Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18346

Full Text
ANNO 1. NllERO 42 .*73I A ml wi [2 o

V
t*

>
,-'
/
>
/
I
it
I
*'
PARA A C4PIT4IE LUG%RGt ^pg YiM,P4(.
for tras metes adiauudo..
for 9eis ditos idea.
4*or um anno idem.....
'Cada Qumero avulso. .

.

. *<>
6*000
139000
a4ooo
320
.*! Ar\
S*i4D0 2% BE FEVEKBO DE 48-74

4

' mm de
for tres mezes adiantados.
For seis ditos idem .
For nove ditos idem
Far um anno idem;

6*75*
ISM0
379000
PR0PR1EDADE DE MANOEL FICUEIROA BE FARIA ft FILHOS.
Sr.. Geraxdo intonio Ahead FUhos.no Para.; Goncahea ft Pinto,'no Maranhio; Joaquim- Jose de Oliveim AFilho. no Ceara; Au^nio de Lem, B*aa*. oo Aracatj ; Jo*. Hdri. Julio Ch***, no Asao; Antonio Marqoe. d*Sil*..noH.tal; Jose Justine
Pereir* d'Almeida, em Mamaaguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose Gome., nm*fo Penha; Be'annino dot Santo. Buleao, em Santo Antao ; Domingo. Jose da Costa Braga, em Snzareth;
Autonio Ferreira de Aguiar.em Gojanna; Joao Antonio Maebaeo, noPilardasAlafia.; Alve. sC.u Baaia; e Leite, Cepquiaho d C. no Rio de Janeiro.
PMTE OFFICIAL
Cioverao da pn\ iucia.
EXPEDIENTS CO BU 3 BE DEZEMBRO DB 1873.
2.* SeCCHo.
Actos :
0 presidente da provincial a vista do offl-
cio do Dr. chefe de policia, n. 1927 do it do
mez proximo passado, resolve exenerar Jns# Ru
fiao de Miranda do cargo de delegade do tenno
da Limoeir<).
0 presidents da provineia, de conformidade
com a proposta do"Br. chefe de policia em offl-
cio n. 19*7 de 2J do\mez proximo pa>sala,
lewlve nonpar o alferes\Joa|uim Appriaio Roza
da Costa para o cargo ft delegado d i terrao do
Limoeiro. -\
O presidente da provided, de conformidade
com a proposta do commandme do b itainao n.
40 de infanUria da guirda nJpienal di munici-
oio de Ipojuca, resolve a visti* do disposlo no
art 65 da lei n. 602 de 19 do s#tembro de 18V),
privar do pasto de alferes, par* o qua! foi no-
meado, o guarda Yfanael de Bassos Cavalcante.
O presidents da provineia;. altendenda ao
qae requereu o alferes do BaUl\*J .a. >l da
guarda nacional do municipio do Limaeiro'^ Hen-
rique da Silva Ferreira Rabelle Filh >, e a iutaV-
macao do commandante saperior resp ctivo em
.licio de 19 do mez proximo passado, resolve
que se I ha de a guia^de que trata a art. iSdo
decreto n 1J3) de_l| dj flMjy tfl rfflTT para o
ii" Nazareth, onde reside.
0 presidente da praviuci*, alleudenla a
proposta do commaadante do baUlhaa n. 40 da
guards nacienal do municipio de Ipojuca, sobre a
q:ial informou o respective commandante supe-
rior era offlcio n. 105 de ti de outubro proximo
passado, resolve, de conformi-Jade com o disposlo
no art. 48 di lot n. 602 de t9 de se;etnbro de
4350, nomear .para o dito batalhao os officiaes
saguiates :
Estado-maior. Tenente cirurgiao, o guarda
Jos Antonio Pereira Junior.
1." companhia.Alferes, o guarda Bernardino
Alves Neiva. .
5. companhiar-Alferes, o gaarda DjanagM
Ueonidas da Costa Albuiuerque.
3.' compaahia. Alferes, o guarda IUefonso Joa-
(iaim dos Passus.
4.' companhia. Alferes, o guarda Augusto
0atra- ^ r- i
6.* companhia. -Capitao, o tenente Jose Uval-
caote de Souza Leao ; tenente, o alferes lldefonso
Henrique do Rego Barros.
7.' companhia.Capitao, o tenente do batalhao
41. Domingos Oavalcante deSouza Leao.
8.' companhia. Tenente, o alferes Theotonio
da Silva Vieira Junior.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.Inforrae V. S. si
procedeu se ao exame no cadaver da preta, de que
trata o Jornal do Recife do I* do corrente, como
-eudo sido entorrada em Carsuipe, com suspeita
U haver siJu ajoauiaaJa
Ao coraraandante superior do Umoeiro.
Minde V. S. dar ao alferes do batalhao n. 21 da
iufantaria da guarda nacional do municipio do
Umoeiro, Henrique da Silva Ferreira Rabello Fi-
Ino, para o de Nazareth, aonde reside, a guia
de que trata o art. 45 do decreto n. 1130 de 12
de marc,o_de 1853.
j ju'Z ^ direito de ta1
ratu' .Em res-
mez proximo
oin i primeira
Jyidenciar para
carat
ply
i>o;ta ao oflicio de VrSr^de 22
passado, teuho a dizer Ihe que
auioridade da com area, deve
que cesse c estado anmnalo, a .
coQvindo que, sob o pretexto de falta de gatiaUa
sua pessoa, adie indeiiaidamente a reunfau
do jury, com detrimenio dos Jireitos que assistem
aoe infelizes presos ; cumprinJo neste caso reque-
rer aos command into- da guarda nacional a
forca que julgar couveniente para repellir qual-
qu^r attentado contra a sua seguranca individual.
3.' sec coo.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria^ de fazenda.Auto-
riso V. S. a pagar a empreza de illuminacao a
gaz a quantia de 1764400, constante da conta jun-
ta em duplicate, importancia do gaz consumido
no quartel da companhia dos a.rendizes artifices
do arsenal deguerra, relative ao trimestre do ju-
Iho a setembro proximo, como solicila o respectivo
director em offlcio de 1 de dczembro sob n. 534.
Ao mesrao.-Ineluso remetto a V. S. o docu-
mento passado pelo commandante do 9 batalhao
da inlantaria, para que essa thesouraria pague ao
cabo de esquadra Antonio Joaquim Pereira, man-
dado incluir no estado effectivo do 9 batalhao de
infantaria por portaria U > ministerio da guerra, de
15 de marco do corrente anno, publicada na ordem
do dia da repartic,ao do ajudanto general, sob n. 927,
de 27 do mesmo mez, a importancia dos objectos
eoustantes do mesmo documento.
Ao mesmo. Mande V. S. pagara empreza de
illuminacao a gaz,, a quantia de 304600, constante
da conta junta em duplicala, importancia do gaz
consumido durante o trimestre de julho a setem-
bro proximo passado no quartet da cempanhia de
operarios militares do arsenal de guerra, conforme
solicitoa o respectivo director em offlcio de I do
corrente sob n. 535
Ao mesmo.Mande V. S. pagar, nao haven-
do inconveniente, a Jose Carlos da Silva a impor-
tancia constante.das follias e pret junt >s em dupli-
ca-. a,s*''4mento da villa doJAguas Bellas, cor-
respondente aos Uicr>^. -jm0j pajjados, confor-
me solicila o respectivo comitiauu*nt4 juqp-'1 *
offlcio de 19 do novembro ultimo.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Tendo em considera^ao um oflicio da directoria das
obras publicas, datado do 1 de dezembro, sob n.
421, autoriso Vine, a entregar ao thewureiro
daquella repirticao a importancia de 6.000/000,
constante do pedido junto, para occorrer as despe-
uz com as obras a cargo da raesraa reparticao.
Ao mesmo.Atteudendo ao que requeren
Vicencia Alves de Carvalho Dacia, professora no-
rneada para a cadeira de Afogados de Ingazeira,
oesta data concedi. que lhe seja adiantada a quan-
tia de 400/000, na forma do art. 23 da lei n. 598
de 13 id niaio de 1864 ; o que coinmunico a Ymc.
para os devidos effeius.
Ao mesmo.-Attendendo a que o professor da
povoacao de Goianninha, Miguel Archanjo da Sil-
va Braga, deixou de exercer as fnnccdes do roagis-
terio no mez de novembro ultimo por motivo de
moleslia grave, segundo provou com atlestado me-
dico, tenbo resolvido oue scjam abonadas as fait is
dadas pelo mesmo professor naijuelle met; o que
communico a Vmc para os devidos effeitos.
Ao mesmo. Tentio em vista o que me expoz
essa ttiesouraria cm Mela de 12 Jo -eterjibro des
te anno sob n. 393, reTativd ao iot|uerimontj do
vigario da freguezia de Caruarii, Antonio Freirede
Carvalho, no qual peJe a esta presidencia ant ri-
risacao para despeoder com as obras da matriz da
diia freguezia ate a importancia do beneflcio da 5'
parte da loteria concedida para essa obra, deposi-
tada nessa thesouraria ; tenbo a dizer-lhe que po-
de entregar ao mesmo vigario a dita importancia,
depois de prestar as respectivas comas.
4.' secc.do.
Actos :
geral da instruccao publica em offlcio de 29- Je
noveiybro findo} sob a. 3io, resolve conceder-lhe
dous mezes de licenca, com veucimemos na forma
da lei, para tralar de sua saude.
0 pruai Junto da provineia, em vista do aviso
do ministerio do imperio, de 13 de setetnbro do an-
no proximo passado, resolve nomear o proprieta-
rio Manoel de Barros Waudoriey e o Dr. Silvestre
da Rocha Wanderley para mombros da commis-
s.to encarrogada de' promover donativos para a
edificacao de uma escola de iustruccaj priuuria
na villa de Barreiros, era substituicao dos Drs. Se-
bastiio Antonio Accioli e Paolo de Amorim Saiga-
do Neto.
Olfloios :
Ao director geral da instruccao publica.Era
respost.i a consults que fez essa directoria em ofli-
cio de i"> de novembro ultimo, sob n. 342, tenho a
dizer que ao vigario de S. J o destacidade, cone-
go Jo,io Jose da Costa Ribeiro, cabe substituir o
delegado litierario daqudle districto, nao obstaute
nchar-se suspense de ordens e beneficio pelo Exm.
diocesano, visto como taes funce-oes sao inteiramen-
te distinclas das de qae se acha privado o referi-
do vigario, em vir'.ude de seu estado sacerdotal.
Ao mesmo. -Tendo era consideracao os mo-
tivos impi-rios-is que obrigaram o professor da po-
vuacao de Goiaaninha, Miguel Archanjo da Silva
Braga, a deixar de exercer as funccdes respecli-
vas durante a mez de novembro ultimo, tempo em
quo cstjvf iSra.'.ylamento de incommodes graves,
seguado evidenciei"" .'' documentos que me apre-
se/ffoa, resolvi nesta dau" iCc'.P.'ar abonar as faltas
dadas pelo referido professor n'aqueiilj URez,; _o paa,
communico a Vmc. para sua int .-lligencia e devi-
dos effoltos.
Poriaria:
A' 111 ma. camara municipal da cidade do Re
cife.Tendo em consideracao oque expoea lllraa.
camara municipal do Recife era offlcio de 26 de
novembro ultimo, sob n. 115, autoriso a raesraa
camara a despender a quantia de 2:700/800, men
cionada uo referido offlcio, com a compra do so-
brado de d jus an dares, sito na rua do Amorim n.
19, visto achar-se esse predio.bastante arruinado,
com grande prejuiso aos traaseuntes, e ter de des-
apparecer daquelle lugar, segundo a planta da
cidade.
EXPEBIENTE DO SECRETMUO.
1.' seccao.
Offlcios :
Ao director do arsenal de guarra. De ordem
de S. Exc. o Sr. presidente da provineia, commu-
nico a V. S. que autorisou-s9 a thesouraria de
fazenda a fazer o pagamento a empreza da illumi-
nacao a gaz da importancia do gaz consumido no
quartel de aprendizes artifices desse arsenal no
trimestre de jtrftfo a setembro proximo findo, como
solicita V. S. em offlcio do 1* do corrente, sob n
534.
Ao mesmo. -De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provineia, communico a V. S. que a
thesouraria de fazenda esta autorisada a pagar a
empreza da illuminacao a gaz a importancia do
gaz consumido nesse arsenal durante o trimestre
de julho a setembro passados, como solicita V. S.
em offlcio de 10 do corrente, sob n. 535.
-~. 3*. secgao.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia De ordem de s.
Exc. o Sr. presidente da provineia, transmitto a V.
S. otitulo junto de nomeacao do delegado do ter-
rao do Limoeiro, de conformidade com a proposta
de V. S era offlcio n. 1,927, de 22 do mez proxi-
mo passado.
Ao commandante superior do Recife.O
Exm. Sr. presidente da provineia manda declarar
a V. S., para os devidos fins, que por portaria de
hoje foram nomeados para o batalhao n. 40 de in-
fantaria da guarda nacional do municipio do Cabo
Os-omtftcrSoaslantes da relaclo junta, de confor-
midade com a ffjoj)'"'* que veio annexa a seu
offlcio de 14 de oulub proximo passado
Ao commandante superior io Bora Conselho.
De ordem de S. Ex^. o Sr. presidente da pro-
vineia, communico a VV S. que autonsouse a the-
souraria de fazenda a *8ar a Jose Carlos da Silva
a importancia do pret dJVJestacmanto da Vllla de
Aguas Bellas, conforme ln,-'>0 de V. S, datado
de 19 do mez proximo pas-
Offlcio : ,. *
Ao engenheiro chefo _reparticao as
publicas.De ordem de b- &r- presidente
da provineia, communicoaV- S. qae deu-sc op-
data e da determinacio do tempo do venciraento.
Ao mesmo.Oi nrauoicando-me o consul 4a
repuWica Oriental do Uruguay, Antonio Valentinv
da Silva. Barroca, haver, de volta da Eurtpa, re-
assumido houtera o exeruieieio das fuac(das do
seu cargo, assim o declaro a V. 5. para seu co-
nhecimento.
Ao commandante superior do Rqcife. -Nesta
data determine ao Dr. c lefe de policia que recon>
meads aos subJelegados das diversas freguezia*
da provineia qne reraetu a V. S., bem como aos
demais coramandantes supenores, relates dos ci-
dadaos residentes nos respectivos districtos, com.
as declaracoes exigidas pela- lei, atim de quo seja
feita a nova qualificaga >, nos termos e em teiapo
marcado pelas leis anteriores.
Ao juiz municipal do Bora Jar Jim.Trans-
mitto a '/in;., para os devidos Has, o terrao do in
ventario e arrecadagao do espolio do vigario An-
tonio Hygino de Hollands Cavalcante Chacons fal-
tecido em Portugal, com testamento, qne lamb^m
iaeluso lhe envio, bem como o couhecimento do
recebimento do referido ejpolio, que nundou-se
arrecadar. '
As commandante do corpo de policia.JVJde
Vmc. eliminar do corpo 'sob o seu commaulo a
praca Manoel H.lario da Silva, de quem trata o seu
offlcio n. 631, de 3 do cetrente, visto, por doeate,
nao poder continpar a servir.
3.* seccno.
Acto :
0 \ provineia, usaudo da facul-
dade .- 37 da lei n. 1.U5 de 17 de
.imd'j' uo te, resolve autorisar para as
fins da raesu.. ... 38, e por conta do erapres-
time de 4,000:000a, emissio de 1,000:000/ em
apolices ao par de 7 por cento ao anno, cujos
resgates e juros serao regulados pelo regulamento
de 3 de dezembro de 1870, que sera exten-
sive, no que for appli cavel era suas disposieoes a
esta emissao e qnatqi ter outra qne the succeda,
nos termos da refe' da 1 i.
Offlcios:
Ao inspectibr da thesouraria de fazenda.
Coramanicando-me o con-ul da republica Orien-
tal do Uruguay, Antonio Valentim da Silva Barro-
ca, haver, de volt a da Euro^a, reassumido honlem
o exercicio das fu ncc3es do seu cargo ; assim o
declaro a V. S. p ara seu conhecimento e aura de
o fazer constar ac inspector da aKandega.
Ao mesmo. Autoriio V. S. a maadar pa-
gar a Firmino J Me Rodrigues Ferreira Junior,
que esta exerce ado interiuamente o lugar de
guarda da saude\do porto, no empedimento do
effectivo, os venclimenlos que lhe competirein,
era quanta durar q respectivo exercicio, como soli-
cila o Dr. inspector! da saude do porto era offlcio
de 1 do corrente. 1
Ab mesino.C'.ommunico a V. S, para os de-
vidos fins, que a 8 die novembro proximo passado
assumio o bacharel JManoel Rolira da Alencar, o
exercicio do cargo de; Juiz municipal e de orphaos
do termo de Ouricury,\eutrando logo no da juris-
diccao da vara de direit^y da comarca de igual no-
me. i
Ao mesmo.Ctmniuinico a V. S., para os de-
vidos tins, qne em offlcio> de 27 do mez proximo
paisado declarou o desorabargado^ Jose Nicolao
Hftjmoii'ft G->3 oiirj a reraO';ao qrJB lhe fo'
dada para a relaeio da Portaleza.
Ao mesmo. -Comihunico a V. S., para os de-
vidos fins, que a 30 do/mez proximo passado dei-
xou o bacharel Maaoel'Annes Jacome Pires, juiz
municipal e de orphaos do termo de Agua Preta,
por motivo de molestia, a jurisdiceao da vara de
direito da comarca de Palmares, qu^ exercia in-
terinamente.
Ao mesmov-0 juiz de direito Manoel deCal
das Barreto era offlcio de *. do corrente declarou
acceitar o cargo de chefe de policia da provineia
da Parahv''. para o qual foi nomeado por decre-
to de 22 Je novembro ultimo ; o que decla-
ro a V. S. para os devidos fins.
Ao Inspector da thesouraria provincial.Au-
toriso Vme. a emittir 1,000:000/ em apolices de
7 por cento ao par, por conta do emprestirao de
que trata o art. 37 da lei n. 1,115 desle anuo.
Ao toesrao. Communico a Vmc, para seu
conhecimento o devidos 11ns, que por acto de hoje
exonerei b cidadao Sebastiao Antonio de Albu-
querque Mello do lugar de araanuense interino
da secretaria da directoria geral da instruccao pu-
blica.
4.' seccao.
dem a thesouraria proviPcial para fazer entrega ao
thesoureiro dessa reparty40^ quantia de.......
6:000/000, como s^li:lta v- s- em of&ei de do
corrente sob n. 424- ,,.
EXPED1ENTE DO "* l DE ^BZEMBRO DE 1873.
J 1.' seccao.
Offlcios: ,
__Ao Exm. bt Saaeir coraraandante das armas.
Expei-a V Ex- as suas or(lens, afim de que 1
inferior'e 5 prA?as de I* linha se apresentem ao
juiz municipal ^ termo do CaD0 Para anxiliar os
respectivos offlciaes ae r>"5> era uma diligoncia
Ao mes*no~^xPe?a ** Exc- as 3uas ordens,
afim de que 'nfer'or e 5 pracas de I* hnha se
apresentem 'ia casa de dotencao, araanha as 7 ho-
ras do dia Para escoltar ao termo do Ltonlto
dous crimi**osos fl36 vao responder ao jury.
Ao c^P"*0 do porto.Communicando-me o
consul da republica do Uruguay, Antonio Valen-
tim da Sifa Barroca, haver, de volta da Europa,
rea3surar nontem exercicio das fnosfOR? do
seu car/* a3S'm decbro a Y. 5. para seu co-
nhed^nt0-
JOinS*. rt.Mnao Valentim da Silva Barroca,
consul da republics orieiatal do UruguayPelo
offlcio que na datalde hantem dirigio-me o Sr. An-
tonio Valentim da Silva Barroca, consul da repu-
blica oriental do Uruguay fico inteirado ds haver,
de volta de sua viagem a Europa, reassumido n'a-
quel.'e dia o exercicio das funccdes d seu cargo,
do qne passo a dar sciencia as estacoes campeten-
tes.Aproveito a occasiao para renovar as segu
rancas de minba perfeita e tima e distincla const-
deracJo. .
2.' seccao.
Actos:
0 presidente da provincia/aitendendo ao que
reqnereu o tenente Flavio Jo-e dos Sautes e Siiva,
delegado de policia do termo de Bom Conselho,
resolve conceder lhe 30 dias de licenca para vir
a esta capital, afim de trantportar sua famllia para
aquelle terrao, pcrcebeodo os vencimentos, que
lhe competirem, na forma da let.
0 presidente da provineia, attendendo ao
qne requereu o bacharel Manoel Annes Jacome
Pires, juiz municipal do termo de Agua Preta e
interino de direito da comarca de Palmares, resol-
ve concede r-1 lie 30 dias da licenca, com venci-
mentos n. fjr.-ii da H, pira tratjr de sua jJodfl
otido Hie convier.
Offlcios :
Ao Dr. cliefe de policia. Exper^a V. S. as
suas ordens, afim^de que pelos subdelegados dos
diversos districtos desta provineia sejam enviadas
cora brevidade aos respectivos coramandantes su-
periors da guarda nacional as relacdes nominaes
dos cidadaos brasileiros resideutes nas respectl-
vas freguezias, cora indicagao da idade, estado e
proflssaojde cada um, para se proceder a novo alls-
tamento da guarda nacional, de conformidade
Actos :j
-Q pfesii]
0 presidente da provineia, attendendo ao que com o disposte-no decreto n. 2,395 de 10 de se-
requereu Angelb da Costa Mello Rosal, professor! tembro ultimo.
naWico da 1 cadeira de instruccao primaria da I Ao mesmo.-Remetto a V. S., para os fins
freiuezia de Nossa Senhora da Graca da Cappoga, convenientes, os Inclnsos prets quo foram devolvi-
o tendo em vista o qne informou o Dr. director 1 dos pela thesouraria de fazenda por carecerem de
sidente da provineia resolve exonerar o
cidadao Sebastii) Antonio de Albuquerque Mello
do lugar dtvnanuense interino da secretaria da di-
rectoria geral ia instruccao publica.
0 president da provineia resolve uomear
o cidadao Joaqnoi Pedro Cavalcante de Albuquer-
que para exercer inierinammto o lugar de araa-
nuense da secretara da directoria geral Ja instruc-
cao publica, duranie o impedimenta do proprietario
do raferido lugar.
Offlcios :
Ao provedor interim da Sania Casa de Mi-
sericordia. Approvo a ewiu?ao que toraou a
junu administraliva dessa santa casa de maadar
contractar os servijos da educanda do collegio
das orphaas, de norae Rosa, Tom Joao Rodrigues
Cordeiro, que a pedio para ir empregaia em
casa de sua familia, mediante j mensalidade de
16/000. Autoriso, portanto, a Vmc. a fazer esse
contracto, ficando assim respondiio seu offlcio de
29 de novembro ultimo sob n. 672.
Aos Sn liornarvflfi-j dd S.^nna PonVual, Joa-
quim Jose Ramos, Joao Pereira Rgo e Antonio
Jose Coimbra Guiraaraet, directores da associarao
commercial e agricola. -Accuse recebido o oflicio
de 25 do corrente, em que Vv. Ss. me commu-
nieam haverem tornado posse, em sessaa de 19,
da direetoria da associa>;io commercial e agricola,
para que f.ra a eleitos anteriormente. Feticitan-
do-os pela acertaia e lisongeira esealha que fez a
associacao commercial e agricola nas pessoas de
Vv. Ss., cumpre-me nao so assegurar Ihesa minha
dedicada eaadjuvacao no que disser respeito aos
grandes intereises que ora representam, como ma-
nifestar-lhes os meus prutestos de subida conside-
racao.
5.' seccao.
Offlcio :
Ao presidente da junta de emancipacao de
escravos do municipio do Recife.Mande V. S.
admiltir a respectiva matricula do escrave Jose,
percente a Joao Gomes da Costa, signatario do re-
Sinerimento incluao, e a que se refere a sua ia-
armacao de 12 do corrente.
EXPEDIENTS DO SECnL.T\HIO
2." seccao.
Offlcios :
Ao desembargador Jose Nieolao Regueira
Costa.0 Exm. Sr. presidente da provineia manda
accusar o recebimento do offlcio de V. S., de 27 do
:ii3z pioxiiiia passaJo, cm quo declara acceitar a
remocao pan a relacao da Fortaieza, resalv.anl)
0 direito de regresso, que Ihe faculta o decreto
2342 de 6 de agosto proximo passado.
Ao Dr. chefe de policia. 0 Exm. Sr. presi-
dente da provineia manda declarar a V. S. que
ficara expedidas as convenientes ordens no sen-
tido, de qne trata o seu offlcio n. 1976, de 3 do
corrente.
Ao mesmo. -0 Exm. Sr. presidente da pro-
vineia manda declarar a V. S., para os devidos
fins, quo ficara expedidas as convenientes ordens
no sentido, de que trata o seu offlcio n. 1986 de
1 do corrente.
Ao coraraandante superior do Recife.0
Exm. Sr president da provineia mania declarar
MOTIMDO
a V. S, que fleam expedidas as convsnientes or-
deaf lb sentido, que trata. a sen offleiu u. 749, de
26 do mez proximo passado.
Ao juiz de direito.Manoel Caldas Barretto. -
O'ExtB. Sr. presidente- da provineia manda ac-
eusar'e recebimento d-j offlcio de V. S., de 1 da
corrente, em que participa acaeitar o cargo de
chefe de policia da provineia da Parahyba, para
o qaal foi nomeado por decreto de 22 Je novem-
bro proximo panadai
Ao ba-ma'-el. Manoel Annes Jacome Pires.-
0 Exm. Sr. presfdwite Ja prorincia m in la accu-
sar o recebimento do offlcio de V S., de 30 do
me: proximo passado, em |ue parlicipa ter n'essa
data deixado, por moleslia, a jurisdicfaa da vara
de direito, que exerceu.
Ao Sr. Jose Bfczerra Lins. -0 Exm. Sr. pre-
sidente da provinm manda accusar o recebimen
to do offlcio de V. S. de II do mez proximo pas-
sado,- em que parlicipa ter sido nomeado
proraator publica interino da comarca de Ou-
ricuiy.
Ao bachacrel Manoel Radio de ateaoar.
0 Exm. Sr. presidente da provineia mrada accu-
sar o recebimento d offlcio de V. S., de 8 do mez
proximo pa-sado, em que participa ter neisa data
prestado iuraraenlo e assumido o exercicio do
cargo de juiz municipal e de orphaos do teriao
de Ouricury, entrando logo de juiz de direito comarca, como 1." substiluto.
4' seccao.
OQkioa^.
Ao Dr. director geral interino da instruccio
publica.S. Exc o Sr. presidente da provineia
manda communicar a V. S. para seu conliecirnen-
ta e tins convenientes, que par aeto de hoje foi
exanerada o cidadao Sebasliaa Antonio de Albu-
querque Mello da lngar de araanuense interino da
socretaria dessa reparticao,
Aa Dr. inspector da-saudeda porto.}e or-
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provineia,
couimunko a V. S. qae a thesouraria de fazenda
esta auUirisada a pagar fo guarda interino dessa
repartiyao os vencimeitos que lhe forem devidos,
era quanta durar a renpeativa ;exereicio interino,
coma V. S. solicitau em seu offlcio de 1 do cor-
rente.
C seccHo.-
Offlcio :
= Ao engenheiro fiscal interino da eslrada de
ferro do Recife ao S. Francisco. S. Exc. o Sr.
preside.ile da provineia ra.nla accusar recebida
a copia do relalorio qne em data de 28 de no-
vembro ultima dirigio V. S. ao Exin. Sr. ministro
da agrlcultnra, eomnnrcio e obr:is publicas,
aeerca dos negncios dessa estrada de ferro, e
que veio annexa ao seu offlcio de 3 da carrenle.
KXPUHE.NTE DO 01A 5 DE DEZSMBSO DE 1873.
f* seccao.
Offlcios :
Ao Ex n. brigadeim cammandanle das ar-
mas. -Sirva-se V. Ex; de maadar par em liber-
dade o recruta Juventino Jase da JosU, que fai
censiderade iucapaz do servi.a militar. segunda
o termo de inspeccia annexo ao seu offlcio *
do corrente. sob n. 1168.
1 SJ^L^Sf^SSSJi 5M^2^?, Ao commandante supenor de Santo Antao -
STJ^!SSJ2^J!!i!^^ Escada-S, Exc o Sr. pTesidente da provineia
manda communicar a V. S., para os fins conve-
nientes, que pur offlcio desta data expedio as ne-
cessarias ordens a thesouraria de fazenda, afim d-
ser paga a importancia, consume dos prets relati
lieilou-o respectivo omtnandaote superior em of-
licio de I do corrente.
de 3
Atfcapiiao do porto. -Coin nuuicando-me o
Sr. b.\ii'do Livrainflnto can>ul di Austria e
irungtia, i.i.-n'i no ,iafa Ac. honlem reassumido o
exercicio do seu cargo ; assim o deciaro a v. o.
para sen onhecimento.
ao Sr. barao do Livrameuta, consul da
Austria e Hungria. -Pvla offlcio que na data de
honlem dirigio-me o Sr. barao do Livrameato,
consul da Austria e Hungriu, fico. ioteiiado de
haver, de volta da Europa, reassumido o exercicio
das funccoes de seuayarga, do que passo a dar
sciencia as estacSes competentes. Renovo ao Sr.
consul os prolcsto3 de minha perfeita estiiaa e
dislini-ta caa*iderai;ao.
a.' iecpio.
Actos :
0 presidente da provineia, attendendo ao
que requereu o capitao do 6.* batalhao de infan-
taria da gaarda nacional do municipio da capi-
tal, Jose Elesbao Borges Uchoa, e a vista do que
informou o commandante superior respectivo, e
da preceder da junta de saude, que o julgou in-
capai de servir, resolve, de conformidade com o
disposlo na artigo 69 da lei n. 602 do 19 de setem-
bro Je 18o0, transferor o mesmo capitia para o
servico da reserva, ficando aggregado ao 2.* oa-
talhaa do mesmo servico.
0 presidente da pravincia, resolve nomear o
bacharel Argemiro Mar.tiniano da Cunha Galvao,
promotor publico da comarca de Ouricury.
0 presidente da provineia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia, em offlcio
n. 1987 de 4 da corrente, resolve nomear o te-
neute coronel Thomaz Lins Caldas 1." snpplo*e
do delegado do termo do Bio For,nosov Jr
Offlcios : V^r '
Ao Dr. chefe de policia. fransmit-
tindo a V. S. a petieao -vtaa, do te-
nente Joaqnim Candido da Veiga de Figueiredo,
lhe reoommendo empreguo as diligencias que
julgar convenientes, afim de ser capturado o cri-
minoso, a que allude ."raesraa petigao, e garan-
tido o dito Veiga; raformando sobre os factos,
que sao por elles allegados.
Ao bacharel Manoel Ralim do Alencar.
lufarme Vmc. cora urgencia sobre os factos con-
sumes da represenUcao Armada por varies cida-
daos residentes om Ouricury, da qual Ihe envio
copia.
Ao 1.* promotor publico do Recife.Envio
a Vmc. copia da offlcio junto, do consul geral
do brasil em Htmbnrgo, bem come do docu-
mento a que allude o mesmo offlcio afim de que
os faca juntar aos autai e proceda de confor-
midade com a lei.
Igual ao juiz de direito do 4.* districto ( Boa-
Visu ).
3' seccao.
Acto :
0 presidente da provineia resolve nomear
collector da coliectoria provincial d > municipio de
Bezerros o cidadao Manoel Jose de Yasconcellos
Santos.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Communico a V. S., para os devidos lins, que par
portaria de hoje foi nomeado o bacharel Argemi-
ro Marliniano da Cunha Galva3 promoter publico
da comarca de Ouricury.
Ao mesmo. Tendo nesta data deferido a
petieao de Mariana Athanasia Moreira, sobre a li-
cenca pedida para vender q dominio util do ter-
rene de marinha sito a rua do Passo da Patria,
visto a supplicante ter satisfeito a exigeneia dessa
thesouraria ; assim o commanico a V. S. para os
fins convenientes.
ao mesmo.Manda V. S. pagar ao desem
bargador Jose Nieolao Regueira Costa, nomeado
para servir na relaeio da cidade da Fortateza, a
njndi de ensto de 3:000/000, quo pelo governo
imperial lhe foi arbitrada. K. .
Ao aiesrao. -Mande V. S. pagar, si nao hou-
ver inconveniente, a qnem se m&trar competen-
temente autorisado a importancia.dos vencimen-
tos do* official e pracas destacadas um Petrolina,
constante dasfolhas, prets e relacao-de mostra,
juntos era duplicata, reJativa aos meaes Me agosto,
setembro e outubro, como solicita o raspectivo
commandante superior em offlcio de 101 do mez
ultimo.
Ao mesmo. -Mande V. S. pagar a iuem se
mostrar competenlemente autorisado a iirqWun
cia consume dos inewsos prets, relativos aos via-
cimenlos das pracas da gaarda nacional MtM%-
Ao mesmo. -0>awoicando-ineoSr. barao do
aivramenlo, cansul d'Austria e Hungria nesta pro-
vineia, em offlcio de huulera datado, haver reas-
sumido o exercicio do seu cargo ; assim o com-
munico a V. S. para seu conhecimento e afim de
fazer consUr ao inspector da alfandega.
Aa mesmo. -Coinmunico a V. S. para os de-
vidos fins, qne em offlcio de 29 do mez proximo
passado, declarou o juiz dedireito Vicente Ferrei-
ra Games acceitar o cargo de desembargador da
relacao de Cuyaba, para o, qual fai nomeade por
decreto de 6 do mesmo mez.
Ao mesmo.Na. conformidade do que solici-
lou o Dr. chete de policia em offlcio datado de 1
do corrente sob n. 1,968, mande V. S. pagar a
quem se mostrar competenlemente habilitada a
quantia 30/0)0, importancia do aluguel da casa
3ue na villa de Agua PreU serve de cadeia, como
emonstra o iu.-limo altestado em duplicata.-
Igual ao inspector da. thesouraria previooial.
Ao inspectar da thesouraria provincial
Lnfonne Vmc. sobre a materia da consulu e offl
cio inclnsos do procurador dos impostos provin
ciaes na villa de 6ranito. .
Ao mesmo. 0 bacharel Cel-o Tertuliano
Fernandes Qointella prestou juramento e entrou
era exercicio do lugar de secrelario do gymna-
sio provincial uo dia 1 do corrente, segundo me
coramunicou o- regedor interino daquelle estabe
lecimenia em offlcio de hontein.
Ao mssmo. Era resposU ao offlcio dessa
thesooraria, de 17 do mez ultimo sob- n. 517, auto-
riso a Vme. a maudar pagar a Antonio Luiz de
Oliveira Azovedo & C, na qualida.te de agentes e
procuradores da companhia de navegacaoa vapor
Bahiana a quantia de 315/000, ccastnnle da coma
junta, relativa as passagens dadas a bordo do va-
por llaui^ihfs Martini, da cidade de Penedo para
eata capital, a eseolta que conduzio quatro senten-
ciados.
4.' seccao.
Offlcios :
Ao Exm. presideute da pravincia da Parahy-
ba.-Tenha a hanra de preveuir a V. Exc. de que
no prexime vapor da companhia pernarabucana
seguem para essa capital, remeitidos pelo arsenal
de guerra, doze eaixO s e tres fardos coutendo os
artigos de fardainento, mencionados na relacao
junta, destinados a companhia fixa de infanUria
dessa provineia.
Aa director geral da instruccao publica.
Remetia Vmc, para ser annexada aos respectivos
documentos, a denuueia de que se accupa sua iu-
formacAo de 25 de novembro ultimo sob n. 341, a
qnal deixou de acompanhar a referida infor-
macao.
Ao Dr. inspector da saude publica. Para
satisfazer a requisicao que me fez o Dr. chefe de
policia em offl :io de 3 do corrente sob n. 1,977,
cumpre que V. S. remetta a secretaria desta pre-
sident, com endereca ao delegado do Exu', me-
dicamentos homeopathicon apropriados ao trala-
raento da variola.
^ A i regedor do gvranasio provincial. Fico
certa de ter no dia l8 do corrente
''"! o t iniTulo posse do car8n '
se cstabeleciraenio o bacharel (
Fernandes Qaintella, segunda me corainunicou em
offlcio de hantem.
Aa vigario da freguezia de Buique, padre
Herculaue Marques da Silva. Cumpre que V.
Rvm. com a brevidade possivel, nos termos da lei,
informe sobre o conteuuo do offlcio junto por co-
pia, do Or. juiz'de direito dessa comarca.
Portaria :
A' lllma. camara municipal do Recife.Au-
toriso a lllma. camara municipal desta cidade a
recolber ao deposito publico a quantia de oito con-
tosdeicis, importancia da trnpiche Pelourinho,
que por sentenr;a judicial foi desapropriado ; fi
cando assim satisfeito o que solicita a mesma
lllma. camara em offlcio de ;t do correute sob
n. 116.
5.' seccao.
Offlcio :
Aa Exm procurador da caroa, soberauia e
fazenda nacional.Sirva-se V. Exc.de emittir sen
parecer sobre os iuclusos aulos originaes de me*
difio e deraarcacio das terras denominadas Ala-
goa de Denlro, perlencentes a Francisco Teixeira
de Carvalho.
Portaria.
0 Sr. gerente da companhia pernainbucaua
faca eonduzir para a Parahyba. uo primeiro vapor
que para all, seguir, doze caixSes e tres fardos
que serge remeitidos para bordo pelo director do
arsenal de guerra, contendo artigos de fardamon-
to, destinados a companhia fixa de infanUria da-
quella provineia.
EXPEDIE.NTE DO SECRETARIO.
1.' seccao.
Offlcio :
Ao director do arsenal de guerra. S. Exc.
o Sr. presidente da provineia manda declarar a
V. S., em resposujao seu offlcio de 3 do corrente
sob n. 536, que fleam expedidas as necessarias
ordens para serem recebidos a bordo do 1* va-
por da companhia pernambucana, e conduzidos a
capiul da Parahyba. os doze caixdes e tres fardos
a qne allude o citado offlcio.
2.* seccao.
Offlcios:
Ao juiz de direito Vicente Ferreira Gomes.
0 Exm. Sr. presidente da provineia manda accu-
sar o recebimento do offlcio de V. S, de 29 do mez
proximo passado, em que participa acceitar o car-
go do desembargador da relaeio de Cuyaba, para
o qual foi nomeado por decreto de 6 do referido
mez
Ao Dr. chefe de policia. De ordem do Exm.
Sr. presidente da provineia, traasmitto a V. S. o
titulo junto de nomeacao do 3." supplente de dele-
gado da freguezia de Serinhaem, de conformidade
com a proposta de V. S. em offlcio n. 1,981, de 3
do corrente.
Ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provineia transmitto a V. S. o titulo junto
de nomeacao do tenenio-coronel Thomaa Lins Cal-
das para o cargo de I.* supplente do delegado do
termo do Rio Formoso, de conformidade com a
proposta de V. S. em offlcio n. 1,987, de 4 do cor-
rente.
Ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provineia, transmitto a V. S. o titulo jun-
to de nomeacao do 3 supplente do subdelega do
da 3. districto do termo de Santo Autae, de con-
formidade com a proposta de V. S.em offlcio n.
1,982, de 3 do corrente.
Aa mesmo.O Exm. Sr. presidente da pro-
viucia manda declarar a V. S., que nesta data ex-
pedida as necessarias ordens as thesourarias de
fazenda e provincial, no sentide de que trata o
seu offlcio datado de I do corrente, sod n 1,968
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife,0 Exm. Sr. presidente da provin-
eia manda declarar a V. S., para os devidos fins,
que por poruria do hoje foi transferido para o
servico da reserva, e aggregado ao 2.* baUlhio
respectivo, o capitao Jose Elesbao Borges Uchoa,
de que traU o offlcio de V. S., n. 743, de 28 do
mez proximo passado.
Ao mesmo. -De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provineia, de novo declaro a V. S para
os fins convenientes, que que foi remettida para a
thesouraria de fazenda a patente imperial de re-
forraa, em major, do capitao do 6* batalhao Jose
Marcelino Alves da Ponceca.
vos aos vencimentos das pracas da guarda naeic
nal destacadas na villa da Kscada durante o me/,
de novembro proximo passado, segunda V. S. so
licitou em sen offlcio datado de 1 do corrente.
Ao commandante superior do municipio da
Boa-VisU. De ordem de S. Exc. o Sr president"-
da provineia, communico a V. S. que u'e-ta daU
deram-se ordens a thesouraria d.: fatenda para pa
gar a imporUncia dos vencimentos do official -
pracas desucadas em Petrolina, correspondents
ao mezes de agosto, setembro e outubro d'este an
no, conforme o seu offlcio datado de 10 do mez ul
lima,
Ao juiz de direito de Oaricury.-O Exm. Si
presideute da provineia manda declarar a V. S.,
para o* devidos fins, que par portaria de hoje foi
nomeado o a- icharel Argemiro Martiniana da Co
nha Galvao promotor publico dessa comarca.
Ao bacharel Argemiro Martiniano da Canlu
Galvao. Por esta secretaria se cemmnnica ao Sr.
bacharel Argemiro Martiniano da Cunha Galvao
que foi S S. nomeado promotor publico da comar-
ca de Ouricury.
3' MBofn,
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria provincial.De
ordem de S e.xc. o Sr. presidente-] d provineia
coraiaunico a V. S., pira os lius convenieules
que por port .ria desta data foi nomeado collector
de Bezerros o cidadao Minoel Jose de Vasconee!
los Santos, vista ter side exanerado do dito cargo,
nor poruria de 27 to mez ultimo, o cidadao Fraa
cisco Apilinario Bezerra e Silva. -Igual ao fiscal
da coliectoria de B-zerros.
Ao mesmo. -S Exc. o Sr. presidente da pro-
vineia in mda declarar a V. S, para sea co-
nhecimento e fins convenientes, que em data d--
3 do corrente abriu-se ao publico a casa de ba
nha nnndida edificar pela companhia Santa The
reza, de acordo com o seu contracto e regulamen-
to, segundo Ihe foi comiuunicadn pelo respective*
gerente em offlcio d'aquella data.
5*. seccuo.
Offlcio :
Ao engenheiro chefe da reparticio das obra-
publicas.S. Exc o Sr. presidente da pravincia
manda declarar a V. S., para seu conneciraenU) e
fins convenientes, que em data de 3 do corrent*
abriu-se ao publico a casa de ban has mandada
edificar pela companhia Santa Thereza, de acor-
do cam o seu contracto e regulamenta, segundY
Ihe foi cammunicado pelo respectivo gerente ea
offlcio d'aquelia data.
DESPACHOS D\ PRESIDE.NCIA, D 19 DK SLVtiltlHO D".
1874.
Tenenle-ceronel Antonio Francisco Paes de Mel-
lo Barreto. -Inforrae o Sr. commandante superior
da guarda nacional do municipio do Recife.
Elias Jose do Carmo. lodeferido.
Alferes Francisco Carrea de Mattos. Informe o
Sr. dir-iji **- 1~*>.'<5njMlWica.
Francisco Apolonio Bezerra e snva.Onfinau
a psaa iinpusu aa sufmlicante n>|a junta da tae-
sauraria provincial, restitumdo se-ino os dir.ito-
pagos, na razao da porcemagem que passa a per
der.
Tenente Franoisco Miguel de Souza.-Deferido
com offlcio desta data dirigido a thesauraria dV
fazenda.
Padre Genuine Games Pereira.Deferido, com
offlcio dirigido nesta data a thesouraria de fa-
zenda.
Joaquiii! Gomes Ferraz.Nao tern lugar o que
requer o supplicante, a visla do qae informou
capitao do porto.
O mesmo.Nao tern finidamenio o que diz
supplicante, cuja pretencao fica iudefenda por des
pacha de hoje no primeiro requerimento.
Tenente-coronel Joao Valentim Villela.Int .1 m.
o Sr. provedor da Santa Casa de Misericordia.
Numa Pompilio. Informe o Sr. provedor da
SanU Casa de Misericordia.
Vianna & C-Sendo do exercicio Undo n qur-
requer o supplicante, deve pedir a liquidacao, afim
de ser relacionada.
Reparti^So dia policia.
2.- seccao__Secretaria de policia de Pernambuco.
20 defevereiro de 1874.
N. 250. -Ulra. e Exm. Sr.-Participo a V. Exc
que farara hontein recalnidos a det^ncao os radivi
duos seguintes :
A'ordem da Dr. juiz de direito do comraercio.
Jose Francisco Bilteacourt, por se achar pronna
ciado como incurso nas penas do art. 821 do co-
digo commercial.
A' ordem do subdelegado de Santo Antonio.
Manoel, escravo de Antonio Francisco Pereira di-
Lyra, a requerimento deste
Por offlcio de 29 de Janeiro ultima, eommuni -
cau-me o delegada de Bom Con 26, no quarteirao do Olha d'Agua da Malta, da-
quelle termo, Victorino de Ul ferio graveraente.
cora diverts fa<-adas a seu proprio irmaa Jos*
Victorino ; logrando evadir-se ; que o respective
subdelegada fez o competeute corpo de delicto a
inquerito policial, o qual teve logo o dovido des-
tino.
0 delegado do termo de Bezerros communicoa
me por offlcio de 15 do corrente, que no dia 2.
no lugar Boa-Vista daquelle termo, Tnereza Maria
de I -ur, de 57 ami de idade, assassinon com
uraa cacetada a Francisco Soares da Silva, raaioi
de 70 annos, cora quem vivia liga<*a ha vinte e
Uutos annos ; a delinquent foi presa em flagraaa*
e contra ella procedeu-se ao competente inque-
rito que fai logo remettida ao respectivo Dr. jui/.
municipal.
Que, as quatro e meia horas da madrugada ao
dia 12 evadiraai-se da cadeia daquella villa, a*
sentenciados por crime de furto de cavallos Joso
Francisco Autama Ferreira dos Santos, Adclio d.
Sa Bareta, Laurentino Jose Bezerra, e os crimi
noses de tentativa de morte Manoel Quinuno .d-
FreiUs e Manoel Marcos dos Santos tendo eves
censeguido semelhaute :'uga arrumbaado a cadeia
na occasiao em que a Sdnlinella donnia que esu
foi recolhida a prisaa e qne sobre esle (acto tr
esU procedendo nos termos da lei.
Em dau de 18 dp corrente, commuuieou-aw o
delegado de Geiaelleira que no dia anterior o
subdito allemio Joao Lifcrdi, que ha poucos dias
havia chegado aquella villa vivenda sempr
embriagado, neste esUde alirou-ae ao rio Seri
nhaem, em consequencia do <|ne talleceu iasUo-
uneamon^. declarando os peritos que fizeram a
vistorias tar sido a morte o rcsullado de asphyxia
por Deus hnarde a V. Exc.-lllm. e Exm. Sr. eoai
mondador Henri pie Pereira de Lucena, digno pre
sideute da pravincia -0 chefo de policia. Anto
nio Franc-isco C rreia de Araujo.
WfflBM.
bio i5 j wr.ino
ST0L0. *7
truel- ;-tmpaciencia
qner
Nao node disfarcar tk\
afftige.
A notion rf-wt. exnedicao de um breve pont-Ooa-
ILEEI.EI |


aaami


a
t "V^ '"
BlWIiL^Si*raa^iWWaB;-,^--*',v
i'l
iHli
8*fc <*c Pernambuco Sabbado 21 de Fevcreiro de 1874.


-
*vtm\9**n
verdadeiro fn*raw, vcrdJii-nro ctaairf com que
0 raioistro dewjfeiadar da otacoearia pwenche
s poacos die***,*** ^ iflg'oria f p\ si e
JJmlwsn?, s*mp emtwle : conctw a panta-
fccuda redaccao, inchaado' as bochjaais !
Isto esircvia o AfOttolo (faea-so*e jusMca), no
dia 30 de Janeiro. Hojfl .-*fc !.".. e beat pw
vavel que nio u eajpir-sraa liog*pem. Os do-
eumeatos pnblijados pelo Diuric Official dcvem
*er desvanecido as doces illtuSoe cao.
0 original e, porem, qua o .tposfofe, atHr-
rnando ser km embntte a osistencia de um nowo
breve ponUlicio, accresceau com a costumada
erophase :
* AcreJite o primeiro mtni.-tro do Imporador e
da maeonaria, que o episcopal) esta com a vie-
- loria, qualquer que seja a deliberaeao da San-
ta Se\
Os^ bispps darao o nobre e gran.de exemplp
de obediencia ao chefe suprcin) da igreja, mas
taiabem gozarao com os eatholicos da gloria de
ter obrigado o governo do lmperador a pedir o
auxjlio do soberano pontidce, ao qual o conselbq
de estado e o proprio govcrno nao queriam que
os bispos obedecessem.
A soberania iia igreja fieara salva.
Para o episcopndo o triumph'.) 6 complete.
Nem ha catholico' verdadeiro modo coDtrario.
Nao dispntnmos victorias para o governo, que
nunca teve a imencjio. de pur em risco a K'gitima
soberania da igreja.
Se e um tnurqpho para o episcopado que a
Santa Se tenha declarado indignas de louvor
as severidides mopportunameflte exercidas con
tra irmandades e copfrarias... tantq merhor !
fjuanto a annunciada' dehberacAo em que esta o
eg^scopado de obedecer a SaidaSe, outra cousa
nao era me;inn de esperar de bispos eatholicos.
Xio vai oisXo, tolere-nos o.Apcslolo que digaroos,
um nobre e grande exemplo, mas o cumpnmento
de um dever a que os bispos hao poderiam exi-
mir-i-e.
Nos veraos taoto, mai* um triumpho do episco-
pado na expedic>lo do novo breve pbntificio, quan-
to elfe somacte so refere ao joven prelado de
Olinja e ao do Para, que nao constituent o epis-
eopjido, mas uma parte de:le.
Foram coin effeito estes d.ms prelados os nnicos
que interdisseram irmanjades, e t.vnbem os uni-
I'M que intjrpreiaram o breve do 29 de maio
tie qm modo tao difforeute de seu sewfrTdo natural.
Toiis os demais preladps do B'rasil, e o pritnaz
inetmpulitino a fraute de tr.dbs,, tanto eqtreviram
distinc^auiente o pensameuto do. breve Qunmquam
tlQlores que, por Denhum acto ou pornenhmpa
oaUvra, acumpanharam os bispos de Olirija e
do Para oas severidadoi exercidas conlra irman-
dades.
Ora nao podendo fazer aps veneraveis prelados
a tujustica de snppor que o nao Rzessem por li
mid'^z ou ponco zelo em guardar inucto o depo;i-
tn da fe, e nao podendo por outro l.ido acreditar
quo le niii certo mod i desattende.*sein as pres-
cripcjiie^ do 'befe da igreja, tornando-as nenliumas
<^oi suas diocese?,^ de coticluir que, salvos os
Srs. bispos de Oiindae Para, tna'o os outros com
prelma leram o verdadeiro sentjdo lu breve de 29
de maio.
E*, portanto, um triumpho, e assignalado para
u e(nc?padn brasiU'ifo, que, explicado por novo
.i :to d i Santa S<; o seqtido natural, do breve de 2'J
oe maio, a aut.ridade docen'.e da igreja tenha
i-uMruadp a ifl'erprelari) dada a esta carta pop-
!iSca pela grande lijaiorta flos bispos do Brasil-
Para o epis'copado <5, com e!T"ito, um triumpho
me a dontrina, asim defeudida pcla maioria dos
bispos, tenha recebido da Santa .>e.a pl^na consa-
grajao que se aununcja 1
Chegamos au'^ a pvu-ar que os Srs. D. Vital e
D, Anlonb taiabem liveram um triuinpho a seu
modi'. C'inhec-r o prqpno .erro e emenda-lo, e
inn grande triumpho da int< JUgenria ; mas ser
advcrU'do do erro, e corrigi-lo, e um triumpho
aiada maior, por.jHu 6 um triumpho da fe I Que
hora saodavel dovesur para aquell.es d)us prela
doi a em cjue reconhi:cerem, pelo aviso do doutor
inJefectivel da igreja, a iaiiuidade a que o zelo.
63 linha levado i
Ondenao ha certamente um triuinpho, 6 em fi
car aos bispos a gloria de ter obrigado o gocerno
ii Imperadir a p-dir axxilio ao soberano pon-
1 ifice.
Este triumpho, se o fora, seria bem triste.
Ouando o episcopado podessc ter reduzido o go-
vcrno imperial a necessidade de pedir auxilio ao
soberano pontiflce, te-lo-hiu feito a for^-a e poder
jne o santo padre q1<> **'.'"> ^'f-* '"-
Man esta gloria, embora triste, e verdadei-
0 gnverno do Brasil nao pedio auxilio a sua
santidade para resolver a crise religiosa. Pro-
ram-no as instrnccoes dad is ao nosso plenipoten-
riario, e o resnltado da missAo que nao versou,
nem podia ver;ar, sobre pontos estatntdos por
BTS80 direito.
E' muito claro o pensamento que levou a Roma
o Sr. barao de Peoedo. Elle nao foi que.ittonar
do pi iv,', do re^urso ou d>' assnmpto de analogs
natttreza. Koi expora sua santidade os verdadei-
ros termos da qaostao religiosa, e iuvocar a auto-
ridadc espirilual do chefe da igreja para que im
pedisse a reprodue4o de actos manifestamente
contrario? aos inieresses da (6.
Tendj o- meios de pnnir, naJa era inais
aeoasetbado ao governo do que procurar pre-
venir.
A mellior preva de que o governo nao foi pe-
dir auxilio ao santo padre para resolver a crise, <
que o breve da Santa Se nao a resolve, tendo de
ser continuado o pmcesso criminal dos bispos,
cotno se nada se innova-se na questa >.
E' 'videnie que se o governo fosse pedir auxi-
Po a Santa Se, entrar em transac^ao ou enneorda-
la, c nao siuiplnsineHtc fazer sabido do chefe da
igreja o estado da questao, as causas que (he de-
ram origem e as suas possiveis cousequeacias, sua
sautidade nao adianiaria um passo no sentido de
iireparar a sulu.'.an de qualquer difliculdade autes
de obtcr qualquer concessao do governo do
Urasil.
Mas nao 0 governo nilo transigio e nem sua
>aniidade innovou. 0 novo breve e, e niio pode
deixar de ser a conftrtnacao do de 29 de maio,
ooja sentido dous unices p'relados da p^ovipcia
i s;;;lesiastica do Brasil nao compreheBdera,!n. E
estes foram o Sr. D. Vital e o Sr. D. Anto-
nio I
Nao levantaremos a mao sobre a maleria
do n. IS do Aposlolo, sem ter em altencao o artigo
editorial que tenta assiguaJar a dilferenea que se-
parao catholicismo do protestantifiqo.
K ponto de doutrina o de que nos vamos oc.cu-
pir, e com o qual dir se-ha que a imprensa po-
titiea tem pouco que ver. Mas, no tempo qae
vai correodo, em quo us fulsas interpmtaQdes
'.anto dettirpara a boa doutrina, e dever de todo
catholico re&tabelece la onde a seote profa-
uada.
E' boje em dia um ponlo de fii entre caiho-
licos r.imanos a infallibilidade do summo pon-
tiflce.
Esta infallibilidade, ouli ora attrihuida a igreja,
cabe boje ao sen chefe.
Dpas infallibilidades excluem-se. Logo, quern
diz cm nosso tempo igreja infallivel, usa de uma
inguageo heterodexa se com esta expr^esao nao
qucrdizer qne.seado infallivel o cbefe da igreja,
ella o e implicitameEte, porque de outra parte nao
pode receiver o ensmo.'
A discus^aa travada sobre o dogma da iafallibi
i la le do suiemo pontiflce nao teve ouira origem
e fundamento senao a doutrina em Ifl eecoios en
jinada .por graode numero de doutores, interpr-e-
;es e conciFios, de qae a infallibilidade reside na
jgreja e nao na pessoa de seu chefe.
Da infallibilidade da igreja nunca se qoeMionou
litre catbolicos. Os que, ao ultimo condlio come
f6ra delle, combaleram o postulado da infal-
libilidade, nunca recu;ararn reconhece-la na
igreja.
Os que, em nosso tempo, se appellidam velhos
/cathobcos na Allemauha, na So|ssa e em toda
narte da Eurcpa, recoabecem a infallibilidade da
igreja, combatendo a do saqto padre.
Vejamos, entrexanto, coaio o Apattolo se colloca
tictre os denominados velboi catholico?. que cons
tild'em, eomo so sabf.jm erdadeiro echtsma con-
damnado por Pio fX^v
Attenda o Sr. D. Lacefd^Bara o jue, sob os scus
auspic os e con} a sui nyfftdade mwal, vai o
falso Apostolo escreyen4".
" as palavrak do orgaoepiscopal '
|MWMfHP%fir< eft***'
ie oc?fw Ml*>jo, expelln
luiat ns ncuMtdea com qw owpin'to kumano
tommper pureza das feriades 4* Deus; saeie-
iade jndeftctipel, assiftfdak$tmpre do Gsptritti vi-
vificimte. qae nao tem BeixadaMe ensinar a igreja
toda a verdade, Joan. XVI13, realisando-se asiim
a pnmtsa do Salvador, qu* iuse lamkem aos
( discipitlos : Bn esfou amvosco todos os dtn$,
na plenitude di we* etpirito e de mmkns verdndts
alt a < mummiru* dot tecuhs, S. Matketu
XXVIH, 20. .
Be maueira ;up, medite nisto o Sr. D Lacerda,
foi A igreja t mao a Pedro qae Chrislo couli ,u os
sagradoi lepositos da Escnptura e da tradicao.
E' a igreja # nao Pedro o encarregado de explicar
aos povos a ualavra divina. E' a ijrrja e nao
Pedro qae teve a missao de determinar o sentido
do verbo do Deus.
E' a m-'sma linguagem, rigorosameule a ujesma
a que fall >m os velhos oathelicos e com elles todos
os anti-infallibilistas.
Slrossauyer e com elle os bispos allemacs e
outros, nao oppozerara no concilio de Roma, outra
doutrina ao postulado de infallibilidade do summo
pontiflce.
Elles diziam precisamente : E' pela twdijao
que a Escriptura se completa e se aclara, e e o
corpo dos biepos, 6 a igreja, nao o biapo de Ro-
ma, que podem dar testemunho de tradi?ao.
Mas o Apastoto aeorescenta, nf^rindo se a ire-
ja: sociedade indefectivel, assistida sempre do
e&pirito vivi/icantc que nao tern dcixddo de enuHai-
ti igreja toda a verdade.
Attenda bem o Sr. D. Lacerda : e do csnio
modo que fallam os scismaticos allemies. Eilei
creem como o ^pojioto oa a Santo ao enrino da igreja, proclaraam-na inde
factivei, mas e por isio mesao que recusam obe-
dieneja a infallibilidade.
0 texto de S. Matheus XXYUJ, 20 : Et ego vo-
biscnm sum usque ad conminmauonem seculi, e,
precisamente, o mesioo que os. anli-infajlibilistas
contranoem aquella outro: Et is, aliquando
concersut, confirma fratres ttos.
A heresia do Apostoto acceatua-se ainda melhar
nas seguiotes palavras :
Dahi a hierar.:hia que vemos estaltelecida ;
esta obediencia ao summo poniitic1 successor de
S. Pedro, chefe do epieuopado. D'ahi esta snb-
niissao u-js povos aos legilimos.pastoies ; dahi esse
magisterio ou poder doutrinal, qno so altribue a
igreja, definindo dogmas, conderanando here-
HMu.a*
Ve" V. Ekc, Sr. bispo, que o Apostolo, fallando
de um poder doutrinal que se altribue a igreja
li'fmiiido dogmas e condemnand licresias, contra-
diz abortameiite o dogma da infallibilidade poiili-
ticia.
Elle o contradiz implicit.! e expUcitameute.
Expticitatnente : attribuiudo a igreja o poder
doutrinal de delinir dogmas, e condemnar be*esias,
revutaadft-a uma soaeiade indcfcLivel a que o
Espirito SmUo na/ica deixou de en#inar toia a
rerd de.
Implwitamente : porque duas infallibilidades,
nao podenido coexistir em um mesrao corpo docen-
le, recusa a do bispo de Roma quein a altribue
aos bispos de todo o rhe cajtiulico.
Sobre este ultimo postulado citaremos ao Sr.
bispo as proprias seguinles palavras do Apoitolo,
que podem ser lidas no mesmo berelico artigo que
combatemos :
Ha no imindo uma amtoridade dicinaincnte cons-
tiluida para regular as cohsos de' religiao.
E' conseqaente, Sr. bispo, qae, nao bavendo no
man 1.1 senao vw\ autorid'tde dicinantente consji-
titida. duas infallibilidades nao poderiam coexistir,
Logo, qnem defend* a da igreja, combate a do
bispo de lloma
0 imiiussimo artigo do Apostolo r.evela um
paiticular cuidado em (undar.nos lextos sagrados,
a tndefcctibilidade da igreja. A rando responder a um protestante :
Le le a biblia, dizeis vos eBa vos ensioara a
verJadcira religiiio. Mas suppoahamos que,
lundo, como mandais, a biblia, eu actoo nella que
a igreja calbolica c a verdadeira igreja fundada
por iesus Christo : Math XVI M. Que todo, pel e
obngndo aouvila sob pena de passar por um
pagaj e uui publieano; ibid XVI 11. Que essa
igreja e infallivel, porque promelteu o Salvador
que as portas do inf-rnonao prevaleeeciain contra
ella um XVI17. Que das maos dessa igreja e que
eu devoreceber as dicims Escripturas, as tiadi-
cSes e todas os ensinot revelados e so entendel-o
no sentido em que ella os explica : Docete omnes
gentes I ibid XXVlll. 19.
VM ahi, Sr. bispo, eomo o beretico cscriptor
tenta inverter o sentido dos textos.
Da pronessa feita porCsrislo asuaigreja.de
que as portas do inferno nao.prevalececiam contra
elia, conclue 9 iposmo peiH infatiiOiUa-de, niu
daniniif > n super hanc petram adificubo Ecclesiam meant,
mas daquelles que, no caso de racillarem na fe,
deveriam ser conlirmados por Simao.
Do docet omines, gentes conclue ain la o org.io
episcopal pela infallibilidade, nao de Pedro, mas
da igreja.
Entrevemos, Sr. bispo, que vao responder-nos
com o insullo. Mis, qaando V. Bxc. 6 acelamado
0 PniMBIBO MARTYil D) LAVRADtO, UX't 6 muitO que
restauradores da boa doulrina merecam uma dose
desse m.;rtyrio de novo genero, rtvebendo-o de
um f.l-o Aftoslulo.
0 artigo que denunciames a V. Exc, e de que
acabamos de provar a heler pies collaboracao, mas sim editorial.
Permittira V. Exc. que essa seita abaminavel
dos velhos catholicos tenha um orgao na imprensa
sob os auspicios do bispo do Rio de Janeiro ?
Chegou a V. Exc a occasiao de mostrar que e
calenle. Prohiba a leitura do Apostolo, nao a
permittindo senao aquelles que, como no*, tiverem
a corsgem de arrostar o martyrio do insulto
para acudir pela defeza da boa doutrina.
Temoa ainda um pedido a dirigir a V. Exc.
Bi na bib'ia uma hisioria de Suzanna, muito
instrtictiva e documental, como ha muitas outras
nao means instructivas e documentaes.
Mas, nao e scm profundas razoes que a igreja
catholica se roscrva e tem o iucontestavel direito
de ensinar a biblia.
Por uiiiis que as letras sagradas nos devatn ins
pirar respeito, e nao contenham uma palavra que
n~ um inconveniente em que, no eez-de ch ussee de
jornaes que penetram no lar da familia, circulem
em folhetim, e sob o noine austero de Qi'ADnos bi
ulioos, historias como a de Suzanna uue costumava
banhar-se emum tanque de sett jardim e ahi foi
sorprendida por dons, homens que Ike puzeram a
fatal dilemma de consentir em seu dtsejo ou dc
ver-se ameacada da accusacao de adulterio, etc.
Tudo isto, Sr. bispo e muito ediQcante, muito
instrurtivo e muito moral. Mas tambem os ro-
mances acabam do ordioario dando triumpho
Ad junto dc promoter. Por po.rtarfa. do corroaSW
Manoel Wa puMir* i* ce-
.iitarra Je 1ft law it's, por ler sido a,.rne&Jo delvga
dodepilKia ^leriuo do Gamelleira, folaH^
nieado para o substituir o bacharel Joaqaim Far-'
reira Chavos Junior.
CananrjuajawlcljUl*MMr atfo. -No
dia V, do crrMM, ao naefc dia, cwirau esta cor-
florae/io o foraaeimenla das catMras que forera
ptecisas para a processo da qaMcafao e elei-
lapa,
Vapa>>?eserados.-At* 21 do eerren-
te.o iiigjei John Elder, &* Europa ; a 22, o brasi-
leiro PoHBid, do sa< do imperio, e um da compa
nliia liabiaoa, da Bahiae escalas ; a 21, o francez
Henri 1V\V) Havre por Lisboa ; de 21 27, o at,
bbado 2;

nobres contra as vis
ser as melhores lei-
virtude contra o vicio, as
paixoes, e nao passam por
turas.
V. Exc. comprehendj o resto.
Cumpre tambem, Sr. bispo, que antes da mandar
pnbJicar pelo Apoitolo as cams de adhesao que,
nao sabemos ainda por que costumam mandar a
V. Esa os seus vigarios collados, as mande V.
Exc. rever e corrigir, para que Ihes nao aconteca,
a ellaicartas, e a elles vigarioscoilado#^odizerque
ha de ahegar um dia em qtte a igreja se tomard vir
tuns.i, que ha uma hydra .jne querpitar aatpes isto
ou aquitio, que o Deus de misericordia se digue
por um dique, que as comas vao ntuckando de
ibysmo em abgsmo ate que Jesus Christo, nao
wjito tauoe, fara triumphal- a sua filha predilecta,
on que a infallibilidnde do summo pontiflce e o
sen cacallo de batalha, etc.
V. Exc, Sr. D. Lacerda, coovira facilmente que
estai demasias rhetorias nao sio no tim de tudo
raenos perigosae que as demaeias oratorios do
pidre Martin?
Taes adhesoet, Sr. bispo, melhor e nao pa-
blieal-at
(NacaoJ

Eis
0 cathgli.cj.5rno e uma doutrina coherenle, fc'ga-
da em todls as suas paries coca a mais perfeita .bar-
}D,a* 30m nunca contradizer-se em cousa algurrfa.
iille diz : a palavra de Deus e aregra de nossa
fe. Esta palavra se iia em d(H g',-andes de-
positos : na Escriptura e n.. r,dicao. Estes dous
tagradjs depositos foram conRados pot- jfosso Se-
nhor Jesuf Christo a guarda da ijreja cahk>JJca.
REVISTA DURIA.
Gyinnaslo provincial Por portarias
da presidencia da provincii, de 16 e 7do cor-
rente :
Poi approvado o contrato celebrado felo- Br. re-
g^dor interiao, cem.oflvm. ooaeg Lino do Monte
Carmello Lnna, para eelehrar o maio sacrificio da
misa e dirigir a instruct^ religiona dos alumnos.
Foi exonerado Francisco Antero de Araujo de
repetidor interino.
Foram aposentalos Jose Nicscio da Silva e Fe-
lippe Mena Calladp d* Foneeca, protesaores, este
de sciencias naturaes eaquelle de latim. com os
vencimeotos que lhes eompatirenit na forma da lei.
Foi exoneralo Antonio Carlos Ferreira da Silva,
de professor de allemao.
Foi niandado conlratar para sorvir de repetidor, |
e nquanto convier Emilio Uldarico Mazeroa. ]
glez Neva,di Europa; a 17, o braiileiro Cruzeiro
do Sal, do Para e escalas ; a 28. o inglez Douro,
da Ria da Praia e escalas.
Yap ores a sahir. -A 28 do corrente, o
Curunpe para Mama*guap#, o Ipajaca para Aea-
racii pelas ecalas, e o Qequiu para Penedo e es-
calas.
\nniversari.-Aianba r,opletam-ae G6
annos que a familia real portugneza chegou "i
provincia da Bahia.
Vapor Parana.Por telegramma da Bahia
consta ter d'aui snhids para o nosso ports, pelo de
Maceio, no dia 19 do corrente a tarde, o vapor
lirasilelre- Parnnd.
Vapor do Paciflca.-O Cuzco, que, prece-
dento-de. Caluao pulaa. escalas, deve tocar em
nosso porto, ate 17 do corrente, ira a Bordeos, para
Urgar passi:g-.ii ^s.
. Para a I'-uropa. '>>m 16 recebidos em
nosso purto, levou o Garonne 118 passageiros.
Oiiiiieiro. -o vapor Garonne, trouxe.para :
Aoloaio Macbado Goma&da Silya. 8:fli^8Q I
Norde* & Irmao UXm&oW
Vapor Garopno. -Ademora que teve este
vapor, da linha doPacilico, na Ma viagem entre,o
porto da Bbi e o-nossp, foi devida a um des-
arranjo que soffreu a machina.
Tele^rraiuioa ooiuajcrcialEm data
de i9 do correpte. dizem do Rio da Janeiro :
0 cainhjo sobre Load res regula 26 d. ban-
cario.
t Chegim o Patagonifi,. da. Europa. Daws de
Livi-rpooT 3. Algodio de Santos 8 frouxo, depo-
silo 6it,00D fartos. Data? de New-York 3. Al-
gWUo quieto lo 7/8, deposito 8iA/l00.
Cidade saf -?e aessa cidade-, us I boras da tarde, o leilao
dos objeetus.da euro, prata e outros, ofCureeidos em
favor das obras da matriz respectiva.
Escala Normal das ss-ntaoras Fe
eri..raiii-se no dia 15 as niatrtculas do 1." e 2f
anno desia ascola, aebando se mais matriculadas
as seguintes sejihoras :
a." anno.
ii D. Joanna Tihurtiaa da Silva Lias.
21 ft. Antonia Ferreira da Costa Brag.i.
21 D. Marianna da Silva, de Jesus.
23 0. Maria Amelia da Silva Braga.
26 D. Phiiomena dos Santos Silva.
17 D. Maria LMiza de Gasmao Lobo.
28 D. Perpetua b'ebcidad* de, Albuquerque Fer-
reira.
29 D, Joanna,Qlympia de OliveiraPaz.
3 D. Maria, Josephioa Alve* de Britp.
31 I), .luwotiua Amelia Carqeiro Monteiro.
32 D. Julia Candida do Rego Barreto.
33 D. -lupeiia Jostpbina Nury da Foticeca
3i &, Firmina- FilomlU de Oliveira Cruz.
30 D. Josephiaa de Miraoda Camara de Albu-
querq^ie.
36 D. Jalia Alvara de Miianda Camara.
37 D Emilia Olymipia.TeR s.
38 li, Umbelina.Fr^nciscada Cuuha.
39 D. Maria Ursula Forjaz de Lacerda.
40 D. Francisca Clemeolina Gomes do Souza
41 D. Rita Maria Gomes de Souza
42. U. Francelina Barthole; a Aurea da Silva Hi-
zareUi.
43 D. Huiiu* Demetria.de Souza.
44 D. Taciafli Atxandrina Monteiro Lopes.
40 D. Ginlhermina, Pires Dornellas.
46 D. Anna- Znlraira do Souza Pimcnlel.
17 D. Elisa Marinbo Falcao.
48 D. Anna Franiisca do Espirito Santo.
IS ai\no.
33 D. Maria Galdina de Mel!o e Silva.
36 D. Antonia de Souza Praia.
37 D. Adelaide dos Santos Assis.
38 D. Constancy Pomposa Dorimenante Silva.
39 D. Maria dp ("arm i Pires Ferreira.
40: 0. Senhoruilu Cava! -anti de Albuquerque
Perqambaco
41 D. Amalia LeopoUina Correia Frontin.
44 D. .Secundina, Tertulia Correia de Ahreji.
43 D. Jiisepnina Amalia Monteiro. ,
44 D. Maria Francisca.Dominsuez.
*o d. >iu Auuifa Rodrigues FraQca.
4!i D. Candida Leonidas Furjaz de Larerda.
47 D. Rosalma Amelia de Torres Bandeira.
48 D. Eugenia Eleuteria da Conceigao de Maria.
49 D. Maria Maximiaua Carneiro da Cuuha.
oO D. Benigna da Costa Monteiro.
'it D. Anna Bcrilla dos Santos e Silva.
Hi D Audipha Maria Franca.
i.' D. Maria Christina do Carmo.
i D. Victorina Joiepha dos Passos.
33 D. Flonnda Maria da Conceieao.
36 D. Francisca Maria da Conceieao.
57 D. Maria de Nazareth de Castro Xunes.
38 D. Amelia Antonia de Paiva Loyola.
59 D. Maria Magdalena Augusta de. Miranda.
60 D. Huiiiu Maria Barbosa de Moraes.
61 D. Obdulia Oliadina de Paiva Loyola
62 D. Eugenia Maria de Figueiroa.
63 D. Joseoba Florentina da Conceieao.
Sermoes nuari'Sinaes Principiaraj
boje os sermSes quaresmaes na igreja de Nossa
Seubora da Graca da Capunga, as sete horas da
noite, ocennando a cadeira sagrada o Rvra Sr.
padre Jose Esteves Vianna.
-Yr list as Mcclianieos e Liberaes.
Pelas 10 horas da manha de 22 do corrente bave-
ra sessao da riespectiva fociedade para posse da
nova admipistraeao, c discussio de questoes im-
portantes, qqe miiito iateressam a mesma.
Limpcza publjca.Va a qnem competir :
ayua do Alecrim e iravsssas correspondentes es-
tai a rescendtr aroma quepSe em crise a saiide e
ejnseguinteinente a vida dos que por alii moram.
Santo Aniaro das Salinas Apezar
da chnva que cahio ao escutecer de quinla-feira
(19), foi basteado o estandarte de Santo Amaro,
que se venera na capella das Salinas, com esplen
dor e brilhantismo, sendo o estandarte cpnduzido
por um anjo, dentro de urn carro tri Jnipriante,
desde a casa da juiia, na rua do Lima, ate o
largo da capella, acompanhando-o grande numero
de senhoras e de meninas, lodas traiando de
braneo. Logo que o estandarte foi coltocado no
mastro, queimou-se um lindo fogo de artificio
arecr repressao. Nao sera possivel a
pobcia do !. disiricto da freguezia de S. Jose,
evitar, punindo severamcute seus autores, que
continue ahi o eslupido, affr ntoso e desmoralisa-
dor costume, de borrar se a pixe a frente das
casas, cujos moradores nao cbegam a agradar a
legiao nocturna do deboche ? ... E somos um
povo civilifado.
A continuar a cousa, responderemo3 a pergun-
ta que ahi deixanios em pe.
Propa^addra da Instruc^ao Pu-
blica.Pelas 6 horas da tarde de amanha, ha-
vera sessao do conselbo parochial da freguezia da
Graca, a Encruzilbada de Belem, casa de residen-
i.iado res)ectivo prssidente, Dr. Jose Auslragesiio
Rodrigues Lima.
Ferimento grave.-:- Em 26 do corrente.
Vie.torinc de tal, ferio gravemente a seu proprh
irmao Jose' Vioorino, com diversas facadas, no
lugar Olho d' Agua da Malta, do distrieio de. Boir.
Conselbo. 0 delinquente evadio-se ; leva, porem,
logo o canvenienie destino o inquerho pobcia),
que esse facto occaiionou.
Como era !>* 1 Na localidade deno-
minada Boa-Vista, do ter mo de Bezerios, Thereza
Maria de Jesus, de i>7 annos.de idade, assassinou
com uma caeelada a. Francisco Soares da Silva,
maior de 70.annos, com quern, havia vinte e Ian-
tosanvos, ufrj'd. Presa em flagraate, acha sesob
a acjao da lei.
Kvasso-A? 4 .1/2 boras da madrngada de
12 do corrente, evadrram-se. da cadi'ia de Bezer-
ros, os sentenciados : por crime de furto dj c.i-
vallos, Jose Franoiseo do Azeve>1, Antonio Fer-
reira dos Santos. Adelio de Sa Barretw e Lauran
uno Jose Iie..erra ; e por teatauttva 4e morte,
Ma noo-l Quintiao de Freilas, & Manuel Marcos dos
S*atos. Reausaram elles seu iatento, consegulado
arrotnbarem a cadeia, em oocasjao em qu9 dur
mia a sentinella. Esla acha-se presa e vai res-
ponder por- sua neglioeneia.
CoosequetMiias da eanbriaguez.
Em 17 do outrante, o subdito alieniao Joao Lifur-
di. qne havia poucos dias tinba chegado a villa-de
Gamelleira, em peririanenle estado de embriaguez
aiirou^ccmsigo no rio Seriubaem e morreu afo-
prda.
Is^n^ao de direftos.Pelo nunisterio da
fazenda, em 21 de Janeiro, foi expedida circular
e modilicada
da r.-nnilia,
de as-
e uma
..a so,
,, j charna-
v Fqlsom, e 6 u;na
em.se casou o pro-
{modos e luxos da
lundo que a <3ee
edilicando uma bar
as tbesonrarias das provin-i, decMHHn#at a|
d<'vl#a tacuco, e 'aftm iv lua.flJbMfeVn constar
^Bnk>s q<^ dc c-iifurmii&pSpm o'dis-
yoswr laHiansula 20 do contrato,- fcf&jjrovado pelef
decret i 3.270 de 26 de abrii di MHW pssado,
pan a- construe, ao e custeio daa Uuhas lelegra-.
phicas submarinas entre o norte a o suido im-
perio, estao isentos do pagamenlo de quaesquer
direitot, maima de expedieiMe, oa eahos, bos ter-
restres para as june.goes e material telegraphico, e
navios emavafados nas eperac^* da saadagem e
iuiuMrsaOf.por se considerarem os ditos cabos nas
agoaf do Brasil, os lios terrestrw t as estacoes te-
le^aajiicas d Western di Brasilian Telegraph
Company, Mmitfd como fa/.endo part* da pro-
prieJade do tjpadn, menos para o effeito de Ibes
serem applicaveis os privileges qae no civel ex-
clusivameat* Bertencem a fazenda aacional.
Presidio dc Fernanda*-m 4 do cor-
rente determinnu o miaisterio da guerra a presi-
deueia iln Pernambuco que o presidio milUar de
Fernando de Noronba se faga representar na ex-
poaieao de prodnotos agricolar, promovWa pah
associac.io particular Doze de Setembro, e que
tem de realisar se naque'la provincia no dia 2 de
da'.eaab'o proximo futoro, coneorrendo com amos-
tras i!e sus productos, acompanhadas das infor
macoes que furem julgadas couvenientes, de.vendo
essa remessa ser opportunamente entregue acom-
missao directora da mesma exposirao.
Supremo Tribunal de Justioa. -Na
|*8s#4o de 7 do corrente resolraii este. tribunal aia
conhecer da revista civel n. 8,430, de Pernam-
imeo, em que sao.paxtes Mamiel ioaquim Baplisu
e Francisco GoncarVes f^ettn, tutor de Arthur, por
set inierj.eutorio o aecordio recorrido.
BrllStian. Young. Este chefe dos mor-
Maons, dlyorciou-se uitunamentq de Ana Eliza, sua
mulhermara moja^e que prjcura desabalaraeu
aaior offadido,,lazeodo uma, ser.iado conferencias
em todos os pontos dps Estados Unidos, sobre os
arranj >s demesticos e familiares do prophela.
Par'ece que o St. Young fez 73 aenos em junho
do aituo-passado, e ate boje caso ;-se com 19 uiu-
Iheres simiillaneamfinte, la das quacs sao consi.-
deradas < sq suas p)r tod i o tempo e eternidade
as outras i sao vittvas de Jose Smi'.h e esposa-
por procHrafaa do actual chefe.do* mormons. O
Sr. Young tem duas casas particulars, A Bee
Hive e a Lion House. Uma esposa tem o miado
supremo em Bee Hive, as outras 6 partilbam dos
coamodoj,da Lion .House; aa restaates acljara-se
espalhadas por toda cidade e lecritorio.
O propbeta lem 4S lila is vivo*, 20 rapaz.es e 16
mocas, a maior parte delle*.acjiaiasa estabekicidos
o gozando as duyura^ da polygamia.
A Sra. A ou Eliza cuQta-uoa qne as osnosas do
propheta nao estao muijo bam aquinhQadas, visto
que sao companheiras de um homem quo. e pro-
phetamsca paiz. A rpgra, seguudo diz ella, e
que, aie n das despezas nsces&arias o das roupas
indispensaveis, cad* laulher, exceptaando a- favo.
rjta reinaute, deve fazer as suas despezas e a de
seus filhos. \
Pareoe uma sorte mnito^duira,
no emlanto pela distribuicao feii
uma vez todios os mezes, do
sucar, uma libra de velas, nm
caixa de phosphoros. A es
pjrein cum grande luxo e
se Amelia, sea .noine do faaiil,
las ult.rms mulheccs com $i
pHf-ta.
Goza ella de lodoa 03 c
vida, sen matido apaixoaad)
Hires aao t'- digoadella. e-ia
bitaea.i quo vai custar 20J.
Amelia, diz a Sra. Ann E' 1 v usa na sua vers^aoda mais abjecta bnguage*-
\ovos cardeaes. Da correspondoncia de
Londres para o Jarnul do Commfrr*', do Rio de
Janeiro, extrabiraos o seguinte: )
" Muito. poucas pessoas for ana aduiitlidas ao
coniistorio qua nomeou mais 1% cirdeaes,
0 papa apresentou-se com sijlas vestes bran
cas ordioarias uma especie ,d;! (uniforrae pontifi-
cio a neglige e deu comeoo a solammdade, em
forna do prefacio, .por unja ligeka abocucao da
qual os orgaos do Vaiicaoo aaA poderam citar
nem ao menos uma palavra.
Declareu entao os mimes dus doze capdiJados
ana por um, accrescentando a cada um deUes ntpa
breve reseaha de suas qualidad^s. pessoaes, servi-
cos ou circumslaacias pucubares qu,>; detjrmiua-
ram a eseolba; voltaadorse dup jis .para o lado
dos oardea.-s, lingio que pergunMva qual era a
opiniao destes, dizendo : Quid vobis videtur ?
pergunta. esta ja convenciouada e a qual todos
os cardcaes devem roipouder. Placet. Isto faz nos
lembrar um costume antiga que existe entre a no-
breza do Pieroonte. De (^ubrmidade com este
uso a noi*a, ja no altar, nao pode rospooder
sim ;i importanle questao do padrn, se aceita o
>ois-e para esposo, semi pnaaw" v"''ar *p oara
seus pais ou totoros e soiicitar o consentimento
dclles por raeio de um geato suppbeante, que 6
invariavebnentc acotapanbado de um signal de
acqnies.-encia.
Dos 12eandidados 10 foran> elevados a dignida-
de de cardeaes pa Ires e 2, apeuas, feitos cardiacs
diaconos. Ha no collegie uma tercoira classe mais
elevada, a de cardeal bispo, para qae nen'aum dos
ministros f a admittido, e a qual podem chegar,
talvez, algam membro do collegio por uma subse-
quente proraotao. \
E' facil conbecer pela lista, diz umv carta de
Roma, o espirito que dictou a escolh.1 do santo
padre; o seu movel principal foi fortalecer o ela
raento estraageiro do collegio e aesse intaito so
nomeou prelados estrangeiros ou diplonpates tidos
como inflaenles pela residencia prolo^igada que
Qzeram nas cortes estraageiras.
Fiz-.ram-se grandes esforcos para fa Franca e a Austria, aquella amiga decidida e esta
partidaria inconstante, de cujo auxilio eventual se
nao pode ainda desesperar. __ \
Como era de presurair, nao se presjiou alien
cao favoravel a obsiinada Allemaaha, e,; o que e
mais para notar, nem a Inglaterra nem a, America 'contauur
comquanto nao tenha o papa partidarios mais fn
ceros e zelosos do que alguns dos preladds j4'dio-
cese Anglo-Saxonica dos dous hemisplieri >.
t Toda^ia, fallaseno nome do aicebspo Mau
mag para a nova fornada que o pan tem de pro-
clamar in petto nas festas da Pascwa. Tem-se no-
tado que nem nas actuacs nem as anteriores no
mearoes de membtoa do sacri collegio, fizesse
recahir o papa a sua escokaa sobre homens de
importaacia scientiflca ou, littera-ia, e o seu pro-
cedimento nao soffre contc&e favoravel con o
dos anligos papas, e nem mesmo com o de seu
imtnediato predecessor fregorio XVI, quo distra
hip Mai e M z/.ofaoti de ;uas oecupacoes soculares,
na nniversidade ou nas ijvrarja*, e promoveu os
logo de simples nbati, is mais alias dignidades que
podia coaceder-lhos.
t 0 jesaila Tarmihi pode, e verdade, ter algu-
mas preteiicoes a fama de liileralo por causa de
seus artigos ntntitjtta Catholica, pnde procurou
sustenur quej-auloridada da SaoU.Se esta supe-
rior a todos ft pateqtadofl do mundo, e moslrou
se par^ifario do abso1!ii*m-*'ho:,"v1 e onlset-
saljcojas base** "oregorio VII tentpu estabelecer.
i M.ii tvttm mesmo como politico, Tarquini era
homem eminente ;eseo papa desejasse mostrar
i ua gratidao, deveria mandar o chapeo de cardeal
a Veuillot em Paris, ou a Mafgplb em Turim.
Nao aconlece muitas vezes rrular-se car-
deaes-nas lileiras da milicia de Loyola. Tarquini,
segundo nos informa a Voce deUi Veritd, foi o
primeiro jesuita que chegou a entrar no sacro
collegio, desde os tempos de Clemento XI, no co-
meco do- seculo XVIII. >
. l.oteria. A que se acha a venda e a 88' a
benelicio da matriz de Serinbaem, a qual corre
boje.
Loteria do Rio dc Janeiro.A lote-
ria 196 (de NictheroHy) corre segunda feira 23
do corrente.
I^cilao. Hoje e o ultimo leilao de fazeadas a
retalbo, que senao vendidas por qualquer pre\;.i
quo ao eorrer do martello for offeracido, a rua
Nova n.. 39.
Casa de detencao.Movimanto da. casa
de deten;ao do dia 19 de fevereiro de 1874 :
Ex istiam presos 333, entraram 2, sahiram 5,
existem 330.
A saber :
Nacionaes 249, mulberes 13, estrangeiros 28,
tfscraws 39, escrava t.Totai-330.
Attmentados a custa dos cofres nublicoa 263.
Movimenlo da enfermariado dia 19 de fevereiro
d184i
Tiveram alia :
Jo4Igoicio Persira de Lima.
Vuente Ferreira da Silva.
Joao Pereira Gonwa
Maria Firmiua do Espirito Santo..
Passaajeiros. Sahidos para Europa.no va-
V' r ioglex Haronne :
- John J. Harpery. Manuel Josi1- Monteiro, Eduar-
do Djiningos, Mr. t'J irk. Lucrecia Oreco, Joaquim
LnizVfcira e- 3 tilhos, Joseph da Silva, Antonio
Jolo da Silva. Miguel F. Santos, Theodora Scares
B.'tellio e 1 lilho, Manoel Raposa, e Carreiro.
fflitm WlWIWPtti* -- f HrjaJt* ft> mafflHT. rfmeiteada> relacin dos
SBSS.W) EXTRA01UMNAKIA EV| 4 DE FEVEBEI-
. RD DJE 1974.
rilKSIOENNCIA D) SI1. RKOO E A1.BJJQUKQUR.
Ao iheio'dii.'presentes os Srs. Neyes.'Gameiro,
Tliuodoro Silvae Dr: tfoscov, i lida e a^iprdvadi
a acta antecedente.
Le* se o seguinla -^aaar" ^rm^^-
xPKDiBirra.
I Um ollloio d Era*, presidenle daprovin.aa, da-
ftado de 30 do passaaV), em reaposta ao que Hie di-
rigio a canaara muaieipal em 28 do mesrao mez
acerca das raflaxoe?, qae fex sabre o eaatrato ce-
lebrado peta presidencia para a cB*truceao do
.matadouro pnblico.
0 Sr. vereador Tneodoro Silva requereu wrbal-
aieaie que foaae o ofllcio do Exm. presidente a
pma^commisslb, composta de dous niembros, faaen-
do parte della o Sr. Loyo Junior, qne foi quern re-
quereu para que se represeutasie ao mesmo Exm.
presidente, euju negocio dtrre ser tratado com toda
a euecgia. -Foi approado ananimeraente.
0 Sr. presidente nomeou para compor a referida
eormnis^ao os Srs. Loyo Junior e ffeves>
Uma informacao do engenheiro cerdeador, favo-
ravel a peticao da confraria de S Benedicto, erecla
no couvento de Santo Antonio.Deferio se.
Um ofBcio do fiscal da freguezia de S. Frei Pe-
do GoncaKes, remettenda a rela^ao das multasl
tmostas por aquella flscalisaclo, de 28 de Janeiro
puimo a 4 do corrente. luteirada.
Onim do flcal da freguezia de S. Jose, comma-
nicando a esta camara haver muitado no dia 30 de
Janeiro ultimo a Joaquim Ignacio de Mello, em 44,
por estar vendendo peixe sem ser a peso; a Joao
de Moraes Navarra, na quantia de 4/1, pela mesma
infraccao ; a Antonio Francisco Lapa, em 6/, por
estar com a taverna aberta depois das duas horas
da tarde.Inteirada.
Outro do fiscal da Bda-Vista, remettendo a rela-
cio dos iahviduis multados dnrante a semana de
27 do jaueiro ultimo a 4 do corrente.Ao mesmo
para declarer a caHsa das muitas-.
Oatro do fiscal da freguezia de S. Lourengo da
Matta, remettendo o mappa dos enterramentos fei-
tos na mesma freguezia durante o mez de Janeiro
ultimo.Ao proMirador.
Outro do adminlstrador do cemiterio publico da
freguezia da Varzea, remettendo o mappa demons
trativo das pessoas fallecidas de bexigas na mesma
freguezia desle o dia 20 de setembro a 30 de de
zembro do anno passado.-Ao archivo.
Um regueriment) do major Francisco Martini
Rapozo, no qual pode providencias acerca da edifi-
cacio de uma casa, que esta ftrendo Jose Carneiro
da Cunha. A* commissao do edilicacio com o en-
genheirj.
A commissao encarregada dis obras do mercalo
pubbco apresentou seu parccer acerca das mes
mas obras, e concluio pedindo, que a camnra no-
measse uma commissao de engeuhciros para exa-
minalas.-Fol approvado.
0 Sr. presidente nomeou aos Srs. Drs., Gervasio
Rodrigues Campello e Manoct de Barros Barreto e
mandou que nese sentido se Ihes offlciasse.
Foi apresentado o seguinte re^'oeriiuento :-r-Re
queiro que se mande publicar na acta o or5amVit descripj so e termo ao contrato do mercado de' #
Jose, os pareteres do engenheiro cordcaflor a res-
peito daexecneio das obras, e o parectr do enge-
nheiro Wouteer, que foi apresentado pelo arrerna-
tante do mesmo mercado, Jjse August j dc Araujo.
Pxc.) da samara municipal do Recife, em 4 de
fevereiro de 1874.-Dr. Is-bo iloscoso. Approvado
unanimemente.
Foi rgualmente apresentada a segninte.proposta:
Nao. lendi inda entrado no exercicio de capel-
liio do cemrterip, o Rvm. Francisco Luiz de Carva-
Iho. por se achar bastante doeote, proponho que
seja nomeado int-rinnmente o religioso francisca-
np Fr. Antmio do Espirito Santo Titara.
Paco da camara munivipal d Recife, 4 de feve-
reiro de 1874. Jose Pedro das Neces. Approvado
unanimemente.
Foram deferidas as peliroes de D. Anna Augus
la Keretb Jorge, da Companlua dos Trilbos Urba-
nos de Olinda, Antnm'o Goncalves de Azevedo, An-
na Maria do Rego, Alfredo de Barros Ferreira, An
lonio Ferreira Ramos, Rartholomeu. Lourencp,
Barao de Bemlica, Braga & Pimentel, Jolo da Cos
ta V'enancio, Josfi Jacome Tasso, Joaquim Martins
Moreira, Joaanim Jose deAteveJo, .Manoel G. V:e
gas Junior, Maria E. de Faria Gadout, M iria Joa
quina das Dores, Manoel Duarte Rodrigues, Nico
lao Tolontino de Carvalho, Pliilomena Elysia de
Albuquerque Maranhao, Paolo Guelphe, Pedro de
Albuquenpie Autrap, Ricardo Parmar Braip, Se-
verino A It maos, Silverio da Sdva Coelho, Wilson
Howe & C.
Nada mais havendo, o Sr. presidente levantou a
sessao as 3 horas da tarde.
Eu, Francisco August) da Costa, secretario, a
escrevi.
Manoel Joaqiiiin ao ney t Albuquerque, presi-
dente. -Jose Maria Freire Gomeiro. -Jose Pedro
d sXeees. Theotoco Machado Freire Pereira da,
Silva.Dc. Pedro de Athayde Lobo Moscoso.Jose
da Silva Logo Junior.
ira, por infraccao do art. 150 das
na importance de 10*. Ao pro-
SESSAO EXTRAORDINARIA EM 11 DE FEVE-
REIRO DE 1874.
PBHSIDE.Nr.l \ DO SB. RKOO E ALBUpUKHQUR.
Ao meii) dia presenles os Srs. vereadores Ga-
meiro, Neves, Loyo Junior, Theodoro Silva e Dr.
Moscoso, e lida e approvada a agta daaiHece-
deutc,
Le se o seguinte 9
I XFED1E.NTfc'.
Um ollicio do Exm. presidjfente da provincia, re-
mettendo a esta camara unj exemplar impresso do
regulamento de 17 de deafmbro ultimo, relalivo
ao contrato celebrado pel* Sa tra Casa de Miseri-
cordia ci>m Agra 4 C,j^ara o servi^o mortuario e
i t ^ I ii ii ni"vnt\ v\ r\r* 9 <
dij-i lm,a-(oua*is pur a^nrlUfi^calisi^in aa im-
p irtancia de 77, j- Ao pr.Nuuadnr.
Outro do ii-o4 da freguezia da Boa Vista, re-
met.ertdo Um a-niio de finraeca" na importance
de 30^, coniraf ifte<'l Aataaio de AzeTedo, por
se achar concdrtando a frente de sua casa, a rua
do Tamhia n_A3, sera licenca. Ao procuradnr.
Oatro do fBcal da fregauia ie N. Scnlwra da
Graca, reiucftuod* uma rola ;ao das pessoas mul-
ladas na impdrtancia de S24. desde o dia t ate it
do ecrreote. J Ao procured. >r.
Outro do e*t da tregaezia de Afogado-, com-
municando lidf'er muitado a Luis Chn>liauo Wel-
rante, por iuffacca) de art. 187 tit II das p is'.u-
ras ^e 26 deljuaho de 1873 ; a Aatoaio Pereira
da S:lva, por Iniracrao dos art*. 78 e 76, combina-
dos com o art 91 das mesmas posturas, e a Sera-
fim Leiie PeA'""
dilas postural)
curador.
Uma petiea i de Martiaho Domingos, pedindo pa-
gamento de custas a que foi coudemnada a mum-
cipalidade, na importaacia de 75*500. Ao coa-
tador.
Outre de Paulo Tolenlino de Negramonte, tam-
bem pedindo pagamenlo da qaaatii de 4l/><> 0 de
custas em que foi coudemnada a muoicipalidade.
Ao procurador.
0 Sr. vereador Theodoro requereu verbalmeaie,
que o matador informasse em uue estado se acha
a iiquida.'a i da divida acliva, dando con nrp-n-
cia uma lolacao exacta dos dev.dores. Ifpt
vado.
0 Sr. vereador Loyo Junior propoz que se desse
mais a quantia de S>)JOOO por semaia para o ser-
vigo da limpcza da freguezia de S. Fr. Pedro Gun -
calves.Approvada.
Foram apresentados os seguintes requerimen-
tos:
1Ae.jueiro que o procarador de>ta illuslriisi-
ma camara apreseate com toda a urgeaciaa reU-
rHo das muitas impostas por todos os iisca.es des-le
o dia 19 de mare i de 187 J a 31 de Janeiro de 187i,
que ainda aao estao cobradas, e o mot.v i poruue.
Kecife 11 de fevereiro de 1874. -Jwse Pedro ds
Noves. App.rovad..
Re queiro que a camara se dirija aos engeaheuvs
Drs. Gervasio ttolrigues Campello e Manuel d>-
Barros Barret;, mostrando a nic< -s>idade de se os
imporlante. servicos, visto Se. Ss. ja tereio-se pr* -
tado uma vez ao pedido .da camara e serem
que melhor poduui informar a camara, |tor ji le-
rem estudado a matena,/
Paco da camara municipal do Recife, II de
vereiro dc 1874. -Djt. Lobo Moscoso. JaiaJ Pcdri
das Neves. Appry.-td.
Foi uiubem aprolentado o seguiate parecer
A.co:mnissao de/p.ilicia, a quern foi remctlid j
requei iineato de Rferuardiiw Jose Leilao, procuru.:
examiuar o preJiuJ em questio, reconbeceudo
a vanlagem sea) Jue seja deiuolido e cilado predi >
para alargauie .to da rua, vi>to parecer-b.e rr>:.i
pejajajaa a cu-t) d* clesapropriacao, allendeado a
see", estado, jalga dever ser deiermiaada a dc:..
propriacao pelos termos iegaes. A camara res>!-
vera o qae lor de justica.
P.ico da camara loauicipal, II de fevereiro
1874 -if"4t\adoro Machjdo>rlP*re Pereira da Silva.
J se da Silva Loyo Junior. Foi approvauo, e j
pDcurador para oouwder-se com o proprielario.
Fur.iiii deferidas as peticOes da confraru de -".
Benedicto, Antonio Maria Marques, Autuiio T
xeira da Sdva, Adylpho Marques dos Santos, An.- -
nie Jo:e Itodrigues do Sauza, Bernard a Jaw Perei-
ra, Candida Carolina da Silva. Cesario Acurcio da
Silva Pipoula, Florencio Rodrigues de Mirand.
Franco, Francisco Joaquim Ribeiro de Brilo, II
menegildo Eduardo Rego M.mleiro, llerculanoii -
taes dos Santos, Uermiliuu Elyseu da Silva Cane;*
Henrique Cecilio de Almeida, babel Maria Soar-.-,
Jose. Jeronymo Bastos. Jose Joaqara de Freitas Jj-
uior, Joaquim Amancio de Lima, Jose FrancL-*o
(arneiro, J aj Agr. lie, Imd Aurelio de Oiiraira,
Manoel Ferreira (JoelUo, Maoel Joaquim de Sau-
t'Anna, Dr. Miguel de Figueinia Faria, Maria Joa-
qnina de Sant Anna, Manoel J.icinlbo o<"-Uw, &na-
phroaio Cesar Coutiobo, Tlieophilo Alves da Sii.a.
Prudencio de Oliveira Puoentel, Teixeire Chaw- *
C e Tiiomnz de Carvallw Soares Brandao Sobri-
nho; a de Antonio Ferreira Ramos m-aadou-se sue
apresenlasse o litulo de posse
Nada mais havendo, o Sr. presidente levantou a
sessao as3 boras da t.rde.
Eu, Francisco Augusto da Costa, secratario, a
ecrevi.
Theodoro Machado Freire Pereira di Silca, pfo-
presideute. Josi Maria Freire Gameiro. Jf
Pedro due Neces. -Joao da Cun/fi Snares Gtuma-
nies. Dr. Pedro de Athtgde l/ibo Moteozo. J' M
da Silva Logo Junior.
carros funebres net
Outro do memo, ^
demonsirwio da receit
in;
inte o trienni
lade Ao archivo.
lindo remessa do quadro
arrocadada por esta ca
de 1871 a 1873. Ao
o, pedindo com urgencia
segundo o ollicio desla
anno Qndo, reccbeu
xaninados pela com
:orte. Ao procu
drigues Cam-
i Antonio do
eitar o cargo
lico desta ci-
Oulro lambon do mes
os pad roes metricos que,
camara de 1Q de marco
em mao estado para serem
missao de pesos e medidas n
rador.
Oulro do engenheira Manoel We Barros Barreto,
pedindo dispensa de faze- parte iLi commissap que
tem de dar parecer sibre negol os conceraentes
ao mercado publico desta cidade.\- Inteirada.
Oulro do eogenr.eiro Gervasio
pello, no mesmo sentido. Iutein.
Outro do religioso franciscano, fi
Espirito Santo Titaro, recusando
de capella i interino do ceinilerio
dade. lateirada.
Oulro do administrador do cemilirio publico
desta cidade, participando que as, catatumbasper-
tencentes a irmandade denominada 4- Mao do
Homens aeham-se todas fechadas pjpr nao ter
decorndo ainda o tempo marcado pew regula-
mento, e pedindo que se nao mande paiear gaias
para iahumacao de cadavcres de irmaosidaquella
irmandade.. "n) "j.n-wirador.
Uma inf -rmacao do engednuro cordeadof sobre
o reiiuerimanio de Antonio te.rreira Ramos*
Man.lou-se juntar titulo de dominio.
Um ofli :io do solicitidor dos preaos pobres, offe-
recendo seus servicos no impedimento do solid-
tador desta camara. Inteirada e mandou que se
offleiasse dizendo quo seu offereciinento; foi rece-
bido com agrado e que, era tempo opportune*, esta
camara se utilisaria de seus servicos.
Outro do procurador da camara, remettendo a
relacao das muitas impostas pelos fiscaes no mez
de Janeiro proximo lindo. Ao mesmo para pro-
ceder a respectiva cobranga,
Outro do mesmo, pedindo que se Ihe leye em
conta a quantia de 2.0001, da qual. por. ordem da
camara fez um saque para o Rio, de. Janeiro, cp-
mo impertancia dos iuros Jaseguoda presiacao do
emprestimo contrabido para a coostruccao do no-
vo mercado publico, Ao contador.
Outro do mesmo, tambem pedindo que se Ihe
leve em conta, a quaoua de 2:70(> que despeadeu
com a desapropriacao do sobrado. da rua do Amo
rim. Ao coctadur.
Outro do contador,. saUsfazende o qua foi exigi
do pelo Exm. preeideate da provjneia em offltfo
de 6 dq corrente com a rem-asa do quadro de-
monstrative da receita da camara municipal, ar-
recadada duiante o tnennio de 1871 a 1873. In-
teirada, e que se reroetta a S. Exc.
Outro do fiscal da.freguezja de.S.rrei Pedro
Gonc;Jve5, remettendo a relacao das muitas im-
postas a Hermann Lundgren, em 2o3, por terem
sado eaconirados em seu. rstabelecimento np.ve pe-
.so*, e uma balanja sem ajericap. e a BeaedictPi
Alves, quatro angoras tambem sem afer^ao. Ao
procurador."
Outro da fiscal de Santo.Antonio, inlormando a
.pe,U;ao de Joao .Agrelli. CbncedfiU-se.
Outro .do Gscal da freguezia de.S. Jas^, infpr-
mando fa v. ravelmentc a petic&o de Manoel J,a
cintho Coelho- Coccedeu se.
Outro do mesmo, pediq lo providencias a/erca
Idos :anos mestres que dao para 0 beCco do Peixo-
to. Inteirada.
PARTE POLITIC!
P ill 11 BO MIVSIHVIDOK
RFJ3FE, il DF. FEVEREIRO HE 187i.
o su. i.iciix.v e os NHN Wftryr.n*rfr-'
MIKllfOS.--
Eis ahi a epigraphe que ,-ervio de assumpta
redactores da Provincia para assacarem n..\.
sultos, de que sao nzeiros e vizeiro*, ao res;
vel.adfninistrador desta provincia.
I'residenliculo, leviano, insensalo e outre* injo-
rias de ignal quilate sao as arm.-.-, qne sabe DM-
nejar a raivosa eohorte dos ^rorros.
Apparenlando fementidozMo em favor dos eng-
nheiros da reparticao das obras publicas, procu
ra tecer am mexeriro, enxergando grave offen-1
ao pundonor e aos brios desses funccionarios aue
officios de 31 de Janeiro e2 de fevereiro diripu!
pela presidencia ao digno chefe desla reparn .
Quemtiver lido o artigo de qae agora nosW-
cupamos, facilmente lera tambem comprehenduU
qne nao foi certamenle o instinrto do inieresse e
da moralidade pelos negocios da pablica admin.-
tra;ao,que inspirou aos liberdadeiros da Pro,m-
cia esse aponloadp de ultrages que ahi sel* eel
sua gaieta de hontem, s< b a epigraphe acima
0 nosso amigo, Sr. Or. Jose Tibmrio, que in
sido uma victima constante, amarrada ao pelo;iri-
nho da Provincia, perfeilamente comprrtiend-- i
presente de gregos que agora se dignam de a* i-
tarlhe esses amaveisjiror/ncianej
Com effeito, exclamam elles :
Q ie papel pretende oSr. Lucena fazer rej-: -
scntar o Sr. Jose Tiburcio f
a 0 Sr. Lucena procederia com mais dignid* le
e eoheren:ia se demiltisse logo esses empreg
publicos, era quem parece nao ter a minima a n-
lianca. Antes a de i issao, do qne a desmorah-
sacao, rctuliante desses ofDcios offensives ao fI -
donor e aos brios de quem osreeebe.
OtDciosos defensores estio sempre alerta ,
pescarcm nas aguas turvas !
0 nosso amigo eonhece alias a mao traifueir. ;
sagaz que tao adestradaraente sabe manejar a.i
sombre em favor de sua dignid -de c pundonor de
empregado pnblico t5o acintosamente ultrajaO"?
pelo Sr. commendador Pereira de l/irena I
Advogados sem causa nolitica nar?. dVfen.4ig
em prol do partido d<- ^incalcam os che'**
efr'yj'giA 'jfe^ial, vivem da aspecnlacao, esses ca-
vilosos prot'inc'ianos, dos faijos ainda os mais in-
signilicantes e que, porventuaV nem dtrecta, iem
indirectamente Ihes dizem resjeito. comtanin, po-
rtal, que lhes sirvam de ostensivo ensejo para
atirarem a pedra contra o heroico administrad-.r,
que cada dia os vai esmagando com os repeiid.-
a:los de justica e de nobre parriotismo prfa pros-
peridade desta bella provincia.
Com effeito, p que ba ahi de censuravel no of-
ficio de 31 de Janeiro que podesse despertnr ta
santa eclera dos redactores da Proeiitcia era de-
feza da diguidade do Sr. Dr. Tiburcio ?
S. Ex3. Tembra ao honrado chefe da reparti^..
os inconvenientes que resulram de serem os pa-
rentes d.s engenheiros os forneeedores d. m;.h--
riaes e empreitekos ou arrematantes de obra-
recommenda-lhe que faja cess'r, como cenvem,
um semelhante abaso.
Esse acto de S. Exc. e iongavelmente digno d-.-
mais justos. louvoresda parte de todos os homens
moralisados e que naosejam os redactores da Pro-
rincia, que andaru a pescar nas aguas tnrvis.
Sera licito, com effeito, e coaveniente arts ime
resses da provincia que os parentes dos engenhei-
ros sejam os forneeedores on emprelteiros da*
obras publicas ?
Certamente que os liberdadeires da Procintii,
^ue nao conhecem escrupulos em matcria de coa-
[tratos, devgm consid- rar uma tal provideaeia f
teommendajao como abnirda. rxtraragqntf.
inexequnel, exdruxnlo,(lrsparqtada, etc., etc. '
Bern facil 6 de comitrehender, entretanto qa
urna provideOcia de tal ordem poderia desloear
importantes Interesses, qne porrentora seriam pre-
judicados em prejuizo da provincia, e dahi a gnia
le especnl ul -re? toscamenle desfar^ados en viu-
gadores da probidade e da honre .dos engeaheinc
em que S. Ex:, parece nJo ter a mmm* -
flanea I
Oesenganai-vos, sephores, que as rossas laaaae
nao engrolam mais alguem e bem conhecidoe i<*>
b

V
rjWHMI
.
c
1

V


-
V
f


*
"f
i
I

'
*4kV

DhMHe^^mr^ 3*>tae te (fef 1%
le JvHF
3
nesta terra, que tMaffeiatajMro da vossas fa-
^^ztmos iHosob- iBdaetoros qae. eesa re-
caiBwWwie Ei; oni8iAefo.chte{ P
fende xw principle de fumNQM m dbs'-oe*-
tretgt
Ora, qoe outros proferfcsem tal proposicio;
mas o mente admiraw ; alias 6 conHetMo o $rao de pa-
rentesco que envolve probibigSo on suspeta na ce-
leuraf ao dos contratos.
Oi redactores, portal, coaluudera os contratos
de qua tratarn os oilkios acima ci tados com aquel-
las qoe sao eelebrados pela tbsiouraria proviucial
mediaaie lianea idonea e depot* de aberta a con-
currencia.
Sa o amor da verdade a da justiea acluasae mais
an seus espiritos do que o odio e a vinganca pes-
soal, (acil Ihes seria reconhecer qua a presidancia
referiase em seus ditos offlcios aos contratos de
mere inspeceao a administracio dot engenbeiros,
independentemente daquellas formaliJades e ga-
raotias 4e qua sao revedjidos o contratos de ou-
tra ordem a cargo da mesma thesouraria.
S, Exc. pois nao preteo Jeu altejar, dimiauir ou
augmentar as condico.'s de oaparidade para coa
tratar oa trsnsigir, estabelecidas pelo direito ci-
* vjL conforme dizeiu oa provincianos, por ignoran*
eil\*u malicia, alt .is naa teriam figured* no in-
sultaow* artigo, a qae respoudemos, a hypothese
da concurreueia e da arremataeao publica das
obras da provincia perante a thesouraria proviu-
cial com o qae alias nada tem qae ver os enge-
nhoiros da repartic4o
O mais. engracajo, porem, e o alvitre qae os sa
bichoes da Provincia, propSo a S. Exc, como o
qae devera ter silo obsatvado, a saber:
Seria sufflaiente obaqrvar ao Sr. Tiburcio, a
cenveoieucia de qaaaanum engeahei/o inspec-
cipnasse as obras arreraaudas cu coutraladas por
pareute sea, em grao em .qua a lei presume par-
Cialidade e eslabefece fumeicao.
Ora, eis aln uma perieita ncrma de proceaj-
mento e pratica admini*lrativa t
Gerlamente, senhores juristas pr.ivincianos, das-
de que os engenhoiros is am aislrictos inspeeto-
uass.em em outros districtos as obras contratadss
por paentes sea3 (em grd) vupeilo), tudo estaria
arranjado e nem -po laria haver inanouoiunarau
eotre todos os engenhoiros da repartieao dae obras
public*", para inievidaraeata' prolegerem, uns os
parentes dos outros, e nem tal providencia a re-
commendagao imporiaria uma injusjica e ultraje a
esses funccionarios.
Que cabecas de rapazes que saoessas dos sa-
bios e prudentes redactores I
Os eogenbeiros, deisando a jurisdiccao dos seus
districtos para inspeccionarem ans os contratos
dos parentes Aos outros e para evitar a injustica e
o ultraje, e a provincia a pagar a estes repelidas
ajudas de casta!
Oh! quanta especie I
Quern examinaria eutao qs contratos feitos pelo
?ngenheiro chefe da reparti;3o com os seus paren-
tes em grdo prokibido 1
E o nosso amigo Sr. Dr. Tiburcio, -par muis
obediente que pareci ser, na phrase dos provincia-
him, poJeria observar uma pres^rjpglo tio humi-
ihanle em face dos seus subaltern is'?
E o qua e mais fwiavar:
Uma ver. observada a regra admmistraliva de
uus en^enheiros iaspeecionarem as obras dos pa-
reotel dos outros seus coIlegas,-(paraevitarman
cumiinacao, grave injastica e ultrage a esses func-
cionario.") ji na> sera bsi possivef que o Sr. Ti-
barcio conheja tolas os partntes de todos os enge-
nheiros, e estes os parentes do Sr. Tiburcio, nao
sendo para isso necessario a arvore genealogica
de cada prelendente.
Isto, sim, e que oio seria inexequivel nem ex-
tmxiilo, nem supinamente ridiculi.
Preci>amos deelarar muito cathegoricamente aos
redactores da Provincia, que eatamos dispostos a
vingar com pana de Taliao, os epitbetos aflrmlo
sos e insultos que continuam a langar, com maos
cheias ao dignissimo presidente da provincia, e
:itio saberemos dar uma ligao a esses Qdalgotes
tolineiros do chefa de sua gazota, que nao sabem
c iruer-se na orbita dos d^veres, que todo homera
deve a outro na sociedade.
or de w tHulo det
mwvtoir
0 GYMSASIO PROVINCIAL EM AB UfOOXO.,
Sob esta epigraphe publicou a Provincia de 18
do cprreute um quinto artigo, cijjo principal Gm
foi ainda atacar apaixonadamente o Exm. Sr. Dr.
Luceoa e tambem o actual adminislrador interiuo
do gymnasio.
Ainda no artigo a que nos referimos nao deixou
a Provincia de insislir na accusanao do illu.-trado
adrainistrador da provincia por conservar o gym-
nasio no estado de interinidade e dispensar o rega-
dor de residlrno estabeleeimento e de cumprir os
deraiis deveres inborentes a sea cargo.
Maldita tenacidade I -
Ja em nossos precedences artigo* provamos que
infundadas erara as accu^acoes da Provincia d'ahi
dedaudas contra o Esm. Sr. Dr. Lucena. Nao
fomos combatiios em nossos r sistem, nem destrailas as nossas assercoes ; e to-
davia a Provincia nao se pnja de repetir aqaillo, de
cuja improcedencia esta convencida.
A torpeza do motivo, que tem dado logar a serie
de artigos pnblicados a proposito do gymnasto con-
tra o Exm. Sr. Dr. Lucena, bem nos esta dizendo
que o seu autor e incapaz de se curvar dianta da
verdade, que taut) detesta.
Comtudo, em at'encao ao public j alguma cousa
ireaios ainda dizendo a respeito do que tem servi-
do ultimamento de thena a Provincia contra o
Exm. Sr. Dr. Lucena e igualmente contra o actual
wgedor interiuo do gymnasio.
Este ultimo e accusado de completo de?prezo no
cumprimento de seus deveres na qualidade de pri-
meiro empregado do gymnasio.
Fazendo a Provincia ao regedor uma lao grave
acjusacio, nao se lembrou sem duvida do quod
probanduni, que serapre Ihe passa desapercebido a
por isso nehuma so prova exhibio para fazer
erar o que avan;ou, Iimitando-se apenas a allir-
mar,serarepugnanoia, o que Ihs parcceu ageitado
a saiisfacao de mesquinhas vingancas.
E' aggredindo a tudo e a todos por um modo
t3a descommunal que a Provincia suppoe ha de
fazer fortuna.
Coitada 1
Mas a verdade e que ha nisso o mais completo
desaso, prova exuberante do desarranjo, em que
vai a redacgio do orgao liberal.
0 Exm. Sr. Dr. Lucena 6 ainda accusado por
ter nomeado para regedor do gymnasio um homem,
cujas crencas chama de anti-christas.
Eis o modo, por que costama a Provincia fazer
suas descabelladas accusagoes e isto racsmo ancha
i omo quern metteu uma lanca n'Africa.
Miseria I
E' sempre a divisa da Provincia tudo dizer
e nada prova r.
As proposicoes mais offensivas e infundadas sao
langadas ao vento com uma inconsciencia someute
propria de quern e victima da mais furiosa paixao,
do mais inflexivel odio.
Nao ha quem nJo saiba que de nenhum modo
tem sido prejudicado o ensino religioso no gym-
nasio durante o tempo qae tem estado a sua
frente. aiada que interinamente, o actual regedor,
o qual por mais de uma vez tem sido visto nesta
cidade conduzinlo os educandos do gymnasio a
miisa f6ra do esUbeleciraeto, por nao ser nella
oelebrada a falta de capellao ou censor.
A interinidale do cargo de censor foi ainda raa-
teria para longos arrazoados por parte da chica-
m'sta Provincia, que tudo atrapalha, quando trata
de malJizer.
A falta de am sacerdote illustrado e moralisado
dispost) a aceitar efTeclivamente a nomeaijao de
censor, 6 qae tem dado lugar a continuar a mteri-
nidale desse cargo. Mas, a Provincia, cujas ac-
qSis tem sempre am movel inconfessavel, attribue
(julgando os mais por si) a failada interinidade a
calculos de compadresco por parte do Exm Sr.
Dr. Lucena, a quern nao attingera as settas eova
oaaadas, qae Ihe sao todos os dias atiradjjs..
Apparega e3se sacerdote, disposto a aceitar o
cargo de censor, qae tado se fara a contento da
Provincia. Pode estar certa.
Habituada com as administracrjes dismoraliaa-
da3 dos seus, a Provincia suppoe ver desmoxalisa-
$ao em toda parte. Affeita as pratlcas corrupta-
ras, que sempre Ihe serviram de regras admiois-i
trativas, quer por forca admittir que a corrupcaol
e a norma de todos os governos.
Deploiavel mania !
Mas qae importa ? Acaso poderlo vis palavras
mudar a natoreza da3 cou*a8 ? Nao : tolo seria
qaem o dissesse.
Poi bem, vi a Provincia o sen camioho de/
desacatos, deseompostaras elosultos, certa de qual
Ibe farao todos os homans seosatos a divida ius-
tica.
awii
r sXaMepacho de 13 de seterabro, V. Exc,
me fez a honra de parguntar-me,, em nome do Sr
ministro da instruejiO pi*lia, se o tilulo de ticen-
ciad) pm.niedicina, em.Hespanba. suppoe quatro
anobs de Ostudos, ou se elle equivaie someate ao
grao 4a official de saude.
Pela antiga legUlagao.^o titalo Aujicenciado em
medicina nio eraobUdo sajito .depois de 6 aanos
de estodos e dava Jireito aqaelle que della se
aehava munido a exercer a medicina em toda a
Hespanha. Ainda assim 6 qoanto as prerogativas
do titulo; somente, depois que, por decreto de il
de outabro de 1868, o ensino f >i declarado livre
em Heepanha, a obteagao doa titulos aeadamicos,
posto que flcando submettida as mesmas piaterkisj
de estudo e aos exames especiaes e geraes, cessou
de ser restriogida a um numero determioado de
aoaos de aasisleacia aos cursos. Disto resuita
qae actuaJmeale o grao de iicenciado em raedtci
na code ser coocedido depots de qtutlroannas del
aJiudos.se, nos exaroes, o caodidato e recoubeci-
do eapai. Para chegar-se ao grao da doutw; o
Iicenciado deve seguir, durante um anno, am enr-
so na (Joiversidade central, mas one grdo supe-
rior nao Ilia dimaii vantugeas para o exercicio
da medicina.
i Tenho a honra etc.
Assigntio : La Boch'foucauld.
N. B.-Pade-M ao Sr. Dr. Miranda que leia isto
A irmaa^ade do Seahor Bon'
Jesus das Chagas
previne a/J publico que deixade eelebrar os ser-
moes quaresmaes na igreja de Xossa Senhora do
Paraizo, como annuocioq, pi)rjjue_A4nD'a adminis-
trativa da Santa iiisa de M sericordia "rlaa^locife
entendau que aquelles actos eram contrarkff a or-
dem e regularidade observadas em am ertabeleci-
mento da eJucacao, eomo se vi dodwcio abaixo.
Santa l asa da MisericorJia do Rqeife, SO da fe-
vereiro de 1871. -N. 783. -I1U. Sr.-Em vista do
que resolveu a junta adjninistrativa desta Santa
tas* em sessao de houtam, de conformidade com
os pareceres dos mordomos encarregados da igreja
de Njssa Senhgra do Paraiao e de raez qa casa
dos .expostos, pafticipo a V. S., de ordem do. Um.
Sr. pnvedor, qua nasta data se expedem as con-
veuienles ordens para que no doming) de Ramos,
como tem sido costume oos aoaos anteriores, pelas
i boras da madrugada, seja franqueada aquella
igreja para- ter lugar a rai*sa resada, e pelas 3 ho
ras a proeissao do Senhor Bom Jesus das Chagas,
assim. como alguns dias antes para a armacao dos
audores; nio podeado, porem, ser satisfaita a ir-
maadade com relacao ao pedido qua I'az para que
possam.haver sermoes quaresmaes nas scxlas fei-
ras de cada seraana, pefas 7 horas da tarde, por
ser a celebracao dasses actos aooturaos, coatraria
a ordem e regularidade, que deveui ser observa-
das em um estibelecimento de eJaoacao, coma e
a casa dos expostos, ao qual iica cootigua a igreja
de que se trata e c m ella;em faqil communiBacao.
Deus guarde a V. S.-Hlm. Sr. Domin^os da
Costa Monteiro, secretario da irmandade do Senhor
Bora Je3us das Cagas.-0 escrivao, Pedro R>dri-
gues de Souza,
A irmandade declara as pessoas que deram es-
molas para os sermoes, que as procurem ao con-
sUtorio da mesma, cert is do que se as nao proiju-
rarem, flcarao para a proeissao.
Recife, 20 de feyereiro de 1871.
Domingos da Costa Monteir\
seeretario.
laws oofi znojm
bcttrfFclOO saccos
de (aajucar maseavado ; J. J.
**f rfWmW diloa 4e foama.
mmiiMMaA Scutdade, -para o Porto,
ifoa
kilos de
- Ni
0 Porto,
com 1K,i
earragoa
da assucar mawanado, a Ml couroe aalgadoa oom
t \/>it ottos.
Prw a*, potto* do intenor.
Para o Rio (#ra>ia do Sul, ao urigua aacio-
nal Prazeru, oarjegou : Aroorim Irmaos & C *00
bamcas com 42 871 ljl kUos do assucar branco.
Pa/a o Rio Grande, do SuL na barca porlB-
Bomn AimMa, aarrejjo*: H. Ferroka 440
barncas co 30^87 kilos de asgucar. branco.
Para o Rio firande do Sul, no aauo nacional
Abilio, c.rregou : J. B- Morebra 10 pipas com
i^UO Utros de.aguaxdente.
Para o para, na barca portuguexa Linda,
carregou : A. F. das Chagas 10 pyaa com 4,800
litres de aguardente ; J. G. de Bastos 173 barricas
com 15,430 kilos de assucar branco ; A. Cordeiro
300 ditas com 2l,ii)0 dijps de dito ; A. H. de:
Souza Macha:lo,UJO^itasv'cftra 30.030 ditos de dito.
Para o Har4,.Ba esu)ba aaciopal Georgiana,
carregou : J. (t f Rego hates 20 pipas com,
9,6'JO litros de aguardente e 10 ditas com 4,800,
ditos de alcool.
ifjri'a Isribei,'carregou :">A7Loy6 iOQffsaccoS com
iWWftWos, i?ara a Villa daPenha, no hiate -brasileiro
Flor do Rio, carregou : B. F. GuknaAa> lliarri-
ca com 60 kilos de assucar branea', c.A..-Barbo-
sa i ditas com 79 dltoe de> dito : para Mipibd, A.
diHariquiu i saocos eon 480 ditos ;do duo refi-
Dftdf-
r~. Para a Yuia da I'aoha, na barcaca Uniao do
Norte. carregou : A. Cordeiro i eai*a com 15
kilos de assuoar.ibraaft); M. J. Rodrignes 1 barrica com 60 ditos de dito.

* que se
tmt-
ino da thesouraria prtvincla? dfe* rnnmrvrTro declara acs cCTrrnBuro
stosde decima, ^i(rf^jNtrMdayandade kerosera, sobre carros,
m a cargo da cdireaftha do Rro rprraoso, relatfTos ao exerclcic- de
prazo improrojarel ae 30 dias, a contar da pabneacao deste-, na
amnii '. P'^rasoliciuremda secc^do (wnranciosoas respectivasJgas, aflm
dMTr2 >*"-|HWentes dos raesmos impostos, certos de que se nao o therein denfro
vedoresil oebranca judicialmaote, pubUcaudo-se para isto a relacao rloe de-
Secao du caoianciow peoviucial de Pernambuco, 17 de rewreiro dfe 1871.
u. .... ,, ., O procurador flscaj interioo,
A./vi wj- -j ^. M'9uel/ose ** ^ImtidaPernimbucoFUMo.
rt2i d 'Tf?l m% *Jmii rnoemente do, inpuios da decima *rbana, 4 0tO a
HO keroune,e4e*lwO p>r cabeca de gado vacuum, a cargo da coUectoria proviucial de
munwiptodo Bio Formote.
a
#1 #, I
S
S
.a
a

i
2
5
I
F4#iira dos Santo?, 1 e t*
CA*ATAU daalfandk^a
rtendimeatodc rtia 1.10. 13:1784890
ldem do 4ti. ..... 854*918
11:033,1808
-So dial-a 19.
vQumss. sawdos
^rtroeira port*
iegaqda peru .
rerceira porta ,
juarta porta .
Ciapiche Conceicao
Nodia 20
Srs. redactores. -Ao declarante da villa de Bar-
reiros, que tao bora se revelou em seus jornaes de
6, 7 e 8 de Janeiro ultimo, apezar de o:cultar o
seu nome, talvez pela grande mode3tia, que o ca-
racterisa, e inefavel bondade, que Ihe e natural, se
responde, que, parecendo dispaosar suas lindas
cortezias, e smaveis delicadozas, constantes da
sua declaracao ao abaixo assignado, vem este como
costuma agradecer Ih'as, e render Ihe as devidas
gragas, por tamanha fineza: tant) toais por crer
na verdade eterna, de que, quem 6 bom, nao pode
fazer, se nao boas obra; e e cert), que tao bellas
produccoes, so podem ser fithas do genio e conge-
nitas de tantas outras mimosas Qores.que constan
teraente d'sabrocbam da grande corolla de sai
vasta intelligencia. De Vv. S3, muito obrigado
criado.
Jcao Baptisla Seam.
SERVICO JIAWUMO
vlyarengas .descarreeadas no tr-apjehc
aifafldega dj at?' 1 a t9 '. .
Nodja ?0
Navus atracados no trap, da aMaadega
A-lvareueas........
27,7^5
132
317
317
161
30 063
46
Bella n. 26. Antonio Manoel
. semestre
nuf I ?i 32A MelcIor Meodes de Assampsao, idem
ui o. d*. o masoo, idem
Travessado Rip.o. 1 /Omesmp, idem
Dita n. 4. 0 raesmor4dani
Dita n. 6. 0 mesvJfcgi
Mta a 8. 0 mesmo, idem
Data.* Ml ft meaBJo, idem
*"* o- i3. Afltenio Gomaa de Macedo, idem
n-M.fi Hldeiis.de fcelippe.Neiy da Silya, idem
D*to a. Jose Ptdrp da Sjiva, idem
iJita a J.. AMonki dos Santos ViW, idem
Aterro do Rio n. 2. D. Mria Isabel Lins, id n
Dita n 12 Herdeiros de Bernarrlina Teixeira
idem
"
Decima da villa
Rosario n. 70. Tris^o Jacouw de Araujo, idem
Dita u. 71. Yieente Farreira Trajaoo, idem
fita n. 23. f>. aUriaAcoioli Lins, idem
Dita a. 1. Harmes Jacome de Araujo, idem
Dita n. 35". "
Dita n. 37.
Dita n. 49.
Dita n. 57.
Dita n. 63.
Dita n. 65.
Barros,
de Sermhaem.
3jtt
4/350
35100
"'SB
1*080
1*080
1*080
1*080
12*960
6 180
5*400
smo
siiao
1300
*1<>0
*300
*100
*100
{100
*IOO
*100
1*201
*eoo
*500
800
i500
3*637
4*8i0
6*062
1*212
1*212
1*212
1*212
1*212
11*319
7*271
CiOGl
95699
6*002
3*240 098 *300 3*638
Maximhno de Araajo Santos, idem
Anna_Mariji do Saeramanto, idem
1
49
RSCEBEPQRIA DB REND AS 1NT1RNAS GE-
RAES DE PERNAMBL'CC
dem do dia 20
33:713*628
2:450*060
36:163*683
GONSULADO PtlfVLNClAL,
. 117:0O6*2i4
iendimento do dia la 19.
Idim do dia 20 .
1:755/013
U8:761p907
A vietiiua tin rua da Ian jieru* vl*
Em resposta a victima, que bontem publicou
um disparatado insulto no Jornal do Recife, rela-
tive aos moradores do 1. andar n. 44, da rua da
Imperatriz, teraos a dizer que mente descarada-
mente, d*zen lo que atiravamos agua sobre pretos
desealeos,
A supposla victima, (talvez a unica) fiogio-se
cega para nao ver que de diyersos sobrados da
mesma rua,, lanjava-se agua com igual desespero,
e so lane ,u os olhos sobre aquelle 1." andar.
Sabemos quem e essa victima, devolvemos Ihe
intactos todos cs epithetos que nos dirigio. Per-
gunta ella se soraos capazes de tespeitar alguma
cousa, e se conheceraos o sentimento do respeito.
Nao precisamos affirmar o que nos caraclerisa, por
que seria vangloria da nossa parte.
Os mocos, que se achavam na casa da rua da
Imperatriz n. 41, sao os unicos responsaveis pelas
consequencias do entrudo, e nJo a familia que
alii reside, digna, por todos os titulos, da mais
seria eonsideracio.
Assim provocamos a ess a iosultante victima,
para que declare o seu nome, aGm de podermes
dai-lbeuma resposta mais coavenlente.
Recife, 19 de fevereiro de 1874.
Dm moco.
^Mmim DO PORT!
----------------------1.. .i -------------------------------------------------------
Navios entrados no dia 40.
Baltimore -53 dias, patacho americano Senorita,
capitao N. P. Tnllberg, eqnipagem 8, carga
2,355 barricas com farinha de trigo e outros ge-
neros ; a Johnston Pater 4 C.
Navtos saliiios no mesmo dia.
LiverpoolVapor inglez Lalande, commandante
0. Willean, carga a?sncar, algodao e outros eg-
neros.
Canal -Brigae francez Eliza, capitao Arbaroute,
carga assucar.
Observagao.
Suspendeu do lamarao para a Parahyba o lu-
gre allemao Gazeltf, capitao KorlT, com o mesmo
lastro que trouxe do Rio de Janeiro.
EOiTAES
i*A
JUNTA DE COftRETORES
Pracado Reciro, SO de feverei-
AS
ro do 1*7 1.
3 HORAS DA TARDE.
COTAQOES OFFICIARS.
Algoao de 1" sorte 7*300 por 15 kilos.
Algodao Ida Parahyba 1* sorte 8*350 por 15
kilos posto a bordo a frete de 5(8 e 5 0|0,
hontem.
Assucar Canal
hoje.
^ambio sobre
d. por
Dito sobre dito a 90 d|v 26 Ij8 d. por 15000,
hoje.
. de Vasconceilos
Presidente.
A. P. de Lemos
Secretario.
A camara municipal de>ta cidde tendo de
demolir osobradoarua doAmorim a. 19, qae foi
ultimamente desapropriado, e vender a quem mais
vantagens offer, cer todos os materiaes do mesmo
sobrado, convida pelo presente aos pretendentes
a coraparecerem no dia 25 do ;corrente. pelas 12 ho-
ras do dia, no paijo de suas s'essoes, correndo dita
demolicao por couta do arrematante.
Paco da camara municipal do Recife, 18 de feve-
reiro de 1874.
Theodoro Macliado Freire Pereira da Silva,
Pro-presidentf.
Augus'.o Genuino de Fiyueiredo,
Official maior servindo de secretario.
Jo5o Ferrefra d^Ponceca, idem
Vicente Ferreira Traiano, idem
Jose Jacome de Araajo, idem
D. Luiza da Franca da Conceicao Camargo,
idem "
Cima n. 1. A giesraa, idem
Dita n. 31. Sajiuet da Roflha Oiiveira, idem
Dita n. 33 BpHo Jqse Ppreira Butra, idem
Travessa (cim). r Hertfeiros de Francisco Guedes
Ferr#ira*, ideju
Livramento n',.% 'Francisco Ribeiro de Souza, idem
Dita n. 8. JosfFalix, idem
Djta n. 7. Vicente Ferreira Trajaao, idem
Dita nil. Manoel Pereira RocJu, idem
Dita n. 13. 0 mesmo, idem
Dita n. 21. Flonano Pereira da Rocha, idem
S. Roque n. 1. Propiip municipal, acougue, idem
,. Decuna da villa 4e Gamelleira.
tommerejca 2. Eorouel Jose Padro Velloso da Silveira, 1
e f aemestre
Dita n. 15. Joao Jose de Souza. idem
Pateo da Feira n. 16 Manoel Rodrigues da Silva, idem
Din n. 18. Jose Goncalves da Silva, idem
Dito n. 22. Carlos Leonidas do Rego Barros, idem
Mo n. 24. 0 mesmo, idem
Dito n. 17. Candida Maria da Conceicao, idem
Acougue a. 10. Coanel Jose Pedro vtlloso da Silveira,
idem
Dita. p. 13. Padre Manoel Cavakante de Assia Bezerra de
Menezes, idem
Papacaca n. 20. Joanna Maria da Exaltae-ao, idem
Dita n. 22. A mesma, idem
Lita n. 21. A mesma, idem
Dita n. 30. Felix Cavalcanle da Albuquerque, idem
Dita n. 31. Joao Ignacio Moreira Ja Silva, idem
Dita n. 1. Felix Cavakante da Albuquerque, idem
Djta n. 5. 0 mesmo, idem
Dita n. 21. Roberto Borges Pinbeiro, idem
Eslacao n. 24. Joaquim Jose Dias Pereira, idem
Dita n. 44. Coronef Jcs Pedro Velloso da Silveira, idem
Alegria n, 2. Joaquim Joe.de Oliveira Apolim, idem
Dita n. 4. 0 mesmo, idem
Dita n. 4 A. 0 mesmo. idem
Dita a. 18. Manoel Antonio Pejeira, idem
0 mesmo, idem
Pinbeiro & irmao, idem
Viuva de Joao Mancel, idem
Maria Fran:isca da ConceicAo, idem
Coronel Jose Pedro Velloso da Silveira.
6*180
2*160
8*610
5*100
1*320
5*100
6*180
5*100
6*480
6*480
5*100
35210
3*2i0
1*320
4*320
3*210
3*|40
3*210
53100
5*100
1*500
5*400
53400
85610
8*610
10*800
10*800
10*800
194
034
200
164
130
162
194
162
191
191
162
097
097
130
130
097
097
097
162
162
133
162
162
260
260
324
324
321
*600
*200
*800
*500
*400
*300
*6U0
*500
*600
*6G0
*500
*300
*3U0
*400
SS
*300
*300
*500
5500
*417
*c00
*500
*600
*800
1*001
l*00i
1*001
7*27 4
2*421
9*700
63062
4*850
63062
7*274
63062
7*274
7*27,1
630G2
33637
3*637
4*850
4*810
33637
3*637
3*637
6*0-2
63062
5*052
S1FTA CASA DA MBfRTCORDlA
RECIW.
A Hlma. jaou admmisiaativa da saata eata da
Kisericordia d Uacife, maada Cum poWtaa ajoa
aa sala de ibm sessoos, ao dia 19 da lanratfo
pelas 3 horas da larde, (era de ser airaaaatadai a
qaem mais vaalafemoBereeor, paio-ieinpodH:*
a tr.-s annos, as readas dos predios em segoid
loclaradoa.
PATRIMOiWO BOS ORPHAOS.
Rua da Seazalla velha.
Uaa terrea n. 16.......20S||000
Becco das Boias.
3ubtado a. 18.......42l*W0
Rua da Cruz
Sobrado 14 (fechado) ...
Huo do Pilar.
Casa terree n. 100 .
Idem a. 102......
RuaVeBia.
Casa terea u. 44 ffechada). .
Rua dus Laraafeiras.
Armaaam n. i7 ...
Qs pretendentes dever'io apreseuUr do acto 4a
urematacao as suas Aancas, ou compareoenm
wompanhados dos respectivos fiadores, devaado
pagar alem da renda, o preinio da quantia oat
que for seguro o predio qua eoativer mtinolati
nento commercial, as^im como a servico da lira
peza e precos dos aprwralhas.
Secretana da saata casa da mjsericordia do Ra-
;ife, 18 de fevereiro Ho 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues if -$#:.
Banco Commercial de
Peniiiiiibiico.
0 banco paga o seguodo dividendo na
razao do 8 /b t) anno on 2i#0 por acr,io.
relativo ao seitestre flodo em SI tie dcm-
bro de 1873.
LQOO0f*>
iSOjOpii
361*000
63062
6*062
93700
9*700
12*125
123123
12*125
13*500 405 1*251 15*156
Dita n. 20.
Dita n. 22.
Dita n. 30.
Dita p. 3.
Boa-Vista n. 2.
, idem
Dita n. 4. Antonio Joaquim da Fonceca Carvalho, idem
Dita n. 8. Carlos Leonidas do Bego Barros, idem
Dita n. 18. Coronel Josd Pedro Velloso da Silveira, idem
Ditan.'l. Jose de Mattos Rangel, idem
Dita n 3. i) raismo, idem
Dita, n. I. 0 mesmo, idem
Dita n. 7. 0 mesmo, idem
Dita n. 9. Manoel Ferreira da Silva Vianna, idem
Dita n. 13. Antonio Angusto Maciel, idem
Dita n. 17. 0 mesmo, idem
Dita n. 19. 0 mesmo, idem
Dita n. 21. Viuva do Carneiro, idem
Dita n. 25. Antonio Angusto Maciel, idem
Dita n. 27. 0 mesmo, idem
Diti n. 31. Rita Activa da Pnrificacao, idem
Dita n 31 A. A' traio Ignacio de Barros, idem
53400
1*3 JO
4*320
43320
7*500
2*160
43390
4*320
6*480
7*560
21*600
15*120
8*610
6*180
13320
10*800
1038o0
18*000
2*160
13*500
17328)
8*618
12*900
83610
SM11O
8*610
8/610
1*300 por 15 kilos, hontem e
Londres a 90 d|v. 26 e 26 1(8
ALFANDEGA.
'>adimento do dia I a 19 .
dem do dia 50 ....
666:6523979
28.5333911
693:186*920
NttMOACQES
Descarregam hojft 21 de fevereiro de 1874.
Patacho inglez Lady Mary mercadorias para
alfandega.
Barca ingleza Seraphina carvao ja despachado
para 0 caes do Apollo.
Barca ingleza -Margarethe W7iti-carvaOja des-
pachado para 0 caes do Apollo.
Barca inglexaTa/ismaafarinha ja despachada
para 0 caes do Apollo.
Hiate americano 1. P. iiajprs farinha, milho a
breu ja despachados para 0 caes do
Apollo.
Barca ingleza Witck of the Teigncarvao e coke
ja despachados para 0 caes do Apollo.
Brigue inglezDorabacalbao ja despachado pa-
ra a compantiia pernambucana.
Imp jr ta<;ito.
Patapho americano Seronita, entrado de Balti-
more em 20 do corrente e coosignado a Johnston
Pater i C, maoifestou :
Banba 100 barri. a Magalbaes & Irmao.
Farinha de trigo 2,353 barricas e 150 meias di-
tas a ordem.
Antonio Bernardo Quinteiro, official da imperial
ordem da Rosa, major do 3* hatalhao de infan-
teria da guarda nacional do municipio do Recife,
e presidente do con=elho de quahncacao da fre-
gueziade Nossa Senhora da Graca.
Faco saber a quem interessar possa, qae, de
conformidade com 0 disposto no art. 8. e seguintes
do decreto n. 722 de 25 de outubro de 1830, e
6. do art. 1. da lei de 10 de setembro de 1873, se
tem de rennir no dia de marco, 0 conselho
para a qualiflcacao da guarda nacional da referida
freguezia, no consistorio da respectiva malriz.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei passar editaes, que serao publicadcs pela
imprensa e afflxados nos lugares designados por
lei.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 18
de fevereiro de 1874.
Antonio Bernardo Quinteiro.
Dita n. 33.
Dita n. 35.
Bella n. 40.
Dita n. 3 .
Dita n. 39.
Dita n. 51.
Dita n. 57.
Coramercio
Mercado n. 26.
Manoel do Nascimento Baixa-Verde, idem
Joao Ignacio da Silva, idem
4 0/0 da cidade do Rio Farmoso.
Francisco Constantino das Chagas Peres
Licerio Luiz da Costa Carvalho
5*100
5*100
5*100
33400
6318)
5*100
6*180
63480
53100
63180
Guilherme Cavalcante de Albuquerque
Manoel Pereira de Almeida Juaior
Manoel Gregorio do Nascimento
n. 29. Jose Carneiro de Faria Santos
3*360
2*100
1*9*0
2*100
2*100
3*840
1*920
Serinliuem.
2*4'0
Gamelleira,
4*800
4*800
1*800
3*810
3*840
2*880
7*680
3*840
9*600
da comarca.
2*880
De ordem do Illra. Sr. inspector da t esouraria
de fazenia, se declara qne perante a junta da
mesma tuesouraria tem de lr era hasta publica
para serem arreraatados, por quem menos offere-
cer os concertos do caes da rua da Aurora, na
esteosao de 27,5 m., orcado9 era 4:621*829 rs.
Os interessados sao convidados a compareeerem
as 12 horas de dia 25 do corrente, eom suas pro-
postas em carlas fechadas devidamente 9elladas,
podendo desde ja examinarem 0 orcaraento qie
se acha na secretaria desta thesouria.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per
narabuco, 5 de fevereiro de 1874.
0 2." escripturario, servindo de secretario,
____ Carlos Joao de Souza Correa.
Pela thesouraria provincial ^e faz pubheo,
que fleam transferidas para 0 dia 26 do corrente
as arrematapoes seguintes :
200 mjtros de empedrameno na estrada de
Limoeiro, orc.ado em 184*.
Costeio da illuminaeao publica da cidade de
Goyanna.
Objectos do corpo de policia.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 16 de fevereiro de 1874.
0 official-raaior
Miguel Alfonso Farreira.
Claudino Amancio Priston
4 por cento da villa de
Livramento n. 13. Manoel Pereira Rocha
4 por cento da villa de
Commercio n. 9. Joao Moreira de Carvalho
Dita n. 13. Sebastiao Accioli Santiago Ramos
Dita n. 19 A. Ludgero de Meira Lima
Alegria n. 4. Jose Joaquim de Oliveira Apolim
Boa-Vista n. 9. Manoel Ferreira de Souza Vianna
Estacao n. 10. Manoel Duarte Ribeiro
Dita n. 22. Francisco Isidoro Tito
Dita n. 40. Catharina Francisca Bezerra
Dita n. 41. Manoel Antonio Ramos
4 por cento dos suburban
Eogenho Anjo. Antonio Joaquim de Oliveira Maceio
Alexandre Jose dos Santos
Ribeirao. Manoel Gimes da Silva
Povoapao (lg Prupriedade. Antonio Francisco da. Silva Moraes
Dita. Francisco Malaquias da Silva
Engcnho Santo Andre\ Joao de Oliveira I'chOa
Dito Tinoco. Manoel Duarte de Barros
8 por cento da villa
Rosario n 1 JeSoPessoa da Garaa
Dita. n. 37. Joaquim Correia de Araujo
8 por cento da villa
Estacao n. 38. Dr. Pedro Gaudiauo de Ratis e Silva
Apougue n. 15. Manoel de Barros Wonderley, successor de
Pedro Chrisolcgo Cavalcante Wanderley 4*800
Imposio de carroca da cidade d> Rio Formoso.
Cidade. Manoel Jos6 de Oliveira 63OOO
lmposto sobre as casas que venderem kerozene na cidade do
Commercio n. 29. Jos6 Carneiro d) Faria Santos 10*000
Trapiche n. 1. Josephina Francisca de Albuquerque 10*000
lmposto sobre as casas q>ie venderem kerozene
Livramento n. 13. Manoel Pereira Rocha
162
130
130
130
226
061
130
130
191
226
618
452
260
191
130
324
324
540
064
403
518
260
388
260
162
260
260
260
162
162
162
162
i91
162
191
194
162
191
100
072
058
072
072
116
058
*500
*400
5100
*700
3200
*400
*400
*600
*700
23002
1*401
*800
*600
3100
1*001
1*001
13668
*i00
1*251
1*601
*800
1*201
*80i)
3300
3800
*800
5800
*500
*500
*500
*500
3600
*5t0
*600
5600
*500
*600
*JU
*222
*>78
*222
3222
5986
5178
63062
4*8)0
43850
43830
83180
2312 i
43850
4*8:>0
7*274
8*186
21*250
16*973
9*700
73271
4*830
123125
12*125
2032"8
2*124
15*156
19*399
9*700
143519-
93700
fijiOfi^
9*700
93700
9*700
6306*
6*<62
65062
63062
73271
6*062
75271
75274
63062
33/71
2*>.91
2*156
2*691
2*i'.91
4*312
2*156
072 *222 2*691
de
de
2*100
2*400
23100
2*100
25100
2*100
Serinliuem.
43800
43800
Gamelleira.
6*400
144
144
144
116
166
085
231
116
116
086
072
072
072
072
072
072
144
111
5141
*114
*ill
5336
*3iti
*266
*675
5356
*889
*266
*222
*223
*222
*222
*222
311 i
*115
5*388
5*388
5*388
4*312
4*312
3*232
8*086
45312
10*777
3*232
25691
25691
25691
2*6:i4
23691
2*694
5*3'8
55388
192 *593 7*183
144
180
5111
5556
Rio Formoso.
300 3927
300 5927
na villa de Serinhaem.
105000 300 5927
lmposto sobre as casas que venderem kerozene na villa de Gamelleira.
Commercio n. 26 Joaquim de Souza Pinto
)4PACH03 DE.EXPORTACAO.no DIA 19 DB
FEVEREIRO 081874.
Para os vortas do exterior.
I No. vapor iaglez .Garonne, aara Liverpool,
frregou : J. R. Augusto da Silva 40 abaeaebu.
-* Noj brigae inglez Cironella, para Liverpool;
(jaamgoq: M. Lathan 4c C. 1,400 saccos com
lO^iKJO/Wos'de assacar maseavado.
^,f^f%it\HotpUa!'x Paf?8' 9 -M briuein{lez Jane, para 0 Canal, carre-
S i?iL?eirte :- a : 4PcA C. 13/ sawos com 10,27ft- kilos
Valordevm diploma eshange,ro.-0 eoparre-He assuicar maseavado.
Franca em Madrid dirigio, [ No lugar inglet Agnus, para 0 Canal, carre-
A camara municipal desta cidade, tendo de
contratar 0 f irnecimento das cadeiras que forem
precisas para 0 processo da gualificaQao e eleicOes,
convida pelo presente aos fornecedores dellas a
apresentarem suas propostas em carla fechada, no
dia 25 do corrente; pelas 12 horas do dia, no papo
de suas sessSes, indicando logo e metipr preco
por que fornecem cada uma diariarnente.
Ea<;o da camara municipal do Recife, 18 de fe-
vereiro de 1074.
Tbaodora S|achado F. Pereira da Silva
Pflo-presidente
Augusto G. de FLrneiredo
________Offleial-raaior serviado de secretario.
Peia reoebedoria de pandas iniernas gpraes
se faz publico quo 6 no corrente mez de fevereiro
que dpvo ser paga, livre de multa, a*ax*dose-
cravos, relativa ao exerejeio de 1873 a AJtii; dj.
pois dp qae se lo-ha com a multa do 6 JJ|0.
Recebedoria de Penjambuco, 5 de' fevereiro de
1874.
0 admiuistrador
Manoel Carneiro de Souza Laeerda.
Diia n. 9. Joao Moreira de Carvalho
Pateo da Feira n. 4. Belisario Paes Barreto
Acougue n. 16. Manoel Thome Carneiro Leao
lioa-Vhta n. 9. Manoel Ferreira da Silva Vianna
Eftapa) n. 22. Francisco Isidoro Tito
10*000
10*000
105000
10*000
10*000
16*000
300
300
300
300
300
300
59*7
5927
5927
5927
*927
5927
Imposio sobre casas que venderem kerozene nos suburbios da comarca!
Ribeirao. Manoel Gomes da Silva 105000 300 5927
Povoacao de Propriedade. Antonio Francisco de Silva Moraes 10*000 300 *927
Dita. Francisoo Malaquias daSjlva 10*000 300 5927
5 por cento sobre os bens de raiz pertencente u corpora;ao de mao morta.
En gen ho Ubara. Reudeira D. olympia de Sa e Albuquer-
que, e pertencente ao convento do Carmo, da cidade
do Recife 200*000 6*000 18*340
Jardim. Reudeira D. Ursula Carneiro da Cunha, idem 100*900 3*000 9*270
2iS00 por cabeca de gado vaccum,
Gamelleira. Hoaorio HerreeneailJo da Rocha, 12 30*000 900 2*781
Villa. Manoel Rodrigues da Silva, 4 10*000 300 5927
Sec(ao do contencioso provincial de Pernambuco, 17 de fevereiro de 1874.
0 1 official,
Horacio Walfridt Peregrino da Silva.
5*388
6573S
11*227
11*227
11*227
11*227
11*227
115227
11*237
11*227
1I*2J7
11*227
115227
11*227
221*540
1'. 2*270
33*681
11*227
Santa Casa ila Miseraoordia de>
Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife, precisando fazer os concertos
de que necessita 0 predio que possne 0 patrimo
nio dos orphans, a rua da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, coatrata com quem se pmponha a rea-
lisar dilos concertos, mediante ceru renda a al-
gans annos de prazo para desfruetar ; devendu
os que disso se quizerem encarregar, apreientar
suas propostas em cartas fechadas, devidamente
selladas, acompanhadas do respective orcameuto
nesu secretaria ate 0 dia 19 de fevereiro vin-
douro.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia du
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
________Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CASA DA MISKRICOKDU DO '
RECIKK.
Venila de predios
A Illma. junta admiuistrali'-a resta Santa Casa,
devidamente autorisada pela prestdeada, na sala
de suas sessoes, pelas 3 horas da tarde do dia f6
do corrente, venJe ou permuta por apofices da
divida publica os seguintes predios pertencentes
ao legado de Joaquim da Silva Lopes, de que e
adrainistradora : Forte do MaUos, raetade du so-
brado de 3 andares a. 17, por R:300* ; becco do
Abreu, 3' parte do sobrado n. 1. por 2:666*666
rua da Guia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:000* ; rua de 3. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:4003, sobrado de nm andar n. 30, por 2:000*.
dito meia-agua por 5!I0* ; rua dos Guararapes.
casa te-rea n. 65, por 1: 00* ; rua d>s Acougui-
nhos, cosa terrea n. 26, por 600* ; Largo da Cam-
pina, dita n. 3, por 400* ; rua da Soledade, dita
n. 72. por 700* ; becco do Teixeira, dita n. 5.
por 250* ; largo das Cinco Pontas, terreno, nor
1:000*000. ^
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
____________Pedro Rodrig'irs do Souza
Capitanla doportntfe Peraam-
buco.
SO de fevereiro de 1894.
Para sciencia dos naveeantes publica-se 0 m-
gu inte aviso:
MINISTERIO DA MARINHA.
Aviso aos navegautes.
Pela secretaria ee estado Jos negocios da mari-
nha se publicam as seguintes iu^trucpoes, organi-
sadas pelo capitao de fragata A Tambcrim, a bordo
Oa canhoneira Araguary, em enmprimento do
aviso nl6J5 de 30 de jnlho de 1873.
InstrucpSes para deaiaadar a barra da Victoria,
na provincia do Espirito Santo, avisWndo-se 0
pharol de Santa Luzia.
0 pharol e dioptrico, de 4." ordem, luz flxa, de
cor natural, visivel a 12 milhas em tempo claro .
acha-se collocado na encosta do mono de Santa
Luzia ; por 20-18'-20'' de laUtude S, e fr-ST
39 de longitude E. do Rio de Janeiro.
Para demandar 0 porto deverao os navios me
vierem do largo e do norte. avistando 0 pharol pu-
xar para elle, tendo 0 cuidado de nio 0 marcar
por bO* SO magneticc, alim de evitar a pedra
denominada baixa grande ou perignsa, que crre
a esse rumo com 0 pharol na distancia de I a
1 i|2 mi! ha S.
Fora desse rumo e a E do meriliano dos Paro
tes espeiarao pratico.
Osque vierem do sul poderao iodifferentemenlt?
passar a E ou a 0 dos Pacotes e marcando 0 pha-
rol a 0 esperarae pratico ; tend) sunpre o cuida-
do de nao passar desse parallelo para 0 norte, pa
ra evitarem a mesma biixa gunde.
Sendo noite clara, distioguindo se facilmente a^
pontas de terra, poderao os que vierem d; N e d,.
largo, dado 0 resguardo convenlente a ponta
do Tubarao, puxar para a da Fcrtalrza que fica
dentro da barra logo ao N do monte Moreno, p
conservando 0 monte da Penha aberto do .Voreni
navegar at<5 dentro da barra, tendo sempre
cuidado de nao marcar 0 pharol pur 60' SO mag-
netico, em pequena distancia.
Os que vierem do sul, pnssados que sejan m
Pacotes, navegariio parallelameute a custa e a 0
do mendiano dessas ilhas, sem comtudo se afas-
tar muito delle, afim de evitarem 0 rochedo Ca-
vallo, que deraora por 41* IfE magnetico du pha-
rol, na distancia de 4 a 5 amarras.
Marcado 0 pharol de 41 SO ; S navejrarao li-
vremenle a meio canal, dando resguardo a Eah:f.
rochedo descoberto. dentro da barra.
Canhoneira Araguary, 25 de agoato de 187) -
Antonio Joaquim de Mello Tamborira; capitao d
fragata. conforme, S. E. Pessoa. director geral.
Esta conforme. 0 secretario da capitania, De-
cio de Aquino Fomeea._______
Faculdade de Direito.
De ordem do Exm. Sr. conselneiro director Vis-
conde de Camaragibe, fago publico que desta da-
ta em diante poderao os alumnos desta facil lade
pagar a taxa correspondente a primeira math u
la, que estara aberta do dia 1. de marpo ate 31.
para os que pretenderem frequenlar o'primeirci
anno, e at6 0 dia 15 someate para os demais an-
nos.
Secretaria da Faculdade de Direito do Recife
fevereiro de 1874.
0 secretario,
_________Jose' Honorio B. de Menezes.
19 de
A camara municipal do Recite onvida a
todos os seus municipes a apre-entaram para ser
expostos qo corrente anno, objectos deprod.ac5*o
agricolas para aexposicln que pretende rtilisar a
jsociedade Doze de Setembro, segundo a partici-
pa^aodoExm. presidente da prtWineia, de 16-do
corrente, com referencia a ordem do governo im-
perial.
A mesma camara espera 00 patrjotismo, dedi-
pacio e zelo de todos o bom exito'de tal -convlt^.
Paco da camara.municipal,ds Recife, 18 de fe-
yerr^ro.defM
ThecdoroMachado F Pereira da Silva
frdjiresidente.
Augusto f>. de Pfgueiredo
Offlcial-rdaior servindo fle secretario.
DECLARACOES.
CQIMA -
Sanla Tliereza.
De conformidade com os artigos 15 a 21 a 6
dos estatutos, sao convidados os Srs. acciomstas
para reunirem se em assembMa geral no dia 26
o qorranu, ao mam da, ao primeiro andar da
rua do Viiario a. 13.
Recife, 18 de fevareiro de 1874.
Oaatenle,
Just ino J. de S. Campos.
Armazens da companhiaper
nambucana.
Se.gnro* contra o 1050
A cempanhia pernambucana, dispondo de ex-
cellentes e vastos armazens era seu predio ao for
te do Mattos, oflerece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
servasao das mercidorias depositadas, servic-
prompto, precos raodicos, etc.
Tambem recolhera, mediante previo accordo, ex-
clusivamente os generos de uma s6 pessoa.
Estes armazens, alem de arejados e commodos,
sao inteiraraente novos e aspnaltados, isentos de
cupira, trios, etc., etc.
As pessoas que quizerem ntilisar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao escriptorio da eoa-
panhia pernambucana, que acharao com quem
tratar._________________________________
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria proriu
cial manda fazer publico qua em euraprimeato da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia de 16
do corrente se ha de arrematar no dia 5 de m
proximo futuro, perante a junta da me-ma thesou-
raria, por tempo de um anno, 0 custeio d* illumi-
naeao publica da cidade de Goyanaa, aervinlo de
base a arrematacao 0 preco de 28) rs. diarios p-ir
cada lampeao, offerecido por Jose Augusto da
I Araujo.
miim 1


>
1


%mm*toJffl*i
AfrMMOM ae-prooowrera a eett arreaata-
^T ^ (tas *Ms8es mesma;
:ima indie**), polo mclo dia, com-
UMfluiliriBfr hsbilitadwi.
kneonur m miHidou -publwar o presenle
Mj Dwrto-irfe Pertumbuco. *
^tlfjttitirii da theaooraria provioclal de Per-
nlSttco, 16 de fevereiro de M74.
0 oOkial-maior,
M. A. Ferreira.
Arrematao&o
SeguBdafcira 23 do eorreate rez de fevereira,
depou da aadiencia do Exm. desembirgador juta,
de orphios,- vai a praca dc vee*a um terreno com'
SB.oalmus de frenle e 210 do fimdo, com alicerces
nan duas casas ou uma so, enur.ltura de recebec
aaaoleiras, ovahadopor 1100#,-no logar denoHH-c
nado Bslrada Nova do Cordehro, na freguezia do.
P6e da Panelta, no sitio qne foi do Silva Corona
nbia, que hoje esta reUlbado, sonde dito terrene
urn dos meHiores de dito lagar. por esUr perto da
estrada real da Casa Porte, e dertar os fundos par*
defronte do- sitio conhecido do Nuno Maria de
Seixas, a roquerimento da viusa e inventanante
dos bens do oasal do finado Antonio Francisco *e
Sam'Aniia.
THE4TRI
SANfO ANTONIO.
SOC1EDADE PARTICULAR
GRE1I0 DRAMIIICO-
AMANHA t
Doniing** ** do corrente.
Grande e variado espectaculo em beneficio,.da
actriz
MARIA BAH1A.
Depoi" que a orchestra tiver execntado uma de
snas melhores ouverturas, subira 4 scena a come-
dia em 3 actos: __
0 Capitao Tic.
Traducjao do actor Jalio Xavicr de Oliveira.
Segue a scena comica ornada de mnsica:
0 Berberao.
Pelo actor camara, qne geuerosamente se presla
a abrilhanur esta nnite.
Termraara o espectaculo com a comedia e
A viuva das Cameli s.
Tomam parte os artistas : Babia, Emilia Cama-
ra e a beneflciada.
A beneflciada, peohoradissima, agradece a so-
eiedade Gremio Dramatico a maneira covalbeira
com qne dignamente se presta a coadjuva-la neste
iteneficio. ,,.
Assim como aos seas collegas e ao pubheo em
$eral, de quern sempre tern recebido inequivocas
provas de apreco e proteccao.
Principiara as 8 boras.
;Seeoario novo
'So intuito de mettorar as eondlcBw d*'1***"
itro a empwa acaka ^ae frier iroporun^aeiM-
janwntos, charaanfto os earoarotes a ireoie
daixando amplos cwredwes para passo- O mea-
tro acba-se tambeonono:pintado de nova
-Nestes melnoramentes e nos prepares *> -aja-
mt, Milagrtt da ftkira-*< Apparaxda, em-
,preza acaba de faer a deipeza de
4#00#000
aonfiando na prote-jcio no publico, de quern es-
peia a animacio devidaaos sens esforcos
Desde ja recebem-se oncomraeudas de -WHicies.
Nao se tende nwdido, por falta de tempo,
apromptar o conoerto dotfieato e o pceparo (
peca, a empreza readlveu adiar a primetra
presentario para
re-
AVISOS fMBITMOS.
Pacific Steam Natation Compan)
Linha qizenl
OPAfiUETE
JOHN EL1>ER
Espera-ae da Eureka, ale ti do correale, e
depois da demora do costume, seguira para <
9uf do imperio, Rio da Praia e cosUsdo Paciflco,
para onde recebera passageiros, encommendas
a carga a frete
(oupuuh nn%** riirsA
DE
NAVEG4CA0A X\fm
t^mmtmm d norte.
O vapor
PAHAN A"
Commanliite mC^rlno Qiiadrm
Junior.
E' esperado iUt* portos do Jill at* o dia-iS do
cerrente e seguiaa para os do uorte depois dadc-
mora do costame.
Para encommendas. na agencia ate as i aoras,
e valores at6 as3boras. **
Para Dassagens e informacSes, no escnptono
V 7BCA DO VIGARIO-7
AVISO
Previne-se qne por deliberac4o da directoria se-
ra cobrada a.primagem de JO por cento sobre o
frete das encommendas com indemnisacao a car-
ga e desgarga das mesmas ; e a de 8_por-aento
subre o frete da carga com indemnisacao aa,res-
pectiva descarga, qne d'ora em diante seraa feitas
por conta da companbia.
-Pereira ViannaiC.
DO
}rande sftlo com boa casa de moradia, a qnal
tem 73 palmostle frente e 37 de tirade, chaos
proprios com cerca de 500 palmos-de frente
e J.O00 de faudo, com boos arvoredos fructi-
feros, baixa de capim, cacimbas com*omDu e
tanqaes para banho, e muitas ontras-accommo-
danoes ; sendo que dita casa torna-se recom-
meodada por ?er mui fresca, perto tias estagoes
da hqucira eTamarineira.
Terca-feka 24 do oorrente
A's 11 boras em ponto
Por Intervencao do agente Pinto em sen escrip-
torio, rua do'Bom Jesus n. 43.
OsJireiendentfg poderao desde Ja examinar dita
yisa, ou no dia 20 do corrente, por occasiao do
ioilao dus moveis, lonca e cris'aes^on no dia 21,
p r occasiao da entrega dos niesmos moveU.
vex a leilio,-servindo de base a maior offerta ob-
tida, o pvedio acima mencionado, o qua* torna-*e
recommennado pelo perfein estado em que se
acha, attennendo ao rendimento que da
0 leilio sera effectnado as 11 boras do dia aci-
ma dito, no escriptorio do referido agente, rua do
Bom Jesus n. i3.
Em tempo
previne*e aos Srs. pretendenles da referido pre-
dio queeste sera o ultimo leilao. __________
fwdsa-se
Leilao
fiCIFIC STE&M NAVlfiATION tflH
PUNY
Linha quiazenal
0 PAQUETE
LEILAO
DE
A BORBEOS
espera-se dos portos do sul ate o dia 2'
do cor-
se guira
rente, e depois da demora do costume,
para Liverpool, via S. Vicente, Lisboa e Borders
para onde recebera passageiros, encommendas e
carga a frete.
OS AGESTES
Wilson Rowe A C.
4_^-RUA DO COMMERCIO1*
Real companhia de paqneles in-
glezes a vapor.
0 vapor
NEVA
Commandan espera se da Europa ate" o dia 27 do corrente, o
qual depois oa demora do costnme, seguira para
Buenos- Ayres, tocando nos portos da Bania, Rio
de Janeiro a Montevid6o.
0 vapor
0 lusre portuguez Cidral, capitao Joaquira
Adriio da Silva, vai sahir com brevidade : para
Santo Antonio
Para Lisboa.
portuguez Cidral, capil
_ jilva, vai sahir com brevi
carga e passageiros, trata-se com Silva Guimaraes
& C, a praga do Corpo Santo n. 6, 2. aodar, ou
com o capitao.
Rio Grande do Sul
Para o referido porto pretende seguir com mui-
ta brevidade a barca portugueza Arminda, por
ter a maior parte de seu carregamento tratado, e
para o resto que ihe falu, trata-se com_ os consig-
natarios Joaquim Jos6 G^ngalves Bellrao & Filho,
a rua do Commercio n. 5. ________^__
Comnaadante Thwaltoi.
eperase dos portos do sul, no dia 28 do corrente,
o qnal depois da demora do costume, seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Vieeme e
Lisboa.
Para fretes, passagens, etc., trata-se na agenda
rua do Commercio n 40.___________________
iiramle companhia dramatica.
Pessoal de 25 artietas.
< 8 DAM AS e 17 H0MEN8 )
ESTREA
no sabbado 28 do corrente, com o importante dra-
ma origina! francez:
UM NAUFRAGIO
MAS
C0ST4S da mmmn
A empreza conta com um pessoal tabilitado,
inclusive o primeiro ceotro dramatico Thomaz
Espiuca, qr.3 a convite do emprezario fara par-
te da companbia.
Os dramas que hSo de ser representados nesta
nova epoca theatral, serao de reconbecido merito
e nomeada. .
0 emprezario conta que justica lhe sera feita
pelo illustrado publico desta capital a quera deve
o melhor acolhimento.
0
Rio de Janeiro.
Pretende seguir com brevidade o brigue nacio
nal Isabel, por ter dous tercos da carga engajada.
Para o resto que lhe falta e escravos a frete,
trata-se com o seu consignatario Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo. rua do Bora Jesus n. 57.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
:%vegnofto costeira a vapor.
AJUHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACk
nr, cr.ARA, mandahd e acaracu".
0 vapor Ipojitca,
coinmandante Moura,
seguira para os por-
tos acima no dia 28
do corrente, is 5
boras da tarde.
Reccbe carga ate" o dia 26 do corrente. encom
iiendas ato o dia 27, passageiros e dinheiro a fre-
te ate" as 2 horas da tarde do dia da sahida :
sscriptorio no Forte do Mattos n. 12.________
Para o Rio (irande do Sul
O patacha Bemflca
a sahir brevemente, recebe alguma carga a frete :
a tratar no escriptorio de Balthar Oliveira & C.
moveis, louca, cristaes, uma
carro^a e boi e 3 espin-
gardas.
A SABER:
Uma mobilia de jaearanda com um sofa, uma
jardineira, 2 consolos com pedra marmore, 2 ea-
deiras de bracos, e 12 de guarnigSo, 2 espelhos
ovaes, dourados, 3 quadros, anas escarradeiras,
enfeites de roes, tapetes de solae portas.e um
dito forro da sala de visita.
Uma cama franceza de jaearanda ( nova ) uma
mesinha, 2 cabides, dnas cajnas de amarello, 1
toncador e um guarda-ronpa.
Uma mesa para iantar, 2 aparadores de ar-
roario3,12 cadeiras de guarnicio, uma marqueza,
uma quartinheira, 1 relogio de parede, quartinhas,
fructeiras, porta-queijos, talheres, bandejas, por-
celana para cha e jantar, eopos, garrafas, compo-
teiras, calices, trem de eozkiha e outros objectos
de casa de familia.
Dous bancos para jardim, uma carroca de dua
rodas, t boi manso, I banco para earapina, 1 lot
de ferros, ferramenta de jardim.
Um oculo de alcance, 3 espingardas de 2 canos
e 1 rewolver.
TERCA-FEIRA 24 DO CORRENTE
Jia Tra\essa da Cruz das Almas.
Joao Mendeboure, tendo de raudar sua residen-
cia para Europa, fara leilao por intervencao do
agente Pinto, dos moveis e mais objectos acima
mencionados existentes na casa de sua residencia,
Cruz das Almas.
As 10 l[2 horas em ponto partira da estacao do
aroo de Santo Antonio um trem expresso que
servira de conduccao ( gratis ) aos concurrentes
ao leilao.
Principiara as 11 horas.
Em continuacao, e no dia terca-feira 24 do cor-
rente, vendera o mesmo agente a casa e sitio, con-
forme flea annunciado._________
DE
qnatro -volumes com drogas pertencentes a missa
fallida de Jose Francisco BiUencourt
TERCA-FEIRA 24 DO CORRENTE
A'g 10 1|2 horas em ponto.
0 agent) Pint-, aulorisado por mandad do lllin.
Sr. Br. juiz especial do coiumercio, levara a leilao
4 volumes marca J F B. ns. 1, 2, 7 e II, com dif-
ferences drogas, constantes do inveotario existen-
te em seu escriptorio, na rua do Bom Jesus n. 43,
onde poderio ser examinadas diias drogas, cobs-
tando de:
Mercurio doce, flor de sabugueiro, lupulo, ras-
pas de veado, gomma galbana, peneiras de seda e
cabello e muitos outros artigos.
de uma mulher idosa para aodar "!Jt.
nina de 2 annos : a tratar na rua Primeiro de
Marco a 7 A, L anaaf.____________.________
Irmandade de S. Francisco
de Paula, na capella do
Taxanga.
De ordem a\> EaaM irmio juit convido aos nos-
sos charissimos irmAos para no dia 22 de feve-
reiro do cirreote anno se reunirem na capella, as
II horas do referido dia, afim de proceder-s* a
eleic.ao da nova mesa regedora.
Conswtorio da irmandade dc S. Fraonvv> fie
Panla na capella do Caxanga, 19 de fevereiro de
1874.
0 e=cnvio,
Joan Hermenegildo Xiwr Sale*.
Grande
LEILIO
- Pede-so ao lllin. Sr. capitio jlanoel de Car-
valbo Paes de Andrade Gonvim, o favor de vir a
ma do Amortm n. 31, para trator a respeito do
sitio que aliigou em Beberibe, visto qne nao e
_. j -------a j.. ...... m ii o fr,ram
tem dignado
dirigidas.
responder 4s cartas que Ihe
DE
Agente Dias
ESPIiEHUIIlO
Leilao
Companbia Franceza de taega
0o a vapor
Linha menscd erdre o
Havre, Lisboa, Pernambneo, Rio d
Janeiro, (Santos, soniente na vol
ta ) Montevideo, BuenosAyres,
(com toaldeacao para oRosario)
STEAMER
Companhia Allian^a Mari-
tima Portuense.
A galera portugueza Saudade, 9eguiri em pou-
cos dioo para o Porto, com escala por Lisboa.
Ja tem contratada gr; nde parte da carfca ; e
para o resto. trata-se com os consignaterios e
agentes da companhia,
Jose da Silva Loyo & FUhe,
em seu escriptorio a rua da Companbia Pernam-
bueana. ____________
COMPANHIA
PHEM\
(Anligii tiyninasiu)
\
Ter(ja-feira 24 de fevereiro.
A's 8 1]2 horas da noite.
SfiAISilvCCBSO I
lirandes reformas I
Grande machinismo !
Scenario sumptuoso 1
Sublime oratoria !
Represented a cipricho !
Estrea da actrii
D. Virginia de Barros.
Primeira reprcseniacao do importante drama-
sacro em 4 actos e 7 quadros original brasileiro :
MILAGRES
DE
IS. DA ARMENIA
Personagens. Adores.
Archanio Raphael D. Virginia.
Satan Sr- Eduardo.
Fernando Corte Real, sob o
nome de Joao Alv~
Francisco Dias
Padre Antonio
Lniz Corte-Real
Felippe Pedroso
Maria
Leonor
Lucio, criado
Anjos, soldados, muliiere-1,
etc. etc.
A accao passa se era S. Paulo o I., 3.* e ac
tos e em S. Pedro do Sul o 1.
Epocha1718
IKMioininnciio dos quftilniv
l. acto.
I* A appari^ao da Senhora da Conceigao.
t. 0 primeiro railagre.
actn.
3. A visSo e a seduccao.
4.* 0 archanjo fulmina satan.
3.* acto.
5.* A morte de um justo.
4. acto.
6. Vox popoli, vox Dei.
- 7.* A apotheose. .
A empreza nao se poupando a esforcos, acaDa
de memtar esta importante peca oratoria, que tem
sempre stdo calorosamente applaudida em todas
as parte? onde tem sido represeotada.
A peca e ornada de
Mntacdes e vista.
Fogos cambianie.
Apparicdes
f^. E mnsica
( do maestro Ckto Lima
Coinmandante Capelle.
E' esperado da Europa, at6 24 do corrente, se-
guindo depois da indispensavel demora para ot
portos do sul de sua escala.
Relativamente a fretes, encommendas, passagei-
ros, para os quaes tem excellentes acomraodacoef
por pregos rednzidos : trata-se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA 4 C.
42Rua do CommercioEntrada pela ru?
do Torres.
PERNAMBUCANA
DE
\avcgacilo catelra a vapor.
MACR16, ESCAI.AS, PENEDO E AUACAJt]'.
0 vapor Giquid,
commandante Martins,
seguira para os por-
tos acima no dia 28
do corrente, as 5 ho
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 26 do corrente, encom-
uendas ate 0 dia 27, passagens e dinheiro a fret*
ite as 2 horas da tarde do dia da sahida : es-
jriptorio no Forte do Mattos a. it-_________
lJ
ara
Segue com brevidade para 0 referido porto a
escuna Georgiana, tendo ja parte de sea carrega-
mento engajado : para 0 resto trata-se com Tasso
Irraaog & C., a rua do Amorim n. 37.
LEILOES,
Sr. Augu;M.
St. Penante.
Sr. Flavio.
Sr. Itraga.
Sr. Ayrosa.
. Dorothea.
D. Isabel.
Sr. Vicente,
povo, Pescadores,
C0!HPA\HIA IJUMM
.DE
N\\EG\CAO \ WPOB
Uaceio, Penedo, Aracajd
c Bakia.
E' esperado dos portos do sul ate 0 dia 24 do
corrente um dos vapores desta companhia, 0 qual
sahiia para os portos acima no dia seguinle ao
da sua chegada.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di
aheiro a trete.
AGENTE
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo,
_________57Rnado Bom Jesus-57________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Uavegacilo costeira a vapor.
MAMANGUAPE.
0 vapor Coruripe,
commandante Santos,
seguira para 0 por-
to acima no dia 28 do
corrente, as 5 horas
da tarde.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
aheiro a frete ate as 2 horas da tarde do dia da
sahida : escriptorio no Forte do Matto? n. I i.
PARA
5
0 Georgiana
E' esperado do Rio de Janeiro por estes dias
a segue com pouca demora para 0 Para, tendo ja
pane da carga engajada : trata-se cam Tassp Ir
maos 4 C.
Para..
Pretende seguir para 0 indicado porto.com pou-
ca demora, a barca portugueza Sooial, por ter
porcao da :arga engajada ; e para 0 que lhe falu,
trata-se com os consignatariw Joaquim Jose Gon
calves Beltrao & Filho, a rua do Commereion. 8.
Aproveitem a occasiao
*- *--.
o ultimo leilao
DE
fazendas a retalho
NA
rua Soia, I ja u. 1)0
coraegara as dez horas
por todo dinheiro.______
LEILAO
DE
8 caixas grandes com muito bom cha graiido e 10
saccos com cominhos, tudo chegado ultima-
mente
SEGUN'DA-FEIRA 23 DO CORRENTE
As 11 horas em ponto
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 8 caixas
com cha graudo e 10 saccos com cominhos, 10
chegado ultimamente ao
SEGUNDA-FE1RA 23 DO CORRENTE
No armazem do Sr. Annes, era frente da alfan-
dega.
AS 11 HORAS EM PONTO.
Ultimo leilao
DO
resto das dividas da massa fallida de Amorim,
Fragoso, Santos & C, na importancia de......
3&l:0f8^730, servindo de base a offerta de....
26*000
Ter$a-fcira 14 do corrente
A' 11 horas da manha -
0 agente Pinto levara novamente e pela ultima
vez a leilao, servindo de base a offerta de 26*000,
obtida no leilao do dia 17 do corrente, 0 resto das
dividas da massa fallida de Amorim, Fragoso,
Santos & C, na importancia de 34t:O08*730. des-
criptas nos jornaes ns. 36 37 e 38 de 14, 16 e 17
do corrente raez, sendo qne 0 leilao sera effectua-
do as II horas do dia acima dito, no escriptorio
do referido agente. rua do BonrJesns n. 43,
DE
magnificos moveis, bellos quadros, jarros e qua-
dros cbinezes, com pintura sobre vidro, figuras
de bronze, louca e vidros.
Terca-feira 24 do corrente
as 11 horas
No Manguinho, rua d'Amizade, casa de residencia
do Sr. Vaz de Carvalho Junior, junto a estac.io.
Um trem especial partira da estacao do arco de
Santo Antonio as tO Ii2 horas da manha e condu-
zira gratis os concurrentes.
Os agentes Dias e Pinho Borges, competent^
mente autorisados pelo Sr. Vaz, que pretende
tirar se para a Europa, levarao a leilao no dia
hora acima designados, os moveis e mais artigo
Jescnptos, os quaes s5o de optiaio goeto e acbam
se em tao perfeito estado que podem-se conside
rar completaraente novos.
Garante-se o traspasse da casa, que se acha em
Eerfeito estado de asseio, e assim olferece se uma
oa opportunidade a qualquer pretendente que
deseje morar fora da cidade, encontrando uma
casa inteiramente preparada.
COLLOCAfAO DOS MOVEIS.
Sala de visita.
1 magnifica mobilia de jaearanda com frizos de
madeira rosa, composta de :
2 sofas.
4 cadeiras de braco.
12 ditas de guarnicao.
2 consolos com espelho3 e tampos de pedra mar-
more.
2 etagers de jaearanda com tampo de marmore
encarnado.
2 ricos jarros chinezes, grandes, para os mesmos.
1 par de bonitas figuras de bronze.
1 porta-cartois.
2 peanhas dour" das para parede.
2 ricas jarras chinezas.
2 bellos quadros aquarella com moldura dourada.
2 dilos ditos a fumo.
2 gravuras.
3 bonitas sanefas para cortinados.
3 pares de cortinados.
2 pares de escarradeiras de vidro.
3 tapetes pequenos.
1 esteira para forro de sala.
Gabinete I.*
1 elegante secretana de mosaico de madeira com
taropo de pedra.
6 cadeiras de fantasia, pequenas.
I consolo dourado para parede, com tampo de
pedra.
1 relogio de bronze (alto) do melhor gosto.
3 ricos quadros chinezes (pintura em vidro.
l par de casticaes.
I paysagem, obra em pedra chineza.
1 tapete pequeno e 1 esteira.
Gabinete 2."
2 magnificos guarda-roupas de jaearanda com es-
pelhos.
1 lavatorio de jaearanda com marmore.
6 cadeiras dito.
I quadro com moldura dourada.
1 c.ibide para ohap^os.
1 tapete e I esteira.
Gabinete 3."
1 bonito aparador de nogueira clara, com pedra.
6 cadeiras pequenas dito, de abrir e fechar.
I caixa de magno.
I tapete e 1 esteira.
Sala de jantar.
1 mobilia completamente nova e de optimo go.-to,
toda de nogeira, censtando de
1 mesa para jantar, elastica e de 1 so pe".
1 rico e grande aparador.
81 cadeiras de guarnicao.
1 quartinheira.
4 quadros com moldura dourada.
2 jarros de porcellana, 2 ditos e 2 para plantar
flores.
Quantidade de louca e crystaes para almoco e
jantar.
Em cima.
1 toillet de jaearanda.
6 elegantes cadeiras de mogno a Lniz XVI.
1 mesa elastica de um so pe\ de nogueira
fri=es pretos
1 lavatorio e guarniglo.
2 aparadores pequenos de mogno, com tampos de
pedra.
1 mesa com p6s torneados.
2 magniGcas camas de ferro com colchoes de mol-
la, obra completaraente nova.
3 tapetes e differentes outros artigos.
0 trem partira da estacao do arco de
Antonio, as 10 1/2 horas em ponto.
mcveis, louqas fiiu-a, crystaes e
vidros /
AUINTA-FEIRA 26 DO CORRENTE
as 11 horas da manha
no si-brade a rua do Barao da Victoria n. 21 trea
ceiro andar, por eima da loja do Sr. F. Ger,m
no, reloioeiro, oair'ora rua Nova
A SAB E R :
Um piano inglezdo fabrieante Meyer, 1 mobilil
de amarello contendo 12 cadeiras de guarnicio, e
sofa, 2 consolos, 1 me^a redonda, 2 cadeiras da
braco, ditas de balance, 1 dita de faia, imitacao de
jaearanda, contendo 12 cadeiras de guarnicao,
sofa, consolos, jardineira, cadeiras de bra?o, 2 di-
tas do balanco, Jgnarda-vestidos de mnito_ gosto,
guarda-roupa. espreguicadeiras, marquezao, toi-
lettes de jaearanda, cama para casal, guarda lou
C,a, aparadores, cadeiras de amarello para sala de
jantar, lavatorios du> ferro, ti.esinhas, mesa elasti-
ca, louca para jantar, dita para almoco, lanienas,
escarradeiras, jarros para llores, bolas de vidro,
espelhos com moiduras douradas, qua>tros com
diversas paisagens, tapetes, capaehos e outros
muitos artigos e trem de cozinba.
0 agente Pinho Borges, bastante antorisado, le-
vara a leilao os moveis e raais artigos existentes
no referido sobrado, pjr ordem de uma familia
que se retirou para fora desta provincia.
AVISOS DVERSOS
0 Dr. Joaquim d'Aquino Fonceca, previna
aquelles individuos que, a noite e sem autorisacao
sua, tem penetrado ultimamente em seu siuo a
rua do Hosp cio n 33, saltando pelo muro e tiran-
do o que lhes nao pertence, que ja deu as provi-
dencias para que sejam bem rrcebidot e tratados
de maneira a nao quererem repelir a graca ;
porquanto os considera como ladioes, e ignora ate
que ponto quererao levar sens desejos, sabendo
somente que, ha tempos, recorrendo ao mesmo
expediente, foi bem succedido. ____________
Aluga-se o quarto andar do predjo n. S3 c-%
rua do Bom Jesus, antigamente rua d* Cruz : a
tratar na mesma rua n. 55.
Consultorio ineico-cinrgico
DE
A. B. da Silva Maia.
Rua do Visconde de Albuquerque n.
11, outr'ora rua da matrix da Boa-Vista
n. 11.
Chamados : a quaiquer bora.
Consultas : Aos pi bras gratis, das 1 as
4 boras da tarde.
cm it mm\
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 2:008(0.
0 abaixo assignado tem sempre exposto j v-
da bilhetes da loteria do fiio, cuja exiracca'. ao-
Dunciara peloc jornaes.
PRfW.
Inteir.-. 24*000
Meio 12*000
Quarto 6*000
Manoel Martins Finza
Attencao.
Precisa-se a m urgencia de uma ama de
leite, que seja sadia, e que tenha bom e
abundaute leite, para tomar conta de uma
crianga de dias, daudo-se preferencia a mu-
lher do matto : quem, pois, estiver nestas
circumstancias appareija no 3." andar desta
typographia para tratar._________________
A mesa regednra da confraria de Nossa Se-
nhora da Soledade da freguezia da Boa-Vista con-
vida a todos os seus irmaos a reunirem-se no res-
pective consistorio nc dia 22 do corrente mez, pe
las 10 horas da manha, aGm deelegerem um pro-
curador do patrimonio, visto nao ter aceitado este
cargo um dos eleitos em dezembro proximo pas-
sado.
0 secretario,
____________E. Tamborim.
Roubach Cahn & C.
mudaram o seu escriptorio para a rua do Com-
mercio n. 32, 1." andar, entrada pela rua do
Torres.
" Precis* se alugar uma ama para casa i I
pouca familia : na rna do lmperdor n. 33.
ALUGFSE^
uma casa na Capunga, rua das Pernambucani*.
com coxeira e quartos fora : a traUr na rua t-
Vigario Tenorio n. 31._______
Profeseiora public*.
A professora interina da 4' cadeira do se>-
masculino da fieguezia de Santo Antonio abrio a
escola em date de 12 d<- fevereiro. e fnncciooa d:
| andar do sobrado n. 24 ca rna csUeitt do Bo-
sario.__________________________________
Venda ou arrendamento
Na fregnezia de Serinhaem e dislante dnas i>
goas da esUcao de Gamelleira, do engenho Buri-
rema, com terreno de macape\ a maior P*rte c-e
varzea, de optima prodnr^ao, e para 3,000 pae?
deassucar annualmente : quem pretender, dir
ja-se ao capiUo Jose de Castro Paes Barrelo, n-
engenho Matte Grosso, ou a Leal k Irmio nes.a
praqa._________________________________
Nos abaixo assiguades declaramos ao res-
peitavel corpo do commercio que compramos a
Sr. Jose Fernandes Paquete a taverna >itt to Pf
teo da hibeira n. 12, livre e r.e embaracada oe
qualquer dehito que possa apparecer : quem -
julgar com direite, aircsente soas contaiiopra:^
de tres dias, a contar de-U data. Recife, 17 ce
fevereiro de 1874.
Santos A Frreira.
Aluga-se um bom mole me para ser criad*
de hotel, on outro servigo, por preco commodo :
na rua de Santa Cecilia n. 1". _^_
Roga-se ao Sr. Levino de H. Chacon, o obse-
quio de apparecer a rua estreita do Rosario n.
14, a negocio de particular interesse.__________
Preclsa-sc aiugar uma preia que leuria ura-
tica de vender narua : a tratar no pateo do Ter-
50 n. 24, 1" andar.________________________
Precisa-se alugar ura escravo para 0 Mrvtpo
em casa de fanilia: na rua Primeiro de Marco
n. 7 A, loja. _________________^^___
Aluga-se uma pequena casa com uma sala e
dous quartos, propria para pouca familia ou para
dormidas de caixeiros, no becco tapado do largo
da matriz de San'o Antonio.________________
Agradecimento
A abaixo assignada, eordialmente agrad^eo a
todos os habitantes da villa de Pao d'Alho, que se
digoaram assisur as exequias e acompanhar a
seu ultimo jazigo, 0 cadaver de seu muito presado
esposo Joaquim Antonio de Ca-tro Nunes, e pro
mette-lhes sua eterna gralidao.
Recife, 20 de fevereiro de 1874.
Cosma Joaquiiia de Lima Nunes.
No dia 3 d fevereiro do correate anno fug
da fazenda Jabolicaba, termo de Caruani, 0 CT-
vo Buncdicto, idade 22 annos, com os signae> -
guintes : cabra, c6r de laranja, pouea barba, ca-
btllos carapinh( s, um pequeno Ulho no ratio, er.
torta um poueo um pe no andar e e um pou
gago, principalmente quando veixado Roga-se i.-
autondades e capitaes de campo queiram appre-
hender e leva lo ao lugar pe de Serra do Mende-,
a sua senhora D RiU Franci ca da As*umpc:.
ou a rua do Livrament 1 n. 24. ft Sr. lUpb1
Francisco Per-i;. r -.inpensados.
Na rua de Santa liiercza n. 60 se dira qr
vende 60 palmos de terreno, em Belem.
MOFINA
Esta encouraqado !! !
Agua mole em pedra dura
Tanto da ate que a fura.
Roga-se ao lllm. Sr. tguacio Vieira de as'i
sscrivao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, a ccc -
cluir aquelle negocio que S. S. se'comprirrrtteu
realisar, pela terceira chamada deste jonial, em
flns de dezembro de 187I, e depois para janeirr.
passou a revereim e abril de I87l,e nada cumpru
e por este motivo e de novo chamado para di'
im, pciis S. S. se deve lembrar que este ne||OCi(
le mais de eito annos, e quando o Sr. seu nlno "o
ichava uesta cidade. ^^_^__^
. Alnga se 0 I.*
largo doTerco n. II
n. 8, t. audar.
e 2.' andares do tsobrad
I a tratar a rua do Bom Jesu-
com
Santo
Ultimo leilao
DO
grande sobrado de 3 andares e soo em chaos
proprios reedificado ha pouco mais de um anno,
pelo que esta de todo novo, a rna de Marcilio
Dias, ontr'ora rna Direita n. ISO
TERCA-FEIRA 24 DO CORRENTE
A's ll horas
0 agente Pinto levara novarcente e pela ultima
Aluga-se a casa n. 67 a jua do Viscoode de
Goyanna, eoutra nos Coelhos. defrcnte do hospi-
tal Pedro II, amba? com muito bons commodos;
a tratar a rna do Rosnrio da BAa-Vista n. 50.__
Furtaram um cavallo de c/ir rudade, m a
greirao, clinas para a direita, pescoco pedrr-z a-
com dous ferros em -guida n:n do outro. e no
quarto esquerdo tem I, signal que trouxe de Ha-
ted, cujo cavallo foi furtado no dia 16 do corren-
te mez, em um rancho da estrada nova do Caxan-
ga : a pessoa que do mesmo der noticia a Ber
nardo Jos6 da Rocha, morador em Pajeu, oa na
rua Primeiro de Mar^o n. 18, loja, sera generosa-
mente gratifieada.
Recife, 17 de fevereiro de 1874.
u. Rufina Cutodia de Luna Cavalcante pre
vine ao publico que ninguem faca transac.ao al-
guma com a easasita na travessa do Falcao n. Ii,
pois dita casa foi deixada a roema para uso fruo-
tuario durantesua vida; e por sua morte perten-
ce as suas duas filhas, coaio legitimas donas; isto
por testamento de sua tia D. Anna Maria de Sou-
za, que se acha archivado no eartorio do escrivao
Domingos Nunes Ferreira, e no poder da dita
mencionada acima a copia do mesmo testamento,
e todos os doenmentos pertencentes a mesma dita
casa, como pode mostra-los : portante qualquer
traosacgSo que alguem fizer ou tenha feito ficara
sem vigor A dita senhora oada deve a pessoa
alguma e nan asaignou papei algum sobre a casa. f
a rua Imperial n. 150, ou anauncie para ser prd
curado. __________
Aluga-se uma casa Ba Estrada Nova que
vai para a Magdafena, caiada e pintada, com al-
guns arvoredos, e perto do rio, muito fresea, pro-
pria para famil a ou qualquer estabelecimeoto :
quem pretender, dirija-se a rna do Bom Jesus das
Crioulas n. 11. que achari com quem tratar.
8***0 *********
* Advogado. *
* Diodoro Ulpiano Coelho Catanho, a *
rua do nuqne de Caxias, outr'ora rua A
_ das Cruzes n. 9, !. andar.
**$** ******-*
Precisa-se de um caixeiro de 14 a lo annos
de idade, quo tenha pratica de taverna e due de1
eonhecimento de sna *ondau tratar na rua
da Uniao n. 54.
Atlencao
A commiss'o fnca'regada da liquidac^o do ;
dio siti a rna do Vi'eond- de Kipiriea (oulr
do A poll ) n 26, tendo de proceder ao dividend
do prudueto da nnda apunda. previoe aos eoc-
senhores do m<>mio predio que se sirvam apres'
lar .-ens titulos de quimVes. no prazo de 20 d .
no escripteri-4 (!> E. A. Burle. na rua do Bom V-
sus n. i^. afim de s-'rem verilicados e saber-se o
certo qual a snmina a que deve-se applicar
dividenJ is. Recife, 18 de fevereiro de 1874.
AUoiH'ao.
Offerece-se um mo?o bespanhot, pan criad
caa de alguma familia, que entende perfeitam >
te do service de eopeiro, e da Oador do sna e
ducta: quera precisar dirija-se a rua da '
n. 68, venda. __________^__^_________
Empreza do gaz
A empreza do gaz tem a honra de annunciar
publico que recebeu uhimamente nm esplen
sortimento de lucres d. vidro, candieiros, arar -
delas e globos, enjas amostras estao no escriptorio
a rua do Imperalor n. 31, e serio vendidoa aos
seus fregue*es pelo preco mais razoavel possivel
Aluga-se a casa n. 3 na rua do eaes que
segue da Deteocao, com 2 quartos, 2 salas, cozi-
nba>^aujtal e cacimha, por lot m-nsal: oa rna
esu/feiu do^"Rosario n. 17, andar. _____
Uma senhera de bons costumes se ofStrv
Quem precisar de um bom copeiro, dirijajsgfpara trabalhar era costnras, tanto a m5o como err
machina, procurando por este meio qualquer casa
de familia ; lambem se enrarrega de tratar ves
tir crianjas : quera precisar annuncie por estr
jornal para ser procurado, pois com a vista sera
mais minacio?a em inf'TmatSes a sen respeito.
0 1 andar do segnndo sobrado passando a ifreja
dos Martvrios, hoje rua do Coronel Suassoaa n.
146, muito fresco e com basuntes commode* .
uma casa terrea no largo do Pilar, hoje largo o\
Charco, com sotao, tambein muito freca com
bastantes commodos. com satiiJa para a raad
Brum ; uma loja para moradia, na rua de Loafcas
Valentinas, outr'ora Aguas-Verdes n. 48, por pr<-
eo commodo ; quem retender pode procurar o
r andar junto aos Uartyrio', das 2 horas as 6 da
tarde, qne achara om quem tratar.
Na rua Primeiro de Marco, loja n. 18, axis
te uma cam de importancia, viuda do Rio do
Peixe, para 0 Sr. Dr. loio Gabriel Baplisu
(
%
1
.-Ml
i

rf
r
1
I
r
-
T
!

1


Dittfo de Fernambuoo Sabbado 21 de Fevereko de 1814.
%




>

.)
^>
JL!?UH
sen atabeJ!cMueDt<
loptrior em qoali
ereui o imvj aorliujentt
;idio; o q ;e com a iih
PEDEM A
iftmimo o fav
ompleto qoe ah
ESPECIAL ATTENCJO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAQ
V&p0r6o V rOClaS Q ctgiA* maohoa convenientea para a diveraaf
r.rcamatanciaa do* aenhore* proprietarioa e pan deacaro$*r algodlo.
Moendas de canna otU~oh0'' "***om qM ^
Rodas dentadas *"--"
Taixas de ferro fandido, batido e de cobra.
Alambiqnes e fdndos de alambiques.
Wo tilt in i am na Par* niwdioca e ilgodlo.) Pododo! todoi
Mill IIIIBIDUB e par, (errar madeira. I tor movidot a mlo
Rnmhoa (Pr vaPr>
HPUWal de pateuie, garanUdaa........ |oaaouiae.
Todas as **h\nM p* <. **** p-
de michiaiamo, a preco mai resomido.
Fa qualquer concerto
Pormas de ferro "
Sncommendas.
do mer-
ca4o.
Iacunbe-M de mandar vir qaalqaer machinismo a* von-
tade doc clientei, lembrindo-lhea a vantagem de faiereni
Jm prwtar aoxiho.
4rados americanos ln,ronnl0, rifl0lM-
RUA DO BRUH N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
4' ma do Barao do Triompho (rna doBrnm) as. 100 a 104
CARDOSO tfffiMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machines para er,
genbos, as mais modernas e melbor obra que tern vindo ao merrado.
YapOreS de force de A, 6, 8 e 18 eavallos.
uSildeiraS de sobresalente para vapores.
JiOCndaS IDteiTtlS e meias moendas, obr-a como eunca aqni veio.
TaixaS fiindidaS batidas, dos raelhorea fabricanles.
KOuaS Q. aglia com cubaje de erro, fortes bem acabadas.
KOdaS uentadas de lodos os tamanhos e qoalidades.
RelogiOB e apitOS para vapores.
DOmbaS de ferro, de repucho.
AradOS de diverse* qaalidades.
FormaS para aSSUCar grandes e pequenas.
OoilCGrtOS cono6pt*nt com proraptidio qualquer obra ou machine, para o que teeaa
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnC0mDi6ndaS raaBdam ^ P01" encommenda da Europe, qualquer machinismo,
para o que se correspondent com uma respeitavel casa de Londre*
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalbo das mesmas.
Rua do Barao do Trhimpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO d IRMAO.
ODILON^UARTE & IRMiO
CABELLEIREIROS .
Premiados na exposicao de 1872
RUA
DA
IMPERATR1Z
N. 82
V ANDAR.

:
RUA
DA
HE IMPERATR1Z
|N. 82
i. ANDAR.
3C
Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas roelbores con-
diccoes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
quillo que fdr tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homenscomo para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, tran$as, cacbepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
raulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalbo tmaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos es vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 */0 menos que outro qualquer, garantindo
perfei^So no trabalho, agrado, sinceridade e preco razoavel.
1'enteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcSo e a retalho e todos os utensilios pertencentefiva" arte de cabelleireiro.
CHAPE0S DA ULTIMA M0DA
Chegaram lindosebem enfeitados cbapeos do mai^purado gosto, para senhora : a"
loja das columnas, de Antonio Correia do Vasconcelldjs, & rua Primeiro de Mar-
*;o n, 13.
J,
33
Constructor e nliiiador de pianos
Rua do lmperador
das antigas e afamadas casas Pleyel & Hen, e antigo c
LINHAS
UK
rtKii;o/.EiiK.\i.(^)
r)AO
HE
TODAS
As
CORES
AEULHA5
iiwVSSori*8*
I'AP.A


QUALQUER
PARTE
DA
Com as falsifica^oes que tern apparecido
Ainu
Machina
dif, DAS MACHINAS PARA C0STOBA
\u da
Na roa do BarAo da Victori. r. :)6 precwa-s
allar ao Sr vigario Andrt* Cure :io de Araajo Pe
eira, t negocio de gen iutere se.
^

^$^%,
<&*&. ^T<3
v*
Nenhuma ma-
china Singer e legi-
* tima se nao levar
3 esta marca fixa no
jg braco da machina.
Porq
uer

l
Para evitar falsi-
ficacoes notem-ee g
be m todos os deta-
inee d marca.
i
33
Ex-afinador das antigas e afamadas casas Pleyel & llerz, e antigo director das ofJBci-
na casa Alpbonse Iilondel.
Tern a honra de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que tern aberto sua casa de
concertos e afinacoes de pianos, qualquer qoe seja o estado do instruinento.
A mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos melhores fabricantes
de Paris, como Erard Pleyel, Henri Herz e Alphonie BlondeT) todos os pianos sahidos da casa
Pb'bant sao garantidos.
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usados.
Na rua do lmperador
n.28
precisa.se fallar aos seguintes senhores :
Domingos Martins de Barros Monteiro.
Emigdio Marques de Santiago (Dr.)
Joao Vai de Oliveira.
Jose Francisco Lopes Lima (Vazaretb).
Manoel Pereira Brandao.
Manoel dos Pa6sos Miranda.
Theotonio de Barro* e Silva.
Franjisco Pmto Pensoa (Dr.)
Francisco de Paula Borges.
Francisco Antonio Poatual Junior.
fL 0 advogado Francisco de Panla Penna )g
S continua no exercicio de sua profisaio : ^
W. A rua do Duque de Caxias n. 71. W
h Torre
Alaga-se para pssara festa um sitio com
excellente casa de habitacSo e banho no rio
a* frenta desta: quern a pretender, pode
procarar i rua de ftervasio Pires n. 24.
A dinheiro e a prazo!
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
Sao mais*baratas.
Sao de doos pospontos.
Sao simples.
Sao rapidaf.
SAo duradouras.
MACHINAS DE SINGER
S5o de dous pospontos.
Abainham.
Franzem
Pregam trangas.
Marcam pregas.
Bordam de linba de seda.
Alcolchoam.
Pregam cordoes.
UNIGA AGENCIA
m
Wer-
Alber-
1500
19000

V
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPEMDOR 45
40 K.'H do lmperador 49
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos'mais afamados autores,
como s5o : Herz, Pleyel, PUp, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente construir para este elima, o qual os amadores dos
bons pianos so encontrarSo nesta casa.
Rec'ebem-sc pianos usados em troSa.
Goncertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais completo sortimento de materiaes para concertar pianos, como
s8o: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
roarfira, etc., etc.
49 RUA BOniPERilt-OK 40
E. A. DELOUCHE.
49Rim do Marqurz de Oilnda49
Acaba de receber um grande soriimenio de re
logios americanos para pa rede e mesa, de r-orda
de 24 horas e de corda de 8 dias, com despertadoi
dos melhores gostos e qualidade.
Relogios de ouro paiente inglez verdadeiros, des-
coberlu com pouteiro grande no meio, dos mais
modernos e do melhor fabricanle de V ndres.
Grande sortimento de relogios de prala, prata
dourada, cobertos e de^cobertiis. Ditos de prata
foliada (plaque), orisoutal e patente, de lode
preco.
Cadeias de plaque e de ouro.
l.unetos e oeulos de todas as qualidades.
Verdadeiros Vidros de cbristal da Rccha, para
vista can-ada.
Vende-se tndo por preco mais baratc ontra qualquer parte._____________________
Apreciem eomo se \entle iiaralo
S6 o n. 20
RUA DO CRESP0
LOJA DAS 3 PORTAS
DE
Ouilherme & 0
CASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com bonitos pa-
drSes, e que se vende pelo diminulo pre?o de 200
rs. o covado 11 I
MET1M
Metim trancado, padrdes bonilos, a 320 rs. o
covado 11!
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda Tina, boni-
tos padrdes, pelo diminuto preco de 320 rs. o co-
vado III
LAS ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que se vende a 240 rs. o covado lit
CRETONE
Cretone claros e escuros, bonitos padroes, e fa-
zenda flna, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado III
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, polos diminutos precos de 400 rs. o covado,
e peehincua 11 I
Cortes de casemira it cores, a 5/(00.
Colchas estampadas e com barra a 3/500 e
4/000.
Cobertas de chila adamascada a 3/500.
Len<;6es de bramante a 24000.
Dites de algodao a 1/400.
ToalLas alcochoadas, duzia, a 5/800
Lcncos de cassa com barra a 10000 a duzia.
Ditos de cassa abanhados a 2/000 a duzia.
Ditos de esguiao abanhados, em caixinha- mo-
dernas, duzia, a 30500.
Cambria transparent Gna a 3/000 a pcf a.
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodao e linho a 1*600 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palmos de lar-
gura a 2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 5*000 a peca.
Dito domestico a 3/000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o covado III
Madapoloes Irancezea de todas as qualtdades de
5/ a 8/500 a peca.
Coapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di
minuto preco de 8*500.
Camisas inglezas, todas forradas. fazenda de
linho puro, a 44/000 a duzia; e pechincba, so se
vendo.
Popclinas de linho e seda pelo diminuto preco
de 800 rs. o covado; e pechincba, e dao-se amos-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
Loja das ires porfas
DE
Guilherme & C.
JUNTO A LOJA DA ESQUINA
HDVAS PUBLICIII^S MUSJCAES.
. J. d Azpv.do Itu* !%% a a. 11.
Acabam de pubiicar se, e acbam-se i
venda as seguinlbs musicas :
PIANO SO'.
Oanse f.spa.nuoi.a. pur A- her
Arabi.ii.a, ma/ikka, | r <.
theimer
Valsa do Fausto, por Croyzei
SONHO 1>E L'HA VIRGEJ1, por
lazzi 19000
Anna la 1'rie, catatina 19000
AoClair de la Lcne, por Bussmeyer 19600
ESTRELLA DO NORTE | ,, ,. ... -^ ....^^
SAUDAgAo ao BAH.arolkabr,,hanl* ,fH#
Cricket, por Seizas, olferecida aos
chrickets club peruambucano e
bahiano 19000
PIANO ECANTO.
Desespf.ro, rauito liudo romance
por I. Smoltz 19000
-Non m'amava, romance por (iueacia 19001
Tambem renebwu da F.urupa grande Hr-
menidc inusica para piano, piano e
antoudos, methodos, etc '-tc.
CHAMAIK).
Os Srs Jovino Fernandes da Cruz e Joaqoim Oe
menle de Lrmos Duarte, Fie rhamadus a roa d-i
(Joronel Suassuna n. i*i, a negocio de parucuir
intfiesse.
I
RICAHA
PARA
Marcar vestidos, roupa de cama, guardanapos, lencos,
meias e todo genero de roupas
COMO TAMBEM
Carloes devisila, iivros, envelopes e ioda a qualidade de
papeis, elara e exaclamen!e com o runic coinpelcnle da pessoa
Garanre-se dar uma cbapa tSo boa como poderia conseguir-se em Landres ou Nova
, or, c affianra-se igualasente que a tinta sera" iudelevel.
% You can bet your bottom dollar on that
Cada cbapa com o nome da pessoa e scompanhada de dous fraspuinhos de tinta,
um pincel uma direcc,3o sobre a maneira de empregar a cbapa o uma receita para fazer
tinta. costando tudo
Preco fno 39000
Em letra de m8o e gothics. 59000 -
\HG01AS AMMCA^i\S
PABA CHAV^S
Sao muito commodas e possuera as seguintes vantagens :
Servera para ajuntar as chaves, e ao mesrao tempo sendo chatas, ha lugar para o
nome e moradia do dorio.
S5o faceis de abrir e fechar, deixam entrar 4 maior chave sem offender a
argola.
SJo feitas de prata allemS enao slosujeitas a enferrujar, quebrar ou abrir; como as
argolas de aco, s5o muito fortes e bonitas. Cada argola amerioana com 0 nome e mora-
dia do dono, aberta na mesma, custa :
Preco fixo 2>o00
P. LAURO MAGPHEBSON
NO HOTEL ESTAMIIVfiT
Riia do ImpeYador n. 32
TODOS OS PI AS UTEIS^BAS 9 HORAS AO MEKL DIA.
Escrava fugida
Au?entou-se da casa de seu senh r, no dia 26
do corrente a escrava Felicia com os signaes se-
guintes : cdr parda clara, cabellos cemprido-, ale
os hombros, rosto redondo, falta de um dente
quasi na frente, corpo reforcado, maca do rosto
bastante saliente, foi acompanbada por um ho-
mem. praja de cavallaria de nome Vafconcellos,
foram vistos no dia 27 do corrente, em Santo An
tao : quern a levar 'a Cambda do Carmo n. 3,
sera gratificado generosamente.
ESCRAVO FUlilDC
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engenho Serigi, comarca de Gi)anna, o
escravo de nome Jose Uorge.-, mestre de assucar,
tendo os signaes seguinie : cabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou meifK, boa flgura, um tanto
grosso e espadaudo, send., o signal mais visivol
uma gomraa na junta do pe equerdo : roga sc a
todas as autoridades e capitaes de campo queiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, ou nesta prara a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serto generosamen-
te recompensados.
ADVO&ADO m
AVRES GAMA
DO DUQUE DE CAXIAS
m. o.
Primeiro andar. *lf
i- Amaro de Barros Correia e Captulino Ro-
driguej do Passo vendem lerrenos, repularmente
tracados, no seu silio de Beberibe de Baixo, ha-
vendo organisado uma planla de seu perimclro,
em que se desenba visivelmente a distinccio
e regnlaridade no seu projecio de arruamentos
dovos, approvado pela camara municipal de Olio-
da. A fertilidade do terreno, a sna proximidade
da estacao do Fundao, da linha ferrea do Recife
a Beberibe, conseguintemente do rio Beberibe, e
commodidade dos precos convidam os pretenden-
tea a compra, que oa poderao procurar a Amaro
de B. Carreia, em Beberibe, a Captulino Rodrignes
do Passo, no Recife, e ao engenheiro Antonio Feli-
ciano Rodrigues Sette, a estrada de Joao de Bar-
ros n. 9.
, AtUGA=SE
o 2" andar do sobrado n. S3 da rua Marquoi de
Olinda : a tratar no armazem do mesmo prelio.
Precisa-se alugar uma escrava para coiinhar
e comprar : a tratar na rua Primeiro de Marco n.
*3, loja. a
i.
selecta e de umbigo
(Enxertadas)
Sapotizeiros
e sapoieiros de II palmos 0-m vaos) e de t-di-
es uinaiili.i.- e precos mai- r..inmodos qne dan-
tes ; assiiu enmo as seguintes on Ira i plania **
fructa e de ornato :
Abacati.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Casoarina.
Carolina do pnncip".
Condeca.
Cora^ao da lodia.
Figueira.
Flamboyant.
Frucla-pao.
lngado Para.
Jambo.
Jasmim laranja.
I.aranja da China.
Dita do ceo.
E outras plantas :
ura n. 20.
Laranj* eravo.
Dita de doce do Para
11 la br.tir.
Di'.a ungerina.
Lima da Persia
l^ila de umbign.
l.iinan francez.
Dil' d ne, (nxeri.'dj
flWeord.
Pa'm.*ira ii.,perial.
Tair-'irii.
Pinheiras.
Ilnnieiras.
Koieiras.
R'Heda.
DM*.
na Capunga a rua da n 6
Antonio Goncalves Frrreira r,\*
cao, o bacharel Anlonio (' incalve-
Ferreira e C.indido Gonvates Fer-
reira mandar rrsir mi-sa> na igre
ja da Madre de l>eos, petas 8 boras*
da man ha do dia 21 do corrcnt*,
cm suffragio d alma de sua irmi *
tia, Anna Igne- d;i Bo'ha Bastrn. eposa de Sera-
phim Aive- da I: i In Basto*, l"..i rcida la cidad-
de Goyanna no dia l"i do correuie; e csperam q?v
;eus parentes e amig s ennoorram a este acl-j .!-
rarida'Ie.
ardi
Bernardino Al\>s Feirnra, ronvida a todiis o*
seus parentes c amigos para ^sistirem a uma ;-rai
sa, que pelo eterno rep brada mai D. Francisca Maria dos Santo-, n-.anda
celebrar na capnll* do cemiterio public, petas
8 l|2 hura- da manba do dia 21 do corrente, se-
timo d'i seu fallerimenlo.
7?
Josepha Maria Teves
Freitas.

Joao Justino de Sooza Freu-
seu li'lio. cordialmenlc agrad^i^rr
a todas as pessoa- 'pe se dignaram
a acompanhar, a uluma mnrada, M
restos moilaes dc sua roui presa-
da esposa e uadra>ta D. Juepfca
Maria Teves Freila-; e 4*.
Ihes rogam o carido'o o!i missa do l." dia, que pelo repouw elernn d* su*
alma, mandam celeLrar na segunda fcira i\ &-
i'liiivnte, as G h'>ra? da inanii na igreja do coc
vcuto de N S. d Glo ia ; por cuk act) de a
ridade, serao eternamen'.e reconheeidos.
D. Francisca Maria dos
Santos
Bernardiuo Alves Ferreira, Theotonio Alves Fer-
reira, Jose Antonio Moreira e sens fi'hos agrade-
cem eordiatoente a todos os seu* parentes ma.^
pessoa* desua hn irade.quc Ihes Ik-ram o carid
so obse |iii i de assisfirem aos nllimos suffrafk* e
de arempauharein ao cemiterio publico on rwi :
roorUes de ma qnerida mai, s igra e a\6, D. Fran-
cisca Maria d is S?ntis, fallecida no dia 16 d
correule ; e de novo convidam ali.ios on se
parentes e amigos p ir.i assistirem as missa< jpj.
pelo tea eterno renouso mandam ceiebnr o*
i?rc;a da Madre de Deos, pelas horas d^ manh'.
d > dia 21 do corrente. seiiiiiu d i se.i falleHK
.laa|tiiiu Antnnio Nnnos.
D. Cosma Joa jiiina de UM .Nu-
ues, anas fillias e g^nro, i
a todos os S'Us parente.- e an.igo-.
para assisirrem a n.i-.-a que iiiac-
dam celebrar no convene do Car-
mo, do dia 21 do cuirmle, as "
horas da mauha, seiimn dia do pas
samenl > do seu muito presad j esposj, pai e s
gro J.iainim Antnnio 1eCa . 0 conego J.iJd Jose da Costa M-
beiro e seus irmaos, proftindaimwe
|i nali-ados pelo passaniontj 'isas.
itohito do seu presado irmao MaaoeI
la C>-li Ribcir i, dirifetn urn cor-
----------------'di.ics agradecimeiit a quant teem
procurado confort.i Ijs em sua dor, e-i*ri I neot.
aos que praticaram a caridade de as>itir a sat-
f.-agios por occa.-iao do darem-se asepullora
seus reiios morlaes.
Aos parentes a amigos seus e aos do finado con-
vidaafpara as mijsas di scticno dia no c n-eij
do l^armo, terca feira 2t do corrente |.i* 7 irt
da manha.
AVISO
t Roga-se aspossoas que devem aos abaiso a>
signados, de foruecim n'os de carries veries, d
anno passado, rj favor de virem ou mandaren
gar os seus debitos m rua do Rangel n. 35, on u
rua lm|ie. i il n 159, no praao desta data a I* dia'
dj contrail) serao a bra Jo* os debiwa judi-ii-
mente. Recife, 20 da fevereiro de 1874.
Felippe "oaunar^.^ 4 C.
Precisa se alugaf uma escrava que >ai,.u
orinhar: na rna Nora n. 7, loja.
Socicdttdc M*u(e.Pi fiMaaio
AaaaHro.
De ordem do Sr. presidenle sao coovidadc-
dos os Srs. socios para comparecerera
o J2 do corrente, as 11 horas da roaoha, ate
e reunidos em assemblea geral, aareea a pease
aos novos fonccionarios eteitoa.
Secrelaria da aociedade, 19 Mweiro
Komao Rc4ri|ue6 Cttrea.



6
Oi&toie



i
d*3fcem
fraades -faetftrw bem sor
bezerro, da cordavJb, de pelli-
lcom biqueiw, <3e bezerro com bo
zes a 9*000 fa escolh r) por ter
quantidaoa por conla o rdfem dos
ao armazem do vapor francez, a rua
do Baiao da Vicaria (outr'ora Nova) n. 7.
Calpdo
ea,
trjes, e eoi
vindo grande
fabricates
fraocez.
Artigos d
Para homem.
BOTLNAS de bezerro, cordavao, perlica, lustre t
de duraque com biaueira, dos merhore.'
fabricates.
SAPATOES de bezerro, de cordavao e de case
mira.
SaPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atnmaocados com sola de pio, pro-
prios para banhos, aitios e jirdins.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de Iranca
franeezes e portuguezes.
Para seulaora.
B0TIXAS pretas, brancas e de cores differetes.
Iisas, enfeitadas e bordadas.
SAPATINHOS -de phantasia com salto, brancos
pretos e de com di.Terentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tran<;a.
Para neuiuaa,
BOTBtAS preras, brancas e de cores differentes,
lisa*, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de traaea portuguezes.
Para ineninos.
SOTINaS de bezerro-, lustre e de cordavao.
ABOTINADOS e sapatdes de bezerro, de diversa.-
qualidades.
3APATOS de tranca francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
Lotas a Napofeao e a Guilherme, peroeiras
meias perneiras para homen-, e meias perneira.-
t-ara meninos.
No armazem de vapor france?, a rua do Baric
Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de guernijoes.
iofas, jardineiras, mezas, conversadeiras e costu
reiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
ievo3, e os mais proprios moveis para saletas e ga
riinetes de recreios.
No armazem do vapor francez, a rua do Bara<
da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes t
de elegautes modelos, dos mais notaveis e bem
sonhecidus fabricates ; como sejam : Akraonse
Sldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff A C..- nc
vapor fraucez, a rua do Barao da Victoria, on-
".r'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Fiaos extractosy banhas, oleos, opiata e pos den-
srifice, agua de flor de laranja, agua de toilete.
divina, florida, lavande, pos de arros, sabonetes,
cosmeticos, muitos artigos delicados em perfuma-
ria para presentes om frascos de extractos, cai-
xinhas sortidas e :arrafas de aifferentes tama
ahos d'agua Jo cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bem conhecidus fabricantes Piver e Cou-
dray.
No armazem do vapor francez, a rua do Bariu
la Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
rhffercntes gostos e
phantazias.
Kspelhos dourados para saias e gabinetes.
Leques pai a seuhoras e pnra meninas.
Luvas de Jonvin, de ho do Escocir e de camurca
Caixinhas de costura oruada e r musica.
Albuns e quad-"!:;! > a?-;, retratw.
Caixintias com viur de au^mentar totratos.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaque muito bonitas para relo
*'103
i!r. cos .nrrae.. > botoes de punhos de pla
qua
Bo'sinhas o colres de seda, de velludo e de cou
rinho de cores.
Kotos objectos de phantazia para cima de mes;-
e toilette.
Pincinez de cores, do prata dourado, de a co
de tartaruga.
Oculos de aco lino e de todas as guarniedes.
Benga'.as de luxo, canna, com castdes de mar
m .
Jen^illas diversas em grande sortimento pari
jmeas e meniaos.
Chiciiti.'.^os de baleia e de muitas qua!idade>
ilivertas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros
Pentes de tartaruga para desembaracar e par
harba.
Ditos de marfim mui'o finos, para limpar ca
. beca.
Escova? para roupa, cabellos, unhas e para den
tea.
Garteirinhas de raedreperola para dinKeiro.
Gravatas brancas e de seda preta para homen.-
meninos.
Carapainhas de mola para ch mar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatelias, de do-
mino e outros muitos differaales jor-tinrios al!e-
niaes e francezes.
Malas, boLas e saccos di^ viagem de mar e ca
aiinhos de ferro.
Argolinhas de marQm para as criancas morde-
rem, bom para os dentes.
Bercos dc vimes para embalar criancas.
Ce^tinhas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rpdas, para passeios de
nancas.
Venezianas transparentes para portasejanella>
Reverberos transparentes para candieiros de
jfaz.
Estereoscopos e cnsmoramas com eacolhida.*
vistas.
Lanternas magicas oqi ricas vistas de cores en.
vidros.
Vidros avulsos para "oiraorama.
Globos de papel de c^rcs para illuminacoes de
fe*ta*.
BalSes aereostatino^ de papel de seda mui facil
de subir.
Machinas de varios sy3temas para cafe.
Espanadores de palha e de pennas.
Tesourinhas e canivetes flno3.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lantemas
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para
^ua'iros.
Quadros ja promptos com paj sagens e phanta-
ua.
Estampas aralsas de santos, paysagens e phan-
lazias.
Oibjectos de magica3 para divertimentos em fa
milia.
Realejos pequenos de veio com lindas pecas.
Realejos liarmonicos ou accordions de todos os
amanbos, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias dffflceis de mencionar se. No armazem dc
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
is ova n. 7.
Medidas de 40 a 100 metros.pes e palmos
.oedir terreno3.
Armada.
Na rua do Barao
fallar ao Sr. 1* tepe
ffcio d< sen iotere^a.
Hctoria n 36, precislse
Jv^atertaiPesUna, a,ne-
:f recls.a:^B|de
duas amas para
casa de pouca fa-
railia, sendo uma
para cozinhar eoutrapara eDgommar, pre-
feriudo-se escravas, paga-se bem, se agradar:
a traUr no largo de Paraizo o. 28, 1 e 2
andaa
Precisa m de uma ama pa-
*a eomprar e coziuhar para
M- asa da doatpessoM : a |ra-
W a JiH d#/Pe.ji. B. W
~~ -------1-------*-------a. hi ~TC j i ^___
Praeisa.s*. dda4rna para casajde
(^ias1,L5iTlSrfa,Bl,,t: **rU*l>aqa3de
-*v.aa^^.
AMA
Ama de leite
Precisa se de uma ama deleite, e quenao teaha
fflho : na rua Do^aa- de C*xb n. jH.
Atyjq Prra,-se de uma amaqae jaiba co-
i.xLuai liafot e etgjanaar, para ca*a dc ponca
deOttoda u. ii
familia : na rua do tfarqnez
tr'oraCadeia do Racife).
Ama
Precisa se de uma
Padro AKooso n. 4a
dT
(pu-
ama : na ruai de
Precisa-se de uma ama que saiba cozintlar,
para casa^t Immem soWiro i a tfftar na rua; do
Barao da Vietem a.'Mf
---------:-----r-p----->' :' .....---------r
Ama tie teite
Precisa-se de mna-,amade loite, sem.ujho : aa
rua da Praia n. 53, 3. andar.
Antonio Jose Rodrigues de Senza, em sea es-
oriptorio a rua dO' respe u. 6, compra1(por bons
precos, ejcra7os das diversas- )6res, sexos e
dades.
Na-rua da Penha n. 2 IivaXse,a e,agon|mase
com presteza roupa de ru,mera e eohora : quem
pretender, dirija-se a mesma casa.
Aos senhores de
ouiros propri
que pretenderem contra
casas de carnpo,
ras, nivellament<
vapor, plantas on
U genero, queiram diri
eseripto a A. Coutinho,
andar, escriptorio.
u troca-se u.
mperial,
grandfe-atetfb, portJo de
que bota para a linba
vas, prefefindo-se a troca
o preco e muito conraodo
rija-se a mrsma casa, que
Mr. _____________
- * ainda moco, com prati:a de
mesmo de taverna, e com
de escripturacSo, dirija
(JOml^o chegou t
BarbQni>
No salao de cabelleiruiro da i
Irmao, rua da Imperatriz aWPq
bom official de barbeiro, paga-se bem.
rosi
xo
a
tro e mndicirerdf in)rs., q
encruzilhada de Mem ate a rua da ..
de hontem : a entregar na rua d* taflerij>o-Tjk9
onde reeebera a gratificacio. r
Aloga-se o T andar e sotae do
a rua da Imperatriz n. 53, e a loja": alratar t
2* andar do mesmo. *-
Rua da Imperatriz n. 60
o......
Vende fazendas para Kquidar, por baratissimo prec<> oomo
abaixo se ve:
Pereira da Silva d Guimarles tendo em ser um grande depozito de f^fp^w
4em resolyido faxer uma liqaidar^lo das mesmas com grande batimento nos precot,
com o unico Cm de apurar dinhoiro^ para o que convidam n3o s (freguezes, como o respeitavel publieo, a vir surtir se do muiUs fazendas, bs ebaraUi
noseu estabelecimento denominado oPavao-a rua da Imperatriz n. 60.
GiMBRAIAS A A*80O, &9, 69 7#. franaea ranittHiao a 3jJ000 apanas precis*
1, '/* metro para um tencel.
ie a
aitas
:trfio M TiCtoriajcu 32.
faraeiro f iaiina.
^' a 't
Agencia de leiloes
,. thrift ?.if,ad0 ^F!3^ ao respeitavel bb
-blico. qiaa, usda abcrfa)!* '
lOOp^adegraXificaQao
Engenho Santos Mendes
Fugio no dia 20 de dezembro, do engeoh'Snt
tos Mendes, comarca de Nazareth, freguezia Ide'
TVacunhaem, a escrava Maria, crioula, 50 anjos
c
loas signaea cabellndos bo qneixo'e e bem laidi
na. A pessoa que entregar es.U es lono, que e o senhor do engenho acima, Lauren-
tino Gomes da Cunba Pereira, Beltrao-^ou no Re-
cife, largo do Corpo Santo a 19, 1 andar, sara
ecompensada com a quantla de 100 f.
Garanhwns,
ieu escriptorio de
encta de leiloes a rua do Marquez de- BWnda n.
i andar, continua a receber
fazendas, obras de ouro ^
quaoto> (*b}o*e lhoceo\eUa^a7a': aarem ven-l
^idos, em leilio publieo ou particular, a vontade
e seus comraitentes: e como que# qua o seu rcbinas ^toabattiam +m teda
novo estaVelecimenia se achQ o aeafar flossivtl
locahsaJo, i ale-& de .qae' oflereee aa piUore9
conservaclo dta ob)ectos
o j abaixp wignade com-
empregar Uda a aclividade,
e pontualiiade no cumprimepto de seuade-
veres, como mesmo seus jiagameulos ser56 fetots
com a costumada prompjijlao, que^be.a cenhe-
cida.
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
Raymnndo Reroigiode Mejlo Junior.
aroi
'zelo
Na rua
allar aos
ose Paes
osse.
do Barao da Victoria n.,36, prepisarse
Srs. Pedro do Rego ChaVeS Pelxotb e
daSilva, a negpcio de particular i'qto-
A'fillCAO
Constando aos abaixo asignado acharse nps-
ta pract o Sr. Manoel Fernandes de Carvalho.ren-
deiro dos engenhos Bafra e Preguifa, em Ma-
manguape, provincia da Parahvba, veem,rQgar ao
mesmo o obztquio de vir eutrnder-se Com os
abaixo asfignados ini;..<-.liatamente sobre negocio
tend_ente aas referidos engenhos. Rua do 'Amorira
37, escriptorio.
__________________Tasse Irmaos k C.
ALUGA-SE
uma excellente casa construida de novo. sjta na
entrada dos Afflictos, tem commodos para grande
famiha, >itio muito bem plantado, jardim e banhei-
a tratar na rua Priraeiro de Marco n. 2, Jivra-
na ecanomica.
Escravo fugiilo.
Continda fugido o escravo Sebastiao, crioulo,
fulo, altura regular, corpo reforcado, falla qm
pouco descancada; foi aquivendido em 15 de
dezembro pelo Sr Jose Francisco Ponfes de Aze-
vedo, tendo sido escravo do Sr, A4exandre Ribei-
ro' de S..bral, todos da freguezia de S. GaetoHo da
Haposa ; esta matriculado bo municipio fle Carua-
ru', e foi ha poucos dias visto em S Beqto : ro-
gase a todas as aut iridales e capitaes 4 campo
a captura de dito escravo, e traze lo a wia do Li-
vramento n 38, armazem Baliza, qne serao gene-
osameote recompensados.
da
afBtoande estabelecimento tem che-
jKpm sortimento de machinas para
iJ-4 todos os autores mais acredita-
dos i^lt^uamentena Europa, cujas machinas
p,i|ntidas por um anno, e tendo um
.. bitoiartista para ensinar as mesmas, am
qualquer parte uesta cidade, como bem as-
sim coaflae*-las,p)rio!tompfttambera d'um
anno sem despendio algum do comprador.
i receber mjrafe, loucUNeste estabelppJm?ntefaibflin'U/i.pertoneas
St?"1.3'^ 9 |>ara as mesmas machinas ese suppre.qual-
quer peca que seja necessarip. JEstas> ma-
a perftMijio ,de
um e dous pospontos, franze e borda- tcida
qualquer, cvrtafa ppr !^?a qpe s ja, seui
precos sao da,seguinte qualidade : j; -ra
balhar.fcimao de'80!))000, 4Q3WOO, i{J1000
e 50JJ000, para trabalhar com o in; s5o de
|80r00, 0#000, 100000, 110Z8000,
,lS|BJJfrOO, tlMWOOO, 1509000, 20t)?000 e
25B$000pemqyanto aos ajitorcs nao ha al-
. teracao 4^ precps4 e, os conpradores poderao
Aluga-si olft f3, #4l*f dt^ob^onJti iif I- verao gostar pela variedade de objector que
ha)sem^iJ-?parflW|9ler,.'como sejam: cadei-
ras para viagem, malas para viagem, cadei-
ras, para saias, di tas de balanjo, ditas para
c/ianja (altasj, ditas para escqlas, costurei-
ras wquissimas, -para senhora, despensaveis
para criancas, detada&asqualidades, catqas
de forro para horneni e criancas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, appareibos de metal para cha", (a-
queipos eom oabo de metal e de marfim,
dAtosaYuJsos,.coihresldeiBatal fino, condiei-
|- Aluga se um^ca^fna.^ua da Rr^ia./ToiCal-.
deireiro n. 21 : a>lratar na rua do Eivramemo n'
23, loja^jjo ^5q1.
*T
eOMPfTAS.
tfT
BOREACHA
Compra-se na rua do Amorim n. 56.
rua da Roda jp.M
KE*
ComprafsyfouRas semidas ,de mascaras e .
todos os (bjettos pertaooenles #os meseios na rPs para sala, jar/QS, ^qarda-comidas de
frame, tampas para cobnr pratos, esteiras
para forrar saias, lavatorios completos, ditos
simples, objectos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito deveraagradar a todos
que visitarera este grande estabelecimento
qae se acha aberto desde as 6 horas da ma-
nha ate as 9 horas da noute &
Rua do Barao da Victoria n.
22.
0 Pavao vende um magnifico sortimento
das mais Gnat aambraias brancas transpa-
rentes, tendo 10 jawjas cada peca, pelo ba-
rato preco de 4, 49500, 5??, 6, tendo tam-
bem das mais finas que custdmam vir ao
mercado, assim como-um grande sortimento
de ditas tapadas e victorias que vende de**-
ate 89, sondo fazenda que ville muito mais
dinheiro.
COMSALPICOS DE CORES A 5.
0 Pavao recebeu um elegante sortimento
de cambraias brancas com bonitos salpiqui-
nhos miudinbos de cores, tendo 10 jardas
eada corte de vestido e vende pelo barato
preoo de 59, por ser pechincba, ditas eom
salpicos todo branco sendo fazenda finissima
a 79500 e ditas a 59000.
VESTID4)S A ISO QA CORTK 13#
0 Pavao ^de um bonito sortimento de
cortes de vestidus a aso-da corte, tratendo
eada eorte tados os enXeitesflecessarios como
fejara: bajjadinhos, entre-meios, rewlas,
requoifes, e veade pelo barato preco de 129
cada um, assim como, di os a 2 de julho
* ] oom.to#os- os enfeites.a 109, cortes de cam-
braias irancas abartas, com listras e lavcres
a 69, ditos finissimos a 89, ditos de cara-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 39500, 6 pechincha.
CORTES BOIUIADOS A209E 359.
0 Pavao vende ricos,cortex de carabraiasi
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
rato preco de 309 e 359.
CASSAS FRANCEZAS
a 300 rs, o covado
0 PavSo recebeu um grande sortimento
do cassas francezas com deHcados padroese
cores fixas, que vende pelo .barato progo de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
nissimo fil6 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanas de todas as cores.
VrMU&
Afuga-se
uma sala na rua Dnque de Caxias n. 61, propria
para advogado ou cartorio : a tratar na loja.
Precisanse
alugar para servico muiti lew, dcus negros ido-
sos. ou dons moleques : a tralar na rua do Hcs-
picio n. 26.
Terreno.
Retalha se a vontade dos campraderes um ler-
reno na Torre, 30 pa?sos da linha dos bonds e
perto da machambori.ba. Este terreno csta collo
cado entre duas estradas que vao ter a beira do
rio : a tratar na Torre com o Sr. Assia Pinto, na
rua do Arantes, e no Recife rua Formosa n. 27.
Santa Catharina, no Tnvpro-
viso e na Claudia ,
Vende-se farinha nova e excellente, a bordo dos
referidos navios : a tratar com o capitao, ou com
Amorim Irmaos & C.
! | 1. I .----1----1-----1-------------
Toalhas com 41[2pfiJms< compridoa 500xs.
a.q nreco.de qma vara
as, e e fazenda muito
Isto e grapdq pechin
de algodao, *lo aloe"
boa ; aproveitem quo disto nao ha sempre .
rua da Imperatriz n. 56, loja da Rosa Branca,
Azevedo & C.
BORNOUS A 129.
0 Pavao vende om bonito sortimento dos
mais modernos bornous combonitas listras e
vende pelo barato preco de 129 cada um,
assim como um elegante sortimento dos mais
bonitos chales demerind e com listras deseda.
DULOn
CjiALft,&tt}aQ6
a 29, 29500, 49.
0 Pa vao vende obales a emita^aiO de me
rin6 a 99, ditos de merino* lisos de todas ai
cores a 29500, ditos de merino estampadoa,
muito fino6 a 4, 'dHas flnissimos com lis-
tras de seda a 69600, ditos muito fiuos da
crepom a 109 e 129.
^fe^-** cm4"tiff* ^p
O-Pavio vende algMlo etifetado com I
palmos delargiire, proprio para leo(6ei
sendo do mais encorpado que tem vindo a
mercado, liso a 19 a.vara e traocadoa.....
19280.
ATOALHADO A 19660, 29, 59.
0 Pavao vende atoeJhado trancado com I
palqios.de largura a 19400 e 19600, dito
adamascado a 29, dito de Iinho adaraasca
do a 99 afl-
EDA**RA TKTIDOS
a 19600a29.
Q Paao wnde urn bomto sortimento d
sedas eom tistrinhas proprias para vesti
dos de meninae ejde jsanhora a 11600 o co
vado dftas lavtdi4asa 29, os padrde* sac
muUolMmitosa-veade-se por eete preco pan
acabar.
0 Pavao tem um completo. sortimento d
botinas mu'4oib#m .enfeitadas para senhora*
a vende pelo barato prego de 59, artigo qm
em oatra flijalquer/pf rte/:usta t9 e 79.
LENgOSRRANCOS
a 29000.
0 Pavio vende lencos brancos abjinha
a 29 e 29500 a duzia, ditos de esguiio
cambraia de Uhho tjmbem a^ainhadosi
39500, A9,59, d.to6ioaneaee9CBros, par
rape* a 69, a duzia.
CAMISAS PARA HOMEM.
0 Pavao vende ricas camisas eom peiu
de linho bordadas, pjoprias paxa qoivo i
tO#e 129 cada uma,, ditas de Unhosan ae
rem bordadas a 49.. 60600 e 59, ditas coo
peito de algodao muito finas a 29, 29500 t
39, ditas deemtafina miudinha a 29,29500.
e 39, assim como grande sortimento de ce
roulas francezas tanto de linho como de a!
godao de 19600 ate 39, $r, nde sortimenti
de meias cruas inglezas de 49 ate|KK)0 i
duzia.
\-
Alvicaras.
Venham todos aprcssados
Ereon oa,bolsos\recheadoj,
Do. Cjmpos^ao -.rmazem ;
Veham, nao falte ningum
Ver o grande sortiminto
"^Um verdadeiro portento)
Que paraa qnaresma tem ;
ComuFehepdem ? ora bem I
Ceroulasfrancezas de linho e.algodao, para,todos os projos e qualidades, ascin
como gnande sortimento de meias cruas, camisas, colennhos, que tudo se vende do?
precos muito razoav^js. r^
Pacheco A Azevedo tem para vender ta
pioaa de araruta, qualidade e?pecial, em seu ar-
mazem, na rua d Duque de Caxias n. 29.
Vende se uma \aver,
eas, esqaina da rim-de S.
vivenda.e bastante* commodos para familia
prelende-la -dirija se a mesma.
fta W rna das Carro-
Jpao, com boa,faaa de
quem
Engenho.
Vende-se o engenho denpminado Barra, termo
do Bonito, demarcado legalmente, e que dista
apeoas cinco legaa* da.estacao de Una : a tratar
no mesmo.
Por
e barato.
TOSlMS^CAD
ieiu uuia cia *herpi- lira ntuil
po.i.roiu sobre os iodividuos ffvztailos rfeiji
mifermulades nos otsos e deuma vonslitm'cSo
diM. Fern?i-se imlisprnsavet para a? trianeaf '
a quern ajuda c foh-l'/lcn a arscei.fa.
de inn gosto.miiito ncradaTel e de uma di-
gestiio facil. t'recu do ra#fo : 3 francos.
Paris, pharmacia'LEhOV, 15, rua d'Antin.
\ende-se um preto de 35 a 40 annos, refinador
e proprio para qualquer servico ; na rua de
Hortas n. 96.
e preto
Deposito em Pernninlin
tssssszsrz
. A. REGORD.
para
Para principiaDte
' Traspassa-se a loja de fazendas da esquina da
praca da Independencia n. 2, de duas portas e
com poucos fundos : a tratar na mesma.
Cozinkiro
ou cozinhf ira, preoisa-se de um para casa de dnaa
pessoas: trata-se na rua do Passeio n. 60 das W
horas da manhi as 4 da tarde.
com poucc toque a U600 o covado : d* rua do
Queimafo-p. 43 ; e muito bom.______________
Fogao de ferro economico
Vende se um chegado ha peucos dias, tendo for-
nalhas para lenha s carsao, forno para asaar,
depoeito para agua quenle e lugar para se guar-
dar queqje as coniidas depois de feitaa ; eslesfo-
goes toiinam-se recommondai-eis porque sao de
Ferro batido. e fabricados em perfeieao e cosi-
nham com mui diminuta lenha : na rua da Apollo
taquediis para uieoino^
A maior ^variedade que se pode Jesejar- de to-
dos os brinquedos fabricados^em differentes partes
da Europa, para entreleniaiento das criangas, tudo
i precos mais resumidos que e possivel : no ar-
ina*m do vapor francez, rua do Barao da Victo-
ria, outr'ora rua Nova u. 7. .
Cesiiahas p^pa rosHira
Grande sortimento de bonitos modolos ctjpgados
io armazem flo vapor francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora rua Nova, n. 7.
LOJA
- Esta fugido o^scravo Jose, eabra, idade de
15 annos, feipoes miudas, c*ellos frdxos, p^s
)arg|s, veste calca e camisa branca, gosu de mu-
sica,: pede se a policia a sua captoi, 1 gratiilca-
se* qnem o levar a seotfsenbor, '-& rua do Hospj-
cid n. 85, ou a raa do Quelmado k. 83.1 andar
C0Z1INHEIR4
Precisa-se de uma perfeita cojinbeira, nao im-
porta que seja f*rra ou escrava, para easa de nma
lamma estrangeira, paga-se bem:: a tratar -~
rua do Bom Jesus n. 56. tin de Keller & C.
Engealio a venda.
Vende-se o engenho Paraizo, sito na.-ilha de
itamaraca, e levanlado ha pouco tempo em terras
da s.tio Soccorro Acha-se o referido engenho
moente e eorrwite e i e a vapor, sendo o respective
erreno aseas productivo de eanna, mandioca, mi-
iho, fejao etc. Alem dos terrenos de planla.ao '
ha umt-boa solta para gado, muitas arvorta fr'uc-
tiferas, Inclusive coqueiros e optimas lugares para
grandes me ros. A 'tuacio da casa de vivecda
agradavel, e o clima e passadio da illi- de ha
maraca sao muito..aprecive,is,.i9fJ1 de ou'tras
wantagens que com a vista melhor conhecera o
comprpdar^dirigifldo.se ao referido engenb*.0u
jnrormando-se na rp do Atal^o n. 8. freguezia
"pY Boa vista, junto 4 caixa d'agua.
E com as tripas pulando de contentamento que
me apresento ante a onda gastronomica das sa-
bias e illustres barrigas pernambucanas, felicitan-
do-as por ja se acharem livre da peaa de iaterdic-
to e poderem sem receio dealgunia indigestaoex-
commungada, coraarem os mais flnos e saborosos
comestives, coailjuvados por uma catcat* de vi-
nhos de .todaa ,a qualidades, deixando a quern
dezftjar o direito de gritar: viva o triumpho das
barrigas !..
Mas, como ia dizendo, nao podia deixar de
acontecer assim, cooaiderando-se como foi sabia e
bem barrigalmente planejalo o ataque das bar-
rigas grandes, contra a sucia dos bandulhos ca-
ninus, que,oitri(i$do3 a idea Jicticia do infer-
no bich.o inventido pelas grandes barrigas, pa-
ra horrorisarem as barrigas sem tripas, sustenta-
7ami a rrais ab>urda das monstruosidades : a
infatlibilidade do prinripal bojo do amor as avessas
e de tripas, dadas e a forca de tripadas queriam
hypocritamente aliraentarem a pelludae famigera-
i Tcx Que:-lao do J|a- centopea negra que en-
roiada nd capote chamuscado da inquisicao, pre-
tendia assaTo.mundo das .barrigas, privaqdo an-
tes a humanidade de ganhar dinheiro e de em
tempos ct mo e*te de quaresma :
_ De fazerem peniteacias
Enchendo bem as barrigas,
Puis nao e tempo de brigas,
E sim e, de abslinencias.
Ma, como ia contanlo, custou, porem afinal,
depois da rasorada que Ihe passou no pescoco os
poders poderosos, a cabeca foi parar no fun-
do do rio e o rabo, omo ruim de esfollar, Dcou
no secco exposto aos peutnpes de qualquer gato
pingado, deixando e verdade, magra as collegas
barrigas, quo despeitadas vao tratar de se nutri-
ram, vindo ao armazem do Campos, a rua do Im-
penador n. 28, onde com certeza enconirarao alem
do que desejarem. o seguinte : ovas de diversos
pejxes e de bacalhao ; peixes de vinte qualidades
era eonservas, sardinhas era latas, camardes sec-
cos, baealhao, pescadas, sardas, lagostas, salmao,
batatas, arroz, feijao, cebrdas, azeite, vinagre ;
anteiga ingleza e franceza; doces, fructas e
cincoenla qualidades de vinhos finos do- Porto e
outras tanUs de outros lugares mai* a/amados de
Portugal, alem de um completo sortimento de ace-
pipes raros, deliciosos e que
ANTQDIIB JOSfi DE AZEVEDO.
Rua Nova n. 11.
PIAB8S.
os que tem, novos
Querendo definitivamente Jiquidae. .este -negoaio, wide lpd.os
isados, pelo prego do custo de tectura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
3LEADQS inglezes para assoalho de saias, de muitos liudos desenhos de 11 a 33 palmo.
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala nor erande aua
seja com oleado inteiro. M
I'xvct^^08 e^)elllos ovaes Para omamentos de saias.
V.T^lS,eljClric0S para curar dores de cabe?a. nevralgias e nervoso.
'nuuoo S gravurs, grandes, para quadros de sala.
ri ?r *DnPar* 9e^urar rouPa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
LALAGARCA e papel picado para bordar com la ou seda.
vERDADEIRA agua de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, e por barato preco.

'
>

o FUMO DO PARA
mmn ver,dadeiro furno deBorba, em chicote, picado, desfiado e crespo, assi.r.
como e.garrosi do mesmo fumo ; na fabrica a vapor, autiga rua dos Quarteis n. il
a dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarao os seguintes e bem conhecidos
fumos manufacturados na mesma casa,
Flor do Brasil
Navo Caporal
w ,, Bes Bird'seye, ( Olho de Passaro. )
vende-se a retalho, e em grande quanlidade se faz grande abatimento.
GRANDE
4
Vende-se
Cahindo era qualquer barriga
Fat a melhor digestso,
EuaofazjualaAesiga,
Como comendo, verio.
Mas, como ia fallando, iaraos entrar na vida de
outr ora, isto e, na rjpoca das festas, e portanto
vamoa ter restasy festas e mais festas, e como todos
comem das festas, visto que uma parte da para as
^ejtes etrjBsjjeeeberaearapreparar as festas, e
dinheiro que anda tao vas
Em
que
Grosdenaple preto
Sendo lisos e de cordao, e o mais largo
,vera ao mercado, e qne se veode pelos diminutos
precos de UIOO, 2jKOO, 3A200 e 3^500.
60' IA RUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
IRES BORTaS DE
Guilherme & C.
Innto a loja da csqaina
na
pes de parreiras, abacate, sapotis,, (omairaf fl-
gueiras, fracta-pao, rozeiKdlwlis aontraa.lo.
Sas, por preco commodo : na Boa-Vista, rua do- log'c<> V* o bregeiro uunru u w vas-
isconde de Goyanna n- 101, outr'ora >adego'.(g"e'fo'3*Ja-dos cofres dos amantes orthodoxos e
AGUAS ALCAUNO GAZOS4S DAS Pt-RR-ie Ise vi (alliam^ndo com as aigibeiras vasias dos
ra r r rvTc ^K*8, naeessitados, e esjes por sua yez vQnh.am ae aixna-
;bAUAlMb ; Km do Campos a rua do Imoerador n. 28, prepa-
villa pouca de AouiAR v rarem-se para a quaresma, tempo de abstineucias
BicarbeuatimIus-sdictM IP "2 S8".*6 C^rae "MnJicenja, ootaprarem o quo ox e nnif a annrovada "Hd
Analyses do Dr JosS-Julia RadrimJ, 'Untm ha ^e mais g09,oso' saDoros,>. cheiroso e tudo que .9 ? wwaapprOTCOa pelas academias da
^'^ly^uvur.jose-juiwtioarigues.lenu acaba em ouso. H scieactas, lecwhecida superior a toda que
Nao ha mais cabellos
brancos.
TiNTUBARU JAPONEZA.
As unicas verdadeiras
Bichas haraburguezas one vem a este mercado:
na rug Marqndi deolinda n. 51_______
Luva k pellica
Amaral, Nabuco & C. vendem luvas de pellica
de cores com toque de molo I*, 1*C0 e 24 o
jar : no Bazar Victoria, rua do Barao da Victo-
ria n. 2.
Lindas las egcoeezas.
De varios padrdes, e inteiramente modernas, a
dWJ rs^ o covado : na rca Prioaeire de Marco
antiga do Crespo n. 13, loja das oelumnas, de An-
tomo Correia-da VwoobcbIIos. -

-.
Aloga-sealoja daeotorado n 9 da rua da Au-
tfna rua do Hospicio n. 26, taverna.
^^Wai^ n. 10, Uverna.
a na rua
de campo
nctiitate casa da leavessa de Pay-
jandd n. 3, proximo ao fi*ipital portugnei com
eomnwtfca ya ftarflfe familia : para tratar, na
iua do Auorioi a 36, i-.t"*--
Ga^alhp,^ ogi*eira, ua ruado Apollo
e. 30, afitam sobre o Banco' Commercial
ae Vianna e suas agendas em todas as ei-
dades e villas de Portugal, a\ vUta e a prazo
;ppr todos os paguetes
tomag3, etc., etc. : vende-se
'** rna larga do Rosa rio
Mqleq^ue
4*,6*cola -polytetfaUca de Lisboa
iwceUentopgjii, a-ada eom vantagem nos
mentos das vias digestivas, urinarias, do
na pi
n. 34.
hartnacia e
ambraia bor a peqa
S6 na rua do Queimado n. 43
i J .._.!.__. a___1.1?" -
e

Dizer aos amaatos
Dos ^eoeros espeoidei
?ue se querem ser feljtes
en ham jj e qu,anto aptes
Saber a-eauaa motriz
Do Canpoe nao ter rivaes
que
! tem apparecido ala hoje. Deposito princi-
. pal A raa da Cadeia do Recife, hoje Mar-
qaez de Olinda, n. 51, i. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
reiro.
^r^siifffl^^sfe^*^^
,Aada,6 hraecer
ypfde
i,i goato, a prazer.
Alpaca preta
com florea de crjrw, ,pa*5es os mais medernoi
no mercado, a 500 reis o covado. So 6 pecbin-
oba ; dao-se amoatras : na rua do Qnetmado n.
43, deXronte da- praainba da Indepcndepeta.
Chapees de sol para senfco-
ras a 4| I
A rosa branca acaba de receber cbapeos de sol
de seda para seuhoras ou neatnas com badot ca-
bos brancos e s.ujieoor seda, e vende k a iafifJO ;
nao julguem que,por aer barato sao ordiaarios,
porque sao chapees qne sempre ae venderaa a
71 e 81, apiwKaitoa a, pachincha na rua da
Imperatriz n. 56, loja de Aaavedai d< &

441 a peca: 6^{ebin*>a.
ppi boflKo escravo de 18 annos de
', optrmo para copeiro ou boleeiro :
pj#8 de 3fi a frartr 99 aateo da-Rtbeira, n I meeiro.
VENDE-SE
uraacasana yUla-de BarxaiwB, na rua do Cam-
f^S?: PJ Pre5 modico: a tratar com Tasse
'Irmaos 4 C
0
Wil-on Rowe & L. rmami rua de Commercio n. s4 :
verdadeiro panno de alccdio and araencano
Excellente flo de vU. ^Wl
Cognac de 1* qualidade
Vinbo de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidadaa.
m


fi
D

i

X
*
Diarifiidi ArastetaQdl -t Mjbtft)** d* 0mMHWi
=

lUtitf BMAAVtrM
mm
Run. da,; Xia^&tri* n.
Die
UNiCOS AGENTES
Rira do Barao da Victoria d, 28
is mais simples, as mais baratas e as melliores do mundo!
Na exposicAo de Paris, em 1867, foi concedido
Elias Howe Junior, a medalhadeouro e a. condeeora-
5o da Legiao de Hunra, por saretn as machinas mais per:
MtadiHitiAd6.
A medalha de ouro, conferida E. Howe Junior; bos
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de cos-
tura.
A. medalha, de ouro na exposicSo de Londres acreditajn,
*st** machinas *
A
daetraosparente, a 38, 3*5,00, 400Qe
6*80^ ^ ,
USIWASA200RS..
Vende-spi lasinbaAparavestiGtos, a200,,
A' nMdo Onkud* n 1 A'.
a proprietaries 4*' Pltedilacta,: no idtaiw **
rvar o bum conceita flag teem merecida at
itavte! tttib'nco,' aistiogawido o seu estkbeleci
tneblo do* mafc qtie negocTird na mesma geneto,
ton soientificar! ao*1 seas 'MM fregnezee qo* pre
enirani aos sus correspODdputes nas divarsas par
as" d'Europa para jhes enviarem por todos pspa
[news 6s' obje'ctd; de' luxo e bom giwtq, one se-
jam trials be a^toVpeH*'sacked des elegant*
dattaeires pakes, visto aproximar seo tempi* dt
festa, em que o bello sexo desla linda Venexi
mais ostenta a riqueza de snas tolllettes ; e co
mo ja recebussem p1* paqoete fraocex aiveiso
arligos da ultima meda, veera patentear algnn.-
d'entfe elles que se torna'm mais reeommendaveis
espeTarido do respeitilTei puMico a costumada
cotocurteoeia.
Adereeos de tartaruaa os mais lindos que tees
vindo'ao mfercado.
Alhuhs com rfcas capas de madreperofa e it
vellddo, sendo diversos tamanhos e bai
urenp Ffer^ira ##&
Declara aos seus freguezes qua. tern resolviJo'fazer uma,rivJo li^awterSoj ate o
fina do corrente anno.,. L
A SABER :
GAMBRAUS BRASCAS A 3*000*, Ditos da palba, a a*, 3*000 e 4*000.
Vende-se pecas de cambraia branca, ^- Dttos'de massa, a WOO.
I^ERJfiJMAfiUS-iEM tiaWQACAO.
I, Veade-se saboHttes.do diversos tamanhos,
a 1 i0, 2iiQ e 440 o 3&Q rs., todu bom.
Frasco debauba, a 100,320 e iOOrs.
320 e 800 rs. o covado, i Frescos com aguade colonia, a 240 e 320
ALPACAS A 640 RS. ] ^S^^J^SSl^^J^^' *&*. ** preto e de cores para ornato* V^ fo.rT V ^ JT **"
baratos pre
cos
Adereeos completos de borracba prprios pan
l^toj punbem se veudem meios aderecos muito bo
rtii-a aboaconse
DE
VOSStJCAtfRLLO
Elle & urn. preventivo seguro e cerlo contra
a calvice.
Elle da e restaura for^a e sanida-'e i pell*c*
cabe?a.
Elle de prompto fax cessar a qtieda prema*
tura dos cabelles.
File da- grande riqueza dc lustre aos ea-
bellos.
Elle doma.e. faz presorvar us cabvllos, cir
aacbinas* ,
Vendo-se.abpacasdo cOrea com listras.a 646
e 800 rs. o.oovado.
GRANADWEA800RS.
Yende-sc grauadine preta com listras de'
cores,, para vcslidos, a 800 rs, o co-
vades
POUPELHA JAPONtZA A 800^.
Yende-se uma fazenda nova com listas,
com aoorae.de poupcliua japooeza, prppria.
se vende muito baratapara hquidar.
TOALHAS A 800 US.
Veai]e-se toalhas, fcipudas, a 800 rs.cada
uma. r.euros.br.'incos, a 25000 a duzia, e
35000 abaiuhados,. fazenda que veude-se
porsasodo.i
GRAVATA$ PAETAS A 500 RS.
Yen.le se grav^tas pretas, a 500 rs. Man-
tasde cores a 209 rs.,
Cbapeos para b'ai>tjsdas de raeuiuos, a
para vestidas de:seuboras, a 15S00 o co-
tado. Todas estas fazeadas saovendidas not- 3#000
Bazar >acional, a rua da Impcr uriz n. 72.1 BEtfGALAS E.GHlCOXES A 800, RS.
CORTES DECASSA A 255.0, ,. Vende.se bengp}as.e-qhiqots, .a. 800, rs.
Vende-se cortes de cassa. para vestidos, cada uma, para liquidar.
,com 10covados, a 28S0O.
Gabe-DOs o derer de annanciai que-a companhia das machinas de Howe da Sova-
rk, egtabaieoeuineeUMcidade't.rua WBaraa da Victoria n. 28, um deposito e agenda! CHITAS LARGAS A-240 Rs.
ral,par*e-P9*nmbiM>o!>maisprovhwiasise vendetem as aramadas machinasde cos-1 Yende-sc chitasfrancez&s, largas, de cdres,
9t^(BanM. Estas*maetoinassao justfrawrte apreciadas pda perfeicSo de seu trabalbo; fiaSt a ,24<^ 300> 320 e 360 rs. o co-0
*"regando uma agulha mais-curta com a mesma qualidade de linha quo, qualquer outra, vailo_
Htaiotrodne^aodos ^U.aferfooad*pparelbos, estamos actualniente habilhadof a
iflkbecer wexanw pablico asmelbores- machinas do mundo.
4? vmUqifinsd^famc^inas sad as seguintes:
WnjairaVrnO pubiicp sabpqtm.allw sao duradouras, para- isto pwrva incontesta?el^ a
rtumstancia de nunca teean ,w-"wdft-na mercado maohinas d Howe i em segon-
*. m*o,
Spfunda,.^ Vrj^o, material precjso para pawir.qulqe desarronjo.
Tcejr'*rHaneUaa.menor fric^ao eatre as-diversas pecas, e meno6 rapido estrago
.yfRa,(osluftas,
Ouarta.Forraam o ponto eomo se fura feito i mio.
^tfc^PermittoquowwamiBe^trabalhodearabosos-fio^ o qose.n8ocowegu ^nde-se me.as cruas verdadenas, para <
****" i 'SonT* *
Sexta.Fazem. ponto QJMH em caaemira, atravessando o Go de am oatro lado, c
tofo em segiytj*,. saij* modiawrrse a tensao da linha, cozem a fazenda-mais
i^ksssti
Se^ima.OiCorapres*^. oleva&tado com a maior facilidade, qnandose temdemuder
t.ajB4ba(o.eon)ftf*iooja costura.
OifiMfc.Mujtas companhias do machinas de costora, tem tido epocas de grandesa e
ifiMsnisTJO Maoliicas outr'ora populares; sao hoje quasi desconhecidas, outras soffreram
t tdjegae radicaes.parapodeceai substituir 3 eotretanto a companhia das machinas de Howe
{iptando a ^piniao de Fiiaai Howe, mestre em -artes mechanicas, tem '
cfDaeotado.o*au iabrico, e boje^ naa attende a precura, posto qoe faca
*W'ilisw,,
Cada machina acompanha livreto&icom instrucc^es em portugnet
CASSAS DE CORES A 260RS.
Veude-se cassas fraucezas .finas.de cores,,
a 260, 320 e 400 rs. 0 covado.
SAIAS A 25000.
Vende-se saias brancas com barras de cd-
res, a25000.
CHITAS PARA COBERTA A 289 RSi
Vertde-se chitas para cobertas, a 280 e
i 860 rs. o covado.
ME1AS,PARA HOME5S A 650.00 A DUZIA-
meias cruas verdadeiras, para
65000 a duzia, a qaal" Tal
GRAN DE EIQCIPACAO DE ROUPA FEl^A
Vende-sc-ceronlas dt algodaoja 15Q00. .
Ditas de linho. n 15600 c 25000.
Camisas do hitas.finas,,a:15600.
Ditas de peito de cores, a 25000,
Ditas. braucas finas, a 25W0-, i350^0re
45,000.
Cal^asdeirim patdo-.e de. cores, a 25000
e 2530Q.
Ditas de.oasemira.de cores }tpre1ar|55,
65.-75 00 e 85000.,
Palit6tsde alpaeasidecores, a.29900.-
Ditos.pretos, a^5OO0.e 35S00.
Ditos de casern ira de coves, a 49 e
constanieraeBte
600 machinas
d,o. Baiao da Victoria
fazendas fiaas
Chitas, raadapolao, panao fino preto e azul, col-
lariohos, punhoa de linho e algodao, gravatas, lu-
vas de fio de Escossa, tapetes de todos ostama-
nha, bolsas de viagem, peiiot bordadoi pai'a'hq-
men; letHf3s de-linho 1 branoo e de c6res, loaMias,
gnardanapoB^etc., etc____________^_____
Rua Piimeiro.de Marco n. 7 A
Corde^ro Simoes E' eata uma das casas quo hoje pode com pri- apressa-se era cqnvidar a scus freguezes, com es-
Tiiaaja olfcaifcwnaos-seus freguews um vasiadissi- peclandade ao bello sexo a virem apreciar os se-
ino.aortJmfnto- dft/azendas^fiaas; para grapde toi- guintesartlgos expostos a venda e todos por preco*
lelte; e biun assim papa .usq ordinario de todas as commodos, como sejam :
classed, e por pre^os vantajosos, das quaes faz um
pequeno resnmo.
Maadam. faiendai as casas dos preteodentes,
para,o. que tem pessoal necessario, e d3o amostras
mediahte penbor.
Cortes 'de-seda de lindas cores.
Grosdenaples de todas as cores.
Gorgurao.braooo', liio, de listras, preto, etc.
Settm Macao, preto e de cores.
Greedenaples -preto.
VeUudo preto-
Granadine de seda, preta eniic cores.
Pbpeftnas de lindos padr5es.
FSI6 (de'geda, branco e preto.
Bfcas basqoinas de seda.
Casacos de merino de cores, Ja,.etc.
Manias brasileiras.
Cortes com cambraia branca com lindos borda-
dos-
Rioaa capellas e manias, para noivas.
Riquitsimo sortimento de las com listras de
seda.
Cambraias de cores.
Ditas maripous,braucas, lizas e boxdadas.
Naniuques.de lindos padr.des.
Baptistas, padroes deiicados.
Percalinas de quadros, pretos e braneos, listras,
tit, etc.
Brinsde linho de cOr, proprios para vestidca,
com barra e tifebag.,
liioos cortes do vestido de linho, com infeites da
mesraa. cor, ultima raada.
Ditos de' cambraia de cores.
Fustao de tindas cores.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas horJadas. para senhoras, de linho eal-
Sottimento de luvas da verdadeira fabrica de
JoutIq,- ptra home as e senhoras.
Veeluarws parameninw*.
Div> para-bapJiz>do.
FINAS R0XECAS mansas e choronas.
BONITAS E ENGRACADAS vistas para sterios-
copios.
COMMODAS LATASpara gqardar cba.
ELEGANTES BOLSAS parasenboras e meninas.
BON1TOS VASOS com fina banbae cheirosos
extraetos, trazendo cada frasco um nose, uma ini-
cjat ou um dittioo. <
FINAS MEIAS Dfi SEDA, vindo cntre ellas cor
de carne.
Para quem goslar.
A' Nova Esperanpa a rua Duque de Caxias n.,
63, acaba de receber tentos e caixas para o jogo de
Voltarette.
Para quem solre das peFnas.
A Nova Esperanca, a.rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber as procuradaa meias de bor-
racba para quem solTre das pernas.
FLORES ARTIFICIAES
A'Hava'Esperaaeaj a rua-Doque de Caxias n.
63/ acaba 4e receber nm lindo e completo sortn
mento de flores artificiaes das m^lhores que tem
vindo ao mere ado
A ellas antes que se acabem.
Costumes para crianca.
A Nova Esperanca. a ruaDuquade Caxias n.
63, acaba de receber bonitos costumes para crianca
e esta se vendendopor prejos razoaveis.
Chapeos para dito.
CHALES DE LA A 80O RS.
Vende-se chales de la, a 800 rs.cada
um.
CHITAS FOAS A 400"RS.
Vende-se chitas finas de campo largo; fa-
zenda ,muito. boa, a 400 rs. o covado.
CHALES- DE MERINO' A 20000.
Vendc-seScbales de .merino estampados, f
25, 35 45000 e 55000.
Ditos de Ustras a 55000 a 69000.
BftlSS EM CORTES A 15500
Vende-se cortes de brim de. cdres epardo,,
a 15300, para liquidar.
COBE4TAS DE CHITA A 15600.
VenJe^se coberUs de.chita,, a 15600, e
MOW.
BRlil RARDO E DE CORES A 400 RS.
VendeTse brim pardoede cores, para rou;
Sa .de howens.e meninos, a 400 rs. o cova-
o, para liquidar.
Ditos ditos tprutds,- a .59000, 69500
85000.
CoHetes decasemira de cores^ a 29,'39',e
45,000.
CamisaS de-flarrcltavde cores, a 29000'e
25500.
AT^OIrAO'A 49000'.
1 Vende-se peras de algftdSe^ a 49,39/e
65000.
CASfeMlKA DE.-COiR Ai 25500^
Yunderse taseinirade c.ros/ a 253dO';o
covado.
MAUABOhAO jA.-fl&OiO'j
,'Ven a 35000.
Ditoingiez, ttftflpai****** 79600 a
de^atai
BOTIKAS A 456KK'-
Vendeae bo'Jnas pftra<6aibira,e meninos,
a453O0j,55reii?0ft0
Ditas.de enfiars a 2S000-. ,
Saptos-de tapete, a 15300.
Ditos de COLXAS DE CORES'A 25000.,
Vende-secolxas de cores para ama, a 29,
e 490.00.
TIUNSPARENTESPARACADEIRASA BK^HANTE A 196O0,
19500. J Yende.se brapwnte. com, 10 palmos
Vende-se transparentes para cadeiras, a largujaj para lenooes, .a 15600. e 2550
19500, paraliouidar. metro. E 6utras,nwUas .fazeadas .prppria
BONETS A 500 RS. jda,mc:.cado,,qu,e s*cndev sem^esenfa, de
Venderse bonets de seda pata homens,,a pr.e.go,, pa,F3 Ijquidar,, aid o fim d..sorrenie
vettidos de sechora ; tambem tem para collete
paljtoi.
Bolsas para senhoras^ existe um bello sortimen-
to de Seda, de pfllba, de chagrin), etc., etc, por
barato preco.
Boaecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como de cera, de borracha e de massa ; cbama-
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo.
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
port incntes por Ml*'da nm objecto que as en-
tretennam.
Camisas de linho lisas e com peilos bordado^
para homem, vendem-se por preco commodo.
Cferoulai de linho e de alg'odac, de diversos pre-
cos.
Caainhis-cemaiusica, o que ha de mais liudo,
com disticos nas tampas e proprios para presen
tes.
Coques os mais modernos e de diversos forma
tos.
Chapeosparasenhor3.ReGcberom um sorlimenu
da ultima' moda, tarto para senliora, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
CaictsbArdadaS'parR meninai.
EnircnieioB estampados e bordados, de lindo>
deaenfoes.
Escovas electricas para denies, tem a proprie
dad$ de evitar a carie do- dentes.
Franjas de seda prelas e de cores* exi.te am
grand* jorttmefito de divercas largaras e barato
preco. .
Fitas dc sarja. de gcrgurao, de setim e de cba-
malote, de dlversas larguras e bonitas cores.
FacHas de gorgurrki muilo'findas.
Floree artilicues. A -Predilocta prima em eon--
servaT" sempre um bello e grande sortimento des-
tas flo'es, nan .so para enfeite dos c-bellos, como
tambem paflt ornato dc vestido de noivas.
GalOes de algodao, de 14 e de seda, braneos, pre
tos e de diveraas.cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Laco8> de cambraia e de seda de diversas core;
para senhora.
Liga* de seda de cores e brancas bordadas par*
nowa;
Livros para *uvir tnissa, com capas de madre
perola, marfim, 8s-o e velludo, tudo que ha d
born.
Pedtes de'rartafruga e marflm' para ahsar os ca-
bel'os ; teem tambem para tirar caspas.
' Port bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marum, Csso dourados por barato pre;q.
Perrumafias. Nesle artigo esta a Predifecta bert
prrfvida, nio so em extracros, como em oleos e
banbi* dos melhores odores, dos mais afamado*
fabricantesj Loubin, Fiver, Sociedade Hygienica
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commode
prego;.'
Sapatinhos de la e de-setim bordados,para bap-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para soft co-
mo para entrada de saias.'
VetUmentas para^aptisa'do o que ha de meUior
gosto e os mais modernos, rccebeu a PredilecU
vendepor barato preco, para ficar ao alcance
qualqner bolsa.
Rua do Cabugd n. 1
je, n'um estado {urmosti, liso 8 macio.
Elle faz crescer os cabellos bastos e comi"- -
e os.
Die conserve a pellc eo casco da cabe^a
limpo e livre de toda aesperie de caspa.
Elle prcviue os cabellos de se tornarem brast
cos.
File conserva a cabeja n'um estado de f-v-
cura refrigerante e agtadavel.
Elle nao e demasiadamente oleoso, gordu
rcntj ou pegadic/).
Elle nao deixa o menor cbeiro desagrao:*
vel
Elle e o melhor artigo para os cabellos isj
cnani,as.
Elle 6 o melhor e o mais apr.-isivel arti*-
para a boa conservacao e arranjo dos i a-
bellos das senbotas.
Elle e o unico artigo proprio para o pei.t*'*
do dos cabellos e barbas dos senhores
NEN1IL.M TUL'CADOU DE SE.NHORA >r
I'ODECONSIDEHAU COMO COM-
PLETO SEM 0
TOMCO OftlEiNTAL
o qual prescrva, liinpa, fortitica eaforrm.-a'-a
OCABELLO.
Acba-se & venda nos atehrfeermentos <:
H. Forster & C. agentes. E era laiss -
principaes lojas de oeromarias e boticis.
Lindo chfari'z.
Venie-ss: por preco barati- tm rico chauii4
de marmore ct< prio para Jaaiira, o qual .- adM
armado na ftir.iiia de mainn>:e do Sr. Lima, *
rm do luperadur para miein o quzt-r v,.r : 4
tratar aa ma do Crespo, loja d i'.isso junt.
arco dc Santo Antouio.
500 rs.
CHAPEOSA25500.
Yende-se chap^os de castor para neninos
e homens, a 29500 o 35000.
inno, por isso,,cowyem aos.Cftmp^adores sor-,
tfrem-se de fazendas.baratas, p^ra.a prsen-
te festa quo esta na porta, a rua da mperatrn
n. 72L_ Bazw NaciouaL
NURTIMENTO
Verntzes cspeciaes para -taw
gens.
Este verniz, cuja fa4ta aqui tanto sentem1
A N iva Esperanra, a ma Duque de Caxias n.
53, recebeu umpequano sortimento. deanaeis e
pujseiras plectricas, proprias para quem soffre dos
5er>os.
i e goardanapoe adamascados de linho de
I-or,-para 'mesa.
Coldbaa de is..
Cortinados bordados.
Grande sortimento de camisas de linho, lizas, e
bordadas, para homens.
Meias de cures para-bomeas^ meninosa meni-
naa.-
Ditas escocezas.,
Completo sortimento de chapeos de sol para ho-.
mens-e serrhoras.
- I#ra6 de oores'patti itjdej
Dito jretoj i traasade, e'.dinjiie ,rao.
, Afaainaile;da,linno o algodio- pafaitaaJhas.
%$&&
BKd* fte-BftHo, brattijo d'o6pa preV..
Setim de lindas rims; com. fatfas.
Qhalfstdelmeiii>1d8:.cow.aBef<}. ;
Dflos.de, 'casemfraf..
THtos de'seda preta ede coral "
Ditos de louquim.
Camisas de chita para .horoani,
Di*8,d6!fUnlla,. .
^s de;unho e,algodao,,
ads drcrocnet para staa,
cadeiras e cotrso-
Vinhos.de Bourgogoe
Cbamberlin
Pommard
ririis.
Beanne .
Mpnthelie
Dito Bc^dea^x.,ehi.quatlQUas.
Vende-se por. baf*t* i^a
PAA U^AeiO-DEC6T3*SS
' NX
Rua Larga do Rosarh, *.
Uncos bacdatoie de'lai^rintlii.
GBjdj#,fl*cPhet- .
Tartatanade.M^s,as cores,
Ricos cortes S6 Vestidos da.tarlatana bordados
paMr corKfe.
Espartilhos lisos, bordados.
FaOlard de seda, ltddas cdres.
Mas de seda para senhoras a meninas.
licas Taebas de seda e la para senhora.
Rieoa^rttaento de leques *e madreperolas e
osso.'
Damasco de seda. -
Ricos chapeos a chapelinas para senhoras, ulti-
ma moda.
Casemira preta e de cores.
estrangeiro.
Paris n'America, a rua Du-
que de Caxias n. 59
primeiro andar, acaba de receber um completo
sortimento de calcados estrangeiros para homem e
senhora, vindo entre elles um lindo sortimento de
elegantes chiquilos, sapatinhos e botinas para
criangas, que tudo vende por precis razoaveis.
verniz superfino. para-.caixas- de carraa-
yWm -iSEGCAKlEw f
WistuEa-se i com-ps tintaside appa^elha, .e
' sobie lado com astititas reoidas, ,pa que t
os Srs. fabficantere possutdores de carrua- geQuemmai* fatiliMotov.e pana -,Uies,dar
gens, acaba de chegar para seu umco depo-'j^ consistencia.
sito, das seguintes qualidades. '________
VERim SCPERf 1NO PARA aiXAS;DE Como nao e necessario dar rn^ro-a-nRmw
CARRliAGESS. demao.de. rerni* empnega^o.-naa eaiws-df
E' um verniz muito claro e duravel para carruagenste nnilVlliinmhl .jbv^' daYk.
as caixas de carruagens, para todasis de- n'unj loc*l-6epacdr%,aoside ^i)fioir-h*j4ip4-i
mSosou para ,a ultima somente,; sobre Ouaqdo aobna urgtjirdevap^ir-so asombra
outros vernizes. A superficie secoa em 12 e ^ ar livre. deppis4e^8e6co,' isto -e, passa-
horas,,depois das.qiiaes se expoe ao ar.ppr das 12 boras, lava-se e enxuga-se bom-com
algum tempo, o que fazeodurecer, e passa- uaia/esnonia humid*.. QuantaAimaisweze.'
das 15 a 18 horas p6de passar-se a caiM.a sefizeristo, mais btilhantotficaaij o varniz,
pedra pome e dar-lhe em seguida outra.de- e eaais depfejsa a terminacf M carntagen-
mio. Dflo-se com-facilidade tres demaos,j{eW!Cas0.,iecessarj0 tres-dias depoisda. ulti
deste vernizsobrc as tintas, em tres diis.., ma.-.d^iua}o)j UuanteS;i4aas: ou .tresiprii
A primeira demao servind de i apparelho.,, rnei^as semaoas de-vorseilawir: ,*;carrHagerr
ajuda a seccar as ultimas demaos e produH-com agua fresca, depois de ter ser-
um excellente brilho. | $$0.
Veroiz superior scccuute para Os, fcaacos,,>devem consawaxrfio semprt
carruagens. hermeticameole ,tpdi?s,- o resto do verni*
Este verniz 6 da mesma cdr que o ante- rwese dv deixa? fica?.: no fnaseoi, ,-e pjidc
cedente, mas endurece e secca com-maisra- uswrseiPiaxa asip^imeiws demaos,
pidez. Emprega-se com bom exito'.nasj. j^^y^xnistucarrSO^m^ste'vernw.ne/
qbras urgentes,. e pode misturar-se.com o! nbtyn-jOutro- ingFediente^i nem, agmtras,, *|
anterior. A dura^aordo verniz permanente; ^e nenbuw, modo com o seccaate, E'ippa>
diminue.na proporcao da mistura. 'cisoiljmpaE be"ms;vasos.,e os p4ncoi6^ c
VERNIZ SUPERIOR'EUSTICCO PARA OS falta e,semE.um..piuicel.para, cada ver.
JOQOS.DAS aRRUAGE^S' \ ni^ -
Nao etio claro como o ventf* pAra^s I Depasiio -unico para ,o Beastly Bartbolo
caixas das carruaggns. Einpxegarse oos jo- j^ ,<&(C, Pewjambuco,:-Ria. do Rosa:
gos das carruagens e tambem par. as.nr^ lrio'n..34.
meiras demaos^sobre cores escuras., Podfi, i
passar-se a pqdra jpome passadas .10"bpr^s,
podendo dar-seem seguida outrademlo..
Verniz preto Jo Jap&o, superior.
Para irabaibos.em,preto de' carjp>gens,f.
Produz o preto, majs esouro e briRiibie..
pdde passar-se a pedra pomea 10 bocas46-
pois. Deve dar-se duas dem3os sob/e um
tufido preto e cobfir-se cohl' outrts dwas de
vern^ qu,e. se emprega pas .caixas das; carrua-
Zens
VERNIZ PARACQCROS, BRTLHA$Tv,itf
ELASTJCOJ.
Este verniz, contondo na sqas coppsic,ao
grande quanlidade, d'uma s^b^ncla; muito
semelhante ao azeijte dencimiftadb^ds *0^'
& o.iinicp.aqe M fJe^ibitjd^de' a0cord've-
|^9,envernis)^p. Eta geral basta ..uma de-
#7, j$m> com'^^pAer. deppfs. d ter mripo
o couro comragua,-^, Ex6,psVJ1ao Spl sec-
ca em 1 ou 2 boras, e a sombra mas ao a*
Sepca em A, Em.tempo humido e inutil tal
trabalho, pot que nio 6 possival tornar o
verniz elastico eseccante ao mesmo tempo,
Verniz para apparelho.
Depois de ter appbeado 2 ou 3 demaos
deste verniz n'um intervallo de 8 horas, de-!
ve-se deixar a obra intacta por "4,'ou 3~dias,
no fim dos quaes se p6de pulir com extre
ma facilicidade. E' essencialmente.. neces-i
sario cobrir este verniz com duas demaos dtf?
slcJSaaswT
do (respo n. tO
Jmm?%*
M
irs. o
covado : isto por ter grande quantidada.'" <
/ SQt'JMrlRtaA m>fo*?MtH)M>
)juotoaloja^
ME.DICINA
Preparado pot
Lanman & Kemd
para t hi siaca
toda a qualidade
de doen^as, quer
sejana garganta,
peito ou bofes.
Expressamenh
escolnido dos me-
lhores figados dos
quaes 6e extrahe
o oleo no bancC'
da Terra Nova
purificado cbimi-
calmente, e suat
valuaveis propri-
edades conserva-
das com todo o
cuidado, emtod'
o frasco se garan-
te p erf eit amen
tepuro.
Este oleo tem
sido submettido
aura exame mui-
to. sovero,. pek
chimico de matt
talento, do-go-
verno hespanboi
em Cuba, e foi
pronunciado por
elle a conter
MAIOR P0RC.A0 D'lODINA
do que outro qualquer oleo que elle tem
examinado
IODINO E LMPODER SALVADOR.
Em todo o oleo. de figado de .bacadbao^ e na-;
queiMuo^nalneontem a major pcTcSq desU
invalaaYel propriiedade< & o unico nieto para
cum tcdai ssdienzss de
GARGANtl.PEItO,BOFES, FIGADO,
Phtysica, bronchistss, asthma, catharrbq,
tosse, resfriamentos, etc,
Uns poucos frascos da carnes ao muito
magjcq qup seja,, elate* a vista, e da vigor
a todo 0: corpqy Neahum. oatro ajftigp-och
nbecido na medic ina ou sciencia, da tanlc.
nutimento ao systoma e incommodftn^0 oadaoestomajgo^-.
( Asjpe^sAae.j^.ojgaqisasao tem sidp des-,
truida pelas ajfecGOes jas
ESCROfmSTOL5 RHEUWATISMOV
etodas aquellas, cDjad^gestao, sefftcjia com.
' -^ -, 1
J. 0. C. iiovle.
Tem para 'tteti :
Cognae de Hennp >y, snneri ir e
Vinbo Xees ins msl^orao^aaiid
BiU' rs da Angostura.
Whisky.
Cha preto cm biras de !0 Ikji.i .
Todasas pwaafa|8ai efciriira* *'',r
armazem da raa 'i" Or-miaaica1
JS
>rr
Aguanlei'to. dt- caisoa cx:i.; !.:.-. I 10 '
de duzia : Da rua do Kucaalatnento n .">.
_____________________________ -
I
U Extracto tompostc ae

Ca*s4'ltf"padrq^nov*,, a- He mal._
nviado ao mercado, ,.sona riia. o .
43. loja de Giierra & Ferrianfies, peiq
preco de SOOrs.o covado I
Chegnem freguezes que se acaba
IB-
ALSAPARRILHA
Do Dr. Ayer
0 PURtFICWOfl DO SANQUE
Para cvrar eiiut molaticu gut prortn tc ie* -
pure ma do Smufe, JEor/Wa.
MOLESTIAS CUTANEAS, CAILOS. MAHi^AS
IRRVPQdES, ETC.
Rbeumatismo e Gotta, .Cores
Afteoooes do* Oeeos, Mai dos Ol-
bos, Debilidade eu fraqueza reral.
Dyspepsia, Incommodo do Figado, /
Uma ralta gertl de saude uma'
diBpoaicSo taoU ao aolMmeiito, am flflm
rarioi outrot iiu.limmtt\j*lulgtmtprnptem*,> eT.
Bio os remiltados e consequoncU* que r.iau tacdc ou u. >
leeaooocorrem.
AS MOLESTIAS de qu padece o ion /mm i '>
bam, quasi Kmpresio devtdai t atstms eaasa.
O unico trstsmento Sfllck-
manttn sagon do nsdquini -
de resUbelecer o corpo, I mc:
emprego flel e oonitsnto de urn Pm-*~
flcador Mteranttcomo a
SALSAPABBILHA >yffT"
sdsDcta modics aprcsontA este rca>6
lo so poTo como o melhor t o nav
egnro 'fas eUa sonhsee para o 6a
AetJ*ao/
Altm-tarauiia SaUaforrilkatUatcempoita dojorav
; cipati tubttanclai medicinatimua*^trttnrvj terndtMor
trado term at melheret gut $*mma a ** *
artt tem ducoberta para txtirpar do tongue e dot hmmcrri,
emoivicuHt oorrtptstt **4oioogermtndtta*tm.m<*etUa.
Lea* aue a. &alia*ahhha Am bsj peueuada at,
rjannn. oomeja entso s obavdo restakolcvaui--: -'-
J> io 6 n'um momento nem em um dls
i que tsoleitis deppsrece.
Pisaa aiitaiii.dnsaln sobw dajrsn,
! 0ssfVTS n**qlrido ua pureia,
i mat vse eedendo e s saade, o vigor a
. robustei, sppsreceml
Medicos de sits repaiasio, conoonUm
no valor e.utUida4e.l'eie loesUioavel rsmedlo.
Todos os das aprareoem novas proras da suss vtttudos.
Tsdoe o dtse nia,jliiH, eoasnsso.
aittotJdditntaiksDlt oa*saarTa'*Ue ass ssa*
fldeslgno de Uyxar^cdaf snM.prlnsipaes doeaeai e 4*
restaorar soa sande. e por oonsegulnte torasr mais tiegtm
: susexlsteneUenaaaarsdoaraassa-Tlda.
a" am Etptciflco contra grtmdt forte dttnemt
eWona,'jaii* ml....., m>t**t tm4*>isaasarfaa f|>. JaAa*! nMw, omMto Wry

Ao n 9
se uma victoria qaasi nova, ser'indo
Ira nm ou dous eavaltos : a ver na orfieina do
_.. Cirino a rua do Hospicio. e a tiatar apharmi-
cia americana, rua Duque de Caxias n. 57.
,
' Nd'Pro|ra8ob iawoido Cartao vendeiwraan
teUalaiku murtaibea* U; aasiw coaw conw
nua a let bom aozzirnento para qualquer chela de
farriilia fazar su,a despensa, que encontrara pfecos
ritals "commodo* do que em outra parte.______
Bazar Viealoria.
Este estabeleeimento acaba de raceber eomple
to sortimento de cintos de couro preto com Aval-
la e currents de metal, punhos e golliohas de li-
nho e gravatas escocezas, tudo para senhora : na
rua do barao da Victoria n. S.
vm m Vti
A ra*** pane das
chTOaJeas, mesmo das <
qoe sects o smb. sa
'un-oa*do aoeaUo sawrtlli
dossague.
Logoqaeeat* nltmntodaotas
nte sstrf er poo as %ao as
ailai lassinfls-tt com a infecoso ds svpUUs (valves Ja4
Muos psssados), a molestla ha de apparsow (Ob i
eutoa torma e apreaenUno OOarcntss tyurtomss.
fbzpaxsdo ros
i>r. J. C. ATBR & Oa, l^mnm,
BJetadoa tha&**
muio_i





8

i
'
^
.--'-
I
i
DR SPRDDENCIA.
H>lt*ri
' -IO DO MARECHAL BAZAINE
CHBrE DO EXERCITO
jgWSPEITO DO MKGOv
EX-COMJUNDA.STE EM
00 RHEKO.
AUDIE.NC1A Dg 15 DK JfOVESU.'1110
(Contiuuofdo)
Presidente. v'ai sfiizer leilura de.'ltf.
R.Estd cifrado.
P. Sera" traduzidoe sera junto ao pro-
cesso. Dignai-vos emitinuar.
R.0 emissario partio. f.ovava o des-
pacho cozido na sola do um dos 3eus sapa-
tos, mas voltou alguns dias dep&is sera ter
podido p issar.
A 14 de setimbro, enoarreguei um guar-
k 7eDar!l,;,zens (le levar jornaes ao raare-
chal Bazaiua, a espeeialuiente o manifesto
de Julio Favre, que tfrrainava com estas
palavras : uem uma pollegada do nosso
lernt,rio, ne.n umapodra das nossas forta-
lezas. Vi mais tarde esee guards, que
me disseter a minha remessa chegado ao
seu destine, pussando p das mios do gene
ral de Cissey. Fiz entao outras remessa*
de jornaes ja" para o quartel general, jd pa-
ra a imprens. de M-lz. Os sens emissa-
ries, para passar, serviam-se deGorz.i, ? posso asspgurar qua muitas das
mnbas remessas foram r-eebi.ias.
0 tenente Archambvurt, ospecialmente
conseguio dar cumprimento & misafto d.i
quo se tinba encunvgad.-.. o meu primei-
ro emissario o Sr. Pellelier, ehegou ate ao
quarts-general. Eta, como en disse, por-
tador lie jornaes quo eontinbam a noticrs
do now governo Pea minha parte, estou
eonv,<3uoido de que no quartel general se nao
ignora-a* nada do que se passara no- rote-
nor do- aiz, e dos esforgos que faz;a o go-
verno i,?* defeza, porque se era quasi im-
possivef 4)enetrar na praga, nao aeonteeia o
SmmbwA -, Sabhado,21 de fimtebo H 1874.

Era isjoide esperar 1
lembro-me: disse
J, Ante* de proseguir a inquirigio das tes-
m
rigiram depois To combatr
mZlS'JfllS'*0*?^ "*"*'* 2, *'-ii' iia"i *>d|*wnhas. foi chamado o Sr, Paulo Odente;
! a*WS ">*" *>^ poKque effectivaraeqte n#ose podia esierar Esta testemunha, como devera estar leai-
wr "."^ H08 pnwoneif*- autra cousa do commandante Arnrod de l
No an seguiote, sube polo oommandan'e' Riviere, o qual considerei sempre como
a.
o
aamuel que Unha peia Gazeta da Cruz al- farclsta. Ettava not postos arancaios '-
guns pormenores sobre os acontecimentos. zia provi.nentos porsua ooola, serfBe'im-
Fui autorisado a publicar essas not cias : portar com os outros ; estara bem aloiadc
constituic^o d goyerno da defeza nacional; tinha 7C0 ou 800galUnhas de reserva, elu-
Carta do general Trochu,e declara$*o lerna para os seus cawMos... Ira i.far-
p.'o rei da Prussia, dizendo que oio fazia a cista.
jSuerm i Fnaqa, mas ao seu governo. A audiencia foi suspeusa a"s duas horas,
4lgunsdiadepoisconbecemos a circular recomec/)0 meia how depois, mandatido o
J" Sr*. Jalio Favre. presidente chamar o Sr. Grusem, que era
Acensura Jinha-se estabelecido no prin-'arn ?eli0 de sesserita anaos.
cin,V> de setembro. A 19 da setembro, foi- A testeraunha referio era tracos largos 09
me dftvolvido da censura um artigo a res- P6"^ que correra desde t5 de setembro
peito da coustituintc, e eu fiquoi rauito ad- td 28 no cumprimento de uma raissao que
mirado das numerosas amendas que conti-.,no tl"1" jp conflada por Thiouville para
nha. Tudo auanto podia ser desagradavel (n^bal flazaine. Ainda so mmram de
aos prussianos estava cortadd. Todavia 0 P,s mns dua tettemunhas, que se
meu artigo tiulia apparecido na vespera em 1 a? Pderara ouvir pela sua fraca vjz, mas
todos os jornaes. Pareceu-me certo que cujos depoimentos sao de pouea importan-
Presidente. Cliamai a testemunha Quen
tin, antigo official inferior de zuavos da
guarda : 0 qua! depoz :
A 2i de agosto, apreseotei-me no quartel
se fueria poupar o inimigo, cjm que se
tralava. Desde entao uio recebemos sendo
o Figaro 0 a Independencia Belga. Ou-
tro commuuicado reivbido n jornal coriti
nh.i pormenores s'bre as tropos de investi
da : a As pessoas que pretendem que a in-|8ener. e otfereci-me para lerar um despa-
ve,tida 6 illu3orta, dizi* aquelle commuui-! cho rarech'- Disseram-nre que me
cadb, engauam^j isa mil horaens esWol^raanam se tiTessem necessidade de mim.
em *id[a de Metz, etr, j* de Wtembro rnandaram tas cbamar, e
W eouatuunicado vioba (fe quartel general, pe-lirain-me- que foise reconhecer em lorno
Prester-aw & sua publicagaw julgando quela Pr-^a, e estudar as posicoes doimmigo.
era uma s*ibtil.za dw guerr*. Dizia eu co- j Respondi que era raelbor que mefizessero
migo : o'ma.recbal quer adonuecer o inimi- matarem ?ezdbs nreus caraaradas, masque
go, f.zewJo-o ai:reditar que elle se illude se me dssem ajgum despaebo para Icra*-, u
mesmo | wa a sahida da liulia de investi-ia-.
" commf ttfante prussiano nan recusava os
passes, e e mesmo passei um grande na-
mero defies.
Presidente .-- Cbamar a testemunha Pel-
letier.
O Sr. Pell flier.Confirmou os depoi-
mentos que pi 'eeedom. Encarregado pelo
Sr. Andre, de I ovar jornaes, a-Metz, desem-
penbou se desta missao, 0 eulrgou o pae^e
que Ihe tinha sij 0 conlia lo a um official do
estadj-major do marecbal Bazajrie.. Deu
'"^"rnatoes sobre catastrophe de Sedan,
a'oual tinha assist "do na qualidade de sol-
<\ado de sapadorcs. Oilereceu-se piira de-
var um despacho, .mas as auas proposlas
ao foram aceitas.,
0 Sr. Cervier'^ engftnnwro.Estava era
3 de setembro no hotid-de Metz ; cooversou
,0m muitos officiaes, efitre outros o gene-
ral do La^aocoupet. e 0 general tjiiiot-.
Fallava se da difficutdale do obter emissa-
Fia publicar n'um jornal que olie-
luvar
rlSa 1,000 francos a quem qanesse
Paris. No dia segumte. fui
0
uma carta a -----
chamaioi casa do general Coffin.eres,
al me disse : Uoem vos mandou eu-
volver-vos nisto ? Era um samp par-
scclamava Apresentaram-se
mas nem todos erara se-
ticularqueeu
muitos emissanos
gUNaauelle wm escolhi oxm que man-
deiao general Coflmiere,. Nto tjve depor
maisnoticias; n5o foram ut.hsados
tef com 0 Sr. Gravel, wnoessionano de uma
officina para a fabricagao de projecUs, A
tJoccupei-me dos meios de faze, requ.s.-
tar azeitee coke. Ainda nessa occasiao me
XLlVgeneral Cofiimeres : ; Para que e
Sr pr jectis ? >-0 azeite de que eu ca-
Sa nao faltava. Descobn, no fim de ou-
Uma quantidale consideravot no ar-
Fui prevenir o general Coufflnieros,
SrtUJl r *------------ -4,1,1 -1:1
tubro,
Fui prevenir o general i.uu^
a'"il de outubro, de que eu levava aqaella
Devia restituir aquelle azeite, e
foi-me reclamado depois pela oUtondade al
le0 Sr Meyer, redactor do Independent
de la Moselle.-teta testemunha foi couvi-
dada P"a fazer conhecer quaes eram as
suas relates como jornalista com a auton-
da-le mililar do Metz.
p __o primeiro comraunicado que eu
recebi, disse 0 Sr. Meyer, foi 0 que "
coin a su smnerioriilade. Maa tarde, ren-
do que aojuelle genero de comrautiicadd
nao tinba feko^nao desarmar o pariotis-
m> da popolai;aJ). nao- quiz man prestar-
measemeiha4iU manejos Effectiraraente,
tres semanas depois, tendo recebido uma-
nota do mesnao genero, ainda quo me pe-
dissem para *kssi nular o> original, imprimi
isto : Re*ebera os do graude quartel-ge-
nnral a seguina* nata. e ti-la acorapanhar
dereflttxoes, oMiiddiado por dizer : E'
neeessairio peimir sO ua defeza. Desde
1'iitao, stimpre qaie n ;cebia alguma cofnrau-
nicacao, lan^avavtodus ellaspara 0 poder.
Todavia as eorarcunica>.des public;das-
pelas outras foHus produztcara uma eerta
commixin, Pobliqnei um artigo, que-ter-
minara com esta phrase : N80 se pro-
nuncie mais a palavra capitularuo. Es-
-roai phrase fo- sup| EsU supprttssao affectou-mei. e queiaei-
rae no quartet-general, onde fui recebido
[do marechal Bazaiao, 0 qual me disser
. Que quereis *&>'! E! inutil: as nossaa
'Vopas uao podea manter-se. 0 sobrrabO'
do marechal estava le boa fe ; soffria a in-
ttuencia dos que o cercavam. Alguns dias
antes da suppressao blica 1 alguns excoplos historioos.
A defeza de Aatuerpia por Carnot, de So-
nova por Massena; tinha tambarn pubtica-
do os artigos do codigo militar, quo fa Ham
da peoade morto para o facto da capitula-
',3o, pen perfiutamente in-util. Recebi no.1;
dous ultimos dias a noJicia de que o eser-
citodo Loire estava, fonoado*. Kui tavar
essa noticia ao grande 'quartel-general;
mas era tarde, nada so quen a ver nena ou-
vir, a capitula^ac* estava resolvida,. I al-
guns dias depois, a inimigo affrantava com
fen-lsua prosen?r a cidadd virgem.
0 Sr. Ch'Hvt, capitio do trera das equi-
pagens mifitares.Estava eocarreg/do de
um serv 150 de reconhocimeoto. Todavia
alguns dos meus bomeoa adtovaTii-se om-
pregados como emissarios. O coronel I.e-
wal, que os empregava, dispunha delles
directamente. Sdmehte fui chamado por
quatro vezes para eu fazer a expedi^ao d
emissarios: A primoira vea mandei a rau-
Iher Irobert, depois Flahaut, depois um
militar, Fleche, que voltou com uma bala
nos rins e afinal Conchy, que levava um
despacho para 0 governador do Paris, ou
para 0 ministro da guerra. Vi alguraas ve-
zes para quem eram drrigidos os despachos,
mas ignorei sempre o seu contiiido,
O general Pawxet.Mo empregastes um
homem chamado Becker, o qual nao pdde
atravessar os postos avamjados francezes?
Preso pelo commandante Arnaud. de Riviere
me di-
FOLHETItt.
lncnecza soas-iA
MEMQR1AS OE mm
ficaria & disposigio do- estado-maior. Nao
m* deram nada.
P.Jalgais qua terieis passado ?
B.Estou disso convencido.
A testemunha segointe, oSp; TiDgryv Hez
am depoimento semelhante.
Presidrnte:Chamai 0 capitao Arcba-
bault.
(FSr. Arehambauto, que era- entSo te^-
nente, for ferido na batalha de Gravelotte*.
Reeolhido era uma casa'em-Ars, foi-tratado^
de mo do que se restabeleceu promptamen
te. Tendo sabido a ift'de setembro, que 0
seu regimen to estava era-Metz, tomou a re-
solu^ao de se jpntar a elte e pensou fazer
uso para reuntr ao exerorto do aqpedueto
d-'agiw de-Gone:
Exeeutou fekamente esto projecto, depois
de ter cahido por duas vezes em poder do
inimigo, ate qut conseguio cbegar a um re-
servatorio quo estava nas- linhas francezas.
Conduzido ao estado-maiof, fez-se reconhe-
cer, eentregou ao marechal Bazaine os jor-
naes que lhe tioham sido confiados pelo Sr.
Andre, maire era Ars.
0 Sr. Pelemave, alteres- de dragees, fe-
rido em Gravelotte, tratadoem Ars, eotrou
em Metz a 17 da setembro, e deu. ao ma-
rechal Bazaine kiforroaches sobre os-traba-
lhos executados pelo inimigo em. volta da
praga, e acerca dos aconteeimentos- que se
tinham realisado^m Franca, depois-da 4 de
setembro.
As duas testeeaunhas segaintesdeclararam
tambera.que um.grande numero de habi-
tantes de Ars, e muito* officiaes tinham en-
trado em Metz pelo aqueducto de-Gorze.
lima daqueUas testemunhas tarabem en-
treu a 26 de setembro ; a outra, dono do
hotel de Ars, tendo penguntado a um coro-
nel prussiano,.a 10, ou a 15 da outubro,
em que estado estava o-sitio de JfeU, aquel-
le official respoiideu: Estaremos em Met/,
quamlo quiaermos. E como a testemur
nha rephcasse : Apezar dos mrtes ? O
prussiano respondeu : Oh t se v6s ten-
des os fortes, nos temos Bazaine.
0 conselho ouvio ainda depois muitas
testemunhas, dirigindo-se os depoimentos
quasi a mesma ordem de factos.
\UD1ENCIA DE 17 DE NOVEMBKO.
Foi chamado 0 Sr. Arnous-Riviere, aquel-
le mesmo de quem a testemunha, o capit&o
Chenet, tinha dko : Era um fargante.
Produzio-so logo um certo movimeuto, acre-
ditando-se n'um incidente. Mas. nada 1 0
Sr. Arnous-Riviere, testemunha que ainda
nao tinha comparecido, nao fez mais do
que apparecer e responder ; presente.
Depois retirou-se, ha vend 0 am grande des-
apontamento no auditorio.
brados, fallou de uma proclamagao affixada
em Metz a 13 de setembro, dizendo que 0
exercito cao abandonaria a praga.
'. Aquella proclamagao tinba commovido
06 messinexes, 0 o conselho municipal cm
data de 1V, tomou uma deliberagao que foi
commmunicada ao marechal Bazaine.
\" 0 conselho, manifestando os seus senti-
mentos patrioticos, expunha a conlianga que
tinha 40 marechal, 0 pedia que 0 exercito
marcliasse, e que a cidade fosse entregue a
si mesmo.
0 Sr. Paulo OJenie entregon ao escnvao
a ampiiagao desta deliberagao. .
Muitas testemunhas compareceram depois
perante 0 conselho ; cram os valentes, quo,
uns se tinham encarregado de missdes, ou-
tros, que, pelos seus proprios negocros, fi-
zeram, em setembro a em outubro a viagern
de Jussy a Metz, e de Metz a Ju-sy, sein
encontrar dilficuldades^
Aquellas teitoinuniias eram Julio Geor-
gia, eirfermeiro ; TheodoreGeorgin, vioha-
teiro. irmao do precedence-; Mirscb, ber-
queiro ; Labbn, pai e Rlbo.
Esteeao Hangin.A 1% oTagosto, fui de
Va-rx n Metz, 0 vidtei no mesmo dia. A 2*,
tendo sido requisitado pelos prussianos para-
trabalhos- de aterraraento, reciiser-me a tra
balhar contra a minha patria, e parti de novo-
para Mvtz, oiide chegtiei sem dHficuldade ;
mas oitw dias depois voltei de novo ao paiz.
No decurso de setembro quiz tentor a em-
preza pela terceira vez, mas enganei-me no
ceminbo, e eafai em poder dos prussianos,
qoe me conservaram prisioneiro durante
quatro mezes.
President?.0 conselbofelicita-vos pelo
vossa- procedrnwnto.
A raulher Martin tendo encontrailo-emis'
sarios que procuravam penetrHr em Metz,
condoaio-os aoaqueducto de Gorze-,. e in-
dicoii-lhes o ponto por ondeelles se devtam
encanHtthar. Aq.uella mulherjolga que-ebe-
#aram ao seu dwtino.
O Sr: Michaudt, ferreiro.A Si d'agos-
\pD fiz o oaminho de Vaux a Metz em eom-
panhia do tres camaradas. Pissamos todos
qu.-.tro sem difficuldade.
Pierre;. 0 perario em Vaox* Bui
fca-Metz a 2$ d-agosto e voltei. A 29, t&n-
do-me os prussianos querido req&erer para
4n-seus trabalhos,. parti do now para Metz.
foltei a Vanx- a 8 de setembro* Nao en-
eontrei neahuma difficuldade nastas via-
gens.
A vi fim d'agosto com seu ma ride;, vinham de
Aissy. Seumaridodeixou-a no l.'de se-
tembro. 'Eondo sabido a 2S qiie um La!
Martin devia.dirigir-sa-Vau* pelo aque-
ducto do Gone, pedio-tbe para^a levar coa>
sigo ; elle consentio aipso, e foram sabir ao
reservatoris-de Vaux>. Chegou- au conheei-
mento da viuva llobliit, qua o tal Martin
tinba muitas- vezes sido enoarregado de
levar jornaes ao comraandaiiionle Arnous-
Riviere..
A viuva Royer, rosidente am Vaux,. de-
alarou ter feito o-canuuho do Vaux a Metz
a i4 de agosto, em .companhia de muitas
pessoas, sem encontrar difftealdades.
1 Hermann, operarto em Saint'Avoid*A
testemunha. fez no fim d'agosto a viageiO'
de Saint-Avoid a Metz.
P:Foste? coadozido perante a au-
toridade lailitar, e fallastes da intengSo em
que estaveis de sahir de-Metz- pira voltar a
Saint'Avoid ?
R.Sim.
P.Perguntaram-vos so querieis-encar-
regar-ves de umamissSo ?
R.Nao me-pediram nada, quo eu me
lembre
Presidente Chaotai a testemunha
Patte.
Testtmuniui. No Sm de setembro fui
encarregado jwlo general Gueria, comman-
dante da praca de Verdun de levar um pa-
cote de cartas a de Metz ; fui tambem en-
carpegado, de fazer saber que em Longway
tinham sido reunidos proviaaeoios consido-
raveis. Depois da ter feito um reconheci-
mento. do. bulo das linhas inimigas, e de tw
reconhocido qua nao havia irapossibilidade
em passar, dirigi-rae junto do coronel Tur-
nier, commandante da praga de Thiouville,
a quem perguntei se tinba ordens parlicu-
lares a dar-me. 0 coronel Turnier disse-ma
que tinba mais facihdade do que eu para
fazer chegar cartas a Metz, econvidou-me
a entregar-lbe aquellas de que eu era por-
tador.
. Em troca, recebi delle um certificado jus-
tiflcando 0 deposito qoe eu faria. nas suas
mSos. Quando Ii, fiquei muito surprehen-
dido de ver que se fallava nelle da irapossi-
bilidade de atravessar as linhas prussianas.
0 coronel, a quem eu observei, que nio ti-
nha dito nada a semelhante respeito, respon-
deu me : Enganaram-se, mas nso nao
vale nada. A 5 de outubro levei ootro pa-
cote de cartas de Verdun. S6 pude chegar a
Metz no 1. de novembro, depois da eapitu-
Ingao. Pcrsisto em declarar que teria sido
facil fazer conduzir muito mais cedo.
Presidente.Chamai 0 commandante Sa-
muel.
Teitemttnha.Estava encarregado do ser-
vigo dos espiOes, e fiz pessoalmente as funcr-
goes de par lame ntario Estive nesta quali-
dade no caminbo de Sarrebruck, desdj 3 a
II de setembro.
A> 3 live noticia do eombate de Beaumont,
e e tl da catastrophe de Sedan. Um offi-
cial' prussiano coinmunkou'-me a Gazeta'da
Cruz. Tive mesmo tempo para copiar os
nomes dos membros do governo da defeaa
nacionaK
P.A capitulajao de Sedan nao era jd*
eonhecida?
R. Sirm Entre-3 e 11, tivemos conhe-
cknento do aconteciraento pelos-prisioneiros,
e por alguns officiaes que conseguinm es-
capar.
P.Uma earta datida de 3, que dimana-
va do quartet-general allemao-, falla dos
prisioneiro feitos em Sedan ?
R,Tive eoiihecimento dessa carta : ti-
vemos coiihecimento da* catastreiphe de Se-
dau, antes de conhecer os acoatecimentOs
de Paris.
P. Traduzistes uma carta, que autiv
risava 0 general Boyer a atravessar 88
linhas inimigas?
R.Em uma- resposta do prineipe Frede-
rico Carlos, dol5-ou 10, naformando o ma-
rechal deque o general Beyer estava auto-
risado a dirigi-sse a Versailles.
P.Era uma resposta. Nao cenhecieis
0 pedido?
R.Nao,
P.A data 1
R.Eta de setembro.
P. Tinheis visto o Sr. Rfegaier ?
R.Nio o vi. 0' marjebal fallea-me :
1 Creio, disse o m&rechal, -jue estou enga-
nado. E contou-rae da cbegada a Metz
da um iadividuo suspeito.
0 general Pourcet.Dissestes no- sum-
roario que os vossos espioes- teriam atra-
vessado facilmente as linhas inimigas,. e que
antrariam em communicagio com 0 in-
terior, se tivessenv recebido ordens para
isso.
R.Sim : tinbaafios homens muito- rntel-
ligentes. Sempre que o marechal quiz ter
emissarios, n6s Ih'os forneeemos. Os es-
pioes nao deixavam o camne- inimigo; es-
[tavamosinformados dia por dia do effeetivo
do exercito inimigo.
P.Tambem fallastes da um espiao
prussiano, agarrado em Metz, condem-
nado e fozilado?"
R.Sim. Esse homem se tinha offerecido
fazer oonhecer do que maneira estava orga-
nisada a.espionsgem pntsstana em Metz.
Propu* ao general Jarras que fizesse sobr'es-
tar na execug3o desse homem. Os melho-
res espiOes, sao os quo sao espioes duas ve-
zes, quando sesahem servir.delles. 0 ge-
neral1 Jarras. pensava de outra maneira.
Era necessario um eiemplo, dizia elle, e 0
homem foi executado.
Aqui, a audiencia foi suspensa : eram
duas horas, e recomegou meia hora de-
POR
D. Hanoel Fernnndeiy Gonzalez
QUARTA PARTE
LUDOVICO ARIOSTO
HI
G1NEBRA MALATESTA..
(ContinuagSo do n. 40. )
N80, nio me afflige ; e outra cousa...
e que... nao julgue mal da mim pelo que
Ihe vou dizer; e" que eu amava a sua alma
queconheci nos seus versos, d porque 0
amava e desejava conhece-lo. Veja se Deus
eou no misericbriioso f-ra comigo ; co-
nhego 0 agora e deyo-lhe mais do que devo
a meu pai, e sei que ama-me.
Oh bem haja 0 mimen que Deus
me concedeue que eu tantas vezes arnaldi-
roei I exclaraou Ariosto.
Caminhemos, senhor ; sioto-rae rea-
mmada, com mais vida do que nunca.
A?ora que sou feliz nio devq esquecer-me
do meu velho pai. Esti proxima a qainta
de monsenhor Rwgiero Viati, nosso vizmho;
thfguemos at6 14, e iremos coma sua gente
soccowe* meu pai.
Sim, sim, disse Ariosto.
E meu pai, quando souber quanto lhe
de.f, qe nos amamos, e que Deus quiz
que nos encontrassemos n'uma situagao tio
gfae, abengocra 0 nosso amor.
fomo se cbaraa seu pai?
Rugiero Ma la testa.
__Ah 1 e 0 marquez de Aquaviva, 0 or-
gulhoso, o.terrivel marquez de Aqoaviva ?
." E 0 senhor 6 Ludovico Ariosto, a glo-
ria e 0 orgulbo da Italia ; 0 senhor e" raaior
e mais nobre do que osprmcipes da terra,
porque recebeu de Deus a sua grandeza.
Oh I sim, disse com amargura Arios-
to. Um espirito inspirado que serve para
divertir os ocios dos grandes senhores ;
uma ave de cantar harmonioso, que se tem
captiva n'uma gaiola de ouro, e a quem se
alimenta mesquinha'mente para que conti-
nue cantando ponco mais do que um bobo,
e um pouco menos quo uma amante. Per-
doame,' esquecia-me de que fallava comsi-
go que e pura como um anjo.
Evcomtudo, li 0 sou Orlaafy.
Ah I se eu livesse sabido que havia
de ler os meus versos, seriam elles t5o puros
e tao castos como a sua alma.
E, apezar do tudo sio divinos ; nao
e sua a culpa se a sua epoca exige as des-
cripgoes licenciosas.
Quo idade tem, minha senhora ?
Ah 1 julga me uma crianga ? Tenho j4
(dezoito acnos.
Parece uma adolescente.
Tenho amado unicamente um souho,
que aftnal se realisou, e esse ser soDhado,
protegendo-me com as su;s brancas azas,
dilatou a minha adolescencia. Mas, olhe,
ve aqoella luz jd proximp ? Prov^m da
quinta do monsenhor Viati,; apressemos 0
passo, devora-me um cuidado mortal por
meu pai.
Oh 1 a senhora e" um anjo 1 Diga-
me, desde quando possuo o seu amor %
Desde que li pela vez primeira os seus
versos, ha quatro annos.
Ua uma voz mysteriosa e terrivel que
me segreda que 0 seu amor sera desgraga-
do exclamou tristemente Ariosto.
Ama-lo-hei sempre. Mesmo quando
0 n5o tivesse conhecido, te-lo-bja amado, e
0 tenenle-coronel
Ah 1 0 Sr. Ludovico Ariosto I excla-
raou com espanto Benedetto. E vera na
sua companhia ? Mas onde ficou seu pai ?
Que significa isto ? Vamos, Cosmo Mon-
forte, segurem os eaes porque nao ha que
fiar n'eltes,
Succedeu 0 que foi da vontade de
Deus, respondeu Ginebra.
Basta, jd que nSo merecp a sua con-
fianoa, tenho de resignar-me, e, visjo que
procura o meu senhor e arao,podera entrar.
Pouco depois abrio-se de par era par 0
por tio.
Ariosto nio tivera tempo para dar um
fiasso, e ii Benedetto levantando a lanterna,
be illummava era cheio 0 rosto.
Ah I 6 tio nobre e respeitavel^ como
eu tinba imaginado quanda li 0 seu incom-
paravel Orlando, disse elle. Sinto-me cheio
de orgulho e de satisfagao por me ser per-
mittido fazer-lhe os meus cumpriraantos.
Obrigado, meu amigo, replicou Arios-
to, e, se quer agradar-me, trate-me unica-
mente como um homem honrado.
Que difference, Santo Deus I entre
estes grandes de Deus e os grandes da terra!
murmurou Benedetto.
n3o pertencer a outro, ji que nio podia ser
sua.
Como se chama ?
Ginebra?
0 seu nome adorado seri 0 de uma
pois.
PresideMej Chama i
Fay.
Testemunha.TLveraos conhocimento da
catastrophe do Sedan a 6, por homens quo
fugiram, de Ars, e a 7 pelos prisioneitos
trocados, que nos coofirmararn aquella no-
ticia, e a 9, novos bomeni trocados refori-
ram os raesmos factos. No dia segumte
10, soubemo. pelo Jornal dos Debates
da revolugao de Paris, a da composigio do
governo da defeza; no dia seguinte a 11,
pelo commandante Samuel, qoe tinha 00-
piado da Gazeta da Crux. A 16 o Jfoni-
teur de 7 e o jornal he Voluntaire confir-
maram nos aquellas noticias. Naquella da-
ta, foi re Jigida uma ordem geral ao exer-
cito. A 18, um official superior prisionei-
ro, que chegavade Moguncia, repetio-nos
tambem as noticias, que jd antenormente
sabiamos.
P.Nao correu em Metz o boato de que
Strasburgo tinba eapitulado ?
R.'Sim, a 13 de setembro, alguns offi-
ciaes que vinbam do captiveiro tinham da-
do conta daquelle boato.
P.Faftai-nos das- operagdes mifitares
feitas era eonsequeneia daquellas noticias'
R.Pareeia terse renuociado is grandes
operagdes, e so se tratava de operagdes de
detalhe. 0 marechal pareeia ter em muita
:onta a posigao de l.adonchampj. O* exer-
cito guardava a espectativa, especialraenti
depois da data de 30 de setembro, em qoe
o marechal nos disse que a republics ver-
m>.lha aeabava de ser proclamada em Lyio.
P. N1 vosso depoimento escripto tinheis
fallado das operagoes do general Ladmirault
sobre Vigneulles, e dissestes qua nio ti-
nham u en hum as reiagoes com a questac
dos provimomos. Que julgais ter dito com
isso ?
R. -Tratavi-se somente de tirar uma ba-
teria que nos poderia incommodar
P.Dissistes que a questao dos viveres
poderia levar o marechal para Thionrille*
R.0 marechal fez-me a honra de me
dizer que se a nissio do-general Bourbaki
nio produzisse resultado, podia ser obriga-
do pela falta de viveres, a fazer urn mo vi
raecto sobre Tttton villa Era um boato ge
ralmente espalbalo, que depots de 19 de
agosto, um tram de viveres tinba parade
em Thionvi !e, em conseqGenoa do rompi-
mento do carainho. Nio ser camo esta no-
ticia chegou a Metz.
0 general Pourcet. Sabe a testemunha
em que epoca exaeta o Jornal de Reims.
que combateu o communicadoda autorida
de allemi, cbegott ao estada-maior-ga-
neral ?
R. Nio poderei fornecer a iadicagio de
uma maneira certa ; sei s6mente que 0 jor-
nal que coutinha aqoelle documento foi
encontrado a um prisioneiro.
0 general Ladmirault. interrogais me
3eb:e as eperagoes- mifitares desde- o 1* de
setembro ate 6 de outubro. Neste ponto
nada ten ha a apresentar 0 -4 corpo nio
tomou parte em nenauma operag,io a nio
eer em 7 de outubro a operagao de La-
donchamps, e para a grande forragem, as
minhas tropas apoiaram o movimeato, occu
pando a mantendo-se em Vignoulle-
e Woippy-.
R;Durante esse tempo nio vos reunio,
0 marechal?
A.A 12 de outubro jase- nao tratava
de gran les oporaeoes, mas de gaardar os
nessos postos-avancados.
P.Tratou-so aessa retiaiio das aconte-
cimentos no interior do paiz ?
R. Coflheciarao-tos pelos jornaes alle
maes, enoontrados-aos prisianeiros. Tinba
mos tambem sido informados defies pelos
officiaes trocados.
Pela minha parte, tive eonnecimento da
quelles acontecimentos em 9 de setembro.
P.?iio so dbcuiio a pubilidade -V
fazer sabir o exercito ?
RNao se tratou de semelhante opera-
gao.
P. Ouvistes fallar, em 4 de outubro
de uma marcba sobre Thiouville.
R.Nio creio. P6de ser que a minha
meinoria me falhe.
P.Qual foi 0 effeito, que produzio, da-
pob de 12 de setembro, a communicagio
de um relatorio redigido por um secreterio
de embaixala ?
tl. Essa commuuiaagio nao produzio gran
de effeito. Creio quo era- nessa occasiio
que se espalhou 0 boato da eapitdagao du
Strasburgo.
; Continuar-se-ba.)
teria arr.stado ate mesmO 0 martyrio par? -E00TTB)?Kr^ndar seguido de Geoebra
e de Ariosto, ap63 ~ os quaes 1am sets ho-
mens de armas do marquez de Viati.
Estes olbavam para Ariosto com a mes-
ma admiragio, com o mesmo respeito co-
mo se tiyessem visto entrar um rei em casa
poeraa senio com 0 seu nome.
Cbegamos, disse Ginebra com voz
treraula e debit; puie a correute da sineta
para que venbam abrir o portio.
Ariosto pegou na cabega da joven e deu-
lbe um beijo nos labios.
Ah 1 exclaraou Gin._
sentido a ddr de uma punhalada.
rioW.
dasheroinas do meu Orlando, e, se ainda do seu sanhor.
fosse tempo, Angelica nio existiria no meu Tinham outido 0 nome de Ariofo, etbas-
tava isso para excitar a sua admiragio.
Quando chegaram ao interior da quinta,
Ariosto e Ginebra pararam n'uma ante-ca-
mera.
Continuem, meus senhores, tooti
nuera, disse Benedetto ; meu arao zancar-
Ahl wciaraou Gmehracomo se tirera'se-bia comigo se soubessequa eu tinha fcito
[esperar pessoas de uma tal condigSo.
Perdio, disse Ariosto; mas receio que] Eabnouraa port* pela qual entrfram
nio nos tornemos a ver em liberdade como Ginebra e Ariosto.
8g0ra- Em um pequeno gabtoete, rtco e
E puxou pela corrente da sineta. |ao raesmo tempo, esUva um audio
Ouvio se 0 som de uma campainha e em pacto nobre ede expressSo benevola.
segoida os latidos confusos de cies, que se Trajava um gibio de velludo preto
atiravam furiosos de encontro ao portio. cabega tinha um gorro di mesma facenua.
Minutos depois abrio-se um postigo que Aquelle anciio era 0 marqaez dd Viaii
havia no portio e appareceu a lle urn ho- queestaa ceiando.
mem com uma lanterna na mfto, ^gutdo Servia-o & mesa um criado com tfma es
de outros homens com arr.buz-s. plendida libre".
Aproximom-se para que os possa co-
nhecer, disse elle ; cada dia vejo mencs.
Ginebra avancou rapidamente, pegou
n'uma das mios do marquez e beijou-a.
Ah 1 6s tu, minha tbrraosa filha ? ex-
clamou 0 marquez. Quem vem comtigo ?
0 Sr. Ludovico Ariosto, respondeu
Ginebra com orgulho.
Ah I disse 0 marquez levantando se
respeitosaraente, como se tivesse diante de
si 0 proprio duque Ferrara ; 0 Sr. Ariosto
aqui ? faga de conta que estd em sua casa.
Ha muito tempo que nos nio viamos ; a
ultima vez foi em Roma, ha quatro annos,
quando o senhor foi enviado pelo seu Mece-
nas, o cardeal de E'ste, para vdar uraa sa-
tisfagio ao nosso santissimo padre que esta-
va irritado contra elle.
E* verdade, replicou Ariosto.
Mas, onde esta 0 meu bom amigo 0
marquez de Aquaviva ? Ah 1 sim, compre-
hendo, estd velho e provavelmeate ficou
ranis atraz; nds, os anciios andamos de
vagar, por isso quo ca mi nha mos para 0 tu-
mulo e nio temos pressa de chegar.
Meu pai esti na nossa quinta, respon-
deu Ginebra bakando os olhos e corando.
0 Sr. Ariosto e eu viemos sds.
A benevoleucia do semblante do marquez
transformou-se n'uma severidade rigida.
Qoe significa isto ? exclamou elle. A
fama, das suas conquistas chegou ate mini,
Sr. Ariosto. Sabe, Giovanni e fecha a porta.
0 criado sahio.
Nio me culp), senhor marquez, e es-
cute-rae.
livre em minha casa.
Eu quero ir tambem, disse Ginebra.
Nao, servirias de estorvo ; sem ti irio
mais depressa. Vi, Bartholomew.
0 capitao desappareceu.
Mas, como succedeu isso ? perguntou
0 marquez.
Ginebra contou o que sabia, e Aricsto
corapletou a narrativa de Ginebra.
Ah 1 disse o marquez que se esque-
cera da ceia, com que entao 0 Sr. Luigi
Barthelemi atreveu-se a tanto ? Nao admi-
ra ; aquelle mogo estd arruinado pelos ex-
cessose tu es uma herdeira rica. Oh fos-
te muito feliz em encontrar tanto a ponto 0
Sr. Ludovico Ariosto. Eu sabia que era
um grande poeta, porque isso sabo-o toda
a gente, mas ignorava que fosse tiovalente
c:mo era necessario para por fora do corn-
bate Barthelemi, que e uma fera.
Os traidores sao sempre cobardes,
replicou Ariosto.
Ouga 0 que lhe vou dizer, 0 verd se
ii feliz ou nio, proseguio 0 marquez. Ua
dezoito annos morreu em Ferrara uma das
mulheresm ais formosas da Italia, e por
ventura do mundo inteiro, mas ao perder
a vida deixou a sua iraagem na terra, por
que morreu dando d luz Ginebra.
0' minha mii I exclamou a joven.
Nio foi essa a causa cnica da sua
morte ; de modo algura Beatriz teria vivido,
porque minava-a a tristeza ; tinham-n'a ca
sado contra a sua vontade, com 0 meu arai-
S 1 eu, Sr. Beuedeito, disse ajnen. Ouvindo 0ruido da porta que se abfia, 0 Mande quo se armera vmte
ants vine nnrnunussem quom era ; sou eu, marquez vo tou a cabega, 0 olhou paRaos com espadas e arcabuzes, e yd com elles a
rSinehra MalatPSto, annera acompanho 0 Sr, que entravam, com essa atteneio particular quinta do marquez de Aquaviva, soccorram-
-*-i. \ n'o e digam Iho que sua filha estd salva e
Ludovico-Ariosto.
1
os que teem a vista curta,
\

go Genaro Malatesta. Todavia a tristeza de
Beatriz nio consistia em ter amado um oa-
Nio, nio quero escutar cousa alguma, Jtro homem, mas sim em que teu pai nac-
cera para viver s6, era um deserto, onde
estivesse em conlacto tio sdmente com ro-
chas, arvores e feras, demais 0 sabes tu,
Ginebra. 0 seu caracter iracundo, intrata-
vel, impede que o amera, a nio ser conhe-
cendo a grande virtude quo so occulta de-
baixo d'esse caracter.
0 meu amigo 0 marquez de Aquaviva,
Sr. Ludovico, retirou se muito cedo da vida
publica, porque nao via parcialidade a quo
podesse unir-se, sem associar-se com trai-
dores e miseraveis.
A esse estado chegou ha muitos annos a
nossa formosa Italia.
Com uinebra, crianga ainla, vein eu-
corrur so na sua quinta do P6, quu l'oitificou
couvuiiiuuteniuiUe, tendo couisigo, para sua
defeza, vinte hjmeus de armaf. D'essos
vinte homens a maior parto morreram 0 os
nio ha desculpa possivel
Mas, repare que se nio trata d'isso.
Fui raptada traigoeiramente, accres-
centou Ginebra, porem 0 meu raptor foi
castigado pelo Sr. Ludovico Ariosto, que
Deus enviou a ponto tie me poder salvar.
E porque nio voltaste para tua casa ?
Porque recciamos que esteia occupada
por bandidos, e viemos pedir-lbe auxilie.
Ah 1 exclamou 0 marquez avangando
Ksra a porta e abrindo-a. Bartholomou I
artholomeu !
Vouco depois appareceu d porta um ho-
mem robusto e alhletico, que trajava 0 gi-
bae da anta dos homens de armas.
Era 0 capitio da gente quo 0 marquez
cunsorvava ao seu servigo.
homens
outros estio ji velhos.
Ainda nio ha muitos mozes, Ginebra, que
eu dizia a teu pai, que fazia mal em rive
assira retirado sem mais defeza do qua seis
homens inuteis, quando, em virtue* da-
guerras quo nos affiigem, estamos rodeado-
de bandidos e malfeitores.
Teu pai respondeu-me qoe nio tinha
dinheiro comsigo, que toda a gente sabia
isso e que por conseguinte nio havia nada
a terror.
0 meu amigo esquecia-so, e eu coofesso
que me esqueci tarabem de que tinha em
ti, ao seu lido e mat defendido, um the
souro.
Os resultados d'esse esquecimento foram
funestos, e, gragas d Providencia, que veio
em teu auxilfo, minha filha, 0 Sr. Ludovico
Ariosto. Alegro-rae com isso e alegro-me
muito. Mas era que ponto estava eu ? Ah '
sim; Cenaro, com* disse, cangou-se com
osnegocios publicos, e, pouco depois, au
que me parego muito com teu pai, excepto
no caracter, cancei-me tambem do mundo,
mandei construir esta casa e cultivar esta
quinta para viver proximo de Genaro, e
metti-me aqui. Eu havia perdido tudo,
esnosa, filhos, irmios parentes, mortos un.-
pela guera, outros pelo crime, a a minha
esposa e as minhas duas filhas pela peste.
Mas, sio tristes estas recordagdes epoi
tanto passemos de largo.
Tu conheces-me, Ginebra,] dasde qne
tens uso de razio. Em tempos de qua to
nio recordas, sentava-te eu nos meus joe
Ihos, vendo-te brincar com as minhas barbas
brancas e sorrindo para mim. Esse sorriao,
minha querida, arraocava-ne uma lagrima,
porque me fazia recordar das minhas pobres
filhas e por eonsequeneia de sua mil.
Depois, jd crescida, passaste muitos dias
ao me:i lado, n'esta quinta.
Foi aqui, onde pela primeira vez, ha qua-
tro annos, lesto os primeiros cantos do
Orlando,
Ah I exclamou Ariosto.
Sim, St. Ludovico, vi transformar-e
Ginebra. Que homem este I disse-me ella.
Que coragio, que alma I Conhece-o \ Di-
zem que todo o mundo 0 conhece.
Respondi affirm -tivamente a Ginebra.
Alguns assumptos de interesses tinham-
me levado em ditTerentes ep>>cas a Ferrara a
nesmo a Roma.
ConheruA na cdrto do monsenhor Hypc-
lito da E'sto, a bem sabe quo tive a honra
de ihe fallar muitas veze* Por ultimo,
encontrei q em Roma ha quatro aonos.
[Continuar-se-kaJ
"TVie.uomA.ua-kl: a dcquk j>! :.\Mas.
t wmuM 1
!
<-.
i
<
' v

<