Diario de Pernambuco

timo.
5." seccao.
Offlcio :
Aos agantes da companhia bahiana da na
vegacao a vapor. S. Exc o Sr. presidente da
provincia manda accusar racebido o offlcio da Vv.
Ss., de \v intern datado, eorarauaica&do chegada a
este port i do vapor nacional Gonculces Martins,
ra. o exercicio
- Ao hJllfSi^Ja ii*ouraria proviacrarr-au.- -vgai^JwtfWfrTWSBS A Jaf-'-",'"*, -7,
tariso essa Ihes-Miraria a pagar ao negociante Joao
oaf
Poi
Baptislados Guimaraes Poixoto, prucura lor de
MaVtinho Avelino de Albuquerque, a quantia de
01*200 despendida com o susteata dos presos
pobres da eadeia do termo de Garanhuns duraii-
ta o mez de outubro ultimo, como solicita o Jr.
chefe de poiicia em offlcio de 6 do corrente, sob n.
2003
' Ao me5.no.TMande Vmc. pagar a quem se
mostrar aatvisafto, a quantia de 14*800 con
stante do recrho a conta junta, despeudids com o
forneciraento do luz e agua ao quartel do desta-
camento do districto de Beberibe; e com o alu
guel da mesma casa, veucido em 31 de novembro
ultimo como solicita o Dr. chefe da policia em
offlcio de 6 lo corrente sob u. 2,004.
- Ao raeimo -Manda Vmc. pagar a Ios6 Joa-
qnim de S mi'Anna Guerra a quantia de 203*4011,
cWtante das relates e conlas juntas, despendi-
da nos mezes de agosto a oulubro deste anno com o
suslento dos presos pobres da eadeia do termo de
Caruaril ; como soli.'ita o Dr. chefe de policia em
offlcio de6 do corrente, sob n. 2,001.
4.' seccao.
Offlcios .
Ao Exm. presidente da provincia
hyba. -Nesta data expeco a< or lens
sui escala.
21 OE KKVEREIRO
OESPACI103 DA eHESlDBNCIA, DO DI V
db 1874
Antouio Simoes Rodrigues.-luformo oSr. gene-
ral commandante das armas.
Irmand.de do Ssnhor Bom Jesus da Via-Sacra,
da igreja da Santa Cruz Sim, depois de tor sa-
tisfeito o exigido por dsspacho de 3 do cor-
rente.
Jose Pereira Monteiro Pessoa. -Passe portaria
noraeando o supplicamc para exercer o lugar
de escrivao da collectoria provincial de Ipo-
juca.
Joao Ferreira da Silva. Sun, em termos.
Joao Rodrigues de Moraes Caropos. Passe por-
taria.
Joaquim LucioLeal de Barros. -luforme o Dr
ehefe de policia.
Jose Eleulerio de Atevedo. -Defendo, com oul-
cio djsta data, dirigido a thesouraria provincial.
Luiz Fernandes Torres Marinho. Como re-
que tenhamos em muito particular alteocao.
Quanto a nos, que nio temos a veatura de gozat-
d privan;.a do Sr. D. Vital, apenas sabemos o
qua cunsta dos documentos offlciaes ; e e que u
cardeal Antanelli se dirigio ao Sr. D. Vital por
interim- lio la nunciatura apostoli:a no Rio de Ja-
neiro, ordenando-lhe em nomc do santo padre por
carta offlcial, qne restabelecesse ao antigo estad.
a paz da igreja.
O que nos parece verdadeiraraente sera sentido.
e aquelle periodo do orgao episcopal em qua -e
diz : -cihio a mascara do gnwrno MSf nfinil r-
eela-ie como i e niio como parecia Am
Temos soria difflculdade em sorprender o pen
samento que estas palavras inspiron.
Que novo acto praticon o governo era que dti-
xnsse c ihir alguma p 'tsivel mascara t Se o fo-
verno oada innovou na qtiesiao religiosa. e por
nenhuma deliberacio modificou a sua politics, a
qua vem aquilln de m-iswiT'i f
Melhor e dizer o Apostolo coin a sua eostu
meira gravidade que o governo recela-se como t t
nao como parkcia ser !
0 que fat. portanto, o governo que o retela dif-
fere.nte do que era t
Curapre tanto mais que o An"st 4o sa expliqoe.
quanto as suas palavras podem dar fundamentc
ao seguinte raciocinio :
Dizeis |M o paiz deve conhecer o a .verno como
elle e a nao como pkrkciv srr. E", p>r unto.
conclude ite que, oa o governo vos paracia b^ra
inieoclonado, a agora vos parece rnal intencionado
nu vice-versa
Ma, no primeira easo, como p-vlerieis expliear
a violenla opposi^ao que nao interrom;>estes desde
o prime!ro termo da questao religiosa ? Se honore
eii-ica em qua o g iverno pabkcia skr a qua nio
como podeis justitiear a invanavel attitude qus
leadea raanti lo na imprensa *
No segundo caso, qne so as exigeneias da ar
guraontacao man Jam ligurar, o que vos cumpria
se nao fazer jastica as boas inteacoa* do governo f
N'um caso como n'ontro, porem, ser-a i.npos-
sivel de justificar a opposicao e com elia os
apodos, as violentas diatribes, os insultas arossei-
r, que o orgao episcopal nio tem cessado d*
dlriger ao gabinete.
Depois de uma tirada sobre a inefflcaeia dos
i ecursos ( ressources ) da legislacao ordlaaria ( a
legislacao ordiaaria I como se tireramos alguma
extraordinaria I ) qne o governo nao quiz subs
tituir pelos aovos meios on recursos ( rrssourcei
de occasia- q- gerir ao liberalism) tribuno (o Sr, Silvetra Mar-
lins ) e aos reprentanles da maconaria que com-
poem a maioria ia cantor* ( e enlre elles a mon
senhor Pinto de Campos, prelado domestico de
sua saotidade ; o padre Camilla Barrata, proto-
natario apostolico ; o coaego Siqaeira Meodes,
o conego Moraes Rego e o padre Joio Manoel )
falla o Apostolo da coincidencia de condecoracoes
de juizes de direito que eieram encher de kornr
os catholicos e manckar a toga da alt a magistra-
tura.
O orgao episcopal tem, com efleita, inesgota-
wnisrecursos !
,iueV*w*wU-*s*u-'tt lem^V- -'o-wtidu .%$-
coracpes e nomeacoes de juizes de direno, nrmwiTrf
ao Apostoli 1 ^-\
Referindo-se, porem, a nomeagoes que vieram ,
manckar a toga da alta magistraluno orgao
episcopal esta no dever de as indicar. Uma lio
rave injuria lancada a uma classe illustre nio
pode liear envolta em siustra reserva. Aguar-
daraos, pois, que o Apostolo aol-as mdique com
essa nobre coragem. que deve ser o apanagio de
um orgao da religiao e Ja sociedade.
Desde que alguma ou algumas nomeatfJes de
juizes de direito encheram os cithohcos de horrvr,
o Apostolo ait uelera deceateraente exuwr-sea
da Para-
couveuientes
Apostolo
aponta-las. ,. .
Tanto a sua honra como os inter '*ses da .e M
n "se-nuitaTe qu'o tra^V. E^c em *****
6 do corrente, sob n. 3,312, que lica asMin resoon-
Ao director geral interiuo da iastruc^io pu-
blica -Devolvo a Vmc, conforme solicita em seu
offlcio de 6 do eorrente n 351. as dennnciwda.
das conira o professor de Jurema, ^arto Pon-
ca de Madeiros, bem como as resposus que> ellas
motuaiam ; cumpriudo a essa d.rectona reenv ar
SSs depois qua o conselho director as houver
apreciado.
-T'cainara municipal da villa de S.Banto.
-Remetto a camara municipal da villa de S. Ban-
to as ac as da eleivao de vereadores e juizes de
V, ultimaraentc feita nessa freguezia as quaes
forara lanadas era livro especial, que vai rabn-
cado pelo presidenie da mesa paroehial e pelo se-
c?etario dPesla presideacia, aflm de que a mesma
camara proeeda a apuracSo dos votes eomo Ihe
cumpre, eguindose o proced.mento ulterior esta-
beleeido nalei. Releva ponderar a referida ca-
mara que devia ella ter fornecidp a mwa paro-
chial os livros respectivos a eleicao, eviundo as-
sim que se laucasse mao de um expedientei que a
lei faculta como recurso de occasiao, quando taes
livros por motivos pooderosos s*i tenham podido
ser remellidos.
5.' seccao.
- AoVxm. director coral da estatistica na
corte. -Passo as maos de V. Exc os elementos on-
eaes do recenseamento das parochias de_ llamara
. de Nossa Senhora da Apreaeotacao de Li-
mooiro, do Sonhor Bom Jesus dos Afflictos de Pa-
nellas a do Senhor Bom Jesus
Bento, acompanhados de ura relatorio circum-
staociado dos trabalbos desUs freguezias, como de-
termiaa o art. 13 de regularaeuto de 30dj dezsm-
bro ue 1871 ; deixando de remetter as itstas e bo-
latins das demais freguezias, de WW VjUl
e> seu offliio de 21 de novembro ulumo, por nio
terem sido reraetlidos a esta presidane.a pelas res-
pectivas eoiauiistoes, aoesar das c'rculares term^
nantes quo Ihes teaho dirigido afitn Jeapressarem
quer.
Pedro Nolrsco dos Santos.-Indefendo.
Ilepartictto da policia.
2.' seccao.-Seeretaria de policia de Peraambuco,
23 de fevereiro de 1874.
N. 239. Illm. e Exm. Sr.-Participo a V. Exc
que no dia 21 do corrente foi recolbido a casa de
detencao, a ordera do subdelegado do priraeiro dis-
tricto de S. JorC, Carlota Maria da Piedide, por
disturbios, e que no dia 22 nao foi rocolhtdo m-
dividuo algum.
Por offlcio de 18 do corrente communicou me
o delegado de Agua Preta, que pelo inspector de
Jatcba, daquella termo, Manoel Pereira da Silva,
foi capturado o scelcrato fulano Bertinc, cnraino-
so de morte e autor de urn assassmato de uma
sua filha de menor idade.
Qua no dia 15, Jose Antonio da Silva, inspector
do quarteirio Sertaoxlnho, do districto do Riaeho
do Matto daquelle lermo, na occasiio era que,
com mais attain pracas, procurava desarmar a
Laurentino Gomes da Lui, este resistindo tena*-
mante assassineu eom uma facada uma das pra-
cas Manoel Nunes das Virgens, e ferio gravemon-
le outra, Ainaro Jose dos Santos, logrando evadir-
sc ; que sobre seraelhante facto, o respectivo sub-
delegado fez as eompetentcs vistorias e prosegoia
nos termos da lei.
0 delegado de Cimbres ecraumnicou-me por oi-
ficio de 11 destemex, que naquella data Bra re-
colbido a respecliva eadeia, Manoel Jose Monteiro,
connecido por Manoel Grande, erirainoso de mor-
te no termo de Taearatu' e de offensas physieas no
da Flores, tendo sido dito eriminoso capturado pe-
lo subdelegado do districto de Alagoa de Baixo.
Deus guarde a V. Exc.-Illm. e Exm. Sr. com-
mendadorHenriqae Pereira de Lucena. digno pre-
sidente da provincia 0 chefe de policia. Anto-
nio Fnmcisco Gorreia ie Aravje.
se Ihe offorecera com
do governo, lecusac-
de
^Ao iuis de direito da fara. Transmitto
a V "S. para os devidos Ons, a guia junta do sen-
teiadoPc1.ristavao. asersvo de 'AJiel Maeielque | anno
veio com offlcio de 3 do corrente, do Bxm. presi- eMes acompannou, ae
dense da provincia da Bsshi*. nror-uo Ao bacharel M>ue4 Antonio dos Passos, offl-
- ao mesmo. -Trananutto a V. S. o processo, Xraouldade do direito des;a
juuta do 2* sargento Thomaa de Aquiao de Men,- cial da svvrewrta u---------
Actas
0 presidenie da provtoei* a ui. do
.... ,M. a*i Ar, -nrente, ,. -,..-----------,
Alba- Devo lembrar a V. Exc. que o mappa estatisueo
auarqua Camara a ^nera^poF^.P^ d freguezia de Nossa Senh.ra Ra.nha dos AnLos
do cargo de 3- suppleute do delegado doWiao
e Serlnhlem
0 presidente da proviacia, da acordo com a
proposta do Dr chefo do policia em offlcio n
1,981, de a do corrente, resolve nomear Antonio
Pereira da Rocha 3 suppiente do delegado do ter-
mo de Sermbaem. .
0 presidente da provincia, atteodendo ao
que tequereu o bacharel Joaquim de Luna de
Miranda Couto, promotor publico da comarea de
Tacaraui, resolve conaeder-Ihe tres uwxes de li-
caaca, com veocimeotas na forma da lei, para tra-
tar de sua saude onde lue couvier.
Q presidente da provincia, i vista do offlcio
do Dr chefe de policia, n. 1,982, do 3 do corrente
resolve conceder a Bernardo Padrosa da 01 iv.-ira,
a exoaeracao dQ subJelegMo d, 3 disiriow 4> wruji Ja 3 aut
do^r.^'afa'^llciara'tTsT, de r*. corront*if, dos trabalbos que Ihes foram confialos.
rased,, caneeder a Antanto Fe^audesde AlhuJ Davo^
de Petrolina, do que falla V. Exc ao citado om-
cio, 14 foi eaviado a essa directory na ultima re-
raessa que fez esta presidencia. Reitero V. Exc.
os metis protastos de sincara consideracao e pro-
(undo res li oi to. .
Ao gerente da compauhia parnambucana.
Provideucie Vmc para que corapareca na thesou-
raria de fazenda o commandante ou imraediato do
priraeiro vapor dessa companhia, que seguir para
o norte, aflm de receber e conduzir a seu destino
os saldos dos direitos da provmcia da Parahiba,
arrecadados no met do aovembro ultimo ; segundo
solicitou o Exm. presidente daqueHa provincia em
offlcio da 6 do corrente sob a. 3,512.
Poitaria : .
Os Srs. ageales da companhia brasileira da
navagacio a vapor mandem dar passagem para a
prgfSeu, da. Bahia, por canta do mioist
BTEBIOB. .
HfO BE JAWEIKO
0 APOSTOLO. ,
Alada bam I N*o pode aavor duvida, da-nosi o
Apxtolo, do como recebera um catholico decisoes
do ehefe da igreja. ... mmm .
Assegura, eulrelanta, o orgfc episcopal que a
a carta offlcial que se diz rsmetttdapel>Exm.car-
deal Anlonelli ao illustre Sr. D. Vital Maria Gon
calve* de Oliteird, nao ehegou ainda a
lino. .. .
A mascara cakio, acerescenta o
mister que o publico contomple o governo tat como
elle ie nao como pahecia ser.
Tinhamos, portanto, alguma razio quanlo via-
mos no Apislolo mais qua am orgio coafidencial
do Sr. D. Pedro de Lacerda. De hoje em diante
a palavra do Apostolo passaa ser a palavra do Sr.
bispo do Rio de Janeiro.
A seguranca eom que o Apostolo afunna nao
ter sido ainda reeebtda a carta offlcial do cardeal
Anlonelli revela uma intimidade com o Sr. D.
Vital, someote explleavel pela Intervencao do Sr.
bispo do Rio de Janeiro.
Mais qua nun:a veress d'ora avante no
Apostolo o orgio epiaeonai; e isto 6 pane para o
nisto empenhados.
Teve, entretanto, o orgao episcopal um mo-
vimento de justica ao reconhecei que o governo
soube repellir, como devia, cs meios extraordina-
rios que Ihe offereeera a opposiqao liberal.
Este facto devia gritar muito alto a couscienm
do Apostolo. ,
Este governo, que 0 Apostolo nao cessa dc accu-
sar como violento, compressor e despottco, aao
quit arraar se com leis de occasiao, leis
bate, extremos recdrsos quo
desusada instancia !
Qual fora o pensaroeuto
eo-os ?
Querer se-hia. peraute as circumstancias
enlio, m Ihor prova de moderacao e smcendada
de intencoes ? mMm
Mas e-te mesmo Apostolo, que o recorda, n*
cessa de clamar que o governo oflende as leis,
corrompeos tribunaes...e obrigi um veperaad-i
caracter como o do eonselheiro Joaquim Marcelmo
de Brito a sortear pallido e tiemnlo os tres juitei
qua deviam pronanciar o Sr. D. Vital.
Tardio e doloroso arrependimeato esta reservado
ao Apos olo era premio do desservigo que ests
presundo a causa que defeode I
Diz o Apostolo que, contra o; habitos rnini^-
leriaes, foi preferido o Diario Official ao Jornal 4*
Commercio e a Hh para a puWicav*o das pe offlciaei tocantes a missao Penedo. ___
Nio ha mais iojnsto reparo. E invanavelmeo-
te pelo Diar.o Official que o governo tem feita pa
blicar todos os seas actos e documentos omciaes.
Na queslao religiosa como era todas a' outras
te n o goverao a-sim procedido.
0 Jonuil d> Commercio onnca foi preferido *J
Diario Official. 0 uoico favor, se o t, dequed
de longos annoa tem gotado o Jornal ao ?*
cio a (t Diario do Rio, a o de lies ser enviada <*
varies mlnisterios uma nota dos actos de nomea-
eao ao mesmo tempo qua ao Diario Official.
Quanto a nds, nem este favor temos mereci*
0 uue puWicamos sobre actos do governo, sabemo
lo pelo Diario Official. K a faale sgi.sMe
inspiraaxw. Se uma ou outra temos adianudo alguma noticia, fatera-ta, eerao
outros orgios da imprensa, par informacoes pes
soaes a nio por coramuniracSas que ne-s sejatn re-
V* o Apostolo que os h-tbitot nmitt/ermt* nJo
foram interrompidos, como Ihe pareee.
- Insiste o orgio episcopal era dizer, eon m
aleuem heavera rateresse em Ih'os eontestar, qne
as pe^as publicadu sobre a missao especial ioapor-
tara a maior victoria para a idea cathohca._
Solucio mais perfeita, acerescenta o organ ajH-
eopal, deci do, nio podi* receber a igreja ao Brastl.
EstaraoJ plenamente do accordo. ^^
Honra, pois, ao goverao que preparon essa sm-
cao, enviando a Roma uma missao especial qa-
tesse saber ao santo padre, sera duvida al wer-
Apostola : i mado, os verdadeiros termos da qneslso retifios.
no Bra*il I .___i., MP-
Essa solucio nao 6 s6.nen.te am tnum
a idea catholica, mas para o governo

nimiarneats)
catholico que o provocou I _,.-,, i
Ella I tanto mais honrosa para e^n
rial quanta e carlo que, f+** bro em one ordeo a *j2**L*0cSoo *
SS2?MMBfirt&tB^- 2
ffftff* Tl^^^sZ-
c& lezitiraa intarpreucao a qua elle P*> *'*.
S. TquVaeaba]^de recefeei da SanU S* "
btftsa confirmaclo. u.-n an.
P Antes qie o Unto padre flfesae etber W *"
m
C
3


,-*,$* iw&a,'*
l
UiiKin.il 11
3(1*1 4dHRi*9ftt;Pemambuco -- IVqajeira 24 do Fevereiro de 1874. 41 0H3MJ/ i 0/JSA
#o de Ollnda qjle tnlendtr* / ante, 0 >vl#M|^ xat-euinro q tiuba a(Br
eom uma M&i^fCvi texto,
S\ PrUa?l |hrerddeir victoria para o-go-
verM qae MKw veaha iHfirm.Yt essa inter-
reUfio, aSzendo ao bispo da Ohala : Se ma
fconressS consultado ajgmpo, meltouveras pou
pado Hio profnnda
Folgamos qua a
ra da.not-i d i cardeal An-
toneRi deva inspinar um* A'Mllie fatisfajfab a tedo
S>
OS catholico* bras|iS>s "|pk! nada haja raais
OMgao para um pore, qne em Ft ma o suare-
o ehefe da igr ja.
flunra, ainda Mrta pa&j, ao. governo imperial
qae, sem abdiear*ieohum dos direils da Wbera-
oia temporal,aem toroar nenhuincompremisso so
tore pantos ate que'the nfio serin llcito traasigir, on
sabre qtiiesdjaw outre* em deixar qaebrantalU
nenhuma das regalias do poder temporal, soHbe
gnardar para com o chefe da igreja a defercncia
qae o giverno de urn paii catholico nao pode re-
cusar ao vigario ds Christo, o bispe dos bispos, o
aoaiinnr- m & P.nlro I
Diz, entrelafao, o Aposl !o quo, expedindo uma
missao especial "a R >ma, o gaverao imperial reco-
aheceu a Competencia da Santa S6 para par termo
MHaBICto.
A compel f.cia da Santa Se em matcria espiri-
taaJ, qnal a reconheee imjaieAamante a constitui
cio politic?, do imperio x<> admittir como religiao
do estate a religiao catttotica, aposUttea romana,
nenhanc-goverao bein i-nec:onaJo poria sequer
em derMa. Toda vez qae essa competenoia so
exerca sob re malaria pWamehta'spiritual, e pelo
modo rc.9al.140 na lei fftnaaaieatat do paiz, nao ha
davijdi; quo Pfbduz bo Sraiil fodys os sans efleltos
oatixfaes.
Esta eoropetebcia, assim .entcaJida a praticad*,
0 g0veonb/d,'fepdp* a -sempre.
7p iuafi|f ao ceoO-tilo actual, qua nip. versa so
ty-efluteria piuajnejijij espir'Uuul, .Unto a cdrto
S'ie. q govbrao o'wp submenu a decisao da SzTite
s, que a polilica telvgiosa da gabiaeta, em sadiaii
seoijdiriw.i.
'O.qua.o g)\v,pac semjire defaodeu, ainda .hojet
.defendd : UM ei -quo commctieni uo crtme is
cl Mi&er oxocul^vo ou du -poder laoderador ; que^
das decisoese^SiCopaes cube ra*.i|rso para podar
:empura4 eiutedos os ccsos.previstos a*lei:; q
jkslettrav apos^'icaa, e as decrwtjs dos conciiias
o'ag podem W cxVieGJje j no unpe'rio sem o beos
placito,dc| poder.exei-.f;i,vp, preccdeodo approVajSo
So podVr legjslativo qcaiido cratehhaa dispo3t;3o
geral.
Sobre e^tcs pohtos nao eta. mesrae 'iicilo ao go-
verad qifesfionar'' psrante a Santa Se. 0 150530
pliaiipoti'uciaiij 0 diz expressamaate :No t/acan-
le ao placet, e ae r?Cur<9(< corQit, nao admitli
auestOa ne/n'pf>dia;ai1mmi-fo. 0 cardqal Anton-1
fi diz par Hia-- vez : Sobre -a.benepvtcito a file a/-
gnus giceriics-'y.titmeitem.iits.decl'etns dos cd.ncillit
as cnUis.apQstalicae e <* qut^lqHer'cointitHi
jaa ecd',SMsiwi, julgp snpur/luo'fiizer i}bt?rv4;uet,
'seu&ijbctr, ifmhc:i'd,o os'priricipiof. qiig,'t.-bre'itt]i'e
oti'r6.pi(inxular, profess* a S.irt.' 1 Se,
V<5-se 'issfm que, sohre t'aes ponr>$, *uaohoa'3i
quest 0.
G.HB0 se^iia,; poi vcaro a#par,'c''3 ^e T^i^y
ib| sea eljas, 'quo,'o'gwprno siibmetia a Safcu
Se a deci9 do ionllc'.-ao ?
Diz aiadii 0 Apostdt qne.osflBverpfl imperial ro-
oouheriec-'js impo/aiGc jutrq impoi-asaavtotfade,
f..zenJo.proceder a i*'ubliqa?i'> doa d-aciimentes da
mif-40 ashecW Pflas seguinjes paUTas : -A mit-
zao Peutd> Icpe por fttn evit'ar as muUgriltes con-
d.oatsmf d Periwn'jiiw e Pfirq
0 goycrap e com eneite itnpofette para' inpdr
a soa^oritid^ c^ftnp e Impt'l-sitii t ido ''g^vcrqo
"bumano para impeair 'que se uffe'nda as !e5s.
A est* iioputajICBi nio tein esfrspado a Se.nta Se
'01a rerac^ioa AUoavmha oode a oaljtvra So sanlo
oadre, as suas eJL'hqrtaijoej, coat'elhos, ameagas e
penis-nlo Uverana 0 cffcttj tfa nji^edirr^ce arce-
aSfOS 0 bi.-pos c.TtFivilirij rtc-dsassem ecbfl?etrcia
ao dapma Ja inf.^HlblliJade pnJiincia e ?reasseni
nm vevdadejro seisina.'
Da que mcios %.vt.i^f mpofaljiara rtnpe'dit- qaeo
se aos ipTcseins la conrt:-
servir se 0 ,gov#rno
Jo df'sobeili.i
of/?,-iiao-fez?enRo-eanfesar uma im- reprchen*h-at,orttoaoxia
je fere a todo /-ffiworno'lramaBO, ', L--' ^--------*rSfc**iwii die
-..''..-^T Q^>,f duz, nao deduj:.-Dao abstr
dcdara^io faz, witrwsnto, 0 Apostolo raciocica.
^piscopado d^sobeUi't;
uiifio e leis organicas
Pot raajs; qne a nosp legisJac.io Wfereea meios
t^ercitivos contra os cjfeo-sos, da jnrWHccao e?pl-
rftual e 0 pooer le^i -!iitm> 'vanha; amdaa decra-
ta-li>j. aaj ha davida qae c epl'popaCo poderia
"com sua resisteaeia aggrJ-.'sv c coilHicto.
Se o-Rovernn, teatatidB ^-ebfeodd -apartar esta
diaiculdaJe pela inierveccae da Santa Se, cortfes
sou-fe impotnfr, nao rez|en6oeaiifessar uma im-
potencia que
^ aao escajiam
i ~ Uma d
que, a julg.rpelasctimhladu queliga 0 org&b epis-
copal ao Sr. f>. Pedri deiLaierda, pareee revelar
nm pUno'tTfTenjencirladoJ-para retar Jar a eecu-
eio do dectef) pontificio.
Eis as paravras a qae no.*- referimes :
A s.ulai-a j po!lteia dada eomafignoranciado
pmaesso instacrado cwatra o-Sr. D. Vital, e da
subsequent*; prisio d -iiiu-lre f>reJ lo, nao pode
BtcEUF.n RXSBktMlKfm. E' a f.:tra e 0 espi-
* ritoda nota AHtontlli'.
il-mie.'emos p.r fazer sobresaliir a konrosa coae-
rencia do orjai-episcopal, o?n que setraduz de am
mudo irrecusjivf! quaato'teai de siureras as suas
convict<>s, deJeaes os seus raciociciaios, ede rao-
iivadas as -tias aprecia^O'^.
A BMMM iliu-ti'e redaVeao qae aquallas palavras
escre?eu, iwvha *soriptj ettas outrasao mesmo nu-
niero.
imouta-no* eaa motiwo a Namo aquillo ^ue
aoccupa coastan'emente ; -corao'-ee ha de sahir
Jo la.-o que ?e -iirni-.u a;n relaci-o a missao-f"e-
nedo.
Xunca cef/'touMS no mtdode rentier a d-xisue
4a Santa A!, porqoe wm catholico verdadeiro ndo
c-gita ditto, estti sempre -dispostc a receber com
t-oda a referenda a decisies 'de stu ohefe, a retpei
ta-Uise cHHtpri'las.
Quern visivelmente prepara o terreno para se
snstentar e tJttyae.
E' assim ..;ue o oingiio do &: D. Pedro de Laoer-
tla, ora diz que um catholico verdadsiro utio o o modo de receber deciders da Santa Se, e >7
-sempre dispeeto avespeita*t*s'eau*$rilzs, ora
O Apostolu yai mais adiante ui sua tetnerarJa
coutra'licao. Saos'uas as segointeapalavras :
,,......procura-ae hoje dar cuajprimeWij a
MOfM daSaata Se.Jegrande abatakuo assoaia
; summo pontifloe.
Ah comaeaatos a-antrever. E' assim que cer-
imdetros cath-iUeosseMbea) semwiitar as daciioe
da Santa Se.
Ainda que aio podemes acretdarniae 0 Sf. D-
tropolitano .Ih'o deforia, ter cnnmr
facto ferso pubuco p..r todos osjracios de pu|
dade ni Impretfta dtis dons' tnttnd'Jtf; -tiu do 0 prmcipid abjaeto do ntcmomndum proi
de parte da Santa Se uma -expUeacio do Jwwdn
de 29 de main, e nao se questionando nesse do
cumento do modo pelo qual 0 governo proeuraria
uar dos maos OTttJae oftjiwsain a .(eis, na#l-
vinha ao case historiar o conllicto n to las as
^las'pArUcuttridadas, e aanunciar s-%aa3 prota-
viAs coneqaen>-ia.
lastanam astas reflexoes para arrovar que a a-
lucio de Santa Se uao foi obtida ob t su!)repticia-
rmenta, se esta solurao, lal como nos i anuunoiadd,
r.io independesse ioteuame'ate deCund^Oes ede
eireinstaaeias;aocesspriasi. *
0 que dk, ee.ra elrei>, a Santa Se em sua iwwa
oarta official qua deva saMMdiGeado eta aUencao
ao processo e a prisao do St, bispo de Oliada t
Pois a prisij deaayHiaio o, de muitas bisnoj,
tern alguma cousani f o?sa mfluir na susp^nsao
de interdic;oes e alrixifao do seatfjo de um acfb"
pontilicw de qnal.inr aaturaaa ?
Se 0 breve do 19 de raaio foi mal iuterpretado.
segundo o juizo da Santa 6, essa iaterpretai-Io
nao se torna mais accoramodada ao pensamenta do
santopalre,por]ne 0'bispo,encaprfcgado ae 0'M-
cuwr, tenha sido victim 1 de qualquer violencia.
fistar on- nao a Sr. 0. Vilaf no gozo- de sua li
berdade, e no pleno exereicio de sua jdri^Atcra0
episcopal, nS) 4 fa'-to que'ultere 0 en*ide db
breve de Id de mate.
Iguai raaao e inletrameirt-* tpplieavel a suspen
sao, orJenada pela Sa ita Se, das iutenttc^Sss de-
cretnlus perto^. D: Vital.
Tmi'intardic^oes foram ja^tas 00 -nlo; eoh-
veniciRes ou inopportuna* ; toera- ouvaat aconsc-
Ihadas ; garanlidofas ou pertitfrbad-jras da fe.
Preso ou solto o5h D. Vital, 0 a mesma
p.-.tare/a de lues interdic^Se*.
Sd a'SMnta S* as reurovou, oertanMnte as io
appiS)Varla em attengio ao probe>sa 0 prisao do
Sr: ti*po do Olloda.
O actb ' eircumstfineias exti'ruas, qwRnt;as interftcooes
r.So verda'deiras penas^ecctesia'KtiBas' fe seriaMniquo
prolougar-lhes a duracao por Taeto estraohe a Von
tade dos pacieutes.
Sustantando em uma partc qne um-vtr&tdeiro
catholico nao'pode cogttar (fowixfo peto fui< rece-
bei'A'ama declsSo da Sanhi Se, e mais adranta qu
a deoisih do smto padre afle pod* r*6r hoje
enmfritnenio, 0 Aposlolo a5o se contradfiz sdmente,
defxaodo em relevo a verdadeira pdrterbacao de
ideas em qua sesente, mas frma ab ittcsrao tempo
a mais perigosa e subwreiva-das deutrioas, qai
ja se annunciou de parte de oma iropfleasaJCBi
tfcolica.
Dizendu de um a<* kUerprefatics. qae aao deve
-ser cumprldo. em vista' de taos-ou laas cireoms-
tancias, o Apostolo msibua qtie; \ftire 0 ammo dt
"Santa Se, poderiam ter inlluido r.otivos de qual-
quer natureza, pan deixar sob a pressio d 5 uma
pena eccksiasticai oorpora>^6es itlteiramento tranha* a esses nwtivf-s.
Poi par amor do -governo e de eonsideraroes
temporals qae a Santa Se rosolveu'se.a allrv-iar
)as iaiordife(.*3 -ae Jirmahdades saspensas? Ou
airt'-s, se deve acredltar qde o saalo pud re assim 0
resoivi'u no iateresso da fe 0 da ?alva;'Ao das
almas ?
Pois a msderacao elemenciayrecnma>endadas
na cartade'29 de maio, podem near dejiecdenle*
de actos do rovopho t
Ah f poodere nisto o dMMK e eertamente
recoosiderara 0 perfido conselbo que ancananhou
aSr. bttl9 de'Oliada.
S.E.tc Biio pdruatlira qne por um acto do
goveroe qae uao foi senao 0 corollario cbrigado de
aOtOs db bispo (fe Olitfda, a paz da igreja.continue
a scr pecturtiada e a conseieocia de um grande
nuraero d rtataoieos' eontina a sealir-sa affljgida
por uma pena ectlesiastica.
Cada um tnornento que corre, no estado actual
das eWMtt, accrescenta a respoasabiiidada que o
Sr. 0. Vitji tnmou-poraate J>euJ.
N'io lerminareinos sem uma observa;Jo
sobre.pjBto qua tws parace capital.
0 .Ipiitliik) accusa-QOS de discutir e combater
dogma*.
Mas ondeo flaaaoaf Qual de nossas palavras>
ja 1 ciz 0 11 duvlda -um dogma da ipreja ?
O qne escrevemos sobre a infaJ!ibilidadet aem
ousar discuti la, e mais que conforme a doutrina
"a igreja.
E se assim nao parace ao Apostuh, que 0
combafta em vez de iniuriar-noa !
0 file.dissemos eotdy, aiuda 0 repetimos isara-
deixar a mais cj>roliens;voJ,cr;tioJuxia da doutrina.
" .aino<,:oio,proco.le uoja?
trahe, nao gFn^eralisar nao
Prega 0 Rerd. Anionio de Mello A
,d>yiai*tfp^|'im-cs.n los Ha
gnMtoM,BJUgrcia doconvento de S.
^amo'raT aalnde, e na dos Ma:tyri
'WiMa" fttflo?n Ne=ta, prcga 0 carmVltita
rua* da C-.mndfeulaJa Conoeijao Alvos.
Missa enntada- Amanha, marcado peL
kalendario ecclesiastico para a oraraemoracao da
cadeira de a, Pedro, apaatota-. AiAMm'a, eeiff-
bra-se misaj.,aanta-.la na igreja de S.dro. pelas
7 hori d^Kfi.
V:i pores a che#ar. Hoje oa amanha,
brasildroa tpojuca daT^ranja a escalas, Santas
da Bahiae escalas, CrMjBiro do Sul do I'm'a as-
calas, iqHa John ^'d**e francez Henri fl^dalju
ropa ; de 18 a 27, injpms Cazco do Uio de Janei
ro e Ltahia e Seta of.jJB-.ya; |28vingle Doaro
do Hio da Prata e es^H
Vapor dofadWIco-Sao Ma Elitt, a-
perado a todo 0 momento da Europa, chegar hoje
pete raanh*, nao aahira oar-o s4 do imperio a-
te$ de nieto dia/ \ 1
Suhdelcgaeta t1r ft. Jose." 0 St.
Amaro Jose dos i'razores aospade a saguiute pu-
blica^as acerca Ua^ual teauiia dizorquo do aclu
official da praiidencia, aao '
tnissao dada a pedido.:
t Sra. reda4tor$s iattooitiatiatoa. Tondo hofe
notioiado Vv. S. minha exoneraciio de subdue-
gado db 2* dlstHbw M fregne^ia de S. Josd, seat
deciarar quo foi ella a mcu pedido, venhj para
cvftar algum juizo (also, peJfr a Wv. 8*. qoe dt-em
pablicidade ao e:lcio abaixo :
Seeretaria da pol eia de Peraamlmco. N.
1073. Recife-, 19 defevoreiro de 187ii Solicitando
nesta data a presidencia a sua exon>rncao do aitrgo
dosub JelegaBa do 2" dhtriclo dafregneMa de S. Josa^
a seu pedida, aaba-me agradcer-Ha e lonva lo
pelos bons soTvt^os que prestpu a poliirfa dnraote
0 tempo q>?e exereeu semeihaote cargo.- Deu*
guarde a vine- 0 chefe do poiieia, Antbttio Kwtn
fi de fevereiro de 1894.Umaro
res.*
Pr4ectoPa this ramllias.Pela direc-
toria desta eompanhia do-seguros de vida aoabam
de sar nomeadfcs age'ntes aeaa provkieia os Srs.
rweira Vianna 4 ti., comtnPieiahtes a rua do Vi-
gario Tlienorio n. 7, prlmeiro andar.
Captura iinportiMite. Em 18 do cor-
rente, fi.i bapturado no diatricto de /a^oftd, terrao
dC Agba Preta, pelo r^spevtivo inspector de qar-
tflraojManoel Perdra da Siiva, um fulano Bertino,
'oriminoso de morte-ate'O pontode ter sidaassas-
Isiao de uma soa proprte lilha, -de menw tedade.
Cunflicto, tnortp c fertmentos.iese
Anionio' da .-llva, inspector do qusneirao deanaii-
madd Sertdozinkf), db*disttieto doRiachoda Malta,
do termo de Agaa-Preta, ao.prefender com quat;o
urapas, em i5Mo ci^redte, ft de'sartoar prendar
alfi, a Lanrenttfab <3om.esda La, deu-*e talean-
flicto* tai f6i a resjstchcia 'empregada-par fejite;
que resuHouser uma das pracas, Maaoel Nona*
das Virgefls assassitrado; e oulra, Amaro-Jese dos
Sautosr. gnrvemente fertdo. 0'qne: teais 6, 6 que
denois orstofaidi', conseguio evadir-se o Lauren-
tiilo.
tsta presto. -Aenase recolhioo a-cadeia do
Gimbres, te'ndo sido. caffturado pela sobdelegaeia
'de Alagoa de Baixn/Kan'oel Jose'Mooteiro, codhe
cido por Mamwf' Orrtde, cHmibeso de morte, no
rermj de'Taearatd, e de't'ffeasas fhysioas -no da
Fhtres,
Ketofjio itaelPleo. Machiaisraa'simples e
engenhoso, onde* pelo simpies movimento do pbn-
tcifo acha-se rapidamen.t< a conversae dos pesos e
medidas atitlgas e/n modernas- e vice-v^rsa, muito
util para 0 comnrTcio ; a venda na livraria fran-
ce'za.
pel.
'EIIEIRO DE
ajniUM
iHKOMCAJlDrf
rihtiual 'l commer
A SESSAQ 1)E 19 rfB1 Wfi
1871. <
:m:i\ DO kxm. sn. ovM|Ibiro
KBANCISCO PBRKTTI.
A's 10 boras da manlia, preseutes os Srs. de
putadoa. secretario OtW Baatot, Lopes Macliado
eAlvesGuerra e supplente Sa Leitao, S. Exe.
0 Sr. OBelheiro pnsidente da iCJsao
Poi lida. e depois appaivajda a acta da ses-
di.de 16. .
EXPEDBSNTB.
. OiTlcio do Dr. inspector da alfanlega, declaran-
do, em respp-ti ao olBcio de 16 do corcente, des-
te tribunal, chamar -e Jose Vleades Vieira oadmi
nistrador do artnazeia alfan legado Vieira.Man-
dou--e archivar.
O.Iicw do aduiiaistfador do trapiche Barao du
Livradleatu, h>yii>, da ado a rao par qua nioVaio
em fempo 0 mappi do mesuo trapiche. tribti-
sal resolveu qua fosse ouvida a secretaria.
Ofllcio de Joaquim Juvencio da Silva, em respos-
Mffie fosse ada-i <* ao de.-te tribunal, sobre nao ser mais alfande-
gado 0 trapiche de qua 0 mesmo Joaquim
Juvencio e admiaistrador. -.O tribunal reaoiteu
que a secretaria informasse coin 0 qne Ihe occor-
ree.
Foram distribuidos os livros -''^ulotes :
Diario de i'imentel Braga & C, copiadarde
Jose Tavares Carrneiro & C.
DKSPACHOS
Reiuerimentos :
De Caadido Jose da Silva Gnimarles, f.edindo
qua se zertioque Ee elle requerea aancomidao-
dos livros do et-agentcde ieilBes Pontaal, se ihe
foi passada essa cartidio, e ao caso* negativo, qual
a causa.Como requ'er.
Oe Maaoei !bertu da Costa,moatbro da ext'uic-
JisposicSo da lei nao ba qae es
otftro 'artigo cbrta' a
Cisco Correia de Anujo.-Sr. Amaro Jos*-dbsi ta *rma Uorges & Costa, pedindo permisiio para
Prazeres. De Vv. Ss assignante e criado. Recife* oscfteturar nu? livros diario e copiador daqualla
- Jose des Prase
txtiuc.U iirmi.'Na forma pedida.
Oe Piineatel Braga 4 C^ saccessoFes da firma
Pimentel 6raga 4 C, tainben reiuorendo trans-
ferencia ho livro diario qae servio a dita ilrma ex-
BBCt*Sim;
lie Joa-jaiiu TeiXeira Bastos A C, para fazarse
Dootacces a margem de-registro n. i;336 da no^
mea^-ao de seus carxeires.Jomo pedem.
De Antonio da Uege Boiges e Manoel H iberto
da Costa, trazeodo a Tegisfro 0 distrato da-drna
Borges 4 Costa. Viata ao St. desembargad ir
Ijltia
De Joaquim Jos6 GonqaWes Beltrao, cidftdao
portuguez, com 48 aonos de idade, estabetecfJo
em casa de commissoes de conta propria, sob a-
firma Joaquim Jose Gonjalves Beltrao & Filho,1
pedindo a inatdcula da co.nraorciaute.Yista ao
Sr. desembargad or fiscal.
De Joaquim Jose Goojalvak Beltrao Jaoior.cbm
I tuuios, brasileiro, esUbeiceido com casn dc
consignees de conta propria, sob a firma Joa-
quim -Jose Gonoalves Beltrao 4 Filho, peditido Ber
iuatricilado.-Vistaae Sr:dflseartiad De Jacintho NUoesda Coita.brMHeiro, com 46
annos de idade, estabelecido com armazem de
raacames sob a firma Bollnao 4 Costa, reijuerendD
ser inatricukdo. Vtsta ao Sr. lieiembargador
com 0 paricbb maom.
Pti<,ies:
Do Francisco Jort Leite^e Antonio .Guncalves d
Silva, registro do distrato dasociedade quetinham.
Registre-se, nos 4ermos do decreto n. 4.391.
De Manoel Burlamaque & C, regis&o do seu
eonlrata junto em dupiicata. ^4 Proeeaa-se ao re-
gistro pedido, aa forma do deorato n..4^9i.
' De Miguel Joaquim do-Rego Barros e Bernar-
M
8U1V9 de nma.
collier.
' Mas a'lei n. 309 cm um
questiio.
. O.titulo V.cap. unico inscreve-se -rFaUas dos
Srofessores e duectores de estabelecimentos pa-
licos e particulares, penas a qua Oeam sujeitos,
processo diseiplinar a aoi artigoa da qae se
compoe fdla sempre em geral de profisstres pu
blicos.
Em suas disposi{50S, ppia, compreaende os pro-
fessores de instruccao seeuadaria.
Pois tfem : 0 art. 7 dh :
0 profess ir publ co perdera a sua.aa-leira
mesmu depois de haver servldo 0 torapo do
t art. 25:
l* Qaando for condenmado, x-tc.
E isto mostra qae o pfaro do art. 25 (os cinco
annos) 6 uma oondicao de vitaliciedade para
todft a especm de professor publico, e nao so para
os da insrruecjlo primaria.
Porquando, tratarfdo 0 citado tit. das faltas, pe
nas e procewos dus profassores em geral, diz que
nao obstante 0 exereicio. que elles tenham por
espaco de cinco annos, perderio coratudo suas
cadeiras em taes e taes casos.
Accreaee fM, qnand^ a lei n. 749 extlnguio 0
curso commercial creado pela lei n. ili, os res-
pectivos professores ( qne de c?rto nao eram de
instruccao primaria ) ucaram, em virtude do art.
2* daqaella lei, pira ser em aproceitados para
outros empregos pr.iomciaes (altenda-se ) se assim
entendesse conveniente 0 presidenle da jV ovincia,
sem dtreilo a receber qaanha alguma dos cofres
puhticos, por qualquer lilulo que fosse.
Btt ler assim nao teria disposto se consiJorasse
vitaKcios aquelles professores;
Elles tiveram dc provar que tinham exereicio
de cinco annos para poste iormeiKe serem atten-
didos,
Resilltn, portauto, do- que temos expendtdo, que
a vitaliciedade para oe profassores do gvmnasio
so se verilica pelo lapso da cinco annos de
effaclivo exereicio.
Interpretar a lei de am modo contrario i esqno
cer a razao da exigencia do quinquennio de
tirociuio, e eahir no absurdo de exigir para o
professor de-in*traecao primaria maia-e melliures
c.3ndi>-aes de aiilidao do que se exige para o de
ia&ruecio secundaria & exigir do primeiro
(que alias hoje 56 o pode- ser tendo diploma do
curso aormal e, portanta, tendo frequentado a
escela praticet ) a prava de voca9io 0 de habifita
i'5ui praticas de que se presctnde quanto aos pro-
fessores de instruccio secundaria, fazendo-o vita-
licie logo-apds anomeacaO I
E* torWrar 0 espTito da lei e sal tar por sobre
sua- propria letira, quiado a lei falla de professor
publico, sem disMnguir, de protessor de qual-
quer cadeira, som estabelecer euepeao.
tiazcta 3urtdlca.-0!n. i3,-chegado pelo dino Alves Barbosi, regi>trado en coatrato anhe-
Estas operaeoes trazem cada aaia.eui si mesma
o cunho da incerteza o da fallibilidade. CaJa uma
deUas e um indieio de liaquoza e de ircperfei-
f4o.
Umainducoao intalliveJ como am rauiocinio in-
fallivel -jtiriam contradiooes nos icrmos.
Logo, taes ipera^oes uao podem ser attribuidas
ao espirito infallivel, no inomon Recebenio a verJade por inspiracao do Ser ab-
soluto, seria repugaante oue-o success
vapor Paranxi, eor.tem 0? wgtiidtes ariigos: -Da
accumulacio das penas -MinUterio -publicoSi-
mula jao de-hvpbtheca Questao-de ttbfirdadeLe-
Vintamehto de arresto Depasito para liberdaJe -
Arbitramen'.o por honohnrlos Co'pdla do seihor
com a dscravi Irialien8blHdade dos bens dotales
J.uramento pela policia Jurispradcncia [wuu-
g'tfeea. A Gazeta Mridica e pubiieada todos os-
domiagos-em um (olheto oitavo de t8 pagteas
A ass vT.aria francfeza.
Revista iluririiea. Depois dc urn anno
de intett dpcao, reconie^m. a pnWieac.ao deste po-
rtodico }urIdlco, redigHa pelo Sr. Or Jose da Sit-
va'Costai A assigmitura annual, ISiSOOO, acha-se
aberta para 0 anno de 1873, e desde ja eotrega-se
a-is assi>;nantes 0 lvolumede Janeiro a jnnho de
1873, constando de 394 paginas e formando 0
tomo "Xlf da collecqao, na livraria franceza.
lioterta A que se achaa, veada 6 a 8'J1 a
'$uvmi'%oa\m......."u vH'" ,"""......
Wospltal' Portuguez Movimento das.
enfermarias na semina- de 15 a 24 de fevereiro do
'eorrente- anno:
FiCanmexistindo 33
Entraram 6
Sahiram curados 9
Fitfeeeu 1
Ficam exi Entra desamaiiaosr. mordomo^Franciscj Fer-
reiraMaia.
Leflau.-Hoje (24) effectua 0 agente Pinto o
so. Na forma requerida.
De VictorioOi de Ataieida RabBlio.Anlonre do
Souza Almeida e Jose.do Almeida Baoelio, regis-
tro do contrato da firma HafcelO) Almeida & L.
Faea--se 0 registro, de eoofonuidade como decre-
to n. 4,394.
De Joao da Silva Pteaentel, Lino Leocadio Re
gallo Braga e Francisco Nunes.da iilva, registro
do seu caatrato. Registre-se 0 eonBrata junta, se-
gundo o disposto no deOrelo n. 4,31)4.
De Antonio Joaquim da Silva Pote e Jose Au-
gusto Pinto, registro do-sea distrato.-Seja regis-
trado 0 distrato, na forma do decreto n. 4*304.
Sadajnais-aavendoaiJetiiaCHar^ *. Exc 0 Sr.
coaseUieiro presidente uencarrou a seasao ao
meio dia.
'_' .....11.....1-
poutoa
KKCIFE, 23 DE FEVEREIRO DE 1S74.
i.VMSASUI PIIUVIMOIAL.
3" perfeitamente legal 0 acta pelo- qual S. Esc.
dades, que 0 espirito devesse fazer passar pelos
transmites onknarios dos conlieeimentos huina-
08.
Porque e qne 0 espirito humano decornpoe 0
objecto-que quer oonhecer, jmaiysa 0 parte por
parle, -estuda cada uma, ale recompo-las n'um
todo UBico?
Esie la I toriosi 1 processo do nesso espirito nao e
uma necessidade intellectual senao porque ns nao.
e dado receber a verdade tal como ella e, de al-
guma. parte.
Logo, quern A.t-xebe do Espirito Santo, nao
sem necejeidade de a decomporo estttdar pelos
processos ordinaries do esprito (attlvef.
Ja que osta doutrina parcce ao Apostolo menos
orthodox*, vemde molde accrescentar para edifl-
;acao do orgao epweopal que o mesmo espirito
fallivel.possue uma oerta somma de verdades que
aio adquke pelos. proecssos ordinarios.
As vurdades que pjassuimos pela revelac/io, dos
nao as obtemos pelos' mcios naturaes. Dahi vem
uao ser permiitidoxu$cuJi las; pois que, ne'sto ca-.
so, seria pwciso subordina las aos tramites ordi-
narios daracao. 0 Oed>.quia absprdum de Sa.n
to Agosttnho tem este clevado e 'profiiDdo sen-
tido.
Consulte.a Rvd. redaqcao a algum juiz compe-
tante, e gaavenuer-se-ba, da pura orthodoxia des-
ta doutrina.
Se alo'uem ejinbateu c dogma da infallibilidada,
uJo .omo* nos mas sira 0 Apostolo, que repetio
uma sena dearrps dofeadidosp^lasaita doS v-
lhos caiholicosr.aUribiando a infallibilidade a igre-
Stal tenha autos4do utaaiuT:ravela^ e muito ^l^fj *eB^he?- ,
pensameu'iL umaeir-1 Sobl* ** POE'o borne que lh'o reeordemos, 0
IlMPwfofo nao.se djgnou ainda '
menos que este aeja 0 sea
eumsUncia vem jantar-se is sr.irfras palavras do
Apostolo, para fazer-nos emrar na descoafianga de
que se idanisam meios de iotnar fruftrameo 0 acta
dd San(a Si...
Eda cirenmstaneia, e a -dedaTacao feita pelo
ipostoic, n'um ton de perfeii *?garoca, de nao
ter o.Sr. D. Vital reeebido ate iontem.acarfa offl-
-ial do cardeal AntoneJli
r,-P?.is1^.P|sivel q^e a epis,Mpdp,.ou.iaa:es, 0 Sr.
D-vjtaJ, nao conteute de pntvecar atp conllicto
:omoo 4iie perturna ha um.anBo a par 4j igreja,
juse jalgar das razoes de'conviccao.que poaerso
tnfluir no aaimo do sanlitsiuio badCe, deixacdd.de-
,pendea.i-i fe circumetaacias' de 'facto a eiccucao
-de uma erdem emanada' da "Santa 5e" ?
E possivei.que.nm bispo allere.pores.te'modo a
natureza Ue-nm acto pontiilcio, suiordinandoo a
oonaigoes.de que elle nao cjogitdu *
AUag4-^e qua. 0.memoi-aidum nio fez meacaa
dQ.processo imaaprado ao Sr. bispo de Olindae
queo santo.oailre deu 3..iw decjsao na Itao
raacia desse processo e da snbse4uetee prlsaodo
*>.- >llai, e, porunto, sobre um "fajso
posto.
supi
ASanlaSeum ren/esen.tanle acreditado junto a
carte do jJrasil, nao poderia ella ignorar em de-
Aenibro. am fa^to de tal iraporiancia rjcuao 0 de jtt
oe*etemaro, cohrquese ordenou a ioslauraeao do
processo do Sr. D. vital, a menos que o'Sr. ict< r
nuncio a postal tea houvesse faitado a am alto de
ser de sen cargo, qual e 0 de trazer instruido 0
*eu governo do estado e curso dos negoci'03 que da
Ai*nra modo 0 poasam inte/ossar ; que, tendo si
da o :aem,l andum submeHiJo a Santa Seem 29
" utubro, nli.0 podia 0 rcpres^ntante, do Brasil
juigar-se autorL-ado a Jazer igenjao do processo
jajjaurado m Sr. bispo de Olinda, acto esle a qua
as ansirueooes, desua natureza re*ervadas, faziara
apeaaa> rr-fcroicja como a uma deliberacao ainda
niopublicadn bem que jasolvida ; -que, 0 facto
da pnsao do |r D. Vital, senda posterior a sola-
io da santa Se, uio podia ter Ihe sido annuncia-
dai qua 0 santo padre, tanto menos p Jia nor di
xctto igunr 0 procedini-mto judicial intenjada
A istn imdpriimn. ma^mi H<*un:'pio uo ueci.e a.; cowpaonia, caprtao o
gas, e finalmente do resto das div/das da massa
fallida de Amorim, Fragoso, Santos & C. na im-
purtancia de 84l'.()08830, servindo de base a of
faTtade 26J5C6C, sendo que este leifiio e o ultimo
e definitivo.
Casa de delencao.Movimento da casa
de detencao do dia 22- de fevereiro de 4874 :
Bxjstiam presos 324, existem '-Hi.
A saber :
Nacionaes 245, malheres ID, estraageiros. 28,
escravos 40, eserava I.Total 324.
Alimentados a custa dos cofres publicos 253.
Movimento da onfermaria do dia 23 de fevereiro
de 4874.
Tiveram baixa :
tJoaqaim Alves de Almeida, febre.
Jose Antonio da-Silva Accioli, febre.
Antonio Joaquim Jose dos Santos, indigestao.
Antonio, escravoj setenciado, indigestao.
osndf tal Pedro II. 0 movimento deste
citabeledmento, de 16 ao dia 22 de fevereiro de
187.5, foi o segninte : existiam 339, eatraran48,
sahiram 32, falleceram'11, existem 344, sendo :
22J homens e 122 trmlheres.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermarias nestes dias : as
9,8, 7 1|2 1-tft, 7 lj, 8, 9, pelo Dr. Beltrao
as 1 ), 1 1|2, 1,12 t\i, 1, 12 Ij2, pelo Dr. Sar.-j;
memo; as-8-l|2, 9, 11,9 Iji,8 1)2, pelo Dr. Ma-
laquias.
Fallecidos.
Charles Hael; febre ataarella.
AntonioHo\'al ; anemia e diarrhea.
Manoel Joaquim do Nassimento ; tuberoulose pal-
mohar.
Joaquim Pereira de-Brito ; variolas conflnentes.
Maria Joaqaina da-Goneeieao ; diarrhea flhron.ca.
Joao Raposo; diarrhea.
Severina ; capcro no seioesquerdo.
Maria da Comedo ; confeatso -cerebral.
Georges Lfpiirt; febre amarella.
Rierre Jose.; febre amarelk,
Sebastiana Maria da Coneelcao ; bronchite senil.
Cecniteriu publico.-Obituario dodia 2|
do corrente:
Manoel, preto, Pernambaeo; tV dtea-^iOa Wtta
crinvhlsOes.
Maria, patda, 'Pernanibnco, dia, BoaYitfa;
espasmo.
Georges Leport, oraqco. Franca, 19 annos, aol-
teiro, B relfa.
Anns Maria S. Pedro MartjT; variolas conflaeates.
Alfredo, brarico, Pemanftuco, i annos, Santo
Antonio : congestSo. '
Amando, pard'?, 'Perjambueo; 7 mazes, But
'vjata : conrclsiSes.
Seb^stfena Maria da iCeaceieao, parda, Pe.rnam-
o Sr. presidente da pcevincia. damittio o professor
da lingua alleaii nagyawai'io provincial.
0 provmento das cadoiras de instrneeao se
emidaria so a consnderado vitalicio depoiside cinco
annos de etTectivo exereicio.
Uto e da lei n. 369 da 14 de maio de 1855,
art. 25, pois a expressao-oua/ower cadeira iu-
pregada no artigo, abrange quer as primaria*
quer as seenndarias.
E' a disposicao legiclativa que regula o direito .
a vitaliciedade, e afortdioaode quinuueaio de aW^MimSSSSSSSZ e
racinio nlo tern melbur razao de ser com referen ki alauma demiuio-o S Ern w
cia as cadeiras de instruccao primaria do que.em. t0-' M
relacao as de instruccao secundaria.
E' preoiso qoe o professor se'mostro
ATTBRtADO PRESmESCIAL
Tal e a epigraphe, debalxo da qual a ProOiiicia
de22 do corrbnte censura em suat'ftrenica, a exo
neracao dada pelo presidente da provine'ra, o fixm
Sr. Dr. Henrique Pereira Be Lucena, ao Sr. Antonio
Carlos Ferreira da Slla, da cargo de professor do
allemao do gyranasio provincial.
Para'fuudameniar a 4ua censura, cita a ftocin-
Cia, o ait, io'O da lei de 14 de maio de 1855, pro-
ctir.ahdb'enxtergar no queelle disp5e a cendemna-
jld do acto presideicial, qoe- e ehrismado de
vioiarao de lei, frisanfye escindflkisa.
Assim se ex prime o art. 150'.
gi;mnaiio,' sefao de (ivre nomeacSo do presidehte
da prorinuia. Os Utgntes'de professores ierao ri-
taltcios.
D'ahi dedut a Probincia, qne o Exm. Sr. Dr.
I.Ucena, obroa discriciOnariamente, dimittiudo o
[irbfessdr de allemSo do gymnasio provincial sem
q)ie entraisse em mais itlagareos a rOs|#ito.
' No entretanto o que apenas ertal>elece o arligo
de lei citado,mufto .r/>Jwi, ri'ara e evidentemehte,
ii a vitaliciedade dos prbfessore's do gvmnasio e
mais nada.
Rests, pOrem, saber ceaio tern Iugar essa vita-
liciedade e em queeondicoesella se ila; e eo que
uao diz o artigo de lei, com que aigumentoo a
Pl'OPtftCMI.
Recorl-amos, pars, ao art. 25 da lei citada, que
assim esfatne :
0 provimento em-pffJoweroadeira, guardadas
as regras precedentes, sera considerado vitalicio,
de'pdis' de cinco annos do effective exerciejo.
0 preeefto deste artigo, e nma medida extensiva
e generica, que diz respeito nao s6 aos professo-
res publicos primaribs, eamo'tanibeai.aos de ins-
trnrcao pnblica seenndaria, que e dada. no ggntna-
Qae t verdada o qua acabamos de afdrmar,
proVa o, primeiro a aiuencia de outr3 dispasifao
em ooutrario a dp art. 25, segundo a goneralidade
dos Heraios *m quo e esta coacebida, terceiro a
ideutidade de razao, prineipio seguro para-as in
terpretneoea de lei Ubi eudem ratio, ibidem jus.
Ora, sendo assim, restava a Provineia, indagar
ae o Sr. Antonio Carlos FVirFeira da Silva, estava
ou nao nas eondicoes: do art. A3, ista e, se tiaha
cinco rfiinos de etfdctivo exeneicio,: para entio no
oaso afflrraativo, assestar as suas balerias oontra
o illnstre administradar da provineia
A verdada 6 que nao sa acliava o professor de
allemao d.gymnasio nas condiv'oes do art 25;
pelo qua, mil lando pondferosas razoos para a sua
sera violaeao dc-
_ dizer-nos'uma pa-
tavra.
Quern e reo confesso de heresia e scisma, nSo
pode instituir-fejuiz era male-ia de.fe.
Quizesse o Sr. B. Pedro de Laserda cumprir o
de-ver ae am bispo zelpso /e;a tjpa doutrina, e o
Apostolo^teria de ratratar-ae ou de supprimir a
deelaraeao que se It a frenteJo' orgad ejiscopaL
r-Yaffic,)
V
SEVI8TA MARIA.
Colleetafefa. pAif>ciaJ.Por portaria
da Dresidenci4;.dij)ftjyitJL-ia,'de 2i do corrente,
-fi uomeado JosePereira Monteira Pessoa, escri-
vao da wJteotojaa.-provinc^l. d > ipupi^ipio de fpo-
Guarda naetonal: Por portarias da
presidencra da provineia, de 2* do cornr^nie, fo.
ram nomearfos para o 4.-* batalhao de 4a/anfetia I
do muoicipio do Recife : 4," ebmoaohia, eapftao or
com veea
cao para o ansino, e preciso; que praticamente t
par- umcerfo,espaco de tempo, elle-dd prova de
que esta na allura da misssao de que vai flcar
vitaliciamente lncnmbido,-f-para quo de arrhas
de si e de sua coiapleta aptidao para o exercioio
de sen cargo.
Dahi a dispoti.ao do citado art. 25.
Ora, no mesmo; pe> de iguaUJade e em identidade
perfeita de condi^oos a este respeito, se achara o
professor de instruccao primaria eo da secun-
daria.
Um e outro podem nos cinco annos- que ante--
cedem a vitaliciedade provar a useaciade voeaeao,
inhabiiidade pratica, etc, e a lei teria sido impro-
vidente, desigual e.abjurda, se, usando d'aquclla
expressao qualqaar cadeira nao threaae queri
doabrangeremiua.disposieao todos os professo-
res iadisiinctaraento.
Contra isto nenhnm arguuwnto serio se pode
extrahir do art. 150 da mesma lei, que dis serem
vitalieios os lugares de profesiorea do gvmnasio,
sem mais nada aecreseeotar wimuMtm"a vitali-
ciedade.
1'orquanto :
l. No citado art 25 esta: a disposicao generica,
qua dannna a especie, a qae, para aid Mr appii-
cacao aos professores do gymnasio, precisaria da
dectaracao exprassa de. uma wxoepsao, o que nao
se vd nara o'aqaelle art. 150. aem n'outro aJgom.
2. Outras disposicdes da- mesma lei e que -tern
toda applioa<;ao a estto tambem reprodusidas na parte que & ttes-e
eonsagrada.
Tratando desses professores, a lei nao diz Ooaio
e porque forma elles perdem as cadeiras que lee-
Clonam, nem com roaoao a elles trata de pro-
cessos o penas diccipiiaares : e poder-se ha por
1390 der que. sites aao- sao possiveis de castteo
nem do perda dq emprego?
So o professor primario 6 que.podera seradver-
tido, reprehendtdo, raaliado, su^penso do exereicio
e demittido t Os outros '.em o privilegio de irres-4
ponsabilidade e perpetuidade, embora inoorrara cm
faltas, que, eomaieltidas petes da iastraccao pri-i
maria,pceasionariama&cs a applicacio da MHU
e i exdnera^iio. ^
' E' vis to que tal nao -e a manleda iei.
; E se o nao declarou ao occupar-se dot pnafesio-
res do gymnasio, aem por isso esqueoeu osyoem
os privilegiou tio descoaunanaimenta
Se. pois, as outrae dispcste3es; da. tei a. 8t ivi
. sem qae possa p >r
isso ser accasadode discricionario.
Se N'olUr a Provineia, oombatendo o que dei-
xaraos allagado, mais ietidamente provar Jhe-he
mos o engano em que labora e que servio-lhe de
motive para-a eeasura, qae vem.em tmtHtrmuca,
sob o titulo acima.
Poi ora, aqui ticamos, sem ipie fallemos noque
se da a raspeitoMo eollegio das artes, eajos pro-
f^sores so adquirera a vitaliciedade depois da cinco
annos de effective exorcinio e no que.e muito
mais frisante e procedente no caso vertente, por
serum estabelcciriieato de instruccao provincial,
a nseola normal. Os professores desia escola,
admirem a ritaliaiedade do mesmo modo qne os
professores aublicoa primarios, embora nada diga
de expresso a respeito o art. 9.*da lei n.# 5'.i8, so
por for?.* da disposicio do art. 25 da leim. 369 de
11 de maio de 1855 uitada, a-qual cooatitue uma
regra geral tobre.0 moflode eoniar a vtoliciedad^
dos professores de nomeacio provincial, regra que
66 pode deixar de serob^ervada, quandoexpres-
samente for aberta a excepcao.
Quanto a allegacao de ter--o professor de ailemao
do gymaasio, eotrado paFa o estabelecimento me-
diate concurso, e ella de nenbura valor, visto
como-tambem por ooncureo s4o:providos em suas
madeiras cs professaree. publicos primarios, sem
que par isio escape in a disposicao do art. 25, ja
tatf s vezes citado.
Aqui fazemos ponto.
a"" r-
adacSoe inven
Jario id*, hwaa. oaif Wte in* aejam morad>
res do termo ou. da outro fitjpn|i.
Deus guarde a V S.-Jost Hartd 4a Zilva Pa,a-
nhos. Sr. dirWWr gwannterlno do eontoacioso.
COLLEGIO
BA
mmm mm
20-Rua dos CwUis-20
A abaixo assigaada, Uceneiana pelo Exm presidente da provineia, e pete IUm. Sr. Dr. direc-
tor geial da instraccrio publica, tern estabelecido
na rua dos Coelhos, n. 20, a poucos passos da
igreja de S. Guncalo, um eollegio para menina*,
sob a invocavao da Sa-stissima Trindadr.
Auxiliada pur suas irmaas D. D. Lan lelina i--i -
sey e Olindina Jersey, ambas as quaes, em r.om-
mum com a abaixo assignada, recebcram igual
educa^io, durante quasi sele annos, em urn dos
raelhores collegios francezes da cidale do Porte,
esta por certo nabilitada para transmittir a suas
alumnas todos os conhecimentos ad juiridoa ne<*
longo espaco de tempo.
Charaando a attencao dos illusUados pais de
ha, nacionae3 e estrangeiro*, para os attatutus
abaixo, a : nnunciante espera inerecer decidida
preferencia, poi3 o sen estabelecimento se distin-
gue, nao so porque nada pagam em se^arado p*-I
estudo das artes de reereio, como ta rnltem pelo d*
linguas estrangeiras qae, em gtral, s-mrntc -<
eusina a traduzir, ao passoqae no Collegia da San-
tissima Tiundvbs se aprendera a fallar e es:rev.r
correctamente ; o que se torna sem duvidc '
uma vantagem e ntilidade incontestaveia.
liivucaiido, cheia de cnniianc-*, a protacc^a :>
seus compatriotas, e de toilos ose'irangeirosilius-
trados, a annunciante e suas inn.aa-, no cam; ri-
racnto dos seus devere*, esperam e proautlex i r
vidar todos os esforcos, alim de provar que, eurr
n6s, existem pernambucauas .-ufikienleinenle ba-
bilitadas para iostruire preparar n.ssas innaceo-
i amaveis patrieias, nao so a desenipcnha'f i.
ao futuro o nobre e respeitavel inimsterio >
mais de familia, como a se lornart-m aqui, on n
qualquer paiz,onde se acharem, o brilhaute r-
namento da mais culta e distincta socicdade.
As anlas abrem se a 26 de Janeiro.
Philomena Minenina de A. 0' Council Jersey
ESTAIVTOS
DO
Collegio da Santissima Tp.isdade, M
tiirecrao ile I'hilomena Mioervina buquerque 0' CmbmU Jersey, coadjuva ^
par suas inua.is D. i.an lelina d'Albuqt,
que 0' Connrll Jersey e D.(Minima .'
buquorquo 0' ConnU Jersey.
Art. L* 0 (Eollegio dirigido por Philomena Mi-
oervina d'Albuquerque 0' Connell Jersey dea-Mi-
nase-Collegio da Santissiua Trimoadb.
Art. 2i* As alumnas recebem nelle inslrne > -
primaria, secundaria, reiigiesa, de civilidadc, '
reereio e pr- ndas.
Art. 3.* A instruccao primaria e leitura, *'-
cripta, contabelidade (as quatro operates) aoc<>
degrammatica portugueaa, costora cha e "t
ehet.
Art. 4.* A instrucfio sccandaria compreirin!-
lingua nacional, fraucez, ingluz, italiana, h-
ria, .geogvaphia e arithmeina.
Art 5. A instruccao religi .sa dada pele
titeciime ; as alumnas aprendem doutrina ctr;<-
la, e t-dos os deveres religkisos acumprirpara 11
Deus, seus pais e papentes, a em geral com a e-
ciedade.
Art 6." A instruccao de civtiidado abrange b
dos os actos da vida de nma sennora, em rela>.
com as pessoas de sua faunlia a com a soc-e-
dade.
Art ". A instfuefao de reereio consta fc
desenho, musica,. piano e dan^a.
Art. 8." A instruccao de prendas reune l-H-.-
09 trobalhos de agulha, e toda a especie de t- -
dados que deve saber uma senhora da meteor >-
e led ado.

Art 9." 0 CoLV'gio admitte alumnas inUra.-
meio .T-flsiooistas e externas.
Ait. .(I. A lingua que se falla no interior Jc
Collegio e. a fraocaza; e durante as aulas de bate)
o italiaoo au so rll.iui oia> llDgdas.
Art. II. As alumnas que etfadam francez. m-
glez e italiano aprendera a falter, escrever e ra
diuir estes idioraas grammaticalmente.
Art 12. A numsalidadt) para as intern-vs ds
40*000, para as meio pensionistas 20*000, e pant
as external 5*000, pagos adianudos por tritn'-
tres que, uma vez comecados, considerara se ven
cidpa.
Art. 13. A instruccao das alumnas extern.*
remunerada segando o artigo antecedeate, e a
dog arts. 3 e 5 ; as mternas e meio-peoaoni-tas
teem direito a dos arts. 3, 4, 5, 6,7 e 8 ; podem*
todavia, qualquer alumna extern* frequentar ^
' indemaisacao,
CoMoacao das leis do imperio 1861-pagina
guar|!a Francelmo Rodrigrjes de Woura'; B/ebm-
pantria, tenente o atfo'es Pedrj Amerfco da Garna
Cnarte.
-\aviu de
oosso porto
ffuerra. .Chegoa hontern ao
porto a canhoneira franceza Lint tfie Piquet,
procedenta de Dntar. Veio rereber rdfresc'is e
segue para o Rjo de Ja'n'-iro.
Olnbeinv-0 vapir ParrM levou de nossa
praca para:
aranv&a 13:0*0*000
Pa,a b-yfotfM
Julio Diolx.- Este vapar da companbu
Ciaimercio Mar,t:no do Porto, sogundo telegram-
?, iffnatitiaf,He,ro' ai-em a M* Prt0 ^S
a.: 11 (21), tendo ido em direitura.
LeibnitzEste vapor da Ifiifta de Livcrpo I
sahm b-mtem a tar-le daTJaMapaA aqnelle porto
Igreja d< irereo.-.lesfi 'igreja ha nbje o
primeiro sermao quar?fo>af,' p-i: 7 h Tas Ja
n if.'.

buqo, 70 mnos, sol^ira, Bsa Vista, hospital Pedro
JI; broncnlte.
Sicdclfo Jeixeira- Bibeiro da ^unha, branco
Pernamt-JTo, 10 aunof, solteiro, Boa Viata : tetano
espinlaBo. I .
Hermiiiio, brazen. Pernambuco, 13 mezes S
Jose ; variola. .
Frineelino Fernaade4.de Can-rfho, .pardo, Per-
aimba^, U anno?, aolleiro, Santo Antonio
pextajjs.
AnnaPcrrelra da Gbsw, oranca; Perflambaeo
Si anao?, casada, BOa \'i*la ; c-mgestao cere^
Wat.
Alfredo, TWtdo, I*ernambacar> mezes. Boa Vis-
ta ; espasmo.
n
geram a respeito daAea.ehae Ihes sao applicaveis-
em tudo que nao for objecto de alguma outra disi-
-poscio especial;
ato serve tambem de reaposta a objeccao qae
se poderia dedurir do e9tar. aquelle art. fa no
titulo-sob a epigraphe c Da iastruecio
priRiania.
No capitulo l. desse titulo muitos artigos (
acidicaveis aos professores de insu-uccao secun-
daria.
Taes 5o os que-aereforem ao provimeBto de
[madeiras,-a prohibteao do art. 30, quanta aos ju-
bilados^or motivo de impoiibdidade da con
tinuacfci da exereicio, a ineompatirrilidede com'
profisoes e-mmereiaes,. industriaes, etc.
E sabe-seqae era raws ule ^ma-'lei- a epigraph.-
dositulose eapitnlos nawaferange todo oditao
itiro dVHes, o qHe facil Jdcexulioar pelo y*tu-
rua da confecgSo -das leis aos eorpos leyisl.
e pela cuncisaa etecooisnio oroprios das rose
c6"es, dos titulOs, etc..
Ilmesflmplo entre raoiois arrM.'se .a reform;
judiciama.no titulo di.oajetie eommnns fti
juizes. muoH-ipaas e do /iireito ( a* 74. atee. n i
4,824 de ?2 d? noTemjbro j !"7l)
W.a83. Fiailu uil9t>da julho de 181.
'Ministerio .los negocios da fazenda.- Rio de Janei-
to, em 31 ide julho da 1861.
Pode V. S. deciarar ao proourador fiseal da the-
BouranadeS. Pedre, em resposta'ao offlcio iue
elle dingio a essa direcioria geral .em 18 de julho
de 1859, censaltaado: ivse taado sid) deixadoe
na captal daquella provineia;par am Indiridoo,
que alM faHeoera repenliaamente, aigans nens^
pedam: eBles ear enttegaea a saa vitfva, cabeea de
'cawl, em emoargo dese estar pmcedendo a arre-
sada(iO'dos dKos bens pelo juizo:da auaeates, uma
ve* queiella prove a- ideatidade de pessoa, aquuli-
dade do conjuge, e que esta procedeado a inven-
tariono tagar do demicHio dodefanto, dentro dp
-iiBperia,' para dar partilna a herdeiros; e 2 se a
palavra-terra- empregada no|.l do art. *.-do
reyalarnento da 27 de jnnho de 1845 a mtros 'niffca-do muoicipio do detente lestado on intesta-
oo.-qaeeua raagestade o imperador, ountorraan-
do'sapor-sua immediate'e imperial reselncio dc
13 do corrente, com o parecer de consulta da
seccocs reunidas do justica^e fazenda do conselho
de ettado, que foram ouvidas sobre -i -^aestaa,
bonvp por bem determinar, qnanto a primeira
que-tao, que dispondo o art 3." | l. do regula
mato de-13 de junho de 1889, que nao haja ar
recadaoao >e fleam na terra conjuge ou herdeiros
presentes, e os arts. 5.' e .",-que aiuda comecada
a arreeadacio, cessara sem iteduccSo de poreeu
'lagein se o conjoge ou haidWros justlficarera o
seu direito certo e iodubitavcl a heranca, deviaJ
ter-se logo etfectuado a entrega Aaibeaa de que ae
Irata.'sein dednccao de porcentogem-, uma vea-iqu.-
n n N duvidava n* partereclamanlea-quaiirfaded'
viuva cabeea do ealal.'e 'lesio-qae-se-rooonltaaeu
o procurator leealmenfe ;on4tuido rwra reola-
m.ra entivga das bens existaatea-uo tegnr df
suteH rallesimento : quanto a 2' questao,.ique'..a-
IMteara* praseatea na terra: nar> rawem de de-j
m na /xnbe.ieao; pr-r lanto, desde que o ecu
aulas superiores mediaule a
se convencionar.
Art 14. As despezas com livras, papal, etc' -a
da competencia dos pais ou correspondentea da;
alumnas, e bem assim a materia prima de borda
dos, e e*tes executados sao propriedade das r. -
mas.
Art. 15. As aulas no CoUegjo da Sa.nti<><
Tbindadk traballera duas vog ao dia-de manbi
das 9 as 12, o de tarde das 2 i|las o 1(J
Art 15. 0 enxoval das internas .' ao goste <'
seus pais ; assim como a roupa lavada, eogomia.
da e pertences por elles serio fornecidos.
Art 17. As pequenas iudisposicwes e motestia
das internas aao tratadas no Collegio ; na* gra\>-
porem, a directora fax avisar aos pais ou cor---
pondentes para proridanciarem s bre o tratwr.
to, que pode ser-em suas casas, on no Coltegio
Art. 18. Os feriados sao os das aulas. pqMtev
salvo as (juintas feiras que, no Collegio, ficaBd>-
t.inadas a instruccao de reereio.
jrt J9. Todas as malerias leccknadas noi>.I-
legiodaSAsrissHiA Trwdade sao profaasado* i*.'a
directora e suas irmaas on outras senhoras c^n a
.aptidao precisa, e que a directora julgar nee-- *j. .
rias.
Recife, 30 de dezembro da 1873.
Philomena Minercina de A. (XConnell Je. ,j
apApprovoDirectoria geral da instruccao anti!i;a
Pernatnbuco, 8 de Janeiro de 1h74.
Jodo Barbulho Uchoa Cuoakante. \
M ?
.4 Sim de I'lorida de
l.aiiniaii.
Por sem du>ida alguma alcancou um per
successo neste paiz, o'qnal nio tem exeteplo o>-
annaes da toilet. A sua grande e vasta popular--
dade ititeiramente obscurece e poe de lado a d-
jnais finos perfumes importados da Allenjanba
tran^a e laglaterra. E se devera tanto attribuir a causa da sua conWra-
tiva barateza, mas sim tad somente a sua intrii:.
ca superioridade. Qualquer nm tecido impress*-
do da mesma exhala a fragraucia das fWte* a
mais odoriferas e ddicadas do tropico. O siande
licioso e deleitaVel aroma, e Uo fresco e relr%>-
rante qual aquelle que diraana e se diffunde ^ -
mimesos botoes de rasas expargidos e carrega*
pelo matutiiio orvalho daquelle paiz, cuja rlca t
:picante atmosphera e' justamente relebrad t tar
pelo poeta como pelo bisionador. Ainda mate,
seu aroma nio se evapora ou -se desvanece, an.-
pelo contrario, elle parece imbuir se e entranhar-
se cada vez mais nasdobras dolenco, como ae *
nouyesse mcorporado em cada uma libra de %ca
delicado tecido. Dissolvida n'agna, torna ae aua
admiravel preparacao, para enxaguar a bocca^W -
vmdo de preservative aoa deutes e as genghi<
dando nm excellenle e aromaflco gosto ao paradV
depois de se haver ruraado, e ao morao temiv,
um aduuravel meio para suavisar a irritvao .
pelle dflpois de se haver feilo a barba ^^
SOMMERCiC;
' !;'-. presentes em distancia I
JL'NTA: DOS CORRtTOUKS
Pr<'.* do Becifo, 9S de fever* r-
ro de 18A.
A& 3 HOHAS BA TARDE.
COT A CO 8 OTFRTIAFa.
*^mbio sobre Londres a 90d{V. 26 lit d por
iSttee, aanbado.
Cambio sabrei'arisa.SO d|v. 351 rs. o fra:. i
sabbado.
late-*-sobre ba-ico, sabbado.
amnw >- sabre flaaakungo a vista 470 rs. nor U
Jl, do Iou, hoje.
* d Masconreaioa
Prcsidaata.
A. P. de Lemos
Secraano.
v
k
r
".'
a

.
* /
\




Bfci(tMk>iki8timp'^6& im wlrtMfapwA4k_ ohKI
t>


$


i
flandimenio do
Idem do
Descarref am hoje Jt de fevereiro de 1874.
barca Portugueia-D naes para o trapicne Companhia.
Barca portugueza Jovrm Adelaide -vario? gene-
ros nacionaas para o trapiche Cunpa-
nhia.
Patac'ho nationalArab yariog geaeros para o
trapiche Coneeicao, para aespaclrar.
Patacoo ingle* Lady Mary cimento para o
trapiche Coneeicao, para despachar.
Barca ingleza Witck of the Teign carvao e coke
ja desyichados para o caes do Apollo.
P-iacho americanoSenorita -fatinha ja despa-
chada para o caes do Apollo.
Barca inglezaCurrwftrooifc carvao ja despacha-
. do para o caes do Apollo.
Vapor francez -Henri IV(esperado) mercadorias
para alfaadega.
Brigue grejo ApostoloPauh) ferro ja despt-
chado pua o caes do Apollo.
Polaca hespahhola Barcelo xarque ja despa-
chado para terra.
Inaportacao.
Barca portugeza Javtn Adelaide, entrada. da Rio
de Janeiro em 22 do .corrente o consignada a Jose
da S. Loyo 4 Filho, manifestou :
Caf6 96 sacvw a D. Joaanim Ferreira Cruz, 96
a Jose M. da Rosa & Fifho, W a Magaihaes & Ir-
n>aa,48*JoaaJos4H.3drigues Meudes, 42 a Ma-
noel Soares do Amaral & C, 28 a Joaquim Josef
de Azevedo, 19 a Alhejro Quxeira &C.
Pipas vasias 100-a Joigolm I6.se.de Azevedo.
Vapor national Parana, eatrado dos portos-do
sul, na mesma data e. consignado a Pereira
Vianna & C, manifestou : _:
Charutos 2 ca-'xas a Cunha & Manta, i a Do-
tniugos Alves Matoeus, i a Otto Bohres.
Cafe 51 sa-cos a JoaoTt. de-Farias, dgarros 10
barrieas-a Bomingos Alves Matheus.
Fazendas 2 cairss a Cramer Fray & O., t a
Goncalves & IrmSo, Pazendas e mercadorias 9 cai-
xas a A. S. Keogk. Pumo 10 rolos a Joao R. de
Farias.
Papel pintado 2 caixas a Jose N. de Souza.
Peraflte STuSliia'ftThudfclpal TlWla cidade,
eslara de novo em nasla. puulica, nos dias 26 do
correate i 5 do mez proximo vind iuro para ser
arreraatado por tempo de u*n anno com abate da
quinta pjrle, o imposlo do 60 ts por pc de co-
queiro deprodueao, exceptuados dez pes para o
uso daproprietark), pels quanlia.de 8HJG0O.
Os preteadeates deverao ,comperecer com seus
fladores habilitados na forma da fei.
Paco da camara municipal de Oliada, ( de
vereiro de 1874.
Barao da Tacaruna,
Presidente.
Marcolino Dias de Arauj >,
Secretario.
Barca portugueza Diana, entrada do Rio de Ja-
neiro na mesma data e consignada a Jose da Silva
Lovo & PHho, manifestou :
Cafe 60 saccos a Banoel Jose Tinoco de MB.
Cravos deferrar 3 lataa a-companhia Ferro Car-
ril de Pernambuco.
Perragens 9 barricas a mesma.
Jacaranda 113 coupoeiras a ordem.
Pipas vasias 200 a T.to Livio Soares, 10) aos
orasignatarios.
Roupa 2 babus a ordem.
Patadio ingh;z Solar to, entrado de Trieste na
mesma data e consignado a Saunders Brothers &
C, manifestou :
Fariuha de triga 2,100 barncas aos consigna
tarios.
U8KPAGHOS f>E EXPOBTaCAO NO DIA 21 DE
FEVEREIRO DE 1874.
Para os portos do exterior.
Ho lugar inglez Curisande, para o Canal,
carregou : Simpson & C. 300 saccos com 22,500
kilos de a^sucar maecavado.
No brigue portuguez Cedral, para Lisboa,
carrefou : A. Cordeiro aOd couros salgados com
(i.000 kilos; F. R. Pinto Gniraaraes 500 saccos
com 37,500 ditos do assucur branco.
Na barca portugueza Sympnthia, para o Por-
to, carregou: M. J. da Motta 4 barris com 400
litros de mel
Para os portos di interior.
Para o Rio Grande do Sul, no brigue nacio-
nal Prazeres, carrogou : Amorim Irmaos,& C. 750
harricascom 30 439 kilos de assucar branco.
Pra o Rio Granle do Sul, na barca portu-
gieza Arminda, carrgou : P. Vianna & C. 290
inrricas com 21,138 kilos do- assucar branco.
CAPATAZIA DA ALFANDEGA
Kicdimentodo etia 1 21. I4:3i0>883
dndi dn dia 23 ..... 361*318
14:702,1101
0 Him. Sr- inspector da thesnurana provin-
cial mandafazer publico-que em cumprimento da
irdem do Exm. fTr. presidente da provmcia de 7
le Janeiro corrente, perante a junta desta. tlwsou-
raria se ha de arrematar no dia 23 de abril pro-
ximo virtdouro, a obra da_ponte dynaminada Pio
Sangue sobre o rio Serinhaem. orcada em 9:3703,
pagos era apIieos da divida fflovincial ajuno de
7 por. cento an- par.
As pffssoas, quese propozerem a esa r atremate-
cao compareiaWna sala das sessSes da mesma
tbesouraria no diaindicad-aelin.i, p.4o moio'dfa,
conneunteuiente hab.ilittjias.
E para constar se mandou pnblicar o presents
delo Diario de Pernambuco
Secretarratfa thwararia protiBCiil, 20 dc Ja-
neiro de 1874.
ViU>riano!losi M. Paftares,
OUicial niaiur interio*.
Qausulas especiaes para a awematacJo da ponte
denommaaa Pao sangue sobre o 'rio :Seri-
nhlem.
!. A ponte denominada Pao Sangne sera exe-
cutada de coofarraidade com o occameoto a.plan-
ta appfofados pelo ^Ex-m. 3r. t pfeiileite da pro-
viut'ia.no valor de;9:l>70S!
2.' 0 arfemataWe dara pnaorpie *-oBfa m pra-
zo de um raeae a.conclutra oo -de(l* mezes.
3.* 0 pagamento seri etfectaado em 3 presta
roes igoaes a proporcao da tabeUa exeaatada.
4.* Paratud* rnafs qae nao se achar especiti
cado sera reguladoi pete qne diopo~e o regulamento
de 31 dejulho de 1866. -O" engwnheiro chefe, Jo-
se Tiburcio Pereira de Magalhaes.
Victertano Jose M. Palhares.
de faienla, se deehra qaeiptrtnle a pnla,
mewu Ikeiouraria lam do ir am. byU pnblica
para sarem arraraatados, per quem Menus offere-
cer o concertos do caes da rua da Aurora, na
e*toMao,ie ,3 o.,,ersados em 4:621*829 rs.
0 idteressados sao oonvidados a campareeerera
as If-lioras de dia 25 do eerrente. com suas pro-
postas em cartas fechadas devidamenle selladas,
podendo dosde ja examioarem o orgamento qie
e acha na sectetaria desta tliesourla.
Secretaria da thesouraria de fasenda de Per
nambneo, 5 de fevetelro de 1874.
0 2.* escripturario, servindo de secretario,
Carlos Jiflo de Souza Correa.
Pala thesouraria provincial 'e faz publico,
qua Qcam trausferidas para o dia 26 do corrente
as arrematacdes seguintes :
100 meups da einpedrameno na estrada de
Limoeiro, or/.:ado era i8i*.
fiosteio da iHunjinacio pnblica da eidade de
GttWM- .
Objectos do.corpo de,policia.
SocreUria);dai teesouraia provincial dto IJernam-
buco, 16 da fevereiro de 1874^
0 offlciad-Brator
Miguel Affiittso ForVQira.
A caoiw* municipal- desta cidade, tendo dti,
eoairjuar o l-nec>ajesto daa oadeirag qua feram
praotsas pana ogrocaseo da.aualiiicacwt a elei^Ses,
eaajviila.paio/tpneiantei aos, fwmacadoees dollar a
ROB^ateMni auan pcopoataa em carta fechada, fl
ad,25 do owfreata,, pelas 12 botas do. dia, no pacp
fle suas se-isSes, indicando logo e manor preeo
por que fornecera cada uma diariamonitf.
. Pago da camara municipal do RecjSe, 18 de fe-
vereiro de 1874.
Theodoro Maehado F. Prwra^d Silva
Pro- president e
Augosti) G daFv^nekedo
OfQclal-maior serviado de seere'ario.
Pcla recebederra de-reddas idieraa* gieraeB
se faz publico que 6 no corrente mez de feteralro
gue deve ser paga,*vi* de-'mlilta, a tsxa dos eh-
Craves, relativa*an ekerelclo de1187* a>1874; de*
pois do que se lo-ha com a-ihutta de 6'0[0.
Recebedoria de P*rnamboco, 5'de fevefeiro de
87i.
0 admiaistrador
Manoel Carneiro de Soxa Lacerda
ORlm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que, em cumprimpnte da
ordem do Exm. Sr presidente da provlncia de 28
de Janeiro ultimo, se ba de arrematar a quera
por menos Bzer, no dia 6 de raargo proximo fu-
turo, perante a junta da faienda da mesma the-
sonraria, a obra dos reparos da coberta do gym-
narij provincial, orcada em 578/6 '0.
As pessoas que se propnzerem a e?ta arremata-
rae eomparecerao na safa das sessoes da referida
junta, pelo meio dia do dia acirna indicado, com-
petentemrnte babiliiadas.
Epara oontar-se mandou puMicar o presente
pelj Diario de Pernamlmco.
Sairetarlada thesouraria provincial de Pernam-
buco, 21 de fevereiro de 187*.
0 official maior,
Miguel'Affinso Ferreira.
Clausulas especiaes para a arremataeao dos re-
ros da coberta do gyranasio :
I* Os repacos da cabeita do gyranasio prcvin-
cial se'-ao execntados^ de conformidade com o or-
camento orgnisado pela reparti(3o das obras pu-
blicas,' no valor de 5783600.
2." 0 arrematante dara comeco aos trabslhos
no praso de qninze dias e os concluira no de dous
mezes.
3.* 0 pagamente sera efTeetuado em uma s6
prestagao, depois de concluida a obra qae sera
recebida defluitivamente.
4." Para tudo o mais que nao vai especificado
na9 presentes clausulas se observara o quo dispoc
o regulamento ae 31 de juluo de i860. Reparti
cao das obras publicas, 9 de fevereiro de ?874.
0 engenheiro chefe, Jose Tiburcio Pereira de Ma-
galhaes.
Conforme.-M. A. Ferreira.
VOLUMES SAHIDOS
iV) dial a 21.
No dia 23
Pruaeira porta.....
Saganda porta.....
Tbreeira porta ....
yuarta poru......
fnpiche Conceijao .
SERV1C0 MARIT1MO
\i>areHgas de-^carregadas no trapicb*
alfandega dj dia 1 a 21 .
No dia 23
Na\us atracados no trap, da altasdeg?
Alvareugas ........
no trapiche Conceioao.....
31,612
73
32
265
1,110
33 092
50
51
R :<:EHE)ORIA de rend.vs ivrt-RNA*. GE-
RAES DE PERNAMBUCC
rHndira.',ui> da dia I a 21. 37:213-1600
daai do dia 23 ..... 3:2J5^y08
40. til
CUN3ULAD0 PKOVlNClAo
.lej-ume.'ito dn dia 1 a 21.
1,1 !U d-, dr. 23. .
120.571*859
7:271*885
127^81377U
CCITAES.
O Or. Sebastiao do Rogo Barros de Lacer-
da, .juiz de direito especial do commer-
<:io, nesta cidade do Recife e seu termo
capital da provincia de Pernambuco,
por S. M. I. o Sr. D. Pedro If, a quem
Dens guarde, etc.
Faco saber aos qne o presenle edital virem e
Uelle noticia tiverem, que dentro do prazo de 30
dias contados da publieacio deste, recebera esse
juizo propnstas por cartas fechadas para arrema-
tacio por vendadi parte do escravo Jtsuino, de
cor pardat avaliada dita pane nor 200*, sendo a
arremataeao pela quantia de 150*, preco da adju-
dicacao ; o qual escravo e pertencente a massa
faltlda de Manoel de Souza Carneiro Pimpio e se
acha em poder de Manoel Joaquim Alein.
E para que chague ao conheeimento de todos
raandei pa jar o pre.-ente que sera publicado pela
imprensa e alflxado nos lugares do costume.
Cidade do Recife, 18 de fevereiro de 1871.
Eu, Manoel Maria Rodrigues do Nascimento, es-
crivao o subscrevi
Recife, 21 de fevereiro de 1874.
SebntiSo d> R<"go Barros de Lacerda.
J'Tonymo Eouliano de Miranda Castro, major do
1 "batalhao de irtilharia la guarda nacional do
municipio do Recife, e presidente do conselho de
qualificacao da parocbia de S. Prel Pedro Gon-
calves.
Fajo saber que no dia l. de marco se reunira
no consistorio a* igfeja matriz do Gorpo Santo o
con=elho de qualificacao da guarda nacional da
mesma parocbia, na forma do decreto n. 722 de
23 de outubro de 1830, e fei de 10 de setembro
de 18J3,
E pa** qae ehegne ao conhecimen'.o de quem
interessar possa raandei paisar editaes, que se-
r,io pablicados pela iraprema e afflxados nos lu-
guares deMguados por lei.
ijuarte! no Recife 19 de fevereiro de 1874.
Jeronymo Emiliano de Miranda Castro.
Francisco de Miranda Leal Save, tenente-coronel
presidente do conselho de qualiftcacio da guar-
da aacieaal da parocbia da Boa-Vista, em vir-
tode da lei, etc etc.
Fto saber a quem irfteressar pos3a, qae de
conformidade com a ordens da presidencia trans-
metudas pelo lllin, Sr. coronel commaolante su-
perior deste muni
vico ttttro e da.reerva, raeidenies qesta fnrof
na. t *
A camara munioinal do Recife coavjda a
todos os seus municipej a apresenlarem para ser
expostos no corrente anno, objectos de producoJo'
agricolas para aexposigao.qaepratende reilisar a;
suciedade Doze de Setembro, segundo a partici-
paeSo do Exm. presidente da provincia, de 16 do.
corrente, com referenoia aiordem do governo im-
perial.
A mesma camara espera no. pa*rk>tirao, dedi-
caQao e zelo de todos o bom exito de tat convite.
Pago da camara municipal do Recife, 18 de fe-
vereiro de 1874
Theodoro Maehado F Pereira, da Silva
Pro-presidente.
Augusto.G* Ae Figueiredo
Official-maior servindo de secretario.
M
A
.aj* >;rd
im,ifla.** tawdMtno doe Paeo-
_ pratjeo.
_ e viarera do sul aodcrao indideceaiemenfe
paetar *E ou a 0 dos Paeoles e mareando o pita
rot.e Oesperaraa pralieo; ende sempre o eoida-
do de n4o passar desse parallelo para o norte, pa-
ra evilarem a inesma 6a ixa grn*de.
_ Seudo oojte el.ira, distiuguindo le facihaeme as
poatas da terra, poderao os que vierem do N e do
jargo, dado o re>guardo convealente a ponta
do Tubarao, poxar para a da t'ortaleza qua ca
dentro da barra logo ao N do monte Moreno, e
conservando o monte da Pmha aberto do Moreno,
navegar ate dentro da barra, tendo sempra o
cuidado de nao marcar o pbarol por 60 SO mag-
netico, em pequena distancia.
Or que vierem do sul, passados qne sejam os
Pacotes, navegarao parallelamente a costa e a 0
do meridiano dessas ilhas, sera comludo se afas-
tar muito delle, afim de evitarera o roehedo Ca-
vallo, que demora por li* NE magnetico do pha-
rol, na distancia de 1 a 5 amarras.
M;treads o pharol de 41* SO ; S navegarao li-
vremente a meio oanal, dando resguardo a Bali-1,
roehedo dascoberto, dentro ds barra.
Canboneira Aragmrg, 23 de agosto de 1873.
Antonio Joaquim de Mello Tatnborim, oapitao de
fragata. conforme, S. E. Pessoa. director geral.
Esta conforrae. Q secielario* da capitania, De-
Cio de Aquino Fbnceca.^ ____________
Ariuazejiada companhift;per
nambucana.
A4X"l*09 contra o tafto
A coTnpr.nnia pomambiicana, dtspondo do ex-
ceh^toles eVrfstos arrriaHeas enxsea pfedio ao for
IddoiMaKof, ofTereQeos ao comraeiwio em gerl
para deposito de genero-, garanUndo a maior con-
Bervacao das more idorias depositadas, service
pfOmpto, precos nmdlcos, etc.
Tftmttem recolhera, mediant.e previo accordo, ex-
cWsrvaflienle os geBetos dn-ntna so pess6a.
E?tes arma7ens, alem de arejados e commodos,
sao inteiramtnto novos e aspbaltados, isentos de
cupim, rato, elo., etr.
As pessoas qua qaizerem oMlisar-se destes ar-
mazens, pederao dirjgir-se ao es.-riptorio da com-
panhia pernambucana, que acliarao com quem
tratar.
,1.., i
O.BIra. Sr. iBspectur da tbesouraria provin
cial manda fazer publico qus em cumprimento da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia de 16
do corrente se- ha de arrematar no dia 5 de marco
proximo futuro, perante a junta da mesma thesou-
raria, por tempo detraanno, o custeio da illumi
nacao piiblica < a cidade deGoyanna, servindo de
base a arremataeao o preco de 28 rs. diarios por
cada lampeao, offerecido por Jose Augusto de
Acaujo.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
eao, compcrecam na sala das sessoes da mesma
junta no dia acima indicado, pelo melo dia, com-
petentemente Uabilita.la-.
E para constar se mandou pnblicar o presente
pel, Diario de Pernambuco.
Secretaria da thesnuratia provincial de Per-
nambuco, 18. de fevereiro de 1871.
0 offlcial-maior,
M. A. Ferreira.
0 Ulra. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico,1 que, em cumprimento
da ordem do Exm Sr. presidente da provincia de
28 de. Janeiro ultimo, se ha de arrematar a quem
por menos fuer no dia 6 de marco proximo futuro,
perante a junta da fazenda da mesma tbesoura-
ria, a obra dos reparos da borcba n. 2 no 7" lan^o
da estrada da sul orcada era 1:012*000.
As pessoas que se propuzerem a esta arrema-
taeao, comparecam na sala das sessoes da referi
da junta pe'o meio dia do dia acima indicado,
competente nenle habflitadas.
E para constar sc mandou publicar o presente
pelo Diario de Pernambuco.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 21 de fevereiro de 1871.
0 official maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaos para a arremataeao da bora-
ba n. 2 no 7* lengo da e>trada do sul:
1." A obra da bomba n. 2 no 7. lane/) da es-
trada do sul, sera executada de conformidade com
o orcamento e planta.no valor de 1:012*000.
2." 0 arrematante dara principio a obra no pra-
zo de 15 dias a concluira no de 2 mezes.
3." 0 pagamento sera effectuado em duas presta-
coes iguaej a proporcao do servico executada.
4.' Para tudo mais, qua nao vai especiGcado nas
presentes clanzulas se observara o que dispoe o
regulamento de 31 de julho de 1866. R--parti.ao
das obras publicas, 9 de fevereiro de 1874. 0
engenheiro chefe, Jose Tiburcio Pereira de Ma-
galhaes.
Conforme.-M. A Ferrsira.
0 lllin Sr. inspector da tbesouraria provin-
cial mania fazer publico que. em cumprimento
da ordem do Exm Sr. presidente da proviucia
de 28 de Janeiro ultimo, se ha de arrematar a
quem por meBos fizer, no dia 6 de marco proxi-
mo futuro, perante a junta da fazenda dames
ma thesouraria, a obra dos reparos da cupula da
casa de deleucao, orcada em 1:478*000.
As pessoas que se propuzerem a esta arrema-
taeao comparecam na sala das sesso. s da referi-
da junta pelo meio dia do dia acima indicado,
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou publicar o presente
pelo Diario de Pernambuco.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 21 de fevereiro de 1874:
0 offlcial-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Clausulas especiaes para a arremataeao dos re-
paros da capella da ca*a de detenglo.
1.* Os reparos da capella da casa de de'encao
serao exaentados de conformidade com o orca-
mento organisalo pela roparticao das obras pu-
blicas no valor de 1:478*000.
2.' 0 arrematante dara principio a o'-ra no
prazo de 15 dias, e a concluira no de 3 mezes.
3.* 0 pagamento sera effectuado em duas pres-
tae5es iguaes; sendo a primoira quando o con-
tra taut e tiver executado metade da obra e a segun-
da depois de concluida, que sera recebida deQni-
livamento.
4.' Para tudo mais que nao vai expecificado
uas presentes clausulas, se observara o que dis
p63 o regulamento de 31 de julho de 1866. Be
Sarticao da3 "bras pnblicas 9 de fevereiro de 1874.
engenheiro chefe, Jos6 Tiburcio Pereira de Ma-
galhaes.
Conforme.M. A. Ferreira.
A camara municipal de>la cidde teudo do
Jeiiiolir o sobrado a rua do Amorim n. 19, que foi
ultimamente desapropriado, e vender a quem mais
vantagens offer cor todos. os materiaes do raesrao
sobrado, convida pelo presente aos pretendenles
a comparecerem no dia 25 do corrente. pelas 12 ho-
ras do dra, no paco de suas ses?5es, correndo dita
demilicao por conta do arrematante.
Paeo da camaramunielpal do Recife, 18 do feve-
reiro de 1W4.
Theodiro Maehado Freire Pefeirada Silva,
Pro-presidente.
Augus'.o Genuino de Pigveiredo,
Officjaj-maior serV:Bdo de secretario.
Antonio Bernardo Quinteiro, official da imperial
ordem da Rasa, major do 3* halalbao de infao-
toria da guarda national do municipio do Recife,
e presidente-do eeatetbo de qualitica^ao da ffe-
gueaiade Noesa Seuhora di Graca.
Faico.saber a quera iotoresaar possa, que, de
conformidtde com o dispwto no art. 8: e segtri*tes
do decreto n. 722 de 23 do outubro de 18TO, e %
6. do art. 1. da lei de 10.de setembro de 1873, se
torn de reumr iw di* de marco, e conselho
De conformidade com os artigos 15 e 21 e 6*
dos estatutos, sao convidados os Srs. acciomsta*
para reunirem se em assemb!6a geral no dia 26
do correntev ao meio dia, no priraetro andar da
raa do Vigario n 13.
Recife, 18 de fevereiro de 1874.
0 gerente,
Justino J. de S. Campos.
SANTA CASA. DA MlSERICOltl IA DO
RECIFE.
A Rlraa. junta administrativa da santa casa d
Hisericordia do Recife, manda fazer'publico oae
oa sala de suas sessoes, no dia 19 de fevereiro
pelas 3 horas da tarde, tern de ser arrematadas a
piem mais vantagens orferecer, pelo tempo de uir
a trs annas, as rendas dos prcdio's em seguh;
ieclarados.
PATRIMONIO DOS OBPHAOS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......421*000
Rua da Cru?.
iobrado 14 (fechado).....1:000*090
Ruo do Pilar.
Casa terree n. 100......24I3OO0
Idem n. 102........241*000
Rua Velha.
Casa terea u. 44 (fechada). 450O00
Rua dis Larangeiras.
Armazem n. 17......361*000
Os pretendentes dever-'o apresentar no acto da
irromatacao as suas fiancas, ou comparecerem
icompanhados dos respectivos Sadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia ert
\m tor seguro o predio que contiver estabeleci
mento commercial, assim coino o servico da lim
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
;ife, 18 de fevereiro de i8?4.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza,
Stanta Casa da Hiserioorclia do
Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise
rieordia do Recife, orecisando fazer os concertos
de que necessita o predio qne pos3ue o patrimo-
nio dos orphaos, a raa da Cruz, hoje do Bora Je-
sus n. 12, contrata com quem se proponha a rea-
lisar ditos concertos, mediante certa renda e al
guns annos de prazo para desfructar ; devendo
os que disso se quizerem encarregar, apresentar
suas propostas era cartas fechadas, devidamente
selladas, acompanhadas do respectivo orcame itc
nesta secretaria ate o dia 19 de fevereiro via-
douro.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Sabbado 28 4o corrente.
I?9tr*a da coiupanhla.
Primeira renresenlacab do exeellente drama em
a actos, ornado de musica. e machinismo :
UM NAUFRAGIO
C0ST4S D.V BRET4NH4
Denominafees dos actos
!Os Pescadores pirates.
2* -0 naufragio da Septuno
3* -0 corabate e o inceadio.
4.*-Os inJrterraneof. de Keiojigal.
l>iMrlbiVf,o
?acques Cerdk, velno jwscador Sr. Thomaz.
Ptdro Carulc. seu, irmao sob e
pome de Mturieio
Juao Kernoc, chefe dos pirat.is
Jorge de Harmental, naufrago
Flick guarda I'alfandega
Gariou, pescador firala
Kabiot, dito
Simlo, velbo marinheiro
Cheksoo, contraintstre rnglez
Um pescador
Maria, lillia de: Cardie
A Ha. Deri ens e, mullier d'um
pescador
Duvuke, idem
Pescadores e pescadoras.
A accao passa-sc era Kerougal na Bretaaha, no
leculo XVIII.
0 sceuasio, vastuacios-e accesorios sao aproprta-
doa, sendo. a scena do 4." acto, qua, rapresentaee
subterranaos de Kerougal, ondetem lugar a gran ie
Bxptosao da rniaa
seguida de ura compl ;to
llcaoroiiameutu
piatada a capricho pelo habil scenogcaplio
I. t'll:t]olIn.
No iatervallo do 1* ao 2.' act), a orchestra exe-
cutari uma brilbante peea intitulada :
A tempestade
composicao do distmcto maestro
IP.
sendo tambcm cantada, no deeurso do acto, pelo
Sr. Silva, a
Gancao das piratas
acompanhada de coros, e-cripta expressamente
pelo mesmo maestro.
0 drama esta posto em scena com todo o es-
mero.
Terminara o espectaculo com a primeira repre-
sentacao da coraedia em 1 acto
Sr. Julio.
Sr. Bahia.
Sr. Santos
Sr. Camara.
Sr. Silva.
Sr. Florindo
Sr.' Procopio.
Sr. Meaezes.
Sr. Antonio.
D. Manuela.
D. Joanna.
D. 0. Augusta.
Banco Commercial dc
Pernambuco.
0 banco paga o segundo dividendo na
razao de 8 /' ao anno ou 25>iO0 por acgao,
relativo ao semestre findo era 31 de dezem-
bro de 1873.
*3'
Real companhfa Je paqwle*- *
glezes afvapr. cr2,*.
0 vapor
NEVA
Cummandaate .
espera se da Europa ate o dia 27 *>
qaal depeis ua demora do cosam
Buenos- Ay res, tocando nos poaos da
de Janeiro a Montevideo.
lao
0 vapor
Commaodan
ThwiiitcM.
espera-se dos portos do sul, nodta 28 do carrea*e,
p qua! depois da demora do cosfdme, seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Viceaw*
Ciaboa.
Para fretet, passagens, etc., trata-se na ;
rua do Commercio n 10. ,
COMPATmrA PER.NABl1lCCV>'A
DS
[Vave^acfto oosteiru vi
MAMA IfG (TAPE.
0 vn>r Corari/r.
I'ominandanm SaolW,
seguira para o per-
to arinu nodia28da
corrente, is 5 boras
daurde.
Recebe carga, encommendas, paasapeiros e 4i-
aheiro a frete ate as 2 horas da tarde do dia da
sahida : cscriptorio no Forte do Malton. 11
Fara Lisbon.
0 lucre portuguez Cidral, capitao Joaqoiia
Adriao da Silva, vai sahir com brevidade : para
carga e passjrgeiros, trata-se com Silva GuimarSes
& C, a praca do lorpo Santo n 6, 2. andar, as
com 0 capitao.______________________^^^
Rio Grande do Sul
Para 0 referido porto pretende seguir com mi-
ta brevidade a barca portugueza Arminda, por
ter a maior parte de seu carregamento tratado,
para 0 resto que the falla, trata-se com os consig-
natarios Joaquim Juse Gmcalves Belirao 4 Hiko,
i rua do Commercio n. S.
cipio, deve reanir se no consis-
t-jrios da igreja matrix desta fregueela-, no dia 1* .
de marco deste aorrerue ann>, pelas 0 horas da ^ra a quaMaeaoao da guarda nacional da referida
manliS, 0 conselho de qualilicaQao dos nijmd^' AegUBzta, na consistorio da respectiva matriz.
aptor para 0 Servico da guarda nacional do ser- *vJjara ^tte chelae ao eonaeciraenti) dt>tQdo,
porto devertte osdavlos'qne
, vierem (do largo -a do norte, avistan4o e pharol pu
mailaei passar editaes, que serao publu-ad-is pela xar para elle, tendo 0 cuidado de nao 0 marcar
imprensa e afflxido*. nos lugares designados por
SANTA CASA DA MISEIUCOKDIA DO
RECIFE.
Venda de predios
A Illma. junta admiustrativa desta Santa Casa,
devidamente autorisada pela presideacia, na sala
de suas sessoes, peas 3 boras da tarde do dia 26
do corrente, venle ou permuta por apalices da
divida publiea os seguiutes predios, pertencentes
ao legado de Joaquim da Silva Lopes, dc que e
administradora : Forte do Ma'tos, metade do so-
brado de 3 andards n. 17, por .1:5004 ; becco do
Abreu, 3' part do sobrado n. 1. por 2:666^666
raa da 'juia, sobrado de dous andares n. '69, por
6.OOO4 ; rua de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:4004, sobrado de um andar n. 30, por 2.0004,
dito meia-agua por 5O0 ; rua dos Gnararapes,
casate'rea n. 65, por 1:004 ; rua d>s Acougui
uhos, cosa terrea n. 26, por 6004; Largo da Cam-
pina, dita n. 3, por 4004 ; rua da Saledade, dita
n. 72, por 7004 ; beoco do Teixeira, aita n. 5,
por S504 ; largo das Cinco Pontas, terreno, por
1:0004000.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Raeife, 14 de fuverciro de 1874.
0 escrivao
____________Pedro Rodrigiits de Souza
Cupitttnia do porto de Pernam-
buco,
* de fevereiro de 1*34.
Para sclencia dos naveeantes pnblica se 0 se-
guidte aviso:
MINISTERIO DA MARIXIIA.
Aviso aos navegantes.
Pela secretaria de estado Ion nagocios da mari-
nhase pabtinap as seguiutes instruccdae, organi-
sadas pelo .oapitao de fragata A fanbr.rim, ahordo
da canhonwea Araguwy, em umprimot do
aviso n!63oaa 30.de julho de 1873.
hisrnHteies psta 'd?ntandar a barra da Victoria,
na provincia do Esplrrto SanJo, avistftudb-se o
pfrarel de Simta Luzia.
O'ptfaTOf d dfcm.trico, da 4;* er lem, luz {bade
*6r natural:-vIsIto a 12 milhas em tempo cl*ro
aallB'se eollnrado.na encosja do raorto 8e Santo
Lpzia ; por 20^!8*-'JV de latitude*, e 2* -W?
39" de longitude E. do-Rlo de Janeiro.
Paraidemandar
mm 1RA1AT1GA
(Inlig) Gv:irnasH)
iMPREZIlHp PEHANTE
Qliinta^feira 26 de fevereiro.
A's 8 1|2 horas da ooite.
mm mtmt!
Grandes roformas I
Grande machinismo 1
Scenario sumptuoso !
Sublime oratoria !
Representuda a capricho I
Estrea da actriz
D. Virginia de Barros.
Primeira reprosentacao do importante drama-
3acro em 4 actos e 7 quadros original brasileiro :
COMPANHIA PERNAMBtCANA
BE
!Va'e^ac3o costeira a vapor.
ARAHYBA,NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACfc-
TY, CEABA, MASDAHU E ACARACC*.
0 vapor Ipojnca,
coinmandante Moura,
seguira para os por-
tos acima no dia 28
do corrente, as 5
horas da tarde.
Recebe carga at6 o dia 26 do corrente, encora
tnendas ate o dia 27, passageiros e dinheiro a fre-
te ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
jscriptorio no Forte do Mattos n. 12.
Para a ftij liraade h Sal
O patacho Be:nilea
sahir brevemente, re:ebe algnma carga a frete
a tratarno escriotorio de Balthar Oliveira & C.
0
Rio de Janeiro.
Pretende seguir com brevidade o brigue nacio-
nal Isabel, por ter dous tercos da carga engaiada.
Para o resto que Hie falla e escravos a frete.
trata-se com o seu consiguatario Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo. rua do Bern Jesus n. 57.
MILAGRES
S. M APPARECIDA
Actores.
D. Virginia.
Sr. Eduardo.
Sr. Augu-to.
Sr. Penanto.
Sr. Flavio.
Sr. Braga.
Sr. Ayrosa.
D. Dorothea
D. Isabel.
Sr. Vicente,
povo, Pescadores,
Personagen3.
Archanjo Raphael
Satan
Fernando Corte Real, sob o
nome de Joao Alves
Francisco Dias
Padre An!-mi >
Luiz Corte-Real
Felippe Pedroso
Maria
Leonor
Lucio, criado
Anjos, soldados, mulhcres,
etc. etc.
A accao passa se em S. Paulo o 1., 3.* e 4. ac-
tos e em S. Pedro do Sul o 2 .
Epocha-1718
Denouiiiiacao dos quadros.
1. acto.
4. A apparicao da Seuhora da Cbnceielo.
2. 0 primeiro milagre.
2. act..
3.* A visao e a seduccao.
4." 0 archanjo fulroina satan.
3. acto.
%? A morte de um justo.
4. acto.
6.* Vox popoli, vox Dei.
1." A apotbeose.
A empreza nao se ponpando a esforco?, acaba
de montar esta importante peca. oratoria, qne tem
sempre sHo calorosamente applaudida em todas
is parte i onde torn siuo representada.
A peca e ornada de
Mutates e vista.
Fogos cambianles.
ApparicSes.
E musica
do maestro Cleto Lima
Scenario novo
de Mr. Chapelin.
Mo intuit) de melhorar as condicdes do theaJ
tro a empre'a acaba de fazer importantes melho-
ramentos, chamando os camarotea a frente e
deixando amplos corredorea para passeio. 0 tnea-
tro achase timbem todo pintado de novo.
Nestes mehoraraen'os e nos preparos do dra-
coa, Mllagres da Scnhora da AppareciHa, a em-
preza acaba de fazer a despeza de
4:000$O0O
confiando na prote^odopb|eo, de quem es-
pera a animacjb devida aos seus esforcos.
Oesde j* recw>em-se encommendas de bilhetOs.
Nao se tendo podido, por falta da tempo,
apromplar o concerto do tbotio e o preparo da
pb?a, a empreza resolveu Mar a prrmeira re-
presentacin para
IVir^o-relra de fevereiro.
COUPWUl A BR 1SIL.EIRA
DE
\AVEGACAOA VAPOR
Portos do sul.
0 vapor
CRHatfAa HO S13L.
Coinmandante Guilhermc War-
dington
E' esperado dos portos do norte ate o dia 23 do
eerrente e seguira para os do sul depois da de-
mora do costume.
Recebe carga a bordo ate o dia da sahida ao
meio dia.
Para encommendas. na agenda ate as 2 horas,
e valores ate as 3 horas.
Para passagens c informacoes, no escriptorio
7-RUA DO VIGARIO-7
AVISO
Previne-se que por deliberaijao da directoria se-
ra cobrada a primagem de 20 por cento sobre o
frete das encoramenlas coin indemnisacao a car-
ga e desgarga das raesraas ; e a de 8_por cento
sobre o fre'.e da carga com indemnisacao da res-
pectiva descarga, que d'ora em diante serao feitas
por conta da companhia.
Pereira Vianna 4C.
Companhia Franceza de Navcga
($i> a vapor
Linha mensal entre o
Havre, Lisboa, Pernambuco, Rio dr
Janeiro, (Santos, soniente na vol
ta > Montevideo, BuenosAyres,
(com baldeacao para oRosarlo)
STEAMIER
0 fipomana
E" esperado do Rio de Janeiro por eslcs dias
i segue com pouca demora para o Para, tendo ja
parte da carga engajada : trata-se cam lasso Ir-
maos & C.
Para.
Pretende seguir para o indicado p<.rto,com pou-
ca demora, a barca portugueza Social, por ter
porgao da sarga engajada; c para o qm Ihc falu.
trata-se com os consignatarios Joaquim Jose Goo-
calves lieltrao & Filho, a rua do Commercio n. 5.
Companhia Allianca Mari-
tima Portuense.
A galera portugueza Sandade, seguira em pou-
cos dias para o Porto, com escala por Uiboa.
Ja tern contratada grrnde parte da carga ; e
para o resto, trata-se com os conign.itari*s e
agentcs da companhia,
lose da Silva Lyo <- Filho,
em seu escriptorio a rua da Companhia Pernam-
bucana._____________________________-
COMPANHIA PEHMMBL'CANA
DE
XavegacSo costeira a vapor.
MACEld, ESCAI.AS, PENEDO E AKACAJC'.
0- vapor Giquid.
coinmandante Martins,
seguira para os por
los acima no dia 29
do corrente, as 5 ho-
ras da tarde.
Recebe carga ate o dia 26 do corrente, encom-
oienilas ate o dia 27, passagens e dinheiro a freta
ite as 2 boras da tarde do dia da sahida : ev
jriptorio no Forte do Mattos a. i*.___________
Para
Segue com brevidade para o referido p ^rto a
escuna Georgiana, tendo ja pane de seu carrega-
mento engajado : para o resto trata-se c .in Tasso
Irmaos &_C, a rua do Amorim n 37.___________
Bio de Janeiro
Para o referido porto pretende s guir com p^u-
ca demira o pataeno bra-ileiro Arabr, por ter a
maior parte de sen carregamenio engajado ; e
para o resto que Ihe falta e escravos a frete, tra-
ta-se com os onsignatarios J >aquim Jise Goncd
ves Beltrao 4 Filho, a rua d) Commercio n. 5.
Ill
DE8
Ultimo leilao
DO
resto das dividas da massa fallida de Amorim,
Fragoso, Santos & C, na important de......
311:0' 8^730, servindo de base a offerta de-----
264000
Comraandante Capelle.
E' esperado da Europa, ate 24 do corrente, se
guindo depois da indispensavel demora para os
portos do sul de sua escala.
Relativamente a fretes, encommendas, passagei-
ros, para os quaes tem exeeUentea acommodaf 3e
por precos reduzidos : trata-se com
08 CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. DfOLIVEIRA 4 C.
42Rua do CommercioEntrada pela ru?
do Torres.
por TO* SO magnetics, aQtp.' de evitar a pedre
PACIFIC
Antonio
KHPBEKA
STEAM NAVIGATION
PANY
Unha qnlnzenal
0 PAQUETE
COM
A's 11 horas iia ttftnhA
0 agente Pinto levara novamente e pela ultima
vez a leilao, servindj de base a offerta de 26fH)0.
oblida no leilao do dia 17 do corrente, o resto da-
dividas da massa fallida de Amorim, Fragoso.
Santos & C, na imporUncia de 34 :008J730. des
criptas nos jotnaes a>. 36 37 e 38 de 14, 16 e 17
do corrente mez, sendo qne o leilao sera efTeetua-
do as II boras do dia acima dito, no escriptor
do referido agente, rua do Rom Jesus n. 43.
Agente Dias
Leilao
A itoitm s
I^aspera-se dos portos do sul atfi o dia 27 do co r-
Rsnte, e dqpois da demora do costume, seguira
ara Liverpool, via S. Vicente, Lisboa e Bordeos,
ita onde recenera. passageiros, encommandas e
rga a frete.
OS AfiENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERCIOU
jarro* e qaa
Vidro, fifara*
DE
maenificos movels, bcllos quadros,
dros chinezes, com pintura sobre
de bronze, lou^a e vidros.
Hoje
as 11 horas
No Manguinho. rua dAmizadc, casa de residencu
do Sr. Vaz de CarvaHw Junior, junto a esta^ao.
Um trem esp-ri;! partira da estican do arco aV
Santo Antonio a< <0 l|2 horas da manha e eondu
zira gratis os enneurrentps
Os agentes TM..S e Pmho Borges, tampeum..
mente autorisados pelo Sr Vaz, one pretende r
tirar-ao para a Europa, levarSo a leUIrno da
bora acima desinnados. ns roovais a *ais arttgo
aescriploa, os >ptaes sao do optinn goto aflhaaj
Ise em tan Dorfnitti estado qua polem sa oaasiJn
rar completamente novos.
Garante-se o traspasso ds casa, quo se a:ha em
-r



1
/


i mi
J>

A
* de aseeie, aesim oBMaeese
opponaoida** qa*l*uer prtieaieate f*
' >,_ enconlTMdo >
mvtis.
I mmilri me Uta de Jaearaoda com fri*o de
roea, ceaapoatt 4
3 1 ft* '
4 eadeiras de braco. ""
II ditas de gnaralcte.
1 eon-solos com esaelbos-e tampos de pedra war-
more.
1 etager* de jaearaeda com lampo de marenore
eacarnado.
t ricos jam* caioeaes, grandee, para 03 mesmos.
I parde bwuitaa fi,ura deibFonze.
I porta-cartSes.
1 peaahas dooradas pare paiede.
t rices jarras ehinezas.
2 hallos quadros aqaarella com moldura dourada.
2 dilos dilos a fumo.
5 aravuras.
3 booitas sanefas pare corUnados.
3 pares de cortinadoa.
3 pares de esearradeires de Vidro.
3 tapetes peqnenos.
1 esteira pare form de sala.
Gabinete I
1 elegante secretana de mosaico de madeira com
lampo de pedra.
-4 eadeiras de fantasia, peqnenas.
1 consolo dourado para parede, Co lampo de
pedra.
i relogio de bronze *Ito> do melbor g..- r*.
3 ricos qaadroe chinezes (piotura era xm->.
1 par de castleaes.
I paysagem, obra em pedra chineza.
1 upele pequeno e 1 esteira.
Gabinete !
2 magnifieos guards-roupa* de jacaranda om es-
1 favatorio de jaearanda com marmore.
4 eadeiras dito.
f qnadro com moldura dourada.
1 cabide para chapeos.
I tapete e I esteira.
Gabinete 3.*
1 bonilo aparador de nogueira clara, com pedra.
4 eadeiras pequenas dito, de abrir e feehar.
1 eaixa de magno.
I tapete e 1 esteira.
Sala de jantar.
1 mobilia complete mente nova e de optimo gosto,
toda de nogeira, censtando de
1 mesa para jantar, elastira e de 1 s6 pe.
1 rico e grand-: aparador.
81 eadeiras de guarnicao.
1 quartinheira.
i quadros com moldura dourada.
2 jarros de poreellana, 2 dito? e 2 para plantar
flores.
Quantidade de louca e erystaes para almojo e
jantar.
Em cima.
toillot de jacaranda.
elegantes eadeiras de mogno a Luiz XVI
mesa elastica de urn so pe, de nogueira, com
frises pretos
lavatorio e guainieao.
aparadorcs pequenos de mogno. com tampos de
pedra.
mesa com pes tornead --.
magnifieas camas de ferro com coL-hdes de mol-
la, obra completamente nova.
1; tapetes e dilTereotes outros artigos.
0 trem partira da estacao do arco Je Santo
Antonio, as 10 1/2 boras em ponto.
1
I
1
1
2
I
2
kllee de oarne e aaais .
tot a masaa Mida de Mfe
tes* tro ffatRs IS
dro ASmso.
A's iOferaeMpdia.
Leiiia
DE
sabJo, vinbo e latas com salame
Quasta-feira 2$ do corrsote
As f| horns.
No armazem do.Sr. Amies, defronte da alfaadega.-
O.agente Dias levara.a toilao, por eonta riscd
de quern perteneer, cerca de 400 caixa* enta sa-
fcao 10 barris com vinho -e J8<> latas emu salame-
AO GORRER m MAKTKI.LO._______.
"LEILAO ;
aocorrerdo martello
de '
-novels, lomjas, vidro?, prata, ou
ro, niiu QUABTA-FEIRA S$ DO CORRENTE
No armazew da rasa do Vigario n 11
as It horn* em ponto
0 prepoeto do agente Pestana fare leilao por
eonta e riseo de quern perteneer, dos objeetos
seguintes:
1'ma riea mobilia de jacaranda a Luiz XV, com
lampo de pedra, 1 dita de amarello, entilhada, 1
dita de joneo, diversas camas de mogno e ama-
rello, i rico apparelbo para jantar, ricos loucado-
les de jacaranda, ricos guarda-loacas e gnaida-
vdttidos, commodas e meias dita*, perfumarias,
abotoaduras de eamisas, cassoletas de ouro eonix,
brincos e botoes de paniio, de ouro e onix, diver-
sas quarUnheires e eabides, eon^olos de amarello,
mesas redondas de dito, aparadores, 2 mesas elas-
ticas, sendo uma de 6 taboas e outre de 3 ditas,
cadeins avulsas de amarello, 1 par de eadeiras
de jacaranda, 1 toil site de jacaranda diversas ea-
deiras de vime, I bom canario, diver-op balcdes de
amarello proprios para loja, marquezSes, diversos
objeetos que se torna enfadonho menciona-los
QUARTA-FEIRA 25 DO CORREME
a I I h ra^da manha
No armazem darua do Vigario Tbenorio n. 11.
AO CORRER DO MAHTEI.LO
TJni piaae mj*i do Mtfieaate Meyer.faobiHl
b munHo eaatoado IS eadeiraa de ftureieie, e
at>i, 1-eeaMM, 1 men redoada. 1 Mceira* da
brae*, ditaa de balanc/), 1 diU defaia; tmtitv de
jaearanda, eontendo ft eadeires de ^aarnieio,
isofa, consolo*, jardineira, eadeiras d* braco, fdl-
t* de balanco, fguarda-vesiides de-maKo -gosto,
igsarda-roDpa, e>preguicadeiras, marqotzao, toi-
leHet de-jacaranda, cama para cas*1,-^arda lou-
^a, aparadores, eadeiras de tmareHo < para sala de
jaatar, lavatorios d-- ferro, inesinhas, -mesa elasti-
ca, louca para janUr, dita para ataioea, lantornaa,
boKarradeiras, jarros para (tores, Was do vidro,
espelhos com moldura* douradas, sgaadros com
diversas paisagens, lapotes, -eapaeaos e ootros
-moi tor artigos e trem de cog in ha.
0 agente Hinho- Borges, bastafite^otorisado, le-
vara a leilao os moveis e inais artipos existe'ntes
no referido st-hrado, p .r unlmn 'I ue se retirou para fora desta provneia.
AVISOfrjVERSOS
Manoel Luiz dos Santos, membro da Brma
commercial de Santos & Soorinho, declare que
retira-se para fora da provineia a tratar de nego-
cios tendente* ao sen commereio, e deixa corooeus
procuradores os Srs. Manoel lose de Miranda e
Joao da Silra Ferreire.
FIILAO
DO
Grande sitio com boa casa de moradia, a qual
tern 73 palmos de frente e 37 de fundo, chaos
proprios com cerca de 500 palmos de frente
e 1,000 de fundo, com bons arvoredos frncti-
feros, baixa de capim, cacimbas com borabas e
tanques para banho, e muitas outres accommo-
dacoes ; sendo que dita casa torna-se recom-
mendada por ser mui frcsca, perto das estacoes
da Jaqocira e Taraarineira.
Hoje
A's llhoras em ponto
Por intervengao do agente Pinto em seu escrip-
lorio, rna do Bom Jesus n. 43.
Os pretendentes poderaodesde ]a examinar dita
casa, ou no dia 20 do corrente, por occasiao do
loilao dos moveis, louca e crislaes, on no dia 21,
p:r occasiao da entrega dos mesmos moveis.
Ultimo leilao
DO
grande sobrado de 3 andares e sotio em chaos
proprios reediticado ha pouco raais de um anno,
pelo que esia de todo novo, a raa de Marcilio
Dias. outr'ora rua Direita n. 1?0
|HOJE
A's 11 horas
O agente Pinto levara novamente e pela ultima
vez a leilao, servindo de base a maior offerta ob-
tida> 0 predio acima meneionado, 0 qual torna-se J
reeommendado pelo perfeilo estado em que se
acha, attendendo .10 rendimento que da
O leilao sera effectaado as 11 horas do dia aci-
ma dito, no escriptorio do referido agente, rua do
Bom Jesus n. 43.
Em tempo
previne-se aos Srs. pretendentes do referido pre-
dio que este sera 0 ultimo leilao.
DE
locomotoras e carros do syste-
ma Thoins n. ou carros de
borracha
!Vodial& deabril.
Em virtude de nao se poder dispOr de boas es-
tradas de rodagem nesta provineia, os possuidnres
do material acima meneionado estao resolvidos a
vende-lo todo em leilao ou separadamente, confor-
mese convencionar.
0 emprego detlas machinas em gran Je numero
de paizes da Etiropa, Asia, America do iNorte.
onde ellas lem sahstitnido os antigos systemas de
transportar cargas pesadas, dispensam os seus
possuidores de encarecerem a sua grande utilida-
de, como meio de transoorte economico e comroo-
do para os cogenhos, e toda sorte de proprie lade
agri ola ou industrial, que disponha de planieies,
cuja situa .ao dos respective depositos ou arma-
zens fi-juem distantes do lugar de produc;a 1 ou de
fabrico.
Estas machinas podem iraballiar como machi-
nas Gxas, para 0 que tern competentes volantes, c
servir para serrarias, enfardamento de algodao e
fazer mover toda a sorte de apparelhos, etc., etc.
0 materia 1 consta do seguinte :
2 Ittcomotoras de forca nominal de 8 cavallos
cada uma, com caldeiras vtrticaes e fornalhas
quadradas e oval, podendo queimar carvao ou le
nha, com fumigadores e cinzoiros, dispostos de
sorte one so previne qualquer accidente de incen-
dio. Estas machinas possuem todas as pecas in-
dispensaveis de sobresalcnles, e sao eompletas a
todas os respeitos, estao novas e em perfeito esta-
do de conser-acao, visto como, apenas trabaloa-
ram 0 tempo necessario para sederaonstrar pre
ticamente as suas vantagens.
6 carros solidamente constrnidos, suspensos em
excellentes molas, sendo dons com portas late-
raes, dous com ditas na parte p-isterior e dous ra-
sos, proprios psra transporte de caldeiras, moen
das. etc.
0 leilao sera effectuado pelo agente Pinto, a rua
d'Aurora n. 91, cstacao das ditas machiaas, e pe
las 11 horas boras do dia 15 de abril.
Da-se todos os esclarecimentos a rua do Bom
Jesus n. 8. primeiro andar.
AttenQao.
l'recisa-se ccm urger.cia de urns ama de
kite, que seja sadia, e que denha bom e
abundante leite, para tomar eonta de uma
crianca de dias, dando-se preferencia & mu-
Iber do matto : quem, pois, estiver nestas
circumstancias apparern no 3.* andar desta
tjpographia para tratar.
A stnhora que annunciou pare (rabalhar em
cosiuras, tant0 a mao como em maehlna dirija-se, a
Capunga, rua da Venture n. 25, que achara com
quani tratar.
CASA DA F0RTD1.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
i' rua Primeiro de Margo (outr'ora rua d>
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos sens fe-
Hzes bilhetes, um meio n. 3352 com 7001000,
urn meio n. 678 com 2004, nm meio n. 3579 eom
100/, e outras sortes de WA e 20d da loteria que
se acabou de extrahir (88'), eonvida aos possui-
dores a vir?m receberna conformidade do costu-
me sem desconto algum.
Acbam-se venda os feiizes bilhetes garanlidot
la 9* parte das loterias a beneficio do reco-
Inimento da villa de Igaarassu (89*), que se ex-
trahira no sabbado 28 do corrente.
PREGOS
Bilhete inieiro l*OOu
Heiobilhete 2JO00
EM PORgXODR 1009000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 11750
Mcnioel Marlins Fiuta.
Em casa de Braga Son 9 G. a rua do Com
mercio n. 44, tem para vender :
Cognac em eaixas.
Cerveja em garrafas.
Tinta preparada ou oleo em lata.*
Saccos vasios.
Cutelerias.
0 abaixo assignado faz sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade ao corpo do com-
mereio, que tem justo e contratado com 0 Fr.
Joaquim Jose Gomes a eompra do seu deposito e
taverna sito a rua estreita do Rosario n. 19, livre
e desembaracada de qualquer onus que po3sa
apparecer ; 0 se alguem se julgar com direito a
inesma, pode aprosentar suas contas at6 0 dia 28
do corrente mez, na rua larga do Hosario a. 5>.
Recife, 21 de fevereiro de 1874.
Domingos Jorge de Oliveira.
No collegia
iado.
da Conceive precisa-se de um
leilao
Leilao
DE
taairo volumes com drogas perlencenies a maaaa
fallida deJose Francisco Bittencourt
A's 10 1{2 horas em ponto.
0 agenti Pinto, autorisado por mandad > do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commereio, levara a leilao
4 volumes marea J F B, ns. 1, 2, 7 e 11, com dif-
ferentes drogas, constames do inventario existen-
te em seu escriptorio, na rua do Bom Jesus n. 43,
onde poderao ser examina'las ditas drogas, cohs-
tando de :
Mercorio doce, tlor de sabugueiro, lupulo, ras-
pas de veado, gomma galbana, peoeiras de seda e
cabello e muitos outros artigos.
Leilao
ulu-
DE
8 barris com toucinho novo, desembarcados
mamenle
<4aarta-fei-a 25 do oorrents
Am lO horas em ponto
No armazem do Sr. Annes, defrontc da al-
fandega.
v-0 preposto do agente Pestana, fare leilao de 8
barris com toucinbo novo, desembarcados ultima-
mente
QUARTA-FEIRA 25 DO CORRENTE.
No armazem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
AS' 10 HORAS EM PONTO.
Leilao
De
38 garrafoes, cada um com 28 libras de ervilhas
hamburguezas.
Ouiola-feira 26 do corrente
As' 11 horas em ponto.
0 preposto do agente lestana, fara leilao por
eonta e risco de quem perten"er, de 38 garrafoes,
cada um com 28 libras com ervilhas hambur-
guezas.
QUINTA-FEIPA td DO CORRENTE
no armazem do Sr. Annes, em frente da alfan-
dega.
_________fl 11 horas em ponto.
verde graudo, 5 latas de
eaixas com charutos da
de 5 eaixas com eha
dito e 152 meias
fiabia.
Ouarla-feira J do correnle
A's 10 1 {2 horas em ponto
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
eonta e risco de quem perteneer, de 5 eaixas
com cba verde graudo, 5 latas de dito e 152 meias
aixas com charutos da Bahia (novos).
Quart ii-fcirn *5 do corrente
A'S 10 1|2 HORAS DA MANHA.
no armazem do Sr. Annes.
LEILAO
DA
taverna do pateo do Terco n. 21
Muarta-feira 25 de fevereiro
0 agente Martins fara leilao da armacao, gene-
ros e mais pertencas da taverna acima, em um ou
,-nais lotes a vontade dos compradores, sendo a Io-
caliaade o melhor que e possivel.
Principia as 11 boras do dia.
3
DE
"2 kilos de came, uma balanca eom pesos, uma
banca eom um mocho e etneoenta pejas de cor-
da de embira.
Ma-ssa fallida de
Julio Pires Ferreira
QUARTA-FEIRA 25 DO CORRENTE
As 10 horas da manha
0 agente Marlins fara leilao, por mandado do
Dim. Sr. Dr. joiz especial do commereio, de 7!
DE
moveis, lou^s, vidros, 1 piano de jacaranda, 1
dito de mesa, de mogno, 1 mobiiia de jacaran-
da com tampos de pedra, 1 dita de amarello,
nas mesmas condicoes, I par de esp-lhos de
moldura dourada, carteiras, seerelaria, estante
para livros, eadeiras avulsas, ditas de balanco,
quadros, candieiros a gaz, jarros, camas fran
cezas, ditas de ferro, bercos, mesas elasticas,
mesas redondas, gnarda-roupa de mogno, mar-
quezdes, marquezas, sofas, santuarios e 1 tear.
Na mesma occasiao sirao vendidos 1 par ido de
150 chapeos de palha do Chile (flnos), 1 dito de
feltro flnos e entre-finos, 100 chapeos de palba de
arroz para meninos, e Amazonas, para senboras,
os quaes serao vendidos sem reserva de preeos,
para fechar conlas.
i^uinta-feira 26 do corren'e
" 0 agente Dias, eompetentemente autorisado,
vendera em leilao, nestes dias, os obje^to" acima
relacionados
is 11 horas em ponto.
No primeiro andar do sobrado da rna do Marquez
de Olinda n. 64.
Tem se para alugar uma escrava boa en-
gommadeira, cozioheira e costureira : na rua de
Hortas n. 86, sobrado.______________________
Sociedade Propagadora da
Instruccao Publica.
Com prazo de trinta dias, a contar da data deste,
se acha afeerta a inscripcao para o concurso, que
perante o conselho parochial de S. Jose, se tem de
proceder para provimeuto do uma cadeira de ins-
irueijao primaria para o sexo feminino.
0 concurso versara sobre as seguintes ma-
terias :
Grammatica.
Arithmetica, exceptuando-se progressSes e lo-
garilhmos.
Deutrina.
Historia sagrada.
Nocoes de geographia, especialmenle do Brasii.
Historia do Brasii.
As conenrrentes devem dirigir a rua do Bartho-
lomeu n. 10 suas peticoes, podendo faze las acorn
pauhar do titulos da instruccao publica, ou de
auaesquer documentos que provera suas habilita
coes, aOm de serem pelo conselbo tornados na de
vida considera;ao.
Seerelaria do conselho parochial da Propagado-
ra da InstrucQao Publica em S. Jose, 22 de feve-
reiro de 187 i.
J. Banueira de Mello
Conselheiro, servindo de secretario.
1UK1-SI
a loja da etqutaa-da raa
tratar mo eale -Imperatriz.
da lmporatrii a. t : a
- A seakpra -qne annunciou
IIV
rir este-jornal
maoeomo na
para trabid at em cosiuras, tanto
machirra, em casa de familia, dirija se a rua do
Conde da Boa-^SsU n. 118, defronte da estacio do
OmiBhe-Nove, ea^a de azulejo. fgtt
\ttencao
i
Pergnota-se ao Sr. Salvador de Siqneira Caval-
caate c-m que titulo vendcu a um fenhor da
Upunga o.preto Joao, de nacao Reboilo, o qual,
^guwto se4iz,aci.ava-se liberto pelo sen legitirao
sen or r Se o dito preto e de Ang-la e liberto,
i>aao mxtrieula-io crioulo era o numero de outros
-en-* rscr.v; f 0 casu e serio, e devo desafur a
justica para averigua-lo, como consta que ia esta
fazendo a reqnerimento de Joao Reboilo.________
Estrada de ferro do Recife a
Oiinda e Beberibe.
Pela secEotaria da companhia dos triltios urba-
nos do Recife a Olinda e Beberibe, sao convida-
dog os senbores accionistas, constantes4a relacao
abaixo, para, eom a maxima possivel brevidade,
eompareeerem no escnptorio da mesma compa-
nhia, ahra de se flies dutribair snas respectivas
aeoSes; e nesta occasiao se previne aos mesmos
senhores que possuirem accfies do arrtigo padrao,
queiram recolbe-la$ para serem restituiaas por
onlras do actual.
Maneel Mart-ns Finn.
Manoel Fibeiro Basins.
Manoel Jose Dantas.
Bario de Taearaaa.
ke Marcellno da Rosa.
Joao de Si Cavalcante de Albuquerque.
Manoel Joaquim Baptist*.
Dr. Ulaudino de Arenjo Guiraaraes.
Joaquim Antonio Pereire.
Francisco Antonio de Assis Goes.
D. Joanna Augusta de Castro Pagels.
Francisco Goncalves Netto.
Jose Fortunato dos Santos Porto.
Dr. Francisco do Rego Baptista.
Luis Goncalves da Silra.
Jose Maria Palmeira.
Francisco Joao d e Barros.
Dr. Luiz Lopes Castello Branco.
Joaquim Francisco Lavra.
Jose Coelho da Silva Araujo.
Joaquim Jo-e Goncalves Beltrao.
Antonio Augusto dos Santos Porto.
Manoel Jose de Souza.
Jose Joaquim da Costa Leite.
Mani el Jose Tindco de Souza.
Jose Alves da Silva Guimaraes.
Joaquim Jose da Costa e Silva.
Jeronymo Gomes da Fonseca.
Joaquim Candido da Cruz Siqueira.
Dr. Kabricio Gomes de Andrade Lima.
Herdeiros de Rodrigo Pinto Moreira.
Dr. Manoel do Nascimento Machado PorteJla.
Joaquim Alves da Silva.
Antonio Jose da Costa e Silva.
Antonio Joaquim Vaz de Miranda.
Jose Antonio de Almeida Cunha.
D. Anna Emigdia da Silveira.
D. Franeelina Egydia Silveira.
D. Anna Joaqnina Correia.
Joao Pereira Moutinho.
Arthur de Sa e Albuquerque.
Joao Baptista de Castro Silva Junior
Duarte Antonio de Miranda.
Dr. Feliciano Francisco Martins.
Antonio Alves de Moraes.
I). Guilhermina de Abreu Porto.
Pedro de Alcantara Guimaraes Peixoto.
Escriptorio da companhia, 21 de fevereiro de
1874.
Joio Joaquim Alves
Secretario.
Barbeiro
Precisa-se de um bom official de barbeiro, da se
meiarao no traballio e Juntamente a mesa : no
salao da ma Doqae de Caxias n. 3S, i andar.
Aviso.
Antonio Theodore Alvos da Silva, com efflcina
de alfaiate na rna da Cruz n. 47, mudou-se para
a rua do Torres n. 6, entrada pelo beeco, portan-
W pede a todos seus freguezes o coadjuvem
como dantes.____________________________
Escravo fugido.
Do engenbo California, em Serinhaem, fugio a
escrava Catharina, no dia 24 de dezerhbro proxi-
mo passado, a qual representa ter pouco mais de
45 annos de idade, estalura regular,soffre de hery-
sipela, pelo que tem uma perna mais grossa que
a outra, tem falta de dentes na frente, e tambem
falia-lhe o dedo pollegar da mao direita, que o
perdeu nas carretas do engenbo : qnem a captu
rar podera traze-la ao dito engenho que sera pago
de seu trabalho.
Uma senhora de bohs costumes se propoe a
ensinar primeiras letras em algum engenho de
pessoa de consideracao : a rua da Cadeia Nova
n. 9.__________________________________
A senhora de bons costumes que annunciou
querer recolber se a casa deuma familia para tra-
tar e vestir criancas, pode apparecer (querendo)
na casa n. 58 da rua de Visconde de Goyanna, ou-
tr'ora rua do Mondego.
Associa^ao Portugueza Benefioente dos Em-
pregados no Commereio e Industria em
Pernambuco.
Pelo presente sao eonvidados todos os socios
desta associacao para que se dignem assutir a
missa que no dia 26 do corrente mez, pelas 7 horas
da manha, tem de se mandar re.-ar na igreja de
S. Francisco, por alma do consocio Antonio Pinto
da Silva Motta, fallccido na cidade de Mossoro.,
Recife, 23 de fevereiro de 18*4.
Alipie Augusto Ferreira.
_________________I* secretario.__________
Alugam-se as casas ns. 77 e 79 da rua deS.
Joao, e o 3 andar com sotao do sobrado n. 3 da
rua da Penha : a tratar na rua Duque de Caxias
n.44. ______________*__________
Alugam-se o 2* e 3 andares do sobrado n.
47 da rua da lmperatriz : na rua do Hospicio nu-
mero 33.
Quem preeisar de uma ama para eDgommar
dirija-se a rua da Gnia n. 30.
LEILAO
DE
rucveis, ionqas fiata, cry es e
vidros
QUINTA-FEIRA 26 DO CORRENTE
as 11 horas da manha
no sobrade a rna do Bario da Victoria n. 21 trea
ceiro andar, por cima da loja do Sr. F. Gr,m-
no, relojoeiro. outr'ora rua Nova
A SABER:
Aos senhores de engenho e
outros proprietaries
que pretenderem contratar ediflcacoesde predio,
asas de campo, on chalets, demarcates de ter-
as, nivellamentos, assentamento de machinas a
vapor, plantas ou outros qnaesquer trabalhos nes-
te genero, queiram dirigir-se pessoalraente ou por
escripto a A. Coutinho, a rua do Crespo n. 18, l.
andar, escriptorio.
Aluga-se o 2.* e 3.* andare do sobrado n. 47
da rna da lmperatriz na rua do Hospicio n. 33.
SAQUES
Carvalhodr. Nogueira, na rua do Apollo
e. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agencies em todas as ci-
dades e villas de Portugal, a vista e a prazo
por todos OS paquetes.
Moleque
Precisa-se de um moleque de 12 a 14 annos,
para andar eom uma taboleta : na rna das Laran-
geiras n. 7 A.
Ao
commereio.
Os abaixo assignados fazem sciente ao publico
e especialmenle ao respeitavel corpo do eommer
cio, que desde 31 de Janeiro proximo passado,
eompra ram ao Sr. Manoel dos Santos FalcSo a
taverna sita ao pateo do Paraizo n. 30, livre e
desembaracada deqnalmer onus ; quem se jul-
tar credor apresente suas contas no prazo de tree
ias a contar desta.
Antonio Joaquim de Sa
_________________Manoel Pinto Alexandre.
Na rua de Santa Thereza n. 60 se dira quem
vende 60 palmos de terrepo, em Bel em.
Aluga-se um bom moleque para ser criade
de hotel, ou outro servico. por preco commodo :
na rua de Santa Cecilia n. 10. _______^^
Fnrtaram um cavallo de cdT rudado, m o
greirao, clinas para a direita, pescoco pedrez a-
com dous ferros em seguida um do outro, e no
quarto esquerdo tem I, signal que trouxe de t'a-
jeii, eujo cavallo foi furtado no dia 16 do corren-
te mez, em um rancho da eatrada nova do Caxan-
ga : a pessoa que do mesmo der noticia a Ber-
nardo Jose da Rocba, morador em Pajeu, ou na
rua Primeiro de Marco n. 18, loja, sera generosa-
mente gratificada.
Recife, 17 de fevereiro de 1874.
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro bobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Pede-se ao Illm. Sr. capitao Manoel de "Car-
valho Paes de Andrade Gonvim, o favor de vlr a
rna do Aurora n. 31, para tratar a respeito do
sitio que alngou em Beberibe, visto qne nao se
tem dignado responder as cartas qne Ibe foram
diriSSas.
Atte*ncao.
GALLO BRA\CO
RUA DO RANGEL N. 25
Armazens de seccos e molhados
TEM PARA DISTINCTIVO DO ESTA BEL F.CIMENTO UM CAI.LO BRANCO. PINTADO,
PARA AL iUMA PESSOA QUE IGNORE A LEITLRA.
RodriguesA Pires, regressados em Permmbuco, cidade do Recife, successores do
armazem do Gallo, & rue do Algibeves, em Lisboa, o mais afam -do e conhecido armazem
naquella cidade, caprieham sempre em ler generosde primeira qualidade, dos quaes dio
aos sens mimerosos fregaczes tim conbecimento mais prolongado na relacao abaixo des-
cripta :
0 que & bom e caro
Palavra benvlita quennnca falton.
Cha porola lino, a 59000 a libra.
Dito ruiudmho super-fino, a 49000 a li-
bra.
Dito popular, fino, a 35000 a libra.
Manteiga ingleza flor, em barril a 19600.
Dita dita Una, em latas, a 19500.
Dita, dita, dita e dita, a 15100.
Azeite de peixe, baleia, a 6*0
rafa.
Dito de coco, lino, |a 800 re. a garrafa.
Dito doce e carrapato.
Aguarderite do caldo da canna, fcita de
encommenda, a 500 rs. a garrafa.
Dita popular, a 320 e 210 rs. a garrafa.
Dita branca, a 200 rs. a garrafa.
Camaroes seccus, a 500 rs. a libra.
Queijos fresios empellicados, pre$o cem-
modo.
Cascaade cOco para tavar -asa, a 160 -
120 rs.
Farinba fina de Muribeca.
Vassouras de piassava para servico intcr-
rs. a gar-; no, a 240 rs.
Ditas grandes a 500 rs
Massas para sOpa de todas as qualida-
des
Vinho tinto e branco, superiores, engar-
rafanos e em pipas. E outros artigos que serf
enfadonho annuraerar, em secco e mo-
lhados, por ser pxtenso.
ESCRIPTORIO
COMMERCIAL.
ii)9, Kua da Praia, i
1ASBOV
Luiz Felippe Leile k lrntHo
ILUGi-E
o 1* andar do segundo sobrado passando a igrc;a
dos Martyrios, hoje rua do Coronel Suasauaa n.
Ii6, mui to fresco e eom bast antes commod-- ;
uma casa terrea no largo do Pilar, hoje largo di-
Chareo, com solao, tambem muito fresca e com
bastantes commodos. com sabiJa para a rna do
Brum uma loja para moradia, ca rua de Lombas
Valentinas, outr'ora Aguas-Verdes n. 48, por pre-
r commodo : quem reiender pode procurar ro
andar junto aos Martyrios, das i boras as 6 ca
^^^.s^rtsss^s^ zZ?%J*
provincias do reine, ilhas
rinas, bem como do Brasii e outros paizes estran-
geiros.
Becebem a consignacao generos nacionaes, co-
loniaes, hespanhoes, francezes, inglezes,. allemaes
e do Brasii, ou mesmo de outros paizes, para se-
rem vendidos no reino ou fora delle
Executam ordens para eompra e venda de fun-
dos publicos, nacionaes e estrangeiros.
da cobranca dos respectivos dividend-M.
I'romoveiii no mesmo escriptorio, inventarios,
liquidaQoes, causas civeis e commerciaes, appel-
lacSes e recurso de revista.
Tem os melbores advogados na capital.
Para os negocios de natureza especial, como
causas forenses, adininistracao de bens, etc., que-
rendo-se, pode proceder accordo previo conforme
a natureza do negocio.
Solicitam-se dispensas matrimoniaes e qnaes-
quer outros breves apostolicos eoncedidos em Boi
ma ou pela Nuneiatura em Lisboa, annullaeao
de ordens, e quaesquer outras dependencias aos
tribunaes da Santa Se.
Tratam da arrecadacio dc herancas e adminis-
tracao de bens no continents do reino.
Obtem documentos de qualquer diocese, distric-
lo administrative, conselho, ou freguezia do reino,
ilhas e provincias uliramarinas. i
Fatem adiantamentos sobre consignac5es de
quaesquer generos que tenham prompta sahida
nos raercados inglezes ou allemaes. Tambem corn-
pram aquelles que se offerccerem em condicoes'
vantajosas.
Fazem transagees por consignacao ou eompra, I
wbre miuerios, taes como de cobre, chumbo,! ^
phosphalos, ou outros quaesquer, se convierem as! -i$
condif5es de qualidade e prejos.
Dao-se boas refereneias em Lisboa e no Porto.
N. 271.
Vende-se ou troca-se uma grande casa de la-
boa, na rua Imperial, com quintal eereado, cjm
grande aterro, pc>rUo de um Iado e no quintal
que bota para a linha ferrea, com madeira* n-
vas, preferindo-se a lr>>ca por uma nesta cidade.
Tratam PTeV & muito eo-nmodo : quem pretender di-
rija-se a mesma casa, que achara com quem tra-
tar;_____________________________
Barbeiro
Ne salao de cabelleireiro de Odilon Dnarte *
Irmio, rna da lmperatriz n. 82, precisa-se de um
bom official de barbeiro, paga-se bem.
# Advogado.
9. Diodoro Ulpiano Coelho Catanho, a ffk
0 rna do i nqne de Caxias, outr'ora raa ML
5" &** Cruzes n. 9, !. andar.
*** **********
Precisa-se de um caixeiro de 11 a 16 annos
de idade, que tenha pralica de taverna e qne (M
eonhecimento de sua conducta : a tratar na rna
da I'niao n. 54.
aviso. sr
Rogase as pesseas que devem aos abai-
xo assignados, de fornecimentos de carnes
t^ verdes, do anno passado, o favor de vi-
Esta ca-a tem correspondencias senas em tedos -m rem ou niandarem pagar aa seus debitos
os pontos do reino, em Paris, Inglaterra e Ham-,
burgo, na Africa portugueza, em Mario (China i
reino de Siao, iihas dos Acores e Cabo-Verde,
e aceita as propostas qne do imperio do Brasii
the (orem feitas por correspondencia effectva o
eventual.
Na modicidade de suas commissdes, na exacli-
dao de suas contas e no credito longamente esta-
belecido faz consistlr toda a garantia de bom ace- !
mimento.
Tem correspondentes em Sevilha e outras pra-;
fas de Hespanha.
N. B.As commissdes sao reguladas pela praxe j
stas praca '
, CM
g Consullirrio iiiedico-cirurgicfl SI
, na rua do Rangel u. 3o, uu na rua Im-
t^1 perial n 159, no prazo de 15 dias, a con- *J^
.2 tar desta data, do contrario serai cobra- *"
< dos os debitos judicialmente. *-
m Recife, 20 de fevereiro de 1874.
2g Felippe '-ommares 4 C _.
Stfgfirfi*m4*H$iffttl9flf
0 INEXTIHGUIVEL
%
DE
% A. B. da Silva Maia.
W\ Rua do Viseonde de Albuquerque n.
j(l 11, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
n. 11.
Chamados : a qnaiqner bora.
Consultas: Aos pobres gratis, das 2 a
4 horas da tarde.
CASA DA F0R11A
Rua 1. de Margo n. 23
Aos 20:000$000.
0 abaixo assignado tem sempre exposto a ven-
da bilhetes da loteria do Rio, cuja extraccao an-
nunciara pelos jornaes.
Preco?.
Inteiro 24*000
Meio 12*000
Quarto 6*000
Manoel Martins Fiuza.
celebre
Florida
Precisa-se
pouca familia : na rua dc Imperado'r n. 3-3.
atugar uma ama para casa de
Ensino particular da lingua por-
(ugneza
Salvador Henrique de Albuquerque, ensina as
senboras que se quizerem preparar para os con-
cursos as eadeiras de instruccao primaria ; pres-
ta-se a enjinar por casas e collegios particulars
nesta cidade e seus suburbio, nao s6 esta disci-
plina como todas as materias do ensino elementar,
alumnos de um e outro sexo.
Tambem todas as tarles, em sua casa, leeeiona
aos estudanles de preparatories qne precisarem
babilitar-se para o exame de portuguez.
Ensina tambem geouetria e arithmetica com
todo o desenvolvimento e applicacao.
Largo do Paraizo n. 8, 2* andar. _______
Precisa-se alugar um escravo para o servico
em casa da famifc: na rua Primeiro de Marco
0- 7 A, loja.
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rua das Pernambucanas,
com coxeira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenorio n. 31.____________
Venda ou arrendamento
Na freguezia de Serinhaem e distante duas le-
goas da estacao de Gamelleira, do engenho Bura-
rema, com terreno de macap/-, a maior parte de
varzea, de optima produc^ao, e para 3,000 paei
de assucar annualmente : quem pretender, diri -
ja-se ao capitao lose de Castro Paes Barreto, no
engenho Matte Grosso, ou a Leal & Irmio nesta
pra^a.
Nos abaixo assignados declaramos ao res-
peitavel corpo do commereio que compramos ao J possuem
Sr. Jose Fernandes Paquete a taverna sita ao pa-
teo da Ribeira n. 12, livre e oejembaracada de
qualquer debit-:, que possa apparecer : quem se
julgar com direito, apresente suas contas no prazc
de tres dias, a contar desta data. Recife, 17 de
fevereiro de 1S74.
j_______________Santos 4 Ferreira.
Uma senhera de bons costumes se offerece
para trabalhar em eosturas, tanto a mao como em
machina, procurando por este meio qualquer casa
de familia ; tambem se encarrega de tratar e ves-
tir criancas : quem preeisar annuncie por este
jornal para ser procurado, pois com a visla sera
mais minacioja em informacSes a seu respeito.
Atten^ao
A commissao encarregada da liquidacao do pre-
dio silo a rua do Vitconde de Itaparica (outr'ora
do Apollo) n. 26, tendo de. proreder ao dividendo
do producto da renda apurada, previne aos con-
senhores do mesmo predio qoe se sirvam apreten-
tar seus titulos de quinh'ies, no prazo de 20 dias,
no escriptorio de E. A. Burie, na rua do Bom Je-
sus n. 48, afim de serem verificados e saber-se ao
eerto qual a somma a que deve-ae apolicar os
dividendos. Recife, 18 de fevereiro de 1874.
Aluga-se o 2* andar e sotao do sobrado sito
a rua da lmperatriz n S3, e a loja : a tratar no
r andar do mesmo,
Ml
n
UE
MURRAY LAWMAM.
Uma pura distillacao das mais raras A.
rti dos tropicos. Conte'm, para assim a*-
zer, quasi o oddr odorifero das flores do
tropico da America, e sua fragancia c quas
incxhausta ainda mesmo por continuada
<:/aporacao e diffusSo. N'este respeito e
i icomparavel a qualquer outro perfume
qne ha de venda para :
UESMAIOS, ATAQUES NERVOSOS, DOR
DE CABECA, DEBILIDADE E
HYSTERICOS.
E um certo e ligeiro allivio. Com o bom
.in, tem conservado sua influencia para
eima de vinte e cinco annos sobre todos os
perfumes, nas lndias Occidentaes, Cubt.,
j dexico, America Central, e do Sul e nos
!.j>m toda a confian^a o recommendamos
i-otno um artigo, pelo seu aroma muito de-
| licado, riqueza de odor e permanencia, nio
1 pode ser igualado. Tambem faz remover
da pelle:
ASPEREZAS, EMPOLAS,
QUEIMADURAS DO SOL.
SARDAS LBORBULHAS.
Sendo reduzida com agua, se torna uma
excellente mistura para banhar a pelle,
dando um aroseado e cor clara a complc-
cao nublada, sendo applicada depois d
barbear, evita a irritacao que geralmente
occorre, assim como tambem gargantcando
se, o cheiro do cigarro desapparece, e me-
Ibora a condi^ie dos dentes e gengivas.
Como ha muitas imitacdes, as quaes nau
nenhumas d'estas propriedades,
deve-se tomar cuida'do e contar somente e
o famoso perfume a cosmetico do sul da
America, chain
AGIA FLORIDA
DE
MURRAY I.Hl\.
Sa acha & venda em todos odrogu
pirfumari as da moda.
00*^OOaXS|CMOQ^
? OnsHllorio medico
/ DO
/ Dr. Mnrlll*.
Mf, RUA DA CRUZ N. 28, % ANDAR.
g. Recera-pJiegado da Eurepa, onde fre-
Q quenton ae hospitaes de Paris e Londree,
\) node ser procurado a qnaiqner hora do
dia ou da noile para objecto de sua pro-
nssao.
Consultas das 6 horas da manhi is 8 bo-
ras, e do meio dia as doas da tarde.
Gratis aos pobres.
ESPBOALtDADES.
Moiettiaa de seoberaa, da pelle de
erianaa.
!


<
C


H
Ditfio di *iambuou Terca fair* 24 4b Fevereiw V


A
i



.
FMWVA'O'-ltO BOWIAN
RUA BO BRUM I. 52
(rassando o eh afar iz)
PEDBM AOS senborea 4e pngenho oulro* agfjcolwea. ewnprtpad rt d u
tfcmismo o lavor de ouu vwit* a sea eatabeleeimi.M.,, p*ra versa o ti.-*u ;utm.tt:i<
*oplet > qoe abi ten; Made tado loperior em qoalidade e fortidio; o qne com a in-
mccIo peMoal podt-M verificar. MM*
ESPECIAL ATTENgAOAONUMERO I LUGAR DE 8UA FUNDigAO
7arvnrftq A rndaa ^Qrno do* m*i8 "Wer-nos aysteraaa eeic t!
V|WrOS V rOaOB a agua naaboa convenient* para n 6\\mv.
iireoauUDciaa doi lenborea proprietary* e para descarocar algodao.
Koendas de canna & UB"nh0'' IMI-taorw qoi ,qoi
Sodas dentadas *?. '*.
Taizas de ferro fandido, batido e de cobre
Alambiques e fandos de alambiqnes.
IfffttVhiniamna Parl ""Ddto* algodio,! Podendo- todoi
'V.c*\/U1I119U1UB epraiernrmadeira. f aer movidos a mlo
ftnmhna (Pr *aa* ViPr>
lumuttB de patent*, garantidaa........ |oaanimaes.
Todas as machinas w- q* ***
Fai qualquer concerto de m,chidiMI0' Pr<* ooi rMnB,id0
Form as lift fflrrO tMD m6lhorM e m'ia btrug exiatentea do mer
Bn/mm man/I a a Incombe-ae de mandar vir qualquer maehinismo i von
nuu umUiUIlUi&S. Ude ^ cJientM, lembrando-lhee a vantagem de fa wren,
inu compraa por iotermedio de peeaoa entendida, e qoe em qoalqaer necesaidade pode
bee prestar anxilio.
Irados americanos ln,lro" RUA DO BRUM N. 52
PASSANPO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
4' m do BarSo do Triimpbo (rua do Brnm) ns. 100 a 104
CARDOSO IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinaa para en
getibos, asmais moderoaa e melhorobra quetem vindo ao mercido.
VaporeS de forca de 4, 8 e 10 cavaUos.
UalueiraS de sobresalente para vapores.
Sl06DuaS inteiraS e meias moendas, obra como ounce aqoi veio.
TakaS jfiindidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
KOdaS d agua com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
oOdaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Rdogios e apitos Tipor.
oOmDaS de ferro, de repucho.
ATadOS de diverges qualidades.
Formas para assucar grades pequenaa.
OoilCGrtoS concertatn com prompudao qualquer obra ou machine., para o que teear
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOnmiendaS man^am vu Pr encommenda da Europa, qualquer machinismo.
para o que se correspondent com ami respeitavel casa de Londrei
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra; incumbem-se de mandar asseotar
Ataa macbinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Brum)ns. 100 a 104
PDNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
ODILON" DUARTE & IRMAO
CABELLEIREIROS
Premiados na exposicao de 1872
***** !"-^32--iS?
MM*
RUA
LINHAS
AWLBA5
E
PA IV A
QUALQUER
PARTE
'
A
Machina

fP?ri*j
Com as falsificagdes que tern apparecido
DAS MACHINAS PARA COSTDRA
DE
SINGER
re?
Nenhuma ma-
Porqu(
o
CO
M
china Singer e legi-
3 tima se nao levar
g esta marca fixa no
$ braco da machina.
Para evitar falsi-
o
OS
ficacoes notem-se g
bem todos os deta-
inee da marca.
ce
o
j
f* RUA
* \ DA
IMPERATRIZ
' I* 82
!. ANDAR.
IMPERATRIZ
> fi
|N. 82 ,
Immmmmw*'
!. ANDAR.
on t
Acabam de xeformar o eu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
diccdes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Exmas. Sras. n'a-
quillo que for tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homenscomo para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissiroos, trancas, cacbepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
.nulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalbo imaginavel em cabello.
k O estabelecimento acba-se provido do que ha de roelbor nos mercadoe estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 % menos que outro qualquer, garantindo
perfeicao no trabalho, agrado, sinceridade e preco razoavel.
Penteam senboras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcAo e a retalho e todos os utensilios pertencentes i arte de cabelleireiro.
CHAPEOS DA ULTIMA MODA
Chegaram lindos e bem enfeitados cbape^os do mais apurado gosto, para senhora : i
loja das columnas, de Antonio Correia da Vasconcellos, i rua Primeiro de Mar-
on. 13.
I
A dinheiro e a prazo!
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
S&o maisjbaratas.
S8o de doos pospontos.
Sio simples.
Sao rapida?.
Sin duradouras.
MACHINAS DE SINGER
Sio de dous pospontos.
Abainham.
Pranzem
Pregam trancas.
Marcam pregas.
Bordam de Unha de s4da.
Alcolchoam.
Pregam cordoes.
UNICA AOENCIA
LM
U
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERAD0R1 45
49 Rua do Imperador 49
Da neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afamades autores,
como s8o : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente cOnstruir para este clima, o qual os amadores dos
bons pianos s6 encontrarao nesta casa.
Recebem-sc pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais completo sortimento de materiaes para concortar pianos, como
sSo: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfira, etc., etc.
49 RUA DO OIPERJLIIOR 49
AIIBIIAIAI
33
Constructor e atinador de pianos
Rua do Imperador
33
Ex-afinador das aotigas e afamadas casas Pleyel 4 Her^, e antigo director da? ofici-
l caaa Alpbonse Blondel.
Tern a honra de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que tem aberto sua casa de
doncertos e afinacSes de pianos, qualquer que aeja o estado do iiutrumenlo.
A raeima casa aeaba de reeeber um grande aortimento de pianos doa melhores fabricantes
de Paris, eomo Erard Pleyel, Henri Herz e Alpkotue Blondel) todos os pianos sahido da sasa
Uhibaut sao garantidos. r
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usados.
Na rua do Imperador
n.28
, recisa-se failar aos seguiotes senboras :
Domingos Martins de Barros Monteiro.
Emigdio Mar.fues de Santiago (Dr.)
Joao Vaz da 61'1'reira.
Jose" PraneiKo Lopt5 Lima f V'aiareth).
Maaoel Pereir* Brandla.
MjaftH d4M Paisoe Miraada.
Theoteaio de Barroa e Silva.
ftaaatoca Pmto Peaaoa (Dr.)
Prtaeheo de pal Borgw.
Francisco Antonio Pootnal Jaaior
O advogado Francisco de PMlt Penna m
continua no exercicio de sna pronselo : W
, a rua do Duque de Caxias n. 71. i' Torre
Aluga-se para pssara festa um sitio com
exceltente casa de babitacAo e ban ho do rio
a" frenta deata t quern a pretender, pode
procurer 4 rua de Gervasio Pires n. 24.
PARA
Marear veetidos, roupa de cama, guardanapos, lencos,
meias e todo genero de roupas
COMO TAMBEM
Carldes dc visita, iivrtis, eovelopes e loda a qualidade de
papeis, clara e exaclainenle com o noiue compelcnle da pessoa
r,aranre-se dar uma<:hapa tfio boa como poderia conseguir-se em Landres ou Nova
}or, e affianra-se igualooente que a tinta sera" iudelevel.
You can bet your bottom dollar on that
Cada chapa com o nome da pessoa e acompanhada de dous fraspuinhos de tinta,
um pincel uma direcc^o sobre a maneira de empregar a chapa e ama receita para fazer
tinta. costando tudo
Preco fuo ..... 3>000
Em letra de mio egothicB. 5*000
M&GOIAS \MF.Hir,\^\S
PARA CHAVES
Sao nuito commodas e possuera as seguintcs vanlageus :
Servem para ajuntar as chaves, e ao mesmo tempo sendo chatas, ha lugar para o
nome e moradia do dono.
Sio faceia de abrir e fechar, deiiam entfar a maior chave aem ofTcwhr a
argola.
S8o feitas de prata allemienfio sjosujeitas a enferrujar, quebrar ou abrir ; como as
pjajolM de ao, slo muito fortes e bonitas. Coda argola aroericana com o nome e mora-
lia do dono, aberta na mesma, custa :
Preco fixo 2^000
P. LAUR0 MACPHJ5BS0N
NO HOTEL ESTAMINfiT
Rua do Imperador n. 32
TODOS ,0S PIAS I'TEIS DAS 9 HORAS A0 MEIO DIA.
Na roa do Bariu da Victori i p. 3$ pneisa*
allar ao Sr. vigario Andre Core, jo de Araujo Pe
eira, t Begocio de sen inlert^ae.
^m^u^
E. A. DELOUCHE.
49Rua do Marquez de Ollnda49
Acaba de receber um grande sortimento de re
logics americanos para parede e mesa, de corda
de 24 horas e de corda de 8 dias, com despertadoi
dos melhores gostos e qualidade.
Relogioe de ouro paiente inglcz verdadeiros, des
coberto com pbnteiro grande no meio, dos main
modernos e do melhor fabricante de U ndres.
Grande sortimento de relogios de prata, prata
donrada, cobertos e descobertos. Ditos de prata
foliada (plaque" ), orisontal e patente, de todo
preco.
Cadeias de plaque e de ouro.
Lunetos e ocalos de todas as qualidades.
Verdadeiros vidros de cbnstaf da Rccha, para'
vista can;ada.
Vende-se tudo por preco mais baratc que em
onlra qualquer parte._____________________
Apreciem eomo se vendc baralo
S6 o n. 20
RUA DO CBE3P0
LOJA DAS 3 PORTAS
DE
Guilherme & G
CASSA-LA
Acaba de ehegar esta fazenda com bonitos pa-
drdes, e que se vende pelo diminulo preco de 3U0
ra. o covado 11 1
MET1M
Helim trancado, padroes bonitos, a 320 rs. o
covado! 11
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda Una, boni-
tos padroes, pefo diminuto preco de 320 rs. o co-
vado 111
LA? ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que se vende a 240 rs. o covado I!!
CRETONE
Cretone claros e escnros, bonitos padroes, e fa-
zenda Cna, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado III
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos precos de 400 rs. o covado,
e pechincba 11 I
Cortes de casemira ds cores, a 5^(00.
Colchas estampadas e com barra a 31500 e
4/000.
Cobertas de ebila adamascada a 3/500.
Len'.oes de bramante a 2/000.
Dites de algodao a 1/400.
Toalbas alcochoadas, duzia, a 5/800
Lencos de cassa com barra a 1/000 a duzia.
Ditos de cassa abanbadoa a 2/000 a duzia.
Ditos de esguiao abanhadus, em caiiinhas mo-
dernas. duzia, a 3/500.
Cambria transparente fina a 3/000 a peca.
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodao e linho a 1/600 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palmos de lar-
gura a 2/500 e 2/800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 5/000 a peca.
Dito domestico a 3/000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o covado 111
Madapoloes Irancezea de todas as qualtdades de
5/ a 8/500 a peca.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto prefo de 8/500.
Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a 44/000 a duzia ; e pechincba, so se
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto preco
de 800 rs. o covado; 6 pechincba, e dao-se amos-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
Loja das trcs portas
DE
Cruilhermc & C.
JUNTO A LOJA DA ESQU1NA
Escrava fugida
Aufentou-se da easa de seu senh. r, no dia 26
do corrente a escrava Felicia com os signaes se
guintes : cor parda clara, cabellos cemprido-, ale
os hombros, rosto redondo, falta de um dente
quasi na frente, corpo reforcado, maca do rosto
bastante saliente, foi acompanhada por um ho-
mem. praja de cavallaria de nome Vasconcellos,
foram vistos no dia 27 do corrente, em Santo An
tao : quem a levar 'a Camhoa do Canno n. 3,
sera gratificado generosamente.
ESCRAVO FUtilDO.
Desappareeeu ao amanhecer do dia 4 do cor
rente, do engenho Serigi, coraarca de Goyanna, o
escravo de nome Jos6 Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa dgura, um tanto
grosso e espadaudo, endo o signal man visivel
uma gomma na junta do pe esquerdo : roga se a
todas as autoridades e capitaes de campo queiram
apprebender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, on nesta praca a Ollveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serio generosamen-
te recompensados.
m AQ70&AD0
w AYRES CAMA
RUA DO DUQUE DE CAXIAS f&
IV. 9.
Primeiro andar.
ions PUBUWIHSICUS.
i. J. d Aicveil. ll* \ova n il.
AcaSam de puulicar se, e acbam-ae 4
venda as seguinlts musicas :
PIANO SO".
I Jans e espamioi a, pur Ascher 2T400
Arabella, mazlaka, pur G. Wer-
theitner 19&*4
Valsa 0'i l"\i>ro, j,r Ci _,/.= 19%%%
So.nho de t'.Ma virgem, |">r Alber-
tazzi 1*04*
Anna la Prie, cavalina 190M
AoClair de la I.i ne, por Bussmeyer 1HH
I'.STRELI.A 1)0 NORI'E | ,, ,. .*
SaldacAo ao BAHiAl,olkbr,lhante ltM#
Cricket, por Seixas, offerecida aos
chrickcts club peruambucauo e
bahiano 1*00*
PIANO ECANTO.
Desespero, muito lindo romance
por I. Smobz 2900*
Non m'ahava, romance por Guercia 1JK"
Tambem recebeu da Europa grande sur-
menide musioa para piano, piano e
nntoudos, methodos, etc. etc.
IMMAlC"
Os Srs Jovino Fernandes da Cruz c Joaquim Cie
rocnte de Leaaoa Duarie, sao chamados a roa a -
(Brunei Suassuua n. 282, a negocio de partn-a..-
interesse.
selecla e ce umbigo
(Enxerladas)
Sapotizeiros
e sapoleiros de 11 palmos (cm vasos) e de u es tamauhos e precos mais C'lnmodus que dal-
les ; assim com>> as > guint s outras plantae
frucla e de ornato :
Abacaii.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Casuarina.
Carolina do princip^.
Condeca.
Coragio da India.
Figueira.
Flamb'iyant.
Fructa-'pao.
ir.ga. do Para.
Jambo.
Jasmim laranja.
Laranja da China.
Dita do c6o.
E ontras planlas :
lira n 20.
laranja cravo.
Dita de doce do Para
Dila hr:nca.
Dtta tangirina.
Lima da Persia.
li'a i\r umbigo.
I.imao francez.
Dlt> doCC, (I)MTuJ
Oilicuro.
PaiaKSra inpflrtai
I'arroins.
t'inhciras.
Romeane.
Ilozeiras.
RozeJa.
I'baia.
na Capuoga a rua da v
0 conego Joto Jos6 da Corta Ri-
beiro e seus irmaos, profundam^mt
penalisados pelo pa?samcr.to qoasj
subito (! sen presado irmlo Manoei
da Costa Ribeiro, dirigem kh< cor-
'diacs agradeciment 'S a quantns teem
procurado confurU los em sua dor, e>peci:ilmefli>-
aos que praticanm a raridade de assistir ais snf-
fragios por iocra-iao de dareni-fe a sepultura -
seus reslos morlaes.
Aos parent'js e amijr s ?ens c aos do Qnado c-ct-
vidam para as niissas d ^ srtimo dia no ennvenir
do Carmo, terc. feira 24 do correntejas 7 J(2 hora*
da manha____________________
Agencia de leiloes
0 abaixo assignado declara ao respeitavel pu-
blico. que, tendo aberto o seu escriptono d*.
agencia de leiloes a rua do Marquez de Olinda l
64,1 andar, continua a receber inoveis, louca,
fazendas, obras de ouro e prata, predios e todos
Juantos objectos se lhe rcmelta para serera vea
idos, em leilao publico ou particular, a vontede
de seus commitcntus: e eonw quer qoe o sen
novo estabelecimento se ache o melhor posMvel
localisado, alem de que oSereee as mlhure
proporcoes para a boa consetvaeio dos objectos
qne tenhi de receber o abaixo' assignado com
promette-se nao so a empregar toda a aclividadr.
zelo e pontualida le no enmprimento de seus de-
veres, como mesmo seus pagamentos serio fekMs
com a costumada promptidao, que lhe e" eaaha>
cida.
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
Raymundo Remigiu de Mello Junior.
Alugamse ot>|* andares da casa n. 44
da rua do Commercio, com commidos para fomi-
lia : a tratar m nrmazem do mesmo, das 9 i.% 4
horas da larde.
Aluga se uiua ca^a ua rua da Praia ~dTcIJ"
deireiro n. 21 : a tratar na rua do Livrameuto a
23, luja do Sol.
0. Rufina Custodia de Luna Cavaleantepre-
vine ao publico que ningnem faca trans: c.a.) ai-
guin.i com a casa silica traressa'do Falcau n. 12
pcis dita casa foi deixada a mesma para nso fruc-
tuario durantc sua vida ; e nor sna mort' perten
ee as suas dua> filhas, coaio legltimas donas; laJh
por testamento de sua tia D. Anna Maria de Sou
za, que se acha archivado no carlnrio do eaerivi
Domingos Nuoes Ferreira, e no poder da diu
menciunada acim:v a cpia do mesmo testamento,
e todos os documentos peru ncentes a mesma dita
eaaa, enmo pode raosira-lns : portantn qualquer
transac^Ao que alguem fizer ou lenha feilo ficaiv
>em vigor A dita senhora nada deve a pessr-a
algnrna e nao assignou p.ipel algum Mhn a casa.
Q lem |ilnil fc um bom copeiro, dirija s<
a rua Imperial n. 150, oa ancuncie para aer pai
curado.
Alnga-se oma casa na E-trs ja Nova qot
vai para a Mig guns arvnredos. 6 perto do rio, muito fresra. pro-
pria para Tamil a ou qualquer esiabelecimeoto :
quem pretender, dirija se a rua do Bom Jesus it-
C'ioulas n. II, que achari com quem tralar.
CASAS
Alugam-se duas pejpenas casas sitas a rua m
Riachnelo (outr'ora do Deslino) recentemente n l*
trnidas: a tratar no largo do Pombal n. 13.
Amaro de Barros Correia e Captulioo Ro-
dngues do Passo vendem terrenos, regularmcute
trafados, no seu sitio de Bebtribe de Baixo, ha-
vendo organisado uma planta de seu perimetro,
em que se desenha visivelmente a distinccao
e regularidade no eu projecto de arruamentos
novos, approvado pela camara municipal de Olin-
da. A fertilidade do terrene, a sua proximidade
da estacao do Fundao, da linha ferrea do Recife
a Beberibe, conseguintemente do rio Beberibe, e
commodidade dos precos convidam os pretenden-
tes A compra, que os podeiio procurar a Amaro
deRCarreia, em Beberibe, a Captulino Rodrignes
do Passo, no Recife, e ao engenheiro Antonio Feli
ciano Rodngues Seite. estrada de Joao de Bar-
ros n. 9._________
oV andar do sobrado n. 62 da rua Marquez de
irnnaa : a tratar no armazem do mesmo predio.
Precisa-se alogar uma escrava para cozinhar
e comprar : a tratar na rua Primeiro de Marco n.
>3,Iqja, "
MOFINA
Est4 encouracado!! f
Agua mole em ptf ra dura
Tanto da ate que a fura.
Roga-ae ao lUm. Sr. lgnacio Vieira de Men
Jtemfo na cidade de Nazareth oesOT praiincia,
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, l-^ou
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteifa ~
reabsar, pela terceira chamada deste iornal, ea
fins de dezembro de 1871. e depois para Janeiro,
passon a fevereiro e abril de 1872, e nada europrio.
e por este motivo i de novo chamado pan 4itc
dm, pois S. S. se deve lembrar qoe este negocio
de mais de oito annos. e quando o Sr. sen fllho m
achava neatt cidade.__________g__________
Empreza do gaz
A empreza do gaz tem a bonra de annuneiar .
publico qne recebeu nltimamente um nplmdii.
sortimento de lucres de vidro, candieirof, araa-
delas e globos, rajas amortras esiio no si i tip an
a rua do Imperador n. 31, e serto miiim ao*
sens fregue>es peh prego maU rwawl aasawl.
Aluaa-e quarto andar Ao predio 51 A*
rua do Bum Jesus, anugatnenes roa 4a Croc ;, a
tratar na mesma roa a 65.
f

J

v .
/
J
I' ~


6
DiariotfgfcPJh JHtoty^S *;,* ftfftt ffiNfc FevMfctKtowitfl** oh*tXL
BotiJife horaem
Acabam e"e chegar grandes facturas bem sor
tidas de botinas da bezerro, de cordavao, de pelit-
ca, de duraque com biquerra, de bezerro com bo
toes, e com ilbozes a 94000 (a escolh r) por ler
vindo grande quantidade por conta e ordem do>
fabriraotes : ao armazem do vapor francez, a rua
do Bailo da Victoria (outr'ora Novr'
Calpdo
t imf m iS'h A.
iraDcez.
Adtada.
Na raa do Baraf*da Vllfc-ja a
fcltar ao ir. 1 tenant*! Josd Mafia te%S
gacio de sea interesee. T
6( Drecifta-sc
"Snaf
Prfrerra-Te ere
duas amas para
casa de pouca fa-
roilia, sendo uma
para cozinhar e outra para engommar, pre-
ferindo-se escr.i vas, paga-se Ijcm, se agradar:
a tratar no largo do Paraizo n. 28, 1 e 2
andar.
Precisa, se de uma ama pa-
ra comprar e cozinhar para
casa de.dus peatoas : a tra-
tar na travessa de S. .Pedro n. 8.
AMA
incumbe-se do pn
oq judicialiiiciitc, at
concernentes a sua profis
mo a linba ferrea, e nos outros termos proximos
a esta cidade ; para cujo anxilio ten o annun-
ciaute solicitadores habilitados e propos, respon
sabilisando-se no entanio pe)a boa gestao e conta
do que Ibe for conflado.
Mediante modico honorario aed*17sjs
para diligencjas bu con termo e incwblw-sc da defeza dip apaliaro>
o tribunal da felacao. Fode *JR-H>enlii___
rneio dia as 3 hora da Urde env stu'escriitoi
a ma doDu*tae de Caxias n. 37r-:
Para lsoiueni.
BOTINAS de bezerro, cordavao, pelliea, Insire t
de duraque com biqueira, do* meihore
fabricaotes.
SAPATOES de bezerro, de cordavao e de case
mira.
SaPATOS de lustre comsalto.
SAPATOES atamancadns com sola de pao, pro-
prios para banhos, ;itios e jardins.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranci
francezes e Portugueses.
Para aenhara.
SOTINAS pretas, brancas e de cores differentes.
usas, enfeitadas e bordadas.
SAPATIXHOS de phantasia com salto, braneos.
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tran^a.
Para stienittas.
BOTI.N'AS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para menlnos.
BOTINaS de bezerro, lustre e de cordavSo.
ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de divarsa.'
qualidades.
SAPATOS de tranca francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
Lotas a Napoleao e a Guilherme, perneiras
meias perneiras para homenj, e meias perneira?
para meninos.
No armazem do vapor francez, a rua do Barai
g- Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanpo, de braco, de guerni.Ses.
sofas, jardineiras, mesas, conversadeiras e costu-
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
Ievu3, e os mais proprios moveis para saletas e ga
binetes de recreios.
No armazem do vapor francez, a rua do Barac
da Victoria n. 7, outroraNova.
PIANOS.
Acabam dc chegar muito bons pianos fortes t
de elegant: s modelos, dos mais notaveis e bem
conhccidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Bldonel, .Ilcn-y Hers e Pleyel Wolff 4 C.: no
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, on
Cr'ora Nova n. 7, a pretos muito commodos.
Perfumarias.
Finos ex'ractos.'banhas, oleos, opiata e pos den-
trifice, ag'T.i de flor de laranja. agua de toilete..
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes^
cosmeticos, mnitos artigos delieados em perfuma-
ria para preseutea omfrascosde extractos, cai-
xinhas sortiJas e 2arrafas de differentes tama-
nhos d'agu.i de cologne, tudo de primeira quali-
dide dos bem conhecid drav.
No armazem do vapor francez, a rua do Barai
di Victor:;, oulr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Ai's'^us (1 differentes gustos e
plxantazins.
i, >i-.radi'-s para salas e gabinetes.
i.."y. |;:..a senhoras e p,;*^ meninas.
de -'win. de flu de EBWi* e de camurQa
*..;:.: ha? du ostur.i OFGoda o n\ snoick.
, v.: t is a relni -
n;-*&Qum iadi > it *ugm?ntar isUatos.
Divi rsai dbraa dc- ouio bom de lei garantido.
Cmreotea de plague muito boni!a> para relo
i -
'.'.'. .< > ti-ndes de punhos de pla
. '
bat ., eoBTW do ^eda, de velludo e de con
'! '''Jros.
v objeelos de phnntazia para cima demes;
< .i'1.
I'inez de cores, de prata dourado, de a 50
irtaruga.
Oculos de a^o fino e de todas as gaarnicoes.
Benjnlas de luxo, canna, com castoes de mar
>'m
dWgalias diversa3 em grande sorlimento par*
'iraens e meninos.
Cmeotinhos de baleia e de muiUi* qnalidacta
!i "rvas.
Ec, ;rn- ;e tarracha para saltos de botas.
Poll- ic. espuma para charutos e cigarros
Pentet j<- tartaruga para desembara^ar e par
ijarba.
Bitos de niarfim muito finos, para limpar ca
Escovs? para roupa, cabellos, uuhas e para den
I -.
Cart^iri as de medieperola para din^eiro.
Grave1.: :ancas e de seda preta para homen^
e meninos
CatHpainhas de mola para ch mar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mino e ontros muitos differentes joguinhos alle-
friaes e fr.ncezes.
M?.!?.J.. bnl'.as e smcos de viagem de mar e ca
minhos de ferro.
Argolinhas de marQm para as ciiinjas mordc
.rem, nom para os dentes.
Bercos de viuies para embalar crianQas.
Cestinha- de vimes para bracjo de meninas.
Carriuhos dc quatro rodas, para passeios it
crimca-.
Venezianas transparenles para portas e janella.-
Rcverberos transparentes para caiidieiros dt
g-i-
Estereoscopos e cosmoramas com escolhida?
vistas.
Lanternas magicas wjm ricas vi.-tas de cores en
vldros.
Vidros avulses para "-osmorama.
Gb'bos de papel de cAres para illmaina^oes d
festas.
Baloe' aereostatiros de papel de seda mui faci:
de subir.
Macblnas de vario? systemas para cafe.
Espanadores de palba e de pennas.
Tesjiiiinlias e canivelea finos.
Tip com vidrilhos para manga- 3 lanternas.
Tinteirvs de lou;a branca, modelo bonito e bom.
Tna- Je molduras douradas e pretas para
qu&
Quadivs ja promptos com paysagens e phanta
ua,
fetampas avulsas de sant*, paysagens e phan
tazias.
Object os de magicas para divertimentos em fa
milia.
Realej.is. pequenos de veio com llndas pecas.
Realejos narmonicos ou accordions de todos os
amanhos, e outros muitos artigos de quinquilha-
dim 1- de meneionar-se. No armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medidas de 40 a 100 metros,p6s e palmos para
medir terrenos.
Briapedttfr para Bienias
A maior variedad#i^ne se p6de taejaa de to-
dos os bnnquouus fabrieadoa em differentes paftes
da Europa, p ira entreteniraenlo da- criancas, tudo
a -pregos iu^ffiifnTidot^a&^-fl2s^jW r-
lazenyfrTviipor francez, rua do Barao da Vielo-
5uti"ura rua Nwa.n. 7.
testialias pra c ;>s!ara
(xMDde seillraonio de bofl;tos modelos chegados
anaazem do vapor francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora raa Nova, n. 7.
Ama de leite
Precisa se de uma ama de leite, e tjtfe nao tenha
filho : na rua Puqne de Gaxtas n tit.
Precisa-se de ama ama qne safba co*iahar,
para casa de liomem solteiro : a tratar".na raa do
Barao da Victoria n. 60.
Ama de lerte
Precisa-se de uraa ama da lwte, em filho
rua da Praia n. $3, 3*andar.
na
1 11 1 Precisa se de uma ama pan cozi-
A VI A nhar : a tratar na rua do Iroperador
tllTl/l n it, > andar.________________
Amfl Fr^"W-s*k BHma para-'cozinhar,
zxuiai cornmuf e angotnmar ; a ruatio Yigario
d, 33, V andar.
Fueio Hongenho Firmeza, it '"MgU"-ii da
Escaaa, nodiatlde fevereiroM"*-esclavo ; Al-
bino, crioulo, com os seguintifs' a^Mesi^cuc.
preta. idade de 20 annos, alto, oeq0 rogojar, hu-
nita flgjrt olh*um pouco es*ra*juica8, fcar1
de WW 'to*' costas um JarWHrtw.4- seae-
lbj^WifrhftJJabaticaba. npse
'des policiaes e capitaes de eampo a
00 dilo escravo, podendo eatrega-lo no d
(genho ou na rua do Torres n. "f8, esarifctorio,'
yertos de que se dara boa recoq^ansa.
- Aluga-se a casa n. 67 a ju Ad Vifionde de
Goyanna, e outra nos Coelhos, * al Pedro n, ambas com muito bons commodos ;
ja tratar a raa do Hosario da Bda-Vista n. 50.
numero 3.
Precisa-sede Uma ama para cozi-
dp 1
tratar naTda da.;Pi
AM A nnar.^comp?ar para eisa* dep
in*&:
i if A Pr^cisa;se-dq uma ama qe'
A '; /% eoHnhe e ajriwo para casa'
xm.lTJ.xm. de panea familia : a traftr
na rua de Hortas n..2, i' andar, eatrada pelopa-
teodo Carmo ; garante-ge boa paga e eptirno tra-
tamento.
Precisa-se de uma ama para eorhAar
rua da Gloria n. 101.
na
Preclsa'-se alugat uma ama eserava para,
comprar e cozinhar para uma peqoena famiHa
estrangeira : narua doMarqrJez fe Olinda n 49,
loja.
Ama de leite.

Precisa-se de uma sem filho, que seja de boa
conducta : a rua do Visconde de Goyaana n. 7.
Na raa Imperial 444 pre-
cisa-se de uma ama de servi
? ,mterni,-paa casa de peu-
AMA
ca familia.
LOJA
Alugi sc a lo^a do aobrade n 9 da rna da Au-
rora : a.tratar na rua do Hojpicio n. 26, taverns,
ou na rua da ImueraViz.ni 10, taverna.
Gasa. de oampo
Aiugase a-eW^MSfc^ttsade travessa de Pay-
sandA a- 3, procinx) & aspital portngaez. com
coromedos part grana*iliaHia : para tratar, na
{ua. do Amorim n 56, 1 tutor..
Ama Prec'sa-se de urea para engommar, na
nma rua estreita do Rosario n. 19, >- andar.
Ama
Precisa-se de uma ama--qua-' saiba co-
zinhar e comprar, para pouca gente.
Antonio Jose Bodrigues de Senza, em sou es
criptorio a rua do Crespo n 6, coinpra, por bons
precos, e-cra7os das diversas cores, sexos e
dades.
Na rua da Penha n. 2 lava-se e engomma-se
com presteza roupa de homem e senhora'. quern
pretender, dirija-se a mesma casa.
lOOJftOOdegratificaea
Engenho Santos Mendes
Fugio no dia 20 de dezembro, do engenho San
ios Mendes, comarca de Nazareth, fregue/ia de
Tracnnhaem, a eserava Maria, crioula, 50 annos
de idade, pouco mais ou menos, baixa, grosaa, o$r
preta, rosto alquebrado, p6s seccos e espanados,
dedes curtos. cabellos braneos, canellas finas, tern
dous signaes cabelludos no queixo, e 6 bem ladi-
na. A pessoa que entvegar esta eserava ou aoseu
ion\ que 6 0 senhor do engenho acima, Lauren
lino Gomes da Cunha Pereira Beltrio, ou no Re-
cife, largo do Corpo Santo n. 19, 1' andar, sera
ecompensada com a qu2ntia de 400 J.
Aluga-se
TOO
Allrtiqneri]
3 n
Altencao.
rma da Imperatnz n. oU
Q'FltiD
Na rua do Barao da Victoria d. 3, precisa-se
allar aos Srs. Pedro do Rego Chares Pelxatoe
ose Paes da Sirra, a negocio de partjeurar-fcte-
esse.
Precisa se alugar uma eserava^ que saiba
ozinhar : na roa Nova n. 7, loja.
C(WBA$.
J H f # :
Cppipra-se na rua do Amorim' n. 56.
g Compra-se roupas servidas de mascaras' e
todos os.obiecJos ;prtendBult$ aos mesmos : na
rna,da Rodi n.'18.
V^At
i Vende-se um rico pianopvHo?vo; muito forte
B de escellentes vozes, a tratar Da^rua 'do Barao
de S. Borja n. t% ; na mesma casa teem para ven-
der-se ama boi njpajlto' Ajfij&aagla, torn aoaco
Uso e em perfeko* ertado.'
t
Por 60Wfi6rfcto.to.
Vende fazendas paja liquidar, por baratissimo prego come
abaixo A ve:
Pereira da Silva AfiuimarSes teodo em ser um grande depozito de fazendaa
tem resolvido fazeroma liquidagao das mesmas com grande abatimento not preooa
com 0 unico fim de apurar dinheiro, para 0 le convidam nio s6 oa seus numeroao*
freguezes, como 0 respeitarei publico, a vir surifr se dp muit?s fateadaa, boJs ebarata
noseu estabelecimento denommado 0Payioa roa dalmperalrfz n. 60.
CAMBRAIAS A 4$, 42500, 5, 69 79. francez muito fino a 890t0, apenas prec*
1," y+tnelropiT&'tfralmipi.
MkMW ffa'Wfbii.z2.
DE
Caraeihr Wiftina.
A',e3lB*graBde estabelecimento ters che-
gado onaibom.sortimeBto de machine*para
costurtt, ide todos os aotores mais acredita-
dos ultiraamente na Europa, cujas machinas
sao -gpraatidas por um anno, e tendo am
perfeko' aaMsta para ensioar as mesmas, em
qnalquer parte desta cidatte, como bem aa-!
sim concefttHltts polo tctapo tamRem d'um
anno sem despendio algum do comprado*.
Neste estabeleGimefltotirniheaD^arpertengaa
para as mesinas machines ose sup pre quai^
ier pea qe seja accessario. gates ma1-
cliinas trabarliart com' tod*1 a perViijao do
um e dous pospontos, franzn e borda toda
qualquer onatura/por ftvtu-- pretoss5o da seguintequalidade : para tra-
balhar a mSd de;30*0*00, 40^600, =59000
s 50^000, pa* trabalhar con 0 p*i sao de
809000, 90CO00, 1002000, 1109000,
12090.00, 130#000, 15090O'>, 2009000 e
2509QO0, enjqaanto-aos autorsa nao ha al-
^e.rf^5p de pOB<}0$> a as--comprBjrfcs poderao
.vjeitariesle eslaSeciifrito, quo muito dc-
verao gostar pela variedade de" objector que
ha-seaipL ^para^raadari como sejam : cadei-
Vende-se rjm preto de 35 a- 40 annos, reiinado* ras Para tlagonsy malas para viagom, cadei-
e proprio pa'ra' qualquer sewico : na rut tie* ras palta salas, diiassde hslartco, ditas para
Hortas n.
0 PavSo vende am magnifico sor ti men to
das mais finas cOmbrttma brancas transpa-
rentea, tendo 10 ja rdas-'cada peca, pelo ba-
ratoprec/) de 49, 49500,'9, 69, tendo tam-
aem das mais finas qua enstumatn vir ao
mercado, assiTTCom6uBfgt^mde sortimento
da ditas tapadas e victorias que vende de 49
ato 89, sendo ftzenda quevaUeiwirto mais
dinheiro.
COM SALPICOS DE COBES A 59-
OTavSo reeebetx um eh?gante sortrmento
de carabraias brancas com bonitos salptqui-
nhos mhidinhos de* cores, tendo- 10" mrdas
ca"da coftt; de vostido a tonde pelo barato
preco de 59", por ser pechindba, dhas com
salpicos todo branco sendo fazeada finissiraa
a 79500 e ditas a 59000.
VESTIDOS** USO DA 0RTK 129
0 Pavao ven'd.e:ro bonito sortimento do
icortes de vestidfjaa uso da corte, ttoiendo
cada corte todos- 09 erfeites necBssarioa-coma
sejatn: babadfahos, eatre-meios, rendas>
requeftfes, e vende pelo barato preco de I29"^*das com-listriuhas proprias para vesti
prelo
Cabriolet
uma sala na rua Duque de Caxias n. 61, propria
para advogado ou cartorio : a tratar na loja.
Constando aos abaixo asslgnado achar se nes-
ta praci 0 Sr. Manoel Fernandes de Carvalho.ren-
deiro dos engenhos Barra e Pregaica, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
mesmo 0 obzequio de vir enlender-se com os
abaixo assignados imraediatamente sobre negocio
tendente aes referid 37, escriptorio.
Tasse Irmaos A C.
ALUGA-SE
uma exe'llente casa construidi de novo, sita na
entrada dos AfQictos, tem commodos para grande
familia, itio muito bem plantado, jardim e baohei-
ro : a tratar na rua Priraeiro do Marco n. 2, livra-
ria econooiica.
Eseravo liigiilo.
Continiia fugido 0 escravo Sebasliao, crioulo,,
fulo, altura regular, corpo reforcado, falla urn
ponco descaneaiia; foi aqni vendrilo em IB de
dezembro pel' Sr Jose Francisco' Ponies de Aze-
vedo, tendo sido escravo do Sr. Alexandre Bibei-
ro' de Sobral, todos da freguezia de S. Caetano da
Raposa; esta matriculado bo mumrtpio de Carua-
ru', e foi ha poucos dias visto em S Bent 1 : ro-
ga-se a t<>das as aut >rida'es e capitaes de campo
a captura de dilo escravo, e traze Io a rna do Li-
vramento n 38, armazem Baliz3, que serjo ger>e-
osameute recompen^ados.
Vende-se dous cabriolets de quatro rodas, sendo
um pintado e forrad 1 de novo, tendo bolea fora,
VarSes e lanc,a ; tambem se vende dous cavallos
e um arreio : para ver tudo na cocheira da rua
da Roda n. 60, e para tratar na rua do Marquez
de Olinda n. 6, com Rodrigues Irmaos & Guima-
raes.
Cambrai 1 bordada a 3$ e 4$
a peqa
S6 na rua do Quetmado n. 43
Pecas de eambraia bordada com flores mind*=,
propria para vestid* s, pelo dfmmuia pra?0'de-3*
e il a peca : so e pecbincha.
Terreno.
Retalha se a vontade dos compraderes um ter-
reno na Torre, SO pa;sos da linba dos bonds e
perto da maehambomba. Este terreno esta collo
cado entre duas e-tradas que vao ter a beira do
rio : a tratar na Torre com 0 Sr. Assis Pinto, na
rua do Arantes, e no Recife rua Formosa n. 27.
Esta fugido 0 escravo Jos6, cabra, idade de
15 annos, feicoes miudas, cabellos friixos, pe~
largos, veste cal;a e camisa branea, gqsta dc mu-
sica : pede'se a policia a sua captura, e graliOca-
se a quem 0 levar a seu senhor, a rua do Hospi-
cio n 85, ou a rua do Queimado n. 82,4 andar.
crianca (altas), cHta$ para: escoJas-, costurei-
ras riquissimasj parti senhora, despensaveis
para criancas, de todas as qaaHdadBs, camas
de ferro para homem ocriancas, capachos,
com pouco toque a If600 0 eovado : n* rua do 8Spclhos douradosrpara salUj grendes e pe-
Queimado n. 43; e muito bom. u. 1 .1 \ 1 t
quenos, apparelhos.de metal para chd, fa-
queirosiicom caWde metal e de mar fim,
ditosavulsovcoliee*.d(.'.metal fir.'), condiei-
Vende-se uma.,*lct, nova, ser^odo ros l*' wVa' '^os'. gut^-comidw de
para um ou dons, oatejtp*: a ver na oflieina uo\ arar tampas para cobrir pratos, osteiras
fr. Cirino a rua do Bospicio. ea tratar a pharma- para forrar salas, lavatorioscompletos, ditos
pia americana, rua Duque de Caxias n. 57. simples, objectos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devem agradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
que se acha aberto desde as 6 horos da ma-
nhS ate as 9 hc-ras da noute a*
Rua do Bafao da Victoria n.
22.
\,---------------------_-------------------------------
Alvi^aras.
Venham todos apressados
E com os^boisos reaheado?,
Do Cam;e ao<- rmaiem ;
Vcnhacvnao (altenlpgam
Ver 0 grande sortimento
(Urn verdadeiro portento)
Que paraj a-^quaresma tsra ;
Compr-jliendeni t ora bem 1
E' com as tripi>s pulando de contcniamento que
me apresento ante a on da gastronomica das sa-
hias e iliu-tres barrigas pernambucanas, felicitan-
do-as por ja se aeharem livre da.pena de iaterdic-
to e poderem sem receie de al^omaMndigestaoex-
commungada, c< mcrena-os mais finos. e sabotisos
comestives, coadiuvados por uma cascata de vi-.
nltfis de tod-'.s asiqvalidades, deixaado a quem
deeejar 0 direitu de-gVltar: viva o triuaiphodas
barrigas II..
Mas, como ia dizendo, nao podia deixar de
acontecer assim, consiikrando-fe-eome foi safeia e
bem barrkaimente planejado 0 ataquc das bar-
rigas graDdes contra a suda dos bandulhos ca-
ninus, qne ostrificados a idea ficticia'do infer-
no bicb.0 inventado pelas.granges barrigas,. pa-
ra horrori vam a mais absurda das monstruosidades : a
infallibilidade do principal bojo do amor as avessas
e de tripas dades e a forca de tcipadas queriaro
hypocritamente alimentarem a pelludae famigera-
da exque-tao do dia centopSa negra que en-
roktda no capote chamuscado da inqoisicao, pre-
tendia assar o muinb da.< barrigas, privando an-
tes a hnmnnidade de ganhar dmheiro e de em
tempos cimo cte do quaresma 1
De fazexem penitoacias
EncheBdo bem as barrigas,
Poi- nao e tempo de brigas,
E sun de atstuiencias.
Ao n. 9
No ProgressodtMpateo do Caprrioivende^seman
teiya ingleza muito boa a W; assim como conti-
niia a ter bom sortimento para qualquer chefe de
familia fazer sua despensa, que enebntrara prefw
mais commodos do quo em outra parte.________
Dazar Vii'at *ria.
Este egtabele:imento..acaba de receber comple
to sortimento de cinto>ua coufft preto.cem. fiv^l
la e corrente de metaljpgnhos e golllnbas' da li
aho e gravatas esdjeezas, tudo para senhore
rua do bar5o da Victoria n. 2
Lindo chfariz.
Veule-ss nor prM^i barato um rico chafariz
de marmere uroprio para' jardim, 0 qual se acha
armado na officina de taanmore do Sr. Lima, a
rna do Imperador para quem 0 quizer ver : a
tratar na rua do Crespo, loja d Passo junto ao
arco de Santo Antonio.
COZIMIEIRA
Precisa-se de uma perfeita cozinheira, nao im-
porta qne seja forra ou eserava, para casa de uma
familia estrangeira, paga-se bem: a tratar na
rna do Bom Jesus n. 55, casa de- Keller & C.
CASA DO 0URO '
Aos 4:OQ5000
Bilhetes1 gaianfcidos
.*ua do Barao da Victoria (outr'ora tfova
n. 63, e cafa do costume.,
0 abaixo assignado acaba de vender, n w seus
nuito felizes bilhetes a serte de 4:000| em um
mcio bilhete de D. 3369, e um rneio de- a, 3680
eoru, a sorte de 100^000, alem de outr&s series
menores de lO^OOO e 20JG00 d*, ioteria que se
aeabnu.de extrahir (88' 1; convida aoa |aas.uidores
a virem receber, qne promntameuta serai pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu-
vel publico para vir ao seu esUbeiecimento com
prar os muito felizes bilhetes.que nao daixariM de
tirar qualquer premio, como p'rova pelo* mauac %
anaundos.
Acbam-se a venda oa muito feli es bilhetes. ga-
-antidon da 9' parte da Ioteria a heaefiio do
rec-olhimento de (guarassu, que se extrahira 00
dia 28 do corrente mez.
Preyos
luteba
*ieio
De IOO-OOO p-racim*.
Inteiro 3S00
Meio t*7u0
Recife, 11 de fevereiro de 474.
Jodo Joaqum do Cojra Leite.
J. 0. C. Doyle.
Tem para ve,i Cognac de Honnessy, superior e verdadaln.
Vinho Xeres da3 melhores quaiidades.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Cha preto em latrss de 40 libras.
Todas as preparacdes chimicas do Dr. Ayer
armazem da rua do Commercio n 38.
Aguafdente Ue canna e&Ha-una, cm coixas
de duzia : ca raa do Encanlamcnto a <>
Wo- ha mk mm hmti
Que un elegante estojo

1
para viagem.
CONTEND') :
! 20 cadernos de papel branco paulado, bei-
ra dourada, marcado cjra as iniciaes do com-
prador.
23 100 envelope* braneos.
3* 400 pennji de ajo, 1" qualidade.
14* tcaixa doobreia> de gomma
5* -p I tialeutt.de 'Vidro cpm tampo de metal.
' Vr- 4 areoiro dltO dlto dito.
'! 1 pao de lacre.
8 I canivete da uuas folbas.
- 9 2 lapis.
' iq*-r-2canBUk.
fodos o-stes ol'je.cKs reunidos, denlro de ama
bonita caixa, fcita para este rim, custam apenas
Rs. tt-OO
Rua do Crespo n. 9.
Calcado barato.
Hua do Baxao da Yictaria
n. 8.
. Vendem Lyra & Vianna, botinas inglezas para o
inMerno, a 404, sapatos de tranr,a com marca
ttita, a IS* a dona,- mtes de easemira a lf a
diutia ; e pecbineh.
Mas, como ia conlanJo, custou, porcm aJinal,
' depr>is da rasorada que Hie passou no peseoro os
pod*.-res pnderosos, a aabefa foi ptrar no fun-
do do rio e o rafeo, coma ruira de esfullar, ficou
no.seccn expi'slo aos pontapes de qaalqner gato
pingado, deixando e verdade, magra as collegas
barrigas, que despeitadas vao tratar de se nutri-
reflij vind.i ao armazem do Campos, a rua do Im-
perador n. 28, on-le com certeza encwatvarao alem
do qne desejarem o seguinte ovas de diversos
pei.xes e de bacalhao ; peix-es de vinte qualidades
ew coaservas, sardinhas em latas, camarSes sec-
cos, bacalhao, .peseada*, sardas, lagostas, salmao,
tatatas, arroz, feijao, cebolas, azeite, vinagre ;
raanteiga ingleia e franceza; doces, fruatas e
cineoenta qualidades de vinhos fiaos do Porto e
outras tantas. de outros lugaras mais afamados de
Portugal, alem de um completo sortimen.to de ace-
pipes raros, deKciosos e qne
<- '-
%
YENO
a qasa e sitio n. 58, a rua
Capunga: a tratar no mes
PeimbucaBas na
a cnAlotier^fabrd. '
Por metade de sed iAJfJi^
padrtes, 'P(o Vaile serttiu' borjlid Jfekravo de 18
x Aproveuem, idade per 1:300/^ optimp. para copoiroea
Cahinjo era qualquer barriga
Fai a melhor digestio,
E nao faz mal a beKiga,
CJamo corpeado, verio.
Mas, como ia fallando, iamos entrar na vida de
oulr'ora,.isto e, na epoca das festas, e portanto
vamos ter festas, festas e mais festas, e como todos
Jojncrn das festas, visto quo uma parlc da para as
Hill e *!* para preparar as festas, 6
logico que o .bregeiro dinheiro que anda tao vas-
^ueirovtiia-dbs cofros dos amames orthodoxos e
se va familiarisaado com as atgibeiras vasias dos
toece^sliado"*, e ejtes por sua vez venham ae arma-
zem do CampOs a rua do Impersdor n. 28, prepa-
rarem-*e para a quaresma, tempo deab'tinencias
no qual sd conw sem licenca, comptarem o que
a de mais gostoso, saboroso, cheiroso e tudo qua
acaba em ouso.
Dizw aos amantos
Dos geaeaos .tspeciaas
Que se querem ser felizes
Venham ja e quanto antes
Safcer a causa molriz
I)oViml)oatir> let rivae=i
Erjefar s6 forneeer
IWIcJaiy gast* 9'prazer.
CBALES BARA109
a 29, 29500, (9.
0 Pavao vende chales a emita^So da a*>
rin6 a 39, ditos de merino lisos de todas ai
cores a 29900, ditos de merino catampadoa
muito flnos a 4^, Jditos fmissimos com Us
Iras de seda a HUSM, ditos muito sksos aV
crepam a 10JJ a 129.
llgMlao mmtrntmUm 19ef9M.
0 PavSo vende algodio eufestwo com P
palmos- de largura, proprio para len^oe*
sendo do mais eneorpado que torn vindo ar-
mercado-, Uso a 19* a*ar a trarpjadoa.....
19280.
ATOALHADO A 196W, 29, 59.
0 I'avao vende atoalhade trancado con > 4
palmos de largara a 1KDQ90 e 19600, did
adamascado a 29, dito de Hnho adamasc*
doa'39e9
sba PAftA jtsrmos
a 19609 e 29.
>0Patio vende um boaltosortimento A'
dos d]B meninas- e de seufaora a 19600 0 eo-
vado, ditas lavradihhasa 29, oa jedrdas si.
muito bonitosTende*e peV este preco pat>
aria um, assim como, duos a2 de julho
aero todos os enfeitas a W9. cortes de cam-
araias brancas afeertaav eom listras e'latores
a 69, ditos finbsimos a 89, ditos de cam-
hraia branca com listras-de cores, para acav
bar 39500, e* pechrrtcha.
CORTES BORDADOS A 209 E.353SV
0 PavSo vende rieos cortes di cambraias
brancas delicadamonte bordados, pelo ba-
rato pro$o de 209 e- 359. "
CASSAS PRANCEZAS
a 300 rs, o eovado
0 Pa-vio recebeu um grande sortimento
do cassas francezas eom delieados padrOes e
cores fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, o eovado, organdy branco e lis-
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara1 ft-
nissimo 616 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanasde todas as cores.
BORNOUSA 129.
0 Pavio vende um bonito sortimento des
mais modernos bornous combonitas listras e
vende pelo barato preco de 129 cada um,
assim oomo um elegante sortimento dos mais
bonitos chales de merino ecom listras desoda.
Ceroulasfrancezas de linho ealgodao, para todos os precos e qualidades, assio
como grande sortimento- de meias cruss, eamisas, cnlerinhosr que tndo sp vende po>
pregca rouit t razoaveis..
Botinns a s^90
0 Pa*v!o tem am completo, sortimento d*
botinas muito bem enfeitadas para senhora)
e 'venda pelo barato! pre'QO Je SB, artigo qu
em outra qnalqjuw parte cuata 15 e 79.
LESBOS BRANCOS
a 29000.
O" PavSo vende lencos braneos abainha
do*, taato psrshomans como para sanbofii
a 29e 29500 a duzia, ditos de esgvaio
eambraia de linho tambem cbsinhados
39500, 4J8,59, d tos franoeaes ascords, par-
rape a 69, a duzia.
CAMISAS PARA HOWM.
0-Pa via vende ricas caraisae com peit-
de linho bordadas, proprias para noivo
105 e 129 cada uraa, ditas de Hnbosen se
rem bordadas. a 43, 48600. e 9* ditas cou
peito de algodao muito finas a 29, 29500
39, ditas dechUafine miudinha a 29,29900
e 39, assim eomo grande sortimealo aV ae-
roulas franceias tairto de linho como de a'
godau de 19000 ate 39, g* nde sortiraont
de md^s cru.s iii^waas de 49 ata 89000 s
duzia
fflll
ANTONIO JOSt DE AZ1VID0,
Rua Nova n. 11.
PIAHOS.
os que tem, novos
Ouerendo definitivamente liquidar- este negocio, vead todos
isados, pelo preco do custo de lactura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas> de muitos lindos desenhos de 11 a 33 palmo.
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-6 uma sala por grande qn-
seja com oleado inteiro.
MAGNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
iNNE!S electricos para curar dores de cabeca. nevralgias e nervoso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
<} RAM POS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARCA e papel picado para bordar com 13 on seda.
VERDADEIRA agua de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, e por barato pre^o.
FUMO DO PARA
0 verdadeiro fumo de Borbi, em cbicote, picado, dasSado e crespo, assim
como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a vapor, antiga, rua dos Quarteis n. 21.
Na dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarSo os seguintes e bem conhecidn
fumos manufacturados na mesma casa,
Flor do Brasil
Novo Caporal
Bes Bird'seye, (Olho de Passaro. )
Vende-se a retalho, e em grande quantidade so faz grande abatimento.
\ ^ende-se ricas sedas de diiftibs ,
pa^nitissim^ pre?o de 1^500 o cbvado
fis 6 pechincha : 9a rua Onqte de-Caxias n, ^8,' a tratar no pat6o' da Kibeira, no
loja de Demetrio Baslos. moeiro.
annos de
boleeiro:
portao do ma-
OMNDE
Em
Grosdenaple preto
Sendo lisos e de cordao, e 0 mais brgp qne
vem ao mercado, e qne-se-vende pelos dimirrutos
precos de2*100, 2#00, 3a?Q0 e 3*300.
S3' NA RUA DO CRESPO S. 20, LOJA DAS
TUES TOBTaS B8
Guilherme & C.
Junto a loj.i da esqutna
Mo ha mais cabellos
Asunicas verdadeiras
Bichas hamburguesaa qne vem a este mercado
aa rur Marojaax de uknda n. 51
braneos.
TINTURARIA JAPONEZA.
S6 e unica approvada pelas academias de
sciencias, rooonhecida'superior a toda quo
tem apparecido fcto hoje. Deposito princi-
pal A rua da Cadaia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas ft aa|as do cabellei-
reino.
uma casa na villa de Barreif09, na rna do Com-
aercio, por preco modico: t tratar com Tsaso
irmaos 4 G
, Luva de pellitt
Amaral. Nabuco & C. vendem Invas de pellica
de cores com toaue- de mofo a if. USi:0 elf 0
par : no Baaar Vieloria, rua do Barao da Victo-
ria n. 2.
Lindas las eeeocezas.
De varios padroes, e inteiramente modernas, a
360 ra 0 eovado : na rua Primeira. de Marco
antiga do Crespo n. 13, loja das columns?, de An-
tonio Correia de Vawoaceflos.
Alpaca, preta
com flores de cdres, padroes os mais modernos
no mercado, a 800-rtis 0 eovado. S6 t pechin
cna oao se amosiras- aa rua do Queiuiauo n
43, defronte da pracinha da Independent*.
Wil-on ttowe & L. vendem bo sen armasem
a rua de Commercio n. IA :
0 verdadeiro panno de algodao azul amencaoo.
Excellento flo da vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho da Bofdean* .
Carvao da Pedra de todas as qaalidaiBBs.______
Farinha de mandioca nova*
Recentemente chegada da Santa Calhatmt tarn
para vender no trapiche Cempaubiai a para mnar
no seu escriptorio a rua do fiommertfa a. % loa-
quim Jose Goncalves Beltrfio^tiHia. Atvertiaie
aos compi adores que rJusaiaoO0 insliaf, vanfem
mais barato do que em qualquer outra parte, taa-
to am grandes eomo em pequenas porcdes.
[
i.
\
1 hhB


r

f
\
8
4
\
,
I
\
DiaHfcBD^Ianiw'(b>l^*tei^)fal'f4Tle{4^^<^
otehm
MB IWMS
ai

AfiENTES
A'
Rua do fiarao da Victoria n. 28
UID
Laurenc P ereira Std i*a> 'd a Im pierartrn z xt.
Declara ao* sous frdgeezds que tem'resolvi'o fazer uma graddeHniuidaijIoi,
fitn do corrente anno.
A SABER
Bra
Pussariito o rMriz.
R<'^a-Se atos gehhbies do eogeaho que pretendem
^ mpeg'aralguii&dos'maehinismos novos, o favor de appa-
^^Teccrein U'estafabrifea quelhes p6de fornecer osapparelhos
I
la DOAis.simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
Ra expoaicAo de Paris, em 1867, foi coneedido a
Elias 'Howe;Junior, a medalha de ouro e a ondecora-
gao da legiiao de Honra, por serera as machines ranis per_
feitas- d+ "undo.
A.medallka dewiro, cerrferida a E. -Howe Junior, m>
Estados-l'nidos por ser o inventor da machina de
tura.
CAMBRAMS BRANCAS 'A' 3$000;
Vende-se: pecas deoamnraia Branca, tapa-
da e transparente, a 39, 3500, i^OOO e
5J900.
LAS1MIASA200I^.
Vended raslnhas para Yestidos, a200,
320,e 60 psl o-dbtato.
Difoe depalba,- *4,.8)0 e *!(*00<.
Bitos.de masse, aifc^OOO.,,
FEKR MARbASnEMj MQWDAQAO.
Vends se sefebnttes de diversos tamatthos,
a liO, 200 (P246 320 is., todo bom.
ft-aSeo.eVbanba; a;160 346 e I06'rs.
. f rascos cornajpuaUe doionia, a 240 e 320
rs. cadartim. B-dutras muites ertrsotos tjue
mais apropriados com o minirno de deapeza: e dispoe de
pessoal habilitado para monta-los devid mente e moftrar
|t>systerrtamais coininodo de trabalho, para obter melho-
ramento no fabrico do assuoar.
ALPACAS A640RS.
Vfendu>*e alpacasde cOres ooralistrasa 6*ft se veude muito bereto/para liqoidar.
e 84>ftrs. o eovado. TQALflAS .A .8* US.
G4UNADENE A 806 RS. VendB-se toalbas'felpudaS, a'800 rs. cad*
Vn6e grenadine preta com listfas de oraa. Leoeps brancos, a-2 J 00 ad uma, e
cores, para yseslidos, a 800 rs. ceo- aaOftO'abanibwIos, fei*ada-!.que tedde-se <|
o-1 vado. por 5#000.
GRAVATAS PRETASlA-SOO RS.
VenJo se gravstas prutas, -a 500 rs. Man-
I'OUPfiLlM.JAr'ONFZAA 15800.
Vende-se uma .fazenda nova com listas,
A'meJalha da euro na exposicAo de Londneaaeraditam'com o nomedo poppelitui j.iponeza, propria tasde cores a 200rs.
*kt*ttmrhiaa* 'para vestidos de sfenhoras, a lawOO o cOr| Olapeos paTa.twpVisados
dabe^noa o derep'Ae arftranciw que a cbnrpanbia das macbinas de Htrwe de Nova-i
rk, estabele,ceu nesla cidade-* rca in 8rao da Yittoria n. 28, um deposito e agenda
*?fc!'j par**nx'P^rnattlb#^e:Tnaispro\ineiasse venderem as afarrla'das mWhinas de cos-
*? *fowe. fistaa tnacHiftas so justameUte apreciadas pela perfeicAo de sea trabaibp, gas
rj^afando uma agulba mais ooarta com a mesma flualidade de Hnha que qualquer oUtra, vatj0,
- t*krtrtroduc^to dos-m*^aperfeicoado8 apparelhos, estamos actualmente habiUtados a
de meninos, a
ftado. ibAss es'tas fnwridas'sao'ven liilas no 35000.
Ualar' !Wionnl, d rua da Imper ar'tz n. 72.! BENGALAS.E CH4C0.TES A 800 RS. .
CORTES DE CASSA A 25 0, ., Yeude-sebeialas e cbicotfis, a .80O,rs.>.
Vende'se rflrtcs de Cassa para vesiidos, f.ada.uma., 4>ara liquid*r. oi
com lO.ova-dos, a' 2^300. i
Clims EAltetS A 2i0 Rs. GRANGE LlOLIRAC^VO l)t ROUPA FEITA
Yendc-se dii^as frantczas, largfts, tle'cflres j Vende-se ccroulas de algodao, a 1J1000.
240, '300, 320 e 3R0 'rs. 6 co^O; I>ilas de iinhp.a 1JS6W e-iiB000.
Earoisas de chiles flnas, a 13C00.
COALTAR SAFONINADO
DE LE BEUF
DESINFECTANTE, anti-musmatico, cicatrizando as chagas.
Adoptado pelos hotpitaes de ParU e pelos da Marlnha m'litar franccn.
rt-
E--e e'xceltenle tonloo' po-suc uma efficacia ferdadeiramente maraviihosa nos ulceras gar.a
nosas e escrofuto$tu, hos cancros ul6tradot, no anthrax, naotorrhea purulent a, na ozeua
crupt feridas pelus armasde fogo, enfermiduacs do utero, etc., elc.
Emprega-se, mczelado com mais on menos agua, em cbum.icos, locCes, injerroes, gargarismot.
Como dentKrioio orilinario (ama colherada das da cha Dum'quarlo de copo 'd'agua) muilo epe-
eialmenle ellicai para purificar o bate, iuit aa (engivu doentea e tornar firm-, 01
dentes tirammioi.
0 seu uso e muito hygienico, sobretudo em tempos d'epidemia.
Uma neticia circumslanciada tae com cada frasco. Exiga-te a firma do Inventor.
Fabrica em Bayonna [Franca), em casa, do Sr. LE BEUF, Pharmaceulico de I" class*.
Deposilos: Parit, 45, rua Reaumur; Pernambuco, A. RECORD onde se encontra lambem a
Emu
centra
IgaodeaVlaatrlo vegetal de I.e BenT para fazer a agua de Alcatrlo, a uaica preparacao con-
radae lilulada cootendo em si o alcattipsem serallerado nem modificad*.
"taratWiiJ* jrme"ptrb1i.co as rfkihores raacbiuas do mundo.
AsvatittyensJestGsmticMnassao -assegvmks:
friroair*.G:pablico sabft qiM ;ella* ao duradouras, para isto prova incontestavel, a
wumstaAcia de nunca torem ami^-'-Sdo, no mercado macbinas d Howe em segun-
iWkrJDioi.
Seitanda.I'ivt-m o material pxeciso para Teparar qualquer desarranjo.
Twceiia.Ha neiiai raenor fricgao eutre as diversas peQas, e menos capido estrago
?ffienas.-oulras.
Quarts.Formam o ponto como.se fdra fetto i-mto.
'. ^ointa.d'erruitte que ie 'examine o trabaibo'de ambo os Cos, oi que-se nao consegn
.aug)Qtras.
Sexta.Fazem ponto miudo em asmira, atravessando -o^iio deura i outeo lado,
>ga<'em. :aegciik*.., mjmi i wmiUfify* \ a tensao da linha, cozem a fazenda mais
Setima.0 compressA*- e^ lerantado com a -malor facilidade, quando setem de -mudar, um
* tfolpaao cOrue^ar nova oostura.
lOiUWLi-^JlWat companfaias ideMnacbinas de 08tura,^m tido dpocas de grandezaie
' *ada*cia. Maf.binas oulp'ora populares, sao kujequasideaeuabecidas, outras soffreram
CASSAS ftfCORES-AlB'ORS.
Yende-se cassas francezas Imas de corest,
a 2C0, 320 e 400 rs. o Covado.
SMAS A-2^000.
Vende sc saias tirancas com'batras de eft-
res, a 2^000,
CHITAS PARA ROBERTA A280RS.
Yende-se Anitas para cobcrtas, a'280e
360 xs. o covado.
MEtAS PARAROMENS A-BJMWO A B17.IA.
Vtnde-se, meias cruas verdadeiras, para
homens, a 6JW00 a duzia, 8 qaa'I vl
85000.
'C1IAtES RE 1.A A/80ORS.
Vende-se chafes do is, a 800

nitas de peip de cores,, a.22000,
Uitas branaas fioas, a 25u.00,..3>00P e,
45000. A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n. 63,
ralmsrio l>rlin_nardn p dp cares, a" 2S000 ^P^ssa-se em toovidar a sens Treguezes. com es-
LalGasde briuv.pardo e ue cprcj, a wouu pe(,ia|idad(l a(,beUo ^^ a virem? apreciar os se
e 25o00. .;; gnintas.artigos expostos a venja e todos pot preco^
Ritas de casemira de, coras e, pre^a.a, Sfli' convpodos, pomo .^am .-
fttt 7' 00 p. S.-^OOO PINAS BONECAs mansas e choronas.
t'^Xual^^ca^.^aWQ, I JSr* ENGRA^ADAS vistas Parastcrio,
Ditos firetos^.-a 35000.e 35^bl)0. j.. cOMmoOaS UATAS para guardar cha.
Bitos .deeasemira : de corest a .45 ei ELEG^vStes BQL^aS parasenhorase.meninas
G5.00.Q BOXITOS YASOS com flna bartia e cheirpso?
Diios ditos pretos, a &500O,, 65590 .i-SftSSttSSS^ ""^^amimi'
'jadai^aisradiafc'9^ara/poderem substitoir : entretanto a cofipanbia das machines de Howe.
tern cons*"
fa^a 600
CRITAS I'lNAS A 400 RS.
Vende-se chitas finas de campp brgo, fa-
zenda mufUo:.boa, a 400 rs. oxovado.
CHAlFS HE -MERINO' A 25000.
Vcnde-sej^haUis 3f rncrino estamprKlos, a.
85000..
Colleles, deicasepira de pores, a 25>. 35
i. cada145PiOQr
Gaswsas de u,*neHa,..aeicores\, a'^5006 e^
25500.
JitfJQDA.O,A;.4|PP0.
r-Vqnfle-se.,peas. de ajgqdao,. a Alt, 55 500O,
Joptandei a-'orMHiaoideBHaa. |Howe mesre em artes mechanical tem consjanteraente.,
' machinal *vf_ 35 *5000 e c^,000.
tfmentado 0 sea fabrico,-e hoje nao atteade a procura, posto que
vealt.
trtad-'efaina aeompaBba livretos com instruc^oes em portuguer.
K
n
do
A'
A..90600
.I
bitos de hstras a 'S5b00 e 65000.
BBJNS, EM CORTES A 15.>00
Yende.-se.co.ijesde brim de cores epardoi,
15^00, para TLquular.
CQBE\*AS DE CHITA A WOP.
Vende-se cobcrtas pe chitay a 15P00 &
25,000,,
Barao da Victoria vt. 28.
de rto prejq, para ficar ao aicanee
qualqaer bolsa.
Rua do Cabuga n. 1
A' rua do C:bua n I A.
Os proprietarios- tla rreallQeta, no intdito at i
1 nonsen-ar 0 bum concerto fic tom menecido .de
respeitavel pabiico, distinguindo o sen esiabeleci-
menlo dos mai? que nt-guciara po rncanp genera,
veem scienAficar' aos-seus bon*Treguezes qUe prer
venfftoi abS'seils corresfoTfrlerites nas diversas par-
ca d^urepa para Ihae'euvfareta por todes-espa-
queles os 'objeotos de luxo e bom gpsto, quo se-
jm mais bwn acailos pdas sociedades eiegantes
daqueHea paizes, visto aproximar se o tempo de
Testa, em que o wllo sexo desta linda vnez
1 mai* ostenta a riqueza mo ja recebessem pels paquete francez diverse
artigos da ultima moda, veem patealear algunt
d'entre eiles que se tomam rriais recommendaveis,
esperandQ do respeflaTel publico a cbstumada
cooeUi retKia.
Adewew a* Urtarugaiosimais Itados qae teem,
vjndfl aa mereado.
Albnoe com rioas eapas de madreperola e de
'veltudo, seiiao in^ersfis tamantids'e i)aratos pre-
50B.
Aderocfea MHtfMa* dei borracha prrprios para
Into, lambem se vecdem meios aderecos muito bo-
nrtoc.
Bok5es de setim preto e de cjres para ornato de
?estiaos de se'thora; lariiBem tera para Colfete
paMot.
Balsas para jartorn s, exiBtd us betlo sortiraen
to de seda, de palha, de chagrim, etc, eu.
baratonre^o.
BerJecaS de todos os tamiirjho*, ranto He iouijb
como de cera, de borracha e de massa ; ?h*ma-
mo3 a tffinrd das Exmas. 8rai.< para eete artigo.
po as- vezes tornanise as criapcas um pouco im-
pertinentes pur falia de umob|ecto que as en-
*eteaham.
CafttAi 88 Who'lfcas e cem peKoc'ttordadoy
pamM hcroem, wniew-e por ;pneoo commodo.
Ceroatee 4e linho-e de-algodic, de diversos pre-
CaixinKas com mu'sfra, 0 qae'ba 'de triais liodc,
com dfttfcosnas wmpas e'-prbptfos pBra-ppes 'las.
Ooqaes a*mais nwdernes e de diversos forma-
tos- ^ ^
Chapfios ua'ra senhora; Receferam bra sortimento
da ultima' lAbda- 'tant6 i>ara setihtira,' como -para
aasMMa.
CapeUas s^afliea 9 com :seo. para noivas.
Cal?as bordadas para memnas.
Ebtremeios estam'pado* e bbrflado?, de Hndoi
eseo%09.
Eeoovws eleclricas pant aVnlee, leai a prtprie
1 -duto 4are/itar a carie.dos d
' te um
baratc
res, exute
iAtM e'bj
Pitas -de sarja, d* goignnopda geUm ede cha-
malate, :d diirersa^Jafgipii p bowtaa- wes.
Borfe ^rtTlSfiaes. ATrVWrleiyiJrTiria' em coa-"
*r*ar s>mpre tfra- beo AraMe^saitltMM* dee-
^llere^!*^tt6.'pQra:eoBatedo8'cJkflloi( cOa
dlT3mpwa Galuaa dftalgodao, de li e de seda, brancos, pre.
tos e de drversai trft.
iWaVatte rWWfe para b^nfera'^ettktras. '
>hc(oieimbtatt e de setoAar toreros ovree
para senhora.
i^Je seda de cures, e braacas bofdadas para
Os verdadeitos
'Vinhos de Bourgogne
das marcas
Cbambertin
Pommard .
Virits
Volnay
Beanne
Montbelie
Dito Bordeaux em quartoklas.
Vende-se por haralo pre^o
PARA LIQlilDACAO DE; COxNTAS
Rua I.urga do Raarl 34.
Rotiea.
pa
do,,para Mqu^lar.
COI.XAS H CORES A 2506O.
Vende-se colxas de cores para cftu(a.a,2JS,
e 450QP.
TRANSPARENTES PARA CADI.7RAS A
155V0.
Venjerse tr/inspareutcs para cade-ras, a
115500, parabquidar.
BOSETS A 300 RS.
'CASBIrRA *OT CORA'25*00,
Vende-se casemira de c^res, a 3&909 o
covado.
MABAP&E'A A i.15000.
Vnd-3e ppcas- de roadaptflav* eWfestado
b-SHMOO.
Uito inglez, a 45500, 55, 4 *'75eOO
pt^a.
B&tKXASnAtl&m.
'Vende. se betinas-para BODborae 10500, 55 <65O00.
Wtas-de orriiar, i 25000. (
Sapatos de tapcte, a lndO.
Ditos de tranca, a i*M* e> 2IMA00.
BRAWAMF A- '15G0O,
cVende,-SB foramante. ei;- 1Q pfllm>
Urguna,.-para lo<;6es, a 15600 :e,255Q
'cnttio... E oufiae rauitas Jf(bl4s propria
do-EBenBadov!que,se>i?eBde i*flfleseirva,;4*
FlNASciTEIAS.Dfi SEDA, vindo enire ellas cor
de carne.
Para quern goslar.
A' -Jfeva Esperanca a rua Duque de Caxias n
63, acaba de receber ten'tos a caixas para 0 jogo di
Voitarelta
Pr3,(jueiS(iTi!e A Nova Esperancaj a,rua Duque de Caxias n.
63, acana de receber as procuradas meias de bor
*ac|a parajquem soffre das pernas.
VFLORES ARTIFICIAES
A Nova Esperanca, a rua Dqque de Caxias n
63, acaba de receber um lindo e complete sorti-
tneMo de flores artificiaes das mflhores qne tem
viodo ao mercado
A ellas antf* que se acabem.
Oostumes para crianca.
A NcVa Esperan^a, a rua Duque de Caxias n
63, aoaba da reeaben boBites costumes para criaaca
e e>t;i se vendando por precos razoaveis.
A rflva E^peranca, a rua Duque de Caxias n
69, rceben nm pequeno sortimento de anoeis e
4MlseiBae-lectricas, propriaspan quem soffre do*.
nervos.
Vende se bqnets de seda .para borq< ns, a preco, pars liquidar nfjutf fim.djiieoFrQUtP
50.U.rs. ; aunu, for isso coavat-laos conrpradores.scir-
CHAPEOS A 25SQ0. j tirewHBe.de'fazandas barataa^ pana, presen-
Ynde-se (jbapeos de castor para ffoiunopi'' tefeataque esti na portn, aruA e horaens, a 25500 e 35000, '-a. 72. Bazir Naciaual.
M
FtaDjaa daseda prel
gfanSe sortfrt'ento deT
Livros para ouvir missa, ecm capas peMla, aurflm; os'o a -ntiio<, ii*o: 1 qua ha
Pentes da tariaxuga e marfimbara; a/isar Os' ca-
'ttWlos; %em"Swb'*m para tirtr^spaJ.
Port bouquet. Um hello sortimeoto de aradre-
ipkreiaU rnakMoacAso a-daoradDS *ur barato preeo.
Perfumarias. N.eflal prpvida, nith s(> era. exJra/:tos,'tfoiiio em oleasj e
BanhuaoSmemores odor*, dm mais afamados
rabriflftitea, Loubin, Piter, 8ociedad Mygianiea,
Condray, Gosuel e RimeJ; aao *ndispDsa?ei8 para
a festa.
Saias bordada'* para senhora, por commcrdo
prec/). -f
Sapatinhos de la e de seu'11 bordados.para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a PredileCia nM b&hito sort.'
mento de di verso, tamanhos, unto pwaoJaao-
ma-para entrada de spH.
, l^r13' P"""- tapti.ado 0 qu ha de uelhor
gesto e os mai-, ja^^Los, recebeu a PrcudecU
rs..
.fANDENOVIOAM
A' rua no Crespq n. SO
Loja das 3 portas
LAZWA
(Gbeoon esta fezeod* eorovadroes inteii^mqnle
de2C0
Loja de
(juDhefme &C, junto a loja
d esqnina
iW Vehataw ntaa taweraa' aa rua. das Carro-
eas, esquina da rua de S. iuaoj com boa easa de
viyenda e basUntes commodos para Tamilia : quem
'prete'nue la 'dirrja se a mesma.
Graade renniao!
Pa*h t o d o
UCOR DOS MOKGES BEBEpICTlHOS DA ABBADUT'Dt rt^AlP
- i


R^pubiieanps e monarobistas.
Dempc'ratas e aristocratas.
Federadbs'e con'fe'dferados,
Communalistas e communistas.
Caiholicos velhfjs ou novos.
^If.ff dfvem l>
ReniaJdosouBeo' reqnSdos
Fazer emquanto antes
Suas enoompiendas
Dos .sahorosos 'filb'os
. 1]ao pEeeonisadds I,'
I
I
Este c6lebre licflr tao
ftppreciftdO: do i)ubljco
iaq ponto de se encdn-
trarhOje- Cm toda* as
'baas mezas, tantoi'ho
' Restauranle como nd
jantar domestico; nos,
:. grandes hoteia mmUMft
8al6e9,des,pTuicipe9, por
isso 6 eHctamben o'dlp
"jecto de numerosaSiini-!
taffies, cuja niaior parte
de falsa provenenoia.
Como term fins, de
garantu* ays oonsonuna-
dores cuidaflpzos um
pvolIucloipurp^cxquLsito .
e esseacialmeMte.bjgie-. j
inico-, contra astaft latsi-
lieafLfts 'detcetareis de
MUtfi g9t' ft oocrvo*,' A
bande,- dairto Vetro o -i
, niMiHoitegardlfa^irkti* '
[ adma 0 dos seltds e 'lfe^;"? j i
' treiiosqUe enVolVem o;
'vitMiftiiro Ucdr Veriedic-
iino, ,"j
OmWtfW'iTOWTiRtE.
RfconHHetirfamoS'pm-trcbtai'-meiite-aopitbtiwew $eml,o eoci-
gir o MrttWtifflml quid lAftflfr-poftd ndfuita&tias pttrdfffts'
dexdt q i' de QutubrddJ i&ll ]qut tem a bmgnatiird de
A. tfiGRJtWJntee; tfiR^c^ow HhW
MB Em tempoideepicteraiaobfeXfcDICtiSoe nrrt prfciervattvo
certo; nm granif. nnraero'd. oelebrlctadei meaJca. leta da.lo o
certiQcado bdm formal.
Urpofcita. Crrl: A. LEGR'AND -ine, cm *ew Qtrmneu .
Deiposite.geral em' Pernamtvco, A. REWBJ). JM

-i
I
I
H
Rabricados a capricho
Dos pastelsiros
So e sooa.e*ie
Na confeitaria do Gt
Estude de-luiguas
-Pelo methodo de An por H
A. Gruber
Lingua iegleza curso UOOO.
Lingua allemS-i e 2 cursos2*200.
Lingua fraoceza I' e 2*cursos-2*000.
Budimentoa da lingua latinapor Theod Esch &j
IJvraria fraboeza
"^ Vende-se um escravo moca e de bonita fl-
rfBcial de fuuileiro : a traur na travessa
do Corpo auHarmazem D' 2-
(il
0 mais ipoderoso>eii9'Hisiag4davel de todos os ferrugmoeoa aeewav;
njeodado pelos Professores a-Doutoras : Piobrt, Taeussaao, Jbpb? (',
;il>ajaAU), Mawaigne, Ricobd, NSlatoh, Chassagsac e muUi^imoj, outrpf.
contra.; as molestias de contumpfao, clorosis, opilagoes, floret brancas, qn(ma}
su/focafoet, palpitafdes, rachitis, etc.
EM TODAS AS rHAMIAUUS DC MUKDO.
Deposito geral no i*ertjotfti PARIS,' W, rue de l*trept, 2, PARIS.
05SO.
Damnsco de seda.
Ricos chapeos e chapehnas para Mhocaa, I
ma moda.
Cisemira preta e de cores.
Chitas, madapnlao, panno firm preto < ami, i
larinhos. punhus de linho e ajgodao, gravata-, 'u-
vas de fiu de Escossia, 'apetes de t M r>s isiri-
nhos, bolsa? dc viagem, peitos bordadei f.ara hr-
mens, len^is de linho branco a de edres, toalbs*,
guardaoapos, etc., etc.
Fogao de ferFO economic*)
Vuiide se um chegadu ha pi.ucos lias, tc-ndo I- r-
nalhas para lenha carao. (run pan r.-~;,r
deposito para agua auanu e In^i.i i.-.u .-. .
dar quente as enmidas depois dc Croat; rska .:-
toes toruam-se recoinineiidavei< por<|lM > de
ferro batido, e fabricadr.s mm rwrMeio d rai-
nham com n;ui diminul.i lentia : aa rv;> do Ai
n. 20
i\ij;\
I
I
PW
AHMJkZEML
DE
mas
Paris numeric-, a ruaDu-
que de rifexiiiH n- 59
prhneiro :,ndar. aeatia ,le rvn-lh-i ;:.
iMirtimmlo d'- ralrad
senhora, Tindn enlre rjln naatiadii < nfi-i-n' h
elegantes cl|iquii->, saaafinlvi* n t. tirn~ p.-'.
'ri.;ti?as, que todo rcfidt: pur pier raz< a\ei-.
Tfitnde pcclijitrliit v. 20) rs i
;as^a iii, |'.idroi.s.ii'.v.
1 vindo ao inena
V.i. lojade Giterra & P>rr4n.ua
:rr^o dc :C-0 fa. u .i-. '
hfgue*u.lre^iu-2'.s .jyr ic acaba
Mi -..
V
ends
;i.
Rua Primeiro.de Marco n. 7 A
DE
Cordeiro Simoesc&C.
E' 'esta uma das cwas que boje pode com pri-
mazia ofTerecer aos sens freguezes um variadissi-
Bio sgrtiraentu.de fazendas flnas para grande toi-
lette, e bem a.-.-im para uso ordinario de lodas as
classes, e por precos vanlajosos, das quaes faz um
pequeng resumo.
Maneam faaendas as casas dos pretendenlee,
.para q que.tem pessoal necessario, e d3u.amus.tras
uedianle pephor.
Cortes daseda de lindas cfires.
Grosdenaples de todas as cures.
Gorgnrao branco, lizo, de listras, pcete, etc.
Setim Macao, preto e de cores.
Grosdenaples preto.
Vefludo preto.
Granadine de seda, preu ede c6res.
Popelinas de lindos padrSes.
Filo de seda; ta-anco a preto.
fticas basqoinas de seda.
Sksaeos.de merino de cores, la, etc.
anlas brasileiras.
COtUs com earhbral* branca eom lindos borda-
dos.
Kica* aapeUas e mantas para aoivas.
, "Kktuissimo sortimento de las com listras de
seda.
Cambtaias de cures.
ZHitas maripozas, brancas, lizas e bordadas.
Nanzuques de lindos padroes.
Baptistas, padroes 'deiioados.
Percalinas de qiadros, pretbs e brancos, listras,
etcL et6.-
BttHs de linhe dc cr, pcopruw para sesUdos,
com barra e listras.
Rie^oa eortesrda,vesti4o de linho, com infeitesda
?6r, ujtima mbda..
to< de cambtaia de cOrtSw
Fustao de lindas cores.
Saias bordadas para senberaa.
Camlaas bordadas -para senhoras, de linho e al-
Sortimenlo daroVas da-verdadarra fabrica da
JoUvm', para fcomeni sarihoraa.
Vejstfatioa paraureainvc,
Ditos para baptizado.
ChanjHis para' dito.
TOamas e guarBabaoos adaraajcados de haho de
MM pard mesa. ,
^tkbaeidela; ,.
Cor tiaados, borijadus.
Grandesortimebfo de camisas de Rfih6,'lizs *
burdadaii para homebs.
'Meias 'dfe cftra* 'para homens, meninos e meni
as.
DiBsiescocezaa.
__etto de chapeo? de sol para h>
taens e sfennbraai 1
yeiWfVlefeBreafara, vestidos.
Ditot preio, tranoado dim de verao,
Atoalhado de linho e algbdao paTa tOalrras..
': Daffeto te*
' Brtas . i SetiaKte Jio*as ^Sres cameras.
. Cbales. dfi n^erin6 de- core? e pretos.
Ditos de caJermra.
Ditos deseda mett'*de e6fl6, ,i
Bkos dc toaqnira.
Caa>iaa r] obita para homens,
Ditas de fianella.
Ceroulas de linho e algodao. [<
'Paniws de eroeiet para sofa, cadciras e consa
i
LeDfos tardadot e de labyrintho.
Colcnas de crochet.
Tarlatana de todas as cores.
Ricos enrtes de vestidos de tariaUna bordado*
p;ra c6rtes.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Ricas fachas i'.e s-da e la para senhoras.
Ri'-o sortimento de leques do madreperolas
Eiigenlio
Vende-se llainaraca. e lcv;in!a-lu h.i |i !>- i !:: :<> irn llfTaa
da s-titi BoORWa Acba^* < rvfrv )o .'ng- be
inoente e ccrn-nte e da vapor, s uJ > o resfjtcii.x
terreno asrac pfodiWlivp dc cauaa, uiaiulkm, lai-
Iho, fiija-i etc. Aero do- fVih ilr p'antoao,
ha uma boa solta p.ira and >, ni"i'f< n r. fr,:,--
tiferas, inclusive cojuciros e oj limos lu.'arei para
grandes vive ros. A sifoacao dr. casa de virenaa
eagradavel. o ebm.i pawadio !a i.h de ita-
rn a r.ica sao muito ^preciavois. ale:n T'rat
vautagen. que coal a vi^ia meliif-r <"> r^o
comprr.di>r, rf.ngin'.io aaau r*(niito m, hj*. n
hfesnanda-ie na warn do .ata.ii- u. '.'. c_t.i
da Bca vi.-ta, junto a caix.i d'agu
Yeiule-se
pes de paneira-, aiiacatei .-..p-.ii.-, roj. .:j-, li-
gueiras, fri-CU-pao, ruccir >, d'lalios < utras Oo-
rcs. por precu coramodj : :ia L Vi.-i.:. rua do
Vi-ci ude de Guyanna n. 101, outr'ura Mond*go.
AGrUASALCAUM)' GA/XSASTas pTdHAS
"SA I. CAD AS
VILLA rOl'CA DE AGllAf.
Dicnrbonntadas-sndicu )
Analyses do Dr. Jose Julio lioffrifi> -t, h /'<
da tseela pohjttfhnira de 1.
Esta etcellente agu, B-ada e in v;u rn I
padeckneotos d:. vias dige.-dv.-is, :?r ii Jo
eslomag), etc, ee. : ven drogaria a rua larga do R"sarii> n 'A.
Veude-se uma e.-rava eri ul o. ..-."^
de idade,,bouitafigura, cozinha < if a traiar na rua nova de Santa Ttii: ns r.
p :i
Salsaparrilha de Ayer
paaa rtramcAx o samoce.
0 remorao cnente remedio4 dev- 'um:^a-
fl* de enras qv.e tem nix- ado, ia-
itas das quie s&o vertii.ieiraDiLa
' BaravUkriwa. lanumarcn .'ato oa
oaso> am que o }-stbo;i,... parvcro-
do sarondo da polricfn oe t: iej
tidadai .etcrofi.lo-.-,-. tern *ido
promptamente restitui.io A ar.uda,
' As (BMSuSuii e ileaordeuayaga. ;.t-
i dai pala(kitaminaci* aacrea)- *,
ale1 produzircin ddrcs modlflcaiitea,
ttm sido tarn nidlcOe tara genteMnte curadas por et#>. i a
MMM panodalmpario,qBa o juWico aul precliaiie **
infonpaao das suas yirtudes e do modo de ual-o.
0 venone eceto*oloa a am" 4o mail flralrnidc. s taiir.ifaa
e trai<, powrifuta
,1'cdbtiA iw*--. at
corron.;a t> iirpa
ttift&o, ejnmomanto^BOrtaBO^Iarra rapiiLuu.-./.e lot
ma if sna's hedfondas TOtnAs, J4 na'cnfis ia r.oe orp. o
m>W.: Neste altim.eaa *apta,iMUatai ten tnberc J
' ny -. (tic- lietfcoea (am aerfido nuoca se de> .w
j.f p. iv.-(t u i' sempre. melhor do qu comba.:
., ar*e= <.,^ tp'-^rfecerem'OB ptopftes tynpHomtu *o.'.,
U aiC.f }"t JZ AX EM p-jdera fv.ui
lesattadp* fuuestb*.
.-,
pessoas que soflr-m de EryrtaWa*, Eaaw aV B. An-
tonio, Dartros. Empigem, IHmmmmtitmo, Timor**,
gtoarw, e sensi.bilidsde dolorosa. no* ouvidot, olho., *c.j
dor Aos osst*; Dyipvptim oa ImJUfUfi Bytroy $.",
M*lc,U *> Cvraelo Ttt)m4*, EpjUpmi*,
raifia de yaiiae outras arTeccoes do ythema B-"
Bteo;, ataarlo Ugaro aQirlo usando dcta BAJ-SATASr-
K1I.BA DE AT BE.
A /BvmkMlM oa Kolttfitu Tenerems sao euradv c-m o
ten tfcoV pw que seja aeeeaaaiio mais dilltado tspu^o t-)tp paim. sutyugar tarn impeHiaentes enfenni'i>'~.
as nicer-..'
A Ltifcorrh/a, OU Floret Jll
as e'em'girii as inolesHas Ktae.a
daa >> aUfrioraiaata anradai por .
vjgorativo,
ttlO^nnlluuli.f**., aaaado oaauadw por
mu|aieft^e materias fiatraahas ao saugue, oe-l. i-
mtnte'ae mesmo modo c^afis! ate r%f*: C->-c->;-- <*
JnJtmLmmoao d. *i*i*: I****: qua.A.sa. *. jdaa
de maus_aesi(lup no sangua.
A SaJteapaxrtlhai um emcelluol* ntaurador 4a>
forca e vta"*>* ao ajattMena.
Aftsim, todos o que soffiwrem Languor, I hlrg .-. />e>
nialot, Intomnta qme *) iBeoDi<>oi1ii<<'- I *Pt >--
provsnieate de Dobilidade, acharao a. seu podcrreaovata
o mais atgure eipediente de prompta run.
J.C
PBXPASADA ro
Ayer & Ca,, Lowel'
CMmicot Practieoi A
VE^HDE SB I
V
E.U,
I Mumun

/




-
*"'
__!
9
8
Dmi& fa pmmlwo
TAMEDADE

C0RAAO DE ARTISTA.
Entre os quadros que figuram em Lyon,
sxposicio dos amigos das artes, ha am que
represents am leilao era pra^a publics. No
primeiro piano ve se uma pohre mulher
sentada com uma crianci nos braces e con-
templando com tristeza a venda de sua mo-
bilia. As lagrimas descem-lbe silenciosa-
mente dos olhos, cahem-lhe sobre o pequeno
cherubim, cujo semblante branco e rosado
faz urn feliz coutraste com o rosto mdanco-
lico e descarnado da mdi.
Este e~ o ass.umpto do quadro. Vereraos
historia.
Ha alguns anno?, um pintor, autor (o
quadro, atravessava a rua de Terra ux Ap-
proximou-se marhinaltneute de uti grupo
de curiosos que segui*m as peripecias da
venda de uma miseravel mobilia de opera-
rio. Uma mulher estava tristeraente assen
tiia d parte, e acalentava ms bracks uma
rrianca que so ria para ella. 0 pintor in-
tsrrogando a, soube quo a mobilia he per-
tencia ; que seu marido morrera, deixan-
do-lhe por unica heranca aqueile filho ; que
as privacies, o trabalho di.ino, a Vigilia
dss noites ndo tinha.n podido veneer a mi-
seria ; quo o sou senhorio, emlim, usando
de um dire.to rigoroso, Iho tinha penho-
rado a mobilia por alguns mezes ie alu-
|uel.
0 pintor cMumoveu-se com esta historia
siogelamente cotitada, scm que a nobre rau
Vds possuis 25 mil francos de renda, fizes- gritou-lhs do lado; rak, senhor padre,
te vender a mobilia de uma desrac*ia qua cruz cei I 0 padre, com calix
raulaer ptla miseravel quantia de SOO fran- nas maps, ratirou-se promptamente, porque
cos que ella vos devia : eu quiz dar-vos com eflelto a cruz do centro da banqueU
uma licio. 0 rosso orgnlho commercial e ofcillava !... ameacava cajr l... e por en-
rosso genio especulador, com que. eu coo- tre os pdsda base desta cruz, que e de me-
tara, serviram-me maravilhosamente, e ceis- tal e mui pesada, sahia pouco a pouco ft
tes perfeitamente na ride que vos armei. enorme cabeca de uma serpente, com oltos
As psrcellas es'do lanijadas : de credor tor- scintillantes e abifurcada lingua em raovi
naste-vos devedor desta pobre, e espero mento. 0 s cristio correu d saoristia,
que a ndo forcareis, para se pagar, a penho- tomou o cabo de uma lanterna, e colloca-
rar-vos a vossa mobilia. .do de um lado do altar, combinou que o
E saudando graciosamente o proprietario, celebrante, do oulro lado, alcawjasse a has-
estuppfacto, assentou se depois de tor no-' te da cruz e a tirasse para si; tudo isto foi
nunciado d pobre mulher a fortuna que'obra de um instante I
acabava de adquirir-lhe.
0 corpo da forraidavel cobra estava ainJa
enroscado atraz da cruz, e a cabeca, que ja*
tocava no altar, foi-se prolongs ado
ate o
S. Jodo, (atravessar, ejdexcedia em tnais de um pal-
VISOES
Proximo da villa da barra de
na provincia do Rio de Janeiro, e a 100'mo e como que queria tomar outre'direc
bracas quando muito na embocadura do $io, quando o >acristio lhe descarregou o
volumoso rio que alii desagua no Atlantico, goipe sobre a quina do altar. 0 pedaco da
ergue-se em pequeno monte uma capella 'aibeca cahio nosupedo e restodo cor
com a invoca$a^ de S. Joao Baptists, j po ainda deseorolando-se e querendo depois
0 caso estranho que, no anno de 1856 se'aprumar-se na cauda, foi cahir nos degrdos
deu nesta villa (entdo arraial) e nesta ea- de presbyterio I A serpente era um jaru-
pella, nos impelle a relata-lo, transcreven- cussii, quetinha quasi dez palmos de com-
1 -t-o de um pequeno jornal que na locali- primento ? 0 padre teve depois de celobrar
lade entdo se publicava. A maxima par-
te dos habi'antes da villa, na epoca do aeon-
teciramto, ainde existe, inclusive os visi-
em outro altar; retirar-se socegado sua
habitarao, nio son bo u, nem rio mais a ser-
pente,, e em poucos dias achou-se em sen
Iher demonstrasse a menor expressao de pe-lseveros e soodaeta exemplar,'religioso sem
zar ou odio
Como se cbama o vossi knhorio ?
perguntou.
E' aqueile, disse a muliier, apontan-
do para um homem quo seguia de parto a
venda da mobdia.
0 pintor reconhTeu no personagem de-
signado um homem que chegou d fortuni
pelo tortuoso caminho da usnra, e compre
hendeu que, dirigir so ao corac^Lo delle pa-
ra fazer que renunciasse aos sous direitos,
seria baler d porta de um home n quo nao
estivesse em casa.
0 artista iraiginava o meio de que po-le-
3J servir-se quando a not do pr^goeiro an-
- nunciou a veu la de um quadro.
Era uma pessima teh Ie quo a pobro mu-
ll seservia no invenin para impedir o frio
Jog Ihe vinha de um fogao.
er Um franco pelo quadro, disso o pre-
euiro.
0 pin'or achou meio do vingar-se. L in
gando mao do quadro, examinou-o con.*
attend minuciosa do conheced'.r, e pas-
sau to em seguida ds maos do pr^go^iro,
ezclamou :
Cem francos.
A' este lanQO o proprietario licou estupe-
facto. Especulando em tudo e por tudo,
imagiaou que uma vez que um artista de
talento offerecia cecn francos pelo quadro.
era signal que valia duzentos, e por isso
exclamou :
Duzentos francos.
. Quinhentos, disso o pintor.
Seiscentos.
Mil.
A persistencia do pintor coutirmou o pro-
prietario na idea que fazia do valor do
quadro. e por tsso nao quiz deixar esse no-
gocio provtitoso. Tomanda, pois, uma
posi^Jo m gestosa :
Mil e quinhentos francos, disse elle,
Dons mil, respon leu o pintor.
Dous mil e duzentos.
Succedeu a isto um silencio religioso en
etr os espectadores desta luta.
Dou lhe uma... dou-lhe duas....
yuem da" mais f Ninguem disse palavra.
Dou-lhe tres, giitou o pregoeiro.
E o quadro foi adjudicado ao propne-
nhos e o sacr stao do entSo coadjuctor, pa- j estado normal.
Ire Jose Narciso Pereira, com quem se deu Agora perguntp-se aos entendidos : que
) acoutecimento Ei lo : rela^do poderiam ter as risdes do padre
0 reverendo padre Jose Narciso Pereira,. com o apparecimento da cobra em etnia do
homem roaior de 50 annos, de costumes altar ?
Nem supponha algue.m que isso fosse
uma tcena preparada. Primeiramente, com
que 6m ? depois, nem era facil, nem tal
ujp'jcrisia, zeloso cumpridor de seus deve-
res e verdadeiro typo do sacerdote christdo
quo edifica com a palavra o com o ezemplo, Ipode suspeitar quem conhece o caracter no^
eicrci3 as funcrocs de coadjutor desta fre-'breehonesto dos act>res.
pin'or e disse-
tano.
Este dirigio-se entao ao
the:
Vendo um artista do vosso mento
;iustar com tanto allinco para a acquisigdo
daste quadro, suppuz que era uma oora de
val< r. Em quanto o avaliais f
Em tres francos e cincoenta centi-
mos, disse o pintor : o ainda a&sim nao vo-
los darei.
Estais cacpando.
De modo algum-
Mas elevaste-o a dous mil francos.
__ E' rerdade e voud i'zer-v s o porque.
guezia ei I8*6, e residia em cjsa do reve-
rendo vigario, hoje fallecido, o conego Je-
ronymo Perreira de Souza.
Km a noite de 18 de fevereiro do dito
anno, depois de rezar o seu breviario, obri-
gacdo que nunca dispensava, e cumpridas
outras devocoes, apagou a luz e deitou-se o
reverenlo coadjutor, llecostado apenas, o
reveren !o padre vio (sdo palavras delle, )
uma grande serpente negra em cima da ca-
ma ; fez morimento para expelli-la, mas
ndo o conseguio : levantou-se, passeiou pe-
lo quarto, porem, apenas parado ou assen-
tado na cama, via sempre a serpente. De-
pois de duas horas passada* nesta alflicg.ao,
resolveu chamar um preto relho que dor-
mia perto, para accender uma rela ; passou
minuciosa revista ao quarto e- nada encon-
trou. Appareceu o dia sem que elle tives-
se concili do o somno, porque apezar da
luz, a mesma serpente negra lhe apparecia.
A 17, o reverendo vigario, quo dormia
em am quarto mais afastado, a varios ami-
gos que o frequentavam e que o riam tris-
tonho e abatido, contou a visao da- noite :
tod'is se riram e lhe disserara que aquillo
ndo passava de um sonbo. Nesta noite de
t7, apezar de deixar a vela accesa, reprodu-
zic-i a mesma visdo.
Durante o dia 18, quando ia assentar-se
d mesa com o vigario, apparecia-lhe a ser-
pente em cima dos pratos. O padre ndo
podia comer.: as noites de 18 e 19 forarn
passadas nos mesrnos tormentos. 0 padre
tomava por alimento alguma chicara com
chd, nao dormia, estava- cadtTerico, e oe-
cultava oi soffrimentos, porque os amigos
quem desejaria e costumava referi-fosi
zombavam da sua pusilaoimidade : os mais
iutimos o julgavam victima de algama en*
fermidade, e os menos caridosos diziam
que o padre estava louco.
No dia 20 de manbd o padre Jose pedio
ao reverendo o vigario que ouvisse de confis-
sdo, porqup, bem qu9 a conscieneia o nao
accusasse da nenbum grande peccado,
aquella visao que o atormentava era presa-
gio de grande desgraQa que o ameacava.
Confessou-se ; porem, o dia e a noite que
se lhe seguio foram, como as antecedentes,
afflictivas. A 2!, de manhacedo, foi com
o sacristao, como tinha por costume todos
os dias, d igreja dizer a sua missa. Ao
accender o altar notou de p3ssagera o sa-
cristdo alguma desordem nos objectos quo
tinha deixado arrumados em uma das cre-
dencias lateraes, e sentio como que um
che ro fetido. Quasi a meio do santo sa-
crificio, quando o padre partindo a hostia
e pondo-a am cima do calix, tcmou este a
o elevou com as duas mdos, o sacristao
SERENA TA NO MAR.
E' ao por do sol ; e qaantas recordagdes
doces a alegres, tristes e amargas ndo des-
perta na alma essa bora sublime de mel.tn-
colica poesia? I
E' a hora em que o hdmom, rei da crea-
Qdo, recolhe-se do trabalho que fertilisou
com o soor do seu rosto ; em que- o poeta,
filho do espiritualismo, eleva um canto in-
tirao ao Creador, que ndo ousa passar aldm
dos labios : era qua as radis unindo as mdo-
zinbas dos seas filhos, ensinhara-lhes a
orar com palavras doces e ternas, como so
ellas sabem ter
Eea... mollemente recostado em um
massifc de relva, eontempla-ra o sol que
por detra-z das cuspides dos monies ia es
conder-se e euviava i terra os seus raios de
luz, jd palKdos e atquebrados.
Tudo ao redor de aim exhalava um per-
fume doce e rago, como os descaotes meli-
fluos e apaixonados daondinas, que habi-
tam palacios encantados no profuwlo dos
marts.
E sen ti a -me feliz, vendo as tretegas ndo-
rinhas recortamio os ares como a gar$a brau-
ca os-lagos ; ourindo a uttima not a do can
to desprendido de todos os seres, despedin-
do-se do dia.
0 sol cedera araa parte de seu reinado
d lua.
E elfe, a rainha da ooite-r erguia-se ra-
diante e orgulhosa de si mesma, por etre]
as sa> eio menos-bellas vassallas, as- es-
trellas, 9orao> a mais Formosa e altiva das
mulheres-por entre earrectas formosuras
em um salao-de baite.
Repent ins men te ouvi um caoto sonoroso
como as joras de amor, partido do um lo-
ve batel que siagrava lentamente, como es-
sas nuvensde cor de- madre-perola, qae
passam indoJentes no azul dos ceos, as
aguas raaruthosas e tremeluzindo de briibo
do enrairecklo mar.
E esse canto derramava na alma uma
como que embriague* de gozo,-elerava-a a
mundos deseonhecidosK e essa oompassada
e harmoniosa voz fazia eoin que eu sonhas-
se acordado-como os videntes da Allema-
nha.
A. voz di/.r assim :
Eatrellas e cdos,
A briza e a ftor,
Respiram suave
Perfume e amor.
A lyra do vato,
Do terno caotor,
Desprende das cordas-
Teruura eamor.
Alta, que espelha
{ j SeX mego palWr,
Ao mundo surri-se
N'uaa riso de amor.
0 briibo da estrella
De argenteo fulgor,
Respira nos ceos
Poesia e amor.
OhJ vem a meu peito
Dar crenga e ardor,
Vem dar-rae os p rfumes
De um magicp amor.
Oh 1 vem, roinha Ueleoa,
Minora*me a dor,
Vem dar d minb'alma
Ventura e amor I
A' ultima palavra daquelle canto, ouvi o
barnlho dos reraos espadanando as aguas,
e a g-iidola. daquelle iago de Veneza afas-
tava se..i E e barco, com um sonho sua-
ve e dijleitoso, fciresvalando a superficie de
esraeralda das aguas ate perdor se na exten-
sa penumbra dos horisontes o>)veeutos....
Voga, voga... feiticeiro batel, e quo
nenbum iuiraigo te arremesse de encontro
aoscachdposquo ezistem d tlor da agua...
Arthur Barreiros.
0 JORNALISHO
K' sobre modo curioso seguir o progres-
so do jornalismo no mundo, ate* uossos
dias.
Os antigos geralmente desconheceram os
jornaes. Entretanto os gregos tinbam as
suas Ephemerides, e os romanos a At'i
diurna onde se registravam, dia por dia,
os ados da aytoridade publica e os aconteci -
mentos mais importantes.
Estes registros (Ada diurna) conti-
ubim. alera dos acontecimentos politic s,
os foct-tf mais notaveis, os espectacufos pu-
biicos, os casamentos das familias illustres,
e a mo te dos grandes homens.
Na i lade media estes registros ou chro-
aicas desappareceraw'; e entao as noticias
so-eram transraittida* por meio de correios
ou viajantes.
Com a invenc,do de imprensft ndo tar-
dou a mudar-se este estado de coasas.
Desde a primeira mefode do seculo XV,
tiveram os improssores, de Moguncia ou
Strasburgo, a idea, de imprimir folbas
soltas, dando ae noticias mais importan-
tes.
Era *563 os hohitantes do Vent-as, por
occasido da guerr que sustentaram com os
turcos, oonpozoram jornaes, |ue eOama-
rara Nolizia sariita [ noticia eseripta)
porque erara escriptos d raeo, e tanobem
\Gazela, nome este derivado de uma taoeda
que se pagava para obter o jornal, raoeda
que era assim chamada.
Entretanto os joruaes regalarmente pu-
bftcados so-appareceram no seculo Xll e
em-6pocas iutteterraraadas.
A Italia, a Allemanba e a France disputa-
ram a primazia a esse- respeito.
^primeirojornal regularmente periodico
foi a Gazeta do medico Theopharsto Re-
naudot, cujo- primeiro numero jahio a 30-de
maiode 1634:
A impreiisa periodica na Frauds ndo ee-
mecou realraente sense com a revolu^do
(1789.)
0*Monitor Universal fundadO por Pan-
kcoucke, appereceu em' Paris pela primeira
vez a-3 de maiode 1789.
Depois dessa epocha, a imprensa tomou
grande incretnento em todos os- paizes civili-
sadus, e vai se deseavolvendo em toda a
pare-com espantosa rapidt-z.
A imprensa e incODtestavelnaente uma.for-
Qa de que rauitos tcra infeliznaente abusado,
deshonrando tdo bella.qudo proveitosa insti-
tuigio, destioada a levar a civilisacdo e-a luz
ao seio das populates.
so, o conde de Anthoakoff, a fldr 4a ntvt,,
s6 se encontra nos limits! septentricnaes da
Siberia, onde a tara cooserva eternamsnts o
seu manto de gelo.
Surge do solo gelado no primeiro dia do
anno ; attinge a altura ds um metro, desa-
brocha ao terceiro dia, permanecs aberta o
curto espa^o de vinte e quatro horas e volta
ao seu elemento positiro.
Brilha um dia, tin loo qual, haste, fo-
lh8g e fldr se convertera era neve. A haste
tern poaco mais de dous centimetros de dia-
netro. As folhas, em numero de tres, da
largura de sete centimentros e cobertas de
cones de gelos microscopicos, desenvolvem-
se aponas para o lado da haste voltad. ao
Norte, e recurvam se graciosamente na mes-
ma direcc&o.
A fldr, apenas desabrochada, toma a for-
ma de uma estrella. As petalas, do raesmo
comprimento que as folhas, teem aproxiraa-
damente um centimetro oa parte mais eleva-
da, e entrelagam-so umi na outra, de f6r-
ma a apresentarem o mais delicado tecido
de gelo que aos olhos do homem d dado ad-
miral-. As aatheras sao em numero de cin-
co, na extremidado das quaes se vem tre-
mer e scintiilar ao terceiro dia pequeninos
diamantes gelados, co no cabegas de ailine-
tes, que sao as seraentes desta maravilbosa
ftor.
Imagine-se a alegria do illustre botanico,
3ue na sua louga eiistencia do investigador
e plantas, nunca tinha visto nada tdo for-
DMSOl
diz elle mesmo, seguio-se a mais extatica
alegria quando vi pela primeira vez esta ma-
ravilha da natureza, este phenomeno estra-
nho, assomando d surpeficie do descrto ge-
lado e coraposto dos proprios dtomos do
seu berco. Uma destas partes, quo toquei
ile leve, dissrpou-se immed'iatamonte, fiean-
do reduzida a um pequenissirno floco de
neve.
fracas ds mais minuciosas precau^oes;
Anthoskoff conseguio colhr alguns grdos dia-
mantmos, e correu d S Petersburgo, levando
comsigo o q .e elle justameote eonsiderava-
como a coroagdo de ua vida de sabio.
Depositada em am leito de neve, a se-
raente ahi perraanectu durante um anno,
alimentada, por asaira diz-r, pelos ardeutes
desejos do jubiloso botanico, e era 1* de
Janeiro de I86i, a /Kr da neve rompeu o
involocro gelado, oa presents de toda a
familia imperial e de toda a corte maravi-
mada.
Este brotar artificial da fldr da neoe va-
ien-a Anthoskoff cartae de nobreaa e o titu-
lotle conde.-
(Da Lwe*)
^tusf*
POLHETIM.
LUCB2C1A 3QBS-ZA
MEMORIAS DE SATANAZ
POR
D. Maaoel t/ernundezy Gonzalez
QUARTA PARTE
LUDOVICO ARIOSTO
IV
SE MHO ARIOSTO. 0O5UNADO PELO AMOR, ERA
MAIS FRACO DO QUE ELLE JULGArA.
(Continua^do do n. 42. )
Um dia disseram-me : Affonso esti ex-
pirando; cheguei treraendo e cheia de
terror : tinha morrido. Ffira assassinado,
estava quente ainda o seu cadaver, e sobre
eUe jurei uma vingantja terrivel. 0 meu
sujo morrera, e eu deixara tambera de ser
info ; voltei outra rez para o meu inferno,
e esse inferno dura ainda, Ariosto. Agom-
seaa. soffrendo o em silencio, e afinal sahe-
rue involuntariamente do peito am grito de
dor, que se eleva ate si, Ariosto, ser predes-
tmado, eleito pelo Senhor para pro grandeza e a harmonia, e que oure estre-
nj scendo o commovido os lamentos de uma
tlma dese?perad.
R Lucrecia levantando-se s pegando na
aiao de Ariosto, levou-o para uma daaja-
iidlas da camera, abrio a ridrace e disse ao
poeta :'
Yeja ; aos p& desses muros espessos
e gigaotescos, fossos profondos e pontes le-
vatiigas; d direita e a esquerda, ter-
ras nas almeias, soldados vestidos de
ferrn; na frente, uma cathedral sombria,
com as suas estatuas da idade meMia, com
monstros sonbadospor uma imaginacdo fe-
bril. Alii o symbofo sombrio de um asce-
tismo pavoroso, o mysterio, o enigma em
pedr8, a eterni-lade ameacadora brotando da
pedra como uma maldigJo de Deus; em tor-
no, umacidade silenciosa, que ve com pa-
tot sahir o seu soberano para a guerra, le-
vando comsigo bomens para a morte ; que
ve com dor roltar o seu soberano sem um
grtnde numero dos que foram, que geme
sob o peso dos tributos, qae soffre o domi-
riio ds (yrannia, que olha com raiva piraj
estes muros e para estas terras, como
se quizesse redna-las a p6 com o sen
olhar. Tudo quanto me rode'a 6 trip-
le e araeagador; nem um momento de
repouso, nem um instante de coofian-
Qa, tendo o somno gaardado por homens
cobertos tie ferro, temendo um dia em que,
como os MeSdicis, nos vejamos obrigados a
ir mendigar um pedago de pdo aos nossos
inimigos. Ah l esta eiistencia e insuppor-
tavel 1
Lucrecia fechou a vidrac.a, e, com a ca-
bega inclinada sobre o peito, languida, es-
belta, admiravol, foi sentar-se de novo na
poltrona.
Ariosto, assombrado, ebne, perturbado,
permaneceu de p<5, immovel, d pequena dis-
tanciade Lucrecia.
Esta proseguio :
Ndo ha rauitos annos, quando aiuda
ndo fora corapletamente corroido o feuda-
lismo, os poetas chamavam-se trovadores, e
os trovadores ndo conheciam melhor premio
do que verem-se sentados aos pes da altira
dama que anceiava aspirar, por alguns rao-
meotos, uma aur-\ mais fresca, mais perfu-
mada, mais facil do que o ar que circulaya
babitualmente na camara do seu sombrio
torredo feudal. Ariosto, o senhor e" um
trovador divino, e se a dama lh'o mereoe.
torne-a por um instante a dama dos seus
pensamentos, e sente-se aos p4s della.
Ariosto, silencioso, porque nio sabia que
dizer, sentou-se aos pes da gri-duqueza.
Lucrecia coraecou a aoariciar os cabellos
do poeta.
Depois, inclinaado a cabega sobre a ca-
beca de Ariosto, rocando com osanneisdo
seu cabeilo as palpebras do poeta, fazen-
do-o aspirar o seu alento, accrescentou :
-' Dizera que es poetas teem o quer que
seja de sacerdotes, e por tonto quer ouyir a
confissJo de uma pobre alma dilacerada T
Ah 1 senhora, exclamou Ariosto, eu
estou louco, ndo sei o que sinto, nem o que
penso, nem o que temo, nem o que desejo ;
ndo tenho vontade e duvido se tenho vida,
porque o que sinto neste momento, ndo o
senti nunca ; porque me pareco- que morri,
que g"Z9 outro rids,' qua siuWi em mim
um oulro ser, quo agmiso, n que a ininha
agooia e delicios3, ineffav.i, uma veotr|
infimta.
F. porqne *
A FLOftDA-NEVE.
A proposito desta. marsvikbosa fldr, que
parecia ter s6 desabrochad* na imaginagdo
de Theopbilo Gaulhier e a que o iuspirado
Gounod consagrou uma-focmosa can-do, lo-
se na France a seguinte noticia que leva
a crer na exis'encia deste priraor da natu-
reza :
Descoberta em t863 porum botanico rus-
URjSPRIJDEllCtA.
ovaMHM aa o| 3a vusamnv
o.ntjhh oa
OiKMHXJ 09 3J3U3 Wi 3UiVaMVHit00-Xa
i^ivzvn ivh'^hvk oaoioeonH oa ousasau r
e^aa>|*aj
A testeinunha continuuu depois com a
narrarao de alguns forrageamenlos que se
exeeutaram ate 30 de setembro, chegou d
opeva^do de Ladonchamps, na qual nio to-
mou parte.
PiLembrais-vos do que se pa**>u na
reunido de t&de setembro t
R.Croia que o mareehat nos- disse :
Nao estou embara^ado. sahirci quandj
quizer, e por ond-: qaizer. Como tive a
houra de dizar nos roeus anteriores depoi-
raeatos, a pennanencia em Metz. por todos
nose pelo proprio marechal, ndo-devia ser
senao uma permasjeneia tempora-ia ; foi
por isso quo nos nio preoccupamos da
questdo dos viveres.
P.Pouco depois, a 12 de setembro,
raarechal communicou-vos um relatorio do
Sr. Debaius ?
R. Um official do estado-maior veio ler.
me esse relatorio, que eu evitei levar ao co
nheciraento dos getWaes, qua ss achavataj
ds minhas ordens, porque coatinba infor-
maeoes quo me pareceu perigoso espalhar.
P.Nao tinbeis sido prematuramente in-
fer raado da capilulagao de Strasburgo ?
R.Sira, senhor president.
(y general Pourcet. Sabieis quaes eram
Porque vejo em si mais do quo uma
mulher, e sei que ras ama.
Ama-lo, eu I disse Lucrecia com um
modo tdo glacial que faz arrepender-se Arios-
to das palavras que havia pronunciado.
Diga-me, sabe o que e o amor, apezar de
o descrever sempre nos seus-versos?
Sei. 0 amor e o esquecimento de
tudo quanto ndo seja o objecto amado, a
morte da razio, da vontade e da rirtude.
0 amor e" a morte da alma, quando se sente
o amor como eu o sinto, quando por elle ss
esquecem o agradecimento, o perigo, a fa-
milia, a alma, Deus, tudo ; quando um es-
pirito terrirel devorou o nosso espirito,
3uando ndo quereraos defender-nos, quando
izemos d uma mulher : sou teu, so-
mente teu ; sao tuas a minha honra, a mi-
nba vida, a minha alma... E' esse o amor
que arde era mim, amor que tenho callado
porque sentia medo. mas que brota e foge
para chegar ate si sera que eu possa ter-lhe
mao.
Ah I mas esse amor e o inferno ; ndo
lhe inspiro eu um outro amor, Ariosto ?
Nio.
- Visto isso ama em mim um deraonio
que o fascina.
Ah I nio 1 exclamou Ariosto.
Veja Ariosto, que e para mim um.
mao poeta. Nio esperara isso, e todavia
davia sspera-lo, porque nasci para a desgra-
ca, porque estou amaldicoada por Deus.
Diga-me, exclamou Ariosto verdadei-
ramente aterrado, dsi-lhe eu motiro para se
lastimar desse modo ?
Nio, foi um equivoco ; julguei crer
que os poetas sstio acordados, segundo pa-
rece, qoando sonham. A razio disso e
porque a poesia nio passa de um formoso
sonbo, de uma arte divina, ds uma cham-
ma do fogo s-grado, e o poeta e homem, e
quando toca ds materialidades da vida, con-
verte-se em mate ria.
Pot unica resposta, Ariosto tohou um
gemitlo profundo e involuntario.
> Porque razio acreditou qua l.utr. ciai
Borgia se cuiivertia n'uma creatura misera-
vel, e queria fazer do si um homem tio
miseravel como ella.! Porqne nio compre-
hen to o amor, asm o ennegrecerr com a
grosssira materialidade dos sentidos? Por-
que nio acredita que se possa amar outra
' cousa alera da formosura f Porque e que,
as aentiraenaai 4m marsehal a respeito do
governs da dafcaa naciooal ?
R. Considsrara-aa aacrificado.
P.Tiuha se produzido um sofrequsci-
mento sensivel na moral dos seus solda-
dos T
R. Tinba-se produzido am snfraquesi-
mento em consequencia da falta de aluaea-
tagao, e privacdes de toda a especie, mas ne-
nbum eufraquecimento moral, A discapti-
na nunca deixou de existir no exercite de
Metz ate ao lim ; se nio existisse disci-
plina. ..
f A testemunha parecia eoinmovida s ale
pdde uontinuar.)
0 marechal Bazuine.0 geueral Proa*
sard deve lembrar-se que o eiereitn estiva
cheio de lama ate d barriga, e que supporta-
va soffrimentos horrireis. Ouanto i oora-
gem, a ningusm faltou.
Presidente.A pergunta do commissario
io governo tinha por tim estabeleeer ss a
accu rtulj,ao durante tanto tempo de.... ,
150,000 homens n'uma fortaleza, nio tioha
produzido desordeos pbysicaa de que av%a
se resuhado um certo enfraqueciuiento aao-
ral; o que parecia muito natural e certo
0 general Iksceavx.Toraei o com-
mando da guarda, na ausencia do genera!
Bourbski, erade setembro. Antes da-
quella data, a IV, offerecsram-se dous cou-
raceiro^para ir em missdo. Fallei com o ma-
rechal, e no dia seguinte, 1-5- maodou-me
elle um despacho para o ministro da guer-
ra em dupiicado & despacho era eseripta
e dizia : c Mandei-vos rauitos emissaries.
Ignoro so vos chegarain, porque nio tive
m;ris noticias delles. Tem-se feito circu-
lar boatos moito extracr linarios. Msadai-
me as vossas iastruccoea.
Devia t m bem fazer aos dous emissaries
uma coramunicacdo verbal. Recommeo-
dei-lbes que diseessem ao ministro da guer-
ra : Marechai fet duas teutadvas de
sortida que ndo produzirata effeito. Em
Metz ha 16,000 frridos. Ainda tamos vi-
veres para 20 ou 35 dias.
Os dous couraeeiros atravessaram as [i
nha-', e entregaramossu despacho ao com-
mandanto R^boul. Aquelles-dous cooraeei-
ros recusaram toda a especie de recompsn-
H era dinheiro, dizeodoquesetinbamoSa-
reeido ndo por interasse, om para serrir a
pat ria:
A's pergoatas de detalhe. a testemunha
respondeu como os demais oflkiaes gaoa-
raes que o precederam.
(A audiencia foi intsrrompida por espa-
co de hora e meia, recomecaoee is does
horas.)
O martchal Canrabert: A pergunta
que se lhe fei- sobre as operai, ja militare.
dusde o 1 de setembro ate 8 de oeAubro, o
marechal Caarobert nio fez mais do qps
repetir o que tinbam dito as arecedentes
testemunhas. Pelo que lhe dizaa mais es-
pecial mente rasaeito, o marechal Caarobert
contou em detalhe o movimento opsrado
pek> 6" corpo, em concurrencia oom o 2*.
pera apoiar o naorimento -do exercito no
dia 7
0 o" corpo ji tinha tamado a-posic^o de
Ladonchamps. Urn golpa ds mao dado i
noke fez cahir a posicja em poder
marechal Canroaert, qus a sustsotou, no
dia seguiute, e repellio o iaimigo i bayo-
net*.
P.Conseivais-raemoria da reuniio de
4 de obtubro ?
R.Sim, tiatou-se da marokar sobre
Ihioaville peiaa duas margeu do Mo
selle.
P. A natureza das obras feita* pelos che
fes de corpus, obras muito cousideraveis,
ado affectava inteu^do- de petaaanecer e.n
Metz?
R.Haviam alguns poatos que estaram
forlemente estabeleciJos, mas em summa,
as obras nao eram consider*veis. 0 sxsr-
sito ndo devia eternisar-se em Metz. Toda-
via, depois do desastre de Sedaa, julguei
que a idea ds tomar a ofiensiva.ji uiopo
dia vibrar no espirito do commaudante em
chefe.
P.Ndo tos quno couvidar a faze: unaa
theoria ; mas erafim, perdido o exercito de
Sedan, cachia por terra toda a idea de soo-
corro, e parece-me qua o aensamentQ.de sa
hir de Metz, devia ser mais razoavel do que
nuuea. Ouvisles fallar da capituUcio de
Strasburgo?
I Conlinuar-se-na.
ao sentir o amar, converts a alma era cor-
po ? Ah 1 e eu acredita>a que & parte li-
cenciosa do seu poem a era uax tributo que
a sua fraqueza presta-va d libertinagem da
nossa epoca. Ah! EnganeUme, Ariosto,
enganei-me completamentev
0 poeta nio replicou.
A serpente enroscava-se-lhe no peito, op-
primia-lne o corac,do, soSocava-o.
Naquella oocssido, Giaebra ndo existia
para Ariosto, que se sentio martyrisado de
um modo impio, e s6 tinha sensa^des para
a dor.
Lucrecia proseguio :
Ouca.: o amor que eu havia sonha-
do, e que julguei existir em si, porque
acreditet que tinha uma alma susceptivel
dos grandes 'affectos, comj a minha ; o
amor, tal como eu o desejo, e inexplicavel,
porque 6 todo alma e nada materia ; por-
que nio pode tocar-se-lhe, porque e" como
que uma emanagao do ceo, descida d terra
para ennobrecer uma alma, para a sublimar,
enchsndo-a ds um ser divino ; e um amor
qne em nada se parece com o amor da ter-
ra j e um fogo que so alimenta de si raes-
mo, a nio ennegrece nem queima aqueile
que lhe toca. Nuo posso explicar-Ihe o que
sinto, senao empr-gando uma imagera. 0
meu amor, Ariosto, e um amor sem zelos,
sem infaroia, sem crime, que pdde queimar
a alma de uma virgom, deixa- do immacula-
da a sua pureza.
Oh I e e* esse o seu amor? disse Arios-
to, erguendo a cabca e olhando para Lucre-
cia. E' assim que ama ? Pois tambem eu
amo do raesmo modo, e julguei que esse
amor era um sonho; julguei que ssse amor
era um affecto dulcissimo e intimo, conti-
do pelo respeito quo lhe tributo, e pelas
obngaroos que devo ao grao-duque.
E' verdade isso que diz, Ariosto?
perguntou Lucrecia olhando para o poeta
com um sorriso ineffurel.
Hto minto, minha senhora, e sou fe-
\Yr porque vej1 rfsplandecer em seus olhos,
no s--i sosriso, psse amor espiritual e divino
qdo. ru jalgava httpOasirtil.
- Tem a certe deque so ndo enga-
na?
Toda a certeza.
Vsjemos. Eu amo o grio-duque com
a paixio da materia ; nio torn zelos?
Nio.
Lucrecia eontinuou sorrindo de ura modo
divino.
Ah I ado tem zelos? ama-ue e "
tranqutllo, que eu enlouque^o, como
Iher, por um homem ; qjio adoro os meu
filhos porque sdo filhos desse homem. que
bebo sedenta o seu olhar que se embriaga
com a minha tormosura. Ah I sim, 6 ver-
dade ; ndo me ama com o amor impuro da
materia : nos seus olhos ndo brilha a ira,
nem as suas faces se tingom com a pallidez
do despeito.
De repente o sorrriso de Lucrecia fugio-
Ihe dos labios que se tornaram lividos.
As faces cobriram-se lhe de uma pallidez
mortal, e os olhos brilharara-lhe amoaca-
dores como os de uma leda irritada.
Era seguida exclamou :
Vejo que mo ndo ama de modo al-
gum, porque ama oulra, e ou amo-o, coraa
se ama na terra. 0 amor do espirito ah I
esse portence ao ceo, quando o nosso corpo
acaba de ser devorado pelos verities. In-
sensato I julgou-se livre, acreditando que
eu sentia por si uma paixio ridicuta e chi-
raerica I Os poetas, quando se trata da
reaiidade das cousas, sdo uns pobres ho-
mens.
E julgou illudir-me ? Ndo vio por detraz
do meu sorriso, a nuvem negra da torraen-
ta ? Ndo escutou na mibha voz o echo do
trovdo ? Ndo vio no meu olhar n fulgor do
raio?... Oh I amo-o, e ha de amar-me
tambera, porque o quero eu, erabora, para
o conseguir, ten ha de sulcar um mar de
sangue, atravessar uma torrents de lagrimas.
Ndo lhe disseram nunca o qae sdo os
Borgias ? Olhar, rosto e voz de anjo, alma
de demonio.
Ariosto sentio-se do novo embriagado e
louco.
Lucrecia moslrava-lhe toda a grandeza
sombria da sua alma terrivel.
K o furor, a indignaeio, transforraavam-
n'a, faztam-n'a parecer rmaisformosa ainda.
Na sua fronte resplandecia o quer quo
fosse de terrivel, mas ao mesruo t-?rap<> im-
mensainente bello, imm!?nsamente gVande.
Fulguravam-lhe os olhos, o seio elevava-
so agitato, toda ella trernia.
Ao energico movimento da sua cab'ca.
agitavam se-lhe os :-nneis dos spus formosos
cabellos exhalando um suave e delic'.oso
perfu no ; era uma bacchante incompara-
vel, embriagada por um amor do inferno t
por uma soberba infinita, a qual faltavam
unicaraente as Qores e a corda ds vsrdes
'nanos.
pois de um momento de silencio, prose
guio.\
Os zelos tem-me enlouquecido, e fiae-
ram-me quobrar um sileucio qus o seubei
se ndo atrevia a romper, um silencio qus
me raatava, porque eu sabia, porque ssi qus
a minha formosura o oulouquecs, o faz so
nhar martyrisando-o com ssse sonho. Qual
d a mulher cubicada que nao oconbeoa aos
olhos, na intlexao da voz, no alento do* ho
mem que a cobica ? O senhor jubgava nio
me ter dito nada, e havia-me dito tudo.
Por desgraca, eu amo-o como nio am i
nunca, porque o amor que sinto nio pdde
compartr-se com o ques eoti pelo assdttoso
Affonso de Aragio. 0 amor, quando e
verdadeiro, quando e grande, ton pador,
e allivo, calla, soffre, occult a-as, as o aar
amado nio o comprehsadsi porem ease
amor transforma-ss facilmeata em lousura,
rompe por tudo, quando sente zelos, a su
ssnti-os esta noils e eolouqueci.
Zelos I s porque ? exclamou Ariosto
que cada vsz ss sentia uuis dominade.
0 senhor nio tova tamps ds raudar ds
trajo, nio cuidou am ataviar-ss, veio diatra-
hido, pallido, como qua domioado pelt re-
cordafio ds uma mnlher amada, oam a
qual 6 pouco afortunado. Hontem nao
suoosdia isto ; toda a sua alma era minha,
vinha impacisnte, s hois Urdou horas.
Quem s essa mulher f
- A ininha mi fortuna, rssaoodsu
Ariosto.
Julga-se desgracado quando sabs qae
o amo, quando acabo ds lh o dizer? exc
mou Lucrecia com uBpooderarel
vex.
A minha desgraca console
que lhe produz esse amor.
Has, dig*, porque nio fw
esta oJits, o que tem sido tiulas a unr
porque Urdou UutQ?
ahi-
{Conliriuar-M-qaJ
TYP.DOD ALMO.-RCA DCQfB HE tA^As.
L
1
I
.

ll


MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18348

Full Text
<*m
m m i1'
\
I
ANN L NUMERO 44 *T6!

9AMLI A CAPITA!*
MNi PAA
mfljun'
NimeiM iMO*................ 2| (., #t, |fc
Porudito idem.................. ISftWO
24*000
> Cad* Buawro atuiao................. 90*0

KMjA FH8A 24 DE FEVEREIRO DE 1874
mm
cr :'
For tres mfeze* fcfoaea**
For seis ditos- idem .
for note oUo idem ? .
For am anno idem. ? .
-
,



f**9
PROPRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARiA & FILHOS.

L WCUfl
4t Srt.Gemdo Antonio Almd FiUuw, m> PrA; Gon^aim d Piulo, oo Mtranhio; Joaqnim Joe de OUveirt 4 Filhor no
Peroir* d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxoncio Monteiro da Franca, na Parahjba ; Antonio Jose" Gomes, i
Aulonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, a Pilan
hi Antoflio de fcoiu., Braga, oo Aracatj ; Joao Hiri* J*ik> Chares, no Assa; Antonio Marques da Silra, noSatal; Jose Juslino
i Villa da Penh*; Be'armino dos Santos Buicao, em Santo Antio ; Domingos Jose da Costa Brags, emSaxareth;
i Alagowt Aires d C, na Bania; e Leite, Cerquinho d G. no Rio de Janeiro.

PARTE OFFICIAL
<

**
i
.
!
f
I


I
11 *
I

J-.

Ciovcrna d% provincia
KXFSDIB.NTB DO MA 9 DB DEZRMBllO DE
/. secroo
Offlcios -"
Ao Ex. brigadeiro commandante das arraas
Para podero governo imperial resolver sobre a
iransereacia para a companhia de operanos millia-
rds do arsenal de guerra da c6rte ao soldado do 9*
batalhao de infanlaria, Jose da Siqueira Lapa, co-
mo pede sua tia, Anlonia Rosa Paris, *irv;.-se V.
n'si em satisfacao ao aviso de 2i de novi
1873.
Fxc'de am satisfacao ao aviso de St de novem-
b'ro ultimo, informar si a referida praea e carpi n-
Miro de obra branca, embora nao perfeito, si sa-
ke !er escrever e contar, bem como si ainda nao
t*m 20 anaos de made, e si ja foi vaccinado.
_ Ao mesmo. Transmits a V. Etc, para os
doviios effeitos, a inclasa guia de soccorrimento
das oracas do 2* batalhao do infantarisi, Antonio
Poneianode Barros e Joao Felisrainode Luna, que
re-rassaram da provincia da Parahyba, para onde
tinham ssKuido coaiozindo nin criininoso.
_Aome?--TrinsmUloa V. Exc, para os
Kas eonvenientes, a inclu-a relacao da* alteracoes
n o tenente do 9* batalhao de infanlaria, rrancisco
l as funccoes de ajndanle de ordens da provmcia
do Rio Grande do Norte.
j Ao mesmo. Para cumprimento do aviso do
raraiste'io da guerra, de 27 de novembro ultimo,
maade V Exc inspeeciouar de saudo o alfares m-
norario do exercito, Joao Radrigues, e reraetta-
ma o respectivo termo para ser transmittido aquel-
la seeretaria de estado
Ao mesmo. Para que possa o governo im-
mt*1 resobrer sobre os idcIusos p.ipeis que me
saraa devolvido*, refcrenles as ex-volununo da
patria Pirraiano Jacinlio de Souia Barros, que
pede i'ndemnisao*o de vantagens de campanha que
ieiiou de receber por falta de guia; sirva se y.
Exc de para cumprimento dj aviso do ministerio
tfa gaerra, de 29 de novembro nltimo, exigir do
supplicante que precise o sou direito, declarando
o periodo em que deixou deser satisfeito. e quaes
*i corpos e eompanhias em que, entao. seryio.
__Ao mesmo. Em cninprimento do aviso do
miaislerio da gaerra, de 21 de noverabro proxi
oo findo, tirva se V. Exc. de provdeBciar para
jic pela secrettria dese commando de arraas se-
jam passadas as eertidoes que pede o alferes do
(orpo de esudo maior de V classe, Franciseo
Edaardo Benj^raim.nos dousinclasos reqaerimen-
109 que me serao devolvidos.
Ao mesmo. Oedarando-me o Exm. mmis-
iro da gaerra no aviso de 24 de novembro proxi-
mo Ando, ter d^ferido o requerimento sin que
stferes do 2* batalhao de infanlaria, Joaquira Alves
das Neves, pede que pelo 9* balalhao da mema
arma seja passada a sua fe de oSdo; assim o
.cmmunico a V. Exc. para os devid-u effeilos.
Ao mesmo. Deterroinando o aviso circular
4o ministerio da guerra, de to de novoortno y xinw findo, que ate o ultimo do fevereiro vindou-
ro se achem na respectiva seeretaria de estado as
informacoes qnp, s^gando o estylo e ordens era
vigor, devcm ser ministradas palas reparticoes a
cargo daquelle ministerio, para servirem de base
ao relatorio que tern de ser presenie ao corpo le-
gislative na sua proxima reuniao; assim o com-
moaico a V. Exc. para a devida execucao na par-
te que Ihe tocar. Mutatis mutandis ao director
Ao arsenal de guerra, engenheiro das obras mill-
tares e commandante do presidio de PernanJo de
Noronha. ... > t <*. a-..
Ao commandante da divisao naval do 2 dis-
iriclo. Bevendo o capitao de frattata e capitao
do porto da provincia de Alagoas, Francis-o Jose
de OUveira, vir a esta alim de serjaspeccionado,
sirva-so V. S. de provideneiar para que a ins-
peTao seja fei'a por cirurgiao da armada, remet-
tenao me o respective term.) para ser transinittiuo
ao Exm. ininistro da marinha, como e deterraina-
do no aviso de 28 de novembro proximo findo.
Ao inspector li arsenal de marinha. Em
execucao as ordens do Exm. miaistro da marinha.
expressas no aviso de 23 tie novembro proximo
lindo, contracte V. S. na ofllcina particular que
nwlhores condir/ies ollerecer, a construccao de
daas boias para o balisamento do porto e barra da
provincia da Parahvba, devanilo una das referidas
boias ter 2,13 m di diametro e 1,70 m de altura,
armacSo para o sino e guarnicio de espelho, que
podwa ser de 4 m, e a ootra 1,82 m de diametro
e 2,30 m de altura alera da comp'-'ente haste com
Ao mesmo. Communico a V. S. pajLns
tins eonvenientes qje, egando c-msta do emcio
do administrador da meia do rendas do Mossoro
na provincia do Rio Gran w do Norte, foi remetti-
do para esta, ao cuidado do commandante do va-
p.r PirapinM, Jose Hanrique da Silva, o escale"
loraecido por ess! arsenal para o servljo daquella
i-eparitQao e que na form* das ordens ja oxpedi-
castro, e outras MMii d policia, aflm de ser sub-
metlido a docisao da junta que os deve julgar em
ultima instancia, apresenUudo V. S. n'easa oc-
casiao o relatorio do estylo.
Ao juiz dos feitos oa fazenda. Transmits a
V. S., por copia, um ofBcio do juit municipal e
de orphaos do lermo do Garanhuns, acompaubado
da setenca em quo o Dr juiz de direito da respec-
tivs comarca julgou devoluto e incorporado aos
proprins nacionaes o patrimonio da Almas da
matriz daquella via, para que por esse jmzo se
promova o processo de incorporasao, nos termos da
lei.
Ao Dr. Abel Grica. Do Diario Official n.
272 de 23 de novembro proximo passado consta
ler sido V. S., a seu podido, por decreto de 22 do
dito mez removido d% comarca de Goiauna, da 2'
entrancia, nesla provincia, para a de S^uta Maria
Mag lalena, de igual categoria, na do Hio de Ja-
neiro, sendo-lhe marcado o praso da tres mezes
para assumir o exorcicio.
Ao juiz de direito de Nezarelli. Tendo
acceilado a dosisteucia, qua Ja servenlia vitalicia
dos offlcios de partidor e distribnidor desse lermo
fez o serventuario Joaqulm d'Araiijo Cesar, recom-
mendo a Vmc. que fa^a pdr em concurso a mes-
ma servenlia, na forma da lei.
Ao juiz municipal de Ingaseira. lufurine
Vmc. quanlos preleudeules se apresentaram a
servenlia vilalicia dos offlcios de tabelliao e escri-
vao do civel desse terrao, e si ja fez reraessa dos
requerimentos de lodes.
3." secgao.
Offlcios:
Ao inspector da thesouraria da fazenda.
Dando provinwnto aos recarsus ioterpostos por
Domingos Jose Martins e Pedro da Rocua Wan-
dtrley no requerimento que Ihe devolvo e a que
se referem suas infornucoes de 6 do corrente,
sob n*. 134 e 136 serie F, autoriso V. S. a manlar
releval-os da raulla em quo incorreram por inrrac-
cio do regalamento do 1 de dezembro de 1871.
Ao mesmo. Tendo, da couformidade com
o aviso do ministerio da marinha, de 23 de novem-
bro ulumo, junto por copia, autorisado o inspec-
tor do arsenal de marinha a contractor na ofllcina
particular que melhores coadicoas oflerecer a
construccao de duas boia* para o abalisamenlo do
Sorlo e barra da provincia da Parahyba, as quaes
vero ter as diraensoes detcriptas uo citalo
aviso; assim o commuuico a V. S. para os devidos
effeitos. _
An mesmo. Commuuko a V. S. para os bos
eonvenientes que. em aviso de 23 de novembro ul-
timo, sob n. 10,331, S. Exc. o Sr. ministro do
imperio dignou se de approvar pela verba soc-
corros poblicos doexercicio de 18731874
os dous credilos abertos por esia presrdeneia na
lmportancu de 8:1604100, sendo um de l60iO(K)
para pagamento de medicamentos bomceopathicos
furnecidos por Augusta Caors para o trataraento
dos iu'Jigenlas ataca-lo* da variola em Muribeca e
Oaricury, s outro de 8:000*000 para occorrer as
despezas que so lizeram em diversos pontos da
provincia, sobrutudo na capital a seas suburbios,
Ao mesmo. Transmits a V. 5., para 09
devidos fins, os dous decretos juntos, de M do
mez proximo passado, um designando ao juiz w
direito Manoel da Silva Rego a comarca de Barrel-
to* para o respectivo exercioio.e o outro nomean-
do juiz municipal de Floras o bacharel Aurehano
Aueusto Pereira da Cuuba.
Ao mesmo. Manle V. S. pagar a quem
se mostrar autorisado a quantia de 30*000, cou-
staute do documento junto despeudida, com o
aluguel da casa que serve de quartel do destaca-
mente na villa de Petrolina, correspoodeate ao
semestre, ja vencido, do de Janeiro a 30 de
junho deste anno, como solicita o Dr. chefe ae
policia em offlcio de 6 do corren:e, sob n. 2,000.
Ao mesmo Communico a V. S., para
devidos llns, que a 25 do mez proximo passado
assumio o juiz municipal e de orphaos do termo
do Nazareth, bacharel Pergentino Saraiva d Arruda
Galvao, o exercicio do cargo de juiz de direito da
mesma comarca.
Ao mesm). Por decreto de 22 de novem-
bro ultimo foi a seu pedido removido o juiz de
direito Abel Graca da comarca de Goianua para a
de Santa Maria Magdalena, no Rio do Janeiro,, de-
ven
Antao.
0 flMidente da ptowiucia, de conforraidade
eora a proBosla. n. 1,982, it 3 da eorreaie, re*olvj uomear o ci-
. dadao Mrooel da Camara Pnnentel 3- supplento
que Vmc. tem direito por haver> do subdekjfaikt do districto do termo de Santo
secratario da faculdada dos dia* Antao.
cidade.Communico a Vmc, para sea eonheci-
meaio, que em aviso de 24 da oovomaro ultimo,
sob n. 10,326, o Exm. ministro do imperio abriu
am credito de 48*386 rs., pela verba Eraotuaes*
do exercicio de 1872 a i873, para pagamento da
gralillcaQao a
substituido o
ntto. +
Ao it. chefe
ma ambmancia de
1 s 18 da dexembro do anno proximo passado,
tempo em que aquelle funccioaario esteva noser- Aofc.cnefe de policia.-Remaiio a V. S.
vico do jury jmaambWancia de remedial h imue jpathicos e las-
PorUria : racc5es adaptadas ao tralainanlo da variola, e
A' Illma. camara municipal do Recife. m oudereco ao delegado do Exu;; ficando as.im
Altendenloaoqueexpoe a Illma. camara muni- aUefeita a requisiva> conuda em offlcio da.)
cipal do Recife em offlcio da 26 de novembro ul- :orreate, sob-a. 1,977.
da? deve ser 'substituido por outro, e bam assi n
a* prlencas constantes da relacao junta.
Ao director do arsenal de siuerra. Em so-
lucao ao offlcio de 30 de seterabro ultimo, sob n.
496 em que V. S. comrauniea nao haver esse ar-
seaal racebido o eaixao que de via conter duas
^oroetas destiuadas a eompanbia de infanlaria da
provincia do Rio Grande do Norte, tenho a decla-
rar-lhe qu>?, sogun lo consta de aviso do ministe-
rio da gaerra de 24 de novembro ultimo, o caixio
em qaestio deixou da vir com oulros no vapor
Para em consequencia de ter sido entregue ao
proprio commandante *a meocionada companhia,
itue passou recibo na inteudeoeia de guerra.
Ao mesmo. Prevtoo a V. S, para os nns
eonvenientes, de qua no vapor Oari, foram re-
nntUdos pela iatondeocia da guerra, segundo cons-
ta de offlcio de^ta, de 29 de novembro ultimo,
do'M caixoes, sendo um.com livros para o 9* ba-
lalhio de infanlaria, e outro com balancss e me-
dida's para o presidio de Fernando de Noronha,
ludu aonslante Jo conheeimento junta, pern assim
um encapado com destino a irovincia do Rio
Grande doNorte, para onde V. So fara seguir na
primeira opportuoidade. .
Ao mesmo. Em caroori.i>eDta a > aviso do
mioisterk) da guerra, do W de noverabr.) ultimo,
sirva-se V. S. maadar forneeer a companhia do
Rio Grande do Nirte, os objectos consumes da m-
closa nota de 20 do eilado mrfz, organisalana re-
pari-^o do quarts! meslre gtneral.
2.' uccio.
Actos :
0 presidents da provincia, alien Jendo ao que
i suuereu o tenente Mauoel da Iloch* Ferraz da
Acevedo, e informaeao do comiftaodante superior
raspsctivo em offlcio de 21 d* aovembro proximo
niiisaiio. res .!v.-. mandar qtia eli^ seja asgrvgylo t
ui batalhio n. 21 de infanlaria 1.: guard na-i<-
ual de *anto An^ao, para cojo mnniciiiio lave guia
da assaaein-
0 presidents da provincia, fnodado no Ais-
uosta no art 4* do dsjersW 4,6*8 de 3 de Janeiro
Jtf 1371 resolve conceder a Joao ds Araujo Cesar
a exoneracao por elle psdida do cargo de pa-udor
o distribnidor da coourea de Nuaretb.
lo no praso de ires mezes tomar posse e entrar
em exercicio ; o que communico a V. S. para os
devidos fins.
Ao mesmo. Communion a V. S, qua se-
gundo aviso do ministerio da justica, de 28 do
mez proximo passado, uessa data foi solicitada do
ministeri9 da fazenda a exoeJicao de eonvenientes
ord.ms para ser habiiitada essa thesouraria
com a quantia de 1:000*000, alim do occorrai
as despezas de viagem do .juiz de direito Manoel
Caldas Barretto, nomeado chafe da policia da
provineia da Parahyba.
Ao mesmo. Communice a V. S., para os
devidos effeitos, que era aviso de 21 de noverabro
u timo, sob n. 10,326, o Exm. Sr. ministro do
imperio abrio o credito da 48*386 pela verba
eTentuaes do exercieio de 18721873 para
pagamento da gratilicai-ao a que tern direito o
bacharel Manoel Antonio dos Passos, official da
seeretaria da faculdade de direito desta cidade,
no periodo do a 18 de dezembro do anno pro-
ximo passado, em que substituio o respectivo se-
prelario, que esteve impedido no servicp do jury.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Com*orraando me com o parecer dessa thesouraria
em offlcio de 2! do mez proxi no passado, sob n.
528, sobre a peticlo dos eommorcUnles desta ca-
pital, Sampaio & C. e oauos, reclauundo desia
preiden<'.ia providancia no senlido da nao ser con-
fundido com o exercicio de raasca'ear o facto de
mandarera a casts partiealares fazeodas de seus
esUhelecimenU)s a pedido dos compradores, teaho
a dizer-lho que nao podein estar sujeilos, a vista
do qua dispoj o regulamento de 7 da outubro
ultimo, ao pagamento do impostt sobre uiascatear
os cominarciantes eslahelaeidos com casa de ne
gocio pelo facto de mandarem fazendas de seu
enabefecimento a casa paitieular a peddo de coin-
pradores. Para avilar qtialquer simulacio, de que
se possam servir os mssestas para subtrahir se
*j pagamento, do imposto deve ser adoptado o
alvitre lerabrado no anal do referido offlcto dessi
thesouraria. .
Ao mesmo. Autoriso Vmc. a maadar pa-
gar a quem se mostrar autorisado a quanUa de
30*000 constanle do docameloo junto, importance
do aluguel da casa qua serve de eadeia oa villa
de Petrolina correspondent* ao semasU'e de H da
janairo a 30 do junho deste anno, conforine soli-
cita o Dr. chefe de poKcia, em offlcio do 6 do
corrente, sob n. 2,000.
4.' secifio.
Offlcios: _. .
A) Exu. president* da provincia *) fcspirt-
lo aiiio.-Fico da ptfee doi dous eMjiUpiares que
V Exc. se digoou de remoiter-mc com offlcio de
21 de novembro ultimo sob n. ?78, do relatorio
que o Exm. Dr. Antonio Gabriel de Paula boooeca,
ex-presideote dessa provincia, leu a aasemblea
provincijl no dia 2 de outubro dj anno proximo
passado. _
Ao Exnv presidenie da provincia de Govaz.
-Accuso recebidos os dous exemplares do relato-
rie com que V. Exc. abriu a assemblea legislauva
7uia iaaiado'sen- dessa provincia tf de junho do correiite
flcando assim respondido o offlcio qua a
18 de outubro ultimo, sob
timo n. 113, e em vista da informaeao do enge-
nheiro chefe das obr.w publicas, de I do corrente
sob n. 427, autoriso a mesma Illma. camara a ai-
terar a planta da cidade na parte correspondenta
ao.quarteiiao do lado do mar, froateiro ao me^ca
do publlco, assim como a fizer as desajropriacoas
que para isto forem neceasarias. Fica assim res-
pondido o offlcio acima alludido.
4* ssecae.
Offlcio :
A' junta emancipadora do muuicipio d i Ca-
ruaru. Inleirado do que expoe a junta emancipa-
doia dos escravos do muuicipio do Caruirii am
offlcio de 2 do corrente, approve a prorogacio do
praso de 30 dias, que sera improrogavel, cooce-
dido aos senhores da escravos para apresentarera
as relagoas de qua trata essa junta em seu citado
offlcio, que fica assim respoudido.
Portaria:
0 Sr. gerente da companhia pernambucaaa
faca conduzir para a cid%de da Fortalaza, por con-
ta do ministerio da guerra, um caixote coalendo
ires bandeiras, que sera rameliido para bordo palo
director do arsenal de gaerra, com destiaoao de-
posito da artigos bellicos da provincia do Ceara.
KXPEOIBNTK 00 SaCaSTARIO
/.' S0CCOO
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro coinraan lante das ar-
raas.-S. Exc. oSr. presidente da provincia man-
da declarar a V. Exc. em resposu ao seu offlcio
desta data, m>b n. 1118. que flea provideociado uo
senlido de ser transportado ao Maranhao na vapor
Ctard o 2* sarganto do 3 batalhao de infanlaria,
Ignacio Raymundo dos Reis.
Ao director do arsenal de guerra. S. Exc. o
Sr. presidente da provincia, tendo providenciado
para ser conduzi lo ao Ceara, no proximo vapor
da companhia pemamburaaa, que para alii seguir,
o caixote com tres bandeiras, a que allude o sen
offlcio de 3 do corrente sob a. 5:39 ; assim o
manda commuoiear a V. S. em resposta ao citado
offlcio.
a.* seccae.
Offlcios : ,
Ao Dr. chefe de policia.-De ordera de s.
Exc o Sr. presidente da provincia, commnoko a
V. 3. que expediu-se ordera a thasouraria provin-
cial para pagar a quuttia de 30*000 rs., unpor-
tancia do aluguel da casa qua serve de eadeia na
villa de Peona ; como solierta-.V. S. em seu offl-
^^&Sffl!2%,Bb&>?y&. r v- r--
sidente da provincia, communico a V. S. due a
lUesouraria de razenda esta autorisada a pagar a
quantia de 30*000 rs., despendida com o aluguel
da casa que serve de quartel do destacameoto na
villa de Petrolina.; conforme o offlcio de \. S., da-
tado de 6 do corrente, sob n. 2000.
Ao commandante superior de Santa Aniao.
OExm Sr. presilenle da provincia manda decla-
rar a V. S. que por portaria de hoje foi mandado
aggregar ao batalhao n. 23 de infanlaria da guar-
da nacional do municipio de Santo Antao o tenente
Manoel da Rocba Ferraz de A-evedo, de quem
trata o seu offlcio de 28 do mez proximo pas-
sado. .
Ao bacharel Manoel Pergentino Saraiva de
Araujo Galvao.-0 Exm. Sr. presidonte da pro-
vincia manda accusar o recobimento do offlcio de
V. S, em que participa ter a 23 do mez proximo
passado assomidoo exercicio interino do cargo
da juiz de direito da comarca de Naiareth.
Ao bacharel Aureliano Augusta Pereira de
Carvalho. -Por seta seeretaria se comrauniea ao
Sr. bacharel Aureliano Augusta Pereira de Carva
Iho que nesla data se envia para a thesouraria de
fazenda o decreto que o nomeou juiz municipal a
de orphaos do texnu de Flores. Igual ao bacha-
rel Manoel da Silva Rago, quanto ao decreto
que Ihe designa a comarca de Barreiros para
seu exercicio.
5.' secgao.
Offlcios :
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.S. Exc o Sr. presidente da provincia
manda declarar a V. S., para seu coahecimento e
tins eonvenientes, que nesla data fica approvada a
planta apresenlada pela companhia Ferro Larril
de Pernarabuco, e a que se refere sua iuforma-
cSo de 6 do corrente sob n. 428, para o ramal da
Ao engenheiro fiscal da companhia Ferro
Carril de Pernarabuco. S. Esc. o Sr. presidente
da provincia manda declarar a V. S., para seu
conheeimento e em respasta ao seu offlcio de 4 do
corrente, que nasta data fica approvada a planta
apresenlada por essa companhia para o ramal ate
a Torre. -
Aos agonies da companhia de uavegacao a
vapor brasUeira.-De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, podera Vs. Ss. fazer seguir
hoje as 5 haras da tarde para os portos do none
o vapor dessa companhia, Ceara, chegado honlem
do sul, como corarauuicara em offlcio de igual
Aos mesmos. -De ordera do Exm. Sr. pre-
sidonte da provincia, sirvam-se Vs Ss. manner
dr traosporte para o Maranhao, por conta do mi-
nisterio da guerra, ao vapor Ceara, ao 2" sargeato
do 3 batalhao de infaataria, Ignacio Raymundo
dos Reis.
SXPBOIK-fTE 00 P1A 10 08 PKZfiMBHO DE 1873.
f .* seeqio.
Offlcio : .
Ao iaspoctar da arsenal de miriaha.J-Ap-
Srovo a dclibaracio qua, sogundo o seu offlcio de
do corrente, sob n. 782, tomou V. S. de encar-
regar o crevente das offlcinas Luiz Manoel vis-
gas, do servir comulalivanwote o lugar de escre-
vente da diraecao da machinas duranle a falta de
comparecimenta do respectivo serventuario, Joa-
quira Clementa de Lemos Duarte.
2.' tetxpo.
3' sec$ao.
Offlcios:
Ao inspector da thesouraria le fazouda.
undo em vista o parecer dessa thesouraria em
io de 4 do corrente, serie E. sob n. 123, so-
e a incorporae d >s proprios naoionaes do pa-
imonio das AI nas, sito no termo da Gara-
para proraover o processo da incorpora-
.o do dito patrimonio assim o Ciiniuuuico a
S. para os fins conveoiantes.
. Ao mesmo. -Traasmitlo a V. S., para os de-
tidos Una, 13 ordens, sendo 7 do iribuaal do the-
souro nacional, sob ns. 232 a 238, uma do minis-
terio da guarra. daud ada it do ;n /. proxim) pas-
sado, 3 em duplicata, da reparticao do ajulanle ge-
aeral, ns. 979 a 98.1, a bam assim um offlcio data-
do de 23 de novembro proximo passado.
Ao mesmo.Sirva-se V. S. de devolverme
com urgencia, o offlcio do director do arsenal da
guerra de It de novembro ultimo, q.ie Iho foi re-
mattido coradespacho de 16 do mesmo mez, para
iafrrunr aceica do pedidu a alia anaaxo
Ao mesmo.Ao comintndaate <>u imraediato
do 1* vapor da companhia pernambucana, que
seguir para o norte, podara V. S. eniregar o saldo
dos direitos da provincia da Para yba, arrecada-
dus no mez de novembro ultimo; conforme auto-
risa b Exm presidente daquella provincia em offl-
cio da 6 do corrente, sob n. 3,312.
Ao mesmoI'ague V. S. o negociaiile Fran-
cisco Peraira Cametlo a quantia de 88*300, con-
sumes dos prets juntas em duplicata, despendida
pelo delegado do lermo de Boaito com os deser-
tarese recrutas que foram reuwUidus pelo mas
mo delegado ; e tiveram dostino para o sxercito em
12 'la setamuro e 3 de novenibr > desta anno, come
solicita o Dr. chefe de policia em offlcio da 6 do
eorreula sob n. 2,003.
Ao mesmo.Communicando me o inspector
do arsenal de marinha em offlcio de 5 do corren-
te, sob a. 782, haver encarregado a bem do ssrvi-
c.) publico o esctaveute dao offlcinas Luiz Hanoel
Vie gas da exeieer cuinulalivauienta o lugar de
ascrevenlc da direccao de uuchiuas durante a
falta de comparecimenta do respectivo serventua-
rio Joaquim Clemente de Lemos Duarte; assim
o deciaro a V. S. para os fins conveuiautes.
Ao mesmo. Communico a V. S. para os de-
vidos das, que a 2i do mez proximo passado re-
assumin o bacharel Carlos Augusta Vaa da Olivei -
do cargo de juiz substituio da co-
guerra, no vapor Paid, ao 2* sargento Silvino Jo-
ss da Eft-Ink 'lie vai reunir-se an 16' batalhao de
infaataria, a que penance.
KXPRDU.NTK DO SECRKT.MII"
1\ seccao.
Offlcio:
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
raas.De ordera do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, communico a Y. Exc., em resposta ao seu ]
offlcto da honlem datado, sob 1,179, que fica
providenciado no senlido de ser transporiado a
Bahia, no vapor Para, o 2 sargento Silvino Jose
da Costa
2.* secyio.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. De ordera de S.
Exc. o Sr. pesilent- da provincia, communico a
V. 3. que rxp-rtiram-.se ordens a luesouraria pro-
vincial no seutido de ser paga a importance do
forneciraento da hit e agua ao quartel do desta-
camento do districto de Beberibe e do aluguel da
mesma casa, conforme o offlcio de V. S., datado
de 6 do corrente, sob n. 4,'Oi.
Ao mesmo. -De ordera de S. Exc. o Sr. pre
sidenle da provincia, communico a V. S. que a
thesouraria da fazenda fica autorisada a pagar a
on intia de 8**502, relaliva a despeza com os de
sertorese recrutas romottldos do term) do Bonito
p*lo respectivo delegado ; como V. S. solicita era
offlcio da 6 do corrente, sob n. 2,003.
- Ao mesmo. De ordera da S. Exc.oSr. pre-
sidente da provincia, corain inico a V. S. que x
thesouraria pmvincitl esta autorisada a pagar a
Jose Joaqaim do Sam'Anna Gaerra a quantia des-
pendida com o snsleulo dos presos pobres da ea-
deia de Garuaru'; com > solicita V. S. era offlcio de
6 do oorreata, sob n. i: 01.
Ao mesmo. -Dj ordem de S. Exc; o Sr. pre-
sidente da provincia, communico a V. S. qua deu-
se ordain a thesouraria provincial para ser paga
ao nfgociante Joao Baptists dos Guimaraes Peixo-
ta a quantia da 91*200, relaliva ao sustento dos
prestos pobres da eadeia do termo da Garanhuns ;
conforme o offl ;io do V. S., iitado de 6 do cor-
rente. sob n. 2,003.
Ao bacharel Carlos Augusta Vaz da Olivei-
ra.0 Exm. Sr. presidente da provineia mania
accusar o recebimeaio d> offlcio da V. S., de 2V
do met proximo passad), em qua participa tar
reassumido o exercieio do cargo de juiz substitu-
te da comarca de Iguarassu'.
3.' seccao.
Offlcio :
Aos Srs. sjarentes da eaixa filial do New
London & Basilian Bank Limited. -S. Exc. o Sr
presidenie da provineia manda accusar a recep
eao da copia authealica das operacoes elleiituadas
p