Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18347

Full Text


V
I
ANNO I. MJMERO 43 .mi "*
"i iit ,..." i
A CAPITAL B LIG1RES 0\DE VlO SEFACSA POBTE
'Pot tree aaezes tdiantados.............. 69000
lPor aeis ditos idem.................. 139000
Por um anno idem.................. 149000
Cast aumero avulso................. 9320
rYvi
SEGWM FElIBfc 2 BE FEYBE1R0 DE IW4
MIA DEVIVOe
Por tres meres aduBtedos.....
Por seis ditos idem- ......
Por note ditos idea* ...
Por um anno idem-. .
DA
VWCIA
97M
mow
DIARIO DE PEMAMBUCO.
PHOPRIEDADE DE HANOEL FICUEffiOA DE FARIA A FILHOS,

St.
v.
7
!
>

*
1

i
V1

9* S.-j. Gererdo Antonio Aires d Filhos.no Pari; Gongalves d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose* de Oliveira dFiiho, no Ceara; Antoino de Lamm Braga, no Aracatv ; J0A0 Maria Jolio Chaves, n Assd; Antonio Marques da Silva, no Haul j Jose Justino
. Pereira d'Almeida, em Mamangaape ; Carlos Auxencio Monteiro da'Franca, aa Parahjba ; Antonio Jose Gomes, aa Vil|f da Penan; Belarmino dot Santos Buldo, em Santo AnUo ; Dommgos Jose" da CosUflraga, em Nazareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar dasAlafOas; Aires d C, na Bahia; e Leite, Cerquinno d C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Governs da provincia.
BXPBDIKNTK DO D1A 6 DK DFZB.MBRO DE 1873.
J*. MCCGO.
Offieios :
Ao Exm. brigadeiro commandant'} Ms ar-
mas.Sirva-se V. Exc. de mandar p<*tr em liber-
dade o recruta Joao Baptista de Mendonea, que
provou iseacao legal.
Ao mesrao.Expeca V. Exc. as suas ordens,
atim de que um eabo e daas praoas do primeira
iinha se apresentem amanha as 7 boras do dia, na
i-asa de detenclo, para allirecebereni e escoltarera
um critninoso que vai responder ao jury.
Ao conselho de compras do arsenal de gaer-
ra. Autoriso o conselho do compras do arsenal
de guerra a promover o fornecimento dos objectos
eonstantes do pedido junto, oa qua-** sin precisos
para supprimdnto do respecivo aimoxarifado.
Ao conselho de compras do arsenal de ma-
rinha.Pode o conselhe de compras de marinha
promover o fornecimento dos objectos do material
da armada, necessaries para prorlnwnto do res-
pectivo alraoxarifado, constante d > seu officio de
24 de novembro Undo.
Ao director do arsenal de guerra. Para o
eompleto da carga que deve ter a eompanhia de
cavallaria desta provincia, de eonformidade com
as labella* publicadas na ordem do dia da reparti-
cao do ajudante general, de 30 de aetembo ulti-
mo sob n. 969, mande v. S. fornecer ao capitao
commandante da mesma eompanhia o armament),
equipamento, arreios, insigiias e utensi* eonstan-
tes do pedido junto, que me foi transmittido pelo
brigadeiro commandants das armas com offleio de
4 doste mez, sob n. 1170
2' seccao.
Aotos :
0 presidente da provincia, a vista do offleio
do Dr. chefe de policia, n 1993 de 5, lo corrente,
resolve conceder ao capitao Luiz Pippe Caval-
eanti de Albnqnerque a exoneracao por este pedi-
do do cargo de policia do termo de
Bezerros.
0 presidente da provincia, attenlando ao qae
reqaereu o bacharel Luiz Ignacio de Mello Barreto,
juiz de direito da eomarca de Tacaratu, resolve
conceder-lhe tres mezes de licenca, com venc4men-
los na forma da lei, para tratar de sua sadde onde
Ute convier.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. Comm.inicand)-
me o Sr. bara^ do Livramento, consul d"Austria e
Huogrja, haver no dia 4 do corrente reassumido
o exeracie do seu cargo ; asiim o eorautunico a
V. S. para seu conhecimento
Ao mesrao. Inteirado do que expoi V. S.
em sea offlcie n. 1979, do 3 do corrente, ten'no a
dizer-lhe que approve a ordem expedite ao tenen-
tejVoie Pires Ferreira para vir a eota capital com
in pra^as do destacameoto Mb a seu commando.
Ao commanlante 9i?perior da guar la nacio-
nai do Recife. A' vista das infunnagu ;s juntas
por copia, prestadas pelo Dr. chefe de policia, com
ralaclo ao recrula Joao Antonio dos Santos, nao
pole ter lugar a soltura do mesino, por ser guar-
da do 4-* b.italtia i dd infantaria ; conforme solid
ta o respectivo commandante no oflQcio iocluio ao
de V. SI, de 26 de novembro u'.lim > sob n 748.
Ao juiz de direito de Nazareth. Preste Vmc.
as informacoes que the foram pediJas a it de
agosto de 1872, quanto a um process) por crime
de moeda falsa, instaurado nessa com area contia
Jose Fabricio Gomes.
Ao juiz substitute da !. vara civel. Tendo
a camara muniinpal de^ta cidade, por otli -i > de 3
do corrente mez, hontem recebid), feito chegar a <
meu conhecimento que em consequencia de am
uunlado de raanutencao, expedido por Vmc. em
favor de Paula & Mafra, Ihe nao foi possivel dar
ioteiro cumprimento a ordem condda no officio
qae em data de i'i de novembro ultimo dirigi a
mesma camara, para que em virtade do contracto
cslebrado eutre a Santa Casa da Miseric )rdia 4
Agra A C, por forca da lei provincial a 1121 de
17 de julho do corrente anno, que Ihes concedeu
privilegio exclusivo de fazerem o servico mortaa-
rio desta cidade, cassasso as liceu^as que hou-
vesse dado a quaesquer outros esiabelecimentos
eocarregados de igual servigo; ecorrendome o de-
ver de providenciar de ma.ieira a que a supradita
lei tenha a sua plena execucao, em quanto o poder
compatente a nao revogar, cumpre que Vm:.,
com argencia, me in forme e faca-uie conbecer os
fundameatos em que se fiimou parajulgar-se com-
petente afim de expedir aquelle mandado, e assim
obstar a execucao do roferido contracto.
Ao commandante do corpo de policiaPoJe
Vmc. engajar, sendo idoneo, no corpo sob o seu
commando, em substituicao e pelo resto do tempi
que falta ao soldado Francisco Jo-o da Silva, o
paisano Jose Vieira da Silva ; sendo previamente
indemnisada a fazenda provincial do que porven-
tura esteja a dever aquelle.
Ao mesino. P6Je Vmc. engajar no corpo
sob o seu commando o paisano Joao Baptista da
Silva, de quern trata o sea officio n. 688, de 3 do
corrente
Ao mesrao. Seja engajado no corpo sob o
seu commando o paisano Manoel Francisco Fer-
reira, de queru trata o sea offleio a. 685, de i do
corrente.
3.* secjoo.
Acto :
0 presidente da provincia resorve exonerar o
cidadao Joaquim da Costa Pereira de escrivao da
collectoria provincial do municipio de Bezerroo,
por assim o haver pedido.
Offieios:
Ao inspector da tbesonraria de fazenda. -
Tendo, por despaeho desta data e nos termos de
sua informaeao de 5 do corrente, sob nr 1M sene
F, negado provimento ao reenrso interposto por
Boulo Severiano da Funceca Pitta do acto do col-
lector de Agua Preta, qae o mulfoa pel* omissao
no cumprimento do regnlamento do 1.* de dezem-
bro de 1871 ; assim o eommunieo a V. S. para
nee conhecimento e rtns eonvemantes.
Ao mesmo. Transmitto a V. i, para os do-
vidos fins, a nou de todos os iuaposto? proviaciaes
docretados pelo corpo lesislalivo provincial para o
anno flnaneeiro de 1972 a 1873 ; conforms soli-
eita essa tbesoararia em offleio ie M de novem-
bro ultimo, sob n. 8C2 sorie E.
Ao mesmo.Tendo nesta data, de eon for mi-
dade com a sua informa^io de 3 da corrente sob
a. ISO serie F, antorisado o consemo de compras
do arsenai de guerra a promover o forntcimento
do? objectos constantes do pedkio juolu por eopia,
destiaados ao supprimenlo do respectivo atmoxa-
rifado; assim o eommunieo a V. 5. para os fins
caowtfonte*.
Ao DBestao. Commanico a V. A., para os
deridos tins, que a S7 do mea proximo passado,
foi oomeado e assumio o exercicio inlerino do car-
go de promoter pablico da eomarca de Garanhuns
o eidadao Joaquim Pinto de Campos.
Ao me-nio. Commoaieo a V. S., para os
flas convenientes, qae a 3 do correule eotroa o
bacharel Angelo Jansen de Castro e Albaqaerqae,
promotor pablico da eomarca de Garanhuns, no
goso da licenca que Ihe foi coneedida.
Ao mesmo. -Hands V. S. pagar ao vigario
coilade oa freguezia de Jtboatao, Manoel Bspiri
diJ) Muniz, ou a sea proearador, a eongrua
a congrna do vigario de S. l.ourenco de Tejacu
pap j, Manuel Jose d Oliveira Rago, relativa aos
mezes de setembro a novembro do corrente anno,
a seu procurador Antonio Francisco de Moura,
visto o mesmo vigario ter cumprido os sens deve-
res na respectlva matriz.
Ao inspector da thesourana provincial.
Communicando me o engenneiro fiscal da eompa-
nhia t Ferro Carril de Peruamuuco em officio
desta data haver multado a referida eompanhia
por rafraccao do sea contracto, na quantia de...
50*000 rs., que deve ser recolhida dentro do praso
de 8 djas aos cofres dessa reparticio ; assim o de-
clare a Vmc. para seu conhecimento e fins con-
venientes.
Ao mesmo.Autoriso Vmc. a pagar ao cabo
de esquadra Balbino Pereira de Miranda a impur-
tancia dos prets junt >s em duplicata. das pracas
de guarda nacioual destacadas no Rio Formoso,
correspoDdente aos mezes de outubro a novem-
bro pr.ixiraos passados, conforme solicitoa o res-
pectivo commandante superior em officio de 1 do
corrente.
Ao mesmo.Transmitto a Vmc. a inclusa re-
lacao e conta da quantia de 401*920 rs., despen-
dida durante os mezes de agosto a outubro deste
anno com o sustento dos presos pobres da cadeia
dj termo do Buique, para que essa thesourana
pague ao fornscedor Joao Nepomuceno de Souza,
ou a sea proearador, conforme solicita o Dr.
chefe de policia cm offleio de 4 do corrente sob
n. 1988.
Ao mesrao. Em data de 10 de novembro ul-
timo o capitao do corpo de p tlicia Antonio Jose
de Andrade offereeeu-ma para a obra do asylo de
alienados a quantia de WpOOO rs., que deveii ser
desconlada em 3 mazes da seus vencimentos.
Cumpre que Vmc. mande fazer eise dasconto, a
principiar do corrente mez, remettendo a esta
presidencia a referida quaatia quando estiver com-
plete
Ao mesmo.0 bibliothecario provincial, co-
nego Lino do Monte Carmello Luna, assumio o
exercicio das respectivas funcco-s no dia 5 do
do corrente, segundo sea offleio dessa data; o que
eommunieo a vmc. para os fins convenientes.
4.' setr-'v.
Offieios :
Ao Exm. presidenle da povincia de Ala-
goas.Passo as maos de V. Exc, conforme solici-
tou em offleio de 31 de outubro ultimo, os livros
necessarios a escripturagao de direitos de generos
agricolas desta provincia, qae devera ser arreca-
dados oassa. bem como a copia dos artigos 32, 33
e 34 da lei do orcamento vlgente e nm exemplar
impresso do regulameito do t* de abril, coucer-
nente a exocacao dos mesm.is artigos.
Portaria: I
A' Illma. camara municipal do Recife.
Commanicaodo-me o engenneiro chefe da reparti-
cao das obras publicas, no offleio junto por copia,
datado de 4 d) correote, acharem-sa ja promptas
e em estado de funcaonar daas latriuas manda-
das fazer pela eompanhia Recife Drainage, em vista
de sen contracto, sendo uma no eaes 22 de
Novembro e outra no de Santa Isabel, pode a
lllma. camara municipal do Recife tomar conta
deltas, como solicitou era offleio d 15 de outubro
sob n. 101. Outrosim, fham expriidas as eon-
venientes ordens no sentido de ser integralmente
satisfeito o pedido dessa Illma. samara, relativa-
mente as oatras freguezias.
5." secguo.
Acto:
0 presidente da provincia. attendendo ao que
requereu Jose Ignacio de Avila, arrematante da
construccao do edificio do pajo da assemblea
provincial, e tendo em vista a inforraacao do enge-
nneiro chefe da repartiQSo das obras publicas, de
19 do corrente sob n. 339, resolve prorogar por
mai* 6 mezes o. praso marcado para a conclnsao
das respectivas obras. Esta sera apresenlada nas
estacoes competentee.
Offlcios:
Ao Sr. Roberto M. Hide, gerenle do trafego
da \festem and Brasilian Telegraph Company
Limited. Aecuso recebido o offleio que V. S.
me dirigio hontem, no qual commanica jque o va-
por Hooper chegara no dia antecedente, sendo por-
lador da seccao do cabo que tem de ligar esta ca
pital ao Rio de Janeiro, tocando na Bahia, e infor-
ma qae dentro em poocos dias terao comeco os
respectivos trabalhos. Em respostacabe-me agra-
deeer-lhe essa comraunicaao, fazendo votos para
que esse servico seja i io feliz como foi o da im-
mersio da seccao do cabo que liga hoje esta cidade
com a capital do Para.
Ao engenbeiro chefe da reparticao das obras
publicas. Inteirado do que expoe Vmc. em
seu offleio de 4 do corrente sob n. 426. relativa-
mente a medicao do encanamento d'agua da
eompanhia Recife Drainage, tenho a dizer-The que
p6de fazel-a pelo modo que julgar mais exacto
e convenient*.
Ao presidente da junta de emancipacao de es-
cravos do municipio de S. Bento. Cemmuni
cando-me o administrador do correio, em officio de
hontem datado, baverem sido entregues ao agente
do correio dessa villa no dia 16 de novembro ul-
timo, segundo sonsta do reeibo Dassado pelo
mesmo agente, os livros de que trata seu officio
de 6 do corrente mez, assim o declaro a Yoac.
para seu conhecimento e em resposta aj seu ci
tado offleio.
EXPEDIENTS DO SSCBETAP.tO.
f seccao. 9jr
Oacio : %~
Ao Exm. brigadeiro commandante das armas*
S. Exc. o Sr. presidents da provincia manda
communiear a V. Exc. que nesta data remetlea ao
director do arsenal de guerra, para ser satisfeito, o
pedido que veio annexo ao seu offleio de 4 do
corrente sob n. 1,170, feito pel) commandante da
eompanhia de cavallaria, de varios artigos para o
eompleto da carga que deve ter a mesma eompa-
nhia.
2." sec{a >.
Offlcios:
Ao Dr. chefe da policia. 0 Exm. Sr. pre-
sidente da provincia manda deelarar a V. S. que
foram expedidas as necessarias ordens, no sen-
tido de que trata o offleio do bole datado sob n.
2006.
Ao mesmo. S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda communiear a V. S. qua a the-
souraria provincial aefiS-se aatorisada a pagar ao
fornecedor Joao Nopomoeooo do Souza, ou a seu
proearador. a quantia de 401:920, despendida com
o sustento dos presos pobres na cadeia do Buique,
corresp radente aos mezes de agosto a outubro,
como V. S. solicita em offleio de & do corrente
sob n. 1988.
Ao mesino. 0 Exm. Sr. presidente da
provincia manda dachrar a V. S., qae por porta-
taria de hoje f-ti exonerado, a ?en pedido, o ca-
pitao I.a;? Felippe < .avaleanti de Albuquerque do
cargo de delegado do termo de Bezerroa, de con-
formidade com o offleio de V. S, de hontem sob
o. 1,993.
Ao commandante superior do Rio Formoso.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, eommunieo a V. S. qae aalorisoa-se a
thesourana provincial ajpagar ao cabu de esqua-
dra Balbiro Pereira de Miranda a importancia dos
prets das pracas da guarda nacional destacadas
nesse municipio, conforme o offleio de V. 5., datado
de 1 do corrente.
Ao eidadao Joaquim Ferreira Pinto de Cam-
do, e haver assamido o exercicio intenno do cargo J
de promotor pablico da eomarca de Garanhuns
5: stcqao.
Offlcios :
Ao engenneiro fiscal da eompanhia Ferro
Carril de Pernambuco. S. Exc. o Sr. presideute
da provincia manda aeeosar recebido o offleio de
V.Js.^de hoje datado, communicando haver raul-
tadoTt eempanhia Ftrfb Garril Se Pernambuco na
quantia de cincoenta mil reis (30X000) pelos
motives expostos em seu eitado offleio, e bem
assim deelarar que fleam expedidas as convenientes
ordens a thesouraria provincial para qae a dita
quantia seja recolhida ao respectivo cofre no pras-
so de oito dias.
Ao gerente da eompanhia p Tnambucana.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
pode V. S fazer seguir para os portos de sea
destine, no dia 15 de-^ta mez as 5 horas da
tarde, os vapores dessa eompanhia Pirapanx e
Mandahti, como solicita em seu offleio de.4 do cor-
rente.
OSSPACHOS DA PBSIDBNCIA, DO DIA 20 OB FBVKRBIR0
DE 1874.
Antonio Moreira Machado Junior. De-se.
Augasto Xavier Carueiro da Cunha. Indefe-
ride.
Antonio Francisco Paes de Mello Barreto, Dr.
Joao Cavalcante de Albuquerque e Thomas de Car-
valho Soares Brandao Sobrinho. lnforme o*Sr.
engenbeiro chefe da reparticao das obras pu-
blicas.
Antonio Correia Gomes de Almeida. lnforme o
Sr. regedor interino do gymnasio.
Rernardina de Oliveira Cavalcante Machado.
De-se, mediants reeibo, nao bavendo inconve-
niente.
Felisberu Maria Viaona Porto. -Eutregue se a
supplieaote, mediante reeibo.
Francisco Nery dos Santos.lnforme o Sr. Dr.
chefe de policia.
Galdino Antonio Alves Ferreira.lnforme o Sr.
inspector da the>ourana de fazenda.
Ignacio de Barros Barreto.Nao estando rigo-
rosamente furmulado nos termos da lei a que al-
lude, a proposta do supplieaote, deve ser a mesma
endarecada a assemblea legislative provincial, que-
rendo o referido supplicante.
0 mesmo.-De-se.
Tenente-coronel Caspar Cavalcante de Albu-
querque Uchoa. Dirija-se o supplicante ao po-
der competente.
Bacharel Jose de Carvalho Cesar. Agoarde o
supplicante a I >u;io do cargo qua exerce ; sendo
que pela thesouraria de fazenda ja f a decisao do governo imperial a davida a respeilo.
Joanna Maria Aden, -lnforme o Sr. Dr. chefe de
policia.
Bacharel Jose Baptista Gitirana. Dirija-se a
thesouraria de fazenda.
Maria, eserava de D. Angela Maria de Luna.
lnforme a junta classiflcadora do Recife.
Melcbiades Aatunes de Almeida. lnforme
Sr. inspector da thesouraria provincial.
Comatnando da* armas. -
OUARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
DE PERNAMBUCO, EM 21 DE KEVEREIRO DE
1874.
Ordem do dia 797.
0 brigadeiro commandante das armas, fax pu -
blico para os fins convenientes, que approvou os
engajamentcs que fizeram neste mez, as seguintes
pracas :
2* batalhao de infanteria.
2 sargento Antonio de Oliveira Rocha, a 14, por
seis annos.
9* batalhao de infanteria.
Cabos da esquadra Francisco Borges Vianna,
Jose Jorge da Costa Pereira e Manoel Rodrigues
do Nascimento, anspecada Manoel Rodrigues da
Conceieao, a 18, por tres annos.
Soldado Miguel Porfirio da Vista, a 18, por seis
annos.
Soldados Antonio Jose Francisco, Felismino de
Souza Pereira, Francisco de Paula Junior e Luiz
da Frnca Miranda, a 20, por seis anno*.
4 batalhao de artilherla a pe.
Soldado addido ao deposito de resrutas Bene-
dict Alves Orano, a 18, por tres annos.
Os engajados por tres annos, alera dos venci-
mentos estabelecidos por lei, perceberao o premio
de 2004, e por mais 6 o de 401#000.
(Assignado.) Manoel da Cunha Wanderley
Lins.
Conforme.0 alf^res Jose EUziario dos Santos,
ajudante de ordens interino, encarregado do de-
laine.
Repartigaa da policia.
2.' seccao.Secretana de policia de Pernambuco,
21 de fevereiro de 1874.
N. 254.Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos a det -ncao os indivi-
duos seguintes :
A' ordem do subdelegado do Recife, o subdito
hespanhol Francisco Antonio, a requisijao do res-
pectivo consul.
A' ordem do da Magdalena Christovao, escravo
de Lais Jose da Silva Guimaraes, por andar fu-
gido. .
Por tflicio de 4 deste mez; recebido hoje, com-
muoicou-meo delegado de Nazareth, que ao araa-
nhecer do dia 2, no lugar Campestre, do dlstricto
de Vicencia, daqoelle termo, Franciseo Jose de
Sant'Anna, arrombou a cata da residencia de
Antonio Cerino Gomes e assassinou a este, qae es-
tiva dormindo, com dous golpes de fouce, tendo
sido levado a praticar semelhante crime a instan-
ces de sua amasia Senhcrmha Maria do Esplrito
Santo, mulber de Sant'Anna ; que os delinquen-
tes foram logo rscolhidos a prisao e contra elles
procedeu so ao competente Inquerito polieial, o
qual foi reraetudo ao respectivo doutor juiz mu-
nicipal.
Deus guard* a V. ExcIllm. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena, digno pre-
sidente da provincia 0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Correia de Aranjo.
DIARIO DE PERNAMBUCO
cor
respondente aos mezes de outobro e novembro pos. 0 Exm. Sr. presidente da provincia manda
proximos passados.
Ao mesmo. -Autoriso V. S. a mandar pagar
iccusar o tecebimento do offleio de V. S, de 27 do
1 mez p. passado, em que participa ter sido nomea-
RECIFE.23 DE FEVEREIRO DK 1874
Natleiaa da sal da imperlo.
Amanheeeu hontem em noaso porto [o vapor
brasileiro Parana, traxendo datas : do Rio da Pra-
ia ale 8, do Rio de Jauei-o ate 15, da Babia ate
19 e de Macei6 ate Si do corrente.
Els o que colhomos dos jornaes e eartas:
PAUAOUAV.
0 oongresso paraguayo aatorisoa nova ni-san
de 200,000 pesos papei moeda. 0 da ultima eoU-
sio estava com nm desconto do 20 a 25 por eento.
Lemos n'nma folha:
a Um antigo desertor, soldado raso do exercito
brasileiro, acaba de apresenUr-se voluntariamen-
te as autoridades de Corumba, depois de ter pas-
sado tres aunos entre a tribu selvagem dos Paya-
guas.
c Escapando do meio daquella tnba, consegulo
este soldado, na oc.-a-.ao da sua foga, libertar
lambem cinco mulUeres paraguayas que alii esta-
vam pnsioneiras des lu s tempos d.- Lopex. Pa-
rpce que perlencem -ia- a familias abastadas que
de ha muito as reputa...iu mortas.
NO DA PRATA.
Cootinuavam os miuistas a reclamar para si
uma rnaioria de mais de 3,000 votos nas eleieoes
da RepuMica Argentina, emquanto os slsinistas se
prddanavam fcmbem veneedores.
Previnba a differenca de uns considerarera.va-
lidas e outros nullas as eleieoes em rauitos pon-
ies, mate ria qua tjuha de near reservada a cama-
ra orls deputadosv 'f '
Entrelanto, segundo as folhas mais ou menos
imparciaes entre es dous bandos, o triumpho pa
rocia assegurado aos niitristas.
0 colera morbus em Buenos- Ayres, apezar de
aeguir uma raarcha decrescente, recrudescera nos
altimi.s duos dias, o que se attribuia a ter sido
atacado am regimento de cavallaria de Iinha.
A 8, apezar de ser domingo, devia haver em
Montevideo fnsao das duas comaras, para resol-
verem sob re as emendas feitas pelo senado ao or-
camento votado pela camara dos representantes.
Tinham chegado folbas ate 3 de Assumpcao, on-
de reinava grande in juietacao por caasa dos pre-
parativos para defeia da cidade.
Um boletim cflleial procurou tranquillisar a po-
pnlacio, asseverando que as forcas alliadas nao
permittiriaih que a capital se convertesse em cam-
po de batalha.
Por outre lado, tendo-se demittido o ministro
Ferreira, cujos actos eram causa ou pretexlo da
ravolaeao capjtaneada por Caballero e Rivarola, e
bavendo se permiltido ao ex-ministro Gil regres-
sar ao Paraguay, esperava-se poder chegar a um
ajjuste amigavbl entre o governo e os revolutio-
naries.
Procedentes de Matto Grosso tinham chegado a
Aumpcao o Sr. bario de Iguatemy. commaadan-
te da i.-sta.-ao uaval, e uma ala do 2* batalhao de
artilheru.
Ardea uma parte do hospital argentino e algu-
mas casas de madeira contigaas, devendo-se aos
e^forcos das tripolacdes dos navios brasileiros nao
ter o iucendio devorado tudo.
RIO DK IANEIRO.
En 11 do corrente :
Deelaroa-se sem effeito o decreto de 7 de julho
do auno passado, quo nomeou o bacharel Manoel
Rolirn de Ale near, juiz municipal e de orphaos do
termo de Ouricury, na provincia de Pernambuco,
por nao ter eutrado em exercicio nem solicilado
titulo dentro do prazo legal.
Passou-se diploma habilitando o bacharel Ma-
noel Pinheiro de Miranda Osorio ao cargo de juiz
de direito.
Na< foi agriciado o reo Maooel Jorge Crorawel,
condemnado em 20 de abril de 1872 as penas de
rrda da empre^o com inhabilidade para outro por
anno* e 6 lueus; pi isao simples por 2 annos,
5 mezes e 5 dias, e multa de 12 1|2 por cento do
damflo causado, per virtude de aceordao da rela-
cao oo Maranhio, por crime de prevaricacao com-
meUido em julho de 1865.
Por ritutos de 12 do corrente foram nomea-
dos:
Join Eduarde da Costa e Cunha para o lugar de
pratkaote do tbesoero nacional, e Francisco de
Assis Silva Lorena para o de praficante da rece-
bedoria do Rio de Janeiro.
Lemos uo Jomal do Commercie :
0 Sr. chefe de esquadra Francisco Cordeiro
da Silva Torres e Alvim (hoje barao de Iguatemy)
emprehendeu, em 1872, levantar um monumento
a memoria dos finados ministros da marinha, ge
neral Salvador Jose Maciel e conselheiro de estado
visconde de Albuquerque, per terem, o primeiro
instituido o corpo de imperiaes marinbeiros, e o
sagundo garantido a existencia desse corpo com a
creacao da eompanhia de aprendizes ; consultou
os* seus collegas de clas=e, e em todos reconheeeu
sentimentos igualmente patrioticos para a reali-
sacao de tal idea.
t Os Srs. ministros d.i respectiva pasta, conse
lheiros Pereira Franco e Duarte de Azevedo, ap-
pro varara lambem e louvaram essa homenagem
prestada aos seus dous antecessores.
t Promovida uma subscripcao pelo Sr. chefe de
esquadra, suuio ella a somma de 3:560j. que se
acha depositada em mao do Sr. capitao de mar e
guerra Antonio Manoel Fernandes, commandante
geral do corpo a que nos referiraos. Vai, pois, ser
levantado, na f jrlalcza de Willegaignon, o monu
inento que ja esta encommendado a casa de Ma-
noel Joaquim Moreira & C, e cuja descrip^ao e a
seguinte :
Uma columna estriada, de ferro fundido, as-
sente em pilar de cantaria a quatro faces, tendo
em duas destas os bastes do general Salvador Jose
Maciel e senader Visconde de Albuquerque.
t 0 pedestal, de cantaria, mede 6,5 modulos e a
columna 20, comprehendido o capitel, que sustenla
um emblema proporcionado, composto de uma an-
cora com amarra, circalada por dous ramos de ca-
fe e fnmo, sobre os quaes descanca a coroa impe-
rial.
c Cor rentes, fixas a posies de cantaria, marcam
o perimetro exterior da calcada do monumento, t
um gradil de ferro fecbao plateau, onde terminam
as escadas, que circumdam o pedestal. >
c Informant nos que Jose Maria Trench, que ao
dia 5 do correote par lira de Macahe, levando em
sna eompanhia 14 escravos para vender era diver-
sos manicipios, tora, no listricto do Santa Maria
Magdalena, no dia 9, assassinado a facadas e caee-
tadas por dous desses escravos, sendo nessa occa-
siao tambem ferido um camarada do mesmo
Trench.
c Tanto os culpados, como os demais escravos,
evadiram-se, levando comsigo alforges, dinheiro,
papeis e 4 animaes. a
A alfandega rendeu de 1 a 14 do corrente
1,797:770^879.
Eis as noticias eonim-rciaes da ultima data :
0 mercado de cambk) nao apresentou hoje al-
leracao alguma. Effectuaram-se transacQSes me-
nos que rtgulares stbre Londres a 26 bancario, 26 lj8e 26 1(4 d. particular, impor-
tant sobre Franca a 360, 365 e 366 rets, por
franco.
a Negaeiaraovse pequenos lotes de soberanos a
9/450, 9*470 o 91480, a dinheiro.
As apolices geraes de 6 0-0 apresoolaram ex-
trema flrmesa, sendo negociades lotos insigniflcan-
tes a 1:0454 e i:047i a dinheiro e a 1:0474 para
o dia 20 do corrente.
a Na mercado do accoes s6 nos constou a venda
de pequenos lotes do banco do Brasil a 238a, da
eompanhia Locomotora a 240* e da eompanhia de
Seguros Previdente a 134500, a dinheiro.
Aa vendas de cafe foram mais qae regulares.
Desde o comeco desta semana ate hoje venderam-
se 72,000 saccos e fleam hoje em ser 205,000 ditos.
Cotamos por 10 kilos:
Lavado Nominal.
Fiao a superior 8/200 a 8JA50
I.* boa 7A80J a 7/951
l. regular e 1.* ordinaria 7/150 a 7/550
2.* boa 6/800 a 6/950
2.* ordioam -. 6/350 a 6/600
a Nao uos cuustou fretiraent) algum. >
BAHIA.
0 ooramercio eontinuava a lutar com -erias
diffleuldades Onan^iras, como melhor se vera do
seguinte, quo copiamos do Jomal:
Contiaua a Bahia a soffrer a falta de namera-
rio, ainda para as menores iransacc^es.
Os bancos estao -para bem dizer -esgotados;
as boas firmas com difflculdade obtem dinheiro a
12 0(0.
As safras estao mais qae reduzidas, nao pas-
sando
cos do eommercio a frouxidao e- os baixos precos
das cotaoBes dos nossos principles generos de ex-
portaeao nos mercados estrangeiros.
0 eommercio de exportacao esta portanto af
fee tado dos receios iuspirados per esse complexo
de eirenmstancias destavoraveis-
a O'de importacao ressente-se tambem da falta
da perruuU. Apenas sio despachadas as merca
dorias fndispensaveis, urgentes para o consume,
e conseguiutemente os depositos adaaneiros regor-
gitam.
O brigae-barea de guerra, nacional, Itamara-
ca, que trazia a seu bordo a rurraa de aspirantes
em viagem de instruccao, e com destine a Pernam-
buco para estar de volta no Rio de Janeiro ao tem-
po da abertura das aulas da eseola de marinha,
em virtude do mao tempo que tem reinado nas
costas do none, da Babia seguk) directamente para
o Rio de Janeiro.
Grassavara, na capital, com intensidade, a
variora e as feores perniciosas.
Lemos no Jornal:
< Segundo o quadro organisado na tnesourana
provincial e publicado na (olha official, 6 o seguin-
te o numero de predios das freguezias abraugidas
pelo eontrale dos esgot js :
Conceieao da Praia
< Pilar
b Se
Rua do Paco
S. Pedro
Santa Anna -do Torero ate a poate do
Rio das Tripas
Victoriaate o largo do dim no nome
Mares ate Roma
Santo Antonio, !. dist.icto al o lar-
go da Lapinha
25
497
6U
1,013
332
1,709
1,686
522
42
1,256
8,012
7[8 a
0 cambio regulava sobre Londres
26 l|8 d.
A alfandega rendeu de 1 a 18 do corrente
371:210/094.
ALAGOAS.
Nada occorreu digno de menrjao.
t*EKAMBUCa
REVISTA DIARIA. ____
Auloridaale polieial. Por portaria da
presidencia da provincia, de 20 do corrente, foi
exonerado Amaro Jose dos Prazeres de snbdeiega-
do do 2.* district i da frepuezia de S. Jose, e foi
nomeado para o substituir Jose Fraucisco de Souza
Lima.
Guarda uacional. Por portarias da
presidencia da provincia, de 20 do corrrente, foi
transferido para o servico da reserva, ficando ag-
tregado ao 2.* batalhao do municipio do Recife,
Maniel Jose Dantas Junior, alferes do 8* batalhao
de infantaria desse municipio; foi relormado, com
um posto de aceosso, a sen pedido, Jose Fernandes
Monteiro, tenente aggregado do 3" batalhao de
reserva do municipio do Recife.
Telpgrammas da oorte. Em data
de 21 do corrente (sabbado) a tarde, dizera do
Rio de Janeiro :
Pelo decreto n. 5,531, de hontem datado, foi
prorogado por mais seis mezes o prazo marcado
para a duracao das eonvencdes consulares.
Na sesslo do Supremo Tribunal de Justica,
de hoje, foi condemnado o bispo de Pernambuco,
D. frei Vital a 4 annos de prisao com trabalhos,
grao medio do art. 96 do codigo. >
Passamenlo- Den hontem a alma aoCrea-
dor, victima de padeciraentos chronicos. o Exm.
conselheiro Agostinho Moreira fiuerra, deserabar-
gador aposentado da Relate de Pernambuco, on-
de exerceu por muitos annos o important! cargo
de proearador da coroa e soberania nacional.
0 finado era horasra de illustracao, magislrado
pobo e justiceiro, e sin:ero amigo.
A seus iaconsolaveis Qlhos nossos sinceroa pe-
Jrmes.
Voluntarlos da patrla.Pelo mini.-te-
rio da guerra foi exptdido o seguinte aviso .
< Ministerio dos negocios da guerra. Rio de
Janeiro, 6 de fevereiro de 1874. Illm. e Exm. Sr.
Estabelecendo a imperial re^olucao de consul ta
das secedes reunidas d guerra e marinha e de
justica doconseloo de estado, de 11 de dezembro
de 1867, que os voluntaries da patria que volla-
ram da campanha antes de haver esta terrainado
nao teem direito a percepcao de 300/ e a data de
terras de que trata o decteto n. 3,371 de 7 de Ja-
neiro de 1865, determina Sua Magestade o Irape-
rador quo as secedes reunidas de guerra e mari-
nha e de fazenda do mesmo canselho de estado,
sendo V. Exc. o relator, consullera com seu pare-
cer se os voluntarios que antes de terminada a
guerra vieram em .service, oa se retiraram da
campanha por doentes em consequencia de feri-
mento recebido em combale, qne. por nie trazer
inhabilitacao posterior, nao da direito a peosao,
estao no caso de receber o mencionado premio,
afim de se resolver sobre o incluso requerioiento
e mais papeis em que Benediclo Jose dos Santos,
por si e seus fllhos Joaquim Jose de Sant'Anna,
Jose Maria dos Santos e Joao Jose dos Santos, alte-
gando terem feito a campanha do Paraguay, solici-
tam o referido premio, visto que, tendo vindo em
servico para esta corte, nao regressaram para a
dita campanha, em virtude de ordem superior, e
por isso deixaram de assistir a sua lerminacao. -
Deus guarde a V. Exc. Jocto Jose de OUveira
Junouetra.Sr. daqu*de Caxiao.
Proeesso do Sr. Maao de Peraaaa-
bueo. -0 Exm. Sr. relator deste proeesso dau
o seguinte despaeho em 14 do corrente :
c Expeca-se ordem para qae o reo seja condu-
zido ao tribunal na seosao de 18 do corrente mez,
afim de se dar prineipio ao julgamento sendo in-
timado o conselheiro promotor da justica para
estar preseate.
Nessa sessao devia ler lugar somente a Isitara
do proeesso.
Proeesso Poales Vlsgraelro. E' do
tbeor seguinte o bhello accusatorio lido em sessao
do snpremo tribunal de justica, de 14 do correale
polo Sr. conselheiro proeurador da coroa, contra o
reo desembargador Pontes Visgueiro :
t Por libello crime accusatorio, diz o desembar-
gador promotor da justica contra o desembarga-
dor da relacao do Maranhao, Jose Candtdo de Pon-
tes Visgaeiro. E. S. C.
< P. Que o reo, no dia 14 de agosto ultimo, ma-
tou na cidade de S. Luiz do Maranhao a infeliz
Maria da Conceieao, moca de. la a 25 aanoa de
idada, branca, solteira, cam quem vivia quasi em
perfeita mancebia, e a quem dedieava amor, como
confessa no iutorrogatorio, a folha 152 e na defeza
a folha 242..
P. qua o crime do reo esta pleoamente prove-
do, nao so por sua coansslo livre e completa, como
Selos depoimsntos de testemunhas, informa^ass,
ocumentos e peeas offlciaes,
Nestos termos
P. que o reo se acha incorso e deve ser con-
demnado nas peoas do art. 192 do codigo criminal,
no grao maximo, porque dao-se as ciroamslancias
aggravates de aboso de confianqa, ajoste e alera
desti.; as do raollvo reprovado, saperioridade de
K>xo, forcas e armas, premeditacao e sorpreza,
enumeradas as duas primeiras nos gg 10 e 17 e as
"" 4, 6, 8 e 13 do art. 16 do codigo ci-
) a do assucar talv-ez de uma sexta parte da [oatras nos $tj .,
anterior, que ja nao foi grande. tado, devendo ser condemnado em tod a.-05jS"n
Agfravam a penuria da lavovtre e os embsra-lF. J.-Rio de jaaeiro, 13 de fevereiro ae t87.-u
ppoaootor da justice, rrancisco Balthasar la Si-
veiia.
- Conclusos os aulos ao jois relator, deu alia c
seguinte despaeho:
a Recebo o libello. RemetU-se copia delle ae
ree, o desembargador Jose Candido de Pontes Vis
guoiro, sendo igualmente notificado para no tonac
de oilo dias apresentar sua eontranedade.Rio 4s
aaneiro, 14 de fevereiro do 1874. Simla ia
Silva.
Assassinato.Ao amanhecer de 2 do eor-
renle, Francisco Jose de Sant'Anna, no lugar ae-
nooiinado Campestre do districto do Vicencia, ter-
mo de Nazareth, arrombando a porta da casa se
residencia de Antonio Cerino Gomes, invadio-a, e
assassinou a este, que astava dormindo, com dous
golpes de fouce.
Consla que Sant'Anna foi aisto levado a iostaa-
cias de sua amasia Senhohnha Maria do Esoirito
Santo, mulher de Cerino Gomes. Esta e o delia-
qnente foram presos, e o inquerito polieial que
este facto occasionoa, reraellido a autoridade com-
petente.
I iu moral I dade Na noils de 20 do cor-
rente, entre as 10 e II horas, foram vistos dous
homens e daas mulherw oa pratica das sceoas
mais escandalosas e oflensivas a moral, tendo por
Ibeatro a calcada da praca de Pedro II, lado do
aerie, sobre a qual se abrem as janeUas dos pre-
dios que Innitam a rua do Imperador.
De taes scenas, que de ceries tempos para ca,
frequentemenie se dao nos locaes da cidade, a
noite, pouco concorridos, como os caes, Camao daa-
Princesas, etc., sem que a.lorca roadan'.c se de ao
trabalho da per ladas a porta do eidadao, win menoscabo affron-
toso do respeilo a qua lam. direito, juslo e, quo so
Ihe raconheca lambem o de combate-las e repelli-
las do modo qua mais convanieole Ihe pareca ser.
Dinheiro. O vapor Parana trooxe para:
Marlins & AraUjo 1:868/209
Jose Rodrigues de Soaia 600/OUs
Ferreira & c. 321/000
Trilhos arfca do Oilada Pela
directoria desta ompeeza sao coovidados os actio-
nistas qno ainda nao receberam as soas accoes a
irem quanto antes solicilal-asno respectivo oscrip-
lerio, a rua da Priaceza kabel.
.Vrreiuataooes. proviaciaes. Po-
rante a junta da thesouraria provincial vao a pra-
ca, no dia 6 do marco proximo : as reparys de
quo precis* a coberla do gymnasio proviocial.
orcados em 578/600; oo roparos da bomba n. 2.
no 7* tanco da estrada do sal, orcados em I 012/;
e os roparos da capella da casa de detencao, avs-
liados em 1:478/.
Moeiedade Propasadora da laa-
truecau PuMiea -A 19 do corrente love
lugar a reuniaa do conselno superior dessa socie-
dade no lugar do costume.
Comparecoram a sessao onze dos respectivos
mambros.
Depois do lida e approvada a acts da sessao an-
terior, foi lido o seguinte expediente :
Um officio do Dr. Buarqne de Macedo, deeUran-
do que por ler de seguir an brave para a corte, a
exercer o cargo do director de uma das seccOcs da
secrelaria do ministerio da agricultura, para que
fora nomeado, deixava por isso de continuar a ser
vir no conselno superior, mas que alii nao so a so-
cisdade como o mesmo conselho, e cada um do
seus membros podiam dispor de sea presume O
conselho deliberou qae se agradecesse ao digno
socio os bans servicos que prestara a sociedade, e
offereciment is que fazia, e qae uma eommissio
compusta dos Srs. Dr. Pinto Junior, conego Liao
e professor Moraes Mello acompaniasse o mesmo
Dr. ate o embarque, represeniando o conselho su-
perior.
0 conselho parochial de S. Jose, communicoa
haver creado mais duas escolas uma para o sexo
masculine, noelurna, e outra para o'.sexo fem ninu,
diurna, de ensino primario, sendo qae com essa
creacao ficava tendo a parochia 4 escolas, 3 pri-
raanas e uma secundaria, sustentadas tod.ii pela
sociedade. 0 conselho superior se congratula com
o parochial de S. Jose, por taes creacoes, quo pto-
vain que naquella parochia bapatriolicoi cidaoaos
pie se esforcam pela realisa^ao do grandioso &m
de nossa sociedade.
Oolro do mesmo conselho, pediodo uma MMpi
da revista, que entrant no numero das obras que
tem de forraar a modesta biblietheca que alii de-
sejam fuodar. -Folga o conselho com tal nolicia, e
resolve que seja satisfeito o pedido.
Outro offleio do conselho da Boa-Vista, fazeoto
valor os servicos prestados pelo Dr. Buarque da
Macedo, e propondo-o ao canselho superior para-
socio hooorario.
0 Sr. Plate Junior, abracaudo a proposta, que
declara desojava fazer, propoe qae alem desse se-
nhor se confira igual utulo aos Srs. cooseJIieiro
Joao Alfredo Correia de Oliveira, commeodador
Henrique Pereira do Lucena, desembargador Fran-
cisco de Faria Lemos, Dr. Joaquim Pires Machado
Portella e Francisco Leopoldino de Gusmao Lobo,
justificaado sua proposta.0 conselho approvou
taes propostas. -
Igualmente propoa o Sr. Dr. Pinto Junior que aoo
Srs. conselheiros Af^onso Celso e Manoel Francisco
Correia dirigisse e eonselho superior cartes, feliei-
Undo-os pelos discursos ooe fizeram, dos quaes
reoultou a crea^io de uma sociedade aa corte cow
os inesmos fins da nossa, agradecendo-lhes a men
c4o honrosa qoe da propagadora da instrnccij n-
zeram. Foi approvada.
0 Sr. Pinto Junior declarou qoo o Sr. Peaaol*
concedeu um beuelicio am pral do conselho supe-
rior da Sociedade Propagadora, e que este beoefi-
cio devera ter lugar a 4 de marco vindouro. -O
conselho recebeu com agrado essa conuannicaeao.
0 Sr. Dr. Caroetro Mpuioiro deciarou iue otfer-
uva ao conselho superior a 1.' eJicao so sua
obraGrammalica portug.uou cuja impresoajr
eslava incetada, aorrendo a coutiuuacao delta par
coata da sociedade, sendo sue o sea eusto estava
Krantido pelas assigBataaaN pedindo poreoa qae
e sejam dados como aator 100 xoaptana da
dita obra, diaoado mais que dislribuidos todos os
2,000 exejoplares, catculava o lucro que auferira
a sociedade era mais de 2:000/000 -0 coasolao
aceilando o offerociawato, mmt i agradece ao dig
no coosocio que win da uma prova do seu pa-
triotismo e amor aaocisdade.
Fiaalmeale, scieatiEcado o eon-eUw do prema-
ture passamenlo do consocio insuUador e illnstra
do professor Jnaqaim Antonio da Castro Nu
lamonundo este infauoto acoalecimeote,
uma commissao compoita dos Sra. Moraes
Rodrigo L-'iUo e Monteiro Pessoa, para ea aosa de
mesmo cooselho, darem os peaames i Kxraa. vmai
do mesmo fiaad .
Eaabarque. -Ho e no arsenal de marinha. devem b*r4r'.f'!
hprdo do vapnr Poland o Sr. Dr. JosO f^**"*
Gurgel de Amaraj e sua aiuslre coasorte.
Exm. Sr. barao de Nazareth, os quaes m **
ao Ceara, onde vai continaar a residir aqossa
nosso amigo particular. ._.
Durante o pouco tempo, quo entre nos esteje.
o sr.
at do
qua e
trataram com a sa'a sf^bUidade. e faxeodo-aa lav
peilar p-los sens talentos e lotelligeneia
Almejamos que prupicioa veotos coadoxaai s.
S. ae Prio seu de no e 1ae *'''_,cot
toda a parte, lhn srriim largos horuaaaa as
VTr"s.mBa B delra. Sb o titala -






^^
#! n.OUVlJl ** 1jfftfir,tffTK^aT,K"n" Segunda^feira 23 de Fevcrciro de 1874. ;> OS3HW J WM
Crnca muito mtrtcida,-te a ffajfe MMi



noticta
tos hoje puMicados tdvDtaria
' meaeao muito. especial o quo
*Ieiaj. da nrdam da Rosa, .ao
de humanidades e illustre
Aatonio Herculano de Souza
Janeiro, a
Entre
Official,
eaaeedeao
intelHgente
parnambuca
Bandeira.
Ja era para no* m melivo a iaeit grata_ira-
pressao que distincto? servtoos do raagSlerio se
levasssera junto a> govern,imperial em-jasto ti-
tulo para uma gr* .desta-najUMa.
Oi fie amam a itk-trae^o, ees seas propres-
sos, uao podem vcr senao oom ardente satisfacao
roe a-classe do magrstario reeefca par este modo
um iaequivo.-e teitoawiaho deapi'eco a 3D* hon-
rosa proAssao.
_ Mas a e-sja e-nsideraiji* jnntwn se outras de
nao men >s vstor para fazef-aos ver nefta simples
graca nm aflo de justica, que honra tanto aoagra-
ciado coma ao illustre mini&ro a quern coube ia-
*car a eorda como dignos da imperial munilicen-
cia 03 modestos, mas importaates services do Dr.
Sqazajferadeira.
c Conhecido de tod a a actual geracSo de ho-
mens de lettras, que fizerem na faculdad". de di-
reito de Recife a sua educacao scientitica, o Dr
Sauza Bandeira e nadamcms que um homem fei-
to em estu los de hist-jria e phiiosophia, um cultor
assidee da sciencu, singoiarmeota raudesto e siu-
ceramente dev.it ado a cnnsa da instruccao a que
consagrou toda a sua -virtu.
Nunca unta graca f-.ii mais morecida. E o
nosso testeraunfco e tartlo mais insuspeito quanto
O'fcr. Soon BaodjC"* e vm desss tenes adversa-
fjpa pr.liUqiw-a -vaem nos habjtuarnos a.admirar pela, tro dvbarr* logo ae- N do moute Moreno, e coa
Sineeridade de uas coavicpoes como pelo npbre
espirilo de jutaica e toioraucia c;tm que as sabe,
defender.
Nao daaos someste parapens :ao Dr. Sonza,
Bapdeira, raas tambem ao illustre ministro per
namljncan'a, qne soaks premiar o real merecimen
W com uib* espontraeidade hoarosissima prai
aofcos.
C tic:*. -N.3,di.a 14 do corrente, achando se presen-
te3 bsSfs. cpnselheiros de guerra daqne ae Ca-
xias, Ri.tteacourt, de Lama/e, vtscohae de Sarfta;
Theresa, barSes da Gavea e de Angra. couselheiro
vbgaf Beaufepaire Rohan e desen*argador_ Lisboa,
o priinei.ro destes-senhores dechrod que nao podiaj
haver sessao por estarem presMmdo o tribunal do
jury da cojte o Sr. deserabargador Magalhaes Cas-
ifo,' e o, de .'?iciheroy o Sr. desembargadbr Camara.
Hneeii ataeioiujil. Ewreveu o S". Br,
La.3isl.-jo .Vein, director do mczeu, ao JornH d>
Commvcii^ da oorte.
Acha-se exposta a curiosidade publica no
P4IC3 imlfi mu.ieu uma ornja piniaia (Fell: Boca-)
qua apezar de ainda nova, e'o mais belro animar de
quantos teem aqui apparecidp, representando esta
Bella e?pecie.
E* present do St. cortsel Seity) Costa Pereira
Juqior, minislro da agriruhttra. para quern foi
traziaVda proyincia de Jfinas Gerae?. u innzea
iViciQnaj nao tern a'ccommodagoes para taes hospe-
q.U|e nos ciicgam rivos. 0 actual, por6m, r.ao pa
re's diS|)oto a nps fazer presente da pelle : nu-
0 se bem, eagorda soffrivelmente e cTesce
jllbos risios.
Sempre que vejo e-te nibre e selvagem. filho
de nos concedesse ao nosso nmzeu, na sna fatura refor-
ma, um jardira. destinadn ;i parte experimental do
isiud.o d4 Pauba e da -Flora do Brasil, espcciali-
Uide hoje indispensavel nos proprios trabalhos
descriptivos defies dou< relno?.' E se tal jar'dim
n.-s f'>; e que element) dein,5tru(,&VriaVteria aelhi'tftda
e?
!Vva paMtcaeao. -Recebemo^^'Wt*^
delegado, crimir.oso Haaoel Jos6 Monteiro,
accusadq pelp cfjnio de tiomicidio, e prcso la pan
as band*) do Hxot6, e Lourenfo Rico, immuo pi
Janeiro am txemolac da Cn-ia sabre philosopki*. a* parte dw Seuipapo, desti froguetia, pojr-1
. Qjiiiiauam cm andimento as obr.is da n va
matriz desta fregaeaia, devido isso tao samente
ao3 esforcos do Dr. juiz de direito, e mncera coad-
dirxfiia peU .padre Jqse Cplwfa fnUn/al de
Ua), ao or. Jose Soriano ie Souza.
A^radecemosi
b offerta.'
Prorlnc-ia do Eplrlto Santo-Aca-
ham de ier organisadas pelo Sr. capitao de fraga-
ta A. lambarim as scgnintea nstrucc^es para
cnmaandanles dos navios demandarent a ba
da Vitjtoria na provincia do Espirito Saelo :
i 0 pharol e dioptrico. da 4.* orient, luz isaj
de c6r natural, visivel a 12 niiihas em tempo claM sario, que sewe de matriz da
i rrafc.ii
n aoaa-se coHocado na encosu do morro de S
Luzia; por W-18'-20" de latitude S, e *-
-39" de loagitude E do Rio d* Jaaeiro.
a fan demanrtar o portQ devc-rao 6s navns qtae
vi.Tera do largo e do norte, avistaado o paawl
puxar para elle tendo o caidade de nSo S marc'ar
por 60* SO magnetico, aflqi de evitar % pedra deuo
minada b&ixa grande ouperifosn, o}ne corct a e-se
rumo com o pharol na
milha S. _^___
Fera desse rum5 e a E do meridiaco dos
cotes esperarao pratico.
8s que vierem do sol poderio indifferente-
raente passar a E ou a 0 dns Pacotes -e marcando.
o pharol a 0 esperarao pratico ; tendo sempre
coMado de nao pasarr desse parallels para
norte, para evKarem a raesma bauca grande.
*Sendo uoite clara, distiaguindo se faciluianto as
pentas de terra, poderSo os que vierem do N e do
largo, dado o resguardo conveniente a pouta de
Tnbarao puxar para a da Fortalesa que (i ;* den
Pa-
ia?tri;(*^
-' ja tama.rjh.a e tao phico aformqscada 'canftaT't
Coincidlb com a clicnad^ da onca a que me
reliro, a de uma puma do'Chaco, offerecida rjefcf
Sr capitao de frajaja Sofir Marque's Gnimaraejij e
qp o publico tern'idmiradp em quai plenalrber-
?ynpregadus m muzeu, a qacra viii tomando af-
fti.ao
- E*le bello animal, com,qaanto nao tehha ch?-
gaJo ao seu .completo desenvolvimento.. pode-se ja
eomparar a um grande cH<> de caca, 6 agil gracio-
so e de uma docilida Je que alnjira em raca de tio
man/ bofes. Verdado < que este bap ameriesnp,
comp tambem lh-> chaman algans natftr'aliMas,
era que pese aos vlajantes que o pintam sempre
insacia.yel, traicoeiro e destruidor, era o nobre e
soberbo animal, cuja presenca dava rim cunho de
exquisita c selvagem masaiticencia aos pacos dos
Ini-iis, onde, comb ou.trora seus.'congeneres.o.
i'ao e QTtigne, nos regies solares da Assyria e do
Efiypto, vivla em perfei\a (r.mesticidade.
<( E por fallar no Egypto, o Sr. cdnselheiro Lo-
pes Netto, a quern ja desiamos a colteccao archeo-
logica e ethenograpm'ra da Bolivia, composta em
grande parte de artuf.ictos rarissimos hoje em dia
nos iiiuzeus eurcpeu<, acaba de mimosear este
muzeu com diversas curiiidades de snbido valor
para a archeologia pharaonica de ha muito aqui
existenle, e cnra.alguns vestuarios dos campone-
ze3 russps e dos lapotiios.
For^a c confosar que a.nenhum outro par-
ticular d'eve mais o muzeu nacional, e que tao
lino e apurajto gosto, pena 6 que nao tenham os
brasileiros abastados, de cujas viagens fora da
terra natal, nem licam lenibrancas, nem resultam
DeneCcros.
Riia da Santa Cruz. -Moradores desta
rua nos pe leiB para Chamar a atten^ao do Sr. sub-
dalegado da fregnezia da B"ia-Vista para o mao
costume, de uma senhora ahi residente, tie espan-
c.sr, pelo mats fati! motivo, uma pobrc criansa que
2 m em sua companhia.
.Hcrcado financeiro dc Londres -
Lernos na correspondent de Loridres para o Jor-
nal do Commercio, do Rio de Janeiro :
0 gover.no da India ten) de brevemente resga-
tar o capital da nos-a antiga companhia das In-
dias Orientaes. Imporia elle em 6,000,000 ; mas
os porladpres dos respectivos titulos tiveram a
promesa quando a coioa tomon a si os encargos
la India, dp que Ihcs seria pago o dividendo de
10 yi, e se farja o reeembolso do capital era ra-
zio nunca inferior a 200 por 100, a contar de
3') de abril de 1874.
0 secretario geral da India offerecelhes ago-
ra realisar o resg&te, do seguinte modo :
Dara 3,000,000 em titulos de 3",'. reduzi-
dos, sendo cada um titulo de 200, calculado a
preco de 220> nor IpO ; c 2,000,000 em titti-
los da India de I */<>, sendo cada um titulo de
200, calculado ao par, por 100. Como, porem,
^slas diias parcellas so prpduziram 4,700,000,
para prefazcr as i2,CoO,O0O, (duplo do capital
de 6,fJOO,O0P) ainda se tera de pagar era dirihei-
ro 7,300,000. (Ira, 220 em titulos de 3 /. re.-
duzidos valendo, a cotacao actual 201 6 s. e
200 em titulos da India de I /, va'lendo 202 10
s., e ainda mais, comecando a .ccrrer o% juros de
ambos desde t de abril proximo e o do capital
que tern de ser pago so correndo depois de 30 do
mesmo mez, sera vantajoso para todos os possui-
dores de titulos da divida d> companhia das Indjas
aceitarem o mais depressa possivel a transaccio
propo?ta.
No que diz reejjeito 4s 7,30O/)O0, quo em
todo o caso tt-m de ser pagas.em dinhejro,
paesou na ultima sessao do parlamento uma I'i
autoriaaBdo o cooealho da India, a vista.. deta
contingencia, a levaoiar uma somma que nao
excedesse a 0,000.000 em .apolices da divida Jun-
dada, e 2,000,000 em tituk* de pagamento a pra-
zo fixe.
a Esta autorisacao ba de ser agora utiltsad* aura
de fazer face as quantias nocessarias.
Acredita.se qne o governe do Uruguay vat
tambem recorrer a nm dos nossas estabelecimen-
to linanceiros, a casa do Sr. Jomson Boner k C,
pat a levantar o seu grande empreatMno de perto
de 6,000(000. Se assim lr tera de seguir e
exempio introduzido aqui ultimamente por outros
Eolados coatratadores, pedindo auxilio das grandee
cata$ para levantar grandes empreslimos.
k Para Buaaos-Avres expeie-se peto paquale
qn&eegne agoca a qnanlia de 350,000 em ourp,
parte de Acaba da ser sorleada a somma de 49,200
do emprestimo brasileiro de 1668, que tem de ser
pago aoj>ar no 1 te mar-jo proximo futuro.
cripcap de 300,000 em titulos perpetuos de 7 /,
sobfa a primeira hypotheca da .V. 0. Company
of MouUviiii), coja linha corre desde o Salto ate
oporto de Santa Rosa, na fronteira do Brasil.
Essa via ferrea Aere ficar/"oncluida pelo prepo de
4,100,000.
0 preco de emiesao do emprestimo 6 SI /.,
de modo que os drtridepdos serao na razao de 9 %
aonuaes. >
Re vista Juridfea- Chegou o n. 58 desta
interes.ante publicacao, eontendo :
Gazeta Juridica : Da accuraulacao das penas.
Ministerio Pablico.
Jitrisdicgao civil: Simulacao de hypotheca.
Qaestao de liberdade. -Levaatamento de arresto.
Deposito para liberdade. -Arbitrament por ho-
norarios. -Copula do senhor com a escrava,Ina-
enabilidade dos bens dotaes.
24
5
12
I
24
10
3
a
1
o
8
21
1
1
I
k
jervandoo moute da Penha abQr.to do Mrtnp,
havegar ate den tro da barra, tendo s.empre o ci
dado de nao marcar q. pharol pot GO' SO magas
lico, era, pequeaa distancia.
< Os que vierem do sul, nassadps qne sejant os
Pacote?. uavegarao parallelameute a costa e a 0
do meridiaoo deesas ilhas, sera comtudo se afas-
tar muit,o delle, alim de evitarem o rochfdo Ca
vqllo, que demora. por KE magnetico do pha
rol na distancia de 4 a 5 amarras.
..Mafcado, aphacQl. de 41, SO : S nayegarao
livremente 4 rajeid.capal, dando resguardp $.Batea
rochedb descofterto dentro da barra.
C tiiiaui Municipal dw Recife. Esta
corporafao corifrata, no dia 2o do corrente, ao.
ratiiodia, a dfimolicao do predio n. 19 da rua
do Amorim, na tcegpezja de S. Frpi Pedijo G,ou-
calves, por clla desapropriado para melhorameoto
da rua.
Fregaezla de Santo Antunf* -Nj
dia |. de marca (doraingpi deve reunir-se, no
consistorio da respectiva matriz, o conselbq de.
qualiticacio da guarda nacional da Ireguczia de
Santo Antonio.
Faeuldade de Bireito -Do 1. a 31 de
maroi proximo, procede-se a matri.jula .dosalum-
nps que tera de frequentar as aulas do 1 anno
da Faeuldade de Direito, e do 1." a 15 aqueiles
dos demais amos.
Pesqueira.Escrevem-nos desta villa, enj
16 do correnle :
Duranta o anno fiodo, o movimefltp de entra-
das c. sahidas de pijesps. da cadeu de Pesqiieira
ti distribuido da seguinte forui* :
c Homicidio
Roubo
t Moeda falsa
u Ferimentos
Resistencia
o Furto1 de animaes
Rpgrutas
Desertores
Fugas de presos
Injurja a auloridade
< Einbnaguez
Foram condenna*>s :
Homiiit03
Furliis de'animate -
Resistencia
i Ruubo
Moada falsa
Ferimentos
Foraiu absolvidos on de--p4'vBUJV;aaos :
> Hotuioidios 3
I Ferimentos 6
< Resistencia 1
< Furto de animaes 3
Eram de outras comarcas 6 dos reos presos
por crime da hamicidio.
Foram sollos por habeas-corpus -j.
u Forara inlerpostas cioco appellaucs pelo Dr.
juiz de direito da comarca.
< A' vista do '[uadro que D:a sujeito .u aprecia-
cao pubuea, pod a se avaliar os raltvantes ser-vii;js
prestados a esta comarca pelo delegado de poli-
cia, o major Salyro Ferreira Leite, que, no cum-
primento da setts deveres, nap da guanda e nem
consente que os criminos.js transitem de publico;
. Se no Moxoto, porem, a p dicia nada tem feit >,
a culpa nao 0 do delegado e nem do Dr. juiz de
direit.), eraeaos do Exm. presidente da provincia.
poii que nes|as duas autoridades tem encontrado
o honrado delegado deste termo toda a coadjuva-
cao necessaria ao cumprimento dos arduos deve-
res de seu cargo.
E' para lamentar qoe o jury nao comprehen-
da bem os seus devoros, absolvendo, com as for-
malidades legaes, para nio cahir na grave falta de
absolver com dezar, para o tribunal : se algumas
absolvicoes dessas houveram, foram el las corrigi-
das pelas appellacoes interpostas pelo integro Dr.
juiz de direito da comarca.
Nao se vi > o escandalo de o reo confessar o
crime e.o jury nega-l, e ser em virtude dessa de-
cisio posto narua, sem que o juiz usasse do cor-
rective da lei : essas scenas, que servem para de-
monstrar a audacia do crirainoso e a subservien-
cia do magistrado, nao se vera jamais ; a moral i-
dade pubiica, apezar dos desvarios politicos, tem
ganho muito.
As autoridades policiaes e judiciarias, que se
acham investidas dos cargos, cumprem-n'os com
satisfacao geral ; eeotre ellas tem lugar especial
o Dr. juiz de direito da comarca e o delegado de
policia, que com o sacrificio de seus intercsses
particulares temso prestado da melhor vontade
ao service da policia, fazendo esta sera ostentacao
e nem encarecendo os seus servieos ; todos^que de
perto o conhecem, sabein o qnanto e elle modes-
to : sobre neqhuma das actuaes autoridades se
ergue a voz publica accusando-os de factos de-
gradantss.
A agenda do correio desta villa de Pesqueira
no somestre de jalho a dezembro de 1873, re-
raetlea, oarao correio do Recife, o seguinte:
nvacaado vigario da (f<
ne os tepresaatantes do 5" c
ncorrerent com alguma ca
atriz.*
Proclamas.-Foram li
Antonio, ma domingo at de fi
tes:
i.* demincia
Piato Corvea,
Deus queira
leiobrem-se dw
a as obras da
aigreja dp Re
ezia de Santo
ro, os seguin-
argarida A*-
Prancelina "Ma-
fgn Franeelka
Offlcios !<7
Cartas fnncas 117
< Objectos registrados com vaier 3
<( Ditos sem valor 31
Micos 3
Aatos *
OlFtcio postal I
< Roco^eu no mesmo semestre da administra
$ao o seguinte :
Officios 163
Ditos postaes &
< Cartas franoas 242
" Cartas com sallo insufficiente a
i Jornaes (macos) 14
i Macos 10
Livros 4
Obectejregistrado com valor t
Ditos sem valor - 16
a Autos 3
< Eacommendas -2-
Jose Scares
laide Pinto.
Conrado Vieira da Cunha, cdTS
ria Vieira da Conceifio.
Aa|onip Joaquim dos Samoa,
dntaiola de til 1/i Cassia Araujo.
2.' denunciajio.
Manoel Virginio da Gama, com Joanna Theodora
de Sam'Anna.
Jose Francisco da Gloria, flm waria da Soleda-
de Ferreira Uma. ^^
Manoel Carre's Vlaciel da Siva, com Ursula Can-
dida Pessoa de Meilo.
Manoel Pinto de FreKas, com Maria do Ro-
sano. |
Joao Teixeira dos Reis, com Adelina Lins de
Albuquerque.
Joao do Prado Marlins Ribeiro, com Candida
Laura Padilha.
3.* denuncjacao.
Raphael Francisco. Pereira, com Marcionitya Viei-
ra de Mello.
Bellarmmo Jose Coolho. com Maria Jeronyma da
Conceicao.
I.oteria do. Rio. A lpteria n. 1*S cOTte
bqje.
Loteria.A qne se acha a venda e a SO' A
beoeficio do re:plbiiaeoto da, villa de Iguarassu,
que corre no dia 28.
Lellao.Conforme esta annnnciado, deve ter
bjgar an\ant|a^24) o.leiiao do spbeado d* rua Di-
reiia n. 130, assjra. coa)o o da casa de campo da
Crpzdas Ajmaft.'
0 iunvis. com drog,is ,perlerican,^s a raassa fallida de
J,os Frauciscp BiUeucourt e existentes em seu es-
cfiptprie. Bia do Bom Jews n, W.
Ainda autro.-Bom negocio, 341:0085730
por 265, A's i 1 buras do dia 2,4 do cprrente, vendera
urnesmp agente Pinto presto da^dividas da massa
fallida de Amorira, Fragnso, Santos P jruncia de 3ii.008^7;W, serviudo de base a,of-
ferta de 86jOOa
Casa d*! dfeteneip.Mpvimentp da casa
de detencao do dia 20 de fevereiro de 18J4.:
If^is^arB pfftjos 33Q. eqtraram 2, sabjram 7,
ex i stem, 325.
A saber :
Naeionaes 34S, muJherea 9, estraogeiros 28,
Bjcravfts, 39,,esora,ya. l.-^lp.taj 32p.
Alitnpnjados a c^sla.dos. cpfrcs, publicoa 2^6.
Siovimento da enfermaria do dia 20 de fevereiro
de 4874.
Tiveram baixa.:.
Dioryzio Barbesa da Silva, radigestao.
Clementino Machado Barros, ulceras.
Cla.udino J(*e Francisco, (ebre.
IPta^wiXrri.rtt.ti Cliegados do portos dp sul
no vapor uaeienil I'aiand :
Dr Julio Augusto da.Silva, Lima, Dr. Rodxigues
de Oliveira Filho, Anna da Silva, Bellarmmo B.
Cavalcante, Antonio Lniz Caetano da Silva, eora-
iiiendad r Victor-Merulles de Lima, Severiano Mod-
leiro, dos Santos, 2 imperiaes raariaheiros, 4 pra-
cas, 1- e-x-praca, Augusto Josp Teixeira de Freilas,
Jose Heraclit'o Ferreira, Eduvin Fey.Igaacio Even-
cio de Mendonta, Uplty^Laurentmo B- de Olivei-
ra, Gustavo Barbosa, Joap do Rego Galvao,.Pauli-
no Jose Torres, Manoel Jose de Almeida, Francisco
Antnuiu Gil, J >ao Francisco da Silva, D. Anlunia
Lucinoa dos Prazsres, William Smith, Joanna Ma-
ceno de i*'sus, Maria Frajscisca de Messias, Maria
Pastora, 1 criada, comroendador Manoel de Vas-
concellos, alfares Epiphanio de Araujo Caldas e
sua sonUora, capitao Francisco de P. Valente,
desembargadpr Accoli e. sua lilha, Joaquim Jose
do NasciipeptPv co;nmendadiir Jose Manoel Bap-
lista, Jose Alves d;i Cruz Oliveira, Victor Wan-
derley, Cupertino Guiraafaea Rastos, Antonio Fer-
naades Porto, Severiano, criado do desembargador
Accioli.
Segu.em no mesmo, vapor para 03 portos do
norte : ..
Antonio de Souza Martins^ Elias Augusto Mar-
tins, Anm Maria da Conceicao, Antonio da Cruz
terdeiro Junior, Dr. Manoel da Cunha Vascpn-
cellos e sua senhora, padre Bento Pereira, 1 es-
crava, Emiliana Gallindo, coronet Alfonso de A.
Mello, sua senhora e I filho, alferes Jose E. da C
Martins e sua senhora. Manoel Castapheiro, S.
A, More in, D. Raymunda C. Marques, DJMaria
Gcegoria Luevedo, Clemente Luevedo, 2 ex-pracas,
Jose J. de Oliveira, 1 recrula, major A. A. R.
Chaves, W. Kerviog, Manoel Z. dos Santos, Fran
cisco M. dos Santos, 2 pracas do exercito e 1.
ex-2 sargento.
Cemiteria pulilico.Obituario do dia 19
do corrente :
Maria, preta, Pernambuco, 3 annos, S. Jose" ;
besigas.
Igaacia Maria da Conceicao, parda, Pernambu-
co, 23 annos, solteira, Graca ; tuberculose.
Pedro Augusto da Costa Guimaraes, preto, Afri-
ca, 50 annos, casado, S. Jose ; tetano.
Francisco Caraciolo de Albuquerque Maranhao,
braneo, Pernambuco, 23 annos, casado, Santo An-
tonio ; tubeFculos pulmonares.
Augusta, preta, Pernambuco, 2 annos, Recife
variolas.
Joaqnina Maria.de Jesus, preta, Africa, 50 an-
nos, solteira, Boa-Vista; phtysica.
Luiz, prelo, Pernambuco, 6 motes, Boa-Vista ;
convulsde3.
Olivia, parda, Pernambuco, 11 mezes, Graca ;
convulsoos.
Joao Raooso. pardo, Pernambuco, 31 annos,
vmvo, Boa-Vista, hospital Pedro II; diarrhea.
Severina, escrava, prpta, 54 annos, viua, Boa-
Vjgta ; de generis cancia da mama esquerda.
Sara, escrava, preta, Pernambuco, 25 annos,
soltira, Graca; bexigas.
-^ 20 -
Amaro, pardo, Pernambuco, 4 annos, Boa-Vis-
la ; aJTeecao pulmonar.
Amaro Fernandes Chaves, pardo, Pernambuco,
24 annos, selteiro, S. Jose ; amoliecimento cere-
bral.
Joaquim do Carrao Fernandes, braneo, Peruara-
i..a:o, 50 annos, casado, S. Jose; paralysia cen-
dente.
Maria da Coaeeicap, preta, Rio do Peixe, 62 an-
nos, viuva, Boa-Vista, apoplexia,pulmonar.
Bartholomeu, escravo, pardo, PernamDuco, 20
annos, solteiro, Boa-Vista.; tabefculos pulmopa
res.
Pranajjao Gomes da Silva.
De Angicos.Appellant*
Appellante 0 i,u>w, appellado 0
og
nienor Jose.
Do rpiiAppellante Josii Pereira de Sauza, an*,
pcllada a jssti^.
Appellacao coramiciaV
Do Recife. Appellante Dr. Jesuino Augusto dos
Santos MeMo, appellada a massa fallida de Fer-
nando'Steppie da Silva.
Do Sr. desembargador Lourenco Santiago ae
Sr. desembargador Reis e Silva :
Appella.-oes crimes.
De Itambe..Appellant^; 0 pfomotor, appellado
Jose' Joaquim Dias e outros.
De Malta Grande.-Appellante 0 juizo, appella-
da Maria Pastora do Xascimento.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
Appel aeao civel.
Da Alajaja,' Appellante Jose da Rocha Lins To-
ledo, appellado Manoel Jose* de Fontes Junior.
Do Sr, de^crabargajor Reis e Silva ao Sr. dea-
mbargador Almeida Albuquerque:
Appella^o-is crimes
Appellante 0 juizo, appellado Tiburcio Valeria
no da Silva Tavares; appellante 0 juizo, appellado
Joaqnim Gomes da Silva ; appellantes Manoel
Ignaeio de Albuquerque Maranhao e outro, appel-
lado Jo;e Carnejro de Carvalho da Cunha ; appel-
lante Claudino Alves de Aguiar, appellada a jus-
tij*.
Appellacao civel.
;tAppeUante Lpurenoo Velbn Cordeiro de Mello,
appellada a viava de Bernardino Freire de Mello.
iiiDo Sr. desembargador Domingues Silva ao Sr.
desembargad-jr-Soasa Leao :
Appellacoes crimes.
Do Pombal.^Appellante 0 juizo, appellado Jos6
Romualdo da Silva. '
De Tacaratd.-Appellante 0 juizo, appellado
Marianno Francisco Souto.
Do Sr. desenjbargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Domingues Silva.
Do Recife. -Appellante Manoel Zeferino de Sal*
las, appellados liari.bolomeu A- 0..
Appe|lac5es crimes.
Da Grapia. ^Appellante Jos6 Francisco de Arau-
jo, appellada a justica.
Do BuiqucAppellatte 0 Juizo, appellado Do-
mipgos ViLela da Silva..
Do Sr. desembargador Sjuza Leap ao Sr. des-
embargador Freilas Henriques :
Appella*des civeis.
Appellante Augu-to Tapernbac & C, appellada
a.admra'stracipju massa, de Magalt.aes Irrnao.
Embargos remeitidos.
Embarganle Matliias Lopes da Costa Maia, em-
bargado Antonio Casimiro de Gouveia.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva :
Appellacoes civeis.
Appellante Jose Ferreira de Mello, appellado Jo-
se Martins Leitao.
Diligencia civel.
Ao Dr. curador geral:
Da Racbajpa.-r Appellant j..Maria e seus filhos,
appelodp tenente coronel Joao Queixada Fijguei
ras.
Ao'Bxm. Si\desembargador proenrador da-co*
roa:
Appellante a fazenda, appellado 0 vis ;oiide de
Valraorit.
Diligencia crime.
Ao Sr. desembargador propiotor da jnstioa :
Appellante 0 juizo, appellados Manoel Caetano
Ribeiro.e outro.
Assigoou-se dia para julgamonto dos seguintes
feilqs :
AppellacSes civeis.
Do Recife. -Appellante Mappel Gomes Pereira
Guerra, appellada a parda Carolina, por seu cu-
rador ; appellante. Joao Marques Fernandes, ap-
Bellados Azevedo & Maia; appellante Antonio
uarte Carneiro Vianna, appellado Joao Baptista
Gomes Penna.
Appelrarao civel commercial.
Appellante Gertrudes Germana dos Passes, ap-
pellado Manoel Eduviges da Silva.
Appellacoes civeis.
De Cimbre3.Appellante Joaquim Rodrigucs da
Silva, appellado Jose de Goes Mello.
De Olinl.a. -Appellaute Valentina e seus filhos,
appellado Francisco Augusto Nunes de Mello.
De Itambe.Appellante Eufrazio de Arruda Ca*
mara, appejlado Manoel do Rego Cavalcanti de
Albuquerque.
D1STBIDU1C0KS.
Aggravos de peticao.
Ap Sr. desembargador Lourcnco Santiago:
Aggravante IJmhelinado Rego Machado Xavier.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Aggravante Joio da Motta Dotftrho.
Ao Sr. desembargador "Afmeida Albuquerque :
Aggravante Antonio Joaquim Salgado.
Recursos crimes.
At Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
Racorrente Tlieodore Anicelo Pereira da Silva,
recorrido 0 juizo do Recife.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva :
Recorrente o juizo de direito da Itambe, recor
rido Antonio Correa de Araujo.
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
Recorrente 0 juizo a) Recife, recor ido Manoe
Pedro de Oliveira e outro. -
Appellacoes crimes.
Ao Sr. desembargador Lourenro Santiago :
De Itambe. Appellante Genuine Bezerra Caval
canti, appellada a justica.
Ao Sr. deserabargador Reis e Silva :
Do Pilar. Appellante Bernardino Rodrigues
Marques e outros, appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Barreiros. Appellante 0 juizo, appellado
Herculano Bezerra da Silva.
Ap Sr. desembargador Domingues Silva :
Do Teixeira-Appellante Francisco do Rego
Braneo, appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
Da Victoria,Appellante 0 juizo, appellados
Manoel Caetano Ribeiro e outros.
Encerrouse a sessao a i bora e meia.
[seus eompatriotat, 0 de todes-esestrangci
PEBK.SE aattex(;\o do publico bdocoverno Uados, a.aiiBaacnle* *MLno
Senilo aquella cidada um dos pontos das
provincias liuiitroph.es de Pernambuco, com
o. qual ttao poucas transaci;oes tem esta pra-
^a, jd se tinham aqui suscitado contra o
procedimento do Sr. Or. juiz municipal da-
quelle termo queuxas da parte daquelles que
tem tido necessidade de procurar ante S.
S. justica eotUra olguns dos seus devedores.
Consta-noa mesmo que aioha ha pouco for*
dada contra S. S. denuncia perante o supe-
rior tribunal da relacSo.
Agora, porem, ^ehegada a vez de nfio fal-
Urmos por informagOes, mas de setitirmos
por n6s mesmos 0 modo pelo qual S S. des-
empenlva as altas e hjnrosas funccoes que
Iho foram coufiadas.
0 caso & esto.
Pedro Lopes de Mendonca, commerciante
naquella cidade, achava-se a dever nesta
praga mais de 60:0008000, proveniente de
fazendas qtolheconfiaram divorsos. quando
era marcodo auno passado aqui appareceu
solicitando abate, e de feito 0 conseguio de
quasi todos os credores, de uns A razao de
quarenta por cento e de outros a* razao de
cincoenta.
Auimado por essa generosidade ou acon-
selhado por algum ainigo que tal vez sejul-
gue com 0 poier do tirar de nossa algibeira
o que nos pertence para dar-lh'o, em Janei-
ro deste anno aqui apparece 0 freguez solici-
tando um novo abate do sessenta por cento e
apresentando um balanco, que, combinado
com 0 apresentido era marco, de nenhura
modo explica e justidca essa sua nova
exigencia.
Ainda mats : tendo 0 homem porguarda-
livros um cunhado, que consla ser habil na
arte de arranjar liquidaooes, foi por elle
apresentado como pretendeute A compra de
seu estabelecinento commercial, e daqui
desappareceu da noite para 0 dia sem espe-
rar a decisao dos credores.
Vendo eates a tramoia que Ihes estava ar-
mada, tratararn.de justificar taes factos, pe-
rante 0 Sr. Dr. juiz do commercio desta cida-
de, que expedio precatorio paraodeMaman-
guape, deprecando a detencao do nosso deve-
dor, tendo toda a compatencia para faze-lo,
visto como alem da justrflcacao dos factosque
era resumo temos expendido, foi a detencSo
requerida em facede letrasvencidas nasquaea
0 devedor obrigava-se a responder no foro
desta praca, renunciando 0 deseu domicilio.
Apresentada a preeatoria ao Sr. juiz muni-
cipal, Dr. Manoel Juvenal Rodrigues da Sil-
va, recusou pdr-lhe o cumpra-se, pretextan-
do ser 0 juiz deprecante ihcompetente para
determinar a detencSo de um devedor resi-
dente fora de sua jurisdiccao ; esu a ins-
taneias do distincto advogado que por parte
dos credoresapresec.tou-lhe aprecatorh, dig-
nou-se de escrever nesta as razoes de sua re-
cusa muitas horas depois de ser-lhe a pre-
eatoria apresentad8, accrescentando acbar-se
por despacho daquella data declarada, aber-
ta a fallencia ao devedor, quando ate aquel-
la bora nos cartorios de Maraanguape nada
constava a respeito ; pelo que bem parece
3ue esta abertura de fallencia foi recurso
e que se Lancpu m3o depois de conhecido
0 assumpto da preeatoria do Sr. Dr. juiz
especial do commercio desta cidado
Ainda mais: existindo alii procuradores
devidamentehabililados do alguns credores,
a pretexto de nao haver orator residente no
lugar, foi nomeado curador fiscal um estra-
npo, amigo do fallido, e desde logo consti-
tuio advogado da massa para defender os
oossos interesscs um advogado da amisade
e cotilianra do fallido.
Estes sao os factos de que por ora temos
conhecLncnto; mas protestamos trazer ao
conhecimfiUo do publico e do goveroo 0
seguimento desse negocio.
0 Sr. juiz municipal de Mamanguape,
Dr. Manoel Juvenal Rodrigues da Silva,
p6 le ficar certo ie que desta vez sera tra-
zido d luz da publicidade todo 0 seu proce-
dimento.
?iao estamos dispostos a deixar-nos espo-
liar iinpunemente do que nos pertence.
PuBL*CA0S A PEB1B6.
No dia li den parte de doente 0 Dr. juiz-mu-
nicipal, assumindo o exercicio do cargo 0 4* sup-
plente.
a Temos tido abundantes chnvas. No met de
Janeiro chuveu noa dias-1, iS, 2i, 25 e 29. sendo
a chuva do dia 47 acompanbiada de grande tro-
voada.
1 Nesta mez tem chuvido nos dias i. C, 7 e 14
c A cilloctoria geral randeu, no semestre finan-
ceiro de jullio a dezembro do anno fiado, 0 .se-
guinte.-
(/ Transmisaao de propriadade 77 Industria e profissao iiiO-'.OOO
>< Sallo proportional 30*600
c Selio de verba iixa e proporcianai 4i6480
Fun do de aanetpaf.ao. 1,7*000
" Imposlo pessoal 27*180
Deus da auzentes 83*08,"'
Somma 1:953*2.4
Promove o collector^ por ordem e recommen-
dacao do proenrador fiscal, uma ex ;cu;3o contra 0
ex-coilector Antonio Pessoa de Siqueira Caval-.
eante, por se achsr em deafal(|U3 eostra a fazenda
na quantia dp 2.080*.
CHROMCA JUttlCIARIJL
riUBltlL OJk REL4lO
SESSaO DE 21 DE FEVEREIRO Dfe 1874.
PRESIQEKCU DO EXM. SR. CONSELHEIRO CAE-
TANO SANTIAGO.
Seoutanio- Dr. Virgilio Ctelho.
As 10 horas da manba, presentes os Srs. des-
ernbargadores Silva finim#Mes, Loureaco Santia-
go, Reise Silva, Almeida Albuquerque, Domio*
gues Silva, Souza Lelo e Freitas- Henriqoes, pro-
ourader da ooroa, abrio-se a sessao, fahando com
causa 0 Sr. desembargador Accioli.
JULGAMENTOS.
Recursos crimes.
Recorrente 0 juizo de direito do Recife, recor-
rida Maria Isabel da Conceicao. Juices 03 Srs.
desembargadores Almeida Albuquerque, Reis e
Silva, Loureoco Santiago 0 Souza Leao.Impro-
cedente.
Recorrente 0 juizo de direito do Bnoito, recor-
rido Francisco de Ohveiri Lavoura. Jaizes os
Srs. dosarabargadores Almeida Albuquerque, Sil-
va Soimaraese Souza Leao.-Imprecedents;
Recorrente 0 juizo de Nazareth, recorrido ioio
Gomes Vieira de Albuquerque. Juizes os Srs.
desembargadores Souza Leao, Almeida Albuquer-
que, Domingues Silva e Lourence Santiago.Im-
procedente.
Denuncia de Joaquim Pereira de Mendonca
contra 0 juia de direito interino de Bom Jardim
Austerliano Corrt'a de Craslo, Rslator os Srs.
No dia 27 de Janeiro teve lugar 0 levaata-1 uesembargadorea Reis e Silva Almeida Albuouer-
mento da bandeira da Saat'Agueda, padroeira da
freguez-a, seguindo-se as novenas, e tendo Jugar a
festa no dia 8 deste mez.
Ha dons annos, qua a padroeira da fregue.
zia tem a sua festa com a aolemnidade que ofle-
reeeo lugar, tudo devido aos esforcos do Dr.
joiz Je direito, promulur publico, Dr. Luiz An-
tonio de Andrade Junior, major Satyre Perreira
Leite e negociaiite Jose Martins Leitao.
Hojo foram r'< ilbidoi a cadoia, de ordem So
que e Souza Leao.Pronuociaram 0 denunciado
nos arts. 139 e 20.1 por connexao.
Habeas corpus.
Paciante Manoel Joaquim do Nasoimento. Ain-
da ficou adiado por nao ter juizes desempedidet.
PASSAGSHS.
Do Sr. dewmbargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Reis e Silva :
Appeilacoo* crimes.
Da Portaiezrr.Appefianlo 0 juizo, appellado1
Rio IM-* JMHMM
81 DE JANEIRO DE 1874.
Um laslimavel acontecimenlo.
0 nosso dislinpto araijjo Sr, cqoselheiro.Corrt'a
de Oliveira soltreu hontem pelas sete boras da tar-
de nm dnrissimp.golpe que odeixa jnstameote in-
cooolve.l.
0 seu filho Manoe), com quatorze annos de ida-
de, uma synipathica e intelligente crianca. em
qnerp 0 dcsvelado e estremecidp pai fundava as
mais legitimas esperancas, um tern'n rneuiuo cuja,
educacao intellectual realisava pregressos admjra-
veis em ?ua idade, voou hoqtem a re^olher-se ao
seio do Sanhor.
0 desvelado pai Ihe tinha dado pela manba a
derradeira befl^ao. Uma queda np interior da
casa.roubjra a vlda a.infelizcrianca.
Hecebendo em casa.do Sr. viscpndc do Rio-
Braneo a noticia desoladora de que nm de seus
filhos corria perigo de vida, 0 nosso desditoso ami-
go correudhe ein soccorro ja sob a pressab de urna
dpr cruel.
Ao cUegax, porem, a casa. de sua residencia,
seu tio toda a profundeza do ^golpe que estava re-
servado ao seu coracjio de pai. Esse ftlho qne.
idolatnua, e a.quem esireltou convulsivameote to.
peito cqmo se o.podera aquecer cam 0 fogo do
ajoor.pajerjwl, era.ja.um cadaver 1
Ha dores tao grandes que impoem silencio.
Guard9mos,paissilen<:io diante desta que nenhu-
raa ainda exceden.
Que 0 nosso dutincto amigo, a quern enviamos
daqui os mais sinceros pezaraes lite os olhos no
eeo, e ahi onde 0 seu charo Manoel sorri entre os
anjos, eneontrara 0 conforto que nm Dens de bon-
dade e de misericordia nao reeusa. aos que lh'o
pedem com lagrimas ardenles.
Manoel Corria -de Olieeim-.-O fa i lee i men to des-
se nosso joveaanuga, segunde ipformaqees qne
acabamos de receber, teve lugar hontem daaseis
para as sete horas da noite.
Brinoava elle com outres meninos na casa em
qne ora reside 0 en. ministeo do imperio, nas Pai-
neiras, quaodo resvalou e cahio, soffrendo uma
forte pancada sobre 0 oariz.
Levantaram-n'o imraediatamente, mas a infeliz
crianca ja nao fallava, e poucos momentns depois
deixava de existir.
Apenas recebau neticia do triste accidente de
que fOra victima seu filho, o Sr. ministro do im-
perio correu a ve-lo, mandando immediaiametate
ehamar medseos.
Acudiram'logo o. Srs. cooselheiro Parefea Re-
go e Dr. BusUinante Sa, mas nada puderam fa-
aerv porquea morte foi quari instantanea e pro
duziaa por uraa commogao cerebral violenta, tal
vez com fraetura por contra-pancada na abobada
CMMBar
Manoel Correa.de Oliveira, era 0 segundo dos
filhos do Sr. ministro do imperio, e um dos mais
distinctos esfu jantes do imperial collegio de Po-
1 dry If.
Algu-ns credores.
Uonra ao naerito.
Factos honrosos se uao na vida do bomem, quo
de certo nao podera ser esquecidos por quem torn
sabido apreciar as bellas qualidades que ornam 0
caracter de um illustre cavalheiro.
A estai;ao telegraphica da estrada nao. podia de
certo ser melhor dirigida dp que se acha, pelo
raui digno chefe 0 Sr. Fobsmindo Jose Pereira da
Paula Reis. Caracter honroso e probo, dotado de
tantas e tao sublimes qualidades, de dia em dia
fax lembrar 0 grande desvello e assiduidadc que
toma pelo lugar honroso de que e muito digno
chefe, aogariando tambem a estima geral daquel
les que lhe coohecein.
Caminhai! t'aminhai! meu charo amigo, na
senda du progresso e civilisa.ao, em que trilhais,
porque uma das pagiaas do livro dp honra de
vossa reparUcao vos espera, para ser nella grava-
do 0 vosso memoravel nome.
Cm vosso collega.
Eaferiatidadcs cauaaalas per ex-
posiiviio.
Os mineiros que trabalhara em toda a classe de
minas, acharSo na Salsaparrrtha de Bristol uma
sa|vaguarda segufa contra todos os desmanchos
inherentes a nrrla vida de.'priyajoes e continuadas
exposigoes taes como rheumatismo, dtspepsia, fe-
bres intermittentesi e biliosas, affeccao do figado,
abcessos, nlceras, iDflammac.6es glandulares. erup-
c5e\jnevralgia, raolestias venereas, etc.Era todos
os cases -ainda me;:no que se tenham aggravado
por.desmazelo-garante se a mats completa cura.
-Todo,aquelle que a toma de vez em quando
como. preyentivo, fortalece sen. systema contra as
enfenn'dades, vigora e augraenta as forgas vjtaes
ate* tal panto, que i preciso ve-lo para ere lo.
t m medico eminente declarou, qne ella se apro-
xiraa a esse fabuloso elixir da vida, mais do que
nenhum outre remed:o conhecido.
ires illos-
cumpri-
mento'dos seus4*era, eaperau. e promettem en-
vidar todos os esforcos, afim de provar qne, entre
nos, existem pernambneanas su/Bcienteroente ha-
bilitadas para instrair e prepan#fwesas innocen-
i amaveis patricias, nao s6 a desempenharem
no futuro 0 nobre e respeilavel ministerio de
mals.de familia, eomo a se tornarem aqui, ou em
qualquer paiz, onde se acharem, 0 brilhante or-
oamento da mats culta e di>tincta sociedade.
A3 aulas abremse a 26 de Janeiro.
Philomena Minervina de A. 0' Connell Jertey.
ESTATLTOS
* DO
Collegio da Santissima Trisdade, sob a
direccio de Pbilomena Minervina d'Al-
buquerque 0' Connell Jersey, coadjuvada
por suas irmSas D. Landelina d'Albuquer-
que 0' Connell Jersey e D. Olindina d'AI-
buquerque 0' Conuell Jersey.
Art. 1.* 0 Collegio dirigido por Philomena Mi-
nervina d'Albuquerque 0 Connell Jersey denomi-
na-seCollegio da Santissoia Tbinoadb.
Art. 2. As alumnas recebfin nelle instruc^iot
primaria, secundaria, religiosa, de civilidade, !
recreio e pr-ndas.
Art. 3.* A instruccao primaria e leitura, es-
cripta, contabelidade (as quatro operacoet) nocC^s
degrammatica portngueza, costura cha e cro-
chet.
Art. 4.' A instruccao secundaria comprehend*
lingua nacional, francez, inglez, italiano, nfeto-
ria, geograpbia e arithmetica.
Art. 5.* A instruccao religiosa e dada pelo ca-
thecismo ; as alumnas aprendem doulrina cbns-
ta, e todos os deveres religiosos a cumprir para _*< m
Deus, sens pais e parentes, e em geral com a
ciedade.
Art 6." A instruccao de civilidade abrange io-
dos os actos da vida ae uma senhora, em relacao
com as pessoas de sna familia e com a km a-
dade.
Art. 7." A iostruccio de recreio consta de
desenho, musica, piano e danca.
Art 8. A instruccao de prendas renne lata
os trabalhos de agulba, e toda a especie de 1-
dados, que deve saber uma senhora da meiaor so-
ciedade.
II
Art. 9. 0 Collegio admitta alumnas interim,
meio pensionislas e externas.
Art 10. A lingua que se falla no interior d
Collegio e a franceza ; e donate as aulas de icgta*
e italiano so se fallara estas liaguas.
Art. II. As alumnas que eatudam francez, c-
glez e italiano aprendem a fallar, escrever e :r-
duzir estes idioinas grammaticalmente.
Art. 12. A mensalulaje para as internas t .'
40*000,- para as meio pensionislas 20*000, c para
as external 5*000, pagos adiantados por trim**
ires que, uma vez comecados, consideram se vtn-
cidos.
Ari. 13. A iastruccio das alumnas extends,
remunorada segnndo 0 arligo anlecedenle, e a
dos arts. 3 e 5; as lnteruas e meio-pensionui.-
teem direito a dos arts, 3, 4, 5, 6,7 e 8 ; podendu,
todavia, qualquer alumna externa frequeutax as
aulas superiores mediante a indemnisacao, qae
se convencionar.
Art. 14. As despezas com livres, papel, etc' sao
da competencia dos pais ou correspondentes das
alumnas, e 'jam assim a materia prima de borda-
dos, e eslesKxecutados sao propriedade das rrs-
inas.
Art. IS. As aulas no Collegio da S.ami-.-.m*
Trindade trabalham duas vezes ao diade maoba
das 9 as 12, e de tarde das 2 1|2 as o 1|2.
Art lo. 0 cnxoval das internas e ao gosio d<
seus pais; assim como a roupa lavada, engomaa-
da e perlences poi elles aerao fornecidos.
Art 17. As p.-quenas indisposii;"K's e molt-l.-
das internas sao tratadas no Collegio ; na- graves,
porem, a directora faz avisar aos pais ou corres-
pondentes para providenciarem s bre 0 tratamen-
to, que pu.lt' ser em suas casas, ou no Collegio.
Art. 1*8. Os feriados sao os das aulas pubUeas .
salvo asjquintas feiras que, no Collegio, licam d-
tinadas a instruccao de recreio.
Art. tw. Todas as materiw leccicnadas no Ctl-
legio da Ca.missiua Trinoadb sao professadaa 1 -t~.
directorate suas irmias, ou outras senhoras com a
aptidao prfcisa, e que a directora julgar aecessa
rias, >
Reoife, 30 de dezembro da 1873.
Plmomena Minervina de A. 0 Connell Jersry.
apApprdVo-Directoria geral da instruccao publica
Pernambuco, 8 de Janeiro de i874.
Joao Barbaiho Uchoa Cavalcanie.
Cfc
JUNTA DE COHRETORES
Praca do Recife, 9ft de feverei-
ro de ft89ft.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACUES OFFICIAES.
Algodao da Parahyba 1" sorte 8*350 por li;
kilos posto a bordo a frete de 5|8 e "J Qn%
hontem.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 26 i|8 d. j'. r
1*090, hontem.
Dito sobre dito a 90 d|v 26 d. por 1J000, hoje.
Cambio sobre Paris a 3 djv. 361 rs. 0 franco,
hontem.
Cambio sobre 0 Rio de Janeiro a 15 djv. ao par.
Couros-salgados verdes 322 rs. 0 kilo, honU-rn.
JJ. de Vasconcellos
Presidente.
A. P. de Lemos
Secretario.
(Naifio
COLLEGIO
DA
ALFAXDEGA.
itendimento do dia 1 a 20 .
idem do dia 21. ,
695:186*?*
26:935* 07h
"22:12J*2^-
Palacho
Patacho
Descarregam hoje 23 de fevereiro de 1874.
Vapor nacionalParana -(esperado) mercadoj..-
nacionaes para 0 trapichc da companhia
pernambucana.
nacionali4rofcevarios generoe para
trapichc Conceicao, para despacbar.
inglez Lady Mary cimento par.".
trapiche Conceicao, para despacbar.
Barca inglezaCarrisbrookcarvao ja despacba-
do para 0 caes do Apollo.
Barca ingleza Witck of the feigncarvao e cokr.
ja despachados para o caes do ApouV
Barca \Ds\eJZ~Margarethe W'ilkei carvao ja .'--
liachado para 0 caes do Apollo.
Brigue inglezDorabacalhao ja despachado ^a-
ra 0 iraDiche Conceicao e companhia per-
nambucana.
Barca ingleza -Laiinia -bacalhao ja despacb*d
para 0 trapiche Conceicao.
Pstacho americanoSenorita -iat inha ja tMfn>
chada para 0 caes do Apollo.
Hiate americano /. P. Angers farinlu, miloo e
breu ja despachados para 0 caes do
Apollo.
Polaca. hespaahola. BarceU xarque ja da?la
cbado para terra.
A abaixo assignadr.. iicenciada pelo Exm Sri
presidente da provincia, e pelo Rim. Sr. Dr. direc-
tor geial da instruccao pabiica, tem enabelecido
oa roa dos Coelhos, n. 20, a- poucos passes da
igreja de S. Goncalo, um collegio para raeninas,
sob a invoeacao da Santissima Trinoadb.
Auxiliada por suas irmaas D. D. Laadelioa Jer-
sey e Olindina Jersey, ambas as quaes, em com;
mum com a abaixo assignada, receberam ignal
edueacio, durante quasi sete annos, em um dos
melhores collesios francezes da cidade do Porto,
esta por certo'habilitada para transmittir a suas
alumnas todos os conhecimentos adquiridoi nesse
longo espaco de tempo.
Ghamamio a atten^o dos illustrados paisde farai-
ha, naeionaes e estrangeiros, para os estatntoe
abaixo, a annunciante espera merecer decidida
preferenela, pois 0 sen estabelecimento se distin-
gue, nio so porque nada pagam em separado pela
astudb das artes de recreio, coma tambem pelo das
linguas estrangeiras que, em geral, somente se
enf ina a tradnzir, ao pa->o qse no Collegio da San-
tossima Tbixdade se aprcid-Tii a fallar e escrever
correctamente ; 0 an se toma sem ^duvida de
uma vantagem e utiiidade incontestaveis.
Invocandn, chcia de confiancv a prote:cao de
ALTEBACAO NA PAUTA DOS PKBCOS DOS fil
.SUfBTOS A DIRE1TOS DB BXPOBTACAO, NA SUMS*
08 2S A 28 BE FEVBRE1B0 DR 1874.
Algodaoem rama ou la 463 rs. kilo.
Assucarraascavado 105 rs. o kilo.
Carvao de pedra estrangeiro, tonellada ntetrica
20*000.
Carecode algodao 20 rs. o kilo.
Grina MMi em bruto 360 rs. o kilo.
Alfandega de Pernambuco, 21 de fevereir-j d*
1874.
0 I' conierente-A. C de Pinho Borges.
0 I* conferente Raymundo F. Barbosa.
Approvo.Alfandega, 21 de fevereiro de 1874.
o inspector da alfandega
Fabio Alexandrine de Carvalho Jatu
)SSPACBOS DE EXPORTACAO NO DIA 20 D8
FEVEREIRO DE 1874.
para os portos do exterior.
No vapor inglez Laland, para Liverpool, car*
regon : Keller 4 C. 300 saeeas com 18,325 kite dr
algodao.
No lugar iaglet Cwrisande, para o Canal,
earregou : Simpson 4 C 700 saccos com hlf*M
kilos de assucar mascavado.
No lirigue in ;lez Jane, para o Canal, earre-
gou : J. Pater & C 1,000 saccos com 75,000 kite*
de assucar mascavado.
No bi-Hjne porlugaee Ovarense, para Liahva.
earregou : F. R. Pinto Guimaraes 500 saeeas oom
37,500 kilos de assucar braneo.
Na barca portngueza Syntpaf at'o, par* o Por-
to, .earregou: B. Oliveira & (1 300 saccts ccm
?JIiX)0 kilos de assucar braneo e 300 ditos r m
w
I

0




i


Diml&WreteSBtoKM Segunda IW& 23

dff*i
f ____
VOLUMES SAH1D09
No dial a 20......
No dia 21
Prtntava: porta .
Sagunda porta.....
Tafeeinr porta
na .
14:033*908
307JG75
14:340*883
ft*pichiCwei*i '"
30.0o5
121
111
408
891
31,613
SfcRVICO MABITIMO
ahaceaga* descarregada." no trapieba
alfandega do du 1 a 20 .
Nodia 21
Matljs atracados no trap, da alfandega
Alvaranfas.......>.
No trafuche Cooceicio ... .
49
SO
CONSULADO PROVINCIAL
Kendimento do dia 1 a 20. 118:7614907
14am do dia 21...... 1:809*932
120:571*859
PRici do in ;c 11 I.
^ioticia* couimerciaes.
StOVIMBNTO E TRANSACCOES COMMERCIAES DA
PRA?A DO RECIFE NA SEUANA DE 16 A 21
DE FEVEREIRO DE 1874.
Cambist.
Sobre Londres ~ a 90 d/v, 26" e 26 1(8 parti-
cular.
Sobre Parisa 361 reis o franco particular.
SobreLisbda-a90 div, 106 0j0 de premio.
Sobre o Rio de Janeiroa 8 e IS i\v, ao par,
e a 10 d|v e 1/2 por cento de desconto.
Sobre a Bahtaa 15 d|v e Ij2 por cento de
descent).
Desconto de letras.
11 por cento ao anno.
Arroes da estrada de ferro do Recife ao S. Frac-
cisco.
138*500 cada uma.
Venda de generos.
Aasoear mascavado purgado-1*908 por 15 ki-
logram as.
Asauear brulo bom1*800, idem idem.
Assucar (Canal) -1*300 idem, idem.
Comros salgados verdes322 o kilo.
Aigadao de Pernambueo, 1.' sorte 7*300,
7*600, 7*800 por 15 kilogrammas.
Hediano -7*200 idem, idem.
Segunda-6*2>0 idem, idem.
Em fardos (Fair garantidos) -7*800 idem, idem.
Dito da-Parahyba, posto a bordo a -frete de 5;8
e5 por cento-8*250, 8*350 por 15 kilogrammas.
Bito de Mossoro posto a bordo a Iretc de 3/4 e
5 por cento 8*250 por 15 kilogrammas.
Dito do Aracaty, posto a bordo a frete de 7[8 e 5
por cento 8*100 por 15 kilogrammas.
Chifres oa pontas de boi30* o milbeiro.
Sardinha de Nantes 280 reis por lata de 1/4.
Exportacao.
Para Liverpool 2,190 saccas de algodao, 1,000
eouros e 8,000 saecos de assucar mascavado.
Para o Canal4,100 saocos de assucar masca-
vado.
Para o Havre-1,156 saccas de algodSo e 2,000
eouros.
Para New-York10,750 saecos de assucar mas-
cavado.
Para Hampton Roads5,000 saecos de assucar
mascavado.
Para BarceIona-950 saccas de algodao, e 150
eouros.
Para o Rio da Prata1,837 barricas de assu-
car branco, 100 ditas de mascavado e 100 pipas
de aguardenle
Generos transportados para outras provincias do
imperio.
Para o Rio Grande do Snl -50 pipas de aguar-
denle, 1,040 saecos e 1,030 de barricas assucar
branco.
Para e Rio de Janeiro -50 pipas de aguarden-
le, 26 ditas de alcool e 130 saecos de assucar
branco.
Para o Para-25 pipas de aguardente e 1,050
barricas de assucar branco.
Entradas do assucar e do algodao.
Assucar32,336 saecos.
Algodao3,685 saccas.
S Jo as entradas conhecidas ate 2 e meia boras
da tarde de sabbado.
.Vigacio n. 4, pavimenla terreo.
L
,tJa.
Toma riscos njaritfmos.em mercadorias j
t'retes, dinheiro *mo*dssVi|niente de qual-
quer natureza, em vapores, navios va ela ot>
oarcac,as, a premios muito modicos.
^PbO COMMERCIO N. 34.
Seguro coolra-fogo
THE LIVERPOOL A LONDON A GLOr
INSURANCE COMPANY
Ajreateo
SAUNDERS BROTHERS d C.
11Corpo Sa*to--ll
NOKTHEM..
Cajatai. .... 20,000-.000&Ol
fund de> reserva. 8,000:000jt00(
Agaotea,
Mills Latham &C.
RUA DA CRUZ N. 38.
imM!JLJ!I-_1Li I iLWeBMH
ClttL
res da
i.'Os
cial serlo*
caAeatoi ,
blteas, tto valor ds S7?*8M.
2.- 0 arrematante dari etKHp
ao prase de quit** diae eeaeiawfafra
tacao dos r-
io provlij-
com o of-
aos trabalhos
"6 de dous
so
i.' 0 pagaciente sari etTeefsadoew <-
Ifleslacio, depois de concluida a ebra aot* ^
reeebida defluitivamenle.
4.' Para tudo o mats qua aao vai especifieatJO
nas presentes elauaatys'ae MBi-vaaf o qve dispoe
o regulamento de 31 de jorno de i66. Reparti
cio das obras publicas, 9de feveraro de 187*.
0 engenheiro chefe, Jos6 Tiburcio Pereira da Ma-
galhaes.
Coaform*.-lL A.* Ferreira.
JSEfififflHSi fe
MOVIMENTO 00 PORTO.
Navios saludos 710 dia 21.
BabiaPatacho inglez Ckeviote, capitio T. Aelson,
carga partc da que trouxe.de New-York.
Canal Briguo francez'S. Luiz, capiuo Andouard,
carga algodao.
Obscrvagao.
X5o houvo en trad a.
Navios entrados no d0'22.
Rio de Janeiro23 dias, barca porlagaeza Diana,
de 239 toneladas, capitts Joaquim Marlins da
Silva, equipagera 10, carga varios generos ; a
Loyo & Filho.
Rie de Janeiro20 dias, barca portjgueza Jove*
Adelaide, de 543 toneladas, capitio Joao da Cos-
ta Gomes; em lastro.
Rio de Janeiro e portos intermedios6 dias, vapor
nacional Parand, de 900 toneladas, comraan-
danle Cypriano Antonio de Quadros Junior,
eqnipagem 60, carga varios gewros; a Pereira
Vianna A C.
Trieste -42 dias, patacho inglez Salaro, de 220 to-
neladas, eapitao M. H. Leod, equipagem 8, car-
ga 2,400 barricas com farinha de trigo ; a Saun-
ders Brothers & C.
Observagdo.
Nao houve sahida ate mo dia.
Fundeou no lamaraono dia 21 a galera portu-
gneta IMto, masnio tere cotnmuniea^Io com a
terra.
0!TAIS.
Augaslo F. d'Oliveira &C.
A casa commercial e bancaria de Augusto
F. d'Oliveira & C, a rua do Commercio ns
42, encarrega-se de execugao de ordens
para embarque de prodoctos e de todos o-
mais negocios de commissao, quercommer-
ciaes, quer bancarios.
Deconta letlras, e toraa dinheiros a pre-
mio, compra cambiaes, e saca d vista e a
prazo, & voutade do tomador, sobre as se-
guintes pra^as estrangeiras e nacionaes :
Londres. Sobre o union bank of
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIC BANK,
limited, e varias casas de 1." classe.
Paris. Sobre os banqueiros fould
& C, MARCUARD ANDRE & C. 6 A. BLSlCQUE,
VIGNAL & C.
Hamburgo. Sobre os Srs. joio
SCHU BACK & FILH S.
Lisboa. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS & VIANNA, e SEBASTIAO JOSE DE
ABREU.
Porto. Sobre o banco uni.vo do porto
0 Sr. JOAQUIM PINTO DA FONSECA.
Para. Sobre o banco commercial
do para, e os Srs. FRANCISCO gaudencio da
COSTA & FILHOS.
HaranhSo. Sobre o Sr. jose fer-
reira da silva junior.
Ceara. Sobre os Srs. j. s. de vas-
CONCELLOS & SONS.
Bahia. Sobre os Srs. marinhos & c
Rio de Janeiro. Sobre o banco
INDUSTRIAL E MERCANTIL, BANCO NACIONAL e
BANQUE BRASILIENNE FRANCAISE.
0 Illra. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que em enroprimento da
jrdem do Exm. Sr. presidente da provincia. de 7
de Janeiro corrente, perante a junta desta thesou-
raria se ha de arrematar no dia 23 de abril pro-
ximo vindouro, a obra da ponte deneminada Pao
Sangue sobre o rio Serinhaem. orcada em 9:570*,
pagos em apolices da divida provincial a juro de
7 por cento ao par.
As pes3oas que se propozerem a esta arremata-
cSo comparecam na sala das sessoes da mesma
thesouraria no dia indicado acirru, pelo meio dia,
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou pnbiicar o presente
delo Diario de Pernambueo.
Secretaria da thesouraria provincial, 20 de Ja-
neiro de 1874.
Vicloriano Jose M. Palhares,
Official maior interim.
Qausulas especiaes para a arremata?io da ponte
denominada Pao Sangue sobre o rio Seri-
nhaem.
1." A ponte denominada Pao Sangue sera exe-
eutada de conformidade com o orcamento e plan-
ta approvados pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, no valor de 9:570*.
2.' 0 arrematante dara pnncipio a obra no pra-
zo de nm mez e a concluira no de 12 mezes.
3.* 0 pagaraento sera effectuado em 3 presta-
p5es iguaes a proporcao da tabella execn'aa.
4.* Para lain d mais que nao se achar cspeciQ-
cado sera regulado pelo que dispoe oregnlamento
de 31 de julho de 1866.0 engenheiro chefe, Jo-
se Tiburcio Pereira de Magalhaes.
Vicloriano Jos6 M. Palhares.
i:lial com
......
0 JJIui. Sr. inspector da thesouraria proviu-
cial manda fazer publicoj quo, em cumprimento
4a ordem do Exm Sr. president* da provincia de
28 de Janeiro ultimo, se ba de arrematar a quem
por menos fixer no dia 6 de marco proximo futnro,
pewote. a janta da faaeaAa da) ma&aa thesoura-
ria, a obra dos reparos da bornba n. z no 7* lan^o
da estrada da rat ore>|a m l:lf000.
As pessoas que se propuzerem a esta arrema-
tajSo, comparecam na sala das sessoes da referi-
da junta pelo meio dia do dia' acima indicado,
eompeteotememe habilitadas.
E parj constar se mandou pflhlicar o presente
peto iMfrto- de Pernambueo.'
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo, 21 de feverelfo de'1874,
O'offlcial maior,
Miguel Alfonso Ferteira.
Clausulas especiaes para a arrematac5o da born-
ba n. 2 no 7' lencoda estrada'd6"sul:
1.* A obra da bomba n. 2 no 7.* 1 an go da es-
trada do sul, sera executada de conformidade Com
o orcamento e planta.no valor de 1:012*000.
2.* 0 arrematante dara princlpio a obra no pra-
zo de 15 dias e concluira no de 2 mezes. ,
3.' 0 pagaraento sera effectuado em duas presta-
c3es iguaes a proporcap do servijb executada.
4.' Para tudo mais, qua nao vai especificado nas
presentes clauzulas se observara o que dispoe o
regulamento de31 de julho de 1866. Repartipao
das obras publicas, 9 de fevereh-6 de 1874- 0
engenheiro chefe, Jose Tfbur&d Pereira de Ma-
galhaes.
Conforme.M. A Ferreira.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que. em cumprimento
da ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
de 28 de Janeiro ultimo, se' ha de arrematar a
quem por menos flzer, no dia 6 de marco proxi-
mo futnro, perante a junta da fazenda da mes
ma thesouraria, a obra dos reparos da capella da
casa de detencao, orcada em 1:478*000.
As pessoas que se prdpuierem a esta arrema-
lacao compare?am na sala das sessSes da referi-
da junta pelo meio dia.do dia acima indicado,
competentemente habilitadas.
E para constar se mandnu publicar o presente
pelo Diario de Pernambueo.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo, 21' de fevereiro de 1874.
0 odlcial-maior,
Miguel Alfonso Ferreira.
Clausulas especiaes para a arrematacao dos re-
paros da capella da casa de detenc5o.
1.* Os reparos da capella da casa de detencao
serao executados de conformidade com o orca-
mento organisado pela reparticlo das obras pu-
blicas no valor de 1:478*000.
2.* 0 arrematante dara principio a obra no
prazo de 15 dias, e a concluira no de 3 mezes.
3." 0 pagamento sera effectuado em duas pres-
tac5es iguae9; sendo a primeira quando o con-
trataute tiver execatado metade da obra e a segun-
da depois de concluida, que sera reeebida defini-
tivamente.
4.* Para tudo mais que nao vai expecificado
nas presentes clausulas, se observara o que dis-
poe o regulamento de 31 de julho de 1866. He
particao das obras pnblicas 9 de fevereiro de 1874.
0 engenheiro chefe, Jose Tiburcio Pereira do Ma-
galhaes.
______________Conforme.-M. A. Ferreira.
A camara municipal desta cidde tendo de
demolir osobradoarua doAmorim n. 19, que foi
ultimaraente desapropriado, e vender a quem mais
vantages offerccer todos os materiaes do mesmo
sobrado, convida pelo presente aos pretendentes
a comparecerem no dia 25 do correnle. pelai 12 tao-
ras do dia, no paco de suas sessoes, correndo dita
demolicao por conta do arrematante.
Pago da camara municipal do Recife, 18 de feve-
reiro de 1874.
Theodoro Machado Freire Pereira da Silca,
Pro-presidente.
Augusto Genuine* de Pigueiredo,
Official-maior servindo de secretario.
COHPANHIA ALLIANQA
8eguros maritimos e terre&-
tres estabelecida na Bahia
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0009000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
.iwo maritimo em navio de vela e vapore*
para dentro e fora do imperio, assim come
contra fogo sobre predios, generos e fa
rondas.
Agente : Joaquim Jose Goncalves Beltrao
rua do Commercio n. 5, 1* andar.
SEGDROS
MARITIMOS
CONTRA 0 FOGa
Acompaahia Indwnoisaclora,
aesta praca, toma seguros maritimos
jlJiTioe e seas carregamentos e contra fogo
prazo de 30 dias
V 133.
Pela inspectoria da alfandega de Pernambueo se
faz publico, que acbaodo-se as mercadorias conti-
das nos volumes abaixo mencionados, no caso de
serem arrematadas para consumo, nos termos do
cap. 6." do tit. 3. do regulamento de 19 de setem-
bro de 1860, os sens donos ou consignatarios de-
verao despachalas no prazo de 30 dias, sob pena
de, Undo elle, serem vendidas por sua conta, sem
3ue Ihes fique competindo allegar contra os effeitos
esta venda:
Armazem n. 3.
Marca M B M-R & C. N. 10. Uraa caixa vin-
da de Hamburgo no navio allemao Atlantic, des-
carregado em 20 de julho de 1870, consignado a
M. Barroso de Mello.
Idem diamante 66 J J C L. Ns. 11a 20. Dez
fardos vindos de Liverpool no vapor inglez Gas-
sendi, descarregadds em 13 de Janeiro de 1873 e
consignados a Jone Joaquim da Costa Leite.
Idem triangulo C J & C., por baixo P. Ns. 417
e 418. Dous ditos idem idem, a Costa Irm5o A C.
Idem M C F & C. H. N. 2,711. Um dito idem
no vapor inglez Student, idem em 13 idem, a Bas-
tos A Silva.
Idem C G & C. N. 82. Uma caixa idem em 3
de fevereiro idem, a Carvalho Guiraaraes & C.
Idem F G. N. 1. Uma dita idem no vapor in-
glez Oberon, idem idem em 13 de marco idem, a S
P. Johnston & C.
IdemC G4 C. Ns. 3 e 7. Duas ditas idem
idem, a Carvalho Gnimaraes & C.
Idem P 0. por baixo L D. N. 1,380. Uma dita
idem no vapor inglez La Place, idem em 14 de
abril idem, a Francisco Goncalves de Oliveira So-
brinho & C.
Idem Sa L & I. N. 1. Urn fardo idem idem em
5 idem, a Th. Christiansen.
Idem M M A C, por baixo R. Ns. 2 e 4. Duas
caixas idem idem, a Moreira Monteiro & C.
Idem diamante B, por baixo M I. Ns. 22 a 28.
Sete fardos idem idem em 14 idem, a Johnston Pa-
ter & C.
Idem idem. Ns. 21, 29 e 30. Tres ditos idem
idem em 16 idem.
Sem marca. N. 112. Um dito idem no vapor
inglez Pere Queen, idem em 1 de maio, idem, igno-
ra-se a consignacao.
Marca M A 4 C, por baixo F E C. N. 13. Uma
caixa idem no vapor inglez Student, idem em 2 de
junho, idem, consignada a Mendes Azevedo & C.
Idem C G & C. N. 4,445. Uma dita idem idem,
a Carvalho Guiraaraes & C.
Idem W. Ns. 42, 21 a 23, 25 a 28 e 43. Nove
ditas idem idem.
Idem coracao. Ns. 3,793 e 3,798. Duas ditas,
idem idem, a Eiysio Alberto da Silveira.
Idem M F L L 0. N. 619. Um fardo idem
Antonio Bernardo Quinteiro, official da imperial
ordem da Rosa, major do 3' hatalhao de infan-
teria da guarda nacional do municipio do Recife,
e presidente do conselho de quahflcacao da fre-
gnezia de Nossa Senhora da Graca.
Faco saber a quem interessar possa, que, de
conformidade com o disposto no art. 8. e seguintes
do decreto n. 722 de 25 de outubro de 1850, e
6. do art. 1. da lei de 10 de setembro de 1873, se
torn de reuni.- no dia de marco, o conselho
para a qualificac5o da gnarda nacional da referida
fregnezia, no consistorio da respectiva matriz.
E para que chegne ao conhecimento de todos,
mandei passar editaes, que serao publicados pela
imprensa e afflxados nos lugares designado3 por
lei.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 18
de fevereiro de 1874.
________________Antonio Bernardo Quinteiro.
De ordem do Illra. Sr. inspector da tnesouraria
de fazenda, se declare que perante a junta da
mesma thesouraria tern de lr em hasta publica
para serem arreraatados, por quem menos offere-
cer os concertos do caes da rua da Aurora, na
estensao de 27,5 m or^ados em 4:621*829 rs.
Os interessados sao convidados a comparecerem
as 12 horas de dia 25 do corrente, com snas pro-
postas em cartas fechadas devidamente selladas,
podendo desde ja examinarem o orcamento que
se acha na secretaria desta thesouria.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
nambueo, 5 de fevereiro de 1874.
0 2." escripturario, servindo de secretario,
Carlos Joao de Souza Correa.
StoMfcfm
dos estatutos, slo conv.dados os Srs. accionistas
*ara nuiatem se em assembled geral no dia 26
do eo7*n,'' .ao meio ^ no priraeiro andar da
ma do Viav*> n. .
Redfe, 18 de iCmi^o de 1874.
0 lerente,
J,u*i*o j, Jb S. Campos.
7"*tHJP W
2a--H=-
" mami de
Fernaiijjm
0 banco paga o segundo diTidemlo na
tazio dff-8 */o ao anno OtrifltOO ppr accao,
relativo ao sentestre Undo em 31 de dezem-
bro de 1873.

Pela thesouraria provincial ^e faz publico,
que fleam transferidas para o dia 26 do corrente
as arrematacdes seguintes :
200 metres de empedrameno na estrada de
Limoeiro, orcado em 484*.
Costeio da illuminaQao publica da cidade de
Goyanna.
Objectos do corpo de policia.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo, 16 de fevereiro de 1874.
0 offlcial-raaior
_________ Miguel Alfonso Ferreira.
idem, em 3 idem, a Carneiro & Nogueira.
Idem diamante P S G, por baixo H. N.
caixa idem idem, a Simpson & C.
Idem diamante P S G, por baixo H. N. 26. Uma
de Pernambueo," 18 de fevereiro de
Alfandega
487*.
0 inspector,
Fabio A.de C. Reis.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que, em cumprimente da
ordem do Exm. Sr presidente da provincia de 28
de Janeiro ultimo, se ba de arrematar a quem
por menos fizer, no dia 6 de marco proximo fu-
tnro, perante a Junta da fazenda da mesma the-
souraria, a obra dos reparos da coberta do gyra-
narto provincial, orcada em 578*600.
A* pessoas que se propuzerem a esta arremata-
jlo compareeerao na sala daa sessSes da referida
junta} pdo meie dia do dfa acima Indicado, com-
petentemente Habilitadas.
Spare constar se mandou publicar o presente
pakr Diane is Pimambueo.
Sicrttari* da thesouraria provincial de Pernam-
bico, II de fevereiro de 1874.
0 official-maior,
Miguel Affonso Ferreira.
A camara mnnicipal desta cidade, tendo de
contratar o fornecimento das cadeiras que foreni
precisas para o proeesso da qualificacao e eleicSes,
convida pelo presente aos fornecedores dellas a
apresentarem suas propostas em carta fechada, no
adi 25 do corrente, pelas 12 horas do dia, no paco
de suas sessSes, indicando logo o menor prego
por que fornecem cada uma diariamente.
Pago da camara municipal do Recife, 18 de fe-
vereiro de 1874.
Theodoro Machado F. Pereira da Silva
Pro-presidente
Aflgusto G. de Figueiredo
Official-maior servindo de secretario.
Pela recebedoria de rendas internas geraes
se faz publico que 6 no corrente mez de fevereiro
que deve ser paga^ livre de multa, a laxa dos es-
cravos, relativa^ao exercicio de 1873 a 1874 ; de-
pois do que se lo-ha com a multa de 6 0|0.
Recebedoria de Pernambueo, 5 de fevereiro de
1874.
0 adminlstrador
Manoel Carneiro de Souza Lacerda.
SANTA CASA DA MISER ICOKDIA DO
RfCIFE.
A Hlma. junta admmistrattva da santa casa da
Vlisericordia do Recife, manda fazer publico qua
oa sala de suas sessoes, no dia 19 de fevereiro
pelas 3 horas da tardc, ten de ser arrematadas a
quem mats vantagCus offereeer, peto tempo de un"
a tres annos, as rendas dos predios em seguta;
doclarados.
PATRIMONIO DOS ORPflAOS.
Rua da Sejuaila vela*, i
Casa terrea n. 16.......209*000
Beeco das Boias.
Sobrado n. 18 .-,......421*000
Rua da Cruz
Sobrede 14 (feehado) 1:000*090
Ruo do Pllar.
Casa terree n. 100 '. 141*001
Idemn. 102",.......241*000
RufrVelha.
Casa terea u. 44 (fechada). 450*000
Rua das Larangeiras.
Armazem n. 17......361*000
Os pretendentes deverao apresentar no aeto da
as suas nancas, ou compareceren)
icompaahados dos respectivos fiadores, devendo
pagar alom da renda, o premio da quantia em
que for seguro o predio que contiver estabeleei-
neato commercial, .assim como o servico da lin>
peza e precos doa/apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
-ife, 18 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
. _________Pgdro Rodrigues de Souza,
Sut.i Casa da MisericordiTa di
Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife, precisando fazer os concertos
de que necessita o predio que possue o patrimo-
nio dos orpoaos, 4 rua da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, contrata' com quem se proponha a rea-
lisar ditos concertos, mediante certa renda e al-
guns annos de prazo para desfructar; devendo
os que dfsso se quizerem encarregar, apresentar
suas propostas era cartas fechadas, devidamente
selladas, acompanhadas do respectivo orcamento
nesu secretaria at6 o dia 19 de fevereiro vin-
douro.
Soeretaria da Santa Casa da Misericordia de
Recife, 17 de1 Janeiro de 1874.
0 escrivilo,
______________ Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO '
ftECIFE.
Vemla de predios
A Illma. junta administraliva desta Santa Casa,
devidamente autorlsada pela presidencia, na sala
de suas sessdes, pelas 3 horas da tarde do dia 26
do corrente, vende ou permuta por apolices da
divida publica os seguintes predios. pertencentes
ao legado de Joaquim da Silva Lopes, de que
administradora : Forte do MaUos, metade do so-
brado de 3 andares n. 17, por 5:500* ; becco do
Abreu, 3* parte do sobrado n. 1. por 2:666*666
rua da Gula, sobrado de dous andares n. 69, por
6:000* rua de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:400*, sobrado de um andar n. 30, por 2:000*,
dito raela-agua por 500*: rua dos Guararapes,
casa terrea n. 65", por 1:100* ; rua dos Acougui-
nhos, cosa terrea n. 26, por 600* ; Largo da Cam-
pina, dita n. 3, por 400* ; rua da Soledade, dita
n. 72, por 700* ; becco do Toixeira, dita n. 5,
por 250* ; largo das Cisco Pontas, terreno, por
1:000*000.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Racife, 14 de fevereiro de 187i.
,0 escrivSo
.j______ Pedro Rodrigues de Souza
Capitauia do porto de Peraam-
bueo.
iO de fevereiro de 1894.
Para sciencia dos navesantes publica-sc o se-
gu inte aviso :
MINISTERIO DA MARINHA.
Aviso aos navegantes.
Pela secretaria de estado dos negocios da mari-
nha se publicam as seguintes instraccSes, organi-
sadas pelo eapitao de fragata A Tamborim, a bordo
da canlioneira Araguary, em cumprimento do
aviso n 163-5 de 30 de julho de 1873.
InstruccSes para demandar a barra da Victoria,
na provincia do Espirito Santo, avistando-se o
ptiarol de Santa Luzia.
0 pharol 6 dioptrico, de 4." ordem, luz flxa, de
cor natural, visivel a 12 milhas em tempo claro e
acha-se collocado na encosta do morro do Santa
Luzia ; por 20--18-20" de latitude S, e 2-53'
39 de longitude E. do Rio de Janeiro.
Para demandar o porto deverao os navios que
vierem do largo e do norte. avistando o pharol pu-
xar para elle, tendo o cuidado de nao o marcar
por b0 SO magnetico, adm de evitar a pedra
denominada baixa grande ou perigosa, que curre
a esse rumo com o pharol na distancia de 1 a
1 1|2 milha S.
Fora desse rumo e a E do meridiano dos Paco-
tes esperarao pratico.
Osque vierem do sul poderao indifferentemeote
passar a E ou a 0 dos Pacotes e marcando o pha
rol a 0 esperarao pratico; tendo sempre o cuida-
do de nao pajsar desse parallelo pa"ra o norte, pa-
ra evitarem a mesma baixa grande.
Sendc noile clara, distinguindo s^ facilraente as
pontas de terra, poderao os que vierem do N e do
largo, dado o resguardo convenlente a ponta
do Tubarao, pnxar para a da Fortaleza que fica
dentro da barra logo ao N do monte Moreno, e
conservando o monte da Penha aberto do Moreno,
navegar at6 dentro da barra, tendo sempre o
cuidado de nao marcar o pharol por 60" SO mag-
netico, em pequena distancia.
Os que vierem do sul, passados que sejatn os
Pacotes, navegarao parallelamentc a costa e a 0
do meridiano dessas ilhas, sem comtudo se afas-
tar muito delle, afim de evitarem o rochedo Ca-
vallo, que demora por 41" NE magnetico do pha-
rol, na distancia de 4 a 5 amarras.
Marcado o pharol de 41 SO ; S navegarao li-
vremente a meio canal, dando resguardo a Balea,
rochedo descoberto, dentro da barra.
Canhoneira Araguary, 25 de agosto de 1873
Antonio Joaquim de Mello Tamborim, eapitao de
fragata. conforme, S. E. Pe3soa. director geral.
Esta conforme. 0 secretario da capitania, De-
cio de Aquino Foneeca.
Arrematacao
Segunda-feira 23 do corrente maz de fevereiro,
depois da audiencia do Exm. desembjrgador juiz
de orphaos, vai a praca de venda um terreno com
55 palmos de frente e 210 de fundo. com alicerces
para duas casas ou uma s6, em altnra de reeeber
as soleiras, avaliadopor 1100*, no lugardenomi-
nado Estrada Nova do Cordelra, na freguezia do
Poco da Panella, no sitio que foi do Silva Corona
nhia, que hoje esta retalhado, sendo dito terrene
nm dos.melhores de dito lugar, por estar perto da
estrada real da Casa Forte, e deitar os fundos para
defronte do sitio conhecido do Nuno Maria de
Seixas, a requerimenlo da viuva e invenlariante
dos bens do casal do finado Antonio Francisco de
Sant'Anna.
Ill
Santo Antonio
KHPBX3L&
Pessoal de 25 artLstas.
( 8 DAMAS e 17 IIOMENS )
no sabbado 28 do corrente, com o imporlante dra-
ma original franc ez:
UM NAUFRAGIO
C0ST4S DA BRET4NH4
A empreza conta com um pessoal lubilitado,
inclusive o primeiro centro dramatic.) Tnoraaz
Espiuca, que a convite do emprezario fare par-
te da companhia.
Os dramas que hao de ser representados nesta
nova epoca theatral, sereo de reconhecido merilo
e nomeada.
0 emprezario conta que justica lhe sera feita
pelo illustrado publico desta capital a quem deve
o melhor acolhimento.
theItro
PHENIX DRAM4TICA
(4nligo Gymnasio)
IMPBEZHp penante
Terqa-feira 24 de fevereiro.
A's 8 1|2 horas da noitc.
J3^:sT::iss:: '
Grandes reformas 1
Grande machinismo 1
Scenario sumptuoso !
Sublime oratoria !
Representada a capricbo I
Eslrea da actriz
D. Virginia de Barros.
Primeira representacjio do importante drama-
sacro em 4 actos e 7 quadros original brasileiro :
MILAGRES
IS. M APPARECIDA
corrente o vapor Daa/oi. dafcl saairi pars *
portos acima nodta MHlg da soa chefaO*
Recebe cargf, efti: AiMudal, aassafeiroa s-
nheiro a Irete. ^^
AGENTB
Antonio Luiz de Oliretrt Azerado,
________57Rnadoflom Jsaos-P
4 OMPAVHIA B^IWHUU
DS
NAVEGACAOATTArO*
Portos dart}
0 vapor
Coinmandante OuilHernae War
llnartoaaa f
E'esperado dos portos do narta ata o daa I
cerrente e seguira pare os do sal aaoass k d>
mora do enstnme.
Recebe carga a bordo ate o dia da- sahraavao
meio dia.
Para encommendas. na agenda ate as 2 aanw.
e valores at6 is 3 horas.
Para passagens e informaedes, na eacriatsn*
7-RUA DO VWARI0-7
AVISO
Previne-se que por delibmcao da direetoria ta-
re cobrada a primagem de 20 por cento sobre
frete das encommendas com indemnisacao a car-
ga e de.-garga das mesmas ; e a de 8 poreeatc
sobre o frete da carga com indemnisacao da res-
pectiva descarga, que d'ora em diante serao feita*
por conta da companhia.
Pereira Vianna AC.
PACIFIC
STEAM NAVIGATION
PANY
Liuha quiuzenal
0 PAQUETE
Adores.
D. Virginia.
Sr. Ednardo.
Sr. Augusto.
Sr. Penante.
Sr. Flavio.
Sr. Braga.
Sr. Ayrpsa.
D. Dorothea.
D. Isabel.
Sr. Vicente,
povo, Pescadores,
A camara municipal do Recife cjuvida a
todos 03 seus municipes a apresentarem para ser
expostos no corrente anno, objectos de produced
agricolas para a exposicao que pretende reilisar a
suciedade Doze de Setembro, segundo a partiei-
pacao d Exm. presidente da provincia, de 16 do
corrente, com referenda 4 ordem do go verno im-
perial.
A mesma camara espera no.patriotism, dedr-
cacio e zelo de todos o.bom exito de tal eonvite.
Paco da camara municipal de Recife, 18 de fe
vereiro de 1874
TheedoTo K#W4 Jfjvreirit da Sillia
Augusto G. de Figueiredo
Official-maior servindo de secretario.
Armazens da companhia per
nambucana.
Seguros contra o fogo
A companhia pernambucana, dispondo de ex-
cellentes e vastos armazens em sen predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
servagao das mercadorias deposiudas, servico
prompto, prefos modicos, etc.
Tarabem recolhera, mediante previo aceordo, ex-
clusivamente os generos de uma so peas6a.
Estes armazens, alem de arejados e commodos,
sao rateiramente novos e asphaltados, isentos de
cupim, ratos, etc.,.etc.
As pessoas que quizerem utillsar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao escriptorio da com-
panhia pernambucana, que achareo com quem
tratar. __________
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin
eial manda fazer publico qne em cumprimento da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia de 16
do corrente se ha de arrematar no dia 5 de marco
proximo fnturo, perante a junta da mesma thesou-
raria, por tempo de nm anno, o custeio da illhmi
nacao publica oa cidade de Goyanna, servindo de
base a arrematagio o preco de 280 rs. diarios por
cada lampeao, offerecido por Jose Augusto de
Araujo.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
oto, jcomparepam na sala das sessdes da mesma
jutrta no dia acima indicado,- peto maio dia, com-
peleBtemente hablliudas.
E para constar e aaadon pnbiicar o presente
poly Diario tie Pensakbwn.
prcvfiiclal Be P6f-
iro de 1874.
0 offlcial-malor,
M- A. Ferreira.
dr.
18 deft
Personagens.
Archanjo Raphael
Satan
Fernando Corte Real, sob o
nome de Joao Alves
Francisco Dias
Padre Antonio
Loiz Corte-Real
Felippe Pedroso
Maria
Leonor
Lucio, criado
Anjos, soldados, mulheres,
etc. etc.
A acQao passa se em S. Paulo o 1., 3. e 4. ac-
tos e em S. Pedro do Sul o 2.*.
Epocha-1718
DenominaciXo dos quadros.
1. acto.
1. A apparicao da Senhora da Conceiclo.
2. 0 primeiro milagre.
2.* acto.
3.* A visSo e a seduccao.
4.* 0 archanjo fulraina satan.
3 aeto.
5.' A morte de um justo.
4. acto.
6.* Vox popoli, vox Dei.
7. A apotneose.
A empreza nao se poupando a esforco;, acaba
de montar esta importante peca oratoria, que tem
sempre sldo calorosaraente applaudida em todas
as parte: onde tern sido representada.
A peca e ornada de
MutacSes e vista.
Fogos cambiantes.
Appari(des.
E musica
do maestro Cleto Lima
Scenario novo
de Mr. Chapelin.
No intuito de melborar as condicoes do thea-
tre a empreza acaba de fazer importantes me I ho
ramentos, chamando os camarotes a frente e
deixando amplos corredores para passeio. 0 thea-
tre acha-se tambem todo pintado de novo.
Nestes melboramen'os e nos preparos do dra-
ma, Milagres da Senhora da Apparecida, a em-
preza acaba de fazer a despeza de
4:000#000
eonfiando na protejcjio do publico, de quem es-
pera a animacao devida aos seus esforcos.
Desde ja recebem-se encommendas de bilhetes.
Nao se tendo podido, por falta de tempo,
apromptar o concerto do theato e o preparo da
peca, a empreza resolveu adiar a primeira re-
presentacito para
Terya-felra 94L de fevereiro.
aVlSPrMMlTlMOS"
COMPANHU PERNAMBUCANA
BE
NavegacSo costeiraa vapor.
rARAHYBA, RAtAC, MACAO, MOSSORO', ARACk-
TY, CF.ARA, MANDAHU E ACARACU'.
0 vapor Ipojucai
commandante Moura,
seguira para os por-
tos acima no dia 28
do corrente, as S
horas da tarde.
Recebe carga ale o dia 26 do corrente, encom-
mendas ate o dia 27, passageiros e dinheiro a fre-
te at* as 2 horas da tarde do dia da sahida :
ssariptnrio bo Forte do Matter n. 12.
~ ftri* $# firailedr&l
0 paiaeho Betaafloa
sahir brevemente, recebe alguma carga a frete
a tratar no escriDtorio de Balthar Oliveira A c
A itoRinos
espera-se dos asrtos do sul ate o dia 27 do ear-
rente, e depois la demora do costume, saguiru
para Liverpool, via S. Vicente, Lisboa e Borieo'.
para onde recebera passageiros, encommendas e
carga a frete.
OS AGENTES
Wilson Rowr Ac C
14----RUA DO COMMERCIO14
1
(HUGEOUS REIMS.
Companhia Frariceza de Nmga-
Clo a vapor
Linha mensal entre o
Havre, Lisboa, Pernambueo, Rio tie
Janeiro, (Santos, soniente na vol-
ta ) Montevideo, BuenosAy res,
(com baldeacao para o Rosario)
STEAHER
Commandante Capelle.
E' esperado da Enropa, ato 24 do corrente, se-
guindo depois da indispensavel demora para os
portos do snl de sua escala.
Relativamente a fretes, encommendas, passage!
ros, para os quaes tem excellentes acommodacoe*
por precos reduzidos : treta-se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA A C.
42Rua do CommercioEntrada pela roe
do Torres.
Real companhia de paqoeles in
glezes a vapor.
0 vapor
NEVA
Commandante H. Bax.
espera-se da Europa ate o dia 27 do corrente, o
Jual depois ua demora do costume, segnira para
uenos-Ayres, tocando nos portos da Bahia, Ri
de Janeiro a Montevideo.
0 vapor
Commandante Thwaltt
espera-se dos portos do sul, no dia 28 do corrente.
o qua! depois da demora do costume, seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente c
Lisboa.
Para fretes, passagens, etc, treta-se na agenda
rua do Commercio n 40.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DB '
il'avegacSe costeira a vapor.
MAMANGUAPE.
0 vapor Conript.
commandante Santos,
segnira para o nor
to ackna no dia 28 d.
corrente, as 5 Bora*
da tarde.
Recebe carga, oncommendas, passageiros a dt-
aheiro a frete ate as 2 horas da tarde do dia da
sahida : escriptorio no Forte do Mattos n. |J.
Para
Adnao da Si?va, vai sah?1 bre^la^SLrl
earn c passageiros, trata-se com Silva GassaaraW
* C, a praca do t.orpo Santo a. 6, *. attdar a
com o eapitao. ~"
Kio Urandedo Sul
ta bjevMade a barca aartugneza Ami**
tor a major parte de sen carreramento trauiol
para o resto qne lhe falu, treta"* b bTbT
^atanoj Joaquim Jose Cncalras BaRrioA I
Vrua do Commercio n. 5.
r
staai


oei
com cifabes e tampos de fadiaaar-
0-Ctani.il.
K espendo do' Mo daI'Raro
COLLOCACAO SOS MOVETS.
8U fc visita.
4 cadeiras de hraaaf_
ttditaa de
-2-oonfolos
mow.
3-<*gers de jacaranda own Urapo fcumwow
encarnada.
4 ricos Jarre* chineaes, graades,' para mesmos.
1 par de beoitas Sgaras de bronze..
t porta-cartOjs.
2 peaDhas doradae para parade:
3 ricas jarras chioezas.
.2 beltos quadros aquaaeJla. com moUurAAeerada.
^rMW3p#lT!?tS?M cam
por estes diaj- :J j^ $ a fnroo
do ji
Tsso k-
tara.
Pretende seguir para o indicado porio, com pou-
ca aejBWa, a barca portugoeza Soc^ai, porter
porcto da afga eogajada ; e para o que Ibe fall*,
trata-sa eon OS eonsignatarios ioaquim Jose Gon-
^alves BeJlrao 4 Filbo, arua doOimm in.j.
2 gravuras.
3 bouitas sanefa? pan oortinados.
3 pares de curtinado*.
(J pares de esearradeiraf de vidro.
3 upetes pequenos.
1 esteira para forro de sala.
Gabinete !.
1 elegante secretaria de mosaico de madeira com
tampo de pedra.
H5 cadeiras de fantasia, pequenas.
1
Com
Allianea Mark
'ortaense.
Snudadt, seguira era |Kj-
did escala ^orLisboa.
cilde parte da carga ; e
trata-M com os consignatarios t
Jaar da Sihrn hyo FMhe,
(9 W| aeeripMno a rua da Companhia Pernam-
COSttUHBlA PERNAMKJCANA
DE
tVaVdkf *$* coa UCl6, KSCALAS, JEKEDO E ARACAJl '.
0 vapor Giguid,
eomraandante Martins,
seguira para os por-
tos acima no dia 28
do corrente, as 5 bo-
I ras da tarde.
Kobe carga ate o dia 26 do corrente, encom-
aandu ate o dia 27, passagens e dinheiro a fret*
aid as 2 horas da tarde do dia da sabida : s-
eriptorio oo Porte do Mattos o. 12.
Para
Segue com brevidade para o referido porto a
escuna Georgiana, tendo ja parte de sea carrega-
mento eagajado : para o resto trata-se com Tasso
Jrmaoi A G, a ma .do Amonm n. 37.
Bio de Janeiro
Para o referido porto pretende segnir com pou-
ca demora o patacho brasileiro irabe, por ter a
maior pane de sen carregaraeoto engajado ; e
para o resto que lhe falta e escravos a frcto, tra-
ta-se com os consignatarioi Joaquim Jose" Goncal
ves Beltrao 4 Filbo, a rua da Cornmercio n. 8.
LEIIOES.
LEILAO
consoio dourado para parede, com tampe de
pedra.
1 relogio de bronze (alto) do melbor gosto.
3 ricos quadros chinezes (pintara em vidro.
1 par de castlcaes.
t paysagem, obra em pedca errineza.
1 upete peqneno e I estmra.
Gabinete 2.*
2 magnificos guarda-ronpas dejacaranda com m-
Iielnos.
avatorio de jaearanda com marmot e.
C madeiras dito.
1 qnadro com meldura dourada.
1 abide para chapeos.
i tapete e 1 esteira. i Mf
Gabinete 3.*
1 booito aparador de nogneira elara, com pedra.
6 cadeiras pequenas dito, de abrir e fecbar.
1 eaixa de magno.
I tapete e 1 esteira.
Sala de jantar.
1 mobilia completamente nova e de optimo go.-to,
toda de nogeira, censtando de
1 mesa para jantar, elastica e de 1 so pc.
1 rico e grand* aparador.
81 cadeiras de guarnicao.
1 quartiuheira.
4 quadros com moldura dourada.
2 jarros de porceliana, 2 ditos e 2 para plantar
flores.
Qoantidade de louca e crystaes para almoco e
jantar.
Em cima.
i toillet de jacaranda.
6 elegantes cadeiras de mogno a Luiz XVI.
1 mesa elastica de um so pe, de nogneira, com
frises pretos.
1 lavatorio e guarnicao.
2 aparadores pequenos de mogno, com tampos de
pedra.
1 mesa com pes tome ados.
2 magniftcas camas de ferro com cole hoes de mol-
la, obra completamente nova.
E tapetes e differentes outros artigos.
0 trem partira da estacao do arco de Santo
Antonio, as 10 1/2 horas em ponto.
DE
* caixas grandes com muito boiFcha graiido e 10
saccos com cominhos, tado chegado ultima-
mente '
As 11 horas em ponto
0 preposto do agente Pestana fara leilao,
quem pertencer,
de
poo
8 eaixa!"
conta e risco de
t:om cha graiido e 10 saccos com cominhos, tun
chegado ultimamente
SEGUNDA-FEIRA 23 DO CORRENTE
No armazem do Sr. Annes, era frente da alfan-
dega.
A'S 11 HORAS EM PONTO.
Liquidaciio
DE
FAZENDAS
Roa do Barao da \irloiia
d. 59.
Nad se tendo podido acabar sabbado com o
leilao, continiia boje, as 10 horas da manna :
vende-se por todo o prec.o.
Ultimo leilao
DO
resto das dividas da massa fallida de Amorim,
Fragoso, Santos & C, na importancia de......
341 :W8*730, servindo de base a offerta de....
26i000
Terca-feira 4 do corrente
A's 11 horas da man ha
0 agente Pinto lcyara novamente e pela ultima
vez a feilao, servindi de base a offerta de 26J0O0,
obtida no leilao do dia 17 do corrente, o resto da3
dividas da massa fallida de Amorim, Fragoso,
Santos 4 C, na importancia de 341:0083730, des-
eriptas nos jornaes ns. 36 37 e 38 de 14, 16 e 17
do corrente mez, sendo qae o leilao sera efiectua-
do as 11 horas do dia aeima dito, no escriptorio
do referido agente, rua do Bom Jesus n. 43.
Ultimo leilao
. DO
grande sobrado de 3 andares e sotSo em chaos
proprios reedificado ha pouco mais de um anno,
pelo qne esta de todo novo, a rua de Marcilio
Dias, outr'ora roa Direita n. 120
TERQA-FEIRA 24 DO CORRENTE
A's 11 horas
0 agente Piato levara novamente e pela ultima
vez a leilao, servindo de base a maior offerta ob-
tida! o predio acima mencionado, o qnal torna-se
recommendado pelo perfeilo estado em que se
acha, attendendo ao rendimento que da
0 leilao sera effectuado as 11 horas do dia aci-
ma dito, no escriptorio do referido agente, rua do
Bom Jesus n. 43.
Em tempo
previne-se aos Srs. pretendentes do referido pre-
dio que este sera o ultimo leilao.
resalentes, -e ate eonpMa-
aodemoMtrar pw-
do 4e
mm*
ticaawaUM
Cearrcs
excdleales metas,
raes,doi
das. tc.
0 leilao sera ffecta ado pelo alette Ptalo, itm
d'Aimraii.VI, estacao das ditas machfnas, eige
Us 11 boras haraa do dia (5 de abril.
Da-te t m!.*h os escl a reel mentis i rua dot Baa
Jesus a. 4. firiweiro andar.
---------
snspensos ai
porua lato-
e doos ra-
raa, noes-
leilao

DE
8 barris omi(oucinho no->>. denwibarcados jrt-
niainHiilB i
V^uarU4eira 2a do correct a
mm 10 haran eau pado
No arroazem do Sr. Annes, defronte da aJ-
fnndega.
: 0 prepeoto do agente Pestana, faca leilao de*
barris com toocmho now, desemnarcados uhiraa-
mente
QUARTA-PEIRA 25 DO CORRENTE.
No armazem do Sr. Annes, defrontd da alfandega
AS' WORASEM PONTO.
mm
aloja daasqumadaraa da ktporatriz n. I
tratar bo catt Imperatric.
A *enhora *oe annuncioa por ete jornal
pan trababar mmemmru, turn* a mio eoao aa
machiaa, em easa de familia. diriia-se a ma do
CoofBda Boat-VKt. a. u^ dfr fiaainhoJWvo,- casa de azntejo.
O
Perfinn!a-e.'ao Sr.-Salvador de Siqneira Caval-
cantu cmn qne titirto venden a om senhor da
Capunga o preto JoSo, de nacao Hebollo, o qnal,
-egundo se dia-, af*ava-se fiberto pelo eu legitimo
sen or ? Se o dito preto e de Angola e liberto,
com< mairieula* criolo em oumero de ontros
is "sciav >-f 0 osh^ serio, deve desafiar a
ju^liga paiaverigaa-4o, conio consla que ja esta
fazendo roq*erimnto de Jolo Bebollo.
LEILAO
DE
mcveis, iouqM finas, crystaes
vidros
QUINTA-FEIRA 26 DO CORRENTE
as 1 horas da man ha
ao srbrade a ma do Barao da Victoria n. 21 trea
cetro andar, por cima da loja do Sr. F. Ger,m
no, relojoeiro, outr'ora rua Nova
A SABER:
Um piano inglez do fabrfcanfe Meyer, 1 mobilil
de aoiarello coutendo 12 cadeiras de guarni(ao, e
sofa. 2 consolos, 1 mesa redonda. 2 cadeiras da
Lraco, ditas de balaniji, 1 dita de raia, imitacao de
jacaranda, contendo 12 cadeiras de guarnicio,
sofa, eonsolos, jardineira, cadeiras de braco, 2 di-
tas de balango, [guarda-vestidos'de muito gosto,
guarda-ronpa, espreguicadeiras, marquezio, toi-
lettes de jacaranda, cama para casal, gnardi lon-
ca, aparadores, cadeiras de amarello para sala de
jantar, lavatorios de ferro, mesinhas, mesa elasti
ca, louca para jantar, djja para almoco, lanter ias,
escarradeiras, jarros para flores, bolas de vidro,
espelhos com molduras dourada^, quadros com
diversas paisagens, tapetes, capachos e outros
mnitos artigos e trem de cozinha.
0 agente Pinbo Borges, bastante autorisado, le-
vara a leilao os moveis e mais artigos existentes
no referido sobrado, p.r ordem de uma familia
quese retirou para f6ra desta provincia.
Tea sido i^eseiuda aopHbUco
Durairte^espa^o
M
44 ANN Of.
DE
MISTOL
Leilao
=
a qual
DO
Grande sitio com boa casa de moradia
tem 73 palmos de frente e 37 de fund'o, chaos
proprios com cerca de 500 palmos de frenie
e 2,000 de fundo, com tons arvoredos fracti-
feros, baixa de capim, cacimbas com bombas e
tanques para banbo, e muitas outras accommo-
dajoes ; sendo que dita casa torna-se recom-
mendada por ser mui fresca, perto das estacoes
da Jaqueira e Tamarineira.
Ter^a-feira 24 do corrente
A's 11 horas em ponto
Por intervencao do agente Pinto era seu escrip-
irio, rua do Bom Jesus n. 43.
Os pretendentes poderaode?de ji examinar dita
casa, ou no dia 20 do corrente, por occasiao do
ioilao dos moveis, loura e cristaes. ou no dia 21,
n:i occasiSo da entrega dos mesir.cs moveis.
DE
quatro volumes com drogas pertencentes a m&ssa
fallida de Jose Franciseo Bitteocourt
TERCA-FEIRA 24 DO CORRENTE
A's 10 1{2 horas em ponto.
0 agents Pinto, autorisado por mandad > do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do cornmercio, levara a leilao
4 volumes marca J F B, ns. 1, 2, 7 e 11, com dif-
ferentes drogas, constantes do inventario existen-
te em seu escriptorio, na rua do Bom Jesus n. 43,
onde poderao ser examinadas ditas drogas, coas-
tando de :
Mercurio doce, flor de sabugneiro, lupulo, ras-
pas de veado, gorama galbana, peneiras de seda c
cabello e muitos outros artigos.
LEILAO
ao correr do marteUo
DE
moveis, louQae, vidro?, prata, ou-
ro, miadezas e perfurnarias
QUARTA-FEIRA 25 DO CORRENTE
.\o armazem da rua do Vigario n II
as 11 horas era ponto
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conta e risco de quem pertencer, dos objectos
seguintes:
I'ma rica mobilia de'jacaranda a Luiz XV, com
tampo de pedra, 1 dita de amarello, entalhada, 1
dita de junco, u*iversa3 camas de mogno e ama-
rello, 1 rico apparelho para jantar, ricos toucado-
res do jacaranda, ricos guardaloucas e guaida-
vustidos, commodas e meias ditas, perfurnarias,
abotoaduras de camisas, cassoletas de ouro e onix,
brincos e botoes de punho, de ouro e onix, diver-
sas quartinheiras e cabides, consolos de amarello,
mesas redondas de 'liio, aparadores, 2 mesas elas-
ticas, sendo uma de 6 taboas e outra de 3 ditas,
cade.ras avulsas de amarello, I par de cadeiras
de jacaranda, 1 toilette de jacaranda. diversas ca-
deiras de vime, 1 bom canario, diversos balcoes de
amarello proprios para loja, marquczSes, diversos
objectos que se torna enfadonho menciona-los
QUABTA-FE1HA 25 DO CORRENTE
as 11 h ras da manha
No armazem da rua do Vigario Thenorio n. 11.
AO CORRER DO MARTELLO
DE
moveis, loucas, vidros, 1 piano de jacaranda, 1
dito de mesa, de mogno, 1 mobilia de jacaran-
da com tampos de pedra, I dita de amarello,
nas mesmas condicSes, 1 par de espelhos de
moldura dourada, carteiras, secretaria, estante
para livros, cadeiras avulsas, ditas de balance,
quadros, candieiros a gaz, jarros, camas fran
cezas, ditas de ferro, bercos, mesas elasticas,
mesas redondas, guarda-roupa de mogno, mar.
quezoes, marquezas, sofas, santuarios e 1 tear.
Na mesma occasiao serao vendldos 1 par ido de
150 ehapeos de palba do Chile (finos), 1 dito de
feltro linos e entre-Dnos, 100 chapeos de palha de
arroz para meninos, e Amazonas, para senhoras,
os quaes serao vendidos sera reserva de precos,
para fechar contas.
t^uinta-feira 26 do corren'e
' 0 agente Dias, competentemente autorisado,
vendera em leilao, uestes dias, os objectos acima
relacionados
is 11 horas em ponto.
No primeiro andar do sobrado da rua do Marquez
de Olinda n. 64.
AVISOS DVERSOS
Administraqa ) dos correios de
Pernambuco, 2H de fevereiro
de 874.
Malas pelo vapor Parana da companhia
brasileira.
A correspondencia qne tem de ser expedida
hoje (23) pelo vapor acima mencionado para os
portos do norte, sera recebida pela maneira se-
guinte :
Macos dejornaes, impressos de qualquer natu-
reza e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde,
cartas ordioarias ate 3 horas, e estas ate 3 Ii2,
pagando porte duplo.
0 administrador
______^_____Affonso do Rego Barros.
Estrada de ferro do Recife a
Olinda e Beberibe.
Pela secretaria da companhia dos trilhos urba-
nos do Recife a Olinda e Beberibe, sao convida-
dos os senhores accionistai, constantes da relacjio
abaixo, para, com a maxima possirel brevidade,
eomparecerem no escnptorio da mesma compa-
nhia, alira de se lhes distribuir suas respectivas
acc5es ; e nesta occasiao se previne aos mesmoe
senhores que possoirem accSes do anligo padrao,
queiram recolbe-U* para serem reililuiaas por
outras do actual.
Hanael Martins Finza.
Manoel Ribeiro Bastos.
Manoel JosdDantas.
BaraodeTacaruna.
Jose Marcelino da Rosa.
Joio de Sa Cavalcante de Albuquerque.
Manoel Joaquim Baptista.
Dr. Claudino de Araujo Guiroaraas.
Joaquim Antonio Pereira.
Francisco Antonio de Assia Goes.
D. Joanna Augusta de Castro Pagels.
Francisco Goncalves Ne'.to.
Jose Fortunate dos Santos Porto.
Dr. Franciseo do Rego Baptista.
Luiz Goncalves da Silva.
iose1 Maria Palmeira.
Francisco Joao de Barros.
Dr. Luiz Lopes Castello Branco.
Joaquim Francisco Lavra.
Jose Coelho da Silva Araujo.
Joaquim Jo-e Goncalves Beltrao.
Antonio Augnsto dos Santos Porto.
Manoel Jose de Souza.
Jose Joaquim da Costa Leite.
Mantel Jose Tindco de Souza.
Jose Alves da Silva Guimaraes.
Joaquim Jose da Costa e Silva.
Jeronymo Gomes da Fonseca.
Joaquim Candido da Cruz Siqueira.
Dr. Kabricio Gomes de Andrade Lima.
Herdeiros de Rodrigo Pinto Moreira.
Dr. Manoel do Nascimento Machado Portella.
Joaquim Alves da Silva.
Antonio Jose da Costa e Silva.
Antonio Joaquim Vaz de Miranda.
Jose* Antonio de Almeida Cunha.
D. Anna Emigdia da Silveira.
D. Francelina Egydia Silveira.
D. Anna Joaqnina Correia.
Joao Pereira Moutinho.
Artbo r de Sa e Albuquerque.
Joao Baptista de Castro Silva Junior.
Duarte Antonio de Miranda.
Dr. Feliciano Francisco liartins.
Antonio Alves de Moraes.
D. Guilhermiua de Abreu Porto.
Pedro de Alcantara Guimaraes Pelxoto.
Escriptorio da companhia, 21 de fevereiro de
1874.
Jo5o Joaquim Alves
_______^_________Secretario._________
Barbeiro
Precisa-se de um bom official de barbeiro, da se
meiacao no trabalho e juntamente a mesa : no
salao da rua Duque de Caxias n. 36, 1* andar.
Aviso.
- 0 Dr. Joaquim d'Aquino Fonceca, previna
aquelles individuos que, a noite e sem autorisacao
sua, tem penetrado nltimamente em seu sitio a
rua do Hosp cio n 33, saltando pelo muro e tiran-
do o que lhes nao pertence, que ja deu as provi-
dencias para que sejam bem recebidos c tratados
de maneira a nao quererem repetir a grafa ;
porquaoto os considera corao ladroes, e ignora ate
que ponto quererao levar sens desejos, sabendo
somente que, ha tempos, recorrendo ao mesmo
expediente, foi bem succedido.
Agente Dias
ESPIiI3?lTIItO
Leilao
DE
magniiicos moveis, bellos quadros, jarros e qua-
dros cbinezes, com pintara sobre vidro, figuras
de hronze, louca e vidro9.
Terca-feira 24 do corrente
as 11 horas
No Manguinbo, rua d'Amizade, casa de residencia
1 9^^' ^az ^e ^arTa'no Junior, junto a estacao.
OBJjrwn especial partira da estacao do arco de
Santo AStonio as 10 Ifi horas da manha e condu-
zira gratis oa^concurrentes
'Os agentes Bias e Pinho Borges, compeienGJ
Moenta autorisadbs^o Sr Vaz, qne pretende r*^
irar se para a Enro^a, levarao a leilao no dia"
hora acima designados, d moveis t mais artigo
dMcriptos, oi quaea sio de optimo gosto aebam
em & perfcito estado quo podem-se conside
rar completamente novos.
Garante-M'o traspassa da casa, que se aeha em
erfeito estado de acseio, e assim oflacece-s* uma
boa opportunidad juer
eje morar J Jade,
sa inteirainente" preparada.
LEILAO
DE
locomotoras e earros do syste-
nia Thonw^n, ou earros de
borracha
Ho dia IS .de abril.
Em virtode de nao se poder dispor de boas es-
tradas de rodagem nesta provincia, os possuidores
do material acima mencionado estao resolvidos a
vende-lo todo era leilao, conforme se convencionar.
' 0 emprego destas machinas. em graBde numero
de paizes da Europa, Asia, America do Norte,
| onde ellas tem sohstituido os antigos systemas de
transportar cargas pesadas, disppnsara os sens
possuidores de enearecerem a sua grande utilida-
de, como meio de transportc economico e commo-
do para os engenhos, e toda sorte de proprieJade
agri ola oo industrial, que disponha*de planicies,
cuja situa.ao dos respectivo9 depositos ou arma-
zens liquem distante do lugar de produccao ou de
fabrico.
E?tas machinas podem trabalbar como machi-
nas fixas, para o que tem competentes volantes, e
servir para serrarias, enfardamento de algodao e
fazer mover toda a sorte de apparelboi, etc., etc.
0 materia consta do seguinte :
2 laeomotoras de forca nominal de 8 cavallos
cada uma, com catdairas verticaes 0 fornalbas
qnadrsdas e oval, podendo queimar earvSo ou le-
into qnejnha, com. fumigadores e cinaeiroa, aspostos de
ccidente de ini
poasaem todas as pecas ip
encontranio uma I sorte que se previne qualquer aeeidente'de iocen-
1 dio Estas machmas
Attencao.
Precisa-se com urgencia de uma ama de
leite, que seja sadia, e que tenha bom e
abundante leite, para tomar conta de uma
crianija de dias, dando-se preferencia & mu-
lber do matto : quem, pois, estiver nestas
circumstancias appare<;a no 3." andar desta
typographia para tratar.
CASADAF0R11.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARAIVTIDOS.
I rua Primeiro de Margo (outr'ora rua do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos sens fe-
lizes bilhetes, um meio n. 3352 com 700^000
um meio n. 678 com 200*. um meio n. 3579 com
100/, e outras sortes de 40* e 20* da loieria que
se acabou de extrahir (88-), convida aos possui-
dores a virsm receber na conformidade do costu-
me sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido.'
la 9" parte das loterias a beneflcio do reco-
loimento da villa de Iguarassu (89), que 9e ex-
trahira no sabbado 28 do corrente.
PRECOS
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
PORgAO DE 100^000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
______________Manoel Martins Fiuta.
Em casa de Braga Son & C. a rua do Com-
mercio n. 44, tem para vender :
Cognac em caixas. '
Cerveja em garrafas.
Tinta preparada ou oleo em latas.
Saccos vasios.
Cntelerias.
O abaixo assignado faz sciente ao respeita-
vel publico e com especialidade ao corpo do corn-
mercio, que tem Josto e eontratado com 0 r.
Joaquim Jos^ Gomes a compra do seu deposito e
taverna sito a rua estreita do Rosario 0. 19, livre
e desembaracada de qualquer onus que possa
apparecer ; e se alguem se julgar com direito a
mesma, pdde apreaeotar suas contas ate 0 dia 28
do corrente mez, na rua larga do Rosario 1. 80.
Recife, 21 de fevereiro de 1874. >
DominjosJorgede Oliveira.
da COBceicaa pxi
Antonio Theodoro Alves da Silva, com efficina
de alfaiate na rua da Cruz n. 47, raudou-se para
a rua do Torres n. 8, entrada pelo becco, portan-
to pede a ttodos sens freguezes 0 coadjuvem
como dantea.____________________________
Escravo fugido.
Do eDgenho California, era SerinhSem, fugio a
escrava Catharina, no dia 24 de dezembro proxi-
mo passado, a qual representa ter pouco mais de
43 annos de idade, estatura regular.soffre de hery-
sipela, pelo que tem uma perna mais grossa que
a outra, tem falta de dentes na frente, e tambem
falta-lhe 0 dedo pollegar da mao direita, que 0
perdeu nas carretas do engenbo : quem a cap'.u
rar podera traze-la ao dito engenho quo sera pago
de seu trabalho.__________________________
Uma senhora de bons costumes se prop5e a
ensinar phmeiras letras em algum engenho de
pessoa de consideracio : a rua da Cadeia Nova
n. 9._________________________________
A senhora de bons costumes.que annunciou
querer recolher se a casa deuma familia para tra-
tar e vestir criancas, pode apparecer (querendo)
na casa n. S3 da rua de Visconde de Goyanna, ou-
tr'ora rua do Mondego.
Roubach Cahn & C.
raudaram 0 seu escriptorio para a rua do Corn-
mercio n. 32, 1.* andar, entrada pela rua do
Torres.
Precisa-se alugar uma preta que tenha era-
tica de vender na rua : a tratar no pateo do Ter-
50 n. 24, 1 andar.
Precisa-se alugar um escravo para 0 srvipo
em casa de familia : na rua Primeiro de Marco
n. 7 A, loja.______________
Aluga-se a casa n. 67 a jua do Visconde de
Goyanna, e outra nos Coelhos, defrcnte do hospi
tal Pedro II, ambas com muito bons commodos
a tratar a rua do Rosario da Bda-Vista n. 30.
CURA OS CASOS MAIS DESESPERADOS
A SAFSAPAKK1LHA DE BRISTOL puri
fica a massa do sangue, expel le para f6n
todas as materias e fezes viciosas e impuras,
regula todas as secrecies, da vitalidade t
energia a todos os orgaos e da forga e vi-
gor ao systems afim de poder melhor resis-
tir a todos os ataques da enfermidade. E'
pois este um remedio constitutional. Elle
nunca distroe afim de poder curar ; porem
constantemente assiste a natureza. Portantc
em todas as doencas constituciomies e em to-
das as molestias locoes dependente d'um es-
tado vicioso eimperfeito do systerna em ge-
ral, achar-se-ba que a Salsapahrilha di
Bristol 6 um remedio seguro e efficassissi-
mo, possuindo inestimaveis e incontestaveis
vrtudes.
As curas milagrosas de
ICserafnlas,
Uleeras,
Chagas a 111 isaw
ENFERMIDADES S\PHII.!'/CAS
ERYSIPELAS,
RHEUMATISMO,
NEVRALGIAS,
ESCORBUTO,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado 0 alto reaome
Salsaparrilha de Bristol
por todas as paries do universo, sao tao so-
mente devidas A
UNICA LEGITIMA E ORIGINAL
Salsaparrilha de Bristol
NA PHARMACIA CENTRAL
____75BDASSS mrOBTAfllSS
ESCRIPTORIO
COMMERCIAL.
199, Rua da Praia, 2.
lASHO\
Luiz Felippe Leite & lrino
Executam por commissao qnaesquer ordens das
provincias do reine, ilhas e provinces ultrama-
rinas, bem como do Brasil e outros paizes estran-
geiros.
Recebem a consignacao generos nacionaes, cc-
loniaes, hespanhoes, francezes, inglezes, allemaes
do Brasil, ou mesmo de outros paizes, para se-
rem vendidos no raino ou fora delle.
Executam ordens para compra e venda de fun-
Jos publicos, nacionaes e estrangeiros. Tratara
da cobranca dos respectivos dividendos.
Promoveiu no mesmo escriptorio, inventarios,
liquidacoes, causas civeis e comraerciaes, appel-
lacoes e recurso de revista.
Tem os melhores advogados na capital.
Para os negocios de natureza especial, como
causas forenses, administra$ao de bens, etc., que-
rendo-se, pode proceder accordo previo conforme
a natureza do negocio.
Solicitam-se dispensas matrimoniaes e quaes-
quer outros breves apostolicos concedidos em Roi
tna ou pela Nunciatura em Lisboa, annullacao
de ordens, e quaesquer outras dependencias dos
tribunaes da Santa Se.
Tratam da arrecadacao de herancas e adrainis-
'.racao de bens no continente do reino.
Obtem documentos de qualquer diocese, distric-
10 administrativo, conselho, ou freguezia do reino,
ilhas e provincias ultramarinas.
Fazeiu adiantamentos sobre consignacoc-s de
quaesquer generos que tenham prompta sahida
aos mercados inglezes ou a!leman>. Tambem com-
pram aquelles que se offerecerem cm condigoes
vantajosas.
Fazem transagoes por consignacao ou compra,
sobre minerios, taes como de cobre, chumbo,
phosphates, ou outros quaesquer, se convierem as
condicoes de qualidade e precos.
Dio-se boas refereneias em Lisboa e no Porto.
Esta ca a tem correspondents senas em todos
os pontos do reino, em Paris, Inglaterra e Ham-
burgo, na Africa portugueza, em Macao (China
reino de Siao, ilhas dos Acores e Cabo-Verde.
e aceita as propostas que do imperio do Brasii
lhe forcm feitas por correspondencia effectva o
eventual.
Ha modicidade de suas commissoes, na '-xacti-
dao de suas contas e no credito longamente esta-
belecido faz consistir toda a garantia de bom aco-
Ihimento.
Tem correspondentes em Sevilha e outras pra-
cas de Hespanha.
N. B.As commissoes sao reguladas pela j'.raxe
stac praga.
MOFINA
Etstk encourac>do I! (
TaZte 4 atTUe a IWa"*
Roga-se a, Illm. Sr Ignacio Vain da Mali
crivao na cMade de Natunth desu srvrteda,
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 38, a eoa-
cluir aquela agi-io on* S. S. eaanrofDaOea a
reallaar,, pela terceira chamada data joraai, aa
fins de dezembro de 1871, e depots para jaaaio,
passoa a fevereiro e abril de 187*Ve nada euaprio,
por este motivo e de novo chamado para dito
Ira, pois S. S. se deve lembrar que eau aegodo
le mais de eito annos, e quando o Sr. aaa fllho sa
chava nesta eidade. ^^^
- Aluya se o i.* e 2.* andares do [sobrado do
largo do T-rco n. 18 a tratar a rua do Boa Jesas-
n. 8, i. audar._________________________
Attencao
A eomniissao encarregada da liquidacio do pre-
dio silo a rua do Viiconde de Itaparica (outr'ora
do Apollo) n. 26, tendo de proceder ao divideado
do prodocto da renda apurada, previne aos cao-
senhores do mesmo predio qne se sirvara apresao-
tar sens litulos de quinhfles, no prazo de M dias,
no escriptorit) de E. A. Barle, na roa do Boa Je-
sus n. 48, afim de serem verincados e saber-as ao
certo qual a somma a que deve-se appBear os
dividendos. Recife, 18 de fevereiro de 1874.
Ernprezadogaz
A empreza do gas tem a honra de annunciar ae
publico que recebeu ultimamente um eiplendido
sort i men to de lustres de vidro, candieiros, araa-
delas e globos, rujas amostras estao no escriptorio
a rua do Imperador n. 31, e serio vendidos aos
sens freguezes pelo preco mais razoavel possiva.
Uma senhera de bons costumes se offararo
para trabalhar em costuras, tanto a mao como an
machina, procurando por este meio qualquer casa
de familia ; tambem se encarrega de iratar a ves-
tir criancas : quem precisar annuncie por esta
jornal para ser procurado. pois com a visia sera
mais minaciosa em informagoes a sen respeito.
o I* andar do segnndo sobrado pasando a igreja
dos Martyrios, hoje rua do Coronel Suasiana n.
146, muito fresco e com bastantes commodos;
uma casa terrea no largo do Pilar, hoje largo do
Charco, com soUo, tambem muito fresca e com
bastantes ccmmodoA. com sabiJa para a roa da
Drum ; uma loja para moradia, na rua de Lombas
Valentioas, onir'ora Aguas-Verdes n. 48, por pre-
co commodo : quem retender node procurar no
2' andar junto aos Martyrios, das 2 boras as 6 da
tarde, qne achara com quem tratar.
1ST. 271.
Vende-se ou troca-se uma grande casa de ta-
boa, na rua Imperial, com quintal cercado, com
grande aterro, portao de um lado e no quintal
que bota para a linba ferrea, com madeiras no-
vas, preferindo-se a troca por uma nesta eidade.
- preco i muito co-nmedo : quem pretender di-
a mesma casa, que achara com quem Irv
nja-se
ar.
Barbeiro
No salao de cabelleireiro de Odilon Duarte A
Irmao, roa da Imperatriz n. 82, precisa-se de um
bom official de barbeiro, paga-se bem.
Aluga-se o f andar c sotao do sobrado sito
a ma da Imperatriz a. S3, e a loja : a tratar no
2* andar do mesmo.
80*** *********
Advogado.
jR Diodoro Ulpiano Coelho Catanho, a
jgi rua do iuqne de Caxias, outr'ora rua
I das Cruzes n. 9, 1.* andar.
Precisa-se de um caixeiro de 14 a 16 annos
de idade, que tenha pratica de taverna e que de
conhecimento de sua conducta : a tratar na rca
da Uniao n. 54.
Aluga-je o quarto andar do predio n. S3 E
rua do Bom Jesus, antigamente rua da Cruz : 4
ratar na mesma rua n. 55.
Furtaram um cavallo de cor rudado, m a
greirao, clinas para a direita, pescoco pedrez a-
com dous ferros em seguida um do outro, e no
quarto esquerdo tem I, signal que trouxe de Pa-
jeii, cujo cavallo foi furtado no dia 16 do corren-
te mez, em um rancho da estrada nova do Caxan-
ga : a pessoa que do mesro der noticia a Ber-
nardo Jos6 da Rocha, moraior em Pajeii, on na
rua Primeiro de Marco n. 18.1 )ja, sera gensro3a-
raente gratifieada.
Recife, 17 de fevereiro de 1874.
Na rua de Santa Thereza n. 60 se dira quem
vende 60 palmes de terreno, em Belem.
noeo
qiado,
r55?sTsnf
e um
PENHOEES
Na travessa da rua
das Cruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se- os mes-
mos metaesepedras.
Precisa-se
de uma mulher idosa para andar com uma me-
nina de 2 annos : a tratar na rua Primeiro de
Marco n. 7 A, !. andar.
ScaOaiaois^!fSQiss^
M 'it
8 Consullorio luedico-cirurgico |

Chamados : a quaiquer hora. nd
Consultas: Aos pohres gratis, da; 2 <.- Q
4 horas da tarde. rj
casa da mm
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:000^000.
O abaixo assignado tem sempre exposto a ven
da bilhetes da loteria do hio, cuja extraceio ac
aunciara pelos jornaes.
Precos.
Inteiro 24*000
Mein 12I0O0
Quarto 6*000
Manoel Martins Fiuza.
No dia 3 de fevereiro do corrente anno fug.o
da fazenda Jaboticaba, termo de Caruani, o escra-
vo Benedicto, idade 22 annos, com os signaes se-
guintes : cabra, cor de laranja, pouca barba, ca-
bellos carapinhos, um peqneno talho no rosto, en-
torta um pouco um pe no andar e e um pouco
gago, prmcipalmente quando veixado. Roga-se as
antaridades e rapitii's i> <-4inpo queiram appre-
hender e leva Io ao iugar pe de Serra do Mendec,
a sua senhora D Rita Franci-ca da Assumpcai.
ou a rua do Livramento n. 24, ao Sr. Rapha-I
Francisco Pereira qne serao recompensados.
Aluga-se um bnm mole]ue para ser criad*
de hotel, ou out.o service, nor preco commodo
na rua de Santa Cecilia n. 10.
Roga-se ao Sr. Levioo de II. Chacon, 6 obae-
quio de apparecer a rua estreita do Rosario n.
14, a negocio de particular interesse.
DE
fazendas finas
n.
7A
Rua Primeiro do Mar^o
DE
Cordeiro Simoes Preci?a-sft aiugar uma ama para casa de
pouca familia : na rua do Imperador n. 33.
ALUGA-ST~
uma casa na Capunga, rua das Pernambucanas,
com coxcira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenorio n. 31.
Venda ou arrendamento
Na freguezia de Seriohaem e distante duas le-
goas da estacao de Gamelleira, do engenho Bura-
rema, com terreno de macapd, a maiar parte de
varzea, de optima produccao, e para 3,000 pae-
de assucar annualmente : quem pretender, diri-
ja-se ao capitio Jose de Castro Paes Barreto, no
engenho Matte Grosao, ou i Lea. 4 frmio nesta bort^_p^h3a,
E' esla uma das casas que hoje pode com pri-
mazia offerecer aos seus freguezes um variadissi-
mo sortimento de fazendas finas para grande toi-
lette, e bem assim para uso ordinario de todas as
classes, e por precos vantajosos, das quaes fat ura
pequeno resnmo.
Mandam fazendas as casas das pretendente-.
para o qne tem pessoal necessario, e dio amostrif
mediante penhor.
Cortes de seda de linda cores.
Grosdenaples do todas as cores.
Gorgurao branco, liao, de liftras, preto, etc.
Setim Macao, preto e de cores.
Groidenaples preto.
Velludo preto.
Granadine de seda, preta ode cores.
Popelinas de lindos padroes.
Filo de seda, branco e preto.
Ricas basquinas dc seda.
Casaeos de merind de cores, la, etc.
Manias brasileiras.
Cortes com cambraia branca com lindos borda-
do.
Ricas capellas e manias para noivas.
Riquissimo sortimento de las com listras i
seda.
Cambraias de cores.
Dilas maripozas, braacas, lizas e bordadas.
Nanzuques de lindos padroes.
Baptistas, padroes deiicados.
Percalinas de quadros, pretos e brancos, listras,
etc., etc.
Brins de linho de cor, proprios para restidos,
com barra e listras.
Ricos cortes de vestido dc linho, com infaites da
mesma cor, ultima moda.
Ditos de cambraia de cores.
Fnstao de lindas cores.
Saias bordadas para senhoras.
^misas bordadas para senhoras, de linho e al-
godao.
Sortimento de luvas da verdadeira fabric* de
Jouvin, para homens e senhoras.
Vestuarios para menibus.
Ditos para baptizado.
Chapeos para dito.
Toalhas e guardanapos adamascados de Unbo de
eiir, para mesa.
Colchas de I*.
Cortinados bordados.
Grande sortimento de camisas
de linlo, Hzas e
__*_
Pede-se ao Illm. Sr. capitao Manoel de Car-
valbo Paes de Andrade Gonvlm, o favor de vir a
rua do Aurora n. 31, para tratar a respeito do ,
sitio qua alugou em Beberibe, visto que nao se (de tres dias, a conlar desta data,
um dignado respoader as cartt9 que lbe foram favereiro de 1874.
frtid- Santos A Ferreira,
Nos abaixo aasignados declaramos ao res-
peitavel corpo do cornmercio que compramos ao
Sr. Jose Fernandas Paquete a taverna sita ao pa-
teo da Ribeira n. 12, livre e Qe.-embaracada de
qualquer debito que possa apparecer : quem se
julgar com direito, apresente anas contas no prazo
Recife, 17 de
de cores para homens,
meninos e neai-
Meias
DBS.
Ditas escocezas.
Complete sortimento de chapeos de sol pan bo-
mem e senhoras. r~ w
Merind decor*.* para vastidas.
* i10 iEr^0,JtpV*e*do tdeTflo.
Atoajhada de l.nho e algodio para toaibas.
Atoalhadonardo. ^^ p ""*
Damasco de la,
r
^


)
! .\
!
I

J
r-'
)
!
i
MlMVKTDO-UOWM^
RDA SO BRUM H. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS Mnborea de Pugeu'uo'n otilroa agncol.ona, eempregad rp ** *
%uuamo o ta>or de bom visita aaeu eatibelecimeutu, pit* -verem o lovj tortum-iiU
onpleto qoe abi tea; aeado todo superior em ooalidade e tortidlo; o que com a iot
aaceio pesaoal pode-ae veriflcar. ,"
ESPROAL ATTENgAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDING
Vannr A mdam Jaffna dos mais moderuos tysteuiaa e em u
npuiua 9 rOUtiS a'agUa manQ0, convenientea pa.a aa diveraw
tfcamitanciaa doa aenhorea proprietaries e para deacarofar afgodio.
SatOOXldftS dO Caniia de.todo8 la"*nn0, "iuWlborea qoe aqo>
Sodas dentadas p S""8-**
Taixas de ferro fandido, batldo e de cobre.
Alambiqnes e fandos de alambiques.
Machinismos
Bombas
Diftrio de Pwnambuoo Segunda feiia 23 de Feyereiro de 1174
"
para maodioca e algodJo,l PodendoJ todoa
e para aerrar madeira, f aer movidoa a mio
(por agoa, vapor,
de patente, garantidai........ | on aaimaea.
TodaS aS MMMliM P^Mdeqaeaecoeinmapreciaar.
de maehidismo, a preco mui reanmido.
Fas qualquer concerto
Formas de ferro
Sncommendas.
tem aa melhorea e maia baraua exiateotee oo mer
cade.
Incombe-ae de mandar vir qualquer machinismo 4 von-
tade doe clientea, lembrando-lbea a vaoiagena de faierem
oae eompraa por intermedio de peaaoa enteodida. e qoe em qoalqoer neceaaidade p6de
bee preetar aoxilio.
Irados americanos iMtpnlMB*0 ricolM
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
4' roa do Bario do Triuopho (roa doBrnm) ns. 100 a 104
CARDOSO & IRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragena e machinas para eD
genhos, as mais modernas e melhorobra qoe tem vindo ao mercido.
VaporeS de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
UaiQCiraS de sobresalente para vapores.
MOendaS mteiraS e meias moendas, obra como aonca aqoi veio.
TaixaS (fiindidaS e batidas, dos melhorea tabricantes.
KOuaS Cl aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
Rodas dentadas de todos os tamanbos e qnalidades.
RelogioS e apitOS paraT.pores.
BombaS & ferro, derepucho.
ATaQOS de diversas qnalidades.
FonnaS para aSSUCar grandes e pnqnenas.
OoilC6rtOS conc6rtam com promptidlo qualquer obra on machine, para o que teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
SnOOmmendaS man(*am *** Pr encommenda da Europa, qualquer machinismo,
para o qne se correspondem com uraa respeitavel casa de Londrei
e com am das melhores engenheiros de Inglaterra; incumbem-se de mandar assentar
ditaa machines, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Ruad^Barao do Triumpho (rua do Brum)ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO d I R M A O.
ODILON DUARTE k IMAO
CABELLEIREIROS
Premiados na
exposicao de 1872
WJA
DA
IMPERATR1Z
B
|N.' 82 .
umSmm
!. ANDAR.
1MPERATRIZ
i. 8a
1.* ANDAR.
Aeabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
dicc,o>s possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Exmas. Sras. n'a-
quillo que for tendente a* arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tan to para homens como para senhoras, tupete, chignon,
.oques modernissimos, trances, cacbepeign, tecidos, desenbos em cabellos, quadros tu-
mulares, floras, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acba-se provido do que ba de melbor nos mercados estran-
geiros, recebe directs meme por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 /0 roenos que outro qualquer, garantindo
perfeicio no trabalho, agrado, sinceridade e prego razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fdra ; vende-se cabellos em
porfio-e a retalho e todo6 os utensilios pertencentes a arte de cabelleireiro.
CHAPE0S DA ULTIMA M0DA
Chegaraan lindos e bem enfeitados cbapeos do mais apurado gosto, para senhora : a
ioja das colomnas, de Antonio Correia da Vasconcejlos, a rua Primeiro de Mar-
io n. 13.
I
33
Censtructor e afinador de pianos
Rua do lmperador-
33
Ex-afinador das antigas e afamadas casas Pleyel 4 Herz, e antigo director das offici-
al casa Alpbonse Bktockl.
Tem a bonra de declarar ao respeiuvel
concertos e afinaeaes de pianos,
A mesma casa aeaba de receber ana grande sortimento de
de Paris, cemo Krard Pleyel, Benrt Ben e Alphonu Blonde!) k
Ohibaat sio garantidos.
Compra-se e recbe-se em troca os pianos nsados.
publico desta cidade, que tem aberto ana casa de
qualquer que seja o estado do instrumenlo.
toe dos melhores fabricantes
os pianos sihidos da casa
Na rua do lmperador
n.28
precisa-se failar aoa sefnrates senboraa :
Domingos Martins de Barros Monteiro.
r ftnifdio Marques da Saotiafo (Dr.)
Joio Vaz i Otivein.
Jose Praaeisco Lopes Lime | Vazaretb).
JSModPwrfra Braadio.
jael doe Paesos Miranda.
Jheotoniode Barros aSUva.
Prasaaeo Pinto Paaaoa (Dr.)
Pranctoco 4a PanlaBorges.
Francisco Antonio Pootoal Junior.

, IX O advogado Praneisco de Paula Penna ^a
S eontmna no exeroicio de sna proflssSo : 2
m i rua do Duqae de Gaxias n. 71.
liRawMW 111 MMMmW
4' Torre
Aluga-se para pssara festa um sitio com
exceilente ease de habitafio e banho no rio
i frenta deata: quern a pretender, pdde
procurar i rue de Gervasio Piree n. 94,
LINHAS
I>E
TtETROZEDKALGO-
DAO
DE
IQDA3
%
CORES
ASMflAS
4cccs^rios
PAhA
PARTE
DA
MachiDd
Na rua do Baraoda Viesorii p. 38 precisa-*
tllar ao St. rigario Andre Cure:to de Araujo P
eira, t negocio de sen interesse._______
^
*#sap%
f i
n
Cora as falsifies^oes qne tem apparecido
DAS MACHINAS PARA COSTUBA
DE
SINGER
Porque?
o
00
C8
o
ma-
Nenhuma
china Singer 61egi-
tima se nao levar
g esta marca fixa no
braco da machina.
o
Paraevitarfalsi- 5
ficacoes notem-se
bem todos os deta-
ined ds marca.
o
c3
X
J
HQVAS PUBLIUCOES HOSIMES.
l. J. cl'tArvcU -llu\.io. fl
A.J.d'.i
Aeabam do publicar se, e
venda as scguintts musicas :
PIASO SO".
Danseespanhola, por Ascher
Arabella, mazurka, por G.
tbeimer
Valsa do Facsto, por P.rojzes
t.
acham-se *
War-
19M0
itooo
A diuheiro e a prazo!
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
Sao maisjbaratas. >
Sao de dous pospontos.
Sao simples.
Sao rapidas.
Sao duradonras.
MACHINAS DE SINGER
Slo de dous pospontos.
A bain ham.
Franzem
Pregam trances.
Marcam pregas.
Bordam de linha de se'da.
Aloolcboam.
Pregam cordoes.
UNICA AGENLIA
EM
A CASA AMERICANA
B EUA DO IMPERAD0R
45
Aareciem
Rua Ao lmperador 49
i
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos maia afamados autores,
como s8o : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente construir para este clima, o qual os amedores dos
bons pianos so encontrarao nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinara-se pianos.
Tambem awisa-se aos Srs.
eoncertadores de pianos
que ha sempre o mais completo sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sao: cepos, folha para os rr.esmos, cravelhos, paraiusos, castor, camursa, cordas,
marfira, etc., etc.
49 RCA DO Ml li:it 1 ItOlt 49
PARA
Marcar vestidos, roupa de cama, guardanapos, len^os,
meias e todo genero de roupas
COM* TAMBEM
Cartfes devisita, Ihros, envelopes eloda a qualidade de
papeis, elara e exaclanienle com o nome corapelente da pessoa
Garanre-se dar uma chapa tao boa como poderia conseguir-se em Land res ou Nova
Yor, aaffiantja-se igualmente que a tinta sera" iudelevel.
You can bet your bottom dollar on that
Cad a chapa com o nome da pessoa e acompanhada. de dous fraspuinhos de tinta,
um pincel uma direcfjio sobre a maneira de empregar a chapa e uma receita para fazer
tinta. costahdo tudo
Prec/>fiio ..... 3&000
Em letra de mao e gothicv. 59000
ARGOLAS AM,RIC\sX\S
PARA CHAVES
Sio muito commodas e possuern as soguintes vantagena:
Sorvem para ajuntar as chares, e ao mewio tempo sendo chatas, ha lugar para o
nome e moradia do dono.
Sio faceis de abrir e fechar, deixam enirar a maior cbave sem ofonder a
argola.
Sio feitas de prata allemi enio siosujeitas a enferrujar, quebrar ou abrir 5 como as
argolas de aco, sio muito fortes e bonitas. Cada argola ame.-wena corn 0 nome e mora-
dia do dono, aberta na mesma, custa :
Preco fixo 2^000
P. LAUR0 MAGPHERS0N
1V0 HOTEL ESTAMINET
Rua do lmperador n. 32
TODOS 08 PUS BTHS PJS A8 AO MHO MA.
E. A. DELOUCHE.
4 Rua do Mareiuex de Ollnda49
Acaba de receber um grande sortimento de re
logios americanos para parede e mesa, de corda
de 24 horas-de corda de 8 dias, com despertadoi
dot melhores gostos e qualidade.
Relogios de ouro patente roglei verdadeiros, des-
eoberto com pouteiro grande no meio, dos mais
modernos e do melbor (abricante de I> ndres.
Grande sortimento de relogios de prata, prata
donrada, cobertos e descobertos. Ditos de prata
foliada (plaque ), orisontal e patente, de todo
preco.
Cadeias de plaque e-de ouro.
Loaetos e ocnlos de todas as qnalidades.
Verdadeiros vidros de cbnstal da Rccha, para
vista cansada.
Veatde-se tudo por preco mais baratc que em
onffa qualquer parte._______________^____
eomo se \ende barato
556 o n. 20
RUA DO 0RESP0
LOJA DAS 3 PORTAS
DE
Gtailherme & C
CASSA-LA
Acaba de chegar esta bzeeda com bonitos pa-
droes, e que se vende pelo diminuto preco de 2U0
rs. 0 covado 11 I
HETIM
Mctim trancado, padroes bonitos, a 320 rs. 0
covado f! 1
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda Una, boni-
tos padrees, pelo diminuto preco de 320 rs. 0 co-
vado 11!
LAS ESCOGEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que se vende a 240 rs. 0 covadolll
GRETONE
Cretone claros e escaros, bonitos padroes, e fa-
zenda nsa, pelo diminuto preco de 400 rs. 0 co-
vado 111
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qnalida-
des, pelos diminutos preeos de 400 rs. 0 covado,
e pechmcha I I t
Cortes de casemira dj cores, a 5JC00.
Golchas estampadas e com barra a 31SO0 e
4/000.
Cobertas de ehila adamascada a 3/500.
LencAes de bramante a 2/000.
Dites de algodao a 1/400.
Toalbas alcocboadas, duzia, a 5/800
Lencos de cassa com barra a 1/000 a duzia.
Ditos de cassa abanbados a 2/000 a duzia.
Ditos de esguiao abanbados, em caixinhas mo-
dernas. duzia, a 3/500.
Cambria tranaparente fina a 3/000 a peca.
Chales de todas as quaKdades e preeos.
Bramante de algodao e linho a 1/600 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palmos de lar-
gura a J/TOO e 2/800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 5/000 a peca.
Dito domestico a 3/000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. 0 covado 111
Madapoldes francezea de toda9 as qualtdades de
5/ a 8/500 a peca.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto preco de 8/500.
Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de
linho pnro, a 44/000 a duzia; e pechincha, so se
vendo.
Pepeiinas de linho e seda pelo diminuto preco
de 800 rs. 0 covado; e pechincha, e dao-se amos-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
liola das tres portas
DE
Guilherme & C.
JUNTO A LOJA DA ESQUINA
So.tuo de lma vinGEM, por Alber-
lazzi
Anna la Prie, cavatina IfOtO
AoClair de la Lone, por Busstneyer 1CWK)
ESTRELLA DO NORTE J p ,kt bri,nante (SJI
Saudacao ao Bahia (
Cricket, por Seixas, offerecida aos
chrickets club pernambucano e
bahiauo WM
PIANO E CANTO.
Desespero, muito Undo romance
por I. SmoUi W0^
Nos m'amava, romance por Guercia IfOOO
Tambem recebeu da Europa grande sor-
menide musica para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc._________^_
CHAMADO.
Os Srs Jovino Fernandes da Cruz c Joaqoim Cte
menie de Lemos Dua^!^ ?io cbamados a roa do
(Brunei Snassnna n. 282, a ucgocio de particular
interesse. _______^
LARWfiHWS
selecta e Ve umbigo
(Enxertadas)
Sapotizeiros
e sapoteiros de 11 palmos (em vasos) e de todc*
93 tamanhos e preeos mais coiumodos qne dan
tes ; assim como as seguintes outras planta? d*
fructa e de ornato :
Abacati.
Acacia.
Arilicum a pp.
Canella.
Casuarina.
Carolina do principe
Conde^a.
Coracio da India.
Figueira.
Flamboyant.
Fruela-pao.
kgado Para.
Jambo.
Jasmim larania.
Laranja da China.
Dita do ceo.
E outras planlaa :
ara n. 20.
. laranja cravo.
Dita de doee do Para.
Dita l>r: oca.
Dita tang. rina.
Lima da Persia.
Dita de umbigo.
Limao fraucez.
Dito' du(, enxertado
Oiticoro.
Palmeira imperial
Parreiru.
Pinheiras.
Ilomeira*.
Kozeiras.
Rozeda.
Ubaia.
aCafMfl a rua da V>g
Escrava fugida
Auieatou-se da casa de seu senh. r, no dia 26
do corrente a escrava Felicia com os siirnaes se-
guintes : e6r parda elara, cabellos cempridos, ate
os hombros, rosto redondo, falta de nm dente
quasi na frenta, corpo reforcado, maca do rosto
bastante 9aliente, foi acompanhada por um ho-
mem, praja de cavallaria de nome Vasconcellos,
foram vistos no dla 27 de corrente, em Santo An
tao : quem a lew 'a Cambda do Carmo n. 3,
sera gratificado generosamente.
Josepha Maria Teves
Freitas.
Joao Justioo de Souza Freitas e
sea lilho, cordialmente agradeeeui
a todas as pessoas qne se dignaram
a acoropanhar, a ultima morada. .--
r.stos moitaes de sua mui presa-
d;i e.tposa e madrasta D. Josephs
Maria Teves Freilas; e de jwv,.
ines rogam 0 cando?o obsemio de assistireci ?
missa do 7. dia, que pelo repouso elerno de sua
alma, mandara celebrar na Uganda feira 6\
corrente, as 6 horas da manha na igreja do ?on-
vento de N. S. da Glo-ia ; por cn^ acto d* e*
ndade, serao eternamente reconheeidos.________
0 conego Joao Jose da Costa Rt-
beiro e sens irmaos, profundamtnie
penalisados peto passamento quasi
[subito de seu presado innio Hanoe!
da Costa Ribeiro, dirigem scn^ cor-
diaes agradecimentc-s a qnantos teem
procurado conforta los em sua dor, especu.lir.eni*
aos que prau'earam a caridade de assistir aos su'-
fragios por Joccasi.io de darem-=e a sepnltura'-.
sens restos mortaes.
Aos parentes e amigos seas e aos do fioado eon-
vidam para as missas d) senmo dia no convent.'
do Carmo, terca feira 21 do coirenteJas 7 Jii bofi-
da manha. '
AVISO
Roga-se as pessoas que devem aos abaixo as-
signados, de fornecimentos de carnes verdes, do
anno passado, 0 favor de virem ou mandarem' pa-
gar os sens debitos na rua do Range! n. 35, ou aa
rua Imperial n. 159, no prazo desta data a 15 dia*,
do eontrario serao c. brados os debitos iudisial-
mente. Recife, 20 de fevereiro de 1874.
Felippe 'oramare* ft C
Precisa se alugar uma escrava que sa:ba
orinhar : oa rua Nova n. 7, Ioja.
ESCRAVO FUGIDO.
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, 0
escravo de nome Jose Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e eepadaudo, sendo 0 signal mais visivel
uma gomma na junta do pe esquerdo : roga-se a
todas as autoridades e capitaes de campo qneiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, ou nesta praca a Oiiveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serao generosamen-
te recompensados.
Agencia de leiloes
0 abaixo assignado declara ao respeiuvel pu-
blico. que, tendo aberto o seu escnpuirio de
agencia de leiloes a rua do Marquez de Oiinda s.
64,1 andar, continna a receber moveis, Iouoj,
Tazendas, obras de ouro e prata, predios e todr*
quantus objectos se lbe remelta para serem ven-
didos, em leilao publico ou particular, a vontaoV
de seus coraraitenles: e como quer que 0 sax
novo estabelecimento se ache 0 melbor possivel
localisado, alem de que offerece as melhores
proporcoes para a boa conservaeao dos objectos
que tenha de recebvr; 0 abaixo assignado coo-
promette-se nao so a empregar loda a aciividade,
zelo e pontualilade no camprimento de seus veres, como mesmo sens pagamcutos serao feiou
com a costumada proroptxtao, qne lbe e" eoatx-
cida.
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
_______Raymnndo Remigin de Hello Jnnior.
ADVOfiADO
AYRES GAMA
RUA DO DUQUE DE CAXIAS
. m.-
Primeiro andar.
I
#
Alugam-se 0 J* e 3 andares da casa n. 44
da rua do Commercio, com commodos para fam;-
lia : a tratar no armazem do mesmo, das 9 as 4
horas da tarde.
Aluga se uma casa na rua da Praia do CaT
deireiro n. 21 : a tratar na rua do Livramento
23, Ioja do Sol.
Amaro de Barros' Correia e Captulino Ro-
drigues do Paaso vendem terrenos, regolarmente
tracados, no seu sitio de Beberibe de Baixo, ba-
vendo organisado uma planta de seu perimetro,
em que se desenha visivelmente a distinccao
e regularidade no seu projecto de arruamentos
novos, approvado pela camara municipal de Oiin-
da. A fertilidade do terreno, a sna proximidade
da astacao do Fnndao, da linha ferrea do Recife
a Beberibe, eonseguintemente do rio Beberibe, e
commodidade dos preeos eonvidam os pretenden-
tes i compra, que oa poderao procurar a Amaro
deB.Carreia, em Beberibe, a Captulino Rodrignes
do Passo, no Recife, e ao engeubeiro Antonio Feli-
ciano Rodriguea Sette, a estrada de Joao de Bar-
ros n. 8.
M ALUGA=SE
01* andar do aoJjrado n. 52 da rua Marques de
Ounda : a tra^r no armazem do mesmo predio.
Precisa-saaJngar uma eacrav* para eoainbar
jtoffi^ar
atiatar na
D. Ruiina Custodia de Luna Cavalcante pre -
vine ao publico que ninguem faca transaccio ai-
guma com a casa sita na travessa do Falcao n. 12
pois dita casa foi deixada a mesma para uao fru--
tuano durante sua vida ; e por sua mort- perten
ce as suas duas filbas, cooio legilimas dona* i<;
por testamento de sua tia-D. Anna Maria de Sou-
za, que se acha archivado no cartono do escriva*
Domingos Nanes Ferreira, e no poder da dita.
mencionada acima a copia do mesmo testamento,
e todos os documeutos pertencentes a mesma diu
casa, como node mostra-los : portanto qualquer
transaccio que alguem fizer ou tenha feilo ficara
sem vigor A diu senhora nada dare a posoa
alguma e nan assignon papel algum sobre a casa.
Quem precisarde am boa copeiro, dirija-se
a rua Imperial n. 150, ou anouncie part ear pro-
curado. v .
Aluga-se uma casa na Estrada Nova qne
vai para a Magdalena, caiada e pintada, com aj-
guns arvoredos. 6 perto do rio, muito fres*a. pro-
pria para famii a ou qualquer eetabaleermesu .-
quem pretender, dirija se a rua do Boa Jems daa
Crionlas n. 11, qne achari com quem tratar.
C4SAS
Alagam-se duas peqnenas casas aitta i ma 0*
roa Primeiro ds Marco n. Riachualo (outr'ora 00 bestino]
a Itruidas: a tratar no largo do
Pombali.U.
CCifc-






iar
r

M
Segui*** fefre 3 de Femtefc**** 1?4.
,&>tinas para, heeiem
Acabam de chegar grandes facturas bem sor
tidas de bctinas da bezerro, de cordavao, de pellr-
oa.de dnraque com bjqueira, de bezerro com bo-
toes, e com llhozes a 9*000 (a escofh- r) por ter
?iBdo grande quantidade por coola e ordem do?
hbricantes : to armazem do vapor francez, a rua
to Baiio da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Calfado
fraocez.
pro
ns.
de tranj ;>
Para humeiu.
UOTLNAS de bezerro, cordavao, peluca, lustre t
de duraque com biqueira, dos melhore-'
fabricantes.
SAPATOES de bezerro, de cordavao e de case
mira.
SAPATOS de lustre com salto.
SAPATOES alamancados com sola de
^ prios para banhos, jitios e ja
SAPATOS de tapete, chariot, castor e
fianceaes e Portugueses.
Para aenhora.
SOTLVAS pretas, braneas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, braneas.
pretos o de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de Jranca.
Para meniaas.
BOTINAS pretas, braneas e de cures differentes.
usas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavSo.
ABOTINADOS e sapatocs de bezerro, de diversa*
qualidades.
SAPATOS de tranca francezes e portaguezes.
Botas de montaria.
Lotas a Napoleao e. a Guilherme, perneiras
meias perneiras para homen<, e meias perneirat
para meninos.
Ne armazem de vapor francer, a rua do Barao
>ria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de guernicoes,
sofas, jardineiras, mews, conversadeiras e costu-
reiras, tudo i.^to muito. bom por serem fortes e
levos, e os mats proprios moveis para saletas e ga
binetes de reoreios.
No armazem do vapor francez, a rua do Barac
da Victoria n. 7, outr ora Nova.
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e
de elegantes niodelos, dos mais notaveis e bem
lonhecidi's fabricantes ; -como sejam : Alphonse
Bldoael, Henry Hers e Pleyel Wolff & C.: no
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos extracta.'.banhas, oleos, 'opiata e pos den-
trifice, rgna de flor de laranja, agua de toilete.
divina, Horida, lavande, pos de arroz, sabonetes!
cosneticos, niuilos artigos delicados em perfuma-
ria para ;>< denies om frascos de extractos, cai-
xinha- sorsidas e rarrafas de differentes tama-
ntaos d'agna de cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Con-
dray.
No armazem do vapor francez, a rua do Barac
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Vrilgoa de differentes gosios r
phantazias.
- < 'urados para salas e gabinetes.
: ;. :a senhoras e para meninas.
.. -Ottvin.de Go deEscvcis ede eamurca
C ..inhas ce costura orcada iiv. musica.
--i .. '.. : ;. retrato.
i.. :;c- as coin vnif. dt auamenlar tetratos.
C rsa3 obraa de euro bom de lei gdrantido.
'.'irrentes de plaque muito bonitas para relo

i r. c : .if. ';.,.i > botoei do punhos de pia
:
. : ( wlres d-; soda, de velludo e de cou-
de cares.
objectos de phantazia para cima de mes;
Me.
Pincnei de cores, de prata dourado, de a 50
' de tartarugr
Oeulos de aco flno e de todas as guarnieoes.
Bengalas de lux0, canna, com castoes de mar
*m
Bengallas diversas em grande sortimento pars
omens e raeuinos.
Chicotinhos de baleia e de muitas <^uaHdade^
diversas.
Bspores de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras r"e espuma para charutos e cigarros
Pentss de tartaruga para descmbaracar e par
barba.
Dilos
:k-ca.
Escovas para roupa, cabellos, unhas e para deD
lea.
Carteirinnas de medreperola para din' eirn.
Gravatas braneas e de seda preta para homea*
.s men In
Camj.'aiphas de mola para eh' mar criados.
Jogos da gloria, de damax de bagatellas, de do-
mind e outros muitos differentes joguinhos alle-
ciaes e francezes.
Halas, 1" bas e saccos de viagem dc mar e ca-
minhos de ferro.
Argolinbas de marfim para as criancas morde-
rem, bom para os denies.
Bercos de imes para embalar criancas.
Ce.-tinhas de vimes para braco de meninas.
Garrinhos de quatro roda?, para passeios de
criancas.
Venczianas transparentes para portas e janellas
Reverberos transparentes para candieiros de
'
Estereoscopos e cosmoramas com escolhida?
vistas.
Lanternas magicas gui ricas vistas de cores ens
vidros.
Vidros avulsos para "-osmorama.
Globos de papel de cfrs para illuminac.oes dt
festas.
Baloes aereostaticos de papel de seda mui facil
de subir.
Machiaas de varios systemas para cafe.
Espanadores de palha e de peaaas.
Tesu'irinhas e canivetes finos.
Taputes cum vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteirn3 de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para
quairos.
(Juadros ja promptos com paysagens e pbanta-
Aflhada.
Na rua do Ba^a da Mnria n 36, precisa m!
, *o Sr, I^SmT
f acio de seu inlere9se
fallar ao Sr, touente Jos6 Maria Ptstan,a ne-;
fiiraaan
duas amas para
casa de pouca fa-
rnilia, sendo uma
para coziobar eoutrapara engommar, pre-
feriudo-se escravas, paga-se bem, se agradar:
a tratar no largo
andar.
do-Pataizo n. S, 1 e i'
Precisa se de uma ama pa-
ra comprar e cozinhar para
ea de *is pauoas: a tra
ur na trayessa de S. pdro n. -8.
AMA
VMA
Precisa se de uma ama, para casa d<
peqtwna Umilia : na ma Etoue d.
Caxias n. 5i, loja
Ama de leite
Precisa-sede uma ama deleife,<|uenio tenha
filho : na ruavDflqoe jde GaxUs n ftf
Precisa-se de uma %ma que saiba oozinhar,
para casa de Iwmem soltejro : a tratar na. rua do
Bar3o da Victoria a. 60.
Ama de leite
Precie a-se de ama ama de leite, sem lho :
rua da Praia n. 83, 3andar.
A If I ^^Prepisa^se de uma ana para coy-
Antonio JoseV Bodrigues do Senza, em seu es-
enptono a rua do Gresnon. 6,xompra,.porboBs
pJeS8' e5Cra70s diTaaas jcdces, sexes e
dades.
Narua da Penba n. S lava-se e engomma-se
com presteza ronpa de homem e senhora : quem
pretender, dirija-se a mesma casa.
100^000 de gratificaejk)
Engenho Santos Mendes
Fogio no: dia 80 de dezeaibro, do engenho San-
tos Mendes, comarca de Nazareth, freguezia de
Tracunhaem, a escrava Maria, crioula, 50 annos
de idade, pouco mais ou taeoos-baixa, arossa, *6r
preta, rosto alquebrado, pes.seccos e espanados,
dedes cortos, cabellos braneos, canellas finas, tem
dous signaes cabelludos. no queixo, e 6 J>era ladi-
oa. A pessoa que entregar esta escrava oa ao sen
lono, quo 6 0 senhor do engenho acima, Lauren-
tino Gomes da Cunha Pereira Beltrao, ohm Re-
cite, largo do Corpo Santo a. 49, jndar, sera
eeompensada com a quantia de 1001.
Vos sejtfiores de enj^
outms propriet:
ue pretenderem contratarailiggii^^HrAdbM.
asas de eatnpo, ou jtfH^H rcapSe* d;
as, nlvellameatos, assenUiaeao de machkias a
vapor, plantas oa outros ql|Bquer trabalhos nes-
te geaero, queiram dirigir-se pessoalmente ou por
escripto a A. Coutinho, a rtfa do Grespo n. 18 |.
andar, escriptono. S
Aluga-se 0 2.* e 3. andare do sobrado n. 47
da rua da Imperatriz : aa rua do JfafPicio a. 33
1
m
COM
PRAI
BORBAi
Gompra-se na rua do Amori
Compra-se roupas
todos ps objectos
ru^#4<#M8.
servj
pertencent
VSNDAS.
San^a Cath^dna, no fmpr-
viso e na Claudia
Vende-se farinha nova e excellente, a bonlo dos-
referidos navios : a tratar com 0 capifio,
Amorim Irmaos & G.
1 cam
Por 600$ 6 barfrto.
Vende-se urn preto de 35 a 40 annos, raflnadu
e proprio para aualquer servico : oa -raa
Hortas n. 6.
*----
eprelo
com gouco jtaque a, U690 0 covado
.liueinudo 43 ; 6 muito bom.
em rua do
jyidoria
Veade-se uma victoria quasi nova, .setvifido
para am ou dqus cavaljos : a ver na offliiaa do
ST. Cirino a rua do Hospicio. e a tratar a pfaanaa-
cia americaaa, rua Duque de Caxias n. 57.
Garanhuns.
Na rua do Bario da Victoria n. 36, precisa-ao
allar aos Srs. Pedro doRego Gbares Peixoto-e
ose Paes da Silva, a negocio de particular rate-
-sse.
Coastando aos abarxo assignado achar-se nes-
ta praj 0 Sr. MaaoeJ Feraandes de Garvalho, rea-
deiro dos eagenhos Barra e Pregaifa, em Ma-
manguape, provincia da Parahvba, veem rogar ao
mesmo 0 obztquio de vir entender-se eom os
abaixo assignados immediatamente sobre negocio
teadente as referidos engenbos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
Tasse Irmaoa & C.
ALUGA-SE
uma excolleate casa constrnida de novo, sita aa
enlrada dos Afflictos, tern commodos para grande
amilia, -itio muito bem plaatado, jardim e baahei-
ro : a tratar na rua Primeiro de Marr-o n. 2, livra-
ria economica.
de marfim muito Gnos, para limpar ca
Escravo fugido.
Gonliniia fugido o eacravo- Sebasttio, crioalo,
fulo, altura regular, corpo refer^ado, falla am
pouco descaneada; foi aqui *eodido em 15 de
dezembro pelo Sr Jose Fraacisco Poates de Aze-
vedo, teado sido escravo de Sr. Alexaadre Ribei-
ro' de Sobral, todos da freguezia de S. Caetano da
Raposa ; esta matriculado no municipio de Carua-
ru', e foi ba poucos dias visto em S Bento : ro-
ga-se a todas as autoridaies e capitaes de campo
a captura de dito escravo, e traze-lo a rua do Li-
vramento n. 38, armazem Baliza, que serao gene-
osameote recorapensados.
Aluga-se
ama sala aa rua Duque de Caxias n. 61, propria
para advogado ou cartorio : a tratar aa loja.
Terreno.
Retalha se a voatade dos compraderes um ter-
reao aa Torre, 30 pa^sos da lioba dos bonds e
perto da machambomba. Esle terreno esta eoilo
cado entre duas e.nradas que vao ter a beira do
rio : a tratar na Torre com 0 Sr. Assis Pinto, na
rua do Arantf s, e no Recife ma Formosa n. 27.
Para principianle
Traspassa-se a lnja de fazendas da esquina da
praca da Independencia n. 2, de duas portas e
com poucos fundos : a tratar na mesma.
Esta fugido 0 escravo Jos6, cabra, idade de
15 annos. feifSes miudas, cabellos froxos, pes
largos, veste calfa e camisa branca, gosta do ran-
sica : pede se a policia a sua captora, 0 gratifica-
se a quern 0 levar a seu senhor, a rua do Hospi-
cio n 80, on a rua do Queimado n. 83.1 andar.
coraro
Precisa- se de uroa perfeita cozinheira, nao im-
porta qae seja forra ou escrava, para casa de uma
familia estrangeira, paga-se bem; a tratar na
rua do Bom Jesu3 a. 55, casa de Keller & C.
IB.
Estampas avulsas de sautos, paysagens c phan-
;azias.
Objectos de magicas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos pequeaos de veio com liadas peras.
Realejos barmoaicos ou accordions de todos os
amanhos, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias difflceis de mencionar-se. No armazem do
vapor fraacez, raa do Barao da Victoria, outr'ora
>ova n. 7.
Medidas de 40 a 100 metros.p^s e palmos para
:nedir terreno?
C?iqiieds para menioos
A maior variedade que se pode desejar de to-
los os briaquedos fabricados em differentes partes
da Europa, p.-.ra entreteaimento das crianjas, tudo
1 precos mais resumidos que 6 possivel : no ar-1
nazeni do vapor francez, rua do Barao da Victo-
ria, outr'ora raa Nova n. 7.
ilesiiuliuS para costura
Grande sortimento de boaitos modelos chegados
iu armazem do vapor francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora rua Nova, n. 7.
SAQUES
Carvalbo & Nogueira, na rua do Apollo
c. 20, accam sobre 0 Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as ci-
dades e villas de Portugal, i vista e a prazo
por todos os paquetes.
Moleque
Precjsa-se de um moleque de 12 a 14 annos,
para andar com uma taboleta : aa rua das Laraa-
geira.' a. 7 A.
Engenho a venda.
Vende-se o eageaho Parauo, silo na ilha de
Itamaraea, e tevantado ha pouco tempo em terras
da sitio Soccprrjo. ,Acb-*e 0 .feferjdo engenho
moente e eorrenjeje e *-\sapar, sjndo 0 respactivo
terreao assas productivo de canna, mandioca, nii-
Iho, faijao etc. Alem dos terrenos de planta*,-ac,
ha uma boa solta para gndo, muiias arwones frue-
tiferas, inclusive coqueiros e optimos lugares para
grandes viveipos. A situacap da casa de wvenda
e agradavel, e 0 clima e pasaadio da ilh-. de lta
maraca sio muito apreciaveis, alem de outras
vantagens que com a vista melhor conhecera 0
comprador, dirigindo-se ao referido eageaho, ou
informando-se na rua do Atalho n. 9. freguezia
da Boa vista, janto a caixa d'agua.___________
Vende-se
p6s de parreiras, abacate, sapotis, roraeiras, fi-
gueiras, frucU-pa,.-rozaJW8,4halia8 e outras flo-
res, por preco cammfljlo : Roa-.Vista, .rua do
Visconde de Goyawaa j. 101, outr'ora Mondego.
AGUAS ALCALTNO GA70SAS DAS PEDRAS
SALGADAS
VILLA, POL'CA DE ACUIAR
Bicarbonatadas-sodicas
Analyses do Dr. Josi Julio Rodrigues, lente
(ta escola polytechnica de Lisboa
Esta excellente agua, u;ada com vantagem aos
padecimeatos das vias digestivas, nrinarias, do
estomago, etc., etc. : veade-se aa pharraacia e
drogaria a raa larga do Itosario n. 34.
Cambrai 1 bordada a 3$ e 4
a peqa. ;
S6 na rua do Queimado n. -4*
Pecas de eambraia bordada eom flores miuda?,
propria para vest id. s, pelo diminuto prepo de 3^
e 41 a peca : so e pecluncha.
Ao n. v
No Progresso'do pateo do Carroo vende-se man
teiga ingleza muito boa a 15 ; assim como conli-
ada a ter bom sortimeato para qualquer chefe de
familia fazer sua despeasa, que encontrara pregos
mais commodos do que em outra parte.
Bazar Yicaloria.
Este estabelecimento.arah.'i de receber comple-
to sortimento de cintas ,de couro preto com fivel-
ja e corrente de metal, punhos e gollinhas de. li-
aho e gravatas escocezas, tudo para senhara : na
raa do Barao da Victoria n. 2.
Lindo chfariz.
Veaie-ss Dor prqco barato um rico chafariz
de marmere nroprio para jardim, 0 qual se acha
armado na offlcina de raarmore do Sr. Lima, a
rua do Imperador para quem 0 quizer ver : a
tratar na rua do Crespo, loja d, Passo junto ao
arco de Santo Antonio.
J. 0. C. Dyk
Tem para verd :
Gognac de Hennessy, superior e verdadelrj
Vinho Xeres das melhores qualidades.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Cba preto em lattas de 10 libras.
Todas as preparacoes chimicas do Dr. Ayer
armazem da rua do Coromercio a 38.
BAZAR
Rna do Barao da Victoria n. 22.
Caraeiro Vianna.
i
A' age grande estabelecimento tem cbe-
gado um bom sortimento de machinas para
costura, de-todos os autores mais acredita-
dos ultimarnentena Europa, cujas machinas
sio garantidas por um anno, e tendo um
pe/feik) artista para ensinar as mesmas, em
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo taunbem d'um
anno sem despendio algum do comprador.
Neste estabelecimeuto tambera ba p^rtencaa
para as mesmas machinas e se suppre qual-
quer peca que seja necessario. Sstas ma-
chinas trabalham eom toda a perfoi';ao de
um e dous pospontos, franze e borda toda
qualquer .cpstara por fipa qne soja, seus
precos sio da segurnte qualidade : p :^ra tra-
balhar a mio de 3OO0, 48OOG, .5*^00
e 50JJ000, para trabafear com o je sao de
8W)00, 909000, 180JS000, 11-OjJOO,
.1900000, 13O0OOO, 1500000, 2005)000 e
2500000, emquanto aos autores sao ha at--
ter.ae.ao de pregos, eoscompradorespoderao'
*risjtar'este estabeleeiraento, cue rauito de-
verSo gostar pel* variedade de* objectos que
ha seznpee para raider, cemo sejam: cadei-
ras para viagem, malas para viagem, cadei-
ras para salas, ditaside balanco, ditas para
criaoga (altas), di|as para escolas, costurei-
ras riqiiissimas, para senhora, despensaveis
para criangas, detodqs as qualidades, cam as
de ferro para homem e criaueas, capashos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhoe de metal para cha, fa-
quekos com cab de metal e de marfim,
ditos aYuJsos, colixeres de metal fino, condiei-
rofc para sala, jarres, guaida-comidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatories completos, ditos
simples, objeetos pasa toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
qae se acha aberto desde as 6 horas da ma-
nh* ate" as 9 horas da noute a"
Rua do Barao da Victoria n.
22.
Alvicaras.
Venham todos apressados
E com os helsos necbeados,
Do Garnpos ao : r maze in ;
Veohaoo, nao faltejiiogum
Ver o grande sortirainto
(Um verdadeiro portento)
Que para a quaresma tem ;
Compreaendem 1 ora bem I
E' eom as tripas pulando de contentamento que
me apresento ante a onda gastronomica das sa-
bias e illustres barrigas pernambucanas, felicitan-
do-as por ja se acharem livre^a^ena de ioterdic-
to e poderem sem receio de algurna indigestao ex-
commungada, comerem os ma,is fiaos e sabirosos
comestives, coadjuvados por ttnaa caicataAe vi-
ahos de todas as qualidades, deix&ndo a quem
dezejar o direito de gritar: viva-o triumphodas
barrigas I !..
Mas, como ia dizendo, nao podia deixar de
aoontecer assim, considerando-se como foi aabia s
bem barrigalmente planejado -o ataque das bar-
rigas grandes, contra a $ucia dos bandullios ca-
ninus, que ostrifioados a idea ficticia do infer-
no -" bicbo inventado pelas grandes barrigas, pa-
ra horrori?arem as barrigas sem tripas, sustenta-
yam a mais absurda das monstruosidades : a
infallibilidade do.principal bojo do amor as avessas
e de tripas dadas e a forga de tripadas queriam
hypocritamente alimentarem a pelluda e famigera-
da ex-que=tao do dia centop^a negra que en-
rolada no capote cbamuscado da inquisicao, pre-
tendia assar o mundo das barrigas, privando an-
tes a humamdade de ganhar dinheiro e de em
tempos como e^te de quaresma :
LIOUIBAPAO W JAHBNBilS
HA
Rua da Imperatriz n. 60
OPMO
Vende fazendas para liquidar, por baratissimo preco como
abaixo se ve:
Pereira da Silva. 4 Guimaraes tendo em ser um grande depozito de (axeodas,
tem resolyido fazer uma liquidaoio das mesmas com grande abatimento nos pregos,
com o unico fim de apurar dinheiro, para o que convidam nao so os seus numerotot
freguezes, como o respeitavel publico, a vir surtir se de muitas fazendas, baas e berata*
no seu esUbelecimento denommado oPavSoa rua da Imperatriz n. 00.
CAM BRA I AS A 40, 40500, 10, 60 70.
0 Payao vende um magnifico sortimento
das mais finas cambraias braneas transpa-
rentes, tendo 10 jardaa cada peca, pelo ba-
rato preco de 4, 40500,50, 60, tendo tam-
bera das mais finae qua custumam vir ao
mercado, assim como um grande sortimento
de ditas tapadas e victorias que vende de 40
ate 80, sendo fezenda que valle muito mais
dinheiro.
COM SALPICOS DE CORES A 50.
G Pac&o recebeu um elegante sortimento
de cambraias braneas com bonitos salpiqui-
nhos raiudinhos de cores, tendo 10 jardas
cada corte de vestido e vende pelo barato
prece de 50, por ser pechincba, ditas com
salpicos todo branco sendo fazenda finissima
a 70500 e ditas a 50000.
VESTID09 A USO DA CORTE 120
0 Pavao vende um bonito sortimento de
certes de vestides a use da corte, trazendo
cada c6ute tod< os enfeites necessaries como
sejam: babadinhos, entre-meios, rendas,
reqeifes,e veadepek) barale preee de 120
cada am, assim como, ditos a 2 de julho
pom todos os eofeifcs a 100. cortes de cam-
braias braneas abertas, cem listrase lavores
a 60, ditos finissimos a 80, ditos de eam-
braia .branca com listras de cores, para aea-
bar 30500, e pechincha.
CORTES RORDADOS A 900 E 35.
0 Pav8o vende ricos eortes de cambraias
braneas deKcadamente bordados, pelo ba-
rato preco de 200 e 35.
CASSAS FRANCEZAS
a 300 rs, o eovado
0 PavSo recebeu um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padroes e
cores fixas, que vende pelo barato preco d&
300- rs, o eovado, organdy branco e lis-
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
nissimo 1116 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanasde todas as cores.
BORNOUS A 120.
0 Pavao vende um bonito sortimento dos
mais raodernos bornous com bonitas listras e
vende pelo barato preco de 120 cada um,
assim como um elegante sortimento dos mais
bonitos chales demerin6 e com listras de seda.
francez muito lino a 30000, apeoej preeja*
1, */* metro para um lencel.
CHALES BARATOS
a 20, 90500, 40.
0 Pavao vende chales a emhaoio desae-
rind a 90, ditos de merin6 lisos de todas u
cores a 90500, ditos de merinoestampadot,
muito finos a 40, 'ditos finissimos com lis-
tras de seda a 60500, ditos muito fiuos i
ere pom a 100-e 490.
Aljcodio enrestad* 10 el?lM
0 Pavao vende algodao eufestado com I
palmos delargura, proprio para ipte
sendo do mais encorpado que tem vindo aa
mercado, liso a 10 a vara e tranoadoe..^ ...
10980.
ATOALHADO A 10600, 90, 00.
0 Pavao vende atoalbado trancado eon 0
palmos do largura a ljttOO e 10600, date
adamascado a 90, dito de lirmo adamasea-
do;e 30 e 50.
SKDA PARA VEtVDOS
a 10600 e 20.
^, 0 Pavao vende um bonito sortimento 4s
"^ "" *i iu"*> pitFin'ias pars vesu-
dos do meninas ede seuhsra a 40600 o eo-
vado, dttas lavradinfaas.a S0vs padsfes sio
muito bonitos e vende-se por este preco para
acabar.
Botinas a 4> 5000
0 Pavao tem um completo, sortimento da
botinas muito bem enfeitadas para senhora*
e vende pele barato preco de 50, artigo qu
em outra ouafauer parte custa 60 e 70.
LEWCOS BRAUCOS
"a 20000.
0 Pavao vende lencos braneos abainha-
dos, tan to para homens como para senfaorii
a 20 e 20560 a duzia, ditos de esguilo
eambraia de liaho ttmbem abainhados
30500, 40, 50, ditos franoezes escuros, par*
rape* a 60, a duzia.
CAMtSAS PARA HOMEM.
0 Pavao vende ricas camisas com peiu
de linho bordadas, proprias para noivo
lOyjl e 190 eada uma, ditas de Hnbossn se-
rem bordadas a 40, 40500 e 50, ditas cob
peito de algodao muito finas a 20, 90500
30, ditas de chita naa miudiima a 90,90600
e 30, assim eomo grande sortimeato -de ce-
roulas francezas tanto de linho como de a)
godao de 10000 eta 30, grande aoUfmenfa;
de meus eruas inglezas de 40 ate 80000 a
duzia.
-t- Aguardente ae canna.a&iia-PiDa, era caixas
de duzia ; na rua do Encantamento a. S.
LOJA
Aluga-se a loja de sobrado n 9 da rua da Au-
rora : a .mater m >roa do gespicio n. 26, taverna.
oaja rua da rmperatrii n. 10, taverna.
Casa (Je eampo
Aluga-se a cxeellaqss eaea da travessa de Pay-
sandn n. 3, pr eommedos para graMe familia : para tratar, aa
?ua do Amorim n S6| 1 andar.
CASA DO OURO
Aos 4:0000000
Bilhetes garantidos
duct do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender nos sens
muito felizes bilhetes a sorte de 4:0004 em um
meio bilhete de n. 3369, e um mejo de n. 3680
com a sorte de 100*000, alem de outras sortes
menores de iOjOOO e 20/000 da lotcria que se
acabou de extrahir (88*); convida aos possuidores
a virem reeeber, que promptamente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
vel publico para vir ao seu estabelecimento com
prar os maho felizes bilhetes,que nio dehcarSo de
tirar qualquer iremio, como prova pelos mesmes
innuncios.
Acham-ge a venda os rauito feli?es prtnetes ga-
-antidos da 9' parte da loteria a bendftefo tfc
recolhimento de Igaarassti, que se ewranira no
dia 28 do corrente mez.
Prefan
Inteu 4,000 ,
Mab 2*006
De IOO0OOO para ein^si.
Intetro 3*800
Meio 1*7*0
Recife, M de /erereiro de 4074-.
Joao Joaqvm 4a Costa Ufa.
\ao ha nada mais barato
Que un elegante estojo
para viagem.
CONTENBO:
1 20 cadernos do papel branco pautado, bei-
ra dourada, marcado com as iniciaes do com-
prador. ,
2* 100 envelopes bvancos.
3* IQO.pennas da aco, 1* qualidade.
4* 1 oaixa de obrefas de gomma
5* 1 tiaieiroae vidro com tampo de metal.
6' 1 areeiro dito dito dito;
T 1 pio de lacre.
8 1 eanivete ie dues foltas.
9 2 lapis.
10* 3 cassias.
Todos sales objectos ireunidos, dentro de uma
bonita caixa, feiu para este fim, custam apenas
IU fi^OOO
Rua do Crespo n. 9.
Calcado barato.
Rua do Barao da Victaria
n. 8.
Vendera Lyra & Vianna, botinas inglezas para o
inverno, a 10*, 9apatos de tranga com marca
chave, a 16* a duzia, uKos de oasemira a 18* a
duzia; e pechincha.
VENDE-SE
a casa e sitio n. 58, a rua das Perpambucanas na
Ctpnnga: a tratar no mesnip > gpalqqer boip.
Por metade de sen wtor
Vende-se ricas sedas ded^p^os padroes, pelo
De fazerem penitencias
Enchendo bem as barrigas,
Poii nao 6 tempo de brigas,
E sun e, de abstinencias.
Mas, como ia contando, custou, porem aGnal,
depois da rasorada que Ihe passou no pescoco os
poderes poderoeos, a eabeca foi parar ao fon-
do do rio o o rabo, como ruim de esfollar, ficou
no secco exposto .aos pontapes de qualquer gato
pingado, deixando e verdade, magra as collegas
barrigas, qne despeitadas vao tratar de se nutri-
rem, vindo ao armazem do Campos, a rua do Im-
perador n. 28, onde com certeza encontrarao alem
do qne desejarem. o seguinte : ovas de diversos
peixes e de bacalbao ; peixes de vinte qualidades
era conservas, sardinhas em latas, camaroes sec-
cos, bacalhao, pescadas, sardas, hgostas, salraao,
batatas, arroz, feijao, cebolas, azeite, vioagre ;'
manteiga ingleza e franceza; doces, fructas e
cincoenta qualidades de vinhos finos do Porto e
outras tantas de outros lugares mais afamados de
Portugal, alem de um completo sortimento de ace-
pipes raros, deliciosos e que
Cahindo em qualquer barriga
Faz a melhor digestao,
E nio faz mal a bexiga,
Como comendo, verao.
Mas, como ia fallando, iamos eatrar na vida de
outr ora, isto ^, na epoca das festas, e portanto
vamos ter restas, festas e mais festas, e como todos
comera das festas, visto que uma parte da para as
feslas e tree rocebem para preparar as festas, 6
logico que o bregeiro dinheiro qae auda tao vas-
qneiro, saia dos cofres dos araantes orthodoxos e
se va familiarisando com as algibeiras vasias dos
neeessitados, e e?tes por sua vez venham ae aroia-
xem do Campos a rua do Imperador n. 28, prepa-
rarem-se para a quaresma, tempo de abstinencias
e no qua! se come .sem liceaca, comprarera c-que
ha de rriais gostoso, saboroso, cheiroso e tudo quej
acaba em 0U90.
Ceroulas francezas de linfao e algodao, para todos os preeos e qualidades, assis
como grande sortimento de meias eruas, camisas, colerjnhos, que tudo se vende pc
pregos muito razoaveis.
iffiiiii"-^"
ANTONIO JOSE DE AZEVEDO.
Rua Nova n.- 11.
WANDS.
Querendo definitivamente liquidar este negocio, vofle<|odo5
asados, pelo preco do custo de factara.
Tambem acaoa de reeeber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos liudes desenhos de
de largura e 100 de comprido, pedendo forrar-se uma sala
seja com oleado inteiro.
MAGNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
ANNEIS electricos para curar dores de cabeja. nevralgias e nervoso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
liRAMPOS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 re. a duzia.
TALAGARCA e papel picado para bordsr com 15 ou seda.
VERDADEIRA agua de colonia em garrafas empalhadas.
g muitos outros artigos, e por barato preco.
os que tem, novos
11 a 33 palmo>
por grande que
n FUMO I>0 PARA
0 verdadeiro fumo de Borba, em chicote, picado, desliado e crespo, assim
como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a vapor, antiga rua dos Quarteis n. 21.
Na dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarao os seguintes e bem conhecidos
tumos manufacturados na mesma casa,
Flor do Brasil
Novo Caporal
Bes Bird'seye, ( Olho de Passaro. )
_______ Vende-se a retalho, e em grande quantidade se faz grande abatimento.
GRANDE
que
Em
Grosdenaple preto '
Sendo lisos e de cotdao, e- o mais largo
vem ao mercado, e qne se vende pelos diminutos
precos de 2*100, 2*800, 3*200 e 3*500.
3D' NA RUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
TRES PORTAS DE
Guilherme & C.
Junta a loja da esquina
Ndo ha mais cabellos
braneos.
Dieer aos amantes
Dos generos especiae*
Que se querem ser felizes
Venham Ja e quanto antes
Saber a causa raotriz
Do Campos nao ter rivaes
EjpDdar sf> fornacer
Dflfiii.gosto'e prazer.
Vende se um bonito -escravo de 18 annos de
Mratissimo preco de 1*500 Ojpwado..Aprovellem, Haflepor l:3(fr|, optimo para copeiroouboleeiro :
neepechincha : na ruaftuqae de Caxias o8, a trstar no pateo da Ribeira, no portao do ma-
*ja de Deroetno MfM. 'moeiro.
TINTUSiRU JAPONEZA.
So e umca approvada pelas academias de
sciencias, reconhecida superior a toda que
tem apparecido ate hoje. Deposito princi-
pal & rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
ref-o.
.Asunieas verdadeiras
Bichas hamburguezas one vem a este mercado:
na rug Marqaez de ulinda n. 51
Lira de pellica
Amaral. Nabuco & C. vendem luvas de pelliea
da cores com toque de raOfo a 1*. 1*500 e 2* o
par : no Bazar Victoria, rua do Barao da Victo-
ria n. 2.
Lindas ]s escocezas.
De varios padroes, e inteiramente modernas, a
360 rs o eovado : na rua Primeiro de Marco
antiga do Crespo n. 13, loja das columnas, de An-
tonio Correlate Vajconcellos.
Alpaea preta
VENDE-SE
uma casa na villa de Barreiros, na coa dp
aercio, pot preco modico ; a tratar com
irmao3 c C
com floras de coras., padroes os mais modem*
no mercado, a 500 r^is o eovado. So & pechin-
cba ; dao-se aoiosiras : aa rna do Queimado n.
43, defronte da pracinha da Independencia
0hap6os de so] para senho-
Tas u 45 I
A rosa branca acaba da recaber chapeos de sol
de seda para senhoras ou. meninas com lindos ca-
bos braneos e superior seda, e vende st a 4^000 -
nao julguem qae par ser barato sio ozdlaariosl
porque sao chapeos qae sempre se vendera* i
7* e 8*, aproveitem a pechiaeha.: at rua da
Imperatriz n. 56, loja de Azevedo.di C.
wii-on Rowe & I. vendem ao sea amuxaai
i rua de Coramercio n. U :
1 0 verdadeiro panno de algodld azol
Excellente fio de vela.
idade
todas as qoalidadei.
I
i
\
I ,
'-.
J
\





-1
A
j^-
3ft

\
_S
I .
Dia*te fae%mmim> 8egM^ttro^^^ec>iii< ii


UPONIOS
Rua da IipperatriVn. 72
DE
010605 ACEKTES
Itaa*>ferttdaVictoriab. 28
M mai8,sinjples, as mais baratas e as melhores do mundo!
K exposi^ao de Paris, em 1867, foi concedido a
Bias Howe Junior, a rnedalha de ouro o a condecora-
(80 da Legiao de Honra, por serein as macbinas mais per.
faitas d+ uHdo.
A medalha de oaro, conferida a E. Howe Junior, nos
Estados-Unidoi por ser o inventor da machina de cos-
tor*. .
A medalha de oaro n* exposicio de Londres acreditam
flst*# aiachinas.
Uflreneo Pereira MeDdefrfiaiiDarae*
Declara aos seus freguezes quo tem resoivilo law uraran Uqaidagto, aii 0
fim do corrente anno.
A SABER
CAMBBAIAS BRANC4S A WOOO;
Vende-se pe^as de cambraia branca, tapa-
da e transparent, a 39, 3^500, 4&000 e
&5900.
USINHASA200RS.
Vende-se lasinhas para vestidos, a200,
320 e 500 rs. o covado.
ALPACAS 4 640RS.
Ditoa de p&lb*, a 39, 3000 e 4000.
Ditos de raassa, a 49600.
PERFUMARIAS EM LIQUIDACAO.
Vcnde-se sabonetes de diversos tamanbos,
a 120, 200 e 240 e 320 rs., todo bom.
Frasco de banba, a 160, 320 e 400 rs.
Frascos com aguade colonifl, a 240 e 320
rs. cada um. E outros muitos extractos que
0 mais poderoso e 0 mais agradavel de todos qs ferrugiaosos recom-
mendado pelos Professores e Doutores : Piohrvy, Troussbac, Jobert (b
Lamballe), Malgaigne, Ricord, Nelaton, Ciiassagsac e muitissimos outros
contra as molestias de cfnuumpcSo, clorosis, opilacdea, floret brancat, anemia,
suffocagOei, palpitacdet, raehitU, ete.
Vendtt-se alpacas de cores com listras a 640 se vend* rouito barato para liquidar
A
e 800 rs. .0 covado.
GRaNADINE A 800 RS.
Vende-se granadine preta com listras de
cfires, para vestidos, a 800 rs. 0 co-
vado-
PODPELINA JAPONF.UA H&800.
Vende-so uma fazenda nova com listas,
] com 0 nomo de poupelina japoneza, propria
para vestidos de senhoras, a 198OQ0.CO-?
vado. Todas estas fazendas s8o vend i das no
Bazar National, i rua da Imper ajiz n. 72.
CORTES DECASSA A 295 0,
TOAEEAS A 80Q RS.
Vende-se toalhas felpudas, a 800 rs. cad*
uma. Lencos buncos, a 29000 aduzia, e
300G abainhados, fazenda que vende-se
por 59000.
GRAVATAS PRETAS A 500 RS.
Vende se gravatas pretas, a 500 rs. Man-
tas de cores a 200 rs.
Cbapeos para baptisados de meninos, a
39000.
BENGALAS E CBIC0TES A 80Q RS.
Vepde-se beqgalas e chicotes, a 800 rs.
EM TODAS AS FHARMACIAS DO MUNDO.
Deposito geral no Pernambuco, A. REGORD.
PARIS, 25, rue de 1'EntrepOt, 25, PARIS.
$
FUNDIQAO
RUA
DO BOWMAN
N.52
i
I
~i .

}
1
I
1
VI

Vende-se cortes de cassa para vestidos, cada uma, para liquidar.
Cabe-nos 0 dever de annunciar qua a oompanhia das machinas de Howe de Nova- M|B ioLOVados, a 29500. I
?*, ttabeleceu neata cidade raa do'Bwao da Victoria n. 28, um deposito e agencia CHITAS LARGAS A 240 Rs.
*rtl, para em Pernamb? a mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos- Yende-se chita&franqezas, largas, de c6res
*iakHowe. Estas macniaas sao justamente apreciadas pela perfeicSo de seu trabalho, fias> a 240, 300, 320 e 380 o co-0
rpregaftdp uma agulh* mais cqrta.com a mesma qualidade delinbaque qualquer outra, yado
_i. :~-^ji^ In. ;. .lu^aiNKiinc nnrolhnc Aetumos urtualmente habilitados 1 CASSAS DE CORES A 2C0RS.
Vende-se cassas francezas fioas.de cores,.
As vantagens destas machinas sao as segnntes:
frBHeira.G public sabe qiM eHassao duradouras, para isto prova ineoatesUvel, a
Mumstencia de minca terem apo-<*io no raejcado machinal d Howe em segun-
U mio.
Sefunda.Coct*a* o material preciso para reparar qnalqner desarranjo.
Terccira.Ha nellas menor fncgio entre as diversas peoas, e menos rapido estrago
. ane nas outras.
Quarta.Forraam 0 ponto como se fora feito L mio.
fuinta.Permttte que se examine 0 trabalho deambos os fios, 0 que se nao cousegn
^ootras.
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando 0 fio de am i outro
logo em seguuK sen modjiica^-se a tensao da linha, cozem a fazenda
a 260, 320 e 400 rs. 0 covado.
SAIAS A 29000.
Vende-se saias.brancas com barras decd-
,res,a2$000.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
' Vende-se cbilas para cobertas, a 280 e
360 rs. 0 covado.
1 MEIAS PARA RUMENS A 69000 A DUZIA.
meiascruas verdadeiras, para
65000 a duzia, a qual val
I Veade-se
bomens, a
lado,' 89000.
mai; CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de la, a 800 rs. cada
Setima.-^O oompress4f & levaaUdo com a maior facilidade, quando se tem de rnudw om- rnT,1; ..,*c iM Dc
^*~mmv.mn *. .......... I veadoSI^s^dt Z^, fa-
zenda muito boa, a 400 rs. 0 covado.
CHALES DE MERINO* A 2*000.
^^*
"OUava.Muitag companbiaa de machinas de costura, ttoi 1ido epocas de grandeza e
eadencia. Macbinas outr'ora populares, sao hoje quasi deseonbecidas, outras soffreram
aoaancas radicaes parapoderem substjtair : entretanto a companhia das machinas de Howe!
optacdo aopimao deEli Howe, mestre em artes mechVnicas, tem constantemente A ende-sejchales; de mer.n6 estampados, a
jfBkentedo 0 seu fabrico, e boje nao attende a procura, posto que faca 600 machinas
Cada maobiaaaco]
anha livretos com instrucgSes em portugaez.
iV 90000 A 90*000
mm LEITE, IMAOS
A'
do Baitao da Victoria n. 28.
Os verdadeiros
Vinhos de Bourgogne
das mafm
Chambertin
Pommard
Virits
Voluay
Beanne
Montbelie
Dito Bordeaux em quartolias.
Yeode^se por barato preco
PARA LIQUIDACAO DE C0NTAS
NA
Rua Larga da Rosarlo 34.
Rotica.
200
rs

GRANDE NOYIOADE
rua do Oespo u. SO
Loja das3portas
LAZINHAS
Chegou esta tazend*, eom padrues inteiramente
novos, e que se vende pelo diminuto creyo de 500
rs. o covado : islo por ter grande quantidade.
NA RUA DO CRESPO N. 20
de
29, 39, 49000 e 59000.
Ditos de listras a 59000 e 69000.
BRIMS EM CORTES A 19500
Vende-se cartes de brim de cdres e pardo,
a 15500, para liquidar,
COBEHTAS DE CHITA A 19600.
Vende-se coberUs de chita, a 19600 e
25000.
BRIM PARDO E DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim pardo ede cores, para rou-
de homense meninos, a 400 rs. o cova-
o, para liquidar.
COLXAS DE CORES A 29000.
Vende-se colxas de cores para cama, a 29,
'e 45000.
TRANSPARENT PARA CADE1RAS A
19500.
Vende-se transparentes para cadeiras, a
' 195C0, para liquidar.
BONETS A 500 RS.
Vende-se boncts de seda para bomens, a
1 500 rs.
CHAPE0S A 29500.
i Vende-se chapeos de castor para rrenjnos
e homens, a 29500 e 39000.
SO'
Loja
Guilherme &C, junto a loja
da esquina
Qrrr- Vende se uma taverna na rua das Carro-
aS, esquina da rua de S. Joao, com boa casa de
vivenda e bastantes commodos para fmUia : quem
pretende-la dirija se a mesma
Grande
pecuiifha a
covado.
200 rs :
Cassa la, padroes novos, e de mais gosto que
i vindo ao mercado, so na rua do Queimado
43, loja de Gaerra & Fernandes, peto dinwnu
preco de 200 rs. o covado I
'.'hegnem fregnezes qne se aeaba
GRANDE LIQUIDACAO DE R0UPA FEITA
Vende-se ceroulas de algodAo, a 19000.
Ditas de linho, a 19600 e 25000.
Camisas de e'hitas fines, a 19600.
Ditas de peito de cores, a 25000,
DiUs. bwmcas finas, a 29000, 39000 fc
49000.
Calcasde brim pardo e de cores, a 29000
e 29500.
Ditas de casemira de cores epreU, a 59,
69, 79000 e 89000.
Palit6tsde alpaca* de cores, a 29500.
Ditos pretos, a 39000 o 39500.
Ditos de casemira. de coras, a 49 e
69000.
Hitos ditos pretos, a 59Q00, 69500
89000.
Colletes de casemira de cores, a 29, 39
49000.
Camisas de fhnella, de cores, a 29000 e
29500,
ALGODAO A 49000.
Vende-se pecas dealgodae, a 49, 59 e
69000.
CASEMfRA DE CORA 29500.
Vende-se casemira de ceres, a 2950lro
covado.
MADAT0LAO A"-SS0W>.
Vcrrde-se pe^as de madapolSo enfestado.
6 39000.
Dito inglez, a 49500* 59, 69 e 79000 a
peca.
BOTINA8 A 49500.
Vende-se botinas parsenhora-efnemno6,
a 45&60, ,&9>a 69000.
Ditas de eHfiar, a 25000.
Sapato de tapete, a 19500.
Ditos de trance, a. 19800 e 29000.
BJkAMANTE Al,l600,
Vewde-se br am ante com 10 paluios ,
largnra, paia len?6es, a 19600 e 2950
metro. E outras muitas fazendas propria
do mercado* ,qu,e se vende sem reser,ya, de
preco, para liquidar at6 o fim d" cprrehte
anno, porisso con.vem a09 corapradorcs sor
tirem-se de fazendas baratas, para.a presen-
te fesUque estina porta, & rua da Imperatriz
n. 72. Bazu NaciouaL
Engenlio.
Vende-se o engenho deneminado Barra, lerta
dorBonio, deraarcado legalmente, e que dista
apeuas cinco leguas da estacao de Una : a tratar
no mesmo.
DO BRBM
Passando o ehafariz.
Roga-se aos senhores de engenho que preteudeiu
empregar alguns dos machinismos novos, o favor de appa-
recerem nesta fabrica que lhes p6de fornecer ok apparelhos
mais apromiados com o minimo de despeza: e dispoe de
pessoal habilitado para monta-los devid mente,e most-rer
o systema mais commodo de trabalho. para obter melibi-
ramento no fabrico do assucar.
Fogao de ferro economico
I Vende se um chegado ha peacos dias, tendo for-
nallias para lenha e carvio, forrto vara tmtir,
, deposito para agua quenle e lugar naia m -:,--
A Mm Ksperanca, aruaDuquede Caxias n. 63, d ^ c60lllid'a3 d u d^ fe)las. ,..,,
apressa-se em eonvidar a seus freguezes. com es- grjes tornamse recommendavei* porque
VENHAM VER
sao ($.
pecialidadean bollo sexo a virem apreciar os se
guintes artlgos expostos a venda e todos por precos
domtoodos, como sejam :
PIN AS BONECAS mansas e choronas. Ml *tt
BONITAS E ENGRACADAS vistas para sterios- SalSaparrillia Q.Q AV61"
CO&WODA'S LATAS para gnardar cha.
ELEGANTES BOLSAS para senhoras e meninas.
B0N1TOS VASOS com fina banha e cheirosos
extrat tos, tiazendo cada frascu um no me, nma mi-
cial on um distico.
FTNAS MEIAS D SEDA, vindo entre ellas cor
de carne.
ferfo batido, e fabrieados cam pprfeicao e e ; -
nham eom mui diminuta lenha : uarua do Ap>: I
n. 20
PARA PUKIFICAR O SANOCB.
Pacheco 4 Azevedp ten
piooa de araruta, qualidade esj
mazem, na rua d- Baque de
para vflnder
iecial, em seu
ixias n 29.
ta
ar-
hn quem goslar.
A' Nova Esperance a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber tentos e caixas para o jogo de
Voltawtfe.
Para qikiii s^lfre das peroas.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, aeaba de receber as precuradas meias de bor-
racha para quem so Are das pema>.
FLORES ARTIFICIAES
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, ,acabajde receber um lindo e complete sorti-
rnento de" flores artificiaes das melhores que tem
vindo ao mercado
A ellas antes qne se ac&hem.
Costumes para crianc,a.
A Nova Esperanca, a nia Duque de Caxias n.
63, acaba de receber bom tos costumes para crianca
e esta ee vendendo por precos razoaveis.
km racrosos
A A'jva Esperanfja, a rua Duque de Caxias n.
63, recebeu um pequeno sortimento de anneis e
pulseiras electricas, proprias para quem soffre dos
nervos.
O renonw de qne gins cte k-
celiente remedio & devido a miht
res de curas que tem operada, wm-
itas das quaes at. I verdadeiraiLfN
maravilhosas. Innumeros -io m
r
nfei
y
DOS PREMIOS- I>A'
estrangeiro.
Paris u'America, a ruaDu-
que-de Caxias m 59
primeiro andar, acaba de receber um complete
sortimeoto de oalcados estrangeiros para homem e
senhora, vindo entre elles um lindo sortimento do
elegantes chiquitos, sapatinhos e botinas para
criancas que tudo vende por precos razoaveis.
casos em qne o systhema, j
do satnraao da podridio
midades escrofulosas, tem at*
promptamento restituido a ?*6de.
As aifeccoes e desordens, iaui-
das pela contamiiiacio csrrofuiosa,
at^ produzirem dures moitificar.lai,
tem sido tam radical e tam geralmente curadas por e'.le, aa
todos .os psntos do Imperio, que o publico mal precka (ie sez
informado da suia Tirtndes e do modo de \isal-o.
0 veneno escrofuloso e am dos mais destruidorcs iuinrifM
da raca humana. Ora, senhorSa-se occu'.ta e trai^oeiranji -cAt
do nosso organismb e deixa-o fraco e inemi'' contra mole^tu*
fataes. Ora, patenteiaa infeccao de que corrompea o cotim
e entao, era momento opportuno, lavra rapulamentc Mb
ma de suas bediondas formas, ja na cuti ji nos *sm
vltacs. Nestc ultimo caso deposit*, muitas v,/*, tuberca.' "
nos puImoV". no Itgado, no comcao, etc., quando uao 4St>-
ifestaem ..'_;"oes, tumores, etc.
A iuim^.) tuu: [>crigoso e tam perfido nuncn se \.t\ z dar
larida, e p".tWnL t sempre melhor do qni conibatK*-c
ssim, antes u :ip},drtcerem os pioprios itpnpOioma$ oetnat,
O usa da S.IZS.^ P.1HBXXHA DE AIEB podera tHOK
resultadoi fanestos. j
As pessdas que sottr^m de Eryiiptlai, Fog* ie S.
tonio, Varlroi, Etnpigena, Rheumatism", 7"i
XJXeerat, e seusibllidade dolorosa nos ouvidos, olhos, he ,
dor nos ossos; Dyspepsia ou Inttigestnrs ; Hpdrojes+m?
MelesUas do Coracao e do Figado, Epylrptim, .Ve
rmlgim e de varias outras nffeccoes do srsthenui nioscular c
ncrvoso, acharao scguro allivio usando desta ja.
RII.n.4. DE A.XER.
A Syphilis ou MoletUat Tenertaf sao cunulis ccm 4
sen uso, posto que seja necessario mais dilitado efpa^o 4c
tempo para subjugax tam impertinentes enfermidades.
A Leucorrliea, ou flores Branca*, as uiceracfcs nten-
nas 0 em geral as molestias das mulheres sao taicbem alli-rja-
das e utteriormente curadas por sen eOeito puriileada-
vigorativo. I
O Rheumatismo e a Gotta, quando causados per a mulacSes de materias eztranbag ao sangue, cedem-lh ftcil-
mente, de mesmo modo o Hal de Figado, CmsniM oa
Infiammaeao do Figado, Icttrieia, quando sao OMIidac
dc maus residuos no sangue.
A Salsapan-ilha e um exoeUente rrstauradoi
forca e vigor do iratbema,
Assim, todos os qne soffrerem Languor, Phlegmm, M
maios, Insomnia e que sio incommodados com Aggro-
hensoes Temores Iferoosos ou qnalquer uutra aSseckx
provenieate de Debitidadt, acharao do seu poder renOTMaT
o mais eeguro cxpediente de prompts cura.
PRtPiRADA FOB
J. C. Ayer & Ca., Lowell, Mass., E. %
CMmlMI Practices e Analyticos.
VKNDESB FOB_________
88
a
LEI PROVINCIAL N. S98, A BEHFfCK> BA MJbTRlZ DE SERINHAEM, L.\TRAIHDA KM 21 DE I LVEREIRO DE 1874
-tC
PREMS..1NS. PREMS.
7
22
27
32
43
47
51
55
62
63
67
79
81
92
99
101
11
18
23
26
29
39
kk,
53
95
57,
60
63.
75
99
200
1
8
13
15
46
49
59
62
40
NS. PREMS. NS.
PREMS..NS. PREMS. NS. PREMS.INS. PREMS.'.NS PREMS. NS. PREMS. NS: I'HWWljJW. PREMS


523
25
26
28
34
41
44
48
55
57
61
74
80
8i-
66
95-
'612.
1.3
21
39
40
44
45
47
W<
78
- 706
15
19
1 27
31
50
51
69
87
90
06
808
8 I
T i'.
J:
U 814.
18
37
38
48
53
55
55
65
82
85
86
90
94
97
904
5
6
9
10
*#* JO
4*
40
\
*
4*
01
40
*O0
"1i
1
4*
05
22
31
42,
43
44
80
52.
56
62
63
72
77
78
81
87
89
1003
5
1342
45
52
65
90
1403
14
29;
30
37f
40
4a
46
47:
581
54i
62
79
85
87;
4
J
4,5
:
m
4*
1611
17
34
37
i
4,$ 1844
62
1*
4*
1?U
m
or
H
*05
40
44
49
54,
56
59
60
69
73
7*
88
-1701
40
2

0
40
5
4
14
17
28
36
52
60
71
73
78
87
89
95
98
4
7
II
15
IP
aa
31
32
36
67
' W
8;6;
m
90
94
97
1806
14
27
29
31
33
:
64
77
78
87
97
98
1900
15
: 4*
5*
" 74
Tut
86
91
98
2009
11
H
*I,
26
30
:
'
76
8*
86
95
2403
23
25
32
39
43
46
49
2f58
58
59^
60
65
67
82
84
85
89
95
2804.
13
14
32
42
51
55
63
70-
70
91
92
2322
' 23
M
38
40
42
45
61
63
66
70
72
73
40 2388
8i
94
2405
9
14
35
40
46
64
68
71
72
7#
84.

96
9a
_*ki

402685
80 39
40


^j
0
!
0
40
3
19
" 82
34
54
59
67
- 71
m
87
97
99
2609
17
20
25
34
__ i
m, PREMS.
2989
49
56
39
68
73
75
79
83
85
3011
8
35
38
40
44
45
46
-08
59
<*>
H
NS. PREMS.
#0
0
i
1O0
74>
72
94
99r
8188
9
19
30
42
43
46
48
49
54
55
0
40J
<
*n
3465
69
73
75:
77
84
88
95
3201
7
17
20
24
24
33
35'
38
43
6
68
75
76
78
88
89
95
NS. PREMS.
0
40
4,
25
28
32
37
44
45
48
51
52
?9
40|8864
69 4
74
75
76
77
78
86
88
96
96
8401
6
7
1Q
14
10
ao
31
37
33
39
47.
53
57
fta
i 70.
73
: 80
84
. 8*.
92
96
99
3500
8
5
12
40
OOOj
40
0
404'
NS. PREMS.
1O0
O0
04
3520
29
31
33
36
46
59
63
71
74
75
79
86
93
94
97
98
3611
26
30
35
48
52
56
63
65
67
79
8.0.
94
8707
9
22
24.
26
32
36
46
40
0
1OO0
NS. PKEli?.
3753
58
62
66
70
9U
3802
15
27
35
43
46
:?

\9 35
57
64
74
75
77
85
94
95
97
3903
10
20
2J
35
43
AOtf| ..6
**t)\ 58
40) 59
- (H
w
4
40

{ vwm~\
i
-




J



8
Dfrrio d^Peraambuoo gegunda feira 23 de Fovereko de ltf*

.-
:
f
^
I
I
UTTERATDRA.
o cornea com gosto, pensando ser
mem.

daco do ten.
wy*M4* Cmrmplrft. (1)
TO.0 PROFESSOR CU. FRED. HARTT, A. M.
L'm dos maia- iraportantes entes mytholo-
gies dos indios do Brasil, que fallam a
lingua tupi, e o Curupira.
Ouve-se fallar' em loda parle deste espi-
rito malfazejo do mato; mas nSo existe
uma boa e exacta descripcio delle
De Laet diz que Curupira signjfica nu-
men mentium.* Ordinariamen:e, os auto
res antigos e, ate" a radr parte do? moler-
nos, contentara-se em repetir essa opiniio.
Von Martius pouco diz acerca do Curupira,
denomLiando-o somente am espirit comi-
co (neckischer.Waldgeist) que habita no
mato. 0 autor do Dictionary topographi-
es do Alto-Amazonas diz que o Curupira e"
um duende do mato que extravia o viajsnte
e mata-o de cansaco. Este aulor e von
Martius identificam o Curupira com o carpo-
rt [kad-pora] ; mas, Mr. Bates diz que nio
sao identicos.
Durante rainhas viagens no Amazonas,
com toda diligencia colleccionei os mythos
dos indios, e com feliz resultado, porque,
entre as muitas lendas indigenas, que vie
ram a!o meu conhocimonto, descobri alguns
mythos importantes, que me fomecem ma
teria para descrever o Curupira, jurupari,
oiira e outros entes mythologicos. Neste
pequeno artigo vou fallar sdmente do Curu-
pira.
L'raa tapuya de Manios, que enconlrei no
Para, me disse que liavia muitos Curupiras
de ambos os sexos. que- habitam nos bura
cos dos pdos mortos, e que, apparecendo de
repente ao viajante uo mato, confundem-o
e procuram desencaminha-lo para Ihe tirar
a vida. Os Curupiras tem a forma de ta-
puyos. A femea e mais gorda do que o J/der do Lveshy,
macho e tem cabellos compridos. 0 ipifo,
logo que Ihe apparece um espiritO/trestes!
faz urna pequena cruz de pioziflho- o a dui*
ta no caminho, ou corta/c'om seu tercado
"-fift-Xasca d'umajkfvofe" o signal Ja Cruz.
AlgunsTndiosievam comsigo na patrona
uma pequena palanqueta de ce'ro. Quando
veem um Curupira, carregam com esta a
espingarda e dao um tiro sobre a apparicao.
0 poeta Araorim diz que os Curupiras sao
de ambos os sexos ; e, sogundo Mr. Bates,
o Curupira tem mulher e lilhos. Baen
descreve este espirito como um tapuyo pe-
queno, com os pes ds avessas, que persegue
O cacador, o qual, para afugenta-lo, ou
antes, para impedir-lhe a marcha teco cru
zes e rodinhas de sipo e as deixa ni cami-
nho. 0 Curupira, as achando, se occupa
em destece-las, emquanto o cacador se es-
capa.
Em Santarera um indio me contou a se
guinte historu d'um t&puyo que matou um
Curupira :
Estava elle cacando no mato, quando,
desviado por um destes espiritos maleficos,
perdeu seu caminho, e, ao cahir de noite
deitou-se ao pe d'um pdo e dormio.
0 Curupira chegou ao pe delle e bateu
no sapopemba (s) do po ; o homema cor-
dou.
0 que estds fazendo aqui meu irmao ?
perguntou o Curupira.
Perdi-me e aqui Bquei, Ihe responded
6 homdffl.
a Entao disse o espirito, de-me um peda-
- <;o do teu figado (3) para comer 1 Feliz-
nvnte, o cacador tinha matalo um maca-
co. Tirou sua faca, abri i-o o, cortando um
pedaco de corac&o, deu-o ao Curupira que
o do ho-,do bomem. Nas lendas da Russia achamos
m V' m;i i i ^ o /m una parallelo. Uma supersticio prevaleoe
de t,,do? J n i disse c',ruw/' e ? *>*>' em outros paizes, que ha da-
cldr/i!!honM*deu "*todoottra- Juntos chamados vampiros, qua wham
sao do macaco e replicoa : dft noito i9 ^^ ^n a^ 0 Mngue
um pe- dosyivos. Para matar estes vampiros e
preciso espetar-lhes b corpo com um pio
espirito, mas tem carfle e osso, e p61e ser
raorto como um homom ; sens dentes ver-
des fazem' lembrar os cabellos tambem ver-
uma especie de espirito
malfazojo dos russos, e o rosto cinereo ou
azul dos Troll das serras de Noruega.
E' ainda mais interessante a correspon-
dencia que se acha entre esta lenda do Cu-
rupira e um conto noruego, jd muito cele-
brado na traduccao ingleza, sob o iitulo
How Boots ate a match with a Troll. 0
Troll, ente sobreoatural, semelhante ao Cu-
rupira, como hei de mostrar mais adiante,
tinha se fpoderado de Boots, o qual a* ceia
apostou com elle, a ver qual poderia comer
a maior quantidade de sdpa. Bools pendu-
rou sobre o peito un sacco, cujo fundo ti-
nba previamente aberto, e tomou a sua co-
llier, mas, em lugar de metier a sdpa na
bocca, despejou-a no sacco. No entanto o
Troll, que deveras comia, logo ficou cheio
e admirou-se de ver que Boots ainda con-
tinuasse com disposicao.
Ah 1 disse elle. Como e que tu pddss
tanto comer ?
Nada mais facil, respoadeu Boots.
(1) Este artigo, resumo d'um capitulo
d'uma obra em inglez sobre a mythologia do
Barsil, que estou preparando para o prelo,
foi extrahido da A urora Brasileira, jornal
dos estudantes brasileiros na universidade
de Cornell, numeros 1, 22 de outubro, e 2,
20 de novembro, 1873.C. F. H.
(2) Raiz chata. Assim se oamam as
raizes grandes e chatas, que sahindo fora
do chdo, sustentam as bases de algumas es-
pecies de paos grandes do mato do Brasil.
Oesta palavra vem o nome d'uma fazenda
na vizinhanca do Rio de Janeiro, sapo-
pemba.
pa
fazer
abrio-se, eoahio'morto. u nomem, ]|re maneira, nas lendas sclavonicas, o hero re-
fS^T,gH0t 8'0, cebe constantemente o ariso de matar com
hm ?? rm an-no' caador ,em- um golpe os bichos fabulosos com os quacs
brouse que os Curupiras teem os denies com bate!
m,riS .' f Caf 0sad'(loel,e quo tinba AexclamacAodo rediTivoCurupira que elle
n ^ntiJr.rtT/m?0deJ50ntas- Achoa tinha dormido somente um moment, acha
r/nfS ^ pa- Tomia *MTei- M P'o n'um Mnto dos indios
raiamaoecom o seu raachadinho bateu Ottawas n'America do Norte. Mudiekwis
umoente ; mas, qual n&o foi seu espan- depois de morto esti revivificado pelo ir
a,lV.er- upira PP,rec!r. instanta- mJo de Iamo, quando, esfregando os olhos,
neamente, vivo e sornndo adiante delle I diz : Tenho dormido de mais!
Obrigado, meu irmdo. por me teres Existem outros mythos em que o Curupi
aespertado I disse a appancjo. Tinha-me ra da ao cacador uma frecha que nunca
aeiiauo um momento para dormir; e logo erra, mas esta arma sempra traz desgraca,
ap6s deu ao homsm uma frecha encantada. e, is rezes, morte, ao que a recebe. Qua-
uizendo que com esta podia com certeza si sempre o Curupira imp6e uma condicao
matar qualquer ca5a, mas a-!onselhbu-lhe difflcil de se cumprir, e a falta de observa-
que a ninguem contasse de quern race- la d fatal.-
ue?,"a- j 0 Curupira gosta de zombar com os que,
fcsse mesmo indio, dantes panimo, (4) ,cahem noseupoder mas ordioariamente com
depois disto matava todos os dias muita resultados s^nos a* sua victima. Por exem-
casa; mas, sua m-jlher, tendo reparado, into : Um bomem estava assentado n'om
pergur ou com insistencia como de repente banco fazendo pontas em freebas com uma
tinha-se elle tornado tao babil candor. 0 faca, quando am Curupira veto e se assen-
marido contou, atinat, tudo 6 mulher, e tando ao lado delle principioa a ajuia-lo.
cahio morto. a j Mas o Curupira trabelalhou com tanta pressa
fc muito interessante esta lenda porque que acabou logo com todas, e errtao tomou
mostra que, ao menos segundo i crenca de a perna do homem e ponteagucoo-lhe o
alguns, o Curupira n8o 6" propriamente um pe
Na seguinte lenda as eonsequencias- foram
menos serias.
Um tapuyo foi pescar e vie um curupira
pescando na beira d'um po^o- meio secco,
no qual apanhava rauito pehte.
0 homem, que nada tinha feito na pesca-
caria, e que estava com mmta fomer se
approximou ao Curupira e pedio que Hie
ajudasse. 0 Curupira prestou-se prompter-
mente, e n'um momento apanbaram uin
rnonte de pequenos peixes.
0 homem agradeceu a seu bemfeitor ef
principia a tecer am panacii para leva-Io
a sua casa, mas o Curupira disse-lhe:
Deixe-me fazer o panacu ; e drepente
teceu um cesto tSo pequeno, que nem a
quarta parte dos peixes cabiam nelle, porem
o Curupira facilmente arrumou todo aqueb
le monte de peixes neste jmnacuzinho. De-
Sois de fecbal-o com cuidado entregou-o ao
omem dizendo: Toma e leva-o nas
costas para tua casa, porem, olha bem, nao
abras o panacii antes de HI chegares.
0 homem tomou o panacu e foi-se em-
bora. Pelo caminho ia perguntando a si
mesmo: Como foi possivel que Cu/u-
pira arrumasse tantos peixes neste panaou.
meritn ? /
E, assim pensando, parou, tirou o cest
das costas e collocou-o no ehao. AQiral,
vencido pela sua curiosidade, desatou o pm
nacu, quando de repente cabiram todos os
peixes. Em v&o procuroa meite-los no css-
tinho, mas, como d'antes, nao couberano,
e Ihe foi preciso ir busoar em casa um cesto
grande para leva-tos.
Os espiritos de Kabibooooka mandaram
Paupukkewis encher uos saccos de gelo e
neve, de leva-los A nm mono sem olbar
para traz e de la* deixa-lo& aid a manha se-
guinte. Assim fazendo achou no outro dia
os saccos cheios de peixe. Maoarbozko,
outro ente mythologico, quereado imita-lo,
olhou para traz, e na manha seguinte
nos saccos somente neve-e gelo.
Na Russia o povo acredita n'um espirito
do mato, o Lyeshy, que desencaminha- o
Tenbo cortado um buruco na barriga,
mostrou a Troll a fenda no sacco.
Nao te faz mal ? perguntou o mons-
tro.
Boots Ihe atlir.nando qne nenhum in-
cpmmodo Ihe dava, o Troll disse : Ent&o,
eu tambem vou me furar, e isto fazendo
morreu.
Vale comparar estas lendas cam a pri-
raeira historic do livro quarto da obra de
Aianasiru. Uma raposa vai ao buraco d'um
urso o come as gallinhas, que este guarda-
va alii. 0 urso chega, e pergunta A rapo-
sa o que fazia, e esta diz, que estava co-
l-mendo carne da sua testa, e da um pedaco
da carne dc gallinba ao urso, o qual
a coma com gosto. 0 urso entao ex-
peri menta cortar carne de sua testa e
morre.
N'uma lenda de Manabozbo, contada por
Schoolcraft, um servo grande, chamado
moose no inglez, corta um pedaco de carne
do hombro de sua mulher, sem Ihe fazer
mal, mas, Manabozbo, desejando imitar o
seu exemplo, quasi mata a sua propria mu-
lher.
A lenda amazonica conta que o Curupira
foi resuscitado pelo golpe do machadinho
(3) Pyd em tups quer dizer figado ou
coracAo.
() Propriameute esteril, aqui quer dizer
sem geito.
FOLHETIM.
L7CSECIA S35&IA
MEMQRIAS DE S'TMZ
POR
D. Hanoel Fernandez y Gonzalez
QUARTA PARTE
LUDOVICO ARIOSTO
III
m GINEBRA MALATESTA.
(Continuacao do n. 41.)
Desde o dia era que Ginebra leu os
seus versos, nunca mais deixou de me
fallar em si quando estavamos s6s.
Eu conhecia que a pobrezinha estava
enamorada, e isso causava-me pena, por
que, como suppor que succedesse o que de
um modo tao providencial os reunio T
Agora falta me exphcar a razdo d'esta
narrativa.
Por muito reservado que seja, Sr. Lu-
dovico Ariosto, conhece-se quao profunda-
raente o impressionou Ginebra.
O senhor nao e homem que para amar
a valer e para sempre, care^a mais do que
um momento, porque n'um momento sen-
te mais do que o geral dos homens em dez
moos.
0 senhor salvou Ginebra, ama-a, 4 jaw-
do, pertence Ihe ella de direito, e promet-
to-ihe que sera sua.
Se disse tudo isto, sefallei d'este modo,
foi porque camprebendi a situacao em que
se encontram, e o senhor, pelo decdro de
Ginebra, deve separar-se d'ella quanto an-
tes. Estimo o, respeito-o, admiro o, e nio
quiz que se separasse d'ella levando no co-
ragao uma duvida amarga, porque e muito
possivel que a nao tome a ver dentro de
muito tempo.
Comtudo, confie em mim, porque sei o
que devo fazer, e Ginebra seri sua esposa.
Sc eu nao estimasse tanto a ambos, apezar
de ter comprehendido a situagSo em qae se
acham, nio lhes teria dito cousa alguma,
ter-me-hia callado.
Agora, Sr Ludovico Ariosto, que Ihe
disse franca e lealraente o quj julguei de-
ver-lhe dizer, retire-so e espere que eu o
chame, o que nio deixard de succeder mais
tarde ou mais cedo.
Ariosto poz-se em pe\
NSo, disse Gibebra, n8o posso alentar
A esperjflca de que meu pai consinta no
viajante, mas este talvez tenha semelhanc^a
achou ao Ywrupari do que ao Curupira.
0 ente fabuloso que mais se seme I ha ao
Curupira d o Troll da Islandia e da Norue-
ga. Este espirito se apresenta sobre diver-
sas formas, mas ordinariamente com a do
um gigante. A famiiia dos Troll estd. divi-
dida em differentes classe.s Algumas sao
anthropophagas, outras bons diabos. promp-
tos a fazerem um favor & um homem. Os
Troll perseguem o viajante nas serras e no
meu casamento; em quanto elle for vivo,
n3o posso ser feliz.
Nao 1 rep'icou o marquez. Pois que,
querera teu pai que vivas sempre unida a
elle como a hera vicosa ao tronco annoso t
Pode muito bem acontecer que assim seja
com todos os diabos, e 4 muito possivel
que elle queira que fujas do oiundo assim
como elle fugio. Ah 1 nao succedera" as-
sim ; metteste-me medo, e eu, quando te-
nho medo, sou mais valente do que nunca.
Ora, visto que a noite e de a ventures gra-
ves e serias, continuemos as aventuras. Nao
sera tao somente o seu poema, Sr. Ludo-
vico, aquelle que narre seccessos nunca vis-
tos nem ouvidos ; algunsd'elles podem mui-
to bem ser uma realidade da vida. Diga-
me, nao seria tanto para estranhar, como
as aventuras da sua heroina Angelica, que
o senhor, tendo sahido de Ferrara solteiro,
regressasso alii casado ? 3
Nem sequer me atrevo a pensa-lo,
senhor, respendeu Ariosto que empallide-
cera subitamente. Pois que, ser-me-ha
permittido a mim, a quern a desventura per-
segue, possuir osse thesouro inestimavel ?
Ah I o Sr. marquez ignora a mudanca que
em mim operou esse anjo, e quao differen-
te estou do que era antes de o ter visto.
Ella illuminou-me a alma fria e cancada ;
senti o alento do seu ser, como a flor que,
gelada pelo frio da noite, sente o raio vi-
vificador do sol da madrugada.
Apenas a tinha visto, eja a conhecia ;
era o meu sonho, a minha musa, a minha
inspiracio, a minha alma. Ah I se eu a
possuisse I Oh I entao sim, seria poeta...
mas isto e um sonho, um sonho delicioso,
que se desvaneceri como um encanto. Nio,
eu nio posso ser tao feliz.
E porque nio ? disse o marquez enthu-
siasmado com a tirada logic* de sentimento
de Ariosto. Old, Giuseppe I
Na porta appareceu um criado.
Vai .chamar o meu capellao, disse o
marquez.
0 criado sahio.
Mas... consente, minha senhora?
perguntou com anciedade Ariosto dirigiudo-
sa a Ginehra.
Com toda a minha alma, respondeu a
joven.
E n3o receia quo seu pai...
Que mo importa seja o que for, se
sou sua, se me quer aceitnr porespusa t
Devagar, dev gar, disse o marquez ; 0
qu-) vamos fater n8o passa de uina loacura,
d ulpavel pela loucura do in u amigo Gu-
i).;-!), quo se ernpeuiwu em aonuliar-ie ;
mato, especialmente de noite, e o fazem
pefder-se. Nio obstante, sao estupidos e o
homem pode nio somente illudi Ios, mas
arabem mata-los.
A ordom e evolugio dos mythos dos es-
arit os da classe do Troll e Curopira, hoie
picilmente se entendem. Os aatores antigos
tacreditaram na existencia destes espirit,
mas, para o mythologista comparativo,
existem s6mente nas imaginajdds do p >vo
que crer nellcs. Os indios e outros selva-
genj, em toda a parte do mundo, creera,
nio sdaiente que os animaes tem almas,
mas que, tudo, ate as arvores e as pedras'
teem sua parte espiritual. Nos que sabe-
raos alguma cousa da coustituivao pbysi-
ca do sol, que e um globo immenso n'um
estado de fusSo ignea, em roda do qual
move a nossa pequena terra na sua orbita,
nio pensames d'um verdadeiro nascimento
quando dizemos : 0 sol nascel mas para os
nossos atepassado9 Aryanos o sol Dyaus, o
brilhaute, era um ente vivo que nascia na
manha. que corria n > ceo, e que amava as
nuvens e a terra. Hoje, reconhecendo as
lets da natureza, o sol para nds nio vrve,
nem pensa, nem ama. Materia mortff, e
sujeito i lei physics*
Hoje sabemos alguma cousa do que 6 a
eleetriciiade, algumas das maisimportant^s-
leis que regulam a forma^ao e progresso de
um temporal e9tio ji bem conb-icidas, e o
homem edacado ve ua troTOida uma exhibi-
cio magnrrrca das forcas da natureza, Pa-
rece inerrvel que hajam povos que pensem
qjie a trevoada e produzida por uma espe-
cie- de dragio.
Para n6sT que esta-mos livres de no^ies
supeVstieiosas,. e" muito dillicil de enteuder
perfeitamente as ide"as animisticas do selva-
gem ou do homem incuJto ; pars nds o my-
tho eas vezes absurdo f para elles e uma
vordadeira explrcacao da- natureza.
Quao-lo u.'n sdvagem q#ie ere m anima-
i;ao de toda a natureza anda no mato, nio
anda n'anu solidfte como am homem civi-
lisado ; ao contrario, tudo em redor delle
tem vjdftr Os pdos- olham para elle e ate
observam' seus paseos. A ardra, que de
repente espanta-o pelo seu grito ine>perdo;
a cutia, que corre ctebaixo do cerrado e
jevita as settas delles, e a ante; cujos rastos
elle descobre na areia na beira- do igarape,
dbaixo do* leques dbmiriti, tem como
ette uma alma, e como elle raciocinom.
Segue seu trilbo. mas-logo, entrando n'uma
parte da floresta que mal coaheee, o indio
perdeo caminho. 0 sol estd eoberto de ru-
vense nao ha meio dese-orientar. Proeu-
ra em toda a parte o eaminbo ; anda em
giroa. estd coafitso, e sente uma especie do
vertigem. the parece que u.ni influenei*
f6ra-de si estaeapoderado deltee procu>
rando desvia-lo !' E' o mato que quer des-
trui-161
Depois de bora$ de taoto errar consogoo
acbaco caminhe. Estd tivre, senhor de si,
e volta a casa para assim contar : Fui
cagar : o mato queria mo matar p me des-
vioo ; me confuodio, mai escapei e
sio.
no mato, murtas vezes acha rastos de gante
e segue por elles, pensando achar assim o
Assim nasce a idea de um espirito mate-
fico do mato. Com o curso do tempo este
espirito se toruaanthropemorphico. Appa-
rece em sjiuao ao indio e forlifica assim a
sua eronca. e logo elle- imagine ve-lo bo
mato. Tem naluralmente as toicdes de um
tapuyo, e, como prevalece a supersticao em
um* regiao grande, o indio. incapaa de
uma larga geoeralisaqao, ere que ha mui-
tos destes entes, e, como perseguem homens
e mulheres, eutende que sio de ambos os
sexos. A aoradia dalles ha de ser nos bu-
racos dos paos.
Nao sei como ortginou-se a idea se que
elles tem dentes verdes. Lembrar-se-ha
que os indios labruavam colares de oontas,
feitas nio sdmente dos dentes de macacos,
como tambem dos do homem. Usavara
tambem eoutas de-uma pedra verde, o-;'ade
E' possivel que hoja uma coniiexia. entre
estas contas de pedra verde, cuja. origem
ignora.wm e os dentes verdes do Curu-
pira.
A nice, que o Curupira tem os. pes a-
avessas originou-se provavelmente da in a
neisa seguinte : O caminhante, confuso
porem, encerre-se esta loucura dentro do
circulo das conveniencias, antes de pronun-
ciar, perante Deus, o juramento solemne
que os ha de unir a ambos ate a morte,
quero que me jurem que este enlace per-
manecera profundamente secreto, e quo
emquanto durar esse segredo, serao estra-
nhos um para o outro. 0 Sr. Ariosto nio
procurara* Ginebra exactamente como se
nao a conhecesse ; e necessario evitar des-
gracas ; o meu amigo seria capaz de amal-
dicoar a filha, e Deus quer que se cumpra
a maldicao dos pais.
Ah I nio 1 exclamou Ariosto. Juro
pela minha alma que cumprirei com o que
exige de mim.
ObrigadO, Sr. Ludovico, obrigado, re-
plicou o marquez; e digno d'ella, assim
como ella e digna do senhor. Nio tem de
esperar muito tempo ; o meu pobre amigo
tem jd um pe no tumulo, e por tanto nio
tornemos mais amargos os ultimos dias de
sua vida.
Yaquelle momento abrio-se a porta e
entrou um sacerdote.
0 marquez dirigio-se para a porta, fe-
chou-a e disse :
0 que vai ter lugar aqui deve ficar
envolto n um segredo tio sagrado como o
da confissio ; padre Bernardo, apresento-
lhe o Sr. Ludovico Ariosto.
Ah I exclamou o sacerdote, o orgu-
lho, o thesouro de Ferrara I Bemdito seja
Deus que me concede o prazer de o conbe-
cer e a honra de Ihe fallar.
Agradeco-lhe de todo o meu coracio,
disse Ariosto, cuja modestia soffria com
os elogios.
Vamos ao assumpto do segredo, opr
seguio o marquez. Unac^comad
Deus estes dous namorados, padre Ber-
nardo.
Com toda a minha alma, replicou o
sacerdote.
Dez minutos depois, Ginebra e Ariosto
j eram esposos.
0 narquez collocara sobre a mesa \ apel
e tinteiro.
0 padre Bernardo escreveu am attestado
! em duplicado eo marquez assignou como
testemunha.
Depois entregou um dos attestados a
Ariosto, dizendo:
Guardo o com cuidado como *u guar-
darei este outro que fica em meu poder e nio
se esqneca de cumprir o juramento que pro-
nun eiou. Agora tetire-se, que ji e tem-
po.
Ariosto apertou Ginebra de eacontro ao
peito, estendeu a mao ao marquez e ao pa-
dre Bernardo, e sahio em siloncio, porque
estava tao commovido que q8o podia fallar.
Em seguida montou em um dos civallos
do marquez, e, escoltado por dez homens
de armas, vultou para Ferrara.
Depois de penetrar no seu aposento do
palacio ducal, balersm dez horas.
Era tempo ainda de recitar i Lucrecia o
ultimo canto que tinha coraposto, de Or-
lando Furioso. Porem Ariosto n8o se
lembrava d'ella, nem de mais cousa algu-
ma.
Cbegara machinalmente ao seu aposento;
o quelheacontecia, parecia-lhe um sonho.
Ah I nio, estou acordado I disse elle
tirando do peito o documento que Ihe ea-
tregara o marquez, de Viati. Eis aqui a
prova de que ella 4 minha, que me perten-
ce I... Quern sabe se a tornarei a ver ?
estou ligado por um juramento terrivel I
N'aquelle momento chegou um gentil-ho-
mem da gran-duqueza, dizendo que aquel-
la o esperava e o mandara chamar jd duas
vezes.
Ariosto fez um movimento de despeito,
tirou o rolo de papel que tinha ainda na
escarcella, e, pela escada particular deser-
vico, desceu aos aposeatos do grio-duque,
passando par elles para a camara de Lu-
crecia.
IV
DE COMO ARIOSTO, 00MISAD0 PELO AMOR, ERA
MAIS FRACO DO QUE ELLE JOLGAVA.
A primeira cousa que o olhar perspicaz
de Lucrecia notou, foi que o trajode Arios-
to era descuidado, o que nio succedera ate
alii, pois qae revallava sempre am grande
esmero. |
Lucrecia, pelo contrario, estava vestida
de um modo voluptuoso, e roclinava-se in-
dolaatemente n'uma grande poltrona.
Os seus olhos g rcos tin ham como que
uma sombra ardente que parecia projectada
pelas suas compridas e espessas pestanas.
Apezar de ter sido tres vezes mii, conser-
vava a elegancia e a morbidez das formas.
Conservava a sua apparencia de anjo lan-
guido e tentador.
N'uma palavra era uma deusa humaniv
sada.
Os sous admiraveis e sodosos cabellos
castauhos, cahiam-lho em anneis sobre os
hombros.
Um magnifico collar de perolas Ihe ro-
deava a garganta esbelta e artisticamonte
torneada.
Tinha os hombros descobertos por um
decote exagerado.
caminho, mas estes o guiam na direccao
contraria i qual queria aeguir ; logo des-
apparecem inteiramente e o deixam perdido.
De certeza os rastos nio eram de geute, mas
sim do Curupira, cujos pes bio de ser is
avessas para pelos rastos onfundirem o que
os acha.
A especie de vertigem sentida pelo cami-
nhante quande se ve perdido, e* sem duvida
a causa da superst cao, que o Curupira ap-
parece de repente como uma so .obra dian-
te dos olbos dq um bomem. 0 mytho do
Troll que persegue os islandezes que descem
os precipicios para apanhar ovos e passaros,
originou-se provavelmente na vertigem sen-
tida por um homem quando se acha em
grande perigo.
N'uma historia por Hans Andersen, a
Fisjotpfru ou Donna da Gtleira, tem uma
SBctaria chamada Svimlen ou Vertigem,
mas nio sei se realmeute existe na Suissa
um mytho da donzella da geleira, ou se a
historia originou so com o celebre escriptor
dinimarquez.
0 Curupira e propriamente malefico, mas-
oomo ji disse, nem sempre maltrata os que
caem nas suas-mios. Nio 6 todo poderoso,
por meio de intelligencia superior, de
engano, ou de aturamento frequentemente
oscapara osseuscaptivos.
O Curupira pd-ie se mostrar como uma
especie de bom droop, porque as vezes o-ca
cador, perdido, errante e suppondo-se in-
flurdo pelo espirito do ma to, inesperada-
m ente acha ca$a, mata-a o, encontrando
depois o trilho, volta- carregado aos sens
lares e ahi contaria, sem duvida, como,
cacando no mato, tinha encontrado ura
Curupira que o maltratou, guiaiido-o em.
lugares perigosos ; como soffria fome e es-
tava quasi para morrer quando Curupira
nao somente Ihe mostrou uma band j de
porcos, mas eiicaiitou suas settas que nao
erraram. Depois o Curupira o metteu no
caminho, pelo qual sabio do mato. Dahi
proceJeu o mytho que o Curupira is ve-
zes* da ao homem Qechaa que nao- erram o
alvo. Semelbantes settas ou lancas na my-
thologia Aryaoa tern uma origem solar.
Na minha opiniao o mytho do Troll ori-
ginou-se da raesma maneira como o do Cu-
rupira. 0' eaminhante, perdido no ma-
to, bos roebedos ou nos precipicios, se ima-
gine influi lo pelo espirito do logar, que o
quer destruir. Como o Curupira, o Troll
as veies e beneScente, mas e sempre peri-
goso de se arriscar nas raaos delle. A cor-
respozdencia entre as lendas do Troll, e do
dos aatores em procurer deeompdl-os e
perfeitamente contrario ia lets da philolo-
gia Muitos noraas faci'meota m enten-
dem, como por exemplo : Tacardt&ba, Itov-
tuba etc., mas as palavras Ntcthtroi, Per
nambuco, Itaquaqvtcetuba forneeem pro-
blemas quo ninguem ate agora tem expli-
cado. Lembrar-se-ha que no Brasil, como
n'America do Norte, nomes proprios anti-
gos, no primeiro lugar, quasi sempre teem
mudado mais ou menos de forma, dp ma-
neira, que nem sempre o indigena eoteoJe
as suas significacoes. 0 conquistador do
paiz, adoptando os nomes geographicos,
os mula de pronuncia, e a palavra muitas
vezes torna-se um enigma, que, na falta de
dados bistoricos, ninguem pode expliear.
Por exemplo, na In^laterra ha um lugar
chamado Shotover. i'ois como o nome
parece co.nposto de duas palavras "r/im
que querem dizer elle atirou por eima, o
povo diz que o logar e assim nomeado por-
que o celobre Little John atirou uma fre-
cha por cima d'um raorro na isinhanc ,
mas a histofia nos nsostra que recebeu sen
nome d'um chateau vert que existio anti
gamente no- lugar. Shotover e Chmliuu
vert teem quasi a mesraa pronuncia.
Um outro eiemplo. Distante da villa de
Ithaca, onde escrevo, ha uma estacAo na es-
trada de ferro do Erie, chamada OwegD,
esta palavra pro*uncia-se-o-in-^o; no eotan
to qua tem sua origem zo none indigena
Ali-wa-gi I
Existe na Bibh'a um erro- curioso feilo
por Moyses. Babet quer dizer prspriamen-
,te a Porta de Deu* ( Hob-til), mas o pro-
pheta, que nio era philologista, ignorando
isto, penaou que veto do verbo balal, con-
fundir. N-'este errc- originou-se a- legeoda
da confusao das liogoas.
DB1SPRD0ERCIA.
V RES PEITO BO SKGOCIO DO MARECZAL MMniM
EX-COMMANDASTE EM GMEFE DO EXHMUTO
DO RHEMO.
ACIUESCIA-DE 15 CU ROVEMZRO
( Conlinw-'.ao )
Curupira, naoe devida a uma origem cora-|i n __juiKo
mum, mas sim ao facto que as ideas-da na-
tureza sio as mesmas em o todo o mundo,
entre selvagens do mesmo estado de cultu-
ra, e, quo o mytho em toda parto se desen-
volve segundo a mesma-lei geral
0 Mfj-tho do Curupira varia muito em.
differentes localidades. Este espirito e sem-
pre uma sombra mysteriosa e ninguem tem
volteii-uma iiea perfeitamente clara da sua fjr.na
oattributos. A um lado confur.de-se com
seu intirao parente o- Caapdra, ao outro
com o terrivel e anthropophago Jurupari,
( Yurwpari na lingua geral), mas este e
um ente maligno, ordinariamente um ver-
dadeiro demonio, ou especie de lobisho-
mera, que apparece as vezes sob a forma
humane, mas que pode se transform a r em
algum bicho feroz do mato que gosta de
carne de gente.
Dos- mythos do Jurupari, da Qjdrs a e do
outros. entes fabulosos do Amazonas e do
Brasil* hei de fallar-n'um outro artigo.
Quanto d origem do nome Curupira nada
sabemos- com certeza. Tem uma> seme-
Ihanca a Kad^dra e tambem Yurupard e
como estes entes provavelmente sao paren-
tos, e tambem provavel que um seme-
lhante parentesco exists entre os seus
nomes. Curupira e Yurupari sao palavras.
antigas e sem duvida muito alteradas. de sua
forma original. Na falta de dados bistori-
cos, vale pouco ou nada uma roera ad.ivi-
abacao da sua compo&icao.
Depois de um estudo particular do*, no-
mes geographicos do Brasil, estou conwen-
cido que o methodo seguido pela mdr parte
O general Powxet.Foi a 17 do- sattzt
bro que o marecbal recebeu umacardaao t
prinetpe Frt^dertco Carlos F
R.Nio me letnbro da data dessa earta.
P.Todos os officiaes se lembram dessa
0 ; carta j sois v6s o unico qoe vos esqueeeH
quo nessa earta o prinaipa
Sobre os cabellos brilbava um formosissi-
mo diadema de brilhantes.
Oseu trajo era uma tunica de damasco
azul coleste, bordada de prata, e, como
comacava a fazer calor, tinha os bra$os DOS,
meio velados por largas mangas de rendas
brancas.
Ariosto empallideceu quando vio a, por
que nunca Ihe parecera tao Formosa.
Nunca o seu olhar tivera uma expressao
tio languida, tio indolente, tio tentadora.
0 poeta aterrou -se.
Comprehendeu o diflicil; da situacao, e
desconfiou de si mesmo, apezar de Ginebra.
Comprehendeu que se Ginebra era a sua
alma, Lucrecia era o seu inferno desejado,
a sua paixao volcanica jiraais satisfeita, o
ideal realisado da fada voluptuosa que lbe
inspirava o seu poema.
Ariosto sentio-se desgracado.
Em Ginebra encontrara as suaves, as
puras, as iueffaveis aspiraeoes da sua alma.
E o destino separavo-o de Ginebra. .
Em Lucrecia fallava o seu archanjo de
fogo, a paixao, o delirio, o transporte, a
grandeza subjugada ao amor, a grande in-
telligencia acariciando a sua intelligencia ;
a fada de um paraizo desconhecido, a febre
do coracao, o sonln da alma.
E, comtudo, o seu dever, a sua honra,
a sua conscieocia, impediam-n'o de entrar
n'aquelle paraizo, e de cahir nos bracos
d'aquella fada.
E seotia-se sem forcas para desempenhar
o seu duplo dever ,de esposo e de homem
agradecido.
Sentio-se arrastado por uma fascinafio
invencivel e inevitavcl.
Tremia, e Lucrecia continuava fixando
n'elle o seu olhar ardente.
Nem Ariosto fallara, nem Lucrecia pro-
nunciara uma unica palavra.
Decorreram assim alguns minutos.
Ariosto, pallido, estremecendo e contem-
plando absorto Lucrecia.
Lucrecia iofiltrou n'elle o veneno do seu
olhar.
Houve um momento em que nos olhos,
na bocca, em toda a physionomia de Arios-
to, se uu nifostou uma expressio de alegria.
Em seguida, obedecendo mats a um po-
der magico, do quo i sua propria vontade,
cahio aos pes de Lucrecia, pi-gou-lho nas
maos e levou-as aos labios convulso*.
Ate que afinal I disse Lncrecia com
um" inflexio que. produzio em Ariosto um
effaito mortal. Deixe-sede versos, seja poe
li para mim s6 ; exhale loteira a sua alma,
nus Bio para que vd derram:r-aa por entre
Fredevieo Carlos confirmavaaa marachal os
aconteetmentos quo se tinhorn passado em
Franc*.
0'general Provsard.0 eorpa de exer-
cito qae eu commandava- nos primeiros
dias de setembro, oocupou-se da sua izatal-
lacao. Nio se eozprehendza nda serio ate
ao dia 1-2. Foi naaso dia que soubamos
officia-lmente dodesastre da Sedan, cuja no
ticia nos tinha jA.sido trazidA pelos prisio -
ros o^ue foram trocados. O marechal reu
nio nos no quartel-generat, e deu-not ao -
nheeimento dos aconteciraontos de Parts;
fez nos saber a eomposicic do novo governo
que se chamavi governo da defeza naek>-
nal e convidou-nos a coaservarmo-nos
o mpre firmes e corajosos,
\ 26 de setembro, no momento am ape
eu ia receber aa-ordeus do marechal, pBr-
guntcu-me se eu tinha coahecido- na casa
da imperatriz um personagem chamado Re-
gpier. Respondi-lhe quo nio. Er.lao fe/
me saber que tinha chegado ao qiarteJ-ge-
neral, dous dias. antes, um individuo da-
quelle nome, mandado pela imperatriz, a
qual pedia que se Ihe manlasse e- general
Bourbaki, ou o marechal Canrobert, e que
o general Bourbaki tinha partido na vespa-
ra Eis aqui tudo quanto subedoincidenle Ra-
gnier. Devo.comtudo accrescentar queo ma-
rechal nio parecia ligir grande importancie
i partida do general Bourbaki: nio via,
nella mais que um meio de obter um ar
mistioio, ede chegar a uma paz mais favo-
ravel.
(CoHtxnuar-st-ha, ;
I-
I
1.

o vulgo ; renunciapor um momento I glo-
ria, e sacrifjque-rae alguma cousa da sua
inspiracdo.
Seri como quotes, deidade terrivel,
deidade que transforms^ aquelle em quern
fixas benevo'.amente o tea olhar.
Por Deus, Ariosto, replicou sorrindo
Lucrecia, isso que acaba deiMjzer a esluda-
do, e por consequencia pobre ">-4nsipido.
Acredite, Ariosto, que e sd grande qti^ndo
obedece ao poder occulto q e existe em'Sk.
transfigurado, inspirado por elle, por elle
convertido em um ser sobreoatural ; mais
do que homem e pouco menos que um
deus.
Ah I senhora, nuaca a ouvi fallar
d'esse modo.
Porque me nio comprehendeu nuoea,
ou antes porque nio fui nunca para si o
que desejara ser, isto e, a causa da sua
inspiracao. Nio, em mim tem visto unica
mente um poder da terra, uma protectora ;
nio comprehendeu ainda que teuhu uma
alma que sente, uma alma que admira, e
que admira com eothusiasmo. Nio com-
prehendeu que eu, quatro vezes casada,
gastei o coracao sacrificada pela ambicao da
minha famiiia ; qua tenho sonhos sombrios,
que nunca vi em torno de mim sonao am
bicoes ioteressadas ; que, obrigada a des-
preciar tudo qaanto tenho conhecido, na-
cessitava gozar o quer que fosse de puro,
grande, immenso, embnagador, delicioso,
impossivel ; ter minha uma alma da poeta,
uma alma pura que compraheodesse o amor
como eu o comprezendi sempre, como ad o
gozei uma vaz, a ainda assim de am modo
ecsasso.
Lucrecia oaltou-sa ; recostou no fwpaldar
da cadeira a cabeca, deixando completamen
to a descoberto a garganta admiravel, a
nxou o sen olhar lucido, intooso, como qua
entregue is suas ideas, na formosa alagria
mythologica, pinUdi no tecto da camara.
Depois, com vox suave, cadeociada,
te, como se fallasse ratasigo mesmi
contou:
Affonso era ua criioca animada por
am espirito angelic* t nio amava a minha
formosura, ardia na minha alma ; eu era
tudo para ella : n.4i, trmi, esposa, aman-
lo, rdo, otcrnidada. Aquelle anjo envolvia-
mo no sou alento puro ; prategia-me com
as suas azas brancas ; era o primeiro oasis
no ardente dos.ajo da minha vida, e en en-
tao era um anjo como MIh, nm anjo qua
havia passado por um inferno.
(ConlirtU'V-sc-ko .1

f wiiiMr~i