Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text


f
\
*

V

? .
*

ANNO L. M1ERO 46
Ji ^CAPITAL E LUOARES \DE XJLO SB r MkA PMTTB.
for tres mezee adiinUstoa. ...............2S22S
Por urn anno idem. ...... **
Cada nusnaro avulso................. ***
>1 3l) OS #4
jPNM FEIRA 2ft DE FEVIfiDRO DE 1874
PMM DEW
Por tres nazes adiantados. .
Por sen ditos idem .......
Por now ditos idem.......
. Por u anno idem........
B FOB* IM. nmiWI

tovno
1790M
.k
MARIO DE
PROPRIEDADE DE MANOEL FIG^EIROA DE FARIA & FILHOS.
-*-
i Sn. Gerardo Antonio Ahead FiIho*,no Para; Gonfalves 4 Pinto, no Maranhao; Joaquim Jose de OliveiradFilho, no Ceari;
Carlos Amencio Monteiro da Franca, aa Parahvba.; Antonio Jose Gomes, n*Trf |ta Peuha; Be>*xmino dos Santos Bulcao, em Santo Antio
Aflftnio de Lean* Braga, no Aracatj ; Joio M*ria Jnlio Chares, no Assdj Antonio Marques da Silva, no Haul; Jose Juslino
Feraira d'Almeida, em Maaungnfpe ;
Domiagos Jose" da Costa Braga, em Rasareth;
Autonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Jolo Antonio Machneo, no Pilar
>m*f
Aires d C, na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro.
PASTE OFFICIAL
Gevei'uo da provincia.
EXPEME.1TE PODIA 12 DB DEZEUBHO DB 1873.
1'. seccao.
Officios : ,
Ao Exm. brieadeiro commandante das ar-
mas. Sobr'esteja V. Exc. na remessa para, a cor-
le do recrula Joao Antonio dos Santo?, nienciona-
do na relacao que veio annexa ao seu offlcio de
hontem datado, sob n. I,i82
Ao raesmo. Transmitto a V. Exc, para os
lins convenientes, a inclusa guia de soccorrinieuto
do soldado do 9- batalhao de infantaria, Bernardi-
no Antonio Rodrigues, que regressou no vapor Pa-
ra, da provincia do Oeara, tendo vindo da do Pi-
auhy.
Ao director do arsenal de guerra. Trans-
mitto a V. ?., para os Qns couvenientes, o term*
de exame junto por copia, procedido no Rio Gran*
la do Norte no caixoiepara alii retnettido no va-
p Giquid, comtendo livrospara a enfermaria mi-
iiiar daquella proviucia.
2.' seccao.
(KBcios:
Ao Exm. desembargador presidente do tribu-
nal do jury da capital. Tendo sido sorteado pa-
ra trabalhar na sessao do jury out) vai fuOccionar,
o empregado deste secretaria Manoel de Miranda
Castro, cujos services se fazem precisos nesta re-
particao, rogo a V. Exc. se digne dispensal-o.
Ao Dr. chefe de policia. Informs V. S. so-
bre o qne expoz o juiz de direito da comarca de
Limoeiro no offlcio Junto, de 25 do mez lindo, que
devolvera com sua informacao.
__Ao raesmo. Trausroitto a V. S-, por copia,
) aviso do ministerio da fazenda datado de 28 de
novembro ultimo, para que se dd, com toda brevi
Jade, andamento ao processo instaurado pelo cri-
me de tentativa de roubo na alfaidega desta pro-
vincia, afim de ser punido quem for julgado crimi
oso.
Ao commandante superior do Recife. Om
o offlcio do commandants do corpo de policia, n.
>!? de 9 do corrente, nor eopia, retpondo ao de V.
S., n. 741 de 21 da nuvembro proximo pass.\do,
-Vai relacio a um inmico que se quer e
liaada daquelle corpo.
Ao eommaBdante superior de Santo,
Para qne esta presidencia possa resolvi
que reqaer o alferes Agrieio Rodolpho
Lias, a quem allude o offlcio de V.
gaj.ir na
nt Jo. -
sobre e
Aranio
de 9 do
;orrente, preciso e que esae commandol superior
in for me a data em que o mesmo alferej se apre
^entou com a gnia respeetiva.
Ao commandante superior do Bonito. De-
tolvo a V. S. a proposta que veio annexa ao sen
>fflcio de 8 do corrente, afim de que nelle se de-
-lare o estado erenda dos propostos.
3.' $eC{5o.
Acto :
0 presidente da provincia resolve nomear
;obrador da collectoria de Bom Jard-J^) cidadao
I Oegario de Souia Bandeira. ^
(MBcios:
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. pagar, si uao houver inconveoiente, a
lo6 Maria Ferreira da Cunha, a importancia do
l,ret nominal junto em duplicata, tirando os venai-
mentos de 9 pracas do baulhao 22 da guarda na-
tional destacada na villa de Bom Jardim relativo
io mez de novembro ultimo, como solicits o res-
pectivo commandante superior.
Ao mesmo. Autoriso es.-a thesouraria a
pagar a Aujiusto Caors, pela competente verba, a
qoantja de 80S, constante da conta junta, como
solicita o inspector da saude publica em offlcio
datado de 9 do corrente.
Ao mesmo. Pague V. S. a Jose Joaquim
de Santa Anna Guerra, ou ao seu procurador. a
importancia dos prets e relacoes juntas era dupli-
cata dos vencimentos da guarda nacional destaca-
das na villa de S. Bento, relalivos aos mezes de
outubro e novembro ultimos, como solicita o res-
pectivo commandante superior em offlcio de 2 do
corrente.
Ao mesmo. Remetto a V. S. os inclusos
prets em duplicata relalivos aos venciraentos das
pracas da guarda nacional destacadas na villa de
Petrolina durante os mezes de Janeiro e fevereiro
deste anno, para que mande pagar a importancia
a quem se raostrar competentemente autorisado.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
devidos fins, que segundo participou o juiz muni-
cipal e de orphaos do termo de S. Bento, bacharel
Joaquim Elysio de Garvalbo Couto, em offlcio de
10 do corrente por motivo de molestia deixa de
reassnmir o exercicio do dilo cargo.
Ao inspectortda tucsouraria provincial.
Transmitto a Vmc, para os fins convenientes, a
portaria desta presidencia, datada de 4 do corren-
te. por copia.
Ao mesmo. Transmitto a Vmc, para os
devidos tins, a portaria per copia, de abertura de
eredito supplements a verba exercicios findos
art. 3 11 da lei do orcamento em vigor, fi-
cando assim respondido o offlcio dessa thesouraria
datado de 6 do corrente sob n. 356.
. Ao mesmo. A' vista dos certificados que
remetto inclusos, mande Vine, pagar ao contrac-
lante da estrada de Goiaana a Pedras de Pogo as
prestacoes a que tem direito por ter executado os
trabalbos do 2* e 3* laneos daquella estrala, con-
torma a 5 clausula do respectivo contraelo.
4.' seer (to. .
Acto:
0 presidente da provincia, attendendo ao que
reqttereu Anna Bezerra Cavalcante da Silva Costa,
professora publica da cadeira de primeiras lettras
da povoacao de Venda Grande e tendo em vista o
lisposto no 4 do art. 1 da lei n. 1108 de 29 de
maio do corrente anno, resolve designar o* Drs.
Pedro de Athayde Lobo Moscoso e Jose Zacarias
de Carvalho para inspeccionarem a supplicante.
Officios:
Ao Exm. presidente da provincia da Parahy-
ba. Cabe-me passar as maos de V. Exc, por
cosia, urna peticao dirigida a esta presidencia pe-
los cidadaos Igoaeio Teixeira de Mello e Claudino
Jose de Almeida Lisboa, na anal representam con-
tra a falsa interpretacao que os arrematanles do
inaposto sobre gado vaecum e cavallar dessa pro-
vincia, dao a uma disposicaodalei provincial.
E a lei n. 445, que em um dos sens dispfie
qua cobrar-se-ba mil reis sobre cada eabeca de
f ado vaecum, e dous mil reis sobre a de eavallar,
satudos da provincia, embora vindo de outras pa-
ra vends on consumo fora delta.
Os axrematantes desse imposto tem-no cobrado
de modo tal qne os habitantes desta provmeia
atrsvessando essa com o gado qne comprsm na do
t^eara, sao obrigadot a pagar o i,nrn como V.
Exc. vera da docuiacnto junto nor copia.
Meditando sobre essa disposicao de lei provin-
cial, vejo que ella nio pode ser relativa as pes-
soas qne apenas alravessam essa provincia com o
gado coraprado em outra.
Ontra interpretacao nio e cabivel no caso, por-
jue tornara essa lei inconstitucional.
As sssembleas provinciaes s6 legislam quanto
ao imposto de producfio, menos quanto ao de im
portacao e exportacio como expressamente pro-
hibe o acto aadicional e o governo geral tem de
darado em diverwu avisos.
Em vista do acto addicional e dos demais actos
do governo geral, e mais que evidente qne o im-
posto de que falla a lei provincial dessa provincia: eogenhelro cnete aa
deve entender-se com o gado criado on refeito'bUc^s.
ahi, otM nunca dever-ae-ba entender com o que
de wagp.m toea em terras dessa provincia.
Lwando assim esse facto ao conhecimento de V.
Exc. acredito que V. Exc. fara retabelecer-se o
verdadeiro pensamento dos legisladores dessa pro-
vincia
Ao Or. Pedro do Atuayde Lobo Moscoso.
Nesta data designo V. S. e o Dr. Jose Zacharias
de Carvalho para inspeccionarem a professora
publica da cadeira de primeiras lettras da povoa-
cao de Venda Grande. Anna Bezerra Cavalcanti
da Silva Costa, que aclualmente se acha na estra-
da de Lniz do Rego, afim de poder resolver sobre
uma licenra por ella requerida, nos termos da lei
n. 1108, deste anno ; o que Ihe communico para
sen conhecimento e devidos effeilos. Igual ao Dr.
Jose Zacharias de Carvalho.
Ao Dr. inspector da saude publica. Trans-
mitto a V. S., por copia, o aviso do ministerio da
fazenda, datado de 26 de novembro ultimo, acora-
panhado das duas relacoes, em original, dos ob-
jectos destinados a Santa Casa de Misencordia
desta provincia, e as quaes serao devolvidas a esta
presiuoncia para os fins indicados no mesmo
aviso.
A' comraissao nomeada para determmar o
local em que deva ser constnudo o matadouro pu-
blico desta cidade. Sirvam-se Vs. Ss. de exa
minar com toda a brevidade o local do engenho
Pires, que, segundo declara a Illma. camara mu-
nicipal do Recite em offlcio de 26 de novemhro
flodo, sob n. 114, parece offerecer as vantagens
precisas para nelle ser contruido o matadouro
publico.
Portaria :
A' camara municipal da villa de Jaboatao.
Era offlcio de 4 do corrente faz a camara mu-
nicipal da villa de Jaboatao a seguinte communi
cacao de seus actos, pedinde para elles a appro-
vacao desU presidencia : 1 que noineou os em-
pregados indispensaveis a seu servico, arbitrando-
Ihes os ordenados, de que faz raencao no referido
offlcio, para cujos pagameutos pede timbem auto-
risacSo ; 2* que, nao havendo quem quizes.-e
acceitar o lugar de procurador, por serera avaliados
em pouco os rendimentos muuicipaes, e portauto
muito diminuta a retribuicao, resolvera a mesraa
que os fiscaes sirvam interinaraente de procu-
radores nas respectivas freguezias, mediante a
gratiScacio de seis por cento sobre a renda arre-
cadada ; 3* finalmente que, tendo o bario.de
Moreu.sdoado generosainente a mobilia e utensis
necessarios as funccdet da camara, resolveu ella
conlractar o aluguol de uma casa, pertencente ao
tenente Jose Fernandes. Monteiro, pela quantia
de duzentos mil reis annuaes. Em resposta tenbo
a dizer que approve as deliberacfies acima referi-
das e autoriso a camara a later as despezas,
3ae deltas decorrem, ficando reduzido o ordenado
o secretario a quatrocenlos mil r6is e, nrestaodo
ftanca idoaea os prbcuradores, mesmo inierinos.
IS.' KCC&O.
Offlcio :
Ao engenheiro das obras genes, -r Para
satistazer o que em offlcio de 9 do corrente soli-
citon o inspector da thesouraria de fazenda, apre-
seaie Vmc. quanto antes o orcamento dos reparos
de que prtcisam as ponies t Sete de Setembro
e de < Santa Izabel >, afim de que se possa fazer
naquella reparticao a demonstra^ao da insufflcien-
cia de eredito para occorrer as despezas com os
referidos reparos.
Portaria :
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
At suas ordens para que seja conduzido a capi-
tal do Rio Grande do Norte um eneapado vindo da
corte no vapor Ceard, com destino aquella pro-
vincia.
EXPEDIENTS DO SECRETAHIO.
2." seccao.
Officios .
Ao commandante superior do municipio do
Limoeiro. De ordera de S. Exc. o Sr. presidente
da provincia, communico a V. S. que a thesoura-
ria de fazenda acha-se autorisada a pagar a im-
portancia do pret tirando os venciraentos das 9
pracas da guarda nacional destacadas na villa
de Bom Jardim, relalivos ao mez de novembro
ultimo, como solicita V. S. em seu offlcio de 6
do corrente.
Ao commandantJ superior de Caruarii.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
communico a V. S. que nesta data da-se ordem a
thesouraria de fazenda para pagar a Jos6 Joaquim
de Sant'Anna Guerra os voncimentos dos guar-
das nacionaes destacados na villa de S. Bento, re-
lalivos aos mezes de outubro e novembro ultimos,
como solicita V. S. em offlcio de 2 do corrente.
Ao commandante superior dos mnnicipios de
Boa Vista e Ouncury. S. Exc. o Sr. presidente
da provincia manda deslarar a V. S. que, em
resposta ao sen offlcio de 20 de marco, e ao do
commandante do batalhao n. 47, datado de 10
de novembro, expedio se as necessarias ordens
a thesouraria de fazenda para satistazer o paga-
mento dos prets das pracas de guarda nacional,
destacadas em Petrolina durante os mezes de
Janeiro e fevereiro deste anno.
Ao bacharel Joaquim Elysio de Carvalho Couto.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda ac-
cusar o recebimento do offlcio de V. S., de 10 do
corrente, participando que por motivo de molestia
deixa de reassumir o exercicio do eargo de juiz
municipal e de orphaos do termo de S. Bento.
3.' seccao.
Offlcio :
Ao inspector da thesouraria provincial.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
communico a V. S., para os fins couveuientevqae
por portaria desta data loi nomeado cobrador da
colleetoria de Bom Jardim o cidadao Olegario de
Souza Bandeira.
4.' seccao.
Officios :
Ao Dr. inspector da sadde publica. De
ordem de S. Exc o Sr presidente da provincia,
communico a V. S. que expedio-se antorisacao a
thesouraria de fazenda no seniido de ser paga a
Augusto Caors a quantia de oilanta mil reis,
conrorme o offlcio de V. S., de 9 do corrente.
A' Ilima. camara municipal do Recife.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
remetto a Illraa camara mnnicipal do Recife
quatro exemplares da colleccao das leis promul-
gadas pela assemblea provincial em sua sessao
ordinaria deste anno.
A' camara municipal da cidade de Olinda.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia,
rometto a camara municipal da cidade de Olinda
nm exemplar da colleccao das leis promulgadas
pela assenblea provincial era sua sessio ordinaria
deste anno. Ignaes as demais eamaras munici-
paes.
5-. seccao.
Om.-ios :
Ao eiigeuheiro chet'e da reparti^o das obras
publicas. S. Exc. o Sr. presidente da provincia
mauda communicar a V. S. qae nesta data expedio
as necessarias ordens a thesouraria provincial, no
sentido de ser paga ao contractante da estrada de
Goianna e Pedras de Fogo a importancia relativa
aos trabalbos do 2* e 3* laneos da mesma estrada,
na conformidade da 5' clausula do respectivo
contracto e dos certificados qns acompanharam o
ten offlcio, datado de 11 do corrente, sob n. 429.
Bacharel Alfredo Ernesto Vaz de Otiretra.- In- tMK#narado todos esseus meios de ataque e de
deferido, a vista da inforraacao da thesouraria do
fazenda. ,
Companhia dos trilhos urbanos do Recife a
Olinda.Inform* o Sr. engenueiro chefe da repar-
ticao das obras publicas.
Bacharel Francisco Gomes Pinto de Carauos.
Deferido, com offlcio desta data,dingido a thesoa-
raria de fazenda.
Francisco Nerv dos Santos.Indefarido. .
Hypolito da Silva.Passe portaria concedenoo
a licenca pedida do ires mezes para tratar-se.
Hermenagildo EJuardo Rego Monteiro. Infor-
me o Sr. commandante superior da guarda na-
cional do municipal de Olinda.
Irmandade de Sant'Anna, da Madre de Deus.
Informe o Sr. inspector da thesouraria pruvta-
cial. _
Isaias Bernardo de Oliveira. Informe o ar.
Dr. chefe de policia.
Irmandade de Nossa Senhora da Paz, na matnz
dos Afogados. Informe o Sr. Or. engenheiro. che-
fe da reparticao das obras pub icas.
Joao dos Santos Ferreira Barros.De-se.
Joao da Costa Vieira Lima. Informe o Sr. Dr.
chefe de policia.
Joao Leite do Rego Sampaio.Informe oSr, Dr.
chefe de policia.
Joao Carneiro Rodrigues Campello. Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda, ouvindo
o collector.
Joao Carneiro Rodrigues Campello. Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Bacharel Jose Nicolao Monteiro de Carvalho, -
Deferido, com offlcio desta data, dirigido ao Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Joanna Maria Aden. -Indeferido.
Joanna Maria Aden. Informe o Sr. Dr. chefe
de policia
Luiz Augusto Pacheco.Informe o Sr. inspector
da thesooraria de fazenda.
Luiz EusUquio da Conceicao Pessoa. Informe
o Sr. Dr. director geral da instrucgao publica.
Philomena Capilulina da Silva Campos. Infor-
ms o Sr. Dr. director serai da inHruccao publica.
Quirino Pinto Marques. -Informe o Sr. Dr. che-
fe de policia.
Ricardo Pereira da Costa. -Ao Sr. inspector da
thesouraria de fazenda para ioformar.
Rita Fraacisca dos Anjos Chacon. -Entregue-so,
mediante reeibo.
Tiburtino Pinto de Almeida. Como requer.
Virgilio Jose da Motta. -Informe o Sr. inspector
da thesouraria de fazenda.
detss) mas au 'sdo dalles vuluteando sobre os
flaasM do corpo do eurcilo liberal, encontram se
nuVSBS de atiradozes livres, promptjs a desligar se
deBsf a iunlar-se aos seus inimigos, se lhes nio
for eaaseaide o potto especial do seu credi poll-
Ihukmingham, o Sr. Muntz teve de passar. pe-
laaJaijs caudinas dosapostilos do permissive
IHILJBn NoUinghaia, a associacao dos dissideoies
fuefli o sen pronunciament i, declaron como ja
Commando das armas.
QUAKTEL GENERAL DO COMMANDO DAS AilMAS
DE PERHAMBUCO, EM 25 DE TEVEREIRO DE
1874.
Ordem do dia n. 799.
0 brigadeiro commandante das annas laz publi-
co, para conaecimeulu da guarnicao e fins conve-
nientes : em priuaeiro, lugar que a presidencia per
acto de 14 de Janeiro ultimo, e em virtuie deins-
peccao de saude, eoaeedeu ao Sr. alferes ajudaute
do 9.* batalhao de infanteria, L-oeadio Alexandre
da Conceicao, tres mezes de licenca para seu tra-
taraento, nos termos do art. 4." 2.' do decreto n.
3,579 de 3 de Janeiro de 1866, cuja licenca princi-
piou a ser gozada na data de hontem ; em segun-
do lugar, que a mesma presidencia nomeou por
portaria de 23, e autorisacao contida no aviso do
ministerio da marinha de 13, tulo deste mez, o
Sr. tenente reformado de exercito, Manoel Carnei
ro Macbado Freire, para exercer interinamente o
lugar de aponlador do arsenal de marinha desta
provincia.
0 mesmo brigadeiro determina que no dia 2 de
marco proximo vindouro, pela mania, se passe
revista de mostra em seus respeclivos quarteis aos
dous batalhoes de infanteria, ao deposito de re-
crutas e as companhias isoladas, pela ordem se-
guinte :
As 6 horas a companhia de operanos, as 6 l|2
ao 2.* batalhao, as V a companhia de cavallaria, as
7|2 ao 9. batalhao e finalmente as 8 ao deposiio.
(Assignado.) Manoel da Cunha Wanderley
Lins.
Conforme. 0 alferes Josi EUziario dos Santos,
ajudante de ordens interino, encarregado do de-
laine.
DlARlODEPERMiMBU'JO
RECIFE, 26 DE FEVEREIRO DE 1874
Motioias da Europa.
Hontem as 9 horas e meia da mauha fundeou
no lamarao o vapor inglez Nevi, trazendo datas
de Lisboa ate 13 do corrente.
Dosjornaes e cartas de que foi portador e das
trazidas pelo John Elder e Henri IV colbemos o
que segue :
I3CLATERRA.
A vida publica em Inglaterra tem exigencias e
fadigas a que os homens de estado dos outros pai-
zes, raesmo daquelles em que as instituicdes repre-
sentativas sao mais desenvolvidas se resiguariam
com bastante difflculdade. 0 Sr. Gladstone que
ha poncos dias arengava aos seus eleitores de
Greenwick, populapao essencialmente democratica,
ao vento e a chuva n'uma vasta praia, e nestas
circumstancias proaunciara nm excelleote e calo-
roso discurso esmagador para os teryes e para o
seu chefe o Sr. Disraeli; acaba de fazer novo dis-
curso em condicSes analogas dianle de 15 mil ci-
dadaos de Wool Wich ; era que defendeu o go-
verno contra os ataqnes que Ihe teem feito em
consequencia do projecto de abolicao do imposto
sobre as rendas.
As primeiras eleicoes para o n>vo parlamenlo
estao terminadas. Nao mudam de mono algnm a
situacao dos paitidos, visto qne or membros eleitos
faziam parte da antiga camara. Tornam a entrar
era Westminster sob as mesmas cores; mais feli-
zes porem que a maior parte dos seus collegas nao
acharam quem lhes disputasse a confianca dos
seus mandatarios.
No numero dos eleit-^e contam-se os tres repre-
sentantes liberaes de Birmingham os Srs. Bright,
Dixon e Muntz. Este resultado porem nao foi ad
mitlido sera eensessdes, e o Sr. Mnntz teve de se
eomprometter para com partidarios do permissive
bill, e a associacao liberal declarou-se prompta a
empregar todas as snas forcas para que na pri-
meira vaga fosse escolhido nm candidate opera-
rio. Foi com estas promessas que o candidate
conservador e o eampeAo do Trades Union, coo-
sentiram em deixar a praca livre aos sens adver-
sarios.
0 permissive bill e uma das leis mais extrava-
gantes qne cada anno sao snbmettidas ao parla-
mento. 0* partidarios dea medidas pedem sira
plesmenle queae submeiu ao voto dos eleiloresa
questao de saber sa em tal on tal circumscripcao
eleitoral, o commercio dt cerveja e das bebidas
alcoolicas, devera ser on nao regalamentado.
Uma lei desta nalnreza encontrara bastantes dif-
ficuldades em nonpar na camara dos commons e
mesmo quando o Sr. Muntz tiveste prometlido a
sua adbesao, a sua influencia seria impotente para
assegurar o bom exito de uma medida iniq^ua e at-
tentatoria da liberdade do eonsnmidor assim como
dos direito- do commerciante.
o SasfiBi ontro dia em Crewe os delegados de Li-
verpaol, de Londros, de Manchester e de Bradford,
que lodo o bom dissidente se deve abater de. v >-
tar, a nao achar na circumscripcao um candidate
qua erapenhe em volar pelo estabeleciraento em
toda a pane de um conselho de educacao e pela
regaicao absoiuta do art. 23 da lei de Froster.
Na ha duvida que e bello trabalhar por estas
duasreformas ; mas os dissidentes.fleam bastante
adiantados no dia em que, pela sua ahstencao, ti-
veraa ohamado ao poJar um ministerio conserva-
dor,, adversario obstinado dos sens iuuresses, s
cujoprimeiro passo.^sera confiar aos clericaes a
direicao da instruccao publica em Inglaterra.
0 Times publicou e condemoou severameote
unu earta do Sr. Titus Sail em que esta grande
inlutrial, poru-voz dos diasidenles de Bradford,
amuncioQ a determiuaeao da maiorva dos liberaes
deita cidade em recusar seus votes ao ministro.
Aqaelle jornal declara-se indigua Jo de um Ul tra-
tanente infliagido a um dos homens mais bene
mwitos do partido liberal, o qual, desde que esta
uj camara, tem manifestado qualidades de homera
de estado tao notavois, que antes de muito tempo
qmlquar administraoio liberal se julgara muito fe-
H de a si o ligar, dando-lhe uma posi^ao digna
da seus merecimentes.
Estas dissensdes intestinas manitesum-se des-
gDcadamente nas fileiras do partido liberal, no
numento em que elle tem necessidade de toda a
su cohesao.
0 nat esu feito Os dissidentes ja fizeram per-
dr bastantes candidaturas aos liberaes. Veremos
o resultado da luti, que pode muito bom ser a
qieda do gabinete liberal ; e a sua substituicao
p.r am gabinete conservador.
,0 Sr. Gladstone, apezar dos ataques a sua candi-
Atura por Greenwich, da parte de algons dissi-
dmtes unidus aos cunservadores, foi comtudo re-
oeita nor 5,968 votes.
Coaservou por colleg* o Sr. Board, conservador
jamerubro do parlitnento que renoio 6,193 votes,
e iue deveu a sua elcicao especialmente aos laver-
ucros da localidale.
) Sr. Lowe qne uao tinha concurrentes foi re
elf t > pela universidade de Londres.
DINAUARCA.
i opposicao coatra o gabinete dinamarquez ga-
nh; mnito teireno no Folkething. Depiis de mui-
tosdias de debates, a assemblea votou por 57 vo-
tes ^antr 3l, uma mocaode censura contra o mi-
uisutio por ter publicado um.t raissiva pela qual o
rei lepois de sua resposta negativa ao discurso da
represBBtacao nacional, dava aos seus conselheiros
a eesteza de suas sympathias e lhes rogava que
aon'miassera os seus servicos.
Durat-j a discussao o ministerio declarou que
o vot E previsto da ordem do dia nao teria con-
sequenia alguraa pralica
FRANCA.
A .usemblea nacional vuteua conveugio supple
mentr ao tratado de commercio com a Inglater-
ra, nasessaa de 29 de Janeiro. ...
Na *-sao de 30 comeooa a discussao relativa
aos n das tiiancts o Sr. Magne, que insistio sobre a ne-
cessiade'de crear recursos permanentes para fa-
zer fa:e a despezas igualmunte permauentes ; de-
pois etabeleeeu um parallelo entre os uuposlos
propatos pel i commissao, quo elle rejeita. e as
propotas por elle mesmo, que persiste em pedir a
adopao. .
A ssemblea nacional rejeitou o imposto sobre
o rerdiuiento. ,
0 p-esidenle Mac Mahou pronuncwu no aia 4
de feereiro um discurso no tribunal do commer-
cio d. Paris, em que afflrma energicSmente que
duraite os sete annos o seu governo mantera a
orden e o socego legalmente estabelecidos
0 Jornal Official francez, curaecou a publi-
car a deiniss5esds maires republicanos. Eutre
os denittidos figura o Sr. Rameau, matre e depu-
tado de Versaill js, um dos membros mais modera-
dos di esquerda.
Miitos dos seus collegas da mesma opimao, en-
viaranlhe uma manifesticao protestando contra a
medila dirigida contra elle. Recordam Ihe os
bonsservices, o coroportamente energico, animoso
edecicadoque elie teve em exercicio das suas
funews durante a occupacao estrangeira, epoca
era me correu perigos reaes. 0 br. Hameau
devil a estas recordacoes, uma graude populanda-
de en Versailles. A sua demissao nao contnbui-
ra ds certo, a levant ir o presiigio do Sr. de Bro-
glia mas esta consideracao nao levara o ministro
a de,er-se no seu empeuho destruidor.
Oiando se trabalha em nomc da ordem moral,
com. diz o governo francez, todo o zelo e pouco,
e deide ja se annuncia que o gjverno procedera
a danissao de outros maires deputados a assem-
blea que commetlem o crime de nao votarem com
o governo e com a maioria.
- 0 marechal Mac-Mahon, presidente da repu-
blic* franceza, ou antes chefe do poder < xecutivo
da Franca, visitando o tribunal do commercio, res-
Donleu a um discurso do seu presidente o Sr. Da-
Kuii que tinha exprimido suas esperancas de ver
os logocios publicos retomar o seu andamento
nornal ; o general Mac Mahon declarou que ha
via de fazer to Jo o possivel para asseg.irar este
rAfflrmoa energicamente o septenado.proraeiten-
do entregar a Franca as suas iuspiracoes, quando
terrainassem os podares de que esta revestido.
Daqui ate la espera conseguir a pacificaifio dos
espiritos, gra?as a raanuteocio da tranquillidade
a da ordem legalmente estabelecida.
A declaracao emana de um homem leal, cuja
sincendade nio deve ser posta ein duvida. Po-
dera, por6m, elle confirmar o que promette, e as
suas promessas assegurarao a opimao publica
sobreexcitada ? .
Nao e elle ; e o seu ministerio ; e a maioria ,
sao os partidos sobretudo que a dividem, que de-
vera pa:ificar os espiritos para que os negocios
possam renaseer.
Ora, sob este ponto do vista, a raeta esta cada
vez mais afastada. Para o observar, basta con-
siderar na desenvoltnra com que os orgaos legiti-
mistas correspondem as advertencias, que o go-
verno lhes fez ehegar, por via dos seus jornaes.
A assemblea de Versailles, contmuou a discus-
sao sobre os impostos novos. A eraenda do sr.
Clapier, teadente a lancar um imposto sobre os te-
cido. foi combatida pelos Srs. Ponver e Quaruer ;
Accrasceala o mesmo jornal, qne se trata de di- mittidos, que se mantinham era seu poslo, e
rigir ao governo uma interpellacao para saber = flavam audaeiosamente as leis. Dons dos
e verdade que elle tenciona apresentar uma lei
para reprimir os abusos commeltidos, resullantes
da publicagao dos document)s pertencentes ao es-
tado, lei a qne alludto no parlamenlo de Berlim,
o principe de Bismark.
Este incidente e os debates que levanta, sao
pouco agradaveis ao governo italiano ; parece
provayel qua- sa uma inlerpellacao se annunciar
neste sentido, o governo recusara a sna adopcao
como inlempestiva.
0 general La Marmora, respondeu nas co-
lumnas da Opinions, as imputa/pes dirigidas con-
tra elle nelo Sr. de Bismark, do alto da tribuna
da diela prussiana Publica o texto da carta do
Sr. de Usedom, de que o jornal official de Berlim
o accusou de tar falsificado, e accrescenta que
depoz o original de-la carta, assira como o rela
tono do general Govone, entre as maos do ura no-
aria
Estes d)cumentos tem a sua vista o caracter
de particulares, o qua para rauilos e contestavel,
e por isso julgou dever guarda-los.
O general La Marmora apresentou a sua de-
missao, que a camara se recusou a aceitar.
A camara dos deputados adoplou o artigo prin-
cipal do projecto de lei sobre a instrucjao priraa-
ria, aquelle qne prescrevo a obngacao da instruc-
cao-
A discussao foi longa e viva, grande numero
de emendas foram proposUs. A camara rejei-
tou aa todas e adoplou o artigo ligeirameme emen-
dado pala commissao.
Os ultimos telegram nas, porem, annuniiara que
a camara rejeitara o proje;to de lei e que o minis-
tro di instruccao publica o Sr. Scialoja, havia pe-
dido a sua demissao.
A camara vai passar depois a discussao do pro-
jecto de lei sobre a circulacao fiJuciaria ; lei que
e de uma importancia vital para a situacao tiaan-
ceira do reiuo.
- 0 incideuta La Marmora, foi na camara dos
deputados da Italia, objecto de uma inlerpellacao
do Sr. Nicotera.
0 ministro dos nego:ios estrangeiros respondeu
irameditamente.
O governo deroitiio de si toda a responsahilida
de de uma publicacao que nao tinha metes de
impedir, mas que deplora e desappros'a sob o
ponto do vista das relacSes cardialipinas, que exis
tem entre a Italia e a Allemanha.
0 Sr. Visconti Venosta, fez sobresahir a solida-
riedade e oa iateresses commons dos dous paizes,
na lula emprebendida pelo ultramoatanismo, e
eajo verJadeiro motivo, e o odio que este parti-
do tem votado a Italia regenerada.
0 ministro annuncia, que o governo ss propoe
submetler a legislatura um projecto de lei relativo
publicacao nao autorisada de documentos pu-
oespachos da presldbnrja, do dia 24 db fbvereiro
dr 1874
Antonio Vieter de Sa Barreto. Informe o Sr.
reparticao das obras pu-
por Mr. D'ttseilligny. ministro do commercio, e
foi rejeitada por 462 votes contra 145.
ITALIA.
Coutinua a imprensa a occupar-se do incidente
produzido no parlamanlo allemao pelas deolara-
goes do principe de Bismark, a proposito das re-
vellacSes do general La Marmora.
Diz a Nazione, jornal italiano, que o g ineral La
Marmora, nao quereado ficar sob a accusacao
contra elle feitapelo principe de Bismark, vai con-
vida-los, a expor publicamente o que ***%*>"
suas reticencias calculadas, jnlga poder dizer a
Seja poiem como for este exemplo, permitte
comprebendor a situacao do partido liberal nas
eleic5as. 0 Sr. Gladstone e Os seus partidarios nio seu respeito. .mara
esuo cm cams de rosas. Na sua trente tem nm La Marmora levara os debates a camara
inim.gQ declarado, o conservadw, e contra estolpntados, 4e quee mw<>-
blicos.
Depois de algumaa observaqoes trocadas entre
o Sr. Chiaves, antigo collega de La Marmora e o
Sr. Venosta, o incidente foi encerrado.
Foi depois dislo qua d general La Marmora
pedio a sua demissao, qa* the tui recusada pela
0 jornal allemao a Germima, que parece estar
nos segredos da corte de Roma, assegura que o
Cirdeal Antonelli dirigio uma nota circular as
corte*, juuto de quem a Santa Se, tera represen-
tantes, assegurando que a conslituicao ponlificia
publieada pela Gazeta da Colonia. e ap .criplia.
Coofesss, porem. que existe uma bulla sobre este
assumpto que fora redigida cm 1869, e deslinada
a assegurar a liberdade do conclave contra uma
pressao eventual do governo italiano.
Parece, porem, que o cardeal Antonelli laz uma
questao de palavras ; pois a bulla declarada apo
cripba narece que devera ter um sentido analo
go, senio identico a bulla aulhentica. A bulla
\postolico3 sedie numens, nao parece euecliva-
menta ser outra cousa mais que uma nova edi-
cao da bulla primittiva, cxpurgada e apropriada
aos connictos recenles com a Alleinanha, buissa,
etc., e de que so acham vestigios nas recentes al-
lucucoes papaes. ..^
Se a antiga bulla foi communicala as cortes
catholicas, estas nao teem razio alguma para a
cooservarem em segredo.
0 mundo catuolico esta tao interessado como o
collegio cardinalicio, a que a eleicao do novo che-
fe da icreja catholica, seja regular, canontca e con-
forme as instituiQfles que fazem todo o prestigio do
Tendo se a Germania adiaotado de mais no
calor da discussao, accudio o Ossercutore romano,
oreao offlcioso do Vaticano, chamando aquelle jor-
nal a ordem e assegurando que as suas afflrmati-
vas sao completamente falsas.
SUISSA.
0 Jornal de Genebra publica extract as de um
documento curioso : e um appella de catholicos
suisses as potencias signatanas do traUdo de
Vienna para lhes denunciar a violacAo deste tra-
tado pelas autoridades suissas e reclaraar a sua
intervencao. ..
A folha genebreza diz que este documento, im-
press* em Franga, havia sido enviado para a buis-
sa para a!>i colher assigoaturas.
Quanto as potencias de quem se solicita a in-
tervencao em oorae dos tratados de 1813, nao ha
uma so que as tenha escrupulosa e Integra meute
mantido. A tentativa dos ullramontanos e, pois,
tao esteril como insensata.
Na Suissa nao encontrara senao desprezo c in-
'g"aNo conselho nacional houve uma inlerpella-
cao sobre este assumpto : o governo respandeu
que tinha mandado proceder aura inquenio e
que sobre os autores e cumplices deltas machioa
-^es culpaveis, cahiriam os rigores da justtca.
A publicidade dada ao documento que revelava
estas iutrigas, impedio o movimeaw que devia
provocar. A explosao da indignacio publica, foi
tao viva que os ultramonunos suissos ne*itaram
em seguir seus cumplices estrangeiros, autores do
manifesto.
Entretanto se o inquerito for feita com vtgor e
saaacidade, nao e impossivel que se consjga esla-
belecer quaes foram no eslrangeiro os promotores
da demonstragao, e sobre .que bomens elles conia-
varn a bora fira, mesmo na Suissa.
Nao e a pnmeira vez qne os ultramontanos que
nao connecem nacionalidade, e antes de tudo sao
vassallas do Vaticano, denuaciam o^seupaiaao
estrangeiro e invocam uma intervencao estranha
Durante as interpellacSos, foi revellado aue em
1851 o Sr. Wuilleret, presidente do grande con
sdnq deFribourge merabro do conselho nacio-
nal. enviara uma memuria ao iraperador Napo
leaoIH supplicando-lhe que pojesse ao servico
dos catholicos snissos a autondade de que o seu
golpe de estado o havia investido.
Esu memaria reimpressa expressamente para
este fim com o litulo de -A Suissa trahida em 1831
nelos ultramonunos,-foi distnbuida pelo, colle-
oas do Sr. Wuilleret. Este defendeu-se frouxa-
mente, disse que nao tinha redigido aquella. me
moria, senao como advogado.
A camara recusou-se a voter uma ordem do aia
exprimindo o sou despreso pelo procedimento do
Sr. Wuilleret, fla previsao do que este ''eputado
cuja situacao na camara se tornara impossivel, ti-
vesse o pudor de depor o seu mandate.
0 Jura barnez, toco principal das agitacoes
ultramontanas na Suissa Iranceza esta millurmen
te occupado por dous batalhoas de oarabineiros e
desa
cars*
prescs, sao lanabem accusados de pariicipaca
nas desordeos, e sublraccao de objectos da igreju
pertencentes as eommunas. Por medidas de soce-
go publico o governo bernez prohibio a resideaeia
no Jura de todos os padres deraittidos, a exeepSo
daquelles que se reslrrafissem nas snas obriga
goes como eidadaos.
Os conseltos legi.-lativos da Goafederacao
Soissa terminaram a revisao da eonstitQir-se. O*
dous ultunos pootos sobre que ainda se nao tinha
c be gado a um accordo definitivo, entre os dou
coaselhos, foram regulados conforme ao* votes an-
teriores do conselho nacional.
0>artigo sobre a observacao obrigatoria do re-
pouso do domingo, o sobre a pena de inorle, s*>
tambem risead<)s da conslituicao helvetica
0> conselho dos estados na questao da aboLcao
da pena de morte, so tinha voUdo a abolicao das
execuc&es capiues para os crimes nolitieos.
Faltav.i uma ultima questao a decidir, e era se
o povo seria cbamado a volar a revisao por grn-
pos de artigos ou era globo. Foi este ultimo pa-
recer que prevaleceu.
O snffragio universal tera, pois, de proonnciar-
se pela obra complete por sim ou por naj.
HOLLAN9A.
A noticia da tomada de Kraten, boulevard d
sukanado de Atchin, produzio em toda a Hollan-
da, uma grande explosio de alegria.
Em Roterdam e na Haya, provavelmente tan
bem nas outras cidades do reino, o despacbo qu-
annunziava o bom exito das armas neerlandezas
foi por toda a parte afllxado. Uma mnltidao ale-
gre se reunia nas rnas embandciradas com as co-
res nacionaes.
DitT'rentes seeiedades tem dirigido pelo telegra
pho as suas feliciUcoes ao general Van Swieterd.
Nio se segue, porem, qne a lomada de Kraten
termine a campanha. Segundo o telegramma do
consul de Penang. esta pasicio havia sido abando-
nada pelos seus d -fensores, o explica o pequeno
numero de perdas soffridas pelos hoUandezes.
Estes, como 6 de suppor, voltarao todas as soas
forcas contra a capital, e outros refugios onde o>
atchiner.es se poderao retirar.
Se estes iadigeoa* continuarero a defendar-se
com o mesmo vigor, e de receiar que a late nit
termine tao breve.
Despaehos offlciaes recebidos ra_ Haya confir
mam qne a tomada do Kraion nao termiaoa a
guerra, e que e preciso uma victoria decisiva pa-
ra acabar com a resistencia do sultao e dos sens
principaes feudatarios.
Corriam boatos de que o suite j tinha morriao ;
por outro lado, o cholera qne se dizia quasi ox-
tinclo, revive com nova forca sobre as tropas da
expedicao neerlandeza.
ALLF.MA^HA.
A luta eleitoral na Alsacia Loreoa para a aseo
Iba dos deputados que devetn representer aste
pair, no parlamenlo allemao, este vivamente ssa-
penhada.
Os ullramontanos foram os primeiros que aban
donaram q systeraa de uma abstencao systemati
alsaciano t imaram parte na lute. ___
- Escusado e dizer o que pretendem os ultramou-
tanos.
0 partido francez quer sobretudo protester coa-
tra a annexacao, e procura eleger de preferencta
os deputados que n'outro tempo enviara ao parla-
mento de Bordeos ; o partido alsaciano, sem acei-
tar a conqui.-ta como um litulo legal, este mais
disposlo a accommoJarse, comtanto que possa
obter a aulonomia do paiz e uma organisacao li-
beral, analoga aquella de que gozam os outros as
tados do imperio fedcrado.
Os jornaes allcmaes nao pretendem animar a-
reivinlicacoes do partido a alsaciano .
Escrevem de Berlim a Gazeta de Amsbnrgs que
o programraa deste partido nao pode conter sobre
alguma realisacao immediate.
a Ura telegramma de Strasbourg annuncia a
eleicao como deputado ao parlamento allemao oY>
antigo inaire de Strasbourg, o Sr. I.anlh, que so
aceilou o seu mandate para ir proteslar a Ber-
lim contra a annexacao do seu paiz ; tinba por
concurrente o Sr. S'.hneegaus, cujo progrninma
consistia em aceitar a situacao o em tirar delta
o mellior partido para a autonomia e o bem ester
Em Mulhouse o Sr. Haefely, candidate da par
tido francez como o Sr. Lanih, foi igualmente eleiu
por uma grande maioria centra o Sr. Granelius
do partido alsaciano e contra o socialiste at
lemao o Sr. Liebknociit, proposto por alguos ope-
rarios. .
Segundo os ultimos ;elegamma, o numerc
deputados do partido francez, era de doze.
0 projecto de le' scbre a imprensa. que
sido retirado pelo governo allemao, perante a op
posicao quasi universal que tinha encontrado do
parlamenlo, e na opiniao publica, foi cmenaado
pelo censelho federal.
Neste trabalho teve-se cm conta tanto as oosor-
vacoes apresenladas contra o projeda por alguns
governos confederados, como das resolucoes da
commissao do parlamenlo.
Resulta das inforniasdes que en.-^ntran.os ua
imprensa alleau sobre o trabalho de comite fede-
ral de justica que as disposi^des as menos litw-
raes foram reUiadas ou attennadas. mais qu*
ainda fica snfflcientemente para Ihe presagiar nm
mao acolhimento na seio do parlamento.
Neste numero conU-se em pnmeirolugar arres
tacao previa per ordem da policia, medida inc wn-
pativel com o principio de liberdade de imprensa.
O famoso artigo 20, que impunha uma peaa
desmedida a pessoa aue excitasse os ontro* a
desobeliencia as leis, foi emendado no novo pro
jecto de modo que possa servir de arraa contra a*
excttacdes ullramonlanas, mas nao e mttv* pe-
rigoso para as liberdades da nacao.
E permitiido duvidar que o projecto de lei
sobre a imprensa, na sua nova forma, seja apre-
ciado com favor, apezar do artigo que abole ex
pressameate os direites sobre e timbre e annun
cios dos jo. naes. ___,
0 artigo final do projecto diz que a W entrara
em vigor no 1.' de julho proximo ; o governo pa
rece ter pois iutencao de apresentar a sua lei no
decurso da sessao pariamenur qn actaalroeme
A questao dos velhos catho"icos deu lugar a
viva discussao na camara dos deputedo*
de um eredito de lo m
adminutu
tinha
Em caso ds neoessidada o general um desticamento de galas.
tada
esta
senhores. A
posto nao tirar o
eao catholica

dps de- Gracas a este daseafolvimente de forcas as au-_ e
Ivoridada* teem podide prender muitos padres do-
uma
da Prussia, a proposito
dialers pedidos pelo governo para
cao episcopal de Mr Reinkens.
Apezar dos esfore.os da oppowv) !'
este subsidio, fortemente motivado e defendiao pel-
ministro dos cultos, foi votado p* uma rnawria
consideravel. ... ...w, ><&m.
- A lei sob o casamoBtocicd ^'""^iX
pela camara das^ deputed-s "?
aclualmente em .a**"^
maioria da comm-ao unua pw
resistro c-.vil seno a" cans
catholics; mas o prWio geral d* te. foi staa-
^Wrtm^r Sincipaes artigos da le, fora,
Tu^qn^^C^0" camara**.-
uhores par uma grande maioria. fc,
_ o ^rcebispe Ledchow.-ki oe Pasm W
mente proso no dii 3 da fevereiro e eo prisao de Francfort sobre o Oder .^^^
A soeee^io aothrooo do ducate de f .
e de novo o assn.upto das discuwoes a
i-J
I
I
1
"V
l
Zj


-~r*-
s
M*
JJU
StMBMXt Ptonambuco
M
i

Oe estados 4o ducado VnhraM
f encia, RiftMflso da. ami vagaiara do Ihcono.
ate iiiMiifrjigiM'lifl'H'i"" 4 siicccs/So leg.tima.
Esta regerfl^ESeutualmente defer iJa ao grau-
duiuo d'OfflHpo sob a eondifio de ser appro-'
it a Gasetn de Magekbourg quo n governo de
Brunswick linha rajfldado sondar a opiniao do
imperador Gnilheroae sobre esle assumpto. A
resposia deste subr*no (oi negatha ; esle negocio
sendo da compe*Mcia do poder leghHiivo do
taiperio, 6 esieciiitBente da-aeflselho MaVral.
Julga-se qde tambem levaoUra quesWes de di-
reito sobre que 08. tribunal* serao charaados ;
fwonunciar-sa.
0 casaP-.ento civil t as suas couseqirencia
legaes, a gaarda do* livres de registro do cstado
civil pjr fancciunarios publicos, actun ad versa-
j-ios no paiz mais demeeratico da AUemauha ; o
Wurtemlrerg,
lnterpellado na cartara dos deputsdos sobre as
sntenc&es do governs, o ministro des cultos res-
pondea que o gowrno, antes de se pronunciar,
devia-esperar o resultado da legisla^ao prussiana
' coBheeer a este respeito as opisioes do poder
central.
w Alem disso, ajuntou o mintage, a introduce*!
do casamento evil no Wurtemberg uecessitaria de
'oma reforma gcral das condicdes legaes do di
reito civil e do processo em mwcria civil, reformat
cuja necessidade nao d ainrte urgente.
Como lodos sabem, o Wurtemherg e um estado
esseucialOKntc prutesttDte ; eo clero prot-slaote
c. en* geral hostil a toda a reforma que ra flirai-
auir o ser. prestigio, o os seus rendimentos.
Ai:~rW'BM'f,HII.
T, a criso ministerial na Hungria qne ha Unto
tempo -Testavb no es*do latente, Teberrtoumo dia
M de Janeiro na dteta tie Pesth, por oocasiio da
discassio de um projects de lei sobre camraho de
ferro de Oeste. 0 Sr. Szlavy tinha feito ca adop-
-cao do projecto questao ministerial. A maioria
esta hesitante, eje.se oncupa de comfcinacoes
para a furmacao de am novo gabmete.
Julga-se quo o banio do Wenkheim, ministro
da-Hungria junto do imperador e rei/ssta encar-
rerado, na evestoftlidade da sahidado Sr. Szlavy
e seus collegas de tormar um minis:erio de coa-
nsao.
SF.BVIA.
A kuptchiaa crvia votou cred+it; pedilopelo
-governo do prM;ipe Milan para o cstabelecimcn-
1 !o de uni.-i a^encia diplomatica da Servia em
Vienna. Kste voto ao mesmo lenpo que < uma
prova de cdrtlan^a para o luintttcrio, corta o di-
reito tao cwitestado pela Porta, dys e-tados tribu-
larios coniiat.in o cuidad) doc sens interesses
e das suas felagoes com as petn:ias visinhas a,
agentes aoreaitados.
Teria
i*fra
trajar 4e Vto nyi Iq, Quaup -ao regWWMI lp *4k
e a tiypte-j M^uira curadu quj ?e|a o "laLtu
cicatrt*ida' fenda.'e as efirtes dXprGssad da von
tade Rational que tal caidado jtrtvnct. -
rORTlT.M.
- Em 13 escreve nosso correspondente de
Lwboa : _____
< Nada occorreu. de hootem para ca no muadq
politico. I
Uma das primoicas casas riaaneeirss de Pa-
ris, b Compto-n d'esumpte acsba do ollereuer
125,000:000 de francos, on 5 ralihfes sterli-
uea (82:500 conlos de re fortes) ao governo de
Portugal a 8 1(2 0(0 incluiado juro amoriisacao.
Se o governo aceitar esta somma, nm> Hie faltara em
iue applicala, poii teni que despcader do prompto
importantes quantias para as quaes esta autori-
.sado por diversas cartas de let, e nao e coove-
nienle de modo algum qoe aevamente recorr* aos
bancos r,a:ionaes. JL|nflieira cousa qua.tem de
attendee e a seguida emteao de obriga^ao para
a cjustruccao dos camiahss de ferro dj Ooure
Vlinhe, ,0- eontos aproxiinadamente.
t Ha sete annos t.Uvez que esta o governs an-
torisado por uma lei a levantar as somias ne-
ocssarias para a coestruccao de uma estrada de
nbrigo no porto da orta (Faygal-Aeores) crean-
dose eutao divorsos impostos especijes para o
jaro e amortisaclo daquelle einpresliina quo ate
hoje nao realisou. 0 imposto ja tern produzido
perto de 100 centoi de reis forfei-e ais eresce
ria se outros impostos que por lei sao destinados
aquelle Jim, e tivessem arrrcadado.
i 0 governo esta autonsado a levantar 2C0
con us e depots, o mais que for preciso, para a
continuaiio das obras.
t Outra applicacao opportBBa para uma parte
dos 125 mHhdes de francos, n?oria o acabamento
da nnssa r?ie deestradas ordinarias, qne andara
por 5 a % mil contos, pagan So se pelo orcamenlo
uns 430 a 500 contos annuaes, juro e amoriisacao.
Ora, a verba destinada ao orgamenta de despeza,
e: cada exCrcicio nao excede a 709 coflt-s
para cstradas ordinarias; assim uns lt;0 contos
seriam para conservacao e rdpara^es das que
estao onslruidas e por aquelte modo cooeluiriai-
se em i ou 5 annos as que ainda faltam, confor-
me os bra cos que o governo podesse dtstrafcir
dos jrabalhos agricolas, sem causar desequi'.ibrio
  • po -houvessem de resentir-sc.
    Outra verba, pr oxemplo, e para a ceBstruc-
    Cao das ddcas e caes da alfandega de Usbtia,
    para o qual o gorerno pedio a camara do3 de-
    pulados uma autorisacao ale 300 conto3 de r6is.
    A cadeia penitenciina que ja traz uns0 ope-
    rarios nas obras de terraplanagem e caboueos,
    de r6is, e esta legislada
    feint 26 de Fevereiro de 1874. M MMM X MfJ
    mam
    ............
    BUT I4>
    aqni
    a
    e
    e Wrikens do )tatt, donuUdO gci
    #%,'W*M*fo prestar deeidid) apcl
    Wjietcijntwrj!, mortra-se aqni no
    rqSuc&j"'^Muencias quo forma o
    'JtiA aMtiflMM-) d- n ivos disnon-lios pSrtir^Sf-"
    las emprexas em que esti compromeltfda a pro
    vincia e outro a-sumpio imporUnte e quo talvei
    seja ntioiivo a distanciar o actual presralHHn
    preteicoed^^nsseniblea ; porque fforao stte, a
    ecnnowiaJHPlmbcirospriblwos' tctti* Adogpftstes
    ultimas imSS* o p.)uto objectfvo do golerno cen-
    tral. 3
    1 FetflBle, omo Uip disse, 'vamos prtr
    ra plenpvz con-jeguiniemente reaping
    provincU ern loios os ramos Ja sua gran
    pTosperidade.
    k O cotbmercio, apezir das n jtictas de atguns
    mercados eslrangeiros nao serem favoraweU aos
    pre^os dos generos do paiz, prosegue em suas
    transacroes coot calraa e conlianpa, e e de espe-
    rar quo o presente anno qttando Menos, Uo seja
    em nada inferior ab que acaba de terminal".
    Nao obstante as noticias ultimamente- vindas
    de accordo entre^a Santa Sii_ o governo imperial, I
    sobro a questao magaico:religipS'i ten#ute-ao'
    proceder do episcopado brasileiro, um aqui de-
    caliido de maxima importancfa. 0 bispo t>. Auto-
    mo, contintia na propaganda e defeza. dos seus
    actos, a imprensa da provincia que em gteral Ihe
    e opposta, ;mnmenta as suas predicas e con fere n
    B*B>, assim como os sens escriptos na flw JVopi,
    de maneira que assim v.'.o indo as cousas sem
    maior interesse do publrco.
    Q undo as questoes religiosas chegam ao
    ponto a que cbegou a doBrasil, n*o sei'%e sera
    um tiem ou um mal' o indifferentismo cern que
    sao encaradas pelo povo 1..
    0 orgao Olljcial (Jornal do Pttrd) os. 30, 31,
    33, 3i e 36 traz o'reratorto do ex presidente Dr.
    Oamingos Joe da Gunha Junior, por efle se ve,
    nan obstante o estado das finanjas nao ser pros-
    (ero,'que a presincia'progride emtodos os ramos
    da vida publiea, Ainda nao Ihe posso transmittir
    a falla com que o actual presidente abrlo a as-
    sembfea provjflcial, como aci-ni djgo, poTqa*J os
    jornaes ainda della nao deram eonhecimento an
    publico, a nao ser o Liberal qne,' segnndo ne
    consta, feiru.pequeno transnmpto.
    l)a*n*s em segaida a estatistlea do movlmento
    da navegtcab e dos passageiros neste parte de
    Beldm 'daV3nte q anno tinio :
    fintrados
    Vapnres naci'tnaes
    estrange'iros
    Navrbs a vela naeionaes
    > cst angefros
    , I demanda uns 90" contos
    a Puna renuneiada a *aa opposicao* Pa- jdesde 1872 ou 1873 a autorisacao precisa pai'a o
    rece qne sim ; se verdade, como dizem as corres-1 governo levantar esta somma. 'Falta a oenStrac-
    pondencia^de Belgradoc de Gonstantinopla que'.^o do palacio de justica (603 contos ta!vez)que
    o principe Milan deve fazerproximamente uma l^a sessao parlamentar de 1873 (Icon pendente
    visila ao-eultao, depois de lerem sido regulados,|ja approvacao da camaia
    a contentameuto da Servia its (|uestoes tnrco-ser-'
    vias, rele'.ivas a restitui^ao da cidalc de Z'-luroick,
    e a juut'vio dos caraiuuos'tie ferro do principado
    dos pares, depois de
    com a r-Je ottoniana.
    E' da presumir que a iiplomaria austro-hun-
    gara u Msnuna.
    Sobre este paiz esortve nosso corresponder.-
    denteV.3 Liabda :
    '0!!eneral Moriones pedio posiiivamente a
    sea demissai ao gowrno por dous motives prin-
    eipaes, que 0 general Primo de Kivera foi eccar-
    rcgadu de expor ao governo. 0 primeirofoi a
    queslao dos elUciaes de Cartagena. 0 exefetto niio
    qier por preeo algsin receber nas suas flltHras
    iiomens que violarani'Mdas as leis da disotplina.
    Mas do que nunca, etP.ciaes e soldadosse mostram
    ti islis aos intrausigeute*. Em face dos curlislas
    lag aumerosos o ecer'.ito comj>reheade diseiplina o podesalvar; e generaeeceBaoMldal-
    go, Socias, Nouvilas, e oHiciaes como os de Car-
    tagena teriain bem depressa iev.ido a< ileiras
    bespanholas, a confusij e a iudiscipiiuc -|uo a
    amianilam.
    0 exercilo bespanbol, depois do f;)lpe- &3 considera se comj senior e respoosavel pela
    ordem publiea, e politica. EsUs ideas <5e predo
    minancia militar. irritaia as nossas n:)ces de di-
    reito publico e de parlamentartsmo, mas duve-se
    attender a posicao especial em que se aeha-a Hes-
    panha, devido i. -^uerra civil, e aos excesses prati-
    ados pelos cantgcalistas. E' preciso confessar que
    toda a honestiiade e boas iiiteafdes do Sr. Emilio
    Casteilar e da direita das cortes se qu.ebravam
    contra a teimosla dos ultra radieaes.
    0 gahineiediespanhol esta em crise/por causa
    da qnestiio de n meacao dos gavernadores civis.
    Tiu?m mmoM*t&nsma.t&& %sg$8?is
    gabinete que quebroa suas refaedes com os affon-
    -istas, faz uma evolucao para os repubheanos, e
    parcce estar disposto a abrir seas portas aos repu-
    blicanos federses. Este passolevaria os conslitu-
    cionaes a afaetar-se do governe, e em ligarem-se
    aos affonsistas.
    O segor.do molivo apr-esentado pelo general
    Moriones para a detnissao pedida, e a insufEciencia
    dasforcas a sea disposicao. Imh.i abaslecido Vic-
    toria para al^uma semanas, assim como Pampe
    lunia, c depois tinha reunido uas forcas de perto
    de 14 mil se&adoe entre Miranda e Logrcco. Ti-
    nha o Ebro eni guard^r, ltilbiio que desblequciar
    quatro proeineias sublevadas areconquistar con-
    tra mais de 3*. mil carlistas commandodos .por ge-
    ncraes come Elio, Dorregaray, -OIJo^JiizarMga.
    A offeiisiva tornavase uma temeridade, e e.o
    mecava at neamo a reeeiar que os seas inimigos
    nao (omisseir a offeosiva; p*rt;ue Olio ostava em
    Pena Cerrada com oito mil homeni, e C Carlos
    nos coniins da Biscaya com 14 mil, e a artllheria
    nao Ibes faltc.
    0 marechal Serrano, presidente Jo poder cxe-
    ;utivo, recase.i a demissiy a Moriones nos termos
    mais lisongeiros, e promelteu Ihe tolas as forcas
    de quo podesss di-por, tiraud i as do centro ede
    Madrid, de ir.odo que o exercilo se eleve a.U mil
    homens.
    ilorienes desdobrou sobre 4:iranda, marohan-
    do a gnard.i avancada para Logrono, e eOectiva-
    mente j.i eomejon a receber refireos da capital;
    vai porem tn;5ur operaj-es co:nb*inadas com as
    forgas de marinha. Teodo os eaalistas qucgnar-
    dar desde Alsama ate Balsameda nove ou dez pas-
    sagens, nao pedem esperar achar-sc em tjda a
    carte, apezar da sua vigiiancia, e nao seria de
    admirar qae Moriones repetisse tuna marcha no
    genero daquella que sal von lolosa.
    A costa vai ser aetivatnente vigiada por Mo-
    riones que e toasco, e tem respei.aveis recursos a
    . 'ir. disposicao.
    Era Madrid a crise ministerial apresenta-se
    cada vez mais deflnida; talla-se na entrada doc
    - Srs. Maisoinnave o Carvajal.
    Falla se tambeui jia substituicao do genera!
    124
    63
    9
    *5
    approvacao
    passar na casa electiva. Emfim, em que se
    gastem os 12-5 milhoes de francos Bio faftara,
    constaado que o governo o* obtenha em condi-
    i.oes f.ivoraveis, o que nao admirara se attender-
    uios a que a taxa do de>conto no 8iaco da Ingla-
    terra contintia a 3 0|0 e a que os aossos fundos
    passam de 43 ().s cxternos) e andam perto de AS
    os internos.
    Amanha (ou hoje mesmo aida)sjera apresen-
    tado a camara das deputados o projecto do go-
    verno para a construccio dos carainhos de ferro
    da Beira atta e da Beira baixa.
    Capitaes que queira obter a concessao n.ao
    faltam e ja nis vao batendo a (porta.
    t Vai sentiudo allivios notaveis o Sr. Joaqnim
    AutoBio de Aguiar, (ministro que foi de D. Pedro
    IV), Chegou da Belgica e parte"para o Rio de
    Janeiro o Sr. Gasparoni, representante da casa
    Fob, de Bruxellas, inventores da nova polvora
    inoxplosiva.
    0 preeo da fame em Lisboa e excessivo :
    320 reis por c.ida fkilogramma. A" excepjio do
    tempo da invasio franceza no pnncipio deste se-
    culo, nunca esteve aqui tao cara. Como nao lia
    de haver Untas molestias provenientes da in-nf-
    licieucia da alimentacao er.tre as classes menus
    favorecidas I
    Nas provincias tambem os precos dos generos
    de primeira uecessidade torn subido considera-
    vclmente.
    t Os ultiraos telegrammas aqui recebidos di
    zem :
    a Londres, 11 de fevereiro as 6 h. da tarde =
    Disraeli julga que a parte excedente das reeeitas
    deve ser impugnada para soccorrer os esfomeados
    de Bengala.a
    >( Paris, 11.A eommissao coosn'tucional adop-
    Madrid, 12 as 9 li. e l[2 da manha.No-
    meajao de dous marechaes de campo e de 14
    brigadeiros; decreto dissolvendo a cammissio en
    carregada de redigir o codigo penal para o ultra-
    mar, e nomeando outra, enuarregada de fazer no
    codigo penal da peninsula as reformas necessarias
    para a sua applicacao a Cuba e Porto Rico. A
    guerrilha de Pujol foi batida na Catalunha >
    Total
    Sahid03
    Vapores naeioBaes
    i) estrangeiros
    Navios a vela naiionaes
    - estrangeiros
    Total
    Pa^sageiros entrades
    Nionaes
    Estrangeiros
    Total
    Safeid-w
    .>acionaes
    Estrangeiros
    242
    12
    W
    6
    106
    ~W8
    *270
    1961
    3871
    2083
    !4?9
    IVoticins do uorte do imperio.
    Amanheceu Uontem em nosso porto o vapor
    brasileiro Cruzeiro do ShI, trazendo datas: do
    AmazonasO, do Para 17, do Maranhao 19, do Cea
    ra 22, do Rio Grande 23 e da Parahyba 24 do
    corrente.
    Eis o que eolhemos de jornaes e cartas :
    AMAZ.K
    No dia l de fevereiro licou concluida a igreja
    matrix da fregueeia d'Alvellos, feita com o pro
    ducto das eimolas dos fleis. As 10 boras da ma-
    nha abrio-se o novo teraplo para a festa com que
    foi celebrada a sua ioauguracao.
    No dia 4 terminou os seus trabalhos a junta
    de qualitieacao e revisao de vntanles da parochia
    da capital, lendo quahlicado 1,280 cidadaos.
    Pela presidencia da provincia foi designado
    para commandar o 3 batalhao de artUheria a pe
    o major .Silverio Jose Nery, por ter dado parte de
    doente o res-pectivo comm.indacte, tenente-coronel
    Joao Evangelista Nery da Fonceca, e achar-se os
    outros ofBciaes respondendo a tonselbo de guerra.
    A presidencia da provincia expedio era 31
    de dezembro um regulamento reformando a ins-
    trucc5o publiea da provincia. Ficara assim ele
    vados os vencimentes dos funccimarios.
    Total 3bHi
    Lemos no Diario do Gruo Para :
    Concluio se hantem (10) a eleicSode etelbres,
    a que se proceleu na tr5guezia da Trindade. Ven-
    cea o parrtdo liberal, senlo eieitore
    Roberto 11. Sobfirriu
    Dr. Caetano Jose de Sonza
    Isidoro Raymnndo da Costa
    Hilario Honorato da Cnnha Minin'ia
    Salustiano Hdiedoro da Silva
    Jose Joaquim de Sa
    Adao Floreacio Uognsira
    Egidio Jose Montc'rro
    Dr. Joao Maria de Morses Junior
    Miguel Pereira do Valle
    103 .'otos
    102
    102
    102
    102
    102
    101
    101
    101
    99
    0 partffo eonservador uio plelteon a eUeao ;
    apezar disso, o nosso amigo tenente-corrfne'Jose
    Manuel Rodrigues, obteve,3S votos e bem assim
    miiitos outros cidadaos do nosso lado
    a 0 partido liberal fez eleitores e supplenfts, fi-
    gurando errtre estes algans individuos expnliO? do
    partido coaservador. t
    r Esta a polieia de posse #M elemeotosneees
    sarios para descobrh* o roubo de joias perfetrado
    em a noite de 16 para 17 de outnbro do anno
    passado na casa de joias do- Srs. Levy Frere*, a
    rua dos Mercadores.
    Esta preso o relnjueiro francez Timofeon ?ais
    sac, e as cireumstaacias que preeederan a sua
    prisao tiram toda a duvida acerca da aitoria do
    crimo. Alguus dos objectos roubados stIo em
    poder da polieia e parti > uma diligeacia policial
    para ir ao Interior buscar as joias no Ugar por
    Saissac Jjtdicado conlidentemente a um imigo, a
    qnem promettera dar metade do roubo.
    Como acima dissemos. o ronbo foi feito em
    16 para 17 de outubra. No dia 24 o Sr. lelegadu
    de polieia procedeu a uma busca em casa le Sais
    sac e nem nm vestigio do crime encontroi. Sais-
    sic partio em 7 de novembro para Vizeu f come-
    Cou a vender ahi tantas joias que despertm sus-
    peitas e foi preso. Cbegou aqui em 23 denovem
    bro e esteve vinte e tanlos dias preso, seno solto
    por ter-ltae sido concedida uma or Jem de h'ibeas-
    corpus. No entanto iam-se aggloraerando as pro
    vas e era I" do corrente voltou de novo a prisSo,
    mas qeando seu crime ja esta tao provido que
    nao ha vacillar o espirito dos jnizes.
    Temos pormenores deste acontecimerto que
    revelam a perversidade do espirito de Saissac.
    Desconflado qne a polieia iria varejx-lhe
    Director 3:000i000
    Secretario l:6O0j5O0i)
    Processor do lyceu 1:600JOOO
    Professor do ensino primario nas ci-
    dades 1:600*000
    Idem nas vilas 1:200*000
    Idem nas freguezias e cidades 90')*000
    Porteiro 900*000
    Por portaria da presidencia ik 26 de Janeiro
    foi noraeido promotor publico da coraarca de Pa-
    Moriones pel > geaeral Pavia, confiacdo a Moriones rentins o cidadae Joao Baplista Goncalves di
    a pasta da guerra ; nao pai esta srdncao an.ee da decisao da costa de Bilbao,
    pois se e qner saWar esla pra^a nao se podem scf
    trer demoras algjinas.
    0 Memorial Liplomatico diz que recabeu de
    -diversas capitaes da Europa correspondencias as-
    segurando que as grandes potencias nao jujgam
    opportono, reconheear offlcalmento por ora o go-
    verno de-Serrano, cm consequeacia das ultimas
    vantagens ottidas pelos carlistas, e pela fraqneza
    relativa daslropas eoviadas de Madrid contra elles.
    0 govern-3 do general Serrano accenttia todos
    os dias a sua politica de repressao.
    A imprensa da opposigao e tratiida ecus seve-
    .jidade. As suspensOes de jornaes tornam-se cada
    dia mais numarosas. As prisSes eontinuam em
    Madrid e nas provincias; dentro em pouco todos
    os membro3 do partido cantonal terao emigrado
    iara o estrangeiro ou estarao nas prisoes doesta-
    do. Os tres eircuks affoosistas de Madrid foram
    icchados por ordeia da autoridade Suppoe-se
    .aae igual medida se vai tomar relativamente a to-
    aos os cenlros politiccs, sera distinccJo de cAret
    0 governo pretende assegurar a ordem mate
    rial, a paz, a traaquillidade, o trabalho e o credrto,
    -iazeodo com que iodos os partidos da oppoeicao se
    resigaem, a bem, ou a tnal, a abdicar por um cer-
    Jo tempo; e considera iito como nraa neceseidade
    de salvacSo publiea, e por isso o duque da Torre
    .esta determinado a usar para este dm patnotieo,
    dos poderes diclatoriaes, de qae foi investido.
    0 memorandum do Sr. Sagasta, foi approvado
    nnanimemente no conselho de ministras; este do
    enmento aflirraa clarameute a politica de repara-
    Em consequencia da attitude do duque da
    Torre, e do convencimenlo a que ievou os minis-
    tros, que se oppunham a politica meetada p-lo
    chefe do poder executivo, cbegou se a am aceorde
    para a nomeacSo do'novo p^ssoal administralivo.
    a 0 memorandum que ja foi dirigido as poteu-
    cias estrangeiras, e como dissenfos obra do Sr. Sa-
    gasta ; este docuraehto importinte accentua clara-
    menteos prinoipios couservadorcs que inspiram o
    poder actual e da uma i Ida cxaeta da personali
    dade do ministro de estado a qoem esta reserv.ido
    oapel iatBortaate nos acontecimentos que se pre-
    jjiram'eai Hespanha. 0 poder actual considera-se
    Rocha.
    No districto de Alvaraes, termo de Teffe, foi
    era 11 de dezembro ferido gravemenle o portuguez
    Domingos Ferreira Guimaraes por nm Jose No-
    .goeira. Fez-se cjrpo de delicto, esta preso oof-
    fecsor e o processo em andamento.
    Na fregueaa de Aivellos, coraarca de Soli-
    m5es, foi barbaramente assassinado, por, um indio,
    charaado Manoel Antonio, com sete ^acadas no
    rosto e uma grande brecha na cabeca o guarda
    national JustoJoee da Silva, que onze dias depois
    de receber os ferimentos, fallecea.
    0 assassino eommetteu o crime armado de um
    pao e de uma faca e foi imrtediatamente preso.
    A aatcridade competente prosegue no proeesso.
    Awecadou a recebedoria provincial durante
    o Eiez de Janeiro uhimj 1o:o4iS775 seado.:
    Para a provincia 12:969*57$
    Para a companhia fluvial 3:071#;i9B
    PARA.
    Em 17 escreve nosso correepondente da ca-
    pital :
    i Conlinuamos aqui na mais perfeita paz e se-
    guranfa, tanto assim que, estamos na epoea ani
    madora e folgasi do carnawl !
    < No dia 15 do corrente te\o lugar a instailarao
    da 19* sessao da assemblea provinci.il: a 1 hora
    da tarde S. Exc. o presidente Dr. fedro Vicente
    de Azevelo, deu entrada, com as formalidadea do
    estylo, no recinto da assemblea.
    a Lido o relatorio na maior parte, o do Dr. Do-
    mingos Jose da Cuoha Junior, io deixar a presi-
    deneia, S. Exc. retirou se com a! mesmas forma-
    lidades, estando assim a cargo dos navos deputa 1
    dos os des'inos da provincia do Par.i.
    Nao sei se havera plunu accordo entre a as-
    semblea e o presidente dw provincia. Peh que
    parce, a presidencia, eomo a preeedeute, leva ra-
    mo opposto a sitnacAo politica. e apirae5es das
    actuaes influeneias da provincjr..
    Alguns aetos e nnmeaedes -fcias durante os
    quinze dial da administracao do vice-presidente
    Dr. Suilherme Francisco Crur. ten sido aanulla-
    do? nn derrcgados.
    Por ultimo a noineaeao do comraendador Joao
    Wilkeus de Mattos, para s^vvir iuterioameote de
    director da instrupcao puMica, e bastante signifi-
    cativa.
    casa, foi -em a noite de 21 do corrente raterrar
    os objectos roubados nas mattas que tiam nas
    ccrcanias dogazomelro. Depois desenterrm-os e
    levou-os para o interior. Quando a pbHcialhe en-
    trou em casa, derreteu-se em lagrimas e rtpresen-
    tou lao funda desolaca que commoveu a? pes-
    soas prcsentes.
    < Fiz tao bem a pantomima que quaii os Qz
    chorar dizia elle depois narrando a an ami-
    go as peripecias desta scena.
    Saissac tomara-se ha pouco tempo de araizade
    com um seu compatrlotaHenrique Beigese
    quando suppoz que tinha tanta rafluencu sobre
    elle que podia contar com o segredo sobra tudo
    que Ihe revelasse, reform o que ahi deixanos es-
    cripto e convidou Berges para Ir vender-Ire o re-
    logio, cujo producto seria empregado na kompra
    de ama canda para irem ao lugar onde elavam
    entemdas as joias e seguir depois para Cayenna,
    fruindo de sociedade os proventos de sen crime!
    Se aao arranjassera a canoa deveria fart;r uma
    que Saissac escolhera na doca do Reductoe que
    mestrara mesmo a Berges.
    Berges que parece homera hoarado, deu de
    tndo isto conhecimenlq a autoridade e partio a
    diligencia policial para o' lugar em que e'la en-
    terrado o roabo. No entanto tem vindo do distric-
    to de Tury-assu varias joias compradas a Siissac,
    eque elle nao negatel-asvendido Estas joiasforam.
    reconhecidas pelos Srs. Levy Freres como mas e
    os numeros o algarismos que tem nas etiquettes
    conferem com numeros e algansmos das fasturas
    dos Srs. Jacques 4 Alfredo Levy, queimportaram-.
    n'as da Europa, com os d >s livros dds raesmes' Srs
    Levy Freres & C, a quem foram forneeidas.
    20:000;000.
    MIRANHAO.
    No dia 9 prestou juramento e tomoa posse
    do lugar de secretario do governo o bacharel Aris-
    tides Augusto Cofilho de. Souza.
    Na aoite de 7, um Sr. Rest.na raptou daa9 rae-
    ninas, de nomes Isabel e Martinha, 6 as ia condu-
    zindo para a villa do Rosario, o qae foi obstado
    pela polieia qae, por queixa da rnai das raptadas,
    foi lira-las do purao Je um barco que seguu para
    aquella villa.
    No dia 24 de Janeiro evadio-se da cad pecurd-aierira o rjaiinoso Damiao de JesusDias
    Carneiro, que foi capturado no dia 27.
    Por ter o carcereiru Jose Feliciano Bezer:a cen-
    dado a9 chavei a oatrem, qbando se den o facto,
    eiandou o presidente da provincia que o respecti-
    ve promotor proeedesse. contra aquelle fuocciona-
    rio como fosse, de dirfito.
    Foram eleitos para o Baoco Cumaercia!:
    Presidente.
    Joaquim Marques fiodrigues.
    1 secretario.
    Jose Joaquim de Castro.
    2' seeretario.
    Alexandre da Veiga Lima
    Gummissao Oscal.
    Domingos ones Pereira.
    Joao Marques da Silva.
    Joao Rodrigues Saraiva.
    Director.
    Jeronyrao Jose Tavares Sobrinho.
    Supplentes.
    Janaario Pereira Guimaraes.
    Jose da Cunha Santos Junior.
    io Jase de Almeida Innior.lTflO^ #
    inuel Fernandes. ObAM
    Mtmt
    tiscu Lopes de .-'ouza.
    \ivares di Silva,
    rao dia 23 de, novembro (nssMfo I )i preso em
    Sfrante dflfito Kstevau Pereira MSilva, que des-
    lecbara um tiro de espingarda em Galdino do tal,
    que ucougravemente ferido.
    Najjjragou na ponte de 8. Joio a igarit6 Bel-
    la iowj, vinda de Cajabio, perdendose todo o ear-
    regameiltoB salvando-se entretanto a tripolaoao.
    Pelp juiz de direito da primeira vara crime
    foi no dia-'ll do corrente pronunciade como incur-
    o no art. 1J9 8 do codigo criminal;por ter sub-
    trahido das' cufres da thesoararia a quantia de
    4:000*OOB; o ex-chefa da mesma thesouraria Ma-
    noel Fratrofeco de Azevedo.
    Na'pifmeira quinzeua deste mez sepultaram-
    se no eemiterio da Miserkordia 65 cadaveres.
    Falleceram : no Icatii, com 60 annos, o ca-
    ^pitao Ovidio Goncalves do Valle; na Victoria, B.
    Manoela Bogea, fillia do coronel Manoel Lourenpc
    Bogea; e em Alcantara, o doutor em medicina
    Felippe Franco de Sa.
    De 1 a IS deste mez renderam :
    Alfandega 79:398*069
    Thesouro provin-
    cial 20:479*029
    -- Foi nomeado promotor publico da capital o
    bacharel Celso de Magalhaee.
    PtAUIIY.
    Sobre o espancaraento do jaiz de direito, de
    que demos noticia, transcrevendo parte de um ar-
    tigo do supplement da Imprema, le-se no mesmo
    jornal:
    Na madrugada de honlem partio o chefe de
    polieia interino, Dr. Agesilao Pereira da Silva, para
    as Barras, levanlu um official da sua secretaria, o
    promotor publico, o commandante do deslacainento
    e delegado de polieia, para alii nomeados, Dr. El-
    vas e teaentj Aujtencio.
    Bscreye o mesmo jornal :
    < Falleceram em Pararragua, ha dias, os nossos
    amigos preslimojos capitio Manoel Francisco No-
    jiueira, eom 32 annos de idade, e major Felisberto
    Nogueira, com 30, ambos fllhos do tenente-coronel
    Jose Nogueira Paranigua. Gozavam alii de me-
    recida popularidade e eram dedicados aos amigos,
    e boai cidadaos e'paes de familia.
    Em Jaicor, a 8 de dezembro precedente, deu
    alma ao Creador, victima de um ataque de apo-
    plexia fulminante, o nosso corroligionario alferes
    Francisco Manoel de Lima, deixando na orphan-
    dade quatro filhinhos de nove nnnos a baixo, e a
    mulher em vesperas de dar a luz. 0 flnado era
    geralmenle estimado pela firrneza de seu caracter
    e ainda maito rao^o, pois apenas contava 34 an-
    nos de idade: fazemos votos pelo sen repouso
    eterno, e a sua familia dirigiujos nossos sinceros
    pezames.
    Le se a* Opiniao Conservadora :
    t Foi horrorosa a trovoada que desabou sobre
    a cidade na noite de 13 do corrente, as 10 horas,
    pouco mais ou menos, pondo em sobresaito todos
    os seus habitantes.
    t Nessa occasiao cahio ura raio em caso do Dr.
    Poiydoro Cesar BUrlamaqae, que, fe^lrzmente, sem
    duvida por ser ainda eedo, nao occasionou lamen-
    taveis desgracas, visto como, penetrando o aposen-
    to de dormida, oade fez evoloeSes e estragos em
    varias di recedes, prova velmente teria apanbado
    alguem, se a essa hora ainda naoflstivesse o quar-
    to desoccupado.
    Cabindo sobre a curaieira do edificio, parece
    3ue a faisca dividio-se nessa occasiio e subdivi-
    io-se, pois so assim se pode explicar tantos estra.
    gOs feitos ao mesmo tempo em differentes compar-
    timeutos do edificio e em ramos diverso3.
    OEARA.
    Da capital escreve nosso corre?pondente :
    o A presidencia realisou na corte o empresttmo
    do duzentos contos com o banco do'Orasil, sib as
    condicoes que anteriormente haviam sido appro-
    vadas. Essa transaccao foi celebrada entro o vea-
    dor Jose Machado Coelho de Castro, presidente
    do banco, e o conselheiro Jose Marliniano de Alen-
    car, como procttrador bastanle do Exm. Sr. Dr.
    Francisco Teixeira de Sa. A importancia do em-
    prestimo foi immedialamcme recolhida ao thesou-
    ro que sacoa sobre a thesoararia de fazenJa desta
    provincia igual quaatia, que etfeclivamente foi re-
    colhida integralmcnte ao cofre da thesouraria pro-
    vincial em 19 do corrente.
    S. Exc. o Sr. presidente, ordenou que odlnhei-
    ro fosse reeolhido a nma eaixa especial, escriptu-
    rando-sea parte a applicacao que se Ibe fosse dan-
    do, e se organlsasse am balancete mental demons-
    trativo do destino das quantias despendidas e do
    saldo existente.
    Iacoatestavelmente este emprestimo vom tirar a
    provincia de difflculdades finaneeifas que provie-
    ram principalmente do desfakjoe que houve o an-
    no passado na thesouraria provincial. A assem-
    bled devia autorisar o levantamento de maior
    quantia, porqne nao se deve tratar somente de
    subsidiar as necessidades do presente ; convem
    erear e deseavolver reenrsos que augmeatem as
    rendas pablicas e habililem a provincia a saldar
    sens empenbos.
    a Scndo acconmettiJos de variola dous tripo
    (antes de um hiato suno neste porto, o Exm. pre-
    sidente da provincia mandiu recolhe-los ao I isa
    reto da Lagoa funda, e aomeou o Dr. Antonio Jos6
    de Meilo para alii medica-los.
    n Foi removido o promotor publico da comarca
    da Imperatriz bacharel Daniel de Queiroz Lima,
    para a desta capital; e nomeado o bacharel Fran-
    cisco Leal de Miranda para a da Imperatriz.
    < Foi suspenso por 8 dias o secretario da capi-
    taoia Hermino Olympio da Rocha. pelo respectivo
    capitao do porto Achilles Lacombe, por falta de
    cumpriraeato de deveres.
    No dia 11 do corrente amanheceu roubado o
    "stabeleeimento dos Srs. Jose" Antonio de Menezes
    Si Filhos, tendo os ladroes penetrado pelo tecto
    onde praticaram um arrombamento. conseguindo
    levarera rauitas fazendas e algum dinheiro.
    t Em Caninde foi encontrado no rio, o cadaver
    de um recem-nascido ja quasi tddo putrefacto.
    Das averiguacSes procedidas recahem suspeitas
    de ter sido a infeliz crian;a assassinada por sua
    desnaturada raSi.
    No Acarape, Lucindo de tal, desfechando uma
    cacetada em sua mulher, a pancada alcancou a
    uma crianca que esta trazia ao collu, fllha da-
    quelle malvado, do quo resultou-lhe a morte pou-
    cos dias depois.
    No termo de Maria Pereira, falleceuo tenen-
    te-coronel Rodrigo Francisco Vieira da Silva. 0
    finado era um distincto eonservador d'aquella lo-
    cal idade.
    a A cidade da Granja foi theatro do um triste
    acontecimento em 11 do corrente.
    0 coronel Thomaz Antonio Pessoa de Andrade
    foi assassinado nor um sea filho dessasisido Tho-
    maz Fortuna ressoa. A victima dormia a tarde
    sua casa, quando o sea desgracado filho descarre-
    ga-he daas fortes pancadas com nma tranca na
    cabeca, tornaddd eterno o somao de sea pai.
    O parriclda que foi irnraedlatanneate preso, sen-
    do interrogado negoa o facto ; mas, depois que o
    levara ante o cadaver, elle respondeu que d'aquel-
    les tomdra muitos paramatar.
    A' 16 do corrente fallecea nesta cidade o Dr.
    Benjamin Pinto Nogueira, qae aqui havia chegado
    a 12 no Cruzeiro do Sul, em busca de sua saude
    qne se achava compromeltida e qae ja nao lh'a
    pode conceder os lares, pa trios. 0 finado era gen-
    ro do Dr. Joao Jose Ferrtira de Aguiar
    Em 19 abriram-se as aalas do" lyceu, achan
    do-se matri "ulados 173 alumnos nas diversas ma-
    terias do curso preparaturio.
    c 0 vapor Ipojuca, da companhia pernambuca-
    na, acha-se encathado no porto do A:aracd, em
    virtude de haver partido uma peca da machina, a
    qual tem de vir d'ahi para que elle possa seguir
    sua viagem.
    f Foi exonerado, a seu pedido, docargo de pro-
    motor da comarca do Aquiraz o bacharel Vicente
    Pereira do Rego Junior; e nomeado.para aquelle
    cargo o bacharel Joaquim de Andrade Forluna
    Pessoa.
    0 inverno. ja nao se faz esperar; apezar de
    tardio, elle se apresenta proraettedor e reparador
    dps damnos motivados por sua demora.
    Apezar d'isso, houve tanta chuva em Quixe-
    ramobim que determinou uma grande cheia do
    rio em que morreu um erescido nuraero de-api-
    maes. Assim nao ira bem!
    Foi capturado e acha-se preso nesla cidade o
    padre Joaquim Machado da Silva, accusado do ter
    np dia 21 de Janeiro do corrente anno, na villa de
    Lavras, assassiaado aq infeiiz|Ernesto Carlos Au-
    gusto, e ferido a Cosme Baiihos.
    t A via ferrea de Baturite,. apenas rendeu as
    seraaaa (inda a quantia de 196*000.
    0 dioeesano seguio para a Conceicao, em bus-
    ca de aliivio a sous padecimentos.
    t A alfandega rendeu no exercicio de 1672
    1873 o seguiate :
    luiportagae 1,402:240*939
    Despacho maritimo 4:035*410
    Exportajito. 465:270 i63t
    Infrior 57:030*810
    Extraordinaria 7:837*363
    Deposilo 6:4965826
    aoiWiiiiaHbaXi r o
    Total'
    PWH
    1,946:036*5(0
    c 0 vapor inglez Ambrou, samdo deste porto
    parao d Liverpool no dia 15, fe; o seguiaie ma-
    nifesto :
    3,600 saccos com assucar, 3,255 de algodao,
    108 de cera de carnauba, 5,0l couros saljj*dos,
    103 fardos de borracba, 6 de cabellos e S eaixas
    com penao8,.pesaaio 524,908 kilos.
    Durante o anno passado foram despqebados
    pela secretaria de polieia desta provincia 515 cs
    cravos.
    Dcstes 281 pagaram na seccao de arrecada-
    cao os direitos de exportacao, no valor de 16:260*.
    os de mais ja vieram despachados, tendo pago es-
    ses direitos nas collectorias das respectivas loca-
    lidades.
    t 0 valor official dos generos importados, pelo
    porto da capital, durante o anno passado (de Ja-
    neiro a dezembro) elevou-se a 4,002:046*998.
    Pela seccao d'arre:adacao provincial o valor
    official das mercadorias exportadas pelo porto da
    capital de Janeiro a dezembro do auno proximo
    findo, foi de 4,313:020*980. E pela alfandega no
    meimo periodo 4,417:082*239.
    RIO GRANDE.
    Em 23 escreve nosso correspondenle da capi
    tal :
    No interior da proviucia installaram se qua-
    tro escolas uocturnas de insiruceao primaria :
    Na villa de Sant'Anna do Matto, a 10 de Janei-
    ro, pelos cidadaos Hermene^ildo Pinheiro de Vas-
    concellos e Laureutino Miaervino Fernandes de
    Souza, com 10 alumnos.
    N'a povoacao de Mariii.do nvanicipio do Ceara-
    mirim, & 12, pelo professor Vicente Ferreira da
    Costa, com 10 alumnos.
    Na povoacjio de Curraes Novos.a 26, pero pro
    lessor Jo.io Andre Bakker, com 22 alumnos.
    t Na cidade do Principe, a 2 de fevereiro cor-
    rente, pelo professor de latim Manoel Pinheiro do
    Coracao de Maria, com 42 alumnos.
    A 12 do corrente S. Exc. o Sr presidente da
    provincia, autorisado pela lei provincial n 680 de
    6 de agosto]de 1873, eelebrou eom os Sr*. Neves e
    Leger o conlrato para a navegacao por vapor do
    rio Mossoro.
    a Alem dos beneficios que a provincia tem de
    auferir pela execucao e tio vantajosa empreza, li-
    zeram os emprezarios o donativo da quantia de ..
    2:000*000 a instruccSo publiea, recolhendo logo
    metade dessa quantia aos cofres provinciaes, obrl
    gando-se a recolher a ontra metade no prazo de
    dous mezes, depois de comecada a navegacao.
    o Pelo Dr. Lniz Antonio Ferreira Santos, juiz
    municipal de S. Jose de Mipibti foram eapturados
    6 criminosos, a saber : Antonio Francisco de Mou-
    ra, Manoel Joaquim do Nasciraento, Antonio Ivo do
    Nasciraento, Jos6 Senno da Ro?ha, Galdiao eLuiz
    escravos, os quatro primeiros pronunciados no art.
    15" do codigo criminal e os dous ultimas por cri-
    me de tentativa de morte.
    Consta que contra aquelle digno juiz fora da-
    da, ha pouco, uma denuncia com o fim deafasta-
    lo do exercicio de suas funccoe? e favorecer inte
    resses illegitimos de amigos e pro'.egidos do res-
    pectivo juiz de direito, em cuja casa fe lavrara a
    mesma denuncia.
    Pedio e obteve demissao do cargo do adminis-
    trader do hospital de caridade o capitao, Jose Ben-
    to Alvares e foi nomeado para substKui-o Joamim
    Jose" do R. Barros.
    0 administrador de rendas provinciaes da ci-
    dade de Mossoni acaba de offereeer an Exm. Sr.
    presideBte a quantia de 100*000, dedazida mensal-
    mente de seus vencimentos, para a fandacao de
    uma bibliotheca popular naquella cidade, dirigindo
    aS Exc. para semelhante fim o segiiinte offlcio :
    Mossoro, 29 de Janeiro de 187i. Illm e Exm
    Sr.N.io deven'do tornar-me indifferento ao no-
    bre e patriotico empenho do 'governo imperial em
    promover e animal a diffusao da< laies por todos
    os angulos do imperio, de modo qie a instruceao
    possa facilmcnte estender-se a todas as camadas
    da sociedade ; e'eonsiderando que a? bibiiotnecas
    sao incontestavelraente um pnderoso elemento de
    civilisagao, onde o povo p6de instrair se e educar-
    ss ; tenho resolvido coucorrer eom a quantia de
    (1008000), deduzida mensalmenie d>f mens venci-
    mentos, para a fandacao de umabib'.htheca popu-
    lar nesta cidade, offerecendo mais a V. Exc para
    o mesmo fim os livros constantes Ja relacio in-
    clusa
    Espero que V. Exc. acolhera com a melhor
    vontade este meu offerccimentx
    t 0 Mossord, que visa longos e esperan;osos ho-
    risunteS de prosperidade e de grandeza, u de cidr
    nao permanecera inactivo diante desse movimento
    generoso, quo preoccupa actaalmente as mais no-
    tavcis intelligencias do paiz.
    Faco vbtos para que esta pequena offerta, que,
    reconheco, pouco vale em si, sirva de incentivo
    aos que estao em condig5e3 de pre tar maiores e
    mais assignalados services em pro! do progresso
    intellectual e moral desta terra.
    t Sou com todo respeito e particular estima de
    V. ExcMuito attencioso amigi o obrigadissimo
    criadoRaphael Archanjo da Fonceca.
    Iguaes offerecimentos lizeram o eserivio da
    me3ma administracao, Ernesto Xavier dos Santos,
    e professor Luiz Carlos da Cosla e o negociante
    Umbelino Antonio da Costa Le tao.
    0 Dr. Euclides D. de Albuquerque, alii resi-
    dente, nib oflereceu dinheiro, mas diversas e im-
    portantes obras.
    i Foram presos no districto da .Macahiba, em
    virtude de ordens do Dr. chefe de polieia e ja se
    acham reiolhidos a cadeia da capital, para serera
    processados, Manoel Bernardo da Fonceca, Maria
    Silvana daConceieao e Maria Jos6 da Puriftcacao,
    accusados como autores do barbaro espancaraen-
    to praticado ha dias na pessoa da infeliz Alexan-
    dria Cecilia de Barros, e do qual resultou a mor-
    te desta no dia 11 do corrente.
    o No dia 30 de novembro proximo passado, na
    serra .de Jtos&rd, Francisco Carneiro da Cruz des
    fechara um tiro de clavino'.e era VicealB Ferreira.
    0 dclegado'do termo procedeu a inquerit) policial,
    que ja se acha cm poler do promotor publico da
    comarca. 0 criminoso conseguio evadir-se.
    t 0 sargento Jose Paz da Silva Banda remetteu
    ao Dr. chefe de polieia, com offhio de 26 de Ja-
    neiro os criminosos Jose Celestino de Souza e An-
    tonio Marques do Aquino, aquelle por haver assas-
    sinado o infeliz Rogerio flu nes, na povoacao de
    S. Miguel, e este por haver no i:a 16 daquelle
    mezcastrado a Antonio Pereira, m mesmo dis-
    tricto.
    No dia 3 do cjrrente, no lugar CapeUa do Cea
    ra-mirim, o individuo de nome Francisco de Souza
    Marcoalhado tentara contra a existencia do tenen
    te Prancisco C. do R. vSarros, desfechanJa-Ihe so-1
    bre o peito um tiro de pistola, do qual escapou
    fslirraente por haver apenas se intlammado a espo-
    leta que continha a arma.
    a 0 criminoso foi incontinenti preso pelo mes-
    mo tenente depois de haver resistido iortemonte.
    t No dia 8 ;is 3 horas da madrugada, no lugar
    Jassana, fora barbaramente assassinado eom uma
    horrivel faca la sobre o peito direito o infeliz Joa-
    quim Manoel da Silva por Joao da Paixao, que l>
    ra pouco tempo depois preso p do delegado do
    Ceara-miriMi, o qual tendo sciencia do iacto a) 4
    da manKa seguia em procara do criminoso, reali-
    sando a sua prisao no engenho Torre, propnedade
    do capita) Manoel Ignacio Pereira Leite, que o
    auxiliou nessa importante diligeacia.
    No lugar Malta Verde, do districto de S. Gon
    calo, foram capturadas pelo tonente Francisco Ce-
    sar do Rego Barros, de ordem do Dr. chefe de po-
    lieia, as res prononciadas n> art. 193 combinado
    com o 35 do codigo criminal Joaqnina Maria da
    Conceic4o e Francisca de tal, mulher de Francisco
    Patrieio, as quaes se acham recolhid3 a cadeia
    da capital.
    Pelo mesrrn tenente Cesar foi preso no lugar
    Capoeira Grand-1, do termo do Oara-mirim, em
    euja oadeia se acha reeolhido a disposicao do Dr.
    juiz municipal respeclivo, o individoo de aome
    Jose Leao Soares da Camara, como pronunciado
    em crime de tentativa de homicidio.
    No dia 15 do corrente, no districto de Nova
    Cruz, fora barbaramente assassinad^ o infeliz Joao
    Bernardo, sendo autores do crime Agestiabo e
    Alexandre de tal, moradores no districto de< S.
    Bento. para onde se evadiram.
    Ia>tDa^V.Tff^^hof a reHA9da qual tod.^ -
    irr- ImoshMbnlfcdhHoa-
    . 0 Jarnnl 4./^ir^||to fig> do partido c.n-
    servador da provincia o folha official, rai presUn-
    do numer.is.is' servicos ao publjcc, de|tois q0
    passou a diario. A sua redact* lem coniprebeo-
    dido perfeitamente o seu importante papcl.
    c Calmos, porunto, os aaimos |*rtidanos, at-
    cupa-se a populac^o, exelusivamente, do sea tr.-
    balho. -___
    Teve lugar no dia 90 do eorrente, conform'
    fora annunciado, o eomtco das bras da reeons-
    traceao da matriz nesta cidade.
    t Durante o dia, esteve embandeirado o pateo
    da velha igreja, e uma hora tales do comeco dot
    respectivos trabalhos, ou do acto solennne que as
    inaugurou, a banda de musica do corpo de polieia.
    percorreu as ruas da cidade. iodu posur se de-
    pois dessa passeiata, a porta da igreja, oade ccn-
    tiauon sempre a tocar liodas e variadas peeas.
    t Pelas 5 horas da tarde, S. Exc. o Sr. presi-
    dente da provincia, acompanhado do seu stcre-
    tario, do ajudanle de ordens e engenheiro direc-
    tor das obras publieas, eoropareceu a porta do
    templo, onde fora recebido, ao sum da musica,
    pela eommissao e diversos cavalheiros que alii ?e
    achavam ; scguindo-se immediaUment", o acto da
    collocacao da primeira pedra ; o que feito, e su-
    bindo ao ar diversas girandolas de fogjeles, ao
    fom inda da musica e repiques dos slaoa do*
    conventos vizinhos, retirou-se S. Exc. com a sj^
    comitiva, tcn-io-se a ilia reunido diversos cava-
    l"eiros.
    A' uuite, illuminaram se nio so a frente da
    matriz, que am la se cunserva em pe, como as
    edificios publicos, e grande numero de casas par-
    ticuUres, sobresabindo as da rua d; Marquetde
    Herval, na qual existein os deslrocus d aquei.a
    igreja.
    Persuadimonos de que desla vez, aqutiJ.
    importanle obra se fara, grcas aos buns desej><
    actividade de S. Exc. e geralmento do povo. tft
    nao tem desmentido o velho e tradicion3l cn-
    ceito de aimiamenle n-ligioso.
    t Em auxilio a mesma obra contmia S. Ex-: ^
    receber, quasi diariaraentc, doaativos mai-
    menoi importantes. Citaremus, ealre oatr-i, >-
    que fizeram os empregados das diversas repar:.-
    Co:s publieas e for .a militar.
    Sio todos esses honrai.es fuaccionar.oi dig
    dos maiores louvores.
    a Nio e ?6 a obra da roatriz quo occupa prt
    sentemente a attencao da presidencia, e a un- a
    que se esta construindo nesta capital; ontras ti-.
    menos importantes se acham em andameuto, sfc ..
    Vigilante e activa inspeccao de S. Exc.
    t Sao estas : o palacio da presidencia, ca;a
    reconsfJuccao principiou no dia 13 do corren."
    mez, o paco da camara municipal, ja pres;e-
    concluir-se, e, finalmeote, a continuacio d) orifl
    raento das ruas.
    t Como obra particular fallaremos do thtitr >
    que se esla edilkaudo, o qual segundo a plan-.
    perfe'cao com que vai sendo executalo, ten ii-
    ser um dos primeiros edificios desta ridade.
    Os directores desu empreza lean exceJ.d >
    em dedicacio a nossa espectativa, nao obsU'.t*
    o alto juizo que delles sempre f-..rmamn<
    Segundo se le no Jornal da Parahyba, de Ifc
    do corrente, vai ser dolada esta capital coaim:i'
    uma obra importante, cabendo aiada a S,ti
    inicialiva.
    Eis o que a respeito diz aquelle jornal:
    a lleunio-se em palacio ai dia 15, ao meio *~i
    conforme eslava annunciado, a comm'ssao '-
    instruceao publiea.
    Mostrando se a illustre eommissao identifie*..^
    com o Exm. Sr. presidente no geuer. so pen-..
    mento de dotar-se a provincia de predios destii.-..-
    dos ao ensino primario, resolven trazcr ao conV
    ciraento de S. Exc, no dia 8 de mar.;o proxim -.
    em que novamente se deve reunir, o resultado d^
    seus trabalhos.
    t S. Exc, appIaudinJo semelhaate resoluc*.
    declarira ter recebido a offerta dum exceilenu
    terreao acsta cipital, onde prelendia no dia 15 de
    marc'. anniversario do juramento de nossa con*-
    tituicjlo poliiica, collocar a primeira pedra do pn-
    raeiro edifie.io desta ordem, que vai ter a pro-, i
    cia.
    i Quantos beneficios em lao pouco tempo, ....
    prestado o Exm. Sr. Dr Silvino, a esta prorhKla.
    A conservacao de S. Exc. na cadeira que laj
    dignamente occupa, nao e somente uma nece- -
    dale, e um defer do goverao, a bem desta pr
    vincia, que so pode e deve ser admmistrada pur
    humeas bem inlencionados, deligentes e hone^' -.
    Estas qualidades encontram s?, sobejaraente. i.a
    pessoa do Exm. Sr. Dr. Silvino.
    c Ja v"nos sen-Jo visitados pelo ioverno.
    I), jie os ultimus dias da seraana pass*.!.
    principio desta, tem rahido chuvas mais ou Li-
    nos abundantes, com algurna trovoada
    0 serta o, segundo nos informam, tamlx: i
    esta chuvido, e da testemonho disto o rio Parabv -
    ba, que dizem com alguma agua.
    Se contiauarem as chuvas e forem ellas re -
    gulares, teremos este anno unaa grande safra.
    tanto de assucar, como de algodao; o que my.
    carecemos.
    t A respeito do commercio. nada temos a adi^n-
    tar ao que ja dissemos da outra vez : sempre .
    cruel e morufero slata-quo-
    Chegou de sua eommissao ao serUo, na Mita
    de 20 do corrente, o Sr. Dr. chefe de polieia.
    a Nada poderaos ainda dizer sobre o resalu-l.
    dessa eommissao, por nao aos ter chegado ao
    conhecimeato cousa alguma.
    S. S., provavelmtnte, empregou os mei
    seu alcance para center os criminosos qae va-
    gueiam por aqucllas paragens, fazendo processar
    ao mesmo tempo os que ja sc acham reeolhido* s
    cadcias.
    Do que transpirar a tal respeito, ihe dare
    couhecimento, opportunameote.
    Falleceu no dia II do corrente nesta cap::..-
    o carcereiro da cadeia, Bento Alves Rodrignev
    Tupinamba, passando a exercer ioteriaameate
    referido cargo o ajudaote do mesmo, Aatoc -
    Dias dos Anjos.
    Estao disoutaqde aquelle lugar, para mais de
    vinte caodulatos !
    E' um emprego bem lucrativo, porem, :.r.
    pouco perigoso.
    Consta que o fallecido deixou algum diabei.- .
    e e isto mais uma razio para desaliar a con :
    rencia dos caadidalos.
    0 negociante desta praca, Primo Pacbcc
    Borges, olTereceu a S. Exc. o Sr. presidente ia
    provincia, com destino a ediii-"ai;io de ami Cis
    para escola de instruceao primaria, um terrea
    de sua propriedade, sito ao angulo da rua Mar-
    quez do Herval, lado do sul, com 70 1/2 palmos de
    frente, e 153 1|2 palmos de fundo, no valor esti-
    mative de 1:000*000.
    < Quanto a nos, fez o digno negociante am im-
    portante servico a iastracvao publiea desta pr..-
    vincia, que o torna merecedor dos maiores lou-
    vores.
    Praza a Deus. encoatre esse acto iniitade-r*-
    A eatraJa do algodao ao peso publico, do I.*
    de Janeiro ate hontem, moota a 7.78S saccaa
    Tem rendido a alfandega, do 1." a 23 do e.-r-
    rente mez 33:377*811, e o coasulado 13:216*1^
    < Ficam carregando assacar e algodao, e.o
    aosso porto, tres aavios de alto bordo.
    Da cidade de Mamaoguipe, tem chegado coas-
    tantemente muito algodao no vapor Curvripe.
    a Continuam desanimadores os precos dos ge-
    neros de exportacacr.
    i'EEKAMBUCtt
    REVISTA DIARIA.
    Guarda naeional. Por portaria presidencia da provincia, de 24 do correaie, W
    nomeado o guarda do 1 esquadrao de ca valla r:.;
    Felinto do liegj.Barros Pessoa, para alferaHn
    2' c irnpmhia do 8" batalhao de infaateria <
    municipio do Recife.
    GonseLbosde !""""lynrr t'la^iu
    devem reunir-se, nas matrixes das di versa*, jijtfi.-
    chias da provincia, os conselhos de qualiica,
    da guarda naeional.
    Taxa de escravas.-Termiaa iihbadg o
    No dia 18 deste mesmo mez chegou .i esta ca- /prazo para pagamento, livre de multa, do impo.":
    sobre cscravos, correspondente ao exer#oio *e
    pital, preso pelo subdelegado de Santa Cruz, o de-
    sertor da companhia de infanteria da Parahyba,
    Manoel Silvestre da Cruz, que se acha reeolhido
    ao calabonco militar, para ter o convenient des-
    tine.
    a Rondea a alfandega em i meiro 13:367*616
    Do l'a 21 de feverein. H:650*5H
    PARAHYBA
    Da capital escreve nosso correspondente em
    24 do corrente :
    Estamos em tregoas ca pela nossa boa terra,
    politicamente fallando.
    Os jornaes da opposicao, um, o Detperiador,
    recdheu se aos bastideres, e este anno ainda nao
    tivemos o prater de the vpr -i ir.mtespieio; outro,
    o Pablicidor, parece esl.r satisfeito e.m a abni-
    nistracao; pelo monos nS-> a tem hostdisaao.
    E isiu mais um ^llorao para a administracao
    correspondente ao
    1873 a 1874.
    Cotnpastliia Santa Therein.-fieje. ~
    meio dia, deve realisar-.-e, no primeiro aadar do
    sobrado n 13, da rua do Vigario Thenorio, a assem-
    blea geral dos accioni^tas desta compaabia,
    Santa Gasa de Misericord!a. Esta
    corporacao vendo oapenuula, por apolices daoi-
    vida publiea, diversos predios, perteacolet-ao u-
    gado do finado Joaquim da Silva Lopes, de qne
    e administradora.
    I'erimentii (crave. As 9 e moia bor'
    da manha de 24 do co rente, Hunoria Pereira.I'
    rio gr*v<*aaente a parda Uermioia Rota da Linv..
    m, povoado de Beberibe, sendo prasa am fl--
    grinte
    laiquerito policial. Foi remattido ar
    coinpetenle juizo o quo se effectuou pela set1-
    4-\
    C
    1
    -
    ?
    i

    \__L
    i



    J
    Diarf^AftraattrtWW Qliite*fcifr'de Ferereirtr <*r i*J#
    9


    -is
    k-
    !,


    ....
    *,
    deleg
    beiro.
    *
    defitutivam
    apparatoso"^
    seia exhibido com o maior eemaro.
    A sala de espectaculo acba-se sensivelmente
    melborada de modo tal, qua difflcilmente se podera
    reconhecer alii o antigo e desgracroso Gymnasio.
    E* de crer que i Pbeuix tenha esta noite uma
    completa enchente.
    Vara o sal do Imperio Com 158 re-
    rebidos em nosso porto, aos qopes 148 tramferi-
    dos do Henri If, wvou o Neva tftO passageiros.
    Santo A man. das Salinas Tern es-
    tado concorridas e animadas asnovena?, agralan-
    ds a todos a boa ordem e deceneia, bem como as
    versos, que tern sido eutoados por uma devota do
    mihgroso Santo.
    Dlnhelro.-O vapor ioglez Neva levou de
    nossa praca para a do Rb de Janeiro 851 *500.
    0 vapor Cruzeiro do Sul trouxe para : __
    Saunders Brothers 4 C. 41.300*000
    Augusio F. de Oliveira & C X&ffi
    Keller & C. ,S:5*JX
    Joaqnira Jose Goncdw Beltrao & Filho 9:0W*O0O
    Atunrira Irmaos
    'eiam-pelas '
    bCcodoen-
    estabelecWd US
    de soldados no.
    dentrodBJwacos,
    A. Hyvernat 4 C
    Karros Junior 4 C-
    Jos6 C do Rego Ponies
    Jose Rodrigues de Souza
    Pereira Viaana & C
    Jose Ferreira Carreiro 4 C.
    Manoel dos Santos Villa.a
    Otiveira Filhos 4 C.
    Manoel Francisco Pocas 4 C.
    aao sukmarino. Segundo
    1:280*500
    1:800*000
    1:700*090
    1:580*090
    VWOiOoO
    700*000
    496*000
    365*670
    209*000
    carte de
    laglatorra, eslaara quasi prompto o fio telegraphi-
    co submarino, que deve unir a provincia do Ma-
    ranhao com o resto do imperio e com a Europa,
    esperando-se que, logo que esteja concluido o as-
    sentamento do eabo entre o Para e S. Thomas, se
    proceda aquelle servico.
    Sendo o importe do custeio, exigido pela com-
    uanhia como subvencao annual, de 3,000 pe-
    dem-nos para leinbtar a provincia do Ceara que
    faca urn eiforco para adquirir esse melhoraraento,
    de tanta importancia. _
    Telc^ramma commercial.- Em data
    de 25 du corrente diaera do Rio de Janeiro ser aln
    a cotacao do eambio sobre Londres 26 d. firme ;
    e que o vapor inglez Doure sahio a 23 para o nos-
    so porto pelo da Bania.
    Corap:nkla Pernambueana. Em
    eonsequencia do transtorno que soffreu o vapor
    Ipojuca, vao fazer a 2' viagem do corrente maz:
    ao norte, o vapor Gequid ; e ao sul, o vapor Curu-
    ripe.
    Arbitrator.Chegou hontem pela manna
    este vapor da linha de Liverpool.
    Henri IV. -A djanora deste vapor, da linha
    do Havre, que chegou hontem ao nosso porto, foi
    devida a tererase-lhe partido as quatro pas do
    helico, uma no dia II e as outras tres ne dia 14
    do corrente, quando se achava na long. 0. de Pa-
    ris 26, 26', pelo que teve de vir a vela ate o nosso
    porto.
    Em vis la disso e de ter de esperar era nosso
    porto que venha nova peca de Franca, de ir a re-
    boque pira o ttio de Janeiro, ou de ir a vela ate
    e^se porto, o conmandante, de aceordo com os
    Sis. consignatarios, passou os passageiros que tra-
    zia para bordo do Neva, e vai tratar de descarre-
    gar o que trouxe para nosso porto.
    Apezar desse contratempo o Henri IP trouxe
    apenas 19 dias de viagem de.Lisboa, o que poe
    patente suas boas condicoes de navegabilidade.
    Hoedeiro falso. -Pelo tribunal do jury de
    Altoaa foi condemnado a 9 mczes de prisao, sendo
    levados era conta tres raezes que esteve preso
    para averigua$5es, Jacob Todt, cumpbce do crime
    de fabrico de moeda falsa na cidadqt do Recife.
    Testainento ue Luiz Agassiz. Da-
    rnos era seguida a sub3tancia do testamento do
    professor Luiz Agassiz. que foi apresentado a
    Court of Probate em Cambridge ( Massassuches-
    setts):
    t Don e lego a meu filho Alexandre J. R- Agas-,
    siz a psrte dos meus livras scientificos que elle es
    colher em minha bibliotheca, esperando que quan
    do ja nao tiver nesessidade delles, junta-los-ba ao
    resto de minha bibliotheca de Iivros sientidcos, que
    pelas presentes dou ao museu de zoologia compa
    rada oe Cambridge.
    Dou e attribuo todo o resto de meus bens
    taato os que possuo agora como os que por diaote
    vier adquirira minha mulher bem amada Eli-
    ?abeth C. Agassiz, para que ella, seus herdeiros e
    representantes gozera-n'o para sempfe. Nio faoo
    doacao nem a uma nem a outra de rainhas filhas,
    Ida e Paulina, nao por falta daftafTeicao, mas
    p-irque a rainha casa do Cambridg sujeita a hy-
    pothecas) e a unica proprieJide <\m me resta e
    de que posso dispor. Nomeio minha mulher acima
    mencionada unica executora do men presejite tes-
    tamento, e desejo que ella sreja isenta de preslar
    lianca ou cau^ao. 29 de novembro de 1869.
    luiz Agassiz.
    Pirapaina.Este vapor da companhia per-
    nambueana, sahio do porio da Foitaleza para o
    da Granja e escalas, no dia 21.
    Ipojuea. -Como se vera da carta do nosso
    coirespondents do Ceara, este vapor da compa-
    nhia pernambueana, tendo partido uma peca da
    machina, achava-se no porto do Acaraiu, a espera
    que fosse de Pernambuco a substitntiva.
    Miscelanea.Morreu em S. Petersburgo o
    principe de BerfelJ. raarechal do imperio e lugai-
    tenente general do czar no antigo reino da Polonia.
    Era a primeira personagera militar da Russia, e
    foi elle quem dominou o pronunclamento da Po-
    lonia, quo se seguio a revolufSo franceza de 1830.
    0 imperador Alexandre visitou-o pouco antes do
    velho general exhalar o ultimo suspiro.
    A idade dos generaes de divisao do exercito
    portuguez 6 a segumte :
    Gnnoe de Carapanba, asserRou praja a 7 de
    abril de 1799 com sele annos de idade.
    Marqucz de Sa da Bandeira a 4 de :>bril de
    1K10 com li annos.
    Fortunato Jose Barrehos a 22 de maio de 1812
    com 15 annos.
    Augusto Xavier Palmeirim a 8 de maio de 1815
    f-oin 7 annos.
    Jos6 Julio do Amaral a 10 de julho de 1815 com
    11 annos.
    Jeronymo da Silva Maldonado d'Eca a li de
    iiitubro de IS 17 com 15 annos.
    Rarao do Rio Zezere a 27 de junho de 1816 com
    17 annos.
    D. Ante nio Jo:e de Mello a 5 de Janeiro de 1821
    corn 17 annos.
    Parlicipara de Basilsa ao Times que o feld-
    rnarechal austriaco Luiz de Gablenz se suicidara
    i-m Znrrich, em um excesso de hypocondria.
    Em Inglaterra, vendo-se a ponto de suc-
    cumbir uma sociedade anunyma, e julgando sal-
    var-se por meio da publicilade, mandou distri-
    bair 240 quintaes de prospectos, qua so de di-
    reitos de correio custarara cerca de 4:573* moeda
    forte.
    Acaba de ser presenteado o jardi.n botanico
    de Paris com uma formosa planta chineza, que
    muda de cor tres vezes ao dia, tendo por isso cha
    mado muito a atten^ao publica.
    0 arcebispo de Malins (Belgica), acaba de
    excommuagar todos os macons, qualquer que seja
    a sua cathegoria, apezar de saber que ha lmpera-
    dores, reis e principes que pcrtencem a macona-
    ri* europea.
    No congres30 da uniio commercial que aca-
    ba de eflectuar-se em Sheffield (Inglaterra), esteve
    representado urn milliao de operarios.
    Resulta dos reconhecimenlos nltimamente
    leitm em Cartagena, que as casas deteriorates
    pelos projectis durante o cerco elevam-se a mais
    de300, entre as quaes existem 27 em completa
    ruina, e 50 que terao de reedificar-se. As perdas
    caleolam-se em 60 milhoes de reales.
    O cholera morbus asiatico, que no verao e no
    iiitomno cobrio com as suas negras azas quasi
    uda a Europa, pois que somente a nossa peninsu-
    la se tw livre d'ella, parece estar hoje amortecida
    em diversas na^oes, apezar de n'ootras se raanter
    era toda a intensidade. A Baviera e uma das que
    mais soffreu com a epidemia, onde ainda perraa-
    nece, bem csmoem Munich.
    Cffo Field, o inventor do telegrapho submarino,
    reside em Londres ; todos os dias, ao sentar-se
    para iftDiar, manda um telegramma a sua es-
    posa, .que esta em Nova-York e recebe tem-
    pre a,resposta antes de levantarse da mesa.
    A mensagew, como e de presumir, nao lhes custa
    nada.
    Saccou completamente o canal do Meio-dia
    da Franca A fuga das aguas foi tio repentina
    e extraordinaria, que ficoa em seceo um baroe
    carregado de viabo, que por tHe navegaya.
    Broftu-is fen feito um restido de velludo ma-
    tisadej eor da aurora, com tunfoa de mnsseUna da
    India^ fjr a *ra-daqaeza Maria da Russia, esposa
    <*o d^qtj*e Bdimlmrgo. Bste vestido, que alem
    '1* 'Wf* $? **eWo e adornado de perolas. cus-
    tou tmmr 4e quatro eonios e jetecentos mil reis,
    moeda forte.
    cidade. .
    e defeitos repugdantes.
    ! Pelo novo systeaa
    ussia, tar.;eu aoos i
    xercito acttvo e a reserva _
    annos. 0 imperio russo conu hoje 80 mnboes de.
    habitantes na Europa e na Asia, porera como esta
    concentrado era um mesmo esnaco geograpWco,.
    o sen poder e maior que o da Gra-Bretanha, que
    conta duzentos e triota mnhoes de habitintes,
    porem espalhados por todas as paries do glooo.
    A populacSo da China, a mais consideravol do
    mundo, excede de trezentos milhees do seres bu-
    nianos. x
    Segundo o decreto do congresso da re-
    public* do Equador, que concede ao papa a de-
    cuna parte dos rendimentos do estado, percebera
    annualmente Pio IK a somma de duzentos mil
    duros.
    Durante o anno de 1872 estrearam-sa em
    Italia 56 operas, das quaes nio Bzeram fiasco se-
    nio 55. Em 18?3 esttearam-se 2V operas e so ob-
    teve bom exito uma, cabindo por coneequencia no
    olvido 43. m m
    Baterara-?e ha diac em duello os Srs. Fer-
    nando Drevfus, redactor do Avenir, do Mans, e
    Limns Linler, redactor do SorfA*. Os dons ad-
    versaries bateram-se primeiro a nistola, mas como
    nenhuma das batas causasse ferimento, segulo-se
    o duello a aipada, ficando o Sr. Dreyfus ferido no
    lado direilo do peito.
    Uma ne la do imperador Guilherme a du-
    queza Alexandrina, filha do Boado principe Alber-
    to da Prussia, e da princeza Marianna, de Neer-
    land, requereu a separacao de seu raarido, o du-
    que Guilherme de Meelnemburgo-Schwerin, com-
    mandante de uma divisao militar em Cassel. Deo
    causa ao facto os desgostos soffridos pela duqueza,
    em conseqnencia da vida airada de seu marido. 0
    pedido de separac5o sera resolvido por um grande
    conselho de familia.
    Um redactor do Fipam, one foi assistir as
    feslas do easamenlo do principe Alfredo de Ingla-
    terra, e via em S. Petersburgo o funeral do maro-
    cbal 13rn, da nolicias euriosae a respeito dos re-
    gimentos que tiguravara na parada.
    Defronte de mim, diz elle, o regimento d:
    guarda Paulowaki e.-lende-se em duas liuhas.
    Nada mais pittoresco e mais deeorativo de que
    estas tropas, que teem na cabeca a alta barretina
    de cobre dourado em forma do mitra. Muitasdes-
    sas barretinas conservam buracos de balas. E
    uma lembranca da balalba de Friedland, onde
    efie regimento, outr'ora predilecto do imperador
    Paulo I, teve perdas enormes. Uma piedosa re-
    cordacao da valentii russa fez com que se conser-
    vassem ale aos nossos dias barretinas dessa epo-
    ca, e em cada uma d'ellas e>ta gravado o nome
    do soldado que a usava nessa batalba memoravel.
    Oe anno para anno essas barretinas foram sendo
    transmittidas aos mais bravos, e ao vd-laa, lem-
    bramo-nos do tempo das lutas boroicas corpo a
    corpo, em que a coragsm era tudo e em que se
    nao morria assassinado por am inimigo invi-
    sivel.
    Cousa curiosa, todos os soldados deto_ regi
    cincoeata e nb^e~mT| libra/- ou mil e.
    p quinze cojM04OnMMrailJUIli
    de reis.
    Deste modo a
    dos, juntando estas
    anno :
    Camiras dos estadus
    Ditas da confedsracao
    Ajudas de custo para estas
    mas
    soberrnla dos Estados-nni'-
    verba, vem a oustar cad*
    1.533:0,000
    1.515:500,000
    ulti-
    135:000,000
    3,133:720,000
    tres contot utecentos
    reit (moeda portugueza) de sobera-
    Mais da 7' parte de todo o nosso or-
    Ties mil cento oilenta e
    e vinte mil
    nia federal !
    caraente I
    a A lista civil, votada a coroa pela opulenta In-
    glaterra, nao chega a metade desta somma I...
    Ora mettam-nos a car.i a barateza republi-
    cana I > 43A I
    I.otcria.A que se acha a venda e a 89.", a
    benelicio do recolhimento da villa de Iguarassu,
    que corre no dia 28.
    A do Rio de Janeiro (497.*) corre amanba
    (27 do corwute).
    Casa de detenyao.Movimento da casa
    de detencao do dia 24 do ferereiro de'1874 :
    Rxi'tiam presos 325, entrou 1, sahiram 2,
    exLrten 39k.
    A saber :
    JJaaionaas 243, mulheres 8, MttangBiros SB,
    ewravos 45.total 324.
    Alimenlados a custa dos cofres pobiicos 249.
    gtnwaia>al,Wlndos d.- poctos do norte
    ao por -BaetonalCruzeiro do Stii :
    Leocadio ftaiol, Maooel Co^lho de Leao, Wilson,
    Anwnio Wasde Oliveira, Dr. Praocisao Borges de
    Abreu e 4 criado, Joao Henrique Vieira da Silra e
    2 eseravos, Dr. Paoiffoo da S! Castello *ranoo e 1
    so a estrada de Goyanna, que esta era es
    leploravel, uma ponte que tem dentro da cl
    dade, esta mtransilavel f
    Admirei quando vi que a ponte da rua do Rio,
    esta arruinada de maneira que e impossivel coa-
    certo, desculpando-me os senliores encirregados
    de concerta-la, esta minha opiniao.
    Nao teoho intencSo-de offender aninguem, meu
    des*jo e ver melhorada a minha comarca, )a por
    que nella nasci, e pela sua importapcia commer
    cial.
    Para que Goyanna seja bem servida de uma pon-
    te, que sadsfaca as necessidades do transito, nao
    e por eertn concertando-se a actual, que e gadar-
    83 3:000*003, ( por quant'n me dlzem foi arrema-
    tado o concerto ) sem nem uma utilidade du-
    radoura I
    Tendo sido retirada a estiva da ponte, esta in-
    terrompido o transito, tanto a pe, como a ca-
    valloni
    0 concerto planejado, que ja esta em vias de
    execuoao. e insufficiente, o que e preciso e que
    S. Exc. trate de mandar examinar o piano para
    uma ponte de ferro, quo sera obra duradotira.
    Taato a ponte, como a estrada, reclamam de S.
    Exc. atkacao e solicitude, para (|ue nao lique a.
    estrada eternamentu inacabavel, e com a ponte a
    gastar-se todos os annos tres contos de reis.....
    Espero quo o Exm. Sr. presideute, nao olhando
    para a pessoa qjie falia, e sim para a verdade e
    inleresse publico, proviifcnciara de maneira a con-
    cluir-se com a possivel brevidade aestrida, e or-
    denar o exame da ponte e a construccao d'uma
    de*ferro9titzendwajsim os interaises publicos.
    Rec fe, 27 de ianelro dft 1874.
    Romualdo Meet de OUveira.
    CIroo c'liacMtre liirwsllelro.'
    Resposla a pubiicacae que sahio no Diario de
    crtado, Jacinto de Mello Affooso, Praao&oo J. to'lPernambuco dp H' do coreente.
    mento teem o nariz arrebitado. Os typos sao va-
    riados e different entre si ; ha alii tartaros vindos
    dos con/ins do imperio, olhos a chineza, caras
    chatas de magoes, macas salientes, frontes agudas,
    mas reina no conjuncto uroa ^specie de regulari-
    dade uniforme E' uma elegancia militar que
    consiste em uniformisar o physico dos soldados
    como nos nossos regimentos de cavallaria se uni-
    formisa a cor dos cavallos. Em outro regimento,
    nos hussards por exemplo, todos os horaens sao.
    loiros com olhos azues ; na gaarda nao ha senao
    morenos ; um regimento, que era outr'ora do
    grao-duque Miguel, so conla ruivos ; emfim os
    couraceiros do imperador sio todos picad^s das
    bexigas.
    Os crimas de Limours teem preoccupado
    muito os parisienses. No Cantao assim denominado
    os assassimos, 03 incendios, os ronbos repetiam-se
    ha tempos a esta parle com uma frequencia in-
    crivel, e sempre acompanhados de circumstancias
    atrozes. Os criminosos forara presos emfim. Sao :
    o carteiro Desire, homem de uns cincoenta annos,
    que foi quem denunciou os outros ; Alexandre
    Leboeuf, homem de quarenta e quatro annos, an-
    tipathico, mas cujo procediraento se julgava irre-
    prehensivel; Guignard, urn velho de setenta an-
    nos Guillemard, que parece ser dos mais culpa-
    dos ; Frotlier e Henault que gozavara ambos de
    uma excellente reputacao. 0 processo deve ser
    dramatico, porque os crimes sao atrozes.
    Houve sessSo solemne na Academia France-
    za para se receber o novo socio Saint-Rene Tail-
    landier, quo succede ao padre Gratry. No seu
    discurso de recepc^ao, que foi excellente, pintou
    de urn modo vivo a figura original do seu ante-
    cessor, mathematico, niystico e poeta, que dizia
    que or a pieua era o primeiro capitulo da logica
    e que sendo homam todo de imaginacjio, soube ser
    homem d8 sciencia e poz essa sciencia ao servico
    da sua fe rellgio.-a.
    Respondeu ao recipicodiario o Sr. Nisard n'um
    applaud:! i discurso, em que dissc comtudo uma
    cousa excentrica. Depois de fallar com elogio nos
    trabalhos de Saint Rene Taillandier que fizeram
    conhecidas em Franca as iitteraturas estrangeiras,
    lermraou por dizer que um paiz nada lucrava
    com essas importacoes das obras do espirito es-
    trangeiro. 0 ideal litlerario do Sr. Nisard e, se-
    gundo parece, a China.
    Nao falta o espirito as actrizes parisienses.
    A prova disso esta na seguinte carta que madame
    Valtesse escreveu a um dos redactoros do Figaro
    que a accusara de ter as opioi5es politicas e os
    cabellos da mesma cur... verraelhos.
    Ella respond -u-lhe logo o seguinte :
    c Visto que Hie apraz tomar a sua conta duas
    cousas a que eu ligo muita importancia : as mi-
    nhas opiniSes e os meus cabellos; respondo-lhe o
    seguinte :
    a Parece-me, emquanto a cdr politica que me
    attribue, a avaliar pela urbanidade dos seus ata-
    ques, que e muito mais radical do que eu. Em-
    quanto aos meus cabellos, que acha verraelhos de
    mais, nio lbe parece que sera o mesmo elTeito de
    optica que fazia com que a raposa achasso ver-
    des as uvas ? Os meus cumpriraentos. Val-
    tesse.
    Apanha !
    Deixe-me contar algumas anedoctas do vasto
    repertorio do Figaro. A primeira refere-se a Bal-
    tard, o architecto de Paris, ha pouco fallecido.
    Quando a rainha de Inglaterra foi a Franca, Bal-
    tard desejou ser-lhe apresentado, e fallou nisso ao
    barao Haussmann, que nao teve a minima duvida,
    e que so Ihe disse :
    t Has faca uma cousa : corte a barba. A etique-
    ta ingleza nao admitte senao suissas. >
    Baltard tinha uma barba ampla e magni-
    Qca.
    < Pois eu bei de cortar as minhas barbas 1 sus-
    pirou elle
    De certo Quer passar agora por um dema-
    gog" I .
    Bem sabe que as barbas na cOrte ingleza sao
    schoking!
    Baltard suspirou de novo, mas resignou-se.
    No dia seguinte, quaado o barao Haussmann
    acabava de facr todas as apresenlacoes a rainha
    Victoria, dirigio-se para um homem que elle nao
    conbecia e que Ihe fazia de longe uns gestos
    desesperados.
    t Quem 6 o senhor, e o que deseja ? perguntou,
    Haussmann com certo espanlo.
    i 0' Sr. barao, pois nao me conhoce ? Sou Bal-
    tard e V. Exc. nao me apresentou a rainha
    0 barao soltou um grito de assombro
    c Ah I meu cbaro Baltard, que fatalidade 1
    Mas, meu amigo, a ausencia da barba muda por
    tal forma a sua physionomia, que eu nem por
    sombras fui capaz de o reconhecer.
    E aqui esta para que Baltard fe* o sacriiicio da
    sua barba.
    Soberania federal.Lemos n'uma Re-
    vista de reputacao europea o seguinte calculo
    fundado em documentos :
    a Na republics dos Estados-Unidos, que se quer
    inculcar por modello, a soberania snppde-se exer-
    oiaa pelo povo, nao directamente qne seria impos-
    sivel, maspordelegacio nas pessoasdos represen-
    tantes.
    c Ha naqueile paiz 37 estados, cada qual com
    suas. caraaras soberanas; e ha a confedera^ao,
    taajtem soberaua, que soberanameate dirige os
    assamptos geraes. Duas soberanias em vez de
    uma.
    Os representantes nas camaras dos 37 estados
    sokem ao onmero de enco mil e des, cada um dos
    quaes reoefce annualmente a gratificacao de tre-
    zentos e cincoenta dollars, ou trezentos e vinte e
    dous mil reis. o que prefaz em cada anno um to-
    tal de urn milliao setecenloa e olncotnta e tres rail
    e quinhentos dollars, os mil e quiohenios e trinta
    e tres coctos duzentos e viute mil reis, sem con-
    tar as ajudas de custo para jornadas, que sao
    variaveis.
    4 Vea depoi* os representantes superiut os naa
    duas camaras da contedera^ao, 285 da sagunda,
    74 do senado Ao todo 359, na razao do mil li-
    oras, quatro contos e quinhentos, cada um; donde
    Ass is Bezerra Junior. Joaquim Olympin o> Palva,
    Joio Gaatoerlo Pereira de Soiua, Franoisco tar-
    beta de 9. Pessoa, Thomaz Arlker, Dr. Juvenal
    Rodrigues Pinhoiro e 2 escravos, FraBcisca Brayg-
    dio da Moita, Dr. Irfiieo Basiliano de-Carvalho Sa,
    Luii de Seixas Correia, Francisco B. Viaira 1
    escravq, Oscar Tollinger, Pieffe AUtoini, Jpao'KEau-
    cisco da Silva, Tbrquato Dantas B da Camara,
    Alfonso Borges LeaJ, Antonio Tavares G. de Arau-
    jo, Manoel da Costa Moreira e 6 escravos, Thomaz
    Carr e sua senhora, Antonio Jos4 de Srqueira,
    Deodato Jose da Silva, Manoel Fernandas, Joao
    Mendes do Araujo, Luiz Antonio Fecreira, Arthur
    Dollas, Adelpho Bugenio Soares, Antonio Luiz de
    Farias, Dr. ..mmrngos Jose Rodrigues, Antonio An-
    gelo Fernandes, Joaquim Soares de Pinho, Manoel
    Francisco de Almeida Braga, Antonio Dias Pinto,
    Pedro Augusto de Carvalho e 2 filhos meuores,
    Firmino de Mello Azevedo, Maxiraiano Lopes dos
    Santos, Dr. Ascendmo V. de Magalhaes.
    Seguem para o sul no mesmo vapor :
    Manoel R. de Carvalho, Dr. Amelio F. da C.
    Paes, Dr. Manoel C. Rodrigues, Antonio L. da Ro-
    cha, Jose Antonio Rodrigues Junior, Guilherme
    Sludart, Jos6 NVillington Cakrai, Aatonio Cabrai,
    F. Vieira, Jose.B. Vieira, Miguel B. Vieira, Goncalo
    B Vieira, Dr. Paulo C. P. Lacerda, teneuie
    Miguel Joaquim Pederaeira, Julio L. Regadas, Car-
    los A. V.de Moraes, Joao C. Lisboa Junior, 2. te-
    nente Antonio T. da Silva Andrade, Joaquim Jose
    da Silva, Antonio G. da Cruz, Francisco V. Fer-
    reira, Antonio F. Campos, desembargador Jose A.
    de C Ferreira e 1 escravo, Alfredo C. de Souza,
    Cypriano F. de Freilas, tenenle Antonio Ray mun-
    do M de Carvalho, alferes M. de S. Ribeiro, Ma
    ncel da C Moreira, aspirante Pedro P. 0 dos
    Santos, Raymundo Quadro, Dr. Alexandre R. Bar-
    reiros e 1 escravo, Luiz Antonio da Silva Junior,
    Francisco A. da Silva \ ianna, Antonio Manoel C
    de Barros, Aveilno P. de Freitas e 1 escravr, 1
    cadete, 1 furriel, 25 pragas do exercito e 73 es-
    cravos a entregar.
    Vindos dos portos da Europa no vapor in-
    glez Neva :
    Luiz Antonio de Siqueira, Joio Pires Gonjalves
    da Silva, F. Lenden, Costa Pereira, Jose Antonio
    do C. Guimaraes, Manoel Jose da Silva Filgueiras,
    Anton.o Rodrigues, Abilio Aurelio M. Ramos, Lu-
    ciano Barbarino de A. Cardoso, Guilherme 4e Je-
    sus da Silva, Manoel Jose Piaenta, Constantino
    Gomes, Joao Velloso, Antonio Maria Nunes e Car-
    Iota Maria da Conceicao.
    Sahidos para o sul no mesmo vapor :
    Julio F. da Cruz Neva, Th, D. Cantalice, Cons-
    tantino Jose Ferreira Pinto.
    Vindo da Europa no vapor iDglez Arbi-
    trator :
    Joao de Oliveira Franco Junior.
    Vindo de igual procedencia no vapor fran-
    cez Henry 4.' :
    Fernando Jose de Ca6tro.
    de
    de
    PARTE POLITICA
    PARTIDO COliSERV IROlt
    RECIFE, 25 DE FEVEREIRO DE 1874.
    Disse, n:n ha muito, a Provincia que o Exm.
    Sr. Dr. Lucena calculadamente deixava ir o gym-
    nasio em abandono, procurando por esse modo
    desaereditalo.
    Para tornar bem patente a iajustica com que
    isto afflrmou a Provincia e por a mostra a fajta
    de fundaraento, que presidio a sua asseveracao,
    transcrevemos em seguida o contexto de duas
    actas da congregacao dos professores do gym-
    nasio :
    0 Rrm. Sr. conego Rochael foi exonerado a 28
    de Janeiro do 1873, e na coagregacao de 3 de fe-
    vereiro de 1873, a que estiveram presentes os Srs.
    professores, Sarmento, Jo>e Nicacio, Spinola, Fer-
    reira da Silva, Peixoto, Varejao, Mendooca, Drs.
    Sampayo, Breves, Collaco, Silva Santos, Moraes
    Pinheiro e presidida pelo Sr. Deao Dr. Farias, o
    Sr. Dr. Sampayo requereu que se consignasse na
    acta um voto de gratidao ao Exm. Sr. presidente
    da provincia, Dr. Henrique Pereira de Lucena,
    pelo interesse e dedicacao que vai mostrandj no
    engrandevimento e prosperidade deste internato.
    Esta indicagao foi approvada.
    Na congregacao seguinte ( 31 de outubro de
    1873, a que estiveram presentes os Srs. professo
    res Drs. Moraes Pinheiro, Jacintho de Sampayo,
    Magalhaes Breves, Nery Collaso, Manoel de Fi-
    gueirua, Jose Soriano, Soares de Azevedo, Guima-
    raes Peixoto, Ferreira da Si va, Sarmento, Spinola,
    Jose Nicacio, conego Costa Ribeiro e padre Igna-
    eio, foi lida e posta em discussao a acta da con-
    gregacao antecedente (3 de fevereiro de 1873), e,
    ninguem fallando sobre ella," submettida a vota-
    cao 6 approvada por umanimid da pelo regedor interino Dr. Augusto Carneiro
    Monteiro da Silva Santos (ja enlao o Dr. Farias
    nio era mais regedor) e pelos professores Jose
    Soares de Azevedo, Dr. Manoel de Figueiroa Fana,
    Luiz Carlos de Magalhaes Breves, Dr- 1** So-
    riano de Souza, Antonio Jose de Moraes Sarmento,
    Francisc? Jacintho de Sampayo, conego Joao Jose
    da rosta Ribeiro, Antonio Carlos Ferreira da Silva.
    Pedro de Alcantara dos Guimaraes Peixoto, Ma-
    noel Pereira de Moraes Pinheiro, Maooel Caetano
    Spnola.
    Bem aei que o povo parahybano. e incapaz
    acruiiUr na' calumnia de um homem capaz
    tudo... .
    Sendo a autoridade a primeira a conbecer, pois
    que a ella dou parte que a lotacto do circoe
    para 800 pessoas. 'Nao sei como nossa noile, nao
    sendo o circo de gomma elaslica, pode augmen
    tar lamo a ponto do informante calcular justa
    menle ne dooro.; e verdade qne hoove ama en-
    chente quasi completa, cujo resullado andou em
    750#, isso mesmo eu disse ao Exm. presidente
    da provincia, a quem entreguei a quantia de 50*0,
    o qoe S Exc. muito agradeceu-rae e mostrou-se
    satisfeito. Mesmo que as enlradas custassem li,
    nem assim se podena Fealisar essa grande quan-
    tia que diz o informante da Parahyba. E alem
    disso, cada um da o que pode. Quando o digno
    informante der, o que naturahnento sera poucas
    vezes, que de a quantia que Ihe aprouver !
    Nao sei quando jactei-me de caridoso, e nem
    pe;o para que acoitein meus pequeninos bene-
    ticios, e com isso tenho dito tudo. Porque na
    brio-a provincia de Pernambuco u5o preciso de-
    fender-ma, e iu.^taraento aonde tenho ganho me-
    dalhas de ouro de gratidao do povo pernambu-
    cano,. e se quereis saber, perguntai a sociedade
    12 de Setembro, como costumo a proceder, nio
    so com os nossos patricios, como com os estran-
    geiros, conforme minhas fracas forcas.
    Se o digno commendador toraou birra comigo,
    diga porque foi e qual o moirvo.
    Querem saber ? E' porque nio Ihe rendi ho-
    menagem e nem Hie Jdei entrada gratis na meu
    circo para elle e a comitante oaterva de afilha-
    dos.
    Esta satisfeito, Sr. padre Dr. Lindolpho, e isso,
    que V. Rvm. como homem do Evangelho dese-
    java saber rainha confissao. Creio que agora es-
    tara satisfeito, espero mesmo que, corao homem
    caridoso e pregador de moral, me perdoara ; e
    uutra vez que va a Parahyba, nio so Ihe darei
    um camarole, como todo o circo sera posto a sua
    disposicio, de suas comadres, afilUadis e aBlhados.
    Sou com todo o respeito de V. Rvma., criado.
    Antonio Carlos do Carmo.
    Rio Gtande do Norte, 17 de fevereiro de 1874.
    Residencia certa em sua casa, na corte, era
    Botafogo, rua D. Marianna.
    I'ma cousa que todo o luuntlo
    deve saber
    0 viajante munido das pilulas assucaradas de
    Bristol, acha se perfeitamenle armado e precavido
    contra aquellas enferraidades do estomago, flgado
    e intestiaos, communs era toios os climas. A
    primeira cousa a fazer se no caso de um ataque
    bilioso e a evacuacao dos inteslinos. As pilulas
    assucaradas de Bristol, completam este servico
    de uma maneira rapid >, e sem causarem o mini-
    mo incommodo ou dor. Ao par que ellas limpam,
    ellas suavisam e curara. Ellas conltSm era si um
    cerlo principio emoliente que evita a irrilacao ; a
    qual de outra forma teria lugar durante ama ato-
    raJa purgaijio. Durante a sna opera^ao nao se
    sente essas agudas, lancinantes e espasmodicas do-
    res, que de ordinario acompanhara a acgio produ-
    zida por esses cathartico3 mineraes. Para otrata-
    menlo de dispepsia, hemorrhoidas, affecrao do
    figado, enxaqueca, soppressio, vertigens, colicas,
    ardencia do estomago, ellas sao justamente o re-
    medio desejado, e nenhnma outra medicina eo-
    nhecida, pode sopprir o seu lugar. Como se achem
    mettidas em frasquinhos de crystal, ellas conscr-
    vara-se inalteraveis e perfeiias em lodos os climas.
    Era todos os casos aggravados ou provenientes de
    impureza do sangue, a Salsaparrilha de Bristol,
    devera ser usada juntamente com as pilulas.
    a Pereifa-Viaana- & C, manifesto!:
    Barrica vaziaa 130] a Joaquim G. de Bastos.
    Camarao 3 barricas a Jose Tarares Carreiro &
    C. e 4 encapadoi a M. A. Rodrigues Koheiro. Cha-
    peos do Chile 1 Jardo a E. A. Burle & C.
    Ferragens 8 barricas e 2 caixas a Shaw Hawkes
    & C.
    Salsaparrilha 34 rolos aos consignatarios.
    Telhas de ferro galvanisado 50 amarrados a
    Shaw Hawkes 4 C
    Hiate norte-americano B. L. Eaton, witrado de
    New-York em 24 do cerrente e consignado a Tasso
    Irmao dt C, manifastou :
    Agulhas e correias para macbinas-de costura I
    caixa a Souza e Sa & C, annuneios 1 call* a
    ordem.
    Banha 100 barris a Joaquim Jose Leitlo &C,
    100 a M. Tinoc.) de Souza, 100 aos consignatarios,
    80 a A. Prancisco Corga. Bclaehinhas 100 bar-
    ricas aos consignatarios.
    Farinha de trigo 643 barricas aos consignatarios,
    300 a Joio Q. de Aguilar 4 C. Kerozene 1,000 cai-
    xas a Antouio Francisco Corga, 400 a Joaquim Jose
    Leitio & C, 400 aos consignatarios, 300 a ordem.
    Oleo de espermacete 1 caixa a Souza e Sa & C
    Vapor ingle i Neva, entrado dos portos da Euro
    pa era 23 do corrente e consignado a Adamson
    Howie & C, manilestou :
    Amosiras 26 volumes a diversos.
    Chapeos 3 caixas a Monteiro Gregorio 4 C, di-
    tos de sol 1 caixa aos mesmos, 1 dita a Monhard
    Metier ct C. Cha 26 volumes a Brown Thonsom
    & C, 20 caixas e20 meias ditas a Thomaz A. Fon-
    seca & Successores. Cal^ado uma caixa a Vaz A
    Leal. Caraisas 2 caixas aOlinlo Jardlm 4 C, 1 a
    Vaz Junior, 1 a Pinto daSilva Cascao 4 C
    Joias 1 caixa a Penna Junior 4 C, 1 dita a Hy
    vernaf. Jorr.aes 2 volumes a De Lailhacar & C
    Livros 1 caixa a De Lailhacar & C 1 dita a K.
    Hermes, 1 ao Bjrra. Addson. Luvas 1 caixa a E. R.
    Rabello & C
    Modas 1 caixa a Jose de Vasconcellos, 1 a E.
    W. NicholU, 1 volume a A. B. Ghevny, I a Alfredo
    Guiason, 3 a Antonio C.Jde Vasconcellos.
    Mercadorias diversas 1 caixa a Vaz Junior 4 C,
    I a De Lailhacar & C, 1 a Mendes Lobo 4 C. Me-
    dicamentos 1 caixa a Manoel Alves Barbosa.
    Objectos para chapeos de sol 2 caixas a ordem,
    ditos para esoriptorio i caixa ao New London and
    Brazilian Bank.
    Papel I caixa a B. Thonsom 4 C Pinturas 6
    era 1 caixa a Babe Schmetteau 4 C. Perfumana
    1 caixa a ordem. Pregos 17 barricas a Parente
    Vienna & C, 13 a E. A. Bnrle 4 C.
    Queijos 27 caixas a Beltrao & Filho, 22 a ordem
    16 a Luiz Jose da Costa Amorim & C, 40 a Lebro
    & Heis, 17 a D Joaquim Ferreira Croz, 50 a Bas-
    tos e Sa 4 C, 42 a Jose M. da Rosa & Filho, 28 a
    Brown Thonsom & C, 21 a Antonio Francisco
    Corga.
    Relogio 1 a Joao R. Mendes.
    Tecldos 195 volumes a Cramer F/ey & C, 40 a
    Fhippt Brothers 4 C, 27 a Brown Thonsom & C,
    23 a Mills Latham & C, 5 a Mendes Azevedo 4 C,
    3 3 Braga Som & C, 2 a Monteiro Gregorio & C
    2 a ordem, 2 a E. A. Burle & C, I a Arruda Ir-
    mio, 1 a Vaz & Leal, 1 aos consignatarios, 1 a
    Adriano Castro & <'., 1 a Keller & C, 1 a Souza e
    Sa & C, 2 a Alfredo Guibson, 1 a Guimaraes &
    Irmao, 1 a N. Papoula & C. Typos 7 caixas a
    Duarte Irmaos.
    JoinJats-daC
    eouroj 6 etotros gauaoil
    Lagea.
    Fortes do norte8 dias, vapot i
    do Sul, de MM laMUdas, et_
    tenenle G. Waddiafloo, (pipagem 64, carga
    ?arlos generos ; a Pereira Jffrlia*ft&
    Southampton e portos intennedfoa17 dias,
    inglez Neva, de 1^55 tooeladas, cooMns*
    II. A. Bu, equiuajgm 116. carga 9>Mllt e
    outros generos ; a Aoaevson Howe-a I*
    Rio Grande do Sul -23dfas, brigae sueco Kmt-
    rg.Ua, de 208 tooeladas, capilio TeraaUaa,
    e'qnipagom 9, em laslro ; a ordem.
    Havre por Lisboa25 dias, vapor francez Janjrp
    4.; de 933 tooeladas, commandanle Capeala,
    equipagera 34, carga fazendas e outros geoopoa .
    a Augusto F. de Oliveira 4 C,
    Liverpool por Lisboa -18 dias, vapor ingles Arbi-
    trator,d 112 tooeladas, coumandante W. Wal-
    lace, eqnipagem 29, carga varies gooero* ; a
    Johnston Pater & C.
    Terra Nova-31 dias,- pataeha inglez Blackwooi,
    de 229 loneladas, capitao R. Palfrey, eqi
    8, carga, 3,250 barricas coa aaealhao ; a.
    ton Pater di 0.
    Rio Grande do Sul 27 dias, paiack* bra
    Ailianr.a, de 239 loneladas, capitao Franoas*
    Salvador de Azevedo, equipasjea 10, caga
    12,000 arrobas de came ; a Silva Caaa 4 U.
    Navio sahido no mesmo dia
    Portos do SalVapor ingba rYaw, cnmnuiaaMs1
    Bax, carga parte da que trouxe da Huron*.
    Observa$So. ___
    Suspendeu do lamarao para Maccki a baroa
    sueca Avgasta, capitao P. Edwran, cm o iiaaM
    lastro que trouxe do Rio de Janeiro. F. para
    ceio a barca ingleza llvi, capitao David Kbrk.
    com o mesmo lastro que trouxe do llio de Ja-
    neiro.
    EBITAES
    z**
    JUNTA DOS CORRETORES
    Praea do Recife, 3 de feverei-
    ro de iSS-1.
    AS 3 BORAS DA TARDE.
    COTAQOES OFFICIAES.
    Algodao-do Rio Grande do Norte 75800 por 15
    kiles posto a bordo a frete de 3(4 d.
    e 5 0|0
    Assucar bruto bom 1*800 por 15 kilos, hontem.
    Assucar Canal 1*300 por 13 kilos, hontem.
    Carabio sobre Londres a 90 drv. 26 I [8 d. por
    1*080, hontem.
    Dito sobre dito a 90 d|v 26 1|4 d., e do banco
    26 d por ISOOO, hoje.
    Carabio sobr3 Lisboa a 3 d|v. Ill 0(0 de pre-
    raio, do banco, Inntem.
    Dilo sobre dito a 3 dry. 112 0[0 de premio, do
    banco, hoje. .
    Deseonto de letras 12 OiO ao anno, hoje.
    a. de Vasconcellos
    Presidente.
    A. P. de Lemos
    Secretario.
    Patacho Inglez Mory, entrado de Terra Nova na
    mesma data e consignado a Wilson Rowe 4 C, ma-
    nifestou :
    Bacalhao 3,068 barricas aos consignatarios.
    Brigue ioglez Blackw wi, entrado de Terra No-
    va na mesma data e consignado a Johnston Pater
    & C, manifestou :
    Bacalhao 3,250 barricas aos consignatarios.
    iSSPACHOS DE EKP0I1TACA0 NO DIA 24 DE
    FEVEREIRO DE 1374.
    Para os portos do exterior.
    No brigue hespanhol Siberano, para Barce-
    lona, carregou: P. M. Maury 218 saccas com
    .6,503 1|2 kilos de algodao.
    No navio francez S. Louis, para o Canal,
    carregou: Keller & C. 880 saccas com 63,739
    kilos de algodao.
    No navio inglez StftfM \ para o Canal, car-
    regon : H. Forster & C. 2,856 saccos com 213,750
    kilos de assucar mascavado.
    No lugar inglez Curisande, para o Canal,
    carregou : Simpson & C. 204 saccos com 15,300
    kilos de assucar mascavado.
    Na galera portugueza Saudade, para o Porto,
    carregou : A. Loyo 600 saccos com 43,000 kilos
    de assucar mascavado,' e 000 ditos com 45,000
    ditos de dito branco.
    Na barca portugueza Sympatlua, para o Por-
    to, carregou: A. Cordeiro 260 saccos com 19,o00
    kilos de assucar branco e 440 ditos com_ 33,000
    ditos de dilo mascavado ; Silva Guimaraes & C.
    200 ditos com 15,000 ditos de dito branco e 100
    ditos com 7,500 ditos de dito mascavado,
    No brigue porluguez Cedral, para Lisboa,
    c rregou : PV. ianna & C. 200 saccos com 15,000
    kilos de assucar branco ; A. M. Souza Machado
    300 ditos com 22,500 ditos de dito e 200 ditos com
    13,000 ditos de dito mascavado.
    Para os portos do interior.
    Para o Rio de Janeiro, no patacho brasileiro
    Maria Isabel, carregou : J. C. Figueira 15 barns
    com 1,440 litros de mel.
    Para o Rio Grande do Sul, no brigue nacio-
    nal Prazeres, carregou : F. R. Pinto Guimaraes
    300 saccos com 22 500 kilos de assucar branco.
    Para o Rio Grande do Sul, nonavo nacional
    Abilio, carregou : F. R. P. Guimarae3 300 saccos
    com 22,500 kilos de assucar branco.
    Para o Rio Grande do Sul, no patacho na-
    cional Bemfica, carregou : B. Oliveira & C. 50
    pipas com 24,000 litros de aguardente : para Ala-
    goas, Algonez & Carvalho 1 Darrica com 6J kilos
    de assucar reflnado.
    Para o Para, na barca portugueza Linda,
    carregou : A. Cordeiro 40 pipas com 19,200 litros
    de aguardente.
    Para o Para, na escuna nacional G;orgiana,
    carregou : M. J. da Costa 90 pipas com 14,400
    litros de aguardente.
    Para o Rio Grande do Norte, na barcaga
    Trlumpho, carregou : V. F. de Freitas 5 barris
    com 480 litros de aguardente.
    Para Alagoas, na barcaca Mirabella, carre
    gou: J. A. Costa Siqueira 2 barricas com 124
    kilos de assucar jefinado
    Perante a camara municipal desta cidaaV.
    estara de novo em hasta puulica, nos dias SB ao
    corrente e 5 do mez proximo vind arremalado por tempo de um anno coin abate da
    quinta psrte, o imposlo de 60 rs por pe do oo-
    queiro de producio, exceptuados dez pes para o
    uso do proprietario, pela quantia de 801*600.
    Os pretendentes deverao comperecer com seus
    liadores habililados na forma da fei.
    Pace da camara municipal de Olinda, tide
    vereiro de 1874.
    Barao da Tacaruna,
    Presidente.
    Marcolino Dias de Araujo,
    Secretario.
    Pela thesouraria provincial a faz publico,
    que ficam transferidas para o dia 26 do corrente
    as arrematacoes seguintes :
    200 metros de empedramen o na estrada do
    Limoeiro, orcado em i84 J.
    Costeio da iHuminacao publica da cidade de
    Goyanna.
    Objectos do corpo de policia.
    Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
    buco, 16 de fevereiro de 1874.
    0 official-maior
    Miguel Alfonso Ferreira.
    Pela recebedoria de rendas iniernas geraei
    se faz publico que e no corrente mez de fevereiro
    que deve ser paga, livre de multa, a laxa dos es-
    cravos, relativa ao exercicio de 1873 a 1874; de-
    pois do que se lo ha com a multa de 6 0|0.
    Recebedoria de Pernambuco, 5 de fevereiro da
    1874.
    0 adminisirador
    Manoel Carneir i de Souza Lacerda.
    A camara municipal do Recife onvida a-
    todos os seus munieipci a apre-entarm para ser
    expostes no corrente anno, objectos de produccin
    agricolas para aexpodca) qne pretend" redisar a
    sociedade Doze de Setembro, segundo a partici-
    paciodoExm. presidente da provincia, de 16 do
    corrente, com referenda a ordem do govern im-
    perial.
    A mesma camara espera no patriot) smo, oem-
    caqio e zelo de lodos o bom exilo de tal eooYite.
    Paco da camara munic'-pal do Recife, 18 do fe-
    vereiro de 1874 -
    Theodoro Machado F Pereira da Suva
    Pro-presidente.
    Augusto G. d? Figueiredo
    Official maior servindo de secretario.

    Servico publico.
    Diversos sao os raraos de servico publico, e um
    dos que muito contribue para satisfazer as neces-
    sidades do povo, e sem duvida a abertura de es-
    tajkias, pontes ate, para facilitar os traosportes.
    0 primeiro presidente que deu principio a aber-
    Inrade estradas, foi o finado conde da Boa-Vista.
    Quanto aos melhoramentos da nossa provincia,
    incontestavelmente o conde da Boa-Vista foi o pri-
    meiro iniciador; e, quanto a estradas, mufto se
    esforcou para que ellas se abrissem e se conser-
    vassera.
    Parece que depois do conde, pouca solicitude
    tem navido da parte dos administradores desta
    provincia quanto a esta parte do servico pu-
    blico.
    Estando adroinistrando a provincia um pernam
    bucano, entendo que devo, humilde como sou, di
    zer o que sinto com relag&o a estrada desta cidade
    para a de Goyanna.
    Como pernamOucano, maxims goianista, venho
    sollcilar de S. Exc. seus cuidados e alleacao para
    a estrada de Goyanna, quo so acha em peisimo es
    tado I
    E" para lamenUr que a cidade mais importance
    do cmtro desta provincia, que o seu commereio
    e abundaniissimo, a estrada para ella esteja ojaaoi
    iob-ausitavell
    Ha mais de zO annos que se dou eoateco a fae-
    tara da-estrada de rodagern dosla capital para
    Goyanna, enlretanto. ainda contam-so ^uotro le-
    (da Chan da Mangabeira ate quasi Fuatai-
    ?.LFANDEGA.
    sndimento do dis 1 a 24 -
    dam do dia 25 .
    770:0864772
    32:726*764
    80J:8U*536
    Descarregam hojft 26 de fevereiro de 1874.
    Vapor ioglez Neva mercadorias Data alfan-
    dega.
    Vapor inglez- -4rftirra(or (atraeado) mercado
    rias para a fandega.
    Vapor francez Hnri IV mercadorias para al-
    fandega.
    Hiate americanoB. S. Eaton -kerosene parao
    trapiche Cooeeicao, para daspachar, e
    para deposito no trapiche Vieira.
    Pataeho inglez Vioifrille farinha e taboado ja
    despacbados para o caes do Apollo e ke-
    rozene para o trapkhe Coneeicao, para
    despachar.
    Patacho nacionalArabevarios generos para o
    trapiche Conceicao, para despachar.
    Patacho inglez Lady Mary cimento para o
    trapiche Coneeicao, para despachar.
    Patacho inblez Pelackwod bacalhao ja despa-
    chado para o trapiche Conceicao.
    Brigue ingles-Gra*tt-baca!hae ja despachado
    para a trapieba Conceicao..
    Patacho ingl?a iaJaria farinha
    CAPATAZIA daalfandega
    aendimentodedial 24. io-n^{.,':
    drtm do dia 25..... 9ji*3U
    16:013^599
    GECLARAC0E8-
    300*000
    201*080
    264*000
    209*000
    30O*ocn
    No dia 1 a
    VOLUMES
    24.
    SAHIDOS
    No dia 25
    Patacho
    ja despachada
    para o caes do'Apollo,
    amerieauoSenorifa -farinha ja despa-
    chada para a caes do Apollo. _
    Barca ingleza- Witck of the Teigncarvao e coke
    ia despachados para terra.
    Barca iuglaza-Moronrera* Wifto'-carvioja des-
    pachado para terra.
    Barca inglezaCorrisroofc'--carvao ja despacha-
    do para terra. ,.
    Poiaa*. hespaabola Barcete xarque ja despa-
    ehado para tana.
    Euu> nacional -Flat- do Jordiageaeros naew-
    naes para o trapiche Dantas.
    i>rimeira porta .
    iegunda porta -
    Terceira porta .
    IJuarta porta -
    ftapiche Conceicao
    SERVICO MAR1TIM0
    U>arengas descarregadas no trapic-u
    alfandega do dia 1 a 24
    No dia 25
    SaMos atracados no trap, da alfaadega
    Alvareogas........
    So trapiche Conceicao.....
    34,339
    226
    30
    125
    454
    33 174
    H
    56
    RECEBEDORIA DE RENDAS INTlRNAS GE-
    RAES DK PERNAMBUCO
    ^endimentodo dia la 24. .. :**''2
    dam do dia 25...... 3:087*338
    46:947*116
    CONSULADO PROVtNCIAu
    Asndimento do dia 1 a 24.
    idem do dia 25. .
    132:182*257
    137:761*989
    abas') que estao n'esse estado misera-vaiI t 'Vapor nacional
    Admira que 14 legoas de estrada, senao tenhara portos do norte em S5 io corrente e consignado
    jnal Cr\*uf do S.
    Sul, entrado dos
    MOVIMENTO DO P0B1S
    Xavios cntradot no dia 25.
    Terra-Neva32 dias, pataeho inglez Mary, de 192
    toneladas, capitao J. Morphin, equipagem 9,
    carga 300 barricas com bacalhao ; a W
    Rowe&C. ,fc .
    Rio Grande do Norte 4 dias, mat? bragJieiro
    Flor do Jardim, de 150 toneladas--*a-pTrao Joa-
    quim Prancisco da Silva^ppagem 4, carga
    SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
    RECIFE.
    A Hlma. junta administrativa da santa casa da
    tfisericordia do Recife, manda fazer publico foe
    aa sala de suas sessoes, no dia 26 de fevereiri.
    pelas 3 horas da tarde, tern de ser arrematadas a
    quem mais vantagims ollerocer, pelo tempo de nr
    a tr.:s annos, 3srendas dos jiredio; em seguJ*
    declarados. _
    ESTABLLECIKENTO DE CARIDADE.
    Rua do Calabouco.
    Casa terrea n. 18 (fecbadaj. .
    Travessa de S. Jose.
    Idemn.il.......I
    Rua de Santa Rita.
    Idem n. 31. ....... .
    PATRIMONIO DOS OUPHAOS.
    Pateo do Paraizo.
    |. andar n. 29. .00. .
    2." dito dito ......
    Rua da Senzalla velha.
    Casa terrea n. 16.......209*000
    Becco das Bohs.
    sobrado n. 18.......421*000
    Rua da Gnu
    Sobrado 14 (fechado).....1:000*090
    Ruo do Pilar.
    Casa tervee n. 100......241*000
    Idem n. 102........ttt*K'
    Rua Velha.
    Casa terea u. 44 (fechada). 4O-3J00O
    Rua 4"s Larangi;iras.
    Arraazem n. 17 .... 361*000
    Os pretendentes deverao apresentar no arto da
    irrematacao as suas llangas, ou comparecjrem
    icompaahados dos respectivos fladores, deycndv
    pagar alem da renda, o premio da quantia eta
    \\xe for seguro o predio que contiver estaljoloci
    mento commercial, assim como o servico da lim
    peza e precos dos apparelhos.
    SecreUria da santa casa da miscricordia do R-
    -ife, 25 de fevereiro de 1874.
    0 escrivao
    Pedro Rodrigues de Souza.
    Capitania do porto de Peru: u -
    buco. ti de fevereiro
    de 1894.
    Por esta capitania se avisa aos senhores pro-
    prietario? de canooas e outras erabarcacoes em-
    pregadas no trafico do porto, nos navegaveis, aa
    pequena cabotagem e na pesca, que nos termos do
    art. 76 do regulamento de 19 de maio de 1846,
    alem das matriculas que os respectivos indiviluoe
    deverao andar munidos, nao poderao empregar se
    ditas embarcagoes em taes jservicos sem li -enjas
    por eseriplo, que serao reformadas no fim de cada
    um anno, sob pena de raultas mareadas em diti
    arligo ; assim tambem que as referidas embarca-
    coes serio numeradas e marcadas nos costados e
    nas velas (as que tiverem) com as lettras e nnrae-
    ros que indicarem as licencas que fcrem passadas.
    como e expresso no artigo 73 do citado regula-
    mento.
    0 secretario
    ____________Decio de Aquino Fonseca.______
    Por edital do Illrn. Sr. Dr. juiz de direito da
    primeira vara civel afflxado no lugsr do costume.
    e nerante o mesmo na sala publica das andien-
    cias, findos os dias da lei e pracas neosssarias, ao
    ha de arrematar por venda a caa terrea a. 19.
    sita a rua de S. Goncalo, freguezia da Boa-Vi>u,
    eom uma porta e un>a janella de frente, 20 pal-
    mos e 4 pollegadas do vi), e 59 palnos e I polle-
    gada de fundo, duas salas, dou* quartos, cost-
    nba externa e cacimba meeira, qointal aoraoO,
    tendo 95 palraos de fundo, avalkda em dooa -
    tos de reis, cuja casa vai a praca por execucae
    de Jose da Costa Ferreira contra. Helena Rosa Ra-
    mos.
    0 escripto se acha euv^oder do |
    juizo.
    Recife, 23 de feverpfto do 1874.____________
    A'imifiistrja^i* ij8 correioi d#
    ^wisiico, 26 le [fvereiro
    871.
    [as peio vapor Cruzeiro do Sul da coospaniua
    hraileira.
    A cerrespondeueia 1(je tem do aor oaf


    hoje (261 pelo oapor aoiaaa menciooado npra a
    portos do sul, seri recebida pela raaoog
    guinie :
    I.....
    (



    ri"" "?*?''
    "*~**tUMM
    Diam
    ilquer \
    s di W.fc,
    estasa43*#,
    Afonso le Re|e> Bastoe.
    cowmflt
    Santa Ttereza.
    De cooformidade com o< artigos IS e 21 e>'
    dos ealatntos, sao convjdados os Srs. aeciomstas
    pan reunirem se em assembled geral no dia t6
    docorrent*. ao meio dia, no priraeiro andar da
    rot do Vigario n 13-
    lled fe, 18 de fevereiro de 1874.
    0 gerente,
    _________Jgstino J. de S. Campos.
    Caam da Mlsericordia
    Adorn.
    D. Virtvma.
    Sr. Edaardo.
    Sr. Aoguno.
    Sr. Penan le.
    Sr. n*vfo.
    Sr. Braga.
    Sr. layrosa.
    D. Dorothea.
    D. Isabel.
    Sr. Vicente,
    povo, Pescadores,
    A Junta administrate da Santa Casa da Mise
    rioordia do Recife, precisacdo fazer os concertes
    de que necessita o predio que possue o patrimo-
    nio dos orphaos, a roa da Crux, hoje do Bom Je-
    sus n. 12, contrata com quem se proponba a rea-
    ltor ditos concertos, mediante certa renda e al
    guns aaaoe de prazo para desfractar ; devendo
    os qae disso se qaizerem encarregar. apresentar
    sues propostas em cartas feehadas, devidamente
    selladas, acompannadas do respectivo orcamettfo
    nesta secretaria ate o dia 19 de fevereiro vin-
    daare.
    Secretaria da Santa Casa da Hisericordia do
    Recife, 17 de Janeiro de 1874.
    0 escrivao,
    .___________Pedro Rodrign.es de Souza.
    SANTA CASA DA M1SKKIC0RD1A DO
    RECIFE.
    Venda de predlos
    A Illma. junta admioistrativa desta Santa Casa,
    devidameotc antorisada pela presidencia, na sala
    de snas sessSes, pc as 3 horas da tarde do dia 26
    do corrente, venie oa permnta por apolices da
    divida publira os seguintes predios, pertencentes
    ao legado de Joaqnin da Silva Lopes, de qae 6
    administradora : Forte do Ma'tos, metade do *>
    brado de 3 andares n. 17, por K:500i ; becco do
    Abreu, 3* oarte do sobrado n. 1. por 2:6663666
    roa da Gate, sobrado de dous andares n. 69, por
    6:0003 ; rna de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
    1:4003, sobrado de urn andar n. 30, por 2:0003,
    dito meia-agua per 5003 ; rna dos Gaararapes,
    casa terrea n. 65, por 1:003 ; rua dos Acongui
    nhos, cosa terrea n. 26, por 6003 ; Largo da Cara-
    pina, dita n. 3, por 4003 ; rua da Soledade, dita
    0. 74, pur 7003 ; becco do Teixeira, oita n. 5,
    por 2o'>4 ; largo dasCiaco Pontas, terreno, por
    4:0003000.
    Secretaria Ja Santa Casa da Misericordia do
    Racife, 14 de fevereiro de 1874.
    0 escrivSo
    Pedro Rodrigues de Souza
    Capitaala do porto de Pcrnam
    buco,
    tlOde fevereiro de 1994.
    Para seieneia dos naveeantes pubiica-se o se-
    guinte aviso :
    MINISTERIO DA MARINIIA.
    Aviso aos navegantes.
    Pela secretaria de estado dos negocios da mari-
    nha se publicam as seguintes instruccSes, organi-
    sadas pelo capitfo de fragata A TambGrim, a hordo
    da canhoneira Araguary, era cumprimento do
    aviso nl635 de 30 de julho de 1873.
    InstruccSes para demandar a barra da Victoria,
    na provincia do Espirito Santo, avistando-se o
    pharol de Santa Lnzia.
    O pharol e dioptrico, de 4.* ordem, Inz lixa, de
    cor natural, visivel a 12 milhas em tempo claro e
    acha-se eollocado na encosta do morro de Santa
    Luzia; por 2f>18'20" de latitude S, e 2-33'
    39" de longitude E. do Rio de Janeiro.
    Para demandar o porto deverao os navios que
    vierem do largo e do norte. avistando o pharol pu-
    xar para elle, tendo o cuidado de nao o marcar
    0* por 6SOa rognetice, > fim de evitar a pedr
    denominada baixa grande ou perigosa, que coira
    a ease rnmo com o pharol na distaocia de 1 a
    1 l|2 milha S.
    Fora desserumo e a E do meridiano dos Paco-
    tea esperarao pratico.
    Osque vierem do sul poderao indifferentemente
    passar a E ou a 0 dos Pacotes e marcando o pha-
    rol a 0 esperarao pratico ; tendo sempre o cuida-
    do de nao passar desse parallelo para o norte, pa-
    ra evitarem a rnesma baixa grande.
    Sendo nolle clara, distinguindo se facilmente as
    pontas de terra, poderao os que vierem do N e do
    largo, dado o resguardo eonvenlente a ponta
    do Tubarao, puxar para a da foiialeza que fiea
    dentro da barra logo ao N do monte Moreno, e
    oonservando o monle da Venha aberto do Moreno,
    navegar ate dentro da barra, tendo sempre o
    cnidado de nao marcar o pharol por 60' SO mag-
    netico, em pequena distancia.
    Os que vierem do sul. passados que sejam os
    Pacotes, navegarao parallelamente a costa e a 0
    do meridiano dessas ilhas, sem comtudo se afas-
    tar muito delle, a6m de evitarem o rochedo Ca-
    vallo, qne demora por 41* NE magnelico do pha-
    rol, na distancia de 4 a 5 amarras.
    Marcado o pharol de 41 SO S navegarao li-
    vtementa a meio canal, dando resguardo a Balea,
    rochedo descoberto, dentro da barra.
    Canhoneira Araguary, 25 de agosto de 1873.
    Antonio Joaquim de Mello Tamborim, capitao de
    fragata. conforme, S. E. Pe3soa. director geral.
    Esta conforme. 0 secretario da capitania, De-
    eio de Aquino Fonteca.
    Archanjet&aphaet
    Satan
    Feroaardo Corte Real, se% a
    nome de Joao Alves
    Francisr.o Dias
    Padre Antonio
    Luii Corte-Real
    FeHppe Pedroso
    Leorsr
    Looio, eriado
    Anjos, toldado^, muRieres,
    etc. etc.
    A accao passase em S Paoloo !, 3.* e 4."ac-
    tos e em S. Pedro do Strl o 1*.
    Epoch*-1718
    DenamiiiHctU doa ^naili-ox
    *!. acto.
    1 A apparicao da Sedhora da Oincei^aa.
    ! 0 pi imeiro milagre.
    1* acto.
    3.* A visio e a sednccio.
    V* 0 archanjo folmina satan.
    3.* acto.
    $.* A morte de um justo.
    . acto.
    6.* Vox popoli, vox Dei.
    7.# A apotheose.
    A empreza nao se ponpando a esforco;, acaba
    de montar esta importante pe^a oratoria, que tem
    sempre sldo calorosamente applaudida em todas
    as partet onde tem sido representada.
    A peca 4 ornada de
    Mutacoes e vista.
    Fogos cambiantes.
    Apparicoes.
    E mnslca
    do maestro Cleto Lima
    Scenario novo
    de Mr. Chapi'lin.
    No intnito de melhorar as condicSes do thea-
    tro a empre'a acaba de fater importantes melho-
    ramentos, chamando os camarotes a frente e
    deixando amplos corredores para passeio. 0 thea-
    tro acha-se tambem todo pintado de novo.
    Neites melnoramen'os e nos prepares do dra-
    ma, Milagre* da Stnkora da Apparecida, a em-
    preza acaba de fazer a despeza de
    4:000^000
    confiando na prote :cao do pnblico, de quem es-
    pera a anima;io devida aos seus esforcos.
    Desde ja recebem-se encommendas de bilhetes.
    Nao se tendo podido, por falta de tempo,
    apromptar o concerto do theato e o preparo da
    peca, a empreza re9olveu adiar a primeira re-
    presentaclo para
    SUZANA ^
    Alfnns bilketM qae ainda restftal podma ter'l
    proeorades em mlo lo tbesnoreiro ia Aswetac^oJ
    rna do rmporador n 14, e no dia do e^pf^amrioj
    o escriptorio do theatro.
    Gabinete Portuguez de Lei-
    tura em Pernambuco.
    (Directoria)
    fara conhecimento dos Srs. socios, se faz pu-
    blico que, por reotivo de servico, o expedicnte de
    hoje ate o dia l.c de marco vindonro se fechara as
    8 horas.da noite.
    Secretaria da directoria, 53 de fevereiro de
    1874.
    . V. f erreira Chaves Junior.
    Secretirio.
    Armazens da companhia per
    nambucana.
    Scgiiros contra o fogo
    A eompy.nhia pernambucana, dispondo de ex-
    cellentes e vastos armazens em seu predio ao for
    te do Mattos, offerece-os ao commereio em geral
    para deposito de generos, garantlndo a inaior con-
    servacao das mercadorias deposiladas, servico
    prompto, 4)recos modicos, ete.
    Tambem recolhera, medianteprevio accordo, ex-
    clusivamente os generos de uma so pessoa.
    Estes armazens, alem de arejados e commodos,
    sio inteiramente novos e asplialtados, isentos de
    cupim, ratos, etc., etc.
    As pessoas que quizerem ntilisar-se destes ar-
    mazens, pederao dirigir-se ao escriptano da com-
    panhia pernambucana, que acharao com quem
    tratar.
    THEATRO
    PHEM DRAMATICA
    (An!i'> (iymnasio)
    irnm^m mm.
    Quinta-feira 26 de fevereiro.
    A's 8 1|2 horas da noite.
    '.randos reformns 1
    Grand machinismo !
    ^senario sumptueso !
    ^s. Sublime oratoria !
    Representada a capn&fao I
    Estrea da afttriz
    D. Virginia de Barros.
    Primeira repfosentacao do importante drama-
    aacro em 4 actos e 7 qoadros original brasileiro :
    flLAGRESx
    U 14 APPARECIDA
    Santo Antonio
    Sabbado 28 do corrente.
    Estrea da companhia.
    Primeira representacao do excellente drama em
    4 actos, ornado de musica e machinismo :
    UM NAUP1UGI0
    NMM
    COST VS DA BRETAMIA
    Denominacoes dos actos.
    1.Og Pescadores piratas.
    2 0 naufragio da Neptuno.
    3.* 0 combate e o incendio.
    4.*Os subterraneos de Kerongal.
    ItiKtrihuieao.
    Jacqnes Cerdic, velho pescador Sr. Thoraaz.
    P. dro Cerdic, seu irmao sob o
    nome de Manricio Sr. Julio.
    Joao Kernoc, chefe dos piratas Sr. Bahia.
    Jorge de Harmental, naufrngo Sr. Santos.
    I'lick guarda 1'alfandega Sr. Camara.
    Gariou, pescador pirata Sr. Silva.
    Kabiot, dito Sr. Florindo.
    SimSo, velho marinheiro Sr. Procopio.
    Clackson, contramestre inglez Sr. Menezes.
    Um pescador Sr. Antonio.
    Maria, filba de Cerdic D. Hanuela.
    A tia Derienne, mulher d'um
    pescador D. Joanna.
    Duveke, idem D. O. Augusta.
    Pescadores e pescadoras.
    A accao passa-se em Kerougal na BretaQha, no
    seculo XV1H.
    ,0 scenario, vestuarios e accesorios sao apropna-
    dos, sendo a scena do 4." acto, que representa os
    subterraneos de Kerougal, onde tem lugar a grande
    Explosao da mina
    seguida de um completo
    Destnoronamento
    pintada a capricho pelo babil scenograpfao
    I. Chapelin.
    No intervallo do !. ao 2.* acto, a orchestra exe-
    cutara uma brilhante peca intitnlada :
    A tempestade
    composicao do distincto maestro _^
    sendo tambem cantada, no decurso do acto, pelo
    Sr. Silva, a
    Cancao dos piratas
    acompanhada de coros, escripta expressamen
    pelo mesmo maestro.
    0 drama esta posto em seena com todo o es-
    mero.
    Terminara o espectaculo com a primeira repre-
    sentacao da comedia em 1 acto
    Os dous limidos. i
    Personage^.
    Tiago da AnnunciacSo Sr. Bahia.
    0 Dr. Julio Sr. Vicente.
    Anastacio Gil Sr. Emiliano.
    Cecilia, filha de Thiago D. Emilia.
    Anastacia, criada D. Bernardina.
    A scena e em Bellas.
    A's 8 Ift hora?.
    Ao publico
    A empreza, no intuito de facilitar as familias
    pouco numerosas a frequencia aos seus especta-
    culos, resolveu alterar o systema de venda dos
    camarotes, a qua! sera feita d'ora em diante pe-
    ta tabella abaixo declarada.
    Por este novo systema, uma familia de duas pes-
    soas (era por 73 um camarote, que antigamente
    lhe custava 103, uma familia de tres pessoas pa-
    gara 83, e assim por diante.
    Tabella de promos.
    Camarotes de frente (posse)
    Ditos de lado (idem)
    Entradas para os mesmos (cada pessoa)
    Cadeiras de primeira classe
    Ditas de segunda dita
    Geraes
    0 bilhe'.es estao ja a disposigao do pnblico no
    escriptorio do theatro.
    C3000
    53000
    13000
    33000
    2*000
    13000
    THEATRO
    (Antlgo Gjrmnasio)
    EMPREZA
    Lllli PEISA^TO
    Sabbado 28 de corrente
    A' 6 i| horas da noute.
    Grande espectaculo em beaeflcio
    da Assoctaeao Portnguesa de
    Beoefleenela dos emprega
    dos no commereio e lndastria
    >w em Pernambuco.
    Repre8Btar-5e ha pela prirneira vex, omagni-
    fieo drama enTd-actos^
    Vo<
    0 drama
    I t|t horas 4a tarda
    MILAGRES
    DE
    \. S. ila Apparedfc.
    Principiara as 6 lrl boras
    4iS0S MARiTrMfl$7
    3 Para Rio Grande do Sal
    O patacho Ucinlica
    sahir brevemente, reeebe algnma carga a frete
    a tratarno escriotorio de Balthar OKveira A C.
    Bhia Allianca Mari-
    tima Portuense.
    A.iahra portngneu, SswdoaV, m*Hd pou-
    diu para o Perto, ewn escala por IMbou.
    i tem contratada gtf mle parte da caffa.; -e
    para o resto, trata-se com os consignaurios e
    agentes da companhia,
    lot/da Silva Lyo A Filku.
    era sea escriptorio a rna da Companhia Pernam-
    btjeana. _______ a___________
    Rio de Janeiro
    Para o refefldo porto preteode segnir com pou-
    a demira o patteno brasileiro 3rn6, por ter a
    mai-T parte de seu carregamento eogajado ; e
    ! ^ara o resto que lhe falta escravos a frete, tra-
    ita-ae com os con?ignalariu< Juaqnim Jose Goncal
    J ws Beltrao ft Filho, a rna da tomraercio n. 5.
    LEILOES.
    Real companhia de paquetes
    glezes a vapor.
    0 vapor
    in-
    Comtnandante Thwaltes.
    espera-se dos portos do sul, no dia 58 do corrente,
    o qaal depois da demora do costume, seguira para
    Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
    Lisboa.
    Para fretes, passagens, etc., trata-se na agenda
    rua do Commereio n 40.
    GS9
    LBDLAO
    DE
    moveis, lou;as, vidros, 1 piano de jacaranda, 1
    dito de mesa, de mogno, 1 mobilia de jacaran-
    da com tampos de pedra, 1 dita de amarello,
    nas mesmas condicoes, i par de esprlhos de
    moldura donrada, carteiras, secretaria, estante
    para livros, cadeiras avulsas, ditas de balanco,
    quadroi, candieiros a gaz, Jarrei, camas fran-
    cezas, ditas de ferro, bercos, mesas elastieas,
    mesas redoodas, guarda-ronpa de mogno, mar-
    quezdes, marquezas, sofas, santuarios e 1 tear.
    Na mesraa occasiao scrio vendidos 1 par ido de
    160 phapeos de palha do Chile (finos), 1 dito de
    feltro finos e entre-fioos, 100 chap6os de palha de
    arroz para meninos, e Amazonas, para senhoras,
    os quaes serao vendidos sem reserva de precos,
    para fechar contas.
    I UwBerio de mogno, com marmore.
    Petteneas para o dito, de porcelana donrada.
    i ceetoreira de mogno.
    4 eapelho dourado.
    Cadeiras.
    S* e 3* quartos.
    I rlca cama de jacaranda para casal (nova).
    1 lavatorio de amarello.
    Pertencas para o mesmo.
    t mesa redonda de ferro.
    1 meia commoda de amarello.
    i cadeira grande de braco.
    Sala de jantar.
    1 gnarda louca de amarello, 1 aparadores com
    marmore, J ditos de amar jllo, com pes torneados,
    t mesa elastica de amarello, de 6 tabuas, t cadei-
    ras (espreeuicadeiras), 24 cadeiras de guarnicao,
    1 machina de abrir latas, copos para agua e
    champagne, caiices, cempoteiras, apparelhos para
    alraocp e jantar, 1 machina de costura com mani-
    vella, I rewolver para 10 tiros ou bslas, I banhei-
    ro de folha, e ontros artigos que estarao patenles
    aos Srs concurrentes.
    0 agente Pinho Borges, vendera em leilao, ao
    correr do martello, os referidos moveis e joias qne
    se recommendara pelo gusto e estado de conserva
    cao que se acham, por ordem do Sr. Alfredo Pris
    eo Barbosa, que vat a Europa, ra Passagem da
    Magdalena, casa contigua a do Sr. Kmckenberg.
    Partira as 11 boras da manha, Ja respectiva es-
    lacao Ferro Carril, nm bond com uma bandeira
    para conduzir gratis aos Srs. concurrentes.
    Rio Grande do JSul
    Para o referido porto pretende seguir com mui-
    ta brovidade a barca portugueza Arminda, por
    ter a maior parte de seu carregamento tratado, e
    para o resto que lhe falta, trata-se com os consig-
    natarios Joaquim Juse Gngalves Beltrao i Filho,
    a rua do Commereio n. 5.
    0
    Rio de Janeiro.
    Pretende segnir com brevjdade o brigne nacio-
    nal Isabel, por ter dous tercos da carga engaiada.
    Para o resto que lhe falta e escravos a frete,
    trata se com o seu consignatario Antonio Luiz de
    Oliveira Azevedo. rua do Bom Jesus n. 57.
    "~ 0 agente Dias, competentemente autorisado,
    vendera em leilao, nestes dias, os objectos acima
    relacionades
    a's i 1 horas era ponto.
    No priroeiro andar do sobrado da rua do Marqnez
    de Olinda n. 64.
    LEILiO
    cry
    DE
    mcreis, tauqas finrs,
    vidros
    Hoje
    horas da manha
    es e
    as
    li
    l.inha quinzenal
    0 PAQUETE
    .4 BORDICOS
    espera-se dos portos do sul ate o dia 27 do cor-
    rente, e depois da demora do costume, seguira
    para Liverpool, via S. Vicente, Lisboa e Bordeo-,
    para onde recebera passageiros, encommendas e
    carga a frete.
    OS AGENTES
    Wilson Bowe A C.
    14BUA DO COMMERCIO
    no sobrado a rua do Barao da Victoria n. 21 trea
    ceiro andar, por cima da loja do Sr. F. Ger,m-
    no, relojoeiro, ontr'ora rua Nova
    A SABER:
    Um piano inglez do fabricante Meyer, 1 mobilil
    de amarello contendo 12 cadeiras de guarnicao, e
    sofa, 2 consolos. 1 mesa redonda, 2 cadeiras da
    braco, ditas de balanco, 1 dita de faia, imitacao de
    jacaranda, contendo 12 cadeiras de gnarnicao,
    sofa, consolos, jardineira, cadeiras de braco, 2 di-
    tas de balanco, guarda-vestidos de muito gosto,
    guarda-roupa, espreguicadeiras, marquezao, toi-
    lettes de jacaranda, cama para casal, guarda lou-
    ca, aparadores, cadeiras de amarello para sala de
    jantar, lavatorios de ferro, mesinhas, mesa elasti
    ca, louca para jantar, dita para almoco, lanternas,
    escarradeiras, jarros para flores, bolas de vidro,
    espelbos com molduras douradas, quadros com
    diversas paisagens, tapetes, capachos e outros
    muitos artigos e trem de cozinha.
    0 agente Pinho Borges, bastante autorisado, le
    vara a leilao os moveis e mais artigos existentes
    no referido sobrado, pir ordem de nma familia
    que se retirou para fora desta provincia.
    PARA'
    0 Georgiana
    E' esperado do Rio de Janeiro por estes dias
    a segue com ponca demora para o Para, tendo ja
    parte da carga engajada : trata-se cam Tasso Ir-
    maos ft C.
    Para.
    Pretende ;eguir para o iodicado porto, com pou-
    ca demora, a barca portugueza Social, por ter
    porrao da ;arga engajada ; e para o que lhe falta,
    trata-se com os consignatarios Joaquim Jose Gon-
    calves Beltrao ft Filbo, a rna do Commereio n. o.
    Para
    Segue com brevidade para o referido porto a
    escuna Georgiana, tendo ja parte de sea carrega-
    mento engajado : para o resto trata-se com Tasso
    Irmaog ft C, a rna do Aroorim n. 37._________
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    BE
    !\avegaeffo costeira a vapor.
    4RABYBA,NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACa
    TT, CBARA, MANDAHU E ACARACU*.
    0 vapor Giquid,
    eommandante Martins,
    seguira para os por-
    tos acima no* dia 28
    do corrente, as 5
    horas da tarde.
    Reccbe carga ate o dia 26 do corrente, encom-
    mendas ate o dia 27, passageiros e dinheiro a fre-
    te atd as 2 horas da tarde do dia da sahida :
    escriptorio ('no Forte do Mattos n. 12.________
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE
    ^lavearaeSo costeira a vapor.
    tfACEld, RSCA1.AS, PENEDO E ARACAJU'.
    0 vapor Ipojuca,
    eommandante Santos
    seguira para os por-
    tos acima no dia 28
    do corrente, as 5 ho-
    ras da tarde.
    Reeebe carga ate o dia 26 do corrente, encom-
    mendas ate o dia 27, passagens e dinheiro a frett
    ite as 2 horas da tarde do dia da. sahida : s-
    criptorio no Forte do Mattos n. i2.___________
    COMPANHIA PERNAMBUCANA
    DE .
    \'ave#acao costeira a vapor.
    GOYANNA.
    0 vapor Pnrahyba, com-
    mandante Pedro, segui-
    ra para o porto aeiroa
    no dia 3 de marco as
    9 horas da noite.
    Reeebe carga, encom-
    mendas, passageiros e di-
    aheiro a frete : escriptorio no Forte do Matto*
    a. 12.
    De
    38 garrafdes, cada um com 28 libras de ervilhas
    hamburguezas.
    hme
    As' 11 horas em ponto
    0 preposte do agente f'estana, fara leilao por
    conta e risco de quem pertencer, de 38 garrafoes,
    cada um com 28 libras com ervilhas hambur-
    guezas.
    QUINTA-FEIRA 26 DO CORRENTE
    no armazem do Sr. Annes, em frente da alfan
    dega.
    a's 11 boras em ponto.
    LEILAO
    DE
    uma mobilia de jacaranda,
    grande quantidade de tras-
    tes avulsos, crystaes, ob-
    jectos de ouro e prata,
    muitos grtigos douso do-
    mestico
    SEXTA-FEIRA 27 DO CORRENTE
    NA
    FEIRA SEMANAL
    16-Rua dolmperador-16
    4RHA1EH
    pelo agente Martins.
    6=S>
    PacHic Steam Navigation Compan)
    ROYAL MAIL STEAMER
    ACONCAGUA
    espera-se da Europa ate o dia 8 de marco.e de-
    pois da demora do costume seguira para o sul do
    imperio, Rio da Prata e costa do Paeifico, para on-
    de recebera passageiros, encommenda* t dinheiro
    a frete.
    OS AGENTES
    . Wilson Bowe A C.
    f4RUADO'COMMERCIO-^14
    DE
    moveis, louca, vidros e 3 candieiros de gaz car-
    bonico
    Sexta-feira 99 do corrente
    SENDO:
    Uma mobilia de jacaranda a Luiz XV, com pou-
    co uso, 1 dita de amarello, 1 guarda-roupa dedito,
    1 santuario, 1 machina de costura em perfeito es-
    tado, 1 toilette de jacaranda, 1 mesa de amarello,
    1 par de aparadores de dito, 1 excellente guarda-
    lon?a, 2 cadeiras de balanco, 2 espelhos grandes
    e 1 pequeno, i commoda de amarello, 1 bonito re-
    logio de cima de mesa, 3 candieiros de gaz car-
    bonico, 1 apparelho de jantar re dito de porcelana
    para almoco, lanternas, tapetes e outros muitos
    objectos que serSo vendidos ao correr do martello
    pelo agente Martins
    No armazem da rua do Imperador n. 48 as 11
    horas da manha do dia acima.
    Importante
    LEILAO
    DE
    moveis, louca, vidros, -crystaes, joias de ouro e
    brilbantes
    TERCA-FEIRA 3 DE MARCO
    A's 11 1| horas.
    Um rico adereco de brilhantes, 1 cruz com vol
    ta de perola, 1 aliinete de brilhantes para retrato,
    1 par de roseta com circulo de brilhante, 1 par
    de botoes de brilhantes para camisas, 1 annel de
    esmeralda e brilhantes, 1 abotoadura de ametbis-
    ta, 1 relcgio dejouro com esrda para IS dias e 1
    corrente de onro para relogio.
    Moveis
    ,L'm piano novo e forte de A. Blond & I Wignes,
    cadeira de jacaranda para o mesmo, I estante pa-
    ra muiiea, 1 mobilia moderna de jacaranda, com
    sofa, 2 consolos com tampos de pedra marmore, 2
    cadeiras.de braco, 2 ditas de balanco, 2 ditas de
    faia, de balanco, tapetes granges e peqnenos, ricos
    jarros dc porcelana, bolas de vidro, figuras, redo-
    mas com flores, escarradeiras, 3 perta-flores com
    snspensao para janellas.
    Gabinete da toilette.
    1
    more.
    1 guarda vettido de amarello rait,
    LEILAO
    DE
    locomotoras e carros do syste-
    ma Thomson, ou carros de
    borracha
    Nodial& deabril.
    Em virtude de nao se poder dispdr de boas es-
    tradas de rodagem nesta provincia, os possnidores
    do material acima mencicnado estao resolvidos a
    vende-lo todo em leilao on separadamente, confor-
    mese convencionar.
    0 emprego destas maehinas em grande nnmero
    de paizes da Europa, Asia, America do Norte,
    onde ellas tem suhstituido os antigos systemas de
    transportar cargas pesadas, dispensam os seus
    possuidores de encarecerera a sua grande utilida-
    de, como meio de transporto economico e commo-
    do para os engenhos, e toda sorte de propriolade
    agri ola ou industrial, que disponha de plarricies,
    cuja situa-.ao dos respeclivos depositos ou arma-
    zens Gquem distantes do lugar de produc.ao ou de
    fabrico.
    Estas maehinas podem trabalhar como nvchi-
    nas Gxas, para o que tem competentes vulantes, e
    servir para serrarias, enfardamento de algodao e
    fazer mover toda a sorte de apparelhos. etc., etc.
    0 materia 1 consta do seguiiite :
    2 lecomotoras de forca nominal de 8 cavallos
    cada uma, com caldeiras verticaes e fornalhas
    quadradas e oval, podendo queimar rarvao ou le
    nha, com fumigadores e cinzeiros.dispostos de
    sorte qne se previne qoalqner accidente de incen-
    die. Estas maehinas possuem todas as pecas in-
    dispensaveis de sobresalentes, e sao comptetas a
    todas os respeitus, estao novas e em perfeito esta-
    do de conser-acao, visto como, apenas trabalr-a-
    ram o tempo necessario para se demonstrar pra-
    ticamente as suas vantagens.
    6 carros solidamente construidos, suspenses em
    excellentes molas, sendo dons com portas late-
    raes, dous com ditas na parte posterior e dous ra-
    sos, proprios para transporte de caldeiras, moen-
    das. etc.
    0 leilao sera effectuado pelo agente Pinto, a rna
    d'Anrera n. 91, estacao das ditas maehinas, e pe
    las It horas horas do dia i."i de abril.
    Da-se todos os esclarecimentos a rua do Rom
    Jesus n. 8, prime:ro andar.
    CASA DA FORTBNA.
    AOS 4:000*000.
    BILHETES GARANTIDOS.
    *' rua Primriro de Marco (oytr'orm run 4*
    Cretpo) n. t3 t rasa* do costume.
    0 abaixo assigned' tendo vesdido nos sens fe-
    llies bilhetes. um meio n. 3332 com 700*000.
    um rneio n. 678 com 200*, um mow n. 3379 com
    100j, e ontras sortes de VO< e 20* da loteria qne
    se arabou de extrahir (88-), cdnvida aos psesni-
    dores a virsm reeeber na confonnidede do eosta-
    roe sem desconte algum.
    Acbam-se a venda os felizes bilhetes garantide*
    la 9' parte das lotenas a beseflcto do reco-
    Iniincnto da vilu de Iguarassu (89'), qoo se ez-
    lrhira no sabbado 28 do corrente.
    PBJECOS
    Bilhete intciro 4*000
    Meio bilhete 2*000'
    CS POKgXO DE 1 OOrOOO PARA CIMA.
    Bilhete inteiro 3*500
    Meio bilhete 1*780
    Manoel Martins Fiuza.
    Em casa de Braga Son & C. a rua do Com-
    mercio n. 4, tem para vender :
    Cognac em caixas.
    Cerveja em garrafas.
    Tinta preparada ou oleo em latas.
    Saccos vasios.
    Cnteterias._____________________________
    No collegio Ja Coticeicas pvecisa-se de um
    iado.__________________________________
    Tem se para alugar uma escrava boa en-
    gommadeira, cozinheira e costureira : na rna de
    llortas n. 86. sobrado.______________________
    Associacau Portugueza Benenoente dos Em-
    pregados no Commereio e Industria em
    Pernambuco.
    Pelo presente sao convidados todos os socios
    desta associacao para que e dign-ra as*istir a
    missa que no dia 26 do corrente nu-z, pelas 7 hora
    da manha, tem de se mandar rear na igreja de
    S. Francisco, por alma do contocio Antonio Pin-'
    da Silva Motta, fallecido na ridade d<- Mossoro,
    Recife, 23 de fevereiro de 1874.
    Alipie Augusto Ferreira.
    _________________I* secretario.__________
    Alugam se as casas ns. 77 e 79 da rua de?
    Joao, e o 3 andar com sotao do sohrado n. 3 da
    rua da Penha : a tratar na rua Du iue de Cuias
    nU.____________ ^_________
    Alugam- 47 da rua da imperairiz : na rua do Hospicio nn-
    mero 33.
    Aos senhores de engenho e
    outros proprietarios
    qne pretenderem contratar ediflcacoes de predkis.
    asa s de campo, ou chalets, demarcacoes de ter
    as, nivellamentos, assentamento de machines a
    vapor, plantas ou outros quaesimer trxbalhos net-
    te genero, qneiram dirigir-se nessoalment* on por
    escripto a A. Coutinho, a rua do Crespo d. 18, 1.*
    andar, escriptorio.
    SAQUES '
    '.arvalho & Nogueira, na rua do ApoCu
    s. 20, accam sobre o Banco Commercial
    de Vianna e suas agencias em todas as u-
    ilades e villas de Portugal, i vista e a prai
    por todos os paquetes.
    AVISOS DVERSOS
    Manoel Luiz dos Santos, membra da firma
    commercial de Santos A Sobrinho, declara que
    retira-se para fora da provincia a tratar de nego-
    cios tendentes ao seu commereio, e deixa como seus
    procuradores os Srs. Manoel Jose de Miranda e
    Joao da Silva Ferreira._____________________
    Atteneao.
    Precisa-se com urger.cia de uma ama de
    leite, que seja sadia, e que tenba bom e
    abundante leite, para tomar conta de uma
    crianca de dias, dando-se preferencia a* mu-
    lher do matto : quem, pois, estiver nestas
    circumstancias appareca no S. andar desta
    typographia para tratar.
    Grande liquidacao de
    chapeos de todas as quaiida-
    des, a rua Direita. outr'ora
    Marcilio Dias, n. 61
    Affonso Jose de Oliveira professor jnbi- (O
    la B
    I
    lado da cadeira de ge|jgrapbia e hisloria 'F\
    do ex-Lyceo desta cidade, autorisado '
    pela directoria geral da instruccao pu
    blica, tem aberte uma aula particular de ^
    latim, na rua do Duque de Caxias n. 61, 9.
    ^.' andar, onde estira a disposicio da- Q(
    quelles, que de seu prestimo se quize
    rem utilisar.
    Jose da Silva Aranjo, retira se para Europa
    e deixa por seus procuradores os Srs. Jose Fer-
    reira Campos e Joao Goncalves d3 Souza Beirao.
    i
    Ao
    commereio.
    Os abaixo assignaJos fazem sciente ao publi".
    e esperialmente ao respeitavel corpo do commer-
    eio, que desde 31 de Janeiro proximo passado,
    compraram ao Sr. Manoel dos Santos Falcae a
    taverna sita ao pateo do Paraizo n. 30, livre e
    desembaracada de qualiuer onus ; quem se jnl-
    gar credor apresente suas contas no prazo de tre
    dias a contar deste.
    Antonio Joaquim de Sa.
    Manoel Pinto Alexandre
    12 na rna de Mara
    a tratar no segaad*
    Na rua de Santa Thereza n. 60 se dira quem
    vende 60 palmos de terreno, em Belem._______
    Sociedade Propagadora da
    Instruccao Publica.
    Abrir-se-ha segunda-feira 2 de marco a aula
    primana do sexo masculine da fregnezia de 3.
    Jose. Os interessados devem dirigir-se ao profes-
    sor, na casa d'aula, a-rua de 21 de Maio, ontr'o-
    ra Praia do Caldeireiro n. 21, ou a rua do Bar-
    tholomeu n. 53.
    Henrique Praxetles de Barros otVerece se para
    administrador de engenho e segne para qualmer
    lugar, dando-se-lhe conduccao para sua familia; o
    mesmo, por ter longa pralica de engenho, da
    conhecimento de sua conducta com attestados das
    principaes pessoas desta cidade : quem precisar
    dirija-se a travessa das Crazes n. i, que achara
    com qnem tratar.
    Aluga-se
    Uma excellente casa para familia, na Capunga,
    porto de Lacerre, a rua da Ventura n. 22, tendo
    quartos fora, banheiro, cocbeira,. etc. : a tratar na
    mesma casa
    Armazem do iiiino
    A' rua do Amorim n. 41
    eom todas as proposes desejadas, e onde poJe--
    rio os senhores fregOBzes dirigir-se, ;certos de
    3ne, como. ate aqui, acharao sempre a par da mo-
    icidade dos precos, a nraior Sinceridade possivel.
    Entre as differentes marcas de fumo da Bahia e
    Rio de Janeiro, que tem sido 'annnnciadas, acaba
    de chegar nma encommenda especial, e que muito
    deveconvir aos senhores freguezes. Consciente o
    abaixo assignado de que neste genero de negocio
    nao esta sem competidores, fara muito por evitar
    qne tambem o: tenba com relacio ao pequeno lu-
    cro qne proenrara obter da dita mercadoria.
    Jose Dominguet do Carmo e Silva.
    Aluga-se o 1 andar n.
    lio Dias, antiga rua Direita :
    andar.
    Deseja-se saber onde more nesta praca um
    filho de Thomaz Baptista Barbosa, negociante qw
    foi em 1861 a 62, nas Porteiras (Ceara) para sea
    interesse : na ma do Marquez de Ohnda n. 37.
    1* andar, aid f ioras do dia.
    Moura A artins precisam fallar ao Sr. An-
    tonio de Carvalno, actualmente empregado no ar-
    senal de guerra, a negocio de seu interesse.
    Perdeu se do pateo do Ten; i a matriz de ?
    Jose, um par de oculos com armaclo de our* -
    vidros quebrados : qnem os tiver achado pod>
    restitui-Ios a ma Angnsta, i-n-.i n. 2">0, qne sera
    recompensado.
    0 abaixo as>ignado declara que compron *i
    Sr. Jose da Silva Ribeiro a taverna sita a nia ii
    Santo Antonio, em Agua Fria, livre e desembara-
    cada de qnalqner debito ; mas se algnem se jnl-
    garcom direito a ella, apresente se no prazo c*
    tres dias, a contar desta data, linda a qnal nao se
    responsabilisa por debito algum.
    R.c!fe, 53 de fevereiro de 1874.
    Manoel Gomes Martins.
    Aluga-se nma casa com 3 quartos e um pe-
    queno sitio, na rua da Casa Forte : a tratar na ma
    da Ponte-Velha n. 84._____________________
    Luso Brasileira
    Conselho flseal.
    De ordem do Him. Sr. presidente sao convida-
    dos os senhores membros do conselho para a se-
    sao que deve ter lugar a 27 do corrente, as 6 1:2
    horas da tarde.
    Secretaria da sociedade beneiicente Luso Bra-
    sileira, 2i de fevereiro de 1874.
    0 secrelaHo snpplentc
    __________^^ J- M. d Andrade.
    A? eoaHMrdi
    0 abaixo assignado declara a* respeitavel pub:
    co e especialmenle ao eorpo do commereio, qu.
    tendo comprado a loja de cabclleireiro. a rna da
    Imperairiz n. 45, pertenccnte ao Sr. Joao Franei--
    co I'en-ira, livre e desembaracada de qnaeequer
    onus; previne a todos que se juigarem credons
    do mesmo, de apresentarem seus titulos dentro do
    praz-> de ires dias, fin da os qoaes perderio seus
    direilos e nao se aitendera a reclamacao alguma.
    Recife, 24 de fevreire de 1874.
    _ Manoel de Menczcs Albuquerque.
    "ALUfifS-
    uma casa na Capunga, rua das Pernambucana?.
    com coxeira e quartos fora : a tratar na ma do
    Vigario Tenorio n. 31._____________________
    Precisa se alugar uma ama para casa de
    pouca familia : na rua dc Imperador n. 33.
    (M
    Aluga-se o sobrado novo da rna Vidal de.Ne-
    greiros n. 14.9, defronte do chafariz, com commo-
    dos para uma grande familia, tarn cicimba, gran-
    toilette de jacaranda com Umpo de pedra mar- j de quintal com sahida para a rot do Nascente, a
    AVISO.
    Nao se prestando o pequeno espaeo do armazem
    n. 10 A,}. rna da Madre de Dcos, para am abaste-
    cido deposito das diversas marcas de fumo, que_ o
    abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora <
    diante aberto oiitro estabelecimento sob a i
    denominacao de
    Offerecese nma pessoa de nacionalk
    portugueza, mnito habilitada para administr
    de engenho : a tratar na rua da Madre de Dew,
    casa de Fraga A Rocha.
    Chapas e argolas ameri-
    canas
    0 fabricante destas, tem a honra de partieipar
    ao respeitavel pnblico que, tendo de retirar.se
    para a cfirte brevemente, so pode reeeber eneem-
    mendas ate o dia 7 de marco ; portanto roga aos
    senhores que quizerem munir-se de ditos objectos,
    mandarem as suas encommendas con anteceden-
    cia ao hotel Estaraitet, i rna do Imperador o. 32, <
    das 9 boras ao mem dia. __ ^
    Vende-se nma'easi terrea sita a raaem Con-
    cordia, hoje_ do Marquez do He'ryal, n. 93, para
    loia-aluga-se Junto ou separado a
    I id Barao da Victoria n 3,
    pagam'ento de legados'e despezas dos in
    dos finados Maria Antouia de Souza e sea
    Jose" Francisco da Costa : a tratar com o
    tratar na rna I dador Manoel Alves Guerra, ou coot o
    iFrederieo Chares.

    k

    1



    ^"""^^mB
    %
    )
    I
    *
    I
    Diario de Ptnambuoo Quint* feira 26 do Fevfljwto 4t 1874.


    MM
    MHBplMIO BOflAW
    RUA DO BRUM N. 52
    (Passando o chafariz)
    PEDEM AOS MlkM de engehbo e oniroa agricuitorta, Mr>pregad i oe to
    iki&ismo o favor de tuna, vitiu sea wVabeleciojenio, [.>rtni o toot iy< umeiiu
    oapleto qoe ahi tern; aendo tado aperior em qoalidade t (ortidio; o que com a im
    cceo pesaoai pode-ae verificar.
    ESPECIAL AITENGAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
    ttpurOS O rOaaS tragua manboa convenientea para at diverse
    'ircomrtaaciaa dos tenhoret proprietarioi e para deacarocar algodio.
    Moendas de canna .! 0I u^uah0', M^leU,ore, qM ,qD!
    Bodas dentadas p
    Taixas de ferro fundido, batido e de cobte.
    Alambiques e fandos de alambiques.
    [fl rVhlTlifiTTl nfl Par* mandioc* 8 algodio.l Podendo' todoa
    wAUiiiuiBIUUo e para serrar madeira, fier movidos a mio
    Homhn.fl iPr "e01' v'Por'
    "vuiucM de patente, garantidaa........ |ounimaes.
    Todas a8 miyriifaftj p** piMr
    Fa* qualquer concerto dfl mAkSmo' preco mnl re,omido-
    PonnaS dfi fflrTO tem MU>orM e m>ia b,r,,a8 xitentea no mer
    Rnnnrnmanrloa Incnmbe-ae de maodar vir qualquer machinismo a von
    auuuiuiUOU'ittS. ude dog eJientea, tembrando-lbea a vantagem de faxerem
    mat cempraa por intermedio de petsoa entendids, e qae em qualquer aeceaaidade pdde
    bee prestar auxilio.
    iradcs americanos e mtraa,enlo "a***
    RUA DO BRUM N. 52
    PASSANDO O CHAFARIZ
    FUMHCAO DE FERRO
    4' m do Barao do Triompho (rnadoBrnm) ns. 100 a MM
    CARDOSO IRMAO
    HECEBERAM de lnglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para ec
    gepbos, as mais moder-nas e melhorobra que tem vindo ao mercSdo.
    VapOreS de forca^e 4, 6, 8 e 10 cavallos.
    balaeiraS de aobresalente para vapores.
    10enCiaS mtOiraS emeias moendas, obra comoaunca aqai veio.
    TaiXaS ifundidaS e baUdas, dos melhores fabricantes.
    rCOdaS d aglia COm cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
    RodaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
    Rel0gi0Seapit0S paraYapores.
    uOmbaS de ferro, de repucho.
    AradOS de dnrersas qualidades.
    Formas para assucar g^desp^nenas.
    OoneertJOS concertn. com promptidao qualquer obra ou machina, para o que teea
    sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
    EnCOmrncndaS man^am TU* Pr encommenda da Europa, qualquer machinismo,
    para o que se correspondent com uma respeitavel casa de Londres
    a com om dos melhores engenheiros de lnglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
    ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
    Rua do Barao do Triumpho (rua do Bnun)ns. 100 a 104
    FUKDI'CiO DE CARDOSO & IRMAO.
    LINHAS
    DE
    wmaRw. .w.i.o-
    pAo -
    DE
    TOSAS
    As
    CORES
    ASULHA5
    l&ftgtfrktf
    VAHA
    PARTE
    A
    Machina
    aoda Viciorii
    Na rua do Barao da Vicwrii n. M precisa-*
    ailar ao Sr. Tigario Audre Curci, o de Araujo P-
    elra, netocio de seu inirresse.__________
    Com as falsifica^des que tem apparecido
    DAS MACHINAS PASA CO
    DE
    SINGER
    Porque?
    o
    CD
    X
    O
    ma-
    Nenhuma
    china Singer 61egi-
    tima se nao levar
    g esta marca fixa no
    bra CD
    Paraevitarfalsi-

    i^ canoes notem-se g
    I .a
    bem todos os deta-
    lhee da marca.
    E. A. DELOUCHE.
    '19 Rua do Marques de Ollada49
    Acaba de receber um grande sortiftienio de re
    logios americanos para parede e mesa, de corda
    I de 24 horas e de corda de 8 dias, com despertador
    | do* melhores gostos e qualidade.
    Relogios de ouro pa'tcnte inglez verdadeiros, des-
    coberto com ponlelro grande no tneio, do9 m;ii>
    modernos e do meteor fabricante de Ltndres.
    Grande sortimento de relogios de prala, prata
    donrada, cobertos e defcobertos. Ditos de prala
    foliada (plaqut ), ori-ocial e patente, de todc
    preco.
    Cadeias de plaque e de ouro.
    Lnnetos e orulos de ic das as qualidades.
    Verdadeiros Vidros de cnristal da Rccl>a, para
    vista oan-ada.
    Vende-se 'tudo por pre^o mais baratc nae era
    outra qnakroer partc.

    I
    DUARTE & IRMAO
    GABELLEIREIROS
    Premiados na exposi^ao de 1872
    RUA
    DA
    1MPERATRIZ
    N. 82
    l/.ANDAR.
    RCA
    DA
    IMPERATR1Z
    N.r82j
    I* ANDAR.
    Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
    diccSas possiveis de bem servir ao publico desta illustre capita), e cis Exmas. Sras. n'a-
    quillo que for tendente a arte de -cabelleireiro.
    Fazem-se cabelleiras tanto para bomenscomo para senhoras, tupete, chignon,
    coques modernissimos, tran^as, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
    mulares, flores, bouquets todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
    O estabelecimento acha-se prorido do que ba de melhor nos mercados estran-
    geiros, recebe directamente por todos os-vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
    rinos de modas, e por isso pode vender 20 / menos que outro qualquer, garantindo
    perfei^ao no trabalho, agrado, sinceridade e pre?o razoavel.
    Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
    poTjaoe a retalho e todos os utensilios pertencentes 4 arte de cabelleireiro.
    CHAPEOS DA ULTIMA MODA
    Cheg.vam lindos e bem enfeitados chapeos do mais apurado gosto, para senhora :
    rlac I'filumnaq (io Antonio Pnrrpia (in Vssrnnrr>lln= i bJLj_ ,i- it.
    ioja das" columnas, de Antonio
    co n. 13.
    Correia da Vasconcellos, d rua Primeiro de Mar-
    I
    A dinheiro e a prazo!
    A content das Exmas. familias
    MACHINAS DE SINGER
    Sao -mais|baratas.
    Sao de doos pospontos. e
    Sao simples.
    Sao rapidaf.
    S8o duradouras.
    MACHINAS DE SINGER
    Sao de dous pospontos.
    Abainbam.
    Franzem
    Pregam tran^as.
    Marcam pregas.
    Bordam de linba de &t:d&.
    Alcolchoam.
    Pregam cordSes.
    UNICA AGENCIA
    EM
    II
    Apreciein
    eufflo se
    S6 o n.
    RUA DO
    \ende taral-j
    20
    \
    NOVAS PUBUCAGDES MUSICAES.
    A. J. d" 4zevcd Uuu \ovu nil
    Acabam de publicar-se, e acham-se *
    venda as seguintes musicas :
    PIANO SO\
    DANSE F.SPANHOLA, por iSCDQT 8J*<>*
    Arabella, mazoika, por 0. Wer-
    thcimer 15>M0
    Valsa do Fai:sto, por Croyzes 19#0 Sonho de iMA viRGF.M, por Alber-
    tazzi IJW'J
    Anna la Prie, cavatina 19000
    AoClair de la Luse, por Bussmejer 19600
    ESTBELLA DO ?IORTE p(j,ka brilhante l90Q<.
    SaudaqAo ao Bahia I
    Cricket, por Seixas, offerecida aos
    chrickets club pcrnambucano e
    babiano 1*>J
    PIANO KCANTO.
    Desespero, muito Imdb romance
    por 1. Smoltz 2100^
    Nos m'amava, romance pot Guorcia 19000
    Tambem recebeu da Europa grande sor-
    menide musica para piano, piano e
    antoutlos, methodos, etc. ete.___________
    CHAM AIM).
    Os Srs JovinoFernandes da V.vm <* Joa jiiJin C
    menie de Lemoe Duarie, rio rhamalaf j rua <1
    Coronel SoasMiaa n. a82, a negiK-io Ue pnWwai
    inlt-resse.
    A CASA AMERICANA
    45 RUA DO IMPERADOR 45
    4
    Rua do Imperador 49
    Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afamados autores,
    como sao i Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de-pianos supa-
    riores, mandados expressamente construir para este clima, o qual os ansadores dos
    bons pianos sd encontrarao nesta casa.
    Recebera-se pianos usados em troca.
    Cohcertara-se e afinam-se pianos.
    Tambem avisa-se aos Srs.
    coneertadores de pianos
    que ha sempre o mais completo sortimento de materiaes para concertar pianos, como
    sSo: cepos, folha para os mesneos, craveihos, parafusos, castor, camursa, cordas,
    marfim, etc., etc.
    49 RITA IIO IMPERADOR 49
    lUi DAS 3 NRAS
    DE
    Guilherme & C
    CASSA-LA
    Acaba de cbegar esta fazenda com bonitos pa-
    dr5es, e que se ve&de pelo diminuto preco de 90u
    rs. o covado 111
    METIM
    Metim uaa^ado, padrSes bonitos, a 320 rs. o
    covado 111
    ORGANDY DE CORES
    Cambraia organdy de cores, fazenda flna, boni-
    tos padroes, pelo diminuto pre^o de 320 rs. o co-
    vado III
    LAS ESCOCEZAS
    Novo sortimento desta fazenda, com toottos
    padroeg, que se vende a 240 rs. o cova4o!ll
    CBETO.NE
    Cretone claros e esearos, bonitos padroes, e fa-
    zenda flea, pelo dimiuuto preco de 400 rs. o co-
    vado 111
    LAS MODERNAS
    Completo sortimento de ia de todas as qualida-
    des, pelos diminutos preijos de 400 rs. o covado,
    6 pechkicha 11 I
    Cortes de casemira. di cores, a 5#C00.
    Colchas estampadas e com barra a 3*300 e
    4*000.
    Cobertae de chita adamascada a 33500.
    Lencoes de bramante a 2*000.
    Dites de algodao a 1*490.
    Toalbae alcocboadas, duzia, a o*800
    Lencoe de cassa com barra a 1*000 a duzia.
    Ditos de cassa abanhados a 2*000 a duzia.
    Ditos de esguiao abanhados, em eaixinha- mo-
    dernas, duzia, a 3*500.
    Cambria transparente fina a 3*000 a pe;a.
    Cbalesue todas as qualidades e precos.
    Bramaate de algodao e iinho a 1/600 a vara.
    Dito de linho puro com 9 e 10 palmos de iar-
    gura a 2*500 e 2*600 a vara.
    Algodao marca T, largo, a 5*000 a peca.
    Dito domestico a 3*000 a pe^a.
    Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
    sa9, a 440rs. o covado!!!
    Madapoloes Iranceze* de todas as aualtdades de
    a* a 8*590 a peca.
    Chapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
    minuto pre^o de 8*500.
    Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de
    baho nuro, a 44*000 a duzia ; e peehincha, so se
    ven4o.
    f opelinai de Iinho e seda pelo diminuto preco
    de 800 rs. o eovaio ; e peehincha, e dao-se amos
    tras..
    S6 o n. 20 da rua do Crespo
    IiOJa das ires portas
    selecta e f'e urabigo
    (Enxert;ida)
    Sapotizeiros
    c sapcteiros de 11 palmos (em >;>sos) c de U ii-
    os tamanhos e preros mais cimmodos que iar.-
    les ; assim como ai secnint''? outran pluata? il
    fructa e de ornalo
    Ahacati.
    Acacia.
    Anlicum a -.
    Canella.
    Casuarina.
    Carolina do phnriiv
    Condeca.
    Coracao da India.
    Figucira.
    Flamboyant.
    Fructa-pao.
    Inga do Para.
    Jambo.
    Jasaim lar.inia.
    Laraaja da China.
    Oita do eeo.
    E outras piantas
    ura n. 20.
    Laranji cravo.
    Dita W dore do I'r.ra
    Oita bn nr.i.
    H.;a tangtrina.
    Limn da Persia
    Mia dfl umbigo.
    Limao franccz.
    Mo d !'. cnxcrtad
    OWcpro.
    l'aimeira imi-etiai
    Parreiris.
    i'ioheiras.
    KoiMiras.
    Hozeiras.
    Rozeda.
    I'fcaia.
    jia Capuaga i roa da \.
    *res
    DE
    uilherme & C.
    JUNTO A LOJA DA ESQUINA
    EscravaTugida
    Aufeutou-se da casa de seu senhir, no dia 26
    do corrente a escrava Felicia eora os signaes se
    guintcs : cor parda clara, cabellos cemprido*, at6
    os hombros, rosto redondo, falta de um dente
    quasi na frente, corpo reforcado, maca do rosto
    bastanto saliente, foi acompanhada por um bo-
    mem, pra-ja de cavallaria de nome Vasconceilos,
    foram vistos no dia 27 do corrente, em Santo An
    tao : quem a levar 'a Camhoa do Carmo n. 3.
    sera gratificado generosamente.
    Precisa-se de araa ama que saiba cotni
    e engommar, para duas pejsoas : na rm Dire
    n. 10. _____________^^
    Aluga ?e mna ca*a na rua da Praia "dotTl"
    deireiro n. 21 : a tratar na rua do Livramento
    23, loja do Sol.
    Aluga-se uma casa na E-trada Nova qc<
    vai para a Macdalena, raiada e pintada, com >
    guns arvoredo?. perto do rio, mnrto freara, p:
    pna para famil a a qualquer estabelecimeoto
    quem pretender, diiij.i ^c a rua do Bom Je=us &
    i noulas n. H, que acliari ^om quem iratar.
    MOFINA-
    Esta encouragado!! 1
    Ajcua mole em pedra dura
    Tanto da ale que a fnra.
    Roga-se ao Jllm. Sr. Ignatio Vieira de Keil
    aaerivto na cidade de Nazareth desu provincia
    ravor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a coB
    ctuir aquelle negoeio que S. S. se comprometteu *
    reahsar pela tereeira chamada deste jornaL ec
    flns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro
    passou a fevereiro e abril de 1872, e nada cumpnc
    e por este motive e de novo chamado para ditc
    um, pott s. S. se deve lembrar que este negoeio
    M mais de oito acnos, e quando o Sr. seu filta **
    achava nesta cidade.
    s
    0
    Enipreza do gaz
    A emprezado gaz tem a honra dc annnniara.
    puhlico que receteu nltimamenle um esplendid-
    sortimento de lustres de vidro. candieiros. aran-
    delas e globos, enjas amo-iras esiao no escnptohc
    a rua do Imperador n. 31, e serio vendidos aos
    seus freguezes pelo preco mais razoavel po-sivei.
    JAI5ga'se luarto andarlo~p7edIo~n~S^H
    rua do Bom Jesus, antigamente rua da Cruz a
    tratar na niesma rna n. 5J.
    Constructor e aflnador de pianos
    Rua do Imperador-
    33
    na
    Ex-afinador das antigas
    Alpbonse Blonde!.
    casa
    e afamadas casas Pleyel & Herz, e antigo director das offlci-
    Tem a" honra de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que tem aberto sua casa de
    qualquer que seja o estado do inscrumenio.
    io dos melhores fabricaaies
    os pianos sahidos da casa
    onc*rtos e afinaedes de pianos, ,
    A mesma casa acaba de receber um grande sortimento de
    de Paris, como Rrard Pleyel, Bentf Herz Alphonse Blonder)
    Dhibaut sao garantidos.. .
    Comprise e recehe-se em troca os piano* usados.
    Na rua do Imperador
    n,28
    ,-reeisa-se failar aos seguintes senhores :
    r-j Lima (Vaiareth).
    __ Brandao. '
    Maaort doepa^oajiiraada.
    The^wdeBarroaeSIWa.
    PriW.Pio Peooa (Dr.)
    P^KtJt Paoia Berget.
    -- ranettca Antonio Pootual Junior.
    f*r*;*f *********
    0 advogado Francisco de Paula PBnna
    continna no exeroicio de sua profissao :
    ^ a rua do Duque de Caxia* n. 71. %
    i*m****mm***
    m
    *
    PARA
    Marcar vestidos, roupa de cama, guardanapos, lencos,
    meias e todo generxTde roupas
    COMO TAMBEM
    Cartfes (tevisita, livros, envelopes e toda a qualidade de
    papds, clara e exadamenle com o Dome competenle da pessoa
    Garanre-se dar uma chapa tao boa como poderia eonseguir-se em Landrea ou Nova
    \or, e affianija-se igualmente que a tinta serd iudelevel.
    You can bet your bottom dollar on that
    Cada chapa com o some da pessoa e acompanhada de dous fraspuinhos de tinta.
    um ptncel uma direcgao sobre a roaneira de empregar a chapa e nma receita para fazer
    tinta. costando tudo r ;"
    - } Preco Hxo.....3JJS000
    Em letra de.mio egothice. 5^000'
    PARA.CHAVES j
    Sao muito commodas e possuem as seguinteg vantagens :
    Servem para ajuntar as chaves, e ao'mesmo tempo sendo
    nome e moradia do dono.
    ESCRAVO FUGIDO.
    Desanpareceu ao amanhecer do dia 4 do cor
    rente, do engenho Serigi, comarca de Gnyanna, o
    escravo de nome Jose Borge.-, mestre de assucar,
    tendo os signaes seguintes : eabra, idade 30 an-
    nos, pouco mais ou menos, boa flgura, um tanto
    grosso e espadaudo, sendo o signal mais visivel
    uma gomma na junta do pe e?querdo : roga-se a
    todas as autoridades e capitaes de campo queiram
    apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en
    genno, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
    go do Corpo Santo n. 19, que serao generosamen
    te recompensados.
    faceis de abrir e fechar, deixam
    i.
    i
    chatas, ha iugar para o
    .
    chave sem
    -
    offendw
    A" Torre
    Aloga-se para pssara festa am sitio com
    excellent^ casa da babitacao banho no rio
    a freoUTOesta: quem a pretender, pode
    procgrar 4 rua de Genrasio Pires q, 24.
    SSo iaceis ue aDnr e tecnar, deixam entrar a iaior
    argola. :- ,,..,.
    SSo feitas de praU allema enao saosujeilasa enierrujar, quebrar ou abrir; como as
    argoias de aco, sao muito fortes e booita's. Cada argola anierioaua com o nome e roora-
    1ia do dono, aberta na mesma,'custa : > s
    Preco fiio 2^000
    B
    mm
    AYRES GAMA
    9
    slio pardYular da lingna |ir-
    tawia
    SalvaJor Henrique do Albuquerque, ensma a--
    ^enlioras que se quizorem preparar para .. coa-
    cursos as eadeiras di mslruccAo primaria ; i.re-
    ta-se a en*inar por casas e collegios particnlarri
    Dfeta cidade e seus suburbia, nio so esta dist
    plina como todas as materias do ensino clem nta
    a alumnos de um e outro sexo.
    Tambem todas as tarlcs, em sna casa, lecci
    aos e.-tudantes de preparatories que precisarw.
    nabiuiar-se para o examc de porlugoez.
    Ensina tambem geouetria e aritonietica
    todo o de Largo do Paraizo n. 8, 2 andar.
    - Preeisa-se alugar um escravo tiara o s rv.
    em casa de fen.ilia: na rua Primeiro de Nar
    n. S3.
    - Pede-se ao lllni. Sr. capilio Manc-I de Car
    valho Paes de Andradc Gjuvim, o favor de vir a
    rua do Aurora n. 31, para tratar a rameilo d-
    sitio que alugou em B<.beribe, visto que nao
    tm dignado re-ponder as cartas que lhe foraa
    diri.
    _as.
    LOJA
    RUA
    DO DUQUE DE CAXIAS
    H. .
    Primeiro andar.
    &
    P. LAURQ.MAGPHERSON
    :iV0 Mm ESTAMIlVfiT
    Rua do Imperador/n; 32
    .T0DO8 ,0S DUS IJTIIS PAS 9 ItORAS AO MEIOU,
    Ainaro de Barros Correia e Captuliuo Ro-
    drigues do Passo vendem terreaos, regnlarmente
    tracados, no seu sitio de Beberibe de Baixo, ha-
    vendo organisado nma plants de sea perimelro,
    em que se deeenha visivelraente a distinccao
    e regularidada no seu projecto de arruamentos
    novos, approvado pela camara municipal de Olin-
    da. A fertilidade do terreno, a aua proximidade
    da estajao do Fundao, da linha ferrea do Reeife
    a Beberibe, conseguintemente do rio Beberibe, e
    commodidade dos prejos convidam os pretend'en
    Ml compra, que os poderao procurar a Amaro
    de B.Carreia, era Beberibe, a Captulino Rodrianea
    do Passo, no Recife, e ao engenheiro Antonio Feli-
    ciano Rodrigues Sette, a estrada de Joao de Bar-
    rot n. 9.______
    Aloga-se a loja do sobrado n 9 da rna Aa.
    rora : a tratar na rua do Hospicio n. 26 Uverea.
    ou na rua da Imperatriz n. 10, taverna. '
    -- Aluga-se o 2. e 3.#
    andares do sobrado n. 47 da
    rua da Imperatriz : na rua
    do Hospicio n. 33.______*_
    N. S. do Terco.
    Tendo o nosso irmio jnii pedido sna demiasao,
    pelo presente sao convidados todos os nosso/ ena-
    nssimos irmaos para se reonirem em iresa geral
    no consisUirio da igreja de N. S. do Terco, do-
    mingo 1.* de marco, para se aleaer am oovo jaiz.
    Secretaria da irmandade de N. S. do Tetco, SI
    de fevereiro de 1874.
    Osecretario,
    Antonio Ji se Peraira da Cuaba.
    SE
    Para lulu
    oj andar do sobrado a. n da rna Marquez de
    Icwmaa : a tratar no armazem do mesmo predio. ~------------
    - PncistwMaJagar uma aacrava para cozinbar Uos mai8 m"
    coojprar : a-tratar na roa Primeiro de Marco n. Preci>a
    Mfioja, iTtlladoCabo.
    Na chapeleria econf.mica, a na Direiu a. 43,
    tem chapeos de menn6 pretx para ewhora* a
    meninas, de feitios muito modenMK> Com olai-
    tes de cor tem lindos chapaoa da palfca dot toi-
    tios mais m- dernos qoe ate heje lea afaaroctdfe
    se de um reflnador: na rdtaacie da

    i


    4
    .1




    /
    *




    I
    Di&i&&?miMtopB> Qdkita Mr* gftlfle- $<3*&&m ill H**^
    -loja da
    tratar ne cafi
    Barbeiro
    Preclsa se de um Mm official de barbeiro, da se
    aaeiacao no trabalho e juntamente a mesa : no
    i_Jao da raa Dnque de Cjttias n. 36, < andar.
    Escravo fugido.
    Do enponho California, em Serinhaem, fugio a
    escrava Catharina, no dia 24 de dezembro proxi-
    mo passado, a qual representa ter pouco mais. de
    13 annos de idade, estatura regular,soffre de.hery-
    -ipela, pelo qne tern uma perna mais groan qne
    a outra, tern fait* de dentes na frente, e tambem
    falia-lhe o dedo pollegar 4a mao direita, qne o
    perdeu nas carretas do engenho : qaem a capio
    rar podera traze-la ao dito eogenho qne sera pago
    de seu Irabalho.________________________
    o 1' andar do sesundo sobrado passando a igreja
    dos Ma: tyrios, hoje rua do Coronel Suassuna n.
    146, muito fresco e com bastantes commodos;
    uma casa terrea no largo do Pilar, hoje largo do
    Chareo, com sotao, taiiibem muito fresca e com
    bastantes commodos. com sabiJa para a rua do
    Brum ; uma loja para raoradia, na rua de Lombas
    Valentioas, outr'ora Agrias-Verdes n. 48, por pre-
    eo commodo : quem retender p6de procuraf bo
    _ andar junto aos Martyrios, das 2 boras as 6 da
    tarde, qne achara com qnem tratar._______
    A_ftada.
    Na rua do Badfc da Moria n 36, precisa-sel
    faUar ao Sr. 2." lenente,os__|*1* Oat-ma, a n
    gacio de sen interease. ____________ _
    '!_Lrec~_-i--s.ed"'e
    duas amas para
    casa de pouca fa-
    milia, sendo uma
    para cozinhar e outra para engommar, pre-
    ferindo-se.e_eravas, paga-se bent, se agradar:
    a tratar no largo do Paraizo n. 28, 1 e 3
    andar.
    Precisa-se i
    rua da Praia
    Ama de Leite
    le uma ama de leite, aem
    B. 53, 3. andar.
    filho
    na
    X 271.
    Vende-se cu troca-se uma grande casa de ta-
    boa, na rua Imperial, com quintal cercado, com
    grande aterro, portao de um lado e no quintal
    que bota para a linha ferrea, com madeiras no-
    vas, preferindo-se a troca por uma nesta cidade,
    : preco e muito couraodo : quem pretender di
    rija-se a mesma casa, que acbara com quem tra
    tar.
    Esta fugido o escravo Jose, cabra, idade de
    45 annos. feicdes miudas, cabellos frdxos, pes
    largos, veste calca e camisa branea, gosta do mu-
    sics : pede se a policia a sua captura, e gratifica-
    se a quem o levar a seu senbor, a rua do Hospi
    c.io n. 85, ou a rua do Queimado a. 83,1" andar.
    *_
    Amfl Preoaa-sede uma ama para cotinhari
    c*n-,r*r e wigommar : a rua do Vigario
    n. 33, 2* aadar,
    numero 3.
    Precisa-se de-uma _na para cozi-
    nhar e comprar para casa de pouca
    familia : a tratar na rua da Praia
    Precisa-se de uma ama que
    coiinhe e compre para casa
    de pouca familia : a tratar
    na rua de Hortas n. 2, andar, cntjada pelo pa-<
    teo do Garmo ; garante-se boa paga- e optimo tra-
    tamento.
    AMA
    Precisa-se de uma ama
    rua da Gloria n. 164.
    para eoainbar
    1
    Precisa-se alugar hraa ama jascrava pa"
    comprar e cozinhar para, uma nequena- fascia
    estrangeira : narua do-!darquez 1b Qlindan49,
    hja.
    Ama
    loja.
    Precisa-se de uma ama para pequena
    familia: na rua Duque de Caxias n. 51,
    Oflerece se uma ama fle leite com filho : a
    tratar n rua de S. Miguel n. M, em Afogados,
    Ama
    Precisa-se de uma
    Matrix n. 6.
    ama : na rqa
    Precisa-se de um caixeiro de 14 a 16 annos
    de idade, que teuha pratica de taverna e qne de"
    conhecimento de sua conducta : a tratar na rua
    da I'niao n. 54.
    $ AVISO.
    jf Roga-se as pesseas qne devem aos abai-
    - _o assignaUus,de fornecimen'.os dc carnes
    g verdes, do anno passado, o favor de vi-
    1*'. rem ou maudarem pagar os seusdebitos
    -: na rua do Rangel n. 35, ou na rua Im-
    - --' perial n. 159, no prazo de 15 dias, a con-
    tar desta data, do contrario serao cobra-
    dos os delilos judicialmente.
    Recife, 20 de fevereiro de 1874.
    ^ Felippe I'ommares & C.
    mmmmommmmmi*
    Estrada de ferro do Recife a
    Olinda e Beberibe.
    Pela secretaria da companhia dos trilhos urta-
    nos da IWife a Olinda e Beberibe, sao convida-
    dos os s.Ti'.ores accionistas, constantes da relaQao
    abaixo, p.-Ka, com a maxima possivel brevidade,
    comparecc rt'io no escnptorio da mesma compa-
    nhia, afim e se Hies disiribuir snas respectivas
    ac-;ocs; e nesta occasiao se previne aos mesmos
    icuhi'res qne possuiretn acQoes do antigo padrao,
    queiram rei'iilhe-Ls para serem restituidas por
    ulras do artual.
    Manoel Mart;ns Fiuza.
    " riel Plbe'ro Bastos.
    oal Jose Dantas.
    mio de Tacaruna.
    ^Marceiiuo da Rosa.
    o de Sa Cnvnlcante de Albuquerque.
    loel Joaquim Baptista.
    Qandioo de Araujo Guiraaraes.
    .qaim Antonio Pereira.
    mcisco Antonio de Assis Goes.
    Joanna Augusta de Castro Pagels.
    ancisco Gouyalves Ne'.to.
    is6 Fortunato dos Santos Porto.
    >r. Francisco do Itego Baptista.
    _uiz Gonqahes da Silva.
    .' j?'' Maria Palmcira.
    Francisco Jo.'io de Barros.
    Dr. Luiz Lopes Castello Branco.
    Joaouim Francisco Lavra.
    IomColUvo da Silva Araujo.
    aqnim Jo e Goncalves BeltrSo.
    Antonio .f_igasto dos Santos Porto.
    ' noel Jose de Souza.
    Jos4 Joaouim da Costa Leite.
    ..' .icel Itst Tmoco de Souza.
    I ,& Ar?es dr, Silva Guimaraes.
    ' tqnira Jose" da Costa e Silva.
    3eronymo Gofnea da Fonseca.
    Joaquim Caniido da Cruz Siqueira.
    flr. Kabrcio '"oines de Andrade Lima.
    Herdeiros dj P drigo Pinto Moreira.
    Dr. Manod di Nascimento Machado Portella.
    loaquira Alves da Silva.
    Antonio J..?e da Costa e Silva.
    Antonio Joaqnim Vaz de Miranda.
    1js6 Anl ni Almeida Cunha.
    !). Anna Emigdia" daSilveira.
    D. Frnnce'ina EgydiaSilveira.
    D. Anna J<>:i<;-iina Correia.
    Joao Poreira Moitinho.
    Arthur dp Sa e Albuquerque.
    Joao Baptista de Castro Silva Junior.
    Duaric Antonio de Miranda.
    Dr. Feliciano Francisco fcartins.
    Antonio Alves de Mpraes.
    D. Guithermina de Abrea Porto.
    Pedro de Alcantara Guimaraes Peixoto.
    Escriptoiio da companhia, 21 de fevereiro de
    1*74.
    JoSo Joaquim A'ves
    Secretario.
    A A/T A Prefisa-se do uma ama para casa de
    ii.-Ti._i. um moc.o solteiro, aendo so : na rup
    de Pedro Affonso n. 38, antiga rua da Praia.
    Ama de leite.
    Precisa-se de uma sem Gibe, e que seja de boa
    de Goyaona
    conducta :
    129
    a rua do Visconde
    n.
    AMA
    ca fam
    Na rua Imperial n. 114 pre-
    cisa-se de nma ama de servi
    r i interno, para casa de pou-
    Atlencao.
    ho Firmeza. n.
    de fevereiro,
    bino, erioulo, com os ae
    idade de 20 ^WSfH^^^^M
    nita flgnra otoos um pouo-Bbri
    de um lado das costas um caweinho a seme-
    Ihanca de uma jabaticatta. Pede se as autorida-
    des policiaes e capitaes de campo a apprehensii
    do dito escravo, podendo enirega-Ia nodito en-
    genho ou na rua do Torres _L 12, escriptoiio,
    certos de que se dara boa recompeasa.
    AHM1J
    Ao Sr. C. J. R, 4e U
    Men amigo nao seja tao...p_j %oa cam de
    professor nada mais e do que a. $)6-i>utro < quai-
    quer professor de musica tem, para Vine. .aa__r
    allegando como allegou, por funer a?,ajf_ica dos
    aermdea do Terco.
    0 liospila^d_jf||i.da(le
    4m silo na
    e.jqual^lem
    Faz-te
    qualquer negoctM
    Escada, muito proximo do povanj
    casa de vivenda, terreno para ,a
    baixa ,de capiro, uma cocheira>''_ou--(hirJa
    bom bprro : a.tratar na rua lira-, do-UoaHio n.
    24/_n_a_ar, q na Escada, oejAn^iapitSo-FfNKa.
    COMPRAS.
    BOEB Adi1 \
    ,-^rBs(?^OJlpas:.sei-'ldas de saascar_s-e
    ject(M ftflfienceptes aos masraos: m
    todos 08 _
    rua da Rbda n.
    _B
    18.
    V5NDAS.
    '
    Vende-se am rico pianno novo, muito forte
    e de exeellentes vozes, a tratar na rna do Carao
    de S. Borja n. 29 ; na mesma casa teem para ven-
    der-se uma boa mobilia de jacaranda, com pouco
    erfeito estado.
    BAMR
    te'dft Itorite da Victoria n. 22.
    D*
    nso e em jerfeito estado.
    Caraeifo Vianna.
    A' este grfnde estabelecimento tern che-
    gado nm bom sortimento de macbinas para
    coetura, de todos os autores mais aeredita-
    dos ultioia/nente na Europa, cujas macbinas
    slio gartnlidas por um anno, e tendo um -
    perfci*)- ajrtista para ensinar as mesmas, em \ slpicos todo branco sendo fazenda finissima
    qualquer parte desta cidade, como bem as- a
    Rua da lmperatriz h. 60
    SO 0
    Vende fazendas para liquidar, por baratissimo pre^o come
    abaixo se ve:
    Pereira da Silva & Guimaraes tendo em ser um grande depozito de
    tem resolvido fazer uma liquida^ao das mesmas com grande abatimento nos
    com o unico fim de apurar dinbeiro, para o que conyidam nSo s6 OS sens numerbsot
    freguezes, como o respeitavel publico, Tir sut-r-se de muiUs fazenda-,
    no seu estabelecimento denominado oPbtJoa rua da _mperatri_ n. flO.
    bou 9
    GIMBRAIAS A 49, 45500, !J9, 69 79.
    0 Pavao vende um magniftco sortimento
    das mais finas cambraias brancas tranapa-
    rentes, tendo 10 jardas cada per^a, pelo ba-
    rato pre^o de 49, 49300,59, 6, tendo tam-
    bem das mais finas que custuraam vir ao
    mercado, assim como um grande sortimento
    de ditas tapadas e victorias que vende de 49
    ate 89, sendo fazenda que valle muito mais
    dinbeiro.
    COMSALPICOS DE CORES A 59.
    0 Pav2o recebeu um elegante sortimento
    de cambraias brancas com bonitos salpiqui-
    nbos miudinbos de cores, tendo 10 jardas
    eada corte de vestido e vende pelo barato
    preco de 59, por ser pecbincba, ditas com
    Ama
    Precisa-se de uma para engommar, na
    rua estreita do Rosario n. 19, 2 andar.
    Ama
    Precisa-se de nma ama que saiba co-
    zinliar e eomprar, para pouca gente.
    -- Precisa-se de uma ama que saiba cozinhar,
    para casa de homem solteiro : a tratar na rua do
    Barao da Victoria n. 60.
    Furtaram um cavallo de c6r rudado, m a
    greirao, clinas para a direita, pescoco pedrez a
    com dous ferros em seguida um do outro, e no
    juarto esquerdo tem I, signal que trouxe de Pa-
    ,eu, cojo cavallo foi furtado no dia 16 do corren
    i mez, em um rancho da eslrada nova do Caxan-
    ;^i : a pessoa que do mesmo der noticia a Ber-
    nardo Jose da Rocha, morador em Pajeii, ou na
    rua Priineiro de Marco n. 18, loja, sera generosa
    mente gratiGcada.
    Recife, 17 de fevereiro de 1874.
    >.luga-se o 2 andar e sotao do sobrado sito
    i rua da iraperatriz D..53, e a loja : a tratar no
    Is andar do r.esmo.
    CASA DA NRM
    Rua I.0 de Marco n. 23
    Aos 20:000^000.
    0 abaixo assignado tem sempre exposto a ven
    la bilhetcs da loteria do Rio, cuja extracc2o an
    ounciara pelos jornaes.
    Prijos.
    Int^iro 24_000
    Meio 12*000
    Quarto 6|000
    Manuel Martins Fiuza.
    Casa de campo
    Ainga-se a excellence casa da travessa de Pay-
    audii ii. 3, proxima ao hospital portognez, com
    commodos para grande familia : para tratar, na
    rua do Amorim n 56, 1" andar
    laVitv.
    Antonio Jose Rodrigues de Senza, em seu es-
    criptorio a rua do Crespo n. 6, eompra, por boa3
    prepos, escravos das diversas cores, sexos e
    da des.
    lOOjjfOOOdegratificagao
    Engenho Santos Mendes
    Fugio no dia 20 de dezembro, do engenho San-
    tos Mendes, comarca de Nazareth, fregnezia de
    Tracunhaem, a escrava Maria, crioula, 50 annos
    de idade, pouco mais ou menos, baixa, grossa, oor
    preta, rosto alquebrado, pes seceos e e-panados,
    dedos curtos. cabellos braneos, caneHas finas, tem
    dous sijinaes cabelludos no queixo, e 6 bem ladi-
    na. A pessoa que entregar esta escrava ou ab seu
    iono, que 6 o senhor do engenho acima, Lauron-
    tino Gomes da Cunha Pereira Beltrao, ou no Re-
    cife, largo do Corpo Santo n. 19, t andar, sera
    ecompensada com a quantia de 10OS.
    Aluga-se
    nma sala na rua Duque de Caxias n. 61, propria
    para advogado ou cartorio : a tratar na loja.
    IENCA0
    i barato.
    Vende-se um preto de 33 a 40 annos, refinador
    e proprio para. aualquer servico : na rua de
    Hortas n. 96. __________' _________
    Grosdeuaple preto
    com pouco toque a 1*600 o covado : na rua do
    Queimado n. 43 ; e" muito bom.
    Cabriolet
    Vende-se dous cabriolets dequatro rodas, sendo
    um pintado e forrado do navo, tendo bolea fora,
    varoes e lanca ; tambem so vende dons eavallos
    e um arreio : para ver tudb na cocheira. _a ma
    da Roda n. 60, e para ir^tar na rua do Marquez
    de Olinda n. 6, .com^Rajirigaes Irmaos & Guima-
    raes.
    L'ambraii bordada a 3$ e 4$
    a peija
    S6 na rua do Queimado n. 43
    Pecas da eambraia bordada- com flores miudas.
    propria para ve-i:d s, pelo diniinuto preco de 3}
    ei,a peca : so. e pechincha.
    Bazar Yicaturia.
    Este estabelecimento acaba de receber comple-
    to sortimento de cintos de couro preto com fivel-
    la e corrente de metal, punhos e gollinhas do li-
    nho e gravatas aeeoaezas, tudo para senhora : na
    rua do Barao da Victoria n. 2.
    sim concerta-las pelo tempo tambem d'um
    anno sem despendio algum do comprador.
    Neste estabelecimento tambem ha perteneas
    para as mesmas machinas e se suppre qual-
    quer pec,a que seja neeessario. F.stas sa-
    precaw
    VEST1DOS A USO DA CORTE 199
    O Pavao vende um bonito sortimento de
    cortes de vestidos a uso da corte, trazendo
    eada c6rte todos os enfeites necessaries como
    i seism : babsdinhos, entre-raeios, rendas,
    ebtnas trahalham com teda a perfetcao de ^KttJ e ,ende ^lo barato {0 de 12^
    umedous pospontos, fr_ze e borda -__: 3 ura; ,_,_ ^no, dite/a 2 de julbo
    qualquer costura por fin.que s-ja, seu eom todos os enfeites a W cortes de cam-
    pre^os s_o da seguinte quafadade : para tra- brajas brancas aberta Ust )tvores
    Constando aos abaixo assignado achar-se nes-
    ta pra?i o Sr. Manoel Fernandes de Carvalho, ren-
    deiro dos engenbos Barra e Preguica, em Ma-
    manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
    mesmo o obztquio de vir entender-se com qs
    abaixo assignados immediatamente sobre negocio
    tendente aos referidos engenhos. Rua do Amorim
    37, escriptorio.
    Tasse Irmaos & C.
    ALUGA-SE
    uma excellente casa con.struida denovo, siia na
    entrada dos Afilielos, tem commodos para grande
    familia, -itio muito bem plantado, jardira e banhei-
    ro : a tratar na rua Primeiro de Marco n. 2, livrar
    ria economica.
    Terreno.
    Retains-se a vorrtade dos compradcres um ter-
    reno na Torre, 30 passos da linba dos bonds e
    perto da machambomba. Este terreno esta collo
    cado entre ^uas estradas que vao ter a beira do
    rio : a tratar na Torre com o Sr. Assis Frato, na
    rua do Arantes, e no Recife rua Formosa n. 27.
    Barbeiro
    No salao de cabelleireiro de Odilon Duarte k
    frnr o, rua da lmperatriz n. 82, precisa-se de um
    bom official dc barbeiro, paga-se bem.
    Lrado chfariz.
    Venie-ss oor preco barato um rico chafariz
    de marmare uroprio para jardim, o qual se acha
    armado na officina de marmore do Sr. Lima, a
    rua do Imperador para quem o quizer ver : a
    tratar na rua do Crespo, loja d Passo junto ao
    arco de Santo Antonio.
    J. 0. C, Doyle.
    Tem para ve i 6 :
    Cognac do Hennessy, superior e verdadelro
    Vinho Xeres das melhores qualidades.
    Bitters de Angostura.
    Whisky.
    Cha preto em lattas de 10 libras.
    Todas as preparacdes chitnieas do Dr. Ayar
    armazem da rua do Commercio n :38
    Alugam-se o 2* e 3 andares da casa n. 44
    da rua do Commercio, com commodos para fami-
    ia : a tratar no armazem do meimo, das 9 as 4
    lioras da tarde._____________
    Alnca-s.'. 3* andsf da casa n. 32 a rda es-
    i >ita do Hosario : na thesonraria das loterias.
    Timdaram osen escriptorio para a rua do Yigario
    Thenorio u. 3,1 andar.
    ^-rft-^-----------------------
    COZIMIEIRA
    Precisa-se de uma perfeita cozinheira, nao im-
    porta que seja forra ou escrava, para easa de uma
    familia estrangeira, paga-se bem: a tratar na
    rua do Bom Jesus n. 5o, casa de ftel.'er & C.
    CASA DO OURO
    Ana 4:000&000
    Bilhetes garantidos
    ftua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
    n. 63, e casa do costume.
    0 abaixo assignado acaba de vender nos seus
    uuito felizes bilhetes a sorte de 1:000* em um
    meio bilhete de n. 3369, e um meio de n. 3680
    com a sorte de 1004000, alem de ontras sortes
    menores de 40_000 e 20 000 da loteria que se
    acabou de extrahir (88*); coovida aos possuidores
    a virem receber, que promptamente serao pagos.
    0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
    vel publico para vir ao seu estabalecimento com
    prar os muito felizes bilhetes,qne nao deixarao de
    tirar qualquer iremio, como prova pelos mesmes
    annuncios.
    Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
    "antidos da 9' parte da loteria a beneficio da'
    recolhimento de Iguaraasii, que se extrahira no
    dia 28 do corrente mez.
    Precos
    Ibteiro 4*000
    Meio 2*000
    De lOOgOOO para cirna.
    Inteiro 3*600
    Meio 1*760
    Recife, 21 de fevereiro de 1874.
    Joao Joaquim da CdAoi Leite.
    '.
    encao
    A1<4e#1jlW,s jutf-v-a/ip du= pr^dios eitm
    i rua d\Yuctfe_|e ltopa,r,ica n. 26 (outr'ora do
    ApoUfi) e,;teado mesmo,_#me ns. 25 o 27 : a tra-
    tar la rua do Bom Jeau?, no escriptorio de E A
    -Burl*
    pa, pro-
    .de San-
    o*a 25 do
    balhar a nsao de 309000,
    e 509000, para trabalhar com
    609000, 009000, 100JWO0,
    1209000, 1309000, 1509000, 20OJJ00O a
    2509000, emquanto aos aulores nao ha al-
    teraQSo de precos, etos compradores poderae-
    Tisitar este estabelecimento, que muito de-
    verSo gostar pela variedade de objector que-
    ha sampca pa*a vender, comosejam : cadei-
    ras para viagem, raalas para viagem, cadei-
    ras para salas, ditas de balance, ditas para
    crianga (altas) r ditas para escolas, costurei-
    ras riquissimas, para senhora, despensaveis
    para criancas, de todas as qualidades, camas
    de ferro para homem e crianr.as, capachos,
    espelhos dourados para sala, grandes e pe-
    quenos, apparelhos de metal para chi, fa-
    queiros com cabo de metal e de marfim,
    ditos avulsos, colberes de metal 6no, condiei-
    ros para sala, jarros, guatda-comidas de
    arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
    para forrar salas, lavatories completes, ditos
    simples, objectos para toilette, eoutros mui-
    tos artigos que muito devem agradar a todos
    que visitarem este grande estabelecimento
    qae se acha aberto desde as 6 boras da ma-
    nha ate" as 9 horas da noute _
    Rua do Barao da Victoria n.
    22.
    Alvigaras.
    Venham todos apressados
    E com os bo! sos recheados,
    Do Campos ao : rmazem ;
    Venham, nao falteningum
    Ver 0 grande sortimento
    (Um verdadeiro portonto)
    Que para aqnaresma tem ;
    Comprahendem 1 01a bem !
    E' com as tripas pulando de contentamento que
    me apresento ante a onda gastrcnomica das sa-
    bias e illustres barrigas pernambacanas, felicitan-
    do-as por ja se acharem livre da pena de interdic-
    to e poderera sem receio de alguma indig^'stao ex-
    commungada, e ni-rein os mais fines e saborosos
    comestives, coadjuvados por uma cascata de vi-
    nhos de todas a? qualidades, deixando a quem
    dezpjar 0 dtreito de grilar: viva 0 triumpho das
    barrigas I..
    Mas, como ia dizendo, nao podia deixar de
    acontecer assim, cimsiderando-se como foi sabia e
    bem barrigalmente planejado 0 ataque das bar-
    rigas grandes, contra a sucia dos bandulhos ca-
    ninus, que ostriflcados a id^a ficticia do infer-
    no bicho inventado pelas grandes barrigas, pa-
    ra horrorisarem as barrigas sem tripas, sustenta-
    vam aroais absurda das monstruosidades : a
    infallibilidade do principal bojo do amor as avessas
    e de tripas dadas e a forcji de tripadas queriam
    hypneritamente alimentarem a pelluda e famigera-
    da -ex-questao do dta centope"a negra que en-
    roiada no capote cbamuscado da inquisic'io, pre-
    tendia assar 0 mundo das barrigas, privando an-
    tes a humanklade de ganhar dinheiro e de em
    temp;.s como este de quaresma :
    De fazercm penitencias
    Enchendo bem as narrigas,
    Pois nao 6 tempo de brigas,
    E sim e, de nbstinencias. .
    Ma?, como ia conlando, custon, porera aGnal,
    depois da rasorada que-lhe passou no pescoco os
    poderes poderosos, a eabeca foi parar no fun-
    do do rio 0 0 raho, como mini di aefollar, lieou
    no secco exposto aos.pontap6s de qualquer gato
    pingado, deixando e verdade, magra as collegas
    barrigas, que despeitadas vao tratar de se nutri-
    rem, vindo ao armazem do Campos, a rua do Im-
    perador n. 28, onde ccra certeza encontrario alem
    do que desejarera. 0 seguinte : ovas de diversos
    peixes e de bacalhao ; peixes de vinte qualidades
    em conservas, sardinhas em latas, camaroes sec-
    cos, bacalhao, pescadas, sardas, lagostas, salmao,
    batatas, arroz, feijao, cebolas, azeite, vinagre ;
    manteiga ingleza e fcanceza; doces, fructas e
    cincoenta qualidades de vinhos ftoos do Porto e
    outras tantas de outros lugares mais afamadoe de
    Portugal, ahim de um completo sortimento de ace-
    pioe raros, deliciosos e que
    Cabin jo em qualquer bacriga
    Paz a melhor digesUo,
    E nao faz mal abexiga,
    Como comendo, verSo.
    Mas, como ia fallando, iamos entrar na vida de
    outr'ora, isip 6, na epoca das festas, e portaDto
    vamos ter festas, festas e mais festas, e como todos
    eomem das festas, visto que uma parte da para as
    festas e tres recobem paia prparar as festas, e
    Inglco que 0 bregeiro dinheiro qae anda tao vas-
    queira. saia'.os cofres dos amantes ortbodoxos e
    se v_ ramiliansando com as algibeiras vaaias dos
    oecessilados, e estes por sua vez venham ae arma-
    zem do Campos a rua do Impendor n. 28, prepa-
    Vende-ae um sitlo em Belem, na baixa que rarem-se para a quaresma, tempo de abstiaenclas
    fci dos herdeiros do finado Dr. Foitosa, com os e no qQal se come sem Iicenca, comprarem 0 que
    aommosos segointes : duas salas, dous quartos, ha de mais gosloso, saboroso, cheiroso e tudo que
    cozinha, quarto f6ra para criado, jardim do lado,. acaba em onso.
    murado, bom bwheiro, agua de cacimba mui-
    409000. 459000
    !f <__^j_v 1Draia branea com listra* de cores, para aca-
    I I 0300O, h-. ojftson A i_H>hinph
    I a 69, ditos finissiraos a 89, ditos de c
    braia branea com listras d
    bar 39500, e pechincha.
    \ao ha nada Rials barato
    Quo un elegante estojo
    para viagem.
    CONTENDO :
    ! 20 caderaos de papel branco pautado, bei-
    ra dourada, marcado cjm as iniciaes do com
    prador.
    2' 100 envelopes braacos.
    3* 100 penn-s de aco, 1" qnalidade.
    4* 1 caixa de obreja* de gomraa.
    5* 1 tinteiro de vidro com tampo de metal.
    6* 1 areeiro dito dito dito.
    7* 1 pao de lacre.
    8" 1 canivete de duas folfcas.
    % 2 lapis.
    10* 2 canetas.
    Todos estes objectos reunidos, dentro de uma
    bonita caixa, feita para este fim, custam apenas
    Rs. -?ooo
    Rua do Crespo n. 9.
    Calcado barato.
    Rua do Barao da Victaria
    n. 8.
    Vendem Lyra 4 Vianna, botinas inglezas para b
    inverno, a 10*, sapatos de tranja com marca
    chave, a 16-5 a duzia, ditos de casemira a 18* a
    duzia ; e pechincha.
    . For metade deseu valor
    Vende-se rio*s sedas de diversos pa irrns, pelo.
    baratissimo preco de 1*800 o coado. Aproveitem,
    que e" peehincha : na rua Duque de Caxias n. 88,
    loja de Demetrio Bastos.
    - Vende se a taverna sita a rua larga do Ro-
    sario n. 27 : a tratar na rua do Rangel n. 73.
    Bom negocio.
    Vende-se duas casas de taipa, novas, com 50
    palmos de terreno para mais duas casas, por pre-
    co commodo : a tratar no becco da Boia n. 14, ou
    pa prenca de algodao n. 1. As casas sao perlo da
    estacao da Casa-Amarella no Arraial, e tambem
    se aluf-Xn se nio forem vendidas.
    Armagao.
    Vende-se uma armacio invernisada
    Queimado n. 90.
    a rua do
    Vende-se quatro casas de taipa cobertas de
    telba, sitas na estrada que vai para o engenho
    Done Irmaos e em terreno proprio : a tratar nos
    Apipucos com Hilario Pereira Ramos.
    Vaccina
    o> excellente qnalidade : vande-se no consultorio
    dn Dr. Velloso, a rua do Barao da Victoria n. 45.

    Tanques de ferro.
    Vende-se dons, triangulares, proprlos para Q-i
    vios : na rua da UniSo n. 67.
    Aluga-se a casa n, 79 da rua de S. 4o*p, 0
    .'liu,-^.80!?0 to "jV*-^ h ru*,da Pw> : < fea. n* tem nmnero> Prem 'acil de ver
    a tratar na ma Duque de Caxias n. W, _____ |orqw 4 a uniea casa q'J tem na cornljV duas
    Precisa-se de duas amas, sendo um* par* sofas : qnem pretender, dirija-se a -rua larga do
    angommar e outra para cozinhar, para duas pss- sots : na rua do Bom Jesus n. ., andar. dajPraia n. 2, defnmte do carvao auynaL
    r- Anna Montdlrode Lima fin
    feasora publica di 1* cadeira J
    to Antonio, a brio a sua aula
    corrente.
    CORTES B01DADOS A 209 E 359-
    0 Pav5o vende ricos cortes de cambraias
    brancas delicadamente bordados, pelo ba-
    Mto pre^o de 209 e 359.
    CASSAS FRANCEZAS
    a 300 rs, o covado
    0 PavSo recebeu um grande sortimento
    de cassas francezas com delicados padroes e
    cores fixas, que vende pelo barato prec/> de
    300 rs, o covado, organdy branco e lis-
    tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
    nissimo fil6 branco liso e de salpicos, e tarla-
    tanas de todas as cores.
    BORNOUS A 129.
    0 Pavao vende um bonito sortimento dos
    mais modernos bornous combonitas listras e
    vende pelo barato preco de 129 cada um,
    assim como um elegante sortimento dos mais
    bonitos chales demerin6 e com listras de seda.
    francez muito lino a 39000, apenas
    1, '/metro vara am lencel.
    CHALES BAJUTOS
    a 29, 29500, 49.
    0 'Patio Mode chales a emila$io da ma-
    rin6 a 99, ditos de merin6 lisos de todas a.
    cores a 29500, ditos de merin6o-t-_apadoa,
    muito finos a 49, !ditos finissrmos cam lis-
    tras de seda a 69500, ditos muito fiaos
    erepom a 105 e 129-
    AlSod_fc* omtemtmi* as 19 *&
    0 PavSo vende algedie eufestado com
    palmos de largura, proprio para
    sendo do mais encorpado que tem vindo
    mercado, liso a 15 avara etrancadoa.....
    19280.
    ATOALHADO A 19600, 29, 69.
    0 Pavao vende atoalbado trancado com
    palmos de largura a 15200 e 19600, dita
    adamascado a 29, dito de linho adamasca-
    do a 39 e 69.
    SEDA PARA VESTIDOS
    a 15600 e 29-
    3.0 Parte vende um boaito sortimento 4a
    sodas com ltstrinhas proprias para vesti
    dos de meninas e de seu bora a I960* O 00-
    vado, djtas lavradinkasa 29, os padroes ale
    muito bonitos e vende-se por este preco par*
    acabar.
    Botinas a 3 OOO
    0 PavSo tem ura completo, sortimento da
    botinas muito bem enfeitadas para senhora*
    e vende pelo barato preco de 59, artigo qu
    em outra qualquer parte custa 9 e 79.
    LENCOS BRANCOS
    'a 29000.
    0 Pavao vende lencrjs braneos abainbi
    dos, tanto para homens como para seahoras
    a 29 e 29500 a duzia, ditos de esguiio
    cambraia de linho tambem abainhados a
    35500, 49, 55, d.tos franoezes escuros, pan
    rape* a 69, a duzia.
    CAMISAS PARA HOMEM.
    0 Pavao vende ricas camisas com paila-
    de linho bordadas, proprias para noivo a
    100 e 129 cada uma, ditas de linho sen se-
    rem bordadas a 49, 49600 e 59, ditas com
    peito de algodao muito finas a 29,29560 a
    39, ditas de chita fina miudinha a 29,29669,
    e 39, assim como grande sortimento de ca-
    roulas francezas tanto de linho como de al-
    godao de 19660 ate" 39, gr<.nde sortimeaU
    de mei2s crass inglezas de 49 ate 89000 I
    duzia.
    Ceroulas francezas de linho e algodao,. para todos os precos e qualidades, assim
    como grande sortimento de meias cruas, camisas, colerinhos, que tudo se vende po
    precos muito razoaveis.
    ANTONIO JOSE DE AZEVEDO.
    Rua Nova n. 11.
    PIANOS.
    Quereudo definitivamente liquidar este negocio, vende todos os que tem, novos
    isados, pelo preco do custo de factura.
    Tambem acaba de receber o seguinte:
    OLEADOS ing'.ezes para assoalho de salas, de muitos lindos desenhos de 11 a 33 palmos
    de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala por grande qua
    seja com oleado inteiro.
    MAGNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
    VNNEIS electricos para curar dores de cabeca. nevralgias e nervoso.
    MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
    -RAMPOS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
    TALAGARCA. e papel picado para bordar com la ou seda.
    VERDADEIRA agua de colonia em garrafas empalhadas.
    E muitos outros artigos, e por barato preco.
    FUMO DO PARA
    0 verdadeiro fumo de Borba, em chicote, picado, desfiado e crespo, assim
    como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a vapor, antiga rua dos Quarteis n. 21.
    Na dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarao os seguintes e bem conhecidos
    fumos manufacturados na mesma casa,
    rior do Brasil
    Novo Caporal
    Bes Bird'seye, (Olho de Passaro. )
    Vende-se a retalho, e em grande quantidadc se faz grande abatimento.
    GRANDE
    Em
    Grosdenaple preto
    Sendo lisos e de cordao, e o mais largo que
    vem ao mercado, e qne-ae vende peloa diminntos
    precos de __00, 2_800, 34200 e 3*500.
    SO' NA RUA DO CRESPO N. JO, LOJA DAS
    TRES. P0RTA6 DE
    Guilherme & C.
    Junto a loja da esqaina
    Nao ha oiais cabellos
    braneos.
    Asunicas verdadeiras
    Bichas hauiburguezae qne vem a e_temere_4_:
    na rar Marqu_z da olinda n. 81
    Luva k pelliea
    Amaral, Nabuco & C. vendem luvas de pellica
    de cores com toque de mdfo a Ii, 1*500 etio
    par : no Baaar Victoria, rua do Barao da Victo-
    ria n. 1.
    Lindas las aBeocezas..
    De varios padroes, e inteiramente moderaas, a
    360 r3 o covado : na rua Primeiro da Marco
    antiga do Crespo n. 13, loja das columnas, do An-
    tonio Correia de VaiConceHos.

    r-.'
    I


    TINTURJLR14 JAPONEZA.

    fende-se
    _ taverna da rua da Pen
    a prwpifc. NMip). _a afreguezada, propria patfa Qualquer
    MJt
    _, Precisa-se de 1:0Q6*
    theca em um praam : a,Jratar _b rua InHJeajdJaUfite : "o mmivo da vendiw dira ao" cenuvMttr:
    . tV. Hrna de MarcUio ]>w a. 130.
    i
    Dizer aos amantes
    Dos generos especiaes
    One se querem ser felizes
    venham Ja e quanto antes
    Saber a capsa mptrix
    Da Cart)os__|o lar rivaci
    Epodef so. fonwper
    WW** i $f^9frnier.
    Sde unica approvada pelas academies de;
    scieneias. r^eck^superior a toda que VSZS^SS&Jt^o^
    jtem apparecido ate beje. Deposito nrmci- gxcellente flo davela.
    pal rua da Cadeia do- Recife, hoje Mar- Bppiac de l*quaMad
    J quex de Olinda, n. 51, i. andar, e em
    todas as boticas e. caaas de cabellei-
    reiro.

    VENDE-SE
    Alpaca preta
    com flores de cores, padroes oa mais __a.ttf._a
    ne mercado, a 500 reis o covado. So a p_c__a-
    clia ; dao-se amoatras : na rua do Q.eiaw-o
    43, defronte da pracinha da Independencia. ft
    Wllen Howe dt vendem no sen
    A rua de Commercio n. II
    bonita escravo de 18 annos de
    Mift_Mf^-OfJ#*bBtimo Dara copeiro ou boleeiro : \ uma caaa na villa da Barreires, na rua do Gom-
    a tfUfi napaieo da Aibaira, no portao do ma-, .eraio, nor preco modico: a tratar com Tasso
    meelro. irmaos 4 Q
    Vinho de Bordeam-
    Carvao de Pedra de todas as qu,iliflat>a.
    Farinha de mancUoca nova.
    Recentemente cbegada la flrala f-t_ir__i M_>
    para vender no trapiche Cfa_par__t_, pan i
    no seu escriptorio a rua _a Coaa_en_i__ l~
    qoim Jose Goncnlves Beltrto A Fiha.'
    aos compradores que ___aianda atabar,
    mais barato do que em qualquer ontra parte, tttt*
    to am grandes como em pequenaa porf&s.
    a->



    ^"


    1
    &
    -->

    Di*te*fe/fmmm#>(r-i)fiwit* tetf6^teoJi IwiinltohtM^o
    swoi'ia
    .e iuittj
    w?iBo 0-
    ioJkk;
    Bl
    m warn
    S6A8ES LEITE, IRMAOS
    UNIGOS KENTE5
    Rua do Baro da Victoria d. 28
    \0 mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
    Ha exposicio de Paris, em 1867, foi concedido a
    Elias Howe Junior, a medalha de ouru e a eondecora-
    580 da LegiSo de Honra, por serem as machiuas mais per.
    feitasiJ* >auHdo.
    A medalha de ouro, conferida a E. Howe (Junior, nos
    Estados-Unidos por ser o inventor da machint de cos-
    tura.
    A medalha de. ouro naexposic^oj de Lonores acredilam
    "at*6 machines. '
    A 9W00
    Cabe-nos o deter de.anounciax qu .a companhia das machines de Howe de Hova-
    r-k, estabeleceu nesta cidade i rua doBarSo da Victoria n. 28, um deposito e agencia
    al, para em Pernambie*? o mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
    art da Howe. Eftas nucainas sao justamente apreciadas pela perfeigio de seu trabalho,
    na da Impar,a,trU a. "T2
    ts

    Loureiico Peceira Mcud^sfiuiniaraes
    Declara aosseus freguezes quo km resolviio iaaer ama graaie liquida^ao, ate o
    fim do corrente anno.
    A SABER :
    CAMBRAIAS B1UNC4S A 3JM)00; j Ditos de palha, a &, 300Oe 4000.
    r pragando uma agulha mais curta com a mesma qualidade de linha que qualquer outra, j va(]0.
    ^lamtroduccao dos.maif aperfeiooadosapparelhos, estamos actualmente habilitados a'
    ftrecer p uiamo publico as melhores machinas do mundo.
    As mntagemdestasrnacMnas sao as segutoUes:
    frirjteira.:0 publico sabe qiw ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
    ?reumstancia de nunca terem;a5B>**iHk> no mercado machinas d Howe em segun-
    mio.
    Segunda.Co*teat o material preciso para reparar qualquer desarranjo.
    Tarceira.Ha nellas menor fricjio entre as diversas pecas, e menos rapido estrago
    - ue nas outras.
    Quarta.Forrnam o ponto como se fdra feito i mio.
    fointa,Permitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o que se nio consegu
    Seta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando o fio de um i outro lado,
    \o$o em seguidt. seio. modificAr-se a tensao da linha, coxem a faxenda mais
    Setirna.0 compressA' e* levantado com a maior facilrdade, quando se tern de mudar
    a agulha ao corncc/.r nova costura.
    Oitavc.Muitas companhias de machinas de costura, tern tido epocas de grandeza e
    $*dencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desconheciaas, outras soffreram
    *aian$as radioaes parapoderem substituir: entretanto a companhia das machinas de Howe
    *optacdo a opiniao de Elias Howe, mestre em artes mechanics*, tern constanteraente
    cfmentado o seu fabrico, e hoje nao attende a procura, posto.que faja 600 machinas
    *r iia.
    Cida machina acompanha livretos com instruccSes em portuguei.
    Vende-so pecas decambraia branca, tapa-
    da e transpareute, a 3$, 3ft&00, ipOOO e
    WW)0.
    LASINHAS A 200 RS.
    Vendese lasinhas para vestidos, a200,
    320 e 500 rs. o covado.
    ALPACAS A640RS.
    Vendu-se alpacas de cfires comJistras a 640
    e 800 rs. o covado.
    -GRANADINE A 800 RS.
    Vende-se granadine preta com listras de
    cfires, para vestidos, a 800 rs. o co-
    vado.
    POUPEL1.NA JAPONEZA A 1&800.
    Vende-se uma fazenda nova com listas,
    com o nomcde poupelina japoneza, propria
    para vestidos de senhoras, a 1JW00 o co-
    vado. Todas est3s fazendas sao vendidas no
    Bazar Nacional, & rua da Imper ariz n. 72.
    CORTES DE CASSA A 2&5 0,
    Vende-se cortes de cassa para vestidos,
    com 10 tovados, a 2C500.
    C1UTAS LARGAS A 240 Rs.
    Vende-se chitas francezas, largas, de cores
    fias, a 240, 300, 320 e 3G0 rs. o Co-0
    Ditos demassa, a 45JOOO.
    PERFUMARIAS EM UQWDACAG.
    Vende-se sabonttes de diversos tamanhos,
    a lift, 200 e 240 o 320 rs., todo bom.
    Frasco de banba, a 1G0, 320 e 400 rs.
    Frasoos com aguade colonia, a 240 e 320
    rs. cadaum. E outros muitos extractos que
    se vende muito liarato para liquidar.
    TOALHAS A 800 RS.
    Vende-se toalhas felpudas, a 800 rs. cads
    uma. I.enros brancos, a 20000 a duzia, e
    39000 abainhados, fazenda que vende-se
    por5^000.
    GRAVATAS PRETAS A 500 RS.
    Vende se gravatas pretas, a 500 rs. Man-
    tasde cores a 200 re.
    Chapeos para baptisads de meninos, a
    39000.
    I BENGALAS E GHICOTES A 800 RS.
    Vende-se bengalas e chicotes, a 800 rs.
    cada uma, para liquidar.
    RDA DO BR'l
    Passand-i o clmfuriz.
    Roga-se aos senhores de engenho que pretenden;
    mpregar.alguns dos machinismos novos, o favor de appa-
    ecerem nesta fabrica que lhes p6de fornecer os apparelno^
    mais apropriados com o minimo de despeza: e dispoe dc
    pessoal habilitado para monta-Tos devid mente. e mostrai
    o systema mais commodo de trabalho, para obter meNu*--
    ramento no fabrico do assucar.
    laciuna acompanna livretos com
    \ 96^000 A
    SOiRES LEITE, IMAOS
    A'
    do Barao da Victoria n. 2 8.
    (rar.to prejo, pa>-a licar ao alcance
    qualquer bolsa.
    Rua do Cabugan. 1
    A.' rua do Cabuga n. f A.
    Os proprietarios da Predilecta, no intuito de
    tunservar o bum conceito que teem merecido do
    respeitavel publico, distinguindo o seu estabeleci-
    mento do mais que negoeiam tio mesmo genero,
    veem seientificar aos seus bons freguezes que pre-
    veoiram aos seus correspondents* nas diversas par-
    kas d'Euroua para lhes enviarem por todos ospa-
    quetes os objectos de luxo e bom gosto, que se-
    iam mais bem aceitos pelas sociedades elegantes
    iaqueHes paizes, visto aproximar to o tempo de
    testa, em que o bello sexo desta Iinda Veneea
    mais osteata a riqueza de suas toillettes : e co-
    mo ja recebcssem pele paquete francez diverso
    artigos da ultima moda, veem patentear alguns
    d'entfe elles qae se tornam mais racomraendaveis,
    espefando do respeitavel publico a coetumada
    concurreneia.
    Aderecos de tarlaruga os mais lindos que teem
    vindo so mercado.
    AJbans com ricas capas de madreperola e da
    velludo, sendo diversos -tamanhos e baratos pre-
    Sos.
    Aderecos completes de borracha proprios para
    loto, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
    nitoi.
    Botoes de setim preto e de cures para ornato de
    vestidos de sethora; tambem tem para collete
    palitot.
    Bolsas para senhoras, existe um bello surtimen-
    lo de seda, de palha, de chagrim, etc., etc., por
    barato preeo.
    Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louja
    como de cera, de borracha e de massa ; chama-
    mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
    pois as vezes lornam-se as crian^as um poueo im-
    pertincntes por falta de umob)ecto que as en-
    tretenham.
    Camisas de linho lisas e com peitos bordados
    para homem, vendem-se por preco commodo.
    Ceroula* de linho e de algodao, de diversos pre-
    Sos-
    Caixinhas com musica, o que ha de mais Undo,
    com disticos nas tampas e proprios para presen-
    ts.
    Coques os mais modemos e de diversos forma-
    tes.
    Chapeos para senhora. Receberam um sortimento
    da ultima moda, tanto para senhora, como para
    tneninas.
    Capellas simples e com v6a para aoivas.
    Caicas bordadas para meninas.
    Eotremeios estampados e bordados, de lindoi
    desenhos.
    Escovas eleetricas para deirtes, tern a proprie-
    daol de evitar a carie dos dentes.
    Franjas de seda pretas e de cOres, exble tun
    grande sortimento de divercas larguras e> barato
    Fitas de 'sarja, degorgurao, de setlm-e^ba-
    malote, dediveras laifuras bonicas cores.
    Facfaa.d.gorgurao muito lindas.
    Floras Artifioiaes. A Predilecta-.prima eui con-
    servar sempre nm bello e grande sortimento des-
    tas flores, nao 90 pact enfeite dos c*.beHos, como
    tambem-para ornate, de yestide de noivas.
    Galoeftde algodao, 4e-l4 e. de seda, brancos, pre-
    A* e.de diversas cores.
    Gravatas de seda para homem e senhoras.
    Lacos de cambraia "ie- fed* de diversas cores
    -para senhora.
    Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
    Boixa.
    Livros para ouvir missa, com capas de madre-
    perola, marfim, 6so e vellndo, tudo qne ha de
    *om.
    Pentes de tarlaruga -e marira.fara alisar os ea-
    bellos ; teem aambem para tirar - Port bouquet. Um beHo soTtiraento de madre-
    pwola, marttm, teeo e donado6 for barato preco.
    Perfumrias. Neste artigo esta a Predilecta bem
    ivida, nio so em extractos, cuiuo _em oleos e
    nhai dos melhores odorea, dos mais afam :dr>s
    jricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
    udrav, Gomel e Rimel ; sae indispewaveis para
    iesta.
    Saias bordadas para senhora, por cemmodo
    preco.
    Sapatinhos de la* de setim bordados,para bap-
    tisados.
    Tapetes. Receben a PredilecU um bonito sorti-
    mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
    mo para eotrada de salas.,
    Vestimentae para, baptisado o que ha de melhor
    gosto e os mais modernos^recebeu a Pcedilecu

    Os verdadeiros
    Vinhos de Bourgogne
    das mtm
    Chambertin
    Poramard
    Virits
    Volnay
    Reanne
    Monthelie
    Dito Bordeaux em quartollas.
    Yende-se por barato pre^o
    PARA UQU1DACAO DE CONTAS
    NA.
    Boa Lara do Etosario 31.
    Rotica.
    CASSAS DE CORES A 260RS.
    Vende-se cassas francezas finas de cores,,
    a 2G0, 320 e 400 rs. o covado.
    SAIAS A 2^000.
    Vende-se saias brancas com barras de cd-
    res,a2S000.
    CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
    Vende-se chitas para cobertas, a.280e
    360 rs. o covado.
    MEIAS PAR.AHOMEISS A 6J000 A DUZIA.
    Vende-se meiascruas verdadeiras^para
    hornens, a 6*000 a duzia, a qal val
    8^000.
    COALES DE LA A 800 RS.
    Vende-sa ciiales de la, a 800. rs. cada
    um. \
    CHIXAS FINAS A 400 RS.
    Vende-se ch.'tas finas de campo largo, fa-
    zenda muito bi)a, a 400 rs. o covado.
    CHALES iDE MERINO* A 20000.
    Vende-seJcbales de mcrin6 estampados, a
    25, 35, 45000 e 55000.
    Ditos de listras a 55000 e 65000,
    BRINS EM CORTES A 15500
    Vende-se cortes de brim de cdres e pardo,
    a 15500, para liquidar.
    COBEKTAS DECUITA A 15600,
    Vende-sc cobertas de.chita, a 15600 e
    25000. ,
    BRIM PARDO E DC CORES A 400 RS.
    Vende-se brim pardo e de cores, para rou-
    pa de homense meninos, a 400 rs. o cova-
    do, para liquidar.
    COLXAS DE CORES A 25000.
    Vende-setolxas de cores para cama, a 25,
    e 45000. V
    TRANSPAllENTES PARA CADEIRASA
    19500.
    Vende-se transparent^ para cadeiras, a
    15500, para liquidar.
    BON'ETS A 5dO RS.
    Vende-se bonets de seda\>ara homens, a
    500 rs.
    CHAPEOS A 25
    Vende-se chapeos de casto
    e homens, a 25500 e 35000.'
    0.
    para n eniuos
    GRANDE LIQUIDACAO DE ROUPA FEITA
    Vende-se ceroulas Ditas.dc linbo, a 15600 e2000.
    Camisas de hits finas, a 15600.
    Ditas do peito de cores, a 25000,
    Ditas braucas finas, a 2^000, 35000 t
    45000.
    Cal$asde briun. pardo e de cores, a 25000
    e 25500.
    Ditas de casemira de cores, e preta, a 55,
    65, 75C 00 e 85Q00.
    Palitois de alpacas de cores, a 25500.
    Ditos pretos, a-^OOOo 35500.
    Ditos de cascmir,a de cotes, a 45 e
    65000.
    Ditos ditos..pretos, a 55000, .655.00
    85000.
    Colletes t casemira de cores, a 25, 35 e
    450OO.
    Camisas de flajoella, de corqs, a 25000 e
    2550.0. k_
    ALGODAO A 4ffOQO.
    Vende-se p.e<;as de. aJgfld,^o, a 45, 55 e
    CASEMIRA DE COR A 25500.
    Vende-se casemira de cores, a 25500 0.
    covado'.
    MADAPOLAO A 55000.
    Vende-se pe<;as de madapolao enfestado,
    a 35000. '
    Dito inglez, a 45500, 55., 65 e 75000
    pega.
    BOTINAS A 45500.
    ' Vende-se botinas paca senhora e meninos,
    a 45500, 55-e 65000.
    Ditas de enfiar, a 25000.
    Sapatos de tapete, a 155O.0.
    Ditos de tranca, a 15800.e 25000.
    BRAMANTE A 1560O,
    Vende-se bramante cpm VP :palmoj
    iMguna, paca lepers, a 156ftP e 2559
    metro. E outras muitas fazendas propria
    do mercado, que se vende sem reserva, de
    preco, paua hqijidar t,e ,,o,fim dj) cprrente
    anuo, porjsso oonvemaos corapraJpfes sor
    tirem-se de fazendss ir*tas,, parq a,j>resen-
    tefesta que estd na porta, i rua da Imperatm
    n. 72. Bazir Nacipuai.
    COALTAR SAPONINADO
    DE LE BEUF
    DESINFECTANTE, ANTI-MIASMATICO, CICATRIZANDO AS C HAG AS.
    Adopt.do petos hotpitaes de Variz e peloi da Marinha mllitar fraiwta.
    Esse exc*llente tonico possuo uma efficacia yerdadeiramente maravilhosa aos ulceras ganyrt-
    nosas escrofulosat, nos cancros ulctrados, no anthrax, naotorrhea purulenta, na oiena, no
    crvp, feridas pelat artnat de fogo, enfermidaaes do ulero, etc., elc.
    Emprega-se, mezelado com mais on menos agua, em chnmacos, locoes, injeccoei, gargarismos.
    Como dentifricio ordinario (uma colherada das de cba awn quarto de copo d'agaa) e muito espe-
    cialmenle efficaz para purl Hear o bafo, unar as eengia doentas c tomar firmea ot
    dentea eaeamadoa.
    0 seu uso e muito hygienico, sobretudo em tempos d epidemia.
    Uma noticia circomstaDciada Tie com cada frasco. Exiga-se a firma da inventor.
    Fabrica em Bayonna [Franca), em casa do Sr. LE BEUF, Pharmacentieo de classe.
    Deposilos: Pam,S5, na Reaumur; fernambuco, A. REGORD onde m encontra tambem a
    Emulcio de Aleatrio vecetalde Z.e Bcnf para fazer aacua de Alcatrao, a onica preparacao con-
    centraaae tilulada contendo em si 0 alcatrao sem serallerado nem modificado.
    VENHAM VER
    A Nova Esperan$a, a rua Duijue de Caxias n. 63,
    apressa-se em convidar a seus freguozes. com es-
    pccialidade ao bello sexo a virem apreciar os se
    guinles artigos exposlos a veuda e todus pur pre;os
    commodos, como >ejam :
    FINAS BONECAS man?as e choronas.
    BOSITAS E ENGRACADAS vistas para sterios-
    copios.
    COMMODAS LATAS para guardar cha.
    ELEGANTES HOI.SaS para senhoras e meninas.
    BONITOS VASOS com fina banha e cbeiro?o
    extractos, trazendo cada frasco um nomc, uifia ini-
    cial ou um dislico.
    FINAS MEIAS Dfi SEDA, vindo entre ellas cor
    de carne.
    Para quern goslar.
    A Nova Esperanca a rua^Duque de Caxias n
    6'J, acaba de receber tentos e caixas para 0 jogo de
    Voliaretle.
    Para quoisi s: (Tec das pernas.
    A Nova Esperanca, a rua Dudue de Caxias n.
    63, acaba de receber as procuradas meias de bor-
    racha para quein soffre das pernas.
    FLORES ARTIFICIAES
    A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
    63, acaba de receber um lindo e complete sorti-
    mento de flores artificiaes das melhores quo tem
    vindo ao mercado
    A elias antes qae se acabem.
    Costumes para crianqa.
    A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
    63, acaba de receber bonitos costumes para crianca
    e esta se vendendo por preeos razoaveis.
    A X>va Esperanca, a rua Duque de Caxias n
    63, recebeu um pequeno sortimento de anneis e
    pulseiras eleetricas, proprias para quern soffre dos
    nerves." '
    MQ
    QA
    Attengao.
    rs..
    GRANDE NOVIOADE
    V rua tlo Crespo n. SO
    Loja das 3portas
    LAZINHAS
    Coegou esta fazeada, com padroes inieiraincnte
    novos, e que se vende pelo diminuto pr^co de 200
    rs. 0 covado : isto por ter grande quanttaade.
    SO' NA RUA DO CRESPO N. 20
    Loja de
    Guilherme &C, junto a loja
    da esquina
    jg Vende se uma taverna na roa das Carro-
    cas, esquiDa da rua de S. Joao, com boa, casa de
    vivenda e bastante- commodos.para familia : quern
    pretende-la dirija se a mesma.
    Grande remiiao!
    Para todos
    Republicanos e moDarchistas.
    Democratas e aristocratas.
    Federados e confederados,
    Conununalistas e communistas.
    Catholicos velhos ou novos.
    Todos d e v e in Ir
    Reunidos ou nao reunidos
    Fwer emquanto antes'
    Suas encommendas
    Dos sai>orosos filhos ,
    , Tao preconisados 1
    EUA BOUiUSGEL N. 3
    Armazens d seccos e molhadps
    TEM PARA DISTINCTIVODOESTABELECiMENTO UMGALLO.BRANCX), PINTADO,
    PARA ALBUM A- PES$0A QUE IGNORE A LEITURA.
    Rodr^ues & Pires, regressados em Pennm.buco, cidade do.Recife, successores do
    armazem do Galio, d rua do Algibeves,. eni Lisbpa, omaisafaaidpeconhecido armazem
    na.quella cidade, capricham sempre em ter generosde primeira qualidade, dos quaes dap
    aos seus numerosos freguezes um conhecimeiHo mais prolongado na relacSo abaixo des
    oripta : i
    0 que e bom e" caro
    Pakvra bemdita que nunca faltou.
    Chd perola fino, a 55000 a libra.
    Dito miudinho super-fino, a *?W0 a li-
    bra.
    Dito popular, fino, a 35000 a libra.
    Manteiga ingleza flor, em barril a 1600.
    Dita ditafina, em latas, a 5f500.
    DHa, dita.dita edits, a 1*400.
    Aieite de peixe, baleia, a 6*0 rs.,a gar-
    ra'a.
    Dito de cPcOi fino, {a 8C0 rs. a garrafa.
    Dito doce e carrapato.
    Aguardente do caldo da canna, feita de
    encommenda, a 500 rs. a garrafa.
    Dita popular, a '320 e 240 rs. a garrafa.
    Ditabranea,' a 200 rs. a garrafa.
    Gamaroes-eeooos, a $00.rs. a lihra.
    Queijes frescos empellicados, prejo com-,
    modo.
    Gascaade cPeo para laivar asa, a 160 e
    120 rs.
    Farinha fina de Murkiiaca>
    Vaasouras, de.jtfassava paea-servigo inter-
    no,, a t.aw rs.
    tDttas graades a-Mft.ts
    Masses paaa snpa ,de todas as qwafeda-
    des
    Vinhotinto e bMco,,.swperiores, engar-.
    rafados e em pipds. E outros artigos que serd
    enfadouho aanumerar, en secco e mo-
    Ibitdos, por aer eitenso.
    Fabricados a capriebo
    Dos pasieleiros
    S6 esomente
    Na eonfeitaria do Campos
    4, lDHera;darH't. ;
    Estodo de linguas
    Pelo methodo de Ahn por H.
    A. Gruber
    Lingua iagleza1* enrso UOOO.
    Lingua allemi -1- e 2" cursos27200.
    Lingua franceza frcursos20000.
    Rudimentos da lingua latina por Theod Esch 4#
    liivrarhi frawceata________
    ^ZTVende-se um escravo moco e de bonita fi-
    a^ira, oCQeial de funileiro : a tratar na travessa
    da Corpo Santo, armazem u. 2.
    Ceroulas de bramante, ffaai-
    ceza, superiores, a 39
    Vende-aeiduw catas^cotUigaas.e que ,teui i
    Feto^porqua ,mauii:av5o.de nm 0 ba ate-da.menos; admiral quaRdade, even fde.,s7Mngu 4cs AftrgadOT, com sitie n
    com
    a rua
    osso.
    Damasco de seda.
    Ricus chapeos e cbapelinas para scnh^ra.=, Hi
    ma moda.
    Casemira &reta e de cores.
    Chitas, ni.idapnlao, panno fino pifio uwi, t
    larinhos, punhos de linho e algtdao, gravaia*-.
    vas de Co de Escossia, 'apetcs do lodui os t;.
    nhos, bolsas dp viagem, peitus bordadtM para tu.
    mens, lenps de linho branco e guardanapos, etc., etc.
    Fogao de ferro economic*?
    Vende se um chegado ha p6uiv>s di.:?, Itmto &>
    Lnalhas para lenha e car*m, bfW pan :.-
    depotito para agua qucnte e lug;;i para m *
    dar quente as comidas depois de feita* ; es-J>3 ;
    goes turuam-se recoinmendaveis ponjue sac
    ferro batidu, a fabricados earn perMeie e c I
    nham com mui diininuta lenha : m rua d A;
    n. 20
    CALCA
    :lKlUZfi]fI
    DE
    fazendas finas
    ~ ,pmpr.incipiaate:
    tratar na mesma.
    Venham adrairar- qne_superior ceroula-dibra-
    mante de linho a 'it ; nao admira o preco,, porque
    raenos; admira e^a quaRdade, e ven j .
    der-se por 3* fazenda que val U na loja :da pottSo para araa oVMwGotto trtarte.na*mes
    Rosa Bratrea, rua da-Imperatr n,6, de Awvedo aa> oasa, dafc aas,i0.rrae,!d, aaaha._______
    & Cksmpanhia. Vende-se a taverna sita a rua do.ifindie1
    ftue Hndodiap(o>de^, ei^Jggp^^
    5^000!!
    A Itosi Branca e-quein *ende imdos -.tbaipeos de
    al.de.)*upMior eda, oonv.bawa. e,l4dQ*,pbQ,
    brancos, valem bem fit. O.chiQO.e da_nj.eda,e,ama
    iinda pernambucana sahir a passeio e leVaj na
    m5o o steu-chapelinho de ol,' e por- este preco.
    Bnnca se vendtu i ua rua da Imperalra b. 36,
    .tejaide AisevedQ.'&.C.
    Chitas escuras finas
    a 30U rs.
    . A Rosa Branca vende chitas escuras de novos
    gostus e panno superior, que valem 4i0, a 360
    aproveiteci que 6 pechiucha : na rua da Impera
    triz n. 56, /de Azevedo & C.
    -----
    VENDE-SE
    a casa e silio n. 58, a rua das Pernambucaaa*. n*
    Caponga: a^Mtat.bo wtft,a,qual Vende-se
    A uma bussula com oi
    t phomo completo, ui
    vos *para mar e terra :
    rs.; ios Quartets n. 16,
    ira- Ur-----------------
    Victoria
    _
    aVende-se uma victoria qua*; nova, er'indo
    para um ou dous cvallos : a ver ua officina do
    Sr. Cirino a rua do Hlpspicio. e a tratar a pharma-
    cia pmericana, rua Duque de Caxias n. 57,
    uma bussula com oeulo,i.da. bom antor, um gw-
    uma agulha/fle marear, propria
    iuem ^trlzer procure na rua
    Ao iu> 9
    NoProgressodo pateo do;Carmo veudeseman
    teija ingleza muito boa a i#; assim -como contt-
    nda a terbom sortimento .nara qualquer chete de
    familia fazer sua despensa^* ue- encontrara preeos
    mats commodos do que en. "ra parte.
    Rua Primeiro de Marco n. 7 A
    DE
    Cordeiro Simoes<#C.
    E' esta uma das casas que hoje pode com pri-
    mazia oWerecer aos seus freguezes um variadissi-
    rao sortime'nto de fazendas finas para grande toi-
    lette, e berri assim para uso ordinario de todas as
    classes, e por preeos vantajosos, das quaes faz um
    pequetto resumo.
    Mandam fazendas as casas dos pretendentes,
    para o que tem pessoal necessario, e dao amostras
    mediante penhor.
    Cortes de seda de lindas c6res.
    Grosdeuaples de todas as cores.
    GorguraO branco, lizo, de listras, preto, etc.
    Setim Macao, preto e de cores.
    Grosdenaples preto.
    Velludo preto.
    Granadine de seda, preta etde cores.
    Popelinas de lindos padroes.
    Filo de seda, branco e preto.
    Rica; basquinas de seda.
    Casacos de merino de cores, la, elc.
    Mantas brasileiras.
    Cortes com cambraia branca com lindos borda-
    dos.
    Ricas capellas e mantas para noivas.
    Riquissimo sortimento de las com listras de
    seda.
    Cambraias de cdres.
    . Ditas. maripcaas, bratjeas, lizas e bordadas.
    Nauzuques ,d Uudos padroes.
    Baptjstas, padroes deiicados.
    Percalinas de quadros, pretos o brancos, listras,
    etc., etc.
    Brins de linho de cor. proprios para vestidos,
    com barra e listras.
    Ricos cortes de jcestido de linho, com infeites da
    mesma cor, ultima moda.
    ' Ditos/ de cambraia de cores.
    Fustao de lindas cores.
    Saias bordadas para senhoras.
    Gammas bordadas para senhoras, de linho e al-
    godao.
    Sortimento de luvas da verdadeira fabrica de
    Jouvin, para homens e senhoras.
    Vestuaries para meninos.
    Ditos para baptizado.
    Chapeos para dito.
    Toalhas e guardanapos adamascados de linho de
    cor, para mesa.
    Colchas de lit.
    Cortinados bordados.
    ' 'Gjande sortimento de camisas de linho, lizas e
    bordadas, para homens.
    Meias ds cores para homens, meninos e meni-
    nas.
    , Ditas escoce.zas.
    1 Completo sortimento de chapeos de sol para ho-
    mens e senhoras.
    Merino de cores para vestidos.
    Di^,Bret'\,^ucj4p e ,dito de verao.
    Atoalhado de linho.e algodao para toalbas.
    ' Atoalhado patdo.
    Damasco de la.
    Bricsde liaho* branco de cores e preto.
    Setim da lindas cores com listras.
    Cuajes de inerind de cores e pretos.
    Ditos de casemira.
    Ditos de seda prett e de cores.
    Ditos do toufluim.
    Camisas de cbita para homens.
    Ditas de flanella. .
    Ceroulas de Knho e algodao.
    Pannos de crochet para sofa, cadeiras e conso-
    Lencos bordados.e da labyrintho.
    Colcnas de crochet.
    Tarlatana derodas as cores.
    Ricos cortes de vestidos de tarlatana bordados
    para cones.
    Espartilbos lisos, bordados.
    Foulan' de seda, liddas cdres.
    Meias de seda para senhoras e meninas.
    Ricas fachas de seda e la para senhoras.
    I Rico sortimento de leques de madreperoias e
    eslmgriri'.
    Paris n'America, a rua Du-
    que de Caxias n. ")i
    primeiro andar, acaba de reepber nm B|
    sortimento de calcados pstran^eiros para hi mem
    senhora, vindo entre cIIps um Ifndo nrtiinentn
    elegantes chiquit'is. sapatinho> e b&ttaa par;
    crianca?, que tudo vende por pier> rar.'-avei-
    'inuiuC iH'chincha :i 200 rs <
    covado.
    '^tssa !3, padio.-s novos, e !_ .
    D vindo ao mcrcad<', >6 na raa di> QxeimM;
    i3, loja de Ctierra i FeniaaUea, \. :.o uiiuas
    preco de 200 is. o covado !
    '.'heguem freguezes que se ..<. ____
    Engenho a veuda.
    Vende-sc o engenho Pafako, ;T: na i!:..
    Itamaraca, e levanlado ha poueo tempo cm U-n
    da.S'tio Sixcorro Aclia-S'; o referido eogenrK
    moente e corrente e e a vapor, s^ndo o respeelivi
    lerreno assas produciivo de cann:1. macdiiMa. rn.
    Iho, fiijaietc. AWm dos terrenos de 'iai"..'
    ha uuia boa solta para gado, muitas aiv.."s ftnc
    tiferas, inclusive coqueiros e ootinws lugaref pai^
    grandes vive.ros. A silua^ao i'a casa de vifenia
    e agradavel, e o clima e passadio d.i ilh de lu-
    maraca sao muito apreeiaveis. alem ue outran
    vantagens que com a vista meliior ooBboawi
    comprador, dingim'o se ao refrrido friyenho, iu
    nfurmando-e na rua do Atalfcu u. freguez.s.
    da Boa vista, junto a caixa d'agna.___________
    Yende-se
    pes de. pr.rreiras, al.acale, sap '-is, reawira*. U
    guciras, t'n cta-pio, rozeir s, di'alias e -.tias ilo-
    res, por pre^o commodo : na Boa-Vi-ia. ma d.
    Visccndc de Goyanna n. 101, oulr'ora >;-'Udn.o
    AGLAS A4XAL1.no C.AZOSAS DAS l'r lB *?
    SALGADAS
    VILLA POl'CA DE MOUA
    Bicarbona(adai-.iodira *
    Analyses do Dr. Josi Julio Bodfiffues Uhi.
    da escola polytechnica de Liaboa
    Esta excellente agu, n;ada een v;n!ag?m n-'
    padecimentos das viaa digestivas, urinarias, i
    estomagj, etc., etc. : vende so : a ;ihar*nacia
    drogaria a rua larga do Rusariu n o.._____^^
    Vende-se uma escrava erionw dc IS ant
    de idade, bonita ligura, cozinha e i ngotnma bar
    a tratar na rua nova de Santa Ri'a ns. 31 e 3
    Salsaparrilha de Ay
    FABA PUBDIOAB O SAHGCB.
    0 renome de qui goa *->i-- p
    cellente remedio # dtvido a mJl-.
    ret de enrai qae tem oaerado. ia-
    itas das quaes sao verdld?iraio'Cat
    mamvilhoaas. Ionumero* sSo a*
    case* em one o lystfaema. pai
    do satnrado dajiodriilSo dc er,*r>
    midadee eeoromlosas, tem
    promptamentc rctituijo a uuiJ*
    As affecodes e desordens, n^graTa-
    daspelacontaniiiia(n i c-rofol -a
    at prodozirem dore* mortificar.te*.
    tm atdb tain'radical e tarn geralmente curadas p<.r cite, em
    todos os pontoe do Imperio, que o publico nial preciaa de ti
    lofonnado das suas virtvdet e do modo dc usal-o.
    0 reneno escrofuloso e am dos mais destn.;dun. iaioufDB
    da raca humana. Ore. senhorta-se oocnlta e tratcivinuaajbat
    do hosso organismo e deixa-o Iraco e inerme contra moteU>s
    fiitaes. Or*, patartaiaamfeocfc) de que corrompeu o corpe
    e eptao, em momento opportuno, lavra rapldamonte sob a'.cr.
    ma de sub* hediondas fcrmas, jA na cutis ja uos orsan.
    vltaes. Neste ultimo caso depositai muitas vezes, tubercuias
    nos pulm6>. no figado, no cotmcao, etc., quando nao se mat -
    ifesta em .-.:.,<&, tumores, etc.
    A lni:n.ci i.ur perigoso e tain perfido nunca se deve dar
    fuarida, e p.-'veni. o I sempre melhor do que comliittcl-e.
    Assim, antes i. .>;iErecerem os proprios tymplktmat rukt,
    uia
    resultadps fuiiestoR. j
    As peseoas que sonr^m de Erpiijttn*, Fof 4* 8. -4-
    tonio, DarlroB. Empigent, JMawmalitmo, Tumor,
    tlctr, e sensibilidade dotorom nos ouvidos. cUi, *c
    dor dob ossos; Dpapenrta on ImMvmIm; gyrfi uftm,
    Mtlutia* 4a ContcSo e_c rijado, Epyl fim, *-
    ralgfatie variai outras affeceoes do lystberoa maatalar e
    uervoso, acharfto seguto aUivio usando desta aXLtlr^K-
    EILB.t DE ATMS.
    A %phfrii
    laaMoa* ortu-
    HypnitU ou Xttti Temer+me sao euridas com
    ten uso, aoeto que teja necessario mais d/litado espaco
    tempo para tubjugar tarn imperUnentas enfermidaaes. _
    A Zeucorrkja, on EUrm BrmmtmiJks ukjeracees aje
    . nas e em gera) aa molestias das mulberas s&o tambeni aurna--
    das e Bjteriormente curadas par iff, efMto puridcadar t
    vigoratlm S
    0 MneummtUtHO e a 0^sV mulacoes de materias extranbai ao sangne, ot*
    mente,'de mesmo modo a JaTaJ te Eigmmm
    Inflammaeuo do Movmo./IotmHoUt, q1
    de amis residuoe no tanguo
    A Salsaparrilha e foi
    Assim, todos os gUo soOrerem !, 1
    maioi, IntomMa e qufc sBc uioaaunaoiftdos ecu.
    fcttnttt e Tttwrte A.r.o. ou qualquer outr
    provenieate de DtMUdmde, acharlo do seu poder w:.-: :
    o mats seguro expedient* de prompta cure.
    PBKPAiAD* r. .:
    J. C. Ayer & CJa, 1>>w*IL Wav
    CMmtoo* EracHoo* e <
    exoellena* tayr* or eU>
    >r do eyallieaaa. v
    J
    t
    i



    J


    ,uwmotl*s>.
    v-**
    8
    Diarf* de Trymhttft ^ fluipta feint 26 de Fevepeko de ld?4

    -*
    HMSPRDDEHGIA.
    Relatorlo
    A RESPEITO BO NEGOCIO DO MARECHAL BAZAINE
    EX-COMMANDAKTE EH CHEFE DO EXEKCITO
    DO RHENO.
    AUDIENCIA DE 19 DS NOVEMBRO
    (Continuacdo)
    0 Sr. Dehau, sub-ehefe de repartig8o no
    rainisterio da guerra, addido ao estado maior
    do marechal Bazaiue, declarou que em 15
    de setembro, a'proposito de novas nomea
    gdes da I.egiao de Honra, recebeu oriem do
    marecbal para riser'dos diplomas as pala-
    vras e emblem as, quo. reeor lassem o regi-
    men imperial. Q iatro dias depois, fez res-
    tabelecer as ousas no seu estado primi-
    tive
    0 Sr. Ambon, director de imprensa,
    eonfirmou este mesmo depoimento.
    O Sr. Levy, agente de carabio. Fiz
    parte de uma commissao que deu o seu pa
    recer sobre os meios de por em pratica um
    eraprestimo. Estavamos entao nos ultimos
    dias de outubro, e o general Coffiuieres diri-
    gio-se a nos para ter, disse elle, o dmbeiro
    necessario para certas compras. a 0 exer-
    cito tem necessidade de dinheiro, e enu-
    morou os objeclos que era urgenle adqui-
    rir.
    0 marecbal autorisava este ompreslimo
    ate a somua de um milhao. Emquanto u6s
    negociavamos o emprestimo a 23 e 24, o
    marechal negofiava a capitulagao
    Obtivemos 95.000 francos, em 25 de ou-
    tubro. 0 milhao nao se tinha realisado no
    dia da cpilulagao, mas tinhamos entrado
    ate aquelle momento com 800:000 fran-
    cos.
    Na vcspera da capitulagao, quando havia
    maior dovida sobre a uiste sor e de Melz o
    pagador geral foi procurar o general Coffi-
    nieres para que esto o autorisasse a pagar
    aos fornecedores necessitados do exercito, e
    a fazer uma transferencia para restituir d ci-
    dade 890:000 francos, que o exercito lhe
    devia. 0 general Coffiuieres contentou se
    in rosponder seccamcite : Agora
    , nada
    nao se trata tih w j:.., i ,
    0 Sr. Joubin, ex-u',rector J bano "osto, o gene-
    lo do
    tnbro, recebernos ordem de nos preparar julgo nlo ter doxado ignorar ao marechal
    P"7 m"ctnr- / q*e o boato da capitulagao de Strasburgo se
    A 4 de outubro, reumo-nos o marechal, nao fundara em cousa nenhuma sdria.
    efallou-nos de nos prepararmos para mar- President.Chamai o tenente-corooel
    char sobre Thionville. Pieubiee.
    Este project foi depois abandonado, e Teetemttnha.No meado de setembro,
    uma operag8o parcial ainda se tentou do estara eu nos postos avaogados do lado de
    ladode Courcelles, pelo 3*e6 corpos, mas Melins; prendi e conduzi ao quartel-gene
    foi quasi 90 mesrao tempo abandonada. s ral do 4# corpo um homem que era porta-
    Devo dizer que n5o eram estas operagdes dor de jornaese de um nmnuscripto oopia- aqui como estava misturada a guarda na-
    doconjuneto que podessem permittir resul-1 do da circular do Sr. Julio Fane. Era
    tados consideraveis, e de natureza a sobre-. mandaJa pelo maire de Are.
    Franga em Metz.A 20 de ie_
    ral Coflioieres, que me tinha prohiuJ
    reeipedir dinheiro para Paris, veio ao em-
    liciodo banco, e quiz fazer euterrar os qua-
    renta milhoes de ouro que possuiamos. O
    general rcceiava a chegada dos prussianos,
    e disse-me para maior consolacSo : Es-
    pero que nos deixardo por tres ou quatro
    dias.
    Durante 0 bloqucio, a testemunha entre-
    gou ao thesouro do exercito 49 milhoes. 0
    Sr. Joubin estava muito commovido. Des-
    culpou-se dizendo : Tudo isto slo re-
    rordagoes terriveis para um francez, para
    um messinez I
    AUDIENCIA DE 19 DE NOVEMBRO.
    Presidente.Maudai chainar o marechal
    Le Boeuf.
    P.Dignai-vos fazer conslar ao conselho
    todas as medidas tomadas des le o comedo
    de setembro ate ao fun do bloquoio para as-
    iegurar as provisfies do corpo de exercito
    que commandaveis, assim como as opera-
    goes militares em que tomastes parte na -
    quelle periodo.
    O marechal Lt Boeuf.Differentes inci-
    dentes militares de pouca importancia se
    apresentarara nesse periodo. A I de setem-
    bro, o marechal Canrobert, o general Fros-
    iard e eu, recebernos ordem de preparar
    uma operagao communi que devia ter lu-
    gar a 7.
    Tudo estava preparado, quando a 6 &
    noite nos chegou a contra ordem a pretexto
    de que o ini'nigo se reunia do outro lado
    do Seille. A 8, primeiramente por occasiao
    da troca dos prisioneiros, nos quaes se com-
    prehendia o capitao Lejoiodre, e depois por
    uma communicacao oflicial do marechal,
    soubemos dos acontecimentos de Sedan e
    de Paris, e ficamos com isso mu to affecta-
    dos.
    O marechal Le Boeuf, depois de ter foito
    a nomenclatura das diversas opengoes de
    guerra tentadas ate ao fim da dita, chegou
    & visita do Sr. Ilegnier e & missao do gene-
    ral Bourbaki. .
    Quando fui informado destes mcidentes,
    disse elle, n8o pude toma-los a serio, mas
    devo dizer que o marechal tambem lhes n3o
    deu grande importancia. Lembro-rae que
    quando me falloa, me disse : Seja como
    fdr, a nossa situagao nao raudou debaixo
    do ponto de vista militar.
    Effectivaraente nos primeiros dias de ou-
    excitar a moral do exercito.
    Se o marechal Bazaiue tivesse pedido ao
    exercito urn e?f rgo vigoroso, nao Ih'o teria
    elle recuscdo.
    No fallo aqui particularmente da marcha
    sobre Thionville, que apreseutava, na mi-
    nha opiuiao e na de rauitos officiaes, gran-
    des inconvenientes, mas de uma marcha
    para as planicies, da qual alguns officiaes
    nao tinham abandonado o-projecto.
    Todavia devo accrescentar que no mo-
    mento em que o general Biwbaki foi man-
    dado junto da imperatriz, a maioria dos of-
    ficiaes, convencida do perigo da situagao,
    osperavara e desejavam, digo o bam alte,
    que essa missao tivcsSe resultado favoravel,
    e permittisse que a Franga concluisse uma
    paz hourusa. (Murmurios no auditorio.)
    Presidents.Nao tenho nenhuma obser-
    vagao a fazer aqui & opiuiao, que manfes-
    tastes, Sr. general. Foi a 12 de setembro
    que a marechal vos inl'ormou dos aconteci-
    mentos de 4 do sete nbro. Ent3o essas pa-
    lavras iudicavam a idea de isolar o seu exer-
    cito em Metz, e de o deixar estranho as
    operagfles que os exercitos formados no in-
    terior podiam emprehender?
    R. De maneir nenhuma, senhor presi-
    dente. As noticias que recebiamos eram
    profundamento dolorosas, e ninguem pen-
    sou por um ioataote om discutir novas ope-
    ragoes de guerra. Nao havia nas palavras
    do marechal cousa nenhuma queenuncias-
    se um piano combinado n'um ou n'outro
    sentido.
    P Dissestes que o marechal se inquie-
    tavc com a moral das suas tropas. Nao jul-
    gais que fazendo chegar ao seu conheci-
    mento as noticias de origem suspeita trazi-
    das pelo Sr. Debains, isso concorresse para
    enfranquecer a moral, em vez de a restabe-
    lecer ?
    R Meu Deus, Sr. presidbnte, tanto
    nuanto eu po*r. 'i"rar-me, essas noticias
    naoforam cornmuniw,,,8S ,sen* <>s com-
    mandantes de corpos. A(juelle relatono
    nao ma impressionou pessoalaHsStfl- ^o
    entretanto. guardamos todos nos, os coitt-
    mandantes de corpos do exercito, o mesmo
    segredo. Igaoro, e e possirel que eu te-
    nha communicado essas noticias aos meus
    generaes de divisao.
    P Per.nitti-me somente que vos faca
    observar que os regulamentos, e as mais
    autiga tradigoes prouibem que se leve ao
    conln;:i;nento do exerciio, apresenlando-as
    como serias noticias, ciija origem se nao e
    incerta e suspeita. Era nessa idea que eu
    vos tinha apreseutado a miuha pergunta.
    O capitdo Lemoine.Feito prisioneiro
    na batalha de Spickeren, for depois compre-
    hendido n'uma troca, e conduzido aos pos-
    tos avangados do exercito allemao, em frem-
    te de Metz, a 14 de setembro. Fui imme-
    diatamente conduzido junto do marechal
    Bazaine, a quern fiz saber o que se passa-
    va em Paris a 4 de setembro, e a composigao
    do novo governo. So ao nome do Sr. de
    keratry, prefeito de policia, fez um movi-
    mento de surpreza. Foi em Ssrrebruck
    que live conheoimento daquelles faetosdes-
    de 5 de setembro ; a 8 tinha-me sido con-
    firmado pelo Jornal dos Debates, que se re-
    fcria aquulla mesma data de 5.
    Dirigiudo-me de Sarreburg a Metz, ouvi
    fallar da morte do marechal Mac-Mabon e
    da capitulagao de Strasburgo. Em Uemil-
    ly, interroguei o commandante da forca, o
    qual me dissa que aquellas noticias nio
    eran officiaes. Forneci todas estas iafor-
    magoes ao marechal Bazaine, e por sua or-
    dem, repeti a minha narracAo, na presenga
    dos generaes Castagny e Jarras.
    P. Fallastes ao marechal da capitulagjo
    de Strasburgo ?
    R.Fallei-lhedella.
    P.Follastes tambem da vossa conversa-
    gao com o commandante das forgas em Re-
    milly T
    R.Fallei-lhe certamente desse comman-
    dante ; e natural que o nao tenha deixado
    ignorante do que me disse. O conselho
    p6de interrogar sobre este ponto os gene-
    raes Castagny e Jarras. Quanto a mim,
    chajo^pa.,
    . aoeral Coffinieres disse que a guarda
    nacional de Metz estava misturada ; ha-
    via na guarda nacional velhos, antigot
    ooagistrados, qae nio tinham feito servico
    senio por patriotismo, e eu memo tinha na
    corapanhia que commandava um, antigo
    CoroneJie cavallaria, que voluntariamente
    me tinha rindo pedir uma espingarda. Eis
    LUCHECIA 23*,:i-
    MEM0BI1S DE SHIUZ
    POR
    O Sr. Preau, director do correio de
    Meurthe e Mos.-IIe.Nas circomstancias dif-
    ficeis que atra vessamos julguei que nao era
    firudente denunciar os erros dos chefes mi-
    itares. Fallei da batalha de 18, segundo
    uma nota que me tinha sido entregue pelo
    Sr Debain, oflicial addido ao estado-maior
    general. O artigo terminava com estas pa-
    lavras : O exercito fica para fazer face
    ds estrategias politicas e militares, das
    quaes o publico serd o melhorjuiz.
    A 12 ou a 13, um official, o Sr. Mor
    eau, assegurou-me que Strasburgo tiuha
    capitulado a 9. Este official dizia ter a
    noticia do seu chefe de batalhio, o qual a
    tiuha do marecbal Bazaine. Dirigi-me a
    Saint Ladre, onde aquelle chefe de batalhao
    se achava, e conQrmou-me o que dissera o
    marechal: Strasburgo, Ihe disse o ma-
    rechal, capitulou a 9.
    A artilharia prussiana, artilheria formi-
    davel quesorvio naquelle sitioy accrescentou
    o marechal, vai er empregada no sitio de
    Metz, e a cidade, jd cheia de ferid s, ndo
    seri, dentre em pouco mais do que um
    verdadeiro cemiterio.
    A 30, sube de uma origem official, da
    capitulagao de Strasburgo, que datava da
    vespera 29.
    A 20 de setembro, recebi de um enviado
    do maire de Ars o Figaro, do dias 6 e 8,
    a Independencia Belga de 13 e 16, e o
    Debuts de 10. Aquelles jornaes continham
    excellentes informagoes; a entrada doge
    neral Vignoy em Paris, s proclamagao do
    general Troch-i, dizendo que estava I fron-
    te de trezentos mil bomeus.
    No dia 1 de outubro tivo em meu poder
    um numero da Gazeta, de Colonia, em que
    se dizia isto : 0 socialismo esta* senhor
    de Paris : o bombardeamento de Metz co-
    raegou a 9. Julguei, segundo a veraci-
    dade desta ultima noticia, da confianga quo
    me devia merecer a primeira.
    A 20 de outubro comma., -ou-me o co-
    ronet Humbert um trabalho sobre a situi-
    ga i respectiva dos exercitos francez e alle-
    mao. Devia publicar este trabalho, cuja
    conclusao devia animar a coragem da pope
    lagao e do exercito.
    A censura mandoa-me as provas com
    esta nota : Gste artigo deve suprimir-se
    todo >' No mesmo numero, a eensura
    supprimio um artigo, em que se podia que
    os habitantea das communas suppurbenas
    fossem armados. No mesrao dia 11 de ou-
    tubro, assisu a uma reuniao de offici es da
    guarda nacional. Circularam boatos de
    restauragao imperial e de capitulagao Um
    mancebo condecorado, propoz-me que mar-
    chasse para a mnuicipalidade, proclamas-
    se a repubiica, e substituisse o conselho por I
    uma commissao-. Fiz observagdes ; a ques-
    tao militar primeiro que todas as outras
    questdes, e decidio-se que se teataria algu-
    ma cousa Junto do general Coflioieres.
    No dia seguinte, reunio-se a mooicipali-
    dade, e n6s dirigimo-nos ao enceotro do
    general, a quem expuzemos as apprehen-
    soes da popuiagao. O general Coffiniiires
    respondeu-noe que uma restauragao bona-
    partista depois-de Sedan era uma idea id io-
    ta, que nao podia passar pelo espirito de
    ninguem ; que quanto a* capitulagao, nao
    se tratava de tal, e que era1 todo o caso, se
    se fosse obrigado a chegar a semelhante ex-
    tremidade, o exercito francez marcharia
    para o exercito inimigo e baveria um duel-
    lo de morte. Retiramo-nos satisSeitos ;
    mas devo confessar que a populagao, ao
    conhecimento daquellas palavras, as aco-
    Iheu com a maior incredulidade.
    Esta opprehensao augmentava sempre ;
    resolveu^-se que se fosse pedir ao general
    Cbangarnier que tomasse o comma ido da
    guarda nacional. 0 general Cbangamier
    respondeu que o ndo podia fazer ; mas que
    se lbe fosse permitUdo aceitar aquelle co-
    megaria por mandar um batalhao da guar-
    da nacional para Ladonchamps, onde a tro-
    pa perdia muita gente. Respondemos lhe
    enta que, para- ter a honra de ser com-
    mandada por elle, toda a guarda nacional
    'pediria para ser mandada para Ladon-
    cional. Eu tinha sido official no exercito,
    e devo dizer que nunca vi tropa mais enthu-
    siasta e mais decidida. A minha gente de-
    pois de ires semanas de exercicio, manobra
    ra como soldados velhos.
    AUDIENCIA DE 21 DE NOVEMBRO.
    O presidente fez chamar o commandaote
    Garciu.
    P. Fizeste-me prevenir na terga-feira
    passada.que tinheis uma rectificagao a fa-
    zer ao vosso depoimento. Dignai-vos ex-
    plicar-vos.
    R.Disse que dous parlamentarios t -
    nham si-io introduzidos a 17 de setembro ;
    com notti um erro, o primeiro parlamenta-
    fio veio a17, e o segundo a 19, e emfim a
    23 veio o parlanentario civil.
    O general Boyer, antes de depor, incli-
    nou-se muito profundamento perante o ma-
    rechal Bazaine.
    P.O conselho deve ouvir-vos primeira-
    mente a respeito do que sabeis acerca das
    commuuicagdes do quartel-general com o
    interior do paiz anteriormeote a 8 de ou-
    t-bro.
    R-Nao coufundo de maneira nenhuma
    o que se passou no estado-maior general.
    A primeira communicagao de que tenho
    conhecimento e" a carta do principe Frede-
    rice Carlos, confirmando os acontecimentos
    de Sedan e de Paris. Soube depois que o
    marechal tinha recebido do quartel-general
    >llemao uma carta relativa a missao do Sr.
    Ilegnier, e que havia feito entrega de uma
    rosposta ao parlamentario.
    P. -Uma testemunha disse que tiuha tra-
    duzid-j, no flm do setembro, uma carta vin-
    da do Versailles, e autcrisando o general
    Boyer a dirigr-se junto de Mr. de Bis-
    mark.
    R.Nunca ouvi fallar dessa carta ; foi s6
    a 12 qoe o quartel-general allemao fez che-
    gar is maos do marechal a carta em que o
    autorisava a ira Versailles. /
    P.A 17 de setembro fostes aos postos
    avangados, e tivestes uma eonversagao com
    um official allemao ?
    R.-Sim, senhor presidente.
    P. Lembrai-vos- se essa converse sssen-
    tou em algum ponto, de que ao conselho
    interesse tor conhecimento ?
    R. Sd nos entretivemos durante alguns
    rainutos em cousas indiffarentes
    P.Quando o Sr. Kesnier chegou a 23-,
    sabieis vos se nessa occasiao foi entregue ao
    marechal Bazaine uma carta do quartel-ge-
    neral allemaoT
    R.Nao, senbor presidente.
    P.O marecbal mandou-vos fallar em-
    quanto o Sr. Regnier alii estava ?
    R. Sim, o raarecbol apresentou-me* o
    Sr. Regr.ier, dizendo : a Eis aqui o St.
    Regnier, que vem da parte da imperatriz
    procurer o marechal Canrobert* ou o gene-
    ral Bourbaki. \
    P.O marechal fez Idgo prevenir c*
    dous officiaes generaes da maneira inquio-
    tadora porque eram esperados 1
    R.Man. A pa nas no dia seguinte.
    P.A* tarde. Depois der>er visto o ma-
    rechal Canrobert e o genteral Bourbaki.
    Nao tinha o Sr. Regnier uma maneira de
    fallar que attrahio avossa attengao ?
    R.Kile disse : O general Bourbaki
    vai.
    P;Fez o St. Regnier constar que o ge-
    neral Bourbaki podia tornar a entrar ?|
    RFalloa-me vagamente de uma res-
    tauragao bonapartista ; mas tenho uma idea
    que elle me declarou que o official-general
    que sahisse nao podia entrar novamente ?
    P.Depois da sua primeira conversa
    com o marechal, o Sr. Regnier voltou ae
    quartel-general allemao T
    R.Sim,, nessa mesma tarde; voltou n
    dia seguinte.
    P.Porqae motivo ? Isso nao vospreoc-
    cupou ?
    R.Disse que elle preferia ir passar a
    noite em Ars.
    P.Nao disse Gosto mais de tomar
    bom caldo em casa do principe Frederico
    Carlos ?
    R.Nio me lorabro.
    P.Nao vistes o Sr. Regnier depois da
    queda de Metz
    R.Encontrei-o em Caseel, depois em
    Bruxelias, tire occasiao de ver que elle con-
    tinuava a ter relagoes em Versailles.
    P.0 official que o marecbal maodou
    aos postos avangados como parlamentario
    n8o era sempre o mesmo ?
    R.Sim, senbor presidente.
    O general Pourcet.Dous dias depois da
    partida do general Bourbaki,. havieis dito a
    um i fficial que elle nao devia voltar T
    R Effectivamente me lembro de ter ti-
    do isso a um commandalte de engenhei-
    ros,
    P.Conhecieis o Sr. Arnous Riviere an-
    tes da guerra ?
    R.Vi-o pela primeira vez quando foi
    autorisado a formar um servigo de explora-
    dores.
    Presidente. Podeis relirar vos. 0 Con-
    selho onvird mais tarde a continuagdo do
    vosso depoimento.
    O commandante Lancy.Fazia parte do
    pstaJo maior do principe imperial, e acba-
    va-me em Hastings quando se apresenlou
    um francez que se chamav i Rgnier. Este
    Regnier insistio muito para obter a assigna-
    tura do principe pela parte debaixo de uma
    photographia. Dizia que aquella assignatu-
    ra lhe servia de passe para negociar junto
    do marechal Bazaine. As propostas direc-
    tas feitas d imperatriz nao eram aceitaveis.
    A i nperatriz n3o quiz coraprometter a si-
    tuagao tratando com o inimigo, qi.e segun-
    do dizia Regnier, pedia um railhar e uma
    porgao de territorio. Aquelle homem pa-
    recia muito dedicado, e conscguio obter a
    assignatura do principe.
    P.Por intermedio de quem ?
    Rr.Por intermedio do Sr. Filou.
    Testemunha.Regnier jd estava esque-
    cido em Hastings, quando vimos chegar o
    general Bourbaki. A adrnirag8o foi ta?r
    que o general exclamou ao chegar : a Fui
    engana !o, n3o me esperaveis 7
    P.Regnier n esta occasiao dizia : sei
    melhor o que se passa em Metz, do que o
    mareclial. Nao ha viveres em Metz se&ao
    ate ao dia 22 ?
    R. Sim, e isso produzia-me o effeito de
    uma gabarola.
    O general de Chabaied-Latour. Na sua
    eonversagao com a impeFatriz, expoz Reg-
    nier as condigoes om que o inimigo teria
    feito a paz f
    R,Nao, Regnier tinha fallado des-
    sas cond:cd09 como de uma probabilila-
    <)e, mas diante da imperatriz nao fallou
    d'ellas.
    Seguio-se a depdr o Sr. Soulie, conser-
    vador do museu de Versailles. Tinha ha
    nove annos relagoes pouco frequentes com
    o Sr, Regnier, e coucebeu a opiuiao de que
    aqu elle persouagem, que se lbe apresentava
    como um antigo camarada da instituigao
    Favart, era uma eabega ex-altbda absoluta-
    mente inconsciente. A 13 de fevereiro de
    1871, veio Regnier procural-o no museu,
    onde fez discursos muito inconvenientes^
    dizendo ao concluir : Vou-me para o
    hotel Rservoires, porque e possivel que re-
    ceba uma ordem- dcSr. de Bismark que m*
    force a partir immediatamente.
    Leu-se depois o depoimento do Sr. Pozza
    di Borgo, testemunha regularmente dispen-
    sada de comparecer. Do testemunho d'es-
    te official resulta que os prisioneiros de Co-
    lonia, tinham encontrado Regnier, que se
    vangloriava de ter feito sahir Bourbaki de
    Metz. Accressentava que Metz jd n3o tinha
    senao cinco di;s de viveres. Fallava das4
    condigoss da paz, e mostrava em uma car-
    ta a nova frontoira que devia passar por
    Phalsbourg Regnier fallava tambem da via'
    gem do general Boyer a Versailles, e repre-
    sentava a Franga como entregue danarchia,
    e o exeroito dedicado ao imperador e i
    imperatriz. Diz-se que se dirigia para Wil-
    lemshoe.
    O capilao Yung. Soubemos no estado
    maior general do exercito do Rheno, a 23
    de setembro, que tinha cUegado um envia-
    do da imperatriz. Mais tarde em CasseL
    recebi o Sr. Regnier, que affoctova uma cer-
    ta importancia, e seinformava do espirito do
    exercito com a id6a de uma restauragao do
    antigo governo.
    O Sr. Modire'.A. testemunha, alfaiate
    de profissao, foi chamado ao Ban-Saint-
    Martin a 26 de setembro. O marechal e o
    general Boyer dizia : Se tivermos da pas-
    sar na freiite do ini mgo, pela minha parte
    nao o quero fazer de uniforme.
    P.Foi isso no dia 26 de setembio*
    RSim, a 26.
    Sobre o incidente Regnier, o conselho ou-
    vio ainda os intendentes Guffiot e Mony, os
    D. Manoel Fernandez y Gonzalez
    QUARTA PARTE
    LUDOVICO ARIOSTO
    V
    ^IM LOBO AO SERYigO DE DMA PANTHERA.
    |(Continuagao do n. 44. )
    Obrigado, cavalheiro, obrigado, dis-
    se o marquez com voz rouca e gutural; s5
    um dever imprescindivel me faria sahir de
    asa, da qual tinha resolvido n8o sahir nun-
    ca, senao quando tirassem o meu cadaver,
    p vir procura-lo.
    Ariosto estava sobre brazas.
    Nao sabia o objecto da visita do mar-
    quez.
    0 criado que ate" alii ajudara Ariosto a
    amparar o amo, sahio depois deste ficar
    .-:i'.ado n'uma poltrona.
    N8o comprehendo, Sr. marquez, qual
    seja^ dever que torn a cumprir, relativamen-
    te i fflim, disse Ariosto.
    P senhor, por um decreto da Provi-
    denciax,~salvou aquillo que eu mais amo no
    mundo, isto e, minha filha. E' muito pos-
    sivel que, vendo-a, e achando se collocado
    na posicfio do seu libertador, tenha conce-
    bido algum projecto insensato. Minha fi-
    lha 6 muito fortnosa, e eu sou muito
    rico.
    Sr. jnjrquez I exclamou offendido,
    ^intfa"que cortezmente, Ariosto.
    Tenho por habito dizer sempre o que
    sinto, proseguio com severidade o anciao ;
    e, como nem tudo quanto .se sente se p6de
    dizer no mundo, retirei-ne^delle para nao
    ter occasiio de dizer cousa alg^ma. Pela
    razao de que o senbor se p6de olender, n8o
    hei de eu raudar o meu modo dp oroceder.
    Se, pois, como^ possivel, sonlou n qn
    que fosse relativamente d minh/ hlha, 9
    quega-o. Emquanto ao mais, como nao
    quero dever cousa alguma seja a quem for,
    assignei-lhe a renda de mil e duzentos es-
    cudos annuaes, que lhe serd entregue em
    prestagoes mensaes pelo meu mordomo.
    Eu costumo, igualmente, dizer tudo
    quanto sinto, replicou Ariosto, apezar de
    me nao ter apartado da cOrte. O que aca-
    ba de me dizer, Sr. marquez, determina
    uma injuria grave que n8o raereci, a qual
    nao repillo, como desejaria, porque respei-
    to e venero os seus cabellos brancos.
    Sempre a vaidado unida d pobreza I
    disse o soberbo marquez 1 Mil e duzentos
    escudos de renda, nao se rejeitam nunca,
    e muito menos quando sao a paga de um
    grande beneficio.
    0 premio dos beneficios consiste no
    agradecimento, replicou com maior altivez
    Ariosto.
    Mas quem 6" o senhor, proseguio com
    frio desdera o marquez, para assim oroce-
    der com tao impertinente altivez I Dizem
    que escreve versos, que 6 poeta. Pois bem,
    o que e um poeta ? Um pobre diabo que
    3ueiraa os miolos para ganhar um pedago
    e pao. Poeta a soldo da casa de Ferrara,
    e o mesmo que se dissessemos um criado
    a quem se dd um soldo mesquinho para
    que divirta os seus senhores, os seus wto-
    ritos e a sua cOrte. Ndo me venha dizer
    que ndo ; conhece-se-lhe na cara o raal que
    o trata o grao-duque.
    Continue, Sr. marquez, continue, dis-
    S3 Ariosto com grande tranquillidade ; que-
    ro escuta-Io ate que tenha terminado.
    Jd conclui e retiro-me. Ahi tem cem
    escudos; quiz eu Irazer-lhe em pessoa a
    primeira mensati lade.
    Ariosto ndo p6de conter-se, apezar do seu
    firmo proposito de ser paciente.
    Aquelle ouro collocado pelo marquez so-
    bre a mesa, bateu-lhe na cara, e n'um mo-
    mento irrefleiivo de colora e despeito, ati-
    rou com a bolsa pela janclla f6ra.
    Que fez? wclamoti o Mmrqitfl de
    Aquaviva, lentando lovamtar-sje, tremulo de
    colera.
    Rio sot, perd\t!, mas o 6r, marquei
    afXra.ntou-me, a a sffronta r^-mo. Fique,
    porem, entendendo, que todo o dinheiro
    que me env ar, levard o eaminho daquelle.
    Muito bem... estd no seu direito, p6de
    dispor como quizer do seu dinheiro.
    Advirto-o, Sr. marquez, proseguio
    Ariosto, quo se o respeito. a si, esmigalha-
    rei a eabega ao primeiro que se atrever a
    entregar-rae qualquer quantia da sua
    parte.
    Isso serd entao com os dous ; e como
    nao tenho nada mais que lbe dizer, Sr.
    Ludovico Ariosto, tenha a bondade de
    chamar os meus criados para que eu possa
    sahir deste palacio, onde ndo tinha pensado
    voltar, e onde me sinto mal. .
    Ariosto chamou os criados do mar-
    quez. V
    Aquelles entraram, e o marquez sabio
    lentamente acompanhado de Ariosto ate onde
    0 esperava a liteira.
    Um homem que sahia do palacio, rcpa-
    rou, ainda que rapid amen te, que Ariosto
    cumprimentava o marquez na occasiao em
    que este entrava para a liteira.
    Aquelle homem era Michelotto.
    Naquella mannS, Lucrecia chamara Fran-
    cesco Buotti, que estava jd muito velho, e
    continuava sendo a consciencia da sua se-
    nhora.
    N8o tenho do quem fiar-me em Fer-
    rara, Francisco, sendo de ti, disse ella ;
    ninguem sabe aqui o que eu sou, o que
    sinto, o qne ooculto no meu coragao, se-
    nao tu, e tu estdsjd muito velho e iuu-
    til.
    Corpo cangado, coragao joven, cabo-.
    ga serena ; que quer, minha senhora ?
    Consioto em receber D. Miche-
    lotto.
    > Caatella com o que vai fazer. D.
    , Michelotto sabe que foi a senhora duqueza
    1 a causa da desgraga do duque do Valentino
    quaes nao fornocerara neuhum dot* escla-
    recimanto.
    O Sr. Malherbt, propritttrio am Moa-
    lins-les-Metz, dissa qua o Sr. Aroous Rivie-
    re, fazia grandes despezas, e que o comman-
    do importante qua Ike tinha confiado ma-
    rechal Bazaine havia causada do exercito
    uma verdadeira admiragdo. Nio se com-
    prahendia que um posto como o de Moulins
    fosse dado a um deseonhecido que nao par-
    tencia ao exercito.
    P.Quando chegava um parlamentario,
    que fazia o Sr. Arnous Riviere?
    R.Fazia-o entrar em uma sala, a ti-
    nha sempre com elle uma conferencia parti-
    cular.
    O Sr. Henrion, cultivador em Moulins-
    lez-Metz, fez passar de noite, e por duasve-
    zes, com ordens do Sr. Arnous Riviere, di-
    versas pessoas de uma margem para a ou
    tra do rio.
    (ContiHuarse-ha. 4
    U'lmATURA."
    Iliwtoriu Pairia.
    As Victoria* Argentina* de i8t7.
    Vacacabv.Ombu'.hazAwed. Ca-
    MAQUAN : HeVAL.
    O ap^arecimento de um livro que acaba
    de publicar em Buenos-Airea Sr. coro-
    nel Geronimo Espejo, e que ainda slo ti ve-
    mos a fortnni de ler, deu lugar a qua um
    los periodicos d'esaa capital ainda ami vez
    fallasse nas esplendidas victorias del Ba-
    cacahy, del Ombii, de Iluzaingd, del Ca-
    macud e del Ytrbal.
    Nao ha quem entra n6 desconheca o que
    fei a batalha de Ituzaingo, sobretudo de-
    pois que o major Tiiara, na sua obra
    Campanha do grande exercito Altiado Li-
    bertador, consagrou-lhe' um capitulo espe-
    cial, publicando todos os documented ofli-
    eiaes alem do excellente p ano levantado
    por Seweloh ; e depois ainda que o general
    Machado de Oliveira em 1860, deu a lume
    no Revista do Instituto Historico, a sua in-
    teressante Memoria sobre a 1* campsnha de
    1827. Nao suecede, o mesmo porem com
    os ehoques de Vacacahv, e Otnbo, e os de
    Camaquau, Chico e Pedras Altas (ou Hervat,
    de que nenhum escriptor brasileiro dd noti-
    cia pela nenhuma importancia desses feito-
    de armas.
    Tao insignificantes forem files, que, raui-
    tos militares que serviram nesse tempo che-
    gam a negar comptetamente que taes en-
    contros se houvessem dado ; o qua a facii
    de comprehender era uma guerra em que
    muitos outros combates de mais valto foram
    pelejados.
    0 general argentine Alvear, entretanto,
    teve a babilidade do dar a esses insignifi-
    cantes recontros as proporgdes de grandes
    combates, e desde entao nao se tem ces-
    sado de fallar no Rio da Prata not dmas
    victorias que precederam a batalha da Itu
    zairigO, e nas duos ottlras que se lhe se-
    guirm.
    Seja-nos, pois, permittido dar aos nossos
    leitores uma ligeira idea do qua foram ar
    tao falladas e tao tamosas victorias argen-
    tinas del Batacahyr del Ombii, del Cama
    cuan, e del Yerbal,
    Vaeacaby ( Baeaeahy dos avgeotinos.
    Este pequeno cheque deu-ae bo dia 13
    de fevereiro de t82T.
    Marchava entao do -Arroyo da Palma so
    bre S. ^*briel o-nosso exercito, ao man
    do do gb -ral marquez de Berbacena, em
    procura \*e exercito argeotino, commandado
    por Alvear.
    Gompuuha-se todoo exercito. brasileiro
    de 6,480 homens, e 12 bocas de fogo (1).
    O exercito argentine, muito superior em
    numero, constava da pouco oeoos de.......-
    11,000 homens e 24 bocas de fogo (i).
    Nao se ten do animado Alvear a atacar-no-
    na vantajosa posicao que occupavamos no
    Arroyo da Palma, simulou uma retirada,
    e seguio para os campos do Santa Maria, no
    centre da provineia do Rio Grande do Sul,
    afim de attrahir-nos para um ponto em
    que a sua cavallaria pudesee manobrar mais
    livremente.
    (Continuar-se-ha).
    (1) Mappa assignado pelo ajudante-gene-
    rai birao do Cagapata, 0 organisado no
    dia 11 de fevereiro de 1872.
    (2) Veja-60' o mappa na obra do Titara
    Memonas do grande exercito alliadc a
    etc. pag 121 I.ivraria Gamier,. Na ba-
    talha de Ituzaingd apresentarara os argenti
    uos 10,500 homens.
    ea alma do duqroconserva-se na te.ro, bj
    ' corpo de Michel...,o. Receie um perigo *u-
    ' daz, porque Michelotto ndo teve no mundo
    outra affeigao sendo seu innao Cesar, e a
    ' el|e se vendeu de corpo e alma.
    ! Ndo conheces ainda os homens, Fran-
    cesco ; apezar 4.os teus cabellos brancos,
    que sdo jd gos, n$o passaste nunca de
    ser um lobo, enganas-te com summa faci-
    cilidade. O que Michelotto amava, por
    uma razao de semelhanga comsigo mesmo,
    era a alma de ura Borgia. Morto este, ne-
    cessita outro Borgia paca alimentar a sua
    alma servindo-o. Se M.ichelloto se tivesse
    proposto vingar com a minha morte a morte
    do duque de Valentino, nao se teria dado a
    conhecer ; teria proenrado que eu nao sou-
    besse que elle estava em Ferrara, aproxi-
    mar-se-hia de mim silenciosamente, quando
    ninguem podesse defender-me, apezar dos
    fossos, dos muro3, dos guardas, de tudo.
    Tu nao conheces Michelotto.
    Creio que o conhego demasiado.
    Nao tanto como eu, procura-o e traz-
    m'o.
    Buotii estava habituado a ser vir cegamen-
    te sua senhora. Sahio, pois,' dirigio-se d
    hospedaria da Flor de Liz onde Michelotto
    se hospedava, e lovou-o ate* a camara da
    gri -duqueza.
    Lucrecia estava so.
    . Ao ve-la, Michelotto empallideceu, e ar-
    raurm-se-lhe os olhoe de agua.
    Avangau rapidajnente para ella, cahio-
    lhe aos pes, beijou-lhe a fimbria do vesti-
    do, e exclamou com um accento deli-
    rante:
    Oh I gragas a Deus que torno a ve-la
    minha senhora I Cragas a Deus que o meu
    olhar torna a fixar oolhar do um Borgia I
    Francesco Buotti, que penatrara alii, e
    que por cautella levara a mdo ao punhal,
    retirou-se murmurando:
    Ella tinha razao ; eu na conhecia
    bem este canalha. Ndo ha que receiar,
    porque ella domina e seduz todos quantos
    se lhe aprOximam.
    E um ruidoso suspiro se escapou do ve-
    lho peito de Buotti.
    l^vaula te, Michelotto, disse Lucre-
    cia, bvanta-ie e alegra-te, porque te tomo ao
    meu servigo.
    Ah 1 pelo inferno I replicou Miche-
    lotto; declaro quo nSo esperava este dia tao
    foliz, porque ss portas da camara de um
    Borgia haviam-se fechado para o mais fiel
    serridor dos Borgias. Com os ultimo? es-
    Jcudos que me restavam, comprei um velho
    arnez de Milao, e resolvera ir collocar-me
    debaixo do estandarte do rei de Franga.
    Alii sabe-se apreciar um bom homem de
    armas, e paga-se lhe bem a pelle. Tinha,
    porem, o coragao diiacerado, porque o meu
    coragao pertence todo aos Borgias e por elles
    abandonoi mui joven, a minha formosa Va-
    lencia. Mas agora, minha senhora, que
    resuscit)u um morto, agradego lhe e affian-
    go-lhe que pode dispor de mim.
    Comecemos, pois, polo principio;
    como gastasfe o teu ultimo escudo, ahi
    tens, toma.
    E Lucrecia deu uma magnifica bolsa de
    prata, cheia de ouro, a Michelotto.
    Oh 1 obrigado 1 disse este beijando a
    bols ea mettendo-a na algibeira ; estava 1'a-
    tigado de uma pobreza d que nao podia ha-
    bituar-me. 0 duque de Valentino tinha-
    me educado muito mal. Pubre duque I a
    senhora foi demasiadamente cruel, e tudo
    isso porque o estorvava aquelle desgragado
    principe de Napoles que a ndo merecia d
    si 1 Diabo : Quando me recordo de que
    cahiram todos, o duque de Valentino... as-
    sim devia ser ; dos Borgias ndo podia ficar
    mais do que um que devorasseos outros, e
    esse um foi a senhora, a perola e a flor da
    familia.
    E como nao quer que a {adore ? Eu
    uasci para os Borgias; matei um para ser-
    vir os outros, e, visto que ag >ra existe s6
    a senhora, matarei o mundo inteiro, se for
    possivel, para servir a si.
    Sei isso, meu bom Michelotto, repli-
    cou Lucrecia que olhava com complacencia
    para aquella hyena.
    Eu te-la-nia servido sempre melhor do
    que ao duque de Valentino ; as cousas te-
    riam mudado, e quem sabe o que succede-
    ria 1 Viveria o Sr. duque de Gandia, e
    viveria ainda o santo padre, sem contar o
    cardealBorgia, q:e era um^formoso joven.
    Deixemos essas recordagoos tristes,
    Michelotto
    Se eu a tivesse servido a si, teria
    morto o duque de Valentino muitos anos
    antes do dia em quo morreit. l'oi el|e
    que trouxe a (UU fade sobre. a sua fami-
    lia.
    senho
    Basta, Michelotto, basta.
    Escuta-nos alguem, minha
    ra?
    Quando fallo com um servo como
    tu, tenho a certeza de nao ser escu-
    tada.
    Bem sabia eu isso, e portanto fallei
    sem temor.
    Vamos, porem, ao que importa a m
    torna impaciente. Conheces o Sr Ludovi-
    co Ariosto T
    Quem e que vem a Ferrara sem o
    conhecer ? Falla-se delle tanto e com tdo
    grande elogio, que todos o querem ver. A'
    mim, os poetas metom-me nojo ; olho para
    el.es como para um homem qua se diver-
    tisse em apanhar moscas mas como um
    homem dequem todos fallam, e assim a
    modo uma cousa rara, desejei conhece-lo e
    conheci-o.
    Vai ter com Buotti que te dd um tra
    jo decente, porque esse estd velho, De-
    pois collocate d entrada dos meus aposea-
    tos entre os pretendentes que se apresentam
    todos os dias. Ao meio dia coctuma chegar
    invariavelmente o Sr. Ludovico Arios-
    to ; assim que o vejas, torna-te a sua
    sombra, mas sem qua elle o percoba.
    Muda de nome, porque o teu nome met*
    medo, e aqui ninguem te conhece peesoal-
    mente. Pades retirar-te.
    Michelotto beijou a nao de Lucrecia e
    sahio.
    Aquella ficou completamente tranquilla
    confiando em Michelotto.
    Este entretanto murmurava, indo procu-
    rar Francesco Buotti:
    E' umsereia, uma fade, uma deu-
    sa ; faz o que quer daquellas com quem
    falla ura momento que seja: mas ea ju-
    rei uma viuganca terriv-l sobre o cadaver
    ensanguentado do meu senhor, nos campos
    de Vianna, e hsi de cumpri-la.
    T.d era o bonera otj quem Lucrecia con-
    fiava cegamente.
    Michelotto era digno dos Borgias; vali
    tanto como elles.
    iCoitiinuar-se-het) )
    "T?p.boD5AJUo.-Hr.\lMTQ<'e ns cvxi
    ~j
    I
    I
    *m

    I
    s.


    I

    --.-.