Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18345

Full Text
' I
V
ANNO L MHERO 41
i i
j /**
i j, i
i*
'.;
^

%
.
p.

^4.
ft
5/


i
P4R4 A C4PlTALELIItM9 0\DE VlO 8KPAG4 POOTB
r tree mezes adiaotados. v .......... 69)000
'or seis ditos idem.'................ 12JJ00O
Por uaa auuoidem...................249000
Cada oataere avulso...............

SEXTA FEffiA 20 D FEVEMBtO BE 1874
"a^ I ^ '------------------------------------------
P4BA DBKTIIOE FORA DA IOVI\t 14
Por taae- mezes adiantados................ W7S0
Por seis drtos idem.......*........ 135oO
Por oove ditos idem................. 109380
Por um aeoo idem.................. 279000
MARIO DE P
I
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARM FILHOS.
ft Srt. Gererdo Antonio AWes d Filhos, no Par*; Goncalves A Pinto, no Maranhao; Joaquira Jose de Oiiveira d Filho, no Ceari; Affltofio de Le*u* Braga, no Aracaty ; Joao Maria iulio GaaVMk no Assu; Antonio Marqnes da Silva, no natal; Jose" JusUno
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auiencio Monteiro da Franca, ua Parahyba ; Antonio Jose" Gomes, na ViUa#Penha; Betaraino dos Santoa Buleao, em Santo Antte ; Domingos Jose" da Costa Braga, emHaxareth}
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagdaf; Alvea AC, na Bahia ; e Leite, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
=
Ministerio do iuaperi*.
Foi apaseolado o official do archive pablieo Luiz
Gomes Aojo, por contar uiais de 32 annos da ser-
vice efTectivo e acharse impossibilitedo de conti-
nuar a servir, em eonsequeuch do seu estado va-
leiudinario'e avancada iuade, cum w ordeiiadu pur
inteiro, maraydo na tabella aaaexa a j decreto a.
2,541 de 2 de ma rep de I860.
Conce-leu-stf ao Dr. Henrique da Cuoha Mo-
rein a exonei*aci i jue pediu do lugar de inspec-
lor dasuu.de do porto da provincia de S. Paulo, e
ao Dr Domingos Eugenie Nogueira a do lugar de
eomraUsario vaccinador da de Minas-Geraes.
Ao Dr. Candido Jose Casadu Lima, professor de
francez de eurso de preparatorios annexe a facul-
dade de direito do Recife, a gratifica;ao annual
de 480, pelos servicos distinct is que tern presta-
do no magisterio por mais de l5 annos de effecti-
vo exercicio, nos lermos dos arts. 28 do regula-
niento approvado palo decreto a. 1,331 A de 17
de fevereiro de I83i e 24 do regulamento da 5
de maio de 1856.
Foram nomoados:
0 amanuense do archivo publico Luiz Ferreira
da Silva Cabral para o lugar da official do mesmo
archivo.
0 bacharel Carlos Marianne Galva) Bueno para
o de professor d.i cadeira de philosophia racional
e moral do curso de preparatorios annexe a facul-
9ade da direito de S. Paulo.
0 Dr. Carlos Thomaz de Magalhaes Goiries para
os de inspector de saude publica e coramissario
vaecinador da da Minas-Geraes.
Foram feitas as seguintes roerces :
OBDKM IMPERIAL Dl CBCZEIHO Cavalheiro. 0
capitio de voluntaries da pratria Luiz Augusto
Coelho Cintra, pelos relevantes services prestado*
na guerra do Paraguay.
ordem da rosa. Commendador. 0 snbdito al-
lemao Christiano Thomsen, pelos relevantes ser-
vicos que tern prestado a instruccio publica no
Brasil.
Offkiaes.-Antonio Jose de Azevedo Machado,
da provincia de S. Pedro do Rio Grande do Sol,
pelos relevantes services prestado* em relacao a
guerra contra o Paraguay.
Manoel Antonio Pimenla Bueno, pelos relevantes
servicos prestados ao estado.
Joaquim Felippe da Costa e o bacharel An-
tonio Herculano de Souia Bandeira, amlios da
provincia de Pernambuco, este pelos distinctos
servicos prestados no magisterio, como professor
de philosophia do curso de preparatorios ann xo
it faculdade de direito do Recife, e aquelle pelos
relevantes servicos prestados a humanidade.
0 tenente.curonel Luiz Antonio de Oiiveira Ju-
nior e Joaquim Leite de Castro, pelos relevauies
services prestados a instruccao publica, este na
provincia do Rio de Janeiro, e aquelle oa do Ma
ianhao.
Caialheiros.~Dn. Alfrele de Quei oz, Jo5o Mon-
teiro da Luz, Jose Pereira Peixoto, Paulino Fran-
klin do Araaral, Pedro Fiel Monteiro Bittencourt,
deiembargador Izidre Borges Monteiro, vigarie
Pedro de Meile .Alcanforado, Honorie Gurgel do
Amaral, Manoel Barbo^a da Silva e Joao Francisco
de Goes, pelos relevantes servicos prestados no
receascamente geral do imperio, como prestdentes
das cemmissoas censitarias das freguezias de S
Jose, Canielaria, S. Christevio, Espirite Santo.
Santa Cruz, Engenho Veiho, Sant'Anna, I aja,
Una do Sovernador e Iuhauma.
OBDEM DE NOSSO SENHOH JESUS CIIRISTO. CdOd-
Iheiros. Drs. Jes6 Pereira Rego Filho e Jose
Marques de Sa, tenente-coronel Antonio Barroso
Pereira, Joao Cielan> de Oiiveira Guimaraes e
Jose Paz Ferreira, por identico- servicos prestados
como presidentet das commiss54S censitarias das
freguezias de Santo Antonio, Nossa Seniors da
Gloria, Guaratiba, Lagoa e Campe Grande.
Foram promevides por iguaea servicos prestados
como presidenles das commissSes censitarias da9
freguezias de Jacarepagua, Sacramento e Santa
Rita :
obdem n.v rosa. A dignalario o tenente coro
nel Francisco Pinto da Feuceca Telles.
A commendador, Francisco Jose Gencalves da
Silva.
A official, Antmio Josa Victoriano de Barros.
Foram concedidas as seguintes pen^oes, depen-
uentes de approvacao da ass imblea geral:
A D. Josepha Michaela Rigaud e D. Maria
Emilia Alves Rigaud, viuva e fllba do 1* cirnr-
liiao do corpo de saude do exercito Dr. I'latao
Jose Alves Rigaud, fallecido a bordo do vapor
Cuyabd, em viagem do Paraguay para esta
cdrte, em consequencia de moiestias adqueridas
em campanba, da quantia de 82/1 mensaes, repar-
lidaraeat-, a qua) junta a de 184, que ohieve a
Aiuva do dito cirurgiao do meio soldo, prefaz
do soldo que o mesmo percebia quando fal-
leceu.
A D. Rita Muniz de Senza, viuva do capitao
de cemmissio do 46* corpo de voluntaries da pa-
tria, Domingos Jose de Souxa, fallecido em am
dos hospitaes da fortaleza de Humayla, em conse-
quencia de ferimento recebido em combate, da
qnantia de 60^000 mensaes, igual ao soldo da-
quella patentc.
Ainisterio da fazenda.
Pelo decreto n. 5536 de 31 de Janeiro foi ap-
provado o novo regulamento da easa da moeda.
P*r titulo de 6 do correnle foi nomeado o 3
escripturario da recebedoria de Pernambuco,
Adoipho Gentil, para igual emarego na alfandega
da Bahia.
For decretos de 7 do correute foram nomea-
dos:
{ escrlpturario da theseuraria de Pernambnco
t- dito Antonio JeroBymo de Oiiveira.
2* escriptorario o cnefe da seccao extincta da
do Rio Giande do Norte, Joa-iuim Alonzo Mereira
da Almeida.
1 escripturario da do Rio Grande do Norte a 3*
dito da do Maranhao Sabino Henrique da Laz
Thesoareiro da de S. Paulo Aolonio de Assis
Pacbece.
escrivae de orphaos do termo do Triumpho, na
provincia do Rio-Grande do Nafta,
A Mariano Jose de Mello dos de 1 labelliae e
escriva i de orohaos, capellas e residues do termo
da Vargem Grande, na provincia do Maranhao.
Foi perdoada ao reo Francisco de Paula Guedes
a pena de prisao perpelua com trabalbo, imposta
por crime de nomicilio pelo tribunal da relacio
da cdrte, que refermou a seutenga de 22 de julho
de 1854, pr.iferida em virtude das decisdes do jury
do termo de Lago, na provincia de Santa Cattia-
rina.
Foi commutada em tljnezes de suspansio do
emprogo e 15 dias de prisao a pena de um anno e
30 dias de srtspensao, deus mezes, sete dias e doze
boras de prisao imposta pela relacao da cdrte ao
re i Domingos Cardoso de Menezes Barreto, por cri-
mes de abuso de au'oridade e contra a liberdade
individual, commettidos no exercicio do cargo de
1" supplente de delegade de pelicia do termo de
Santa Luzia, na provincia de Sergipe.
Decreto n. 5342 de 3 de fevereiro de 1874.
Hei per bem, ere execugio do art. 12 da
lei n. 2396 de 10 de setcmbro do anno passado,
decretar o seguint*:
Art. !. O regimen especial que o decreto n.
2029 de 18 de novembro de 1837 dauaguarda
nacional das previncias do imperio, limitrephes
com os estalos visinhos, e soraenle applicavel:
g I. Na provincia de S. Pedro do Rio Grande
do Sul, ao territoho dos commandos superiores da
front.'ira, os quaes cousarvarao as actuaes cir-
cumscripcoes.
5 2 Nas provincias do Parana, Matto-Grosso,
Para e Amazonas, aos municipios limitrephes coin
os e.'ia.los visinhos, salva ao governo a faculdade
de amplia lo a todo o districto do commando su-
perior, quando a; elrcumstancias o exigirem.
Art. i.' Ficam revogadas as disposicoes em con-
trario.
0 Dr. Manoel Antonio Duarte de Azevedo, do
Bieu conselho, ministro e se:retario de estado dos
negeeios da jinti.a. assim o tenba entendido e faca
exeentar.
Palacio do Rio ie Janeiro em 3 de fevereiro de
1874, 53* da independencia e de imperio.
Coin a rubrica da Sua Magestade o Imperador.
Manoel A i>Jonio Duarte de Azevedo.
da agricultara.
6 de fevereiro foram exone-
Ao directrr de arsenal de guerra. Mandei Ajtegedor intoptic) do gymnasio proviaciat.
V. S. reculher nesse arsenal as coruetas, espadasf Em *>UJoque roe re^uereu o bacharel
Miuiwterio da jactiea.
Per decretos de 7 do correnle:
Foram removidos, a pedldo. oa jnizes inunicipaes
da orphaos :
Bac .arel Joao de Miranda Ribairo Sobrinho do
termo de S. Borja para a vara municipal do termo
do Rio Gran la, na provincia de S. Pedro do Sul.
Mini*.terio
Por portarias de
rados :
0 engenheiru Alvaro Joaquim da Oiiveira, de
lugar de ajudante technico da reparticao dos te-
le.raphos.
0 pratidnte da secretaria de estado dos nego-
cios da agricultura. commercio e obras pnblicas,
Antonio vtcenle de Andrade.
0 engenheiro Pedro Betim Paes Leme, do lugar
de praticante da inspeetoria geral das obras pu-
blican do municipio. -
Por portaria de 7 do corrente, foi babilita-
do para exercer as funccoes de agrimensor Chris-
tiano Beavtmtura da Cunlia Pinto.
0 decreto n-5,528 de 17 de Janeiro appro-
vou a innovacao do contrato celebrado com a com-
panhia brasileira de navegagio a vapor. "Jf !-
MiaiMterio da guerra.
Por decretos da 7 do corrente :
Foi nomeado capellao-alferes da reparticao ec
clesiastica do exercito, o capellao-tenente honora-
rio do mesmo exercito. cenego honorario Fortuna-
te Jose de Souza.
Foi transferido para a I? companhia do 16.* ba-
talbao de infantaria o capitao do 18. da mesma
anna, Manoel da Silva Rosa Jnnior.
De conformidade com ojj do art. 9. da lei n.
iii8 de 18de agosto de 1852, concedeu-se reforma
ao capitao aggregado a arma de cavallaria, Joaquim
Jose Baptista, visto s>ffrer molestia incuravel, que
o torna incapaz de continuar no servifo.
Por portar a de 4, tambtm do corrente, foi no
meado Francisco de Assis Gomes para o lugar de
porteiro do hospital militar da provincia da Bahia,
vago por ter-se concedido exoneracio a Joaquim
Marcellos Villas-Boas.
Ifiuitt>ri< da naarinha.
Por decretos de 7 do corrente :
Foram concedidas as graduiacoes dos postos de
vi v-almirante, capitao de n)ar e guerra, capitao
de fragata e chefe da esquadra Barae da Laguna,
ao capitio de fragata Rodrig) Antonio de Laraare
e ao capitao tenente Felicio de Sa Brito.
Fui transferido da 2* para a | classe do qua
dro da armada o capitio de fragata Tnomai Pe-
dro de Bittencourt Cotrim.
Foi reformado, de conformidade com o decreto
n. 4,173 de 6 de maio de !868,)o official de fazen
da da classe Francisco de Paula Sena Pereira
da Costa, percebendo o soldo respectivo.
Foi nomeado Joio Eleuterio de Carvalhe almo-
xarife da 31 seccao do almoxarifado da c6rte,
sendo exonerado, a pedido, Lui* de Azeredo Cou-
tinho Duque Estrada, que exercia interinamente
aqnelle emprego.
Governo da provincia.
KXPBDIENTE DO DIA 1* DS DE2EMBH0 DE 1873.
/.* seccao
Acto:
0 presidents da provincia, attendendo ao qae
requereu Augnsto Jose Teixeira, arrematante da
obra da abertura de ianellas no hospital militar,
e tendo em vista a intormacao do engenheiro das
obras militares, datada de 21 de novembro ultimo
sob n. 38, resolve, nao so seja elle felevade da mul-
ta em que incorreu por nao haver coneluidu a dite
obra dentro do prazo marcado en* sen contracto,
mas tembem prorogar o dito prazo por mais trinta
dias, a contar de Si do mez proximo passado.
Offlcios : I
Ao chefe da divisio naval.' i- Sim-se V.
Exc. de mandai apresenter seis nragas da guar-
nicao de bordo ao commandantejdo vapor Gle
nesson, as quaes (leverae alii estafonar durante
tempo em que eaiiver o mesmo pPor fnndeado
no perto desta provtocia. Outrosfc*. 6 conveni
ente que expeca provideacias em djdem a que o
dito vapor seja rondado di%inte awwlte, anm de
ser soceorrido ccm nrestm no elo de raol9s-
tia.
Ao capitao d i porto. Declsiro a V. S., para
lieu conhecimento, que por aviso do ministerie da
marinha, de !8 de novembro ultimo, foijipprovada
a deliberacao que, seguodo seu officio de 30 de
ootubro proximo undo, tomou V. S de emprestar
para o ser 7i;o do pharol do Ceara 15 chamin^s de
vidro. que havia de sobresalente no de Olinda,
Bacharel Jose Pedro Marcones C-jsar, do t3rmo confonne Ihe foi requisitad > pelo engenheiro fiscal
da Conha, na provincia de 9. Paulo, para o de Pa
raty, na do Rio de Janeiro.
Foi d->innadi o estado-nteioi' do ommando in
perior d.i guards nacional de municipio do Leo-
paliina, na provincia de Miaas-Geraes, para a elle
ser aggregado o coronel commanlanle superior
do municipio de Mar de Heananha, na mesma p:o-
viacia, Jose Joaquim Monteiro de Castro.
Pez-se mercC da serveatia vitalicia dos offlcios
para que foram provisoriamanle nomeadoi pelos
respective* presidentes:
A Jo-e de Aasvedo Souza Junior dos officio.- de
i oartidor, centador e dutribuid-jr do termo de S.
Peiro do Rio Grande do Sul
A Benjamin Ismael Alvares dos Santos dos de
2* tabellia) e escrivao das execucdes cifis e cri-
mes do termo de Barreiroa, na proviocia de Per-
nambuco.
A Felix Antonio da Costa, dos de 1 labelliao e
dos pbaroes do norte.
Ao mesmo. Nao tendo essa capitenia dado
ainda execttcic -ivi inannliu, de o de junho desie anno, ex'giado com
referenda a parte do litieral sob sua jurisdiccAo
uma lista de t >dos os po tos, barras, enseadas e
ancoradouros ua costa, mais on menos accaasiveis
a navegacio, trabalhe esae qnetem de ser consi-
derado no proximi relatorie do poder Icgislativo,
recommenlo a V. S. qae com toda a orgencia _e
sob responsabilidads sua preste a devida ao supradito aviso ate o fira do correole mez.
Outrosim, chams a attencao de V. S. parla ob-
servancia, sob a mesma'pena, da circular dra^de
agosto do anno passado, que Ignalmente exige
eaclarecimentos qne nae podem ser por mais tern
espadasj
e correames que, pertencendo ao 8* hatalhao de
infantaria dajguarda nacional, serio remettidos de
parta do respectivo comman fade.
Ao mesmo. Mande V. S fornecer ao coin-
mandante do' deposito, o> conformidade com o
pedido junto, 40 cartuxos embalados para ospin-
gardas raiadas e 60 capsnlas folminantes.
Ao mesmo. Declaranlo-me o br.gadeiro
eommandante das annas em officio de 2i* de no-
vembro ultimo, sob n. 1,161, nao ter a caixa d*
economias licites do 9* batalhio de infantaria uu-
merano para occorrer as despezas com a condne-
cio de diversos objectos que se acham promptos
nesse arsenal com destino aquelle batalhio, e
que nao teem side conduzidos pela razio exposla,
autoriso V. S. a despeoder a quantia precisa
para levar-se a elTeito o tran-porte dos refe.idos
objectos, e bem assim de quaesquer outros man-
dados fornecer sob pedido do predito batalhio,
logo quo se acharem promptos.
2* seccao.
Actos :
0 presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. e -efe de policia em offl:io
de 28 do corrente n. 1,960, resolvu exonerar a pe-
dido o cidadio Norberto Offone d'Alencar Peixoto
do cargo de 1* supplente do subdelegalo do dis-
tricto de Granito, do termo do Exii.
0 presidente da provincia, de conformidade
cam a proposta de Dr. chefe de policia em officio
de 28 do corrente n. 1,969, resolve iwmear para o
cargo de 1* supplente do subdelegado de districto
do Granite do termo do Exd, o cidadio Haymuti-
do Gencalves Ponte*, e para o de 2', que se acha
vago, o cidadio Manoel Goncalves Dias Ponies.
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o coronel Joaquim Cavalcanti da
Albuquerque, eommandante superior dos mnni
Siios de Olinda e Iguarassii, resolve conceder-
he 6 mezes de licenca para tratar de negocios
da seu interesse.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia Recoinmendo a
V. S. que so ponha o seu visto nas guias para
enterramento de cadaveres, cuio servifo morluario
lor feito pelo estabeleciraento ae Agra & C, unices
eorapetentes por forca do contractn, que celebra-
ram com a Santa Casa de Misericerdia, e que
principia a vigorar de lioje. Nao serio entretauto
comprehendides nesta minha recommenuacao os
cadaveres que ferem conduzidos a mie para o
cemiterio.
Ao juiz de direito da 1" vara. Em addita-
mento ao raeu officio de 29 do mez proximo pas-
sado, transmilto a V. S. o processo junto do solda-
do Manoel Felix de Sant'Anna, para que ignal-
mente seja submettido a junta que o deve julgar
em ultima instancia.
Ao eommandante de corpo de pelicia. Por
despacho de 28 do mez proximo passado coccedi
ao eornete da corpo sob o sen commando, Raymun -
do Rodriguns dos Santos, 30 dias de licenca. com
vencimentos na forma da lei, para ir buscar a
sua famiha em Caruard; o que Ihe declare para
os devidos fins.
3' secfao. ~"-
Actos :
0 presidente da provincia resolve exonerar
o cidadio Joaquim d-* Gouveia Cordeiro do lugar
de cobrador da recebedoria derendas geraes in.er-
nas, visto nio ter acceitado, e nomear Manoel
Pereira Magalhies.
O presidente da provincia resolve nomear
escrivao da coilecloria de Beserros o cidadio Jose
Marinho de Hollanda Falcie.
Offlcios -.
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tendo em vista a informacao dessa thesouraria,
em officio de 29 da novembro sob n. 102 serie F,
autoriso V. S. a mandar pagar a Justine Jose de
Souza Campos a quantia de 1:134^810, constante
da conta junta em duplicata, importancia das
despezas feitas com a caoaiisacao das aguas ser-
vidas de quai tel da Soiedade, conforme tolicita o
engenheiro das obras militares em officio de 20 do
mez proximo passado sob n. 37.
Ao mesmo Communico a V. S., para os de-
vidos fins, que a 25 do mez proximo passado dei-
xeu o.bacharel Angelo Jansen de Castro Albu-
querque o exercicio do cargo de promoter publi-
co da comarca de Garanbuns, por tnotivo de mo-
lestia.
Ao mesmo.Rametlo a V. S., para os tins
convenientes, a inclusa conta da quantia de.....
352J200 rs.. em que importaram as despezas de
transportes dados, durante o mez de outubro do
corrente anno, por conta do governo, na estrada
de ferro do Recife a S. Francisco.
Ao mesmo Transmilto a V. S., afire de que
tenba o devido destino, a inclusa portaria de Joa
quim Brasilino da Silva, agente nomeado para o
correio da povoacjio da Pedra, desta provincia.
Ao mesmo.Mande V. S. pagar a Augusto
Caors a qnantia de 80^000 rs., ceustante da conta
junta em duplicate, em que importaram os medica-
mentos homosopathices remettidos para Bom Con-
selho; como solieitou o Dr. inspector da saude pu-
blica em officio de 2J do mez ultimo.
Ao mesmo.-Transraitto a V. S. a folhae
prets juntos em duplicate, que me remetteu o bri
gadeiro eommandante das annas com officio de
hoje sob n. 1164, alini de qua mand-' pagar os
vencimentos dos officiaes, pracas e calcetas, era-
pregados no deposito de recrutes, concernentes ao
mez de novembro ultimo.
Ao mesmo.Declare a V. S., para seu co-
nhecimento, que por portaria desta data exonerei
de cobrador das reudas geraes inlernas o cidadio
Joaquim de Gouveia Cordeiro, e nomcei para
substitni lo o capitao Manoel Pereira de Maga-
Ibies.
Ao inspector da thesouraria provincial. -
Communico a V. S., para seu conhecimento e* de-
vidos fins, qne, a vista de que me requereu o ba
chare! Celso Tertuliano Fernandes Quintella, ul-
tima man le nomeado para exercer o lugar de se-
cretario do gymnasio provincial, acabo de recom-
mendar ao regedor interino daquelle estebeleci-
mento qne danra-lhe juramento e dd posse do re-
ferido lugar, independent de fian;a, que prestera
no praso de 60 dias.
Ao mesmo. -Mande Vmc. abonar por adian-
temento o soldo correspondents a dons mezes a
6 pracas de corpo de policia, inclusive um calm,
que vao destacar na povoacio de Nossa Seuhora
do 0', do termo de Goianna, devendo-se contar do
1* do corrente em diante, conforme solicits i res-
pectivo eommandante em officio de 28 do mez
proximo passado sob n. 676.
Ao mesmo.Consultando Vmc. si deve de-
duzir da importancia qne mandei entregar ao re-
gedor de gymnasio provincial o sal do de 729A295
rs., que este estabelecimento reste a essa thesoura-
ria, provemente do- fornncimento i*n lonca e de
um servico do metal, inmpre-me declarar-lhu qae
aguarde-se para fazer n > trimestre future a altu-
dida deduccae, conforme solicit* o respectivo re-
gedor.
4.' seccao.
Offlcios :
Ao provedor interino da Santa Casa de Mi-
sericordia.Autoriso a junia administrativa dessa
Santa Casa a conceder a D. Carluta Soarcs de
Amorim Moreira a entraga da edncanda do colla-
gio das orphaas, Maria Emilia, que nio eonste ter
. Gels*
Tertulai* ftnmndes Quintella, ultimameuie no-
meado para exercer o lugar d secretano desse
estabtteeimeato, reeommendo a Vmc. que delira-
Ibe o devfde juramento e de" posse, inaepeudeDte-
raente de flm.a, qua prestara uo praso de 60
dias.
Purta* :
A'JSJipTsra mnnicipal da villa deSerinJiem.
- Em respustt ao officio de 21 de oTjtubrS alti
me, em que a camara municipal de Serinhiem
pede a apprvacii desta presidencia para a. arre-
inatacio dos reditos de seu patrimonio, ppe;edida
naquella dab, tenho a dizer a mesma camara que
approvo a refer Ida arrematafio.
*.* seccao.
Offlcios:
Ao engenheiro Francisco Pereira Passos, em
Lendres. -Representendo-me a directoria. da com-
panhia de Beberibe sohre a conveniencia de reser-
var-se no projecto para a construccao da nova
ponle da Boa-Vista, em substituiciio da actual,
lugar para dous encaoamentos d'agna da mesma
companhia, lendo cada um delles quaterze pole-
gadas de diaiiHtro, segundo cemraun<|uei Ihe em
officio de 3 de narcu deste anno, de neve reeom-
mendo a V. S. esta medida, anm de qne em occa-
iao opportuna seja tomada na devida conside-
rai.io.
A' direct'ria da Associacao Auxiliadera da
Agricultura dista provincia. Remetto a directo-
na da Associacao Auxiliadora da Agricultura des
la provincia, ;Ii;n de que tenha a devida execu-
cao, a inclusa topia do aviso do ministerio des ne-
gocios da agrimltura, commercio e obras publi-
cas, de 21 de lovembro ultimo, relative aos esla-
tutos dessa associacao.
Ao direitor da companhia de Beberibe.
Reitero nest? date ao engenheiru, em Londres,
Francisco Peeira Passos, a recommendacao que
Ine liz em 3 ie marco deste anno, no sentido de
reservar no p-ojecto praa construccao da nova
pente da Boa Vista um lugar onveniente para o
encanamentod'agua dessa companhia, como de
novo solieiiui me Vmc. em seu officio de 27 de
novembro ulirao qne lica assim respondido.
Ao engmheiro das obras geraes. Devolve
de novo r. ofamento, que vein anuexo ao seu offi-
cio de 25 de novembro ultimo, das despezas a
fazer-se como aceio do edilicio ODde funcciona
o tribunal ra rela;io, afim de que Vmc. declare
qual a in,deira com que deve ser feila a rao-
bilia, e lerr. assim descreva a forma do decel.
Ao presidente da junia de emancipacio de
escravos do municipio da Boa-Vista.Inteirado do
que expie em seu officio de 10 de novembro ulti-
mo, tenlu a dizer-lhe que pode Vmc. assislir ao
encerranento da matrieola dos escravos desse mn-
nlcipio, 'isto como o facto, pralieado pelo respec-
tivo eolhetor, de ter admittido a mesma matricula,
dep iis A) praso marcado, os escravos a qne allu
de em sin cite 'o offlein, nao constituo nuliidade, e
esta presdencia tern permittido em outros munici-
pios. Ifial ao promoter publico da respectiva co-
marca./. .
At gerente da ompanliia ppmambucana.
DrdSfOBl Tmc. pMra mj &iroQ*n quo o r;lo-
tes sar^sntos, quando viajarem ni>s vapores dessa
compaihia, se devera fornecer passagem a re, vis-
to cooo pela W tem elles a bordo o mesmo trata-
n.eni. qne os officiaes.
F.XPBDIENTE DO SECRRTAUK).
/". seccao
Ottiot:
\oExm. brigadeiro eommandante das ar-
uias.-S. Exc o Sr. presidente da provincia man-
da delarar a V. Exc, em resposta ao seu officio
de 2!de novembro ultimo, sob n. 1,161, qne o di-
rects do arsenal de guerra fica autorisado a fazer
a dewza necessaria com o transporte, d'ali para o
quarel do 9* batalhio de infantaria, dos objectos
destsados ao mesmo batelnio.
Ao mesmo.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vinca, tendo providenciado para ser satisfeilo o
pediio de cartuxos embalados ecapsulas fulminan-
tes. ie que trata o sen officio desta date, sob n.
1164 mania Iransmittir a V. Exc. o incluso passe,
na vs. ferrea ate Una, psra as 4 pracas invalidas
que v o em dillgencia a Aguas Bellas.
Ao mesmo S. Exc, o Sr. presidente da
proviicia raanda communicar a V. Exc, para seu
cenheimento, que por despacno deste data con-
cedcu ao recruta Joaquim Trburcio Falcao o pra-
zo del5 dias para prow iseneio legal.
\o inspector do arsenal de marinha. S.
Exc. Sr. pre^dente da provincia manda com-
muniar a V. S., para seu cechecimante, que, se-
gundi consta de officio do director geral da secre-
taria de estado dos negocios da marinha, foram
pela ntendencia remettidos no vapor Bahia os sr-
tigos sobresalentes necess.irios a inachina da draga
n. 2, do service de excavajao do porto desta
provheia.
2.* seccao.
Oflcios : .. .
Ao Dr. Luiz Torreia de Queiroz Barros. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar
o reebimento do officio de V. S., em que declara
ter diixado o exercicio do cargo de juiz de direito
da wmarca de Nazareth, por ter recebido a com-
muncacao official de sua nomeacao para o cargo
de disembargador da relacao de Porte Alegre.
Ao Dr. chefe de policia.De ordem de S.
Exc o Sr. presidente da provincia, transmilto a
V. S os titulos inclusos de nomeacao do 1* e 2"
siiprientes de subdelegado de districto de Granito,
a .... a,. Cv.'i Aa e.nnfnrmid.i.le com a lironOSta
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.De ordem de S. Exc o Sr. presidente
da provincia, communion a V. S qne deu-se ordem
a thesouraria provincial para fazer entrega ao the-
soareiro dessa reparticao da quantia de.........
6:0 0*000, como selioite V. Sv em offleio do 1* do
correnle sob n. 424.
DESPACHOS DA PBKSIDJMCtA, DS 18 DE KEVEREIRa DE
, 1874.
Anlonio Augusto Pereira da Silva.Sim.
Costa IrmiiM (JtC -Nesti data officio a thesou-
raria provincial no- seotido em que requereiu.
Jose Fernandes lopes.Inf jrme o Sr. coranian.
dante superior ds-Bores por cujo inlermudio de-
ve a peticao vir.
Jos6 Augusta de Arauje. Nao estendo satis
feiia a clausula 3' do contracto (na b- parle), nio
tem lugar o que requer e suppiicante.
Eduardo Fenton.De so per certidao, nao ha-
vende inconveniente.
INTERIOR.
RIO K J\MUII
8 DE FEVRREIRO DE 1874
Do R'.o dj Prata recebem is as folhas de 31
do passado, pelo paquete inglei Met*, da linha
de Southampton.
Nao offerecem facto algnm de importancia po-
litics. Na sua revista da quizena. a Tribuna de
Montevideo oti-erva, a i respeito das probabilida-
des de uma guerra entre o Bra-il e a Republica
Aigeutina :
A politica g-?ral nenhuma novidade olTerece,
e os ligeirs receies que se sentiram, por causa
de varias publicacdes feitas no Rio de Janeiro, nas
folhas mais serias, dando como imminenta o rom-
pimento entre a Confederate e o Imperio dissi
param se, nao pjdendo ningiiem affirmar que
seja inevitavel a gnerra emquanto se nio resol-
ver o problema el-iloral na visinha republica.
Per outre lado as fundad is esperancas de
que o geueral Mitra obtera a maioria dos sufTra-
gios para presidente censtitncinnal, arredara cada
vez mais o temor de uma guerra que desde ja
se pnderia chamar continental.!
Idenlica e a linguagem da Trihuna de Buenos-
Ayre*. n'nra artige em que nassan lo era resenha
os diversos indicioa qie se idm apentad) de uma
guerra proxima, inostra um por um a frivolidade
da lodes.
Gun prazer transcrevemos era seguida esle ar-
tigo, pois realmente nio ha ninguem que, bem
intencioaado, possa desejar outra cousa que nio
seja paz e amizade entre visinhes qne mutua-
mente se respeitem.
Apezar das questoes internas que agitem
actaalmente a republioa, e muito especialmente
Buenos Ayres, nio podemos ouvir com indiffe-
renca os boatos cheios de ameacas, tenhara elles
ou nae fundament.), quenos chega-n do Brasil.
- c- .. ,, mm --."..ti"io estejairi mBi
firmadas ; se bem que nao tenham seffio* a (aft
e indeterminada consistencia de boatos, convem
desvanece las, porque, se as deixassainos tomar
corpo, cbegaria a generalisar-se por tal modo,
que passariam a ser verdades aceitas que pre-
disporiam muilo inconvenientemente o esptnto
deste povo.
< Diz-se em primeiro lugar, que o Brasil com-
pellira a Republic* Argentina ao cumpriraento
da clausula dos nossos convenies, rela'iva a occu-
pacao militar do territorio paraauayo, para que
retiremos as nosas tropas, eslipulande, se poder-
mos, os nossos tratados derinitivos. ou aao os es-
tipulando, se nao podermos.
c Isle e iacrivel. Acompanhando passo a pas-
so a marcha que tem seguido o Brasil em sua
politica exterior, dando o verdadeiro valor aos
sonhos do antigo viee-reinado do Prate, eao
mesmo tempo aos factos consummades e aos viu -
culos qne nes unem aquella nacao, depois dos
ultimos acontecimeates, nio e pessivel crer que
tenha ella chegado a conceber semelhante pre-
tencan. .
Per outro lado, se tal cousa se desse e se
devemos ser justos para com o Brasil, o governo
argentine seria o primeiro a sabe-lo, e o governo
nao tem o menor conhecimento de tudo isto.
Como compleraento deste boato, accrescen-
ta-se que o governo do Brasil, bem certo
nao
paz pelo
do tirmo do Exii, de conformidade com a proposta
de V S. em offleio n. 1,960, de 28 do corrente, que
flea assim respondido. *-
Ao juiz de direito do Bonno. O kxra. br.
iire9denta da provincia manda accusar o recebi-
merlo do offleio de V. S., de 25 do corrente, em
quepirticipa ter a 19 de dito mez nomeado Ante
nio Manoel Pereira Vianna escrivao interino do
jury do termo de Bezerros.
Ao etmmandante do corpo de policia.De
ordim de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
cummiuico a V. S. que expedio-se ordem para quo
sejaabonado o soldo de 2 mezes a 6 pracas, inclu-
sive 1 cabo, que vie destacar na povoacio de Nos-
sa Senhora do 0', do termo de Goianna, conforme
seu Offleio de 28 do mez ultimo, sob n. 676
3.* teccdo.
Oflcio: _
Ao inspector da thesouraria provincial.Da
ordfln de S. Exc o Sr. presidente da provincia,
oMimunico a V. S- one por portaria desta data foi
exoaerade de escrivio da ooMttMria de Bezerros
o ciladio Joaquira da "osta Pereira, por assim o
haver pedido, e nomaado psra o mesmo lugar o
cidadao Jose Marinho de Hollanda Falcao.
4? seccio.
Officio :
Ao Dr. inspector da saude publica.
De ordem de S. Exc o Sr. presidente da pro-
vintia. eommnnico a V, S. que a thesouraria de
fazenda tica aulori a quantia de 80*000, em qne importaram oa me-
dicamentos homcepalhicoi remettidos para o Bom
Conselho conforme V. S. solieitou em offlMo de 29
do mez proximo passado.
6' seccao.
Offlcios :
Ao superintendente da fctlrada de ferro do
Recife ao S. Francisoo. -De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da proviocia, communloo a v. S. qne
nesta ta reraetteram se a thesouraria de fazenda,
aa oontes de transportes
parentes, para entregarse ao servico de ooturas,
loraios sem prejuizo do servico, conforme! mediante a retribuicio mensalmente de 20#00o rs., I pa;a oa flas conveniantas,
declara o mesmo ministerio no aviso de Si 4e.iAdicadano officio de Y, S,, de J9 de novembro Uados Dessa eslrada de larro, por conta no governo
novombro proximo fiado, junto por copia. Ifindo, sob a. 73. 'daraute o mez de outubro lado.
que nio chegareinos a um acnordo. com o a;tual
do Paraguay, dara as palavras territorio para-
quijo toda a extensao que convem aos seus fins,
comprehondendo nellas o Chaco, cujo abandono
vai sar-nos intimado.
t Se assim fosse, muito avisado andaria o gj-
verno brasileiro com este certeza de que
chegareraes a nenhum accordo.
Dous povos dignos nil compram a
exorbitante preco dos seus direitos.
Isto, porem, nio 6 senio uma consequencia
de um facto falso. Nio o eremos.
t Diz-se tarabem que se suppee. com funda-
mento, que o governo argentino nio se confor-
mant com tal pretence, e qne isto sera o en-
sejo para declarar-se o protectorado brasileiro
sobre o Paraguay (que ji. existe de facto) e o
signal de rompimento.
Em boa hora. Mas ainda isto nao sena
seuao ontra consequencia do primeiro facto, um
meio conducente a ease mesmo fim, que, como
ja dissemoSj nio e erivel.
a Em que se baseam tees boatos t 0 que e
que Ihes da essa.forca de verdade !
A sua coincidencia, a sua perfeite harmonia
com os factos averiguades, responde-se. Mas
que factos sio esses f 0 governo do Brasil
mandou vasos do guerra para o Uruguay e o Pa-
rani ; lez em Montevideo e no alto Uruguay de-
positos de carvao de vinte mil toneladas ; toraou,
emlim, oulras mU precaucdes bellicas capazes
de porem de sobreaviso o vizinho mais indiffe-
rente.
i Porem sera certo qne essas precaucoes UM
por objecto uma declaracao de guerra, ou sim-
plesmante o recoio de que no a declaremos T
t Se o Braid receia isso, o qne e qne juslitica
esse receio t
t Aqui ninguein falla era tel; a imprensa
brasileira e que parece lompraaer-se em as-
soalhar taes boatos.
Nao ba MMtO tempo annunciava o governo
do Brasil a eenstruccio de um caminho de ferro
na provincia do Rio Grande. Os jornaes da oppe-
sicao ateribuiam-lhe (com fundaraenlo ou sem elle)
um fim estrategico, e iocutiam medo aos vismhos.
Hoje vdam os factos supra- raencionados e proce-
dem. do mesmo modo.
As. folhas ofBciaes. entretanto, aceiteudo ou
nio deementido esses boatos, procuram aehar sua
aoplicacio e desculpa n'uns pouces do canhoes
que coowrou o governo argentino, e nos navies
qua encommendou.
Taes sio todos os motivos e antecedentes pro
limes destas ameacas. Mas, perguntamos nos :
e possivel, tende-os diante des olhos, suppor por
um memento qae estejamos em vespera de uma
guerra com e nosso alliado de hontem ?
t Per nossa parte acreditamos firmemenfe que
nio.
Entretanto tndo isto tem, por assim dizer, sua
explicate philosophica, que parece confir ar,
Os estadistas argentinos (dizem os politico'
brasileiros e os quo se oceupam com os desfjaos
futuros de ambos os povos) jnlgara necessaria, lo-
gica, a resurreicio do antigo vice-reinado do Prate,
e a reputem destiuada a equilibrar e mater, como
consequencia historica, o poder e as t-ndencias
absorvedoxas do imperio.
< Tal supposicao foi aceita sera exame, sem par-
guntar-se de onde vinba. para onde ia, com qae
elementes conta essa idea, de que meios diapde.
nem ate onde e possrvel a sua raalisacae.
_t Nem seqner averiguonse si e" verdade on
nio que seja esse o peusamento dos estedbtes ar-
gentinos.
Nio conhecemos seoao um dommento que
tem connexio coro isto. e qne e tal vez .a causa pri-
mordial deste erro tie generalisado.
Ei-lo: era nm brilbante discurso preferi4o
nc cungresso argentine, o Dr. Rawson, admiraodo
a grandeia da democracia e o progre-se da liber-
dade, analysando os eleinentos de vida a o pasmo-
so d-senvolvimento deste paiz, vendo duplicar e
tripliear a sua popula.;io e a sua riqneza, contra
todos os calculos estalistices, e, procurando com a
sua pujauta intelligencia. devauar um futuro re-
mctu para sua patria, atravez do tempo e da dis-
tancia, concluio que os paizes que constituiam o
antigo vice-reinade nnir se biam um dia para tor-
mar uma nacao livre pelo seu pregresso, indepen-
dent" pela sua forca, e forte pela sua uniao.
E tinha razao ; nae se enganava, porque nao
ha ninguem que nao a tenha ou que se engane
quando se agiu no mnndo das hypotheses.
Porem isto esta muito longe'deser umcalculo
de e.-tadista, e mais longe ainda de ser openaa-
mento dos estidistis argentinos, attingindo ate" o
ridicule quando se con.-idera que e um plan) que
ha de ser pasta em execueao em um futuro pro-
ximo.
o A idea do Dr. Rawson pole ser aspiraclo de
nm povo ou o desejo rchetnente de uma grande
alma, ou a visio fantastica da uma intelligencia
robusta, qne abarca um muudo em seus gipn-
tescos prejectos ; porem ounca nm plane em via de
execu;ao, que possa infundir teinor aos nossos vl-
zinhos
Quando Emilio Castellar, em seus monumen-
Ups discurs s, via nnida, abracada e cenfraterna-
da a humanidade, e a via concenlrar se, perdcr te
e confundir-se no seio da democracia universal, os
thrones da Europa nao tremcram, a Russia (icon
impassival.
c Sa um orador ou um peeta brasileiro, em am
a>somo de enthusiasmo palriotiutico, quizer piatar
o mnndo uni.lo, compacto e disciplinado, obede-
cende ao sceptro do seu imperador, come uma or-
chestra aos imvi iient .s di batut i do regents,
nem por isso a Republica Argentina pensara qae
os navies do imperio eslao bombardeando tJuenos-
Ayres.
Devemos ser mais sensates. Naotemamr-s vi-
sees fantisiicas. o
9 -
Tando a companhia Botanical Gulden embarga-
do as obras que a companhia emprezariu da linha
di carris de ferro de Sant i Thereza, estava fazendo
no largo da Lapri._ a companhia Street Rail Way
terminou o minist Tie da agricultura em aviso de
29 de dezembro co anno proximo findo, ouvida a
seccao do imperio do conselho de estado, que o
conselheiro proeurador da coroa procedesse de
confermiJade com o dispeslo no regulamento n.
124 de 5 de fevereiro de 1842, estebelecendj con-
flict s de jurisdiccio, por ser a questao da exclu-
siva competence do poder adminiMrative. Km
cumprimento do referido aviso dirigio o Sr. conse-
lheiro proeurador da corea officio ao Sr. Dr. juiz
de direito da 1* vara civel, a quern tiuluiu sido re-
qu riJos es sobredites embarges, e, este julgando
iucoinpeteute o juizo do civel, acaha dc Mam*
declarar nos respectives autos, em offleio dirigido
ao mesmo Sr. conselheiro proeurador da coro i.
Teve lugar honum, estanlo presente o Sr. pre-
sidente do conselho, a 12* cenferenccta. na qual o
distinct > orador o Sr. conselheiro Joao Manoel Pe-
reira da Silva continuou as suas desejadascosu'-
deracoes sobre a historia e a tilteratura patriu.
A conferencia esteve muit i cencorrida, c o orador
traDu de differentes assumpt is com abundant*
erudicao, sendo vivamente applaudido ao deixar a
tribuna, que occupou durante hra e meia, con-
ser ando presa a attencao de auditerio.
Companhia das docas de D. Pedro 11.-love lu
gat hontem a assembled g.'ral da companhia.
achando-se preser.tes 64 accionistis r.pieseatendo
10.531 acydes e 725 votes.
Eleita nor acclamacao, a mesa ficou composto
dos Srs. Dr. Antuncs de Abreu, president.- ; Dr.
J. P. Netto Machado, 1.* secretario, c de
Araujo Ferraz. 2.* secretario.
Lida e approvada a acta da senio anterior, to
ram postos era discussao o relatono da directoria
e pareccr da commissao fiscal.
Depois de largo debate, em que temaram
parte os Srs. viscende de S Salvador dos Maltosi-
nhos, director Dr. Pertence, merabro da coramis
sio fiscal H. Angusto de Gusmao, e F. R. '*\
ra, foi approvado o pare ter da commissao Uscal.
Orou depois o Sr F. R. Feireira, reuovanoo a
sua proposta de liquidacao da companhia, apre-
soutada na ultima assemSlea geral.
0 Sr. Andrade Figueira apresentou, fundamen
tando-a cora uma breve exposicio, a seguinlB
proposta : ^
u Indice que, sem prejuizo -'e approvacao *>
parecer da commissao fiscal, seja commetlido a<.
exame de uma commissao de ires membros. eietla
pela assemblea geral dos acciomstes, para a vista
delle dar parecer sotire as novas claosnlas mn
decreto de 15 de outubro de 1873 e o futuro da
iompanhia. _
Em virtude deste proposta, reliron a sua o ar.
F. R. Ferreira. ,
Passando-se a volacao da cemimssao especial,
foram eleilos oa Exma. Srs : Militae Maximo o>
Souza com 433 votes ; Dr. Andrade Sfi?
com 393, e visconde de S. Salvador do Matlosi-
nhes com 190.
Apurada esta volacao, e reconue--en(Jo->e nao
haver mais casa, o Sr. presidente levautou a ses-
sao as 3 1|2 horas da terde.
Sob a presidencia do Sr. commendador Leonar-
do Caetano do Araujo, servindo de secreterioaetJ
Srs. Joaquim Jose Duarte e Antonio Jos* Got
Brandio, reuniram-se hontem os ace onistta *
eotnioabia de seguros Garantia, reprc-ontan*.
896 accoes.
Dispensaih a leitura, tanlo do relatono oa -
rectoria como de pareser da commissao de contti
eaberta a dtscussio, o Sr. com i.endador lot
Joaquim Ferreira da Costa Braga fuudamenton
seguinle proposta. h
Proponho qne se mpprima a ageocia oe **
tropolis. l a
To.naram parto na discussao que s, u,~
este respeito os S^IJgJ ^gg
o o autor da pi -
aiuda que
midos,
de ton^e, *, relisaeio dos factos te-
cenclusoes
da Silvaj Joaquim
Leonardo Caetano de Aramo
de parecer da commissao do exame de contas,
foram approvadas j>r nnanimidade
0 Sr.Xima Junior mandou a mesa a s*fq-
proposia" .*. _*** '-**
Proponho que os ve ^ftetrtr---
de ora ante sejam comp>v JjT ^ oo directors*
roa : Que nos annos -os da seguinle lor-
. cm qne os bonoranos
r
j



+m
J


H81 M H&foj/:., JtkUt iJiiJMil,A^Pernapibnco ~ Sexta 20 do Fovereiro de 1874. jt 0il/ 1/ \ <
urn ______,___,__________ m
I
.>>
ff.


fratificac/jes-em vigor nao auingitfa JJ^agQ^lcpdicla
annuals para cada um, possam oWH^^latTWf rwitw^w
esta quantiaMT
O Sr. Raptaafcdjfclarou flue tfmeiyna prevemeo-
te retirar-so,Jjti|pctori3. r*V
O Sr. cflmfBfffiWr Braga d'-36 que, parecen-
do-lhe nao hlWrjrff nuinero d6 aceionistas neces-
sario para sc deliberar, julgava que so devia adiar
^Hb da proposta^.1 k^v _
Wfcando-se que , mero,lo Sr. presidents declarqu 'ffo a di^ussio
dinroposta ticsva adhjla para-a primeira reunion
q le se euectuasse, e tev.intoa.ape.*ao. '
Oirlglnse hontem, 4*7 !vir* ih nnuha, a for-
taleza de Santa Croi a com.missi > tie indnora-
meotns do material do exercito, actualoncnte
pfesidida pelo Sr. rnatjchal Soares de Andrei e
alii experimentoa eanftfjes dc grasso calibre, es-
pecialmente o do 40 \ systoma Armstrong on
Woolwich, com projectis ocos e cheios, de sys-
teraa Palliser, e com 03 quaes se acha armada
a principal fortaleza do nosso porto.
Os stbreditos canhoes estao montados em mag-
nlficos reparos de fcrro, systema io'glez, assentaf-
dos em plataforraas lageadas e com enorme apoio
de granito,- contenlo cada um 1 dado interior de
bronze, em que gyra 0 eixo de rotaeao do reparo:
dons mertoes travesses de terra, reve'stidos de al"
veaaria commum c de tijoto, ragoardam dos. tiros
de flanco todo 0 material e pessoal nas baterias
nao casamatas, cbra esta cons'.ruida pelo enge
oheiro da commissao.
Das experiencias cuja dirccc.Vo foi incufcbida
ac-capilaotcncnle Cerqaeira Li in a, reeenhe wi-
se mt 0 eanhao dp 400 de vantajoso effeito. com
ohi alcance qn-?, em termo madio, foi de 5a 6
raWhas ; direecao excellent?, manejo tao (aril, quo
deus homens o collocaui em haleria e um 0 con-
teira ; foram estas as vantagens que 0 mesmo
canhio exuberantemente mostroa nesta expercni-
cia.
Na face interna do parapelto de leste 16-sc a
segninte insiripcjio :- 1873-Vo reinado de D.
Ptdro II ministro da gueira J J. de Oltceira Jun
queira mnntlm qae a commissao i tot do material do exveilo fizesse esta obra.
Depoig das experiencias a comrnissap visitou
e exaralnon minnt'ins.-imcnle todo material da
fortaleza que se :.gha em perfeito estado e boa
ordem.
0 Sr. marechal Andrea transraittio ao Sr. mi
ministro da guerra 0 segninte telegram na :
Acaba de fer lugar, com 0 mais satisfaclorio
resuliado, a primeira expertencia com 0 canhae
de 400 Armistong. Eu e a cominissao felicita
mo* a S. Exc. pela acquisijao deste material que
prlo seu poder e mereeimento, veio dar nao pe-
qneno incremento ao armamentj de?ta importanle
nraca de guerra.
- 11 -
No dja 7 do corrente, aj 5 horas da manha, Ig
nacio Antonio Fer-reira,' hrasileiro, so:teini,'de 49
stw.'S de idjile e morador no lugar denominado
Pao da Fome, freguezia de 'a-atopagua, fe'rio se
voluntariamente com um tiro de c^pingarda na re
giai da garganta.
Das averignai.Ses a que proceden, verifirou 0
fubdelegado respectivo que 0 iufeliz sodria, ha via
quatro niezc, de um grave incommodo de estoma
p\, qua julgava incnravcl, apezar de estar sendo
oudieado convenionlemcnte.
Hnrante todo esse tempo conservou-e de cama
6 su lev.intou se na supracitadi manha para
var a effeito, a muito pt quena distaneia de casa,
0 iiiam que tinha em mentis.
Logo que'ifeuse 0 estampido do tiro, aendiram
varias pes?oas. Fcrreira que e.-tava coherto de
siBguB e cam a anna ainla em puhho, persistin-
do na idea d> -uiddio, li:vantiu-e rapidamente,
oorreu para uina pedra pruxima e pivcipitnii-se
le uma allura superior a Ires bracas, licandobas
'.ante contun lido nas pernas e uos brac/)s.
Levado para ca - 12 -
0 paquete francez Bvurgogne. da linha, de 'Mar-
selha, trouxenos hontem folhas do Rij da'Prata ale
?i do corrente.
.Vo dia I proeedeu-se em tola a Rrpublica Ar-
gentina as elei^oes geracs.que, feliimeut.', nao fo-
ram aoompanhaJ.is Aai grave.* desqhfens que se
receiavani, embora em duas freguezias de Due-
nos-Ayres houvesse tumulto e chegasse a correr
>angue, havendo algnns moilos e feridos. Como
succede sempre, os dans bandbs, mitristas e alsi-
nistas, attribuiam reciproeainentc u:is ao3 outros
a provoeagao, a vlulencia e os prlmciros tiros.
O governo, pela sua parte, havia tornado" todas
asmedidas possiveis paramantera ordem, aqoar-
telando a tropa e tendo a de promptidao na vizi
nhanca dos lugares da eleii-io, prohibindo 0 tran-
silo dc carros e cavalleiros pelas ruas, e 0 uso de
todo o gpner9.d^_arnia?w^srofl,J}g(5galas j;huro-
var fecliadas as casas de hebidas.
Segundo todas as informa;d"es, obtiveram os mi-
tristas consideravel maioria sobre os alsinistas;
em dnco provin:ias veliSeu a ^audidatura do Dr.
AvelJaoeda.
0 Telegrapho Maritlmo, de Montevideo, annun-
aaado 0 resultado da efeijao, ubwrva :
Asnoticias telegraphicas do triumpho dos
mitristas foram re;ebidas com prazer pelo nosso
coromereio.
a Kste triumpho < jeguro annuncio da par e da
prospondade da- repuMi> is platina-. .
Asssiiu 0 dtscjami.s tunliem pela nossa parte.
Dfleresria rapitfatftetite 0 eholeramorbus na-
quella capital, rrgul.indo de oito a dez os casos fa-
laes fin cada um dos ultimos dia?. De Mercedes
S. Luiz, tambem ia desapoarecendo a epidemia.
3e Uruguay nada sesabo. Em Cornentes appa-
recera 0 Bagcllo em varies pontos, causanlo doze
roortrs em dons dias.
Do Rosarid recebera se s ?eguintc te.legrarnma
*obre a revolu^So paragnaya :
Chegou vapor do Paraguay. 0 governo tra-
Uva de entrinceirar-'erapidainente na A'sump-
c5o, marchanlo os revolucioaarios sobre aquella
capital.
Fizeram estes fogs si.t.re 0 vapor argeniino
Gwany, visiiarauwn, e dopois deixaram-ho je'-
l iir viagem.
0 gaverao estaya muit) dcsalentado. 1
Dizia se em Montevideo ijue. Lopez Jordan tinha
Slid assas-inado por X;so Colonel.
Dizia se tambem que 0 governo oriental oppo
-ia 0 seu vota ao orcamento votado pela camara
dos representantes, por rir oneraf 0 estado com
nm defl ;it, que somente por novo e ruinoso e'm-
prestimo poderia ser cobert 1.
1 fcom rida conlnzlh at a larlhle c din,
'all'.'C-'ndo, pare.11, |,uco depois do alii el
wncia tomaram cam tvna uarci,alid*de e.ihiJsJqi jf_ -*jiloftrrj'fcstiv.-t para *er veuJid cprtas em, .is^uinptos eleitorae's.
t 0 Sr. Sarfnien'to nao Itcou "atraz na'ostJntacfo, -
fe Irdpas.' Eta gnardada-a casa Hosada por par*1 f.
te do- batalhiio 9do -linh, e do 1; a-esco!ta4* ont> l"grttg r
piquetes sanjuaninos, os cadetes da escola militar
Palermo, e uma das famosas metralhadoras...
jntra o'giver-
S
Jose Pi iil
?, prom#ttei
KmoM.se tratass de am 'itarrae
no nacwal. ,"".",.
Desdc inaDfc* eedo.os .lotis bandos politicos to-
marm#iitado adro *is igrajas; Instilluam-se
1 0 fexse uatmituoaceordo para r. gular "r Oou$
praticadts
ltio-.N
da
a voi8'' a nMntnr ordem. i>>mtudo todo 0
miindOwiaarmado e na esp'ectativa de como pas-
agora, promeBe a eleifio correr sera disturbios
maior, ainla que nao scm derramamento de san-
gue, porque isto seria nm milagre. **-
< 5 dd tarde. E nio havia de passar sen\ ,^a6
as ruas de Buenos-Ayfes e 0 adro da ifreja,.: flcas.
sem salpicados de sangue.
Pertodomeio-diaosalsiuistas. promoveramba-
rulho na igrefa-d% Bafvone^ a, 5s sscrutadore3
legaes tiveram de fugirci^, ls actas e a urna; os
alsinistas tinham feito ',0go johre os mitristas aju-
dados pelos solda'^js d* policia ; os mitristas res-
ponderam da jfitea da casa em que tinham sou
rantao; '^cudio a trupa de linha, caraoo as quatro
mas q brincipiou a aesarmar e prender.. os mi
tdllas que 0 commit son 0 aisu\tftainilicam-\ 1
c Ficaram moftas tres pessoas e feridas trinta.
Depois deste golpe da autoridade contra um dos
partrdos nottticos rpie-^e-pd-ie eb3mar o pwtid-? da
ordm. cstabciaceu-s* a tranquillidade. 0< alsi-
uistas foram. buscar a urna cscundida. na igreja, e
lionet jd d is- seas competidores, continuaram a
eleieao, oceupando a incsa a s.-u gosto.
< 0 partiio naoionalLsla protestou perante Q go-
verno da provincia contra osto alaque brutal; 0
governador mandou ordem que se formasse a mesa
como 0 tinha sido de manha ; mas os alsinistas
desohedeceram a esta ordem, de maneira qua
a elfir^ao de'Balvoueradeye considerate nulla.
< Pnncipiam a circular boletins; cada um dos
partidos attribue a si triumpho na cidade; mas
comprehende-se que e demasiado oedo, para'que
iodiquem algnma causa os algaeismos tornados
asim na primeira hora depois'de encerrada a
eteicao.
Os sucessos de Balvouera e parcialidade do
Soverno e da policia.tern indignalo a todo 0 raua-
o, e nao sera de estranhar quo haja algam motfi-
mento de desforco.
2 de [ecereiro.k noite passou tranquilla a
excepcao dos tiros que se oaviam de qaandoem
qnando pelos suburbirs da cidade-, onde se
aeham domiciliaddi tH- raais turhiilrtnlQii d^s par-
tides.
Ja se pode C6trifr a.crer. quo os mitristas ti-
veram ui.iioria na.ciaade.
r Recomeram-se em tod-ts as parochias 4,181
votos, dos qiMtt J,38s> miliisus e i^8|.alsini.tas;
anullando se a eteicao de Balvouera,' fiJam .1-1111-
trista- cont uma maioria do :t20 v .to.-.
.NSo e para admirar o peqiuMio nnraero de vo-
tantes; a propaganda de sangue do partido da
ac.ao, ajudada pela proteccao esaaadalosa do-go
v< roo da provincia, que em'prvgtm a for^a puLlica
para fuzilar 0 povo, arrcitaraiu das urtixs mais
dednas trreas paries dos mitristas: conslderando
isto, a maioria qae assim mesmo oblivoram estes
ultimose muito significaliva para 0 espirito que
domioa0 paiz, e que icpWIe eomenergiaas ten-
iiti*as de resascitaras icenas horrivois do anno
de 1840.
Como apoio daderrota dos alsinistas v-j-d ain-
da os succeasos sangninolentos <|ue provocaram
esta tard-1, atacando um clob mitrista sitna lo ao
sul da cidade. laterveio ignalmente a policai e a
tropa de linha, fazsndo todns fogo. contra 0 club,
enniuanto os mitristas se defendiam do alto da
si >tea ati'- eom garrafas vazias.
.t O general Golly y Obes, tendo conhecimento
diiste novo ataque, foi como chefe de policia ao
theairo da luta ; mas 0 chefe nao pode ennter os
alsinistas armadas; 0 general mil.igre, de aer assassinado. Os membros do club
litwanfde render se, e forara levaiios presos no
meio das vociforacoesdos sens aotaganistas. Mur-
reram nesta refrega dous soldados de linna e dcus
pohVises.
A cidade- esta assustada. A tropa conserva^se
em bicae nas pracas publieas ; numerosas patru-
Ihas percorrem as ruas.
0 governador da provincia acaba de com-,
metier uma nova violaeao da constituicao; pro-
hibio por nm decreto a reuoiao dos clubs politi-
co. Beinanentondos-. povos litres a soberanos
que teem depa-sar por essas foreas cu.l'nas I...
5 de fetereiro.li so acalmaram um pouco
os animos. Os alsjnjsjm nrocuram ;ffora, iTvjn*
,,. ...c^i ...niiiiiar em varies pantos as eleicoes
que Ihes foram contrarias.
t Em divewos lugares do interior houve con-
flictos sanguinoleBtos ; 00 Saladilho deram-se oito
mortes e trinta ferimentos, quasi todos do partido
mitrista qae neste ponto onde so contava forte e
compacto, nao toman suas precancocs.
Comprehendem 03 lei tores que nesta .carta so
Ihes posso dar as impressSes de raomento, esca-
pando muitos detalhes interessantes; mas pc!u
Richard Cubdin que deve s >guir no dia 10, saaa-
rei todas as lacunas.
t Do cholera ningnem se lembrou nestes dias
de agilacAo ; entretani) ceifoi as seguintes vicii-
mas : no dia 1 de fevereiro 14 ; no dia 2, 10 ;
no dia 3, 8, e no dia 4, 9.
Hontem deram-se vanos casoi no n.c de linha
aqnartelado no parqu de artilhana.
Ate hoje a maioria de votos a favor de Mitre
enveocaahsc.
bl*^i imercio, da mesma ^^
Uma-carta de Santa Anna *
que chegara a mella localidai
no Lop'z J,r.
oeral fall
a Llvramento, diz
\Y
logo
^ro,
jra. D.
Cvsari
fi
ssulat-is
E-tido-
estkociH
child* Hoi
Teixera
'DsosAcaba
til, sotre a
Sarandy, propiiei
es deOliveiw.
de 50 aimos d
de, e sen lilho PattTo Telxeira .Vune?, foram bar-
luramente assassinados por Amaro ueal^protegi
ao'!i*aguelle iufeliz vclbo. Uia sobriuho de Oe-
aario, foi bales io- no peito e no brago, aodendo
escaparso assi n a furia do assassino, sedento de
sangue. Cesari", foi assassinado com "dotts tiros
e cinco punhaladas ; m Wp' hLtem}amitr
degolado t Eslff'fat'i aronleTWielw 44&W nv
dia 10 do corrente mez *
't Nao se sabe a qae attribnir estes horrendos
assa.-sioHtos. O moostro qne comtaottM t*o (ran
de crime, vivia em boa harmonia com oj assassi-
nalos, e e-a p r tiesario raviiti pmlegido e eti
mado.
t Os por.neaores dosse hedijndo crime, sao os
segtirntes:
Co-ario Nones ettava comen-lo nn churr-ism,
quandii apparece-lheo asiassino; aqaelle oflere-
ce Ihe de seu jantar ; 0 assassino aceita pagaado-
llie no lim coin dous tiros 0 ciueo punhaladas
Acudindo um sobrinho de Ctssario, e reeabido com
dous tiros tie bala, pode ado fugir-fe-ido. Xesse
act) ch>'ga 0 lilho de Cesario, que e.-.taa ausente
e pergnuta a Amaro, porque razlo tinha matado
sea velho e innotrensivo pai: Amarc. reapoaJfu
que nao so 0 tinha inatado, oorao latibem. 0 ia
asjassinwj e sen dar tempo que o inftniz joven se
defeudesso, degolou-o.
0 assassino, depois de tcr pralijado esses
crimes, homisiou se em Firaliny. Tanto os as sinadoH^omo 0 assassino sao brasileinos. o
Falleceram no l\io Grundo, lose aanhatsl de
Carvalho Ramos, na ilade de> %'> annos, e 0 tenen
te honorario do exercito' Lniz da Cunha I erpira
Achavam-se ua mesma cidade os arlbtas 1 Fur-
tado Coelho e Lucinda, que lencinnavaiii dar alii
c em I'eloias algumas represeutayoes.
Itofere 0 Oiai'iQ ;
1 Consta-oos que ba tempos a esla pane ottao
totalmente parados os tmbalhos das ininas.de
carvao do arroio dos Hiios. Diztm-nos que e
isto -lecido ao f*:lo de nio ler vinjo dinhoira da
Inglalerra, wHaotfo a compaohia a.dover ires me
zes de salario a todos os rainoiros, |ne reduzidos
a rtirnaai WWirii por.-essa iinperdoivel falla, ne
gam se ao trabalho.
a E' mao quo isso so dd logo m. principio, e
julgamos convenient?, ti>rnar publtco) facto, para
que'o gerente da companhia possa lar as expli-
1,606.
1,410
1.6*1
986
a se
e esta
t Na capital
:< No interior
16
3,784
No transporte de marinha quo do nosso porto
partio no dia S do corrente, seguio para 0 Rio
tirande do Sul uma conKntsno composta de o(B-
i-ias de engenheiro?, e.bem assim um contingen-
te de pracas do baialhao desU den minaeao. in-
.umnidos de Irabarhos espeeiaes naiu-lla pro-
viucia.
- 13
O paquete inglez Garonne, da linha do Pacific,
Irmixe hontem as folhas de Montevideo de 7 do
corrente.
Telegrammas de Buenos-Ayres annunciam 3,000
votos de maioria para os mitristas nas ultimas
eleicoes ; accrecentam, porem, qae os alsinistas
ainda contestavam 0 trinmphodos adjrersarios.
Levando comsigo o batalhao 8 de linha, parti-
ra 0 general Vedia para 0 Paraguay, a rea-umir
0 commando das forra? afgentinas na Villa Occi-
dental.
0 pralico Luiz Qarboneschi era quern dirig'ia i,s
vaaores dos revoldoionarios no rto Paraguay.
0 cholera-mornus ctiminnava a dimirmlr."
Das republieas do iVitico nao Tia noticia de im-
iioruncia politica.
Total 2.8C0
As notions telegraphicas das provineias dao
as listas do Dr. Avellaneda triumphantes em mui-
tos pontos. Na Itioja tinha havido oma revolucao,
sendo desarmada pelo gOverno local a tropa na-
cional, que intervinha a favor da Awllaneda.
0 Sr. Sarmieoto leva vontade de intervir con-
tra esle movimenlo mas parece .rue 0 Dr. Teje-
dor se oppnz, fazendo notar que, assim como 0
governo tinha auxiliado 0 governador da Mendoza
contra 0 commandantc Legoria, assim linha quo
apoiar 0 de Rioja contra 0 eorooel Gordillo. Nes-
ta hnguagera jusia do ministro dos negocios es
trangeiros se revela 0 pouco caiinho que trihuia
a seu ex-cn|!ega Dr. Avellau;da, pelo qual Gor-
dillo trabalhava.
01A RIO DE PE'ttiVAAfKD'JU
ia:iFK, m DE PEVEAEIRO DE 1874,
Woticias do t da i>nperi<.
Hontem, as 2 hora* da. tarde, rb^goa 6 vapor in-
ro 13, e da Bahia 17 do corrente.
Alem do qne damns sob as rubricas Parte O/K
zial e Interior, encontramos nos jornaes 0 ue
segue :
RIO DA PRATA.
Escrev^m de Buenos-Ayres ao Jornal do
Commercio, do Bio de Janeiro :
1." de feoireiro, as 11 horas dn manhi.Teano
ertado em muitas parcciiia--, e volto attonito neta
trinquilliiiado e ordem i/'ie encontni em toda a
&}? E'-verdade que:ha eantSes nas^Wmedia-
Ooes das igrejas, nns oe'eupados por genfe armada
dosmitistras, oatros par slsinislas transformados
. ^aaa, um em verdadeiro arsenal de guerra.
Se esta ostentecao de foreas e uma violacao da
'"^if^S-jM? publica armada nos co-
lei, a p. t5.aj "mnifesta da constituicao,
micios e a .. ** mc
que prohibe reum-
M\TT0-li!:0SS0.
Dans ate 28 de jaaeiro.
0 presideate da provincia, acompanhado por
muttas pessoas gradas, pariira no dia 7 da caM
lal, a Iwrdo do vapor Antonio Joa, com destino
ao baixo Paraguay, afim de examinar as obras
nnliures em construoeao. nao so no Curumba, co-
mo no Ladario, onde se esta fundaodo 0 novo r-
senai de marinha.
De 1 de abril de 1872 a 30 de setembro de 1873
(pram matriculados no municipio de Covaua
5,282 escravo', sendo : 2s69ft do sexo maseiilho
a 2,533-do feminino ; 4,938 solteiros, 247 casa-
dos e 97 viuvos ; 3,"69 agri-wlas, 1,092 artistas.
497_ joroaleiros e2-> de menor idade e sem, pro
hssao ; 1^77 de resideocia urbana e 3,603 de
rural.
Fallecera na villa do Diamanlino 0 Dr. Jos
Ricardo Piabeiro de Uioda Qatra, procurador
uscal da tlwsouraria de faaenda daquella provin-
cia,
fallecera taaibem a 18 do passado a Sra. D.
Anna Josepha, esposa do eommendador Manoe'
Leile do Ainarat Cootmho.
Ma ORANBfi do six
Chegara a Porto-Alcgre o oselheiro Oitooi, e
os engenhereos eoearegados dos estudos para a
construccao da via-ferrea do norte da provincia.
Fallecera, victima de uma apoplexia, o-cimitao
de" navio Pranci-co Jose da Silva Fapaftna.
Uma foi ha de S. Leopoldo, noticia quo a typo- e a prota Mria.5o"diias!
cai;06S quo se torna 11 necessarias.
'.< A provincia e a principal accioii-ia da oom
panhia, e 1 em todo 0 interesse em ser devidamente
e.-clarecida sobre a marcha da me-ia, e sobre as
causas que motivaram essa suspensk) de traba-
Ihos.
E creveram de D. Pedrito, era 14 do mez
frndo :
c Uma carta de Santa Anna do Llvramento,
dirigida por. um diatincto cavalheifoao jniz ma
nicipal deste termo, Dr. Barradas, davdesagrada-
vel noli^ia de ter sido assassina-lo naquella villa,
no dia 10 do corr, as o horns da; tarde, e em
uma das ruas mais fn-quentadas, 0 rcsp4itavel
aocido Caetaoo Jise Trawassos I
Accommeiiido por dous assassin's, um deu-
Ibe eom as bolas, que trazia na cabea, 0 qne 0
lez rahir, e 0 oulro rapidamente 0 degilou e ear-
Ion ihe uma orelha !
< Os .- uiures de li j h..rr.-ihio crime, -noatavam
cm bons cavallos, ea galopito seznraia para
Rivera I
Admiramos a lain de policia em j'ani. Anna
o.j Livranieiiio ; lalta quo deu lag >r a ess dous
pc* versos assassinarem era claro-dia um tidadao
maior de 70 aneos, e pissarem iinpunespara 0
Estado Orieatal I
No mesmo dia em que esta noticia clugara a
villa de S. Jose do Norle, desabava alii 0 *brado
de qne era.pronrietario n iulViir septuageijirio.
Ld-se no Rio Grtmdensc- de it :
< Ante hontero ouv 0 S. Leopolio pela fttmeira
vez 0 sibilar da locomoliva 1 ,
* as 11 boras, mais ou menos, saltio d-ta ca-
pital 11m from Ao ep^ipnnia, prcnrretdo toUa a
linha sem novidaile.
O trem chegou a esta capital* do volu de S.
Leopoldo, as 4 horas da tarde, teudo tido'onga
demnra em S. Leopoldo e em alguns pontos nter-
media rios. A experieinia foi coroada do bora
exito e era breve sera a Jiaha entregae ao iim-i-
lo publiiso. i)
Felicitamos a provincia. por e.-te grande asso
que J' a na senda do. progresso.
0 Der Bole, jornal de S Lmreneo, tralndo
da mesma materia, da estes pormenores :
Na segunda-feiraa tarde, foi assente 0 uiimo
2 d daestradade ferro entre esta cidade e 1 ca-
pital da proviqeia, e depois de ser batido 0 airao Lopes,
prrgo (nao de ouro, como na estrada do Pacrco),
foram cs trabalbadores ibseqniados com ima
barrica de cerveja.
Hontem, (terca-feira), chegou aqui a priiei-
ra locomotiva. Veio neila de passagem 0 sm-
prezario da construoeao, Mr Smith, tendo -i-lo
feito 0 Irajeclo em uaia hora e seto minntos.,
Le se na Redsta de S. Gabriel:
0 preso Manoed Goncalves de Moraes, endio-
se do poder daesctdia que 0 couduzia para fcjrto-
Alegre.
Era 0 preso conhecido por Corla cabqa, e
aulor de uin crime horroroso. Levou a epada
do commandanle da escolta,. que o acompaqiava,
unico culpailo da fuga, por nao conduzirofaci-
nora convenientemeute
0 coronel Annibal Antunes Maciel fz no
seu testameato as seguintes disposicoes, que tans
crevemos das folbas publicadas na'capital:
Deixou a cada am dos seus netos e ndas a
qaaatia de IO:00Jf, quo serao consorvado em
poder de seus pais, ate elles attingirera a naior
idade, revertendo era beneficio de suas mail por
niorte delles.
Deixou a quantia de 10:000$ a cada un dos
lilhos que porventura possa vir a ter seu nlhcjose
Annlbal.
Deixou a monina Carolina, sua afilhada, filha
de Manoel dj Souza Eston e sua molher, a qm tia
de 20:OOOJ. '
I'eixon ao meaino Belisario, seu afilhad), ti-
Iho de Francisco Moreira da Fontoura e de sua
mulher a qnantia de 20.0004.
Deixi.n a Andresa e Manoel, innao desla, llhos
de Manoel Soares e Piacedisa de Oliveira, a qian
tia de 20:0064, tocando dez a cada um.
lieixou a Santa Casa da>Misericordia de lelo-
tas nm conlo de reis, e aj Asylo de Orphaos i^ual
quaotia. .
Deixou livres 09seguintes escravos : Ileeoa
e seus tres filhos Mam ta, Maria e Castorina, Hen-
ri jue, Anaclcla e seus quatro filhos, Corina, Cu-
Ma, Joao e Virgiaio.
Deixou tambem livroa seus escravog j Firmi-
na; Antonio, rorto-Alegre, Serafira, Maihias, Ha-
ria e duaa filbas, e Bernardino. Ao todo 21 albr-
rias.
.< Accrescentou mats, e om pedido ospecial oue
fez, que desejava qne seus herdeiros que cothe-
11am os scrricos que'outre* escravos be liniam
prestado, as aeaenciasseni.
n Deixou a seus escravos Luiz e Maria 1.J00
rezes de criar, a seu escravo Firmino 100 dilas, a
0 peqaenos pozeram Hf
foram acudindo .ilgumaaLpiSSsTJlisv -Bill
i aproximar da uandaMmricr fuirda a-J
pequeno Amal.lo cdMtAWkJem pe na-
no e gritando por socotfro, jjirouvso a
Igando que SMm chegg^ terra ; po-
como nao tomasse pe, foi auTunJo 0 voftan-'
a superficie comecou a debater se.
rt rinnin iniA_ escraj^aue-i^tfhava
astiao, ouflno oa Bios e a.
s-ias que *lavaia ao lugar, cor
1. praia e lanoand i-se a ajruii, ag.irrou o pe
e tiro*-o qua.-t asphyxia Jo FeHzniente, co
so^vos ministraios por -aus pais.e pes30ps hu-
mnrnrriwrarrojou do estoiaago toda a agua mo
tinha absorti-Jn, iu-io pouco a poaco reantniando
se e ficon llwdo pcrg>l) 6 crioalo mereee devi-
d09 louvoras fplos seus seatimentoslmmamtarios;
e essa faraiMa^ique tao relavante sfivieo recebatv
fia de scr-lheetetnameQte grata.
V menina Maria,, nor tex-se coa-oryalo.ijuieja
no fund0 da candi, nada adffreu.
Ires dias depois deu-se Acto muito semelhante
a este, mas, com mais triste resultado : a referida
folha narra-o nos seguintes termos :
t No dia ii do eoraaWe, poet manha, em frente
a^rsffa da FTguefra flesta capital, deu se 0 faclo
iMMPfWll que vam6-narrar.:
Dous menores metteram-se em um pequenino
batil 10 o vogavam para for.i da praia, i.rt.cirau-
do entreter-.-e nesse arriscado brih medo. Por f i-
talidade emborcoase a batelio /e o&pobres m-ni-
nos viram-se de improviso entregu3 ao ludibrio
io ternvel elemento. Um delles, cujo name iguo
ramoj, nadon para a t?rra e llrroir-sedo perigo.
< O'malavenlurcdo Joao, de cerca de ID annos
de idade, uao poJendo imilar 0 seu companheiro,
;morsu afi gade. Suppomoi que nouve desaaido
da parte da aJgumas pessoas.que: pro-en.-iavain o
Binistro, de darem se pressa a foecorrer 0 pobre
tneniuo (segundo nns informaram); so depots que
naooviram na superBcie.d'>gua, 6 quoacudiram
Porem tarde I 0 infant jazia sem-vida no (undo
d'agna. A custo couseguiram tirado por uuia de
espinbeis.
0 corpo.foi coadazido a botica 4e D. Claudina
Horn, onde couipareccraro Hit raafri medicos, al-
guns dos quaes cbegados. no Camdet, de viagem
para 0 sul. Todns. os .tneios aconselludos, pela
sciencia a taes casos, foram empregaaos, mas seal
resultado.
a Proeedeu se a auto de corpo de delielo,-e
passadas as horas do costume foi sepaltado.
MC.NAs ci-:hai-:s
A apuracao final dos votos para sen a Jo r era a
seguinle :
1.' CoinraendaJor Cruz Uachado
2. Dr. Luiz Carlos
3.* Dr. A. Bretas
Dr, J. I'en id 1
0 Monarehista, da Carapanha,. publica
guinte caila, que Ihe fOra dirigida da. Varginha :
No dia 18 do corrente mez 1 jan-i 1 o) as 10 ho-
ras. da.manlii, foi assaselnado-por Manoel )tuseai.e,
na rua da Caspadaj com uma facada no coragio,
da qual succumbio iinuu'diatamedie, Nicolao Mus-
carello, italiano, quaapenas contava 18 annas idade, evadiudo-se frescainente 0 assassino.
t 0 abuso de annas pr. Inliidas e raolivador de
taes assassinatoi. A Varginha vai lo.nando um
caraster medonho, hoje prmcipaloienle qae nos
achamas sem autoridade policial. e sap,x>nho jue
osmomeados naoquerem tomar posse pela falta de
fore a necessaria para reprimir taut. ,s- abuses que
por aqui se vao reproduziodo.
Creio qne a Varginha e uma da- fcegoazias que
esta no caso de lerao irseius uma- uito pra;as .pa-
gas pelo g iverno as ordens da autoridade policia!.
por ser ella uma das mais populosas da -provin-
cia. Uma autoridade sem forea nada po le faz.-r a
0 Ilajabd em dala de 25 do passado diz 0 se-
guinle :
1 Em conljrraacio da noticia que-demos do in-
cendio da casa da esiaeao era.QS'-inc, -eommuni-
ra-nns um nosso amigo alii residt'nie, cm da/a de
14 do corrente, 0 ac-guinle : Honlonjifiaou redu-
zida a cin/.as a casa da e.-t-acao da esirada.de fer-
ro, nesta villa A auloridiide comtpetenle .proee-
deu ao aalo de corpo de delicto, e irala de syn-
liear do facto para vt'-r se encontra alguns ves-
tigios de culpabibdade. Dou aisontocimento as 7 horas, mais ou raeaos, da ma-
nlu.
O Diario de .M/w*publica 0 seguinle.;
a Escrevem nos da fregaezia.das Merciis do
Pomlia, ern data de 2' de Janeiro pmxiiao pas-
sado :
t Marianno Anlonio do Macedo e seu irmao Se-
verino Antonio de Macedo, na. nuke de 24 para
25 do corrente, dormiara no an dar superior da
ca;a de Jose' Lope* de Fari.i Junior.de quern urain
hjspedes. Jose Ilomem da Costa, tambem hospe-
te, morava cm urn coramodo do andar inferior da
mesma casa.
t Hoje, pelas 3 horas da manha, desciam aqael-
les para k buscar seus animaes de sella, e ao
passarem pelo quarto de Jose Ilomem encoutra-
ram-no assentalo na cama e dera-n-lhe os-bons
dias. Quan lo, porem, Marianno abria a porta da
rua, e 0 seu irmao riscava am phosphor 1 para
procurer os cabrestos, rccubein quasi mesmo tempo dous tiros derewolwer 0 -a' em fe-
ridos por duas balas jne lhcs vararam 0 peito
Marianno pode ainda lovaatarse, apezar de
fi rido travoa do braeo de Jose II uhhti, que se
esforcava para atirar sobre o caixeiro de Jose
C 0 deteve ate qae chegou 0 subdelettado
e grande namero do pessoas, que ajudara n a
prisao do malvado, que felizmeute achi-se betn
guardado.
t lose Ilomem da Costa, alferes da guarda na-
cional e fazendeirode futuua, e bomem que vive
intiigado com quasi todos os raoradnres dolngar :
entretanto, os offomlidos sao pessoas iuteiramente
desconhecidas a elle, moram no Bio Novo- e iam
a Barbacena vi-itar sua mai doeute.
A Severino rcstara poucos momentos de vida.
wiMi ntooforjTiamiatfvm****** a^ajpau.op*zoirig*^ ni0 ,pr;>,
no., 2i\ l/.-J, -2') -J/tO p -2Q 1/.1 il, particular, fan. 11 -^jNr entar rnuju QriQczae ten iencia para
, l:i#c i^-tota dinrjoina, a.Airaa
e sobro Fram;p a 30^.rs. jjor.fraqco..
.N,.;g)ciaram e ppqupnoj loffs <\c sjbe-,
r.irios ji 9J5v? o,0?'f80,a iljubQiro..
a As arjulict-s geraes de 6 /Q coiitinuaram
apresenta
ta, sen
0369,
itida rcguhr a l:0i.'5> prazft Cito.
No ntecarlo de aeries mrmi pouco activo nos seguintes pr;eo; Banc.
C 'ivncrcial do Itiode Janeiro. aWJ, a di
heira ; C >mpantiia I, jcomotora, ao par ;
e Companhia do Carru'aens Fiurainense, a
I80&000.
. A> ncttJ^i d. cfe affectuadas hoje fo-
ram. inonos que aegulares, e as do assucar
peqnonas para cor sumo.
Apenas nos conslou hojo 0 frelamento
do am navio para Gibraltar \ ordom, cafii a
37 s. G d. 0 5 % do capa.
A alfandega renden de 1 a lido
Mirente 1,436:8539751. .
BAB1A.
Foram nomoados promolores publi-
cos: da capit.il, bacharel l.uiz Antonio Pe-
reira--Franco Frlh j; doCouie, bacharel Jose
Alexan Jre da Silra Gal vao ; d3S Lavras Dia-
matitinas, bacharel Manoel Antonio da Fon-
ceca Mello ; e de Carinhanha, bacharel L'liz
Frazao de Menezes Vasconcidlns de Drum-
mond.
merit > ~J>i ri>'-ririiLJjpira u-l.-
Ait 11. A- pSrTek intore pip 1I1 ropaiti';.t"emiwtaile-ertl u>V. do r.icurvjitileflaaaale documenlos anne-
xos, com especificada declaraclo do dia, nvz ^
anno, e do numero e qoalidade dos mesmos d" 1
ajU. Os raaanos nis suspeadi-m os etTe.t..-
da mBo reeorrlda, -alvo^irdem em contrario do
miigtro da fazenda na cdrte e dos inspect .res das
iheaaBrarias nas proviicias, re|urida por peti..ao
especial, depois deinitrpMio 0 reearso.
Siw-i.-aittle The iM^erial Hrasilian
Cradit Fouciar limited -O decreto 0.
o,544 de 7 do corroate met, aiteadeodo ao que re-
preseritarara Lniz Premy, Alexandre de Laski e
outros, doinieiliarios a Europa, aos quaes foi coa-
cedida antorisapio por decreto n 5,219 de I de fe-
vereiro de 1873, para incorporarem e-ta socieda le
anonyma de credito real, determinou 0 seguiata:
Art. 1 A' clausula 5. do supracilado d< creto
accreireuUj se: -E' garanlido a socicdade que a
governo imperial nao approvara, em fav.r d--
qaalquer onlra emprew ja eslabelecida ou que m
estaueteca; dentro do prazo de 20 annos, art gi de
estatutos, ou qualquer clan-nh ou conli^ao, auto-
risando outras emissdes, na Europa, d- let ras hy-
pothecarias sobre emi restiia-w de bens de raiz si-
luaJos no l/nperi".
Art. 2 As referidas claasula? alli.ionem-
seguiiit-.'S:
_ 1." As lettras hjjuHtaaafiai bwaarin duas se-
ries: a pnraeira das emiitidas no Rio d.- Jaoe.rn,
ca seguuda na Europa, umas e outras aasigaadas
pelos membros.dadireitoria, resiuVutes no lugar
em que se veriucar a emissao de cada sarie.
As lettras da f." serie sera) s... lea las e am
sadas a > Bio de Janeiro, as da *." serie aamei.!'-
0 serao na Europa, podcudo e>tas, todavia, '.-
J ongue-barca Ilamaracd acbara sei carso no Impen'o.
i.'
noporto.
A nova junta dos corretores ficou^s-
sim composta :
Presidente A. L. Pereira, para secrelario
Udo Schleusoer, para thesoureiro D. A.driao
Rubello, vogaes A. C. Messader e Uoraoio
l-rpia Junior.
Fallecera, no dia 16 do corrente, o
desembargador Manoel Jose Espinola, mem-
bra .do-tribunal da rcSagi'i.
..^Acerca delk diz 0 Diario :
0 finadonodia 9 do corrente foi ticli-
mado am ataque de congestscerebrai, que
produzio-ihe immediatamfrntoa paralysiado
lado direito ; sendo inuteis toJos os soccur-
ros medicos.
<( Desde 0 ando passado soffria grave al-
teraQao.sua sai'ide por elleito deuii.ataque
de igual natureza, que tivera, e de.que ja-
ma is conseguira restabi-iecer-se.
Tendo ido ha pouco tempo d praviqeia
de Sergipe buscar naquolle clima alguma^
melhora, douJaregressara s^m consegui.-la,
pretendiaeguir para a F.uropa, quando foi
acorarnettido do ataque de que veio a falle
eer.
O.desembaigador Kspiciol.i exarecu nes-
ta provincia todos os cargos da magistratu-
ra. Na comarea de Inhambnpe, onde f >i
juiz de direito, gozou da.gqral estima e ad-
quirio 0 coiKeito de magistrado justo e hon-
rado ; alii, alein dos scrvioos prestados &
liber.ladec i ordem por occasiao da revolta
de 7 novembro, conqulslou ainda a gcati-
dao dos povos da co.-narca polo interesse que
mostrou a bem dos seus inelhoramenbas,
enlre os quaessobresahem 0 iuipoiUnte
edificio que servo de cadeia e casa da cama-
ra e uma pqute subre 0 rio Inhambupe,
obras-essas .devi Jas aos seus esfor^os e in-
terveugao.
u Po9terioFmente removido para a co-
marca 'e Camamti e para a de Valenga,
viera d.pois para 0 tribusalda relaijao, onde
era actuiihoeute um-dos mats anttgos dos-
embargadores.
Alem itesses thulos, que Ihe deram di-
reito a considcra{3o a respeito publico, 0
desembargador Espinola. foi sempre ti lo
como bom cida l3o e miielo pai de tami
lia.
F.ra de carjeter lhano.
0 ttiiado contava OV annos de id de.
Falieccra tamben, na villa Nova da
Rainha, 0 QOMnati Jose tlabriel da Silva,
commandante superior tia guarda nacional
do municipio.
A.alfandega reiJuu le 1 a 16 do cor-
rento 3I4:7322i776.
1' UL
' I*
IMAiMCa
e Marianno, cujo ferimento jaoe tao giave.acha-se
em estado perigoso Fez-se 0 acto de corpo de
d. lieto e amanha continua a inquincao de tes-
temunha-.
ft PAULO.
sen esorave Porto-Alegre 100 dilas, a seu escravo
Irinao hQ AUm, a seu escravo BerBardino 50 dilas,
graphiv do Constitutional, fora eamprada pelo
IUd bispo-diowsano, a que brevensarite reappa
reeeria o orgSo episcopal Eitntla do SuL
As uHi nas ehnvas tinham feito crasser 4xtraor-
dinarfamente osnosnas viciohaacas de S. Leopol-
do ; o rio dos Sinos entrar.i de- wovo pela ci -
dade deotro. Uun carta de S. leopoldo, a4tje
centa a estas nofHeias 0 segaintfe :
Na-parto-sope for da pieada Si*1^ Maria, no
Mundo Novo, desabou no dia 3de deztmbrrs, am;,
manga de agua, acompaahada de tornotta..quq
causou grandes prejuizos.
As ptamaefles Ba co(as da serra foram ds-
irnidas, sendo arremeSsadae ao* vai lea, tendo sff
perdido qaasi toda a c .IheiM de fadho e feijio.
A cata-trophefoi tahti mais medonha nuanto
6_certo pie succedeu a noite, inwirando aos ha-
bitantes sorios receio3 pela sua Wda.
Sobniitulo enrenenamento, noticia 0 D-arh it
Pelolas, 1) segninte '-
eleicao.
a E toda esta
t Tomoii UMiadoso di verda t*a*ift- nm crionlo
|^nie,armada eiBr-dias de de 12 anms apenas de idade, wiraro doSr, Do-
' miniij'ie Villard.
^* Je Jinha, e corpo'
forca de tr Logo que se de9 Ptdo oQcorrido, foi ainda
Deixoa- a (Ma. nm. aa aeus escravos sue
esielwo na fazenia de 8. Peito 9 ras.
A'Lu-iav qne antericrateate libertou, deixoia-l
ch-icara e casa 4s raorada aa eapella da Un.
Alem desta*. fez outras nmitas dispcsirSes cue
ip|eva;n-;e a urna cifra muito avuliada '
tank CATHABWA.
A' Santa datlwm* tiabam arrrtede 0 brigue por*
tugnez TenUitiva Feliz, pr6cedeote de Selubal e
om-*stinoao Rio Srande do SuL eoai NnM de sa', e a paaacbo. Oa*ia\ preeedente de,
Pernambnco e corn 0 mesmo desitno : o primeira
defies navios entrara: completamente detarvo
ralo.
0 Despertador da cidade-do ftesti-rro conta 0
?pguiute :
1 Jlo dia 20 do nerrenie raea (Janeiro), 0 direc-
tor avsUt folUa-loa! cum a 'famiiia, pa*sar 0 die cut
oasa .le uma ranbada na Praia de Fora. A' tarde,
dons lilhos menores,- Maria tie y anuos e AwiaJdo
de 8 d- idade, aebaaaa uata yequena canOa pu
xada na praia coia a vela ieada j. ineiiram'tes
'dentro e com 0 movimenlo das criajigas e impulso
Realisara se com todo 0 brilhanlismo na capi
lal, 0 aanunciado sario litterario musical promo
Vido pela associacao ?ropagadora da Instrucc-ao
Popular, censtando a parte musical do varias pe-
cas cantadas pelas mais distinctas senhoras da-
quella cidade e de varios euros pela socieda le a I
lema Esperonga, e a .parte liltoiaria de uma bri
lhaule confereucia pelo Dr. Leoncio de Carvalho,
fundador da mesma associatao, e de uma applau-
dida piesia, rocitada pelo Sr. larlos Ferreira.
Estava marca la para 0 dia 7 a installacao
da escola e da bibliothoca da Propaaad-yra na Ins-
tritecao Popular.
ElTectuara-se no dia S a aberlura da assem-
biea legislativa pru>'in;ial.
Fallecera em Mogyinirim 0 Dr Antonio Joa-
quim da Silva Cutrim.
Refera 0 -Correto do Sertiio :
0 Rio Claro esta inhabitavel. lia 3 ou 4 dias
foram desarmadas eprosas. pelo Sr.. Marlins Ro-
drigues, juiz de pas.deste districto, tres pracas do
destacamento polieial. qua se propuuham espancar
um paciflco trabalhador e em segnida 1 algumas
pessoas mais que procura*am dofende lo..
No dia 1 do corrente fci a guarda da cadia
atrozmente insultada por Antonio Paschoal, que
havia. sido solto urn dia antes. Como Paschoal
nao e para graca.s, eutendeu a.briosasoldadesca
qae devia por de xeserva os brios marciaes que
p6r alii exibe qaand^o se irata de agarrar qual-
quer diabo. No niesinb dia 1 foi um pobre ho-,
mem csbofeteado pelo mesmo Paschoal em frente
ao armazem graode, rua das FlCres, esquiua da
rua Aurora.
a No dia 2 do corrente foi. uta inspector de
quarteirao cbrigado pelo. mesmo Pasch al a beber
80 rs. de aguardenie, fkaudo 0 dito inspector que
estava em uso de remelio, muito obrig.vlo a Pas-
rJhoal poj nao ter ido mats longe com as suas exS
gaocias.
Mais
tarde, no rncsiio dia, corria Antonio
Paschoal 4e faca era jau'nno' sobre differenles pes-
isoa's, qne aenhum mat Hie haviara feito, e assim
tentrou era casa do Sr. Klaioer, que nao te\e tempo
!de. fechar a pprta.
Por fcr In na vio Paschoal 0 povo que corria
na rua; e sahindo, depjrdu com urri pobre velho,'
a quem atirou ao cliao e a qaem ia esfaquear, se
nesse instante a.io fosse derrubado com nma pan-
cada de eabo de re-lho que foi. appiicada por um
caipira. 0 povo prendeu Antonio Pascho;iI, que,
segundo nos consta, vai ser solto hoje' ou ja foi
honlem I! t
0 vapor Capermicts sahlra de Santos no dia
ftrfrfouduzipdo 1,730 saccos decaW e 751 fdrdos
de algqdaoj
- Fa I recera no Amparoo-lai/idor Joao Anlii-
nes-da SijvatBr'agf.
KIO DR JA.VF.iaa-.
fcas-as noticias-coiamcreisas da ultinvB
data :
$3$ nouve Jirterarjao atgtima no mer-;j
da vela, a canda foi-se afastanda da praia obra de|cadd de cambio, que se COnserVot] pouf.9
REVISTA DIABIA.
Recarsds das <|eis6es das recebe-
iluri:s.Por de-T.'t) n. o,o'47 do 31 do passado
foram estabelecidas as, seguintes regras:
Art. !. Das decisqfis d-os admini.-tradores das
recebedorias do renda* -interns*, proferidas era
materia coutenciosa adniinistrativa, havera recur
so oFdinario on.de revisti; conjo no caso couber.
Art. 2. 0 reearso ordinario teri lugar :
{. Em quaKpiar caso Je lancaraaot:) de impos-
tos, no qual os eonlnibuitites se julguem inlovida
ou excessiraaaente lancalos:
2." Em tilas asoulris que-tius ]ue excederem
a alcada do chefe'da re-pa 1 tir-Va.
P.u'agrapho unico. Esle recurso, na. corle, sera
mterposto : para 0 .tribunal, do thesouro, not casos
da que irata 0 art 3 do de-reto 11. 2,343 de
t9 de Janeiro de 183'}; e para o.ministro da fazen
da, nos outros casos; nas. provincia* para as ihe-
sonrarias de fazenda, e destas para 0 inini.-tro da
fazenda ou para 0 tribunal dj tosouro, conforrae
a compet -ncia de cada. um.
Art. 3.J 0 recucso dertvisia oabera todas a<
ve?es que se tiver dado Jucompetenuia, excaso do
poder, violac.lo de lei ua prolericao de formulas
essenciaes nos despachos reoorrid.s.
Paragrapnu unico. T.into na oOrie como nas
provincial sera interposio para 0 tribunal, duiba-
souBO, 011 para 0 coaselho Je esta lo, segundo a re-
gra do a: t. .2', paaagrapho anic..
Art. 4.. Das docisQea domi.u-tro da f.uenJa, ou
dp tribunal do t.esouro, em yraj Je recurso ordi-
nario,. havera recurso de re.i-ii parao conselho
de estado, eiu conrormidade dos ai ligos 28 e 2'J do
decretoji. 2,343 de 29 de janeira do 18o9.
Ai t. 3. Nos casos tie appr a algada pefo valor dos object .is apprehendido5,
para se adiniltirera os re.-jrsos quo fureai de di-
reito. I
Art. 6. AsaltaJas sao : le IUOJ narecbedo-
ria do Rio de Janeiro de iOOj nas da Bahia e
lVniambuc.o a de o'.IJi nas ja*ourarias do fa-
zenda i paraasjquestoe- jx^'^viias pelas recebe-
adoras ds recebedorias en-
viario ao thesoifro ^Wbesooraria*, do seis em seisl
me.zes relacdes com exposicao de motivos das a*-
cispes exca-Jpotes da aljada qne houverem profe-
riqo a(ayor.lasipartes, aiirh de proceder-,se con-
foruie 0 maacionad* decrut) n. 2,343.do 1839, no
interesse di faaui.la ou da I
Art. 8." Oi-rejcursos serao iau;rpo.-los dontro. de
30 dias, coutadifa da publio^1o 0.1 inliina..io das
decisSes, por ojeio de reqoerimentp dirigido.a ias-'
tancia superior, datado, ussignaJo e imtruido com.
os documentos que forem a bem da reclamacao
E.-te requoriraebtp sera a pre* utaJo ao chei'e da
repartica), que tiver decidido a qnesUo, ou con-
firmado a decisao recorrida, e sem deraora remet-
lido pela mesma autoridade a referida instaucia
coin as iuformacSes necessarias.
Art. 9. Em nenhuma .instancia se tnnara co.-,
nheeiajento de reenrso que for apresentado. com,.
preteri?ao das regras e forma!:Jades prestniptas
nos artigo* antoCedentes, impu.'.aaao.-se. a parto a
doinora^jne por essa causa ,i;oi\ver.
i 1.* Qi arros commeUidos pslos empregadoY
fiscaas Aao prejadicarao as partas que tiverein
cmnpriw" a3 disposicoes logaes, devendo deferir
se-lhea como for e juJie?, sal^p aresponsabili-
dadu Jos mesmos eiup'g.iJos.
i if 80 as ptico3.s de reour-o se perikreoi por
mptivii iudependeala. da v iii,Vde da paries, pode
dorias.
Art. 7. Os adgii
As lettras emittid is na Sirapa nJo p >de.-io
ser dadas em paganienlo aos mntnarios, cdj)8 coii-
tratos se realisarem no Imperio.
Offieifta rle calafales. ?or litulo de
9 do corrente, d ministerio da marinha, fo: n-
meado Fausuno i'rimeiro. man lador da olticiaa da
calafates do arsenal de Pernambuco.
s hospitnes mill tans rstao jeitos aos comrnnndantes das ar-
mas. O niinisterio da guerra dingio, em I co
corrente, 0 segninte aviso a presWenria Ja Bahia :
lilm. e Exin. Sr. Accusando a recepcao do
ofBcio qae V. Exc. enderecou-me em 2:t de Janeiro
proximo passado, sob n. 30, a qae acompantaan.ni
diversas copias, relstivas ao prorelimenio qae tem
lido 0 coronel director do hospital militar dp-sa
provineia, deixando de reeonliecer como seu supe-
rior 0 respectivo commandante das arma, decla-
ro a V. Exc, afim de o rater con^tar aqu^lle Ji-
rector, que, cm forme dispiie 0 art. 2.*, % V.* do re-
gulainento que baixou com 0 decreto n. 292, de *
de maio de 1843, que nesta parte niio *e acha
rogado pelos qne acompanharam o de-reto n. Ml
de 13 de novembro de IH44, n. 1,900 de 7 Je mar-
eo de 1837, c n. 2,713 de 26 de deitmbro de 1M0,
esla q mesmo hospital snjeito a li-ralisacio 4
Commandanle das armts, com* primeiia aoMrid 1-
de militar da provincia.
a E' de esp*Tar qae, em vista desta decisao fun
dada na l*gislic5o vigente, e de accordo eom a- :.
fonnai.'oes competentes ce-sem as duvidas levan'.a
das pelo corom.1 director, qu*. no sen zelo p<'.;
servico publico, tucontrara os meios de harmot.-
sar os seus dircitos de chefe do hospital com <*
preceitos da hierarchia militar.
t Deus guarde a V. Exc.-JMo Jose de Ohn. .
Junqueira.
ConCratos eom os. cnsrlhs de
eompras. Em 4 deste met foi expedido -.
presidente da provincia de Pernambuco 0 s-gu;.
aviso, pelo ministerhj da gurra :
a lllm. e'Exm. >r.-Accoso a recepcao do otfi-
cio, que V. Exc. me dirigio de 29 de noveroln
proximo passado, sob n. 329, em que participa qne.
consnltamlo 0 presidente do con>elbo de eompr.'.s
do arsenal de guerra dessa provin.-ia nocJJkio
junto por copia. se a exhibicio do documento eorc-
prntiatorto'da rlaastila estabeleciJa no % l*d a!
62 do regulameiKo annexo ao decreto n. 3,118 de
19 le outubro de 1872 e sufllciente para habib:,
(So.do coucurrente ao fornecimento de rbje^M
neccssarios para 0 abastecimento do respect-v ,
al-roxarifado, na se, alem della, e aioda prec-
que o proponent salisfa>;a a exigencia do 2* do
citado arPgo, dera V. Exc. a resposta affirm.. .
constante da copia que acompaoliou 0 relerrto
do!
luteirado de semelhante a;sumpto, declaria
V. Exc., para seu conhecimeuto e governo, q
quando se apresentarera individuos, donos de -
bricr.s c estabelecimeuUs de object os prodtuid
ou manufacturados no paiz, podem M-r elles adm I-
tidos a contra tar com 0 mesmo canseiha de c .:-
pras, embora mo tenham a quahdade de nec -
ciante3 matricu'ados e importadores, como exi^ I
as disposicoes citadas ; accrescendo que, ten
0 aisposts no art. 61, a acqnisicjio dos objectos d'
pequena importancia realisa ,-e por intermedio d-
agente comprador, devidamente aotoriaado om
termos do 13 do art. 13 do raencionado regula-
mento.
Deus guarde a V. Exc. Joao Jose de Oih --. -<
Junqueira.
Prncesso do bispo de Peraambu
co.-Em sessao do supremo tribunal da ju-i..a
foi an dia 7 do corrente apresentado este pnv.-
so com 0 jibeih accus.ilorto nestes termos :
Por libelto crime accusanrio diz o desembar-
gador promisor da ju-tiea contra o Rvm. bispo de
Olinda D. Fr. Vital Maria Goncalves d^ OIi\i-1
E. S. C.
I.* Provara que 0 reodcclaroo formal e .1 -
tinadamente que nao campria a ordem do gov r-
oo imperial, dando provimeoto ao reenrso a co a
interposto pel.i confraria do Sanlissimo Sacramen-
to da matriz de Santo Antonio da cidade do Pe-i-
fe, assim coma que a observance da dita ordem.
alem de ser um peeeado gravissimn, e crime er. r.
me aos olhos do inoorruptivol juiz de no--,-
almas, seria uma v. ij mhosa traicao aos sagra! -
juramentos que pre laram os vigarios e nma 1
daleira aposta-ia da religiao de Jesus Christ
quo pelo ccnlrario os que a nao observas.-mi, n-
ge de eommelterem um crime, seriam heroen, an*
ujr.>s da admirario do orbo catli.Jiro e digno; d
benfao do sen pa>tor. E mais :
t.a l'rovara qae 0 reo com 0 sea e*iu .! <
pel* posi'.ao elerada em qne se acha, e com a fa-
culdade de suspender ex informaln conscietlut
que poz em praiica eontra um dos vigarios qne
se mostrou hesitante, iufluisse para qne nao pro-
duzisse 0 devido eiluito ou antes im a verdad ira
causa para que nio tWesse 0 devido effeito a r
dein do poder exeeutivo no exerrieio de suas aur>
buii;6>s kg.ies.
N-stes termos :
3.* Provara qae 0 reo eom semelhauie pr
dimento infringio a fonstitaicaa pohtMsaw impe-
rio e a legislacao reguladora de tal materia, e p r
isto aclu-.-e incurso na disposicao do art 96 d
codigo criminal, cujas penas Ihe dew-in aer im; -
tas no grao inaximo por se darem as circuit'. .-
cias aggravaiitas dos 3, 4, 8- e 10 dc rl. [<
do mesmo codigo, sendo tambem coniemnado im
tod IS a- c.i-l i> Fiat juslitiu. Itiode Jaoeii
de fevereiro de 1874. 0 promtd jr da justica, P.
Franeisco Ilarthazar da SUreira.
Hontem mesmo o Sr. conselheiro felat.r da
seguiiite despacho:
Reteho 0 libello; renu-tta-se copia delle a .
Rvd. bispo, sendo igualmenle n 'tificado para no
termo de 8 dias apreseulsr a sua cwtraricdaxV.
Rio de Janeiro, 7de fevoreiro de 1874. Ijeaa, >
Na sessao de U recebeu o tribunal 0 process*,
que tivera vi-ta para contrariar 0 libello accoaa-
torio.
0 Sr bispo re,jondea asim : Jtmt an.- ,
tacebal. (?. Mathetrs, Cap. 23, verso 5%). Na
nha prisao no arsenal de marinha, 10 dc fcvere^i
de 1B74. Fret Vital ,
Esteprocesso auroxima-se do julgamenlo fir*;..
Em uma sessao sera elle lido e em outra sera -
latadov deseav.lvidas a accusacao e a defeza, fin '
o que os g is juize- sorteados darao a sentmoa
Proersso Tiszjrueiro. 0 desemharg
Ponte* Vi-guetro foi iniimado da sentenca qat n
pronunciou e que honlem foi approvada pelo a-
premo tribunal de justica.
E* el la do theor seguinle :
t Vistos estes autos, etc Sendo 0 reo Juse Crt-
dbio de Ponies Visgueiro.desembarjtador da rela-
cao do Maranhao e sajeito a, junsdicclo de-te tr:-
hunal na forma da lei, e achand'-s^ pr.ce-sado er-
iflfcip pelo crime de homiridio poc elle comra r -
,do na 0e"ssf3a de Maria da ConcefVa segmida
ejle 1119*010 confess* no interrogator) a f.iha
p. .-e mo-tra polos depoimentos de testem inhas^e
fire fl. e le'ndos ns mats docomentos cnn-'tadW
tes do \< :rotfe^L fi estando.rt referida S>-
me rev... :do de muitas circumstancias amgnftr--
te'?, quaes as u,encichalas pcfo ennserheiro pro:
l.r dt Jn lira no seiTbBcio aftVtts camo pieme-
rao estas, provado 0 f..e. >, apiesent4r nova peticao.) d.i i.-.t. 1, a u-te entre elle e seu eumnliee Galtnf-
amda qne 0 prW tenlia f!atad.n, immo do Souza Borgcs, abos6 de conflanca e


z
Jh
-
r

/




#
\
I
>
-

it

I
Pt
DUB
$$**&
^x4rf &
iro
fP
Kl
prci
SialSiSf
eneionadai
w. unguVM'i Wt|ir
rtetR^Wml
iigi-triminal;
03 culpadoi
"am qui
o of'processq
[ sea nomo Tanfcadd
e por acharse ja recolbi'dua
seja nella recommendado,
eus'devjdos termos e o condemnam nas Cusnw.
Rio de Janeiro, 4 do-fe'tereiro de f974.
Brilo, presidente.Simrjesd*'Silva, relator sera
voto. -Albuquerqne.- Pigueira do MeHo. Vet-
ga. >
: Essa aontenca foi Intimada ao reo, b"projes50
foi conclo-o ao eoaselheiro promoter da Justi'ca
pra offerecer o libello accusatorio.
IuiproeeVn<*la de denuneia 0 su-
premo tribunal de jasliea tomou no dia 7 dj cor-
rente eoaheciraenlo de um uuiro processo contra o
J>r..-Liui Kuiuulo Pares, jMoreoo, presidoote das
Alagoas e julgwu improcedente a denuneia dada
contra elte poi D Joaquiua Franeisca do* Santos,
marque a donunctante ua > maslrara isencio Wgil
de recruumento do individuoa favor ao qual re-
querera.
0 axordao e a*sim conceb'do-.:
6 S. 161. Yistos estes aulqs'de denuneia cou-
Ua o presidente da pro'vtnna flas Alagoas, bacha-
rel Luiz Rimulo P*a de Jdoreuo, dada por U.
Joanna Francisca dos Santo? : julgam improce-
iedente a mesma denuneia por nada se a Thar
ftlndado em,dirito. Rio de Janeiro, 7 de fevetei-
TO de 1874. Brit'', presidents,Mariaat, relator
sera voto.Barao de MonlserraL Albuquerque.
ikrao de Pu-ajwrna
Grande Orient* Inirto do Bra
mil. Hit dia.ltt dorcorreole, verifiao*sc ua,
es^ao desia coi#jracao.maconioa, na qual se pro-
cedeu a apuracao geral da cleicao, pelo suffragioj
oaiv.ersal do povo ma?oniix> das duas digm'dades
da ordem pa^a o quiufeeanjo de 1874 a 1879, Jt-i
fectuada pelas loja; da jurUdlecao no dia .10 Be
d*.:embro do anno passado. Foram apuraiasas
eleiqties de 93 lojas, as qua<$ deram em resultado
terem sido ele'Kos: grao-mestre por 4,315 voto* o
conselheiro Joaquim Saldapba Marinho, e grao-
niestre adjunct* por 4,033 vutos e'conselheiro An-
tonio Felix fcai Iras havendo outros inenos vota-
do>.
Asencia itiueriouna tele}*- raplsic.i.
Sob esta denominacao estabi'leceu-se na praca
do Rio de Janeiro, oma empreza (a cuja fiente
acha-se o Sr. Manoel Gomes Ue Oliveira), quo tern
por fim estonder a commonicasao telegrap'aica
enire o Rio de Janeiro e as prineipaes cldades do
mundo civilisado, pelo systeina da agenda Havas
c i-.utras que eastern na Enropa.
Para garantia de iua existencia e maiores vanta-
ge us para seas assignantes a empreza celebrou com'.
a Westtrn Bras-lion Telegraph Compmy um con- escoaram quasi tres dia3, ate que na manha.do l.
transmis^ao de sans de fevereiro vi Pernambuco levantando-so das es-
poctiva parte ,mme niMte^l^o^ __.
ao -Trani
cisco'Lins, no lugar ^arreiras, do districts da,
'"Me e*ISle.-A (amilia do falrefcfclo i ca-,
lir*?"rtriiaito Xavler Gomes; ern'lfavor da
qual foi. ha poocos dias, tavpttaa* earldade
pub*ea. a&a-se reeollnda a-casa n. 5D do atdil
do forte daj ,Ciacq PonlfJ oad* /p6de ser esmo-
ladu pelas almas bemfi/ejas.
Cumpanlila Santa There*a No dia 2(5
do corrente,ao meiodia, do I'Jandar doecbrado n.
13 da rua do Vigario Tenorio, deve haver a sesSo
da assaablea geral dos acciontetas desta enmpa-
ntiia, de conformidade com os arts. 1$ e 21 g 6."
dos respective* estntutos.
Arremata^deK provlooiacs. Perante
a junta da thesouraria provincial vao a praca :
no dia 86 d > orreulo-o erupeJramoato de 280
metros da estrada ffo Liinoeiro, orcado em b&'tf a
diverms ofcjectos dados am consumo pelo expo de
poliLta ; a 3 de marco o custeio da illuminagao
pnblica da etdade de Gjaauna, a racao do 281 rs.
diarios cada lampeao, pregu oftirecifo pelo Sr. Jose
Augusto de Artujo. [ J. |
Loteria do Rio de Janeiro Eis o.
resumo da 8' loteria em beneficio daj obras da
malriz du Gloria, exirahid* a 11 do corr^nte :
ft. 3232...................... i-.OO *009
Nv:K:::::::-:::::::::::: JS
K.13W..................... 2:000^00
Rs. 21J2 e IJ-iJ 1:001* a cada .am.
rNs. 31, 1748, 5007 e 5116 -8O0J5 a cada am,
Ns. t7H,'23b8, $003. 38)9, 46>t 4735, 5308,
5!39, 5344 e 3849-200i a cada um.
N*. 344, 366. 1179, 1280, 1330, 1331, 1763,
1879, 2921,3489, 3.363, 3819, 4041, 4304, 4543.
4839, 4983, o!08, 5677 e 5821 -101* a cada u:n
Ns. ,38, 328, 393, 783, 844, 870,
1078, 1243, 1246, 1392, s451, 1606,
2098, 2119. 2284, 2505, 2614, 2673,
2848, 2i8l, 3048, 3l3o, 3163, 3276,
3301. 34M, 3340, 3631, 3667, 3870.
4138, 4171, 42li, 4233, 4283, 4333,
4624, 4636, 4639, 4789, 5173. 5351,
5523, 5399, 5678 e 5736 40* a cada um.
Vapor Parana.Sahio do Rio de Janeiro
para o nosso porto, pelos da Hani a e Maceid, no
dia 13 do corrente,
Pernambaeo. Das Impressoes de uma
viagem do Rio de Janeiro a Ithaca, esta publican-
do o St. T. A. Castro oa Aurora Brasileira, jorual
que sane a lux em Ithaca, nos E-=tado-Uiilos, ex
trabiraos o segninte juizo sobro a cidi.de do Recife
de Pernambuco :
Tornei-mf seu amigo, e assira Be
tip? RW^TfTs g*ir w Miwfl. amm w twi'l
MMtMinwciMtaiCMl^ai^MwAinaa
De W. H. Wiatt & C., requerendo o rtpHMoan
Bnga BFraaew*) NupDdi liauSilva.inpaeaaanu'-
do para registrar-se o iM>aw mat rattan gaelw.
resul.ou sabifem ambos ler.mente ^^^g^^^f^^^, Auj
gusto Pinto, suhmettcMo a registro o distrato da,
soeiedade qna tiaiiaan -V'ieta ,ao Sr. desaibarga
dor (UcaL
T |H*"I! "WJlU H
1 dfemna d^lbBiiuS-que^0
De Wanoel AlJiinode Auwrin eAuraHoAaeSan
tos Coimbra, soliqitaado p reajslrpjdo distrato da oase
firma de MWno'te KWrin vK--Alignada a pe-
ligio pwrambos os eooioa, de-e vista ao r des-i
embargarmt'filfiaV, ^ m m m
InfonnataaMaShTttiia a*ea#eito do que re-
quereram Manoel Joa juim Lobato& C, indi-
cando o que tem os iupplicamvs a fazer para ter
lugir o registro do contrato. -Deferido, de ac-
eordo coin a iofbrmacio da secrelaria ooji a data
de 14 do corrente# '.
^^tBS^ffirtS^BtfS
consrhwro
41 horas e 40 tuinutoa.
876, > 2088-
16TO
2737,
3 2 5,
3910,
4424,
5431,
2761,
3298,
4091,
4608
5435,
trato pordez annos para a
dospachos, contrato que, sob as mesmas bases, nao
pode ser feito por aquella companhia com outra
qualquet empreza, quar no pa" Quer no ex"
terior. / A
Otrafegoda eiflnreia seta aborto em ponco
tempo ; dispoe ella de ngentes espeeiaes na cidado
de Anluerpia, Berlim, Genova, Hamborgo, lhivre,
Lisboi, Lonares, Madrid, Nova-York, Paris S.TIio-
uu< e Vienna d'Austria ; e no Para, Pernambuco e
Bahia.
ConseiUn Snpremo Hilitarde Jus-
ti^a.Na sesao de II do corrente, sob a presi-
dency do Sr. duquo de Caxias, e coin a?sistencia
do.- Srs. conselheiros de guera Bittencoart, vis-
r mde de Tamandare, De Lamare. visconde de
Santa Tuoreza, barao da Gavia, Nunes de Aguiar,
conselheiro vogal Beaurepair*.Rohan c dejeobar-
gadorat Camara, Magalhaos Lastro c Lisboai
Foram julgados os seguines proccssos: o 1? ca-
dele Americo Alfredo de Souza G mvea, e oa sol-
dados dj exercito Luiz Ferreira da Silva, Josuino
Antenio da Luz, Candido Ferreira da Silva, Joao
NiJrode Santa Isabel, Eufra*io Lopes de Caiv^lho,
Autfeie Felix de Souza Soares, Lourenco Velloso
da Cruz, Ignaeio Netto de Oliveira, Luiz Ferreira
das Chagas, Manoel Gon^alves da Silva, Jose Ro-
driaues de Sampaw, Alberto Josede Oliveira, Ma
dom Prudencio, Anacleto Camilb da Silva ; solda-
dos do batalnao naval, Domingus Mamede, Leolin-
d: da Rocha, Camillo de Mello.
Sapremo Tribunal de Juliea.
Na sessao de 11 do corrente foi negada a revisla
rivel, n. 8428, de Pernambuco, em quo eram R
Francisco Ferreira de Andrade e R. Francisco Vaz
IVreira.
I ustituto Areheologieo e (.i-oyra
pbico. -Reunio-se hontem sob a presidencia do
1-Ain. conselheiro mmsenhor Muniz Tavares, e
com assistencia dos Drs. Jose Avelino, Affonso de
Alouquerque, e dos Srs. capitao de fragala Stepple
da Sirva, lenente-corouel Fria.< Villar, conngo Lino,
majores Codcieira e Salvador Hmriqn;, e Flo-
riano de Britlo.
Sao lidas c approvadas a arti da sessao ordina-
riade 8 de Janeiro e a da assembiea geral de an-
nWenario, de 27 de Janeiro.
Nao se achando pres'nte o Sr. secretario per-
petuo, o Sr. 2. secretario o substitue e nieaciona
o seguinte expe.Jieule:
Um offlcio do Sr. secretario perpetao comrau-
nicaulo nao poder corapareeer. Inteirado.
Outro do Sr. Dr. Aprigio Guimaraes retnattendo,
para .ser archivado no Instituto o auto da solem-
nidade do assentamento de uma lapide commeuio-
rabva do lugar em que foi depositado, na capella
Ue Bel6m o cadaver do patriota Joaquim Nunes
M .chado, uma eopia impressa da inscripcao lapidar
p alganes exemplares do discurso pelo mesmo
-enhor pronunciado na solemnidade. Inteirado,
>ei)do receliida a offerta com especial agrado.
Varies numero; di Uinio de Permmbueo, pelo
i onsocio Dr. Figueiroa; algun numeros da Pro-
v ncia, iornal do Aracaty e L'bral, pelas res-
pectivas redacgoes; dous exemplares da collec-
giodas leis da provincia do Rio Grandt3 do Norte
dos annos de 1872 e 1873, offertados pelo Exm.
presidente Dr. Baideira de Mello; um dito -Jo
opusscnlo Q Sr. B:spo d> Rio Grande do Sul e a
assimblea du memi provincia pelo Sr. conego
I! >n jrato e pelo mesm > offertado ; uma copia da
relagao das pessoas compromettida; na revolugao
de I8i7 e pre-as nas cadeias do Rio de Janeiro,
Bahia, PernambuM e Parahyba, extrabida do ori-
ginal existente no archivo public.) do impeVio e
o!l:riada pelo director do mesmo o Sr. Dr. Joa-
quim Porlella ; dous exemplares do opusculo
EcposicSo Intern icional em Philidelphia, em
131Q, polo mininerio do impe io. Todas estas
oflertas sao recebidas com agrado e mandam-se
arcliivar.
0 Sr. Dr. Jo;e Avelino, obtendo a palavra, agra-
d.oe a sua admissao no gremi i da Inrtituto e na
provincia do Ceara, para onde srguc brevemente,
ofTerece os sem prestimos ao mesmo Instituto e a
cada am At seus membros em particular
0 Sr. presidente response ao Sr. Dr. Jose Avc-
lin> louvando o pelas disposi^oes em quo esta de
ser util a este Instituto.
Procede-se a eleigaa dos membros da mesa
administrativa e sahom reeleito?:
Presidents. -Gon-elheiro /nonsenhor Francisco
Muniz Tavares.
l. Vre presidente-Conego Lino do Monte Car-
tuelo Luna.
2. Dito. Coronel Antonio Gomes Leal.
3 Dito.Dr. Francisco de Paula Sales.
Orador. -Dr, Aprigio Jjstiniano da Silva Gui-
miraes.
2. Seeretirio.Major Salvador Hanriq ie de Al-
buquerque.
Supplentes do 2 secretario.Dr, Joao Baptista
Ikgueira Costa e major Jose Domingues Code-
ceira.
Em seguida procede-se a eleigao das commis-
.: e sao eleitos :
Fundo3eorgamentos.-Drs. Witruvio, Sales e
Faria Neves.
Trabalhos historicos. Dr. ilampello, conego
Lino e major Salvador Henrique.
Subsidiaria desta. Coronel Leal, Drs. Ayre3
Garaa e Faria Neves.
Redacgiola revista. -Dr. Soares Brandao, ma
jor Salvador e Dr. Aprigio.
Trabalhoi geograpbieoa.-Dr.Serapbico, conego
Rochael e tenente-coronel Frias Villar.
Subsidiaria desta. Dr. Baptista, capitao de
fi agata Stepple da Silva e Dr. Sampaio.
Revisao de manuscriptos-Dr. Soares Bran la >,
major Codeceira e Dr. Baptista Regueira.
Pesquisas de manuscripto:. Conego Lino, raa-
jopea Codeceira e Salvador Henrique.
Admissao de socios.-Flnriano de Britto, conpgo
1400 a capitao de fragata Stepple da Silva.
G Sr. Correiade Britto, obtendo a palavra,agra-
dece ao Institalo a prova de c niianca ijue aoaba-
va^dp dar-lhe, e prevaJecendo-sf da opportuaida-
igualmente agradece a sua eUlrio de socio
5e/respondente.
^^H|ta-se a sessao,
Vlate e daas facadast-TanUs foram
jafcjgcebeuem Giyanaa, pelas 2 horas- da
a de I*do correlate, o. commeiwaAte
Colieg:
dire
buq
por s
f?qu%q(u?0,,
0E, sob a
na d'Al-
sey, coadjuvada
^^'Albuquer-)
'hilomena tfi-
sey denotni-
siMka' TkrrbADK.
Art 2* As alunttw rocebtia neile Qtruccaoim
primaria, seeuodana, religiosa, de civilidade, e de
recreio- e ar tiQajt A f I
Art. 3A iajtruccp primaria e-leildra, es-
cripta^flmatoendafle^as nuatro ofieragoes) nogiies
de grammeriea pertngaeza, costorsr ehl e ero-
chet.
Art. 4 A instracgao secundaria comprehende
-lingaa tacional, francez, Inglcz, 4talian<>, Wsto
- ge,ographia e arithmetica.
pumeas ondas corao uma noiva entre as brancu-
ras das suas roupageoa I
Com muita difficuldade fomos a terra, e, fran-
camente fallando, de todas as cidades do Bra>il
due hei visto, e sein duvida a que offerece o tne-
Ihor panorama.
t Cidade intetramente ; lana, dividida em tres
bairros pelos rios Boberibe e Capibaribo, cruzados
por peqnenos boles e escaleres, assemelba sea
decantada Veneza, com suas gondolas e barcarolas,
sob o ceo da Italia, fallando ao coragao e desper-
tando adormidos senttmentcs.
c 0 seu porto agora pessimo pelos escolhos e
bancos de areia que a mar$ forma nas suas ev >
lugoes, t-irnar se-Uia o mais importante do Brasil
em virtude da pruximidade da Europa, uma voz
desobstruido, coma ha intengao, pois com os re
eifes, que servem de guardas naturaes aos emba-
tes das ondas do oceaao, seria sua babia uma
extensa duca, a coraportar grande quanli-lade do
navios de alto calado que deixam de ir aili por nao
poderen abrigar-se convenientemeate.
t Pernambuco esta destinado a ser o primeiro
entreppsto do Brasil e nota se alii uma actividade
e uma agitacao na industria, no commercio, na
politica, no progresso, erafira, quo pode-se dizer :
Pernambuco caminaa a largos passos na estrada
da civilisagao. ,
f Como a Bahia tambcm Pernambuco contem
vellios edificios aioda do tempo dos hollandezes,
porem nas modernas construcc5es, ha o go-to das
edificagoes europeas.
As ponies da Boa-Vista eSete do Setembro e a
pensil do Caxanga.as estradas de ferro de Apipucos
e Oliada sao o melhorque se pode obter.da enge-
nharia actual. Opalacio da presidencia, a alfan-
dega, as igrejas, matriz do Corpo Santo, de Santo
Antonio e da Boa-Vista, a academia de dir^ito, o
gymnasio, a miserieordia, a cadeia, a associagao
commercial, sao edificios iaiportantes e maior
parte delles lembra o genio emprehendedor de um
cidadio que nao ha rauito deseeu ao tumulo co-
berto de bencaos da palria e da sociedade -Fran-
cisco do Rego Barrosconde da Boa-Vista.
A's quatro horas da tarde disse adeus a Per-
*.L4co ls devalos e devo*a que
Dcus da Coneeieao, na l^re|a do
Cnawig?, no auu. deWll
Juiz por eleicae. r
0 Illai. Sr. AJWM la awaOdal.
Juiaa por eleigao.
A Exma. Sra, D. Anna Ursula do Oliyeica..
'lipi por depocao.
onitn. Sr. major Thome Corxea da Jtfm*. <
jujza; ppr da*^;,
A '-Ex-ma. Sra. D. BmiHa Cai*olina de Salasar
a Baptista.
Escrivao par eleigaq.
0 Illm. Sr. Vicente Ferreira da_Costa Miranda,
Esqriva por eleica*.
A Exma. Sea. D. Maria -Iiii'We ^ Gimao
Escrivao por divogao.
0 lllm. Sr. Manoel FeJ^ppe de Araujo Lopes.
Esprit poi dev.aca).
A Exm. Sra. D. Maria Theodolinda de M^cedo.
Juizes preteclores.
0- lllms. Srs. :
Mqdpslo Co.elho do Rego.
Ca^Kso Maioel Corrfia de Araujo..
Joao Antonio da Costa Monteiro.
Teoente Aatonio de Pinhp Borges.
Theolurnio Felix de MeJJo.
Etiydio Carnoiro Rodriigues Campello.
Antonio Carnciro Lfao
J oao Pereira dos Santos. Farofa.
Major Antonio Bernardo Quiuteiro.
Capitjo Manoel Cyriaco.da Albu^qflrque Hinri-
ques.
Cusjy Juvenal do Rgp.
Joaquim Francisco Ri'bevro.
Juizas protectoras.
As Exmas. Srs. :
D. GoUborm^ia Carneiro Lios Cor^ui de Araujo,
D. Anna dos Anjo* Cbrrea de Araujo.
D. Adelaide EudoXia Lius do Rego.
D. Maria, esposa do Sr. Aurelio dos Santos Coim-
bra.
D. Candida Amalia Gonralves da Silva.
D. Florinda Perpetua do Rego Motta.
D.Thereza Carneiro Lins de Miranda.
D. Joaquini Marques da Coo'ia
D.Coostancia Perpetua do Rego.
D. Maria Borcellar do Oliveira.
D. Ignez Corrta de Araujo.
D. Josephina, e.^posa.do br. Demetrio Cavalcante
>,dp. Albuquerque.
Thesoureiro.
0 Illm. Sr. Francisco de Paula Corrda de Araujo
Junior.
Procuradores.
Os Dims. Srs. :
Jojb Hermeoegildo Xavier de Salles.
Jo^e Marculino Gancalves Salgueiro.
Estevao Francisco Borges.
Manoel Barcellar de Oliveira.
Procurador geral.
0 Illm. Sr. tenente Theolindo Augusto do Rego.
i)i" f a **
ro
THE L'l^RWOL dt JjOHDoS4>GtOJ
INSORAJWODBPAHY
SAUNDERS BROTHKM* C.
11Corpo Santo11
Capital.
fondo
f
de
i>
III
reserva.
I
119 11
KVJA
DA
nambuco, e do tombadilho do Ontario pude ainda
& ntemplar o espL-ctaculo desta cidade que !em-
broa-me aquelles versos de Castro Alves, poeta
roubado as lettras na manha da vida, quando as
flores de um risonho porvir se lhe entreabriam :
c Pernambaeo I I'm dia eu vi-te
c Dormiodo immensa ao luar
Cora os oihos quasi eerrados
Com os labios -quasi a fallar...
t Do brago o clanm suspenso,
0 punho no sabre cxtenso
c De podra o recife immenso
Que rasga o peito do mar...
Loteria.-A que se acha a venda e a 88" a
lii'iiolicio da matriz de Serinbaem, a qual corre no
dia 2! do corrente.
Leilao.II i 20do corrente,effecida o agen-
te Pinto, o leilao de moveis e muitos oulros objec-
tos existentes na casi da Cruz das Almas, confor-
ms o annuncio.
A's 10 e meia horas eai ponto, partira um trem
da estaeao do arco de Santo Antonio, que servira
de conduegao, gratis, aos concurrentes ao leilao.
Casa de detenf ao.Movimento da casa
de deten;ao do dia 18 de fevereiro de 1874 :
Existiara proses 337, sahiram 4, existem 333.
A saber :
Nacionaes 230, mulheres 14, estrangeiros 28,
e'e.-avos 40, escrava 1Total 333.
Alimentados a custa dos cofres pnblicos 266.
Itoviraento da enfermaria do dia 18 de fevereiro
de 1874.
Tiveram baixa :
Manoel Gomes de Siqucira, febre.
Manoel Chaves Camillo Lima, febre.
Passagelros. -Chegados dos portos do sul
no vapor ioglez Garonne :
Joio Bom, Jos4 Marques, Joao A. Ribeiro, J F.
Vinnna Bandeira, Teobaldo L. de Mel'o e Ro-
berto.
Cemiterio pablico.-Obituario do dia 18
do corrente :
Manoel da Costa Ribeiro, branco, Pernambuco,
40 annos, solleiro, S. Jase ; enlaalgia complicada'
Antonio Jose Agostinho dos Santos, preto, Afri-
ca, 50 annos, casado, Boa-Vista ; hepato ente-
nte.
Maria Joanna da Conceigio, preta, Pernambu-
co, 28 annos, solteira, Boa-Vista, hospital Pedro
II ; diarr ea.
Maria Francisca dj Livraraento, parda, Pernam
buco, 28 annos, solteira, S Jos6 ; cancro uterino.
Manoel, branco, Pernambuco, 1 bora, Santo An-
tonio ; espasmo.
Adriano, preto,' Pernambuco, 6 mezes, Santo
Antonio ; variolas.
tBKONICA JllMTOAm
Tribunal de coinmircl. .
ACTA DA SBSSAO DE 46.DE FEVEREIRO DE
1874.
PBKSIOEKCUL BO EX-M. SR. OONSELHEIBO ANSBLMC
FRANCISCO PERETTI.
A's 10 boras da manna, presentes os Srs. de
putados secretario Olinto Bastos, Lopes Machado
e Alves Guerra e supplentes Sa Leiao, S. Exc.
o sr. conselheiro presidente declarou aberta a
sessao
Foi lida e depois approvada a acta da ses-
sao de 9.
EXPEDIENTS.
Ofllci) do presidente e secretario da junta dos
corretores, remettendo o boletim das cotacoes offl-
ciaes da semana de 9 a 14 do corrente. -Reraet-
teu-se para o archivo.
Mappa do irapicMa Tasso, da adminislrarao de
Belarmino do Rego Barros.'".OBferido com o an-
terior, se^k archwado, nio apparecendo duvida.
Distribuirara se o< gpguintes livros :
Diario i fo*iain Lopes Machado 4 C, oita
de Jose Tavaraa Carvalho & C. e copiador d: M d
turino Barcoao d Mello.
VESPACBOa
Raquerimentos :
De Antonio Vicente de Magalliaes & C, para
Irmandade de Santa Cecilia
erecta na igreja de l\r. S
do Livramento.
Faltariamos com o dever sagrado se nao racor
ressemos a imprsnsa para manifestar os nossos
votos de consideragao e esluna ao nos, j irmao
pauticular o Sr. Manoel Goncalves Agra,' <^ue alem
de oulros muitos wrvicos prxjstadjs a esta irman
dade, acaba de dar gratuitameate o carro funebre
para o enterro dc nosso irmao professor Manoe
Vieira de Jesus. Aceite, pois, o Sr. Agra, as nos-
sas con^ideragSos, som q.e offanda a sua suscepti-
bilidade. 0 secretario, B. Rauialbo.
1 Art. 5> A Instrueeio religi-tsa e dada pelo ca
thecjsmo ; as alumnas aprendein doutrina c-bris-
la,"* tndososdeveresreligiososaeomprirpara eora
Dens, seus pals e parentes, e em geral com a so-
ciedade.
Art. 6. A instruc$*od> civilidade abrange to-
doips actbs da vida de uma senhora, eta refacao
comr as: pessoas db- tda familia e eom a sooie-
me.
"1Ar|. 7.' A mslrueeao de recreie tansta da-
aesetrho, masiea^plana e daoga.
Art. 8* A mstru*ca*'de prendad reune todos
os trabalhos de agullia, e toda a especie de Dor-
dados, que deve saber wna senhora da melhor so-
ciedade.
Art. 9. 0 Col'ejjia admiue aluamas iulernas,
meio pensjQBfata* e exleraas-
Art. i0.d|N que se falia no interior do
Collegiu e a fcaneeza ; e iluraote as aulas de inglez
e ualiano so se'fallani estas ltnguas.
Art. II. As alumuas tiua estudam francez, in-
glez e italiano apreudem a failar. escrever e tra
duzir estes idiotiaa eraramalicaliaente.
Art. 12. A mensatidaJe para as internas e de
40*00'), para as meio peusior^stos 20*000, e para
as externas 5*000, pagos adiantados por triines-
tres que, uma aez wmecadaa, aawideram se ven-
cidos.
Ar.. 13. A ariBtruifcao da? ajupnas externas,
remunerada spgunJo o artigo antecedante, e a
doS arts 3 e-ji; tasjeternas e,raeionpensionistas
teem diraito a dos arts. 3, 4, 5, 6,7 e 8 ; podendo,
todavin, qualifier alumna exteraa frequeutar as
antes superiores mediarrte a indemnisacao, que
se convencionar.
Art. 14. As despezas com lirres, papel, etc' sao.
da competencia dos p3is ou correspondentes das
alumnas, e bom aateva malerja prima d-i borda-
dos, e estes executados sao propriedade das mes-
mas.
Art. 15- As ^aafes no Collegia da Santissima
Trindade trabaiham duas vezes. ao dia-de manna
das 9 as 12, e da tar da das % 1(2 as 8 1|2.
Arl. 13. 0 eoxaval das intexnas e ao gosto de
seus pais; assim conto a roupa lavada, engonima-
da e pertaucas poi ellcs serao ijrn-'cid-is.
Art. 17. As peqdenas,in'Usposico;s a mjleslias
das inlernas 6ao tratadas no Collegio ; naJ graves,
porem, a directora ht avisar aos paw ou corres-
pondentes para providciarem s bre 0 tratamen
to, qua pode ser cm suas casaa, ou n 1 CoUegio.
Arl. 18. Os feriados saq os das aulas nublicas ;
salvo as quintas fairas que, no Collegio, ficam des-
tinadas a instrdecao derecreio.
Art. 19. Todas as materias leecirnadas no Col-
legio da Santissima Trixoabb sio profassadas pela
dicactora e suas irmaas, ou outra? senboras com a
aptidao precisa, e que a directora julgar necessa
rias.
Recife. 30 da dezambro dj 1873.
Philomena Minerrina d'. A. Q'Connell Jersey
epVpprovo Directoiia geral da instruccao publica
Pernambuco, 8 de Janeiro de 4874.
' Joao Barbnlko Uchoa Cavalcante.
Errata.
No a pedido hontem pnblicado como titalo -Ao
Sr. alleluia c quarla feira de einza -leia-se Ao
Sr. Alleluia em quart*-feira de cinza.
Na8' linha domesme -em vez de 1:300*-di-
ga se2:5O0*fO0, etc., etc.
10,000:0009001
8,000:OOOJO(K
Mills Lathdm&C
CRUZ H. 38.
& FHIEREIRO
PRAi
Cotucdes offl ciaes.
Algeao de f aorte 7*800 e 7*600 por 15 kilos.
Dito -f sorte 6J200 por r5.kilos, hontem.
Algodao mediano 7*200 por 15 kilos, hontem.
Algodao -eai fardos'"Fair garaotiuo 7*800-,por 13
kilos, hontem.
Algodao -de Sfossono sorte 8*2-50 por IS^kilos
posto a borda a frete da 3(4 e 5 0|0,
hontem.
Algodao de Aracaty 8*i00 por 15 kilos ihU>
a bordo a frete da 7|8 e 5 OjO, bontem.
^rabio sobre Londres a 90 d|v. 26 e 26 1|8
d. ppr 1*080, hontem.
'iammo sotjre o"R e de Janeiro a 8 e 15 d|v. ao
par, hoje.
*i|p sobre dito- adO djv, *r2 OjO de deseonto,
^el>tito (to letras II OiO ao anno, hoje.
Ad-ao da estrada de ferro do Recife a S. Fran-
cisco 138*000 ca la uma.
s. de VasconceHos
Presidente.
A. P. de Lemos
Secretario.
4.LFAVDEGA.
\endimenio d dia I a 18 .
(dam do dia 19 ...
627:339^344
39:313J635
866 652*979

ss
0 nim. Sr. inspector da thesouraria proi
eial nuuda Tazer puhtlco que em cumprimeatola
>rdem do Exm. Sr. presidanle da provineiJU 8 /
5e Janeiro corrente, perante a junta desta thaaou
raria se ha de arrematar no dia 23 de abril
ximo vindouro, a'obra da poate denominad* [*o
Sangue sobre orio Setinh/em. 6pda em 9:570*
?agosem apolices da divida provincial a juro de
por cento ao par.
As pessoas quese propozerem a esta arramatt-
S"o comparecam na sala d,i* sessoes da mesma
esonraria no dia indicado acini 1, p'-lo meio dia,
compclentemente habiiiladas.
E para const ar se piandou publicar 0 present
delu Diario de Pernambuco
Secrelaria da thesouraria proviacial, 20 de Ja-
neiro de 1874.
\ ietoriano Josi II. Paihares,
Offlcial maior interinH.
Clausulas especiaes para a arramalacio da ponfe
denominada Pao Sangue sobre 0 rio Seri-
1.* A ponte denominada Pao Sangue seraexe-
eutada de cunformidade com 0 ercamento e pUa-
ta appruvados pelo Exm. Sr. prasiJante da peo-
vincui.no valor de 9:570*.
8.* O aKematante dara principio a obra no pn-
zo de um iez e a concl Jira no de 12 mezea.
3.* 0 pagamento sera eifectuado em 3 praata-
roes iguaes a proporgao da tafcalla eaecnlada.
4.* Para tuda o maisque naoaa achar especifl-
eado sera ragalado pelo que de 31 de iulho da 1866-0 engenaeiro dtefe, Ji>-
se Tiburcio Pereira de Magalhaes.
Vicloriano Josti M PaJhare*.
De ordem do Illm. Sr. inspector ii 1 .raria
de fazenia, se 6>cl..ra que peraulc a juflla da
mesma thesouraria tarn de ir etn h>sU pabliea
para serera arreinatados. por quem menos oflare-
ccr os concertos do ca.-- da rua da Aurora, na
estensao de 27,5 ro., oreados em 4:681*848 rs.
Os interessados sao convklados a c imparecereni
as 12 boras de dia 25 do currenie. cm suas pro-
postas em eartas fechadas devidarnente setndan,
podeudo desde ja examiuaram o orcamento fie
se acha na secrelaria desta ihesouria.
Secrelaria da thesouraria do fazanda de Per-
nambuco, 5 do fevereiro de 1874.
0 2. escripiurarii,, servindo de secretario,
Carlos Joao de Sonza Correa.
A' Illma. camara municipal.
Pargunta-se para depois nao haver sophismas,
se um fiscal, por si so, sem precederem as forma-
lidades legaes, sem ser faita a inlimacao pelo es-
crivao pode impor rau'tas a sou bel prazer ?
Responda-nos a Illma. camara municipal, para
que os fiscaes cao se julguem com diraito a pro
cedar a cobranga de muitas, sein que os multa-
dos tenham scioncia da pena que lhes e imposta.
Os prejudicados.
\ iiitturezn 6 o melhor chiniico
e seus aoparatos para nutrir 0 cabello, sao sor-
prendent'amente c-implotos ; porem suas fuacgdes
acha-H-se interrompidas por cem molivos.
Na sociedade civilisada poucas vezes se rcm
plena liberdade, as modas vein estorvar a regula-
ridada de suas operagoes.
As cabegas das senboras, por exemplo se cobrem
algumas vez a com estofos quentes, outras vezes
ei-las sem protecgao alguma. Frequctemente as
enahem e lubricam com composicoes que damni-
iicatn ou destroen a vitaiidade do cabello.
Um tonico vegetal puro e suave que as-imilhara
com os fluidos animaes que dao cor e vigor as
fibras, 6oquanto se torna necessario e se precisa.
0 Jonico Oriental para 0 cab'llo preenche eom*.
pletamente estas necessidades, e praservara forte-
mente e dara brilho e espessura aos cabellos,
quando todas as mais preparacoes nao produzirem
0 effeilo desejado.
COLLEGIO
DA
&AM88UA THNIAK
20 Rua tos Coe!h)s--20
A abaixo assignada, licenciada pelo Exm Sr.
presidente da provincia, e pelo Illm. Sr. Dr. direc-
tor get al da instrucgao publica, tem estabelecido
na rua dos Coelhos, n. 20, a poucos passos da
igreja de S. G mgalo, um collegio para meniuas,
sob a invocacao da Santissima Tki.ndade.
Auxiliada por suas irmaas D. D. Landelina Jer-
sey e Olindina Jersey, ambas as quaas, em corn-
mum com a abaixo assignada, receberam igual
educagio, durante quasi sete annos, em um dos
melhores collegios francezes da cidade do Porto,
esta por certo habilitada para transmittir a suas
alumnas todos os coohecimentos adquiridos nesse
longo espaco de tempo.
Chamando a attengao dos illnstrados pais de fami
ha, nacionaes e estrangeiros, para os estatutos
abaixo, a annunciante cspera raerecer decidida
praferencia, pois 0 seu estabalecimento se distin-
gue, nao so porque nada pagam em separado pelo
estudo das artes de resreio, eomo tambem pelo das
linguas estrangeiras que, em geral, somente se
ensina a traduzir, ao passoque no Collegioda San-
tissima Thind'.bt. se aprendera a fallar e escrever
eorrectamente ; 0 qua se lorna sem duvida de
uma vantagem e ulilidada incontastaveis.
Invocando, cheia de floafianoi,- a protecgao de
seus compatriotas, e de todos os estrangeiros itlus-
trados, a annunciante e euas irmaas, no enmpri-
mento dos shiis deveres, esperam e promettem en-
vidar todos os esforgos, aftm de provar que, entre
nos, existem pernambucauas sufflcientemente na
bilitadas para in*truir e preparar nossas innocen
1 amaveis patneias, oao so a dosempenaaiem
no futuro 0 nobre e respeitavel ministerio de
mais de familia, como a se tornarem aani, on em
qualquer oaiz, onde se acharem, 0 brilhanta or-
namenlo da mais culta e distincta sociedade.
As aulas abrem se a 26 de Janeiro.
Philomena Minervini ie A. 0' Connetl Jersey.
ila juella oidtde JOae Gaspar Bomingues deSorr2a;lQar*se-lhes cerii-lao dc *erem ou nao os suppli-
' Aiiguslo F. d'(-lheira k t
A casa cominprcial e baacaria de Augusto
F. d'Oliveira &.., a rua do Conraercio ns
42, eticarraga8 de execugao de orJens
para embarque de prodoctos e de todos 0-
mais rifgocios de conitrjissao, quorcommer'
ciaes, quer bancarios.
Deconta lettras, e toma diohoiros a pre-
mt., compra can.biaes, e saca a* vista e a
prazo, & vontade do tonador, sobre as se-
guinles pragas estrangciras e nacionaes :
l,!>:iiln*.i. Sobre 0 ukios bank of
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIC BANK,
limited, e varias casas de 1.' classe.
Paris. Sobre os banqueiros fould
& C, MARCUAB.D ANDRE & C. e A. Bl.VCQUE,
VIGNAL & C
IIaruburg;o. Sobre os Srs. joao
SCHU BACK & FILH S.
Lisbon. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS & VIANNA, e SEBASTlAO JOSE DE
ABREU.
l*orto. Sobre 0 banco uni.\o do porto
0 Sr. JOAQUIM PINTO DA FONSECA.
Pnrd. Sobre 0 banco commercial
do para, e os Srs. francisco gaudencio da
COSTA & F1LHOS.
Harau'iila. Sobre 0 Sr. jose fer-
reira DA SILVA JUNIOR.
Ceara. Sobre os Srs. j. s. de vas-
concellos & SONS.
Elahia. Sobre os Srs. marinhos & c
Rio de Jauelro. Sobre 0 banco
INDUSTRIAL E MERCANTIL, BANCO N.VCtONAL e
BANQUE BRASIMENNE FRANQAISE.
GOMPANHIAALLIANCA
seguros maritimos e terreb-
trGs estabelecida na Bahi&
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL *,000:000!!>000.
Toma seguro de mercadorias e dtuheiro
,co maritimo em navio de vela e vaporei
para dentro e f6ra do imperio, assim com'
loutca fogo sobre predios, generos e fa
ondas.
Agente : Joaquim Jose' Gongalves Beltrao
ua do Commercio n. 5, 1* andar.
SEfiUROS
MAWTIHOS
CONTRA 0 FOGO.
A companhia ludomuisadora, eatabelecid*
oesta praQa, toma segaros maritimos sobrt
navios e seus carragamentos e contra fog
m taliiicios, mercadorias e mobilias: nf
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
COMPAMIA
Phenix Pernambucana.
Toma riscos maritimes em mercadorias
fretes, dinbeiro a risco e finalmuute de- qual-
quer natiweaa, em tapores, nayios v< el& ob
oarcacas, a premios muito modicos.
RUA DO COMMERCIO S. 84.
Descarregam hojft SO de fevereiro de 1871.
Patacho inglez Lady Mary mercadorias para
alfandega
Barca ingleza- Witck of the Teignmercadorias
para alfanlega.
Barca inglezaTi/ismanfarinha ja despachada
para o caes do Apollo e mercadorias para
alfandega.
Barca ingleza- Smip/una carvao ja despachado
para o caes do Apollo.
Barca togliza-JII'jrijirtfAe Wiffcei-carvaoja des-(
pachado para o caes do Apollo.
Brigus inglezDora bacalhao ja despachado pa-
ra o trapiche Concelcao.
Barca ingleza -Larfnia-bacalhao ja dospichado
para o trapiche Coneeicto.
Patacho nacional.-traoo-vartos generos para o
trapiche Coneeieao, para despac'iar.
Hiate americaoo 1. P. Angers farinh-, milho e
breu ja despachados para o ca?s do
Apollo.
gsPA :HOS DE. EXTOJITaCAO NO OlA 18 UE
FEVEREI80 DE 187i.
Para os portus do exterior.
No vapor inglez Laland, para Liverpool, car-
regou: Keller 4 C 403 saoeas com 30,458 kilos de
algodao ; S row-Bastos & C. 114 ditas com 8,423
li2 ditos de dito ; M. U. Monteiro 20 ditas com
1,551 ditos de dito ; J- J. C Leiti 14 ditas com
1,044 1|2 ditos de dito ; S. Brothers & C. 1,50:1
cocos (fructa).
No brigue in jlez Jane, para o Canal, carre-
gou ; J. Pater & fi 1,267 saccos com 99,523 kilos
de assucar mascavado.
No patacha inglez Baal, para o Canal, car-
regou : II. Schmmettau & C. 310 saccos com
23,250 kilos de assucar mascavado.
No lugar inslez H Sit J. Olive, para Por-
tland, carregou : ~H. Forster 4 C. 2,400 saccos
com 180,000 kilos de assucar mascavado.
No brigue portnguez Ocarense, para Lisboa,
carregou : E. R. Rabello & C. 45 couros salgadps
com 5i0 kilos e 104 d tos espichados com 728
ditos.
No brigue porluguez O-dral, para Lisboa,
carregou : P. Carneiro & C 35 couros espicbados
com 2i5 kilos e 139 ditos salgados com 1,668
ditos.
Na barca portugueza Noca Sympathia, para
oPorto, carregou: B Oliveira & C. 221 couros
sa gados com 2,62 kilos e 100 saccas com 7,226
li2 kilos de algodao
Para os portos do interior.
Para o Rio Granie do Sal, no brigue nacio-
nal Prazeres, carregou : Amorira Irmaos & C. 210
barricas com 23 543 kilos de assucar branco.
Para o Para, no' patacho portuguez Maria
Je.ie, carregou : Amirim Irmaos & C S pipa< com
2,400 litros de aguardente.
Para o Para, na barca porlugueza Lnidj,
carregou : J. G. do Bastos 130 barricas coin 7,750
kilos de assucar branco ; A M. de Souza Machado
100 ditas com 7,72'J dims de dito ; A. de Araujo
Santos 1*5 ditas com 8.483 1|2 ditos de dito.
Para Macao, no hiate brasileiro Ties Irmaos,
carregou : B. F. Gu maraes 6 barricas com 40")
kilos do assucar branco e 1 pipa com 180 litros de
agua'd-mte ; Faria &. Filho 5 barricas com 481
kilos de assucar branco.
Pela thesouraria provincial > faz poblico,
que fleam transferilai para o dia 26 do corrente
as arrematacoes seguintes :
200 niatros de empedramen o na estrada de
Liinoeiro, orcado em 484&.
Costeio da illuminacao publica da cidade de
Goyanna.
Objectos do corpo de policia.
Secretaria da thesonraria provincial de Pernam-
buco, 16 de fevereiro de 1871.
0 omcial-maior
Mignel AlTonwi F.-rreira.
A camara municipal dt-sta cidade, tend > de
contratar o f rneciraento das cadeiras que forem
precisas para o processo da qualiHcarj io e eleijdes,
convida pelo presente aos fornecedores dellas a
apresentarem suas propostas em carta fe Aada, no
dia 25 do corrente, pelas 12 horas do dia, no paco
de suas tessSes, indicando logo o raenor prer^>
por que fornecem cada uma diariamenle.
Par;o da camara municipal do Recife, 18 de fe-
vereiro de 1874.
Theodoro Machado F. Pcrdra da Silva
Pro president
Augusta G. de Fi O:fl:ial-maior servin-lo d: secretario.
A camara muni:i,>al do Recif>- cmvida a
todos o< seus municipes a apresentarem para ser
axpostaa no corrente anno, objectos de produced >
agricdas para aesposicao qie prelende realisar a
S-.iciedade Doze de Seiembr.i, segundo a partici-
par;So d) Exm. presidente da p-ovincia, de 16 do
eorrente, com referenda a ordem do governo im-
perial. .
A mesma camara espera no patnotumo, oeai-
cacio e zeb de todos o bom exito d; tal convite.
Paco da camara munic pal 1) Recife, 18 de fe-
vereiro de 1874
Theodoro Machado F Pereira da Silva
Pro-presid^nte.
Augusto G. d Figueiredo
Offlnal-maior s-rviuli de secretarij.
*i
A.RACOK.
CAFAT.VZIA da alfandega
eadimentod1.riial 18. ls^8fi?l
'deal do dia 19. 7a8;al9
13:178;89)
VOLITMES SAHIDOS
No dial a 18.
.'nmeira poria .
iegonda ports .
Ttrceira porla .
Juarta porta
Ti apicbe Coneeieao
No dia 19
U
SBRV1CO MA1U1IMO
araofU descarregadas no papieht
alfandega d) dia 1 a 18
No dia 19
Savos atracados n^ trap, da aUaadaga
\lvareugas ......
Vo trapiche Conceigao
24 607
214
239
622
I
2,002
27,703
42
46
RSCEBEDOaiA DE HONDAS lN'TrRNAS GE-
RAES DE PERNAMBU:-*
iendimento do dia 1 a 18. 3L77U975
dem do dia 19 t:*3*6a
33.7154628
Pela recebc loria de ren las internas geraes
se faz pa Mice qae e n> corrente mez de fevereiro
qne deve ser paga, livre de multa, a laxa dos es-
cravos, relativa ao exerdclo de 1873 a 1874 ; de-
pois do que se lo-ha com a nulta de 6 0|0.
RecebeJiria d; Pernambaeo, 5 de fevereiro dV*
1874.
0 administrador
Manoel Carneir de S SANTA CASA DA MISKK1CORI1A IX)
RECIFE.
A Illma. junta ad;ni;iistrativa da santa casa da
Miserieordia do Recife, manda fazer publico qne
aa sala de suas ses.-oc, no dia 19 de ftvereiro
pelas 3 horas da tarde, tem dc ser arreraatadas a
quera mais vantagens oterecer, pelo tempo de um
a tr s annos, as renda.-; dos predios em seguida
leclarados.
PATRIMONIQriPOS ORPIIaOS.
Rua da 5en:'.a!la veliia.
Casa terrea n. 16.......209*000
Bjeco das Boia>
Jobrado n. 18.......421*000
Rua da Cm
Sobrado 14 (fochado).....1:000*090
Ruo do Pilar.
Casa terree n. 100......241*000
Idem n. 102........241*000
Rua Velha.
Casa terea u. 44 (fecliada). INfMi
Rua d.s Larangairas.
Armazem n. 17 .... 361*000
Os pretendentcs dever'o apresjntar no ac! i U
irrematacao as suas liancas, ou comparec
icoT-panhados dos respectivos ti, lores, dev
pagar alem da renda, o premio da quantia em
jue for seguro o predio qua contiver estal
aiento commercial, assim como o servi^o da Lm-
peza e precos dos appareUios.
Secretaria da santa casa da miserieordia do Re-
ife, 18 de fevereiro de 1874.
0 eserfvao
Pedro Rodrigues de -Sou; a.
Banco Cominereial de
Pernambuco.
0 banco paga o segunlo dividendo ua
razao do 8 % a() anno ou -5V00 por acr;ao,
relativo ao seir.estre fin Jo em 31 de deiem-
bro de 1873.
CONSULADO PROVINCIAL
.tendlmento do Bit 1 a 18.
Id-rn do dia 19
MOVIMENTO
U2:382^P90
4:623i571
117.005*264
Navios entrados no dta 19.
Rio de Janeiro-20 dias, lugre allemao Gazelle,
de 237 tonela las, capitao Korff, equipagem 10,
em lastro; a EduarJo Fenton.
Maceio -5 dia?, brigue inglez Jura, de 236 tone-
ladas, capitao H. Walter, ejuipagem 12, em las-
tro ; a Wilson Rowie 4 C.
Calhao e portos intermHoe.45 dias, vapor in-
glez Garonne, de 2,464 toneladas, coramandante
Berlon,equipagem 110, carga varios generos;
a Wilson Rowie 4 C.
JVarioj sahiits no mesmo dta.
Rio Grande do Sul -Barca portugueza Ociani, ca-
pitao A. M. de Urn dda, carga assucar.
Liverpool -Barcarasiteira Rapid capitao Soa-
res, carga asncar e outros generos.
Rio da Prata -Escuna allema Ernet, carga assu-
car.
New-York-patacho inglez Rival, capitao Torre
carga a?sacar.
ObseroagAo.
Suspendea do lamarao para a Bahia a barca in- j
Santa Thereza.
De conformidade com os artigos 15 e 21 e j C
dos estatutos, sa> convi lados os Srs. accioni>ia>
para reunirem se em assembiea geral no dia 26
do corrente, ao meio dia, no primeiro andar da
rua do Vigario n 13.
Recife, 18 de fevereiro de 1874.
0 geronte,
Justino J. de S. Campos.___
Santa Casa da Miserieoinlla dm
Recife.
A junta admini-tritiza da Santa Casa da Mise
ricordia do Rac.fe, piocisand) fazer oa concofkw
de qae ueCbS - *- Criaz. hole do Bom fa-
re*
nio dos orphaos, a rua da Cms, hoje do Bom
su< n. 12, contrata com quem se pr.iponha a
lisar ditos concertos m<-diante certt renda
guns ann is de prazo para desfrucUr ; aovena.j
os aue disso se quizer-ni ei>carregar, aprete.iLtr
suas prop tas e.n .rartas fechadas, devidam^aUs
selladas, acompauhaias do respecl.vo orcame .lo
nasta secretaria ai6 o d.a 19 de fevereiro vin-
S'tcretaria da Santa Ca*a da Miserieordia du
Recife, 17 de jaaaira de 1874.
0 escrivao.
Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CVSA l)A MISKIUCORIHA IK)
KKCiFK.
Venda d<- proillos
gleza'Eva, capitao S. Facey, cargaa mesma qu: i A Illma. j.iola admi natniiva c-*a banu lasa,
trouxe de Terra-Nova. 'diividaarde auiorisada pela presiaeaca, ua nu



1

L.: .--ir
I



*
Ok
I



WWS tOeBOBV, pelAS 3
do corrente, vende mi permuta
Diario de FernambuoQ

ft%jftM Fe>> M^

do di Mftro a emprera aeaba de tear hnpertntM memo-
por apolices da ramentos, chamando os eamarotes a frente a
thea*
tro acha.se rtambeJrt Wfo1 pint _
Nestes mel oraraentos e nos preparos do dra?
ma, Mihgres da Senhora da 'Ayparecida, a em*
preza acaba it fazer a despsra de
4:OGO*50&0 '
con fundo aa prote-cio do pufciico, de quern es-
pera a animavao devida aos aeus esforcos.
Desde ja reeeberase encommendas de bilhetes.
mm
Santo Antonio
EMPBSXA

THEATRO
(inligo Gymiwsio)
EMPREZA
Sabbado 21 do corrente
A's8 1|2 horas da noite.
Grande coinpaohia dramalica.
Pessoal de 25 artittas.
( 6 DAMAS e 47 H0ME.NS )
EiTRIvl
oo sabbado 28 do correate, com o importance dra-
ma original francez:
UM NAUFRAGIO
has
COSTIS D.\ BIETANHA
A empreza conta com urn pessoal tubilitado,
inclusive o primeiro centro dramatico Thomaz
Espiuca, que a eonvile do emprezario fara par-
te da companhia.
Os dramas que hao de ser represenlados nesta
nova epoca theatrai, serao de reconhecido merito
e nomeada.
0 emprezario conta que jnstica lhe sera feita
pelo illustrado pnblico desta capital a quern deve
o raelhor aeolhimento.
divida public* os sefotetes predios. pertencentes lleixaodo amplos corredore- p
aolegado do Joaquin da Silva Lope's, deques
adeainistradora : Forte do Ma'tos, metade do so-
fcrado de 3 andares n. 17, por 5:500* ; becco do
Ahreu, 3' carte do sobrado n. i. por 2:666*686
ru da Guia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:0004 ; rua de S. Jorge, casa terrea n. 92, ,por
1:400*, sobrado de um andar n. 30, por 2:000*,
Ad meia-af ua por 500* ; rua dos Guararapes.
casa terrea n. 65, por 1:00* ; rua dos Acougui
nhos, cosa terrea n 26, por 600* ; Largo da Cam-
pina, dita n. 3, por 400* ; rua da SoledaJe, dita
n. 72. por 700*; becco do Teixeira, dita n. 3,
por 25 1:000*000.
Secretaria da Santa Ca?a da Misericoniia do
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivio
____________Pedro Rodriguez de South.
Armazensda companhiaper
nambucana.
Ncguros rvatra logo
A companhia pernambucana, dispondo de ex-
cellentes e vastos armazens em seu predio ao for
te do Mattos, offereceos ao commereio em geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
tenracao das mere.dorias depositadas, servico
prompto, precos modicos, etc.
Tambem recolnera, mediante previoaccordo, ex-
clusivamente os generos de uma so pessda.
Sstes arma/ens, aiem de arejados e commodos,
sao inteiramtnte novos e asphaltados, isentos de
enpim, ratos, etc., etc.
As pessoas que qnizerem utHlsar-ee destes ar-
mazens, pederio dirigir-se ao escriptorio da com-
panhia pernambucana, quo acharao com quern
tratar.______________________________
0 III in. Sr. inspector da thesouraria provin
cial manda fazer pnblico qua em curaprimento da
ordem do Exm. Sr. presidents da provincia de 16
do corrente ne ha de arrematar no dia 5 de marco
proximo (uturo, perante a junta da mesma thesou-
raria, por tempo de urn anno, o custeto da illumi
nacao public* < a cidade de Goyanna, servindo de
fcase a arreinatac,ao o preco de 28U rs. diarios por
eada lampeao, offerecido por Jose Augusto de
Aranjo.
As pessoas que se pronozerem a esta arremata-
eio, comperecam na saia das sesedes da mesma
junta no dia acima indicado, pelo melo dia, com-
petentemente babilitadas.
E para conslar se mandoa publicar o presents
pclu Diario de Pernambuco.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 18 do fevereiro de 187*.
0 offiuial-maior,
M. A. Ferreira.
Arremataqao
Segnnda-feira 23 do corrente mat de fevereiro,
depots da andiencia do Exm. desemb^rgadcr joiz
de orpbios, vai a praca de ven )a um terreno com
55 palmos de frente e 210 de fundo. com alicerces
pan duas casas ou uma so, em altnra de receber
as soleiras, avaliadopor I 100*, no lugardenomi-
nado Estrada Nova do Cordeiro, na freguezia do
P650 da Panella, no sitio que foi do Silva Compa
nhia, que boje esta retalludo, sendo dito terreno
am dos melbures de dito lugar, por estar perto da
estrada real da Casa Forte, e deitar os fundos para
defronle do sitio cpnhecido do Nuno Maria de
Seixas, a requerimi-nto da viuva e inventariante
dos bens do casal do linado Antonio Francisco de
Sant'Anna.___________________^_
Correio geral
Helafdo dos objectos registrados existe-ntet
na adminiitragdo dos correios desta pro-
vincia, para as pessoas abaixo decla-
radas :
Antonio Pereira de Carvalho, Anna Joaquina do
Amor Divino, Antonio Anselmo, Antero Larneiro
de Lacerda, Albino Goncalves Meira de Va-concel-
los, Antonio Augusto da Frota Menezes, Balbina,
Cosme Maximiano Lorejo, Eulalia Maria da Con-
cacao, Francisco An'onio de Castro, Francisco
Jose dos Santos, Francisco da Silva Sampaio, Geo-
vanni La Rosa, Garassina Magulla, Gon^alo Jose
Affonso, Hermenegildo EduarJodo Rpgo Monteiro,
Henrique da Cunha Rodngues, Jose ranches Be-
erra Cavalcante, Jacintbo Paes de Mendooca, Jose
Lourenco da Silva Uilanez, Jose Arthur Cisneiro
de Albuquerque, Joio Luiz Ferreira Ribeiro, Jose
Lopes Alheiro & C, Joao Raptista dos tiuimaraes
Peixoto, Jos6 Hanoel de Aranjo, Julio Alves Tei-
xeira de Macedo, Lniz Jose da Silva, Manoel OcU-
viano de Carvalho Pinto, Miguel Gomes de Figuei
redo, Manoel Joaquim da Cosceigas, Placido Mar-
ques de Oliveira, Raymundo de Almeida Sampaio,
Sergio Francisco das Chagas. Salusliano Jose Al-
ves de Carvalho, Salvador Martorelli, Telesphoro
Marques da Silva Junior.
Administrarao do correio de Pernambuco, 17 de
fevereiro de l*87i.
Jose Caodido de Barros
Encarregado do registro.
JtMlMfc*OVt.
.
cwr 411014 nn aii. ri n %
NACGACAO-A VAPAR
Porto* do nertft.
0 vapor
lo
(ummandantf i>it<-riu<4^iiah<4tH
Junior.
I-'.' esperado dos portos do *ul ale o dia 2
cerrente e seguira para us do uuWe dapois-da de
mora do costnme.
Para enoommendas, na agenda ate as-i how,
e -valores ate as 3 boras.
Para passagens e informacoes, no escriptorio
7RUA DO VIGARIO-7
AVISO
Previne-se que por deliberacao da dirtctoria se-
ra cobrada a primagem de 20 per cento -sobre 0
frete das encommendas com indemnisapao a car-
^a e desgarga das mesmas; a de 8 por cento
sobre 0 frete da earga com iademnisacao da res-
peciiva descarga, que d'ora em diaute secao feitas
por conta da companhia
Pereira Vianna A C
'"Santo Antonio um trem expresje que
da eondueeio ( gratis^ an eoacurrentes
treo de
serriri
ao leiKo
Principiard as lllioras.
En f seotinuacio, e no dia tercafelra 24 do cor-
noie, nadera a-metmo ag forma flea annnnciado.
nc
harus, Cigarros, carWes de papel de seda, fuzis,
caixas com pavios, fnmo picado, fumo berwik,
papel de cor, caximbos e bolsas.
Massa faliida de
JOAQUIM VIEtJtA COF.I.HO DA SILVA
IVISOS HARITIMOS.
Paeiflc Steam Navigation Compao)
I.iiiha quinzcnnl
0 PAQUETE
JOHN ELDER
Espera se da Europa, ate 22 do corrente, e
depots da demora do costume, seguira para 0
suf do imperio, Rio da Prata e costasdo Paciflco,
para onde recebera passageiros, encommendas
a carga a frete.
Para Lisbon.
0 lucre portoguez Cidral, capitao Joaquim
Adriao da Silva, vai sahir com brevidade : para
carga e passageiros, trata-se com Silva Guimaraes
k C, a praca do t orpo Santo n. 6, 2. andar, ou
com 0 capitao.
Rio Grande do Sul
Para 0 referido porto pretende seguir com mui-
ta brevidade a barca portugueza Arminda, por
ter a maior parte de seu carregamento tratado, e
para 0 re-to que the falta, trata.se com os consig-
natarios Joaquim Jos6 Goncalves Beltrao & Filbo,
a rua do Commereio n. 5.
il
0
Rio de Janeiro.
Pretende seguir com brevidade 0 brigue nacio
nal Isabel, por ter dous tercos da carga engajada.
Para 0 resto que lhe falta e escravos a frete,
trata se com 0 sen consigpalario Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo. rua do Bern Jesus n. 37.
Companhia Franceza de i\avega
Cio a vapor
Lmka mensal entre o
Havre, Lisbon, Pernambuco, Rio d>
Janeiro, (Santos, somente na vol
ta ) Montevideo, BuenosAyres,
(com haldeavao para oRosario)
STEAMER
Real companhia de paqueles in-
glezes a vapor.
0 vapor
NEVA
Commandante H. Bax.
espera se da Europa ate o dia 27 do corrente, 0
qual depois ua demora do costume, seguira para
Buenos-ayres, toeando nos portos da Bahia, Rio
de Janeiro a Montevideo.
0 vapor
Commandante Thwaites.
espera se dos portos do -til, no dia "8 do corrente,
0 qual depois da demora do costume, seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
Lisboa.
Para fretes, passagens, etc., trata-se na agenda
rua do Commereio n 40.
O agente Martins fara leila, por mandado d
31lm. Sr. Dr. juiz especial do commereio, dos ob-
jf.-tos existentes na fabrica do charntos do Pateo
do Canno n. 1, pernocenle a massa faliida da
Joaquim Vieira Coelho da Silva
As 11 horas do dia acima.
LEILAO
DE
8 caixas grandes com muito bom eha gratido e 10
saccos com coroinhos, tndo cbegado ultima-
mente
SEGUNDA-FEIRA 23 DO CORRENTE
As 11 horas em ponto
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e riseo de quern pertencer, de 8 caixas
com cba graiido e 10 saccos com cominhos, tudo
chegado ultimamente
SEGUNDA-FEIRA 23 DO CORRENTE
No armazem do Sr. Annes, em frente da alfan-
dega.
AS i 1 HORAS EM PONTO.
Ultimo leilao
DO
resto das dividas da massa faliida de Amorim,
Fragoso, Santos & C, na iraportancia de......
341:0f 8*730, servindo de base a offerta de....
26*000
Terra-fcira 94 do corrente
A's II horas on mm ha
0 agente Pinto levara novamenle e pela ultima
vez a leilao, servindo de base a offerta de 26*000,
obtida no leilao do dia 17 do corrente, 0 resto das
dividas da massa faliida de Amorim, Fragoso,
Santos 4 C, na iraportancia de 341:008i730, des-
criptas nos jornaes ns. 36 37 e 38 de 14, 16 e 17
do corrente mez, sendo qoe 0 leilao sera effectua-
do as 11 boras do dia acima dito, no escriptorio
do referido agente, rna do Bom Jesus n. 43.
c=z>
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
\a\ egnrifo eostetra a vapor.
\RAHYBA,NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACa
TY, CF.ARA, MANDAHU E ACARACU*.
0 vapor Ipojitca
commandante Moura,
seguir4 para os por
tos acima no dia 28
do corrente, as 5
horas da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 26 do corrente, en com
agendas at* 0 dia 27, passageiros e dinheiro a fre-
:e ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Mattos n. 12.________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\rtK'Stu;fto coatelra a vapor.
MACEI6, ESCAI.AS E PENEDO.
0 vapor Giquid,
commandante Martins,
seguira para os por-
tos acima no dia 28
do corrente, as 3 bo-
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 26 do corrente, encom-
nendas ate 0 dia 27, pasjagens e dinheiro a fret*
H6 as 2 horas da tarde do dia da sahida : es*
rip'.orio no Forte io Mattos n. It.
DO
Grande sitio com boa casa de moradia, a qual
tem 73 palmos de frente e 37 de fundo, chaos
proprios com cerca de 500 palmos de frente
e 2,000 de fundo, com bons arvoredos fructi-
feros, baixa de capim, cacimbas com bombas e
tanques para bauho, e inuitas outras accommo-
da^oes ; sendo que dita casa torna-se recom-
mendada por ser mui fresca, perto das estacoes
da Jaqueira e Tamarineira
Ter^a-feira 24 do corrente
A's 11 boras em ponto
Por intervencao do agente Pinto em seu escrip-
torio, rua do Bom Jesus n. 43.
Os pretendentes poderao desde Ja examinar dita
casa, ou no dia 20 do corrente, por oecasiSo do
loilao dos moveis, louca e cristaes, ou no dia 21,
pr occasiao da entrega dos mesmos moveis.
3 tapetes e differentes outros artlgos. "
0 trem partira da estacio do arco de
Antaeio, as 10 1/2 horas em ponto.
Santo
Ultimo leilao
DO
grartde sobrado de 3 andares sotio em chaos
preprio* reedificado ha pouco inais de am ano,
Elo que esta de todo novo, a rua de Marcilio
is, outr'ora rua Dir'ta n. i'O
TERCA-FEIRA 24 DO CORRENTE
A's II horas
0 agente Pioto levara novamenle e pela ultima
vae a leilao, servindo de base a maior offerta ob-
tida, o predio acima mencicoado, o qual torna-se
recommendado pelo perfeito estado em que se
acha, atteudendo ao rendimento que da
0 leilao sera effectuado as II boras do dia aci-
ma dito, no escriptorio do referido agente, ma do
Bom Jesus n. 43.
Em tempo
previnc-se aos Srs. pretendentes do referido pre-
dio que este sera o ultimo leilio.
Leilao
DE
qaatro volumes com drogas pertencentes a massa
faliida de Jose Francisco Bittenconrt
TERQA-FEIRA 24 DO CORRENTE
A's 10 1(2 horas em ponto.
0 agent* Pinto, autorisado por mandad i do Illm.
Sr. Dr. juiz especial do commereio, levara a leilao
4 volumes marca J F B, ns. I, 2, 7 e 11, com dif-
ferentes drogas, constantes do inventario exislen-
te em seu escriptorio, na rua do Bom Jesus n. 43,
onde poderao ser examinadas ditas drogas, cois-
tando de :
Mercurio doce, flor de sabugueiro, lupulo, ras-
pas de veado, gomma galbana, peBeiras de seda e
cabello e muitos outros artigos.
ftVISOS DVfRSOS
- 0 Dr. Joaquim d'Aquino Fonce?a, previna
aquelles individnos que, a noite e scm antorisarao
sua, tem penetrado ultimamente em seu sitio a
rua do Hosp cio u 33, saltando pelo muro e tiran-
do o que Ihes nao pertence, que ja deu as provi-
dencias para que sejam bem rrcebidos e tratades
de maneira a niio qvererem repelir a graca ;
purquanto os considera como ladrdes, e ignora ate
que ponto quererao levar seus desejos, sabendo
somente que, ha tempos, recorrendo ao mesmo
expediente, foi bem succedido.
Para.
Pretende seguir para o indicado porto, com pou-
ca demora, a barca portugoeza Social, por ter
porcao da *arga engajada; e para o qu lhe falta,
trata-se com os consignatarics Joaquim Jose God-
^alves Beltrao & Filho, a rua do Commereio n. 5.
S7CCSSS0
i
mm
Grandes reformas I
Grande machinismo !
Scenario sumptuoso !
Sublime oratjria !
Representada a capricho 1
Eslrea da 8ctriz
D. Virginia de Barros.
Primeica reprcsentaeao do importante drama:
Hero em 4 actos e 7 quadros original brasileiro z
MILAGRES
i-:

I i 14 4PPARECIDA
Personagens. Actores.
Arcbanjo Raphael D. Virginia.
Satan Sr. Eduardo.
Fernando Corte Real, sob o
nome de Joao Alves Sr. Augusb*.
Francisco Dias Sr. Ponante.
Padre Antonio >r. Flavio.
Luiz fkirte-Real Sr. liraga.
Felippe Pedroso *aria D. Dorothea.
Leonor D. Isabel.
Lucio, criado Sr. Vicente.
Anjos, soldados, mulhere-, povo, Pescadores
etc. etc.
A accao passa se em S. Paulo o l., 3.* e i ac-
tos e em S. Pedro do Sul o 2.*.
Epocha-1718.
Denominncao 1." acto.
l. A apparieao da Senhora da Onceica).
2 0 primeiro roilagre.
s.* a'ept.
3.* A visSo e a seduccao.
%. 0 archanjo fuJmina satan.
3* acto.
3. A morte de um justo.
4." acto.
. Vox popWi, vox Dei.
7.# A apotheose.
A empreza nao te poupando a esforcoi, acaba
de montar esta importante peoa oratoria, qae tem
sempre sldo calorosamente 'applaudida em lodas
as parte onde tem si jo representada. ,
A peca e ornada de
^ Muta:6es e vista.
Fogos cambiante-".
Appartcops.
>, E musica
do maestro Lleto Lima
Scenario novo
de Mr. ChapWin.
No intuito de meliiorar as condicCes do thea-
Commandante Capelle.
E' esperado da Europa, Mi 24 do corrente, se
guindo depois da indispensavel demora para o?
portos do sul de sua escala.
Relativamento a fretes, encommendas, passagei
ros, para os quaes tem excellentes acommodac5e;
oor precos reduzidos : trata-se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA A C.
2Rua do CommereioEntrada pela ru?
do Torres.
M.WAMIA BAiillYi
,DE
NWE.GAXA \ \\POB
uirriDA
Slaceid, Penedo, .lracaja
e Dabia.
E' esperado dos portos do sul ate o dia 23 do
crrente um dos vapores desta cojipanhia, o qual
sahiia para os portos acima no dia seguinte ao
da sua cbegada.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di
aheiro a irete.
AGENTE
Antocio Luiz do Oliveira Azevedo,
37Rua do Bom Jesns57
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
KavegacAo costeira a vapor.
MAMANGUAPE.
0 vapor Connipe,
commandante Santos,
seguira para o por-
to acima no dia 28 dc
corrente, as 5 horas
da tarde.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
frete ate as 2 horas da tarde dp dia da
Para o Kin (irande do Sul
O patacho IkYiiiiica
a sahir brevemente, recebe alguma carga a frete :
a tratar no escriptorio de Balthar Oliveira & C.
Companhia Allianca ^lari-
tima Portuense.
A galcra portugueza Saudade, seguira em pou-
cos dias para o Porto, com escala por Lisboa.
Ja tem contratada gr?nde parte da carga ; >
para o resto, trata-se com os consignatarios e
agentes da companhia,
Jose da Silca Lcyo & Fdho,
em seu escriptorio a rua da Companhia Pernam-
bucana.
LEIIOE*.
LEILAO
De um carro francez,
de 4 rodas, coberto,
e dous na boleia, com
tudo em bom estado.
(victoria) pouco usado,
assentos para 4 pessoas
arreios para 2 cavallos,
Por intervencao do ageme Pinto, em Cruz de
Almas.
Por occasiao do leiiao dos moveis e mais objec-
tos, em ca-a de residencia do Sr. Mendebaure.
0 tr?m expresso, partira as 10 e m?ia horas da
-naoha, do arco de Santo Antonio.
LEILAO
aheiro
3ahida
escriptorio no Forte do Mattos o. 12.
PAEA'
0 Georgiana.
E' esperado do Rio de Janeiro por estes dias
e segue com pouca demora para o Para, tendo ja
parte da carga engajada : trata-se cam Tasso Ir-
mans A 0.
DE
moveis, louc,a, cristaes, uma
carroc,a e boi e 3 espin-
gardas.
A SABER:
Uma mobilia de jacaranda com um sofa, uma
jardineira, 2 consolos com pedra marmore, 2 ca-
leiras de brapos, e 12 de guarnicSo, 2 esnelhos
ovaes, douradoe, -3 quadros, dnas escarraoetras,
enfeites de mes.i, tapetes de sofa e portas, e um
dito forro da sala de visita.
Uma cama franceza de jacaranda ( nova ) ama
mesinha, 2 cabides, duas cajnas de amarello, 1
toncador e um guarda ronpa.
Uma mesa para iantar, 2 aparadores do ar-
marios, 12 cadeiras de gnarni;ao, nrxa marqueza,
uma quartinheira, I relogio de pare de, quartinhas,
fructeiras, porta-qneijos, talheres, bandejas, por-
eelana para cha e jantar, copos, garrafas, cornpo-
teiras, calices, trem de cozinha e outros objectos
de casa de famiha.
Dous bancos para jardim, uma carroca de dua
rodas, 1 boi manso, I banco para carapins, 1 lot
de ferros, ferramenta de jardim.
Urn ocnlo de alcance, 3 espingardas de i canos
e I rewolvcr.
jHOJE
Xa Itmtw da Crnz dss Almas.
Joao Mendeboure, tendo de mudar sna reslden-
:ia para Europa, fara' leilao por intervencao do
agente Pinto, dos moveis e mais objectos acima
mencionados existentes na casa de sua resldencia,
Cruz das Almaa.
As 10 0 horas em ponto partira da eetacaodo
Agente Dias
E8PJLE1II110
Leilao
DE
magnificos moveis, bellos quadros, jarros e qua-
dros cblnezes, com pintura sobre vidro, liguras
de bronze, louca e vidros.
Terc,a-feira 24 do corrente
as 11 horas
No Manguinho, rua d'Amizade, casa de residencia
do Sr. Vaz de Carvalho Junior, junto a estacao.
Um trem especial partira da estacao do arco de
Santo Antonio as tO Ij2 horas da manha e condu
iira gratis os concurrentes.
Os agentes Dias e Pinho Borges, competenGJ
mente antorisados pelo Sr. Vaz, que pretende r-
tirar se para a Europa, levarao a leilao no dia
hora acima designados, os moveis e mais artigo
lescnptos, os quaes sao de optino gosto e acham
se em tao perfeito estado que podem-se conside
rar completamente novos.
Garantese o traspasse da casa, que se acba em
perfeito estado de asseio, e assim offerece se uma
boa opportunidade a qualquer pretendente que
deseje morar f6ra da cidade, encontrando uma
casa inteiramente preparada.
COLLOMOAO DOS MOVEIS.
Sala de visita.
1 magniti.-a mobilia de jacaranda com frizos de
maJeira rosa, composta de :
2 sofas.
4 cadeiras de braco.
12 ditas de guarmelo.
2 con?olos com espelhos e tampos de pedra mar-
more.
2 etagers de jacaranda com tampo de marmore
encarnado.
2 rices jarros chinezes, grandes, para os mesmos.
1 par de bonitas figures de bronze.
1 porta-cartoss.
2 peanhas douradas para parede.
2 ricas jarras chinezas.
2 bellos quadros aquarella com moldura dourada.
2 ditos ditos a fumo.
2 gravuras.
3 bonitas sanefas para cortinado3.
3 pares de cortinados.
2 pares de escarradeiras de vidro.
3 tapetes pequenos.
1 esteira para furo de sala.
Gabinete l.
elegante secretaria de mnsaico de madeira com
tampo de pedra.
cadeiras de fantasia, pequenas.
consolo dourado para parede, com tampo de
pedra.
relogio de bronze (alto) do melhor gosto.
ricos quadros chinezes (pintura em Vidro.
par de castlcae*.
paysagem, obra em pedra chineza.
tapete peqneno e I esteira.
Gabinete 2."
magnificos guardaroupas de jacaranda com es-
pelhos.
lavatorio de jacaranda com marmore.
cadeiras dito.
quadro com muldura dourada.
cabide para chapeos.
tapete e I esteira.
Gabinete 3."
1 bonito aparador de nogueira clara, com pedra.
6 cadeiras pequenas dito, de abrir e fechar.
1 caixa de magno.
1 tapete e 1 es.eira.
Sala de jantar.
1 mobilia completamente nova e de optimo go:-to,
toda de nogeira, censtando de
1 mesa para jantar, elastica e de 1 s6 pe.
1 rico e grande aparador.
81 cadeiras de guarnicao.
i quartinheira.
4 quadros com moldora dourada.
2 jarros de porcellana, 2 ditos e 2 para plantar
flores.
Quantidade de louca e crystaes para aimoco e
jantar.
Em cima.
i toiliet de jacaranda.
6 elegantes cadeiras de mogno a Lniz XVI.
1 mesa elastica da um sd pe, de nogueira, com
frises pretos.
1 lavatorio e guarnicao.
2 aparadores pequenos de mogno, com tampos de
podra.
1 mesa com pes torneados.
2 magnificas caraas de ferro cam colehdes de mol-
la, obra completamente nova.
Attencao.
Precisa-se ccm urgencia de uma ama de
leite, que seja sadia, e que tenha bom e
abundante leite, para tomar conta de uma
crianc,a de dias, dando-se preferencia a mu-
lher do matto : quern, pois, estiver nestas
circumstancias appare^a no 3. andar desta
typographia para tratar.
A mesa regedora da confraria de Ncssa Se-
nhora da Soledade da freguezia da Boa-Vista con-
vida a todos os sens irmaos a rennirem-se no res
pectivo consistorio nc dia 22 do corrente mez. pe
las 10 horas da manha, atim de elegerem um pro-
curador do patrimonio, visto nao ter aceitado este
cargo um dos eleitos em dezembro proximo pas
sado.
0 secretario,
E. Tamborim.
Grande reuniao!
Para todos
Republicanos e monarchistas.
Democratas e aristocratas.
Foderados e confederados,
Communalistas e communistas.
Catholicos velhos ou novos.
Treefca-n
de uma mulber idosa para andar
nina de 2 annos : a tratar na rua Primeiro da
Marco n. 7 A, 1/ andar._____ '_
Irmandade de S. Francisco
de Paula, na capeHa do
Oaxangd.
De ordem. d ii.>>so irrrao- juts convido aos Doa-
sos charis.-imos irmios para ao dia 22 de feve-
reiro do corrente anao s rennirein na capella, ta
i 1 horas do referido d', aftra de proceder-*e a
elei^io da nova mesa reged< ra.
Cnnsi-torio da irmandatO de S. Franri- 'o de
Paula na capella do Caxanga, 19 de fevereiro t>
1874.
O e*crivin,
}m Bermene*ildo Xavier Sale*.
Pede-.-i: ao Illm. Sr. capitao Manoel de Car-
valho Paes de Andrade Gonvim, o favor de vir *
rna do Amorim n. 31, para tratar a respetto do
sitio que alngou em Beberibe, visto que nio se
tem dignado responder as eartas que lhe foram
dirigidas.
Alnga-se o quarto andar do predio n. o3 da
rua do Bom Jesns, antigamente rua da Cruz : a
tratar na mesma rua n. 35.
Cousultorio niedicu-cirurgico
A. B. da Silva Maia.
0\ Rua do Visconde de Albuquerque n.
Mil, outr'ora rua da raatriz da Boa-Vista
Wi n- '*
Ml Chamados : a quaiquer bora
y Consultas : Aos r bres gratis, das 2 is
7j 4 horas da tarde.
casa da mm\
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:000$()00.
0 abaixo assignado tem sempre exposto a -
la bilhetes da Maria do Rio, enja extrac^if b-
nunciari pelos jornaes.
Precos.
Intriro 24*000
M.io 12{000
Quatto 6*000
Manoel Martins Fiuza.
Precis a se alogar uma ama para rasa do
pouca familia : na rua dc Impcradnr n. 3.1
Todos deveni
Rcunidos ou nao reunidos
Fazer emquanto antes
Suas encommendas
Dos saborosos filhos
ir
Tao preconisados!
Fabricados a capricho
Dos pasteleiros
S6 e somente
Na confeitaria do Campos
94. Imperador 34.
Roubach Cahn & C.
mudaram o seu escriptorio para a rua do Com-
mereio n. 32, 1.* andar, entrada pela rua do
Torres.
Aluga-se um bom mole jue para ser criade
de hotel, ou outro servico, por preco commodo :
na rua de Santa Cecilia n. 10.
Roga-se ao Sr. Levino de H. Chacon, o'oose-
quio de apparecer a rna estreita do Rosario n.
14, a negocio de particular interest.
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rua das Pernambncata*.
com eoxeira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenorio n. 31.
Professora publlca.
A professora interina da 4' eadeira do sexo
masculino da f eguezia de Santo Antonio abno a
escola em data de 12 de fevereiro, e funcciona no
i* audar do sobrado n. 24 da rua estreita do Ro-
sario.
Venda ou arrendamento
Na freguezia de SerinhSem e distante dnas 1-
goas da estacao de Gamelleira, do engenbo Bura-
rema, com terreno de macape, a raaier parte de
varzea, de optima prodnr^ao, e para 3,0i0paes
de assucar annualmenle : queni pretender, diri-
ja-se ao capitao Jose de Castro Paes ISarreto, no
engenho Matte Grosso, ou a Leal A Irmao nesu
praca.
Nos ahaixo assignados declaramos ao res-
peitavel corpo do commereio que compramos ao
Sr Jose Fernandes Paquete a taverna sita ao pa-
teo da I'.ibeira n. 12, livre e oe'embaracada de
qualquer debito que possa apparecer : quern se
julgar com direito, a; resente suas contas no praio
de tre dias, a contar de>ta data Recife, 17 It
feverciru de 1874.
Santos & Ft-rreira.
No dia 3 de fevereiro do corrente anno fug.o
da fazenda Jaboticaba, termo de Carnani, o escra-
vo Benedieto, idade 22 annos. com os signaes s-1-
guintes : cabra, cor de laranja, pouca barbs, ea-
bellos carapinhos, uui pequeno talho no rosto, en
torta nm pouco um p6 no andar e 6 um pouco
gago, principalmente quando veixado. Roga-se --
autoridades e capitaes de campo queiram appr
hender e leva lo ao lugar pe de Serra do Meodc-,
a sua senhora D Rita Franci-ca da Assurap.i .
ou a rua do Livramentn n 24. ao Sr. R*i
Francisco Pereira qtu" i.i i"compensados.
Precis a se alugar uma preta que tenha rra-
tica de vender na rua : a tratar no pateo do Ter-
co n. 24, 1 andar.
Precisa-se alugar um escravo pan o s^rvipo
em casa de familia: na rua Prim"iro de Marco
n. 7 A, loja.
Aluga-se uma pequena casa com uma sala e
dous quartos, propria para pouca familia ou para
dormidas de caixeiros, no becco tapado do largo
da matriz de Santo Antonio.
CASA DA FORTH..
AOS 4:000|000.
BILHETES GARAM1D0S.
1' rua Primeiro de Xargo 'outr'ora rua dt
Crespo) n. 23 e casas do \r 0 abaixo assignado tendo vendido nos sens fe
llzes bilhetes, um meio n. 2,007 com 4 000JOOO,
um inteiro n. 431 com 100$, um meio n. 3038 com
100$, e outras sortes de 40J e 20* da kMeita que
se acabon de extrahir (87'), convida aos possui-
deres a viram receber na conformidade do costu-
me sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantid*-
la 5* parte das loterias a bpneflcio da matri
de Serinhaem (88'), que se extrahira no sabba
do 21 do corrente
PRECOS
Bilhete inteiro i/OOU
Meio bilhete 2/000
KM PORgAO DE 1009000 PARA C1MA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuza.
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Furto de cavallo.
Na noite de 13 para 14 do enrreete foiiar.i. <.'*
freguezia da Fscnla. dm.- cavailos com os sif-
n feiro B A R A, sende de primeira muda. no quar-
to esaaerdo tem a marca G e no queiii esqoerdo
uns 4; o outro e um poltro rnco, bebe em hran-x
com o nie-mo ferro e tem no quarto esqnerdo j
carimbo M. : a pessoa que os apprehender
delles der n< ticia cjrta a sen dono Martinho Gar-
cia de Araujo, sera recompensada com W$
de gratiticafao.
Escada 16 de fevereiro de 1874.
Na rua de Sanu Thereza nTw se di ra qoem
vende Sll palmos de terreno, em Beletn.
r
Estd encouragado I! !
Agua mule ciu pedra dura
.Tanto da ate que a fara-
Roga-se au l!lm. Sr. Ignario Vieira de u-it
escrivao na cidade de Nazareth desta provincia.
favor de vir a rua Duque de Caxias n. 36, 4 aoa-
cluir aquelle negocio que S. S. se comprometteu a
reaHsar, p. !a terceira cbamada deste jornal, em
8ns de df-rTibro de 1871, e depois para janeire,
jassou a fevereiro e abril de 1872, e nada cumpr c;
3 por este motivo e de novo cbamado para dito
Im, rjois S. S. se deve lembrar que este nego
le raai !e oito a' n^s. e quando o Sr. seu filho e
tcbwa nesta cidade
Sao mui precisas
A pesoa que tiver achado duas rhaves e
uma banca, a" quaes perderam-se da rna do Im-
perador a "stacao da e>trada de rerro a rua da
Aurora, ou em algum dos \vag)u> da mes na en-
trada do Recite a Olmd.% querendo restitui la,
dirija-se a rua do Imperador n. :0, onde gencr-
samente sera gratifi-ada. _________________
D. 'tnflna Custodia de Luna C.valcante pi.-
vine ao pu.dico que ninguem fa;a transaccio a -
gunu com a casa sita na travessa do Fafcio d.
12 ; pois diti iwa foi deixada a mesma para
fructuario, e por sua morte pertencer is m
duas rilhas, isto por testamento de sua lia D.
Anna Maria de & uza, que se acha archivado m
cartorio do escrivao Domingo* Nunes Ferreira ;
e no poder do mesmo a copia do dito testamento e
mais documf ntos pertencentes a dita casa ; par
tanto, qualquer tiansaccao que alguim flzer "a
tenha feito sem a sua assignatura, sera nulla
Becife, 18 de fevereiro de 1874.
. Aloga se o
largo do Terco n.
n. 8, I.* andar.
!. e 2. andares do sobrado oo
18 a tratar a rua do Bom Jescs
Attencao
A commissno encarrcgada da liquid.-.cSo do pre-
dio sito & rua do Virconde de Itaparica (outr'ora
do Apollo) n. 26, tendo de proceder ao dividend;
do producto da renda apurada, previne aos cor.-,
senhores do mesmo predio que se sirvam apn <
Ur sens tituloi de quinhoes, no prazo de 20 dias,
no escriptorio de E. A. Burle, na rua do Boat Je-
sus n. 48, aflm de serem veriflcades e laber-se ao
certo qual a somina a que deve-ae applicar 08
dividendos. Recife, 18 de fevereiro de 1874.
Aluga se para qualquer servico de uma casa
um molequo de bons costumes e propno para
zinheiro de qualquer estabeledo
na rua Primeiro dc Marco, no eeeriptorw do Dr.
Angelo Henrique da Silva
j Aguardente de canna eitra-Hna, em caixas
de dqtia : na rua do Encantamento n. 5.

<
A
r
? r '

r

' '
S5R
J



DiariQ&l ffraambuco Sexta feira 20 de Fevereiro de 1974.
RDA 80 BRUM I.
LINHAS
11*.
>
*'i,-!io,. I,
<* ''i>eat
>
J(jPa8sando o chafariz)
PEDE.M AOS artfoifta de engeuhe unlroe *%n.uliri i. e Picp'
ikiniamo o favor de uma vmla ompleti qoe abi tin; aendo todo raperior em qoalidade e fortidio;
*edo pessoal pode-te verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNJ .. \0
Vapores e rodaa d'agaa ^~.":
UTCOBMUociaa doa aechores proprietarioa e para desKarucar algudao.
Moendas de canna J^SS 0'uawnh0*' **<* #
Sodas dentadas *"",niow*'' *"**
Taixas de ferro fundido, batido e de cub: e.
Alambiqnes e fandos de alambiques.
MTftATllTliemna P" mandioca e algodio.l Podeodo] todoa
HMWiuuiDiuuo e para aerrar madeira. T ser movidoa a mao
Rom ha* tPr agQ, vaPr
nUAUUBB de paieoto, garantidaa...... jou animaea.
Todas as machinas ***'de qDe "CMt0,MpreciMr
Fas qualquer concerto dd michiai8,no' jpre o. rewmido.
Pormas de ferro
.* r

tem aa melhorea e maia baratareziatentea do mer-
cado.
l!nAnmmAnr)oi Incumbe-se de mandar vir qnalqoer macbinismo a von-
uuvvioiUDUuaB. ude dot dientei, lembrando-lhea a vantagem de Cazerem
.aai comprea por intermedio de peasoa emendida, e qoe em qualqner oeceaaidade p6de
bee presur aozilio.
Irados americanos e iMtrDniento' w'lu-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
a
\ m do Barao do Triampbo (rna do Bruin) ns. 100 a 104
CARDOSO IRMA0
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para en
geohos, asmais modernas e melhorobra quetem vindo ao mercJdo.
VapOreS de force de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
VjalueiraS de sobresalente para vapores.
JlOenaaS lllteiraS e meias moendas, obra como arnica aqai veio.
TaixaS 'fondidaS e batidas, dos melhores fabricates.
Kodas d agua com cubaje do erro, fortes e bem acabadas.
KodaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
ReloglOS e apitOS para vapores.
BombaS de ferro, de repucho.
AradOS de diversas qualidades.
Formas para assucar g^es e pequenas.
ConcertOS concertni com promptidio qualqner obra ou maehina, p&ra o qne teem
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
\EnCOmmendaS man(Iam ,ir Por encommenda da Europa, qualquer machinismo:
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
e com nm dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
ditas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Bram) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO d IRMAO.
ODILON DUARTE URMA(T~
CABELLEIRE1R0S
'U"!i-nzRni-.\i.<;o
l.\0
UK
I0DAS
\m
MIRES
A&ULHAS
Miss ri s
IV\hA
PARTE
DA
Hachina
Com as falsificacOes que tem apparecido
DAS MACHINAS PARA C0STDBA
DE
SINGER
P
o
CO
C3
X
**
o
ma-
Nenhuma
china Singer e legi-
tima se nao levar!
mmd&a
g esta marca fixa no
braco da machina.
0>
GO
Paraevitarralsi- 5^
ficacpes notem-se
bem todos os deta-
lhep da marca.
o
c
X
o
i
Premiados ina exposicao de 1872

1
RUA
DA
IMPERATRIZ
N. 82
1/ ANDAR.
RUA

DA
IMPERATRIZ
t
S. 81
na**m
J. ANDAR.

Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o i)8s melhores con-
dico^es possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Srss. n'a-
quio que for tendente a arte de cabelleireiro.
/ Fazem-se cabelleiras tanto para homenscomo para senhoras, tupete, chignon,
^coques modernissimos, tran^as, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melfaor nos mercados estran-
geiros, recebe direetamente por todos os vapores da Europa, assuas encoromendas e flgu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 % menos que outro qualquer, garantindo
perfeicao no trabalho, agrado, sinceridade e pre^o razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcao e a retalho e todos os uteusilios pertencentes a* arte de cabelleireiro.
A dmheiro e a prazo!
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
Sao mais baratas.
Sao de doos pospontos.
Sao simples. >
Sao rapid;);.
San duradouras.
MACHINAS DE SINGER
Sao de dous pospontos.
Abainham.
Franzem,
Pregam trantjas.
Marcam pregas.
Bordam de linha de seda.
Alcolchoam.
Pregam cordoes.
UNIGA AGE NCI A
EM
mm
LlR]
PERiViS
A CASA AURICANA
RUA DO IMPERADOR 45
49 Rua do lmperador 49
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afsmados autores,
como sao : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riors, mandados espressamento construir para este clima, o qual os amadtores dos
bons pianos sd encontrarSo nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e a&nam-se pisnos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais completo sortimento de materiaes para concertar pianos, como
s8o: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RUA I30I1IPER&IJOR 49
Na rn* do Bra.> da VK-lorin n. 36 preffiM-s
allar ao St. vigario Audre Curcino.1ij Arauio Pe
eira, v negucio de seu inu
E. A. DELOOCHE.
49Rua do Marques de Olinda48
Acaba de receber ura grande soriiim-nto de re
logins americanos para parede e mesa, de corda
de 24 horaa e de corda de 8 dias, com desperladoi
dos melhores gostos e qmlidade.
Relogios de ouro patents inglez verdadtiros, des-
coberto com ponteiro grande no meio, rtos mais
modernos e do melhor fabricante de L< ndres.
Grande sortimento de relogios de prata, prata
donrada, cobertos e descobertos. Ditos de prata
foliada (plaque ), orisontal e patenie, de todc
prefo.
Cadeias de plaque e de ouro.
Lunetos e oculos de todas as qualidades.
Verdadeiros vidros de chnstal da Rccha, para
vista 'an-ida.
Vende-se tudo por prcco mais baratr. que em
ontra qualquer parte.__________________^^
Apreciem eumo se vende liaratii
>6 o n. 20
RUA DO CKESPO
IM DAS 3 PORTAS
DE
6u*lherme & C
GASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com bonitos pa-
drdes, e que se vende pelo diminuto preco de 200
rs. o covado I I
METIM
Metim trangado, padroes bonitos, a 320 rs. o
covado III
ORGANDY DE ^ORES
Cambraia organdy de cores, fazenda fina boni-
tos padroes, pelo diminuto pre^o de 320 rs. o co-
vado 111
LAS ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padrSes, que se vende a 240 rs. o covado!! I
CRETOXE
Cretone claros e es^uros, bonitos padroes, e fa-
zenda lina, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado III
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, peios diminutos pregos de 100 rs. o covado,
e pechlincha I! I
Cortes de casemira di cores, a 5*(00.
Colchaa estarapadas e com barra a 3J500 e
4*000.
Cobdrtas de chita adamascada a 30500.
LenJoes de bra man te a 2*000.
Dit4s de algodao a 1*400.
Toafl^as alcochoadas, duzia, a 5i800
Leja^os de cassa com barra a 1 *0O0 a duzia.
Dytos de cassa abanhados a 2*0ix> a duzia.
tos de esguiao abanhados, em eaixinnas mo-
denpas, duzia, a 3*S00.
mbria transparente fina a 3*000 a peca.
ales de todas as qualidades e precos.
amante de algodao e linho a 1*600 a vara.
pito de linho puro com 9 e 10 palmo3 de lar-
gura a 2*300 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 5*000 a peca.
Dito domestico a 3*000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o covado 111
Madapoloes trancezea de todas as qualidades de
o* a 8*399 a peca.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto preco de 8*500.
Tamisas inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a 44*000 a duzia
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto pre<;o
de 800 rs. o covado; e pechincha, e dao-se amos-
tras.
86 o n. 20 da rua do Crespc
Loja das ires nortas
DE
Guilhermc & C.
JUNTO A LOJA DA ESQUOA
e pechincha, so se
CHAPEOS DA ULTIMA MOD A
loja
50 n
Chegaram lindos e bem enfeitados chapeos do mais apurado gosto, para senhora : &
das columnas, de Antonio Correia do Vasconcellos, d rua Primeiro de Mar-
13.
I
J
I
33-
Constructor e alioador de pianos
liua do lmperador-
33
Ex-aflriador das antigas e afamadas casas Pleyel & Herz, e antigo director das offlci-
D casa Alphon.se Blondel.
Tem a honra de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que tem aberto sua casa de
concertos e aHnacSes de pianos, qualquer que seja 0 estado do inttrumento.
A mesma casa acaba de receber am grande sortimento de pianos dos melhores fabricantes
de Paris, como Erard Pleyel, Henri Herz e Alphonse Blondel) lodos os piano9 sshidos da casa
Dhibaut satf garantidos. r """
Cwnpra-se e recebe-se em troca os pianos, usados.
Na rua do lmperador
n.28 '
precisa-se fa^r aos seguintes senhores :
Domingos M'.vtins de Barros Monteiro.
Emigdio Marques de Santiago (Dr.)
Joio Vaz de Oliv^ira.
JoseFranciico Lope'.4 Lirna (Vawreth).
noel Pereira Braiiddo".
el dos Passos Miranda.
Theotonio de Barros e Silva.
Fransisco Pinto Pesaoa (Dr )
Francisco de Paula Borgea.
Franeiaeo Antonio Pontual"junior.
I XK 0 advogado Francisco de Paula Penna >M
^ continna no exeroiclo de sua proflssao :
a rua do Duque de Caxias n. 71. &
i Torre
Aluga-se para pssara festa um sitio com
' eicellente casa de tAbitasao e banho no rio
a frenta desta : quern a preterlder, p6de
procurar A rua de Oervasio Pires'n. '54.
PARA
Marcar vestidos, roupa de cama, guardanapos, lencos,
meias e todo genero de roupas
COMO 3 tHit! II
Carlos dev(sit, livros, envelopes e Ida a qualidailede
papeis, dnra e exaclamenlc com a nooie compelf nte da pessoa
Garanre-se daruraachapa t3o boa como poderia conseguir-se em Landres ou Nova
Yor, e afliane,a-se igualmente que a tinta sera" iudelevel.
You can bet your bottom dollar on that
Cada chapa com o oome da pessoa e acompanhada de dous fraspuinhos de tinta,
um pincel uma direccio sobre a maneira de empregar a chapa e uma receita para fazer
tinta. oostando tudo
Preco tixo.....3^)000
Em letra de mao e gothicB. 53JOOO
\UG01 AS \M,WC\N\S
PARA CHAVES
Sflo muito commodas e possuera as seguintes vantagens : "
Sertem para ajuntar as chaves, e ao mesrSo tempo sendo chatas, ha lugar para 0
nome e raoradia do dono.
Sao faceis de abrir e fechar, d*>ixam entrar a major chave sem offender a
argola.
SSo feitas de prata allema en8o sSosujeitas a.enferrujarr quebrar ou abrir ; como as
argolus de aco sSo mnito fortes e bonitas. Cada argola amerfcana com 0 nome 0 mora-
aia do dono, aberta na mesma, custa :
Pre^ofixo 2do00
P. LAURO MAGPHERSON
NO HOTEL ESTAUNfr
Rua do lmperador n. 32
TODOS OS PUS UTEIS DAS 9 HORAS" AO MHO DIA. '
Escrava fugida
Aufentou-se da *asa do seu senh r, no dia 26
do corrente a escrava Felicia com os signaes se
guintes : c6r parda clara, cabellos c*mprido, ate
os hombrns, roate redondo, falta de um dente
quasi na frente. corpo refon.ado, maca do rosto
basta te saliente, fui acompanhada por um ho-
mem. pra^a de cavallaria de riome Vasconcellos,
foram vistos no dia 27 da corrente, em Santo An'
tao : quem a levar "a Camboa do Carmo n. :i
sera gratificado gencrosamente.
HOVAS PUBLICACOES MUSICAES.
L. J. d'.4zveil llua lava n. % i.
A
Acabam de publicnr >e, e acham-se
vemla as sognintts rr.usicas :
PIANO SO'.
Dankp.spanii->m, pir \s.her 29000
Ar.Abr.ll.A, M\Kt'KK\. pur ;. Vii'T-
theiiiier 19500
Vai.sa na F.UMTO, por Crojmi 19000
Sorho DK l'jia viRuex, por Albor-
UiBi 19000
A.n.na la Pkie, c.iv.itinii 19000
Aot'.LAiR or la I.unb, por Bussmever 1*500
SaudacAo ao BAU.Ar,,ikabr,,hanle tmQ
Cricket, por Seixas, offerecida aos
chrickets dub pcrnambucano e
bahiauo 19000
PIANO E CANTO.
Desespkro, muito lindo romance
por I. Smoltz 39000
Non m'amava, romance por Guercia 19000
Tambem recebeu menide musica para piano, piano e
nntondos, methodos, Hr,. -tc.
Convida-se
aos senh' res e.ciiptores, littera os, chrfes de r-
pai tic/ies e cummeRiantai a \isitarri:i a
ENCADEK.NA^AO BHA^ILEIBA
a rua Duque de Caxias 0. 21, onde verio iu< J
K-le 0 esiaoele "imento quo diapoe dos bSmpci
mi'i'is n proeaasn para bem wnl na arte de
encaderuar, e o ni*i<*o .pie
IMSSl'K A v-I.IIOR
machina para molar papel, ri-car livros, mappas.
manifestos, folhas de emprepado^, despachos, tac-
i.uras, contas correntes e de vends ; cujo tr.l I
sera regnbdo |>ela Mfointe taMla Je precos :
P;ipel peqi-eno em i-ai\inhas.
Para pautar t caixa \m 0.
Idem i ditas a 500 rs. enda tip a
Idem 10 ditas a iOO rs.
)! in 2(> ditas a :>0O rs.
Idem "0 ditas a 2."K) r-.
Idem 100 ditas a 200 rs.
Idem 20-1 ditas a !?>( rs.
Hail de 200 ditas a 108 rs.
Pa pel em tamanho flume eontaa e desparh.a.
Por pautar t mnw IfSOO.
Idem 10 a \*')) cada ;.;:,-..
Idem :flalj.
Mem ."0 a 800 rs.
Idem 100 a 600 r*.
Idem 200 a 400 rs.
Mais de 200 a :20 rs.
Onlps trabalhos c> nfornie 0 a lste.
A dilTcrcn^a em pr*$o do papel liso para
pautado, no nosso mercado, t1 muito *nperi<>r 120
rs. em resma, sendo pi r is-n vanioj IMPOhTAlMlKES DE PAPEL
mandarera vir 0 papel liso para aqni fer pautado.
podendo as.'im venderem mais barato, ganhando
mais dinheiro, para o ijue
GABAXTESE
a bondade e limpe-za do trabalho, antrenada
os volumes de resma com a mesma perfeicao *
igualdade que .'e tiver nrebido na
F.N ADERNACAO P.RASILF.IBA
21 ttua Dnque de CaxiM 2t.
ClhMAIIO.
Os Srs livin, Fi-rnao^es la Cruz .; J'aquim I
mente de L^mos Dtiar'e, ?in ehainadns a rua ,J
Covoml Soaaaona 11. Sst, a eforio de paaHeoUf
mteresse.
LAIIAMIIMS
selects e ^e umbigo
(Enxertadas)
Sapotizeiros
e npetffra de II palmos (em wot) 0 de tci 1
os tamanhos e precos mais comuiodos que den-
ies ; assira como as seguit.tcs outran plant.v
fructa e de oraaio :
Laranji cravo
Dita de lioce do P.-.i I,
Abacati.
Acacia.
Articum a pe.
Canella.
Casnarina.
Carolina do prircipe.
Condc.a.
Coracao da India.
Plgneira.
Flamboyant.
Fructa -pao.
Inga do Para.
Jamlw.
Jasmim laranja.
Laranja da China,
Dita do ceo.
E outras plantas :
ura n. 20.
Dila brtnea.
Dita tangeriua.
Lima da Persia
Tita de DDibigo.
Limio Iraarex.
Dilii doce. enxntad
Oiticord.
Pa meira imperia1
Parreiru.
I inht ins,
Rua* uat
llozeiras.
Rozeda.
Otoia.
na Capucga a rna da
V-L
ESCRAVO FlIIHDn.
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do err
rente, do engenho Serigi, comarca de Govanna. 0
escravo de nome Jose Horgs>, mestre de aaaoear.
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an
nos, pouco mais ou menos, boa ligura, um tanto
grosso e e^padaudo, sendo 0 signal mais visivel
uma gonlma na junta do pi esquerdj : roga se a
todas as autoridades e capitaes de campo qn^iram
apprehender dito escravo e leva-In ao referido en-
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serao generosamen
te recompensados.
| AD70&AD0 I
g AYRES GAMA |
RDA DO DEQUE DE CAXUS
HI
Primeiro andar. t&
Amaro de Bsrros Correia e Captulino Ro
drigue do Passo vendem terreBos, regnlarmcnte
trarados, no seu sitio de Bebxribe de Baixo, ha-
vendo organisado nma planta de seu perimetro,
em qne se desenha visivelmente a distinrcjao
e regularidade no sen projecto de arru.imeutos
oovos, approvado nela camara municipal de Olin-
da. A fertilidade do terreno. a sua proximidade
da estafiSo do Fundao, da linha ferrea do Recife
a Beberibe, conseguintHmente do rio Beberibe, e
commodidade dos precos cunvidam os pretenden
les a compra, que os poderao procurar a Amaro
de B. Carreia, em Beberibe, a. Captulino Rodrignes
do Passo, no Recife, e ao engenheiro Antonio Fell-
ciano Rodrigues Sette, a estrada de Joao de Bar-
ros n. 9.
ALUGA-SE.
0 andar do sobrado % 82 da rua Marque* de
Oiinda ; a tratar no armazem do mesmo predio.
Precisa-se alugar uma escrava para rozinhar
e comprar | a tratar na rua Primeiro de Mar^o n.
*3,loja. n
Autonio Goncalves Ferrura CaT
cao, 0 bacharel Antonio G .;,-.
rerreira e Caodido <; iocal>es Fer-
reira ii.andam resar mi-sa> na igre-
ja da Ma-ire de Deos, pelaf S boras
da manhado dia 21 do corrente
em suilMgio dalma de sua irma -;
tia, Anna Fgr.ez da Ro ha Bastos, *posa dc Sera-
pbiin Alve- da R.xlia Bastos, faliecida na lad-
de (.oyanm no dia 13 do cm-nte; e e.-per.-.m (MM
srus parentese amigts c.iucorram a e^te act.
candade.
U 1 n a rd, n > A\" FrVT iiraTconvidaatod??.-
seus parentes e amigrfa para .-sistirem a 1
sa, qne i>elo eteriio re^itiso de sua .[-. e U'm-
brada m.i D. Francisca Maria dos Santo-, ivanda
eelebrar na eapella dc ceniterio publi..-.., peias
8 l|2 hora- d;. manha do dia 21 do crrente se-
tio: 1 do ;en fnlli'i-imenti.

Jo^epha Maria Teves
Frcitas.
Joao JuUino de Sonra Freilas e
seu lilho, cordialm -nte agrade
a todas as pea*o.i* a acompanhar, a oitina mnrada. m
rest..s mortaes de sua mm pre
da esposa e madra-ta D. Jer>a
Maria Teves Freilas; e da novo
Ines rog;.m o cando'o ..bseqoi,. de assisDrem a
missa do 7." dia, que pelo repouo elerno de ^ua
alma, mandam eelebrar na segunda feira 23 do
corrente, as fi bora* da rnan-i na igrei.t do n-
vento de N S. da Glo ia ; per eujo aetc de
rioade, aatia elernamenie reconheeidos
BB&ttmmtJexxm*s&i&na&-2r3m
I). Francisca Maria dos
Santos
Bernardino Alves Ferreira, Theolunio Aires Per-
reira, Jose Antonio Moreira e sens tfihos agride-
cem cordialmente a todos os seus parentes e mai
pessnas desua .-mizade.qnfi Ihcs Czera:a o cariio-
so ibsemu de assistirem aos ultiraos suffraai c
de acomi'.inharem ao cemiterio publico os r.toa
mortaes de ?ua qucrida mai, sogra e avo, D. Frao-
cisca Maria d is Ssntos, faliecida no dia 16 do
corrci.te ; e de novo convidam a tidos o um
paii utas e amigos para assistirem as mi^as'ta
pelo sen eterno repouso mandam eelebrar 1
igreja da Madre de Dew, pelas 7 horas da man'hi
do dia 21 do corrente, selimo do sen (Menu
%s- 0 abaixo assignado venleu aos Srs. Sanos
*-Ferreira a sua taverna sift ao paleo da Piceiia
n. t2, hvre e desemoaracada de qoaiquer one* ;
havendo quera qucira eotea ter-ae com 0 vend
dinjase a rut estrwta do Rosario n. 9
Recife. L7 de feverei n de 187i.
Jose Fernandes Paqr.ete.
'
a
^. 9
'\
/,
1



<
G
Oiarib*ti Jfcia^-fcj^&t*-ir*j2^ de FettS&SW$ > fon
\
Botinas par* howiew
Acabam oe chegar grandes faetaraa bem sor
bctiuas de beaerro, de cordavao, dafiellt-
ca, d dur.ique com biqrwira. de beierro can b i
lues, a-eom iltiozes a 9*fl00 (a escolh r) for ter
vinio grande quantidade por-conta ordem do?
fabrieantes : au armazem do vapor francez, a rua
do Baiao da Victoria (eotr'ora Nova) n. 7.
Calcadu
OH
Iraueez.
Para ttoiueni.
BOTLNAS de bezerro, cordavao, poHtca, lustre f
de duraque com biqueira, dos melhore<
fabrieantes.
SAPATOES de be?erro, de cordavao e de case
mira.
SaPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de pio, pro
prios para baohos, sitios e jardins.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de trance
, franceaes e porrugOezes.
Para senliora.
BOTIXAS pretas, brancas e de oores differentes
Usas, enfoitadas e bordadas.
SAP.iTINHOS de phantasia com salto, brancos
pretos e de cores diiTerentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes,
, lisa-:, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para meninos.
BOTINaS de bezerro, lustre e de cordavao.
ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de diversa?
qualidades.
SAPATOS do tranea francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
Lotas a Napoleao e a Guilherme, perneiras
meias perneiras para he-men-, e meias perneira?
para meninos.
No armazem do vapor franee:, a rua do Bara>
>ria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadciras do. balanco, de braco, de guerni.-oes,
sofas, jardiuciras, mezas, conversadeiras e costu
teiras, tudo isto muito bom por serem fortes *
lew j. e us mais proprios moveis para saletas e ga
binctes de d'-toios.
No armazem do vapor francez, a rua do Bara>
da Victoria u. 7, outr'ora Nova.
F1ANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes t-
de elegant" modelos, dos mais notaveis e bem
enhecidus ."atricantes; como sejam : Alpbonse
Bldunel, Hemy Hers e Pleyel Wold" & C.: nc
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou
Jr'ora Nova u. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos exTaetos, banhas, oleos, opiata e pos den
trifiee, agua dc flor de laranja. agua de toilett.
divina, florida, lavaude, pos de arroz, sabonetes
cosTietii-os, muitos artigos delirados em perfuma
ria para pri'seRt-is om frascos de extractor, cai
xinhas surtidas e :arrafas de ditterentes tama
nh is d'agna de cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bran conhecides fabrieantes Pivere Cou-
dray.
No armazein do vapor francez, a rua do Bara<
da Victo: i;, uu'r'ora Nova n 7.
Quinquilharias.
ft.rt5fc;oK die. differences gostos e
phuntazius.
II is d uradi's para salas e gabinetes.
ess para senlioras e pia meninas.
L'.. its de Jouvin, df ti de Bsc-cnir e de eamurca
Cai.vinhaa de castors ornada e l>. musiea.
Aliens .;.!:," a* w retrain,
feiximias com viur ue auf munuir loiratos.
i'.iver^a? oliras de ouro bom de lei garantide.
Gwrenles do plaque muito bonitas- para nk>
gios
FT. c.j ,n :.: -;. hoioes de punhos de pla
BdUiunas 6 coJr 4b seda, de velludo e de C"U
rinno de r3res.
N'i'. s obicctos de phantazia paracima de mes:-
e. iettt.
PincinoZ de cores, de prata dourado, de a qo
I- tartai aga.
Ocul' de a.o fino e de todas as guarnicoes.
bee;- Jas de luxo, canna, com castdes de mar
fi .
Be.'it'lias diversas em grande sorlimento pari
omens e meninos.
Chicoi ., is de baleia e de niuitas qualidade;
(Wer>a.s.
Esjioraa 3e tarracha para sallus de b.,ia^.
\< espulaa para charulos e eigarcoa
Pen-es de lartaruga para desembarajjai e p-.r
barba.
Dito.- do marlini muito finos, para Iimpsr ca
ifflnada.
Na rua do BlRKi da^fttoria n. 36. pracisa-t
fallar ao Sr. tenente JoS6#affi tStaii a n'
gaoio de sen mreresso.
Precis a-se die
duas amas para
casa de pouca fa-
mi lia, sen Jo uma
para cozinhar eoutra para engprafnar, pre-
fenndo-seescravas, paga-se bem, se agradar:
a tratar na travessa d JBjp*feenorio n.
1, escriytorio, das 9 as 4 da fttyde.
Frectsa se de uma ama pa-
ra.cooajrar e cozinhar para
caea de dus pessoas : a tn
tar na tra^esst de S.-gedrftik 8.
^m*-------r-
\MA
dr^fcl
j|fei para casa
na rua Daque
A rno Precisa-e de nma ama qoe saiba co-
-vlUd zinl?ar e eng .mmar, p.^ra c#a,de pouca
familia : na rua do Marauez de Otlada n. 22 (o$-
[Jr'ora Cadeia do Recife). ^_________
amif': na rua de
;V:U V mi*m |amia:
Caxias n. 84, kija.________________________
Ama & leite
Precis* se de nma ama de leite, e qae n3o tenrta
fi I ho : na rna Dnque de Caxlas n ttl._______,
Precisa sedc nma arra para coz|
: a traur na rua do Imperador
AMAss
&p% ^spjiores de e
2a2^h^s proprie
que prelfenderem ea
casas de campo, o
ras, nivellamentos, as
vapor, plantas on ontros
te ganeto, qtiei^am dirif _
escripto a A. Coutinho, a rua
andar, escriptono.

Ama
Precioase de tma
Pedro Affonso n. 40.
Precisa-se de uma ama que saiba cozinhar,
para casa de homem solleiro : a tratar na roa do
Brao da Victoria n <8<).
Antonio Jose Rodrignes de Senza, em sen es-
criptorio a rua do Crespo n. 6, compra, por bons
precos, ejeravos das diversas cores, aexos e
dades._________________________________
Na rua da Penha n. 2 lava-se e engoraoia-se
com presteza roupa de hemem e senhora : quern
pretender, dirija-se a mesma casa.
Esojva* para ruupa, cabellos, unhas epara dtn
Cart irii.ii;:.-> de medreperola para din eiro.
Gravatas brancas e de seda preta para b.iJrIJtn^
e meninos.
Cam, aiul.as de mola para ch mar eriados.
logos da gluria, de damn, d" bagatel' .<, de do
rr -io e outros muitos differentes JogOioaoe alie-
L:a:'s e fr.incczes.
Malas, Lil,as e sa':cos du Viagem d: rr.a;- e ca
minhos de ferro.
Argnlmhas de martini para as crian^as mordr-
rem, bom para os denies.
Bercos <.. vimes para embalar crianQas.-
Cestinlias de vimes para brajo de meninas.
Carri l.os de quatro rodas, para passeios d
crianca .
Venezian.is transparentes para portas e janella.-
Reverbeivs transparentes para candiciros de
gaz.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhidaf
vistas.
Lanternas magicas om rieas vistas de cores en.
vidrus.
Vidros avulsos para oo Globos de papel do c-'-re-^para illumi^aioes d*
Jestas.
Baloes aereostaticos do papel de seda mui facii
de suliir.
lb Chinas de varios systeraas para cafe.
Espana-lnres de pallia e de pennas.
Tes!.ar:::!ias e canivetes finos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lanternas.
Tinteires de louca branca, modelo bonit>, e bom.
Tiras de molduras. douradas e prtas para
qua iros.
Quadros ja promplos com.paysagens e p'lanta
ua.
Estampas avulsas de santos, paysageus e pltan-
tazias.
Objectos de magicas para divertimentos em la
ilia.
Realejos pequenos de veio com lindas p.?cas.
healej. barmonicos ou accordions de todos os
,'Miantios, e outros muitos artigos de quinqnilha-
mm difficeis de mencionar-se. No armaz-m dc
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Hova n. 7.
Medidas de 40 a 10-.; metros,pes e pal-nos para
medir terrenos.
Br.siqued :S para .aeniii ;s
A maior variedade que se ppde desejar de to-
dos os brinquedos fabricado* em differentes partes
da Enrop;.. para entretenirnento das crianjas, tudo
a precos "tais resnmidos que 6 pos^ivel : to ar-
mazem do vapor francez, rua do Barao da Victo-
ria, ontr'- ra rna Nova n. 7.
lesliflkas paa eostura
Grande sortlmeoto de bonito3 modelos chegados
ao arrrazrm do vapor francez, rua do Barao da
ria, outr'ora rua Xova, n. 7.
lOOpOOdegratificacao
Engetiho Santos Mendes
Fugio no dia 20 de dezembro, do engenho San
tos Mendes, comarca de Nazareth, freguezfa je
Tracunhaem, a escrava Maria, crioula, 50 annps
de idade, pouco mais ou menos, ban, grossa, cor
preta, rosto alqucbrado, pes seccos e espanados,
dedt-s curtos. cabellos brane9s, canellas finas, tem
dous signaes cabelludos no queixo, e e bcra ladi
oa. A pessoa que entregar esta escrava ou ao seu
Ion i, que e o senhor do engenho acima, Lanren-
uno Gomes da Cunha Pereira Beltrao, ou no Re-
;ife, largo do Cocao Santo a. 18, 1 andar, sera
ecompensada com a quantia Ue 1001.
Garanhiiiis.
Na rua do Barao da Victoria a. 36, precisi-s,
aliar aos Srs. Pedro d'i Rego Chaves Peixoto e
ose Paes daSilva, a negocio de particular into
esse.
tjkhdiafiWDf imwim
Rua A1
'. Hii>il

Vend-H|iatroca-so nma
boa, aa noa,ltfperial, com
grande aterro, porUo de n
que bota para a linha fern
vas, preferindo-se a iro'ca por
o preco e muito conmodo :
rija-se a mesma casa, que a
- (Joem precisir de urn
ainda moco, com prati -a de c
mesmo de taverna, e com
de eserjptarayp, dirija se
kM4-vs| chegou ba
Barbeji*q
No salao de cabelleireiro *B.30dilat Duirte
Irmao, rna da Imperatriz n. IB, vroiM-aa de
bom official de barbeiro, paga-se bem.
Gratifica-secqmgenerosidade
" o g
fo
tro e ua Mtl djBjajyajjue
encraz*arJa drBelenr arc a rda aa mra~ ames
de hontera : a entregar na ma do Imperador n. 0;
onde recebera a gratiGcacao. g- m ri r v
to
na
.llfLKaiL
B
, .
,/;
anna.
Aluga-se o 3* andar e sotio jd*:so!
a rua da Imperatriz n. S3, e a loja : a
2 andar do mesmo._________________
Agencia de lei^e^,.
0 abaixo assignado declara ao r-aspeitavel pu-
blico. qae, tendo abcrto o seu escriptorio me
jigenciu de leiliefi a rua. do Mafqpez de Oiinda n.
44,1 andar, continua a recebeV moveia; lonca,
tazendas, obras de ouro e prata, predict e todos
quantos objectcs se lhe remetta para serem ten-
didos,m Jeilae.oHblico_,o^'.*friismar, vontade
de sens commitentes: e como query ^ue o sea
nova estabelecimento se ache o melhor possivel
localisado, alem de que offeroce aajnelhores
propojeoes para a boa^onserAa^ao dps objectos
[iue Venhi de receber; o ahaixb asfigaado eom-
^promette-se nao s6 a empregar toda a ac/iividade,
zelu e poniualilaLe.ao ofmpdiaato de seas de-
iJieres, como'tnesmo seus pagamentos serSo feiot?
com a costumada promptulao, que lhe e cvnhe
cida.
Recife, 17 de Janeiro de(|8T4.
Raymundo Remigio de UeMo lunir.r.
1' ta wat
gada poprjpi
WMM
:
AV
Vende fazendas para Hquidar, por baratisftimo preco come
abaixo se ve:
Pereira da Silva & Guimaries teudo em ser um grand depoatP de fazendaa
lem resolyido fazer uma liquida^ao dos mesmas com grande abatiroeato dm prejos
com o unico fim di apurar dinheiro, para o que convidam nSo s<5 os seus numerosoi
freguezes, como o respeitavel publico, a'tir surtir se dtimurfea faiemlas, boas ebantai
no seu estabelecimento denominado oPavao-a rua da Imperatriz nV 8o.
GVMBRAIAS A 4, 4*300, Sfl, 69 7jk- [francez muilo nno a 3#000, apenas preei*
0 Pavao vende um tpagnifico sortioieuto V* metr^Para.Jlmieili0L_
1
Aluga se a exwUame-cuMa-da traaassa de Pa*
sandii n. 3, proximo ao hospital portugnez, com
commodos para gnaode familia : para- tratar, na
rua do Amorim iT 56, 1* anfttr.
Constaudo aos abaixo assignado achar-se ne3-
ta praci o Sr. Mano-'l Fernandcs de CarvalHo,ren-
deiro dos cngenhos Barra e Preguija, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogao ao
mesmo o obzequio de vir entonder-se coai os
abaixo assi^nad-s imniediatamenle sobrez-negocio
tendenie a,-;s referidos engeahos. Rua da Amorim
37, escriptorio.
Taaso Irniiioa & p.
ALUGA-SE
uma excdlente casa construidi de novc\ si!a na
entrada dos Afflictos, tem commodos para grande
familia, itio muito bem plantado. jar Jim e baohei-
ro : a tratar na rua Primeiro de Varco n. 2, livra-
ria economica.
V0\ Si!J
a gr;
ebar
. 2,li\
Escravo fugido,
Continiia fugido o escravo Sebastiao, crioulo,
fulo, altura regular, corpo reforgado, fallh am
pouco descanrala ; foi aqui vendido em'.15 de
dezembro pel* Sr Jos6 Francisco Pontes dfe Aze
vedo, tendo sido escravo do Sr. Alexandrefeibei-
ro' de S bral, todos da freguezia de S. CaetJHo da
Raposa ; c^ta matriculado no mnnicipio daf Carua-
ru', e foi ha poucos dias visti em S BejBo : ro-
ga se a t.-d.is as autoridaies e capitaes/Be campo
a captura de dito escravo, e traze Io alrua do Li-
vramento n 38, armazem Baliz.i, que Igrao ge"e-
osamente recompen-ados.
Alugii-se
uma sala na rua Dnque dc '.'axiis
para advogado ou car'.urio : a trntan
propna
-m loja.
se
alugar para servico mnitj le^e, dens negros ido
sos. ou dous uioleques: a iralar na rua do Hcs
picio n 2G.
Terreno.
Retalha se a vontade dos compradores um ter-
reno na Torre, 50 pa sos da linha dos bonds e
perto da machambomba. Este terreno csta collo
cad > entre duas e-tradas que van ter a beira do
rio : a tratar na Torre com o Sr. Assis Pinto, na
rna do Arantes, e no Recife rna Formosa n. 27.
- Precisa se alugar uma escrava que saiba
ozinhar : aa rua Nova n. 7, loja.
CarvauW-A
20, accam
nde estabelecimento tem cha-
in sortimento de machinas para
eostort, d todos os autores mais acredita-
dos uliiniarnentena Europa, cujas machinas
ado garaptidas por um anno, e tendo um
perfefto 41rtista para ensinar as mesmas, em
qualquer parte desta cidade, corno bom as-
sim conccrta-las pelo tompo tambem d'um
anoo sem despendio algutn do comprador.
Nesle estabel^cimante timbem ha portoncas
par* as mesmas machinas e se soppre qa|-
quef pega que seja necessario. stas>ia-
chinas trabalbam com toda a perfijicStJ de
um e dous pospontos, franze e borda toda
qualquer po*tuTa;por fir.a >que soji, seus
reijos sao da aegi^inte qualidadu : j> i tra-
balhar a mio de 30SS00B, 40JJ600, .".JiiOO
eSOjJOOO, para trabalhar com o pe sao de
$05000, 903000, 100&000, 11CJ000,
120000, U09000, 1509000, 200-^000 e
2oQjJi000, ^mqu#rUo aos au^orcs nao ha al-
l^rag^o de preG0,e^s coropradoros podorao
vfcilariestoeatalielacimonta, que muito de-
verfio gostar pela variedade de objector que
ha semp.'s para vender, como sejam : cadei-
ras para vingem, raalas para viagem, cadei-
ras pace salas, dit^ai de balango, ditas para
ccianga (alias), ditas para escoLss, costurei-
ogueira. na rua tOjApfJlo ,ras riqui^simas', fata senhora, despensaveb
sobre o Banco Commercial !para criancas> dc todas as quali dades, camas
de Vianna e suas agencias em todas as ci- de ferr0 ?ara b^meja e Crianas, capachos,
dades e villas de Portugal, a" vista e a prazo ^pe^os dourados para sala, grandes e pe-
por todos os paquetes.___________________ quenos, appareihos de metal para chd, fa-
D. Umbelina de Paula jywa*>in cabodemetal e domarfim,
Precisa-se **>******** astasenhora a ne-" d*ios vUw81 **s^ "ta fino, condiei-
gociodeseuiSSesJvaia rua da Imperatriz n. fos para sala, jarros guarda-comidas de
56. loja da Roaa-iBranea. _____________ ^arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
" T? 'am c ipva forrar salas,lavatories completos, ditos
iimpiegOS. j simples, objectos para toilette, e outros mui-
Precisa-se de dous rapaz^s de IS ou 16 aonos tos artigos que muito devemagradar a todos
paraservito facil : a tratar na rua do Hosp.cio visitarem este grande estabelecimento
qae se acha aberto de-.de as 6 boras da ma-
nhfi ate as 9 horas da noute a"
Rua do Barao da Victoria n.
22,
Alvigaras.
Venham Indus apressados
E com os colsosireclieados,
f)u C-ini|i'..-s ao : rm.'iz-1:.! ;
Venham, nao falte>ningum
Ver o grande sortimento
(Um verdadeiro portent >)
Que pra a Hquaresma- tem ,
Comprelieijdem 1 ora bem I
E' com as tripas pulando de contentamento que
me apreseuto ante a onla gastronomica das sa-
bias e illastres barrigas pernarabucanas, felicitan-
do-as por ja so acharem livre da pena de iaterdic-
t commungada, c in rein os mais finos e saborosos
comestives, coadjuvados por uma cascata de vi-
lIios de tudaa aus. qualidadts, deixando a quern
Vende-86 f.irinhac*-a e escelleute, a bordo:dos 'dezejar o direito do grHar: viva o triumphodas
referidos n vios : a tratar com o capilao, ou com barrigas
das mais Gnasrxambrajas "brancas transpa-
rentes, tendo 10 jardas cada pec^a, pelo ba-
rato precd de AV>, 500, 52S, 63,iendo tam-
bem das mais finas que custumam vir ao
mercado, assim como Umgrande sortimento
de ditas tapadas e victorias que vende de VQ
ate 89, sendo fazenda que valle muito mais
dinheiro.
COM SALPICOS DE CORES A 5.
e PavSo recebeu um elegante sortimento
de cambraias brancas com bonitos salpiqui-
nhos miudinhos de cores, tendo 10 jardas
cada corte de vestido e vende pelo barato
preco de &Q, por ser pechincha, drtas com
salpicos todo branco sendo fazenda finissima
a 79500 e ditas a 59000.
VESTID0S 4 USO UA CORTK 18JJ
0 Pavao vande um bqpito sortimento de
cortes de vestidos a uso da corte, trarzendo
cad* cdrte todos os enfailes necessaries como
sejam : babadinhos, entre-meios, rendas,
requefifes, e vende pelo barato preco de 129
ClUU*-ftAt06
a 29, 29500, 4?.
0 Pavao vende cbaies a emitac*o da Be>
rin6 a 29, ditos de merino* lisos.de toduai^
cores a 29500, ditos de mqMtaatamfiaAoi
muito finos a 49, ditos finissimos com Us
t-as deseda a*6f500, ditos muito fiuos 4*
crepbm a 109 e 129.
Algdo enfe.Maio a lot fM
(J Pavao vende^algoJBo eufoMado com t
palmos de largura, proprio para lencde>
sendo do mais encorpado que tem vindo a.
meneado, liso a 19 ara e tranr^adoa.....
19280.
ATOALHADO A 19000, 29, 59.
0 Pavao vende atoalbado 4rancado com I
palmos de lacgura a 192XJ a 19600, 4it<
adamascado a 29, dito de linho adamasca
mm
J WDA MILMEOTIDOS
* 19*0 e 29.
- 0 Pavao vende um benjte sortimento d.
sedas com Hstrfrmas proprias para Testi
&
ucada iim, assira eomo, dios a 2 de jqlho dosde rnaiinas^de seubora a lrdOO oco
C0r^PB/t$
BORIiACHA
Compra-se na rua do Amorim n. 66.
Compra-se roupas servidas de mi.
todos os obj"Cts pertencentes aos mesn
rua da Roda u. 18.
*s e.

Santa Catharina, no Impro-
viso ema Claudia
Amorim Irtnaos & C
Las com olhos.
Casa no Monteiro.
Aluga-se a de n. 61 junto ao sobrado, com quin-
lal e sahida para o baaho : :\ tritar na rua-do
mperador n. 57, 1 andar.
Aluga-se o sobradj de um andar e solao com
commodos para grande familia, lito a rua de Hor-
tas n. 17, e a loja do subrado silo a travessa de S.
Pedro n. 17 A : a tratar na rua de Hortas n 17,
taverna.
A rosa bran.-a recebeu umas lindas las com
olhos, mas nio vi, e e senhorauqnereria um vestMo quo
a fazenda e superior, larga e niod^ma, e ensta
700 rs. o covado : venham ver ou mandem bus
car as amo>tras com penhor na rua da Impera-
triz n. 56, loja de Azevedo & C
Mas, como ia dizendo, nao podia deixar de
acontecer assiin, corHideraodo-se como foi sabia e
bem barriualmeute planejaJo o ataque das bar-
rigas grandes, contra a tucia dos bandnlhos ca-
ninos, que ostrificados a idea fictici:; do infer
Toalhaa com 4 1[2 palmos de
comprido a 500 rs.
I^to 6 grande pechincha, e" o preco de ama vara
de algodao, sao alcichoadas, e 6 fazenda muito
b)a ; aproveiiem quo disto n^io ha acmpre : na
rua da taper airiz n. 68, loja da Rosa Braaca, de
Azevedo & C.
iUi. ihT'm 1>iel") iuveDt;''3 peUs grandes barrigas, pa-
' ra horrorisarem as barrigas sem tripas, sustenta-
varn a mais ab.-urda das monstruosidades : a
infallibilidade do principal bojo do amor as avessas
e de tripas dadiis e a forya de tripadas queriam
hypocritamente alimentarem a pelludae famigera-:
da ex que.-lao do d.a centopea negra que en-
rolada.no eapote thamuscado da inqalsicao, pre-
tendia.assar o round j das barrigas, privando an-
Boi
Afl'RS;
(iC
incumbe-se de
ou jndicialmente
Albuquerque Mb
promover cil
assira cfmr de or

Barbeiro
Precisa-se de um official de barbeiro e que en
la tkind'arti : no andar di casa n. 36,
ra.4 UaTuaJe Caxi
liOilA
Aluga se a loja do sobrado n 9 da rua da ia-
rora : a tratar na rua do Hospicio n. 26, taverna,
on na rua da lmpera(rix n. 10, tswna.
as amigavel
os neg-icios
concernentes k sua profis-ao, cos lanlres proxi-
mes a linha ferrea, e no? outros te^mos proximos
a esta cidade; para etfjo auxiflu lem o annun-
ciante sulicitadores habilitadiis e probos, respon
sabllisando-se no entanio pela boa gestao e conta
do que lhe for oonfiado.
Mediante modico hinorario acode aos chmados
para diligenoias ou consultas'fora da cidade e do
termo e incumbe-se da defeza de appellacdes ante
o tribunal da relacao. Pode s<-r procurado de
meio dia As 3 hora~ da tarde em seu escriptorio
rua do Duq ne de Caxias n.37.
Para prinrijiiante
Traspassase a lja de fazendas da.esquina da
praca da Independeiicia n. 2. de daaa portas e
com poncos fundos : a tratar na mesma. '
(iOziHh. ir,
on cozinhrira, precisa-se de nmjiara casa de duas
pessoas: trata-se n> rn do Pas.-e; > n. 60, das 10
horas da manha as 4 da tarde
e carroca.
Vende-se duus buis e unia-carroca : para.tratar
na taverna do Corre Bda; na Casa Forte.
Paeheco & Azevedo tem ;para vender ta
piooa de ararnta, qnalidadereyjecial, em seu ar-
mazem, na rna d Dnque de Caxias n 29.
tes a humanidade de ganhar
temp is como e^te de qnaresma
dinheiry e de em
- Wll-on Howe & C. vendera no seu armazem
a rua de Coramercio n. li :
0 verdadeiro-penoo de algodao azul ameneano.
Excellente fio de vela.
Cognac de qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidadei
Vende se ama 'taverna na rua das Garro-
gas, esquina da rua de S. Jbio, com boa casa de
vivenda e bastaate? commodos para familia : quem
pretende-la dirija se a mesma.
Engenho.
Vende-se o engiUo deaaminado Barra, termo
do Bonito, demarcado legalmente, e que dista
apetias nco legua&da eitaeao de Una : a tralar
no mesmo.
De fazer^ui penileaoias
Encbendo bem as narrigas,
Poii nai e tempo do brigas,
E sun e, de abslinencias.
Mas, como ia contanlo, custou, porem afinal,
depois da rasorada que ilie passon no pescoco os
poderes poderosos, a cabeca foi parar no fun-
do do rio e o rabo, como ruim da estbllar, ficou
no seoco exposto aos pont.ipes de qualquer gato
Eingado, deixando e verdade, magra as collegas
arrigas, qae de-peitadas vao tratar de se nutri-
rem, vindo ao armazem do Campos, a rua do Im-
perador n. 28, on !e rxim cerleza eneontrarao alem
do que desejarem. o seguinte : ovas de diverts
peij.es e de bacalliao ; peixes dc vinte quahdades
em conservas, sardinhas em latas, camaroes sec-
cos, bacaUiio, pescada*, sardas, lagosias, salmao,
batatas, arroz, feijap, cebolas, azeile, vinagre ;
manteiga ingleza e frauceza; doces, fructas e
cincoenta qualidades do vinhos finos do Port j e
utras tantas de outros lugares mais afamados de
Portugal, alem de um completo sortimento de ace-
pi,je raros, deliciosos e que ,
*i
Cahiado em qualquer borriga
Faz a melhor digestao,
E nao faz mat a bexiga,
Como comendo, verao.
vado, dits lavradiolias a 29, os padcoes si
muito bonitos e veude-se -por este preco par>
acabar.
Batinas a o OO
0 Pavao tem um completo sertimento d
botinas muito b*tn enfeitadas para senhora;
e veade pelo barato preco Je 59, artigo qu<
em outra qualquer parte custa i 9 e 75.
Logos BRANCOS
a 29000.
0 PavSo vende lencos brancos abainba
dos, tanto pnrahomens como para seqhorai
a 29 e 29500 a duzia, ditos de esguiio
cambraia de Hnho tambem abainhados i
39500, 49, 59, d tos francezes escuros, par>
rape* a 69, a duzia.
CAM1SAS PARA HOMEM.
0 Pavao vende ricas camisas com peiv
de linho bordidas, proprias pra noivo i
100 e 129 cada uma, ditas de linho s^n se
rem borl das : 49, 49500 e 59, ditas coc
peito de algodao muito finas a 29,29506 i
39, ditas duchita fina miudinhi a 29,29500.
e 39, assiin eomo grande sortimento de ce
roulas francezas tanto de linho como de a!
godao du 19600 ate 39, gr .nde sortiment
com todos ps enfeites a 109, cortqs de eam-
braias brancas abertas, com listras e lavores
a 69, ditos finissimos a 89, ditos de cam-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 39500, e* pechinaha.
CORTES BORDADOS A 209 E 359.
0 Pavao vende ricos cortes do cambraias
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
rato preco de 209 e 359.
CASSAS FRANCEZAS
a 300 rs, o covado
0 PavSo recebeu um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padroes e
cores fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
nissimo 616 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanas de todas as cores.
BORNOLS A 129.
0 Pavao vende um bonito sortimeuto dos
mais modernos bornous com bonitas listras e
vende pelo barato preco de 129 cada qra,
assim como um elegante sortimento dos mais. de mei s cru s ingluzas de 49 ate 89000
bonitos chales demerino e com listras deseda. ] duzia
Ceroulasfr.diicezas de linho e algodao, para todos os precos e qualidades, assin
como grande sortimeuto de meias cruas, camisas, c; lennhos, que tudo se vende poj
precos muit) razoaveis.
r
ANTDUIO JpSt DE AZEVIDO.
Bua Nova n. 11.
pianos! -
Quereudo definitivamente liquidar este negocio, veode.todos os que tem, novos
isados, pelo prego do custo de tactura.
Tambem acaba de reeeber o seguinte:
JLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desetfhos de 11 a 33 palmos
do largura e 180 dc comprido, podndo forrar-se umasala por grande qo-
seja com oleado inteiro.
MAGNIP1COS espelhos ovaes paraornioenios^e-s*ls. %v
4\NN'E!S electricos para curar dores de cabeca. nevraJgias e nervoso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
SRAMPOS para segurar roupa estendida nas cor Jas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARCA e papel pieado para bordar com la ou s6da.
VERDADE1RA agua de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, e por barato preco.
FUMO DO PARA
0 verdadeiro fumo de Borba, em chicole, pieado, desfiado e craspo, assim
como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a v.:por, antiga rua dos Quarteis n. 21.
Na dita fabrica, os Srs. fumantes eneontrarao os seguintes e bem conhecidos
fumos manufacturados na mesma casa,
Flor do Brasil
Nuvo Caporal
Bes Bird'seye, ( Olbo de Passaro. )
Vende-se a retalho, e etn grande quantidade sc faz graude abatimento.
Por 600$ e barato.
Vende-se om preto de 35 a 40 anaos, refinador
qualquer servJco .: pa
e proprio para
Hortas n. t6.
m Esta fugido o escn*To Jo>e. cabra, Idade de
lo anu.)a. leicSes miodas, cabellos frtaos, pes
largos, veste calf a e e*mi*a branca, gosu do ma-
jica : pede se a policia a sua captura, e grariflca-
se a quem n levar a seu senhor, a rua do Hospi-
eio 85, mi a rua do Queimado.B. 83. andar
coziiisr~
Precisa-se de uma perfeiu coainbeira, nao im-
oorta que seja wrra ou escrava, para casa de uma
familia estrangeira, paga-se bem: a tratar
rua do Bom Jesus n. 55, casa de Keller & C
Mas, como ia fallando, iamos entrar na vida de
outr'ora, isto e, na epoca das festas, e portanto
vamos ter festas, festas e mais festas, e como todos
rua de jcomera das festas, -visto que uma parte da para as
J festas e tree fteebem para preparar as festas, e
logico que o bregeiro dinheiro qae anda tao vas-
quoiro, saia dos cofres dos amaates orthodoxos e
se va Camiliarisando com as algibeiras vasias dos
oecessitados, e estes por sua vcz venham aa.arma-
zem do Campos a rua do Imperador n. S18, prepa-
-", rarem-se para a quaresma, temno de abstineccias
ir,n_?.a rua *o H.I9PKIO, e a tialar a pharma- |e no qual se come sem Iteenca, comprarem o que
ba de mais gostoso, saboroso, cheircso e tudu qna
acaba em oqso.
Vende-se nma wctoria quasi nova, jerindO
?ara um ou dons cavallos : a ver na offlcina do'
cia araericana, rua Dnqne de Caxias n. 57.
Grosdeuajilc prelo
com poo en toque a 1^600 o covado
Queimado n. 43 ; e muito bom.
d* rua do
Vende se um bonito escravo de. 18 aanos de
idade por 1.300/, optima para Cupelro on holeeiro :
a tratar no pateo da Ribeira, no portio .do ma-
aoeiro.__________________ ______
Vende-se nma preta idade 30 .apnos,
muito possante e gdia, coziaha e engomma algn-
na ma consa. nao,tern vjaJoia* GeJ : para ver, na
rua de Hortas n. 110.
Dizer aos amantes
Dqs generoe eapneiaes
Que se querem ser feliaes
Venham ja e quanto antes
$aber a ausa motriz
Do Campos nao-ter rivaes
E poder s6 -lorjiecer
Jkaioiavgostd e prazer.
iPara aeabar I
Rhjos chapeos para senhora : so na
GRANDE
PfflilHA
Em
Grosdenaple preto
Sendo lisos e de ccrdao, e o mais largo que
vem ao mercado, e qoe ae vande pelos diminutos
precos de 2^100, 23-00, 33200 e 3J500.
Sb' NA RUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
laes portas de
Guilherme & C.
Junto a loja da esquina
Naoha mais cabellos
brancos.
TiMTURARIA JAPONEZA. .
86 e unica approvada peias academias de
. sciencias, reconherida superior a toda que
, tem apparecido ate hoje, Depesito princi-
I pal i rua de Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Oiinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e tasas de cabellei-
reiro.
~ VENDE-SE
uma casa na villa de Barreiros, aa rna do Com
Rua do Brum n. 76
Vende se zinco puio de superior qualidade,
proprio para cobertas de casas, medindo II pal-
mos de comprido e i le largo, por preje mniu
em conta.
Asunicas verdadeiras
Bichas hamburguezas qne viem a este mercado:
i on
a rur Marquez de oiinda n. 51
Liiva de pellica
Amaral. Nabuco & C. vendem luvas de petliea
de cores com toque de mofo a U, U300 e 2* o
par : no Bazar ^ ictoria, rua do Barao da Victo-
ria n. 2.
Rhjos chapeos para senhora : so na rua Uuqne aercio, nor preco inodico : a tratar com Tasii"1
de Gaxias n. 60 A loja da esquina. .^_ I [rmaos k C
Lindas las eseocezafi.
De varios padroes, e inteirameate modernas, a
360 rs o covado : na rua Primeiro do Marco
antiga do Crespo n. 13, loja das commnas, de An-
tonio Correia de Va-concellos.
Alpaca preta
com (lores de cores, padroes os mais modernos
no mercado, a 500 re is o eovsd >. So e pechin-
cha ; dao-se amoslras : na rua do Queimado a.
43, defronte da praciuha da kidependancia.
Chapeos de sol para JBenho-
I
Fas a
A rosa branca acaba de reaeber atapeos 4
de seda para sTh :is ou meninas oom
bos brancos e superior seda,
nao julgnem que por ser
porrjnp sal chapes que serapra ^
1$ e 8*, aproveit'em a'pechioeba : na rua da
Imperatriz n t6, loja de Azevedo 4 C.
urtf

k
r

?
(


j
^
.





f




tSr




*
Diar^^p Jteifflg&vm gfc Sgxtoi
littiij 0.
m mum
S94RES LHTE, IRMAOS
WffiiiJ .fill
abeti- *> t^ p
Rna tfa [inp0r;^tnz'-n. :^2
Uureup Peieira
eoileeta, n"
e'le
i

Htta d Bardo da Victoria d. 28
Declara aos seus frcguezes que tem resolyi.'o fazec uma J^aftje liqjfi^asio, ate
nm do correute. anno.
A SABER :
CAMBRaUS BRA^C\.SA3W)00; I Ditos deppllia, ,a ftMS.QQQ e 4&00
bt,jalrinpte8lf.B. mais bajatas e as^meltoresdo muadol,
Na exposic,ao de Paris, era 1867, foi concedido..
Elias Howe Junior, a medalba rlo da.Legiao de Honra, por serem as macbinas mais per.
feitas,tV> auodo.
A medaJha de ouro, cottferida E. Howe Junior, not
Estados-Unidos por ser o inventor da macbina de cos-
tura.
Vende-se pecas decambraia branca, tapa-
da e transparente, a 3$, 3$50O, 4?JOOO e
55000.
LASlI^tAS A 200 RS.
Vende-se jasinhas para vestidos, a200,
320 e 5Q0 rs. o covado.
ALPACAS k 640 RS.
Ditos de massa, a 48(000.
PERFLMABUS E LJQWDACAO..
Vende -se sabjojMeside djverspsUmAniips
a HO, 2O0 e 240 e 320 rs., todo bonj..
Frasco de bar*ha, a 160, ^20 e 100 rs\-
Frascos com agtw.de. fcolonify.a 2^ e 320
rs. cada urn. E outrqs mujtos extractos que
.i rreffileeta, no intuito d.v
vtmtrvar b Kite' rVmeaitrj; (trie, teem mereeido d<
rtspeitaorel pubtfco, stjednguindo o sou eslabeieci
aiatu dus rnaisique ncgociwa no niesmo gentry
veem sVientinVar aos geusbons ^reguezes que pre
vfeniram aos seus eorrespondentes nas diversas par
$a- d'Boropa'Tia!'* Mie9 enviarem por todos os pa
qoetea os ivhippm de luie bom goslo, que so-
jam uuus bem acpitos. ptjlas seciedades elegante?
daquellcs pai.es, vislo aproxirnar se o tempo dr
festa, em.'que o hello sexo desta linda Venezs
mais mtetlia a riqneza de suas toillettes ; e co
mo ja recebc.'sem.pelQ paquele fraocez diverse
artigus. da ultima modi, veem pateniear algun?
d'entre elles que se toriam mais recommendaveis.
e?perando do respeltavel publicb a costumada
concurreoeia.
A Jeregos de taxtatuga os mais iimlos que teen
vindo, ao mercado.
Albuus com ricas capas de madreperola e dr
velrado, senBo diverse* tamanhos e baratos pre
i;os.
Aderecoj completes deborracha pr prios part
Yeiylu-se alpacasde cdras com listras a 649 se vonde muito bura,topara liquidar.
e800rs. o cpvado. T0AL-ft4^ A 8Q0RS,
GRaNADIXE.A 800 RS. Vende-se tpajhw felpudas, a 800 rs.. cada,
Vende-se granadine preta com listras dei(uma. I.en^Os bc.ifccps, a 25900 a duzja, ef
cdrcs, para vestidos, a 800 rs. o co- ;3JM)0,0 abainba/tos, fuzenda que venderse
vadp. Por 5JSO0O.
POUPEL1NA JAPONFZAA 1^800.
Vende-se uma fazenda nova com listas,
GRAVATAS PRJiTAS A 500 RS.
Vende se gravatas pretas, a 500 rs. Man-
medaRia de ouro na exposicio de Londres acreditam' com o nomc de poupelina juponeza, propria tasde cores a 20Q rs.
para vestidos de senboras, a IJJfcOO o co-j Cuapeos para ba^tisaidgs de moninos, a
vado. Todas estns fazendas s5o ten lidas no 35000.
Bazar Nacional, a rua da Imper ariz n. 72.! BENGALAS.E CIHCQTES A 800 RS.
C0RTrST>ECASSAA255 0, Vende-se benga]a3 e creates, a 800 rs.
Vende.se c6rtes de cassa para vestidos, cada uma, para' liquidar.
com iOiovados, a -2C500. I
CH1TAS LARGAS A 240 Rs. ,GRAWE LK^IDACAO DE ROLTA FEITA
Vende-se < hitasfrancezas.'largas, de cdres
a 240, 300, 320 e 360 rs. o co-0
C&be-nos o derer de actmncUr qua a companbia dasmaduoaa de Howe de 5ova-
rk, esUbeleoearnesta cidade i raa do IVrao da Victoria n. 28, urn deposito e ageucia
sal, para.em Pernimbpo o tuais proviociasse vendcrem as afamadas macbinas de cos-
nitd:RoMa. Ertas mactiinas sSo justamente apreciadea pla petfei^lo de seotrallalho,! pias
^fe-gaiido.umaiftgulba mais ouFta coma raesma qualidade delinhaque qualquer outra, vaj'0_
Mia introducgao dos MM aparfaic/Mdos apparelhos, estamoa tctualmente habilitados a CASSAS DE CORES A 2G0RS.
'reaer m> exaiai publice as melboreamachinaa-do mundo. Vende se cassas francezas finas do cores,,
As vantagens destas mackiyas sdo as segutntes: a 200,320 e *oo. 0 covado.
friraftiEa^^O^ pubiioo" safe* qiw ellaaslo durado.uxas, para isto prova incoatestavel, a^ SAUS A 25090.
wunstaocia de nunca term a^v^lo no mercado n^cbiuaa d Howe emsegun-. Vende-se saias brapcas com barras de cd-
' nalo.
Segunda.Ccx t*a, o awterial preciso para reparar qualquer desarraujo.
TafcciriurTTHaLueilas Baenorfric^ao eutce as diversas pecas, e menos rapido estrago
foe-aas oulras.
Quarta.Formam o ponto coJcna.se.f4ra feito i mio-
Quintarf-n-PermUte.aae se examineiO trabalho.deaoibos.os iios, o aueseoaoconsegw |, ende-se
..fOEtras. ,homens, a
Vende-se ceroulas de ajgodao, a 15000.
Ditas de linho, a 1500O e 2C000.
Camis8S de ebitss finas, a 1C600.
Ditas deffitode cos,.a iaOHO,
Ditas bracas'finas, a >25uu0> 33000 e
45000.
li-.ip, ^unhem. sc vendem meios ,adereco9 muito bo
nitos.
Bot5es de^etim preto e de cures para ornato di
vestidos de setbora; tambem tem para collete
liaiiliot.
Boi&as p^ra seuhoras, existe um betlo sortimeu-
to de seda, de palha, de chagrim. etc., etc., por
batatopre^o.
Bonecas^e todo9 09 tamanhos, tanto de loucs
como de ctia, de borracha e de massa ; chama-
mos a aUen.ao das Exma9. Sras. para este artigo.
pois as vezes lornam-se as crianca9 urn pouco im-
pertmentes pi>r fatta de nm obiecto que as en-
tretenbam.
.Gamisaa A l'b6 li^as e com peitos bocdado.'
para bomem, vondem-se por preco commodo.
Ceroulai de linho e.de algodic, de diversas pre-
cos. "
Caixinbas earn nni-ica, o que ha de mais lindo
com .(Jjstic&s djs la:..| a- e proprios para presen
tC9.
Coques os mais moderoo9 e de diversos forma
tos.'
Chapeos-para StJiboTB.Beceberam um 9ortiment-
da ultima .meda, (auto para senhora, como par;
meninas.
Caneilas simples e com veo para noiva9.
i:ali;3S bordadas para meninas.
Kniremeios estampadus e bordados, de lindo
*
Ptt3\ Kwonsol va^ao
ma'coou'

res,a2a000.
CHITAS TARA COBERTA A 280 RS. 65, 7|M00e 85000.
Vende-se ohilas para cybertas, a 280 e
360 rs. o covado.
; MEIAS TARA H0J1ENS A 65000 A DUZIA-
mcia? cruas verdadeiras, para
65000 a duzia, a qual vai
AmmImL
Cal^asde brim pardo e de Cdres, a 25000 \ i^cov^V v'ectricas para dentes, tem a proprie
e 23*00./ idade de evitar a rarie dos flentes.
Ditas de casemira de cores- preta, a', ^""3" *e ^d, l"^38 e de. "J*
graode sortmento de diverts larguras e barafc
, pre?o.
Fitas de >3r;a, de gorgurao, de setim e de cha-
[.malote, de diversas_lnrgura9 e booitas cores.
Palit6te de alpas Je eorve, a -25S00.
Ditos pretos, a 39000 o8500.
Sexta.FAzem ponto miudo em oascmira, atravessando o fio de am 4 outro lado,
!*S0ji'jMa. sqgi*yi, s*w. medtfcAfrse, a teosao, da ,lnha, coxem a faienda mai
*-
Setima.Ocompressor.& leirafitado com a maior facilkiade, quando se tem de mudar
gulba *o cotpeo^ar nova costura.
Oitavs.Muitas companhias de machinas de costura, tem tido epocas de grandeza e
*ad*scia. Macbinas outr'ora papulares, sio boje quasi descoi:heuidas, outras sourerajn
tadac(s radioaes para poderem .substituir : entretauto a companhia das macbinas de Howe
optaodo a opiaiao de Elias Howe, moslre em artes mechinicas, tem constanteraente
f^entado o sen fabrieo, e hoje nao attende a procura, posto que fa<;a .690 macbinas
'"*a. ma^hina acompanha livretos com insiruccoes em portugoex.
Barao da Victoria
28.
DE
fazendasii
mas
Chitas, madapolao, .panno fino preto e azul, col-
larinhos, punhos de linho e algodao, gravatas, lu-
vas de fio de Escossia, apetes de todos 09 ta.ma-
nhos, bolsaj de viagom, peitos bordados para ho-
mens, loners de linho braaco e de cdres, toalbas,
gnardanapos, etc., etc.
n.
7A
Rua Primeiro de Marijo
DE-
Cordeiro Sim6es E' esta- um* d9 casas que ftoje pode com pri-
:oazia offerecer aos seus fregnezes um variadmi-
no sortimento de fazcuihs linas para graode toi-
lette, e bem, assim para uso ordinario 5e todas as
classes, e por precos vantajosos, das quaes faz um
pequeno resumo.
Baadata fazendas as rasas das prelendentes,
jura o que tem pessoal oecessario, e dao amostras
mediante penhor.
Cortes de seda de lindas cdres.
Grosdenaples de todas as corw.
Gorgurao braaco, lizo, de listras, preto, etc.
Setim Macao, preto e de cores.
firosdeaapleft preto.
V'elludo preto.
Granadine de 9eda, preta eidr-c5re9.
Popelimw de lindos padroe9.
Fiio de seda, branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Casacos de merind de cOre^s, la, etc.
Mamas brasileiras.
Coites com cambraia braDca cam lindos borda-
Ricas capellas e mantas para noivas.
Riquissimo sorlimento de las com listras de
eda.
Cambraias de cores.
Ditas maripozas, brancas, lizas o bordada*.
Nanzuques de lindos pad rue?.
Baptistas, padroes dciicados.
Percalinas de quadros, pretos e branco, listras,
rte., etc.
Brins de- linho de cor, proprios para vestidos,
com barrae listras.
Rk09 cortes de vestido de linho, com jnfeites da
mesma c6r, ultima moda.
Dito9 de cambraia de c^Jres.
Kustao de lindas cores.
Saias bordadas para senhora?.
Camisas bordadas. para 9euhoras, de linho e al-
godao.
Sortimento de luvas da verdadeira fabrtea da
Jouvin, para; horaens e senhsras.
Vestuario9 para meninos.
Ditos para baptizado.
Chapeos para tlito.
Toalhas e gnardanapos adamajcados de linho de
cor, para mesa,
Colchasjle 14.
Cortinados bordados.
Grande sortimento de camisas de linho, lizas e
' ordadas, para homens.
Heias de cdres para homens, meninos emesi-
aas.
Ditas; escocezas.
Conrnew'sortirnento de chapRis de sor para ho-
nerwewmheras.
iseon6.decoeespara vst*do*. 1
Dito preto, trancado e dito 3f,s#f^o, i
Atoalbado-de linho e algodSe- para toalbas.
Atoalhay6ipi'do. "1 I
Damasco de la.
Brins de linho, branco de cGrete jreto.
Setim de lindas cores com,JUUase
Chales de merin6 de cor,es e pnetos.
Ditos de ca^eraira.
Dfto-4 da prrta e de cores.
, -DiKbdaitwqujm.
.GaBOaaada, chita para hwus.
Difas de flaneila.
CerwfhsJJe'lWioe algodao.
Pannos de crochet para wtfaj cadeiras .e (x^nw-
-ij '
Lencos batfaflos. ,de, Ja^rifttho
Colchas de crochet.
Tartatatia'a'e to fas ascDres.
Rlcos cortes de vestidos de tariaUBa bordados
para cortes.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, liddas cj'res.
Meias de.seda para senhoras e meninas.
Ricas fachas de seda e la para senhoraa.
Ky-o sqrtirrjeato de lpquea de madrroerolas e
oo.
Dama9fo'de seda. *r
Ricos chapeos e chapelinas para senhoras, ulti-
ma moda.
Casemira preta e de cores.
VENHAM VER
A Nova Eeperanca, a rua Duque de Caxtas n. 63,
apressa-se em convidar a seus freguezes, com es-
pccialidade ao betlo sexo a virem apreciar os se-
guintes artigos expostos a venda e todos por precos
commodos, como sejant:
FINAS BOXECAs mansas e choronas.
BOMTAS E EiNGRACADAS vistas para sterios-
copioa.
COMMODaS LATASpara guardar cha.
ELEGANTES BOLSAS para senhoras e meninas.
BONITOS VASOS com flna banba e cheirosos
extractos, trazendo cada frasco um nome, uma ini-
cial on um distico.
FINAS MEIAS Dfi SEDA, vindo entre ellas cor
de carne.
Para quern gostar.
A' Nova Esperanca a rua Duque de Gaxias n.
63, acaba de receber tentos e caixas para o jogo de
Voltarette.
Para quern si ffre das pernas.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxtas n.
85000.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se cbales de la, a 800 rs. cada
um.
CHITAS VISAS A 400 RS.
Vende-se chitas, finas de campo largo, fa-
zenda muito boa, a '00 rs. o.covado.
CHALES DE MERINO* A 2(5000.
Vende-sejchales de merino eslampados, a
25, 35,4^000 e 53000.
Ditos de listras-a.9.9000 e 650p0..
BRISS EM CORTES A 15500.
Vendo:se cortes de brim de cores epardo*
a lv-'OO, para liquidar.
COBE^CIAS DE CHITA A 15600.
Vendij'se cobert;s ide cbita, a 13600 e
25O00.
BRIM PARDO E DE CORES A 400 RS.
Vende+ee brim pardo ede cores,, paxa.rou-
pa de bomense metiioas, a400. is. o cova-
do, para, liquidar.
COl.XAS.DE CORES A 25000.
Vendc-secoliasde cores para caroa, a.23,
e 43000V
TRAN'SPARCNTES PARA CADEIRASA
15500.
Pacnas deg^rgnriio muito lindas.
Flores arlificiacs. A Rwdilecta prima em con-
servf sempre .um bello e grande sortimento des-
tas flfl es, pao s6 para enfeiie dos Cubc-llos, come
tambem para ornato dc vestido de noivas.
Galces de aHsi'dSo, de la e de seda, brancos, pre
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacps ,de cambraia e de seda de diversas core.-
para senhora.
Ligas He seda de cores e brancas bordadas pan
noiva.
Livroe para onjrit missa, com capas de madre
1 perola, marQm, os o e velludo, tudo que ha df
bom.
Ditos de casemira de cores, a 49 e
G5000.
Ditos ditos pretos, a 55000, 69500
8300-.
Colletes deeaaemiw de cores, a 29, 89
45000.
Camisas-de Amelia, de cores, a 23000 e
27900;
ALnODAO A 4f00O.
Vende-se pec,as dealgodSo, a 49,'39 e
69000.
CASEMIRA DE COR A, 2350ft* Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca
Vende-se casemira de c. res, a 23500'O ,-belios ; teem tambem para tirar caspae.
covado. ^orl bouquet. Um bello sortimento de madre-
inirAiin i QttAAn perola, marlim, osso e dourados por barato prego
AlAIUtUUH-A JfOiOx A t Perrnmarias. Neste artigo esta a Predilecta berr
Vcmlc-ae P'ift*^eifldap*il4o ^enfeetado, |provd, nao so em extractos, como era oleos
a 35000. banha& dos meihores odores, dos mais afamado.'
LiitQ ifiglez, a..4940^/ri59, 6*6; 7.&0A0 a :;Nricantes, Loubin, Piyer, Sociedade Hygienica.
peca.
BO.USAS. A 4B500.
Veride se botinas para senbura e meninos,
a 43500, 5e. 63000.
Ditas de.enfiari, a W)Q.
Sap*tos de tapete, a 15.'>U0.
Ditos de trani,-a, a 15800 e 2^000.
BRAMAIVtE 'AlttJOO,
VonJe-se bramante com 10 palmos
Vende-se transpan-utcs para cadeiras, a largura^ para lengoes, a 15600 e 25500
19500, para liquidar. 'metro. ,'E outras muitas fazaudas propria
BO!*ETS A 500 RS. do mercado, que.se veride sem reserva, de
Vende-se bonetsde seda para homens, a preco, para liquidar ate o fim d? eorreute
500 rs. | annO,.por isso convem aos compradores sor-
CHAPEOS A 29500. (tirem-se de faxendas Baratas,, para a presen-
Vende-se cbapeos de castor para rr oninos* tefesta que esta na porta, a* rna da Imperatriz
e homens, a 25500 e 35000. n. 72. Bazv Sacioaal.
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis par?
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodf
preto..
Sapatinnos i!ie de setim bordados .para bap
; tisados.
Tapetes. Ttecebeu a Predilecta nm bnaito sorti
! mento de- dfrersos tamanhos, tanto para sofa co
' mo para enlrada de saias.
j Veitimentas para, baptisado o qne ha de raelhoi
gosto e os mais modernos, recebeu a Predilecta
j vende por bartto pre;o, para flcar ao alcance
' qnalquer balsa.
Rua do Cabnga n. 1
Ll e e um preventivo seguro e certo contra
a calvice.
Elle da" e restaura forca e sanidndo i pwlle d
cabe^a.
Elle de prompto faz cessar a queda pr*ma-
tura dos cabclles.
EUe da" grande riqueza de lustre aos ca-
belios.
tile doiua e faz pnservar os laooilos, vax
qualquer forma ou posicio jue se dese-
je, n'um estado fonr.oso. Km c rnacio.
tile faz cresucr M cabellos bastos e compri-
e os.
tile conserva a pelle e o cmsco da cabt^s
limpo e livre de tod a a eapecie de csspa.
Elle previnc os cabellos de se tomarem braa-
cos.
tile conserva a cabe^a n'um estado de fres-
cura tefrigerante e agtadav-l.
tile nao e demasiadamente oloeso, gordo-
rentj ou pegadiro.
tile nao dcixa o menor cheiro d'sagra vel.
tile e o luelhor artigo para os cabidlos das
criain;iis.
tile e o mclhor e o rnais ajrasivel artigo
para a boa conserva<.ao e arrapjo dos hullos das senhoras.
tile e o unico artigo proprio p.ra o pei.t- a-
do dos cabellos e haSMI mt srnhores.
NE.NHUM TOLCADOR DE -...NllORA >P.
PODECO.NS1DERAR COMC COM-
PLETOSEMO
TOiMCX). OUfKNTAL
o qual presorva, limpa, fortiiica eufunSMSal
O AKtLO.
Acha-se & venda nos estarbA -iiiie.itM in
H. Forster & C, ag<-ntes. E ern :od;:s as
principaes lojas de perfumar!as i* !i"iic.-^.
IfBRTIMENTO
MEDICINA
___
de carrua-
verntz
gens
VERNIZ SECCANTE.
Mistura-se com as tintas de apparelho, e
sob re tudo. com as tintas nioidas, para que
ym\m^tmm para carrHa--jj* <*$*> Pacaias
gCBS.
Este verniz, tuja falta aqui tanto sentem
os Srs. fabricant^ e possuidores de carma- ZqZmmzk&Jlm^Z'T"^'* fhes US
gens, acaba de chegar para seu umeo depo- ^ cousi$tent.ia%
sito, ds sfgumtes quniidades. _
VERS1Z SCPERF1NO PARA CAIXAS.DE, Como nfto 4necassariodar fa a nltimi
CARRUAtjENS. demao de verniz empregado nas caixas de
E' ura vernii muito claro e duravel para carruagens e no dos iogoa, eonv^m d& lc
as caisas de carruagens, para todas as de- n-uin local sepanadoaonde. nao haja p |maos, oupara a ultima somente, sobre Quando a obra.urge.'-deve por so A sombra
[atros vernizes. A superficie secca em 12 e a0 ar i,vre depois de secco, isto e, passa-
horas, depois das quaes se expde ao ar por aas j2 hoxas, lava-se e ciunga-se bem eom
algum.tempo, o que faz endurecer, a passa- uma esponja hureida. Quactas mais veze*
j das 15 a 18 horas p6de passar-se a caixa a ;Se fizer ko, mais brilhante ficara o verniz,
Os verdadeiros
Vinhos de Bourgogne
das ciarcas
Chamberlin
Ponamard
Vtrits"
Volnw.
BeMoanthelie
Rita Bordeaux en^quar^ollas.
Vende-se per Jiarabi pre^
(em caso aecessa'rio.tres dias-depois da ulti
ma demao). Duraflte as diias ou tres pri
mebras semanas.deve-se>la.Tar a carruagen:
com agua ,fr.esca depois ide ter ser-
dido.
Os"-frasco6 deem conservar-se semprt
63, acaba de jpceber asprocuradas meias de bor- Pedra Pome e dar-ibe em seguida outra de- e mais deprcssa ^s terminaia" a carruagen:
jmSo. Dao se com faciltdade tres demaos
' deste verniz sobre as tintas, em tres.dias.
A primeira demao servindo de apparelho,
ajuda a seocar as ultimas dem3os e produz
ura excellcnte brilho.
Verniz superior seccante para
carruagens. hermeticamente tapados, o resto do vernw
Ete verniz 6 da mesma cor quo o ante- nSose deve dei*ar ficar no.frasco, e p6df
cedente, mas endurece e secca eom mais ra- ugar,se paxa.as prinieiras demaos.
pidez. Emprega-se com bom exito.nasj JJao deve m'Sturar-se coni este verniz no
obras urgentes, e pode misturar-se qom o'nhum oulfo ingrediente, nem agua-rae, t
anterior. A durasfio, do verniz perraanente de nenhum m'odo com o seccante. E' pre-
diminue na pfopprfSo da mistura. gjcq iimpar bem os, vasos e os pinoeis, e c
VERNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS ^memor eservicum piucel para cada ver
JOGOS DAS CAMtUAGEHS niz. '
N3o e tao clfro como o verniz para as DepasiVo uojco.pajra x> Rfftsjl,, Bar|hol'o
caixas das carruagens. Emprega-se nos jo- \mea & c., Pernambuco, Rua do Rosa
gos das carruagens e tambem para as bri- 'T;0 ^ 3^,
meiras demJos epbre cores escuras. Pode
passar-se a pedra pome passadas lOboras,
podendo darrsoem seguida outra demSo.
racha para quem sofTre das pernas.
FLORES ARTIFICIAES
A NftvaEaperan^a, a rua Duque de Gaxias n.
63, acaba de receber um lindo e complete sorti-
mento de, flares artificiaes das raelhores que tem
vindn ao mercado
A ellas antes qne se aeahem.
Costumes para ctianca.
A Nova Esperanca, a rna Duque de Caxlas n.
63, acaba de receber bom tos eostnmes para eriaoQa
e esta se vendendo por precos razoaveis.
AOS HEHYOS0S
A N 1 va Esperanca, a rua Duque de Caxjas n.
63, recebeu um peqneno sortimento de annefs e
pulseiras electricas, propriaspara quemsoffre dos
nervos.
1 ,t> *ii..... '
rl|L-ti!Q*DJ!icla-DE 00!*TAS
RA

I.arjr,a do Rosario S4.
Rotica.
Rua
_^
Verutzprc4o,loJapao, superior.
Para traba'Hibs, em preto de' carruagens, jf^1
?roduz 0 pre^o mais' escuro e briraantey'e |W
)6de passar-se, a pedra r pomes 10 horas-de-p
>ols- Peve.-dar-se.duas' demSos sobre.unjp TiiJa. Aah ^.nfM-toQ
undo preto e ,cobrir5se com outra? duas de *4&*M*jUMm&
4
Preparado pot
I.annum & Iveinc
para (hi siaca
toda a qualidade
de doen^as, quer
seja na garganta,
peito ou bofes.
Expressamente
escolhidodosme-
lhoresfigadosdos
quaes se extraht
0 oleo no banc
da Terra Nova
purificado cbimi-
calraente, e suas
valuaveis propri-
edades conservs-
das com todo 0
cuidado, emtod'
0 frasco se garan
teperfeitamen
te puro.
Este oleo ten
sido subrnettidi
aumexamemui
to severo, pek
cbimico de maif
talento, do go
verno hespanho
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a conter
MAIOR; IORQAO D10DINA
do, que outro qualquer oleo, que elle tem
examiuado
IODINO E LMPODFR SALVADOR.
Em todo o oleo de figpdo de bacalhdo, e na-
quelle no quad cootem a maior porcao desta
tnyaiuavei propriedade, e 0 unico meio para
curar. todos.as d^engas de
GARGAi'TA,.PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtysica, ,br^cJaistes,(1astbma, catharrho,
tosse, resfriamentos, etc.
Cns. poucos frascos da carnes ao muitc
magrorgue #eja, clarea a vista, e da vigor
a todo 0 cocpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia*, di tantc
nutimento aoaystema e inconimodaado quasi
vern^ojie se em^rega nas calias-das'.caf^a-1 ^g0B gsa.^^o^a.^a inteiwmeate! n^ao^stpmagp,
gens,.. .,---------------_ 9ffl-,5BJa!^ tem sido des
so- na riJa do crss.0 n. K/ | ^Ts^rMI W RHEUMATTSMO
cstranfeiro.
Paris n'America, d rua Du-
que de Caxias n. 59
primelfo' andar,' acaba de receber u"m completo
sortimento de calgado9 estrangeiros para homem e
senhora, vindo entre elles um Undo sortimento de
elegantes chiquitos, sapatinnos- e botinas para
criancas, que tudo vende por precos razoaveis.
HfLMZ PARA g^^*KWWttB>*
Este verniz, co'ntendo na^rtii coppds^cab
grande quantidaderd'ums substancia ^VfflH
semelhante'ao Sie^ite '^TX^mixinAtrpiedi-bWuf,
& o unico que:d4'flexlbiMade aoconro'-fB^
rt^ap, enjrernisado.' Em geral'basta ti'mk.-rft*
tpi,o ;'^ye dev^ser,applicada muito fiVeti4r-
mente, Com ofn pinCCT deipis ty&rnttibo
o coqro C(?ms aeua-raz. Expostq.ao sd^sec^
ca em 1 ou 2 floras, ei sombra tttaisao ar
secca em 4. Em tempo bumido e'rautil tal
trabalho; por que n8o e" possival tornar o
verniz elasticp e seccante ao mesmo tempo,
Verniz para apparelho.
Depois, d ter applicado 2 ou 3 demSosj
degte verniz p'um ifttervallo de 8 horas, de-i
ve-se deii'ar a obra intacta por 2 ou 3 dras
de quah
;r
Uju de
dae6(a*. \ o-aHMrternijte mwuijiao
4M
.(m

M
DE
UN^ A KEMP

t
'.
^U) el'-----T'l

Cassa li, pairoes novos, e de rai^ gosto qne
a^ndo a* mercado, s6 na rua, So Quaimado ( No:Prores*o do pa.teo do Carmo vende-ae man
13, loja de Guerra & Fernandas, pelo djininu teua^ngp ajw> hoa a U; assim como contl-
preco de 200 rs. o co'ado niiS a ter Dom sortimento para qualquer chef de
Ghe^nera freguezes que se acaba | famllia' Tazef sua despensa, que ebeontrara precos
' riftis oonim'odos do qne em outra pane.
Menino, olha.
Ijenoo a sets vlnten
S' moite Teio Iimpar o nariz na manga da ja
Bazar Vicaloria.
Este estabelecimento acaba de receber comple
nn fim dns niip< s nrtdp nulir r>nm ATtm 1ueIa> corao muitos coMuriiam'fazBr, tendo Ien?os to 9ortimento de cintos de couro preto com Qvel
no ura aos quaes se.pooe puiir com extre jecassa flBOS com barrinha ai2o rs. cada am : la e corrente de metal, punhos e gollinhas de li-
ma lacilicidade. t essencialmente neces-,' na (oja rta Roa urancai rua ja imperatriz n. 56, nho e gravatas escocezas, tudo para senhora : na
sario cobrir este verniz com duas demaos do de Azevedo & C. raa do BarSo da Victoria n. 2.

*
L
Lindo chfariz.
Vnte-?s kt prrco bsSMi pa rVo chal-riz
de muriuore ur< prto pain uril-m u arui;i;lo na iHcitia de mat more d<> ST. Liiiia, a
rna Ju hnpefadbr paia quern o qoinr v.r: a
tratar na RHM Crapn, lja d i' .s.-o jum8
arco de Santo Anujoin.
J. 0. C. Ink,

Tem para ve i r :
Cognac de Hennrssy, Mix ri r e "" ': 'eiro
Vinho Xena las SMM qr.-.!iJ. ; -.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Cha preto em !:ttas de 10 litras.
Todas as prui r.ra';?es ACnleM >i" !>r Avar
vmaz'-m -la rna f>irriw p r.n
i^gnnnlerte >*f canna exira-fina. ;r. j..
de duia : la rua do jjiwaimiMiH n .".
O Extracto touiposto ae
ALSAPARRILHA
Do Dr. Ayer
0 PURIFICADOR DO SANGUE
faro curar tuat molntiat gut provm purer a to Kanfue.t 4m EterufMlm.
MOLESTIAS CUTANEAS. CALLOS. MAMCHA.
IRRUPCOES, ETC.
9
Rhaumatismo Oott, Dorea e
Affecooea doa Osaoa, Mai Com OI-
boe, Debilldada ou rraqueza g-eral,
DyapepBla, Incommodo do Flgrado, i
Uma falta geral da aaude e uma'
dlsposlcao thoU ao aofTrtmonto, tt JUh.r -it
rariot outro* inconmodot. algumt ptquenot, outrot .. >*,
slo os resoltadoa e conseqaondan que mai t:;.4e ou ^
redo occorrem.
AS MOLESTIAS de que padece o lexn frminin 'tm-
bem, quasi sempre sao deTtdas i mssaa ea-.us.
0 unico (ratamento efficas a m
manaira sflgura de reati'iuirir a i*. m
de restabelecer o corpo, e mc
emprago Set o oenstanta de nm F'.ri-
floador AUtrnrUc como a
SALSAPAflRILKA AYFR.
'A sciencia modica apreaenta e^l** m*o
dlo aa> povo como o melbor o uiaj
seguro que eUa conbece para o as*
desejado.
Alem da raiz da Saiaaparrilha ella I compnsta das prim*
ripae* nWincioi iiliilintiinn fmasijn i n n fu dm dmct-
trade lertm at aulharn gut Jbmtct a nnJunn e gut
arte tem deicoberto para txtirpar di tatnj%> erku hmnttttt,
cswi vicios t corrupQfies fur toon germ**'!' tantumoief. k
Logo quo a Sxiswariui-UA. ATEX tuja pcneOao* B*
syrtema, comept entlo a obra do reatabeleoiucut^.
Hlo c'nm momenta iwm ua dia
que a molestia deaapparece.
Pouco a bouoo, dgrao aobrc degrao,
0 sangTie vas readquirhido sua puresa, o
mai vae cedendo e a saude, o Tiger a
rohastes, apparecem!
Medico* de alt* roputacio ooncordam
no valor e utilidadc d'este lncsUmavel ru:-..c Jin.
Todos os dlas apparecem neras praras da soat Ttatudo*.
Todos os dias augmento o ooasmmo.
O povo todo. Intelligent* e obaeryador re n'dle am m*
fldedlgno de llvrar-se das snas prlndpaes d'K'ncas e (t
restaurar sua saude e poreamigailnte tornar n.ois alegra
sua exlstencia e mais duradoum a sua Tida.
um Btpeo\floo contra grmmdt partt chronical, iA.wmnli.mo, nwtettinm tmtmmOMO,*
que too cauaadas ptla Inftcctko rcnerta, ou mmHgo '-
dado.
maior parse as
....
qui ioAa iK.-
n'm ...Mil"' dornll
dosangne.
Logo que esto .
nao ealirer pur.
acharcanegado com a Infeccio da sj, L ai>.
annos passados), a molestia ha de api.
outxa forma e apresentanao dtSereutes i.
rkcraJLaao roa
Dr. J. C. AYBR & C*- L
F.stados Unld'
Chimvcoi fntctfrM **
h



8
;
.
i 1 11 K A lmaiS c6tnezin,ias da sua educacao ; a igno- sidade ua juventude brwlleira, Manilpsta-
LlUim Irancis dos deveres de cidadao -lb.es com- se oella eotlo uma luta soittbrfa e pfci
j IP ia' PrulciP'09 d ri%|o aeoftm ou vi- teote entre os Umpejos de uma credo* ae-
WWWIF*,Jn,"#' cla'Js, nio se thes desperta o amor do tra- ductora e a voz pausada e lugubre da oe
batho ou o desoje de sor otil ao paiz, emfira cessidade ou do interesse, qusndo nao des-
nenhuma educacao physics Ihes desenvolve se deraoaio interior qua as chama vaidade,
corpo para sequer proporcionar ao estado que vai de prompto aespertar os nfri fas'
L t*al\.ilfr->t>>l '. ^ r-> nilt turlA mill nun rlti '. *-. -4 1 __ _____
Diario de Pernambuco Sexta tara 20 de FeVettixT6 i i *' ''" ''" .ii
Brasil
ojse meis solida de urn* nacio consis
- te us,illusiracao de seus filhos: a seiva, a
vida.que se reparte pelo estado, tiram a sua
origera .e/forca na edu acio onde a raoci-
dade se models. P,r '*so quaodo a edu-
cacao se resente de quaiquer vicro ou defei-
to, vemo-io em ceHsequencia retlectir-se no
corpo social, onto a planta sa reseute da
gleba que nao Hie facul ,i o priucipio agen
te de sua vj.Ja, como o fructo se r^eutiT da M sociedade uma moustruosidade moral, que
arvore quo o gusmo dilacera Is0 podemos coruparar pir uma
0 mao sysiema de edueacao e uma /oiite ciacio de ideas ao pequeno Z
carregada du miterias iusalubres, onde o
po' 0 compeBi-io pela sede do raslruceio vai
urn trabalhador robusto; tudo isto a par de tinctos lades terriveis que n metaphors
minguadas no^des dq, A succio prepaMtoria*"reseQte-se de defeitos homem Vencida na luta. resvala sobre
identicos, quando nio 6 entregue aos sects- esse pUno inclinado Je lubrico... oestado
rios de Loyola qua passando os educandos conquista umservidorinfeiligenle... apatria
atravez de sua atchymia religiose, apresenta cbor a urn filbo esperancoso.
Do governo so deve.raps esperar a recru-
obvia asso- descencia do mal. Sena candidez infantil
pequeno Zacarias do julga-lu interessado em levantar o corpo so-
phaotasioso sllemao. Reconheceraos e res- rial da atonia em que se acha : sabu-o de
peit rnos a proficiencia e criterio queassistem sob'ejo psla bistoria e pela experieucia que
cililerando oseutimento da pureza ingenitaj4 &rnde parte do professorado brasil^iro na um puvo consciente de sua forgi e de sous
que o Creadur imprimio no bomem como Iinstrnegao superior, confessamis que mui- direitos. cboio de rida e de futuro aio sn
fonte de sua felicidal>?. |tos delle* noarariam a. cadeiras que Ieccio- prosterna jimais ao sobrecenho de um ty-
LTm povo e robusto, indepcndente e no- iia era qoaljOfir pniz civilisado ; porem a ranno.
bre vivo rcfl xj do lume do S-mhor par desses vulltw vonerandos se d-'senham Nos Estados-Unidos, onde a actividade
quando a sua educacAo e desassombrada de outros que pela- deficiencia de conhecim)n- toca a yertigem, a primeira coasa que o ho-
l<9 sciecitifioos, era peio caracter pouco ri- mera descobre em si e" o sou *al,r inJi
goroso ao systema de pitronato. tomam por vidual; illusira-se o espirito, adquire-se o
assim dizer o riso e a fubala do lor nas habito do trabalho e o amor da indepeu
boras de largo humour de seus discipulos. idencia, acaba-se com os preconceitos de fi-
0 systema de escoUia imperial eutre os ap- dalguia estnpida que (az o bomem enearar
provados em concurso nao 6 uma anna po- os trabalhos pbysicos como indignos de sr.
Inrosa 4 raercfi ia mooarcbra para affeicor Una individuo educado oeste paiz, polewft-
um professorado ?f seus jntentosT' Pbdemos- dize-lo afoitamente, jdmafe eifrara o seu ft*-
esperar a tolcraiicia ou essa insouciance q*e turo nos empregoe-do governo, nem licar*
te aqui nos dispensou quando se congre-, facillaale diante das contradicts e psripe
gam no boTrsonte nufens gravidas-de tem-ieias da rida, com q>ie sde fwr-ureza teui-
pestade? perar as- almas fortes. Cai-se ta-rabem por-
Nos Estidos 01lidos otide a eduea^ao e que n3o podia deixar de ser assim, mas
inteiramente rndepeitfleute do estado, o go^.coiao am alentado madeirode nossas matas
verno nao p sagao intema, e portaiito dar & educacio respeitada porque, e a que\la do- ma gi-
precouceitos, qianio se Hie destende um
horisonte doscampodo, onde sua intelli-
geocia corra livre, como o vonto pelo es-
pago.
Assim como o perito agricult t moleta na
tenra plama a forma que lh>; apr,iz, s--im
tambem o preceptor iaterligente implanta
por assiin dizer no cora^ao da criaaci o li-
vro fatal de seu proceder futuro.
A dogenera^ao o decadencia de um povo
tern seu mauaucid mais abun lant^ no en-
sino da mocilade -ess. tefa fma e delicada
que torn* as cores e nuancas que a mSo vai
Ibeimpri de um 4ago ratrata os corpos que se Ibe pOe
fronteifos :por isso e que se quereis um
povo rachitico, inconsciente, des,.ido de rm-
eiativa, aff-jiy >ado a* escravidao, ide derra
mar na f*Hi.e da instru'cao o voneno corro
si Desta modo e que os reis corrsolidam
o despotiswo consubstanciando em si as
forces actiws de uma nagao, de que um povo se degrada tan to a p into de
beijar a mac* que Hie fitstiga, ou como os-
gladiadores romanos saudar os Cosaros no
extremo agonisar.
Os exemplos em porspectiva da baroica
Franca vaciHaiits s bre o pedestal d> gloria
antiga, desmanlllando se ao embate de
p.iixoos desvairadas, da malfadada Hespanha
despenbanio-se a'tun abysmu insondavel de
miserias, u&o podem ser adduzidos comoi
eorollarios de uma educagao pervertida?
Estis ideas nos acudlram ao espirito quan-
do reflectimos no que vai pelo Brasil. Quern
tern seguido com iuteresse as peripecias que
accentuam este ultimo periodo de nossa po-
litica, sente confranger-se lbe a'alma pela
sorte de nossa patria, se nos arcanos da
Provideneia nao estd reservada uma direcgao
cQutraria da que ora se Iho imprime.
Inda bem quo de algum modo nos alenta
o movimento que se opera na sociedade
brasileira : dous contendores constantes
desde que os livres pensadores libertaram
se dos euiraves da esctiolastica a nnnar-
chia e^ademocMciase encontram embm
no solo-brasileiro frente & frente desputando
com onergia o passo da estacada. Uma -
seguindo Mm perseverance e subtileza as
tracasdo ha longo conccbidas -iuteula der-
rair no seio da nacio a plantula da liber-
dade : a outrainspirando-so nos exsmplos
de acrisolado patriotismo, oppoe fortes bar-
reiras d invasao do adversario. E' o futu-
ro de uma nagao que S9 request* ; e a
questao da sermos homens ou liliput-
to...
'A Tfionarchia dotada de sensibihdade
eSaaUUa deix ria de aventar os recursos,
que uma educacao moJelada a seus mtuitos
poderia fornecer ?
V mocidade brasileira envolve uma at-
mosphera mophitica : tudo se acorda como
ao toque de uma vara mag.ca para abafar-
lhe o sentimento de altivez e ind-pendencia
au9 apezar de tudo persevera em conservar.
Aventuramos algumas cons.deracoes a vdo
de passaro, porque nos fallece as habil.ta-
coesque requer umassurapto de tal raagni-
UE' verdade incontroversa que o estado do
nossa educacao prrmaria e (So |lastimoso,
quo uma crianca nao aufere as vantagens
M. Dus Ci.>-Eino.
uma direcgao contraria aos ialeresses do gante.
paiz. De ma is uin unrVersidtaitf ou acadfe-
inia firma-se aqni pela sua peputecSo, esta---------
reputagao s6 p61e ser adquwia- com a es-J Adane do eafcnaiw
c-olha de um professorado distincto e mora-1 mii8 gente de ^m senso acredU;t Mirs
fismla. A concurrence que em- tados os- n6$ que> todo 0 mogo q^e ddM Q ^^
ram is e o incentivo pxleroso de inrfnora.|para. esludaf m estrangeiro troca perrjis
imntos vein dar relevo- k edeauijSo Jieste i ^ tres ol>, quatrd annos e depois chega-se
paiz, bavendo no mesmo estado- tl"*,ft5n apr>r<|[iiri dji lima iwiinmilaifci ou aca^
universidades que dispatsm a pnmaaia. t pergunU-lhe Qnanio eusSa urn dr-
Sundo aqui t id.s as e.Dprezas pmMlatWr4Lu)aia.Ewle ou naqoette ramo da sciencia,
paga-lh o e ra volta a esercer rua prohs-
's4o.
esta" no interesse dos erapreraTios- chamar
para su3 direccao pessoas-inteHigentBS-e aba-
lisadas, acolbem por tantode prefareoaia os
alumnos que mais sedistioguiram sen
curso tecti'vo ; dahi resutta a ftmu!acjk> no
estudo entre os alumnos, porque cad*um ve
nos Seus triu npbos escobsticos o- treoae-
In-/it- da estrella Jde seu fntoro. iM-se- o
coutrario no Brasil. Uina- passoa qaa se
gradua em uma academia qualquer nao 6
rnedida polos seus talentos- seuao paia> sua-
familia e protebcao : pelo que, sucaedaor-
diaariamente que um estudante distiacto e
preteriilo aissuas aspirac.6espor outro com-
pletamente ignorante. desnecessapio fa-
zer sentir o desgosto qua provem disso, a
falta de estimulo, u desJeuto que vio pouco
a poucoassoberbaodo as cren^as de am por-
vir risonbo reflectido peto>prisma enfina-
lor da juventude.
Se e verdade que no Rio de Janeiro um
estudante a iquire u:n graade cabadal. da
tbeorias, tambem o c qua ticam mleiraman-
*e baldos na parte attin^nte & prataca, de
sorte qi>e quand > das r'jyiojs do idaalismo.
descem a parte positivadB seus estudos, ei-Ios-|
irresolutos e vaciOantes-diante de eraergen-
ciss taes que ou por obvias forant daspre-
sadas ou por p^queuas- -cscaparam Iprevisao
da scioncia. Accresee de mais, que a in-
dolenciae atonia inbjvoutos ao caracter bra-
sileiro, nao acbandc* vorceclivo noawrcici*
quo creia ou desenvolve a actividade', fa-los
perder a iniciativa e o espirito emprehende-
dor e aventureiro q^e tern feitodos Estados
Unidos o pr6droao do progresso neste se-
culo.
Ilesulta desta lacuna ua educa^lo brasi-
leira que os mpQos sem disposicSo bastante
para langar-se is emprezas que requertm.
trabalho c perseverance, edutados em uma
cidade afeminada pelo luxo, anemica pela
iudolencia,. acanbada pela educagSo, ener-
vam dentro era pouco t jda a sua acHdada,
e visam uis empregos publicos a resoUujao
Ideseu problema social.
0 espirito demoaratiao lavra com inien-
Nada mais fecil e aommodo, na' ver-
dade I
Ao passo qua se faz- essa idea injasta da
moeidade brasiiairaj teaafrsegeralmeate: uma
queda ate o ridaeolo pea tudo quaKtoe im-
portado, especialmeute peto que sefaz aa-
ouneiar de antenaio no$jornaes e cartazes
eaa. typos inaiusealos.
Data de muit> tempo a tal histOTia do
compra de diplomas e reaknente aao-sftbe-
mes a que attribuir semalbante prejuizo o
nem sequer podemos atinar com a origein
della;
Ter-se ha dado-algum iaeto dessa or-
dera T Quando*? Onde* Qaaes as pro-
vas-? As- poueaa- hahilita6ws de tedos
qaaatos tern estudado 16 ra do Brasil ? Nao t
psrquaiilo temos-e-emgrande- numaro--me-
dicos e eugenbeiros habilissHoos qoa uuu-
c froquentaram-as- nossas aaademias. As
poucas ou neubaaaas babilkagoas de aiguns
setae provas de qua sa vende diploaaas do
estrangeiro ? 3ie : porquaoto ao easa-dos-
ses estao graduadoa no Brasil -a, cromos, ha
cerieza de qua nas nossas aseolas aao se
veude eartas."
Quer nos parecer que pair* duvtda oobre
quern estu la /ora do lirasi", porquo dkpois
de tre&.ou. quatro aanos volta graduaio em
aedkiaa ou engenbaria. Sa e na pouca
auseBeia que wigioou-se tao-ia(undada idea,]
ere coos poderexpUear.o com se estuda nos
Estados-Unido6r pelo menos, tanto ou mais
em menos tempo que em nosso priz. Veja-
raos.como e porque.
Quem se tiver transport*do de uma. aca-
demia brasileira para uma americaaa, nota-
ra antes que tudo o qua disse am nosso
companheiro na Aurora Brasiubra* acer-
ca das escolas neste paiz. a Um dos ca-
racteristicos, dizelle, das universida-
des americanas e especielmente da de Cor-
nell e a iotimidade que existe entre profes-
sores eestudantes, o frequento contacto
entre instructores e alumnos. Ora, per-
F0LHETIM1.
LUSBaCIA BOafilA
MEMORIAS DE S1T1I1Z
POR
D. Manoel FeraandeiyOonzalez
guntamos, onda haverd mais mais probabi-
lidadis de aproveilamento e boa voutade no
estuuillrte; lendo' por prafassores os rotinei-
ros da sabi>atina, severos ate no gusto, pre-
valeceado-se dft sua posicio (com bonrosas
zcepcoas) ou aqui onde o mestre 6 um pai,
conselbeinft amigo e no tratar ao alum-
no fa-Io como A. um igual ? Pareceri a
muita genie ser uma puenlidade ou exage-
racSo o que dizemos, mas entretanto, todos
os annos ha queixas pela imprensa da parte
dos alumnos das nossas escolas e muitos es
tudantes (cbamados desptiludos, termo em
voga) se te.u retirado para escojas estran-
geiras. Et4 nas inaos do governo evitar a
sabida de brasiieiros para outros paizes, com
0 fun d'estu iar, de-nos escolas sem re-
gulameuto ollicial, disciplina bumilbante, e
mais qjo qualquer outra cuusa, de nos em
fin livre. A s6 curiosiJade nao nos teria
t'eito doixar a patria e o lar.
Em seguindd a esse defeito das escolas
brasil'-iras ve.u a diOerenca no methodo de
ensino h este 6 sem duvida o cootivo por
que so prefure as nossas, as escolas da Alle-
manli.i, France, Belgica, Suissa e ulttma-
ineirle para o esttido da engenbaria as dos
Rslakn Unidos : i deslas que vamos tra-
tar.
1 A regular divisao do tempo1 (no que pri-
ma o waeticaoo), a boa escolba de profes-
sores si.il ofbnr para v nacionatfdade, po-
Iitica ou fcligiao dull-rs, o adoptar-se com-
pendios escriptos pelos mesmos pfofessores
ou pessoas q-.it: seguiram a mesmo systema
ensino, o lucaltar-se ao alurano tomar
amate:ias qua'quer estudar com taato, 6
claro, qJe teuba antes estudos de que-ellas
depende u, sao mats ou menos as bases- so-
bre q*ie se fundara as escolas- primarras e
suporioi'S deste pail.
Km i ornell, por exemplo. o anno'lectrTO
se divi'.'e em ties tfimestres no 8m db cadb'
um do.:-quaes procedfc-se a examas do qa-i
licou estudado ; tode'estudaute tei que to-
mar d>: quinze a dezoilo boras por semana
e nas dulas;-se e possivel, apresentar'-se dia-
nainente i liyio. No ourso de engenharia
como era fcod>s os oatros, os proSessores
sao especialwta* do qseenainaa em pwtt-
iea ou theons ; os compondiosou sao eserip-
jW>s por elles-roesmo ou' adopt -se uaia se-
ria de um mes.no autor,-o que inegavel-
mente f iciliti muito o astudb. Em Cor-
uelli como se ve no catalogo-, ha cursos
epcionaes em Imgoas, sciencias, etc., e 6.
bem qoe se saiba nao cscrever-se aqui esta
lutes pira csnstar apenas-e, natn eem ves-
peras do exames qno se modifiea o metfie-
do- de faze-lST
Attalysemos-agora o curse da engenbaria
enr menos cm quatro anuos que na Brasil em
Oi'estudo theorico das- mathematicas e-
cotEpJeto, acreseeod > que^qui se estudade
mats que na noss- Escola-Central a geome*
tria coolerna e- barmor.eide, a trignome-
tri esphenca e raais quo la, no que dhv
respeito a phifosophia natural, a- zoologia e
noc^esde physiotogia iadispensaveis a" todo-
o bomem. Eau Cornell ha no curso de ee-
genbacia uma caoeira de agriaiensura bo
que a- Escola Central e muito def&iente a
menos-que nSa-se queira charaar dc curso
de agrimensur os exercicios praticos du-*
rante asferias. A part&pratica' e dirigida
po?-babeis engeaheiro' ecima sesabo este
paiz e- o mais vasto theatro pa^a este ramo
de sciencia quo nao carece apenas de afo
ga^seem theoaias.
Abi esta, poa>,.a chave do enigma. 0
mesmo que dissemos de Cornell aconteee
gtralmente com todas- as escolas- nos Esta-
das-Uuidos. As de taadeciua .-ao baseadas
sobre os mesmos priaeipios, rjpssuem mag-
ntficos laboratorios a e hem, eoubecido o
grande nuraero de bospitaes-e o seu bom
arranjo, e para a pratica de estudantes
aeste paiz, espauialsaenle em.cirurgia.
Os cursor de eugenharia a de medicioa
entre n6s sao^le se-ls annos,.e verdade, mas
quantos. mezes de estudo a quantos em fe-
rias, feriados, coneursos,. poredes ? I
Su^gerio-uos estas linbak o auligo prejui-
zo de compras & diploinas e o qua lemos
na licformu e diario dt S. Paulo, traus-
cripto-de uma aota ao Qiario Official en-
viada dos Estados-Unidos. Nid
quem pense ser um mal entendido
QUARTA PARTE
LUDOVICO ARIOSTO
III
GINEBRX MALATESTA.
(Continuagao do n. 39. )
E, dizendo isto, o bandidoaproximou-se
dajoven que continuava desraaiada, levan-
toa-a pela cintura, carregou com ella, e,
seai dar ouvidos as supplicas, as lmpreca-
toes, aos rugidos de raiva do anciao, disse
para os seus :
__ Venbam dous comigo.
IE sabio. \
Dous dos bandidos seguiram apos elle.
Em seguida desceram o jardim e encos-
taram de novo a escada ao rauro.
Voltem para W, disse o chefe d a-
q Jella gente, apoderem-se de tudo quanto
haja de valor na quinta, e vao esperar-
n;e na ponte.
Depois de proferir estas palavras, o ban-
di3o, levando comsigo a joven, dosceu pela
tscada, atravessou com a pressa que po-
dia, a distancia que o separava do bosqoe,
iuternou-se n'elle, cbegou a um sitio onde
estava preso um cavallo, soltou-o, poz no
ar^ao a.joven que continuava desmaiada,
inontou, e poz se em marcha.
Voltemos a Ariosto.
Impressionado pela formosura da ioven
loura, enamorado d'ella, com um d'esses
amoros subitos e violentos que os seres ira-
pres^ionaveis contrahem & vista de uma mu-
fhr>r que lbes 6 eicessivament sympathies,
nao p6 le emendar, como dissemos, nem
uma s6 oitava do seu Orlando Furioso, ape-
rar de que n'aquella mesma noite devia re-
citar urn novo canto & Lucreoia.
Por outro Ldo, sotreviera o crepusculo,
que a 6ombra dos grandes alamos tornava
mais opaco.
Sentado n'uma pedra, encostado a um
alamo, Unba diante Me si i pouca distancia
o P6, em cuja superficie lisa se reuectia o
ceo ; afugado polas auras odoriferas e suaves
do bosque, ouvindo o can\p do rousinol,
Ariosto sentie uma deliciosa languidcz, apo-
derar-se d'elle uma especie de somnarabu-
lismo, e perm8oeceu immovel, apezar de
quo se ia cerrando a noite.
Sonhava com a joven loura.
Um instincto mysterioso lbe dizia que
aquella joven devia ser a historia mais
grave da sua vida.
Nao tinha sequer voutade de levantar-se,
de por-se a caminho, de cbegar a Ferrara,
e ler a Lucrecia o seu novo canto.
Parecia que o prendia alii a fatalidade.
Cerrara-se completamente a noite.
Ariosto permanecia sentado na pedra,
encostado a arvore, reMrdando deltciosa-
mente a joven dos cabellos louros.
Esquecera tudo o mais.
De repente, nao pode deixar de chamar-
Ihe a attencao o galope de um cavallo que
se aproximava, o que pouco depois entrou
na clareira onde estava Ariosto.
Ou fosse porque o cavallo desse pela pre-
sence d'aquelle, ou por outra razao qual-
quer, inquietou-se, obrigando o cavalleiro a
castiga-lo.
faltara
sntbu
siasmo'da nossa parte pelas institui^oes que
regema terra de Washington' que nos faz
tao acremente fsllar, mas assim nao e f di-
zemo-lo dos Estados-Unidos e da Belgica,
da Franca e da Allemanba, da Suissa e da
Inglaterra e o mesmo ditemos do Brasil
quando tiver antes que tudo acabado com
a educacao da ama e do padra, fuodado
escolas baseadas em principios mais soli-
dos e eiequiveis 0 mal vem. de longe,
mas entretanto ainda 6" tempo de cortar o
tronco e planta-lo no fecunio terreno da
reforma, mas da reforraa completa. Som
duvida que baveria mais rantagem que OS
brasiieiros eetudassem no Brasil porque to-
da sciencia adapta-se necessariamente ao
cli.xa, situacSo e mais circumstaucias de
cada paiz em particular, mas nem por isso
devemos de estar a espera que o governo
uos de escolas brasileiras, quan lo nem se
quer sabe ou deseja imitar as do estran-
geiro.
Os homens serios que tanto apregoam a
sapiencia do imperador da Braila pro-
tector das lettras patrias que apontam co-
mo exernpiode republica ps 'epubliqaetas
hespannolas nao se lembram que os filhos
deltas, do Chile especialmente, nao sahem
da pair a em busca de- insfrucc3o sem ve-
xames.
Sejamos logicos e menos frivolos em julgar
aquelles dequem precisemos e a qusm bUsca
trjos embalde desp-estigiar enao e com Ji-
zer-lhe quem>svendem diplomas ou que nao
snbem instruir aos que a elF sechegam que
.ilcani;aremos sua benevoteocia ou passare-
mos por perspicazes e civilisados.
F. Bveno
* eilticac-So- 4* mallier.
Desde- que Cbristo, vindo ao nuudo, no*
bililou mulber anrquilando as leis op*
pressivas que a escravisavam, que ella, dei1-
fxando de ser um tdrpe objectoum avil-
tante instrstnento de prazer e se engrande-
cendo pelo pudor e pela virtude, aspirou a
representar urn grande papel na vida da
humanidade. Mas, os homens obcecados
pela igncrancia, dominados pelo espirito de
orguiho, nSo podendo comprehender ain-
da asublimidade das doutrinas santiticad^s
no sacrificio do- Calvario, acolheram ape-
nas na mulher o entefecondo, participv dos]
beiks- temporaes a a imagiaararn inferior em
inteH%encia e diseernimeate,
Se penetrassetmis entao no intimo dessa
sociedade ahi veriamos o amor do luao e
da vaidade inucuiado no seu espirito, p>?r-
vertend* toda a moral, todto-oa sentiaen-
tos ; o-aebego &* fastas e aos- prazeresr ge-
r>ndo a- ind'jlen; :a e mataado-lbe o desejm
do trafcal'bo, enfria-iecendo the a activala-
de, embotando-lba o espirito,- para deixar
ficar se-a material
Nos rieos teriamos o egoismo e a indiiTa-
renca nas grandes aecessidades da patria
nos pobres a penuria e o dessuimo por to-
da a port? a corrupeSo e a raiseria I
Agora-, porem, qae as luzes da civilisa-
cao espaneam as trevas dos precoaceitos a
prejuizosdo passadb-, chamaado tofios A ac
tividado e ao trabalhoo espirito progres-
sista do seculo, como base da nova socie-
dade, reclama para a mulber a dprisao dos
monopolisados direitos, as negadaspreroga-
tivas, as eonculcadns liberdadesy as quaes
lhe assistia-m pela raaao e pela justice ; e
como maaanciat d'e'las ahi vent o pecsa-
mento da sua ernancipacao intellectaal,
abrir-'he as portas-da todas as universida-
des, da todas as academias^ dando-lhe ae-
cessoamais alta iastrucgao, collocando-a
no lu racoes-da ordem eDevada.
Esta .questao, ha muito dabatida em to-
das as nicoes cultas, achou a inelhor soiu-
q&o neste paiz, que vio na emancipa^io in-
tellectual da mulber a fooSe de toda a- mo-
ral a de toda febcidado de um povo ; 6, em
todas as paries da I niua Americana, pela
iniaiativa particular de eminentes cidadaos
cbeios de amor da patria e sedentos de glo-
ria, se fundara estabelecameotos destinados
espe ualmenta a este tao nobre fun
Nao ha muito, que, aqui mesmo em Cor-
nell, pela niuniiicencia.de II. Sagese esta
a actividade da sue alma se eoncentrou na
recordaQao da joven descoohecida.
De vez em quaodo, Ariosto ouvia OssprOi-
fundos suspiros de Luigi.Barthelemi.
Aquelles suspiros alliviavam o nar&)rado
Arioslo, poxqua- nao erara os suspiros da
irapaciencja amorosa, raas sim os de um
amor sem espera,n;ak
Mas, seado assmi, eomo era que Barthe-
lemi esperava n'aquella sitio e aquella hora,
a mulher que causava o seu d&sespero ?
0 pensamento de Ariosto era .um cahos
no qual se revolviam, de um modo terrivel,
mil-ideas informes. *'":^
Decorreu umo hora, no fim da quarou-
vio-se o galope de um cavallo.
Oh disse Ariosto comsigo mesmo ;
vira ella tambem a cavallo ? Terei aqui a
aventura real de uma donzelia andante como
aquellasque sonhei para o meu Orlando ?
Vejamos.
Quando ouvio o galope do cavallo que
se aproximava, Luigi Barthelemi, poz-se
immediatamente em p6 exclamando :
Ati que finalmente I N8o julguei que
}.
levantando um sumptuoso edificio, que
perpetuari seu doom, com o um de, ser-
vindo de internato as senhoras, comp'eUr-
Ibes a educacio e desenvolvimaoto, da to-
das as suas faouidades, Unto morses, como
physicas.
E' qoe estu povo caminha a agigantados
passos para a sua perfectibilidade, tendo
no podor da mulber um tbesouro inexgota-
vel de beneficios imaginando que da cas-
tidade delta e que deve pirtir a ultima pa-
lavra nas geracOes quote levantara ricas de
intelligencia, illustr^cao e moralidade, a
tocarem o auge do aperfeicoamento bu-
raano I
Por isso, testamunbamos a cousideraejo
e respeitasa estima de que a mulher 6 alvo
neste paiz, considaracao esta qae too alta
ella nao goza em nenbuma parte do mundo
e vemo-la aqui era todos os lugares ( sem-
pre so; nos temples, nas universidades, nas
btibiotbecas, nas oflicrnas, nos pasaaios
laureada pela virtude a iadependeaci* que
ilao a Bhistracao e o trabalho, estreraeci-
da pelo amor da patria e d* famiba no empenho de todos os sagrados deveres.
Dbnzella, ebeia de encantoar de moralidadte
e livre, ella sente-se igual a todas as obri-
gacoes e se eatobrece na expansao de pu-
ros sentimentos- f por isso que tera a faculda-
de de seguir o bom ou mao camioho.
>' iiv.-i, e* a alegaia e o orguiho- do esco-
Ibido da seu coraceo, e se elevando acima
de todos- os iuteresse encarece o pre^o da
propria escolha, por sua escbreckia-intelli-
gencia. Ksposa, sKUirtca os costumes do
lar, partilhaudo conro ente querido as suas
venturas ; na adversidade e seu coasolo, 4
seu arrimo.
Maiguia^ com acerto. seus filhes.-iniH-
traado-lhes no-espirito-os principios da mo-
ral e da religiao, e como- om genio at'.entc
a seu ladoea reflexo da Provideneia ve
lando delles os destinos.
Ithaca, N. E., 2 de jaueiro de U87-4.
( Da' Aurora Bro*ile\ra. )
JDBtSPRDDEHCIA"
Rrlatoria
A^ESPKTTO DO NKSOCIO DO HARECHJlL BAZAIITK
BW-COJIMAN'DAKTe EM CUffC DO EXERCITO-
BO'RHF.NO.
A1.-D1ENCIX DE 12 DC SOVEMSRO
( Continuarao )
AL'MENCIA DE 15-DE HOVEHBRO.
0>'9r-. Paulo Odenet, aotigo prefeito do
Moselle, forneceu algumas iadica^des a ras-
peito do estado ctes subsistence no mo-
nento da capitulac>o. Na sua opiniao nio
havia roeio de recuar.
0 Sr OJenet, tembrou a proclaacSo
affix ail a era Metz e 13 de setambro ; estava
assigaada pelo commandants- da-praca, pe-
lo mairr, e pelo prefeito, e anaonciava a
popul;:(;ao que o esercito nao se retiraria,
o queo governo aiuda estava a tempo de
ergarasar a defeza.
A testemunha dectarou qjua- tinha tido a
ini -iativa nessa proolamagao, quo tinha re-
digi-lo o projectoy mas qae tinha sido
emenda^lo pelo general Ceffitneres, Con-
servou porem, o original, e poderi apresen-
ta-lo ao conselho. A defeza liga a este do-
cumento grande itnportaniia.
President*.Gbaraai o Sr. Andre', que
era maire em Ars, no momenta da declara-
i.-an do guerra; oootinuou a exercer aquel-
las fuoecoes, siada mesmo durante a occu
pai;.10 prussiana, ate a capitulagao. Ac-
tualmente e pnfeito no cWpartsmento do
Istre-..
P Queira &er saber-ao eoaselho o que
vos coostou era Ars relativamente ao que
se possava em France, s as esfeccos do
governo da deStza para entrar em commu-
nica^oes com. o marecbal Bazaine. Dizei
nos-tambam o que toudes feito pessoal-
inante.
R. -A 2i-ou a23 de agosto, reeebi, a vi-
sita de um camponez de Saint Mihiel, quu
me pedio para lhe fornecer os meios da
cbegar a ?^etz ; era portador de um despa-
cho do ministro da guerra para o marechal
Bazaine. Tirei delie uma copia, que ei*
aqui, e :i.ne ponbo- a disposi^io do codsg-
Ibo. tConl'M,uar-se-ha)
parou i
pequena distancia do lugar onde estava oc-
culto Ariosto.
Ajude-me a apeia-la, disse ama voz
que Ariosto reconheceu, graces i sua boa
memoria, porque apenas a ouvira uma so
vez, e isso mesmo ao espaco de um mo-
men to.
Era ao chefe dos Masnadieri, Febppo
Paccbione.
Que 6 isto T que lhe succedeu ? excla-
mou Luigi. Cahio-me inanimada nos
bracos. x
Nio se assuste, Jreplicou Felippo ; e
Quieto, Astarot, disse uma voz muito
conhecida de Ariosto, a voz de Luigi Bar- viesse tao depressa.
thelemi. Porqoe te assustas I Mettem-te 0 cavallo que se aproximava
medo as arvores? Vamos, quieto, meu
amigo, porque me vou apeiar; temos que
espera-la aqui, sabe Deus quanto tempo.
Ariosto sentio, pelo tiair das esporas no
chao, que Barthelemi se apeiava do cavallo.
Levantou-se sileociosamente, e, sem fazer
o mais pequeno ruido, escondeu-se entre
as arvores
Barthelemi nao o tinha visto, porque,
como dissents, a noite estava muito escora.
Barthelemi preodeu o cavallo a uma ar-
vore, e Ariosto sentio que se deitava sobre
a relva, mui perto d'elle.
Temos que espera la aqui, disse elle, porque o desraaio dura ainda.
murmurou Arioito com o coracio violenta-'alegrar-so porque assim
mente agitado. Sera ella, a desconhecida leva-la sem reeistencu.
domeuencontro? Abandonara a suacasa' IVaticaste. talvez, algumas das tuas
oara vir de noite, por entre astrevas a um brutahdades, disse Barthelemi com colera.
Iugar tao solitario como este. para eocon*; Muito obrigado pelo campnmeuto,
trar um amante T T*o joven, com uma ap- mas nio o aceito, aao me jalgo digno d eite.
parencia tao pura e ja corrompida I Mas Fizemos oque era necessano fazer, porque
que tem isso de estranho ? A corrupcSo sem violencia alguma, nio era possivel apo-1 zade, di
hoje em dia invade tudo ; existe no ar que derarmo-nos d'ella.
respiramos; mas aquelle olbar tio poderoso, Mas esta desraaio nio deua tt-C lugar
o rubor que lhe tingio as faces quando vio a farce que tinhamos combinado, pela qual
a exprcssao dos meus olhos... Ah tal vez ella julgar-me hia q seu tibertador.
aiuda no pKncipiu do-caminho da Que quer? Nem tudo sai sempre a
rquc ha mulheres iofames niedida dos nossos desejos; alem d'isso,
que pireccin anjos. contente-se com te la em seu poder. Acredi-
Ariosto lembroii-se do Lucrecia, mas essa te-me, dentro em pouco ama-lo-ha, dar-
recordacaofoi aiomeutaaica. Depots, tod?, se-ha por muito stsfeitflr que queira casar
Deve antes
melbor ; pode
esteja
corrupf-ao,
com, ella, e quaodo estiverem casados,
apeaar de que o velho. e da tempera de uma
couraga de Milan, nao. poierd deixar de lhos
perdoar.
Teria sido math or o ou^ro raeio.
N&o-foi minlia a culpa so o senhet nao
pensou que o mais provavel era o desmajo.
Pore'm, nao- peseamos tempo ; cumpri a
minha promessa, o seubor pagou-rue> e es-
tou fazeudo falta n'outra oarte.
i Succedeu alguma desgraca na quinta?
Sim, morn-ram dous.
Como I exclamoa com colera Luigi.
Sim, morreram os dous cies quo
guardavara o jardim, porquo assim foine-
cessario. Se os c&es tivossem ladrado, se o
valho tivesse podido dispor de um momen-
to, teria mandado tocar o sino da quinta
pedindo soccor^o, e ver-nos-hiamos obriga-
dos a fugir. Fez-se o que se devia fazer, e
nio pode nera deve queixar-se. Aproveite
o desmaio da donzelia, que dura ainda, e
a leus que e=tou fazenio falta aos meus.
E emqaanto L igi procurava fazer recu-
perar os sentidos & joven, Felippo montou
a cavallo e afastou-se a galope.
Ariosto impaciente, lauco de furor e de
zelos, desemb&inliou a espada, e s.ihio da
espessura.
Deixe-me a :nim o coidado de a fazer
recuperar os sentidos, Sr. Luigi Barthelemi,
disse elle com voz ameacadora.
Luigi que levara a mao a espada qumdo
sentira junto de si um bomem, reconhecm-
do Ariosto, respondeu tranquil amente :
Ah I estava abi, Sr. Ludovico ; prova
velmente anda 6 caja de alguma aventura
para mais embellesar o seu poema.
Mal sabia eu, que Deus tinha destina
do que eu castigasse um raiseravel como o
senhor.
__Ah 1 ah 1 replicou Luigi sem se alts-
rar, eeu iguorava tambem queo mavioso
poeta Ariosto era capaz de pronuociar sa-
melhantes palavras contra um amigo, que
e ao mesmo tempo um dos seus mais res
peito.sos admiradores.
Nio lhe cooce !i nunca a minha ami-
Ariosto com altivez ; e, pelo
que It/. KSpeUrj u sua admiracdlo, despre-
zo-;i.
Que pretei.de entaO ? perguntou Bar-
thelemi com toJao saiigoe frio.
Que se retire, o deixo debaixo da mi-
nha proteecio e do meu cuidado, essa des
gracada joven.
Sabe o Sr. Ariosto quo me esta pnre-
condy um dos cavalleiros do seu poema ?
E nao se engau&v porque coslumo por
em pratica o que 6crevo.
E julga que tera contra mtm o poder
raaravilboso que attribue aos seus cavallei-
ros ?
Ola, menos palavras e raais obraa, Sr.
LuigL Barthelemi; retire-so,, quando aao
raatcv-o.
E eu aconsalho-lhe que faca o que
exige de mUu.
Ah I nio quer? pois dBfeada-se.
E jogou subitamente uma tao grande es-
tocada a Bartbolemi quo o fez vacillar, e te-
lo-hia raorto, se a espada nio encontrasse
uma pequena couraca que Barthelemi trazia
por baixo do gibao.
| Ah I o seohor tcoca a penna pela es-
pada ? disse Barthelemi com todo a sangue
frio ; poisbem, protesto que sinto muito
matar o grande poeta amado pelas nereydas
do P6 ; pore'm, entre daix3r-rae matar ou
mata-lo, vejo-me obrigado a escolher o so
gun la meio.
Eu nio o quero matar, disse Ariosto ;
nio careco d'isso, basta-roe que o ponha
fora de combate.
E, atacando Barthelemi, deudhe duas
cutiladas uma n'um ioelho, e a outra no
homhro direito.
A espada catii i da mao de Barthelemi,
|ue queria conservar-se de pe, mas nio
pdde com as dores que soffria na perna,
Yeja, Sr. Barthelemi, disse Ariosto
embainbanJo a espada, se eu sei ou nio
por em pratica o que attrabdo aos meus
heroes, .com a difference de que sou mais
compassivo do que elles. Se eu tivesse es-
cutado a voz do meu Orlando que ha um
momenta se me revolvia furioso dentro do
corpo, te-lo-bia rachado de alto a baixo ;
mas eu sou Ariosto. Os meus heroes so a
miin torn de dar contas do que fazem, e eu
dovo-as a Deus dos meus factos. Fique por
aqui ; amanba sera encontrado por alguem
que o recolhera. Eu levo comigo esta da-
ma para a soccorrer e entregar a sua fami-
lia. Trate de curar-se, e, se depois tiver
alguma razao de queixa contra mim, pro-
cure-tne que me encontrard.
Ate A vista, Sr. Ludovico Arioslt
respondeu Barthelemi sompre unpassivul,
Ariost'i levantou a joven, e notou quo ha-
via torna to a siv
Di'poisoffereceu-lhe o braco, a que ella
so aimioii o quando estavam ja a alguma
dJsUaen, disse-lhc a joven coin voz tre
tn-da : .
obrignda, senbor ; sou muito
Ario-to eskremoren
Oh!
feliz t
Feliz I excla-nou
do de alegria.
Sim, porque foi o senbor que sal vou
a minha houra.
Mas nao receia pela sorte de sea
pai ?
Nao, porque oi-.vi tudo, porque ape .
zar de qua me julgavam desraaiada, nao o
estava. Quando recuperei os sentidos, ao
encontrar-me sobre a relva, ouvi a voz
d'aquelles dous iufames v sei que meu pai
nio morrou, e devo-lbe a si a minha salva-
Qao. Vejo qua e tio nobre e generosa co -
mo eu o avaliara pelos seus versos, e qua
me entregari bonrada e pura a meu pai.
Oh I regozijo-me com o que succedeu, por
que a isso devo o te-lo conhecido do um tal
modo.
E" a si que deve a sua salvacio, disse
Ariosto.
Nao o cojBprebendo, replicou a jo-
veu.
Nio se recorda de me ter visto Y
Nio.
Nio se lembra do bomem que esta
tarde foi aocommettido palo seu ceo.
Ah I era 0 senbor ? exclamou a jo-
ven com a expressio de uma grata sor-
preza.
Sim, ora eu, qua triste, desasperado
com a minha soledaie e com as minhas
desgracas, passeiava por estes arrabaldos.
Pois e desgracado T disse triste e sua-
vemente a joven.
Era, mas ja olo sou I exclamou cora
ardor Ariosto.|
E porque ?
Por sua causa.
Por minha causa ?
Sim, a sua imagem illuraioou-mo a
alma como uma luz diviua, senti dentro
em mini um espirito de vida ; encontrai-rn"
joven, apaixonado, a o coracio pulsou-me
como nunca havia pulsado.
Ah I e certo que me ama T exclamou
a joven com uma expressio indescriptivel.
, Sim, amei-a quando a vi, como se
a tivesse amado durante toda a minba vi-
da ; vi em si o arohanjo de logo que o meu
dosejo havia sonhado
0' meu Deus I exclamou a joven. E
guardou silencio.
Afflige-a o que lbe disse, minha se-
nhora ? perguotou Ariosto com en;iedode.
(Cmtinuar-se-ho.)
"TVP.DODUUIO. -RUA DlTQt'E OE CAXUS.
m
X
\

.

'
\

.


{

1
)
c

' tl
/: