Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18335

Full Text
ANNO L NUHERO 31

i
* '

\
?
.
I

1 -
MBAA CAPITAL E LlGtKtt* e\DE VlO 8EPAG1 POBTE
for tres metes adiautados................ 69000
jPor seis ditos idem................. 129000
i>or urn anno idem......., -........ 84*000
Cada Buoaro avalso................. $320
*-*-
SEGUIVDA FEIRA 9 DE FEVEREIRO DE 1874
-^___________*___________._____________________________________________
I MBA IMCYTRO E FOR A DA PROVISO A.
Por tres mezes adit mtados................ 69750
Por seis ditos idea 1................. 1395oO
Por Dove ditos iden 1................. 209*50
Por um anno idem.................. 979000
MARIO DE PEMAMBUCO.
PR0PRIEDADE DE MANOEL FIGSEIROA DE FARIA FILH0S.

* Srs.Gererdo Antonio AIt* d Filhos, no Pari; Gonoaiires d Pintor no Maranhio} Joaquim Jose de Oliveira.d Filho, no Ceara; AHMio de Leiuo. Braga, no Araeatj ; Joao M*ria Julio ghares, no Aert; Antcie Marque, da Silta, aoSatal} Joe* Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na Vili^a Penha; Belarmino dos Santos Bulclo, em Santo Antfo; Domingo* Jose" Antonio Ferreira de Aguiar, em Gojanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alagoas; Alves 4 C, na-Bshia; e Lehe, Cerquinho d C. noRie de Janeiro.
PARTE OITICIAL
Minisierio do iuiperio.
Por despacho de ,21 de Janeiro forani nomea-
dos:
fOrdem da Rosa.Cavalheiro.O bacbarel Joa-
quim Meodes da Cruz Guimaraes Junior, da pro
vincia do Ceara, pelos rele7anles servicos pres-
tados ao esUdo,e era relacao a guerra do Para-
guay.
Ordem de S. Bentode Ac pitao de mar e guerra reformado Ernesto Frederi-
oo de Werna Biistein.
Coucedeu-se : ao bacharel Elias Frederico de
Almeida e Albuquerque, a exoneravao que pedio
do cargo de secrelano do governo da provincia
de Parnambuco.
Ao bacbarel Antonio Herculano de Souza Ban-
deira, ajubilacao da cadeira de pbilosophia rational e moral das
aulas preparatorias annexas a faculdade de direito
do Recife, com o vencimeato quo Ibe competir
correspondent a ruais de 35 annos de servico ef-
fective no magisterio, nos lermos do art. 3t 2
do regulamento de 17 de fev'ereiro de 1851, e dj
art. 23 do regulamento de 5 da maio de 856.
Fez-se merce" : do titulo de conselho aos des
embargadores Bernardo Machado da Costa Doria,
president da relacao da Fortaleza; Tristao de
Alencar Araripe, da de S. Paulo ; Luiz Gonzaga
de Brito Guerra, da de Ouro Preto ; Joao Bap
tista Goncalves Campos, da de Porto-Alegre ; e
Manoel Eliziario de Castro Henezes, do tribunal do
commercio da corte.
Da medalha de 2* classe ao soldado do 19* bata
lhao de infanteria Manoel Caetano, o qual, com
risco da propria vida saivou a de urn marinheiro
do vapor Caxipo, que casualmente cahira n'agua
em viagem de Corumba para a capital da provia
cia de Matto Grosse.
Foi natoralisado o subdilo portuguez Manoel
de Magalhaes Soares de Mesquila, residente nesta
corte.
Foi expedido a 24 de Janeiro o teguinte avi-
so ao presidente da Bahia :
Dim. e Exm. Sr.Declare a V. Exc, em res
oosta ao sea officio de 29 de abril do anno passa-
do, que o governo imperial julgoo nullas as duas
eleirjoes para vereadores e juizes de paz, feitas na
parochia de Nossa Senhora dos Humildes do ma
nicipio da Feira de Sanl'Anna, uma presidida pelo
1* jofrde paz Joao Manoel de S. Boa vent ura, e a
outra pplo 2', Ignacio Alves de S. Boaventora, pe-
las seguintes razoes :
Quanta a primeira, por nao terem sido conser-
vados qnatro elei tores e tres supplentes para a or-
ganisa<;ao da mesa parochial, sob o falso funda
mauto de se terem mndado da parochia, visto que
effectivamenle neila residiam no tempo das eleicoes,
segundo a infermacao da cauiara municipal da
villa da Feira de Sanl'Anna, datada de 6 de dezem-
bro undo, dando-se conseguinlemente infraccao do
art. 41 da lei de 19 de agosto de 1846, com refe-
renda ao art. 5* da mesma lei. Nem pode Jtuti-
ticar semelhante falta o facto ailegado de nao es-
tarem incluidos na ultima. qnalificacSo aquelles
eieitores, porquanto, comodeclara o aviso n. 380 de
2-5 de novembre de f864, V, o eleilor eliminado
da qualificacio nao perde o direito de concorrer
para a formacao da mesa, uma vez que nao tenha
mudadode domicilio.
Quanto a segunda eleicio, pela incompetencia
do juiz, a qual, segundo o aviso n. 554 de 9 de
dezembro de 1868, e sempre vicio substancial.
Na hypothese vertente nao devia o 2 juiz de paz
Ignacio Alves de S. Boaventnra organisar nova
mesa, qaando no corpo da igreja onde funcciona-
va, presidida pelo juiz couipetente.
Deus guarde a V. Exc. Joao Alfredo Correia
it Olneira.
I Coneederam-se as seguintes honras dos postos
. mililares do exercito :
| De major, ao capilao reformado do corpo poli-
i cial da provincia do Rio de Janeiro Antonio Muaiz
f Telia de Sampaio, de conformidade com o parecer
' do conselbo supremo militar, exarado em consul-
ta de 27 de outubro do anno proximo passado, em
altengio aos bons serviros que prestou na cam-
paoha do Paraguay.
De capilao, ao capitao do corpo policial da pro-
vincia do Paii Egydio Peres Duarte, em atteocao
aos servicos preslados em relacao a guerre do Pa-
raguay.
De alferes, ao I.* cadcte reformado do 15 bata-
Ihao de infanteria Ru'ino Porlirio, em attencao
aos bons servicos que prestou na campanba do
Paraguay.
Foi reformado, veaeendo soldo dobt *Jo de vo-
luntano da patria, na conformidade >a ultima
parte do art. 10 do decreto n. 3,371 de 7 de Janeiro
de 1865, o cabo de eiquadra de voluntar.os da
patria Francisco Jose Machado, visto achar-se
inutilisado para o servico do exercito, em conse-
quencia de ferimenco recebido em combate.
Por portarias de 19 do corrente : Foi exone-
rado, a sou pedido, o capitao honorario do exer-
cito Cicero Rodrigues de Oliveira do lugar de pe-
dagngo do arsenal de guerre da provincia do
Para.
De 21 dito : Concedeu-se licenca para resi-
dir na provincia do Rio Gran le do Sul ao major
reformado graduado do exercito Cesar Augusto
Braudao.
De 22 dito : Foi transferido para o lugar de
ajudante da fortaleza de Santa Cruz, na provincia
de Santa Catliarina, o ajudante da colonia militar
de Santa Tnereza, na mesma provincia, o capitao
honorario do exercito Ludovino Jose Eleuterio, e
para este lugar o ajudante daquella fortaleza, o
tenente tambero boaorario do exercito Joaquim
Antonio Gomes.
23 dito : Fui classiQeado no 19 batalhao de
infanteria o alferes Francisco Agostinho de Mello
Souza e Menezes, transferido, por decreto de 17
do corrente, para esta arma, seudo da da artilbe-
ria.
De 24 dito: Foi approvada a proposta feita
Selo commando do 2.* batalhao de artilheria a pe
os 1* tenentes graduados Joao Pedro de Souza
Queiroz e Pedro Ivo Velloso.da Silveira, este pare
quartel-mestre, e aquelle para ajudante do raesmo
batalhao, devendo o 2* ser transferido do 3* da
mesma arma.
Hinisterio da justipa.
Por decretos de 24 le Janeiro :
Foi concedida ao bacbarel Alfredo Leile Ribei
ro a demissaoque pedio do lugar de juiz munici-
pal e de erphaos do termo de Leopoldma, na pro-
vincia de Minas-Geraes.
Foi declarado de nenbum effeito o decreto de 7
deste mez, que nomeou o bacharel Jose Ricardo
Pioheiro de Ulboa Ciutra para o lugar de juiz
municipal e de orphaos do termo de Diamanlina,
na provincia de Matto-Grosso.
Foi removido, a pedido, o juiz munic:pal e de
orphaos Manoel Jose Murtinho, do termo de Poco-
a: para o de Villa Maria, amboa na provincia de
Matto-Grosso.
Foi reconduzido o bacharel Porlirio Amancio
Goncalves no lugar de juiz municipal e de orphaos
dos termos reunidos de Santa Se e Joazeiro, na
provincia da Bahia:
Foram nomeados juizes municipaes e de or
phaos :
0 bacharel Francisco Fernandes Uoreira do ter-
mo de Minas, do Rio de Contas. na provincia da
Bahia.
0 bacharel Antonio Barbosa de Azevedo Veiga
do termo de Braganca, na provincia de S. Paulo.
Fez-se merce1 da serveotia vitalicia :
Do officio de escrivio da provedoria de capellas
e residuos do municipio da Aorte, a Luiz de Aze-
redo Coutinho de Duque-E-trada.
Dos de tabelliao de notas do\mesmo munici
pio :
Ao bacharel Joao. de Cerqueira Utaa.
Ao bacharel Joao Evangelistt de NeJreiros Sayao
Lobato Sobrinho.
Ao tenente-coronel Francisco Manoel ta Cunha
Juaior.
Ao major Antonio Herculano da Costa Vrito.
Por decretos de 24 de Janeiro foramlnomea-
Jos juizes de direito :
0 bacharel Joaquim Manoel de Arauio, da co
marca de Sanla Cruz, m provincia do Espirito
Santo, ficande sem effeito a sua nomeagao
rior para a comarca da Cruz Aila na prov
S. Pedro do Rio Grande do Sul.
0 bacharel Fernando Affonso de Hello, da co
marca da Cruz Alta, na provincia de S. Pedro do
Rio Grpnde do Sul.
Por decreto n. 5,53') de 24 de Janeiro foi de-
darada de primeira entrancia a comarca de Santa
Cruz, restaurada ultimamente ua^jjrov incia do
Espirito Santo ; e por decreto n. 5,5V, de igual
data, loi mareado o vencimeato anoua%do ptocw
tor publico da mesma comarca.
ao imperial, visto ter sido eucerrado o exer-
cicio.
------
Mlnisterlo da naarinha.
Por decreto de 24 de Janeiro foi reformado no
posto de almirante, percebeodoo respectiyo soldo,
0 vice-almirante graduado barao de Araguary.
Circular.3" seccao. N. 167.Ministerio dos
negocios da marioha. Rio de Janeiro, 2J de Ja-
neiro de 1874. lllm. e Exm. Sr.Ten Jo appare-
eido queixaa contra o servico de alguus phaioes,
e convindo evitar a rcproduccio de faltas que po-
dem trazer serias consequenoias a navegacao, re-
commendo a V. Exe. a expedicjio de ordens para
que a sapitanla do porto xrca a maior vigilan-
cia naqielle servico. L, go que se der qualquer
occurrencia extraordinaria, devera a capUania
communica-la a esta secretaria de estado, fazendo
ao mesmo tempo os necessaries annuncios nos jor-
naes, conforme ja foi determinado, com o Bin de
evitar queixas pela impreasa, e a necessidade de
informacdes quasi sempre tardias. Deus guarde
a V. Exc.Joaquim Delpno Ribeiro da Luz. Sr.
presidente da provincia de...
Ministerio dos negocios estran-
gelHi.
0 decreto n. 5,518 A de 31 de dezembro ultimo,
concedeu ao ministerio dos negocios estraogeiros
um credito extraordinaiiu de 114:2874662, para
cobrir o deficit qua existe na verba do % 7* do
art 4* do exercicio le 1872 a 187 i.
0 decreto n. 5,518 B de 31 do mez passado,
autorisou o ministro e secretario de estado dos ne-
gocios estrangeiros para applicar as despezas da
verbaExtraordinarios no exteriordo exercicio
de 1872 a 1873 aqoantia de 8:3334478, tiradadas
sobras das verbassecretaria de estado legacies e
consulados, e empregados em disponibilidade.
Governo da provincia.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA, DE 5 Dg FEVEREIRO DE
1874.
Antonio Valentim,da Silva Barroca.Passe por-
tarla, prorogando por mais 6 mezes.
Adelia Paulina de Deus. -Entregue se.
Autonio da Costa Pereira.Como requer.
1 Antonio Correia Maia Informe o Sr. Dr. rage-
dor interino do gymnasio provincial.
Arsenio Affonso Pereira Borges. Ao Sr. juiz
municipal e de orphaos do termo da Escada para
informar, devolvendo a presente pelicao com as
dos demais pretendeutes que houver.
Bernarda Francisca das Chagas. Entregue-se
Carpinteiro Filho & SobrinhoEntregue-se.
Bacharel Felix de Figueirda Faria. Informe o
Sr. director do arsenal de guerra.
Guilbermina Francisca de Araujo Lima.En-
treeue-se.
Henedina Floresta dos Santos Cordeiro.Entre-
gue-se.
Herminio Ferreira da Silva. -Sim, pagos os di-
reitos nacionaes.
Ignacio de Barros Barreto.-Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial, oaviodo ao Dr.
procurador fiscal.
Joao Rodrigues de Moraes Campos. Como re
quer, flcando-lhe mareado o prazo de 45 dias para
tirar a patents.
Jose Joaquim de Oliveira.Entregue-se.
Joao Felix da Silva. Concedo 10 lias.
Juvencio Silviuo Soares de Freitas. Come re-
Mlnlsterio da agridultura.
Foi nomeado por decreto imperial o amanuense
AqWbio Alvares Pereira Cornja Junior, para o
lugar de 2.* official da secretaria de estado dos
negocios da agriculture, commercio e obras pa
blicas.
Por portaria de 31 de jaoeirn, foram readmit
tides no quadro do pesso&I eOeetivo da secretaria
da agricultura o amanaense Francisco Jose dos
Santos Rodrigues e o continue dtto Joaqaim da
Silva, que se achavaaa ad lidos a mesma secre-
taria.
Ministerio da guerra.
Por decretos de 24 de Janeiro:
Foi transferido para a 6.* companhia do 4.* re-
fimeato de cavallaria ligeira o major graduado
o 3.* da mesma arma Genuino Cesario Nones
Reverter a !. classe do exercito o alferes aggre-
gado a arma de infanteria Fpipnanio de Araujo
Caidas, visto ter sido jnlgado prompto aa inspeccao
de saude, a que foi submettido nesta cdrte em 9
do corrente.
e Luiz Pereira de Queiroz. Deferido com
olficio desu-data a thesoiiraria provincial.
Joao Jo>e de Oliveira.^-Entregue-se.
Joaqaim Castodio de Oliveira. Como requer.
Joao Evaagelista da Silva.-Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria provincial.
Leonidas Tito de Loareiro. Informe com ur-
gencia o Sr. Dr. 1* promoter pubbbo da capital
Hvharel Luiz da Silva GusmaoA- Passe porta-
ria, concedendc a. '.w*aca ^AYda.^
Liberato Benicio da Fonceca Lima.Declare o
sapplicante a qual das serventias dos offlcios de
justica que se acham em conenrso, prefere.
Manoel Pereira Lima. Nao podendo os roenores
por si contractar, declare o supplicante quern o
tutor dos mesmos, prestando documento ve o assentimento de.-te, na forma da lei.
Pergentino de Miranda Pimentel. Passe porta-
ria. concedendo a licenca pedida.
Mvestre Rodrigues Pinto. Ueferido com o31cio
desta data dirigido a thesouraria de fazenda.
6
Fraucelino Dornellas Pessoa.- Informe o Sr. Dr.
director da instruccao publica.
Fielden Brothers. Deferido com offlcio desta
data a thesouraria provincial.
Idaliaa Clandina Leite Trevas.- Informe o Sr.
provedor da Santa Casa de Misericcrdia.
Joao dos Santos Ferreira Barros.Junte o sup-
plicante o certificado da reparticlo das obras pu-
olicas.
Justino Jose de Souza Campos. Passe por-
taria.
Major Joao Jos6 Gomes.-Forneca-se.
Manoel Coelb.9 Gtlitnaraes,Requeira ao gover-
RECIFE. 9 DE FEVEREIRO DE 1874.
QucNtito retiglosa.
Podemos, emiiin Jar conheuimento ass nossos
Ieitoree do resuluio da inissao Peaedo jnnto a
Santa Se.
Pelo que abaixo transput)!icamas do Diario offi-
cial do Rio de Janeiro, a claro ver-se-ha qnao bem
impirado andou o governo imperial, procurando
mtender-se directameute com a Santa Se, sobre a
attitude attentatoria da integridade do poder tern
poral, que havia assumido o episcopado brasi-
leiro.
E tao de surpreza como eatre nos se levantara
a reacgao clerical, melhor caminho, de feito, nao
havia a segair em demanda da solucao necessaria
a esta questao, a mais importante que aioda pode
agitar um povo.
No bem entendido enpenho de salvagardar-se a
ordem, a mais imperiosa incumbencia de um
governo, conseguio-se o que foi humanamente
possivel.
Se a solucao nao e completa, como alguem sup
poe, pare nos, .que reconhecemos, que um povo
nao passa de uma religiao para outra sem pere-
cer, o e, sendo como sera bastante, a fazcr recuar
a onda reaccionaria.
Eis o artigo io-Diario o/Jknl:
< 0 governo imperial resolveu enviar a Roma
em missao especial g enviado exlreordinario e mi-
nistro pleoipotenciano do Brasil em Londres, com
o fim de evitar as mais graves consequencias do
conlLcto suscitado pelos reverendos prelados dio-
cesaaos de Pernambaco e do Para
A natureza e alcance desse conflicto achavam-
se manifestos nestes documentoe: Aviso de 12 de
juoho do anno passado, dirigido pelo Sr. ministro
do imperio ao primeiro daquelles prelados, em
consequencia do provimetto que teve o recurso a
coroa ; consulta da sec;ao dos negocios do impe-
rio do conselho de estado; resposta e actos subse
quentes do Sr. D. Vital.
_ A emergeacia era tanto mais grave quanto os
bispos se consideravam autorisados e animados
nesse procedimento pelo chefe visivel da igreja
catbohca.
f Reportando-se aos referidos deeumentos, o
Sr. ministro dos negocios estrangeiros resmuio o
pensameato e tins daquella missao diplomatic*
junto a Santa Se nas seguintes palavras, extrahi-
das textualmente das lnstruc^des expedidas ao Sr.
Barao do Penedo:
c Exponha V. Exc. ao cardeal secretario, e mui
particularmente a sua santidade, tudo quanto
aqui tern occorrido, aponle os males que nao de
resultar da contiouacao de actos tao irregulares e
illegaes, e procure outer qae o papa deixe de aoi-
mar os^bispos na sua desobediencia e, ao conlra-
rio, Ihes aconseibe toda a conformidade com os
preceitos da constitaicao e das leis e com as re-
gras que tern sido sempre attendidas deale os
tempos mais remoios nas reiaeoes da igreja com o
estado. Nao se trata "de uma questao inlivi-
dual ou de corporacoes, mas de uma questao de
principios.
t Devo prevenir a V. Exc. de qae o governo
ordenoa o processo do bispo de Pernambuco e, se
for oecessario, erapregara outros meios legaes de
que pode usar, embora sejara mais eoergicos, sem
esperar pelo resultado da missao confiada ao zelo
e^as luzes de V. Exc. Encarregaado o dessa mis
sao, nao pensa elle suspender a ac^ao das leis.
E' do seu dever fazer que estas se cumpram. 0
iue o governo quer e acautelar a occurrencia de
procediovntos mais graves.
< A ordem para o processo do bispo ha de se*
publicada talvez antes de se expedir este des-
pacho.
a Tanto na conferencias quo tiver, como nas
communicates que Jirigir ao cardeal secretario,
usara V Exc. de uma linguagem moderada, mas
firme. 0 governo imperial nao pede favor, recla-
ma o que e justo e nao entra em transaccao. >
c Dando cumprimento as suas instruccdes, e de
conformidade con^ilas, o enviado brasfleiro diri-
gio ao cardeal secretario de sua antidade o me-
morandum que adiante sera publicado. A resposta
official dada a essa manifestacao feita em noine do
governo imperial, depois de numorosas con-
ferencias, era que os factos foram assaz escla-
recidos, 6 a qae se lera era seguida ao dito memo-
randum.
Esta resposta se completa pelo que consta do
officio com que o Sr. Barao do Penedo deu conta
do resultado da missao que he foi confiada, e cuja
noticia o governo imperial reeebeu com muita sa-
tisfacao.
Diz o enviado extraordinario de sua magestade
o imperedor :
Em officio de 25 de novembro ultimo tive a
honra de dizer a V. Exc. qae o meu Memoran-
dum ia ser submettido a uma congregacao de
cardeaes. Teuho agora o prazer de cummunicar
a V. Exc. a solucao final da qutstao que me
trouxe a Roma. '
i E' a mais completa e satisfactoria possivel.
a Na c6pia junta, 3ob.n. 1, vera V. Exc. a nota
do cardeal secretario d'estado em resposta ao
meu Memorandum.
c Alii diz sua emiaencia que o santo padre
esta disposto a empregar aquelles meios que em
sua alta sabedoria, e na sua paternal benevolencia
para com os catholicos do Brasil, jalgar apropria-
dos para pdr termo ao deploravel conflicto.
t Os meios a que elle allude sao os seguintes :
a Por ordem do santo padre escreve o cardeal
Antonelli ao Rev. bispo de Olinda uma earta offi-
cial, fazendo-lhe censures sobre o sea procedi-
mento, e recommendando-lhe que levante os inter-
dictos lancados sobre as igrejas da sua diocese.
t 0 cardeal mostrou me essa carta, e estou
autorisado a dizel o a V. Exe.
Trez logo no exordio a seguinte phrase :
gesta tua, etc., no* laudantur >, e declare o pezar
qua causaram ao santo padre e&et suecessos.
Que o bispo entendera mal a carta do santo padre
de 29 de maio. Que se houvesse a tempo cou-
sultado o santo padre, Ihe teria poupado e-te pe-
zar. Qae alii tanto se the recomraendava mo-
deracao e clemencia, mas que elle se havia lanca-
do no caminho da severidade. Pelo que o santo
padre Ihe ordenava que restabeleces estado ad pristinum st itum adducat a paz
da igreja que se havia perturbado. .
t 0 internuncio apostolico, monsenhor Sangui-
gui, recebera essa car.a com instrucgdes de en-
vial-a ao Rvd. bispo de Olinda, e trensmittir copia
ae do Para. Assim o pedi ao cardeal e saa excel-
lencia rn'o prometteu. Pelo que combinamos. os
seas leipaclt o ao internuncio checaraa natural-
menta ao Rio de Janeiro ao mesmo tempu quo &>le
men officio.
No tocante ao placet e ao reeureo a coroa,
aao admitti questio como V. Exc vera, nem podia
admittil-a. Demais, seria impos/sivel pretender
que a Santa Se reconhecesse um direito que, na
phrase do cardeal, ella $6 tern tolerado. Estes
principios irreconciliaveis explicam facilmente o
paragrapho respectivo que V. Exc. lera na nota
do secretario de estado.
.a 0 Sr. internuncio ja deu execucao ao despa-
cho de Roma, entregando ao Rvd. bispo de Per-
nambuco a carta de saa sanlidade. >
e Ml9sao especial do Brasil junto a Santa S6.
Roma, 29 naduJiviado extraordinario e ministro plenipo-
teociaBdesua magestade o imperafor do Brasil,
em missio especial junto a Santa Sev ten* a honra
de apnaentar a sua emiaencia revereodissima
monseohor cardeal Antonelli, secretario de estado
de su*.santidade, o memorandum^ junto, que Ihe
prometfeu. na saa ultima conferencia.
f>'aoaixo assignado roga a sua eminencia
revera>sirna qaeira submetter esse documento
ao alto coulieejuieuto do santisimo padre, dispon-
do sell oiracao paternal era favor do uma deeisao,
qual e para des*>jar, nesta questao tao grave quan-
to inqunfedora.
0 abaixo assignado aproveita esta oecasiio
para restorer a sua eminencia revereodissima as
resneitusas segurancas de sua mais alia conside-
ra.;io.
c .V saa tmineneia revereodissima monsenhor
cardeal Aotuaelli. Barao do- Penedo. a
1
i Os sucesssos extraordinarios recentemente
oecorridos no Brasil, era consequencia do grave
conflictoprovocado p'lo Rvd. btspo de Olinda, e
seguido por a'guus prelados d outras dioceses,
deviam necessariamente chaioar a seria attencao,
e a legitima interferencia do governo imperial.
Esses deploraveis aconleciroentos teem tido a
maior publlcidale em todo e pair, e estao de certo
no dumiaio da Santa Se ; pelo que nao e licito (lu-
rid, ir que teuiatu auligidj o cbefe supremo da
igreja universal.
Teve origem este conflicto na sentenca do
Rvd. bispo de Olioda, qae julgou interdicu uma
irmandade da cidade do Recife por se nao haver
prestado a expellir do seu eio um dos irmaos no-
toriamente conhecidu por raacun, no dizer do Rvd.
bispo, e qaalqiier outra macon que a ella perten-
cesse (28 de dezembro de 1872.)
A meta regedora da irmandade vio se na
impossibilidade de cumprir o mandameuto episco-
pal, era face do compromisso. in-istio o Rvd.
bispo ( 9 de Janeiro) na sua resol ueao ; e a tes
que a irmandade podosse responder a comminac.ao
que Ibe eta iotimada, impoz a toda a corporacao a
pena de int.'rdioto ( 16 de Janeiro de 187 >....
. Desta sentenca recorreu a irmandade para a
coroa, de conformidade com as leis do imperio.
E quanlo ouvido sobre o caso por ordem do p e-
sidente da provincia, limitoa-se o Rvd. bispo a
declarer e> semelkanle recurso era condemado
por variat disposi^oes da igreja. Preferlo assim
deixar saa causa a revelia a dar uma prova de
submissSo as leis do paiz.
Depots de ouvir o conselho de estado houve
por bem tua magostade o imperador dar provi-
raento ao recurso. Foi esta rescluclo imperial
cornmunicada pelo ministro do imperio ao Rvd.
bispo ; e a resposta em 6 de jullio foi de desobe-
diencia formal ao imperador.
< Negou a legHiinidade do beneplacito e do re-
curso a cwon, e reproduzindo as doutriaas sub-
versivas aateriormente pr^claraa las com abuso do
munus episcopal, lancou a invecUva sobre esses
direitos da soberania do Brasil; declarou se em
sutnuia. em completa opposicao aos poderes do
etado 1
Com effeito, ja n'uma pastoral de 2 de feve-
reiro havia. elle combatido o beneplncto, dizendo
que niOgue.iii qae se preusse de filho obediente da
igreja podia .dimttil o. > Um direito soberano.
consagrado por leis immemuriaes da menarc) ia
portugueza, raantida pela constiluir^ao do imperio
ha quasi meio seculo, e respeitado por lodos os
bispos do Brasil, t'.i sulemaemente desacatodo
pelo Rvd. bi^-po de Olinda.
II
< Comecando a sua obra de restanra^ao reli-
giosa, pela condaranacao da ma^onaria, invocou o
Rvd. prelado bullas que nunca haviam tido o be-
neplacito no Brasil.
Sem entrar no exame dessa iustitui.ao condem-
nada pela igreja, 6' foreiso dizer qu^ no Brasil
nunca se mostrou ella hostil a religiao e incursa
nos motivos que determinaram a sua condemna-
cao. E' este urn facto que esta na consciencia de
todos qae conhecem o que 6 no Brasil essa asso-
ciacao. a qual teem pertencido vardes notaveis pur
suas vittudes e sentimeotos de piedade.
< Prescindindo do abuso era postergar o bene-
placito imperial, se o Rvd. bi-po se uouvesse limi-
tado a exhortar os seus diocesanos a que abando
nassem uma seciedade que a Santa Se tain decla-
rado immiga da religia.*, lembrando aos fieis as
penas e ceusuras ecclesiasticas, e at6 mesmo com-
minando-as, seria isso mera questao de conscien-
cia, e cirrumscripta no dominio da crenca nas
prescripfrj-w da igreja.
< Mas, desde que essas penas passam a ter
eiTeitos externos come^a o conflicto entre o man-
damento espiritual e a lei civil. Querer dar a
essas penas seiuelbantes effeitos e no Brasil ir de
encontro aos principios fundamentaes da consti-
lui$ao ; taes, como entre outros, o direito de nao
ser perseguido por motivo de religiao.
a Appbcando, como fez o Rvd bispo, a pena de
interdicto a irmandade iuteira por nao haver ex-
pi lli'lo do sea seio os masons, exhorbitou da sua
jurisdiccao, exigindo para uma (.eua meramente
espiritual um effeito temporal, contrario a nature-
za di pena e opposio a lei civil.
c As irmandade> no Brasil nao sao da exclusiva
direccao e jurisdiccao dos bispos. Sao instituicSes
regidas por conipromissos approvados pelo poder
civil, e pelos ordinarios na parte pnramente espi-
ritual. Em tudo mais estao sob a jurisdiccao do
poder temporal, por meio de juizes especiaes, cha-
mados < juizes le capellas que velam na execu-
cao dos compromissos, quanto a administraQao dos
bens, admissao e exclusao dos irmaos, etc., etc.
c Esta approvacao conjunct* dos dous poderes
da necessariameate as irmandades uma natureza
mixta.
0 compromisso nao continha a incapacidade
dos ruacons para a ella pertencerem ; e nao podia
o bispo, sem acsordo do poder civil, violar o com-
promisso essencialmente indivisivel, innovando as
condi{5es de existencia da associa^ao, alem de cau-
sar aos sens membros detrimento e privaQao tem-
poral por effeit > de pena espiritual.
o Nao e portanto admissivel pretender-se que o
Rvd. bispo de Olinda so alterou o eoau>r<>mi*so na
Sarte rel.tiva a sua jurisdiccao, qoaolo em virtu-
e do interdicto privou os macons do exercicio do
culto. A irmandade estava na impoesibilidade le-
gal de obedecer ao mandameuto episcopal, sem of-
fender a sua conslitui^ao organioa e se porveatu-
ra o izesse, o juiz de eapelU teria de desfaze-lo.
0 excesso de jurisdiccao e u-urpacAo do podur
temporal legitimava, pois, o recurso a coroa per
parte da irmandade interdicta.
t Nao 6 licito discutir am direito coustituido,
iahereate a soberania aaciooal, aao meaos antigo
que o beneplacito, e nunca posto em duvida pelo
episcopado biasileiro.
< Cumprc, todavia, aqui lembrT, que desde o
decreto le 28 Va na; rco de 1837 nao licou sen'o
essa prerogativa da coroa, como na autiga legisla-
cao portugueza, unicamente um msio especial con-
tra os abasos da autondade ecclesiastiea; mas
tornoa-se tarabem uma garantia em favor desta
contra o poder civil.
c E, com effeito, esse faraoso decreto veio esta-
belecer a reciprocidade do recurso a coroa, como
remedio para excassos da aatoridade temporal cen-
tra as prerogative da igreja ou contra os direitos
dos seus miuistros em relacao ao culto.
f Outra innovacao fez ainda essa lei em favor
da igreja, quando abolio o recurso a coroa contra
os bispos, nos caios de suspensao ex informata
conseientia.
*$%&$&r dSS L*&z ^ ^ pa"-~ obs-
paz e de harmonia, introdazido na tegislagio mo
deraa do imperio para, a vida tranqMa.dos dou>
poderes.
a Neste particular e sem duvida a igreja brasi-
leira a mais garantida pelo estado, e a- que menos
deve receiar de sua independencia.
IV>
de, de tacujos quepoderem'enrorpecer
'belecimeoto *** h*ma;i4 .^.n..n.
o prompto resta-
da desejada ooneordia e eoadjavara
deste modo as benignas disposicoes da Santa Se.
t O eardeal abaixo assignado, levando ao co-
nhecimefrtc de V. Exc. o exposto, julga sapenlao
fater observa^es sobre quanto se disse ao men-
cionadoMemorandum a respeito do beneplacito, a
me subraetteiB alguns governos os decretos dos
Para iusUflcar o sea nrocedimenta nreti-nda n '' UWDe';'B a'guns governos os decretos do*
mente approvado por sua santidade.
Ostentando em favor de seus actje-o apoio e
animacao (do chefe suppeoo da igrejat oppe as
disposicdes d> breve as leis dj estado. Sem bisi-
tar e com manifesto desprezo do previoa. benepla-
cito deu Ibe para logo publicidade e execucao.
< Nao pode crer o goveruo imperial que seme-
lhantes actos sejara approvados pela Saula Se ; pois
esta convencidj de que ella aao pole querer ag-
gredir as leis do iuiperio, ereando e auiorHando
conflictos e perturbagoes, eHjo alcance nao e dado
prever nem mesurar.
Pelo contrario, essas veneraveis let ran, tasinis-
tramente invocadas, vierem ainda mais eoaurmar,
se 6 possivel, essa conviecao do governo imperial,
e tornar patente que a Santa So foi estranha a lo-
dos os actos do Rvd. oispo, sememe ira>>utavei s ao
zelo exagerado.
Se em vet de ter pedido -ao chefe da igreja um
conselho post fact um nao o tivesse anticipado, dei-
xando-se arrastar a uma lu'.a inopinada, nao teria
o Rvd. bispo lancado de chofre essas excommu-
nhoes em massa, rejeitadas pela Saota Se nesse
mesmo breve.
t 0 que nelle reoom nendava o santo padre era
a modera..ao e a clemencia na applicaoio das cen-
suras, mandando saspende las por espaco de um
anno, afim de evitar a ruioa do tantas almas e
ponpar ao prelado a necessidade de nsar do ri-
gor. > Este paternal preceito desapprovava clara
mente ura procediraeuto tao severo, como precipi-
tado.
t Outro tanto se deve dizer quanto as disposi-
coes do breve relalivas as irmandades. Suppor
que o breve Ihe coocedera autorisa^ao arbitraria
e illimitada para dissolver e crear irmandades,
como pretende o Rvd. bispo, seria o mesmo que
exoluir o poder temporal, de cuja saueeao depen-
dem priacipalmente os actos constitutivos dessas
associacoes.
t Enteodida ao pe da letra a detertnioacao do
bre-e, ella se htruaria absolutaraeote inexequivel;
e nao se pode admiltir quo a Santa Se ordenasse
aos bispos do Brasil aquiUo que pelas leis do esta-
do nao podiam elles fazvr. No espirito de tal de-
terminac-ao nao foi jainais, nem poiia ser elimina-
do o accordo e a interveacio conjuncta dos doas
poderes.
Os abusos, portanto, do Rvd. bispo nao estao,
no sentir do governo imperial, justificados pela
Santa Se.
V.
a Tao lameniaveis- successes nao se limitaram a
diocese de Ol.nda.
a Outros prelados tomaram igualmente o cami-
nho da illegalidade, despresandot) beneplacito im-
perial.
i 0 Rvd. bispo do Para foi, pore n. mais longe ;
e segaindo de perto o exemplo do Rvd prelado de
Olinda, lancou, como elle, iuterdictos sobre vaiias
irmandades ; e, como elle, negou o direito do re-
curso a corda.
Esta provocacao simultanei da autoridade ec-
clesiastics deixa suppor uma resislencia syslema-
tica dos direitos do estado.
< Apezar dos meios que m leis do imperio tern
o governo imperial para manter illesos esses direi
to julgou entretauto do seu dever como governo
catuolico, e por defereacia e respeito ao chefe su
preino da igreja. raaudar uma missao especial,
aiiui de expor a Santa So a gravidade de uma si-
tuac5o que a distancia tenha talvez desligurado
< Do que Sea relalado sao evidentes os males
qus resultam deste estado de cousas. Os templos
fechad.is, "o culto suiiprimido, o clero aterrado
com suspensoes ex informal i conseientia, e inci-
tado per esse meio a desobedecer ae g.'verno. 0
prestigio episcopal e aindi mais a autoridade da
igreja a soffrer nessas lutas travadas entre os dous
poderes, lutas terriveis pan ambos, e que facil-
mente conduzem ao fanatismo e a irapiedade.
0 clamor de tantas violencias traz a^itada a
consciencia ios catholicos, e amea^ada a paz e a
ordem publica. Meiidas illegaes e imprudentes
ja provocaram contra o prelado diosesano as ma-
nifestaQdes deploraveis de 14 de mai na capital
de Pernambaco.
c Dirigiado-se a Santa Se, vem o governo impe-
rial dar mais uma prova do seu apego a religiao
catbolica, da qual se julga ser neste momento o
melhor advogado.
< Elle nada mais deseja do qc o prompto res
tabelecimeuto dessa paz e boa intelligencia que
tem sempre exi*ti civil e ecclesiastica, hoje infelizmente perturbadas
por um incidente fune.-to, que eHe nao provocoa.
a Espera, pois, o goverao imperial que o chefe
supremo da igreja acliara, na saa alta sabddoria e
paternal alfeicao para c >m ura imperio destmado
a ser o maior representante do catholicismo na
America, am meio de pdr termo a semelbantes
conflictos, e impedir qae se reprodazam e toraera
ainda maiores proporcoes.
a Conheciloo verdadeira espirito da Santa, Se
nesta grave emergencia, virao as .suas palavras,
ate hoje mal interpretadas, remover o pretexts pa-
ra novos ataqus as leis- do estado.
a Acoaselhados pelasanta 6, saberao os bispos
refrear esse zelo, cajps excessos imprudentes com-
promettem os inleresses da igreja, e podem abalar
a fe.
c Por seu lado aao ponpara esforco o governo
imperial para evitar que essas dissensoes, que ho-
je dividem em outros paites o greraio dos fieis,
venham tambem surijir no meio deum povo es-
sencialmente eatholico, como 6 o do Brasil. Ro-
ma, 29 de outubro de 1873. Barao do Penelo. >
c 0 abaixo assignado, cardeal. secretario de es-
tado de sua santidade, reeebeu o. memorandum
que Ihe foi remettido por V. Exc. com a sua pre-
zada nota de 29 de outubro proximo passado, e,
depob de ter examinado com madura attencao o
conieuJo de tal docameoto, camprio o dever de
levar piomptamenta ao eoahecimeato do santo pa
dre uma relacao circuroslanciada.
t Sua santidade, daplorando vivamente o grave
conflicto originado a> Brasil eatre os dous poderes,
ecclesiastico e civil, as causas as eircarastaucias
qae o provocaram, e as infaostas coasequencias
que delle nascerara e poderao resulur, vio com
satisfasao que o governo imperial, em defereacia
ao sopremo chefe da igreja, e em prova de adhe-
sao a religiao catbolica, se dirigio a 5anta Se, in-
vocando a sua autoridade para fazer cessar o la-
mentada conflicto, e declaraado ao mesmo tempo
qae qaer manter entre os dous po lares a boa har-
monia, tao necessaria para a prosperidade da igre-
ja e do estado.
a Por isso 6 qae o saa to padre, apreciando jus-
tamente o passo dado junto da Santa Se pelo go-
verao imperial, como igualmeate os seniimentos
por elle expre.-sados, e tendo presente a resposta
dada por sua santidade, era 29 de maio do corren
te anno, a monsenhor.o bispo de Olinda e Pernam-
baco, esta disposto ,a adoptar ajuelles meios que,
na saa alt* sabedoria e na sua paternal benevo-
lencia pare com 03 catholicos.brasileiros, jnlgar
opportuooa, com 0 dm de por termo ao deplorado
conflicto, Espera, porem, que 0 governo imperial
tuicio ecclesiastica, como iguafnteole a respeito do
recurso a coroa, sendo bem conbecidos 0* princi-
pios qae professa a Santa Se\ taoto sobre um como
sobre o ou'ro particular.
0 cardeal abaixo assignade aproveita, pois,
esta opportunidade para reiterar a V. Exc as se-
gurancas da sua distracta consideraciio.
a Ao St. barao do Penedo, enviado extraordinario
e-asioistro plenipotenciario do Brasil em missao es-
pecial junta da Santa Se..-in* nellt.
Noilcias do sul do imperio.
Pelos vapores fraaoez Kifls de Santos, brasilei-
ros Cruzeiro do Sul e Giquid e inglei YMrt, re-
cebemos datas : do Rio da Praia ale 2-1, de Minas-
Geraes ate 29, de S. Paulo Mi 26 do passado, do
Rio de Janeiro ate 1, da Babia-ate 5 e das Alagoas
ate 7 do corrente.
Alem do que damos sob a rcbriea Parte Official
encoulramos nos jornaes 0 que damos acima e
mais 0 que segue :
llKl'l'HLlCA DO r-ABAt-.UAY.
As noticias recebidas de Assumpcao eonlirraam
a da toraada do Pilar pelo chefe Caballero, e aa-
cresceutam marchar elle sobre Villeta.
0 commandante da villa do Pilar, Dr. Candia.
refugiou se na ilha do Cerrite, sob a proteccio da
nossa bandeira.
Os rebeldes foram transportados no vapor Tebi
cuary por elles ou por outros, armado em guerra.
e a esse navio juntou-se mais- tarde 0 vapor .t<-
sampcao, cuja guarnicio subievou-se era favor
delles e duas lanchas.
0 governo, de seu lado, ordenou o recrataraeo-
lo era massa de tod is os homens validos da repu-
blica, ameacou os estrangeiros tornados com armas
na mao de castigo iramedialo, e declarou pirata
qualquer embarcacao que estivesse ao servico dot
rebeldes.
Uizia-se que 0 commandante da estacao naval
brasileira recasara auxiliar lirectaraente ao go-
verno do Sr. Jovellanos, dandolhe transportes e a
cooperaQao de nossos vasos- de goerre, mas que
faria aprisionar as embaroaedes rebeldes como pi-
ralas.
Caballero, na proclamacao que dirigio a saa
genie, jura respeitar os tratados e a sitaagao da
allianca, sem com isso destrair a opiniao de ser
elle apenas iastrumenlo de poder maior e piano
mais vasto. >
Algumas folhas de Montevideo esperam 0 ataqae
de AssumpQio como 0 signal de um roropirnento
entre 0 Brasil e a Republic* Argentina, e annoa-
ciam estar proximo e>-se ataque, pois os rebeldes
iam obteodo grandes vaotagens.
As noticias do Estado Orieutal carecera de iote-
resse.
Os vapores que crazavam na <*ota haviam ap-
prebendido algumas enibarcacous argentina^, aa
occasiao em que tentavara forcar 0 bloqueio saui-
tario.
As ultimas noticias recebidas na cdrte dizem
que as forces revoluccionarias capitaneadas por
Cabal.ero contavam ja I.-'(>.) homens e tinham
uma boa bateria de caoboes Krupp. Por outro la-
do a infanteria e artilheria que 0 governo tinha
podidu tun mar .bar da Assurapcao acarapava n>
Tebiquary.
niu DA PRATA.
Os ultimos telegrammas de Buenos -Ayres rece-
bidos em Montevideo annunciavam recru^esci-
mento de epidemia.
Por causa das- eleicoes tinha havido outra vez
em Chivilcoy desordera seria, em |ue liearam tres
raortos e outros taotos feridos. Foi preci^o fazer
marchar um batalhao para restabelecer 0 socego.
Do sul da- provracia de Bn>-nos-Avres tinham
chegado noticias positivas da desgracada expedi-
.;ao do general Rivas contra os iudios. Coutando
com esforgos proraetlidos de Buenos-Ayres 0 gene-
ral embrenhara-se no deserto com un> 1,000 ho-
mens para atacar e destruir os acampamentos
dos selvagens apeuas recebesse as tropas e caval-
Ios com que contava. Oem>raado-se, porem,
estes soccorros, os indios liverem tempo de reco-
uliecer a. Jebilidada da colu nna expelicionaria e
accomettendva em grande numero, tomaram Ihe
toda a cava'.hada.
Privado deste elemento indispecsavel naqne.'l
genero de guerra, teve 0 general de empreheader
a pe a retirada, continuameute bostilisado. 0*
indios que 0 perseguiara, procurando envolve-lo,
ja ameacavara a povoagao de Tapalque, onde ha-
via grande terror.
Alem do cholera raorbus outre epidemia pare-
cia reinar em Buenos-Ayres. No espaco de J
mezes a policia tinha recolhide 304 doados aos
respectivos hospit ies, sem coatar, obterva uu fo-
Iha, os doudos politicos que como em Chivilcoy.
andavam soltos pelas ruas.
No Estado Oriental nada occorrera de irapor-
tancia. Laraentando a aova revolacio guay, 0 Siglo reconhece qua nao podia ser- ella fi-
raentada senao pela politica argentina, a cujos in
teresses deve sernr Bntretanto a proclaraac*>
com que Caballero abrio aqaatla revulacao, pro -
testa nao ter ella outfo iutuito seaao derribar. a.
bem das litierdades oatrias, um governo qae as
espezinha, substitaiado a lei pelo- artitrio. A
respeito da politica. externa diz a prjetaraifao
aoenas :
a Os nossos propasitos sao os mesmos de antes ;
haveraos de esfoa^r-oo* pur deter os mates qua
vexam e ameacani 0 paiz, estabeieceodo a ordem
ao interior, e ctiltivando relacdes de amizale coos
todas as nac.5e*, especiolmeale com as da alliaoc*
mixas caaMS.
A atKira.ao dos 59 ooilegios coahoadus, aa
eleicao senatorial, da 0 segunte.
Comraendador Cruz Machado 1.456
Dr. Luis Carlos I Jit
Dr. A. Bretas 1.007
Dr. J. Penido 897
Refere 0 Monitor Sul Mineire..
4 Por nao terem sido matriculados ate 0 di a >)
de setembro proximo passado, tem jas a liberdad*
so no termo de Lavres, mais de 30 e'cravon, aer-
tencentes a diversos indjv.duos. Por emqaaato
sao esses os coahecidas, au< presume se qae au-
da existem m titos outros escravos qae tainbe :i
nao f>ram era tempo matriculados.'
t Era e-perado aa ciiade de S. Joio d'EI-Ro*.
em lias de dezembro passado, o misero algoc Ft-
tuiato. que alii *iaaa de exeeatar ura pretoescra-
vo, coadomnado a morte por ter asas* baramenlo seu senhor.*
t Na noite de 13 do eonvnle. em 0 lugar aeao-
minado Rio do Peixe, no caminho 40* dis-ta cioa-
de se dirigea Ooro Preto, eonde haviam pern....
do, fugirao tres presos, criminosos de morte, qa
eram levadns para a capital da provincia.*
1 Informam-nos qua a escolta se houve M
completa desidia nessa fuga, awrmeute 0 comaua-
dante, gue fugiado tambem, palenteou a parte er.-
minosa qae teve nesse facto.
c Os crimiaoscs que se evadiram sao os segaa-
tes : Loiz, preto, escravo da Cbristiaa ; Jose Patl-
iisia 0 Anlooio hid de Sjuza..
>.x *


wniiCZ)



*
ilHI 1 mMAUi M i l#i^^^^ernambuco ~ Scgua^a teira 9 de Fevereiro de 1874.
o/./i
-
adafcgnvos. qOV
la, | foram in ha
ran maf cober
Ms. <> detega-
heciP;enlo deste
camava, pediado
S. PAULO.
ao se davam mais casos
_paro.
Sefnndo noucja. ifytteUa d'Oeste, Tolha qne se
poMica no BjBjraK Sr- RaPhft">' Tobias de
Barros, impotWwWBmadao d'aqoella -cidade, poze-
ra a disposici 8:000*000, para socorrer 03 bexiguentos radi-
gentes.
Diz a mesraa fnlha, ajP?
faHeceram alii, victimiffna
maws no campo abdHo, poi
tos de terra, foram cowdos
do de policia, logo quo live
facto, ofQciara ao psasidente
as providencias precisaj.
Refere o Correio Pa*titt ra construccao na Bnropa, o raatefcal fluctoante
destinadoa navagacao u no Ti*le, a. quo atonuio
proximo futuro, devem oUfigBT as Jiajiis para
a desobstruceao do mesmo rio em certos lugares.
Devia haver a 3 >, no theatro provisono, him
festa litlerario-musical, em boneficio da soeiedade
Propagadora da Imitruccao Popular.
Qa Drs^AoioBia JlaeLiao de Campos e Gaadidu
Barata Ribeiro, effereceram-se a iratar gratuita-
menle os alunmos da escola qne vai fnndar a
mesma sociedade, e a reger tambem gratnttamen-
te, aquelle, urn curso do physielogia buraana e
physiologia cumoarada e este o curso de hygiene.
Os associados, capitao Joao Jose Sores e eom
mendador Jose Severiino Fernaudes, tambem se
ofifereceram a reger graluitaiwente as aulas que
Jhes forera indieadas.
arjisla Horacio da Souto Muniz, percornira as
roas-de SaoMs, esmolando em favor da viuva e S-
laos do sou linado collega Eloy, .-eter comico qae
fora sempre muito bemqubtu na provincia, A
sabscripcao altiugiia a sum ma de 1:218*000.
Le-se na Gaztta de Campin is-.
Jfa dia 18 do eorrente, dense nesta munici-
pio am lamentavel desaure: o Sr. Guedes dc
Godoy, vinha coin sua (ai&iiia, da casa de seu so
gro o Sr. Jnijo de Campos Souza, raorador pelos
lados da Terra Prela.
A senhora do mesmo Sr. Gjdoy, vinha a ca-
vallo coin tuna inenina no collo. Ao frontearem
um carro de bois, em lugar ostreito do caminho e
ainda pi-ioraili pelus l\ najjaea das ultimas cliuvas,
o animal'espaoiase e da com a infulizsen ora e a
pequena em terra de cafceja para baixo, de sorte
qae.mai e lilha, ainbas uveram o pescoco de-lo-
cado e morrerara iiutantaneamente.
Os cadaveres das victimas de- tao triste sue-
cesso, foram iiunduzido* para a cidado, onJe o Sr
Diogo de alles, MibJelegado do policia, fez o
auto de corpo de dclicio competente.
Deelara i mesma forha :
c Acha,e recolUido a cadeia dasta cidadti um
preto escraw.'.das bandas de Mogy-Mirim sobre
Jaeni recaliem toitoss iudicios do 4er siJo o la
rao que praiicou o roubo, ha pauco por nos no-
ticiado, e do qu ,r.)i viotima o IVr. A. F. de Paula
Soaza. Achou -e Ike ai'nd.a boa quanlia do di-
uheifo snbirahido-e mais ouirosobjectos.
(i Cottsta qne este larapio tem unia profunIa
scieacia ^s qflioia, pois narram se furlos audaciu-
*os e repctidos, de qiie foi autar.
c Como tr'ouxi'sse um ferro ao pescoco, disfar-
foa-o lao gcitosamente com uma mavala, que era
quasi impossivel-dar por clle.
VAii Dt JVN'KIl'.O.
Em 2i de Janeiro foi conceuida a iieeuca pe-
dida pelo capitao de fragita barao de Tilie, para
ir a ctirte. ,
Em 2G de Janeiro doularoa-se sem offeito o
decreto de( 7 de julho do anuo passado, quo no-
meou o bacoarol llellarmino Pereira deOliveira,
juiz inanicipaJ e de orphios do lermo de Monie-
Alegre, na provincia do Para, visto nao ter solici-
xitado o titulo nem enirado em exercio denlro do
prazo legal.
Lcuigs no Jdrnd do Commereio :
Rpalisbu se domingo Li'J) a 10." eonferencia,
<|iie esieve muito cuneorrida, omo de co-lume.
weapon a tribuna o illaslrado Sr. Dr. Luiz Cor-
rect de Azevedo.'que fe/. nmitas e ;i! iicio.-as obser-.
i-ardds em. sastenta(;ao de ;ui tiieseComo da
editcaiSii beat 0iupreIttiiHdi c I'.urciladi ,dep>e-
liende.se a Iteoiia dj-ensih* nb iyalorio..
a Ikaliido-se quiu'a feira (2'J) as C 1|2 boras da
tarde, a!quarta com^feacia dj curso de hygiene
pelo illilsirado Sr. Dr.'Antenor Auguslo Ribeiro (lui-
maraes, que tratou particiilaruiente di queitao dos
jiantanos desta cuUJe/fazeiiiosul'r-.-nltii- os iucou-
venientes que delies reidltaiii para a saude pu-
blica.
veira acaba de passar por uma rude prova^io.
Ante-honlem ( 30 ) jautava S. Exc. com o Sr.
visconde do Rio Rranco, quando fji dolorosamente
sorpfanJido pela noticia ile que um de seus fillios,
Manoel Correia de Oliveira Andrade, de 13 annos
incompletui, dera uma violenta queda. Correti an-
cioso para sua casa. c:r. Paineiras, mas quando
alii chegou, as 6 l|2 boras da tarde, ja a misera
crianca era cadaver,
a A mortesueeeilera-se immsdiatameute a queda
queomenin) den estandu a brincar dentro de
easa com os ?cus irmaos do nuout idaJe.
c 0 Sr. eon-wlneirq Pereira do Rego que com
outre> medics comparecera no logar do iristo
acoutecimciHo, deciarou que a morte fora deter-
ininaJa por uma 'oniinoeao cerebral resullanie
da queda.
0 meaino Manoel Correia de Oliveira AnJrado
craalamno do i." anaq do cxternato de Pedro II,
e pela sua boa inJ de. iutelligencia e applieacao
mereeia a ajniw lo do seus ^ollegas e professores.
Seu oaterro realisbq-se hontem .a 1 h'-ra da
tarde, no eeiuiieiio de 5. Fraiicisco de Paula,
sendo o ferretro acumpanqado por numerosos a:ui-
gos do Sr. conselhciro Joao Alfredo, a quern damos
sinceros pezames.
A alfande-'a arrecdou no mez de janeir).
3,710.271*771.
n.\illi
0 rires'ulcnto da provincia fora a passeto
a cidade de Santo Amaro, tondo volta-lo a
capital no ilia 3 a noite.
Duranto o mm ile Janeiro foram ox-
portados para o Hio d Janeiro 139 escra-
V05, que pagarnm 27:8i0?0O0 dc impo4o
de exportacSo.
A alfdndega rendeu no mez do Janeiro
706r807105.
A r-cebedoria dc rendas iulonias....
31:90256992.
0 correio geral &I3S^1S0<
Arribou com ngua abert* c por Ihe
ter morrrrJo o capitao o brigue allemao
Friederick Adolphe, que ia de" Lagos para
Oueenstown.
Com 72 annos de idado folleceu o vi-
ario'de Geremoebo, padrai'.loaqurm Igna-
cio de Vasconcellos. '
Lemos no Jornal:
No termo de Santo An'.ouio da Barra
acaba de dar-se-um facto horroroso.
C.onstando ao detegado daquella villa'
tenente de polic a, Joaquim Alvaros dos
Reis, que ha via falloci lo na fazenda Ronca-
dor a cream;a Tbereza, tilba de Benedict*,
cscrava de Joaquim Henrique da Silveira,
por falta de amamentagio, nao que-a escra-
va Benedicta seesquivasse a dar, masporque
seus senhores propositalraente a probibiam
deo fazer ternascidoacre>anQ&iivreem virtu
dedwleide 28 desetambfo'de- 1871 e teota-
varaassassina-la a forrre.e & cede, officiou ao
igarie da freguezia pediado o cadaver da
creaoea-
. Com effeito, sando-lbe este aprosesnte-
do, emestado completaraente mirrado,
prooedeu a corpp de delicto.
. loterrogada a escrava, c-onfessou que
seus senbores a obrigavam a trsbalh >r meia
legua loflge de-casa com, o fim de nao'pn-
derdar leitc a sua filba, e que so as escon-
didas podia a noite dar algum alimento a
mesma creanra.
IntoiTogadas outras testemunhas de-
clararam que a creanca morrera de fome e
cede.
ftetieia* do norlc do i:ii|i*rio.
Pelos vipteres brasileiro Cearcic Pirapamn;
recHbBmi5d.itas: do Am zonas 20, do Para"
31 de jao^ru, do Maranhao 2, do Ceara"
4, do tiio Grande 6, o Parahyba 7 do cor.
rente.
AMAZO.NAS
N) 'Sessao da 12 de Janeiro procedeu a
earnara municipal de Manaos a apurac^o de

iroriocifl^iLgremioe dar outra orgnisa^^o d
vincK
pessoas nogociantes
drjiM, qe ri um fcoatenad **&* a0
muito qneUMB S. I J t'otto pela jBspori-
Eis o texto fttete do-
folhs
de bex^AJ^IAa^^'^T^jJ^V
-1874,-.JA'publicitmoso Tesdltadd' tWft '^O '^^'\\% assim forrnailo
eleiQirt)........... "*lit<\ o lenciiteiorouel Augusto de
Fof.apresentado ao presidente d-pr6-''Bfarl^6 ; %ico prjjsidente padre Marae
- ura document asM'gnado por 106* WOrM"; secreiaVio Dr. Polydoro I
noKociaotes-e habitantes do rio Ma- maquo'e Dr. Firmino Ucinio; th
oureiro
date do AnMzonas.
eu men to :
Ulna, e Exm. Sr presidente da provin
cia Dr. Domiugos Moiit abaixos aesign^dos, uogncianles e babitantq|
nesta rio Madeira, consideraodo ar mnneira
vantajpsa, porque V. Kxc contrleu,-a ia^
vegacftn directa para a Europa, e gratos a
V. Exc. por esso o p!5r rnuitos outros sott-
50s por V. Exc. fekta 4 eat proiincia e
especialiuente a ste_iiu Madeira^xQiuo se-
jam :
A creagSo de novos districtos policiaes;
A abertura a navegacao estrangeira ; A oo7
ineacao do engenheiros para legalisar a pro-
priedade terri*aril ; A croacio da mesa da
rendas em SaaJo ,\utonio ; 0 efficaa a*si4io
prestado aos ?ra"balh')S da estrada de ferro
com a mudaaca do destacamento uiilitar
para a respecrivaestagSo, com qua Gcou ga-
rantido 0 pessoaj da empreza contra os ata-
ques de indios bravios ; A decidtja protec-
Qao dada por V. Exc. 6i missoes estabttl-Gi-
das uesfe rio e seus afluentes ; E fiaalmente
a proinptid*) com que V. Exc, acudio a
nopulagao deste vale que foi atacada da ter-
rivel epidemia da variola, Vimos trazer a
presenja dc V. Exc. a expressao do nosso
agradecimento por tao assigriala*'* beoe-
ficios, rogando a V, Exc. que se digue acei-
tar tambcm os p rotes tos da maior eonside-
rafjao e respeito com que soinos : De V.
Exc. attenciosos servos. Rio Madeira, 30.
do outubro da 1873.
No dia 12 iu$ta!lou-se na villa de Ser-
pa uma escola nocturna de pri.neiras le-
tras,
Scgundo carlas do rio Madeira, escrer
vo o Commereio do Amazonas de 18, cons-,
ta que um tal Pio Marinho e um Boliviano
Nijar Rojas, com mais dous indios, tambem
bolivianos, assaltaram a b'irraca do subdito
portuguez Fraociseo Joaquim Martins, frc-
guez de Antonio Cardozo, situado: no rio
Jumas, c nmarraram ao mesmo Martins e o
condruiram para 0 mato, sem saber-se qual
0 fim que teveaquelle infelizj porque atii
0 do eorrente ainda nao havia apparecido.
Esses maivados nao salisfeitos com esse
acto do se vageria roubaram um bsbii do
uma mulb.es aggregada do mesmo Martins,
que tomendo soll'-er mais violoncia retirou-
se em companbia de Eortunato Vieira.
Dobalancete da camara municipal de
Manaos, correspondente ao mez de dezem-
bro, extratamos as, seguintes iuformaeoes :
Era 0 saldoemSO de novembro 8:487^703.
Receita arrccadaJa em dezem-
bio
I
pita
os d
redacgfil&aj dj^to jPrnser^o^
6e-slPiyDrs^ty^fcro, Ag.jiMo,
Mmoel Osorio, Firmed", El|idk),_ conego
Moraes Rego, tenente-eoronel Odorico Ro$|
e major Gentil S. Moires.
- Ja bavia partida.twra Awarante o Dr.
Francisco Parentes para fundar a cotonia
qe contratou com goveroo geraj.
Diz e Gea*ms* qua-lot* 9paa4o,
jjo-dia 11 iiaiaiiciroreui-sua proprica easa,
na villa das Baua^ f^ia^>,^BSpej^-
vo juiz de direitWjaohiaW J^quWT.
to, rae menclona 0 CnirnM^nu]
"lOTas da noite, nesta vlljJ"llmlRw'
to s Cosine Francisco Wafti*, achaa-
dos a espera do pdrel>IMMttim ala-
a, ao appai-eccr este^fMffcn uma
t-Tnou ainda mais tnwjonda pela es-
a noite, resultando delta ntiitern EroeJto
com oma horrivel facada sobre 0 peito direito, que
CosmeJJanhos cum 0 craueo
0 interBlltorio
sahido JavemaBTeridflr desl
sem que ate csta monieuto se te-
O delegado procejeu a corpo
deu Cosme Bauaoa. Das averi-
a autorida .9 por nagoiios de honra de fa-
=
pa^
faeto
ilia.
A alfan
findo 189:43
**m A via
I readaa em Janeiro''
5:8G1108
A deduzlr
Despoza effectuada cm dezem-
br-o.
Sallo da caixa de depositos
li:3488H
2:989#12G
11:3595685
1.'870^083
13:229-^748
PARA
0 presidente da provincia procodia &
visita e examo dos estabelecimen'.os publi-
cos da capital.
No dia SO de Janeiro fez sua viagem
da experiencia 0 vapor Aruan recentemeq-
le cbegado dos Estados-Unidos e de pro-
priedade da Empreza.de conducgao de gado
de Marajo. O Aruan 6 um magnified stea-
mer do systcma dos que nave,;am 0 Missrs-
sipi e que mede 160 pes de comprimento,
20 de bocca 0 7 1/2 de pontal. Desferrou
de seu ancoradouro as 10 horaf da manhii,
foi alem do Pinheirp, eamarrou de novo
no fundeadouro ds 3 boras da tarde. l)u-
rante a viagem deitou- 10 1/2 milbas por
bora, demonslrando na experiencia uma
for^a otTectiva de' 280 cavallosdyuamicos.
A bordo do Aruan ia a commissao no-
meada pelo governo para julgar se elle estd
nas condi^oes do respectivo contrato, 0 va-
rias pessoas para a viagem de recreio convi-
dadas pela direcloria da empreza.
No dia 25 do Janeiro foi collocado m
sain de honra do arsenal de marinha de
Belem o retrato do capitao de fragata Car-
neiro da Rocba, inspector dessa reparlieao,
quo lliu foi offertado pela class*; operaria
respeetiva, em signal de reconhecimento.
f.omos no Diario do Gram-Para :
Deu se, no dia 18 dc Janeiro, no lugar
denomir.a lo Jubim, djstricto de Moaforie,
em Marajo, 0 seguinte facto lamentavel:
Iii'io Joao Custodio da Silva, A caga,
encootra um filbo^le anti ou tapir, pega-o
e 0 oonduz para -easa. N'outro dia convi-
da a Joio Nepomuceno para 'cac.arem com
0 Uipircte a anta grande, succcde, porcm,
que, quando jii cmbrenhados na ilo'resta, a
espingarda do Nepomttcono, que segiiia a
poucos passes atraz de Custodio, prendo-se
em um cip6 pelo cflo e, disparando,' vai o
tiro ferir aopjbre Joao Custodio, que, mor-
rendo dia depois, declara, antes,' quo per.-
dOa a Nepomuceno 0 crime de assassinio,
derivado de um fortuito acontccimento.
MARANUlO.
Pelo Sr. Joao Fraucisco da Cruz, foi
offorecida ao-presidente da provincia a es-
pada-que era do use do brigadeiro FalcSo,
afim de scr conseryada no museu da socia-
dade <)nze de Agosto.
A luz do pharol de S. Marcos foi col^
locada dez palmos acima do que era:
Falleceu no die 30- ile Janeiro, o con-
sul americano W. U- Evansj 1
Pela estatistka do correio geral do anno
findo de* 1873, ve-so que transrtou etn car-
tas rsgistradas com valores declarades a
quantia de 80:851^734.
O seu-movinsentn foi -de :>,63* mains,
contendo 494,138'objectos, divididos pela
maneira seguinte:
Racebeu 2 874 inalas, coti'c-aiio :
Corresponden-;ia oflicial. 4,0M
Dita particular. '. 217,484
XJbjectos rcgistrados. 0,007264,543
Rjtmetteu ^.706 mslas contendo 1
Correspondencia olBciak 39,884
Dita particular. ISS'.OSB'
Objeclos rogi6trados. 5,726229,395
A correspondencia official expeiida-a fa-
vor do governo, MM* -8:070JP220.
PIAUBT.- !'
Recejemos jornaes desta provincia e urn
numero da OpiniAo Conservation*, novo
jornal que veiu suhstituir a Piauhy sus--
trnta as ideas do partido que 0 seu norne in-
dica.
Houve uma grande reuniao desse partido
ni capital, na quyd deliberou-se lormar o
Jose do
Oliveira Andrade, sendPindigiUdo ,comq
mandante o bacbarel Simpiicio Coelho de
Rezenie.
Em 4 do eorrente escreve 0 nosso
correspondente da capital :
No vapor Ceard, entrado neste porto a
26 de Janeiro, cbegaram os desemba'rgado-
res da rela^ao desto districto, ext:Qplo 0
desembargador Feroandes Vieira, que j4 ti-
nba chegadi. -
H mtem p das 10 h6ras da^marmJ tcve
lugar 0 acto da iostallaijao do tribunal, sen-
do effectuado no mliQcio da assemble* pro-
vincial, em razaode offerecer* maior etpacj)
a convidados e espectadiircs.
Logo pela manha todos os consulados ic-
ram os seus pavilhoes. ,
A; hora aprazada foipostada uma guarda
de bonra do 15 bataihao do linha om-fren-
tc do paco da assemble* ; c logo que cbe-
garam os Exms. presidentas da provincia
e da relacSo, tomou esteassento no top.) da
mesa, dando lugar ao Exm presidente da
provincia & sua diroita, aos desembargador
res aos lados, com^ilbes compotia ;e em se-
guida fez a leituw d'um discurse adaptado
ao acto.
Conoluindo.-o, pedio a palavra 0 Exm,
Sr. senador Pompeu, no caracter de oiador
dacommissSonomeada -pela presidencia da
provincia para promoyer a solemnidade da-
quell- acto, etendo-abbtido pronunciou um
brevediscurso, no qual,depois de tazer um
esboco historico da hierarcbia judiciaria da
provincia, so congratulava por tao auspicioso
acontecimenlo, 0 da-iostalla^ao do tribunal..
A fortaleza dou uma salva.ao prjnoi-
piar o acio, e as musieas do 15." e do corpo
de policia toc3ram varras per^as. O concur-
so foi numeroso, SQbresabindo todo 0 fuue-
cionalismo publico, e observando-se^o mais
attencioso silencio duranto o acto.
Terminado 0 discurso do Sr senador
Pompeu, a commissac*. proraotpra da solem-
nidade dirigio-se coin os desombargadores,
presiilonte do provincial a guarda de honra
e quasi todos os convidados a cathedral,
afim de assislirem 0 Te-Deum que tinha de
ser celebrado em.eccao de gramas No*aa
solemnidade offlciou- S. Exc. Rvm. o S*.
bispo dio'Jesano, e brou 0 Rvmo. Dr.' Justi-
no Uomiugues da Silva, propunciando uma
bem elaborada allocuQao, .
Os odiiidios publicos c a gumas casas
particulares illuminaram-se a noite, sobre-
sahindo o'edificilQ da relagao qne tsteve
aberto ate depois de 10 boras c loi yijHado
por crescKlo numero de senhoras. l-'ma
banda de musica percorreu algumas ruas
em passeiala.
Foi assim que os habjtantcs d'esta ca-
pital saudaramodia 3 do fevereiro de 1874
que incontestavelmcnt'; raiou n'um mais
aiispiciosc borisonte para o futuro d'esta
provincia, ^uo portanto, de.ve ser inscrip-
to com caracteraa Lndeleveis na nossa histo-
ria, pois que recordard uma data memoravel
para o Ceara.
Foram n-meados provisoriamento para
exereerem os lugares de escrivaos da rela-
cao os Srs. Antonio Carneiro de Souza Aze-
vedo 0 llouorato Ferreira dos Santos. Con-
correram onzo pretendcutes a esses empro-
desta ca
Raturit* rendett lie mez Rnflo
3:2925700, importancia de 6:311 paa9agens e
37#HO0 de'transports de mercadortas eJiagagens
0 brigtte inglftz Ikmasa levou para Hainbar-
go : S:i()0 couros salgados, 1.100 saccos com
431;*W kilos deeaf*.
0 lugre inftfgiJerfalcou levou para Liverpool:
U-'330 aactos com cafe, 60CB9 com assucar,
1:251) couros salgados e 8:640 chifres de boi.
ih Ho aono de 1873 remetteu a ihesoararia de
fazenda da proviucia para.o thesoum nacional e
oaf00 saques desta repartica.j no valor de.......
I,63:7i*.
HIO ORANDE t>0 NSRfE.
Da capital escreve nos-o correspondente :
No dia 3 do eorrente suc:utnbio na. villa de
Touros, victima dos graves ferimentos que rece
bora na noite de 21 de dezembro, 0 iufeliz Manoel
da Silva Mello, que servia 0 lugar de 3' supplen-
If* 11 ii raAnaalinA oiik^^^^^n .^^^^^^^^ ^ *~*
Na serra de Moiorq, Francisco Caraairo da
Cru* deu am tiro de elaviaeto sobre Vi>-ehte Fer-
reira, de qne Ihe reultou grave ferlment-).
< 0 dekjgado de policia, tenente Her^ulee PJn-
dahyro de arvajho. pro>egue nas mais Musadas
dilig'encias parareansar a sua oristo.
0 0 .valeme, io<6 de Banda. prosegue com e
maior empenho e actiVidade nas diligencias contra
os criminosos da coinarea da Uaioridade,
t Acaba do captdrar'ao crfminoso Antonio Mar-
ques de Aquino ; e tal e a nonlead.i de que gor.a
coin assombrodos inalfeitore3, que estes,- segundo
corre, deixaram a coraarca da Mairidade e Wram
proctirar as de Pombal e Teixeira, tendo-se dado
ate O'caso de se haver entregado a prisao Josfi Ce
lestino de Souza por nao poder mais subtrahir-se
a accao e vigilancia daqnelle agerrte, da autorida-
de pahhea.
0 Consta qne na madrugada do dia 4 do eor-
rente fOrapreso Manoel Antonio Befzetpa, ex-suh'
delegado do districto da Cruz do Espirito Santo,
vietrma da mais ncgra c revollante calumnia le-1
vantada por implacaveis inrmigos.
PAnAMTBA.
Nos termos do aviso do ministerio da justif a
n. 263 dc 3 de setembro de 18j9, segundo ease,
e de ennformidade com a doutrina dos-avisos de
S9 de marco e 7 de novembro do anno, passado,
foi considerade e deelarado vago 0 lugar de pro
motor publico da comarca de Campma-Graiide,
occupado ptlo bacharel Beneditto Onofro de Al-
bnquerqud Henrique*, qaee primo-iruiao d) res-
pectivo juiz de direito; banhairl Antonio da Trin
dadeAOtnnes Meira Uenritjue's, visto dar-se in-
cdmpatibilidale por suspeieao entre estes dous
funccionarlos.
A alfandega reriden no mez de Janeiro
43:201*656.
0 re3u!tado de todos os collegios do v die
tricto para doze membros da assemblea legislative
ptovinciaf, inclusive 0 de Souza, que faMava, 6 0
egitinte :
Dr. Trindafle
Capitao M(dchiades
Dr. Villar de Carvalho
Or. Samuel Harlman
Padre Izidro
Tenente-eoronel Aranha Chaeon
Padre Jose A. da Costa Ramos
Capitao Manoel Carfos
Dr. Lourenco
"^fr50***"^ ** -Qi UtlMteAn+r+UHM^ lomam a
rnanooa politca extefna ilo g iverno.
Na sess.Ti de 10 te faneito o'duqne Pi'caA's
declafuu aa a*seublea> que 0 governo |aer Todoar
0 iiaja, autocid.ii4e espintuat de respaiio QliaL o
manter com a Italia como as circuinstancias 0 >{
ftrmtnant relafdei anflgaveis.' Ter'rainou dizendo:
t Queremos par com toda a Europa. d a inter
* I Dvse inn IMMcnte uflnnNiri
1. seeitoaa ". *ft,eP'?<* P&*1 jKl .
HU,ao de Temj^igo fo4^|^aente
Tno questio
;- 0 govern jprussiino ta.ufwm env**, segq ama'i^^oT^.nJCbilll centro'rela-
pxr-ia.
J prussiini
iaiHeira.wHntmtfazitWM* C^M.Uft^ vil an
Ji qae os poderes JcbjHHw Uo imperio o 1 o
on am a tolla a AlljSoiflhn. 0 mmuteno do
Besse derlarou ni'catrnrifdiH-d^Ob*^ uoajrai
apreentar pi'Mxiuaaieaia. Bn-f>ijet.i de lei
este assu.npto redigido sobre as bases 00 projecto
que actualmeute se discule na caiuart prus.>iana
~1oso n ca-
cca-iio de
Dr. Jnvsnal
Mendes Ribefro
Dr. Claudiano
w* v'otos.
ISO I)
178"
177 >
16V
160 >
160
1'iV-
1VI
I3i
121
119 n
A pres dencia da provincia approvou
as condicOcs com que 0 banco do Btasil
empresta a esta provincia a quantia dc
200:0003, cujo emprestimo e autorisado por
lei provincial. As condi^Oes sSoestis: la
lo annos de prazo: 2* amortisarSo anuua' de
10 0|0 do capital reoeb do, e 3* juros de
8 0|0' pagos seme9tralinente. Represent 1 a
provincia n'essa neg ciarSo o conselhsiro
Jose Martiniano de Alencar A importan
cia liquid a d'esse eraproilimo sevi re col hid a
ao thesouro nacional.
0 retardamento do inverno temmoti-
vado nos sertOes da provincia consideraveis
estragos. Durante o mez de Janeiro apenas
houvechuva quatrj vezes* n'esta cidade,
esta tao fina quo 0 pluviometro marcava
33 raillimetros, quando em janeirode 1871
niarcou 1 i2m e em -dozembro 17& 1
Do interior sao desanimadoras as noti-
ces '. 0 gado morre de fome as centenas, em
(Jueixeramobim. prmcipalmcnte que c um
dos pontos mais criadores, acba-se alii re-
duzido o gado a um nu nero que nao exce-
dertfda quintt parte existente antes de prin-
cipiarostacrise.
t 0 mesmo succede em Bobral, onde setemob-
servado ura phenomeno assuslador. danea do rumo do veate de N. a-S. para de L. a
0., mudanoa esta que que so se observou como
prennoeio da grande- e fliemorawjl secea de 1792.
Se, pois, 0 invertiOMiSo principiar'immedla-
tamente, o prejaizo sera Inealcolavel, e mnitos faJ-
zendeiros fieario na extwirHi miseria-, vendo 3 sna
mtiderta fortuna irremediavelmente deSappareeer
na voragem de sertelhante flhgcHo.
Na villa do Case*vel-'de11-$e o-seguinte lamen-
tavel aeonte%imeMo.;
c I'cilro Caiaba, quo .morava *>m ?ua mulher
equatro fdhos meooree n'uma fasa de-palha Ton-
tigua ao cermterfo,' que perto havia.' Tend* sunitid no-ditttl flefmez
fjudo a unla- viagert, dertiar*-em fsa toda sua
pdbre ftimiha, qnando- *o-*inekr dik, pooco-fliais ou-
ntenos, sua malhermaadl-o fflho- mais velho, de
11 annos, junlar os ramos-ja seccos da nioiu, e
eto segoida'var art. Aerian'ea tendo feito'aqaeile
primelro servieo,' paesa a- deiiar fogo no monlai
m aaisfaneia qne me-
deiava da- fogaeira a casinha, e d'esia ineonsrde-
racao reeurtoa que, 0 veBto'rmpeHindo asclKtaaas
arren.essse:as 's0bre-a peltre ca'bana, que n'usi
momento e reduzida a uma medoaha fogtreira \
froandon'aquelle brazeiro Iresiftltws d'aquellolnfe-
liz casal compklameDfej'flarbonisados I I Imagine
!fc a dor e o deaeepero da desventurosa-mai qoaml
aocftcgar depara com seroeHHMe'qqadro-!Fle"
miasWouoe.
jeNatsexta(ei?a 30-'#e tiassadey poriro4taI'de 9
loras da noite foi assassinado Fraeeisco Rosas por
loie-NogiH-iraddSduza eSilva narna <1a I-'Imv-
desta eulade.: O-awassinadA tinlia viml->hi pnu1"'
de Pern.imhnow/'iinde1 tkiWa; mulher liihos, pra
e*npregar*e cdlMf fflaahinistft oa'-vfa-'ferna tunte/e nao tendo achado vaga, .predispwii.a g-
pira vellar qmnde M viotima da perversidade &
Noidieira, qai- e um rap-vz de 15 para -6 ami ij
eonbiH'ido como deeordeiro.
Az!i|i passado, deu se em Lavras 0 regoiute
Hdntera ao meio dia fandeou no lamarao 0 va-
por ioglez Britannia, da linha do I'acifleo, trazen-
Sb datas de Lisbua atfi.28 de Janeiro. D09 jornaes
e corns rccebidos colhemos o seguinte :
INGLATEMU.
Foi celeorado no Oia 23 de Janeiro, com grande
pompa em S. Petersburgo 0 casameuto do duque
de Edimburgo, com anflia do Czar.
0 presidente do eonflho o Sr. Gladstone aeon-
selhou a rainha, a que dissolvcsse 0 parlamenlo.
A rainha consentio.
Realisar-se-hao irmnedhtamente as novas elei-
coes.
0 novo parlamenlo ha de reunir-sc a 3 de mar
50.
Gladstone annuncia um excesso de cinco milhoes
de libras, na recerta.
Uma mensagem de Disraeli a rainha, diz que
n programma de Gladstone e indeflnido e que a
politica estrangeira e indeeisa ; entende tambem
que se nao deve entender 0 sulTragio universal a
geote dos caropos.
As noticias recebidas cm Inglaterra imr via de
Lisboa, da guerra dos Ashantees alcancam a 27 de
dezembro : sir Garnet Wolseley e todo 0 estado-
maior tinham rhegado nesse mesmo dia a Acratut,
no caminho do rio Prah. la tulo bem.
No dia 3 de Janeiro, haviam chegado a Cape-
Coast 09 reforcos que se esperavam ; as tropas
desembarcaram e comecaram a mt^.'lia para 0 in-
terior do terrrtorio dos Ashantees.
HOIXAHDA.
Os ultimos'telegrammas parlicipam queos hol-
landezes tomaram finalmenlo 0 Kralon residonci 1
do sultao do Atchin.
KHUNCA.
Corrcm boatos assustadores dc perlurbacSo nas
relacoes da Franca -com a Alleman^a 0 a Italia.
Attribuenv-se as imprudencias do partido clerical
francez a ilazeta da A/T?mnft: do Norte for-
malmente 0 declara.
0 que, porem, pode contribuir para dar a sitna-
cjto um caFacter mafs sombrfo; e e-reeeio de que
em presenca do resultado das eleifoes para 0 Rei-
chstig allemao, e dos embaratos internqs que pre-
ve, 0 chanceller do imperio aflemio, 0 Sr. de Bis-
mark, n3o se tente a procurtr um derrvatjvo, am-'
pllando as suas quesBeS com Roma a todas as po-
leni-ias qne'queiramecr as defensoras armadas da
igreja.
Sob este ponto de vista a interpellaclo, ha tanto
tempo annanciada ^>or ,Mr.- Do femple na assem-
ble* nacional, cahe mal a'proposito para 0 gabuie-
te fra acez; pois 0 obriga, ou a quebrar com os-j
nltramontartos, on a cofnprometter as suas rela-
c5es com a Allemanha e eom a Italia.
Por este molivose empregam todos os meios em
Versarlles para lapar a bocca a este pafadino da
'igrja.
A Gazeta 4a Allemanha do N tie escreve 0 se-
guinte :
1 Comrrranicamos, ha alpuns dias, aos nossos
leinres 0 discursolid'o pelo gor#rnador de Paris,
0 general LadnrlratiR- ao corpo de offlciaes de
gaarnifiO de Paris por oocasiao do Aano-flom.
E' pre "da cart 1 pastoral de.Mr. Plantier, nao passe dns-
apperftebido em AHem.-rnlTjt, pdis qtre 0 primeiro
dewr-qne n general Ladmlrault, in'dica ao seu
corpo de offlciaes, i4 trabuHiar cadu. m na tnaes-
phera. na reorginisarao 'do ecercito para resti
Sir a Franea ,0' liiga'r qne Ihe petlence na Euro
pa, e a prepcfldeirtncia- que ella detetef: "
Tat e'o fnieto da* IfeoeS qne'a Pranfa-- tem
TAcebido: Masaqnf esta cobioti6s, n-- allerrraes, res-
pondemos a nma tal iingoagem :
Bm qttrfnto 0.? ,franteie,s fnllirem dfprppin
det'antid' naotpodemOTnemqnfremoseiUtrem pni
rent este povo \. na& qnrremat soffrtr nem txetcer
prepon4er4ncii.'tte*\pecie AlgttiM. t
Os! ar|too di* jornaes allemaes caasaram
grande sem>r^o em Franca; os dnques de BrogHe
e do DeesW-s'iia sun ertirada na assemblea'vlram-
BPUmn rodeairos-d/'muitos depntados que Hies
uellaw explicaroes sobre a significacio destes ar-
Hjros e sobreft#jtadn das relac5es de Franca com
a- p deucias estrangeiras
|' i-im^ros aprfi'sgaranff-se em certificar qae
er*>w-ox<'.ll;'ii;es-eMasrtla55e#.
"' Fhr vi-fa- d>sw o|orno decidro"qae a inter-
P"il:i''aii R11 T'-mi(e,iff logar de ser indeflnida-
m -nt- adia 1,1, sena dada. brevemenle para ordem
! 'n, papa -ervir di> pretext! ao governo dar
e\|Hh\t<.3"S qne pnssam- Hettwiir' os' fcoatos sobre
a [talia e a .Allemanha, e afe mesmo, modilicar
mvtfs paiz-s a ma inipressao jtroduzida por alguns
aetwd' governo, d >s 01-pos oa de outros fizne-
cioinii'- quo [i s-am occasjonar uma quebra do
laches;
Ocgvvern to iou providencias contra 0 jornal
se diz, uma nota ao gbverno belga, por causa oa
BBguagem da imprensa clerical destepaiz contra
a Allemanha
A AsserabMa nacional de.Fran-;* enci nou
no dia 16 de Janeiro a di^cussao na geaeralidade
da lei sobre os nlaires ; 378 votos contra 216, de-
cidiram que se passasse a discuss.io da lei por
artigos.
A esquerda fez novas tentativas para obler 0
adiamento. I'ma proposta do Sr. de Presence
para que a oOmmissfo de descentralisa;ao apre
sentaase no praxo de dons, metes 0 seu relatorio
sobre a lei municipal a que se juntaria a lei dos
mat res.
Equivaleria esta propostaa reconsiderar nova-
mente sobre a annullacao do voto de adiam-mt).
A maioria rcciuou-so a isto rejeitando, a proposta
do Sr. deJYesscnse por 355 votos contra 293.
Na sessao ile 16 foi rejeitada uma cmeiida do
Sr. Eymard du Vernay, pediado queo maire como
representante dos interesses municipaes fosse
oouteado pelo conselho municipal, mas que 0 go-
verno tivesse a faculdade de collocar junto delle
am delegado do poder central.
Depois di T,ej- icao daquella emenda a camara
votou art. 1 do projecto de lei.
Aprescntou-se entao uma emenda da direita,
tendenta. a conferir ao governo a nomeacao dos
maire-.. mas com a condicao de escolhe-los sobre
uma IMa tripliee de candidalos apresentada pelo
conselho mUuicipal reforcado por um numero
igual dos maiores contribuintes da communa; esta
emenda foi tambem rejeitada.
F. i igualmente rejeitaia por 393 votos; contra
291 "ubtj emenda do Sr Brisson, da esquerd.i, que
pBtifa aue.seaJo nomeado 0 maire pelo governo,
eftiicaso de'eleici5es fossem os presidentes das me-
sas' desigoados 4) los conselhos municipaes e nao
pelos ma;res para sublrahir 0 veto dos eleitores a
pressao e vigilancia.dos agentes do poder..
Pol tambem rejeitada, ma.s por 343 votos contra
329 (14 voiis^i maioria) a emenda do Sr. Ducarre
para qua fosVsubordinado 0 direito do governo a
nomeacao ilo#uiaire, condicao de serein escollii-
dos entre ps membros dos consellios municipaes.
Para obl-.r esta maioria Im pceciso queo duque
de Itroglie interviesse pessoalmente e invocassc
afnda uma yezos perig'i* sociaes de que sempre
falla, e que so coiisegue mostrar aquelles que.es-
tao- resolvidiw a acreditar tudo 0 que 0 governo
diz.
' Foi rejeitada.por 3il vo',03 contra 315 (3 votos
de maioria) a emenda proposta pelo Sr. Feray,
reiviudicaudo as condicj3es da emenda Ducarre
para as commuuas, cuja populaea j ; nao exceda a
tres mil almas,
suiss.\.
Para reprimir as desordens que tiverara lugar
no Jura-beraez per occasiao da insUllasao dos
coras eleitos, foi necessario enviar. as .communas
onde a ordeai estava allerada, fprgas ajilitares bas-
taute importaates.
Falla-iC.de dous batalhoes e de uma companbia
de carabinoiros, As communas tem dc supportar
todas asdespczas desta occupacao.
0 conselho federal suisso respoqdeu a uma> no-
va nota do Sin Agnozy, mantendo a ruptura das
relagoes com a Sania Se, e mandando eniregar os
passaportes ao Sr. Agnozy, nuncio de sua santi-
dade.
ITALIA,
A grave doeoca do cardeal Antonelli, comuui-
nicada teijgga'pbicamente, telegraphicaxentee des-
iiicntida. t
0 canJeal soilrc dc um ataque de goita, mas o
sen eiitado iiada tem de assustador. Se elle Id
lecesse neste momento, seria uma perda irrepa-
ravel para 0 ponlifice.
Apezar J s desmentidos das f.luas clericaes
contra a.onlla 'pobllcada pela G-tzcla da Colbnia,
mestnp.no Vaticano,nJo se atrevern a por em da-
vida, senSo a'authenticidadc do do'cumento pelo
menos 0 facto da existonciado doeumento, as mo
diHcagues quo iutroduzio nas condicoes da elei^.ao
pontilicia, c nas complicacies internacionaes que
podem resultar della;. se uma ou outra-potencia
invocando-cssas alterac^es, viessem a conlestar a
legalidaJc do poder.do 'successor eventual de Pio
Os amigos da Santa Se para atieauarera a gr:
vidadc d-.stas onsequppcias, procaram reduzir 0
mais possivel a importancia dasTnodificacSes, in-
troduzidas pelo papa, por sua autoridade particu-
lar, a carta da igreja. Mas antes de disculir a
asSerjSo, seria p.reciso haver corteza no texto of-
ficial do ponto em qnestao. Nao ha garantias de
qua ao laud das inodilicac5es que se confessam,
nao haja ontras muito mais graves que sc occul-
cam.
Alguns jornaes allemae* annunciam uma tenta-
liva commum das polencias cotholicas junto da
Santa Se para rescrvar 0 seu direito de interven-
q5o na eleicSo pijntificia.
Communicacoes importantes de Vienna, sem
negucm que se linha tonlado um accordo neste
sentido, ajuulain que a Austro ijungria se nao
associar.i a taes tentativas, pela razao bem simples
de ter ja c .nimuoiealo a Santa Se cm termos for-
maes, qae desejava que sc nao attentasse contra
as regras scguiJas ate aqui para a cleicao dos
papas.
Estas r.'servas foram formuladas ptlo gabinete
de Vienna quando no Valicano se elaborava a fa-
mo binete nao qner renova-las, por is6o que esta cer
to do mao aoolliiinento que Ihes reserva 0 sobera-
no pontifice.
Por outras palavra*, a Austria deixsra correr a
qnestao ;i revelia, ainda qae tenha de rer um pa-
pa de Monaco, succcder ao papa de Roma.
SL'ECIA E NOUUIOA..
A ii"va dWU d) reino da Snecia devia abrir ses
no dia 19, sob a presidencia do rei Oscar.
Esta dieta, desde a reforma parlamentar, so e
composta de daas eamaras, em lugar das quatro
ordens que antigamente a compunha.
A camara dos representantes remocon um
pouco depois das novas eiei^Ses, haverd uns ez
depntados novos ; a camara alta tambem conta
cOm alguns elementos novos.
Bspera-se que esta infnsiio de sangue novo
dara impulse mais vigoroso aos trabalhos destas
assembleas, que ticavam muitas vezes a disculir
questiuncalas de minima importancia, despresando
0 ladoserio da .sua raissao renovadora.
Btnaiimci.
A ilha de Isbndia, dependencia da corOa dina-
rqarqueza, vai -ffnaltncnte gozar de uma consti-
luijao.
Esta terra srtuada nos confms do circulo artico,
contem uma vasta snperficie, nias pouco habitavel,
uma TjopulaeSn de 70' mil habitantes, vivendo da
pesea, do commereio e dos trabalhos agricolas.
Os islandezes reclamavam ha muito.tempo do
governo dinamajques 0 direito de se adralnistra-
tem por si mesmos. Depois de longas pe,ripecias,
0 governo dioamarquez acaba dc deciair favora-
velmente a pretepcao, e po dia 5 de Janeiro 0 rci
assiguou a eonstituifao isnecial para a Islandia.
Esta lei organica 6 calSada sobre'a ccnslituicao
que rege a Dipamarca.
Assegura aos i.-Iandezes cma aulonpmia. .qua;
cimpleta'. /
O poder legislative ^ocoirilado a c^rOa e ao Al-
thing. re|iresenta?ao^45 pova islaudez.
A l-landia uao c^itribue com parte alguma aos.
ecflarg is (..mmuafeida monar:hia ; e repijeseatada
nngabinet.- ppf i*n ministro especial responsavel,
e'lwe polo inter..TiHJo de um governajoi', exercc 0
^ipaef"-exe:ntivd r Jttis.
0 'Ithing.e d,'ilrb em anas camaris, ,cujos
ujembr.-s sjo em parte nomeados pel 1 rei, e em
parte eleito? pelo povo.
!'A epnstrthrj56 comefara a vigorar no l. do
agesto.
AU.i-MA.MIA.
Em onequenc:a das votacjBfs, que a camara
tiva a ura professSBe ^B servido da agente
eieitural aos cathlMs. 0 sninistro Sr Falk res-
pondeta triuinphamemente, sob os applauses da
camara, as insimjagBes do an tor da iaternellacio.
Um dos chefes do partido do Sr. Mailnikradl,
vein em defeza, u daclaroa qae ultramontano e ca-
tliolico, era o mesmo, e me no sea entender os
catholicos sao tao bem patriotas cocao 0 principe
chanceller. Sendo intcrrompido por signaes de
desapprovacao da camara, 0 arador atirou con es-
tas palavras ao buncos dos liberaes : Assisti-
1 ram a eonferencia entre 0 Sr de Bi: mark e o
general Govone, em que ;e tratara da ceasao
da margem esquerda do Klieno ?
Quando se conseguio apasiguar a tempestade le-
vantada por esta aptslropbe, 0 principe ue Bis-
mark tomou a palavra e em um diseurs* veha-
mente e breve, deciarou qae a allegacao do deaa-
tado clerical era nma nentira descarada ; qae
nunca. em occasiao alguma, linha alludtdo a mau
pequena cessa > de lerntorio allemao, ainda ajae
fosse do uma aldeia, ou de um simples campo
de trevo allemao :
Esta mentira, acercscentoa 0 principe com
um accento- nervoso, n|o teinroutro Um semao
denegrir a miaia pe>soa.
0 Sr. Mallinkradt quiz justificar-se d-sta aceu-
sacao referindu-se ao livro Jo general La Marmora,
que, segundo elle, 1S1 foi eoniradicto e recambiou
as argoiijoes'do princ pe ao gener^f it^iiaoo.
0 Sr. de Bismark, lomand novaineu'.e a palavra,
diz qae na Italia se estava prcparaudo uma lei pe-
nal para o< escriplis do gen-ro d-^se de que
general La Marmora se tomou eulpad i, e qae a*
elle pnneipe de Bisimrk quitesse es;rever am
livro sobre 0 general, podena fornecer oatra* re-
velafoes: mais impjrtautjs do que as que coalem
0 seu livro.
Se eu deyesse refutar tudo 0 qae o* nKaj ini-
migns escrevem contra inim, disse 0 principe, t.>da
a minha vida. nao seria sutttciente ; ufauo-uie em
ser 0 homem mais odiado de toda a Eurcpa.
0 incidente, enlretaato, nao leve offtrns conse-
nuencias.
- A Gaztta da Allemanha do Nort', declara
em arligo offlcioso, que 0 general Marmora, na sna
publicacao, havia alterado completam nt) o son-
tido do desp .cho Goyon.
As actuaes eleic5es alteraram profnndamen-
le a situacao da Baviera, em vista das suas rela-
coes com' 0 imperio-, alem disso, p-jderao reagw
sobre a politica interior deste pail
Sane sc que na corte e 11a ramara alia, a causa
national nao e objectu de niui grandes sympa-
thias; as reformas liberaes, sohretndo i< oue pro-
vem do poder ':eotral e do parlamenlo du inipeno,
nao enf-T.tram ncstac regiSes, senao adKt opposi-
cao teqaz, ou uma submissao forcada.
A posieao do ministerio bavaro, apezar da brran-
dura deque tem dado provas, parece seriamente
eomprometilda.
Ate certo ponto, soffre as consequem-ias das sua-
hesita^oes e da sua politica de dupla fait*, que
permittio ao clericalismo bivaro, leraatar-M da
prostaeScr em qne o haviam lancado os uhimos
aconlecimentos de 1871.
a camara dos deputados da Baviera, acaba de
adoptar a proposta do Sr. Toelk, a favor d> maau-
teucao da instilui^ao do jury, no nova codigo do
processo crime, de que 0 conselho federal 0 0 par-
lunenlo allemao devem cedooccaparse.
Sabe-sc queos estados do sul, li^ain grande
apreco a conscrvacao desta insiituicao, qne foots
oona naqnelle pai', ha tanto tempo, e qne mn
levanton objec/ies serias. A chancellaria, porem,
do imperio, prcfere a organisaclo dos sea* uiba-
naes sew jury, c resta ver se nascc a oMo/iejip no
seio do Conselho federal, sera h-utante forte para
obrigar 0 governo allemao. a modiftcar c sen pro-
jecto de codigo.
A abolicao do jm?, especialmente nas qu^stoes
de imprensa, seria para muilos estados dc Imperio,
um raotivo bastantc vivo, contra as novas iafli-
tuicoes.
Oaroebispo Ledoclnvskski, rccasonce a defsrir
*citagao do juiz de,n\strnccJo do tribunal eccie-
siastico ; e commqnfcou a este tribunal, a inien-
cao em que esta de se nao aprcsentar darante 0
processo qae Ihe 6 intentado.
0 prekid) 'deseja iuipellir 0 governo a reeorr*r.
a violoocias pessoaes c a prisao.
0 prelado inotivon a sna recusa, por uma caru
dirigida ao tribunal de Posen. declaiido positi-
vamente quo nao recoohecia a competencia do
juiz de iustrnceao e do tribunal ccclcsiastico, cm
materia de assumptos rcligioscs.
0 emprego dos meios de coaccio nao 0 faao
sahir da sua abstenQao, nem mudar dc aecor*;
que tem prfltieado aberta e lcalmente ;qae a
posieao defensiva que elle tomou, em face das Iris
ecclesia-ticas se acha explicada e defiuida em toda*
as suas correspoadencias com as aut-jridadts
eivis.
Estasdeclarajiias sao cathegoricas, c Qmbran,
pela clareza das posiijo3s que definem, mas, 1e
certo nao consegairao fazer parar 0 processo qu
seguira seus traynti-s.
ai stiw iioauua
0 governo, no dia 21 aprosentou ao relehsralb,
um projecto de lei, abolindo a concordata eccle-
siastica, e reformando as relacoes das dilieren:"
ignjas com 0 estado.
Effe::tuaram se as elei-'oes complcmentares do
reino da Bohemia, ao parlamenlo cisleilhane-s
para a subsiittucSo dos deputados Schefiies, que
depois da sua efeieao tinham recusado, cm form*
de protesto, tomar assento na camara, e tinhorn
side declarados destituidos do sou mand.ad 1.
Os t-efAos Tcheqnes, isto e, 0 partido feudal 0
clerical, tinham lanjado a Inva ao partido A rapases, que professam ideas liberaes, e que jul-
gam mais utd ao seu paiz, ser este represenlad
no parlamenlo. do quj continuar a politira d
absiencao.
-Osrop -zee. foreaJosnos seu ultimos inliin-
che rameotos, tinham acceitado a luta, mas, r-i
ma occasiao ; todrts os seus candidates, foram dtr-
rotados, a excepeju) do Sr. Szladkowski, chefe d-i
partido.
Esta victoria embriaga os retrogrades, mas, en-
tretantoa Bohemia continuara a ser governada
por lets c instituieSes que nao tem sido uiscutidas,
e votadas, com o concurso dos seas representan-
tes constilucionaes. '
RUSSIA
0 conseHio do imperio rosso ja terrainon 0 exa-
me Jalei relaliya a introduc;S<> do .-ervico mili'.r
uuis'ersal c obrigatorio em todas as provincias dit
Bussia.
Esta lei devia estar em vigor no 1* de Janeiro
do kalendario ruso, isto e, a 13 de Janeiro, se-
guado 0 nosso kalendario. Tera a nobreza os sea*
direitos de iseneio, abole aorganisacao excepclo-
nal dos c ssacos, e destina ao serviyo mililar refjrt-
lar ate mesrao as tribns nomadas.
E' uma cittipleta revolucao que tera para a Eu-
ropa muito mais importancia. ainda, qne a aboli-
cao da escxavidao, As forcas que nma tal orga-
nisacSo ap^licada a nmapopulacao de 80 milhoVs
I, rdj_bn>i'antes pode p6r a disposifio do govern- ,
/ -iao sem dnvida estar mobilisadas daqai
r a *.pU.n tempo, por,que taes reformas, para serem
realisadas absorverla nao so reenrsos linanceinw
de qae a ftnssia nao poderia dispor eem enormas
saorilicios, mas que, de certo nas actuaes cir-
cuinstancias ella poderia empregar com mais utt-
li'dade.
HF.SrANHA
Ace.-ca dette paiz escreve nosso corrcsjion-
dente de Li'sttoa'.
it A politica em Madrid uonti niia bolicosa. As
upiiiio-js divergam e nao ate no mesmo logar
e a mesma hora de.-encontrarein se as vexsie..
Se nos frequeoles ooa.*!llios de ministros se teaj.
nil uao tratado da nomaacio do governadorM, *e
i-stes govjsrnadoreg p-rteucem a e.-te ou aquai**
i>ariido, so Marios ou Sagasta lee.m especiaeacau-
didaCoe, eis 0 assumpto prinripid de qae se oacu-
pa a imprensa e de qne fallam tndua. 0 qui
certo, opossoalfiiiicar-IUea, e que a gravidadeda*
eircumsuinciap ujo teem dminuidu ; antes Deio
coairario, 0 \m' esU/cada vez u'uift estado mais
dtsanimador. A dominacao do federalismo, a
aflarchia impcrando nas regioes olBcsaes, a pro
pagunda deuiijw^u, e*|wlb;mdu-o paako en
qaa^i todas as provincias ; a guerra civil assu-
l.in lo os cuiipos, levando para toda t parle o iu-
C'-nJio, o same 0 ext'-nuinio e a mu.-k ; sao a-<
vfiuciiue cansaa d* pertnrbac^'i i.-t.nt.'.
vxige 1 1 ef.conibaiida;. uma r^ca,
lueiia t.-oha cm vl-t.i as couveiuuiC:. de:
Na sessao do dia it foi approvado o projactQ Ue
lei do r.asameatb civil em 1. .1 s 09 ;eus poolos.
dbs represent uit"s da Prifssia"j*ez po dia 15,'QDO
stdera ? .'m B'erlim a reforrta sobre 0 casameuto
civil com 1 segura. A camara depois de ter rejei-
tado por uma materia de 30 votos a proposta dos
mombros da esquorda de excluir em principio
qual-j-jer ee;lesiastico das fnnccoes..de official do
reiistr^ civ;!, rcjeitou ignatmente uma proposta
ctflrieal que jjueria roslabelecer 0 | 0" di.proposU
do govern 1 e ::io tinha sido pri;:i.iivamentc rodi-
gilo.
Dt'cidido jstn, adoptqu as emendas pro;msta-
pela commissao, as quaes =6 adiuiltem ps crio-
siastieos e Q asd de neeess'idide, e quando as an-
toridades civis ou coinmunaes a que .pertend-r, ti-
verem silo ouvidas sobre esta neces-idade, e.so ,
lire a* pes-^as a enem se ha de confi-.ir o nicargp, daq-j. I
de reeeber as d^laracues dos cidadaos ses i')_p:> >. Qua d


7
:
I
im
11 u'J.Jo 1 creador du parlidorepi
means,.vcl tribimo, que nuuca se de>
i

L mEj



MW^pfogflgAg^g. !C,v.i> feir^Tfelit^oi^ jSli

"-*
nem m
mente
govern;
actual
la, vcrdi
o sou prest
o que fa;
0 paiz continual na anarcliia, que presa
* iT MHr virne am*ncit^ti%titre byVninistro*i
e ape.ar das honrosas manifestation deooufianca,
que teem apparecido, creio bem qne espot
raep.|e, cetijiauara a diivjda e a mcertcza i sr
os tnimigos do governo acJaal .Nao e com maul-
feslacoes
aim pott
princtpi
grandisrirha imparcialiJada na diieccao dos nego
cios publicos.
Falta-se na entrada dos Srs. Castellar, Carva
jal e Maisonnare, asseverando-se no- principaos
circulos, qne, para .esta modfficacao reajjsar to, 6
arenas prcciso yejteer crrtos escrupules. dB Cas-
,4"teHar.
t Falla-sc tauibem qua a actual sitpaeao yai t&
apoiada por parte de homens qua. ao prineipio Ihc
__eram adversos. Assim, os federaes mais-hojirados
terao comprehendida If guf Ihes disse Roque Bar-
cia do manifesloj>I? : 9
a Portugalete, o ponto mais fortilieado e mais
iraportante em relasaV> ao porto de Bilbao, parece
que ja foi Jornada pelos carlistas, Assim os .carlistas
esSo, em breve s-Hrtiores daqneHa praca, e o exer-
eito do norte ficara serrafqehte carfiprqrnetjido
entalade, sem de modo-alirnm ppdex desenvolver-se,
a uaoscrpor uma erapreza.arriscaa'issima. O que
lhe 'vaferi serao os reforms oltimamente repe-
bidos. Moriones eontimia concentrando em Mi-
randa. Os afQetaea doste exereito, ao saberem que
iam scr incorporados nolle os dous bjrtaUioes de
-.- Mendigarria e Iberia, raacMeataram respmtesamen-
te o seu descontentamento e a Aisaosipaoero-'ijuft
estavatn deentregar a* suaeJeedadas. '0 general
deu ordem paraflstifflaiapajti^pitoiOcabo-, H-
earem era Pamorbo, eoDtrattoudo a roareha as
-pracas nio graauadas, que foram distribnidas
pelos diverges carpos.
A propatsito coDtaretJkinB peripecia triste.
I'm 20saiento de uflp dot Ij^ajliues de caca lores,
matou a trafcSo um arteres qne o tinha prendido
por faltas commettidas. Moriones reunio toda*
as tropas que estavam em Miranda, e mandou-*
fusilar, desiilando era frentB do cadaver do assas-
sin*, aadito
i Santa nder esi.i 6>i'te;aente arqeafado de ser
lomada pelos carlistas. CaV.uIa-se em 8-000 os
carlistas que, eapiianealbsi por Velasco, cercam
aqnelia cilade, chegando ja as suas avanoad-is a i
lugar da Artilere, na propnabahia, d'ontie intima-
ram e>ta prata a repder.se. Os carlistas cortaram
a via-feirea, o-qua eonstitue um vardadairo. desas-
ire para Saatandar, <|ue ab>orviaactualraenle o
commercio" de San Sebastian e Bilbao, havendo
dias de recsbcr JJcqnboyacheios de farinha de
trigo. Este m jvJrtrl|Adoj carlistas e feito de-
combinarao com Vitrnt.-hade Nararrete eZaratie-
gus, para a provineia 4e Burgos, onde a guerra
civil esta por.orgaiiisar, marulia qua e dispulada
' pelas trop-.s do governo.
Os carrHtai en=aiam-!=e fortemente para uma
exped'^aj a Madrid aa-prislma -rTr'nnavera e para
esse feito d'armas arrojadjssimo.pedera com muita
instancia arrilheria; mas esta de certo Ihes falta,
pelo raenos por algum tempo, pois em Landces. fo-
ram apprahcndid:i=, na occasiao de embarque, em
numero'ejnsideravel'pceas'de Amsfrong, compra-
das pelo eentro carlista. Tinham. cnst3do a som-
ma de 11:000 libias esterlina, das quaes a maior
parte foram dadas- pelo daque da Norfulle, e pelo
pariido cathorfco Je-Inglaterra.
t 0 general Lopez Domingue?, antes de entrar
na praca de Cartagena fez uma proclamacao am
que, ten&i en 60HSfiernr.ao m defeza ftita pela
praci 22, concede.iackilto'aos qne catregaram as
armas. vio-?e o governo obrigaflo a oneerrar nas
prisocs de S. Francisco, varios-pfficiaes prisionei
tos mais exaltados, sendo reformado or cardatos
qae tiveram diroitos a reforma a mandados para a
disponibiHdade os que nSo estiverem neste caso
A o-jiniay cada vez mais excitada ptdsem altos'
brados ocastigo dos autores da tant03 desastrcs.
a Conlrerase a gente qne com elle embarcaram
na frzgata Nummci <, logo qaf desembarcaram em
Oran, (ATica CraoQeia) foram encerrados nos for-
tes, sendo .*; 0 c ndnzidos para Argel.
Humcia ji foram entrejues ao governo liespanhol
e sahiram de Oran no dia 18, ctrmmandad'js pe) i
almiranta Chicarro.
0 tribunal de Cartagena mandou entrrgar as
uiercadorias tomadas pelos insurgcntos e eucoo-
tradas na prtfa. Pertenciam aos vapore3 Da'rro,
Bilbao Extremadura e Victoria.
a Os generaes Hidalgo, Ripoll, Patino c Arim fo-
ram postos em liberdade, o rmndalos para Saula
t'.ruz do Tenerife, Mahon, Toled) e Vinaroz.
0 exarcito do> centra com?i.u as epeVaoSas
contra os jarlistas ia provineia de Valenria, com
I auxilia das tropas que foram do eerco de Carta-
gena
Foi nomeado Sanchez Bregoa capitao geueralj
da Galiza.
Por am deirelo sao submetlidos a justica mi-
Hlar, os autores dos adenudos contra os oaminhis
de ferro.
Foram fecbados, por ordem da antoridade, os
trcs ui;ulos alfiuaaioas da Madrid.
" Os jornat'S de Madrid, publicam uma longa
k-arta da Boque Barcia aconselhando os repu-
b icanos a reuun'iarem momentaneamente ofede-J
ralismo, e a apm'ar o governo qne pacificar a flea-
panha e veneer o oarliimo; por.|ue e o unico
meio de impedir o regr-so de O. Alfonso.
a Um dos ultimo teleyammas do Madrid, diz
^ue o miaistro da fazonda. assiffoou com Elbogen
um coulrato rcnovando o exi>teute com o banco de
Paris, em vista dos projectosdoministeriorelativos
a crca^ao d'um grande banco nacional, qua lenha
por base a fusao do banco de Hespaoha com os
bancos das provincias, e enjas notas circularao
em toda a Hespanba, mas sem curso forgado;
reorganisagao do sygtema das notas- hypotheca-
rias ; operagao sobre os tabacos das Philippinas e
rendimen'.o de sello.
E accrescanta que-com estes projectos espera
o governo fazer face as despezas da guerra, pagar
os coupons e amoriisar a divida fluctuante.
Foi approvado pelo couselho de ministros q
manifesto as potencias.
PORTUGAL.
O parlamento porluguez continaava a fane
cionar regulanmente, tendo sido approvados na ca-
mara dos deputado=, os projectos, um alterando
o modo da ava iacao da propriedad; para o paga-
raento do imposto de registro por titulo oneroso, e
oatro relativo a organisacao das repartigo s de fa-
zenda.
Prosoguia nessa camara a discussao do projecto
sobre a creacito de novas comarcas e reformando
a organisacao judicial dos julgados.
Fallecaram o general visconde de Leceia
(Celestino Soare-*), o visconde da (lra<;i (Gaarge
Croft) sogro do viscoade de Porto Corvo, o gene-
ral e academico Franciseo Evaristo Leoni, autor
do Venio da Lingua Portugueza, o eeneral e mi-
nislro de estado honorario Belchior Jos6 Gareez, e
Sr. D. Carloa-Mascarenhas, sobrinho do marquez
de r'ronteira. -n
Em 28 escreve nossp corrospondente de Lis-
biti :
Eu relatorio da gereocia do banco de Gui-
maraes. Eis os principals pontos : 0 movimento
da caixa foi de 3,0US:1 i0ii22. Xo ultimo cm
prostimo nacional o banco subscrevou com 300
cantos de r6i3 norninaas. As lettras era gyro fo -
ram de iraportancia superior a 900, coatos da reis;
e os depdsfta ios, a prazo e & ordem excederam a
somma de 800 cantos A gerencia .Bcou autori-
sada a comprar o terreno, para a coastrueeao de
um edifido apropriado ao'estabelecimentobaneft-.
rio. ,
* Nio posso delxar de lhe dar uma figeira idea
dos principaes melhoramento* que a commissao
encarregada de elaborar o piano geral dos melho-
raoaentos nas margens do Tejo, propoe no seu
projecto que era breve vai ser diseutida na junta
oonsoJtiva daobrapabheas. Eis as obras mais
imqortantes a nrgem'iiorte do-Tejo desde a es-
ta^aodo eaminhoiafero.dorteat6 Bolem :
a Era,irent damuralh* do Aterro daas gtaft/
des dockas devent eccupar a extensao de 4,300
aetros proximamente, qae nwdeia entreo rne'rea-
do da Ribeira Nova e arrocha do Conde de Obidos.
c A hnhade caes oa de moral ha ate a torre de
Beiera, saga* em oarvas sucoessivas, reintrantes e
salientes, -coaquistando ao T-'jo um espa^o da ter-
reao qua pertnittiraa coastrw>cio de algumasedi-
ficacSes nrbanas entre a rock> do Qonde de Obi
dos e o dificia aa Cordaaria a junqueira.
. Uea4e,ar$fa5ao dajcaminho da ferro ato po-
lem, piojfictaacouiinisiio a&tabelecor -Igumas \> atas.onla Uitmi snaintf.r : uma
do cjnter carca de
ama dessaj. dockas
quere
P,
tra do;k
projeta mSis'a ebmnf...
Urale ejnrfffiole doartvento d^-Jeronyraos
taaa^Bor dttrazdi ^reedo'Belem.
Doomm tedotdoa^ projeaiam-se airrda-inaM
e e>-pontart^a^*aas do*as,mii na*ISMto>o wrtrano porttnhoj
iaArraWda. ;!'*c /
t- Entro o Jafdim do'Wbaco e'A atfahdega gran
i43..'590*0d^|)o* sp*do da 3U aanos.
A deapei* para a'eaettjcio do graodioso pro ..^^^fPdAasae^p^.ajiJaruai sm
jeetD da cotrmissao, e.por eiU.oakulada ms^pe W^apir^BVTTwa^laV'te^rdpWaVfrancez,
230,030 me
JL9tMMn
a 600 navios, e tendc
ares jjara construct ana^^l1
havera ama
lado do '
tra, que de
P
ejo
um.
com mis'*<
ollectores,
que partiado do nort* pel a parlecaatra4.de Lis-
boa recebam os despejos dos cannos parciaes con-
duzindo, um ao Poco do Biftpo q eutro, a ^ponte
de Alges, afiai da flhi serem preparadas as-.ma-
larias t'ecae8 par* serem aprtivaitadaa para aagrl-
cuftura..
a A commissao tambem projecton ama comrau-
BujiyW'.flrBterranea entro o'fargo'do Pelonriho
e a embocadora da travessa do Cotovollo, na at'
go do Corpo Santo;' bera corao algamas pass vgea*
para facilitar o accesso aos ponto3 mais altos ,na'
linha de Lisboi e lieMra.
No tefrano yue sa. conquiltar ao Tejo ea>
frente do caes do So lre_-e proximo a Ribeira No
ya, projectaa coraraij-'ao conslrnir ama nova al-
fandega, consiruceaa que orcou em 3:000 onto*. *adp--pete governo.
da. rpiSjiidestiqando, oedilicio da-,al(arjdaga: actual
para nefla. >e estabelecef, a feslac#o dJjs caminqos-
de ferro^dojbrt^ i;>jl. X ilji'lld" 1ae a C0P-
panhia Jejfa flh( VflPerWjuro e amjr-
tisiicio aaJmaorLapcianiacessaria para a nova a
plicagao fl+^ttelle edimclo ar quantia annaal
dispansavajs para swvif.odos ewrposdo exetcito;
na cOrte sao direetamente subordinados ao miois-
ilro da guerra, a exeepcao. da eece4a do batalbao
da engenheiros, quefica depesdeute do commando
da escola-i miutar, e nas provincias ficam sujeitos
aos eommtndantes das armas ou as aotoridades
qae suas vezes lizeiem. .;
Consiste a instMte^o theonca cm leitnra, calli-
graphia, doutrma^ahrjstfl, jas qaatro operagQes to?;
pre numeros inte^M e. (rapedes, tanto qnjinarias
corn'o-deoimaes; rhefralcBia,' desenho linear, as
pDiocipaesdisp^sijdWdh- legislagao rjena! ipriiytair,
e os deveres do sbldfjao.'cabVfle esqaadra, furriei
o-aarganto, em todas a? ctfCunwtiMcias do servico
dapz,e. de gnerra.
J'aricada- uma das artn,as, a- jnstrnerao pratiCA
iwpeativfi sera^egulada' por -pro^rarhmas ,f ppro ,
icoptoa de.ris.
Na camara dos depntado3, o. prasidaato. deu
conta, na sesaao de 20 do corronte, qae eT-Tel rfef f|
cebera com a sua aval beneolencia*a deputaejio
da camara qae';lhe tinha. apresentado a n spo.^ta;
aodiseario dacoroa., Em sogjida. feve terceira
leitnra a proposta do Sr. Francisco Mendes para a
reforma da carta cotutituctonal, sendo rejeitada
por mujtos votos. Eaectivamento na epoca ao-.
tual nap .parece vippertfuia a xefwraa.-me^nip par.
que'Portugal nao soffre nem por, faUa.i.elig-'rda-
de; nem'por aigama eutra cou-a das q/ie^xigi,
riam previdencias imfflsdiatas. Rfl
Entrou em discassao o projecto. qae. tem por
Qm a extinccao daQgefberia distnctal. Falliram
sobre a generalilaad varws deputados eipecialli->
tas no assumpto, passando a diseussa i paralaj;
sessao immediata. (
Foi dada para ordom do dia, de 27 do eorrente,
o projecto acerea da creai.-ao das novas comarcas
0 parecer da Commissao da legislacao ja foi dis-
IrilMidO} e 6 favoravelao governo, que fas aquella
proposta. Espera se entretanto grande tormeata
da "pposicao.
Cbegaram os narios : aLisboaS. Manoelll,
de Parnambuco; ao Porto IhwulJade, do Mara-
nhao.
Sahiram os naviosl: de Lisboa-a 22, Lishp-
wnse, para o Para ; a 23 Adelaide idem ;: a 2i
Linda Palmeira idem.
t Estao a carga,: em Lisboanbarca Liftioa, para
Pernambuco ; no Porto patacho'L^fnqjr, idem.
'Ma

do Paco.J tomaMa fti^a a soa ^gura, a wttraii aa-
arsanal de marinha. ^
"Vlgiflli Nlhej.dqfronte-do Aterr
graadee dockas qae ocoapa'rao um
REVISTA DIARIA.
Secretariu do governo. Por decreto
de 2i de Janeiro foi nomeado o Sr. bachareJ Jpio
Diniz Ribeiro da Cuulia sccretario do governo da
provineia de Pernambuco.
>Tuizo de orpliaos.Par decreto de 2'i de
Janeiro fez-se raena" da serveatia vitalicia do oHi-
cio.de 2* esarivio de orphaos da coraarca do Re-
cife, ao capitao bacbarel Manoel do Nasrimento
Ponies, lugar que era-exercido.proviso'riameote
pelo Sr. capitiio Ilyppolito Silva.
y :i:tli!ie:c:\n dtx gurarda nacional
0 miuisterio da justica, em 19 de Janeiro, diri-
gio a seguiate circular as preSidcrjcias d? pro-
vineia :
Illm. e Exm. Sr.Manda S. M. o Imperador
que V( Exc, logo que esteja concluida a nova qua
lifk'aean, a que se mandou proceder, da forca ac-
tiva e de reserva da gnarda nacional, proponha a
divisio que mais couvier dos districtos do com-
mando superior dessa pfovincia.-afim de que o go
verno imperial d^ cumprimenlo ao prescripto no
art. 1*, 83 da lei ii. %39o.de 10 de setembro do
anno findo. Attentas as disnosig5e3 do art. 1*,
0 e 8 da citada li, qae limitaram a 40 aanos a
idade exigida para a quaiilicagao no servico activo,
e prohibiram crear-se. mais de am batalhao nos
manicipios em que se naa organiarem mais de
oito compan das com a for^a de 1'0' pra'';as para
as de cavallaria a de 130 para as de ani'aateria,
consjderavelmente reduiida tem de 'xar a ferga
activa da guarda nacional, e p irt.ntu a quo eons-
titue 03 commandos, supariores ,ei tentes. Is to
posto, convdm que os districtos d^; commandos
saperiores da guarda nacional sejam ampliado; c
coitrprehendam o territurio da dous au mais muni-
cipio9, oa pelo menos o de uma comarca, coufor-
me o namero de batalboes e a forca Ue que vicrem
a near compost' s, salva a conveniencia do se evi-
tar as grandes distancias e a difQculdade das cora-
municaroes. Para que seja devid.mente aprecia-
da a proposta que V. Exc. liver de apr^sealar, in-
formant V. Exc, na occasiao em quo dirlgi la ao
governo imperial, sobre a exlcnsao dos districtos
dos commandos saperiores actuaes, acarta dos ba-
talhoes, seccpes de batalhao, corpes, esquadroes
ou companhias avul-as, de que sao compostos,
com a indicacao do numero dos offlcises e dos
guardas alistados na roccnle qualilicacao. Deus
guarde a V. E\c.Manoel Ant'nio Durrte de
Azevedo.
Gratiflca9ao aos.ehefes de pitlicia
interinos. Por aviso "do 23 de Janeiro, o mi-
nisterio da jostica declarou o seguinte a presiden-
eta tie Saula Catharina :
Illm. e Exm. Sr. -Com offlcio de I" de butu-
bro ultimo o inspector da thesouraria de fazenda
dessa provineia submetlea a approvagao do go-
verno imperial o ado pelo qual mandou abonar, a
vista do decreto n. 4,906 de 20 de marco de 1872,
ao bacbarel Sergio Lopes Falcao 03 vencimentos
do lugar de chefe de policia que 'interiaamente
exerceu. Em resposta ao dito offlcio, declare a V.
Exc, para o fazir constar ao referido .inspector,
que nao sendo o bacbarel Sergio Lopes Falcao che-
fe de policia effeclivo, nao se acha comprehendido
na hypolhese prevista no art. 1" do citado decreto,
embura aao seja magistrado, competindo-lhe, ape-
nas, as gralificacocs devidas ao juiz de direito quo
serve a cargo de chefe de policia, do conformida-
de com os dacretos n. 1,993 e 2,531 de ii de ou-
tubro de 1857 e 18 de fevereiro do 1860, a que se
refere o aviso de 13 de setembro do anno passado.
Convent, pois, que o mencionado bacharel restitda
o que mdevidarnente lhe foi abonado. Deus guar-
de a V. Exr..+Mancel Antonio Buarte de Aze-
vedo. >
O servico da junta de qualilicacao
prefere ao do jury.-O ministerio do impe-
rio dirigio ao da justija, em 28 de Janeiro o se-
guinte aviso: \ .
< Illm. e Exm Sr. Tendo-me represen'.ado o
juiz de paz presidente da junta de quafificagao da
freguezia do Santissimo Sacramento, que o cidadao
Joie Theodoro de Britd, eteito secretano da mesma
junta, esta servindo na actual sessao do jury, rogo
a V. Exc, baja de providenciar como julgar con
ventente para que seja o dito cidadao. dispensado
do exercieio-desta9'ullimas funcfoes, Visto qud,
segundo a disposicao do aviso a. 82 de 23 de julho
de 1850, o servico da junta, da quli6cacIo deve
.sempr*pafarij ao do jury. Deus gaarde a V.
Exc Joai Alfredo Cornia de Oliveira
Foroas navaes -Seguio no dia 1" do cor>
reate^tara Montevide'eacorveta Mciherohy com a
chefe de esquaJra barao da Laguna, comiaandan-
ta em chefe das, nossas forcas navaes ao Rio da
Prata. ,
,Devam deguir tambem. era breves dias 03 eno->
racados Btysil, Uariz e Barros, Bahia 4 MagA &
iuorparar-sa ao Ypirang-i, Ivaky a Brion'4, qua
ja se achaov na> aguas. do Prata.
0 capitau do mar a guerra Silv-ira ill Mutta
pa&sara aeommandar a corveta Nir'heivlnj.. a o
capitao de mar a guerra Antonio. Claudio'S/>ydo
assumiRa o lagar de chefe de estado maior.
i fKeorgamsacao das (Willis i'M'.v-
*rotU--r-0 Sr ministro tLt guerra acaba de do-'
tar a^QlaMaique habilmente ding" ,com mav um
injportaotajmaltwramento : a reforma do rfeula.
jneolQ das ascolas do exereito. A neeessidade'de
oximamente, pa ftfUktffoamfoir-ae psnsametto-noaaiate*^ *
tatun^paaaaaMiiia.' EMa'peunAeatb foi
ptopeittrtef atoauMteitr pTelo*. 8r; a ifltft s.tro
-.!,-> da gftaaea jmmlaa*aatofea*a>' de j> dir.
wi A J4tafl dafltaM^aatMt^aMta^M.*. m :es
cer algumas inforafecSee ao qo uHtraatoente dis
aetaoa-sobte este aesnntpto. i umI)
.-a*eacoJfeMKrat Iran9feri^la,para o ministerio
dojnparki, sendo a Uastraoead militar ars(ada is
* prafaa do exereUo nos depositos de instrocao, dS*
eaotiiateiraaniaM, na escola preaaratbi'taj e na
escela militar.
gai>,oa dapositos de instrnccao destmados a for
mar officiaes inferiores com os cenhecimtntost Ulm nnmingng gaiagiia Mnia
otrtofos MaaMl Martins
Augusta L RaaP-^mara 320M
Euzebio d*10l|-WrrSo J31|9O0
Cyrillo O. WWfrlo da Motta f30|000
- Os vapores Ceari e Crvkeko da Surironxe
ram para :""' | t
fBarao de Naa.fet ^'-*ni 10:00*000'
OHreira, Filhos & C.
Keller & C.
Joaquirn Geraldo Basl03
MoraesiSt Irmao _^ ~
Artorim, Irm5 it C.
A e-colaliraparateria 6 annexa A-rnilitar e tem;
por. liiff e'nsino d^as, dontrinas pf epa^atof i'as ext-.
gidas para os crrfsqs'mflitafes-, e a insfruceao pri-
tica elemental* aasuLffereales armas, tendo intpr-,,
n:il/l pin pan/tuAoc ort^Liirac in (Jqj alumn.03 'da
ao
nato^m condicdes adalogas
escola militar. ; ,!
lO'fclWo'ihewlee e^wKliade eWlrtes anaws, e
nmatjca^
etna e
letti
inglez, bistoria, arittirnetica
trigonomctria plana, oftielihd-'ImeW W -^feomet^La,
pratica.; ,aac^.ende trquencia,nestaeicola.awl-.
gatoria para,us jpdWidou*yque appirem a matricu-
ia na,cur*o opener,.coiiuanlu, porom,.que.uessas
miti-rias se muidreui babililados/ pela; (aspecteria
geral de in-truceao.p'jhlica, ou pekw.concur.sos do
que trata o deiTeto n. 5,429 de 2 de autubro de
riS73,pu;,se .aprfsentarem'Parta.de,bachaadt p(lo,'
9K|le^jo4a)7efl[ra-il.
I Seta preataila aos.alqmnos de-*4a ascola-a aeces-
saria instrucfao pratica das;differpptes armas, do
ex^rcifo,, BpmpreMndendo. tambpm o:<*nsioo de
t-'i'uujattia, naiacjSo e e.-grima ; de .modo que na
lira pos ires auuos do curso liquom olios baaitila-
4os a exeroer nos cqraos 4a jutjjili^ria e cavalla-
ria as, f-ipcf-pea' de subaUer.no,, #.w& dajarJilhe-
ria oj da qflJcialTioferior.
Na escola militar fica exclusi'iamente eoneen-I
trada a-, instruecao theorica a pratica, necessaria
aas (Jlkiaas e.pracas do exereito que, depois de"
babilitados nas dontrinas da escola preparatory,
se propuzerem a'a'dqairfr os"c.inhecfmentos eSpe-
ciaes as tres. aripaj dotsxofcito, e. aos corpos de
estado-m-|oi Aoi 11 cligse e ,de ingenheiros. As
doutrinasque cdnsj^tuenj dj ep.-po theorico des-
ta^ escola sao utstribuidos per cinco paries,
loastituindo fuatro cwsos djfjerentes que cons-
fjjJWo. .. ,;000*000
i nRara o iU do iiiMcjrio.-Com 7 rece-
bidus e/o nossopoflo, levoa o.BrUtum-i 187 passa-
sageiros
--Siol.a MoroMld'-ut senUoras.-Ama-
.pua, polas 3 not as. dai larde, deverio priootpiar
aa.^esptactiva eseolaos eicamea das geaharas ijue
|rtjqueqfajn* q l anno, qne o., roqueraram.
0ss examaji jversarao aobreiae.oiesma) inalerias
4WaMa'fl anu.i!.passado, e, erao examiaado-
rfesos^iiioieiiaofes, das.wspeeti'-ias *adaira.
r 0 prqsidjeflie, do%cewelbo,iiacpobil> da s. An-'
tQQio e; director ii iineama .escola resolveo espa-
car ate essa aiia a recepjao dos raquerijneptos
daqaella^sanhoras, que aiuda aao o .Qeeram,. e
qua qesejai em subm Uer-se a ditos exames.
, 4r>04lrieula, noren^.eatarcarisa-ha delinitiva-
,m,ent ho,di|13do eorrente:
Km tran^i|o. Ahj se a bordo do vapor
Ccarix o ar. ciiele dp deyisa Mamede Simdes da
Silva, .qua.vai assumir.a iaspectaria do arsenal de
uiaruiha da Bahia,,lugar para o qual foi ultima*
mente nomeado.
vVille 4i*j S*tos.^Eite.Yapor francez, da
linha do Havre, quando no sabbaae demandava o
fundeadouro no .)aiDarao,.enealhu. aos alagadoa
em frente a ilha de Pina, .salarido a seus proprios
esforyos.
iTrapsrerencIa. 0 Undo fogo artificial
qne se prepsroii para a.fesla db.Martir S. Sebas-
tiao,n^ cidade de Olihda,,tera lugar hoje.
1 Pej-Uhento Jleve.- No I* districto. do
\JfA- atcclajuaeao. -Pcdem-aos qu,e cliaraemos
ata-fafanteria e eav-rtlirra. --* v altenca. do Sr. gerente da.'compaobia Ferro
*'-e -a,-anno, pi
2 e 3* anno, para artilheria.
i
1, 2, 3* e 4. para eStado-oiajpr de 1* classe.
1\ 2, 3, 't e 3' para enjantaeifos.
A instruc'.ao pratica que devera acompanhar
tanto quaato seja a theoria, e rcgulada p^.r. pro-
grammas especiaes, servindo' de base para sua
dislfibWaao a-arrfa ou corpo a que. pertencer ou
se deaiiaar o aluinno, de modo, que a in'strucctu
respecliva, sendo..gradual e sucoessira, se complete
deqtro do prazo dos respec'tivos cursos. A parte
superior eomprehendera : parte das obsefvagoca.
a-itronomicas na ecola c no pbsefyatorio a.-trano-
mico, geodesicas e topographicas, reconhecimentos
militares exercicios db3 trabautos de guerra e da
construccoes railitareg, servigo, oe fronteiras, co-
nhecimento tnchnologico das principaes ferramen-
tas, machinisraos e instrumentos em uso na arte
militar, e raam'polacoes pyrotechnicas e eurso pra
tico de artilheria.
0 ensino praiico versara sobre a inslruceao mi
litar.par. todos os alumnos, alem da especial as
armas a que ferem deslinados os mesmos alum
nos; instruccao jcomplementar para os ofBciaes e
pracas qua dos corpos forem.mandados praliear na
escola.
Afem da bo^ organisacao das divensas e=colas a
conveniente distribuigao das matcrias, alcumas
outras providencia? importantes foram adoptadas,
como sejam : creacao de ti(a quadra extranume-
rario para os empregados no magisterio que [orem
militares ; idea que nao 6 dova, ja adopjada pelo
general Jcronymo F. Coe'lhO, de saudpsa me no-
ria, e tem por flm nao prejrjaicar nas. prpmecoes
aos outros efficiaes que ^restam sarvir. si nab ine
nos importantes sem as vantajosas remuner&coes
e distinc^es do magisterio, aposentadoria, titulo
de conselho, etc
Nao se esqueceu o Sr. ministro da gnerra da
uma provider*** ha mnito reclamada : nao eon-
cader deraissao ou baixa do service as pracas do
exereito que tiveram frequeotado a escola, sem
que, seguido a legislagao. em vigor, tenham pelo
menos seis annos.de servico efTecUvo em qualquer
Curpo do exereito ou 'commissao militar, salvo se
indemnisarem os cofres publicos da toda a despe-
za feila com o tratamento e vesluario duraute o
tempo do internato, rnedida que tenda a diminuir
o numero dos que procuram a escola com o firme
proposito de habililarem-se por modico preco para
a matricula nas diversas faculdades do imperio,
depois de obtida a baixa.
Comprehende o regulamento muita3 outras pro-
videncias que demon.-lram a attoncao o criterio
coin que procurou o Sr. ministro da guern la'er
uso da autorisacao que lhe.concedeu o podcr le-
gi.-lativo.
Proecsso Vlsgnelro.0 Sr. conselheiro
promotor da justica, requereu a pronuncia do reo
desembarga lor Pontes Visgneiro, no art. 192 dp
cidigo penal (hemieidio) e o processo com este
despacho deve ir concluso ao Sr. conselheiro re-
lator, que proravelmeote o apreseotara em. mesa
na sessao do supremo tribunal do justica, a 4 de
fevereiro, para sorteio dos tres juizes que tem
de pronunciar ou desproeunciar o referido rio.
Matricula de gado cavallar. -Por
portaria da presidencia da proviqeia, de (5 do eor-
rente, em vista da exposicao do inspector da the-
souraria provincial, foi prorogado por mais 3 mo-
zes, a oqntar da data da communicacao era cada
municipio, o prazo marcado pelo regulamento de
9 de setembro do anno passado, para o encerra:
mento da matricula do gado cavallar, crcada pela
lei provincial n. 1,113 de 17 de junho do mesmo
anno.
Guarda nacional.Por portaria da pre-
sidencia da provineia, de do eorrente, foi proro-
gado por 45 dias improrogaveu o prazo Ipgal para
poderem tirar patentes os ofBciaes nomeados era
3 de outubro do anno passado para o 57 batalhao
de infanteria do municipio de Panellas, visto ter
sido desencaminbada a respective communica-
cao.
ivicgrainraa da eorte. Em 6 do eor-
rente dizem d'alli :
Sem telegramraa da ich?gada do vapor fran-
cez. Saques sobre Londres J3 7/8 bancario,
frouxo.
Em 7 do eorraote, a tarde, djzem ser 26 %
particular a preco do carnbio sobre Londres.
Tilc-"ia!iiiiw d Para.-0 vapor ame-
ricano \ievrimack sahia sex'a-faira a tarde para
Permambuco.
Fami4laUa*ierlal.-A'-vistadum tele-
gramma da Paris,.commooicou a Correspondencia
de Portugal, que S. A. a Senliora princeza impe>
rial, D. Isabel, foi declarada no seu estado iute-
res3aate.
Passaauento.Seguado o-jornal aeiraa ci-
tado, falleceu em Paris. o. conselheiro Antonio de
Menezes Vaieoacalkis.'de JOrummOnd, diplomata
bra-ileiro. 0 fallecido foi nosso ministro em Lis-
bo, ha bastantesannos.
Accidfiite. Ante-hontem, depois das 10
hcras e meia da aoite, am tretn la via ferrea de
Olinda, que subia para a EooruziRtada, ao des-
froniar-se ;aw a^ua. doe Pu*es,.paaou sobre as
pernas de MBH ntntilfr
Ao ivgressar, a autoridade polieial quiz preo
<,afi*l"f 'l>"lin!*,a< que aejvaliii teperoso."
S#lh^WjWr.'. mm* pvapb*-i
pitsl Pr- Iro n, onde aos, ,oensta que falleceu al-
gumas hiras depois da acaideote.
Veriiieou-sa depois chamar-se ell* Maria Gui-
Ihermina. e estar am'pboco'entbriagada, e o
r se dad a circuraslincia/de ain soldado do 2
b itn"i< n* im'anieria f Ijnha dfr-noav
t-'i^'b^iJ#-^pr_:dtias-.'/etes1 antes' do Scbj
. --,.-. rw. r* -^m^^ U1UUS IU
aqnelli. MaqtiHlle,' mesmoppnto, sh.;
;ias .io au'jgo ra; i bre o* ttiUnx, o.j'.jp fa? supjioi! qag''-
a orXde ba uiuit> [cada oo -as > "i> nio de refiecflr, ;'ti
satisfeita, pi)Ls>era Ji.'>t'.r-s"
Etinlieiro. ftvapor Vim
^reeqche^ as iacuaas e deucioiicias
,ujik8ulame'ato de 28 de abril de (SGd -
y*iV ireconheoida; mas,na.podia sec
ipor demais restricta a faculdade cmf'iiia pelo
art. 298 da^aelle segulamento. VU,.
.T 0 art. Is J 3.'da lei n. 2,-JGI de 2i do. maio de Jtose Lmz .:<..-.-dv.-< Ferreira 4 C.
1873 deu Teltzmente mais ampla aal irisacao e per jSoares Lei'.e 4 Irmao
J. "
ICunhalnnA-w e para :
aooo
iOOO
1:500*000
9 68 tfaifaa Ifc-frBiao ^eODjt#0
abwiDfos akaJjgiJgguy "UP "9 .*illf000
itH-
t i f m**m '#* i"MiHi *wt*i
=
II 'Tr '
fl:9ft(>|' 00
5:523*00
3:446O00
1:000 ji oo
Joao Paulu da Hello
Jose Rodrigues de Souta iO j
Padre Jose Joaquim Camello de An
drade _.
Daetlngo* Alves Majheus ^>''- 1*
Antonio Gomes Net to
Rabello & C.
Cirneiro Pereira & C.
1,0. CbOoyte
^oaoflamoisMachado
Alyares; Queotal 4 C-
Joaquiia. *ose, Goaealvei BeHrao &
Fun-)
Edl^rdo Burle & C
0 vapor Duquc de Caxias levou para :
flpio OjO ... a:OfJ0#00O
1:8094200
1:7434210
i:500400d
1:3004000
9804001.
8384680
, 83*4000
. 800*000
6204370
;5004000
4004000
363*000
Anna Ambreetoa'de Oliveira Fonceea.
Tnome Barbosa Alves da Silva, oom ARrodi
Eugenia de Mattes.
Franklin daCd6aCirn, com Porciaa Ferrara
Chaves.
L.eHao Conforme esta annunciado, deve, Jer
lugar amanhi; tercs-feira, um lellSo fle- faiendas
avariadis d'agaa doce, por intervenclo do agenle
Pinto em seu escriplorio, rua do Bom Jesus
a. 43.
I.oteria. A que se acha a vends e a 87', a
benefiftio da irmandade de Nossa Senhora da So-
ledade, da igreja do Livramento, que eorre no dia
13 do eorrente.
Casa de detencao.Movimento da easa
de detencao do dia 6 de fevereiro de 1874 :
Existiam- presos 344, entraram 4, sahiram 8,
cxistem 340
A saber :
Nacionaes 250, mnlheres 14, estrangeiros 36,
escravos 42, escravas 1.Total 340.
Alimentados a custa dos cofres publicos 253.
' Movimento da enfermarla do dia 6 de fevereiro
de 1874.
Tiveram baixa :
Jolo Pereira Gomes, febre.
Manoel Pereira Lins de Araujo, febro.
Tiveram alta :
Jose Pedro Gerald".
Antonio Jpaquim Jos6 dos 8antos.
Passageiros. Vindbs do aorte ao vapor
nacional Geard : '
Henrique H. Martins, Jose Gomes, Antonio Jus-
fine Pereira da. Silva, Jose de Azevedo Maia,
De La Grange, Joao 8. d& Magalhaes, Joaquim
Carlos de Lima, F. Guissappe, Augusta J. Rudii-
gues, Tristao da Costa Sobral. Jose M. Barboza,
soldado Luiz lldario Saperg, Candido Ferreira de
Azevedo,, Maneel Marques Grange, Antonio L.
Ribeiro, P. F. Guissappe, Antonio Joaquim, Maria
do Carmo d> SilvajTa, I). Roza Alexandrina Coe-
Iho, D. Antonia Maria de Sauza.
Segnem para o sal :
0 1 teoente Josd A. Rodngues, major Francisco
Vilella.de Castro Tavares, alferea Mmpbronio A.
dos Santos Lima, alferos HTmino P. Castello-
Branco, 1* tenente Joao P. da Silva Affonso, 2"
tenenle Jose" Joaquim de Araujo, D. Antonia Fran-
cisca L. dos Santos, Pedro Jose dos Santos, sua
senhora e dous Glbos, chefe de diaisao Manoel
Siinoes da Silva, 1 tenente Joao Alves F. da
ftocha, G. Stenfeu, I" tenente Jose" J. B. Machado,
D. Maria Amalia de C. Machado e 5 filhos, das-
embargador Antonio de S. Mendes, Raymundo P.
Veiga, Raymundo de Souza Roza, Dr. Jose B. S.
Belfort e sua senhora, Raymundo G. A. Valente,
alfcres Joaquim G. Couto, Jose Joaquim ue Oli-
veira, Anlonio Jose Rodrigues de Albuquerque,
Narciso. A. Vieira da Cunna, Raymundo N. da
Silva> Jos6 P. de Brito, Jose Diniz, Dionizio S. de
Aranjo, Antonio R. Gomes, Gulal, 4 cadetes. 21
3 ditas da armada, dons 3"
Fopetlado Jo^e" Cyprl
' Diligencla cri;
Ao Sr. desembargador promotor da juaiica :
Appellante Anna Cnstodia de Jesus, appetUda a
jUstrca ; appellante o fuizo, appellado Paulino, e-
cravo ; appellalte BelarminJ Francisco de Sales.
appeliada a jusliea ; appeHaute o jaua, ippalladu
Jose,dos Santos Ferreira.
I | DISTBlBL'i^OES.
Aggravos da peti^ao.
Ao Sr. desembargador Freilas Hanriqaea:
Aggravaate Theodi.ro Christiansen.
Ao SV. desembargador Silva Grjimaries :
Aggravaate Corriia ti C
Ao Sr. desembargador Louranco Santiago :
Aggravaate o barao de Bemfica.
Ao Sr. dese i.bargidor I'.ais e&iva :
AgejavaaU; bacbarel Joaquim da Costa Potarad"
A,aSr, desembargador Almeida Albuqoerqut- :
Aggravante Bento B, Ferreira de Sooaa.
Ao Sr. desei bargador Qouiiugues Silt* :
Agg avante Paula & Mafra.
Encerrou-se a ses-ao ao meio dia.
ve-rwienro jevc-ao i aisiricto. oo ter- ^^ <]o exereito,
mo de ISaiaretr, Jose Mjguel leno teyeaientei rnac,)jniglvs 86 escravos-a entregar.
hma punhalada ao soldado do corpo do po--1'
com
licia, alu dastacado, Miguel Luiz Correa, mo rdia
3J do mez ultimo. Foi preso era fhgrante.
Inqucrito.-Teve o conveniente destino o George" AlfecurrManoel Scve~FiliTo"&rerino'"Mo'
aoia.de ribeca contra reirai Joa0 de Mel,0 A_ de AibUqnerque, Joaquim
Chegados dos portos do norte
cional Pirapama :
Autonio de Mello, Frutuoso Ferreira
no vapor na-
Freitas,
que euectuou a snbdelegaoia
Joao Curamba, porjCfime de
ferimentos graves.
Carril sobre e conductor ii. 1 da linha de A/o
gados, o qual, alem de em .geral nao tra tar os
passageiros com a devida coriezia, raramente at-
tende aos signaes de parar.
Pagadoria de fazenda. Neau esia-
cao pagam-se hoje as seguintes folhas :
Guaidas nacionaes, navios4a *rmada e aposen-'
tados.
Os funccibnaribs que deixarem de receber
ne^te dja, s6 poderao fzel-p do oilavo dia util em
.diante.
Ferro CarHl.-Pess0a3.que viajam nos car-
ros desla compinnia, na'jialja du.Feruaudes Viei-
ra, nos pedem para Iembrar ao Sr. gerente a
grande conveniencia qde lia em ser preparada, no
ponto terminal da linha, uma casa que sirva de
e.-iacao, onde se recolham os passageiros cmquan-
to agliardam'a chegada'dos carros. Achahdo ra
zoavtl 0 pedido, apresenlamo-lo ao.Sr* gerente.
Anniversarios. Complela hoje 41 annos
de.idade S. M. osultao da Tuxquia.
4 Amanhil ii 0 dia ahniversario da proclamacao
da independen.-iS do. Br'asil, na provineia da Ba-
hia, no anno de 1821.
L.uso-IIs'UMilttira.-IIoje, as 7 horns da
noite, havera "sessao extranrdinaria da diroctona
dessa assdejajao para tratar-sc do negocies ur-
gentes<
' Pofrto da Rio ue Janeiro.-Sahiram
bara rerharabueo a 25, brigue liespanhol Roman,
tico e escuua brasilcira Georgiana ; a 28 brigu-
hespanhol Amalia e.barca sueca August; a 29e
barca portugueza Diana; a 30, pataeho araerica-
no Adelaide; e a 31, brigue portuguez Relampago.
f.otcria do Iiio de Janeiro.- Resa-
mo da lista da I0.a loteria (493 ) em beneficio das
obras da raatriz de Saui'Anna da corte, e extrabi-
da a 27 de Janeiro :
N. i 9?...-................... 2:00-,400o
.^. 31-2G...................... 10:0004000
N. 5379............'......... 4:000*000
N. 633..................... 2:0004000
Ns. H23e_fl0i 1:00.)* a cada nm.
Ns. !389,.38)i;:ftt77 e i5ia-8(* a cada um.
Ns. 621, 1121, 1918, 2439, 2335, 3067, 360S,
4497, 4303 e 5613-200* a eada um
. Ns. 930, 978,. 1280, 1302, 1473, 2298, 2716,
682?, 3083, 3290, 39i5, 1213, 4767, 4901, 5132,
5381, 5883: 5631, SW) e 3933'109* a cada um.
Ns. 44, 193, 368, 399, 531, 586, 732, 766, 793,
905.937, 007, 1,039, 1120, 1618, 1683, 1720,
,808, 1877, 1964, 1991, 1996, 2017, 20G3, 2171,
2210, i29i, 2301, 2T11, 23H. 2867, 3009, 318J,
3223, 3314, 3365, 3424, 3461, 3512, 3615, 3633,
3922, 4036, 4067, 4071, 4083, 420:), 4238, 4262,
4263, 4290, 6789, 4819, 4869, 5248, 5418, 5443,
3669, 5735 e 5982 -40* a cada um.
Resumo da lista da 195.a loteria em beneficio
da saciodadw Amante da Instruccao publics, exira-
hida a 31 de Janeiro :
N. 1477...........-.......... 20:0o05000
N. 478...................... 10:0005000
ft 2230..........'............ 4:0005000
N. 8536...................... 2:000*000
Ns. 39:8 e 24431:000* a cada um.
Fs. 59, 1311, 3473 e 46S7 -800* 4 cada um.
Ns. 112, 1707, 2507,-2974, 3084, 3380, 3679,
3818, 1178 e 4749 200* a cada um.
Ns. 73, 197, 314, 479, 637, 858, 839, 1438,
1824, 1850, 2o63, 2797, 2981, 3536, 3593, 3809,
4430, 4323, 5543 e 5877-100* a cada um.
Ns. 58, 130, 140, 180, 193, 233, 237, 384, 486.
492, 612, b79, 70J, 993, 1021, 1078, 1178, 1342,
1494, 1499, 1334, 1339, 1673, 1869, 1898, 2101,
2172, 2216, 2418, 2433, 253% 2331, 2625, 2385,
2938, 3031, 3119, 3137; 1274, 3M, 3432, 3458,
3623, 3635, 3830, 4018, 4228, 4233, 4349, 4i64,
A363, 4759. 1831, 4893, 497J, 4979, 5054, 5234.
;;315 e 5487 40* a cada um.
Telegrammas da Europa. O dos
Srs. Knowles & Foster, de Londres, em 26 de Ja-
neiro, diz :
a 0 algodao frouxo. com baixa de 1 oitavo
sofcrevOf precos; de8a 10 de Pernarabaco,' de 8
a 8 1(1 da Parahyba, de 8 3[8 a 9 de Maceio, de
8 It2 a 10 de Maranbao, de 8 a 9 3[i do, Rio
Grande, e a 8 3|8 do Ceara.
a 0 assucar frouxo aos precos : de 22* a 26*6
0 branco, e dp 14j a, 10[6 0 mascavado.
0 cafi muita firme aos precos : de 105| a
122) 0 do Rio, e de 1(5- a 120j.
0 des -Srs. Piaiq Leite 4 Sobrinhos, de Lon
dres, em 26 de jaDeiro, diz :
0 algodao afroxou e haixou 1(16 a 1*18 so-
bre os precos :' de' 8 5| da Pernambuco. e Ceara,
de 8 3|i a:,9 I-& d Maeei6, de 9 do Maranhao, e
de & 1|1 da Parahyba.
Asgucar p^queuo movimento aos precos : de
22( 24*610 branco, de 20| a 2i|6 o. louro, e de
15|6 a 20| 0 mascavo.D
Proclamas. -Foram lidos na igreja do Ro-
.sario, qne serve de malriz da fregnezia de Santa
Antonio, no domingo 8 de fevereiro, os seguin-
tes :
l.\ denonciacao.
Jose dos Passos da Costa Lima, eom Francisea
Libania Beirao Basto.
Joaquim Jose da Costa Valente, com Elervina
Maria AJves ,de Arantes.
Herimlio Joso de Alcaatara, coat Maria Francis-
es Alves da Silva.
Raphael Francisco Pereira, cop} M-pcjoajJJa .Viei-
Bellarraino Jose Coelho, com Maria Jeronyma da
Conceicao. ""l
dnfia, com Maria I3rasiliana
mmMtTWSC
------------------------__
Ao pyblico.
Constando que Manoel Antonia de Azevedo,
tenciona vender alguns predios, q ie diz elle,
Ihes perlencerem, eommunica se ao respritavn pu-
blico em geral, e com especiahdade ao corpo do
commercio, que nenhuma transaccao f.icam coin i
referido Azevedo, a tal resptito, sob pena d nul-
lidade e mais disposicoes legae- : i-t. c mo,
alem de lhe nio perteneerent or pre lim luados
nas rnas da Imperatriz 11. 12, N iva B 9. 10, lie
13, Aurora n. 15, Kormoza ns. 3 0 5, Creiao n.
23. Estreitado Ro*ario n. 2, Marciho Dias a. 413,
Vidal de Negreiros n. 39. e Pra^a do Conde d'Eu
a. 17, por ser deixado lao somente o atufroCM de
tod-ts elles a falleeida inulher il Azevedo, era tes-
lamento feito por Joajhim Jose l^ouren.-oCirtach",
em 1833, deven.lo passar a plena propriedada
(como do prapri) t^tamento consta), aos tilhos le-
gltimos da MofroMaaria, raulher da M. A. de
Azevedo; accresce que se eMa pricedenda ao
inventario, em Lisboa, dos bens deftrados pela fal-
leeida mulher de Azevedo
A' vista di-t'. e do dj annuncio que ja se pu-
blicou, quasi que igual a j que prp-eateinenle se
faz, 6 de esperar qua niaguem querera ehtrarem
transaccoes por sua natureza nnllas.
Recite, 5 de fevereiro de 1871.
0 advogado, 7o$e" l/tpes Pessoa 4a Costa.
Joaquim Go
do^ pantos.
ro3,,fio#i,Candida
^^ha,.^rnIJmiIiaJ*a-
Antonio Pereira Vinagre, C. Tavora, Feliciana P.
de L. Tavares, Arthur Espjridiio de Carvalho
Chaves, Antonio Mauoel do Nai-cimeulo, 2 filhos
e uma criada, Manoel A. V. de Araujo e 1 criado,
Fabricio G. Pedrosa, sua irons e uma criada, Ju-
lio Cesar Paes Barreto e I enada, Jose Basto,
Miguel Tavares, Joanna Paula Baptista, Manoel
da M, Souza Costa, Uanoel Jose Ferreira, Eusta-
qpio Eufrazio do Rosario, A. Augn, Jos6 Sebas-
tian Leitiio, Ignacio A. Ferreira Hello, Valdevino
E. de Alencar, Thomaz S. de Medeiros, Joao de
Goes v. Borba, Francisco J. M. Guimaraes, Sablno
F. de Souza, Clemente G. S. Tavares, Jose da
Silva. Madeiras, Mnoel Roza e sua seuhora, D.
Anna linidiai do Carmo e 1 filho, Joio R. dos
Santos, Joao C.dc Amorim, 3 filhos e 4 escravos,
.Joaquim B. da G'sta, Joa -uim Oliveira Torres,
Rogerio Corre"a Jardim, Manoel Pacheco, Alfonso
H. da Silva Bastes, D Justina S. Ferreira, 2 fi-
lhos e I criada, Manoel da Silva Freitas, Antonio
R. Chaves, Manoel Joaquim da Cunha Carvalho,
Jo5o Fcrnandes S. Viauna, August da Cunha Pa-
gelese sua jenhora, D. Francisca S. Cyrne Lima
e 1 eriado, Jose Civalcante de Albuquerque.
Chegados dos portos do sul no vapor bra-
sileiro Cruzeiro do Sul :
Brigadeiro Hygino Jo^e & elho, alferes Simphro-
nio de A. Caldas e sua senhora, Manoel do Nas-
cimento Pontes, Henrique Jute Gon^alves e sua
senhora, Thomaz F. da Cunha, sua senhora, 2
tilhos menores e 1 criada, Justina Maria da Con
ceicao, lannario Netto. Gusmao Maria de Mello,
Jone3 Monte-Negro, D. Maria Jose Pereira da
Cunha, Dr. Manoel Carlo- Davoto, Domingos da
Costa Ferreira, Simphronio Zeferino do Outeiro
e 2 irmaos, 2a tenenta Thomaz de M. Pontes,
Vedro R. Ferreira, Maria Pereira dos Santos, : r.
Lopo D. Cordeiro, Joa > Pereira Gaspar Raphael,
Ji,ao, hberto, Francisc 1 P. dos Reis, Claudino R.
Douro, Joao A. de Carvalho, Dr. Antonio Peieira
Camello e sua senhora, Joao B. de Mello Rego,
Joao Carlos, Jose P. Branco, Jose Claudino Du-
arte, Joao R. Barboza, Dr. Manodda Silva Branco,
T. TacianoR'go, Manoel G. de Almeida, tenente
Manoel Joaquim T. Pinto, capitao Francisco A.
Barboza, Jos6 P. Cordeiro, Joaquim das Virgens
Lima, Bento Jbaquim de Mede'iros, Manoel Joa-
quim Vieira, Jose F.. Pereira Borges, Juvcn io
I'enedo e 1 filho, Joao Gualberto Ferreira, Ma-
noel Bispo, Silvestre Gil liraz e seu irmao, 6 ex-
pracas.
Chegados dos [portos da Europa, no vapor
fr.'-.ncez Erymanlhe :
Lack Liba, Andre Luiz, Mancel Jose Pereira
Baltar.
Seguem para 0 norte
Manoel da Silva Silvano, Sabino da Mello, Dr.
Antonio P. de S. Brasil, capitao Francisco A. R.
de. Salles, alferes Jo=e F. N. S. tenente Tra-
jano J da Costa e *ua familia, Joao Jo?e de San-
ta'Anna e sua senhora, D. Olympia A. Campello,
Jaciu.ho R. Belfort, Cortere Francisco, T. Nicola,
capitao T. J. C. Pereira de Mello e sua senhora,
Augusto de Carvalho, Carlota, Joaqnim de S.
Campos, Dr. loao B. Buenos Mosonor, 22 ex-pracas.
Chpgados da Europa no vapor inglez Bri-
tannia :
Jose Maria Ledo, Jose de C. Dias, Affonso Al
berto, Sebastiao C. Dias, Joao Pereira, Maria do
Rosario, .Samuel Johnston, Jose R. L?ilao, Joa-
quim H. Vidal, Jo e Lemos Rodrigues e Antonio
M. Vinhas.
Cemiterio publico. Obituario do dia 6
de fevereiro de. 1874 :
Ricardo Jose Cordeiro, branco, Rio de Janeiro,
23 anaos, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro II;
hepatite aguda.
J0S0 Barbosa Coutinho, pardo, Bahia, 23 annos,
militar, Boa-Vista ; 1 neumoiiia.
Manoel, pardo, Pernambuco, 3 dias, Boa-Vista ;
tetano.
Luiza, parda, Pernambuco, 13 mezes, S. Jose ;
variolas.
Leandro Ferreira da Cunha, branco, Pernam-
buco, 20 annos, solteiro, Santo Antonio ; hemor-
rhagia.
Jose da Silva Correia Collares, branco, Ceara,
52 annos, casado, Graca ; lesao do coracao.
roaqtiim MarcoitHO da Silva, com Eadqaja, Ango-
la Soares Chaves.
Bacharel Ulysses Machado Pereira Vianna, eom
CHROiNiCULDICURIia.
TRIBUNAL. OA ItKLAC iO
SESSaO DE 7 DE FEVEREIRO DE 1874.
PRESIDENCIA DO EXM. SR. COSSELHEIRO C.VE-
TANO SANTIAGO.
Senretario Dr. Virgilio Coelho.
As 10 horas da mauha, presentes os Srs. des
embargadores Silva Guimaraes, Reis e Silva, Ac-
cioli, Almeida Albuquerque,. Domingues Silva e
Freitas Heariques, procurator da eoroa, faltando
com causa os Sr.'. desembargadores Lourenco
Santiago e Souza Leao, abrio se a sessao.
JULGAMKNTOS.
Prorogacao de inventario.
De Herculano Caval-anti d; Sa Albuquerque.
Concederam 0 prazo legal.
Appellaeao civel commercial.
Appellante Jose de Oliveira Leite e Souza, ap-
pelUdoAu'ouio Jose da Silva Maia.Desprezados
os embargos.
PAStiOENS -
Do Sr. desembarga lor lieis e Silva ao Sr. des-
embargador Almeida Albuquerque:
Appellaeao crime.
AgMllaate 0 promotor, appellado Antonio Fran-
cisco de Souza.
Appel aca\> civel.
tpeMaate Aulou.o Ja,a fellas, appellado Ma-
I Joaquim Maia.
Embargos infringantes.
Eftbargante a wuv e ;Jjer4eiroa do bacharel
Juyeacip Alves Rn.e.ro la Silva, embargada Feli-
ciana Maria Olympia.
Ao Sr. desemb ir-ad o- A-cioli :
, ;Appellacao eommeroial.
t Appellanle IWira 11 Cuaaa St Irmao, appelia-
da a admintstraca > da massa da Martins & Leo-
?oldo ; appellants Autoaio J laquim da Silva Brito,
PiiACA DO REC1FB 7 DE FEVERE1KO
DE 1874.
AS 3 1/2 HORAS DA TARDE.
aJotacdes ofBciaes.
Algod 0 de Goyanna sem inspivao 7*400 por 15
kilos, hantem.
Assucar brulo bom 1*800 por 1-5 kilos, hou-
tem.
Assucar bruto regular 1 J70l por 15 kilos,
hontem.
Assucar de Maceio regular li'.ifcO por 13 kilos
posto a bordo a frete dc 30j e 9 OfO,
hontem.
Arroz da India 2*70} por 15 kilos, hoje.
Couros saigados seccos 588 rs. o kilo, hoje.
;ambio sobre Londres a 90 d*y. 26 l|8, K e.
23 7)8 d., e do banco 25 7i8 i. por 1*900,
hontem.
Dilo sobre dito a 90 d)v. 23 7;8 26, e do
banco 25 7|8 d. por lawi, h->je.
Dito sobre dito a vi;ta 2> o\H d. por 1*, dp ban-
co, hontem,
Cambiosobre Paris ii vista 372 rs. 0 franco, da
banco, hontem.
Dito sobre dito a 370 rs., e do banco 375 rs. o
franco, hoje.
Cambiosobre Hambnrgo a 3 dir. 470 rs. p>-r
R. M.
Cambio sobr3 Lisbon, a "0 4*v. 107 0(0 de pre-
mio.
Dito-sobre dito a vista 1(2 1:. 0,0 de premio.
d. de aseoaeellM
Prusidente.
A. P. de Lemos
iecretano.
:
do dia 7 .
200.4=*'. si!
71.265;680
271:7*9.501
Descarregam I -iro de 1874.
Vapor inglez Lnlan-fe t.-.tr-.t -adoi mercadorias
para alf.nid ga.
Vapor nacional Pirapama varios generos na.
cionaes para 0 trapicho da .'oinpaah'.i
pernambacana.
Barca iugleza Seraphaumereaduriaa para al-
fandega.
Barca ingWa- Witek of the Tfgn mercadorias
para al.an lega.
Galera portugneaaSjudadegeoeros nacionaes
para 0 trapkbe da com;-aahia, louca e
viaho para aiianl-ga.
Poia:a hespanhola Xiacia xarquc ja d. *pacha-
do para a terra.
Po!a:a naci-jiul M-ri.rfio III"T-meros nacionaes
para 0 irapiche c mpanbia.
Lugre portngnez Cedrit pedras para 0 tra-
piche Cone. :-.;:"i 1. ;i:'.',-i di .<<
Vapor francez Eryawntke (e-perado) baga-
gens c raercad'i iai ; ira :.!auJega e
trapiche Gnceicao.
Barca ingleza Miranda carvao ja d spaehaie
para 0 caes do Apollo, e caaos para de-
posito no trapiche Barao do Livr_mento.
\LTER.\g.\0 NA FACTA DOS PBKf/e li ii GSKBWW
sdibitosa Diurros nr: axraaTACAO, naskiuna
oe 9 a 14 be revGRuaa dk 1871.
Algodaoem rama on la 479 rs. kilo.
Assucar mascavado 1.3 rs. o kilo.
Courosdo hoi vcrdes 327 rs. 0 kilo.
Carvao de pedra estrangeiro, lonellada metrica
20(000.
Caroco^de algodao 20 rs. 0 kilo.
Crinaanimal em brulo 300 rs. 0 kilo.
Alfandega da Pernambuco, 7 de fevereiro ie
1874.
0 1J eoafereute Raymundo F. Barbosa.
0 1 confarente A. C. de Pinho Borges.
Approvo.Alfandega 7 de Janeiro de 187*.
U inspector da alfandega
Fabio Akxandrino de Carvalho Reis.
Import iictio.
Vapor aacianal Pir ipama, entraJo de Granj 1
era 7 do eorrente e consignado a companhia per-
nambacana de navrgae 0 costeira por vaper, ota-
nifeston :
Algodao 134 sacca a Braga A Costa, 28 aGui-
lherrae Porto & C, 24 a Manteiro Guerreiro A C,
36 a Rulino L. B. de Barros, 69 a Sa Leitao dt Ir-
maos.
Barricas vazias 21 amarradas a Costa & C.
Cera de carnauba 10 saccos a Cunha Irmao k.
C. Chitas 1 pacite a Luiz Antonio da Siqueira.
Couros de garmte 4 a G tmes de Mattes & Irmaos.
ditos salgados 423 a Keller & C., 153 a >a Leitao
& Irmaos, 128 a Joao Baptista da Oaveira.
Milho 62 saccos a I. Correia Ov C.
Penna de ema 1 sacco a Cunha Inn ios dc C.
Solla 300 roeios a Joao Barros k Machado, 1,577
a Moraes & Irmao, 806 a Sa Leitao & Irinios, 445
a Luiz Antonio Siqueira, 293 a Goncalves Irmao &
C, 160 a G >mes de Mattos & Irmaos.
Brigue nacional Marinln HI, eotrado da
na mesma data e consignado a Loyo k Filho,
Jtifastoa :
Charutos 3 caixas a Domingos Alve* MathBat.
Panno de algodao 80 fardos a Amorun _
& C. Pipas vazias 50 a ordem.
Galera portugueza Sandvte. entrala de
Janeiro em 6 do eorrente e : nsignada a
Filho, maaifestoa :
Barricas vazias 8 M a Joaquim Jaae 4
Cimento 50 barriers a J >-<'
Leila, SO a Antonio An 1- J1 in Cif
cos a Manortl Soares d Amaral. *<'
Rosa (Si Filhis, 180 a lao J.-e il. .**> 1
Ricardo Jose' Gom *s d 1 Lai ft C., 92 a
Duarle Suiioas & '',., 3 1 \lfr-
100.1 Man.'I Du-irt- '
Bt Joaqni n Ferreira '".
itaa&G, 13 aJo\C ..acaltw
Josd Joaquim da C ..
4 Aznved 1, li a AnH|^^^Hp<. -
lha"s 4 If.\4o.
Humo tH9, latas a B
Louca d.o terra pod'.


(
1 warn 1
Lisn




Dfenio de

SegniMb
9 de Fevereiro da 1874'







Vinho branco 30 plpas e ISO barm de qninto,
100 de dectmos a Lufz Jose da Costt Amorim & C.
Vapor naeiooal Cauzeiro do Sut, entr*do los
porioi do sal em 8 do cor rente e coasignado a Pe-
reira Viaona 4 C, manifesiou:
Carga da Bahia.
Cafe 40 saecos a I. Rodrigues de Faria. Cha-
peos de sol % caixas a Oliveira & Irmie, 1 a Mills
Lath in k C. Cnarutos 4 caixas a Cunha A Hint a,
1 a Domincos Ahres Matheus, I a D. da Cosu Fer -
reira, Ian. Lundgreen.
Fazendas 6 caixas a Cramer, Fret & C, 2 a
a Francisco G. de Araujo.
Mobilia 15 encapados a Jose Gtiilaerrae Guima-
ries. Musieas 3 volumes a Aatooio lose de Ase-
vedo.
Panno de Atgodio 100 fardes aos eansignata-
rios, 100 a Beltrfo & Filho, JO Jose Harit Pal-
metre. Papel 4 caixas a Walfredo k Saaza.
Rape S caixas a Meoron & C
Cacga do Rio de laoeiro.
Fazendas 3 tardot e 1 caixa a MorAard Mettler
4 U. Furao 31 caixas aos consignatarios, 100 a
Jose B. do Camo e Silva, 1 a Jose U dot Rets,
tO a Magalhaes A Irmio, SO rolos J. J. Lima
Bairao, 30 latas e 60 meias ditas a fteltrao 4 Fi-
lho, SO pacotes a Joio Ramos 4 Maeaado, 30 ro-
los,? caixaa, 150 pacotes, 15 surrSes e 13 jaea-
M a Jose M. Palraeira.
livros 8 caixas a Walfred; & Souia.
Hate 8 samies a M. A. Moreira Jwiior.
bjectos remetudos polo minieterio da guerra,
48 volumes a presideocia da provincia.
Peixe Salgade 71 maiasa A. L. de Oliveira Aia
wedo.
-OS8PACHOS DB BXPORTACAO NO D1A 6 BB
FEVEREIRO DE1874,
Porn os portot do exterior.
No *ajK>r (raneez Km &**, P** Li**:
pool, carregoa : A. Cordeiro 158 saccas com 11,0
kilos de algodao.
Na baica iogteta K-Oe, para oCaaal, carae-
ton : R. -Schmmetuu & C S$HO saccos com
165,000 kilos de assuear mascavada.
No aavio inglez Oftacilius, para o Canal,
earregou : 8. Brothers 4 C 1,608 saccos com
75,000 kilos de assuear mascavado.
Nabieea inglexa Uenie Gran, Pr 0 c*n*J.
earregou : d. Pater 4 C M**> saeees com 75,000
kiioe de assacar branco.
Na barca franceu Veriditma, para o-Havre,
earregou : E. A. Burle & C SO saccas com 1,511
kilos de algadao; Keller & C, 800 ditas cem
14,981 ditosde dito.
Na puteoa hespanhola Vtagere, para Bareel
lona, earrefM: P. M Maury 40 saccas com .8,972
kilos de algodao ; P. Carneiro 4 C A3 ditas com
3,167 ditos dedito.
Na samaea hespanhol i Pnula, para Bareel-
lona, earregou : Amorim Irmaos 4 C 1)88 saccas
com 18,389 kios de aigodio.
No pataeko ioglez Beckmet, para New-York,
-earregou: H. Foster 4 C 500 saccos com 37,500
kilos de assuear mascavado.
No lugar p ortuguez Lima, para S. Miguel,
carregoa : I. Santos e Silva 70 basris com 9,450
tlUroa de.mel.
No brigue brasileIro Infeliz, para o Rio da
Praia, earregou : A. 0. Leite 800 barricas com
*4,056 kilos de aesacar branco e 100 ditas com
11,338 ditos de dito mascavado.
Na eseana fcanceza Maria Henrieta, para o
Wo-da Praia, earregou : A. Loyo 599 barjicas com
460,447 kilos de assuear branco.
Para os portot do interior.
Para o Rio Grande do Sul, na barca nacio-
nalMmosa, carreg(*u : Fernando Pereica 500 co-
Para a Bahia,0 vapor naeional Cema, car-
regoa : F. R. P. Guimaraes 300 barricas com
33,586 kilos de assacar branco.
Para Maca j, n > iiata naeional A. dot Anjos,
earregou : A. S. Santos Moreira 4 cascos com
1,680 iitros de agaardente.
CAPATAZU DA ALFANDEGA
Hjodimenlo d. rtia 1 6 3.512*119
,do-dia 7 1:480*975
iVr Canal Lugre inglez St tg. capitie James, car-ga
assacar,
Lagos (na costa da Africa) Barca portugo ssa
Henelia, capitio Silva, carga agaardente e oe>
tros generos.
Navtiu 9 ttf rados no Ma 8.
Rio de Janeiro e portoe intermedios 6 dias, ira-
por brasileiro Cmeiro At StU, de 1,184 u tne
ladas, commaadante teneqte <. Wadding torn,
eqnepagem Si, carga dilTereotes geaeroe ; a Pe-
Tir* ViaaaaA C ,. ,
Par* e portoa intrmedic,9 -8 dtaa, *apor naci-mal
Omrd, de 1,901 lonelauan, ctMnmaadaate AJco-
f.jrado, equipagem 61, cirga wies generos ; a
Pereira Viaona & C .
Peedo e escaia -3 dias e do alUeoe porto it no-
cas, vapor brasileiro Giqmd, >d tit tjnelad-is,
coramandaae Martins, equipagem S3, carga
\arios genera i a ompanhia parnamuueaoa.
Liverpool por-Lisboa e S. Viieale18 dias e do
ultimo aorta 4, vapor ingietBrttfumia, de 8,598
toneladas, commandante Morton, equipagem
.118, carga differenles generos.;.a Wilson Rowe
&C. ,
Bordeaux e ^ortos intemeds-18 dias, vapor
franeez &Wm nthe, de 14*3 oneladas, com-
mandante Oelabarre, eqaipagem 95, carga va-
rios generos. ; a Haryflcaaadi A Labille
New-York-86 dias, nataehe ioglez Ckmot, de
814 toneladas, capita* Themaz Uelson, equipa-
gem 8, carga varios generos; a Henry Forster
Nav*ss sahidos no tnrsmo dia.
LiverpoelVapor inglet Kire Queen, comtnandan
te John GaTtMSley, carga aseucare mais generos.
Havre e eeczsaVapor fraueez Title de Santos,
commaoatiate Lefrere, carsa a mesma que
' trouxe do* portos do sul.
HavreBarca fraaceza Verldinna, capitio Fretel,
carga atgedao e oatros generis.
Canal -Ratoeho inglez- Stoutens, capitio E. S. Tow
se, carga assacar.
Parahvba-tfirca ingleza Glennevet, capitio Wdd-
le, carga assacar e algodao.
Calhao e ponts intermedios Vapor inglez Bri-
tannia, commandante Morton, carga a mesma
que tiooxeda Europa. j
Babia e porios intermedios Vaperbrasileiro Da-
que de Caxias, commandante Pereira, earga
varios jeaent.
VOLUMES SAHIDOS
Nodia'l.a.6.....
No dia 7
Pnajeita. pona.....
8efB9da pona.....
f erceira pona .
Qnarta .port?.......
fiapiiabe Conceicao ...
4:793*184
8 327
183
139
293
SESV1CO MAR1TIM0
aJvarenias descarregadas no trapich*
alfandeRa d-' dia 1 a 6 .
-No di^ 7.
NaviM aUsoadus.no trap, da altacdega
AJvarengai........
So trapicbe Coaceicao.....
<*fi*U
n
*ne eetlverem. Ai pecas drtericnta os
iTtCLARMnEi:
0 contnto de Paolo Pereira'Simoes con Chris-
addas pelo mo serio okstkaidai p^e alumno par ittaao CouUnho, aob a flrma de Pereira Simdes &
natrat, logo qae (or ndjmuto peU rogederin.
PensionisU -100*000 nor qaaitel.
Eeio pensii misu60*000 idem,
xlernn -18*000 idem.
Aula de musica-U*000 idem.
Cesteio de cama10*008)/per uma so vesau
afiawira iascripcio, sendoo^itabelecimento oan-
gadoaforaece-ia darante todo o tempo em oae
estiver e alumno no esubelci*ato.
0,*ecretark>.
Celso Tertulinoe Keruandes Quiotetta.
EDITAES.
A camara municipal deata cidade manda
publicar os artigos de portutas, abaixo traos-
crlptos :
An 70.Pica prohibido neste mnnicipio o brin-
quedo de eotrado com agoa ou qaalqaer oatra
iubstancia, de qaalqaer maneira que se empre-
gue os infractores pagario a multa de 15* e
wffrerao oito dias de prisao.
Art. 71. -Pica prohibida a venda de limas de
cheiro : os infractores alera de as perderera, pa
garao 4* de malia. '
Paco da camara municipal do Recife, 17 de
Janeiro de 1874.
Maaoel J. do Rego e Albuquerque
Presidente.
Pedro de Albuquerque Aatran
Secreurio.
Coasulado provincial.
Pela^esa do eonsulado provincial se fax pabli-
CJ aus i-outriliuinlKS d rados, que no dia 17 do-coeaents (iodam-se os 3"
dias nteis marcados para a cebranca de seus de-
bitor iudependente de mnlta. ficando snieitos a
ella todos os qae pagarem depois de findos os
ditos 30 dias : 80* por caixciro, corretor ou in-
caleador de escravos, casas.de modas e de bilhar;
SO 0|0 tobre estabelecimentos de comraercio em
grossoe a retalho j 8 OjO sobfo coasuhorio!, es
eriptorios e cartorios ; 4 0|0 sobre as casas de
commercio fura da cidade, Jxitequius, casas de
pasto, eoeheiru, eavallaeas -e fabricas ; 500* rs.
rat casa banearia, empreza anonyma on ageneia ;
:000* por casa de penhores, venda de ioias em
grosso, e eseriptorio ou estabelecimento onde se
igeneie venda de pdvora, e por caixeiro de cor-
retor matriculado no tribunal do commercio;
800* por depoaito de keroxeae ; 100* por casa de
roupa feita, aelleiro, ou de ontra qualquer arte
feita no esO-angeiro, corretor commercial e agente
de leilio; 200* por casade eompra e venda de
escravos ; 308 por escravo empregado em servi-
ce de al varenga ; 1 0|0 por tenellada de alvaren-
ga ; 4* poreicravo-^ganhador ; 30* poreocheira
com cavallos para alngar : 8 0|0 sobre o valor do
capim vendido na cidade do Recife ; 5* por cada
esUbelecimeuto.com applicacio 4 creacao da com-
panhia de bombeiros; 1:500* por casa on agen-
eia de segnro; JOO* por deposito de carvao de
pedra e de veitder cal nio tabricada na provincia,
e o imposto sobre carros, oarrucas e omnibus, e
docomame de agaardente, pertencentes ao exer-
cicio de 1873 a 1874.
Consnlado provincial de Pernambueo, 3 de fe-
vereiro de 1874.
No irapedimento do administrador
__________Eduardo Aagusto de Oliveira.
C, com o capital de 36:0808 para o eommereio
* grosso, de mindezai, e ontro qaalqoar genero
ar comaissao on conu propria, sendo a tdde
estabeleeinMato nerta cidade do Recife, i ran
de Marquez de Oliada n. 34.
O eontrato de Faria & Gomes, de enja flrma
tfacem parte Antonio Fecreira Gomes, Jose de Fa-
cia Macbado e Francisco Ji*e Pereira Lima, com o
capital de 32:000* para ccomraercio de fazendas
.a retalho nesu cidade. .a roa do Livramento nu-
awro SO.
0 distrato de sooiedade'de Lima Silva 4 C, de
enja flrma faziam .parto Jete Fernandes Lima e
Martiuho Lopes dos Heis, licando dita sociedade
inteiramente exlineu e Mqnidada
. Secreuria do tribunal do commercio de Per
nambuc >, 4 de fovereiro de ^1874.
'0 ttflkial maior,
___________.__________Julio Gaimaraes.
Njnla iJatia tit Misericordia do
Recife.
A Illma. juula administrativa desU Santa Casa,
aatorisada pda Sanu Casa da Misericordu da
Babia, leva a praca de venda, perante si, no dia
12 do corrente, pelas 3 horas da tarde, os tree
Sredios silos a roa do Coronet Suassana, outr'ora
e Hortas, n. 34, pela quantia de 2:80 )* ; n. 116
pela quantia de 3000; e n. 118 pela de 3:800*.
Para qualquer informacio, pod em os preten-
deates dirigir-se a esta veparticio.
Secreuria da Santa Casa da Misericordia|do
Recife, 4 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
______________Pedro Bodrigues de Souza.
Beclaracao
0 Illm. Sr. inspector da tbesoararia -provincial,
manda fazer publico para quern intercesar possa,
que foi transferida para o dia 13 do corrente mez,
a arremalacSo do costeio da iliuminacao da cidade
de Goyanna.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
co, 4 de fevereiro de 1874.
Servindo de official maior,
Landelino de Luna Freire.
OBSERVACAO
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico a quern interessar possa
qae foi transferida para o dia 19 do corrente mez
a venda dos objectos dados em consumo pelo cor-
po de policia, em cujo quartel se acham e podem
ser examinados por quera os pretender.
para ccnsUr se man lou publicar no presente
jornal.
Secretaria da tbesoararia provincial de Pernam-
bueo, 6 de fevereiro de 1874.
Victoriano J. M. Palhares,
Official-maior interino.
15
RBCEBErXjRtl DE RENDAS IfiT. RNAS GE-
RAE6 DE PER.NAMBCCC
aendiirento dn dia I a t 6:697*926
Jdem do dia 7 ....... 8:145*280
8 843*206
CONSriLADO P30VINCJAJ-
aendimento do dia 4 a .6 30:731*766
Idem do dia 7 14.166*269
44:898*035
aiOVlMENTO E TRASSACQOES commerciaks da
PRAIJA BO RECIFE HA SEM4NA DE 2 A 7
DE FEVEREIRO DE 1874.
Cambies.
Sobre Londres a 90d/v,23.eo 7/8, do banco.
A' vista-2S 5/8, dito.
A' visU-370, particuJar,
Sobre Hamburgo-4,700-8 rieb-marc particular.
SSebre Lisboa112 e 113 8/0 de premio.
A' vista particulara 90 d/v 407 0/0 de premio
particular.
Venda de goner os.
Algodao ie Pernambuc j, 1.' sortedjW e 8*
por 15 kilogrammas.
Dito de Goyanna sem inspeeeao 7*400.
Dito de Maoei6 -8J000.
Dito dito -85'J W, posto a bordo a frete de 7/8
5 por cento.
Dito dito-9*400 postj a bordo a frete de 1/2 e
5 0/0.
Dito dito mediano 8*600 idem, idem, idem, de
1/2 e 5 0|0.
Assuear brulo bom -1*800.
Dito regular-1*700.
Dito de Maceio, regular, 1*950poeto a borJo
a frete de 30/ e 5 por cento.
Couros salgados.
Verdes327 rs. por kilogrammo.
Seccos 588 idem, idem.
Arroz da India 2*700.
Entradas do assuear e do algodao.
Assuear37,373 saccos.
Algodao2,993 saecas.
fb Estas entradas sao as que se acham laDcadas
no li.vro ate meio dia de 7 de fevereiro.
Eftnrtacao.
Portos e&trangeiros.
Para Lwerpool 443 saccas de algodao e
15,974 eaecos de assuear mascavado.
Para o Canal -6,000 .saccos de assuear masea
vado.
Para Barcelona1,278 saecas de algodao.
Portos do Brasil.
Para o Rio Grande do Sul -1,984 saccos e 1,357
barricas de aesacar branco, 305 saccos e ISO
barricas de dito niascavado.
MOVIMENTO DO PORTO
^, ..- ^. ......iip. i. ..
Navios enlrados no dia 7.
Granja portos intermedios8 dias, vapor naeio-
nal Ptropama, de 312 toneladas, commandante
Joed H. da Silva, eqaipagem 36, carga varios
generos: a companhia pernambucana.
iRo de Janeiro-6 dias, vapor franeez Ville ie
Santos, ie 817 toneladas, commandante Lefre-
re, equipagem 38, carga varios generos ; a Aa-
gusto F de Oliveira & C.
Bahia por Maceio 3 dias, vapor inglez Violet,
de 975 toneladas, capitao Gundersen,eqaipagem
28, carga varios generos ; a Simpson & C. Se-
guio para Liverpool.
BahiaIS dias, brigue brasil'iro Morinho III, de
231 toneladas, capitao Candido Borges de Al-
meida, eqaipagBTji JJ> carga varios generos; a
Loyo dt Fuho,
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provincial,
manda fazer publico, qae, em camprlmento da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, de 16
de Janeiro proximo findo, torn de ser arremauda
pTante a junta da mesma thesouraria, no dia 26
de niarco proximo futuro, a quem por menos fixer,
a obra dos reparos de que precia o edificio que
serve de cadeia da villa de Pesqneira, avaliados
em 4:833/834, debaixo das condicoes abaixo trans-
eriplas.
As pessoas quese proDozerem a esta arremata-
^5o, comparegam na sala das sessoes da mesma
junia. no dia acima indicado, compctentemente
habililadas.
E para coastar, se maodou publicar o presente
pelo Diario de Pernambueo.
Secretaria da tbesoararia provincial de Pernam-
bueo, 7 de fevereiro de 1874.
0 official maior,
Miguel Affonso Fer.reira.
Clausulas especiaes para a arremataca dos
"reparos da cadeia de Pesqueira
1.* Os reparos de que precisa o edificio qae
serve de cadeia na villa de Pesqueira, serao exe-
cutados de conformiJade com o orcamento e plan-
ta, no valor de 4:833*834.
2." O arrematante data comeco aos trahalhos,
no prazo de am mez e os concluira no de cinco
mezes, contados da data do eontrato.
3 0 pagameoto sera dividido em tres presta-
goes iguass. a proporcio do servico executado.
Para tudo mais qae nao vai especificado nas
presentes cJau-ulas. observar se-ba o qae dispoe
o regularaenlo de 31 de juiho de 1866.
Reparticao das obras pabiica, 29 de Janeiro de
1874.Jose Tibnrcio Pereira Alagalhaes.
Conforme,
______________Miguel Alfonso Ferreira.
6ecretaria do gymnasio provincial de Fernambu-
co, 5 de fevereiro de 1874.
Por esta secretaria, e de ordam do Illm. Sr. Dr.
regedor interino, se declare aos paif, tutores e
correspondentes dos alumnos internos, qae nao
podem estes trazer para o institute outro enxoval
senao o que e estabeleeido pelo regulamento em
v'gor, podendo a relacko do dito enxoval ser nes-
ta secretaria procurada por quem deila precisar.
Enxoval do alumno pemionista.
1 bonet.
1 fard^ta de panno verde escaro com distinct!
vos do iustituto.
1 iaqueu de panno.
6 jaaoetdes de brim pardo liso.
1 calca de casemira preta.
6 calf as de -brim pardo liso.
2 ditas para.o recreio.
4 colletes brancos.
2 gravatas pretas de seda.
2 diui de qualquer panno para uso ordinario.
12 camisas.
12 pares de meias.
12 lencos de linho para mao.
6 ceroulas de bamborgo,
6 fronhas de dito.
2 cobertas de creton.
1 cobertor de la.
6 tualbas de rosto.
6 gaardanapos.
2 pares de borzegoins d bexerro.
1 cbineua de couro.
1 escova de sapato.
1 dita de dente.
1 dita de fa to.
1 tesoara de unhas.
1 pente de alisar.
1 pente para tirar piolhos.
1 travesseiro.
1 meia commoda de amarello.
2 cinturSes de couro.
OBSERVACAO.
1' Os interessados deverao v6r no esubeleei
mento o modulo do bonet, da fardeta, dos distinc-
tivos e da commoda, eomo bem a cdr do panno
para haver nniformidade.
8* Cada alumno deve ter correspondente na ca-
pital para com promptidao satisfazer as pensdes e
outra qaalqaer despeza de que liver elle neces-
sidade.
3* A pensaO seri paga por trioestre adiantado.
0 alumno qae no pnmeiro dia do trimestre nao
a tiver paga, sera logo remettido a sen pai. tutor
on correspondente.
4* 0 estabelecimento aletn da instruecao, forne-
ce ao aluo'no interno alimentos, medico, botica,
lavagem e engommagem de ronpa, papel, penna e
tinta
5' Os objectos do enxoval sao propriedades do
alumno, e os retirara quandp sabir, najetado em
Pela reeebedoria de rendas internas geraes
se faz potlico qne e no corrente mez de fevereiro
qae deve ser paga, livre de mulu, a taxa dos es-
cravos, relativa ,ao exercicio de 1873 a 1874; de-
pois do qae se lo-ha com a mulu de 6 0|0.
Reeebedoria de Pernambueo, 6 de fevereiro de
1874.
0 administrador
_________Manoel Carneiro de Souza Lacerda
SANTA CASA DA MISERICOKD1A DO
RECIFE.
A HI ma. junta administrativa da santa casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico qae
na sala de soas sessoes, no dia 18 de fevereiro
pelas 3 horas da tarde, tern de ser areemaudas a
quem mais vantagens onerecer, pelo tempo de am
a tres annos, as rendas dos predios em segnida
declarados.
ESTABELECIV1ENTOS DE CARIBADE
Trewssa de S. Jose.
Casaterrean.il.......201*000
dem n.....o.....202*000
PATRMONIO DOS ORPHAOS.
Casa terrea n. J4 (fechadoS. 400*000
Roa de Burgos.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......809*000
Casi terrea n. 47...... 201*000
Beceo das Boias.
Sobrado n. 18 -. ... 421*000
Roa da Cruz
Sobrado 14 (fechado).....1:000*090
Ruodo Pilar.
Casa terree n. |100......841*000
Idem n. 108........241*000
Rua Velha.
Casa terea u. 44(fechada( .... 450J000
Rua de Sant-i Rita.
Armazem n. 13 (fechado) ... 840*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
irrematacao as suas fiancas, ou compVecerem
zcompaBhados dos respectivos fiadorea, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
que for seguro o predio qufl contiver estabeleci-
mento commercial, assim como o servico da lim
peza e precos dos apparethos.
SecreUna da santa casa da misericordia do Re
eife, 3 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
__________ Pedro Bodrigues de Souza.
PARA
PORTO
Seguiri em poucos dias a 'barca portugueza
Nova Sympatnia por ja estar com a maior pane
de sen carregamento eagajado, e para o resto qne
Ihe falta, asum como para paasageiros, aos quaes
offereee o navio os raelhores commodos, traU-e
coo Balthar Oliveira k 1,., a nu do Vigario a 1,
1* andar.
Administra^ao dos correios
de Pernambnco, 9 de feve-
reiro de 1874.
Malas pelos vapores Ceard e Cruzeiro io Sul da
companhia brasileira.
A eorrespondencia qae lem de ser expedida
hoje (9) pelos vapores acima mencienados para os
portos do norte e sol, sera reeebida pela maneira
seguinte :
Macos de jornaes, impressos de qualquer natu-
reza e cartas a registrar, ate 8 horas da tarde,
cartas ordinarias ate 3 horas, e estas ate 3 1|S,
pagando porte duplo.
As cartas e jornaes que se dirigirem ao Rio da
Praia, pagarao previamente, aqueUas a taxa de
300 rs. por 15 grammas ou fraccao de 13 gram-
mas, e estes a de 40 r.-. por 40 grammas ou frac-
cao de 40 grammas, na progressSo estabelecida
nas tabellasC e D -annexas as instruecdes do !
de dezembro de 1866.
0 administrador
Alfonso do Rego Barros.
THEATRO .
Santo Antonio
Quarta-feira 11 do corrente.
Grande e extraordinaria funo-
oSo em benelicio do ajar-
dinamento das praeaa
do bairro do Recife
Grandes scenas de ventriloqaismo
Novas e sorprendentes sortes
de prestldlajltacao
dada por
W. Goodson
Banco Commercial de
Pernambueo
0 banco paga o segundo dividendo na
razfio de 8 /0 ao anno ou 2JJ400 por acc^lo,
relativoaosemestre findo em 31 de dezem-
bro de 173.
Santa t'awa da Misericordia do
Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife, precisando fazer os concertos
de que neceseita o predio que possue o patrimo-
nio dos orphaos, a rua da Cruz, hoje do Rom Je-
sus n. 18, contrata com quem se proponha a rea-
lisar dilos concertos, mediante certa renda e al
guns annos de prazo para desfructar ; devendo
os que disso se quizerera encarregar, apresentar
suas propostas em cartas fechadas, devidamente
selladas, acompanhadas do respectivo orcamento
nesu secreuria ate o dia 19 de fevereiro vin-
douro.
Secreuria da Sanu Casa da Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
._____________Pedro Rodrigues de Souza.

ir^f^LWu^ff\
ESTRADA DE FERRO
do
RECIFE A OLINDA
EeU companhia coatrata com quem por menos
fizer, a construecao da pequena estapio do Pires :
os pretendentes te entenderao com a respeciiva
gereneia.
L. I. de Miranda
Gerente.
PROGRAHM.4 t
I.* parte,
l. Ouvertura.
0 professor apresenura as melhores sortes do
seu ropertorio.
$.* 0 cirargiao sem diploma.
3.* 0 triumpho do eelebre Hermann.
4.* Os naipes vives magnetica.
5.* 0 duello ou o bomem que nao mo-re
Intervallo de 15 rainutos.
2.* parte.
1." Ouvertura.
2.* 0 banca ou o banqueiro inglez.
3.* 0 secreto mysterioso.
4.' 0 eaixao de vidro maravilboso.
S.* Pif paf puf (scena humoristica).
Intervalio de 15 minutos.
3.* parte.
Grandes scenas de ventriloquismo
4* ceiebre Joaosinho combinado
com o Carlinhos
Figuras inanimadas, mas que conversam uma
com outra, execuUndo diversas imitacoes musi-
eaes, passaros, aves, animaes, ete.
Intervallos de 15 minutos.
4.* parte.
I.* Ouvertura.
2.' A barra oscillante ou aereo patjticismo e dif-
ficeis equilibrios.
Principiara as 8 1|S.
Havera depois do espectaculo dous trens, um
para Apipucos e outro para Olinda, que tocarSo
em todos os pontos.
AVISOS MARITIMOS
Rio Grande do Sul
Para o referido porto pretende segnir com mui-
ta brevidade a barca portngueza Arminda, por
ter a maior parte de seu carregamento tratado, e
para o resto qne ibe falta, irata se com os consig-
naurios Joaquim Jo4 G -n^alves Beltrao Si Filho,
a rua do Commercio n. 5.
LEILOES.
LEILAO
DA
arma^ao, gaz, pesos e medi lasjda t ve: na
sita d rua Imperial n. 105.
A's 12 horas
0 preposto do agente PesUna fara leilao, par
conu e risco de quem pertencer, da armacio,
gaz, pesos e medidas da Uverna sita a rua Impe-
rial n. 105, segunda-feira 9 do corrente, is IS ho-
ras da manha.
IMLMM
DE
6 caixas contendo 180 latas com massas
para sOpas, de diversas qualidades, como
sejam : XUSCus, argolinhas, pevides, es-
trellinh%letras, cujas 'caixas tem mar-
ca B.
Hoje
as 11 horas em ponto
No armazem do Sr. Annes.
0 preposto do agente PesUna fare leilao, por
conu e risco de qnem pertencer, dos objectos aci-
ma mencionados, segunda-feira 9 dojeorrente, as
11 boras da manha, no armazem do Sr. Annes.
6=S>
DE
bons moveis, crysUes, loucas Onas e outros mui-
tos artigos de gosto e pbantasia
TERgA-FEIRA 10 DO CORRENTE
as 11 horas da manha
no primeiro andar do sobrado n. 14, a rua do
Crespo (Primeiro de Marco hoje.)
A SABER:
Um piano forte, 1 rica mobilia de fail, imitan-
do jacaranda (gosto inglez), encoslo de palha, con-
lendo IS cadeiras de guarnicSo, S dius de braco,
S consolos, umpo de pedra, jardineira, Umpo de
pedra, 1 guarda-roupa, 1 guarda-vestido, 1 rica
commoda, 8 aparadores de mogno, 1 guarda lon-
i;a, 1 costureira, 8 marquezas, 1 mesa elastica, 1
cama para casal, 1 relogio de parede com des-
pcrudor, cadeiras para sala de janUr, espelhos
dourados, escarradeiras, tapetes, capaehos. jarros
pare Qores, lanternas, garrafas pare vinbo, ealices,
copos, compoteiras, louea para janUr, diU para
cna, ternos de bandejas, secreuria, lavatorio com
Umpo de pedra, toilette, 1 rewolver de 6 balas,
commoda, figuras e outros muilos objectos que
e tornam recommendaveis, 4 duzias dp garrafas
de vinho velbo do Porto (boa pinga.)
0 agente Pinho Borges, competentemente auto-
risado, ievara a leilao, os moveis e mais artigos
pertencentes a uma familia que se retirou pare
fora desta provincia.
LEILAO
* DE
um grande sobrado em Olin-
da, rua da Mangabeira
n. 1
OL'ARTA-FEIRA II BOCORRENTB.
as 11 horas da manha
Na rua do Imperador, armazem n. 48.
0 agente Martins, competentemente autorisado,
venaera em leilao, no dia. e Imca acima, o referi-
do sobrado, edificado em chaosr proprios. com 380
palmos de frente, mucado com portio, e 450 de
fundo, com rico pomar das melhores fructas a-
potizelros, larangriras, Jaqoeiras, mangabeiras,
cajueiros, ara.-aieiros,. contendo 3 salas de frente
sala de jantar, 6 quartos, dito para banho, coii-
nha fora, 3 lojas, cacimba meeira, etc, ete.
Quem quizer ver dirija-se das 9 boras da ma-
nha as 3 da Urde, no mesmo sobrado.
Leilao
DE
um terreno com uma casa coberu de telha, ca-
cimba com excellente agua, com 150 palmos de
frente e 500 de fundo, silo em Agua-Fria, Be-
beribe de Baixo.
QDARTA-FE1RA 11 DO CORRENTE
As 11 boras da manha
No armaxtxn da rua do Vigario Tenorio n. 11.
0 preposto do agente PesUna, fara leilao por
conU e risco de qnem pertencer, do terreno aci-
ma mencionado.
QUARTAFEIRA 11 DO CORRENTE
as It horas cm ponto
No armazem da rua do Vigario Tenorio n. 11.
LEILAO
Da
raa
de
em
grande sobrado de 3 andares e soUo da
Marcilio Dias, outr'ora roa Dtreiu n. ISO,
chaos proprios e edificado ha cerca de um anno.
(oiuinta-feira 12 de fevereiro
AO MEIO DIA.
Por ifllenencao d > agente Pinto.
Na rua do Bom Jesns n. 43.
Os pretendentes poderio obter qualquer infor-
macio no estriptorio do mesmo agente.
Leilao
De
13 pecas de grosdenaples preto e 84 dius de bae-
U de differenles cores
Quinta-feira 12 do corrente
as 11 horas
POR INTERVENCAO DO AGENTE PINTO
NA RUA DO BOM JESUS N. 43
Leilao
DE
fazendas avariadas
Quinta-feira 12 de fevereiro
a* 10 1|S da manha
Por intervened do agente Pinto, rua do Bom
lesus n. 43.
LEILAO
Agente Dias.
Leilao
DE
pianno de mesa de jacaranda,
brilhantes e muitos outros ar-
Rio de Janeiro.
Pretende seguir eom brevidade o brigue nacio
nal Isabel, por ter dous tercos da carga engajada.
Para o resto que Ihe falu e escravos a frete,
trata-se com o seu consignalario Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo, rua do Bom Jesus n. 57.
PARA'
Armazens da companhia per
nambucana.
Segaros contra fogo
A companhia pernambucana, diapondo de ex-
cellentes e vastos armazens em seu predio ao for
te do liatlos, offereca-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
serracao das mereidorias deposiudas, servico
prompto, precos modicos, etc.
Tarabem recolhera, mediante previo aecordo ex-
clusivamente oi generos de uma s6 pessda. '
E9tes armazens, alem de arejados e commodos
sao inteiramente novos e asphalUdos, isentos de
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas qae qaizerem utilisar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao eseriptorio da com-
panhia pernambucana. que acharlo com
traur.
0 Georgian:!
E' ceperado do Rio de Janeiro por estes dias
e sepoe com pouca demora para o Para, tendo ja
pane da carga engajada : trau-se cam Tasso Ir-
maos AC.
moveis,
ouro
tigos
Terca-feira 10 do correute
A's 11 horas em ponto
0 agente Dias fare leilao, por conta e risco de
quem pertencer, de uma mobilia de jacaranda
com Urapos de pedra, 1 diU de amarello nas mes-
mas condic53s, 1 piano de mesa de jacaranda em
perfeito estado, proprio para quem quizer apreo-
der, 1 guarda-roupa de mogno, 1 dito de amirelle,
1 commoda, 1 carteira de amarello com esUnte, 1
sanctuario de jacaranda, marquezoes, marquezas,
camas para casal, cons61os, mesas redondas, mesas
elasticas, quartinheiras, candieiros a gaz, jarros,
quadros' 1 par de cadeiras de balance de vime, 1
dito de braces e muitos outros objectos que esta-
rao patentes no acto do leilao, no 1* andar do so-
brado n. 64 da rua do Marquez de Olinda
ao correr do martetto
Leilao
agua
de
quem
Tribunal do Commercio de
Pernambueo.
EsU secreuria fax constar que forara archiva-
dos nest} daU :
0 eontrato de sociedade de Joao Marques de
Pinho & C, de cula flrma fazem parte o mesmo
Pinho e Domingo* Mendes da Souza Machado, com
o capiul de 11:858/965 para o eommereio de ge
neros de estiva no esubetodmento sito a roa de
Vidal de Negrejros, omr'ort Qaeo P desU cidade.,
COMPANHIA
JlESSAGERIES MARITIMES.
Llnha raensal
DONWAI
Eepere-se dos pottos do sul ate o dia 9 do cor-
rente, seguindo depois da demora do costu-
me para Bordeaux, tocando em Dakar (Goree) e
Lisboa.
Para condicdes, fretes e passagens, trata-se co"
OS AGENTES
Harismeady A Labille
9 Rua do Commercio 9
DE
fazendas avariadas de
ohnva
CONSTANDO DE :
casemiras de cores, baptiste, fulard, grosdenaples,
chales, gravatas, corpinUos, collarinhos, panuos
de crochet, e outras fazendas
TERQA-FEIRA 10 DO CORRENTE
As 10 1[2 horas da manha
0 agente Pinto fara leilao, por conta e risco de
quem pertencer, de differenles fazendas france-
zas, avariadas de agua da chuva na noite de 6
para 7 do corrente, no armazem da rua do Viga-
rio Thenorio n. 10.
0 leilio sera effectuado as 10 l|3 horas da ma-
nha do dia acima dito.
No eseriptorio do referido agente, rua do Bom
Jesus n. 43. ______
LEILIO
DE
moveis eloip
NAVIGATION COM
PACIFIC STEAM
PANY
Liuha qulnzcnal
0 PAQUETE
etpera se dos portos do sul ate o dia 13 do
corrente, e depois da demora do costume, seguiri
para Liverpool, via 8. Vicente e Usboa, para onde
recebera passageiros, encomraendas e carea a frete.
OS AGENTES
Wilson Rowe C
14=-RUA DO COMMERCIO14
prata, ouro, petfamarias e miu
dezas
IPft QUARTA-FEIRA 11 DO CORRENTE
A'RUA DO VIGARIO THENORIO N. 11,
ARMAZEM.
As 11 horas em ponto
0 preposto do agente PesUna fara leilao, por
oonu e risco de quem pertencer, e em li raidacao,
dos objectos abaixo declarados e ao correr do
martello.
Uma mobilia de jacaranda a Luiz XV* e com
nouco uso, 1 rico piano de jacaranda e do melhor
fabricante, 1 diU de junco, com Umpos de pedra,
8 ricos toilettes de mogno, 8 mesas elasticas, 3
guardas vestidos, 8 guardas-loncas, mesinbas de
mogno, com pedra, para cabeceira de cama, 3 dn
zias de cadeiras de junco avulsas, ricos toucado-
re de mogno, 1 rico sofa de jacaranda, gosto an
tigo, quadros, espelhos, bolas para bilhar, jnnco
para empalhar, cassolAas, brincos e botdes de pu-
nho, de ouro, e anix, diversos exiractos dos me-
lhores fabricanles, diversas mindezas, como se-
jam, grampos com cruz e Ongfndo punbaes, e
muitos outros objectos que se acnarao patentes a
visu dos comnradores : na mesma occasiao se
vendera, para fechar contas, caixas com vinho do
Porto e vinho Xerei.
iro
as IO haras em pant a
po armazem da rua do Vigario a It,
DE
racveis finos, louQas e crjslaes
Oiiinla-fi'ira 12 dc fevereiro
A's 11 horas da manha
a ma de Hortas, sobrado n. 102, primeiro andar
Uma rica mobil a de faia, imiUndo jacaranda
contend > cadeiras de guarnicao, sofa, consolos e
jardineira, cadeiras de braco, 1 diU de vime, con-
tendo cadeiras de guarnicao, ditas de bracos, seto,
consolos, jardineira 1 rico toilette, com pedra, 1
cama franceza para casal, 1 mesa elastica, 8 apa-
radores, lavatories, cabides, quartinheiras, jarros,
loucas, diversas lanternas, compoteiras, comrao -
da, e outros muitos objectos pan uso domestic.
0 agent- Pinho Borges. autorisado pelo Sr. Dr.
Olympio de Arroxellas Galvao, que se retire para
o sul, vendera em leilao os referidos moveis acima
declarados.
AVISOS DVEBSOS
CASA DA FORTIA.
AOS 4:000#000.
BILHETES GAMNTIDOS.
1' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua do
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos seus le-
lzes bilhetes, um meio n. 8,604 com 4:000*0(0
um meio n. 2,387 com 700*, um meio n. 381 com
200*, um inteiro n. 492 com 103* e outras sore*
de 40* e 80* da loteria qne se acabou de extrebjr
(86'), convida aos possuidores a virsm reoeberna
conformidade do costume sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidc*
la 1* parte das loterias a beneficio da irraan-
dade de Nossa Senhora da Soledade da igreja do
Livramentj (87*), que se extrehira na sexU-fei-
ra, 13 do corrente mez.
PRECOS
Bilhete inteiro 4*000
Meiobilhete 2*000
KM P0RCX.0 DE 1009000 PARA CIHA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuia
FOfiNECEDOBES DE HANG'S
ESTABELECIB4ENT0 DE ALFRE-
DO BARROS & FERREIRA
Neste estabelecimento encontrarao os Srs. com-
mandantes de navios o melbor e mais- complete
sortimento de viveret, garantindo-se ao mesmo
tejpo a prempu e boa execucao no cumprimenio
de suas ordens.
*Largo do Corpo Santo
Instituto medico pernambu-
cano
Todos os senhores medicos, cirurgioes e phar-
maceuticos, residentes nesu capiul, que qnizerem
pertencer a esu sociedade com o titulo de soao
tnstallador, sao pelo presente convidados a com-
parecerem no dia quaru feira, 11 do corrente, as
7 boras da.noite, na sede da sociedade luao-bra-
sileira, para se inscreverem, e vourem nas diffe-
rentes commissdes effeclivas que nesse dia serao
nomeadas.
Dr. Cosme de Si Pereira
_______ 1* secreurio interino.
Carvao animal da fabrica
do Monteiro.
0 proprieurjo deste esubdecimento arisa aos
deposito central da roa do Duqoe de Caxias n.
88 para a travessa da roa da Praia a 8, onde po-
derao encontrar grande qoanudade dette aaaero,
pelo diminnto preco da laflOoVTZh^


s

.r
.
Precisa se alngar uma eaerai ttiba
cozinhar: na rua Von n. 7. lolT^ ^


r
i


yr
K

do Peraambuoo Segunda feira 9 de Fevereiro de 1874.
m
A. B. da Silra Maia. fr
Baa do Visaonde de Albuquerque n M,
li,otftrora hn da nwtrh da Boa-Yistt L
n. It.
Chamados : a qnaiqaer rmra.
Consultas: Aos aofcM gratia, das 2 as
i horas da tarde.
O Dr. em medicina peia faculdade da
Bahia, Francisco Rodrigues Guimaries,
acka ae estabelecido na cidade de
Nuareth, oade pode ser procurado Mk
para os misteres de saa profissao. S
17 de Janeiro de 1874. M
do **
Dr. Constanelo Pontual.
<| Roa do Imperador n. 81 i* andar.
ConsnlUs das 11 u 3 da urde, chama-
dos a qnalquer bora, visita e da consul- 2J
> Us gratis aos pobres. *-
ffitffffffimftfntttfttff
CASA B.1 FORTIM
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:000$000.
O abaixo issignado tern sempre exposto i Ten
da bilhetes da lotaria do Mo, cnja extraccao an-
nunciara pelos jornaea.
Precos.
Inteiro 24*000
Melo 12*000
Quarto 6*000
ptanoel Martins Finta.
ESCRIPTORIO
COMMERCIAL.
199, Rua da Praia, 2.
IASBOA
Loiz Felippe Leite k Irmao
Execatam por eommissao quaesquer ordens das
provincial do reine, Unas e provincial ultrama-
rinas, bem como do Brasil e outros paiies estran-
getrqa.
Rdcebera a consignacao generos nacionaes, co-
looiaes, hespanhoes, francezes, inglezes, allemaes
e do Brasil, on mesmo de outros panes, para se-
rem vendidos no reino ou fora delle.
Execatam ordens para compra e venda de ron-
dos publieos, nacionaes e estrangeiros. Tratam
da cobranca dos respectivos dividendes.
Promovew no mesmo escriptorio, inventarios,
liquidacdes, causas civeis e commereiaes, appel-
lacSes e reeurso de revista.
Tern os melhores advogados na capital.
Para os negocios de natureza especial, como
causas forenses, adrainistracao de bens, etc., que-
rendo-se, pode proceder accordo previo conforme
a nalureza do negocio.
Solicitam-se dispensas matrimoniaes e quaes-
quer outros breves apostolicos eoncedidos em Roi
ma on pela Nunciatura em Lisbda, annullacao
de ordens, e quaesquer outras dependencias aos
tribaaaes da Santa Se.
Tratam da arrecadacio de herancas e adminis-
trado de bens no continente do reine.
Obtem doeumentos de qualqner diocese, distric-
to administrativo, conselho, ou freguezia do reino,
Unas e provincial nltramarinas.
Faiem adiantamentos sobre consignacoes de
quaesquer generos que tenham prompta sahida
nos mercados inglezes ou allemaes. Tambem corn-
pram aquelles que se offerecerem em condicoes
vantajosas.
Fazem transacSes por consignacao ou compra,
sobre miner ios, taes como de cob re, chumbo,
phosphatos, ou ontros quaesquer, se convierem as
eondicSes de qualidade e precos.
Dao-se boas refereneias em Lisboa e no Porto.
Esta ca a tern correspondencias serias em todos
os pontos do reino, em Paris, Inglaterra e Ham-
bargo, na Africa portugueza, em Macao (China
reino de Siao, ilhas dos Acores e Cabo-Verde,
e aceita as propostas que do imperio do Brasil
Ihe torem feilas por correspondencia effectiva ou
eventual.
Na modicidade de suas commissoes, na exacti-
dao de suas contas e no credito longamente esta-
belecido faz consistir toda a garantia de bom aco-
Ihlmento.
Tern correspondentes em Sevilha e outras pra-
eas de Hespanha.
N. B.-As commissoes sao reguladas pela praxe
sta praca___________
Amaro de Barros Correia e Captulino Ro-
drigues do Passo vendem terreBos, regularmente
trac ados, no sen sitio de Beberibe de Baixo, ha-
vendo organisado oma planta de sen perimetro,
em que se desenha visivelmente a distinegao
e regularidade no sen projeeto de arruamentos
novos, approvado pela camara municipal de Olio-
da. A (ertilidade do terreno, a sua proximidade
da estacao do Fundao, da linha ferrea do Recife
a Beberibe, conseguintemente do rio Beberibe, e
commodidade dos precos eonvidam os pretenden-
tes a compra, que os poderao procurar a Amaro
de B. Carreia, em Beberibe, a Captulino Rodrignes
do Passo, no Recife, eao engenbeiro Antonio.Feli-
iano Rodrigues Sette, a estrada de )oao de Bar-
ros n. 8.
0 Sr. Joao Paulo de Carvalho rogado a vir
a rua do Marquez de Olinda n. 53, a negocio que
osenhor nao ignora.
***** *********
* Advogacia.
9. Bacharel Antonio Annes Jacome Pires &,
f Largo de Pedro II n. 6. j*k
***** ******-**
Fngio bontem, as tree horas da tarde do so-
bcado da rua das Cruze> n. 41, 2.* andar, nm
sabij ; roga-se a quern fiver apanbado, leva-lo
a ca acima, que sera gratificado. __________
Escravos fugidos.
Na madrugada do dia 26 do mez corrente, dea-
!4>pareceram do engenbo Raiz, do termq da Esca-
da, dans escravos com os signaes segointes : urn
de nome Severino, cabra, com 22 annos de idade,
eslatara mediana, eorpo regular, carreiro ; e ou-
tro de name Joao, pardo, com IS annos de idade,
de boa altura, tambem e carreiro.: ambos sao im-
berbes e levaram calf a, jaqae'ta, dous cbapeos de
feltro e am de couro. Quern os apprebender, eon-
Juza-os ao referido engenho, que sera generoaa-
oiente reeompensado
Engenho Raiz, 26 de Janeiro de 1874.________
Fugio 27 do proximo passado, a escrara
Maria, crioula, idade 38 annos, rosto redondo,
olnos grandes, eabeea raspada ha pouco tempo,
e qtando anda enverga-se para traz : roga-ae a
Suem a apprehender de entrega-la no eaes do
amot a 42, que sera generosamente recompen-
sado._______________________________
Estrada de ferro de Olinda.
Pede-se ao Sr. gerente desta companhia que
conserve o borario da companhia como esta, isto
e, todas at meia horas, tanto pela manna como a
urde.
AfuifM assignantes.
Aloga-se
o primeiro andar da caa da roa do Vigario n.
3, onde teve escriptorio os Srs. Johnston Pater &
d, recentemente repartido, caiado e pintado, ex-
cellente para escriptorio, nao 86 pela localidade,
senao porqae 6 multo fresco 0 espacoso : a tratar
na roa 7 de Setembro n. 20, ou na rua da Sen-
zala Nova n. 42, if aodar. _________
CHAM4D0.
Os Srs Jovino Ferntadea da Cruz e Joaquim Qe-
mente de Lemos Duarte, no chamados a rua do
Coronel Suasuna p, y82, a negocio de particular
jaiereese.
mm
E
Accessoii .$.
PARA
PABTF
DA
Nachiia
00
g
Com as falsificagdes que tern apparecido
DAS MACHINAS PARA COSTDRA
SINGER
ue?
Paraevitarfalsi-
COZINHEIRV
Precisa se de uma perfelU Cozinheira, nao im-
porta qoe scja forra ou escrava, para casa de uma
familia estrangeira, paga-ie bem: a tratar na
rua do Bum Jom* n 5S, casa do Keller & C.
Fi:gin n dia II cor'iii'.e a ercrava Uc
KBR Htr*arJa, Itsde 30 ann^s p-u.'o maw ou
x*nos, l.aj : slhos urn pouco ; andar Kod-r..,;,, ; T*]"' rt.*il_.i pio t cliale.-
prelo, costuina niudar tnj, Kui uma cicatriz na
peroa esquerda : roga-se a? antoridades policiaes
ou aos eapitacs de campo a appr. hen?Su de dita
e-crava e leva la no Camiubo Novo, sitio n. 110,
ou na rua da Cacimba n. I, que se recompensa-
do generosamente.
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa-*
allar ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
elra, x negocio de seu inkresse.
ma-
Nenhuma
china Singer e legi-
tima se nao levar
Porqi
Attencao
Precisa-se de uma mulher de meia idade, para
tomar conta de dnas memnas pequenas, one te-
nba bons costumes e de" flador de sua conducta,;
quem estiver n'estas circumstancias, appare^a no
1* andar d'esta typographia. Na mesma casa
Erecisa ae tambem de uma outra mulher de meia
lade, para fazer companhia a uma familia, e que
tenha boa conducta civil e moral; a tratar na
mesma casa acima mencionada.
ATTENCAO
Fai-se negocio com o estabelecimento sitoa
praca da Independencia ns. 32 a 36, com as mer-
caderlM existentes ou sem ellas: a tratar no
meamo.
SAQUES
Carvalko & Nogueirn, Da rua do Apollo
t. 90, cccam sobre o Banco Commerciaf
de Viama e suas agendas em todas as ci-
dade* por todos os paquetes.
g esta marca fixa no
braco da machina.

ficacoes notem-se
bem todos os deta-
inee da marca.
o
I
o
if
MOFINA
Esta encounujado I!!
Ascna mole em pertra rtnr
Tatat tin nl* tfur- a turn.
itu^*-** at' ilim. Sr. iynaritt Vieira de M*H
*rv.in px pidaitB oo. .*%aari-;h il-s'a previncia,
at.it ue Mr a rua Du.jce de ~xias n. 36, i con-
lur realisar, pela terccira rJjAmada desle jornal, eai
in; de d'.'zembro de 1871, e depois para Janeiro,
m^sou a fevereiro e abril de (87i,e nada cumprk);
t pot este motivo e de novo cbamado pan 4Ho
im, pois 8. S. se deve lembrar qoe este neapcio
le mais de eito annos, e quando o Sr. sw nloo M
u-hava nesta eidade. ___
A dinheiro e a prazo!
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
Sao mais'baratas.
SSo de do os pospontos.
Sdo simples.
Sio rapidaf.
S3) duradouras.
MACHINAS IDE SINGER
Sio de dons pospontos.
Abainbam.
Franzem
Pregam traneas.
Marcam pregas.
Bordam de linba de seda.
Alcolchoam.
Pregam cordOes.
UNICA AGE NCI A
EM
Agenda de leiloes
0 abaixo assigcado declara ao respeitavel pa
Wico. que, tende aberio o seu escriptorio de
agfnma de Itiloes a roa do Marquez de Olinda n.
61, i* aodar, coatmoa a receber movets, lonca,
fazendas, obrasde ouro e praU, predios e todos
Jnantos objectos se lhe remetta para serem ven
idos, em leilao publico ou particular, a vontade
4e sens comsnitentes: e como quer que o sen
novo estabelecimento se ache o melhor possivel
localisado, aleTi de qoe -offerece as melhores
proporcSes para a boa conservacao dos objectos
, que tenha deireceber; o abaixo assignado com-
promette-se-nao so a empregar toda a activMade,
zelo e poatoaliJade no cumprimetfto de seus-de
veres, como mesmo seas pagamentos serSo feiots
com a costumada prasnptidao, qse Ihe 6 conbe-
cida.
Recite, f7 de Janeiro de 1874.
Itevmundo Hroiigio de Hello Junior.
E. A. DELOUCHE.
49-Rua do Marquez de Olinda49
Acaba de receber am grand* sortimento de re
logios americanos para parede e mesa, de corda
de li horas e de corda de 8 dias, com despertadoi
dos melhores gostos e qualidade.
Relogios de oaro patente ioglez verdadeiros, des-
eoberto com ponteiro grande do meio, dos mais
modernos e do melhor fabricante de L> ndres.
Grande sortimento de relogios de prata, prata
doarada, cobertos e descobertos. Ditos de prata
foliada (plaqoe ), orisontal e patente, de todo
prepo.
Cadeias de plaque" e de ouro.
Lunetos e oculos de todas as qualidades.
Verdaueiros vWros de cbnstaf da Rccha, para
vista cansada.
Vende-se tudo por pre^o mais baratc que em
outra qnalquer parte._____________________
Torre
Aluga-se para pssara festa urn sitio-com
exceHearte casa dehabitagao banho no'rio
i frenta desta: quem a pretender, .pode
procurar i. rua de'Gervasio Pi res n. 24.
HERCUUNO
OPUSCULOS
JD006 VOL. ENCAD. -6*060
Usboa -1873
A edt**e estando. para esgotar-se, ch-imaawc a
attencteido publico-sobre esta obca, cujo raereci-
mento spensa de qualqner elogio.
.UVRARIA FRANCEZA.
45
A CASA AMERICANA
RUA DO IMPERADOR 45
Rua do Imperador
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos do6 mais afamades aotores,
como sao : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente construir para este clima, o qual os amadores dos
bons pianos s6 encontrarao nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais completo sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sao: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RCA DO I1IPEK ll&Oll 49

AaWODASO
ATKS GAMA
Ao
RCA DO DUQUE DE CAXIAS
m. 9.
Primeiro andar.
'^la.
IHblico.
Angelino ios^ dos Santos Andrade, tendo con-
cluido no dia 31 do aaez proximo passado todas
as suas transacoQes, declara pelo presente que
nsta praca nada .deve a quern quer que seja,
nem directa nem inditectamente. Outro sim,
constando ao annunciantetque alguem exhibe uma
publica forma if onde resuita que em 28 de mar;o
de lf-7 pagasse pelo mesmo annunciante a quan-
tia de 13:000*066, declara que semelhante trans-
aceao esta finda, visto comoo original existe era sea
poder, nao sendo eerto que aemelnante individuo
nzesseobsequio algum ao annunciante, porque
este es'ando doente ha via despoaitado em sua mao
quantia superior para aquelle pagamento e so-
mente ao fazer passar o reeibo, teve aquelle indi-
viduo a habilidade de obtel-o como se fora quem
fizera diio pagamento.
Recife, 3 de fevereiro de 1874.
AjffecieiB eonio se \ende barato
So o n. 20
RUA DO CRESPO
LOJA DAS 3 PORTAS
DE
GuUherme & C
CASSA-LA
Acaba de cbagar esta fazenda com bonitos pa-
droes, eque-ee vende pelo diminuto preco de 2u0
rs. o covado I 11
MET1M
Metim trancado, padroes bonitos, a 320 rs. o
covado! 11
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda fina, boni-
tos padroes, pew diminuto preco de 320 rs. o co-
vado III
LA5 ESCOCEZAS
Novo sortiflMnto desta fazenda, com bonitos
padrSes, qne e vende a 240 rs. o covado III
CRETONE
Cretone elareee escnros, bonitos padroes, e fa-
zenda fina, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado III
IAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos precos de 400 rs. o covado,
6 pechincba I! 1
Cortes de easenira it cores, a 5/(06.
Cokhas estampadas e com barra a 3/500 e
4/000.
Cobertas de ehila adamascada a 3/500.
Lencoos de bramante a 2/000.
Dites de algodao a 1/400.
Toarbas alcocboadaa, duzia, a 5/800
Lenoas de cassa com barra a 4/000 a duzia.
Ditos 4e cassa abanhados a 2/000 a duzia.
Ditos de esguiao abanhados, em caixinhas nio-
demas, duzia, a 3/500.
Cambria transparent? fina a 3/000 a peca.
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodao e linho a i/600 a vara.
Dito de Unbo puro com 9 e 10 palmos de lar-
gura a 2/500 e 2/800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 5/000 a peca.
Dito domestieo a 3/000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o.covado III
Madapoldei trancezet de todas as qualidades de
5/ a 8/590 a peca.
Chapeos de sol de eda com 12 asteas, pelo di-
miuto preco de 8/300.
Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a 44/000 a duzia ; e pechincba, s6 se
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto pre.o
de 800 rs. o covado; e pechincba, e dao-se amos-
tras.
Cozinheira
Precisa-se de uma perfeita cozinheira, nio im
por4a que seja forra, ou escrava, para casa es-
trangeira, paga-se bem : a tratar na rna do Com
mereio n. 4.
Na rua de Santa Thereza n. 60 se dira quem
vende ,4 > palmos de terreno, em Bel6m.
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
ALUGA=SE
o 2* andar do aobrado n. 62 da rna Marquez de
Olinda : a tratar no armazem do mesmo predio.
Esta fugido o escravo Jose", cabra, idade de
15 annos, feicdes miudas, cabellos froxos, p6s
largos, veste calca e camisa branca, gosu do mu-
sica : pede se a policia a sua captura, e gratiflca-
se a quem o levar a seu senhor, a rua do Hospi-
cio n. 85, ou 4 rna do Queimado a. 83,1" andar.
ROBERTI
Na rua de S. Jote n. 27 acha-se uma carta
para ser eutregue ao Sr. Dr. Joao de Almeida
" ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rua das Pernambucanas,
com eoxeira e quartos fora : a tratar na rua do
Vifario Teoorio n. 3f,
Tratado das pequenas virtudes, pelo padre
Roberli, da companhia de Jesus.
EDIQAO DE 100,000 EXEMPLARES I 11
1 vol.enc lrOOO.
As pequeaas virtudes de que trata esta
obra sio :
A indulgencia a caridade a compai-
xSo a docilidade a diligencia a li-
beralidade de corar,ao a atlabilidade
a urban dade maneira de pratical-as
meio de adquiril-as etc.
LIVRAMA FRANCEZA.
Escravo fugido
Desappareceu da -casa do abaixo assignado, o
escravo Jose, de eatatura regular pernas, arquea-
das, falta de denies, e cor cabra, suppde-se ter
seguido para o Rio Formosa, ou Gamelieira ; por-
tanto, roga-se as antoridades policiaes e ca'pitaes
de campo, a sua apprehensio e mandar parte ua
rua D. Maria Cesar (outr'ora Senzala Nova n 30).
Domingos Jose* Conha Lages. '
AO PUBLICO.
0 abaixo assignado repete o qne disge em sen
Shmeiro annuncio, pnbheado neste Diario em 4
o corrente mez, e accreseenta qne fazendo a de-
claracio de que alguem exhibe uma publica-forma
donde resuita ter pago pelo mesmo abaixo assig
nado a quantia de 15:000/, somente teve por fim
eviiar que quem quer que seja se persuada,
em face de ta] publica-forma, ser o annunciante
devedor d'aqnella importancia e ainda inuiilisar
ante o publico qnalquer valor que aquelle docu-
ment se queira dar,quer no presente quer no fu-
turo, quer por detraz dos balco3s,quer ante os tri-
bunaes.
Recife, & de Janeiro de 1874.
Angelino Jose* dos Santos Andrade.
Attencao
0 Sr. Francisco Acostinho Madeira, e rogadoqe
Vir rtia, do Duque de Caxias n. $0 A.
0 sas para alugar.
Na rua do Imperador n. 9 se dira quem aluga
uma casa no CalJeireiro, com pequeno sitio todo
mnrado ocXra em Beberibe de Baixo em a rua
de Olinda junto a capelia de Santo Antonio, ambas
com commodos para familia.
Para casa de pequena familia precisa-se
d'um bom cozinheiro : caes do Apollo n.
69.
N. 135,000
Eon. do Sr. Bento Jose da
Silva Magalhaes
aa loja de fazendas e roupa feita, a rna do Mar
quez de Olinda n. 40: roga se ao mesmo senhor a
vir com urgencia ultima-lo. Esta deelaracio e
em harmonia com a resposta que S. S. ha dias den.
Cas i para alugar.
Alusa se o terceiro andar da rua do Marquez ds
0 inda n. 4.
AITodso de Albuquerque Nell)
incumbe-se de promover ccbran^as amigavel
on judicialmente, assim como de outros negncios
eoncernentes a sua profissao, nos lugares proxi-
mes i linba ferrea, e nos outros termos proximos
a esta cidade; para cujo auxilio tern o annun-
ciante solicitadores habilitados e probos, respon
sabilisando-se no entanto pela boa gestao e conta
do qne lhe for confiado.
Mediante modico honorario acode aos chmados
para diligencias ou consultas fora da eidade edo
termo e incumbe-se da defeza de appellagoes ante
o tribunal da relacao. Pode ser procurado de
meio dia. as 3 boras da tarde em seu escriptorio
t rua do Duque de Caxias n. 37.
Vein, ou nao vem ?
Pede-se ao Sr. Joao Ignaclo d'Avilla Junior, o
favor de vir quanto antes a rua do Marquez dj
Olinda n. 40, loja. de f zendas e roupas feitas, a
negocio de interesse sen. ^^^^^^^
Urgencia.
Preciea se fallar c- m o Sr. Antonio Jos6 Brum
da Silveira Juuio., a uegecio de particular inte-
rease : aa roa do Mangel n. 1, venda._______
** Precisa m alugar uma ama para easa de
ponc fainjlja ; m ru do Imperador Q. 33,
S6 o n. 20 da rua do Crespo
L,oja daa ires portas
DE
Guilherme & C.
JUNTO A LOJA DA ESQU1NA
Preeisa-se de uma ama para o servico in-
terno de uma casa de familia : a rua da Soledade
n. 54.
NOVAS PUBLICfiCOES MUSICtES.
\. J. d'AzcvedoRiih !Vova n. 11.
Acabam de publicar-se, e acbam-se i
venda as soguintts musicas :
PIANO SO'.
Daxse ESPAtiBOLA, por Ascher 22000
Arabella, mazcrka, por G. Wer-
tbeiraer 19500
Valsa do Facsto, por Croyzes lfOOO
Sonho de uma TiROEM, por Alber-
tazzi 1SO0O
Anna la I'rik, cavatina 19000
AoClair de la LniB, por Bussmeyer 19500
Sfrin ~-Ri{P0lkabrilbante 19000
Saudacao ao Bahia (
Cricket, por Seixas, oflcrecida aos
cbrickets club pernambucano e
babiano 19000
PIANO E CANTO.
Desespero, muito lindo romance
por I. Smoltz 29000
Non m'amava, romance por Guercia 19000
Tambem rerebeu da Europe grande sor-
menide musica para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc.
Convida-se
aossenkres escriptores, liiicratos, ehefes de re-
particoes e commerciantes a visiiarem a
ENCADERNAgAO BRASILEIRA
a rua Duque de Caxias n. 51, onde verio qne e
este o estabelecimento que dispoe dos melhores
mei'js e processos para bem servi los na arte de
encadernar, e o uri-o que
POSSUE A MELHOR
machina para pautar papel, riscar livros, mappas.
manifestos, folhas de emprcgados, despachos. fac-
turas, contas correntes e de venda ; enjo trabalhc
sera regulado pela segninte tabella de precos :
Papel pequeno em caixinhas.
Para pautar 1 caixa UO 0.
Idem 4 ditas a 500 rs. cada uma.
Idem 10 ditas a 400 rs.
Idem 20 ditas a 300 rs.
Idem 5C ditas a 250 rs.
Idem 100 ditas a SOO rs.
Idem 30: i ditas a 150 rs.
Mais de SOO ditas a 100 rs.
Papel em tamanho fiume contas e despacnos.
Por pautar 1 resma 1J500.
Idem 10 a 1^200 cada uma
Idem 20 a I s.
Idem 50 a 800 r*.
Idem 100 a C Idem 200 a 400 rs.
Mais de 200 a 320 rs.
Outros trabalhos cenforme o a'uste.
A differenca em preco do pa'pel liso para c
pautado, no nosso rnercado, e muito superior a 32n
rs. em resma, sendo prr isso vantojoso aos Sr
IMPORTADORES DE PAPEL
mandarem vir o papel liso para aqni ser pautado
podendo assim venderem mais barato, ganbando
mais diuheiro, para o qne
GARAXTE-SE
a bondade e limpeza do trabalho, entregandc-
os volumes de resma com a mesma perfeicac
igualdade que se tiver recebido na
en-.:adernacao erasileira
______21-Rua Duque de Caxias21.
jjao e
0 Sr. Joaquim Pinto Meirelles, que de presente
eonsta acl,ar-se nesta cidade, c rogado a com pa-
recer a rua do Hoapicio n. 14, para tratar de n-
gocios que lhe dizem respeilo"; evitando :
quo sejam declarados por este Diario.
im
Ao eamaval.
30^000 mensaes.
Tcm-se para alugar uma escrava optima engom-
madeira, cozinheira e costureira : na rua de II r
tas n. 86, sobrado.________________________
Casa no Monteiro.
Aluga-9e a don. 65 junto ao sobrado, com quin-
Ial e sabida para o banho : a tratar na rua do
mperador n. 57, 1 andar.
Escrava fugida
Au.-entou-se da casa de sen senh r, no dia 26
do corrente a escrava Felicia com os signaes se-
guintes : c5r parda clara, cabellos csmpridos, ate"
os hombros, rosto redondo, falia de urn dente
quasi na frente, corpo reforcado, maca do rosto
bastante saliente, fui acompanhada por um bo-
mem, pra ;a de cavallaria de nome Vasconcellos,
foram vistos no dia 27 de corrente, em Santo An
tao : quem a levar 'a Cambda do Carmo n. 3,
sera gratificado generosamente.
Casa para alugar.
Alnga-se a casa n. 63, na rua do Hospicio, com
excellentes commodos para qua quer familia : a
tratar no collegio de Santa Genoveva, na mesma
rua a. 55.
Escravo fugido
20#000 de gratificacao
Fugio no dia 20 de dezembro de 1873 o escravo
Joaquim, de c6r preta, com 35 annos de idade,
baixo e cheio do corpo, com um signal no beico
de ciraa, parece ser um talho, assim como tambem
tern um pequeno defeito em um olho : quem o
Kgar tenha a bondade de o levar a rua de Santa
ta n. 85, junto a reflnacio. _______
Precisa-se de uma ama para cozinhar e
comprar para casa de bomem solteiro : na rua
Direila n. 8.__________________________'
Precisa-se de uma ama para casa de familia
de tres pessoas : a tratar na rua das Flores n 5
CHAMADO
0 Sr. Manoel Duarte Pereira j|ueira apparece
no Cora(3o de Ouro a negocio de particular inte-
resse. ._______
Sitio.
Para tratar de um, precisa-se de um bo-
mem que seja cuidadoso eentenda dejardim.
Em S. Jos do Manguinho, sitio n. S, muro
cinzento antes da igreja.
Na rua estreita do Rosario n. 35, sobrado de
am anda-, tern vestuirios para o carnaval, de
todo gosto ; sendo dominos de seda e de velludo,
vestuari s de seda a phanusia, vende-se e alnga-
se por muito barato preco. Preparam-se lindos
bouquets de cravos, rosas e todas as flores na-
turaes e artificiaes, s^ndo a encommenda feita 2
dias antes sao proprios para noivos e bailes.
Pede-se
ao Sr. Marcolino da Croz Lins Wanderley, a vir
entender se com o abaixo assignado, a respeiu
das cobrancas no matto, de que se acha encarre-
gado._________________________
Silva & Cascao, possuidos do maior senti-
mento, eonvidam as pessoas da sua amizade para
fazerein o caridoso obs^quio de assistirem as mis-
sas que mandara celebrar na igreja do convento
de S. Francisco, no dia 10 do corrente as 7 1|2 ho-
ras da manhaa, em soflragio d'a'ma do sen presti-
moso amigoecommitente ccronel Annibal Antunes
Maciel, faliecido na provincia do Rio Grande do
Sul.
S Gratifica-se a quem apresentar uma
carteira com muitos instrumentos cirurgi-
cos, pertencente ao Dr. Ferreira : desconfia-
se ter sido ella extraviada na esiacao do
Cabo. Rua Larga do Rosario n. SO.
o segnndo andar a rua da
tratar no cafe Imperatni.
Imperatrix a. 5 : a
FUGIO
Acba-se fngida a esciava ConsUnca, de eur fu-
la, secca dj corpo, estatura regular, pes apalhe-
tados, nariz grisso, levando vestido de cambraia
branca e ronpinho encarnado desbotado : quem a
apprehender feve-a 4 rna do Hospicio n. 11
10008000.
Precisa se tomar a juro pelo tempo de nm ate
dous annos, quatro contos de reis, dando-se para
garantia predios de dobrado valor, e paga-se o
juro que se convencionar mensalmente : a quem
convier pode annnnciar para ser procurado, on
deixe em carta fechada sen nome e morada nesu
typographia. escriptorio, com as iniciaes A. B. C
Aiuga-se
a loja do sobrado n. 6 da rna de Marcilio Dias,
outr'ora Direila, propria para um principante pela
sna localidade : a tratar na rna do Bom Jesus a.
7, primeiro andar.
AUen0o.
Offerece-se oma senhora
nar meninas em algum
ensinando portuguez,
na rua do Hospicio n. 9.
portugueza para eaai-
ho, ou nesu cidade,
oi e flores: a tratar
Precisa-se alugar um menino de 10 a 12 i
da idade, p ira os pequenos services de uma casa,
sendo escravo mtlii. r sera : no escriptorio 4M
loterias, a rua do Cretpo n. f.
]



G
IWuffe tik9m&nma& Ma^Bgttfc&eifa &it&tfSwgk\X> 4ei474.
\
icaQao
lOfMitd* ilfades
Fugioiio dft\ |0 jde Je&nfhsn.' do engenho San
loa Mendes, eomaroa de Nazareth, freguezia d*
TracunhSero, a ewrava Maria, citouhi, I 50 anfaos
de iosde, pouco mais ou menos, baixa, grossa, tor
preta, rs*ta alquebrado, oej seccos, e e?panados,
dedus curios. cabeHoa braneos, oandlas" finas, tern
dous signaes eabelludos no queixo, e e bem ladi-
na. A pessoa que entregar esta escrava oa ao eu
dono, que 6 o senhor do engenho acima, Lauren-
Uno Gomes da Cunha Ptreira Belirio, ou no Re-
cife, la go do Gorpo Santo n. 19, i andar, sera
ecompensada eom a qoantia de 1001.
Garanhims.
Na roa do Barao da Victoria n. 36, precisa-s*
:aITar aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixojo e
ose Paes daSilva, a negoeio de particular iate
i-esse.
ESWUVO JTODO-
Desappareceu ao aaianheeer' dbwfliatMo eor
rente, do engenho Serigi, comarca da Gnyanna, o
eseravo de nome Jose Borges, mestre de agsucar,
tendo 03 signaes seguintes : eabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mai* visivel
uma gomma na junta do pe esquerdo : roga-se a
todas as antoridades e capitaes de campo queiram
apprehenfor lito eseravo e teva-lo ao referidq en-
genho, ou aasta praca a Oliveira Filnos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que scria ganerosamen-
te recomoensados._________________
A iiENCAO
Constando aos abaixo assignado acharse nes-
ta praci o Sr. Manoel Fernandes de Carvalho, ren-
deiro dos engenhos Barra e I'reguica, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
mesmo o obztquio de vir entender-se com os
abaixo assignadoe immediatamente sobre negocio
tendente aos referidos engenhos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
Tasso Irmaos & C.
Alngs-se um moleque eom bastanie pratica
do service domestieo : a tratar na rua do Ouque
de Caxias n. 53. ______
Sitio no Arraial.
Aluga-se um si'.io no Arraial, com boa
casa, bons commodo?, agua do bebcre com
fructeiras : a tratar na venda proxima i cs
tacao da Casa Amarella.
Constantino Jose Ferreira Pinto
agradece a todos os cavalheiros
que se dignaram acumpanhar ao
cemiterio puMicn desta cidade, os
restns mortaes de seu prezado so-
brinho Joao Maria Fereira Castro,
e, em particular dirige os sens
agradecunentos aos Srs. Joao da Cosla Woreira e
Joaqumi JoseGon.alveu Beltrao, pelos incmimodos
e muitas attenfdes que dispensaram ao mesrao
fallecido.
Leandro Ferreira da Cunha.
;sp, Joao da Cunha Soares Guimariie?,
sua mulher e lilhos, pungidos do
mais duloroso scnlimento pela mor-
te de tea sempre caorado filho e
irmao, Leandro Ferreira da Cunha,
conrilam aos sans pirenles e arai-
gos para assis tirom as missas
r' setimo dia, que teraD lugar quinta-feira 12 do
.*..rente .-las 8 horas da manlia no ennvento dorf
'' franciscanos.
" -"" ". ::"~. ~::_ -j
fcrancisco de Albuquerque
e Mello.
Antonio de AJhnqoeraoe e biello
c nvida, tanto os sens parents e
como os do .-ea fallecido ir-
ouvirem uma missa que
naiicia rear no convento di S.
Franeifo, no dia 11 do corrente
as 7 lioras da m;;nba, por alma
' rallemo/j na cidade de "Lisbca no dia 11
. in r i proximo passado.
^- '. -.-,- 3BM
J. Anna Oorreia d'Almeida
Carneiiu
Manoel Jos6 Carneiro
manila celebrar i manlia
terca feira 10 de eorren^e,
Irig -imo dia do passam in-
to de saa sempre lembxafia
e chorada espoza, D. Anna
Correia de Almeida Car-
neirp, u;oa missa na capella do Monteiro, as 7
ii ras da mauh-i, pe!o eterno d\icanco d'aima da
mesrod rmada. Para assistirera a este acte do re
ligia i convida a sous pafentes e atnhros.
!' :ite, 9 de fevereiro de 1874.
'
se
^*mada.
Na rua do B0to dattctoria n 36, precisa
fallar ao Sf. tenenU Jort Maria Pestairt, a ne
gacto- de sen interssse.
Trecisa-Se d
' duns amas para
casa de pouca fa-
milia, sendo uma
para cozinbar e outra para engommar, pre-
t'onndo-seescravas, paga-se bem, se agrndar:
a traUr na tratessa do \ igario Thenorio n.
1, escriptorio, das 9 is VaWaroe.
Pracisase de oma ima que saiba comprar
e eozinhir : na rua larga dj Rosario n. 21, Uja"
deiecalcado.
AiITia ft*cMa"'s mar:
---------------------------------T
. rT"engo
a rua do Barao da Victoria n. 1
!yrr\{M .'9Qt&*i %wna ama pamcozintyar
xLiiia.py.^ rapaaes solteiros -Jta, ru#do Ci
po n 20, loja.
Ar. Precisa-se de uma ama que eaiba cdti-
AKA lihar, lavar e engommar, ara dnas pbs-
soas : na Baixa Verde n. 22, esta'cao do Man-
gcdnho.
a^F:
O pescador
Neste estabeiedmento dompra se um realejo de
flauta, due sftfVa'para daaca, e qne esteja am
bom esta'do, cohienpo qnadrrthas, polkai, schotz,
walsas, maztircas a'pessoa hue- tirer equelra
idianfir Jifllle*. dirlja se ao esrabelecimento acima,
ma de Marcjlio Bias n. 21, ^
tU^BiU^ador !
n.28
precisase fallar aos setuintM swilwpes':
' DontiMos Martirn d* Darro* Monteiro
Emtodio- Marques *? BanHaeo'XDr.)
Joao Vaz de OHVaira. '- nef
Xat>- Alves Maeliadd JGalnwries.
A yvift Precisase de uma ama para cozin1
xxiua a ,ralar a ru4 fo jmperador n. 14. ar-
mazero. 1
Ama de ieite.
Na rua do Hospicio n. 49, precis a ?e de ujraa
ama de -Jeite, Ijvre ou escrava, refere-se
filnos.
A-rna Preci#a-9e de uma a*it;i*4 cdWhar :
J\Uld> na rua Direita n. 26.
Precisa-se de uma ama bara coraprar e co-
zinhar : na praca da Indepenaencia as. 13 e if.
Chapeleria
economica
Com este nome acaba de abrir-se uma cbapele-
ria na iua de Marcilio Dias n. 43 (autiga rua Di-
reita), aonde as Exmas. senhoras e cavalheiros
desta capital encontrarao sempre variad3. sorti-
mento de chapeos para senhora. cbapelinasj cha-
peos para homens, meoinos meoiaas, tadbi de
optimoS gostos, e por precos que rrarrnonizein com
o nome do ejtabcleeira^ntcl.;-isto e, tudopor pre-
cos buraiissjinos Ml -
Tambem jsa recebeai iconcertos de chapcos para
seonoras, cliapelinas, e chapeos pa'a homens
aasim como se poem iiias em leques, aiaBbem 91
conoertaoi
CouTidaise, pots, 0 rerpeitavel public* a vir
venOcar a veracidalie do annuncio ; pelo que 0
proprtetario deste estabelecimento desde ja se
com'esf a em extremo grato ; e lha pede a sua va-
liosa protecgao.
Anloaio Jos6 Rodrigues de Senza, era .scans-
criptorio a rua do Crespo n. 6, compra, por bon3
precos, e;cravos das diversas cores, sexoi- e
dades.
Iloubo
Na noite de 30 parao araauhocer do dia 3L de
Janeiro arrombaram e roubaram da c sa n. 22 da
rua do-Barao de VeraCruz, na cidade nle Olinla,
i:600iC0n em dinheiro, um eorrentao de ouro
pesando !0 a 10 l|2 oitavas, e um annelao tambeut
de ouro, pesando 2 oitavas, pouco mais ou meaos.
Da-se a gralifica^ao de 600^000 a quern ejte uubo.
Na rua da Peuha u. 2 lavase e engomma-se
CDm presieza ronpa de homem e senhora : queoi-
prc-tender. dirija-se a i::esma casa.
0 Sr. Joaquim Pinto Meirelles,. negociante
em Mamamguape, e de preseute iiesta pra^a, te
nha a bondade de n.10 jet'rar-se sem entender-se
no armazem n. 19, a rua nova de Santa Rita
um bom IftMftMSSfdhTWftlflkfltado com mujto
boas fructeiras,. todas t-arregadas, boa casa e pfc-
tada recentement-, hantieirn, qtlarto para Teitor.
coztnha com agya enchriada, galHoheiri, litrtaa,
etc.: quem pretender, ciitenda se d hiadoCom-
raercio n. J, armaiem, a fallar com Actotlfc" de
Albuquerque Mello.
r
llim
'Manoel'rVreira
Manoel dos Pswtos
Th
Fr;
Fral
lijimaJSMaretlij.
irtflaa. <: -
. BilheteS-garantidos
&ua do,Barai)da Victoria Jpulr'ara' Nova
.n. 63, e casa do costume.
, ApJiani-8e a vonda os'jpuUd'felizes bilhetaBga-
^ntiffor'us i"twte da IM'ri* a' bjetieflcib Ida
irmandade de N. S. drSflledade ia-igfe|a do Li-
vramento, que e eitr'ahira no dia 13 de fevereiro
corrente.
iA
Inteiro 4*000 r*u
Meio 29000
DeltOCOOO paracimu.
! Jhlelro -eftiOO
' I Meio 1#780
Reeife, 6^ ae1fvereiro''de-T'1874.
' '______' ;'fr" JoaquHn 4 - Aluga-se'-^'joja da esauina a rua 'da' Ifclpe-lqualquer' cbstura por fir?.' quo ^
ratriz n. 1 : a tratar. no- cate jrhpefatriz..
Com viata ao Illm. Sr.' Dr.
chefe depolicia
Senhores rcdactores: Queiram ter a bondade
de levar ao conhecimente do publico e dct.8ri Dr.
chefe de policia am teistewfaoto praticado por nm
LIQITflMtitt'
'#3ad
p*-f;>
nz n. 1
lij

pre^o 0001c
tem
Vttidwfazendaspara liquidar,.por baratissimo
V^ abaixo se ve:
"?ereira da SilrJ A Gtiimiries ifndo en> aer nm graade depoiito d 1
do fazer uma liqutdafao das npmas com granda abathnento nos Mfcoc'
com a^uawo fim de apurar djutieiro, parftp que cbftjidam .iiao s6^ xusDUvmot*
xeguetasj *omo ojaepeitavel publico, a v^ swUa.s-d*roJUa< hwmiu,. boK avbarata*
B6it^28i^!!?,?''ment0(lenornin8,Jo 0Pfevioa-fujfdalmpefatriz'rn BO."
r^francez mailo ino a 3MOO,"aponas precii*
0 I,1/* metro para jam lenjel.
MJAAtAS A 49, 495PO, S, -69 T.
0 Eavio vende um magniftco sortimentoj
is-wafs finas cambraias brancas transpa-
w-wttea^tendo 10 jardas cada pe^a, pelo bar
kato pr^o d 49, 45J500, 59, 69, tendo taltt-
|bem das mais finas que custumam vir ao
TtleH*dr>, assioi como umgrande sortimento
Itt 00 BaraO (la YlCtOria I). 22. ^.^astapwfcsewctoriarqneTetldede^
>at 89rendo raieada que vail* ajuito rrjais
. dinheiro.
eamir,'via.
COMSALPICOS DE CORES A .
A' este grande estabelecijfeftor Unv'clie- .-OPa*o_recebeu um elegante sorfime*to
do cambraias brancas com bonitos salpiqui-
nhos miudinhos de cores, tendo 10 jardas
cada corte de vestido e vende pelo bar,
gado um bom sortimento do. mac
costura, de todos os autores mai
dos ultimamente na Europa, jjyas machines
a to
s4o garantidas por um anno," e,tepdo.umkPre^r^* 5* Por ser pechincha, ditas c^m
perfeito artista para ensinar a% m qualquer parte desta cidade, como bena as- a 7*s50 e ditas a 59000.
sim ecert*tlas peio.temp$ tambera d'um
- anno sem despendio algutn do comprador.
Tteste estabelecimento tambem ha pertencas
para,as mf^rnas macburas, ^.-^Oisoppre. rjual-
-Jquer pe^a que seja necess.-.rio. J'-^iis ma-
..chinas trabalham com toda a {vdri'i'.ic^o de
um e dpuf pospontos, franzo e^ bo: Ja toda
VE8TIDOS A CSO DA CORTE 129
0 PavSo vende um bonito sortimento de
cartes de vestidos a uso da corte, trazendo
cada c6rte todos os e'nfeites necessarios;CDmo
sejam : babadinhos, entre-eiosv readas,
requefifes, e vende pelobarato preco de 129
cada um, assira como, diios a 2 de julho
precos sao da seguinte qualidade : 1 ,- i SS^08 MiM^ 8 10!*' ,?OTtei d "aai-
Calharainlo.dl|309000> W900 Woo'l^i't^f ^ ??**". CS
e 509000, para trabalhai cuiTo ,J stodJiLS Sl"Tf a^'dltos de cam-
809000, 909000, 1A09000, a 109000^3'^;^^?^ w^* PMa "M'
1209000, 1309000, IfiOpooJ, 200-5000 e ^ Pech,ncha
2509000,.emquanto aos autores nao ha al-
suus
teracSo depregos. e o pompra^jrs podf.rao
senhor snpplenle de mbdelpgido da Pasfagem da ;,!. .%i..v;L-. *
Magdalena, no dia if. do corrinte, era um nresepe vlsl'ar este actabelacunanto, m.e ::-.::ito dor
pastoril, quenemlugaj-naE*ada Nova. Chegan- verao gostar pela vanedadf de objectos que
doum moco icaaev famila, composta de oito ha sempre para vender, como Sfiaui: cadei-
senhpras e um menino ao dito presepe, ondei se
,ras para vi&gcm, malas para viasem, cadei-
acbavara tambemoutras famrtias, e eome nao tiws- ra<. ^M _, Jiin.B An T.^ b ..'
se mais assento^ 0 dmo da casa Cez iogoconduzir ra? PaM ff31' dJ*88 e *>!n$o, ditas para
cadeiras, do cjuc^e lhe deva ^radecer ; acsenta- cnanca, jaltas) ,.ditaa para escolas, oosturei-
da'a dita familia com 0 seu.'chefe junto, eis qae: ras nqaiasknesj paraisechora, despensaveis
chega esse mai intsneionado- supplente, e intimou para criancas, de todas as qualidades, camas
ao dito moQo que so levantasse de junto da fami-
lia, a victinia vendo tal imprudencia ivio prestou
attencao, sendo seguhda vez intlmado, a viciima i espelhos dourados para sala,
AttencJio
Xa rua Jmpenal n. 94, vende-secestos do Porto,
proprios para padaria.

Os abaixo assign3dos dcclaram pelo presente,
ijue nesta data dissolveram amigavelmente a so-
ciedade que tinham na fabric* de carvao animal
da Povoa'.ao do Monteiro,' sob a razao de Abreu
& Jayme, ticando 0 activo e pissivo a cargo do
s. cio Abreu.
Recife, 2i de Janeiro de 4871.
Jayme E. Gorms da Silva.
______________Paulo Fe I ii t.e de Sallcs. -Abie
Aluga-se tuna iala propria para escriptorio
sila a rua Duque de Caxias n. 88 : a tratar na loja
do mesmo predio.
Ao puMico.
Moleque.
Precisa-se de um de 12 a 14 annos : na rua da
lm; eratriz n. 26, loja._______
Relogio perdido.
Perdcu ;e um relogio e oonente d<> or.ro com
>., iniciaes na tarapa !'. L. A. em viagena na via-
ierrea da otacao do Manninho a Soledade, as
10 hi ras e um quarto da noite. E' relo.'io de se-
nhora : uuem o tiver achado sirva-se restitui lo
no escripturio da rua da Cruz n 3, para ser bem
recompensado.
mm
Fururam na noite de 7 do corrente mez, do
sitio do abaixo assignado, no Caldeireiro, dous pa-
tinhos da A.istrstia, decOr cinzenta e rajada. sen-
do avos aqui geralmente desconhecidas : roga-sn a
quem elles forem offerecidos a venda, de os ap-
preh^mler, gratificando-se com toda a generosi-
dade a pessoa que os apresentar ou der noticias
certas do lugar em que estao, ao abaixo assignado
na rua do Brura n. 96, ou no referido seu sitio.
_________Francisco Itibeiro Pinto Guimaraes.
Lng:ni'iadeira ecrlado de 12
annos.
Para casa de familia precisa-se d'uma
boa cngommadeira que entenda de costura;
e de um r-riado de 12 annos para servigo de
casa e algum mandado, prefenndo-se escra-
yos. Em S. Jose do Maguinho, sitio n. 2,
antes da igreja.
0 Sr. Angelino Jose dos Santos Andrada, em sua
segunda publica^ao 6 menos verd. leiro ainda, ne-
guudo em o seu priui^iro annuncio que devesse
obsequios a quem qner que fosse, por occasiao
do p.igamento ^]oa gunda publicavaivioado-setalvez lembrado, omit-
tio e^a circamstancia pela qdal foi. fore ado a
con'.esla-lo
C;incurJando hojo o Sr. Angelino que recebeu
favores por occasiao desse pagvnento, creio tam-
bera que esta quite, sendo essa til publica-forma.
pela qual alguera posia persuidir se seu crelor
por detraz do balcao ou auto os tribuuaes, uma
ve.-dadeira iuvengao proptia de si, como os capi-
>positados e a sua grave molestia por occa-
jiao do pagamento do saque.
CjncorJando o Sr Angelino, com o que disse
nada mais tenho a oppor-lhe.

de ferro para homem e criangas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
respondeu qne se^nao levantava por'que tiflha' quenos, apparelhos de metal para cha", fa-
junto sua familia o mai intenctonaJo deu lhe toz qUeiros com cabo de metal e de marfim
de pnsao e mandoa por duas pracas que o con- ,i:tf.= ,!_- _iv,._,.. j__,.{, ,. -'
dnzisseparaocalabouco, porem as priPu veodo ^ttos avdisos c#ihcito de jietaj fin ), coudiei-
lal despotierto nio se"atreveram achegar para; ros Para sa^ jariK)8, goarda-comidas de
junto, intimando o dito supplente a* pra?as para arame, tampes para oobrir pratos, esteiras
que o cpnduihse-, e nSo *? miportando com o alvo- para forrar salas.lavatorios completos. ditos
roco e desassocego em que se acliava a familia em s;mni0c nkir>/ roda da victims, e vendo-se eneolarieado debaixo fplf' obJoctos W Odette, e outros mui-
de prisao, disse que ia, mas era com a jMnilia,ws artigos que muito devemagradar a todos
loda, porque nao hawaabaadana-la Vejana*que j que visitarem este grande estabelecimento
ponto chegou a arhitrariedade desta digna auto- que se acha aberto de^de as 6 horas da ma-
ridale, de majidar cohduzir tiidg ; aprecie opu-'n^g &1a as o horns da nnnti>il
blico da f&ma que praticoa esta/ autoridade, que '^d aie as JTPoraf aa ,n0!ile a
Kua do Barao da V ictoria n.
, CORT-ES RORDADOS A 209 E 359.
-0 Pavao vende. ricos cortes de cambraias
brancas; delicadamente bardados, pelo ba-
rato preco de 209 e 359.
CASSAS FRANCEZAS
a 390 rs, o covado
n3o sabe fespeitar, quem Jeve 'espeitar e manter
a ordum, e>slm sosabe.trazer o desassocego e por-
turbacao.
0 que aqui ficavnarradp foi presencjado por
muitas pessoas, o estamos eertos que o mui dtgno
Sr. supplente n.io tera forcas para vir contestif o
seu mao procedimento.
_________________M. M. de Monra.________
. Ao earoaval.
Braulio Ricardo Goelho
Rua de Santa Therrza nuinero S3
Nesta ca?a encontraraQ os iefluenies do uarna-
val ura grande. sortimento de. vestuarios, cabejlei-
ras e barbr.s a escalher, pelo baratissimo pre?o de
H a 3i cada baiba, 8,5, \oi, 1H e 3 :$ cadi ca-
belleira : a ellas, antes que se acabem.
22.
i ci c
T~
n
Em
&C,
LOJA
Uuga-se a loja do sobrado n. 9 da rua da Au-
rora : a tratar na rua do Hospicio n. 26, taverna,
ou qa rua da Imperatriz n. 10, taverna.
Clarindj Ferreira Catao, da novo avisi
seas rregueze3 que continda a vender polvora em
seu armazem a rua Imperial n. 187.
Precisa-se de uma
Ieite e nao enha filnos;
n. 8.
ama que tenba bastante
a tratar na rua Direita
Yilla de Agua-Preta.'
Desappareceu no dia 1. de fevereiro do corren-
te, do engenho" Ptodebal, o eseravo Leandro, idade
de an.ios, coi*. pardo escoro, altura regular
cabello bom, olhos grandes e avermelhados, tem
laiu de dfcutes na frente, pouca barba, secco do
corpo, p6s pequenos e falla de unhas no d^do
Teai sido apresentada ao poMieo
Durante o espaco
DE
4 0 A R 0 S.
S\ L.S\PAmulaH V
DE
RBISTOL
Araujo Lima & C. fazem srispte que no dia
4 do corrente, pcla3 10 horas di manha,.perderam
uma letra no valor de 79i360, vencida- ha qutro !
mezes,e accit.i pelo Sr. Levino Augnsto de Ilullau-1
da Chacon, e previnem ao mesmo senhor que nao <
fizeram tr&nsacclu alguina co:n a dita letra; por-1
tauto so dies tarao direito a ella. Recife, 4 de |
fevereiro de 1374._________________________|
0 abaixo assignado ruga a todos os seus I
credores por litu'o de qualquer natureza, venci-1
dos ou a vftocer, o favor do se dirigirem no dia |
10 do con erne, ao mio dia, a rua Imperial n. 10^
aDm de acliberarem sobre o pagamento de seus
ereditos.
Recife, 7 de fevere'so de 1874.
Joao Cardoso Rabello.
C0MPRA&
*
m
<->j
v*

in'
W
Irastes. 1

Cowpra se e vende-se trastcs aovos i
e usados no arhiazem da rua do Im-
perador n. 48.
!
9A<___
lehameis.
seus armazens d rua do Amorim
n. 37 e caps do Apollo n. 47,
tem p.tra vender por precos conimodoi
Tijoius encarnadds sex taw* yura ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cimento P<>rrtand.
Cimento HS'draulicc.
Machinas de descarotar aljodio.
Maciiinaa da-^alaria.
Potassa da Russia oa barril.
Phosphorus de cera.
Sagii. em garrafSas.
Sevadinha em garrafoes.
Lentilhas cm ga^ajoos.
Rbum da ;Umaica.
Vinho do Porto t'olljo engarrafado.
Vinho do Porto superior, dito.
Vinho de Bordaaui, dito.
Vinho de Scherry.
Vinho da Madeira.
Poles com Imgnas e dobradas ioflaxas.
Licores finos >sortidos.
. Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toucinho inglez.
Barris com repoBio em saimoara.
0 Pavao recebou u'm grande sortimento
de cassas francezas com delicados padroes e
cores fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, o covado,. organdy branco e lis-
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
nissimo fil6 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanas do todas as cores.
BORNOUS A 139. \ \
' -!39, ditasdechitafinamiudinhaa29,9500.
0 Pav5o vende um bonito sortiaieutodeS|&39,issira como grande sortimento de ce-
mais modernos borno.us combonitas listras e roulas francezas tanto de linho comodeal-
vende pelo barato preco de 129 cada um,: godio de 19G00 ate 89, gr-ndc sortimentc
assim como, um elegante sortimento dos mais: de mei: s cru s inglezas de 49 at 89000 :
bonitos chales demerin6 e com listras de seda.; duzia.
CerouUs fraicezas de linho e algoddo, para todos os precos e qualidades, assirt
como grande sortimento de meias cru?s, camisas, ctlermhos, que tudo se vende pc r
precos mutt) raaoaveis.
^,I4JW8^*UUTOS
*a 29,"89y'49.
; O'favSo4 veide thajes- a emitag| dame-
rin6 a' 29", ditos da mer/nd, lisos de todas ai
eores a 39600, ditos de merin6estampados,
muito finos a 49 ^ditos finissimos com lis-
trao>44tM|M0(iliito4i9uitofiUos da
crr^Kim Iff* 129.
4J*od*o jQtfMtadtp f9 9 X9980.
^O-Wvao veridd'algodib ettfestado com t
palmosiielargara,' proprio/ para lengdei
sendo dp mais encorpado que tem vindo aa
mercado, liso a 19 a^vara e trancadoa.....
19280.
ATOALHABO A.19G00, 29, 59.
0 Pavlo;.verideatoalhado.lran5ado coma
palmos de.largura a 19200 a 19600, dite
adatnascado a 29, dita de linho adamasca-
doa39W9.
- :^EJ)Aii>AaU TBSflJDOS
, a-19600 a ^9.
. 0 PaVSo vende-nm- bimito sortimento d
sedas conofiiatrinbas proptias para vesti-
dos de menin.asede senhora a 19600 o co-
vado, ditas kvradihasa9, os padrdes sio
muito i)oaitose vende-se por este pteco para
acabar.
Bo (in as a 5 jOOO
OPavSo tem um completo sertknento d
botinas muito bem enfeitadas para senhora*
a vende pelo baratopreco Je 59, artigo qo
em outra qualquer parte custa t-9e79.
, LEHgOS BRA^COS
a 39000.
0 Pavao vend len^os btancos abainhi-
dps, tanto para homens como para senhoras
a 29 e 29500 a duzia, ditos de esguiao
cambraia de linho timbem ab'-kwados i
39500, 49, 59, d tos francezes escuros, pax
rape a 69, a duzia.
CAMISAS PARA HOMEM.
0 PavAo vende ricaa camisas com peitc
de linho bordadas,. proprias pura noivo i
10)$e 129 cada uma, ditas de linho sen se-
rein bordidas a 49, 49500 e 9, ditas oorr
peito de algodao muito finas a 29, 29500
I
ANTONIO JOSJ D
Rue
a
AZ1VED0.
n. II.
1! a 33 palmos
por grande que
_ Wil-on Rowe & C. vendem no seu armazem
a rua de Commercio n. 14 :
0 verjadeiro panao de algodSo azul .amencano.
Excellente flo de \ela.
Cognac de 1 qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades.
Querem fazenda barata.
Venham ou niSndem a Rosa Branca-qne esta
vendendo muito barato todas as fazendas e roupa
feita : na rua da Imperatriz n. 56.
Ouerendo definitivameute liquidar este negocio, vende todos os que tem, novos a
lsados, pelo preco do custo da factura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de-selas, de muitos lindos desenhos de
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala
seja com oleado inteiro.
W.UtNIFICOS espelhos ovaes para ornamentos de salas.
iHWEIS electricos para curar dores de-cabega. nevralgias e nervoso.
VIU1TO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
'jRAMPOS para segurar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARCA e papel picado para bordar com 15 ou seda.
VERDAOE1RA agua de colonia em garrafas empalhadas.
____E "muitos outros artigos, e por barato preco.
mais
III!
131
A companhia da-estrada de-fern/ de Olinda,
compra mais oO enshameis de 30 palmos de coa-
pnmento e J poleda% de ro8eura, para parte
da linha telegrapiiiea : a tratar no escriptorio da
cempanhia.
Lawimtmo Jds6 de Miranda..
Compra^e nmFpianb d^boa onstruceSo, pro-
pno
del
ira ensinar meninosi cujo preco naoiexceda
A : na roa da-Aurora n. 1, ou annrmcie.
grande duo P6s. ,^fojnrig^;^"tlradif todas as materias e fezes viciosas
por elle da casa de seus pah>, com os sienaes se-1
guiates : cor parda xa e grossa do eorpo e ehama-se Carolin 0
abaixo assignado pfevfne a qualquer pessoa qu
o appreWmder e levar ao dito engenho, sera bem
recompon>ado.
CURA OS CASOS MAIS DJ?SESJ?ERADO!>
A SAFSAPARRILHA DE BRISTOL^pari
massa do sangue, expelle parti far
Qca a
, Ignacia Baadeiw de Mello.
parle U
nomic.-;
tar na q
Par* criptorio.
Aluga-se
' r-^^-aadar par eima daJivrai i i
_? da arco. d lanto Antonio : a tn
c impuras.
as secrecOes, da" vitalidade t
energia a todos os orgaos e di farga e vi-
gor tir a todos os ataqucs da.cnfecmidade.j B'
pois este um reiuedio 'onstitucjjmal, ^ETJe
iiiinca diitroe afim IqAod/pcurarn potem
'"ii^fct ,:,., a:.*|*rtlMfBia-.4^mqt(.
IS '':'1-.' '^nriQnues-iii&io-
tiiaslocaes <'-pendente d'umas-
Gompra-seossos
aa travessa da rua da Praia n. S.
raSwT
Vaquetas da Russia
, VendeJoao,Franci8co-Ferreir*Juiior; a m do
Uvramento n. 37. '
\ada mais so sieve dizcr depots
de se ter feito a seguinte dc-
elaraeao
E vem a ser :
QUE 0 UNICO deposito de doces:
De goiaba (finissimo)
De cajti secco, crystalisado, ralado e em
calda
De mangaba secco e crysulisado
De cldra secco e crystalisado
De laranja secco e cryslallsado
De iimao seoco e cryrtaHsado
Degrozelle em calda.
D*dece /rancezes- e pertuguezes
AGORA AINDA e ^seguinte:
De matte em fulha e em po
De cate lava (verdkdeiro)
Do eha verde e preto (especialidades)
De bolos e bolacninhas para cha
, i. De nambres prooiptos
De bolos inglezes
De pudins finissimos
i Dd paps-ae-16 (mostro?)
>h De consorvas .ilimenticias (tubaradas)
De fructaa do .tempo
De I'hbCoiale inolez e francez
E de tuti quanti
E na bem conhecida
FUMO DO PARA
0 verdadeiro fumo de Rorba, em chicote, picado, desfiado e crespo, assim
como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a vapor, antiga rua dos Quarteis n. 81.
Na.dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarao os seguintes e bem couhecidos
fumos manufacturados na mesma casa,
l-'lor do Brasil
Novo Caporal
Be* Bird'seye, ( Olbo de Passaro. )
_____> ende-se a- retalho, e em grande quantidade se faz grande abatimento.
Vende-se
uma carroca nova para cavallo, moito miswfci.
oa troca-se por qutra para boi, seado umbem
em perfeito estado; para ver em S. Jose do Man-
guinho, sitio de Jorge lasso e a tratar no seu
escriptorio a rua do Amorim n. 37.
Rua do Brum n. 76
Vende-se aiaco puro de superior quUade.
proprio para c#bertas de casas, medindo 11 pal'
mos de comprido e 4 de largo, por pre p
em conta.
I!
selecta e tie umbigo
(Enxertadas)
Sapotkeiros
do 11 palmos e ditos fern vasos) e de todos
os tamanhos e prejos mats commodos que dan-
tes ; assira como as seguintes outras plantaa de
fructa e de ornato :
Vende se uma tavema' na roa
pas, esquina da rna de S. Joao. co.
vivenda e bastante* comnindis para
pra|ende-la du-i>a sea mesma.
das Carro-
k casa de
mil la : quem
r^YMendo.

SuBlmrio.
Ja massa.de'Joao Hyginu :
na ru> iatucr a. 19.
i



.ill
Cohfeitaria do Camposll!
' Jfara aoabar!
Ricos chanios para senhora : scj na rua Duqae
de.Gaxias n. 60 A Ipja da esquina.
Liiva tie pellicn
Abacati.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Cornolina.
Carolina do printipe.
Condeca.
Caracao da India.
Figueira.
Flambojant.
Fiucta-pao.
IngadoPara.
Jasabro.
Jasmim laranja.
I.aranja da China.
Dita do ceo.
E ontras plantas
tura n. 20.
Laranja cravo.
Dita de doee do Pari.
Dita br; nca.
Dita tangerina.
Lima da Persia.
Dita de nmbig.i.
Limad francez.
Dito. dpee, eni?ertado.
Oiticoro.
Patmeira imperial.
Parreiras.
Pinheiras.
Romeiras.
Rozeiras.
Rozeda.
Ubaia.
nafapunga a rua da Ven-
As anicas verdadeiras
Bichas hamburguezas one vem a eate
na rn? Marquez ja lUlinda n: 81
Ciulos de couro
Amaral. .N'abuco. &
Coaraperam
para a
etc. etc.
pelo vapor
eom
noBaxar
Vende-se um Jipdo.,saqtaqio de jacaran- I .-AmaraLNabnco 4 (L sendem lavas de pellica
. da, qbra do Porto, eGrfe^flmflnta acabadp e r* core* W. 6B"> 0 e ** o
', ^mcQ^esWivpis poto^idempertdhder, rhr^sa 4Z7b par: f ^^^^ |l(|Bpo da victo
Ique de(^ii>sHi.i94,Joisi/wMiaws iP*"'^'
Vende se a taverna Jji rua do Visccnde de '<
Albuquerque n. 68, ou por b^lanjo ou avuton, I
i pronna- para principiante. por lor pducos fundos
e afregoezada para a terra : a tratar na mesma. |
que se dira o motivo por que se vende.
n
Eflji |>ropnosHlorf:arwval.: na.rua Diosita w-n' rnlzem, na rna i We de Caxias,'n k'
MaDlHhas jinIhn.
Vdlede Bahia tints* dfteoarapara senhora earn
fivdas deaco, mttol, oxMeV etc.. etc. :
Victoria, raa do Barao d>Wcori* n. i.
A lerta pr incipiantes.
'lliem que vrnde seja oocheira sita a raa las
Flores n. t% : a-'tratar na rna Direita a. 80.
Milho 8lj6pa
Vemle so aiiihx nofo qheamdo, uiteamanle do
alafikfi naiiosh faresfas :
ba
F^iSfiii ;deTanr3oear
.,( Venitt-sR! fariaka nota djalnwiailaca
fiAl?KaEsperan--n'a n" n;|l,,p rt<>**"-. bUiarmatidi.r*.4oti)siraa%stusiiSM ~~
vL^e^manll,has p^e,''",. ,n"'or,,as- e esta se E i far com o ripni" wMotfi
vendendo por precos raioaveis. & C raa do Bom Jesos n 3 Amonm -^"



,
i_^lUBP i


*

/ *
Diario ale iato i4-''.S^iiida.-^sfra-49 diuArtH^ dfe dfeMl

ei DP
SOARES LEITE,
UHHSOS AGEKTES
Rua do Barao da Victoria n. 28
is mais sjmples, as mais baratas e as melhores do uiundo!
Na exposif&o de' Paris, em 1867, foi
.
Liturcnco
Elias Howe Junior, a medalka de ouro e a coudepocft-
5ao da Legiio del Honra, por serem as machinas mais pan
feitas rV "suado.
Duclara aos seus freguezes
fin do cortento auuo.
CAMRRATAS RRAJiCAS A 3#QQ0;
Vonde-se pecas; i}etambraia .bxajica, tapa-
da e trausRafente, a 39, 3^0, A&OOQ.e
59600.
LVSI^HASA200RS.
Venda-se, l$s*nhjs para vestidos, a200,
coneodtdo a j20 e 500 re 0 cova ;o
Rua da Im^ajr^n., 72
a MendcsGiiiiiiaracs
.que imn.?esolvjslO fazer urna.ipoteJiquiaaefc>,. atf 0
A medalha de oaro, conferida a E.
Howe Junior-, nos
ALPACAS 4 640RS.
SABER.;
Ditos, depilha, a, 2930p0 e 4*000.,
Ditos de rnassa, a 4$Q0A,
PLRfU.MABIA8.fcM LiQWPAQAO.
Vende-se saboatLcs.de diversos tamanhos,
a 120, 2Q0 e 24Q ,e 320 Js., todo ,bom.
Frasco de bauua, a 1 GO, 320 e .00 rs.
Frescos,com: aguafie, colonia,,a,240 e 320,
rs. cada um,, E outtos.muitos exiractos que

_ Estados-Unidos por sex o inventor da-, machina de coir
tura.
'. A medalha de ouro na expoaigio de Ijcndres acreditam
estas machinas.
A
YendeWabacasdu c6res com listras a 640 se: vende- muilo barataoara liquidar.
e 800 rs. o covado. I TOALUAS, A 80.0 RS
6RANADINE A 800 RS. Vender^ bjalhas .fplpudas, a 800 rs. cada
Vcnde-se granadiue preta com listras de. uma. Lensos htancos, a 29000 a duzia, 6
cores, para vestidos, a 800 rs. o co- 39Q00;abaiuhados, fazenda que veode-se
rado. por59000.
POL'PEL1.\tAJAPOiNKZAA15800. GRAVATAS PRETAS A 500 RS.
Venderse uma fazenda nova com listas, Vende se gravatas pretas, a 500 rs. Man-
com o nomc do poupoliua japoneza, .propria tasde cores a 200 rs.
para vestidos de senuoras, a 15530.0 o co- Chapeos para.bapUsados de monioos,
vado. Todas est8s fazendas sao venlidas no 39000..
Bazar Nacipnal, a rua da Imper ariz n. 72. j BLSUAUS E CH1C0TES, A 800 RS.
CORTtSDECASSA'A.295 0, Vende-sc bejigalas e bieotes, a 800 rs.
A rua do Cabaga n. 1 A.
Os proprietaries da 1'redilecta, no ialuito dt
coaservaf o bum concerto que teem merecido di
respoitawtnublico, distinguindo o seu estabeleei
mentu doe iduU que. .negucitfa no mesmo genera
veem scientificar aos seus bons freguezes que pre
veniram aos seus correspondentes nas diversas par
gas d'Europa para Ihes enviarem por todos ospa
queiesiosiobjoetoi de luxo e bom gosto, que se-
jaro mais .Item acoitos pelas sociedades elegantes
daquclles pafces, visto aproxiniar so o tempo dt
festa, em que o bellp sexo desta liuda Venezi
mais osteufa a riqueza de suas toillettes ; e co
mo ja recebessem pels paquete francec diverso
artigos pda ultima moda, veem palenlear algun.'-
d'eutreeljes que se tornam.mais recoromendaveis.
espCrando do respeitavel publico a costumada
eoncarrenciai
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo aa poercado.
Albuns. com ricas capas de roadreperola e dt
velludo, serido diversos tamanhos e fcaratos pre
5s
Aderegos completos de.borracba pr prios para
lcto, tambem se vendem meios aJerecos muito bo-
rn tos.
DE
fazendas finas
Vendcse c6rtes de cassa para vestidoa, cada uma, para Jiqu.idar.
Cahe-nos o dever deannunciax que a companbia das machinas de Howe de ova-;com ioovndos, a ijjSqOi
;orkrestabeleceo nesta cidaid* roa da Barao da Victoria n. 28, nm deposito e agenda: CUITAS LARGAS A 240 Rs.
ra a 340, 300, 320 e 3G0 rs!. 0 co-0
r pegando uma agulba mais curta om a mesma qualidaue de linha que qualquer outra', j va(io.
whintroduCcAo dos mv ap*rfe^ados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
'frer ao exnjnc publioG as melhores macbinas do mundu.
As vantagens destas maefdnas sao as seguintes:
friiBPirai0 publico sake qi* ellaao duradouras.para isto-prora 1 incontestavel, a
ireojnstancia de nunc*, tor-en* anD^f,*Lo no mercado machinas d Howe em segun-
U inio.,,, :*
^WHP(M> 11 r i .'I P material preciso para reparar qaalquer aesarranjo.
Tercoira.Ha neiias menor friccao entre as diversas pecas e menos rapido estrago^
\oe n&s uutras.
QQartav-rFormam q pontp como.se f6ra feito i mio.
(Jainta.Permitto que se examine -o trabalho de ambos os fios, 0 qae se n8o eonsega
iMOBfraf.-,
Sextaur-Fazern ponto;miudo iem casemira, atravessando 0 fio de nm & outro lado,
logo, em : segiiki*. swa. modiiiciir-se- a tensao da linha, cozem a fazenda- mais
Setiina.rO eompftssfa e iewjatado com a maior- faoilidade, quando se tern de mndar
agnlha ao comeQar nov* costura.- .
OitavurryiUntas companhiaaide macbinas de costura, t6m tido epocas de grandeiae
ecadencia- Machinas tadancasradicaespara podereaa isubstituir : entretanto a companbia das machinas do Howe
aoptando a opiniio tfraentado oseu-.fahrico,.e hoje nfio.attende a proenra,' posto que fac;a 600 machinas
*r dia.
Cad maobina aoompainha liVretos. comvinstruc56es_em_portugnex.
CASSAS DE CORES A260RS.
Veude-se cassas.francezas finas de cores,,
a 2G0, 320 e 400 rs. 0 covado.
SA1AS A 29000.
Vende-se saias.brancas com barras deed-
res, a 22000.
CH1TAS PARA COBERTA'A 280 RS.
Vende-se chitus para cobertas, a 280 e
360 rs. 0 covado.
n.
7A
qoe boje pode com pri-
freguezes um variaJini-
a wmo a
mm^ ifflE, iriaos
A'
do. Barao da Victoria n.
2 8;
MCHIMS PARA COSTURA
A 30^000 e 30^000.
DQUS P0SF0NT0S
NalojadeSoares Lcitelnnaos, 4 rua do Barao da
Victoria n, 28.
com peqvieno toque,;
Latas de pnllira'
200 rs.
Abotoaduras .para'collete, grande sorti-
cento a 120 rs.
Carxa de-linha de marca, a 200 rs.
Lamparinas i gaz, dando uma luz muito
wa, a 19000..
Duik de pe$as .de cord So imperial, a
40 rs.
Carxa de botfles de osso para calca, a
100 rs.
Duzia de carreteis de linha, 200 jardas, a
0O ES.
Idem idem 60 jardas, a 240 fs.
Maco de fita chineza, a 800 rs.
Caixa de Unha com 40 novellos, a 500 rs.
Meios adereijos com camafeu, a 500 rs.
Garrafa detinta roxa extra-fina a 19000
Potes com dita inglcza, preta, a 100 0
I60rs.
Caixa de pennas Perry, muito boas, a
19000.
Idem idem, a 400.ns.
Caixa de enveloppes tarjados, a 500 r.
Idem idem iorrados, a 700 rs.
Caixa de papel amisade, Leira donrada,
800 rs. .
Idem idem idem lisa, a COO rs.
Duzia detalheres cabo braaco, 2 B., a
19000
Resma. de papel pautado,, a 49006
159800.
Idem idemliso, a29800, 39S00e 59000.' tores.
Espelhos demoldura dourada, de todos
os .tamanhos e pre^os.
PERFUAURIAS E MIUDEZAS.
Frasco com oleo Onza verdadeiro, a
1900O.
Idem com tonico de Kemp, verdadeiro, a
19000.
Garrafa de agua florida'verdadeira a 19200
Garrafa d'agua japoneza, a 19000.
Idem idem divina, a 19000.
Idem idem Magdalena (novidade) a
19200.
Caixa de p6s para derrtes, a 206 rs.
Idem idem de pds chinez. muito bom, a
500 rs. e 19000.
Poto com opiata de Rieger, Rimel e Gros-
Del, 19000.
Duzia de sabonetes de amendoa, a
39600.
Dutia de sabonetes de anjinho transparen-
tes, a 29200.
Idem idem com (lores, a 19500.
Sabonetes Glycerino transparentei, a
19000.
Caixa com sabonetes, formato de fructas,
a 19000 e19500.
Cosmeticos, graudes e pequenos, a 100 e
800'rs.
Frasco com agua de colagne, a 200, 320,
500 rs. e 10000.
Extractos muito finos dos melhores an-
MEIAS PAR-A HOMESS A 69O0O A DUZIAk
Vende-se meiascruas verdadeiras, para
homens, a 69000 a duzia,- a qual val.
890OO.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se cbales de la, a 800. rs. cada
um. 1
CUITAS FLNAS'A 400 -RS< .
Vendc-se cbitas finas dc campo largo, fa-
zenda muito boa, a 400 rs. 0 covado.
CHALES DE MERINO' A 20000,
Vende-se cbales 4e-merui6' estampados,'a
29,i39, 49000 c 59000.
Ditos de listras a 59000 e 69000, -
BRIKS EM CORTES A 19500.
Vende-se*cortes de brim de c6res e pardQ,.
a 19500, para liijuidar. -
COBERTAS DE CHITA A 19600.
Vende-se cobertis do chita. a 19000 e
29OOO..'
BRIM PARDO E DECORESA 400 RS.
Vende-se brim pardo e de cores, para rou.-
pa do homens e meninos, a 400 rs. 0 cova-.
do, para liquidar.
COLXAS HE COKES A 29000.
Vende-se to!xas de cores para cama, a 29,
e 49000,.
TRA NSI'A RENTES PARA 19500..
Ven Ic-se transpareutes para eadeiras, a
1950U, para liquidar.
BONE.TS A 500 RS.
Vende-se bonels.de seda para homens, a
500 rs*
i:ilAPE0S;A29500.
Vende-se ciiapeos de castor para rreuinos
e homens, a 29500-e 39000.
GRAN HE LIQUIDACAO DE ROL'PA FEITA
Vendc-se ceroulas ile algodSo, a i9000.
Ditasqe liiiliq,.a I96OO e, 250,00.. ,
Camisas de ehitas finas, a 19600. .
Ditas de poito de cores, a 2900.0, .
Ditas brancas finas, a 290Q0, 39000 e
49000.
Calgasde brim pardo e de cores, a 29000
e 29500.
Ditas da casemira de cores.e prtta, a 59,
69, 79 00 e.89000.
Palit6tsde alpacas de cores, a 29500..
Ditos pretos, a, 39000 c 39S0O.
Ditos ,de casemira de cores, a 49 e
69000.
Ditos ditos pretqs* a 59000, 69500
89000.
Colktes de casemira dc cores., a 29, 39
49000. .
Camisas deflanella,(de-cQre.s,. a 29000 e
29500.
ALGODAO A 49000,
Vende-se pecas de algodao, a 49, 59 &
69000.
C.ASE5HRAJ DE COR'A'29500.'.
Vende-se casemira de CiruS^ a 29500 c-
covado.
MADAPOLAO. A 39000.-
" Vende-^e per;89 de madapolao ^nfestado.
a 3900O.'
Ditq inglez. a i9500V 69y C? e 79000 a
peW?
JiUTLNAS A 4950O;
Vende-se- botinas para- senboca 0 meninos,
a 49500/ 59 e 69000^
Ditas dc-enliar, a 29000,,
Sapatoa-dei-tapete,- a ijj500\
Ditos de traix;u, a 19800 e 29'mo. .
BRAflANTE' A 19600-,
Vende-se.'bramante com 10 palmos
largura, para; lencf)ee,.a 19600 e 29500
metro. E outras. mui.tas fazendas propria
do mercado,, queae vendo sera rtserva, de
preco, ira liquidar ale 0 lim d > corrcate
anno, por.isso convem aos compradores sor
tirem-se de fazondas baraias,, paru a prescn-
te festa que esta na porta, i.rua da -mperalrii
n. 72. Ba/.tr Naeioual.
Lindas e elegantes caixinhas com perfuraa-
rias, proprias para presentev doe autores.
E. Codray, Rieger, Geile" Freres, etc:
Quadros com santos e estampas separa-
da*.
Coques modernos, a 39000.
Doias-de,,pec/a ,,de, trancas de caracol
0ranca,. a 400 rs.
Idem idembsas, a 200 r;.
Leques de osso e sandaio, a 29000, 49
5900*.
Fita de velludo de todas as cores.eJargn-' pados.
;if. uma gtande taboleta propria para qaal-
Microscopios com .12 vistas,|a 69000. quer Ioja. -
FrascQ Gopt oleo- para machinaa,40 0 to*
VENHAM VER
A Nova Esperanfa, a rua Duquede Caxias n. 63,
apretsa-se em convidar a seus freguezes. com es-
peeialidade an bello sexo a virem^ apreciar os se
puinies artigos cxpostos a. venda e todos por preco*
commodos, como sejam:
FINAS BONECAS mansas e choronas.
BONITAS E E.NGRACADAS vistas para sterios-
copios.
COMMODaS LATAS para,guardar clia.
ELEGANTES BOLSAS para senhoras e meniuas..
BON1TOS VASOScom Una banha e clieirbsb?
I extractos,- trazendo cada fraseo um none, urai ini-
cial ou um .disiico.
FINAS JUEiAS D SEDA, vindo entre cllas cor
de came.
Para quern goslar.
A' Nova Esperanc? a rua Duque de Caxias n.
63, acaba dc receber tentos e caixas para o jogo de
Voltaretle.
PapaqneiftSirffredas pernas.
A Nova Esperan>;.a, a rua Duque de Caxias n,
63, acaba de receber as proeuradas meias de bor-
raeha para quern soiTre das pemas.
FLORE8 ARTIFICIAES
A Nova Esperanga, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber um lindo e complete sorti-
rnento da floras, artuloiaes,das melbore* que tem
vindo ao mercado.
. A elias autea qoe. se acabem.,
Gostumes para criariga.
A-Nova Esperanca, a rua Deque de'Caxias n.
6$, acaba.de receber 9oot*a oosUimes para, criaut;a
e esia.se. vendando wr< prffi08 roaypi:
Car naval
Amsl,, Nabupo & C. vendem, Ian'.ijoulas de
diversos formatos, prateadas e doaradas, cabellei-
ra de cabellos hrancos, ca*i;as de meia de algodao
e de seda, brancas e de cores, cami^as de meia
listradase brancas, capacetes.de massa, voltas de
perolas falsas, briacos proprios para Chicard,
franjas prateadas, de.muitas, (argurai, etc.,etc., e
compieto sortimento de mascara^: no Bazar Vic-
toria, rna do Barao. da Victoria n. t.
Entremeios e babados transparent e ta-
Roa dtr Barao-da Victoria n. 28.

Tl' ";''
-i----------
PC
I-
Grwde p^dBclw a 2##; rs o
mm*
Cassa la. padrSes novos, e, de mais gosto- que
r-vindo ao< mercado, so na roa: do QuBimado
43, loja de Guerra & Famaades, pela diminu-
precQ.da 200/a.o covado,!,
ram,freguezes qye se acaha
Farinha-i dotararuta.
Vende-se superior fariahade ar.iruta, tan to em
porcoej como a reiaMi^ por prer-' < que. admiia,
visto sua qaalidade ; depositos i JS'seguintes lu-
tares: rua do Vigario n. 26, rua do Amorim n
B, e travessa da rua das Crazes n. 4, a 500 rs. a
libra- a retalho.
YENDE-SE
ama casa na villa de Barralros, na rua do Com-
saercio, por preco modice: % tratar com Tasso
lrmi*C
08

h
A' N ivAEifperanci; a rtia fJaqoe Sb ^Caiijfs n
63, racebeu um pequana sortinjenlo. de anweit e
pulseiras electricas,propiia,para qaera soJTre dos
nervos.
Mascaras
Amaral. Nabucp & C vendem ma=;aras. de pa-
pelao, brancas e pretas. para homens, mulhercs e
n.eninos, de setim, de arame, de cera para homem,
mocas e velhos,.typo inteiramente engracado : no
Bazar Viotoriaj rua do Barao da Victoria n. 2.
"Nlthfc.jw&
br aneo^
Tunuinu JiPOHEZfl..
S6 e: uniua approvada pelas acad*mias de
sciancias, reconbecida superior a tgda, que
tem appwecida. ate" hoje< Deposit^ princi-
pal-4;rua,daiCadeia. do Recite, boje Marr
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todaa- as boticas e cases de cabella-
reiro. <
PARA O
BotBes de setim pretQ e de cores para ornato dt
vestidos de setbora ; tambem tem par* collete
palilot.
BolSW para seohora*, existe um bello gtirtimen
to de seda, de pallia, de cliagriro. etc etc, por
barato preco.
Beaeeas de todos os tamanhos, tanto de louc:
comode1c6ra,.de borracba e de massa ; chama-
mos a altiui.au das Exmas. Sras. para este artigo.
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
pertinentes por falia de um obiecto que as en
tretennara.
Camisas de linbo lisas e com peitns bordadot
parabomem, vcudciase pqr preco comraodo.
Ceroula.-. de linbo e de aigodiir; de diversos pr^
cos.
Caixinhas som musica, o que ha de mais lindo.
com. distieos nas tarn pas e proprios para presen
tea.
Coques os. mais inodernus e de diversos forma
tot.
Ciiapeos para stnhora. Beceberam um sortimentt
da ultima moda, tanto para senhora, como para
mamas.
Capellas >implvs e com veo para noivas.
Cal^as bordadas para meoinas.
Entremeios estampados e bordados, de lindoi
MaiikMi
, Eseovas.eleclricas para denies, tem a proprie
dade do evitar a carie dos denies.
Franjas de seda pretas e dc cores, exi.-te um
grande sertrmeuto de ditercas larguras e barato
preQO. ,
Fitas de sarja, de gorguiao, de setim e de cha-
malpte, de diversas larguras e bonitas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
' Floras ariificiaes. A Predilreta prima em con-
servar -serapre um bello e grande sortimento des-
tas floes, nao so para enfeite dos cbellos, como
tambem paja ornato de vestido de noivas.
Galoes dealgodSe, de la e de seda, brancos, pre-
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e seuhoras.
Lacos d cambraiae de seda de diversas cores
para 'senhora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
Mil
Livros para onvir missa, com capas de madre-
perola, raarlim, os-o e velludo, tudo que ha dc
bom.
Pentcs de tartaruga e marfiiu para alisar os ca-
belios ; teem tambem para tirar caspas.
Port boqquet. Um bello sortimento de madre-
perola, 'iparfim, osso e dourados por barato pre^o.
Perfurnarias. Neste artigo esta a Predilecta ben:
provida, nao so em exiractos, come em oleos e
banhasdos melhores odores, dos mais afamados
fabrieautes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica
Coudray, Gosu'el e Rimel ; sao indispensaveis par?
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commode
prec.o. ^^
SapatiulKajfti e de setim bordados .para bap
tisados. v-**1
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanho*, tanto para sofa co-
mo para entrada de salas.
Vestimentas para, baptisado o que ha_de melhoi
gosto e os mais modernos, recebeu a Predilecta
vende por barcto preco, para Bear ao alcancc
qualqner bolsa.
Rua do Gabuga n. 1
Paris, 36, Rua Vlvteniie, D
IHZM-.iM IfiDECIS SPECIAL
DAS SPKRHIA0A8 DBS 5EIDA18, AS tTBCCOM
C!Txr- ALTBRAfOM DO SAHCDE.
| :i!i,000curas das implw
[ qens,pusiulas, herpet,
I tarna, comixoei, acri-
I itonia, e alterfoet, vi-
____________ I ciosas do sanaue. vi-
rus, eVAltiu^oes 4o utugue. iXarope vegetal
sem mercurio). Dcpar o 11 v vofctnei
i\H*S JHIKBBAES tomao-se dous por
sera&na, seguindo o tractamenio Depurativo : e
empregsdn nns mesmas malcstias.
I Este Xarope Citracto de
I rerro de CHABLE, cart
immldiatainenie qual-
Iquer puigarao, rela-
I ta^ao, edebilidade,
e iguiilmcute os jcuxos < /lores brancas das
mulberes. t Esta iuiec;ao beuigna empregasse
com o Xarope de Citracto dt /r.
(rroMui Pomada que as curt emS diat.
POMADA ANTIHERPETICA
Contrs: nas affeccoes cutaneas e comixoti.
PILULAS VEGETAES DEPURATIVAS
do *' Chable, cada frasco vrai accumpahads
de um felbeto.
AVISO A08 8R8. MEDICOS.
j Cora calarrhot, loittt
I coquiluckei, aritaf 641
I nervoias sas dos bron-
1 Chios t todas as doencas
1 do peito; basU so doenU
um colhe rchdea deite xarope D' Forget.
Di. CHADii em Parts, rma vifieme,
FepositJ em Pernambuco. botic franceza
22 Rna da Cruz 22
Rua Primeiro de Marco
DE
Cordeiro Simoes & C.
E' esta uma das casas
mazia offerecer aos seus
mo sortimento de fazendas inas para grande loi-
leue e bera assim para uso ordinario de lodas as
classes, e por precos vautajosos, das quaes .'az um
pequeno resumo.
Mandam fazendas as rasas d.ts prelendentes,
para o que lem pessoal necessario, e dao amostras
mediante penhor.
Cortes de seda de linda/ cores.
Gr -di-naples de todas as cores.
Gorgurio branco, lizo, de liftras, prcto, ete.
Setun Macao, prelo e de cores.
Gr> sdenaples pn to.
Velludo preto.
Granadine de seda, preta e,dc cores.
Pupelinas de lindos padrdes.
Filo do soda, branco e preto.
Bicas batquinas dc seda.
Casacos de merin6 de cores, 15, etc.
Manias brasHeiras.
Coi tes com caaibraia braDca com lindos borda-
dos.
Hicas capellas e mantas para noivas.
Iiiquiisiii'o sortimento de las com listras de
seda.
Cambraias de cores.
Ditas maripozas, brancas, lizas e bordadas.
Nanzuques de lindos padrot*.
Baptistas, padrccs deticados.
Pcnaliuas de quadros, pretos e brancos, listras,
etc., etc.
Brins de linho de cor, proprios para vestidos,
cun ban a e listras.
Bi <>= cirtes de vestido de linho, com minirs da
mesma cor, ultima moda.
I'lio- d>> cambiaia de cores.
Fustai de lindas cures.
Saias bordadas para senboras.
Camisas bordadas para senboras, d. linbo e al-
godao.
Sorlimrnt) deluvas da verdadeira fabrica de
Jouvin. para homens e senhora*.
Vesluarios para meninue.
Duos para baptizado.
Ciiapeos para dito.
Toalbas e guardanapos adamascados de linho de
cor, para mesa.
Colcbas de la.
Cortinados bordados.
Grande tortimento de camisas de Unto, lizas e
bordadas, para bomeaa.
Meias de cores pura homens, meninos e meni-
nas.
Ditas escoceza?.
Complete sortimeulo de chapeos de sol part ho-
mens e senboras.
Merino de cores para vestidos.
Dito preto, trancado e dito de vera.
Atoalhado de linho c algodao para toalhas.
Atoalhado pa'do.
Damasco de la.
Brins de linho, branco de cures e preio.
Setim de lindas cores com listras.
Chales'de merino de cores e pretos.
Ditos de casemira.
Ditos de seda preta c de cores.
Ditos de touquiin.
Camisas de chita para homens.
Ditas de flanella.
Ceroulas de linho c algodao.
Paunos de. crochet para sofa, radei; M e c E30-
los.
Lencos bordados e de kbvrintbjo.
Colchas de crochet.
Tarlatana de todas as cures.
Bicos cortes dc vestidos de UrlaUM bordad-:s
para cortes.
Espartilhos li-os, bordados.
Foulard de seda, liddas efirn
Meias de seda para tenhoras e nwaioas.
Bicas fachas descda e la para sennons.
Rico sortimento de leques de madtepefobl e
osso.
Damasco de seda.
Ricos chapcos c ihaj clinas para r r" ra, ulti-
ma moda.
Casemira preta _e de efires.
Chiias, madapolau, pr.nno 6no preU atut, col-
larinhos, punhos de linho c algodao, grav .!as, lu-
vas de fiu Ue Bidnania. 'apetes de I '. .i.nia-
nhos, bulsas dc viagem, pci'.os bor>l*4t I :' ^ '-
mens, lengis de linho branco ede : ,..lfi2s,
guardanapos, etc., etc.________ ________ ____
OEPURATIf
da SA1VG
PLUS CE
COPAHU
Bazar Vklria.
E.-te estabelecimento acaba de teeeber compie-
to sortimento de cintos de coero pneld 6 :n livel-
la e cdrrenle de metal, punhos e gulUuha de li-
nho e gravatas cscocezas, tudo para fcnhoni : na
rua do Barao da Victoria
n. 2.
Fonuasde ferro
Sira p'.irgar
liuda n. 4.
a-sucar
na r.ia do M..r Bandej
as.
Sir op du
DrF0RGET
Las de quadros
\ovuIude e a 30,rs.!!!
A Rosa Branca vende lindas laS^de quadTOS,
e

para 15 gostos muito ohiues, dao*s* amostras
com penhor e raanda-seilevar. em icasa ijipraveii
tem a occasilo : na rua, da laiperatriz.n, 56,
Novidade em, peitostde cr
Novidade, em,peito8tdie
camisa"
OdftoD/ Duarte & >Irm.dD
Ruada Iinperatris n. *-2 ,
Tem promptos^adispesicad dos am antes do Car
nayaly,l|600,>arba,ja.^soi4bw, pelotbartia)oao
o da. 3$ cada uma,. e grange aumorq de car
irras de tcfda's'as form as e cores,, a '8a> lft*>
elSI cada u.
-------i i oil .'4-"lV'.'-',r-//-J";' (' '" .....'
Vlnbos de Bourgogwe
das marcas
Cbambertin
Pommard
Vitfts
Volnay
Beanne
Monthelie
Dito Bordeaux em quartollas.
Ycide-se por barato pre PARA LIQUIDAQAO DE C03TAS
NA
Raa Lar^a do Rosnrio 35.
T?ot;ca.
A Rosa Brapca lem oe: mais modernoa^e.
flno esguiao, e a it, sao peitos de 3* : na r
Imperatriz t\. 56.
..
CWgaram mais ebajea, n> jSeBSESTZT^'
crostos novos, de 5#,'por>> w*m*' --- -t >- v.>iv.
2^000. D^dnbez.rroiden,.
A Rosa Branca esta.vendpodo chales de listras,
gostos muito bonitos, qoe valeoi 5i, vende a l,
aproveitem : na rua da Imperatriz n. 86
Chegaram mais metins. e
' agora e a 300 rs
A Rosa Branca esta qaeimando a segunda re-
messa de metim nu ehitajrancaria a. ?.00 rs co-
vado ; as pessoas que nao oompraram do pri-
meiros a 340 rs., devem comprar ag.ira a 300 rs.,
dao-se amo.-tras, e manda-se levar nas casas:
quern precisar aproveite : na rua da Impi ratri?
n. 56.

5a Pf/Wr111)
J,0. C. Doyle.
Tem para voir" :
Copsac de Hennesay, superior e verdadein
Vi$ Xeres das melhores qnalidades.
Bitter* de Angostura
WhisRy.
Cha preto em lattas de 10 libras.
Todas as preparacoes cbimicas do Dr. Ayer
armazem da rua do Commereio n 38.
Tavema gSj^
Vende.se a tavema^ita a rua ImperiaJ, nas ul
timas casas baixas daquella rua n. 296, esquina
de'Bjn'fcocco : a tratar na mesma-__________
(3u|a,pre)taa2S0 rs. o co-
vado.
A rosa branca vende chita preta boa a 280 rs.
o covado ; isto 6 pechincba: na rua da Impera-
triz n. 56.
(Dambraia de forro a 1 $6 00
Ifafcpim
6*000
Ditos de chagr-n preio para senhora 4*000
Ditos de duraque de cor e gaspiados para
mehtna '' 3*06J
Sapatos de courinho com salta para se-
nbora 2*000
Sapat.s de tapele aveliudados finos para
homem 2*f00
Lindo ehfariz.
Vende-se por preco barato um rico ehafariz
I de marine re- prnprio para jardim, o qual se acha
jarmado-na offli-.ina de marmore do Sr. Lima, a
'rua do Imperaiior para quern o quizer ver : a
1 tratar na ma do Crcspo, loja d i Passo junto ao
I areo de Santo Antonio.
* a, peca.
muito tapada e encorpada ; isto e so na rosa
braaca ^u% da- Jmpejrairti 56,.-de Aze-vedo fyfi
Gamisas de chita franoez deJtfa,2#500.
A,roe* praca iem,wn(resiq de camisas de cre-
top e. t. ita de^.djvorsps, numero* que vende
paVa icabar a 24300 ; qnem codhece a fazenila
sateerii^e:rnuito;tiarato, aproveitem a oeasiao I
a xoa da' iipperatriz. o. 5& i
* Vfude-se 'ft bors de tarroca, muito bens, e
2 grandes carros- para oondnzir peso de 6 a 8 to
noUd**, e. osterco que pode dar de 120. a loO.caf-
rojas i a tr tar na ponte da Torre, de domingo ale
pegunda feira a tarde de cada semana'.
Lindas las escocezas.
De var",- pa.irrjes, e inteiramente mpdernas, a
360 rs o covado : na rua Primeiro de Marco
antiga do Cre-po n. 13, loja das columnas, de An
tiaiio I'.orreia de Va.-conceflos.
Vende se uma carroca .e um bor, estando
este bast, nle descancado; no armazem do sal, da
rua da onceicSo, da Boa-Vista: a tratar com
Francisco Meira.
Amaral Nabuco k. C. vendem band;jr. Je r.
tal e charao de differentes raode'os c .iankos :
no Bazar victoria, rua do Ba:a' da \j,-, 'an. 2
CAUMVAL-
Vende se lindos dominiis de superior ap t.id-
para o carnaval : na ma do Duque d- u d
53.__________________________________
Para o carnaval
Gusmao 4 Leal vendem luvas de
peqaeno toque de mufo a 500 rs., e
tas a 1* o par : na rua Primeiro
pe:; i
ltusi pi -
de \Iaroo u. l\.
Vigor do Cabelio
DO
Dr. Ayer.
Para a renovac?o do ca-
belio, restituicao dc sua cor
e vitalidade prlm'^.-a e nat-
ural.
0 Vigor no Cabbllo 6 uma preparado
mesmo tempo agradavel, saAdavel e eificas
conservar o oabello. Por meio do eeu nso
cabelio rucp, grisalho, e enfraquecido, Jentro de
pouco tempo revolve a cor aue lhe e natural
primisiva, e adquiie o brilbo e a frescan do
cabelio d;i juvanfcude; o cabollo ralo oe torna
denso e a calvicie muitas vezes, posto que nio
em todoo os casos q neutralkada.
Nao ha nada qua pode. re form a r o cabeUo
depois dos follicnlos estarem destruidoo, e ao
glandes cansadas e idas, mais se ainda rcstareat
algums podem ser salvadae o ntilizadao pda
applicatio do Vigor. Libre de eosas .- ubotan ioo
ieleterias que tornam muitas prepa-;.. oes de csto
feneru tam nocivas e deetructivas ao cabelio, o
'igor somente life: e beneficial. Em veo de
Sujar o cabelio e o raaer pegajoso. o coaoorva
limpo e forte, embellizandou, impoeda
e o tornar-se ruco, e por conaoquinte pzenne a
calvjciev
Paradise, da topette nab ha nada nail k deoe-
jar; nao conbendo oleo. nem tintura, nio pode
manchar mesmo o mais alvo lenco J; euuhraia;
perftaw noabel!o, lhe di uia lattre trnxvA
e um perfume muito agrodftveL
Para refbrmar a cor da bar>>a,
mais tempo de que com o oabello,
appressar o effeito, envolvendo a i
com um lenctt moUiado uo Vigor.
PREPABA.DO PO*
Dr. J. C. AVER CA., lx
Kstados TJii-"iI,i-
Chimloot ro<.:;. e Ann
-.-ario
e:u se pode
a
uoite
"
mm






'' .....


pa
8
Diario de Peififtffibuco Sqgunda feinl J de Fevereiio de 1674

-
JDRISPRODEHCU.
Itelntorfo
A RESPEITO DO NEGOGIO DO MAMMAL BAZAINK
ex-^Ojoundante EM CHEFE DO EXERCITO
DO RHENO.
AUDIE.fCIA DE 30 DE OUTUBRO.
(Conlinuacdo)
P-Tinheis reccbido FIah;ut a 20 e e n-
tregou-vos elle um despacho do coronel
lurnier, dando-vos noticias do comman-
dante Magnan ?
RSim, recebi despachos para o mare
coal, e devo-os ter transmittido.
P.A chegada dosses numerosos despa-i
chos deyiam ter-ros surprehcndido 9
JJ'Z,' Te"e bornem- e transmits os1
seus despachos, sem me preoccupar de ma-
JSnnP^,d0 fe,t0 em nome d0 iiiperador,
e respond, a.esse despacho. ^
w,~*~7 3-tes conta ao marechal da vossa
reposta ao imperador ?
RDevo ter-lhe dado coata.
0 j veconferencia de cne^s de cor-
pus, e deyiam ter-sediscutido nesse dia as
noticias sobre a marcba do exercito do ma-
rechal Mac-Mabon.
R.Nao so Ir.itou da marcha do exerci-
to do inarechal Mac-Maho.i, mas de
movimento para tomarmos as
coes. flesse dia
raargera direita.
P.Tinheis prevenido que os fios tele
graphicosque .ligayara Metz. Thiomille e
Pans, estavara restabeleeidos a 19 de
agosto ?
R.Sim,

^jen?"1l PourCet-Xi depoimeoto es- S'nm dos' seus despacho* falla-se de vds:
cripto, declarou a testemunha que os pri- cook) saccedeu, que nenhum emiseario
nie.ros dwpachos trahantf sido raandados de tivesse sido encarregado de
urn
nossas posi-
o 3 corpo passou para a
'irfgadode uma commuai-
a *" ^"a importante conhecer a da- cac^o que dimanasse de vds ?
RiL ft o M ... Jft~o tinha pedido nada ao coronel
nnos ficaraos em Saint-Menehould Turnier, porque contava ir a Montraedy
desde 18 ale 2* de agosto; nao podia pois e dalli mandar eu mesmo um despacho ao
precisar com exactdio ; creio comtudo qne marcchal Baxaine. Nae tinha, afira disso,
foi no dia 22. nada de urgente a communicar-lhe.
President, dir.grado-se ao tenente-coro- ;P.Acho muito extraordinario que em
asl Magnan.Desejo interrogar-vos a res- semelhantes circumstancias nao uresseis
peito da earta dingida a 19 de agosto de aproveitado a vossa present em Thionville
Ibarleville no ministro da guerra. ,para tentardes communicar com o vosso
rez-se a leitura dessa carta. E' a narra- general em chefe. Quero reconhecer que
cao da missSo desempenhada pelo com- nio ha nisto nada, pelo que toca i vossa
mandante Magnan, qne voltando a Metz, honra ; mas houve uma grande negligencia
foi preso era Charleville. Esta carta coutera em que v6s mesmo deveis reparar. Almi-
jmais de uma contradicAo ao depoimento ro-me tambem que am official da vossa ac-
feito pelaitestemunha. tividade e da vossa coragera tivesse suspen-
P.Desta carta parece resultar que ti-'dido diante do primeiro obstaculo, e se nao
nheis do imperador mais iiiformacoes que ] tivesse dirigido immediatamente para um
n3o tendes dilo ter, e indicais Verdun, po- ponto qne ainda estava Hvre donde pode
sitivamente Verdon, como ohjectivo do ma-.rieis tor chegado .'acilmente ate" Metz.
recbal Bazaine Pemoi, eeeunica impressio possivel.
.A minha carta n3o diz outra cousa que se voltastes to promptamente aobre a
que nao seja o me depdimento. Asins-^una de Thionville a Charleville, foi pot
truccOes de S. M. er.un as quo disse. Quan- pensardes, segundo as indicacdes que tinheis
do disse j o marechal escorbeu como objec- alcan?ado de Chalons, que o exercito do
marcchal Mac-Mahon ia dirigir-se pan
tivo a liohw de Charleville a Thionville, de-
via dizer conw linha de apoio, como linba
Metz com ta! rapidcz, e que o que melbor
de proviso** 0 marechat fueria gtwrdar podieis fazer era passer de Thionville a
pontos de m-Kifeiamento na sm direita, sem! Charleville, e esperar allr,
r ate is prac/as- procurar os sous viveres- el R^-A linha estava cortada em dous- pon-
P,Infonnastos disso o marcchal ?
R-0 marechal estava em Ban-Saint-
Martin.
PPoisbem! Podeis inforoa-lo, e n-
pidamente.
R.Sim, devo te-lo informado ; e" nro-
vavel. v
P.-r-O director dps. telegraphos declarou
que vos tinha proposto lan^ar um cabo ho
Moselje, para asseguxar as communicacoes
com Thionville. Purqae.uSo havieis que-
ndo ? H
R.Porque nio ha via mais da 30 kilo
raetros de cauo, e se Os tivesse "tido, nSo se-
riam desaproreitados, visto que eu tinhj
igualmente necessidade de estar em cora-
niunica^ao com a fronteira.
P.Todayia e/a. muito importaute ao
menos conservar as relac,oes com o resto da
t'ranga. 0 director dos telpgrapbos disse
que tinha offerecido p6r a* vossa disposic,ao
o cabo que fosse necessario, -e que vds o
havieis despedido, sem lhe dar nenhuma
eiplicacao da vossa recusa.
R.Nao creio que o director dos tele-
graphos me tivesse feito essa propostj; alem
disso muita .gente veio procurar-me nessa
epoca-para me submetter propostas, mais
ou menos razoa veis, e comprehendereis que
nao tinha vontade de Ihes dar explicates
das minhas resoluQdes.
0 general Awra*.Podeis-nos dizer em
que e*poca o Sr. d Fenelon sahio de Metz,
e porque, meio sahio ?
R.Muita gente pedia para sahir, e offe-
recia-rouita especie de raeies ; o Sr. Fene-
lon entra nesse numero ; no entretanto sa-
hio ; nunca mais ouvi fallar dolle, e nao
sei nada.
p.Havieis tido uma conversa com o Sr.
Renonx a" sua entrada em Metz ?
R.0 Sr. Renoux ? Nao sei; se eu de-
vesse lembrar-me de todas as conversas que
live essa occasiaol... 0 Sr. Renoux
era empregado civil ou militar ?
0 general Coffwiires respondeu com a
mesraa precisSo a todas as perguutas que
se lhe flzeram. Mo pdde comtuio dissi-
mular o seu mdo humor, especialmente
quando era interpellado pe o comrnissariodo
governo.
0 Sr Henderson. CapitAo do estado
maior.0 general Margarine, de quern eu
era ajudante de campo, foi encarregado de
escoltar o imperador de Doncourt para Ver-
dun. Desde aquella e'poca, a diviiSo do
general Margaritte, ficou incorporada no
exercito de Chalons. Por occasiao da mar-
cha sobre Mezie>es mandou tres despachos
ao marechal Bazaine ; o primeiro de Saint-
Menehoul a 22 de agosto ; o segunho a
25 de agosto, quando o exercito se dirigia
sobre Montmedy, e o terceiro, de Steney,
a 26 de agosto. Aquelles despachos foram
entregues i gente segura pelo general
Margaritte, raas nao podemos saber se ti-
nham chegado ao seu destino.
as suas municfes-. Quaudo disse: Vertfan
e o ohjectivo do- mwechal, 6 iacontesta vl
que fallo da e?trada do norte, e nao aV
uma ligaQSo com Verdun, que era impossi-
vel, sem se dar unw-grande batallur.
P.JV3o e- a respeito das interludes dc
marechal que eu o interrogo, mas icerca
das instrucjdes dadas pek>' imperador. Pa-
receis, segundo a vossa- carta, ter do impe-
rador mais detalhes do ;jpe haveis dite- pri-
meiramente.
A 18 e a 19 percorrestfes- muitas veaes a
linha do norte. Em Verdtin, e depoisem
Montraedy, enconVrastes o-intendente gral
Preval, que orgaiiisava os provimentos. A
20 niandaveis uat despawho, dizendft:
Contindo a contai* tomar pela linha do
norte, seguir por Mcntmedy,. e depois per
Sedan, ate ao ponto de encootraro exercito
de Chalons.
R.Senhor presid'ente, creio que a pa*
lavra continuo se nat > deve apphear ao se-
gundo membro da phi rase. Todavia, tive-
diffictildade em me se rvir da palavra Ver-
dun. Escrevi aquella -carta, talvez apres-
sadamente. A verdade foi o que disse no'
meu primeiro depoimt-nto; as instruc-
cdes do imperador eram que o raarechal
effectuasse a sua retiradai
exercito.
tos.
0 unieo despa-
ao nouMstro da
P.Foi a carta de If,
cho que havieis dirigido
guerra?
Testemuuha, depois de uma carta be-
sit8c,ao.Sim, senhor presideste, foi o
unico.
P.Tolavia parece que deverieis tori
transmittido ao miuistro todas as infurma-
goes que vos chegassem ?
R.Nao julgava dever transraiairJlhe in-
forraagoes vagas.
P.0 sub-prefeito de Aubanel,. nha o miuistro ao corrente da vossa presen-
ts em Montraedy, tinha posto a sua cifra &
vossa disposi^ao. Nao julgydtes- dai.er sor-
vir-vos della t
R. Nao, senhor presidente.
P.Ainda nos encontramos em^resen^a.
de ceitas coincidencias de datas. Foi no
momento era quo o sub-prefcito de'Montme-
i!y iuformou o ministso da guerra.: da voa
prcscnga que aquulle ministro instwu com o
marechal Mac-Mahon para se dirigir sobre
Metz. A 20, fizerara-se grandes. preparati-
v s em Montmedy e em Stenay t no mesmo
dia o exercito do Rhe-no tomou as armas*
Ha nisto coincid-ncias de daLis que n8o re-
n jvaria se me nao tivesse impxessionado a
vossa declara^ao, estranha na bocca de um
official t8o cxperimentado, que n8o no---
tastes, durante a vossa permanencia em
Montmedy. os preparativos que se faziam
em toruo de v6s ?
R. Confesso que esses preparativos. me
nao tinharn impressionado. Tinha a^nai*
nhns vistas sempre voltadas para o Isdo de
Metz.
P.--N3o tendes ontras indicagOos. a fazer
ao conselho ?
R.Ndo, senhor presidente.
P.0 commandaute Turnier, depois de
vos ter visto na gare de Thioavitle, mandou
para Metz um carlo numero. de emissarios.
Presidente.Qvit somentc fazer-vo* ob^
servar qne nao tinheis empregado todo* os
esforgos possrveis, e quo tinheis- sido levado
pelas circwnstiincias, aftm de vos dirigir-
des-junto ao- vosso general em chefe e trans-
mini r-lhe common italics de qjie estovers
encarregador e as quaes- persisto era dar
mats importancia.
CfSr. Lewat', coronrf do estado-aaaior.
O incidente a respeito dh qjial tesho1 qu>e
fallar, e o de^joeho chugado a 23 d% agos-
to a Metz. Este iiicide:e- divide^e em
dues paries. O primeiro facto nfio da^iu-
gar a grandes cootesttcOes ? foi" a ch>gada
do despacho. O- segundo e- a data da- uhe-
gada dessedespacho ;- e* o ponto contestado.
Peoo licee^a para- Jividir o ekdu depoiaaen-
to desta raaneira
Presidente.Wtuk o voseo depoimentt)-
como julgardes coaenJente, eomtarito q,OT'
seja complete.
O coromi bewal'.~-k 23" do agostor. re-
eebi um despacho doiarde ; gado ser f?m
uito tari*, d..s It'para as horas. Le-
vei-o im/nediatameute ao marechal Bazamo.
Perguntei-lha se elb-tinha algmna cousara-
raandar, por isso qti o homam estava die-
no istaresse do poeto a parti* de no*o.
i O'mareckal'respeadeu-me qyanSo tinha-
nada entio,.Tnais quo teraa telvez algunk
tempo depois. Retirei-me ;: tutba j< a raao
'no botao da porta, quando o marechal me-j
disse: Esperai, varaos ver o que dia
este despacho. Parei ;. o marechal desoa-
tolou a cigwreta. Aquelle despacho indi-
cara um raovimenlado exercito de Chalons
sobre o Mease e sobre oAisne..
Entao &-biamos,,nio de uaaa manoira
joerta, rncs sufficient, que o exercito do
principe raal marchava sobre Chalons.
Tiulia-sa annuneiado. a exjsteecia.de-nut]
segundo exercito, o .do pcinciaa de Saxonia.
'No momamto era que ouvi fallar da mar-
cha do exercito da Chalons, entre os- dous-
exercitosvlogofiqpet receioso do perigo-^ue
elle coraia.
O exercito do.principe do Saxonia podia
surprehende-lo de frente, amquantooue o
do principe Frederico Carlos, o tomana de
flanco, receioso pelo perigo, exstamei-:
Marechal, 6* necessario partir ']& I a
Kite respondeu-me : a i&, e muito de-
press*. Temondo ter-meexpressado mal,
exclamei : partir araaaha 1
Fez-ma observar quo nao podia partir no
dia seguinle ; que havla muitas cousas a
fazer. Eu repliquei s, entao depois de
a man ha.
Elle replicou de novo : a Saa necessa-
rios pelo menos dous dias. Insisti do
novo para que a marcha tivesse lugar o
mais breve possivel. Quando me despedi
do marechal disse-me ello:. a N8o falleis-
deste despacho a ninguera. i a Respoodi qua
bem sabia quo estavamos cercados do es-
piOes para fallar a qualquer pessoa. Re-
tirei-me. Eis o facto do despacho ; agora
em que data chegou elle ? e* a questao in-
teressanto^
Estamos em present a de duas series de
factos ; um cornea a 23 e termina a 26, o
outra comeca a 24 e termina a 31. Entre
FOLHETIM.
LVCBBCXA BSa&Ia
MEMORIAS DE SATANAZ
POR
Si* Uanoel Fernandez y Gonzalez
TERCEIRA PARTE.
O DUQUE VALENTINO.
(Continua^ao do n. 30.)
I
EM QUE 0 AUTOR VOLTA A* FLOREN^A PORQUE
- ASSIM O EX1GE A ORDEM DA SUA NAR-
RATIVA.
Chegou o mez de maio do anno de
1198, e Savonarola charaa-nos a Floren-
ce- .
Todo o tempo decorrido desde que foi
preso, ate" 6, data em que de novo o apresen
tamos aos nossos leitores, fdra empregado
na larga instrucgSo de tres processos.
Por tres veies Savonarola fdra posto a
tormentos.
Apezar d'isto e de que messer Ceccone.
notario encarregado da instrucc&o pela se-
nhoria de Florence, havia alterado declara-
cao e provas, fazendo que apparecesse
n'umas o que Savonarola nio tinha dito, e
tirando das outras tudo quanto favorecia
Savonarola, nSo se encontrara pretexto bas-
tante para queimar o herege.
O processo, tal qual o podera instaurar a
senhoria, fdra en via do a Roma.
Tudo estava contra Savonarola ; os repu-
blican's, que viam n'elle u na influencia
perniciosa a liberdade, o povo baixo, que
nSo podia perdoar lhe o nao ter patentea
do com um milagre a verdade da sua dou
trina, eos paritdarios acerrimos dos Medicis
erara Inimigos naturaes de Savonarola, que,
negara a absolvicao a Louren^o de Medicis,
e destronara Pedro ; os brancos e os pretos,
pela sua paixao de partido, os raerca lores,
pelo seu interesse, e a seahoria, porque pe-
sava sobre FlorenQa a excommunhio de
Roma, e porque to dos os seus membros
pertenciam a este ou aquelle partido.
Podia dizer-se que aquelle Savonarola tao
respeitado, tao queriio, tao popular, !$o
poderoso, que sem ser governo era a alma
do governo, nao tinha mais do que um ami-
go, o rei de Franca Carlos VIII, e este apa-
thico, subordinando o seu affecto por Savo-
narola a questao politics. Podia dizer-se
tambem que os negocios publicos iam de
mal a poior em Florenja.
0 edificio que Savonarola coraegara a
construir com tacta vontade e energia, des-
morona va-se antes de concluido.
No dia 19 de maio entravam solemne-
mente era Florence os commissarios do papa
Giovachino Turvisno, geral dos domimcos,
e Francesco Romolino, bi-po de Illerdo,
mui conhecido tempos depois, pelo norae
de cardeal Romolino.
Era torno d'elles agrupava-se o poputa-
cho gritando :
Morra Savonarola I
Ao que Romolino respondia sorrindo :
Ha de morrer, mesmo quando seja S.
Joao Baptista.
No dia seguinte estava preparada a tor-
ture para fazer soffrer a Savonarola um
novo interrogatorio.
Formavara o tribunal, com Romolino, os
outros commissarios do papa ; Paolo Benini
e Baggio de Giovanni, pelos magistrados da
companhia Giovanni Caoacci, pelos doze
homens bons ; Pietro de Alberti, pelesdez
do conselho de guerra, e Francesco Pucci,
pelos oito priores da liberdade.
Emquanto a messer Ceccone, n3o tendo
ficado muito contentes os raagniScos senho-
res, com o que elle flzera nos processos an-
eriores, obrigavamn'o a assistir ao tribu-
nal em comp'nhja de oulros, aQm de que a
c-mulacao lhe avivasse o eng-nho.
As perguntas Wtttam ewriptaji:
Applicaram a t):t..ra a Savonarola, e a
prirafirj pergantaft escaodalosaraente urn concilia e que com-
plices tivcra para isso.
aquellas duas series de factos*, applica-se a
urn o que perteoce ao outro; raas julgo nio
me enganar ; eis aqui porque :
A 24 dirigi-me, por ordem do general
Jarras, & residencia do marechal. Indi-
cou-me a maneira porque era necessario
executor a sortida. Submetti algumas ob
sera$6es ao marechal Bazaine, as quaes
elle se dignou attender. Fez-me a honra
de me perguntar de que lado devia ser di-
rigida a sortida. Respondi-lhe que, na
annha opiniao, era ainda necessario sahir
pelo lado do sul, mas uma vez que elle
tinha indicado que sahiriamos pelo fado do
norte, e em presence do movimento do exer-
cito de Chalons, era necessario sahir pelo
norte, e custasse o que custasse.
Repito-o; tinha uma raz8o determinanle,
e essa razao 6 que o marechal no seu pre-
cedente despacho tinha annunciado a sua
marcha para as pragas do norte. Por ou-
tro lado, ha ainda outro facto que me pa-
rece muito concludente. A 28 recebi do
general Jarras ordem para me dirigrr ao
forte de S. Juhen e de esperar alii a mare-
chal Bazaine, quedovia ebegar aquelle pon-
to. H estava alii quando vi chegar o ma-
rechal ; acompanhei-o ate Santa Barbara.
Elle disse-me : Vamos obtir segundo as^
priraeiras instructs. O general Soleil-
1 estava la.
Fiz alguwas ohscrvacues a respeito das
bagagens qne eu queria fazer abandonar. O
g&neral Soleille observou-rae que aquella
raedida era irraito rigorosa. Foi pois- a- 28,
esiow bem certo, que sube da marcha de
21 antes- da chegada do despaeho de 29-.
Estavamos na frente da berdade de Grimont.
Foi sd1 alii que pode tt-r tklo lugar a-discus-
isao a >i!ue me referi ha peuco. Nio podia
dizer a 28 (porque foi a 28)., o queUnba
dito-a 2*, relativjmente a>sortida de 28.
Se essa segunda conversacio tivesse trdo'Iu-
g-ar a 29 e ndo a 26, o OMfWehal nao te-
ia podido pela sua parte dizer-me quo eram
neoessurios- dous diao, pelo menos, para
preparar o moviment >, por isst que as or-
dens teriam- sido dadae> no dia- seguinte -r
desto rnodoj baseando-me nestar conside'
ra^oes^ affinoo que o despacho -ie que faltei
no comedo do meu depoimento foi-eutre-
gue- a 23- aomareehal Bazaine, qpe tomou<
i nine liatamenle conheoimento delle.
P.*Tendes-fillado da vossa- reserve a*
respeito do projecto de-sortida. Nao ten-
des e^je guardar reserea.
R^Foi uma-simplcs questao de conve-
nieneia pare- nao criticar o projecto.
P.Estais bem certo que foi a-23 que
chegou as maos do marechal Bazaine o
despacho,. annuneiando o movimento de
Chaiona?
R.E' essa a minha eonviccao.
P.O-despacho-nio e-tava cifrado e en-
roladoem formadecigarreta?
R.Se tivesse sido cifredo, o marechal
nio o teria-podido lerlogo; teriasido ne-
cessario-polo menos o tempo para o-tradu-
zir.
P.:Fostes vo* que baneis- preparado a
ordem de sortida de 26^
R.Sim.
P.Assististes- d chegada do despacho do
29?
ft.Nio.
P.Eao deS?
B___Nao.
P.O que Ibi que retardou a sortida de
30?
R.O restabelecimento- das ponies quo
nao estavara promptas,.
O' general Pourcet^Fa Hastes a alguem:
a ''respeito do despacho.de 23 ?
R.Tinha or Jem para. nJo fallar. De-
pois-de 26, j^d nao tiaba que guardar se-
gredo ; falloi. delle ao-marecba* Canrobert,
ao.general Jarras e ao coronel d'Andlan..
P.Fallava.se nesse despaeho de um en-
contro do lado de Steasy?
R.O iespachonSo trazia o nome,. creio
eu. Havia nelle do lado do. Meuse *u de
l'Aisne. Quando me apresentarara esse des-
pacho, eoufuudi-iaa por um. instante. Ha
rauitos despachos que sa parecera com
aquelle, mas qoe se nao podem. confun-
dir O que se parece mais ao. despacho de
23, a o despaeho de 29.
P.Havia muita gente em casa do ma-
rechal Bazaine, quando. chegou. o despacho
de 23 ?
R. Havia pelo menos tres pessoas.
Atraz do raarechal am official com as costas.
voltadas escrevia n'uma mesa de raarmore:
esse official era, creio. eu., o Sr Alberto Ba-
zaine. A' esquerda um official, que me era
desconhecido, mas que creio deve ter sido
inscrevemos a ehegada
0 Sr. de Mornay ; e depois destos o tercei-
ro personagem era um individuo, qae esta-
va encostado em uma janella qae dava para
o lado do jardim. Este individuo estava
de paletot a paisana, e parece que n3o
devia ser um militar, por isso que quando
se leu o despacho nao disse nada.
P.0 marechal queixou-se das difficul-
dades que sentia o estado-maior para obter
eramissarios; e verdade que havia difficulda-
des ?
R.Nunca, nunca ; tudo quanto o .ma-
rechal tinha a fazer, n6s o tenamos feito.
Mr. Lachaud. Como e" que a testemu-
nha ouvio o nome de Stenay ?
R.Julgo ter dito ao conselho que o
despacho nao tinha o nome de Stenay ?
Mr. Lachaud.Perante o conselho de in-
querito, o coronel Lewd disse que o despa-
cho fallava de Stenay T
R.Posso ter dito Stenay, e eu eipliquei
eta confusao primeirameute ; mas repito
que o despaeho de 23 aao fallava dd Ste-
nay.
J/rv Lachaud, fez leitura dos despachos
de 29 e 30. O de 29 indieava a marcba
do general Dutrot, que devia achar-se em
Stenay a 2!). e o de 30, era aquelle em
que o marechal Mae Mahon anaunciava a
jiinccao sobre o Aisne.
D'aqui cenclue a defeza que o coronel
Lewal nunca teve conbecimento daquelles
fcws despachos.
Jfr. Lachavtd: ^Havieis a 23inseripto no
rej^&tro do estado-maior a chegada do
emiesano ?
ft..Nunca a^li
dos emissarios
P.Nesse dia 23* chegou um emiesario;
alguem o vio. Kii testemunbas que des-
truiram a asserc^io do coroael.
Testemunha.u nao per^o mais nada.
Jfr. Lachaud.Tambe.n eu nar.
O marechal Bazaine.Escrevi a 23 ao
imperador, e se tivesse reccbido um despa-
cho tao knportante eomo aquelle de q[\9
falla o eoronel Lewal, teria- fallado delle.
Nao e exaoto que eu tivesse aceitado o piano
de sortida sobineilido pelo corooel; nao es-
tava h.ibitsiado e abrir-me tao- amplamenle
com os raeus inferiores. Como e, alem
disso, que aquelle despaeho nao proJuzro
mais comiRuwica(;ao T
Havia em minha casa, disse- 0 coronal,
tres p irsonageos *, ess tres pessoas ouwi*
ram a leitura do despaeho. Em todo o ca-
so, o dever do oorouef* Lewal era-dar conta
delle ao geaaraLJarras*. Como 6 que esse
despacho podia ter chegado a 23j quando-se
Nao coaiieeoo-esse despacho em Carignaa
senio a 23 f Para vir de Carigaan a Meto,
eranecessarto polo- menos viute-e quatoo
horas.
President-.Tendes- algurna observa^ao
a bzer ao qpe diz o Marechal ?
O- coronti Letpal.Sim, senhor pree*-
dente. Quando as ordens do movimento
do 16 foram suspensas polo maroehal, fai
eu encarregado de as levar ao general Jar-
ras, que recusou tomar conhaeimento del-
las, e me disse :
Uma vez que tiebalhaste* na suareda-
;ao, ide faze-las assignar.
Agora oontinua a dizer se fallando do
despacho de23quo elle vinha de Cbaloos
e que estava cifrado. Per mitt t-se-me fazer
ohservar, que nunca disse qua elle vmha
de Chalons ; nao sei por quern foimandado.
Tinharaos fora muitos olliciaes, entra ou-
tros o iu'endento Waif, quo nos mandou
emissarios, e tal vez que um delles tivesse
sido informado do movimento do exerciio
de Chalons. 0 que eu posso affirraar da
maneira mais absolute, e que, a 2;t-.chegou
um despacho que dava conhecinento
daquelle movimento ao marechal, e que el-
le o leu diaute de mim.
Q>Sr. d'Andlau, corooel do estado-maior.
So sei pouco a respeito das- relates
externas quo se podiara t> r estabelecido
er-jtre o exercito forraado fdra e o
exercito do Rheno-: estava encarregado^
do servigo das operates, nao tinha.n relar
t40L' de nenhuma especie com os agentes.
Nao podia pois ter senao infonnacoes mui-
to vagas. Ha comtu 'o um facto muito im-
portaute de que devo dar conta ao conselho:
a 21 ou 2 i- de agosto live o presentimento
de que tinhara chegado algumas communi-
cac,oes externas, e isto porque vi tomar. dis-
posl^des para um projecto de sortida.
0 coronel Lewal veio consultar-ma a
respeito do projecto que devia submetter ao
marechal Bazaine, tendenJo esse projecto a
desenvolver o. exercito na raargera direitzk
do Moselle. Perguntei-lhe se tinham chc-
Responderei claramente, disse Savoaa-
rola ; nin,uerame aconselhou a quepedisse
um concilio, nem disse cousa alguma a
esse respeito aos raeus religiosos. Com os
principes da Italia nao mantive communi-
ca^Ses algumas, porque os reconheijo a to-
dos meus inimigos. Esperava unicamente
que os principes estrangeiros favoreceriam
a minha empreza, em virtude das suas des-
avencas com a corte de Roma, principal-
mente o rei de Inglaterra, que me disserarn
ser um bom homera ; pe o que diz respeito
aos cardeaes e prelados sao todos inimigos
meus.
Romolino, contrariado por nao obter cou-
sa alguma, julgou necessario usar da tor-
ture.
A' primeira volta da roda, Savonarola
disse :
Senhores florentinos, ougam-ma e to-
mem testemunho do que vos disser ; se
neguei o meu espirito prophetico, foi com
terror da torture ; se hoje devo padecer,
quero padecer pela verdade : tudo quanto
disse foi-rae inspirado por Deus.
Torturado horrivelmente, Sav narola
cahio em delirio e as suas respostas foram
I vagas, metaphysicas, incomprehensiveis.
Porem, quando se tratava de um impor
Unte ponto de doutrina, a sua razao reap-
pareceu clara, precisa e severe.
Pergintaram-Ihe se bavia queridodividir
a igreja de Jesus Christo.
Nuncf, respondeu elle, vencendo o
delirio, a nao ser que se queira fallar de
| algumas ceremonies que estabeleci para
r- stringir mais ou menos os meus religiosos,
1 e e" verdade que nao mostrei raedo da ex-
\ communhao.
Perguntado se acreditava nos encanta-
mentos, respondeu :
Zombei sempre d'elles.
Perguntado mais, e augraentaJ* sempre
a tortura, se tratara com o cardeal de Na-
poles acerca do concilio, respondeu gritan
do como que f6ra de si:
Napoles, Napoles... sim, trat i com
elle e com outros relativamente a esse as-
sumpto.
1 No dia seguinte, portm, 0 primeiro pen-
saraento foi desmentir tudo quanto no de-
lirio haviajdito no dia anteror, em prejuizo
dos outros.
Nao tratei relativamente ao concilio,
dis-e elle, nem com o cardeal de NapoleS
nem com os outros.
Convencidos os commissarios do papa de
que nada se podia collier de Savonarola,
e, firmando-sc no processo, emprazou Ro-
molino a Savonarola para ouvir a sua sen-
tonga no dia seguinte.
Estou preso, respendeu aquelle, e irei
se me conduzirem.
N'aquella noite, emquanto Savonarola
meditava na sua prisio, entraram cinco
soldados com um notario, para ver se po-
diam colher alguma cousa de Savonarola.
Aquelle, pore'm, n8o fez mais (fo que
repetir o que jd tinha dito.
Sobre as perguntas que lhe fizerara acer-
ca da politics, respondeu :
Eu deixeva isso ao caidado de Fran
cesco Valori ; o que os meus amigos faziam
reduzia-se a levar ao conselho os homens
populares, e proceder rigorosarxeote contra
os adversarios da republica, quando dessem
occasiao a isso, e a permanacrem unilos e
fortes, nio para atacarem, mas para estarem
preparados para a defeza.
No dia 22 de abril, os commissarios apos*
tolicos reuniram-se para deliberar acerca
da vida de Savonarola e dos seus compa-
nheiros frei Domiiiico de Peschia e frei Sal-
vestro.
Pelo que diz respeito a Savonarala e a frei
Salvestro, nio houve dkcussad ; a morte
foi decidida por unanknidade.
Emquanto- a frei Dominico, Romolino
opinava que se lhe concedesse a vida.
Houve, pore'm, quem observasse que,
com frei Dominico, continuaria existindo a
doutrina do Savonarola, e frei Dominico foi
sentenciado.
L;tj so, Agnolc PanJolfini, levaiitoti a sua
v'Z a fov' rde 3.vonarola.
Parece-me ana grave culpa, disse
elle, sentenciar i mo. te um bornem como
Savonarola, vulto grandioso e nobre, como
raras vezes apparecera emtoJoo decurso
do um seculo. 0 raeu parecer, pois, 6 que
permane^a na prisio, conservando-lhe a
vida, e permittir-lhe que escseva para que.
o munio inteiro nao perca o fructo do seu
engenho.
Nao se pode confiar cousa alguma, re-
plicou Roraoliso, da senhoria que 4 dissol-
vida e eleita de dous em dous mezes e no
dia em que os amigos de Savonarola subi-
rem ao poder, sera elle posto em liberdade.
N'aquelle mesmo dia communicou-se aos
tres religiosos a seotenca, advertindo-os de
que se preparassem para a sua ultima hora.
Frei Salvestro uterrou-se : frei Dominico
ouvioasentenca como se escutasse o convite
para uma festa, e, cheio de um enthusias-
rao, tilho do seu fanatisrao, escreveu aos
seus companheiros de S. Marcos a seguinte
carta :
c Ch rissimos irmaos, nas entranhas da
Jesus Christo. Posto que a vontade da
Deus e que morrames por elle, e que vos
fiqueis com vida, rogai por nos, e tende
sempre presente o que vos ensinei, uniio
na carid do e regularidade e ardor nos San-
tos exercicios. Rngai por nos, especial-
mente quando estiverdes reunidos em cdro ;
sepultai o raeo corpi na terra, na) dentro
da igrejs, mas sim em frente da porta, em
lugar humilde : Resai pelas nossas almas as
missus do costume, que eu, d'onde espero
poder fnze-lo, rogarei por vds. Abracai a
todos os irmios aevotos de S. Marcos, da
minha parte, particularmente ao oosso ama-
dissimo Fresole, cujos nomes levo gurdados
no raeu coracao, & presenca de Deus. Le-
vai da minha celln, todos os opusculos do
padre Jeronyrao, e tirai d'elles uma copia
pare ser lida durante o refeitorio.
0 ultimo pensamento de frei Dominico
fixava-se na doutrina do seu mestre.
Tal era o enthusiasrao de frei Dominico,
quo, quanlo l!ie disserarn que o seu corpo
devia ser redUli-Jo. a cinzas, pedio, come
uma g|aca especial, que o queimassera vivo.
Qusn-lo entraram na prir3o de Savona-
rola, para lhe coramuuicari-m a senten^a,
encontraram-n'o ajoelhado e or ndo.
Depois de ter ouvido a tri3te nova, n3o
deixou ver o mais pequeno signal nem de.
gado noticias do exterior ; respondeu-me
que nio, que era simptowncnte um projecto
pedido pelo marechal Bazaine. O conselho
eonhece o movimento de 26 de agosto ; as
du s horas deram-se contra-ordens, as
tropes.
A 23, conversando com o coroael Le-
wal a respeito do passeio da vespera, fa lie i
das conseqoeacias lamentaveis daquelle dia.
Elle respondeu : Meu caro amigo, e ain-
da mais para sentir do que o pnnsais,
porque tinhamos noticias do exercito de
Mac-Mahoo. Vendo a minha surpreza,
eontou me a conversa qua tinha tido
com o marechal, e o despacho chegado
a Ao.
Mr. Lachaud.Senhor presidente, tenho
muitas perguntas a fazer ao Sr. d'Andlau;
nao se referem directa.aerXe ao debate.
Mas como o Sr. d'Andlau uSo deve compa-
recer a*jui de novo, aproveifarei a oecasiio
pare lhe perguntar se elle e eator de um !i-
vro intitolado: Melz, campenka e nego-
tiates, que appereceu sera oame do au-
tor ?
Presidente.-0 coronel nao e brigado a
responder a easapergoata, segundo 9 jura-
merrto que prestoo.
Mr. Lachaud.Vos mesmo, Sr presi-
dente,. bavieis Jeclarado, ao principio-deste
debate, que o accusado devia fazer aoo de
tudo quetitojulgasseutil a-saa defeza. Ti-
nha puis- dequaliQear a obr de que aeabo
de fallar, assira curao outro escripto de que
sevaitret.r, e desejo- saber se o coroael
d'Andlau aceita a responsabilniftde della.
Presidente.Ouvistes-a pergsota, senhor
coronel ? Sots autor da obra ujo titulo
acabadese ler?
9- Sr. d'Andlau Sim, sen&or prei-
deote.
Mr. Lachaud.Desejaria saber se o co-
ronel d'Andlau tinha sido autori*.do pelo
ministro da guerra para receber oopia de
todos-os doeemeotos olliaaes quo mserio
na sua obra t
R.Nio, senhor
Mr-Lochaudt.Pedirei linalmente, se-
nhor presidente, para perfonUr a testeau-
nba se-elle e eator de uma-carta puMieada
a 22 deoutubro- de 18T*era uhb- jeraal
estrangeiro ?
0 S'r. d'AndlmtiSou autor desta cart* ;
masera-puFamefiteeonfrdeaeUl, eeprcoo-
sequeneiaa maiseberainavatiadiseri^aeque
ella teaba sido eotreguo i p-iblicidada.
Protestei-inMnediaiamente. bo masma-jor-
nal; coatra-uma puhlicacteqaa nio tMiha
autorisado ; acereseentei ^oe quango es-
crevi a minha cart*,, tinha chega-
do a Hamburgo, que acabava ao alra-
vessar exercitoibmio, e qua esawa im-
pressionado peladir qae asecausava-ades-
graca produzkla ao meu paia, e no exareito
francea*
Presidente.Podeis rearar-vos, seeaor
eorooak
0 comuumdante Saim*t. Declaroa qie
estandr> prisieneieo na Asllsatanba, lhe refa-
rira o cavonel Lewal a chegada a Meu a iit
de agosto, o despacho d marechal Mac-
Mahoo. .
0 capiida selho, tleclarou-que o rearechal B^zaiae po-
deria ter commaoicado com o eiterior por
meio de emissarios.
0 Sr. de ttk#nay.fieelaro, Sr. presi-
deotSv da maneira mais-formal, que o raa-
rechal nao reoebeu a -It de agosto, o despa-
cho do marechal Mac-Mahon Recebeu-o
a 2ft; fui eu mesmo quem o traduzio, e
lembro-rae perteitamente do sou. conteado.
Nio poderia ter chegado a 23, sem qua um
official do estado-maior do marechal Bazai-
ne tivesse tido delle aonhecimento.
Alem disso, nao podia ser senao cifrado, e
em geral era eu o encarregado da. tcaduc-
00.
Alem da qua esse despacho era muito
grave pcra que o official que o. tivesse tra-
duzido aao houvesse fallado delle aos seus
camaradas. (riso). A 29, depois da ter re-
cebido o despacho, o marechal raandou-
me procurer o coronel Lewal, e petguntou-
Ihe sa conhecia a escripta do. coroael Tur-
nier.
P.Dissestes no vossj depoimento pe-
rauteo consetho de inquerito, que tinha
chegado um despacho a 23. Qual era esse
despacho o qual era o nome do emissario
quo o trouxe ?
A testeraunha deu uma lcaga resposte,
da qu.d se nio comprehendeu nada, e nada
deve provar por isso qua attrahio a seguin-
te obiervacao do presidente:
Continuar-se-ha
tristeza, nem da alegria, e continuou oran-
do fervorosamente.
Quando lhe levaram a ceia, regeitou-a.
Neces^to mais de fortalecer a alma
do que o corpo, disse elle, e careco de ter
a razao sereoa e bem prepacada para a
morte.
De repente eutrou na prisio um homem
todo vestido de preto, tendo o rosto occulto
por debaixo de um c puz.
Era Jaeobo Nicolini, membro da cooip*-
nhia do Templo.
Dava se este nome aos membros de ama
associa^ao que assistiam voluntariameose ao
supplicio dos conden nados.
Apenas Nicolini disse a Savonarola se ti-
nha algura desejo que podesse ser sabsfet-
to, pedio-lhe Savonarola que obtiresse li-
cenga da senhoria para ver, duraote um
breve espace de tempo, os seus. dous com-
panheiros de supplicio, com os quaes queria
trocar algumas palavras antes de merrer.
Nicolini apressou-se em cumprir aquella
comraissio de Savonarola, emquanto entra-
va na prtsao um frade die S. Bento, para
confessar o sentenciado, que de joelnos,
com toda a devoc,ao. se eotregava aos sous
deveres religiosos.
Os outros dous condemnados imitavam
aquelle exemplo.
Entretanto a senhoria conferenciava, sc-
bre a petieio de Savonarola, e receiavam
d'ella qualquer cousa extraordinaria e ines-
parada.
Por^m o benevolo raensageiro Nicolini
observava que nada podia temer-se de um
homem que tinha ja um pe na sepulture, e
que os ultimos desejos de um sentenciado
deveriara str satisfeitos sempre.
Por fm foi concedida uma entrevista de
uma hora aos tres religiosos, na sale do
grande conselho.
E' difficil descrever o (spirito dos Ires
comdemuados n'aquelle momento solemne.
Vi:-m se pela primeira vez depois deal-
guns mezes de prisao e de tortura, sem sa-
berem se al^unj d'elles se havia retra-
tado.
____________IContimiar-se-ha.)
'"TYP.DO D:ARIO.-RlA DUQUE DE CAJU^T*
1
^
*
:
,
I
"N
r