Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text
.*i_ '

.\
Aim xll\. mam m

i
PiHl A CAPITAL B I.CfiARRS OXM WA MB PAA POSTS.
Por tres mezes adiantados................ 69000
Pot seis ditos idem.................. 129000
Por urn anuo idem.................. 149000
Cada nurnero avulsu.................. |30
SABBAflO 8 i)E AiOVEHBUO M 1873
\ ..
PABA WESTBO K .FOB A A PKO VIYCIA.
Por tret mezes adiantados................. I#TM
Pot seis ditos idem................... IB^OO
Por nove ditos idem.................. M9Mt
Pot urn anno idem................... 17f80f
DE PEMAMBUCO.
FICUEIROA DE FARIA
Pereira d'AImeida, em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva, na Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na Villa da fenha; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Autio ; Domingos Jose da Costa Braga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagiair; Alves AC, na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio.de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Ci eriio EXPEDIENTS DO MA W Mi A1 WTO DE ?873.
1." teotio.
Ado :
0 f>rc:i JUd requereu Aim i Mara ill J*--=.,n i-. t j Santo, W -
wive conceder-lli;- permtssao para ir ao presidio
da Feruand do Noronha, levando coinsigo uma
sua fllha, de nome Maria Emilia dos Santos.
Oflicies:
Ao brigadeiro couimanlante il a- armas.
Kick approvada a proposta, que veto annaxa ao
seu oflicio dc 27 do corrento s;ib a. 835, feila polo
dolegado inter i in do cirurgiao in-ir d> exercito, do
eidadao Joao Pinto Bandeira Accioli dt Vaseon-
eollos, para o lugar do amauueuso daquoll.i dolega-
cia, em substituicao de Eduardo Daniel Reis do
Carvalho, |ie obieve- exoueracao desse om-
prego.
Ao Liesiuo. Estando expedi !a- as Conve
uieutos ordein ao director iutonno do arsenal de
guerra par* ruaiidar ferropear os soldadis, de que
trata o seu uOieio do lioiitem datado sob u. 8u(l :
assim o declaro a V. Bxc, para **a coshicime.it >
e era rwposia ao citado olllcio.
Aoaaeiino. -Teudo nesta daia d ferido o requo
riuieuto era que o cirurgiao inor-de brigada gra-
duado, Or. k*> Zaehariai d*, i arvallio, pede per-
raissao fara trausporur-sc a provincia do Para
com deslin a do Amazoiias uo vapor da compa
a'lia de atoegacao brasileira, que e esperado a 8
de toieiii-ru proximo fuluro ; assiin o declaro a
V. Ex.c, Mi (B.posia ao sea oiHcio Je honleni datt-
ilosob.6o.
Aaauetino.Mande \. Exc. [mt em libord.i-
le o reerula Kraueisco Silvauo d* Silva, viu ter
provadd HMfau legal.
AO tospeolor d'i arsenal do tuariniia. -Dofe
undo o requoriinento de Cardoz & Inuio, coin
l-andiilo de ferro e bronze- ue.sta cidade, auMri
V. S.. uos termos de sua iui'orinairao de 27 do
rorrente sob n. 702, a ceJer por empreiliiuo *js
-t'.pplicaales cioco loueladas de ferro, de qua pre-
cisaffl, sujertando se elles a entreg.il-as no praso
de dous mezes, qaandu muiti.
Ao meMUo. Man le V. S. alistar na compa
ii'uia de aprendizes marmtieiros, logo que Ifie for
n.andad'i apresentar pelu director inionno do ar-
-eual de guerra, o ineuor educa ido. Goiltiermioo
Guedes da Costa-
Ao coiumaudaulc do presidio de Keiuauio
de Noronba. Eiivie V. S. na primmra opportuni
daae para esta capital os sentenciados, i'clix da
Costa Barbaiho e Jose Soares da Silva, que foraru
iequisilados pelo juiz de direito da I." vara civel
em offlcio de 26 do corrento.
A i .liis.-tif do arsenal de auerra.A' visia
da inirorrigiliilidade >|ue tern apreseutado o edu-
cando, Guilbermino Uuedes da Costa, segundo in
forma Vine, em sen o-Ucio de 27 do correutc sob
ii. 473, aulori.-ii j a remettel o ao inspector do ar-
vrual de nuriuha, alim do ser alistado na compa-
uliia de aprendizes mariuaeiros, de conformidade
com as ordeiM que uesto seittido acabo do ex-
pedir.
Ao dmkqo. De eooformidaikt com o quo
solicita o Or. cliefe de potacia em ufflcio de 22 do
correnta sob u. 148, nnnde Vine, foroeeer ao de-
Iguarassii, para o servici da
legado do tenno de ,
policia, de^ annas das existentes Basse arsenal, e seniido de ser paga a Felix
de que trata o seu oiHcio do 27 desto mez sob
n.471.
- Ao mesnio. Faca Vrnc f-rropear os solda-
dos aeBteaeiados, Jose Patrick) Marques da Silva e
.Manuel .'o.io do Xasciuieato, logo quo para ess-;
iim. the seiam maudados apresonur pel) com
in?ndanle do '.*." balalhao de iufantaria.
Ao coiiieliio de eompna de maiiiilia.-Ap-
provo as conipras, que em sessao da 11 do cor-
i'onto proinovcu o conselho de cameras de mart-
uha, dos objeetosdti material da ariaada, nteneio*
nados nseu olllcio de l6 desta mez, paraprovi-
tnento do respectivo almoxarifadn.
2.' secga-j.
OfCcios:
Ao desembargador procurajoi il.i nacioual. Qursira V. Exc. omiitir o sen pare-
eer acerca do conleddo dos iuclasas ollicios do
cODSld de Portugal e de juiz mmiicip l e de or
lihaas do tenno de G ivanoa, .w i|uaes me serao
d'volvidos.
Ao Dr. chefe de policia e i lii d^ direito da
I.' vara. Declaro a V. S., para seu conhocimeuto
e fins Ci)avenieutes, que os p esos, que so destuuin
a i presidio do Fernanda, c qu9 tin am desceuir
no vapor da coinpanoia peniamaucana no dia 3
do se^embro pr>xiin'i viulouro, Jeven seguir no
tuigue barca llumiracd, que para o incsmo pre-
sidio Seg c no dia 2 daquelle mez, oude vai esta-
eionar por ordein do governo imperial.
Ao Dr. chefe de policia. Davolvo a V. S. os
doeumeutos juntos, que Vienna annexes ao sou
itlicio a. 15:0, de hontcin daUdo, aiim de quo seja
ieclarada qual a eufei mi-Jadc de que foram trata
,tjb-por Joa mim Pereira da Silva os presos, quo
losneionam os ditos documentor.
Ao commanlaute superior da gaarda nacio-
nal do Ricife. Expeca V. S. as sua. ordein, aiim
de quo seja dispensado do servioo active da gear
da naciouil, Loureneo Justiniano Tavaros de Hoi-
4nda, gaarda Jo 3." batalhao, vista ser alumno ou
vinte da faculJado de direito, com > provoo.
Ao cominaudante superur de ['lores A'
vista da inftinaeao do inspector da thesouraria
hat e permittido satisf i.x o p;dido de V. S., exa-
i-ddi em ofti;io de tl do corrente, par nSo set- sulli-
cieuie o sail > da renla arrecadala pelo collector
deFlores para occorrer a) pagamento Jo di-staca-
mento aUi exist.-nte, pelo auee indispen*avel que
mlmo*. ao (aeaos par ora, o systems ate agora
i bservado, quahto ao m mcion ido pagamonl
Aojuiz de direito inlerino de P..lmares.Em
.. 1 ilaaiento ao meu ofllcio de io .1j corrente, e
i.ira o tncsiii i liai, tran-initto a Vine, as peliroes
lantas, ih Frjatifco Antonio Lop> e Htwioei Ac-
ill R.mtiag i (tamos, pretendent s a s.^veulia vila-
iiria do olDcio do 2 tabelliao e niais annexos do
lerofo de Barrtiros.
3.' teegati.
ii'iiciu;. :
~ Ao iaruertor da thesouraria d.'. fazeada.
lend approvado, de conformid id". Mm a sua in-
foraaeio de 27 do correatc s.ib n. 3 serie E, at
xMopras, feitu peloonselli do c.mjras la mari-
nha em sessa i de 11 desto mez, de vari is objectos
do material d armada pectivo ahOoxariUd i, enstantes d is term is que
pelo ii:-nvi conselho serao remettid is a essa re-
partiuio ; a-,fun o commuu;" i a V. S. para os
fius conveaisnt.s.
A-- t..<: ii, Teudo ne'-ta d .ta approvalo a
Hi :)'/ ;'., > i ir.'J I
mor da exerc.t', de Joai Pin'o Kandeua Ac-'i ili
da VaiKouci'll'4 para i) hrgir I amanuenso da-
.|(lle deji'grla, urn sal);titnio.o de Eluirdo Da-
niel Reis de l>rvalh qoe obte've exonera.ao desse
. nrnpreg-i. : in o comni-inif > a \'. S. para o*
(ins eooveni 'ii'-s.
A-ime-oi). Tran-mitiinla a c-.riia jupU da
laforniicio pre-tada pelo repartlQAa lisral da mi
nisterio da goerr., a resp-ito da d>s .eza militar
feita |)r e3-a thesouraria ao ci"i> de l>;7i a
1871, da qual se ve pie o capit-to reformado'do
axercito, Mai.oel Cjaudinn do Oiiveira e Cruz, e
devcidor fawQiada^'aautiaiJc |0A, qio 4e raai9
. recehea de etapa no perio-lo decorrido de 20 de
outubro de I871 a 2o de fevereiro de 1872, resom-
men lo a V. S. qne, cm cumpriment i do aviso de
14 do corrente do suas ordeas para o competentc
deseooto, na forma da lei.
~ Ao mesmo.Transmitto a V. S, para seu co
nhecimento o devida exeiucao, copia do aviso de
22 do corrente era que o Exin. St. ministra da
guerra, approvinda a deliherajio que MBei de
mandar entregar ao maj ir Alexandre Wood, go-
rente da Western and Brasilian Telegraph Compa-
ny, u barracao existente n> isthrao de Olinda, para
nolle estabelecer-se a araarra^ao do cabo submari-
no, recommenJo que ao mesmo gerente se mar-
que o pras > de dous m ?zes para dentro delle bear
prompt*? no rcferido isthmo o Oarracao que se obri-
gou a fazer a sua ensta, para servir de laboratorio
pyrotechnic a, em substituica.) do que Hie foi con-
esdido.
Ao mesmo.- Constando do aviso do miuiste-
rio da guerra de 18 do corrente, que lica approva-
da a despeza de 25,l"70,que autorisei, sob respon-
sabilidade da presidencia, com os Cjium tos pre-
ci a V. S. para sen coihecimcnlo.
An mesmo. Communico a V. S. |inra os dc-
vidos lins que a I do corrente reassumio o ba-
charel Autoaio Paulin i Cavalcanlo do Albuquer-
que a exercicio do cargo de juiz municipal e d?
orphaosdo termo de Caraaiti.
Ao mesmo. -Attendeudo ao quo expeudeu o
bacliarel Manoel Francisiro Honarato Junior, no
include requerimento a que allude a sua inform**
can de 27 do corrente sub n. 1 serie E, auloriso
V. S. a mandar entregar ao supplicante, sob a
re>ponsabilidade da presidencia, a ajuda de costo
na importancia de 300Ji)00, que Ino foi arbiirada
por portaria do minislerio dajustii;a, da 24 de ju-
IIM ultimo, nu qualidade de juiz municipal e de
rrphaosdn termo de Porto de M6z, na provinciado
Para, visto nSo ter chegado ainda jiara esse Iim a
couipeteutc ordein do tiiesouro.
Ao mesmo. Ao 2- cirurgiao do corpo de
saodc do cxercito, Dr. Jose Pereira dos Santos Por-
tella, qne vai seguir para 0 presidio de Fernando
de Noronha, onde tem de assumir a direccao da
respecliva etifermaria. mande V. S. ajustar contas
c passar guia desocc<>rriinento.
Ao m-smo. Transmitto a V. S, para os lins
convenientes. as iuclusas ordens do tiiesouro nacio-
nal sob ns. iiS, 152, t6l 0 163, todas do corren-
te mez.
Ao mesmo Devendo 0 cirurgiao-mor do
brigada graduado Dr. Jose Zacharias de Carvalho,
effectual' a sua viagein para a proviucia do Para
com deslinn a do Amazouas no vapor qu; e cspe-
rado uo dia 8de setembro proximo vindouro ; as-
sim 0 cominuuico a V. S. para seu couhecmento.
Ao mesmo.DandoJ provi-nento ao recurso
interposto por Francisca das Virgens d'Alexan-
dria, no requerimento que Ihe devolvo, c sobre 0
qua! versou a sua iuforma<;o de hontem datada
sob h 13 serie D, autoriso V. S. a mandar reluva-
la da rnulta em que incorreu por nao haver dado
a matricula, no prazo legal, o ingenuo Jose, lilh 1
de sua cscrava Cosma.
Ao inspector da thesouraria provincial. -
Transmitto a V. S. a coala docuraentada annexa
ao inelnso reqnerimento, para que mande uasar
aos emprezanos da ilTumina?ao a gaz a impor-
lancia de 7:9'J4*560, proveniente do gaz consu-
mido na illumincaj puldica desta capital duran-
te 0 mez de julho proximo passado.
Ao mesmo. Expoca V. S. suas ordeai no
Pacheco de Menezes
a quautia de 40i500, constante da conta inclusa,
em que importou 0 conceito feito na cadeia de
Serinbaem ; segunio scrlicitou 0 Dr. chefe de po-
licia em officio de hontem datado sob n. 1,311.
4.' seefdo.
Aetos :
0 presidenie da provincia, attendendo ao quo
reqnereu Joio Jose Itodrigues, professor de ins-
truccao primaria da frcguezia de Nossa Seulura
da Gloria de Goita, c tendo em vista a iuformacao
Jo director geral interino da jnstrUOcdo publica, de
15 de julho fiado, cm ofJBcio sob n. 241, resolve
canceler-lhe tres mezes delicenca, com vencimen-
tos na forma da lei.
0 presidente da provincia resolve nomear
Isabel Francisca Monteim de Quintal Barros para
exereor interinamente a 1* cadeira de iustruccao
primaria da freguezia de Afogados, emquanto du-
rar 0 impediment do respecliva professora.
5.* secplo.
Portarias :
0 Sr. gerente da companlna pernamlmcana
tecretaria ; providenciando ao niosnio tempo era
ordein a desapparecer 0 engano do no 1 e do agen-
te recenseador, Antonio Jose Pereira dos Benlos,
co ran to* ver V. S. em seu ofllcio de 20 de julho
proxfmo findo.
BSI'EDlENTR DO DIA 30 DE AG0ST0 DB 1873.
J.' ieefdo.
Aelo :
0 presidente da provincia, attendendo ao
qnc requereu Joa > Francisco de Souza, resolve
eonceder-lhe licenca para embarear no vapor Gi-
fiiM, tillTT destine ao presidio de Fernanda de No-
ronha, a serein alii enlregues a Joio Goocalyes de
Maccdo, os generos constantes da rclacAo junta,
assigaada pelo secretarb interino da presidencia ;
nao podendo.'pare.n, desembarcar os ditos generos
no referido presidio, sem que por pane do res-
pective commandante se tenha verifieado que enire
ciles nao exisle aguardente ou qualquer bebiia
espirituosa.
OlBcios :
Ao Ban. brigadeiro commandante das arnias.
De conformidade com o qqe solicita o inspector
da thesouraria de fazenda -em olllcio de hontem
datado sub n. 12 serie E, sirva^e V. Exc. de dar
suas ordens, para que dus melicos do oorpo da
sadde, e o pharmaceutico da botica do hospital
rnilitai se dirijani sem demora a casa commercial,
de Manoel da Silva Faria & C, a rua do Vigaria
afi.n de exarainarem os medicamentos que se des-
tmam ao provimento da pharmacia do preside de
Fernando de Noronha.
Ao mesmo.A' vista das ponderacoas feitas
pelo delegado mterino do cirurgiao-mor do exer-
cilo no olllcio annexo ao de V. Ex;., de hontem
dal do sob n. 872, relativamente a detieiencia de
medicos rnilitares para o service da guamicao,
autoriso o contracto de um facoitalivo civil para
coadjuvar esse servico. 0 que declaro a V. Exc,
em resposla ao seu citado ofllcio.
2* secQiio.
Acto :
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Francisco Carneiro Rodrigues Cam-
pi 11a, capi'.ao da 1" companhia do balalhao n. 33
da guarda nacional do mnnicipio do Cabo, e a
vista do parecer da junta' que o julgou incapaz
do service, resolve, de conformidade com o uispos-
to no art. 49 da lei n 601; de 19 de setembro de
1850, transferir o dilo capitao para o servico da
rcserva. fieando aggregado ao respectivo bala-
lhao
Oflicios :
Ao commandante superior do Breja -Para
que seja paga a importancia dos prcts do deslaca-
mento da guarda nacional. da villa de Cimbros,
cxige a thesouraria de fazenda que sejam tiradas
duas contas, uma relati va aos venci nentos de 21
de raaio a 30 de jurtho e outra de 1 de julho a &
do mesmo, de modo a Gear descriminaJa a divila
do exercicio que findou da do exercicio vigonto.
Ao juiz municipal supplento em exercicio de
Bom Jardim.iNesta data mando seguir para esse
termo um deslacaniento de 20 pracas do corpo de
policia ao mando de nrnjoflicial, que lieara a diapo
.-ica das autoridades policiaes, com quem eaten-
dendo-se Vine., espero cooseguirao luanter a Iran-
quillidade publica, fazendo desvaaoeer os infunda- jujws de-naz e verid dos boalos a an allnJa-am ffli a a^-*- fcrra, observsoasTrs roimaii'i.iJo-. tht-w.
mande trannportar ao presidio de Fernando de No-
ronha, por conta do minislerio da fazenda, o 2 ci-
rurgiao do corpo de saude do exercito, Dr. Joao
Pereira dos Santo Portella, que vai alii assumir a
direccao da respecliva enfermaria militar, e bein
assini a seuhora do mesmo doulor.
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande transportar ao presidio de Fernando de No-
ronha, por conta do minislerio da guerra, 03 sol-
dados, Jose Hello, Jovino "Alves Ferreira, Luiz
Francisco da Rosa e Emygdio Jose de Goes, os
quaes vao alii cuinprir as senteueas que Ihes fo-
rain impostas.
EXPEDIENTE DO SBCBETABIO
/. sectflo.
0-licios :
Ao Earn, brigadeiro commandante das ar-
nias.S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da dcclarar a V Exc, em resposla aos seus offl-
cios de mm tem datados sob ns. 859 e 861, que Ii
cam expedidas as convenientes ordens para serem
transpm-ialos ao presidio de Fernando de Noro-
una o 2* cirurgiao Jose Pereira das Santos Portel-
la, a senhora desle e os soldados, Jovino Alves Be-
zerra. Jose Hello, Luiz Francisco da Rosa a Emig-
dio Jose Goes.
2.' seqCw.
Oflkios :
Ao Dr. chefe do policia.0 Exin. Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S., para
os fins convenientes, que por oflicio desta data ex-
pediram-se as Heaessaria^ orderu a thesouraria
provincial no sentido de ser paga a Felix I'aeiieco
de Menezes a importancia do concerto da cadeia
de Serinhaem ; segundp solicitou V. S. cm (>lficio
de hontem datado sub n. 1,51 .
Ao mesmo. -S. Exc o Sr. presidente da pro
vineia, tendo autorisado o director do arsenal de
guerra a fornecer ao delesado do tenno de Igua-
rassii dez armas para o servico da policia ; assim
o manda declarar a V. S, em r-wposta ao seu ofli-
cio de 22 do corrente sob n. 1,481.
Ao bach irel Antonio Paulino Cavalcante de
Albuqaerpie'O Exm. Sr. presidente da pros-in
cia manda accusar o recehunento do olTicio de V.
S de I do corrente, em qne participa ter nessa
data reassumido o exercicio do cargo de juiz
municipal do termo de Caruani.
Ao contnanHnte do corpo do pol cia.0
Exm. Sr. presidente da provincia mania trans-
uitlif a V. S, pnra< devidos fin, a cojila junta
do olllcio "do Kxm. presidente da provincia das
Alag.ias, com relaea i ao cabo da corpo sob o seu
oainiiiio, lo-6 Doniingues Porto.
8.' secylo.
Offlcio :
Ao Sr. Victorino Jose da Rocha e Soiu,
membro da commissao censitaria da paraenia de
de AguasBealat -D.; orleai toufL Exc. o Sr. pre-
sidente di provincia, cammnnioo a V. S. que em
27 do corrente o mesmo Exm. Sr. offlciou a the-
souraria ds fazenda, alim de Hi': pagar a quaulia
do 2'>b. deapendida por V. S. com a enuduccaodos
plementos originaas do i- :*>-.-..w | esta
corrente^ empregand.) toda prudenera e tino, amn
de nao darem-se contlictos desagradaveis.
Ao bacharel Anslerliano Correia de Crasto.
-Informe Vmc, com urgencia, sobre o que expoe
o juiz municipal suppleule cm exercicio desse
lenno e o collector das ren las provmciaes nos of-
ficios juntos por copia, e advirto-o que desde ja o
responsabiliso por qualquer altora^ao da ordem
publica, que se der nessa comarca, proveniente de
taes factos.
Ao commandante do corpade policia.Man-
de Vmc dcatacar, em Bain Jardim, a disposicao
das autoridades pnhciaes, 1 official e 20 pracas do
corpo sob o seu commando.
3' secQao.
Acto :
0 presidente da provincia, atleodendo ao quo
requereu o collector das rendas geraes do muni
cipio de Caruani. Anlinio do Barros Rego, resolve
eonceder-lhe 3 mezes de licenca para tratar de
sua saude, deixando, porcm, em seu lugar pessoa
desua confianca com^ionsentimento do seu fia-
dor.
Oflicios :
Aoiuspector da thesouraria de faaenla.Dan-
do provimento ao recurso interposto por Zefenna
Consianca do Rego Villar, no requerimento que
lhe devolvo e a que se referc a saa iuformacao de
hontem datada sob n. 32, serie E, auloriso V. S.
a maudar relevala da multa em que incorreu por
nao ter communicado no prazo legal a venda de
sua escrava Josepha.
Ao mesmo. -Dando provimento ao rocurso
interposto por Manoel Antonio Ferreira, no eque-
rimeulo que lhe devolvo e a que se refere a sua
informapao de hontem datada sob n. 34, serie E,
autoriso V. S. a mandar releva-lo da multa em
que incorreu por nao haver dado a matricula den
tro do prazo a ingenua Francisca, Ulna de sua es-
crava Evarista.
Aj mesmo.A' vista da cmta inclusa, man-
de V. S. pagar a Juvencio Aurelio de C. a quantia
de 38*000 em que importaram os editaes da jun-
ta de emancipacao de.eseravos, publicados no Jor-
no I do Recite.
Ao mesmo.Expeca V. S. suas ordens ao
inspector da alfandega para que consinla no des-
pacho, livrc de direitos, de duas caixas, vindas no
vapor inglez Neva, ns. 28 e 29 e marea S S & C,
L P & C, contendo instrumentos para a banda de
musica da companhia deaprendizes artifices d ar-
senal de marinba. os qu m- foram man 11 Jo vir da
Ei.ropaJj|M>r intermedio dos negociantes desta pra
ca Sou.a4 Sa, pelo respective inspector, cm vir-
tude da autorisacao conferiJa pelo minislerio da
marinha em aviso do 1* de marco ultimo.
Ao mesmo.Mande V. S. ajustar cantas e
passar guia de soccorrimento ao coroael honora
rio do exercito, Alexandre de Barros e Albuquer-
que, que vai assumir interinamente o commando
d) presidio de Fernando de Noronha.
Ao mesmo.Representando-me o brigadeiro
commandante das armas em oflicio de hontem
datado sob n. 872 acerca da falta de medicos rni-
litares para o servico desta guarnicio, resolvi au-
to' isar o contracto de um facultal.vo civil, afim de
coadjuvar esse servico. 0 qne communico a V.
S. para sou conhecimento e direccao.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Mande V. S. abonar dons mezes de venciraento< a
I official e 2D pracas que vao destaear em Bom
Jardim, a contar do de setembro a 31 de outu-
bro proximo vindouro, e mais 30* como ajuda ds
custi de ida e volla ao dito official.
Ao mesmo.Para seu coniiecimento e fins
crave denies, declaro a V. S. que por acto desta
iata Thomiz de Carvalho Soares Brandao Sobri-
nho, arrematante das obras do 4 laneo da eslrada
de Muribeca, tic relevado da mulla era quoin
coiren por na i ter conduit) as ditas obras no
prazo legal militando para e se rehvamealo os
motives a|iresenlados pela reparticao das obras
pnblicas em offlcio de 21 do corrente sob n. 343.
Ao mesmo. -Mande V. S. por em basla, pu-
blica os reparos das obras da ponte da Juuqu^ira,
segundo propOc cm seu offlcio de hontem datado
sob n. 3;i7.
Ao mesmo. GoBfermando-mc com a infor-
ma;ao da contadoria, a que alluto o seu offlcio
datado de 28 do corrento sob n. 361, mande V. S,
pagar ao coadjutor da freguezia do Uonito, padre
ficui'.e di Fohpj'X-'.qua s ,i p:.:curador,"oa ven-
ci manias de sua congrua, relatives ao mez de ju-
nho do anno proximo passado, fiertencenlea divi-
de de exercicio fiudo. de quo trata o art. II 3'
da lei do orcamento vigente.
Ao mesmo.Em adJitaraenlo a ordem desta
presidencia,de 27 do corrente, tenho a declarar a
V. S. que o abono dos veneimentos do le-laeamen-
to Ja policia existente em Goyanua. deve ser feito
a 36 pracas e nao a 27, como por equivoco se men-
cioaoo na cilada ordem.
.. ho collector do Bom Jardim. -Fieo inteirado
do qua me expoe Vine em sou ntilcio de 26 do
correale e em resposla cumpreuie dizer-lhe qne
dei as nccessarias providencia-.
4- serao.
Acto* :
0 priHidente da provincia, atteudcudo ao
que reiiueren Bernardo Teixeira de Moraes, pro-
fessor de instruccao nriinaria da |Kveacao de An-
gico. da eouiarca de Nazarath, e tendo em vista a
infurinacao di director geral interino da iuslruc
cao publica, le 23 do corrente, cm oflicio sob n.
239, resolve onceder-lh: 40 dias de licenca com
veneimentos oa forma da lei.
. 0 presidente da pro'vincia, teudo em vista a
proposu da caaiar.i municipal da villa de Agua
I'reta, feila em ofllcio de 18 de julho li ido, resol-
ve, de eouformidade com o art. 2" da lei de 25 dc
outubro de (831, appjovar pruvisoriamente i
mandar que se execute a poiiura addieional aoai
XO :raaseripta :
i Fica substilaido o art. 46 das posturas deste
inuuicipio pelo teguinte :
As [csiras lo muoicip'o do Agua I'reta po-
derao tor lugar en qualquer dia menos nos do-
mingos ; soiide, por6in, dotei miuado pela camara o
local das inesmr.s.i)
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requerwa a professora de instiuccao primaria
da I* cadeira da freguezia de Alogados, Lisbella
de Albuquerque Mello, c a vi-ta da infurinacao
do director geral interino da instruccao publica
em oidci i do 27 do corrnte sob u. 262, resolve con-
ccder-ltn tres mezes de licenca com vencimeutos
na forma da lei, para tratar de sua saude.
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Rita Francisca dos Aujos Chacon,
professora d* cadeira de iiisirucca primaria da
freguezia de Santa Maria da Boa-Villa, resolve
prorogar por 3 mezes o praso quo lhe foi mar-
cado peii directoria da instruccao public para
entrar mi exercicio da mesma cadeira.
Portafias :
A'camara uiuiii :ipal dajvilla de Serinhaem.
Mande a ca i an municipal da villa de Seri-
nliaeni orguiisar uma lisla dos eidadaos quaiili-
cados ua parochia desse inuuicipio c peitencenles
a nova de liamelleira, roquisitando da camara
municipal da cidade de Escada igual listo dos
qnalillcados na parochia daquelle muuicipio,que
estejam boawwmo caso, atira de ser tudo reiuet-
tido ao juiz de paz mais vntado do districto visi-
nho ao da malriz da juella nova parochia, visto te-
rem se oscu-ado do exercer este cargo os respec-
tivos jiiizes de paz ; dan to as necessarias providen-
cias pant que se I a; a a devida convueacSo pro-
ceda se in 3' d imiuua de outubro a vk>iQ publicas.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente
da pro7iucia, communico a V. S. que por acto
desta data, e em vista de sua informacao de 22 do
corrente sob n 315, Tiiomaz de Carvalho Soares
Brandao Sohrinho, arrematante das obras do 4"
laneo da ostrada de Muribeca, fica relevado da
mulla em que incorreu por nao haver coacluido
as referidas obras no prazo marcado.
A' canfara municipal da villa de Agua Pre-
la. Itiinetto a camara irmnicipal da villa de Agua
I'reta, para seu conhecimento e devida execueio, a
inclusa copia do acto dssta data, pelo qual
resolvi approvar pruvisoriamente a postura addic-
eioual qne veto annexa ao sen olllcio de 18 de ju-
lho proximo Undo.
5.' leccuo.
Act0:
0 presidente da provincia, alien teudo ao que
requereu o arrematante das obras d i eslrada de
Murihi'ca, Tiiomaz de Carvalho Soaies Braudao
Sobrinlio, e em visU da informaeao do engenheiro
chefe da reparticao das obras publicas, de 2J do
corrente sob n. 3 to, resolve releva-lo da mulla
em que incorreu por nio ter concluido as rnencio-
nad.is obras no prazo marcado.
Olficios :
Ao Exm desembargador pro;ura lor da co-
roa, soberania e Jazeoda nacional Sirva-se V,
Exc. de emiltir seu parecer sobre o- autos de me-
di?ao e legitiiiiacao das posses requeridas por Jo
to Mathias de Araujo Lins, Joaqaim Rodrigues
Pereira, Autonio Mauoei Gomes, QmnnlianoMen
des Nogiieira, Joaquim Paes do Xascun-uto, Paulo
FerreiTa e Anna Francisca da Eacaroacao ; cujos
autos Ihe remetlo inclusos e mo serao devolvidos
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.-Declaro a Vmc, para sen conhecimen-
to, que nesta data autorisei o inspector da thesou-
raria provincial a mandar por em haste publica
as obras do* reparos da ponte da Junqueira, de
gue trata o sou ofllcio de 16 de junhi proximo
undo sob n. 246.
Ao engenheiro fiscal da eslrada de ferro do
Recife ao i axapgaEm resposla a consulta que
faz Vine, em seu offlcio de hontem datado, rela
tivamente a subslitaicao dos actuaes assenlos dos
carros dessa companhia pelos de que irate o re
gulamenlo fiscal, tenho a dizer-lhe que, seudo pro-
cedeute a razao allegad.i em seu citado oflicio,
nenhuin inconveniente ha na coutmuagao dos di-
tos carros, sem que seja procisa a alludida subs-
tituicao.
EXPEDIENTE DO BSCBaTABIO.
/." seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas.S. Exc o Sr. presidente da provincia, tendo
autorisado o forneoimento, a companhia de caval-
laria desta provincia, de um alvo, 9 bandeirolas e
lilas para exercicio de esqueleto, consumes do
pedido que veto annexo ao olllcio de 28 do corren-
te sob n. 866 ; assim o manda commuuicar a V.
Exc, em resposla ao citado offlcio.
Ao inspector do arsenal de niannha.-S.
Exc. o Sr. presidente da proviucia, ten to provi-
denciado para qne o inspector da alfandega con-
sinla no despacho hvre de direitos das duas cai
xas, vindas da Europa, com instrumental para
a musica da companhia de aprendizes artifices;
assim o manda commuuicar a V. Exc, em respos
la a.- sea oflicio do 29 do corrente sob n. 703.
2.* seccuo.
Omcios :
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Cabo 0 Exra. Sr. presidente da provin-
cia manda declarar a V. S. que por portaria de
hoje foi trausferido para u. servi.o da reserva
e aggregado ao respectivo batalhao o capitao Fran-
cisco Carneiro itodrigues Campello, do batalhao n.
39 da guarda nacional sob o seu commaado su-
perior.
Ao commandante do corpo do policia. -0
Exm. Sr. presidenle da provincia maiMla co.nmu-
nicar a V. S. para os fins convenientes, que ja
expedio as necessarias ordens a thesouraria pro
viucial para ser obonada a quantia de 30,*000,
como ajuda de custo de ida e volte, ao official
que vai destaear em Bom Jardim,. assim uimo os
vencimeutos de dous mezes do mesmo official e
de vinte pracas '!"* va ao son commando ; na
eouformidade do que solicitou V. S. cm >eu olficUi
datado dc hoje.
- Aomesip i.-0 Exm. Sr. presidente da provin-
cia manda declarar a V. S. que metadata expedio
ordem atliesuuraria provincial, no sentito da re
clainacao con-Uut" de sen oiftcto de 28, do correa-
le sob n. Ml.
ieciao.
Offlcio :
Ao engeniteiro chefe da repaid .ib-das. oliras
DESPAOUUS DA PBSSIDS.NCIA DB 6 DE NOVEMBIIO
K 1873.
Manoel Antoni> de Jesus.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Manoel Franciseo Alves.-Concedo o prazo de 8
aias.
Praneisco Sabino Coellio de Sampan Junior. -
lgnard- a supplicante que se venca o prazo de que
trata o art. 45 do decreto d. 1,130. de 12 de mar-
co de 1851.
Major Francisco Pedro Soares Brandao. Nao
teudo ainda side impost i a multa de quo 'rala o
tsuppbeante, nio ha quo deferir.
Firtnino Candida de Figueiredo. -Ao Sr. com-
mandante tuporior da guarda nacioaal do muui -
cipio do Recife para informar sobre o que rcaucr
o supplicante.
Joao de Carvalho Soares Bran la a. Nao tendo
sido imposts a multa, nada ha que deferir.
Jaao Correia da lljclu. Concede soraente 40
dias.
Mauoei deBirros Barreto. Deferido com offlcio
desta data dingido ao Sifciuspector da thesouraria
de fazenda.
Bacliarel Marcos Correia da Camara Tamarindo.
Certili que-se.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, 7
de novembro de 1873.
0 port-iro,
Silcino A. Rodrigues.
ll-| I.' seccao. Secretaria da ptihcia de Pernambuco,
7 de novembro de 1873.
N. 1845.Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foi hontem recolhido a casa de detencao, a
ordein do subdelegado do Recife, Francisco, es-
cravo de Bartholomeu Loureneo, a requerimento
desle.
Por oflicio desta data comraunicou-mc o subJe
legado de Beberibe que, as tres e msia boras da
larde de hontem, no lugar Canhengue. daquelle
district', Jose Pedro Geraldo. travando-se de ra
zoes com Francisco Ignacio Leile, ferio mortal-
mente a esto com uma facada ; que o d-linquente
foi preso em llagrante, e o offendido recolhido ao
ho-pital Pedro II, afim de ser convementeraente
Iratado ; qne procedeu a competcnte visteria e
prosegue nos termos do inquerito.
Finalmente, a ordem e a tranquillidade publicas
nao soffreram alteracao.
Deus guarde a V. Exc Illm. o Exra. Sr. com-
memlador Henrique Pereira de Lucena, dignissi
mo presidente da provincia. 0 chefe de policia,
Anlonio Francisco Corrtia de Arau)o.
DlAttLDDEHEttNAMKUUi
RSC1FE, 8 DE NOVEMBRO-DE 1873.
iVoticias la Europa.
Hoiitem a i meio dia fundeou no lamariio o va-
por francsa Erymanllie, Irazendo jornaes c carlas
de Lislxia ate 2i de outubro. Colheinos de uns e
de outras o que segue :
KilANQA.
Acarta dirigida por Mr. Thiers ao mairc de Nan-
cy, declinanlo a honra do convitc da municipali-
dade daquclla cidade pare um b..nquete que lhe
queriam dar cm reconhecimento dos sens felizes
esforcos para a libertacao do territorio, tem pro-
duzido resultados brilhantes e maravilhosos.
Bastaram poucas palavras do eminente hom "a
de eslado a quem a Franca ja dove lanto, para dar
ccragem aos timidos, moslrar o caminho aos trans-
viados, e chamar a eslrada da honra os que della
se iam afastando.
Os furore* das folhas realistas nao tem limites ;
umas chaniain lhe, communeiro ; outras preten-
dem que e urgenle prendel-o como o raaior agita-
dor repubiicano.
Um dos primeiros effeilos directos daquella car-
te ioi detenninar 0 Sr. Remu-at a aceilar a can-
didatura que lhe era offerccida pela Haute-Ga-
ronne.
0 anligo mlnistro dos negocios estrangeiros
comprehendeu que apezar da sua idade, e dos ser-
vices que ja tem prestado a sua patria, se nao po
dia recusar a seguir o exemplo do Sr. Tliiers, e ir
defender a seu lado os principles de toda a sua
vida.
0 que neste memento caracterisa melhor a si-
tuacao da Franca, c o manifesto dispertar da opi-
niao publica.
Era todos os departamentos, os cidadao come-
cam a reunir-se para manifestarem as suas vonla-
des, e provoearein os seus deputados para mani-
festarem su* opiniio. Os mais moderados com-
prehendem quo o seu dever e prevenir a revolu-
can e nao de a deixar realisar, para recahir depois
sob b jugo de demagogia.
Ou a repub.ica se consolidara em Franca, ou
este paie ira da monarchia restaurada a anarchia,
e da anarchia ao cezarismo. Esta verdade come-
ca a reluzir aos olhos de mnitos, que ate aqui pa-
reciam querer retirar-se da lute.
A carta do Sr. Thiers teve ja o grande mereci-
mento de chamar estes valiosos campeoes ao com-
bate legal
- 0 Sr. de Broglie, presidente do conselho de
mini.-tros, foi assistir a um banquetc organisad
no pelos maires de jzrande numero de coinmuoas,
depai tamenlo do Eure Pronunciou um grande dis-
curso destinado a contrabalancar o elTeito produ-
zido pela carte de Sr. Thiers.
0 quo mais claramente se pode eoncluir dai
ph. ases nebulosas com que o presidente do conse-
lho de ministros tratou de caracterisar o governo
com que quer dotar a Franca, e que o governo
nao podera ser jamais um governo- clerical, asse
guran lo todavia a igreja romana.os priyilegios de
que n'outros tempos gozou. Disso mais o Sr. de
Broglie que no seu parecer a assemblea de Ver-
sailles, e depjsitaria do poder conslituiute, e que
ella pole dispor a seu b3l prazer, dos destinos
da Fran.a. ate mesmo a reslauracio dos Bour-
bons, sem que o povo tenha o direito dc se quei
xar. Pela eleicao da assemblea o pova virtual-
mente abiicou todos o-< seus direitos.
Tal e a opiniao constitucional do presidenle do
minislerio francez.
- Como se esperava, e ate mesmo os jornaes
monarchistas ja tinham fejto presentir, as eleicoes
que tiveram lugar nos departamentos da Haute-Ga-
roune, da Xievre, do Puy de Dome e da Loire, fo-
ram outras tantas derrotas para os monarchistas.
0 que pore n sa nio presumia, era que a derrola
fos-e tao ci mpl-'la.
Na Haule-Garenne o Sr. de Remusat obteve
70,600 votes contra 3i,200, dad is ao Sr. Niel; no
Loire o Sr. Raymond foi eleito par 37,500 votos
contra la.003 votos bonapartisias, legitiraista* e
OitoaBtstes coacentrados no Sr. Faure-Belon. No
Puv de florae, 79,8*) v,.tas foram dados ao Sr.
Gir.id-Pousil que 0I0 linnam concurrente^ mag
qua teve-dfl latar contra as absten';oas do toja a
espcJie. No Nievro foi tambem aoraeAfb) o Sr.
f ui-iguy e a maioria quo reuaw e muito, conside-
ravfll.
0 effeito moral doias elei-oe-i n5;a so fara c-po
rar muito tenpo,
4i
0 lime* alBrma que o conde de Chambord,
fez concessoes ; as bases do accordo qua h.vde ser
"ubmeitido a assemblea nacional, sao : proclaim-
r-.\o da monarchia heredilaria nacional o constitu-
cional, liberdade religiosa, igualdade perante a lei,
direito de todos aos empregos pubheos, suffragio
universal regulado pela assemblea e pelo governo,
liberdade de imprensa o conservacao da bandeira
tricolor, sem prejuizo de concessdes mntuas olte-
rioros enlre o rei e os represontantes da nacio.
Afflrma-se que o general Mac-Manon consento
em mantor a ordem ate a chegada do rei, so a as-
semble proclamar a monarchia.
As commissoes da direiia approraram unanimc-
mente, par interesse do paiz, a proposta de resta-
belecimento da manarchia, garantindo todas as li-
bordades civis, politicas e religiosas, qne consti-
tuem o direito publico da Franca ; maniendo a
bandeira tricolor, o aceitando as moiificacoes,
que deixando intactas a iniciat va real, se possam
Tazer por accordo entre o rei e a representa;ao na-
cional.
Sao eomplctameente desmentidos os boatos de
raod>licacio ministerial antes da reuniao da assem-
blea, inas julga-se provavel que esta so reuna an-
tes do prazo para isso destinado, telvez no dia 27
de outnbio.
Um telcgramma de Paris dc 22, atlirma quo o
marecbal Mac Mali on declarara qne licaria ao ser-
vice do paiz, mas que rejeitava a proposta da pro-
rogacao dos podercs ; que entretanto se nao sepa-
raria dos conservadorcs.
^ Calcula-se que na assemblea o cande de
Chambord, sera eleito rei por uma maioria de 11
a 16 votos; as propostas do Sr. Thiers ja coote-
vam com 341 ad'iesdes.
Em Paris rcina grande agitecao por causa da
attitude tomada pelo presidente Mac-Mahon.
SUISSA.
A maneira i eremptoria com que na Suissa tie
cortem as diiliculJade* com o eraiscopado nltra-
montano, e especialmente a eleicao dos parochos
pelos seus parochianos, segnndo a nova lei do can-
tao de Genebra, nao podiam deixar de provoear
violentos proieslos da pane da curia romana
Dizeiii de Roma que o papa teria condemnado
forroalmcnte a applicnrao do voto popular a no-
meacao do clero das parochias.
Ja ss deu o case da oleicao de um parocho para
uma igreja em Mantua.
Diz o J-rnil de Genibra qne o conselho de
estado daquelle cantao, escreveu ao conselho fede-
ral para se queixar do procedimenlo de Mr. Mer-
millord na fronteira do cantao, c para lhe pedir
quo de ordem ao Dr. Kern, minisiro da confedera-
cao helvetica em Paris, para que este de conneci-
nienlo ao miiiistro dos negocios estrangeiros de tal
procedimenlo.
Os cat mlicos partidarios dc Mr. Merraillcrd
afflxaram em Genebra dous proteites muito vivoa
contra as eleicdes populares das novos enras que
deviam ter logar no dia 12 de oumbro e reeom-
mendam uma absten;ao complete.-
Apesar dos seus esforcos, o numero de eleitores
uue tomaram parte na primeira ajiplicacao da lei,
foi relalivamente consideravei. Apresontaram-se
2,"100 volantc: 1,267 rlepozeram seus votos em
ravor uo arraaiie Jacintho Loyson at WBr*MiTr, e
de Chavarttque foram eleltos para as tres paro-
chias de GeTOhra o sens arredores, em substitui-
cao dos antigos parochos.
Os jornaes de Genebra aconsetham aos antigos
parochos que vao fazer companhia ao seu antigo
bispo Mr Merraillod, cujas extravagancias contri-
buiram bastante para a transformaeao que nesle
memento experimenta a igreja catholica de Ge-
nebra. m
ITALIA.
Desmenle-so o boato d.i tencionar o governo ita-
liano dirigir aos seus agonies diplomaticos no es-
trangeiro uma circular re'aliva a viagem de Victor
Manoel a Vienna e a Berlim.
a Nio ha equivoco algum possivel, como dizem
os telegrammas, rclativo a esta viagem e por isso
a diplomacia nao tera necessidade alguma de
dar explicafoes.
Assegura a Correspondencia Ilaliana que no
prlmeiro conselho de ministros que se reunio em
Roma no dia immediate a volla dos Srs. Mingliette
e Visconte Venosta, decidio se redigir um relato-
rio circumslanciado das conferencias que estes
ministros tiveram em Vienna e em Berlim; e
deposilar este documenlo nos archivos do reino.
0 governo ilaliano vai-se ver obrigado a re-
correr a medidas legislativas para conter o clero
dentro dos limites dos seus dovores.
0 Ossercatore romano jornal ultramontane,
annuncia positivamente que vai set aproientado a
cainaras um projecto de lei pouco (avoravel as li-
berdades da igreja.
0 boato de uraa modificacao na composicao
do governo ilaliano, quo ultimamente correu era
Roma, e desmentido pelo jornil da Italia, e nao ti-
nha alem disso razao alguma de ser. 0 bora re-
sultedo da viagem do rei victor Manoel a Vienna
e a Berlim, tornou o governo muilo popular e con-
solidou a sua situacao mesma era fiente da es- '
querda pura, que tendo feito cahir a antiga admi-
nistrapao com esperanca de lhe succeder, nao es-
tava salisfeita de tor sidi illudida nas suas espe-
ranyas.
Alguns jornaes annunciaram que a abertura da.
nova sessao teria lugar no dia id de novembro,
mas ainda esta nolicia e desmentida pelo jornal a
Italia que auianea que a ete respeito ainda o ga-
binete nao tomou decisao alguma deflnitiva.
Diz o Jornal de Florenc < que o Vaticano
raanlou estodar os document is relatiros ao pen-
tilicado do Pio VI, durante a perseguicao revolu-
cionaria de 1793, afim de tomar contra a Suissa.
as medidas que nesse tempo foram or lenadas con-
tra a Franca.
Parece. porem, que se a santa se intentar al-
gum procedimenlo violento contra a Suissa, teri
de proceder analogamente contra a Russia, contra,
a Allemanha, contra a Austria e contra a prop-ia.
Italia.
Os jornaes publieam o texto da carta dirigi-
da por sua santidade, em 7 de agosto, ao iropera-
dor da Allemanha, e a resposla desle soberano.
Desde a primeira palavra o sanlo padre condem-
na a politica seguida pelo governo prussiano a res-
peito do clero catholico ; oVclara qne as teis novas
tendem abertamente para o anniquilamento do ca-
tliolicismo. Sua santidade procura era vao os n-
tivos destas duras perseguicoes, mas. tendo sabido
\wz pessoalmenle o imperador desapprova estas
medidas, Ihe diz com franjue.za que o seu goter-
nn procura minar o proprio throne de sua mages-
lade. Julga do seu dever dizer a verdade mesim-
aquelles que nao sao catuolicos: porque todo*
aquelles que recebi-rara o baplismo dependem d
eerto modo do papa.
A resposla imperial datada d- ?. ito setembro ft
tao cortez corao firmc 0 imperador advene ao
papa que otic se deixa enganar por tolsas infor-
inacSes sobce a situacao dos negocios allemaes ;
sem isso terdhe iasido impo-sivel sunpaf aue ogo-
verno real saguis^e vias de-approvadas |>eto sobe-
ratio. .Vfousliiuicao o as leis do paiz oppoem-se
a isso. 0, imperador di' ter vino com desgosto
, cathoiicos um parudo politico que teude a pertur-
har, por mio. de cnlpaveis intrigas, a paz secular
entrc as .W.vVsas e Em I >gar de combater e-ta< t-nrtenciasoalto clero
appFova-as e da e ex-mplo da desobedieneia e da.
reballiao. 0 imperador d"ve a sua cmsciencia,
c imo rei rhristao, pr pt esta paz c fa'erres-
pri'm
inmj

mm


*
^io do Pcrrambueo Sub^t'do 8 de Novembro tie 1873.
S7
a? cons?9. Saber* Miller a ordeai afofcame*-
mo que o sett ikjjNTpA vAirignsso a c-mprfgar l-1os
os rinrescontrrm^prvilires Jo uma Igreja tpio
segttndo Ihe apt** ftrtditar, eonsi.tora do mes do
modo ijiio .1 igrej:,eangelica, a ub.lieucia para
com a aainn 1 de do esiado, como sendo prosdjl
ti pela vnntadc divina revelada.
Esla verdade. *:nlo dcsconheeida pur uma
graude parte di ebro catholic). 0 imperador es
pera qiie o pan,., meMmr inform ado, usara da sua
autorrthde para p4tam termo as mcaiiras 0 as
agit.icoes qua coaipronveltem 0 preftigki sac'ido
lal Vinalinente iiimp-'r dor Oo!it;s*. t a frtranha
assercaodi papa fie tolas ague^es qua recebe
ram 1" bapiismo, aiesw > os nao calhohaai depcn
dam d" papa roiriaao. Ea 9r.11 prolesnwrle, diz
o imperador, ca-n" ia 0 firam niens autcpassi |j)-,
c 00m > a miiaria d.is ni us suli ht'i-. A n
evangelica tab-nos parujittc adnMtk aWfrft Deas
e nos ouU'us nNenmdrarws a niio ser Nosso Se-
nhor Jesus Chtvlo
T.t&fH BAIX0S.
A improns* neerlandeza liscute cm ruidada 0
oicameiU'i das ludias ucerlaadezas, aprescutado
pel SM muito suporiores a is resultados dos annos an-
toriores.
Estao quasi In-los de accordo e:n *pse a admi-
nistracao colonial aefsa inuifa) a deseiar, .1 mai-
tas respeitos, e ojae e urgenle introdazrr alii rafor
*nas serias
As co.nplieaiyps do Sumatra fornccem ampla
tnaleria a eritieas pie nan parecem iiiieirarneute
desprovidas de lundamciito. Aleni disso a opiuiao
publica BStt do accord-> cum 0 governo, para dizer
3u a questao do Atehin, no pan-to a que obagon,
eve ser h'.va la ale o lim 0 que para a .X.-erlanda
0 suas florescentes eoloiiias dos mares orientaes ii
tuna urgento necessidado saltir triuniphaole do
un>a -ituaca 1 que occulta sens perigeso.
Km ronscqueueiada volacao A: uma mic/10 na
sejUuda camara dos ostad is g-raes, vai-so |ir.iei'-
der a 11:11 in uwntu ubrc a priauira enpftlijai a>
AH-.in. A d<4e iii.'pi'Titi, j t.TiuiiM.i u ?on roiaton'o^ s
ntembrus d.-sta cointnissiu cjwproiaeBi?n-*e p.-r
jorauienUi a nil aivulg.tr causa alguuia des-o in
i|Reritu."
l.NGLATEBUA.
0 minisierio Gladstunu pir^co ter cjuobrado a
i*a lei 1 dos rnvezes eloiioraes, ajd peso aiuuacava
MUipnimellor a sua oxiit 'iicia.
Os eloitores de .Hath, (|iic ha soi-,inozes. haviam
por duas vo/.i's dido uiua maioria ao partid 1 c.iu-
serador, acaliam do tJeffer 0 undidado lilioral
11 Sr. Ilijlcr E't oldevo i,il) vutos contra 2,071
dados ao seu antagomsta o Sr. h'orsyth, pr.itogido
de vr. Disraeli.
Esle resuUado Jove ser muito dosagrad.iwl ao
obefe da .'Up isi.a 1, ijiie aao tin'.ia recelado com-
prometier s,; m luta, e quo dew lastimar agora a
carta 1 pie dfrigio aoseteitercs.
Os j inaes liligraoj nfio djixam do dar a $ie
pro|iosilu .1111. lirVi de in ,.l.'rai;.i 1 ( &e CoovQoiep
na parlaroenbtr ao leu&er do putiJj lory.
O Time* sail exagi'rar 0 alcjnee da eloi.ao do
Hath, nfio dei'xa do cdnfessar quo tern uiua corla
iinp ral I'd inn piUi-o floditaJ.) polas deciaiiiarocs d..
oh-fo dos conservadares, quo Lxciiaram 0 zol-i do
paTti 11 liberal e lov..rai a urna t-ltitor.v. quo ate
ahi eram iadilTerontus
Espora-seporemo resiillilo da^eicAo de Toaa-
!nii. Lfberaes e eonsci'vadores coBsFderairi esla
patatha eleitoral cuuio Jc uma graadi) impor-
tsncia.
Dit-se mcsmo q:ic 0 Sr, Gladstone touoiona, no
aso era qu'/> i'.indw.lalo liberal fosse viucid.i, re-
t.BTcr iniiiWiat'iinert'e a unia dissolui;ao da ca-
mara d s eo;n 11 1a*, 0 \i iiidar proceacr a uovas
1 i.'i'.-'i..;.
K 11 Hal. 0 caadi! .to liberal c Mr. Iked, EA:\
itef; ro lanibmu e. ; ..; debatidjt, e 0 sou resul-
ts 11 ii esper.id 1 eo u .M-.-i-dido g.-ral.
N dia '2* do irjtul.ri dovia-sc aurcseatar3Hr.
'':i'.'!il, p'Tanto us sous cleiloriistcHirusingliaiii.
Opartido Ii''-'; es^era com uiufia iiiipai'UMicia
'. l.*tiirso i\\ir if.-j p ir essa circumstaneia d ivu
: i.i'.'iar; u d m le Ocara Couhcce.iJu u pro-
-mm unia d) govern1), .po pelo nienos, na pruxim.v
ssiii), A sverj reiinir cai t nn > "li inoiina uuraa
baxgiiesca c 0 p ivu htgfci.
Fazem-se em Jinninghaia grand ? prepatalivqs
para a ro:op;.ij lo Mr. Bright, 0 cellule eleiioral
I i sustpqta a caadidaura d-i cbaaceller do du
'a 11 de IUincaitre, aktgou a maior sala de Bingley ;
I idaa a< cl I idea ui'.nuraetureiras do dKlricIrt eh
Viarito ad meeting re|ireseiitaiites.
Espera-se uma grande deoionstrac^o do partid-i
'. Avalia-se en lo mil pess:as 0 numero
d : qoe podem ser admittidas na sala.
Diz 0 TY'ii's. !e loqoe a Inglaterratem Games
u 11.- nj.,ii\ )., qao ;i AUiuMUihM |>:u'a "''r''" Ag i.i-
asdc3 00 catliolifismo. O papado 6 inimigi
cominum, quo t>las as potcncias terao qiie eow-
tnler.'
DIXAM.illCJL
Abriram ?.);.- sessdes do parlaniealo dinaaiar-
fiez, ii di i !arso da c irfia.
C us da ab 1 ira teve logar a iiiaugura^ao da
I I iiii equ Jtre em bronze de Freue
lICQ II.
0 Sr. Plong, pulili.'is'a,
ii:-1 de inan^uraca i, 1
f taa rcoi rd:rra 0 n see
pular qn
ira o' ir nios dc
\nr e luicAs prussiana.
rur fete aao e rtcafibertJo pel) csrado, 0 inves'
ii 1> nis prtrnflttrvus tie quo oozam us- ooiros bis*
ji'i;._ 0. laiiiistto o Sr. Faik, wrist s por e-ta oc
casiao uma allocu;ao ao recipiemlario, em que de- u
Vlarou que a protee^ao do'cstado 6 conferida de s
I dean direito aos volhoscath'dicos, em quantoelles
niq/reensariaa Cfsar o.f gem d'c. and s qiw
rt.nttteid.is ikIos go^rinos ii-
m- >".!:=. a ':KCf; i^hIi il >s b-NliJos LiNfi, p**l
rn u.am.u rrfc'tkria <: r.ncnH>:> : aei*Ji ao
clei(;ij djs rospeetivo**?]
!h
tap
UaluWiMe *-ou*i*i e;n Cois*an"tin-jy!:iJ tub a pre- *pvsidei'.eia, foi ante-h.iotcm toioaila pe4a commjs
ra- v
pi pronnncion 0 dii-
disse ipie esta csta-
da liberdade, e a re-
era um penhoc do affei-
.-ehleswig, c diva elaro
<: lesteiitunho da fraternidade dos povos do X.irte.
N 1 I [foi reeleita a antiga mesa compos-
ta it is raefi'S da oaposicao.
A auseacia do diseur-o do throno na abertufa
da Re-sao e: plica-se pela rosoiueaoqu-ftomaram
,- it.- di maioria do Mkelhing do rejeitarem
imcnte para Eazerein cahir 0 minisierio.
K.'le adiou a': depots da batalha annuneiala
mnilas refonnas qne so aaauneia^am e quo eram
pedidas ja ha annos pela npiuiio paWiea. 0 Ira
ballio di actual sessao, limitar-so-t'a, alem da dis-
cassio do orc/imonto, a terminal" algumas qaestSes
jirg"!i!''- i'.io pela maior parti' ji forara debftUJas
p 0 1 rig-d ig.
AinJ.i quo a it-meaflo di mesa do folkething
parece in litar um ebeqao certo ao miaisterio ;
esteapoiad) polos consorvadores e seas autigos
ad versa ri s.os nacianaes liboraes, nao desespera
de triumphal- da- didieulJades que oaraeaeam.
Kin ultima analyse 0 goverab tenci'ina feeorrer
a uma dissolueao de que espera bons resullados;
mas conta quo atiouPimo numeuto, alguas de-
paUdos da maioria so destigarao dos sens amig-.s
n'l's do levar as con5as as ultimas exttemi-
da 4a8.
Xo dia segi.inleaodaabertura Jo iolketbing,
ciaeocnte e tres nioinbros, cuqipoado as esquerddS
reunidas, cujo numero se cleva um pouco a mefci-
de dos membros efTectivos da camara, depozeram
ijma uioeao, annuneiaodo a sua inten^aoo orca-
meuto a piimeira leitura, e ptdindo a assenibloa
lo voiar uma macao do desconOane.a contra 0 mi
aislcrio.
0 folk .'thing tendo admiltido as propostas, ca-
troa-se na sua discnssao, quo dove tenninar por
inaa votasao afflrmativa, vislo que a maioria da
A.".amara ja a assignou.
O governo vai responder a uste iosolito aelo de
lio.mlidade, pela dissolacio do Fulkelhing, sem es-
perar a raliiicai^ao do volo pela regeieaol ormal do
orcainento.
A camara depots de tor votado 0 pedido de de-
nissao do governo, comccoti a discussao du or.;a-
menti.
Opresidente do conselho antes da diseussao fez
/;"ia nova deelara.;ao mais signiti^ativa que a que
iioh. sido feila 11a sessa.1 anterior.
Pelos do>ejos maiiifeslados pelo rei, 0 minisierio
(kara no seu pjsto, unde 0 relem o sea dever.
O governo eons>dera como incons'.itueional a
. .1 que lh*s laz a maioria do foikethicg e
l-iali:i.:a-a de atlcntatofia aos direiios e preroga-
tives da boroa.
.\" io laz caso da volajao da vespera, maa so a lei
.'inancci a o n'jjiuda, 0 governo responJera com
a dissoui..ao iminediala da camara.
AlI.KMAlttlA.
A agila?do eleitoral na Prussia, so M torna no-
tavd eiitre os parti los extr.emos e especialinente
no partidu oitraaioutano.
Os bispos pn licam pastoracs eieitoraes convi-
l.mdo.os lieis a votarem pelos caadidatos da saa
!iu.
0 bispo do Trr.'s diz na sua pastoral^ que lo-
dos os ealbolicos se devem impor sa:rilici33 al6,
para comprir. a. 0 dever que teem de votar, e dar
sen wtu a h-mrrns que tcm a cabe;a e 0 cora
qi:> Im.d ciillocad I-, i) 0 que, sem se deixarera
inflaeu-i tr p r oi-iJcracoes human at, estao
r, l.f,ii ier a vcr'Jade, a liberdade e
cedVi
I imjiwos (|iie pra-
1, eas

quo
1 aat.s il
dor- niKjie di- 1
X3 .;. ca.-:;.. -a. >
O lwsp.i 1 os e.itholicos.allemaes
Mr. iten.kui- loestuu, eutre as inaos dq ministro
4los cultos, 0 jurauieuto dc fidelidade m impera-
iao, se
a divirfo a ladainha do
s ra Ijda a pastoral,
k fiirmuia do jurament 1 episcopal foi cwnda
no seoti'lo de se nio fazer nclla monrao do jura
mown prestado an papa, c qne a ob-^di "H-ia as
leis do estado e recoalieci la sem reserva.
0 ministro dos cultos rteu por 1 st*. o--easiao
i'Miquete em honia k) u.vo bispo, a que eo
tvran loJos os minMrus pivsantes c;n Berl m.
A G zsla it Spemer, ';.n iunci& que 0 s\
ii ral da nova-commanida le, vi s rticUar a uiesna
consaSTa'.ao do tea direito, junto dos governo* da
Haviera, de Bad-. 0 de ll^se-D rmstadt
A sessa 1 dos cstados provmiiaus da iiiaiorp^rte
das provincias da nioaarcbia prussiana, foi afetorta,
seal dar lugar a incftlente ulgirn polmro.
Trala-se da rovisaa, no seutal.. do inaior auta-
nnmia, da fei nrgaaiea sobre a aJmisnislracao d .s
provincias, e da coinpetencia das dietas provin-
eiaes.
A Bevhti ililitar publica 11:1111 ordera do gabi-
netfc pela qual 0 inipendor Guillierine anuuncia
a> general d Manteuffel a sua pmintvAo ao posto
de ferd-inarechal-general.
Os ti-riii'is do docrelo sio o mais poinposo elo-
gio do general; aota-so m-'s no bastaHta exagera-
ciii quo deauncia uui certo aicanec uiditieo
Diz m de MuRicii quo 0 ininistcrio bavaro torn
lencao de aprosentar na abortur 1 rias camara-
daiis |)i'oji mas que nao jiarecem lor gcandeit pfiakuiwidasfcs,
de ser ad iptaaos pelas camaras ,u"iuae-.
0 prnneiro refere-v>na eleitoral,
ten Jo por base a suftragio universal, e sub-ntum lo
1 a -tual processo eleitoral pelo systeina das olei
jSes d'.recttis
0 segunlo P'fero-se a sorte dos fun "i mario*
nublicos, cujos rejur-os 11 ., :'.''> .11 r..lii;aj coin
as iH.v.i-ssidades da vida,
0 governo deseja Jar prompt 1 reuie Im a esta
siiuaao seirf ag:ravar 0 oiva::o.ia',.!, e diiniuuiuJ"
u niiiii,-!-.idee.'ii.ireg.idos, e PRB 1 Jnania suaji'i-
ftean lo a inaraioa adniinistrattva.
It'i-eia se que se a er.nsra 1110 adoptar eftes
i.Miertis, a BaViara lara uma era de anarania pi-
l.ti-a e aduiinistiat.va 1: Q M ': -no ja tans de
um 1 vez t.'iii air aeontec do. -
As cniuras devem eeaair-se no dia a d no-
vembro. 0 rei fcniz, contia 0 seu eoslume. ira
pessoahii'"iite abnr a se-sii 1.
No orcamonto bis anaa il que ha de ser apre
senlado ja se iaelus 0 excesso do despeza caleula-
do. si-gundo 0 projecto a quo no- refeiii'iu. ,
0 eqnifibrin enlre a reccila e a d M?paza e Wuavn
manti Jo.
Asreceitas cobra la^ nas annas anlonores exce-
deraui tnutt.a as calculadas nos orQam-ntos.
AUSTRO mjHsat\.
Julg.a-se gerabnente na Aus ria quo 0 govei 1110
so vera obrigado a recorrer cnak'a a conspira.ao
altrainontana, a medidas legislativas analogas,
aquellas de que a Prussia apjo go b rve com Uuto
mais vigor, como com pouco ou nenlium asultado.
0 Sr. Sireina;.er, ministro dos cultos d-p-iis da
campanba contra as assoeiafaea dos professores
priinarios, tiuha-se tornado suspeilo de uma ccrta
intelligeucia com osjesuitas. Kste alti funeciona-
ri", pirein, rehabilitou se na opiaiao* publica peli
suppressio 'loprivilegio dgs jesuiUs do comporem
excliisivanieale com membros aaque.Il fociedade,
a f.cnldale d theologi.a da uiiivorsidade de Tns-
pruk.
0 g 1 verm austnaeo collocou esta facnldade, no
mesmo [)(' das outras universida ies auUriacas ;
isto e, as cadeiras (Ueologicas -4o conferida? a
[ir.ifessores a sua escalna, trtido 0 direito do indi
genajo, e disposlos a prestar juramento c.mstitu
ciuiial, d; respeitar as leis, inesmj as leis ante
concordatarias, 3 respeilo das prerogativas do po-
der civil era maioria do eusiuo. Jolgava so quo
os jesuitas, babilualos a aiBuldar-so as necessida-
des da siluac.i; se prestariain a cumprir esta for-
malidile, qv'ic, segunlo a sqa doatr'.na, os nao
obnga s: nao sob reserva mental.
0 padre Beckx.goral dis jesuilas velg ein anxi
Mo do governo, prohibindo formalnient : aos sem
siiboidiuaJ.is de prestar jurauielfo eslgido pela
lei como condiijao da sua admissao a urna cad^ira
das uuiversidades do esta do.
A uniyersidade do Tyrol qne, ate r.:ara fazia
parte do dominio particular da companhia de
Jesus, vera pois subir as suasscadeiras professorej
que nao usam ncm de sotaina, n;m de capa
curia.
0 Mensiigeiro de Tyro! publica, porf m uma carta
ek> decHiio da fmmldaita du liiu.ilj^ii de Ia-piucic,
em que declara naofuudada a uuiici.a <|iic o gerai
dos jesuitas, 0 padre Becks,, tnosse dado ordem
aos pr.ifossores jesuitcs desta facu'dade. para sc
naosubmeiterem as leis univcrssitariis.
A ser verdade, parece que os actuaes pr t.'ess i-
res jesuitas se anioldarao a ledas as eoaeesso a
precisaa para nao perdercm sous lug ires.
Ja foi iostallado mi Agram 0 novo ban do
reino de Crc-acia o Sr. Mazuranics. A popalae.a>
fez-lhe o mellior acolhimenlo. 0 novo ban pn-
nnn'iou por esta oceasiaa disearsos, emofte ca-
Iru-.-inieiite. appellou para a uniao do- nirtidos e
deinunstrou a necessulade que o paiz tem de uma
era da paz e de concoidia, para desenvolver as
suas in-tituic3ei e os seas reenrsos, e fazer com
que a autonomia rcoiiquistada produza todos os
elfeitos que tem direito de esperar.
0 Sr. Mazuranics tem de cumprir uma missao
bastante difflcil do reogauisar completamente 0
prgsoal administraiivo, ce de prever qne as func-
eoes, e 05 togares que tem de se crear serio oulros
tantos piiino* de discordia.
A ovreipoudeHcia dc Agram faz entrever que
0 ban t-.-m intene 0 de nao tocar provisoriamentc
nas rodas adiia's da maehiiiismo admini trativu,
alim de ter 0 tempo de se orientar, e d tomar
coiihecimento do valor dos candidates, e das ne-
cessidadi's a saffsfazer.
Desle. tnodo evitana pelo menos, nas primciros
tempos, uma cac,ada ao? empregos que todos os
partidos se disputariam.
RUSSIA.
Tainbcm 11a Russia 0 governo esta a bracos com
0 episcopado calholico. A agitae^o e especial
meate mais acliva na diocese, de C elem, visinha
de Gallicia, principal foco das in'.rips ullramon-
tanas.
Segundo aflirma 0 Ostsee Z'ilnmj, acabani
de se iazer prisoes entre os membros do clero, 0 0
governo achou o rasto de uma vast.a crn-piraeao
politicr religiosa enios chefes residem na Austria.
I'm auiigo conego polaco.'o Sr. Mikoszewski,
submettea ao governo russo uma memoria em que
indiea, meios de emancipar a igreja catnolica
russa, da curia romana ; e de fundar uma igreja
nacional para todos os slavos.
Ksta memoria vai ser submettida ao exame de
u;na comtnissao composta de theolog'is dos dous
cultos.
A Russia por um decreto ja aanetoa parte
de Khiva.
TUI'.QOIA.
A Turquia resontio, assim como todos o ou-
tros cstados da Kuropa, os effeitos dos decretas do
Vaticano.
Os cataolicos em conscquencia das exigeneias
le Roma, estao divididos em dous eampo*.
A fauiosa bulla Rnersumi que devia t rnar 0
papa 0 suberano senhor de todos os catholicos do
Oriente, c tirar a Peita os direitos que 03 tratados
as eonvencSes especiaes Ihe tihham reserv.ado,
creou, como se sabe, nm schisma na igreja ca-
thoiica do Oriente entre os parlidarios do nrvfadfl
do papa, os hassounites e os armenio eathoRcM
jue prelendem near livres sob a proteccao do go-
verno turco da supremacia romana.
0 sultao preteude. com razaa, que salvo 0 domi-
nio es iritual, os catholicos sao seus su'-ditos, e
iue 0 papa nao tem que se ocenpar dos interes-
.ses materiaes das suas cominunidades snbmelti-
das a regulamentos tradicionae?.
A Porta tem mostrado muita paciencia e pru-
Jencia ncsle conflicto Com Roma, qu.anih podia
decidir a questao com uma so palavra. Sc ella he-
sita em pronuueiar esta palavra, 6 quo recua em
tal materia diante dos meios viidentns.
Por outro lado, os sudditos turcos do rito oitho-
doxo, cujas ques(5es e tuburlencia sao conheci-
das, dao igu?lmente preoccupa?5es incessantes ao
governo.
Sabe-se que 05 bulgaros do rito grego oblivcram
a sua separa^ao sobre o ponlo de vista temporal.
do patriarchado do C'lUstantinopla.
Esta decisao ievantou vi dentus prutestes da par-
te do patriaicba, e fornuii-se ate tnesmo em Gas
:an!in 'pla um partHo que exigio abertamente a
i-eiirada do chefa da igreja do Oriente Mr. An-
sbiuios.
As ultimas noticias de Constantinopla dizem nos
que 11 patiiarcha, cuabeceado quo a sua posie&o
era insustentavtl, ped ra a sua demissao.
Outro negocio que preoccupa igualmenle 0
govei 110 otlomano, e 0 do canal do Suez, e da con-
ftrencia europea coavocada para se decidir tobre
idencia do lcprescntante da Porta
E-ta cbmmissao nao s.afee, por^m, o>m
ual 6^eitjlBpto ; U|s/tnj|
ado cofn a
Mo -luje t
jftrev.te, cfiKe q
tattjlecor anicamer.ic
rasolvidasj^Bs urd"
A Poti
a sua
certeta
SB
Sber^
ri^HI
ue d(.*;rao ser
r uma con):i:i- lr.it iotj|ss nesie negoelo. e toda
1 liiidfi a ennsen-ar se f.ira dos
nte.-vir -6 quaudu hon-'r Ligar para
irdq a quo *e cliegar, -e iccaso far
gar anUon^r Jsl, pbasti^B*
A sossao que teve lugar bo dia II de outubro
foi bastso|c teiup$**ii*a, ape*ir da Uiscuiao ver-
sar sobrd um p uta insig.niicante do regniamealo
inicrno. *****r
A vortf-ao lendo lldado empatada, 0 presideaie
quiz usar de seu ymo^d^itaJidad&iNa ealedi
nito kavendo-lberflo reeusaiK levantou a ses-
sao nv meio do uiai ir tumulto.
- Diz-se quo 0 snrta-i tnandata iuformar ao
embaixador russo, 0 general Ignatief, de que ten-
eionava ir a tjimea *i dre em Livadia. '
AJHmca so maU qe le ido sidi> inf rmado 0 im-
perad >r Alexan ire de-to de.sejn do sultao, Ihe cn-
viara um cmviti- especial, |iedmdo-ltw para reaii-
sar sous proje.-tos.
IIK9IANHA.
p.tiz aseaaM nisso cor*ei>on-.
Acerea le-te
donte tie L-isbia :
A insurri-Mjio
arlista parece deer'sner. As
I'aecoes tiles" S^garra foram d.TiaiUil .s em
Ainpivani. Algun* dos eliefes mais iinporlantes
luuiiiin para mMSa
1 0 brigad "iro l-nua obteue noaa victoria no
caininho d.: Urg 1 hit v Oij izzia.
Dense alin.l 0 combate Ue l muito pretisto,
entre a esqaadra do guveru > de Madrid, coinman
dada pelu c aitra al uiraii'i: L-di 1. e o. navies dus
msur^eotes d.- C.iithag.'na Os primeiros tinxi
trocarain-se as tl b 0.1s da maoU de li do cor-
rente. Pela parte dsa insurg-;i.e; -ram as fra-
gatas Nuiivinrm, Tetutlo e VeiUet N*net; lx>ava.iio9 na-
vios Almiuz Cadiz, Victori* e Caraswh K.-te
ultimo vas 1 de ^ueira,f-n o quo nwi* se distin
guiu pelo inline: le tow* e certeza desle-. As
fragala? dos insurgentos. Mendez Nunez e Tetnao,
sonYerani grandjs avarias, li.-ando 1 ultima com
um poqueiiG movunent>, levaod dcas banJas da
fragada Victoria, a pequena dwtantia.
Parece que se teutou em Madrid outra a
vida do iiresidcntc do |odor oxteutivo, Kiniho
I'.asti liar. Oarece eatretanto de hnJamentoaresta
notieia, a que os proprios adeptes na 1 Hie Wgain
graude imporlancia.
For mi refonnadas as tropas a divisio do general Ceballos, ein weotc da Cir-
lliageua.
t Em Cuba, as noticias na 1 sa mais agrada-
veis. Em Sinta Cruz dj Sul, lioave no dia 18 do
mat proximo lindo, um combate com os insnr
gentes do Centro, sendo estes coin|iletaineule der
rotados.
A osquadra hospanhola esta reunida em Gi-
braltar, lendo-sc-lhe eucorporado ja a Sai"jca,
quo esieve ha oias em Lisuoa, e p.sto a freue
delta o niini.-tro da uiarinha e contra-almirante
(iliicarro.
A' ultima h-ara eoneta que 0 vaj*r Fernando
Caihtlico, dos intransigents* de,Cardiageua, J01
meitidu a pique pela fragala Nuvuincii, taiubeui
intransigente, junto ao cabo iluentaw Afugou-se
quasi toda a Iripolacao e mais de t'iO suldados.
Dous navios uiglezes salvaram I pmeas que fo
ram entreguesa Nnnvmciu. i\ao se sabe a razao
que motivou est-a caUstoophe. Suppiem uns que
loi impericia dus marinnciros cantoiiaes, e oulrus
p ir ilivergencias que susgirara entre eiles. O
vapor havia custado mais do 12 milhoesde reass.
A esquadra dos iniransigenles aprosenlou-se
ua manhaa de 1!) do corrente em fienie do Va
leneia, seguida de seis navios deuerr.a, fraacezes
e inglezes, para que as hostilidadas contra aquetla
praeti se fa;am no pom determina 11 do 4 dias.
A attitude, da populacao e das tropas qne guarno
ceiu a quella praca e energica e tranqulla.
a 0 general Moriono coniiada em Pampl ma,
dizendo-'se que moslra cada vez maioros desejos
de declinar o cargo de general em cliefo do exer
cito do uorle.
c O Sr. Sanchez Bregua tomou ejala-dai aasta
da marinha, na auscucia do respecttvo jninklro
0 Sr. Ozeyro. /
No dia 18 da corrente abrio-se a axpjsinag
ile Maurld.
t Houve algum enthusiasaio, mas nao taato eo
mo se esperava.
P.IUTlIGAi, ,
Suicidoa se em Lisboa, 0 Sr.'Affonso de San le
M Nia Salema. lilhodo con elh Ira Joio de Sande,
decano da Faculdade de Uireito em Coiinbra.
0 vapor portuguezJH//o Dints sahio do Porto
para i'ernambuco, por S. Vicente, no dia 23 de
outubro.
Os porlos de Pernambaco, Rio dc Janeiro,
Santos e tolos os nutros da provincia de S. Paulo,
foram dedarados limpos de febro amarella.
Fnllecea cm Coimbra 0 Dr. Joao do Sando
Magalhaes Mexia Salema, decano da Faculdade de
Direito, e pai do suicida aoima mencionado.
Foi condecorado com agra croz da Conceicao
0 Sr. conselheiro Joao Jose de Oliveira Janqueira.
Ao depois darernos a carta do nosso correspon-
dentc.
%u(iciaw Os Srs. Morton, Rose & C. f>rain nomeaJos
agentes linanceiros do governo anlericano em Lon-
dres. .
1'agaram todas as letras que ainda se nao ven-
ccram.
0 governo dos Estados-Unidas parece dispos-
to a reconhecer, com os economises de ha muito
tempo assignalaram os iueonvonieules do pap-1
moeda, que a ultima crise (laanceira de New-
fork foi detarminada pelo excesso da circulacao
fiduciaria. Diz-sc pela menos em New-York qoe
na sua primeira mensagem 0 pre-idente Grant
pronunciara-se a favor da continuacSo dos paga-
mentos em mctalico.
REVISTA DIARIA.
AutorhladcH paliciacs,Por portaria
da presidencia da. provincia, de 6 do corrente,
foram nomeados; 1." c 2* supplentes do I" districto
do lenno da Boa- Vista, Luciudo Benicio Rodrigues
Coelho, Benedieto da Silva Lopes, Felippe Fer-
oandes Coe*lho ; I.', 2 e 3. supplentos do delega
do do termo da Boa-Vi3ta, .intonio Manoel de
Amorim, Martiniano Leite da Silva, Joaquim Cy-
priano.Rodrignes CoeMho.
De<*lara^&o necessarist.0 Sr. Jose
Peretti Sere fo removido para secretario do gym-
nasio provincial, em lugar do Sr. baoharel Aure-
liano Augusta Pcreira dc Carvalho, que nao accei-
tou esse cargo.
Tliesouraria tie fazenda. Nesta es-
tacao pagam-se hojeas seguietes folhas : goardas
nacionaes, navios da armada e apoeentadoa.
Os fnnccionarios que deixarem de reeeber neste
dia so poderio faze lo do ^oilavo dia util em
diante!
Sociedade Propagatlora da 1ns-
trueeao Publica. Beunio-se no dia 6 do
corrente o conselho superior desta soaoaade,
achando-se pro-entes oito de seus membros.
Terminadz a leitura da acta, qoe foi approyada,
9 na-j Itavendo expedieate, occupou-se com a ap-
provacao de algumas eontas aprcsentadas pelo seu
tuesoureiro, autorisando o reapectivo pagamento;
0 incumbio ao segundo secretario da escolha e ac-
quisicao de diplomas para os socios installadores,
correspondeutes, honorarios e benemeriios.
Ouvio fiGitlinente o presidenle d conselho pa-
rochial de Santo Antonia, que se aehava presenie,
e leclarou ter lugar no dia 8 do corrente, n'uma
das salas da Escola Normal, as 7 boras da noute,
a I'l-'icaQ do n^vo conselho parochial da referida
{.fregnezia, o qua' devera substituir o actual nos
trabalhos saciaes'da parochia, ennrluind.a por con
vidar o con-elhu superior a assistir aos exames
da- alnmnas do r.nrso normal das senhoras, fun-
dado pela socii dade Prupagadora, os quaes come-
farao no dia 13 do corrente, as 5 horas da tarde,
no mesmo ediiieio
0 conselho soperior tomou eroioda a conside-
ra;ao a coremamcacao f ennvrte feiios pelo presi-
deute do com-i-Iiki parochial, que tanto ae tem
dis'-inguido, tlcou de aMis'r aos refendos exames
e deu por coaduid.is os seas trabalhos naqnella
sessao, depois de rernahecer a neeessidade de no-
vas commissoes em localidados da provincia para
Wtua!>!; muah.'ipal. Canamunicaram-
sfgninlo :
t r>o coaformiJada com a JKOaYameadif.ao da
sao competenle a rcsolu^lo de mandar suspeaJer
os trabalhos da abertura e traasferencia do leito
da Malsica, em Bekeiibe, ate que
eiro sejisnerificfl
.0 q-.i: i*nduz agaa parao al
nda, com j p|ije^B 03 prprieta-
iao 0 sappri-
e all
vista de piano- qiie eilereoain a ne
e eoi t-%lo caso sol a dire^'.-ao de
ional. u.a.a vez que qu.alquer inter-
H)astecini"nto d'.agaa a p ipula.-ao de
canal, prejJbcfiH
vo, deven I
do encai
cimeiii'
rios do
nealo re^
ser ella ti
cessaria
peeaoa
rupcao cm
Oboda. saaBBam duvidaflhiWBBfcvel.
t E' de esperar que os Srs. proprietarios do
novo canal -. #rtividenciaiu cuiwoaiefltemeate e
compi'iietrein-sc da grave re-poosabilidade cm
que se acham envoMdos, desde qne se trata de
obras de uthdade puidica, como effeciivamente
sao as da caaalisagao .d'agua para 0 abastecimen-
to da populajiio daquella etdad'-.
Faculdade de Dlreitu. -Fizerara ado
no dia 7 de novembro os ostaJantes segointes :
1 ann 1.
Bernardino de Senna Ribeiro Junior, approvado
plenameate.
Alfredo Abdon ds Loyola, idem.
Alhano do Pralo Pimeatel, idem.
Airooso GJtad*ise Ribeiro da Suva, idem.
Casimiro Reis iloines da Silva, simplesmento.
Benjamin Rixlrignes deFreitas Caraciolo. plena-
mente.
1* anno.
Herculaaa Marcos In^lez de Smza, approvado
simplesmente.
- JoseBaatwta Rortrigne* Peroini, plenamente.
Joaquim iHympio de Paiva, idem.
Francisco Eulali 1 do Na-cunenta e Silva, idem.
Eduard* Gomes Ferreira VVllose, idem.
Hygino dc Bastes Mello, siinplosmento.
4. anno.
Arth*r Henri pie de Figueireda Mello, appro-
vado simplesoieule.
Heirique Ma: |n,s do Hollania Cavalcante, pic
aenente.
Koaminondas Bras leiro Ferreira, idem.
Autonio Fraderico llodriguos de Audrade, sim-
plesmente.
Antonio Gomes Pereira Junior, idem.
Um reprovado.
S. anno.
Antonio Hercuiano de Souza B inJeira Fillio,
approvado com di'linccao.
Liiiz de Almeida Araujo Gavalcanle Filho, ple-
namente.
Manoel da Trin lade Peretti, idem.
Luis Acioli Pereira Franco, idem.
Felippe Prtvira Nabnoo de Araujo, idem.
Custodio D^miiigues dos Santas Junior, ideal.
Manoel Pedro Cardoso Vieira, idem.
Escola noraial Fizeram exame hontem
(7) os scguiotes alumnos:
f anno.
Tres reprovados e um levantou se.
2* unno.
Gedeao Forjaz de Lacerda Junior, approvado
plcnam-nt".
J ise Xavier da Cunha Alvarenga, idem.
Jose de Rarros Cavalcaale Lins, simplesmente.
Joao Anteportam Lalinam do Mell.i, idem.
Levantou se nm
Obt-as do viffario Barreto.Com 0
prazo de 30 dias, contados de i do corrente, ach.a
se atierta a concurrencaa para o contralo da publi
cacao das nbras do linadi vigario Barrelo, median
t-i as clansula Jos art. H da lei do orcamento vi
gente.
Aiiuivcrsario. -K' hofs 0 da paciflcacao da
provincia da Bah.aaao afbio de 1822.
Reuniao dc irmandade.Amanba de
ve reunir-sc a mesa geral da irmandade das Al
mas, erecia na malriz da Boa Vista, afim de pro
coder a eleicao da mesa regedora para o anno de
1874.
Novo agentc de leiloes -Pelo tribnnal
do commercio foi nomeado agonte da leiloes Je
nossa praca n Sr. Joaquim Dias do3 Santos.
\avidadc para a testa. A' loja das
columoas, da Anionio Correia de Vasconcellos, rua
Primeiro de Marco n. 13, acaba de recober um
belli sarlimento do fazendas franccus de gostos
inteiramente tnodernos e ainda nao vislos, como
sejain : lindas begalinas, fazenda para vestido, sn
periores grenadinas de linho 0 sCda cam listras
assetinadas, crepelinas matisadas de seda, fazenda
inleiramcnle nova, guipures de cores, cassas, or-
gan lys, percales de novos desenhos e oatras mui-
tas fazeudas que se lornam reeomnicndaveis pela
gua DOa qurtlMadc.
Amor ao estudo. Sao convidados todos os
socios a reunirem se amanha, pelas novc horas do
dia, na sedo da mesma sociedade, alim de tratar-
^e de negocios urgenies
Conflicto. -Nrlugar Canhengue, d) districto
do Beberibe, pelas tres horas da tarde de G do
corrente, Jose Pedro Geraldo, travando-sc de ra
zoes com Francisco Ignacio Leite, a esle feria mor
lalmente com uma facada, sendo preso em fla
graute. 0 ferido forimmsdiatamente recolhido
ao hospital Pedro II, alin de ser convenientomente
tratado.
Condecoracoes portugraeiKas. Fo-
ram agraciados :
Com a commenda da C.oucei,!), os Srs. Manoel
RaJrigues de Oliveira, Jo?e Joaquim de Faria Ma-
cha-lo.
Com a commenda deChristo, 0 Sr. Jose Marques
de ^a.
Vapor Lalaode. Sahio da Lisboa para
0 nosso porto no dia 21 de outubro.
Vapor Braganza-Devia sahir dc Lisboa
para o Maranhao no dia 2 da corrente.
.VaporLislioneu.se. De Lisboa para 0
Ceara devia sahir no dia 25 de outubro.
Para o sul do iinperlo.Com 37 rcce-
bidos em nosso porto, levou 0 vapor Ertimanlhe
Hi passageiros.
Escola Normal para senhoras.A
direetoria desta in-tiluieao fe^ pablieo que, na con-
formidade da resolueio tomada pela respectiva
congregacao, em 13 do corrente principiarao os
exames das -onlioras alnmnas, que 0 requererem
at* 0 dia anterior aquelle.
Os exame* serao prestalos por turmas de oito
alumnas ca la uma, sendo os names das exami-
nandas previamente designados.
Serao examinadores os mesaios professores que
as leccionaram.
Os roquerimeotos a ioscripcao de exame devem
ser entregues no primeiro andar do sobrado n.
io da rna do Imperador e na casa a rua da Vira-
5I0 n. 27, das 9 horas da manha as 2 da tarde.
Telegrapho para Meceio. Desde an-
te-hontem se acha interrompido o servico tele
graphico enlre 0 Recife 0 Macei6, pelo aoo aao se
soube ate hontem a noute se tinha alii chegado
0 vapor brasileiro Bdhia.
Dlario de Pcrnamoueo. Se chega-
rem hoje os va ports Bahia, Mendoza Luzitania
e Magellan, destribuiremos amanhi nosso nume-
ro de segunda-feira
Deputados provineiaes. -Devem ama-
nha rennir-se os collegios eieitoraes da provin-
cia, aGm' de procederem a elei'.ao dos 39 mem-
bros da asserabl6a legislativa provincial.
I.oteria. -A que sc acha a venda e a 73' a
benencio da Santa Casa de Misericurdia, que corre
no dra 10.
Casa de detencao.Movimento do dia
6 de novembro de 1873 :
Existiara prosos 301, entrou l.sahiram 3, axis
tem 299.
A saber :
Nacionaes 218, raulheres 12, estrangeiros 28,
escravos 37, escravas 4.Total 299.
Alimentados a custa dos cofres pahlicos 247.
. Movimeato da enfermaria do dia 6 dc novembro
de 1873 :
Tiveram baixa :
Francisco do Rosario Branco, syphilis.
Irineu Pereira de Lucena Freire, ephtalmia.
Luiz de Franca Telles,';ealaporas.
Tiveram alia :
Joe Antonio do Lima.
Joao Rezerra Mas.
Passageiros.Seguem para os portos do
sul no vapor francez Erymmthe os seguintes :
Auguto TeiMeira de Azevedo, Frascisco Rodri-
gues Minieao, J "Ao Nepomoceno Torres, Auiusto,
Jose Teixeira- Freita.-, Napobsio SunSes de Oli-
veira, e I criado, Jose de ''liveira Camims, Pedro
Leio Vellozo Filho, e 1 criaio, Jo-e {aaqjiim ca-
bra, Jenmymo Muniz Fefriu de Aiagaoe 1 en ido,
Edoardn Gomes F.-nciia Velic/.o. Franciscu Mar-,
tins Esteves, Jnvencio Americo da Silva, x
Ignacio Cerqueira l*itc, Prancieo Josd B
Brand*o, Gusto Ariam. sua seniifoa, 2 nllios e 1.
criado' Green Uriele, Joao Jose IWwra, Intonio
Amador, Mneai Im e 5 fithos, Nuvellm", Paler- j
nostei", Salvia, -Galiardo, Bruim. Vila, Sabelia,
Lnfa da Cimla AJr.niso, J..s6 da Costa Be.aevades.
Enuaram dos portos da Europa no mesmo
5r.vbir : r''**'* a
J.so Dajrte, J.vaiiim Da.rle Co Iao, Anlre
Uarix nnheiru, Joii Muiiu- Ferreira, Joapr.:
Suiza Guiles, Jose Ric;rd> de Farias, U&noel M.
Ferreira, Maaoil M. Ja Azevei>i, K idolphe Steck,
lose da Costa Junior, ialul [sac, CastidioG. Belt
chior, Ca'.haruio Barguller a mais 6 emigrant's
llaliaaos. ^^^
Ceiuiterlo puttlioo. Obiiuario. do dia G
ile novembro :
Joao Beoaogil, beaara, AlleoianJia, 20.-aaaos,
solleiro. Boa-Vista ; febreataai ella.
Julieta, braaca. Rio Graade do Norte, i annas,
Boa-Vista; aaeunwnia.
Danatilaififcs da Mello, pardo, ignora se a na
lurahdade,. 18 annas, soltoiro, Santo. Antonio; pb
tysica pulmoaar.
Izidoro Marques da Silva, pardo, Parahyba, 58
anuos, casado, S -Pedro Martyr ; awleslia mcura
vel.
Joao Jose de SaafAana,pard.., Pernambuco, 18
anuos, solteiro, Boa Vuta ; bexigas.
Maaoel, escrav.., prel-i, Africa, 60 annas, soltei-
ro, IS. ia Vista ; tier ma esiraugolada.
Jose Dias do Na.scinieiito,pardo, ignora se a
naiaralid.de, ,1 aaaos, Saa to Aatouio; vario
las.
Febsmiiut, paroUi, Peraaiobuco. 5 anaas, Boa-
Vista ; varulas.
Manoel, brauoa, Pernambuco, 4 annos, Boa-Vis
ta ; piritonite.
Rufina, eserava, prcla, 21 annos solteira, Santo
Antonio ; variolas.
Domiugos, pardo, Pemambuca, 22 dias,S. Jose,
bexigas.
JOequim Simao dos Santos, branco. Port0 gal,
:i6 anuos, solteiro, S. Jose ; hemorrhagia pulmo-
n-ar.
ia Freire Rar.-. ir.-.
Fji ccirovala o paic.";'l da mesma onn-
acerea da licjag.a pl.da per Miin.-l '" eraWes-
Braga t ara icv.anlir 1. >s fiinlos ae sin cas, a>
nta do !l:n."i: d 1 Trinmptio, ti-n.aflitt-iea Jo saba-a,
e cwuscgointtsaaaja iaMM a liftrnb peticao.
Foi remettida aOmmissao do nvrcado pablieo
a pct^ai de Ja-fj^ugintn ji ^tftf'" arrematantc
da owa 11 mesmo 10 real- pedinlo prongacac
u praz0 para conclu ao da obra.
Aoeagenlnaro para informal" as de D. Arceboa
Xavier Ridrignos Cunpelh e Freder.co 1'iysses
adp
esmo
fim
mi\M MUNICIML.
SESSAO EXTRA0RDINA1U v EM 3. DE OUTU-
BRO DE 18.3.
I'll'-SlUK.NCiA DO Sn. IIEGO ALBUQUKBQUE.
Aa meio dia, preseutes us Srs. verea.iores Dr.
Mos",ozo, Cunha Guimaraes, Cesario de >)elio,
Tneodoro S'lva, Gameiro e bsyo Juuiur, o Sr. pre
.-ideute Rego Albu<|uerque declara aberla a ses-a 1.
c lida a acta da aniecedeute, foi approvada.
Leu se 0 seguinlo
EXPEOlENTii :
OiDcio do Exm. pirsidente da provincia, do i2
d) corrente, dizendo, em resposta a caasuita que
esta camara Ihe fez em ofacio de lo do vigente,
qae ao coadiutor sonn-nte, quaudo sabsiiiue ao
vigario suspeuso pelo diucesano, compete pas-aa
licenfas para os enterrameatos.A camara licou
inteirada.
Outro, de 2."i, declaranio que. para concedcr ap-
provacao a proposta^lo Dr. Manoel Je Figueiroa
Faria sobre kiosques, faz-se uecossario a apresen-
tagao de uma pianla dos musmos kiosques, e que
coaviaha reduzir 0 pnvilegio a 13 anuos.x\ ca
mara mandou que 0 propoaente satisfizesso a exi-
gencia da referida plaota.
Outro, de J'J, remoUendo copia da petic^io que
a presidencia dirigira a mesa regedora da irman-
dade da matriz de Santo Antonio desta cidade,
queixaado-se d 1 procedimeato do capellao do ce-
milerio publico, por nao ter este querido enco.aa-
aiendar o drpo do inuao Elias Francisco Mindullo,
alim de e-ata camara proviJeuoiar de inodo a se
nao reproduzir esse facto. A camara mandou ou-
vir ao referido capellao, remeltnndo copia da mes
ma pe'icao e de um offlcio que, sobre o mesmo
fa:to, dirigira a camara 0 aduamistrador do cemi-
terio.
Oalro, de 30, recominendando a camara a re-
messa de amoslras de madeiras e da fibras voge-
taes, artefaclos e bbjeCos proprios para um rauseu
industrial, que se pretonde crear no jardun boiani-
co da corte. -A camara licou inteirada.
Outro do secretario da presideoeia, de 22 do
corrente, daudo parte a camara que o Exm. pre-
sidenle lecomuieadara ao Dr. engeuheiro chefe da
reparticao das obras publicas que provideociasse
no sentido de ser p ista desde ja a disposijao desta
camara, segundo exigio em seu ollieio do lo, ama
latriaa publica eai cada freguezu desta cidade.
Inteirada.
Ouiro, dc 21 do orivnle, do subdelegaJi 1
supplenle do 1 districto da freguezia de S. Jose,
cominuaicando ter niquella data euliado em exer-
cicio do referido cargo. Inteirada.
Outro, de 2-3 do corrente, do admiaistrador do
cemiterio publico, trazeada ao coaneciiaeolo da
camara 0 facto de quo trata a petieaa da mesa re-
gedora da irmandade da matriz de Santo Antonio,
inandada pelo Exm. presidenle, com offlcio de 29,
para a camara providoaciar. -Inteirada 0 mandou-
se remelter copia ao capellao para re-ponder.
Outro do advogado da camara, de 2i do corren-
te, dando parecer sobre a peti^ao da Santa Casa
da Misericordia relatiya a venda do terrene da rua
da Assump^ao, propncQade ile Auiuuio da Go-ti
e Si.A camara resoiveu"euecluar a compra pelo
prego de 300^000, 0 indeferir a pettcao da Sania
Casa.
Parecer do nicsni) advagaJo, acerea da petic-lo
do ex escrivao da sabdelegacia do 1' districto de
S. Jos^, Paulino Hereulaao de Figueiredo, pedmdo
pagamento de custas.Foi indeferida, visto estar
prescripto 0 direito di supplicanlc, muito ernbira
uma lei provincial, que nao poJe derogar disp i-
Sicdes de direito expresso, tivesse reeonhecido o
direito do referido peliekanario ao pagamento.
Informacao do engeaheiro sabre 0 requerimento
de Manoel Joaquim Rodrigues de Souza, pediado
licenca para fazer algans concertos do i|ue preci-
sa a "casa terrea de sua propriedade a rua da Ro
da n. 24. A camara mandou de novo a petieao
ao engeuheiro para informer circumstanciadamen-
lo sobre 0 esJado da casa.
Offlcio do solicitador da camara, remettendo
uma conta das despezas feitas em causas da mes-
ma camara, a contar de 15 de maio de 1872 a 25
do con-ente, nas quacs despendeu, alem dos.....
20O50OJ para esse fim recebido, a quantia de
i 5"(X); e pedindo se Ihe mande entrogar 200i000
para occorrer a outras despezas e qoitaejio da pri-
meira quantia recebida. A camara inaiiJ ui re-
melter as eontas a cummissao de policia, e ordem
ao procurator para eutregar a quantia pedida.
Ollieio do procuraJor da camara, desta data,
pedindo que seleve em conta e de-se-lhe quitacio
da quantia de 12:060 jOOi) do um saque qne, por
ordem da carrara, fez para 0 Rio de Janeiro em
favor do Banco do Biasil, sendo 12:0004000, im-
porlancia de principal e juros de u>a parte do
emprostimo contrahido com aquelle banjo para
a obra do mercado publico, e G0000 commissio
uue pagou pelo saque. Mandou a camara dar
quitacao.
0:lieio do administrador do maladouro publico,
danJo parte de alguns reparos de quo precisa 0
mesmo maladouro, e reclamaodo a presen.a de
nm guarda policial para etwdjuva-lo na manuten-
cao da ordem naquelle lugar.Ordenou a cama-
ra que o eagenheiro procedesje ao devido exame
e informasse sobre os concertos a fazer-se, apre-
sentan 10, se for necessario, 0 respectivo orcamon-
to ; e que se requisi'asse ao Exm. presidenle 0
guarda policial. ^_
Offlcio do fiscal de S. Fr. Pedro Goncalves," com-
municando que, nao tendo 0 proprietary do so-
brado da rua do Amorim a. 29, feito demolir o
meono predio no prazo que Ibc foi marcado na
vistoria, a que se procedeu,. impoz-lh9 a compe
tente multa, cujo termo nesla data entregou ao
procuradir. A camara ordenou ao fiscal que a
respeito camprisso com 0 final de que trata 0 art.
124 das poMoras nitimamente approvadas pela
lei provincial n. 1,129 de 26 de junho de i873.
Outro do fiscal de Santo Anionio, dando parte
de haver mullaJo 0 dono do estabelecimento de
earros faoabra do pateo doParaizo, como respon
savel de urn carro de passeio quo conduzii o ca-
daver de uma crian;a a er retratada._ e consul la
se o referida respousave! devo uu nao pagar a
multa. A camara ordenna que se respondesse
ao fiscal que semelhanle consulta nao era objerto
Se duvida, em vista da clara e expressa dispostcao
oart. i da* aosturas adJicionaes approvadas pela
|ei provincial n. 151 de 31 de maio do I8p4.
Informacao do fiscal de S. Jose acerea da peti-
eao de Manoel Pinto Freire, pedindo licenca para
abrir uinacocheira para bois, ft rua Nova de Santa
Rita, n 57.-Concedeu-se a licenca, sendo obser-
vadas as prescricoes detcrminadas aos arts. 54 a
57 das pos'.uras em vjgur.
Relacao das multas impoalas pelo fiscal de S.
Fr. Pedro Goncalves do Recife, de 23 a 29 do pas-
sado, na imporlancia de 584000.-A archivar
A comuussao de edificacac deu sobre 0 requeri-
mento de Antonio Ferreira Ramos 0 parecer so-
gtiinte que fni approvado, votando contra 0 Sr ve-
read >r Dr. Mocoso: 1 Parece nge qoe 0 supplicante
deve coulinuar ua CoB.-trucgio das casas que se
acham embaffgaaas a rua do Riacbuelo, outr'ora
Desta .as casas existentes na luesnaa
r todas de 22 paluio-, men.is
.ii,.' ,|ue ellc entrou para a rua pnqectada,
8 a 9 palm .s. send no-sa opiuiao deraulir-se esse
de c isa para ficar a ma projectada com a
. .1 nece-s*na.
Paco da eniaia municipal, S8 de outubro de
18r3.-Tbeodaro xdacbado Freiie Pereira da Silva
do Almeida c Albuquerque.
Ao fiscal respectivo para
Bcltrao, Olivet a 4 C.
-Foi iiidtferida a p ticao de Manoel Joaquim da
'Baa Guiiiiariaa, e deferi las as de Antonio de
Souia Rego, Aiitoaio Lniz .Nones, Antonio Feruan-
des dos Sam us, Antomo l><6 ae*;uz, Antonio
Feraandes da Costa T rres. D. Angela America C.
Guimaraes, Be larmino Alves Aroeha. Casemirc
Fernaudes da Silva, Daniiao L'ties Pereira Goi-
inaraes,.Francisco Pinlieiro, D. FelieilaJe Perpe-
tu.a Gomes da Silva, Felix Ant mi I/vSatve,-
.-{ado Germano de Almeida Araaral, Frlippe Ja-
comc da Costa, Francisco ou/a dai'.osta, Fran
cisco de Mello Cavalcante de Alhuqu-rqu", Fran-
cisco Antonio da Silva, Hermehfiiildo Vicflriano
Suares do-Azevedo, Hcnulaun Felix d> s Santos.
lose' Simplicio de Sa Esleves, Joan *o.-e do NaJti-
mento, Joaquim Alves Corrda, Jn-6 Ignacio du Oli-
veira, Jnai Fernaudes, J iao Felix Fran iisco, Je-
ronynio G .mes da Foiteera. Joaquim de Alim-ida,"
Joaj l':beiro da B6a-nuat<. Joao Luiz Ribfllra; D.
Maria Amelia du Pac,u, Murura M nteirn 4 C,
Manoel itodrigues d Pa M.nt'iro, Manuel -apiisi do M"ll, an el Anto-
nio da Silva, Miguel Maelia-l'i Giii'S !'Glirrire.
Manoel Ferreira Pinto Ma heir Manuel de Almei-
da Lima Sobrmho, Manoel da Silva IKrtis, Ma-
noel Estevao do Hollanda, Manoel Kran-i.-co d.
Azevedo Campos, Manoel Antonm I Alcantara.
Manoel Pint maior, Man ..J J .10 iro ;'' "-'aitfAa-
111. Maria Magdalena .: a i'v... Tin'. JW
Ohvcira, Tranqiullin .' .'aquim l"elM datMviSca-
ela
Na 'a mais lnuc a tratar e 0 sr. rH-osiclente V-
vaiili.u i> sessao 2 l\t auras I'.a la: le.
En, Padre do Albo-querquo Aotrai, se.rruUrio,
a escrevi.
Theodoi 1 Mirhad" Fri-ire Veretpk 4>i SHvA, pro-
pn ,-idenlo. Jjse J/*ii rVfi.c Gio. Jose
hdi)dm Neve5. Jns? Cesnio dr Me!h. -Joao
4-t Cunha Sonres Guimaraes. Dr Pedro it*
Uhaydc Lobo Moscoso.
PABTE POLITICA
PilRTEDO J\SKRVAIfOI%
RECIFt. 7 DE NOVKMIMO DE !8T.>.
A Pcoviuciu t*nicuiiti*a;lieco
0 publico deve estar lombralo do que dusnajos
em nosso artigo.passado, quanto ao .10010 uuoos
libe-ae.i tstiio preslanlo aos bispos de^obodienlej.
contra toda espectativa do paiz, visto scram jeRes
qa gritavam conlra a impunidale d
l'ii 1 bum, a I'roci'icia de o do corrente, dip,is
de algumas bn.ili lades vein conlinnar outra ve/.
0 que disiera em 0 n. Je 2J) da mez passailo.
Oucami-la :
a \ssim faz'ii.b, ipie mailo e que .-Jdicjaes e
jesuitas sejam contra 0 govera-i do ^|%^ Rio -
Branco?
Esta incontestavelmenle feila a allianci rontra
todos os quo cntondem quo os bispos sip deiin-
que ntesi e qucm no-lo diz e 0 oigao dos saajbo-
res liberaos.
S'gne-se 1 iuiliein inc intesUvebneuto quo 0 Sr.
romelheiru Zaehanas sera 0 chefe dosses Idjioraes-
que cilaiii M'l.-iialenib 'ri quaudo qurein andar. t
cilam-no lambcm quaudo querem voltar.
De aiodo quo com Montalembori faz-so tulo :
era resunm, essa Mootalembert e p:io para loda a
ebra.
Mas, lilieiaes infieis, co;ni e ossa liga. caatm >
governo do Sr. Visconde do Rio-Branoo, |e>sp-go-
verno, pmindo s delinqaentes, cuinpre o seu
dever, i|der n.auten lo as leis e quer satisfaeendo
os recla.iaii da nacao. a quem acabais de trahi .
como Judas irahiu 0 Mestre f,...-
D'aquio quo so conduee : que nao fazeis guerra
senao a nacso, auloquem vos que uaotendescu-
nho e nem cruz, accusaveis 0 goverqo p -rqne cs-
lava demorando-se, quando 0governo ap-nas pro
curava salvar a propria lei desrespeilada, e i lode
acsordo com 0 conselho da estado, do qaal faz
pa te 0 Sr. conselheiro Nabaco.
Q le culpa.lein 0 pair, que 0 discu so do Sr. Na-
buco e o artigo do Sr. Oclaviano (ipie ja havia pro-
testado nnnia mais escrever para 0 publico) na
vos dessem 0 poder i
Como a nacao vos detesta porqtie venlestes is
vasaas crenc is ao Sr. Nabuco, em tDC.a da possi-
bilidade imaginana de subir ao poder, entendeis
que por esse desprezo deveis tirar uma desforra,.
associando-vos aos bispos infractores conlra 0 go-
verno, e cniseguintemente conlra aqaelles toe
(piaes 0 governo fez justi;a :
Como e isso aenhores liberaes ?
Porque e que d'anies dizieis: Sim seaahorcs, .--
preciso punir us bispos, e hoje pensais da undo
diverse?
Na Pivvinc, 1 de I do corrente, vos, liberaes que
fazeis gnerr-a ao poder por causa do poder, senlia-
do 0 effeito que produzio 0 artigo ediclorial de 2!'
do pissado, parque a opiniao publica mais se iu-
dignou contra vos, vie.-tes com uma cx|ilicacao que
nada explica, e que e antes um capadocismo fa 0
que dizeis agora a respeilo desto ped.uinho one
vem no artigo ediclorial de o do correnie jAssim
fazendo, que mailo e, que liberaes e jesuitas se-
j .m conlra 0 governo do Sr. Rio Branco ?
Por esla deciaracio ja esperavaraos: a v
questao e de governo e nao de principios.
Mas 0 que nao espetavamos era que na Procn-
cia de 12 de seteaibro, diSsesseis Provido 0 n
carso da irmandade do Santwsimo Sacramento da
matriz de Santo Antonio desta cidade, inlimado a..
bispo depois daqiulle aviso 0 cuinprimento da dc-
cisao do governo, vio 0 publico, como se esperava.
que D. Vital rezistio, escarnecou mesmo da ordem"
ohojo viesseis dizer a este mesmo publico (qua li-
beraes !) 0 Sr bisco e accusado : 3. Do preva-
ricacao por iafringir leis e rcgulamentos.o
Mas, nao pniera elle dizer que as alludiuas
leis e regulamentos ordenam 0 temporal.B
Liberaes em que paiz pensais que estais babi-
tando ?
Estais no Biasii; eo publico que vos esia ouviu-
do e 0 mesmo que vos ouvio a 12 d setembro :
E" ainda o mesmo publico a queoi no dia 23 de.
agosto a-sim vosdirigistos : Restaurar 1 imperil
da lei, da lei enja observancia e con iicao essencul
Ja dignidade e liberdade d'umlpovo ; progresso. K
0 je>uiu cbarnado a ordem, e a desalfronta d ta
nossos brios, que iiontem lavamos com 0 nosso e
0 sangue doparaguayi, e que aao devemos deixar
hoje com a nodoa da lama do jesuita.
Nodoal Do vossa lama tambem liberaes mn
ramo e sem destiao I I
E, com effeito, como se ha de ceslaurar esse im-
perio da lei, se vos li'qe, senhorcs da Procincia,
animaes 03 infractores ?
Game se ha de de-affrontar 0 nosso brio, se vas,
senhores liberaes, com 0 sen desaso 0 affrontiis-
todos os dias ?
Continuaremos.
dub popular
Nova tentativa dos liberdadeiros da Ptxmincia
contra os pnpulares acaba de ser mallograda (11
a noite de 3<)do passado.
Desta vez encorporou-se ao Sr. Dr. Jose Maria-
no, commissinnado do barao de Villa Bella, e do
directorioda rYorinrJo, 0 simploriodo Sr. Dr. ieje
Austregosilo, 0 qual certaraente ja se nio recorda
das crudis amarguras 0 supremos desgostos qne
os pebasda Provincia, em lanpos nao remolo-v
fizeram tragar inetoravelmente ao finado liberal
Dr. Feitosa, pela incalculavel audacia de pretender
este manler Qrmcs e illesas as suas opinioes pol!-
ticas. .
Moco talontoso, illustrado e hnnesto Sr. nr. Jose
Austregesilo facilmente se distingue de eertos o-
perlainoes, que andam ahi a cspecular, afim de
introduzircra a sizania, a divisao e a desordem no
seio da sociedade popular, que esla sendo viswjel-
mente um bslaculo lerrivel aos projectos arti'i-
ciaes dos mandoes da aristocratica ftvrincia, os
Suaes tiveram a hahilidade de illudir a innocencia
0 mesmo doutor, asseverando Ihe que nfto exista
a mais leve oivergencia. entre 0 direetoria dos ti-
dalgos enpavesados e os iilebeu.a Ao* pnpulares.
A illusao, porem.nao tardou a di-sipar-se pw
0 Sr. D:". Joao Teixeira, um dus mais eloquent?"
tribunos da escola democratic.!, asseutnu com njao
de mestre os marcos distancialos da radical diver
gencia entre.os pretenses liberaes provinrtam
os sinceros popularet.
a Os do Club, disse 0 orador, querem politica,
cuja raiz esteja no povo; os oulros ad ptani.al^jre
inteiramente opposto e do alto da imprensa offtd
ao povo programraas organiajdos em resumi
mas reunites.


(
I
si".i



*

JMm ifcmmm0 &&fe4$A W&fc,
.
Os seginifdraB se orfNitMin v quando, bem avi VUtonMitytoiifcect mm WM cfci/e 0|.S'C con-elhein
2awiay.ddo que este arvorou-si aa tribuna Jo
et4o,#i ewtivnui) defensor do sy'labus c da.en-
yelica de 'in IX; isto e, cm -esfjrcado pala lino
lailhooera.'ia contra a s icic lade civil >
Finaliuorile, o -me.-un Sr. Dr. Teixeira leu o
LaM**at referenda o applicacao i.o a.oselp.eiro
Zicarias, nicies termos: e, se algue.n diz que de-
seja e quer o system.* liberal e au mesmo tamao
aceita o q/jjcdos, e traidor e poda considerar-se
ngeote dos1 .'"suilas, e cortcluh do inodo segninto :
Km face do exposto ja nao t possivel occuliar
.as vista* mais iu menos perspicaces discorJanda
profiinda entre os populares e os quo Ihcs qiKmn,
uao o Booutto nobre e elevado, mas subservien-
cia igaai aquella que o Jesuitisms exige do i >tl >-"
*s sens adeptos; uiscordancia que nao cessara se-
rial depois quo lwu,voreui desaopareeido <\s causas
ui>e apjlivaiaiH n'a, e quo porjuuctoriampnl.e tqaho
MilnaJaoLo >
Depots do Sr. Dr. Joao Teixeira,"cntra cm scena
o plempolenciario do directorio piuvnicmno e vcm
de tal sorto inJustriad >, que coiopefcndolhc fazor,
por konra da ft* ma, a revista dos jornaes, limitou-
saa n<>!i?iar a improceJencia da qncixa contra o
presideute da provincia can meaf&o do Sr. Dr.
rrank.hu Tavora para sccrelario do Para, quo se
Mra coin fella, nao aeeoitara.
Se i negjeio cheirassc- assiip a uma denuta^ko
{jrqvincial, podia ser quo elle apanbftsse, : pore in
semi ma d i l'.ra, nao the tra* agui no bio.
O referido e injiiij aiiladi Dr. Jose Miriano
preter.deu comprovar aos simplorios populares asua
>here:i,cia de tneinbr do Club e do directorio ao
mesmo te npo, servindo a l>us e ao chafed; e
por lin meUeu-se a dar- consolhos aos Srs. Dr.
Joao Teixeira e Gorr6a de Unto do qaa Ihes eor-
ria aSrigacSi de protestareai oootra os enoooiios,
pcodigalisa'ins pelos eoasocvaJores !
Vainos aprociar agora como sabio esmagaJo o
vez fieou sioouloque ajuelle qua teve a facul-
lade de deiiar Hie na cabe^a uuia coroa do p o,
tile qua hi piirase do Sr. Jose do Vancoucoll )s
flio pwsav.i de un tribte carrocein, tinha ainla
miiiu cora,:eai o euergia para arraa.ca-la da
froiwe. hojo Im nilbala anw o throne carancho;,
do leao da I'rucimia, a cujos pes fui prostemar se.
Oncamos a palavra vigorosa e esmagadora do
Sr. iiorr-,i do Krito, cm contetacfr) ao Sr Jo
Mariano, que ainda nao se'apercebeu do tristo e
degradante papist, quo osta representaihlo, qtianlo
os oulros Qdalgotes do directorio da I'roviMia li-
Miii-.se em seus quirieis de inverao o o leao bun
agasalhado em sea pjlacio o atiram erueHneole
opoljfo iojco, qio t;m perdido e vai perdeudo
o a&uo conadeu lb,o :
0 Glu'i popular, Air. o Sr. Cwr6a de Brito, Coi
ins! ii ido paia abrigar o elemealo
dem de '( que
com) q!ie intencionameutoeK':!nido
tf QMirp tfM citsu w)'.ret etc.
0 Sr. Uriio r- vela os actos do doslealdaJo, ni.i
(a % iraiciio pi.wejaJ.as pel -a no'awi? da Pi>-
cincii, no inhiito Je invtarem o Cla'i popul'if
que vai progredindb, apecar de todas 03 maucj is
' ciladas dos mesmns.
Ileootda coioo o Club c:o oma Ii suas mais
espieudidas sessSi-s eiu asgcmbliia geral exauti-
*ou o Sr. cooselUt'iro Zacarias do cbei'o do par-
tide liberal, proclamaudo a antinomia eutre o Ju-
feaaor do syltabu* a o apostulo do liberalismo, e
os e.iredos o traicoes quo a esse respeilo urdiram
para a Qtfonna.
Tiro-Jo o Club proclamado a scpara;ao da igreja
e it cstadii, os proci'.ciiiii's logoos qualiiiCjra.n
aeHis popuUues do vebeldft e infieis om stia
aaarta ;
Dirigiudo-so aos populates, disse
AcoDstl!u-vo.s quo prosteis tojo o auxilio
yOa^ivel ao; fio lores CoasUtailos doostado... 6
dc mister que cumpra so reiiglosamenle a legis-
iai;io que vigora com rolacao a pradencia, imi<
undo assiiu a sabeduria do povo iugloj... na
ittta outre a iiii.il c a igrWA saiba Jala bra;i-
leiro cum,)iir o seu devo;, nao so neganlo a COO"
perar para que a usar^a.-a) clerical nao veaha
,i sor sancisiorula polo i&fi so me guia a
fons^iaaeia do devor, cpiaesiiU-T qua scjtai as
edres poliiioas dos indiriJuos, quo adujiaisirem
e govcrnoui o estadu.
Varias e imuorlautos c.usidoracoes faz ainla
o Sr. Brito sobre a nece sidade de prcstar o po-
vo ao goveruo o auxilio oecejsario c articula mui-
(as iii; si-!..;-- ? e ialsi lias :',.h provincianos contra
os pupal .tes, do.noustrai:lo que e da tonga daia
a dlicordan-ia entre o club a > directorio.
Dando u na licio do rnestre no p> bro do Sr.
lose Mariano com refereaeia a solu.-ao di queixa,
d '. que fora inju.-!) se rcsponsabiliaaaseo go-
verno por urn feito exclasivo do supremo tribu-
nal de ju5tn;a o por i!!( i .;-on-avel.
Qiianto .a is elogios d) Diario ao Sr. Dr. Tei-
xeira e ao Sr. Brito, dizia este que nada tinha a
tar, p >l3 que nau ooahecia os sens encomias-
txs, sendo que taes elogioi nada iaflairiara jamab
eaj sou pr> redi neti! diet 11 pela consciencia do
-dtfwr,
a que unis doe aos provincianos sao oi nossos
;s aos goaerosos c sinceros popnlhres, dos
qaaes, com quanto sejamos francameate adver-
siri:/<, toiavia a communhao de ideas, em que
nos aehasnos do fazer Fospeiur pelo poder ocle-
-lastico as ito^sas lets violadas, nos tern hoje eul-
tooado o.roetopoeaaieate em attitude sympathica.
0 Sr. de Vila Bella que sempra foi e e conser-
nio tern quo conoeber emmes Jos nossos
;ios. dnnservador ,ior iaJole, cduca;ao, teu-
Was e eostumos nao tern que disfarcar a 9ua
^urpp
8. En'- no meio d,.s populares reprcsenla o
pavlo p ir 'mire as grallias on o gallo da serra
poc entre as gallin'i' las.
S.T seaaloi empolgar a poltrona eis o pouto
de li'i.ra e a proa Jo sou Doric ; isto o uogocio
laa pido > r conxavado, uutado-so ao dissiden-
tea.
Quanlo & Jjco voltar aos palrios lares depois
\t Vec pTegado o mono aos liberaes I
Leaibre se di passado e :'.."io etteja a judiur
com.o Sr. Josii Mariano, que ainda node ser apro-
vc.uiJ). G iuocj tir.o a oquesediz; nao per-
lurbe os populares, deixe qio vao seguiodo o sou
eaminfco o aceito este conselbo do urn veliio cor-
rdigi laarii, que nae gosta de o vor deslocado'
jogwJo as eri.-!aj co .1 os liberaes.
mimmu mm
le detencao pessoal contra o mes-
roquen'.ivmto le I'erdigao, Oli-
O BACHARF.L JOSE IGri.VCIO DE ALBUQUERQUE
XA.VIER, JUIE MtlXlCtPAt. DO TF.RMO DO IIA-
WNEtRAS ii rtiNORANTE OU MALlCluSO ?
Kar.rii 11 pela imprensa Or. load Igiiai-io, vainos mini-trar faotos para que
o publico iilustrado c impacciai proara o seu ve-
ridictam.
llbn. Sr.juiz municiia! do commercio.Fraa-
eijep da iJnsta Cirne preeisa que V. S. inanle que
escrivdo Carvaliio -cm tfisttk dos antes do eir-
ia totemunhaver, reatienda por Antonio Rodn -
g-jfiyii Crnt, do dospaiho desto juizo que con
-co lea maadadd d
ma Biitirigaea, a
v-ti ^tC, Ifte de po certidao a saatenct Oo jai-
/ meat'j a me ma.carta tcstemunhavel, ou aggravo,
ruciii assiio, que o moaoji e3c ivao Iho de por
lidao o seguint".: 1" sc Pordigiio, Olivejra &
>'., 'in sua petioai em que pcliam a d>teacao do
de'vedor Antonio ftodrigues da (^uz faziam me:)
le sens cr-ditoi ; i. do que. natureza ou
jualidade cram esses creJitos, e se elles se achain
au nao junto a is aiitos. Pede a V. i aasim fhe
-loAra <; rt'oebera uicrce. Bananeiras, 31 do ou!u-
bro'de 1873. -Francisco di Gista Girne.
Ceriillque.Uananeira"; 81 de outubro de 1873.
fiorifr.
Em cumprimento a pet^jao e despaebo retro :
'C^rbitco que tevendo os aulos dacarla testemu-
tthavel a que so referc a peticaO, dellos. eousta qu4
a seatenca prferid-i pelo !>r. juiz do diroito in'e-
riao 6 daTjiriua, e-tnaoeira spguipt^j: Dm provi-
meuto a.) rpcufo iaterpcisU)' para constderar,,
ewni considero de nenhurn elfeilo o despacho pe-
iojquat.fpi c.)ncedido mandindo dt! deieqga); pej-
*al comri 0 re orroate seriamerde aggravajo
priii. taar.i osta, vJoUcao du lei, c pretenc$o 4''
ma* formol.-w. o que'tri!itue nulljdade> subslan-
-tines -iu nlnolul'is.
*>regAlaiu,-u'.o a 737 de %$ do aovonbro d,e
A$fB, oo ari. 344 tei cooiplatamenfa- deaprax^dp.
A |ireva iitteral dadivid.. sdpodu s.>r supprida
pela c siparte t'jsp, aiesinu rrgilaaiento. A
^videaiua
fids' fran odor os. do
.| 5.'nSo esta s'ijeito,a,tanja.inferpretag3o tao tata
qua aut-rise a deteocio, a;Bta a parte dual do
mesmo paragraph*, imports, ob&ervar ainda que
o reouraa d afgrafo,. corroclivo legal ni dove
ser obstado nos casos em quo e permittido por
urn in->tivo falso on iaiebitamente allcgado. Des
cam portanto os autos ao jnizo a quo, alim de dar
cumjiriraentoa'este despaebo, julgaudo iusubsis-
tente o maudiJo exuedido. Villa Je Banaoeirai,
31 de outubro dejl873. Josi Ignacio de Albuquer-
que X-ivier.
GMtifleo que revendo os,autos da deleneao do
que faz mencao a peticio retro, delles eonsta
quanto aa iVquesilo que, .o supidi auto quando
requereu coino procundor de I'ordigao, Uliveira
A C, a detencao contra Autonio Rodriguos da
Cruz, enmo deredor de sous eoastiinintes na mes-
ma peticao fai menelo das lettras.
Certilico mais que dos mesmos autos eonsta
quanto ao i. qucsito, que as lettras sao impressas,
sendo uma da quantia. de 4:00i)i0i)', passada em
13 da nevembro de 18ZJ, com o prazo de 8 me-,
zos. e esta seilada co n uma > eataiopilha no valor
de SiOO'J e aceitajiessa mesma data por Antonio
Rodrigue} da Cr", com > devedor de I'erdigao,
Oliveira C e a segunia passada a 13 do no
vembro de J872, da quantia do 1:887*000, com o
prazo-de 8 mezes e esta sellada cieu uma isum-
pilba do valor dd S*OUO e a.-eita na mesma data
por Antonio RiKlrigiws da Gruz, como devedor
dos mesmos Per ligao, Ohveira 4. C.
Certilico fi lalmeute, que as referidas lettras se
acham juntas aos mesmos autos. doquedoufe
Bananeins, 31 de outubro de 1873.-0 escrivio
/noctCiO Jose de C ^rvalko.
0 escruao foi alem'de nosso pedidd; queria-
mos apenas provar que exutiam lettras regular-
mente aeoitas: foi bom para satisfazer ao Sr. Jr.
Jo>6 Ignacio. 0 que e prova litter.a! de divida Sr.
Dr. ?
Como foi ooinpletamonlc de?presado o arligo 3ii
do regutamenii ?
Completainenta despresada foi a lei por V.
S.. o quica a sua reuuiacao de juiz. V. S. esta
muito amante das formulas, nao almitte que a
providonoia do art. 3it> va a pmto de admiltrr a
in|uiri?ao das testemuntias no dia subsojuente,
mas V. S. quiz dizer que nao acredita-va o
juiz aquo quando disse que a iaquirioao fdra
escripla no dia subsequente, por impelimoalo do
juizo, niw foi isto f Vamos ao 3.* fundameuto al-
legado par demais. Qual c a interprets^ <|ue
so deve dar ao ardficio fraudulciito do 5., visto
que V. S disse que nlo se poJia dar uma iater-
pretaoio t.io laia qu< aulorisc a detenQAo, altenta
a parte flnal do mesno paragraplio 11 0 quo L\
qua V S. quiz dizer Quo o artiticio frauJulonto
nao autorisa a deleneao t Corlamente que nao.
Logo V. S. quiz dizer qm o aggravanle (ropare
que 6 aggravante) nao commotteia anitici > Irau
duleuto, nao foi isto i N'aosepro/ou o arUflcio
fraudulento, porque as lesteraunhas foram diver-
gentes, isto 6, uma disse qua o aggravanto pedira
seu coasenso para faze-lo Ogurar como seu dove
dor de 57* "00,- quando este devia 27^003 e que
a isto se recusando elle, o aggravauto Hie confes-
sara queja'havia enlregado a urn do seus ore Jo-
res a relacao desuas divi-las, o quo se coinpro-
meltia a dai Hie os 30*0.(0, caso o credor acoi-
tasso as mesraas dividas; outra dis-e quo o aggra-
vante ocliamira para teslemuuliar que sou tr-
mio JoaV) (sapateiro que nada possue) llieacoitara
quatro lettras na impji taifcia de 3:711*000, e que
elle leslemunba admiraodo a exisloiieia desto de-
bit >, quando o mesmo Joao Ibe havia dito nada
dever-IU'', o aggravanic l!ie dissera que tanto
seu irmao devia-lhe, que aceitara as lettras;
a terceita dissera (jue o aggravante interro-
gara a elle e outro3 quo se act] ivam em seu
estabelecimento sobre o quanto p>Jia tor no mes
mo estabelecimento, e:u generos, e Hie sen lo res-
pondido qua poderia ter cerc.a do 3.-00,4000, elle
raspondera abeai, tern 3 contos, c para queai de-
ve 15, quanlos faltam c aonde devem e>tar esses
que faltam e send** respondido que faltavam 12
e que deviam eslar apurado-, die rotorquira a.io
sou mais besta, teubo meu alioerce, posso vieer
em quaiquer parte.- Isto dissera n de sciencia
propria, afora o quo disseratn de oavida, in u V.
3. eatendeu que cada um do* faetos dt via ser
provado polo menos com Cm-, testemnnhas con-
testes, sem o que nao ha prova. A notonedade pu-
bliea, o cynismo com que o aggravante respondia
a seus credores quo nao sabia explicar como e
quando tivera prejuazos que o levasse a semel an-
te estado de insolvencia, o abaadono de seu estabe
leci.nento (depois de suhtrahir a maior parte do
que nelle existia), a fuga para Itigar que nao p6-
de sor sabido, nada absolutamouto oonvoneea a
V. S. que o aggravante-corameltera artificios IVau-
dulenlos.
Talvez os-credores possam onvoncer a V. S.
no processo crime queiiiteniaram que o aggravante
commettera esses artificios fraudulentos.
Sou obrigado a limilar-me hoje ao presente fac-
to, mas voltarei brevemeute, o servira principal-
mente de mater ia a sonbrn?! proferida por V. S.
como presideate do tribunal do jury na sesaaO
rl> dia 28 de Janeiro do c rren.te anno, julgando
o roo Joao Henri jue Ribeiro, de quoin fui defen-
sor, que a jury o eonderanando na maximo do ait.
201 do coligo criminal, \r. S. o absolveu, por nao
saber fazer a applicacao da i; para considerar pe-
rempla a ac;ao.
Bananeiras, 2 denovembro de 1873.
Francisco da Costa Cirne.
livviiia.
No a pelido honle.n piild.iaio sob o titulo
Majonaria -deram-se pequenos eogaaos quo pas-
samos a corrigilos.
A linhas 10 e II onde 10sefratrecidos-lea-
se fratricida.
A linhas 30 onde le-se -Qaim.'. lease
Guim.*.
GO onle h\ aftmodo lea-so -usado.
120 onde le* sesem- lda-se -um.
121 e 122 onde I'-.-e desses -lea-so
A'linhas
A linhas
A linhas
destes.
(rratidao.
Faltaria a um rlgoroso dever, se do alto da im-
prensa nao viesso lestsmunhar a mioba sincera
gratidio aos soecorros prestados pelo Sr. Joao
Baptifta Gomes Peada, quando, atacado de vario-
la, me achava em um leito de dores e no estado
de avancada gravidez.
Quando todos foge p ao eonlaeto da peste, o Sr.
Gomes Penna a encura com coragem, e na cabc-
eeira do infeliz, nao so applica-llse com criterio re-
medios' homeopathicos, comp tambem anima-os
com palavras consoladoras.
Nao e pequeno o nnniero de dientes de variolas
que o Sr Penna tern arrebatado das garras d-
m irte, d'ehtre elles uma senhora (ja sacramena
tada) moradora no sitio do Cairo, desta villa.
Feliz da bora em quo o Sr. Penna foi removido
para esta villa come collector de reolas geraos,
pois abaixo do Dons, a elle devo a vida.
Queira o Sr. Penna deseotear-me cm olfendcr
.i.-iii modestia com a publicidale deste seu aoto
tao meritorio como liiiinanitario, pois n.ao posso
ieixar passa lo desaporcebilo.
.Oxala que o Sr. Pom.a lonha um dia a rccom-
pensa dos services que tern prestado a seus seme-
lhantes.
Em quaiquer parte que a sorte me conduzir
serei sempro reconhecedora deste beneficio, c me
tera sempre como sua humilde criada,
Maria de Torres G ilindo.
Cabo, 31 do outubro de 1873.
Santo Antonio do Recife, 7 de novembro
de 1873.
xm. e Kvm. Sr.Oofficio queV. Kxc.
Ivm. me dirigio com data da hontem otTe-
recerjdo-mo o |)aga,uietao dc nojoba congrua
iiela impiortauoia que ain ia recebo V. Exc
do govcnio imperial, 6 mais um aeto do ca-
ri.ladeo nbuega^ao, com quo V. Exc. nos
contorts nesta qua.dra do trioulacao para a
igreja o sou clero.
Nao quiz ao prineipio nerelitar, julgan
do a ap'icripliA, in;s;a p irtariuda presi lencia
uegaii'io-iws u pagsaWutJ dp nossa congrua
sob frivolos prrtct melhor aconseluado, a mooduM cassar.
.Nuicii^que fui eu I nfla me lombrei era el la
a eons.-quencia lo^ioa. Jo aviso d ) importo
da 13 de setoirUwo do eorronte anno, e a
realisaodo das.aMnonriaa, quo nos foram f i-
l^s para n-is f'lrgar a aband'oiKir o nosso pas-
tor na liita a- quo o arrastaram.
Nis cirewnstancta* actudes, e yisto
aqburtoife
A vinganca nos pcivaram. x ;
Sun; a vi4jgoaica dessa seiU nefasta que.i
ndo.podaodo vorjeor .p >n mmm da ardis,
reune aos que nos poslein reduzir a maior
pobreza do qua a quo ja viva o clero brasi-
Wro.
llludem-se, porem: ocfero pernambuca-
no, ou, malhor, o bcasileiro sustentado j^elo
auxilio e graga divina, eguialo pelo seu
logitim'o pastor, ha do rnostrar ao mundo
inteiro quen&o desmereco do clero fraucez de
1793.
Deus guarde V. Exc. Rvpot. Exm. e
Rym. Sr. D. Er. ^ital Maria Goncalves d'Oli-
voira, digno bispo di diocese.
0 conego vigario,
Anionio Marques de Cattillin.
I'.kra viuckc*
Monot-1 do It, M. Portella
Joio Barbalbo Uchfja ^avalcafitc,
Manoei do Kego Barras Sousa Lo3o.
Muuool Gold as Ba,ri^tA. Jjji
Felippe de Figneir.4* Earia.
Dariu Cavalcauto 'to Rego Albii-
quorque.
Carlos Augusto Vaz d'Olivoira.
Antonio Ljoniinguof Pinto Junior.
Miguel Jose* d'Alflueida Pernambiico.
Cal.ado 1 cafta a J. C,Civfriduj& C.( 7 a Lyra
: Vianna, | a Farias k C JYrffirLeitao A Coim
.
-1-
1 D.
>
3
I
.0
G
7
8
9
Para todos.
A casa (nprtuaria do Paula \k Ma/ra con-
tinua a berd servir ao publico, om quanta
seus propnelario3.ou;stiO deferidos no recur-
so que antepoem ao Conselho d'Estado con
tra o mo .opolio concodi lo a outrea, ou sao
a contenlo in lemoUadas pelos monopolistas.
E para quo ninguem, se illujla a respeilo,
scienlicam no respeitavoi pjibico que so
acham providos do materiuJ- rfceessario o
com carros novos.
Para letutados proviuciaes
o's Sr-*. :
Manocl do N, Macbado,Portella.
Joao Barbalbo Uchoa Lavalcante.
Manoei do ^lego Barros Souza Lo#o.
Ecljpue do EigueLr&uEaiia.
Cart)* Augusto Vaa d'Ofiveira.
Manoei Enid as Barreto.
D;irio Cavaicanto ilo Ilego Albu-
querque.
Antonio Domingues PiolO-
Jose" Tiburcio I'ereira de Magalhaes.
Um eleitor.
1 Dr.
2
9
i-
ii
6
7
a a
i '<
bra. Chapet'S i'caixas a Chriaiiaui 4 (Z, 3 a Pin
to da Silva 4 Carcao, t a JoaoMfamos 4 Uacha^io,
3 a Montoiro Gregorio Si C, 1 a. rtnbeiro Bar the
lo, 1 iPapouU 4 G., la Irtcnbard Mettler 4
G-, a $ouza Castro A Almeida, 3 a Mendes Aze-
redo 4 C. Cimizas i a*.\a a ordem, i a Luiz
Goncalves da Silva & iTnK, Chap^os de sol 1 cai
ay
A. Siqneira.
Enteites 1 carxa a Parentes Viaona 4 C. Es-
pelhos 2 ditas. a D'imin;os alanoel Martins.
Fitas i caixa a Keller & C Flores arfilWa :< 1
a Gomes de Oliveira Sobrinhn.
Gravalas I caixa a Alfrelo Gibson. a .
Joias 1 c^ixa a Leh nan I'rere--, i a Utvernat &]
^vsiis^vswt'- i
-Livros 1 caixa a de Dailhacar caixas a E. Tnrpic.
Mercearias 1 caixa a Gtimes do Oliveira So-
bjiubo, t a Augusto 1'uito, 1 a A. Frcderico dos
Santos Porto, I ;i Carvajlw Guimaraes dtC2a-
Senhora Viella. 1 a Co--ta Irinaos A G. Mer-
cadocus 2-ciiitas a L. A. Siqneira.
Modas \ caixas a Vaz Junior & C, la Cnnlia.
& Manla.Mi B#a ia#bcm '
lers, I a SAza
us Manuel Marti:
UtivoM p.9i*i|iie o c:al>ellu cahe.
Quando a cults da cabeca chega a auco-
Ihar por causa de enfermila ie, idade, ou
quaiquer um outco molivo.o^iasoja, estreita
e aperta os tubos dos cabellos a* superlieie o
impede a materia coloraiiva e nuiritiva do
passar das raizes as libras.
Para sanar esta d fIicul cessario applicaru Touico Oriental tauto pela
tnanha como p^ia ntito, fazoiido-se uso vi
goroso com uma escova penetrante. 0 ef-
luito produzido e o de renovar a vitalida le
lo craneo o abranJar os tegumentos. A
cuticula pronplamente so cooverte n'tim es-
tado suave e IVexivei, ea coinnuiiiicacSo in-
lerro.npida entre os bulbos o as libras se ro
nova, dando p>r resultado noil brilhan-
te, lustrosa, macia e basta cabelladura.
.iaacahiiiiit peiloi-al.
Por meio da po Jerosa accdo deste reme-
lio irresistivol, as enformidades da gargaur
ta o dos pulmoes so dissipam c desvanecem
como por um mayieo encaQto. Aquollet
quo padecem d'asthma, e se viram quasi
que priva los de guardar uma posir;ao hori-
sontal durante aDnos ilileiros, priucipiam a
respirar com facihdade e dormem truuquil-
lamente depots de haverem tornado algumas
doses deste delicioso e admiravol xarope. A
losse angustiosa e violeuta, as fortes consti-
paciSes, o sangue dos pulmoas, a rouquidao
e perda de voz, e todas as molestias do peito
e da trachea, quo teai uma lendencia d
phlysica, se cjram prompta e radicalmen-
to mediante o uso deste remedio suavizador.
Fortilica e vigorisa os orgaos da respiracAo,
e os torna invulneraveis ds mu lan^as ropen-
tiuas da'temperatura atmospherica ; e como
na sua elaborada composi^ao ndo entra nem
existe oulra cousa mats do que balsamos
saudavois, poJe-si' npr jsso mesmo appli-
car com to la a segq,rau^a ate .mesmo
ds mais tonr s o deltcalas creaturas.
Castro,
I a Alnieida, I a Domingus Manuel Marlins. Mo-
vcis 2 raixas a Mesquiia (Jardo-o & ('.. Mass.a-
II caixas a Join Francisco Paula Bam -. M.in-
tcigaiso barri.a ordem, "25 mains dii.- a mesma,
270 uUejros a ILui.-ma;aIy .V Labiffe.
Oculos I caixa a Rastp OljVeira&C. Objecios
.daj-esikipjorio % caixas a Walfridofi: Snuza, f! a
Jose Nogueiia do Si-uza. Qojectos di versos. \
caixas a^ra. L'i/ai, i a Joan I-nai- o do M Rego.
1'enfes uaia caixa a Jose do A. 4 C, I a P.. P.
Wild 4 C. |>elie it caixa a Josu.de Almeida & ".
I'erfumari.K 1 caixa a f'a l.cilan \ Ciimbra, 1 a
Luiz A de Si^nHre.'
Queijos 3 caixas a E. Tqrpin, 1 a J. C. Chris-
^ani 4 C.
Queijos 2^ qajxas a ordem. 7 a J. J. Leita 50
aFernandcs da Costa & C. 31 a Magalhaes & 'r-
mao, lio a Cardoso M. A^C, 6 a J. J. Lei tao 4 C,
5 a Souza Basto & (',.. i a 1. 1. Lci'.ao & C i3 a
J. J. Goncalves ltftrao-& FiUio, i a Antonio F.
Corga.
Roopa 2 caixas a Mesqnita Cardoso, I a L. A.
de Siqneira, i a Paulino de Siqneira. Kologios I
caixa a A. Hy vernal tV C.
Sodas i caixa a Cramer rn.y 4 C, 1 a Gnrgel
do Aaaral A C SardinOns 20 caixas a Monh.trd
Metier & C. 50 a Bellrao &' i-illio, 51 a a Ma,-
oelda Silva Faria & C, I a J. Chrisiiani & C.
T-ecilos de algodao I caixa a Tr. Ghauverochq,
3 a a Mendes Azovedo i C, 3 a Kel er & C, 'i a
E. A. Burle A C.
Teoidos de la 2 caixas a Carneiro & Nogueira.
li a K. A. Burle 4 C, 2 a Mendes de Azovedo A
G.
Vinlio Sba/risa C Turpin, 1 a Olio Bohres, 4
caixas a Otto Boh ire*. 1 barril a Carneiro ^ No-
gueira 1 a Cramer Frey & C, 50 caixas a ordem,
M a E. Turpin, 200 a T. Cliuisliaa- m. Vinagro
1 caixa a Olio Ujdieros.
iK-PACHOS OK i:\|>0!if u;.\0 NO DIA G DE
N-jNfENiRRO m 18?3.
P'\ra os pj'rtis do extoricr.
Na barca iitgl>za Zingra, para llimh'irjo,
earncfaraai: K. Bob nmettau it C. 220 saccas com
I6,2'.'"> kilos do aijjodao.
Na sumaoa hespanhola Troiidor. para Bar
colona, carrearam : Amorin Ir.nius -v C. 30
saecas oiai 2.77H kitos de algodao.
No lugar allemdo Nictkine, para Liverpool,
carregarani: G Naesen 4 C 2fli)< saccas com
21,552 l|2 kilos ds algodao.
No stale ittffoi bnouhe, para New yak,
carregarani : H ForsVer 4 C 2,000 saccos com
130,000 kilos de assuear mascavado.
No hrigue pirtnguez B'. Pigueirense, para
Li^boa, carreaou : M. J. S. Guimaraes 15 pran-
chdes de amarello.
Para os porlos do ttUensr.
Para o Para, no palacho atlemaa Maria,
caxreaoa ; 1. E. de Moan la 100 barriers, com
3,3531iils de assuear branco.
Para o Para, no brigm* allemae Tleilhanle,
carregou : A. M. d i Boot* M lehado 3";0 barricas
com 26,178 l|2 kilos de assuear bianco.
Para o Bio d i Janeiro, no .navio brasileiro
Protxiwle, rtarros'ei : L. J S Guimaraes 300
saeeos eom 22,50 > kilos d assuear branco.
- Para o Arae.ity, no hiate brasileiro De Cute, carrgaram : A.'Oliveira & C. 2 barricas
conj 120 kilos de assuear branco.
Para a llahia, no vapor brasileiro Dantis,
carregou : \ Loyo 100 saccos com 7,500 kilos de
assuear b'anco.
Para Macao, na barcac.a Veronica, carrega-
rani : Sa Ltiiao Irmios 1 barrica com HO kilos de
assuear reflando Para Moisor6, A. Oliveira 4 C.
2 ditas com 120 ditos de dito branco ; Fernandes
4 Irmao 3 saccos com 223 ditos Je dito; Silva,
Neves 4 C. 1 pipas com 1,920 lilros dc aguar
dente.
Para Mamanguape. na barcaca B-m-vtayem,
carregaram : B. Gomes iS: C. 1 barrica cam GO
kilos de assuear branco.
Para Mario, na barcaca Dous AmUjo*, car-
regaram : J. C. Figueira 6 pipas com 2,880 litres
de aguardente. Para Mossoro, B. F Guimaraes 2
ditas com 960 ditos do diia, o 3 barricas com 343
kilos de assuear branco
Para o Rio Grand d > Sorte, na barcaca
SiUina, carregou : B. F. Guimaraes 2 barricas
com 133 kilos do assuear relinado.
05, oarga dilTerentes generos; a Haris-
maridjr ct Labille. |
IVavios sahidos no mesmo dia
Mosord Luge inglez Favorite, capitao C.
Payne, em lastro.
Hamburgo -fiarca ingleza Zingra, capitao
C. Lucas, carga algo Iflo.
Portos do sul -Vapor francez Erymantlie,
comiitandante Bombed, carga parte da
que Irouxe dos portos da Earopa.
Bahia c portos intermediosVapor uacional
Dantas, commandanla Peres, carga carne
o oulros generos.
...
de Paula
Cabra?,
EDiTAES.

PttACA DO HEtUFE 7 UE N0\ EMIJIIO
DE 1873.
A-S 3 1/2 HOitAS DA TARDG.
Vota^des oiliciaes
Algodaodo i" sorte "ioOO por 15 kilos.
Dito de dita 8^800 por la kilos, hontem.
Dito-de dita som inspeccao 84000 por 13 kilos,
hontem.
Algodao do Rio Grande do Norte 94000 por
15 kiUs posto a bordo a freto do 11116
d. e 5 0|0, hontem.
Ae.:io -do caniiiiho de forro Jo Hecife a S. Fran-
cisco Inniiada, nti.i'i 0 calauma.
Oaiubio sobre Loudres a 90 djv, 26 l|8 d. ppr
14000, do banco.
Cambio-sobre Paris a 3 d|v. 363 rs. par franco.
do banco
Camtiio sobre Hamburgo a 3 div. 160 r. por
R. M.. do banco.
OuDourcq
Presidente.
P. J. Piulo
Secrelan.i. .
A.LEANl>..iiA
aendimento do dia 1 a fi .
Idem do >iia 7.....
2li:(r22766
21:583; 481
233:6'd6J2l7
Descarregam hoje 8 de novembro
Palacho naoionalOrmezinda meroadorias para
alfandega.
Brigue boilaudez Goorecht & Oldambt fariuha
de trigo ja despachala para 0 caes do
Apollo.
Barca francez;i Anne Marie ferragens ja dqs-
acbadas para 0 traplclie Conceicao, para
conferir.
Brigue pnrmguez Ligriro 111 vinha, vinagre
e azoite nara doposdo oo traptehe Barbp-
sa, e cai ja dcspaciuda p;j'a cousitmo,
para 0 caes Barbosa.
I in ]<( u^-Ao.
Brigue inglez Bloomer, entrado do Cardiff enjl
7 do correnie, consignado a Wilson, Rowe >\ C'
manife.-ton :
Cai vao de ped.-a 301 toneladas.
Krijiua. brasileiro imoRto, entravloido Rfo
Grande do Sul na mesma data e consignado la
Amorim, iruii<>s & C, nianifest-tu ;
Xarque, |'>0, Vapor francez Erimnntlie, ehegado dos por-
tos da Europa, idem, cuisignado a linrismandy iV
Labille, mamfe>tn'u :
Aaeite d'Qijveia* 2 qaixaa a Otto^ Bohres. Agua
de flores daWaiija, 3. ditas a Auptsio Caor. na
Vichy, 2 a Mendes Azovedo Sh G., dita ingle:
a I'ediM J. Pun.*. Amosiras hcoisaia E; A. Ilurle
tq c
Brinquc luz 1
i.APATAZlA da
c*iendimento ai> dia I a 6
Idem do dia 7 .
ALFANDEGA
1:I75>925
, 336i0i9
i:51U07i
VOLUMES SAHH>OS
Do Jia l a 0 -
?nmeira pnrta n^ dia 7 .
^egutida pom
Tbrceira porla .
Quarta porta.....
riapiche Conceicao
SERVICO M A HI f I MO
Uvarengas descarregadas no trapiclM
4 alfandega do dia
Idem idem no dia 7 .
Nawjs alracados no trai
AJvafengas .
No trapiehe Conceicao
a G
da aifandefli
4.2H
23G
62
170
89
410
5.2G1
13
1
I',
aEckt?fi>oniA de kendas intern as ge
RAES DE PEHNAMBUCO
itend.,nento do dii 1 a 6 6:037.-892
dem do dia 7 6.269*769
12:307*761
CONSCI.U'" l':v>VINGIAl,
Mai iiMtuo do dia I a C 17.3834830
ld*in iio dia 7 2:355*953
uaciFE
(ten iinKnto do dia 6 .
idem do dia 7 .
DUA1NAGK
19:739*78:-
661*047
687*8*7
T348*8|4
f--< mvi: -~yu3grT
I^V/aode. do Sul30 dias, b"gMe bfasi-
hw> i/oooeiidas., capitao
Manoei E, de Barros, cquipajiui* 11^ car-
ga 10,000, ^ffQltas rim.
Itio tta .|aneirp -^5 dipa, bTiajie hrdlonlez
Wtyem. uafi lirwcni,>\t! lf^ tunaladas,
eapiluo K. T. Jaski,qipgom 9, c)
lastro ; a \i, da. I. a grange.
Cardiff -46 dias. krigua indez Sloomet,
de -'1^7'tonelndfls, caaituo'H. iones, qu|-
pngvm 8, cqrga cnrvSn ; a XVHjwvn -Ro^je
Bordeaux^ e portos intorr*cdittt-T^Aft,dip*,
vapor fmxcei^S^^rmtUtie^ dc 1,343 tono-
l.vl.'.s, commandK'tt' >, cquipasaqi
Cansulado provincial
Para sciencia dos contribuintes do imposto da
decima urbana e os efTeilos l^gaes, em seguida
publicani-sa as alteracoes veriflcadas no lanca-
mcat0 do mesmo Imposto no corrente anno Onan-
eeiro de 1873 a 1874, ficando aberto 0 prazo as
Teclamacoes, que por ventara possam ter a fazer
os intefesiados na forma da lei e regulameutos
respectivos.
Altiracoof veriQcadas pelolancador Joao Pedro dq
Jesus da Matia, no lancimento da decima nrba
na da freguttia do S. Fr. Pedro Goncalves dp
Becife, 0 qual tern de servir para 0 anno dd
1873 a 1874.
Itua da Moeda.
N. 3f. Joaquim Lopes do Almeida, I
Sobrado de I an Jar e loja embbras,
para p&gar a decima no 2 soniostre
avalialo em "* 600J
Hua de Tuyuti.
N, 15. Luiz Antimio de iesu-". 1 sobra-
1 Til ft \ InlaF I lljaArroudllf j*)f 5 it i
Rua da G.mpanhia Pernambucaiia.
N. 10 C Bar.ao de Campo Alegre, 1 ca-
sa terrca rrendada por 1:2004
Caes d 1 Companhia.
N. 2G. Companhia Pornambucana, 1 so-
brado 'Je 1 andar e loja atrenlado
por 2:4004
N. ii. A oiesma, idem idem 2:i'004
S. 30. A mesma, idem idem 1:8 0#
Largo d'Assemblea
N. 2 A. Barao do i^mpo Alegre, 1 ca-
sa terroa arroulila p ir 1:3394
N. 9. Thereza Goncalves do Jesus Azo-
vedo, t dlia por 3:QOn4
N. 13. Joao Valentim da Cruz, 1 sobra-
do de 3 andarts e loja, oceupado pe-
lo senhorio, avaliarlo por 1:1004
Prafa d'Assemblea.
N. 1. Barao do Livrameuti.l casa ter-
rea arrendada por 1:5004
N. 3. 0 mesmo, idem idem 1:3 04
N. 0. 0 mesmo, idem idem 1:300*
N. 7. 0 niesmo, idem idem 1:3004
N. 9. 0 mesmo, idem idem l:5;H)i
N. II. O mesmo, idem idem 1:5004
N 13. 0 mesmo, idem idem 1:5004
X. 15 0 mesmo, idem idem 1:5004
N. 19. 0 mesmo. idem idem 2:0004
S. 21. 0 mesino, idem idem 2:0004
Domin'gos Jose Marlins.
N. 8. Padre Jose Antonio Marques, i
am terroa arrcn lada per 3034
N. 14. Isabel Baymunda dos Santos Pi-
nhciro, 1 dita coin solea arrendada
por 4164
N. 12. Barao do Campo Alegre, i so-
brado de 2 audares e loja arrou la-
de por 8OO4
N. 28. Autonio Getales Villas-Boas, 1
sobrado de 1 andar e 1 ja arrendado '
por 5404
N. 36. Ilerdeiros de Joanna Maria da
Trialale, 1 sobrado de 2 audares e
2 lojas arrendado tudo por 7164
N. 40. Joaquim Antonio i'ereira, 1 ca-
sa terroa arrendada por 3004
N. 46. Miguel Joaquim da C>sU, 1 ca-
sa terroa aireiiJada por 2045
N. 66. Joaquim Baptista -Nogueira, I
dita pi r 4003
N. 68. Antonio Alves de Siuza eou-
Irus, 1 sobrado de 2 andares e loja
arrenlalo por 1:020)4
N. 72 liuianda le do S. Pedro, 1 casa
terrea arrendada por 2164
N. 78. A Qrma c mmercial Amorim &
Irmao, 1 sobrado de 2 andares e loja
arrendalo por 048
N. 86. Francisca 0 suas filhas, OJoeia
e Seba da por 3004
N. 90. Manoei da Silva Sautos, I dita
por 4004
N. 112. Joaquim Luiz Vicira, I sobra-
do de y andares, sotio 0 loja arren-
do por 1:4284
N. 126. llerdoir.i: Je Anna Perpetua
Ferreira da Costa, I sobrado de 2
andares e loja acmadado por 1:2604
N. 130. Francisco Manoei da Silva Ta-
vares, 1 scbrado do i andar e loja
arrendado pur 5404
N. 3. Jose 'Joao de Amorim, i casa
terroa irrendaJa por 1923
Bua do Bom Jesus.
N 2-s. Jos6 .'nao de Amorim, 1 sobrado
de 3 andares e loja arrendado por 2:1004
Alteracoes feita' no lanoamento da decima ur-
bana r.a freguezia do Poco da Panella, no ex-
ercieiu de 1873 a 1874, polo lancalor Izidoro
T. de Maltos Ferreira.
Hua E.-treita do Rosario.
N. 22. Amaru Jose da Conceicao, uma
casa lerrea por 724
N. 22 G. Manoei Jo.-e Domingues, uma
.lita por 1204
N. 22 J. Man. el Pedro, uma dita por 1204
N. 22"J. Juvencio, uma dita por 2004
N. 26. Maria Joaquina de Senna S,
lima dita por 2404
N. 28. A mesma, uma dita por 1204
N. 36. A'jgnsio Marques do Nascimento,
uma dita por 844
N. :>'d A. U mesino, uma dila por 844
N. 42 A. Miguel Nuncs de Freitas, uma
dita por 12f>4
N. 48 A. Viuva de Manoei Ferreira
Chave?, uma dita por 2404
N. 9 A. Francisco dc Paula Machado.
uma dita per 964
N. 19 B. Francisco Hormogencs Cor-
re*a de Albu pierque, uma dita por 12)4
N. 21 A. Jose Hoiurato de Medeiros,
uma dita por 964
N. 21 B. 0 mesmo, uma dita por 964
N. 21 C. 0 mesmo, uma dita porJ. 96*
Estrada do Arraial.
N. 21. D. Jose Hoiiora.to do Medei-
ros, uma dita per 96J
V. 21. 0 mesmo, nma dita pnr 9'4
N. 21. F. 0 mesmo, uma dita por 964
N. 21. G. 0 mesmo, uma dita por 964
N. 21 H. 0 mesmo, uma dila por 96*
N. 23. F?mando'Francisco de Aguiar
Montarrcyos, uma dila por 844
N. 18. Joao', uma dila Pf" 2504
Itua do Cemiterio.
N 3. Olarioi, uma dita por 240*
Travessa do mesmo.
N. 8 L:nz Candido Ferreira, uma casa
terrea por GO*
N. 12. Pedro Alern, nma dita nor ioOi
Ilarmonia.
N. 1. Rosa Ignez dfis Santos Lima,
uma easa terrea per 1304
N, 1 A. Manoei Padros, uma dila por 964
Estrada do Encanamonto.
N. 2. Jose Marque3 da Fonceca, uma
casa lerrea por 1924
N. 10 A. Cezidio Arislidis Alves Sam-
paio, urea dita pur 2004
N. 20, Galdjno .omlouio Soares, uma
dita por 964
N. 1 B, Jose Paulino Lopes do AI
meida, uma dila por I684
N. 3. Loduvina Marques da Fonceca
Borges, uma dita por 120*
N. 3. A mesma, uma dila por 1?04
\. 7. A mesma, uma dita por 12 >4
N.-if: (Jarfihna Itaopeldina J. Bastes,
uma lita por. 3004
. fntvessa do Marquoz.
N. 1. Jos6 de Barros di Penna, uma
casa terreaqjo/ 144i4
[paraameirim.
N. II. tiesorpbargador Francisco Do-
mingi'.eSi uma casa terrea por f
Estrada de Sam'Anna.
N. A..J*aquiin Pedro de Andrade,
' una-aaaa terroa pot 200$
Nv L. Anna Maria do Souza Cirne,
uma ilin ppv 120{S
y. 1 E: Mnnool l>xnngues, uma dila
j*. y A. Francis.-a
nma S'* por
N. 6. Conv.*nto do Carwo do Bectf*,
uma diia per
Chacon.
N. 6 D. Joao tins Santos Ferreira Ha-
mas, nma dila por 4C04
N. 9 A. Jose Lcopoldo Bourgard, nma
dita por 240*
Alteracoes vorificadas pek) laaaador Joaqui 11 d
(lusmao Coelho, no lancameuto da ftahoa ur-
bana da freguezia da Bda-\ i-la do hecife, do
no anno correnie do 1873 a 1874.
Rua do Conde da BuatVlata.
N. 28. Bernardino da Costa Campos, -
1 casa terrea por -&04
N. 24. Jose Alves da Silva Guima-
rans, I dita por 1:1404
N. 30. Francisco Cavalcanie de Mel-
lo, I dita avaliada por ,'00*
" N. St. Antonio Alberto da Souza
Aguiar. I dila .por J0U4
N. 48. Manoei da Silva Ne^es Junior.'
J casa terrea com duas lu'eias ajuas.
avaliada por ,_, 32{y
N. 62. Luiz Jose da CoSjta.Amui im, I
dita por
N. 64. 0 mesmo, I dita por
N, 68. Henrique Geraldo, 1 dila por
N. 80. Candido de Albuqueryue Ma-
fanhao, I dila por
N. 82. Francisco Alves Monloiro Ju-
nior, I soli'rado do I andar avaliada por
N. 90. Bernardo Roque, 1 Casa ter-
rea com s.itao por
N. 100. Luiz Jose da Costa Amoral,
1 casa terrea por
N. 112. Caetano Joso da Costa e Sir
va e Bernardino Jose Morilsiro Junior.
1 dila ppr
N. 114. Antonio da Silva Ferreira, 1
"triefa agua por
N. 118. Joaquim do S-.uia Silva Cu-
nha, I sobrado de 1 andar por !:000f
N. 17. Dr. Bent 1 Joe da Costa, 1 ea.-
sa lerrea por 210*
N. 23. Maria das Neves Canieire, 1
sobrado de 1 andar por i:0.04
N 49 A. Viuva do Dr. Braz. 1 moia
agua por 330*
N. 121. Jose da Costa Ferreira, 1 casa .
terrea por 2L04
N. '.21. Jose Joaquim de Castro Mou-
ra, 1 dita por JOI*
K- 1:9- Bernardiuo da Costa Campos,
I nii-ia agua por ISO*
N. 133. Jose Joaquim da Costa Mo-
reira, I casa terrea por 4 >0.i
N. 153. 0 mesmo, 1 diu por 100*
Itua di- Riacnnele.
N. 2. Di'. Vicente Pereira do Rego,
I dita pnr 2104
N 4.0 mesmo, 1 casa terrea por 2404
N. 12. Joao Alves Li.oa, I ditajior 2404
N. 14. 0 mesmo, 1 dita por '276*
N. 24 Manoei Ribeiro Fernandes, 1
dita por 3004
N. 32. 0 mesmo, 1 dita por 3004
N. 42. Alexandre R-dr.gues do Al-
meida, 1 dita por ilGi
N. 44. 0 mesmo, I dila por Mb'4
N. 46. 0 mesmo, I dita por 5!16*
N 36. Joaquim Jo^e Fernandes Pi-
res, 1 dita por 360*
N. 6 >. Dr. Scbastiao Goncalves da
Silva, 1 sobrado de I andar por 16004
N. 5. Vicente Porreira da Costa, 1
dito por l:800|
N. 13. Tiiomasia Batbosa Coimbra,
i casa terroa por 800*
N. 23. Dr. Floriano Jose de Miranda.
I dita por 240*
N. 27. 0 mesmo, 1 dita por 240*
N. 29 V mes 1 0, I dita por 2404
N. 47. Miguel A. deFigueiredo, I di-
la por 5004
N. 57. Luiz de Oliveira Lima, 1 di'a
por *)04
X. 59. 0 mesmo, 1 dita por 8004
N. II, Antonio Lopes Pereira de Mel-
lo e Anionio Antunes Lobo, I sobrado
de 1 andar por 1:5004
llaa daUniao.
N. 39. Jose da Silva Luyo, I casa
torrea por i:200i
N. 31. Emilia, Maria Crilckett e Jo-
quim, 1 dila per 6304
N. 29 A. Antonio Goncalves de Azb-
veJo, I casa terrea com sotio om obra-
avalia la para pagar o sftgUfl lo semestrc
na razao do iuu )$
N to. Dr. Jose Bernardo 0 dv.io AI-
coforado, I casa lerrea com sotib,
avaliada por 800*
N. 25. HerJeiros do M.iiivl Luiz
Viraes, I sobrad) de I andar avalia-
da por 1:2004
N. 19. Dr. Joao Severianj Carneifo
da Cunha, 1 casa terrea r 11 tao por 1:0004
N. 17. Dr. Joio SaVoriano Carneiro
da Cunha. 1 Jita por i:0J05
N. 15. Viscondessa do Vaimor, I dila
por 5204
N. 3. A mesma, I dila p r 5305
X. I. Candida Augusta d'Almi id a. 1
dita por
N. 58. Tiburcio Valeriano Baptists, I
Jita por
por
N
N. 56. 0 mesmo, 1 dila por
N. 54. Jose Ignacio d'Aviia, I dita
Jos6 Ignacio d'Aviia, uma
300*
5304
6OO4
6005
300 i
52.
dita por
N. 32. Vina c herdeiros do desem-
bargador Martiniano da Rocha Ba casa terrea com I quarto ao ladn, ar-
rendada por 348*
N. 34. Manoei do Nascimento Vicira
da Cunha, 1 casa terrea por MO4
N. 6. Eduardo Candido d'Olivoira. I
dita por 4804
N. 4. Antonio Goncalves do Azevedo,
1 diia por 4004
AlteracOes feitas no lanramento da decima orbana
na secciio da Varzea.'uo exercicio de 1873 a
1874, polo lancador Izidoro Theodulo do Hi
Ferreira.
Estrada Nova.
N. 120 A. Antonio Francisco Goncal-
ves, uma casa terrea por 80J
N. 12S. Manoei Juvencio, uma dita por ; .
N. 57 A, Bernardieo Uavaleai to da
Siiveira Lins, ui'ia dila avaliada por 1205
N. 59 C. Franci.-co, uma diu arren-
dada por 72i
N. 19 A. Luiz Bezerra, uma dita por 96*
N. 83. Ignacio liouoalvcs da Paixao.
uma dita por "-
Caxanga.
N. 2. Maria Bacellar d'Olivoira, uma
dita por li'ii
N. 8. Maria Isabel d'Araujo Lopes, uma
diia por 2234
N. 12 a. Jose Pacheco da Fonceca,
nma dita por 66 >
X 3 Manoei do Nascimento da Vera
Cruz, uma dita arrendada por 72A
Barbalbo.
N. 16. Sebastian Alfonso dos Prazeros,'
uma dita por 72i
X. 3 A. Dnmingos Jose da Cunha La-
ges, uma dita avaliada por 81 I*
X. 15. Manoei Francisco dos I'razores,
uma dita em obr;,s. >
I.3 seccao do consulado provincial, 3 de n^eui-
bro de 1873.
0 ebtfe,
Eduardo August0 d'Oliveira.
Edital com prazo de oO (Jlas.
N. 89.
Pela inspect aria da alfandega do Pernambue >
se faz publico, quo achando se as mercadorias
eontidas nos volumes abaixo mencionados uo :aso
de sorom arremaladas para con-umo, nos termos
do cap. 6." do lit. 3.-do regulauiento do 9 d<.
t mdro de 1861, os sons dunus ou consignaiark.s
deverao despaclia-las no prazo do 30 i|ia>>? -1'
pena de Undo elle, serem vendida* pnr sua crni.i.
temquelhos l'h|ue competindo alhgai conlr
effeitos de-ta veu la :
Marca J S N. Numeros I U 0 i?i -lua
vindas do Havre no navio f ancoz Rio GraAdr,
entrado em ab:il do corrente anno e corisi'giiiJo
a Jose Joaquim amus c Silva.
AlfcujdegA do Pernambuco, 3 de 11 ivcmbro do
1873.
0 inspector,
________________Fabio A. de Cri-:lho Rets.
Editalcom prazo de 10dia&.
N. 90.
Pela a da aiiapilega de Renuwbuco
72* se quo aclrthdo-i



Diario de Fdrnambuco SL Sabbado 8 de Novembfo de id
oolidas dot volumes abaixomenclonado%Vio caso
de ierem am maiadas par* consume, na forma
-4o83'doati.300do regulanvni.'j de 19 do se
terubro da it*0, as mus donas ju consignatorios
deverAo desuacha las no pr&zo de 10 dias, sob pena
de, fin Jo elle, serom veiFlrfhs por sna coma, si>m
que Ihes ti^uo tompelindo allegar cmtra 03 ellei-
40s dwu venJa.
Prapiche Conceicao.
Marca R a 1 300 saeeos com tareilo vindos dc
Irisboa na lm portuguez* /.Kztfrt***, entrada cm
ti dc jufh j i]ii corronle auun.
Dita L 600 ditos dito idem u CoMe, enlradoem i3 de abril.
DiU K jj I 5c0 ditos ditj idem na barca por-
tngucza Atoi> Si/mp'itftifl, cnlrado en. 11 de agosto.
AlbnJega, 5 de novembfo de 1873. .
O inspector,
Fahio .1. de Oraitto JJW*.
ductores deterto entcnder-ae com a com-
missaonomeada para cste Mm, composta doU
Srs. ;
C-ipitao do fragnta Francisco Romano
Stepple da Silva, Dr. Fclinpe do Figueirda
Faria, Joaquim bias dos Santos, Dr. Fran-
cisco Gomes Pa rente, Dr. A. Camenha I.ins.
Secrelaria. da soeiodade. pa'iiotira Dose
ile Setembro, 3 do novembro de 187:J.
A. 1,1 men ha Lilts,
I." serrclsrio.
Domingo 9.
. ecUeulo a tarde.
A cvoedia em 3 \eu :
8 CAS&MENTO SINGULAR
Os aiuores tf um caiveiro
4. sectjio. Secretaiia da presideucia de rer-
aambueo, em 4 de novembro de 1873.
ED1TAL.
Por estt secretaria se faz pubic > quo, temtoo
Cxm. Sr. presidenle da provinoia de dar execucao
ao disposto no artigo 18 da lei n ,123, de 1? de
junho deste Mine, abaixo transcripto, convida a
quern quizer cootsaclar a publicacao das obras do
vigario Hairdo, apresentar su s propostasno pra-
ao de trinta Was, a contar da preseute data. 0 se-
cratario inter iuo. A dot pint t.amrnh* Li its.
LEI M. 1125 DE 17 BE JUNHO DE. 1873.
Art. 18. T'tca o presidente da provincia auton-
sado a contTiKtar com quem melhores vantagens
offereeer, a pablicacao das obras do vtgario Bar-
ret, cedenfo a propriedade da impressao e con -
cedendo uma subvencao i|ue n.io excedera de dous
contos de rei, podeado se julgar mais eonve-
aieutes, mandar imprimi-las por conta da pro-
viituia, para 3 quo abrira o credito necessario.
BECU8A0OK.
Almas da Boa-Vista.
N'ao se ten do effeetuado a eleicao no 1* do cor-
*ato por falta de nuraero, sao novamente convi-
4ados os nossos charissimos irmiios a comparece
rem no consUtorio da nossa irmandade, domingo
S do corrente, para eucorpnrados, elegerem a mesa
vegedora (iiio-iem de funccionar no anno compro-
missal de 1873 a 1874.
Consisloiio da irmandade das alma?, erecta na
matriz da-Oca-Vista, 5 de novemhr de 1873.
0 escrivao
Francisco das Chagas Pereira.
Santa Casa da Misericordia
do Recite.
A junta admimslrativa da S-uita i'.j-a ie Misc
ricordia do HecKe, *. mpetenieniciilc aatnrisad*
pela presidencia, em data de 3 de setembro do
anno proximo Sndo, e de conformidade com o que
dispde o { 9.* art 52 do seu com romisso. per-
muia por apolices da divida puWica a fazenda de
criar gados que possue o patnmonio dos esta-
oelecimentos de caridade a seu cargo denomina-
da Carnanba sita no termo de Floras desla
provincia, com terreno* para criar e plantar, e
com algum gado cavallar e vaccum.
Rect-be para isto propostas nesta secretaria ate
o dia 10 de dezembro do corrente auno.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
cife, 10 do outubro de 1873.
0 escrivSo,
________________Pe4ro Rodrigues de Souz*.
Santo Antonio
EMPREZA
Associa(jao Fortugueza de
Beneticenoia dos empre-
gados no commercio e in-
dustria em Pernambuco.
f fie ordem do Sr. presiiente, novamenle convido
aos senhore* associados a reunirem-se domingo
9 do correnl'3, as 3 l\2 horas da tarde nesta se-
cretaria, rua do Imperador n. 35, 'primeiro an-
dar, para e;n a*>sembl6a geral, ouvirem a leitnra
4o relatorio da directors, elegerem novos fnnc
cionarios para o anno social do 1873 a 1871 e
dratareui de assumpios do iuteresse da aasodacao.
de conformidade com os aru. 36 e 37 de nosSOfl
estatutos e seus ,
Recife, o in novembro de 1873.
Salvador Jo*6 Ferreira Guimaraes,
Secretario.
De ordem do lllm. Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda destt provincia se faz publico
<|ue o fixm. Sr. pre?iJente da proviacia por cu
offlcio de boje datado, mandou sobr'estar a arre-
tnatacao do barracao que em Santo Amaro das
Salinas sorvio do quartel da companhia de caval-
ttria.
Secretaria da ihesouraria de fazenda de Per-
nambuco, -j de novembro de 1873.
0 secreiario da junta,
Jesuinn Rodrigues Cardoso.
0 administrador da recebedoria de rendas
internas, gcraes, scicntifica dos contribuintes do
imposto pessoal que e ncste aiez da novembro que
tern de ser pago sem multa, o 1* semestre do exer-
cicio corren'e dc 18737i, e com a multa de6%
depois de findo o referido mez.
Recebedoria de Pornamb.ico i de novembro do
1873.
Manoel C'irneiro tU Souza Lacerdx.
Sabbado 8 de novembro
Beneflcio do actor
Julio Xavier.
Prtmeira represenlaciio do exceileuto drama
em 5 actos, original francez de Mr. Lambert
Thiboust :
Sociedarle MontePio de San-
ta Cruz.
De ordem d-> conselhodirectordaparocbiade Santo
Antonio convido a toJiis os parochia nos po teneenles
amesmasocicdade.pai.iiU'j no dia 9 do corren'e,
se dignom do eomparecer tu 10 lioras da ma
aba na sede da noeiedade, alim de se procetlcr a
eleicao do novo consul'.io director em observancia
do artigo 36 combinado com o 4 '' ^ artigo 36
dos nossos estatutos.
Conselho da parochia do Santo Antonio, em
sessao de 3 de novenib i do 1873.
0 secretario inlerino,
Medeiros.
C0MPANH14
DOS
TIIILHOS URBANOS
DO
Recife a Olinda.
E Beheribe.
0 presidento d'assem-
hle'n geral dos nreionis-
tas da companhia aci-
ina mencionada, man-
da scientificar aos Srs.
accionistas ue por fai-
taTde Boihoro legal dcixou de funccionar
ordmariainente dita asfsmblea no dia 31 de
outubro proximo passado, para o qual fora
convocada ; por isto 6 novamente convaoada
para o dia 19 do corrente mez ds \ horas
da tarde o no lugar de suas sessoes, certos
de que agora funccionard com qualquer
numero d'occionistas pr-^sentes segundu o
art. 11 dos estatutos.
Devem os Srs. accionistas ter ern conside-
rajao sentacao das contas e relatorio da directoria
em relacao ao semestre proximo find?;
como tambem nella tratar-se-ha das impor-
tantes materias adiadas, e quo muito inte-
ressam a* companhia.
Recife, I de novembro de 1873.
0 secretario.
Luis Lopes Castella Branco.
Monte Pio Portuguez.
Elei^&o.
Xao so t>ndo reuniJo oumoro legal dos senho
res socios para a priraeira convocicao, de novo
convido a todos aquelles senhorcs, 'a reunirem-
se domingo 9 do corrente polas 11 horas do dia
nos saldes do gabinetf, alim do proceder-se a
eleicSo da directoria o conselho' fiscal, certos os
sennores socio quo a ?es-ii;> tera lagar com o
nuraero do socios presentcs.
Secretaria da directoria do Monte-Pio Portu-
guez em Pernambuco, 4 de novembro do 1873.
Borges Costa,
__________ Secretario.
Sociedade palriolka Doze de
Devendci ter lugar no dia 2 de dezembro
proximo, t exposicao que faz esta >ociedade,
de profluc'.os agrtcolas e naturaes.desta pro-(
vincia, sao convidados todos aquelles que
quizerem concorrer com os productos men-
cionados a remettel-cs ate o dia 20 de no-
vembro, com endereeo a* Commissiio
central da sociedade Don de Setembro
aos seguintespontos :
Recife, Forte ilo \l..ltos, armazem do
Dias.
Santo Antonio, rua do Imperador n. 83.
Bda-Vista, rua da I'niaon. 23.
Quanto ao arranjo o accommodacao do;,
productos no edifieto da expos^ao, os pro
REHBLICi M% nun
( Traduccao livre do beneflciado.)
DENOMINAC.lO DOS ACTQ5.
1.' 0 segredodo grilheta.
2. 0 pavilhno d'Armenonville.
3 Os passaros da rua.
I.* Rosa primavera.
5.* A moeda de ouro.
Distribui^ato.
Personagens do i. acto.
Luciano Gerard, pintor Sr. Babia.
Pedro Renaud, o cutilada 0 beneflciado
Mauricio d'Albert, official de nta-
rinha Sr. P. Auguslo.
Paulo Bertaud, idem idem Sr. Fiorindo.
Raul Deslandes, idem idem Sr. Emiliano.
Jo-.'\ criado da hospednria Sr. Antonio.
Officiaes de mariuha.
Personagens dos nltimos actos.
Luciano Gerard, mo^-o folgazao Sr. Bahia.
Thiago Renaud, filho de Pedro
Renaud 0 beneflciado
Ernesto Martean, moco elegante Sr. Vicente.
Bernardo, criado de Luciano
0 tio Guilherme. decano da re-
publica dos pobres
lose Rouget, operario, cidadao
da republica dos pobres
Taupin, gaiato, idem idem
Pichet, mercador ambulante,
idem idem
0 tio Mathias, trapeiro, idem
idem
Urn cavouqueiro, idem idem
Dm pelotiqueiro, idem idem
Urn cego, idem idem
Um limpa-cbamines, idem idem
Baptist., caixeiro do restaurant
I'm agente do policia
Rosa Primavera, ramalheteira
A Tontinegra, idem
Coratia, mocji do torn
Diana, idem
Anatalia, idem
Sr. Silva.
Sr. Fiorindo.
Sr. Santos.
Sr. Camara.
Sr. Menezcs.
Sr. P. Augusto.
Sr. Pivieopio.
5r. Antonio.
Sr. Philadelpho.
Sr. Augusto.
Sr. Philadelpho
Sr. Emiliano.
D. Emilia.
D. Oiympia V..
D. OI>mpia A.
D. Beroardina.
D. Josephina.
Uocos elegantes, noeas do lorn, freguezes do
restanrant, eonvidados,. criados, guardas de Pa-
ris, cidadao da Republica dos pobres, etc. etc.
A ..i'.-m passa-se na nctualidaJe.
O prineiro aeto em Toulon. Os qnatro ultimos
cm Paris, cinco anno^Jdppcis do primeiro.
IVcaw I." acto. A partida do marinheiro.
2. acto. A cancao do azucrin.
3.# acto.0 hym'no da Rrpnblica dos Pobres.
A mnsica e composifko do maestro
Terminara o aspectaculo com a chistosa scena
comica, cm verso, do distincto dramaturgo Dr.
Cirnoiro Vilella
OS AM0RE5
DE
Ouiiiijiiim das ino^as
desempenhada polo Beneflciado.
Principiara as 8 1 [2 boras.
Ao publico
Nao sendo possivel ao actor Julio Xavier pro
curar as pessoas, a quem desejava convidar para
o seu beneflcio, por motivo de aehar-se occupado
com os ensaios de apuro, para a boa exeencao
do drama annunciado, pede por isso desculpa
aos sens amigos, cspe-ando one elles espontanea-
mente o honrarao com as suas presencas.
0 beneflciado aproveita a occasiao para agrade-
cer a todas as pessoas que se dignarem concor-
rer a sna festa artl'tkra, igualmente aos sous
dignos coilegas, que nella tomam parte, e com
espechliJade ao lllm. Sr. Dr. Carneiro Vilella,
pela delieada offerta da sna valio.-a composicao.
N. B. Havera trem para Apipucos, tocando
em todos os pontos.
'I1
v',
0 liil > do-to :
(I p.>J!!'ianlo e a Invader
A C'laclia em 1 ac <~, ;
.
Para'Lisboa
expenenew
A's 5 1| da tarde.
I^oniini?o 9 de novembro.
As H li* horas,
9.1 repi*eeiitacd
do drama em >' actos :
IVISOS MABITHW*.
P ITAIHO
d. nm\m.
Para o Ri* de Janeiro pretende spguir com
pouca demon por ter dous ter^os do seu carre-
garaento eogajado e para o resto qne Ihe falta,
trata-se com os coosignatarios Joaquim Jose Gon-
calves Bel trio Filho a rua do Commercio n. *.
segaira com breridade o brigne portogaea "Bella
Fijjuetrense; para earga e passageiros trata e
com E R. llabei o 4 C, ma do Commercio nu-
meia t8. ________!___^^
COMPANHU PERMAMBUCAHA
DE
\vc^ac costctra a vapor.
MAUAItCUAPE.
0 vapor Coruripe, con>
mandante Santos, segnir* pan
o porlo acima no dia 12 di
corrente, as 5 horas da tarde
Recetx! carga, enconmien
das, pa*sag-iis e dmheiroi
freteateu 2 h< dia da sahWa:
Mt-riplorio f> K " t.OMPANlllA PKR.NAMBLC.V.Y*
BE '
Have;acilo e**telra a vapor.
RIOFORMOSO ETAMANDARE.
0 vapor Pcraayfta.com-
mandante (Hiveira, segni-
ri para os portos acima
no din 15 do corrente
as 9 horas da nolle.
Re<-ebe carga, encom-
mend.is. pa aheiro a frele : escriptorio no Forte do Mattos
0. .
Para Lisboa
soguira brevemente a barca poi tugueza Grot Hat;
para c*rR. e passageiros Irata se Dm E. R. Ra
bello A C, rua do commercio n. 48.
Para
Pira o referido porto pretende segnir com pon
ca demora o brigue portuguez Recife por ter a
maior parte do carregamenta tratado : para o
resto que Ihe falta trata-se com os consignatarios
Joaquim Jose Goncalvcs Beltrao A Filho, a rua ao
Commercio n. 5.
COMPANHIA
MESSAGERIES MARITIIUES
I.iiiIih atensal
MENDOZA
Espera-se dos pot to* do sul no dia 9 do cor
rente mez, seguindo depois da demora do costu-
me para Bord&w, tocando em Dakar (Goree) e
Lisbda.
Para condicdes, fretes e passagens, trata-re co^
OS AGENTES
Harisniendy A Labille.
9 Rua do Commercio 9
Para o Pio Grande do Sul
sahira brevemente a escuna porlngueza Aguia ;
para carga e.passageiros trata-se com E. R. Ra-
'jfllo 6i (".., rua do i;:rnii]or.:io n. i8.___________
COMPANHIA PERMMBUCAM
DE
.\'ave^aclo costeira a vapor.
ARAHYDA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACA-
rf, CJUftk, MANDAHU', ACARACO' E UUWA.
0 vapor Ptrcpama,
''ommandante Silva,
seguira para os por-
tos acima no dia I i
do corrente, as 8 bf -
ras da tarde.
P.ecebe carga at6 o dia 12 do corrente, eiicom-
Ticndas ate o dia 13, pasagens e dinheiro a frete
ate as 2 horas da tarde do dia da sabida : es-
criptorio no Form do Mattos i. 52
COMPANHIA PKRNAMBUCANA
DE
Navoj^actto co.(>ira a vapor.
MACEIO, ESCALAS PESEnO E ARACAJU.
0 vapor Giquia,
dimandante Martins
- gr.ira para os por-
tos acima no dia 14
do corrente, as S
horas da tarde.
Recebe carga ate o dia 12 do corrente, encom-
mcnd?.s ate o dia 13, passageiros e dinheiro a frc-
ie ate as 2 hora.s da tarde do dia da escriptorio no I'ort..' 10 Mattos n. 12.
CO IIP A xn IA
DE
\AVEGACA0 BIIVSILEIRA.
Poa>toN do nortt*.
0 vapor nacional Bah>i, cesoerado dos portos
lo sul ate 8 Jo porrente, seguira para os do nor-
tc depi)ii da demora do costume.
Para carga, encommendas, valores, passageiros
s nuts informacoes, dirijam-so .1 rua do Vigario
n. 7, -^srriiitirio da agenda.
Peroira Vianaa A C.
Atmrtes.
Pacilh' Kleain >Taviga!i^n 1'ompanj
Lhihu quiiizenal
OPAQUF.TE
Ml 4^ m? 3
A. w mu JLjB^ i-m^i.
jsperase da Europa ate o dia 9 de novembro
$ depois da demura do costume seguira para o snl
io imperio, Rio da Prata e eosta do Pacifico, para
jnde receheni passageiros, encommendas e dinhei-
-o a frete.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14 RUA-DO COMMERCIO14
13
(Traduccao livre do actor Juiio Xavier)
Terminara com a scena comica :
OS AHORES
CE
Ouinquini das mops.
Original do Dr. Carneiro Vilella.
THEATRO
EMPREZA--VJCESTE
PROGRESSO MARfTIMD DO PORTO
Kiupi*oza portueuse de navegu-
clo) a vapor etttre Portnaral c o
Brasll.
0 vapor
JULIO DINIZ
Comiiinniliintv -l. !. Rodrigues
Contento
Esperado da Eurrpa do hoje em diante, depois
da pequena demora dentro deste porto, seguira
para os da Bahia e Rio de Janeiro.
Para passagens e fretes de carga, encommendas
e valores, tratam-se com os
AGENTES
E. R. Rabello O C.
48= Rua do Commercio=48
PACIFIC STEAM
puny
Malta quiiizcmil
0 1'AQUETK
LUSITAN1A
aspera se dn portos do snl ate o dia 8 le novem-
bro, e depois da demora do c? tnme, seguira para
Urerpocl, via S. Vicfnle c Lisbon, para onde re-
cebera passageiros, encommendas r- carga a frete
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
IVRUA 1 COMMEH'1014
Rio de Janeiro
Opatacho dinamarquez /. P. Lnrsen, i nestes dia*, recebe ainda ai^nma carga a Irete :
a tratar na rua do commercio n. ?>, < andar.
A SABER :
Commanditariot qu* ftriwram 0 contrail
social (i que ainda nao entraram com
os 50 por cento de suas assignaturas,
sendo o valor ndo'realisado o que abai
xo s segue :
Antonio M:i -hado Gomes da Sihra
Antonio Viwnte do Nascimento Pel
tosa
Antonio Alves Ferreira
Antonio RifttaquM Gome*
Antonio da Silveira Maeiel Junir-r
Autonio Fnnrico de Souza Maga-
Ihaes Junior
Antonio Jo-c de Siqueira
Aitotiio dc otiv. ira 'Antnnes (aceiton
letra
Bi'iiiii Jo-o da 0> I'andirto Ttrnmu Pereira Dutra
Francisco Sinioes da "ilva
Francisco de Panla Andrade
Frederico Miguel do Souza m
Genrire Xestt
Isabel Maria da 0sta
Ignacio Joe 0 elho
Jose Mamede Alves Ferreira
Jose Alexsndre Gubian de Verd :n
(cesionario, Bento Jose daCostn)
Josd Cavalcanti Lms
Joio da Silva Ramos
Jofe de Barros Lima
Jose de Alcnqner Simdes do Amaral
Jose Victorino de Paiva
J. P. Adour & C.
James Olivier
John Lilly
Jo-.- Joaqmm de Miranda
Joaquim da Silva Gastr*
Joaquim Francisco de Mello Santos
Jo Luiz io<& Vtarqnes
Manoel Ruarque de Macedo Lima
Manoel Antonio dos PassosOliveira
Manoel Joaquim de Oliveira (cessio-
nario Francisco Guedesde Araujo)
Manoel de Azeredo Pontcs
Mar 'mho & Oliveira
Manoel Goncalves de Oliveira
Ramos, Dtiprat & C.
Sfeve, FillKis Si C. (admittido ao pas-
ivo da I'allencia)
Tito Avt-lino de Barros
Vii-torino Jose de Souza Travassos
Vicente Mendes Wanderley
CessioDiirios de commanditarios que
Ri) de Janeiro
0 pa:acho d namarquez /. P. Lassen segue com
pouca demora para ete porto, podrndo levar cer-
ca de 25 eseravos no onvez, por passagem razoa-
vel : a tratar com H. Lundgren. rua do Com-
mercio n. i.
Para o Porto.
Segne com brevi.lade a barca portngneza S.
Manoel II. Recebe carga e na*sageiro* : a tra-
tar com Tito Livio Soares, a rua do Vigario n.
17.
LEILOES.
LEILAO
DE
Hoje
Sendo
diveisas mobilias de jacaranda, e de amarello, o
muitos outros moveis que serao vendidos pelo
maTDr pre.;", para liquidar.
No armazem da rua do Imperador n. i8, ae 11
horas do dia a.ima.
Pelo ngente Marlins.
DE
uiq magnificu sobrado de 2 aodares o so-
tao, em chads proprios, com front-; de
azulejo, da rua do Bom Jesus n. 2 SEGIISDA-FEIRA 10 DO CORRENTE
ds 11 horas.
0_ agente Pinto legalmente autorisado, levari a
Icilao o prcdio acima mencionado, oqual tornase
recommendado por ser novo e cdifkado cm cbio
proprio, e em uma das ruas mais commerciaes.
0 pretendentes poderao desdo jaesamina-lo, 0
concorrer ao leilao que deve ter lugar as 1 ho-
ras do dia 10 do corrente, ao escriptorio do refe-
da agente, a rua do Bom Jesus n. 43.
Grande
5*?
Em continuacao
SEGUNDA-FEUU 10 DOCORUEMIi
De um grande sortimento de maehinas da bob-
tura, garantidai, cadciras para salas, ditas para
viagem, ditas para jardim, ditas pa.-a reoreio,
ternos ue bandejas, duzias do facas, objectos de
electro-plate para servicp de mesa, cspelhos de
todos os tamanhos e moJelos, tapetes, costureiras
para senhoras, carrinhos para eriancas, hollas de
vidro par* jardim, espingardas de dous canos,
lavatorios compietos, o muitos outros artigos que
bem deverao agradaraos concurrentes, o que tudo
?e vende para liquidacao.
pelo agente Martins.
No armazem junto a loja do Carneiro Vianna,
a rua do Barao da Victoria n. ii-, principiando
logo as 10 ho as da manha.
LEILAO
DA
chapeleria elegante, a rua da
Imperatriz n. 3
TERCA-FEIRA 11 DO CORRENTE
as 11 lioras
0 agente Pinho Borgcs fara leilao de um excel-
lento e escolhido sortimento de chnpeos le pollu-
cia, castdr, palha, brim, para homens e menino?,
de velludo, palha da Italia, amazonas, esparterie,
e muitos outros de variado gosto, para senhora3 o
meninas, florcs, plumas capellas e grinaldas para
noiva: a armacao de amarello, envernisada, ca-
bides, ffrmas e outro3 objectos proprios para cha-
peleria, e ?e vendera em lotes a ^ontade dos con-
currentes.
Casa de penhores
LEILAO
Esla marcado o dia 'o do corrente para nolle
ter lugar o leilao de todos os objectos dados em
cautelas, a casa de penhores da trave*sa das Cra-
zes n. 2, enjas autelas c*tao venridas.
LEILAO
DAS
dividas
activas, direitns e acc^es Amorim, Fragozo, SuntosxfeC, na im-
portancia de 806:8J85527.
ii:0(Kuooo
2.000 iOOll
l:lttO4PO0
l:(00itl)0
7:500Jt>0U
l:0 .W<>
22:0005WI0
t :6d6/6tt<;
2:'.!6'iatiS7
2.1-00 iOi
1-.0006000
1:000 000
6:000i0 0
:!i)-:(itO 0
1:000 4001!
.5:000*0011
t.tm$m
4:0003000
1000400
2:30 400
1.0004< W)
1:50040 0
4:0004000
5.0004000
1:5004100
2:0004000
5:0004000
1:5004000
2:(iOO4O0i'
2:5004000
000400D
3:0004000
2:0004000
3:0004000
5:0004000
3:000 000
2:01:04000
2:8Oi4O00
3:0004000
1:0004000
5:0004000
0:1 004000
entraram
com 50 / das assignaturas on capitaes a qne
esiao obrigados pelo ewhtrato social, e que rcstam
ainda .r*0 Vo para completar todo 0 fundo subscrip-
to 0 scguinte :
Bento Jose da Costa Junior por Jo?e
Alexaudre Gubian de Verdun 4 OOO4COC
Francisco Guedes de Araujo, por Ma-
noel Joaquim do Oliveira 7303000
Entraram por outros que deisaram de reahsar
com 30 0/. e ainda restam 50 */ os seguintes :
Joaquim Salvador Pcssoa de Siquei-
ra Cavalcante 2:3004000
Jose Jeronymo Monteiro 2:5004000
aoao Baptisla Fragoso 7:0004000
Jose A. d3A. Santos 5:00O40Oo
Liista dos devedorcs constantes de senlencas ju-
diciaes :
Francisco de Barros Rego 4:2474201
Joaquim Salvador Pessoa de Siquei-
ra Cavalcante 8:9304000
Mello & Irmao 1:9034670
Andre de Abreu Porto 15:0004000
Francisco de Paula Pereira 2:0004000
Francisco Bolelho de Andrade (em
appella.-ao) 2.5004000
Gonralo lose AiTonso 1:4634100
Joao Luiz ue Oliveira Azevedo 2:9894i'i0
J0S0 Pint) Rpgh de Souza 5:u0040iX)
Joao da Cunha Wanderley 5:9tSa526
Manoel Gouvtia do Souza" 2:4844520
Octaviaoo de font* Franca 2:2154240
Joao Pinto de Lemos Junior 2:2504t 00
Lisla do drrersos devodores, provimiente de let as,
vales e reciboj.
Letras. Ramos Dnpr.it '^ C, lUe
tan-i Gori^aivps Pereira da Cunha 9774386
Idem. Os in "inos.Jose Agostinho
de Sa Pereira W.'J7i8
Idem. Os mesinos.- 0 mesms 89MI*0
Idem. 0 m.'sm.i.-O ni'>mo iO-iiO.'X)
Mem. Vi ni.^in-.s. Joao Rodolpho
Gomes 1:0424592
Idem. Joao Luiz Vianna.lose Cae-
tano do Magalhies 98.5/200
Idem. Siqiietra & Pereira.Camillo
Ide-oino Emerenriano 3:21240 0
FrannteCO lost Fornandcs Gitir2na 100,3000
Antonio Joaquim Panasco 1194400
Faria & C. e Franeireo da Cunha
Machado Pcdrosa 1403025
Os mesmos 4401023
Os mesmos 4404025
Os mesroo? 44u3
Os mesmos 0953700
os mesinos 733#9i>8
Os mesmos 7333908
Os mesmos 7-134968
Os mesinos 733JV08
Os mesmos 733490*
Os mesmos 1:1173000
Francis'-o A. de Mendon^a 2813442
Victorino Jose Ferreira c Manoel Jo-
se Mendes Bastos. 3873330
Os mesmos 3873330
Os mesmos 387436
Os mesmos 1144000
Antonio Joaquim Maduro Brandao 2124330
OmesuK 1443600
0 mesmo 2973600
0 roeamfl iiSiG'K)
J..ao Rodolpho Gomes 4303760
0 mesmo 4304760
PedroPai!od?s =nntos !:36-i3640
0 mesmo 7423640
0 mesm- 7423640
Mauoel Lins W.mJerlcy 7393000
Manoel Pereira da Costa 143*580
Joao Paulo da Silva 2293201
Joaquim Jose Medeiros 50040; 0
Jose Bon'.o Goncalves Carneiro 5463498
Pedro Jose da Costa Castello Branco 4643000
Manoel Firmino da Silvi 5003000
0 mesmo 4OO3O0O
0 mesmo 4003000
E. H. Wyht 2:2403980
Machado & Souza 188*000
Osmosmos 4124418
Os mesmos 1303'W1
Os mesnns 2844000
Os mesmos 854000
Franeisoo Moreira Di;u I: I703000
Joao Rodolpho 'Jomes 8OO3OOO
0 mesmo 5003000
Joaquim lo A buqucrquo Mello 1:0003000
Rego A C, Irmao 230iOOO
Ramos, Dnprat & C 11:408*270
Os mesmos 1:4044500
Os mesmos 3:6904000
Os mesmos i0:000*0o0
Os mesmos 4544780
Os mesmos 4:000*000
Os mesmos 1:2304000
Os mesmos 3:700*000
Os mesmos 11:600*000
Os mesmos 10:0004000
Os mesmos 3:780-000
Fran.'isco de Barros Rego 65040;)0
0 mesmo 49030JO
O mesmo 4:2703126
Joio Jose Medeiros Correa & C. 1:1343208
Joaquim Jos6 de Mello Junior 7934330
0 mesmo 10i300u
Copia de lettras. loaquim Jose de
Mollo Junior 363364"
0 rai'smo 7033330
Recibo.-Joaquim de Albuquerque
Mello 3OO5O0O
Idem. laneS Oliver 18:20434oO
Vales.Joaquim Salvador Pessoa
do Siqneira Cavalcante e Anto-
nio Gofitfalves Ferreira Casciio I:GOOi 000
Idem.- Daniel Guimaraes & C. 1:0013924
(dam.Fabrica do Monteiro 9003000
GoncaloJosO Affons) 1:000*000
0 mesmo 3:000 000
Antonio Marques do Amorim 62:9124000
Titulos verilicados d admittidos em
massas fallidas e liquidardes.
Lima A C, Martins & Sebastiao,
Joso da Silva,, saldo 4:3844906
Mesquita At'utra 4:1484070
Viuva Amorim A Filhoa 93:461*640
Joaquim Jose da Silveira 3:4384-3(0
Travassos Junkr 4 C. SI: 198*-00
Joaquim Francisco do Mello San-
tos
(felftl,* boras)
0 agente Pinto, rumprindo 0 manlaoo do' lllm.
Sr. Dr. iuii de direito e especial do (omaario,
fevsirir' -lelPb as dividss, dlreitw e aecoVs ian-a
meuci' nadrs, pcrtimcentos imafsa fllida o> Adk*
rim, Fra/oso, Santos & C, cm mnito* e diff^rrates
|o(c, as 10 1/2 h..ms do dia acima mencionado,
em seu cscripturio, rua d) fl.>m Jesus 11. 43^
tfsoc "ifilWns
.. Novidade
Relralf* de S. S. Pio IX ; -lo R. P B^clc, gera
ila C'.i nanha in Mm*, e do it. 0 Vital, Wnw p>.
IV1 'iiamburo : n (ilioti ?o;h!a imperial a rua on
'"at'ii^a 11. 18, 0
\a aicMUia t-uia
Retratos da infer! t Maria la Conceicio, as-
sas'inada pelo descmbargador Ponies Visguei-
ro. 800 rs ______________________-
Precisa-se de um cozi-
nlieiio para o Hospital Por-
tuguez : a tratar na rua Pri-
meirode Marqon. 13.
\lnga-se
primeiro andar do sobrado da rua dj Dnqne de
Caxias u. 44, proprio para escriptorio, on rapaz
sulteiro : a tratar no mesmo, loja.
Comedorias.
'So becco do Sarapatvl n. I, fornece-se con'e-
dotias para fora, com promptidio, aceio preco
rajoavtl._________________________
[TASSO IRMAOS & G.
declaram ao publico e espe-
cialmente aos seus bons fre-
guezes que o aviso im-ertono
Diario de Pernambuco, de 5
e 6 do corrente de C. Tasso*
Iirmaos, pedindo aos seus de-
vedorcs o pagamento de sens
debitos e amea(jando-os de
declarar seus nomes no mes-
mo jornalnao foi feito por
elles.
Precisa-.-e de um reverendo sacerdote para
celebrar as missas do Natal n'um dos mclhores
ergenhos do Passo de Camarazibe : a tratar na
rua do Bom Jesus n. 8, escriptorio. t andar.
Ao Sr. fiscal da freguezia de S. Fr. Pedro
G. ncalves.
Veja que o sonhor deve aos domingo? e dias
santos fazer fech;.r qnalqner um eslabelecimeBto
aue estiver na lei, pois nao aconteceu atsim com
o estabelecimento da praca do commercio n. 10,
que esteve aberto domingo e dia santo, e tambem
vende bebidas espirituo'as a retalho; pois e pre-
. iso que elle seja o mo os senhores tavemeiros.
lVrgunta quem qucr ter o meson privi-legio.
Sitio para alugar.
,{Aluga---e um sitio na Capunga, rua das Per
nambu^anas n. 66, com bastantes'commodos, ten-
d) dez quartos, ires salas, cozinha, coxeira, tan-
que para banho, gallinheiro, com diversos pes de
ti ucteiras : a tratar na rua do Marqaaz de Olin-
da n. 63.______________________________
ffalri.'iil.'i (Is cavailcs.
Arh.nn se a v. nJa em todas as livrarias map-
pas impressos |ara matricum dos cavallos con-
forme ileteriniua a lei i.tviuci.U (tj-iJ dc junho
de 1873.
i- iiMivira
Precisa-se deuma cozinheira para casa estrati-
geira de pouca familia: a tratar na rua do Com-
mercio n. 38.
Aiiigihse
cma caa lerrea em A ioikoj,
para fan.ilia : a.iiatai ,i -Ij^o
raa da Concordia n. \w.
m commtJos
.i'! Apipnoos, ou
It l A
Ao publico.
AiSencSa !* leilOes.
00 M-.nQL'KZ OK Ot. IN DA, M. 37
1." an:-ah.
0 abaivo assignado tern 3 lionra de sci-
enlificar ao respeitavel publico, com espe-
cialida'fo ao corpo conrnerrial desta praca,
que acaba de ser nomeado Agente de teiloes,
em cujo exercicio prometto' se esfor^ari
para bem merecer a onfianca de todas
aquellas pessoas que so dignarem honral-o
encarregamlo Ihe do negocios tendentes &
sua prolissao.
Desde j4 o abaixo assignado antecipa os
seus agradecimentos para com aquelles quo
o procurarern", o que poderao fazer dirigin-
do se a rua do Marquez do Olinda, n. 37,
1." andar.
Recife, 7 do novembro do 1873.
Joaquim Dias dos Santos.
Alaga-sa a olaria n. 63, em a rua do Vis-
cinde de Goyanna : a tratar na na do Rosaro
di Boa-Vista, a. 30. ______y~
Perdea-se urn lequ^ de mariim dentro de am
dos .wagons d- trem qu-* voltoo do Caxanga no
d a iI do corrente as 8 e 35 minutos da noite: re-
compensa se a quem o entresr.r a rua. d Madre
di Dens o. 38, armazem.
Traspa--sa-se a chavc da loja da travessa da
Duque do Caxias n. 14. win uma arma->:o !)-
di envidra$ada, propna para cigarroiro, on on-
tro qualquer negocio : a tratar na venla junto,
m com Manoel Azevedo de Andrade, a rua do
Crespo n. 8.___________________________
ALUGA-Sf
As casas tcrreas ns. it da rua da Matrix da
Boa Vista, e 47 da rua das Aguas-Verdca : a tra-
tar na rua da Madre !c Deus n. 16._________
Aluga-se barato umas meia-aguas, novas na
travessa das iiarreiras, beecos do Aquino : a tra-
t'.r na rua do Cotovello n. 23.
\$\\m kin id k otUohro de 187:
5900
Engoramadeira e amade
leite.
- Precisa se de uma engvionadeira e de nma
ama de leite, paga-se bem uma e ontra : na rua
F^Tinosaa. J4.______________________________
Livros a venila
Na rua do Rangel n. 1.
Ohernovii. Diccionario .lo medicina popolar, 4.*
edi-ao do 1870. Cherniv.r. : F.prmulantfou glia
medica, 8." oJicao le IS68. Veiga : 0 amigo dos
commereianfes, 1." edicao da 18"3. Arte de re-
querer em jnizo ou novo advogado do povo, 4.a
ecllcAo aiigm nta la com a reforma judieiaria.
SAQUKS
Carvalho & Nogu ua, na eua do \pollo
n. -^0, accara sobre o Banco Commercial
do Vianna e suas agtmcias em todas as ci-
dadrs e villas de Portugal. & visUea prn>
P'r todos os paquetes.
BB
w
.
<

">
.


____ ___/<
\
I

{
(
DiMio de ^emambucu Sabbado 8 d%Noveiiibro de 187&.

Ti" '-------------
AMA
Precisa-se de nine ama |ra
cozinhar : na praca do Corpu
Santo n. 17, 3* nn.lar.
so!
Offtrece-se uuia ami para eate de
iteiro : ua travessa Jo I'eixot > n. 7.
home ra
__---m __r 4 Na rua .In Capib iriuo n.
/m w 1 \ 3i lire isaso alugar uma a
xm. .? /m. ri.iv.i quo iMZinlie o engo:n
me para i -ma famiii.i Bmwau la do Jo as H*onse
11 ineiiim. paga-si bem.
PUNDICAO
RUA
DO BOWMAN
:RUM N. 52
AttenQao.
20|000. f
Precisa-se de duas amas, son-lo uina pira
comprar n cozinhar, e outra pata engoin-
mar para casa de uraa familia de iluas pes-
soas, preferindo-se escrava, paga-se a quan-
tia acima : a tratar na travessa do Vigario
Tenorio a. 1, das 9 boras da manhi ate as
3 horas da tarde, escriptorio.
AMAS
Precisa-se da un.a ama para co-
zinhar em casa de f&mitia : a tratar
na rua do Haspicio n. 46, casa terrea
quo tern bolas amarellas na cormja.
(Pas*,MVj o ohafariz)
PEDEM \*.'S senbores de eng-nho e oolros ?gricoltoif, e anapregad'om de n>
tinismo o fav;>r 4e etna visiu a scti e*i*beieciau-ait>, para verem o novo aoriimtrito
'>mpletj qoe hi tem; eeudo todo soperior em qaalidade e (ortirtio; o qoeco a ioi
ftio pes* >al pode-se verificar.
ESPECIAL ATTF.NCAOAONUMEUO K U GAR DE SUA FUNOICaO
,T_> --- Hfti,,,. Ala r_.n Jos.raa'S mo !erooa nvsteuiaaaea u
VapOreA 6 rOdaS U'agUa mai;d08 convenient para aa diverts
ircomstanciai doe lentaorei proprUtarioa e p ra des:aro$ar algodio>
Soendas de canna JjJ*' M ""^ ":,M">or* ,M ,qo'
para animaes, agoa e vapor.
Aos sentiores fiscaes dasfre-
guezias desta eidadc
Jfc'w somna |Mus de familias e e-tames do accor*
do (joe so feihem as t% versa*, r i-dos o< pais de
fun ilia doveni poslar ;!.> mr=u;a !ci ; nas c ; rcciso
ipie 0* -flllli.r.ji :;:...; rr.^.i:^ ulV|..li a Id. ,tO
-liaet n'n'us'acs vr. ..'fft" 1 e vrtj.1--.ii Ja
I p..\ .' j reTo. i ;.t>;;i'! ?. -j^.o '." i.h; ._.-* lis
.;aei .-alii.111, ;.,.,- .,... ..-',a.u os ..Hi ii, ji-.-isu ju-t-i
quo se em: pra a lei mi .kise de ?e cuinpri-la
Ito foi feito para s i-pg.i la.< fau.ilia?.
Viva S Kxc <> Sr. prcM'lVntc da provincia.
Viraa lib.-rdade do Ci numfJo.
Viva a ramara municipal.
Muituf vendVlhocs ijue sao de accordo quo se
fecheni as Uvernas.
Ama
Na ma da Ponte Velha n. t precisa-se
de uma ama qae saiba cozmbar e en-
gommar para casa de familia de luas pessoas.
Amn Na rua do Visconde de Itaparica a 32,
.tXlllai precisa 3e de uma ama para engommar.
tm No i^rredor do Bispo n 3 precisii-se
*""<* de nma para cozinhar e enyommar.
Precisa-se de uma mulher
forra ou escrava, que saiba
cosinbar bem : na Torre, si-
tio do Jose Mariano.
AMA
Prerisa-se de uina ama para todo o scrvico
de dous mpazes solteiros: a tratar na rua de Pau-
lino Camara, taveraa n. ii, esquina em (rente ao
con von to de N. S. du Carmo._______________
Na rua da Soledade n. Ifl precm-se de uma
ama me lave e engomme, para ama p--ijuena fa-
milia.
Precisa-se de nma ama para
cozinhar e comprar para ponca
familia : a tratar na rua Nova
Elodas dentadas
Taixas do ferrb fundido, batido a de cobre.
AUmbiques 9 fundos da alambiqaes.
ffachinismos
Rombas
AMA
n. !.
Vemizes especiaes para carrua*
gens.
Este verniz, cuja falta a ;ui tan to sontem
'OS Srs. fabricarfU-s e possuidores de carrua-
'gens, acaba de Chpgar para seu unico depo-
sito, das s*guintes qualidades.
VERNIZ SUPERFINO PARA CAIXAS DE
CARRUAGENS.
E' ura veroiz muito claro e duravel para
as caixas de carruagens, para todas as de-
maos, oh pa*a a ultima somente, sobre
outros vtrnizes. A superficie secca em 12
boras, depois das quaes se espde ao ar por
algutfi tempo, o que faz endurecer, e passa-
das IS a 18 boras pdde passar-se a caixa a
pedra pome e dar-lhe em seguida out a de-
m5o. Dio-se com facikdade tres demios
deste verniz sobre as tintas, em tres dias.
A primeira demao servindo de appareibo,
ajuda a seccar as ultimas demSos o produz
um excellente brilbo.
Wernis superior sect-ante para
carraagens.
Este verniz e da mesma c6r que o ante-
cedente, mas endurece e secca com mais ra-
pidez. Emprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e p6de misturar-se com o
anterior. A duracao do verniz permanente
diminue na propwfSo da mistsra.
VERNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS
JOGOS DAS CARRUAGENS
Nflo e t8o claro como o verniz para as
caixas das carruagens. Emprega-se nwsjo-
gos das oarruagens e tambem para as pri-
meiras demios sobro cdres escuras. Pode
passar-se a pedra pome passadas 10'horas,
podendo dar-se em seguida outra demSo.
Veraaia pre4o ilo Japao, snperior.
Para trabalhos em preto de carruagens.
Prodtu o preto rsais oscuro e brilbante, e
p6de passar-se a pedra pomes 10 horas de-
pois. Deve dar-se duas demaos sobre um
fundo preto e cobrir-so com outras duas de
verniz quo se emprcga nas caixas das carrtia-
geBS.
VERNIZ PARA COUROS, BRII.HANTK E
ELASTICO.t)
Este verniz, contendo na sua composigao
grande quantidade d'uma substancia muito
semelhaute ao azeite denominadopieds bceuf,
e o unico quo da" flexibilidade ao couro ve-
Iho envernisado. Em geral basta uma de-
mao que deve ser applicada muito ligeira-
mente, com um pincel depois de ter limpo
o couro com agua-raz. Exposto ao sol sec-
ca em 1 ou 2 horas, e a* sombra mas ao ar
secca em 4. Em tempo humido e inutil tal
trabalbo, por que n&o 6 possival tornar o
verniz elastico e seccante ao mesmo tempo,
Yernizpara appnrellao.
Depois de ter apphcado 2 ou 3-le-oaos
deste verniz n'um intervallo de 8 horas, de-
ve-se dewar a obra intacta por 2 ou 3 dias,
no fim dos quaes se p6de pulir com eitre
ma facilicida li. E' ossencialmente neces-
sario cobrir este verniz com duas demaos do
Tetniz -superlino para caixas do carrua-
gens.
VERNIZ SEGCANTE.
Mistura-se com as tintas de appareibo, o
sobre tudo -torn as tintas moidas, para quo
seqeem mais facilmente e para Ihes -iar
mak consistencia.
Coaao nao enecessario dar lustro a ultima
dcrnao de verniz empregado nas caixas de
carruagens e no dos jogos, convent da- lo
n'um loeal separado aonde nio baja p6.
Quaudo a obra urgo.^ deve pdr-SA 4 sombra
^ ao ar livre depois de seceo, isto e, passa-
das 12 horas, lava se e enxuga-se bem com
uma esponja humida. On*"1"3 mais vezes
se fizer isto, mais brilhante ficard o verniz,
e mais dopressa ss torminar^ a carruagem
(em caso necessario tros dias depois da ulti-
ma denaio). Durautc .as duas ou tres pri-
meicas semanas deve-se lavar a carruagem
com agua fresca, depois de ter ser-
ido.
Os frascos devem conservar-se sempre
hermeticamento tapados. <> resto 'io verniz
nio se.devo deixar ftcJir no frasco, o pdde
usar-se para as primeiras -lemaos.
Nio deve misturar-se com este verniz ne-
nhum outro iogrediente, neno agua-raz, e
de nenhum mo-lo com o seeeaote. E' pro-
ciso limpar bem os vasos e os pinceis, o o
melhor & servir um pincel para oada ver
^iz.
Depeiito unico pan o Brasil, Bartholo-
meu &C, iVrnambueo, Rua do Rosa-
rion.3i.
para maadioca e *!godio,| Podendo todos
a para jerrar madeira, iser movidos a mio
/por agoa, vapor,
de pitente, garanlidas........ j on animaes.
rodas as machinas iiMe -co-mupt^.
Faz qualquer concerto de machiai8mo',prt,f0 moirMQmido-
Pormas de ferro *** *****"***" mer-
fffiAnmrnAndao Incambe-se de maodar vir qaalqoer maebmismo i voo-
^UUOinuieiiUao* 8(fe ,jos clientes, leabrando-laes a vantagem de [axerem
oil comprispor intermedio de pessoa entecdidn, e qoe em qoalquer oeceeiidade p6de
iei prestar aaxiiio.
Irados americaaos 'iattBmov" 't"wla-
RUA DO BRUM N. 52
PASSAINDO O CHAFAR1Z
Antonio Jose Soares Junior.
Leopoldina de Sonza Soares,
seus filhos, .-eu mane, sua mana
e sobrinhos agradecem cordeal-
mente a todas as pessoas que se
dignaram acompanbar ao ecmite-
rio pubheo os restos mortaes de
seu esposo Antonio Jose Soare* Ju
nior, e de novo convidam aos sens parentes e
amigoa para assistirera as missas que mamlam
celeb-ar por alma do mesmo i'mado n-t setimo dia
do seu passamunto, no convento de Nossa Senho-
ra do Carmo, is 6 i\t boras da manhi, segun-
da feira 10 do corrente mez, e desde ja se eon-
fessam summamente gratos.
D. Ursula Muniz.
Joaquim Paulino Nlc^as Muniz,
seus filhos, e Florencio Tertuliano
do Rego Cosla, agradecem do inti-
mo d'alma a todas as pessoas que
se dignaram acompanhar os restos
mortaes de sua ami chara esposa
e filha; de novo convidam aos seus
parentes e amigos o caridoso obzequio de assisti-
rem as missas do setimo dia, segumla-feira 10 do
corrente, na matriz de S. Jose, as 6 l|i boras da
minha
m\ DA MML
AOS 4:000*000.
PILHETI-S CARWTIIM)?,
I" ri.-j PrtMKfr" .- ;:?,(> i' <:ror<: n.n -U.
CrtupA' n. e **<* '<" 'r--: "-
UaUixi) a- :lies bilhetes, um jiiieim n 2i i rout "'*' nm
nn'l.i n i 88 com **>}, um meto n. 8393 Cum
MOt e outras sortes que se a*:ihou do extrahir (71), eoiiJa at* p s-
suiilores a virsm receber na conf-)rmidade do cos-
tume sm desc^olo algum.
Acham-se a venda os folizes bilhetes garantido?
la 15* iparte das loterias a beneiicio da Santa Ca
sa de Mi:iericordia do Recife (73"), qoe se exlrahi-
ra na seijnnda-feira, 10 do corrente mez, pelo no-
vo piano.
PRECOS
Bilhete inteiro 4(000
Meio bilhete 2*000
EM PORCAODE 1005000 PARA CtMA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete U750
Minofl Mortitu Fittsa
Cfiixciro.
Prrelsa-se de um de 12 a li hum quo oniira
ir para o lugar de Una. de n\< Puimoso. Prefc-
n alpaid qi'.e sn;l e.- le-ir brnt, embotti te
; ;, i I,.!! .!> i r;-t r.i. Tr-.: > : rua da M il
:. u> n. '''*. I-" "!: ''' ''"' "'i'' ________
t -:
? *
Leiam
"= B 5 --
3 a JB ft
,: ? 3 1 o. 5
i-s 2" & 3 a.
--t3.= cr52^<
x =; = o s>
8 8 s i-
Nil8
3
58o
So-,
li.'

c~^
C C -i o
FUNDICAO DE FERRO
a
\' rua do Bar&o do Triampho (run da Brnra) ns, 100 a 104
CARDOSO & m
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para en-
genhos, as mais modernas e melhor obra que tem vindo ao mercido.
VaDOreS de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
LaldCiraS de sobresalente para vapores.
MocndaS intGiraS e meiaa moendas, obra como .unca aqai veio.
TalxaS fundidaS e batidas, dos raelhores fabricantes.
RodaS d agUa COm cubaje de crro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadas je todos os laounbos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
BombaS je ferro, de repucho.
AraUOS de diversas qualidades.
Formas para assucar grandes e p^quenas.
PoTlPPTt^^ concertam com promptidao qnaJquer obra ou machiwr, para t> ^qae teem
vu ^ sua fabrica bem montada, com grande ebom pessoal.
PnonTTimPTldaq mandam vir por encommendada Europa, quakiuer aoachiuismo,
uiiwiuuicuuao para Q ^uQ g0 correSpOn,j0Tn corn uma respeitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de manWar assentai;
fitas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a IfH
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
Antonio Augusto Soares do
Amaral
Francisco Jose do Amaral, Che-
rnbina de J. Amaral (au-sente),
Jos6 Scares do Amaral, n-anoel Jo-
se Soares do Amaral, ioae Juse Soa-
res do Amaral, Kortnaato Jose Soa
res do Amaral, Jose Elias Soares
do Amaral, Francisco B. Lima do
Amaral e Mancel Soares do Amaral, agradecem
cordialmente as pessoas que se dignaram acompa-
nbar ao ultimo jacigo os restos mortaes de seu mni
presado tilho, irmao, cunnado e primo Antonio
Augusto Soares do Amaral:; roganao-lhes ainda o
candaso obseqnio de assistirem a missa do setimo
dia, que tera higar nasegunda-feira 10 do corren-
te, as 7 \1H horas da manha, na igreja da Madre
de Deos.
HHMKi HJK'
Manoel Lourenco dos Santos
manda vesar uma missa por alma
de suh fallecida comadic D- Ursu-
la de Sacramento CosU Mnni', no
dia 10 do corrente, as 8 boras da
matfha, setimo dia de seu tailed
mento, na matriz da cidade da es
dade da Escada ; convida, portanto, aos seus ami-
gos para assistirem a este acto de religtao, do que
se torna desde-ja eternaraente arato.
VERDADEIRO ELIXIR DO D" GUILLIE
TONICO ANTl-rLEIMOSO E ANT1-BIU0SO
PREPARAD0 POR PAUL AGE, PHARMACEUTICO
TJnlco proprietario, rua de GreneUe Sai*t-Gernai*. 9, em Parit.
A MClo d BU*ir eniUM i inulramente beneilci.
Como purxaiivo nSo doblllw omo ot oulros remedlos
desta qualidade, poram toniBca a rerresca no mesrao
4enpo : aoiilia a corrlga todaa aa secrecoea; d& ror^a
aos diversos orgaos: nao eilge uma diets severs, pe.o
contrario e preciso tomar uma boa rereifSo a tarda
quando se usar delle; pode aer admlnisirado com
snal eslto na mais tenra idade como na ma s adlan-
ualquer.
eniro d'um
lada velhice aem nunca causar arcldenle
Na doao d'uma colherada pequana
pouco da aguaassucarada, seja antes seja depois da co-
mida, esilmula o appetite, aviva lasfunccBes digesiivas,
subsiilue a losna laMmhr), o wwiut a bebidas amar-
gasque sa cosluma tomar,
Un folbeto que a um verdadeiro tralado do medidn*
uaual e domestlca se di do graca com cada garrafa
da ELIXIR. Ells Indica as doancaa aonde o ELIXIR
i mil e o modo de usar delle.
As pesaoas que quizeren consultar este folhato
anies de usarem deste ELIXIR, podem dirlgir aeu
pedido franco ao S. PaBL GiOE, am Paria e na
provincia ou nos palzes estrangeiroa, em casa dos
depositarlosi eat* folbeto lhes sere enlragua de
graca at immedlalamente<
afa ei inimeuioiiumo.
Oesda cincoenla innos a reputacSo do Elixir unite
espalhou-M no mondo Inlerlo peloa senricoa que
qua cada dia elle presla aos medicoa a aos enfermos en
casos graves ou desengenadoe.
aes pharmacias das Autricat, nomeadamente
veis de doenpas e tempo pe
s&o rapidas.
O Elixir Guillie ende-% em todas as pnncipaes St*?1*
o Ptrnambuco: A. RKGORD; BARTlSOLbMEO B
Ca.
Antonio Rangel de Torres
Bandeira.
Manoel Ignacio de Torres Ban-
deira, Jcao Vicente de Torres Ban-
deira e Augusto Cesar da Cunha,
irmaos e cunhado do finado ba-
charel Antonio Bangel de Torres
Bandeira, mandam rewr uma mis-
sa por sua alma do eonvento do
Camro, no dia 11 do corrente as 7 horas da ma-
nha, primeiro anoiversario de sea fallecimeUto,
e peiiem aos sens amigos, e aos de aeu nuuea es-
queciilo irraio e cunhado, o caridoso obzeijuto
de assistirem a seovelhante acto, pelo que o tornara
tteroamente gral9.
UEHHM*WH(RsfiC!BBMpHaMikViflBll89B8EBBB)
Jose Fereira Lemos
O. Constancia Ferreira Ramos
Lemos, pai, mai, irmaos, irroas,
cunhados -e mais parentes mandam
res^r algumas missas no convento
tie S. Francisco, n3 dia terca-fetra
14 do corrente, as horas da ma
nha, trigesimo dia do fallecimento
de-iese Pereira Lemos, na villa do Triumpho, por
sua alma ; pedem a concorrencia a este acto de
caridade aos aan'gos e cuLbados da finado.
Antonio do Carmo Souza e sea*
filhos agradecem do mtimo d'aima
a-todas as pessoal .irae so digna-
raai acompanhar ao cemiterio pu-
Wico os restos mortaes de sua mu
presada esposa fe mai Adelaide Ma -
ria da Coneeigao ; ede novo con-
vidam 0' seus parentes e piuigos para assistirem a
missa do sc-tiawdia, segunda feira 10-do corrente,
na capella doar.enal de icariuha, as 7 horas da
manna.
1
Roctaa 4 C,, estabelecidos com armazem de mo-
lhados e deposito de sablo a rua da Madre >le Dors
n. 4, pai ticipam aos seus rreguezes e a qnm mais
possa inieressar, que o S Manoel Lnnrenco
Santos Coelho deixou de sir seu eaixciro desdo
31de outubro proiimo passado._______________
Oj. abaixo assignados de.ilaram an publico e
ao commercio, qne compraram a taverna sita no
largo da ribeirade S. J .se n. it, que pcrte icia ao
Sr. Jose Luia Goncalves Penn i ; e se alguem se
julgar com direito a mema, queira apiesentar-se
no prazo de tres dias. Recife, 1 de ntvembro de
1873. .
Antonio da Silva Junior.
Francisco Fabiao du Monte.
. CASA DO OUKO
Aos J :0 Bilhetes garantidos
Aua do Bardo da Victoria [autr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
O abaixo assignado acaba de vender n is seus
nuito felizes bilhetes a sorte de \ :000i< 00 em
dous meios den. 1869, alem de ontias sortes me-
uores de 40*000 e 10#G00 da loteria que se acabou
de exlrahir (7t*j ; e c.nvida aos possuidores a
virem receber, que promptamente serai pagos na
forma do costume.
O mesmo abaixo assignado eonvida ao respeili
vel pnblico para ^ir ao seu estabelecimento com
prar os rnnito felizes bilhetes,que nao deixarao dc
tirar quakroer | remio, como prova pelos mosmc j
annuccios.
Acham-se a venda os muito fen es bilhetes ga
-antidos da 15" parte da lot> ria a beneficio da
santa casa da misericordia do Recife, que se ex-
trahiw no dia 10 do corrente mez.
Prejos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De iOOgOOO para clmn.
Inteiro 3*500
Meio 14750
Recife, 29 de oatubro de 1873.
Joao Joaquim da Cosla lAite.
s
' '* rri
>
-It!" Ha
= C i = I'. ^ CB
= !rc
p as ao *
e o
o a
s'i it
3 2.
i 5 I
OS
o
C3
N
o
-
Mill
5 v, 3. "

= 5 O z r' -
5 S-m 3 2 S
: a li
Sp r. a = s
: -, : s__
Publit*ac;lo lltterarla.
O UM DiS TEMPOS OU A VIMVV nO Ri:i>0 DE
PMB
(I. r. em S.'fioncez}
Nesta obra moslia-se pHas pmphecia*. deisaias,
ereniia^, BaBqniel e Daniel, prineipakeota petas
Jesles dous uliimus. pelo Apccalvp-" ** 8 J,a"-
dt-las Epistolas de S. Pedro e de S. Panic, pelas
Precisa-se com urgencia de uma ama
para cozinhar, para uma familia de 2 pes-
soas, e que seja perita cozinheira : a trater
no pateo do Hospital n. 28.______________
Precisa-se de um caixeiro para hotel, que
de cenhecimento de sua conducts, e de uma ama
que saiba bem cozinhar : a tratar na rua do Mar
quez do Herval n. 8, Concordia e Commercio.
Caixeiro.
Da-ie 10:000* a premio
Honaa *, 86, sobrado.
10;000|
raodico
na raa de
Na raa Velha n 117 In para se atuitar U na
escrava raoea, sadia e sem vic'os, que cozinha o
anaaboa bem, send., para casa de familia, e com
gond'C-ao de "t> ahir a rna._______
Prtrn-a >e deuin caixtiro que lenha bastan-
te pratica de taverna a fit rua Uuuue do Caxias n, V}.
Preeisa-se de uma ama forra ou escrava-'
qne saiha lavar, engommar e comprar para casa
de uma familia estrangeira mposta de .tres pes-
ooas : a tratar na rua do Viecoade de Goyann? n.
i57, fabrica de rape._____________________^__
Culileria alicma.
Rua de Mathias. de Albu-
querque n. 8.
Antiga rua das Flores.
O pr-'jtrietario deste astabelecimento declara qoe
esta pr-imptn a amolar, afjar e polk qualquer
ferramenta de aco, a saber : mo thesouras, oa-
vnlhas, faoSos, canivetes, etc- etc.
Na rua da Barfio da Victoria n. 36 precisa-se
fallar an Sr vigaoo Andre Curcino de Araujo Pe-
reira, a negocio de sea interesse.
Offerece-se um rapaz de idade de 1-5 anno1 ci* ~ Ci i.
Pira caixeiro de qual<]uer estabelecimento : quen* JoaqUUll bimOeS ClOfcJ bantOS.
precisar annnneie.------------------- __--------_ Antonio Mendes Pereira da Costa
e Antonio Ferreira Alberto, aqnelle
socio e este primo do finado Joa-
quim Simoes dos Santos, agrade-
,cem cordialmenle a todas as pes-
soas qne se dignaram assistir as
ex-equias e acompanhar ao cemite-
rio pnblico o cadaer daquefle finado e de novo
convidam aos sens amigos para assistirem as
mfcsas que mandam celebrar pela alma, do mes-
rao, terca-feira 11 do corrento mez, as -6 1(2
horas Ja manha\ 7.. dia de sen fallecimente,
e desde ja se confessam summamente grato.____
I!
Esta encouracado 1 !
Roaa-se ao lllni. Sr. Ignacio Vieira de Meli>
escrivao na cidade de .Nazareth desta provincia, o A senhora que se^pffereeePafr" "
favor de vir a rua Uuque de Caxias n. 36, a con- casa de familia, prestaadoseusserweo. de tostu-
:luir aqaelle negocio qno S. S. se compromettea a
realisar, i iins de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
passoo a fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motivo e de novo chamado para dito
im, pojs S. S. se deve lemiirar que este negocio e
le rnais de oito annos, e quando o Sr. seu nlho se ,
ichava nesta eidade
ra por pequeno salario, pode dirigir-se a rua do
Marquez de Olinda n. 4, 2. e 3. andar^, so-
brado. ___________________ _
Aluga-se uma excellente casa na povoacao
de Duarte Coelho, em Olinda, com bons commo-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso, rua
Amorim, b. 37._____________________
n
Vende-se uma excellente casa com uui pequeno
sHio. sita no Arcaial junto a casa do Sr. Anselmo :
a tra'tar na mesma casa, e para in/ormafocs aa
taverna do Queimado n. 3, t* andar
Vrecisa-se do um caixeiro que tenha bas-
tante pratiea de twerna e de" fiador do sua con-j
ducta : na rua Dugue de Caxias n. 20.
Manoel Heleno Rodrigues dosi
Santos manda rezar uma missa na
matriz da villa de Gamelleira pelaa
7 horas da manha, seguwJa-feira
10 do corrente, 9etimo dia do pas-
sameato de D. Ursula de -6. Costa
Muniz, esposa do seu aniigo Joa-
quim Paulino Niceas Muniz, convida aos seus ami-
gos e conbecidos a assistirem este acto.
Attencao
Aluga-se a casa n. 36 da rua da Ventura na
Capunga, com commodos para familia, usiamlo
perfeitamente Kmpa, por se ter mandado caiar e
pintar ha honcos dias : a tratar na rua do Duque
de Caxias n. 44. ',________ .
Allftncan.
ou an tnumi
na terra. .
Desiruii ao do imperio romaaq e eslabf wcimenio
da igreja '; a^paricao, desenvolvimento e engran-
pecimenl'. du mahnmelismo. soaderreta no< ram-
pos de Poitiers por Carlos Martel rei de Franrja ;
o imperio de Carlos Magno, oalo desse grands rei,.
o ua divisao em qoairo reinos. Allemanha, liana,
Franca e Hespanha ; cngrandecimento da casa da
Austria e sua humilhacao posterior ; a revolueao
franceza, seos horrores e sua perseguicao a bireja;
a elcvacau de Napoleio I, suas victoria? e reu ca-
amcnli com uma archidnqneza Ausinaca, < Who
que tevc dessa pi incesa morto ainda em meuor
idade, sua derroU final pelas quatro potencia> al-
liadas, Austria, Prussia, Inglaterra e Russia ; as
revolucoes de 1830 e 18'.8 em Franca ; i.SJierra
para a libertarian da Italia por parte do rei UHos
Alberto e sua derrota em duas grandes baialnas ,
a renovacio'dessa guerra por parte de seu who, o
actual rw Victor Emmanuel alljado com a Fran-
ca ; a derrota da Austria em Mageu'a e Soirenno;
a cunlerencia dos dons imperadores da Ausiria e
Fraaca ; a cessao da Lombardia feita pelo pri-
meiro aosegundo e a transfereucia dessa provin-
cia para o I'iemonte; a volia gloiiusa de Nap-d-ao
III ao seu paiz ; suas expedicoes a China e ao Me-
xico, e sua puerra com a Prussia na qual, oiz a
prophecia, tropecou cahio e. nao foi mais achedo,
morrendo pouco tempo depois em casa particular;
a pn-clamacio e estabelecimento da republic l
Franva pela terceira vet em .820, ainvasao i .-
milhacao desse paiz pela iirussia ; a guerra .a
iior esta ultima potencia alliada cm a Italia > otra
a Austria, a derrota das tronas de Victor Emma-
n-.L-l assim no mar como em terra ; sua usnrpa-
.-an do reinode Na poles, dos ducadas de ToM-ane
Parma, Modena e Lucca, dos estados pontiflcios a
finalmente sua enlrada em Roma, sua persrgoi-
eao aos bispos catholicoos, a de^ruicao^ completa
do
v^CU fll
:ms&
Aluga se o armazera de recolher na ma do
Burgo' n. II : a tratar na rua da Traia n. 20,
a tratar eom Jose Feliciano Nazareth._________
Nao te precisando mais de uma casa na B-'
Viagem, qne foi alugada ate o ultimo de fevereiro
para banhos salgados, traspassa se a cliave Ja
mesma a mem della preafaar : a fallar ni rua U
Coronel Suassuna n. 282.__________________
Kara passar a festa.
Aluga-se uo'a casa no Poco da Panelia a rua do
Rio n 25, eom 2 salas, i quartos, cozinha fora,
qnint.il muiado e cm aloendro na frente, muito
prnpria para a e?tacJo calmosa por ti-ar proxima
ao rit, ttesfraetand > o ^xcNente banho, e preco
commodo : a trsiar na traveisa da Madre de Deos '
n. 18. ____________
Aluga-se o egnndo andar da caa da rua
d i Aji Ho n. 3', com commodos para grande
fa i ilia ; a l alar na casa immadiita n, 30, se-
(iu:.do andar.
I
iltftS
urns*
AS
DOENCAS
-,o *3o cansailn*
Pela Tnfecrao
V- DHUIt.
BHEL'SAIISMi),
SErsrsiA,
RarrilHA
,L'>. J.
v..ci .I'.'.r..-- ri.o
C. 11EU Kstadoa Unidos.
EM FRASCOS PEQUENOS.
r msBA
Ageates Goraes no ?rapl
Reuiedios do Dr. J. 0. Ayer
&C.
Como ten) apparecido neeta pra-.a grsndc quan-
tidade de falsiiicatocs, vamos agora prevenir aos
sonsumidores que os remedios do Dr. J. C. Ayer &
Cpreparadosespeeialmente para o Brasil, trazem
03 r-itulis na lingua do paiz, a sao enviados so-
mente por intermedio dos Srs. Cassels Causer k
C, ro, ecaia frasco leva o letreiro A. R. Casrels A
C, Rio de Janeiro, agentes g?rsos para o Brasil.
R-igamos aos c mpradjres qne s6aceitem os re
modios em conformidade com este aviso, e rejei-
tem qua'jjuer que traga o rolulo em inglez.
Ha seinpre um grande deposits destes verda-
deiius lemejios, em casa dos Srs.
I. 0 C.DOYLE, RUA DO COMMERCIO.
Tambem este Sr. esla encarreg.ido de accltar en-
eouimeh'Jas por quanlila'le, pelos prec-M 0 Nova-
Yurk.
( abaixo assignado cncarregalo da liquida-
c5o da cia"sa da lirn.a Jo '- J S mtos N"?ves 4
Irmao. do n'vi -.'nnvida aos eredorfs da mesma
firma a de cada um dos socios em particular, pa-
ra qne no prazo de oito dias, na rua do Apollo
n. 18 arm ze.n de assucar, apres *ul. m s seus li
titulos afim do serem estes verificados e poder-se
a-sim conhcccr em qu.mto monta o p.isMvo, sem
o que nao se pode regular a furuia du p..g,iinento.
Este L-onvite ii olensivo aos herdeiros di? D. An-
na Dellina Pars. B-rreto, senhora do engenho
Garapu. da qual foi inventariante c s 'cio lose doj
Santos Nevts.
Recife, .j de noverabro do 187-J.
_______ Joa6 Fraiieisc.i do nego.
0 balanciador
Jeronymo Jose da Costa, mais antigo Ie?ta pro-
vincia, pode ser proeurado no pateo do Carmo n.
13, venda, que se laa (lira aonde *ia irabalbando,
pu ilia m?radia.
Precisa-seide um criado para uma cssa de
pequena familia : a tratar na travessa do
Vigario n. 1, escriptnrio.__________________
Joaquim Jos6 Goncalves
Beltrao & Filhos
Teem para vender no seu escriptono a rna do
Commercio n. 5, o seguinte :
AGEARDENTE de cajd : caixa de 12 garrafas.
t de larania, idem idem,
ARCOS de pao para barril.
CAL de Lisboa, recentemente chegada.
CUAPEOS de M, para homem e senhora, cabo
de marfira e 6sso.
FF1XES de ferro, para porta.
FIO de algodao da Bahia, da fabrica do eommen-
mendador Pedrozo.
LINHA de roriz.
OBRAS de palheta.
PANNO de algodao da Bahia, da fabrica do com
meadador Pedrozo.
SETROZ de todas as qualidades, das fabricas de
Peres e Eduardo Militao.
ftOLHAS p oprias ^ara botica.
SALSAPARRILHA do Para.
ELAS de cent de lodos os tamanhos.
VrNHO engarrafado do Porto, caixas de 12 gar-
rafas.
dito MAscatc do Douro, idem idem.
4 dito Setabal, caixas de 1 e 2 duzias.
da Italia engarrafado, caixas de 6 gar
rafaa,
de Collares superior, em ancoretas.
ie cajd, caixas de 12 garrafas.
Malvasia do Douro, eaixas com 12 gar-
rafas.
<___________, jdem idem._______________
Offereco se umj mulher de boa conducta pa-
ra ftuer cou>panhia ;1 uma familia, e Umbem
presta alguns soi'vigos : quern precisar lirija-se
a Boa-Vir ta, rua Formosa n. 4._______________
Aluga-se o armazem n. 34 a rua Duque de
Caxias (antiga rua das Cru:es) : a tratar na So-
ledade n. 27, on com lose Henrique da Silva Gni-
m ara es^_____________^__________.
Perdeuse ha poucos dias, da estacSo de
Sant'Anna ate o Recife, um emhrnlho composto de
dilTerentes desenhos de mos>ie.)s p ra sala : a
pessoa que o achou e quei a re tituir, |.6de leva-
lo ae armazem de Manoel liastos de Abreu e Lima,
caes de Capibaribe n 12.
Casas para alugar para a fes
ta ou por anno
Um sobrado no Poco da Panelia, na rua do Rio
n. 3, com 4 sihs, 3 quartos, sa ela, cotinha fora e
quintal murado.
Uma boa casa terrea nova com cocheira, cstri-
baria peqneno sitio, a margeai do no, n. 38 da
mes^a rna.
Uma casa pequena. porem om bons commodos
na trivessa aa '".ruz das Almas ao pe da caca ver-
mclha n. 2. To-Jis a tratar com o coimueudadoj
Tas^o.
Pede-se ao proenrador on encarregado de
negocios do Sr. Joao Manoel Pontnal Junior, o
favor de apparecer a rua do H spirio n. 33, das 6
as 9 hnras da raanhil, on das 2 as ." da iard>-.
Aluga-se uma rasa terrea Ou.ii ins pi-rtas
de frente e bastante ele>da, eom s-tan d^ntro 'o
coininodos para familia, na rua do* Martyring
n. 160 : a Iratar na raa do Rosario da Bca-Vista,
seguudo andar, par cima da refim.cao.
- 0 lii.ii. Sr. Dr. Leopold^ fiwar Duqnc E-n-a-
da, n.rmadu uaacademia dc Pemamhoeoem '873,
tilho Jo lllm. Sr. Joaquim LeopoMo de Flgueiredo,
e rnawi'lo a loja de Amaral, Nabuco'A C, raa
Nova n i, .i negocio qne na-> ignnra.___________
Aluga-sc
A cisa da rua do Padre N breja n. 87 ; a tratar
1 fe Ta5'>. a r'.ia du Aro tai n. '7
poder temporal do papa, a eruniao do eonriho
do vaticano, a definicao do d>gma dain'alMnli-
dade per esse mesmo concilio, a lala travada > m
seu selo entre osbi>pos galiicancs e os bispos cha-
mados ultramentanos; a victoria alcancada por
estes contra aquelles; a di-pers.io do dito fonailio
depois da delini'.ao da inlallibilulade, o encerra-
mento do papa no vaticano ende e sustent^Jc pelos
fiets per meio de donativos, rnlgannente dentmi-
napos dinheiro de S. P?dro : todos estes Cactos so
acham indicados nas prophecias acima num-i-na-
das, sondo sua realiiacao uma prova wienie da
verdade dellas ; mas essas prophecias v.io ;iili;,nte
do tempo presente. e pareeem annuneiar ainda.
A morte, talvea violenta, do papa Pio IX para
oanno de 18" 4, a nomeacao deires ante papa- em
seu lugar, um pela Italia, outro pela All?mnnba,
eoul.o pela Russia ; a anaivhia que em vinude
disto ha de reinar na igreja Me ao anno de S878,
pouco mais ou menos, as per?egui^5es horriveis a
que uesse tempo e>4arao sujeitos os fleis, clcro e
povo, que nao quizerem presta* obediencia a ti.es
ante-papas ; a invasao da Italia e a distruicao de
Roma pelas tropas da Prussia on da Russia eu
de ambas e?ias potencias reunidas ; a elcicao
do verdadeiro papa que sera do grande santi lade
de vida, a reforma e restaurajao da igreja fela por
eHe, conforme fora nos primeiros seculos do chris-
tianismo, a escolba e coroaqao de um desceudente
de Carlos Magno para rei da Franca, o qual pnsto
a frente dos povos de raca latina, combatt?ra con-
tra as racas saxonia e e slava, e as derrotara, des
tiuindoao mesmo tempo o imperio da iniqni^da
acabando o seculo com a desapparicao da herezia
e do schisma o com o triumpho gloriosu da
igreja.
A obra enntem muit33 indicates e reflexoe? im-
portantantes sobre os acon(eclment08 ccntempo -
raneos que podeia apreciar aquelle que a ler.
A imp^essao ficara eoncluida per estes dias, e
ate ao flm do correnla mez sor.i publieada-
Recebem-se assignaturas na livraria Universal
rna do Imperador n. 34 a razin de ,ii exemplar.
Dr. F- N. Colhco.
K"V|22 SPiflH fiji**" "^ ,'<; on-
PBNHOBES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, dd-se
dhiheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedra-s.
? sag srs m&
" Nao se precisando mais de oma r.-isa na
Una-Viagem, que foi alugada ate o nliimo de fe-
vereiro para banhos saigados ; traspa'isa-so a
cliave da mesma a quern drlla precisar : a fallar
na rua do Coronet Suassuna n. 582.
Agencia de empregados.
A agenda que funccionava na travessa ua ma-
triz de Santo AMonio n. 6, raudou se para o caes
do lap.baiibc n. 12 e pateo de S. Pedro n..3, loja,
aonde continua a furnccer boas amas, caixeiros e
criados.
Alnga-se o 2. andir da casa da rna das
jLanngeirasn. 13 ; a tntar na rua.no Marquez
' de Olin-la 2. andar da casa n. I.


-*.'
'/
I
6<
A!
Boa casa para a festa.
*,u".a*' n,na exoe.nente casa nc- Monteiro, tra-
S"1 *'>^to, a (| ial se acha era rauito bom os-
r^" a: a icatat na rua Priineiro de
JJ amisa fio Rre^yo n. M A. !ohi de Gorgel
DESCOBKRTAS MEDICIXAE3
I'iXO BACHAKEL
Manoel de Siqueira
Oavalcanti.
t o-Preserva4ivo da ery-
K-pi"!^,. para curar com cort-an, e
<<.. iniiws temp.\ qualquer ataque de
. a, e prevenir o seu reappare
c i nto.
!>'- mpfficamenJo tambem e muito
; >so para o rheumatisms.
**. <> HKfg;ti!utlor da mens
' '.'o : para fata, irregularida-
liressa.i repcntina da me straa-
Ca-, doslochios, as-im como para
is soWmoutM devidos aqctellas
' 6Vs. Ambos estes medieamentos
i-i mnitc conceiluados, c broeura-

m
0
$
#
tt\ "- J itt -I'll.
.-oarn-se a venda someute em casa
d ;,.!,t, das 9 horas do dia as 3 da
e a qualquer hora em casas ur-
' s.
GRATIS AOS POBRES
Htta da laipjratm n. 11. 2 andar.
Perequito.
D) prim iro aodir da casa do Antonio Jose
KodMifiite. .I- Souza, a rua Nova n. 5\ voou am
peaquij .utrafeiio e faHador, levando no pe
umu c.:,-.,,!, ,ie prat* ; que.n o tiver pngado
qn. uv, ut a baadale d.; o eutregar na mesina
" '' "' ganerosarafittte r.tcompcnsado.
21 Ruadalmperatriz -21
Rt nbertn a jnnttirreti -ia do rcspcitavel |.u
blino ft n ivo e b.-ni ulil ctabeleciinenio Rece-
be se assign ilnras bwhiw, o pmmeite-se ter
sempri' saillirienlps coniaduria- pan se fornecer
avnl-o. 0 prc.iprii lario de-te n in e.-tabelecimen-
tn ppimpite tarvir o uielhor quo se pone de.sejar,
e por preens muilo reaumi^ps. U que se toina no-
tavel wMm onto.*, ti o asseio e prouiptiao ; e neoa
s6 ss p<> lu afllancar i-to. com i lamlinm se garanle
as comidas sit.-ih mint' ban Ifilas, vtsto que ten
urn cwinhoiro do primcira orJem. Havcra todos
os aias s irv.te dis meihor.s fruclas coniiei-iias
eoirenos. E*pera-se a concurrencia do respeiia-
vel publico.
0
ft

Consultorio hoineopa-
thico
Js Dr. Sant4W .Ucllo
il-------Rua do IinniTa-lor-------if
Conaultas todos os dias das 11 a 1 da
larde.
Gratis a os pobres.
Rcsidencia a fua Nova n. 7. st'undo
an.iar. onJ- da ennsultas das 6 v> !> aa
i;i:uiha e das 3 as 3 da Jardn.
(;iianiados a qnal pier hora.
m
m
m
m
m
xHonsHltorio mcrtieo-cmirffico %
n de 4J
% A. B. da Silva Maia. Jj
liua do Viseooile da Aibw[ueapae n.
11, outr'ora rua da matriz da Boa-Visla
n. It.
Gaamados : a qnalqoer hora. V sfS
Consul la*: Aos pobres gratis, das 9 is
4 bcras da- larde.
>m Jarea na Una dos Batos
frento [iara a.cstrada do Hospicio,
:a. familia
qiie di' Hlirida n. i.
n. 68, cam a
com ba a tratar na rua do Mar-
'.'uij sonbnra bortesta quo sabe bem
ooscr ,i na nodttaa e por pequeno sala-
rio, se pn-n a morar era casa de familia,
- seus ;itviqos : qu*m preteniier
aq^iu iciti p >r esle Diario.
Carros de luxo.
E' iti |U >-.; r. ivei qnc a cocheira da rua do Bom
k'-'! 15, : Joa iniffl Pies Pereira da Silva, 6 a
EV! n : iimros borlindas, caleras, meias ca
;:v- e vi i*ia de luxo, proprias para qualjuer
no-Vi;.. :\..\- jg de clifiueta, i.ail-s e actos da ara-
oVr; -i os mfsimis ajauzados de excellence
par, :..; r.niraaes, arreios lusuasw c boleeims
com >ntos do ultimo gusto, para o qua w
cenv 11 na pQbUeo i rtr por si mesmo Scuntifi
ear-"- da rerdade do qua d.-ixamos dito, certos df
qoe D'i iitrarao poinada, e sim realidade e
- (irecfls.
fm banlios de mar.
A r.-..i!, Xabuco A C, rer.cboram ilo Pa
rir mi ,nis costumes do ultimo goito'
P ; 8 senlioras quo dcsojaroni to-
aur banlias salgsdua, alem da solidez da
fa*-n n para resistir a agua salgada, a de-
gan'id dos tr jos nada deixa a dcse-
jr.
Atleng.a6
Pcrd-'u e na larde do a 'ganda-f ira urn rt.logi(rf
de ouro patent-) injtl;r, com nma correnta de ou- "
ro, purta-lapis, i- uma have do feitio do u:iia sa-
carrolna e uni single com timbre; o rdogio tern
da part* de fora na tifnpa uma cnhia de nobreza,,
grandea : q-iem o achou se o jcvar A rua do Im-
pend >r n. id. 1 andar, rccebcra a sratifica'^o
Je loOHi i.__________
rv le-se i >i -r- rorand Joaauin^ ^ivalqante
deAlhn.juerhuo, f-cilir do enjculio Paplisla, Dr.
Lniz '.. r..-n!i'I'.| Rai.C'i e Ticenlg KaceHar, o
obM>j i do a parecri-ivn na rfta tHiifue '.
n. ':'; '_ i-ii ijnc lli.-s ii|i."v.-i>.i.
.ax:as
A,rm;icao de Iqja
Cunsullorio nrefeo
DO
r. Hdrill*.
BUA DA CRUZ N. 26, 2.. ANQAB.
Rocem-cbegado da Eurepa, onfe fre-
i quentou os hospilaes de Paris e Lodre
Sode ser proctfrallo a qualquer fcora do
ia ou da neutc para objecto dc sa* pro-
fissao.
." Consultas do meio dia as duas horas
. da tarde.
m. Gratis aos pobres.
afj ^J]W(V^i'da#s.=Moleslias da pelle, do
V crianca ae malher.
J Emprcga no tratamento das molestias-
de raa especialidade as **# frias
banioi a, os apparelhos maw modernamente era-
jti pregados na Etropa*,,
jg. Tambein applica com granite proveito
Z no tra&mento das molestias do ntero a
. electrieidade, pelo proeesso do Dr. Tre- l^
V' pier. Cm*- por am processo inteirawente
.id- s:' ii.ni I'.Ni-.'lli-nii'aritvirai. ,!, amarcllo, rj boko aa bknnorrhag-Ias esobreladoa O
pr.inrii par-i qu dquer psialielecimento : na /^(goiia miiiur) dis|)ensando as iB>te5Ses.
lll.Ullo
ru.i do Mar picV d
Olindao. '..'I.
300,S'000 do o-rati ft cacao
A iHiMi.se oesdeo dia 1 i Ae loa.o de 1872-0
!!' i i dc noiiie Aifrrdc, reprvseala. ler deiilt a 40
ami > dc i.iid". il n.-rfcit. a .:, i:o. ;.ih> hastante,
b ii inaprn, pnuci barba, hWum prande'v > muilo
idiiio, i!-i i i;m.- r -rti o.i mi i iiv-'.'o do Sr. Lulu
dcC O'a. I'll! -.. I.ii:}>,::, ,ia MhII.i RglH [.r-to
M ti.iheir i l.i.. n |o< uiUvs Adriano ^< iitetnj e
Sr. Jnsi' J.iqnon Goticalve-< HaMi>.s, e jirija-se
(|ii" esii-ja :iiv < !'< i ui >'>U)>rwi U->*-l on caa parti-
iilar ii-.-' i iid4ik. ii nf.i (ViiTfl : j,cd- se a todas
asanlori.lad i-mia.'> d'r.niip). queodesco-
I brim!
J
ii '"''o a inianiia acima!
Uuga i* n-i !! I hTiji :a. a n>.: d fr>r
i'/Hi.'liniio. (ii.-j il I jan.'ii.i) nma cxcelletwe
r*M I'-rn-.i. irm'o fn-si-a, < mi I-;-tn'!*.'- con.-wo-
dop, bom ' MMfr !-!'. eiiladeda Kurtfo, rua do Santa the-.
r. -a n i
IH
Casa k
(MIII-IO
tr
-
!
-c- a q&vni ijjiizer faztr os Concertos
-. o afrcudi iit'ulo por algUQs annos, d<
ilk ii -a sita na Porta 't'Agua.
i : I. luim Pires Carnein M -n
.u!o-r<- ." liptura para niaior seguran
lad ii i itu salubre, e a casa nmit
mag iiflC4i ban ho de agua doce en
e iHiii. nun .1 a visto que o irem pass-.
!) 11, r pode dingir-e ao Sr
Laaeiro Uontejro, em Apinacos, a-
.-a- hjna Mil Pinlo, na rua do Bum fesus,
:.nn 'ii a i ua do onimcrcio n. 'id
ranliuiis.
I'm o .'. ill ,ca-aj|. sein ions. |n.s.-oa dc la-
inilia. ha |i"ur.-i rhfgafki d.i Btintpa di>si>jnndD
ami '%-.\r se. ne>Hn cii-:<1-- irfi fora H'lb, propde-se
a ensu -ii-;- rtiipnrz. hisioria. ^eographia, laiiw,
jAilns'iphi.i i- il-.c!o. ,'. : qu'io pr ri 's vie ii"-i--- a r n i. ":,n'I'.mIoi-ii. n. 57,
oja '' 'i 8 a ""as M
in Uar$\i ia ktoria
n. 36, precis**
IVixi !o i
Na i:
. j grs. Pen/ii P,-'go Charos
. -, pa da Silva, a aegociu de particolaf inie
---t- ____
iscn\
iiigid).
V ""-..... '.iii| ', *J14^- .' \Mrow
bnndo. ii ir.ij..iii j rua Da ^ o.- ca.xias n. 'nr Fo|a
in i- ui i. / .> di iiv.il -rtn -- Hid i. jiiH serJio pr-
GRiSULOS ANTIMORIAES
BO
or. PAPILLAUD
Nora meduwran cootra a* moleDlian do cora-
cSo, iislhma cutarrho, coquelucke, tisica, etc.
" GRANULOS ANTIMON1AES FCRRUQI-
NOSOS roiilra anemta, chlorine, amenor-
rhetu nevrulgia, nervosa e molest itu escro-
phufo*at.
SBCNULOS ANTIMONIAES FERRUOI-
nosos com bismuth, ronira as molestias
nerviosHS, Ujs via? diee*iias.
i'.i.irni.icia E. MOUS.VIER em Sauion, (Cha-
reiilo-l: lerieure,, Fiaiicia.
Or pi-- iiD em I'einambuco : A. REGORD;
HAURR, pharmnriulicd.
f-
-Sr
..;.
-Ct-
DEXTOTA Df PARB
19-RUA NOVAV-19
J. M. Leroux^ cirup-
giao dentista, succes-
sor de P. Sautier^ es-
pera coatiuuar a me-
recer a eonfianca' dos-
ctientes da casa. edo-
respeitavelpubKeoem ^
geraL J
Ainda ^14 fiigida
a escrara Matiides desde 17 de mar^o do corrante
.anno, dq 32 annos de idade, preta c-rkmla, estatu-
ra reguter, cheia do-eorpo, pernas ftaas, [cm uns
car^cosno rosto qoo parece espinbas, falta de
dentes na frenie da parte de ciraa, falla lnaitn
.-inausa que as vezes desafia coinpaisao, boa cozi-
aheira e engominaileira, e filha do Para, foi com-
orada a sjgra do Sr. eommendador Lucena, e
muito conhecida por ter estad.i alugada em casa
da Manoella do in>|iector, no Monteiro, ella imitu-
ta-se de forra c tc-m side- vista no Poco da Panella,
Monteiro, Caxansra, Magdalena e aqui no Recife':
pede-se encarecdarssnte a todas ae antoridades
policiaes e capitaes de- oampo a siv. appreheneao,
assim corao se ped> a qaein toniia anias que vc-
rilique nessas que di:m ser forras. ppis coasta
esla/ ella de ama qne nao sahe a rua, quo se-gra-
iiicaracom a quantia de to a quern a levw a
eu seahor, na rua do Livramer.to t>. 1, a Antonio
de Paiva Perreira ; & ^>rotesla-se haver os-djaa-de
servigo de t( da e jaial pier pessoa qac a
l occuua em sua casa, ua forma datei.
10 ;0 de gratifieacjio
t ,1 i'.. 1,'i-la da !>aia.a lira
u i iv-i JbaXfiiim, prelo dc na
mod *s meia rataelhwr..
pwii per-wntvu ao faliccido Dr. Oi\n.
, ,1 tr* .,; in dr. S.'a .. iHH 0 haia comprad-i na
Kia ,!. Mioas '-m S. Joa> d'EI rei ou Ouro
. ,. ,..,,, aite scgnio para o Rio de Janei
para <-'a p/ovincia, i nde M paaa Uaceio
tend.'i \'Oi:io alii a Jnatioo Epamiuondas Ne-
3 a: i n c Bipi-aram us aliaixo
cniiiihar, n <> a qae estava dcii.
.- .,,,!. :e -a peK alia que e africanp.
i)tf!: ;.' a pa'.Hicac^o aeima aqnemap
f.-.i ; r aa-sc a i-ia< as autoridadea n son
c;ptai .
Recife, 6 do oatu'ro ae IS7"t
Jiif- da Silva l.ovo & FillM.
Ferdido.
A pessoa que aohou urn diploma de cavaiheiro
da imperial ordeia da Rosa, nertencenre a^loao
Uomingos da Silva Pinto de Alaietda Gaifnacaes,
p 'de-eutregar no patco do Pareiw n* 10 e 12?quo
ser a recottipeti aiti. ____
I'l.oHi.ZIMiO ::M >tll0UKll!O B1NUO DE LE1TI
K.:c iiherido pela geute t-leganle do muwto
inleiro como superior a torto oe 1-abSes ale agara
nsados no tourarior iSo dn1icado da.- SeaBoras e
ds meninos e para os bnnhos i barba.
Para evjiar as numem-ns imiiacoes, exig-*8
a firma i marca de labrica do in-
venUdur com paterae.
^^JW
13. rna d'Enghlen, Pariz.
Arba-se em ca.-a du> principaet Perlumistat,
Pliarma. euticos e Cabelleireiros das Americas.
Casa em Olinda.
Aluga se a la na de S. Bento n. 17, a qnal i
, Ira. mnito- ednvnodns e quintal murad < r .:
I, : trti se m rua do Tones n. IS, scgund
T.dar.________________________________________
Aci.'iiio Daaiinj'- Pittto, queieodi res mi I
.i -i-u u'-gci lc in bi'ia, loin rosolvido lazer uti
banm-nt deii i r cen'o bus precos d<; sua
iiu'ii.li.-. as laaes -ao : rioas m -bilias do ja.-.a
ran la a I." / X Wiricadas em Franca, fli'as d.
oogueirj i de anabld ^u r '.as-roupa de. jacaran
da .!; i : m'i 0 tc anable com e-pilho, nc -
guarda: -i.ii-iU; a'm n'dl., ricos gnardas-lou
' jafcar nda e d<- inogao, ap:.ra1or -
mug t nop i de p-dr.i. dJB d-' amarcll'
Com iiie-a- elastica- para jantar. du
de ;.'-uii. e i*abii5 para alm.v.o, mejinla
negn.i iwrra costorn, e nma iutini'lad". dit o!ij-<-
enfad iiihq nieii'-i >nar-; tcm m
grim I 'i felras d-i muitas quali la-
dts : a rua d > Barfo la Victoria n. i>7 e -'iS.____
ADmsisTimilo: PAHIZ. it. wnmw MoBMAaraa.
PASTILHAS DIGESTrVASfabricada?en Vichy
C"ii os Sae.- exlrahiiln- day Foi'le-. Sao de gosto
agradavel e a son arete e cerla contra, a Alia
e as dipe?iOo- difflreis.
8AES DE VICHY PARA BANH08. Um role
por um li.mho, para as pessoas que nto podetn
ir a Vichy.
Para evita' a imitncBes f
exigxr em fod"s us product)* mart* do
CCNT ASIE DO ESTtOO ratKCtZ.
Os produrtos de arima achfio-se :
Em P(Tni'ai">, TISSET I;A- REGORD, *
Aiiiga-se un> terreno inurado, na rua d* 9an-
dade, que tcm coin pabnos dc Irente e 3*v) de
(undo, com j paqueua casa e telbeiro paia ani
uuefi, prpprio. para pi iqtaijgw ; a tratar. a. rua
Pria>eiro de torfo n. 23, loja.
BAZAR
Rna do Darao da \khrn n. it
BE
Carneir Vianna,
j Ar este grande estnfoeteeimento tern che-
Cado um bom sortimento de macbinas- para
iostura, de todos os autores mais acredita-
^os uUirawnentena Eurepa-, cujas macbinas
illo- gararrrrdas por um anno, e tender um
perfeito artista para ensinar as raesmas, em
qualquer parte desta cidade, como bem as*
iim concerta-las pelo tempo tambem d'um
anno sem despendio alguna- do comprador,
pleste estabelecimento t>mberri ha pcrtonQas*]
para as mesmas roachinas e-ce sopprc qual-
quer pega qua' seja necessa.-io-. Kstas ma-
cbinas trabalbam com toda a- perfeicao de
Jum e dous- pospontos, fran/e er bifr-li' todn
qualquer coature por fina. qi s^^a, seus
precassaoda-seguintequalidaii?: fra tra-
balbar a meode-3ftS00, iOVttfm. 5$000
e 50j?0.00, para trabalhar com o y o de
8W>00, 9&00OO, 100JMW0, lt<'JSK)00,
12O000, 1365J00O, 1505?O0o,-2(;;h?O00 e
25^6^000, emquanlo ws autores wilo ha al-
tera^So de prer^os, ees compradfrrst poderao
visitar este estabelftchnewto, que-muito de-
veraoogtar pela-varieiiade de objoctosr qua
ha sempre para vender, como sejsm : eadei-
ras para viagem, imda* para viagsm, cadei-
ras para salas, criansa (alias), ditas para escolas,. costurei-
ras riquissimas, para senbora.'despensaveis
para erianfas, de-todss as qnalidades, camas
de ferro para homem e- enangas, cspachos,
espelbos dourados para sala, grandos e pe-
quenos-, apparelhs-do metal para cha\ fa-
queiros coin cab de raetal e de marfim,
ilitos avulsos, collwres de-metal fino,condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas paracobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios completos, ditos
simplesy objectos para toilette, eoutros mut-
tos artigos que mitodeTCEaagradar a todos
que visitarem este graB+le estabeleeiinento
que seacha aberto de-de> as 6 boras-da ma-
nh5 ate-as-9 horas da notttoa"
Rua do Barao da Victoria n.
;___ 22. ________
INiiik mais-cakeifos
braiusas.
DUTJttUK UMtL.
So. ajeuoica approvada pcias anad^Hiias de,
scien>8iasr< r*eQpid}ecjda superior a fcxia qu^
tern ::ppmw ciflo- t' boje. Deposito princi-
pal i- rwa -<1a Cadeta-. do Recife, boje Mar-
ques da Qrlinda, a. 84-, i. anda*-, e em
todaa- aa boticas e eases de cabellui'
rtiso.
Nenhuraa maehina
Singer 6 legitima se.
nao levar esta
marca
iixa no bra^o da ma-
Pto evitar falcifi-
acoes notemrse bem
ktodos os^l&talhes da
marca.
nn
china.
AS MACHIMS PARA
SINGEE
NAO TEM RIVAL
MAIS DE i'lHILIIM) TEfl-SE AEMIIDO
Porque?
Sao as melhores
Sao as mais batatas
Sao de dous pospontos
Sao mais simples e rapidas
SSo duradOras e apcffoi^oadas
Sao ulil em uma casa.
HUMS 1
Faz mdhor costura com metade da tiriha que ga$tam
as outrase fomecemum mew de
Para aquelles que tcm dc susleirtar-se
DE
r
a anloridade comptleaie para qu* baece- suas
nstas naquellas taver,mi3. da rua da Paysandii e
Chora-meaino, que nao-se contcutaedo em vender-
ki- 6 as Si' horas da tarde, uos domiagos, ain.'.i
rendem pelas r.utula-, das duas obv diante^____
po pra'o de oito dias para screm canferldcs.
1 .ocife, 7 de nov3mbro de 1813.
Carnciro & Nogneira,.
AdministTadores.
Carros para G^oyanna.
Rua do Barao da Victoria n. 34 loja.
Os administradores da massa fallida de a;i
lonio Jose dos Reis, convidam os credoees da.
mesma a apreseniarem-lbes os respectNos titHteahnmazem de-Joa^uim Lopes Uacbado A C., tr-a
De fproa de d.ius a seis cavailos : a venda no
I

CASL
Ainu .sa h :!;. da rua das'ifcrnaml.u-
ranas, na r. -;--'ing i ; a chave para" vcr osta na ra
sa jutii'i ii : : casa tnn muitos comrii" I s.
Engoinmadeira.
Lava-se e ngomma se com promptidao e.aceio
k>prii i made S. Miguel em Afogados,
Bi-> principu --
rasa ennfrnjite ao porta.) di Sr. I.ainill (.nave-
Esi'i'ilVSi filffidtt
Desapoarttfea J amanhecfr do dia \ do eor-
lemv d. ongenho Sii ijii, comarc-a de GojaBna,
escravu dc meMte de aswear,
ipq,!:. i-s -guif:tps : cabra, Hade iQ an
nos^, i-i.u mt-UDS Ii. a lignra, HR1 lauto
rosso e Mpadaiidu, sendo o signal in
tiuvi a jinJi*io I"'- esquc do : roja-so a
lodas ts oil u?s do eampo <| jeiraw
apprehenit-r dUii on'r^y e kva lu i nrf ri-lot-n
gelK>, on aeiHa paaea a .divi-ira Filho? A''" lar
go do Cc*i p 'v.nle if. I '. que serio g-nciaisanicnlr
recoiii __________________
aa'4n dsta, pai do fdlccid
Jfwioel P.- is Si- a
rvs .In dfiH -.
wrw-ni".
nas i
wk ire:,i
Recife, nbro de i>
-^ f s: s i s
KtlTifl
e 52
:; ? y
riff
*=
il
*55g
ft* < ?
til
Cobre e latao.
r
Cbmpra-se cubry, lalao e chumbo veMio :,
no armnzom da.bola amaiella travessa dn
rua dc Iroperaior.
Compra-sa duas veoeziauas nevas ou
:i>m alguin. uso, e que estejara em bi>m es-
hndo : na rtia Cai^ado estrangeiro.
AproKima.se o mez de dezembro, tempo em
Se-o fty is no America, a rua Duque deCaxias n
, I.9 andar,. tem de dar o sea balanco, por ewe
raotiyo, os pfoprietarios deste estabeleeimeato es-
tao resolvidos a vendero?) sens cab; dos pelo cus-
W, afira. da minorarem o trabalho ; assim pois os
apreciadores do bom, c com cspecialidade o sexo
amavel, paraqnem o Pat-is na Anurica, coaserva
com a uevida deceocia.) o seu gahinete restxva-
do, para a escolha de calcado. aproveitc-m e \e-
nham mnnirem-se do que precisarem.
Oompra-se
um si,U9 nos urrabaldes d&>U cidade, "onite passe
[inta de njnds : a tratar na rua do. tmpeiador o.
8, armazem.
Compra-se nma esurava de racia idade, i
-aiiia lavar* engt mm.ir e cozmhar, qne n5o teulta
ficio algnm e sej* saidia : qnera liver nessas end-
licSes ft quwra vender, nansncie por esle Diario,
n iriia se a estrada do Joao de Barros, sitlo a 21,
que aohara com quera tratar, das 9 horas da ma-
Qha as 4 da tarde.
m
vessa do CorpD Santo n. i'i.
5^
mnt
mmmw.
Tem para vender .Joaqnim Jose Goncalves B--I
i o Pilno : a tratar
loCommercio n. 8.
no sen oscrrptorio a rua
Querem ver!
A "loja da Rosa Branca> na. rua da ImperatrU
n. oG, vnnde raadapi lie iaancez moiio bom a 6j*
e "JflOQ a peca, todos vepdctpi.PPT-8V
iiiiia. mnbiba de awateUn tn.^'r-
-tado. a <'ritt . 86. s..braJo,
Lenci6es cte bramante aj
^000,
Venie se lencoas de bramnnte de um panno so
a2*nC0, o baralo para ncaWar.
Toalhas grandes para rosto a 500 rs. : na rua
doJCahuga n. 10; loja da America
Pomada britannica
E-ta nova poinada, deseobeda iugle'.a, que tao
bem merecido credito tem adquiridc na Inglaletra,
possuea ^ropriedade de amaoiar us cahellos, dar-
Ihes o mais bello lustit, obstar a qne elles e-aiam
e gosa ospeeialmeute a inaprcciavel virtndo de vi-
gorar o dhIoo capilar o iiupedir o embraaqueci-
nxentfr af> cabello.
Unico deposito na
PHARMACIA AMERICANA
ri7Rna Duqae do Caxias 5?
FFHHEIHA MAIA & COMPANHIA
Potossa da Russia em meiof
barris a 500 rs. o hito
Desemharcada ha poucos dias veude-se n-
escriptorio de Olivetra Filhos & C, largo do Corp-
Santo n. 19._____________________________ |
Vende-se
ma bM lerr.>a n. 43, na villa do Una, pcrto da
estacaV, a rua Bella : a tratar na loja do calcado
n. 8, a rua do Livramento, on na m sma villa com
o Sr. Amaral.
Banhos em Olinda
Querem agradar a yaya ?
Querem agradar a.csposa?
Querem agradar a idfea?
fiOMI'BBl UMA
mA HE SINGER
N&ilmw casa-esta complete sem uma
VJkCflQA DE SINGER.
(kttn cais^gO^OOO
AGENLIA
EM
UM
Sem caixa S(^009>
UMA
A CASA AMERICANA
RUA DO LMPERADOR 4b

:>6 o n. 20
RUA DO CftESPO
mi das ;) mm
continua a-vender muito barato para apurar
muito dinbeiro.
CASSA LA
Chegou esta fazenda,sendo lmdos padroes, e ven-
de-se pelo diminnto preco de 2u0 rs. a covado, e
pechincha i dao-se amostras.
METWS
Proprio para vestidos o qne ha de mais gosto,
padroes novos, pelo preco de 400 rs. o covado, e
pechincha I I doa-se amostras.
LA3 E>COCEZA5
Lasmhaa.cscocezas, padroes bonitos,.a 240 rs. o
covado.
Ditas com listtas, padroes modcrnos, a 280 rs. o
covado.
Ditas la e seda, padroes moderios, a (40 rs. o
covado, e pechiceha ? I I dao-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padroes bonitos, faaenda de
1*000 a 400 o covado, 6 pechincha I r I dao se
amostras.
CRETONE
Cretone em poeas pequenas. com bonitos pa-
droes, pelo diminojo pre^o de 4O0 rs. o covado, 6
pechincha f! I ildo-se amosttas.
. Cortes de casenjira di comss, a oA 00 cada am..
Cambraia delinno de cores, a .'160 rs o covado.
Ditas pretas para Into, a 240 rs. o covado.
FusUo braocopara roapa dc msninos, a 560 bs.
o covado.
Brim paido e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
vado.
Cobcrta3 de chita adamascada, a 3*300 rs.
Cob-has brancas e com barra de cores, a 33300
e 4*000.
Lencoes de bramantc, a 2*000.
DRms de algo.lao, a 1*100.
Toalbas alrochoadas, aj6*000 a duzia.
Ditas felpuda-., a 6*500 a duzia.
t.encos de ca-sa com barra, a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abant ados, a 2a0;x. a duzia.
Ditos de esguiao linos a 3*300 a, duzia.
Cambria lisa muito Unas, a 3*008 e 4*500 a
pera.
Atoalhado adamascado, a 2*000 a vara.
Dito traac&do, a 1*400 a vara.
Fust5es de Cares, a I.m'00 q corte.
Chales de me-ino liso, a 28000.
Ditos eslanipidos, a, 3*oi;o, 4*000 e 4*500.
Ditos com listras m'nito finis, a .s.*80'.) e 6*000.
Esguiao muilo fhu, a 2*000 'a vara,
Bnm preto iDncaflo, a SyWCIO a vara.
Bramante de algodao.a tjKOO a vara,
Dito de lintio de9o 1 paliaos de largura, a
2*500 e 2*800 a vara.
Algodio marca TV a 3fiM0a pe?a.
Dito dome-tico, a 3*000 a pera.
Camisas c eaftae do Jazenda d> boa qaMidade, Brim de algodap qoni ljstfas proprio para oaml-
propriaa para os banlv* em OlinJa : na loja dos sa1!, a 4,00 rs
ircis a rua Priineiro do Marco \auliga do Creifo) I >'anzi. ; nmilp Una, pelo di-
n. 9f. A, dt Gurgel do Anural a C. 'minuto prcr^o (,e 400 rs. o covad).

S6na rua do Crespo n. 20.
Guilherme & C.
Cafe do Rio
Vende sa na rna do Marqnez de Olinda aunte-
ro66.
Fiado \
Rua do Barao n. Yictoaia
n. 22.
\0 psoprietario do estabelecimcnto Bazar Uni
versal tendo de tmne'erir o mesmo para oatf(
Ingar a tendo grande deposito de Machiaas dc
custura de todos os autores resolveu vender a.
PRAZO, mcdiante a conven^ao que se pnderfa-
zer com cs prelondentes : a rua do Baric da Vic-
torian. 2*. *
Antonio Duarte Carneiro Yissoa.
Me cisamentos.
De biaotisados.
Se balles.
e soirees-
De almncov
lie Ian eh es.
De l-M-lcul-Us.
He eeias.
De Imlo de Imlo
Seenearrega a confeittria do Campos.
E aleni drsso
k confcitaria do Campos
Esta* sempre provida
l)t todo qaanto epreciso para
I'ma boa mesa.
Rua do Imperador n. 4.
FIO IIB "~
U;0I)\0D\B\HIA
Tem p.ara vender em -en csc-riptorio Joaqnkr
JiTseGert^alves Deltrao ifrfftlbo, i rna aoQamber
cio n 5.______________ .________
\o hello sftXQ
fpi Ga*ruao ieulaal Mcbcrni rieos
la, fazenda lnt>!iiamnti" tww. e veodeaa pelo
J-


'..
V
\
\
I
i
I
I
i

1
i
t
Diario de reraamtmco Sabbatfo 8 de Novefflfcro de IbVa.

h^
E>E
COSTURA DE HOWE
LEIiE, IRMAOS
UNIGOS AGENTES
A'
Rua do Barao da Victoria h. 28
V-s mais simples, as mais baratas e as raelhores do mundo!
Na exposicao de Paris, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Junior, a medalha de ouro e a condccora-
580 da Legiao de Bonra, por serem as macbinas mais per.
feitas do mundo.
N, -4Bua do CabngaN.
JOSEPH KRAUSE &
-*j tci^ Mdme
DE
GOMES DE MATTOS &IRMA0
'Agua 'fl<*ri-Ia, do Guisiain.
para lazcr os cabcllos pie-
tos.
C.
Dar too & d 4,i!rii
a E. Howe Junior, nos
da machina de
cos-
HDP
A medalha de ouro, ceiuerida
Estados-Unidos por ser 0 inventor
tura.
A mcdalba de ouro na exposieSo de Londres acreditam
estas macKmHsr
A 908000
Cabe-nos 0 dever de annunciar que a eompanhia das machinas de Howe da Nova-
.ork, estabiileceu nesta cidade a rua do Barao da Victoria n. 28, um deposito e agenda
-ora de Howe. Estas machinas sao justamente aprcciadas pela perfeicao de seu trabalho,
oapregando uma agulha mais curta com a mesma qualidade delinha que qualquer outra,
nela introduced) dos mais aperfeicoados apparelhos, estamos actualrnente habilitados a
erocer ao exame publico as melhores machinas do mundo.
As vantagens destas machinas sao as seguintes:
Piimeira.0 publico sabeque ellassSo duradouras, para isto prova incontestavel, a
arcamstaccia de nunca tcrem apparecido no mercado machiaas d Howe em segun-
< mao.
Segunda.Contem 0 material preciso para repsrar qualquer desarranjo.
Terceira.'Ha nellas menor triccicr outre as divcrsas pec,as, e menos rapido estrago
*> que iras outras.
Quarta.Formam 0 ponto como se fdra feito d mao.
Cjdinta.Permitte que se examine 0 trabalho deamlos OS Cos, 0 que se n3o consegu^
as outras.
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando 0 fio de um d outro lado,
* logo era seguida, sem modificar-so a tensao da Iinha, cozem a fazenda mais
Setima.0 compressdr 6 levantado com a maior facilidadc, quando se tem de mudar
agulha ao comecar nova costura.
Qitava.Muitas companhias de machinas de costura, tern lido epocas de grandeza e
rcadencja. Machinas outr'ora popularcs, sfio hoje quasi descoi-Locidas, outras soffreram
oidancas ridicaes parapoderem substituir : entretanlo a companhia das machinas de Howe
doptando a opiniao de Elias Howe, mestre em artes mcchanicas, tem constantemente
.ugf\ent*ie 0 seu fabrico, e hoje nSo attende a procura, posto que faca 600 machinas
?or dia.
Cads machina acompanha livretos com instruccQes em portuguei.
A 9^000 A 90^000
SCARES LEITE, IRMAOS
do. Barao da Victoria n. 2 8.
Aiisain ao rospoitavel putdico dosta cidade que o sorlimento de joios, de subido va
lor, que eiistia em seu estabelccimento, Cstd completamcnte reforc,ado com o mais ele
gante sortimeuto do novas joias, que rcceberam directamente pelo ultimo vapor da Eu
ropa, coustaudu elle do mais variado sorlimento de adcrecos d Boulevard, pulseiras di
ultimo gosto com pedras preciosas e sem elias, brincos d'argola, agraffes para relogio di
senhoras, delicadus aderecos, para meninas, meios aderegos de eamafeu lindissimos, yoltaf
de nogordios para senhoras, correntes inglezas de ouro e de platina, variada quantidadi
de botoes para punhos e peito, com einbleu as inacpnicos, de onix, tecido de ouro, caaa
feu, etc., bnlhantes monstrosde rarissimas agoas, em auneis, rozetas, pulseiras, alfiie
tes e botoes, e outros muitos ohjectos de ouro de melhores fabneantes do Paris, que st
venderdo com grande reducedo de pre^os, por serem elles recebidos directamente de seb?
committcntes. I
Os proprietarios do acreditado MUZEU DE JOIAS, tendo seu estabelecimento aberl.
ate" 8 horas da noute, convidam as families qu* se quizerem prover de lindas joias,
vinm esotlbft-Iaa d vofttade, para o que es'iJ em exposig^o nosm islradores.
MCHINAS PARA COSfBM
A 25^000 e 45*000.-
^ DOUS P0SP0NT0S
Nalojade Soares Leite lrmaos, a rua do Barao da
Victorian. 28.
A agaia bntn<'3. a run Rnqne ife Ctsias n. !(<, .,, s eomprwloBW.
aoaba lie leMAer m4 r.'nv-a 'I i apr.'-.iael t|aa | rL.,fjeii,'u>.
iJjrida pai.i faier.ut rabetl | rtH'W O'tioiu re-'
sultado culuidu |kt ipivn tem I'fitu usu testa
iflofii-Dsivii preparaoao a trm allaincnte uooceiuu-
do,e por" .- se far leiiilirar a ipiem nO-
vaiuciit-! >: i l-e queira ajrt*veHar de
sua UtUitlade. Tambcm vi'io igaa ue tcpasio -
OIW florid |Uia o wosffiu ttw*, 8 lio cwte*dos
como a j'i
Voltas c brincos dc grosses
na vend f i '* La pa
Vendese no petep do leivo n-. i > 0 .l-oes
fin. s de Mas as .jualfdaJ< e gel<- 3 '.'hue
i p. r alacado : r.nica caea ijr.e inelli 'T*jr
A's ttrfas e sextas feiri's ha
jueijii

-
DO
BAZAR NACIONAL
Rua da Iraperatriz n. 72
DE
Lowrenco Pereira Nendes Gi in a r a e s
Declara a sous freguczes quo tem resolvido vender
i ncr :
o m."i-:barato que for possivel,
CH1TAS A 160 E 200 HS. O COVADO. | CORTES DE BillM'DE CORES A 19500.
Vende-sc chitas francezas largas com to-; Vende-se cortes de brim de cores par
que de avaria, a 160 e 200 o covado. Di- calca, a 15500 e 25000.
.as limpas a 240, 280 e 320 rs. o covado.
CASSAS FRANCEZAS A 320 RS.
Vende-se cassas francezas a 320 e 360 rs.
a covado.
LASINHAS A 200 RS.
Vondo-se ldsinhas de cores para vestidos,
* 200, 3'30, 400 e 500 rs. o covado.
ALPACAS A 400 RS.
Vende-se alpacas para vestidos a 400, 500,
640 e 800 rs. o covado.
COBERTAS DE CHITAS A 1*600.
' Vende-se cobertas de chitas do cores, a
!5600 e 29000. Ditas de pello a 19400.
Golxas de cores a 19200, 29500 e 49500.
C1IALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de Id de quadros a 800
; e 19000.
Ditos de merino a 29, 39, 49 0-59000.4
CAMBRAIA BRANCA A 39000.
Vonde-sse. pecas de cambraia branca trans-
/arentese tapada,a39, 39500, 49, 49500,
69 e 69000.
SAIAS BRANCAS A 29000.
Veode-se saias brancas e de cores, para
senhoras, a 29000 e 29300.
BONETS A 500 RS.
Vende-se.bonets pretos de seda para ho-
aoens, a 500 rs. Chapeosde palha, pello e
massa, a 29, 29500, 39000 e 49000.
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se pe$as de madapolao enfestado a
39000. Ditos inglezes para os precos de
49, 4,9500, 59, 69000 e 79000.
ALGODXO A 39500.
Vende-se pecas de algoddo, a 39500, 49,
e 59000.
BRAMANTE A 19600.
Vende-se bramante com 10 palmos de
largura para lenool, a 1960P, 29 e 29300 o
?ietro.
-.RANDR LIQUID VQAODE SABONETES S80 RS.
Vendo-se uma grande por^do de sabone-
les inglezes,.a-200 rs. Ditos francezes cm
meiro a 320 e 500 rs.
Agua de colonia, a 200, 320 500 rs- 0
fraseo para liquidar, e outros extractos
muito bimto.
BOTINASA39000.
Vende-se botinas para senhoras, a 39000
39500, a elias antes que se acabem.
ROUPA FE1TA NACIONAL.
Vende-se camisas brancas, a 19600, 13
29500, 35000 e 49000.
Calcasde casemiras de cores, a 59, 68
79000.
Palit6ts de casemira, a 49, 69 e 89000
Scroulas a 1# e 19G00.
BRIM DE CORES A 440 RS.
Vende-se brim de todas as cores a 4 4'
rs. o covado.
LENCOS BRANCOS A 29000 A DUZlA.
Vende-se a duzia de lencos brancos, .
29000. Ditos com barras de cores a 39001
Ditos de linho a 55000.
TOALHAS A 800 RS.
Vende-se toalbas para rosto, a 800 r.
15000.
GRAVATAS DE SEDA PRETA A 500 RS
Vende-se gravatas de seda preta, a 60*
rs. cada uma.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se cbita para coberta, a 280 e J
rs. o covado.
BONETS PARA MENINOS A 19500.
Vende-se bonetes para meninos, a 1950c
ESPARTILHOS PARA SENHORA A 3950C
Vendese espartilhos para senhora,
39500.
peliica com pequeno tuque,
para llcte, grande sorti-
Lnvas de
a 200 ft.
Abotoadurus
memo a \ 20 rs.
Caixa de !inba de marca, a 200 rs.
La'cpannas d gaz, dando uma luz muito
boa,o 15000.
Duzia de pe$as de corddo imperial, a
240 rs.
Caiia de botoes de osso para calc,a, a
200 rs.
Duzia de enrrcteis de linba, 200 jrdas, a
600 rs.
Idem" idem GO jar'das, a 240 rs.
Majo de fits chineza, a 800 rs.
Caixa de linba com 40 novellos, a 500 rs.
Meios aderecos com camafeu, a 500 rs.
Garrafa de tinta roxa extra-Una a 1J000
Potes com dita ingleza, preta, a 100 e
160 rs.
Caixa de pennas Perry, muito boas, a
19000.
Idem idem, a 400 rs.
Caixa de enveloppes tarjados, a 500 r
Idem idem forrados, a 700 rs.
Caixa de panel a'misade, beira dourada,
800 rs
Idem idem idem lisa, a GOO rs.
Duzia de talhercs
55000
Resma de papcl
e 59800.
-Espolhos demoldu-a dourada, de todos
os tamanhos e prec/)s.
^RFIJMARIAS E M1LDEZAS.
Fraseo com oleo Oriza verdadeiro, a
19000.
Idem comto.nico de Kemp, verdadeiro, a
19000.
Garrafa de agua florida verdadeira a 19200
Garrafa d'agui japoneza, a 19000.
idem idem divina, a 19000.
Idem idem Magdalena (novi Jade) a
192O0.
Caixa de pos para dentes, a 200 rs.
Idem idem de p6s chincz, muito bom, a
500 rs. e 19000.
Pote com opiata de Ricgor, Rimol e Gros-
nel, 19 00.
Duzia de sabonetes de amendoa, a
39600.
Duzia dc saborietes de anjinho trnnsparen-
tes, a 29200.
Idem idem com fldres, a 15500.
Sabonetes Glynerino transpanmtes, a
19000.
Cdixa com sabonetes, formato de fructas,
!a 19000 e i95oO.
Cosmetitos, graudes e pequcr.os, a 100 e
aijofai'L's dc cores.
A agui 1i!..hi-.i, a rua Jo l)u.|iie Uj Oaxias n.
3f:, r'eceb'.'U rfOviiS e liunilas volla< -e briucu.- di-
^ros-'c- >lji'fares de Port's, e cmio seuipre ;'oati-
wia a vc r |.rev Notos disdemas dourados e
com pedran.
A agui-. branca, a rua dc Dotau de Caxia* n.
ciO, receli'si auvo soriiun-utu lie btiBttoa diade-
douiados e cum pedras, tauio para nieuiua.-
corae par- sentioras.'
Oolleceoes de traslados ou
normas para escrevcr-sc.
A agnic. branca, a rua Paiijiie ib- C*''** u. .10.
re.-ebcu ni'vas coltec^dcs ou nurn ..> \r. a as trtan-
cjas aprenJerem a warwver par u ibwbic, hi je M>
visp.dai Das aui;u e eoOcfciiii; e coaiu seaipre ven-
de^as pof pre.0 .cuuiin. do.
Meiab cruas Bnas para mcui-
niis-. eseuhorjis
Aki. i'..i.'iii.-i branca, a rua I'Oqnet '.i\i;^
a. oQ; recC-beunowj sor'iinsiatc da^uwlaa appro-
tfttratfits ni^ias < las pan *enh ira, rtn lg> .!-
AcUte pai niiitimas, e etmfiaila a vendp*taa M
e camiiiJiw.
Yfe eu ruaiiiiiluis pretas.
A !ojA da arju-.a braii-.i, a rua Jfl l)oqne dp Ca-
sias n 8), ruceUso bwnftos 'veos nu maminbi>
prKo in soda com Bore*, e outra* a inutaciii de
crotht. e vende as pelos baratoa pn-.o^ de 3>.
cabc branco, 2 0., a'800'rs
' Franco comagua do cobgne.'a 200, 320,
pautado, a .4*000 500 rs. e l000. .
! Extractos muito fiuos dos m- Ihores au-
Idem idemliso, a25800, 39800e 55*00. tores.
Coques modernos, a 39000. Lindas e elegantes caixinbas com perfuma-
Duzias de pe^as de trancas do caraeol fias, proprias para prosentcs, dos autores
branca, a 400 rs. \ E. Codray, Ricger, GBlle; Freres, etc.
idem-idem lisas, a 200 rs. Quadros com santos e estampns separa-
Leques deosso e sarrdalo, a 25000, 49 das.
e 69000. Entremeios e babados transparentes e ta-
Fita de velludode todas as cores elargu- pados.
rs. 1 Uma gr/ande taboleta proprio para qual-
Microscopios com 12 vistas;Ja 65060. q^ertoja.
Fraseo com oleo para machina a 400 rs.
Rua do Bartu da Victoria n. 28.
FAZENDA
400
rs. o
'it i 6f0"ti. a faze.i:da e boa o esta eni perieito
estido, p> In que wntiuila a ter prompia exlrao-
Pei'teita novidade.
Gjippos com UorbciSeUs, bezuiuroa e gafa-
;!. i{u8 'i'.'iir;.-io.i e colondos.
A loja da agio;, tfraum, a rua do D- quo d<-
s'n S', r cit'cu soWis grampos cumber-
Hftlttaj b Man c cafenbAtDs, o que dc eorto i.
porfeita -*ivid de. A tpUHMadl e pepMWk, e
fior ieio i!Ui breve se aaiara.
Novas Lro]linh;is orradascom
pelucia ou anuiulio
A loja d'ajmia branca aroa Dinjue daQaziat
- SO, reecL. u u:i..i pequena quanlidailf de buni-
s e Quvas gullinhas. trabalho de la e seda, en-
beita'la' ccs i ilirHmio, obras e?tas dp muito gnrtc
e iUMfraineiite novas.
Qftrmpos, brincos e rozetas
dourados.
A HJa d>. agnla branca, a rua do Duqu?
Cakiaa a. 50, reeebcu m vanienle bouilos gram-
pos, tpiacos e n ?''!"> dourados ; assini com.
MVOS diadema,< de aco, e conio.sempre ceali-
nila a vende-ios pur preces razoavcis
CaixAnkas com pos dourados
e prateados, para cabellos.
Vende se na loja da Aglila Branca a rua do Di:-
que deC axias n. 5t>.
LuvaS de pellica pretas e de
outras cores.
A loja da Apnia Branca, a rua Diiqn<' de Ca
xia3 n. 50, reectea novo soriimento-de luva* dt-
pellica, pretax dj* miiras <;ori-.>___________
A MagnoKa, a rua Duque d Caxias n. 43, cun-
linua coinplcianienii' portila de lod u ii'-^tfrttfio
a satisfar 0 mais diminulo deseia, so ':::- ako
eapriclhi das Exmas. qe primain na iity)';'.
Sens iorrrs|Hindenics no mund.. nlo
se enfadam de escolncr minuoiosainai in r,in" ha
di-mais novo, billo o :-gridavel, i ..i: -lie,
coin o liui kOUMDle d.- c uservar ans :.vi:e-
iq> e aobel'o sexo .,ue a procura mn i. facll
dc beni sfrvi Ids. Nn: srgtiiiitos 4rrii!(-. \>< r wi
p'o : iimenreile liodn e iiioderno, mi.. RM rt(fc|oe
p fazeiida suiwriiir, -d bonilo e r;aink>iii i vr-jo
de lartaruga, nm leque de.taitami<. '< i.cfla,
inaiTiin. charau. o-o nhanlasia ; -oli-
uha I ordada, modi rua p fazenda .-i'p r c ;ues,
e;prlillio~ finissitr.ps, c.iixas com >:: ifi -. ditas
cciii pcrluiiarias, dila* c -in pst.ijo r lirdSS i'.',-a-
d.- musi.-a, par*co-iura, nrwin'us. JSfnda apros
priada a uwda*prr>ent'ji enl--, pn!n ira: d 'ique*
, quasi onro, dilas i!e taii.Hii;i,nii.-~ >!; d'vpe-
i"i.la, v,Has de rrtottrtp*ila, i
mnitu Unas, extractos d'is melho'i"* r.l.i^aa.M,
uleos, banhas, msn-cliques, ago .pnii'lic.-, roijld
rieain, ii'.s de aro.z vtrd.ileiro, bU d" r-'Zaie
muitos objictos que a meuctonai e'tiina erfa-
donho.
Bico de sedn.
D'.-sle artigo, o s.'rtin.enlu 6 variann c.n r?ur.is
e core?, a quaiidad' ':upi ri.r: na i t .!"1irr rente
a- modhias a ao Ilo soxu esta lajeiMa, piwfae
niuita- vc/i-s. ve .-. nm *eslWu | *!.!: < Me
pufqueo enfeile nan 6 coherent* c-'. a fu.-iaa.
relizBente, cum u :..i"iu.eiito de i.ics df s da de
Cores, pretos e brand* qm- recibea a Ragf1 ilia, a
rua DoijU.' de Caxias n. iH, !i .. *.i>' .' e rial.
Franjus mosniCiis
Delias buiiitns Iraijas, a Ma;ii. Iia, a tfy vie
d" Gaxias n. i5,reecbcn p. lo uliii i '.;.!, n .vo
s .liinientu. a ella>; ebir fazenda uito
aqni e n.i Euri'p.i priiieipjilrnent", a tea do
ehquismo niio as di-qicnsam on set** vostidNS.
Borboli'tr'S artiiiriaes
Quebrn medo engra.ad paraeii. t r i^ cr'ao-
cis, sao as liorlx'lc..'.- .irtiticiac-! -i <" o- paes
de fan.iiias e eoaiprejn ipio na-i se ri ei -rna ;
ja I.-m poucas : ua loj.i da Magn. Iia, a rua Di: pie
de Caxias n. 4".
Sal do Caho Verde.
Tem para vender doaqWm .i. (< C-nncsl-
ves Beltrno c Pilho, a Imnlo d> tt igiiO por-
tiiguez D. Ainin, fundeodo rfcfrtiule oolra-
piche Alfandega Vefffa : a trat;..- a nmW
no seu eSenptoHo a ma do ComthWei
n. 5.
Lindas poupelinas do liubo e seda de cores, tazonda muito
em uso actualrnente na Europa, e inteicamente propri3par
a prescnte estac,ao, pelo baratissimo prego do 400 rs. o co-
vado.
Na rua Primeiro dc Marco (tntiga do Crespo) n. 13,
dus Columnos, de Antonis Coirea do Vasowicellos.
loja
B
A 800 RS. O COVADO.
Vende-se granadines com listras de sAda
para vestidos de senhora, a 800 rs. e 1?00<
o covado.
COLCHAS DE CROCHET A 69000.
Vende-sericascolchasde crochet para ca
mas a 69000.
PANNOS DE CROCBiT A 19500.
Vonde-sepannosde crochet para cadeiras
a 1)9560 e 29000.
CASSAS. PARA CORTINADOS.
Vende-se iiecas de cassas para cortinados
comaOvaras, a 109000 o 129000, eoutrf
muitas fazendas em liquidacao.
Burros a venda
J. Deiro avisa a spus freguezes que esta em via-
a tavcrna "l-cn.te d P..lot outr'ora rua d \ragao, \ pria para principiaale *Heol tropa' de burros ; passara
por ter popjius fuij. s : a iraiar na mesma. por Penedn, Pilar, Caninha Grande, Porto Calvo,
______________________________________ Rarreiruo, Rio Furmoso. Ecada, Cabo, e provavel-
Vende-se mto l*i' mansos pt,ra carro : a mcoi.' por Santo Amaro de Jabo.-.tao a Nazareth ;
tralar na rua das Trmeheiras b. 43, fabrics de p >r i-so pode ser avisado ou encontrado em qual-
iigarros ou no Ambcld, com o Sr. E^idio amei- oner destes lugares. Larangeirasi 10 de ontubro
jo H. Campello. de 1873. ;
VEIIDE-SE
TASSO IRMAOS & C.
Em seus armazens & rua do Amorim
n. 37 e caes do Apollo 04*47,
tem para vender por precos commodos
Tijolos encaruados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydraulicc.
Machinas'de descaro^ar algodao.
Machinas de padaria.
Potassa da Russia em barril.
Phosphoros de cera.
Sagu em garrafSes.
Sevadinha em garrafoes.
Lentil has em garrafoes.
Rhura da aJmaica.
Vinho do Porto velho enjarrafad ->
Vinho do Porto superior, dito.
Vinho de Bordeaux, dito.
Vinho de Scherry.
Vinho da Madeira.
Potes com linguas e dobrada? iogjezas.
Liceres finos sortidos.
Cognac Gauihier Freres.
Latas de toucialio inglez.
Barris com repolbo em .sajmowa
Alcalino-Gazosas das fe-
dras Salgadas.
Villa Rouca de Aguiar.
BICARRONATADAS-SODICAS
Analyses do Dr. Jose Julio Iboidri-
jfues, leute da cseola l*olf te-
ehnlca de I.islioa.
Esta excellente agua usada com vantagem nc's
padecimenlos das vias digostivas, urimina?, do
estomago etc., etc.
Vende-se
SA
Pharmacia e drogarla
DA
Rua larga do Rosario n. 24.
Aguas
Fiiiulicao da Aurora
Grande sortimento de:
rMoendasde todas as qualida-*
des e tamanhos.
-Tachas fundidas e batidas^
idem.
Redas dentadas e angularee
idem idem.
MacJhinismo, idem.
Varandas, tgwideanientos pan
rajardim, etc, etc.
Tudo se vende por precos
muito em eonta para aca-
bar.
G. Starr AC, em liquida-i
^a, na "ftmdiclo da Anror%
em Santo Amaro.
t
Doyle.
J. 0. Q__________
Tem para ve 11 :
Cognac de Hennessy, superior e verdadeiro.
Vinho Xeres das melhores qualidades.
RiUers de Angostura.
Whisky.
Cha preto em lattas de 10 libras.
Todas a preparac5es phi micas do Dr. Ayer". no
armacem da rua do Gommercio n 38.
iXar^pe ^d'agriao do >PaFa
Antigo e coneeKuado medicaTnetito para.'
eora das molestias dos oigaosraspiratoriosj
como a tratysica, broncbites, astbnla, etc.,;
applieado dinda com optimos resultados nor
escorbuto.
VENDE-SE
A armacao da taverna n 60, sita na rua Direi-
ta dos Afogados : a tratar com o seu don', na
rua da I'alma n. 67, Recife.
As unicas verdadeiras
Bicbas hamburguezas one vem a este mercado-
na rua do Marquez de uliada n. 91.
Os vcnladciros
Vinhos de Bourgogne
das narc is
Crramborliii
Pommard
Viiyts
Vofnay
Boa i me
.Montholie
Dito Bordeiiux em quarlollas.
ftidc-sc !or har-t) prec
PARA UyiliUaO DE CQNTAS
NA
Rua Larga do Rosario u. 34.
Botica.
INGLRHllll
Parn attender aos numero-
sos pedidbs esta* resolvido a
vender suns afamadas machi-
nas de c"Stura
A
J

1U
CASA AMERICANA
4o Rua do-taperador i'i
Na rua eetreila do Rosario n. 28. vendese mobi-
lias de jacaranda, uma mesa elastica de SO^palmos,
um guada louta grande, uma cama de ferro e
mais peqn avalsas, ti-das bem conslruidas, por
prc-o-mais commodo do que em outra qualquer
parie._________^^^^_________________________
Extraordiuaria pechii:c!:a.
2^500
Culchas de aJg dio a^aouscadas para c3,aa
pel. baratissima preco de isMO ru i"j-- dos
tnos, de GiTgel do Amnn.l C.. a rua Prunaro
de Marco (anti?f flnCrcspi i n M \.
- Wil on Rowp & <- ^eiidem no sou r>raia::em
n rua d Conimrrcio n. II :
0 vcrladeiro p..nno de algndao azul an.ncano.
Excllenle fio de via.
Cognac de 1* qualidade
Vlnbd de Ronleaux.
Carvao do Pcdra de ledai as ifoMMadw

S VI'.NUI'.M :
Sk Optimo cafe do 1'eara, e al.;odao
\j-*i do Macoi6 pi'i'forivxl ao iia Ba-
M A 100 RS. O MKTKO
VENDE-SE .
uma casa na villa de Rarreiivs, na rua do I lotn-
mercio, pop-preco modico: a tratar eora lasso
lrmaos & C.________________ ._____________
Novo estabelecimeato b
cera,
Na cidade d Victoria, a rua da ImpersOSz n.
i8 A, vende-se e troca-se cera de lod.. qualMkhie .
a qual se afDanca por s^r feita na terra, e o seu
autur foi premiado na axoosicio de I860.
J;
Vende-se uma linla victoria com 4 aiseiitos .
feila dp encommenda em Paris, com arroios para
dous cavallos : na rua da Aurora n. ".'. po-
dera ser examinada das 9 haras da maaha" aie as
o da tarde.
Pechincha
Lasinhaj, fazenda de \& por 400 rs o covado,
sendo da'largura de alpac^, padrdes bonitos; dao-
se amostras : na rua do Crespo n. JO, loja de Gui-
lhero)e & G___________________________________
Armazcm do liiino
Rua da Madre de Deus n. 10 A.
J.joe Domingues do Cat mo e Silva participa aof
seusfregnezps e amigos que no seu armazem a
rua da Madre de Deus n. 10 A, se acha nm com
Sleto eofUmrntn de fmnoem fardos dp patente !.,
.* e 3.' sortes, dos melhores fabricantes da 3a*ia
e.bem aasim a Our de todos as fumes de cords,
em robs, pacotes, latas grandes e peqnenas, tarn-.
Fbem "dos mni acreditaitos fabricantes Torres &
Araujc, Lizaur, Adolptio Schmdt A C, Lizor
SahmiiUifcC, Voigas.4 Arauio, Trindade 4 Av^-
lar, Ttixeira Pinto 4 I'ortella (garantido pelos
mesqiosje de ouims abide nan conhecidos pelc
pdbllcc flesta eapital. '0 armunciante dedara que
todo fumo qme for wa'dido em sua oasa serafielo
seu justo valor, e que quando garantir a respeoti-
~M ..guidldadp, sera smvro, mui particularmenit
com as pessoas qne pmico entenlam da mab-ria ;
pois pjja hem servjr a todos. tem n annuneiaflft
atinnga-pnitica de IKaimos deste iwMUMKio.
Rua do Brum n. 76
Venle zi'ico pare de super! vr naaKdade,
propri* pars cobertas de oa:.as. uiediado 11 pal-
mos d* comprido e 4 de largo, por pre;o mnito
em eonja.____________________
Ven.lH^p uma estrava de IS aim s, garante
os servir para ca-a de familia por >ab-r n uito
qbm cozinnar e fa'.cr dece, o motivo se dira a
ueem quizer; a tratar i rua do Nogaeira n. 29-
Vende-se a bordo da bare* portngnpza ?. U-i-
notl II, ou na rua do Vigario Tenorio n ''.', es-
criptorio de Tito Livio Soares.
Jornal de Fabio Rtis^co,
Revelacoes ao povo.
Esta folha, destinada a desmasear-ar o jezi:itis:uo
aos olhos do povo, e dedicada exclusiiam.'iil? a
questao do dia ; scha-se a venda na typograpliia
do Commercio, nas livrarias da cidade.
Preeo iOO rs.
SummaTio-do 1 numero
Mofina.Ao povo. Prospecto. Jesnft Ju-
mento. Loyola assassino. A mac/maria. Mom
exemplo. Expulsso dos jesuitas. 0 procwi do
bispo. Ultima phase. Destacamento. Asmjidwa.
Caixa-pia. Catholica -Seminario.A\ iso.
- 0 abaixo assignado jnlga ate a data da hoje
nao dever nada a pessoa alguma r aViuelle que
sejulgar spu credor qneira compirpcr na cida-
de de Olinda rua das Mangneiras n 7.
Jose da Graca Turns.
Farinha de araruta.
Vende-se snperivr farinha de araruta. tanto em
porcao como a retalho, por preco quo ;i,i.nra,
visio sua qualidade ; depositos nos S'^oint-s lu-
gares : roa do Vigario n. 26. rua do Amorim
n. 88 : travessa da rua das Crazes n. 4,*i"SU0 rs
a libra a retalho._________________________
Sill (I Aveii'o.
Vende-se na rua do Commercio n
andar.
meiro
Attengao
Vende-se a armagio da tavern* sit* a rua Oi-
raiU u. 74 : a tratar na rua do Vigario a. lt;
armazem. _____
Ceroja Ircm? m Mtini^m
* gi^ Se seha a venda na ma do Commercio n.
do
14.
Barao
Vende-se a tatertia n. 39 da rua
do Triumpho, em F6ra de Partas, bem afregi ezada
etem commodos para ppqnena famiba : quem
pretender dirija-se a rua da Madre ile Deos n. 36,
armazem._______________________________'_______
Veuie-se uma cahra (bicho), boi iei eira :
na rua da Per.ha n. 2o, ^.' andar
(ihap ^s j> ra stwh m.
loja do Passo, a/rua do Crespo n 7 A, rece-
pelo nltlmo pa.mete, ricos chapeos pj.rase-
nhora, ultima moda.
1
ILEGffli.


---.- r->~- a-
8
j Diario de Pernambuco Sabbado 8 de Novembw do 1873.

**-t ua+awaa&n maa
ilfTERATOBA.
Europn
PRIME1RA QUXZENA DE SETEMBR0
II
( Continuagao. )
Na oecasido, nao ha labios a qu> adi oscor-
ra o seu none ; o >-.'o justo trib.ilo de ad-
miragdo e do re.-peito esta incomparjvel
raeute acimi das peqeeninaj vai lades quo
prociiram Mlcomavmlada himenagem em
brinies d; banquetes polilicos c outras
affecta las o in orbLjas in inifestagoes do unaa
pretouJiJa opiniao pubhca mal lirma la p.
mal coiislni.- da.
Inloressados como se acliain hoje todos os
parttdos fill acolhor-se sob a egide da po-
pularidndt do Sr. Ttiiers, empcnham se e
rivalisam em graugear-lhe eneomios, pro-
porcionando Ih'1 pronunciadas demonstra-
gdes de tariftdo aprego 0 que e isso,
porem, a par do concetto siogelo c mages-
agrade-
toso do povo uriai'imc, da nagao
cida?
Sim, o Sr. Thier* foi o Salvador da Franga
as ctrcurnstancias as mais'critieas. Mas
sab-.< se qual fui a elavanca de que.se servio
para op Tar este milagroso effeito,'fazendn-o
realisar-se com brevidade e rapidez ndo
ospcradas ? Foi a cone -rdia, acarretada
judo sentiment > do perig >; foi a absteugdo
das rixas dcs partidos ; foi a abncgagdo dos
boibens polilicos ; foram as treguas inan-
tidas e observadas ncsse pcriodo de pro-
vagao.
E' que du rente os priueiros tempos, sob
a press&o ; desdila e da desventura, con-
sentiose-do conmum o lacito accordo, ao
menos ale' corto panto, em suspender a
guerre A-m partidos, para nao buscar inspi-
ragdes senao ua emergencia das necessida-
dades public!*, fora do ambito das divor-
geiirias politicas, esquceendu se to nporaria-
mcate, ou ailiaado-so as dissensoes internas.
Ninguom so occupava entdo de consular
qua! o pavilbao destinado a assignalar o
protfger u casa que estava em ruiuas. Per-
mit a-se-nos a expressao : a Franga acbava-
se empei.-hada eat crear exponlaueamente
a sociedade nnonyrna, que tinba por lira
realisar a sua redcmpcdo e que sem con-
ehavo, -por arbit-io individual, mas cora-
mumeutc udoptado, se ficou cbamando
pacto de Bordeos.
A esle liscngi iro estado do cousas entre-
Unto, acabou-se por aetur objecgoes, irro-
guido-se-lhe co-no podia o epithelo de
provisorio. Fosse ou nao bem cabida a
quatificaca<>, a questao era do nome apeuas.
Este estadu provisorio consislia em uma
politica larg.i, patriotica, necessaria, propria
da quadra e corrcspoodeate a situagao, em
quo as exigeucias. dos iuteresses naeiouaes
deviatu absorver em si to las as attoofOos,
ondo su I pa lava antes de tudo de reerguer a
Franca prust^ada c jaccnte. Kste intento nao
polia ser concilia Jo senao pela allianca de
todvis os esfon.os e o sacrilicio das opinioes
aberrantos, eo.no com effeito teve logar.
0 que se devia fazer ? Era seguramente
minter as vantageus dosto resuliado, e o
rnais viria por si. Mas nao foi assim. Des-
de que se julgou poder emprehendel-3 sem
risco imminento procuru-se innovarneste
eomplexo tao custosamente alcangado. Des-
I'arte podia ate acrclitar-se que a paz ante-
rior dos partidos, nao era senao a conse-
quencia da falta de preponderaneia para
poderam sobrepujar-se uns a soutros. torn
X\xtorio, a causa
do armisticio politico, a que nos referimos.
Nao existia regimen designado que atlrabis-
se vivainente a atleneao publica e por isso
nenluun foi adoptado.
Na realidade, o paiz s6 postulava uma
cousa ; so tioba em mira um intuito, e era
a pat, a tranquriiidado externa e intcrna.
Pouco ou nadn nestes termos lho importava
o systema'monarchico ou republicano. A
qucstao nao era de theorias, mas de factos.
A Franca queria a todo custo e a to Jo
transe, que a Hvrassem da anarcbia e dos
sinistros maniacos quo da organisacao com-
munal conslituiam uma ameaca constante,
impendcnte como um cutello sob re as vicis-
situdes publicas. Prctendia que ponsassora-
Iho as chagas vivas dos seus infortunios,
pelas quaes exhauriam-se as suas forgas
vitaes ; quo remissem do desaslre universal
quanto era dadosalvar-se ; qqe, se.n perda
de tempo, pondo inaos a obrn-redempt ra
da sua reconstituicao, se reorgauisassem o
exercito, as finangas e a administrate ;
tudo em descalabro.
Este 'programma nao pertencia a este ou
aquelle partido, mas emauava das criticas
emergeinias cm que laborava a situacao.
Todo o paiz tomava nelle parts, o governo,
proj)ondo-o,levenisto apenas o merecimento
de ben apanbar e resumir a expressSo das
publicas espectagoes. Comtudo, manten lo
incolumes e preservando, sem jamais perder
de vista, os pontos cardeaes deste systema,
a adiniuistracan prestou u a dos mais valio-
sos servicos com que podia avantajar-se
uma nacfto em tal conjuuetura ; e d Franca
foi licito assim, seguindoa verdadeira politica
que Ihe dictavam as circumstancia;,respirar,
tranquillisar-se, trabalbar e preparar a li-
bertagao antecipa la do seu territor'io.
Nao foram, pois, inuteis as treg.>as man-
tidas pelos partidos ; e como vemos, o seu
primeiro resultado foi tornar firm; o terre-
no das aspiragoes nacionacs. I'ara nos cou-
vcaeermos desta verda>le, basta considerar-
laos as consequencias que se seguiram im-
ine liatamente ao primeiro ctnbate politico,
qu.- nSo demorou em suscHar-se dede que
as faccoes parti larias, agitanlo-sc, desfral-
daado assuasbandeiras, e ruiiosamente pa-
teuteando as suas pretengoes, comecaram a
disputar eatre si as vantagens de uma si-
tuagao para cujo melborameuto nao haviara
contribui Jo senao negativamente pela sua
absterigao, e que ate 6 dado ajuizar-se que
f >i a seu pezar, simplesaiente pela sua impo-
teaci i, que attingio as condigoes do prospe-
ridade a quo se elcvou.
Taes .-a / as circarastancias em qne labo-
roj a Franga ate jue entrou na segunda
phase da sua existeucia : phase em que con
Undo com taa uotoriosadiantamentos, com-
tudo nao se acha a veriguado que res a he mi
delles as consequencias que se deveriam es-
perar, a nao ser que o mal cntendido espi-
rito de controversia e intolerancia se resigne
denovoa outroestadio tie sopitagao, duren-
te o qu d o bom senso publii:o possa se*
consultido e prouunciar-se sem que acalo-
radas paixoes politicas interfiram com as
suas deci-oes.
A obra que se tem aclualmente em vista,
nao pdde ser fructo dos partidos ; porquan-
to trata-se do governo deliaitivo da Franga,
que nao eoustitue o dominio de uma facgdo,
mas deve firmar-se nas bases mais latas da
nacioaali lade, e no conjuueto das aspire
gdes d i paiz, neutralisadas as suas opinioes
extremis, as suas dissengoes, as suas dis-
ceptacdes a as suas divergencias.
Assim praticando e s6mente que a Franga
p6 le cbngar ao resultado que todos prcu-
ram, mas que por isso mesmo que todos
pleiteam e que sem duvida se terna mais
dillicil e problemaiico. 0 que quera Fran-
ga ?A sua reconstituigao definitive. Esta,
pjrern, teudo eatrado no ultimo dos seus
penodos prcliminares ameaga tornar-se (im
impossivel, tal e o a .odamento com que
caiia qual eatre os matizes politicos do dia,
pretende moldar em seu proveito exclusive,
a nova feitura constitucional. Nestes ter-
:.-:os, em vez de se obterem os resuhados
almttjados, esta-se antes em risco de ver tor-
nar-se deliaitivo, por emquanto, essc mesmo
esta lo provisorio contra o qual todos se en-
earnigam cconspiram.
II
que lhe compete, e da quo havia decani lo de um preconoSrto, exprimindo-so am pre
na serie das nacoes. Tendo alcangadj este juiz e nao um principio, jamais poderd
resultado,, para obter o qual tal vez os meios realizar-se sem ser sob o aspecto de violen-
ordinarios n4o fossera os mais proprios, ta conspiragJo, objecto de represalias, phe-
tem hoje de regularisar t sua existencia, e nomeno traasitorio o evnrioscente. Asso-
astabelecer as bases sobre as quaes deve maado neste terreno, esta mstituigao, longe
d\.ra avante desenvolver-se, e occupar de poder erguer-se a altura da direccAo dos
perinaiiuntemente a sua posigao sober ana. publicos negocios, teri sempre de recuar
As nagdes, cuja ordem interna nao si acha cada vez mais, ate fochar-se-Ibe de to to a
pautada por principios tixos e determinados arena dasaspiragdes nacionaes.
naj s6 inspiram pouca confianca, como nio Ain la ha pouco, por occasiao da crise
se podea considerar smio parcialmente rta que deu era resultado a mulanga do chefe
categoria de estados independentes. As suas do eslado, o que vimos ni3, o que pojeeada
relag0;s exteriores, sujeitas deinasiadamente qual constatar?
ao infl'ixo da facilidade do alternativas n Isto mesmo que acabamos do proferir.
sua vidi interna, n3o permittem qu^ a sua Os republicanos, impaaieato; do prudente
vonta a iulernacional seja considerada como criteria com que o Sr. Thiers regi.i a supre-
perfeiln e possa entrar c >rao parte intcgraiue ma magistratura da nagao, presu niram po-
no systoma do equilibrio a que pertencem. dor sabstitui-lo por pessoa mais desoa in-
Nao vivem, portanto, senao por metade, e tima parcial:dade, ou impelli lo a actos que
o seu valor e importancia de momentose- procurava e devia evitar. Oual foi a conse-
riam n"nbuns, se por acaso nio se manti- quencia? Provo;ando um movimentoque
vesse em vista a possibilidade dasua recons- nao poderam duminar, succumbiram no
tiluigao liaal, que e o que actualmeate a mal p-msado intento, e, modilic.nd i-se a
Franga ten anciosamente em mira coiise- situa-.ao cm sentido.iuverso ao que arnbicio-
guir. navam. tiveram de retirar-se, nntrichciran-
Entretauto se ua primoira desta* duas pha- do---' em reductos ja antes ab.indonatlos por
ses, as condigde.s intervenientcs pouco ou inut-is, passando do ataijuo a defeza. Uojo
nada deixam a desojar ; o mesmo nao se da esfor ;am-se por fazer esqaecer ao Sr.
actualrnen'.e. Em vez da moderagao o Thiers as suas Instilidades ; ceream-o pros-
calma, que tanto reclamara os iuteresses na-' suros >s c agodados proeiiram provar-lhc o
cionaes, os partidoos osteutam o s .u recipro-, seu zelo.
co anlagonismo e entendem fazer prova do; Nesto estraaho o affeclido procedimeoto,
habilidade, guerreando sem relapso, mor-iporoni,' transpareoe o soj arcam designio
lalmeuto, esso regimen provisorio, a queem; Buscaai inspirar nao merecida confianca'; "e
muito peior.s temposdeveu a Franca a sua'a loperaiulo se seiulamente por attrahirao
Desle a!gunsmez"sjd que a Franca en-
trou na segunda phase do pcriodo que se
tem segui lo & d^sastrosa guerra allema. Al-
queb-ada e d'-sfallecida, foi Ihe mister pri-
meiro renovar as fontcs da sua vitalidade,
afim de habilitar-se a rcconquistar o lugar
L7CSECIA BOB&IA
MEMORIAS DE SATANAZ
POR
S>. Hnuor-IFeruaadcxyCitunxalcz
FUIMEIKA FARTE
O GRAN-CAPITAO.
VIII
DL COMO ANG10LIXA CRESPI EXCO>TROL: 0 SE"
TERCEIRO AMOR, E DE COMO 0 DUQUE DE
SESSA NAO LOGROU EXCONTRAR 0 DUQUE DE
GANDIA.
(Continuagao do n. 256)
Angelica, como diriamos no meu idio-
ma castelhano ; pois bem, deixc-me cha-
mar-lhe \ng'dica, como Ihe chamsriano
men paiz. Nao st-i se vejo em si o anjo da
luz ou o anjo das trevas, o que sei e que
n3o julguei nunca que existisse uma mu-
Iher taa formosa. Ao ve-Ia, esqueci tudo,
de que estou em Roma, !o que vim fazer a
Roma, de que entrei n'esta casa para satvar,
So fosse possivel, o duque de Gaudia.
Ouga, respondeu Angiolina. Quando
vim estanoited esta casa, julgava-me ama-
da, julgava emar, anhelante para salvar o
duque de Gandia. Oh I osse himem, quan-
do eu Ihe revelei que meu pai era arnigo de
Jeronymo Savonarola, quo este me havia
inspire lo durante algum tempo um senti-
meato que eu, enganando-me, julgara ser
amor, Giovanni Borgia raudou completa-
mente ; deixou me ver uma alma horrivel,
iransfomou-se n'outro homem, aterrou me,
tornoo-se-rae odioso e com tudo a minha
fascinagao durava ainda e estive a ponto de
me perder para o salvar. De repente appa-
tcceu um frade terrivel ; em seus olhos
arilhava, com um fulgor sombrio, a raor
ie, e trazia um punhal erguido na mdo. 0
duque fugio como um miseravel, deixando-
me abandnnada ao furor de Savonarola ;
ouvio se, porrim, na rua, ao longe, o tinir
de espadas que se cruzayam, Savonarola
desappareoeu e eu desmaiei.
Tinir de espadas na rua pouco depois
de tor sahido o duque de Gandia 1 exclamou
o gran-capitdo ao espinto do qual occorrera
a idea do 8ssassi!iato do duque de Gandia.
P* le obaerv.ir de que lain partii ossorui lo?
Fara o lado da rua da la Longara ;
provavelmealo o doquo ia refugi.ir se em
rasa do sua mai.
Como ?
Sim,.Rosa Vannozia Borgia vivo na
rua de la Lmgara, proximo do conveuto dc
la Regina Cmti, onde eu fui educada.
Oh I n esso caso e" necossar1
averiguar ; apezar das infamias do duque,
ndo p< demos dcixar de o procurer e auxi-
lia-lo senJo precise Venha comigo.
Nao Os bravi de Cesar Borgia sSo
nns homens terriveis I exclamou Angiolina,
se se eacontrar con ellos poderd perder a
vida.
Jd fui accommettido por um bando de
assassinos, e quatro d'elles ticaram mortos ;
nao estou s6, acompanha-me um valente
capitdo hespanhol que espera em baixo.
Siga-me.
Como quizer, respondeu Angiolina le
vantando-se e pondo acapa, o chapeo ea
mascara.
Gonzalo pegou n'uma das velas dos can-
delabros para allumiar-se.
Ao sahir da ante-carnare, Angiolina vio a
lampada que alii deixara Gonzalo.
Que 6 isto ? disse ella.
Necessitava de luz para entrar aqui e
tirei a lampadi do Ecce-Uomo que estd na
esquina.
Que admiravel homem : exclamou a
joven. Valor, generosidade, forga, tudo se
reune em si I Porque o nao conheci eu
antes ?
Em si-guida desceram a escada, percorre-
ram parte das galenas inferiores, chegaram
d porta e sabiram.
Chnstobal Villoslada esperava de espada
em punho.
Gonzalo atirou fora a vela e fechou a
porta.
Succedeu alguma cousa, capitdo ? per-
guntou elle a Villoslada.
Ndo, senhor, respondeu aquelle ; a
rua esteve silenciosa e tranquilla.
Muito bem, siga-me ou antes preceda-
nos, e, visto que conbece as ruasdo Traste"-
v^re, leve-nos d de la Longara.
0 capitdo soguio adiante e Gonzalo e
Angiolina foram ap6s elle.
Depois de terom percorrido duas viellas,
Villoslada parou.
Estamos na rua de la Longara, disse
elle, e estd tdo silenciosa e deserta como a
de la Longaretta : nada ha de estranbo, e
o rologio do Vatican acaba de bater uma
hora.
Que luz 6 aquella que se ve ao longe
d nossa esquerda ? perguntou o gran-capi-
tdo.
A da Madona do portico da igreja de
Regina Cceli.
Nao me disse, Angiolina, que n'esta
rua se ouvio o tinir do espadas ?
Disse.
E qne n'esta rua 6 siluada a casa da
m3i do Giovanni Borgia ?
Sim, o uma gran !c casa de pedra jun-
to d-i igreja.
Afonce, cnpi'ao Villostfrln, disse GOD-
zal-'-,; rerrra '...! ..> .">" i.ti-.iospor
salvagao. Nesto porfiado certamen, comtu-
do, longe de so procurer substituir a actu.>l
admiuistragao por uma creagdo que reuna
em sou favor o c mmam e mais geral assen-
so, busca-se respectivamento apenas trans-
forma-la em uma arma ameaga Jora na mdo
das facgoes.
Nao so comprchende u quo tantas vazos
jd tem sido expeudido ; c e que o governo
da Franga nao pole ser o irapi-no do u.aa
parcialiJade. Com os tramiles ate agora
observados, so o quo se tern couseguido e
demoastrar reiteradamentco perigo das pai-
xoes politicas, e, a par do seu poder sub-
versivo, da sua peraiciosi acgao deleteria,
a sua coraprovada irnpotencia* para realisar
qualquer forma defiuitiva de publico regi-
men. Republicanos e monarchists, con-
trastiudo se acinlosaraente a cada passo,
como unico resultado dos seus mais extrema-
dos esforgos, to n apenas viugado compro-
var que tao dillicil ou impossivel e a mo-
narcbia como a republica. E que republica
e a que prelendem fun Jar I
Otypo exe'usivo de imaginagoes ardentes,
quo no seu dehrantc proselytismo levam de
vencida opinioes mais moderadas. Os re-
publicanos imaginara que basta pronunciar
o nome do seu predilecto organism .i para a
elle gaubarem todas as vontades. Apegam-
se fanaticamente ao sora suave de uma pa-
la vra, d apparencia de uma forma exterior.
Entendem que lhes d sufBciente exclamar
que a maioria do paiz perteuce ds ideas re-
pu'dicanas, a fim de justificar os seus inten-
tos. Nada mais v&o, mais futil, mais desar-
rasoado. E' mais do que manifesto, que o'
paiz nao partilha as suas paixoes, e em toio
o caso, repellc o sou fauatismo.
Penetrados dofalso presupposto, que tem
em mente, nem sequer percebem que tudo
o que obram e deliberam no apice em que
se collocam, contraria radicalmente os seus
mais intimos almejos. Todos os seus actos
sao contraproducentes, e cada dia conpro-
motion! mais a sua causa. E' mister que se
conveugam alinal, de que, se a republica
p6de tornar-se factivel, pode deixar do ser
uma porigosa Utopia : e tao sdmenie sob a
condigdo iodeclinavel de corresponder o me-
seu campo o Sr. Thiers, anhclain servir-si
do seu uoirie e da sua popu ari In le, como de
insigaias de bandeira, d qual 6 diffieil que
em mol bores tempos se resolvam a per ma-
necerem fieis. Polos seus precedontes po-
de-se julgar o seu futuro. A terem sido
menos sotlregos e mais sensalos, nao teriaai
iasidi.ido o cx-presidente, comi fueram :
arman lo a tornal-o o ludibrio dos seas mal-
avis.vlas conselhos, ou interesseira tatella.
IL-avora sido, enlao e uao agora, occasiao
do coaoiliatoriameute dolle aproximarem-
so. Teriam nisto manifestado uma sabe-
doria e reserva, quo sem duvida s>riam
muito mais do sabor do chefe do Eatado,
do que as lisonjas de quo hoje sio tdo pro-
digos, o a tal ponto profusas, que hdo do
necessariamente repuguar a um espirito tao
emiueatemento delicado, como e o d> Sr.
Thiers. Incumbia-lhes uessa conjuncture
ter externado a firmeza do seu caracter o a
pureza dos seus sentimentos politicos; e
nao cedi lo ao arrebataruento das inoacieu-
tes suggestoes da rivalidado dos partidos.
Mas dando-se petulantemente por pouco sa
tisfeitos com o quo se lhes concelia, no
impeto de realisarim o ideal da sui Atlin-
tido, tal vez menos plat nica do q ic dracon-
nica, comprometteram tolo o futuro quo
tinbam diante do si : a beraoca do passado
e as esperangas do porvir.
Ostentando o sou orgulho, emponhados
em demoastrar que dispuaham do escrutinio
e imperavam no suffragio popular, queren-
do possuir uma criacao sua, feitura das pro-
prias maos e nao de alheias, animados do
amor de Fygraaliao pela estatua que haviam
alinhado e a que secretaraente rendiam cul-
tos, almejando uma proclamagao aulbeatica
edefinitiva em vez de uma consulta legal,
substituindo um.postulado subjectivo ds
concepgdes do voto nacioual, cabirara;
baixaram por seus errosdassuprcmas espec-
tagoes aes torrores extremos. Jd o Sr.
Thiers nao lhes bastava, o, ndo podendo
dominal-o, resolveram derruil-o. Pesava-
muito mais positivamente contra o radica-
iismo e os seus mais estremocidos anceios
De envolta, purera, cam taes inseffridos
aahelos succumbiram as aspiragoes da de-
rnocracia nas paras coocepgoes em que era
mantida pela parte pensaate e mais razoavel
da nagdo. Em summa, a republica existia,
erain manejados os seus destinos pelo pru-
dente arbrtrio de um animo esclareciclo e
benevolo, de um cidaddo eanaeiite, cujo
nome e proveeta experioncia bastavara s por si para acreditar o novo regimen, la
sem duvida tornar-se defiuitiva. A nagdo
acustumava-so ds suas formulas, o paiz aban-
doaava-se d sua guia. Mas app ireceram os
republica! ios e tudo desfez-se. A consistea-
cia da n ia iustituigao tornou-se tao precaria
qado dillii.il.
Esta lig.lo parece que deveria ter aprovei-
tado : mas longe disso. Os mouarchislas
acbam-se agora empenbados em fazer justa-
;aeate o mesmo que os republicanos ; e so
a monarchia vier a roaiisar-se, serd antes
mao grado os seus esforgos, do que medi-
ante os mesaios. Alcm da entrovisti de
Frohsdorf, tudo o que os partidarios do
syste.na monarcbino tnem pralicado, em lu-
gar de aproveitar o fecundo evento. da rc-
onciliagao das duas fiuhagens, tem,'pelo
coatrario, coaibatilo e cerceado os seus
elYoilos. c)ste facto momentoso nao tem
tido ate agora seguimenlo. Nada depois
delle tem mudada na situagdo, e, apresen-
tando.se iiiicialmeute nas proporgdos e sob
as eppareucias do. um aei>;Usdinenio politico
da maior monla, t-jm desci lo por ultimo d
cathegoria do am acto de t'aio,ilia.
Fou so- a pouco, depois de perder a pri-
meira importaueia, ird tiaalmente cabin do
ate em olvido, c a Franga achar-se-ha, em
remits, face a face com daas alternativas de
menos na (wrspectiva da sua deliaitiva re-
organisaga >. Eatretant') as circumstamias
do paiz avezavam se a serein, na occasiao
actual, aproveitadas favoravelmente por
qualquer combinagaojudiciosa, qual aquella
a que, d aproximagao de Frobsdorf, abria
raaait'eslaaieale espag >.
E* fiSra de duvida que a idea da monar-
chia nada tem de eslrauho para a Franga,
nem em si, nem nas sias consequencias po-
liticas Corresp ndendo aos instinctos do
paiz, aos seus habitos e aos sous iuteresses,
a iustituigdo monarcbica tem, atravez das
revidncocs, conservado todo oseu prestigio.
Quem nao rec.mhcce a forga das suas tra-
digoes ? Quem ha que ignore as garantias
de estabilidade que proporciona ? Nao se
pode, pois explicar como, alem do tantas
vantagens especiaes, contando com o favor
do mornento e a opportuuidade do ensejo,
ha um mei apeuas, antolhando-se como
problems do immediata resolugao, hoje tem
retrocedido pouco a pouco para a tela das
supposigoes e das conjectures. Do bora em
bora- diminuom-se-lhe as probalidades de
bom exito, e, iutrincando-se as condigoes
do pacto cm que assentava, parece ndo ter
uma tal questao assomado na scena politica,
sendo para desfazer as esperangas dos que
as punham noste expediente.
Explica-se, porem, facilmenteestedescon-
chavo. E' que, preteriudo os puros deli-
neamentos do systema, quiz-se instaurar
uma moaarcbia de partido, o regimen 'le
uma seita, e nao um i instituigao nacional.
Os legitimistas, como os republicanos de
2i de maio, entendendo ser chegado o mo-
rnento do seu predominio exclusivo, arro-
dando a inonarehia constitucional represen-
tativa, anica que nopaizgoza de elementos
de aceitacuo orelenderara subslituir-lhe um
va^ugdo do espirito deque falla o poeti,
Accresce i|ae creucm- retigiosas da mais
sevcras, sentimentos dignos do maior res-
peito, podem facilmente ter elevado estis
pr.Ueagoes mais ou menos, sendo i cathe-
goria do dogma, ds proporgOes de axiomi.
A sua obstinagao e pertinacia sdo, ate certo
ponto a este respoito, putros tantos padrocs
que assignalam a sua baa fe o desinleresst.
Kin outrus, porem, os mesmos presoppostcs
estao longe de merecerem igual consideragdc;
e um tal ompenho torna-se, a par de desai-
razoado, ao mesmo tempo conjunctanient?
indiscrcto e desmedido.
Com effeito o Sr. Condc de Chambor-i
p6ie aa > conhecer a realidade das cousas, e
isso ndo e pare admirer. Mas o mesmo
ndo occorro com os seus adeptos, aos quaes,
em vez de o impellirem no cego proposito
que te a lovado, incumbia esclarece-lo so- '
lire as verdadeiras circumstancias do paiz, a
o jngo dos elementos que se combioau para
forraar a actualidade e ''etermin^ir a situa-
cio. Se comprehenderam esta neressidadj
o a ell 1 oblemperaram sem alcangaremo de-
sejado effeito, nada mais nos rests a dizer
sobre esta assumpto. I.au.eniamosapena;
a feitalidado que se obstina em converter em
constanles illusoes as nossas mais bem fir-
ma las esperangas ; e nestes termos a questdo
se cha julgada. Se o papel que se arroga-
ram, porem, consisto meramente em rece-
bere n e executare.n as ordens e instruccdes
que de Frohidorf ihes pos^am ser transmit-
luhi, -jfr.igi^-ieg'tirm'a&ite ser encarados
como lidells^mos servos do priujoe, iras
nao como raSmbrosdo uin partido nacional:
e nejte caso tambem a questdolica decidida.,
e niio necossita de maior discussdo.
C"s realistas, imitindo os republicano*.,
posto que om oatra ordem de ideas, enten-
dein tambem que basta pronunciarem o
vocibulo monarchiapara viadicarera
em favor desta instituigao, tolosos animo,
e vontades. S'^gundo imaginam, proferidu
que seja esta magica palavra, aquilatatn que
nada resta a fazer, e que em Franca, tudo
sora exepgao, se dobrard e adoptard ds sua.-
aite'icue?; que o paiz nenhum direito tem,
seniio o de curvar-se d imposigdo do honro
sojugoque se Ihe quer laucar.
Republicanos e monarcbistas alfiguram-se
falsamcnte a Franga como uma especie do
Pedro Schlemil, fasciuadamente ompenhado.,
con.'orm'i as tradigoes fantasticas da leada..
em procurer a sua sombre. Esta, ao que
ajuizara os partidos, e para os republicanos,
a rcpuolica, e pare os monarchistas, a mo-
narchia. Constitue isto, porem, um erro
dos mais graves e que denolf a mais iafua
dada apreciagao da coujunctura politica.
______________( Cont inuar-se -ha.)
VARIEDADE
nos p sstvel ao seu ideal. Deverd represeu- ds mdos de seus mais crueis cdiros iiiimi-
lues o tempo, queriam precipitar os aconte-1 regimen, que, eliminaudo das paginas da
cimentos, e em vez de cohibirem a sua sof-
freguidao, dispondo de antemao dos despo-
jos do poder, viram-nos, com tudo, passar
tar, en taes termos, ndo o predominio de
uma frecgao politica, mas o patrimonio da
nagdo, o regimen publico da Franca.
Desde que a republica tentar incorpo-
rar-se, amoldando-se aj estreito involucro
que a rua e estreita, e se houver alguma
cousa havemos de tropecar com ella.
Chegaram, porem, ao portico da igreja,
isto e, ao lugar onde o duque fora assassi-
nado, e ndo encontraram cousa alguma :
nem uma so gotta de sangue ficara no pa-
vimento do marmore do portico.
Sirvamo-nos da lampada d'esta Santa
Madona, como jd nos servimos da do Ecce
Homo, disse o gran-capitdo ; ndo me dou
por satisfeito sem ter procur.-do bem; um
cadaver pode ser levado e lancado ao rio,
porem no lujzar onde foi perpetrado um
assassinato ficam vest gios de sangue.
A lampada da Madona, que era serac-
Ihante d do Ecce Homo, foi arrancada por
Gonzalo que a entregou a Villoslada e os
tres revistaram a rua de la Longara, desde
a igreja de Regina Cceli ate* ds viellas por
que tinham viudo, sem que encqptrassera
vestigio algum.
Passemos ao sitio onde nos desemba-
ragamos d'aquelles traidores, Sr. Cbristobal
de Villoslada, disse G nzalo.
E encaminharam-se rapidaraente para
alii.
Foi aqui, disse Villoslada parando,
porem ndo se encontra cousa alguma ; os
cadaveres desappareceram, e deitarara aqui
muita agua para apagar todo e qualquer
vestigio. 0 que succede hoje era Roma
nao succede em mais parte alguma.
Voltemos d rua de la Longara, repli-
cou o gran-capitdo ; ndo fico satisfeito sem
ter posto era pratica tudo quanto e humana-
mente possivel para saber do duque.
E voltarara d rua de la Longara.
Aqui estd a casa de Rosa Vannozia
Borgia, disse Angiolina paran lo diante de
uma porta.
Esconda a lampada debaixo da capa,
Sr. Villoslada, disse Gonzalo.
Villoslada obedeceu.
Gonzalo aproximou se da porta, levantou
a cnorrae aldraba de ferroo bttea uma pan-
cada que echoou ruidosamente.
Pouco depois abrio-se uma janella no
andar superior.
Estdo acordados, disse Gonzalo com-
sigo mesmo.
Quem bate d estas horas ? perguntou
da janella uma voz aspera de homem.
0 capitdo general do exercito hespa -.
nhol, Gonzalo do C6rdoba, respondeu este'.
Queira esperar um mornento, replicou
a voz jd um oouco mais branda ; vou avisar
a minha seiihora, se e que procura sSra.
Rosa Vannozia B irgia
Ess a mesm.i, respondeu Gonzalo.
A janella f^chou-se.
E' possivel que o duque esteja aqui,
disse Conzalo ; na casa estdo acordados, o
quo 4 para eslrenhar d estas horas, Ange-
lica.
gos. Preparanfc a queda do Sr. Thiers,
cavaram a fun la ruina da republica.
Effect!vamente os successos do dia 2Vde
maio, comquaiitoiiitoucionalaenle dirigidos.
contra o ex-prosidente, foram-no de facto
Muito para estranhar, Conzalo.
Espere, sinto abrir a janella principal;
vc-se luz e chega d janella uma sea bora.
Se Gonzalo podesse ver atravez da madei-
ra, teria notadoquepor detraz da janella que
se ndo bavia aberto, estava uma mulher, e
que essa mulher era Lucrecia, cscutando
com anciedade.
E' o senhor o graa-capitao ? disse em
hespanhol a senbora que havia chegado a
janella.
Assim me chamam, senbora, respon-
deu Gonzalo com a sua habitual cortezia, e
diga-me, estarei eu falland tom a Sra. Rosa
Vannozia Borgia ?
Uma sua serva c amiga, Sr. Gonzalo
de C6rdoba, replicou Rosa com uma voz
suave, insinuante, argentina ; desculpe se,
nao o conhecendo, o fiz esperar, mas vou
man Jar abrir.
Agradego, minha senbora, porem nao
e esta a occasiao para visitas ; desjo fazcr-
Ihe unicamente uma pergunta : procurei em
casa d'elle, seu filho o Sr. duque de Gau-
dia, e nao o enconirei ; preciso mui fallar-
lho esta iioit-, e estard-elle por venture, em
sua casa, minha senbora ?
Ndo, respondeu Rosa, jau'.ou comigo,
com seu irmdo Cesar o alguns dos meus
parentes, jantar de despedida a meu filho
Cesar que parte amanha para Napoles, alira
de as>istir com o legado do nosso santissimo
padre, i coroagdo do rei Frederico A's
nove horas sahio com seu irmdo Cesar, e e
possivel queandem em alguma diversdo,
por isso que ndo encontrou em casa meu
filho Giovanni.
Obrigado, minha senhora, respondeu
Gonzalo ; o, como iido teaho nada mais a
dizer-lhe, desculpe o te-la incommodado e
considere-me sempre seu servo respeitoso.
Vis:o nio querer honrar agora a mi-l
nha casa, Sr Gonzalo de Cdrdoba, pego-lhe
que ndo retardc o prazer que >erei em o
ver n'ella, e considere-me iguahnenta sua
amiga.
Obrigado, minha senhora, desejo-lhe
uma noite feliz
Boa noite, Sr. Gonzalo de Cordoba.
0 gran-capitdo, dan lo o brace a Angio-
lina e precedido por Christobal de Villosla-
da, poz-se a caminho.
Rosa e Lucrecia, que haviam chega io d
janella, permaneccram alii ate que se per-
deu, no dobrar de U'na esquina, o reflexo
de luz que levava Villoslada.
IX
0 l'OETA B0SVINETT0.
Voltemos & Dccasido em que l.ucreci.i,
salvapor Bonviaetto, fugio pela rua deSan
Galhcano.
Apezar do terror quo a lomiuiva, vio a
janella aberta da casa dos Tres Enforcados,
e o reflexo da luz que ardia no interior
historia nacional um periodo de perto dc
mcio seculo, resta as tradigoes da corda aos
anteceden es anteriores a tres revolugoes
nacionaes. Que o Sr. conde de Chambord,
desde muito afastado da Franga, raergulha-
do ao proi'un lo ilealis.no do seu regio iso-
laraonto. tenha u:n tal desvanecimento, e
cousa que pole stipporse e ate tolerar-se.
E' esta a arnavel insania, a gratissima di-
d'ella.
Estdo Id, e voltarei aqui, disse ella
corasigo mesma.
E coatiauou camiabando apressadamente.
Em Roma, particularmente no Trasteve-
re, abundavam n's ruas os nicbos co-n inia-
gens dos Santos e Madonas, e as luzes qie
ardia n a'estes aichos, ere, como dissemos
jd, a unica illuminagao, da cida le eterna.
Gragas ds luzes d'essas imagens, por diante
de muitas das quaes passaram success!va-
mente Lucrecia e Bonviaetto, pdde ver-se a
figure e o trajo d'este.
Era um mancebo de viatc e seis anaos,
pallilo edebil em virtude da sua pobreza,
que quasi o fazia viver na miseria.
0 rosto era grave, languido, tristo, sym-
pathies.
No seu sorriso havia amargura e resigna-
gao.
Abundantes cabellos, sedosos c annella-
dos, davim dsua cabega um ar romantiQO.
Nos sous grandes olhos negros brilbava
uma tristoza ardente.
Vcstia um gibd de pinno preto, camisa
ndo mui limpa nem mui fina, calgOes do
pauno azul, borzeguins de couro negro,
cinlurao tambem de couro, do qual pen ham
uma espada e um punhal, e um gran le
alaule de seis enrdas de metal.
Todo este trajo estava usado e pouco
lirapo, ameagando abandonar o dono, pro-
vavel rente antes de que este o podesse
substituir por um outro novo.
Boavinetto era uma especie de antigo
trovador mo lificado ; um poeta que cantava
os versos que escrevia, acompanhando-os
no alaiile ; uma especie de menligo decen-
te, a quem chamavam pare animar as festas
e as orgi s, e para cantar serenatas ds da-
mas, pagas pelosamantes.
Havia enta em Roma centenares d'aquel-
les rnusicos, do que resuitava que os ganhos
divilidos por tanta gente, cram iasignifi-
cantes.
Bovinelto, que era um dos mais cole-
bres, ganbava apenas para coiner mal e
para pagar o aluguel de um casabro isolado
junto das Termas de Deocleciauo, isto c, no
outro extremo de -ionia, em relagdo com o
Trastevere
Ndo era s6mente a musica c a poesiao
queajudava a viver mediocremente Julio
Bonvinetto : os amantes de pouco engenho
valiam-se d'elle para quo lhe escrevesse as
suas cartas de amor. Alem d'isto, Bonvi-
netto exercia uma uidustria criaiinosa : a
falsificagdo do bilhetes,
Muitas dainss haviam sido cornprometti-
'Ias on dflbUunradas [*)r curreipou leucies
falsas, em que Duiivintt!:) ijiifara de uh
raodo admiravel a btra das victim is.
B.mvinetto a esc ulpav.i-sp. d 'i -to para com
a sua coitsi.-ieaei.', C9.il ..--..
NOVO INSTRLMENTO Dr] CIRURGIA.
A imprensa medica franceza, dd noticia
de um novo instrumento introduzido pelo
Dr. Galezouski, para as operagoes ophtal-
mologicas. E' uma pequena pinca para
agarraras agulhas mais Unas, quando se
trata de fazer sutures nas palpebras ou na
conjunctiva. Fixa-se o index da mdo di-
reita por moio de um armel aberto, o pole-
gar apoia-se sobre a outre haste para fechar
a pinga.e a agulha fica por este modo aper
tada fortemente entre os dentes do instru-
mento, os quaes sdo guarnecidos de chum-
bo. Como o referido instrumento e curto,
pode dizer-se que a agulha estd sustentada
quasi pelos deios, e, gragas a isto, pode
dirijir-se com grande delicade/.i e precisao
atravez dos tecidos.
MAQONARIA FRANCEZA. Celebrou-se
ultimameutea assemblea geral dos pedreiros
litres no grande oriente da Franga, e ahi
foi decidido que fosse supprimido o grande
mestrado.
As funcgoes que eram inhereutes a essii
dignidade, passam a ser exercidas polo
grande conselho das lojas rcunidas.
ma :
Em Roma, e nao s6mente em Roma,
mas em Italia, a libertinagem e um habito:
nao ha, pois, bonra ; por conseguinte ndo
posso tirar d niiiguern o que ndo existe.
Alem d'isso, a intriga esta em uso, e se me
pagam a intriga, porque ndo hei de eu ven-
der o quo todo o raundo compra ?
Ndo ere ainda este, todavia, o ultimo mo-
do de vida de Bonvinetto.
(onfuecioaava tambem philtros amoro-
sos, Ua a biena-dicha etirava horoscopos.
De nodo que, alem do poeta, musico e fal-
si!ica de chimico, de cigaao, de nigromaute e do
bruxo.
Comtoda esta multiplice sciencia, Bonvi-
netto, como dissemos jd, conseguia apenas
viver mal.
Em certa occasiao, Bonviuetto atreveu-so
a ser um tanto explicito na letra do sen
caa.o nocturno, e Lucrecia mandou quo
Ihe dessern nma sova.
Felizmente, os bomens encarregados d'a-
quella tarefa ndo tinbam zanga a Bonvinet-
to, de modo que d qumta ou soxta vorga-
Ihada deixaram-no lugir, apenas com urn
ou outro vergdo no corpo e com o gibao
roto.
N'aquella noite, o audaz Bonvinetto, pe-
dio n'uma eogenhosa caucao, o |generoso
perdco de Lucrecia, e algum dinbeiro parti
comprar um gibdo novo.
No dia seguinto Francesco Buotti, deu.
uma nova reprebensao a Bonvinetto que
foi adogada com algunr escudos da ooro,
mediaute os quaes Bonvinetto se vestio des-
de us pes ate a cabeg*, e pdde viver desafo-
gadamente dous mezes.
Em agradectmento d isto, choveram so-
bre Lucrecia, trovas, madrigaes, sonetos,
todos respeitosos, todos encomiasticos, re-
commendaveis todos pelo lalento e pela ins-
piragdo que brilbava u'elles.
Lucrecia estimou no que valia o talonto
de Bonvinetto, tomou-lhe uma especie de
affeigao o mandou-lhe por Buotti uma bohi
e uma carta concebida nos' seguinles ter-
mos :
Bom Bonvinetto Concedo-te o titulc
de rneu poeta, com a condigdo porem, 6k
que roe ndo escrevas mais versos ; fatigas-
te demasiado, e eu nao terrao tempo pert,
us ler. Brotas de ti um verdadeiro diluvk>
de metapboras e receioque acabes por en
do jdecer, 0 meu mordomo te dard todoi;
os mezes dez escudos. Permitto-te apenas,
de vez em quando uma trova iiuoluraa. Qm\
Jeus tc proteja. Lucrecia Rorgia.
fimtin uav~*e-J*a).
ilu'.
DIAPIO -ltUA DUQUE DE CASI.4S"
li
I
*