Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text
y
i

i
-
i

I
*
AMJtt L. NUMEBO 32
PABA A CAPITAL E LUGi.lRES 0\DE \AO SB PAGA PORTE.
Porires mezes adiantados.....'.'.-........... 69000
Poreis ditos idem............v......125000
For ura anno idem...............; 24jp000
I Cada numero avulso................. 9320
DEP
=--*"- -'-
-. ...I" ." ..i' "

TERfA FEIRA M DE FEVEHUO DE 1874
PARA DEATROE FORA DA PRRVMICIA.
For tres mezes adiantados..............
Por seis ditos idem...............
Por nove ditos idem...............
Por um anno idem.. ....... a.........
69750
13960*
209350
279000

PR0PRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA 6 FILH0S.
tt Srs. Gerardo Antonio AlvesA Filhos, no Pa.-i; Goncalves & Pinto, no MaranhSo ; Joaquim Jose" do Oliveira 4 Filho, no Geart^j^ntonio de Lenius Braga, no Aracatj ; Ju*o Maria. Juiio Chaves, no Assii; Antonio Marques da SiWa, no Satal; Jose Justino
Preira d'Almeida, em Mamangnape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose1 Gomes, n*Tilla da Penha; Be'armino dos Santos Bulcao, em Santo Antao ; Domingos Jos3 da Costa Braga, emHaxareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna ; Joao Antonio Macbaeo, no Piter daiiiagdas ; Aires AC, na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rie de Janeiro.
PARTE omCIAL
Govern* da provincia.
KXPEDIENTE DO OIA 13 PB NOVEMBRO DE 1873.
1.' seccao.
Ottlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas.Sirva-se V.Exc. de mandar por em liber-
dade o recruta Mathias Antonio do3 Santo*, que
provou isencao legal.
Ao mesmo.-Sirva-se V. Exc. de raaadar
pOr em liberdade o recruta Thomaz Francisco de
Aquino, que provou isencao legal.
Ao mesrao. -Sirva-se V. Exc. de mandar
par em liberdade o recruta Jose Antonio de Sou-
za, que provou isencao legal.
Ao capitJo do porio Mande V. S. por em
liberdade o recruta Joao Fraa:isco Pereira, que
provou iseagao legal.
\o director do arsenal de guerta. Mande
V. S., mediante indemnisacao do ministeno da
guerra, fornecer ao almoxarifado do arsenal de
marinha 3,000 espoletas de percussao, como soli-
eita o respectivo inspector em offlcio de 7 do cor-
rente sob n. 761.
2.' seccoe.
Actos :
0 presidente da provincia, attendcado ao
que requereu Augusto RuQno de Almeida, tabel-
iiao e escrivao do civel, do termo do Rio Forraoso,
resolve eonceder-lhe 3 mezes de licenca para tratar
de sua saiide.
0 presidente da provincia, altoadeado ao
que requereu o tenente Fabriciano Napoleao do
Rego Barros, escrivao do civel e crime do munici-
pio desta capital, resolve prorogar por mais 6 me-
zes a licenca que lhe foi concedida para tratar
de sua saiide.
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o bacharel Jose Cavalcante de Albu-
querque Ucbda, promotor publico da coraarca de
Itarabe, resolve coneeder-lbe 2 mezes de licenca,
com venciraentos na forma da lei, para tratar de
sua saude.
Offlcio :
Ao chefe de policia.Envio a V. S. o offlcio,
junto por copia, do engenheiro fi:cal da estrada
de ferro do Recife a Caxanga, em que trata do
lamentavel facto de haver sido raorto um iodivi-
duo pelo trem que vinha de Caxanga as 8 huras
e 40 minutos da noute do diatlO deste mez ; atim
de que proceda as averiguacoes necessarias, de
medo a verificar se houve culpa da parte do ma-
chinista.
Ao raesmo. Louve V. S. o subdelegado lo
districto de Alagiia de Baixo pela captura do cri
minoso Jose Francisco da Silva e de duas raulhe-
res, suas cumplices!
Ao mesmo.Chamando a attengao de V. S.
&obre os factos de que trata o offlcio, junto por
copia, do promotor publico da comarca do Buique,
lhe recomraendo proceda de conformidade com a
lei, contra quern achar em culpa.
Igual ao juiz municipal do Buique.
Ao commandante do corpo de policia. PoJe
Yaic. eliminar do corpo sob o seu commando as
pracas Manoel Ferreira Pinto, Victor Justioiano
de Jesus e Simplicio Severe, dos quaes traia o
seu offlcio n. 639, de 10 do corrente, visto terem
pessiraa conducla.
Z.' seccao.
Actos :
0 presidente da provincia resolve nomear o
cidadio Francisco Antonio dos Santos para o lu-
gar de cobrador da collectoria do municipio de
Panellas, Dcando sem effeito a nomeac.io Je Wen-
ceslao Florentino dos Santo?, feita em 28 de inaio
do corrente anno.
0 presidente da provincia resolve nomear
Joao Francisco do Araaral para collector provin-
cial do municipio de Iguarassu.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Communico a V. S., para os devidos Ons, que a
10 do corrente entrou o bacharel Joaquim Elysio
di Carvalbo Couto no gozo da licen;a que lhe foi
concedida a 5 deste mez.
Ae inspector da thescuraria provincial. -
Autoriso Vmc. a mandar pagar ao professor pu-
blico da povoacao de Nazareth do Cabo, Lourenco
Laurentino Cesar de Menezes.os seus venciraentos
correspondentes ao mez proximo findo, durante o
qua! deixou elle de funccionar por achar-se doen-
a de bexigas, conforme o attestado do respectivo
delegado litterario.
Ao mesmo. -Recommendo a Vmc. que, sem
perda de tempo, mande liquidar as contas da com-
panhia-Recife Drainage-e pagar a respectiva
importancia; devendo, caso nao haja dinheiro
nos cofres dessa thesouraria, emittir apolices ao
jaro de 7 por cento ao par, com as quaes pagara
Vmc. a corapanhia, si nisso e!la convier.
5'. secrao.
Offictos:
Ao Sr. capitao James D. Bullock. Tendo
ch-gado ao meu conhecimento papeis exi>!entes
ua secretaria desta presidencia, concernentes ao
contracto celebrado em 18 de dezembro de 1865
com o commendador Antonio Gomes Xetto para o
asseio e limpeza da cidade do Recife, e resultando
do estudo sobre elles feito achar-se o mesmo con-
tracto alterado, ou antes falsificado na parte re-
ferente ao quantum que por cada palmo de enca-
namento os particnlares seriam obrigados a pagar,
creando-se assim urn encargo, nao previsto no
mesmo contracto; para remover toda a incerteza
sobre tal assumpto, restabelecer o imperio da ver-
dade, libertar os proprietarios desta capital de um
onus injusto e fazer punir o antor ou autores de
semelhante falsiflcacao, entendi necessario mandar
proceder a um exame judicial, que servisse de ba-
se legislative a qualquer proeedmento ulterior.
E, de feito, havendo-se realisado o supradito exa
mo pelo juizo de direito do 2 districto criminal
desta cidade, ficou averiguado ter havido falsiQ-
ciQio ou alterafio no contracto, nos termos aci-
rna referidos, nao sendo possivel proceder-se con
tra p autor ou autores daqnelle tacto, por ignorar-
sa ate agora quern elles sejam. Entretanto, sal
lando aos olhos a exorbitancia do preco estipulado
por cada palmo de encanamento (o que e tndo),
tendo esse preco por base visivel, falsificacio ope-
rada sobre o instrument do mesmo contracto ;
no.'i ntuito de prover de remedio um mal que, sem
razao de ser, fora nor um vicio imposto a popula-
cao, convidei a empreza Recife Drainage, na pes-
soa de seu gerente, a entrar em algurn acordo ra-
soave! qoe, por meio de concessdes reciprocas,
acceitaveis, podesse fazer desapparecer aquelle
mal, obra e resultado, por ventura, da ma fe.
Depois de detidas conferencias acerca de bases e
condicSes propostas, com o fim de obrigar-se
ao predito acordo, acaba a empreza de apre-en-
tar um projeeto de novacao ao conirictj, cuuiendo
estipulacfias de tal ordem, e por tal forma preju-
diciaes aos interesses da provincia, que nao ser-
rae-hia permittido acceita-las, sem infringir o
meu dever e trahir a minha honrosa missao. E
por que assim tenha adquirido a couviccio de
nao poder levar a empreza a acceitar modifica
c5e, que possam harmonisar os interesses de
ambas partes, em vista das excessivas exigencias
por ella formnladas; reconhecendo por outro lado
que nao etta na espbera de minha jurisdiceao al-
terar o contracto, que, somente por acordo dos
contraclantes, node ser modiflcado, e querendo
poupar & mesma empreza quaesquer obstaeulos,
espeeialmente arredar tolo o pretexto que possa
elia eacontrar na demora de qualqutr ajuste, para
justiticar o nio enmprimento das obriganles que;
lhe !>ao imoostas pelo supralito contracto ; tenho
resolvido declarar que, reconhecendo este em vi-
gor em todas as suas eslipulacdes, deixo de accei-
tar as bases propostas pela empreza, e renuncio a
qual<]oer outro acordo nest* sentido ; dcando li-
vre a fazenda provincial c direito e acciio qae lhe
possam resultar do descobrimento de toda a verda-
de, se esta chegar a ser conhecida, em todas as snas
paries, contra o cedente, commendador Antonio
Gomes Netlo, prn virtude de processo criminal ins-
taurado contra o autor ou autores da falsilicacao
do contracto : 6 o que tenho a levar ao conheci-
mento de V. S. parj sen governo.
Ao Exm. desembargador procorador da co-
rda, soberania e fazenda nacional. Sirva-se V.
Exc. de emittir o seu parecer sobre os autos de
medi'.-ao e legitimacao das posses pertenccntes ao
major Vicente Ferreira Padilha Columby e her-
deiros de Pedro Jose da Costa Castello Branco,
cujos autos lhe remetto inclusos e me serao de-
volvidos.
Ao gerente da empreza Reeife Drainage.
Levo ao seu conhecimento que por offlcio desta
data recommendei ao inspector da thesouraria
provincial que sem perda de tempo mandasse
liquidar as contas dessa companhia, alii existen-
tes, e pagar a respectiva importancia ; autorisan-
do para tal Am, caso fosse necessario, a emissio
de apolices ao juro de 7 por cento ao par.
EXPEDIENTS DO SECRETABIO.
1*. seccao.
Offlcio :
Ao inspector do arsenal de marinha. S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda decla-
rar a V. S., era resposla ao seu offlcio de 7 do
corrente sob n. 761, que o director do arsenal de
guerra tern ordem para fornecer ao almoxarifado
dessa reparticao 3,000 espoletas de percussao.
2.* seccao.
Offlcios :
Ao bacharel Jose de Carvalbo Cesar. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar
o recebimento do offlcio le V. S., do 11 de outu
pro proximo passado, em que participa ter nesta
data assumido o exercicio da jurisdiccio da vara
de direito da comarca de Cabrobo, no impedimen-
to do respectivo juiz
Ao bacharel J >se Elysio de Carvalbo Couto.
- 0 Exm. Sr presidente da provincia manda ac-
cusar o recebimento do olflcio de V. S., de 10 do
corrente, era que participa ter entrado no goso da
icenca que lhe foi concedida.
mTERIOK
DESP.VCHOS UA PRESIDENCIA, DE / DS KEVEREIRO DE
1871.
Antonio Luiz de O'iveira Azevedo & CEntre-
gue-se.
Bacharel Aqiilino Gomes Porto. Informe o Sr.
inspector da thesouraria de fazenda.
Bacharel Pelix de Figtieiroa Faria. Passe por-
taria, concedendo a licenca requerida somente por
30 dus com vencimentos.
Franeisco Sergio Florencio da Cunha. ja foi
providenciado no sentido em que re |uer o sop*
pli<*ante.
Heliodoro Cyrino de Oliveira Coragem. Infor-
me o Sr. Dr. director da instruccao publica.
Ignacio Romao de Faria. Entregue-se.
Isabel Maria da Conccicao. Informe o Sr. Dr.
chefe de policia.
Jose Maniz Teixeira Guimaraes. Passe porta-
ria, removendo o supp.icaote.
Jos6 Rodrigue3 Pereira. -Informe o Sr. Dr. che-
fe de polich.
Joio Evangelista da Silva.Seja posto em liber-
dade.
Jose Ignacio d'Avilla.De-se. \
Desembargador Jose Ignacio Accioli de Vascon-
cellos.Passe pirtaria, concedendo a licenca pe-
dida.
Joao Severiano Carneiro da Lunha. = Como re-
qucr.
Joao dos Santos Ferreira Rarros. -Declare o sup-
plicante qua! a informacao a que allude.
Joao Gomes de Souza.-Informe o Sr. brigadei-
ro commandante das armas.
Co 3ii in undo das armas.
JUARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
DE PERNAMBUCO, EM 9 DE FEVERE1RO DE
1874.
Ordem do din n. 79.3
0 brigadeiro commandante das armas faz publi-
co para conhecimento da guarnicao e fins necessa-
rios que, segnndo censtou da ordem do dia da re-
particao do ajudante general, sob n. 1.008, foi no-
meado por portaria do ministerio da guerra, datado
de 22, o Exm. Sr. brigadeiro reforraado Hygino Jose
Cuelho, para commandante da fortalezado Brnm, ;
que por outra ordem, sob n. 1,007, da mesma re-
particac, foi remorido por portarta do mesmo mi-
nisterio de 19, tudo do mez de Janeiro ultimo, o Sr.
2* cirurgiio de corpo de saude do exercito Dr
Luiz Jose Correia de Sa, da guarnicao desta pro-,
vincia para a da Paranyba, e desta para aquella,
o Sr. 2* cirurgiao do mesmo corpo Dr. Joao Can-
cio Xunes de Mattos.
Faz publico igualmente, que por decreto de 24
do citado mez de Janeiro reverteu para o quadro
do exer-ito e foi classificado no i* batalhao de in-
fanteria, por portaria do ministerio da guerra de
26, ainda do mesmo mez de Janeiro, o Sr. alferes
Epiphanio de Araujo Caldas, que estava aggrega
do a r- ferida arma.
Determina portanto, o mesmo brigadeiro com-
mandante dis armas, que o Exm. Sr. briga-
deiro Hygino, receba o commando da fortaleza
do Brum do Sr. coronel honorario do etercito
Alexandre Jose de Barros e Albuquerque; que Ih'o
entregara com as formahdades du estylo.
(Assignado.) Munoet da Cunha Wanderley
Lins.
Conforme.0 Mem Jose EUziario ds Santns,
ajudante de ordens interino, encarregado do de-
laine.
Reparti$a da pollcda.
*.' seccao.Secreuna de policia de,Pernambuco,
9 de fevereiro de 1874.
N. 18J.Illm. e Exm. Sr.-Participo a V. Exc.
que foram recolhidos a casa de detencao os se-
guintes individuos :
No dia 7 do corrente, a ordem do subdelegado
do Recife, Jos Fernandes Bombeiro, a reqnisicSo
do consul portuguez.
A' ordem do dos Afogados, Aniceto Jose de
Araujo, por crime de morte, a disposicao do Dr.
juiz de direito do 6.* districto criminal.
So dia 8, a ordem do subdelegado de Santo
Antonio, Vicente, escravo de Antonio Francisco
Pereira de Lyra, a requerimento deste.
0 snblelegado dos Atogad'V, por offlcio de 7 do
esrnmte, eommdnicoa-rae que, pelas oi'.o huras
da noite do dia anterior, no lugar Aterrinho, do
Giquia, fora assassinado Mathias Gomes da An
nanciacao, por um individuo desconhetido, de
cor pi eta, o qual presume-se ser Caetano de tal,
cozinbeiro, em consequencia de terem sido eneon-
trados no lugar do crime objectos de seu uso, e
que a tal respeito procedera nos termos da lei.
Ainda communicoa me a mesma autondade que
apprebend^ra, no districto de sua jarisdiccao, dous
cavillos furtados.
Deus guarde a V. Exc. -Illm. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique Pereira de Lucena, diguism-
mo presidente da provincia.0 chefe de policia,
Antinio Francisco Correia de Araujo
RIO RE JANEIRO
22 DE JANEIRO DE 1874
Missito Pettedo.
Um telegrarama expedido em 29 de dezembro de
Roma para Paris annunciou ter sido bem succe-
dido o Sr. barao de Penodo na raissao especial
junto ao santo padre, de qae fora encarregado
pelo governo do Brasil.
Nao sendo ate hoje conhecido qualquer act)
puiiiinYiu, qtrt a iJ*Trts S6 se resor'aria Aaltiral-
mente o direito de fazer chegar ao conhecimento
do episcopado brasileiro ao mesmo tempo que ao
do governo do Brasil, inclinamo-nos a crer que
aquella noticia, transmiltida a ultima hora
nio (era silo acompanhada de todos os necessa-
rios do ".umentos que devem cooter o resulialo da
quella mis.-a i.
Assegurou-nos, enlretanto, un illustre cavalhei-
ro que o Sr. barao de Peneio conseguira da
Santa Se uma solucao honrosa e no estado actual
das cousas satisfactoria, tendo causa lo uma justa
magoa ao chefe da igreja catholica que, mal inter-
pretado o pensamento do breve Quamqiam dolo-
res, podessem alguns prelados brasileiros ter ex-
ercido injustilicaveis severidades a respeito do
institntos religiosos que tanlo tem concorrido para
o esplendor da fe e raagestade do eullo.
Perante as reservas que ponderosas circuras-
tancias naturalmente irajoera ao governo imperial,
comecam a surglr conjecluras, mais ou menos
fundadas algumas, e outras de todo o ponto ma-
ceitaveis, sobre o exito dessa missao em quj es-
piritos exaltados ainda insistem em ver uma ten-
tativa inotil, uraa trivialidadediplomaticasera pro-
vavel alcance para o desenlace da questao reli-
giosa.
Quando a missao Penedo nao podesse ter ne-
nhura outro resultado sobre as relacoes do poder
civil com o poder ecclesiastico. ella tei ia sido no
estado dessas relates uma prudento e sabia
medida de incontestavel effeito moral e politico.
Desde que uma ceria parte da impreosa do Brasil
omecou a distinguir cathulicos de calholicos, a
suspettar a polilica religiosa do governo de inspi-
rar-se no pensamento de uma guerra ao calholi-
cismo, cumpria que, aos protcstos mais de uma
vez affirmados na tribuna e na impreosa, juntasse
o governo imperial uma prova inequivoca, s.>lein-
nissiraa, de que, nio recuando diante do eraprego
dos meios legaes por raanter e salvaguardar os
direitos iraprescriptiveis da snberanla nacional,
nao era e nao podia ser a sua intencao collocar-se
na vangnarda de algum raovimento reactor que,
como ultima de suas aspiracdes, poderia chegar
a formula que Cavour fez celebre : a icaeja li-
TO NO ESTADO LIVRE.
N'ura pau em qoe a lei fundamental consagra
u.na religiao do Estado, e essa religiao e a da grin-
ds roaiona da naciio; n'um paiz que, na umdade
da fe, tem nm penhor de integridade nao pode-
ria um governo sinceramente devotado ae bera
puDlico, um governo da opiniao, conspirar surda-
mente ou oslensivaraente centra os interesses re-
ciprocos de dous poderes que, do mutuo resp.ito
e harmonia, s6 tem a ganhar em for.a e era le-
gitiraa inQueneia.
Se outro effeito nao fora de atraibuir-lhe, a mis-
sao Penedo seria de si so um valioso attestado de
ue nao e o catholicismo que esta era causa no
rasil. Nao duvidanlo fazer-se representar por
uma missao especial junto a cdrte de Roma, o go-
verno deixou no mais distmcto relevo o pensanen-
to que o tern guiado nessa luta em que, tao a seu
pezar, se entio envolvido.
0 que foi fazer em 11 um, tem-se perguntado
com impaciencia, a Sr. barao de Penedo ? Com
mais impaciencia perganta-se hoje;Qual foi o
exito dessa missao especial ?
Entre as conjecturas, que menos apartadas nos
parecem da verdade, sobresahe a que lira irgu-
mento da inflexibilidade dos principios defendidos
pola Santa Se para ajuizar que o ropre:entante
do Brasil nao poderia pretender de S.. Santidade
aquillo mesmo que uma serie de pnntifices, e Pi
IX pur mais de um acto, tem iavariavelmente sus-
tentado.
A missao Penedo nao podia versar sobre exclu-
sivos interesses da ordem espiritual; o seu objec-
to nio foi certamente questionar de bullas, da de-
cretos pontiQcios, de lettras apostolicas, do dogma
da doutrina, de tudo isto em que a igreja tem
juizo irrevogavelmente definido.
Seria pretender a impossivel.
0 que o Sr. barao de Penedo teve naturalmente
por primeiro de seus lins, foi inforraar o santo
padre dos verdadeiros termos da questao religiosa
do Brasil, fazendo o convencer da imprudencia
com que alguns prelados usarara e abusaram de
faculdades cujo exercicio 6 sobordinado pela nossa
legislacae a unj certo numero de regras e pre-
ceitos.
Os que esperassera dos terraos de um acco rdo
com a Santa Se uraa nova doutrina sobre pontos
em que ella nunca transigio nem poderia tran-
sigir, pretenderiam nada menos do que a mais
formal contradicao entre o santo padre doutri-
nando para a America e o santo padre doutrinan-
do para o resto do mundo.
Esta esperanca nao entrou seguramente nos
conselhos que detcrminaram a missao Penedo.
Nem o governo podia pedir ao chefe do catho-
licismo quo viesse em apoio de nossa legislacio
fundamental e organica, ameacada pela resisteucia
do episcopado, instituindo-se por este modo 0 ar-
bitro de direitos da soberania nacional.
Seria uma soberania julgando outra, um poder
julgando outro poder. A dignidade nacional teria
soffrido um prufundo golpe no momento em que
um possivel accordo, versasse sobre pontos regu-'
lados pela lei civil, e sobre os quaes tao pouco a
igreja cederia de sua doutrina, como o estalo de
seus direitos Estes esta vain e estao a salvo de
toda a intervencao quo nao for dictada pela von-
tade nacional, legitimamente manifestada e legi-
timamente exercida.
0 que podia, pois, pretender a missao Penedo,
ou antes, o que olla ooteve ?
Tanto quanto nos e dado saber, a missao Penedo
obteve da Santa Se, a desapprovacio das severi-
dades a que se deixou levar uma parte do episco
pado, por um zelo mal entendido.
0 Brasil, viveu muito tempo apartado dos peri-
gos e perturbacoes d lntas religiosa?. Uma serie
illustre de bispos, preclarissimos alguns e todos
fieis a doutrina catholica, vio desenvolver-se e no-
rescer a fe, sob esta mesma legislacao com que o
episcopado se sente hoje em dia opprimido, no
meio destes mesmo* costumes, que slo os de hoje
e foram os de todos os tempos, na presenca de
todos estes elementos sociaes, em que somente
agora se s.ispeita um imaginario p 0 que faziam os bispos de entdo, e provavel
mente o que a Santa Se manda aos bispos de hoje
que fagam
Onde aquelles entreviam um perigo mediato ou
immediato, combatiam-no com as armas naturaes
de persuaslo religiosa; combatiam-no no pulpito,
no confessionario, por todos esses meios, proprio-
de um verdadeiro apostolado. Combatiam-no ate
na imprensa; mas, n'unw imprensa altamcnte
moralisada, evangelisadora, uma nobre imprensa,
Habia, erudita, uma verdadeira imprensa religiosa,
que nunca desceu ate o nivel desses immoralissi-
mos e irritantes papeis que ahi andam a explorar
todas as ruins paixoes, a lancar na sociedade todi
sorte de germens de perturbajao, a iusultar a tydo
todos em noine d episcopado, a dar
undo exeraplo de uma imprensa .lesgarrada
normas da sabeluria, da razao e da juslica.
ram bispos os de outr'ora. Mas nunca deso-
i:eram a ordeas legaes; nunca desconhece-
recursos ; nunca se travaram ,du luta com o
r civil. Se prulostavain em seus mandamen-
jastoraes, on em publicacSos de outra nature-
rCoutra o que Ihes parecia ser uma invasao da
liccao espiritual, faziam-no com extrema rao-
i;ao, pacientes e resigaados, como bispos que
e bispos piedosos que, na propagacao da
unham todo o seu empenh >.
Jites viverara sob o placet, como Roma seuapre
reu com os oltzes c itholicos que consagrarara em
sua legislajao. Combatiaui no, mas respeita-
vara-no.
K-t.is nao ji.ilgiv.-im menos a magonaria uma
instituigao fulmiuada por uraa serie de pontitlces.
Mas, nao se coma dc um so membro dessa asso-
ciaeao que, sob o velho regimen episcopal do
Brasil, fos-e declarado fora do gremio da igreja
catholica.
Estes linham iguaes faeuldades aos de hoje.
Mas, ante- de Janeiro de 1873, nao registrant os
annaes ecclesiasticos do Brasil, uma so inlerdic-
gao lam;. l.i a uma irmandade mi a uma contraria,
como nao registram uma so resistencia ao poder
civil, um so acto de desobediencia pir parte de
um bispo a esse podjr do qual esti dito : MR me
UEi,-:.- REGNANT.
A doutrina cathilica nio mudou, entretanto,
ou pelo menos'nio deve ter mu lado.
E' a eita antiga situagao das relacOss da igreja
com o estado que Pio IX tera querido voltar.
Provocar da parte da Santa Se um acto de des-
approvag.io a serie de medidas violentas coin que
a episcopado brasileiro jolgou ferir, no inleresse
da le religiosa, a um grande numero de inslitutos,
era erapenho digno de um govern) catholico.
Esti fin>. oremos ter sido conseguido, pelo Sr.
barao de Penedo.
( Nacao.)
DUKLO m PEttNAMBUUJ
RECIFE, 10 DE FEVEREIRO DE 1874.
iVotloias da Europa.
Duma nja revis'a dos jornaes e cartas trazidos
pelos vapores francez Erymanthe e inglez Britan-
nia, colhemos mais o que segue :
PUANCA.
Foi um pouco modiflcado o ultimo inc.dente
ent e a Franga e a Italia, a proposito das exequias
do coronel francez de la Haye. Tendo-se feito os
convites para a igreja de S. Luiz. e coostando a
Mr. dc C micelles, que o principe Humberto, e ou-
tros altos persuoagens italianos, tencianavam as-
sistir ao servigo funeore, foi recusado o templo
francez, sob pretexto de nio ser manchado com a
presenca de funccionarios italianos. As oracoes
funebres furara celebradas era um templo italiano,
e a concurrencia de fnn^cionaiismo e altos digni-
tarios italianos foi ainda maior do que se espe-
rava, pois havia um protesto a lavrar, contra o
procedimento humilhaute dos francezes.
0 governo francez, porem, achou um meio en
genhoso -de retirar de si toda a solidariedade para
com o governo, e Bovo italiano. A legacao fran-
ciyuajjTjjilitajla junto ao governo italianoilirigio
umacarta ao rainistro da guerra o generalKicot-
ti, exprimin lo os seus sentim-'fltos de gratidao
para com o exercito italiano, pela sua participate
nas exequias do coronel de 11 Haye.
0 ministro da guorra enviou immediatamente
copia desta carla ao commandante da divisao mi
titar de Roma, p ra que della se desse conheci-
meuto ao exerci.o, a cujo respeito este documen-
to exprime os mais amigaveis sentimentos.
A imprensa liberal tratando de Franca, acha in-
complete esta satisfagao, pois eniquanto a Franga for
representada offlcialmente junto a Santa Se.na>
faltario occasiSes expressameute creadas oara
comprometter a Franca para co n Italia, e fazer
tu-rvar as relagSes de amizade entre os dous
paizej,
Causas perennes de rompimento sao a conser-
vagao do Qren cque nas aguas de Civita Vecchia,
a ausencia do Sr. de Nowailles de Roma, como
representante junto a Victor Manoel, e a presenca
do Sr Courcelies representante da Franga, junto
ao governo pontiflcio.
Telegrammas de Paris de 17, afflancara quo
apezar dos artigos hostis das fulhas offlciaes de
Berlim, os ministros francezes afflangam que sao
excellentes as relagSes da Fran>;a com a Italia e a
Allemanha.
SLISSA.
0 novo representante da Franca junto ao gover-
no hi-lvetico, o Sr. Chandordy, entregou no dia 8
as suas credenciaes ao presidente da confe-
deragao.
As preoccupacSes que a noraeagao deste diplo-
mata fez nascer na Suissa estae quasi desvaneci-
das ; julga-se que o Sr Cbandardy leva ihstruc-
coes conciliadoras relalivameute a certas difflcul-
dades creadas pelo procedimento do governo fran-
cez a re-peito da Suissa nestes ultiraos tempos, e
principalmente na questao dos passaportes.
0 Jornil de Genebra diz que a unica proposta
que a Suissa podera aceitar, e o reconhecimento
do estado de reciprocidade pela suppressao cora-
pleta dos passaportes por parte da Franga com
applicagao a Suissa, medidas que ha muito tempo
estao em vigor para com a Inglaterra e a Bel-
gica.
Os ultramontanos suissos nao renunciam a
luU. 0 ex-bispo de Genebra. Mr. Merraillod,
ao abrigo da fronteira franceza, contiatia a
exercer as funcgSes episcopaes.
Acaba de lancar o interdicto sobre tres ecclesias-
ticos que tiveram a onsadia de se apresentarera
como candidates as eleigSes das tres parochias : -
Caroug", Chene e Lancy, e de pretty o juranen-
to t illicitoe sac ilegt.
INGLATEBRA.
Os partidarios do governo nacional para a Ir-
laoda desenvolvem uma grande actividade.
Ja passarara o estreito de S Georges, e agra e
na propria Inglaterra que o Sr. Butt e os seus cor-
religionarios procuram novos adeptos.
Ja houve um meeting neste sentido em Birming-
ham e no dia 5 de Janeiro convocarara um novo
meeting em Manchester, na lala do Ucreeckauge.
Na presidencia achivam-se os Srs. Butt e Mar-
tin, raembros do parlamento, rodeados de grande
numero de sacerdotes catholicos. A entrada da
sal a era por bilhetes qae custavam de dous e meio
schilings ate tres pence, e apezar disso a iramen
sa sala estava completamente cheia.
Os bispos catholicos de Salford e de Manches-
ter linham sido eonvidados, mas escreveram,
dando as razdes pirque nao podiam ac;itar o
convite. 0 presidente leu as cartas a assembled.
0 h's que ningueui imto a felicidade da Irlanda, e
que pensa que o proximo parlamento reconhe-
cera que e p'udente e de justica dar a este
paiz uma parte de autonomia, maior do que
a que actual mente goza ; mas accrescenta que
nio esta em posicio- de determinar quaes se
jam as providencias praticas, mais vanttjosas r"ra
o interesse desta causa, e julga qae sahiria )3
Uraites do seu dever viado discuti-las em pu-
blico.
Esta carta foi acolhida com uma salva de ap
plansos.
A carta do bispo de Manchester differe inteira-
mate da do seu callega dec'ara qua os ttus do
o mais | meeting nai cram de natureza a merecer a sua
approva.;.io e que o desraerabrainento do rein > uni-
duaao seria mais favoraval a Irlanda do que a
luglaterra ea Escossia. Tambem foi lida uma
carla do Sr. Jacob Bright, expriraindo era termos
diversos, sentimentos identicos aos do bispo catho-
lico de Manchester.
E' escusado dizer que a assemblea recebeu
com assobios e apupos a leitura destas ultim-is
cartas.
A reuaiao dissolveu-se depois de ter ouvido os
Srs. Butt e Martin, e de ter votado a seguinte re-
solucao : t 0 direito de se governor par si met-
mo pertence ao pooo-irlandez, que nuica, nem di-
recta nem indirectamente den seu consentimento
ao acto iniquo da uniao, e e impossicel que um
ptrlamento britannico possa legaltr de ummoio
S'ltisfaclorio pira a Irlanda sobre questues de
interesse exclusimmenle nacional.
DINAMARCA.
0 rei da Oinamarca acaba de respoader a
mensagem do Folkething "contra o ministerio :
A's queixas da eamara responde queixando-se
elle mesmo da attitude tomada pela eamara. A
ferraentacao social que assignala a mensagem
e que a eamara attribue a polilica do ministerio,
provein na opimao do rei, de outras causas a
que o governo procura dar remedio por todos os
raeioi proprios para exaltar a prosperidade de
todas as classes da populagao. Por consequencia
o rei recusa-se a in i iar os seus ministros, e
convida a eamara a dar prova de patriotismo,
fazendo callar os dissentimentos partidarios, e a
unir-se a elle para trabalnar em cornmnm para a
felicidade da patria.
A resposta real a mensagem nao satisfez a
opiniao publica.
Os jornaes parlamentares recordam ) t>' todas
as leis constituciooaes, a excepeao da ordenanga
illegal de 26 de julho de 1831, consagram o prin-
ciple da respoasabilidade ministerial.
A nova con'tituicao dispoe que a responsabi-
lidade ministerial sera determina la por uma
lei especial, e ja, em 1856, o Folkething tinha
adoptado um projeeto de lei proposto pelo bispo
Munrad sobre a materia, mas que licou em letra
moru.t
Este projeeto de lei tornava os ministros res-
ponsaveis por todos os desvios feilos a lei orga-
mental.
A ODposigao, vencida, mas nao convencida,
tenciona nsar da sna iniciativa, e apresentar com
brevidade am projeeto de lei sobre a respoDsa-
bilidade ministerial.
ALLEMANHA.
Os resultados ate agora conhecidos das eleigoes
para o parlamento allemio, mostram que o par-
tido liberal perdera alguus votes, raas conser-
vara no proximo parlamento uma maioria suffl
cieiite para lutar com vantagem contra todas as
outras frac;5es colligadas.
Se os ultramontanos por um lado conseguiram
retorear suas fileiras, por outro lado os seas
alliados, conservadores perderam bastant- s can-
didates. Os pn gressistas pelo contrario viram
suas fileiras augraentadas, principalmente nas
eleigoes dos centros industriaes.
_ Em geral os coniingeotes dos pequenos estados
sao quasi exclnsivamente compostos de liberaes-
nacionaes ; os estados secondaries deram dons
ten.-os dos seas representantes aos liberaes ; em
Saxe o partido liberal obteve metade dos repre-
sentantes ; aa Baviera 21 liberaes contra 27
ultramontanos ; no Wurtemberg pelo contrario
e em Bade ha uma grande maioria liberal, em
Bade 12 liberaes contra dous ultramontanos.
Nas provincias rhenanas da Prussia e na West-
p alia, a victoria do partido clerical foi quasi
coinpleta : as cidades de Colonia, Bonn, Dus-
seldofciix-la-Cbapelle e Cobleuce estao p3rdidas
para a causa liberal.
0 congresso comme cial allemao fez apre-
sentar na chancellaria do imperio, pelo sen se-
cretario geral, um relatorio muito cireumstan
ciado sobre as greves de operarios que nestes
ultimos temp is se tem produzido por Jrequente
vezes em grande numero da centros industriaes
da Allemanha.
Resulta deste relatorio que as consequencias
das greves foram desastrosas tanto para as classes
operarias como para as classes de industria.
Certos ramos da industria allenft nao poderam
sustentar por muito tempo a concurrencia com a
industria estrangeira.
0 alto tribunal ecclesiastico reunio-se em Ber-
lim para tratar do recurso de uui vigario, sus-
penso il egalmente pelo bispo de Paderborn.
0 tribunal, por uma sentenca motivada, pro-
nunciou o nullidade das medidas episenpaes a
respeito do vigario detituido.
0 negocio do arcebispo Ledochow.-ki deve
breveraeote ser tratado por este tribunal.
Deve-se prever que este prelado recusara com-
parecer e o tribunal procedera contra elle por
eontumacia ; a condemnagao, que se pode con-
siderar certa, importara para elle na derrogagao
das suas funcgoes episcopaes.
Na-i sera dahi em diante mais que um primaz
da Polunia inparttbus.
0 governo prussiaoo apresentou a sancgao
regia um projeeto de lei relativo as concessoes
de caminhos de ferro.
Como 6 sabido, em consequencia d; escan-
dalosas especulagoes, reveladas a eamara dos
depuiados pelo Sr. Laker, nomeou-se uma commis-
sao de inquerito para estadar a fundo os abusos
que se comraettiam a coberto de uma legislagao
insufflciente, em materia de concessao ; e por esta
occasiao o ministerio havia se compromettido a
apresentar uma lei nova.
0 projeeto de que se trata, e que ja esta depos-
to na eamara abrange toda a materia. Quando e
pedida uma concessao ao ministro das obras pu-
blicas, devera ser submcttida ao exame de ama
commissao composta de nove membro-, e forman-
do uma especie de jury, cuja decisao sera obriga
teria para o ministro, salvo o recurso ao conselho
de ministros.
0 governo prusnano apresmtou a eamara um
projeeto de lei pedindo am credito de 50 milhoes
de thallers para a construcgao de novas lianas
ferreas na Prussia oriental, assim como a lei pro-
vincial para as raesraas provincias.
HOLLANDA.
Annuncia-se que os bollandezes se preparavam
para baler era brecha os rauros do forte de Kraten;
tendo a sua artilheria arrojado as obras avanca-
das. Tornado Kratoo, devera cahir immediata-
mente a capital que e ama cidade aberta.
EsUs noticias de origem bollandeza, nao conte-
rem com as recebidas por via de Peaauz, colonia
ingleza
E' certo que ate agora as operacoes tera cami
n ado com mais vagar do que se tinha previsto ;
e que alem das diificuldades do terreno, tem en-
contrado nss atchiuezes uma resistencias mais
forte do que se podia esperar.
0 general Vau-Swieten uarece, porem, ter torna-
do as suas medidas e disposto de forgas bastante
eonsideraveispara nao conseguir os resultados que
deseja.
0 recinto fortiflcado do Kraton forma um qua-
drilatero rodeado de muros arruinados e guarne-
cidos de fossos cheios de agua ; nao podera de cer-
to resistir as pecas de grosso calibre e obuzas de
sitio dos hollandezes. Estes evitam, para poupar
os spldados os encontros, corpo a corpo com os
indigenas, que tem mostrado grande bravura e
coragem e uma tenacidade na Tula, a toda a pro
va entretanto os hollandezes tomaram de assalto
o forte de Missij;it, construido pelo moielo do
Kraton, e situado na avangada deste ultimo.
No principio da campanha o exercito expediciu-
nario foi atacado de bastantes doengas, mas as no-
ticias officials ultimas confirmam am grande ae-
Ihoraraento no estado sanilario do exercito No
ponto em que se a:ham as cousas e de esperar
que a resistencia nio podera durar muito.
I'm telegrarama de L mires de 17 diz qae OM-
nifestou-se o colera em Rotterdam ; e que dous mil
atchinezes atacaram o quartel general hollandez,
mas qae foram repellidos.
i\p\o.
As ultimas noticias do Japao trazem os pome-
qores da ultiin> crise ministerial em Yedd.
Foi determfnado pela resolugao dos coreanos d<*
romperem suas rulagoes com o imperio de Mi-
kado.
Os coreanos soberbes com as victorias obtidas
sobre expedigoes francezas e americanas, encarre
gados de obter salisfagdes, pelos maus trataraeolos
feitos a naufragos, decidirara nao reconhecer nem
a supremacia da China, nem a do Japao 0 mi-
nistro dos negocios estrangeiros do Mikado Sa-
goschima queria casiiga-los e declarar Ihes a
guerra.
Era sustentado nesta p >litiea bellicosa pelo an
tigo partido feudal ; mas o partido da paz assasta-
do justamente pelas consequencias que trazia ao
Japao uma polilica tao energica, especialmente no
estado de traosformagao social em que se acha o
imperio, conseguio chamar as suas opioioes Unto
n soberano who os seus principaes ccnselheiros.
Em consequencia da reprovacao da sua proposta o
ministro Sagoschima deu a sua demistao.
Julga se que sera substituido por Mori, actuaJ-
raente emhaixador nos Estados Unidos.
Provisoriamente o ministerio dos estrangeiros e
presidencia do conselho foram confiados a Iwaka-
ra, horaem de estado prudnte e cheio de tacto, e
muito conbecido por ter sido o chefe da recente
embaixada que percorreu a Europa, para esludar
as legislagoes, e as instituigoes das principaes po-
tencias da Europa.
As negociagSes entre as legagoes estrangeiras e
o governo a respeito do livre curso dos estrangei-
ros no paiz, continuara suspensas
0 governo japonez receia ainda os erobaragos
que lhe poderiam suscitar os preconceitos e bos
tihdade que a carta nobiliaria da populagao per-
siste era alimentar contra os estrangeiros.
Provisoriamente decidio-se que cs estraugeiro>
nao poderiam afastar-se dos lugares que jhes fos-
se m designados para sua residencia, senao rtuni
dos da passaporte entregue pelo governo japonez.
e pagando uraa caugio de 200 dollars, como ga-
rantia do seu bom coruportaraento
PORTUGAL.
Nosso correspondente de Lisboa escreve :
i 0 inverno vai de uma docura e ameaidadV
rarissimas. Succedeiu-se dias esplendidos de vtr-
dadeira primavera, o que immensamente alegra
a genie das cidades que so pensa em se espaoe
gar ao sol, mas ha senos cuidados aos agriculto-
res.
A opposifao vai levantar questao sobre s r esU
sessao parlamentar a ultima ou a penultima da le-
gislature.
t A commissao de legislaclo da eamara dos de-
puiados approvou os projectos da exlincgao iv?
lugares de juizes ordinarios, da creacao de trinu
novas comarcas, e rejeitou as propostas ultima-
mento nprci cmadas pora o reslabelecimento de at
guns jolgados.
t 0 governo deu ordem para os despachos do
assucar nas alfandegas serem feitos cenforrae os
typos hollandezes.
0 ministro da fazenda apresentou a eamara
electiva no dia 19 do corrente, o relatorio dos ac-
tos do seu ministerio, durante o anno de 1873 :
Por conta do emprestirao nacional tinba sido
rt-cebida ate 31 de dezembro ultimo, a quantia ef-
fective de I3,53*:38U!U, sendo : 7,037:350*785
em letras do thesouro e 6,511:039*326 em dinhei-
ro, existindo por tanto naquella data a teceber um
saldo de 2,886:615*889, captivo de commissao t
encargos das antecipagoes, despezas diversas, etc.
Foi no dia 8 de novembro de 1873, que se pa-
gou o ultimo supprimento de divida fluctuante ex-
terna na importancia de 35,000 libra?.
A venda de inscripgoes para os districtos tem
continuado suspensa desde junho de 1872.
a 0 governo contratou um emprestimo de lr>
contos para a continuagao das obras do edificio da
Polytechnica.
t .No anno que decorreu de 1 de outubre de
1872 ate 30 de dezembro de 1873, amoedaram-so
26,600 moedas de ouro de 5*000 e 500 de 2* .
1,000 moedas de prata de 50J reis, 10,000 de 200
reis e 10,000 de 100 reis ; 1,325:000 de cobre
para o ultramar, de 20 reis, 1,880,000 de 10 reis e
1,210:000 de- 5 reis. No mesmo periodo foi reti-
rada da circulagao das antigas moedas de prata
6 887*7tO em moeda miuda e 37:1671360 em moe-
da grossa.
c Era de 80:537*3(4 em 26 de novembro de
1873 a importancia em deposito dos rendiraentos
applicados a coastruc;ao da doka da Horta.
a Em 21 de dezembro, estavam averbadas 1,867
obrigagoes dos caminhos de feiro do Minho e Dou-
ro.
E por esta occasiao coavem dizer que nio pa*
sa de 8t contos a somma a receber desta emissi
e que dentro era pouco havera que proceder a
emissao de 2.* serie de obrigagoes.
c 0 emprestimo de 1869, produzio liquido para
o thesoaro lb. 3,203:908,1810 ou li,117:390*13-"'
a 33 1|3. Us encargos eflectivos da operacio so -
bem a 11,23 p. c.
0 relatorio refere se depois as providencias ja
conhecidas tomadas em relacao a vales do corn) o.
servigo das contribuigoes direclas, imposto Jo sel-
lo, foros em dividn, real d agua, panta, pessoal e
varias providencias do servigo das alfandegas.
a Entrando no exame das leis de des morttaa-
'- se que pouco se vendeu em 1872 1873.
161 contos
30
\
cao it
Os predios veudidas produziram
As remiss5es effectuadas
E no entanto a avaliagao em
Para mais na venda
191
161
33
i Ate 30 de junho de 1873, os resultados gera*>
da desamortisacao foram :
Venda de predios .1,171:381*31'
Venda e re missao de foros 180:2M4i8t>
Distratos de capilaes 12 305*020
3,H63:893*8tt
t Tem sido entregue as corporagoes competra
tes pela junta de credito publi:o
Em inscripgoes (nominal)
Em obrigagoes (prediaes)
e Ha para entregar:
Inscripgdes
Letras por cobrar (nominal)
Numero
c A totalidade dos readimentos de bens de con
ventos de religiosas snpprimidos depois da carta
de lei de de abril de 1860, desde a sua sapprtrs-
sao ate 30 de junho uiti.i.o foi de 63.033*3l.
a Os conventos supprimidos, sao % soudo : o tie
Santa Clara, no districto de Braganca ; o de Nos
sa Senh. ra da Esperan^, no de Evora ; o on Noa-
sa Senhora da Conceicao, de Lagos, nOj.de Faro .
os de Santa Clara de Trancosa e da Madra do Dec.-
de Vinha, ao da Guards ; o de Santa Monica, n.
de Lisboa ; os de S. Domingos e de Sanla Clar*
d'Elvas e do Bom Jesas de Monfortc. no de Portt-
logre ; e o de Santa Clara de Amarante, no dj
Porio.
8,139:700*t
.S9:9O*i0O
254:350*000
1I.58SA33.I
7.580*78.






I.
2
no
do Pernambuco Terca feira 10 de Fevereiro de 1874.


A t >talidado dos b.-:H encorr^nado* nos pro-
priaj^^^^HBP anno ecouomicc de'f87i -1973
deB-9S*MI7.
Seguese depois a estaiistica do* irabalttfs d)
coaselho gerai das alfaudegas
A imporlaneia d-s credit03 extraordinarios
abertos dnrante" a ausencia parla'mcnlar nao pas-
aotfde 100:768*831-
o Segue se depois urn cxamo rapilo de docu-
mentos sobre a arrecndaeSo do rendlmentos em
18721873, e pagamento das despeaas publicas
f tnosmo anno,
m 1872-18(3 cobrararn-se de
c-ndimentos 22,I3i contos.
1871 -1872 19,208
lodos os
3,026
imposlos

de ro
Para mais
E nao se cobraram
particao de lanramento.
'? Comparando a coWSnca de 1372"'-1873 cor*
a lei de receita para o mesmo ann), lia os seguin-
tcs resultados:
1872 -1873 :
Cobranca
AValBgSB'
19,608 contos.
18,313
\,iW
Para mais na eobran;a
Sao estes os pciqcipaes dados quo se eucon-
tram no relatorio.
0 orcaniento foi distribuido logo nos priuieiros
dias da sessao, segundo o eostnme.
Conlinuam em gran le cscala as expropria-
ted pin o caminlio J ) Mmho As co.-istruccoes
Uo3 differentes linc>3 vao adiantadissimas.
u E' uma allu'viao do podido* no ministerio das
obras publicas, para a concessao a differentes in
dividuo*, e me3ruo a campanula devidameita I,--
ealisadas, de aminhos de ferro American's, quo
devem sir assentes cm cslradas, districtos c reacs,
ja constraidos no3 divers is districos do reino.
a Foieleita a nova mesari'ie devoservir hi cor-
Tenle anno na assembled g-?ral do banco de Portu-
gal. Picon ompista dos Srs. : viseonl; d) Por-
to Covo de Band ira, presidenle; Jos6 Joaquim
dos fleis e Vanconr.'llns, vice-pre-idente ; Daarte
Sergio de Oliveira D:nrte, c visonde d; Ribeiro
da Silva, secretaries; Antonio Joaquim de Oliveira
e Henrique Gerardes da Aniz, vico secretario. En
sfegaida foi lido o relatorio da direecl) mostraudo
one os lucro*"tiquidos do anno se elcvarain a.. >..
62i: 183308", habilitan lo a direccao a prnpdr que
"*faca urn dividenlo CDinplemcntar do i por cento,
que com o ia distribuido no anterior scnostre,
precnehe nm dividendo annual do 7 por cento, e
que da sdmma excedentc seja applic ado a de.....
fl:327S a Entrou em discnssao nj camara dos deputa-
floso projeeto n 33, auTortsandp og>venn a le-
varttar nm emprestimo ate a quantia da..........
o00:000i0-iv, d.'stiaido a construecao de urn caes,
duas grandes pontes e outras mais pequ d-is, (]Sd
forem ncces-ari s para facilitar a earga e descar-
jea'dos navios na alfandega do Lisb jecto teve ptoposia 6s adianKiito, que na > f >i ap-
provado por uma granle mii>ria. Foi approval)
na general! lale c cspecialldade.
_ Vai ser rcfjrmadj o 'ZOTirj do policia civil do
T.isbja. I'insisio a reforma in augmento do forca,
siccfescimo de vencimentos para aljuns emprega-
d)s e organi;aca) do servi;i.
As nnelas de prata anti^>, mandaSa's^TBCrai
da cireulacai, UeSdii iS^i ;x'6 20 \'. sctrtrtibro ul'.i-
-ino, nttngiram o valor do 7,25>7:33Cl"30
0 gove'rno portugue;. anolio a tratllljo dn ca-
lls em Macao, tendo eomo motlvo ile tal supprel-
s3) o ser a pi-lie commercio una osvavidio dts-
ftrcaJa 0 miaisterio da rriarinhrt dcu ofdem 10
gev'Brrrador d'aquella provrncia pjr'Uigdeza, para
,ae po/.'^se c n execuci) os regulaiBentOs adopta
4js p.las anl ri la! ingleia* d Horig Kong. C >ns-
la riue o ioTivno po;sso:il empregaJo na lis'ili-i-
jao (Ltauolle traJlco vai ser ad lid) as dilfreoles
reparti^'oos d esta.'o. .
E-ta pro'iibica i tern proddzld i iimi eerta agi
laeao aajTol inia por'.'Jjpi /.:i ; p r i%so quo com a
prohibicao, mnitos inlivtlnos sor.1t ifotaVelmentii
prejndicalos. E* ccrlo i]:io a str;> iressao il'. n:n
I'oiiimeroio do somelhante orJcrii, -> o'na i>epS3j>
dade desde que a Inglaterra o a ^"oj) ia China;
o condemnaram.
t Us navio? qae Se-empr ?-.v:i:i nnqtH'Ho trafi-
CO nao pidiam aTJrjttaf a pi a' pi:r ,i >rt i -la pieiias
iucio!u|iJadcs, i|uanifo Rvo-sem nee-ssidale do
quacsquer rrmaro-, ou do so worn de qualqucr
natureza. Segnndo inform i.o !< .pie sup-ponlio
'.."rta-, a t.'iina resolveu u'licarregar urn dos seas
Iiomens mais illustrados e coosid -ra !o3, do estu-
.lar a (|uc ine're'iro.vlveu por bast ir.'.o tempi nos Estados
Unidos e 6 homom rauito iulclligenle.
E*-lhe dada a commissao dc ir procsder a urn
rigoroso inquerito nos paizos, para omfe principal-
in-Mite se encaminha a emigra ascondi^es em quo'alli.se oncirftrani osemigran
les, o m ; Io porque si) cnmprilos os-cOntratos, as
vantag?ns que os fflhos do celeste imporio p.idem
outer trui; uuli a su.a patria flor aquelles poizes; o
para desto moJo o sen governo dear habPita lo
eom as necessarias informae^es para conhecer da
convenlenera le faci itar ou rcstringir a cmigra
(jao. Omand-.iini visitara o Pcrii, o Chile, e a
Havana ; sendo a,-ompanbado de tres empregados
earopcm, i esia > artualinento no scrvio das al-
fradegas da China -' de varios funcciooaii is chins,
governo chinaz teneiona nomear consules seus
do governo.-liontern as
V
ia os p '!)., ..n le so din'ijem, de |ireferenc:a
gifgraa'es, dando-lho iisii-iurcues para fiscalisa-
tcoi rigoroj.iuienti! o cumprimento dos coniratos
na I i.-.i';'. i i!.' s rvie s.
Diz-so a^.n'.-i i|"i.-: pjr telngramma d) govern'i
portnguez ni mamlira prcvis;.riamentc suspender
a ordctn para a anoliQi) do earainno dos coolies.
govern) inglez pediu ao gov rno portnguez
IWormac3o3 acerca das con licQes especiaes dos
operarios porto^uezes e s >!>re a'maneira porque e
regulado o trabalho.
Reanlo so a aswmMoa geral dos aceiom'stas
do banco commcrciil .! Vienna do Csstello, para
Ihe serapresentado rchtorio. D'aqnelle docn-
inento cons! i que o banco teai ja estabelecidas 81
ageneias;.- in lo 61 em P-rtugal e 20 no estrangei
ro. As principles operates que elleetuou (hi-
rante o p tiico t.'mpo da sua exlstetrcia si i : 5M)
hstras de-contadas na importaneia de2i9:48!393!,
6l:4303i'0 do emprestim-i s !.,- pmbores; con
la* current's eorn garan'ias de 310:5284959; mo
vimento de caix.i, entradas esahida*., .
1,170:019326*; transfereneia de fundos.........
2,380:951 $tt8. De toons e o banco nm lucro liqnido, de despezas de expe-
dient de renda de ca-as, de ordenados a empre-
jrados de 18:8Ki3ifi-i ou 1R.813 por cento sobr'e o
capital desembolsado.
a Ja festao collecadas nm dlBerentcs pontos da
barra -de Lisboa, balizas, afim de quo os hav os
possam entrar a barra sem necossidade do pi-
Mo.
c Reunio-se no dia 13 do corrente a assomblea
serai da companbia dos caminbos de ferro portu-
gaezes, a qual foi apresontado o relatorm da ge-
rencia no anno de 1873. Do relatorio consta, que
a receita da companbia foi de 1,297:243^171, e a
despeza deo 10:760i96i, sendo por Unto o saldo
de 786:482*227. A oo/npanhia app'icou.........
13:6462413 a construecao de wagons e pagou dcus
coupons aos po'rtadoros da obrigagao. A divid3 a
estes era no dm de 1873 do 3,386 conio-. 0 nu-
mero de p i?sageiros qile percorreram as lianas
dnrante o anno do 1872 foi de 724,234, entrando
ne*e total por 74 por cento 03 passagciros de 3.'
classe.
a Foi publicada /ia fjlUa official a proposta
apresentada a camara pelo marque: deSa da Baa-
deira, para que todos os libertos dos dous sexos.
qne existem em territorio potuguez, fjquem com-
pletamente emancipados, sendo extincta a condicao
de liberto. Estes individuos deverao, depois 'de
emancipados, contratar a preetieao dos -sorvieos,
pelo prazo de nm anno, com as pessoas. qua elles
prefenfem, e pelos salario3 que com estes ajusto-
rem. Os contrates serap efleetuados nos primei-
ros 15 dias, contados da data em que a lei fur uu
blicada na respeciiva provincia uttramarina. Nao
serao obrigadas a fazer 03 ditos eontratos as pes-
soas do eexo feminino e os indjviduos do $exo
masculino qu exereerem ofQcio3 naechanicos, ou
que se occaparem no ensino publieo ou particular,
on aa9 artes. Os individuos que deixarem de
cumprir este dever denlro do prazo daterminado,
serao empregad^s nos trabalhos publicas da pro-
vincia em que residirem, recebendo os salarios
que forem lixados pelo respeetivo goveraador do
conselho.
. ram experimentadas naabegoaria da cidada
pboa 3 bombas a vapsr, viadas de Insl iterra,
Hue 0 governo preseoteou a eidale; conjunc-
xainentequatrobrasaes eonstraidn em oilicioas de
rJ^I* G ^'''l n:\,a,i aqoatroreg.m-itw d..quella
capital. Os r,-sultados a,s expeneiidas foratn 0,
mi satisfactorios possiwl. \ \Mmbi a VJpiJr de
WS agnlhas deiton mil litros de ag.ua p* minuto.
E" destinada para 0 ceotrq da baixa.
. REVISTA DIARIA.
Professor, publieo. Por portaria da pre-'
sidencia da provincia, de 7 do corrinto, foi re-
movido 0 professor Jose Munu Teixeira Guimaraes,
da eadeira da fregaexia ds Laz paras da villa-ij^
Limoeiro.
Hroniotoros pultlleos. -Por portaria da
presidenoia da provincia, de 7 do corrente, foram
romovidos os promotores pnblicos: bacharelAu-
gosto.Coelho de Moraes da com area de Limoeiro
para a do Brejo, e bacnarel Cassiano Bernardino
ihs Reis e Silva desla para aqueila.
Collectorias pravineiaes Por porta-
tias da presidoncia da provincia, da 7 do corrente:
Foram creadas colletitams provinciaes nos rau-
nicipios de Jaboatao e de I?ojuca.
Foi exonerado Oiegario de Souza Bandeira, de
cobrador da collectoria provincial de Bom Jardim,
por nao ter tirado tftulo.
Foram-ddaradas sem effeito : a ramocao de Mi-
zael Norval Fernandes do Souza, de escrivao da
collectoria de Bom Jardim para a de Panellas; e a
nomeayao de Pbilomcno Gatulio Cornia de Araujo,
para escrivao da collectoria do Bom Jardim.
Foram nomeados : Manoel Vicente da Cunha Ju-
nior, collector provincial do municipio de Jaboa-
tao ; Philomeno Getulio Correa de Araujo, collec
tor provincial do municipio de Ipujuca, Claudioo
August) de Lagos, cobrador da collectotia provin-
cial do municipio da B);n Jardim.
Seeretnria
snmio 0 exercicio de sccretario da presidencia 0
Sr. bacharel Joao Diniz Ribeiro da Caaba.
Para preeacber 0 Ingar do ohefe da 2.* sec-
cao, vago pelo accecsa do Sr. bacharel Ribeiro da
Cunha, (oi .nomeado, por portaria de bontem, 0
Sr bacharel Herroillo Daperron.
ilospleio de alieiiados. -Damos em sc-
guiJa mais denativos para as obias deste novo
estab-lecimento:
k Cadeira do intrnccao priraaria da povoanao
de Tacaite, em 1 de fevereiro -le 187i.lllm. e
Exm. Sr. -Djsta dau em dianie resolvi fazer doa-
eaa ao asylo de alienados, qao se fsnda nessa ei-
dado, de 8 0/0 dos mens venciment is, do ordenado
ou gratilieagi) qne percebodo magislerio-publieo,
na reganeiaintorinamente desta cadeira de instruc-
q\ primaria. Se digno V. Bid aceitar essa dinii
uuta oil'erta, que tenbo a honra de oiTeracer aquei-
la obra monumental de caridade, eniquanto asar
nes'a orovincia do magisterio publieo. Dens guar-
de a V. Exc. lllm. e Exm. Sr. eommendador Hen-
rique Pereira de Lacena, dignissimo presidenle da
provincia.0 profajor, Stives!re Pires de tize-
vedo
Gabinete da presidencia de Pernambuco, om 7
de fevereiro. de 137V.lllm. Sr. Sdvestre Pires da
Azevedo -Recebi 0 olllcio de V. S de I docoirente,
011 que mo declara quedessa data em dianta resoi-
fcera od'erecer. em favor da consiruceao do asylo de
alienados, 8 0/0 ooa vencimanlo1 que (be competi-
rcm, eniquanto reger isterinamente a cadeira de
insirucg.ij primaria da povoa^ao do lacaite. Ac-
CMiaedo 0 seu ollerecimeuto/cabeioeaiiradecer
:i;o iouva lo pelos sawtimentos dadesinteresse e
patri itismo que revela o seu aclo. Da V. S. mnito
auouto venerator n criudo-Henrique Pereira de
Lticen 1.
Villa do Brejo da Ma ire de Dens, 20 da jar
neiro de 1874.-lllm e Exm. Sr. corainendaUo-
Henrique Pereira do Lucena. Tondo V. Exc. nos
encarregado.da abnr neste lenno uma subscrJp.>-io
nm fav.ir da edificio que intenla V. Exc. conslruir
eessa ciJale do .^eoife o:n a denoiniiiatao de asylo
dej alienados, pneuramos cumprir essa digua
c unmissao com que nos bonrou, e obtivatn is a
ipaantia de 201 j>< 00, que nesta data remeitemos a
V. E.\c., lendo silo ella subscripta pelos cidadaos,
euj)s_names fazemos conliecadas de V. Ex-., om a
rilacao que junto f.izertios acomaanliar. Simos
com muila consideracao -D3 V. Exc. reverenles
st;rvosJud > A/cures Pereira ds Lyra, Casri-mo
Dei mrdint dos licit 4 Silva
Curonol Caeuno de Oliveira Mello S <;,'>!)
Joai Alvares Pereira de Lyra lii^OOl)
Caasiaco Bernardino dos liois e Silva lj'00'
Josa (^ordeiro de Souza -MAiKK)
Francise-i Mamies dos Santos 10iOOO
T'iucflte-coroasl low do.Kago Maciel ."i^OOO
Tonenje-coronel Claudia Jose de Menczes oi1 00
Cipiiao Geiniaiano do Rego Maciel 5g090
Pedro Jos6 de Miranda .'iiOOO
Joaquim Hamos da Silva Moreira oiOOO
Sergio Antonio Alves .'i^(J03
Laurindo Waaderley Pereira Lius .3^000
Tenento Leooillo de'Oliveira Mello ojOOO
Tenenle Flurencio Jose de Albuquerque
Cavalcahte 5i000
Tenenle Antonio Magalhae.s da Silva Porto o^OOO
Tenentc Alauoel Rodrigues Franca. 3>.Q00
Capitao Francisco de Oliveira Travas'so 2*0*)
Tenente Reginu Cordeiro Falcao, 2M)iO
Teneuto Joao Cesar de Barros Falcao 2*00)
Tenente Joaquim Cordeiro Falcao 2^000
Aifer. s Manoel Quintino de Siqueira Ca-
valcante SiOOO
Alferes Joao Goncalves de Araujo 2*000
Francisco Olympio da Rocba SuQuarana 2*000
Joao Jjse Epipbanio 2*0.0
loan Damasceno Borgcs 2*0OJ
Manoel da Silva Rego 2*00
Maonel Rodrigues Florentino 2*000
Esteviio de Queiruz Lima f 1*000
Boa ae(ialsif>ao. Qointa-feira (12 doFde ser attendido urn, por contar 13 corrente) va >a pran, por vends, os pi le. u ser do 12o maximo para a tnatricula, e
34, I He IIS ila rua do coronol Sua>sunal a^K [outro |i rqu--?, tendo sido reprovado no ." anno
kIihui prto'irVBem 1:80)*, o ssgundo fijgj |PW com) meio pensionista gratuito, 0 perdido este
24 do rpgalan.caLo,
Produeto liqnido do nm benelici > i ffa-
recido por uma sociedade drauiatica
particular
146*000
3j*C00
201*000
Gibinete da presi lencia da provincia de Pcr-
namhuc.1, 3 de fevereiro de 1874.lllm*. Srs. Drs.
Jo.to Alvares Pereira de Lyra e Cassiano Bernardi-
no Ss. me remi.-tteram em data de 20 do Janeiro ulti-
mo, com a lisla dos respectivos contiibiiinles, c
destinados a obra dj asylo de alienados. Agra-
decendo 0 acolbimtclo qne Vs. Ss. deram ao
meu pedido, cumpre-aio l.mva-Ls pelo lison-
geiro resultado de seus bcnelicos esforgos em
favor daquelle estabelecimento de caridade, e pe
dir-Uies que transmillam os ine.s agradecimentos
aos cidadaos constantes da lista alludida. Do Vs.
S<. collega attento, venerador e cri.do Henrique
Pereira de Lucena.
Iastltuto inenico pernaiabucano.
Amariba, a? 7 horas da noite, deve haver reu
niao dos membros desta corooracSo, no predio n.
3 da rua de Imperador, alioi "do se proceder a
eleicio das conimisso:s eJfectivas,
Vaporcs. Has dia 7 e 8 do corrente che-
garara ao nosso porto oito vapores, sendo i brasi-
leiros, 2 inglezes e 2 francezes.
Nesses dias sahiram 4 vapores, spndo 2 in-
glezes, I francez e I brasileiro. .
Arrouatacues prnvineiacs Peran-
te a junta da thesouraria provincia vio a praga:
no dia 12 do correale, 0 custeio da illiuninacao
publicada cidado de G'yania^ a 19, diversos
objectos dados em consumo pelo rpo de po-
licia.; a 26 de marco, os reparos de qua precisa
0 edilicio qiie serve do cadeia na villa de PesqueU
ra, orjadus em i:833J83i.
Gymaasio provincial. No lugar cora-
petente vai publicado urn cdital da secretaria
'deste estabelecimento dando os hecessarios escla-
reeimentos para a admissio de alumnus de todas
as classes.
I'axa de cscravos. E' uo corrente
wlwtisiro-fim 3:200*, os nuacs portcnc| ,
U.Casa.de Miaericordia da provincia da B.iqgft>
95*0 VeOdldos com as devidas autorisa'cSes pela jun-
ta administrativa da Santa Casa de Misericordia
do Rmfe. _^.
0 liom eitado do c aSU'vaeao em ijue se aeliam
os pradios, 0 a '.i-aHdnd'am qua sao.siiuados,
sao gararuias quo tem n cuncurrentes para tf em-
prego-de eus capiiaes.
Fa^radoria d Fa/.enda.-?festa esla-
cai pagam>se buje as seguintes folliag : arsenal
de guona, peas'onlslas. Os fuucci manos rnie
deixarem de receber^iesle dia, s6 poderao fazd lo
do oitavo dia mil em diant
Gafcefn juriilica. Acaba de chogar 0 n.
36 de?ffl interessan'c revfsta, que se publica na
corte. Contera olle artigos sobre : a advertencia
repressive, a indamnisacao por crime iraputado.'a
competencia para 0 arresto, a sociedade cm conta
de panicipacao, e a prescripcio de nota promis-
sory.
Material do cxereito -A legaeao do
Brasil nos EMados>Cnidos dirigio 0 sef uinte ofB-
cio, em 18 de dezembro ultimo, ao niinisteno da
gtvrra
lllm. 0 Exm, Sr. Pelo paquete chegado a
Nova York em 20 do mez passado, live a honra
de receber 0 despacbo circular expedido por V.
Exc. em 29 do setembro ultimo, para ordenar-me
que procure e transmitta a V. Exc. as informa-
toes que eu a mi poder i-btar sobre os metal de
facil mobilidade do material do exercito ; sendo
motivaJa essa ordem pela resolucio que tomou 0
governo imperial, do crear no imperio um corpo
de traosporte para 0 exercito.
< Para poder suti-fazer a ordem de V. Exc, di-
rigi-me ao general William T. Sherman, comman-
dante em chefe do exercito dos Estados Unido3, 0
qual com a sua costomada benevolcncia e amahi
lidade, proporcionou-me logo uma colleccSo dos
relatorios do quartel-rnestre geueral not annos de
1831 a 180), ist-j 6, do periodo da guerra civl
neslo paiz e otl'.-recea ao mesmo tempo mandar
preparar desennos das corwtas (wagons) e djs
a-nbuiaucias, as quaes posteriurmont-) me envio 1.
e eu vou remetter a V. Bsa. no paqueio dr,i3
deste mez, por intennedio do ministerio d-is es-
trangeir is.
0 servico dos (rajisportes do exercito dos Es-
tados-Unidos nao e feito por um corpo especial.
Em cada regimenta, brigada, divisao ou corpo de
exercito 6 este servico organisado, pouco mais ou
menos como no i nperio, sob a direccao 4j) quar-
lel mestre, qnee respectivamente nm tenente, ca-
pitao, major ou teuento coronel. Quando varios
corpis formam um exercito, um coronel exerce as
fu;i:i;oes de c. tie quartel-rnestre.
Assim esta determinado na organisacao que
se ve* na p.iglna 20 do relatorio de J804.
a,Nao so qnanto aos Iransportes como cm re-
laca) a oulros servicos a mencionada collecgao
de relatorios contiim iuformacSus iutercssantes. e a
remetlo tambora nesta occasiao. a V. Exc, pare-
cenilo-me es>e livro uma boa acquisigao para a
bibliothecado ministerio da guerra.
1 Tendo lido uma parte destes' relatorios, en-
contrei no de 1862 referenda a ordem geral n.
160, relativa a forue'eimento da meios de trans-
portes.
Pedia tambem ao general Sherman, que della
me don uma copia impressa acoinpanhando-a do
outros tres Impresses, que mostram a forrrittla dos
eontratos e das especiltcagoes para a consiruceao
das canetas e ambulancias, e mais um sobre os
arreios das mulas empiegadas no servico do Irans-
|Mrt-ilo fnaterisl do exercito. Estes quatrv-im-
pressos v.io juntos do preseuta otucio
Al4m rfe tifdos os objectos meneionado*, re-
tnelto mais um tratado sobre as mulas, e urn ou-
tro sobre annas peqaeaas.
Ambis oites ihros fuiam tamhem olTerecidos
pr lo geueral Sherman.
Dcus guarde a V. Ex.-. lllm. e Exm. Sr.
conselheiro Joao Jose de Oliveira Junqueira, mi-
nistro e secretario de estado dos negdcio* da
guerra. -Antonio Pedro de CarvaUi) liorget.
Escola vcuta'al 0 resultado dos exames
Ja I." cadeira do 1." anno foi 0 seguiute :
Approv.-.dos Com distincg.lo grao 10 : Luiz Fe-
lippe Gonzaga do Campos, Alfredo Augusto Cam-
pos da Paz e 'Jose Joaquim deQaeiroz; approva-
ls pknameute com grao 9 : Jose Maria Teixcira
lu^ar p i forga do #rt. i\ to r^gatemenU), nao
alJWtjnorecor 0 favor da admiasa 1 como interno
gratnito.
Os orphaos mandados admittir sao os seguintes:
Um dos tilhos do major Miguel Pereira de Oli-
veira Meirelles;
Cri-tianoMachado da Costa,--ifillio do coronel
Mapoe! Joan' Machado fa Costa ;
Carloi Anrelio Fernandes de-9e, filho do capi-
llo de mar~e guerra Aurelio Gracindo Fernandes
deSa ;
Antonio Menezes Vasconcellos de Drummond,
filho do brigaleiro Gaapar de Menezes Vasconcel-
los de Drummond;
Alexandre Jose de Carvalho Junior, fllho do
alferes Alexandre Jose" de Carvalho.
Uma pequena Slalakoff. Para mos-
Irar como vivem em Hespanta, as pe3Si que
nao teem a fortuna de residir nas grandes po-
voajoes, 0 Progresso publica a seguiote noticia :
Um Indlviduo de Burrlana, rico proprletarlo
advogado a-liberal, apezar.ds pertencer a familia
carlista, para Nvrar-se dee-amigos dos seus pa-
rentes, mandou cotistruir uma t-arro nas margins
do mar, com sua ponte levadiga e uma barca
amarrada para ultimo recurso de salvacao no
caso de perigo, e vivo nella ba mais de qnatro
mezes com alguns seus familiares competentemente
armadas. Os carlistas mandaram Ihe dlzer ha
tempo que Ihe poriam cerco e 0 fariam morrer de
fonie e sude, porem o referido individuo mandou
abrir tun poco ua loxru e proveu-se de mantimen-
tos para muitd tempo. Ua dias dous carlistas en-
traram Ihe n'uma uorU ; advarliu os da lorre,
qua sahissem, porem como respondessem com
chufas, a boina de um d'eiles loi fancada por terra
levada por uma bala. Em Burriana a referida
torre e conhecifla pela t'orlaleza de MalakofF.
O preteudeate Tiehbore.-Xo dia 14
de Janeiro, 1583audienciado julRamentoda celebre
causa Ticliborne no tribunal Queen's Bench do
Londres, termiuou a sua seguuda allegacao 0 Dr.
Kenealy, advogado do reo, tendo fallado 23 dias;
0 primeiro discurso occupou 21 dias.
Quando 0 Dr. Kenealy acabou, romper am mnl-
tos-applau30s. da galeria publica.
No ilia 13 coinecou Mr. Hawkins, advogad) da
accusacao, 0 seu discuwo e continuou no dia 16.
Ao sair do tribunal foi 0 orador acompanhado por
muita genie que 0 esperava a porta, com de-
monstrates hostis.
A policia inter.eio e foram presas quatro pes-
soas.
E?ta; manifestajoes sao promoviJas pelos ami-
gosdo pretendente.
0 Sr. Kenealy teve de abreviar o sou discurso
em vista da resolu.-ao do tribunal, quo nao Ihe
mm*.
cscravos.
mez que deve ser paga, livre de multa, a taxa da
cscravos relativa ao exercicio de 1873 1874.
Tbeatro. -No Gymnasio Dramulico, repre-
sentou no domingo a tarde, a companhia Penante,
D. Cesar de Bazan e 0 Sr. Dominant fora do se-
no. A execuQ.i) do drama correu satisfactoria-
uiehte, e a empreza caprichou no vesluario. A da
scena comica, coireu'como e de suppo'r, incumbiu-
dd-se della o Sr. FUvio.. Os Srs. Peaante, Eduar-
do, Augusto e FJavia foram repetidamente vkto-
riados uela plal^a.
No ile Sanlo Antonio Irabalhou tambem'nesse
dia 0 Sr. W. GoOdison, ventriloquo prestidiuitalor,
c foi, como raereee, applaudido. Aconselhamos-
Iheporem, umaeousa : dispense 0 Sr. Godi~on
p concarso do Sr' Menezes ; pole compromet-
ler-se.
Assasslnato. No lugar-Aterrinho, dd
Giquia.foi assassinado em 6 do corrente, a noite,
Mathias Gomes da Annunciaclo, por um individuo
do cor, que nao .-e delxon couriecer, mas que se
pre-ume ser um Caeiano de tat, eozinheiro, ainda
mais por terem sido encontrados no lugar do de-
liclo objectos de seu u.so.
Cavallos furtadns.-Foram apprehendi-
dos dous pela subdelegacia de Afogados.
Concerto.Em heneflcio do artisia lyrico
Joaquim Francisco Vieira, effectuar-se-ha hoje a
noite, no saiao do Gabinete Portoguez de Leltura,
um concerto eujo programma muito 0 recommen-
da ao publieo, e 4 vista do que tudo e de esperar
em favor do beneliciado, arlista distincto, e como
' tal ja-muito conhecido entre nos.
Eogenio barbosa de Oliveira, Pedro Jose Verciani
e Oscar Nerval de Goir^a; grao 8 : Arthur Ge-
tulio das Neves, Jose' Leopold) Belfort Duavte, An-
tonio Moreira-Ponies, Celso Ribeiro da Silva, Ame-
rico Baptista de Mello Brandao, Joao Capistrano
da Cunha, Arthur Joaquim Pamphiro, Juse Agos-
tiaho dos Refs, Arthur Pio Deschainps de Mont-
moiency, Joao Jose" de AnfJrade Pinto, Julio n-
gusto de Aguiar .Machado, Alfonso Glicerio da Cu-
nha Maciel, Eduardo Cavalcanti de Campos Mello
c Sabino Eloy Alvim Pessoa ; com 0 grao 7 :' lli-
cardo Alfredo Medina, August) do Rego Tosttino
de Brito, Antonio Alexandre Pereira, Alfredo T>i-
xeira de Carvalho, Domiogos Gabriel Fernandes
Pereira, Marcal Pereira de Escobar, Antonio Can-
dido de Azevedo ;odre, Manoel Benicio Fontenelle
Junior, Francisco de Panla Oliveira, Fraucisco
Carlos da Silva Cabrito, Antonio Verissirao de
Mattos Junior, Vicente Varges de Andrade, Jose
Tbeobaldo Brandao, Fraucisco Cypriano de Oli-
veira Martlnho, Eduardo AJfredo Mendes Goncal-
ves, Jos6 Alves de Souza Viauna, Horacio Moreira
Guimaraes, Antonio Jacintho Mendes, Joao Ernes-
to Rodocbanchi, Norberto Alves Nogueira da Silva,
Pedro de Figueiredo Rocha, Benjamin Manoel
Amarante, Joao Evangelista Carneiro da Cunha,
Joao Augusto de Sa Barreto, Francelino Faria da
Motta, Augusto Ernesto de Figueiredo, Joaquim
Mariano Alves da Costa Junior, Alfredo Bernardi-
no Canongia, Joao dos Reis de Souza Danlas So
brinbo, e Torquato Xavi-r Menteiro Tapajos; com
grao 6 : Wenceslao Alves Leito de Oliveira Bella,
Joao Luslosa da Cunha Paranagua, Carlos Alberto
Leal da Cuuha, Augusto Olavio Rodrigues Ferrei-
ra, Antomo de Salies Nunes Belfort, Tarcicio
Jeder do Andrade, Caelano Piuto da Fonceca Cos-
ta, Carlos Guedes da Ccsta, Guilberme Pecanha
de Oliveira, Antonio Alves Pereira de Carvalho,
Sergio Joaquim da Costa, Luiz Jose da Fonceca
Cosjla, Joaquim da Costa Chaves Faria, Antonio
Pin\ei.-o CaagUvil, Joao Piato de Figueiredo Men-
des Antas Junior, Francisco de Paula Guimaraes,
Victor B<'zerra da Rocha Moracs, Aprigio Ferreira
Gomes, Francisco Simoes da Fonceca, Carlos do
Miranda da Silva Reis, Virgilio Ricardo dos San-
tos, Frederico de Almeida e Albuquerque Junior,
Modesto Olympio Teixeira Brandao, Gabriel Miii-
tao Villauova Machado Junior, Joao Jose Dias de
Faria, Manoel Martins de Araujo Filgueiras a
Caudido de Paiva Coelho; approvadjs siuiples-
mente com grao 3 : Jb&e dos Reis da Silva Pereira,
I,uiz Augusto Dias do Faria, Athaliba Montezuma
deMoura Ribeiro, Henrique' Duarte da Fonceca,
Joao Jose da Cruz Camarao, Antonio Peixolo de
Azevedo, Oscar Muniz Bittencourt, Jose Rodrigues
Viot, Joao Candido de Oliveira Murtinho, Vicente
de Paula "antos, Antonio de Arruda Beltrao, Al
fredo Silva, Benjamin da Gama Souza Franco,
Jose Lean Ferreira Sonto, Alfredo da Rocha Sa
Rego, Jose do Anarado Pinto, Eugonio Alberto
Franco, Eugehio Henrique da Silva, Manoel .Ber-
nardo Pereira Vianna, Estario deSa Rego e IJo-
norino Guimara.sPiuheiro; com grao 4 : Vicente
Alves de Paula Pessoa Filho, Esleviio Rilieiro de
Assis RezenJe, Jo2o Maria de Alnuida Portugal
Junior, Leovegildo da Silva Prado e Mariano de
Almeida Torres ; cam grao 2 : Joaquim Cardoso
de Menezes ,e Souza. e Ernesto Antunes de Cam-
pos ; com grao 2 : RodoJpho da Costa Tinoco,
Argeu Rodrigues Dufra Rocha 0 Antonio Rosa da
Costa ; com'ourao 1: Jose Autnnio'Va&uuos Ju-
nior, Manoel Bnsilio TeiXeira Pire3 e Manoel de
Jwus Valdetaro
Houve 18 reprovaJos e 36 deixaram'de fazer
exarae, dos quats cinco, tendo feito prova escrip-
ia, nao compareeeram a oral, quatro par raotivd
jusliOeado e pm eeni causa.
Imperial eullegio de Pedro It
Vagaram este anno sete lugares da classe doa
alumnos graluilos do mternaio.
0 regulamenlo do 24 da oUtubro de I8a7, nela
qual sa regeaq/ielle .Jlegio manda, no art. 21,
proferir para a aduiissao na d^La, classe, em 1.*
lugar, os orphaos recmheeidamehto ptb:es; cm
%', os Olhos de proftssores pubheos, que tjverem
servido bem por de- annos; e em 3., os alumnos
pobres que aas cscolas primanas se tenaam-dis
linguido por seu talento, appjicacao e raoralidade.
0 Sr. ministro do imperio alteiidenJ) a esta dis-
posicao e as allegajoes comprovadas pelos docu-
mentos que instrmram as petifoei ordenou n'pre-
epebunento' las vags existeht^s por cinco orphaos,
dous dos quaes sao (iluos de miliiares fallecidos
na guerra do Paraguay.
Os dous lugares resumes foram dados aos ma-
ndres Henriq'UV Dias Carneiro, mho do lenle da
escola central Dr. Augusto Dias Carneiro, e Hen-
rique Moreira de Azevedo,' fllho do 6r. flanoel
Daarta Moreira de Azevedo, professor do collegio
de Pedro II.
concedeu mais tempo, e mesmo assim occupou 44
dias com as suas allegacoes.
, Agora ja se pode ealcular coma proximo 0 ter
mo de- ta causa. Mr. Hawkins promelte nao oc-
cupar-.mais 7 dias. 0 presidenle devo fazer um
longo relatorio mas com 0 desejo que tem de
abreviar 0 julgamento, nao levara mais de 13 dias,
de modo que,d'aqui a um mez deve 0 jury pro
ferir a sua decisao.
Um bo! notavel.- Conta u;n jornal in-
glez que partira de Bolton para S. Petersburgo,
majster John Robson, famoso conserveiro ingl,.o
Jual fora encarregado de confeccionar 0 bolo dos
esp sprics Jo duque de Edimburgo.
0 bolo, (ibra maravilhosa na arte quo professa
master Robson, pesa a bagatella de dous quiutaes
inglezos e mede sete pes de alto.
E' de forma conica.
E' esplendidamente ornado de (lores. Uma es-
tatua de Flora remata 0 bolo.
A ancora que ligura no biasao de armas do
duque, as armas da Russia c 0 dislico : Ventura
e prosporidaJe, sac os mais preciosos ornamentos
da tuella celebre confec^ao.
Invento de muitu utilidade. ~- No
ponto mais alto da casa do Sr. KoIiiks, em Lon-
dres, fez-se ensaio $6 um geuero de luz, destina-
do a ser empregada nos navios, como signal da
pedir soccorro durable a noite; luz que e sum-
mamente viva, e que nao pode ser apagada pela
agua, ncm pelo vento.
Ainericano puro. 0 jornal americano
Kenltcky Herald conta um caso, que, sese passara
em outro paiz ninguem acrediuria.
Nio se sabe porque mcios uma agenda de ma-
trimonios tinha entabolado negociaQocs com um
pacifico alfaiale, thamado Sweap-, que 0 levaram
a protnetter a uma rapariga, por nmne Maria Bir-
mann, que casiria com eila dous/ dias depois da
mortc de sua mulher e paragarantia do accord)
Iho passou 0 curiosissiino docuraento quo vai
ler-se :
u Dous dias depoi3 da morte de minha mulher,
coinprometto-me a casar com miss Maria Rirraaan,
ou a sua ordem, a menina que me apresentar esta
crbrigacao, dada em pagamonto da somma de cin-
coenla libras sterlinas, recehidas a vista
a Feito e asjignado por niim : John Sicjups
Aconteceu que Maria Birmann foi para 0 outro
imindo, d'onde nao ha regrosso, antC3 do paga-
mento da mulher de Sweaps ; e a hora extrema
transmiltio aqueila Mra de cambio a uma de
suas amigas e prima miss Belinda Kingston.
0 mcslre alfaiale a apresentacio da Mra para 0
accite poz objeccoes, que miss Beiiuda julgou ira-
procedentes e recorreu para os tribunaes.
Debatida a causa, Sweaps foi condemnado a
casar com miss Belinda I
Monutacnto ao duque de Bruns-
wick Como os leitures hao de recordar-se, 0
duque do Brunswick estipulou uo seu teaamenlo,
como condicao do legado feito a cidade de Gene-
bra, que um monumento do bronze e marmore,
encimado pela sua estatua equestre, scria levan-
tado na referida cidade. Os executores testamen-
tarios acabaro de conflar ao esculptor italiano Vin-
cenzo Vela a execuQio deste monumento, qne sera
collocado no Diamanten Herzog.
.Iforte doum explorador notavcl.
Segundo referera as foikas francezas, 0 capitao
de navio Francisco Garnier, um dos mais sabios
exploradores, acaba do morrer assassinado em
Toog King. Dotado de ardeuto palnotismo e de
rara encrgia, emprehendera ba alguns annos uma
viagem de exploraQao ao norto da Cochinchina,
isto e, a bacia superior do rio Me-Kong.
Em principios de 1873 l.rnou a- pariir para
uma viajem scientifica e commercial peio inte-
rior da China 0 explorou todo 0 mirso da bacia
do rio Yang Tse. Depois foi chimado pelo almi-
rante Dupre, governador da Cochinchina, para
ir com uma commissao ofllcial Iratar com 0 ga
verno do norte da Indo-Cliina, que accu.-ara um
francez chamado Dupey de fornecer armas aos re-
beldes, em menospreso dos tratados existentes com
0 imperio chmez.
Francisco Garnier paitio com 60 homens de tri-
polaoao e duas eanhoeiras para subir 0 rio Seng
Koi, penetrando no alto Tong-King. Detido a al
gumas milhas da dosembocadura doste rio pela
attitude dos habitantes, vio-se obrigado a ser-
vir-se da sua arlilbtna para dominar os inimigos
eapoderarse de um pequeno forte. Prova vel-
mente, succumbindo pelo maior numero, alii foi
assassinado.
A morte de Garnier 6 uma perJa para a scien-
cia.
ilisiuria de um cao. Os nossos ltitoros
hao de estar lembrados de uma noticia que ha
tempo publieaiiids acorca de um monumento que
pela baroneza Burdelt-CoulLs foi arguido a memo-
ria de um cao em Edimburgo. ICis a historia
desse animal, cu,p nomo.passara a posteridadc:
Em 1838 enierrava se em Edimburgo, no velho
cemiterio de Greyfrias, o cadljyer de um pobra
homem chamado Gi*)'. No cortejo I'uu'obra, alias
pouco nuineroso,.notava-se a preseuo-i do can do
liuado, *jqe sasuia atraz .do /eretro com a cakeca
baixaepresa,de uau visjvgl IfisHeza.
Nd dia scguinte 0 .giiarda do cemiterio encon
trou 0 cao deitado sobro a campa de sou dono.
A entraia no cemkerio era prohibid* aoa visilau-
tesdaquella esoecie.e por ms'o 0 guards poz iora
0yobri Boiy. No dia seguiute, porem, repeiio-se
o.mpsmo facto.
Ne i.-riciro dia fazia frio e q tempo estaya bu-
mido, porera 0 cao la estava no mesmo siiio. 0
v.lho guarda teve pena do animal e deu Ihe de
comer. Desde.esse momenlo Bohy julgou-se com
direito de'ltcar e Dcou. 0 Sr. Scotto sargento de
eiigenheiros, alimentou-o dnrante muitos annos
e depois seguio so-lhe 0 Sr. Trad, doao de um res-
tauranteda visinhanga. Aotirodepeca do meio
dia, digparado da cidadelia, Boby corria a sopa.
Isto durou mais de lo annos.
Vi-io 0 ihjposto sobre os cms, Era 0 mesmo
qua pedir a Bohy a bols* ou a vida. Vinle pes-
soas offereceram-se ao mesmo lanpo para pagnr
0 que comoetia ao cao, porem 0 lord prevoste,
sabendo do facto, isentou 6 pdbre animal do im-
posto e, para Ihe lestemunhar a sua esUma, deu-
Ihe uma soberba colleira, onde mandou gravar as
seguintes palavras : Greyfriars Bohy. Esta col-
leira foi-lhoeff:-reeida pelo Iord-prevo>te de Edim-
[burgo em 1867.
fdo.*)hfB.otmulod^teu >bo e zerj!msc jao
poucos esforcos para n tirar d'allV.->Bcm fratad 1
tior-inurlas *ej*6iW-W visiir anfta aWcerrietrrio,
nunea se alleiCoou a nenhnma, e duranle os qua
Jorze annos quo se seguiram-a morte do pobri
Gray, Bohy ti.-locpnhec-.-u outro lugar de repoeso
senao aquelfe qiie escolhera no cemiterio. Foi
alii que elle morreu.
A fonte Icvasladi a sua memoria esia aituada
na extremidade meridional da bclla ponte George
IV, em um dos logares em qne a cirenlacao
mais activa. 0 monumento tem sete pes de alto
e no cimo v6-se a estatua de Bohy, em bronze
no podeslal esti gravada a scguinte inscrip-
cao :
E' este nm tribute olferecido a affectuosa II-
dehdade de Greyfriars Bohy. Em 1838, este cao
nel seguio os resiosrnortaes de sell dmo ao cemi-
terio de Greyfriars, e permaneceu junto do tumulo
ate a sua morte em i872.
JHsselauea. Um grupo de sabios alle-
mies, entre os quaes se acdam os doutores Zittel,
Jordan e Ascherson, da universalidade de Berlim,
resolveram emprehender, sob a direccao do cele-
bre viajante Cesardo Rohlfs, uma viagem de ex-
ploracao aos desertos de Oeste do Egypto.
0 Sr. Thiers recebeu no dia de anno novc
um presente original. Consiste em um bilhete de
visita de ouro, perfeitameuto guilhochado e ador-
nado nis quatro cantos com um soberbo diaman-
te. Este bilhete, encerndo n'um estojo de velludo
verde com as iniciaes A. T., tlnlia a seguinte ins-
cripi;!) : < Testemunho de reconhecimento. Os
membros da mutua.(Uuiao franceza), Lima (Peru).
Ao Sr Thiers, 6 de Janeiro de 1874.
A produec,ao-de carvao do pedra na Allema-
nha augmenta consideravelmente. 0 que se ox-
trahio de Saarbruck no mez de outubro ultimo
Consistio em 404:604 toneladas e principia a ex
portar .se para Fraoga, Belgica e Hullanda.
Herr Kracker, eminentc gravador allemao,
concluio, depois de seis annos de trabalho, um
grande quadro que representa 0 uttimo banquete
aoi generaes de Vallenslein, obra que e co&side-
rada pelos.entendodores como pcrfeila na arte da
gravura.
(Vpapa resolveu tirar das igrejas e conven
tos de Roma todas as reliquias, alim do salval-as
das raaos dos incredulos 0 dos ieonoclastas ilalia-
nos, e guardal-as no sou palacio. Ja alii cstao as
caoecas dos apostolos S. Pedro, S. Paulo e S. Joao
Baptista.
Os Srs. Rothschild presentearam a academia
do bellasarles de Paris com varias columnas,
estatuas e baixos relevos, procedentes das ruinas
do templo dedicado a Apolo-Didimo, nas immedia
goes de Mdelo (Asia Slenor), onde se teem feito ex-
cavaroes a expensas dos releridos senhores. Estas
antiguidades serao collocadas no museu das anti-
guiilades do Louvre.
0 consul de Bespanba era llamburgo re-
metteu ao seu governo uma preparacao de uma
poeio couhedda alii pelo nomo de cholera trop
fen (gottas para 0 cholera), que usam com satis-
factorio resultado os acommottidos dessa terrivel
epidemia, nao sahiudo da cama ao sentir a menor
iudisposieao intestinal e tomanlo tantas gottas do
referido especificc quanlos annos conta 0 paciente,
ate qua chegue 0 lacultativo.
A rainha viuva da Prussia, que fallereu nl-
limamente, deixuu 0 actual iraperad)r sou her-
Ueiro. Eutre o que SjM. imperial recebeu, acham-
se os lhasouros artisiicos reunidos pelo rei Frede-
rico Guiiherme IV.
' Falleceu 0 banqueino francez Perrior, direc-
tor que foi do banco de Franca. A fortuna que
deixou calculase em 8.730:000 francos, de cuja
somma apenas leguu 6:000 francos para estabele-
cimentos de caridade.
0 tbeatro vai faieudo progre-sos no estran-
gciro quant) a representacao per meio de objectos
reaes. Este in verno apparecem nas pantoraimas
de Londres, ovelhas, cies e veados, que para esse
lim teem siJo ensinados, e em Bordeus tonu parte
nas represenlac,oes um lobo.
0 novo rei de Saxonia esteve para ser vicli-
ma do uma toutativa de assassinato uos jardins da
Dresda, sendo 0 autor do attenlado ana louco que
ja 0 acommettera cm 1868, quando era ainda prin-
cipe real. 0 infeiiz. que esuya munido de uma
pistola, deixou-se desarmar ao. tentar disparal-a.
A sua mania e que 0 monarcha e seu rival.
Deu-se ha pouco em Paris um caso curioso
de sumnambulismo. So boul vard Uau.-smann
vivia uma senkora so com uma criada e a por-
teira. Notava ha tempo que R.e fallavam nao so
alguns objectos de roupa mas tambem as me-
lhores jolas, attribnindo aos serventes essas sub-
traccdes, molivo porque estava prestes a denun-
cia-los aos tribunaes. Neste comenos chega um
filho da inestna scnln ra, official do exercito fran-
cez na Argelia, e no iutuito do descobrir 0 au'.cr
ou autores do roubo, mune-se de um par de pis-
tolas e colloea se n'um corredur que atravessava
toda a -casa. Pelas 2 boras da madrugada vio
aproximar-se um vulto c dbparou sobre elle, ten-
do feliamente falbalo o tiro; comtudo ao clarao
prbunzido pelo lulminante, conhoceu sua propria
mai que somnambula, 0 sem que ella 0 soubesse,
iirava quotidianamenle da um quarto qumto alii
achava de mais rico e precioso, levando tudo para
nm armario de um quarto escuro e inhabltado,
onde so enconlraram todas as joias qua a dona
julgava terem Ihe roubad i.
Iaiierla.A que se acha a venda e a 87', a
benelicio da irrnandadc de Nossa Senhdra da So-
ledade, da igreja do Livramento, que corre no dia
13 do corrente.
Leilao.Hoje (10 do corrente), effectua 0
agente Pinto, 0:11 seu escriplorio, a rua do Bom
Jesus n. 43, 0 de fazeudas avariadas d'agua de
chuva e calcado para homem, conforme se acha
annmciado uo lugar jomoetente deste Diario.
Estabelecsiueutos Pessoal de enfernios, educanlus e meadigos a car-
go da Santa Casa de Miserieordia, em 31 de Ja-
neiro ultimo :
Hospital Pedro 11 319
Filhos de enfernios n
Hospital dos lazaros 13
Hospicio da alienados 8)
Asylo 106
Collegio de orpkaos 89
Dito das brptias juo
Casa dos expostos 93
Mcninos em criar;ao 73
1021
1022
1023
U24
Total 976
- Mo vimento das
7 de fevereiro :
entraram durante
Dos orpbSos cuja admissio foi requcrida deixou Ate a sua morte, 0 eSo lie! esteve sempre deita
Hospital X'orttijffuez.
enfermarias na sem ana do 1 a
Ficarain em tratamento 33,
a seraana II, saliiram curados 6, falleceu I, Scam
cxistindo 37.
Esta de semana 0 Sr. mordomo Francisco Ribei-
ro Pinto Guimaraes.
Casa dc deiencao.Moviraento da casa
de detenrao do dia 8 de fevereiro de 1874 :
Existiam presos 333, entraram 2, existem
437.
A saber :
Nacicnaes 250, mulhoras II, estrangeiros 34,
0 cravos 41, escravas I.Total 337.
Altmeutados a custa dos eofros publicos 234.
imvimento da enfermaria do dia 8 de fevereiro
de 1874.
live baixa :
Manoel Firmtiio do Espirito-Sarrto, colica.
Tiveram alia :
Miqoelino Lopes de Oliveira.
Manoel Joaquim dos Santos.
Caetana Maria da ConceioAo.
Antonio, escravo, sentenciado.
Hospital Pedro II. 0 mcvimento deste
estabelecimento, de 2 de fevereiro ao dia 8 do
mesmo de 1874, foiosegumte : existiam 32a, en
trarara 42, sahiram 29, falleceram 10,"existem 328,
sendo : 203 homens 0 123 mulheres.
" > Advertencia.
Foram visitadas as enfevmanas ue^tes dias: as
8 l|2, 8 l|2,9, 8 1|2, 8 lit, 9, 8, pelo Dr. Bel-
trao ; as 12 l[2, 1, 12, 1, pelo Dr. Sarmento; as 8
1|2 8 lq2, 9, 8 1|2, 8 I|I2, 9, pelo Dr. Malaquias.
Fallecidos.
Ankinio, variolas oonfiuentes.
Doraingos Soriano do Espirito-Santo, variolas
hemorrhagicas.
J0S0 Antonio, variolas ;.:.iluentes.
Joao Querino de Barros, variolas conflueates.
Ricardo Josd Cordeiro, hepatite aguda.
Antonio, variolas coalluentes.
Josepha Maria da Conceicao, cachexia paludosa.
AntoBia Muria da C)ncei;ao, cachexia sypbilitiea.
Joao- Fra*icijco Roque, variolas conflnentes.
Guiihermina Maria da Conceicao, esmagamento
das pernas.
fassaseiros. Saiiidos para a ilha de S.
Miguel no In gar portnguez Lima :
Manoel Vicente, Manoel Pacheco, Jordao Perei-
ra Duarte, Manoel da Silva Oliveira, Jos6 Felix
Cat lin Antonio da C)sta Carolino, Pedro Jose
dos Rids.
Sahidos para 0 sul no vapor brasileiro Dtt-
que de Caxias :
Olympio Euzebio ArruohelasGalvaa suaseuhora.
0 1 criado, Carlos Francisco Ferreira Borges, Al-
fredo Eugeaio Crespo, Josepha Maria do Carmo,
Maria Antonia.
Cemitcrfo-puMieo. Obitu^io do dia 7
de fevereim4e tajki
Malhi:.3 Gomes da Annuowcao,. branen, :
nairrbnco, 38 annds, s penetnnte na eavklade.
Cclestma, parda, ieinambuco, 11 ineaaa, S*
Jose ; convnlsoes.
Maria Chrysostoma de Sant'Anna, branca,F:-
nambuco, 22 annos, soltefra, Boa Vista ; lobfr-
culos pulmonares.
Jose Domingos dos Santos, branco, Portugal, 12
annos, solteiro, Recife ; febre aftarella.
Goi'.herme Dias dos Santojf pardo, 38 anno?,
casado, S. Pedro Martyr ; nhysica de gargunta.
Sebastiao, pardo, Pernam*neo, 23 dias, S. An-
tonio ; espasmo.
Joao, pardo, Pernambuco, 2 qieze*, Boa-Vis:a ;
espasmo.
Antonia Maria da ConceiAo, Pao d'Alho, 54
annos, viuva, Boa-Vista, hotoital Pedro II ; ca-
chexia syphililica.
Josepha Maria da Conceiaao, preta, Pernam-
buco, 35 annos, solteira, Bha Vista, hospittl Pe-
dro II; cachexia paludosa,'
Antonia, preta, Africa, 36 annos, solteira, B a-
Vista, hospital Pedro II; variolas confluenle*.
8
Roza, branca, ignora-se a naturalidade, 4 anr. -.
S. Antonio ; variolas.
Manoel Angelo Antonio, ignora-se a cor, Par-
nambuco, ?9 annos, ignora-se 0 estado, milil.r,
Boa-Vista ; hepatite chronica.
Emiliana, escrava, prcta, ignora-se a natnr* i-
da le, 10 annos, solteira, S. Antonio ; hemorrhai
pulmonar.
Guiihermina Maria da Cunccifio, parda, igno-
ra-se a naturalidade, 2-3annos,selleira, Boa-Vi-.a,
hospital Pedro II ; esnaagamento.
J0S0 Francisco Roqw, pardo, Pernambuco, *
annos, casado, boa-Vh,ia, hospital Pedro II; va-
riolas, t
Lina Maria da Conceic^Eo, p.-eta, PernarabnC'.-,
73 annos, solteira, S. J so ; pihy>ica psJsM
Marianna,escrava, parda, ignora-se a naturall
dade, 20 annos, solteira, S. Antinio ; typho.
JLKY DO RECIFE.
revisAo de yi:Ai.iH<:.\<,:v>.
.. Freguezia de Afogados.
Anionio Ignacio do Rego Medeiros.
Dr. Anionio Jnstino de Souza.
Augusto Jose Mauricio Wanderley.
Antonio Valenliin d Silva Barrcca.
1023 Andrd Jose Dias Pinheiro.
1026 Antonio Jo-e da Silva e Souza.
1027 Antonio Augusto d-t Barros.
1U28 Barao do Livramento.
1029 Dr. Bento Borges da Fonceca.
1030 Barao de Nazareth.
1031 Bellarmino do Rego Barros.
1032 Cyrillo Augusto da Silva Santiago.
11'33 Carlos Pinto de Lemos.
1014 Deltino Lins Cavalcante Pessoa.
1033 Francisco Urcicino Carvalho Pans d-
drade.
1036 Francisco de Sa Barreto.
1037 Firmino Pereira da Cunlia.
1038 Dr. Horacio Walfrido Peregrino da 9H> 1
1039 Dr. Jose Mariano Carneiro da Cunha.
|i-40 Jose Pedro das Neves.
KA1 -lose Ribeiro de Bnto.
1042 Joao Pereira da Cunha.
1043 Joao Ribeiro Pessoa de Lacerda.
1044 Dr. Joaquim Manoel Vieira de Mello.
I0k3 Jose Odilon Jacame Pires.
IO16 Dr. Jose Maria de Albuquerque Lima.
1047 Joaquim Anionio de Mendonr;a Pereir.t.
1048 Jose Thomaz Cavalcante Pessoa.
1049 Jo=6 Mareelino Alves da Fonceca.
1030 Manoel Pereira :aldas
1031 Manoel Caelano da Costa Spinola.
1052 Lconcio Quintino.
1053 Manoel Gomes de Sa.
1054 I.ibanio Candido Ribeiro.
1033 Thomaz Spimla.
IO-'6 Ulysses da Costa Spinola.
1037 Major Manoel Ferreira Escobar.
1058 Tenente coronel Franci-co Carneiro Ma:lu-
do Rios Junior.
1059 Major Join Francisco da Cunha.
1060 Capitao Luiz Felippe Cavalcante de A"m-
querqne.
1061 Capitao Manoel Francisco de Panla.
10^2 Candido Alberto Sudre da Multa Junior.
1063 Apolinano Florentino de Albuquerque Ma-
ranhao Sobrinho.
1064 Manoel Peregrino da Silva.
1063 Pedro Tertuliano da Cunha.
I'66 Pedro de Carvalho Soares Brandao.
1067 Antonio Joaquim Pereira dc Oliveira.
1068 Joao Chrvsostomo de Albuquerque.
1069 Dr. Jose Roberto de Moraes e Silva.
1070 Dr. Joaqnun Elviro de Moraes Carvalho.
1071 CamiHo Lins Chaves.
1072 Dr. Clementino do Mcsquita Wanderley.
1073 Francisco Quintino Rodrigues Esteve-.
1074 Jose Lucio Lins.
1075 iYisiao Jacome de Araojo.t
1076 Tristao Francisco Torres.
1077 Jose Buarque Lisboa.
1078 Thomaz Pereira de Bilto.
1079 Jose Bernardo do Rego Valencia.
1080 Jeronymo de Ho.landa Cavalcante de Albu-
querque.
1081 Jose Paulino de Almeida Catanho.
10-^2 Jose Mariano de Albuquerque.
1083 Joao Carneiro Rodrigues Campello.
H84 Augusto Candido de Albuquerque Seixas.
1083 Manoel Joaquim do Rego Albuqnerqne.
Freguezia da Yarzea.
1086 Antonio Maria Carneiro Leao.
1087 Antonio Uchoa Carneiro Leio.
1088 Antonio Alves Monleiro.
1089 Autouio Pedro Cavalcante de Albuqm-i p.-
Lius.
1090 Bernardino da Silveira Lins.
lOv-1 Barao d; Muribeca.
1092 Egydio Carneiro Rodrigues Campello.
1093 Major Francisco Xavier Cr-rneiro Lins
109a Firmino dos Santos Vieira.
1095 Francisco de Paula Costa.
1096 Dr. Francbco do Rego Barros de La 1097 Dr. Graciliano de Paula Baptista.
1098 Henrique Lacrr.
1099 Hermenegil-io Eduardo do Rego Mont-'ir .
1100 Ignacio Xavier de Paula R.'cha.
1101 Ignacio do Nascimento Goncalves da Luz
1102 Ignacio Alves Honteiro.
1101 Joao Cavalcante Figneira de Menezes.
1104 Joaquim Mena Cardoso.
1103 Joan da Cruz Macedo.
1106 Jose Mendes Vieira.
1107 Joao Jose da Silveira.
1108 Jose Antonio de Brito Baslos.
1109 Joao Cavalcante de Altmiuerquc Lins.
1110 Manoel Correia de Araujo.
1111 Sebastiao Cavalcante de Albuqnerqne Lins
1112 Theodora-Augusto do Rego.
1113 Antonio Manoel Carneiro Leao.
1114 Manoel f.yriaco de Albuqnerqne Henri in'
1115 Manoel Trajauo Carneiro Campello.
1116 Vicente Aquino de Albuquerque.
1117 Antonio Joaquim da Gama.
1118 Tiburcio Piuto de Vasconcellos.
1119 Joao lermenegill) Xaviere Salies.
1120 Manoel Loureojo de Matlos.
/
/.

4.

,*
1

miCACOES A PEDIPC.
Eleiqao
DAS I'E SOAS Ql'E TEEM DE FESTEJAR A C.LOH10-
SA SENUORA. DA GOAQA, ERECTA EMS"\
1UREJA, NO 1'RESENTE ANNO DE 1874.
Juiz protector.
0 lllm. e Ilvm. Sc. vifario Augusto Franklin
M. da Silva.
Juis por eieicax
0 IHm. Sr. Dr. Sebastiao do Rego Barros U-
cerda.
Juizes por davocao.
Os films. Srs. :
Dr. Alexandre Pereira do Carmo.
Commendador Francisco Soarea da Silva He-
tumba.
Coronel Domingos Atfonso Nery Ferreira.
Coronel Joao Rodolpho Barata de Almeida.
Escrivao por eleicao.
0 lllm. Sr. Dr. Josd Anastacio da Silva Gataav
raes.
Eserrvie* por devorao.
Os lllms. Srs. r
Coronel Antonio Gomes Leal.
Dr. ehefe de potieia Antonio Franaisoo Om
de Araujo.
Dr. Bento Jose da Costa.
Antonio Jose Ferreira de Carvalho.
iTbesoureiro.
0 lllm. Sr. nowandador Luiz Pereira Simie-.
Procoradores por eleicao.
0-, lllms Srs.: ^ ^^
Josa Joaquim da Silva Guimaries.
Francisco Antonio da Silva Cavalcante.


B*&o nfe ftmmmioft Ter j




m

An?
Alfr

t
tar. Srs. M' .'
Dr. Felippe deJfluuiroa Faoa- _-
Df. Miguel JoaJlPtlmeida Parnambotio.
Dr. EJuarde Barros Falclo de Lacarda.
Dr. Miguel Figair6 de Faria.
Dr. Jesuino Augusto dos Santos Mello.
Barao de Cainpo Verde.
Barao de Bemfica.
Antonio Joaquim Pereira de Oliveira.
Tenente-coronet Francisco Carneiro tlachado
Rios Junior.
Francisco Augusto de Araujo.
Francisco Jose Arautes.
. Jose Duarte das Neves.
Daniel Cesar Ramos.
Jose Antonio da Costa e Sa.
Manoel Luiz Alves Vianna.
Francisco Daraasio dos Santos.
Angelo Alfonso Villa?*.
Dr. Augusto Fredcrico de Oliveira.
Juiza por eleicao.
A lllm." e Exm.'. Sr' Dr. Jorgiana Ponies Tasso,
tilha do Sr. Jorge Tasso.
Juizas por deveeSo.
As Hrm." eExm.-Sr." :
D. Anna, esposa do Sr. Bonto Jose" da Costa.
D. Joanna, tilha do Sr. Joao Uodrigaes Meados.
D. Anna dos Anjes, esposa do Sr. Dr. Joaqaim
Corroia de Araujo.
D. Julia, esposa do Sr. Alfredo Garcia.
D. Anuunciada, viuva do Sr. Herculano Alves
da SiWa.
D. Francisca, viuva do Sr. Nicolao Asthely.
Eserivas por eleicao.
As Him." e Exm." Sr." :
Baroneza de Beberibe.
Barontza de Campo Verde.
Baroneza de Bemfica.
Baroneza do Nazareth.
Baroneza de Villa Bella.
D. Maria Clara, tilha do Sr taiente-coronel
Francisco Carneiro Machado Rio3.
Escrivas por devocSo
As lllm." e Exm." Sr." :
D. Amelia, espo.a do Sr. Eduardo Augusto de
Oliveira. ....
D. Am .lia, esposa do Sr. Dr. Miguel Jose de
Almeida Pernambuco.
D. Francisca, esposa tfo Sr. Dr. Miguel Figaerroa
de Faria.
D. Joaquina, viuva do Sr. Francisco Gomes de
Oliveira
D. Eugenia, esposa do Sr. Dr. Pedro de Atnayde
Lobo Moscosj.
D. Felismina esposa do Sr. Francisco Augusto
de Araujo.
Mtfrdwias.
As Win." e Exm." Sr. :
D. Carlbta, cipis* do $. Antonio Joaqaim Pe-
reira de Olfveira.
D. Marcionilla, esposa doSr. Dr. Felippe de Fi-
gueiroa Faria.
D. Anna, esposa de Sr. tenentecoronel Justino
Pereira de Faria.
D. Joaquina, esposa do*. Sr. Alexandre de Piubo
Borges.
D. Leonor, esposa do Sr. Df. Silvio Tarqumto
Villas Boas.
D. Luiza, esposa do Sr. Andre de- Abreu Porto.
D. Francisca, esposa do Sr. Jose Joaqaim da
Silva Guimaraes.
D. Joanna, esposa do Sr. Fiancisjo Jose Arantes.
D. Narciza, esposa do Sr. tenente-coronel Tho-
maz Jose da Silva Gu D. Maria, fil.ia do Sr. Antonio Jose Ferreira de
Carvalho.
D. Rita, esposa do Sr. Daniel Cesar Ramos.
D. Francisca, esposa do Sr. Jose Antsnio Gon-
calves Pires.
D. Ignaeia, es,.osa do Sr. Dr. Caslello Branco.
D. Idalina, esposa do Sr. Odorico Raposo da
Camara.
D. Maria, esposa do Sr. Justino Jose de Souza
Campus.
D. Clementina, esposa do Sr. Joao Pereira do
Rego.
D. Maria Salome de Siqueira Varejao.
D. Annatolia, esposa do Sr. Thomaz Garret.
Capunga, i de Janeiro de 1871.
0 vigario, Auguslo Franklin Moreira da Silca.
tn me;
irto,
er do
svel de-ini
Eluma p
iim : e havi
Bstamos
ajudada.
to |ue trae btll|za|
'saude.HiOijorf etdo
umajciomdel
;cias.
ue a eiiprezt e digna de ser
"quantja. iiui^e pede a cada
-
Ao publico.
Constando quo Mafloel Antonio de Azevedo,
tenciona vendor alguns predios, que diz elle,
IhtS pertencerem, communica se ao respeitavel pu
blico em garal, e com especiahdade ao corpo do
commercio, que nenhuroa traniaccao facara com o
referido Azevedo, a tal respeito, sob peua de nul
lidade e mais disposicoes legaes; visto como,
aleui de the nao pertencerem 03 predias situados
nas ruas da Iraperatjaz n. 12, Nova n*. 9, 10, tie
13, Aurora n. 13, Formoza ns.,3 e 5, Cc,espo n.
23, Estreita do Ro ario n. 2, Marcilio Dias n. 113,
Vidal de Negrelros n. 39, e Prac.i do Conde d'Eu
n. 17, por ser deixado tao souieote o usuuueto de
todes elles a fallecida mulfaer'de Azevedo, em tes-
tamento feito por Joaquim Jos6 Loucenjo Cartacho,
em 1833, devendo passar a plena propriedade
(como do proprio testamento contta), aos filhos le-
gitimos da usufructuaria, mulrter de M. A. de
Azevedo; accresce que se astav procedeudo ao
inventario, em Lisboa, dos bens deixados pela fal-
lecida mulher de Azevedo
A' vista disto, e do do annnncio qne ja se pu-
blicou, quasi que igual ao que presentemente se
faz, 6 de erperar quo ninguem querera eatrar em
transaccoes por sua natnreza nullas.
Recife, 5 de fevereiro de 1874-j
0 adv'ogado, Jose Ijrpet Pesioa da Costa.
Steclfe, 30di^ezembro dj 1873.,
PhilomeM mervina it A.,0'Cornell Jtrtm:
..>provoVDir,eclorja geral da lakuoccao publica
de PefnaraBaio.jS de Janeiro de IW4.

A gun Flwrida de OFarray e Lan-
man.
Esta e aquella axtfellente 0 original agaa de
cheiro para 0 toucaJor. que tao altamente tcm
sido exhibida e exhortada por todos rft jornaes pa-
blicos da America do Sul, e da qual se tem van-
dido taatas imitates ueste piiiz., Entendemos
que foi para jjuardaro pablico eoiiira similhaaies
inposicoes, quo os proprjelarios do artigo genuim,
depots de 0 havrrem introluddo ha mais de 20
anui> nas repa'jjica-' Inpaibi)li9. Cuba e Brasil,
ourae^aram nao someala a mirfactura-la para
este morcado, como Umbem p*ra on mais ja ai-
ma coabeoidoe.
Este exeellena e impafavel artigo ja come;on
a ser popular, e 6 de esperar que aqui em breve
venha a supplantar e levea palma, com> ja 0 fez
na America dJiSuh, a-tjids as p:rfum-:s > es-en-
cias nwis oustesas qu* njseostoma-vir d.i Euro-
pa. Ella e igaa'l em *ijs as respeitos qo.uid*
nao superior aos mats linos extra;tos que nos vem
do estrangeiro.
!
Eleica*
DO
jiiiz, juizti. ewcrivno. the^onrci-
ro e mais lcvotos qno h3o de
festejai* a cxcelsa Senhora da
SaAtle, 11 > an no de ISS4 a
I85.
Juiz por eleicao.
O Jllm. Sr. commeniaior AloinaJose da Silva.
Juiza por eleicao.
A Illma. e Exma. Sra. D. Raymauda Ursulina de
de Almeida. |
Juiz por devocJin.
0 lllm Sr. commaadador Frauowco Ribeiro Pinto
Guimaraes.
Juiza por devocao.
A lllma. e Exma. Sra. D- Carolina Ponies Duarte.
E^crivao por eUicao.
O lllm. Sr. Martinho de Oliveira Borges.
Escriva por ele'icia.
A illma. e Exma. Sra. D. Maria Ilaliua Kiuza
Lima.
E O lllm. Sr. capitiu Joaquim da Costa Ribeiro.
Escriva por devocao.
A lllma e Exma. Sra. D. Maria do Carmo de Sou-
za Silva.
Ttiesoureiro.
o lllm. Sr. Torquato Henrique da Silva.
Procuradores.
Os lllms. Srs. :
lir. Jose Mariano Girneiro da Cunha.
Vicente Oscar Gama Duarte.
Julio Cesar Cardoso Ayres.
Leopoldo de Souza Beis.
Manoel Francisco Coelho Junior.
1: -rvasio fires Ferreira.
Juizes protectores.
Os lllms. Srs. :
Dr. Antonio Joaquim de Moraes e Sika.
Dr. Antonio Jose da Costa Ribeiro.
Dr. Felippe do Figueir6a.
Major Jose" Dimingues Cndeceira.
Francisco Jos6 da Silva Guimaraes.
Alfredo Jose Aituoes Guimaraes.
Jose Felippe Nery da Silva.
los6 Ribeiro da Cunha.
lose Camello do Rego Barros.
Dr. Jose Bernardo Alcoforado Juntor.
Francisco Joaquim Ribeiro de Brito.
Capitao Antonio Jos6 Rodriguas de Souza.
Tenente-corooel Sebastiao Antonio do Rego Bar-
ros.
Juizas protectoras.
As Exraas. Sraa :
D. Angelica Coutinho.
D. Maria Francisca Paes Barreto Lins.
D. Umbelina de Sampaio Alcoforado.
D. Anna Fonceca de Moraes e Silv*.
D. Roaa de Qaeiroz Fonceca.
D. Julia Candida do Rego Barreto.
D. Isabel Cordolina Tavares da Silva.
D. Candida Augasta Barreto dos Santos.
D. Ignez Mar noo Vaz de Oliveira.
D. Cordolina Marques Line de Almeida.
D. Maria Emilia Pinto.
D. Josenha, esposa do lllm. Sr. Manoel da Silva
Ferreira.
11. Leopoldina, esposa,do IHm. Sr. major Jose Ce-
sario de Mello.
Procurador geral.
O lllm Sr. Aristides Duarte Carneiro da Cunlia
Gama.
Mordomos e mordomas todos os devotos da
mesma excelsa Senhora.
0 padre h*cemcio Verissimfr dos Anjos,
\ 1 fo?djuoor pro-pafocto
jL i I W-*
COLLEGIO
20-Rm in Coelhns-20
A abaixo assiguada, liceuciada pelo Exm Sr.
presidente da provincia, e pelo lllm. Sr. Dr. direc-
tor geial da inslruccao publica, tem cstabeleeido
na rua dos Coelhos, n. 20, a poucos passos da
igreja de S. (joncalo, um collegia para raeninas,
sob a invocacao da Santissima Trindadb.
Auxiiiada por suas irmaas D. D. Landalina Jer-
sey e Olindina Jersey, ambas as quaes, em com-
mum cum a abaixo assignada, receberam igual
educacao, durante quasi seta annos, om um dos
melhores collegios francezes da cidade do Porto,
esta por certo habilitada para transmitlir a suas
alumnas todos os cunhecimentos adquiridos nesse
longo espaco de tempo.
Chamando a alteogao dos illustrados paia da fanii:-
lia, nacionaes e estrangeiros, para os estatutos
abaixo, a i.nnunciante espera merecer decidida
preferencia, pois 0 seu estabelecimento se distin-
gue, nao so porque nada pagam em separado pelo
estudo das artcs de resreio, como lambem pelo das
linguas estrangeiras que, em geral, somente se
ensina a traduzir, ao passoqno noCollegioda San-
tissima Tmndabr se aprendera a fallar e oscrever
correctamente ; 0 que se torna sem duvida dc
uma vanlagem e utilidade incontestaveis.
Invocando, cheia de condanci,; a prote^ao de
sens compatriotas, e de todos os estrangeiros illus-
trados, a aonunciante e suas irmaas, no cumpri-
mento dos seus deveres, esperam e promettem en-
vidar todos os esforeos, afim de provar que, entre
n6, existem pernambucauas sufflcientemente ha-
bilitadas para instruir e preparar nossas innocen
:i: no fnturo 0 nobre a respeitavel ninisterio de
nuis de familia, como a se tornarem aqui, ou em
qualquer paiz, onde se adiarem, 0 brilhante or-
namento oa mais culta e distincta socieiade.
As aulas alrem se a 26 de Janeiro.
Philomena Minervinn de A- 0' Connell Jersey.
COMPANHIA ALLIANCA
soguros maritimos e terreti-
tres estabeleoida na Bahis
era 15 de Janeiro em 187 0
CAPITAL 4,000:0005000.
Tom'a seguro de mercadorias e dinheiro
ico maritimo em navio do vela e vaporei
para dentro e f6ra do imperio, assim conn
5ontra fogp sobre predlos,. gpneros e f*
rondas.
Agente ; Joaquim Jse Gan^alves Beltrat>
rua do Commercio n. 5, 1* andar.
August*i..d^iyiiri U,
A casa conrmwcrnl e-bsrrenria de Augusto
F. d'Oliveira & C, a rua do Commercio ns
i2, eocarregj-se-.de execos80 de ordens
para embarque djQo prodaetos e de todos- o-
maia.negocios de eommissa^), qaercommev
ciaes, quer bancarios.
Decpnta lettras, o toma dirraeinw a pre-
miv eoknprtreaasbiaes, a aaa-4-tisM ej b
prazo, A voutade do toreador, sobre as se-
guintesnppa^ae e9trangekas e uacionaas :
Loudret. Sobre o union bask w
LONDON, 0 LONDON AND HfNSEATIC BANK,
limited, e varias c#sasidl.* classe.
Paris. Sobro ov ftanqueiros fould
& C, MARCUARD ANDREA C. 6 A. BUCQUE,
VI6NAL & C.
Ilauiburgo. Sobre os Srs. joao
sent back d FrtS'S^'
Lisboa____Sobre os, Scs: fonsecas,
SANTOS &. YUNNA, e SEBASTIAO JOSE DE
ABREU.
Porto. Sobre o banco oniXO bo porto
0 Sr. JOAQUIM PINTO BAFONSECA*.
Para. Sabro o bango commercial
DO PARA, e OS Srs. FRANCISCO ABDENtCIO DA
COSTA & FILHOS.
llaraubfto. Sobre o Sr. jose fer-
reira DA SILVA JUNIOR.
Ccara. Sobre os Srs. J. s. Dt: vas-
CONCELLOS & SONS.
Bluhia. Sobre os Srs. marinhos & c.
Rio ile. Jau.'ira. Sobre 0 BANCO
INDUSTRIAL E MERCANTIL, BANCO NACIONAL 6
BANQUE BKASILIENNJiFRANgAlSE.,,
MARITIMOS
E
CONTRA 0 FOGG
A compaahia Tndemnisadora, estabelecidj
.i.'Sta praca, toma segnros maritimos sobn
aavios e seus carregamento9 e contra fog<
am edifieios, mercadorias e mobihas: n?
rua do Vigario n. 4, pavimeiito terr^o.
Seguro contra-fogo
THE LIVERPOOL & LONDON &, GUrt
INSURiSCE C0IP4SY
HkMGWtBB
SAUNDERSBU0THERS4 C
11Cbri>o Santo11
Tf----^--------------:-----------<-%------
Rarricas abatidaa 4,680 a Baltar, Oliveira & C
Capdieiros e perlencas 16 volumes. Cha 30 cai
Ms-
Farialia dfl trigp 183 barricas.
Serozeno 2,000 ea'ixas.
. Lona 6 fardos. i
Papel de embrulho 300 resmas.
Veoezianas 2 volumes. Vidros 3 volumes aos
consignalarios.-
Vapor fraoc*z Erymunthe, entrado dos portas
da Europa oa mesma data e consigoado a Haris-
mendy Amostras 7 volumes a diverso?. Annil 19 fardos
a E. A. Burle it C.
Cacliimbo da madeira 1 caixa a J. B. dos Rels.
Calcado 3 caixas a D. C. Wild 4 C., 2 a Faria &
C, i a J. Christine & C, 1 a Monhard Mettler & C,
1 a Paren'.e Vianni & Gamisas 2 caixas a Pin-
to .da Silva & Cascio. Chap6os 8 caixas a Joao
Christiani & C, 1 a Cramer Frey & C, 1 a Paren-
te Vianna & C. 1 a Vaz & LeX Cognac 60 cai-
xas a Tasso Irmao & ,C. Confervas alimenticitts
10 caixas a 11. Newseh.
Ervilha 2 caixas a Monhard Mettler & C. Es-
pelno 1 aixa a Bastos Oliveira & C, 1 a Souza e
Sa & C.
Ferrag>'m 1 caixa aos mesmos. Fumo 1 caixa
a L. A. Siqueira.
Impress is 2 volumes a Trayoly Rozet.
j Joias 3 caixas a A Hyvernat & C, ditas e medi-
fiamentoi 1 aos mesmos.
Licor t eaixa ao? consignalarios. Ltvros 3 cai
kas.a Walfredo & SotKa, 1 a D. M. Marlins, 2 a
J. Nogueira de Souza, ditos. e cbje:Ws para es-
Criptorio 1-caixa aOeLailhaear & C. Luva3 1
Caixa a J. Moroira da Silva.
Hanteipa 12 j bnaris e 150 meios dilos aos con-
signalarios. Sfedicamenl is 3 caixas a Ferreira
Maia ^ C Mercadorias diversas 2 caixas a De
Lailhacar &C, la Costa Irmao 4 C, 2auma
Viala, 2 a VazJamoii & C, i a Vac- St Loal, i a
R: Irmio & Guimaraes, 1 a P. Guerphe, 1 a Hego
Baros de Sauza L a Mendes Azevedo 4.(1, l,a Monteiro Gregorie &
C, 1 a C. de Faria 'Eararos &.C 1 a Sonza e Sa
C, 1 a Watfredo it Sana, \lolas t caixa a J.
Moutihlio.
0!)Je-tos remcttidos pel0 vice-consul do Bran
era Bordeaux 7 caixas.a jooiuiuksIo da exposicao
OIpo de colza 1 barrlf a^B. turpm.
Papellaria e obiectos para escriptorios 1 caixa a
J. N. de Souza. Perfumarla 1 caixa a D. M. Mar
Um- Piano I a S. Guimaraes & C.
Q'ueijos 61 caixas a Beltrao 4 Filho, 50 a Souza
Bastos 4 C, 40 a Lebre 4 [teas, 39 a ordem.. 33 a
Cardozo Martins & C, 32. a A. F. orga, 3 i a F^r
natides da Costa 4 C, 28 a J. F. Ferreira, 22 a Ma-
fajhaeg & Irmib, 17 a Lima & Silva, tl a Joaquim
ose Leiiao, 6 a Jose Joaquim Alves, 2 a E Turpin.
Rolha t fardrt a-J. E. d,}. P.. RauiJ- Roupa 1
caixa a E. A. Burle A
Sardinia 30 cawas, a Beltrao c\ FiHii, 2) a Mo
thard Mettler & C.
Tecidos 4 caixas a E. A. Burle 4 C 4 a L. A.
Siqnsira, 3 a Carneiro & Nogueira, 2 a M. Mettler
& >.., 2 a Keller & C, 1 a Mendes 4 Azevedo, 1
a Silva Barroca 4 Filho, 1 a Guimaraes Irmao &
C, 1 a Linden Weidman. Tinta 1 caixa a Sonza
e Sa \ C.
Vestidos t caixa ao barao de Bem'tca. Viuho 5
barris e 2 caixas a J. F. de Paula Ramos, 2 e 50
a V. Grandin, 5 e 7 a H. Newsch, 10 barris a Kel-
ler & C, 'i a L. A. Siqudre, 4 aos consignatarios,
3 a E. rurpin, 1 a Wonhard Mettler 4 C, 1 a Leh-
mann Freros, I aJ. Felippe da-Costa, 1 a A. B.
Ghswy.
Vapor inglez Britannia, entrado dos portos da
Europa na mo.-ina data e eonsignado aAVilson
Rowe A; C, manifestou :
Encommendii t volume a Goncalves Irmiio &
C., 1 a Monhard Mtttler 4 C, 1 a 01 ntho, Jardim
& C, I a Rodrigues kmaa & Guimaraes.
Mtmmo oc PQRTi
Navios sahidos no dia 8.
Ilha de S. Miguel Lugre portugnei Lima, capi-
tiio -lelto, carga assucar e mel.
Navios enirudos no dia 9.
Rio de Janeiro 28 dias, lugr Inglee Agnes
Brown, thr 174 toneladas, capitao \V. Alexan-
der, equipafem 9, era lastro; a- Lidston Robi-
lliiard 4 C.r
Rio de Janeiro -27 dias, lugro inglez Ann Hhea-
ton, de 227 toneladas, capitao Alfred* jlo Owen,
equipagem 8, em lastro ; a ordem.
Santos-31 dias, lugre inglez Casstque, de 180 to-
neladas, capitao Samuel Cox, equipagem 8, car-
ga cafe; a ordem. Veio refrescar e seguio
para New-York.
Montevideo-33 dias, lugre inglez Herbert J. Oli-
ver, de 315 toneladas, capitao J. B. Jones, equi-
pagem 8, em lasiro ; a Carroll A C.
Buenos-Avres 31 dias, brigne hespanhol, Barcelo,
de 202 tonelad*, ca*UBoJ. Fouttodona, equipa-
gem, II, carga 18,715 kilos de carne; a
ordem. .
Rio de Janeiro 39 dias, patacho Dortuguez Maria
Jose, de 186 toneladas, capitao F. S. Franco
Junior, equipagem 8, carga varios gencros; a
Amorim Irmao & C.
Bahia 9 dias.barca ingleza Petcheclee, de 355 to-
neladas, capitao J. Burns, equipagem 14, em
lastrj ; a Rabe Schmettau & C
Bahia- 9 dias, barca braileira Claudi>, de 337
toneladas, capitao A. L. Rodrigues, equipagem
12, carga farmha de mandioea; a Amorim Ir
mao 4 C.
Navios svhidos no mevmo dia
Portos do nort Vapor brasiloiro Cruzeiro do
Sal, command mte l. lanente \\ addington, car-
ga varios generos.
Portos do sulTVapor brasileiro Ceard, comman-
dante Alcororaao, carga assucar e outros ge
neros.
Prtosdo snl-Vapor fraaeez Eryminth*, wra-
mandante" Oelabarre, carga parte da que trouxe
i da Europa.
CRI
A cmnara municipal desta cidade manda
publicar os artigos de postaras, abaixo trans-
cr iptos : .
Art. 70.-Ficaprohibidoneste muiiieipio o brin-
quedo de entrudo com agua ou qualquer outra
substancia, dc qualquer maneira que se empre-
gue os infractoras pagario a multa de 13$ e
seffrerao oilo dias de pri>ao.
Art. 7I.-Fica prohibida a venda de limas de
cheiro ; os iufractores alem de as perderem, pa
gar-io 4* de multa. ... ...-,
Paco da camara municipal do Recife. 17 oe
Janeiro de 1874.
Manoel J. do Rego e Albuquerque
Presidente.
Pedro de Albuquerque Autran
Secretario.
De ordem do lllm. Sr. inspeoior da t ^esouraria
de fazenla. so dechra que perante a junta da
inesma thesouraria tem de ir em hasta publica
para serem arrematados, por quern menos offere
cer os concertos do caes da rua da Aurora, na
estensao de 27,5 m., orcados em 4:62l|829 rs.
Os interessaiios sao convidado? a comparecerem
as 12 boras de.dia 23 do corrente, com suas pro-
postas em cartas feciiadas devidamente salladas,
podendo desde ja examinarem o orcamento qie
se aetia na sacretaria desta thesouria.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per
nambneo, 5 de fevereiro do 1874.
0 2.oscriplurark., servinio de secretario,
Carlos J >?.o de Soaza Correa.
a ponte da Escada orcados cm 1 JMJ, como
consta das clausulai abaixo mencionaaas.
As oflisoaa qu^jftpropeierenv a Mti jiiv
cao, queiram comptMcer a esU rpartitio no
acima mencionaflo pelo meio dia competenleflieB-
e- nabilit .dos. .*!._'
E para constar se mandou laier pooHMD no
DiarfO de Peruumbuco.
Secretaria da thesouraria provincial de 1
buco, 20 de Janeiro de 1874.
Victonauo Jose M Failures,
Oflicial maior interino.
Clausulas para os reparos da ponte da_
1." Os reparos da pome da Escada serao
de conformidade com o respeclivo orcamento p-
provado pelo Exm Sr. presidente di proviaeit, no
valor de 1:384 s.
2.* 0 arreinatante dara e^nneco as obras nr>
prazo de 13 dias e as eottduira no de 3 mete*.
3.* A importancia da arn-niatacao sera dividida
em duas prestacues iguacs, sendo a primeira pafi*
quando liver motade daobra feila e a seguala
quando concluir os reparos.
k* Em lud) o mais qne>nao estiver espociie-
do nas presentes clausulas/>e-t*ervara o qm
disp5e o regulamento desti repariicio. 0 enge-
nheiro chefe, Jose Tibureio Pereira de Magalhaes.
Victoriano J. Marinho I'lhaawa.
0 lllm. Sr. inspector da ikesouraria provin-
cial manda later publico que, em cumprimento da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, de 14
do corrente, perante a junta desta the?ourarit t e
hade arrematar no dia 12 de fevereiro proxinar.
vindouro, a ODra dos reparos de c;ii;>"!rameoto
que |iieci-a a estrada de Limoeiro, oi.: 1. no va-
lor de 484i, como indica o respeiriiro orca-
mento.
As pessoas que se propozerem ajasla rr'uata-
gao, comparecam na sala das s.-s-oc- 11 uisnu
thesouraria no dia indicado psl" mc o dia, cooi-
petetHemenle habilitadas.
E para constar, se manlou pnblhrar o present^
pelo Diario de Pernamhuro
Secretaria da IhnAlrurra provincial de I'ernaoi-
buco, 20 de Janeiro de 1874.
Vietoriano Jos6 Marinho Palhares,
Offlcial-mai'ir interino.
Clausula s cspeciaes para a anematarii) de '
metros da estrada do Limoeiro
I Os reparos doempedrament) da estrada Ao
Limoeiro, em C.ampina Grande, serao executados
de conformidade com o orcamento no valor de
4842000.
2.' 0 arrematante dara prineipio a obra no pra-
zo de 8 dias e a concloira no dc um niez
3.' 0 paganeoto sera effectu ido em unu td
prpstacao, na o/mclnsao'da obra
4.* Tudo mais que nao so acnar esp^cificado.
sera regulado pelo qae dispOe o renulamento de
Hldejulho de 1866.0 engenheiro cbefe.-Jo-
Tibureio Pereira de Bagalhaes.
Victuriano Palhares. ______
Declaraquo
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria provincial,
manda fazer publico para quern interessar possa,
que foi transferida para o dia 12 do c.;rreuta_Bs,
a arrematai.ao do costeu da illuniinai; 11 Ja cidade
de Goyanna.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
co, 4 de fevereiro de 1874.
Servindo de official maior.
Landelino de Luna Freirc.
.apiial.
^ondo
[nORTHELLN.
.... 20,000:0005001
4e reserva. 8,000:00050e^
Ag-mtes,
Mills Latham U!A DA CRUZ N. 38.
ten^ao.
fciSpectacnlo eru favor lo ajar-
dlnamento das prac-as do halr-
ro do Recife.
Amanha, 11, tera lugar no tbealro de Santo An-
tonio um espectacuio onereiido pelo 6r. Goodison.
- 0 que era ha pduo> tempo a Prt;a do Conde
d'Eu, e o que e hoje, & popuLicao iojeira desta ci-
dade o testemunha : quern converteu esse asquero-
0 etMqculnito en um jardim foi essa mesma po-
l-alaci^-qoe so eoiisou para obter essa maravi-
Ihosa transfortnacao.
Ha quem se anrme ainda a arrostar com as dif-
iiruldades inherentes a tin arduo commettimento,
ilido em quo lodes oi bona biJwtantes nacionaes
e estaafetrea^ittd>rae ami difJieil emergencta;
e aquellos qu amam o aceio, que apreciam o bom
e o beHe, aqoeMea ernfim qae comprehendem qae
a .-.aude e-saa censervac^ii dependera exclusiva-
n.ente" dos meios hyglenlcos. nxo deixarao de con-
correr eotn uma pequena quota, para se reallsar
ESTATt'TOS
DO
Collegio da Santissima Trindadf., sob a
direccSo do Philomena Minervina d'Al-
buquerque 0' Connell Jersey, coadjuvada
por suas irmSas D. Landelina d'Albuquer-
que 0' Connell Jersey c D. Olindina d'Al
buquerque 0' CoDnell Jersey.
Art. 1." O Collegio dirigido por Philomena Mi-
nervina d'Albuquerque 0' Connell Jersey denomi-
nate-Collegio da Santissima Trixdadb.
Art. 2. As alumnas recebem nelle inUruccao
primaria, secundaria, religiosa, de civilidade, e de
recreio e pr ndas.
Art. 3. A instruccao pritnaria e leitura, es-
cripta, contubelidade (as quatro opera?5es) nocoes
de gramm.itiea portugueza, costura cha e cro-
chet.
Art. 4. A instruccao secundaria comprehende
lingua nacional, franaez, inglez, italiano, histo-
ria, geographia e arithmelica.
Art. 5> A instruccao religiosa e dada pelo ca-
Uiecismo ; as alumnas aprendem doutrina chris-
la, e todos os deveres religiosos a cumprir para com
peas, seus pals e parentes, e em geral com a so-
eiedaie.
hid. &" A instruccao de civilidade abrange to-
dos. actoa da vida de uma senhora, em relacao
com as petsuas de sua familia e com a socie-
dade.
"Art. 7.* A' instruccao de recreio eonsta de
dseenho, musica, piaafl-e danca.
Art. 8* AiHiatruccao'de prendas reune todos
o* trabalhD* do agortiB, e toda a especic de bor-
dados, que deve sahip uma senhora da melhor so-
ciedado. ^S
II
Art. 9. 0 Collegio admitte alumnas iulernas,
meio pensionistas e externas.
Art. lOi A lingua que se falla no interior do
Collegio 6 a franceza; e durante as aulas de inglez
e italiano so se fallain estas linguas.
Art. II: As alumnas que estudara francez, in-
glez e italiano aprendem a fallar, escrever e tra-
duzir estes idiomas grammaticalmente.
Art. 12. A raensalidade para as internas e de
40*000, para as meio pensionistas 20*000, e para
as externas 5*000, pagos adiantados por trimes-
tres que, uma vet come^ados, consideramse ven-
oidos.
Art. 13. A instruccao das alumnas externas,
remunerada seguodo o artigo antecedente, e a
dos arts. 3 e 5 ; as internas e meio-pensionistas
team diraito a do* arts. 3, 4. 5, 6, 7 e 8 ; podendo,
todavia, quaiquer alumna externa frequeiitar as
aulas sunerioret mediante a^ itdernpisacao.qfe'
sftconveocionBr. J a i'.iU /
Art. 14. As dispezas coin livres, papel, etc'.sio.
da competencia'dos paie oa eorrespendente* d*s
alumnas, e bem assim a materia pnma de borla-
dos, e estes executados sao propriedade das o>s-
mas.
ArL 15. As aulas no Collegio da Sanjisisw
InuujAut traballiam duas vezes ao diade inaulia
das 9 as 12, e dc tarde das 2 1|2 as 5 1(2.
Art. 15. 0 enxoval das internas 6 ao gosW fle
seuspais; assim como a roupa lavada, engomma-
da e pertences por elles seiao fbrtecidns.
Atb 17. As peqaenas indisposicfies e molest* v
daa internas sao tratadas no Coltegio ; na* graves,
porecn. a directora fax avisar aos pais on corres-
pondentos .para providanoiarem stbre o tratamen-
to, que podoser em snas casas, on no Collegio.
Art 48/Ob feriados sao os das aulas publica* ;
salvo as quintas feiras qne, no Collegio, fleam des-
tiuadas a instruccao de recreio.
Art. 19. Todas as raaterias leccicnadas no Col-
tegio da Saxtissqia Trixdabe sao professadas pela
directora e suas irmaas, ou outras senhoras com a
aptidao precisa^n que a directora julgar neceasa-
nas.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
foma riscos maritimos era mercadorias
tretes, dinheiro a risco e finalmente de qual-
j^uer natnreza, em vapores, navios va ela oi
^arcacas, a premios muito modicos.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Algodio
Algodao
PHACA DO RECIFE 9 DE FEVEREIRO
DE 1874.
AS 3 1/2 HOIUS DA TABDS.
Cotaedes fileiae
de Maceio 1* sorte 8 J8H0 por 15 kilos
posto a bordo a Irete do 7|8 e 5 0|0,
sabbado.
-do Rio Grande do Norle 8a3(X) por 15
kilss posto a bordo a frets de 5|8 e 5 0|0.
sabbado.
Assucar de Maceio regular 1*930 por 15 kilos
posto a bordo a frete de 30| e 5 OjO,
noje.
Assucar do Rio Grande do Norte 1*800 j>or
15 kilos posto a bordo a frete de 2o[ e
5 0[0, sabrado.
:ambio sobre Londres a 90 d|v. 23 7|8, c 26
d. por 1*080, sabbado.
Dito sobre dito a 90 d|v 26, e do banco 23 7|8
d. por 1*000, hoje.
Cambio sobre Paris a 90 dp'. 370 rs. o franco,
do banco, hoje.
Cambio sobre Lisboa a 90 d|V. 10s) 0[0 de pre-
mio, hoje.
Cambio sobre a Bahia a 8 d[v. 1[2 0|0 de des-
conto, hoje.
A. de Vasconcellos
Presidente.
A. P. de Lemos
Secretario.
ALFANDBGA.
unit i in en to do di* 1 a 7 .
dfcin do dia 9
271:749^501
34:304*395
^00.053,5896
UsSPACHOS D KXPOliTACAO NO DIA 7 Dfc
FEVEREIRO DE 1874.
Para at gcrUS do exterior.
No vapor inglez Laland, para Liverpool, car-
regou : P. Brothers 4 C. 4,000 saccos com 300,001)
kil s de a-u:ar maseavado; S. Brothers & C.
I,t00 couros salgados com 2I,00a kilas.
No vapor francez Fire Quem, para Liver-
pool, earregou : M. Lathan & C. 34 saccas com
2.460 kilos de algodao ; P. Carneiro & C. 148 di
las com 10,963 dilos de dite.
Na barca franceza G. Tell, para o Havre,
carrgou : Horistoondv ^ Labille 963 saccas com
69,728 1(2 kilos de algodao.
i\o navio francez S. Loin's, para o Havre,
earregou : Keller & C. 360 saccas com 42,0'5'>
kilos de algodao.
No vapor francez Dnnnni, para Bordeaux,
earregou : Amorinv Irmaos & C. 1 caixa com 16
kilos de dOce.
No vapor fraucez Ville de-Santos, para Lis-
boa, earregou : J. A. Pereira & C. 4 volumes com
doces e fructas.
No navio francez Elisa, para o Canal, ear-
regou : E. A. Burle & C. 3,500 saccos com 262,500
kilos de assucar maseavado.
Na barca ingleza Rapida, para Liverpeol,
earregou : BarSo do Livramento 115 saccas com
8,431 Iff kilos de algodao ; H. & Labille 401 ditas
com 33,312 ditos do dito.
No navio inglez Gem, para os Estadosuni-
dos, earregou: S. Brothers & C. 3,70) saccos com
277,5''0kilos de assucar maseavado.
Na polaca hespanhola Viagero, para Barcel-
ona, earregou : P. M. Maury 100 saccas com 7,744
kilos de algodao.
Ro navio inglez Miranda, para o Canal, car-
regou : J. Piter 4; C. 4,768 saccos com 357,b00
kilos de assucar maseavado.
No brigne porluguez Tnumpho. para o Por-
to, earregou : A. M. S. Machado 46 saccas com
4,084 I[2 kilos de algodao.
No navio portuguez Saudade, para o Porto,
earregou : S. Guimaraes & C. 600 mccos com
45,000 kilos de assucar branco e 2,600 ditos com
180,000 ditos de dito maseavado.
No brigue portuguez Cedral, para Lisboa,
earregou : 1,000 saccos com 75,000 kilos de assu-
car maseavado e 500 ditos com 37,500 ditos de
dito bronco.
Na escuna franceza Maria Henrieta, para o
Rio da Prata, earregou : A. Loyo 230 barricas com
28,480 kilos de assucar branco.
farm os portos do interior.
Para o Rio Grande do Sul, na barci.puriu-
gueza Oceania, earregou: A. F. Balthar Sobnnho
300 barricas com 29,354 kilos de assucar branco.
Para o Para, no vapor nacional Cruzeiro do
Sul. earregou : A. N. da Silvoira 140 barricas com
10 971 kilos de assucar branco : para o Maranhao,
P.'Vianna & C. .00 ditas com 7,484 ditos de dito ;
J. G. de Bastos 30 volumes com 2,249 dito3 de
dito.
Para a Bahia, no vapor nacional Ceara, ear-
regou : Amorim Irmaos 4 C. 169 saccos com
11,250 kilos, de assnear branco.
Fara o Rio de Janeiro, no patacho nacional
AJaritr Emilia, earregou : H. J. da C. Sobnnho
50. pipas com 24,000 lit -os de aguardente.
Para Macao, no hiate nacional A, dos Anjos,
earregou : J. P. de Mello 4 barricas com 340 ki-
los de assucar refinado ; A. S. Santos Moreira 5
barris com 1,215 litros de mel : para MossorO, J.
C. Figueiia 10 pipas com 4,800 ditos de aguar-
dente.
Ue ordem d-> illm. Sr. inspector da the.-ou-
raria de faz-in la, se faz publico, que em virtude
de autorisacSo da presidencia desta provincia,
tem de ir a praca no dia 18 do met de fevereiro
proximo vindoun. perante a junta da mesma
thesouraria, para serem arrematados por quem
maior lin,M otferecer, dez cavallos pertencentes
a companhia de cavallaria; sao po- tanto convi
dados os interessados a comparecerem na mesma
thesouraria as duas horns da tarde d) indicado
dia.
Os cavallos estarao no dia da arr^inalaeao na
area do edificio em que funccioua esta repartieio,
e desde ja podem ser vistos no respeclivo quartel.
Secretaria da thesouraria de fazenda de Per-
namhuco, 29 de Janeiro de 1874.
0 2." escripturarir, servindo de secretario,
Carlos Joao de Souza Correa. j
0 lllm. Sr. inspector da'thesoura:ia provin-
cial manda fazer publico que em cumprimento da
ordem do Exm. presidente da provincia de 14 do
corrente, perante a junta d"*ta thesouraria se ha
de arrematar uo dia 12 de fevereiro proximo vin-
douro a obra dos reparos- de empedramento de
que precisa a estrada do Limoeiro, orcada no va-
lor de 7923, cum t- indica a respectiva clausula
abaixo transcripta.
As pessoas que se propozerera a e^ta a arre-
matacao, comparecam na sala das sossooa da mes-
ma thesouraria no dia indicado pelo meio dia. cm-
pitentemente habilitadas.
E para constar, se mandou publicar no prescn-
le jornal. ,ft .
Secretaria da theVourana provincial, 20 de Ja-
neiro de 1874
Victoriauo Jose Marinho Palhares.
Offfcial-inainr interino
Clausulas especiaes para a arrematacao dos 100
rqetros de empedramento na estrada do Li-
moeiro.
1.* 03 reparos dos 100 metros de empedramen-
to na f ladelra na matta de 3. Joao, serSo execu-
tados de conformiiade com o orcamento, nc valor
de 792*000.
2." O arrematante dara. prineipio a obra no pra-
zo de '3 dias e coueluira no de 3 mesas.
3.a 0 pagaraento sera eiTeeluado era uma so
prestacao, na conclusao da obra.
4." Tudo o mais que nao se achar especihcado
nas prescnles clausulas, sera regulado pelo que dis-
p5e o regulamento de 31 de julho de 1866. -0 en-
genheiro chere.-Jos6 Tibureio Pereira de Maga-
lhaes.
. Victortano Palhares.
OBSERVACAO
0 Iilra. Sr. inspect >r da thesouraria provin-
cial manda fcizer puMico a quem intcres-ar possa
que foi transferida para o dia 19 do corrente mez
a venda dos objectos dados em consum > pelo cor-
po de policia, em cuje quartel se acham e podesn
ser cxaminados por quem os pretender.
E para ccustar se niaunu publicar i:o present*-
jornal.
Secretaria da tbetoonria proviadal de Pernam-
buco, 0 de fevereiro le 1874.
Victorian J H. Palhares.
Official-maior in'erino.
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria provincial,
manda i..z r pubUoo, que. em enmprimeoo* da
ordem do Emu. Sr. | da praviucia, de 16
de jaueiro pnxim fin!', tcm dc ser arretuM*
p-raate a junta da i.v- na !h ouraria, no dia 2>>
de mareo proximifu'.uro, n qnem pormenoa fizer.
a obra dos reparo- d.; qu> j a u elificio que
serve dc cadcia da villa dc !' pi-ira, avaliados
em 4:833*834, debaixo da< e ludieoes abaixo-trans-
criptas.
As pessoas que sc prosozerem a esta arremata-
cio, eomparccam na saia das scssOes da mesma
junta, no dia acima tadicad". competentement--
habilitadas.
E para constar, -e uiauJuu publicar o present
pelo Diario de Pernambuco.
Secretaria da thesouraria provincial dc Pernam-
buco, 7 de fevereiro de 1874.
O official maior,
)!ij (7 Alfmsn Ferreira.
Clausulas especiaes para a .irremataca dos
reparos da ca U)U de Pcsqueira
l.a Os reparos de quo precisa o edificio qu
serve de cadeia na villa de Pesqueira, serao exc-
cntados de conformi lade com o orcamento e plan-
ta, no valor de 4:833*834.
2." 0 arrematante d ira corner aos trabaihos.
no prazo de um mez e os coueluira no de cino>
metes, contadis da data do eoatralo.
3a 0 pagamonto sera dividdo em tres prcsta-
eo.s igua's, a propor-.-ao d> servico executad*.
Para tudo mais qu- na vii especifie nas
presentes clausulas. i bservar se ha o que diapue
u r ignlamento dc 31 de julho de "860.
Reparlicao das obras publica, 29 de Janeiro
1871.Jon Tibureio Pereira Magalhaes.
Conforme,
Mnjuel A/fonso Ferreira.
Descarregam hojB 10 de fevereiro de 1874.
vapor inglez"-Lafart*(atracaad' raurcadorias
para alfandega.
VapornacipualG/qw'd -generos qae.ionae* para a
companhia pernambucana.
Brigue inglez C/ieciot varios aeaeroa para, o
trapicho Cenceicac, para-despaehar.
Lugre portuguez Cedral pedras para o tra-
piche ConcaiQao, para despaehar.
Barca' franceza fiiiza cimento e enxofre ja
despachado para o caes do Apollo.
ImjjortHrilo.
Vapor nacional tmra, entrado dos portos-dp
norte era 8 do corrente e constgnidci a Pereira
Vianna & C, manifestou:. .
Barricas vazias 36 amaffadOs- a Joaquim G. de
B istos.
Comma 10 paneiros a J. Tavares Caweiro & L.
Salaaparrilha 10 rolos a Keller & C, a a Mo-
nhard: Mettler & C.

Vapor nacional Qiquid, entrado de Penedo na
mesma data a coosagado a companhia pernamba-
cona de navfegaeao costeira por vapor, manifestou:
Arroz de casca 60 saccos a J. Pereira MoutMkOi
Couros salgados 27TJ a Francisco Goncalves Tor-
res, ditos seccos 43 a Domlngos da Silva Torres.
Patacho inglez Cheviot; entfado de New-York na
mesma data e consigoado a H. Forster, manifestou:
Arcos de pao 2o volumes aos consignalarios,
ditos para mastro 6 volumes aos mesmos.
CAPATAZ1A
RaodiKiento do dia 1 7
de.-ii do dia 9 .
DA ALFANDKGA
. 4:793*124
t 807*694
5:600*818
No dia 1 a 7
VOLUMES SAHIDOS
No dia 9
i^imeira porta ...
isgunda porta .
Terceira porta ....
Ouarta porta......
^apiche Gonceif.ijJ;1
i
I
SERV1Q0 MARITIMO
UMrengi^idfiscairsKa^Jo^ranjch*
i~v"~ NodUPl
lavt js atracados no trap., da alttadega
AlvareagJs
9,601
392
176
220
658
11,047
15
1
3-
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que em cumprimento da
jrdem do Exm. Sr. presidente da provincia de 7
ie Janeiro corrente, perante a junta desta thesou-
raria se ha de arrematar no dia 23 de abnl pro-
ximo vindouro, a obra da ponte deueminada Pao
Sangue sobre o rio Serinhaem. orcada em 9:5/0*,
pagosem apolices da divida provincial a juro de
7 por cento ao par.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
cao comparecam na sala das sessSes da mesma
thesouraria no dia indicado acima, pelo meio dia,
competentemente habiliiadas.
E para constar se mandou pnbhear o presente
elo Diario de Pernambuco
Secretaria da thesouraria provincial, 20 de Ja-
neiro de 1874.
Victoriauo Jose M- Palhares,
Official maior interino.
Clausulas especiaes para a arrematacao da pqntc
denommada Pao Sangue sobre o rio Seri-
nhaem.
!. A ponte denominada Pao Sangue sera exe-
cutada de conformidade com o orcamento e plan-
ta approvados pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, no valor de 9:570*.
2." 0 arrematante dara prineipio a obra no pra-
zo de um mez e a concluira no de 12 mezes.
3.* 0 pagamento sera effectuado em 3 presla
?Sbs iguaes a proporcao da tabella executada.
4.* Para tuda o mais que nao se aohar especiU-
cado sera regulado pelo que dispoe o regulamento
de 31 de iulho de 1866.-0 enjeaheiro chefe, Jo-
se Tibureio Pereira de Magalhaes.
Victoriauo Jose M. Palhares.
dc
Conceicao -
19
RBSBftEDOaiA DE &ENDAS IjST,} RNAS GE-
WUmES D* PEBNAMBO'CC.
Jenditnonto do dia i a 7 ?,:3S3*3Vi
d4mdftdu9...... o:J*>lo
14:170*722
- De ordem do lllm. Sr. inspector desta the-
souraria se faz publico que perante a junta de
fazenda, tem de ir a.-praca no dia 18 do mez de
fevereiro vindouro afactura dos concertos do caes
do Forte do Mattos, avaliados em 15:328*705;
pelo que sao conviaados os que se propozerem a
fazer os ditos concertos a comparecerem as 12
horas da mannl do inaj-arto dil com soas propos-
tas em cartaa fechadas e competontemente selladas,
declarando o ultimo preco; por que se offerecem
faje-los; podendo desde ja examinaro respectivo
orcamento, que se acha patente nesta secretaria.
Secretaria da tnesouraiia de fazenda de
PeTnambuco. 23 de Janeiro de 1874.
0 V escripturario, servindo de secretario
Carlos J. de Souza Coraeia.
0 IHm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que em cumprtaento da
ordem do Exm. Sr presidente da provincia, de
14 do corrente mez, perante a junta desta the-
sewaria, se ha do arrematar ue dm 12 de feve-
reiro proximo vindouro, os reparos de que precisa
Secretaria do mriaoaaio provincial du ivrnarabu-
co. 5 de fevereiro de 187 ?
Por esta secretaria, e da ord ra do lllm. Sr. Dr.
regedur iuteriuo, se declara ao< pair, lutoreaj
correspondentes dos aluran. s interaws, quo ni
podera estes trazer para o in^tituto outro enxoval
seuao o que 6 eslabelecido pelo regulaiik-nto em
vigor, podendo a relacao do diii enxoval ser nes-
ta secretaria procuiada por quem della precisa:
Enxoval do alumno pensionista.
I bonet.
1 fardcta de panno ve-rde escuro om oistw
TOS do instituto.
1 jaqueta de panno.
6 jaquetoes de brim pardo liso.
1 calca de casemira preta.
C calcas de brim pardo liso
2 ditas para o recreio.
4 collates brancos.
2 gravalas pretas de seda.
2 ditas de qualquer panno para uso ordiaafl
12 camisas.
12 pares de meias.
12 lencos de liuho para mao.
6 ceroulas de hauiburgo.
6 fronhas de iitu.
2 cobertas de ere ton.
1 cobertor de la.
6 toalhas de rosto.
6 guardanaoos.
2 pates de norzeguins de bez^rro.
1 chiaella de couro.
1 escova de sapato.
1 dita de dentc.
1 dita de fato.
1 tesoura de unhas.
1 pente de alisar.
1 pente para tirar piolLos.
1 travesseiro.
1 meia commoda de araarelio.
2 cinturSes de couro.
OBSERVACAO.
1J Os iuteressados deverao ver no estabejec-
menlo o modelio do bonet, da fardeta, doeblBK-
livos e da commoda, como bem a c para haver uniformidade.
2* Cada alumno deve ter correspondeale > ca-
pital para com promplidao satisfazer as paasiSii e
outra qualquer despeza de quo tiver elle neeaa-
*idade.
3 A pensio sera paga por ii ;incstre aduntaao.
O alumno que no primeiro dia Jo triraettre nao
a tiver paga, sera logo remettido a sen pai, tutor
ou correspondente.
4" 0estabelecimento alem di m.-truocao, lorne
ce ao alumno interno alimenlos, medico, botica,
lavagem e engommagem de rupa, papel, pwax e
tinta _
h> Os objectos do enxoval se. piopriedaoea aw
alumno, e os retirara quando saiiir, no eat
que estiverem. As pecas deterioradas om eoaaa
midas pelo use serao substituidas pelo aiumao par
outras, lego que for reclamade pela recodaiia.
PENS5ES.
Pensionista-lOOjlOOO por quaiteL
Meio pensionista60*000 Idem.
Externo 18*000 idem.
Aula da musica -11*000 idem.
Costeio de cama-10*000 por uma
primeira insoripcio, sendo o esur^ecuneaa*
gado a fornece-la durante toio o tempo






--------





DUrio de P^rnambuoo Ter9a feira 10 de Fevereiro ?stiver o alumno no estabeleciento.
0 secretario,
|Cel Tertuliano Fernaades Quintette.
OECLARACOES.
Ma recebedoria de rendas krternas -geraes
se fa* put>lico qae e no corrente nez de fevereiro
que deve ser paga, livre de multa, a laxa dos es
| cravus, relativa ao exercicio de 1873 a 187i;- de-
pots do que se lo-tu com a multa de 6 0\Q.
HecebeJ jria de Pernambuco, 5 de fevereiro de
0 administrator
_______ MaBoet Carneiro de Souza>Lacwda
SANTA CASA DA MISERICOKL1A DO~
RECIFE.
A Hloia. junta administrativa da santa casa da
Misericordia do Recife, manda facer publieo qae
oa sala de suas sessdes, no dia 12 de feveaetro
pelas 3 horaa da tarde, tem de ser arrematadas a
quern mais vantagens offerecer, pelo tempo de am
a tres annos, as rendas dos predies em seguida
deelarados.
ESTABELECIMENTOS BE CARIDADE
Travessa de S. Jose.
Casa terrea n. 11.......501*000
dem n. 5 o.....302*800
PATRDIONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla veUw.
Oasa terrea n. 16.......2004000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......431*000
Rua da Cruz
Sobrado 14 (fechado).....1:000*090
Rao do Pilar.
Casa terree n. |100......841*000
idem u. 102........241*000
Rua Velha.
Casa terea u. 44(fechada( .... 450*000
Rna de Santa Rita.
Armazem n. 34(fechado) ... 362*000
Os preiendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas fiancas, ou comparecerem
acompanhados dos respectivos (iadores, deveodo
pagar alem da renda, o premio da quantia en.
qae for segaro o predio que contiver estabeleci-
mento commercial, assim corao o servico da lim
peza e prejos dos apparelhos.
Seeretana da santa casa da misericordia do Re
eiie, 3 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
_________ Pedro Rodrigues de Souza.
beneficio prestado.
Mncipiara as 8 IfS horaa.
Depois de speeiaeulo havera treaa, tocando m
todos os pontos.
BOs bilhefts poderao ser procurados oo^tolel do
onteiao.
4V.S0S MARITIME
Rio de Janeiro.
Pretende seguir com brevidade o brigae sacio-
nal Isabel, por \er dous tercos da carga -en? ajada.
Para o resto que lhe falta e escravos a Jrete,
trata-se coin o sen consignaiario AatoniniLuiz de
Oliveira Azevedo. rua do Bom Jesus n. 37.
PARA'
0 Georgians
E' esperado-do Rio de Janeiro por estes dias
e segue com pouca demora para o Para, tendo ja
parte da carga engajada : trata-se cam lasso Ir-
maos it C
PACIFIC
STEAM KAVIGATIQH COM
PANY
i quinzenal
PAQUETE
Unh
0
Banco Commercial de
Pernambnco.
0 banco paga o segundo dividendo na
rarfo de 8 % ao anno ou 2JS400 por accSo,
relativo ao sernestre findo em 31 de dezena-
bro de 1873._______
fantaCaMU da Mi*cricoi-dia de
Recife.
A junta adrainistratiza da Santa Casa da Mise
neordia do Recife, precisando fazer os concertos
de que necessita o predio que possne o patrimo-
nio dos orphaos, a rua da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, contrata com quem se proponha a rea-
lisar dilos concertos, raedianie certa renda e al
guns annos de prazo para desfructar ; devendo
os que disso se quizerem encarregar, apresentar
suas propostas em cams fechadas, devidamente
selJadas, acompanhadas do respectivo orcameuto
nesu secretaria at6 o dia 19 de fevereiro viu-
dooro.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
. ____________Pedro Rodrigues de Souza.
lendo 12 cadeiras de guamicJo, 2 ditas de brapo.
2 consolos, tampo de pedra, jardfneira, lampo de
pedra, 1 guarda-roupa, 1 guards-vest ido, 1 rica
commoda, 2 aparadores de mogno, 1 guarda lou-
ca, 1 costureira, 2 marqoezas, 1 mesa eiastica, 1
cama para casal, I rel pcrtador, cadeiras para sala de jantar, espeHios
dourados, escarradeiras, tapetes, capaehos. jarros
para (lores, lanternas, garratas para vinho, catice?.
copos, compoteirai, louca para jantar, dita para
cha, teraos de bandejas secretaria, lavatorw eom
tampo de pedra, toilette. 1 rewolver de6lalas
commoda, (igura* e outros muitos objector que1
e to mam re-.omaiendaveis, 4 dnzias de garrafas
de vinho vetfro do Perto(boa pinga.)
0 ageate Pinho Borg^s, competentemente auto-1
risado, fevara a leifiiu, os moveis mais artig*s
pertencenles a uma familia que se retirou para
fora dsu proviocia.
mesas de jaearanda para jogo, cadeiras de balan-
co, 1 sofa de palha, 1 qnadro com flores de cera,
escarradeiras e 2 quadros a oleo. ;
Dm grande beureaa com estante toda de mog-
no e envldracada, 2 estantes abertas para Uvros
(1e amarello), 1 mesa de amareilo para escripte-
rio, 1 esunte envidracada, l lote de ros, 4 ca-
deia de medir e 1 grande mesa de mogno para
estudo.
AgenteDiati.
Leilao
moveis,
ouro
tigos
DE
piaono de mesa de jcaran*a\
brilhantes e muitos outros ar-
e*pera-se dot portos do sol ate o dia 13 do
corr?nte, e depois da demora do costume, segnira
para Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde
recebera passageiros, encommenda* e carga a frete.
OS AGENTES
Wilson Bo we A C
14RUA DO COMMERCIO14
COMPANHU PERNAMBUCAJiA
DE
\avegaeffo costeira a taper.
MAMANGCAPE.
0 vapor Cruripe,
commandante Santos,
seguira para o por-
to acima no dia 12 do
corrente, as S faoras
da tarde.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
aheiro a frete ati as 2 horas da tarde do dia da
ataida : escriptork) bo Forte do Hattos n. 11
Hoje
A's 11 horas em ponto
0 agente Dias fara leilao, por conu e risco de
quem pertencer, de uma mobilia de jaearanda
com tarapos de pedra, 1 dita de amarello nas raes-
mas condicdes, 1 piano de mesa de jaearanda era
perfeito estado, proprio para quem quizer apren-
der, 1 guarda-roupa de mogno, 1 dito de amiFeHo,
1 commoda, 1 carteira de amarello com estante, 1
sanctuario de jaearanda, marquezoes, marquezas,
camas para casal, consolos, mesas redondas, mesas
elaslicas, quartinheiras, candieiros a gaz, jarros,
Suadros? 1 par de cadeiras de balanco de vime, 1
ito de Dracos e nwitos outros objectos que esta-
rao patentes no acto do leilao, no 1* andar do so-
brado n. 64 da rua do Marquez de Olinda
ao correr do marteUo
Uma mesa eiastica para 24 pessoas, aparadores,
t2 cadeiras de jaearanda, l guarda-lonca de ama-
Tello, 1 quartinheira e 6 cadeiras de junco.
Dm goarda-vestido de amarello, 1 guarda-rou-
4>a de diio, I rica commoda de jaearanda, 1 dita
de mogno,. 1 divan de mogao com molas, 1 sofa
de amarello, camas, toilettes eom e*pelho, lavato-
rios, cadeiras de retrato, berco de jaearanda, di-
verse candieiros e 6 irandellas para gaz carbo-
oico, tapetes, eateiras para forrn de salas, 1 gran-
de lote de louca e outros muitos moveis que es-
tarao patentes- no acto do leilao
0 agente Martins, aiitorisado pelo Illm. Sr. Dr.
M.noel Buarqoe de llaeedo, qw mudou a sua re-
sideucia para o Rio de Janeiro, fara leilao dos mo-
veis acima, existentes na casa da rua da I'niao n.
17, onde foi sua moradla.
Principia 4s 10 1|2 boras da manna, por serem
muitos os lotes.
LEILAO
DO
grande sobrado de 3 andares e sotio da rua de
Marcilio Dias, outr'ora rua Direita n. 120, em
chaos proprios e edificado ba cerca de um anno.
Quinta-feira 12 de fevereiro
AO MEIO DIA.
Por intmeneao do agenle Pinto.
Na rua do Bom Jesus n. 43.
t)s pretendentes poderao obter quaiquer infor-
macao no estriptorio do mesmo agente.
PUNDIfJAO DO HOV*AN
RUA 00 DRUM N. 52
(Passando o chafariz)
PEOEM AOS ienhorei de engeDho e ootroa agncnl:orr, e wnpregadorea de a
itiini< oBslet'i qoe abi lem; seudo todu superior em poalidadt e lorlidao; o aoeeon iLt
>cio pejgital pode-ae veri6car.
eSr-ECIAL ATTENtAO AO NUMERO R LUGAR DE SUA FUNDICAO
^apores e rodas d'agaa

ma^bos a-nvenientes para at divenii
f dot aeobore* prupriciann* e p ra dHa^arii^ar algudSo.
d- todnH >' lamiBOOd, as%taeiootei
ex islem.
para arjimae*.
qoe acr.i
agoa e vapor.
e para terrar madeira.
Podendo todot
ser moridos a raio
por agaa, vapor,
on *oirjaaes.
pr;as de qne af coatoma preciatr.
Leilao
gua
de
DE
fazendas avariadas de a
chn\a
CONSTANDO DE :
easemiras de pores, baptiste, folard, grosdenaples,
chales. gravatas, corpinhos, collarinhos, panuos
de crochet, e outras fazendas
As 10 1 [2 horas da manha
0 agente Pinto fara leilao, por conta e riseo de
quem pertencer, de differentes farendas franee-
zas, avariadas de agua da chuva na noite de 6
para 7 do corrente, no armazem da rua do Viga-
rio Thenorio n. 10.
0 leilao sera effectuado as 10 1)2 horas da ma-
nha do dia acima dito.
No escriptorio do referido agente, rua do Rom
Jesus n. 43.
Leilao
De
12 pecas de grosdenaples preto e 24 ditas de ba 6-
ta de differentes cdres
QuinU-feira i2 do corrente
as 11 horas
POR INTERVENCAO DO AGENTE PINTO
NA RUA DO ROM JESUS N. 43
Leilao
DE
fazendas avariadas
Quinta-feira 12 de fevereiro
as 10 1|2 da manha
Por intervencao do agente Pinto, rua do Bom
Jesus n. 43.
Armazens da companhia per
nambucana.
Seguros contra o logo
A companhia pernambucana, disponao de ex-
cellentes e vastos armazens em seu predio ao for
te do Mattos, oiTerece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
servacao das merc.idorias depositadas, servico
prompio, precos modieos, etc.
Tambera recolhera, mediante previo accordo, ex-
clusivaraente os generos de uma s6 pessoa.
Estes armazens, alem de arejados e commodos,
sao inteiramente novos e asphaltados, isentos de
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas gue quizerem utilisar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao escriptorio da com-
panhia pernambucana, que acharao com quem
tratar.___________
Santa Casa da Misericordia do
Recife.
A Illma. junta administrativa desla Santa Casa,
autorisada pela Santa Casa da Misericordia da
Bania, leva a praja de venda, perante si, no dia
2 do corrente, pelas 3 horas da tarde, os tre3
Sredios sitos a rua do Coronel Suassuna, outr'ora
e HorUs, n. 34, pela quantia de 2:80 >j ; n. 116
pela quantia de 3:000 ; e n. 118 pela de 3:200*.
Para quaiquer informacao, podem os preten-
dentes dirigir-se a esta reparticlo.
Secretaria da Santa Casa da MisericordiaTdo
Recife, 4 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
THEATRO m
Santo Antonio
Quarta-feira 11 do corrente.
Grande e extraordinaria fune-
cSo ena beneficio do ajar*
do bairro Grandes scenas de ventriloquismo
>ovas e sorprendentes sortes
de pr'stidi^it:VHo
dada por
W. Goodson
I'llOf.lltUHA :
I.1 parte,
1.* Ouvertura.
O professor apresentara as melhores sortes do
seu ropertorio.
2.' 0 cirurgiao sem diploma.
3.* 0 triumpho do eelebre Hermann.
4.* Os naipes vivos magnetica.
o.1 0 duello ou o bemem que nao morre.
Intervallo de 15 minntos.
2.a parte.
L* Ouvertura.
2.' 0 banca ou o banqueiro inglez.
3.* 0 secreto mysterioso.
4.* 0 caixSo de vidro maravilhoso.
3.* Pif paf puf (scena humoristica).
Intervaho de 15 minntos.
3." parte.
Grandes scenas de ventriloquismo
O eelebre Joaozinbo combinado
cona o Carlinhos
Figuras inanimadas, mas que eonversam uma
com outra, executando diversas imitacoes musi-
aes. passaros, aves, aniraaes, etc
Intervallos de 13 minutos.
4.* parte.
!. Onfertura.
i.* A bar/a oscillante ou aereo patiticismo e dif-
fieeis equilibrios.
Principiara as 8 1|2.
Havera depois do especlaculo dous trens, um
para Apipueos e outro para Olinda, que tocario
-em todos os pontos.
THEATRO W'MWTEIRO.
QUARTA-FEIRA 11 DO CORRENTE.
Beneficio do director
drama pastoril ena 6 aetos
intltulado Mataliclo
Acha-se a scena ricamente ornada com a vista
daGloria.
V beneficiado agradece desde ja ao poblico pelo
CO.UIVi.MIIA BAII1AW
^i\\EG\C^O JV \T\P01i
LIMITADA
Maceio, Penedo, Aracaju
e Bahia.
E' esperado dos portos do sul ate o dia 23 do
corrente um dos vapores desta coapanhia, o qual
sahiia para os portos acima no dia seguinte ao
da sua chegada.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a trete.
AGENTE
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo,
________57Rua do Bom Jesus-57
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
lavegacio coatelra a vapor.
MACEI6, ESCALAS PENEDO E ARACAJU*.
0 vapor Mnndahu'
commandante Julio,
seguira para os por-
tos acima no dia 14
do corrente, as 5 ho-
ras da tarde.
Recebe carga ate" 0 dia 12 do corrente, encom-
oiendas ate 0 dia 13, passagens e dinheiro a frett
ite" as 2 horas da tarde do dia da satuda : es-
:riptorio no Fortt do Mattos n. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
\uvegaciIo costeiraa vapor.
ARAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO*, ARACA-
TT, CEARA, HANDAHU ACARACU* E GRANJA.
0,vapor Pirapama,
commandante Silva,
seguira para os por-
tos acima no dia 14
do corrente, as 3
horas da tarde.
Recebe carga at6 odia 12 do corrente, encom-
mendas at6 0 dia 23, passageiros e dinheiro a fre-
:e ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA, PERNAMBUCANA
DE
Vt vegacao costeira a vapor.
RIOFORMOSO ETAMANDARF..
0 vapor Pa rabyba, com-
mandante Pedro, segui-
ra para os portos acima
no dia 15 do corrente
as 9 horas da noite.
Recebe carga, encom-
mendas, passageiros e di-
nheiro a frete : escriptorio no Forte do Mattos
n. 12.
LEILAO
botinas
DE
para homem
Por intervencao de agente Pinto, em seu es-
cirptorio a rua do Bom Jesus n. 43.
LEILAO
DE
moveis e louca
prata,ouro. perfumarias e miu
11,
Babi
1a.
Pretende segoir com brevidade para 0 referido
porto 0 patacbo inglez Cheviot, por ter parte de
sua carga,-e para a que lhe falta trata-se com os
consignatarios Henry Forster 4 C, a rua do Com-
mercio n. 8.
PARA
PORTO
Seguira em poucos dias a barca portugueza
Nova Sympathia por ja estar com a maior parte
de seu carregamento engajado, e para 0 resto que
lhe falta, asm como para passageiros, aos quaes
offerece 0 navio os melhores commodos, trata-se
com Baltbar Oliveira & t., i rua do Vjgario n 1
1 andar. '
Rio Grande do Sul
Para 0 referido porto pretende seguir com mui-
ta brevidade a barca portugueza Arminda, por
ter a maior parte de seu carregamento tratado, e
para 0 resto que lhe falta, trata-se com os consig-
natarios Joaquim Jose1 Goncalves Beltrao & Filho,
a rua do Commercio n. 3.
LEILOES.
tiezas
'^m QUARTA-FEIRA 11 DO CORRENTE
A* RUA DO VIGARIO THENORIO N.
ARMAZEM.
As 11 horas em ponto
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, e em li juidacao,
dos objectos abaixo deelarados e ao correr do
martello.
Uma mobilia de jaearanda a Luiz XV e com
pouco uso, 1 rico piano de jaearanda e do melhor
fabricante, 1 dita de junco, com tampos de pedra,
2 ricos toilettes de mogno, 2 mesas elasticas, 3
guardas veatidos, 2 guardas-Ioucas, mesinnas de
mogno, com pedra, para cabeceira de cama, 3 du
zias de cadeiras de junco avulsas, ricos toucado-
res de mogno, 1 rico sofa de jaearanda, gosto an
tigo, quadros, espelhos, bolas para bilhar, junco
para empalhar, cassole*tas. brincos ebotSes de pu-
nho, de ouro, e anix, diversos extractos dos me-
jhores fabricantes, diversas miudezas, como se-
jam, grampos com cruz e flngindo punhaes, e
muitos outros objectos que se acharao patentes a
vista dos compradores : na mesma occasiao se
vendera, para fechar contas, caixas com vinho do
Porto e vinho Xerez.
(Quarta-feira 1 I de fevereiro
as IO horas ena ponto
no armazem da ma do Vjgario n. H.
LEILAO
DE
um grande sobrado em Olin-
da, rua da Mangabeira
n. 1
LEILAO
mcveis
DE
fin os, iouqas e crystaes
Qiiinta leira 12 de fevereiro
A's 1 I horas na manhii
a ma de Hortas, sobrado n. 102, primeiro andar.
Uma rica mobil a de faia, imitandi jaearanda.
contendo cadeiras de guarnicao, sofa, consolos e
jardineira, cadeiras de brapo, 1 dita de rime, con-
tendo cadeiras de guarnicao, ditas de bracos, sofa,
consolos, jardineira. 1 rico toilette, com pedra, 1
cama franceza para casal, 1 mesa eiastica, 2 apa-
radores, lavatorios, cabides, quartinheiras, jarros,
lo'ucas, diversas lanternas, compoteiras, commo
da, e outros muitos objectos para uso domestico.
0 agente Pinho Rorges, aiitorisado pelo Sr. Dr.
Olympio de Arroxellas Galvao, que se retira para
o sul, vendera em leilao os referidos moveis acima
deelarados.
Agente Dias
leilao
DA
louca, armacao, um cofre de ferro, candieiros a gaz
e mais pertengas existentes no estabelecimen-
to sito em a rua do Marquez de Olinda n. 23.
Sexta-feiral3 do corrente
as l L h ras da maulia
0 agente Dias, competentemente autorisado por
despacho do Exm. Sr. desembargador juiz de or-
phans, vara a leilao no dia e nora acima desig-
nados, a louca e mais artigos existentes no raesmo
estabeleeimento, pertencentes aos bens do falleci-
do Manoel Antonio Vieira.
Aos Srs. preteodentes garante-se a casa por ar-
rendamento, e podem desde ja examinar o balan-
co com a respectiva avaliapao que se acha em po-
der do mesmo agente, a rua do Marquez de Olin-
da n. 37, primeiro andar.
Moendas de canna
Rodas dentadas
Taizas de ferro fundido, batido a de cobre.
llambiqnas e fandos de alambiqaes.
Wftohinismos parl m,Ddioc, e 'W^a
UlUUao (je paieote, jjarantidas.
rodas as machinas
Faz quaiquer concerto de iEjctii* smo preso moi mnmco.
Formas de ferro tem M a,ai'iore*e nn*b,r,t** extentM no mw-
SnCOmilieildaS Incn,nbe-e de mandar v.r qnalqoer machiniamo 4 von-
tade dog C|ientei> lembrando-ILea a vaotagem de faxeren
oai compraa por intermedio de pessoa enteodida, e qoe em qnalquer oeceaaidade pode
5a prestar aoxilio. *^
Iradog americanos e in,lrnnieDto *gnco;aa.
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO Q CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
4' roa do Barao do Triumpho (rua do Bruin) ns. f00 a .04
CARDOSO & IRMAO
RECEBERAM delnglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para eo
genhos, as mais modernas e melhor obra que tem vindo ao mercJdo.
VapOreS de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos.
UalaeiraS de sobresalente para vapores.
MoendaS inteiraS e meias moendas, obra como *unc aqoi teio.
TaiXaS ;fundldaS e baUdas, dos melhores fabricantes.
KodaS d agua COm cubaje de erro, fortes e b*m acabedas.
RodaS dentadaS de todos os tamanhos qualidedes.
Relogioseapitos para vapores.
BombaS de ferro, de repucho.
AiaaOS de diversas qualidades.
Formas para assucar grandesp^uenas.
ConcertOS ^^ap com promptidao quaiquer obra ou machine, para o que teen
sua fabrica hem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOmmendaS mandam vir por encommenda da Europa, quaiquer machinismo,
para o que se correspondent com uma respeitavel casa de Londre*
si com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assect*r
litas machmas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CAHDOSO & IRMAO.
QUARTA-FEIRA II DO CORRENTE.
is 11 horas da manha
Na rua do Imperador, armazem n. 48.
0 agente Martins, competentemente autorisado,
vendera em leilao, no dia e hora acima, o referi-
do sobrado, edificado em chaos proprios, com 350
palrnos de frente, murado com portao, e 430 de
(undo, com rico pomar das melhores fructas, sa-
potizeiroa, larangeiras, jaqneiras, mangabeiras,
caiueiros, arajazeiros, contendo 3 salas de frente.
sala de jantar, 6 quartos, dito para banho, cozi-
nha .fora, 3 lojas, cacimba meeira, etc, etc.
Quem quizer ver dirija-se das 9 horas da ma-
nha as 3 da tarde, no mesmo sobrado.
DE
um terreno com uma casa coberta de telha, ca-
cimba com excellente agua, com 130 palmos de
frente e 500 de funde, sito em Agua-Fria Be-
beribe de Baixo.
QUARTA-FEIRA 11 DO CORRENTE
As 11 horas da manha
No armazem da rua do Vigario Tenorio n. 11
0 preposto do agente Pestana, fara leilao por
conu e risco de qnem pertencer, do terreno aci-
ma mencionado.
QUARTA-FEIRA 11 DO CORRENTE
A 11 hora* ena ponto
No armazem da ma do Vigario Tenorio n. II.
Grande
=
DE
bons moveis, crystaes, loucas fin as e outros mni-
tos artigos de gosto e phantasia
HOJE
as 11 horas da manha
no primeiro andar do sobrado n. 14, a rua do
Crespo (Primeiro de Marco hoje.)
A SABER:
Um piano forte, 1 rica mobilia de faia. imitan-
do jaearanda (gosto inglez), en cos to de palha, con-
avisos DVERSOS
CASA DA FORTH
AOS 4:000^000.
B1LHETES GARANTID0S.
i rua Primeiro de MarQo (outr'ora rua a\
Crespo) n. S3 e casas do costume.
O abaixo assignado tendo vendido nos seus fe-
Uze9 bilhetes, um meio n. 2,604 com 4:000*000
um meio n. 2,387 com 700*, um meio n. 321 com
2001, um inteiro n. 492 com 100/ e outras sortes
de 40* e 20* da loteria que se acabou de extrahir
(86'), eonvida aos possuidores a virsm receber na
eonformidade do costume sera desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantido*
ta 1' parte das loterias a beneficio da irman-
dade de Nossa Senhora da Soledade da igreja do
Livramento (87*), que se extrahira na sexta-fei-
ra, 13 do corrente mez.
PRECOS
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
KM PORgiO DE 100JJ000 PARA C1MA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiutm
I
IE
33
Constructor e alinador de pianos
Rua do Imperador-
3d
Ex-afinador das antigas e afamadas casas Pleye!
nas da casa Alpbonse Bloudel.
___ Temca honra de declarar ao respeitavel publieo desia cidade, q
concertos e aflnajdes de pianos, quaiquer que seja o eslado do instrumento
de Pan. mr,CnaSj I?1") d!, recebIe,r Dm fan,de sortimento de pianos dos melhores fabricante?
SL5S8' -corao Er9'd Pleyel< Benri Herz e Alphonse Blondel) todos os pianos sihidos
sao garantidos.
Compra-se e recehe-se em troca cs pianos usados.
Dhibaut
& Herz, e antigo director das rfkt-
aberto sua easa de
bricanie?
da aaaa
ODILON DUARTE k IRMAO
CABELLEIREIROS
Premiados na exposicao de 1872
RUA
DA
na rua da Uniao n. F7
QUINTA-FEIRA 12 DO CORRENTE
Send*:
Uma linda mobil>a de nogueira, medalhlo du-
plo, 1 excellente piano de Blende), 1 cadeira para
o mesmo, 1 tamborete, 6 cadeiras douradas, 2
consolos de jaearanda, com pedra, 4 etagers de pa-
rede, 1 mesa de ferro com tampo de madeira, 2
Suadros dourados com Unas gravuras, 1 lustre
e crystal para gaz.
Uma rica secretaria de jaearanda, com pedra
marmore, 1 pulpito para leitura, 1 pedra para
calcnlo, I jof o de globos (celeste e terrestre), i
FORNECEDORES DE NAVIOS
ESTABELECIMENTO DE ALFRE-
DO BARROS & FERREIRA
Neate estabeleeimento encontrario os Srs. cora-
mandantes de navios o melhor e mais completo
sortimento de viverea, garantindo so, ao mesmo
teiipo a prempta e bda execujio no cumprimento
de suas ordens.
gLargo do Corpo Santo
IMPERATRIZ
N. 82
1." ANDAR.
RUA
DA
IMPERATRIZ
N. 82
!. ANDAR.
Acabam de reformar o seu estabeleeimento, collocando-o nas melhores con-
dic^oes possiveis de bem servir ao publieo desta illustre capital, e is Exmas. Sras. n'a-
quillo qae fdr tendente i arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tauto para homens como para senhoras, tupete chigDOi)
coques modernissimos, tran^as, cachepeign, tecidos. desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e quaiquer trabalbo imaginavel em cabello
0 estabeleeimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e ficu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 /, menos que outro quaiquer, garaotindD
perfeir;ao no trabalho, agrado, smcendade e pre^o razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabeleeimento corao fora ; vende-se cabellos em
porcao e a retalho e todos os utensihos pertencentes i arte de cabelleireiro.
Institute medico pernambu-
cano
Todos os senhores medicos, cirurgioes e phar-
maceuticos, residentea nesta capital, que quizerem
pertencer a esta sociedade com o titulo de socio
ttutallador, sao pelo presente convidados a com-
parecerem no dia quarta-feira, 11 do corrente, as
7 horas da noite, na sede da sociedade luso-bra-
sileira, para se inscreverem, e votarem nas diffe-
rentes commissdea effectivaa que nesse dia serao
nomeadas.
Dr. Cosme de Sa Pereira
1* secretario interino.
de um criado para
hotel de Bordeaux.
Frecisa-se
jodo o service:
a tratar do
CHAPEOS DA ULTIMA MODA
Chegaram lrados e bem enfeitados chapeos do mais apurado gosto, para senhora : i
loja das columnas, de Antonio Correia da Vasconcellos, a rua Primeiro de Mar-
go n. 13.
Irmandade de N. S. do
Terco
Em enmprimento as disposicdes do art. 40 do
nosso compromisse, sao convidados todos os ir-
maos que tenham ocenpado cargos em mesa, e
igualmente a todos os membros da mesa regedora
para em meaa conjuncta ae tratar de negocios im-
portantes da irmandade, quinta-feira, 12 do cor-
rente, as 6 horas da tarde.
0 secretario
Antonio Jose" Pereira da Cunha.
Offerece-se uma senhora portogueza de bons
costumes, que lava, engomma e friza com perfei-
95o : a travessa do PeixoMMa. 58,
AVISO
As andienciaa do Exm. Sr. desembargador iniz
de orphaos, foram transferidaa para as aegundas-
feiras ao meio dia.
-'
Cozi nheiro
Precisa se de um cozinheiro, preferindo-se escra-
vo, para 0 hotel de Apipnces: a tratar no anes-
mo.
Aiuga-se tuna eacrava com principio da o-c
zinha e mais servic* da easa : a tratar na ma de
S. Jorge n. 74, andar.
'..'
' *
I
.'.
1






A-
*




'

...

Dirio de Pefnambttco Te*ca feira 10 de Feyerpiro de 1874.
=
Offerece-se uma mulher para snpa de
casa de taomepj soltelro, cozinha e faz todo o
servico com p teiclo ri rua de S. JoSo, 33.
A. B. da Silva Maia.
Rua do Visconde de Albuquerque n.
ii, outr'ora rua da matrix da Boa-Vista
n. 11.
Chamados : a quaiquer hora.
Consultas : Aos pcbras gratis, das S as
4 horas da tarde.
!
0 Dr. em medieina pela faeuldade da jQt
Bahia, Francisco Bodrigues GuimarJes, H
19{ acha-se estabelecido na cidade de *J
*Nizaretb, oode pode ser procurado mL
_, para o misteres de sua profiisao.
Nareth, 17 de Janeiro de 1874. 19
5 GABINETE MEDICO ORUBG1CO
JK Dr. Constanelo Pontual
** Rua do Imperador n. 81 1* andar.
g Consultas das 11 as 3 da tarde, cbama
"S dos a qualquer hora, visita e da consul- "3
^ tas gratis aos pobres. -
mmwmmmtmnmm
CASA DA F0RT1A
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:0008000.
O abaixo assignado tern sempre exposto a Ten
da bilhetes da loteria do Rio, cuja extraccao an-
oanciara pelos jornaes.
Precos.
Inteiro 24*000
Meio 12iOOO
Quarto 6*000
________________pianoel Martins Fiuza.
ESCRIPTORIO
COMMERCIAL.
IN, Rua da Praia, 1
IASBOA
Uiz Felippe Leite & Irmao
Executant por commissao quaesquer ordens das
provincias do reino, ilhas e provincias ultrama-
rinas, bem como do Brasil e outros paizes estran-
geiros.
Becebem a consignacao generos nacionaes, eo-
loniaes, hespanhoes, francezes, inglezes, allemaes
e do Brasil, ou mesmo de outros paizes, para se-
rem vendidos no reino ou fora delle.
Ex ecu lam ordens para compra e vend a de fun-
dos publicos, nacionaes e estrangeiros. Tratam
da eobranca dos respectivos dividends.*.
Promo vein no mesmo escriptorio, inventarios,
liquidac5es, causas civeis e commerciaes, appel-
lajdes e recurso de revista.
Tern os melhores advogados na capital.
Para os negocios de natureza especial, como
ausas forenses, administracio de bens, etc., que-
rendo-se, pode proceder accordo previo conforme
a natureza do negocio.
Solicitam-se dispensas matrimoniaes e quaes-
quer outros breves apostolieos concedidos em Boi
ma ou pela Nunciatura era Lisbda, annullacao
de ordens, e quaesquer outras dependeneias dos
iribunaes da Santa Se.
Tratam da arrecadacao de herancas e adminis-
tracao de bens no continente do reino.
Obtem doeumentos de qualquer diocese, distric-
10 administrative, couselho, ou freguezia do reino,
ilhas e provincias nltramarinas.
Fazem adiantamentos sobre consignacoes de
quaesquer generos que tenham prorapta sahida
qos mereados inglezes ou allemaes. Tambem com-
pram aquelles que se offerecerem em condicSes
vantajosas.
Fazem transacSes por consignacao ou compra,
sobre minerios, taes como de cobre, chumbo,
phosphatos, ou outros quaesquer, se convierem as
'"ndifSes de qualidade e precos.
Dao-se boas refereneias em Lisboa e no Porto.
Esta ca-a tern correspondencias serias em todo?
>s pontos do reino, em Paris, Inglaterra e Ham-
burgo, na Africa portugueza, em Macao (Chin*
reino de Siao, Unas dos Acores e Cabo-Verde,
e aceita as propostas que do imperio do Brasil
Ihe forem feitas por correspondencia effectiva ou
eventual.
Na modicidade de suas commissoes, na exacti-
dao de suas contas e no credito longamente esta-
belecido faz consistlr toda a garantia de bom aco-
ihimento.
Tem correspondentes em Sevilha e outras pra-
;as de Hespanha.
N. B.As commissoes sao reguladas pela praxe
stag praca______________________________
Amaro de Barros Gorreia e Captulino Ro-
drigues do Passo vendem terreaos, regularmente
trafados, no seu sitio de Beberibe de Baixo, ha-
vendo organisado uma planta de seu perimeiro,
em que se desenha visivelmente a distinccao
e regularidade no seu projeclo de arruamentos
oovos, approvado pela camara municipal de Olio-
da. A fertilidade do jerreno. a sua proximidade
da estacao do Fundao, da linha ferrea do Recife
a Beberibe, conseguintemeote do rio Beberibe, e
commodidade dos precos convidam os pretenden-
tes a compra, que os poderao procurar a Amaro
deB.Carreia, em Beberibe, a Captulino Rodrignes
do Passo, no Recife, eao engenheiro Antonio.Feli-
iano Rodrignes Sette, a estrada de Joao de Bar-
ros n.:9.
O Sr. Joao Paulo de Carvalho e rogado a vir
a rua do Marque* de Olinda n. S3, a negocio que
isenbor nao ignora.
^^N/i^N^^^^^"^^^ S^P\ /W\ S^\ /^F\ S^T\ ^W* ^^*"N ^^Ti i^^-
* Advogacia. *
Wt Bacharel Antonio Annes Jacome Pires &
Largo de Pedro II n. 6. at
***&* 0**- *
Fugio hontem, as tres horas da tarde do so-
brado da rua das Cruxes n. 41, 2.* andar, um
sabia ; rogase a quem liver apanhado, leva-lo
a casa acuna, que sera gratiQcado.
Escravos fugidos.
Na jnadrugada do dia 26 do mez corrente, des-
appareceram do engenbo Raiz, do termo da Esca-
da dous escravos com os signaes segoinles : um
de'nome Severino, cabra, com 22 annos de idade,
estatuca mediana, corpo regular, carreiro ; e ou-
tro de nome Joao, pardo, com 18 annos dejdade,
de boa aUura, tambem e carreiro : ambos sao im-
berees 8 tevaram eaica, jaque"ia, dous chapeos de
feltro e am de couro. Quem os apprebender, con-
duza-os ao referido engenho, qne sera generosa-
menie recompensado.
Engenho Raiz, 28 de Janeiro de 187i.
Fogio a 27 do proximo paesado, a escrava
Maria, crioula, idade 35 annos, rosto redondo,
olbos grandes, eabeca raspada ha pouco tempo,
e qoando anda enverga-se para traz : roga-se a
quem a apprebender de entrega-la no caes do
Ramos n. 42, que sera generosamente recompen-
sado. _______ ____
LINHAS
A&ULEAS'
Accossori s
I'AKA
PARTE
DA
Nachina
C0Z1NHEIRA
Precisa se de uma perfeita cuzinheira, uao ira-
fiorla que seja foira ou escrava, para casa de uma
amilia estrangeira, paga-se bom: a tialar na
ru* do Bom Joans n 55, i-aa Fngin hi dia II ilu c irmule a eMT.iva de
ncme It. mania. i.l...!e 30 ami"* punc-i ju.iis n:i
mi'iius, t.in s hums liiu ptitiiu iylmtoadua e tem
aular io.t'ir.Mi-1 ; 'i i:i vC'iliin pie:n e ejiaie.-
preto, cos-tuiiia niudar iiaj.s, tern uma cicatriz na
perna esquerda : ruga-se as aulorldades puliciaes
ou aos capitaes de campo a apprihen-ao de dita
escrava e leva la no Camiulm Novo, silio n. II'',
ou na rua da Cacimba n. I, que se recompensa
do generosamente. _______ '_______
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na rua do Apollo
i. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as ci-
dades e villas de Portugal, A vista e a prazc
por todos os paquetes. _________
Com as falsificac.6es que tem apparecido
DAS MACHIBAS PAEA COSTUBA
DE
SINGER
Nenhuma ma-
oo
china Singer 6 legi-
3 tima se nao levar
g esta marca fixa no
jg braco da machina.
Porq
uer
Para evitar falsi-
o
ficacoes notem-se g
be m todos os deta-
lhes da marca. &
A dinheiro e a-prazo!
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
S9o mais baratas.
Slo de doos pospontos.
SSo simples.
S8o rapidas.
Sao duradouras.
MACHINAS IDE SINGER
Sao de dous pospontos.
Abainham.
Franzem
Pregam tranras.
Marcam pregas.
Bordam de linha de scda.
Alcolchoam.
Pregam cordoes.
UNICA AOENCIA
EM
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 45
49 Rua do Imperador 49
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afamades autores,
como sao : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente construir para este clima, o qual os amadores dos
bons pianos s6 encontrarao nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais complcto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
s8o: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RUA DO IHPE1UUOK 40
Estrada de ferro de Olinda.
Pede-se ao Sr. gerente desta companhia que
conserve o borario da compantiia como esta, isto
e todas as meia boras, tanto pela manha como a
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
ROBERTI
e, todas as
tarde.
Muitot assignantts.
Aluga-se
o primeiro andar da casa da rua do Vigario n.
3, onde teve escriptorio os Srs. Jobnston Pater C, recenlemente repartido, caiado e pintado, ex-
cellente para eseriptorio, nao s6 pela localidaie,
senao porqae 6 muito fresco o espacoso : a tratar
na rua 7 5e Setembro n. *0, ou na rua da Sen-
lala Nova n. 4a, 1. andar. _________ __

CHAMADO
O Sr. Manoel Duarte Pereira queira apparece
no Corac^o de Ouro a negocio qua sio ignora.
ALUGA=SE d
o f andar do sobrado n. Si da rua Marquez de
Olinda : a tratar no armazem do mesmo predio.
EstA ragido o escravo Jose, cabra, idade de
15 annos, feipdes miudas, cabellos frfixos, pe"s
largos, veste calfa e camisa branca, gosta do mu-
sica : pede-se a policia a sua eaptura, e gralifica-
se a quem o levar a seu senhor, a rua do Hospi-
cio n. 85, on a rua do Quelmado a. 83, I* andar.
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rua das Pernambucanas,
com coxeira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenorio n. 31.______^^_______^__
Aluga-se
a loja do sobrado n. 6 da rua de Marcibo Dias,
outr'ora Direita, propria para um principante pela
sua localidade : tratar na rua do Pom Jesus n.
7, primeiro andar.
Tratado das pequenas virtudes, pelo padre
Roberli, da companhia de Jesus.
EDIC.40 DE 100,000 EXEMPLARES I
1 vol. cue. 1SOOO
As pequeoas virtudes de que trata esta
obra sao s
A indulgencia a caridade a coropai-
x3o a docilidade a dilifrencia a li-
beralidade de coraijlo a alTabilidade
a urbanidade maneira de pratical-as
meio de adquiril-as etc.
LIVRARIA FRANCEZA.
Escravo fugido
Desappareceu da casa do abaixo assignado, o
escravo Jose, de estatura regular pernas, arquea-
das, falta de dentes, e cor cabra, suppoe-se ter
eeguido para o Rio Formosa, ou Gamelleira ; por-
tanto, roga-ce as autoridades policiaes e capitaes
de campo, a sua apprebensao e mandar parte na
rua D. Maria Cesar (outr'ora Senzala Nova n 30).
Domingos Jose Cunua Lages.
~~' AO PUBLICO.
0 abaixo assignado repete o que disse em seu
primeiro annnncio, publicado neste Diario em 4
do corrente mez, e accrescenta qne lazendo a de-
clara;.io de que alguem exbibe uma publica-forma
donde resulta ter pago pelo mesmo abaixo assig-
nado a quantia de 15:0004, somente teve por fim
evitar que quem quer que seja se persuada,
em face de lal publica-forma, ser o annunciante
devedor d'aquella iinportanoia e ainda inutilisar
ante o publico qualquer valor que aquelle docu-
mento se queira dar,quer no presente quer no fu-
turo, quer por detraz dos balc5et,quer ante os tri-
jMaaes.
Recife, 6 de Janeiro de 187i.
Angelino Jose dos Santos Andrade.
Atten^ao
0 Sr. Francisco Agoslinbo Madeira, e rogadoqe
vir a raa^do Duque de Cwias a, W.A.
Agencia de leiloes
0 abaixo assignado declara ao respeitavel pu-
blico. que, tendo abcrto o seu escriptorio de
ageneia de leiloes A rua do Marquez de Olinda n.
64,1" andar, continua a receber moveis, louca,
fazendas, obras de ouro e prata, predios e todos
3aantos objectos se lhe remetta para serem ven
idos, em leilao publico on particular, a vonlade
de seus commitentes : e como quer que o seu
novo estabelecimento se ache o melhor possivel
localisado, ale-n de que offerece as melhores
proporcoes para a boa conservacao dos objectos
que tenha de receber; o abaixo assignado com-
promette-se nao so a empregar toda a aclividade,
zelo e ponluali Jade no enmprimento de seus de
veres, como mesmo seus pagamentos serSo feiots
com a costumada promptidao, que lhe e conhe-
cida.
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
Ravmundo Iiemigio de Mello Junior.
9
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa-s
altar ai Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe
eira, t negocio de seu interesse.
4' Torre
Aluga-se para pssara festa um sitio com
excellente casa de habitagao e banho no rio
a frenta desta: quem a pretender, pode
procurar i rua de Gervasio Pires n. 24.
HERGULANO
OPUSCULOS
DOUS VOL BNCAD.-6*000
Lisboa-1873
A edicao estando para esgoUr-se, chamamos a
atten^ap do publico sobre esta obra, cujo mereci-
mento dispensa de qualquer elogio.
LIVRARIA FRANCEZA.
Ao publico.
Angelino Jose dos Santos Andrade, tendo con-
cluido no dia 31 do mez proximo passado todas
as suas transaccoes, declara pelo presente que
nesta praca nada deve a quem quer que seja,
nem directa nem indirectamente. Outro s;m,
constando ao annunciante^que alguem exbibe uma
publica forma d'onde resulta qne em 28 de marco
de 1870 pagasse pelo mesmo annunciante a quan-
tia de 15:0004089, declara que sememante trans-
accao esta fioda, visto como o original existe em seu
poaer, nao senda certo que semekaote individuo
lizesse obsequio algum ao annunciante, porque
este es*ando doente ha via despositado em sua* mao
quantia superior para aquelle pagamenlo e so-
mente ao fazer.passar o recibo, teve aquelle indi-
viduo a habilidade de obtel-o como se fora quem
fizera dito pagamento.
Recife, 3 de fevereiro de 1874.______________
Na rua de Santa Tbereza n. 60 se dira quem
vende 60 patmos de terreno, emBelem.________
0 isas para ahigar.
Na rua do Imperador n. 9 e uira quem aluga
uma casa no Caldeireiro, com pequeno sitio todo
murado e outra em Beberibe de Baixo em a ma
de Olinda junto a capella de Santo Antonio, ambas
com commodos para familia. _______^^^^^
Cozinheifo.
Para casa de pequena familia precisa-se
d'ytn bom cozinbeiro : caes do Apollo a.
69.
Oas i para aiugar.
Alusa-seo terceiro andar da rua do Marquez ds
O.inda n. 4.
AffoDSo de Albuquerque llelli
incumbe-se de promover ccbran^as amigavel
ou judicialmente, assim como de outros negecios
concernentes a sua profissao, nos lugares proxi-
mos a linha ferrea, e nos outros terraos proxiraos
a esta cidade; para cujo auxilio tem o annun-
ciante solicitadores habilitados e probos, reepon-
sabilisando-se no entanto pela boa gestao e conta
do que lhe for conGado.
Mediante modico honoTario acode aos chmados
para diligencias ou consultas fora da cidade e do
termo e incumbe-se da defeza de appellacoes ante
o tribunal da relacao. Pode ser procurado de
meio dia as 3 horas da tarde em seu escriptorio
a rua do Daque de Caxias n. 3^___________
' Precisa-se aiugar uma ama para casa de
pouca familia : na rua do Imperador n. 33.
Villa de Agua-Preta.
Desappareceu no dia 1." de fevereiro do corren-
te, do engenho Pwdobal, o escravo Leandro, idade
de 28 annos, cor pardo escuro, altura regular,
cabello bom, oihos grandes e avermelbados, tem
falta de dentes na /rente, pouca barba, eecca do
corpo, pes pequenoe e falta de unbas no dedo
grande dos pes. Leva comsigo uma moca tirada
por elle da easa de seus pais, com os signaes se-
guintes : cor parda clara, cabellos caxiados, bai-
xa e grossa do eorpo e chama-se Carolin 0
abaixo assignado previne a qualquer pessoa que
o apprehender e levar ao dito engenho, sera bem
recomponsado.
Ignacio Baadeira de Mello.___
Dividendo.
Paga-se a da massa de Joao Hygino de Souza :
na rua do Vigario n. 19. _____________
ATTENfjAO.
Furtaram na noite de 7 do corrente mez, do
sitio do abaixo assignado, no Caldeireiro, dous pa-
tinhos da Australia, de cur cinzenta e rajada. sen-
do aves aqui geralmente desconhecidas : roga-se a
quem elles forem offerecidos a venda, de os ap-
Srehender, gratificando-se com toda a generosi-
ade a pessoa que os apresentar ou der noticias
certas do lugar em que eslao, ao abaixo assignado,
na rua do Brum n. 96, ou no referido seu sitio.
______Francisco Ribeiro Pinto Guimaraes.
Engoniniadeira ecriado de 12
annos.
Para casa de familia precisa-se d'uma
boa engommadeira que entenda de costura;
e de um criado de 12 annos para ser vie, o de
casa e algum mandado, prefernido-se escra-
vos. Em S. .lose do Maguinbo, sitio n. 2,
antes da igreja.
Aluga-se o predio n. 20 da rua do Barao
de S. Borja, com cemmodos para grande familia :
a tratar na rua da Ponte Velba n. 75, com o Sr.
Rock a Leal.
Urgei
ncia.
Precisa-se fallar com o Sr. Antonio Jose Brum
da SiWeira Jfenior, a negecio de particular inte-
resse : na rua do Rangel n. 1, veoda.
Precisa-se de uma ama para o servico ie-
terno de ama casa de familia : a rua da Soledadn
D-854.
Escrava
Tem para alugar-se uma mulata para todo ser-
vljo : na loja do Passo, rua Primeiro de Marco
8,7 A. r -
E. A. DELOUCHE.
49-Ruado Marquez de Olinda49
Acaba de receber um grande sortimento de re
logios americanos para parede e mesa, de corda
de 24 boras e de corda de 8 dias, com despertadoi
dos melhores gostos e qualidade.
Relogios de ouro patente inglez verdadeiro3, des-
eoberto com ponteiro grande no meio, dos mais
modernos e do melhor fabricante de L< ndres.
Grande sortimento de relogios de prata, prata
dunrada, cobertos e descobertos. Ditos de prata
foliada (plaque), orisontal e patente, de todc
preco.
Cadeias de plaque e de ouro.
Lunetos e oculos de todas as qualidades.
Verdadeiros vidros de cbnstal da Rccha, para
vista cansada.
Vende-se tudo por preco mais baratc que em
ontra qualquer parte._____________________
Apreciem como se vende baratu
S6 o n. 20
RUA DO CRESPO
LOJA DAS 3 PORTAS
DE
Guilherme & 0
CASSA-LA
Acaba de cbegar esta fazenda com bonitos pa-
dr5es, e que se vende pelo diminuto preco de 2U0
rs. o covado f I I
METIM
Metim trancado, padrdes bonitos, a 320 rs. o
covado I I I
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda fina, boni-
tos padroes, pelo diminuto preco de 320 rs. o co-
vado Ml
LAS ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que se vende a 240 rs. o covado I!!
CRETO.NE
Cretone claros e escuros, bonitos padroes, e fa-
zenda fina, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado Ml
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos dlminutos pregos de 400 rs. o covado,
e pechincba I I 1
Cortes de casemira di cores, a 5f(.0O.
Colchas estampadas e com barra a 3*300 e
4*000.
Cobertas de chila adamascada a 3*300.
Lenvoes de bramante a 2*000.
Dits de algodao a 1*400.
Toalbas alcocboadas, duzia, a 3*800
Lencos de cassa com barra a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abanhados a 2*000 a duzia.
Ditos de esguiao abanhados, em caixinhas mo-
dernas, duzia, a 3*500.
Cambria tr an spa rente fina a 3*000 a peca.
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodao e linho a 1*600 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palmos de lar-
gura a 2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 5*000 a peca.
Dito domestico a 3*000 a pe^a.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o covado III
Madapoloes Irancezes de todas as qualidades de
5* a 8*500 a peca.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto preco de 8*500.
Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a 44*000 a duzia ; e pechincha, so se
vendo. /
Popelinas de linho seda pelo diminuto pre-.o
de 800 rs. o covado; e pechincba, e dao-se ainos-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
Loja das ires portas
DE
Guilherme <&$.
JUNTO A LOJA DA ESQU1NA
Casa no Monteiro.
Aluga-se a de n. 65 junto ao sobrado, com quin-
lal e sahida para o banho : a tratar na rua do
mperador n. 57, 1 andar. ____ ________
Escrava fugida
Au-entou-se da casa de seu senh. r, no dia 26
do corrente a escrava Felicia com os signaes se-
gnintes : cor parda clara, cabellos cniprido-. ale
os hombros, rosto redondo, falta de um dente
quasi na frente, corpo reforcado, mat;! do rosto
bastante saliente, foi acompanhada por um bo-
mem, pra ;a de cavallaria de nome Vasconcellos,
foram vistos no dia 27 da corrente, em Santo An
tao : quem a levar "a Cambda do Carmo n. 3,
sera gratificado generosamente.
Escravo fugido
20#000 de gratificacao
Fugio no dia 20 de dezembro de 1873 o escravo
Joaquim, de cor preta, com 33 annos de idade,
baixo e cheio do corpo, com um signal no beico
de cima, parece ser nm talho, assim como tambem
tem um pequeno defeilo em um olho : quem o
6egar tenha a bondade de o levar a rua de Santa
ita n. 85, junto a refinacao.
Precisa-se de uma ama para cozinhar e
comprar para casa de homem solteiro : na rua
Direita n. 8.__________________^___
Precisa-se de uma ama para casa de familia
de tres pessoas : a tratar na rua das Flores n 5
Para tratar de um, precisa-se de um ho-
mem que seta cuidadoso e entenda dejardim.
Em S. Jose* do Manguinho, sitio n. 2, muro
cinzento antes da igrejt. ___________
ESCRAVO FUGIDO.
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engenho Serigi, comarca de Gnyanna, o
escravo de nome Jose Borges, njestre de assucar,
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal man visivel
uma gomma na junta do pe esquerdo : roga-se a
todas as autoridades e capitaes de campo queiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serao generosamen-
te recompensados.
Allencao.
Offerece-se uma senbora portugueza para ensi
nar meninas em algum engenho, ou nesta cidade,
ensinando portuguez, hordados e flores: a tratar
na rua do Hospicio n. 9.
MOFINA
<-,
Esta encouracado !! !
Ami.'* ni'Ie em petlr.t dura
Tatftu ria \.tr n'.u- a fura.
ii ..- *. itii-i .-. i|(i-.-.-i \ ^eira de Ti'..i
: A- >m i i!..... ,;, \tu.t :. ,ie*:a jirovincii,
a... -o ..i ,i rua Hu.ue <1<^ Caxias n. 36, a Oon-
.uir ajucile nego<:io quo S. S. s>e comprometten a
realisar. pela terceira rbamada deste jornal, em
ins de d"zetnbro de 1871, e dfpois para jaawiro,
ja.sou a fevereiro e ai.nl de 1872, e nada cuaaprw;
s por este motivo e de novo chamado para dito
im, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
Ie mais de eito annos, e quando o Sr. aeo lino M
mhava nesta cidade.
NOVAS PUOLICAQQES MUSICJES.
L.J. d'.lzcvedoRuaXovan. 21.
Ac&bam de publicar-se, e acbam-se
venda as seguinlbs musicas :
PIANO SO'.
Danse espanhola, porAscher 2^000
Arabella, mazcuka, por 6. Wer-
theimer 1C50O
Valsa do Facsto, por Ooyzes 1SO00
Soniio de l".ma virge.m, por Allier-
tazzi 13J00O
Anna la Piue, cavatina 15000
AoClair de la Lune, |K>r Uussmeyer 19500
ESTRKUA HO NORTEJ, |k;tbrilh mQ
SaudacAo ao Bahia (
Cricket, por Scixas, oiforecida aos
ciirickuts club pernauibucano e
babiauo 1C0C0
PIANO E CANTO.
Desespero, muito lindo romance
por 1. Smoltz 29000
Non m'amava, romance por Guercia 19000
Tambem recebeo da Eurupa grande sor-
menide musica para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc.
Convida-se
aos senhores escriptores, litteraios, chefes de re-
particoes e c> nnuerciautes a visitarem a
ENCADERNACAO BRASILEIRA
a rua Duque de Caxias n. 21, onde verao que e
este o esta'iele.'iinento que ilis,(> dos melhores
meios e pioces;os para bem servi-los na arle de
encadernar, e o uni^o que
I'OSSUE A MEUIOR
macbina para pautar papel, riscar livros, mappas,
manifestos, folhas de empregadus, despachos, t.c-
turas, contas cerrcntes e de venda ; cujo ran to
sera regulado pela seguinte tabella de precos :
Papel peipeco em caixinhas.
Para pautar 1 caixa 140 0.
Idem 4 ditas a 500 rs. cada r.ma
Idem 10 ditas. a 400 rs.
Idem 20 ditas a 300 rs.
Idem 50 ditas a 250 rs.
Idem 100 ditas a 500 rs.
Idem 20 > ditas a 150 rs.
Mais de 200 ditas a 100 rs.
Papel em tamanho Cume COMM e despachos.
Por pautar t resma 1*500.
Idem 10 ;i 1*200 cada uma.
1 drill iU a ii.
Idem 50 a 80C rs.
Idem 100 a WO rs.
Idem 200 a iOO rft
Mais de 200 a 320 r.
Outros trabalhos cento; me o a.uste.
A differenca em pr*co do papel liso para
pautado. no nosso mercado, e muito superior a 32-i
rs. em resma, sendo per isso vantojoso aos Srs
IMPORT/ADORES DE PAPEL
mandarem vir o papel liso para aqui ser pautad..
podendo assim veuderem mais barato, ganbanti'
mais diuheiro. para o que
GARANTE-SG
a bondade e limpeza do trabalbo, entregando-ir
os volumes de resma coin a mesma perfeicao e
igualdade que se liver recebido na
e.\'.:ader.nacao brasileira
21 Rua Duqiie de Caxias21.
0 Sr Joaquim Pinto Moirelles, que de present*:
eonsta achar-se nesta cidade, e rogado a compa-
recer a rua do Hospicio n. Ii, para tratar de ne-
gocios que lhe dizem respeito ; evitando asslrn
que sejan: declarados por este Diario.
Ao earaaval.
Na rua eslreita do Rosario n. 35, sobrado d
um anda-, tem vestuaiios para o earaaval, de
todo gosto : sendo dominos de seda e de velludo.
vestuari s de seda a phantasia, vende-se e aluga-
se por muito barato preco. Preparam-se linde-
bouquets de cravos, rosas e todas as flores na-
turaes e artiliciaes, s;ndo a encommenda feita 2
dias antes sat proprios para noivos e bailes.
Pede-se
ao Sr. Marcolino da Crnz Lins Wanderley, a Vir
entender-se com o abaixo assignado, a respeii i
das cobrancas no matto, de que se acba encarre-
gado.__________________________________
# GratiGca-se a quem apresentar uma
carteira com muitos instruments cirurgi-
cos, pertencente ao Dr. Ferreira : desconfca-
se ter sido ella extraviada na esta^So do
Csbo. Kua Larga do Rosario n. 20.
o segundo andar a rua da Imperatriz n. 5 : a
tratar no cafe linperatr>z.
4:000S000.
Precisa se tomar a juro pelo tempo de um ate
dous annos, quatro contos de reis dando-se para
garantia predios de dobrado valor, e paga-se o
juro que se convencionar mensalmente : a quem
convier pode annunciar para ser procurado, ou
deixe em carta fechada seu nome e morada nesta
typographia, escriptorio, com as iniciaes A, B. C
CHAMADO.
Os Srs Jovino Fernandes da Cruz e Joaquim Cle
mente de Lemos Duarte, sio chamados a rua do
Coronel Suassuna n. 282, a negocio de particular
interesse.
Signaes do escravo Joao.
Elle e mulato, bem barbado, dentadura perfeita,
cabellos pretos e cresnos, eoroscados, olbos pretos,
pernas arqueadas, altura regular, ccrpo grosso,
largo das espadu s, falla apressada, bruto e sesu
instruccio no fallar, matriculado na eolleetoria
geral desta villa sob n. 437, de matricula, e 102
da relagao. Com 32 annos de idade. solieiro, per-
tencente a Vicente Ferreira Mello, morador
no engenho Alagoa Verde, deste mesmo termo,
enjo escravo fugio de sua propriedade a 25 de
Janeiro do corrente anno. E portanto, roga-se as
autoridades e aos capitaes de campo que o cap-
turem e orecolham a cadeia, no Recife, en ontra
qualquer cadeia onde possa ser capturado, com-
mnnicando logo, qne *era bem recompensado.
Villa de Alagoa-Grande, 3 de fevereiro de 1874".
Da-se sociedade
a uma pessoa que tenha intern praties da aao-
Ihados, entrando com algum capital, eta ama la-
verna bem afreguezada, e umbem se veode: para
informacoes na rua do Capitio AntotJo de UBM,
I em Santo Amaro, n. !> taverna.
1
i



i

I
I
V
3M&* dfeSfec^buca. Tett-a ftjift',10 da -:>]fetweintt ctf 16U
Botinas para homem
AeaUm '0 chegar grandes f.icturas bem sor-
tidas de hclinas ii bezerro, de cordavao, de pellt-
ca.de" diir.ique com biqueira, de bezerro com bo-
toes, e cum ilhozes a 9*000 (a eseolh r) por ler
vindo grando quantidade por conta e ordem dos
fabricantes : ao armazem do vapor francez, a rua
doBaiao da Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Mascaras
Chegaram grandes factaras de mascaras de
massa. de arame,e de setim, para serem vendidas
por coota e ordem dos fabricantes, o mais barato
possivel, em grandes e pequenas porcSes : ao ar-
mazem do va|ior francez, a rua do BarSo da Vic-
crii (outr'ora Nova) n. 7.
Galcado
fraucez.
Para homem.
HOT1NAS de bezerro, cordavao, peHica, lastre t
de duraqne com biqueira, dos melhom
fabricantes.
SAPATOES de be;erro, de cordavao e de case
mira.
SAPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de pao, pro-
prios para banhos, sitios e jardins.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranc*
francezes e Portugueses.
Para senhora.
BOTINAS pretas, braHcas e de cores differentes.
li^as, enfeitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos.
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranea.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differentes.
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranea portuguezes.
Para nieniuos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao.
ABOTINADOS e sapatoes de bezerro, de diversa*
qualidades.
SAPATOS de tranea francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
Lotas a Napoleao e a Guilherme, perneiras
meias perneiras para homen-, e aieias perneira.-
para meninos.
No armazem do vapor francez, a rua do Bara<
g- Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadtiras de balan;o, de brafo, de gnaraitSea,
sofas, jardineiras, ruezas, ejnversadeiras e costu-
reiras, tudo isto niuito bom por serem fortes
tews, e i s mais proprios movets para saieias e ga
binete; de recreios.
No armazem do vapor franco?, a ma do Barai
da Victoria n. 7, outr ora Nova.
I
-!;.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes t
de elegantes modelos, do." mats notaveis e bem
conhecidus fabricantes ; como sejam : Alphonse
Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & G.: nc
vapor francez, a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos cxtractos, banhas, oleos, ;opiata e pos den-
fifice, agua de fior de laranja, agua de toilete.
iia, Dorida, lavande, pos de arras, sabonetes!
neticos, muitos arises delicados em perfuma-
i para Dreseutes om frascos de extractor, cai-
.. anas Surtidas r arrafas de differentes tama-
r.nos d"i; m de cologne, ludo de primeira quail-
6 ip : bem ci nhecidos fabricantes Piver e Cou-
d i aj.
No aiTii-.z-.'iii do vapi.r i'i .. rua do r>ara>
d- Vteij-i?, outr ora Nova n 7.
Quinquilharias.
de -.iifavrenies gus-to*. *
. pltautajuas.
. spe! ;.< doarados para sala* e gabinetes.
1 para senlioraa e pa*a meninas.
Luvas de Jouvin, dr li do L.-ct "if. e de camun-a
Carxiulias de eostusa ornada : ,u. wusica.
Ali.-ui .- ;;.a1''';:f > .,>.- .. cttl&U.'..
Caiiinnas com viaro at aumnentar ictratos.
F)iversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correnles do plaque muito bonit.it para relo

I'r.iC' 'i:-;i. .. > boldes de punhos de pla
1 ohas u cotres de feUa, de vclludu e de cou
rinhd de .ores.
Novoa otjectos de phantazia para cima demes^.
toilette.
PiBcinez de cores, de prata i'Awndo, de ago
de tariaruga.
Oculos de ac^j tiuo e de todas as guaruifoes.
Bengalas de luxo. cauna, com castoes de mar
titn.
Bengalias diversas cm grande sortiuiento pan>
homens e mem .-.
Chicotiflhos ui baleia r de muitas qualidadet
divetsaa,
Esporas de tanacha paia saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigars
Pentes de lartaruga para desembaracar e par
bacba.
Ditos de marfim muito finos, para IbnpaT ca
beca.
Escovas para rouja, cabelloa, unhas e para den
tes.
Carteirinhas de medreperola para dinKeiro.
Gravatas brancas e do seda preta para homen?
e meninos.
Cam;ainhas de mola para ch.-mar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mind e outros muitos differentes joguinhos alle-
mies e francezes.
Mala?, bo!.as e saccos de viagem de mar e ca-
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as criancas mordp
rem, bom para os dentes.
Bercfls de vimes para embalar criangas.
Cestinlias de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
criancas.
Venezianas transparentes para portase janellaj
Reverberos transparentes para eandieiros dt
gaz.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhida?
vistas.
Lanteiuas inagicaa nomrtcas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsoK para ^osmorama.
Glnbos de papel de eve's para illuminacSes de
U-.VdS.
Baloes aereostaticos de papel de seda mui faci!
ie snbir.
Machinas de varios svstemas para cafe.
Espanadores de palha e de pennas.
Teaeuiinhas e canivetes finos.
Tappte? com vidrilhos para mangas e lantemao
Tmteirt* de louga branca, modelo bonito e bom
Tim de molduras douradas e prta para
qua-lros.
Qnadros ja promptos com paysagens e phanta-
11a.
EsUmpas avulsas de samos, paysagens e phan-
taziati
Objectos de magicas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos peqnenos de teio com lladas pecas.
Realejos t'armenicos ou accordions de todos os
amanhoa, ontros muitos artigos de quinquilha-
rias --diffieei? de mencionar-sc. No armazem do
apor**Pancez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
.Nova a. 7.
Medidas de 40 a 100 rnetros.pes e palmos para
roediM;nen09.
Mique(ls pra iiieninos
A mainr variedade qne se i;6de desejar de to-
"dos fabricate* em differentes partes
Aritfada.
Na rua do Baraon da Viotwia n 36, precisa-se
fallar ao Sr. 2. tenente Jos6 Maria Pestana, a ne-
gacio de seu interest.
Precis a-sc dc
duas amas para
casa de pouca fa-
roilia, sendo uma
para cozinhar o outra para engommar, pre-
ferindo-seescravas, paga-se bem, se agradar:
a tratar na travessa do Vigario Thwiorio n.
1, escriptorio, das 9 6s 4 Ja tarde.
Precisa-se de uma ama quo saiba comprar
e cozinhar : na rua larga dj Rosario n. 21,. loja
de calcado. ^
ArnfJ Preci*a-se de uma ama pira engom-
xxiuo/ ma> a fua do ^,,-q da yjctoria D 22.
Am/i lYecisa-le de uma ama para cozinhar
-ixmai pnrt rapaies soiteifos na raa d0-eres-
po n 20, loja.
Ama de Idle.
Na rua do Hospicio a. 49, precisa-se de uma
ama de leite, livre on escrava, prefere-se sem
filhos.
Ama
Precisa-se de uma ama para ebziahar:
na rua Direita n. 26.
Ama de leite.
Precisa-se de uma sem filhe, qne seja de
boa conducts: a rua do Visconie de- Govanna
n. i29.- _____________ '
Precisa-se de now para co-
zinhar para ca;a de pouca
familia : a rua do Vlsconde
AMA
de Govanna n. *29.
Precisa se de uma ama para cozinhar
rna da Imperatriz n. 16, 2 andar.
na
Precisa-se de uma ama para eotnprar e co-
zinhar : na praca da Indepcndencia in. 13 e 1-1.
Antonio Jose Rodrigues de Senza, em sen es-
criptorio a rua do Crospo n 6, compra, por bons
precos, escravos das diversas cores, sexos e
idades.
Na rua da Penha n. 2 lava-se e engomma-se
com presteza roupa de hemem e senhora: quern
pretender, dirija-se a mesma casa.
0 Sr. Joaquim Pinto Melrelles, negoeiante
em Mamamguape, e de presente nesta praga, to-
nlia a bondade de nao refrar-se sem enteader-se
no armazem n. 19, a rua nova de Santa Rita
LO*IA
Aluga-se a loja do sobrado n. 9 da rua da Au-
rora : a tratar na rua do Huspicio n. 26, taverna,
ou na rua da fmperatriz n. 10, taverna.
Yeste-se anjospara procissao, com as-
seio, perfeigao, ecotnmodo prer;o tambem
cose so vestidos para casamentos, bailes e
passr-io. & ultima moda, e aviam-se en-
commendas de costuras para fora da cidade,
bem como vestidos, assim como para bap-
tisados, e bordados a ouro c lioha, etc.,
tudo com perfeiQao e coiamodo preco. Na
rua d-s Cruzes n. 2G,se dira* quern.
Oo/.inheira para hotel
A bem conhecida cozinhei'ra de hotel, offere-se
a quern prccisar do? sens services tan'.o para ho-
tel como para rasa estrangeira ou homem soltei-
ro, para itta praca ou fora dclla : -a rua das
Trinchciias n. 35.
& Grande reuoifto!
arj
P a r ; t n el c s
Uepiiblic.mos e monarchistas.
Democratas e aristocnHas.
Fedc-rados e confederados,
Communalistas e communistas.
Catliolicos velhos ou novos.
Todos. (I e v e m i r
Hcunidos ou nao reunidos
Fazer emquanto antes
Suas encommendas
!>os -saborosos filhos
Site Tao preconisados!

I'jibricados a capricho
Dos pasieleiros
S6 e somonte
Na confeitaria do Campos
'M. Imperador 8-4.
lOG^OOOdegratificagao
Engenbo Santos Mendes
Fugio no dia 20 de deznml.ro. do engenho San-
tos Mendes, comarca de Nazareth, freguezia de
Tracunhaem. a e-crava Maria, crioula, 50 annos
de idade, pouco mais ou menns, baixa. grossa, cor
preta, rosto alquebrado, p6"3 seccos e e.-panados,
dedos curtos. cabellos braneos, canellas finas, tem
dous signaes c.^Judo3 no queixo, e 6 bem ladi-
oa. A pessoa l7_j entregar esta. escrava ou aoseu
ion >, que e o sedhor do engenho acima, Lauren-
tino Gomes da Gunba Pereira Boltrae, ou no Re-
cife, la-go do Corpo Santo n. 19, 1 andar, sera
eeompensada mm i quznlia de 100 S.
Garanhuns.
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-st
allar aos Srs. Pedro do Rego Chaves I'eixoto e
ose" Paes daSilva, a negocio de particular inte
esse.
Em bom siiiono Chacon,-bem^plantaW com muito
oas fructeiras, todas carregadas, boa casa e pin-
tada recentement', baoheifo, quarto para feltor,
cozinha com agua enennada, gallinheiro, latrina,
etc.: quern pretender, euteuda se na rua do Com-
mercio n. 5, armazem, a fallar com Actonie de
Albuquerquo Mello. _________
O pescador
Neste eslabclecimento compra-se urn realejo de
flauta, que sirva para daafa, e que esteja em
bom estado, contenao- quadrilhas, polkas, schotz,
walsas, mazurcas : a pessoa one tiver e queira
iispdr dalle, dinjase ao estabeleciraento
fua de Marcilio bias n. 2'.
acima,
Na ma do Imperador
n.28
precisa-se fallar aos seguirito* senhores!
Domingos Martins de Barros Monti-iro.
Emigdio Marques de Santiago (Or.)
Joao Vaz-de Oiiveira.
Jose- Alves Machido Guiinaraea.
Jose FranciiCdLop'es'Lima (Naz'aretaj!*
Maioet Ppreira Brand**.
Manoel dos P;!?** Miranda.
Theotonio de Bafrbs* Sllva.
Fran:iseo Pinto Pessoa (Dr.)
Francisco de Paula Borges.
Frandseo Antonio PontuarJrmior.
Aos 4:0005000 '
Bilhetes garaotidos
Ruatlo Barao .da-Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e vata do costume.
Acham-se a venda .os muito feliies bilhetes ga-
'antidos da 1' parte da loteria a beneQeio da
irmandade de N. S. da Soledade da igreja do Li-
vramento, que se extrahira no dia* 13 de fevereiro
corrente. -'
Prc?os
Inteyv) 4^000
Meio 2*000
De lOOcOOO para ciaia.
Inteiro 3*300
Moio 1*750
Recife,6 de fevereiro de. 1874.
Joat Joaqv^m, da Costa teite
Aluga-se a Toja'da esquina a rua da Impe
ratrizn. 1 : a tratar no cafe-imperatriz.
Ao carna\al,
Braulio Ricardo Coelho
Rua de Santa Tberrza numero S3
Nesta casa encontrario oa influfintes do carna-
val urn grande sortiroento. de vestuarios, cabellei-
ras e barbas a escoHw, pelo baratissirao preco de
2* a 3* cada barba, 8^, 15*, 23* e 3 >* cadi ca-
belleu-a : a ellas, antes que se acabem.
A
Conslaodo aos abaixo assiguado achar-se nes-
ta prap\ o Sr. Manoel Fernandes de Carvallio, ren-
deiro dos engenbos Barra e Preguica, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba.veem rogar ao
mesmo o obztqoio de vir entender-se com os
abaixo assignados immediatameote sobre negocio
tendente aos referidos engeiihos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
Tasso Irmaos k C.
Carvao animal da fabrica
do Monteiro.
0 proprietario deste estabelecimento avisa aos
Srs. conservadores deste genero, que mudon o
deposito central da rua do Dnque de Casias n.
28 para a travessa da rua da Praia n. 2, onde po-
derao eneontrar grande quantidade deste genero,
pelo dlminnto preco de 2*000 a arroba. ,
0 abaixo assignado- roga a todos. os seus
credores por titulo de qualquer natureza, veaci
dos ou a veneer, o favor de se dirigirem no dia
10 do corrente, ao meio dia, a rua Imperial n. 102
aflrn de deliberarem sobre o pagamento de sens
creditos.
RecKe, 7 de fevereiro de 1874.
Joao Cardoso Rabello.
Franciseo de: Albuquerque
e Mello.
Antonio de Albuquerque e 'Mello
eojurjda, tanto os seus parentes e
an.igo?, como os do sea fallrcido ir-
inilo, a ouvirem uma miisa que
manda rezar no convento d' S.
'Franci?co, no dia 11 do corrente
as 7 horas da manhi, por alma
daquelle falleiido na cidade de Lisbi a m> dia U
do Janeiro proximo passado.
SSSl '^vmif.''- ';-' -.- ----- %
Silva & Cascao, possuidos ao maior sent.,
memo, convidam as pessoas ia sua amizade para
fazerem o caridosa obsequio de assistirem as mis-
sas que raandam eclcbrar na igreja do convento
de S. Francisco, no dia 10 do corrente as 7 1|2 ho
ras da manhaa, em suffragio d'almado seu presti
rooso amigo e commitente ceronel Annibal Antunes
Maciel, fallecido na provincia do Rio Grande do
Sul. ____________
Siti no Arraial.
Aluga-se um sitio no Axraial, com boa
casa, bons commodos, agua do beber e corn
fructeiras : a tratar Da venda prosima A es
tacao da Casa Amarella.
Clarind > Ferreira Catao, de novo avisa a
seus freguezes qne coutmiia a vender polvora em
seu armazem a rua Imperial n. 187.
PBA&
:<*

3
in
m
->.. f? %
I rastes. I
Compra se e vende-se trastes novos
e usados no armazem da rua do Im-
perador n. 48.'
trftOrSSgi
g
m
Enchameis.
A corapanhia da estrada de ferro de Olinda,
compra mais 50 enchameis dc 30 palmos do com-
primento e 5 polegadas de grossura, para parte
da linha telegraphica : a traiar no escriptorio da
cempanhia.
0 gorente,
LaurcnlinoJosi de Miranda.
Feitor.
No hotel de Apipucos, prtei|a*e de um feitor
para tratar de um pcqucnaiti^a tratar no mes-
mo hotel.
Adolpbo Marques dos Santos e Antonio Ma-
chado dos Santos, dissolveram amigavelmeote a
sociedade, que tinham ne eslabeleoimente da fa-
zendas n. 54, no Caes 22 de Novembro e que gy-
rava sob a flrmi social de Marqnes Santos 6r C.'
ficando todo act *n e passivo a cargo do,ex-eocio
Antenio liactiait^ dos Santos e o primeifo in(eir
ramente exnnpr'd'. 'e qualquer respflnsatllidade.
Recife, 9 de fpw.i. iro de 1874.
Compra-sc um. piano de boa con?truccao, pro-
prio para ensinar mfnicos, cujo pre* nao exceda
de 150* : na-ruf da Aurora n. I, oi annuncie.
CoAprA-i
LIQUIDACIO M FAZENBAS
NA
Rua da Imperatriz n. 60
BAZAR wmskl
Rna do Barao da Victoria n. 22.
DA
A' este grande estabelecimento torn he-
gado um bom sortimento de macbinaa para
costura, de todos os autores mais acreriita-
dos ultimamente na Europa, cujas machinas
sao garantidas por um anno, e teado.um-i
perfeito artista para ensinar as mosmas^; om
qualquer parte desta cidade, como bem as-^
sim condertarlas pelo,tempo tambem d'um
anno sem despendio algum do v -nprador.
Ne^te estabelecimento t^mbenl ha purtencas
para as mesmas machinas e se suppm qual-
quer peca qna sejanecessnrio. Kstas ma-
chinas trabalham com toda a pot-feicao de
ume dous pq6pontos, franze e .'jorda toda
i
seus
ra tr8-
io000
;:ao de
qualquer costnrapor fir- que i
precos s3o da seguinte qualidade :
baVhar a muo de 30?00, 40SOO
e 505J000, para trabalhar com o
805JOOO, *90??000, 100^000, i !:>000r
120S>000, 130000, 130JSOO0, 2ttJ5WOO e
250^000, emquanto aos antorps rffio ha al-
terajSo de prejjos, eos epmpradoros poderfto
visitar este estabplacimento, sue wiiiitd de-
vcrao gostar p'ela variedade do oi>ji ctos que
ha semnr^ para vender j como sejam i cadei-
ras para viagem, malas para viagem, cadei-
ras para solas,- ditas da bnlanco, ditas para
erianca (ahas),'ditas pare escolas, costurei-
ras riquissinjas, para senhora, despensayeis
para criancas, dc todas as qualidades, camas
de ferro para homem e criancas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparel hos de metal para chd, fa-
Jueiros com caho de metal e de marfim,
itos avulsos, colheres de metal fino, condiei-
ros para sala, jaws, |uarda-comidas de
arame, tampas pau cobrir pralos, esteiras
para forrar salas.lavatorios completos, ditos
simples, objectos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
que se acha aberto desde as 6 horas cia raa-
nha ate" as 9 horas da noute a*
Rua do Barao da Victoria n.
_________2Z________
0 INEXTMGUIVEL.
PERFUME
M ra ::^
Vende faeendas para liquidar, por baratissimo pre^o come
abaixo se ve: ^^

Perrfra da Silva &Guim3r3es tendo em serum grande depozito de fazendai
tem resoiyjkltfctfazer uma liquidarao das mesmas com grande abatimento nos prejot.
com o unjppilm d.i apurar dinhei*), para o tpie convidam nao so os sewnumeroso
freguezes, coia o resportavel publico, a vir surtir-se de muitas fazendas, boas ebarata*
n0 6eu estibelecimento denominado ol'avaoa rna da Imperatriz n. 60.
CAMBHAIAS A 4?, 4^500, .5*, 65-7&
0 Pavao vende um raagnifico sortimento
dasfflaw finas cambraias brancas transpa-
rentes, tendo tOjardas cada peca, pelo ba-
rato prec de 4, 4J6500, 53>, 69, tendo tam-
bem das- mais finas que custumam vir ao
mercado; assim como um grande sortimento
de ditas tapadas e victorias que vende de 49
ate-89* sendo fazenda que TaMe muito mais
diahoiro.
COM SALPICOS DE CORES A 59.
0 l'avao recebeu um elegante sortimento
de cambraias brancas com bonitos salpiqui-
nhos mindinhos de cores, tendo 10 jardas
cada corte de vestido e vende pelo barato
preco de:5, por ser pechincha, ditas com
salpicos todo branco sendo fazenda finissima
a 79500 e ditas a 59000.
VESTIDOS A USO DA CORTE 129
0 Pavao vende um bonito sortimento de
cartes de vestidos a uso da corte, trazendo
eada c6rte todos os eofeites necessarios como
sejam : babadiuhos, ontre-mcios, renda6,
requefifes, e vende pelo barato preco dc 129
eada nra, assim como, dhos a 2 de julho
cem todos os enfeites a 109, cortes do cam-
braias brancas abertas, com listras e lavoros
a 69, ditos finissimos a 89, ditos de cam-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 39500, e pechincha.
CORTES BORDADOS A 209 E 359.
0 Pav5o vende ricos cortes de cambraias
brancas delicadamonte bordados, pelo ba-
rato preco de 209 e 359-
CASSAS FRANCEZAS
a 300 rs, o cotado
francez muito fino a 39000, apenas precis*
1, '/' metro per* u.laocei.
CHALflS BARATOS
a 29, 29500, 49.
0 Pavao vende chales a emitacSo de me-
rin6 a 20, ditos detneriad lisos de todas si
cores a 29506, ditos de merinoestampados,
muito finos a 49, 'ditos finissimos com lis-
tras de soda a 69500, ditos muito duos d
crcpom a 109 e 129-
AlgodSo enfestado a 19 e 19980
0 l'avao vends algodao eufestado com 8
palmos de largqra, preprio para Ienc5ei
sendo-do mais encorpado que torn vindo ac-
mercado, liso a 19'aTara e trancadoa.....
19280.
ATOALHADO A 19G00, 29, 59.
0 Pavao vende atoalhado trancedo com
palmos de largura a 19200 e 19600, dit<
adamascado a 29, dito de linho adamasca
do a 39 e 59-
SEDA PARA VESTIDOS
a 19600 e 29.
' 0 PaTao -venda um bonito sortimento d
sedas com listrinhas proprias pars vesti-
dos de meninas c do seuhora a 19600 o co-
vado, ditas lavradinhas a 29, os padroes sir
muito bonitose vende-se por este preco pan
acabar.
BotiaiaMr a 5AOOO
0 Pavao tem um completo sortimento d
botinas muito bem enfeitadas para senhora)
e vende pelo barato prejo de 59, artigo qu#
em outra qualqui-r parte custa t9 e 79.
LENTJOS BRANCOS
a 29000.
0 Pavao vendo lenjos brancos abainhs
dos, tanto para homens como para senhoras
a 29 e 29500 a duzia, ditos de esguiao
cambraia de linho t.mbem ab'inhados i
39500, 49, 59, d tos francezes escuros, par*
0 Pavao recebeu um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padroes e rTpTa 69^ duzia
cores fixas, que vende pelo barato preco de j F pamka
300 rs, o covado, organdy branco e lis-1
A ccli'brc
BH^VB
se ossos
na travessa da raa'da:Prala n. J.
Vaquetas da Russia
Vende Joio Francisco Ferreira Junior, a rua do
Livramento n, 37. ____________
Manual Pratico do advo-
gado
Pop Jose Tito Mabnco d'Araujo.
Preco. 159000.
Acaba de cb-gar esta obra e vende-se na livra-
ria EcQnomica, ao pA, do arjp de Santo Acrtonio.
VENDE-SE
agua
III a?.ESA V ft LilHAN.
Uma pura distillagSo das mais raras 11^.-
r_s dos tropicos. Contem, para assim ui-
zer, quasi o odor odorifero das flores ao
tropico da America, esua fragancia 6 quas
uiexhausta ainda mesmo por continuada
c/aporacao e diffusao. N'este respeito e
i icomparavel a qualquer outro perfume
qne ha de venda para:
UESMAIOS, ATAQUES NERVOSOS, DOB
BE CABECA, DEBHJDADE E
HYSTERICOS.
E um corto e ligeiro allivio. Com o bom
.*n, tem conservado sua influencia para
cima de vinte e cinco annos sobre todos os
perfumes, nas lndias Occidentaes, Cuba,
idexico, America Central, e do Sul e n6s
aim toda a conPianoa o recommondamos
como um artigo, polo seu aroma muito de-
licado, riqueza do odor e pertnanencia, nao
podo ser igualadou Tambem faz remover
da pelle:
ASPEREZAS, EMPOI.AS,
QUEIMADURAS DO SOL,
SARDAS E BO&BULHAS.
Sendo reduzida com agua., se torna uma
excellente mistura para banhar a pelle,
dando um aroseado e c6r clara a complei-
cao nublada, sendo applicada depois d<
j barbear, evita a irritacao que geralmente
occorre, assim como tambem garganteando-
se, o cheiro do cigarro desapparece, e me-
lhora a condi^ao dos denies e gengivas.
Como ha muitas imitaeoes, as quaes nao
possuem nenhumas d'estas propriedades,
deve-se tomar* cuidado e contar soraente o
o famoso perfume a cosmetic do sul da
America, cham
AfilA FLORIDA
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
nissimo fil6 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanas de todas as cores.
BOMOL'S A 129.
0 Pavao vende ricas camisas com peitt
de linho bordadas, proprias pira noivo
10{$e 129 cadi uma, ditas de linho sen se-
rem bord das 49, 49500 e 59, ditas cob
peito de algodao muito finas a 29, 29500
39, ditas dechita fina miudiuha a 29, 29500
0 Pavao vende um bonito sortimento dos e 39, ^ssira como grande sortimento de ce
mais modernosbornous combonitas listras eroulas francezas tanto de linho como deal
vende pelo barato preco de 129 cada um, godao dc 19600 ate 39, gr ude sortimemv,
assim como um elegante sortimento dosmais de mei-.s cru s inglezas de 49 ate 89000 ;
bonitos chales de merind e com listras de seda. duzia
Ceroulasfruicezas de linho e algodao, para todos os precos e qualidades, assin
como grande sortimento de meias cruss, camisas, colennhos, que tudo se vende pc?
precos muiti r;zoaveis.
ANTONIO JOSE d:
Rua Nova
AZEVEDO.
11
1
Querendo definitivamente liquidar este negocio, vende todos os que tem, novos e
isados, pelo preco do custo de factura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de sales, de muitos liudos desenhos dc 11 a 33 palmos
do largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala por grande que
seja com oleado inteiro.
MAGNIRCOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
ANNE'S electricos para curar dorcs de cabega. nevralgias e nervoso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros do sala.
ijRAMl'OS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
TALAGABCA e papel picado para bordar com la ou seda.
VERDADE1RA agua de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, e por barato preco.
Ad
Am
' Marques dos Santos.
'lachado dos Santos.
da Ei-r.jia. para entretenimento das criangas, todo
is remit.idos que 6 possivel : no ar-
masCM oor francez,. rua do Barao da Victo-
rua >'ova n. 7.
*'nlm'|WTftsiura
iO ar.
' ICt'

nil- sVMniio; niodelos chegados
i-or francez, : ua do Barao da
* a W6vaa. 7.
igar raa escrara que saiba
ova Hi,' 7, ljja.
FUMO DO PARA
0 verdadeiro furao de Borba, em chicote, picado, desfiado c crespo, assim
como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a vapor, antiga rua dos Quarteis n. 21.
Na dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarSo os seguintes e bem conhecidos
fumos manufacturados na mesma casa,
Flor do Brasil
Novo Caporal
Bes Bird'seye, ( Olho de Passaro. }
Vende-se a retalbo, c cm grande quantidade'so faz grande abatimento.
ummm
DE
111 HRAV L4\U1\.
S3 acha'd venda em todos odrogu
perfumari as da moda.
Vende-se a uvera da ru das-Carr ocas,
esqnina da rua de S. Joao, com boa casa de vi-
j venda e bastante coramodo para familia : quern
: pretende-la dirija se a mesma.
VENDE-E

Rogo cur ; mente a qualquer individUo
a quern eu teali 11 ,:cido por venda algem dos
mens benide re i iveig ou eiraovenres o espe-
cial favor de pul-i.^r so coreo deste Dtori, e no
prazo de tres ou quatro dias, a rmnha-efferta com Amaral, waouco & t.. vendem luras.ue pellica
todaB as circumstancias que se houverem dado de-cores com toque de mom a IS, IjOTOeSfo
um bom quartao, novo, castrado e preto : na eo- |
cheira do Sr. Agra mostra se e se dira com quern !
tratt-ss._________ a taverna sita no pateo do Terco n 21, que faz
esquiaa-cora o becco da Lenha, com poucos fun
selecta e de umbigo
(Enxertadas)
Sapotizeiros
de ii palmos e ditos. (em vasos) e de todos
os tamanhos e pregos mais commodos que dan-
assim como as seguintes outras plantas de
tes
fructa e de ornato :
Abacati.
Acacia.-
Ariticum a pe.
Canella.
Cornolina.
Carolina do priacipe.
Conde^a.
CaracSo da India.
Figuelra.
Flambojant.
Fructa-pao.
Iriga do Para.
Jambro.
Jasmim laranja.
Liiva k pellica
T
rjhn
-verem dado.
Igaalmente peco que veoham recelr de1 mim
o importe das publicacoes que fiierem.
Haeife, 8 de fevereiro de 1874.
__________Manoel Antonio de Aievedo.
Barbeiro
PncL-a-se de um official de barbeiro e queen-
tenda de cabelleireiro : no L andar da casa aw
36, a rua Duque de Caxias
par : no Bazar Victoria,
ria-f. 8.________^^_
rua tto Barao d*! Vlcto-
dos e prepria
me?ma.
para principlante : trata-se na
Fara aeabarl
RJcos chapeos para senhora : so na rua Duque
de Gaxias n. 60 A loja da esquina.
Amn Pre*l**-se de-uma am* para corttrnar- Cognac de qualidade
* e comprar: na raa de^Pedro AffoMa i VtnNo de Bordeaux.
a. i (outr'ora da Praia).
[Gamo de Pedra de todas as qualidades.
ija
Laranja da China.
Dita do coo.
E outras plantas
tura n. 90.
Laranja cravo.
Dita de doce do Para
Dita branca.
Dita tangerina.
Lima da Persia.
Dita de umbigo.
Umao francez.
Dito doce,-enxeftado.
Oiticoro.
Palmeira imperial.
Parreiras.
Pinbeiras.
Romeiras.
Rozeiras.
Itozeda.
Ubaie.
na Capuoga a rua da Yen
Rua do Brum n. 76
Vende-se zineo puro de superior qualidade.
preprio para cobertas de casas, medindo 11 pal-
mos de eomprido e 4 de largo, por prep* nmit?
em conta.
Vende se a taverna da rua do Viscoade de
Albuquerque n. 6S, o por balanco ou avulso,
propria para principiante por lor poucos fundos
e afreguezada para x terra : a tratar na mesma.
qne se dira o raotivo por qne se vende.
Manlillias prelas.
A Neva Eaperanca, a raa Duque de Casias n.
6ir recebeu mantilhasjpretas, modernaa, e esta se
veudendo por prejos raxoaveis.
As unicas verdadeiras
Bichas hamburguazas qne vem a este mercado:
na rug Marquez de olinda n. M
Cinlos de coiiro
Amaral, Nabaoo & C. receberam pelo vapor
Villede Bahia eintos de eonro para senhora com
flvelas deano, metal, oxide, etc., etc. : neitaiar
Victoria, rua do Barao da Victoria n. 1.
Alerta principiantes.
Olhem que vende se'a cochelra sita a rua das
Flores p. 84 : a tratar na rna Direita a. SO.
Farinha de mandioea.
Vende-se farinha nova de mandioea de Santa
Catharina a bordo do brigue portuguez Improcuo:
a traiar com o capitao, ou com Amorim Irmaos
& C rua do Bom Jesaa.n. 3.
Sanluario.
Vende-se um Undo santuario de jacaran-
da", obra do Porto, perfeitaHieoto' acabado e
ov: quonr pertsnder dirija-seA rua Da-
que de Caxias n. 94-, loja das 8 portas.
Pacbeca 4 Aaredai'tem1 pan vwiar'^u-
picoa de araruta, qnUdade esawial, em seu w
mazem, na rua d Duque de Caxias n. 19.
J



fc- I
A
!
iBiariof Ale- d&raanitmeo
fU-Q> ieira
10 de fljpteiro de fr'7 4
DE HOWE
M MM
SO ARES LEIfE, 1
UNICOS AGENTES
Rua do Bardo da Victoria n. 28
la mais simples, as mais baratas e as melhores do rnundd!
Ita exposijao de Paris, em 1867, foi concedido a
Elias Howe Junior, a aiedalha de ouro e a condecora-
5Jo da LegiJo de Honraypor serem as machines mais per.
feitas-do "sundo.
Rua da Imperatriz q. 12
DE
Lwirea'^ Per-elra MeHcFes Guimaraes
Declara aosseus freguezes quc tem resolvi.'o fazer uraa grange liquidacao, ate" c
fim do corrente anno.
A SABER :
A medalha de ouro, conferida i
Estados-Unidos por ser o inventor
tura.
E. Howe Junior, nos
da macbina de cos-
A medalha de ouro ua exposicao de Londres-acreditam
estas machinas.
CAYlBlUlAS BRANGiS A 3W)0QJ
Vende-se ipecas de cambraia branca, tapa-
da e transparente, a 3JP, 3#500, 45000 e
55900.
LASLMIAS A 200 RS.
Vendose lasinhas para vestidos, a2O0,.
320 e 500 rs. 0 covacio.
ALPACAS A640RS.
Vende-se alpacasde cores com listrasa 640
e 800 rs. 0 covado.
GRANADINEA800RS.
Vende-se granadine preta com lislras de
c6res, para vestidos, a 800 rs.
vado.
Ditos de ptdha, a 25, 39000 e 45000.
Ditos de massa, a 45000.
jBEKFLMARIAS EM LIQUIOAQAO.
Vende se sabonetes de diversos tamanhos,
a iiO, 200 e 24.0.e 320 rs., todo bom.
Frasco de baba, a 160, 320 e 400 rs.
Fragcos com aguade colania, a 240 e 820
rs. cada utn. E outros muitos extractos que
se vende muito barato para bquiilar.
.JOALUAS A 800 RS.
Vende-se toalhes felpudas, a 800 rs. cada
uma. Lencos Urancos, a 25000 a duzia, e
0 C0v-35000 abainhados, fazenda que vende-se
'por35000.
A
POUPELLNA JAi'ONfZAA 15800. GRAVATAS PRETAS A 500 RS.
Vende-se uma fazenda nova com listas,. Vende se gravetas pretas, a 500 rs. Man-
com 0 no me de poupelitia japoneza,.propria tasde cores n 200 rs.
para vestidos dc senhoras, a lgSHOOoco-j Cbapeos para baptieades de meninos, a
vado. Todas estas fazendas sao veniidasno 35000.
Bazar Nacionat* & rua da Imper uriz n. 72. j BENGAJjAS E CHICOTES A 800 RS.
CORTES DECASSA A 255 0, Vende-se bengalas e chicotes, a 800 rs.
Vende se cortes de cassa para vestidos, Gada uma, para liquidar.
com i0iovados,a -25-500. i
ClllTAS LARGAS A 240 Rs. GRANiiE LIQUIDACAO DE ROL'PA FEITA
Vende-se chitnsfrancezas, largas, de c6resi Vende-se ceroulas de algodao, a 15000.
Tias, a 240, 300, 320 e 360 rs. 0 co-O L'itas dc linho. a 15600 0 2*000.
Camisas de c bites finas, a 15600,
Ditas de peito de cores, a f'COtiO,
Cabe-nos 0 dever de ancunciw que a companhia das machines de Howe de Kova-
ork, estabeleceu nesta cidade # rua do Barao da Victoria n. 28, um deposito e agenda
*.eral, para em Pemambnco omaisprdVinciasse venderem as afamadas machinas de cos-
era d Howe. Estas mncninas sao justamente apreciadas pela perfeicio de sen trabalho,
pregando uma agulha mais curta com a mcsma qualidade delinhaque qualquer outra,! y^j'0
ela introduc^ao dos mv aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a c^sg^s pj; CORES A2G0RS
ifarecer j exama publicc as melhores machinas do mundo. Vende secassas'france'zas' finas de cores,, |
As v&ntagens destas machinas sao as seguinles:
frimeira.O ;publico sabe qi>* elias sio duradouras, para isto prova incontestavel, a
?reoinstancia de nunca terem apo**f->.io no meroado machinas d Howe em segun-
a mio.
Segunda.Correct 0 material predso para reparar qualquer desarranjo.
Terceira.Ha nellas menor fricc.io entre as diversas pecas, e menos rapido estrago;
a 200, 320 0 400 rs. 0 covado.
SAIAS A 25000.
Vende-se saias brancas com barras de ci-
rcs, a 2EC00.
ClllTAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-se chilas para cobertas, a 280 e
tne nas outras.
Quarta.Forraam 0 ponto corno se fdra feito a mao.
Qninta.Permitte que se examine o trabalho de ambos os fios, 0 que se n8o consegn
tt octras.
Sexta.Fazem ponto miudo em casemira, atravessando 0 fio de um i outro lado, I
k>o em seguid, smu modiiicir-se a tensao da linha, cozem a fazenda mais!
360 rs. o covado.
iMEIAS PARA HOilENS A 65000. A DL'ZIA.
Vende-se meias cruas verdadeiras, para
ihomens, a 65000 a duzia, a qual val
!85000.
CU.U-ES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de la, a 800 rs. cada
Setima.O compress&r 6 lsvantado com a major facilidade, quando se tem de mudar utn
fgulha ao corot^ar not* costura.
Ohara.Muitas eompanhias de machinas de costura, tfim tido epoeas de grandeza e
wadencia. Machinas outr'ora populares, sao hoje quasi desconhecidas, outras soflreram
aadangas radicaesparapoderom substituir : entretanto a comp*nbia das machmasde Howe
ioptando a opiniao de Elias Howe, mestre em artes mecharucas, tem constantemente
tjmentado o-seu fnbrico, e hoje nao attende a proeura, posto que fa^a OO0 machinas
r aia.
Cada machina acompanha livretos com instrucc.des em portuguez.
a m>m a sosooo
SOARES LEITE, IRMAOS
A'
do Barao da Victoria n. 2 8.
A
30|000 e 30^000.
D9US POSPONTOS
Nalojade Soares Leite Irmaos, d rua do Barao da
Victoria n. 28.
Lavas de pellica com pcqueno toque, Espelhos de moldura dourada, de todos
200 rs. os.tamanhos e pre$os.
PERFUMARIAS E MIUDEZAS.
oleo Onza verdadeiro, a
para collete, grande sorti-
.ibotoaduras
oento a 120 rs.
Caixa de linha de marca, a 200 rs.
Lamparinas & gaz, dando uma luz muito
oa, a 15000.
Duzia de pec.as de cordao imperial, a
40rs.
Caixa de botdes de osso para calga, a
00rs.
Duzia de carreteis de linha, 200 jardas, a
500 rs.
Idem idem 60 jardas, a 240 rs.
Kaco de fit a chineza, a 800 rs.
Caixa de linha com 40 novellos, a 500 rs.
Meios aderegos com camafeu, a 500 rs.
larrafa do tinta roxa extra-fina a 15000
Potes com dita ingleza, preta, a 100 e
'60 rs.
Caixa de pennas Perry, muito boas, a
15000.
Idem idem, a 400 rs.
Caixa de enveloppes tarjados, a 500 r.
Idem idem forrados, a 700 rs.
Caixa de papel amisade, beira donrada,
800 rs.
Idem idem idem lisa, a 600 rs.
Duzia de talheres cabc branco, 2 B., a
15000
Resma de papel pautado, a 45000
e 55800.
Idem idemliso, a25800, 35800 e 55000.
Coques modcrnos, a 35000.
Duzias de pec/as de trangas de caracol
sranca, a 400 rs.
Idem idem lisas, a 200 rs.
Leques de osso e sandalo, a 25000, 45
65000.
Frasco com
15000.
Idem comtonico de Kemp, verdadeiro, a
15000.
Garrafade aguafloridaverdadeira a 15200
Garrafa d'agua japoneza, a 15000.
Idem idem divina, a 15000.
Idem idem Magdalena (novidade) a
15200.
Caixa de p6s para dentes, a 200 rs.
Idem idem de p<5s chinez, muito bom. a
500 rs. e 15000.
Pote comopiata de Rieger, Rimel e Gros-
ed, W00.
Duzia de sabonetes de amendoa, a
35600.
Duzia de sabonetes deanjinho transpsren-
les, a 25200.
Idem idem com fldres, a 15500.
Sabonetes Glycerino transparent, a
15000.
Caixa com sabonetes, formato de fructas,
a i5000e 15500.
Cosmeticos, graudes e pequenos, a 100 e
800 rs.
Frasco com aguade colagne, a 200, 320,
300 rs. e 1,5000.
Extractos muito finos dos melhores au-
to res.
Lindas e elegantes aixinhas cem perfuma-
rias, proprias para presentes, dos autores
E. Godray, Rieger, Gelle- Freres, etc.
Quadrds com santos e estampas separa-
das.
Entremeiose babados transparentes e ta-
CIIITAS FINAS A 400 RS.
Vende-se chita's finas de campo largo, fa-
zenda muito boa, a 400 rs. o covado.
CHALKS DE MERINO" A 2^000.
Vende-se chales d-j mcrin6 estampados, a
25, 35, 45000 e 5&000.
Ditos de listras a 35000 e 6S000.
BtllfiS EM CORTES A 15o00-
Vende-se eortesdc brim de cores e.pardo,
a 15300, para liquidar.
CQBEHTAS DECII1T.V A 15600.
Vende-se cohort: s do thita, a IS600 e
25000.
BRIM PARDQ ?: JE CORES A 400 RS.
Vende-se brim pardo e de cres, para rou-
pa do homeos c meninos, a 400 rs. 0 cova-
do, para liquidar.
COI.XAS DE CORES A 25000.
Vende-sc e 45< 00.
TllANSi'ARENTES PARA CA^LlItASA
15500.
Vende-se transparentes para cadeicaa, a
1550", paraliqnidar.
B0NETS A o00 RS.
Vende se bonets de soda para homeos, a
500 rs.
I.IIAIT.OS A 25500.
Vende-se chapcos do castor para neninos
e boraens, a 25500 e 35000.
Ditas brancas finas, a 25000, 35O00 e
45000.
Calgasde brim pardo e de cores, a 25000
e 25500.
Ditas de casemira de cores e preta, a 55,
65, 75; 00 e 85000.
PalitoUde alpacas de cores, a 5500.
Ditos prctos, a 35000 0 35&00.
Ditos de casemira de cores, a 45 e
65000.
Ditos ditos pretos, a &5000, 65500
85000.
Colletes de casemira de cores, a 25, 35 e
45000.
Camisas de Hanella, de cores, a 25000 e
25500.
ALGODAO A 45000.
Vende-se pecas de algodijo, a 45, 55 e
65000.
CASEMIRA DE COR A 25500.
Vertde-se casemira de c ros, a 'SSSOO o
covado.
M.uuror.Ao a n^ooo.
Vende-se.pr^as de madaindao crifestado.
a 35000.
Dho inglez, a 15500,
peca.
%, (ftv. 75000
Ho 1 IMS A 45500.
Voii'io se botinas.para senhura-e meninos,
a i^oOO, 55 e 65000.
Ditas doenfiar, a-25000.
Snpntos ile -tapcte, a 1550O.
Ditos detranca, a 15800 < 25000.
BRAMASTE A 15600,
Vende-se bramante com 10 palmos
l.^rgura, pnra denudes, a 15600 e 25500
mitro. E outras muitas fazendas propria
do mercado, que se vende sem roserva, df
prc^n, para liquidar ate 0 fim d corrente
anno, por isso concern aos compraiiores scr
tirem-so de fazendas baraias, para a presen-
ts festa que estd na porta, a rua da Imperatriz
n. 72. Bazir Nacioual.
A' tan do Cabaga n 1 A.
Os proprietaries da f-'redilecta, no intaito conservar 0 bom conceito que teem merecido di
respeitavel publico, distingnindo 0 scu estabeleci
mento dos mais quo negeciam no mesmo generc:
veem scieutiiicar aos sens bons freguezes que pre-
veniram aosteus correspondentes nas diversas par
yas d'Europa para lhes enviarem por todos os pa
quetes 03 objecto: de luxo e bom gosto, que se-
j*m mais hem aceitos pelas soeiedacies elegantes
daqueiles pakes, vislo aproximar se 0 tempo dt
testa, em quo 0 bello sexo desta linda Veuez:.
mais ostenja a riqueza de suas toilleltes : e co
mo ja recebc?scm pela paquelo francez diverso
arngos da ultima moda, veem patentear algun?
d'entre ellcs quo se tomam mais recommendareia.
efperando do repeitavel publico a costumad*
concurreneia.
Aderecos de tarlaruga os mais lindos que teen,
'vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e dt
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
cos
Aderecos completos de borracba pr. prios para
Jato, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
nltos.^
Botoes de seiim preto e de cures para ornato de
vestidos de sei.hora ; tambem tem para collete
palitot.
Bolsaa para senhora;, existc um bello scrtimen
to de seca, de pallia, de chagrim. etc., etc., por
barato precp.
Bonecas de todos os tamanhos, tanlo de leufa
como de c^ra, de borracha e de massa ; chama-
mos a attonvao das BXmas. BrasJ para este artigo,
pois as vezes tornaro-se as enaacas um pouco im-
pertinentes- por falla de um obieclo ijue as en
tre'enham.
Camisas de linho li.-as e com peitos bordadot
para homern, vr-ndem ?c por preco commodo.
Ceroulat 4e linha e do algoduc, dc diversos pre-
{os.
Caixinhas com musica, 0 qce ha do mais Undo,
com disticos u.ts tampas e praprios para presen
tes.
Coques os mais modenios e de Jiversos forma
los.
Chapeospara senbt-ra. Rexcberam nm sortimentt
da ultima moda, tanto para senhor* como par?
meninas.
Capellas simples e coin veo para noivas.
Caleas bordadas para meniua?.
Eutrcmeios estampados c Lordados, de lindo;
desett^c*.
E^Covas clcctricas para dentes, tern a proprie-
dade de evitar a oarie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, exi.te um
grande sortimento de divercas larguras e barato
prec
gorgurao, do sotim e de cha-
cores.
.A Nova Esperan{a, a rua Duquede Caxias n. 63,
apressasn em conviJar a^eus fregui'zes. com e9-
periaiidade an bello sexo a virem apreciar 03 se
gnintes arligos expostos a venda e todos por precos
commodos, como tejam :
FINAS BONECAS man?as e choronas.
BONIT'AS E'ENGRAfADAS vistas para sterios-
couios.
COMMOD.AS LATAS para guardar cba.
ELEGANTES BOLSAS parasenhoras e meninas.
BONITOS VASOS com fma banha e 'cheiroso?
'.extractos, trazendocada frasco um nor.e,'umi iai-
. cial ou um distico.
FINAS J.EIAS D SEDA, vindo entre elias cor
i de came.
G
ara quern g
Rta de Telludo de todas as cores e largu- pados.
>' '! Uma'grande taboleta propria para qual-
Hicroscopios com ii vistas.Ja 65000. ; quer Irjja.
Frasco com oleo para maehinaa 400 rs.
Rua do Barao da Victoria n. 28.
A" Nova Esprranjr a rua Duqne de Caxias n.
6't, acaba de reccber-tcqlos e caixas para o jogo de
Voliaretle.
Vm tfflffl s; lire das pernas.
A Nova Esperanca, a rua Du,|ue de Caxias n.
63, acaba de receber as procuradas meias dc bor-
raeha para ipiem soffre das pernas.
FLORES ARTIFICIAES
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber um lindo e completo sorti-
mento de flores artificiaes das melhores'qUelem
vindo ao mercado
A eltas antes que se acabem.
Costumes para ciianqa.
A1 Nova Esperanca. ,-i ma Dnqae-8e-Caxias n.
63, acaba do receber Donitos costttnws:pra eriaoca
e esta se vendendo por precos raioaveis.
A Niva Esperanca, a rua Duque de Caxias n
63, reCebeUumpequeno sortimento ^e armeis e
pnteeiras etectritas, proprias para qnam-soffre dos
nervos.
t-------
-------------uJ------fi---------------

Graode pechiucha a 200 rs o
eovatfo.
Citai la, padroes novos. a de mais gosto que
b vindo ao mercado, so na rua do Quelmado
i3, loja de Guerra & Fernandes, pelo ditmnu-
pre? de 200 rs. o covaoV) I
Jiegaflm fregtezes que se acaba
Faririha de aratnita
Vende-se saperior farinha de araruta, tanto 8m
oorgdes como a retalho, pbr pree> "qtle' adniira,
?isto sua qualidade ; depositos nos seguinles lu-
cres : rua do Vigario n. M, rua do Afflorim n.
86, e travessa da rua das Crazes n. 4, a 500 rs. a
'ibraarettlho.
VENDE-SE
ama eau na vllU de Barreirps, na rna do Com-
toertio, por prego modico: a tratar com Tasw
irmaos 4 C
Os verdiideiros
Tinhos de Boiirgogne
das marcas
Chambertin
PottfmaPd .-.
Virits
Volnay
Beanne
Montbelie
Dito Bordeaux em quarlollas.
Vende-se por barato pre$o
PARA LIQUIDACAO DE CONTAS
A
Baa l-arga da Rosario 34.
Rotica.

Ms- de quadros
Novidade c a 380 rs. !!!
A Rosa Branca Vende lindas las de quadros, e
pura la e gostos muito chiqnes, flaol8e srmostras
com peuhor e manda-se levar em easa | aprova'f
tem a occasiao : na rua da Imperatriz n. 66.
Novidade empeitbs de
camisa
A Ro-a Branca tem os mais raodernoa foitok de
fino esguiao, e a 2<, sao peitos de- 3i : na Imperatriz u. 56.
Chegaram mais chales de
gostos novos, de S$,?p6t
A Rosa Branca esta vendendo ohales tie listras,
gostos moito bonMos, que valem 5j, vende a 2J,
aproveitem : na rua da Imperatriz n. 80.
Chegaram mais metins, e
agora*e a 300 rs.
A Rosa Branca esta queimando a segunda re-
messa de metim ou chita irancada a 300 rs. o co-
vaio ; as pessoas que nao comprarara dos pri-
arnava
Amaral, Nabuco & C. vondem lanlijoulas de
diversos formatos, prateadas e douradas,. eabeilei-
ras decabellos branco-?, ea'cas de meia de algodao
e de seda, brancas e de cores, camisas de meia
listradas e brancas, capacetcsile massa, vollas de
perolas falsas, brincos proprios para thicard,
fraBjas prateadas de1 mnitas" larguras, etc., etc., e
compieto sortimento de mascaras : no Ba?ar Vld-
tori?, rua do Barao; da Victoria n. ___________
Mascaras
Amaral, Nabuco A C. vendem mascaras de pa-
pelao, brancas e pretas, jiara homeos, mulheres o
nj!ninos, de setim, de arame, decera para homem,
mocas e Velhos, typo inteiramente engracado : no
Bazar Victoria, rua do Barao da Victoria n. 2.
Nao ha mais cabe!los
TINTURARIA mm,
S6e unicaapprovada pclas acad^mias de
sciencias, reconbecida superior a toda que
tem apparecido ate hoje. Deposito princi-
pal & tu da Cadeia do Recrfo, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 81, i. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
reirio.
PARA 0
CARNAYAL
Odilon Duarte1 & Irmao
Rua da Imprratriz n.'.82
Wm promptos-a dtpcsic3o dos amantes do Car-
naval, a,800- barbas a escotner,.aelo baratis9imo
preco de 33 cada| uipa, e grande numerx> de ca-
belleiras de todas ras formal e cores, a 8/, 10/,
12J e15* cada uma.
'-------- r*-V'1I------1----------, .in-i------------------

OALCADO
j i
Na prai.ia da Independencia i
& Bastso, VMde-se :
Borzeguins de CurdavSo e bezerrOy para
Ditos de bezerfo idem
Ditoe de chagren preta panrsekhora
Ditos de duraque de cor e gaspiados para
meniaa
Sapatos de courinho com salto' para Se-
nhora ^*
Sapatos de tapete avelludados flnos para
bom em
loja-de Porte
6|000
6*000
4*000
Fitas dc saija, d
^makite, de diversas larguras e bouitas
Fachas de gorgurao muito lindas.
Flores artificiaes. A Piedilecta prima em con-
servar sempre um bello e grande sortimento des-
tas flo es, nao so para enfeite dos cbcllos, como
tantbe-m para ornato de vestido de noivae.
Galiies dftalgodao, de la e de seda, brancos, pre
tos e de diversas cores.
draVatas de seda para homem e senhoras.
Laeos de cambraia e de seda de diversas core*
para se nhora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas pars
noiva.
Livros para onvir missa, com capas de madre
perola, marfiir, Os o e velludo, tudo que ha de
bom.
Pentes.de tarlaruga e marflm para ahsar os ca-
bel-'os ; teem tambem para tir;ir caspas.
Pbrt bouquet. Cm bello sortimento de madre-
perola, marlim, osso e dourados por barato pre?o.
Perfamarias. Neste r-.rtigo e?ta a Predilecta ben;
Erovida, nao so em extractos, como cm oleos e
anhas dos melhores odurcs, dos mais afamados
fabricarrte9, Loubin, Piver, Scciedade Hygienica.
Coudray, Gosuel e Rimel ; sao iudispensaveis para
a festa.'
Saias bordadas para seuhora, por commodr
precp.
Sapatinhos la e de setiui bordados .para bap-
tisados.
Tapews. Recebeu a PnedBecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tauio para sofa co
mo para cnlrada de saias.
Vestimenta* para.baptiradoo que ha do melhor
gosto e os mais modcrnos. recelieu a Predilecta
vende por barcto preco, para ticar ao slcance
qualquer -bftlaa.
Rua do Cabuga n. 1
Paris, 36, Rua Vivienne, D
IHSMHn IfiMGIN SPECIAL
MS MFEB1IIUAD--S DBS SEXOABS, AS .'.yrBCCOM
C'JU'K'S r ALTBBAgOFS DO SAHGOE.
~~l vi.oOOcuras dasii/ipln-
iens,pus/ulas, heipes,
| sarna, comixoet, acrf-
nonia, e allerfoes, vi-
__Iciosas do sangue, vi-
rus, eaUeiuyoa uj sangue. (Xarope vegetal
sem mcrcurio). Doparatlvaa teieUci
amio* iiiAtiiMx tomao-se dous por
temaoa, seguindo o tractamemo DepuraUvo : i
empregadn n-is mesm.'S nulestias.
I Este Xaropc Citracto de
|ferrodeCHABLE, cura
mraddjataoienie qiial-
Iquer purgacao, rela-
_ \xacao, e debilidade,
e igualuicntc os jiutos e flores brancas das
mulheres. Esta iujeccao benigna empregasse
com o Xarope de Citracto de ferro.
Binorroidu) Pum;:da qlie as cura em3 dias.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra: nas ajeccoes eulaneas e comixoet.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
do r chabie, cada frasco vrai accumpahad*
de um folheto.
AVISO AOS 8R8. MEDICOS.
I Cura calarrhos losses
coquelucKes, irrilafdes
ncrvosai sas dos bron-
chios I todas as doenfas
--------------------------1 rfo peilo; baata ao doenta
ama colhe rcbdea deate xarope D' Forget.
Dr. CUABLi em Parti, nut tItIcdbc,
Feposit^ era Ptrnombuco botic franceza
22 Rna da Cruz 22
J. 0. C. Doyle.
Tem para ve i c :
Cognac de Hennessy, superior e verdadeir-
Yinho Xen s das melhores qualidades.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Cba preto em lattas de 10 iibras.
Todas as preparacoes chimicas do Dr. Ayer
trmazem da ma do Comroercio n 38.________
Chita preta a 280 rs. o co-
vado.
A rosa branca vende chita preta boa a 280 rs.
o covado ; isto e pechincha: na rna da Impera-
triz n. 56.
Cambraia de forro a 1#600
a peca
muito tapada e encorpada ; isto e so na resa
branca rua da Imperatriz u. 56, de Azevedo & C
Camisas de chita francezas,
de4#a2$500.
A rosa I ranca tern um resto de camisas de cre-
tone e cbita de diversos, numeros que vende
para acabar a 2S500 ; quern-" eonhece a fazenda
"Sabe qbe e miiito barato, aproveitem a ocasiao :
a rua da Imperatriz n. 86. '
Vende-se 2fl bois de carroca, muito boni, e
t grabdei cavros para eojiduzir p$o de 6 a 8 to
nsladas, e erterco que podedar de 120 a 130 car-
re cas : a iraiar na *ionte da Torre, de domingo ate
segunda-feira a tarde* de cada semana.
DEFURATIF
In SrAJNG-
PLUS D^
COPAHU
Sirop du
DrF0RGET
3^003
2*000
2C00
Lindo chfariz.
Vende-se por preco barato um rico chafariz
de marmere proprio para jardim, o qual se acha
meiros a 320 rs., devem comprar agora a 300 rs., i armado na officina de marmore do "Sr. Lima, 4
dao-se amo.<-tras, e manda-se levar nas casas: rua do Itnperndor para quern o quizer ver : a
quem precisar aproveite : na rua da Imperatriz tratar na rua do Creapo, loja do Passo junto
n. 56. arco de Santo Antonio.
ao
Lindas las escocezas.
De varios padrSes, e inteiramente modernas, a
360 rs o Covado : na rua Primeiro de Marco
antiga do Crespo n. 13, loja das co!umnas,da An
tonio Correia de Va concellos.
Vende-se uma carroca e um tioi, es'ando
este bastante descancado; no armazem do sal, da
rua da onceicao, da Boa-Vista: a tratar com
FrancHcoMeira. ^^___
Querem fazenda barata^
Venhara oh mandem a Rosa Branca que esta
vendendo muiin barato toda-as fazendas e roupa
feita : na rua da Imperatriz n. 56.
DE
fazendas finas
Rua Frimeiro de Marco n. 7 A
Cordeiro Simoesc&C.
E' esta uma das casas que I >je podp com pri-
mazia offerecer aos sens freuezfs um varialiisi-
mo sortimento de fazendas finas para grande toi-
lette, e bem as.-im para uso ordmario d-- I das m
classes, e por prec.es vautajos<, das nnaes 'ai am
pequeno resumo.
Mandam fazendas as rasas d .s pr>!endentec,
para o que tem pi ssoal necessano, e dan amostra-
mediante penhor.
Cortes de seda de linda- o'.n s.
Gro.-denaples de todas as core*.
Gorgurao branco, lizo, de li-tras, pnto,etc.
Setim Macao, preto e de ciin--.
Grosdenaples preto.
Velludo preto.
Granadine de seda, preta ft.de cores.
Pupelinas de lindos padrdts.
Filo d-.i snda, branco e preto.
Ricas batquinas dc seda.
Casacos de merino de cores, la, etc.
Manias brasileiras.
Cortes ccm cambraia branca eon liiidos borda-
dos.
BJeas capellas e mates para nofvaa.
Iqaissvo sortimento de las com :i:-tra it
seda.
Cambraias de cores.
Ditas naripozas, brancas, Ittr.s e bor.ladas.
N'auzuques de hndos padin -.
BajMisUa, padroes deaeados.
l'trcalmas de quadro-, prelos c brancus, listras,
etc., etc.
Buns dc linho de cflr, propri com ban a c listras.
BJCOS curies de veslido de linho, com infeites da
mesma cor, ultima moda.
Ditos de cambiaia do cores.
FusI.tj dc lindas cores.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas para senhoras, ds linho e al-
godao.
Sortimento de lavas daverdadem f>brica de
Juiivin, para hemeas e scp'. ias.
Vestuarios para meninos.
Ditos para ba|>iizado.
Cbapeos para dito.
Toalhas e guardanapos adamaseadftS de liubo 1
cor, para mesa.
Colchas de la.
Corlinados bordadc^.
Grande sortimento deeamisas da in ho, lizis t
bordadas, para hoir.ens.
Meias deoires para boraens, meninos e m ...-
nas.
Ditas esCuceza^.
Complet gurtimenlo de cbapeos de sol para b -
mens e seuhoras.
Merino dc cons para vestidos.
Dilo pnsto, traacado e uilo de 't.,i .
Atoalhado de |iaho e algodao paia luaihuS.
Atoalhado pa do.
Damasco de la.
Brins de Hnho, branco do cores e ppeto.
Setim de lindas tores com li.-lias.
Chales dc merino de cores e pratoa.
Ditos de ca-emira.
Ditos de seda preta e de cores.
Ditos dii tooqoim.
Camisas do chita ; ara homea*.
Ditas de DaaeHa.
Ceroulas de linho e algodao.
Paunos dc eroebel para sufa, cadein ..-i-
los.
beacos bordadas e do i;.b;. ritiho.
Colchas dc cii clieL
Tarlatana dc tolas as ror Ricos cortes de vestidos d>. tarlatana bordad -
para cortes.
Bsaartiibos li-o=, b,i lados.
Fvclacd de M'da, liddaa cikes
Meias de seda para senhoras e nx :.::..
Ricas fachas fie seda e i"i p*ra -i.l. ras.
Rii'o sortiini tiij do teajaes de aadn 11
osso.
Damaged dc seda.
Ricos chapeos e :baie!ina.: para dIi
ma mo.la.
Casemira areta e le eon s.
Chitas, li.a!:,; ,\-. ;.],!! i io pre I :.;!, .1-
lariuhos, panbus do liubo e algodao, -, 1^-
vas de fioue K-ci^sia. 'apeb's fie I .-..> tama-
nhos, bolsas de viajp in, pi il b< i lados para bo-
mens, !oi:c K delinuo .,.:. d coi -, :.i.
guardanapos, ',lc, etc.
Bazar Met ria,
Ebte estabelecinieuto acaba do Vr ci
to sortimento de eintos do eoi; c m five!-
la e corrente de metal, punhes c I sas de li-
nho e gravatas e-eoeezas, tad i pura reniicra : na
rua do Barao da Victoria n. 2
Fonuasde ferro
para purgar assucar : na r,:a do SJaroaex de
Olinda n. 4.
Bandejas.
Amaral Nabuco & C. vondem bandejas de me-
tal e charao de differcnte3 modclos c t..maoh>'.:
no Bazar victoria, rua do Baran da Vicl rian 2.
p I r MA 4 1
\jii h\A i. . 1 L
Vendese lind jS dominos do si perior qu: Hdade
para o caroaval 53. : na rua d > ULiq ne de i.
Para ocarnaval
Gu.-mao 4 Leal vendem luv.-.s d i"'':i peqaeno toque de mofo a 500 :.-, e piasi p
las a 1/ o par : ua ma Primeiio de Marco n.
Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade primitlvi e nat-
ural.
O Viqob do Cabello 6 uma preparade- ao
mesmo tempo agradavel, saudavel e efticaa paca
conservar o cabello. Por meio do seu uso o
cabello ruco, gri6alho, e enfraqueciJo, Jentro de
pouco tempo revolve a cor que lho e natural e
primitiva, e adquire o brilho e a frescura do
cabeUo da joventude; o cabello ralo se torna
denso e a caivicie muitas vezes, posto que nao
em todos os casos e neutralizada.
Nao ha nada que pode reformar o cabello
depois dos folliculoe estarem destruidoe, e aa
glandea cansadas e idea, mais se ainda leetaieaa
algums podem ser salvadas e utilizadaa pela
applicacao do Vigor. Libre de essas substancias
deleterias que tornam muitas preparacoes de este
genera tam nocivas e destructivas ao cabello, e
Vigor 8dmente lhe e beneficial. Em vea ^e
Bujar o cabello e o tazer pegr-oso, o cos
limpo e forte, embellizando o, impedindo a qaeda
e o tornar-se ruco, e por consequinte prevm
caivicie.
Para uso da toilette 5e ha nada maia a deee-
jar; nao contendooleo nem tin tura, nio pode
manchar mesmo o mais alvo lenco de cambraia;
pw Jura no cabeMo, lhe da um lustre lujrarioeo,
o um perfume muito agradaveb
Para reformar a cor da barba, e* necea
mais tempo de que com o cabello, porem aepi
appressar o effeito, envolvendo a barba de noit<
com um lenco molhado no Vigor.
rBEFAJUDO FOB
Dr. J, C. AYER & CA., Lowell, Mftain
Satados XJnido,
Chimleoi JwaeWoa iiVHm.
.VKNJDHJ ers fob

^"|^BapaiBBacsS-


m <.< .
. ii tmrn
8
Diario de Pamambueo Ter$a fefra 10 de Fevereiro de 1874
v
V


JDRISPRUDENCIA.
Relatorlo
A RESPE1TO DO NEGOCIO DO MARECHAL BAZAINE
EX-COMMANDANTE EM CIIEFE DO EXERCITO
DO RHENO.
AUDIENCIA DE 30 DE OUTUBRO.
* (Continuacdo )
AUDIENCIA DO l. DE NOVEMBRO.
Farei notar-vos quo foi urn simples de-
poimento hypothetic.} que fizestes peraute o
conselho do inquerito.
0 capitio de engenhoiros Rnchas d'An-
glein, ouvido em seguida, fallou largamen-
te do servico dos e uissirios. 0 ponto ca-
pitaLdo seu dcpoimonto foi a declara;ao
quMRz a respeito da ordem dada a 23 de
agosto,. ordem quo confirms o quo disse o
coronel Lewal.
0 conselho ouvio depois o tenente Mouth,
o qual, a 23 de agosto, encontrou em Metz
um emissario que Ihe fallou do movimento
do exercito de Mac-Mahon ; accrescentou
que tinha levado immediatamente essa in-
formaQio ao conhecimento do marechal Ba-
zainc.
0 Sr. Ernesto Bervilliers.Fui secreta-
rio particular do sub-intendente de divisao
em Metz durante o bloque'O. 0 Sr. Mouth
deu-me parte da missao que lhe tinha sido
confiada pelo marechal Bazaine Pergun-
tou-me so a 23 eu tinha visto um guar'a
fhrcstal quo trazia um despacho exterior.
Tinha visto muitos guardas dns florestas,
mas nao mpepos-ivcl dizer com cxactidio
em que dia os vi.
Commandante Busy.Era chefe do es-
tado maior da 7.a divisao N'osta qualida-
de recebi por forgi espioes emissaries, que
Uiandei para o quartel general.
P. l.omui"J!'"v <*o momento em que
terminou o bloqueio T
R.0 bloqueio estava quasi terrainado
a 19 ; todavia, os emissaries passaram ain-
da muito facilmente ate 20, ou 22.
P.rinheis ouvido foliar a 25 ou 26,
da marcha i'o marechal Mac-Mahon ?
R.Sim, a 24 ou 25, ouvi fallar do
marochal Mac-Mahon, que vinh> em nosso
auxilio. 0 boato correu na cidade, e n6s
conversamos delle no estado maior.
P. Vistes um emissario a 23, trazondo
urn despacho do marechal Mac-Mahon ?
R.N3o me lembro.
0 Sr. Guyard.Era commissario central
da policia em Long way. A 20 de agosto,
o commandante superior de l.ongway man-
dou-me procurer emissarios para levar des-
pachos ao marechal Bazaine. Sendo es-
ses despachos da mais aha importancia,
era-lhe necessario absolutamente descobrir
homens da mais alta importancia. Propuz-
lhe muitos, mas nao lhe inspiravam suffi-
ciento confianca ; entio perguntou-me se
consentia em ir eu mesrao. Respondi affir-
. raalivamente.
Entregou-me um despacho fechado Di-
rigi-me a Thionville, ande vi o coronel
Turnier, que tambem me. entregou um des-
pacho ; parti novamente para Metz ao abri-
go da noite. Cheguei a Moulins, onde se
achavam os postos avancados francezes;
entreguei os meus despachos a um official
do estado-maior, o qual me levou, passa-
das tres horas, i casa onde eu tinha fica-
do, ura despacho tambem fechado. para o
commandante de Longway ; talvez fossem
entio duas horas da tarde. Entreguei ao
commandante Massaroli o despacho de que
tinha sido encarregado
A 25 de agosto, fui de novo a Thionville
em companhia de um official ; cada um de
n6s era portador de um despacho cifrado
para o marechal Bazaine. Mas o coronel
Turnier disse-nos que era inutil tentar pas-
sar passar, que o cerco era complete e que
seriamos certamente presos. Voltei a Lon-
gway.
EmQm, a 14 de setembro, ainda levei a
Thionville outro despacho trazi Io de Paris
por um emissario, contendo uoticias do
marechal Mac-Mahon, a narraca) dos ul-
timos acontecimentos politicos, os Domes
dos novos membros do governo, e a certe"
za de que a marechala Bazaine estava com
seguranca em Tours.
0 coronel Turnier disse-me que havia
muito tempo que o marechal Bazaine estava
informado do que se passava em Paris, e
que quanto is notfeias de sua esposa, elle
lh'is faria passar. No decurso de outubro'
tentei penetrar em Paris, mas nao o pude
conseguir.
0 Sr. Bazalaire alferes de engenhei-
ros.A 2Me agosto, recebi do comman-
dante superior de Thionville ordem para
levar ao marechal commandante do exerci-
to de Chalons, um despacho fechado, con-
tendo muitos outros despachas. Parti nes-
sa mesma noite, e havendo-me dirigido pe-
la Belgica, pude chegar a Givet a 22. Alii
entreguei os meus despachos ao empregado
da reparticio telegraphies.
P.Quantos despachos havia?
REntreguei duas folbas.
0 general Pourcet.No vosso depoimen-
to escripto fallais de quatro despachos.
R.Provivelmente commetti um erro,
porque me lembro que nio vi mais de
do us.
Presidente.Mas cada uma das folhas
levava s6 um despacho ?
R.NSo poderei responder com eiacti-
dao.
Presidente.Ouviremos o empregado da
reparticAo telegraphica de Givet.
0 Sr. Massaroli.Era commandante su-
perior da praca de Longway. A 20 de agos-
to recebi do ministerio da guerra um despa-
cho que me AetiflKlten too fizesse chegar a
todo o custo ao marechal Bazaine Encar-
reguei o Sr. Guyard, commissario de policia,
de levar aqu-.lle despacho a Metz. Partio
immediatamente e vollou a 22, trazendo-me
quatra despachos, dous escriptos e dous em
cifra. No momento em que eu os inscrevia
no meu registo, um empregado da alfande-
ga annunciou-me a chegada de dous dele-
gados do coronel Stoffell, chefe do estado-
maior do marechal Mac-Mahon, encarrega-
do de obter uoticias do marechal Bazaine.
Sendo os dous despachos cifrados que
trouxe o Sr. Guyard para o marechal Mac-
Mahon e para o imperador, entreguei-os
aos Srs. Mies e Rabasse, ambos delegados
do Sr. Stoffell.
O Sr. Guyard tinha-me tambem trazido
uma carta do general Coffinieres, a qual
eu mesmo transmitti ao imperador era am
despacho telegraphico.
Aqui teve lugar enlre o presidente e a
testemunha uma serie de perguntas e de
respostas, que tinha por fim estabeleeer se
aquelles despachos eram ou nio escriptos
em uma s6 folha, questoes que 6 impossi-
vel elucidar por agora.
O commissario do governo.Interrogou
o Sr. Massaroli sobre o tempo que se derao-
rou era Longway o Sr. Magnan, a respeito
da data da sua chegada, e relativamente a
da sua partida.
A testemunha nao se lembra exacta-
mente das datas; tudo quanto p6de di
zer 6 que o Sr. Magnan se conser-
vou em Longway 30 a 35dias. O Sr Mas-
saroli deu prova de maior memoria no de-
curso do summario, por isso que alii indi-
cou as datas
Agora disse que estava tnganado, e o que
pode parecer sorprehendente e que os erros
que'eommetteu dizera respeito particalarraen
te em epoea das ausencias do Sr. Magnan,
e a duracio da sua residencia na Belgica.
O Sr. Amiot, inspector das linhas tele-
grAphicas.Alguns dias antos da sua parti-
da de Metz o imperador mandou-me cha-
raar. Trabalhei na installacaode uma linha
telegraphica entre Borny e o quartel impe-
rial. Esta tinha funccionou muito mal, e
de c-nco despachos, e forcozo dizer que
foi necessario expedir quatro estafetas.
Para occurrer a esta insufficiencia, cons-
truio se uma linha fixa que findava na est>-
q&o telegraphia de Metz ; mas os postes fo-
ram destruidos logo no primeiro dia, em
consequencia da accumulagao das tropas.
Aquella linha estava restabelecida no mo-
mento da minha partida.
A 15 sahi de Metz, e acompanhei o im-
perador. Fiz estabeleeer uma linha que
se ligava ao quartel-general por Briey e
Stain ; estavamos era Verdun a 16.
A 17 chegou o marechal Mac-Mahon ao
campo, e a seu pedido, a 18 fiz eu passar
um despacho pedindo que se commuhicas-
sem todos os despachos telegraphicos ao ma-
rechal Mac-Mahon, no que o imperador
consentio.
A Side agosto, partinaos para Courcelles,
e alii fiz passar um fio para communicar
com Paris ; esta linha passava por Reims,
sera alii narar.
A 24 foio quartel-general transferido pa-
ra Rethel Continuavamos a estar em com-
municaQSo em Paris. Acampamos successi-
varaente ate ao ultimo objectivo Le Chene
Populeux Continuamos sempre a estar
em coramunicagSo com Paris.
Presidente.Noto que a rapidez era
maior quando os despachos eram para Cha-
lons, e que a coramunicacao para o quar-
tel-general so fazia depois da recepcao pelo
destinatirio, corao no despacho n. 31,615.
O que nos tenles explicado constitue
uma dorrogac,8o das regras preoudentcs. E'
necessario um enlace, uma serie de hypo-
theses ; e necessario suppor essas interrup
cdes, e 6 necessario uma explicacao dessas
palavras Reims visto que tendes ex-
plicado na ultima sessao.
E' isto que suscita excitagoes no meu es
pirito. O 'espacho de que nos occupamos
especialmente deve ter cbegado ao coronel
Stoffell entre as 8 e 35 e as 9 horas.
O Sr. Amiot.Sim, em regr< geral com-
municavam-se primeiro ao deslinatario.
O Sr. Rabasse, agente de policia, emis-
sario Estavaraos na noite de IS para 19
de agosto no campo, quando nos vieram
prevenir quo havia duas requisigoes para
Mies, e para cnim,*assignadas pelo coronel
Stoffell com o sello do marechal Mac-Mahon.
E' necessario, me disse o coronel, a quem
eu fui apresentado, e necessario dirigir-vos
a Metz para nos alcancardes noticias do ma-
rechal Bazaine. Nao as temos ha dous ou
tres dias O meu camarada Mies tinha a
mesma requisfcSo que eu.
Chegaraos a 21 a Carignan ; o eaminho
de ferro nJo i* dalli muito long--. Encon-
tramos alii o general Dejean, para o qual
eu fui: e me indieou a presence do com-
mandante Magnan. Este disse-nos que nao
tinha noticias do marechal Bazaine. Diri
girno-nos sobre Montmedy e sobre Longway,
O chefe da gare disse-me que o coroneli
commandante da praea devia ter inforraa-
c.oes. Fomos encontra-lo, e dissemos-lhe que
eramos mandados pelo eoronel Stoffell para
ter noticias do marechal Bazaine, boas ou
mas.
0 coronel Massaroli, commandante da
praca, asseguron-se primeiro da minha
identidade; visto que havia muilos es-
pioes.
O commandante deu-me despachos- data-
dos de 19 ou de 20 de agosto ; eram qua-
tro, sendo um cifrado. Recebi-os abertos e
mais uma carta. Fui encontrar de novo
Mies, e disse lhe : Nio percamos tem-
pos ; vamos aotelegrapho. O empregado
copiou textualmente os despachos.
Um dia que faltavam muniefas, e que
havia 15,000 feridos.
O empregado disse-me ; Podemos fa-
zer passar os despachos E passou-os
Depois fiz telegraphar ao coronel Stoffell:
Somes os portadores dos origiuaes ;
podereraos sahir ? Esperamos a respos-
ta ate is quatro beras da manna. A essa
hora puzemo nos a caminbo, depois de ter-
mos cosido os despachos nos cozes das nos-
sas cal^as. Prevenidos do que os.\ prussia-
nos estavam nas immediacies de Longway,
passamos pela Belgica. o depois entrando
por Paris, subiraos pelo lado de leste ate
Epernay. Alii fallava-se de uhlans, mas
ndo era senao panico; tiuhamos mais medo
dos camponezes, que tomavara todos os es-
tranhos por espioes. Fomos a pe ate Re-
thel, seguindo a linha ferrea. Alii entre-
garaos os nossos despachos a ura official do
estado-maior, a quem tinbaraos sido intro-
duzidos por um capitio. Elle disse-nos:
Temos conhecimento disto, ha dous
dias. Algumas horas mais tarde rece-
beu-nos o coronel Stoffell, e entreguei-lhe
os despachos. Elle leu-os : Pois bem.
nio ha nada de novo I
Depois entreguei-lhe a carta do coronel
F0LHETIM.
MEMORIAS DE SATANAZ
POR
:'. Hanoel Feraandezy Gonzalez
TERCEIRA PARTE.
O DUQUE VALENTINO.
I
EM QUE O iUTOR VOLTA A* FLORENgA PORQUE
ASSIM O EX1GE A ORDEM DA SUA NAR-
RAT1VA.
"(Continuacao do n. 31.)
Mas, nao era propria aquella occasiao
para semelhantes declaracdes, e sira para
se prepararera para morrer.
A presenca de Savonarola baslou para
que readquirissa todo o ascendente sobre os
seus companheiros.
A' vista d'aquelle semblante grave ese-
reno, desappareceram todas as duvidas do
animo de frei Dominico e de frei Salvestro.
Eu sei, disse Savonarola voltando se
para frei Dominico, que pedio para ser
queimado vivo ; n3o approvo esse pedide,
porque Iho n3o assists o direito de escolher
a morte. Sabemos n6s, porventura, se sof-
frereraos com firmeza aquella a que fomos
condemnados ? Isso nSo depende de n6s,
ma* im da grac,a que o Sennor se digne
conceder-nos.
Voltando-se era segoida com severidade
' para frei Salvestra, que com medo da mor-
te se retratara accusando Savonarola, ac-
crescentou :
*- Sei que quer defender peranto o povo
a sua innocencia ; mando-lbe, porem, que
renuncie a esse pensamento e que siga o
exeraplo de Nosso Senhor Jesus Christo,
que nem sequer na cruz falloa na sua inno-
t fticia.
Os dous religiosos ajoelharam em silen
cij aos ps do seu superior, e, depois de
receberem a sua bencao, voltou cada um
d'elles para a sua prisio.
Savonarola pensara prudenteraente que
qualqner manitestajao de ecto ou palavras,
twruaria meuos solemne*e Christa a morte
Josseus^dUcipulos.
N'aquella hora suprema, o unico pensa-
mento devia ser Deus.
Depois de ter disposto os seus discipulos
para a obediencia, restava unicaraente a
Savonarola, preparar-se para bem morrer.
la ji adiantada a noite, quando elle vol-
tou para a sua pris8o.
0 somno e o cansaco venceram-n'o por
tal modo, que, tendo reclinado a cabe$a
em signal de agradeciraento e affecto, nos
joelhosdo bom Nicnlini, que o acompanha-
va cumprindo o seu dever de caridade,
adormeceu placidamente com um sorriso nos
labios.
Puuco dt-pois despertou, e, para dar uma
nova prova de reconhecimento a Nicolini,
quiz confirmar as futuras calamidades de
Florenija.
Depois de lh'as haver exposto, accrescen-
tou :
Saiba que estas calamidades hio de
realisar-se quando reinar um papa que se
chamari Clemente.
Os successos confirmaram estas palavras
de Savonarola corao uma prophecia, quan-
do em 1527 sobreveio o assedio de Flo-
rence.
Quem sabe se Deus falla pela bocca dos
moribundos ?
Us tres sentenc ads passaram todi a noi-
te orando, e pela manbi tornaram a ver-se
para receberem a com uunhio.
Savenarola obteve licenga para a fazar
pelas suas proprias mios, e segurando n'el-
las a bostia consagrada pronunciou a se-
guinte oragSo : ^
Senhor, eu sei que lu es aquella Tnn-
dade perfeita, indivisivel, distincta no Pai,
Massaroli, recomraendando o Sr. Guyard.
Elle exclamou : ah I o marechal tern ou-
tros a casligar. Depois disse-nos que
voltassemos ao raeio dia. A 27 de ?gosto,
partimos de novo em seguimento do exer-
cito, que acompanhamos ate Cbene-Popu-
leux. Alii o coronel despedio-nos, e auto-
risoa-nps a voltar a Paris, depois de nos
ter dado uma carta para madame Stoffell,
sua m8i, que habita era Versailles, e outra
na qaal nos recommendava ao prefeito de
policia.
P.Foram quatro despachos que o com-
mandante Massaroli vos entregou t
R.Sim, foram quatro; um para o impe-
rador, umpara o ministro da guerra; e dous
para o marechal Mac-Mahon. Estes ulti-
mos eram cifrados.
P.Havieis dirigido este ultimo despa-
cho pelo telegrapho n3o ao marechal Mac
Mahon, mas ao coronel Stoffell ?
Testemunha.Pensavames que todos
eram dirigidos ao coronel Stoffell, debaixo
de cuj is ordens estavamos.
Presidente. 0 empregado do telegrapho
consilerou os outros despachos, como de-
veudo ser dirigidos ao ministro da guerra
e ao imperador. No dia seguinte tinheis
recebi do ordem para voltar ao quartel ge-
neral ?E tinheis feito entrega dos origanaes
ao corone! Stoffell ?
R.A 27 pela manha, quando o coro-
nel tomava ama chavena do cafe com k'ite.
A 27, porem, achamo-nos '"sem nenhum
meio de communicacao. A 31, foram in-
terrompidas ascommunicacoes em Mezieres.
Prjpuz ao imperador de fazer restabelecer o
fio, mas o imperador respoudeu me: E'
inutil. Eis aqui, quanto ao servico ge-
ral. qud foi a situac.ao do telegrapho. Na
questio de detalhe, devo dizer que tiuha-
mos doas cathegoriae de despachos ; os des-
pachos cummunicados directamente aos
oOtaDMMdaDtes de corpos, e os desp3ehos
expediitee directameirta- ao imperador, e
depois transmittidos pelas-suas ordens.
P. Quando chegava algum despacho di-
rigido ao marechal Mac-Mahon, expedieis-
lo immedratamente ?
R.Sim, Sr. presidente.
P. Tambem os comstunicaveis ao im-
im per. dor ?
R. Sim, Sr. presidente.
P.Hayia pois duas transmissoes : a
transmissao Jirecta, e a transmissao indi-
recta ; a transmissao ao destinatario e a
transmissao, ou ao imperador. ou ao mi-
msterio.
E' assim que- encontre no registro um
despacho de Thionville dirigido pan o cam-
po de Chalons. Vejo que foi transmittido
de Paris para o eampo de Clwlons, e depois
de Chalons para a guerra. Fste vai-vem 6
muito surprehendente.
R.Thionville nio communicava senio
com Metz, do qual era a sub prefeUura.
P.Todavia eo que communicava com Chalons Mas,
eis-aqui o que quero saber: quando um
despacho chegada.a uma reperti^ao-, era im-
medifltamente eiedido ao destinatario, ou
o destinatario fsse o imperador, ou o ma-
rechal Mac-Mahon, e depois espedido para
o mkiis:erio da guerra se ao oontrario o
destinatario nao- era um daquelles dous
personagens, era primeiraraente dirigido ao
ministerio da guerra, e depois- transmittido
ao destinatario. Era assira t.~ E' pelo me-
nos o que result* para mim do esaine dos
numerosos despachos que se encontram no
registe.
R.Teria uesessidade antes, de respon-
der, de enminar, eu mesmo aquelles des-
pachos.
Presidente. Com o a^sentimeato da ac-
cusaQao e da defeza, podeis exaeninar o re-
gisto, e eu vos interrogareido novo, n'uma
das sessoes proximas, sobre este ponto, cuja
importancia comprehendeis.
O Sr. d'Akzac, coronel do. estado-maior.
Durante a marcha do exercito do mare-
chal Mac-Mahon para Sedan, nio receberaos
do marechal Bazaine nenhum despacho im-
portant'.'.
P.A 22 de agosto, nio tinheis conhe-
cido um certo despacho do marechal Ba-
zaine ?
liberdade e os magistrados da companhia.
D'alli, estendeudo-se ate o tecto de los
Pisanos, corria um estrado da altura de um
homem, que chegava ate" i quarta parte da
extensio da praca.
Na eitremidade d'esse estrado levantava-
se um grande mastro, atravessado na parte
superior por am pao em forma de cruz.
Dos bra^os d'esta cruz pendiara tres cor-
das e tres cadeias, para enforcar primeiro os
sentenciadis, e prende-los dep.is para que
fossem queimados os seus cadaveres.
Ao pd do raastro havia uma grande por-
gao de raaterias combustiveis, em torno das
quaes os soldados da senhoria continham a
multidio que se agrupava e' ondulava como
um mar.
A multidio era tio numerosa como no
dia da prova do fogo, mas de um aspecto
totalraente diverse
As janollas, os telhados, as estatuas e as
varandas estavam cobertas de gente, bem
como as pracas e as erabocaduras das ruas.
Todavia, guardavam todos um profundo
silencio, mesmo aquelles que mais haviam
desejado a morte de Savonarola.
No meio d'amella coramocio geral agi-
tavam se as paixoes politicas.
Viam-se alii, bombro com hombro, OS
maiores devotos dos sermoes de Savonarola
e os que haviam atacado com furia o con-
vents de S. Marcos.
Tambem se achava alii a maior parte dos
escriptores que legaram i posteridade a me-
moria d'aquel.e dia terrivel.
Dentro do circulo de soldados que rodea-
ra a fogueira, tinha penetrado um nunhado
R.Nao, nio.
P.Conheceis o official que, a 22, fez
expedir o despacho do marechal Mac-Mahon
ao marechal Bazaine ?
R.Nio.
p.Os despachos importantes eram ci-
frados ?
R.Todos cifrados.
O cornnel Broye.ConQrmou o prece-
dente depoimeuto. Depois do despacho de
19, o marechal Mac-Mahon nio recebeu
mais neuhuraas noticias do marechal Ba-
zaine.
O general Pourcet. O official de servicn
podia receber ura despacho na ausencia do
destinatario?
R.Isso podia.
P. O coronel Stoffell tinha funccoes es-
peciaes ?
R.Estava encarregado do servico das in-
formacoes.
AUDIENCIA DE 3 D 30VEMBKO.
0 commandante Massaroli.0 comman-
dante Magnan chogou no dia 2 de setembro,
e Dartio de novo a 9 de Longway para Pa-
ris. Voltou oito dias depois passando por
Bruxellas, nao a 20, mas a 22.
A 25 partio para Belgica. Nesse dia
entreguei-lhe despachos; foi por Arlon,
creio eu, e pelo Luxeraburgo ; voltou a 2
de outubro. De 2 ate 10, deve ter sahi lo,
por isso que partio de novo para se rcuuir
ao general Bourbaki.
P.-Mandei-vos chatnar para vos inter-
rogar a respeito do despacho do general
Coffinieres. Tendes-lo transcripto exacta-
ineiite ?
R.Sim exactissimamente.
F.Chegou elle ao mesmo- tempo que
ihiis outros tres despachos do marechal ?
It.--Sim, Sr. presidente.
P.Havia no despacho recebido de
Guyard alguma cousa, indicando-vos que a
carta do general Coffinieres vinha da parte
do general Bazaine ?
R.iNio.
F.Entio tinheis tornado sob a vossa
responsabilidade as palavras da parte do
marechal Bazaine? Tambem havieis pedi-
do commetter uma irregularidade a respei-
to da data de 20, que e a do despacho e
nao a do- ataque pelos prussianos. A ex-
pedicio feita pelo telegrapho continha s6 as
palavras: da parte do marechal Ba-
zaine?
R.Nio-sei se a 6*. ou se puz simples-
uente uma note no OMU registov
P.Corao havieis expedido os despa-
chos ?
R.-Expedi, o primeiro a 20r vindo do
general Coffioieres ; o segundo a 23, vindo-
de marechal Bazaine, dirigido ao imperador
e ao ministro-da guerra, e o ultimo para
o marechal Mac-Mahon, e para eministro
daguerra.
p.Porque nao conservastes nem vesti-
giea desse ultimo despaoho ?
R.Nao gaardei copia delle que era ci-
frado, porque- nio quiz fazer perder tempo
na transraissaoi
Presidente.Basta.
Devo agora dar conta & accusaejio, ao
coatelho e i dbfeza do uso que Bz do meu
poder discrickxtario. Das testerauahas ou-
vidaaresultaque desde 19'o marechal Mac-
Mahon nao tinha recebido despachos.
Pensei qu^ o marechal Mac-Mahon. devia
fornecer esclarecimentos ao conselho. Ora,
ha um processo especial que regula o iu-
querito das testemunhas, quando tern a
graduacao que hoje occupa o marechal.
Em virtude do artigo i25. do codigo de
justica militar, e dos artigos 510.^oil.0 e
5.12 do codigo de processo criminal, diri-
gi uma ordenanca ao presidente do tribu-
nal civd de Versailles contendo as pergun-
tas que eu desejaria fossem dirigidas ao
marochal presidente da republica.
Recebi depois, do presidente do tribunal
de Versailles, o documento de que o escri-
"vio vai fazer leitura.
Mr. Lachawd.E* perleitamente regu-
lar.
0 escrivia fez leitura das perguntas diri-
gidas ao marechal Mac-Mahon, presiJente
da republica, e das respostas que este
deu.
no Filho e no Espirito Santo ; sei que eso.de miseraveis, que com as suas blasphemias,
Verbo eterno que desceste ao seio de Maria os seus gritos, e o prazer com que sabo-
e subiste i cruz para derramar o teu san- .rearam de anteraio o horrendo espectaculo,
gue pelos nosso* peccados. Peco-te, pois, pareciam mas amraaes ferozes do que ho-
que esse teu sangue redima os meus pecca- mens.
dos, dos quaes te peco perdio, como tarn-' Ji os sentenciados desciam pela escada
tern de toda a offensa ou damno causado do palacio, auando um religiose di Santa
por mim a esta cidade, e de todos os mais Maria Novella lhes sahio ao eofontro com
erros que nio conheco. orde,m ,^e despojar dos sens habitus, det-
Depois d'esta explicita profissio de fe, 'xando-lhes umcamente uma tunica de li,
tomou a comtnunhao. os P^sdescdcos e as mios atadas.
0 idkiuo fizeram frei Salvestro e frei Do-' &ta noticia inesperada sorprendeu Savo-
mjmco narola ; mas, recuperaudo forga deanim\
Immediatamente anuunciaram-lhes que'despio o habito e disse antes do oeutrejjar :
podiam descer a praca. i Oh 1 como te desejei eu, habito sa
Em baixo, na escada esnerava o tribunal graio 1 Fote me coiicedido pela grace de
composto de tres p?s*6n<. Deus, e conserve;-te ate hoje sem mancha !
A mais proximada porta d i paUcio era Nio sou eu que te abanJono, es me rou
renreftetlta.a os c.-.mjni^.nos .q-ostolicos ; Afmal chegaram ao tribunal e eucon.ra-
Btercira raoresentifa os wto priori da ram-se na present do bispo de^asona, que
stava alii obedecendo as ordens do papa, e
parecia muito perturbado.
Coraecava a tristissima e fuaebre cere-
raonia.
Os tres sentenciados foram de novo re
vestidos com os sous habitos e era seguida
exautorados e despojados d'elles.
Quando chegaram ao lugar onde deviara
ser exautorados, o bispo pegou no braco de
Savonarola, e com voz tremula, porque lhe
faltava o valor, tsqueceu a formula e em
vez de oseparar tao s6mente daigreja raili-
tante, disse :
Separo te da igreja militante e trium
phante.
Militante sim, triumphante nio, por
que isso nio esta no teu poder, replicou Sa-
vonarola corrigindo 0 bispo.
Estas palavras foram pronunciadas com
uma iutlexao tal, que aquelles que as ouvi-
rara, nio as poderam esquecer.
Depois de despojados e de^radados, tendo
ficado unicamente com as tunicas de 15,
foram entregues ao braco secular, que os
levou i presenca doscomraissarios aposto-
licos, os quaes lhes leram a senUnga que os
declarava bereges scismaiicos, em seguida
ao que os absolveu o bispo Romolino de
todos os seus peccados.
Depois de ouvirem a sentenca, os tres re-
ligiosos subiram ao patibulo com pe firme
e animo sereno.
FOra ordenado que frei Salvestro seria o
primeiro a soffrer a morte.
Quando este sentio no pescogo o contacto
da corda, exclamou :
Nts tuas mi js, Senhor, entrego o meu
t spirito.
Pouco depois, ji cadaver, era preso i ca-
deia.
Frei Dominico soffreu em seguida o sup-
plicio.
QuandoSavonartla vio executados os seus
dous ;ompauheiros, aproxiraou se do lugar
que no meio d'elles lhe estava reservado.
Entio nio pflie deixar de olhar para a
multidio que se estendia aos seus pes, e
pareceu-lhe que a todos tardava a sua
morte.
Oh I quio differente vira elle aquella mul
ti.lSo do p-ilpito de Santa Maria del Fiore.
De r.peo'.e, offereceu a cabeca ao ver-
A primeira pergunta era esta :Tinheis
rejebido communicacao de am despacho do
marechal Bazaine dirigido ao imperador, a
19 d'agosto, e que coraecava por estas pa-
lavras : 0 exercito bateu-se hontem em
Saint-1'rivat. Conto toraar pelas pracas do
norte, e retirar por Montmedy
Marechal Mac-Mafu>n.Recebi comrau-
nicac3o.
P.Onde?
R. Em Courcells-les-Utims.
P.Em que data ?
R.A 22, pelo Sr. Pietri, secretario do
imperador, is dez boras da manbi.
P.ModiGcava esse despacho os movi-
mentos do vosso exercito ?
R.Acabava de dar ordem de marchar
sobre Paris; depois delle, dei ordem de
marchar sobre Montmedy.
p.Tinheis recelpdo outros despachos?
R. Nio recebi nenhum despdebo depois
dode 19.
p.__Tivestes conhecimento de um des-
pacho datado de 20 de agosto, qoe co-
raecava por estas palavras : Tive de to-
mar posicio de Metz para rauniciar.....
Continuo a contar toraar as liuhas do norte,
eeu vos prevenirei...
R.Nio me lembro de ter recebido esse
despacho. Accrescentarei mesmo que e
impossivel que elle me tenha escapado, por
isso que, se o tivesse recebido, teria modi
ficado a minha marcha para Este, (movi-
mento no audrtorio.)
Mr. Lachaud.Pedirei a leitura do de
poimeuto do marechal Mae-Malioii, recebido
no summario.
Presidente.Estais no vosso direito, e
essa leitura vai-se fazer. O Sr. Amiot con-
do io o seu trabalho ?
O Sr. Amiot deckara ter termiuado o
exarae das expedicdes e ampliacpea dos des-
phos, e deu explicates, que n06 resumi-
remos aqui.
A proposito do despacho de 20- de agos-
to do-marechal Bazaine para o raarechil
Mac Mahon, o St. Amiet esti cerSo-de que
elle chegou, por isso que foi transmittido e
raandado para e estado maior do marechal
Mac-Mahon em Pahs.
A proposito das-communicaQoes resUbde-
cidas a 29'de agosto durante tres-quartos
de hor.i, com Mttz, a 'eslemunha disse ser
immediatamente o imperador que estava
com o marechal Mac-Mahon. Nio o que-
riam deis*r entrar, e respondeu-se-M*e que
nio havia despachos a maudar-lbe.
Ha ainda um pormeoor de servico que
eu devo fazer couheeer.
Os despachos eram maudados aos destiua
tarios directamente ; mas no dirigido ao im-
perador havia algunaescriptce, que eram
apertos por elle, e outros cifrados que eram
primeiramente decifrados.
Presidente;Faziam-se as communica-
eoes directamente sobre Paris ?
0 Sr. Amiot.Em telegraphia o eami-
nho mais eurto uio e sempre a- iiuh* direi
ta. Desde 20 de agosto todos oa nosso,
despachos foram dirigidos para Thidn-
ville.
P.E reeebeste-los por v4a de Pa-
ris?
R.Sim.
P.Como expticais entio as dffcrecc>
consideraveis de boraa que se-notam nas
transmissoes-?' Porexemplo, o despacho
33*615 que partio de Thionville as 6 hora-
e 15 minutos, chegou a Chalons is 9 horas
e 35, a Paris is 10 horas e 11* e voltou ao
quartel imperial ao meio-dia e 35, emquan-
to que para o despacho 34,750 (o qoe se
nao recebeuj nao ha demoraa que se nio
expliquem.
0 Sr. Amiot.0 que posso explicar a
respeito dessas demoras, e que havia
uma reparticio de expedir io em Mour-
moulon.
Presidente. Seja, mas nao deixa tambem
de ser verdade que esta e a marcha do des
pacho ; chegou ao seu destino ao campo de
Chalons, antes de ser coraraunicado em Pa-
ris.
TesUmunJuL. Nera sempre chegava pn
meiro ao destinatario.
Continuar-36-ha
6 silencio alo<^etfcj momento ora uni-
versal e terrivel.
Da multidio partio u n rugido
ror.
Nio faltarara, todavia, al.umas
que excedendo nquelle estn>nlo
de hor-
v zes,
,, gritaram ;
Propheta, e este o moraentode operar
ura Riilagre I
0 verdugo, julgando agradar i multidio,
comeQou a fazer momices sobre o cadaver
que se agitava nas ultimas convulsdes, e
pouco faltou que a corda quebrasse fszendo
cahir victima e algoz.
A indigoagio foi geral, e os magistrados
castigaram o algoz.
A isto succeleu um granie murmurio de
anciedade, temendo que as chammas atacas-
sem Savonarola vivo ainda ; mas, emquan
to o algoz o prendia com a cadeia, expirou.
Savonarola morreu na hora anti-meridia-
na do dia 23 de maio de 1498 na idale
de quareota e cinco annos.
Ainda o algoz nao irnha descido do pa-
tibulo, quando as chammas alcanca vam ji
ocadiver.
N'aquello momento, o vento coraecou a
soprar rijo, e impellio as chammas des-
viando-as dos cadaveres.
Aquella acontecimento produzio grande
confusao e gritos de :
Milagre 1 milagre 1
De repente, por6"m, cessou o vento, as
chammas envolveram os cadaveres dos jus-
ticados, e a gente que fugia espavorida, sup-
pondo um milagre, aproximo i se de novo
para gozar o resto do espe:taculo.
Ao mesmo tempo o fogo queimara as
cordas que prendiam as raios de Savonaro-
la, e por um phenomeno natural, proJuzido
pela accao do fogo, um dos bracos de Savo-
narola levautou-se, e houve quem acredi-
tasse que o cadaver abencpava o povo, de
entre as chammas.
Muitos dos seus antigos partidarios ajoe-
lharam odorando-o, e as mulheres chora-
rara copio amente.
Era quanto uns choravam, regosijavam-
se outros. Os restos dos cadaveres forara
arrojados ao Arno, ma; ainda assim houre
quem apanhasse alguns residuos que fica-
ram na praca, conservaodo-os corao uma
preciosa reliquia.
Pico de la Mirandolla, escriptor erudite
e phi!- sopho profundo, que entio era muito
joveu, conservou toda a sua vida, como
uma reliquia milagrosa, um pedaco de en-
tranha, que elle mesmo tirara do Arno, a
qualju'giva ser um peda.'O do corag-Vj de
Savouarola.
Comecou entio uma porseguieffo inca'ca
vel contra os putidarios de Savonaroli.
0 conveuto deS. Marcos osteve fech.Jo
durante dous mezes, tirandu-SO d'alli sob
varios pretextos, os livros de Loureu^o o
nifico, pelos qua?s S, Marcos pa^arj j
republica, tr?s mil florins ; assim come s--
despojou aquella communidade de muito-
direitos que gozava, havia largo tempo.
Pouco tempo depois recebeu a senhoria
uma carta de Luiz XII de Franca, successor
de Carlos VHI, em que rogava se suspen-
dessa a execugio da sentenca, pelas razoe.-
gravissimas, de que ie occuparia em outra
carta mais extensa. Porem quando chegou
esta supplica do rei de Franca, estavam ii
sepultados no Arno as cinzas da Savonarola
e dos ssus companheiros.
II
EM QUE SE VE 0 PERIGO QUE HAVIA EX SER
ESPOSO DE LUCRECIA
Deco-rerara dous anins em que nad
aconteceu de sijgular a Lucrecia senao o
nascimento de ura fllho, resultado do sau
matrimonio com Affonso de N'apoles, qae se
effectuou com grande pompa em Roma.
pouco depois da morte de Savonarola ; c
augmento dos seus estados de Sermonetto e
Nepi, com titulo dj duqueza, que haviam
sido tirades i familia Gaetano, dando a mor
te par isso a dous dos seus membros.
0 filho de Lucrecia recebera o nome de
Rodrigo em honra do paps, que assim M
chamava antes de sub r ao pontificado.
Succedeu alem d'isso que apezar da que
se a ma ram ternam-mte, Affonso e Lucrecia,
estavam, coratudo, separados, um em N'a-
poles, e o outro era Sermonetta.
Lucrecia aconselhara aquella ausencia a
Affonso, porque comecara a receiar por
elle.
E, com effeito, as cousas hariam mulad >
por tal modo que era de suppor que a ana
familia quizesse deixar viuva Lucrecia, para
lhe dar um quarto marido mais conre-
niente.
Luiz XII de Franca preparava-se para en-
trar era Italia de um modo tao formidavel,
em demiuda do reino de Napoles, qoe nem
sequer era duviJoso o triumpho das annas
francezas.
Nio conv'nhs, pois, a Cesar Borgia, al-
Iiado e protegido da casa de Franca, pelo
seujeulace com a menina d'Albret, a alliaoga
por meio de Lucrecia com a casa de Ara-
gio, destinada a perder o reino de Na-
poles.
Affonso era um obstaculo.
Pelo coutrario, Affonso de Este, filho de
Hercules, duque de r'errara, e amigo de
LuizXH, era um marido muito mais co..-
veuieute parj Lucrecia
(ConliHuar-te-ha.',
"TYP.DO P'AWO. -RUA Dl'i^'g OK CAXIaV



/





mmm