira, 2 a Monteiro,
GrtJgpriO A C, 1 a Cafnciro ii Nogueira. Las 1
eatxa a Carnoiro A; Nogueinr, 1 a Monteiro, Gre-
i .-i C. Legumes 1 eaixa a J. Chrisliani 4 C.
flachhias !J eaixas a CompanWa dos Trilhos Ur-
os do Recife a Olini.t. Masicas I caixa a A.
J id Azevedo. Mtisselina 1 caixa a Adamson,
1e & C. iereaiorias ffiversas. 32 volumes aos
Coosjgnataricis. Maniciga 12 eaixas a Tasso Irmaos
5 C, 2 a P. da Cuuha 4 Irmaos, 5 a Rabc
tnmettaj A C. K'O barris e 2 jarroa a Sann-
Jtv-s brothers & C. 59 a Mills Latham & C, 1*
baixis a'Lca.i Rocha & G, 2'i a CarJuo Martins
J? C. 12 a A P. do Carvalbp C a Lima A Silva, li
* J. M. da It', sa ^ 1'ilho-, 30 barris 08 eaixas a
- ur.a Baato & <'..
Objectos divei-s.js i> eaixas a J. Ciristiansen, 2
* P. Wild & C. a Basio Olivcira & C, 1 a
Botoes, l a A.lmsoii II iwie & C, 2 volames
Is Latham & C, 3 eaixas a D T.Bato. Olea-.
i.: 1 eaixa a J Chrisliani & C, 1 a Aleoforado
ra Presuutos i eaixas ;i ordem. 3 a Brag* Son A C.
1 a J. I. Alves A; (., 3 a J. Coweia Braga, 3 a
iira Halliday & Pann) lino I :aixa a Mo-
id Mettler & C, 2 a Monteiro, Gregorio k C.
Papd 1 caixa a Johnston Pater & C. 10 a Sa.
Lettio & C r;i da pre-i leueia, I a A. Gibson 4 C.
Queij'is 38 eaixas a ordem.
Sellos I eaixas a Mills Lathau4>. Saccos va
;.'-} 3i Cardi-is a II. Forster 4 C. Diios de tapete
4 caixa a Monhard Mettler & C.
?inta 2 eaixas a ordem. Toalhas 1 eaixa a Vaa
<"i Leal. Te;ido de linho 1 caixa a Keller 4 ('..,
3 a Cramer Prey 4 C. 2 a Mills l.ithan A; C.t
1 x E. A. Burle & G, 1 a Cramer Prey & G Ta-
ta mixtos 7 eatxa a Cramer Prey A C, 11 aos
uesmos, 48 (ar:los e 31 eaixas a Simpson 4 C,
1 eaixas a Phipps Brothers 4 G, lo' farJus a Car-
i x .Vogifira, 3 a Linden, 2 eaixas =a ordein,
i a Papouta 4 G, 2 a KelW & G Teeidos de
ateodao l eaixa a Keller & G, 2 a Souza Sa & .,
9 a Keller 4 G, I a Cramer. Prey 4 G, 3 a Mo-
afcard lettlc.r 4 G. 2 a Rodriguez Irtnaos ^
^iamnarSes, 3 a*e*fcr G, 87 aos consignata-
r in. i a eriefcrr Pray & C. I I'irdo a Keller 4
., 9 c lixas am mesmos. 2 dilas e 3 fardos ;i
Jic^forado \ ioira 4 G reotdoa l eaixa a Keller
^ (L i a. \'fi 4 Leal. Teddo* do algodao 7
,-,r Joa a ocdern, l'J ditos e a eaixas aos rrmsmos,
* a MormarJ, l a Brows T. 4 G, 57 tnliftnos a
Earner Prev 4 C, 2 a 0. Bliadlos, 3 farda> i
*la B^rroei 4 G, 8 a Illusion Pater 4 G, 8
h 11^ F. A G, 3 a Okell B. & C, 2 a Medes
Vwiwdrf 4 G. i a A. Duraut ft 6, W a Pipsi
.^others 4 C, 68 a L> A. Siiueira, 9 a Bhndlesi
7 a Mills Lathan 4 G, 9 p. li P. Wild lecidos
U li 1 eaixa aos raesmo?, t a Ba4o Oliveira &(..,
4 srlieHer A C, 7 am mestaot, I a SE Heifer' 4
I a Linden, 2 fardos a Kell-r 4 G, 3 a E. Aj
*uri ft G Teeidos de aigodao 1 caisa a Rodri-
Sffii n*os 4 Gaimaras, 2 a Manhard,, 13 Uc
JlSi Kltotiafa Cardoso^ G, 17 dux e f **i4
* Ahvifir.il;. Vic-ira 4 C, i(> /ardos a ^Caller ft
iCt *} a D. P. Wild & c., 11 a-t?; H. Wiati 4 G,
-ItS volain^ a Mills L >V' >/| r. a Reitiguei Ir-
rain* ft Gui!nara*s R :v vU |]aa4tV] InJojJW
^AJft^Af Adrian* i". vsli,, tj c, 3 djt a
^Wftuft' voktraosa A-lo*.iio Castro &C,
uIJ.L. G. FiTreiraftG, 13. volumes a GoOi
elmi^<-&G, IS u. L G. PeYfeiia ft Gl'
-fardos a L. *. Sidtrnra. Tecido3 do aigodad
>ja* a Aicf r;nl V. ft C, 't a I) P. Wild |a;
Thoraaz U'Atjuioo Fonseca & C.. successores,
30 do a." C. Jl. BabeBo tS C. Azulejos
t caixa a C T. Men li;n;a, I a E. R. Ra-
bello d C. Agua nieJiojnal 4 eaixas ao
hospital FO'iro If, -2 a Ferreira Mail & C.
AlpUto 100 saccas a Silva Guimaraes & C.
Amenioas 2 goipelhas a Monteiro Junior &
Fernandas.
batatas 100/2 eaixas a Pereira Vianna &
C, .50/2 a Domingos Francisco ttamalho,
12/2 a H. Beroarles d'Ofiveira, 160[2 a
Silva Guimaraes & O
Cebolas 50 eaixas a Rosa d Irmaos, 30 a
C. Martins & C, I00r2 a E. A. Burle A C ,
25 a Silva Giiiinaraes;4 C^ 25a Oomingos
Francisco llamalliu, 12[2 a Henrique Ber-
nardes d'Oliveira. Cebolas e albos 42 ditas
a Lima & Silra. Conservas 117 eaixas a
Pereira Vianna & C, 20 a Oliveira, Ftlhos
& C,, 2 a Lioon & Silva. Chourica G eaixas
a Francisco G. Bastu & Silva, C a Cardozn
Martins 4 C, GO ancor,etas a E. R. Rabello
AC., 8 eaixas a Silva Guimaraes A C. Cas-
tanhis 10|2 eaixas a Monteiro Junior A Fer-
nan les, IO|-2 a .1 ise Fernandcs Luz, 10[2
a Alfredo Frisco Barbosa. Cerveja 30 bar-
r cas a Soaras do Amaral ft. C- Canella _8
eaixas a Silva Guimaraes AC. Cera em
vellas 75 eaixas a Silva Guimaraes A C.
23 a Oliveira, Filhos A C. Oita em bogia
2*caixasa Casimiro Jose" da Silva, ao mes-
mo 1 grade com 1 pedra, 1 caixa com 1
rneza desarmada. Chinellas de ourello 1
caixa a Antonio do I'aiva Ferreira, 1 a Ma-
nuel Nufces da Fonseca AC, 1 a B. J. Fer-
naiilos AC. 1 a S. S. da Silva.
Doco 1 caixa a Antonio C. de Vaseoneel-
26i:8I3JH1 los. Drogas 1 dita ao hospital PoJro 11.
Erva-doce 17 saccas a Silv* Guimaraes
AC.
Figos 7 grades a Antouii) Amies Jacome,
10 a J. J. Goncalves Beltrao A Filho, 6 a
Francisco da Cunha & C. Fava 10 saccos
a Constantino Rodrigaes Meades. Fructas
2 caixa a Antonio C. de Vaseoncellos, 7 a
Moreira Halliday A C, 35 e 10[2 a Lima
A Sousa. Foga'o 1 a A. J. de Amorim.
Genebra 50 eaixas a Lima A Silva.
Instruments cirurgicos 1 caixa a Marco-
lino Ferreira d? Luz.
Linhaca 1 barrica ao hospital Pedro II.
Livros 1 caixa a De-Lailhacar A C, 1 a
Waif redo A Souza, 1 pneote a .lose Noguei-
ra de Souza. Luvas de pellica 1 oaixa a
1'ip-iula A C. Linhas brancas 5 eaixas e
.i fardos a Joaquim Jose Goncalves Beltrao
A Filho.
Mercurio iloce I cafaft a Joaquim Jose
Goncalves Beltrao A Frtha, 2 a Bartholo-
men AC, 1 a A. Caors. Macas 1 caixa a
A. J. Ferreira Monteiro.
Nozes '.i barricas o HoBteiro Junior A
Fernandes.
Oleo de amendoa doco 1 caixa ao h spi-
tal Pedro II.
Peras 3 eaixas a Monteiro Junior A Fer-
nandas. Passas 13 fatties aos mesmos. IV
dras 3 caixotos a Cunha & C. Palitos 1
caixa a Lima A Silva.
Rouparias e chap^os I caixa a A. Luiz del
Bnto.
Sabugo em bagas 2 barfis de decimo a
Julio Fernandes.
Sapatos de tranc,a I caiva a Antonio de Pai
va Ferreira.
Tilha e sabugo 1 fardo a Pedro Maurer A
C. Toucinho 53 Harris a E. R. Rabello A
C, 40 a Tiiomaz d'Aquino Foncoca A C.
Uvas o>n latas 8 eaixas a Bekrao A Filho,
2 I 2 a l.ui/, Dnprat, 2 a Joaqufm Jose R.
^lendes.
Vellas stearinas 200 eaixas a Silva Guima-
raes A C, 10 a Lima A Silva Vinho 5 pi-
pas a Constantino Rodrigues Mendes, 10
barris do 5." a Joaqiuui Lopes Mac'uado, 23
ditos do decimo 3 eaixas ao mesmo. Vina-
gre 5 pipas c -25 barris de quinto a Olivei-
ra Filho A C.
Vapor porlugucz Julio Dinis. chegado de Por-
tugal a 9 e enlrado neste BOito hoje 10 do corren-
tc, consignado a Euzebio Raphael Rabello ft G,
manifesion :
Arbustos 1 caixa a Luiz Jose da Silva Guima-
raes, 1 a ordein. Aguas miueraes 1 caixa a Jose
Joaiiuim Alves, 1 caixao a Luiz Jos6 da Silva Gui-
maraes, 1 a Amorim Irmaos.
Batatas 2">/2 eaixas a B>raardu Jore Pereira.
Boifles 1 caixa a Parente \ranna ft G
Conservas 9 fiascos a Antonio Jose Coimbra
Guimaraes. Castaahis 3 b.irricau a Bernardo Jose
('orrea, 1 caixa a' T. Antonio Coimbra. Cai.ado
2 eaixas a Carvallio Guiinarafs 4 G Cliocolate
1 caixa a Bernardo Jose Pereira.
Doce 1 caixa a Antonio Pereira dc Miranda, 1
a Francisco G. de Araujo.
Feijoos 21 saccos a Manr.ei Diiarte Rodrigues.
Figos 20 amajradus a-Joaiiuim Jose Goncalves Bel-
trao 4 Filho. Ferragem 1 caixa a Vianna Castro
ft G, 3 cuniiestes a Joaouim P.odrigucs dc Mello.
Fructas 23 eaixas a M. J. Gonqalres da Foule, 1
a Jose Lcitc de Azevedo, 1 a Joao Pereira da Cu-
nha, 1 a Antonio dos Santos Lopes, 2 a M. Diiarte
Rodrigues.
Imagens 2 a Cuaha, Irmaos ft C, 2 a Joao
Baptisia Telles.
Joias 1 caixa a lee* Joaquim Dias Rego, 1 a
Viuva Moreira.
Livrqs 2 caixa* a Mancei Jose Antonie Guima-
raos, 1 a do Lailr-acar ft G, a .' se Antonio dos
Santos An hale, 1 a Manoel Jose Ant lines Guima-
raes. Linha alcatroada 7 ipacoles a Manoel Jose
d'Aguiar ft C. f.uvas I cr.ir.a a Euzebio R. Ra-
bello 4 G
Mercadorias div^rsas 3 eaixas a J. F. Almeida
Guimaraes, 8 volumes a ordem, 37 a Joaquim lose
d'Azevedo, 2 a Manoel de A. Audrade, 2 a Manoel
Francisco Po-^as, 3 a Manoel Nanes da Fonceca A
G, 3 a Jose Moreira ;lc Souza, 6 eaixas a Silva
Guimaraes 4 C, 4 a J. doa Santos Rosas. Mis-
sanga 1 caixa a N'etlo. bampos ft C.
Norei 1 barrica a M. J. Goncalves da Fonte, 3
a Joao Ramos Mac ado.
Pen to! 1 caixaa Vaz 4 Leal. Presuntos 1 bar-
ril a Amorim Irmaos, 2 a Beltrao 4 Filho. Poina-
da 23 cinhetes a Francisco Goncalves Bastos
ft Sa.
MM I cunlHte M. Hallid.-.y ft G
Santuario 1 a Tito Livio Soafes. Salpiciio em
latas 2 eaixas a Bernardo Jose Perein, i a or-
dem, 20 a A. Alberto do Sousa Agtiiar.
Uvas 72 caixaa a Bernardo Jose Pereira.
Vmivi 6 barris de decimo a Manoel Joso de Li-
ma, 100 eaixas a Guofta Insios 4 C, 1 band de
9 a Antonio Magalhaes da Silva, 2 a Francisco
Jose Qoines, 3 a Aareliano dos Santos Coimbra,
22 barris a ^Bernardo Jose Pereir...
Vaanr ;iMeiro, C&uript, entrado do Maraan-
gu.ipe em fO do eorfente, consignado a companhia
pernambuona de navegaeao costeira a vapor,
-inatfifestou :
Assncar iSi saccos a 1. Brocher^. Aigodao 250
saccas a F, 4a Cost* i C r30 a Saunders, Brothers
ft G, 390 a Rabe Schruetuu ft G
Coures sueios safgjtdpa tt>0 aos mosmoa.
bugrci pfrtng-aer /M^e 4o eo'rrenfe, oonsifffta*): a Ttiomaz do Aquino
Foneecn ft-'G, mahifeslAti :
A*;ift>iias IS cateaa a tattrao ft Filho. Azeue
50 barris a JlesguiU Cardoso ft.
Batatas "0 c'a.as a Ponr'aca ft StTCCessores.
Cehilaf 50 cal -m*W-Vianna ft G. 50 a
ifoatehv Jmib-p & Ffiaap4s. .50 a L. Jose da Sil-
y* Guimar.u's, 30 a- Fonceca ft Successores. Cera
2'i eaixas a i^voif%ftih(:4.- C-, -110 aos Consign*
Harips. Grva+r 50 saeees- a M.trtias & Ctuihai.
" f'Dfivfira Fr!!*v? C, i0
Mercariorfas diversas 20 volumes a
cio Ribciro.
Pedras 382 a Jose Augusto ie Araujo, 2 eaixas
ditas ao mesmo. Peixe to ettui a Beltrao 4
Filho. ^^
Sem^as 700jaBBos aos consignalarios, 700 a
Carvalho ft Itogneira.
Vinagre I ba'rril a Domingo* Toixeira Bastos, i
pipas o 13 barris a Beltrao ft Filho, 8 a Joao Mar-
tins Oarros 4 Filhos, ii pipas e 40 barris a Luiz da
Cost*. Amorim, 10 pipas e 25 barris a Oliveira Pilbos
ft G, 7 pipas e 1-5 barris aos consigaaUrios. Vfaho
7 pipas e 20 barris a Oliveira Filhos 4 G, 6i bar-
ris a BeHrSo 4 Filhos, 18 pfpas e 15 barris a ordem,
17 barris a Amorim Irmao, 13 pipas e 69 Larri aos
consignalarios, II pipas e 21) barris a Beltrao A
Filho, 11 pipas e 20 barris a E. R. Rabello A C.r 1
ancoreta a Bartholomeu 4 C.
i&JPACHOS DE EXPORTAGlO .NO DIA 7 DE
NuVEMBIlO DE 1873.
Ptir/i os portos do exterior.
Na barca ingleza JBeil-i, pafaLiverpool, car-
regaram: G. Noesen 4 C. 208 fardos com 33,510
'kilos de aigodao.
?fo vapor inglee Luzilania, pata Liverpool,
carregaram : G. Neesen A C 1 sacca com 20 kilos
le aigodao.
No vap-r inglez Mugela, para o Rio da Pra-
ta.carregou : M. J. da uolta 2 barricas com 30
abacachis.
ifo'-vigor francez ifilndosa, para Paris, car-
regou ; H. L. Reu 2 eaixas com 3$ krfos de doce
c I latas com 13 ditos ite faTinlia de rrtandioca.
-No patacrtd aUrrlaco Sffa^l para n Canal,
carregaram : J. ftifer & G ^OD saccos- <*Mt-
130,000 kilos de assncar nlia*sava*>.
Va barca portilgaera Ot'alidtto, paa Lisboo,
carregaram : P. Gtfimaraes 4 G 9 pranchoes de
amarelki e 3 cedros.
No brigae portngaec B, Figntirense. para
Lisboa, carremann i E R. Rabello & G 30 pipas
>com il/iOO litros de aguardente.
No pataehe sneco Unos, eara o Canal, enr-
regaram ; Simpson ft G 3,000 saccos com 225,00)
kilos de assucar maseavado.
Para os portoa do inte.rwr.
Para o Para, no brigue allemiu Britiuintc,
carregaram : H. L. Reis 8 pipas com 3,8'i0 litros
de aleool ; A. Girdoiro 230 barricas com 10,823
kilos do 'assucar bianco ; A. M. de Souza 9a
chado 101 di8-eem 2,2l7 4Ros,afe dfux
Para o Rio do Janeiro, no paUcho dinauiar-
iuez 1. P. hasten, carregc-u : G t. da Silva 15,000
coeo.i (fructa).
Para o Rio da Janeiro, m navio brasileiro
Probidide, carregou : J P. H. Guimaraes 600
saccos com 45,' 00 kilos de assucar branco.
Para Mossord, na baroaca- Dons AntfoM,
carregou : J. F. Santos Bastos 6 barricas eon 366
1|2 kilos de assucar branco.
Para o Para, no vapor naeiooal Bahta, car,-
regaram : P. M. Maury 30 barricas com 2,03 i 1|2
kilos de assucar branco. Para o Ceara, Souza
Junqueira 4 C. 20 ditas com 1,200 ditos de dil-i
Para o Para, P. Viaona 4 C. IW ditas com lft|693
ditos le dito ; A. Quintal 4 C. 50 ditas com 3,758
ditos d .- dito ; Davim 2,32s ditos de dito ; A. Cordeiro 150 ditas com
11,323 ditos de dito. Para o Maranhao, A. Cor-
deiro 30 ditas com 3,828 ditos do dito ; J. 0 G
Doyle 10 dilas com 2,093 l|2 dito* de dito ; P. G.
Bast,)9 e Sa 90 volumes com 7 08i ditos de dito;
I. Ramos \ Machado 85 ditos com 7,399 1|2 diu'is
de dito; T. Cristiansen 30 barricas com 3.730
ditos de dito.
I.APATAZIA DA ALFANDBGA
Readimento do dia 1 a 8 S.OOWIWli
Ideal do dia 10 423*769
quira tgha* J ^M Barreto, apresentar suas propostas nn pra-
jntardnjweiildajav- 0 M-
WpSafta-.i/i'. Lins.
17 BE JOMD DC !8/.(.
sideate da provinata noton-
quem m Id >res vaniagens
. das oliiras' do vigario Bar-
reto, cedondo a propriedade da impressao e eon-
eafcna* ama subven^ao qae nioexcedera Je dous
contos de rei*, podoado so jnlgar mais coove-
nMiites, mandar imprirni-las por cmta la pro-
vlncia, para o que abrira o crediio necossario.
5:432*404
0 Dr. Francisco de Assis de Oliveira Waciel, olB-
yial da ijnperial ordem da Rosa, deif mbargador
honorarloejuiz do direilo privalivo de orphlos
do teruio do Recife, por S. M. o -Imperador, a
quern Deos guard.-, etc.
l-aco saber aos que o prestnte cJital vireio. ana
por este jmz.) ai s. ai 'erdataJa em ha ca, por venda, lijdas Ires pracas, a metade dj so-
brado n. 36 da rua da Imperatriz. lendo dous an-
dares e soMo, co:rr trjs portas ifefrerVW, tert*j 28
pahnos de vio e 101 de fando, o armazem 6 occu-
pado por urn estabelecimento de moihados, o pri-
merro andar tem 2 *.-tfa, 2 alettvas corredor ao
lado, qua forma I quirt .s, e cozirrha f6ra ; o se-
gondo andar tern 2 salas, 2 ale -was, gabinete e
corredor ao i;ido, que forma dous ipiartos, o sotao
lem2 quartos e cozinha, no quintal tern nm te
MierV-.i e cacimba, n poriio para a ru i S8 de
^nterrrhro, o qual e.^lificad) r.feiro, e
seWlo avaliado por 12:00')500^, vem a jer a nw-
tade de 6.0905 'We sef'vira de base para a arre
maUeao. A qua! metade de (Tito sol ralo V f a
praea rjr ordem na sepaVada para'o rnverjt'irriantc e lulor 80s me-
rieres rh.n do mjado Mo Martins Rfbeiro, ifeve-
i-i 0 resume, perfeneent'e a (\'.\>- mcn-we-<, ser
recolhido pel) .irremnanl por empreMimo, na
thesoufaTia de raZelWa.
E para que chegue ao eeuliechuento da todos
mandei passas r> preseate publicado oela
imprensa e allxadb Aos luttart} do*'e siume.
Dado e paasawi nesta iidade do Recife do Per-
nambuco.aos 4 d>; novemiirn Je 1873.
E eu Hypobto Seve, uscrivao, 6 subscrevi
francisc 1 dn Assis Oliveira Mar'tel.
tantes materias adiadas, e que raaiio fnte-
ressam a companbia.
Recife, 4 de novembro- o!e 1873.
0 secretario.
Luiz Lopes Castelln Branco.

r.
U-iC
;cub*cdes.
E
HtSftTUTS &RCH
s GfiAPHICff......,_......
Havera sessao ordinaria quinta-feira, 13
dooorrentf. novembro, pelas 11 boras da ma-
nha.
ORDEM 1)0 DIA'.
f." Pareeoresc mais trabalbos de iximmis-
soes.
*." Palestra litteraria.
Secretaria do Instituto, W do novembro
de 1873.
J. So.vrks b'Azevedo,
Seqrotario perpetuo.
Swiedade patriotica Doze de
Setemfera.
Devcndo ter lugar no dia 2 de deaambro
proximo, a exposigao quofaz esta .'ociedade,
de productos ogricolas e naturaes desta pro-
vincia, sao convidados todos aquclles que
quizerern concorrer com os productos men-
cionados a remettel-os ate o dia 20 de no-
vembro, com enderecp a Comtnissdo
central da sociedade Doze de Setembro
aos seguintes ponlos :
Recife, Forte do Mattos, armazem do
Dias.
Saoto Antonio, rua do Iraperador n. 83.
Boa-Vista, rua da Untie b. i8.
yuaiCo ao arranjo a accommoJarjiio dos
productos no edificio da exposir;ao, os pre-
dcutores deverao eutender-se com a com-
missaonomeada para este fun, composta dos
Srs. :
Capitao de fragnta Francisco Romano
Stepple da Silva, Dr. Felippe de FtgueirAa
Faria, Joaquim Dias dos Santos, Dr. Fran-
cisco Gomes Parente, Dr. A. Lamenba Lins.
Secretaria da sociedade patriotica Doze
de Setembro, 3 de novembro de 1873.
A. Larnthha Lins,
1." secretario.
ParaLisfoa
seguira brevemente a barca por Hagneza Gratidao.
para eara* e passageiros iraU se aooi E. R. R
beHo A G, rua do commercio n. 48.___________
Para Maceio

Inrensivel
Esle patacho re;ebe carga a frele barato |
dito porto : a trat.ir com Amorim Irmaos ft 1
Para
& G
V 1G, 7 a i,rair,.:-r Frqi 4
l^rjilaU)i**cas-* Recife Drainagei Cjiiipy,
h l-raixa ri D M. Mania
juloi.i ao Ira -J' 'arri
i. lUbffld ft G.
' k,
i/) a 6o.iriW I'Aui.iraf &<:
xa^ a J. iiai.-.'
Mu-
;) I -alxa^a Msiia.J capiui. "Sfosferfc i Bartho-
*!- in-'t a C K'rCaTncH! mosmo?.
VOLUMES SAHIDOS
Do dia 1 a 8
Pronoira porta r<" Uganda porta
Terceira porta .
Quarta porta ....
Tiapiche CotfcWCarj
SERVICO MARIT1MO
vivareng.^ Joscarrogailas no traplcae
4 alfandoea do A'* 1 a 8
Idem idem no dia ID.
VaMJsalracadosno trap. )a alfan'tega
Uv^rongas ....
S'o trapiche Conceijio t
6,o06
781
20
10
ii>
339
6,522
1
1
K
dECEOEDORlA DE RENDAS 1NTERNAS QK
RAE5 DE PERNAMI5UCO
aend.^ientodo dia a 8 13:701*380
'tern do dia 10 3:300*586
19.001*966
CONSULAJJO PROVINCIAL
daodunenio do dia 1 a 8 2i:t46;52o3
Ham do dia 10 3:926*?2S
28.072*386
RECIPE
ilendimcnto do dia 8 .
Idem do dia 10. .
DRAINAGE.
2:139*419
1:737*100
3:936*319
MOViytNTa m urn
IVavio entrado. no dm 9.
Lisboa -81 dias, lugre portuguez Julio, de
277 to;ieladas, capitao Joao de Barros,
equipagem 13, carga dinereides gr-neros ;
a Thomaz de Aquino Fonceca & C.
Navio sahi lo no mesmo dia.
Portos do norteVapor nacional bahia,
commandantc capitao-tenonte Teixcirn,
carga varios generos.
Navios enlrados no dia 10.
Porto por S. Vicente -18 dias, vapor por-
tuguez Julio lVniz, de 883 tonelada*.
commandante Joaquim Jose II. Content,
equipagem 47, carga varios goncros ; a Ei
R. Rabello & C.
Liverpool e portos iuterineJius 18 dias, va-
por inglez Magellan,-Aq 1,791 toneladas,
commandnnte Haddock, equipagem 100,
carga varios a generos ; a Wilson Ro-
wie & C.
Hamanguape li boras, vapor nacional Ca-
rwipe, de 222 ton-la l,.s, cunmandanta
Santos, equipagem 14, carga aigodao e
outros generos ; a companhia Pornambu-
cana.
Liverpool66 dias, lugre ingtoz Constance
Wilson, de 178 toae4ada9, capitao A. R
Spence, equipagem 8, carga differemes
generos ; a Saunders BrOtbfiW & C.
Maiizamllo 81 dias, barca atlema Elze, de
335 toneladas. eapilae Herns, equipagem
12, carga madeira ; ao mesmo caipiUo.
Veto refrescar e seguio pafa Hamburgov
?ia v ios sa h ulos no m esmo dia *
BahiaEscuna ingleza Mary Miller, capitao
Hubert Mill, targa parto da que trohxe de
Antuerpia.
ParaPatacho alleraao Brilkanto, cap.itup
Appen, carga assocnr e outros gene-
ros.
Portos do sul Vapor inglez Mar/eltan.\
commaodairte Uaridoek. carg* a raesn
que trouxe dos portos da Eutopa.
4 seccio. Secret* 1* da presjieaeia
uanthfieo, em 4 de ammWo de 1873.
EDl&Ai^
Por esta secretaria
Esm. Sr. pre-ideate
ai) o>e>st')' j'nrtffo~ae*le:arha>v a4ito transiwptoj centeifea
1 m\>zvv Wttthme a piiMlcaivviillaftefc-
ESTRADA DE FEURO
l)t>
Recife a Oaxanga.
Por ter oaviio engaiio
no primeiro aviso pu
blicado lieste Diario,
do-novo se faz saber
que os Srs assignantes
devVm renovat suas as-
signaturas ate o dia 0 de cada mcz.
Esc'riptorio da comuanhia, 10 de novem-
bro do 1873.
ft. Ct UaVarhh,
Gereute.
De ordem do Illin. Sr. inspector da thesoura
rla de fazen-ia de>;a provineia s<-- deelara para eo-
nhorimento de'.|uem intercssar, que 0 prazo para
a snbstitnieao das noias do feOro da 4- esiampa,
findani'diu -'10 de novembro corrente, c^meqando
em 1 ile dozembro vindouro 0 de^conto, sendo 10
0(0 110 primeiro uiez, 20 0(0 no segnndo, e assirn
jSFivamence ate a e>:tiaecTiodj valor da nota.
' ;t*ria da thesouraria de fazenda de Pernam-
'i Odo.novcmb.ro de 1873.
K 0 seoreta rio tla junta
Jezuina Rodrigues Cardoso.
s^^esi
1 proYiiiiiil de Pcrnaia-
birCii, f 0 le uovt?,!ibr? de 1873.
Os pais e ccrrespt-ndentts dos aluinnos Jo Gym-
nasio sao cbajn iJo? a ^atisi'azer dentro em cinco
diis as pertfue-, s aluinnos i; i*1 so aeham de-
ven.lo, nio so relatives aos trimestres anieriores
e ja vencidos aamo ao trime-tre de outubro a
derembro do corrente anno, visto como segundo
a dinposicao regulamo.ilar o pagaineulo deve ser
adianlado
. Pindo esta prazo sera feila a c hr&nca dc con-
formidade eom o< [ receitos legacs.
0 regedor intermo,
Dr. Carneiro Monteiro
ConsuladiO do imperio ger-
manico em Pernambuco
0 capitao A Lin-limann do patacho allemao
itxmee, entrado ncs'e p.rto na sua recente via-
gem do Aracaju para Fa!raouth coin agua aborla,
precisa ponlratar cosn ijneai por menos flzer os
concerfos' de (jue necessita o dito navio, conforme
as dechirarr*s dc-s peritis, as quacs podem ser
examinada; nesle cjnsinado, aonde se recebem
propu-Uw em earlis fccliarfas Mi- ao nieio dia de
12 ilu corrente im-z.________________________
"Oamninistrad -r da n-cebedoria de rendas
internas, geraes, scienliOea dos conlribuintes do
imposto pessoal que e nesla nez >1! novembro que
tern de ser pago aem muUa, u t- semeslre do exer-
cicio eorrenle de 187-';74, e com a molta dc6%
depois de lindo o referido mez.
Rec'IWnflria dt Pi rraiohnr- '< (! novembro de
1873.
ifanrei Cornciro it Sfiitza Lacerdii.
Sociedade Monte Pio de San-
ta Cruz.
De ordem de cimsell.olirectfrda parochiade Said:,
Antonio convido a todos M paroclita nos pe tencentcs
a mesma socieJade.paraque no dia 0 do corrente,
se dignem de comparecer is 10 horas da ma-
nha na sede da sociedade. aarn de se proceder a
eleicao do novo consePn^ fllrev^or t-n observancia
do artigo 36 combinad.-. oin o 7 do artigo 36
dos Bossns estatulos.
(Misaran d-i f.ir -'-ia dr Sar.io Ant'.mio. ero
sesi-io de 3 de not&HMfl ife 1873.
(i seentariti interino,
Hedeirsn.
DOS
THIF.HOH UHBANOvS
no
Recife a Oliuda.
Mftfltfe.
AHa!Lak>
4> f)Tt*iderilo d'assera
blea gTal dys accienis,-
16* da e*rnpaibia aci-
ta rconci(>nada, man-
da screntiticar aos Srs.
aeei^aistas ue por fal-
? d* nnwieco feil 4ai*iB de Iwaciiionar
'Ofrf'fharijmleOtc ifmi srtssmWea no dia 31 do
putiit>o.prAxua') g^ssad, para o qfijtt fOra
*rvA>ila.; pot is* m>v*<*h!" cwiwu^idh
para o dia 19 de eorrerrte mez a 4 (herds
(la tanV.e 14> iwg*t desrfuts w*>mVs, certos
__ de que agora fun'cf kihrir^ corn qualquej
-e Jlfe Vnero raccn7msfcs ^csentes segnndo o
art, 11 dps esW.^^.
ria se taz pubico que, bndeo- Wcar> qh S r*hia- *.* por tltn a apw-
tf tSSK^r^ ^^*.##i ^??*i*f
em r
como '.arnbjf m neJU twfti
6-S^e4f& pGumQ Girdo ; ,
Santa Casa da Misericordia
do Recife.
A junta admiiiistraliva da Santa Casa de Mise-
ricordia do Recife, ; mpetentemente autorlsada
pela pre^idencia, em dala de 3 de setembro do
anno proximo lindo, e de conformidade com o que
dfspSe o 9.' art. 52 do scu com romisso. per-
miia por apohces da divida publica a faxenda de
criar gados que possue o patrimooio dos esta-
belecimentos de carldade 4 seu cargo denomina-
da l^arnauba sita ae teFmo de Flores desta
provineia, com terrenos para eriar e plantar, e
com algum gado cavallar e vaecunt
Recede para isto propostas nesta secretaria ate
o dia 10 de dezembro do eorrenle anno.
Secretaria dafsanta ca3a da misericordia do Re-
cife, 10 de outubro de 1873.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souzn.
Santo Antonio
EMPREZA
"W
Terca-feira 11 de novembro.
E.ipoctaculo oai bonollcio da
SacielHle litterariu
Amor ae Kstudo -
Represeniar-se ha o drama em S ados :
AIEWDIGA.
Terminara o especlacnlo com o liado dueto :
0 eslndante c a lavadeira.
Principiara as 8 Ir2 horas.
N'um dos intervallos a commtssio ira aos
marotes agradecer aos seus convidados.
ca
Ui
Qnarta-feira 12 do corrente.
3.' representneSo
do muito bem aceito drama em ri actns. de Mr.
Lambert Thiboust:
Para o referido porio preteode seguir com p u-
ca demon o brigue portuguez Recife por t;r a
maior parte do catregamento tratado : fii f
resto quo lhe falta trata se flora os coasignai.-;
Joaquim Jos6 Goncalves Belfrao A Pitho. a fu:. ao
Commercio n. 5.
Para oEio Grande do1
sahira brevemente a escuna portogueia Agmta ;
para carga e passageiros trata-so com E B. Ha*
aeWo A G., rua do-t:ominercio n. 48.
COMPANHIA Pf^.VAWBl'CA^A
DE
Natvcgacllo cowteira a upur.
ARAOYi:\, NATAL, MACAO, MO6SOK0', MNM**
TY, CRARi, MASDAHO', AfiAttACO' E GMUft.
O Wrh-r Pirnp&mii,
comroaudante t'ltva,
seguira para -s jior-
tes- acima n<> dia 14
do correni -. as 8 he*
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 12 do Corrente, encom-
aieodas ate 0 dia 13, passagens e ainhetro a frete
ate as 2 horas da tarde do dia da saliida : es-
criptorio no Fnrle dc Mattos a. IS
Para Lisboa
egoira com brevidade 0 brigue porttrguez Rdla
Figueir.nsr ; para earga e passageiros tral* sa
com E R. Rabeilo A C, rua do Commercio oa-
mero 48._______
COMPANHIA PERNAMBLCAM ~
DE
Wavegacfto costeira a vapor.
MAMANGUAPE.
0 vapor Coraripe, con>
mandante Sanlos, seguira para
0 porto acima no dia 12 dc
corrente, as 5 horas da ta ."da.
Recebe carga, eDConWieo-
das, passagens e dinheiroa
ir-jte ate' as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBL'CANA
BE
iKavega^ao costeiraa vapor.
RIOFORMOSO ETAMANDARE.
0 vapor P'iroAi/6a,com-
mandanie Oliveira, sejmi-
ra para os por ios acrua
no dia hi do eorrenle
as 9 horns da nolte.
Recebe carga, ancom-
mendas, passageiros e di-
aheiro a frete : escriptorio no Porte do Mauos
a. 12.
Rio ik M\\\m)
0 pa:aclio dinaniarquez J. P. Lattsen segue com
pouca demora para e^le porto, podendo levar (r-
ca de 25 escravos no convea, por pa9sagam raioa-
vel a tratar com II. Lundgren. rua do Cun-
mercio n. 4.
Rio Grande do Sol
0 patacho nacional Fortuna segue para 0 die
Grande do Sul, tendoja parte do seu carregamen
to cngajado ; c para a re3lo da carga devem os
pretendentes entender se com Silva \ Cascao, es-
criptorio a rua do Marquez do uiinda n. 60, pri-
meiro andar.
Para o Porio.
9agne com brevidade a barca portuguez." S.
Manoel II. Receho cargo- e passageiros : a tra-
tar c;im Tito Livio Soarcs, a rua do Vigario n.
IV.
mmssx dos pqbres
\, Terminara 0 espoctaculo coin a scena comica,
excutada pelo Sr. Catnara :
0 Sr. Pedro Guerreiro
Recife.
Principiara as 8 1|2 hofas
THEATRO .
Santo Antonio
EMPREZMICENTE.
Quinta-feira 13 do corrente.
Benelkio dj ar'isla
sdvtaedd_altaee:
Depois quo os profi-ssores da orchestra execu-
tarem uma brilhantc ouvertura, snbira a scena
0 magnifieo e sempre applandido drama em ."> ao-
tos, do distinetu dramaturgo prrtoguez Pinheiro
Chagas. e intitatado :
LEILOES.
LEILAO
.IDimiOE,,,,,
em que toraa parte toda companhia.
Terminara o espectaculo com a romedia em 1
acto, ornada de musica :
Por urn triz!
Principiara as 8 1(2 IiJras
0 beneficiado epera mais uma vex a pro'.ec-
r.an do iilustrado pQblico pernambucano.
" 03 hilfietes podem ser procurado* no hotel On- George^ Aesit
it, residencia do benoficrado. j^bel Maria da Cosia
Ignacio Jose L(-*lho
m
trat
""""
1 '.
4VtSg^ i|ttlTttH
i). mmm\.
DA
chapeleria elegante, a rua da
Imperatriz n. ?>
Hoje
as 11 horas
0 ageule Pinuu Borges fara leilao de nm exctf
leme e escolhido sorfiinentn de chapeoa Jo pell a-
cia, casloi, pallia, brim, para homens e menino,
de velludo, pallia da Italia, amazonas, esparterie,
e niuitos outros de variado gosio, para senliora? i>
meninas, (lores, plumas capellas u grinaWas p&ra
noiva: a arma>;ao de amartilo. tnvernisada, ia-
bides, formas e outros objectos proprios para ch;< -
peleria, e se vendera em lotes a voutade dos c:u-
currenles.
LillO
DAS
dividas
attivas, direitos c acr^oes da massa falli-b le
Amorim, Frago^o, Sanlos A' C ?
portancia do 800:918^327.
A SABEK :
Commanditar'tos (pie ftrmaram 0 cttJi
social e que ainda ndo entrarfrik (-
os 50 per cento ile suas ussigniSuru.-.,
sendo 0 valor ndo realisado 0 que abn< -
xo se segue :
Autonio Machado Gomes da Silva
Antonio Vicente do Xascimento Pai
tosa
Antonio Alves Ferreira COOOilu.1
Antonio Eust.if|nio Gomes 1:000*' <"
Antonio da Silveira Maciel Juniir 7:50"
Antonio Francisco de Souza Maga-
lhaes Junior hOftfeSM-'O
Antonio Jose de Siqoeira 22:0004000
Antonio de Oliveira Autunes (ac ,
letra
Benlo Jose da Costa (idemi
Candido Thomiz Pereira Dull 1
Francisco Simoes da Silva
Francisco de Paula Andradc
Frederico Miguel de Souza
Jose Mamede Alves Ferreira
Jose Alexandre Gubian de Venluu
(cessionai io, Bento Jose da Costa 1
Jose Cavalcanti Lins
Joao da Silva Ramos
Jose de Barros Lima
Jose dc Alanuuer Sim-.'-rs do Aniaral
Jose Victorino de Palva
J. P. Adour & C.
James Olivier
Para o Rio- de Janeiro pretende seguir com John Lilly
pouca demota por ter dous tergos de seu carre J"-e Joaquim de^ Miranda
gamento epgajada e para 0 resto que Hie falta,
trala-se come* consignatarios Joaquim J(e GorJ-j
calves Beltrao Filho a rua do Gnmmerclc n. S.
Devaos os j*. arwmst(> fe ??* onsi.le- ffani o referW tK slvel lire\-i*vft o hrigUM p #tti|roez D. Anna, p-ir
ter ja alguma carga engajada ; e pnra a* que lhe
(aha, que races* a fr*M commodo, trata se co:
Bs,enwgjiatarios Ja :ina| Jt-aquim da Silva C:islro
Jcaquim Francisco dc Melio Santos
hyfe Joaquim JOrgo
Luiz Jose Marques
Manuel Ruarqne dc Macedo Lima
Man<>el Antonio dos Passos Oiivein
Manoel Jriaquiiii do Oliveira (ceasio-
narJo Praocisco Gnedesde Araujo)
Manoel dc .\zevt I
Ma'rinho & OflVelra
MinM'Soacalves do Oliveira
"ai ftiiBrrii f '
Mo aopss-
9,0J-
i:666i
2:96:..
2:WP
1:000*:.i'0
1:000('' 0
6:OOOJ
3:(MKii'>. 0
1:000-',00
5.000*1X10
MOO.
4:00000O.
4.HOO3D01'
1 .(.00lfO
l.oOOlO f>
4:OOU4(KX
ooqwxM'
1: o00i.no
2:C0ftM(
5:0003dOO
1:500^(00
5:(X460
2:56t)i')0(
2.000*
3:OQOit0
t0B1I*D

),00tt
udn I
',


f
t
i
:i
)
i

Oiario de Peimmbuco Terca teira 11 de Novembro de 18ft.
Tito AwHno do Barro. ,:0(SlK?
Vhiorioo Jose le Sauza Travassos 5:00WO
Vicente Meudes Wanderley 5:< 004000
Ossiooartos com SO / da* assifnaturas on eapttaes a que
esllo ohrigados pelo contrato social, o'que restam
ainda W /. para complettr todo o fundo subscnp-
lo o seeuinte :
Bento Jose da Costa Junior por Jose .....
Alexandre Gnbb-n de Verdun OOUJOOt
Fraucisco Guedes de Araojo, por Ma-
ine! Joaquim J Oliveira 7505000
Entraram por oiuros que deixaram de realisar
cow SO t,U e ainla mbn 50 /, os seguintes :
loaqoim Salvador Pessoa de Siquei-
ra Cavalcanta St-'iiyijOiKj
lose Jeronymo Monleiro 2:."iuO*.OuO
joao Baptisia Fragoso 7:000*000
Jose A. de A. Santos 5:000*000
-Ljsia dos dovedores conslantes de sentencas ju-
t]tfM"lf)Q
Francisco de Barros Rego 4:247*201
Joaquira Salvador Pessoa de Siquei-
ra Cavalcante 8:930*000
Men* & Irmao 1:903*670
Andre de Abreu Porto 13:000*000
Francisco de Paula Pereira 8:000*000
Franci.'co Botelljo de Andrade (em
appellacao) 2:o00*000
Gfocalo Jose Affonso 1:463*100
Joao Luiz de Oliveira Azevedo 2:g89*ii0
Joao Pinto Regis de Souza o:0000"0
Joao da Cunha Wanderley 5:918*326
Manoel Gouvria de Souza 2:484*520
Octaviano de N>aza Franca 2:215*240
Joao Pinto de Leinos Junior 2:230*000
l.ista do diversos devedores, proveniente de lew as,
vales e rccibos.
letras. Ramos Duprat & C, Cae-
tano Goncalves Pereira da Cunha 977*386
Idem. Os m -.mos.Jose Agostinho
de Sa Pereira 991*725
Idem. Os mesmos.0 mesme 891*150
Idem. 0 mesmo.-0 mesmo 495*000
Idem. Os mesmos.Jo2o Rodolpho
Gomes 1:042*592
Idem. Joao Luiz Vianna.Jose" Cae-
tano de Magalhies 985/200
Idem. Siqueira & i'ereira.Camillo
Idepino Emerenciano 3:212*000
Francisco Jose Fernandes Gitirana 100*000
Antonio Joaquiai Panasco 119*400
Faria & C. e Francif co da Cunha
Maehado Pedrosa 440*025
Os mesmos 440*023
Os mesmos 440*025
Os mesmos 440*025
Os mesmos 695*700
Os mesmos 73)59.'8
Os mesmos 733*908
Os mesmos 733*908
Os mesmos 733j,->08
Os mesmos 733*90S
Os mesmos 1:117*600
Francisco A. de Mendonca 281*442
Victorino Jose Ferreira e Manoel Jo-
r-se Mendes Bastos. 387*330
Os mesmos 387*330
Os mesmos 387*36'1
Os mesmos 114*000
Antonio Joaqti m Maduro Rrandao 212*330
0 mesmo 144*600
O mesmo 297*600
0 mesmo 113*600
Joao Hodolph) Gome3 430*760
0 mesmo 430*760
Pedro Paulo dos Santos 1:360*640
0 mesmo 742*640
0 mesmo 742*640
Manoel Lins Wanderley 7393000
Manoel Pereira da Costa 145*580
Joao Paulo da Silva 229*201
Joaquim Jose Meduiros 500*000
Jose Bento Goncalves Carneiro 546*498
Pedro Jose" da Costa Castello BranM 464*000
Manoel Firmino da Silva 500*000
0 mesmo 400*000
O mesmo 400*000
E. H. Wyht 2:240*980
Maehado & Souza 188*000
Os mesmos 412*418
Os mesmos 180*000
Os mesmos 2844000
Os me-mos 85*000
Francisco Mor:iva Dia; 1:170*000
Joao Rodolpho Gomes 800*000
0 mesmo 500*000
Joaquim de Albuquerque M;ll > 1:000*000
Rego A C, Irmao 250*000
Ramos, Dnprat A- C 11:408*270
Os mesmos 1:404*500
Os mesmos 3:690*000
Os mesmos 10:000*0^0
Os mesmos 454*780
Os mesmos 4:000*000
Os mesmos i^H'iOO;1
Os mesmos 3:700*000
Os mesmos 11:60*1*000
Os mesmos 10.000*000
Os mesmos !:700i000
Francisco d.; Barrds ll g 1 630*000
O mesmo 490*000
0 mesmo 4.2703126
Joio Jose Medeiros Corr4a A C. 1:134*208
Joaquim Jose dc Mello Junior 793*350
0 mesmo 101*000
Copia de leltras. Joaquim lose Je
Mello Junior 363*640
0 mesmo 705*530
Recibo. -Joaquim de Albuquerque
Mello 300*000
Idem. Jam* Oliver 1:204*4imi
Vales.Joaquim Salvador Pessoa
de Siqueira Cavalcante 0 Anto-
nio Goncalves Ferreira Caseio 1:600*000
Idem.Daniel Guimaraes A C 1:001 *924
Idem.Fabri;:a do Montoiro 900*000
GonealoJosc Alfonso 1:000*000
0 mesmo 5:000*000
Antonio Marques do Amorim 12:912*000
Titulos verincadue e admittid^. .;
massas fallidas e liquidators.
Lima A C Martins & Sebasliao,
Jose da Silva, said) 4:584*906
Mesquita & Dutra 4:I48*"70
Viuva Amorim Filhos 95:461*640
Joaquim Jose da Silveira 3:458*330
Travassos Junior & C. 51:198*1.00
Joaquim Fr mcisw de M illo San-
tos 240:017*900
Quinla-fcira .3 k onlnbro dc 187",
(as IO 1 horas)
0 agente Pinto, eumprinJo o mandado do lllm.
.Sr. Dr. juiz e direito o especial do commercio,
levaii a leiliio as dividas, Jireitos e accoes acima
mencinnados, pertencentes amassa fallida de Amo
rim, Fragoso, Santos & C, em mnitos e diirrentes
lote, as 10 1/2 horas do dh acima mencionado,
em sea e-vriptorio, rua do Horn Jesus n. 43.
LEILAO
joias
DE
moveis futos e crystacs
A tuber:
Um piano, I nmbilia dc mopno. umtendo 18 ca-
deiras de goamlrao, 2 dit.->- de lira.cis, 2 con'.olos,
1 sofa, 1 j.irdineira, 1 gu;u>!a vtstidos, 1 sccrela-
ria de jacaranda, I cama para ca-al de ilito, 1
importante commoda' de amandlo, 1 mesa ela-U-
ra, moiobas ebinezas para rn>tiiras, I'spelmoi
cmi molduras douradai e pinturas a olfi.. wdri-
ras inelezas, toileites, lavat-irios, jarro-. riras ti-
guras, alcatifa, capacho*, tapeii--, e-ivina U-iras
de porcelana, aparadores. cainas de Cerrv, cabidos,
canJieiros a gaz 1 relogio dourado, copos, caiices,
ditos para champagne, compoteiras, garrafas de
crystal para vinho, iiorta-ftores, lonca para almo-
t}0, dita para jantar, e difTerentes artigos de gosto
e phantasia que serao vendidos
ao correr do marteMo
Quinta-feira .13 do corrente
as 11 horas A' rna das Cruzes n. 37, segunrlo andar
M. Joaquim Pessoa Undo de se retirar para a
Europa vendera, por intervencao do agente Pinho
Borges, todos os arligos acima declarados, e era
contiBuacao o mesmo agente vendera brincos de
brinlhantas, casticaes de pratn, salvas, um appa-
relho para cha, paliteiros, voltas, pnlceiras, aid-
netes, bctoes para punno, anncis, e outros muitos
artigos de ouro e prata, de gosto. ______
DE
duas carteiras grandes, burra (cofre), 1 re-
logio, 1 mesa com gaveta, coberta de
punno, 1 dita manor, 1 carleira para
uma pessoa, 12cadeiras de guarniao, 4
ditas de braco, 1 lavatorio, 1 jarra, 1
armario, guard?-roupa, moxos e outros
objectos de escriptejio
Sexta-fcira 11 de corrente.
A's 10 l.;2horas
POR INTERVENCAO DO AGENTE PINTO
No armazemfda rua do Vigario n. 6.
.Viii'.'a se precisa de uma ama leite, ijue
seja inora e sadia : nn rua do Opibaribe
p. 40.___________________________' '
Precisa-sc deumcozi-
nheiro^>ara o Hospital Por
tuguez: a trntarna ruaPri-
meirode Marion 13.
Auscotou-sc no dia !i do correulc. da paviva-
c5o da Venda Grande, freguezia de Miiribeca, u
escravo Caetaho, de idade de 14 annos, com rs
signaes seguintes : baixinno e grosso do corpo,
de ror cahra, cabellos pegados, olnos peqaenos e
enrovados, nariz chato, borca grande. maos e ne^>
pequen s ; levou ceroula e camisa de algodao de
listra, e chapeo velho de palha ; conduziu um ca-
vallo alasao inagro ja idoso, com cangalha e ras
suaes, o jual tem um ferro e estas iniciaes J T J,
ale m de outros. Foi eomprado o dito escravo
ao Sr Francisco Xavier Diniz, morador no termo
de Villa Bella, e veio para o Recife com procura-
530 a Manoel Ferreira Pinto.
Rogase aos capitaes de campo e as au tori lades
policiaes a captura do referido escravo, e qoeni o
levar em casa de sen senhor (0 abaixo assignado)
sera gratificado com generosidade.
Venda Grande 8 de outabro de 1873.
Joao Thome de Jesus.
Criado
Frecisa-se de um criado para comprar e
oulms inysteres de casa do pequena familia:
na rua do-Capibaribe 11. 40. _
Aluga-se 0 2* andar sotao, com todos os
commodoa para grande familia, do sobrado n. 12,
situ a rua de Hortas : a tratar na rua do Trapiche
n. 3, armazem de asxucar. Tambem se vende
cerca de 3|4 partes do mesmo sobradn. ____
AO AS.
BO
VAPOR FRANCEZ
VA DO B.4IUO DA MCTORIA
Outr'ora NovaN. 7
ft 7
10
francez.
LEILAO
Leilao
DA
-taverna da rua &o Hospicid :v. 61, junto ao
fjuarii-l.
QL'ART.V-FEIRA 12 DO CORRENTE
0 agente Martins fara leilao em um ou mais
lotes, da-armacao, generos e mais pertem.as da
taverna da rua do Hospieio n. 61, a qua! se acha
ranito bem localisada, e propria para qualquer
princiDianti'.
As 11 boras do dia acima.
LEILAO
DE
MLW^W Si
lou^as, vidros, 1 cofre provn r,e logo e 1
piano de jjc Quarta feirii 12 <\e iu>vembr
as 1ft lioras eiu ponto.
O pr-po.MO do agente Pe.-tana fara leilio por
conta e rise 3 de quem perti-ncer, de 1 roobilia do
mngno com tampos de ptdra, 1 dita de jacaranda,
nas mf^jnia condi^oes, 1 dita de jnnco, dita do
amareli. cun pedra, mnrqaezSes, marqnezas, so-
fa*, cadoi'as de guarnicao, ditas de balan^o, ape
radore^, guard:n loucas, gnardas rnupas, mesas
ela>iicas, ditas redondas, cabides, quar-
tinbeiras 1 bi-m ccTrc inglez, prova de logo, i
ptano inglez de jacaranda, "i: in excellentes vo-
at, bercos, cimas francezas, cainas para menlnos
o muitns ou'ros objectos que serao patentes ni
actii du U'llixi,
QIARTA-FKIRA 12 HO CORRENTE.
A's H horas damr
'BiJA DO VIGARI- M\ZEM
DE
pianes, moveis, lou^a, crystaes, objectos de
electro-plate, 1 bole, 1 vacca com cria,
1 selim e 1 silhao.
A SABER:
;, Um piano forte do fabricante Chickornig Bos-
ton, 1 "mobilia de jacaranda (raassica) 1 estante
para musica, tapetes, candieiros, quer para azeite,
quer para gaz, 1 candelabro, 1 mesa de jogo, en-
feites de mesa, quadros dourado-, pinturas a oleo,
2 telescopios, cadeiras americanas, 2 almofadas e
1 cxcellente piano de armario de Bauselt A Filhos.
Uma cama de ferro com pertencas, I lavatorio
e pertencas, 1 commoda grande com 11 gavelas,
1 mesa oval com pedra, 2 espelhos, 2 porta-toa-
Ihas, 1 apparelbo para lavatorio (gosto cliinez).
Duas camas de ferro para solteiros, 1 dita para
menino, 2 cummodas, 2 lavatories, 2 espelhos, 1
cama grande de ferro, 12 cadeiras, 2 porta-toa-
l!ias, i guarda-roupa e 1 guarda-veslido.
Uma mesa elastica, 1 guarda-louca, 1 aparador
com tamao de marmot e, 2 quartinheiras, 1 relo-
gio, quadros com fin as gravuras, 2 lindos passa-
ros, 2 mesa, 12 cadeiras, 1 servico chinez, 1 Un-
do sortimento de copos, garrafas, caiices de lino
crystal, garfes, facas de c-abos de marfim, objec-
tos de electro-plate, 4 candieiros, 2 cadeiras de
braco, louga para cha e jantar, latas, Flandres,
trem dd eozinha, 1 fogao americano, e muitos ou-
tros accessorios.
Uma magnifica sccrelaria de jacaranda, 1 es-
pingarda de 2 canos e suas pertencas, 2 pistolas,
1 burra do ferro (cofre).
Ter^a-feira ft 8 do corcute.
Na Passageui da Magdaleua.
Rowland Brotherhood tendo de fazer uma via
gem a Europa com sua familia, levara a leilao, por
intervencio do agente Pinto, os moveis e mais
objectos acima mencionados, existentes em casa
de sua residen ia na Passagem (becco do Come-
flado) ultimo sitio a direita da enirada do becco,
no oitao da casa do Sr. coramendador Candido Al-
berto Sodre da Motta.
A's 10 i|i partira da estaeio da rua do Bruin
um bond, que condnzira gratis os concurrentes to
leilao.
10 1|2 horas em ponto.
Mt
Casa de penhores
LEILAO
So Jii 24 do corrente se fara leilao, por inter-
vened do agente Martins, dos penhores constan-
t's das cantellas abaixo declarad3S. Os donos das
cauteiias podem re-gata-las e reforma-las ate o
acto do leilao, na travesa das Cruzes n. 2.
Ns. 038, 1045, 10M, 1064, 11 3, H62, 1220,
1231, 12t>8, 1283, 1420, 1435, 14--i6, 148.T, 1500,
1528, 1540, 1565, 1583, 1604, (616,
1659, 1673, 1685, 1709, 1728. 1733,
1748, 1773, 1784, 1791, 1803,
1842, 1861, '.868, 1896, 1897,
1987, 2097, ?0I0, 2031, 2044,
2094, 2129, 2138, 2141, 2143,
2184,2192, 2205,2207,2213,
2*31,2232, 2249. 2254, 226',
2277, 2296, 23i2. 2324, 2331,
2371, 2372, 2381, 2391, 23S6,
2412, 2421, 2423,2138,2432,
2448, 2449, 2454, J466, 2469,
2478, 2481, 2.82, 2485, 2486,
2499, 2502, 2503, 2509, 2513,
2536, 2554, 2557, 25.9, 2560,
2580, 2585, 2595, 2598, S600.
Ca'ntellas B. Ns. 10 B, 25, 29. 40, 53, 64, 87,
9', 142, 159, 170,171. 194,208, 212,220,222,
227, 233, 234, 273, 335, 371, 375, 417, 454,
M, 504. 515, 547, 50i>, 577, 581. 584, 585,
620, 633, 651, 657, 66 >, 687, 692, 707,
740, 742, 745, 746, 748, 731, 752, 759,
765, 767, 769, 771, 781, 785, 790, 802,
810, 812,815 817,822,823,826,839,
856, 864. 882, 886, 88, 889, 892, 897.
1- 02,
1638,
1735,
1832,
1913,
2050.
2 45,
2210,
2264,
23 2,
2397.
2441,
2474.
2487,
2517.
2567.
1268,
1303,
16,6,
1739,
1835,
1923,
2061.
1165,
2221,
2270,
1713,
1810,
1936,
2078.
am,
2229,
2273,
2365, 236S,
2402, 2403,
2443,
2476,
2495,
2523,
2370,
2446,
2477,
2498,
2531,
2571,
223,
477,
590,
728,
760,
806,
840.
592,
739,
Wl,
807,
842.
IViSOS OVFBSQS
CASA DA FORTINA.
AOS 4:000#000.
B1LHETES GAIUNTIDOS.
I' rua Primeiro tie Marco (outr'ora rua 4
Crcspo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos sens fe
iize3 bilheies, um inteiro n. 438 com 700*, um
melon. 2060 com 20t*, dous meios n. 2iS0 *<>m
<00i e outras sortes de 40* e 20* da loteria
que se acaboude extrahir (73*), convida aos p.>s-
suidore? a viram rcceber na eonf-rmid.-.de do cos-
tume sem desccnto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garaniido>
la 4* parte das loterias a beneBcio da matriz da
R6a-Visla (74'), que se exlrahira no jabbado IK
do corrente mez.
. PRECOS
Rilhete inteiro 41000
Mciobilhete 2/000
KM PORgiO DE 1009000 PARA CIMA-
Bilhete inteiro 3*500
Mcio bilhete U750
Minutl Martins Fiuzn
Novidade
Rerratos de S. S Pio IX ; do R. P' Beck, gera
da Con panhia de Je>us, e do R. D. Vital, bispo de
Ptriiamliuco : na phologra^hia imperial a rua do
Cabuga n. 18. e
Na mesnia casa
Retrains da infeliz Maria la Conceicao, as-
sassinada pelo desembargador Ponies Visguei-
ro. 500 rs
Fngio no dia 20 de outubro proximo pas
sado do engenho Arendepe freguezia de Ipojuca,
o meu escravo Ignacio, com os signaes seguintes:
cabra acaltoclado, 26 annos de idade, altura e
corpo regulares, cabellos pretos e crespos, bigode
lino, mnito pouca barba na ponta do qoeixo. tem
diii carocinho de um lado da canella por fora,
nao tem unhas nos pes, a excepcao de um dedo,
tem no corpo marcas de chicote, e no pe direito
um pequeno callo, falla raanea e baixa, cara be-
xigosa e olhos brancos.
Deo cem mil reis de gratiticacao a quem o
trouxer ao dito engenbo.
Arendepe, l. de nevembro de 1873.
________Manoel Febppe de Souza Leap Junior.
Arrenda-sc por preco commodo um bom si-
tio a margem da Rstrada-nova, proximo a linha
de bonds, com terreno espacoso para plantar e
criar, muitas arvores de frncto, baixa de capim,
boa casa com 2 salas, 4 quartos, cacimba lora,
quartos par3 criados, estribaria e grande temeiro
para vaccas ; arrenda-se com uma olaria ou sem
ella : a tratar no mesmo sitio com Joao Cavalcan
te- Lamcnha bins, on com Jeronymo de Hollaada
Cavalcante de Albuquerque.
CASAS.
Alugam-se duas grandos casas sitas na povoa-
cao do Monteira, em estado dc asseio e com opti
raos commodos : a tratar na rua Primeiro de Mar-
co, loja n. 18.
Aviso.
Precisa-se de uma senhora frauceza, que seja
habditada para sompanhia e leccionar uma ineni-
na de idade do 13 annos: quem esliver nestas
circumstancia-i dirija-se a rua Imperial n. 140.
ALUIU SE
o 2J andar do pateo do Livramento n.-
commodos parr, pjnea f i nilia : a tratar na lo.
mesmo, das 9 oras do dia as 6 da tarde.
- Precisa-se sontratar um saeeidote pafc ce-
lebrar missas nos domingos e dias santi6ca$m, na
capella da e-trada de Joao de Harrow : a tratar. na
mesma estrada, sitio n. 24, das 3 horas da tarde
em diante.
Atten^ao
A*n*>se jo-ta e coutratada a compra da taverna
do lartfo da Santa Cruzn. 12. com o Sr. Joao Mar-
ques Fernandes: quem se julgar com direito a
masma, apresenle sous titulos para ser pago no
prazo dc '.res dias, so contar desta Jala, senao oar-
dera todo o direito .4 mesma. Recite, 10 denovem-
bro Je 1873.
Aluga-se
o primeiro andar do sobrado da rua do Duquo de
Caxias n. 44, proprio para escriptorio, ou rapaz
solteiro : a tratar no mesmo, loja. ______
TASSO IRM.AOS declarant ao publico e espe-
cial men te aos sens bons fre-
guezes que o aviso insertono
Dimio (h P<:i'aambitco, de 5
e 6 do corrente de C. Tasso
Irmaos, pediado aos seus de-
vedores o pagamento de seus
debitos e araeacando-os de

declarar sen 8 nomes no mes-
mo jornalnao foiteito por
elles.
Ao publico.
A^eiicia !c leildes.
Rua do M.xRQuez dcOlinda, n. 37
I.' AN3AR.
0 abaixo assignado tem a bnura de sci-
entiQc.ar ao respeitavel publico, com ospe-
cialidado ao corpo commercial desta praca,
que aoaba em cujo exercicio prometto se esfor^ard
piira bem mereccr a conlian^a de lodas
aquellas pessoas que se dignaretn bonral-o
encarregando-Ihe do nogocios tendentes &
sua profissao.
Desde ja o abaixo assignado antecipa os
seus agradecimentos para cum aquelles que
o procurarem, o que poderao fazer dirigin-
do se a rua do Nsfquez de Olinda, n. 37,
I.8 andar.
Recite, 7 de novembra dex 1873.
Joaquim Dins dos Santos.
Sitio para alugar.
Aluga-se um sitio na Capnnga, rna dag Per-
nambu<-anas n. 66, com bastante* commodos, ten-
do dez quartos, ires salas, eozinha, coxeira, tan-
que para banho, galliuheiro, ct.m diversos pes de
fructeiras : a tratar na roa do Marqnaz de Olin-
da n. 63.
rat
Agradecimento
0 abaixo assignado i a pouco chegade da Euro-
pa, manife-ta putibcamente a sua gritidao p>ra
Com os Illms. Sps. M >raes A rmlo, pelos s rvicos
a file bondadosamente prc-tados daraote o tempo
de >ua edncacao rm U-rras tao longinquas. Se-
guindo agora para o Ceara, sea paiz natal, la
aguardara nualquer occasiili propicia para obe-
qniar dignamente tao xcellentes amigos. Recife,
9 de novembro de 1873.
Padre Dr. Jeronymo Thome da Silva.
Para htmem.
BOT1NAS de bezerro, cordavao, petlica, lustre e
de duraque com biqueira, dos melhores
. fabrieautes.
SAPATOES de beerro, de cordavan e de <-ase-
mira.
S-iPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de nao, pro-
prios para banbos, ntios e jarains.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca
francezes e porluguezes.
Para senkara.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
SAPaTINHOS de phanUsia com Xalto. brancos.
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS do tapete, chariot, castor e de tranca.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qnalidades.
SAPATOS de tranca poi tuguezes.
Para meniiio*..
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavio.
ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de diversas
qnalidades.
SAPATOS de tranca francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
f.otas a Napoleao e a Guilhcrme, perneiras
meias perneiras para homen-, e meias perneiras
para meninos.
No armazem do vapor franco', a rua do Barao
da Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de guernicoes,
sofas, jardineiras, mezas, con versa deiras e costu-
reiras, tudo isto muito bom nor serem fortes e
levos. e s mais proprios moveis para saletas e ga
hinetes de recreios.
No armazem do vapor francez, a raa do Barao
da Tictoria n. 7, outr'ora Nova.
PIANOS.
Acabam de cbegar muito bons pianos fortes e
de elegantes modelos, dos mais notaveis e bem
conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Bldonel, Henry Hers Pleyel Wolff & C.: no
vapor francez, a rua do fiarao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifiee, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, Dorlda, lavande, pos de arrez, sabonetes,
cosiieticos, muitos artigos delicados em perfuma-
ria para nresentes com frascos de extractos, cai-
xinhas sorlidas e garrafas de differentes tama-
nhos d'agua de cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Cou-
drav.
tfo armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victo'i?, outr'ora Neva n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de differentes gosto-* e
phantazias.
Espelhos donrados para salas e gabinetes.
J.eques para senhoras e para meninas.
Luvas de Jouvin, de So de Escocia e de cao.urea
Caixinhas de coslura ornada com musica.
Albuns c quadrinhos para retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouxo bom de lei garantido.
Correates de plaque muito bomtas para re!o-
gi''J- '
Brincos a LmiUcao c botocs dc punhoa de pla-
que
BoNinhas e cofres de seda, de vellndo i Je cou-
rinho de cores,
Novos objectos de phauiazia para cima de mesa
o toilette.
Pincinez Je cores, de prata donrado, Je neo a
de tartaruga.
Oculos de aco fino o de todas as guarnicoes.
Bengalas de luxo, canoa, com ent8ea de mar
flM.
lengalias diversas tm grande sortiment.) para
homens e meuinos.
Chicoliuhos de baleia e de muitas qualilides
diversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos z cigarros.
Pentes de tartarnga para desembarajar e para
barba.
Ditos de marfim muito Gnos, para limpar ca-
beca.
Escovas para roupa, cabellos, unhas a para den-
tes.
Carteirinhas dc medreperola para dini-eiro.
Gravatas brancas e de seda preta para homens
e meninos.
Campainhas de mola para ch mar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mino e outros muitos differentes joguinhos alle-
mies e francezes.
Malas, bolt as e saccos de viagem de mar e ca-
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as criancas ooorde-
rem, bom para os denies.
Benjos de vimes para embalar criancas.
Cestinhas de vimes para bra.o do meninas.
Carrinbos de quatro redac, para passeios de
criancas.
Venezianas transparentes para portas e janellas
Reverberos transparentes para candieiros de
gaz.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhidas
vistas.
Lantcrnas magica's com ricas vistas do cores 3m
vidros.
Vidros avulsos para cosmorama.
Glnbos do papel de cores para illuminate :s de
festas.
BaMes acreostaticos de pap.jl de seda mul Eaeil
de subir.
Machinas de varios systemas para cafe.
Espanadores de palha e de penuas
Tosnurinhas e canlvetes finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e Ianto-nas.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
_'Tira9 de molduras douradas e prta9 para
quadros.
Quadros ja promptos com |ia\sagens e t>i:anta-
i,a.
Estampas avulsas de santos, paysagens 5 nhan-
tazias.
Objectos de inagicas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos p^qnenos de veio com lindas pecas.
Realejos rstfinonicos ou accordions de todos os
amannos, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias difflccis de mencionarse. No armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medidas de 40 a 100 metros,pcs e pal'" M p3rs
medir terrenos.
Brinquedos para meninos.
A maior variedado que so pode desejar de todos
os brinquedos fabricados em differentes partcf
da Europa para entretenimento das criancas tndo
a pre os mais resumidos que e possivel: no ar-
mazem do vapor francez, rua do Barao da Vic-
oiia, outr'ora rua Nova n. 7.
Ceslinhas para coslura
Grande sortimento de bonitosTnodelos chegados
ao armazem do vapor fcancez, Qua do B.i-aoda
Victoria (outr'ora Novj) n 7.
Mairiiufci k% ravullns.
Acham se a venda fin todas as livrari.19 map-
pas impressos ?ara matricula d<>s cavallos con-
forme determina a lei provincial de 17 de junho
de 1873.
ptTIKKTO
M E D ICIN A
Preparado por
I.anmau A Kemd
para t'.iiii-tca
(oda a qunlidadt
de doen^as, quer
s"ja na garganta.
pi;ito ou bofes.
Expressamente
".scolhidodosme
Iborcsrigadosdoi
qmies se extuhe
0 olt'0 110 banco
da Terra Nora
purificado cbimi-
calmente, e suas
valuaveispropri-
edades conserra-
das cem todo 0
CHtdado, em todo
0 frasco so garao-
teperfeitamon-
te puro.
Este oleo tea
sido submettido
a umexame mui-
to severo, pelo
chimico de mais
talento, do go-
verno hespanbol
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a conter
MAIOR PORCAO-DIODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tem
examinado
IODINO E UM PODE R SALVADOR.
Em todo o oleo de figado de bacalbao, e na-
quclle no qual contiSm a maior pNjrgao desta
invaluavel propriedade, e 0 unico meio pira
curar todas as duencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtysica, bronchistes, asthma, catharrho,
tosse, resfriamentos, etc.
Ens poucos frascos da carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista, e d^ vigor
a todo o corpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciuncia, <\& tanto
nutimento aosystema e incommodando quasi
nada 0 estoraago.
As pessoas cuja organisa^ao torn sido des-
truida pelas affecgoes das
ESCROFLLAS OU RHEUMATISM)
e todas aquellas, cuja digestao se acha com-
pletamente desarranjada, devem tomar
OOLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DE
LANMAN & KEMP
Se 6 que desejam ver-se livres e isentas de
anfermidades.
Acha-se d venda em todas as boticas e
Jrogarias. H. Forster & C, agentes.
ATTENCAO.
0 abaixo aaoifnadn faz scinte ao resaei-
tavel corpo do co nmercio, que tern justo e coc-
trataAo comprar. ao Sr. Jose 1'iros R-rroxo a sua
taverna sita na rua da Penha n. 6, livre e des-
embararada de qnal^uT debito se atguem se
aeh.ii com nlgnm dlreit'*, aprwcnte-so^iio pr*>
de ties dias. flndos os qna* nao se attendera rc-
clamjicao alguma.
Recife, 9 dc noveinbro &* l73.
Alll"ino lo.iqil'lil da Co-^ia.
Attengao.
Precisa-se alugaruma ama
demeia idade, poremque seja
preta, que naotenha vicios
nem achaque, e queafiance
suaconducta, para comprar
e cozinhar para uma familia
de 3 pessoas: a pessoa que
estiver nestas circumstan-
cias, appareqa no 3. andar
desta typographia para tra-
tar.
Aluga-se o armxzem n. 34 a rua Duqup de
Caxias (intiga rua das Crnxec) : a traiar na So-
ledade n. 27, ou com lose Henrique da Silva Goi-
ILEBIm
0 INEXTLNGWVEL
PERFDME
BE
MIRR1V ft l,WH.l\.
Uma pura ilistillncao das mais raras fi^-
ty. 5 dos tropjeos. Content, para assim oi-
z?r, quasi o oddr odorifero das (lores ao
tropico da America, e sua fragancia e quasi
tncxhausta ainda mesmo por continuada
o.'aporacao e diffusao. Ji'este respeito e
i icomparavel a qualquer outro perfume
qnc ha de venda para :
OESMAIOS, ATAQUES NERVOSOS, DOR
DE CABECA, DEBILIDADE E
UYSTERICOS.
E um certo e ligeiro allivio. Com o bom
.in, tem conservado sua influencia para
cima de vinte e cinco annos sobre todos os
^rfumes, nas Indias Occidentaes, Cuba,
Mexico, America Central, e do'Sul e n6s
vpm toda a confianca o recommendamos
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
licado, riqueza de odor e pormanencia, nSo
pode ser igualado. Tambem faz remover
da pelle :
VSPERE7.AS, EMPOLAS,
QUEIMADURAS DO SOL,
SARDAS E BORBULHAS.
StMido reduzida com agua, se torna uma
cxcellente mistura para banhar a pelle,
daudo um aroseado c cdr clara a complei-
cao nublada, sen Jo applicada depois de
barbear, cvita a irritacao que geralmente
occorre, assim como tambem garganteando-
se, o cheiro do cigarro desapparcce, o me-
Ihora a condi^ao ilos dentes e gengivas.
Como ha muitas imitacdes, as quaes nao
possuem nunhumas d'estas propriedades,
deve-se tomar cuidado o contar sdmente o
o t'amoso perfume ) cosmetico do sul da
America, chain da:
\ AFL0R1I>\
DE
%Sl KKAV & M\MW.
Sj acha & venda era todos odroguistasg
perfumarias da moda.
Doces, fniclas e (lures.
Na rua la Cruz n. 6 tem todos os dias
sorvete das 11 hnras em diante; gelados,
refrescos e xatopes de todas as qnalidades.
Aluga-se a casa terrea, de novo preparada,
na povoa^ao dos Afogados, ultima do lado esqu>r-
do aoles de chegar a barreira da pome do Mo-
tocolombo, lem duas salas, dons quartos, .acima
do regular) boa eozinha, fogao e'forno de assa-
dos, cacimba e dous qnintaes cercado do muros,
tendo no centra outro com portao, pelo qual da
coiniiiuiucarao para amlms os quintaes. nt-ste pon-
to avista-se a via ferrea e gosa-se do bollo fresco
da manha e da tarde : os pretendentes queiram
dirigirse a rua larga do Rosario n. 36, deposito
de pao e cestas, que ahi inderecar-se- ha quem 6
o pr.'prictario._____________________
Alngam-se os dous magniflcos armazens da
rua do Viscondu de I la paries, oulr'ora rua dc<
Apollo, ns. 30 e 31 e com fundos para o caes dC'
Apollo, muito proprios para armazem de assucai
ou de rccolber : a traUr na rua do Marquez de
Olinda n. 57._______________________________
Aluga-se a olaria n. 63, da rua do Viscon-
de de Goyanna : a tratar na rua do Rosario d
Boa-Vista n. 50.________________________
Aluga-se uma escrava para cozinhar oo en-
gommar em ca?a de familia por preco commodo,
por tt-r um filho de 1 % anno: quem precisar
dirija-se em Santo Amam das Salinas ao sobrado
junto do cemiterio inglez.
Aluga-se uma casa terrea co.ntrts portas
de frente e bastante elevada, com sotao dentro o
commodos para familia, na rua dos MartyriOM
n. 160 : a tratar na rua do Rosario da Boa-Vista,
segundo andar, per cima da refinacio.
Precisa-se de um caixeiro portugucz ou bra-
sileiro com pratica de padaria : a tratar na rua
Imperial n. 204, padaiia Kncouracada.________^;
Aluga se o i' andar do sobrado da rua d
Aguas-verdes n. 100 : a tratar na ma Direita nu-
mero 10.__________^_^_______________.
PEKDEI1-SE
uma cachorrinha branca, tendo entre o olho e a
orelha esqnerda e na espinha dorsal no principio
da cauda uma mancha amarella, as orelhas e A
cauda cortadas : roga-se a quem encontrar de
leva-la abotica franceza, rua da Cruz u. S2, onde
sera generosameute recorapensado.__________
Para o amamVcer do dia 6 do corrente fu-
io do engenno Refrigerante o escravo Ezequie/,
e idade do^) aim is, pouco m.is ou menos, c6r
ftila, barlia serrada. haixo e espadaiido, falla man-
sa, levou chapco de cooro e um matulao com rou-
pa. gosta de andar de gravata. e natural do Brejo
da Mad re de'Ueos, e km familia no Altinho :
quem o prgar leve ao dito eogenho, ou no enge-
nho Uo]ue, que ?er.t bem recompensado.
irmazem do fiirao
Rua da Ma-.fre i-- Imis n. 10 A.
Jose Domingues do Carmo e Silva participa aos
sens freguezes e amigos que no seu armazem a
rua da nadre do Deus n. 10 A. se a.-ha um con*-
i'l'o sortimento de fumoem fardos de patente 1.",
2.* e 3.* sortes, dos melhores fabricantes da Sahia,
e bem assim a flor de todos os fumos de cerda
em rolos, pacutes, lata.- grandes e peqnenas, tam-
bem dos nuii acreditailos fabricantes Torres A
Araujo, Lizaur, Adolpho Schmdt i C, Lizanr
Schmidt A C, Veigas A Araujo, Trindade 4 Avt-
lar, Teixeira Pinto & Portella (garantido pelc
mesmos) e de outros ainde nao conhecidos pelo
publico desta capital. 0 annunciante declara qn
todo fumo que for vendido em sua casa sera pelo
seu justo valor, e que qnando garantir a respecti-
va (jualidade, sera sinccro, mui partieularmenta
com as pessoas que pouco entendam da materia;
poi: para bem servir a todos, tem o annuncianU
sionpa pratica de lo annos deste commercio.
AHMCAO
AUuns moradores do 1* districto da freguezia
de N. S. da Graca, recoohecendo a justica do lllm.
Sr. Dr. Moscoso, vein implurar para o illnstre Dr
visitor a mataoca de rezes na freguezia da Casa
Forte, para fazer corregir os abnsos que la se dio;
no dia 6 do coirento as carnes do acougue do lu-
gor Taraarlr.eira, nao podemos comer porse aehar
podre ; conliecemos que o proprio talbador aca-
nhava-so de cor tar semelhante carne.
ATIIiNljAU.
Desde o dia 22 de fevereiro deste anno oue esta
fugido o escravo de nome Franeis^o, o qual tem
os signaes seguintes : 6 alto, secco, cabra, cafcelln
carapinho, lem pouca barba e costuma raspar, pes
sc-cros e compridwi, vista espantada, falla de dous
dentes na frvntn, isto e, no qufixo inferior : pede
se as autoridades e capitaes de campo a captura
de dito escravo : quem o consegnir capturar, di
nja-se a rua la Imper triz n. 15, loja do Centro
Aeademico que achara com quem tratar, e sera
bem recompensado.________________,_________
Aluga-se
uma casa na Torre, com commodos para familia.
caiado e pintada, ha pouco acabada : a tratar no
porto do Lacerro na Capnnga n. a2,__________
Acha se justa e contra.ada a compra da ta-
verna na praca do Tapim, lugar denominado Barro,
com a Sra. D. R.salina Mari:i da Conceigao: quem
se jnlgar com direito a mesma aprcsenw seus ti-
tulos para ser pago no prazo de U*s dias, a con-
tar desta data; senao perdera todo o direito a
mesm3. Recife 10 de noveinbro de 1873.
TASSO IRMAOS & G.
Em seus armazens 6 rua do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por precos commodoa
Tijolos encarnados sextavos para ladrilho.
Canos do barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydraulice.
HacnJnas de doaearocar algodSo
Machinas de padaria.
Pitassa da Russia rm b| r ;
Pbosphoros de cfira
Sag.: em garrafoes.
S-jvadinha em garraff -.
Lentilhas em garrafoes.
R!:um -la aJmaica.
Vinho do Perlo \ellio engarralait'
Vinho do Porlo superior, '<'<>
Vinho de Bordeaux, dim.
Vinho de Scherry.
Vinho da Madeira.
Fotes com lingua* e d.>liraiiH> ng^;
lAeote* finos sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de tcuciuho inglez.
Parris com repf.lho em salm.nr*
LIQUIDACAO
DA "
FiiiHiicao da Aurora
Grande sortimento de:
Moendas de todas as qnalida-
des e tamanhos.
Tiichas fundidas e batidas,
idem.
Rodas dentadas e angulares,
videm idem.
Machinismo, idem.
Varandas, gradeamentps par
ra jardim. etc, etc.
Tudo se vende por pre<}0#
muito em conta para aca-
bar.
MU1ILAD0
>


A.
-

" Oflereee-ao uma am* para c.nsa d horaem
solteiro : n;i travcM* do Pmoto n. 7.*_________
Na rua do Capiharibc i:.
3i prerisa-se alugar mna es-
crava que cozinhe e engotn-
me para uma lamilia composla lo Joas peas^a; e
11 meiiiuo, paga-se bom.
AMA
Altencao.
20|000.
Precisa-se *le duas ainas, semlo uma para
comprar c cozinhar, e outra, para engom-
mar para casa tie uma familia le duas pes-
soas, preforimlo-se escrava, paga-se a quan
tia aciran: a tralar na travessa do Vigariu
Tenorio n. 1, das 9 boras da manha ate as
3 horas da tarde, escriptorio.
A mn via rua "** Ponte Velha n.,1 precisa-se
"""* de uma ama que saiba eoziahar e en-
gommar para casa de familia de duas pessoas.
A ~|n Na rua do Visconde de Itaparica n. 32'
Mil la precia se de uma ama para engommar
Ama No Gorredor do Bispo a. 5 precisa-se
AIUw Je uma para cozinhar e engommar.
FUNMCAO
RUA DO
DO BOWMAN
N. 52
3iano de Ffcrnambuoo Terca feira 11 de Novembro de 1873.
Precisa-se de uma mulber
forra ou escrava, que saiba
cosinhar bem : na Torre, si-
tio do Jose Mariano.
AMA
Na rua da Soledade n. 19 precisa-se de uma
ama que lave e engomme, para uma pequena fa-
milia.
AMA
Precisa-se de ama 'ama para
cozinhar e comprar para pouca
familia : a tratar na rua Nova
n. 16.
Precisa-se de ama ama forra ou escrava
para cozinhar e comprar : na rua da Conceicao
U. 8, { an Jar. ___________^_____________
Ama Precisa-se de uma ama para cozinbar
AUldi e comprar para pouca familia : a iratar
na rua do Imperador n. 33.______________________
(ttisssuido o ciiaiariz)
PEDEM AOS teaborea tie qpi*e e ootros agricohoro, e empregad.rca de no
atnismb o favor de ama vimU a m?q e^-beidcinw-Dlo, pra verem o bovo lortimeolo
timrjlet i qoe bi teio; eadn lodo superior em qnalidade e fortidjn; o qne com a id*
c<-5o D6$8 >al pode-se verificar.
SPECIAL A.TTF.NCAOAONUMEROE Li GAR DE SUA FUNDICAO
? a <\A^ia rtfaiviQ '''"* m3's mo era"8 sy^teow eXl U
V' apOfoS 6 rOuaS U ttguli rna.ibos convenientea para aa diversas
trcomstanciaa doa aenhorea pmprieUrioa e p ra deacarocar algodio.
Soendas de canna 9 ta^"Dh09 a8:me,bore' qne ,qn'
aodas dentadas para anin,ae' agC8 e Tr
raixas &e ferro fundido, batido e de cobre.
ll&mbiques 9 fandos de alambiqaes.
tfaAkiniamno para mandioca e algodao.l Podendo todoa
latulllISIIIUS e para terrar madeira. faer movidoa a mio
Q/tmhaa fpor agna, vapor,
lOulUaS de pateote, garaniidaa........ Jon aniroaes.
rodaa as maehinas w *"*
Faa qualquer concerto *- '" "i<1-
?ormaa de ferro <"" ei***
ffnAnmnianfioa Incombe-sa de mandar vir qoalqner macbinismo i von-
H;nC0inincIlliU!5. l2(|e aaa compraa por intermedio de peaaoa entendida, e qoe em qnalqaer neceaaidade pod*
v.t prestar aoxilio.
An dot americancs e *">'"!-
Antonio Rangel de Torres
Bandeira.
Mauoel 'piario .!e Torres Ban-
ilfin, Ji-n > Vici-iit* <' T'-itp* Ban-
.Lira e Aiijnirtit Car da" C.iihIi.i.
irii.fuw > cutihatlo iiu lliial" l>a-
U tli. ivl AU! isi-i B.ii)g-I To.r.'S
h..n li-iri. unn.l-iiii fzar n:rij nii*
>a por siu alum n<> uiyeiiuj Carmo,/no dia 11 dn correutn i? 7 boras da ma-
nha^ priineiro anniver.-arki de sea fallecimento,
e pedetn aos geus atnig, e a is do sea numa es-
quei*ido iniui> e cnrihaJo. o cnridi>so ntizeqnio
d<- asslslirein a itmclbuutu aclo, polo que o loruara
eleruaiueiite graios.

Jose Pereira Lemos
D. Coosuncia Ferreira Ramos
Lemos, pai, mai, innaos, irmas,
cunhados e mai? parentes mandam
resar algnmas missas no convento
de S. Francisco, no dia ter.-a-feira
It do corrente, as 6 horas da ma
Bha, trigesimo dia do fallecimento
de Jose Pereira Lemos, na villa do Triumpho, por
sua alma ; pede
caridade aos an'
concorrencia a este acto de
e conberidos do flnado.
Precisa se de uma ama para cozinhar e fa
zer alguma costura em casa de um horaem so :
na rua do Padre Floriano n. 69, 8 andar.
Precisa-se de uma ama pa-
ra tratar de criancas : na rua
de PaysandU n. I, Chora-Me-
___________________nino._______________________
Vcrnizes espeeiaes para eairua-
gens.
Este verniz. cuja falta aqui tanto sentem
os Srs. bbrieantes e possuidores de carrua-
gens, acaba de chegar para seu unico depo-
sito, das sfguintes qualidades.
VERNIZ SUPERFINO PARA CAIXAS DE
CARRUAGENS.
E' um verniz muito claro e duravel para
as caixas de carruagens, para todas as de-
mSos, ou para a ultima somente, sobre
outros vernizes. A superficie secca em 12
boras, depois das quaes se espoe ao ar por
algum tempo, o que faz endurecer, e passa-
das 15 a 18 boras p6de passar-se a caixa a
pedra pome e dar-lhe em seguida outra de-
mao. Dao-se com facilidade tres demaos
deste verniz sobre as tintas, em Ires dias.
A primeira demo servindo de apparelho,
ajuda a seccar as ultimas demaos e produz
um excellente brilho.
Verniz superior seccante para
carruagens.
Este verniz 6 da mesma cdr que o ante-
cedente, mas endurecc e secca com mais ra-
pidez. Emprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e pode misturar-se com o
anterior. A durac&o do verniz permanente
diminue na proporfao da mistura.
VERNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS
JOGOS DAS CARRUAGENS
Nio e tao claro como o verniz para as
caixas das carruagens. Emprega-se nos jo-
gos das carruagens e tambem para as pri-
meiras demaos sobre cdres escuras. Pode
passar-se a pedra pome passadas 10 horas,
podeudo dar-se em seguida outra demao.
Verniz pre to do Japan, superior.
Para trabalhos em preto de carruagens.
Produz o preto raais escuro e brilbante, e
pode passar-se a pedra pomes 10 horas de-
pois. Deve dar-se duas demaos sobre um
fundo preto e cobrir-se com outras duas de
verniz que se emprega nas caixas das carrua-
gens.
VERNIZ PARA COL'ROS, BRH.HANTE
ELASTICO.
Este verniz, contendo na sua composi';ao
grandc quantidade d'uma substancia muito
semelhante ao azeite denominadopicds bcuf,
e o unico que dd tlexibilidade ao couro ve-
Ilio envernisado. Km geral basta uma Je-
mao que deve ser applicada muito liguira-
mente, com u;ii pinccl depois de ter limpo
o couro com agua-raz. Exposto ao sol sec-
ca em 1 ou 2 horas, e a sombra mas ao ar
secca em 1. Em tempo humidoe inuti) tal
trabalho, por que nuo e possivnl tornar o
verniz elastioo e seccanto ao mesmo tempo,
Veruiz para apparelho.
Depois de ter apphcado 2 ou 3 demaos
deste verniz n'lim intervallo ras, de-
ve-se deixar a obra intacta por 2 ou 3 dias,
no Dm dos quaes se pode pulir com extro
ma facilicidade. E' essencialmente ncces-
sario cobrir este \erniz com duas demaos do
rerniz superfino para caixas de carrua-
gens.
VERNIZ SECCANTE.
Misturi-se com as tintas de apparelho, e
sobre tudo com as tintas moidas, para que
sequem mais t'acilmeute o para lhcs dor
mais. eor.sistencia.
RUA DO BRUM
PASSANDO O
N. 52
iFARIZ
JoaquimTSimdes dos Santas.
Antonio Mendes Pereira da Costa
e Antonio Ferreira Alberto, aquelle
socio e este primo do flnado Joa-
quim Simoes dos Santos, agrade-
cem cordialmente a todas as pes-
soas qne se dignaram assistir as
exequias e acompanbar ao cemite-
rio pablicQ o cadaver daquelle flnado e de ncvo
convidam aos seas amigos para assistirem as
missas que mandam celebrar pela alma, do mes-
mo, terca- feira 11 do corrento mez, as 6 1|2
horas da manha, na matriz de S. Jose, 7.* dia
de sea fallecimenle, e desde ja se confessam sum-
mamente grato.
Joaquim Jose Goncjalves
Beltrao & Filhos
Teem para reader no sen escriptorio a rua do
Commercio n. 5, a feguiMe :
Ar.U.AnnRNTK de eaia : nnw -ie I? garrafss.
il lai in a, :.!';.. ideln,
AKGOS i-jj para rni.u.
i'AI. l.i.st>">.1, ,-i>-h ,f..r.l- i-I.iV'-(,)^
i.ll.M'KOi de ?..!, liar,, it iu:f :> -vali-.r:-. -al
- de nuriiir. e iVsso. -
FFIXES de ferro, para porta.
HO de algodin da Babia, da fabrica Ao eommeii
ineudador Pedrozo.
I.I.NHA de mriz.
OBHAS de palheta.
PANNO de algodao da Bahia, da fabrica do com
mendador Pedn>zo.
RETROZ de todaa as qualidades, das fabrica* d*
Peres e Eduardu Militao.
HOI.HAS proprias para botica.
SALSAPARRILHA do Pan.
vELAS de cera de todos os tamanhos.
V1NHO engarrafado do Porto, caixas de IS gar-
rafas.
dito Moscaie do Douro, idem idem.
dito Setubal, caixas de l e 2 duzias.
da Italia engarrafado, caixas de 6 gar
rafaa,
de Coliares superior, em ancoreias.
< de cajc, caixas d* i2 pr afa>.
i Malvasia do Douro, caixas com IS gar-
rafas.
Carcavellos, idea idem.
Antoniode Azevedo Villa-
FUNDICAO DE FERRO
V roa do Barilo do Triumpho (rua do Bra-m) ns. 100 a 104
CARDOSO A MAO
RECERERAM de Inglaterra complete sortimento ile ferragens e maehinas para en-
genhos, as mais modernas e molhorobra que tern vindo ao mercado.
VapOreS de for^a de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
V/alClCiraS de sobresalente para vapores.
MoeildaS mteiraS e moias moendas, obra como ..unca aqai veio.
Taixa-S flindidaS e batidas, dos raelhores fabricantes.
tiodaS (1 aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
RelogioS e apitOS para vapores.
oOmoaS de ferro, de repucho.
AraQOS de diversas qualidades.
Formas para assucar grandes e pcqueuas.
HoTlPPrto^ conc 'rtam com PromPlida qualquer obra oumaihint, para o que teem
v^uiua/i wa sui fa})rica bem montada, com grande e bom pessoal.
r^npnmnipnflflq mandam vir por encommenda da Europa, qualquer machinismq,
uii^uiiiiiicn^ao pflra o ^uo ^ correSp0r(f(,nl com uma respeitavel casa de Londres
8 com um dos melhores engenh^iros de Inglaterra, : incumbem-se de mandar assentar
litas maehinas, e se respons.ibilisam polo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Briini) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.

Aluga-se o tegundo andar da casa da ma
do Apollo n. 34, com eoouBuAs para grande
familia: at alar na casa immodiita o. 36, se-
ganda andar. __________
- O Illm. Sr. Dr. Leopoldo Canr Roque Erira-
da, formado na academia de Parnamboen cm 1873.
lilho do Illm. Sr. Joaqnim LeopuMo iIk Kigneiredo,
e cnamado a loja de Amaral, Nahuco & C, rua
Nova n. t, a negocio que nao ignora.
s
?5:
s = -j a in
s a o = % 'Z
R r- = *7
3 S 5 Is 3
- TS e* ,-v as T"
s-^f
o 3

' ~ ~ -'- i ?
"Tv,
*
"ti?
tSarl-arrn
a ='_ | 2.
S. in -
O -.

.3 = 5'
.,1
-a 2 % s-~*
ft ra =
- o ~-
3 o
!T.5a-C5
re
**-
fabricaelaboratorio,35,cite des fleurs, batignolles-paris
VlNHOilBdRDEAUXQUlNAOQiCHEVRIER
De nma riqueza incomparavel em principios activos, tonico, forlifii-anle: emprega-se nas febres rebeldes, o&i
coirralfscencias tardias, nan diarrheas chrooicas e em todos os eases d'atooia.
VINHOdeMALAGAOUINADOdeGHEVRIER
Possue as mesmas propriedades do qne o anterior, mas emprega-e com prcferencia para as mulberes, as
crianras e as pessoas "-ujo eel"mago e debilitado.
VINH0BEQUINAFERRUGIN0SO,CHEyRIER
Que reune os dous agentesmais poderosos da therapeutica. febcrano na chlorofe, na anemia, leucorrhea,
Pjsmenorrhea, nos meninos durante sen crescimento e nas donzellas no memento da puberdade.
VINHO,[PEPSINAeDIASTASE1eCHEVRIER
O digesiiTo m.-iis heroko qne se c^nhece, ftToreee a assimilacito e restabeleco instanlaneainonie as-funccoee
do apparato digestivo.
VINHOoPHOSPHATODeCALdeCHEVRIER
Na tiica pulinnnar, fecha as cbagas do pulmSo attaeado, cura as alpor;as, o raquitismo re^tabelece a saude
das pessoas eihanstas pelas Tigilias e pelos excessos. Notaveis successos ottidos nos bospitaes.
VINH0 DEPURATIVO DO Q^ CALV0, S0BRI NH0 E
OrSCIPULO 00 CELEBRE PROFESSOR RICORD
Epec'flcoiadispensavel paraassegurar acora radkal de todas as molesliassyphililicasanlifaason recenlea.
Deposilo em Pernambuco, A. REGORD.
rouca.
O commendador Mathias de Aze-
vedo Villaronca, Jose de Azevedo
Villarouca (ausente), Joaquim de
Azevedo Villarouca (ausente) e
Delfino de Azevedo Villarouca, pos-
snidos de profuudo peiar e senti-
mento, pelo passamento de seal
sempre lembrado irmao e tio, o Sr. Antonio de
Azevedo Villarouca, fallecido na cidade do Porto
cm 13 de outnbro proximo passado, mandam ce-
lebrar no dia 13 do corrente na iguja do cob
rento de S FrancUco, pelas oito horas da ma-
nha, trigesimo dia de seu fallecimento, uma mis-
sa de requiem, em suffragio pelo repouso eterno
de sua alma : assim como, no mesmo dia e na
mesma igreja celebram-se missas pela mesma in-
tenc.ao ; para o que se convid* aos Rvras. Srs.
sacerdotes desta cidade, que as quciram celebrar,
receberao a esmola que se acha designada na sa-
cristia do mesmo convento.
Con-idam, portanto, a todos cs sens amigos e do
finado, se dignem de assistir a este acto pio de
caridade e rebgiao, protestando desde ja profundo
recontoecimento e gratidao.
No flm do acto, distribulr-se-hao esmolas aos
pobres. _______________ ______________
Antonio de Azevedo Villa-
rouca.
Manoel Azevedo de Andrade,
testamenteiro de seu prezado ami-
go Antonio de Azevedo Villarouca,
fallecido na cidade do Porto no dia
13 de outubro fiodo, manda cele
brar missas por seu eterno repou-
so no trigesimo dia de sea passa-
mento 13 do corrente pelas 7 hora9 da manha,
no convento de S. Francisco, e convida aos ami
go9 do mesmo fallecido a assi>tirem a este acto,
pelo que se conf<;3?a grato.
O abaixo assignado encarregado da liquida-
ea6 da mass a da firma Jose dos Santos Neves &
Inii^o. de novo convida aos credores da mesma
tj e .le cada um dos socios era particular, pa-
ra Jjue no* prazo de oito dias, na rua do Apollo
n.#8 arm zein de assucar, apresentem os seus ti
tilu^os afim do srem esles veriticados e poder-se
a*sina conbecer em quanlo monta o passivo,- sem
o qpe nao se pode regular a forma do pagamento.
EsS convite e extensivo aos herdeiros de D.An-
na Delflna Paes Barreto, senhora do engenho
Garapti, da qual foi inventariantc o socio Jose dos
Santos Neves.
Recife, 5 de novembro de 1873.
_Jose Francisco do Rego.
Aluga-se o 2. andar da casa da rua das
Larangeiras n. 13 ; a tratar na ma do Marquez
de Olinda i. and^r da casa n. 1._______________
Attencao
Aluga-se a casa n. 36 da rua da Ventura na
Capunga, com commodes psra familia, cstando
perfeitamente limpa, por se ter mandado caiar e
pintar ha houcos lias: i tratar na rua do Duque
de Caxias n. 44.

o
_ |co| g 3 3
g a.5-1 a
i;3-3.o
9 5 51a
a 3 a. = 2
^ s; "53" at
a O a 9 JD
a. a. 2. -. =
z ~ j. ~ ~
to
ga-se
A casa da rua do Padre Nohrega n. 87 ; a tratar
com Jorge Tasso, a rua do Ainoiini n. 37.
BABY JUMPERS
Velocipedes and Hand Carts
For Boy's.
Elastic Steel matresses.
Ice King Refrigerator.
Perfumagators.
Maehinas para descarocar
algodao de 12 ate 30 ser-
ras.
NA
CAB.\ AMERICANA
4:5 Rua do Imperador 45
v"i>r
NOVAS PUBLICAHS MUSICAES.
A. J (1 AzevedoHun Nova n. 1ft.
Joaquim Jose Goncaives
Beltrao & Filho.'
Rua ] Commercio 11. 5, I.* ai^inr
Saeca por tc Jus os paquetes sobre 0 bauoo
S Minho, bbj Uroga, e sobre us snyiMute*
gares >1p I'ortagal:
Amaraiite.
Arco 'le Val <\c Vpz.
Barwllos.
Beja.
Cliaves.
Coimbn.
Oivilha.
Karo.
fiuanla.
tiuimaraes.
Lamego.
I.isboa.
Mirandella.
Moii(;ao.
Punte de I.irn6.
Porto.
Tavira.
Valpassos.
Vianna do 0. Villa do Cofnie.
Villa Nova de Famalklo
Villa Nova do Portimao
Villa Real.
Vizeu.
Valenga.
1'igueira.
Aveiro.
Agueda.
Caminba.
Kvi r>.
Oliveira de Azcnieis.
Penafiel.
acham-se &
Wer-
Alber-
17000
1JP500
13>000
19000
13*000
10:000^
modico
Da-se 10:000* a premio
Hortas n. 86, sobrado._____
ua rua de
O balanciador
Jerouymo Jos^ da Costa, mala intigo desta pro-
\incia, pode ser procarado Bo pateo do Carmo u.
13, venda, que se lhe dira aonde esta trabalhando,
ou na moradia. ________
Acabam de publicar sp, e
venda as seguintts musicas :
PIANO SO1.
Danse espanhola, por Ascher
Arabella, mazlkka, por G.
theimer
Valsa no Fausto, por Croyzes
SO.NUO DE UMA VIRUKM, por
tazzi
Anna la Prie, cavatina
AoClair de la Lome, por Bussoieyer ljroOU
^S* JRTE! Polka brilhantc 19000
Sauda(.:.\o ao Baiiia(
Cricket, por Seixas, oiTererida aos
chrickets club pernambutaiio e
babiauo
PIANO L CANTO.
DeseSj>kro, muito lindo romance
por I. Smoltz
Non m'amava, romance por Gaercia 155000
Jambera recebeu da Eumpa grandc sor-
i~ento de musica para piano, piano e
a nto. estudos, methodos, etc. tic.________
A senhora que se oflerocpu para morar em
casa de familia, prcstando seus seryicoa de costu-
ra por pequeno salario, podi- dirigir-se a rua do
Marquez de Olinda n. 34, 2. e 3. andares, so-
brado.
Regda.
Aluga-^e a olaria n. 63, em a rua do Vis-
conde de Goyanna : a tratar na rua do Rosaro
la Boa-Vista, n. 50._______
Como n8o 6" neccssario dar lustro a ultima
demao de verniz empregado nas caixas de
carruagens e no dos jogos, conv<5m dd lo
o'um local separado aonde nao haja p6.
Quando a ohra urge,- deve pdr-sn A sombraj
0 ao ar hvre depois de secco, isto e, passa-
das 12 horas, lava se e enxuga-se bem com
uma esponja humida. Quantas mais vezes
se lizor isto, mais brilhante ficari 0 verniz,
e mais depr^ssa ss terminata" a carruagem
(em caso necessario tres dias depois da ulti-
tna de;nn). Durant-T as duas ou tres pn-
meiras semanas deve se lavar a carruagem
com agua fnsca, depnis de |er pr-
ido.
Os frascos devem conservar-e.3 sempre
henneticamente tapados, 0 resto do verniz
nao se deve deixar ficar no fras.-o, 0 pddt
usar se para as primeiras demaos.
Nao deve misturar-se com este verniz ne-
nhum outro ingro liente, nem agua-raz, 0
de nenhum molo com o seccante. K' pre-
ciso limpar bem os vasos e us pinceia, e o
melbor 6 servir um piucel para cada vor
niz.
Deposito unico para o Brasil, Barlbolo-
oaeu A C, Pernambuco, Rua do Rosa
rio n..'H.
Rua d
a allen.il.
Mathias de Albu-
querque n. 8.
AnGga rua das Floras.
O proprieUrio desta e- tabulecimento Jeclara que
esta pr->mpto a a-nola'-, afiar 0 polir qualquer
ferramenta de aco, a saber : -omo thesonras, na-
ralhas, facSes, canirelfls, etc. etc. ___
Xa rua do Barao da Victoria n. 18 precisa-se
fallar a-, ^r vigario Andre Curcino de Aiaujo Pe-
reira, a uegocio de sen interesse.
Silio.
Atnga-se um sitio em Berx-ribe, com caa pro-
pria para familia, perto do banho : a tratar na
ma da Cd-Jan. 3.______________"_____________
Pro iia *e Je um caixetrn q le ttnha pratica
Je psid.iri* : na rua le Marcllij n: n. 69,
- .N'i raa V-I'ta 11 117 lv para se atugar uma
escrava m -y., sadia 0 -..':ii ric'os, qua cosiaka e
ensabda beta, seodo para casa de familia, c com
?ondicio dc nan tanir a rua.
N3o se preeiUMilu Mais de uma i-asa na B -
Viagem, que foi Htanila ate o ultimo <1* imraro
para banhos saiga*)*, trasp.is mesma aquem delta pr.visar : a fallar rw rua !)
Coronet Soassaaa n. ii.
! ara passar a festa.
Aluga-g8 ti na rasa no Pweo 'la Panella a rua do
Ri > n 25, com 2 sataa, l quartos, rozinha f6ra,
quintal mnrado e o>tn alpendre nafrente, muito
pmpna purn a cstacio calmosa por ti ar proxilba
ao rio, -.Vnii'taiiiln oexc*liente banlio, e prec c.inimiido : a ir.iar na trkvMsa da Hadre de Deos
n. 18.__________________________________
Preci-a-sa rum urg'-ncia do uma ama
para COBOhar, para nma familia de 2 pes-
soas, c que.- ujapcrita cozinheira : a trater
ni-paieo do Hospital n. 28.
Livros a venda
Na rua do Rangel n. 1.
Ohernoviz. Diccion3rio de medicina popular, 4-
edicie de 1870. Chernoviz : Furmnlario ou guia
medica, 8." edifSo 9 1808. V'eiga : O amigo dos
jommerciantes, l. odicao de 1873. Arte de re-
qnerer em juizo ou novo advogado do povo, 4.'
gdicio augmenta-la com a reforma judi.'ir.ria.
- SAQUES
Carvaluo*i Nogu-ira, na rua do Apollo
n. -20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as ci-
dadt-s e villas de Portugal, 4 vista o a prazo
por todos os paqoetes._________
r >
L
ciam
" 'jit ii ostubelecid-- i-jiu armazeui doina
lhados c deposito de sabao a rua da Madrc de Decs
n. 4, paiticlpam aos sens ficguezes e a quern mais
mteressnr, que o S >finoel Lourenco dos
Santos C<>eiho ileixt-n de s<-r sou caixelro desde
.!!!! outubro proxjrno oaf-ado.
Perdeu-ae da pouos dias, da estacao de
>aiit'*wa ale o Baciff, um em'irulho compusio de
diflerentas desenho9 do mo-aic is p ra sala : a
ressoa qaa i achou e quci a re tituir, iiode leva-
lo ao annaaem d-; Manoel aa?tos de Ahreuelama,
! ;.r.p harili.'1 r 12^______________________
Preeisa-se de ama ama firra ou escrava,
uoe saiba Invar, engmmar e comprar para casa
de nma familia > 'tfangctra mposra de tres pes
".as : a tratar m raj. r\o VijcoQdo de Goyann? n.
I57, labrVa 8e *d;--a. .^^
CASA DO OMO
4on 4:000-7000
Bilhetes garantidos
hna do Bardo da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba do vender nos seus
uoito felizes bilhetes a sorte de 4 lOOOlCOO em
dous meios dc n 2643, e dcus meios de n. 1371
com a sorte do tOOtf, alem de outras sortes me-
nores de iO^OOO e JOJ000 da loteria que se acabou
de extrahir (73*; ; e convida aos possuidores a
virem receber, que promptamente sera i pagos na
forma do costume. .
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeitt
vel publico para vir ao sen estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes,que nao deixai ao de
tirar qualquer t remio, coifco prova pelos mesmc j
annuncios. ....
Acbam-se a venda os muito felii.es bilhetes ga-
-antido.< da 4* parte da lotrria a beneiicio da
matriz da Boa-Vi-ta, qno se ex'raliira no dia
do corrente mez.
Inteiro W^1
. ueio 2*000
De 1009000 parn clnau.
Inteiro 3a.W0
Mcio 14750
I'.oeife, 29 de outubro de 1873.
Jod/* Jonquim ia Cetfa Ltitf
1-5000
-i-pooo
Aluga-se uma excelb-nte casa na povoa^ao
de Duart-e Coelho, em Olinda, com bon* commo-
Jos para familia; a tratar com Jorge Tasso, rua
Amorirn, b, 37. __________
a esta Vugida
a escrava Matildes desde 17 Je marco do con eote
anno, de 32 annos *e idade, pr;ta criou'a, estattt-
ra regular, cheia d orpo, pemas Unas, tern uns
carscos no roslo que paivce espmhas, tali 1 da
denies na frente da parte Jo eitna, falla muito
maoaa que as rates dasafia compaixao, boa coal*
uiioira e r-ugommadeira, e lillia do Para, foi ''i.iu-
orada a sogra do Sr commendador Luceiu, e
muito cunhpcida por ter estado alugada em casa
da HanoeUa do inspector, no Monteiro, ella taiitu-
la-se do forra e torn side vista no Poco da Panella,
Sli nteiro, Caxanga, Magdalena e aqui no Renfe :
pede-se enearec:damente a todas as auloridades
policiap e capftSas do raarpo a ?n.. apprehensao,
assim c mo se pod>> a qnom lenha amas QW a-
riiique nessaa quo disem .cr fcirras, pois cpnsta
esta/ c-lla de ama que nan salio a rua, quo so Kra-
tificara com a quautia de 1004 a quern a levar a
-in senhor, na rna do Li vramecto n. t. i. Antonio
dp Paiva Ferreira; e ptotesia-se haver osdias do
servico dc tuda e qual pier pessoa qae a ijnha
occuRa cm sua casa, na rorma daloi.
mMmi$mw%*
: 8^
1\<
(3a traasacijao)
IViUncem-llie os regu-ntcs btliioios :
Rio de Janeiro Loteria 4Vi
iNTEIROa
50v8-i300
4068>.0;>\ltJ0 I0:B-:01".
QUARTOS
2:l',8-:i::0C 3?!P7 "S45S 3S0S
m I4349-MW473Q Wih
:\bi-M\b 383 353 3BW.
2726-1710 1723 1716- 7
Recife, tl de novembro do 1873.
F. X. Ferreira .
Tbesuureiro.
Atnorim
Secretario.
Vende-se uma oxcellente casa com um pequeno
sitio, sita no Arraial junto a casa do Sr. Anselmo :
a Iratar ua mesma casa, e para in/crmacoes na
taverna do Qufimado n. 3, I* andar ________
Precisa-se de um caixeiro qne tenha bas-
tante pratica de taverna e de" liador de sua con-
ducla : na rua Du(iue de Caxias n. 20._______.
Engommadeira e ama de
leite.
- Precisa se de uma engommadeira e de-uma
ama de leite. paga-se bom uma e outra : na rua
Formosa n. 24.___________________________
MOFINA
Esta eneouraqado !! 1
Roga-se ao Him. Sr. Iguacio Vieira de Mello
js'trivao na eidada de Nazareth desta provincia, o
favor luir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela tereeira chamada deste jornal, em
6ns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passou a fovcreiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo 6 de novo chamado para dito
flm, pois S. 8. deve lembrar que este negocio c
de mais de oito annos, e quaudo o Sr, sen fllho sp
achava o"g'.a >.'id:ide ._____________
Para carr mm
Aluga-se um t--rreno mnrado, na rua da Sau-
dade. que tcm com palings de frente e 3i0 de
fun Jo, com pequena Bjisa a telheiro para ani
maos, proprio para piinta-.-o--s : a tralar a rua
Prim.'iro de Marco n. i'l. 1-Jia._____________
Os aditiinistrad'Tes da iias-a faliiJa do An
tonio Josfi dos Reis, convidam os rreAires da
mesma a apnsemarem-Hies rmpn^tvua lilnlos
no pra o de oito dia-; p;ir:i seaen confe:idos.
Recife, 7 de novembn- de 1873.
Carneim cv Nigneira,
\dmin-stra lores._________
Garros para Goyanna.
Rua do liurao da Victoria n. 'J6, loja. ^^
rJGilNnuiiiiivj
Xa travessa da rua
dasCruzes n. 2. prk
meiro andar. da-se
i E dinheiro sobre pe-
'M nhores deouro,pra-
I ta e brilhantes, seja
qual for a quan tia. "
Na mesma casa
-;J| eompra-se os mes-
M Qios metaesepedi'as.
. ,. ... --J-JH C/s'uo .vt'i*'iv.5iC CCmW^'si JB
Alucase o armazem de recolher na ma do
Burgo' n. 1! : a tratar na rua da Praia n. 90,
a tratar com Jose Feliciano Nazarelb.
tarn
ffP,:iGi n 0, CU1C E TRIGUEIRO
'', ITonrn, Official do
\daaorda ordem d~ha-
Gutholica.
Leque.
Perdeu-se nm leque de martim dentro de um
des wagons d trern w volw>> & Caxanga no
dia 2 do corrente as 8 c 35 minute da nttc-: re-1
compensa-se a quern o entregar a rua -li Madre
de D:o u. 38, armazem.
.. O.t.-c .JeCb'rler deve oseu.iroma
ta: 1ms I al*a icaa oue ainda au-
;; .---: -mipriedarln therapawi-
,,.ir(u,-otornaoag;-ada-
i, '.ovrier complefcou a ua
,n i,, oKluretode ferro
11, ii.> Bfica'ban-HEWI
i i oU ode -^;:id >lo tmcalhnu t, rniRino-
ri..-.. !):].(> .-is prep.iedades do .<-o
,li i: no. e ><'. racil digestio e nunca
,::<.. -;;:s II (l<> M'lltl'P.
; .;:is ;i :.: :M?adcs medicas o pre-
.. .in :,.; ci;cr:' i ;--|iaracocs forruRino-
sas. '") ,\< i'.. << os casosera que
;p :: r : : Tistcn pulmona?,
igtiiiKi-I It. s '" iViimmi, R-rrofulita.
H?! pi:;-iiii, iiota KJioimintiimo. Ij-
ni-;- -i. <"' i^ileconcln* t"nior . Fr;qui i:< !<- -.-n^tlliii;ao.
I iteposito Ki p\nss: Pliarm CHKVRIER
"i\. Faubourg Mon(mart-e.
Na mesma iiharmacia ar)i?o-se o Viuhc
f Ri.itih de Coca, excelleiUes prepara-
jc;5et tonicas. Osjzranulos de Bisuuitii
compostos contra as diarrheas, d.
! ."rias, dore; d

lUGlVEL
J


uiapJd-ife Ptoafirtroaeo Terva teira 11 de Nwembio (to 1618.
x
TW uasa para a festa.
A!<(*a nma excellent^ casa bo Monteiro, tra-
-* if Xi-to, a qual s# acha em muito bom es-
de li-uiwwa : a tratar na rua Priraeiro de
3 io Crespo n. JO A, loja de Gurgel
&
DRSCOBERTAS MEDICINAES
PEI.O BACUABEL
Manoel de Siqueira
Gavalcanti.
t" o Preservative ila ery-
ripe] i : >ara eurar com certeza, e
iie tempo, qualquer ataque de
<;i, e prevenir o seu reappare
Mb Mln.
F.-tn inedicameato tanibem e muilo
*o-itw,, para o rtaeuraatisrao.
i o Ke^ulad(i' da metis
tnct^ao : para falta, irregularida-
<;, sii -prmaio repentina daraeistrua-
dos lochios, assim como para
in i m 'oSriinentw devidos aquellas
atfcrco-s. Ainhoa estes mediamentos
j; -V -,i u:io conoeftuados, e procura-
,1.. no-ta provincia, e na do Rio do
Jam-in.
icham-se a veada-soraente cm casa
d 11 tor, das 9 boras do dia as 3 da
Urd. a a qdalquer hora em casos ur-
gentes.
GRATIS AOS POBRES
ilu:i u Imperatriz n. 14, i andar.


$

Consultorio homeopa- '
thioo
Do

*
*
Dr. Santos Mello
41-------Rua do Imperaior-------41
Consultas todos os dias das. 11 a 1 da
Urde.
M Gratis aos pobres.
Residencia a rua Nova n. 7, segundo
andar, onde da consultas das 6 as 9 da
& manna e das 3 as 5 da tarde.
X Chamados a qualqncr hora.
****** ***** *
Attengao
Perdeu se na tarde de segundafcira am relogio
de ouro patente inglez, com nma correote de ou-
ro, porta-lapis, e uma cbave do feitio de ami sa-
c.arrolha e urn sinete com timbre; o relogio tern
da parte de fora na tampa nma coroa de aobreza,
a os ponteiros sao pretos e extraordinariamente
irrandes : quem o achou ee o hjvar a rua do Im-
perador n. 26, I* andar, recebera a fratificarao
de 3010100.
Escravo
:-
>%<
&
Perequito.
1V nrinieiro andar da casa de Antonio Jose
Ro.lngiM* A* Souza, a rua Nova n. 30, toou nm
pMwjaitt <:> iurafeito o fallador, levandn no pe
uun wirrcnt de prata : quem o tiver pegado
iltfctra t c*'"- '< n'.i geurtrosameute recumpou.-aJo.
fl-JU
a caa terrea na Una dos Rates n. 68, com a
{rente i>ar,t a/strada do Hospicio, com bastante
eo:..(in>'i > para familia : a iratar na rua do Mar-
qn Uma sonhora hom-sta que sabn bem
cozier om bui machina o por pequono sala-
rii, sp pnwta a morar em casa do familia,
pi-^iaii In os seas services : quem pretender
annii icie per esto Diario.
Garros de luxo.
K" in iu lionavel que a cocheira da rua do Bom
k n. i": de Joaquim Pies Pereira da Silva, i a
qs 'i'ij -.: ',. 'hires berlindas, calccas, meias ea-
tec e victorias de luxo, proprias para qualquer
s<"."i:l), vi-it.is de etiqueta, bailes e actos da aca-
irfu'iu, y : \.> os mesmos ajaezados de excpllent-'s
par- Ikas di- auiuiaes, arreios Inxoosos c boleeiros
Co fir! "./-niiis do ultimo gosto, para o que se
ei;I. an pobUeo a vir por si mesmo scientiO-
car-e ila voi ciade do quo deisamos dito, certos de
qu1- oao 'icontrarao pomada, e sim realidade e
il '!. p'ecos.
fugiilo
300#000 de gratifieaeao
Au.-entou-se desde o dia 13 de maio de 1872 o
preto de nome Alfredo, representa ter de 30 a 40'
annos de idade, 4 perfeito coziaheiro, alto bastaate,
e bem magro, pouca barba, olbos grande*, e muito
ladino, consta que tern pai no engenho do Sr. Lull)
de Caiara, em S. Lourenoo da Malta. Este proto
foi coziaheiro dos negocumtes Adriano & Castro e
Sr. Jose Joaquim Gonnalves Bastos, e .julgase
qu,; esteja alugado em algnm aotet ou casa parti-
cular nesta cidade, como tirro : pede-se a todas
as autoridades e capitae? de catqpo. que o desco-
brindo, o tragam a rua Ducjoe doCaxias n. 91, loja
u> miudezas do rival *tm segundo, que serao gra
lilicados com a quantia acima.
Cozintieiri!
Precisa-se de uma cotinheira para casa estran-
geira ue pouca familia : a tratar na rua do Com-'
mercio n. :<8.
Tra^passa-se a chave da loja da Iravessa d-i
Duqne de Caxlas n 14. coin uma a'rmacao to
da envidracada, propria para cigarreiro, oa ou
tro quali|uer negucio : a tratar na venda junta,'
ou com Manoel Azevedo de Andrade, a raa do'
Crespo n. 8.
DE
Fazendas finas
NA
ara banhos de mar.
\ nnr.il, N.ibuco A C, receberam de Pa
tv inl ties costumes do ultimo goito-
p ;! ho.nmis e seahuras que desejarem to>
mar lvi!ih > far u la pnra resistir a agua salgada, a ele-
gaocia 'o:- tr jos nada deixa a dese-
j.ir.
(:
Be
gJ.' .
qu-; i
Casa ilecampo
} so a qu.m qjuuer fazei os concertos
iri ><. n arreiidameato por algous annos, de
Mt-HaoU' .ara siia na Purta d'Agua,
B 'Mm In Dr J M pihn PireS Carneiro Mid-
telr.i, ,. .: !i-se ewriotora para mater seguran-
;*. '. k i'.! le 6 I-, iiio satdbre, e a ca?a muito
5'' r!.n inagnilii'O banlio de agua doce em
t*eph: iiiuitii Coinmodu visti> quo o trem passa
'j'rn'- ni.-in pretender node dirigirse ao Sr.
Kr..-: '. oeire M >n!etr>. em Apipucos. ao
: r iii Ignacio Plutt\ Ha rua do Bom Jesus,
o .-.. Cauftan, a rua do oninicrcio n. 40.
Garanhuns.
Ka raa
aiift; W -
Paes
MCM
do Baran da, Victoria n. 36, precisa-st
Sra, i'e-ii-'. dn Rf-go Chaves l'eixuto e
daSilva.'a Mfocio do particular inte
iScravo fugida.
100.^000 de gratifieaeao
Iteapn i de bovo,' de nor lo d.i barca bra-
. u e-.ravo Joaijuim. preto do na-
indo-heni vestida e caljado, deixan-
. :^:e: os eabJlos 3 Diotlo te mia cab^ileira.
f..-:.j--- rnvo pdrtanoedao bllecldb Dr! Oiym
i ,-'anvilnii aa Silva, que o havia comprado na
incia I Min;:s fern S. Join d'EI rei ou Ouro-
!*ei'), o mm eWe segoie p.irao Rio do Janeiro e
8alii para >--ta provincia, donde foi para Macett,
Ifsdo o vendidu alii a hrstino Epaminondas Be-
ves, a quen o coinprarain os abaixo essi;::n-'is.
Site euEhthar, occapacio a que eMna deoinUo,
r conhi'.-'; se pell faiia quo. 6 afneano.
Off-r"-*.'so .-i gnMSeacao aoma a quem o ap-
rrefwnilor e roga-se a todas as autoridades a sua
cap'ura.
Kecif'.1, 5 de oulutro do 187.'i
_____________Jose da Silva Loyo c\ l'ilho.
Antonio Dumingos Pinto, -quecendo resnmir
-, negm'in de moblfia, torn resolvido fazer urn
: batitnnutg '1-- 23 por renio nos pr^cos de snas
mabiiias, as inae* san : rtcas in bilias de jaca
rau4a a Luiz X fabricadas cm Franca, di'as do
ion o '|o r.nabio, ?ur!;,s-roupa do jacaran
Ai de mi goo e di anable com ept-lho, ricos
smaivlk), rieoi guardaslou-
ra, t>j}itoff>3 de jacar nda c de niogno, aparador s
de mo^no com lamp- de pedni, ditos ,\- amar.llo
ct'b armario. me>as claiiaa- para jantar. dit s
de mogn i i'......abas para almovo, nicninhas de
lai'gno tiara eustura, o uma inlinidade de objec-
! siM-ia onfladonha meaekoar^ tern i.m
prattle KnrtiineAtn de cadeiras de muitas qualida-
rua do liaifut Ja Victoria u. 37 e 38.
--------------------------------------,--------------------
1
1
Rua \. de lar$on.
DE
Cordeiro Simoes < C.
i
Ahr.'i i casa a 30, da rua das I'ernambu-
j, na i" oHinga ; a chavr para ver esta na ca
-:i jrnto n. 32 : a casa tern muitos eommod js.
Eagommadeira.
lava s cngoinma se com promptMie e aei-io:
r- priifipio da nia de S. Miguel


io portio rt-i Sr.
cm Afogadsn,
Camtiki Chaves.
Esitavo fiigitlo
Bfcapparereu ao amauhecer do dia 4 do cor-
. : ila. do eng'-nhp Sirigi, comarca de G.yanna, o
esryro d Dome lose BUfje?, mettre {n>lo aignaes .*egointea : eabra, iiadc .iOan-
jviuo iiimw ouHiiii.;s boa tlgura, um tanto
ao e esp.'daii'lo, sendo o signal main visivel
giKimia na junta do po e^tae do : roga-se a
j^rehendtr dltn escravo e leva lo ao referido en
?enfe, on 9BCa pn;-i a Oli>:-ir:i Filhos AC, lar-
go db G'-pi Smlo n. I!1, qiv -orao gencrosamente
rtc.ilapensa.ios.
E' csta casa, sem duvlda, oma das que hojo,
pode com primazia apresentar aos seus- weguezes
um variadissimo soniinento de faMBdas Tinas pa-
ra gjande toilette; assim como, para o nso ordi-
nario de todas as classes, e por precos vantajo-
sos para os compradores, de cujas fazem um pe-
qaen'i resumo.
Mandara fazendas as casas dos pretendentes,
para o que iem o pes:>oal necessario e dao amos-
tras mediantc penhor.
Cortes de seda de lindas cures.
Ditos do gorgurao de cores.
Grosdeuaple de todas as cores.
Gorgurao branco c preto.
Seiim Macuu preto e do cdres.
Grosdenaples idem idem.
Veludo preto.
Gr.madine. seda preta e colisnia-i de cj;:;. lin-
dissimas padroos e fazenda da ultima mrda.
Pouelinas de liudos .paUrovs.
Filo de seda branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Manias bra^ileiras.
i.oii-has de seda para noives.
Coriw de camhraia branca eoni lindos bordadnSi
Capellas e aianlos para n ivas.
Riquissirao sortnncnto de las coir. lirtras de s-da.
Cambraias de cores
DttM marip>zas, braucas e de cores.
iNansuck de liadea padioes.
Baptista de pa Iroes inui dolicados.
I'er^ilinas de qnadros pretos e brancos, de lis-
tras, etc.
Brius de linho de a*ires, proprios para vesiidos
com bam o lisiras.
Fustao de lindas cores.
Casaqtiinhua de la e de todas as eftrea, para. 36-
nlioras.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas idem idem
Ve-tuanos para moniuos.
Dilos para baptlsado*
Cl.apciis i ara ditos.
Toailias o guardanipos aAamascados ac Uu'oo dc
cores para mesa,
i.olcli.s de I ."
Cortinados b >rdalos.
Camisas bordadas para homem.
Meias do cores para homens e memnos.
Complo'.o sfirtiniento de chapeos de sol para ho-
mens e si-uhoras, com cabo A? marfim.
Merino de cores para vestido.-.
D.to preto.
Atoalhado de linbo e algodao para loalhas. -
Atoalh.ido pardj.
Brins de linho branco, preto c d? cores
Setim de lindas cores o. com listra*
Chalcs de merino de cores e pietos.
Ditos de casemira.
Ditos de seda preta e de cores.
Dito de touquim.
(.amisas do linho.
Ditas de chin.
Ditas de flanella.
Ceroulas de brim e algodao.
Damasco de la de cores.
Pamtoe de crochet para cadeira, soft e cwh*
i'olcha* do dito.
Tarlatana de todas as cores.
Espartilhos lisos c bordad >s
Foulard' de seda.
Ca-aoo= a tricot.
Riios eortes de vrsWob do tint. para seiiiKira,
de di orsas cores, com os compeieutes cofei-
t^s. ultima moila.
Casemiras pretas e de cores, chitas, madapoloes,
cambraias. panno fino prelo o aul, collannhos,
pnnhos. gravatas, luvas de pelliea, ditas d flo
do Esc cia, braocas e de dores, tapetr-s de todos
os tamanhos, bidsai de vingom, etc Na loja ilo I'asso, rua Primeiro de M arjo n.
A. anliga do Crespo.
'asaspara alugarpara a fes-
ta ou por anno
Dm sobrado no Poco da Panella, na rua do Rio
n. 3, com 4 s -las, 5 quartos, sa eta, cozfnba fdra e
quintal murado.
I'ma boa casa terrea nova com cocheira, estri-
barja poqueno sitio, a margom do rio, n. 33 da
mes^a rua.
Uma casa pequena. porem eom boas commodos
na travessa da Iruz das Almas ao pc da casaver-
molha n. 2. Tolas a tratar com o toaimeiidadoj
Tasso.
Veaie-so uma taverna em pmtp peipieoo,
propra para quen quizor piiucipiar : na rua de
^. MigueL tm Afogados, n. 89 : a trata* na, mesma
com o seu prpriuiario.
COMSULTORIB *
MEblCO-CIHURGlCO
W. DO
0 Dr. J. M. CurU J
5 Rna do Marquez de Olinda n. i\ Prr
ineiro andar. "* "B
W Consulta das 0 boras as 11 da mlobA. *
0 Chamados a qualquer bora. .(
**-****** *****
CitosuIlvfiQ iuedico-cirurgico |
A. B. da Silva Maia.
Rua do Visconde de Albui|aenjue W\
11, oalr'uraruii da matrix da Boa-Vista Gf,
n. H.
Chamadm : a qualuaer hora. C
CouUas : Aos pob/es gratis, das 2 as
ffl 4 boras da tarde.
f^KSSdtSKSQ'n
Coasuttork) mSk
Or. MnrilU.
BUA DA CMJZ If. 2.. APAR.
Recem-chegado da Enrepa, oo> fre-
qnentou os liespUaes de Paris e Londrcs
pode ser procurado a qaalqner hora do
dia ou da noute para objecte de ska pro-
fiasio.
Considtas do meio dia as duas horas
da tarde.
Gratis aos pobres.
^Mi;ia/i(i criaBca e de malher.
Emprega no tratamento das molestias
de sua especialidade as dachas friat e
banhos a vapor, pan o4 quaes trouxe
os apparelbos mais modernamente em-
pregados na Eun.pa,
Tanibem applica com grande proveito (
no tratamento das molestias do utero a
electric idade, polo processo do Dr. Tre-
ior am processo inleiraroeate
innorrhagias e sobre tndo a
dispensando as inje^cdes. 2J
6 1-9-ftUA NOVA1
m\
J. M. Leroux, cirur-
giao dentista, succes-
sor de F. Gaatier, s-
pera oontiauar ame-
recera confianqa dos
clientes da casa, e do S
r^peitavei publrcoem %
geral. I

Aluga-^se
ama casa na Varzea,ao Corredor do S. Joao, nwj
te-fresoa, e perto do rie*. a.tratar na rua da Im-
peratriz it 6, Joja.
Ahigase Ires eases proximas a estacao do
Caxanga, proprias para passar-se a fmia pet ter
banho perto : a tratar n. taverna junto i*acao.
Slugi-se nma casa no Monteiro n. 59, com
commodos para familia : a tratar na rua do Ba-
rio de S. Borja n. 55.
k
m
mfflMs*

Cobre e latao.
Compra-se cobre, tolao e chambo velbo :
no armanem da bora am.irella travessa rl*
rua dr Imperador.
Compra-se fluas venezianas tiOTMOu
eom algum uso, e quo estejameai bom es-
tado : na rua tto ferao da'Victoria n. 5.
Compra-se
am sitio nos arrabaldes desta-cidade, onde pas-e
linha de fcoads : a tratir na rua do fmperador n.
48, armazem. '
BAZAR IIV1SAL
Rua do Barao da Victoria n. 22.
DE
Carneiro Vianna.
A' este grande estabelecimento tem cbe-
gado um bom sortimento de macbinas para
eostura, de todos os autores mais acredita-
dos ultimamente na Europa, cujas macbinas
$io garantidas por um anno, e tendo um
perfeito artista para ensinar as mesmas, em
qualquer parte desta cidade, como bem as-
$im concerta-las pelo tempo tambem d'um
anno sem despeudio algum do comprador.
Neste estabelecitoento tambem lia pertengas
para as mesmas macbinas e se supiire qual-
qaer pe^a que seja aecessarie. Fstas ma-
cbinas trabalbam com toda a perfcicao de
urn e dous pospontos, franze e borda toda
qoalquer cortura por, fink que soja, saas
pr-e^ossao da seguiiitequnlidade : j-ara tra-
balhar a mao de 305WOO, 40$00t' 459000
e 509000, para trabalhar com o yi sao de
80*000, 909000, 1909000, 1109000,
1209000, 1309000, 1509000, 20OC0O0 c
3509000, emquauto aos autores Bao ba a1-
Iteragio de pretos 'eos compradores poderao
visitar este estabelecimento, que muito de-
'verSo gostar pela variedade de objector que
lha sempre para vender, como sejam : cadei-
(ras para viagem, malas para viagem, cadei-
Iras para salas, ditas de balanco, ditas para
crianra (alias), ditas para escolas, costurei-
"ras nquissimas, para senhora, despensaveis
ipara criaugas, de todas as qualidades, camas
de ferro para homem e criancas, capachos,
fespelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhos de metal para chi, fa-
queiros com 'cabo de metal e de marfim,
ditos avulsos. colheres de metal fino.condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios completes, ditos
simples, objectos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
quo visitarem este grande estabelecimento'
que se acha aberto de^de as 6 horas da ma-
nhS ate as 9 horas da nouto i
Rua do Barao da Victoria n.
22,___________
WloTra mais cabellos
broncos.
IINIM1 JUfBIEZil.
S6 e umcaiinprovada pelas acadiiiaias de
scienciaa, recowhecidu superior a toda que
tem jfppareeido W boje. Deposito princi-
pal & rua da Ga'Soia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e casas de caLeliai-
reiro.
-
Nenhuma machina
Singer e legitima se
nao levar esta inarca
lixa no bra^o da ma-
china. m
Para evitar ialcifi-
cacoes notem-se b$m
todos osdetalhes ':;fc
marca.
AS MAGHINAS PARA COSTUBA
DE
1$,
^ NAO TEM RIVAL
MAIS DE lirmiUl) TENSE VEJUHM /
Porque?
Sao as melhores
Sao as mais baratas
SSo de dous pospontos
Sao mais simples e rapidas
Sao duraddras e aperftic,oadas
Sao util m uma casa.
v>ni

R
Faz meJhor eostura com metctde da IMa que gadam
as outros e fornecem um meio de
VIDA
Para aquelles que Iem de sii&leiilar-sc
m
Querem agradar d yaya ?
Querem agradar a esposa?
Querem agradar a lilha?
MACHINA DE SINGER
Nenkuma casa esta compieta smt mm
MACHU7A DE SINGER
Sem caixa S0900*. Com eaixa;99O0O
UmCA AGE NCI A
EM
-Carapra'Se nma esWava do meia idade, ju_
saibatavar, angommar e cozinhar, (rue nao lenha
vicio algum eseji sadia : quem tiver nessas con-
di^Sea e qnerra vender, annuncie por este Drario,
ou iriia se a esirada de Joao de Barros, sitlo n. 21,
que aehara com qaem tratar, das 9 horas da Tha-
nh* as 4 da tarde.
VINDAJ,
JACVIIVNHA'.
Tem para v, ndcr Josqulm lose Goncalves He-I
a 0 Pillio : a tratar no seu osc'riptorio a rua
do Commercio n. S.
Ouerem ver!
A I6ja oa r,.,?a Branca, na raa da bnperalriz
n. ati, vendc madapolBo franoezimAo bam a 6ft
e 7*000 a ffcea, '"Jos yendem jwr 8a.
Ccnvja bmm Mm a ($000
gig-i te 12 garrafas.
Se acha S venda na rua do Commercio n.
24.
'Ve&ije.-se uma cabra
Da rua da Per.fu n. 25',
(bit-bo), b6a Ieiieira
l. diWar
A loja do P3s?o, a rua do Crespo n. 1 A, reee-
ben pelo uMkivj paqaete, ricos ehapeos para se-
nhnra nltinia mla.
i. ca-r na ua de S. PYancjsCO n
trifer mi rua d* imfieriur*'. u. 8, loja.
1
SobFfcjdi> a alugar.
hr do ?otirado siw a rua it Hi, (urtr'iira Krum : v\
" Piveisa-so nh.-cimeat'> diia a nih bem ornb&r na rna do Map-
ifiti tterval n. t, Cone rfla e Ccwaieroo.
I.ir3pd.i
w*r
V'eu le-se a taverna do pateo do Terc* Di
II, las>Uiute afreguezaila e com pouaos [nodes,
prepria para priniripiaute, e a ratio stdlra ao
couiuradur : a iratar na mesma.
EMOM MADEIRA.
Precba >c Jo tma pi-neiU enporaraadcira : na
ra.i n 199 em S. Jos6 do Manguinho, ruado Vis-
c iru'! de Govau'ia.
isa-se de um ciiado para mna wsa if
iwiii.,1: a lttw m Iravowa do
1, Oscriplvuo.
a 40D rs. o cotado, a rua do
Queimado n. 43, emtrente
a pracmha.
Batistas lina> cum liiidan dtw^Uus a 400 rs o
covadrt : So a ruxdo Qoeimado u. i'(. loja defiiier-
ra & Fernando?.
Hadapolao I'rancez
a 6^5t)0 a pea!!
MsJapolao francez fino com poujo sujo a 6*500
a peca ; 4 ^echincha I na fu dcr Queimado nu-
mero 43. _________
Vende'-.e duas 'casas (te taipa cobertas de
telha, no Jonlao, lufar muito fresoo e gadlo, pro-
Srio para ae passar a fes*a, lt**e e desembaraca-
as : a tratar no mesmo lu^ar, na segunda casa
de telha, pasando a bomba.
Df Wren 3e Anns a sols cavallos : a venda ac-
armazem Oa Joacfuim Lopes Machado & C, tf-a
vessa do Corpo Santo n. 23.
Oalcado estrangeiro.
Aproxima se o mez de dezembro, tempo em
|ue o fifris na America, a rua Duqne deCaxias a
o9, 1 andar, torn 4e dar o sen balanco, por esfe
motivo, os proprietarios deste estabelecimento es-
tao resolvrdus a vendereai seas calcidos pelo ctu-
to, afun de minorarem o trabalho ; aim pois os
apreciadores do bom, e coin pecialidade o sexo
amavel, par.'i quem o-Paris na America, conserva
com a devida ddeencia) o seu p.ibincte reserva-
do, para a ccolha de calcado, aprrtveitcm e Ve-
aham mnnirem-se do que precisarem.
Pomada britaunica
E-ta nova pomada, descoberta Ingle ca, que tao
bem merecido credilo tem adquiridc na Inglaterra,
poaue a propriedade de amsciar os cabellos, dar-
ines o nwi.'j bello lustre, obsiar a qne elles caiara
e go.-a especialmeirte a inapreciavol v>rtude de vi-
gor a r o bolbo capilar e impedir o embranqueci-
mento aocabello.
Unico deposito na
PHARMACIA AMERICANA
Wfin* Beqae 4Caxias '<",
FFUREIHA MAI A d" CQMPAXHIA
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 4f
Potassadalinssm em meiot-
karris a 509 rs. o Into
poucee dias : vende-st a-
Pilhos 4 C, largo dc Coro-
Daaembarcada ha
escriptorio de Oliveira
Santa-n. 19.
Vcside-se
un\a casa terrea n 43, na villa dc Una, perto da
estafio, a rua Bella : a tratar na loja de calcado
h. 9, a rua do Eivramento, ou na mL-sma villa com
o,8r. Amarat.
J. 0. Doyle.
___. Banhos em Olinda
Tem para veir :
Cognac dd Henuessv, superior e verdadeiro
Vinho Xeres dae meftors qualidades.
Bitters de Angaatnra.
Whisky
Cha pre* ?m hMai de 10 libras.
Todas aa prepaMtfes ebiraicaa do Dr. Ayur; ao raitatt. n
'armazem dftltf* Camiaas e-ealca* de fawmda d-* fcda Jiunlidaue,
poprias para os hMh* em OHtiiia : rtalojidni
ariNfariafriiholro de Mareo fantiga de Crespe)
D.M A, d*Gurnel*) Amarai > C.
y ** ------4- t.**-----------------1---------------
0
Vewao^o a arinacao da ta>err.i sir-, a rua Ob ,saA. a 400 rs. ,o cva4o.
rTanznc camb
HBGHINCHAS
516 o n. a
RUA DO CfiESFO
loja ms 3 mm
ccntinua a vender muito baralo para apiirar
muito rJinbeiro.
CASSA LA
Chegou esta fazenda,sendoliadospairoe9, even-
da se pelo diminuto preco de SoO 'fs. o cova4o, e
pechincha 11 dao-se amostras.
MCTIVS
Proprio para vestidds 6 que ha de mais grsto,
padroes novos, pelo preco de 400 rs. o covalo, e
pecbineba f I doa-se amostras.
LAS ESCOeEEAS
Laatabas escoeezas, padroes bonitos, a 24 rs. o
covado.
Ditas com Iistras, padroes moderaos, a 280 rs. o
coyado.
Ditas la o seda, padroes modernos, a 610 rs. o
cwado, 6 pechincha I I I dao-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padroes bonitos, fazenda de
1*000 a 400 o covado, e pechincha I I dfio-sc
amostras.
CRETONE
Cretone em pecas pequenas, com bonitos pa-
droes, pelo diminuto preco de 400 rs. o covado, 6
pechincha I dao-se amostras.
Cortes de casemira dJ cores, a 5*< 00 cada nm.
Cambraia dc linho de cores, a 360 rs o covado.
Ditas prelas para Into, a 240 rs. o covado.
Fustao branco para roupa de msninos, a 560 rs.
0 cpvado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
vado.
Cobertas de chiia adamascada, a 3*500 rs.
Cofchas brancas e com barra do cores, a 3*500
c 4*000.
Lencoes de bramaate, a 2*000.
Diu* tie algodao, a 4*400.
Toalbas akochoadas, a{6*000 a duzhi.
Ditas felpudas, a 6*300 a duzia.
Lencos de cassa com barra, a l*0W) a duzia.
Ditos do cassa abanhfcdos, a 2*000 a duzia.
bttoa doesguiao fines, a 3*500 dnzia.
Cambria lisa muito Unas, a 3*000 e 4*500 a
Atpalbado adamaseado, a 2*000 a vara.
Dito trancado, a 1*400 a vara.
tiistoes de cores, a 1*000 o corte.
Chales da merino liso, a *O0.
Ditos estampidos, a 3*5ftOA*00O e 4*300.
DL'os com listras.nuuto.-finps, a o*800 o 6*000.
Esguiao mnitd fmp,.a 1*000 a vara.
grim preto titanQado,^-2*T)QQ a vara.
'ftfaroante de algodao, a. 1*600 a vara.
pilo, de rjnho de 10 bauo'ua de largura, a
2*T0e2*800a vara.
Algodao raarcaT, a S^OOOa pea.
ORcKdOflteirtica, a 31*000 a peca.
,Jtaii* do algodao ji hstras pr.ijirio para cami
;S6na rua do Crespo d. 20.
Loja de
| Gaiilhernie db 0.
Cafe do Rio
' Vende-sc na rua dc Marquez de Ollirti auoio-
ro6.
Piado!
Rua do Barao a. A'ictoaia
n. 22.
0 proprieiacio de fstabelecimeato Bazar Lnl
versal tendo de trans^erir o mesmopara outre
lugar e teodo grande deposito de Mavbioas d*
cusiura de todos an tores, resolTea veader a
Pit.VZO, mtdiaate a oonveacao que se puder fa-
zer com cs pretendentes : a rua do Barao da Vic-
toria n. 22.
Antonio Duarte Carneiro Viacna.
Ie \sHiiients
le l>ii|Xi >atl<
Ue l>ai!.-s
De soirees-
De aliil Me InirettW.
e bicknlelw.
De eeias.
De tudo de lutfa
Seenoanx-ga a confeiLiria do Camp1
E alem ilissp
A cohfeifrsna do tjampcis
EsU sempre provida
De tudo quanta i precise pars
Uma feoa mesa.
&ta do Imjjeraaor *. 24.
I
JPIO lE
a waf na raa do Vigario
"I
nc cambrai^fle cofes muhu fiua, polo di-
ffiiauto prejo de MV-rK-'o Writto.
Tem para vender em sen escriptori
Jos6Goncalves Bellrac & Filbc, a rua ~*
cio n 5.
tj i I
Ao beub sexo.
Goaaaij i Le^wfjeiiprMa-ricoaitwiWs,
|do seda, faztud.i inWramentd
o*ra*,, 1.eee4e-VO*O00 e eort
qua J*Jsm: s ? 6a' ty* d


#

I
*
Diario Ja Pernambaeo ZTerga feira.il 1 -do NowwbfrS & fetM
DE HOWE
bois mm
SOARES LEIIE, IRMAOS
UNICOS ACENTES
A'
Rua do .too da Victoria n. 28
IS. 4Rua do Cahugatf.
JOSEPH KRAUSE & C.
<
GOH ES DE MATTOS & IRMAO
Avisam ao respeitavel puhlico desta cidade queo sortimerrto de joias, dc sahnfti va
lor, quo existia em sea estabelacimento, csta* completamcnte reforcado com o mais ele
gaote sortirneiito de noras joias, que receberam directamente pelo ultimo yapor da-Eu
ropa, constando elic de mais variado sorlimento de aderecos i Boulevard, pulseiras d(
ultimo gosto com podras preciosas e sem ellas, brinces d'argola, agraffes para fclogio dt
senhoras, dclicados aderecos para meninas, meios aderecos de camafea lindissimos, toltaf
de nogordios para senhoras, correntes inglezas de ouro e de platina, variada quantidadi
de botoes para punhos e peito, com emblem as maconicos, de onix, tecido de ouro, caita-
.. f feu, etc., brilhantes monstrosdc rarissiraas agoas, em anners, rozetas, pulseiras,alfire
18 DiaiS SlllipIeS, as maiS barataS e aS melilOreS (ID mUndOI tes e botoes, e outros muitos ohjectos de ouro de melbores fabricantes de Paris, que
Na exposicfio de Paris, em 1867, foi conoedido a venderao com grande reducjio de precos, por serem elles recebidos directamente de sen>
committentes.
Elias Howe Junior, a medalha deonro e a condecora- > ^ proprietarios do acreditado MOZEU DE JOIAS, tondo seu estabelecimento abert>.
c8o da Legiio de Honra, por screm as machinas mais per.' ate" 8 horas da noute, convidam as familias que se quizereraprover de lindas joias,*
fettas do mundo. !ylTfim escolbe-las d vontade, para o que eej em exposicao nos mostradores.

i
A medalha de ouro, conferida a E. Howe Junior, nos
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de cos-
tura.
A medalha de ouro na exposieJo de Londros acreditam ,
estas machinas.
A 908000
Cabe-nos o deter de annunciar que a companhia das machinas de Howe de Nova-
fork, estabeleceu nesta cidade .1 rua do BarSo da Victoria n. 28, ura deposito e agenda a
MCHIHAS PARA C0S1URA
A 25#000 e 45#000.
BOUS POSPONTOS
Na lojade Soares Leite Irmaos, a rua do Barao Victoria n. 28.
pellica com pequeno toque, Espelbos de mold ura doura-la, de todos
Lavas de
200 rs.
Abotoaduras
para a?]\tiU\ grande sortir j
taral, para cm Pernambuco e mais provlncias se venderem as afamadas machines de cos-
Bra de Howe. Estas machinas sao justameute apreciadas pela perfeicao de seu trabalho, mento"a 120 rs.
ompregando uraa agulha mais curta com a mesma qualidade de linha que qualquer outra, (^aixa de linha de raarca a 200 rs.
* ln mtroduccao dos mais aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a Lamparinas A eaz dnndo uma lux muito
eroeer ao exame publico as melbores machinas do mundo.
As vantagens destas machinas sao as seguinies:
Piimeira.0 publico sabe que ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
4rcomstancia de nuuca terem apnarecido no mercado machinas d Howe em segun-
* mio.
Segunda.Contera o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
Terceira.Ha nellas menor friccao entre as diversas pecas, e menos rapido estrago
*> quo nas outras.
Quarts.Formam o ponto como se fdra feito & m5o.
Quinta.^Permitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o que so nao consegn,;
**t outras.
Sexta.Faxem ponto mindo em casemira, atravessando o fio de urn a" outro lado,
i logo em seguida, sem modificar-se a tcnsao da linha. cozem a fazenda mais
Espelbos demoldura doura-la,
os tamanhos e precos.
PEKFL'MARIAS E MIUDF7.AS.
oleo Onza verdadeiro,
tea.
Setima.0 compressor 6" levantado com a maior facilidadc, quando se tem de mndar
agulba ao comecar nova costura.
Oitava.Muitas companhias de machinas de costura, t6m tido epocas de grandeza e
J#cadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi descocbecidas, outras soffreram
ndancas radicaes parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
4optando a opiniao de Elias Howe, rnestre em artes mechanicas, tem constantemente
gmentado o seu fabrico, e hoje n&e attende a procura, posto que faca 600 machinas
or dia.
C*da machina acompanha livretos com instruccdes em portuguez.
A 9(^000 A 90^000
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
do Barao da Victoria
2 8.
boa, a 19000.
Ouzia de pecas de cordao imperial, a
240 rs.
Caixa de botoes de osso para calca, a
200 re.
Duzia de carrpteis de linha, 200 jardas, a
GOO rs.
Idem idem CO jardas, a 240 rs.
Maco de fita chineza, a 800 rs.
Caixa de linha com 40 novellos, a 500 rs.
Meios aderecos com camafeu, a 500 rs.
Garrafa detinta roxa extra-flna lO0
PotSs com dita ingleza, preta, a, 104 e
160 rs.
Caixa de pennas Perry, muito boas, a
19000.
Idem idem, a 400 rs.
Caixa de enveloppes tarjados, a 500 m.
Idem idem forrados, a 700 rs.
Caixa de papol amisade, beira douud*,
a 800 re.
Idem idem idem lisa, a 600 rs.
Duzia de talheres cabc branco,
5JS000
Resma de papel pautado, a 4#000
e 59800.
Idem idemliso, a29800, 39800 e 59000.
Coques modernos, a 39000.
Dtizias de pecas de trances de caraool
branca, a 400 rs.
Idem idem lisas, a 200 rs.
Leques de osso e sandalo, a 2900O, 49
Frasco com
19000.
blem comtonico de Kemp, verdadeito, a
19000.
Garrafa de agua florida verdadeira a 19200
Garrafa d'agua japoneza,, a 190O0.
idem idem divina, a 19000.
Idem idem Magdalen a (rwviiaule) a
15200.
. Caixa de pos para den tes, a 200 rs.
Idem idem de pos chinez, muito bom, a
500 rs. e 19000.
Pole com optata de Ricger, Itimel e Gros-
oel, M)0.
Duzia de sabonetes de amendoa, a
39600.
Duzia da sabonetes deotnjinho transparen-
tes, a 29200.
Idem idem com (lores, a 19500.
Sabonetes Glycerino transpweBtes. a
19000.
Caixa. com saboiiete, formato de fructas,
490AO 19500.
CosmeuYos, graudes e j>eqqeBOK, a 180 o
B., a 800 rs
feascn contagua df*eolagne, a 200, 820,
300 rs. 15000.
Extractos muiui finos dos m'lhores au-
toros.
Lindas eelegantes caixinhascom perfuma-
nas, prapriae para preseiites, dos autores
E. Codray, Riejpet, Gelle l^eres.eto.
Quadros com santos e estempas scpra-
das.
flnlretneios e bab^dos transparentes e ta-
Tr.j-t s
Na rua cslreitado Rusarin n. 28, vendese niobi
lias de jacarandn, noia nesa elastica de 30 palmu.-.
um iiuarda lonca pran'Je, nma cama de fern t
mais pe^as avul>a*, tod;i* hem ct'nstruidas, por
pre.o nais coniniodo du i|ue cut uutra qual.|ui r
parte.
FAZENDA
400
rs. o
NOVA
covado.
grande *abelet propria para qual-
e69000.
Fita de velludo de todas as cores e largu- pados
rs. IJm
Microscopios com 12 vistas.fa G900O. qne*^.i.
Frasco com oleo paramSuihinaa 400 rs.
Rua do Barao da Victoria n. 28.
Lindas poupelinas de linho e seda de c6res, lazenda muito
em uso actualmente na Europa, e inteiramente propria para
a presente cstacao, pelo baratissimo preco de 400 rs. o co-
vado.
Na ruaPriiieiro dc Margo (tnliga do Crespo) n. 13, loja
das Columnas, de Antonis Correa de Vasconcellos:
Xarope d'agriao do Para
Antigo e conceituado medicamento para
| cura das molestias dos orgaos respiratorios,
j como a phtysica, bronchites, asthma, etc.,
| applicado ainda com optimos resultados no
! escorbuto.
Rua do Brum n. 76
Vende so zioco puro de superior qualidade,
qu
Undo
4 de largo, por pre go
jproprio para cobertas de casas, medindo II pal
i raos de comprido e
1 em conta.
mnito
Burros a venda
J. Deitd a visa a *ous freguezes que eata em via-
gem para as proviiicias de Ala^oas e Pernambuco,
conduzindo excelleute tropa de burros ; passara
por Penedo, PBar, Castariha Grande, Porto Calvo,
Barreiros, Rio Formoso, Kscada, Cabo, e provavel-
mente por Santo Amarn de Jabontao a Nazareth ;
por iaso .pode ser avisado ou encoutradw em qual-
3uer destes lugares. Larangeira^, 20 de ouiubro
e 1873.- _____________
Vende se uma mobilia de amarello em per-
feito cstado, a diuheiro ou a prazo, na rua de Hor-
las n. 86, sobrado._________________________
fa venbdeiros
Vinhos de Bourgogne
das DiarccS
Cbambertin
Pommard
Virits
Voluay
Beanne
Monthelie
Dito BorJeaux em quartollas.
Vende-sc |Mir fofrte |ire$o
PARA LIQUIDACAO DK CONTAS
NA
Rua I.ar^u do Rosario n. 34.
Botica.
)

lINGERIMIII
Para attender aos numero-
sos pedidos estd resolvido t
vender suas afamadas machi-
nas de costura
WTWLA.WM**
NA
CASA AMERICANA
4S Rn;i do 1 jipcrador 45
A Magnolia, a rua Duque dt Caxias it. 15, eo-
jtiDtra oimpletameote sortida de todn o ntve5r^no
a sali-fazer o mais ditninuto df*< j'. a'.i :uais aKo
ic^pricho das Ex mas. qe priraam u.i nim'a.
ius ani<', Bin
m enfaiiara de escoiber minucio.-aiiiPiitf ;< q*u b*
de mai!< njvo, bello e agradavel, e roi. ett.-r Ice,
com o tim somente de conservar an rttt* !r"|oe-
zeseao bello sexo quo a procuia uio n'i" ttcil
de bem mpri-loa. Nou seguinies ariiy. |-r fcwnn-
pio : um enfeite lindo e ruoderno,o^ia liia .Uiiioa
e fazenda superidr, um bouilp h miuprelo '.lieri-jo
de tartaruga, nm leque d untornra. iuadr-P'-ttU,
maiTim, rnarao o-so e pliaotasia ; mi ua.i cli-
ulia bordaila. mod e-partilhi^ iiuissimo.-., eabus cci! s>-..
rum perlumarias, ditas cum >'s| j'
de nmsica, para cusiura, armin'T f.-izend* h^rot
priada a irmda prescnieraenti-, pnlit-irah il ia^u*
quasi ouro, ditas de tartaruga. dita* de i.nd; u^t-
rla, voltas de madreperola, 0,111-,is t r.xbi
muito Unas, extiactos dos meRioies faii)-i*anito
i'les, bantias, eosmetiques', ag" ilwiinfre, ffltopf
tTQ*m, pos do arroz wrdadeiro. w\w. u- rnr* e
muitos obji'dus quo a meucionar >e ivnxs -
doubo.
Bico do seun.
D-ste arligo. 0 si rlimrnlo e rarndf cm l- e fores, a qiialidadV *iperitir ; na" e iLdirt. eate
a-inodiitas e ao btllo sexo esla rn.e^>0 irqne
muitas ve^ts, v^-se um vestido j.':."Ji:'. '.-B^f-te
furqne 0 enfeite nSo eoherefrte mi a ia.*i-wla.
elizmente, com o sor-imenude Ivcos (!r.*-s.de
Ceros, preio e brancus quo roaatup '' MagMMli *
rua Duque de Caxias n 45, lira Franjas mosaicas
Deltas bonitas IraDjas, a MagPulia, ? nth Daqne
de Caxias n. 45,recebeu pew i>iim> v..,..., novo
sorlimento, a ellas; esta fazpoiia ^prat!.. iooito
aqui e na Europ.i principalmcjite, ar a;r.aulM do
chquismo nao as dispensam em f?t wst'dos!
Burboletas artificiaes
Que br n juedo engra^ad 1 para enlfCj r as trian-
Sas, sin as borbuletas artilWiai'.-! vejain :v paes
e faini'ias e rompremque nao *e ;iiiti,e!ii''r3o ;
ja lem pottcas: na loja daMngii"'ia. 1 ri a Onque
Pechincha
Lisinha, fazenda de ii por 400 rs 0 covado.
sendo dalargurade alpac, padrdes bwiito- ; dao-
se amo! tras: na rua do Crespo n 20, loja de Gui-
Iherme cV C.________________________________
IK-ce lino de (iJaha
na ven'.: I.apa
Veade-ae no pa^o do lerco ns. 4e6, dooes
linos de todas as qualidades p gelea. a retalho e
por atacado : unica cast que mtlhor pode servir
aes compradores. A's tercas e sexias feiras ha
regnetjao._________________________________
VENDE-SE
* taverna sHa a rna do Vlsoonde d' P. lotas n. 1
outr'ora rua do Aragio, prnpria para principianle
por ter poncos fundi s : a tratar na mesma.
de Caxia: n. iV
Sal do Cabo T'crde.
Tem para lender Jcquitn Jt; ves Boltra" d Filho, a bordo do b'ijue por-
tugupz D. Anna, fundcado .'rfru >>t'. .id tra-
piclie Alfandega Velha : a tr.il.-r a 'kt'Joo*
no seu escriptorio a rua do Curamerci
n. 5.
Extraordinaria pechincha
2#500
Colchas de alg >dao adamascadas para cama
pelo baratissimo preco de 23500 na loja do*
arcos, de Gurgel do Amaral C. a rua Primeiro
de Marco (antig? ao Crespo) n 20 A.
- Wfl-on Itowe & C. vendem no seu armazem
a raa de Commercio n. 14 :
0 verdadeiro p-mno de algodao azul amencano.
Excellente fio de \pla.
Cognac de 1' qualidade
Vinho do Bordeaux.
Carvae de Pedra de todas as qualidades
Antonio deM uraR lim&C.
VENDEM :
Optimo cafe" do Ceara, e algodao
Maceio preferivel ao da Ba-
de
bia
A 400 RS. 0 METRO
VENDE-SE
uma casa na villa de Barreiro9, na rua do Com-
mercio. por preco modico : a tratar com Tasso
Iebimb 4 C
-Novo estabelecimento de
cera.
Na cidade .da Victoria, a rua da Imperatriz n.
48 A, vende-se e trora-se cera de toda qualidade,
a qual se affianja por ser feita na terra, e 0 seu
autor foi premiado na exposicio de 1869.
Iff,
Vende-se nma linda victoria enn asseaios ,
feita de encommenda em Paris, c< n r.rrei > par*
d'His cavallos : na rua da Aurora n. '0. oada po-
dera -er exaniinada das 9 tiaras da 111: ana M is
o da tarde.
Vendese a bordo da barci poctu|:veza S. Ma
notl II, ou na rua do Vigario T< uorio n. 17, es-
criptorio de Tito Livio Soares. ______
Jorna! de Fabio [U'm.
Rcvelacdes ao povii.
EsU folha, destiuada a desma?ca:..r 0 jtzuitismo
aos olhos do puvo, c dedicada ey:H i'^iii-nte a
Suestao do dia ; scha-se a vend-" ri tyo.grajbia
0 Commercio, na livrarias da c?dSde.
Preco 100 rs.
Sumraario do 1 mmkvo
Molina.Ao povo. Prospecto. J.<:. Ju-
mento.- Loyola assassino. A ma-; maria. Ham
exemplo. Expulsao dosjesuitas. 0 iir^ce^o do
bispn. Ultima phase. Destacam-r*'". A* msdres.
Caixa pia. Cathnlica -Seniiiuuij Aviso.
0 abaixo a^signado julga al>'' h 'Vila de hoje
nao dever nada a pessoa algmo- < ;v\\ :i!e que
se julgar sru credur qncira eamp?recer ds ciaa-
de de Olinda rua das Mangueiras n. 7.
Jose, da Graca Torres.
Farinha de araruta.
Vende-se superior farinha de awcutai taolo em
porcao como a retalho, por preco iue ajmira,
visto sua qualidade ; depositor nos jpg lim.s lu-
gares : rua do Vigario n. 26. tua do morim
n. 38 : Iravessa da rua das Crazes p. .1 oJd rs.
a libra a retalho.
Sal d'Aveiro.
Vende-se na rua do Commercio n i8, priOMtro
andar.
As unicas verda dci ras
Dichas hamburguezas qne vem a esto 'ii.-rcaio:
qn
u.i ru. Marquez de ulinda n.
75
f>
DOS PREMIOS DA -IU PABTE DAS L0TERIAS CONCEDIDAS POR LEI PROVINCIAL N. 946 A BENEFICIO __1__1---------------------\ , DA SANTA CA9\ DA ..--------1--------*-------------------- *.^ MBSRiaORDlV DO RECIFE, 1 3XTRAHIDA EM 10 DE NOVEMBRO BE 1873.
Ml. PRBMS. NS. PftEMS. Ns- PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS NS PREMS. NS. PREH8'. NS PR RMS.. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS NS. PREMS
II 4 299 4)51 561 H 811 # 1040 1W 1343 1C07 1836 M 2008 W 2362 40 2644 40 2887 40 3159 00 3344 40 3561 40 3738 40
27 ' 304 rr- 64 .. 15 41 H 45 14 M> 37 99 64 45 91 60 45 70 48 -mm
28 1 65 23 42 50 19 38 2103 i| 65 - 46 2902 71 __ 65 74 49 .
29 : 18 70 e# 36 48 51 26 43 W 8 6,7 53 . i 73 ^M 66 79 7 _
32 --- 20 81 4 38 64 54 27 m 51 H 13 70 a* 56 *J 6 74 __ 70 ttC 80 104 90 n
:a - 22 --- 604 52 87 64 29 m 69 > * 74 - 59 H 77 __ 73 40 82 40 3805 10
38 - 28 16 53 ' 1106 71 1004 39 72 40 40 78 - 72 12 88 . 78 85 10 4#
44 37 21 58 10 76 u 48 78 r 41 95 0 83 -- 40 89 80 9'~ 88 12
32 IOa 57 28 66 11 81 54 ^^ 85 rMr 44 2404 40 86 w^ 53 91 ... 87 95 13 t^m
57 4 67 29 69 28 91 4* 57 __ 190ft 46 * 16 87 --- 57 ^M 95 --- 96 , 99 . 15 __
f 65 74 ft* 36 78 30 92 38 __ 22 90 io 21 92 --- 64 _ 3203 ,g 97 . 3601 24 ^tofai
75 80 39 88 40 -* 9* 62 _ 23 65 *W 24 _ 2708 --- 73 4 3402 2 32
* 79 407 - 42 94 44 1401 66 _ 44 " 78 40 25 rr. 10 --- 81 --- 6 --- 4 . 9 3i
82 10 TTfl 47 96 50 14 67 __ 51 82 i n _ 85 8 --- 7 , 22 37 ---
88 11 : 57 902 57 16 76 m 83 ________> 49 15 , 87 0 10 . 12 *O0 24 89
95 t6 --- 62 3 58 21 77 72 M 48 17 97 40 31 14 40 34 53 ---
103 29 ----' 64 9 65 51 78 to* 84 92 60 24. 98 35 --- 15 36 56 9
10 38 < 66 13 66 53 80 4 85 -r- m tit Fl - 27 3002 37 --- 32 .^_ 60 60 40
15 40 44 70 16 80 59 *- 87 84 tOt 2202 ' * , - 30 3 40 _ 35 64 73
| 32 42 71 20 86 60 1700 2002 to 2*08 39 . 8 ' 42 _ 48 ^1 66 _ 3900
1 31 48 82 21 92 1501 # 8 3 15 . 5 47 rf 26 ,46 55 ^^^ 67 m 12
52 56 91 33 93 4 a 9 4 A7 m 14 M, 49 4. 30 m 52 ~ 60 _ 75 4*0 17
33 _ 58 712 -1 38 W 67 7 17 6 19 :40 39 50 __ 31 40 54 61 u 79 40 18
CO 62 43 43 4$ 1224 t 8 35 *A 8 20 Mq If m :!-j 34 _ 40 56 ... 65 _ 80 20 ,
It 74 --- 21 33 m 32 13 40 23 MM 77 - 60 49 58 ^ 67 _ 81 % __ -21
74 V 77 23 55 U 34 17 43 28 45 52 : 78 0 m 2604. 03 86 40 70 ^ 83 ro %> T
#' 83 ar 88 T*~ 29 56 Oo 47 i ~ 49 29 *Od 63 11 ^_ 73 4tfr 92 . 71 9O0 92 42 -
84 89 witl 31 02 4* 52 21 56 #-l 32 4* 66 4* 83 - 14 75 ._ 94 86 40 3702 43
89 97 40 m 74 61 48 61 36 70 . 90 ;.7 36 82 ... 98 _ 3502 3 . 46
\ 212 98 63 *5 76 SOA 62 36 63 37 M* 77 . ' 91 - 89 __ 3300 7 10 48
24 502 72 u 84 H 64 5 58 73 45 87 r_ 95 40 .. 97 _ 3 IO0 17 ----1 15 53 _
33 " 18 altl 79 *~ 97 65 M 65 80 e4 52 m 90 . 97 43 3103 _ 17 4 21 16 58
36 ~ 20 81 1004 66 83 07 40 60 OA 93 2601 -^ 46 49 _ 5 18 23 ^M, 22 70
33 -*- 28 __ 88 14 71 88 1802 63 44 2300 __ 10 -r 7 25 24 ,M 26 73
59 35 92 16 86 105 90 3 64 J 10 19 - 56 36 28 33 30 -,9
69 43 94 18 * ... 95 40 96 4 70 n 40 - , 24 .62 0 39 --- 39 35 * 32 n
1 "4 52 97 20. 99 08 13 76 __ 54 mM 26 IO* 66 40 48 --- 41 51 _ 33 40 91
82 53 98 27 --- ?303 1602 24 m 89 *o$ 57 ^M 38 40 , 68 55 43 1 36 40
98 -54 1# 801 1 35 in Mel 19 I 6 29 | 91 1 58 13 4:000;5 77 J 5S Mil Til ADO i
i^BBlBHI^iVIBHIIHHHHHI^H L^L^L^HHHINI


8
Diario de Pernambuco Terga feira 11 de Novembra dc 167
UTTERATURA.
Ftiropn
PRIMEIRA QOINZEXA DE SETEMBRO
III
( Continuagdo. )
Os trngos raais carHcteristieos do period*
actual demonstram o cotitrano do somelhan-
to presumpgao 0 paiz nao tem a impa-
ciencia o soffrcguid&n que se Ihe suppoem,
rnra o intento de preci pi tar-so anhelante em
inirmcados problemis de organisagdo cons
titucional. Ndi* pretende por to lo o pro-
go, a todo o transe sattir do estado actual,
em bora com a d- nomiuagao de provisorio,
para se cntregar aos azares de novas compli-
cagdes. 0 imioan lo as suas aspiragdes pela
sua prudencia, perrnanecendo arbitro da
sua vmta le, elle occupa sem preconceitos
fortemente o porto em que action abrigode-
pois da tempestade. Em face das vanitosas
pretence que suscita a arnbicdo de dirigi-
lo e governa lo, elie apresenta e manifeata
um tranquillo scepticismo que, duvidando
de theonas, aguarda os factos. como unico
elemento peto qual the d dado decidirsc.
E' esta reflectida indifference acoimada de
pecha por aquelles quo desejariam ver pre-
cipitarem-su os acontecimentos. Trata se,
porem, de mais uma dessas feicoes de pru-
dencia e critorio que tern distinguido o es-
se de predicados liberaes ; e se ftra republi- francez o roeouhecimento da unidade italia-
ca que tornar-seo regimen nacionat, ndo po- na ; e na o alcancando logo, declararia
dord fame* c-ffectuar se, sendo por meio de incontincnte guerra d Franc.*, a" Italia;
um forte mjchanismo orgenico, de sorle q se apoiada pela Allemanha.
sirva de segura garantia aos interesses, tanlo Antes de se proferirera sentences desta
internis como externosdo paiz. ordem era mister, ao raenos, indagar se o
Nenhuma maioria parlamentar poderd reino itiliano pdde em qualquer vicissitude
d on avante, que se acha averiguada a pcecisar de obter da Franga a prestagdo de
ojiniao da negdo, arrogar a si o direito semelbante acto, quando entre as duas po-
de sahir destas premissas, e dispdr com sub- tencias reina desde tante tempo a melhor
jectivo alv.tre dos destinos publicos. E ndo pax e harmonia- Ndo d porem sd isto. Eis
s6 ndo Ihe e mais lictto um tal procedimen- que com a viagom de Victor Manoef a Vi-
to, como e manifesto que no cstaJo em que onna e a Berlim crescem as ballelas e andam
se acham as cousas, nas dvergencias que se na berra os iritis descompassados desacertos.
tern suscitado entre as differentes fraccoes Que se fard t tern se dito. Que provideucjas
dos mesmos partidos. para tal lim nao se devem ser tomadas ? Como inopinadamonte
conscguiria coadunar materialmente a ne- se realisou esta inesperada conjunctura ?
cessaria forge numerica. Os dous lados da Estas e outras inquirigoes e perguntas cor-
asscmblda corapocra-su de conservadores o riam reeentissimamente pela voz publica,
radicaes. e em tudo mais querido fdra sem quo nada, entretanlo, occorresse ou
nanutengeo destes principios englobada- haja na reaiidade para isso o rnenor fun-
mentc, qualquer desvio politico hoje susci- damcnlo.
taria immediata dissidencia Como offeito, d prociso que toda essa agi-
Na recinto legislative sendo como 6" a tagdo se acalme, e se tranquilise ditinitiva-
meiorie'eonservodora, d simplesmento como menu-o espiritopublico.uma vez por todas,
tal que pole permanecer incolume, resis ficando desde aqui dito que nao ha neste
tindo indefuctivelmente ao ombato dos seus sentido, motivos para a meuor inquietacau.
advorsarios. E' evilente, pois, que conti- Kstes boatos, porem, podiam por seu turno
nuard a imperar um regimen con^ervador subresaltar o governo italiano, e por isso a
sem malizalgiim, qual se acha reprcsentado Sr. de Broglie, dando por terminada a li-
c constitoido polo actual governo do mar;- cenija do Sr. Foamier, com razao entendeu
dial presidimto. Esta e ate, sem duvida, a conveniento reenvial-oa Roma, incumbido
pinto national era todo 0 complicado esta- jdultberac^io qae tomara seguramente a as-'de manifestar a permanencia das mesmas
dio de commodes por que. tern pas- somblea na proxima reun'io; e este
sado.
Ainda ha pouco os legitimistas dosigna-
vam et^ trago caractensco & atten^flo pu-
blica, e, qualiticatido-o de apathia, mostra-
vam evideateniente nao comprchende lo.
Segundo o quo evpendiam. dovia acred itar-
se que !i;>via na nacao uma niasa ecclectiva
sem opinions definidas. a qual por inercia
preferia o estado provisorio a qualquer ou-
tro, para attingir so qual fosse Ihe mister
pronunciir-se decisivamenU" por qualquer
dos lados politicos do paiz. A obsurva^ao
e talvez ju.-.ta, raas sem duvida m.d sprecia-
da. 0 eccleclismo, so o Da, provem nao
de animos imrtes, mas refl^ciidos c discre
tos.
E-isa partc da popula^ao, nao diz como
se allega : Estamos bem asfim como nos
achamos, a oao nos convert mudar : mas
sim : Mndaremos opportunameute e sem
precipitaf.au, logo que para isso tenhamos
averiguttdo e be a proporcionado enscjo.
em summa, essa massa ecclectica, convem
confessa- o. coustitue a maioria da na^ao,
a importantc fraecio peosante da mesma :
e, longe ile ser indififervnte aos sous desti-
nos, se assume o aspecto, que se Ihe Wii-
bue, e exaetameate porque conhece e nao
oretere OS verdadfiros interesses do paiz. E'
mais do que natural, e tao cocdato quao iu-
(fiscreto nestes termos que, vendo-se balan-
i}ada entre uma republica, quo con luz ao
radicalismo, e uma monarcliia reaccionaria
e eivada de theocracia, prelira a permanen-
cia do estado actual a qualquer destas duas
arrisca las o. contrastadas alternatives.
0 paiz aceitaria libentemente ou a rao-
narchia liberal ou a republicacon iVada disto, porem, se Ihe offerece, e pois
da" mais uma prova do seu bom senso, recu-
sando o seu assentimonto a resolucoes ex-
tremadas, e mantendo se no estado proviso-
rio como em acastellado reducto. Nisao,
longe de para elle occorrer perigo, pelo
xmtrano, rccrescem-lne garantias de uma
boa escolha. Se a Franca, sob o regimen
tulellar quo ainda hoje nao deixou de inf-
pei-ar, p6de cm criticas circumstancias re-
constituir-io e medrar, muito mais podcra*
agora, sob estes mesmos auspicios conti-
nuar, por emquanto, a progrodir na senda
encetada.
E' esta a verdade que jaz no fundo de to-
das as qnestdes inanes que se estao agitando
presentemente; e que so resumen em um
cir.%ulo vicioso de raonotonas declama-
coes.
Alem disio 03 ultimas acontecimentos, &
guiza de fabulas, encerram uma moralida-
de que convem nao pcrder da memoria. A
mesma cifca-se noseguinteconvite : e e*que
90 jA*mais a rnonarchia se realizar em Fran-
ca, ella terd nececsariamente de circumdar-
expe- intenco-s paciiicas e benevolas da Fran<;a
ilicme por certo que nao serd dos menos.para com o reino da Italia, e exprimir a
prudentes e opp.trtunos uas presentes cir-'satisfacao com que o governo francez acort-
cumstancias. f>esigne-se esta nova situacio'panhava dc longe a viagem do rei, com
por qualquer nome que seja, isso nSo in- cujas antics sympathias continuava sempre
iluird no caso. Quor appellidem essa pro-
longagao de podercs, ou a qualifiquem
de provisoria on delinitiva ; em remate, a
Franca nem pOr isso terd o.casido menosj
a con tar. Nada mais perigoso do que os
desvios da opiniao publica e.n materia de
tanta gravHadc.
Uma falsa aBSoacfto desta ordom podia
propicias de contiuuar por si propria a obra 'p'oduzir mais ate do que um simples afasta-
lasua reconstituiyao, emborasob o influxo mento ; sendo, portinto, dos maisloivaveis
FOLHETIM.
L7CSECZA EOESU
UEUORIAS OE SATANAZ
FOR
?J> MHnoeB Fernandez y Gonzalez
PRIMEIRA PARTE
0 GRAN-CAPITAO.
IX
0 POETA BONVINETTO.
(Coutinua^ao do n. 257)
.Nao iraz outra escolta sendo esta, mi-
nha senhora ? perguntou Lourenco olhando
com desprezo para Bonvinetto que se fez
pallido de colera. %
E e" boa e bastante, Lourengo, repli-
cou Lucrecia, e um mancebo valente ; vai,
cm quanto eu fallo com minba mil, dar-
lhe de comer e de beber, e trata o como
amigo.
Lucrecia, precedida por Lourenco e se-
guida por Bonvinetto, subio por umas
bellissimas escadas de marmore de Carrara,
guarnecid8S de estatuas antigas.
- Sentiste algum rumor na rua ? per-
guntou Lucrecia.
Nao, minha senhora ; quando me pro-
ponho descancar, durmo como um bem-
aventurad Nao ouvi cousa alguraa, e tal-
vez que a senhora batesse mais de tres
vexes.
Sim, e por tal modo que julguei ter-
ir.e enganado e estar batendo na casa das
Seto i/ormeutes. Nfio bateu ninguem antes
de raim ?
N3o, minha senhora.
Visto isso, o duque de Gandia nao esta"
em casa ?
N8o ; jantou hoje aqui com toda a
i'amilia, exceptuando a senhora que ne n
raesmo para assistir A procissSo papal quiz
abandoiia? o convento de San-Sixto. Deve
saber que **ra um jantar de despedida ao
Sr. Cesar Borgia, seu irmao, que parte ama
nba para Napules. Pouco depois das oito
horas, tenninado o jantar, sahiram juntos
e mais am'gos do que nunca, os seus dous
irrnaos. 0 rcsto da f imilia rotirou-se e
ninguem mais veio & esta casa. Devo ser
ja" muito tarde.
S.1o, pelo menos, duas horas da ni-
nha, respondeu Lucrecia. Leva, con
da mesma interiuidnde encetada anterior
menle em condifoes menos favuraveis, raas
de que entretanlo soubo tirar partido e co-
Iheu nao pequeuos resultados.
Muito mais poderd agora, por consequen-
cia, prevalecer-se da mesma paz que se
Ihe auLilha. cimentada por novas acquisi-
coes : e conjuiictamente da actividade que
em todos os ramos da sua i tdustria se tem
de novo despertado. 0 problema da orga-
nisa<;ao politica final e secundario. 0 es-
sential e que a Franca, tendo recobracjo a
sua libeidade e independencia. possa achar
em uma existencia interior pacifjea e regu-
larisida, a necessaria force e regenerado
vigor para tornar a occupar na esphera
intern-icional a posioao que llie compete,
reatar asstias reldf;6es com outros povos, e
seguir espontaneamont'' a politica que os
seus interesses eas emergencies do momento
llie dictarem.
A Fr.inca,. quer seja republica, ou rno-
narchia, e" sempre a Franca. Como tal, a
sua persooalidade, quedando a mesma, sao
meramente os seus actos que provocarAo a
approvacao ou a censura. 0 que Ihe in-
cumbe e simplesmente preserver illesa a
concatenagao das suas ideas governamentaes,
conscrvaudo immune e sem vacillacoos no
exterior a liuha raguladora da sua politica.
Depende isto aponas de um pouco de
previdencia na sua administraQSo, dote que,
uma vez reenhecido, servira de suflicieote
garantia ds potencies com as quaes venha
a ter quo tratar, quer se cogite dos interes-
ses da Europa, quer do resto do globo.
Por emquanto, tendo antes de obsorvar
do que de interferir, a sua politica externa
monta a pouco, e.nbora para satisfazer d
avilezdo espirito de partido se accumulem
a est rcspeitri boatos, cada qual mais per-
turbador. 0 que se dizia, com effeito,
ainda nestes ultimosdias? Nada raenos de
que, no caso da escencSo ao throno do
conde de Chambord, a Franca interviria
na Italia em favor do restebelecimento do
poder temporal do Papa.
Ha cousa mais absurda Entretanto nao
falton quem desse credito a um tal rumor,
cbegan lo ate" o Sr. duque de Broglie a ter de
com elle occupar-se. Accrescentou-se ainda
que,em semelbante eventua!idade,ogabinete
de Romaexigiria immedialamentedogoverno
disse, o meu comprnheiro, dd-lhe de co-
mer e ile beber, faz-lhe compainha e trata-o
bera.
Lucrecia que se havia demorado algum
tempo, fallnndo com Lourenco no topo da
escada, dirigiu se para a porta de um for-
moso portico romano de marmore branco.
Qoeira eperar, minha senhora, disse
Loureugo, a porta estd fechada. Depois de
que em Roma ande a gente de Orsini, 6
necessario ter tudo fechado.
E puxou o corddo da campainha. Pouco
tempo depois abri-j-so a portn.
X
ROSA VAXNOZIA.
No limiar d'ella appareceu uma senhora
elta, csbelta, vestida com singeleza, tendo
na mao "Uma vela n'um castijal de prata.
Ah 1 es tu, Lucrecia I disse ella. En-
tM E fechou a porta, levando a chave.
Attravessaram alguns aposentos e pararara
n'um sumptuoso gabinete, ricamente mo-
biliado, onde a simplicidade se reunia d
disposicao artistica.
Soffro horrivelmente, disse Rosa sen-
tendo-se n'um sofd ; parece-me que o nosso
sangue foi durramado pelo nosso proprio
sangue.
Tambom eu o creio, minha m8i, e
estou aterreda, replicou Lucrecia sentando-
se junto de Rosa.
A mai e a lilha pareciam a mesma mu-
Iher. '
Nao havia entre ellas outra difference se-
ndo que Rosa revelava d. primeira vista
mais idade que Lucrecia, e estavamais sin-
gelamente ^estidn, sem uma unicajoia.
Ro.-a nao tinha mais de quarenta e cinco
annos, e apenas demonstrava trinta. Era
uma d'essas bellezas robustas que conser-
vam o aspecto de uma grande juventude, I
mesmo depois de chegarera d uma idade
madura.
Tinba alem d'isso, uma express?o mais
sombne, mais triste, mais fatigada do quet
sua filha. '
N'aquelle momento estava terrivel, e
lhava sombriamente par< Lucrecia.
Estds eterrada como eu, dizes tu. Pois
que serio certes as minhas suspeitas ?
Que foi que suspeitou, minha mai ?
Nao to disse eu jd que temia que o
nosso sangue ti esse sido derramado pelo
nosso proprio sanguo ?
Se suspeitou isso, porque o nSoevilou,'
senhora ? Nplicotfl soini-riamente Ixicrecia.'
Foi uma suapeka vaga, recoici enga-,
jjgrin". Dm ante o jantar sorprendi o
Hi:i-' :::vcl de Cesar Gxo e.u Giovauni, \
o empeuho do gabinete francez en desvaue-
certaes incertezas. Provou-so com istotam-
bem a veracidade do asserto com que se
queria inculcar como provavel uma decla-
ragao de guerra da Italia contra a Frain.a.
Comtudo, os inconvenieiites da suscitaijao
de conlroversias desta ordem nao podem ser
mais salientes, sonlo quo a agitacao do es-
ftirito publico pdde at^, alem do mais, col
Bear a administrate nas mais serias col-
lisdos. Comi havia effectivamen to o governo
da Franya de entrar em explicacoes com o
ministerip italiano a respeito da viagem do
rei ? E haveria sequor o mais tenue pretexto
para colorir uma tal polemica ? Estudada a
questao, demonstra-se o contrario, e ve-se
antes patentemente que a semelhante viagem
nao se deve attribuir a importmcin que
nella se tem querido achar. Logo d pri-
meira vista deve nntar-se que nao ha cousa
mais naturel do que occasionalmente Victor
Manuel, transportando-se a Vienna para
visitor a exposicdo, aproveitar o eusejo e
ir a Berlim, correspondendo dest'arte d
cortezia do convite que desde mais tempo o
imperador Guilherute Ihe fez neste intui o.
Pode um facto destes alterar os interesses
permauentes dos povos, o substituir, por
arbitrarias conven^oes, as condicoes essen-
ciaes das suas relacoos e alliancas ? Demais,
occorre nao confiar em raeras apparencias,
so por si geralmente enganoses; e ainda
mais qnando facil e verificar que, sempre
que se trata de serios in'entos e meditados
accdrdos, busca-se solicitamente em geral
encobrir as suas manifestacoes. 0 Sr. de
Bisnaark p6de muito bem ter era r' I sus-
citor exterioridades, que, nada teuJo de
reel, com tudo podem produzir effeitqs que
cada qual imegina facilmente. Se nisto
existe catculo politico, e necessa-io que com
elle nao nos deixemos empannar.e saibamos
discernir o falso do verdadeiro.
Outrosim meditemos e pouderemos que,
so entre dous povos quaesquer podem effec-
tuar-se alliancas accidentaes, taes combina
goes deixara de ter a necessaria cohesao e
consistencia, sempre que sao medeam entre
dies os elementos naturaes, que nao parte
indispensavel da flrraeza dos pactos interna-
cioiaes, taes como a affluidade de espirito o
tradiroes, e a communidade de interesses
na;ionaes. Ore, estes elementos nao con-
que estava formoso e gentil como nunca ;
parece-me, porem, incrivel e ndo o creio
ainda. Dize-me, porem, o que sabes Lu-
crecia ; preQro uma certeza funesta d esta
incerteza horrivel.
N8o sei couse alguma, respondeu Lu-
crecia : receio tudo e por isso vim procurer
aqui meu irrn&o Giovanni.
Sahio quando acabou o jantar, com
Cesar e nem um nem outro voltaram ; fi-
quci inquieta, vacillando ; nao me atrevia
a a visa r Giovanni e a dizer Ihe :
Acaute'a-te, porque tequereai matar!
P.dia tor suspeitado de Cesar, porque,
quem mais do que Cesar mate em Roma ?
i Carlos Orsini, respondeu Lucrecia.
Se Carlos Orsini tivesse de matar um
Borgia, ma taria o papa de preferencia d
Cesar e este de preferencia a Giovanni ; ndo
commetteria a imprudencia de avisar os
outros matando o menos terrivel. Sei per-
feitarneote que os Orsini beberiam com pra-
zer o nosso sangue ; que extermiuariam se
podessem, como lobos famintos, todos os
Borgias ate mesmo os nossos parentes que
nao sahiram de Hespanha, mas nao coraeca-
riara nunca por Giovanni. Se eu dissesse a
este: tem cuidadoelle suspeitari. de Cesar, e
isso soria horrivel,podia acarretar consequen-
cias muito funestas. E' certo que Cesar
tem inveja de Giovanni, que o odeia, que e
capaz de tudo ; porem udo o julgo capaz do
fratricidio. Isso seria a ultima e a mais
terrivel maldicSo dos Borgias I Nao me
atrevi a fallar, e com tudo, o meu cuid^ido
augmentou de instante em instante. Re-
colhi-me, quiz velar, mas venceu o somno.
Depois acordei espavorida, julgando ouviro
tinir de espadas que se eruzavam ; pareceu-
me que matavam Giovanni. Depois de ac-
cordar, nSo ouvi cousa alguma, vesti-me
rapidamente e abri uma janella. A L ngara
estava deserta e silenciosa ; certamente fora
um sonho ; fechei a janella e permaneci
velando attenta e cuidadosa. Chegastetue
a tua vinda acabou de aterrar-me. Falla,
dize o que sabos, nao me occultes cousa
alguma ; ha que receiar tudo, porque tudo
jporrem entre a Italia e Allemanha. Se esta
Ultima potaucia quizer seguir o rumo dos
destinos que a si propria adscreve ; se, co-
mo parece, pretende levar ao celw a mis-
sdo quese arroga, o seu antagonismo com
a Italia e jd latente, e ndo tardard em tor-
nar-sesensivel. Nao aspira a Allemanha a
um dia attingir ao Adriatico, possuir Tries-
te einfluir no Mediterraneo? Sent duvida
que sobre somol ha rites bases ndo e verosi-
rail que italianos e allemaes cousigam er-
guer qualquer solido ediQcio de permanen-
te allianc,a. Dado o caso, a politica da
Allemanha seria muito mais amcaQado a
para a Italia, do quo a da Frange, no maior
auge da sua bostilidade. Aos estadistas
italianos udo deixara de so antolhar estas
mesmas ideas; e a Europa iuteira reeonhe-
oe, sem ser de hoje, o perigo que decorre,
para a paz do continente, das ambiciosas
aspiracoes da Prussia.
Podor se-hia presumir que na questao ro-
ligiosa tem a Allemanha e a Italia um
ponto com mum de contacto, de uniao, que
po lj servir d apr xrmegao permauente dos
lous paizes- Mas ndu e isso assim. Nesta
contr.iversia nem as ideas, nem os interesses
sao cuminuns a ambas estas potencias. A
Italia, na sue politica para com a igreja c
o solio ponti icio como se le de poder tem-
poral, nao se deixa obscec;ir por preoccu-
pacOes religiosas. A questao e para o rei-
no italiano apenas um problema de adrai-
nistracdo, uma obra de consolidacao. Na
Aliein inha, porem, a este mesmo respeito,
os circumstancias sdo diversas.
A guerra que o Sr. de Bismark empenhou
coin a igreja cathnlica e com o seu cli.'fe
legitimo, o papa, e ndo temporal, mas cs-
seucialmente religiose, o ameaea a fe de
grande parte da Allemanha, o em geral o
catholicismo, no mais iutimo da disciplina
ecclesi.istica, e etc das prerogatives espiri
tuaes da sua liier.ii- hia. Tomaodo parte
em semelbante commettimento, no qual
udo p6de haurir o menor proveito, a Italia
tornar se-hia apenas um instrument nas
maos do onnipotente ministro prussiano.
E' fdra de duvida que a Italia uenhura es
timulo tem para introinetter-se em uma
guerr de religiao e assumir a res-
ponsabilidade de uma cruzada contra
o culto catbolico. Assim, pois, esta ques-
tao nao pole constituir nenhum la
50 especial de iutimidade entra as duas ua-
goes ; e se algum incideute po le surgir que
os aproxime mais particularmente, provi-
ria apenas de sentir;se~ a corda Italiana
araeay ida na sue posigao tm Ro na'. Mas
esta ameaga ndo cccorre, nem e possivel
que incida ao menos por iniciativa da
Franga. 0 ac'ual governo francez tem sa-
bido a este respeito por fdra dc qualquer
duvida as suas intencoes, aH.t dando lugar
a que sobre esto tdpico a Italia mantenlia
sendo a mais firmc segurauga de que nio
sera controvertida a sua oecupaoSo da Ci-
dade Eterna.
Se e" este 0 seu receio, nao tem razao dc
ser ; e certo, canvencida desta verdade, sSo
apenas os perigosos boatos a que jd nos
referimos, que, a ter sobrevindo neste sen-
tido algum estremecimento, 0 tern raotiva-
do. Tudo, porem, deve a esta hora achar-
se dissipado, 0 para com o presente governo
da Franc < indubitevelm*nte a Italia nSo
pdde conservar raais a menor sombre de
suspeit >. Nem. segun lo ere n is, foi jdmais
neste terrono que se susciteram quaesquer
divergencias. E' na pievisao de uma mu-
dancade regimen politico que na Italia se
dispertaram algumas cogitacoes relativas d
politica exterior, queserie entao ineugura-
da pela Frange.
Nestes termos e facil comprehender que,
a ndo terem-se verificado as indiscri|>gOes
com quose tem co stanleracnte difficultado
mais a solugao da questao monarchies, ne la
disto existiria.
A propaganda ultrarnontana, porem, pre-
tendendo adiantar ideas na conlroversia re-
ligiosa do paiz, envolvendo a pretendida
ascengao do conde de Chambord ao throno
francez com 0 intrincado problema do po
der temporal do papa
Des litosa Franga Parece que tod
acham apostados a compromette-la. Ainda
be pouco embarcandu-so neste rafsmo teor
do ideas, o arcebispn de Paris, em uma
pestoral solemneraentc pubticada, ndo cou
tente com os boatos quo teem corrido, en
carregouo-se por sua conta de declarer guer-
ra formal ao governo italiano Nao e por
certo de-estranhar que o gabinete de Roma,
veudo isto, v dteos olbos para a Allemanha,
e se deixe alliciar pela perspective da al-
iiangagermaiiica. Quem tem, porem, fla
grantomeule a culpa destes tendencies ? N6s
evidentemente, e neuhuns outros; 116s,
que nos nao causamos do accumular im-
prudencias.
Ao arcebispo dc Peris cuinpriria que ti-
vesse comprehendido que, duminando n<
regimen ecclesiastico da sua diocese, com-
tudo nao Ihe competie o direito le dar ex-
pensao ds epaixone las expressoes que Ihe
suggeria o seu zelo religiose, bem ou mai
comprehendido. Nao Ihe deveria ter passa-
do desapercebido que ossas acerbas maniies-
lagdes oram de nalurez.i tal, qie nao po-
diam deixar de eomproinettar os interesses
do paiz, sobretudo no momento actual,
creaudo d administragao serios emberacos.
0 episcopedo francez e s l-jgitimistas, pre-
conisando e arguiiidu se noUiante politica,
ora mister que tivessem enlrevisto que
dest'arte convertiam-se nos melhores auxi-
liares do Sr. Bismark ; 0 expunham-sc,
como com elfeito aeonleceu, a provocar en
tre a Itelia e Allemaniia a eproximagdo d6
que hoje se queixam, e qu sem reconhpcer que por sous erros a ella
laram causa. A Italia, poios sens instinc-
tos naturaes, pelas suas ideas 0 pelos seus
iuterussss permanontes, c uoia alliala rja
France e ndo da Allemanha. N;\> a im-
pillaai a coutrariar es suas proprias sym-
pathies < a transformer os seus receios em
fnllaces ar.nas na mdo de um iuimigo cum-
mum.
Conti nuar-se-ha.
VARIEDADE
golpes mais fataes que podia ser atirado a^
odo este conjuncto
UMA KSOI VDRA CONTRA BATERIAS
DE COSTA.0 Artwie Zeitung, de Vienna
piihlicou um curioso artigo dcerca do cem-
bete de uma esquadro contra baterias de
costa, que foi immediatamente traduzido
pela sua importancio, na R?xue Maritime.
Como contem doutrina muito aproveitavel,
damol-o em seguida :
E' principalmente no combatc d'uma
esquedra contra baterias de costa que a
tactica da guerra modern a tem feitograndes
progresso-. Outr'ora 0 odicial de marinha,
conhecendo esta regra tintas vezes veritica-
da : umi peca em terra equivele a duas
a bordo era obrigado a recouhecer a
sua inferioridade; a insufficiencia da arti-
Iheria de bordo e a estructura do navioneo
podiem offerecer-lhe gerantia no combate.
A tixidez da base, a facil raenobra das
pecas, a ^ossibilidade de afundar um navio
aponas com um tiro certeiro, constituiam
para as baterias de costa, uma ventegem
prodigiosa
Quando se ataca uma grande. preca
maritima, procura-se goralmente estabele-
cer um cerco regular por terra e um bom-
bardeemento e bloqueio por mar. Trata-
remos apenas do ceso em que fortelezas
isoladas procuram impedir aos navios a
entrada e occupagao ij'ura porto cuje posse
e de grande importeucia para o inimigo.
Os progrcssos obtidos nos ultimos tempos
permitteoi aos navios entrar vantajosameute
ua lota. Vimos e.n 18G6 os italianos ata-
car Lissa. Se apezar da sua superioridade
extraordinaria a valente guarnigao pdde
resislir 0 tempo suflioieute para recebor soc-
corros, deve attiibuir-se isto ds mds dispo-
sigoes tomadas pela osquadra. Se 0 ataque
tivesse sido bem dirigjdo, a illia tcria sido
tomada em pouco tempo.
A escolha do ponto de ataque, do mo-
mento, das iorgas que devem entrar em
linba pertence completamentc ao commau-
dente da esquadra. Elle pdde reunir forgas
acceuou ura dosjsuperiores para atacar uma bateria de costa,
gamos d todo 0 horrivel da impureza e do
crime, e a rnaldigdo de Dous peza sobre as
nossas cabegas !
N*o sei senfto quo a vida de Giavanui
estd ameagada por Ce^ar, porem iguoro so
0 crime se commctteu on nio. Houve san
gue derramado, cadavores, eu mesma eative
ameagada, e 6 necessario por todo o progo
procurer Giovanni e Cesar.
N'aquelle momento ouviram-se tres fortes
pancades na porta da rua. A mai e a filha
levantaram-se, eproximaram-se da j inella e
escutaram.
Quembatia era o gran-capitao.
Os leitores sabem jd o dialogo que houve
da janella pera a rue eatre Rosa Vannozia e
Gonzalo de Cordoba.
Terminado o dialogo, e quando Gaozalo
se afastou, Lucrecia cheg >u d janella.
Graces ao reflexo da lampada quo 0 ca-
pitao Viiloslada levava debaixo da capa,
Lncrecia vio que no brago de Gonzalo se
apoiava uma mulher.
Ah 1 exclamou ella, d necessario que
eu saiba para ondevdo I
E, sem despedir-se de sua mai, sahio do
aposento.
' Quando chegou d escade, oncoulrou Bon-
vinetto sentado n'um degrdo d'ella.
Acompanha-me, disse ella.
E ds escuras chegou d porta e sahio se-
guida de Bonvinetto, deixando 0 postigo
aberto.
Vds ao longe aquella luz que se re-
tira ? disse ella a Bonvinetto. E' necessa-
rio ndo a perder de vista.
Rosa Vannozia nao reparou era que Lu-
crecia se separara d'ella, ate que ouvio a sua
voz na rua.
Oh 1 exclamou Rosa, aquella rnisera-
vel esquece-se por ura outro irmuo seu !
felizmente sua mdi vive ainda.
E, buscando um punhal, pd-lo na cintu-
ra, cobrio-se com um manto, com uma
raa.ccara e com ura chapeo e chamou Lou-
renco.
Veste-te, arma-te, depressa I disse
ella. Vistam-se e armem-se mais dous
homens e vamos ao palacio Farnesi e d'alli
a > Vaticano.
No palacio Farnesi vivia Giovanni Bor-
gia.
No Vaticano era, e d, como todo sabera,
a residencia do papa.
XI
EH QUE LUCRECIA C0JIECA A UTILISAR-SE DE
BONVINETTO.
por que estavas sde as escuras na esca-
tomar a distaucia que Ihe con veer, aceitar
ou recusar 0 corabote; porque no espago
temos sacrificado d nossa ambfgao I Che- da ? perguntou Lucrecia ao seu novo servo.
Tinha muito md cara 0 homem com
quem me deixou, minha senhora, ecomodi-
sem que onde ha um Borgia ha sempre um
prato e uma garrafa traidores, live modo e
proferi Gear com fome.
Ou es ura uaisoravcl impru-leateou
ura louco, disse Lucrecia sean doBtar de au-
dar depressa.
Ndo d certo que rao iomou ao sou
servi^o ? Ndo estd segura d que Ihe \^i-
tence a minha vida ? Que importa que Ihe
eudiga o quesiuto, que Ihe revele que co
nhego os Borgias, se desde hoje sou mais
um brago e um peusamento para si ?
Lucrecie ndo replicou e Bonvinetto guar-
dou silencio.
Contiuuaram a caminhar.
Quando Gonzalo, Angiolina e o capitao
Viiloslada chegarera ao sitio onde Gonzalo
havia sido accommettido, mandou o gran-
cepitao a Viiloslada que deitesse fdra a
lampada.
Lucrecia e Bonvinetto virarn-se obrigados
a encurtar a distancia pera os poderem se-
guir, guiados pelo rumor dos seus passos.
Gonzalo de Cdrdoba, Angioliuaj e Villos
lada atravessaraii) as viellas que separavam
la Longarette do rio, seguiram pela ponte
de San -Sixto, entraram na margem direita
pela rua de Pettinari, seguidos por Lucre-
cia e Bonvinetto, dirigiram-se para a praga
do Hespanha, e chegaram meia hora depois
ao pos'tigo do palacio da duqueza de Ur-
bino.
Virei ve-la amanha d meia noite, An-
gelica, disse 0 gran-capitao despediudo-se
de Angiolina que tinha aberto o postigo.
Espjra-lo-hei com impaciencia, res-
pondeu a joveu apertando a m8o do gran-
capitdo ; bata cinco pancadas quando che-
gar, com o cabo do sou punhal. Adeus,
u3o se esquega de mim.
Ah I quem poderd esqueco-la I disse
Gonzalo. Adeus.
Eafastou-se do postigo que Angiolina fe-
chou depois de ter entrado.
Para que havemos de segui los t disse
Lucrecie. 0 capitao hespanhol com aquelle
que 0 acompanha, volta certamente para os
aposentos que 0 santo padre Ihe deu uo Va-
ticano. Porem d'oude sahio 0 homem que
o acompanha ? Elle estava sd ; ndo, naoe
Francesco Buotti, esse fugio cobardemente.
Ignoro, senhora, quem seja esse ho-
mem que acompanha 0 general hespanhoi,
disse Bonvietlo ; eu sd pensava em si
quando us esbirros de seu irmdo Cesar a
atacaram.
Tens, porem, a certeza de que os ho-
mens por quem fomos atacados cram es-
birros de raou irmdo ?
Toda a certeza ; ouvi a voz de Miche-
lotto em quanto elle.? avancavem pela mar-
gem direita do rio, 0 lcnibra-uie de que os
homons com quem fallou na escada da
ponte de San-Sixto, disserara tarabem ter
reconhecido a voz de Michelotto.
Terd Cesar querido assassinar-tne ?^
disse Lucrecia CQuioigQ mesma -; isso, po-
de alguns minutos pode collocar a osquadra
fdra do alc Em lugar de ser, como outr'ora, es-
cravo do veuto e do tempo, o official de
marinha, com o vapor, tern actualraente
toda a vantagem contra as fortificagoes em
terra, visto poder facilmente ooocentrar suas
forgas e atacar onde Ihe convem.
Depois do que flea dito, passarcrno; a
dar algumas regras para este combate,
apoiaudo-nos nas opinides e experiencias
dos homens os mais illustres da marinha.
Temos no combate tres cousas d'uma
importeucia eurama, e que sdo todas a fa-
vor da esquadra : a escolha da distancia, a
da ordem de hatalhi e 0 modo de dirigir 0
fogo.
Em quanto a distancia, 0 velho pro-
verbio : tao perto quanto possivel ainda
permanece verdadeiro. 0 unico ceso era
que se pdde afastar deste regra, serd aquelle
em quo o forte ten ha sd mente pegas de
alcence insufficiente 0 poder ser abatido
vantajo-se os nevios
fdra do elcance da sua artilheria. 0 pri-
meiro t riente russo, Semeckin, desenvolveu
longe mente a proposigao soguiute : o
combate d'artilheria a grande distancia ndo
offerece vantagem a nenhum dos corabaten-
tes, e produz apenes um inutil consurao
de municdes e de tempo. Na tactica naval
devo reconhecer-se a necessidade dos navios
se aproximerem convenieutemente do ini-
migo 0 de sc afasterem apenas Ihe tenham
dado uma b.iuda de artilheria.
A ordem de combate deve ser subor-
dina la as exii da fortilicegao e pela hydrogrephia do lugar.
Contra um forte circular, a esquadra deve
procurer reunir-se n'um sector, de modo
que ndo possa letter mais que um diminuto
nuinero tie pegas, tornando assim inutil
todas es meis.
Se a bateria fdr em liuha recta a uossa
opimao e que cm todas as paries em que
o mar permittir, se dove empregar a mano-
bra que em 1864 offereceu optirao resulta-
do em Stringham, contra o forte Clarke. Os
navios isolados passam por diante do forte,
uns em seguida aos outros, inas era distan-
cias variavcis, de modo que edmittindo que
a pontaria das pegas era terra seja dirigida
para um certo uavio, ella terd de ser nova-
raeute feita por cede um dos outros. Quando
a esquadra passe porseguuda vez, cada ura
destes tiros foi um tiro de experiencia que
pennitte corrigir os enw na avaliagao das
distaucias.
As opiuides divergem muito sobre 0
modo de dirigir a acgdo. Ens ndo queretn
que se raautenha um logo bem sustentado ;
outros preferem o fogo por baudas. Somos
iuteiramente desta ultima opinido. E' ne-
cessario fezer experimenter d bateria um
fogo violento de bombas e shiapanell's, que
e o meio mais seguro de langar a confusdo
e a desordem entre os defensores e de re-
duzir 0 forte ao silencio. Conseguido isto
tudo, pode ser batido ou tornado operan lo
um deserabarque.
Julgemos tambem que ua maior parte
dos cesos a fortaleze cepitulard apenas 0;
msores forem obrigaclos a abandoiia r 0
combate de artilheria. A' excepgao das
grandes pragas em que as obras de fortili-
cagao sao feitas segundo pianos novos, as
quaes so acham aclualmente apenas em
construcgao, nao mcontraraos nas costas do
Europa nouliuma fortaleza, que possa re-
sistir por muito tempo ao fogo d'uma es-
quadra.
Os progrcssos realisados teem sido mui-
to raaioros no mar do que em terra, e pa-
rcce-nos acertar aceitando complete mente
a opinido do contra ahnirante David Poter,
que, depois dc tor tornado parte, durante
quatro nnnos, em quasi todos os combates
doste geuero, dcclara que-a tomada de todas
as fortelezas maritimas que existem d apenas
questao de tempo, e que este tempo serd
curto se for possivel atacal-as simultanea-
monte por terra.
Mais de uma fortaleza se tern assim
rendido em poucos horas, e o velho noli mv
tangere das costas, tuo a neagador para 0
nevegente, perdeu a signiflcagdo.
rein, nao e crivel, eu convenholhe, sou-
Ihe necessaria. Voltemos d esquerda, accres-
centou ella dirigindo a palavra a Bonvinet-
io ; os soldados de Orsini estdo aquartella-
dos no monte Pinciauo e ..inda que d pro-
vavel que estojem recolhidos nas casas, de-
vemos evitar por prudencia um mdo encon-
tro.
Voltaram, pois, d esquerda, atravessaram
algumes rues e acharam-se camiuhando para
a ponte do Sant'Angelo, pela margem di-
reitaido rio.
Meia hora depois, Lucrecia e Bonvinetto
ostavara no palacio Borgia no raesmo gabi-
nete, onde apresentauios Lucrecia pela pri-
meira vez.
Ura rh/s esbirros de Lucrecia posto dsor-
dens de Francesco Buotti, seu capitao, es-
tava tambem aili : Lucrecia mandara-o
chamar.
Ndo veio aqui o Sr. Francesco Buutti?
perguntou ella
Sim, senhora, respondeu 0 esbirro,
veio e por sign.-d que trazia um ferimento
bastante grave u'um hombro. Apezar disso,
pe^ou n'uma espada e sabio precipitate
mente com oito dos seus esbirros.
Muito bem, retira-te. Quando o Sr.
Francesco Buotti voltar, dize Ihe que venha
d miuha presence.
Sim, minha senhora, disse 0 esbirro
inclinando-se profuudamente.
E sahio.
Corpo de Bacco I murmurava 0 es-
birro atravessando os sumptuosos aposentos
de Lucrecia, Id fica coin ella essa ave noc-
turne, esse mendigo indecente. Que lou-
curas pratieam estas grandes senhoras, e
que sorte tem alguns patifes. Amanha,
provevelmeute, o papa fa-lo cavalleiro,
vestir-se-ha com trajos bordados e ha- de
tratar-nos como se fosseraos escravos I E'
necessario avisar o Sr. Cesar Borgia para que
cdrte as azas a este passaro.
E 0 esbirro contiuuou a raurmurar em
quanto descia as escadas.
Pedc-rae 0 quo quizeres, Bonvinetto.
disse Lucrecia terrivelmente excitada, mas
pc>e era meu poder Angiolina Crespi.
Como I Por era sen poder a filha do
advogado Crespi, um dos homens raais pc-
derosos de Roma ?
Pedo 0 que quizeres e ndo opponhi's
difficuklades.
/
1
tContiauarsfr-ka).
TVP.UO LiAlUO hi A IrtjQUK DE CAiiAS
mM

WIIIHI [