Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18339

Full Text
f

I

'
.V
i-

ANNO L. NUMERO 35
------------:----------->-----------------------------:---------------rT"-------
PARA A CAPITAL E L.UGARES 0\DE Vi SKfAW PORTE.
Por Ires mezes adianUdos................ 6*000
Porseis ditos idem..................1S9000
4V)r um anno idem..................* 24*000

Js Srs. Gerardo Antonio Alvesd Filhos,no-Pari; Goncalves 4 Pinto, no Maranhio; Joaqnim Jose de Otiveira 4 Filho, no Ceari
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxoncio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose" Gomes,
AutoDio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; JoSo Antonio Machaeo, no Piter
SEXTA FEIM IS Dfi FEVEREIRO DE 1874
,---------------------'--------------------1------------;--------------:
* PAR.4 DE1TRO E FOB A OA PROVIACI A.
Por tres mezes adiantados................
Per stis ditos idem.................
Porrnoe ditos idem.................. 40&450
For urn anno idem.................. i7#000
1
DIARIO DE PERMMBIJCO.
PROPRIEDADE DE MANOEL FHUEIROA DE FARIA A FILHOS.

>nio de Lemus Braga, no Aracatj ; Joao .Haria Juiio Chaves, no Assii; Antonio Marques da Silva, no Ratal; Jose Justino
da Penha; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Antio ; Domingos Jose" da CostaBraga, em Nazareth;
[das ; Aires 4 C, na Bahia; e Leite, Cero/tinho 4 C. no Rio de Janeiro.
-
PASTE OFFICIAL.
724 de 25 de oatubro proximo passado, resolve,' Ao Exm. brigadeiro commandaate das ar- Bsttro da guerra o nocessario credito.para occor-
dd conformidade cam u disposto no art 69 da lei mas. S. Exc. o Sr. presideate da provincia, teodo/lO,'ao pagamento da pane corrospondeate ao
< *Xi'EDIENTE DO DIA 18 UK NOVKMBR0 DE 1873.
i'. seccao.
OEcio :
AoExm. brigadeiro commandantc das annas.
Sirva.se V. Exe. de maodar por em Imerdade o
racrofa Maaoel Bernardo Martins da Siiva, quo
nrovon isengao legal.
2.' secceio.
Aetos: .
0 presidente da provincia, altendendo a pro-
pasta do Br. jniz de direito da comarca da Escada
em offlcio de 15 do corrente, resolve nomear o
bacharel Jose de Barros Franco para exercer o
cargo de adjnncto do promotor da comarca no ter-
mo do dito nome.
0 presidente da provincia, a vista do oflicio
do Dr. chefe de policia, n. 1,877 de 13 do corrente
resolve conceder ao cidadio Joao Joaquim da Sii-
va Limeira a exoneragao (|uo pedio do cargo de
delegado do termo de Caruaru.
0 presidente da provincia, do conformidade
com a proposta do Dr. chefe de policia em offlcio
n. 1,881 de 13 do corrente, resolve nomear o te-
nente coronel Antonio Victor da Silva Vieira dele-
gado do termo de Caruaru.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. Transmitting a
V. S. o offlcio junto, por copia, do subdelegado do
It districto da freguezia de Nazareth, Ihe reconi
mendo mande proceder ao necessario inqnerito,
^ afim de qne sejam puaidos, nos termos da lei, os
aatores aos factos de que trata o dito offlcio.
Ao commandante do corpo de policia. Po
de Vmc. engajar, sendo iloneo, no corpo sob o
sea commando o paisano Manoel Alves Dias, de
quern trata o seu oflicio n. 618 de 17 do corrente.
Ao subdelegado do 2* districto de Nazareth.
PrOcedeu Vmc. regularmente fazendo as dili-
Sencias de que trata o seu offlcio de 15 do corren-
te, de cojo contendo fico inteirado.
3." secguo.
Acto : '
__0 presidente da provincia, tendo em vista o
que requereu Joaqnim Jose Tavares da Costa, es-
crivao das collectorias de rendas geraes e provin-
ciaes, resolve conceder-lte 3 mezes de licenga pa-
ra tratar de sua saude onde Ihe convier.
Offlcios:
__Ao inspector da thesouraria de fazeada.
* Mande V. S. pagar pela verba Palacio da pre-
sidencia a Bernardino Duarte Campos h C. a
Juantia de 189*200, e a Pereira Irmaos a da ...
>*500 provenientes de objectos que venderam co-
mo constadas coatas juntas em duplicata.
Ao mesmo. Inteirado do que expoz em seu
offlrio de li do corrente sob n. 927, serie E, au-
toriso V. S. a fazer a despeza que julgar indispen-
savel com a reraessa dos livros as juntas de clas
hificacao dos escravos, providenciando para que
seja realisada dita remessjj com a maior brevida-
de possivel.
Ao inspector d. thesnnraria provincial.
Transmitto a Vmc, para seu conhecimeuto e fins
convenientes, copia do acto desta data pelo qual
resolvi addir ao gymnasia provincial o professor
da extincta caaeira de latim da freguezia de S. Jo-
se desta cidade, Manoel Francisco Coelho, flcahdo
a-sim respondido o seu offlcio de 15 do corrente
sob n. 515.
__Ao mesmo. Tendo sido remettidas, por equi-
voco, a essa thesouraria duas contas, uina de
Bernardino Duarte Campos & C, na importancia
de 189*200 e oulra de Pereira Irmaos na de ....
V,, 15*500, haja Vmc. de devolvel-as a esta secretaria
para os fins convenientes.
4.' secgao.
Acto:
0 presidente da provincia, tendo etu vista o
que expdz o inspector da thesouraria provincial
am offlcio de 15 do corrente sob n. 515, e alten-
dendo a que pelo art. 3d d i lei a. 1.1 i i de 17 de
junho deste anno, I'oram supprimidas as eadeiras
da latim creadas na provincia com excepgao das
do gymnasio pernambjcano, resolve addir o pro-
fessot da de S. Jose desta cidade, Manoel Fran-
cisco Coelho, ao mesmo gymnasio.
Portarias :
A' camara muaicipal da villa de Jaboatao
Palo offlcio quo em 13 do corrente me dirigio a ca-
mara municipal da nova villa de Jaboatao, tico
mteirado de ter sido naquella data installada a
masma villa e empossada a respectiva camara
municipal.
A' camara municipal da villa de Ouricury.
Oeclaro a camara municipal da villa de Ouricury,
em resposta ao seu offlcio de li de outubro findo,
que approvo a despeza fcita por essa camara na
V importancia de 4003, com a eonstruccao de um
telheiro que sirva de abrigo aos concurrentes ao
mercado da mesma villa.
5.' uccdo.
Offlcio :
Ao Exm. conselheiro director geral da esta-
tistica na cilrte. Communieo a V. Exc. que no
dia 13 do corrente foi installada a nova villa de
Santo Amaro de Jaboatao, cr-ada pela lei provin-
cial o. 1,093 deste anno, achando-se desde entao
empossada a camara municipal da mesma villa.
EXPED1KMTE DO SECBETARIO.
2.' secqSo.
Olficios:
Ao Dr. chefe de policia. De ordem de S.
Exc. o Sr. pretidente da provincia, transmitto a V.
S. o titulo junto de Bomeacao do delegado do ter-
mo de Caruaru de conformidade com o seu offlcio
n. 1,881 de 13 de corrente.
Ao juiz de direito da Escada. 0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda declarar a V. S.
em resposta ao seu offlcio de 15 do corrente, que
per portaria de^ta data loi nomeado o bacharel Jo-
se" de Barros Franco adjaacto 1o promotor publi-
co dessa comarca no termo de igual nome.
4.' secgao.
Offlcio :
Ao bacharel Jefferson Mirabeau de Azevedo
Soares, chefe da 4* seccao da secretaria da presi-
dencia. Apresentando a V. S. os meus pezames
pelo falleciraento da seu lio, tenho a declarar-Ihe
que a beni do servico publico pode V. S. conside-
rar-se desinojado.
EXPEDIKNTE DO DIA 19 DC .VGVEMBRO DE 1873.
^v 1*. seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das armas.
Sirva sa V. Exc. do mandar p6r em liberdade,
vit ter provado isencSo legal, o recruta Jo*o
Pereira Damasceno, que Ihe foi mandado apresen
tar pelo Dr. chefe de policia em 4 do corrente.
Ao isHpedor do arsenal de marinlw. An
tofiso V. S., ojliio Solictta e.u seu ofltaki de 3 do
corrente, sp'j-u. 701, a despender a qnantia de
324*000 coin a promptillcscao do paviraento infe-
rior do quartet dos aprendizes artiiices, aGm de
>seram para ella transferidai as bombas de apagar
ineendios; visto o mao eslado em qua se a:ha a
casa da arrecaiacao, onde actualmente s$o ellas
gaardadas.
2*. seccao.
Acto-:
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o capitao Joao Francisco Henrique Por-
tella, da 6.* companhia do 8. batalbao de infanta-
na da guarda nacional deste maniclpio, e a vista
do parecer da junta de saade e Informacao do
commandaDte superior respectivo em ofncio n.
n. 602 de 19 de setembro de 1853, transferil-o
?ara o scrviro da reserva, Hcando aggregado ao
.* hatalnao do dito servjfO.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. Com o offlcio,
junto por copia, do tenenta-coronel commandante
do corpo de policia respondo ao de V. S., n. 1,872
de IS do corrente, quanto a vinda do commandan-
te do destacamento de Jaboatao a esta capital de
10 em 10 dias.
Ao commandante do corpo de policia. Seia
desligada do corpo sob seu commando a praca de
nome Hermmo da Albuqnerque Maranhao, de
quern trata o sen offlcio n. 649 de 17 do corrente,
uma vez que pre.iamente seja indemnisada a fa-
zenda provincial.
Ao mesmo. Em additamento ao meu offl-
cio dc 15 do corrente, recomendo a Vmc. que adie
o fornecimento dos sapatos e fardameRtos de que
trata o mesmo offlcio, que devera ser feito de con-
formidade com o novo regulamento e por concur-
rencia aberta na thesouraria provincial.
3.' seccao.
Aclo :
0 presidente da provincia, attendendo ao
que reqnereram alguns possuidores de gado ca
vallar, resolve prorogar por raais sessenta dias, a
contar da data da communicacAo em cada muni-
cipio, o praso marcado para o encerramento da
matricula creada pela lei n. 1,115 de 17 de junho
deste anno.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tendn nesta data, nos termos de sua informacao
de 17 do corrente, sob n. 942 ?erie E, autorisado
o inspector do arsenal de marinha a despender a
quaniia de 324*000 com a promptiGcacao do pvi-
inento inferinr do quartel dos aprendizes artifices.
allm de sercm para ella transferidas as bombas
de apagar ineendios, attanto o mao estado em que
se acha a casa da arrecadacao, onde actualmente
sao ellas guardadas, assim o communieo a V.
S. para os fins convenientes.
Ao mesmo. Autoriso V. S a mandar pa-
gar a Just1 Maria Ferreira da Cunha, procurador
de Francisco Jose Atuelauo de Souia, a quaatia de
62i6i0, importancia de raedicamentos fornecidos
para o tratamento dos soldados Manoel Eugenio
de Souza e Victoriano Pereira Dias, constantes da
conta junta, conforme o offlcio do brigade ro com-
mandante das armas, sob n. 1,067 de 3 do cor
rente.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar a quem se
mostrar autorisado o veacimento das prac\as des-
tacadas na villa do Brejo, conslante do pret e folha
junta em duplicata.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar, si nao
houver inconveniente, a Moreira & Braga a quan-
iia de 167*028, em que imporlam os vencimenlos
dos guardas destacados na villa do Bonito, corres-
pondent ao mez de outubro proximo passado,
conitante do pret junto em duplicata, acompa-
nhado da respectiva relacao da mostra.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Mande Vmc. entregar ao Rvm. perfeilo da Penha a
qnantia de 3.000*000, que devera sahir por em-
prestimo da caixa do asylo de mendicidade para
a dos orphaos, afim de ser applicada as obras da
colonia de orphaos e engeitados, em Pimenteiras.
Ao mesmo. Tendo por acto desta data
prorogado por mais 60 dias, a contar da data da
communicajao em cada municipb, o praso mar-
cado para o encerramento da matricula creada
pela lei n. 1,115 de 17 de junho ultimo, assim o
declaro a Vmc, para seu conhecimento e fins
convenientes.
Ao mesmo. Mande Vme. dar ao adminis-
tradur da casa de detencao uma copia do eontracto
celebrado entre essa thesouraria e o fornecedor
dos presos pobres da dita casa.
Ao mesmo Mande Vmc. pagar, nao ha-
ven lo inconveniente, a Joajuim Luiz Vieira Juuior
a quantia de 141*360, imp)rtancia do pret, junto
em duplicata, do destacamento da villa de Barrel
ros, correspondento ao mez de outubro proximo
passado.
Ao mesmo. Altendendo as iuformacoes do
commandante do corpo dc policia, datadas de 15
de jullio e de 23 de outubro ultimo, e a lei do or-
camenlo vigente, mande Vmc. pagar a praca da-
quelle corpo, de nome Joo Evaugelisla da Silva, a
quantia de 103*550, relativa ao meio soldo aue
aeixou de receber desde 23 de detembro de 1870
ate 30 de junho de 1871, por ler cahido em exer-
cicio Gndo ; abrindo-se para iaso um credito sup-
Slemenlar a verba' exercicios fiudos art.
. 11 da lei do orgamento em vigor.
Ao mesmo. Autoriso Vmc. a mandar en-
tregar ao prefeito da Penha frei Venancio Maria
Ferrara. encarregado das obras da nova matriz de
Nossa Senhora da Escada, 939*000, resultantes da
extraccao da 6.' parte n. 37 da iuieria a favor das
obras da mesma matriz, depositados uessa the
souraria.
4.* seccao.
Offlcios :
Ao director geral da instrucc.2o publica.
Informe Vmc. si foram approvados pelo conse-
Iho director da instruccio publica e pur esta pre-
sidencia os com^endios feil09 pelo professor Joa
quim Anlonio de Castro Nonas, de que trata essa
directoria em offlcio de 14 de julho ultimo, sob n.
210 ; cumprindo, no caso afflrmalivo, que mencio-
ne as datas da approvagao.
Ao mesmo. Tendo esla presidencia negado
provimento ao recurso do professor Siraplicio da
Cruz Ribeiro. que foi condemnado pelo couselho
director da lnstrucvio publica a um mez de sus-
pensio do exercicio de sna cadelra, cumpre que
vmc. providencie em ordem' a fazer se bftectiva a
sentenca do referido conselho.
Ao Dr. inspector da sadJe publica. Forne-
ga V. S a secretaria de.-ta presidencia alguns fras-
cos com preparacoes desinfectantes, afim de se-
rein reraellidos a commissao encarregada de dis-
tribuir succorros aos indigentes atacados da va-
riola na villa do Cabo.
"Ao e-jinmissario va:cinador provincial.
Forneca Vmc. a secretaria desta presidencia al-
guns tubos eova lympha vaccinica, para serem en-
viados a commissio encarregada de distribuir soc-
eorros aus indigentes atacados da variola na villa
do Cabo.
Portaria :
A' illma. camara municipal do Recife.
AttendenJo ao que expoe a Illma. camara munici-
pal desta cidade em offlcio de 12 do corrente mez,
sobre a uecessidade de construir-se um telheiro
provisorio, para onde se remova o ac,ougue pu-
blico de S. Jose, aiim de poder-se continuar na
obra do mercado, autoriso-a a despender ne-se
telheiro, orcado em 9 contos, a quantia de 3 cen-
tos ,le reij, e do modo proposlo no refrrido offl-
cio.
Circular:
A'a camaras municipaes da provincia. Re-
commendo a camara municipal de.....que, em
vista do aviso de 14 de dezembro de 1868 e de
conformidade com o artigo 7 da lei n. 387 de 19
de agosto de 1846, de as necessarias providen-
cias, afim de que se reunam as juntas qnalificado-
ras das freguezias do seu municipio na 3.* domm-
ga de Janeiro proximo vindouro, havendo o malr
cuidado para que se faca regularmente todo o
procesao da qualificacao e se observem lodaa as
disposigdes da legislacao em vigor.
EXPEDIKNTE DO SECBETARIO.
/.' seccao.
Offlcios :
por despacho desta data autorisado o fornecimen-
to, ao 9* batalhao de infantaria, de duas marmitas
de folha para conduccao de rancho; aseim o
manda communicar a V. Exe, em resposta ao sea
offlcio de 17 do corrente sob n. 1113.
Ao mesmo. De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provin ;ia, communieo a V. Exe. qne
por de.'pacho desta data se mandou forneeer ao
9* batalhao de infantaria 5000 cartuchos desem-
baladoa e 6500 capsulas fulminantes, de oonfor-
midade com o pedido que veio annexo as seu
offlcio de hontem daudo sob n. 1121.
2.* seccao.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. -0 Exm. Sr. presi-
dente da provincia manda declarar a V. S. qne
nes'a data se expedirara as convenientes orden no
sentido deque trata o seu offlcio n. 1893 de 17 do
corrente.
Ao mesme.De ordem do Exm. Sr. presi-
dente-da provincia, transmitto a V. S. o titulo
junto de nomeacao do 3 supplente do subdelega-
do do 1* districto da freguezia de Jaboatao, do
termo desta capital, de conformidade com a pro-
posta de V. S. em offlcio n. 1898, de *7 do cor-
rente.
Ao commandante superior do Recife. S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda decla
rar a V S., para os devidos fins, que por portaria
de hoje foi transferido para o servico da reserva
e aggregado ao 2* batalhao desse servico 0 capi-
tao Joao Francisco Henrique Portella, de quem
trata o seu offlcio n. 722 de 25 de outubro proxi-
mo passado.
Ao commandante superior da Barreiros e
Agua Prela. -Communieo a V. St, de ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia, que mandon-se
pela thesouraria provincial pagar a Joaquim Luiz
Vieira Junior a quantia em que huporta o pret do
destacamento da villa de Barreiros, conforme seu
offlcio de 13 do corrente.
Ao commandante superior do Bonito. -Com-
munieo a V. S., de ordem de S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia, que nesta data deu-se ordem
a thesouraria de fazenda para pagar a Moreira &
Braga a quaniia de que trata o seu offlcio de 3 do
corrente, relativa aos vencimentos dos guardas
destacados nessa villa.
Ao commandante superior do Brejo.-De
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
communieo a V. S. que nesta data deu-se ordem
a thesouraria de fazenda, afim de pagar a quem se
mostrar autorisado os vencimentos das p.-agas
destacadas na villa do Brejo.
4.' seccao.
Offlcios :
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
Da ordem da S Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, commuuico a V. S. que nesta data expedi-
ram-se as necessarias ordens a thesouraria pro-
vincial para entregar ao Revm prefeito da Penha
a quntia de 3:000*000, tirando-a por emprestimo
da caixa do asylo de mendicidade para a de or-
phaos, para ser applicada as obras da colonia de
orphaos e engeitados em Pimenteiras.
Ao*evm. prefoila da Penha.Da orJem de
V. Revm. que nesta data autorison-se a thesouraria
provincial a entregar a V. Revma. os 930*000, resul-
tantes da extracgao da 6a parte n. 37 da loieria
a favor das obras da nova matriz de Nossa Senho-
ra da Escada, menos as Subras de benelicios ante-
riores, por nao existirera naque'la thesouraria ;
sendo qne o beneficio da pane, precedenle a esta
de que se trata, toi recebido pelo respectivo viga-
rio, segundo informacao da thesouraria.
Ao mesmo.S. Exc. oSr. presidente da pro-
vincia manda declarar que nesta data expedio
ordens ao inspector da thesouraria provincial para
entregar a V. Revma. a quantia de 3:000*000,
que sera applicada as obras da colonia de orphaos
e engeitados, em Pimenteiras.
EXPEDIENTS DO DIA 20 DE H0V8MB00 DE 1873.
1.' seccao
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. -Sirva-se V Exc. de mandar por em liber-
dade o recruta t'edro Soares da Silva, que pro-
vou isengio legal
Ao mesmo. Maude V. Exc. apresentar
quanto antes na casa da detengao cinco praga;
e um inferior de qualquer dos batalhoes de pri
meira linha, afim de escoltarem com seguranga
ate" Nazareth o criminoso Jesuino Bezerra de Me-
nezes Batalia, que deve ser alii julgado ; espe
rando a mesma forua qua sa encjrre a sessao do
oMpscksio de 1871 a 1873.
RAo mesmo. Em resposta ao seu offlcio n.
serie E, de 19 do corrente, fico inteirado de
r essa thesouraria pago ao quartel-mestre ge-
do commando superior da guarda nacional
municipio o soldo e gratificacao-dos coraetas,
ns e tarn bores dos cornos da guarda nacional
cidade, que havi .in cahilo em exercicio
nw*noTa*-3trva-se V.S. de devolves
me o -pedido, que por engano lha foi remettido com
offlcio de 3 de abril ultimo, da vestoarios para os-
aeatenciados militares excluidos- definitivameote
dos corpos oxistentes no presidio de Fernando de-
Noronha.
Ao mesmo. Autoriso V. S. a pagar a em-
preza da illuminaiao a gaz desta-cidade a quastia
de 452*700, importancia do gai- consumido na ins-
peccao do arsenal de marinha nos mezes de julno
a setembro, constantes das duas contas juntas em
duplicata.
Ao mesmo. Dando provimento aos racursos
interpostos por Manoel Januario de Arruda e ca-
pitao Jose Caetano de Albmmerqua, nos requeri-
roentcs qne the devolvo e a que se referem suas
inforroagoas de 19 do corventesob ns. 969 e 970
s*Me E, autoriso V. S. a mandar releva-los da raul-
ta em que incorreram p<>r infrac^ao do regulamento
de 1 da dezembro de 1831.
Ao mesmo. Reinetto a V. S. para os devi-
dos fins as cinco inclusas ordens impressas em
duplicata sob ns. 971 e *75, expedidas pela repar-
tigio do ajudante general do exercito.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar a Joao
Francisco da Silva Mtndonca a quantia de 40S,
eonstante da conta junta em duplicata, importan-
cia do papel, impressao e encadernacao de dous
livros de 400 folnas cada um, que por autori-
sa;ao desta presidencia foram preparados para a
eapitania do porto.
Ao mesmo. Mande V. S. pagar ao parocho
coiado na freguezia de Nossa Seuaora do Dastino
de Itambe a cougrua correspondante ao mez de
outubro undo, risto ter provado qne cumprio os
seus deveres na respectiva matriz.
Ao mesmo. -Communieo a V. S., para os de-
vidos fins, que a 25 da outubro proximo passado
deixou o exercicio da jurisdicpao da vara de di
reito da comarca de Cabrobo o bacharel Miguel
Songalves Lima, por motivos de molestia, sendo
substituido pelo juiz municipal, bacharel Jose de
Carvalho Cesar, e este pelo supplente Washington
lldefonso dc Novaes Calumby; reassumiudo os
dous primeiros os seus respectivos cargos a 3 do
corrente.
4.' secca.'.
Actos:
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu a mosa regedora da irmandada de S.
Jos*, da matriz da Nossa Senhora da Con:eigao da
cidade de Nazareth, resolve approvur provisoria-
mente na parta temporal o compro;nis3o da refe
rida irraandade, accrescentmdo se ao I.* do
art. 6.* as palavras : orecedendo *utorisac!lo do
provedor de capcllas, quando se tratar de negocio
unportante.
S. Exc. o Sr. pi esidente da provincia, communica a 0 presidente da provincia, attendendo" ao
qne requereu o corn-go Joaquim Pinto de Campos,
professor da cadeira de rhelorica do gymnasia
provincial; resolve conceder-Ilie seis mezes de li-
ceuga, sem vencimentos, para tratar de sua saiido
onde Ihe convier.
Offlcios :
Aa director geral da iiMrncelo publica.
Constandj-rae achar-se ha mezes tora do exerci-
cio da respectiva cadeira a professora de Venda
Grande, Anna Bezerra Cavalcante da Silva Costa,
cumpre que Vmc. proceda contra ella not termos
da lei, verilicado o motivo que da lugar a isto ;
devendo essa directoria scientili :ar me do resul-
tado.
Portaria :
A' camara municipal da cidade da Victoria.
Nego a approvagao solicitida pe.la camara mu-
nicipal da cidade da Victoria para conceder o
abate da quaniia de 142*250 ao ex-arro.oatante
do impusto de aferieao de pesos e medidas, Luiz
Jose da Silva, visto como a este so cabo o abate da
quantia correspondante as afericSes que deixou
de fazer, pela adopcao do novo systema. e que for
liquidada.
EXPEDIENTE DO SBCBBTABIO.
V. seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro co nmanJaute das ar-
mas. -Di or Jem de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, communieo a V. Exc. que nesta data so-
licitou sedoministerio da guerra o necessario iire-
juiy.
Ao director do arsenal de guerra.Mande
V. S. forneeer com brevidade ao capitao Antonio dito para occorrer ao pagamento dos prets das pra
Gracmdo de Gusmao Lobo, delegado do termo de yas decavallaru desta provincia,j-elativos^ao;exer-
Itambe, 500 cartuxames e o correame correspon
denlc as 15 armas que Ihe foram foraecidas.
2.' seccao.
Ados :
0 presidente da provincia, attendenio ao
que requereu o bacharel Graciliano Auguslo Ce-
sar Wauderley, promotor publico da comarca de
Flores, resolve conceder-lbe sessenta dias de licen-
ga, com vencimentos na forma da lei, para tratar
de sua saude.
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o alfares da 6.' companhia do bata-
lbaj n. 23 de infantaria da guarda nacional do
municipio de Santo Antio, Jose Paes de Lyra, e
a vista do que informou o respectivo commandan
te superior em offlcio de 24 do mez proxinu pas
sado, resolve qua se Ihe de a guia da que trata
o art. 45 do Jecrelo n. 1130 da 12 da marco de
1853 para o desta capital, aonde tern fixado sua
-| residencia.
. 0 presidente da provincia, attendendo aa que
requereu o capitao do 1.* batalhao do servico de
reserva do municipio de Campiohos, da provincia
do Ceara, Firmino Candido da Figuoiredo, e a
vista do que inlorraou o commandante superior do
desta capital, resolve, de conformidade com o
disposto no art. 45 do decrato a. 1130 de 12 da
mar;o de 1853, mandar que seja ella aggre-
gado ao 3.* batalhao do dito servigo deste muni-
cipio.
0 presidente da provincia, attendendo ao
3ue pede Peiro do Rego Chaws em offlcio de 31
o mez proximo passado, resolve conceder Ihe a
exoneracao do cargo de supplente do juiz muni-
cipal e de orphaos do termo de Garanhuns.
Olflcios :
Ao commandante superior de Saalo Antio.
Ao alferes Jose Paes de Lyra, de quem tra-
ta o seu offlcio de 24 do mez proximo passado,
mande V. S. dar para o municipio desta capital a
guia de que trata o art. 45 do decreto n. 1130 Je
12 de marco de 1853.
Ao jniz de direito de Villa Bella.Appro van-
do o seu pi oca ler quanto ao promotor publico
dessa comarca, tenho a dizer-lhojyuedeve ella se-
guir, qnanto antes, para a comarc3, para a qual
Foi reniovido ; devendo ja ter recebido a comma*
nicacao official dessa remocao.
Ao commaudante do corpo de policia.P6de
Vms. engajar, sendo idoneo, ao corpo sob o seu
commando, o paisano Joao de Souza Ramos, de
quem trata o seu offlcio a. 653 de 19 do cor-
rente.
3' secgSo.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Devolvo a V. S. os inclusos prets, para que man-
de pagar a importancia relativa ao exercicio cor-
cicio de 1872 a 1873. ria conformidade da infor-
macao da thesouraria de fazenda, ques e acha de
novo autorisado o pagamento djs prets correspon-
dantes ao exercicio orrente.
Ao capitao do porto.De ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, communieo a V. S.
que nesta data deu-se ordem a thesouraria de fa-
zenda para pagar a Joao Francisco da Silva Men-
denpa a quantia de 40* importancia do papel. im-
pressao e enca lernaoio de 2 livros, conforme o
offlcio de V. S. de 17 do corrente.
2.* secifio.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia.Da matricula des-
ta secretaria consta que Jose Henrique de Mandon
ca, de quem trata o otflcio de V. S., n. 1,895 de 17
do corrente, fora exonerado em maio da 1869.
sendo substituido por Joao da Cunha Cavalcaute
o que manda declarar S. Exc. o Sr. presidente
da proviucia a V. S afim de que, caso haja enga
no, seja rectilkada a proposta que fez no dito offl-
eio.
Ao mesmo.-0 Exm. 3r. presidente da pro-
vincia manda declarar, em resposta ao otflcio
de V. S., n. 1,903 de 18 do corrente, que nesta da-
ta so expediram as convenientes ordeus no sea
tido do dito offlcio.
Ao commindante supdri.tr do Rjeife. 0
Exm. Sr. presidente da provincia inanda coaiinu-
nicar a V. S, para os devidos fins, qua por porta-
ria de hoje foi m.md.id > aggragar ao 3* batalhao
de infantaria da guarda nacional do masino ser-
vico o capitao do 1" batalhao da reserva d > muni
cipio da capital da provin :ia do Ceara, Firmino
Candido de Figuoiredo.
Ao commandante superior de Caruaru.0
Exm. Sr. presidente da provincia manda daclarar a
V. *. que por portaria da hoje foi mandado dar guia
para esta capital ao alferes do batalhaa n. 10
de reserva desse municipio, Alexandre Sergio de
Moraos, de quem trala o 3euoiflcio de 2 dj cor-
rente.
Ao l supplente do juiz muaicipal do Cabro-
bo, em exercicb, Washington lldefonso de Novaes
Calumny. -0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda aceujai-o ra-abiuunti d offlcio a de 24 de outubro ultimo, em qua participa ter
nessa data assumido o exercicio do cargo da juiz
municipal e de orphaos do termo de Cabrobo.
Ao bacharel Miguel Gongalves. Lima 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda a<*cusar
o recebimento do offlcio de V. S., de 25 de ou-
tubro ultimo, em que participa tar por motivos
de molestia deixad > nessa data o exercicio do
cargo de juiz de direito da comarca de Cabrobo.
Ao bacharel Jose de Carvalho Cesar. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar
o recebimento do offlcio de V. S., de 3 do corren
eargo de juiz municipal e de orphios do termo de
Cabrobo, deixanJo o da jurisdicgao da .vara de di-
reito, por ter assumido o effeclivo.
5" seccao.
Offlcio:
Ao gereote da companhia pernarabueana.-
De orlesi deS. Exc. a Sr presidente da provincia,
pode V. S. fazer seguir no dia 29 do corrente para
os portos do norte e sul os vapores de>sa coinpa
aii'a, Ipojiwa e Gequid, a hora indicada em seu
offlcio de 18 do corrente.
KXPSMERTE BO DIA 21 DC KCVKMBtO 1>E 1873.
1.' ucgao.
Offlcios:
Ao Exm. brigadeiro commaudante das ar-
mas. Sirva-se V. Exc. da mandar por em liber-
dade o recruta Manoal Marques de Jezus, visto
ser elle inctpaz para o servigo militar, segundo o
termo de inspeccao ann;xo ao seu offlcio da uun-
tern datado, sob n. 1,127
Ao inspector do arsenal ie marinha. Com
este sera apreseatado a V. S. atim- de que man Je
alistar n companhia da apraudize-> mirinheiros,
o manor Joao, que foi-me remettido pelo Dr. juiz
de direito da comarca de Iguarassu.
Ao mesmo.Daferinlu o requerimento da
Manoel Fernandes da Silva, sobre qua versa a sua
informacao de 3 do corrente sob n. 761, a da con
formidaue com o parener do iu'pector da thesou-
raria de fazenda, expre-so no offlcio da 17 deste
mez, sob n. 935 serie E, tenho resolvid> qua se
faga effectivo o eontracto celebrado nelo suppli-
cante com o conselho de compras- em 23 da setem
bro proximo Gndo, para o forueciineuto, aos apron
dizes artifices e marinheiros, durauto o presente
tnmestre, de colcnoes, devendo ser feitos de fazen-
da de linho, em tudo igual aanio-tra junta, que
devera V. S. verificar no acto- do recebimento dos
ditos colchdes -0 quo tudo declaro a V S. para
sau conhecimento e direccao.
Ao director do arsenal de- guerra. -Maude V.
5 forneeer ao Dr. chefe de policia, afim da serem
remettidos ao delegado do Bom Conselho, 15 ar-
mas com o correame correspondent para o des-
tacamento d'aquella localidades e !j -in assim as ne-
cessarias espolela.
Ao mesmo.De conformidade com o que so-
licita o Exm. brigadeiro commandante das ar
mas em offlcio da hont n. sob n. 1124, mande V.
S. recolher nessa arsenal os irtigos de tardainento
constantes do p dido junto, firmado pelo commau-
dante intenno do 2* batalnao da infantaria, os
quaes, em virtudo da nova tabella, ja nao fazem
parte do uniforme das pragas do exercito.
Ao mesmo. -Mande V. S. forneeer ao Dr.
chefe de policia 10 tergados e o correame corres-
pondente para o servigo do destacaoiento dc
Itambe.
Ao mesmo. -Manda V. S. forneeer com ur-
gencia ao capitao Antonio Gracindo jle Gusmao
Lobo, delegado do termo de Itambe, 15 armas das
Sue foram recolhidas nesse arsenal pelo comman-
ante do corpo da policia, e hem assim 15 correa-
me.-, 500 cartuxos embalados e 600 capsulas ful-
minantes.
3.' seccao.
OiflcioS:
Ao inspector da thesouraria de fazenda. -
Ponderando-icn o inspector do arsenal da marinha,
em offlcio de 19 do corrente sob n. 769, a conve
niencia de ter o enfermeiro da respectiva en-
fermaria em seu poder a quantia de 13/060 para
occorrer de prompto as despezas com o en terra-
mento da alguma praga que vonha a fallecer na
mesma enfermaria ; recommendo a V. S. a expedi-
gao de suas ordens no sentido de ser adiantada
aquelle enfermeiro a indicada quantia.
Ao mesmo. Deciaro a V. S., para seu conhe-
cimento e direcgao, que, a vista da sua iuformai;ao
de 17 do corrente sob u. 955 serie E, dada acerca
do requerimanto de Manoel Fernandas da Silva,
resolvi nesta data que se faga effectivo o eontracto
que com elle celebrou o conselho da compras de
marinha era 23 de setembro proximo findo, para
forneeer culchoes aos aprendizes marinheiros e
artiikes duraute o presente trimestre.
Ao mesno.Daado provimento ao recurso
interposto pelo major Belarmino da Rego Barros,
no requerimento que Ihe devolvo e aque so refere
sua Informacao de hontem dalada sob n. 990, se-
rie E, autoriso V. S. a raaudar releval-o da multa
em que incorreu por nao haver dado a matricula
no praso da lei a ingenua Maria, tilha de sua es
crava Justiaa.
Ao mesmo. -Declaro a V. ?., para os devidos
fins, que, segundo offlciou o bacha el Benjainim
Pinto Nogueira, juiz de direito da comarca do Bui-
que, por incommodo de saude deixou de seguir
para a dita comarca a reassumir o exercicio do
referido cargo. .
Ao inspector da thesouraria provin:ial.
Mande Vmc. entregar ao regedor do gymaasio
provincial a importancia correspondente ao ultimo
quartel deste aanj, dec-retada para pensoes dos
alumnos pensionistas da provincia, conforme pede
aquelle funccionario em offlcio de 19 do cor-
rente.
Ao mesmo.-Mande Vmc. pagar a Antonio
Victor de Sa Barreto, a quantia da 502*119, cuns
tante do documeulo junto.
Ao mesmo.-Mande Vmc. pagar ao subdele-
gado do districto de Beberibe ou a quem se mos-
trar autorisado, a quantia de 20*000, correspon
dente a 2 mezes de aluguel, vencidos em outubro
ultimo, da easa que ali serve de quartel ao res-
pectivo destacamento ; bam como a de 1*760, des
peudida com j fornecimento de luz e agua ao mes-
mo destacamento durante Ires mezes, eonstante da
conta junta.
EXPEDIENTE DO SEC11ETAB10
/.* secgdo.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. Exc, em resposta ao seu offlcio
de hontem datado, sob n. 1125, que fica providen-
ciado para serem recolhidos no arsenal de guerra
os artigos da fardamento a cargo do 2* batalhao
de infantaria, qua .em virlude da nova label a,
mao fazem parte do uniforme das pragas dj exer-
cito.
Ao inspector do arsenal do marinha.S. Exc.
o Sr. presidente d i provincia, teudo providenciado
para que seja adiantada ao 1* enfermeiro da en-
fermaria de marinha a quantia de 13*060, afim de
poder eccorrer de prompto as despezas com o en-
te ramento de alguma praga qne venha a fallecer
ali; assim o manda communicar a V. S., em res-
posta ao sm offlcio de 19 do corrente, sob n. 769.
oSr.
do municipio de Pao d-'Alho.
Leocadia Maria da Cooeeicao. Informe
Dr. chefe de policia.
Manoel Pereira Dias.-Concedo o praxo de oilo
dias.
fogas & C. Passe portaria, na forma do es-
tylo.
1
Repartl^O* 1 poliola.
secgaoSecretaria de policia de Pernambuco.
12 defevereiro de 1874. __
N. 207. -Mm. e Bxm. Sr.-Participo a V. Eac :
que foram hontem recolhidos a detengao os iodi-
viduos seguintes :
A' ordem do Dr. juiz substitute do 4* districto
criminal Herrailo Jom Quaresma, Amaro Montei-
ro Duarte a Anna Clara Monteiro dos Santos, por
crime de rouba.
A' ordem do subdelegalo do Recife, Guatier
Pierre Marius, e Nigman Alexandre, a requisigao
do co^ul fraocez.
A' ordem do dos Afogados, Caetano Francisco
de Oliveira, por crime de morte, a dispjsicao do
Dr. juiz de direito do 6* districto criminal.
0 delegado Jo termo do Bmito, p r offlcio de
4 desta mez, communicou-me qne remetteu ao
juiz municipal do termo, o inuueriio a que proce-
dera contra Jerouymo Josede Lima, por crime de
fu it a de presos.
Em data da 9 do- corrente partir-ipou me o dele-
5ado de Goyanna que no dia 5, no Engenno Novo,
aquolle termo, fora espaacado Damiao Jo*'
Joaquim da Sanl'Anna por Manoel d lal, feitor J
referido eugenho, e que a tal respaito proceder i
nos termos 4a iei.
0 sub lolegado da Mag lalena, por offlcio de hon-
tem datado, participou-me que remettera ao Dr
luiz de direito do 6* districto criminal o inquerit
a que procedera contra o portuguez Antonio Ma-
ria f. ite Braga.
0 dt teg.ido do termo do Bonito, por offlcio de "
do corrente partciipou-me qua no dia 2't do mez
proxi no findo, por oceasiao da feira do povosio
da Capoeiras, daquelle termo, Antonio Luiz de
Almeida ferira com tres punhaladas a Antonio
Pimentel, e com uma a Jose Jeronyino, pragas alii
destacadas ; |ue o delinqueule fora preso em fia-
graute, e reoebera nessa oceasiao, pela tenaz resis-
tencia que foz a sua prisao, um leve feriment-* na
cabega; e que procedera-se a competente visloria
e o respectivo inqnerito, qua foi log) rumettido ao
Or. juiz municipal do termo, para os devidos fins
Nesta data comiuuuicou-ine o subelegado da
Belein, qua f ram recolhidos a detengao, a requi-
sii.-ij do juiz de direito do 6* districto criminal-
jo.io Ferreira de Lacerda e Maria Antonia do
Espirito Santo, por sa acharaoi pronunciados a
art. 257 do cod. criminal.
I) -us gnarda a V. Exc.-Illm. e Exm. Sr. com
mendador Henrique Pereira de Lucena, dignissi
mo pre-idauto da provincia.-0 chefe da policia.
Anfon/o Pranctsco Cornia de Araujo
UNTERIOR,
rente
seudo que nesta data Bollcitei a) Exm. mi- lte, em que participa ter assumido o axerc.cio dj
OKSPACUOS DA PaESIDENCIA, DO DIA 11 OE FEVEBEIRO
DE 1874.
Abaixo assignados, proprietarios e moradores na
cidade da Escada.A' camara municipal da cida-
de da Escada para iaformar.
Antonio Eustaquio Alves da Silva. -Paguo-se.
Anna Monteiro de Lima Rego Valenga. Infor-
me o Sr. Dr. director geral da instrucgAo pu
blica.
Companhia Ferro Carril de Peruambuco.Sim.
Isabel Maria da Conceigao.Coucedo o prazo de
oito dias.
Joao Evangelista da Silva.A' vista do que in-
forma o Sr. inspector da thesouraria provincial,
nada ha a deferir.
Jose Joaquim de Sant'.Vuaa. Informe o Sr. Dr.
chefe de policia.
Jose Maria lldefonso Jacome da Veiga Pessiia e
Mello.Concerte se
Jose Menles Carneiroda Cunha Filho.-Informe
o Sr. commandante superior da guarda nacieaal
BIO BE J.IXEIBO
24 de Janeiro de 1814
INSTRUCCAO PUBLICA.
( A I.NICIAT1VA PAKT1CIL.\1V t 0 UOYERNu.
II
Baras vezes um movimenlo se tera pronunciado
mais opportuno e mais efflcaz do que a propagan-
da que, evidentemenle, se urn.a no Brasil pela
propagagao do ensino.
A iustruccao popular era ate hem pouco tempi,
a preoccupaeao da algnus espiritos privilegiado*.
Eram alguns scismadores, e raros, os que insis-
tiam em indicar na solugao deste grave problem*
da educac4o do pov i a condigao obrigada do pro
gresso social. Era umassumpto este reservado ao
Uvr.' e a uma pequeua parte do jorualisino. A so-
ciedade via o com descrenga ou, peior que isto.
com indilferenga. A grande massa dos cidadao
linha-se habituado a ver na instruc<;ao um servico
publico como tantos outros, alguma cousa coofia-
da aos cuidados dos agentes offlciaes. com que M
pais nao linham que ver.
De sua parte o govern*, talvez enlrevendo que
todos os seus desvelos nao pooiam bastar a fundar
uma obra duravel, limitou se por m.uto tempo ..
manter o ensino official, mal acudiudo as ,-uas mais
urgentes uecess'dades.
De iniciativa individual nem ao menos se falla-
va. Talvez em todo o imperio duas unicas insti-
luigoes de ensino popular repousavam sobre a ac-
gao combinaJa do governo e do individuo, arras-
tando lenlainente uma existencia, quasi ignorada.
ou apenas attestada por modesias verbas do orra-
meuto. 0 lyceu de artes e offlcios no Rio de Ja-
neiro, e o de igual nome em Pernambuco, eram as
unicas instituigoes da educacao popular em que a
acgao individual .-o via associada a do poder pu-
blico.
Neste e>tado de cousas comprehende se quau
delicada missao estava reservada a um governo
patrioiieauienle previdente que senlisse todo o va-
lor do va>to problema.
A decisiva experiencia dos paizes adianUdos etn
facto de instrucgio Ihe estava dirtando que, seen
a mais activa coparticipagao da sociedade, debalda
se tentaria elavar o nivel do ensino. Ampliar-se-
hiam os programmas ; podara-se augmenlar e tal-
vez melhorar o pessoal docante ; o ensino official
seutir-se-hia desprendido de vas formalidades ; im-
primir-.-e-iiia uniforiniJade aos estudos; outre*
melhoramentos poderiam ser decretados ; mas a
educa.-ao popular, este lado da grande questae.
nao estaria ainda assim resolvida. A mais atrevi-
da reforma do ensuno superior, exercendo uma in
conlestavel intlueucia sobre a insliucvio popular,
nio teria feito tudo.
Um unico meio offerecia-.e de dispOr os eto-
meutos de uma grande solugw, que nao interts-
sasse someote a parte privilegiada da sociedade.
A Allemanha, a Suissa, a Inglaterra, e nomeada-
meuta os E=tados-L"nidos, tiiibam-uo encontrado no
concurs individual.
Mas, uao sendo a forca de decretos e de regula-
men'.os que se crea uma paixao nacional, tud-
aconselhava a alia adminislracao que, desiterUndo
e auxiliando um inovimeuto ainda mal prouuow-
do, fazendo acreditar no resulUdi) de seus pro-
prios esforgos e por e>te modu inspi rando-Ihe essa
confianga que e condieao de toda as tenlativas
ousadas, buscasse no concurso de todos o apoio qie
debaide procuraria em outra parte.
0 qua valcria, com effeito, ter decrelado as me-
Ihores lets, os mais cautelosos regulamaulos, sa
taes asses devessem encoiitrar no paiz, mais pen-
go'a que tod.iS, a re.-isteucia da indifferenga I
Hi quem sa julgue ua passe de um verdadeir
segredo em malaria de iusU-uccit, julgando o ter
descobirto na obrigacao imuosu ao* pais de ins
truir os fllhos. E-tes raiiocmam com uma seduc-
tora ingcuuidade : -Sa ha meninos quenaoaprea-
dem, e precise briga las a apr.nder. Com Ma
solu.-io. que e nada m-mos que uma velha midida
regu'lameutai do Brasil, julj:a uma carta eaeoU Ur
apartado tolas as grandas difflculdades que sc op-
pSem a diffusao do ensino. c
Nao ajui on assim o governo imperial. Sem ver
no"ensino obrigatorio os phanta-tieos peiigos d
anieaca a liberdade, com que algous espiatos s*
deixam impressionar, pensou b-m o governo qun
o seu principal cuidado devia appiicar-se a fazer
da questao do ensino popular uma questae da to-
dos. .
E" omesta eondigai ;r ... vni'.ao -.1^ ta: :'-

*---------*.



i IHl-MW^Jte Pernambuco ~ SextaJeira 13 de Fcvcreiro de 1874.
fW 1/
*>///.




scapa a-am
penencia a"
1834 uma
neutro e
Esta
a Jo Attmcro dool_
A obrigaeio Jo casino-
cgulamcntw par* as tern siJb 03'sens Irtrctos.-
__icae de-todas at lvfbrmas,
que seflifcUWfnida de parttnws conselhos ila adraiaistraeiio.
0 qne se leria ganho cm decretar a obrigacao do
ensino quando a iniojIWfcJndivMi(rwi so m
saiava, e a gran dc obra ti a Jducafco uio podia
eontar com 0 seu pjflB>so ^Rir-# f
As excellencias^Ha tMBa depend** am
grande parto do c4ad*da sveMaJe.
Isto cojiprehend^S illapo Sr. rrthflstro do
imperio, dispondoB^fciue^^fcaJnri.-- dessa 30-
lucao p:>r eoiistantaxi!:03 a itiiti ttiv;i particu-
lar, e nao pi>uflajdonc'ny.!.n delicti. 1 .-ntifiow para
estimulaf e f^ntafV geflwoso JhoviiBento, >!>
quo ja nao e flHb du^ar^
Parlidaro do ensino obTigalorio, como se rove-
lou de-de 0 primeiro relatorio quo leu ao parla-
meoto, 0 Sr. conselheiro Correa de Olivcira tern
revelado por uma larga serie de actos que nao faz
dejttadcr dessa unica tueJida apcogtesso da ins-
trnecao popular.
O desvelo com que S. Exc far seatir a accao do
governo, onde quer que uma nobre teotativa se
ensaie por parto da ipiciativa individual ; 03 sult-
$-idlos que tem liberalisado a toda sorle de com-
mettimentos desta natuct'ta; din pleno testemu-
nho de que, como iio~, pensa S. Exc que'e auxi-
liando esse gr.iio moviinento que se pode ra?-gar
a ieslrnc^ao p-ipalar horisontes verdadeirameBte
iacgas.
E?'Hevid 1 it esta saWaurtrticn rtrreu urugrcso
da instruccao pnblica uo-Bra-il data evideatemen-
ta da .tclnaijifltujaistrai^i-j.
Vira am dl>, nos o'o*:ieram.)s, 0111 que a iaiciaf
uva individual pousa defender se do iodo eon-
taeto com 0 governo.
?NBS9>fKa) tin; pode -nil ostar -mullo -apamado,
a escola do governo dafrent .ra por toda parto a es-
teta do cidadao 3U*Jia a iniciativa nao sera
soment* liyr-e,. air.- sera iambi-m iaJependente de
indoaqs subfiJi.'N do qstad i;
m qusnto esl! iiK-al 0 .aiienas uma aspiracAd,
j aieih.ir serwjo nao se prdera prestar a causa da
' iaSirucgap jtopular do qua q.que estji faiendo 0 ac-
tivo e previdentc minitfii com 0 cnipenho que vo,-
m a- aniniar e ddsenvotver. a iniciativa, particnl.it;
( Ka.;ao. )
smsmm,
REVISTA DIARU.
Prqfcssiiru jiuitiJica.- Por portaria da
pridaacJa Ja prov.ncia, de 11 do 'rrente, ifoi
deelarad* sem eneilo a nomeacao > de Maria Can-
dida :4e Figueirtdo, pan r?gef; iaterinamente a
3" cadeira do* ?exo (eruinino do bairro do fle-
cia'e.:e foi ella nomada para reg.T a i' caJeira
do fexo ina.-oaiina do Lairro. do Santo iliWiaJaj
durante q iippediraento do respeciiyo proprieta-'
rio,-vtshjoao ler Fiora da Silva Aiv.unes acei-
lado a DORiea^ao para es.Mj lugir.
Autoriiiadcs policlues. Por portaria
da. ptesi/liencJa da piovincia; de 11 do corrente,
t>T:n nivmeadfjs.: spbdt>l($aJo e tur;ilentes do
f>di-trictL> d WanJcrley, Leodegano dn Paula V.oira Lima,Ma-
noe! Antonio Ramos c Jt-ao Cavaleaata Simoes.
Wijmr {r.i^(aae.S~te-vapor da linha Pac-iiico, devj saiiir t dosj ;wr;o p;l) da iiaijia, segdndo. luIe.Tamma
viud > tmtem.
A' v*il; ape obAgara ao nosso pwnM i 18 a
1.9 do corsen;e.
Jiiizivd^ orpliiuis. _As audfenoias dejte
juiro, >'isco de. Assis Glvciiu .'daeiel .Joratn tr^niferidas
para 0 dia ds itguad* feira de eada c-n.*ina, ao
meio. dia.
Reparti^:". 1 do.s.e.vrr^ioK. -.\.i dia Hi
do cirreale, as 11 horas da matt'ia. tia.-aQ CMWW-
so ui-isa rapariitao. para preeocbimeau de doa-
lugan.'S drt prati-jant*.
Atu, as lu horas desse dia esui a Htssopfio Hbdfr
ta 303 pretenjentes.
Tiieatro Ai* Monteira.Sera 0 de boj<* 0
n'.UiWi cs;ieiicalj do l\uL pastoral
111 <>tcue:/.:& priuiiiriu e sae.uuilaria.
>'a rua do Soc^go d. 68, acha-se residindo ac-
taalmente 0 prol^sor Thome Aega?to da Silva
Vilfar, c^;;as naMfta^oes aas'ia.i**.erias ?.% ume
outro rurso, 0 tornara digue do recainmeiidarao
aas pa is de famjtias.
t"es5ivil,ili^ religkisn.'j;poi3 i'ama-
nha olebrasa ax matru ddN:ssa 5e.ib-.ira da
Gloria d 1 Giita, fregnozia do-ta i}on-.:-nin.i;ao, a
festividado da mesin.1 Senfnra, qje Jji e alii 0
orago.
Ora ai <:cv^j!'n 0 Rvd. froiAu^'J-f) di litimv
oulada Concei^ao Alves, 00 Ta-Oeum 0 Rvd.
Domto Barru:>, jiaijutor da fregnezia.
Hi'iia *."*.iiA;I.ii. Aaiaqha, mirjad) pelo
k-ili:i liti.i e!.;si^ cadeira d; S. i'.-Jro Apostob em Roma, celebra se
afl^k (ni hcras ilo dia.
e no Curasao desta cid>d.e.
ha ceVfa'du ura Inez "(pie bile so
eu,-e a;en 1* ag.ira w tem podido ntais u nie ir.tr
OS olher ertoe dados, que
pouco c .pouco, ishegaose ao
vcrdade.
< Mas, deve-ta isto
petWaVapltaj^m
vao pcrutittiado,
descoliriaioalo.d*
ao incansavel delegado de

mf-Ht-^iineirfcfitylcnnte^ m que flaa exposio.
"Ira cuja vcracidade p;.jravam tao fund;
peiiasr, qtuuto resiutado da pmqtitaa
quo ?e proi'jooti, encarregou-se de
ir.
fliiSr. *WmwiMador Gomes Xetto di/.
diUca* Com dolorosa sorpreza vejo que ainda se pro
cura contra mim suscitar suspeitas, nao obstante
i?*is
liMdMAwi
1u^H**mfllcaOT s^aV^ q^iJlMMla aindj *| Ma.<, dpd'> fttntou jQ|r. Hfts BTto
-\as palavraascguinteadu officio de 3, El
Sr. prcsideata.da proviocia, 0 13 de note:
as (luaespalavras a Sr. N'elto fez transcre
linhadaa, 4 saher:
c- Que B*ibec|a 0 eontralo em vigor em
todas as Mas cstipulajSes, dcaado livre a loe-
sourariapcOvincialio direito e accao qae Ihe pes-
sam resaiUr do descobrimenlo de toda a verdade
se esta chegar a ser conhecida era todas as suas
paries coutra 0 cvdeoto comweadadur Antoaio-Go-
mes NettDj em virtade de proceeso criminal ins-
taurado contra 0 an tor ou antores da falsifieaftt
do cootralo. >
Ora, da leitura do trecbo ac.ma, nao se conclue
que S. Exc. tenJu -preHidido, do nbdo < alfum
reviver suspeitas contra 0 Sr. Netto.
Oizqndo 8 Exe. qne-a khesouraria lica livra 0
direito de procoder contra 0 autor ou autores da
l'a.8ificacao do contrato -nao teve era visla inno-
centar, nem tao pouco Incriminar 0 Sr. commen-
lador -Gomef Motto e neaja-pwsoa alguma-de-
terminadamente com? autor ou autores da falsifi-
cacio.
Ma*. 0 Sr. Gomes .Netto, jtrtganrto'-se graveureute
oSfen'li'Jo eta sua repuUek><-eoBlcilo-Hli}i
:trecli acima flscripto, eatend*u de eu .bom
direito dirigir-ss livreraeote ,a- S. ;E*s., ipedin-
do-Ute :
.Que saKligaasiede vwbibir- as proyas.e da-
'cuavmtos, em quo se (undou S. Excpara we-l
se haia teHo, prucede com.toda a djlifencia pi* aaspeitai suseiladas coatraa iepatar;a)
sival no dfijcobri-r, 'nto do facto e desens autores.
>( Pt-lo* ilados colhidos ate agora, isto c, pur cer-
las eirenmstanolas mais ou menos importantes, e
indigrtado um p.rdo de uome Izidoro, escravo do
Uvib. padre Manoel Marques flarboza.
< Aiaanha tem 0 delegado da proseguir em in-
lurrogatorios : a proporca do que sa fur desco-
hrindo, lbe irei cLtudo noticias.
oesde que acima fallo do delegado de policia,
capitao 1'rancisco do 4j preciso dizer-lhc quo aqni chegoa esta auloiidade
e que ja se acha ho -exercio desea cwgi.^* '
u "Nodomingu proximo passado teve 111 gar em
frente da igreja de Nossa Senhora do Amparo um
leilaii de prendas offerecdas para auxilio das
obras da mesma igreja.
t Nao- sei, aa erto, qnaato 1 rendesia,. mas pra^
sumo que honve resultado Superior a quantiade
303*000.
E^te e oulros mcios tem emprehendido a ir-
mandade no seatido de ilhorar 6 teniplo a
concluir logo as obras de qae elle tanto precisa.
Teve4w} luaar aaatt mesma ifcreja- a. festa
ao"Sr'."Bonf Jesus "dos"Navcgantfis,"pTonrovtda -prtos
eanoeiros-a Ijarcaceiros daqui, com tnJa a'.pompa
eideneacia possiveia. .
Esta festa enstomeira e nraa.das malhores
que, por ora, aqui seiazom, pois que os *eus
promolores sao incangaveis em euipregar os ine-
Ihores meios de aorilnauta-la.
e Enrretantov*)oje, quando -.laiohan .alearias,'
urafaotodoloroso -veio enearecer. o.6riHiantismo.
da festa,- tomando-a 0 atvo. do raaior dasrs*>eiu>
eoa inaior vsrgonha, que, pur Centura, knho
vista em festas religio$a*>.oemo-eita.
ti A' tarde, estandrxa sahir a prei-eio, poi3 ja se achava em meio da rua a imagem do Sr.
Bom Jesus, collocada era um lindo navio^-elegaote
e propr-iameote preparado, ao chegaieraia* irraan-
daiKis do Divino Espirito-SaBto e da orient -3/
do- Carmo, I que, pekis navegiates,- ."aaviam sido
eonvidadas para abriUiantarcm 0 acto, .deu-se
uma f"iscussao entre esta ultima e a oonfraria de
Nossa Senhora do Amparo por motivos de posi-
edes ou precedeneias, succedendo que aqnella-re-
solveu relirar se pela raafio de Ihe nao qirarri a
ontra dar r> lugar qua Ihe compctia,. no que foi
accompanhada pela do Divino Espirito-Satoto.
a Assim sahio a procissao e percorreu alguraas
ruas da cilade acompanhada somente pel*' con
fraria de Nossa' Senhora do Amparo.
Entretanto, preoedendo bein ou mal, resolr
veram para logo os encarregadus da festa, as to e,
os nivepantes, que a imagem se nao recolheria
imaisn* igreja do Amparo, e.-eiTectivaaiente obtlve:
ram do prior do eonvento do armo um altar etn
vjBO fT) vtam .i toea loam a itmgem e eond-jzi-la Tisra
1 i nventi d.> Carrao A isto so quia opp).' a
,c .nfraria de Nossa Sennora do -Amparo,--o que.
daria. sem duvida alguma, em um serio e medu-
ntao-cotillicto, a nao ser a calma de que se rcvastio.
o regedor daquella confrarta, que aeoaselhava a
tod'13 os seus irmaos que a nada se oppozessem
dizenlo-lhes que, qualquer conflicto, seria para
elles vergonhoso.
Em innito concorreu laufcaajpM 0 digno juizde
din-ito iuterino desta .comarca Dr. Alfredo Ernesto
Vaz di (Jiiveira, pnra eviiar 0 ronSicto ^M se es
perav.1, fazendo ver a todos, quer do um, qaor de
outro lado qne, indesnte e desrespeitoso, seria
todo e quaiquer acto de violencia, que fosse pra-
daria, religiosa, de A
ndas.
A instruccao primary, e..-daitura, es
Q^jjpitabelidade (as quatro opH-rafBe.8) ndcoeS
mntica porlugueza, coirtttHC-wia o-cro-
'Art. 4.* A instruccao sccundaria comprehende
-^lingua nacional, francez, inglez, italiano, bisto-
ria.jwiwaBa e arithmaaio, miir- ^~^M
Art. 3.' A instruccao ppligiosa Adada. pelo pa-
thecismo ;as alumnas aprendetn doutrina chris-
ti, etodoslOOdeveres religiosos a cumprirpara com
Deas, seuipais e parentes, e em geral com a so-
:iedade.
Art. 6 A instruccao de civilidade abrange to-
dos os actosda vida de unia sennora, em relacao
com as poajMs de sua familia e com a socte-
dade.
Art. 7.* A- Instruccao de recreio tonsta de
desenlio, musica, piano e danca.
Art. 8. ,A instrucgao de-prendas. reune todos
wtrabamos-de'agollia, e toda aaipecie de kor-
dados, noedeversaber ama senhora da mellirjr so-
ciedadc.
II
.AdC'9.* O-CoHagio >aduwua alumnas internas,
m'eio pensionfstas e externas.
Art. 10. A lingua qae se falls no interior do
Collegio e a franceza ; e durante as aulas de inglez
I italiano so se fallam estas lingnas.
Art. 11. As alumnas que estudam francez, in-
lei eiltaliano aprendem a faHar, escrever e tra-
uuzir estes idiomas grammatical men te.
^Art. 12. A mensalidaJe para_as internas i^iOOO, para as meio pensionlstas 303000, e para
as-externas 3^000, pagos adiantados. por trimes-
tres quo, uma vez comecados, considoram-se ran.-
ida&
Art. 13. A instruccao das alumnas exteraas,
remunerada segundo 0 artigo antecedeate, e a
dos arts 3 e 5; as tntemas e meio-pensmuistas
wer i inesm 1 trocho acima e remotiOP essas prtrjleem direito a;do9 arts. 3, '*, *), 6,7 e 8 ; podendo,
vas adoeuBMntosy a .apseoiacio -dosi juiaes, a&n1 toda*ia, qaaiqaer alumna-extorna freqneular as
d<; quo nau iicassi'em*usp!iso asua-repulacao. aul-as stujariores mediante a indoumisacao, qae
Ora, 0 facii de ver qua a uma a,rta de l tal lar-i se-c'onvencionar.
Art. 14. As 4spezas com livros, papel, etc* sao.
dem nao podia S. Exc. responder, pois que 0 sau
cmtVudoexprime .ama mantfssta dasaUaacSo a
pnmeira autortiUde da proviocia, no desanspenlio
lie stnsdeveio--.
la aunprefceado, pats, e Sr. Gomes Xetto e .Mi*
a- peswa eea'sata a poaca.razAo.de queixar se 81 S.
por tuo baver S. Exc. respondido a carta^ qae se
digiiou -de endcrai;ar iiie e tve a franqoezade a
fazer paldieiO'. neste Diar.10.
da competencia dos pais ou correapondentes das
alumnas, e bem assim a materia prkna de borda-
dos, e estes execntados.sao propriedade das meBr
mas.
Art. 13. As aulas no Collegio da Santissiha
Tiu.nba.de trabalham duasivezes aodiade maaha
das 9 as 1?, e de tarde das I i|2 as o 1|2.
Art. 15. 0 enxoval das iuternas e *o gosio de
Tae:>t:-.i prietario deste Hi-atro, aivteudeaJo dar Dailes de
mascara3 nas proximas gn.ilra noites -le carnaval,
uada tem p iu/)ad > afim da no mesmo of/erecer a
eaBanrreocia pabliea faldes aceiados e eaprichosa-
meate or:... i se^aaJo 0 gosto que preside a tal
genero de divertuMeoto A masiea sera amelhor ;
a illuminaca 1 a gaz e a Siarao, e 0 botequim
que lbs Sea contigu-, em .:ii;;3es de proslar-'e
.is exijjeru-.as da oocasiadi-e com pessoal suiL-
ciente para 0 servic.i.
Dnstitsitu -MMitlieo.-p installouse hontem,
essa associacao; siiu lamos sea apparocimento,
porqaeera necessario. A ebjicao a qtic- se pro
cedau cm segaida, deu 0 seguinie rejuliad).
Presidentc. Dr. Co3me de SaPere'ra
Vice pre-; leri' Dr Alexandre P-reira de
l.armo.
1." secre. ..... Dr. Trajanc le h':l!aada
Chacon.
2 seoretarb. I);-. Jesuinj S. a.s Santos Mello.
Tnesoureir,, pturmacentico C. Barboza.
Procurador, pharmaceulica Pereira do Rego
Contraissao do re-Jaccai. -Dr. Mala|tiia3 S Gon-
i^ilves, Dr. Ermi.-o C Coutinlio, Dr. Silvan^ San-
ta Rosa.
CommissS 1 medica. Dr. Cyeneiro de Albu-
querque, Dr. Murillo \ianna. Dr. Biito, Dr.
Vallozo, Dr. Rorges 'io Uarnos.
Cjmraissao cirurgiea.Or. Sarmeato Pilho, Dr.
Raymundo Vianna, Dr.'.? aj r, Pereira di Silva,
Dr. Esteviio Cavalcante, i>r. Seve.
Commis^ao aec^ssoria. i-Dr. Adriao, Dr. Ferrei-
-j-a,Dr Curio,. pUanua::.uuc.oFtrmttij Soato Maior
-e.pharmacentico F*rreira ilaia.
Inqueritos Tiveram 0 conveniente destine.
' que ellecUiou a subdslegacia da Pas53gem di
"Magdalena, contra 0 portnguez Antjnio Maria
Leite Braga; e-os que realisou a deiegaeia da Bo-
nito, contra Jeronymo Jose deLima, por fuga de
presos, e Antonio Luiz de Almeida, por ?rime de
ferimento3.
EspaneaBiento. No .enpenlio .soco, do
terrao de Goyanua, Damiao Jost ioaquim. de Santa
Anna, foi espancado cm S do eorrente, por Mac
noel de tal, falter do referido engenho.
Ferlimentos Bid-24 da corrento, por oc-
casiao de feira, no povosdo de Capoeiras, do termo
do-Bomto, Antonio Luiz de Almeida lerio com
tnes ptmhaladas a Anloni) Pimentel, e com uma a
Jose Jeronymo, pracas al.i destacadas. Preso
em flagrante, pela forte resistencia, que otrerecao,
ahio com am feriraento leve na cabe?0.
Oayanna Em data de 8.do oorrento, es-
< eve nosso cor/espondonte dessa cidade :
" Depois de um Ion go esptco de tempo, cm qae
iuterrompi a regular correspondeutsia, torno a
floceu-u,- atim de dar lhes eanheoimento dos f 10
toa que, por ventura, forem por aqui occorrendo,
< qne realmente merecerem ser Isvados ao co-
o'"iecimnto de todos. a.iuelles, qui- desejam saber
0 qua sa vai passando por. aqui
Restatrae, entretanto, descnlpar-me dessa in-
terrupcao, qae foi tao somente motivada por cer-
tas circamstancias unpre vistas, qua me obrigaram
a-abaadooar, por algum tempo, a eidade, iicando
assim prirado d* noticiarlhes os' facto* occorri-
edaMsUef.
Ja devem estar certos do horroro=o facto, qne!
impreasioaou a :odor daqui, com re'aoae ao ne-
t'ic*ante--fiaspai.
- Contoffeito, e para lastimar, qae no centro
de uma cidade, como esta, sa desse am":fa:to tal,
qnft'ialrliziiaaie passon a fealidade de ter 0 ne-
^ieiaaao-fiapoer .soflridovtti'-j duas facadas, sem
qw/afj menus, aos grito- da victima, qne pedia
so'ccoFTO, se apresentasse agente policia! aigum,
qne, :qaaado nao podesse prender 0 criminoso
pela preclpitacaoxom qae fugio, ao rnenos tomasse
incontinente conhecimento do facto, e deligencias-
*ooant*p deaso a caplqra Jo mesmo criminosc:
*-to tanto mais se loroa, digno de admiracao, quaa-
cerUinentaumiponto oegro que as .palavtra* do
Sr.cemmendador Netto, pdr mais sioceras *iga-
rosas que sejam, nao poderao apagar; eesaa-pan-
to-negro e iuijuestionavelmente. a falsHieacao do
pnoprio:instrnm temeute reecmhecidu e.averigiudo.
Nao quer isto, porem, signtfiear d niodo algum,
que a 8. S.-calOa a mais ligeira interferencia
u'esse acto immoral e atlenttiorio de direitas.tao
complex os e respeitaveis.
0 que flccu liquido hi qne uma mio pouco es-
crupuiosa violou u'esf a inslrutnento a- fA dr/ pu-
blics delta eidade eom indecorbsos intuitos.
Oaeremo* aeredittr mesma. qae 0 S.\ commen-
dador Gomes. '2fetto^ajaioc*paz de tao deplorawel
eommattimenio, 0 que, pot em niio obeta a que. 0
faetoahi esteja como uma prova viva e-irreeoBaveJ
darCalsifleajJio. 1
0 Sr: Gomes Netto diz ainda rasua oarta .-. ,
t ^S. -Ex& aao pode provar aquitlo a que
apanqa. -.
Tomamos nota da expressao de S. S. em rela:
cao 4 8 Exc. e continaamos a asseverar qae S.
Exc. nada nvancou de destavoravel a repulacao do
Sr. Netto, e antes cumnrio Ceiinuote seu dever.
Qae- honve fajsificaeao-nao re>ta a manor da-
rida ; mas que eflsctivamente- f.sse- 0 Sr. -Natto 0
falsirieador. nao o-'disse. a presidencia, e nem tal
ticMo eqne desse em resultado aquillo que> era aia'cfto pode razoawlmento ser tirada do trecho
(1? esperar, em vista de uma reaceao que t:oa- "
peosa de uma on de nntra parte.
v !,r estas e oo'.rjis consicferacoes resolveu a
eanfrsfia it- (Nossa Senhora do Amparo desistir
da contenda, e effectivamentc foi conduzida
a imagem para 0 eonvento de Nossa Senhora
do CSPflto;
N 1 .-tintrato da compaofaia Recife Drainagh ;hai teas pais; assim como a roupa lavada, eugomma
- da e pertences por elles serao fornecidos.
Art. 17. As pcquenas mdisoosicdesemolestias
das internas sao tratadas no Collegio ; nas graves,
porem, .a diroctorafaz a-visar aos pais ou correst
pondeotes para provideaciarera s bre 0 tratamen-
to, que ,pode ser em suas caeas, ou no Collegio.
Art. 48. Os feriaiikH-sao os das aulas publicas;.
salvo as quintas feiras que, no Collegio, fleam das-
tiaadas-a instruccao do recreio.
Art.' 13..Todas as naterias leccicnadas ao Col-
logio da SANTissiiiA Tbi.mjadb-sa-> pmfessadas pela
directors e-suasirmaas,ou ouiras senhoras com a
rian.
Recife, 30 de deeemhro da 1673.
Philomena Slinervina de A. (fConnell Jersey.
AppMvo-rDirectoria geral d*hwtrucQao pablica
^dePernarafiuro, 8 de Janeiro de A874.
^000 BarbaUto Uchda Ctuaicante.
("abe t:m elogioa maaeira porque so portau
sqaclla confraria, evitando um serio cor.llicto que
lafwz, ou necessariamente daria em resultado a
lametitacso ie grande* desgra as.
Nao deixei denotar a nccessidade que temos
ie angmeuto no destscamento d'aqui, pois qua,
eom 0 limitado nuraero da pracas exi?tentes, im-
possivel seria ao digno delegado de. paticia pro-,
ceder cm forma a evitar ou pelo menosa-snlTo.-
ear 6 conflicto, se, por ventara, eile se chegasse
a realisar.
Nao e esta a primeira vezqu-j facj sentir esta
nocessiJade.
a'Portanto, nao posso deixar de invocar a ate
tencaodo Exm. Sr. presidente da provincia e is
Sr. Dr' 'chefe de policia no sentido de, augmen-
tando eonrenienlemente 0 mesmo destacamento,
ganntir melhor a-nossa paz e tranpuillidade.
Esta e outros faetos autonsamine a suppor
que desta vez nao sera improficoa a miiiua repre-
seatajiio.
t rtt6 a segnin:.'
Lnterla. A ijue se acha a venda e a 87', a
benefieio da irmaodade.de Nossa Senhora da So-
ledade, da igreja do Livramento, que corre hoje.
L.ellat>. Hoje, as 11 horas da manha, o
agenle Dias levara a leilao, a ioui;a, armaijao, am
co fro e candieirosa gaz, existentes no estabeleci
mento em a ma do Marquez de Olinda n.. Ga-
rante-se a :asa por arrendamen'.o.
Casa d* detencao.Btovimento da casa
do detencao do dia 11 de fevereiro de 1874 :
Existiara presos '348, entraram (i, sabio 1,
existem 335
A Si..er :
Nacionaes i\:j, mulheres 11, estrangeiros 33,
o:cravo3 42, escravas Totai A6j.
Aiimentados a ensta dos co're3 :.ublicos t'6'6.
teovimen'.o da enfjrma;-iado dia '1 de fevereiro
de 1874.
Tiveram baixa :
Jose Gimes Jo Nasctawnto,iDinaihianio>
Manoel Joaquim -le Siqueira, febro.
Cemiterio pubHeo.Ubituario do dia 10
de fevereiro de 1874 :
GaudiBO Jose da Silva, panto, Pernambaco, 2P
annos, solteiro, Uoa-Vi-ia, Hospital Pedro n ; va-
\iolas conflueiUes.
Manoel. preto. Peraambuco: 20 horas, li^a-Vista;
fraqaeza :bngenita.
Amelia, branca, Pernambuco. 4 dias, Grafla ;
sarampo.
Antouiu Andrai", tranco, Pacaamboad, i.)an-
nos, S. Jose; variolas contlucnies.
'-"atharina Maria Seve. branca, Pernambuco,
10O annos.viuva. Recife ; velhice.
Manoel, bran m, Pernambuco, 8 dias, Graca ,
tetaiio.
11 -
Joaa Cavjlcaiite de Albuquerque, Lranoo, igno-
ra-se a wataralrdade, 30 annos, casado, Poco;
can^ro no estomag.->.
Manoel, pre!j, Ternambuco, 1 mez, Recife ;
diarrhea.
Felicidade, parda, Pernambuco, 1 mez, S. Anto-
nio ; febre.
Bento Pereira Gosta, branco, Portugal, 1G annos,
solteiro, Boa-Vista; tetano.
Oinstancin. cs'.rivo, preto.. Africa, SO annoa,
solteiro, Recife ;' bmorrh3g:a cerebrai.
Themoteo Pinto Leal-, braneo, Portugali 80 annos,
viuvo, "Rerife: hemorrhazia.
Maria OMstioati dos Santos, pretr., Africa, 80
annos, viuva,.-'. Josd ; typho.
do offleio, qua acima flea .traflscripto.
A'-the.*oararia cabe 0 direito e a a^cao; que
Hut possiim multar do descobrimento de tocla a
rePdade, se erta ':kerjar a ser conhecida contra 0
cedente, contra 0 valor ou autores da falsdicacao.
Nao-'haahi meemono que ficadito. sequer-uma
a^fcveraciio, nem do facto e rnenos dos autores
de-te.
Porqne, pois, tomou a si a autoria 0 Sr. Gomes
Netto, niio queremoj apreciar.
Nao haWejwft>da pane de S. Exc. 0 Sr. presi-
dente mysterio algum n'esse negocio, aguardsmos
a publicagao de fudo que houvc a respeito, con-
Ibrme pro'melte 0 Sr. Gomes Netto,
P'JgLiSMBEg A PESHIC.
Vrouclsites, pesa2a A raudanca de ares nio cura as bronctiites ou
perda da voz, porem 0 oleo puro medicinal de fi-
gadode bacalhao, de Lawman & Kemp, 0 curnra.
0 Rvd. Heber Rspelyo, de Milwaukee, presen-
temente em Buenos-Ayres, para onde foi com, a
esperanca dc que 0 ar tropico 0 curaria de uma
dor de garganta chronica, de que padeciaja bavia
muilos annos, escreve 0 seguiote :
A mudanca nao mc produzio bem algf.m, po-
rem-aqui me aproveitei do uso do cHeo de ligado
de bacalhao de Lacman iSi Kemp, e depois de 0 to.-
mar pelo espa;ode douj raezes, posso assegurar a
vos que me acho melhor, minha voz 6 tao clara.
e forte como d'antes, e tenho toda a fe que me hei
de curar porfeitamente. Gracas a Providenoia,
dovo sera davida alguma este resulttado a excel-
lente preparagao de Lacman & Kemp. Outros
oleos do Ug3do de bacalhao, 'poderao ser efflca-
zes, porem consta-m-; que este-o e na realidada,
isto em summe'grao, e por isso 0 recomraendo como
ta!.i.-OReo N. \V. Simmonds.de S. Luiz, eo
Keo. John Hamlforp Jones, de Bangor, publicaram
recenlemente (sera para isso serem solicitados)
seus testemunhos relativamente ao mesmo parti-
cular. Evite-se, pois, 0 raai3 possivel os oleos or-
dinarios de Ggados de bacalhao, porque sao fabi-
f-.-ados e para nada servem.
I
PARTE POUTIGA
REaFE, i^ PE-FEVEREIllO DE 1874.
ANTONIO GOMES SElTO, AO *U3LIC0. >
No intuito de tirar a liotpo a sua reputacao, que,
pela leitura do officio da presidencia de .13 de- no-
vembro, julga 7 Sr. commendador Antonio Gorae6
Nettc, uaver siJo gravemeale olTendida, fez pa-
blicar este cavaloeiro no Diario de Ptrrumimco
de hon'.em, uma carta, aue dirigira a S. Exc em
data de S3 de dezembro passado e sobre a qual
farentos ligeiras consideraQoes.
NaO'foib. Ex;-, o Sr. commundador Hcnr'que-
Pereira de Lucena quem aventoj, a idea da sup-
pasta falsi iae5o. dj.i cofljrato.t ic^ntone; so apraz
em afDrinar u Sr. Gomes'Nel'o.
S. Exc, de >im caractor probido.-o e justioeiro.
era incapaz de aventurar quaiquer propwicito
da honra de terceird.
Este negocio maito grave ds fahiQcacaa de uiuJ
contrato de interesse geral da proviscia, achava-ae,
J4 de ha muito, no dominio dc publico, quando
S. Esc procurou investiga-lo.
Correndo-lhe 0 indeclinavel dever de selar.os.
grandes interesses que Ihe estao caBSados^:muito
loavavel foi oacu procediffleoto sobre uil assuuip-
to, mandando procoder a r-xam? do contrato, con-
COLLEGIO
iO-Raa diis Coelhiis-^20
A ataixo asiignada, licenciada pelo Exm Sr.
presidente da provincia, e pelo illm. Sr. Dr. diree-
icr get al da tasirascao publiea, tem estaneleeido
aa rua dos C>eilios, u. iO, a poucos passos da
igreja de S. Goncalo, um collegio para meninas,
job a invocacao.da S.astissj.ua TBrpm.vDE.
Auxiiiada por suas irmaas D. D. Landelina Jer-
sey e Olindina Jersey, -ambasas quaes, em com-
mum com a abaixo assignada, receberam igual
edacaoao, durante quasi sate annos, em um dos
meihores collegios francezes da cidade do Porto,
?sta por certo habil.'tada para transmittir a suas
alumnas todos os conheelmentos adquiridos nasse
iocgo espaco de-tempo.
CMesanoo a alien cao dosi i lustra dos pais de'ami-
iia, nacionaes e estrangeiros, para os estatutos
abaixo, a annancnriie espera merecer decidida
preferencia, pois 0 sea estabelecimento se distin.
gue,. aao-so porqne nada pagam estudo das artos de reereio, eomotambem pelo-das
linguae estrangeiraa que, em geral, sr.mente ^se
sniaa a traduzir, aopassoqne no Collegia da San- I
tissjm.x Tiundabe se aprendera a fallar e> escrever
edrrectamente ; 0 que se tornaaem duvida del
ama vantagem e utiJidade incontestaveis.
Invocando, cneia de coadanc* J a proteicao da
jeas compatriotas, e de todos os estrangeiros iHos*- rgj
irados, a annuncianle e suas' irmaas, ao cumpri-
mento dos- seas deveres, esperam e promettem ec-
I vidan todos os eiforcos,.afaBde provar ^ae, entre
dos, existem pernambucauas surBeientememe ha-
bilitadas-para instruir s preparar nouas innxen-
amaveis ipatrkias, nao sd a desempeoharem
ao luturo o laobre e respeiU'rel ministeriode
g&ii de familia, como a se tornarem aaui, ou em
quaiquer paiz, onda se acharem, 0 brilhante or-
oamento da mais calta e distincta sociedade.
js aulas abrem se a 26 de Janeiro.
flWJoairtia Munenina dc A. & (Jojmk-U Jersey
-CSHPAHHIA ALLIANCA
seguros maritiraos *e terrefe-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de j aneiro em 18 7 0
CAPITAL 4,O0D:0OO8K)OO.
Toraa-seguro de mercadorias e dinheiro
ico maritimo em navio .de vela evapore*
para dontro e f6ra do imp'erio, assira come
sontra fogo sobre predios, g8neros e fa
rondas.
Agenie: Joaquim Jose'GonjnlTeS-Beltrio!
rua do Commercio n^ 5, 1* andar.
Aapslo F. Miiveira C.
A casa commercial e bnncaria deAagusto
F. dNDliveira & C, & rua do Corrnjercio ns
42, encarrega-se de execugao de ordens
para embarque de prodoctos e de todos o-
mais negocios de caramissao, quer commer'
ciaes, quer bancarios.
Deconta lettras, e toma dinheiros a pre-
mio, compra can.biaos, e saca &> vista e a
prazo, a Tontade do tomador, sobre as se-
guintes pracas estrangeiras e naeionaos :
Xondres. Sobre o union bark of
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIC BANK,
limited, e varies casas de !. classe.
Paris. Sobre os banqueiros fould
& C, MARCUARD ANDR* & C. e A. BLACQTE,
VIGNAL & C.
lEatubur^o. Sobre os Srs. joio
SCmrBACK d-'FILH s.
lilarbon. Sobre. os Srs. fonsecas,
SANT9S & VIANNA, e SEBASTlAO JOSE DE
ABREU.
Parto. Sobre Obanco uni.vo do porto
0 Sr. JOAQl'TM PINTO BA FONSEC.V.
ParA. Sobre o BANto commergial
DO PARA, e OS S.-S. FRANCISCO GAliDENCIO DA
COSTA & FILHOS.
Haranhao. Sobre o Sr. jose fer-
RE1RA DA SILVA JUNIOR.
Ceara. Sobre os Srs. j. s. de vas-
C0NGE1X0S dONS.
Bahia. Sobre os Srs. marinhos & c.
Bio de Janeiro. Sobre o banco
Industrial e MfiftCANTjL,. banco'nacional e
BANQUE BRASrtlMjNB'FRANrAISE.
ESTATUTOS
DO
Santissima TnisUijDE, sab-, a
lollegib ua
di'recio de.i'hilomBpa MvnV'MjB* ui'Al-
baqufcWae.0'1 -ConnellJersey, coaiijw^ai
portua* rmwas f>. Lahtferifrti por'S
que Q'tXtpMl'Jlersey6 ^Oliaa^^^
baquerq-Te 0'' Conasllr^efsey.
Art. l.r 0. Collegio.-dirigiaU iparuPbileatfinft M*A
esBi-f
COFFRA 0 FOGO.
A companbia Indemnisadora, estabelecid*
aesta pr&ca, toma seguros marilimos sbbrt
oa?ios e seus. oarregamentos e contra fogo
im edificios, mei*cadorias e mobilias: n?
rua do Vigario- n. 4, pavimento terreo.
Segwo eontra-fogo
UYER-POOL & LONDON & GLOl
aSSRAIGE COMPANY
Rentes
SAUNDERS BROTHERS 4 c.
H--4kwpo.8an4o--.ll
fttkimmrnxiFB 'i mvvmmo
DE.i87>.
AS *( 1/2 HORAS da tabsb.
Colacfies ofHeiaea.
Argodlo de Maceio 1* sorte 759(: por' 13 kilos'.
Algodao-do Rio Grande do Nurto 8*100 par 15
kiles posto a bordo a frete de ll|16e S
OiO, b-inlem. -
Assaear brjUo boan 1*800 U830 por 13 kilos,
hontem.
'Velasstearinas &10 rs o mas-o.
tCambio sobre Londres a 90 d|v. 13 7(8 e 36
d. por 1*080, hontem.
Cainliio sobre Lisboa a 90 d|v. 10J 0|0 de pre-
mlo, do banco, hoje.
Pito-sobre dito a vista III rs. 0|0 de premio, do
haneo, hoje.
a. da Vasconcellos
Presidente.
A. P. de Lemos
Secretario.
I U lifl----
ALPANHECA.
idimento do dis 1 a 11 .
dam do dia IJ ...
389:0334031
40:438.? 293
429:471*324
Bescarregam hojft 13 de fevereiro de 1874.
Barca ingleta Witck of thb Teignmercadorias
para slfandega.
Carea innleta-Seropftmamercaflorias para al-
fandega.
Brigue inglez Ouoiot adaelas para o uapi-
cne Concetsao, para despachar.
1RSPACHOS DS EXPORTACAO NO DIA 11 DE
FEVEREIRO DE 1874.
Paro os portos do exterior.
Na barca ingleza Rapidj, para Liverpool,
carregou : H. & Labille 163 saccas kilos de algodao.
*-" 'Na'polaca hespanhola Viagero, para Bared
lona, carregon : P. M. Maury 70 saccas com 3,090
l|2 kilos de algodlo.
- No navio francez S. lj)uis, para o Havre,
carregon: Keller,& C 232 saccas com 19,031
kilos de algodao.
No brigue pprtugnez Damiao, para Lisboa,
carregon M. M. Monteiro 50 sac:as com 4,022
kilos'de algodao.
No brigue portngnez Ocarcnse, para Lisboa,
carregou: E. R. Rabello & C. 30 pranchSes de
amare.lo, 3>H) saccos com 22,300 kilos de asiucar
branco e'300'd.tos com 37,500 ditos de dito mas-
cavsdo.
Nabatcalnglezaa'are, para o Canal, carre-
gon : R. Scbmmettau 4 C.*30 saccos com ?,250
kilos de assnear raascavade.
Na polaca brasileira Uarinko III, para o Rio
da.Prata, carregou : A. Loyo IOC pipas :om i8,0C0
iitros de aguardente.
?ara os portos do int'rtor.
Para o Para, na barca portugueza Lmd-r,
carregon :' M. J. Alve3 10 pipas com 4,800 lltros de
aguardente.
Para o Rio Grande do Su!, na tarea portu-
gueza Oceania, carregou: A. F. Balthar Sobrinho
400 ba/ricas com 25,323 kilos de assucar branco e
400 saccos com 30,000 ditos de dito
Farao Rio Grande do Sul, no patacua por-
tuguez Olinda, carregou :' >.. J. do Rego Medefros
Junior 800 saocos com 48,000 kiL-3'de assucar
branco.
' Fara o Rio de Janeiro, no patacho nacional
Maria Emiha, carregou : L. J. S Guimaraes 600
taccos com 43,000 kilos de assucar branco.
Para o Acaracu, no vapor brasileiro Pira-
pama, carregou : J. V. da Craz 2 barris com 192
lit-03 de aguardente ; Fernandes & Irmao 2 pipas
cdm 960 ditos de dito, e 3 barricas com 339 kilos
de assucar branco.
Para-Mossoro, no hiate nacional A. dos An-
yes, carregou : B. F. Guimaraes 2 pipas com 960
htro3 de aguardente: J. R. Figiieira 11 barricas
com 1,283 i]2 kilos fle sfsucar bran: .. 5 ditas
com 300 dito9 de dit: reSaadi).
Para o Aracaiy, nO biate Bicior....' Sraclost,
carregou: P. Aives & C. iSbarricae :om 1,468
kilos de assucar refinado ; F. J. *a Silva 5 pipas
com 2,400 Iitros de aguardente.
*- Para o Natal, na barcaca Riackm-to, carre-
gou: A. Cordeiro 15 saccos com 1,143 kilos de
assnear Branco : para Mossoro, C. j. Y-ianna Ju-
nior 6 bamcas com 345 ditos de dito.
Para Mirid, na barcaca Dons Amigos, carre-
gon : Monteiro Junior A Fernandes 4 barr cas
com 279 kilos de assucar refinado.
Para o Natal, Bd barcaea Flor do Jardim,
carregou : A. M. Souza Maebado 2 barricas com
150 l]2 kilos de assucar branco.
Ifrddjdlro del873.
Loy.i Pllho.
Jvlfandega de BerDambuco>.
1874.
0 inspector
.Pablo-A. let: Ras.
ado a. Jose da ?Uva
fevereirj 8>
CAPATAZ1A da
Rencfimeiltodf. dia 1 II.
Hflin do dia 12 .
ALF.ANfEOA
VOLUMKV, SAHTOOS
So dial s 11.
^rimeira port a
iegunda ports
TfcTeeira porta .
Quarta porta .
rtapicbe Conceicae
No' dia
/2C8i077
695*241
7:063*318
14 369
145
1.004
179
812
16.529
SERVigO MARITiMt'
i:\arengas descarregadas no trapidi'
alfandega do dia 1 a M .
No dia 12
tos atraeadosno trap, da attasdafs
Alvarengas........
id trapier>e Qonceiclc.....
16
3
I
-0
P.aCEuEDuRi/. J)P
RAES E
Heodimento do dis i i
'dem do dia 52
KEN LAS INT) HNAS GE-
PERRAMDUCf
;li. 18:845*372
. 2:l7Ckl36
f IM 1*598
CONSULADf; PROVINCIAL
.leDdimento do dia a
Idem Cc dia 1? .
H.
00:939*012
7:675*7*5
6&6i**737
eapttal..... M,Oft0 fundo. A rasarva. 8,000.-OOOJ>00(
Agontes,
Mills le^kam AC.
MifrQ"'Bft"wWff:
Navios entratto: no'dia 12.
Buenos-Ayres 50 dia?, polaca grega Apastnlo,
do 248 tonelad.is, capitao Orlando, equipagem
' 10, carga feno ; a ordem.
Terra Nova 35 dia", brigue inglez Jane, de 237
toneiadas, capitao Dnnn, squipagemll, carga
3409 b rrica* com bacalhao a Johnston Pater
&C.
Navios sahidoi no mesmo dia
Porto por Lisboa Brigue pcrtugue: Tnnmpho,
capitao Jblo V. de Carvalho ; carga as-Htcar e
ontros generos. /
Lisboa Brigue pormgutz tj(finiuc, -iapilio Pedro
M. Branco, carga assucar e oatjos generoi.
Rio da Praia Polaca brasileira 'Mai-inao, .capitao
Ferreiray cawa assucar e outros geaeros.
Rid da Prata Escuna franceza Maria HtnsltUe,
capitao Angleis, carga assucar. ,
CanalBarcaiogleia Kale Carnie, capitio J. Wil-
son carga assucar.
Rio Grande do NorteHiate brasileiro flor do
Jardtm, capitao Joaqu m Francisco da Silva ,
I arga varies generos.
Qbterroagao.
j Suspend ju do iamarao-para Ma tem o i-atacho
portugaez Cyme do Vottg:. capitao 'SaatOH.aom,
b. mesmo !atrc anearouxe do Rio de Janeiro.
' PJieiaixiFernaiHibiioaaa.
Toma riscos maritinjios .-em mercadorias
fretes, dinheiro a risco efinalmente49: |]tierlantB'reia,.ern!3iapore, rraJ08*i'iaoi.
seryina^ltaqne-rque *&B^**^?X^^
Pan ^p
Art. 2. Ai alumnas recobera nellr in-:truccao
iBrnts.
lE^ital com.prazo de aO\diasr
Pela Inscectoria da. -ilfandegi. :dePeinambueo
seifaz; posncQ, .qne arhando-ee ts mer*adteriaa-
'contSdas-no3 vnluniBs abaiao-meneisaadbs^ na:casdi
Ida sf.wm- arrrraaladka ipara consoan, uios lu-mos
UooaDliS^irl.) lit 8-d*v rp?i*JaraeBto da iOJese-.
Itmbro de 9K6Ui 03 seas' kmos oa ronnenataa-ios
devatio- '.despactoa^as no praw ide 30 dias, sob
(pena de, fiodoielle, serem .venaidos-por Suq eenta,
Isem que lhes fiqueaompetiorlo allfgar .centra os
UJielTeitos desta veirda.
Trapifthe Cuorc
50 Cinros 56C60?, vindo de Montevideo iu ta:
vij hespanhol Anne ^Ge inc. descarrogados
0 Dr. Joaquim Correia dc Oliveira Andrade, juiz
subatituto da pravadoria de anf*N*s e residaos
nesta cidade de Santo Antonto do Recife e sen
tanna, por S. M. Imperial aa>nslitucional >
Sr. D. Pedro II, a quern Deoa^uerde, etc.
Faea saber aos qae o presents edital virem e
dalle noticia tiverem, qne no dia 19 do eorrente.
depois de flnda a respectiva audieoeia deste jnixo
lem de ser arremattdo por renda a quern mais
vantagens otrerecer o arntazem a 3 do caes da
alfandega do bairo do Recife, pertencenle a ir-
mandade da Senhor Bom Jeaoa das Portas, da
igreja da Madre de Dens, o qual vai a praca a
requeria,ento do inqnilino do dito armazem, An-
tonio da Silva Azevedo.
E para que chegne ao conhecimento de u>Jo,
mandei paesar o presente edital que sera
publicado pela imprensa e aflliado nos lugar'-*
do co-tume.
Dido e passado nesta cidade do Recife di Per-
nambuco, .1(8 12 de fevereiro da 1874.
Eu, Domingos Nunes Ferreira, escrivao o
crevi.
_____ Joaquim Correa de Oliveira Andraoe.
Secretaria do gymnasio provincial dc Pernamu
co, 5 de fevereiro de 1874.
Por esta secretaria, e de ordem do Illm. Sr. i*-
regedor interino, se declara aos pair, tulores >
correspondentes dos alamaos interuos, qaa n -
podem estes trazer para o instHulo cutro enxoval
senao o que e estabelecido pelo regulamento em
vigor, podendo a relacao do dito enxoval ser nes-
ta secretaria nroenrada por queen delta preci-ar
Enxoval do alumna pensionista.
1 bonet.
1 farddta do panno verde e3curo om dLtin.-t
vos do instituto.
1 j.i'jueta de panno.
6 jaqueloes de brim pardo liso.
1 calca de casemira preta.
6 calcas de brim pardo liso.
2 ditas para o recreio.
4 colletes brancos.
2 gravatas pretas de seda.
2 ditai de quaiquer panno para u-< m
12 camisas.
12 pares demeta:.
12 lencos dc linho para asao.
6 ceroulas de liamburg<>.
6 fronhas de ..{ .
2 oobertas de creton.
1 cobcrtur de li.
6 toalbas de rosto.
6 gnaraanapos,
2 pares de ; orzeguius de Lezerro.
1 chinelia de couro.
1 escova de sapato.
1 dita de dente.
1 dita de fato.
1 tesoura de unhas.
1 pente dealisar.
1 pnaln para tirar piolnos.
1 travesfeiro.
1 meia commoda de amarello.
2 cinturoes de couro.
OBSERVAOAO.
1* Os interessados deverao ver no euatwie^ -
mento o mooVllo do bonet, da fardeta, dos disun-
tiros e da commoda, comj bem a cut dj paau
para baver uniformidade.
21 Cada alnmno deve ter correspondents na ca-
pital para com promptidao satisfazeras p^-fc
oulra quaiquer despeza de que tiver elle nee
siJade.
3* A pensao sera paga por trimestre adianUar.
O alumno que no primeiro dia do trirnesua na*
a liver paga, sera logo remettido a sen pai, ta<>r
na correspoadente.
4' 0 estabelecimento alem da instrnccao, iofn*-
ce ao alumno interno alimentcs, medico, bo'.i...
lavagem cengommagem de roupa, papei, penct. e
tinta
5' Os objectos do enxoval sao propriedade* >
alumno, c os retirara quando sabir, no estado am
que estiverem. As pecas deterioradas on consu
midas pelo uso serao substituidas pelo alumno pur
outras, logo que for reclamado pela regedor;o.
pensOes.
Pensionista -100*0 0 por qnartel.
Meio pensionista 60*000 idem.
Externo -1*000 idem.
Aula de musica12*000 idem.
Cosleio de cama-10*000 por uma s. ttaaa
primeira iuscripcao, sendo o estabelecimento obr -
gado a fornece la durante todo o tempo em hoe
sstivar o alnmno no esubelecix enlo.
0 secretario,
Celso Teriuliano Fernandes Qain.
0 cidadao Francisco da Silva Rego, juiz de p...
da freguezia de S. Antonio da cidade do F .:f
de Pernambuco, ein virtude da lei, etc.
Faco saber que por parte de Antonio Martiu-
SaldanDa, me foi feita uma pelicao pela qual ra-
podio quo admittisso a justiheacar a ausei
cia e incerteza do lugar da residencia de Jaa.-
Francisco Carueiro Monteiro e de Antonio Frai-
cisco Carneiro Monteiro, e jurtifi.-and i quanu
bastasse, Ihe mandassc passar c.irta do edit -
para serem citados, afim de virem a primeir-.
audiencia desle juizo que se fixer, pusado os 3f
dias para sc conciiiarem com o supplicante credo:
de iae Xavier Pereira de Brito, dos jusiificado-
e outros, como herdeiros qne sao da fiaad;.
D. Mathilde Bernardina da Conceicao, primiti ..
devedora, pela nota prumissorii que aceita-*
em favor do jusiificante, da quantia de um co:.
de reis. E porque justiticon o deiuzido em
sua pelican, Ihe mandei passar a present-
carta de editos de 30 dia*, pela .|uol cito, eh;.
mo e requeiro a Joao Francisco i^arneiro Mot
teiro e a Antonio Francisco Carneiro Monteiro.
afim de que venham a primeira audiencia deste
juizo que se fizer, Undo dito termo, sendo a
audiencias nas terras e sexlas-ieiras de tcdas a
soinanas, na sala pablica das mesmas a rua d
Impe'rador.
E para que chegue a noticia de todos, maBde
passar a presente, que sera affixada njs iuga: at
{* publicos e do costume.
Jaizo de paz da freguezia de S. Antouk>, 1*'
dezembro de 1873.
Subscrevo e a*s;gno.Recife, 18 dc dezerot-.'o
de 1873.
0 escrivao.Roriolano de Abreu.
Francisco da Silca Rego.
_0 Illm. Sr. inspoclor da thesourana prov,. -
cial manda fazcr publico que em caa.primento da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia. de 7
le Janeiro eorrente, peranto a junta desta tfaetoi -
raria se ha de arrematar no dia 23 de abril pi -
ximo vindouro, a obra da ponte denwininada !'..
Sangue sobre o rio Serinbaem. orcada em 9:570*.
pagos em apolices da divida provincial a jure de
7 p ir eeuto ao par.
As pessoas que se propozerem a esta arremau-
\in compareoam na sala das sessoes da mesuu
thesouraria no dia indicado acima, pelo meio dia,
corapetentemente habilitadas.
E para conslar se maadou pnblicar o presto:-
elo Diario de Pernambuco.
Secretaria da thesouraria provincial, 20 de Ja-
neiro de 1874.
Victoriano Jose M. Palhare-,
Official maior interine.
Clansulas especiaes jpara a arremataoio da panie
denominada Pao sangue sobre o rio Ser.
abaem.
I.' A ponte denominada Pao Sangue sera tte-
cutada de conformidade com o orcaracnto e plan-
ta approvadnj pelo Exm. Sr. presidente da p-i-
vincia.no valor de 9:570*.
2.' 0 arrematante dara pnncipio a obra no j ..
zo de nm mez e a cuncluira no de 11 maze*.
3." O pagamento sera effectuado em 3 pre-.i
coos iguaes a proporcao da tabella exe-utada.
4.' Para ttid > a mais qne nao se acnar espfcifi -
cado sera regulado pelo qne dispoe oregularaek.
de 31 de jolUo de 1866 -O engenheiro chefe, : -
*e Tiborcio Pereira de Mugalhaes.
________________- Victoriano Jose M. Palfcarw.
De ordem do illm. Sr. inspector da theaau-
raria de lazsnda, sa faz publico, que em virtnoa
de antorkta^ao da presidencia desta proviawm.
tem de ir a praca no dia 18 do mez de feverWrr.
proximo vindaara. penaate a jucta da mesma
ifaes4uraria,. para aorom- arrraaatadns por aoaan
imaiar ian^* asTerecar. dcz cavallos pertanSanaae
acoa.panltia *e> eaval!ria; sao por unto dinv>-
dados os interessados a compareoerem na oweana
itbesouraria as duas hara? da tarde do indieaM<
dia.
0* cavallos: estarao-no dia da arreeaatacio -na
area do-edificta om qne funcciona esta rrpartifli.
e desda ja p*dm ser vistos no respeeaivo qnariH
Sernstaria da thescuraria de aazeatda de P*f-
namhuco, 29 de Janeiro-de 1874.
u 9escriptarario, serrindo de aeentarWi.
Carlos Joao de Souza Corrta
V

u


_t
y.
-*
A


I




!tfc^kmmko^^ otfai pyblitaqije .se ajha ooq-
os pelo estado, na conformiaadje
do art. 28 dfeWgulaoiMB que*#f(f #MjgtiecreArf|l,t31 dJBT fflHe noverabrodje
' i do-dispose no artifij 27 do mesnao regul*i
1872 e que%nj$rtude
dos os segufifceW
Silvina e seus filhos menores. |
ildmeotf foram preferi-
Oelphina
Francelina
; cibuiol
.rl

Bernardino
Maria
Jeronymo
Luiza e sea filho meaor
Camilto
Maria e seu filho menor
fiuflna e sea Blho raenor
Bonifacia e seas filhos menores
Geneross e sens filhos menores
Gonstanca e sen fllho menor
Quiteria e seus filhos menores
Maria e saa filba menor
Joanna
Joanna e seu filho menor
Severina e sua filha manor
Josephs e seas filhos menores
Anna e seu filho manor
Benedicto e seus -filhos menores
lanocencia e sea filho menor
Perpetaa e sea filho menor
Benedicla e sea filho menor
l.uiza e seu filho menoi
Militana e seas filhos menores
M&rcella e saa filha menor
Simplicia e seas filhos menores
Isabel e sea fllho sunor
Romana e sens filhos menores
Januaria e sea filho menor
Felieiadade e sea filho menor
Benedicia e sens filhos menores
Luiza e aeas filhos menores
Antooia e seus filhos menores
Luzia e seu filho raenor
Victorians
Pedro
Paulina
Luiz
Isabel
Ignez
Senhorinha
Raymonda
Man*
Luiza
Benedicia
Barbara
Maria
Libania
Francelina
Fidrencio
Luiza
Luzia
Isabel
Thereza
Raymonda
Miquelina
Maria
Gaetana
Delfina
Maria Isabel
Mathilde
Romana
Isabel
Othilia
Zeferina
Acurcia
Margarida
Primitiva
Josepha
Antoma
Raymunda
Maria
Amaro
Virginia
Luiz
Leopoldina
Benedicto
Martha
Jose Estevao
Guilhermina
Urbano
Hercuiana
Fortunato
Maria
Manoel
Joanna
ignacio
Salviana
Thomaz
Maria
Manoel
Joanna
Jose
Feliciana
Joaquim
Josepha
Cesario
Joanna
Joao
Francisca
Damiao Felipp-i
Maria
Jose
Rscolastica
Angeto
Orencia
Hermenegildo
Coustanca
Bartholomeu
Ftoriana
Marcolino
Luiza
Marcelino
Eduarda
Ruflna
Lino
Luiza
Candido
Francisca
Antonio
Rita
Domicio
F'.orinda
Marcolino
Manoella
Domingos
Romana
Trajano
Rita Maria da Conoeics:-
Elias
Joanna
Jose
Felippa
Thomaz
Luiza
Justino
Isabel
Manoel
T:rtuliana
Francisco
Maria >
Antonio <
Maria
Maaoel
Christina
Gertrudes
Benedicts
Luiza
Ignez
Manoel
Joanna
Luiza
i.ucmda
Primitiva
Jinuaria
Angelica
Rosa
Eduvirges
Paulina
Batflia
Bafcedieta
ViceDcra
Ambrosina
Gonsunca
Luiza .
Maria
Luiza
Maria
Ignacia
Joanna
Guilhermina
Luzia
Edflvirfes
VMMtt
Lucia
Thereza
Luiza
Luiza
BewSiieta
BeaWnda
teiooB^
de D. Josephina Bemvinda da Cunha Souto-Maior.
do D. Maria Francisca do Paula Cavalcante.
de Joaquim Demcirio'de Almeida Cavalcante e Manoel Antonio
Cardoso.
de Louren;o Justiniano de Holranda e Souza.
do Dr. Murillo Mender Vianna.
de D. Maria das Merces Meodonoa Lins.
de Marcolino dos Santos Pinheiro.
de Juvino Bandeira.
do Dr. Pedro de Albuquerque Antran.
de Elysio Alberto Silveira.
de Maaoel Joaquim do itego e Albuquerque.
de Jose Antonio de Oliveira e Silva.
do mesmo.
de Joaquim Pacheco da Silva.
do Dr. Antonio Estevao de Oliveira e seas irmaos.
de D. Theodora Francises do Espirito-Santo.
de Jose Antonio da Costa e Sa.
de Jos6 Antonio da Costa e Silva
do Alfredo Cardoso Pereira.
de Joao da Cruz Macodo.
de Pedro Osorio j de Cerqoeira.
de Auguito Cesar de Abreu.
de Manoel Albino de Amorim.
de D. Anna Isabel de Aranjo Castro.
de Joao Ramos
do mesmo.
de Bellarmino Alvcs Arouxa.
dos herdeiros de Manoel Francisco de Carvalho Paes de Aq-
drade.
de Antonio Pedro de Sa Barreto.
de Luiz Josejda Costa Amorim.

:ib1

Honorata
Aodreza
Flavians
Thereza*
?"*.-
Anaaiaco.
Andreza
Maria Amelia
fiH3i!Tfl!Jf
1 J
up **i
de D. Veridiana Carolina Soares. r --*,Q
de Jose Victor da Silva Pimentel.
de Francisco Pereira da Silva.
de Francisco Antonio de Figueirodo.
de Luiz Caetano Borges.
de D. Julia Angelica Pires Ferreira.
de Angelo Baptlsta do Nascimento.
de Luiz Antonio Goncalves Penna
de D. L'mbilina Roaa de Lima 1'inlio.
de D. Maria Theodora da Penha.
de Manoel Jose Soares d'Aveliar.
de D. Isabel Augusta Wrest de Figueiredo Camargo
de Jose Marcelino da Roza,:
do mesmo.
de Joaquim Dcmelrio de. Almeida Cavalcante.
de D. Veridiana Carolina Soares
do Dr. Nabor Carneiro Bezerra Cavalcante.
de Antonio de Pinho Borges.
de D. Calharina de Serpa Brandso.
de D. Jacquelina Carneiro de Albaquerqoe Lacerda..
de Odorico Alves Itapozo da Camara.
de Antonio Bernards Vaz dc Carvallm.
de Jose Ribeiro de Souza.
de Jose Joaquim Pereira de Oliveira.
de Jose Pedro da Silva.
dc U. Maria Raymunda Malheiro.
da mesma.
de Joaquim Pereira < Siraoes.
de AntonioTavares Lima.
de D. Delfina Tavares da Costa,
de D. Rosa Goncalves de Jesus.
de Francisco Jose Alves Guimaraes.
de D, Maria Norberla Schefler.
de Candido Thomaz Pereira Dutra.
de D. Autonia Raymunda dos Anjos Moreira.
de D. Candida Joaquina Lopes.
de D. Marinha Amalia da Silva.
da ine.-ma.
de D. Ursula Maria de Araujo.
de D. Ambrozina Fernandes de Souza.
de 1). Rita Deodata de Souza Monteiro.
de herdeiros da marqueza do Recife.
de D. Thereza Florentina Leite.
de Marcolino Dornellas Camara.
de Maximino da Silva GusraAo.
de Antonio Carneiro da Cunha.
de Bernardino Francisco Junqueira.
de Aristarcho Eduardo Carneiro da Gama.
de D. Francisca de Panla Leal Cavalcanti.
de Marcolino Dornellas Camara.
de Manoel Joaquim do Rego e Albuquerque.
do Joao Fernandes Lopes.
de Valeriano Manso da Costa Reis.
de Jose Goncalves da Silva Bastos.
de Vale iano Manso da Costa Reis.
de D. Josepha Miria da Rocba Falcao.
de Joao Baptista Telles
de D. Anna.de Souza do Espirito Santo.
de Valeriano Manso do Espirito Santo.
do Denu-trio Acacio de Araujo Bastos.
de Valeriano Manso da Costa Reis.
de Ignaeio Alvim da Silva.
de D. Candida Cavalcanti de Miran Varejdao.
de D. Maria das Neves Pereira de Lyra.
de herdeiros deAnna Maria da Conceicao.
de Jose Pereira dos Santos.
do Dr. Francisco Augusto da Costs
de Corblano de Abreu.
de D. Maria Carolina Peieira de Carvalho.
de D. Idalina de Souza Moutiuho.
de D. Emilia Nobre de Almeida e Castro.
de Jose ivres da Croi.
de D. IsaiiPl Maria Baptista de Castro.
de Jo.-e di- Barr. s Pimentel.
de Salvador A\ res de Almeida Freitas.
de Luiz Fonceca de Macedo.
de Manoel Ignacio de Avila.
de D. Maria Carolina Tavares da Silva.
de D. Francisca Maria de Figueiredo.
de Jose Cecilio Carneiro Monieiro.
de D. Joaquina Theodora Gomes Barreto,
de D. Januaria Camara Vasconcellos de Siqueira.
do Dr. Raymundo Month* Vianna.
de D. Anna Autonia de Jesus.
do Dr. Murillo Meudes Vianna.
de D. Maria Clara da Assumpcao.
de Aristides Duarte Carneiro da Cunha Gama.
de Caetano Cyriao da Costa Moreira.
de Elizio Alberto Silveira.
de Joao Paes de Moura.
de D. Januaria Camara Vasconcellos de Siqueira.
do Dr. Antonij Justino de Souza.
de Manoel Theotouio Freire.
de Francisco de Paula Leal Cavalcanti.
de D. Anna Zulmira de Souza Pimentel e outros'
de D. Anna Francisca Lins.
de D. Anna Samico do Rego Barros.
de Manoel Joaquim Rodrigues de Souza.
de D. J aouiua Ignez de Siqueira.
de D. Maria Margarida da Cruz Lobo.
de D. Augusta Carolina.dos Reis.
de'Joao Pereira dos-Santos,-Farofa.
de Vicente Ferreira da Silva Fraga.
de Praga & Roeha.
de Guilnerme Holiday.
de Joao Pass da Moura.
de Jesuino Carneiro da Cunha-.
dos herdeiros de Jose Maria da Paixao.
de D. Francisca Escolastica Josepha da Costa.
do Dr. Aoteio Manoel. de ileuoirns Furtado.
de D. Josephs Maria da RoWis Falcao.
dos tTerdeiros.de Jose Marts-da Paixao.
de D. Antonia Bemarda de Souza.
d.e Pedro Juse Fernandes.
de Antonio da Rocna Wanderley.
de Marcolino Dornellas Camara.
de Henrique Guilherme Stepple.
de Antonio Jose da Silva do Brasil.
dos herdeiros de Francisco de Paula Marinho Falcao.
de Joao Fernandes dos Santos Bastos.
del). Augusts Lamenha Babts da Cunha e filhos.
de Jose Ignacio Xavier.
de Demelerio Ilermillo Costa.
de Manoel Nunes da Fonceca.
de D. Maria das Neves Miranda Oliveira.
dos herdeiros do desembargador Francisco de Assis Pereira da
Rooha.
de Antonio Machado Pereira Vianna Junior.
de Dr. Alvaro Uchoa Cavalcante.
do maimo
de P. Maurer & C.
de D. Mana da Silva Campos Guimaiies.
da Henrique Lasserr.
de D Candida Rosa de Carvalho Betsoni.
de Antonio Jeronymo da Silva Campello.
do Dr. Cosme de Sa Pereira.
de Manoel Joaqnim de Castro Madeira.
do Dr. Jose Vicente Duarte BranJao
de Francisco Jose Marlins da Costa.
de, D. Candida Rosa de Carvalho Bessone.
de Joaquim Jose da Silva Guimaiaea.
do desembargador Jose Nicolao Regueira Costa.
de D. Maria Damiana Rodrigues Campello.
de Manoel Ignacio de Torres Bandeira.
de D. Maria Amvlia de Oliveira.
de D. Anna Cordeiro Goncalves Moreira.
de D. Emilia Joaqpin* de Medeiro3.
do Dr. Raymundo Meudes Vianna.
de D. Mans Frapeisc^Borges Leal.
de D. Joaquina Theodora Alveg. .
de Antonio Fernandes -Ramos de Oliveira.
de Candido Moreira da Costa. i
de Joio Fernandes- uos Santos Bastos.
do Prnnciseo X*vier de Miranda o MeHo.
nVtfiofflaz Soitres *e Almeida Sariedas.
ualiibel!:Jt)s Mchd0.
W Wo Pereira- tfds'ftaiites Farofa
Felicia
Clara
Enfroziua
Izldora
Mequiliua
Delfina
Faustina
Joanna
Felismina
FiiMoelina
Thereza
Perpetaa
Luiza
Matirfieo
RtlicMade
Francises
Micbaella3
Joaquina
Antony.,
Margarida
Margarida
Joanna
Maria
Helen*,,
Luiza
Fottunata
Jdanao
Luiza
LwcjadS;:
FraneeJina
Silvioa
Baroara
Pauak
Joanna; ji
Sahina
Maria
Felippe
Cyrrac* i
ftrajnoiiflaj
de Joio
do Fi
de
do Dr.
de Antni
de Domi
de Frai
de Am
de Joao
de D. H
l)T7TO

de Carvalho Veras.
de Barros.
melinda Gomes de Si.
de Jose Antmk) da Costa e Silva;
de Manoel Francisco de Azevedo.
de D. Deolttijto Oemenlina da Silveira.
de Candido Caaimiro Guedes Alcoforadu.
Ode Joio Paulo de Souza,
do D. Joaquina Candida de Oliveira Borges.
de D. Maria Emilia Sobreira de Mello.
de 0. Maria'Jose Lins Soriano.
de D. Candida Rosa de Oliveira Abreu.
de Dr. Francisco Augusto da Fonceca e Silva.
de Francisco Guedes de Araujo.
de B. Mafia Damiana Rodrigues Campello.
do D. Mariana Adelia de Loyola Fragoso.
do \D- Francisca da Cunha Bandeira de MeHo.
do Joao Cavalcante de Albuquerque Mello.
de Joio Hermenegildo Borges Dim*.
de D. Arcelina Xavier Carneiro Rodrigues Campello.
de I). Anna Rita Cavalcante.
de D. Mapoela Augusta de Mello Rego.
de D. Augusta Lamenha Bahia da Cunha c Filhos.
de JoseP Into Ribeiro.
de Jose Rodrigues da Silva. Rocna.
de Manoef Rodrigues da Co9taJMagaluae>.
de Maria (Emilia da Cunha Hailidav.
de D. Maria Candida do Mello.
de D. Maria Amelia de Rarros Lima.
de D. Afdhanja BMatfdjM (fapHxejra,A|vji*fcnga,
de D, Angela Ma&tdttBspUito Santa.
de 0. AlaudMfVra Feweira-dosSaiUpe.JSHva.
do Jose VJctoWla'Silva Prtnentel.-
de Antonp Lopw^a 4ifluouja-Bra#a.
do Dr. Bapbino4eMoraerPlnheirV.
do Dr. R .fiaoAagflsto doiAlmeida.
de D. An|oHcLaizB Bsxbosa da Cuih.-i.
de Joaquipi'Jose-Silwira-.
de Maria ,Candid da Trindade.
dq,I)r,Bento Jose da Costa.
de'Joaquim Antthieide CttttrQiMaais>
dcvBernoiros de Pedro Tavares da Costa.
do desemb:irdor Manoel Tettu.iana Ttiomaz Hennques.
de Antoaip Cajnello Pessoa de Lacerda.
E para consj(ardeteruiaott,a .refwjda, ^.untajazer DttbUcar o prosepta, edital. Sall das ses-
soes da junta de'emancioacSo no Pa.-Kvda.Camara'MOBicinai po Re&fe, em.7 dfc fevereir* de J,87i.
Manoel Joaquim do Rego e AlbuqHerque,
Manoel Joaquim Silveira.
Fnncisqo Augusto de AUnf&*-\
de secretarip
Correia.
Pela recebedoria de rendas internas gerae
se faz pablieo qa e no corrente mez de fevereiro
que deve ser paga, Iivre de multa, 'a laxa dos es-
cravos, relativa ao exercicio de 1873 a 1874 ; de-
pois da que se lo-ha com a oiulta de 6 0|0.
Recebedoria de Pernambnco, 5 de fevereiro de
1874.
0 administrador
Manoel Carneiro de Souza Lacerda
SANTA CASA DA M1SERIC0RD1A BO
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da santa casa da
Uisericordia do Recife, manda fazer publioo que
oa sala de suas sessoes, no dia .12 de fevereiro
pelaa 3 horas da tarde, tern de ser arrematadas a
quom mais vantagens ollerecer, pelo tempo de nm
a tree aunos, as rendas doe predios em seguida
daclaradoa.
ESTABELECIS1ENT0S DE CARIDADE
Travessa de S. Jose.
Casaterrean.il.......2014000
dem n. B o.....202JOOO
PATRIMOMO DOS ORPHAOS.
Roa da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18 .......421*000
Rua da Craz
Sobrado 14 (fechado). 1:000*090
Rao do Pilar.
Caaa tecroe n. llOOoi ; .
Idem n. 10 ,.....
Rua Velha.
Casa terea u, 44(techada( .
Rua de S Armazetn n. 34(fechado) 362^000
Os prelendentes deverao apreseutar no acto da
irrematacao as suas rJancas, ou comparecerem
zcoinpanhados dos respectivos liadores, devendo
pagar alem da,rends, o premio da qnanfia e:i
que lor seguro o predio que coqtiver estabcleci
neuto commercial, as.sim eomo o servioo da lira-
peza o preeos dos apparelhos.
Secretana da santa casa da misericordia do Re
cife, 3 de fevereiro de 18Z4.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
34U000
2W*O0K
450*000
pelo illustralo
o melhor aeol"
a mm
0 procurador fiscal interino da thesourana provincial dePernambucodoclara aos eontruiuin-
tes quese acham a dow-impostos de decims, 4 por cenm. 8obrimasoa,tesflpor venda de kerosene a
cargo da coljeetoris da Eaaada, relatives ao axorciciQ. de 1872-1873, que lhcs fica mareaqo o prazo
improcoaayeJ de 30 diaSj-a contar; da, publicaeiq deste, na conformidade-da let. jl 81,- art_ o3, para
solicijarem da secgao.do CQnlewoso,fa^,respecttva9; guias, anm do recolherem seus debitos pro-
tenientes dos mesmosimpostos, certos de qu? se nao o fizortm:d8Bt> deste prazo, proceder-se-
ha a cohranna 'judicialmehtej puWieando-se para isto a relacao dos devedores abaixo trans
cripta.
Secfso do,CUJienyiow,provingiaJ de Peraamhuco, 12 de fevereiro de 1871.
Oprpeurador fiscal interino,
Miguel Jose de Almeida Pern mbuco Filho.
DECIMA. .
HeJaffw da divida di fx-.rcicio de tH7 a /S73, a.cargo da collectoria provincial do manicipto
da E'scaio .
-

Matriz. Manoel Joaquim Torres Gal indo
Cadoia. Maria do Carmo Barros
Viracao. Maria Francisoa
Dita. Manoel de Barros Wanderley
Dita. Jose Antonio Soares Rosas
Dita. Joao Roiuarico do -Azevedo Campos
Dita. 0 mesmo-
B6a- Vista. Candida Eudocia Pessoa
Dita. Thereza Maria de Jesus
Dita. Delfina Maria da Conceicao
Dita. Candida das Virgens Lins
Barra. Joao Pereira da Silva Uchoa
Dita. Joaquim Francisco Goncalves
Francisco Cavalcante de Lacerda
Francisco Ignacio de Pao Brasil
Francisco Antonio de 'ouia Ayres
Maria do Espirito Santo
Candido Jose do Sant'Anna
Goiabeira. Francisco Jose Jeronymo Ferreira
Dita. Zeferlnade tal
Joaquim Franoieco Goncalves
Martiniano de Barros Branco
Manoel Jose da Rocba
Luiz. Jose da. Rocha
Miguel Brand!)
Antonio- Florencio de Barros
Meriquitos. Jose Francisco Ferreira
Dita. Francisco Ignacio Pao Brasil
Herdeiros de Josepha de tal
Jose Jeronymo
Francisco Menezes
Ignacio Pereira de Aranjo
Joao Roiuarico de Azevedo Campos
Jose Felippe Gomes
Joaquim Rodrigues Pereira
Joao Damasceno
Flores. Antonio Valerlo
Herdeiros de Castello Branco
Dita. 0 mesmo
Imposto de qualro por cenlo.
Commercio. Joaquim de Oliveira Maia Junior, bja de fazenda
Dita. Man >el Joaquim Torres Gallindo, taverna
Dita. Manoel Nunes Correa, idem
Cadeia. Joao Baptista dos Santos, idem
Dita. Manoel Martins da Silva Gomes, idem
Martiniano de Barros Branco, hotel
Braz Velho Italiano, caldeireiro
Luiz Cornelio de Souza, botica
Tiburcio Valeriano da Costa, funileiro
Jose Antonio Soares Rosas, taverna
Raymundo Nonato de Carvalho, idem
Antonio Thenorio Cavalcante de Albuquerque idem
Heliodoro Gomes Pinheiro, idem
Viracao. Joao da Costa Cavalcante, idem
Barra. Joao Romarico de Azevedo Campos
Barra. Jos6 Thomaz dos Santos Carvalho, taverna
Dita. Antonio Carlos Cavalcante de Albuquerque, hotel
Imposto sobre os mascales.
Jose de Barros Lins Wanderley, fazendas
Jose Juven 1 Barreto, chapeos
Joao Antonio de Sonza
Manoel Marcolino do Aragao
Venancio Jose das Chagaa -
Goncaio Cavalcante de Lacerda
Antonio Simoes Fortuna
Dionisio Pires das Chagas
Pires & Nascimento
Francisco 'ose Jeronymo Ferreira
Luiz Francisco de Albuquerque
Felix Gomes da Sifva
Juveneio Silvino de Barros
Joao Duarte da Silva
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita
Dita.
Dita.
Rio.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Dita.
Diia.
o 2
'2 . 3 2 o
5*400 M86 3486 5*886
5*400 5*886
6*480 55400 *582 6*063
tm 5*886 7*063
6*480 *583
12*960. U126 14*126
'o6S. 1*494 583 18*093 7*063
6*480 *383, 7#066
5*400 *486 5*882
IOJ800 5972 11*778
5*400 480 5*886
.'14240 *291 3*531
6*480 *58:i 7*063
8*640 *777 9#4I7
8*640 *777 9#4!7
4*320 *388 4*708
8*64.0 *777 *583 0*417
6*480 7*063
10*800 *972 11*772
5*400 *486 5*886
8*640 *777 9*417
6*480 *583 7*063
5*400 *48o 5*886
5*400 *486 5*886
8*640 #777 9*417
27*00> 24430 29*430
4*323 *388 4*708
5*400. 5*400' *486 *486 54886 5*886
64480 *583 7*06}
3*240 *29l 3*531
10*800 *972 11*772
54400 *486 54886
12*960 1*126 14*126
6*480 *583 7*063
4*320 *388 4*708
10*8;i0 *972 11*772
10*800 *9T2 11*772
9*600 *864 7*i64
9*600 *864 7*464
14*400 1*296 15*696
4*800 *432 5*232
5*760 *518 6*278
7*680 #691 8*371
6*720 *604 7*324
4*800 #432 5*232
1*680 *<51 l*83i
14*400 1*196 154696
6*0oO #510 6*540
9*600 #H64 10*464
6*720 #604 7*324
4*800 #432 54232
7*200 #648 7*848
3*840 #345 4*185
3*600 #224 3*924
Banco Commercial de
Peniamlnico.
0 banco paga o segundo dividendo na
raEao do 8 % a0 anno ou 2j)400 por acgao,
relativo ao seinestre Gndo em 31 de dczem-
bro de 1873.__________________________
SaaiUi^Casta Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise
ricordia do Recife, precisando fazer os concertos
de que necessita o predio que possue o patrimo-
nio dos orphios, a rua da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12,-contrata com quern se proponha a rea-
iisar ditos concertos, mediante certa renda e al
guns apnos de prazo para desfructar ; devendo
os que disso se quizerem encarregar, apresentar
suas propostas em cartas fechadas, devidamente
selladas, acompanhadas do respect!vo orcaraeito
nesia secretana ate o dia 19 de fevereiro vin-
douro.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
GR1HBES BAHES
Armazens da compauhia per
nambucana.
Seguros contra o fog-o
A companhia pernambucana, dispondo de c\-
cellentes e vastos armazens em seu predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
servacao das mere idorias depositadss, servico
prompto, preeos modicos, etc.
Tambem recolhera, medianto previo accordo, ex-
clusivamente os generos de uma so pessoa.
Estes armazens, alem de arejados e commodos,
sao inleiramtnte novos e asphaltados, isentos de
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas que quizerem utilisar-se destes ar-
mazens, pedeiao dirigir-se ao eseriptono da com-
panhia pernambucana, que acharao com quem
tratar.
Sabbado 14
Domingo 15.
Segunda^feira 16.
Terga-feira 17.
A orchestra coinposta dc cxccIIcb-
tes professores, c dtrifclda pel*
babil maestro
IhiMdiHio Jose de Sauza
executara grandes novidades no genero carnava-
lesco.
0 the.itro acha-se aeeentemente ornado e o jar-
dim esplendidamente illuminado.
Os camarotes sao parantidos para as familial.
0 ngularaeuto policial sera rigorosamenle obj
servado.
Preeos.
Camarotes com 6 entradas 12*0o
Uitos com 5 entradas 10#000
Entrada geral 2#O0O
Damns mascaradas gratis.
Principiarao os bailes as 9 horas e flndario m
horas do costume.
Para Lisbon.
0 luare portuguez Cidral, capitio hayiai
Adriao da Suva, vai sahir com brevidade : para
carga e passageiros, trata-se com Silva GnimaraV*
& C, a praca do Corpo Santo n. 6, 2. andar. on
com o capitao.
Manoel Joaquim Torres Galindo
Manoel Nunes Correia
0 mesmo
Joao Romarico de Araujo Campos
Heliodoro Gomes Pinheiro
Raymundo Nonato de Carvalho
Jose Soares Roza
Manoel Matheus dos Santos Carvalho
Vicente Berlholino
Jose Thomaz dos Santos Carvalho
Hilario Urbano da Silva
Imptsto do kerosene.
204000
10*000
204000
204000
20*000
20*000
29*000
20*000
20*000
20*000
204000
20*000
20*000
20*000
1*800
#900
14800
1*800
1*800
1#00
1*800
1*800
1*800
1*800
1*800
1*800
1*800
1*800
Imposto de oito por cento.
Imposto sbrt bilhar,
10*000 #900
10*000 #900
10*000 #900
10*000 #901
104000 #900
10*000 #900
10*000 #900
10*000 #900
10*000 #900
10*000 #900
Estacao.
Cadeia. Seraphim Jose de Aranje
SeccJo do contencioso provincial de Peraambuco,
2*000
40#0Q0
7 de fevereiro. de 1874.
0 1 official,
#180
3*600
21*800
10*900
21#800
21*800
21*800
21*80"
21*800
21*800
21*800
21*800
21*800
21*8-0
21*800
21*800
10*900
10*900
10*900
10*900
10*900
10*900
10*900
10*900
10*900
10*900
2*180
43*600
Horacio Walfrito feregrina da Silva.
A camara mnnicipal desta cidade manda Os iuteressades sao tonvidados a comparecerem
pnblicar os artigos do posturas, abaixo trans- .aa 12 Uorae do dia 23 do corrente, eom suas pro-
criptoo: ppstas em caxlas (ichadis devidamente selladas,
Art. 70.-Ficaprohibidone3temuaicipio o bri.n-, podeodo dasde .j* examiuaram o orcamento que
qnedo de entrudo com agus ou qualquer outra se acha, ua 0Jeerotaria de*ta ihesouria.
substanda, de qaalqper maheira que se empre-1 -,SQcret^fja ^ Uiesouraria de fazenda de Per-
gne os mfracturei' panrio a multa de wi namri'aco, 5 de fever8iro.da[1874.
seffrwao oita dias de. prisio. I 0 2. escripturario, servlndo de secretario,
Art. 7,1. P;a prphibida a venda. de limas do Carlos Joio .o> Soiya Correa.
dem to iMnK Br. msWctor desta
alem do 14 perderem, pa-
do Recife, 17 d*
cneiro ; os infractor3
garao 4* demhlta.
Pajo da camara municipal
janairo de. 18f i.
MaaoaU. do jWg Albuquerqae
Presidente.
Pedro de Albuquerque Aatran
Satrewio;
Do ordem a
^7
Mpector a>''lna
que perante a ji
ordem do 111m
de fazenda. se declara qoe perante a ytntt ] ja
ids ,tj- pot fe^taiftilhTca
os' concertos' do cads dairuaM'.Aurora, ba
estensao de 27,5 m orcados etn 4io2!#'
De ordem do" TMh: %f. 14spector desta the
souraria se faz publico que parauta a junta de
faiJMjqV tear lite lr adra^s no dia 18 do mer, ae
feVtrorw vindonro aractnra dos concertos "io'caes
do. Forte do Mattos, avaliados em !5J^g*79g
So qae Baaeonviiaaaa osque s^-timtotortm a
Br'-oediW1 Bonoortw^a cf^tbkmstlnh as
tonwda: nmnnt 46 itfdi ^dinlcBift'sftas propoa-
tas em cartas feehadase competpnJeifledtB'sSifelras,
^rtwaado- PjRaio preoo por qua se oifrereaem
*V4*H ;^jeido dflsde ji oxaHroaro nsneMvW
8^J5^0|i*Mlpate^nsiaseeAUPfa.
.. Ssereuria da thesourafia-de fa*n #
I Pernambuco, 83 de Janeiro de 1874.
Santa Casa da Misericordia do
Recife.
A lllnia. junta administrativa desta Santa Casa,
autorisada p-la Santa Casa da Misericjrdia da
Babia, leva a prana de vends, perante si, no dia
12 do corrente, pelas 3 boras ua tarde, os tres
predios silos a rua do.Coronel Suassuna, outr'ora
de Hortas, n. 34, pela quautia de 2:80 ># ; n. 116
pela quantia de 3:000 ; e n. 118 pela de 3:200#.
Para qualquer informacao, podeui os preten-
dentes dirigir-se a esla reparticao.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 4 dc fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
Segunda-feira 16 do corrente, depois da au-
diencia do Exm. Sr. desembargador juiz de direito
dos orphaos, tem de ser arrematada em hasla pu-
hiica a venda triennal da casa terrea sita a rua da
Moeda. freguezia de S. Frei Pedro Goncalves n-
45, servindo de base para a arremata.^o a quan.
tia de 600#, por quanto ja esteve arrendada an-
nualmente, cuja casa 6 peitencente aos menores
filhos legitimos de J"se Joaquim Pires Soares.
- Acham-se recolhidos a esta ?ubd3legacia, 2
carneiros, uma ovelha e uma cabra, que foram
apprehendidos como furtados: quem si julpar
com direito aos mesmos animaes, ani compare,-a
afim de justificar lhes pertencerem, para Ihes se-
rem entregues.
Subdelegacil de Santo Amaro das Salinas, 12
de fevereiro de 1874.
0 subdelegado,
___________ Francisco Pacheco Soares.
= Pela alminjstracao dos correios de.-ta pro-
vincia se faz publico que 0 concurs > para dous
lugares de pralicantes da mesma adminisira?a,
tera lugar no dia 16 do corrente, as 11 horas da
manha, na reparti^s) do correio.
Os candidatos pjdem inscrever-se para 0 con-
curso ate as 10 horas da manha daquelle dia.
Correio de Pernambuco, 12 de fevereiro de
1874.
0 administrador
Affonso do Rego Barros.
Santo Antonio
Grande coiiipaiAia dramatica.
Pessoal de 25 artistas.
( 8 DAMAS e 17 HOMENS )
KSTltti.t
no sabbado 28 do corrente, com o importanto dra-
ma original francez:
UM NAUFRAGIO
COSTAS D\ METANBA
A empreza conta com um peasoal b.bilitado,
tHetustve o primeiro centro dramatico Thomaz
Espiuca, que. a convite do emprezario fara par-
te da companhia.
Olidrtttw.que hSo de ser representados nesta
tjv epbea theatral, serSo de reeonhecido merito
e nomeada.
0 emprezario conta que jocti&a lhe sera feita.
Pacific Steam !\avigati-..D C^aijuiuy
I.inha quinzcnal
0 PAQUETE
JOHS ELDER
Espera-se da Europa, ate 2! do corrente, e
depois da demora do costume, seguira para o-
sul do imperio, Rio da Prata c costasdo Pacifico.
para onde recebera passageiros, encommcad*-
e carga a frete.
Liuka quinzcnal
0 PAUUETE
I'or telegramma do Rio de Janeiro e alii spe-
rado o vapor desia companhia, o qual devera es
tar neste p >rto ate o dia *J do corr-;ote, o qua! de -
pois da demora do costume, seguira para Li-
verpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde recebe-
ra passageiros, encommendas p carga a frete.
OS AGEiSTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERCIO14

-DE
NWEGACMI
COMPAMHA BAHIANA
L1I1ITADA
Maceid, Peneda, Aracaja
e Bahia.
E' esperado dos portos do sul ate o dia S3 d->
corrente um dos vapores desta conpanhia, o qual
sahira para os portos acima no dia seguinte an
da sua chegada.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a trete.
AGENTE
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo,
________87Rua do Bom Jesus-57________^
COMPANHIA PERNAMBICANA
DE ____
.\'avegacao casteira a vapar.
MACEIO, ESCAIAS PENEDO E ARACaJf'.
0 vapor Mm*'*-''
""".TlLiamo fali',',
seguira para oa por-
tos acima M dia 1'.
do eorreato.aa 6 bo-
ras da tardo.
Recebe carga ate o dia 12 do corrente, encoa-
xendas ate o dia 13, pasjagens e dinheiro a fraa
ite as 2 horas da tarde do dia da sahida : m-
criptorio no Forte do Mattos a. 12.
0
Rio de Janeh
Pretende seguir com brevidade o brigoa Mao-
nal Isabel, por ter dous tercos da carga aojaJMML
Para o resto quo. Ike falta a esoravos a *>
trata-se cots o 'seu ^rasignatarlo Ant mio Luiz f-
Oliveira Azevedo. rua do Bom Jesus n. 57,
ammfm
L
n
f ILECfffl



WMio


PARA*
ana
E'esperado do Hio de'<|JNro Pnr estes dias
e sefue com ponca' demawpara o Para, tendo ja
parte da carga engajada : 'trau-se cam Tasso lr-
maos C. _____-___________
Companhia AHiamja Mari-
tima Portuense.
A falera porfugdew Saudade, seguira em pou-
co dias para o Porto, com eseala por Lisbon.
Ja tern contratada grtnde parte da carga ;
para o resto," trata-se com os consignatarios e
agentes da companhia,
Jose da Silva Loyo & Filhe,
em seu escriptorio a rua da Companhia Pernam-
bueaoa.
COMPANHIA PBRNAMBUCANA
IWavega^So coatelraa vapor.
ARAHYBA.NATAL, BUCAO, MOSSOAO', ARACa-
TT, CRARX, MANDABU ACARACC' E GRAMA.
0 vapor Piropama,
commandante Silva,
- guira para os por-
i-i acima no dia l'
d i corrente, as 5
hons da tarde.
Recebe carga ate" o dia IS do corrente, eneora
mendas ate o dia 23, passageiros e dinheiro a fre-
ie ate as 5 boras da tarde do dia da sabida :
escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Natvega^aY* eaateira a vapor.
RIOFORMOSO ETAMANDARE.
0 vapor Pnrahybn.com-
mandante Pedro, segui-
ra para os portos acima
no dia 15 do corrente
as *9 horas da noite.
Recebe carga, encom-
mendas, passageiros e di-
a frete : escriptorio no Forte do Mattot
nbeiro
. II
PARA
PORTO
Seguira em poucos dias a barca portagueza
Nova Sgmpathia por ja estar com a maior parte
de sea carregamento engajado, e para o resto qae
Ibe falta, astim como para passageiros, aos quaes
offerece o navio os melhores commodos, trata-se
com Ballbar Oliveira & U, a rua do Vigario n. 1,
! andar.
Bahi
ia.
Pretende segair com brevidade para o referido
porto o patacho inglez Cheviot, por ter parte de
sua carga, e para a que lhe falta trata-se com os
consignatarios Henry Forster & c, a rua do Cora-
merclo n. 8.
Rio Grande do 13ul
Para o referido porto pretende seguir com mui-
ta brevidade a barca portugueza Arminda, por
ter a maior parte de seu carregamento tratado, e
para o resto que lhe falta, trata-se com os consig-
natarios Joaquim Jose- G nealve? Bellrao A Filbo,
a rua do Commercio n. S.
Companhia americana e brasileira
de paqnetes a vapor.
Ate o dia 13 do corrente e esperado dos portos
do norte o vapor americano Memmack, com-
dante Wrnr, o qoal depois da demora do costu-
me, seguira para o Rio de Janeiro e Bahia.
Para fretes e passagens, trata-se com os agentes
Henry Forster & C, rua do Commercio n. 8
LUL
Agente Dias
leilao
DA
loaca, armacao, um cofre de ferro, candieiros a gaz
e mais pertencas existentes no estabelecimen-
to sito em a rua do Marquez de Olinda n. 23.
Hoje
as 11 h ra-- la manha
0 agente Dias, competeotemente autorisado por
despacho do Exm. Sr. descmbargador juiz de or-
phaos, 1 vara a leilao no dia e liora acima desig
nados, a louca e mais artigos exlstentes no raesmo
estabeleclmento, pertencentes aos bens do falleci-
do Hanoel Antonio Vieira.
Aos Srs. pretendentes garante-se a casa por ar-
rendamento, e podem desde ja examinar o balan-
eo com a respectiva avaliacao que se acha em po-
der do mesmo agente, a rua do Marquez de Olin-
da n. 37, primeiro andar.
DE
110 eaixas com superiores cebolas
Hoje
as 11 horas em ponto
No armazem do Sr. Annes.
O preposto do ageale Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 110 eaixas
13 lo corrente
as 11 horas em ponto
Mo armazem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
Agente Dias.
Leilao
DE
sabao, \inho elatascom salame
SEGUNDA-FEIRA 16 DO CORRENTE
as 1i horas da manha
No armazem do Sr. Annes, defronle da al-
fandega.
O agente Dias levara a leilao, por conta e risco
de quem pertencer, 200 eaixas com sabao, 10 bar-
ris com vinno e 280 latas com salame (roortadella),
ao correr do martello.
Grande silio com bda casa de moradia, a qual
tem 73 paimos de frente e 37 de fundo, chaos
proprios com cerca u5 ^0 paimos de frente
e 2,000 de fundo, com bons arvure-ios fructi-
feros, baixa de capim, cacimbas com bomhas C
tanques para banho, e muilas ootras accommo-
dates ; sendo que dita casa torna-se recom-
mendada por ser mui fresca, perto das estacdes
da Jaqueira e Tam.irineira.
Terca-feira 24 do corrente
A's 11 horas em ponto
Por intervenes do agente Pinto em seu escrip-
torio, rua do Bom Jesus n. 43.
Ospretendentes poderaodesde Ja examinar dita
asa, ou no dia 20 do corrente, por occasiao do
Joilao dos moveis, lonca e cristaes, on no dia 21
p:r ceasiie da entfega'dos mesmos moveis.
DE
moveis, louca, cristaes, uma
carroca e boi e 3 espin-
gardas.
A SABER:
lima mobilia de jacaranda com um sofa, uma
jardweira,4cansolos com pedra marmore, 2 ca-
deiras de bsacos, e 12 de guarnicao, 2 espelhos
ovaes, dourados, 3 quadros, dua< escarradeiras.
enfeites de-mesi, lapcb's de sufa e nortas, e nm
dito forro d' sala de visiia.
Uma ci;a franc<-za de jaearanila ( nova ) uma
mesinha, 2 cabides, duas ca.nas deamarJIo, 1
tooeador-e um goarda roupa.
Uma men para iantar, 2 aparadores de ar-
marios, 12 cadeins de gnarnicio, nna marqueza,
nma quaMirrheira, I relogio de parede, qaartinhas,
frucleiras, porta-qneijos, talheres, bandejas, per-
celana para cha e jantar, copes, garrafas, compo-
teiras, calices, trem de cozinha e outros objectos
de casa ie- familia.
Dous bancos para jardim, uma carroca de duas
rodas, I tooi iranso, I banct' para earapina, 1 lote
de ferros, ferramenta de jardim.
Um oculo de alcance, 3 espingardas de 2 canos
e 1 rewolver.
Sexla feira 20 do cjrrente
\a Travossa da Cruz das Almas.
Joao Hendebonre, tendo de mndar sua residen-
cia'para Europa, fara leilao por intervencao do
agente Pinto, dos moveis e mais objectos acima
mencionados existentes na casa de sua residencia,
Cruz das Almas.
As 101(2 horas em ponto partira da estacaodo
arco de Santo Antonio nm trem expresfo qae
serviri de conduccao ( gratis) aos concurrents
ao leilao.
Principiara as 11 horas.
Em contiBuacao, e no dia terca-feira 24 do cor-
rente, vendera o mesmo agente a casa esitio, con-
forme fica annunciado.
AVISOS OVERSOS
0 Dr. Joaquim d'Aquino Foncesa, previne
aqnelles individuos que, a noite e sem autorisacao
sua, tem penetrado nltimamente em seu siiio a
rua do Hosp cio u 33, saltando pelo muro e tiran-
do o que Ihes-nao pertence, que ja deu as provi-
dencias para que sejam bem rrcebidos e tratados
de maneira a nao qverertm repetir a graca ;
porquanto os considera como ladroes, e ignora ale
que ponto queFerao levar seas desejos, sabendo
somente que, ha tempos, recorrendo ao mesmo
expediente, foi bem succedido.
0 muito conhecido artista cabelleireiro Jayme
podera ser procurado para os misteres de sua pro-
tissao, a rua Duuue de Caxias n. 28, deposito cen-
tral de perfumaria nacional.
Armazem para alugar, no
caes da Alfandega n. 5.
Estando a conclnirse o arrendamento deste ar-
mazem, que pertence a irmandade do Bom Jesus,
quem o pretender pode drigir suas propostas a
mesa regedora da referida irmandade.
Precisase de uma ama para comprar, cozi-
nhar e engomniar para uma pessoa : a rua do
Torres n. 16, primeiro andar.
Manoel Francisco dos Santos comprou a
Francisco de Paula d'Almeida Cruz a taverna sita
a rua Imperial n. 296 : se algnem se achar pre-
jndicado, apresente-se no prazo de ires dias, con-
tades desde a presente data, pois findo o mesmo
prazo, nao attendera a reclamacao alguma.
Recife, 11 de fevereiro de 1874.
^BWaaBMMaMWMMWMWaaH www
Manoel Antonio Vieira
Os fil-os do finado Manoel Antonio Vieira man-
dam eetebrar uma mm no dia 14 do corrente,
pelas 7 In ras da manha, na igrcja da Madre de
Deos, l anniversario de seu faJlecimento; e oara
esse acto de religiao convidnm seus amigos e pa-
rentes.
IIBI1WI I I ^MB MM
sfjA">
cidamente
recam no
O desembargador Francisco Domln
gaes da Silva, tendo reccbido agora
a infausta noticia dofallecimentode
seu prezado flllw Dr. Francisco
Domingues da Silva Junior, qnan-
do voltava de sua comarca para a
capital do Maranhao, pede encare-
a seus parentes e amigos que compa-
sabbado proximo no conven'o de S.
Francisco pelas 8 horas da manha, para ouvirem
a [pumas mi-sas por alma de seu infeliz filho ;
pelo que elernamente grato flcara.
R. V .
Agradecimento
0 tenente Manoel Caetano Vieira
da Paz, commandante do destaca-
memo e delegado de policia do ter-
mo do Salgueiro, cumpre o mais
grato e sagrado dever, agradecendo
o honroso e caridoso obsequio que
lhe prestaram todos os amigos e
mais pessoas que se dignaram comparecer a missa
que mandou cclebrar na igreja malriz da me-ma
villa, em 10 de Janeiro do corrente anno, pela al-
ma 'de sua presada mai, D. -Anna Joaquina de
Vasconcellos, fallec'da na cidade do Recife, em 20
de dczembro do anno proximo pa-sado, de cujo
favor e honra se confessa eternamenle grato.
Themoteo Pinto Leal
Sabino Jose de Almeida, por si e em nome dos
filliosenetosdo finado Themoteo Picto Leal, agra-
dece cordialmente a lodas as pessoas que se dig-
naram assistir aos ultimos suffragias feitas ao
mesmo finado ; e de novo lhes roga o caridoso
obsequio de ouvir m a missa do selimo dia, que
por alma do fallecido tem de ser resada na segun-
da feira 16 do corrente, as 7 horas da manha, na
igreja rrntiiz de X. S. da Graca.
CMADO*
Predsa-se de de um criado de 16 a 20 annos,
que d&iiador de sua conducta : no largo da ma-
lriz de Santo Anlonio, n. 2, l. andar.
$&$ &&$**
* Advogado.
%k Diodoro Ulpiano Coelho Catanho, a j^
Q rua do none de Caxias, oulr'ora rua 'AK
^ das Cruzes n. 9, !. andar.
AVISO
0 abaixo assignado, antorisado pelo Sr. JoiSo
Maria Cordeiro Lima, convida a todos os devedo-
rcs do mesmo a virem saldar suas contas no
prazo de 30 dias, a contar da data deste, a rua
do Fmperador n. 48, armazem, com o mesmo
abaixo assignado, sob pena de passado este tem-
po, se proceder a cobranca jndicialmente.
Recife, 12 de fevereiro de 1874.
Jos6 de Medeiros Corre*a.
Desappareceu no dia 10 do corrente, as 3
horas da tarde, o pardinho de 9 annes de idade,
de nome Manoel, com os signaes seguintes : ca-
bellos caraplnhos e avermelhados, um signal de
panno branco na face esqnerda, e corpolento. Foi
vestido de camisa de cnita com lislras encarna-
das : quem d'elle der noticia ou o encontrar, le-
vc-o, por obsequ'o, a policia ou a sua in5i, na rua
dos Guararapes n. 32, loja.
Para prevenir duvidas, o abaixo assignado
deriara que os escravos Maria, Martha e S/anoei
qae estao incluidos na lista dos preferidos pC.'
commissao de emancipac^o para alforriar-se, nao
lhe pertencem, e sim aos seus tutelados menores
Joaquim Luiz Ferreira, e Caetano Lair Fereira,
filhos do finado Joaquim Luir Ferreira, e prova-
velmeute so por equivoco na confeccao das listas
apresentadas, foram dados como oe suas pro-
priedade.
_____________ Marcolino P. Camara.
Precisa se alugar uma escrava para cozinhar
e comprar : a tratar na rua Primeiro de Marco n.
23, loja.
CASA DA FORM.
AOS 4:000*000.
BILHETES GARANTIDOS.
I' rua Primeiro de Margo (outr'ora rua dt
Crespo) n. tS e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos sens k
Hzes bilhttes. nm meio n. 2,604 com 4.000*000
ummeiu a. 2,387 com 700*, um meio n. 321 com
SOOj, nmiinteiro n. 492 com 101* e outrassortes
de 40* e-0* da loteria qae se acaboude extrahir
(86 ), convida aos possuidores a viram receber na
eonformidade do cosliime sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garanndo?
la 1' parte das Uerias a Ifnelicio da irman
dado deWoss.i .-enh'ra da Sid-'dade da igreja do
Livramenti (87-), que se rxtrahira na sextafei-
*ra, 13 do' corrente mei.
PRECOS
Bilhete inteiro 4*000
Meiobilhete 2*000
CM POR^XODE 1009000 PARA C1IIA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuza
FORNECEDORES DE NAVfOS
ESTABELECIMENTO DE ALPRE-
W BARROS & FERREIRA
Xeste estabelecimento encontrarao os Srs. com-
mandantes de navios o melbor e mais completo
sortimento de viveres, garantindo se ao mesmo
teiipo a prempta e bda execucao no cumprimento
de suas ordens.
t-I.argo do Corpo Santo%
PENHORES
Na travessa da rua
das Cruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
recisa-se
de um criado para iodo o strvico : a tratar no
hotel de Bordeaux.
Alerta rapazeada I Eis o carnaval II Ja se
cave o clangor das trombetas; o estridente cla-
rim sibila nos ares ; o zabumba rebda alem ; os
foguetes roaipem o espaco e la estouram ; a folia
desgrenhada, monlada no fogoso Pegaso, percorre
as cinco panes do mundo, annunciando o deseja-
do dia I Turcos, Arabes, Tartaros, Gregos, Persas,
Francezes, Allemaes, Cossacos, Kalmouks, Indous,
Kabiles, Samoyedes, Cbinezes, Japonezes, Esqui-
maus, Hottentotes, Zelandezes, Australianos, Osa-
ges, Californianos, Patagonios, Charruas, etc., em-
Bra felvagens, civilisados, judeus, catholicos, je-
zuitas, macdes, ricos, pobres, mocos, velhos, todos
hrincam, todos amam o carnaval I Vinde, pois,
todos, munir vos de vestuarios riquissimos de
velludo bordados a ouro, de velbatina, seda, da-
masco, las, cambraia, chita, e de todas as cares e
gostos a caracter dos dillerentes povos do mundo !
Tudo barato, multo barato. como ninguem E' o
maior sortimento que se pode encontrar. Esta tu-
do a exposicSo, na rua da Roda n. 18, pavilbao en-
carnado ; vinde s6 ve"r. Viva o carnaval.
i Limm 1
9 AYRES GAMA |
HnRTiiEirro
MEDICINA
Prefrado pot
Lao man & Kemd
para ihiitaca
toda a qualidade
rleioen^as, quer
seja ii a garganta,
peMo ou bofes.
Espressamente
csoolhidodosrae-
Hioiresfigadosdas
quaes te extrahe
o oleo no banoo
la Terra No
jtunficadochimi-
calmente, e suas
valaaveispropri-
edaiies conserva-
das cam todo o
cuidado, emtodo
ofrascosegarao-
teperfeitamen-
tepuro.
Este oleo tem
sido submettido
a um exame mui-
to severo, pelo
chimico de mak
talento, do go-
verno hespanhol
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a conter
MAIOR rORgAO D'lODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tem
examinado
K)DIN0 EUMPODER SALVADOR.
Em todo o oleo de flgado de bacalhio, e na-
quelle no qual conte"m a maior porcao desta
invaluavel propriedade, & o unico meio para
curar todas as dc encas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtysica, bronchistes, asthma, catharrho,
tosse, resfriamentos, etc.
Uns poucos frascos dd carnes ao muito
magro que seja, clarea a vista, e da vigor
a todo o oorpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, da tanto
nutimento aosystema e inr.ommodando quasi
nada o estomago.
As pessoas cuja organisacao tem sido des-
truida pelas affeccOes das
ESCROFUUS OU RHEUMATISMO
e todas aquellas. cuja digestao se acha com-
pletamente desarranjada, devem tomar
OOLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DE
LANMAN & KEMP
#
f, RUA DO DUQUE DE CAXIAS
^. 9.
Primeiro andar.
ft. left. -r. -*x ^ '.Cftx
Caixeiro
Quem precisar de um, chegado ultimamente
pode dirigir-se a rua larga do Hosario n. 27. '
Sta&~
Fugio do engenho Mamucaia, freguezia de N.
S. da Luz, no dia 2 do corrente, o escrave Ma-
noel, de na nos, bastante alto e secco, com um signal muito
visivel, que e uma ferida na perna esquerda :
por isso pec/t a todas as autoridades policiaes e
capitaes de campo a apprehenslo do dito escravo
e traze-lo no mesmo engenho, que serao generosa-
mente reeompensado.
Cliapcleria .>conou;ifa
Rua Direita n. 43.
Neste estabelecimento recebe se qualquer en-
commenda de chap^os proprios para mascarados,
garantindo-se a perfeicao do trabalho e por pre-
qos razoaveis.
Fugio hontem, a noite o escravo Antonio,
mulato, de 12 annos de idade, corpo fornido, ca-
bellos ruivos e corridos, feicSes e ps regulares,
provavelmente procurara a Palmeira dos Indios,
donde veio o anno passado : quem o trouxer a
este engenho sera generosamente gratificado.
Tapera, 9 de fevereiro de 1871.
Aviso. m
Tloiiista frnceza 9
at Clementine Daura participa ao publico igi
/J que acbandose estabelecida a rua da gE
9 Imperatriz n 19, faz costnras de pas- &
XX seios, bailes, casaraentos e baptisados, &
2 com a maior promptidao e precos bara- ?
yyt i> 'simos, indo as proprias casas satisfa- *f$t
*L zer as pessoas que a honrarem com suas ]m
"E encommendas.
0 Sr. Antonio Mendes de frouza Machado
tem uma carta vinda de Lisboa, no escriptorio de
Oliveira Filhos & c., praca do Corpo Santo n. 19,
1* andar.
Precisase de um caixeiro que de" fiador a
sua conducta, para tomar conta por balanco de
uma laverna em Olinda, nos Quatro Cantos ; tam-
bem nSo se poe duvida em dar-lhe sociedade, se
entrar com algum dinheiro; a localidade e a me-
lhor daquelle lngar : a tratar no Recife, rua da
Lapa, hoje Tuyty n. 12, preasa.
Allenfiio.
No pateo de S. Pedro n. 3, loja, precisa-se sem-
pre de amas seccas e de leite, assim como caixei-
ros, co^e'ros e criados.
Precis^-9* d 800' a jur5. dandose uma
casa de hypothec : Quem quiwr fazer este ne-
gocio, dirija-se a raa ^ Santo Amaro n. 2, qae se
dira qaem qner.____________r' '______________
0 agente da provincia do B*. Grande do
Norte, com attributes nest* cidade, o6de ser
procurado no trapiche companhia, das 9 nof2? da
manba as 3 da tarde.
Yernizes espeeiaes para carrua
gens.
Este verniz. cuja falta aqui tanto sentem
os Srs. fabricantes e possuidores de carrua-
gens, acaba de chegar para seu unico depo-
sito, das seguintes quahdades.
VERNIZ SUPERFINO PARA CAIXAS DE
CARRUAGENS.
E' um verniz muito claro e duravel para
as eaixas de carruagens, para todas as de-
m5os, ou para a ultima somente, sobre
outros vernizes. A superficie secca em 12
horas, depois das quaes se expde ao ar por
algum tempo, o que faz endurecer, e passa-
das 15 a 18 horas p6de passar-se a caixa a
pedra pome e dar-lhe em seguida outra de-
mao. Dao-se com faciiidade tres demSos
deste verniz sobre as tintas, em tres dias.
A primeira demao servindo de apparolbo,
ajuda a seccar as ultimas demaos e produz
um excellente brilho.
Verniz superior seccante para
carruagens.
Este verniz 6 da mesma c6r que o ante-
cedente, mas endurece e secca com mais ra-
pidez. Emprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e p6de misturar-se com o
anterior. A durac&o do verniz permanente
diminue na proporcSo da mistura.
VERNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS
JOGOS DAS CARRUAGENS.
N5o e tao claro como o verniz para as
eaixas das carruagens. Emprega-se nos jo-
gos das carruagens e tambem para as pri-
meiras demaos sobre cdres escuras. Pode
passar-se a pedra pome passadas 10 horas,
podendo dar-se em seguida outra demao.
Verniz pre to do Japffo, superior.
Para trabalhos em preto de carruagens.
Produz o preto mais escuro e brilhante, e
pode passar-se a pedra pomes 10 horas de-
pois. Deve dar-se duas demaos sobre um
fundo preto e cobrir-se com outras duas de
verniz que se emprega nas eaixas das carrua-
gens.
VERNIZ PARA COUROS, BRILHANTE E
ELASTIC0.
Este verniz, contendo na sua composicSo
grande quantidade d'uma substancia muito
semelhante ao azeite denominadopieds bceuf,
& o unico que da" flexibilidade ao couro ve-
rho envernisado. Em geral basta uma de-
mao que deve ser applicada muita ligeira-
mente, com um pincel depois de ter limpo
o couro com agua-raz. Exposto ao sol sec-
ca em 1 ou 2 horas, e a* sombra mas ao ar
secca em 4. Em tempo humidc e inutil tal
trabalho, por que nao e possival tornar o
verniz elastico e seccante ao mesmo tempo,
Verniz para apparelho.
Depois de ter apphcado 2 ou 3 demSos
deste verniz n'um intervallo de 8 horas, de-
ve-se deixar a obra intacta por 2 ou 3 dias,
no lira dos quaes se p6de pulir com extre
ma facilicidade. E' essencialmente neces-
sario cobrir este verniz com duas demSos do
verniz superfino para eaixas de carrua-
gens.
VERNIZ SECCANTE.
Mistura-se com as tintas de apparelho, e
sobre tudo com as tintas moidas, para que
sequem mais facilmente e para lhes dar
mai& consistencia.
Como nao e necessario dar lustro a ultimo
demao de verniz empregado nas eaixas d<
carruagens e no dos jogos, convent da lc
n'um local separado aonde nSo haja p6
Quando a obra urge,- deve p6r-s a sombn
e ao ar livre depois de secco, isto 6, passa
das 12 horas, lava-se e enxuga-se bem con
uma esponja humida. Quantas mais veze*
se fizer isto, mais brilhante ficara o verniz,
e mais depressa ss terminara a carruagerr
(em caso necessario tres dias depois da ulti
ma demao). Durante as duas ou tres pri-
meiras semanas deve-se lavar a carruagerr
com agua fresca, depois de ter ser-
dido.
Depesito unico para o Brasil, Bartholo
meu & C.^Pernambuco, Rua do Rosa
rio n. 34. '
Ainda esta para alagajse o 1* e 3*aodares
cem sotao, na rua da Penha n. 3 ; a tratar 9* ra*
Doqoe de Caxias n. 41.
FUNDIQAO DO BOWMAN
RUA DO BRUM I. 52
(Passando o chafariz)
PEDIM AOS sen bores de engenho e octroa agricoltorrs, e empregado rei de m
>inismo o favor de oma visita a eo estabelecimeoiu, para vereaa o tovo aortimeDU.
completo qoe abi tem; oeado tudo toperior em qoalidade e fortidlo; o que com a io
>accio pessoal pode-se veriflcar.
ESPECIAL ATTENCAOAONUMEROE LUGAR DE SUA FUNDfCAO
7&norAA A rnrlflQ A'atran do8 raais mo,erno aystemaa eem u-
apurtJS rOaaS U dg^Ua mi^b0>i ConvenienU para as divert**
Urcamstancias doa seDbore* pr>prietario e p>ra daacarocar algodio.
ttoendas de Cdiina exisTem! l" l3tt,4'ib09, ":o8ltl0re* qoe aql"
Rodas dentadss ^*-** *
Taixas de ferro ftmdido, batido e de eobre*
llambiqnes e fundos de alambiqnes.
Waphini^TYinS par* maodioca e algodao.l Podendo'todot
>u.abuiuiotuuo e pararerrar madeira. fser moridoa a Bio
Rom has ., l^ aga,> ***
'juuiuao de patente, garantidas........ |oa animaea.
Todas as maehinas m** v*-
Fas qualquer concerto de m:hiai,!nB0' pre^ BQi fwomao.
PoniiaS dO ferrO lem melbor6J e m,il b>ratas existentes do naer-
KnAniTimATIlloa Incambe-ae de mandar vir qnalqoer macbinismo i voo-
uuuuiuuiouuttD. ude dog ciiente,t lembrando-lhea a vaotagem de faxereoa
oas eompriapor intermedio de peasoa entendida. e qoe em qnalqoer neceiaidade pode
aes prestar auxilio.
irados americanos e m,{Tmot ,?ricol-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
3
4' raa do Bar&o du Triumplio (ma do Bruin) ns. 100a 104
CARDOSO IIRMAO
RECEBERAM de Inglaterra completo sortimento de ferragens e maehinas para en
genhos, as mais modernas e melhorobra que tem vindo ao mercado.
VapOreS de foroa de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
L-aiQeiraS de sobresalente para vapores.
AlOenaaS mteiraS e meias moendas, obra como ,iunca aqni veio.
laiXaS [lUndiaaS e batidas, dos melhores fabricantes.
KOClaS Cl agua COm cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
RoaaS dentadaS de todos os tamanhos e quslidades.
RelogiOS e apitOS para vapores.
DOniDaS de ferro, derepucho.
AJaflOS de diversas qualidades.
Formas para assucar grandes e p^quenas.
ConCGrtOS concertam com promptidao qualquer obra ou machine, para o que teea
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOmmendaS man<^arn v'r Pr encommenda da Europa, qualquer machinismc,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londrei
t com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
iitas maehinas, e se responsabilisnm pelo bom trabalho dasmesmas.
Rua doBarao do Triumplio (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO 4 IRMAO.
I
Con$trnclor e afinador de pianos
33Rua do Imperador-
33
ODILON DUARTE k IRMAO
CABELLEIREIROS
Premiados na exposicao de 1872
RUA
DA
IMPERATRIZ
R. 82
I." ANDAR.
RUA
DA
IMPERATRIZ
N. 82
!. ANDAR.
Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
dic^oes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Exmss. Sres. n'a-
quillo que fdr tendente a arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homenscomo para senhoras, typete, chignon,
coques modernissimos, trangas, cachepeign, tecidus, desenhos em cabelloiv quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabulbo imaginavel em cabello\.
0 estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 / menos que outro qualquer, garantindo
perfeicao no trabalho, agrado, sinceridade e pre^o razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcao e a retalbo e todos os utensilios pertencentes & arte de cabelleireiro.
CHAPEOS DA ULTIMA MOD A
Chegaram lindos e bem enfeitados cbapeos do mais apurado gosto, para senhora : i
!oja das columnas, de Antonio Correia de Vasconcellos, a rua Primeiro da Mar-
co n. 13.
f 0 advogado Francisco de Paula Peuna M
2J continua no exercicio de sua profi?sio :
a rua do Duque de Caxias n. 71. 9
No engenho Parue? da comarca de Na' areth
precisa-se de um homem para feitor de camps, e
outro para caixeiro de encaixamento e destilacso,
paga-se bem, sendo bom, nao se repara nacionali-
dade : quem estiver nestas condic5es, diri|a-se ao
mesmo engenho, ou a casa de Leal & Irmao, rua
do Marquez de Olinda n. 56.
Aluga-se a casa n. 46 a rua de S. Miguel,
com 2 salas, 2 quartos, cacimba e quintal: a tra-
tar na rua estreita do Rosario n. 17,1* andar.
AVISO
As audiencias do Exm. Sr. desembargader iuu
de orphaos, foram transferida* para as segundas-
feiras ao meio dia.
Cozinheiro
Precisa se de um cozinheiro, preferiodo-se escra-
vo, para o bowl de Apipucea : a tratar do dm s-
mO;____________________________
Precisa-se de um criado de 10 a 12 annos
de idade, preferindo-se escravo : na thesouraria
das loterias, andar na rua do Crespo n. 6.
Ex-afinador das antigas e afamadas casas Plevel & Ben, e antigo director das effic:-
nas da ca$a Alpbonse Bioudel.
Tem a honra de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que tem aberto sua cata la
concertos e aGnacoes de pianos, qualquer que seja o esiado do instrument.
A mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos melhores fabricantes
de Paris, como Erard Pleyel, Henri JJerz e Alphome Btondel) lodos os pianos sahidos da on
Dhibaut sao garantidos.
Compra-se e recebe-se em troca cs pianos usados.
.
.
r*.

.<
I
y


Diiurio de JPernambuoo Sexk feira 13 >
)
1
.,..

-.
.''-..
V

/

>
>-
-
a Qn#oria pedico-cirurgico g
mulbar j>aravayna de
g A. B. da Silva Maia.
Rua do Viscorifle da Albuquerque d.
11, ontr'ora ma da matrix da Boa*Visit
n. U.
Chamados : a quaiquer hera.
a Consultas : Aos pofcees gratia, das 5 as
fB 4 boras da tarde.
GABLNBTE MEDICO ORURGICO
do
Dr. Constaneio Pontual.
Roa do Imperador n. 81 1* andar.
Consultas das 11 as 3 da tarde, chama -
3 dos a qualquer bora, visita e da consul-
-5 Us gratis aos pobrea.
*|fffffff|fffffffftftfftfff
CASA DA FiTlll
Rua 1. de Marco n. 23
Aos
mm
Accessories
O abaixo assignado tern sempre exposto a Ten
da bilhetes da lot aria do Rio, euja extraccao an
ounciara pelos jornaes.
Precoa.
Inteiro 24*000
Meio 12*000
Quarto 6*000
________________IManoel Martins Fima.
ESCRIPTORIO
COMMERCIAL.
199, Rua da Praia, 2.
LISBON
Luiz Felippe Leite i'lrmao
Execntam por commissao quaesquer ordens das
provincias do reine, ilhas e provincias ultrama-
rinas, bem como do Brasil e ontros paizes estran-
geiros.
Recebem a consignacao generos nacionaes, co-
loniaes, hespanhoes, francezes, inglezes, allemaes
e do Brasil, on mesmo de ontros paizes, para se-
rem vendidos no reino on fora delle.
Ezecntam ordens para compra e venda de fun-
dos pobticos, nacionaes e estrangeiros. Tratam
da cobranca dos respectivos dividendos.
Promoveiii no mesmo escriptorio, inventarios,
liquidacdes, cansas civeis e commerciaes, appel-
lafdes e recnrso de revista.
Tem os melbores advogados na capital.
Para os negocios de natoreza especial, como
cansas forenses, administracio de bens, etc., que-
rendo-se, pode proceder accordo previo eonforme
a catnreza do negocio.
Solicitam-se dispensas matrimoniaes e quaes-
quer ontros breves apostolicos eoncedidos em Roi
ma on pela Knneiatnra em Lisboa, annullaeao
de ordens, e quaesquer outras dependencias aos
tribunaes da Santa Se.
Tratam da arrecadacao de herancas e adminis-
tracao de bens no continente do reino.
Obtem doeumentos de qualquer diocese, distric-
to administrative-, conselho, ou freguezia do reino,
ilbas e provincias ultramarinas.
Fazem adiantamentos sobre consignacSes de
quaesquer generos qne tenbam prompta sahida
aos mercados inglezes on allemaes. Tambem corn-
pram aqnelles que se offerecerem em eondicSes
vantajosas.
Fazem transacts por consignacao on compra,
sobre minerios, taes como de cobre, chumbo,
phosphates, on ontros quaesquer, se convierem as
eondicdes de qualidade e precos.
Dao-se boas refereneias em Lisboa e no Porto.
Esta ca^a tem correspondencias serias em tedos
os pontos do reino, em Paris, Inglaterra e Ham-
burgo, na Africa portugueza, em Macao (Chin*
reino de Silo, ilhas dos Acores" e Cabo-Verde,
e aceita as propostas que do imperio do Brasil
Ihe forem.feitas por correspondencia effectiva on
eventual.
Na modicidade de soas commissoes, na exacti-
dao de suas contas e no credito longamente esta-
beleeido faz consistir toda a garantia de bom aco-
Ihlmento.
Tem correspondentes em Sevilha e outras pra-
cas de Hespanha.
N. B.As commissSes sao reguladas pela praxe
stae praca______________
Amaro de Barros Correia e Captulino Ro-
driguei do Passo vendem terrenos, regularmente
tracados, no sen sitio de Beberibe de Baixo, ha-
vendo organisado uma planta de sen perimeiro,
em qne se desenha visivelmente a distinccSo
e regularidade no sen projecto de arrnamentos
novos, approvado pela camara municipal de Olio-
da. A fertilidade do terreno, a sua proximidade
da estacao do Fundao, da linha ferrea do Recife
a Beberibe, consegnintemente do ho Beberibe, e
commodidade dos precos convidam os pretenden-
tes a compra, que os poderao procurar a Amaro
ile H. Carreia, em Beberibe, a Captulino Rodrignes
do Passo, no Recife, e ao engenheiro Antonio Feli-
iano Rodrigues Sette, a estrada de ioao de Bar-
ros n. 9.
CORES
Machina
IIITELI
Com as falsificaooes que tem apparecido I ,;, tafl
DAS MACHINAS PARA COSTUBA
DE
5*
o
CO
ma-
Nenhuma
china Singer e legi-
tima se nao levar
SINGER
Porque?
g esta marca fixa no
braco da machina.

Paraevitarfalsi- !*
fi canoes notem-se
bem todos os deta-
inee da marca.
o
ce
x
s
A dinheiro e a prazo!
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
Sao mais baratas.
Sio de doas pospontos.
Sao simples.
SSo rapida?,
Sao duradouras.
MACHINAS IDE SINGER
Sao de dous pospontos.
Abainham.
Franzem
Pregam trangas.
Marcam pregas.
Bordam de linha de sdda.
Alcolchoam.
Pregam cordfies.
UNICA AGE NCI A
EM .
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 45
0 Sr. Joio Paulo de Carvalho e rogado a vir
a rua do Marquez de Olinda n. 53, a negocio qne
osenbor nao ignora.
Fugio hontem, as tres horas da tarde do so-
brado da rua das Cruzes n. 41, 2." andar, um
sabia; rogase a quem liver apanhado, leva-lo
3l casa acima, que sera gratificado.
Estrada de ferro de Olinda.
l'ede-se ao Sr. gerente desta companhia qne
conserve^) horario da companhia como esta, isto
e, todas as meia horas, tanto pela manha como a
larde.
Muitot assignantet.
Attencao
0 8r. Francisco Agiwtinho Madeira, e rogadoqe
vir a raa do Duque de Caxias n. 60 A.
ALUGA=SE
o 2 andar do sobrado n. 32 da rua Marquez de
Olinda : a tratar no arraazem do mesmo predio.
Esta fugido o escravo Jose, cabra, idade de
13 annos, feicoee miudae, cabellos frdxos, p4s
largos, veste calca e camisa branca, gosta do ma-
siji* : pede se a policia a sua captora, e gratifica-
*e* quem o levar a *eu senhor, a rua do Hospi-
,'io b 83, ou a rua do Queimado b. 83,1 andar.
ALUGA-SE
uma easa aa Capnnga, rua das Pernambucanas,
com ctixeira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Teporio n. 31._____________________
Escrava
Tem para alugar-se uma mulaia para todo ser-
vl^o : na loja do Passo, rua Primeiro de Marco
n.7 A.
Vende-se archotee em qualquer quantidade,
propriot do carnaval : na rua Direita n. 99. .
Consnllorio medico
DO
Dr. Murillo. O
RUA DA CRUZ It. 6, ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
qnentou os hospitaes de Paris e Londres.
pode ser procnrado a qualquer hora do
dia ou da noite para objecto de sua pro-
fitsao.
Consultas das 6 horas da manhi as 8 bo-
ras, e do meio dia as dnas da tarde.
Gratis aos pobres.
. ESPEdALfDADES.
Molestias de senhoras, da pelle e de
crianca.
risoK^K9*
7
451 Rua do Imperador 49
Ha neste estabelecimentoo melhor sortimento de pianos dos mais afamados autores,
como sao : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente construir para este clima, o qual os amadores dos
bons pianos s6 encontrarao nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais complcto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sao: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, caetor, camursa, cordas,
marfira, etc., etc.
49 RUA BO IJf PE.R JlBOR 49
GHAPAS
PARA
Marcar vestidos, roupa de cama, guardanapos, lencos,
meias e todo genero de roupas
COMO T1UBEM
Carloes devisila, iims, envelopes e loda a qualidade de
papeis, clara e exaclamenle coin o nome compelente da pessoa
Garanre-se dar umacbapa tSo boa como poderia conseguir-se em I.andres ou Nova
Yor, e affian^a-se igualaente que a tinta sera" fadeleVel. > .
You can bet your bottom dollar on that
C4a cbapa^com o nome da pessoa e acompanhada de dous fraspuinhos de tinta,
um pincel uma d|recr;ao sobre a maneira de empregar a chapa e uma receita para fazer
COZIMEIRA
Precisase de uma perfeiu cozinheira, n4o im-
porla que se]a forra ou escrava, para casa de uma
familia esirangeira, paga-se hum; a tratar na
ma do Rom j^ns n 55, caa di' Ktl'cr & C.
SAJQCKS
l^rvjilli,;, & .\t.(;ii# irr, ns rua do A(>u!h
(. iO, accam svbie 0 baLcO Commercial
de Vienna e suas agencies em todas as ci-
Jades villas de Portugal, i vista e a prazo
por todos os paquoles. ^^^^^
Agencia de leiloes
0 abaixo assignado declara ao respeitavel pu-
blico. que, tendo abcrto o sen escriptorio de
toenaa de leildes a rua do Marquez de Olinda n.
64, andar, conlinua a receber moveis, louca
razendas, obras de ouro e prate, predios e todos
aoantos objectos se lbe remetta para serem ven
idos, em leilao publico ou particaler, a vontade
de seus commitentes: e como quer qae o sen
novo estabelecimento se ache o melhor possivel
localisado, alen de que offerece as melhores
proporcoes para a boa conservaijao dos objectos
que tenha de receber; o abaixo assignado com-
promette-se nao to a empregar toda a actividade,
zelo e pontualiJade no cumprhnento de sens de-
veres, como mesmo sens pagamentos serlo feiots
com a coslumada promptidao, qae lbe 6 conhe-
cida.
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
_______Reymundo Remigio de Melk) Junior.
V Torre
Aluga-se para pssara festa um sitio com
exoellente casa de habitaj8o e banho no rio
a* frenta desta: quem a pretender, pode
procurar i rua de Gervasio Pires n. 24.
Ao publico.
Angelino Jose dos Santos Andrade, tendo con-
cluido no dia 31 do mez proximo passado todas
as suas transaccoes, delara pelo presente qne
nesta praca ada deve a quem quer que seja,
nem directa ncm indireCtamente. Outro s,m,
constandoo annunciante'^ue alguem exbibe uma
publica forma d'onde resulta que em 28 de marco
de 1870 pagassepelo mesmo annunciante a quan-
tia de 153)004060, declara qne semelhante trans-
accao esta finda, visto como o original existe em sen
poder, sao tendo cerlo qne semeloante individuo
lizesse dbsequio algum ao annunciante, porque
este esHtndo doente havia desnositado em sua mao
quant* -superior para aqueile pagamento e so-
mente ao fazer passar o recibo, teve aqoelle indi-
viduo a*abilidade dcobtel-o como se fora quem
lizera dito pagamento.
Recife, 3 de feverearo de 1874.
"Na rua de Santa Thereza n. 60 se dira quem
vende-60 palmos de terreno, em Belem.
O AOVOQAHO
Affoaso de Albuquerque Mello
incncibe-se de ^sromover cobran^as amigavel
ou.jadicialmente, assim como de ontros negecios
concernentes & sua profissao, nes lugares proxi-
mos a linha ferrea, e nos outros termos proximos
a esta cidade ; .para cujo auxttio tem o annnn-
ciaate solicitadores habilitados e probos, respon-
sabilisando-se no eoianto pela boa gestao e conta
do qne lbe for confiado.
Mdiante modico honorario aoode aos chmados
para diligencias ou consultas fera da cidade e do
termo e incumbe-ee da defeza de appellacoes ante
o tribunal da relacao. Pode ser procurado de
meio dia as 3 horas da tarde em sen escriptorio
a raa do Duqoe de Caxias n. 37.
t Preeisa-se alugar uma ama para casa de
pouea familia : na rua do Imperador n. 33.
Dividendo.
Paga-se a da massa de Joao Hvgino de Souza :
na raa do Vigario ^a. IS.________
Precisa-se de ama ama para o tervico ie-
temo de uma casa de familia : a rua da Soledada
n.r;54.__________________________________
Aluga-se a casa n. 3 dj beeco da matriz :
na tbeeonraria das lotenas.
Aluga-se o predio n. 20 da rua do Barao
de S."Borja,Qm cemmodos para grande familia:
a tratar na rua da Ponte Velba n. 75, com o Sr.
Rocha iLeal.
Tem siiio apresenlada ao publico
Durante o espacp
DE
4 0 ANNOS.
SALSA.PASAIL.njlL
DE
RBISTOL
Na rua do Barao da Vietoria n. 3 precisa-s.
allar ao Sr. vigario Andre Cnrcino do Araujo Pe-
elra, x negocio de sen interesse.
-----T
M
tinta. coslandO"tudo
Prer^o fixo.....3#000
Em letra de mao e gothice. 5^000
AAGOLAS AMLIAICA^AS
iugar para o
chave sem offender a
PARA CHAVES
Sao muito commodas e possuem as seguintes vanlagens :
Servem para ajuntar as chaves, e ao mesmo tempo sendo chatas, ha
nome e moradia do dono. ,
SSo faceis de abrir e fechar, deixara entrar a roaior
argola.
SSo feitas de prata al'ema e nao sao sujeitai a enferrujar, quebrar ou abrir ; como as
argolas de aco, sSo muito fortes e bonitas. Cad a argola americana com o nome e mora-
jia do dono, aberta na mesma, custa :
Preco fixo 2^000
P. LAURO MACPHERSON
:iV0 HOTEL ESTAMIIVfiT
Rua do Imperador n. 32
TODOS OS PUS UTEIS DAS 9 HORAS AO MEIO DIA,
GURA OS CASOS MAIS DESESPERADOh
A SAFSAPARRILHA DE BRISTOL puri
fica & massa dosangue, expelle para fdn
todas as materias e fezes viciosas e impuras,
regula todas as secrecies, di vitalidade e
energia a todos os orgSos e dS forr;a e vi-
gor ao systema afim de poder melhor resis-
tir a todos os ataques da enfermidade. E'
pois este um remedio constitutional. Elle
nunca distroe afim do poder curar ; pore*m
constantemente assiste a natureza. Portanto
em todas as doencas constitucioruies e em to-
das as molestias locaes dependente d'um es-
tado vicioso e imperfeito do systema em ge-
ral, achar-se-ha que a Salsaparrilha de
Bristol e" um remedio seguro e efficassissi-
mo, possuindo inestimaveis e incontestaveis
vrtudes.
As curas milagrosas de
Itecrofulas.
Ulceraa,
Cliacas antiga*.
ENFERMIDADES SYPHILI'i/CAS
ERYSIPELAS,
RIIEUMATISMO,
NEVRALGIAS,
ESCORBUTO,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado o alto renome
Salsaparrilha de Bristol
por to-Iasas partes do universo, sSo tSo so.
mente devidas a
UNICA LEGITIMA E ORIGINAL
Salsaparrilha de Bristol
NA PHARMAQA CENTRAL
E. A. DELOUCHE.
49-Rna do Marqaex de OIinda-49
Acaba de receber nm grand sortimcDto de re
logios americanos para parede e mesa, de corda
de 24 horas e de corda de 8 dias, com de?perlador
dos melhores gostos e qualidade.
Relogios de onro patente inglvz verdadeiros, des-
cobertu com ponleiro grande no meio, dos mais
modernos e do melhor fabricanle de L< ndres.
Grande sortimento de relngios de prata, prata
dunrada, cobertos e descobertos. Ditos de prata
foliada (plaque ), orisontal e patente, de todo
preco.
Cadeias de plaque e de ouro.
Lnnetos e oculos de todas as qnalidades.
Verdadeiros vidro? de chnslaf da Rccha, para
vista can.-ada.
Vende-se tudo por preco mais baratc qne em
ontra qualquer parte.______________________
Apreciein eomo se vende Itarah
?;6 o n. 20
RUA DO CRESPO
LOJA DAS 3 PORTAS
DE
Guilherme & C
CASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com bonitos pa-
droes, e qne se vende pelo diminuto preco de 2U0
rs. o eovado 11 I
METIM
Metkn tran^ado, padrdes bonitos, a 320 rs. o
eovado 111
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda Una, boni-
tos padroes, pelo diminuto preco de 320 rs. o eo-
vado III
LAS ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que *e vende a 240 rs. o eovado 111
CRETONE
Cretone clarose escuros, bonitos padroes, e fa-
zenda Ona, pelo diminuto preco de 400 rs. o eo-
vado rn
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos precos de 400 rs. o eovado,
e" pectuneha I 1 t
Cortes de casemira it cores, a 54(00.
Colchae estampadas e com barra a 35500 e
4*000.
Cobertas de chita adamascada a 3*500.
Lenc6es de bramante a 2*000.
Dites de algodao i 1*400.
Toalbas alcochoadas, duzia, a 5*800
Lencos de ca-sa com barra a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abanbados a 2*000 a duzia.
Ditos de esguiao abanbados, em caixinhas mo-
dernas, duna, a 3*300.
Cambria transparenle fma a 3*000 a peca.
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodao e linho a 1*600 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palmos de Iar-
gura a 2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 5*000 a peca.
Dito domestico a 3*000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o eovado III
Madapoloes Iranceze* de todas as qualtdades de
5* a 8*500 a peca.
Chapeos d^sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto prego de 8*500.
Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a 44*000 a duzia ; e peehincha, so se
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto preco
de 800 rs. o eovado; e peehincha, e dao-se amos-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Cresp)
Loja dtiN tres portas
DE
Guilherme & C.
JUNTO A LOJA DA ESQIIMA
MOFINA
Estd encouracada 1! !
A^ci:t nj::!r* en pedrn dnra
l.tcitu d:'t at*' |tic a fura.
Hfa-:e aia him. $t. IgioCMi Vieira de M-ll
^.-rivii- na cidadf de Narirett desta provia
.;- r -if \ir a rua iicifag de Caxias n. 36, a dn-
!-:ir a-|!ulle negocio que S. S. se comprometteu a
realisar, pela terceira chamada deste jornal, em
-ins de dezembro de 1871, e denote para Janeiro,
paisou a fevereiro c abril de 187z,e nada cumprio;
i por este motivo e de noTO chamado para dito
Sm, pois 8. S. se deve lembrar que este negocio
le mais de oito annos, e qnando o Sr. sen nlho m
whava nesta cidade.
RONS PUBLICISES MUSfCAES.
A. J.d AzevvdoRiih.\o\hii 11.
Acal>am de publicar se, e acham-se a
venda as seguintts musici- :
PIANO SO'.
I'anse espanuola, por Ascher 2C0C0
Arabella, mazcrka, por ti. Wer-
theimer 17S00
Valsa do Fausto, por Croyzes l^OCO
Sonho de DBA virgem, por Albcr-
tazzi 19000
Anna la Prie, cavatina 150C0
AoClairdela 1.1'ne, por Bussmeycr 1T300
Estrella do norte I n ,, ,,-------
SADDACAO AO nAH.Ail0lkabrilhanle IC00
Cricket, por Suixas, oflerccida aos
cbrickets club periiainbucano e
buliiauo 1C0CO
PIANO E CANTO.
Desespero, muito liudo romance
por 1. Smoltz 2?0(0
Non m'amava, romance por Guercia 19000
Tambem reoebcu da Etiropa grande sor.
mcni'le musica para piano, piano e
antoudos, mctbodos, etc. etc.
Convida-se
aos seoh'res escriptores, littcratos, chefes de re-
partic5es e commerciantes a visitarem a
ENCADERXACAO BRASILEIRA
a rua Duque de Caxias n. 21, onde verao que e
este o estabelecimento quo dispSe dos melhor?*
mews e procesjos para bem servi-los na arte
encadernar, e o w$ro que
POSSUE A MELHOR
machina para pauiar panel, riscar livros, marr:.-.
manifestos, folhas de emprrgados, despachos, U:-
turas, contas cerrentes e de venda ; enjo trati..'o
sera regulado peta scguinte tabella de prejos :
Papel poqucno em caixinhas.
Para pautar 1 caixa 1*0 0.
Idem 4 ditas a 500 rs. cada uma.
Idem 10 ditas a 400 rs.
Idem 20 ditas a 300 rs.
Idem 50 ditas a 250 rs.
Idem 100 ditas a 200 rs.
Idem 20 ) ditas a 150 rs.
Mais de 200 ditas a 100 rs.
Papel em tamanho fiume contas e dcspaclv.s.
Por pautar I resrua 1*500.
Idem 10 a 1*200 cada uma.
Idem SO a 1*.
Idem 50 a 80O rs.
Idem 100 a CO t~.
Idem 200 a loo rf,
Mais de 200 a 32o rs.
Outros trabalhos ecnfuOM o a'uste.
A differenca em preco do papel liso para
pautado, no ncsso mercado, e muito superior a ~i i
rs. em resma, sendo ptr is.-o vantojoso aos Srs
IMPORTADORES DE PAPEL
mandaretn vir o papel liso para aqui ser pautad ,
podendo assim vendercm mais barato. ganhand;
mais diuheiro, para o que
GAR.ANTE-SE
a bondade e limpeza do trabalho, entregando--'
os volumes de resma com a mesma perfei.vo -
igualdade que se liver recebido na
EN ADERXACAO LR.ASILEIRA
_______21-Roa Duque de Caxias-21.
Ao carnaval.
Casa no Monteiro.
Aluga-se a de n. 65 junto ao sobrado, com quin-
lal e sahida para o banho : a tratar na rua do
mperador n. 57, 1 andar.
Escrava fugida
Ausentou-se da casa de seu senh. r, no dia 26
do corrente a escrava Felicia com os signaes se-
guintes : cdr parda clara, cabellos csmprido?, ate
os hombros, rosto redondo, falta de um dente
quasi na frente, corpo reforcado, maca do rosto
bastanto saliente, foi acompanhada por um ho-
mem. pra ja de cavallaria de nome Vasconcellos,
foram \istos no dia 27 do corrente, em Santo An
tao : quem a levar "a CambSa do Carmo n. 3.
sera" gratificado generosamente.
Precisa-se de uma ama para casa de famuia
de tres pessoas : a tratar na rua das Flores n 5
Na rua estreila do Rosario n. 35, sobrado de
urn anda-, tem vestunios pan o carnaval, de
todo gosto ; sendo dominos de seda e de vellud
restaarix de seda a phantasia, vende-se e alaca-
se por muito barato preco. Preparam-se lin '....-
bouquet- de rravos, rosas e todas as fl res na-
taraes e artifieiars, s^ndo a enrommonda feita 2
dias antes sa-.i propri is para noivos e bail. -.
Cratilica-se a quem apresentar uma
carteira com muitos instrumentos cirurgi-
cos, pertencentc ao Dr. Ferreira i desconfia-
se tor side ella eslmvia !a na estagao k
Cabo. Rua Larga rdo Rosario n. 20.
o segundo andar .i rua da Imperatriz n. ".
I tratar no cafe Impeatna.
Luso-brasileira
Conselho fiscal
A sessao do conselho fiscal desta sociedade teri
Iugar no dia 13 do corrente, nelas 6 1|2 horas da
tarde ; e para semelhante effoito, convido aos se-
nliores conselheiros.
Secretaria da sociedade Leneficente Kuo bra9i-
leira, 10 de feve-eiro de 1871.
J. M. de Andrade
____________ Secrelirio snpplente.
ESCRAVO FUMDO*
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de nome Jos6 Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes segnintes : cabra, idade 30 an-
nos, ponco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mais visivel
uma gomma na junta do pe esquerdo : rogase a
todas as antoridades e capitaes de campo queiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serio generosamen-
te recompensados.
ATTENCAO.
Furtaram na noite de 7 do corrente mez, do
sitio do abaixo assignado, no Caldeireiro, dous pa-
tinhos da Australia, de cor cinzenta e rajada. sen-
do aves aqui geralmente desconliocidas : roga se a
quem dies forem offerecidos a venda, de os ap
Srehender, gratificando-se com toda agenerosi-
ade a pessoa que os apresentar ou der noticias
eertas do Iugar em que estao, ao abaixo assignado,
na rua do Brum n. 96, ou no referido seu sitio.
Francisco Ribeiro Pinto Guimaraea.

- Lava-se e engoram.ise com perfeicao e asseio:
no largo do Paraizo n. 3.
Aluga-se a loja da esquina a rua da Jmpe
ratriz n. 1 : a tratar no cafe imperatriz.
Aluga-se a casa n. 3 da rua do caes que
segue da Detencao, com 2 quartos, 2 saias, cozi
nha, quintal e cacimba, nor 15* me^saes : na ma
estreito do Rosario n. 17, andar,
Attencao.
Quem precisar de uma pessoa com habilita-
Cdes para repetir as aulas de francei o inglez em
algum collegio, dirija se a Boa-Vista que achara
com quem tratar na rua do Deitino n. II.
Carta,
A pessoa que perden uma carta de circums-
tancia dingida a um Sr. Dr.daParahyba: dinja-
se ao Carmo, cella n. 1.
AInga-se o andar com sotao do sobrado
aa rua estreita do Rosario n. 29 : a tratar na loja
ao mesmo acbrado, ou na rua Duque de Caxias n.
J, armaaera de moveis.
Os Srs Jovino Fernandes da Cruz e ioaqoi
mente de Lemos Duarte, sao chamados a raa i
("oronel Suassuna n. i>82, a negocio de par;:
interesse.
inslnu'tao primaria e se- ^
^ cundaria. #
(P 0 professor Thome" Angnsto da Silva VH*
rt^ \ illar participa aos pais de seus alum- Si
> nos e a todos aquelles que quizerem ^g
ra confiar-lhe a educac3o de seus filhos, /jfA
que transferio sua residencia para a '
rua do Socego n. 68, onde continda a
exercer o seu magisterio. Desde ja
agradece em extremo a bondade com
que o honram os pais de sens alumnos,
e garante csmerar-se no cumprimento ,f&;
de seus deveres. ^p
W*F* LARA\f,Ein\S
selecta e de umbigo
. (Enxertadas)
Sapotizeiros
.*?.?!?ros de Pjlms (em vasos) e de todo*
precos mais commodos qne dao-
plantas de
os tamanhos e
tes ; assim como as segi intes outras
fructa e de ornalo :
Abacati.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Casuarina.
Carolina do principe.
Condeca.
Coracao da India.
Figueira.
Flamboyant.
Fructa-pao.
Inga do Para.
Jam bo.
Jasmim laranja.
Laranja da China.
Dita do ceo.
E ontras plantai
ura n. 20.
Laranja cravo.
Diu de doce do Para
Diu branca.
Dita tangerina.
Lima da Persia.
Dita de umbigo.
Limlo francez.
Dito doce, enxertado.
Oiticoro.
Palmeira imperial.
Parreiru.
Pinheiras.
Romeiras.
Rozeiraa.
Rozeda.
Ubaia.
aa Capunga a raa da Vec-


*
i..


/


"'i^BBB
8i-Sftkt#fifa- 13' dfic'EtorBtAt0^e'Uti.

"Botinas para homem
Acabam de chpgar grander facturas bem sor-
- J;is de bctinas di bezcrro, de cordavao, de pelle-
ea, de duraque com biqueira, de bezerro com bo
toes, e com ilhozes a 9J000 (a escolh' r) por ter
vindo grande quantidade por conta e ordem do?
fabricantes : ao armazem do vapor francez, a raa
Jo BaiSo da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Mascaras
Chegaram grandes facturas de mascaras de
aiassa, de arame e de setim. para serem vendidas
por conta e ordem dos fabricantes; o mais barato
possivel, em grandes e pequenas porcSes : ao ar-
mazem^do vapor francez, a rua do Barao da Vic-
orh (outr'ora Nova) d. 7.
Calpdo
francez.
Para liomcni.
BOTINAS de bezerro, cordavao, peHica, lustre *
de duraque com biqueira, dos melhorei
fabricantes.
SAPATOES de beterro, de cordavao e de case-
mira.
SaPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de pao, pro-
prios para banhos, jitios e jardins.
SAPATOS de upete, chariot, castor e de tranca
francezes e Portugueses.
Para senhora.
80TINAS pretas, brancas e de cSres differentes.
Iisas, enfeitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos.
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca.
Para naeninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes.
Iisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTLNADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para ineninos.
SOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao.
ABOTINADOS e sapatdes de bezerro, de diversa>
qualidades.
SAPATOS de trauma francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
lotas a Napoleao e a Guilherme, perneiras
meias perneiras para homenj, e meias perneira.'
para mcnincs.
No armazem do vapor francez, a raa do Barar
g Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras do balanco, de braco, de guernicSes,
sofas, jardineiras, mezas, conversadeiras e costu-
-eiras, tudo isto muito bom por serem fortes e
levis, e rs mais proprios moveis para saletas e ga
binetes de recreios.
No armazem do vapor francez, a raa do Barao
da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes t
de elegantes modelos, dos mais notaveis e beinj
conhecidus fatricantes ; conio sejam : Alphonse
Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C.: no
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Aftiiada.
Na rua do B|o daffetoria n 36, precisale
fallar ao Sn. 2> teaente Jose -Mark ftstaoi, a nfe-
gacio de seu inleresse.
Procls*-se'1
duns ainas para
casa de pouca fa-
milia, sendo uma
para cozinhar e outra p8ra engommar, pre-
ferindo-seescravas, paga-se bem, se agradar:
a tratar na travessa do Vigario Thenorio n.
1, escrfptorio, das 9 ds 4 da tarde.
Precisa-se de uma ama qua saiba comprar
ecozinh3r: na raa larga d> Rosirio n. 21, lola
de calcado.
Na ru
ama
Qlhcs.
Am* de-Mfcl
rua do Hospicio n. 49, nreoUa se,de u
de leite, litre ou escrava, prefenese se
Laixeiro
Uueifr'pWiHsatWtrm eabrerro de. l?a 14 anno?,
oMaaatzlMguik^ podrf.dWgh-'se'Artt mpe-
riaha.
'!t* ??fc^-J 'M a*a ami part, '"cdzimlj'
Ama de leite.
Precis*-se de uma sera fllho, aoeJseja W|t{
boa conducta: a rua do Viscon'de der Govaou
n. 129.
AMA
de Goyanna n. 129.
Precisa'-se de dmrpara i
zinhar para cara de por.
famiHa? a rua^do Viscor
Precisa se de uma ama parti'eo^rinar
raa da Imperatriz.n. 16V 8,* andar. _,
Precisa-se de>umaifcma-para .
gommar para duas'peasoal, pitte...
se escrava : na rua Primelro tie
Marco a 20 A, loja.
Precisase de uma ami para cozShTir
rda de PeoW'AlKhkr
Aina e compraT : na
n. 3 (outr'ora da Praia).
Precisa-se de uma
cozinhar e comprar, ou co'zincar* e
engommar, para poucas peasoas i na
raa do Hospicio n. 50.
Precisa-se de uma ama de leite :
raa Direila n 26, fandat. ...
Precisase de uma ama qae saiba etigo'mmar:'
a tratar ba rua do Crespb
AMA
Ama
na
la qne
n.'23.
iui Precisa-se da uma cozinheira : na raa
JXOIA An Anoim-jiln n Q \ni+
do Queimado n. 92, loja.
All k, Precisa-se de uma. ama,na)
Wl V cozinhar em easa ddpotkel*^-'
l"x ix milia : na rua de Pedro Atfonso,'
outr'ora da Praia n. 3.

Antonio Jos6 Rodrigues de'Senza, ern sen
criptorio a rua1 do Crespo n. 6, corhpra; "pot bona
precos, escravos das diversas cores, sexos e
dades._________
Na rua da Penha n. 2 lava-se e engomma-fe#
com presteza roupa de homem e senhora : quern
pretender, dirija-se a mesma caBa.
LOJA
Aluga-se a loja do sobrado n. 9 da rti'a da Ab>!
rora : a tratar na rua do Hospicio n. 26,''taWrii
on na rua da Impcratriz h. 10.' taVerna.
Finos cxtractos, banhas, oleos, opiala e pos den-
tnfice, agua de llor de laranja, agua de toiiete,
divina, flurida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
frjsmeticos, muitos artigos delicados em perfuma-
ria para presentes om frascos de extractos, cai-
gxinhas sorlidas c ;arrafas de oitlerentes tama
B'.i ; d'agna de cologne, tudo de primeira quali-
d ic ii.;s bem conheeJdee fabricantes Piver e Cou-
firav.
.""I armazem do vapor francez, a rua do Barac
' into: i?, ou;r ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigoa de ditlercutcs goslos e
pinantazins.
.->: ^Ihos dourados para sala:; e gabinetes.
U-qucs para senhoras e para meninas.
f.uvas de Jouvin, de Bo de Eseods e de camurga
ilaixinliM de costura ornada e .n. rousica.
Ubuns i- qua-lnm > ,>: retratw.
Caixiniias com viar de augm^ntw ictratos.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaque muiio bonitas para relo
;'
I n c v -""-v. ? botties de punhos de pla
.i:t'
Bolsinha- res de seda, rinhu tU-
Novos uiijet-tiB de phantazia para cima demes*
toilette.
Pincinez do cores, de prata dourado, de aco
--de tartarujja.
Oculos uu aoo lino e de todas a3 guarnicoes.
Bengnias de luxo, canna, com castSes de mar
;in.
iJengalias diversas cm grande sortiracnto pari
:ioroen* e nvninos.
Cbicotinbos de baleia e de muitas qua!idade^
diversas.
Esporas de tarracha para saltos de botas.
Pocteiras de espuma para charutos e cigarros
Pentes de tartaruga para descmbaracar e par
bartUL
Ditos de martim muito finos, para limpar ca-
beca.
Escovas para roupa, cabellos, unhas e para den-
tes.
Carteirinhas de medreperola para dinreiro.
Grava'.as brancas e de seda preta para homen.-
e meninos.
Cam;iainlias do mola para chsmar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mino e outros muitos differentes joguinhos alle-
maes e fr; ncezes.
Ma las, bol.as e saccos de viagem de mar e ca
minims de ferro.
Argolinhas de marflm para as criancas morde-
rem. bour para os dentes.-
Bercos de vimes para embalar criancas.
Ce.-tinha-; de vimes para braco de meninas.
Carrmhos de quatro roda,* para passcios de
crianga--'.
Venezianas transparentes para portas e janellat
Revcrben s transparentes para candieiros de
gaz.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhida
vistas.
Laut'-rnas magicas ftomricas vistas de cores err:
vidr s,
Vidros avulsos para ^osmorama.
Globus de paiiel de cores para illuminates de
fdstas.
Baloes r.ereostaticos de pnpel de seda mui facil
de suliir.
Hach'uas de varios systemas para caf6.
Espanadores de palha e de pennas.
Tesotirinhas e eanivetes finos.
Tapetes ci'm vidrilhos para mangas e lanteraas.
eiros de louca branca, modelo bonito e bom.
ras de molduras douradas e pretas para
qoaflroa
Quadros ja promptos com paysagens e phanta-
Estarapas avulsas de santos, paysagens e phan-
tazias.
Objeetos de magicas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos pequenos de veid com lindas pecas.
Realejos rarnnnicos ou accordions de todos os
amanhos, e outros muitos artigus de quinquilha-
rias dilfloeis de mencionar-*-. No armazem do
vapor fr. cez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova u 7.
Medidas de 40 a 100 metros,pes e palmos para
rnedir terrenos.
Brinqiiedos para
A maior variedade qu^ se p6de desejar de to-
dos os bnnq..'"1os fabWcados em differentes partes
da Enmoa para enlretenimentodas crla'ngas, tudo
a prw>.K mais r'-riimldos que 6 possivel : no ar-
mazeujrio v*pot francezi rua do Barao da Victo-
ria, outr'ora rua Nova ri. 7.
Oslinhas para costar*
Graide sortimi-rrcj^e.b'wiitos modelos chegado*
ao armazem d vafei1 f(ai{cez, iua do Barao da
Victoria, ontr "ra raa Nova, n. 7.
Veste-se aBjospara procisao, com as-|
seio, perfeigSo, e commodo preco ; -tatBbem
cose so vestidos para casamentos, bailes e
passeio. & ultima moda, e aviam-se en-
commendasde costuras para forada cidade;
bem cortro vestidos, assim cOmo paTa 'bapi
tisados, e bordados a ouro o liaha, et&.,
tudo com perfeigao e commodo preco. N
rua d s Cruzcs n. 26, se dirfi qattftu'i
Cozinheira para hotel
A bem conhecida cozinheira de hotel, offere-Se
a quern precisar dos seus servigos tanto para ho-
tel como para casa esirangeira ou homem sorter-
ro, para esta pra^a ou fora della : na rua das
Trincheiras n. 35.
N* map 'dei IttMrador
firWt8
precl?a-fe fal!ar an? segulntes ?enhores :
Domingos Martins de IJarros Monteiro.
ago;
Ettlgdio Mar
Joao Vaz de Oliveira.
Marques de Santiago (Or.)
Jose Alves Machado Gnimaraes.
Jose Francisco Lopas liOBa'TVazareth).
Manoel Pereira Brandao.
Manoel dos Passes Miranda.
Theotonio de Barros e Silva.
Fran^seo Pinto- Pessoa (Dr.)
Francisco de Paula Borges.
Praneiseo Antonio Pontual Junior
-

arra1fcas,a' H# Hotrtem soltelro
ar o
na raa
+-4
-i^.
Para^^boa-cmiserv-a^ao
DE |
YOSSaCABELLO

EHe 6 iumf prettenfiTlusegBro e certo coritri
EllePdaiereslauraf/oTr^ e sanidade i petle d*
caBerJa.
Elle de prompts-raz cessar a queda premia-
> ttara' dtaiMleltes.
^Ufc^*aaVlqHreza de
BAZAR VH
Rua do Barao da Victoria n. 22.
DE
(foHfeiro ViaBBa.
A* este grande estabeleciraento tem che-
gado am bom sortimento de macblnas para
costura, de todos os autores mahacreaita-
dos ultimamentena Europa, cujas machinas
sao garantidas por um anno; e tendo urn
perfeito artista para ensinar as mesmas, em
qtialquer parte desta cidade, como bem as-
Instt* hM'cutJ m oonfcertaf-lalipoio tempo tambem d'um
tino sem despendio algutn do comprador,
este estabelecimento tambem ha perten^as
para as mesmas .machinas e se suppro qual-
quer'p'er/a" qti^'sejanecessario. Kstas ma-
b's'caboliosbastbs-e cempri-: Iminas trabalham com toda a perfeigao de
aim e dousr pospontos. franze e" ?>orda toda
;<* lati "preseirvar os cabellos, em
wfljrmtt>u*posi?4o qtfese dese-
Brft^rtacJ^'WrrtdSoJ'liso^ miptoi
..
Cl^ Grande remiiao!
Para t o Republicanos e monarchistas.
Democratas e aristocratas.
Federados e confederados,
Communalistas e communistas.
Cutholicos velhos on novos.
Todos (Irrcm ir
Heuoidos ou n5o reunidos
Fazer emquanto antes
Suas encommendas
Dos saborosos filhos
Tao preconisados I
Fabricados a capricho
Dos pasteleiros
S6 e somente
Na confeitaria do Campos
24, Imperador 94.
100$000 de gratifica9ao
Engenho Santos Mendes
Fugio no dia 20 de dezembro, do engenho San;
tos Mendes, comarca de Nazareth, freguezia de
Tracunhaem, a escrava Maria, cnoula, 50 annos
de idade, pouco mais ou menos, baixa, grossa, odr
preta, rosto alquebrado, pes seccos e espanados,
dedos curtos, cabellos braneos, eanellas finas, tem
dous signaes cabelludos no queixo, e 6 bem ladi-
na. A pessoa que entregar elta escrava oo a6 seu
lono, qne 6 o senhor do engenho acima, Lauren-
tino Gomes da Cunha Pereira Beltrao, ou no Re-
cife, largo do Corpo Santo n. 19, andar, sera
ecompensada com a qnantia de 10OX.
Garanhuns.
Na
aflar
ose Paes
esse.
rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-st
aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto e
da Silva, a negocio de particular inte-
e n. 08. '
Kft*".coflsrta ^eHe e o casco da^eibeca
'' Mm'tfrj' fr lffr# de^' tdda a especre de cpa.
Site*'preiineo^eabelTos de se torharem bran
li cos.
EHeTdnsert* a cabe^a n'om'iestWo tto'fres-
cura refrigerante e agrarJaifet.'
Elle nSo e dernXsia'damehfe olebso, gordn-
' rento'btfp'^ad!^
Elteflao- deka o menor cheiro desagradB'
Elte 6 o melhor artigq para os cabellos crianc^i'
Ellfffe o methor e-o' mais aprash'rf'hrtigo
1 p^.a 'boa-'cohSe'rTa^ffo e'arranjd' dbsch-
i betlo's' das seribbr'as.
Elle e o unicfi artigo proprio para o pentea-
do 4oacabeHds e barbas dos setthoros.
NE!H!M; fOUt^iDOR DE SEriHORA SE
PODE COSSIDERAft COMO COM1-
PLEieSEM^
o qual preserra, limpa, fortifica e aformosea
0 C A Acha-se & venda- 'nbs'eSUbelecimentos de
a. Forster & C, agentes. E em todas as
prihefpaes l'bjas de perfumarias e baticas.
..... i i ........
CGMPRAS.
IS.
A companliia da estrada de ferro de Olinda,
compra mais 50 encharaeis de 30 palmos de com-
primento e 5 polegadas de grossura, para parte
da linha telegraphica: a tratar no escriptorfo da
cempanhia.
0 gerfrhte,
LaurenlinoJosi de Miranda,.
<+mtm
9
V9W.
Vaquettt^ da Russia
Vende Joio Francisco Ferreira Junior, a rua do
Liyramenlo n. 37.
Vende se um escravinho de .c6r cabra. de
17 annos, de bonita figura, sadio, sendo copeiro
e 6 de todo servico de casa e de rua ; o motivo
da venda-e o senhor ir para a Europa por estar
doente, e uma parda de 22 ;nnos com todas as
prendas : engomira, cozinha e cose, tudo oiri
perfeigao, e de bom comportamento e bonoita ap-
parencia : na rua de Hortasn. HO poderSo ver.
Tende fazendas para liquidar,por baratissimo pre^o onc
abaixo se ve:
^i Pereira da Silva & Guimaraes tendo em ser um grande depozito de firiii
tem res^ltido fazer uma liquidagao das mesmas com grande abalinMnto not progm
com o anicb fim dd apurar dinheiro, para o que convidam n*o sb os seus nurocioaoi
^jtteKN;,e^rao orespeitavel publico, a vir surttr^^'m^tW-fWfeiWL'boA el
^*?fei3jaf)',^iraentoclenominado Pavaoarua dalriperatrtt,'*; L,
I CIMTOAIAS A 49, 4JJ30,-,5, ,6^7. francez rarito-fino a 4?m,' apeus pwciw
: 0 P*r8o ?ende um magh'ificb sorttmerito
das mais finas cambraius brancas transpa-
rentes, tendo iO jardas cada pega, polo ba-
rato preco de -4, 4500,59, 69, tendo tam-
bem das mais finas que custumam vir ao
mercado, assim como um grande sortimento
de ditas tapadas e victbrtas que vende de 49
ate;8f, sendo faienda quVvaHe' nluilo'' mais
Silfceiro.

e
Jiraalquer cOsWrayor firt que s>ja, seus
precos s5o da seguinte qualtdade : cara tra-
balhar a mo de^OCiOOO, 40900" +59000
e 509000, para trabalhar com o pe* s3o de
809000, 909000, 1009600, I 109000^
1209000, 1309000, 150*000, 2009000 e
2509000, emquanto aos autores nao ha al-
teracSo de precos, e os compradores poderao
yisitar este estakeletfmentor caemuito de-
verSo gostar pela variedade^de' objeetos que
ha sempri para-vertder, rcomo sejam : cadei-
ras para viagem, raalas para viagem, cadei-
ras para sates, ditas" de ba'.aaco, ditas para
crianga^altas), ditas'para escolas, costurei-
ras nquissimas, para sefthora, despensaveis
para criangas, de todas as qualidades, camas
de ferro para honum e criancas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhos de metal para cha\ fa-
queiros com cabo de metal e de martim,
ditos avulsos, colheres de metal fino, condiei-
ros para sa^,.jarr6s-i guarda-comidas de
arame, tampas'para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios completos, ditos
simples, objeetos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
qae se acha aberto desde as 6 boras da ma-
nha ate* as 9 horas da noute &
Rua do Barao da Victoria n.
22.
0 INEXTMGUIVEL
PERFUME
^^
Gorgurao preto para vesti-
dos, de 6$ por 3$500.
A Posa Branca comprou em leilao algumaspe
gas deSta sdperior fazfinda, e esta vendendo por
metado do seu valor, & largo, quern precisar apro-
veite : na rua da Imperatrrz n. 56, loja de Azeve-
do & C.
GRAKDE
pp.
AaEICAO
Constando aos abaixo assignado achar se nes-
ta praci o Sr. Manoel Fernandes de Carvalho, ren-
deiro dos engenhos Barra e Preguica, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogaf ao
mesmo o obztqoio de vlr entender-se com os
abaixo assignados immediataraente sobre negocio
tendente aos referidos engehhos. Rua do Amorim
37, Sscriptorio.
_________________Tasso IrmSos A C.
Barbeiro
Preci3a-se de um official de barbeiro e que en
tenda de cabelleireiro : no 1 at 36, a rua Dnque de Caxias
ALUGA-SE
uma cxccllente casa consiruidi de novo, sita na*
entrada dos Afflietos, tem commodos' para grand*
familia, tjtio muito bem plantado, jardim ebanhei-
ro : a tratar na rua Primeiro de Marcd m 2, livra-
ria economica.
Grbsdeiiaple pretb
Sendo lisps e de cordao, e o mais largo qae
vem ao mercaao, e qne se vende pelos diminutos
precos de 200, 2^800, 3*200 e 3*500.
SO' NA RUA DO CRESPO N. 20,' LOJA DAS
TRES POKTaS DB
Guilherme & 0.
Junta a1 fdja' dn eaquiqa
Grande pechincha.
10 Rtra'do Crespo10
BAPTISTAS de'lrddifl cores raolhadas de agua
de chuva a 280rels o cbvadb.
BAPTIST AS debetas e'palmas perfeitas a 400
e 500 reis o covado.
GfipSDENAPLE preto superior eom uma jarda
a3|o,covado: .
NAPLEpreto muito bom'a 1J800, 2*
e la para
de 1
GRl
e 3rrfcr)*G|n.<
VSSTUARIOS' de fastio, cambraia,
meninas a 4*^-6* e 7# o covada.;
mmms
b carnvil,.
jParis n'Araerlca, a Wa Du-
que de Caxias n. 59
primeiro andar, aeaba de rebeSer tlm completo
Rortimenlo de calcados estmngeiros para homem e
Be^bpr,,vindo eqtre eUes nm Undo soNimento de
elejantes ebiqnitos, s.-vpatiohos e botiaas para
criancas, que tudo vende por precos razoaveis.
agua
DE
MURRAY & L.4NIIAN.
Uma pura distrtla^ao das mais raras fiV
res dos tropicos. Contdm, para assim 'ui-"
zer, quasi o oddr odorifero das flores oo
tropico da America, e sua fragancia 6 quas
tnexhausta ainda mesmo por continuada
c;aporac8o e diffusao. N'este respeito 4
i lcomparavet a qualquer outro perfume
qne ha UESMAIOS, ATAQUES NERVOSOS, DOB
DE CABECA, DEBILIDADE E
HYSTERICOS.
E um certo e ligeiro allivio. Com o bom
>n, tem conservado sua influencia para
cima de vinte e cinco annos sobre todos os
j/erfumes, nas Indias Occidentaes, Cuba,
idexico, America Central, e do Sul e n6s
torn toda a confianca o recommendamos
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
licado, riqueza do odor e permanencia, n5o
pode ser igualado. Tambem faz remover
da pelle:
ASl'ERBZAS, EMPOI.AS,
QUEIWADlKAS DO SOL,
SAftDAS1 E BORBULHAS.
Sendo reduzida com agua, se torna urns
excellente mistura para banhar a pelle,
dando um aroseado e cdr clara a complei-
cSo rrablada, sendo applicada depois d
barbear, evita a irritacSo que geralmente
occorre, assim como tarflbfem garganteando-
se, o cheiro do cigarro desapparece, e me-
lhora a condlcSo dos dehtes e gongivas.1
Como ha muitas imitacOes, as quaes nao
possuem nenbximas d'estas propriedades,
deve-se totnar cuidado e contar s6mente o
o famoso perfume >i cosmetico do sul da
America, cham
AGUA ft Of MB A
u........ DE
HIBRAV ft LANHAI.
Sa acha a* venda em todos odrogu
iperf umari as da moda._______________
Para abate!
Ricos chapcos para senhora : s6 na raa Duqne
e Gaxias n. 60 A loja da esqnina.
LIQUIDi*#9
Rua da Imperatriz n. 60'
COM SALPICOS DE CORES A 59.
OFaviorecebeu um elegante sortimento
.(W cftnbraias brancas com bonitos salpiqtii-
phosmiudinhos de cores, tendo 10 jardas
cada corte de vestido e vende pelo barato
precodtf59, por ser pechincha, ditas com
lalplcosiodo branco sendo fazenda finissiina
a 79500 e ditas a 59000.
VESTttJOS A USO DA CORTE 13*
0 Pavao vende um bonito sortimento' de
cortes de Testido6a'oso de corte, trazendo
cada c6rte todos os enfeites necessaries como
sejam : babadinhos, entre-meies, rendas,
requeflfes, e vende pelo barato preco de 129
cada um, assim como, di os a 2 de julho
com todos OS enfeites a 109, corles de cam- vado, ditas lavradinhas a 29, os
braias brancas abertas, com lktras e lavnres
a 69, ditos finissimos a 89, ditos de cam-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 39500, 6 pechincha.
CORTES BORDADOS A 209 E 359.
0 Pavao vende ricos cortes de cambraias
brahcas delicadamente bordados, pelo ba-
rato preco de 209 e 359.
CASSAS FRANCEZAS
a 306 rs, ocorado
0 Pavao receben um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padrues e'
cores fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de qnadrinhos a 640 rs. a vara fi-
nissimo fil6 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanas de todas as cores.
BS0RN0USAli9.
0 Pavao vende um bonito sortimento dos
1, '/' metro para amteaoak
CHALES BARATOS
O Pavsa **3 chttfea entitfecio de me-
rind'a 29,-diWs' de mertn6 'loos d todas u
cdres a'29ftW>v .Sfos dewerir^esbw^dos
muito finos a 49, 'ditos finissimos com lis
tras de sada a. C|KM', ditos muito fiuos d
orepona* 109nO 129-
0 Pavio vende algotffc euftsfcdo eon
palmos de largura, proprio part leofoei
sendo do mais encorpado qae tem vindo a
mercado, liso 19 a vari e trancadoa.....
SEDAfPABA-. VESTIDOS
a-H)W .V.O Ravao vende um benHo-sortineOto da
sodas com listrinhas proprias pen. resti-
dosde meninasede seubora a l9M#co~
Sir
muito bonitos e vende-se por este preco pa'i
acabar.
BWtlaaa m tjill
0 Pavio tem um completo sertimeato d
botinas muito bem enfeitadas pat* *bora>
e vende pelo barato prer^o Je 59, artigo qo
em outra qualquer partecusta tje 7.
EKfi08 RRArWOS
a 29000.
0 Pavao vende lencos brancos abarnha
dos, tanto para homens como paneeokoru
a 29e 29500 k. dnit, ditos de eegviie
cambraia de linho tsmbem abainwdos i
39500, 49, 59^ dtos francezesescuros, par>
rarxia69,adueia.
CAMISAS PARA IIOMEAf.
0 Pavao vende ricas camisas coat peiu
de linho bordadas, proprias para' noive t
10*e 129 cadi uma, ditas delinbosiB se
rem bordAdas a 49,' 49500 e 59; dftaS COD?
peito de algodao muito finas a 29, 295*0
39, ditasdechita fina mtudinhn a 29yal e39, assim eomo grande sortimento de ce
mais modernosbornous combonitas listras e! rouraS frahcezas tanto de linho como deal
vende pelo barato preco de 129 cada um,! godSo de 19600 ate 39, grande- sorUrwm
assim como um elegante sortimento dosmais! de meias cruas inglezas de 49 ate* 89MO :
bonitos chales demerin6 e com listras de seda. < duzia
Ceroulas francezas de linho e algodao, para todos os precos e qualidades, assrtr
como grande sortimento de meias cru?s, camisas, colertnhos, que tudo se vende pr?
precos muito razoaveis.
Iffll|l
ANTONIO JOSfi DE AZEVEDO.
Rua Nova n. It.
PIANOS.
Querendo definittvamente liquidar este negocio, veode todos os que tem, novos a
asados, pelo prego do custo de facturt.
Tambem aeaba de receber o seguinte:
OLEADOS ingl6zes para assoaiho de salas, de muitos liudos desenhos de 11 a 33 palmo*
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-so uma sala porgranSe qu*-
seja com oleado inteiro.
V1AGNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
INNE1S electricos para curar dores de cabega. nevralgias e nervoso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
GRAMPOS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARCA e papel picado para bordar com li ou seda.
VERDADEIRA agua de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, e por barato preco.
FUMO DO PARA
0 verdadeiro fumo de Borba, em clncote, picado, desfiado e crespo, assirc
como cigarros do mesmo fumo; na fabrica a vapor, antiga rua dos Qoaiteis n. 21.
Na dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarSo os" segdintes e bem conhecidos
fumos manufacturados na' mesma casa,
Flor do Bresil
Novo Caporal
Bes Bird'seye, ( Olho de Passaro. )
Vende-se a retalho, e em grande quantidade so faz grande abatimento.
Vende se a taverna da rila do Visconde de
Albuquerque n. 68, ou por balango ou avulso,
propria para principiante por ter poucos fundos
e afreguczada para a terra : a tratar na mesma.
que se dira o motivo por que se vende.
Braulio Ricardo Ooelho
Rua de Santa Therrza nuniero e3
Nesta easa encontrarao os iofluerrtW do 'cSma-,
val um grande sortimento de vestuarlos, cabellelV
raaebarbasaes^om^rpelobartiisslrnb'p^ejjOaa n ,., ^
ISl^iJ^S^^'j^JSS^^^VvaB n America, d rua Du-
belleira

a ellas, antes que se icabehi.
Sitio no
As mascaras
i.- J_ /Ti rw vivenua e uastanw* comraoaos
qUeae OaXlftS ll. 5y dretende-la dirija se a mesmu.
WlNon Rowe & L. vendem no seu armazem
a rui'de Cofh'mercio n. li :
p verdadeiro panno de algodao aztH amencano.
ExceHete Qode vela.
Cognac de 1> qualidade
Cafvao'de Ped'ra de'todas as quaWdadea.
1------' xi' 'iI'" H---------------------------------------------3-----
vende se uma taverna na rua das Carro-
ts, esquina da rua de S. Joao, com boa casa de
i tivenda e baafcnte- commodos para familia : quern
Manlillias prelas.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, recebeu mantilhas preus, modernas, e esta se
vendeodo por prepoe razoaveis.
Vende-se os segulntes
predios.
Duas casas terreas a rua Vinte Quatro de Haio,
outr'ora dos- OSsos; tis. 2 e 4.
Uma dim na nnv do Pjtdre Floriano n. 35.
Uoiadita na rua do Fogo n. 22
Uma- dita no becco da Bomba n. 5.
Uma dita na rua do Padre Lobato n. 8
Duas ditas no beceo do eaes da' Cadeia nova
n. 35.
Um sobrado na rua do Livraraento n. 37.
A tratar no pateo do Carmo e. I, taverna.
Rua do Brum n. 76
Vende se zinco puro de superior rrnalUfitit
proprio para cobertas de casas, medindo II pal-
mos de comprido e 4 de largo, por preeo mniu
em conta.
Aluga-se um silio no Arr'airf com h0.'*rnaial: ^ d>amfdade ? peiraena, a ellas antes' a DPQa
Prea>a aMhu: na rua
*'
MrfsW, boiiacommodbs, agua dene
escrava que saiba ffructeirts: a tratar na venda proxiam a ea-
ja. jtacao da Casa Amarclla.
em, aa rua
ue de Caxias n. 2,9,
r:': i So na rua do Quelnjada n. 43.
ffiOflflr. u Pecas de cambraia bordaila bom flores miriaa'?,
propria para vestaa, paaffimimitrj pre^y'da^l-e rekKdo#nkvids : afratarddra 0:
if a pega. So e pechincha, Amorim Irraaos ^ C.
Santa Catharina, no Impro-
viso e na Claudia
Vfehde-se farinha nova e excelleqte^ji bordo dos
o, ou com
Asunicas verdadeiras
Bichas bamMrf ueas qua vem a Me mercaao:
na rnr M^uoa de Orlnto a St__________
Alerta principknteft.
! Olhem que vende se a cochteira sRa a raa das
'Flores n. 24 : a tratar na rua Direita n. 50.
Farinha de mandioca.
"'Venrle-se faff*a nova de mandfAca de Saau
Catharina a bordo do brigue portnguez Imprtviso
a tratar com o oaaMo, ou com Amorim Irmin
& C rua do Bom iesut n. 3.
Vefi*-* -orfa efsa w.rfe*, sita aa raa 4
Marquez do Herval n. 93: a tratar com o oomman-
daaor Manoel Alves Guertt, o* com osolicitador
Frederico ChaVes.
Leva k pellia
Amarai; NabncO&. vWftieW luvasa*Mtte*
de cores eo'nr toque de mdlb-a *#. i(*4iilf'
par : no Bmt Vide'rta,
ria h, 2.
---------- i i 11.
doBariW'
1*
Ao PrbgressO db fJJfte6"dVta'iim()' v-:iieBa-
in ingleza muito boa a U; assim coifta "wE-
mais commodos do qua em outra parte.
i
/
s_
Xi




Dfcaito Ob IteimwfcieO' Sexto leira Kr d#i*to$fl3f$ <*fe 4

1
i
1


i
K


Ruia d a I nvp e 4ri'Zo.
d
AGERTES
RuadoBardo da Victoria n. 28
ii mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
Ha- exposieAo de Paris, em 1867, foi conoedido a
i Elias Howe Junior, a medalha de ouro e a coudecora-
0o da Legiao de Honra, por serem as macbin&g mais per.
"feitas"V. iUBdo.
Lou re n p ;Pepelt
Declara aos sous fregUeees jaue. tem wesorvifJo rhrzer um granta 'liqirifosfcvat* G
um do corretttc atuio. '
4 .SABER
UN. I
'!
E. Howe Junior, nos
macbica de
coi-
' k nwdalha de oaro, conferida
Est&dos-Uuidos por ser o inventor 4*
tura.
A medaliia ae ouro ca exposijao de Londrea aoreditaru
estas machinas.
CAHBHAIAS BUASUAb. A mOOj
Veudc->so/pegasd9cambraiar.braiH!ak tapa-
da e transparente, a3J, 3^500^ WJM)00e
8^800.
LASl&HAS ANGORA
Vcndo-se lasinuas para vestidos, a20O,
320 e 500 is. o covado.
ALPACAS 4 040 RS.
Vendu -se alpacas do cores eon. listras a 0 +0
e 800 rs. o covado.
GRANADINEA800RS.
Voode-se ,granaJifl& preta com listraside
cores, para Yestidos, a
vado.
Ditos depalba, a 28, 39000 e 43000.
: Ditoside massa, ai4O0OO.
PfiaTFtiMAftlaS EM UOl'lDACAO.
Venders* isabo&trtes de diversos tamwbos,
a 120, 200 8 240 e-WO rs.vtpdo bom.
Frasco do banha, a ICO, 320 e iOO rs. i
Frascos com'agaadecokjnifl, a 2 iO e 820
rs. cada urn. E oulros inuitosenractos que
se veade rauito barato para liquidar.
TOALHAS A 800 fiS.
Veude-se toalitaafelpudas, a 800 rs. cada
ana. fceufos braacos, a 29000 a duzia, e
800 rs. o co-I3SW0* ebaiidiaucs, fazenda que vende-se
por690j00.
Cabe-nos o dever de annunciar qae a companhia das macbinas de Howe de Sova-
tra\, estabeleceu nesta cidade rua dVlarao da Victoria n. 28, urn deposito e agencia
wal, para em PernaTObnwvCTnais provincial se venderem as afamadas machinas de cos-
wri <* Howe. Estas macbinas sao justamente apreciadas pela perfei$5o de seu tjrahaibo,
s^ategando uma-agulba mais eurta com a mcsma qualidade deiinbaqae'qualquer.outfa,
j^lauitroduccao.dos maw* aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente h&bilitados a
\tT9CGT ao examo pablict) as melhores macbinas do mundo.
As vantagens destas madiinas sao as seguirdes:
ttmtin..- 0 publico>eaba qaaeUaasao duradouras, para isto prow incontestavel, a
WBautenci* de nunca tei-eai tsmf'^o no mercado machinas d Howe em segun-
U mao.
fea^p Terceira.Ha neUas;naenor fcicgap -entre as divereas pecas, e menos rapido estrago
* fue nas outras.
"Quarta.Fomaam. o panto eomo ae fdra feito i mao.
' uu< oatras.
Serta.Fazem ponto miudo em easemira, atravessanao o ho de am i outro lado,
,M& em seciii^, tan modiiiaxr-se a tensio da haha, cozem a. feaen&a. mais
in*.
Setima.0 cxDicpressA^ e levantado com a maior 'acilidade, quando se tern de mudar
Oitave.Muitas companhias demacbinas de costura, iem tido 6pocas de grandeza e
Meadencia. Maehinas outr'ora popnkrcs, sao hoje qa.'.si descoLLecidas, outras soilreram
adan^as radicaes parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas do Howe
.-ibptondo a opiniao deSias Howe, mestreem artes.mecbanicas, tem. constaat(3H^nie
apnentado o seu'fab!ioo,^>hoje nio attende a procura, posto que faca 600- nuichinas
*r'du.
Cada machina aompanha livretos com instrucjdes em portuguta.
A9d?>000 A 90*000
POUPELWA JAPOSt"ZA A 1*800. 6BAVATAS' PHETAS A 500 RS.
Vende-se wma. fazentk nova com Ustos, j A'ende se gravatas pretas, a 600 rs. Man-
corn o Home do poupelina jappnuzja, propria tasde cores a 200 rs.
para yestidos de se/iboras, a .ljKiOO-co-j Chapeospara,bapiUades.de meninos, *
vado. Todas estasiazeuias sao von lidasno 3JS000. f
Bazar >aciouaI, a ruada tmper ariz a. 72. j BENGALAS.E GHIC0TES A 800 RS.
COill'tSDKCASSA A 25)5.0, Vende-se bengalas e chicotes, .a 80Q rs.
Vende-se cojtosdo.oassa,; para ves;i'jos, .'cada; uma^paru liquidar.
com lOtovados, a 25500. ,. t
CHITAS LAR6AS-A 24^0, Rs. GRA5.DE ElOELDACAO DE ROUPA FEITA
Vende-se.tbUaifcttflcezas, largas, de c6res | Veade-se cetoplas do algodap, a lftOOO.
has, a 240, U00, 320 eJUO rs. o co-0. vado. | .-Catnisas de cbiLas,(inns, a 100.
CASSAS OK COUtSA 200US. Ottas de peito de cores, a 2*000,
Vende-se cassas franco/.as fmas de cores,, 1 HUas brancas .finas, a.25000,.35000 e
mm leite,
A'
do Barao da Yictoria 12.
2 8.
ICHINAS PARA COSTURA
A 30#Q00 e 30#00i0.
D0US P0SP0NT0S
Nalojade vSoares Leitelrmaos, aTua do Barao da
Victorian. 28.
pelliea
com pequeno toque, Espelbos de
; os.tamanhos e
para collete..--*jpua3e sorii- jhbmbbm
a 200 rs.
3 uma lnz muito
Jrdao imperial, a
i.uvas de
. 200 rs.
ahotoaduras
uento a 120 rs.
Caixa de linba de marc
^iaunparinas a gaz, dan
.ea<* 19000.
^wJa de pe^as de
4.
Caixa "de botoes de /osso para alca,
<0OT8.
Otszia decarreteis de tinha, 200 jardv, a
0Ors.
roem Wera-OOjaTdas, a240rs.
Mjwjo defita chineza, a 800 rs.
Caixa de linha/com 40 novellos, a 500 rs.
aieios aderec/s com camafeu, a 500 rs.
fearrafa darfinta roxa extra-flna a 15000
Ppjes-corf dita ingleza, preta, a 100 e
ffcOrs.
Caixa depermas Perry, muito boas, a
19000.
Idem idem, a *00 rs.
Caixla< de enwloppes Urjados^ a 600 r.
oem idem iorrados, a 900.rs.
<*ixa de pepei amisade, beiradourtda,
800 rs. i
'Idem idem idem Lisa, a 600 rs.
Duzia detalheres cabo branco, 9 B.,- a
19000
Ream a i de papei pautado, a 9O00
i 59800.
'Idem idemiiso, a 29800, 89800 e 59000.
toques modemos ,\ a 89006 (
Ouzias'de pe^r.s de trancas de csraeol
uranca, -a 400 rs.
Idem idem lisas, a 200 rs.
heques de osso e sandalo, 39000, 49
89000.
Wttrde-Yelludo de toxias as cofes^lafgh-
t*.
^croecopios com 12;vistas,|4 09000.
de tod os
oldura dourada,
recps.
PJAS E MIUDE2AS.
ofjo Oriza verdadeiro,
Frasco com
15000.
Idem comtoniiwje Eemp, verdadeiro, a
15000.
6arrafadf Garrafa /u'agua japoneza, a 19000.
I l^iiritfemdivina, a 19000.
, idem idem "Magdalena fnovidaqe) a
'19200.
Caixa de p6s para dentes, a 200 rs.
Idem idem de pos chinez, muito bom,; a
500 rs. e 19000. '
Pote comopiata de Rieger, lame] e Gros-
nel, 19000.
Duzia de sahonetes de amendoa, a
85600.
Duzia de sabonetes deaoijinhc tpinsparwrfe
t-js, 25200.
Idem idem com Cores, a.19500.
Sabonetes Glycerino trtnsparecte*, e
19000.
Gaixa com Sabonetes, for-muo. at i.-ucias,
a 49000 e15500.
Cosmeticos, graudes e pequenos, a lOOe,
800 rs.
Frasco cocaagua de colagnf, a 200, 320,
500 rs. e 1)9000.
Extractos maitofinos dos.. melbpres.au-
tores.
Lindas e elegantes caixintae cemji^rfumar
rias, proprias. para, presan^es, dos | autqres,
E. Codraj, Ritjgei, GeW Ereres.etc. .
Qaadros com santose estampas* .separa-
das>
: Efliromeios e babados traasperentes, e W.-
pados.
! tttaagTand64aboieta propria paxa qual-
quefkija^
a 260, 320 e 400 rs.o cowido.
SA1AS A 29000.
Vende-so saias braucas com barras de cd-
res,a2S006.
CHITAS ,1'AUA COBER-TA A 280 RS.
Vende-se cbilas para cobertas, a 280 e
360 rs. o covado.
MEIAS PARA HO.MENS A 05000 A DCJIA.
Vende-se meias cruas verdadeiras, para
bornens, a 65000 a duzia, a qual val
85000; '
CHALKS DELAA8Q0RS.
Vende-se ch'ales: d la, .a 800 rs. cada
urn.,
CHITAS FKTAS'A 400 RS.
Venderse chitcs finas da campp largo,) fa-
zenda muito boa, a 400 rs. o.covado.
CflALF.S DE MERINO" A2,$000.
Vende-se^chales de merin6- estampadps, a
29, 35, i-5000 e oCOOO.
Ditos .de listras.a 550po e G5,0OQ.
BRlNS EM CORTES A .15500.
Vende-se cortesde brim de cores eparjo:,
a 15300, para.liquidar.
COBEHTAS. DE CHITA A 15600.
VendeTse cobertas dc chija, a 19600 e
25000.
BRIM,PARDO E DE CORES A .400 .RS.
Vende-se brim pardo e de cores, para, rou-
pa do bornens e meuinos, a 400 rs. o cova-
do, para liquidar.
COEXAS DE CORES A 2*000.
Vender&ccolxiis de cores para came, a 25,
e490O0.
TRA.NSPAREJNTES PARA CADEIRAS A
15500.
Vende-se transnarwitos para cadejras, a
19500, para liquidar.
BO.NETS A 500 RS.
Veuje-se ban9tsde seda para bornens,.^
500 rs.
CHAPEOS A 25500.
Veade-^e .chajiws de castor para rreninos
homeus, a 25500 ,e ,35000.
45000.
Calcasde biim^pardo e de cores, a 25000
e. 25500.
Ditas de casemira de cores e preta, a. 59,
69, 791 00 e 89000.
Palitotsde alpaqas.decores, a ,25500.
.Ditos pr*tos,an35000 o 39b00.
i Ditos de casemira de cores, a 45 t
65000.
Ditos ditos pwtos, a 59000, 695Q0
85000.
Colletes.de,caseniira.de cores, a 29, 39
45000.
Camisas de flanclla, de cores, a 25000 e
25500.
AL50DAO A 49000. "
Vende-se pegas de elgodfio, a 49, 55 e
69000.
liASESURA ,1)E CORiA 25500.
Jfeade-se'uascmira'd-j etTes, a 25000 c
covado. i
MADAi'OLAU A 8*000.
' A,ende*se pe^iis. de, iuatlapolao onfestada
aiOBiOOO. |i
Dito inglez, a 45500, 55, 69 e 79000z
pevi..
..BOWKAS.A 9500.
iiiiMiu-oe bo'iiias para sonUoruumeiiJiJJS,
a 49500,, 59e1fi9000.
Ditas de enfiar, a 2*000.
Sapatos de.'tapete, a 1*500.
. iiitos.de.ara.nc&,, 1580Q o.,29000,
i BRAMASTE A 19*00,
Yvnde,-se.bwnan,te com 40 .palmos
largura, para lenjjijes, a 15600 e 29503
metro. E outras muitas fazendas.propria
domerqadq>lque..sa:yende sem resena.de
precJ, pars liquidar a'te* o Dm di corrente
anno, por J6so.convem,aos compradpres sor
tirejnrse, da fazendas baratas, para a presen-
te festa que esta* na porta, i rua da Iraperatrf?
,in.. 72. Baz,vXai;ioual.
n
hi
'
)
J
Car naval
Aroaral, Nabuca C.. seodam laniijoulas fie
anre'ia-tc &^nvidar aSfremerA mm et< dive"os falos, PO^adas e douradlf. cabellei-
mfi 60NEC\^rSn-.aa e chor^niu Epero,as falsas- bfiacp9 Voprioa, Pra Clvicard,
copjOS (-eompieto sortimepto de mascaras: no Baiar vic-
COM&ODaS LATAS pra guardar. 4ia.
ELEGANTES fiOLSAS para senhoija3 e raefliuiis. \
B0N1T0S VASOS coai fina Uanha e cheiqosos j
' r.rua do Barao dS Victoria"
extractos, trazendj cada frasco um no'ai^, uma ini-
tial flu um:disiico.
EINAS.i4US Dt 3EDA, vindo.eatceelU* cor.
de came-.
Para quern goslar. :
A' Nova Esperanja ;i rua Duque de Gaxias n.
63, acaba de rescber tentoa e caixas para o jogo de
Veltarette.
Vm\ quern si#edas pertias,
A Nova., E?perarj(ax a rua Dujue de .wias d
G3, acSbi dereceber a's ;1rocuradas roeias"de"bor-
racha para quern sbfTffcda? pemis.
FLO RES AUTIFICIABS;
A Nova Esperaoja, .a rua Duque de Qa^ias n.
63, acaba de recebemm Undo e cbtnp'.eta sorti-
mento de flores artiGciaes das dielhbres'qae fe*'
vindo aamereado.
A eUaavanteH'tjije. so acahera.
Costumes para crkus^su >
A Nova Esperariija, a rua Duque de'0iia? n.
63, acaba de receber boDitos':certuniic3{iapa.macs
e esti 9 vendendo,jflrl|?refipS|i-a^}a?^.
Amaral. Nabuco & C vendem mascaras de par
pelfto, brajjcas e preias. para homens, mulheres e
;n;enrno?^flp setim, de arame; de cera para homem,
nw^as I* veliws, lypb iptairamente ecgraoado b ae
iBaaar Ywroriai.rua doiBaran da,Victoria,a. 2.,
Naoha niiiis cabeHos
A.' rua do Cabugfe. n. 1 A.
s:proprietaries couseryar o bum concetto que tt*m oierecido. d<
resDcTtavel publico, dislinguindo o.scu estabeleci-
nlcmto 'dos mais que negociam no meamo genero
veem saenlificar aos sens bons freguezes qae pre
airam aos sens correspondeutes nas diversas par-
gas, d'Eoropa para, ibes enviarem por todcs os pa
qiieles os' objecto: de luxo e bom gosto, quo se-
jam mais bem aceilos pelas sociedades elegantet
laqullosi paizes, risto apruximar se o tempo dt
festa, em que o bello sexo desta linda Veneza
mais. ostenia a riqueza de suas toilleltes ; e co
mo -ia rccebessem pe!e paquete francez diverso
arllgos d,\ ultima incda, veem patentear algum
d'fKrtre eHes que se tornain mais recommendaveis,
^perando do resppitavel publico a costamada
coucusrencia.
Aderecos de larlaruga os mais lindos que teem
ripdo ao mercado.
Aibuns com ricas capas de madreperola e de
velludo, sendo diversos tamanbos e baratos pre-
(OS.
Aderecos completos de borracha pn;prios para
lcto, tambcm se vendem meios aderecos muito bo-
dUos.
BotSes de setim preto e de cores para ornato de
yestidos de lecbora ; tambem (era para coUate
palilot.
Bolsas para senhoras, existe um. bello sortimen
to de sada, de palha, de cliagrim. etc., etc., por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
como de cera, de borracba e de massa ; chama-
mos a altencao das Exmas. Sras. para este artigo,
poisfls vuzes torpam-se as crian^as um pouco im-
perlincntes por' falta de um obiecto que as en-
treteuham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
j Ceroulai de bnhu e de aigodac, de diversos pre-
cos.
Catxinjias com musica, o que ha de mais Iindo,
com disticos uas tarapas e proprios para presen
tes.
. C^qaes os nuis,modernos e de diversos.forma
tos.
Chapeosparas'-Uhora. Recebcram um sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, ecmo para
meninas.
Capellas simples e com vco para noivas.
Calcas bordadas para meninas. -
Entremeios estampadus c bordados, de lindoi
desenhos.
Escovas e'.ectricas para dedes, lem a prupne-
dade de evitar a.carie dos denies.
Franias de seda pretase.de cores, exi.-te um
grandeWtimento de divereas larguras e barato
Preco- "- L
Fitas de- sarja, de gorgurao, de setim e de era-
malole,- de diversas larguras a bonitas cores.
Faehas de gorgurSo muito lindas.
Flores arliiicfaes. A Prediletta prima em con-
serrai1 setBie um bello e grande sortimeuto des-
tas Oo'es,:Bao so para enfeite dos c-bellcs, como
tambem para ornato do vesiido de noivas.
,Galoes dealgodao, de la e de seda, brancos,pre
tos e de diversas' tores.
Gratatas ds seda para homem e senhoras.
Lagos de cambraia e de seda de diversas core-
para seal.ora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas pars
noiva.
ljvros para ouvir raissa, com capas dc madre-
Cla,"marflm, os-o e velludo, tudo que ha de
.
Pentes de larta/.uga e raarfim para alisar os ca-
bel'os ; teem, tambem para tirar caspas.
Port bouquet.-Um-bello sortimento de madre-
peroki.'niailim.'dseo e dourados por baralo preco.
Perfamarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, B so em extractos, como em oleos e
banhas dos melhores odores, dos mais afama-Jo?
fabricates, Loubin, Piver, Sociedade Hypienica,
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispensaveis para
a festa.'
Saias bordadas para senhora, por commode
preco.
Sapatinhos de la e de setim bordados .para bap-
tisados.
;Tapte8. Recebeu a Predilecta um bonito sorb-
meato de diversos tamanhos, unto para sofa co-
mo para eatrr.ua de saias.
Vestimentas para.baptisado o que ha de melhoi
gosto e cfi mais modernos, recebeu a Predilecta
vendo por baatto preco, para Ucar ao alc3ace
qualquer bolsa.
Rua do Cabnga n. 1
Facia, 38, Una Vlvlenne, D
fH?fil;a| HfiDIGIN SPfiCIIIl
: MS BlPllOIIDMAt DIS SBXOABS, AS *FFBC(0ai
Cl TV\EV<. F ALTEBACOrS DO SA5GCE.
13J,0O0curas dast'wpAi.
I gens,puslulas, herpes,
Xxarna, comixotM, aeri-
*JB monia, eallerfoes,vi-
__________ ln'nu do sangne, vi-
rtu, AoUefut-'oes dj sangue. (Xarope vegetal
semmercurio). ncpuri v ?
BAHHa mucues tomao-se dous por
semana, seguindo o tractamento Depurativo: t
emprgilo nas mesmas mulestias.
1 Este Xarope Citracto de
IferrodeCHABLE, cum
limmediatamenie qual-
i liquer purgacao, rela-
___________^jSM'xaioo, e debilidade,
i iiilirtn'" oi.jlxuos e flores brancas das
mulheres. Esta iujeccao bem'gna empregasse
com o Xarope de CUracto de jerro.
(mnMmPoroada que as can ems dius.
i POMADA ANTIHERPETICA
Contra: nas aj'ecc-oes cuianeai e comixoee.
PILULAS VEGETAES DEPURAT1VAS
40 ar.Ohahlo, cada frasco vrai accumpatado
de um folheto. ,
AVISO AOS SRS. MEDICOS.
DCPURAT1F
PLUS Dt
I Can calarrkoi, WUU
coqucluches, irrilafOM
I nervouu tai dot bren-
I chit* ttodat at domfat
_ klo: b*U ao doento
ma colbe rchdea deste xarope Dv Forget.
Dr. CMAJMJI am ParU, raa VlTlemae, .
Sirop du
dFOKGET
'I
Tl
b uajca-ftpprovada t^as academies de
$ciencias, reconhecida superior a toda-.que
lew appairecido *t^ hoje. Deposito priaci-
ipata rua.'d&'-GadeJai iquez de (Minde, c. Si, i^* andar, t em
itrjflas a6"bctcas' e vaaaauhla leafeeHei-
re.iro. '

A N iva Esperaaci, 'a^ua'DuqUe'detaxias n.
63, recebeu um pequeno sertirseDto'-d&'inrreis e
pulseiras elecirica's, proraiasparai qaeoa.-soCre uo-
erroaj

Frasco com ol^o; pa*a machina a 400 rs.
foa do Barao da Victoria d. 28.
Jill |i 'I'll I Cl
Vmfc pci'iuntlia 2 M\ n
cwado1.
Caasa B, j^dj&es', novos,. e. de- maii aprtq
ft^tedttao-nlerda-do,- sfl'njprta aV*$Ql
A3, roja de Guerra & Feruandes, pelo dimiflU-
i utoo'fie-10aBs.0 corado 1
Ofcfneffl fregoeze^ jqae ie'aab>
'd^aKertrta
I ra"fi'nba qe ar
m
iaaajqiitede ; etepORrt* oos. Mjgaiote* lo-i
neas: ruadoVigario n. 26, ma do.Atw>rae b.
fc, e travesaa da rua das Cruzes a. 4, a $00 rs.' a
rttra a retalho.
WNDE-SE
ma K.sa na villa de Barreiro?, na rua dc Com-
ercioA par pr^co modicc : a traXar com Tano
irmaes & C
% verdadeiras
Yinlios de Bonrgpgfle.
'MNLWareas
fcharnbruB
,I4^4e,4uadrQs,
Aovidacle c a 3SO rs. !!!
~

teitr a'b4CaSi$6 :' na ruA-QalrBpernriz fl. 5
. ffDroraard
Vjnits *
-Yo/litfij
Beenoe
Montaelie
. Dho Bordeaux era qtanollc-s.
Vente-se por barato prect*.
PARA LIQUIDAgAQ BE GONTAS
NA
Baa Larga da.Bos&rio 31.
Botica.
Ym ccananat'
liquklaojk) de .dominos.
>"a loja to- Htxio veuda-ae uttia- graudt
porca i de dornirioa. ^orpfecos.mu'ito aara-
tos,;por se Siaejarbcabar. Tendev de-aie-
lk.WG(,n if|cs 69000, ditos de velbutiua a 73000 ettlOOO)
pede-se dizei> qtiaesW'iwwo e*ecoiao alugavam. E'^BrAmcha.
CAJRJSAV
'^itoii,Dtiaite Ruuda Iiuperatriz n. >.2
i: Ttrni'pVc>Oitos;Ia-di!pfsr5aei dos *m*rMfdo"Car
naval, 1,500 barbas a escoiber.i-peloibaraaisiHio
MIOMto ^adjraa(ft(apandp<.oaaitro- de.ca-
belleiras de .todas ai,%mas; a .cores, a '.8/,., 10^5,
l^e^*.caMdattfiia.
^teaxa seiihoras
a44^00!!
A Rosa Branca attba^'rtce'ber'ch^prfosjde'atfl
de seda para senhoras ou monittaB, comtitalos ca
boKDaaasos.eisopwioruiidvu.l a Vftbeia asbl
nao
Ijiirido chfariz.
Vondfc.se por preCii barajo um rjco chaiariz
de manaore "proprio para jardim, o qual se ac-ha
armado na omcina de maimore do Sr. Lima, a
rua do liaperador para quem oi quizer ver :
tratar na rua do Crespo, loja d
arco de Santo Antonio.
Vende ?e urri boimanpo e umatarffca : na
rua do Visconde deGoyanna n. ill, -outr'ora Mon
"dego.
ii qu
a Pitsso janto ao
Deposit) botca Franceza
22 Rna da Cruz 22
J. 0. C. Doyle.
Tern para ve ic :
Cognac- de Hencessy, superior e verd&deire
Vinb.6 Xeres das melhores qualidades.
Bitters da Aoogostura.
Whisky.
Cha preto em lattas de 10 libras.
Todas as preparacSes ehimicas do Dr. Ayer
armaiem da rna do Commercio n 38.________
Chita^preta a 280 rs. o co-
vado.
A rosa branea vende chita'preta boa a 480 rs.
e'Ccvado ; -islo e pechincha: na rua:dalmpera-
trik Bf 56.
Gamferaia dei forro a 1^600
a-,pega
muito,upada e encorpada isto e so na rosa
branea rua da Jajperatrjz n. 56, de Azevedo^ C.
Camisas de chita francezas,
4e^a2p00.
roea.fcanaa,tem/um resto d.e.camisas.de cjer
e etita. de djversos, numeros qbe vena?
,cabar a tttiOO ) quern''dorfrretee a fazenda
ua & taaiwbarato, aprovsitem a ocasifto :
a rna da taperatriz: a. 56:
aMMaxksi
DE
fazenda s finas
llua Primeiro do-Mar^o n. 7 A
DE
Gordeiro Simoes^C.
E' esta uma das casas que t.ojc pode com ftr-
mazia offerecer aos sens freguezes um variadiisi
mo sortimento de fazendas finas para jtrande tol-
lelte, e bem astim para aso ordinario de i das aa
classes, e por precos vantajosos, das quaes fax urn
pequeno resumo.
Mandam fazendas as rasas dos pretendente?
para o que tern pessoal necessario, e d5o araostra?
mediaate penhor.
Cortes de seda de lindas cores.
Grosdenaples,d* todas as cures.
Gorgurao branco, lizo, dc listras, preto, etc
Setim Macao, preto e de cures.
Grosdenapies prtto. ,
Velludo preto.
Granadine de seda, preta e-.de cores.
Popelinas de lindos padroes.
Filo do seda, branco e preto.
Ricas batqainas dc seda.
Casacos de merind tie cures, 15, etc.
Manias brasileiras.
Coites com cambraia branea com liniLs borui.
dos.
Ricas capellas e mantas para noivas.
ltiquissimo sorlimcntu de las com listras M
seda.
Cambraias de cores.
Ditas maripozas, braRr-ay, lizas e Lordadas.
Nanzuques de liudos padrdt-.'.
li;.pU: U.~, padroes deiicadi.s.
Percalinas de quadros, pretos e brancas, listr..
etc., etc.
Brins de linho de cor, proprios para vestiac-a,
com barra e lialras.
Bices corles de veslido dc liuho, com infeites da
mesma cor, ultima moda.
Ditos do caarinaia de cores.
Foatla de lindas cores.
Saias bordadas para senhoraF.
Camisas I .r...das para senhoras, de linho < -
goda i.
Sortimento do lavas da vcidadesra fabrica dr
Jouvi:i, para h -iiiens e senhoias.
Vestaarios para meniu>.s.
Ditos para baplizado.
Ciiapiius para dito.
Toalba^ e guardanapos adama-cado: de linho d.
cOr, para u.esa.
Lolcbas de U.
Corlinados bordados.
Grande sortimcato de camisas de hi,ho, iii.
bordadas, -psra heaieaa.
Meias de cOres para bornens, ireninos e mt^
nas.
Ditas escocezas.
Complc-t-i sjrtimento de ebapeos de sol para i.c
mens e senhoras.
Merino de fir. s para vestidos.
Dito preto, tnincado e dito de 'ei.. .
. Afjalbado de linbo e aluodao para toalhas.
Ahalhado pa-dc.
Damasco de lii.
Brins de liaho, braaco Jo rura pretj.
Setim de linJas cures com li>t'as.
.Chales de mcriuo de cores n pwtoc.
Ditos de eaxeroira.
Bma de seda |ii eta e de eo: i a
Ditos dc louqniu).
Camisas de chita | ara homens.
Ditas de flanclla.
Ceroulas de linho c algodau.
Paunos de crcchi-t ;>ara sofa, eadcil. s : z
los.
Lencos bordados e da !ab)rii:tlw>.
'/'Icbas de croclK-L
Tarlatana de U ias as rufes.
liicus cartes ^e ve^dca de tarlataaa befdaa*c
para cortes.
Espartilbos :i->-., bordados.
Puclavd de soda, liddas cdie-
Meias de seJ;i para senhoras i as.
Ricas faehas Jeseda e la p.-i **>
Rico sortimento de leques ( > pSfoiaa t
osso.
Damasco de seda.
Ricos chapeos e sbapeliaas parawaaoraa, aifi-
ma moda.
Casemira preta c ic cores.
Chita?, madapalao, paaao fiu |ir>-ti i-azalteaS
lariahos, ponhw de liuho e al^ d.'.-.. grafataja, la-
vas de Go Je Eatosaia, lapete* ;. ; I !.. n_
nhos, bolsas eli- viafrai, aeHus buraodw patt rio-
mens, lories de linho tnacoaa< -..<-, taaaaakj
guardanaiios, et."., etc. ____
Bazar Yk'i rj .
>te es;abelc-ci:..ento acaba dc reecber eompie-
to sorliT.ecto de eintos de eonr* i r*ti r m f '
la e Borroate Jo metal, punhes e c. iflinHa^ de b-
nho e gravatas eseoeetas, fiodg yam icuhata : i*
rua do Barao da Victeria n. 2.
Alpaca preta
com flores de cores, padroes si mais modern
no mercado, a 300 reis o cov;.d oo e pa.u.L-
cha ; dao-se amostras : na rua Jo Qjciiukdo c.
43, defronte da praciaaa da ladueau\s.ia.
Bandejas.
AmJrai Nabuco A C. vendem baadei de i.
tal e cbarai de dcfereatai saeddas lafaarim
no Bazar vicioiia, rua do Bari da Vi-t rtai
aproveitem a pachincba : na rua da Imps
a.<6^i I^as.ayaria^a^.
' A.'RofiBraacaacaba de coroprar em leilaauma
porfcao1 'tfe las^aVanarlai^o^WfrcW i'pCiluenoi H
vende pelo bar tissimo preco de S40 ri. o covado;
e.grando pecliiocba,iapiovitem.;. aa nisi daJm-
peratriz n 56, loja aa Rosa Branca, de Azevedo
& Companhia.
e-^e
um
peqa-no
tado-: qneni o pretender"
po, loja de faiendas n iO.
btisaf,fl9!iaearanda.eoj pefleito.es,-.
dir'ja-se a' rua do Cres1-
Liodaalas escocezas.
Be"*arios?,pdrei, e rnteiratnente aodarnai; i
360. w.:o,'ecvado : na rua Priroeriro/ de Marco
aotiaa.do Cfeape n. 13, Joja das colunmas, do Ai-
toiuo.-Correta.ae Vaiconcellos. _______
yendc-se uma carroca e um boi, estando
este basnnte d^sciOcado; no armazem do sal, da
rua da Conceicao, da Boa-Vista: a tratar com
Francisco Meira.
Querem fazenda barata.
Venbam on mandem a Rosa Branca que esta
vendendo muito barato todas as fazendas e roupa
feita : na rua da Imperatriz n. 56.
4* r r
v AL
Vende se lindos dorninos da superior c-. >..,. .-
para c caraavin : na rua d> Dufi'i-- dc i ,
oj. ^^__^^_ __
Para o earn i val
Gu.'mao 4 Leal vendem la*M de paiti .
pequeno toque de m6fo a 300 rs, e ijun
tas a If, o par : na rua Primei'-i 1e fai. n. !i.
Vigor -fa Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a rertovacao do cp-
be!lo, restituicao da sua cor
e vitalidade primillva e nat-
ural.
O Vigcjb co Caa)EU.o 6 uma pyeparacSo ao
mesmo tempo agradavel, saudavol e cca pai
conservar o cabello. Por meio do sou aso o
cabello ruco, ^rjsalho. e eniraquecido, deutio ert
pouco tempo revolve k cor que lhe e natural
pfimitiva, e adquire o brilno e a frescui* d"^
cabello da juveatude; o cabello ralo se torn*
dnso a ealvicie muitas veses, posto qu: n*.
em todos os chaos e neutralizada.
N5o ha nada que pode reformar o cabeQc
.depois dos foUieolas estarem destruidos, e a*
glandes cansadas e idas, mais se ainda rcsuutm
AlgaiHB., pcfdam ser salvadas e utilizadas pets
applicacao do Vigor. Libre de essas substancia?
deleterias qae tomam muitas preparueoes de este
genero tarn nooivas e destructivas ao cabHo; o
vigor sdmehte lhe e beneficial. Em vex de
sujar o cabello e o fazer pegajoeo, o consei%
limpo e forte, emb^llisando o, impedindo a queda.
e o tornar-se ruc/>, e por consequinte previae *
calvicie.
Par* aeo.da toilette nio ha nada mais a .jar; nio coutendo oleo-nem tintara, n*> foar
manqbar mesmo o mais alvo lenfo de larubraia;
perdura no cabello,1 me di um lustre luxurioto,
e um perfume muito agradavel.
Para reformar a cor da barba, d ueoaaaark
mais tempo de que com o cabello, porem ae poeL
appressar o effei to, envolvendo a-barba da ami*
com um lenco molhado uo Vigor.
F8XPA&AD0 poa
Dr. J. C. AYER & CA., Lowell,
Kstados TTnldoB,
Chinticos PraeHeoi e i*|H
YBSJIIHBg VOB.




WffllMLJ
"* '' *


,.
f Ujl-"'
8
*"ifii)f -" "------3irjc~~------------
Diaiio de Pernambuco Sexta feira 13 de Fevereiro de 1874
VARIEDADE

Roque Bnrcia.
Demos n'um dos ultiraos numeros noticia
de haverem os periodicos hespanhoes pu-
blicado dous documentos firraados por D.
Roque Barcia, e mais vierara posteriormen-
te; para satisfazer a justa curiosidade, da-
mos em seguida os primeiros diquelleses-
criptos na integra.
0 primeiro intitula se :
PARTE DE UMA RESPOSTA.
Ua quom so cncolerise porque deraons-
trei a -inepiidao da junta de Cartagena e do
meu p3rtido para cstabeleccr uma ordem
de cousas aceitavel: sobretudo, po-si-
vel.
E visto que ha quem se dcsgosta porque
nao disse nada, julgo roe no dever de dizer
a'.guma cousaj ainda que seja pouco.
Saiba quem me insulta, que deixei de
fallar de unoas ordenancas reaes, declaradas
vigentes, aqui, em Cartagena, en plena re-
publica federal, em pleno direito democra-
tico, usurpando essas leis a* cscola conserva
dora e ao monarcba Carlos HI.
Deixei de fallar dos conselhos de guerra
que decretavam fuzilamentos, como o podia
ter feito o conde de Hespanhe.
Deixei de dizer que se foliava em fuzilaf
como vm creule pole fall r da gloria.
Deixei de recordar certa musica que per
correu as ruas com bandeira nogra, pedindo
em alta voz a pena de morle.
Deixei de lallar de varias pessoas que es-
tiveram presas dous e trcs mczes consecu
tivos sem que viva alma lhes tomasse decla-
ragio.
Deixei de fallar do manifestagojs con es
pingardas e canhoes Krupp.
Deixei de fallaa d'um artista, convertido
de repenle em general.
Deixei de fallar de contas que se nao pres-
taram.
Deixei de fallar em depositos que se nao
explicaram.
Deixei de fallar em uma policia que as-
sassina um homem pelas costas.
Deixei de fallar de um inspector, ladrao
mestre que mata um joven cheio de vida,
porque furtou um lenco que custou 16 rea-
les.
Deixei de fallar de um ladrio grande que
mata offkialmenle o ladrao pequeno.
Deixei de fallar desses homicidios aleivo-
sos.
Deixei de fallar desses assassinios incri-
veis.
Deixei de fallar de certo officio, commu-
nicado ao inteadente, no qual se declarava
que tendo resolvido a junta passar pelas
armas os ratoneiros, autorisava a inteuden-
cia a fuzila-los.
Deixei de fallar de um governo proviso-
rio e de uma junta soberaua que foram pro-
sos ama noite sem que podesse saber quem
os prendeu.
Alberto Araus vivia no segundo andar do
arsenal. Abrio uma janella para respirar
livremente, quando uma seutinella lhegri-
tou debaixo: Se nio fecha, atiro-lhe um
tiro.
De mim sei divr que fui insultadj mui-
tas vezes e preso duas.
Durante trinta Minos disputei com todos
cs partidos de llespanha no periodico, no
livro, no folbeto, na folha volante, nas aca
detains, nas cdrtes, no senado, em todas as
paries : nunca me vi tao maltratado, tao
grosseiramente offendido. como me vi em
Cartagena, nao por um povo que nao tern
igual, modelo de nobreza, de abnegagao e
de heroismo ; exemplo immortal na histo-
toria de Hespanha : nSo por esse povo mag
nanimo, mas pot tanto vividor como o que
acode a toda a revolta, porque be;n disse
Chateaubriand que com as tempestades nas-
cem os insectos.
Fallamos aqui muito de republics, de fe-
deracao, de cantonismo, de humanidade,
de historia, da terra e do ceo ; mas a ver-
dade e que reinou uma tyrannia mais vio-
lenta que a mais violenta oppressSo.
Quando o bomem livre se exagera, e o
inimigo mais desapiedado, mais soberbo,
mais insolente da liberdide.
0 exposto faz ver que as democracias iml
formadas ou mal definidas s3o peiores que
0 realismo tradicional, porque o realismo
estd organisado, e apezar de dissolver mui-
to, cria alguma cousa ; emquanto que
toda a democracia em embriao dissolve sem
crear.
Seesta dissolucao fosse cantonalismo, ar-
repender-me-bia Ic ser cantonal.
Si fosse republica, arrepender-me-hia de
ser republicano.
Se fosse democracia, arrepender-me hia
FOLHETM.
LUCSSCIA 33RSIA
MBilUS IE satamaz -
POR
de ser democrata
Se fosse humanidade, arrepender-me hia
ser homem.
Se fosse Christo, arrepender-me-hia de
ser christio.
' Creio no povo ; esse povo que e o amor
de toda a minha rida : nao creio nos enva-
lheiros de industria que o enganam e sa-
queiam.
Creio na necessaria intransigencia dos
partidos: nio creio nos governos intransi-
gentes.
Creio na idea das federates: nao creio
por agora no regimen federative.
Creio ta.nbera quese ha uma maneira do
fundar uma sitU6c,io que paciQque a Hes-
panha, garantindo os interesses da sciencia,
da arte, do commercio, das industries e dos
olficios, esso governo recebeid as bencios de t
todo o paiz. Eu aceitaria sem violencia
esse governo benefico e estaria ao seu lado
na luta contra o absolutismo.
Creio, por ultimo, que acabar cem a
guerra e faze-lo de modo que nos possamosj
entend'r, vale tanto como salvar a civilisa-
cab e a patria.
16 de Janeiro de 187i. Roque Bar-,
cia.
Denomina-so o segundo escriplo :
UM CADAVER INSEPILTO.
I
Supponho que nio haverd quem sus-j
pcite de que inteuto descul->ar-me para
achar graca n^s que governam.
Aquelle que tantas prisoes torn soffrido,
nao lhe p6de imponar uma nis.
Aquelle que nio tremeu sob o horrivel
eslrondo de 100,000 projectis, nao pode'
tremer perante um capricho da sorte.
Nem o gOverno deve estar irado comnos-
co, pois qu>) n3o nos levanlamos contra os
homens do actual poder, senio contra mi-
nistros que, intitulando se federaes, nos
negaram contra todo o direito a federa-
cao.
Nao fallo por medo : fallo por conscien-
cia : fallo como tenho fallado toda a minha
vida.
Muitos me perguntam ; Se V. estava
tao violentado em Cartagena, porque per-
manecia alii ?
Repugna-me muito tocar neste assumpto ;
mas alguma cousa tenho a dizer, porque a
minha honra nio e s6 minha.
Estava em Cartagena porque, quando sol-
licitava passe da junta, nao se dava conta
do officio em one o pedia.
Estava em Cartagena porque tinba a im-
presciudivel obrigagao de nSo provocar gra-
ves perturbacdes.
Estava em Cart gena porque a minha re-
drada teria occasionado um profundo con-
flicto.
Estava em Cartagena porque nao me dei-
xavam sahir, nem eu o devia tentar.
Estava em Cartagena porque se indicou o
bombardearaento e o perigo me detinha,
pois que o meu dever era morrer com os
meus irmaos.
Estava em Cartagena porque entre a mor-
te e a fugida, nenhum homem p6de digno
amar a sua vida.
Estava em Cartagena porque era um pri-
sioneiro, mais dos sitiados que dos sitiado-
res.
I'asso ao assumpto deste artigo. Desde
o bombardeamento de Almeria, deixei de
assistir d junta, e a minha existencta foi um
martyrio e um remorso.
Assegurou se-me que naquelle bombar-
deamento tinha perecido uma mulher
con uma creanga, e a sombra daquellas
victiraas atormontava-me cruelraente.
Muitas vezes me despertava sobresal-
tado, julgando ouvir uma voz que di-
zia :
Nao durmas: a tua republica federal,
a tua republica humana, essa republica que
'anto tempo pregaste, passou por Almeria e
roubou meu Qlho. Dize : e esta a tua re-
publica ?
Oue bombardeamento tao desgragado 1
que hora tao terrivel !
Mas, consteque ao fallar da junta nSo me
refiro aos seus membros, aos quaes devo
muitas boons e muitos elogios. Todos os
meus companheiros sSo muito santos, muito
justos, muitos heroes ; mas nao servem nem
para o governo de uma aldeia.
E' desta insulficiencia absoluta para o
manejo dos negocios publicos, desta iguo-
rancia pertinaz, deste abandon) incorrigi-
vel, nascem todas as desventuras que teem
cahido, como se houvessero chovido do ceo,
sobre o movimentoqueterminou ; esse mo-
viraento colossal, cujo primeiro e ultimo
suspiro estdo sellados com tanto sangue e
com tantas lagrimas nos gloriosos rauros de
uma cidade heroica.
f Abandono, foi a desgraca do parque.
Abandooo, o inceadio da Tetuan.
i fbandono, a carnificina da Porta de Ma-
drid.
Abandono, a perda prevista do castello de
Atalaya. a -** 3% | .fz
Abandono, a fugida Para que possa graduar-se ate" que ponto
nos torna fmbecis a falta de experiencia
no governo, vou referir um incidente,
entre os muitos de que nio quero lem-
brar-me.
0 castello da Conceigao tern um pa id
com ii.OGO arrobas de polvora. Durante
tres ou quatro dias estivemos, com duas
ameias abertas que comraunicavam como
paiol e q'ie recebiam os continuos fugos das
baterias sitiadoras.
Mesmo d ilbarga das ameias cahiram dous
ou tres projectis. Que cousa mais facil do
que ter cahido um dentro da polvora, como
cahiu no parque de artilheria, tendo entrado
por uma grade ?
Alem disto, por baixo das galerias do
castello, contiguas todas ao paiol, tinha-n-
se resguardado muitas familias, e cada uma
dellas acendia lume.
Nio podia uma ftgulha produzir 0 incen-
dio naquella imaaensa quantidade de polvo-
ra ? Pois se isto acontecesse, toda a Carta-
fena teria voado ate" ds nuvens. A cidade
e Murcia, que dista nove leguas, ter-se-hia
abala lo, se nio derrubado
Quando vejo que esta cidade existe, te-
nho que attribui-lo a um milagre patente
da Providencia. Sim ; 6" um prodigio 0 nio
nos acharmos debaixo de ruinas os sitialo-
res e os sitiados.
Finalmente, por uma candidez do desti-
no, nio fomos todos visitar a lua.
Oh 1 ruinas de Cartagena, primeiro mo-
numento do povo latino, august.) prophecia
de um m'indo que estd em germen I Ob
ruinas sagradas f Quantas verdades me re-
velastes 1
Eu chorarei sobre vostoda a minba vida,
ainda que uma voz mysteriosa annuncia d
terra que estes sublimes infortunios dos po-
vos sio beijos que 0 homem dd e Dews re-
cebe.
Se ha quem cuide que Ibe devo alguma
cousa, reclame da historia.
Se ha quem cukle que lhe devo al-
guma cousa, ajuste contas eoin a humani-
dade.
Se ha quem cuide que lhe devo alguma
cousa, pega-o a Deus.
Vamos ao segredo do nosso presente.
II
Ha dez mezes que disse a um ministro :
esta politica leva-nos a Serrano.
E Serrano veio porque devia vir.
Nio 6 sua a culpa, mas de quem o trou-
xe com a sua torpeza.
O que 0 duquo de la Torre fez, te-lo-bia
eu feito, se tivesse 0 seu poder e 0 seu
piano.
L'mas coostituintes federaes que se tor-
nam inimigae juramentadas ds federa^.ao,
nio merecem acabar de um< modo mais
christio.
Nio as naetou Pavia : raatou-as a sua
sorte.
Nao as matou Pavia : mataram-se elles.
Quizeram volver sobre si quando jd ti-
nham cravado 0 punhal no coragao ?
Ah I Era tarde.
Actualmente digo d Hespanha : se a re-
publica nio pacific*r 0 nosso paiz, terd que
vir a restaura$io.
Porque ? Porque quando unao- idea., uma
dynastia, umi traJic.-ao. uma fe. uma pessoa,
(em um fim bistorico a cumprir, tarde ou
cedo vem cumpri-lo.
Pode vir antes ; pode vir depois ; mas
vem.
Pode vir por distinctos caminhos ; podo
viajar por muitos paizes antes "de vir ; mas
vem.
E esta necessidade suprema das cousas-
nio pertence d moral dos partidos, senao d
infallivel moral do tempo, qua e* a moral
da Providencia.
Com quanto n6s nio acreditemos, ba
muitas cousas n'este raundo que estio re-
servadas ao governo de Deus, e a moral dos.
acontecimentos e uma d'eilas.
Oque deve arder, arde.
E 0 que deve passar, passa.
E o que deve vir, vem.
Podemos desbastar um raonte ; mas aao
podemos quebrar este axioma.
Se a republica nio pacificar a Hespanha,
virio os Bourbons ; virio sem disputa ; vi-
rio forcosamente, porque virio com aquelle
fim.
Virio sem que ninguem possa impedi-lo,
porque virio cbamados pela moral histori-
ca ; virio chamados pela moral d'essa Pro-
D. 4f anoel Fernantlezy Gonzalez
TERCEIRA PARTE.
O DUQUE VALENTINO.
Ill
QUEM MAL USA, MAL AC ABA. '
(Continuac,io do n. 35.)
0s emissarios que Cesar enviara as povoa-
^oes do transito de Affonso e de Lucrecia,
j'ara que mostrassem regosijo, disseram-lhe
cue os de Sesena nio podiaradar grandes
demonstra^oes de alegria, porque todos es-
ta vain de luto.
Pois vinguemo-los a ver se se alegrara
disse Cesar.
%, chamando Michelotto, accrescentou :
Corta-me 0 braco direito.
Quer isso dizer que tenho de ir a Sese-
na, replicou Michelotto revellando uma ale-
gria feroz, porque lhe entregaam d dis-
tfi^do 0 unico rival quetivera no favor de
Cesjr.
Sim e immediatamente, disse Cesar ;
se, !i om, astuto, nio pratiques impruden-
cia5, pafa que Ramiro de Oreo te nio jus-
ticie a ti, em vez de tu 0 justicares a elle.
Yenham dinheiro e instructs, disse
Michelotto.
Cesar abrio um cofre, atirou para sobre
a mesa alguns punhados de ouro e deu
uma cartafechada a Michelotto, que imme-
diatamente se poz a caminho com dez es
birros.
Uma noite, por caminhos extraviados,
chegou d estalagem proximo de Faenza, on-
deestivera n'outra Ofcasido com Angiolina.
iencia quo falla pela bocca de cada povo
mm aada seculo.
I Ou(am n'o todos os partidos liberaes :
bo termina a guerra civil, ou vem D Af-
fonso com dez ou doze annos de tyrannia.
Ill
Republicanos federaes : nio nos errfpe-
nhemos por a^ora om conseguir 0 fodera-
lismo.
E* uma idda que estd em formacio ; e
uma fructa que estd amadurecendo e con-
ve n esperar a occasiao.
Quando 0 sol e 0 ambientc a'amadurece-
rem, pouco importard quo alguns digam
que nio esta ma dura.
Eu via-a. toquei lhe, e posso affianear-
vos que hoje estd verde.
0 governo q.ue nos pacifique serd um go-
verno patriotico : em uma p Lvra, se.d 0
governo nacional.
Trabalhemos todos os hespanhdes por e se
governo verd^deiramente heipanhol.
Escus) de dizer qua nio estarei ao lado
de nenhuma politica contra a lealdade das
minbas convicc,des ; mas faco publico que
aceitarci t>do o governo constituiilo, que
combata os partidarios da inquisicao e dos
frades.
Tudo, menos 0 morrer meira ido em no
me da soriedade.
N'este senlido, sem abjurar as mintuS
iddas, seado 0 qui sempre fui, 0 que serei
sompre, reconheijo ogoverao actual e es'a-
rei com elle na luta contra 0 absolutism).
Enterremos esse cadaver insepnlto !
Acabemos com essa ignominia I
Salvemo-nos d'essa deshonra 1 ,
As nicdes olham para n6s e voltam 0
rosto como se fossemos os leprosos da hu-
man id, de.
17 de Janeiro de 1874.
Roque Barcia.
JDRfSPBUDEHCI~
Relatorio
A RE9PEIT0 DO -tEGOCIO DO MARECHAL BAZAINE
EX-eOMMANDAIE EM CHEFE DO BURC1TO
DO KllENO.
AUDIENCIA W. $ 0% nOVEMBRO
(Continuagao)
Fez-se a leitura do auto.
Presidenle.Coronel podeis retirar-os ;
sereis charaado depois, para_ completar 0
vosso depoirnento se bouver' motivo para
isso.
Concluidc*o incidents, continuou 0 de-
poirnento das testemunhas, seguindo-se- a
falter 0 Sr. Amiot, inspector das- linhas te-
legraphicas.
A testemunhe deu ao conselho pormeno-
res technicos sobre a traasmissao dos des-
pachos, e especial raente do datado de-
Long'-vaj', e expedido pelos-agentes- Rabasse
e Mies-.
Destas explicates, disse 0 presidente
quando a testemunha acabou, resulta que
0 despaeho foi expedido, na noite de 22,
com dipeccio ao coronel Stotlell.
Presidente.Chamai a testemunha' Mies.
A testemunha apresentou-Sd na bar-
ra.
O general Pourcti.Dissestes ter visto o
coronel Stoffell na manha d 2(5, dai-me
pormenores a respetto desta entre vista.
A testemunha fez a mosma narragao que
ja tinha feito.
A testemunha sahro da barra- e foi subs-
Utuida pelo coronel Stoffell. 0'coronel foi
convidado a precisar certos pontos do seu
depoimenlo, que estavam em desaccordo
CO'H 0 depoirnento de-Rabasse e- de Mies.
A testemunha persistio em negar qie fives
se tido conhecimento dos despachos que
tinham sido expedidos por via telegraphica,
e depois levados por Mies e Rabasse. Quan-
to ao pacote levado, 0 coronel persistio em
dizer que nio continha senao papeis insig-
ficantes, que elle deixara de ler.
O general Pburcel.Peco a pelavra.
Presidente.Tendes a palavra-
O general Pourcet. Resolve o> conselho
q^ue resulta do sullicientes presumpgoes,
que 0 coronel Stoffell setornou culpado de
ter, nos dias 22 ou 27 de setembro de 1870,
destruido, subtrahido ou lacerado volunta-
riamente despachos dirigidos ao marechal
Mac-Mahoo, crime punido peloartigo 257."
do codigo de justice militar, permittindo-
me que eu fa^a reservas para os proces-
ses se devam instaurar contra 0 dito
coronel Stoffell.
Mr. Lachaud.Combateu estas conclu-
soes e disse ao terminar : Se uma falta
de memoria. 6 um crime, e necessario que
aquelles a quem ella tern falh ido sejam
perseguidos. E' isso que eu qu9ro di-
zer.
Fez com que abrissem a porta e encerrou-
se com o estalajadeiro.
Quo se diz por aqni do govern ado
de Sesena 1 perguntou elle 7
Que seria melhor que os de Sesena
tivessem por goveruador a peste, respondeu
0 estalajadeiro. Tu vens substitui-lo 7
Pode ser, mas necessito de algumas
noticias a respeito d'elle, que tu me propor-
cionards.
Pelo menos buscarei pessoas que te
possam inforraar melhor.
Pois busca-as, paga lhes bem, e que
essas informagdes venham depressa. Em
Sesena deve viver, se e que lhe nao corta-
r&m a cabec,a, uma cortezi trasteverina,
formosissima, que se chama Cornelia Ripa,
a qual acudio ao cheiro dos escudos dos
cortezios de meu amo quando este occupou
Sesena. Segundo parece 0 Sr. Ramiro de
Oreo gostava d'ella, 0 que nio e" para es-
tranhar, porque Cornelia e" joven, muito
furmosa e grande abtlha raestra.
Informera-se se ella vive ainda, e se a
visita 0 governador de Sesena.
No dia seguinte os emissarios do estalaja-
deiro trouxeram de Sesena a noticia de que
nio so era viva a formosa Cornelia, mas que
sedava ares de rainha e dominava tudo,
por causa da influencia que tinha sobre o
governador.
Michelotto montou a cavallo, com as al-
gibeiras bem chei s de ouro, e poz-sea ca-
minho, com. os seus esbirros, para Sesena
onde chegou ao cahir da tarde.
Deixou os cavallos n'uma estalagem dos
arrabaldes, e entrou na villa com os esbir-
ros, encobertos pela escuridio da noite.
Dirigio-se immediatamente d casa de Cor-
nelia, e, deixando os esbirros espalhados e
a po-tns, nas ruas circumvizinbas, bateud
porta.
A uma das janollas apparecau um criado.
Estd em casa a Sra. Cornelia Ripa ? per-
guntou Michelotto.
Isto nao sdo boras para que um des-
conhi/cido venlia procurkr a minha senho-
ra, respondeu 0 criado.
Tex razio, replicuu Michelotto, mas
eu nio sou nenhum desconbeeido ; diga a
sua ama que vem ve-la um enviado de sua
excellencia 0 duque de Valentino e de la
Roumania, senhor de Sesena.
O criado apressou-se em levar d ama esta
noticia.
Pouco depois, uma mulher admiravel,
vestida com ostentacio insolente, recebia
Michelotto, n'uma camara esplendida.
Aquella mulher era Cornelia Ripa, e es-
tava s6.
Michelotto estava sem mascara e Corne-
lia, ao ve lo poz se em pe assustada.
Para que e esse medo, quando venho
fazer definitivameote a tua fortuna ? disse
Michelotto.
Ah 1 isso e differente, replicou Corne-
lia ; mas duvido muito que possas offerecer-
me uma fortuna maior do que a que tenho.
Nio sou eu que t'a ^offereco, mas sim
0 duque de Valentino.
O duque 1 Quando esteve em Sesena,
nio me fez uma unica visita.
Conhecia-te demasiado, replicou Mi-
chel tto, e esta vi dispensado de tudo para
comtigo ; porem agora 0 caso muda de fi-
gura ; nio se trata de ti, que es apenas um
meio, trata-se de outra cousa.
Qual cousa ?
Antes de tudo, e necessario que nin-
gaem nos ouca, porque 0 caso 6 muito
'grave.
Cornelia levantou-se e sahio pela unica
'porta do aposento.
Fcchei a porta da ante-camara e nin
Iguem nos poderd ouvir, disse ella toI-
' tando.
' Diz-se em Roma que es a amaute de
Ramiro de Oreo.
Pois 6" necessario confessar que em
Roma estio muito bum informados ; e" ver-
'dade, enlouqueci esse homem terrivel.
E nio tens medo d'elle 7 Nio temes
que um dia, para satisfazer um capricho,por
'pura divtjrsao, te corto a cabe^a f
Algumas vezes creio que sim ; outras
parece me qoe 0 tenho tio domesticado, que
serd sempre para mim um cordeiro.
Antecipa-te, rainha filha, para 0 que
possa succeder ; e se te pagarem bem a sua
cabeea, corta-lh'a no momento era que elle
mais c nfiar no teu amor.
Quer isso dizer que Ramiro de Oreo
estd sentenciado ?
Sim, mas quer-se que a execucio seja
mysteriosa. E esse homem vem ver-te to-
das as noitas 7
Sim.
A que horas 7
Depois da meia noite.
A que horas se retira 7
- Antes da amanhecer,
Tu conhece-lo 7
Oraessa 1 e meu amante ha um anno I
Eu bem sei o que pergunto. De que
cor sio os cabellos de Ramiro de Oreo 7
Ruivos e crespos como os de um
leio.
Entio nio 0 conheces ; nio sabes que
por detraz d'esse nome e d'esses cabellos,
ha outros cabellos e outro nome ; que Ra
miro de Oreo, 6 um mysterio, um morto in-
sepulto.
Ah I Santa Madona I exclamou Cor-
nelia.
E' necessario sepultar esse cadaver,
accrescentou friamente Michelotto.
Com que condicdes 7
Uma renda da dous mil escudos, e
uma formosa casa de campo nos arrabaldes
de Roma.
Quem me assegura isso 7
O duque de Valentino.
E cuino havemos. de fazer para que
eu lo eiuroguc tiiiniro de Oreo 7
O t- u leito e bastante espacoso, disse
Michelotto olhando para 0 leito que havia
na camara, e posso occultar-me atraz d'elle
com quatro homens.
. Ramiro e uma fera.
Nio importa ; eu valho por duas fe-
ras, e cada um dos homeus quo me iCom-
O auto foi ontregue ao cotnmissario do
governo com todas as suas conclusoes.
AUDIENCIA DE 5 DE NOVEMBRO.
Presidente. Chamai o general conde' de
Palikao.
A testemunha foi convidada a depdr so-
bre as relacdes que tinha tido como minis-
tro da guerra. con o marechal .Razaine, a
respeito do piano que pdde ter conbinado
para f zer marchar os exercitos.
Testemunha.la ds Tulberias todos os
oias, e d camara todos os dias ; estava pois
muito occupado, o se a minha memoria me
falhar, e' necessario levar isso em conta das
minbas numerosas occupancies. Soube que
a marcha do exercito de Chalons tinha por
objectivo Paris. Tomci sobre mim fazer
marchar o exercito de Chalons em auxilio
do exercito do Rheno. Esta raadan^a,
aceita pelo Marechal'Mac-Mahon, executou-
se a 22. Communiquei telegraphicamente
com o marechal Mac-Mahon Todavia um
falso despaeho prussiano, tendo nessa occa-.
nio tornado lugar no nosso servico telegra
phico, julgu novo uso do telegrapho. Qu.nto ds nossas
communicates com o marechal Razaine, a
17, recebi delle a noticia da batalha de
Gravelotte.
No dia 18, recebi do imperador a mes
ma noticia, mas com mais pormenores. Re-
cebi tarabem u.na carta do marechal Ra-
zaine. Creio que as minbas coramunicacoes
pararam alii. A respeito da marcha do ma-
rechal Mac-Mahon, assumo uma parte da
responsabilidade. Aquella marcha estava
submettiJa, nao a uma causa politica, mas
l consi lerai;t>es estrat^gicas. Esta marcba
foi resolvida em conselho.
A' escepcio do ministro da marinha, era
eu o unico mil it r no conselho. Esta reso-
lueao, boa no dia 18. jd nao era realisavel
no dia 22. O imperalor e o marechal
Mac-Mahon tin am resolvido naquella data
marechar sobre Paris. Muitos membros do
conselho er*m hostisa este movimenlo, en
tre outros Mr. Rmlier. Eu, pessoalraente
riz tudo para o impeJir. Telegrapbei ao
i.nperador e ao marechal, mas o meu des-
pethx) na foi causa determinante da mu-
danija quo occorreu no mo^knento, por isso
que o meu despaeho -o cruzou com o do
ma^ochal Mac-Mahon, no qual dizia que
tendolhe escripto o marechal Razaine pre-
venhnlo-o de que ia para o norte, ia elle
tomar a mesma direcgio, camiohanlo ao
encontro do exercito do Rheno.
A testemunha entrou dupois em pormeno-
res technicos, e tracjou um quadro das
marc'ias-e- contra-marchas a que o movi-
mento de- Mac-Mahon submetteu os prus-
sianos. Sao me preeccupei com outra
cousa, accrescentou a testemunha, e consi-
dero o movimento do exercito do marechal
!Mac-Mahon'Como a salvagio da Franca, a
.despeito de tudo quanto podessem dizer e
iescrever os estrategicos na'camara.
O presidente..Interrogou o general de
Palikdo a respeito do conjuncto das combi-
na^Oes que lhe tinham feito aconselhar a
marcha para o norte.
A testemusha respondeu. que tendo sabi-
do o feito d'armas nacional de Verdun, re-
pellido um ataque dos inimigos-com os seus
eanhdes de bater, e as pequenas vautagens
alcanc,adas pelo marechal Bazeine, conten-
ds um chequetodo o exercitOi do principe
Frederico Carlos, passara que a intervene^)
repentina de um exercito de 8O.000 homens
sohro o ilanco do inimigo, podia e devia
:nesmo mudar de face a guerra. ,
P:.O conamandanto Magnan escreveu
nos de Chapleville ; tivestes conhecimento
dessa ccrta, datada de 19, no-qual indicava
que a intern^o do imperador tinha mu-
dado.
R.E' provavelque estas- cartas tenhara
sido dirigidas ao ministerio emquanto eu
e tava-na camara ; eu nao ouvi fallar del-
la*.
p._Havieis-recebido uma iota do mare-
chal Bazaine annunciaudo que ao exercito
de Metz faltavam muni^oes ?
ft.Lembro-me de uma nota. nesse scn-
tido, mas nao- atfirrao que fosse do mare-
chal Bazaine, ou do general Soleille.
P.A nota quo foi eimoutrada nos ar-
chivos do ministro da guerra $ assignada
pelo marechal Razaine, mas conhecia-se
que tinha sido dirigida por indicoi;So do
general Soleille. A 20 de agosto, daveis ao
marechal Mac-Mahou noticias annunciaudo
que o exercito de Metz, depois de ter com-
batido a 18, em Saint Privat, occupava
ainda a liniia de Amanvillers : toda.via nes-
se mesmo dia 20 de agosto, vos telegrapha-
va o coronel Turnier que o marechal Ra-
zaine tinha julgado dever concentrar todas
as suas tropas em Metz. Nao podestes in-
panha, por fera e meia. Ramiro de Oreo
ceiard comtigo talvez,n'esta mesma camara.
Sim.
Quem serve a ceia ?
Ninguem ; poe-se a mesa antes de Ra-
miro chegar, os criados d^itam-se e Ramiro
entra om uma chaveque possue.
Pelo que vejo estd em raoda fazer
mysterio de uma cousa que todos sabem.
Ramiro nio quer dar escandalo.
Certamente ; 6" realmente pena ter da
acabar com elle, porque senio, representa-
ria a fabula do lobo ermitio fazendo-se
frade. Dize, onde se senta elle para ceiar ?
Voltando as costas para o leito.
Magnifico. Manda acompanharme
pelo criaTo que me abrio a porta para que
me sirva de guii na villa como se eu fosse
estrauho a ella. Depois voltarei.
Cornelia chamou o criada, e mandou-
lhe que acompanhasse Michelotto ate d
praca.
O pobre criado sahio bem alheio e
que nio tornaria a voltar.
Quando menos o esperava, achou-se cer-
cado nelos esbirros de Michelotto.
Quee isto 7 disse elle com sobresalto.
Silencio ou raorres 1 respondeu Mi-
chelotto. Caminha.
E levou-o para um sitio isolado proximo
dos inuros.
Disseste a algum dos outros criados
que tinha vindo um homem procurar tua
ama da parte do duque dela Roumania 7
Nio, senhor, respondeu assustado o
infeliz ; o unico criado sou eu ; as outras
Sio criadas e estavam jd nos seus quartos.
Cuidado com o que dizes, porque se
se sabe que disseste a alguem o que m j ou-
viste, morres de morto vioh-nta. Pelo con
trario, Be onfess.is, fecb trem >s b).i d
pessoa a quem o tenhns dito, irds para I n-
ge d'aqui e serds recompensado.
Ndo disse nada a ninguem.
Tanto melhor, replicou Michelotto.
E bateu uma palmada.
Immediatamente os esbirros, que estavam
formar o marechal de Mac-Mahoo a respei-
to deste movimento 7
R. -Nio sei se tolegraphoi ao marechal
de Mac-Mahon.
P. -A 21, indicastes ao imperador e ao
marechal de Mao-Mah n, com* argent*,
um motimento sobre Montmedy. Tivestes
alguma indicagJo de que o marechal Ba-
zaine procurava dirigir-se para aquelle
bdo?
R.Isso resultava da situacio dos exer-
citos.
P.Todavia dizieis : O piano de Ba-
zaine nao produzio resultados. Esti pa-
lavra piano, de que vos havieis servido,
nio vos traz ella alguma recordacio Ha
com tudo entre os vossos conselhos ao ma-
rechal de Mac-Mahon. e a marcha do exer-
cito do Rheno no dia 26, uma coinciden-
cia muito extraordinaria. Nao vos recor-
dais de haver recebido, nio pelo telegrapho,
por isso quo as comaunicacdes esuvara in
terro npidas, mas por um emissario qual-
quer, uma communica<;io do marechal Ba-
zaine, depois dj dia 21 de ag isto?
R.Jd live a honra do dizer ao conselho
que nio tinha recebido absolutamente
nada.
P.A 21 de agosto, foram expedidos de
Longway quatro despachos. Lra desses
despachos, assignado pelo marechal Bazai-
ne, dizia : Eu vos prevenirei do meu
movimento, so o poder realisar. Este
despaeho foi transmittido ao marechal de
Mac-Mahon ?
R. Certamente.
P.A 27, telegraphou vos o marechal
de Mac-Mahon, dizendo que desde 19 estava
sem noticias de Bazaine. Isto nao vos ira-
pressionoa ?
A testemunha respondeu d pergunto, dan-
do pormenores estrategicos.
0 presidente fez notar que aquella nio
era a questi >.
9Sr Fute/ferempregado uo camiohede
ferrod'Este, tinha sido encarregadode lew
ao marechal Baraiuelum despaeho ao mints-
tro da guerra, econtrou na sua missao o*
agentes-Rabasse e Mes; chegou aThionville,
depois de t-r passndo pelo Luxemburgo ;
e communicuu os seus despachos, que eram
cifrados, ao coronel Turnier; tendo lhe este
declarado que nao havia meio de ir at
Metz, nio proseguio no seu caminho : mas
preso pelos uhlanos e araeacado da ser fu-
zilado, voltou a Thiooville, e d'lli a Paris
onde entregeu o despaeho de que era pcr-
Eador ao director da companhia d'Este.
P.O coronel Turnier vio o vosso des-
paeho, e souoe de quem vinha, e nio fez
nenhum esfor$p pessoal para o fazer chegai
ao seu destino ?
R.Nio, senhor presideute.
Q'Sr. Sabatkr Boelmann, chefeda gare,
disse:a 21 ou 22de agosto em Charle-
ville,.presidi d organisacie-de um trem es-
pecial, que devia transporter ocommandan-
te Magoan. O twm nio partio.
01 general Pourcet.Havia iwpossibih-
dade material para-el e passar ?
R.Nao o creio, por isso que e> cami-
nho foi reparado desde logo.
P.A' falta de caminho de ferror nao s*
podia ir a pe ou de carruagem 7
RSeeu tivesse sido encirregadodc uma
tuissaOi eu me teria encarregado de pas
sar ; rauitas pessoas passaraui.
Presidente.Sem me occupar de ouro d->
incidente de hontem, vou mandar chamar
o coronel d'Abzac para lho fazer uma per-
guntav
O coronel e introduzido na sala do con-
selho..
P.Eis aqui o unico ponto-sobre qu_*
quoria- interrogar-vos. PoJeis precisar bem
qual era o ollicial de service ao estado-
maior'general na noite de 2S para 26 de
agosto?
II. Era o Sr. Marescalchi, tenho a cer-
teza. Outro dia disse que era capitao ;
nessa epoca nio era ainda senao tenente.
Lembroa que, pelo mais lamentavel con-
tratempo. aqueiie^>fficial tinha ulti.namen-
te partido para a Virmauia.
Presidente..Dpois de seguir a ordem
na li.-ta das testernunhas, devetoos ouvir
agora um grupo separado na tereeira se-
ne, e cujos depoiraentos se ligam ao inci-
denta conbecido coin o norae de despaeho
Ilulme. A maior parte dessas testemu
abas-faltam hoje. Ouvi-las-hemos na sex-
ra-feira. Nesse meio tempo vamos fazer
chamar muitas testemunhas, que tem a de-
pdr sobre os factor de que nos occupamo*
actualmente.
\(C&Htinuar-s93ia}- h
a alguma distancia, precipitaram se sabre o
desgracado e assassinaram n'o.
O seu cadaver ficou abandonado aMi.
Michelotto voltou com os dez esbu-ros a
casa de Cornelia, bateu uroa pequeoa pal-
mada, e Cornelia, que estava csperando
abrio uma janella e perguntou em va?
baixa :
E'stu, Michelotto ?
Sim, sou eu, respondeu aquelle.
A janella fechou-se.
Pouco depois abrio-se a porta e entra
ram Michelotto e os dez esbirros.
E' necessario, disse Michelotto, qu._*
estes seis ho nens se escondam n'um apo-
sento
Cornelia eseondeu-os n'um quarto do pa-
vimento terreo.
Os outros quatro e Michelotto foram si-
lenciosamente introduzidos nos aposento*
superiores, por Cornelia.
A' meia noite chegava d casa de Cornelia
um homem embucado que assobiou.
Pouco depois abrio-se a porta e appare-
ceu Cornelia com uma luz na mae.
Que significa isto? Onde estd o Mar-
os 7 perguntou o homem embucado.
Sahio esta tarde e nio voltou, respon-
deu Cornelia com grande naturalidade ;
provavelmente embriagou-se. Estoj des-
contente com elle, a serd necessario despe
di-lo ; vi-me obrigada a servir eu mesma a
ceia.
Pedro, porque era elle, nio replicou, e
seguio em silencio Cornelia.
Quando entrou na camara desta, no meio
da qual havia uma mesa esplendidameo'.e
servida, com Bambres, vinhos e conserras,
tirou a capa, o gorro e a espada q a p
sobre uma caieira, e, sentaudo-sa a mesi,
voltanlo ss costas pa a o leito, ficou me-li-
tabunJo e sombrio.
(Conlinuar-se-haJ
VTP.D0 D1AR10.- r.l'A DL .>UE !>ECAXLi.
--
I

V
"-
r
j
M