Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text

7-
ANNO L. N1HERO 30
----------------------------------------------------------;-. i-----------------------------------
P.VIll A CAPITAL E LIU ARE* OXDE \10 SBPAOA PORTE.
Per tres mews adiaotados................ 69000
Por seis ditos idem................... 129000
Foe urn anno idem..................84*000
Cada numero avulso.................. 9310
DI4RI0 DE
SABBAflO 7 DE FEYEREIRO DE 1874
PARA DEXTRO E FORA DA PBOVl\flA
Por tres mezes adiantados................ 69750
Por seis ditos idem.....i........... 13&5o0
Por nove ditos idem................. 809250
Por urn anno idem. ....... .......... 279000
MAMBICO.


PR0PRIEDADE DE MANOEL FIGUEIRQA DE FARIA A FILH0S.
I :-
ft Sri. Gerardo Antonio Alves & Filhos, no Par*; Gongalves & Pinto, no Maranhao; Joaquim Jose de Oliveira & Filho, no Cearfi Antonio de Leiuus Braga, no Aracaty ; Joao Maria Jolio Chaves, no Assd; Antonio Marques da Silra, no Satal; Jose Justino
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose" Gomes, na Villa da Penha; Belarmino dos Santos Bulcao, em Santo Antio ; Domingos Jose da Costa Braga, om Nazareth;
Autonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar dai Hagoas ; Aires d C, na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro.
VviC



V-;
?
-
J
i
PARTE OFFICIAL
boienio da provincia.
VPEDIBNTE DO DIA 4 DE NOVEMBIIO DE 1873.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das arraas.
Declaro a V. Exc. em resposta ao sea offlcio de
hontem datado sob n. 1,007, que ficam eipedidas
as convenience* ordou* para serera transportados a
cdrte no vapor Purund os recrutas constantes da
relacao nominal que veio annexa ao citado offlcio,
excepclo feita dus de noines Alexandre Jose da
Silva Alves e Mathiai Antonio dos Santos, que ob-
tiveram praso para provar isencao legal.
Ao mesm). Declaro a V. Exc, em solucao
ao seu offlcio de hontem datado, sob n. 1,100, que
o recruta Mauoel Ignacio do Naseimenlo, a quern
por despacho de 8 do eerrente concedi o praso de
8 dias para provar isencao legal, e o mesmo que
com o nome de Manoel do Nascimeuto foi reinelti-
do ao quartel general pelo Dr. chefe de policia em
28 do mez findo.
Ao mejsmo. Transraitto a V. Exc, para os
fins convenientes, as duas inclusas relapdes sobre
as aKeracdes occorndas no met de outubro proxi-
mo Undo, com o lenente do 9" batalhao de iufan-
taria Francisco Ignacio Manoel de Lima, que esta
servindo interinamente o lugar de ajudante de or-
dens da presidencia do Rio Grande do Nor(*>.
2.' seccae.
Actos :
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o alferes do corpo de policia, Joaquim
Apridio Rosa da Costa, resolve conceder-lhe 30
(lias de licenca, cin venciraentos ua forma da lei,
para tratar de soa sauJe.
0 presidente da proviilcia, a vista do offlcio
do Dr. chefe de policia, n. 1,956 de 8 do corrente,
resolve exonerardo cargo de 1 sapplente do sub-
delegado do 1* districto do termo de Iguarassii, o
cidadao Manoel do Itego Albuquerque.
0 presidente da provincia. attendendo ao que
requereu o bacharel Jose Francisco de Gdes Ca-
valcante, juiz municipal e de orphlos do termo do
Bonito, resolve couceder-lhe mais 30 dias de iicen-
Sa com vencimentos na forma da lei, para tratar
e 3ua saude onde lhe convier.
Offlcios:
Ao juiz de direito da eomarea de Cimbres.
lnieirado, por seu officio de 5 do corrente, de se
haver recolhido a cadeia des-a villa o criminoso
Jose Francisco da Silva e as duas mulheres, suas
cumplices, teolio a dizer-lhe em resposta que, aes-
ta data, maodo louvar o subdelegado que reali-
sou aquellas importantes diligencias.
Ao juiz municipal de Caruarii. Eavie Vine,
ao Dr. juiz de direito da l1 vara civel de*ta capi-
tal, as guias dos sentenciados constantes da rela-
cio junta.
3' seccao,
Acto:
0 presidente .da provincia resolve exonerar
o bacharel Manuel Jose Mendes Bastos, de fiscal da
collectoria da comarca do Bnm Conselho, visto ter
silo removido, como promotor publico, para a eo-
marea de Buique e nomear para exen.er aquelle
lugar 0 bacharel Fiel Vieira de Torres Gran-
geiro.
Offlcios:
Ao inspector da thesouraria de fazeuda.
Expeca V. S. suas ordens para que seja despa-
chada na alfandega, livre de aireitos, a caixa de
que trata o conhecimento incluso, contendo papel
para a secretaria de-ta presidencia.
Ao inesmo. Communico a V. S. que nesta
data offlciou se a thesouraria provincial no sentido
de seu offlcio n. 869 serie E, de II do corrente
relativamente ao deposito de que trata a thesoura-
ria provincial em offlcio n. 301 de 8 do corrente.
Ao inesrnu. Communico a V. S., pan os
devidos fin*, que a i do corrente entrou o bacha-
rel Joao Francisco Ja Silva Braga, juiz de direito
da eomarea de Itarabe, no gozo da licenca que lhe
foi concedida a 23 de outubro proximo passado.
Ao mesmo. Para -salisfazer o que em offl-
cio de 7 do corrente solicitou o engenheiro Luiz
J j-t' da Silva, eucarregado de aviventar os rumos
da sismana da ex-colonia de Pimenteiras, remet
ta me V. S. com toda a urgencia, o tombo da de-
raarcacao da mesma sismaria, bem como quaes-
qner outros titolos demon;trativos de seus limites,
aQm de que se pussa realisar aquflle trabalhe
com toda a seguran^a e de modo a evitar fuluras
duvidas.
Ao mesmb. Communico a V. S., para os
devidos fins, que nesta data concedi mais 30 dias
de ii.v-H.-a ao bacharel Jose Francisco de Goes Ca-
valcante. juiz muni ;ipal e de orphaos do termo do
Bonito, coin vencimentos, na forma da lei, para
tratar de sua saude onde Ine convier.
Ao mesmo. Mande V. S. entregar ao cora-
mandante ou immedialo do vapor da companhia
Peraambucana, que prim iCo. seguir para os por-
tos do norte, o saldo dos direilos da provincia da
Parahyba, ahi recolhido, relativo ao mez proximo
findo, como solicitou o respectivo p esidente em
offlcio de 1 do corrente.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
devidos fins, que all do corrente reassumio o
bacharel Gaspar de Vasconeellos Menczes de Drum-
mond o exercicio do cargo de promotor publico
da conurca da Escada.
Ao mesmo. Remetto a V. S. 13 exempla
res improssos da eollecjao das leis promnl^adas
pels assemblea desta provincia em sua sessao or-
d^naria do corrente anno. Igual a thesotrraria
provincial com o numero de 20 colleccSes.
Ao mesmo. Coamunico a V. ., para os
devidos fins, que a i do corrente assumio o ba-
charel Menelau dos Santos da Fonceca Lins, juiz
municipal do termo de Itambe, o exercicio da ja-
risdiccao da vara de direito, e bem assim ter este
nomeado o tenente Jose Francisco da Almeida pa-
ra exercer interinamenie o cargo de promotor pu-
blico da dita eomarea.
Ao inspector da thesouraria provincial.
llinde Vmc. pagar ao tenente Firmo de Oliveira
Mello a quantia de 370J240 despendida com o sus-
tento dos presos pohres da cadeia do termo de
Cimbres, correspondente aos mezes de agosto e
setembro deste anno, constante da relacao e conta
junta em dur licata, conforme solicitou o Dr. chefe
de policia em offlcio n. 1,86% de 10 do corrente.
Ao mesmo. TendS nesta data autorisado
engenheiro chefe da reparticao das obras publi-
s a maadar comprar pelo mesm) preco dos pri-
nieiro?, mais 40 bancos de ferro eora a^senlo de
madeira para o jardim do Campo das Princezas,
bam como am piqaeno ehafcriz; asiim o com-
munico a-V. S. para seu conhecimento o fins con-
Tpaientes.
Ai mas no. Mnli Vnc pijir a Falis
CorCini'J Villa N'jva, a quiiitia de liii piovenien-
te do aluguel da casa que no termo de Buique ser-
ve de cadeia desde I de jultn a 31 de outubro
ultimo, conforme attesta o delegado do mesmo
termo.
Ao mesmo. Nos termos do offlcio da the-
sooraria de fazenda, n. 869 serie E, de II do cor-
rente, que traosmitto por ropla, mande Vmc fa-
fer 0 deposito de qne trata o seu offlcio 501 de 8
do corrente, flcando assim respondido o mesmo
offlcio.
Offlcios :
Ao Exm. presidente da provincia da Para-
hyba. Expeco nesta data as convenientes ordens
ao inspector da Uiesoorarla de fazenda para man-
I dar entregar ao commandante ou immediato do
vapoi da companhia peruambucana, que primeiro
snguir para os portos do dortu, o saldo dos direi-
tos dessa provincia, relativo ao mez proximo fin-
do, alii recolhido; como solicitou V. Exc. em o
offlcio de 10 do corrente, que fica assim respon-
dido.
Ao mesmo. Rogo a V. Exc. se digne pro-
videnciar afim de que seja remettida a guia do
sentenciado Galdino Bernardo da Silva, julgado na
cidade de Area, dessa provincia.
Ao Exm. presideute da provincia do Piau-
hy.Accuso a recepgao do efflcio circular que
V. Exc. dirigio-me em 13 do mez findo, sob n.
1083, e bem assim dos exemplares dos relatorios
a que elle se refere.
Ao Exm. bispo diocesaoo. Remetto a V.
Exc. um exemplar impresso da colleccao das leis
promulgadas pela assemblea desta provincia em
sua sessao ordinaria do corrente anno.
Igual ao Fxm. director da facuidade de di-
reito do Recife.
Ao director da inslruccao publica.A' vista
da informacao de Vmc. em offlcio de 8 do corren-
te mez, n." 3281, autoriso-o a |x5r o cumpra-se
na apostilla do titulo da professora de Duarte
Dias, Henedina Florida dos Santos Cordeiro, para
que possa ella receber os seus vencimentos, pro-
vando ten eumprido os devere) do magisterio.
Ao commissario vaccinador provincial. -Re-
tnetta Vmc. com urgencia a esta secretaria e com
endereco ao juiz municipal de Ipojuca al^umas
iaininas de pus vacciaic*.
A' camara municipal do Bonito.Accuso rece-
bido o offlcio de 8 do corrente, em que a camara
municipal da villa do Bonito communicou-me
que naquella data prestou juramento e foi empos-
sada. de conformidade com o offlcio desta presi-
dencia, de 28. de outubro ultimo.
5 seafio.
Offlcios :
Ao Exm. conselheiro director geral da esta-
tistica na cdrte. -Remetto a V. Exc. um exemplar
impresso da colleccao das leis promulgadas pela
assemblea desta provincia em sua sessio ordinaria
do corrente anno.
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas.Para satisfazer o que em offlcio de 7 do
corrente solicitou o engenheiro Luiz Jose da Sil-
va, encarregado de aviventar os rumos da sisma-
ria da ex-colonia de Pimeutoiras, reraetta me Vmc.
com toda a urgencia a planta daqaelle terreno,
que deve existir nessa reparticao.
" Ao in >smo.Autoriso Vmc. a mandar com-
prar mais quarenta bancos de lerro com assenlo
de madeira para o jardim do campo das Prince-
zas, com tanto que nao exceda do preco por que
foram comprados os ja existentes, bem como o pe-
queno chafariz a que se refere seu offlcio de 10 do
corrente sob n. 402, que fica assim respondilc.
Ao administrador do correio Tendo a ca-
mara municipal da villa do Buique, em cumpri-
mento ao que lhe foi exigido em offlcio de 8 de
outubro, indicado o cidadao Joaquim Braulino da
Silva, como pessoa idoneca, para o lugar deagente
do correio da povoaclo da Pedra, assim o declaro
a Vmc. para seu conhecimento e devidos fins.
Ao engenheiro eucarregado da linha tele^ra-
phica do Recife as Alagoas.Mande Vmc. por a
disposicao do administrador dos correios desta pro-
vincia as chaves das duas salas, outr'ora occupa-
das pela guarda da thesouraria de fazenda, e que
foram destinadas ao servijo dessa linha, afim de
serem annexada: aquella administracao, como so-
licitou o iresmo administrador em offlcio desta
data.
Ao gereate da companhia pernambucana.
Expeca Vmc. suas ordens afim de que o comman
daute ou immediato do vapor de^sa companhia,
que pi imeiro seguir para os portos do norte.se
dirija a thesouraria de fazenda desta provincia,
para se encarregar da conducc&o do saldo dos
direitos da Parahyba, alii recolhidos.
Portarias :
Os Srs. agentes da companhia de navegafio
brasileira inandem dar passagem para a cdrte por
conta do rainisterio da guerra, no vapor Parana,
ao soldado Raymundo Antonio Borges de Oliveira,
que assenlou r.raca voluntariamenle com destiao
a um dos corpos da guarniyao ua mesma cdrte.
Os Srs. agentes da companhia de navegacao
brasileira nundein dar passagem para a cdrte por
conta do ministcrio da guerra, no vapor Parana,
ao soldado da companhia de cavallaria desta pro-
vincia, Cyrillo Peres de Azevedo, e aos recrutas
destinados ao exercito, constantes da inclusa rela-
cao nominal.
Relacao a que se refere a portaria supra.
Antonio Jose dos Santos Antonio N'uaes de Faria
Rosa, Bonifacio Jose Pereira de Oliveira, Clemen-
tino Antonio Beterra, Estanislau Ferreira de Arau-
jo, Francisco Isidi.ro dos Santos Alves, Jose Anto-
nio deSouza, Jose Patricio dos Santos, Jose Vicen-
te dos S.-.nto?, Joao Ma undo de Andrade, Joao
Paulo de Valois, Luciano Jose dos Santos, Luiz Jose
Alexandre, Manuel Soares do Nascimento, Miguel
da Silva Tavora
EXPEDIENTS DO SECRETARK).
1.' seefdo.
Offlcics:
Ao Exm brigadeiro commandante das armas.
-Tendo S. Exc. o Sr. presidente da provincia, por
despacho desta data, concedido ao recruta Alexan-
dre Jose da Silva Alves, 8 dias de prazo para
provar isencao legal, de or Jem do mesmo Exm
Sr. ; assim o communico a V. Exc. para seu co-
nhecimento.
Ao mesmo. -S. Exc o Sr. presidente da pro-
vincia manda coramunicar a V. Exc, em^esposta
ao seus offlcios de bontem datados sob ns. 1,098 e
1,101, que fleam expedidas as convenientes or-
dens para serem transportados a cdrte no vapor
Parana os soldados Cyrillo Pores de Azevedo e
Raymundo Antonio Bjrges de Oliveira.
2." secgao.
Offlcios:
Ao Dr. chefe de pjlicia.S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia manda communicar a V. S.
que.nesta data autoriso j. a thesouraria provincial
a fazer o paganunto ao toaente Firmo de Oliveira
Mello, cjnforme o offlcio de V. S., n. 1864 dejtO do
corrente.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que por portaria de
hoje foi exonerado do cargo de 1 supolente do
subdelegado do 1' districto do termo de Iguaras-
sii o cidadao Manoel do Rego Albuquerque.
Ao juiz de direito interino de Itambe. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda aocu o ?ecebimenfo do offlcio de V. S, de 4 do corren
te, em que par.icipa ter assumido a jnri dicc,3 >
da vara de direito dessa eomarea e bem assim
de haver nomeado o tenente Jo*6 Francisco de Al-
meida para exercer interinamente o cargo de pro
motor public >.
Aj bacliarel (iasoar do VascoaceUos Meae-
zes do .Drummoad.0 Exm- Sr. presidents da
provincia manda accusar o r ecebimenio do offlcio
de V. S, de hootem dittdo, em que participa ter
reassumido o exercicio,do cargo ae promotor pu-
bl Ao commandante do corpo de policia.0
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S., para os devidos fins, que ne^ta data se ex-
pedio ordem ao dii;tor do afeal de guerra para
emprestar a esse corpo -a-* 10J carabinas outros
tantos* sabres, de que trata o seu offlcio n. 636 de
hoje datado.
5.* ucqao.
Offlcios :
Ao administrador do correio.3. Exc. o S.r
presidente da provincia manda declarar a V. S.,ru Leinos no Jornil do Comnercio, de LisbOa :
para seu couheciment e fius convenientes, que. Cum|irh-se a risca o prograinmi da solerani-
nesta data llcaiu expedidas as uecessarias ordens jdade do barreto cardinalicio, veriheada hoje aa
ae engenheiro encarregado da liuha telegrapiiica Icapell no palacio da Ajuda.
do Recife as Alagda s, afim de lhe serem entregues
as chaves das salas a que se refere V. S em se
offLio de hoje datado.
Aos agentes da companhia do aavegacao
brasileira.0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda accusar recebiJo o offlji.i d' Vr.-Ss., desta
data, em que comraunicam que chegou hoje dos
portos do norte o vapor nacional Parana, o qual
seguira para os do sul amantu as 3 boras da
tarde.
Reparti$to la policia.
2." seccao__Secretaria de policia de Pernambudb,
6 de fevereiro de 1874.
N. 170.-Illm. e Exm. Sr.-Participo a V. Exc.
que foram houtem recolhidos a casa de detencao
os segumtes individuos :
A'minha ordem, Vicente, escravo, .a requeri-
mento de Moreira R ;is & C
A' ordem do subdelegado do Recife, Guillemont
Pierre, a requisicao do consul francez; Antonio
Fernandes da Silva, Jos6 Mari3 de Oliveira Azeve-
do, Matoias de Souza, Aniceto Fernandes e Anto
uio da Silva, a requisicao do consul porluguez.
A' ordem do de Santo Autonio. Marlinuo, escra-
vo de Antonio Jose Rodrigu.is de Souza, a requeri-
mento deste.
0 delegado do termo de Limoeiro, por offlcio de
3 deste mez, communicou-me que o subdelegado
de Taquaritinga lhe participara haver prendido a
Siraao Netlo Nogueira, que conduzia dous caval-
tos furtados no lugar Manitoba da eomarea do
Brejo da Madre de Deos, que a tal respeito proce-
dera nos termos recommendados por lei.
Dens guarde a V. Exc. -Illm. e Exm. Sr. com-
mendanor Henrique Pereira de Lucena, dignissi-
mo presidente da provincia.-0 chefe de poiicia,
Antenio Franc sc> Corrtia de Araujo
RECIFE, 7 DE FEVEREIRO DE 1874.
Noticias da Europa-
Amanbeceu hontera em nosso porto o vapor
inglez Lalinde, da linha do Liverpool, trazeodo
datas de Lisbda ate 21 de jaoairo.
Dos joroaes que ricebemos colhjmos o que
segue:
PORTUGAL.
0 parlamento pirtuguez continuava a func
cionar, tendo sido approvada em ain'oas as ca-
maras a resposta ao di^curso da carda.
Para o dia 26 estavam m.trcadas, na igreja
da s6 patriarchal, exoquias solemnes pelo aoni
versano do passamento da imperatriz do Brasil,
viuva de D. Podro I.
No dia 20 reunio-se, em Lisbda, a assemblea
geral ordinaria do Banco de Portugal, afim de
eleger a mesa que tern de funccionar no anno
presente e o'uvir o relatorio da direc;ao. Para
compor a mesa sahiram eloitos: visconde de
PortoCovo do Bandair3, presidente; Jose Joa-
quim dos Reis e Vaseoncellos, viceprosidento ;
Visconde de Ribeiro da Silva e Duarte Sergio de
Oliveira Duarte, secretarios; Autonio Joaquim
de Oliveira e Henrique Gerarles de Assis, vice
secretaries.
0 estado prospero do estabelecimento eonhece-
se do relatorio, que, apresentando a somma dos
lucros liquidos do anno na importansia de.....
624:188i0S5, termina pela proposta de se divi-
dir 4 0|0 para completar um diviJendo annual
de 7 0(0, e destinar-se para a conta de consoli-
dacao do capital 90:327*608 moeda forte.
Por noticias de Triestre constava ter ahi
fallecido a Sra. D. Maria Thereza, condessa de
Molina, titulo que hoje tinha por ser viuva em
segundas nupcias de D. Carlos, orelendente que
foi ao throuo de Hespanha. A Sra. condessa nas-
ceu no palacio de Queluz no anno de 179J, era
Hlha primogenita de D. Joao VI, e por isso tiaia
o titulo de princeza da Boira ; era irtnii legitima
de D.Pedro IV e de U. Isabel Maria.
Em Campo Maior houee-am aconteciment.os
me sao assim narrados pelo Jornal do Cemmer-
cio, de Lisbda :
No dia 14 teve lugar em Campo Maior uma
grande reuniao de povo, com o Gin de conseguir
que uns zeladores, nomeados por aquelle muni-
cipio fossem despedidos, njraeacio esta que desde
principio uio agradou, e que mais ou menos deu
causa a cerla agitacao no povo. Uma forte massa
de populares foi a casa do administrador do con-
selho, e lhe pedio que interviesse para com o
presidente da camara, afim de abolir aquelles
funccionarios. No-dia 13 repetio-se igual reu-
niao, e aQual con*eguiram que cs zeladores (j-
sem demittidos. Nio satisfeito o povo ?om isto,
dirigio-se a camara municipal a exigir que se
acabasse por uma vez com o carrao funebre,
pelo qual se satisfazia ultimamente certo tributo ;
obtido um fav -ravel promettimento, grande nu-
mero de amotinadores quiz fazer justica por
suas proprias maos, e dirigindo-se ao local onde
estava arrecadado o dito carrao, queimou o !
t Succederam se alguns outros motins, e che-
garam a haver tnorras ao administrador do con-
selno e escrivao de fazenda, ameacanio ate que
queimariam os livros das matrizes.
t Tudo isto causou certo panico na villa, e
por isso se requisitou uma forca de cavallaria,
Sara conjuncumeme com o destaeamanto de in-
anieria, conter os amotinadores-
t Eff jctivamente, hontem de madrugada foram
para alii 25 cavillo?.
t Isto ainda nao foi sufflciente, e tanto que
hontem, pelas o boras da tarde, marcharam para
la 100 Uomeus de infanteria 4, e 50 cavallos, to
manlo o commando das for$as o Sr. major de ca-
vallaria 3 ; e a noite, em vista de um telegramma
do goveruad >r civil deste districto, partio para
aquella villa o administrador deste nosso conselho,
visto que a autoddade administrativa dalli, pedira
immediatamente a estes successos, a sua demis-
sao, bem como a solicitaram igualmente os cava-
lheiros que co npunham a camara municipal.
t A' ultima bora, acabo de ouvir, que a tropa
fui alii bem recebiJa, c segundo um telegramma
eoviado pelo commandante das forces militares,
sabe-se que a ordem comp'.etamentc se restabe-
leceu em Campo Maior. .
a Ouvi umbem, que se formou um partido de
ordem contra os amotinadores.*
- Cams de Braga diziam achar-se gravemonte
enfermo o arcebispo primaz daquella diocese :
Foram feitas as seguintes mereds:
Gri cruz da Con:eicao ao duque Decazes, mi-
nistro dos negocios estrangeiros da republica
uaacezj.
Commendas da Concei;io a monsenhor Liiz
Matera. ab-delegado apostoiico em Lisbda; Vic-
torino Rolrigues Ribeiro, porluguez, residente
no R o de Janeiro.
Commendas de Christo ao conle de Affonso de
Solis, guarda nobre de soa santidade ; visconde
Emmanuel de Harcouer, secretario da presidencia
da republica franceza; coronal Roberto Addisson,
suhdito loglez.
Habitos de Christo para : Gastao Allcot, chefe
de gabinete da prefeitura de Argel ; Mauricio
Jose Delapierre, francez ; Luiz Heraclito Foutou-
ra, brasile'ro ; e Mauricio Salh, francez.
Habito da Concoicao ,.,ira Joao da Cuuna Soa
res Gaimaraes, brasileiro.
c Esteve concorridissima. Depois da audiencia
nevo cardeal, suas magestades deram um lunch
40 talheres, em honra do novo cardeal.
t 0 eardeal sahio do paijo de S. Vicente cerca
das 10 boras e meia. 0 cortejo era aberto por
piqueie de cavallaria 4, seghindo-se depois
dous eoc'ies do patriarcbado, iudo n'um famulos
do patriarcna, e no outro o guaria nobre do Va-
tieano. Estes coches eram lirados a tres parelhas.
a Em seguida tinhain lugar tres coches da casa
real, no primeiro iam clerigos do patriarchado, no
segundo o arcebispo de Mitylene e o irraSo do
prelado lisbonense, e in ultimo o cardeal patri-
archa com o ab-legado apostoiico. 0 eoche em
que iam estes ultimos era puehado a oito.
Fechava o cortejo um esquadra > de cavallaria
4. Ossinos das igrejas repicararn todo odia.
Sahiram : do Porto para Pernambuco, a 13,
0 patacho brasileiro Arabe ; e de Lisnoa para o
Maranh.io, a 20, o patacho porluguez Mendigo.
ProceJeote de Pornarabuco eh gou a Lisbda,
a 20, o lugre porluguez Julio.
Receberam-se em Lisbda os seguintes tele-
grammas :
Madrid, 14 de Janeiro.Lopz Doininguez foi
u-tmeado lenente general. Decreto fixando ate 20
de fevereiro o prazo para a entrada no servico da
reserva de 1874. A Namancia chegou a Oran
com a junta e os insurgenles de Cartagena. Cre-
se que serao intemados. Parte das iropasque
cercavam Cartagena partiram ja em direccao a
Valencia para emprehenderem novas operacdes
contra os carlistas. Corre que sera brevemente
formado o exercito do ceutro destiuado a operar
contra os carlistas na provincia de Aragao. Lopez
Ouninguez entrou hontem em Cartagena com o
estado maior.
Paris, 13.- Os ministros retiraram a demissao
em i e-uliaJo do roto de coniianca. A assemblea
discule hoje a lei dos maires.
< Lon Ires, 13 de Janeiro.0 principe e a prin
ceza de Gal es deixam amanha Berlim dirigindo-se
a S. Pitersburgo. Os hollandezes coraecaram o
bombardeamenlo de Kratoa.
t Lon Ires, 14 de Janeiro.A fragata Numancia
chegou hontera a Merselkeber com 2,500 fugitives,
compiehendendo-se nestes Contreras, Gal vez e ou-
tros membros da junta de Cartagena. Entrega
raui-se lolos as auloridades francezas.
Madeira, 11 de Janeiro Pelo vapor Vigilante.
Cape Coast, 27 de dezembro de 1873 0 gene-
ral Wolseleye oestido maior com uma bngada
naval, forte de 4' 0 homen<, marcharam d'aqui
esta manna para Prah. As vedetas avan^aram 7
milhas alem de Prah sem encoutrar o iaimigo, o
qual deixou alguns morlos na linha de reliia-
da. Os regimentos drancos marcharam no 1 de
Janeiro. >
Oran, 13.Entrou em Merselkelrn uma fra-
gata hespauhola, que se suppoe ser a Mendes Nu-
nez, aeompanhada por uma fragata fran vza. A
Numincia foi tein actualinenle a bandeira franceza.
''Madrid, 13 de Janeiro.A Gazela pub'ica ura
decreto supprimindo o imposto de carga e de po-
licia naval. I'.na reuuiao de antigos deputados
da inaio.ia, deu por unaniraidade um voto decon-
lianci a Castellar, encarregando-o da redacjao de
um manifesto ao paiz.
Madrid, 13 de Janeiro.-0 almirante Chicarro
partio huje para Orau: 0 vapor inglez Walachia
ncenliou-se em Alnieria. 0 consul austriaco em
Malaga raorreu. >
Lmdres, 13 de Janeiro.-Taxa do desconto
esta a 3 1|2 0(0- 0 presidente Grant relirou a no-
meacio de Cashing para presidente do supremo
tribunal.
Madrid, 16 de Janeiro. A Gazela pub'ica o
decreto coustiluiudo um exercito de operacdes do
eentro, destiuado a operar em Aragao e Valencia,
e nomeando Lopez Doininguez para general em
chefe Publica tambem o decreto prorogando ate
31 de Janeiro o prazo para o pagaraento da segun-
da presiacao do era;>restimo naciodal. >
Versailles, 14, a tarde.A assemblea rejeitou
por 3 *6 volos contra 292 a einenda da esquerda^
pedindo que em u A i se altere a actual lei dos
maires.
Londres. 16 de Janeiro.-Cowen, deputado ra-
dical, foi eleito deputado por New Castle. Todavia
o numero dos votanles conservadorcs augmentou
muito.
Madrid, 16 de JaneiroOs bandos cantona-
listas de Despenaperros, dispersaram completa-
mente. Lopez Domiuguez partio para Valencia,
deixando um forte destacamento em Cartagena.
0 general kjuierJo suspeadeu a sua parti Ja para
a Catalunha.
Londres, 17 de jiueiro. Manifeslou-se o cho-
lera era Rotterdam. Dous mil alchinois atacaram
o quartel generel hollandez, mas foram repelli-
dos.
Madrid, 17 de jaceiro. -Tele*rammas recebi-
dos pelo governo anntinciam que a tranquillidade
contimia em todas as provincias. 0 jornal Revis-
la, quesubstituio a Reconquista, folha carlista, foi
suspenso por um mez.
t Madrid, 18 de Janeiro. -A Gazela publica o
decreto supprimindo a inamovibilidade pessoal dos
cargos. As guerrilhas da provincia de Burgos,
fortes de 2,500 a 3,000 homens foram completa
mente batidas, soffrendo prrdas consideraveis. 0
viaducto de Bouquilla, no caminho de ferro de Va
lencia a Almansa, abateu durante a reparacao;
(i:araui mortos 23 operarios. Foram suspeosos
mais tres joraaes por um mez.
Madrid, 18 de Janeiro. -0 tribunal de Carta-
gena pede a extradicao de Contreras e dos seus
companheiros por delictos cOmmuns. Sa'gas-
la leu hoje em conselho o memorandum as poten
cias
Paris, 17.Apezar dos artigos hostis das fo
lhas offlciosas de Berlim, os ministros afflrmam que
as relacoes com a Allemanha e Italia sao excellen-
tes.
t Madrid, 19 de Janeiro. -A Sazeta publica os
decretos nomeando os generaes : Portilla, capitao-
general de Valencia ; Izquierdo, Catalnnha ;
Turon, director da guarda ci -il; Serrano Bedoya,
infanteria.
Roma, 18.A circular do gover.u italiano por
occasiao da nomeacao dos cardeaes, garante tor-
maimente a completa liberdade do futuro concla-
ve. A condessa de Molina, viuva de Carlos, raor-
reu em Trieste.
a Madrid, 19 de Janeiro.0 conselho de minis
tros occupar se-hia hoje da Combiuacao dos gover-
nadores da provincia. 0 mesmo conselho de mi
ni-tros approvou hontem a renovacao do conlrato
com o banco de Paris.
> Londres, 19 de Janeiro. -0 papa enviou pejo
trlcjrapho os pezames a D. Carlos, por ocoasiao
da morie de sua mai >
c Madrid, 20 ds Janeiro. A Gizeta publica va-
rios deeretos1 um enviando Topete para Cartagena,
com delegacao de todas as attribuicdes do poder
executivo para prover a tudo o que for relativo a
nltima insurreicao e pessoas imolicadas n'ella;
outro decreto encarrega Zabala interinamente da
pasta da marinha. Lopez Domiuguez chegou a
Albacete.
Paris, 19. 0 artigo 2" da lei dhs vtiiret foi
approvado por 363 votos contra 328. Haentjens
retirou a sua interpellacAa acerca da situacao in-
-1 terna. a
1 Madrid, 20 de Janeiro.-A indisposicao de Sa-
gasta contimia. Nuraerosos reforgos foram envia-
dos a Santaoder.
HKSPANIIA.
Enlre o ministro do reino e o presidente da
ultyna assemblea trocaram-se as seguintes commu-
uicacdes; a d-> ministro do reino diz assim :
t Exm. Sr. Havendo nomeado o governo da
republica uma commissio composta dos Srs. ex-
deuuiados D. Manuel Becerra, D. Julian Garcia S.
Miguel, D. Veatura Olavarrieta, D. Fernando Leon
y Castillo, D. Angel Manu, D. Antonio Palau e D.
Benito Passaron, para que possam encarregar se
do palacio da representacao nacional durante o
ioterregno parlaraentar, rogo a V. Exc era nome
do governo se sirva ir ao citado palacio amanha,
II, as 3 da tarde. para a comtnis*ao levar a effeito
aquelle acto que a V Exc. pertence, como ex-
presidente da assemblea dissoivida. Deus guarde
a V. Exc. ramtos anuos. Madrid, 10 de Janeiro de
1874. -Eugenio Garcia Ruu. -Exm Sr. D. Nico-
lao Salmeron y Alonso.
A resposta do Sr. Salmeron esta conceblda nos
seguintes termos:
t Curies constiluintes. Se depois do atropella-
menlo que o legitimo presidente do poder execu-
tivo, qualificou de brutal, pdde admirar se alguraa
cousa n'um poder illegal e usurpador, e sem du
vida o offlcio que V. se servio dirigir me com data
de hontem, e ao qual nao respond! logo por o ha-
ver recebido a 10 horas. Oevo, primeiro que tu-
do, fazer constar que nem-nas mais radi.aes re-
volucdes, nem nas reaecoes mais violentas, que
tanto, por desgraca se snecedera, tem havido go-
verno alguin que chegue ate a despojar as com-
(missdes de governo interior das cdrtes do eneargo
que receberam pelos votos dos deputados; que
nem o desejo de vinganca, nem o desenfreio da
concupiscencia, ousaram nunca arrebatar o car-
go de honra qne do uraa a outra representacao
nacional se couservou sempre.
< Mas o doloroso acima de tcda a ponderacao.
e que honrara a discricao desse governo, e pre-
tender que o presidente da assemblea, esraigada
pela forca, e dissolvi la pelo decreto que as bayo-
netas dictaram, de posse do palacio das cdrtes a uma
commissao, se bem composta de honradas pessoas,
nomeada para consummar uma huinilhacao sem
exemplo na nossa historia.
A entrega do p dacio da representacao nacio-
nal pole e deve faze'la neste caso a guarda civil
encarregada ao raeraoravel dia 2 de Janeiro, da
defeza e cusiodia das cdrtes con-tituintes, e que
tao nobre e lealraente curaprio a sua sagrada niis-
sao, mas nao quein uunca infringio as leis da sua
patria, nera faltara nuuca as leis da boura. Deus
guarde a V. por muitos aunos. Madrid, 11 de ja
neiro de 1874..Vicoldo Salmeron.
- Os carlistas entraram em Albacete; a faccao
Santos, que foi a que entrou na capital meDciooa-
da, nao levaria menos de seis a sele mil homens.
os quaesse apossaram da povoaQao, depois de uma
uta de seis ou sele boras, coaservando-&e nella
outras tantas, destruindo o telcgrapho pertencen-
te ao governo e o da estacao ferrea, queimando o
archivo da admioistraQao econoraica, o provincial
e o do registo civil, e levando 9,000 duros da ad-
rainistracao, alc.n das existencias do tabaco e pa
Sn'l sellado, outros 9,000 da estacao do carainho de
erro, 20,000 da delegacao do banco, uus quarenta
cavallos da rcraonta e mais alguns de particula-
rs.
Ao partirem, obrigaram a segui-los, na qoali-
dale de refens, vinto pessoas, pelo resgate das
quaes pedem a bagatella de 40,00J duros.
Duma correspoudencia, dirigida ao Impar-
tial, escripta em Cartagena a 15, extrahimos os
seguintes porraenores que preeederam e seguiram
a tomada dessa cid de:
0 governador do forte da .italaya, Lourenzo
Garcia, mandou um parlamentario ao brigadeiro
Carmona solicitando a rendicao o indicando que se
realisaria a meia noite.
0 brigadeiro aceitou a proposta e tomou a-
suas disposiijdes, tendo orJenado que estivessem
promptas as forcas de MaJrid, Africa, engenhei-
ros, arlilheria e o regimento de Farnesio. \'s 12
horas, sahio o quartel general com os chefes de
brigada Sanchez Mira e Molto. 0 regimento de
Farnesio estava posiado em lugar con.enieate para
ajudar a operacao. Chegados ao castello, o go-
vernador negou-se a fazer a entrega, mas a alti-
tude dos soldados que guaneciara Atalaya e a
cbegada das primeiras companhias decidiram a
Juaslao a ponto que dez miautos depois as tropas
o governo tomavara posse do castello, quando
Gal vez a frente do batalhao de Mendi-
avancava
gorria.
a Ura sapador que estava de sentinella fez fo,?o
e raatou o primeiro official insurgente; travou-se
depois combate com as tropas de Galvez, que ti-
veram 25 prisioneiros e 7 mortis, fugindo o resto
precipitadamente.
er Ehcontraram-se no castello 23 pec as, mas nao
havia projectis; foi nesessario empregar o resto
da noite em levar municoes para o castello, ope
racao feita sob um terrivtl fogo de metralha de
Galeras e da praca, onde ja se sabia o que succe-
flera.
Entretanlo a junta comecou a intimidar-se e
os batalhdes da Iberia e de Mendigirria a mos-
trarem-se dispostos a entregar-se. Debalde Ihes
arengou Galvez, afflrraando Ihes que no dia 13 se
sublevariam as cidades mais importantes, os sol-
dados insultaram no e Galvez foi participar aos
seus collegas o que se passava.
a A junta resolveu fugir, e o resto da povoaeao
noineou uraa coramissao para se entender com o
general e propdr a entrega da pra^a.
o Esta commissao apresentou as seguintes con
dicoes para a rendicao : indulto geral, reconheci-
mento dos postos e sahida com as honras de guer-
ra.
Lopez Doininguez despedio os parlamentarios
sera querer ouvi-los, prevenindo-os de que no dia
seguiote, as 8 boras, roraperia uovamente o fogo
contra a praca. Voltou a commissao propondo
cmdicdes mais limitadas; o general declarou-lhe
que nao aceitava condicdes.
t Pela volta das quatro da manha, dirigiram-se
alguns oiliciaes do quartel general com 23 cavallos
para a porta de Madrid, prelendendo entrar na
praca. Os soldados que alii estavara de guarda e
os dos baluartes deram-lhes passagem, e immedia-
tamente tratou-se de metier em forma o batalhao
de Mendigorria, que obedeceu.
a Os oiliciaes o o piquete de 25 cavallos, per-
correrara a povoaQao e chegando a muralha que
deita para o mar, a Numancia, que estava pronip-
ta a largar, tendo a sea bordo a junta e uns 2,000
insnrgentes, cortou as amarras e fez-se ao largo,
e lego em seguida largou o Davro. A esquadra
hespanhola, quo estava a sahida do porto, foi em
perseguifao dos navios cantonaes. Quando a Nu-
mancia passava perto da Victoria, esta jngou lhe
uma banda de arlilheria, a que a Numancia nao
respondeu ; a Carmen fez o mesmo, e a Numan
cia respondeu, porque a Carmen e de madeira.
Arabos os navios da esquadra foram perseguinda a
.Yumancia; os reslanles, vecdo ao romper do dia
que o Alerin batia oDarro, foram em seu auxilio
e aprezaram o Dairo com 73 insurgenles, que es-
tavara a bordo.
t A's 4 horas da tarde, enlrava em Cartagena o
general Lopez Dominguez, seguido do sea estado
maior, e commandantes de brigada, pereorrendo
as principaes raas da cidade Visitou depois o
hospital e rocobeu os cumprimenlos do govern -
dor da provincia e da manicipalidade, e pooco de-
pois a visita d s almirantes estrangeiros, dirigln
do-lhe o almirante inglez Yelverton. calorosas fe-
lioilaijdes.
a Cartagena e um montao de ruinas; poia
raro o edificio que uao soffreu alguraa cousa
o bombardeamenlo.
a Os armazens foram abertos, saqueados, e o
que continham esta destrnido. As mercadorias
apresadas aos vapores mercantes, nao repartidas
entre os cantsnaes, foram lancadas ao mar.
t A" bordo do Darro (oi preso ura tal Pitero e
o indio Dionisio. qne envenenaram a agna das
cisternas dos fortes de Galeras e S*. Juliano ; mas
descobrio se o crime a tempo de se preveoir os
soldados.
a A Numancia deve a estas horas ter sido en-
iregue ao almirante Chichorro. qne foi a Oran para
a receber. Um telegramma de 15, daUdo de Pa-
ris, diz que eram entregues com ella os nresidia-
rios Os outros insurgenles serao inlernados aa
Algeria.*
< Como medida previsora para a emigrarao, os
iosurgentes tinham guariado na Numancia e bo
Darro uns 80:000 duros, de 5 a 6 milhOes de
reales em generos, e cerca de 11 arrobai de prata
em pasta.
< D'entre as ruinas dos edificios extrahiram-
se 300 cadaveres, e julga-se que ainda haver*
mais.
c Algumas cartas de Cartagena asseguram que
D. i'o ]ue Barcia e o commandante rebelde Bene-
dicto se apre.-fiitirain ao brigadeir i Carmona a
sua entrada na praca, e que depois muita gente
os vio passear juntos.
c Segundo outras cartas escripUs a Politico,
entre todos os expulsados de Cartagena pelo mori-
mento insurreccionai reina grande indigna^ao ao
ver livres e ate com ares de triumphadores muito*
dos que mais contribuiram para o movimento can-
tonal. Dizia se ate que a municipaiidada ultima-
mente nomeada se demittira do sea cargo para
nao autorisar com a sua ac juiescencia eertos
actos.
c Os ultimos periodicos trazem mais correspoo-
dencias de Cartagena, descrevendo o Iriste aspecto
daqnella cidade, mas sem accrescentarem nenhn-
ma novidade ao que deixamos extractado.
< Tambera -an unaniraes lodas as cartas do mio
effeito qne alii causaram as cunsideracoes dispeo
sadas aos chefes insurgenles e aos sens principaes
auxiliares civis. Barcia refugiou se afinal no con-
sulado de Porlu-jal. segundo parece ; oalros, po-
rera, dos mais revoltosos estavam em suas casas.
ou andavam passeiando pelas ruas.
f E impressao em Madrid, a ponto de que o (iobiemo,
um dos orgaos minisleriaes, diz o seguinle :
c As cartas particulars de Cartagena qua se
tern recebido em Madrid sao mui pouco consoiado-
ras para a causa da ordem e para os principio?
de justiea, pois muitos dos insurgenles continuam
na maior iropunidade passeiando pelas ruas da ci-
dade, como se nada hoavessem feito. Cbamansos
para este escandalo a attencio do governo, omit-
tiado hoje pormenores que realmente indignam e
que desejavamos nao ver confirmados.
t Se os ministros querem verdadeiramente ser
dignos da missao qne tomaram sobre seas hom-
bros, e necessario que inoatrom a maior energUe
que nao con-iniam qne a dictadura seja nas soa?
maos fragif e leviana.*
No dia 11 foi preso por ordem do govenudor
da provincia o ex deputado federal U Emygdio
Santamaria. 0 Sr. Garrido, tambem ex-deputado
federal, que se dirigia para Toledo a tratar de ne-
gocios particuLtres, segnuddo disse. foi tambem
detido na esta^io do caminho de ferro ; estao (am
e outro) nas prisdes de S. Francisco. Os generaa*
Patino, Ripoll, Hidalgo e o brigadeiro Ann conti-
nunvara naquellas pri-fies.
Lemos no Jornal do Commercio, de Lislxia:
Os periodicos de Bar :elona de 8 ale 11 dizem
que os federaes travaram a lota na quinla-feira
passada, tanto na cidade, cuino no povo de Sans,
cuja luta causou quarenta mortos e am numero
de feridos que nao se determina, mas que foi com-
pletamente esteril. pois as tropas alcancaram brev*
a victoria.
i Em todo o dia 8 notou-se grande agitacao boos
bairro? extremos da capital: grupos de interoa-
cionalistas percorriam as fabricas exigindo qae se
fechassem e quehrando as peoradas os vidros da-
Suelias cujos donos e operarios nao queriam obe-
ecer a taes exigencias.
A autoridade redobr u as suas precaucfief.
em vista da certeza de que se ia perlurliar a or-
dem, nao so na capital, senao nas aldeias immedia-
tas, especialmenle em Sans e Hortafranchs.
i Effectivamente as hostilidades romperara-se
neste ultimo ponto as 11 't da manlia.
c Tendo se separado da sua forca o capitao de
uma companhia de cacadores de Tarifa que occu-
pava a igreja da povoaeao. toi assassinado com am
tiro de rewolver na cabera. Foi este o signal da
luta.
t A companhia encerru-se na igreja. e avisado
o capitao general, este determinou que o coronel
do regimento de Bailen Sr. D. Marcos Vidal fosse
em seu soccorro com quatro companhias de Bai-
len, duas de Tol?do e duas secedes de cavallaria
de Tetuan. Os paisanos incendiaram a igreja,
rompendo o fogo contra os soldados.
0 coronel da (oTQa, que recebeu na sua mar-
cha aviso da situac.ao apurada em que se eocon-
trava a companhia de Tarifa, mandou partir a
marche-marche, e posto a frente de uma das sec-
SSes de cavallaria dirigio-se a galope para a igreja.
ispersando se os paisanos a sua chegada e conse-
guindo tirar da torre a companhia sem haver tido
o qae lamentar mais perda do que a de am alfe-
res ferido.
Immediatamente ordenouo roronel, Sr. Vidal,
qifr parte das suas forces se dirigisem para Sam.
A tropa 'oi arrojando os paisanos das casas qae ia
tomando entre um nutridissirao fogo de [pzilaria.
Os paisanos, por ultimo, reconcenlrarSVn-se na
igreja de Sans. Ao dar a ordem de ataque contra
este edificio, chegou um novo reforco, qne junto
com as demais tropas apagaram os fogos da torn
da igreja. Os paisanos fugiam arremessando aa
armas.
a Dous offlciaes com onz soldados de Bailea
foram os primeiros em assaltar a igreja, tendo ti-
do um dos oiliciaes de lutar com um dos paisaooa,
a quoin deu a morte.
c As perdas da tropa foram dous soldados sk
cavallaria e dous cavallos nmrtos, dous offlciaes.
dous ratios e seis soldados feridos e quatro coats-
sos. Dos paisanos virarase ires murtos; toma-
ram-se-lhes mais de 300 .in..as e muitos eaixotes
de municSes.
i Emquanio succedia em Sans o que acabaaaos
de r. lalar, diz o Diario de Barcehnu, tocavam os
paisanos a rebale nas ruas do arrabalde de SaHo
Antonio.
Em segoida coll>.caram-se sentineHas de paiM-
bos anuados nas bocas das ruas da Padrd, ocei
uando as casas e principiando a levantar barn
das nas ruas de Poenle, Cera e outras.
t Dirigiram-se al!i forcas do exeicit> de n
taria e de artilhi-ria e romperain, um r.go n
dissimo que daron mais de uma hora, funceioosa
du basianle a arlilheria. Ao pnucipi?r o ataoae.
reforcou a columna que o levava a effeito, UaUAao
de cacadores de Cuba que estava na praca de &
Desalojados os amolinado? das ruas do asta-
balde correspoiidentes ao lerceiru disti ;cto, corre-
rara p*ra as de S Clemenle, Amalia, etc,
quarto districto. ____
a As seis rompinhhs de cacad-.res da GoBa, a
qu- "o- ref rimos, Snb o command > lo seu teaesi-
te-corouel D. Jo;e ilar, peaetraram pota li 4


M
*


.-.-. Yv-*~*

f
Hi. '
A .(1 % 'ilM.;l#^ de PernamDuco Sabhado 7 de Fevereiro de 1874. flj
fmm, e d'alil das bocas das rasa ppp/f Miff IHgPMBfeJfttU i-
ogo bnstante uuJiLJq, e mtnlo mats vivo amoa cm FTm do dTa rnolivatra ae
freote das ruas^fiWfera alta c baixn. 0 fofo de-
tente era q#t>l"Mlo. A tropa foi avaneando
sempre e atravessouv a rua f,de. Carmen, em tod*
"' e rua de Santo Auto-

"
approval* (ior 36* votes centra 308.
A nam.ua dectdio qe a lei do* main's fosTOi do-fcolM,
,- Idc terra, partindo omaitareo do joanete ejrahde,
SftrTOTflJ%f foi e cap/ando diver-
a sua longitude,, p J*radd
Bio Abad, ale as Escolas Pias. 0 espar.o doan-
tigo arrabalde c unprchendido desde a rua de Car-
men ate a rua -ton U de Santo AnlonUhtteou entao
dominado pelas forcas# exsMito.
Apraximadaraenta a m|i hora prineUiia-
ram-se a levantar banfcadas na pane da cidade,
comprehi-ndidas entre a? ruas do Hospital e Con*
oeAssalto, e que abrangenj as de P.ohadnf, 3.
Raphael, Amslia, S. lerenymo,a1eni, S. SaeVW,
etc. Ao prir.cipiar a aoite ja se nao ouviam tir *
e as nn- da cidade aniiga viam-se p meo menus
quo desertas, f.-ehada#- n& aaa maioria as por-
tas das lojas e abertos to ui pustigo ,
Tendo cessado complctaraente o fogo ao aaoi-
tecer, o batilhao dc cacadores de Bejar licou
occup3ndo a rua de Carmen em communieacao
cmn a- forcas das E-eola Pias, e o hatalhao de
eaca lores de Cuba collpcou se nas casas da rua
de Ruada, entre aquellas e o quartel de Paulo.
As tropas, conveniei.temente di p-.-tas. deviant
emprehcuder o atsque por diftVreiites pontos ao
sow tres tiros de cantfto em MlUtjuieli: as aeis
e meia da manba de 9 fez ?e o signal ; as tropas
avancaram ; tnas acharam a* barncattas abauj.t-
nadas e nfto h live n.ira'J-ita.
t A insurmcao, diz o Oiario, apressntnu-se em
JO las as paries fraca e mal dirigida, e jotnquaiito
ja cert' uc as tropas sulTreram ao toJo umas
?|uarenta bstxa*, estas, mais do tre a resisteHcix,
ora>n devidas as dcsvanlagens com que ha de
apresentar-sea tropalids mas, .ht'.indo a eurp
dese hert> centra um -inimigo oecdtto p *r traz aas
barricadas e uas casas, e ao h.;iH armamento t nil .m os jWMieanos foram armados com as melhores es-
pthgardas Berdan qe havia no parque daqoella
pra^a.
Grande part'e dos insurgrt>s tlnhara ids de
flftfte |'iar-se cim os OWpeifWi de Sarts e !
fiatieds e jiifir'x ir.archara n iMra Sa^ad se tinlia levaOtadtJ o Sr. C pi com os roluu-
tarins.
a A primeira <\nia que (ia-ram fni imir nitia
Ccntiibiiieao rte 8.00 dares a.s 125 inaiores
edatrlmmMs e tfflhftAr nas Bsqofnas proeiUHje
qtw i slifipunliam feitas em Barcelona no dia
airterior e assigr.ad is pelos Sr-. Salmeron Figueras
e Pi v Margall. Os Insurge tes eram calcnlados
em 8;000, segundo os viajaales ctiegados a Barce-
lona.
< En Matae f6ra tambem alterada a ordem,
sen !n demittila a mudieipalidadrt e esiabelecen-
do ss amajuBta de sah'a^to publica ao cm-tarem
os acinteciin'.'flt'is de Daii'eSuna; os insiirjente.-,
porem, que marcharam psra a capital jolgando
(riamphantes os sous amigi.s, reruaram ai sahir
lhs ^o BMBOBtro i) t.atalliau de cacudoresde Tarifa
e UHMrMn caminh) di Sabadell.
As segain'es linhas quo a G zela de 12 pu
Mica paraeera r^nunnciir o fun deSses aconteci
inentos:
0 brigadeiro Salaminca participa de Tarra-
g"ma |uy tendo se insurreccionado as forVas que
cmtioian !ra o C'lic das B trraquetas, que con-
si'iain ii'hmi baulhao de v'.liiiilarios que estavam
de guarnreao em M itaro, o *neral em cHefc, com
paiie da guarnicao de Barceluiia, sahio para
Shrrii. pnde aqnelles estivam, e depdia de algo
Aas Keras de fugo, bate* e dispersun compleia
meiiie os rebeldes Ao enirar na capital dc re-
grrtsso com iO prisi inciros colliidos, e deniro da
jxivnTii-ilo, aljjiins gropos fuerani fugo contra
e>-,)l-. i", resp.m I lido estae, 1i-persando Oi grupos,
lieando resiabeleiiila a tmlem.
Ftse jornil acnveenla :
A'ivrea do succelido em Barcelona so lia a
arre~centar qm us insurgautes de Sarria asi'pn
di.im a 3 ou 4,'XK), e o-co-nbaie duroa qnatorze
htras, tendo-se feriJo orimeiro iia (uella p.>v.acao
e dep :is na monlanlia vizinha, onde fKaram
gran le nmnero de morti s e prisioneiros dos re-
beldec.
< Os de Sibali'l! e Mafaro, ao saberem o rrettl
tad i! i Iota, e ao verem qtie se aproximavam as
traps*, arrernessarani as anna; e dispersaramse.
c Pelnlo indultn p. !> Chic do las Barraquetas
e evidente que tudo alii concluio.
a respeito da luta en Barcelona ha ainda
al.'iins ponnenores. Ao (Shtgar e liaialhao de ca-
cidores do Cuba a rna do arr.ien f >i recebido
com nina descarga quo nao bastou para o eonter;
Has onJe h iuve uma verdadeira luta, luta encar
nicada por ambus os lados, foi nc punto onde des-
e.nbo tm a rua da Riera Alia e da Riera Beja.
Alii tiviram quo detcrse as tropas at6 qne, en
viado'-. ri'forC'>s, p>)dcram ace immelier a barricada
levantala no extreme da rua do Carmen, perto da
praca do Padro. Ao mcmn tenij>o era aticada
pela pn$a da Uuiversidade Nova, a rua m Poenle..
onde i>< vulunta ios faziam uma resi.vtencia deci-
dida, ate > extremo de ler que funeciunar a arti-
Ihena. Ao cabo de qaatfo boras de nm logo hor-
rapHOft, cederam os in.-urpc.ites.
a 0 correspnndente da Ditenttion, cu]a carta de
il ins'rta naqn-die diario nos serve de guia, diz
q ie os cacedores do Cuba foram repellidos no
primeira en qae, c oue as inulheres liana um
grande pa pel na rua dc Poenle pois que das
laeadas dkparava'm com mu ta serenidade as suas
esningarUns.
n as ktaixas uas roas in mcioaadas foram name-
roMto, vendo-se ainda no dia s-guinto grandes
charcos de sangne. Ao po la esquina i|ue forma
a liia de I'ocote com a do Carmen, caiiio niorto
uos primeiros instant .; am egundo sargeato, atra-
vcssaila a cabeca por um.i bala que lhe entrou
pela boca. Junto d--llo cahio morlo tambem um
aoMado quo receben nas fnntes a ferida que o
pfHRiB da villa. Mais d.ius ( ridos, um delles tinlia
a mao atravcssaJa pela bala, ouir-i uma ferida na
tesla.
t As einco horas tudo estava sileocioso.
A loteria de Hes;)an!n, extrahida 20 de Ja-
neiro, dn a seguinte resultado :
Ns. Pesetas
7,841 16 ",000
2,47-2 80,000
8,363 40,1100
11,820 10,000
Com o premio de 3,0"0 pesetas os seguintes :
7,183,4 071, 49, 13,964.6.060, 12,357, .1,867.
14,978, 1,730, 10,020, ;0,<<67, 8,132, 2,9tt, 4,736.
3,680, S,i92.
raaMBA.
No dia 10 de Janeiro reunio-se, em numera
do mais de cem deputados, o centra dirsito, e
foi abi decidido por juma unaoimidade que a direc-
ieao on mesa desse centra se dirigisse immediati-
ni'nte ao vice-presidente do consehio para I be ex-
primir a elle e a todos os miniulros a Hruie reso-
4u^ao em quo o centra estava de os. manter com
to la a energia, e de com etles ccmbinar nos meios
de nianii'e-tar ao paiz o perfeito accordo da main
ria com o governo.
Corrospondeacias de I'arts dizem que falla-se
#m noraear o duqucde Aumale presnlente vitali
cio da republiea, eonfiado en que o centra es-
qaerdo devia dar alguns votos em favor desta
proposieao.
Se e certo qne algtins do centra esquerdo pd*
denam cirneorrer paraeste piano orleani.-ia, etam
- bem fora de du vida qOe a ex! rein a dir.-ita e a direita
moderala serlam inllexiveis contra esta tentativa :
do mesmi ir.odo os bonapartislas e tolas as frac-
des repubbcanas tornariam infruciuosos todos os
estorcos n'este sentido.
. Levanu u-se uma diseussaa vohemenie e in-,
soltosa entre o bispo de Orleans, Mr. Dupanloup
e Mr. Vielbt, redactor do Universe E' causa desta
Infa pouco ediGcante o caso de se ter ceIei>rado na
cathedral de Orleans um officio fuueure pelos mor
tos na ultima guerra.nao se tendo consentido que a
ella assisti>sern os znavos do aapa com sett es-
tandarte que tern por emblema o Sagrado Coracaa.
O Uawerso chamou a esta expulsao dos zuavos
uma infuttfiia e atribui.j-a ao bispo Dupauloup.
O bispo, cbeio docolera pouco evangelica, respon
de: a Infamia sao as vocsas invenoes e as vossas
caJumnias. E .piando testemuuhas autorisadas vos
ihottram a verdade, v6j persistis em voasos ul
ft n'este estylo continaa um acervo de insolen-
ciaa. Mr. Viellot reiiponde menos contido, porem
ainda mais mordeDte
As urd'*ps do dia prapostaa a assembled de
Vt'rsalhes sobre a ense ministerial foram as se-
guintes :
A primeira do Mr. Kerdrei, era aestes termos :
A asse:iibliia, cousidcrando queo ministerio
n*o pTil u a sua confianca, passa a ordem do
di
.Ajhguuda de Sr. Raoui Doval, era concebida
nfstes l'i .- :
yas>,-1111:1*4 di'sejandtf qua a alia autoridade
por e|ta i- mtl.tda e que ella deseja manter uas
fo prt-Mjente da re^nblica, nao seja com-
jii-.tQlUbda p.'l int-rvencao de nenhum espirlto
lid mfloiado na gweneia dos negocioa-pu-
Wieos, passa a rlMem do dia. o
A e-qaer i. ; r ,p vn a ordem do dia pura e
jgtmpm, sendo esta primeiro votada e rejeiiada
sem dj-mora d\scuud.! 'ssim no dia 8, a a-sem
bWa vota o adiamento desta dlscussao, e no dia
12 v fa a'discussa'i immedlata sem'qon tenlia o-
brevindo outra razao m us do que a pressao mi-
nisterial B M>-
IMUiSNDk;
As neticiajfUeiaes de Penaug 'Kzem que
forcas hollaie sigit. Ha W f-irtafcza foi tomada de assalte
de'po|a AS esfefplda defeza.
Osl huflimtana tiverasi 17 mortos e-107f.Ti'dos.
Os iriatigos nao soffreratn muito, porqa-i est*
vam wAlirigodc fortidca.oes bnndadaa.
Giafnuain 'is trabalhos de assedio Uontra Kra-1
ton.^ estado sinitario das tropas e^eHior.
'**' *l5GLAT>.ffR.\.
As folhas inglezas mustram se iostamente irri-
talas contra os fabrieatHes de Biiii|raam, 11 coa
tra os armadores da La*eri*ov 4*. *edendo as
inspiracoes de uma cubiea inimiga da sua patria:
coffseutem em vender e Irahsportiw armas e pot-
vra de Ingtaterra Dara os aehaafis. Um aavio
que navega'a n'aquellas paragen- f-o revistado, e
foram encontradas a sou bordo ifiHQ espingardas
e srande por iio tie poWora.
Esies tniseraveis em culadores, diz uma folha,
que a tfnco de algnm ourb miriistram Sbs >nlva-
gens instrnmenfts de destruicao centra of. solda-
d de sua.palria, mereciant alguma ca*a mais
do quo a animadversio publica : a perda da
merc.adorias ew que ssmava uma aegoeiacao
infame nao e bastaute i*na para tal i-rime.
Continuam as graves preoccupacZes deque
este anno sera de int iisa fome na India fdgtea.
Comejam os preparati\ os para attenuar este fla-
dfllo
Abrem se offlcinas por "Onla do estado, fazem se
largai ct'nhpras de proVisSe; de generos aliulenti-
cios ; rteeia-se, l6d.avia, qu'e todos e sejam impotentes para obViar ao terrlvel mi
niig'h.
WBlA.
Nit Jomul da ComMtrnlo, fle'lr-boa, encontra-
mos Vis s->pt1intes noticias le H.-iWiaiui, em data de
6 -le de/.vo.bio:
c No dia 3 'fo corri-mc >e sofemffisou c >m um.i
indes-riptivel pompa na nova igrej portugiie a era
Boinbami a testa do -eu padroeiro e apostolo das
In liasS. Francisco Xarier. Magnificas ramadas,
'samWBo-;os areos se orguiam em derredor do tem
ulo ondas de povo so viaoi erguer em uma gran-
de ext*nsao e ate n..s i*uas. Era grande o nume
ip do clerigos. Commungaram quasi mil e qui-
nfielftas pessoas. '
A uu-sa foi celebrada pelo Rvd. Pagani, pa
roch-i la cathedral da propauanda, e as vesperas
foram capituladas pelo Rvd. Esseva, vigario geral
da niesma. Pregaram no dia da festa o 5r. padre
vigario de Bamiora e padre mestre Amayde. A
procissao i m qne tomava parte um numero espan-
t is dos c nfrades.'fbt na verdade imponente. A
Imc-a band assistio a ambos os actos e deleitou os
circumstantes com pecas escolhidas de musica.
No tim da missa da festa (eve lu.jar a pri-
meira renbi.io da -sociedade de -. Francisco Xa-
ier, uma assoeiarSo gigant-sca qne ha um anno
foi est-ibelecida aqui e que coma hoje quasi nove
mil nemliros. Foi presidida pelo Rvd. Gomes, vi-
gario geral e superior das niissoes do norte, ser-
vindo de seerctario o Sr. -Lucio de Souza. 0 lim
desta sociedade e verdadeiramente grsndioso o
de auxiliar a nova igrea e iustruir os DOSSO&pa-
tricios destitmdos de meios em differentes prolis
soos mechanicas. Sustent i para esse tim alguns
estabeledin -ntos cimo o ds tecelania, das obras
de latao, cobra, etc.
t As varias amostras dos artigos obrados pelos
nosstft patrleMki estavam eXpsstas no adro da igre-
ja e eram admirndas por lidos. A sociedade alem
disto anxilia os metnbros pobres nas suas enfer-
midades e quaesquer ontras necessidades, dando
ate a somma necessaria psra o sou enterro. Os
inenihros tem o dever de concorrer com o snb dio mensd pelo mends de um anna em beneflcio
da sociedade e nao c peqncna a somma que se
colige.
0 Sr. padre mestre Athayde recituu um bri
llianie, dis-urso demonstrando os benelicios que
haviani resultado a communidade goana do esta-
belecimenlo da sociedade de S. Francisco Xavier.
0 Sr. Dr. J. Nicdao da Fo-iseca foi eleito presiden-
te da sociedade. o Sr. C Maria Fial-o, tliesourei
ro, e o Sr E. liernardo I'ordeiro, se:retano. Alem
disto foram nomeadas algnraas ontras coirimissSes
para boa direccao do? sens trabalhos. Merccem
espechl mencan os Srs. Pedro Simao daSilva e
Miguel Paulo Alvares, que.olTereceram casas gra-
mitas para os supramencionados estabelecinietitos
da sociedade ; e o Sr Finscca qne servio gratni-
tamente ate com medicamentos a mais de duzen-
tos enfermos, nossos patneios.
t Em resultado do apuramento quo se proce-
deu em Pangim, no domingo ultimo, da cleij.io do
circulo ile Nova Goa, foi prdclaina lo deputado o
sympathico ex-ministro do uliramar, antor das nl
tunas regenerador.is reformas, Sr. Jayme Con-iau
linode Freilas Moniz, com a maioria de 4,419 vo-
tos sohre o Sr. Lobo d'Avila, que obteve ao todo
1,453 a quasi totalidade dos quaes nas assembleas
eleitoraes do conselho das lllias, onde os homens
to como bem Ihes convinha.
a No dia da proclamaca? o? povos eclebraram o
triumpho do regenerador do seu paiz, com fogos,
musica e outras demonstrates
,s ontras avarias..
7.is. Pelo Sr. capita^ GraciB-
de policia do termo de Itam
,t<'Fa|.tionteiiiTemeilidas ao Sr. Dr. chute d&-poli-
cia, 40 lacas &* panta, 2 cam votes de mob *! |Jts
lob, t idas essa's annas apprehendidas no disiricto \
de su jarisdiccao.
Fregaaezita d>s .Vf.tgAdos.Asaudien-
*fcis do joiz i de pax do 1 distnglo desta fregoezia
as 4b.> n.is qtiarta-ieiras de cada samdJla, aa rua Di-i
reha.
Tvavessa d Peaha. Moradores deata
rua nos pedempara chamar a attenfii) da asm-
rida-le competent.; para o estado lastimoso era
qaesella so aclra, estado que imposaibilita *> che
gar-'se a porta lo> estabele^imsatos abi xij-
ten es.
Para o sul.-Ante hontem paisou a vista de fgi o i>r. Pttrtainio ontro
terra', do norte para o sOl, um
f
tin-joas.
!\'oti*iM das
C'oegou honlem, pela manlia, o vapor brasileiro
Duque de Caxias. da companhia Buhiawi, proce-
dente da Bahia ptlas oscalas.
Nio foi portador de jornaes da Bahia e de
Sergipe
No dia 2 do correnlo foi assentada, com to-
da a solemnidade, a primeira pedra do edifieio
mandado construir pelo governo imperial, a pra-
ca do quartel do lin a. para servir fie deposito do
ariigos bellicos.
Na villa do Pao de Assucar e na povoacao de
Agua-Branea contmaavam a lavrar a ictericia, o
sarampo e o typlio.

REVISTA DIARIA.
Gunrda naciunal -Pr portarias da pre-
-idencia da provmcia, de 4 e 3 do corrente:
Foi nomeado capitao da 2* companhia do 23
hatalhao de infantana do municipio de Santo
Antao, o tenente aggrega lo Pedro Secundino Bar-
bosa.
Fo[reformado no raesico poslo, a seu pedidi, o
capitao da 3" companhia do 17 batalhao de iufan-
taria do municipio de Pao d'Alho, Antonio da
Costa Pereira
Mand iu-se dar guia de passagem : para o mu-
uicipio de Sauto Antao, ao alferes da 3* compa-
nhia do 2i hatalhao de infanteria do municipio
da Escada, Juvencio Silvino Soares de Freilas ;
para o munu-ipio de Olinda, ao capitao do 4"hata-
lhao de infanteria do municipio do Becife, Joa-
quim Cu-itodio do Oliveira
AdJUntu de pro mo tor publleo.
Por portana da presiuencla da provincia, de 5 do
eorrenle, foi exonerado, a seu pelido, Lydio Ma
riano de Albu inerque, de adjuuto do promotor pu
bli*.o da comarca de Goyanoa.
alary do Recife. Comparecendo hontem
.'(9 juizes de facto, as-im Scou composto o conse-
lho do senienca : Dr. Joaquim Jose Ferreira da
Ro ba Junior, Jose Francisco Bibeiro de Souza,
Franciseo Antonio de Brilo, Pedro Jorge da Silva
Ramos. Joao Joaquim Alves, Francisco Antonio
Pontual, Demotrio Rodrigues Leite, Zeferino Jose
da Costa Valente, Jesuino Ho-.lrigues Cardoso, Joa-
luim Jose Silveira, Pedro Januario de Paiva Dias,
4'edro Ratis de Barges
Foi submetudo a julgamenlo o rco Luiz Bom da
Costa Marinlio, pronunciado no arligo i03 do co-
digo criminal, e leve por arjvpgado o Sr. Romual-
do de Oliveira.
Em vista da deei.-Jo Co jury, foi absolvido.
Com este julgarneato eneerrou se a primeira ses-
saoordiaariado jury desta capital do corrente anno;
deixando de ser aceita a prorogacao da mesma
proposta pelo Exm Sr. desembargador que a pre-
sidio.
Vapor l*oanaI.-Te!egramma do Rio de
Janeiro, da'tado de hontem, diz cjiie o apor ,fran-
Cez Donnai, da linha de Bordeos, saae boje d'alli
para o nosso purto pelo da Bahia
Duquejd* Caxlds. Sahcamanba.a tarde,
para a Bahia, pelas fecaUs, a vapor brasileiro Du-
que de Caxias.
Desastre Hontem, a 1 hora da tarde, a po-
laca brasileira Marinho, tepdo tirado toda a car-
ga que tinlia a bordo, comecava a reccber a que
deve transportarpafa o Rio da Praia, qu'ando, ao
ser ijada uma pipa, adornou scbre a sttuiaca hes-
panhola Paula, que lhe flcava fundcada pelo lado
.is, pelo triompho qim Sealisanlo se poucos moinntos antes a ,id6a,
le mamfestada em sou ralaWeo sobre o re
conhecimento da regiao que se estuui.' da esla;ao
de, Una. ponto terminal da esira a de ferr. de S.
Framjpco ao portu di Jatoba a> rio do mesmo
nome, relxtorio quo f.ii unhbeado-a oitava pafi-
na do son Dinrw de 9 do ahril in 4*73.
FOi enrtnaiasiicameme |iplandi to ese brin
de, axpressSo slucera da profnuaa gratidao e cor-
dial estima qne os boa-vistanos, uns natnraes e
moradores a dutros ta0 soiieuta moradorss, de-
vem a esse cavalheiro, a qaem nao tell ell's a
honra d-< conheor pessoalme ite. Logo d&jjiis di
. _io ontro bnade aos urs. Gui
Hierme Greonhaigh, Bernardo Jose da Camara Ju
nior e ajudante Cesario de Godoy e Vase mcello-,
pela b6a nova e Jparanca que n.w trouxnta,
iniciando nesae dfa os sens trat*lh is d expbwa
cao, indicios do pmgresso que mai-i cedo ou mais
tarde, se ha de desenvdver nesla longinquo sertio.
Foi tambem muito applanlido esse bruile.
segniram se nutrns brindes applaudidos com
muito euthusiasmo, bem coin > a dayiwiltr eag^-
tiheiras aos boa vistanos, a nacao brasileira, ao
bello sexo que abrilhaotou o acte da inauguracao
e outras muitos, levaniando se todos da me-a ao
terminar o brio le de Imnra, diririiln-pHos mesmos
engenQeiros ao n>sso'magnanimo Impprador. De
pois daucaram se muitas quadrilhas e walsas. can
tarara -so al umas modmlus, .nosso vigario Joao
Jose de Araojo t con em seu vi la i hellissimos
treohos da op.-ra Rigolello e outras, sen-Jo os in-
tervalhs preenchidos tamb->m im o salmroso clia
e dobcados boliahos de diff;rentes qualid ides, tti
do isso preparado pela Exm. famiha do curonel
Jacome, em homenagem ao acto que deu lugar a
nossa fe' Duron esse agraday->i passateinu i, em que
houve muito rego fjo ate'hO'a< a timtadas da noi-
Reprusenta-se o' excellente tjJ.e, relirando se todos muito satisfeito*, sendo ainda
s en'genheiros
vapof grande, de
3 mastros, one nao icou baudeira da nacao a que
peftob.ee. suppse-lo ser cite nm dos vaporos
americann* qoe fazem a via^em entre os E-Udos-
Unidos, S. Fr:i>co da California e China.
ITifflefh. del para i hi.ras da tarJe, passou na
mesma direccao uqaarapor tambem grande, cob o
pavilhao fraflcez.^^3^- **
Pasadoria de fazenda. Nesia esta-
fao pagam-se hoje as seguintes folhas :
Ernpregados do recensoamento, arsenal de ma-
rtnha.'Comp.inhiade aprbndizes marinheiros, pra-
cas de pret, reformados.
Os runccloharios que deixarem de receber
nc-te dia, s6 poderao fazel-o do oitavo dia util em
dianle.
F.t('ul mos a-is inleressados o edital que val publkwlo
nofngar coiupetente sobre coudicoes pira'i. ma-
tricula no l anno da faculdade de direito Jo Re
ejfe,
r.yiiuiasio drautatlcu. Estrea hoje
neste th- atra o I'galan da cmnpanhia o Sr. Eduar-
do A. da Silva, cujo lalento arlislico e bem coahe
c do d> n sso publico. A e-colha dapeca nan po-
dia ser mais feliz. V
anplandi.lo drama de Bourjois 0 medico das
cnaricis, no qual fara o estreaute o papal d&.oro
togonista.
No fim do drama, reoresentara o sympathico
aftlsta Penante a engra.ada scena comieade'sua
composicio Jesuit* hagnvgmta I
Ha de ser uma unite clieia.
0 publicu ndo dove esquecer esse grupo de
b'nns artistas, que tamo so e.-forcam por agradar-
Ihe na exhibi.ao de pecas de incontestavel me-
rlto.
Amatiha doihinsto, representar se-ha o conhe-
citlo drama D. Cesar de Basan a a scena cp-
mica0 Sr. Doningos /o'm do serio, que o dis-
linct > artista Flavio represonta com verdadeira
talento e graea.
Ttaeatro Sant-j Antonio.- 0 Sr. W.
Goodison, v- ntriloquo e prestidigitador de forga,
trabalhara amanha, nesse tlieatro.
Esta annunciada a ex,ecucao de uma sorte de
grande effeito.
Estan to annunciado o comoeo do esnectaculo
para as 6 I/2 horas da tarde, e de esperar que
seja muito enncorrido o animado.
Fe-stividade religiosa. Effectuar-se-
ha amanha, com a pompa do costume, a festa de
Nossa Sen Hunt da Soledade, erecta na igreja ma
tru do Pucj da anella.
Pregara ao Ecangefho,, o distincto pregador da
capella imp.Tial, padre L ho do Mmte Carmello, e
uo Te Deum, o Kvd. padre Jose Esteves V'iauna.
liavera halo -s a tarJe, e a noite um bOnito fogo
de artificio sera queimado.
Outra Realisar se-ha tambem, amanha, a
dc S. Goncalo, que se venera na igieja du Seuhor
do Bom Fun, aa cidadc de Oliuda.
A' tarde, hawra um leila-i do otTcrtas, cujo pro-
dacto revertera em favor da mesma, e exercicios
gymnasticos, em trapezio e chao llrme, por ires
artistas brasileims; a nojte f -go do artificio.
Na tarde do iia seguinte (segunda-fcira), couti-
nuarao o leilao e ag.mnastica
Ainda oatra. Nu povoado do Caxanga,
scgunJo nos informam, sera tambem, pomposa-
mente festejado amanha, S. B-ncdicIo
Linha rerrca do Recife a Caxan-
Ra. Para commodidade do publico, haveri um
trem esp cist, que amanhi a noite largara do
Caxanga, ;is 11 e .','0 minutos, passando em'todos
os pmtos da linha principal, parando prlas esta-
coiis do Caldeireiro e Casa F< rie, a meia noite.
Isto garantlra o regresso as pessoas quo concur
rerem as festas do Poco da Pauella e do Caxanga.
Fnrt< de cavutlds. Victima de tal indus
tria, fui Simao Netto Nogueira, preso quando c-m-
diuia dous furtados, no lugar Hanifoba, da co-
marca do Brejo.
Prolongainento rta via-ferrea dc
S Francisco. Escrcvem-n is da villa da B6a
Vista o seguinte em 16 de Janeiro :
Sr. red-jclo-. Inaugorando se no dia 3 do
mcz que eorre, as qnatro horas da tarde, pouco
mais on menos, os trabalhos de eotplaracto para
prolongamento da estrada de ferro do Recife ao S.
Francisco, ennflados a emnreza do Dr. Joao Martins
da Silva C-julinho, levo esse facto ao seu conheci-
mento para na Revista Diana do seu acreditalis
-imo jornal, damolicia circumitanciada delle, fa
sendo V. as coosidera.-oes e retoques que julgar
conveni nles. Passo a exp r-lhe o como leve lu
gar aquelle facto, mais ou menos de'alhadameute
Naquelle dia e imra ja indicado^ as pessoas
mais graOas desta villa c quasi todos os sous mo-
radores, a frente de uma pequena banda de mu-i-
ca, dirigiram se para a casa onde estavam assis-
tindo os engenhelr>s e mais pessoas encarregadas
do servico de exploracao, os quaes com muita affa
bilidade re-eberam a todos quo, em demonstraca.,
do ent nsiasmo e regosfjj de que se achavam pas-
suidos, quizeram associar-se ao iniciameuto dos
seus trabalhos, prcnuncios sem duvida de um fu
turo grandioso para esta e outras hcalidades.
Da casa dos referid is engenheiros seguio c
presttto para o local em que deve ser a estacao
terminal, con luzindo todos os instruments is mes-
mos engenheiros, ajudantes e as pessoas de mais
consideraeao desia villa, sendo feito o trajecto ao
sora da musica, que tocou bellissimas pec s, e ao
pstampido de innnraeros foguetes que fendiam os
ares deste longinquo sertao.
t Logo quo cheg >u o prestito ao lugar designa-
do para inauguracao, os distinctos engenheiros,
Drs. Guilherme Greenhalgh e Bernardo Jos6 da
Camara Junior, pronunciara n breves e enthusi s
ticos discursos, arraneaudo por mais de uma vez
numerosos applausos dos espe:tadores que atten
tamente os ouviam ; depois do que, curaprindo
elles as demais formalidades d- estylo, enterraram
a estaqumha que devia ser'lr de ponto de parti-
la para os seus trabahos de exploracao, batendo
com a m chadinha sobre ella {eslaquinha) os
mesmos engenheiros, seu ajudante e quasi todos
os que estiveram presentes ao aete. 0 Dr. Gui
Uterine Greenhalgh foi quem procedeu ao baptisa-
mento da predita estaquinha, quebrando sobre ella
uma garrafa de cerveia.
o Concluidas estas firmalidades, tocou a musica
o hymno nacional, sublram ao ar muitos foguetes
e ergneram-se enthusiasticos vivas a S. M o Im
perador, a nagao brasileira, a constituicao poli'tiea
do imperio, a empreza Coutinho e aos boa vi9
lanos, sendo todos elles calorosamente respondi-
dos. Foi numerosa a coucurrencia do povo que
veio assistir a esse acto, 4 que tambem compare
ceu o bello sexo.
0 sympalhieo Dr. Bernardo Jose da Camara
Junior, alem do discurso de que ja Ibe fallei, reci
tou mais uma bellissima noesia, qne muito agra-
dou ao publico, prin ipaltnente na narte em que
dirigio se elle ao bello sexo, agradecendo-lhe a
honra de seu comparecimento ao acto da inaugu
racio de seas trabalhos e fadigas, comparecimen
lo esse que vinha, disse etle, como que mitigar e
suavisar o afan >.n lidar quObdiauj a qua o cha
inava o cumpriment) de seus devere3 e o de seus
dignos compmheiros.
t Concluido as-im o acto da inauguracao, em
nome dos distinctos e patriidjco9 moradores desta
villa, coronet Mm ml Jacome Bezerra deTXfvalho,
capitao J >se Alves do Birros, tenente J>ise Ti'burci
Muniz de Freitas, vigario Jnao Jo-e de 4t*njn, Vi
cenie Kerreira d. Carvilhi v*,it-ira, Franrisc.
Carlos de Andrade, Claudin Alves Guimaries,
Francisco de Paula o Freitas, Francisco Vieira
>ampaio, e outras pessoa- mais de consideragii. o
Sr. Dr. Jose do Patrocinio "ereira du Silva'dirigio
algumas palavras aos engenheiros ja mencionados e ao ajud-mte C-
sario de GoJoy e Vase ncellos, convland<.-o< a
aceitarem um pequeno e modesjo (jqpq d'agua,
preparado em casa do mesmo eofonel Jaeome.
espcasas suas e de alguns amigos seu* qq.-, ia
bendo aprociar dovidamente e le-eJaMdo sin
men'-' a pfosperitade e augiue do desLi 1 c i I
de u j mal vista c o lia la por alguos de > us p.o-
Sirios filnos, se ih- assoeiartin para tal lim A i-
s o convite do Dr Patrocinio, dicigimo-nos t- 1 s
para a casa do rofcrido coMuel Jaeome, oude, ja
e.-tando preparada uma me-a cum 16 taih-r.-s e
profusamente servida, toiflaram assento s eonvi
dado*, a quem C'Ube apresj4eciada mesa, e ou-
trtbj pessoa* nisi?.
e seu ajudante acompinhad->s a
casa de sua apOsentidorfa por quasi t. Ios os con
vivas.
Tal foi rainueios-atnente o mo lo porque al
gun- boa-vistanos, aprc.:iaodo devidamente a inau
guracao dos trabalhos de exploracao para prdon
gamento da es rada de ferro de Una ao 5. Fran-
dscn, snd i esta villa u sou p-mto teribinal. ent-oi-
deram dever manifestar ao autor desta idea, Dr.
Join Marlins da Silva C m'inho, e aos encarreg*
dos de sua execucao, Drs. Gurtherme Jreenhalgh
e Bernardo Jose da Camara Junior e Seu ajildbute
Cesari.rde G idoy e Vasconcell is, os seus siueern.
votos de a Ihesao a idea e g-atidao as suns pes
soas. recorthecendo, comb FecntttWcWn, o muito
que tem a gnnhar a no-sa provmcia, principal-
rnente esta villa, com a realisacao desta idt'a em
t.-io boa hora coiici'bida c tao bella e clararnente
desenvolvida pel i Dr. i;outiuho no relatorio de
que ja lhe fallei.
Vinjiinca dc um ill^tez. Causou
grande admiracao um facto que succedetl em Ldn
dres, ba pouco- dias, nao hav>mdo exomplo de ou-
tra igual. O duque de Cambridge, camiiihandj a
pe por Pall-Mai, foi a'acado por um ufnVial na dis-
oonihilidado a ramo soldo. Notese que o duque
6 ctimmmdadte em chefe do exercito.
Ao eatrar para o miui se do duque o tal militar, a quem nao conbecia,
dizendo: Vosa alteza real me tem cau grandes pivjuizos ; o sen inten'alrO 'Iho jogou
dous so-cos ao peito
Um policia que presencioo esta scena, acudio
immelialameuiM. e perguoiou ao duque se iulen-
cionava apresontar queisa contra o aggressor. 0
duqne replicou que o nao queria, porque o ag-
gressor estava doudo.
0 po'ic-a, todavia, tomou o nome do Uj sujeito,
que no dia seguinte compareceu no irlbunsl de p
llcia de Bouw Street.
0 duque de Cambridge foi cidado para compare-
cer, nao como queixoso, cuja qualidadc nai qui-
era lomar, mas como teateaaaaba. Limitou-se a
cmtar suceintamente o aconlecid i.
Foi tao contrario aos hgbitos de sub irJinacao
e respeito pelos superiores o facto passado entre o
official o general inglezes, que ningucm duvida al-
tribuir o crime a desarranjo mental.
i' tribunal debberou haver moiivo para prisao e
a proceder-se a formagao do summario.
O prs-^o do earvao-Parece que o preco
do caivao em Inglalerra vai baixaudo ha-taute :
Diz o Daily News que no merca lo de carvao em
L mdres so annupciou ultimamente uma reduccao
no preco de dous sch. llins p .r tonelada.
Pena de niorte Durante o anno de 1873
os iribunaes crirainaes da Franca pronunciaram
34 senteneas do raorte. Destas foram executadas
14 ; c-immutadas 18, e 2 ainda nao tiverara solu-
ciio.
yoiniit-iit:s iiiiss:is Um telegramma
man lad i de Londres a um jornal francex, dalado
do dja 9 do Janeiro, anniversario da mortc dc Na
poleao III, diz :
0 cardeal Bonaparte e os demais membros da
familia lionaparle fizeram relebrar boje, nas prin
cipaes ijfrejas de Roma, quinheatas missas por al
ma de Napoleao III
Urn povo civiltsado. Ao pass i que na
America do Norte se manifestam por modo evi-
dentissinio os progressos da civilisacao, tambem
innumeros factos demonstram que na parte moral
dos povos ainda ha muito que desbravar.
Nos estados do Kentucki audavam desavindos
por cm-a do questoes de diuheiro Daview e
Thomuson. Recorreram para o tribunal civil.
Chegado o dia do julgamento do pleito, os deman-
distas foram ao triliuual acompanhados cada um
de sens filhos. Antes pirem de comecar a audien-
cia e sem que entre ons e outns sc houvera troca
do uma palavra, romperam n'um liroteio, em pie-
no santuario da justica; resulUndo desse comba-
te, suecumhirem um dos Mlhos de Thompson eum
dos Glhos de Daview, e ficaram mais ou menos
gravemente feridos os restantes pelejadores, extep
tuando um dos filhos de Thompson que sahio da
contenda sao e salvo.
Terminada a luta foram encoutrados no chao
oitj rewolvers.
Sinistro maritlmo. Acerca da perda do
vapor amencan > Pistan, cujo destino se igairava,
refere o seguiute uma carta dirigida do C iho Bre
tao a uma folha estrangeira :
No dia 18 de novemhro vio-se um grande cla
rao a nordeste de Pleasant Bay, proximidades da
llha Principe Eduardo. Tres ou quatro dias de-
pois houve uma tempestade e por consequencia o
mal levantou-se. Via se distinclameuto na bahia
uma quantidade de farioha e destrocos moio quei-
mados, porem em razao do mio tempj era impos-
sivol recolher cousa alguma, except) uma porjao
da camara de uml navio, a qual trazia a inscrip-
cao : officer's room.
Era diversos pedajos do madeira que foram
armjad is a praia liam-se as seguintes palavras,
feitas a navalha : < Estamos linda 10 homens vi-
V03.
Mas tarde appareceu uma trave na qual se via
iracado : < nao resta senao um In i.e.h. Final-
inente n'um ontro pedaco de madeira recolhido
na margera, lia-se : Se os nossos corpus forera
ebcontrados, esperamos que so Ihes dara sepultu-
ra decenie.
Uma quantidade de objectos parcialmente
consumidos pelo f go foram arrojados pelo mar a
praia de Pleasant Bay, e numerous saccos de fa
rinha avarialos na praia de Cheticael Camp.
a Todos csles ponnennres levam a acredilar que
o referi Jo vapor se incendiou no mar, e que a tri-
polaoao perecera tola por falta do soccorro. b
Husieoss ambulantes. A Ralia acaba
de fazer uma lei, que tem por fim por um t-rmo
ao traiico olioso ipae fazem algumas familias,
mandando seus Qlhus para as nacoes esirapgeiras,
conlratados por emprezarios de mendicidade e de
musica ainbulan'te.
E-tas sao as principaes iispo.-igoes da lei :
< Quem dugar ou ejtregar, pur um titulo qual-
iu-r, a italianos on a estrangeiras, crianc.is de
um on nuiro sexo, inen.-res de 18 annOs, e quem
a- receber para serem empreg;idas nas profiasSes
ambulan es no interior do rein >, sera punido com
pn-a i de 1 a 2 mazes e muita do 50 a 200
fra "'OS.
Quem empregar do mesmo modo criancas
do m nos de 11 ann s qiie nao forem seus lllbos,
era-t moid is earn prisao do 3 a 6 mezes, e muita
de IpO a 303 francos.
a Quem alagar criancas, mesmo que sejam
seus iff'ios, para o mesmo lim para fdta do reiao,
sera ,iuni lo com prisao de 6 mazes a um anno e
e mi a mesma muita. Os italiaoos.que ebnJuzirom
e-ia- -i-ianji- auibulautes para, fora do reiuo
s i-.i > (ini Ids.' on pmao de' 1 a J annos e 1,000
franco* de mdfia.
prisa. pole elovar-se a 3 aonos, havendo
.h.ii I mo du .uenires, e ser im'posta a peua de
pri*.i< ojaior se se ampregar viofoacia, artificio
m fr.ii fajjara aondnfir as criaaijas para fora do
rein lo
tt grande'aerostado.Lctnbram-so per-
I feitaniente us leitores deque ajf fetitallvag flh /a-
mandar fazer uulro-bdin ddin"ereulH tela.
Pois .esse. novo aerosUiM tsta r-oncluido. Mode
quarenta metros de diametro, e cento e vinte e
cinco de circumferencia : e perfeitameute imper-
meavel.
Em breve deveretios, po't% ter notieias desse
arrojado intentn.
Om quadro trlste. Conta uma carta de
Berlun, dauda-'de 8 de Ja eiro'o seguinte :
Commettem-st) assas.-inios todos o* dias, ate
nos armazenssltoadosnas ruas mais frequentadas,
como por exempli o do mercador de cammtndan-
ten str.isse ; e isto da uma triste idea da segnran
(a e da m iralida le que reiaam nesta capital. Na
semana ultima, enconlraram-se quatorze pessoas
assassinadas na via publica.
< Juulai a cstas aquellaa que sao atiradas a
agua enterradas, e fennareis um algari-mo que
Ignala o de Londres, onde os habitantes sao c:nco
vezes mais numerosos. _
t A' vista disto poderemos dizer quo Msboa 6
um modelo de mnngeracao de costumes; quo a
falta de policia nao e tamauha como a primeira
vista se afligara. >
Os pcriodios inglezes. A avidez
com qie em Londres >e buscam nolicias da
guerra da Costa d'Our, determiooii os principaes
pe i idices inglezes a env arem a Lisboa os seus
corrcspnndenies Encoutram-se actualmente nesta
capital, represenlantes da Agenda Heuter, Daily
News, Diibj Telegraph e Si Estas emprezas teem tambem correspondentes
na Madeira, Cnsia d'Our >.is Cabo Verde, para di
li?enciar a transmissao dos telegramma-; as ve-
zes p igam ale cem mil reis por um s6 telegram
ma ; quanto nao custa adespeza destes jornajistas
viajantes I
Di/.-se que ha pouci tempo o Daily Telegraph
adiantou ao Daily News algumas horas, cum novi-
dades da Cm>ta d'Ouro, n'uma edicao especial, e
usi o ji-r-nie ilo '-aily News maudou partir no
lia -eg .int- um habil auent.- com ordem de ir a
Lisboa, Madeira e 0 sia d'Ouro, para inUgar o
caso. As notieias sao lev.das at a Madeira nos
vap ires da mala da Africa Occident I, que i.ieaui
na Costa d'0 |Uo o vapor cliega, os despac os si) postos a
dor lo do aviso iuglez que larga para l.i-i: a a toda
a pressa.
Qoando chega ao Tejo 'ogi apparecem a bordo
a Ayenr.ia Reuler, e Daily News, a Daily Telegraph
e o Standard; e as notieias sao confiadas au ara-
me telegraphic.) sem perda de :empo; ja se re
que os de.-pachos pars o goverBo iuplez semprt
tem precedeucia. Diz-^e que os jornaes de Lon-
dros aprei-iam mesmo um adiautam nte de meia
hora no despacho, para por uma edi'.ao especial
nas i uas e lirar o ventoas volasdos concurrentes.
So o Times nao se imp.-rta com as novjdades
de>ta guerra, porquo sempre a hostili pre o primeiro j mal iuglcz, e nao se the da da
concurreocia.
A grande lata em Londres e entre o Daily
Telegraph e o Daily News. Este ultimo jornal foi
estahelecido pelo bem conhecido Carlos Dickens
em 184G
Or.i, com taati alfluencia d< correspondentes 6
provavel quo alifuem escreva a nosso respeito e
dos nossos costumes, por isso e preciso que se
tome seut do como diz o poeta escossez :
A cbiel's amang ye t:kin notes.
0 que recommendamo e que aprendam a lin
gna, e que diligenciem cn'.euder bem o assumpto
sobre que e-crtvem.
Loteria.A que se acha a venda e a 87*, a
beneficio da irmauaade de Nossa Senh'ra da !;o-
fe'dade, da igreja db Livramenlo, que corre no dia
13 do corrente.
Casa le detencao.Mcvimanto da casa
de detencao do dia S de fever, iro de 1874 :
ExisUam presos 341, entraram 8, sahiram o,
existem 344
A saber :
Nacionae? 249. malheres II, estrangeiras 37,
tueravos ig escravas 1.Total 344 '
Alimentados ;i custa dos cofros publicos 236.
Movimeuto da enfermaria do dia ij de fevereiro
de 1874.
Tove baixa :
Manoel Frauci.-co dos Santos, febie.
PassaReiriis Cbegados dos porlos do sul
no vapor brasileira Duque de Caxias :
Major Antonio Pedro Machado de Araujo, sua
seuhnra e t cria.las, JnSu Theophilo de Masellae,
Henrique Cesario de Mello, Antonio Luiz Carlos,
Antonio danoel de r.arvalho, Antonio Barbosa
Caroeiro, -A. L da Silveira.
Ceaiiterio publico. Obituario do dia b
de fevereiro de 1871 :
Manuel, branco, P' niambueo, 13 mezes, Boa-
Vista ; branchites capilar.
Vicente de Carv.ilho, preto, Africa, 54 annos,
solteiro, Boa Vista ; anemia.
Joanna Jbaqnina da Silva Lobato, hranca, Per-
nambuco, 23 annos, solteira, Sauto Antonio ; va-
riolas
Theroza Maria de Jesus, preta, Pernainbuco, 39
annos, solieira, Boa Vista; congestao cerebral.
Nicolao Laurentiuo, paidu, Bahia, 30 annos, mi-
lilar, Boa-Vista; enterite cbranica.
Joao Quirino de Barros, pardo, Pernambuco, 20
annos, casalo, praca de policia, Boa Vista; vario-
las conllucntes
Ludgera, escrava, parda, Pernambuco, 25 annos.
solteira, Recife ; phtysica tubirculosa.
Jos6 Pereira, branco, Portugal, 52 annos. viuvo,
Boa-vista ; anemia. ;
Manoel, bianco, Pernambuco, 6 annos, Recife
letano espontaneo.
Ssarfpfcrld:
Emprcgados
Cirtitas'dos Inezes ante-
nores
Diviirsas.d.*fiezs :
Miteriaes, azeite, alu-
gueis de casa, con-
sume d'agua a faz,
objectos para o es-
enntorio, impressdes
e ontras despezas
341*000
7:43I*5W
6.397*021
Obra nova :
Ciza do terreno comprado a rua do
Pi res
Pagarnento de deposit-is
Dinboira que retirou o thesou-
reiro
Saldj que passaparao mezde feve-
reiro proximo tuturo
fc087*3M
---------------- 9:5301864
120*flW
3504006
2:0<>OA0QO
18;596*8JW
5:071*310
23:668*l9S
Escriptorio da companhia de trilhos urbaaos, 31
de Janeiro do 1874.
0 thesoureiro,
[mii Jett 1'inta da Cost*.
5?
s.
o
9
v
3
2
5"
= 3
a*
<3


?
^
5
oo
CO
>-
2
C


1 s
>

o
c-. J>

Oi --I
-D -
o I
-i .:.
O I o
oc
s

S
s-

-
8
90
m
5
n
--
>
9t
G>
a ts.
2. P
(V
t
nsc
urns k mm.
THE NEW LONDON & BRASILIAN BANK LI-
MITED.
Capital do Banco........... 1.0"0.000
a subsenpto.......... 900.'0
pago............... 450.C0J
Fundo do readrva contra de-
preeiaclo do capital...... c 40.00)
BALANCO DA CAIXA FILIAL EM PER.NAMDUCO KM 31 DF
1AKKIRO DE 1874.
Aclivo.
Letras desconladas......... 1,614:943640
Greditos diversos, outras ban-
ms e caixas BUaes....... 913 623*440
Caixa:
Km raoeda corrente......... 1,140:414*410
I\s.
3,668:981*490
Passioo.
Depositos:
gin conta cor-
rente...... 772:026*080
Fixes e por
aviso. 993:563*520
..reditos diveisos, outras ban-
cos e eafsas IHiaas.....
Rs.
1,771:589*600
1,897:391*890
3.668:981*490
S. E. it o.
Pernambuco, 6 de
fevereiro de 1874.
W. U. Bilton,
Aeet.
Estrada de ferro do Recife a
Olinda e Beberibe.
MOV1MENTO DA CAIXA EM RESUMO DA C6MPA-
MIIA DOS TRILHOS UKBANOS DO RECIFE A
OLINDA E BEBERtDE, REt.ATIVAME"TE AO
MEZ DE JANEIRO DE 1874.
Entrada.
Receita :
SUhetes 18:741*260
Assignatoras 3:58*O0O i
iirga e lasuv. S424750
Kxpressos 30*000 22:914*010
Mullas 21*332
Oeposito dos emprcgados 280*000
23:218*312 449*8o4
Saldo do me: dc dezemti o ultimo
23:668*196
Saliida.
Ordenados e ferias i
Mo vi men to 2:107*300 lui9t)3
Eslafoes
Carga e lasli.- 587*728
Conserva?ao da linha
pcrmaufnio 664*375
Con-ervaca, do trem
r-:duiiUs Admioistrac \c i:05S#lW

i n'reciciria;
iercnte :>00#009
Foro:
Advogado 50*000
Procurador 8*334 %
Pe nd.-ndo praito aos servicos prestad.s peh
Sr. tenente Joio I'ires Ferreira,"agora, que ten**
scieneia de qne nio mais voltara a esta comarr*
de regresso a ci-Jade do Recife, ondt fdra chama-
do pelo Sr. Dr. chefe de policia, vimos do alia da
imprensa pateaiear a este benemerito cidadao (V-
nossos agradecimentos pelo m'do porque portO".
se n'e.-te termo durante 14 mezes, que dignanv-r
te desempenhou as funcjoes de delegado de p-
cia.
Iuimigo acerr'niio do crime, o Sr. tenente Piic-
nunca poupou esforcos para bem desempenhar .
cmnmissao que lhe foi confiada, Uirnando-se a<|'
o garante da liberdade e prqiriedade do cidaJai- .
as innuiueras prisoes dc crirainosos hem o
monslram.
Ainda quando a gratidao nao ns torcaaw a
ternarraos por tal gnisa os noss is seatiuwatt!
pfla relirada de lao dislincla autoridade, n.entiria
mos as nossas consciencias se deixassera-is d*
fazelo pelo presente. Homem prabo, militar brio-
so, cidadao prestante, amigo siucero c aulorida-V
imparcial, els as qnalidaJes qne ornaui o miliur.
que acaba dc dehar um vacuo n'este lernv>, |M
sera bem difflcil de preencher.
Os servicos dc lao distincta autoridade fora .1
bem apreciados pur lodos d'esla comarca, que
tem horror ao enme e ao patronato : por du-
vszes a Illma. camara munirip-il, saliendo qua se
tramava a demissao desse fun-'cionario, repaavn-
tou a S. Exc 0 Sr. pre-idciile da pruvincu a u
cessidade da eonservacao do dijino delegado, t.
Ipondo-llie os imporUntes servicos prestados a
' esle termo : em abi il do anno proximo pass.ido '-.
elle agraciado com a venera de cavaltmro da
ordem da Rosa, e por aviso de 12 de setembio foi
louvado pelo ministerio da justica.
Seria ol 'idar ou deseonhecer esses beneficit-
se deixassemos fugir essa occasiao sem lomif-star
ao Sr. tenente Pires a nossa gratidao e etirno n-
conheciment >. for isso, e logo que tivenios scien-
eia de que nao mais voltava, corremos pressa-
rosos a imprensa para manifesurmos os seati-
mentos de que uos acha mos poi suidos, peJin.-'
desculpa ao Sr. tem-ntc Pires Ferreira se p-ir t!>
aieio offendemo-; :, sua modestia, poi-, essas pala
vras que lhe dirigiino? pela sinceridade que iribr
palpitam, serao um ba'samj derraoiado om no>- -
eoracoes.
Buiquc, 22 de Janeiro dc 1874.
Leonardo Balbiutu Pesioa Cavalcanle.
Tenente-cnronel Thom. Tenente Leonardo Bezerra, Pessoa Cavali:;-.
pri prietario e advogalo.
Alleres Luiz do Franca Monlciro, prapri-i. 1
vereador.
Jose Afro de Albuquerque Maranbio.
Jose Cesar de Vasconcellos.
Antonio Cesar de Vasconcellos Campos,
loao Alvares da unha, escrivao do jury.
Manoel Cursino Villa-Nov, negociante.
Capdao J)aquim Epifanio de Uello, iJ m
Capitao Dorindo da Cunha Lima.
Acrisio Bezerra Cavalcanle, promotor publ.e
terino.
Manoel de Azeve-lo Mmtra, negociante.
Francisco Bento Ferreira Lma, idem
Antonio Ferre'a CavalcaBte Badega, idem.
Alferes Thome Gomes da Silva.
Joao Hypolito dr Souza, negocianle
Antonio Cavalcanle de Andrade, collector ,.
cial.
Jose Jerony no de Albuquerque Meilo.
Antonio Bezerra CavalcaBte.
Francisco Casa lo da Cunha Lima.
Antonio Cesar de Vasconcellos Ribeiro Cai
escrivao pravin ial.
Licecio Bezerra Cavalcanle.
Alferes Bernardino Joaquim de Almeida.
Alferes JnseFirmo Ve-trimundo Lycanao.
Manoel Rodrigues de Oliveira Seixas, prukMaar
publico inleriao.
Jose Ignacio de Freitas, collector.
Manoel Turian 1 dos Reis Carapello, advogadv
lunacio dos Reis Camp-1 lu.
Antonio Joaquim Ja Silva Curcino, negocian.r
Jtaae de Albuquerque Cavalcanle.
Alerts Alexandre Cavalc. nte de Albuqucrju
Mello.
Alferes Luiz Cavalcante de Albuquer pie M
Andre de Albuquerque Cavalcanle.
Tenente Antonio dc Albu iuerque Caval.-ante.
Emihano Wandei ley de Albuquerque Cavalcam*:,-
proprietario.
Capital Iriaeu Cavalcanle de Cerqueira Bell...
Jose Luiz de Albuquerque.
Ao publico
Coastanlo que Manuel Antonio de Az-.:-at.
tenciuna vender alguns do predios qoe, d .
Ihes perhncem, coimuunica ee ao re.-peiUvi>! pc-
blico em fleral, e com esi>ecialidade ao curpo 4o
e immercio, que nenhtima transacjio f.icam cm o
referido .Awvedo, a tal 1 >peito, sob peoa d>.
lidado e mais iii-po-i Cv.- legaes; viato
alem do lhe nao pTteii.-t m os pradio- -itrj
nas rua- da IuveraPii n. 12. Nova n-
f I1, Aurora n. 15. Fo. in za 11-. 3 r.-
83, fetreiU .IdH-rmo n. 2, Marcili Das n. US.
Vidal de Neiireiri s n. iil, e Praca do Conde c?F!i
d. 17, por ser deix.id tao somente 0 u-ofr
todos elles a falb-cida muloer do Azev to,
tamenio feit por Joaqunn lose 1,
cho, erri 1833, devendo passar a plena p^ ivi
(eomo do proririo tcstamento consrn!
\
m
1
i


">&i*tk ^^wAirtmco ^'
I
procefc*c
Ideixafos
>*
>
TV
>
Jiefde alevff.
A' visu distQ. e do aanuncift^u" ja.se ijublicou.
Jaasi quo igoll Jajqui preseateinenrte s fit, .6'
B e .saeedes por suUwItlreza iula. JJ
Recife, 5 de fevereiro de 1871.
0 advogad), Jose Utpet Pessoa da Costa.
Resposta que da o capUiXo Jn.
voncio .lose (la Costa Wnl-
pls-.4lba, por si e sens prez si-
des parentes e auiigoa a pro-
voeacSi do Hv citrunel Junto
ttantas de Oliveira, inserta
no a.lorno.1 da Parahyban n.
IMO.
Estiva res >luio a nao romper o sileneio a qae
me leuho reservada ha taoti tempo, se nao fwse
tio de proposito aecommeltido pelo mais ingrato,
desleal e desapiedado enlo da raca huraana, vomi-
tando a mini e aos meus prezados tios, o lenenle-
coronal Vicente Jose da Costa e capita i Goocalo Jose
da Costa Pacoto e meu parente e a nigo alferes
Siivestre II morio R >d:igus de Souza, os maiores
improperios, que so. podem cooter no seio de mna
vibora, que a lodos delurpa com o seu cruel ve
neno.
Pretendia levar a vida obscuramentc, prestanda
meus fracos, porem leaes, services aos correli-
gionarios no mesmo credo politic), jue adopto, se
nao me visse tao provocado com lodos os mem-
bros paciflcos e cordatos de minha bumilde fami-
Ita, ja assas conbecida no mundo politico pela
conducta e norma de proceder, firme e inhaba-
lavel que tem sabido manter guardando a bandei-
ra do partido que Ine foi legaJa por seus aotepas-
sados.
Mas, sou forcado, a bem do direito de meus
coa-os tios e pirentes, defende-los do alto da im-
nrensa, para que a proviucia, o paiz e os altos po
deres do estaao, recoabecm qae'a causa dos ma-
les e tropelias de que se resente a terra do Cru-
zeiro abencoada pelos ceos, nasce da conflanca
3ue depjsitain em maos cidadaas, revestindo-os
os cargos publicos, coneedeudolhes um perGdo
jogo ciin a justiga em detriiconto do nossa syste-
ma de govern >.
A politica, confiada a aventureiros, traz por via
da rogra a desnioralisacao Jos partidos.
E' asiim que o partido cooservalor, viveodo
sempre da melhor harmonia de todos os sens
membros, ve se hi.je fraceionado por toda p3rte,
devil, isto a flibusloiros, que a tulo se arr scam,
porque uada tern a perder.
0 Sr. coronel Joao Dan'as de Oliveira, como in-
fluencia politica official q-i cidade do Pombal, tra-
ta de embair o publico aensato eomo conservador
e bom cidadio, quando tem sjdo e seia, em |iianto
viver, a desgraca e vergoiiha deste partido ; e, se
nai>, ajnize o puhlico qum 6 e foi este vulto me-
mo-andum do alto sertao de minha infeliz terrA
natal; sua origem, sous princinios e sua vida, por
demais ceniecida por sens n<'gros'crimes I
Joap Dantas de Oliveira, e'mtural do Patu de
Denlro da proviucia do 1'ij Grande do Njrte ;
v-jij fatalmitutB para esta cidadj ao anao de 1835,
segundo parecis-md, a c.tsat se com O'na Itlha de
am purtugnez i-h i n 11 > Bernardino J >-e ds Ilocba,
'qae a la esposado mna meca d\* fain;liaFjr-
miga. A sua prifi-sao era de cagador Exisliam, a esse tempo, duas cfires political co-
nhectdas pela denominacao de ba^ta e rasgado;
achavam-e a fr nte da prinvira os fllsttnefos ci-
dadaes, metis no*, Alexandra Xavier de Azevedo,
teoente coronel Vicente Carvalho de \zovedo, ma-
jor Trajano Jie da Costa Pacote, capitAn Goncilo
. Jo<6 da Costa Pac ite, major Antonio HoJrigoes de
Seuzi, lenente coronel Vicente Jose da Costa, Vi-
cento Carvalbo de azevedo lonior, men fallecido
sogro o coinmandantd superior, Salviano Jose da
Costa, meu falle-ido pai, de saudosa meraorii, o
majoi Bento Ji>se da Costa e o Rvra. Sr. vigario
Alvaro Fe rcira de Souza, todos parentes e ami-
gos.
Na parte da politica rasgada, aehavam-se o ma-
jor Felix Rodrijiues dos Santos, major Manuel Fer-
reira de *ouza Furmigueiro, tenente eoronel Jose
da Silva Pereira e Franci-CD Jo*e do Souza e o
' portuguez Bernardino, sngr> do Join Dantas, <|ue
ja antes havia acompanhado, cm politica, ao capi-
tao.raor Gongalo Jose se n--sse teuii o unido aos rasgados, e por eonse-
guinte ao major l-'elix Ho.lrigues.que era o cbefe
a quem Joao Dallas tanitfem seguio, obtendo por
iuo unia patente de liVres.
Dep is casa se unia eunhada de Joao Dantas
com um seu irmao chaina lo Jnao Dauta-, para cu-
jo ban jute f'iram convidados maims individuos e
ate de I'ra, da comarca tie Piancd, o tenente co-
ronel Hypolitu, que diziam ser criminoso naqucl-
le tempo.
Satiendo o major Feiix Rodrigues que Hypolito
estava no banquete do portuguez Bernardino, reu
nio uma forga e cercou a casa onde se actavam
quasi lolos aquelles membros de minha familia.
Ncssa occasiao Joao Danias quiz ino-trar suas
JiabiliJa ies, lan^'audo mao do cangasso, veio fora
aora alguns irraSos que com elle ahi se achavam;
por. ;,-i aipiRllus incmlirus d.' minha familia (que
ta. in mat lizeram) juntamente com ouiros que che
garaoi logo, amigos e correligioDarios do coronpl
Hyp liio, consflgoiran acalmar os animns gem se
deiratnar sangue, torriindo se de netihum elTeito
o cerco r prisao que se pretendia elfectuar.
Despre-nu por essefacto Bernardino e Joao Dan-
tas ao major P. lix Rodrigms, e uniram-se aos Pa-
cotes, eogniifie antigo de m nha familia, e pelo
que ficaram sendo baetas ontra vez, e transfupas
por uuas da politics Firmiga e do major Fe
1'X, aounpanhando minha familia e merecendi sua
confianea que caridosamente Ihe dispensaram al
gnma cousiileracao, obtendo elle a patente de to-
pent por ilia solicitada.
Era, entS", ten- nte coronel e commandante do
balalhdo de guardas nacionaes meu presado tio
por alinidade Vicente Carvallo de Azevedo, que
mais adiante foi refoima^o i:este posto, qnanlo ja
era commandante superior o fmado meu sogro e
tio Salviaoo J se da Co.-ta, que apresentou antes
de terminar a exi>lencia o ingrato, desl-al e trai-
coeiro Joao Dantas ao governo geral para occupar
o lugar de lenente coronel commandante daquelle
baiadiao, tnao grado de outro* membros mais ele-
vados de minha familia, que ficaram preteridos por
tarn :ih i generosidade, sendo depois elle por este
facto ncmieado eoronel commandante superior das
dnas infeliz-s Comarcas Teixeira e Pombal -,
tudo devido a prot-ccao do minha familia.
Entretanto este ingrato noje de.-conbece tao vil-
menle e^tes bem-lieios I
E' sempre assim; quem bem faz m^l recebe em
troca di- seus sacrilicios.
Comecoii a botar as unhas de fora em 1854 ou
1858, quaudo disphtavam uma eleicio geral os
Drs. Jos6 Paulino de Figueiredo e Olynto Jose Mei-
ra. Esposou minha familia a causa do Sr. Dr.
Jose Paulino, como tendo servicos presta los pelo
alto seriao, e pronunsioa-se o Sr. coronel Joao
Dantas pelo Sr. D Olynto Meira; abrio discor-
dia no seio do partido, com tanto que favoreee-se
a um aspirante desconhecido entre sens correli-
gionarios.
Procurou illudir o povo ignorante, avassallou-
y _e sahio triumphaate, por ter a si as posicoes
offlciaes; porem a discordia flcou at6 o presente
e conlinuara, porque a influencia official em con-
a alguma se e |uipara com a influencia da popu-
ia?a.
Tem sabido o Sr. Joao Dantas, por meio de suas
arlimanhas, captar a atteoyao de todos os gover-
nos, rnas hoje nem os aeus proprios protect-ires
poderao dar geito 3ues provenientes de seus destsandos e atrocida-
es sob pena de sua maior desinoralisacio.
E' sa iido por toda a proviucia, que por influ-
encia de alg'.in* amigos -alientes da capital, no
Intuito de fazer politica, elle taoge a vara e a re-
mj o barco cousarvador. petos rios seccos e are-
oosos do sertaj, eocalhando aqui, aUt a acola. es
perando pelas enchtmtes que Ihe tsagam algum
Eeixe ao anzol, e de vez em quaudo vai pesi^ando
em H5as cousas com a desgraga de muitos indi-
viduos I
Coa8.t tanto em si, coitniol jae. en 881, te-
mendo opposicao da parte de minha familia, n'uma
eleifao geral e municipal, resolveu partilnar am
bos com o liuado major Felix llodi igues, chefe ao
partido ra^gado, e depois saliendo que esta nada
quena, paioa a&zer conae^sdes, elogeado meu
fallecido pai, park, prejidcuto da camara, oo'
quem se a-hou no ttjjjfia*-ptngo da aparacao ge-
ral das authenticas, por m.itivos de duplicaias,
sera o que o Exuj. <*>osclheiro Henrique-, qua en-
tlo se a'^hava. na almiuistca^o Ja proviucia de
S. Paulo, trihrtona diploma. HSj ob-laute t mtos
f&vores, p- icede", como a serpante da fibula; ma-,
se Deus c.in-ente nos males, nunca sera para sem-
pre. Ad:nir.im:..s inaito a asadia Je S. >., Sr. co-
reaJ,_-dizr que jem prestado muitos e rale-
viUd jwvn;i).:.j jttajdi, iiniservaJor t' M Os
factos praticad .qae s*..rao praiioaado todos os"
dtis/^ue
!> >ri utra
mos caltai.
Passat
su oavilo
to, n. 10
di pabli
s1^ coflijacrit, s Ihertfopapst
ufo tntndp^quf ns rfcare
exequlai.
a a analysar algun* tanto* d
insert^ iioJornaf da Pandit/
u'e capTKpSadamente na fac*
anitncU olmtMs -6 proprias de
uma alm.TiJBqbeoiua e par Ji la, e na phrase lubh-
ca, que se abraza nas penas inferuaes. Con-ide-
ra-rae S S. u:n professor celebre, e de achalos ex'
traordinarios I
Mas, i|ue celebridades posso ter, qnando nao
uso de suas facaahas tao maniteslas no Desperta-
dor, que sendo S S. honesto, paciGco e boraem de
bem a toda prova, ja devia tel-o contestado.
E porque nan o tem feito ?
Tem S. S uma delicadtzi, em dar aos outros,
aquillu que so pode caber a si; entretanto, jacta -
se em prestar tantos services ao partido conscrva-
vador I
Decl iro-lhe desdo ja, que para raim mesmo eu
o largaria de mao e despresaria sua (oice cega,
mas, uma vez jue tambem ferio a meus parentes
e amigos, entao sou forcado a proseguir nesta ta-
refa, para mim bastante ar lua.
Nao sei a razao por que S. S. brada. corno um
pocesso contra o Sr. Dr. Francisco Jose de Souza,
quando juiz de direito interino, nesta comarca,
merenlo inculcar que eu o dingia. Nao son
capaz de dizer, qne S. S. mentio, porom com a ver-
iadeira euergia, digo-lhe que faltou com os scnti-
mentos earidoscs da verdade ; se S. S. fosse mats
grato e reconhecido, nao offenderia a esle mo o,
distiocto por suas bellas qualidad^s e ainda nao
corrompido no lodagal da politica; sempre traba
lunu pela boa distribuijao da justica com todo
criterio e intel'igencia, que caractensam-no.
Mas nao agrada ao Sr. coronel t
Tenho observado, que S. S., e fertil em epithetos
infaraantes, nao sabeado applical-os a si e a seus
iguaw, diz que meu parente o alferes Silvestrei
H morio Rodrigues de Souza, e analphabeto, e
e.xalta ao Sr. Viriato. Nao desejava offender a
susceptibilidade deste, mas, pergunto: havera pa-
ridade eutre um e outro, d'onde possa S S. tirar
uma consequencia absurda ?
Mais juizo, Sr. coronel, dando a eada um. o que
e seu; nao queira roubar aquillo. quo so Deus
pode tirar.
E' publico e notorio, qae o alferes Silvestre, es-
tudou e tem attestado de habilita<;ao. que muito o
honra, do distiocto eommendador padre Ignacio
de Souza Rolim. Mostre outro tanto do Sr Viria-
to ? Ea bem sei!........
Se nio fosse o conceilo publico e o que devo a
miuha familia, nao the coneederia as bohras de
uma resposta a seus aleives. > "
Ja me ia esqueceaio de que S. S. fere de um
modo exquesito a meu tio capitao GouQilo Jose
da Costa Pacote, eomo jogador de f ic i de ponta,
auando S. S. 6 mestra-de esgrima, so descouhece o
orete por ser raoderno, seguudo & phrase Jo Des-
pertador.
Vamos ao easo Uendo o fallecido tenente Bar-
ms, ah I Sr. coronel (tamanha infelicidade !) sct-
en.-ia do que dizia S. ., foj.ter-so com meu tio,
o qual abrio o palitot, proferindo estas palavras :
oertilique-se, Sr. tenaute ; ao quo elle inclinou
a eabeca, dizeudo, aeseulpe-ine Sr. capitao, com-
prehend i perfeiiameate Orfoferido.
Quanto ao nioiioinjuistQetalumajo30.com que
S. S. procurou farir a-reputocao illiibada de nteu
presado tio o tenente-coronel Vicente Jgsu da
Costa, emprestando Ihe a idea perniciosa d.j pro-
tector dos assas- pessoa de Francisco da Costa Barboza (ju gando
serein os Rodrigues) direi que neste negocio S
S. e seu geuro Dr. Joa* Tnoinaz Arnaud, foram
os uuicos protectores do quem quer que se jul
gas e fonte de semelhaute autoria : porque, a Man-
dose seu gi-nro na promotoria ndsso tempo, ne
nhuma intervenc/io mostrou toinar nesse nugocio,
tornando se absolutameute iddiderente, e deixandu
assiin de cuinprir o st-u imperioso dever official ;
e meu tio, pelo conlrario, fa-lo na quahdade de
delegado de policia, qua eotao era, scienlilicar-se
de tudo, convidou-o para proseguirem nos ter-
mos da lei, e, como ainda nao doiniuava a novis-
sima reforraa judiciana, elle tratou de marchar
ufficialmente na prosecugao do nrocesso para des-
cobrir quem o crimiuoso ou criminosos, deixanlo
o pme^.-sso na quarta tetemunha sem que a.e
a i se descobrisse cousa alguma, quando foi elle
interro.npido em sua marcba pela alfl leucia de ou-
tros muitos e pesados servicos publicos, ate que
appareceu o dominio da uova reforma, que nao
tardou muito; assim pois perg into, quem pres-
tou a isto a mais notoria pr ten;ao, foi sea genro,
que tem magistratura a seguir, ou meu tio, que
em bora leigo, no entretanto mostrou compete-
trar->o mais dos interesses da Jostiga publica?
O publico sensato, que avalie da sum arbitraria
dales. Purque razao, sendo o tenente Alvmo Go-
mes de Sa e Albuquerque, nomeado V supplente
do juiz municipal e de orphans deste termo, S. S.
proteston embaracar seu juramento, atd que per-
deu o lugar, cahindo em lapse de tempo, e a>snn
tambem o de juiz de paz ?
&' obvia de resposta, porque o tenente Ahano,
sendo um raoco de bem, de caracter serio e de
fruiiin-int..s nobre<, nao se pre-*taiia para seus
arranjos. S. S. tem o dom da fada, adiviuUa
beml
Poderia proceder por detalhe? sobre sua chro-
nica, mas ja tendo-se oc upa lo bataote lelU o
"espertiidor, poueo adiantaria, visto como me
acho muito aquem de quem tanto escruven, a
muito bem. Portantanto, para la o euvio com
toda sua hypocr>sia de pre^tante cidaJao e me-
lhor politico, e Deus o favoreca com sua inObita
misericor Iia, e a terra Ihe seja peuco pesada
por toda eternidade.
Pombal, i do Janeiro de tS/1.
Juvencio Jose da Cotta Wutpit-Alba.
Prejudicial ao eabella.
E', por certo, giaode loucura o cerrar-se 's p6
rog do craneo com ole;s e pomadas gordurentas e
espessas que iir.pedem a livre evaporaeao qua tao
essencial e para a sanidade do cabello.
Refrasquese e viviiique se a cuticula freiiuen-
lemente com o -tonico oriental o qual e proinp
tamente ab-orvido e condn ido as raizes do* ca
bellas, assimitando-se perfeitamente com elles.
Fazei ist duas vez-s ao dia, e o vosso c.bello
jauiais cahira, nem tornar-se-na secco, aspero ou
duio. 0 tunico contemjiarteg compostas de vege
taas que na chimica sao equivalentes a mesma
materia das fibras, por c tnsequencia acha-se admi-
ravel e philosophicamente adaptado para o fim a
que se destina.
PoIaiJa l>espaqhaJ4-^-^rift"--/ajjajquo para terr;
*T
IsuportHcffo.
f
Vapor :na Baku em 6 do correnie e cimgignado a AMaab
Laiz de ttraira Arevedo, manrfestou :
Algodio M sa :oas a Praoeisao Goncalves Tor
res.
Charutos 8 oalxas a O. da Costa Ferteira, a
Domingos Alves Matheus, 5 a Caaba & Manta.
Pumo em fbttia 100 fardog > Portunato R.
Bastos.
Oleo de rlcioo 10 latas a Francisco Gon^alves
Torres.
Vinho 36 caixas a 23 barris a E. R. Rabello
&C.
Brigue inglez Coronetla. entrado do New Castle,
na mesma data e consiguado a Simpson to C, ma-
nifeslou :
Carvao de pedra 497 toneladas e 17 quintaes aos
consigoatarios.

PHA^A DO REC1FB 6 DE FEVEREIRO
DE 1874.
as 3 1/2 bobas da tarok
CoCaees offlclHt^s
\lgoao de i* sorte 7*800 e 83000 por IS kilos.
Algodao de Maceio sorte 9* >> 0 por 15 kilos
posto a bordo a frete de 1|2 d. a 5 0|0,
honten.
Algodao meJiano 8*700 por lo kilos posto a
bordo a frete de |2 d. e 5 0|0. hontem.
Algodao da Parahsba sorte 8i330 por 15
kilos posto a bordo a frete de 3(4 e 5 OiO.
hontem.
:aml)io sobre Londres a 90 d|v. 26 d. por \,
e do banco 25 7|8 d. por IfotiO, boje.
Sa iue sobre o Rio de Janeiro a 15 d[v. ao par,
hoje.
Couros salgados verdes 327 rs. o kilo, hontem.
a. de Vasconceiloa
. Presidente.
A. P. de Lemos
Secretario.
U^AKDEGA
nubmento do dlj 1 a 5 .
dam do dia 6 .
162:S53590
37:930 ii231
200 483/821
ftes'.arrftf am haj* 7 da fevereiro de 1874.
Vapor francez Srymonthe (esporado) baga-
gens e mercadnrias para alfandega e
irapiche Conceicao.
Vapor inglez -LalmAe (atracado; diversas mer-
aadorias para alfandega e traplche oott-
oeicao.
Vapor nacional ifUrquez de Caxias generos
na -ionaes e astrangeiros para alfandega e
trapiche Dantas.
Barca ingtezaStraphmameEcadorias para al-
iaadega.
Barca ingleza IPitc* of Me Teignmercadorias
pata alfandega.
Barca inglaaMiranda ferro e carvao ja dea*
pachados para o caes do Apollo.
Bar ca Htgiesa Kale carvao ja despauhado
para a terra.
Barca francaza Eliza gal ja degpachado para
terra.
Lngw portagnez Cedral pedras para o tra-
pic> Conceicao, psra deSpachar.
- No p.
carregou:
MJSOO king?
So navlo
dos, carregou
ngldf Ikctwi, *ra New" York,
sterl Si til l,9f) saccos cott
stictrlflMct 1
z fietn, -pSra os Estados-Uni-
V. Dastas 50d saccos com 37,500
Vapor iuglez Latrntde, entrado da Liverpool na
mesma data e consignado a Saundres Brothers
St C, manifestou:
''a ga de Liverpool.
Alflnetes 1 caixa a Bnnrgard ri C. Arroe 100
saccos a Paren a da Cunha Irmiios, 50 a Moreira
Muuteiro & '.., 100 a Tasso Irmao A- C, 00 a
Francisco Goncalves Torres Brandy, 50 oalxas a
ordem.
Ilahus 3 caixas a Gargel do Amaral & C. Bur
ra de ferro 1 a Joao Ma mos & Marhado. B juteria
I cixa a souza e Sa & C. Barbinte 6 caixas a
Parente A C. 1 a Lnlz Antonio Siquelra.
Gerveja iJSbarricas a Manoel da Sllva Faria
& C -'0 a Leao Rooba & C., 80 ao barao de
Bemfica, 13 aPernandesda Costa & C 50 a Tasse
Irmao & C Chi 2* caixas a Fernandas da Oosta
4 C, 3 a Antonio Parreira de Cartalho, 40 a A.
Marcelino Monteiro, S a Magalhaes a Irmao Ca
misas 2 caixas a Rodrigues Irmao Gumiaraes.
Calgado t caixa a Mendes Lobo & C, 1 a of den,
1 a Goncalves Irmao. 1 a ft sios Oliveira & C, I
a Vlonhard Mettler & C. Chapeos 2 caixas aos
mesmos, 4 a Keller &.C., 2 a Monteiro Gregorio, 2
a Joao Christia a & C, 3 a Cunha & II, 3 Fer-
reira & Mathens, 5 a Phipps BroHters* C, *a
Cramer Frey & C. Cimento 200 barricai a Tho-
miz A. Foneeca A G Cutilaria 1 caixa a Tfleod.
Christiansen.
Drogas 1 caixa a A. Caors.
Enfeiles 2 caixas a Souza e Sa A C. Encerados
1 caixa a Papmila Jk C.
Fitas 1 caixa a Souza e Castro & Almeida I a
Domingos T. Bastos. Ferragem i volumes a Kel-
ler 4 C. Sa Shaw Hawkes & C, 1 a Francisco R.
Pinto Gumiaraes, t caixa a Juaquim A. d'Araujo,
8 a H. Pursier & C, 11 a Moreira Halllday & C, 4
a Domingos Teixeira Bastos, 45 barricas a Parenie
Vianna 4 C
Louea 4 caixa a Goncalves IrraSo.
Miu lezai I caixa a Join Christrane 4C, 4 a
nastos Oliveira & C. Manteiga 20 barris a Do-
mingi s Alves Matheus, 10 a Brown Thomson & C,
3 a Babe Schmettean St C. 33 a Jaaqoim Duarte
Simdas, 12 e 4 caixas a Lea) Roclia i.C, 7 caixas
a li'lirao \ Filho.
Oiijectos diver-sos 3 volumes a Claudio Duboux,4
a Jose L. Goncalves Ferreira, 14 a Joaquim Anto-
nio de Araujo 4 C, 14 a W. II. Wiat i C, 10 a
Otto Bohres, 6 a Pareate.Viaona 4 C 67 a S. P.
Johnston iC, II a campanula Recife Draua'ge,
5 a U P. Wild, 2 a 3oi*a-e Sa & C, 5 a The-.d.
Christiansen, 4 a Simpson 4 C., 1 a Joao Christia
ni i C, 1 caixa a Monteiro Gregorio & .,3 a
B iurgard & C, 1 fardos a Linden Waidmann, 50
volumes e 7 barris a Mills Latham & 11 Obras
de vidro 1 barrica a Anto io J. Ferreira Monteiro.
Oleo de amendoa doee 1 caixa a H. Forster & C.
Dito de linhaca 12 bairis a Barthuloineu & C, 10
a Rocha Lima Guiinaraes.
Papel 7 caixas a E. A. Burle & C. Pimenta 6
caixas a Baltrao & Filbo. Presuuto 6 caUas a
Brown Thomson & C, 6 a Braga Son cfc C, 2 a
Beltrao & Fnho. Perfomaria I caixa a Jo>e Luiz
Goncalves Ferreira & C, 4 a Jeao Ramos & Ma-
chado.
Qu'djos 10 caixas a Francisco Goncalves Bastos
c >a, 30 a Alfredo Pris.ro Barbota.
Salmao 2 caixas a Beitrao 4 Filho. Saccos de
lona 1500 a Keller & C, 75000 a Babe Schmettau
&I
Tinu 1 caixa a H. Carls. Tecidns 4 fardos a
D. P. Wild, 86 a Mesquita Cardoso & C, 1 a Car-
ne r & Nogueira, 2 a A. F. de Oliveira 4 C, 9
a Oken Binding St C., 6 aos ooosignatario?, 4 a Pa-
rente Vianna 4 C, 44 a Luiz Antonio Si queira,
48 a Mills Latnan & C, i8a Joao Paler, & C, 1
a Carvalbo Gaimaraes, 0 a E. A. liurle 4 C, 41
a Ferreira 4 Matheus, 27 a Cunha S( C, 14 a
Braga Sou, 39 a Ale iforado Vieira &C,la Pinto
da" ilva Cascao, 1 a M. Maestrali & C, 1 a Daar
te Irniios, 6 a damson H.wio & C, 5 aPuipps
itr.itheis &C.2 a BoJrigues (rmaos & Guiinaraes,
46 a ordem, 39 e 1 caixa a Jo>0 L. Goncalves Fer-
reira, 8 e 3 caixas a Adnano Castro & C, 1 caixa
a D. I\ Basios. 2 a Mendes Az-vedo & -, 3 a M.
Uregorio A C, 2 a Bastos, 2 a Liuden Weydinan,
343 v.duuies a Brow.i Thonsoii & C, 66 e 8 fardos
a Goncalves Irmao Si C, 2e 69 caixas a Cramer
Frey & ...We Ma Keller 4 (I, 9 a Monhard
Mettler & C.
Velas stearinas 100 caixas a Bernardo Jose
Pereira, 100 a Beltrao & Filho, 100 a Silva Gui-
inaraes & C
Carga de Lisboa.
Alfazema 20 saccos a Silva Guimaraes. Azeite
le oliveira 6) b-tr-is a Mesquita, Cu'i/.o 4 C,
42 a B. B, Rabello & C, z3 a Cunha Irma is &
C., 20 aos cmisigoatarios, 30 a Thomas \. Fon
ceca Si C, 30-a Luis Joge da Costa Amoriin Si
C, 30 a silva GiimaiSes.
Batatas 50 meias caixas a Francisco G Bastos
e Sa Biscoitos 4 caixas a Francisco R. I'into
Gui naraes.
]ehulag -0 caixas a Lima 4 Silva, 50 a Roza
4 Irmao, 30 a Cunha Irmaos & C.
Conservas 4 caixas a Luna & Silva, 75 a P
reua Vianna C, 30 a Beltrao & Filho. f'as-
tanhas 4 caixas a Francisco R. Pinto Guiinaraes.
Chiuellas 1 caixa a Porto 4 Bastos, 1 a Manoel M.
da Foneeca C, 1 a Sabin L. d i Silva.
Drogag i caixas ao h ispital Pedro II, 2 a A.
Caors, 4 volumes a Kerreira Maia 4 C.
Ervd dose 11 caixas a >. Gaimaraes Si C-
Feijao 80 saccos a Silva Guimajaes v C., 60
a Bocha Lima & .iu-oi.raes. Figos 10 grades a
Frauco da Cunha C, 2 caixas a S. Guimarajs
4 C, 5 a Leao, Bocha 4 C.
Gauebra 50 caixas a Luna Si Silva.
Luvas de pelliua 1 caixa a i'apmla 4 C.
' Massa de tomato 5 caixas a Clemente Jo?6 de
^'endonca. Muveis 14 volumes ao mesmo. Mer-
cadorias diversas 2 caixas a Vaz & Leal.
oleo da linhaca 2 barris a P. vtaurer 4 C.
Passas 37 fardos a Jorge Jacome Tasso, 3 a
Frauco da Cuuha, 2 caixas a Lima & Silva.
Sardinha lnO meias barris aos mesmos, 200 a
Beiirao & Filho.
Vellas stearinas 200 caixas a S. Guimaraes
4 C. Vinagre 20 barris da quinto a Franco da
Cunha Si C, 5 a Clemente Jose de Mendonea, 32
e 9 pipas a Oliveira Filho Si 1, 23 e 5 a Beltrao
5 F.lho, 25 a 5 aS. Guimaraes. Vinho 14 pipas
e 55 barris da quinto a OliVeira Filho* Si C.,
54 e 19-5 a Silva Guimaraes 4 C, 43 e 30 a E.
B. Babello&C, .4 e aaSouz Bast-s A (L, 10
e 5 aos eousignatarios, 20 barris a Joao Ramos Si
kiioftde assnear mascavado.
*nra os portO* *) inieritr.
Para o Rio Grande.do Sul, na barca portu-,
eaeza Oceania, carregou : F. R. Pinto Guimaraes
200 saccos com 15,000 kilos de assucar branco ;
A. M. Souza Macbado 200 barricas fora 17,440.
ditos de dito.
Para oRio Grande do Sul, no navio nacional
Sorpreza, carregou : L. J. S. Guimaraes 350 bar
ricas com 23,988 kilos de assucar branco ; J. R.
dos Santos C.oi'O cocos (fructa).
Para o Maranhjo, no vapor naciunal Cru-
zeiro do Snl, carregou : J. T Carvalbo A C 10
saccos com 750 kilos de assucar somenos e 10
ditos com 750 ditos de dit i branco.
Para Msor6, ni hiate nacional A. dos An-
los, carregou : J. C. Figaeira 4 barricas com 240
kilos de assucar refinado.
CaPaTAKIA DA A!.FAPB(iA
ttaodimento dr. rtia 1 5 2:or*225
daa do dia 6 ... 997*9%
. 3:512*149
VOLUMES SAH1D08
So dta 1 a 5 . 5,267
No dia 6
*runeira porta..... 197
ieganda poria..... 441
Terceira porta .... 823
juarta porta......
"lapicha Goacei^io 1,399
8 127
Macbado, 2 aThomac Aquino
caixa a Antouio S. de Brito.
Foneeca Si C, 1
SERV1CO MAKITIMO
vi\irangas dascarregadas np trapicn*
al(ajide*a dj dia 1 a 5
No dia 6.
>'a\us atracados no trap, da altasdega
Alvarengas s .
in trapiche Gtmceicao .
13
14
RSCEBEDORLA DE RE>\'DAS I.NTi RNAS GE-
RAES.DR PERNAMBUCv
laodime-nt" d" dia 1 a 3 5.238*916
dam do dia 6..... 1:399,010
6:697*926
GONSULADO PROVINClAu
tea-iimento do dia 1 a
idem do dis 6
23:924*815
6:806;918
30.731 #763
-
:- U \
m m
marco, se repel
- VjHP'wWn aviso imperial de
6 de novembro fle i73, due e assim concebido :
3" seccaoMiuisterio dos Hrfocios do imperio -
Rio de Janeixo. em 6 de lioveniJjro^de 1873. 111m.
e Exm. Sr.-Convfcflo ijne lenha execucao o art
35 do regulamenfo de 17 de agosto de 1816, em
virtude d, -)ual flinfnem p6ue *r admittide em
qualquer estabelecimento officinal on iiuerario.
pubaco ou particular, sem qne mostre primeira-
inente que lave vaccina regular ou bexigas natu
raes, on que foi vaccinado iufructuo*amente pelo
menos tres vezes, nem continuar nos ditos esta-
belaoimrntos, se tres annos depois la pnmeira
vaccinacao nio tiver teito nova tentativa seguida
de feliz exito, cumpre que V. Exc providence
pelos meio* ao sau alcance para qneoessa facul-
dade seja flelm nte observada aqoella disposicao
Deos guardea V. Exc. -Manoel Antmio Duarte
da Azevedo Sr. director da faculdade de direito
do Recife.
Secr-taria da faculdade de direito do Recife, 6
de fevereiro de 1874.
secreUrio
Jose II morio B. de Menezej.
at
Navios eiUrados no dia 6.
Babia e escala 7 dias, vapor nacional Marqnez
de Caxtas, de 671 tomlaias, commandante An-
tonio Vieira dos Santos, equipgem24. carga dif-
ferentes generos ; a Antonio L. de 0. Azevedo
&C.
Liverpool por Licboa -23 dias do primeiro e 14
do ultimo, vapor iagtez t,alande,de 878 tonela-
das, commandaute 0. Williams, equipagem 25,
carga fizeudas e outros generos; a Sauuders
Brothers & II
New Castle63 dias, brigue inglez Carcnellr, de
267 toneladas, capitao John Lash, e (iiipagem
10, carga; carvio ; a ordem.
Ilio Jc Janeiro 2'di>, galera jiorlugieza Sju-
dade, da 418 toneladas, capitao Jose Cirdia da
Fonce.a, equipagem 17, carga differ3ntes gene-
ros ; a L'lya & Filho.
lVavios sahidos no me*mo dia
Rio de Janeiro -Lug e brasileiro Francisco I, ca-
pitao PorOroPrima da Costa, carga assucar, so-
la e outros generos.
LiverpoolLugre inglez Zizine, capitao Jones
Wills, sarga assucar.
Oowiiafoo.
Suspendea do lamarao para M-ss >ro a
portugueza Teatad'ira. capitao Malhias de
Maciel, com o mesmo fastro' que troaxo
de Janeiro.
Idem para Uaceid o brigue inglez Ocean Mo-
narch, capitao G. Le Ray, com o mesmo lastro que
trouxe do Rio da Janeiro.
Conaulado proviacial.
Pela mesa do cotteulado previncial se faz publi-
co aos contribmotes d >s impostos, abaixo de-'la
rados, que no dia 17 do correuto Iia ian-se os 30
dias oteis marcados para a cob ran; a de geus de-
bitos, indepenJenle de muila flcando snjeitos a
ella todos os qae pagarem depois de Iia los os
ditos 30 dias : .SO* ppf calxeiro, corretor ou in-
culcador daascrvas,-assde-raadas e de bilhar;
20 0)0 sobre estabalecimentos de conimercio em
grosso e a retalUo ; 8 0|0 sobre coasoltorio-, es
eriptorios e cartorios ; 4 0|0 sobre as casas de
commercio fora da cidade, botequins, casas de
pasto, coeheiras. cavallacas e fahricas ; 5003 rs.
por casa b.in wia. empreza anonyma ou ageneia ;
1:000* por casa de penhores, %-enda de joias em
grosso, a escriptorio ou estabelecimento onde se
^gencie venda do polvora, e par caixeiro de cor-
jetor matriculadp no tribunal do com-norcio;
200^ por depositii de kerozene ; 100* por casa de
roupa feita, selleiro, ou de outra qualquer arte
feita no edraugeiro, corretor commercial e agente
de leilao; 200* por casa de coiepra e venda de
escravos ; 30* por escravo empregado em servi-
co de alvarenga ; I 0|0 por tonella la de alvaren-
ga ; 4* por e cravo gaonador ; 30* porcocheira
cm cavallos para alugar : 6 0|0 sobra o valor do
capim vendido na cidade do Recife ; 5i por eada
estabelecimento com applic.ar.ao a creacao da com-
panhia de bombeiros; 1500* por casa ou agen-
da de seguro ; 2.'0* por depo-ito de carvao de
pedra e da vender cal nao labricada na pruvincia,
e o imposto sobre carros, carrocas e omnibus, e
doconsumo de aguardenle, pertencenias ao exer-
cicio de 1873 a 1874.
Consulado provincial de Pernambuco, 3 de fe-
vereiro de 1874.
No impedimeiito do administradnr
Eduardo Augusm de Oliveira.
Pela recebeduria de reudas internas geraes
se faz pu'dico qae e no corrente mez de fevereiro
qae deve ser paga, livre de multa, a taxa dos es-
cravos, relativa ao exercicio de 1873 a 1874 ; de-
pois do que se lo-ha com a nulta de 6 0|0.
Recebedjria de Pernambuco, 5 de fevereiro de
1874.
0 adminis'rador
Manoel Carneir i de Souza liaivrda.
Banco Commercial de
Penttmlwco.
0 banco paga o segundo rlivideiiu. na
razao do 8 % ao an,, ou -5J'00 por nccao,
relativo ao seir.ostre flnJo em 31 de Jozem-
bro de 1873.
4W*Mt
4**M0
3I*W
SWM009
Rua la liocds.
Armazem n. 37 (fechado)
Rua Veliia.
Casa terea u. 44 Rua das Larangerras
Casa terrea n. 17......
Rua de Bnrfiw.
Armazem n. 13 (fechado) a .
Os pretendentes deverao apresentar no ado da
irrematacao as snas fiancas, on compareeares
ic.oopannados dos respectivos hadores, deveade
aagar alem da renda, o prenip da quaadia eas
iue for seguro o predio qua cm'.iver eslabeaeri
nentS commercial, assim como o service da liat-
peza e precos dos apparelhos.
Secretana da santa casa da misericordia do Ha-
-ife, 3 de fevereiro de 187V
O escTivao
____________Pedrn RodiijHes de Souzm.
Correio geral
Helagdo dos objedos rtrjislradot exti
na adminiatrac&o doscorreios desla
vincia, para as pessuas abaixo deettt-
radas :
Albino Goncalves Meira de VasroneHtos, Anto-
nio Cameirs da Cunha (3), Ant nio ENaad* Ha-
rass. Albino Jose da Silva, Ant >ni.. Por4M Va
Miranda, Anna Eugenia de Queirogi, AatUMNPn-
reira de Carvarho, 'ntonio loa piim da flarae*
Silva, Antonio Gin^ lives Torres, Amorim Wfciaa
v C, Candida B -rnardo Pinto, CoMiie OMMIs
Lorejo, Etilalia Maria da Omeeicao, ICnrHa Caval-
canle de Oliveira, Praoceliaa Paes Hair. 11. Pir-
mino Theotonie da Camara Santiago, Francisco n>
Paula Pereira, Hermenegildo Eloardo do 3ej;o
Monteiro, Ignacio Dias Fernandes (-). Julio da
Costa Cirne, Joao Chrysa>tomo G-i:e;alvs Rosa,
Joaquim Correia de Oliveira Andradc, J i-a Maria
Freire Gameiro Junior, Joan Bapu-ta da Guima-
raes Peixoto, Joao Joe da Silva, lo e. Arthur Cis-
neiro de Albuquerque. Joao Jose d-. Cunha Lagos,
Julio Alves Teixeira da Macedn, Jog* Sancho Be-
zerra Cavalcante. Joao Cavalcanip Hollands Cha-
con, J ise da Silva Siqueira Cavalcante, J'-e A.
D.as Ferreira, Josti Jeruoymo Monteiro, Jwi' Ro-
dngues Peixoto, Leopoldinu dos Gui nara sf, Lou
renco Leo adio de Mcn>zes,Luiz de Almeida Arau-
jo Cavalcante Fnho, Maria Joaqnina dtSaat An-
na, Manoel Jos6 Tin co de Sou. a, Mai qoias An
tonio Goncalves, Romao Rmlr goes. Way todo
Ferreira Itaibosa, Victor Ant Adtninistracao do correio de Pernambuco, % da
fevereiro de 1874.
Jose i'.an lido de Barras
Encarreeado do ragttro-
galera
so iza
i i \\.>
jmm.
A camara municipal desta cilade manda
publicar os arligos de posturas, abaixo trans-
cript'is:
Art. 70. Pica prohibido neste municipio o brin
quedo de enlrudo com agua ou qualquer outra
-nlistaneia, de qualquer maneira qua se empre-
gue os iufractoras pagarao a multa de 15* e
saffrerao oito dias de pri Art. 71. Fica prohiblda a venda de linias de
iheiro : os infractores alem de as perderern, pa-
gar .o 43 de multa.
Paco da camara municipal do Recife, (7 de
Janeiro do 1874.
Manoel J. do Rego e Albuquerque
Presidente.
Pedro de Albuquerque Aulran
Seeret&rio.
Declara(;ao
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provincial,
manda fazer publico para qaem iuteressar possa,
que foi transferida para o dia 12 do corrente mez,
a arremataeao do costeio da illuminacao da cidade
de Goyanna.
Secrelaria da thesouraria provincial da 1'ernam-
co, 4 da fevereiro da 1874.
Servindo de official maior,
Landelino de Luna Freire.
Secretaria d'> gyraaasju provincial de Pernarabu
co, 5 da fevereiro de 1871-
Por esta secrelaria, e da ord m do Illm. Sr. Dr.
rogedor interino, se declara ao~ pais, tutores e
corresp mdentes dos alumn-s int^rnos, quo nao
p idem estes trazer para o in^tituto outro enxuval
senao o qua e estabelecido pelo riigularaento cm
vigor, podend i a relacao do dito eaxoval ser nes-
ta secretaria procurada por qaem della precisar.
0 secretario.
Celso Tertaliaao Fernandas Qaintella.
*.uia Casa da Misericordia do
Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da MUa
ricordia do Recife, precisaudo fazer os concertos
de que necessita o predio qua possue o patriino-
nio dos orphaos, a rua da Crnz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, contrata com quem se proponha a rea-
lisar ditos concertos, medianle certa renda e al
guns annos de prazo para Jcsfructar ; devendo
os que disso se quizen-m encarregar, apresentar
suas propostas em cartas fechadas, devidamente
selladas, acompauhadas do respectivo orcanie to
nesta secretaria ate o dia 19 da fevereiro vin-
douro.
Secretaria da -Santa Casa da Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
ESTRAM DE FERRO
do
REIMEAOLIND
Esta companhia contrata com quem por menos
fizer a conslruci.ao da pequena estava) do Pi res :
os pretendentes se entenderao com a respectiva
gerencia.
L. J. de Miranda
Gerente.
Edilal n. 127.
tSSPACHOS DE EXPimTACAO NO DIA 8 Dl
FEVEREIRO DE 1874
fara os portos do exterior.
No vapor francez Fire Qaem, para Liver-
pool, carregou : M Lathan 4 C. 81 saccas com
6.519 1|2 kilos de algodao : Souza Bastos A C. 206
ditas com 18,t26 Os d tos de dito ; G. Neesen &
C. 49 ditas coia 0,582 dilos de did' ; B. Brothers
& C. 130 ditas eora I ,839 dta>* da drto.
Na baica ingleza Fuzilier, para Livorpool,
carregou : J P. Ferreira 664 sacoos com 49,800
kilos de asuuear maseavado.
No Ingar inglez Staq, para o Canal, carre-
gou : J. Pater A C. 800 saccos com 60,000 kilos
de assucar maseavado.
- Ro navio inglez Miranda, para o Canal, cars
regon : J. Piter 4 C. 1,000 saccos conk 75,000
kilos de assnear maseavado.
- i>o navio francez i Lotus, para o Havre,
carrejou : Keller Aj C. 2,000 couros salgados com
42.000 Ml'-s
No vapor fraaoaz VOit de Santas, parao
Havre, carregda : P. J. Sigueira 1 caixa com 4ff
kilos dedoco
Na samaca hespanoli Paula, para Barcei
lona, carregou : AmoHfri frmlos 4 C. 348 saccas
Com 25.490 112-Was da aigodie.
No briMuo:aoropae* Demi**, para, Liatoa<
carregou: laV Ht. UmeUo- 60 aaceas-. eom 4^a
kilos de algodao ; L. J. Silva- Gnimarjas. 100 sac -
oos com 7.7TOjPk.dtra||n^,fflaacajata-; TTB7 '
Fonseca- A d SUcaeaaatess erjiT dflfe. cam- iS#Q&
ditos de dito ; FerWtfa 4 CascJai 4r) saccas
2,716 ditos da algodao.
Pela inspectoria d'alfandega se faz publi-
co que nao se tendo effactuado a am mata-
i;ii das mercadorias abaixo declaradas se
transtere e a mesma arre'nitaQao para as 11
horas do dia 7 do corrente.
Trapiche ConceigSo.
4,600 resteas de cebolas avariadas, vinr
ds do Porto no patacho portuguez Olinda,
entrado no mez proximo Undo, abandonadas
aos direitos por Silva GuimarSes & C., e
avaliadas por 2<'#o00.
33 caixas e 4G > rest as de ceb las avaria-
das, do Porto, no brigue portuguez Trium-
pho, entra lo no inez proximo passado,
abandonadas aos direitos p<>r Silva Guima-
raes &.C., avalialasem 1590tM>.
5!lo kilns de sal coinmuin, ratiiiado, vindo
de Liverpool no vapor inglez Student, en-
trado e.n deiombro do anno passado, aban-
.doBado aos direitos pbr Cardoso Martins &
C, e rtV.iliados por iOJJuOO.
All n lega de feruambuco, 6 de fevereiro
d 1874.
P. A. de Cnmalho Reis.
O-iSERVACAO
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial maada fazer publico a quem interessar possa
qua foi transferi la para o dia 19 do corrente met
a venda dos objectos dados em consnmo pelo cor-
po da policia, eia cajo quart! se aoham e podem
ger examiuados par quem os pretender.
E para c. nstar se man lou publicar Bo preseate
jornal.
Sewatariada thenouraria provincial de Pernam-
buso, S 4* fevereiro le 1874.
Victoria*) J. M. Palhares,
Official-miinr interino.
Pacior^U' .It- ir^u ..
De.oi Jem do Exm; Sr. canselhairo director Via-
pon U de Camiragibe, e para oonhecimento dos
co flue pretendeoam gar admittidos a matrienla do 1*
anno, cuja abertura devera ter lugar no 1* do
Armazens da compa nhia per
nambucana.
Seguros contra o Togo
A companhia pernambucana, dispondo de ex-
cellentes e vastos armizens em seu predio ao for
te do Mattos, offerece os ao commprcio em geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
servacao das merodorias depo>itadas, servico
prompto, precos modicos, etc.
Tambem reeolhera, mediante previo accord.', ex-
clasivamente os generos de uma so pessoa.
Estes anna;ens, alem de arej idos o commodos,
sao i:iteirauv nte novos e asphaltados, isentos de
cupira, ratos, etc., etc.
As pessoas que quizerera utilisar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao es riotono da com-
panhia pernambucana, que acharao com quem
tratar.
S..nta : .'asa dt M.isericoriia do
Recife.
A lilma. jnnta administrativa desta Santa Casa,
autorisada p la Santa Casa da Hisericordia da
Bahia, leva a praca de venda, perante si, no dia
12 do corrente, pelas 3 haras da tarde, os tres
predios sitos a rua do Coronel Suassuna, outr'ora
de Hortas, n. 34, pela quantia de 2:80 t; n. 116
pela quantia de 3.000; e n. 118 pela de 3:200*".
Para qualquer informacao. podem os preten-
dentes dirigir-sea esta reparticao."
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 4 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
SANTA CASA DA MISERICOKLIA DO
RECIFE.
A lllma. junta administrativa da santa casa da
Hisericnrdia do Recife, manda fazer publico que
aa sal a de suas sessoes, no dia 19 de fevereiro
pelas 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
quoin mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tr-s annos, is rendas dos predios em segnida
ieclarados.
ESTABELECIHENT0S DE CARIDADE
Padre Ploriano.
Casi terrea n. 47......201*000
Travel de S. Jose.
Casaterrean.il.......201*000
Idem n. 4' o.....125*00(
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla verha.
Casa terrea Or Mi......WO-*rj00
Becco das Boias.
Sobrado n. 18 ....... 421*000
Idem n. 18. .....680*000
RifadaCruz
Sobrado 14 (fechado) ..... 1:080*090
Ruo do Pllar.
Casa terrea n. 98 241*000
Casa teree 5n. 98.......940*000
Idem n, 102........241*000
THEATRO
SANTO ANTONIO
Recita extraordinaria.
I Slima itnpreterivelniente.
Sabbado 7 do corrente.
AS 8 l|2 HORAS ft* XOITE.
Dada pelas m-ninas
0 Sr. Riosa, attendendo ao pedido que i-e Ihe fei
nos joniaes, nao pode deixar de saiisf .*r aoa aeus
favorecedores, dispondo para diloodia 0 especU-
calo ptla ordem seguinte.
Pro^rainnia.
I." Grande symphouia pela orchestra.
2.* A linda e engracuda comedia em I ado or-
nada de canto e danea escripta expre>ameiU pa-
ra as meninas Biosas, pelo Dr. Lobato, distincto
maranhense, iplittilada :
Que par !
3.' 0 duelo jocoso. imiiulado :
0 meirinho e a pobrc.
I.' A muito applaudida comedia em um acto,
parodia de Orpheu :
Os dous infernos.
5.* A linda avao. in em dnetn Os nis dto
Curasao, em gnida o tango da
Rei mortw.
6.* A grande e sempre applaudida romedta in
1 acta, ornada de cauto e danca, parodia dj Sai
ree do Cartraval.
O cas:il Barbnlho.
Principiara as 8 1|2 h ras
mm
Santo Antonio
XMPRKKA
Granile c>. paiiiii drar,tte.
Pessoal de 25 artirtas.
(8DAMASe 17 II -MEN'S i
KMTRi; 1
no sal.hado 28 d<> correnie, como imp- riaote dra-
ma original francez:
UM iN.\UPil\UlO
COSTAS dV UT ^H i
A empreza conta coin um pes-oal bai .!:ud .
inclu-ive o prinieiro centro diamatico Tn >maz
Espiuca -, qne a coivite do einprezario fara par-
te da companhia.
Os dramas qae hao de ser represent ados nesta
nova epoea theatral, serao dc recou'ieci io eri! i
e noineada.
0 einprezario ennta que justica lh sra feita
pelo illustrado puhlico de?ta capital a quem dcr*
o melhor acolhimento.
THEATRO
(iYMSIOJIMilATICO
EMPREZA
Sabbado 7 do corrente
Estrea do artista Eduardo Alvares da Silva.
Representar-se ha pela primeira vet, nesta em-
preza, o important/! drama em 3 aclos :
0 Medico das Crimps
0 pape' do Dr. Luciano (raedi-o das riancas) e
desempenhado pelo actor Eduardo elornul ac-
tor Flavio, Jerooymo Pcnanie, Pr-darico
Augusto, Luiza e Lucilla D I'hil i.sena,
etc. etc.
Tcrminara o espectaculo com a scena-cwaiaa
pelo actor Penante
0 jezuita na gargauta.
a Principiara as 8 1|2 horn.
Domingo 8 do corrente
.4 & horas em pout*.
0 drama em em 5 ados, ornad> do a
D. Cesar de lla/.nn
Caprichosamente vertido pela enroreza.- qua
poupa despezas nem pessoal pan o |Hi ur
penooda peca.
Terminara o cspecucolo com a da^B
i pelo >r) Fiavio :
OSr. Domittgos foradoswto
A's 5 boras da tarde.

I
}


f

-



Diario de Pemambuoo Sabbado 7 de Feveneiro dt 1874*
"Theatroda Encruzilhada.
HOJE
Vai i seena o applaudido drama pastorii do
Mooteiro, em 8 aetos 0 Natalicio conchmdo
com a visla da gloria.
AVISOS MARITIMOS.
t OMPA VIIIA Hit ASII.IIIt \
DE
NAVEGACAOAVAPOR
Portos do sol.
GEARA
Commandante Aleororado.
E' asperade Jos portos do none ale 8 do cor-
rente e seguira para os do sul depois da demora do
CMMM.
Ffexa carga, encommendas, valores, passageiros
mais informacoes, dirijam-se no escriptorio da
icia
,7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna k C.
Agentes.
< OMFAMH t BRAilLEIRl
DE
NAVEGAglO A VAPOR
Porto* do norte.
CUV:ZAHO BO SIX
Comma rid a ute Gull her me War-
ding tun
E' esperado dos portoe do sul ate o dia 8 do
cerrente e seguira para os do norte depois da de
morado costume.
Para encommendas. valores e passageiros, di-
rijam-se ao escriptorio da agencia
7RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna AC.
____ Agentes.
COIPANHA
MESSAGERIES MARITIMES.
Linha niensal
DONNAI
Espera-se dos poitos do sol ate o dia 9 do cot-
rente, seguindo depois da demora do costu-
me para Bordeaux, tocando em Dakar (Goree) e
Lisboa.
Fara con OS AGENTES
Harismendy A Labille
9 Rua do Commercio 9
Facrflc Steam Navigation Company
Liinha qulnzenal
0 PAQUETE
eepera-se da Kuropa ate o dia 8 do corrente,e de-
pou da demora do costume segnira para o snl do
unperio, Rio da Prata e costa do Pacifico, pan on-
de recebera passageiros, encommendas e dinheiro
a frete.
OS AGENTES
Wilson Rone A C.
14 RUA DO COMMERCIO14
Linha qulnzenal
0 PAQUETE
eipera se dos portos do snl ate o dia 13 do
corrente, e depois da demora do costume, segnira
para Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde
recebera passageiros, encommendas e carga a frete.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERCIO14
PARA
PORTO
Seguira em ponros dias a barca portugueza
Nova Sgmpatkia por ju estar com a maior parte
de sen carregaroeoto engajado, e para o resto qne
lhe falta, asim come para passageiros, aos -quaes
offeree* o navio os aaelhores coramodos, trata-se
comfiattbar Oliveira U, & rua do vjgario n. 1,
i*aadar.
Rio Grande do Sul
Para o referido porto prelende seguir com mni-
ta brevidade atarca portugueza Arminda, por
ter a maior parte de seu carregamcnto tratado, e
para o resto que )he falta, trata-se com os consig-
natarios Joaquim Jose" Gnncalves Bettrao & Filbo,
a rua do Commercio n. 5.
LEILOES.
Agente Dias
LEILAO
DE
e outros artijjos
A's lO t|* horas
No segundo ondar do sobrado n 58 da rua do
Barao da Victoria, ontr'ora rua Nova.
O agente Dias, competentemente autorisado. le-
vari a leilao, os moveis e mais artigos pertencen-
tes a nma familia, que mudando de residencia, re-
selveu dispor dos referidos bens
A SABER:
Uma mobilia de jacaranda, composta de 1 sofa, 2
consolos, com tampos de pedra marmore, 1 me-
sa de meio de sala, com tampo dito, 1 cadeiras
de balanco, 2 de bracos e 17 de gnarnieio
Uma dita de faia, com 1 sofa, 2 consolos com tarn
pos de pedra marmore, 1 mesa de meio de sala
dita, 2 cadeiras de braco e 12 de guarnicao.
Cm lustre de vidro para 4 luzes, 1 dito de bronze
para 3 ditas, 1 candeiabro com S mangas, 1 par
de serpentinas com casticaes de metal, dilTeren-
tes arandeilas para gar, com dourado e bron-
aeado.
Uma pequena secretaria de mogno, I cabide para
roupa, 3 lancas para cortinades, differentes va-
sos para (lores.
Urn magnifico goarda-lonca com pedra, obra mui-
to bem acabada, 1 aparador dito dito.
Uma mesa elastica de amarello.
Um tencador grande, com espelho, gosto antigo, 1
marqueza de am.-rello e 1 cam a para solteiro,
de dito, differentes artigos, eomo sejam : qua-
dras com finas gravuras, 1 cama de jacaranda
para casal, etc, etc
Independente destes moveis vender-se-ha tambem
outros completamente novos, como sejam :
Guarda-roupa e guarda-vesiidos com espelhos e
sem elles, secretanas de mogno, aparadores e
guarda-louca, uma magnifica cartoira, porta-
musicas e outros muitos artigos.
Hoje
A's 10 1|2 horas em ponto.
No segnndo andar do sobrado n. 58 da rua do
Barao da Victoria, oatr'ora rua Nova.
DOS
generos, armacao e mais pertencas da taverna da
rua Imperial n. 65
0 agente Martins fara leilao da taverna da rua
Imperial n. 65, sendo o producto liquido appliea-
do para pagamento dos credores de Antonio Vic-
tor.no da Rocba, dono da mesma.
A's 11 boras do dia acima.
LEILAO
DA
armacao, gaz, pesos e raedilasjda ttve.-na
sita a rua Imperial n. 105.
SEGUNDA-FtIRA 9 DO CORRENTE
A's 12 horas
O preposto do agente Pestana fara leilio, per
conta e riseo de quern pertencer, da armacao,
gaz, pesos e medidas da taverna sita a rua Impe-
rial n. 105, segunda-feira 9 do corrente, as 12 ho-
ras da manna.
FORNECEDOflES OE NAVIQS
ESTABELECIMENTO DE ALFRE-
DO BARROS & FERREHtA.
Neate estabelecimento encontrarao os Srs. com-
jaiandantes de navios o melhor e mais complete
soitimento de viveres, garantindo-se ao mesmo
tejipo a prempta e boa execucao no cumpriraento
de suas ordens.
t-Largo do Corpo Santo*
DE
caixas contendo 180 latas com massas
para sfipas, de diversas qualidades, como
sejam : cuscus, argolinbas, pevides, es-
trellinhas letras, cujas gcaixas tem mar-
ca B.
Segunda-leira 9 Ho corrente
as 11 horas em ponto
No armazem do Sr. Annes.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e riseo de qaem pertencer, dos objectos aci-
ma mencionados, segunda-feira 9 do'corrente, as
11 boras da manha, no armazem do Sr. Annes.
=>
LEILIO
DE
um grande sobrado em Olin-
da, rua da Mangabeira
n. 1
QUARTA-FEIRA 11 DO CORRENTE.
is 11 horas da ntnnbi
Na rua do Imperador, armazem n. 48.
0 agente Martins, competentemeMe autorisado,
vendera em leilao, no dia e hora acima, o referi
do sobrado, edificado em chaos proprios, com 358
palraos de Crejitc, murado com portao, e 450 de
fundo, com rico pomar das raeMtores fructas, aa,-
potizeiros, iarangeiras, jaqneiras, mangabeiras,
cajueiros, aracazeiros, cunteude 3 salas de frente,
sala de jautar. 6 quartos, dito para banho, enci
nha fora, 2 lojas, caciraba raeeira, etc, etc.
Quern quizer ver dirija-se das 9 horas da ma-
nha as 3 da tarde, no mesmo sobrado.
Ao publico.
Leilio
DE
nm ierreno com uma casa coberta de telha, ca-
cimba com excellente agua, com 159 pahnos de
frente e 500 de funde, sito em Agua-Fria, Be-
beribe de Baixo.
QUARTA-FEIRA 11 DO CORRENTE
As 11 horas da manha
. No armazem da rua do Vigario Tenorio n. 11.
O preposto do agente Pestana, fara leilao por
conta e riseo de qnem pertencer, do terreno aci-
ma mencionado.
QUARTA-PEIRA 11 DOCORREME .
Am ft horas em ponto
No-armazem da rua do Vigario Tenorio n. 11.
LEILAO
DO
grande sobrado de 3 andares e sotSo da rua de
Marcilio Dias, ontr'ora rua Direita n. 120, em
chaos proprios e edificado ha cerca de um anno.
Quinta-feira 12 de fevereiro
AO MEIO DIA.
Por inter\enco do agente Pinto.
Na rua do Bom Jesus n. 43.
Os pretendentes poderao obter qnalquer infor-
macao no escriptorio do mesmo agente.
0 Sr. Angelino Jose' dos Santos Andrade, en
nma sua publicaeio feita no Diarto de Pernam-
buco de 4 do corrente, exhihinda ao publico o es-
tado de seu* negocios, e nella menos verdadeiro.
Nada teoho que ver como estado lisongeiro das
suas iragacQdes, mas nao posso deixar deextranhar
a (alu de memoria, se nao o esquecimenlos dos
faveres que em tempos mais dimceis Ibe foram
prestados.
Nao sei que alguera exbiba uma pnblica forma
d'oade resulte queem 28 demargo de 1870, pagasse
pete mesmo annuueiante a quanlia de 15:1)004000,
mas o que posso provar e que por o casiao do paga-
mento dessa quantia o anaunciante recebera um
grande obsequio do qual devei a confessar-se re-
con he cido.
Vou avivar-lhe a memoria o saquc de (5.00GJ
do Sr Bento Jose dos Santos Andrade, do Porto,
aceito pelo Sr. Angelino Jose dos Santos Andrade a
l.ivor aos Sri. Antonio Dounngos de Oliveira Gama
& C, venceu-se a 14 de marco de 1870. Por oc-
casiao do pagamento desse saque foi que o nnnun-
ciante recebeu de alguem os favores esquecidos.
Como um saque vencido em 14 de marco, so foi
pago a 28 do mesmo mez, da forma segmnte :
a Anna do annunciante nao merecendo bas-
tante garantia, foi necessario que alguem se pres-
tasse a afflanfa-lo, pela ellectividade do pagamento
desse saque.
Nao declaramos o nome desse individuo, o que
se fara se for contestado.
Se esse pagamento so fez depois do vencimento
do saque, foi devido a garantia estranba.
Nao tinha o annunciante em poder de quem por
elle afflancou quantia sopenor para pagamento,
tanto assim que para elle realisar>se, foi necessa-
rio que garantisse dez lettras no valor de......
6:7994180, que foram descontadas no English
Bank em 28 de marco de 1870.
Como pois afSrmar que nao deve obsequlo al-
gum f
Se a demora no pagamento nao fosse consegui-
da por um individuo, nao seria o saque devida-
mente protestado.
Nao quero citar provas, e creio que a isso nio
serei forcado por um desmentido do annun-
ciante.-
Recife, 5 de fevereiro de 1874.

Attencao
Na ma Imperial n. 94, vende-se cestos do Porto,
proprios para padaria.
De
12 pecas de grosdenaples pre to e 24 ditas de ba-
ta de differentes cores
Quinta-feira 12 do corrente
as 11 horas
POR INTERVENCAO DO AGENTE PINTO
NA RUA DO BOM JESUS N. 43
Leilao
DE
fazendas avariadas
Quinta-feira 12 rfe fevereiro
as 10 1(2 da manha
Por intervencao do agente Pinto, rua do Bom
Jesus n. 43.
AVISOS DVERSOS
Rio de Jaueiro.
-Prelende seguir com brevidade o brigue nacio-
sal Mabel, por ter dous tercos da carga engaiada.
Para o resto que lhe falta e eseravos a frete,
trata-se com o seu eonsignatario Antonio Lniz de
Oliveira Azevedo, rua do Bom Jesus n. 57.
ceHPtvnu
MESSAGERIES MARITIMES
Linha naensal
ERYMANTHE
Espera-se da Europa ate o dia 7 do corrente,
fegowdo depois da demora do costume para Bne-
aos-Ayres, tocando na Babia, Rio de Janeiro e
Montevideo.
Para passageiros, encommendas, ete., a tratdl
com
OS AGENTES
arlsmendy A Labille
9 Rua do Commercio 9
bons moveis, crystaes, loucas finas e outros mui-
tos artigos de gosto e phantasia
TERCA-FEIRA 10 DO CORRENTE
As 11 horas da manha
no primeiro andar do sobrado n. 14, a rua do
Crespo (Primeiro de Marco hoje.)
A SABER:
Um piano forte, 1 rica mobilia de faia, imitan-
do jacaranda (gosto inglez), encosto de palha, con-
lendo 12 cadeiras de guarniglo, 2 ditas de braco,
2 consolos, tampo de pedra, jardineira, tampo de
pedra, 1 guarda-roupa, 1 guarda-vestido, 1 rica
commoda, 2 aparadores de mogno, 1 guarda lon-
?a, 1 costureira, 2 marquezas, 1 mesa elastica, 1
cama para casal, 1 relogio de parede com des-
pertader, cadeiras para sala de jantar, espelhos
dourados, escarradeiras, tapetes, capachos, jarros
para Cores, lanternas, garrafas para vinho, ealices,
copos, compoteiras, louga para jantar, dita para
cha, ternos de bandejas, secretaria, lavatorio com
tampo de pedra, toilette, 1 revolver de 6 balas,
commoda, figuras e outros muitos objectos que
se tornam recommendaveis, 4 duzias de garrafas
de vinho velho do Porto (boa pinga.)
0 agente Pinho Borges, competentemente auto-
risado, Jevara a leilao, os moveis e mais artigos
pertencentes a uma familia que se retirou para
fora deta provincia.
Agente Dias.
Leilao
DE
piauno de mesa de jacaranda,
brilbantes e muitos outros ar-
PARA
J
0 Georgiana
* eaperado do Rio de Janeiro por estes dias
aseme com pouca demora para o Para, tendo Ja
-^arteda carga engajada : tra^a-se cam Tasao Ir-
moveis,
ouro
tigos
Ter^a-feira 10 do correute
A's 11 horas em ponto
0 agente Dias fara leilao, por conta e riseo de
quem pertencer, de uma mobilia de jacaranda
eom tampos de pedra, 1 dita de >marello nas mes-
.mas condicoes, l piano de mesa de jacaranda em
fkerfeito estado, proprio para quem quizer apren-
der> 1 guarda- roupa de mogno, 1 dito de amirello,
1 eoinmoda, 1 carteira de amarello com estante, 1
sanctK'ario de jacaranda, marquezSes, marquezas,
camas para caiaL, consoles, mesas redondaj, Liesas
elaslicas, quartmbeiras, candieiros a gaz, jarros,
SuadrosJ 1 pw de cadeiras de balanco de vime, 1
ito de oragos e muitos outros objectos que esta-
rao patentes no acto do leilao, no an4ar do so-
brado n. 64 da ma do Marquez de Olinda
ao correr do maritfh
PlKM.lt tUll \
DA
festa de Nossa Seuhora da
Soledade
NO
Poco da Pa ii el la.
No dia 7 de fevereiro sahira da casa do respecti-
vo juiz, as 7 l[2 boras da noite, a bandeira da ex-
celsa virgem da Soledade, com todo o brilbantis-
mo devido ao cnlto, e guardadas as ordens em vi-
gor, e logo hasteada, quei.T.ar-se-ha um pequeno,
mas interessante fogo de artificio, tocando em to-
dos os actos a musica do 1. de artilberia, mestre
o insigne Francelino
Na madrugada de 8, uma salva annnnciara aos
fleis o grande dia da festa da Soledade, tocando a
alvorada a mesma banda de musica.
A's 11 horas entrara a festa, cuja orchestra se-
ra dirigida pelo maestro Colas, orando ne Evan-
gelho o distincto pregador da capella imperial o
padre mestre Lino do Monte Carmello.
A tarde sera entretida com differentes baloes
dediversos gostos.
A's 7 horas da noite orara o sempre apphudido
pregador, o padre Jose Esteves Vianna, depois do
que cantar se-ha o TeDeum-Laudamus, seguin-
do-se um importante fogo de vista, feito para este
dia.
So dia 9, os encarregades da festa da Virgem
da Soledade, mandam cantar uma missa ao Senhor
dos Passos, e a noite nma ladainha, precedida de
uma orayao pelo padre Esteves Vianna, seguin-
do-se o tiramento da bandeira da Virgem da So-
ledade, com a mesma pompa com qne foi hastea-
da, lerminando tudo um apparatoso fogo de arti-
ficio, interrompido com f gos de bengala, baloes,
moiteiros, flamantes, etc. etc., etc.
CASA DA FORTiA.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
1' rua Primeiro de Margo (ontr'ora rua dr
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos sens fe-
itzes bilhetes, um meio n. 2,604 com 4:000*000
um meio n. 2,387 com 700|, um meio n. 321 com'
200J, um inteiro n. 492 com 100/ e ontras sortes
de 40* e 20* da loteria que se acabou de extrahir
(86"), convida aos possuidores a viram receber na
conformidade do costume sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidos
la 1* parte das loterias a beneficio da irman-
dade de Nossa Senhora da Soledade da igreja do
Livramento (87*), qne se extranira na sexta-fei-
ra, 13 do corrente mez.
PRECOS
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
EM PORgAODE 1009000 PARA C1MA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Martins Fiuia
Os abaixo assignados declaram pelo presente,
que nesta data dissolveram amigavelmente a so-
ciedade qne tinham na fabrica de carvao animal
da Povoacao do Mooteiro, sob a razao de Abreu
& Jayme, ficaudo o activo e passivo a cargo do
socio Abreu.
Recife, 24 de Janeiro de 4874.
Jayme E. Gomes da Silva.
______________Paulo Felippe de Salles Abreu
Aluga-se uma sala propria para escriptorio
sita a rua Duque de Caxias n. 88 : a tratar na loja
do mesmo predio. _________
CHAMADO.
Os Srs Jovino Fernandes da Cruz e Joaquim Cle-
mente de Lemos Duarte, sao chamados a rua do
Coronel Snassuna n. 282, a negocio de particular
interesse.
Estrada de ferro de Olinda.
Pede-se ao Sr. gerente desta companhia qne
conserve o horario da companhia como esta, isto
6, todas as meia horas, tanto pela manha como a
tarde.
____________________Muitos assignantes.
Para tratar de um, precisa-se de um ho-
mem que seja cuidadoso eentenda de jar Jim.
Em S. Jose do Manguinbo, sitio n. 2, muro
cinzento antes da igrej a.
Cozinheiro.
Para casa de pequena familia precisa-se
d'um bom cozinheiro : caes do Apollo n.
69.
Engonimadeira ecnado de 12
annos.
Para casa de familia precisa-se d'uma
boa engommadeira que entenda de costura;
e de um criado de 12 annos para servigo de
casa e algum mandado, prefenndo-se esera-
vos. Em S. Jose" do Maguinho, sitio d. 2,
antes da igreja.
A pessoa que prosurou comprar a casa nao
acabada, nas proximidades do becco do Espinhei-
ro, queira dirigir-se a travessa da Baixa-.Verde,
na Capunga n. 11, que fara negocio.
N. 135,000
Eon. do Sr. Bento Jose da
Silva Magalhaes
na loja de fazendas e roupa feita, a rua do Mar
quez de Olinda n. 40: roga se ao mesmo senhor a
vir com urgencia oltima-lo. Esta declaragao e
em harmonia com a respnsta que S. S. ha dias den.
Festa do Glorioso S. Bene-
dicto em Caxanga
Sabbado, 7 do corrente, as 7 horas da noite,
hastear-se-ha com toda a pompa e brilbantismo, a
bandeira do mesmo padroeiro; depois da qua!
queim ar-se-ha um pequeno fogo de artificio. Ao
romper da anrora do dia 8 nma salva de 21 tiros
devera annnnciar aos habitantes daqnelle povoado
que e cbegado o dia solemne em qne or rieis com-
memoram as grandezas daquelle glorioso pa-
triarcba.
A's 10 boras da manha do mesmo dia tera prin-
cipio a festa, na qual cantar-se-ba nma linda mis
sa, sendo a orchestra dirigida pelo insigne profes-
sor Theotonio J. de Souza, orando no Evangelho
o reverendo padre Leonardo Joao Grego ; antes do
sermao o professor Lniz Goniaga de Lima tocara
em sen onclides nma iinda pbaatasia. A musica
mareial do 1* batalhao de lifantaria, sob a diree-
cio do professor Theotonio, tocara duraute todo
acto as melhores pecas de sen repertorio ; deven-
do tocar a tarde no pateo da igreja, em cuia oc-
casiio snbira ao ar um lindo balio. A'nvite bavera
ladainha, e depois de tirar se a bandeira termina-
ra o acto, queimando-se um grande e lindiasimo
fogo de artificio, e soltar-se-ba diversos baloes.
A eommissao eocarregada de promover a dita
festa. desde ja agradece as pessoas qne concorre-
ram com sec oboio para tao juito flm,
Villa de Agua-Preta.
Desappareceu no dia l. de fevereiro do corren-
te, do eDgenho Pindobal, o escravo Leandro, idade
do 28 annos, cor pardo escuro, altura regular,
cabello bom, olhos grandes e avermelhados, tem
falta de denies na frente, pouca barba, secco do
corpo, pes pequenos e falta de nnhas no dedo
grande dos pes. Leva comsigo uma moca tirada
por elle da casa de seus pais, com os signaes se-
guintes : cflr parda clara, cabellos caxiados, bai-
xa e grossa do corpo e chama-se Carolin 0
abaixo assignado previne a qnalquer pessoa que
o apprehender e levar ao dito engenho, sera bem
recomponsado.
_____________Ignacio Bandeira de Mello.
Cas i para alugar.
Aluca-se o terceiro andar da rua do Marquez ds
Olinda n. 4.
Aluga-se
o primeiro andar da casa da rua do Vigario n.
3, onde teve escriptorio os Srs. Johnston Pater &
C, recentemente repartido, caiado e pintado, ex-
cellente para escriptorio, nao so pela localidade,
senao porque 6 muito fresco o espacoso : a tratar
na rua 7 de Setembro n. 20, ou na rua da Sen-
zala Nova n. 42, 1. andar.
FUNDICiAO DO BOWMAN
RUA DO BRUM N. 82
(Passando o chatariz)
PEDEM AOS aenbores de engenho e oniroa agrienhor'-s, e esapregad >rt d* a
ninismo o favor de uma visita a sen eilabelecimentu, pan vtren o oovo lorvimeuM.
^mplflto qae ahi tem; seodo todo superior em qualrtade e toriidio; o que com a in
>ccio pessoa I pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAh DE SUA FUNDigAO .
7aporese rodas d'agaa SS^JC
urcumaUuciaa dos aenhorei proprietarios e p.ra aeacarocar algodlu.
Uoendas de caxnia J5S!!;* uS ;amaliUos' w* *i
Rodas dentadas p***^*p-
Taixas de ferro fundi4o, batido e de cobre.
ilambiques 9 fundos de alambiques.
Sachinismos
Bombas
para maodioca e a'poJSn, I Podendo lodoi
e pan eerrar madeira. \ser movidoa a man
?por agui, vapor,
de pateote, garantidas......M j on animaes.
Todas as machinas ,p8C3,,,M" n**mmrmm.
de mach:.-.isoio, a preco
Faa qualquer concerto
Formas de ferro
Sacommendas.
mm nv
vOft-
tem aa melhorei e mail baratas ezistentes no
cido.
Incumbn-ae de mauUar vir qnalqner maebmisao a
tade dos clientes, lemhnndo-lbea a vantagem de fan
cat compras por intermedio de pessoa entendida, e que em qcalquer nee- ssidade pc^c
5e* preatar aoxilio.
irados americanos e lDlro^,eD,o, ****
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
Constructor e afinador de pianos
33Rua do Imperador33
Ex-afinador das antigas e afamadas casas Pleyel & Herz, e antigo director das oftki-
nas da casa Alpbonse Blondel.
Tem a bonra de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que tern aberto sna casa de
concertos e afinacoes de pianos, qnalqner que seja o estado do instrument.
A mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos melhores fabricantea
de Paris, como Erard Pleyel, Henri Herz e Alphonse Blondel) todos os pianos sahidos da casa
Dhibaut sao garantidos.
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usados.
ODILON DUARTE & IRMAO
CABELLEIBEIROS
Premiados na exposicao de 1872
RUA
DA
iuu).

IMPER.4TRIZ
H. 82
l. ANDAR.
RL'A
DA
IMPLRATR1Z
N. 82
!. ANDAR.
Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con*
dicQdes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e a's Exmas. Sras. n'a-
quillo que fdr tendeute a arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para bomenscomo para sections, tupete, cbignoD,
coques modernissimos, trangas, cachepeign, tecidus, desenhos em csbellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalbo imaginavel em cabello.
0 estabelecimento acha-se provido do que ha de melbor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 % menos que outro qualquer, garautindo
perfeigo no trabalho, agrado, sinceridade e prec,o razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porgSo e a retalho e todos os utensilios pertencentes a arte de cabelleireiro.
CHAPEOS DA ULTIMA MODA
Cbegaram lindos e bem enfeitados chape'os do mais apurado gosto, para senhora : i
!oja das columnas, de Antonio Correia da Vasconcellos, & rua Primeiro de Mar-
co n. 13.
Aluga-se
um bom sitio no Chacon, bem plantaio com muito
boas fructeiras, todas carregadas, boa casa e pin-
tada recentemente, banheiro, quarto para feitor,
cozinha com agua encanada, gallinheiro, latrina,
etc.: qnem pretender, entenda se na rua do Cotn-
mercio n. S, armazem, a fallar com Anton* da
Albuquerque Mello.
O pescador
Neste estabelecimento compra-se um realejo de
flauta, que sirva para daa^a, e que esteja em
bom estado, contendo quadnlhas, polkas, schotz,
walsas, mazurcas : a pessoa que tiver e queira
dispor delle, dirija-se ao estabelecimento
rua de Marcilio Dias n. 21.
Precisa-se alugar um menino de 10 a 12 annos
de idade, para os pequenos servicos de uma casa.
seodo escravo melhor sera : no escriptorio das
loterias, a rua do Crapo n. 6.
4:0008000.
Precisa se tomar a jnro pelo. tempo de nm ate
dons annos, quatro contos de r6is, dando-se para
ffarantia predios de dobrado valor, e paga-se o
arc- qne se convencionar mensalmente : a quem
convier pode annunciar para ser proenrado, on
deixe em carta fechada seu nome e morada nesta
typograpbia. escriptorio, com as iniciaes A. B. C.
Aluga-se
a loja do sobrado n. 6 da rua de Marcilio Dias,
ontr'ora Direita, propria para um principante pela
sna localidade : a tratar na rua do Bom Jesus n.
7, primeiro andar.
selecta e de umbigo
(Enxertadas)
Sapotizeiros
de 11 palmos e dilos_(em vaaoa) e de todos
es tamanhos e precos mais commodos que dan-
tes ; assim como as seguintes outra3 plantas de
'fructa e de ornato :
Laranja cravo.
Dita de doce do Para
Dita bnnca.
Dita tangerina.
Lima da Persia.
Dita de umbigo.
Limao francez.
Dito doce, enxertado.
Oiticoro.
Palmeira imperial.
Parreiris.
Pinheiras.
Romeiras.
Rozeiras.
Rozeda.
Ubaia.
na Capunga a rua da Yen-
Abacati.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Cornolina.
Carolina do principe.
Condeca.
Cara;ao da India.
Figueira.
Flambojant.
Fructa-pao.
Inga do Para.
Jambro.
Jasmim laranja.
Laranja da China.
Dita do ceo.
E oatras plantas
tura n. 20.
O AUVOGAUO
Alfonso de Albuquerque Mello
incumbe-se de pramover ccbranfas amigavel
on jadicialmente, assim como de outros negecios
concernentes 4 sua profissao, nos lugares proxi-
mos a linha ferrea, e nos outros termos proximos
a esta cidade; para cujo auxilio tem o annun-
ciante solicitadores babiiitados e probos, reapon-
sabilisando-se no entanto pela boa gestio e conta
do qne lhe for confiado.
Mediante modico honorario acode aos chmadoi
para diligencias ou consultas fora da cidade e de
termo e incumbe-se da defeza de appellacdes ante
o tribuaal da relacao. Pode ser procurado de
meio dia as 3 boras da tarde em seu escriptorio
a ma do Dnque de Caxias n. 37.
Allencao.
Offerece-se uma senhora portugueza para ensi
nar meninas em algum engenho, on nesta cidade,
ensinando poTtugnez, borda os e flores ; a tratar
na rua do Hospicio n. 9.
Precisa-se de nma
leile e nlo tenba fllhos:
ama qua tenba bastaote
a tratar na rua Direita
Vem, ou
Pede-se ao Sr. Joao
nao vem?
Ignacio d'Avilla Junior, o
de vir quanto antes a rua do Marquez de
favor de vir qua
Olinda n. 40, loja de f>iendas
negocio de Interesse sen.
e roupas feitas, a
rque
feit.
Urgencia.
Precisa-se fatlar com o Sr. Antonio Jose Brnm
da Silveira Junior, a negocio de particular inte-
resse : n rua do Range! d. I, venda.
acima,
Na rua do Imperador
n.28
precisa-se fallar aos seguintes senhores : ^
Domingos Martins de Barros Monteiro.
Emigdio Marqnes de Santiago (Dr.)
Joao Vaz de Oliveira.
Jose Alves Machado Guimaraes. '
Jose Francisco Lopes Luna (Nazareth).
Manoel Pereira Brandao.
Manoel dos Passos Miranda.
Theotonio de Barros e Silva.
Francisco Pinto Pessoa (Dr.)
Francisco de Paula Borges.
Francisco Antonio; Pontual Junior.
CASA DO OURO
Aos 1:0OCOOO
Bilhetes ^rantidos
Aua do Barao da Victor** (outr'ora tfova
n. 63, e casa do costume.
Acham-se & venda os mnito felizes bilhetes ga
'antidos da 1* pane da loteria a beneficio d*
irmandade de N.S. da Soledade da igreja do Li-
vramento, qne se extrahjra no dia 13 de fevereiro
corrente. \,
i*t?f SMI
Inteiro 4*000.
Meio 2*000 \
D I0O3O00 patra elssW.
Inteiro 3#800
Meio 1J780
Recife, 6 de fevereiro de 187%.
___________Jogo Joagum 4* Carta LtiU.
Aluga-se a loja da esquina a ma da Imp*-
ratrU d. 1 : a tratar no eaM impeniriz.

<
T

../


i
\


MMHHa
a
)

I
I
(
*
\
Diario d Feraaabttco Sabbado 7 de Fevereiro de 1871
Cwsiltorfo medico-cirorgico
DE
A. B. da Silva Maia. fir
Rua do Viscotide de Albuquerque n. ft.
II, outr'ora rua da malrii da Boa-Vista '*
n. II.
Ghamados : a quaiquer hora.
Consultas: Aos p. bees grain, das 2 an
4 horas da tarde.
O Dr. em jnedicina pela faculdade da A
Gulmaraes, *
Bahia, Francisco Bodrigues >
4B acbaw estabelecido na cidade de jR
jA Nizaretb, onde pode ser procnrado &
S Par* os misteres de sua profiisao. cE
mt Nareth, 17 de Janeiro de 1874. 9
00*0000000000
mmmummu&mmmm
GABINETE MEDICO CIRURGICO w
do I
Dr. Constaneio Pontual. X
Rua do Imperador n. 81 1* andar. Consultas das 11 as 3 da tarde, cbama- jj
dos a qualquer hora, visita e da consul- 2
tas gratis aos pobres. i
ftfffffffflffffffffftffffff
CASA DA F0R
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:1
O abaixo assignado tem sempre exposto a ven-
4a biBretes da loteria do Rio, cnja extraccao an-
ounciara pelos jornaes.
Precos.
Inteiro 244000
Meio 12*000
Quarto 6*000
_____________IManoel Martins Finza.
ESCRIPTORIO
COMMERCIAL.
199, Rua da Praia, 2.
1ASBOY
Loiz Felippe Leite & IrmSo
Executam por commissao quaesquer ordens das
provincias do reino, iihas e provinces ultrama-
rinas, bem eomo do Brasil e outros paizes estran-
geiros.
Reeebem a consignacao generos nacionaes, co-
loniaes, hespanhoes, francezes, inglezes, allemaes
do Brasil, on mesmo de outros paizes, para se-
rem vendidos no reino on fora delle.
Executam ordens para compra e venda de fun-
dos publicos, nacionaes e estrangeiros. Tratam
da cobranca dos respectivos dividendos.
Promoveui no mesmo escriptorio, inventarios,
liquidacoes, causas civeis e commerciaes, appel-
lacSes e recnrso de re vista.
Tem os melhores advogados na capital
Para os negocios de natureza especial, como
causas forenses, administracao de bens, etc., que-
rendo-se, pode proceder accordo previo conforme
a natureza do negocio.
Solk-itam-se dispensas matrimoniaes e quaes-
quer outros breves apostolicos eoncedidos em Roi
ma ou pela Nuneiatura em Lisbda, annullacao
de ordens, e quaesquer outras dependencias aos
tribunaes da Santa Se.
Tratam da arrecadacSo de berancas e adminis-
'.racao de bens no continente do reino.
Obtem doeumentos de qualquer diocese, distric-
10 administrativo, conselho, ou freguezia do reino,
Unas e provincias ultramarinas.
Fazero adiaatamentos sobre consignacoes de
quaesquer generos que tenham prompta sahida
nos mercados inglezes ou allemaes. Tambem com-
pram aquelles que se offerecerem em condicSes
vantajosas.
Fazem transaces por consignacSo ou compra,
sobre minerios, taes como de cobre, chumbo,
phosphates, ou outros quaesquer, se convierem as
jondicdes de qualidade e precos.
Dao-se boas refereneias em Lisboa e no Porto.
Esta ca-a tem correspondencias serias em tedos
is pontot do reino, em Paris, Inglaterra e Ham-
burgo, na Africa portugueza, em Macao (Chin*
reino de Siao, iihas dos A cores e Cabo-Verde,
e aceita as propostas que do imperio do Brasil
the forem feitas por correspondencia effectiva ou
eventual.
Na modicidade de suas commissoes, na exacti-
dao de suas contas e no credito longamente esta-
belecido faz consistir toda a garantia de bom aco-
Ihlmento.
Tem correspondentes em Sevilha e outras pra-
fas de Hespanha.
N. B.-As commissoes sao reguladas pela praxe
tae praca
Moleque.
Precisa-se de am moleque de IS a 16 an nos,
para criado de uma pessoa : a tratar na rua I
imperador n. 28, armazem do Campos,
Amaro de Ehrros Correia e Captulino Ro-
*rigue i do Passo vendem terrenes, regalarmente
tracados, no sen sitio de Beberibe de Baixo, ha-
vendo organisado uma planta de seu perimetro,
em que se desenha visivelmente a distinccao
e regularidade no seu projecto de arruamentos
novos, approvado pela camara municipal de Olio-
da. A fertilidade do terreno, a sua proximidade
da estacao do Fundao, da linha ferrea do Recife
a Beberibe, eonseguintemente do rio Beberibe, e
commodidade dos precos convidam os pretenden-
tes a compra, que os poderao procurar a Amaro
de B. Carreia, em Beberibe, a Captulino Rodrignes
do Passo, no Recife, eao engenheiro Antonio.Feli-
eiano Rodrigaes Sette, a estrada de Joao de Bar-
ros n. ,
0 Sr. Joao Paulo de Carvaiho 6 rogado a vir
a rua do Marquez de Olinda n. S3, a negocio qae
oseohor oao ignora.
mm*** 0**&**<*&
# Advogacia. *
Wt Bacharel Antonio Annes Jacome Pires V
A Largo de Pedro II n. 6. a
AVISO
Bernardino da Silva Costa Campos, com arma-
zea de viveres a rua do Imperador n. 28, fat
sciente ao respeitavel corpo commercial, a sens
amifos e freguezes, que por conveniencias parti-
culares, fica sen) effeito o annuncio inserido neste
Diario em principio do mez proximo Undo, no
Snal deelarava admittir como seu eocio ao Sr.
lanoei Jose de Souza Nunes, que fica livre de
toda a responsabilidade do activo e passivo de
\ sua easa commercial e continua, como dantes, ua
gerencia da raesma, proseguiado esta a gyrar iob
\ a oniea firma do annunciante._______________
Fugio honlem. as tres horas da tarde do so-
brado da rua das Cruzes n. 41, 1* andar, urn
sabii; rogase a quern tiver apanhado, leva-lo
a casa acima, que sera gratificado.
Escravos fugidos.
Na nadragada do dia 16 do mez corrente, des-
apnareeeram do engenbo Raiz, do termo da Esca-
da, dous escravos com os signaes segointes : urn
de nome Severino, cabra, com 22 annos de idade,
eslatura medfana, corpo regular, carreiro ; e ou-
tro de nome Joao, pardo, com 18 annos de idade,
de boa altura, tambem e carreiro: ambos sao im-
berbes e levaram cal^a, jaqueta, dous cbapeos de
feltro e um de couro. Qaem os apprehender, con-
duza-os ao referido engenbo, qae sera generosa-
mente recompensado.
Engenho Raiz, 28 de Janeiro de 1874.
- Fagio s 27 do proximo passado, a escrava
Maria, crioula, idade 33 annos, roeto redondo,
olbos grandes. eabeca raspada ha pouco tempo,
e quando anaa enverga-se para traz : roga-se a
qaem a apprehender de entrega-la no Ramos n 42, qae sen generoeamente recompen-
sado.
- Para qaem qaizer anreciar o asseie e
promptidao, fornece se comiaas para fora, man-
dando-se levar, e qaem tiver portaqores mandara
Ter ; do pato do Carmo p. .
LINHAS
BE
HGTROZEDBALCO
DAO
C
Accessorlus
PAHA
QUALQUEB
PARTE
DA
Machina
Com as falsificaQSes que tem apparecido
DAS MACHINAS PARA COSTDBA
DE
SINGER
= Nenhuma ma-
00
china Singer 6 legi-
Porqm
I
tima se nao levar
g esta marca fixa no
& braQo da machina.
Paraevitarfalsi-
o
03
fi canoes notem^se g
-a
bem todososdeta-
lhee da marca.
i
A dinheiro e a prazo!
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
S&o mais baratas.
S8o de doos pospontos.
SSo simples.
SAo rapidas.
Sao duradouras.
MACHINAS DE SINGER
S8o de dous pospontos.
Abainham.
Franzem >
Pregam tran^as.
Marcam pregas.
Bordam de linha de seda.
Alcolcboam.
Pregam cordoes.
UNICA AGENCIA
\
EM
II
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 45
149 Rua do Imperador 49

Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afamados autores,
como s8o : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riores, mandados erpressamente construir para este clima, o qual os amadores cos
bons pianos so encontrar3o nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais complcto sortimento de raateriaes para concertar pianos, como
sao: oepos, folha para os mesmos, eravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RCA DO OIPERlKOIl 49
PENHOEES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e briihantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
B&S WSsS&S SSI
ALUGA=SE
o 2* andar do sobrado n. 52 da rua Marquez de
Olinda : a tratar no armazem do mesmo predio.
ROBERTI
Esta fngido o escravo Jose, cabra, idade de
15 annos, feicoes miudas, cabellos froxos, pes
largos, veste calca e camisa branca, gosta de ma-
liea : pede-se a policia a sua captara, e gratinca-
a a quern o levar a sea senbor, a rua do Hospi-
cio a. 85, on a rua do Qoeimado b. 83,1 andar.
Na rua de S. Jose n. 27 acna-se uma carta
para tier eutregoe ao Sr. Dr. Joao de Almeida
Lepea;
ALUGA-SE
uma casa na Capnnga, rua das Pernambucanas,
com coxeira e quartos fora ; a tratar na rua do
Vigarjo TWprw a.'31.
Tratado das pequenas virtudes, pelo padre
Roberti, da companhia de Jesus.
EDICAO DE 100,000 EXEMPLARES PI I
1 vol. enc 19000.
As pequenas virtudes de que irata esta
obra s8o :
A indulgencia a caridade a compai-
i3o a docilidade a dilijrencia a li-
beral idade de comc,2o a ..iTabilidade
a urbaaidade. raaneira de pratical-as
mcio de adquiril-eeetc.
LiVRARIA FRANCEZA.
Escravo fiigido
Desappareceu da casa do abaixo assignado, o
escravo Jose, de eslatura regular pernas, arquea-
das, falta de denies, e cdr cabra, suppoe-se ter
seguido para o Rio Formosa, ou Gamelieira ; por-
tanto, roga-.-e as autoridades policiaes e rapitaes
de campo, a sua apprehensao e mandar parte na
rua D. Maria Cesar (outr'ora Senzala Nova n 30).
Domingos Jose Cunha Lages.
Aluga-
se
a loja do sobrado a. 3 da rua da Imperatriz
a tratar na mesma n. 1.
A PVBLICO.
0 abaixo assignado repete o que disse em seu
Srimeiro annuncio, publicado neste Diario em 4
o corrente mez, e accrescenta que fazendo a de-
claracao de que alguem exhibe uma publica-forma
donde reulta ter pago pelo mesmo abaixo assig
nado a quaotia de 15:000^, sOmente teve por fim
evitar que qaem qaer que seja te persuada,
em face de tal publica-forma, ser o annuncianie
devedor d'aquelia importancia e ainda inutilisar
ante o publico qualquer valor que aquelle docu-
mento se queira dar.quer no presente qaer no fa-
turo, qaer por detraz dos balcoei.quer ante os tri-
bunaes.
Becife, 6 de Janeiro de 1874.
.Anfellno Jos6 dps, Santos Afldrade.
C0Z1NHEIRA
Precisa se de uma perfelta cozinqelra, nao im-
porta que seja forra ou escrava, para casa de uma
familia estrangeira, paga-se bem: a tratar na
ma do Bom Jesus n. 55, casa 'le Kfl'er & C
Fngin no dia 11 no corrente a ccrava :le
nome Hemarda, ilade 'U) annos |*mrj mais on
menos, Um es f-lhos mn pouco atrntoaJos e torn "
andar moderado ; unja \estidu I'felo e chain?
preto, costuma niudar traj. s, tem uma cicatriz na
perna esquerda : roga-se as autoridades policiaes
ou aos eapitaes de campo a appnbensao dedita
escrava e leva la no Caininbo Novo, sitio n. IIP,
ou na rna da Cacimba n. I, que se recompensa-
do generc.samente. ^^___^^^^^_^___
Atienoao
Precisa-se de uma mulher de meia idade, para
tomar conta de duas meninas pequenas, que te-
nba bons costumes e de flador de sua conducta,;
3nem estivern'estas circumstancias, apparega no
* andar d'esta typograpbia. Na mesma casa
precisa se tambem de uma outra mulher de meia
idade, para fazer companhia a uma familia, e que
tenha boa conducta civil e moral; a tratar na
mesma casa acima mencionada.
ATTENCAO
Fax-se negocio com o estabelecimento si to a
praca da Independencia ns. 32 a 36, com as mer-
cadorias existentes ou sem ellas: a tratar no
mesmo.
Na rua do Barau da Victoria n. .16 precisa-*
allar ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
elra, t negocio de sen interesse._____________
- ^%,
V
o^> co
v
SAQUES
Carvaiho 4 Nogueira, na rua do Apollo
t. 30, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as ci-
dades e villas de Portugal, a vista e a praio
por todos os paquetes.
Agenda de leiloes
0 abaixo assignado declara ao respeitavel pu-
blico. qae, tendo abcrto o sea escriptorip de
agenda de leiloes a rua do Marquez de Olinda a.
64,1* andar, continua a receber moveis, louca,
facendas, obras de ouro e praU, predios e todos
nuamtos objectos se theretnetta para serem ven-
didos, em leilao publico ou particular, a vontade
de sens commitentes: e como quer qae o seu
novo estabelecimento se ache o melhor possivel
localisado, aleii de que offerece as melhores
proporcoes para a boa conservacao dos objectos
que tenha de receber; o abaixo assignado com-
proroette-se nao s6 a empregar toda a actividade,
zelo e pontualilade no camprimento de seus de-
veres, como mesmo seas pagamentos serio feiots
com a costumada promptidio, qae lhe 6 conhe-
cida.
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
_____ Raymundo Bemigio de MeTIo luni&T.
A Torn
MOFINA
Esta encouracado !! !
\*t i inolc cn> ici!r:i dura
Tanto (t: :il^ i|U a I'ura.
Hi-pn-SF .... i:un. Si. U.':i(io Vie.ia Je -f -il
vi:-.i.) ua cid.;!.- de .Viuarcth Jta tr>-viaai>i
-vor de uj :u.. !)uqo de Caxiaa a 36, 4 ODB-
:luir aquelle negocio qae S. S. se conipromettaa a
realisar, pela terceira chaiuada deste jornal,
3ns de dezembro de 1871, e depois para Janeiro,
jassou a fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
e por este motive e de novo chamado para dito
am, pois S. S. se deve lembrar qae este negocio
le mais de eito annos, e quando o Sr. sen tilho m
ichava nesu eidade.
Aluga-se para pssara festa um sitio com
excellente casa de habita^ao e ban bo no rio
a* frenta desta: quem a pretender, p6de
procurar 4 ma de Gervasio Pi res n. 94.
Aluga-se o terceiro andar com sotio, e a
loja do sobrado n. S3, a rua da ImperaTriz : a tra-
tar no seguado andar do mesmo predio.
Oifereae-se uma mulher de boa conducta
para fazer companhia a uma familia e lambetn
alguns servicos, qae dira a quem pretender :
8uem preoisar dirija-se a Boa-Vista, Corredor do
ispo' n. 9.
Aula particular.
Jose de Hollands Cavalcante, provisionado pela'
directoria da instraccao publica desta proviscia,
faz sciente aos seus conhecidos -e aos seahores'
pais de familias, que nesta data abrio uma aula
parti ;uiar de instrnecao primaria e de fraooez, na
praca do Conde d'Eu n. 26, segzmdo andar. t'ro-
meue desde ja tomar todo cuidado na educaoio
de sens alumoos.
Becife. 3 de fevereiro de (834.
HERCULANO
OPUSCULOS
DOUS VOL. 8NCAD.-JOOO
i Lisboa -18/3
Aodicao estando para esgotar-se, chamaotes a
attenoip do puMico sobre esta obra, cwjo mereci-
raento ofspensa de qualquer elogio.
LIVRABIA FBANCEZA.
AC70&AD3
AYlffiS GAMA
BUA DO DUQUE DE CAXIAS
M. 9.
Pricaeiro andar.

P
Angelino Jose dos -Santos Andrade, tendo con-
cluido no dia 31 do mez proximo passado todas
assuas transaccdes, declara pelo presente que
nesta praca nada deve a quem quer que seja,
nem diroeta nem indirectamente. Outro sim.
constando ao annnneiaote|que alguem exhibe uma
publica forma d'onde resolta que em i8 de marjo
de 1878 pagasse pelo mesmo annunciante a quan-
lia de 15:000^000, declara que semelhante trans-
accao esta Soda, visto comoo originalexiste em seu
poder, nao sendo certo que semeli.ante individuo
fizesse obsequio algum ao annunciante, porque
este estando doente ha via despositado em sua mao
quactia superior para aquelle pagamento e so-
mente ao fazer passar o recibo, teve aquelle indi-
viduo a habilidade de obtel-o como se fora quem
flzera dito pagamento.
Beeite, 3 de fevereiro de 1874.___________
E. A. DELOUCHE.
49Rua do Marquez de Ol: "a 4fl
Acaba de receber um grand* sort:: uio de re
logios americanos para parede e me-. de corda
de 24 horas e de corda de 8 dias, coi, despertadoi
dos melhores gostos e qualidade.
Belogios de ouro patente iDglez trdadeiros, des-
coberto com ponteiro grande to meio, dos mais
modernos e do melbor fabricante de U ndres.
Grande sortimento de relogios de prata, prata
duurada, cobertos e descobertos. Ditos de prata
foliada (plaque ), orifcntal e patente, de todo
preco.
Cadeias de plaque e de ouro.
Lunetos e oculos de todas as qualidades.
Verdadeiros vldros do christalda Bccba, para
vista cansada.
Vende-se tudo por preco ma'3 baratc que em
outra qualquer parte.__________________
Apreciem eooio se vende barato
S.o o n. 20
RUA DO CRE8P0
LOJA DAS 3 PORTAS
DE
Guilherme & G
CASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com bonitos pa-
droes, e que se vende pelo diminuto preco de 2U0
rs. o oovado 111
METIM
Me"tim trancado, padrdes bonitos, a 320 rs. o
covado 111
OBGANDY DE CORES
Gambraia organdy de cores, fazenda fina, boni-
tos padriies, pew diminuto preco de 320 rs. o co-
vaoolll
LlS ESCXKSZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padrdes, que se vende a 2i0 rs. o covadolll
CRETONE
Cretone clarose escuros, bonitos padrdes, e fa-
zenda fina, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado Ml
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de lodas as qualida-
des, pelos diminutos precos de 100 rs. o covado,
0 pechincha 11 1
Cortes de casemira dj cores, a 5*100.
Colchas estampadas e com barra a 3*500 e
4i000.
Cobertas de cbita adamascada a 3i5O0.
Lenvdes de bramaote a 2*000.
Dites de algodao a 14400.
Toalbas alcochoadas, duzia, a 3*800
Lenco3 de eassa com barra a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abanhados a 2*000 a duzia.
Ditos de esguiio abanhados, em caixinhas mo-
dernas, duzia, a 3*300.
Cambria transparente fina a 3/000 a peca.
Chales de todas as qualidades e precos.
Bramante de algodao e linho a 1*600 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palmos de lar-
gura a 2#5O0 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 54000 a peca.
Dito domestico a 3/000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o covado ill
Madapoldes trancezes de todas as qualtdades de
o* a 81500 a peca.
Cbapeos de sol de seda comM2 asteas, pelo di-
minuto preco de 8/500.
Camisae inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a 44/000 a duzia ; e pechincba, so se
vendo.
Popelinas de lisho eseda pelo diminuto pre.o
de 800 rs. o covado; e pechincba, e dao-se amo's-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
Lola das tres por tas
DE
Guilhermc & C.
JUNTO A LOJA DA ESQUINA
NOVAS PUBL1CAC0ES MUSICAES.
A. J it AzevedoRuaHeva m. 11.
Acabam de publicar-se, e acham-se a
venda as seguintts musicas :
PIANO SO'.
Da.nse espanuola, por Ascher 29000
Arabella, mazurka, por G. Wer-
theimer 1J500
Valsa do Fausto, por Croyzes 19000
SONHO DE UMA VIRGEM, por Alber-
tszzi 19000
Anna la Prie, cavatina 19000
AoClair de la Lune, por Bussmeyer 19500
Cricket, por Seixas, olTerecida aos
chrickels club pemaiubucano e
babiano 19000
PIANO E CANTO.
Desespero, muito lindo romance
por 1. Smoltz 29000
Non m'amava, romance por Guercia 19000
Tambem recebeu da F.uropa grande sor>
menide musica para piano, piano e
antoudos, metbodos, etc. etc.
Convida-se
aos senlu res escriptores, litteraios, chefes de re-
pat ticdes e Cummerciantes a visita rein a
ENCADEBNACAO BBASILEIRA
a rua Duque de Caxias n. 21, onde verao que e
e^te o estabelecimento que dia^de dos melhores
meios e procesios para bem servi k>s na arte da
encadernar, e o uniro que
POSSUE A MELHOR
machina para pautar papel, ri.-car livrc-s, mappas,
manifestos, folnas de empregados, despachos. fac-
luras, contas cerrentes e de venda ; cujo irabaiao
sera regnlado pela seguinte labella de precos :
Papel pequeno em caixinhas.
Para pautar 1 caixa I /0 0.
Idem 4 ditas a 500 rs. cada uma.
Idem 10 ditas a 400 rs.
Idem 20 ditas a 300 rs.
Idem 50 ditas a 2S0 rs.
Idem 100 ditas a 200 rs.
Idem 200 ditas a 150 rs.
Mais de 200 ditas a 100 rs.
Papel em tamanho fiume. contas e despachos.
Por pautar I resma 1/500.
Idem 10 a 1/200 cada uma.
Idem 20 a 1/.
Idem 50 a 800 rs.-
Idem 100 a G. : rs.
Idem 200 a 400 rs..
Mais de 200 a 32U K
Outros trabalhos ctnfmme o a'uste.
A difterenca em preco do papel liso para o
pautado, no nosso mercado, e muito superior a32C
rs. em resma, sendo p IMPORTADORES DE PAPEL
mandarera vir o papel liso para aqui ser pau. >,
podendo assira venderem mais barato, gaalnai
mais dinheiro, para o que
GARANTE-SE
a bondade e limpeza do trabalho, entregando -e
us volumes de resma com a mesma perfeicao e
igualdade que se tiver t EN ADERNACAO PRASILEIP.A
______21-Rua Duque de Caxias-21.
Precisa-se de uma ama para o servico in-
terno de uma casa de familia : a rua da Soledade
n. 54.
AVuga-se o 1* e 3* andares com sotao da rua
da Penha n. 3 : a tratar na rua Duque de Caxias
n. 44.
Cozinheira
Precisa-se de uma perfeita cozinheira, nSo ira-
poita que seja forra, on escrava, para casa es*
trangeira, paga-se bem : a traur na rua do Com-
mercio n. 4._____________________________
Os abaixo assignados, participam ao respei-
tavel publico e especiahnente ao corpo do commer-
cio, que de commum accordo tem dissolvido a so-
ciedade que nesta praca tinham, iob a nrma de
Souza, Castro & Almeida, retirando-se os socios
Antonio Domingues de Souza e Joaquim Garcia de
Castro, flcando a cargo a sob a responsabilidade do
socio Sabino lose de Almeida, todo o activo e pae-
sivo da mesma soeledade.
Recife, 29 de Janeiro de 1874.
Antonio Domingues de Souza.
Joaquim Garcia de Castro.
Sabmo Jose de Almeida.
Na rua de Santa Thereza n. 60 se dira quern
vende 60 palmos de terreno, em Belem.
0 sas para alugar.
Na rua do Imperador n. 9 se dira quem aluga
uma casa no Caldeireiro, com pequeno sitio todo
murado e outra em Beberibe de Baixo em a rua
de Olinda junto A capella de Santo Antonio, ambas
com commodos para familia.
Arrendanj-se os seguintes predios becco
das Boias, scbrado n. 16, por 600/, rua da Moeda,
armazem n. 37, por 400/, rua do Burgos arma-
zem n. 13, por 240/. Todos esses predios sao
proprios para estabelecimentos commerciaes e es
tao de novo reedificados : a tratar na seeretaria
da Santa Casa.
CHAMADO.
Roga-se ao Sr. Joao de Arrnda Camara, o ob-
zequio de ehegar a rua do Cabuga n. 3 A, (Collar
de Ouro) aflm de tratar de negocios de sea inte-
resse.
Amorim, Lima & C.
torn am*, carta na ma do Commarcb n. 48, !.
aodaf. .-.
30^000 mensaes.
Tem-se para alugar uma escrava optima engom-
madeira, cozinheira e castureira : na rua de Hor
tas n. 86, sobrado.
0 Sr. Joaquim Pinto Meirelies.qne de praS
eonsta ac: ar-se ne$u cidade, e rogado a compi-
recer a rua do Hospicio n. 14, para tratar de ne-
gocios que lhe dizem respeito ; evitando assim
que sejam declarados por este Diario.
Ao carnival.
i\a rua es'reita do Rosario n. 35, sobrado de
um ami a-, tem vestuirios para o earnaval, de
todo gqsto ; sendo dominos de seda e de velludo,
vestuari' s de seda a pbaniasin, vende-se e aluga-
se por muito barato preco. Preparam-se lindo*
bouquets de cravos, rosas e todas as flores na-
turaes e artificiaes, s-^ndo a encommenda feila 2
dias antes sao proprios para noivos e bailes.
Pede-se
ao Sr. Marcolino da Cruz Lins Wandarley, a vir
entender se com o abaixo assignado, a respeiut
das cobrancas no mitto, de que se acha eocarie-
gado.
0 abaixo assignado participa ao respeitavel
unerece-se um nomem para tratar de horta e 7,." """^ *iBuauo parucipa ao respeitavel
jardim e pode presUr mais alguns servicos. pois tem I Pblico que deixou de ser caixeiro do Exm. Sr.
as habilitagSes necessarias : quem delle precisar! v'SCHnde de Suissona. Aproveiu a occasiao para
p6dedlrigir-se a rua do Vigario, taverna n. 33, ou
por este jornal declarar onde deve ser procurado.
Casa no Monteiro.
Aluga-se a de n. 65 junto ao sobrado, com quin-
Ial e sahida para o banho : a tratar na rua do
mperador n. 57, 1 andar. ________
Escrava fugida
Au-emou-se da casa de sen senh/ r, no dia 26
do corrente a escrava Felicia com os signaes se-
guintes : cor parda clara, cabellos cempridos, ate
os hombros, rosto redondo, falta de um dente
quaei na frente, corpo reforcado, maca do rosto
bastante saliente, foi acompanhada por um no-
mem, praja de cavallaria de nome Vasconcellos,
foram vistos no dia 27 de corrente, em Santo An-
tao : quem a levar fa Cambda do Carmo n. 3,
sera gratificado generosamente.
Casa para alugar.
Aluga-se a easa n. 63, na rua do Hospicio, com
excellent^ commodos pra qua quer familia : a
tratar no collegio de Santa Genoveva, na mesma
rua n. 55.
Escravo fugido
20#000 de gratificacao
Fagio no dia 20 de dezembro de 1873 o escravo
Joaquim, de cdr preta, com 35 annas de idade,
baixo e cheio do corpo, com um signal no beico
de cima, parece ser um talho, assim como tambem
tem um pequeno defeito em um olho : quem o
pegar tenha a bondade de o levar a rua de Santa
Rita n. 85, junto a refinacao.
Precisa-se de uma ama para cozinhar e
comprar para casa de homem solteiro : na rua
Direita a 8.
PreoM-se de uma mulher, que seja boa co-
zinheira, para casa de familia : a rua do Bario da
Victoria n. 61.
Precisa-se de uma ama para casa de familia
de tres pessoas : a tratar na rua das Flores n 5
CHAMADO
0 Sr. Manoel Daarte Pereira queira apparece
no Coraflq de Ouro a negocio de particular inte-
r*sse,
agradecer a confiauga que sempre depositou no
abaixo assignado e as maneiras anaveis com que
sempre o tratou.
Recife. 6 de fevereiro de 1874.
.____________Marcelino Jisii Lody.
Silva A Cascio, possuidos do maior senti-
mento. convidam as pessoas 1a sua amizade para
fazert-m o caridoso obsequio de assistirem as mis-
sas que mandara ceh brar na igreja do conveuto
de S. Francisco, no dia 10 do corrente as 7 l|2 ho-
ras da manhaa, era suffragio d'a'ma do sea presti-
moso amigo e nommiteate ctTonel Annibal Antunes
Maciel, fallecido na provincia do Bio Grande do
Sul.
Gratifica-se a quem apresentar uma
carteira com muitos instruments cirurgi-
cos, pertenceoto ao Dr. Ferreira : desconfia-
se ter sido ella extravi/da na estacio do
Cabo. Kua Larga do Rosario n. SO.
sLGU-SI
o segundo andar a rua da Imperatriz n. 5 a
tratar no cafe Imperatnx.
FUGIO
Acha-se fugida a nciava Consttnca, de cor fa-
la, secca d) corpo, eslatura regular, pes apalhe-
tados, nariz gr >sso, levando vesbdo de cambraia
branca e roupinho encarnado de>botado : quem a
apprehender leve-a i rua do Hospicio n. It.

Consaltorio medico
DO
Dr. MurilU.
RUA DA CRUZ N. M, 1* ANDAB.
Recem-chegado da Eurepa, onde ire-
quentou os bospiues de Paris e Loadres,
pode ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noite para objecto de ama pro-
fissao.
Consultas das 6 horas da tnanbi at I ho-
ras, e do meio dia is duas da tarde.
Gratis aos pobres. *
ESPECIALIDADES.X
Moiestias de senhoras, da Win e de
crianca.


7 ')

D
IOUjjOOO.de gnUificnoao
Engenho Santas MenJes
Fugio oo dia, 20 dje dftnlfris Jo engenho San
tos (U, comarea de Nazareth, freguezia de.
Tractiunaem, a escrava Man*, erioula, 60 annos
de idade, pouro mais on menos, baixa, grossa, c6r
preta. rn.-to alquebrado, pej seccos e ewpanados,
iedi dons signaes rabelludos no queixo, e e bera ladi
na A pessoa qae entregar esia escrava ou ao sea
don qae 6 o senhor do engenho aeima, Lauren
tiuo Gomes da Cunna Ptreira Beltrao, on nu Re-
cife, largo d<> Corpo Santo n. 19, 1* andar, sera
compendia '"m a quantia de 1001.
Garanhuns.
Ia ma do Barao da Victoria n. 36, preoisa-s-
:ltar aos Srs. Pedro do Rego Chares Pcixoto t
oai Paes da Silva, a negocu. de particular inte
i-esse. .
ESCHAVO FUiilDO.
De.-appareceu ao amanheeer do dia \ d-i or
rente, do engenho Sarigi, comarca do Goyanna, o
escravo de nome Jose Horges, mestre de assucar,
tendo os sipnaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, ponco mais on menos, boa figura, uni tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal uiais visivel
uma goinma na janta do pa esquerdo : roga se a
todas as atitoridades e capitaes de campo queiram
apprehender lito escravo e leva-lo ao referido an-
ganho, u nesta praca a olivetra Filhoi & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, qua aerao generosamen
te recompensados..
Constaodo aos abaixo asslgnado achar se nes-
ta praet o Sr. Hanoel Fernandas do Carvalho.ren-
deiro dos engenhos Barra e Preguiea, em Ma-
manguape, provincia da Parabyba, vcetn rogar ao
mesmo o obztquio de vir entender-se com os
abaixo assijmados immediatamente sobre riegocio
tendente aos referidos engeuhos. I'.ua do Amorim
37, escriptorio.
Tas.-o Irniaos & C.
f>s#^ Para se
obter.
^abacinhas para mate.
Mate em po e em folha.
* CaK verdadeiro de Java.
Cba verdadeiro das Caravanas.
Bolachiuhas ostias, para dietas.
Licores fims-dmos.
Geleleis de diversas qualidades.
Doces sec ()-, em calda e ralado?.
Fiambres prep*rados.
Pudms e bi kii ingletes.
Xaropes e on-hala de Lisboa.
Xmen loas e cimfeitos.
Vina pessoa niio tem mais
<|iie ir logo e logo
i% eoiifeitaria do Cai'uros
24 Imperndar -S5-4
Aluga-se
o primeiro andar do R'brado da rua da Ircperatriz
g :! tratar na mesma n. t.________________
Alupi se urn moloque com Dastanta pratica
d'i servico domestico : a tratar na rua do Dtique
de Citxias n. 53.
Siiio do Arraial.
Aluga-se um si'io no Arraial, com boa
eas.t, bons conrrnodo*, agua ile beber c com
fru. os : a tratar na venda proxima d es
tar;.. >i i Caga Amnrr-lla
A".ojiiio Oandido de Araujo
Real.
rT^^BfiPB Maria Garcia Peal, suas filhas e
|H|Hh nc-ios. 1WI Britu *- a todas aquellas pessoa* qne se
d:gnaram assKtir aos uttinnis pnf-
feagios de seu prezado lilho, ir-
mio, sobrinho e socio Antonio
Candido de Aranjo Real, de novo
r a is seas amigos pra aesfetirem as mis-as
di> inn) dia. que terao tujfar sabbadu 7 d.i cof-
p:la^ 6 1(2 hates da manha na igrcja ma-
t'i'. de S. Jose, e de.-de ja so confessam cterna-
nii'nte gr: t s.________________
Biil&ffiSBKS>v .."B3ia
ConsU'tino Jose Fferreira Pinto
agradece a loiaa as cavalh-iiros
qui- se dig'iaram acompanhar ao
c !i,:!cri'i publico tola ''idade, os
reatos martaea de seu prezado so-
brinho Joan Maria Fi-reira Caatro,
p, cm particular dtrige os sens
! cimenl s aos Srs. J Joaqui::) Ji)-:;Gon;alvei Belirao. pclos incxnuiodos
e (Otfitas alt nc5os que dispensaram ao mesmo
fell let ido.
Leaudro Ferreira da On aha.
Joao da Cunha Soares Gtrimaries,
na mother eiilhis, pongilos do
mais duinroso seottaenfo pela mor-
te de seu sempre ciiorado filhn e
irmap, Leandro Ferreir i da Cuuha,
coiiviiam no* softs parentos e ami-
gos para as-is tirem as nissas
do setimo dia, ipie ferao lugar qaiDU-feira 12 do.
eorrente ii"!as 8 haras da manha no eoavento Jos
religiii-i- fia iciscanos. ____
Francisco de Albuquerque
e Mello.
Antonio de Albuquerque e kiello
Ci nvida, tanto os seus parentes e
amigos, como os do seu (alli-cido ir-
mao, a ouvirem uma mi-sa que
nan ia rezar no cnvento d < S.
Krancipco, no dia It do dnente
as 7 hora< da manha, por alma
J !' falle-ido na cid.nle de Lisbia m. dia 11
dc jan im proximo passado.
iVrmadf
a.

"1 Ml I......II I *

Na rua do Barao da Jjfcto
fallar ao Sr. 2. tenenle Jnse
gacio de seu interewe.
oria n 36, precisa-se
Maria Pestaoa, a na-
I'reeisa-se de
duns amas para
casa de pouca fa-
in ilia, sendo uma
para cozmhar e outra para engommar, pre-
ferindo-seescravas, paga^se bern, se agradar:
a tratama travessa do igario Thenorio n.
1, escriptorio, das 9 is i da tarde.
Precisa se de uma a ma que saiba eomprar
e cozinhar : na rua larga do Rosario n. 21, loja
de ealcado.
escsava ou
na rua do Im-
Amn Precisa-sa de un
jrx.ni a jgrra cojiane fom .
perador n. 17. Paga se-bnto.
AMA
na rua Nova n 28.
Preewa se denmaiama qae-
cozinhe e engnmme. para
poucas pessoa*j paga-te bera:
Ama de leite.
Precisa-se de ama que o teaba bom, prefer in-
dose sem filhe : na rua Nova n. *l, !. andafv
Ama Preciia-se de uma
ama p-ira
a rua do Barao da victoria n
engom-
21.
AwA Precisa-se de ama ama para-uozinhar
^inidi para rapaie9 solteiros : m rua do Cres-
po n 20, loja.
r- ______
Preete*se- d* nma ama forrir ou. escrava
'para todo servico interno de uma easy-de pouoa
familia : a tratar na rua Duque de Caxias nu-
mero 64. _J________________________________
A mo Precisa-se de uma ama para coziohar:
XVUKX, m rua do Rangei n. 9.
Precisa se de uma ama qne saiba co
^ zinhar, para ca-a de pouca fasnilia : aa
Am
rua da Imperatri' nj 78 A.
t\rt Precisa-se de uma ama qne safbacori-
AalA n|,2r) Javar e engommar, na dttas pes-
soas: na Baixa-Verde n. 22, estacao guinho. ________________________.
A mn Precisa-se dc uma ama para cozinhar:
js.iu.dj a ,ratar a rua ,j0 imperadorn. W, ar-
mazem.
Atteu^ao*
Fugio do pngenho Dons Irroaos, em Apipucos,
a parda escura de nome Paulina, baixa, talte de
dentes, levando comsigo ama fllha mulata, de ura
anno ; veio no trem de Gaxanga das-6* e 45 minu*
tos da manna, salt m no arco de Santo. Antonio, e
dirigio-se pela rua do Queimado : quem a appre-
hender e levar ao dite engenho sera generosamen-
le gratilicado.
Attencao
0 Sr. Franci-co Ai
vir a rua do Duque 0
ostinho Madeira, e rogadoqe
e Caxias n. 00 A.
.13'^
MoImjuc
Ohapeleria economica
Com c ria na ,na de Marciho Di is n. 4-i (antiga rna Di-
reita), aonde as Ehmaa. senhoras e cavalheiros
Jesia capital eneontrarao sempre variado sorti-
mento de cliapeos para senh ra. chapelinas, cha
peos para homens, meoinos e meninas, todo de
optimos gostos, e [ior pre-os que harmonizem cim
0 nemo d'p e-tabcleciinento : isto e, ludo por pre-
cos bara'is-imos I!!
Tainb>-m se receoem concertos de chapcos para
senhoras, chapelinas, e chapeos pa a honens :
assim como sc poem fitas em leqaes, e taabem se
concert.in
Convi la se, i>ois, 0 respeitavel publico a vir
veriftVar a vs-racidade do annoncio ; pelo que 0
pioorietano de>te csiabelecimRnto desde ja se
eoofessa em extremo gralo ; e Ihe pede a sua va-
liosa prnt'ccao.__________________
Na travessa das Cruzes n. "14 precisa-se de
um caixeiro de 12 a ;4 annos para fabrica de ci-
garros.
Alnga-sc mptado de uma ca-a de familia a
um casal sem filbos ou a uma spnhora viuva de
buns costumes : a tratar na travessa das Cruzes
n. 14._____________________________________
Moleque
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa-se
de um moVque,
Urgencia.
Precisa so de 803i000. dando se por S3guranca
dous predios acanadus ha poucos dias: a pessoa
qne quizT fasec este negocio anrjuncie para ser
procurada.
mwm.
Anlonio Jose Itodrigues de Sonza, em seu p.s-
cripturio a rua do Crospo n 6, compra, por bom
prncos, e-icravus das diversas cores, sexos e
dades.
a ao p^fetiMoTergo n. 21,
=
a taverna sita an p'aWjfloTWco 11. 21, que faz
esquina com 0 becco.da.Lenaa. traa-#a na mos-
ma.____________________.
' Milho e est6pa
Vende se milbo novo chegado u timamente do
node, e esidpa para calafeiar navios e bareacas :
na rna do Amorim n. 31, armaiem.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha nova de maodioea da Santa
Catbarina a bordo do brigne portuguez hrtprodiso:
a tratar com 0 capilao, ou com Amorim trmaos
& C rna do-Bom Jesus n. 3, _______
Rua de Brara u. 76
Vends/ae zioeo poro de sapetior qualidads.
proprio para, operas, de caasr msdindu 11 pal
mos de comprido e 4 de largo, por prejo mni*
a eoota.
As uuicaa voraaaeiras
Mchas ha6nrgaezasinie'~mi'(.eBtemereado'
na m>> Marqiiez de wrinria p. 51
Chios de coupo
Amaral ffhbuca- 4 C recabaram pefo vapor
VilledaRliia diif.de.couro ppravienhora om
fivelas deiaso, mrtaJ, oxide,, eta. etc. : no Bazar
Victoriafra-dOrBaTio d* Victoria n.-2.
- Vtende*se ama carroca e nm toi, estando
este ftastnma descancadj; no-amjazem do sal, da
rna da (-tonceicao, da Bba-Vlst: a tratar com
Francisco Meira.
A


t liouidacao m mmk%
'-^-[:
Pislmi
"Veade-se por pr*co eommodo nm piston com
caixa e as cimpeteBtej voltai : na rua Duque de
Caxias, antiga das Cruzes, no hotel Pernambuca-
no n. 39.'____________ ;______________ ^
Las de quadras
iVovfdade e a 3*JO ra.!!!
' A Rosa BraUca v^nde lindas 13s de quadros, e
pura IS a gostos mnito chiques, dao-se amostras
com penhor e manda-se levaf em casa ; aprovei-
tem a occasiao : na rua da Imperatrfz n. 56.
Nbvidiaae em peitos de
eamiha
A Rosa Branca tem os mais modernos peitos de
fino esgulao, e a'if, sati peitos de 31 : na rua da
Impora'triz u. 56
Chegaram mais chales de
gostos novos, de 5#, por
2#000
A-Rosa Branca esta vendendo chaloa de llstras.
gosios muito bonhos, qne valem 5&, vende a 21,
aproveitem : na rua ds Imperatriz n. 56
Chegaram mais metius, e
agora e a 300 rs^
A Rosa Branca esta queimando a segunda re-
messa demptim on chita trancada a 300 rs >, co-
vaJo ; as pessoas q<- nao compraram dos pri
meiros a 320 rs., devem comprar agora a 300 rs.,
dao-se amostras, e manda-se levar nas casas:
quem precisar a prove ite na rua da Imperatriz
n. 56, ______________________
Alerta prineipiantes.
Olhem que vende se> cocheira sita a rua das
Plores n. 24 : a tratar na rua Direita n. 50.
Vende se uma taverna na rua das Carro-
cas, esquina da rua de S. Joiio. com boa casa de
vivenda e bastanie< coramoaos para familia : quem
pretende-la dirija se a raesma
HA
Rua da Imperatriz n. 60
BAZAR
ilYERSAL
Vende fazendas para liquidar, por baratissimo preoo ouno
abaixo se ve:
Pereira da Silva & GuimTaes tendo em aer un granda depoxito de fateadbs,
tem resolrido fazer uma liquidacao das mesmas com granda abatimento nos preQOt
'com o anico fim da purar dinhcir", para e que convidam nao s6 is seus numenaot
fregnezes, cmo o respeitavel publico, a vir surtir-se de muiUs faaeodan, Jwaa alsarata>
no seu estarw>tecimento denominado oPavJJea roa 6a hirperatrra n. 60.
francez muito fino a 3TW00, apenas precis*
1, l/t metro para um lencet.
CJarVLtS B RATOS
29, a*600, S9.
0 Pavao vende cbal65 a ermta^ao de me-
rind a 29, ditos de merin6 lisos de todas u
cores a 29500, ditos de merin6esUmpados,
CAMBRA1AS A 49, 49500, 59, 69 79-
0 Pavao vende um magniflco sorti'mento
daa mais fines cambraias brancas transpa-
i rentes, tendo 10 jardas cada pe$a, pelo ba-
\ rate prec/j de 49, 49500, 59, 69, tendo tam-
i bem das mais finas que custumam vir ao
j nwrcado, assim como um grande sortimento
Roa do Barao da Victoria n. 21 *# t*p,a''"e ***** iff ^^^de *
ate 89, sendo fazenda que valle muito mats
Carneiro Vianna.
dinhciro.
A' este grande estabelecimento tem che-
gado um bom sortimento de machinas para
costura, de todos os autores mais acrerSta- nhJos "wawhos de cores, tendo 10
dos ultimamentena Europa, cuias machinas cada c?rtt vest,(, e vLe.nd? P*,1.0
sao garantidas por um anno, e tendo um PreS de** Por scr pechmcha, ditas
COMSALPICOS DE CORES A 59.
0 Pavfio recebeu um elegante sortimento
de cambraias brancas com bonitos salpiqui-
jardas
barath
com
perfeito artista para ensinar as mesmas, era
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo-tambem d'um
anno sem despendio algum do comprador,
ffeste estabelecimento t-mbem ha pertengas
Houbo
Na noite de 30 tiara o aman'-ecer do dia 31 de
Janeiro arrmb.iram e roubaram da c sa n. 22 da
ma do Barao te vVra Cruz, na cidade de Olinla,
1:6"03' 0 um diiilviro, um correnlao de onro
pesando 10 a 10 1,2 oitav.s, e um annelao tambem
do ouro, pesand 2 mtivas, pmtti mais na menos.
I'a-se a gratilicado d; 600^000 a quem det-cobrir
este ronbo.
Precisa se alugar uma escrava qae saiba
co/inhar : oa rua Nova n. 7, loja.
N* rua da Penha n. 2 lava se e engomma-se
com presteza roupa de hemem e senhora : quem
pretender, dirija-se a mesma casa
0 Sr. J.'aquim Pinto Meirelles, negocinnte
em Mamamgaape, e do presente nesta praca, te
uha a bondade de uAo ret'rar-se sem enteader-se
no armazi'm n. 19, a rua nova de' Santa Rita
n:ii^PBAS,
Precisa-se de um de 12 a 14 annos : na rua da
Jniperalriz n. 26, loja.
Pr-'-i- s'e
alugar uma ama para casa
peucafamilia : na rna do Imperador n. 33.
de
Ao eommercio.
Os abaixo assi^nados d-claram pelo presente
quo n ta" J. ia dlssolveram amigavelmente a so-
eie la I" qua tinhara na taverna, Mta a rua do
Sarqnrz do Herval h. 2, que tiyrava sob a ra-
iSm d" PfTges s Osta, ficando o aclivo e passivo
da n.e-.'ia a cargo do aoc4o Manoei Roberto da
Qjsta e o socio Borges pago de seu capital e lu-
oros.
II ;, :)de Janeiro de-1874.
Alikmio itegu Borges.
,________________Mamal Robarto da Costa.
i \osa.de campo.
> s. do Dr Alvaro Caminha, era Saa-
' i" ecommodo.s para numerosa fa-
endaf-'se tanto por ser inn predio
i ,. >. oozbo por aehar se collocado no
.lavai de nossos arr'baldcs : a tra-
uediato em freato a estacao de San-
t'A
mi
no
lu
tat
t'A


9 ## ^
frastes.
Compra'se e i-ende-se traste3 novos
Lompra
onadris
e usa>lns no armazem da rna do Im-
perador n. 48.

*&
Ench
ameis.
A companhia da estrada de feriu de Olinda,
compra mais 30 enchameis de 30 pahnos-de- conr-
Srimento e 5 pjle^adas de grossura, pwa parte
a linha telegraphiea : a traiar no wcriiitorio da
eempanhia.
O gerentev.
Laurentmo Josi de Mirand".
SCI
vi
fe-
10-
nl
R'
16
la com pjnea idade precisa qne
'SnWiptn complotai1 o dinhciro Ja
. pigMdIK ctta esta quantia com o-
m cfea de familia : ijnm Ihe con-
ude La de ser pmrurado.
logio perdido.
rdugio ft oirren'e de onro com
aipa*'. \j a. era viagem na via-
' drt YUmainho ^ Soiftlade. its
V !''_22 ,]a n"'w- E' relo^io 1-h se
V da Cruz n 3, para ser ben
Piano
Compra-se um piano de boa comtrueg^, pro-,
prio para ensinar meninos, cujo preco uao-exteda
de I'Ol: na rua da Aurora n. I, ..u aoaunete.
Sitfar Vhl ria.
Este estabeliHmento acaba de receber comple
to sortimento de cintos de eouro preto com flvel-
la e corrente de metal, pnnhos e gollinhas de li-
nho e gravatas escocezas, tudo para senhora : na
rua do barao .la Victoria n. 2.________________
Porinasdfe ferro
6ara purgar assacar : na rua do Marquez de
linda n. i
INaoiia mais
braocos.
TINTlIBtll' JhPMZI.
S6 e unica approvada pelas acarkmias de
sciencias, ret-onhecida superior a-toda qne
tem apparecido ate"hoje. Deposito princi-
pal a- rua da Cadeia do Recife, hoje alar-
quez de Olinda, n. 51, 1 andar, e em
todas as hoticas e casas de fabellei-
reiro.
selpicos todo branco sendo fazenda fmissima
a 79500 e ditas a 59000.
VESTTOOS A USO DA CORTE 129
0 PavSo vende um bonito sortimento de
cortes de vestidos a uso da corte, trazendo
j^ara as mesmas machmas e se suppre qual-; e3fJa c6rte todos os enfeiles necessaries como
Aaerpega que seja necessano. Estas ma-! ^^ : babadinhes, entre-meios, rendas,
rhinas trabalham com toda a perfeiclo de requefifes, e vende pelo barato preco de 129
3>medous,pospontos, franzc e borda toda cada um assim di-os a 2 de julhp
qualqaer costura por fir- que seja, sens; com todes os mkh(S g m ^es de cam-
egos sao da segumte q^uai.dade : ,an. tra- braias braQcas ahertas com Iistras ,
,Ka*annma de,30(f"?' 4**? a 69, ditos finissimos a 89, ditos de cam-
e 509000, para trabalnar com 0 |>e sao de
809000, 905000, 1009000, :109000,
1209000, 1309000, 15O9000, 2!/v>9000 e
2509000, emquanto aos autores nao ha al-
teragSo de jre^os. e os compradores podcrao
visitar este esiibeleoimeBt, r'ic muito de-
muito finos a 49, ditos finissimos com Iis-
tras de seda a 69500, ditos muito luos da
ere pom a 109 e 129.
ll^uclAo enfeaa al|e_f*fi#.
0 Pavao vende a4god4o eufestado com I
palmos de torgura, proprio para lencdei
sendo do mais encorpado que tem vindo a
mercado, Kso a 19 a vara e traocadoa.....
19280.
ATOALHADO A 19600, 29, 59.
0 Pavao vende atoalhado trancado com 1
palmos de largtrra a 192U0 e 19600, dito
adamascado a 29, dito de linho adamasea
doc39eS9.
SHDA PAR. VESTIDOS
U>600 e 29.
0 Pavfio vende* am bonito sortimento d
sedas com listrinhas proprins para vesti-
dos de meninas e de seuhora a 19600 0 eo-
vado, ditas lavradtnhrs a 29, os padrdes sic
muito bonitos e vende-se por este prec/) par*
acabar.
0 Pavao tem um completo sortimento dt
botinas muito bem enfeitadas para senhoraf
e vende pelo barato preco !e 59, artigo qu
em outra qualquer parte custa 9 e 79.
LE^OS BRA^fOS
a 29000.
0 Pavfio. vende lentjos braneos abPinhi
dos, tanto para homens como para senhoras.
a 29 e 295110 a duzia, ditos de esguiio
cam bra ia de linho t-mbem ab-inhados
39500, 49. 59* d tos francezes escuros, pan
rape a 69, < duzia.
CAMISAS PARA HOMEM.
quenos, apparelhosde metal para cha,*fa-|tado e de quadrinhns a"640' rs. a vara ft- ^ P.av* _ln1e ricaS camisas com P6'1*"
queiros com cabo de metal e de marfim, nissimo fil6 branco liso e de salpicos, e tarla-! { unho berthas, proprtas p-ra notvo
ditos avulsos, colheres de metal fin-., condiei- tanas de todas as cores. !10* \ 129 ^ad- ua-d' .^ ^f *
{ rein bor I das 49, 49o00 e 59, ditas coir
BORNOUS A 129. Peit0 fle algodfio muito finas h 29, 29500 t
39, ditas dechita fina mimlinh a 29, 29500
0 Pavfio vende um bonito sortimento dos e 39, -ssim como grande sortimento de ce-
mais modernosbornous combonitas Iistras e roulas francezas tanto de linho como deal
vende pelo barato pre$o de 129 cada um, godfio de I960 ate 39, gr nde sortiment'
assim como um elegante sortimento dos mais de mei s cru s inglczas de 49 ate" 89000 j
bonitos chales tie merin6 e com Iistras de seda. duzia
Ceroulasfr neezas de linho ealgodfio, par; todos-osprecos e qualidades, assiii
como grande sortimento de meias cru-s, camisas, cidennhos, que tudo se ve.ide rx 1
precos muit r. zoavcLs.
verao gostar pela variedade de objectos que
ha semp. > para vender, como sejam : cadei-
ras para v>agem, malas para viagom, cadei-
ras para-9las, ditas- crian^a (adt;ts), ditas pare escolas, costurei-
ras nquissimas, para senhora, despensaveis
para criamjas, do todas as qualidades, camas
de ferro para hombm e criangas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas.para cebrir pratos, esteiras
para forrar saias, lavatorios completos, ditos
simples, objectos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devem agradar a todos
que visitarom este grande estabelecimento
que so acha aberto de-de as 6 horas da ma-
nha ate as 9 boras da noute d
Rua do Barao da Victoria
braia branoa com Iistras de cores, para aca-
bar 39500, e" pechincha.
CORTES BQRDADOS A 209 E 359.
0 Pavfio vende -ricos cortes de cambraias
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
rato preQO de 209 e 359.
CASSAS FRANCEZAS
a 30 rs, ocovado
0 Pavfio recebeu um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padrdes e
cores fixas, que vende pelo barato prego de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
n.
22,
Lindas las escocezas.
De varios padrSes, e ioteiramente modernas, a
360 rs o covado : na rua Primeiro de Mai'90
antiga do Crcspo n. 13, loj.. das cclumoas, de An-
tonio Correja de Vaconcwlos.
Bandej
as.
TASSO IRMAOS & C.
Em seus armazens a rua do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem pars vender por precos commodos
Tijol03 encarnados sestavos para ladrilbc.
Canos de barro para esgoto.
Qmento Portland.
Cimento Tlydrsulico.
Machinas de descarogar algodao.
Machinas de padaria.
Potassa da ftussia em barril.
Phosphoros de cera.
Sagv, em garrafScs.
Sevadinha em garrafSes..
Lentilhas em garrafjies.
Rhum da aJmaica.
Vinho do Porto veUi* engarrafado
Vinho do Porto superior, dim.
Vinho de Bordeaux, dito.
Vinho de Scherry.
Vinho da Madeira.
Poles com linguas e dobradas inglexai.
Licnres Sops sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
f.atas de toncinho inglez.
Barris com repi.lho era salmGllra.
Wif on Rowe & L. vendem no seu armazem
a rua ds P.ommercio n. 14 :
0 verladeiro panno de algodao azul amencano.
Excellente fio de \ela.
Cognac de 1" qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades
Querera fazenda barata.
Venham 011 nnnlem a Kosa Branca que esta
vendendo muil 1 barato todas as fazendas e roupa
feita : na rua da Impi-ratriz u. 36.
ATOIIO JOSE DE AZEVEDO.
Rua IVova n. 1 i.
mais iiada....
Dinhetro d vista
Compra-se uma taverna. et b~m tetar ami
bairros de Santo Anfmio on Boa-Virta: 4 tratar
na rua do Itangel a. 67.
rmn.
Yaqaetas da Russia,
Vende J..ao Franc4sc > Ferreira Jetaior, irua do
Livrameoto n. 37.
Amaral Nabuco k C. vendem bandejas de me
tal a cbarao de ilifTerentes modelos n tamanhos :
no Bazar victoria, rua do Barao da Victoria n 2.
.ilanliliias prelas.
A Nova Esperanca, a rua Duque do Caxias n.
63, recebeu mantilhas protas, modernas, a esta se
vc-adendo por precos razoaveis.
I^INAVAL-
Vende se lindos dominos de superior qualidade
para o carnaval : na rua do Duque de' Caxias n.
53.
Vead^-se
uaia caproca nova para c-\vallo, muito maneira,
ou troea-se por outra para boi, sendo tambem
em prfeito estado; para ver era S. Jose do Man
guinho, sitio de Jorge Tasso e a tratar no seu
escriptorio a rua do Amorim n 37.
' Vende se a taverna da rua do Visconde de
Albuquerque n. 68, on por b*lanoo ou avulso,
propria para principiante por ter poucos fundos
e afregaerada para a terra : a tratar na mesma.
que se dira o motivo por qae se veride.
i Chita preta a 280 rs. o co-
vado.
A rosa branca vende chita preta boa a. -380 rs.
covado ; isto e pechincha. na rua da Imoera-
tru n. 56. ~,
Cambraia de foFro a 1#600
a peca
motto tapada e encorpsda ; isto e so na resa
branca rna da Imperatriz n. S6, de Azevedo & C
Camisas do ehita francezas,
de4^a.2$509.
, A rota branca ten* umreato de eaaiisas d ere-'
tone e cnta de diversos, numero* que vende
ppra acabar a 3*300 ; quem conhece a fazenda
ea^'qe e muito-barato. aproveitem a^ocasiio : Amaradv .Nabaeo ^ C. vendum luvasde pellica
ai raa da imperairit at- m de eem oota-tewM. de- m'ftfa i 11, \&a<0 e it o
no Batar-vtotoria, rna dcr-Barao
VcndO'ia X bab Ja carroca,
% grandes carrot para -aioduzir peso da
neladis, e esterco que pode dar de 120 a
racas ; a UaUr jn poote da Torre, de d
JJtaguDda-feira a tarde de cada semana.
%aila mais no deve dlzer depois
do se ter fcito a scguhate do-
elaracao
E vein a ser:
QUE 0 UXICO deposito de docea:
De goiaba (finissimo)
De eajii secco, crystalisado, ralado e em
calda
De raangaba secco e crystalisado
De cidra secjo e crystalisado
De larjnj.-i -rcco e crystaliSado
Da limao secco e crystalisado
"DegrnzehV em calda.
De doses feancezvs e portugaezes
AGORA AtifDA oefguime:
De matte em fulha e em po
De cafe Java (verdadi iro)
De cha verda e preto (especialrdades)
Deibiilos a txdachinhas para cha
De flamhres promptos
De bolus inheres
De pn.lins flni De paes-ae-16 (monstro?)
De eonservas alimenticias (tubaradas)
De fructas do tempo
De chocolate inglez e francez
IE de tuti qwaajji I
E na bem conhecida
Conieftaria do CwnpesH!
Fara acabar!
Rtcas rtrapens para seonura so na rua Daqne
de'6atiu:.''0O A^ lb]a da esqmoa.
fcuva k peTlica
Querendo definitivamente liquidar este negocio, vende todos os que tem, novos a
isados, pelo preco-do custo de factura.
Tambem acaba de receber o seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos des.-nhos de 11 a 33 palmos
de largura e 100 de comprido, podendo furrar-se uma sala por grande que
seja com oleado inteiro.
HAGNIF1C0S espelhns ovaes para nrnamentos de salas.
V.NNEi^ electrieos para curar dores de cobeca. nevralgias e nervoso.
MUITO lindas gravuras, grandes, para quadros de sala.
liHAHrQS para seurar roupa estendida nas corJas, a 200 rs. a duzia.
TALAGARCA e papel picado para bordarmm la ouseda.
VERDAI'EIKA agua de colonia em garrafas eoipalhadas.
E muitos outros artigos, e por barato preen.
FUNDICAO TnTFERRO
>
V rua do Barao do Triompho (rna djBrum) ns. 100a 104
CARDOSO IRMAO
RECLBERAM He Inglaterra completo sortimento de ferragens e machinas para m
V aporeS de for^a de 4, 6, 8e 10 cavallos.
'. aiQeiraS de sobresalente para vapores.
.YlOenOaS lllteiraS e meias moendas, obra como .unca aqoi veto.
laixas IUndldaS e batidas, dos melhores fabneantes.
tCOClaS Ci agua cum cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
aOUaS^ deiltaoaS de .todos os tamanhos e qualidades.
Relogios e apitos para
Bombas
Arados
vapores.
de ferro, derepucho.
de diversas qualidades.
Formas para assucar graades % ^^ms.
OoncertOS concerlam com promptid5o qualquer obra on machine, parao que
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoa I.
EnCOmmendaS mandiun vir Por encommenda da Europa, qualquer mehinismo,
.para o que se correspondent com uma respeitavel cas* de Londre*
' com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de nsandar imnilai
litas machinas, e se respuns Rua do Barao do Triumpho (rua do BrumV ns.-100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO d IRMAO.
Victo-
8 to-
a 150 car-
Pacheco & Azovedeitam para vender ta<
a WatarjtapoeMdi Torre, de domingo ate ploaa de.ararnia, qjaWdad.eiaciaU a seu ar
. maiem, na roa d Duque de Caxias n. 29.
FUMO ,DO PARA
0 verdadeiro fumo de Borbik em em'eote, picado, desflado. e creapo, assim
como cignrros do mesmo fumn ; na filrica a vxpor, autig*;nui dos Quarteia n. it.
N data fabric*, oa Sfs. fumarAos eneontrarao os aeajwates e bem cooheeiaW
fvmos manafactirrndOa-na mesma*casa.
Flor do Irasil
Novo Caporal'
> Bes Bird'seye, { 04b* de E*sax. 1
Vende-se a retalho, e em grande quantidade se u grande abatimeoto.

./

i wiiimo



,-
i
- u
*>
1
DflarioiAl tHWflaaicieo #&bbado 7< ^ififcwpelrt* *' 1*^.
7-
SOARES LEITE, MAOS
(HUGOS MENTES
A' i
Rua do liarao da Victoria o. 28
is mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
^^ l?a exposifao de Paris, em 1867, foi concedido a
j*Fy Elias Howe Junior, a medalha de ouro e a coadeeora-
5*0 da Legiao de Honra, por serem as macbinas 'mas per.
feitas i*+ "stttido.
tow
NalojadeBoareB LeLteikmaub, a
Victorian. 28,
pollica com .pequeno toque
'b w
i
o r
da
.
de cordao imperial
osao para calsa, a
i E. Howe Junior, nos
da macbina de
ooa-
A medalha de ouro, conferida
Estados-Unidos por ser o inventor
tura,
A medalha de ouro na exposigao de Londres acreditam
estas machinas.
A 90S000
Cabe-nos o dever de actfancur que a companhia das machmas de Howe de
.ork, estabeleceu nesta ckfade raa dn Barao da Victoria n. 28, uto deposito
taftlp para em Pernambuo/* o mais provincias se venderem as afamadas machinas de cos-
ara HoWe. Estan inncmnas sao justamente apreciadas pels perfei^So de seu trabalho,
r'pegando uioa aguiha mais curta com a mesma qualidade de linha que qualquer outra,
; itela iatroduccao dus mv aperfeicoados apparelhos, estamos actualmente habilitados a
'ftfecer ao aTarac'puLHco as melhores machinas do mundo.
Ah vantagens destas machirias sao its seguintes:
rruPAi're.-O'publico aaWa-qi"* ellafteao duradouras, para isto prova incoutestaVel, a
rteumstaucia de nuuca tereoi nuw''wWo no mercado machinas d Howe emsegun-
'* mio.
Sejnrtida.? Taraeira.tfa nellas menor friccao entre as diversas pecas, e menos rapido estrago
*tre ats outras.
Qnarta.Fonnam o ponto como se fdra feito i mSo.
QBinta.Permitte que se examine o trabalbo de ambos os fios, o que se uio consegn
- oetrss.
Sexta.Fazem ponto miudo em casenrira, atravessando o fio de urn i outro lado,
\t*K> em sege** wvm naodiicar-ae a tensio da linha, cozem a fazenda mais
*.
Sebum.O compress^ 6 lerantado com a maior facilidade, qu&ndo se tem de madar
agolba ao corner not* costura.
Oitava.Muitas companhias de machinas de costura, tfim tido epocas de grandeza e
teideficia. Machinas 6ulr"ora populates, slo boje quasi descor.becidas, outras soffreram
aadancas radicals parapoderem substituir : entretanto a companhia das machinas de Howe
doptando a opiuiao de Elias Howe, mestre em artes mecbsnicas, tem cOnstantemynte
a$mentado o seu fabrieo, e hoje nSo attende a procura, posto que faca 600 machinas
r iit.
r.ada machina acbmpanha livretos com instruccftes em portuguez.
A 9^000 A 90*000
SOARES LEITE, IRMiOS
tuvas de
200 rs.
Abotoaduras para, collete, grand sorti-
icnto a 120 rs.
Caixa de linha de rnarca, a 300 rs.
Lamparinas a.gMt dando ami lui mtrito
oa, a 19000.
Duzia deipegas de cordao imperial. a
i40 rs.
Caixa de botoes de
cOO rs.
Duzia de carroteis de linha, 200 jardas, a
too rs.
Idem idem 60 jardas; a 240 rs.
Maro de fita chineza, a 800 rs.
Caixa de linha com 40 noTellos, a 500 rs.
Meios adere^os com eamafeu, a 500 rs.
(jarrafa de tinta roxa extra-fina a ljfooo
Potes com clita ingleza, prota, a 100 e
.60 rs.
Gaixa de peimas Perrj, muito boas, a
18000. j
Idem idem, a 00 rs.
Caixa de enyeloppes tarjados, a 500 r
Idem idem forrados, a 700 rs.
Caixa de.papel amisade, bcira doiirada,
800 rs.
Idem idem idem lisa, a 600 rs.
Ouzia de talheres calx brarwo, 2 Be, a
e agencia ,5000
Resma do papel pautado, a i^OOO
59800.
Idem idem liso, a23800, 3800e5OOO.
Coques tnodernos, a 39000.
Duzias de pe^as de traumas de caracol
>ranca, a 4CM) rs.
Idem idemlisas, a 2fl0rs.
de todos
Nova-
Leques deosso e saudalo, a 3C00O,'* da*.
68000. Entremeios e babados'transperentes eta-
Fita de velludo de todas as cofes e largU- pados.
if. Uma grande taboleta prtpria para
Jicroscopios com 12 vistas.fa'68000. quer loja.
Frasco com oleo parama.chltiaa400rs.
Baa do Barao da Victoria a. 28.
n
do Barao
A*
da
Victoria n. 2 8.
Grande peehincha a 200
covado.
rs o
Gasa 15, padroos novos, e de mais jrosto qaw
D vindo ao mercado, s6 na rua do Qaeimado
S3, loja de Gaorra & FarnaDdes, pelo ditainu-
preco de 200 rs. o covado I
Chsgnem freguezes qae se acaba
Farinha de araruta
Vende-se superior farinha de araruta, tanto em
poreSes como a reialho, por preco que admira,
risto sua qualidade ; depositos nos 9eguintes lu-
|ares: rua do Vigario n. 26, raa do Amorim n
08, e travessa da rua da3 Gruics a. 4, a 500 rs. a
iibra aretalho.
VENDE-SE
ama casa na villa de Barreiros, aa rua do Com-
mercio, por preco modico: a tratar com Tasso
irmaos 4 C
Os verdadeiros
Vinhos de Bourgogne
das roarcas
Chambertin
Pommard
Virits
Volnay
Beanne
Monthelie
Dito Bordeaux em quartollas.
Yende-se por baraCo pre^o
PARA LIQUIDAQAO DE CONTAS
NA
Baa L.arga do Rosario 34.
Rotica.
A Nova Espcranca, a rua Duque de Caxias n. 63,
apressa-se em convidar a seus fregu^ies. com es-
pecialidade a<> berlo sexo a virefti apreciar os se
guintes artigos expostos a venda e todos por prsjos
commodos, como scjam :
FINAS BONECAS mamas e choronas.
BUNITaS E ENGBAQADAS vistas para sterios-,
copios.
COMMODAS LATAS para guardar cha.
ELEGANTfiS BOLSaS parasenhoras e nieninas. |
BONITOS VASOS com Cna banha e cheiroso?;
extractos, trazendocada frasco urn no:ne, uma iui- ,
cial bu urn tittfico. I
FIN.-.S iiEIAS I) SEDA, viudo culre eHaS cor
de carne.
A' rua do Cabu^a u. 1 A.
Os pjvt.rmUnu., da iiVdilert.i, coniervar 0 boin conceito que teem mereciio dc
respi'itavel publico, di-tinguindo o seu eslabpleci
rbfrito dfos mais que n^gifciam no mesmo getitru
leeta Rfiemifirar aus seus bons fregueaesque pre
veairamawrtis currtspwidnt.- nas diversas par
cas d'Europa para Ihes enviarem por todos o>pa
quetes os objected de luxo e bom gosto, que se-
jn mais bem ateitos pelas sneiedades elegante?
daquelles paLes, visto aproXimar se 0 tempo d>
festa, em que 0 bello sexo desta linda Vcncz;
mais osteuia a riqueza de snas till>ates ; e co
mo ja receb''ssem pel paquete francez diverso
artigos d* ultima moda, veem patenlear algan-
d'entre eltes'qoe se tomam mais recommeodaveis
e^perando do respeitavel publico a eoslumad*
conourrencia
Aderecos de llrtaruga os mais lindbs que teeo
vindo omercado.
Albuns com rioas capas de madreperola e d
velludw, sendo diversos tamanhos e baratos pre
(OS
"derecos completos de borracha pr prios par*
ltlo, tambein se vendem meios aderecos muito bo
nitos.
BotSes de setim preto e de cores.para ornato d.
vestidos de sei.hora ; tambum tem para collete
paliiot.
BoMas pafa ponhoras, existe um bello sortimen
to m ela, de paHia, de chagrim. etc., etc., poi
barato, preco.
Bonecas de todos os tamauhos, tanto de lonit
como de c6ra, de borracha e de massa ; cbama-
to(* a attentio da- Exma?. Pras. para este artigo
pois as vezes tomam-^e as crianras um pouco im
pertiRfntes pnr -falia de um obiecio que as en
trelenbam.
ramtsas de liftftc lisas e com peitos bordado>
para huRiem, Viiiw v.. .-.e por preco commodo.
CertmUi de |jaho t de algo-iar d-' iiiversos pr-
Caixinhas com musira, 0 qne ha de mais 'i"vifi
com oBtfeos nas tamjias e propno? paia j'icacn
tes.
Coques os mais modernos e de diversos forma
tos.
Cliapeo- para st-nhora. Beceberam um sortimentc
da ultima moda, tanto para senhora, como par?
men i nas.
Capellas simpJes e coin veo para noivas.
talcas bordadas para nieninas.
Entremeios estampados e bordados, de Undo-
deseohes.
Ejcuvas electrioas para dentes, tem a proprie
dade de evitar a carie dos dentes.
Franias de seda pretas e de cores, exi.te um
grafide Softimento de diverpas larguras e baratr
preco.
Fitas de sarja, de gorgnrlo, de setim e de ct>
malote, de diversas largums e bonitas cores.
Pacha? de gnrgurao muito lindas.
Flotes artificiaes. A Prediltn*ta prima em con-
servar sempre um bello e grande sortimento des-
tas flo es, nao so para enfeite dos Cub>llos, come
tarobem para ornato do vestido de noivas.
Gal8es'de algodao. de la e de seda, brancos, pre
tos e ue diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de -cambraia e de seda de diversas coret
para senhora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas par;
nofva.
Arnml, rfabu^o & C. vendem lan'ijinllas de Livros para ouvir missa, com capas de madrt
diversos formates, pratcadase dituradas, cabeltei-' perola, marBm, 6s 0 e velludo, tudo que ha d
ra< de eabellos braucos, isa>ras de meia de algodao bom.
Espelhos dejnoldura dourada,
os tamanhos e precos.
pBRWJMARIAS B MltJUEiAS.
Frasco com oleo Onza verdadewo, a
10000.
Idem comtenico d Kemp, verdadeiio,
iooa.,
Garrafa de-agua florida verdedeiraa 19200
(iarrafa d'agoa japoneza, a-10000..
Idem idem diviRa, a 10000.
Idem idem Magdaluna (noviiade) a
19200.
Caixa. de pos.4>ara dentes, a 200 rs.
Idem idem do pos chinez, mo 500 rs. e 10000.
Poto com opfata de Rieger, Riitial e Gros-
ioer, 10' 00,
Duzia de saLom !.,, do ameudoa, a
30000.
ltnzia de sabonetws de anjinho traiisparen-
'tMt a 20200.
lde.cn idem 1:0m (ldras, a 05OO.
Sabonetes Glycerino transpa re rites, a
10OGIK
Caixa c(m sabonetes. foroiato de fructas,
a-tcimt) e tQ(tfh.
'Cesmeticos, raudes e pequenos, a 100 e
800 rs
Frasco comaguade colagne, a 200, 320,
500 rs. e fifOQftJ
Extractos muito finos dos cm Ihores au-
to res.
Lindas eelegantes caixinhasconiprfuma-
rias, proprias para presentes, d>>s autores
E. Codray, Riegew, Gell^ Freres, ete,
Quadros com sant VE R Carnavai
e de seda, brancas e de cores, camisas da meia
listradas e braticas, cipatetes de masfa, VOltas de
perolas falsas, briucos proprios para Chicard,
fraDJas prnteadas de muitas largnras, etc., etc., e
Compieto sorliiBPBto de nwsoaras : no Ba?ar Vlc-
tori?. rua do Barao da Victbria n. 2.
Para quern guslar.
Amoral. Nabuco & C vendem manraras de pa-
pelao, Lrancas e pretas. para uomens, mulheres e
n.eninos, de setim, de arame, de eera para homem,
hiocas e velhos.'typo inteirame'nte engracado : no
Bazar Victoria, f ua do Barlo' da Victoria n. 9.
A' Xova Espnanc? a rua Duque de Caxias n.
63, acfiba de r'eccber tentos e caixas para 0 jogo de
Voltarette.
Fara yarn s ITre das perfias.
A Nova Esperanca, a rua Du.|tie de Caxias n.
63, acaba de receber as procuradas meias de bor-
racha para qoem soffre das rwrnas.
FLORES ARTIFLOIAES
A Nova Esperanga, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber nm lindo c compieto sorti-
mento de fliires artificiacs das m;lhores quo tem
vindo ao mercado "
A elias antes que se acabem.
Costumes para crian^a.
A Nova Esperanca. a rna Diique de *"ax1a* r\
63, acaba de receber tMinitos cusiuines pan cMtna
e esta se vandendo por precis lazoaveif.
0AL?ADO
Na pracada IndepeadeftCia a. 39, lojade I'orio
& Bastso, vendj-se :
Borzeguios de corJavao e bezerro, para
homem
Ditos de beaerro Mem
Diiiis de cbagren- preto paraseuhora
Ditos de duraque de cor ogaspiados para
menina
Sapatos de eourinho dam sillo para se-
nhora
Sapatis de tapete avcliudados flnos para
honVem
Penles de tartarugae marfim para ahsaros ca
bel os ; feein lambem para tirar caspas.
Port" bouquet. Um bello sortimento de madre-
perola, marfim, flsso e dourados pur barato preco
P&rfumarias. Neste artigo esta a Predilecta ben
Erovida, nao s6 em extractos, com> em oleos *
anhas dos melhores odores, dos mais nfamado?
J fabricantes, Lonbin, Piver, Sociedade Hygienica
Condrny, Gosnel e Bimel ; sao indispensaveis pan
: a festa.
Saias bordadas para senhora, por commode
preco.
Sapatidhos fle II e de setim bordados ,para bap
tisados.
Tapetes. Becebeu a Predilecta um bonito sorti
' mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co
(mo para entrada de salas.
Vfetitnentas para, baptisado 0 que ha de melhoi
j gosto e os mais modernos. recebeu a Predilecta
! vends por barato preco, para Hear ao alcanee
j qnalquer bolsa.
Rua do Cabuga n. 1
6*000
8*000
UOO,)
3*O0J
2*000
2*TO0
*9 jLU'xaav -\Jt9\ifi,
A N >va E 63, r?ceheu um pequeno sortimento de antiois e
pulseiras clectricas, proprias para quern scffre dos
nervos.
Lmiio cbfariz.
VouJa-se por pi'.-co barato um rico chafariz
de marraore "proprio para jardim, o qual se acha
armalflo na o'tneiha de marrnbre do 5r. Lima, a
rua do Imperadur para quem o quizcr ver : a
tratar na raa do Crespo, loja drPasso junto ao
arco de Santo Antonio.
PARA 0
CARNAVAL
Odilou Duarte & Irmao
Raa tla Irup<>> Tem pr*mptos, a disp.-sicao aos amantes do Car
naval, 1,000 barbas a escolher, pelo baratissimo
Erci.'o de 3* cada uma, e grande numero de ca-
elleiras de todas as forn.as e cores, a 8*, 10*,
12* e 45* cada uma.
Para o carnavai
Gusmao & Leal vendem luvas de pelliea com
pequeno toque de mofo a J00 rs., a quasi perfei-
taa a 1* 0 par : na rua Primeiro deylarco n. 14.
DE
fazendas fmas
Rua Primeiro de Marctt n. 7 \
DE
Cordiro Simoe dH1-.
E' eia uma das casaa que hoji-
inazia offerecer ao* seus treguex^-
1111
.1.- cm m-
ana tifli-
rfeiidf-ntes,
S- am-istras
I'lrUi, etc.
mo sortimento de faxendas Unas 1 r *nde toi-
lette e bem assim para uso ordin; 1 de t das
classes, e por preoos vanlajosos, d. tii-f* '**
pequeno resnmo.
Maiidarn fazendas as casas d
para 0 que tem pessoal necessano
medianle penbur.
Cortes de seda de linda-1 cores.
Gr -dt-naples de todas as cores.
Gurgurao branco, lizo, de listra.-
Si tun Macao, preto e de cores.
Gn-silcnapUs preto.
Velludo preto.
Granadme de seda, preta evle cores.
Poiielinas de lindos padroes.
Filo d<' seda, branco e preto.
Hicas basquius de seda.
Casacus de merind de cores, la, He
Manias brasileiras.
Coites com cambraia branca jc"" hnaVa borda-
dos.
Ricaa capellas e manias para no'v>
ltiquio sorlitteuto de las m Nn de
seda.
Caaibraias de cores.
Ditas maripozas, brancas, lizas u rdadas.
Nanzuqnes de lindos padroes.
Bapti.-las, pa'droes deiieados.
Perrahnas de quadros, pretos e IrnscHa, li-tr-.
etc., etc.
Bnn< de linho de cor, proprii s para restMaa,
e-u\ barn e listras.
Hi os emf d? vestido de linho. com infe tes da
""--ii.ii cor, ultima morta.
L'ih de i-ambiaia de cores.
t'ustao de lindas cores.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bor.iadas para senhora^, de imho e al-
godao.
Sortimento de luvas da \erdadeira Eabriea de
Juiivio. para hi'inens e serliuras.
Vestnarins para menials.
Ditas para bapttzado.
Chapetis para dito.
Toaihas e guardanapoc adamascados de linho ')'.
cor, para mesa.
CoU'has Je la.
Gii tin ad is burdadus.
Grande .-ortimento de camisas de iu:bu. lizas e
bordadas, para homens.
Meias de c6re3 para bomens, rr.eninos e mer.i-
nas.
Ditas escocezas.
Completii snriiuiento de ehapeos de sol para ho-
mens e senhoras.
Merino de cur- s para vestidos.
Dito pielo, trancado e dito de '-erao.
Atoalhado de linho e algodao para toalhat
Al alliado pa do.
DamaM'o de la.
Brius de linho, branco de cores c preto
Setim de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores e pretos.
Ditos de ca Ditos de seda pi eta e de cores.
Ditos de touqiiim.
Camisas de chtta para homens.
Ditas de fianella.
Ceioulas de linho e algodao.
Paunos de crochet para sofa, cadeiras euwa-
lot.
Lencos bordados e de lab\rintho.
Colchas de creeliet.
Tarlataua de todas as corss.
Bicos cortes de vestidos dc: urlalana bffMi
para cortes.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, lidJas cures
Meias de seda para senhoras e nn :.'..a:.
Bicas facbas deseda e la para senl.-ras.
Ri'-o sortimento de leques de madreperolas
osso.
Damasco de seda.
Ricos ehapeos e chapelinas para serhoras, ulti-
ma moda.
Case.nira arela e di' cores.
Chitas, madapolao, panno fiuo preto e azul, rol-
larinhos, punhos de linho e algodiio, gravaus, la-
vas dc fio de E-cossia, 'apetes de todos os tama-
uhos, bolsas de viagem, peitos bord.idos para 00-
mens, lencos de linho branco e de e'ires, toaihas,
guardauapos, etc., etc,
~~J.T C Doyle.
Tem para ve i f :
Cognac de Henncssy, snperior e v.rdadatr
Vinho Xerc-s da3 mclhoros quaiidales.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Cha preto em lsttas de 10 libras.
Todas as preparai;Ses chimicas do Dr. Ayer
irmarom da rna dn Commercio n
Taverua
VeuJe se a taverna sita a rua Imperial, nas ul
timas casas baixas diquelU rua n. 296, jspnaa
de um bee jo : a tratar na nv-sma.
86
a
I
DOS NHWDS DA 4 ' PABTE DAS LOTERIAS CONCr.DlDAS POR LEI PR ' HNC1AI ,!*, 107 1, A BENEFICK) DA MATR4Z iDH PETROLINA, EXTR.4HIDA EM 6 DE FEVERE1 RO DE NS. 1874.
NS. 1 PREMS. <. PREMS. NS. PREMS. NS. 1 PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.INS. PREMS. NS 1 PREMS. NS. PRE.MS. NS. PP.iMSi NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS.j PREMS. NS. PREMS. NS. PHK
15 *3 233 510 m 793 Hf 1031 45 1305 4j 1564 U 1725 H 1963 M 2182 M 2404 40 2748 4* 3020 id 3247 40 3500 40 7338 41
22 36 9 14 *w 94 __ 41 ^m 9 _ 66 j 27^ 06 *m m 12 24 21 51 9 41
23 _ 39 H 48 10,4 805 42 11 aa. 68 39 69 45 67 13 31 28 52 13 45 "
27 m^ 41 54 M 19 52 _ 16 --- 73 j 42 75 ao* 79 20 58 33 54 24 47
28 ate 43 69 20 6 55 _ 34 -^_ 74 '* 45 m 77 w 82 toa 31 to* 59 38 60 25 m 49
29 SOA 62 78 to* 24 4* 58 40 --- 79 m 51 4,5 80 05 83 *5 44 n 70 *Od 45 65 31 49 53
32 U 64 88 % 25 61 __ 41 _ 84 54 82 40 88 49 71 40 49 70 52 61 ~
33 65 602 28 80 __ 49 ,^ 85 57 iOA 88 2205 55 - 88 - 59 72 . 53 70
38 _. 69 15 33 82 50 87 65 4* m 7 56 94 64 mm 86 54 71
43 _ 70 17 _ 40 90 ^_ 52 89 73 . m < 15 xlu 59 2800 67 91 55 89
51 _ 85 25 41 92 54 --- 91 - 88 1 2010 __ 18 64 6 70 -. 97 IOA 58 91 ""
52 88 28 a. 46 96 57 --- 92 89 12 ->-r- 26 66 14 80 3309 40 59 -* 3802
55 mm 309 34 --- 51 , IUI 60 . 93 93 -. 44 -4- 36 72 m 15 83 11 80 7
-...72 Mm 10 37 tOA 54 18 -44 64 1600 1804 41 18 -_ 42 93 U 16 85 23 82 IOA 9
73 V, - 21 * 40 u 56 34 wm 65 15 15 --- 22 1 47 #"2506 23 87 26 89 18 *
74 V- H 40 60 . 71 37 4* 82 --- 22 17 u 26 51 4* 13 34 99 28 3607 21 -^-
77 V- 49 61 75 47 97 34 23 27 " 61 15 - 42 3100 *o* 36 - 17 24
83 50 63 1 83 51 * 1412 m*. 85 .36 "T 34 _ 70 20 71 o 6 4# 39 19 26
85 V1 66 93 65 22 26 52 _ 42 _ 78 22 78 4* 11 58 > 21 37
90 70 96 69 27 --- 30 - b5 43 MB 77 28 81 14 -i- 59 26 41
91 _ 21 \ 72 98 1 70 33 : . 45 - 61 52 78 53 93 21 67 27 44
101 23 4 78 r 906 71 34 "T 56 -, W W wm -0 57 Tl 96 > 28 68 34 47
n is -.*m a6 A 79 11 78 . 38 ' 59 75 a* 55 ^a 81 . 67 *-t W 48 ** 75 38 48
S 24 U 27 O 83 32 80 48 60 76 88 -4 "84 _ n - *m 51 86 40 '** 69 *
1 25 3Q l 88 86 -t 85 57 "7 66 79 ' 65 1 89 W m - 1 8 58 91 ** 87
0 40 \ 93 42 9L ! 66 74 -v 88 ~f ,86 *~T 90 LB 2604 4:0O n 61 3405 48 95
28 T 53 / "~* 97 48 1202 68 ^1 82 OA 90 92 m m a 5 ->U 47 *=- 63 12 51 tO<3 39U8
39 T .58 1 "~* 710 49 *Oo 8 74 83 4* 95 O* 94 49 2308 _: 18 it. 15 't 67 Jt 24 53 40 13 ~
53 - W 19 __ 50 4,9 15 % 78 / 87 r- 1901 W 99 n a __ 58 ;.--% 26 76 __ 32 ' 60 -" 27 to#
71 . 60 31 a^ 60 24 8S | 93 6 2100 i. 15 ^.v 30 94 __ 35 67 -" 29 M ^
^ 74 Ti 39 | 71 T 35 T- 9i 1701 7 ~T 5 -4 16 pH 43 -n M 99 46 72 ^ 32 "~
80 -r 75 s- '' T 41 \ 73 40 98 m : 2 *. 16 8 92 IM 1 *4l8 ; - 19 _ l2flB ^i. 56 S3 ^ 40
87 / -4 44 t04 74 46 * 1501 3 44 17 __ 13 ,_^. 30 m Ift 53 - 7 69 91 48
94 62 4,5 77 58 --- 7 9 26 16 34 m 68 - 58 O^ 13 71 94 54
98 87 too,? 69 85 63 --- 19 10 - 31 . 18, I 36 1 n ao< } 59 4/ ' 22 76 - 3703 5
97 r~ 90 M 79 1001 77 28 - 13 BA 1 42 w 21 *i 40 tof f 88 4^ \ 62 27 __ HI ^t 04 77 -~
227 92 4005 89. 11 94 --- 37 OA Id AS 1 46 B 29 _. 59, 1 2703 - m 41 _ -6 s^\-. 10 44 3
29 / ~* 501 4^ 90 17 98 --- 44 4d 20 -4 56 W bit _ 70 11 - -3008 43 - - 20 - 96 ^
30 6 91 28 1304 48 | 21 59 58 -1 87 oo J 15 - 10 I
d mmm i
-*w-


T
8
"W
]
Diafio de PernambucO Sabbado 7 de Fevereiro de 18T4
-


1
JURISPRUDEIICIA.
Rnlutcrio
A RESPEITO DO REGOCIO DO MARECHAL BAZAINE
EX-COMMANDANTE EM CIIEFE DO EXERCITO
DO RHENO.
AUDIENCIA DE 3) DE OUTUBRO.
(Continuacdo)
'fcP.Haveis pronunciado uma palavra no
vosso interrogatorio escripto, que cbanaou
S minha altengao. Ten les dito que o des-
pacho qu* levaveis Dara omarechal Btzaine,
terminav.i com estas palavsas: a Se isto
entrar nos vossos projectos. Tendes bem
a certeza do que estavam alii essas pala-
?ras?
R-Estavam no despacho que eu man-
dei de Givet para o marechal Mac-Ma-
hon.
P.Sim, mas quero que digais se es-
taveis bem certo de que se acham no des-
pacho que havieis dictado ao coronol Tur-
nier.
R.Dictei-lno tres; estavam no pri-
meiro. Quanto aos outros dons, notei que
eram mais curtos, e Qz essa ob-ervac.ao. 0
Sr. Turnier. respondeu : Isso compete-
me a mim.
P.Desde quan lo Mr. Turnier vos disse
que estavam sem noticias do mirecha! Ba
zaine?
R.-Desde 22.
Mr. Lachaud.Desejaria sab^r da teste-
munha se assistio d conversa do marechal
Mac-Mahon com Ulm ?
R.N3o.
Mr. Lachaud. D sejo que a testemunha
Lagosse seja'convi lada pdo presidente, a
n8o seretirar; havera" Ulvez outras explica-
tes a pedir-lhesobe esta parte do seu de-
poimento.
Presidente, a testemunha.Podeis reti-
rar-vos, mais sois convidado a n8o vos reti-
rardes. 0 conselho felicita vos pela energia
de quo tendes dado prova no desempenho da
vossa difficil missao.
0 Sr. Lalleman, procurador d> republica
era.Sarreguemines.A 27 de Agosto estava
eu de passagem em Thionville. "0 coronel
Turnier mandou me chamar, e manifestos
me o desejo de me ver levar urn despacho
ao marechal commandante do exercito de
Chalons ; aceitei aquella missao e parti im-
mediataraente. No dia seguinte, estava em
Bouillon, e a 29 pela manha em Sedan ; di-
rigimed residencia do commandanto Mel
chion d'Arc, e por seu intermedio, fui rece-
bido em casa do commandante da pracs. de
Sedan, o general Boumann. Depois de ter
roostrado a minha identidade, o governador
recebeu o meu despacho, e declarou-me
que ia fazel-o chegar logo ao seu des-
tine
PresidenteTinha-vns o Sr. Turnier in-
dicado o conteiido do despacho ?
R.Nao, senhor : tinha-mc aponas de-
clarado que era de grande importan-
cia.
P-Deu-vos instrucgSes verbaes t
0R Ntnhumas.
O general Pourcet.Quando o comman-
dante Turnier vos entregou o despacho, ti-
nha testemunhas?
R.Dous corneteims, moitos officiaes
do estado maior e o Sr. de Serre, creio
eu.
0 general Pourcet.Havieis encontrado-J
no camidho um ecclesiastico; dignai-vos in-
picar ao conselho a conversa que com elle
tivestes.
R Foi na gare do Luxemburgo que
encontrei aquelle padre jesuita. Tendo vin-
do fallar dos acontecimentos, declarou-me
que chegou de Metz, que o principe Carlos
o tinha deixado atravessar 86 linhas, em con-
sequencia da sua qualidade de subdito bel-
ga ; accrescentou que o marechal Bazaine o
tinha encarregado de lancar uma caita no
correio. Entregou-me essa carta ; vi que
era dirigida i marechala Bazaine.
Presidente.Esse ecclesiastico vinha di-
rectamente de Metz ?
R Sim, diziater sahido no dia 28 de
F0LHETI8S.
LHC8BCIA BOS&IA
\ HOIORMS DE SATAHAZ
POR
D. IIiiuocl Fernaadezy Gonzalez
SEGDNDA PARTE
SAVONAROLA.
XXII
M QL'E SE DIZ 0 QUE SUCCEDEU A ANGIOLINA.
(Continuacao do n. 26 )
Esperava as suas ordens, excellen-
cia.
Toma, proseguio Lucrecia.fechando a
carta, leva isto ao seu destino ; nao (azes
falta aqui, porque n8o p6de succeder nada
mais do que jd succedeu.
Michelotto partio.
Pouco depois voltou com uma outra que
"dizia o seguinte :
Alexandre VI, papalTendo sido avi-
- sado que no vosso palacio ha um mon-
bundo, que nao p6de ser auxiliado com
receio de que se coraprometta um grave
segredo de estado, absolvemos esse rao-
ribundo de todos os seas peccados, e,
quando chegar o momento da sua agonia,
mandamos que se de um tiro de pecs,
p ira que lhe enviemos a nossa bencdlo
? apostolica.--Dada no nosso palacio do
Quirinal, etc., etc.
Eis aqui tudo quanta lhe 6* possivel
-oMr, disse Lucrecia mostrando a carta a
'Aigiolina.
Apresentando-secomo testemunha o joven
da vossa Septfontaine, de 15 annos de idade, o pre-
i 0 Sr. Bidente pereuntou se elle tinha idd Wal
agosto.
Mr. Lachaud. Vox occasiao
passagem em Thionville, visies o Sr. Sdente perguntou se elle tinha idade legal
Lagosse, tivestej conhecimento da sua tnu- para presUr juramento.
V w. o i Mr' L<*ad-too tern idade legal
l A-u Ld088e- nem oa" M' P" prestar juramento. 0 depoimento
i? f' l j *. x d,est* crianc. que ^ sobrinho de Miesch,
Mr. Lrchaud.Mo 6 nada para admi- nSo langa mais nenhuma Iuz n'esta ques-
rar ; 0 Sr. Lagosse na* chegou certamente a tao. Na.. conheco sea tio senao desde ter-
Thionville senao depois da partida do Sr. ca feira p^ssada ; por consequencia, bo se-
Lallemand. riB mui,0 diflRcil assegurar que o nao vio
/restifcn(e-Poderemos assegurar-nos do nem por um instante, darante o mez de se-
facto chamando o Sr. Lagosse. tembro de 1870.
Chdma-seoSr Lagosse. i o Sr. .yotrel (Nicolao) sapateiro. A 23
Presi'len'e. -Mandaram-vos chamar para de agosto, o cerbnel Turnier mandou-me
vosfazer precisar bem a data da vossa che- chamar e encirregou-me de levar am des-
gada a Thionville, e a da vossa sahida. pacho ao marechal Bazaine, ou na sua fal
R. Foi a 27 a noite qae tive a conversa ta ao general Goffinieres. Depois de ter
que referi, com o coronel Turnier, "e f A a em vao tentado penetrar em Metz, tive de
28, as quatro horas e meia da manha, que regressar a Thionville. A'28 o coronel
parti para encontrar o mirechal Mac-Ma- Turnier entregou-me 60 francos e fez-rae
D0" partir com um novo despacho, que era con-
0 general Pourcet.Affirmais que o co- cebido n'estes termos :
ronel Turnier vos disse que estava sem no 0 exercito de Mac-Mahon ba de encon-
licias de Metz ? ^rar-se a 27 em Stenay ; o corpo de exercito
R.Sim, affirmo. do general Ducrot, na -nargem esquerda do
0 emissario Miesch foi charaado depois. Meuse e o do general Donay, na margem
Disse que tinha sido man dado no fira de direita Sabi ao primeiro tiro de canhao que
agosto cu principio de setembro pelo coro- ouvirdes.
nel Turnier ao marechal.Bazaine. Era por-p Puz-me a caminho, e depois de mil dif-
tador de "
Metz, e fora i -llns necessarios sete para vol-i missao.
tar a Thiouville, atravez de perigo de toda OSr. Scheh, mo^o decarniceiro, disse: -
a especie. Pei ao conselho uma narrac,5o| No fira de agosto, ou priocipio de selembro
muitopitoreseaemuitocommovedora da sui(em Metz, encontrei o Sr. Marchal e o-Sr.
viajem. Este depoimento tem uma grande Plabaod, qae me disseram ter traaido
importancia, porquee quasi certo que Mies- um despacbo de importance para o mare
Turnier encarregou de levar ao marechal; O general Pourcet. Nao- disse o Sf.
Bazaine, os despachos trazidos pelo Sr. La- Flahaud, que a sua fortune-ostava feita,
gosse. A defeza trata, pe a sua parte de de-|Se o marechal Fazaine ganhnsse o proces-
Metz na so?
raonstrar que Viesche nao foi a
epocha de que falls.
Aquelle homem tinha em Metz uma cu-
nhada, em casa de quern pernoitou, e essa
mulher declara que o nao vio ; mas a teste-
munha explica esta circums'.anciada manei-
ra seguinte : & sua chegada a Metz encon-
trou um indiviJuo cbamado Thil, que o
conduzio d casa do marechal Bazaine, e com
quem se entregju depois a exageradas liba-
Qdes.
Resultou d'aqui que elle nao ousou apre-
sentar-se em casa de seu cunhado, e pernoi-
tar no seu cellciro, d'onde partio aovamen-
te na manha seguiute. AI6m disso, ficou
estabelecido pela propria declaragao da cu-
nhada de Miesch, que ella p6de ter visto es-
te ultimo, e nao se lembrar, por isso que
coufessa que depois da guerra o perdeu
co.npletamente de memoria. Seja e >mo for,
Miesch sustenta' o seu depoimento com gran-
de apparencia de sinceridade: a 0 que 6
que me pode acontecer? disse elle ; n8o te-
nho nenhum inter sse em depor nem a fa-
vor, nem contra o marechal Bazaine ; nao
posso dizer senao a verdade.
Foi chamada a cunhada de Mieseh.
P.Visteisn) mez de setembro o vosso
cunhado Miesch, em Metz?
R. Mo.
P. Podia elle pernoitar em vossa casa,
sem que o visscis ?
R.Elle podia, ao anoitecer, entrafnem
um dos celleiros, e occultar-se alii. Havia
muitos uutros que pernoitaram alii sem que
os vissem.
P.Estaveis em boas relates com vosso
cunhado?
R.Nao.
Quando recomecou a audiencta, fez-se a
leitura, a pedido de Mr. Lachaud, do depoi-
mento da Sr.1 Redel e de outros parentes
da testemunha Miesch, dos quaes resulta
que aquellas testemunhas nao teriam conhe-
cimento da presenga de Miesch em Metz.
Tambern se fez leitura do depoimento da
Sr.a Mifsch, que devia saber de seu marido
a narrac.ao da viagem que fez a Metz, onde
deixou de entrar em relac&es com sua cu-
nhada a Sr.* Redel.
^v
L'ma bora depois, no palacio Borgia
c!i;parava-se um tiro de peQa. Ninguem
sotibe o que aquelle tiro significava, &
exct'pijao de Lucrecia, Michelotto e Angio-
lins que expirava, e do papa que absol-
xia.
A srtilheria da guarda d* raagnifica se-
nhora duqueza de Spoletto recebera ordem
de rarregar uma peca e dispara-la no mo-
mniio em que apparecesse uma luz em uma
da? jarwllasdo palacio
A' ineia nbite sabia um homem por uma
communicagdes secretas do palacio Bor-
gia.
Aquelle ho-nem ia carregado com um ca-
daver.
A' quinze passos de ifotancia, precediam-
n'o quatro bomens, e, apoz eljes, & outros
quinze passos de distancia, segu-Aam mais
quatro homens. "^\
Nenhum dos esbirros que acompanbayam
Michel Mo, sabia se o cadaver era de um
homem ou de uma mulher.
0 cadaver ia mettido n'um sacco.
Quando chegaram ao rio, Michelotto poz
o cadaver no chao, abrio a bocca do sacco
e disse:
Mettam aqui dentro uma pedra
grande.
Os esbirros obedeceram, e Michelotto tor-
nou a atar a bocca do sac o.
Atirem com isso ao rio, disse elle.
0 cadaver de Angiolina foi arrojado ao
Tiber, por baixo da ponte de Sant'An-
gelo.
0 Tiber, sppultura muda dos crimes de
Roma, devorava aquelle novo crime dos
Borgias
Dalli em diante ninguem podia saber o
que fora feilo de Angiolina, & excepcjlo de
quatro pessoas.
Michelotto partio no dia seguinte com
uma carta de Lucrecia para Cesar, e encon-
trou este occupado com os preparativos do
sitiode Faenza. Ia ser despojado mais um
dos vigarios da igreja.
A carta de Lucrecia participava a Cesar o
suicidio de Angiolina.
Cesjr queimou a carta, e encolheu os
hombros, murmurando :
Agora, resta-me unicamente tirar de
sobre os hombros os enviados de Ve-
neza.
A serenissima republica tomdra a seu
cargo o desaggravo do seu general e sena-
dor, monsenbor Caracciolo.
Um dos fugitives levara-lhe a noticia de
que sua esposa havia sido raptada proximo
de Sesetia, onde se encontrava Cesar Borgia,
por gente, indubitavelmeate enviada por
elle.
Joao Caracciolo, cego de furor, apresen-
tou-se no conselho dos dez e pedio-lhe au-
torisa^ao para tirar vinganga daquella infa-
mia, e o conselho, serapre prudente, tomou
sobre si o assumpto, prohibindo a Caraccio-
lo que fizesse eousa alguma pela sua
parte.
Os enviados da repubtica de Veneza che-
garam a Seseoa no rnesmo dia em que
Michelotto chegara com a carta de Lucre-
cia.
Cesar acolheu-os affavelmente, admi-
rouse com a noticia que lhe davam de
ter sido raptada, proximo de Sesena, a
esposa do general veneziano, negou aber-
tamente que nenhum dos seus tivesses to-
rnado parte naqu*l!e attentado, e mandou
proceder as mais minuciosas averigaa-
Qdes.
Um camponez dos arrabaldes declarou
uo na mesma noite do raplo, Yira atra-
pr. o caminho de Faenza, urn. caval-
Testemunha. Nao ouvi o St. Flahaut
sustentar sem ilhauEe cusa. Foi em casa
de um vendedor de vinho, no irwerno pas-
sado, em Thionville, que eu ouvi alguem
proferir essas palavras-.
Presidente. Cbamai o coronel1 Turnier.
Sensaijao prolongada.)
OSr. Twrnier.Erao commandante da
praca de Thionville. Quanto ao '** corpo
seformou em ThionviHe, levou-me as tro-
pes que forma va ma guarnicao, e so me
deixou um regimento de dragoes; manda-
ram-me, & reclaraa^ao minha, alguns-depo-
sitos. A-ioda a Co ministro me prohibio
que armasse os-moveis com as espingardas
que tinha. It 15, uma brigada inimiga,
tentou contra'Thionville o-primeiro ataque,
que n6s fomos-felizes em- poder repeitir.
NSo tinha pois ninguem comigo, e nao era
sustentado nas minhas funojoes senSo pelo
Sr. Guiolh, juiz de paz, e official aaxi-
liar.
Todas as nossas forces se reduziram a...
1:500 recrutas, aos quaes nos esforcavaroos
por dar a instracoao militar.
A 19, chegou o commandante Magnan.
Lembro-me que e>tava exoessivamente pe-
nalisado de nao nao poder penetrar em- Metz.
Dei-lhe parted* tudo quanto sabia Partio
no mesmo dia, e posso alfirmar que nSo
bouve nenbnm accordo seoreto entrenos;
affirmo.da maoeira mais formal. NSo me
disse nada ; nem uma palavra. Nao tinha
por consequeneia nenhum. interesse, em fa-
zer desapparecer o registro-dos fundos se-
cretos e....
Presidente*Limjtai-vos aos factos que
interessem ao cooselho.
Teetemunha. O Sr. Magnan partio- pois
de novo ; creio que ia diligenciar para se
reunir ao exercito, e repetio, nao tive ne-
nhuma intencao de occultar a sua passagem.
Deixei de indicar a sua viagem em uma
ordem diotada ao meu secretario ; mas de-
claro da maneira mais foroial que nao foi
intencionalmente.
Agora, meu general, vou tratar da ques-
tao dos emissarios. 0 registo dos fundos
secretes nao foi conservado senao. para um
leiro levando no arcjio da sella uma mu-
lher.
Uma velba declarou tambern que vira um
cavalleiro com uma mulher sobre o cavallo,
junto da porta de Vampa.
Perguntando-lhe quern era Vampa, e
onde fkava situada a sua casa, respon-
deu que Vampa era um bandido terrivel,
que um mez antes apparecera n'uma ca-
sa isolada e completamente deserta, a
qual 6cava & uro quarto de legua do ca-
minho de Faenza, junto de uma ribei-
ra.
Os enviados venezianos fizeram-secondu-
zir pela velha aquella casa e encontraram
as arvores e a ribeira, mas a casa nao exis-
tia, e o lugar que ella occupara estava
semeado.
Perdia-se alii o fio.de Ariadna que pode-
ria conduzir os investigadores ao verdadei-
ro rasto de Angiolina.
Cesar, com a saa habil franqueza, com
a sua refinada politica, com os modos
brandos e persuasivos com que enganara a
tantos, incbiindo Machiavello, enganou os
enviados venezianos que voltaram para Ve-
neza persuadidos de que Cesar nao tomara
parte naquelle rapto.
Alem disso. Cesar Borgia era amigo de
Pedro de Medicis, protegido, como sa
bemos, pela republica de Veneza, e con-
tava coin a decidida protecgao de Carlos
VIII de Franca, a quem a prudente senho-
ria de Veneza se via obrigada a respei
tar.
Jodo Caracciolo foi avisado de que nao in-
tentasse cousa alguma pela sua parte, e
nunca mais se fallou de Angiolina.
XXIII
EM QUE SE
RELATAM RAPIDAMENTE ALGUNS
SUCGESS0S.
Cesar acommetteu Faenza, e depois
de alguns dias de sitio, apoderou-se della
como se havia apoderado ja das villas e
fortalezas dos outros vigarios da igre-
ja.
Restavam ape nas encerrados nos seus
castellos, e decididos d uma resistencia
inutil, GuidoUbaldo, duque de Urbino,
acompanhado de sua esposa Isabel de
Gonzaga, e Astor Manfredo, senhor de Ja-
nete.
Cesar Borgia juntara ao tttulo de duque
de Val ntinois, que lhe de*ra Carlos VIU,
quando Cesar casara com a m niua d'Al
bret, irma do rei de Navarra, o da du-
que de la Roumania, concedido pelo papa.
Orgulhoso dos seus triuraphos, Cesar
ameacavaFlurenca, e o duque de Milao fa-
zia preparativos para o caso prcvavel de que
'+ ambic8o de Cesar ameac^isse os seu* es-
' tados,
fira j dar contas quando termiBassea guer-
ra Repito qae as copias d'esse registo,
nflo se fizeram senao para dar contas. Foi
quando compared perante o conselho d'in-
querito, que por minha propria vontade
offereci recorrer a essas copias para ter in-
forraacfies a respeito dos emissarios. Se ti-
vesse falsifies o o meu, repito, co n este ou
com aquelle fl n, n8o teria Off trecido recor-
rer a elle, por isso que nao era de maneira
nenhuma obrigado a mostral-o.
A testemunha, muito commovida, falloa
com as lagrimas nos olhos.
Presid$nte. -Ndo estava na questao, co-
ronel ; n8o ten !es que vos defeu lur. Con-
tinual o vosso 'ep .imento.
Testemunha.Fui obrigado a erapregar
uma grande quantidade de emissarios tira-
dos da guarni^ao e da popu]aga> civil.
Mandei-os vigiar os p'anos do inimigo con-
tra a praca de Thionville, e-procurei obter
noticias de Metz ?
P. 0 commandante Magnan encarregou
vos a 19 de agosto de expedir despachos
para Metz.
R.Nao o creio.
P-0 Sr. Guioth disse am saltan lo da
gare, lhe tinbeis ido fallar de despachos que
era uecessario mandar.
R.Fallei provavelmente, mas nao me
recordo.
P.Encarregou vos o commawlante Ma-
gnan de- lhe transmittir todas as noticias que
recebesM.-is de Metz ?
R.Nao soi se se tratou disso mitre n6s
corao um servico regular, ou c mo um
simples obsequio, mas julgo lembrar-meque
pronaetti fazer lhe chegar as noticias ou
despachos que podesse reeebor do exercito
de Metz.
A carta dirigida polo coronel ao raimste
no, depois de unw intrevista com o com-
mandante Magnan, na qual se achavam al-
guns borrses, foi apresentada-8'testemunha.
Contesta que as emendas, e os borrfies se-
JMQ (la soa m3o. Disse tambern que nao
via o que heuvesso alH- de importante.
Presidente. -Nao vos perguoto se achais
alguma importanci era que estes despachos
sejam ou nao do vossa proprio ponho. Res-
pendei somente a esta pergunta : Sois o
autor d'elles ?
R4.\a) creio, meu general.
P.0 marechal Bazaine determinou-vos,
no dia 18 de-agosto, qpe lhe fizesseis co-
nbeeer o que se passava na linha dos Ar-
dennes. Indieastes-lhe a-chegada do com-
mandante Magnan ? Destes-lhe tambern
conta" da chegada do comboio da mum-
goes ?"
R.Nao foi informadO' da chegada do
combok) a Hayange.
P.Desse modo nao refobestes nenhuma
communicarao quando aquella gare se
achava a cinco lulometros-do Thionwille?
R.Na me Iembro, mea general:
P.Lembrai-vos dos despachos trazidos
a Metz- por Mercier, a 19"de agosto^ pela
manha?
R.NSo me l&mbro.
P.Deu-vos elle noticias do exenetto ?
R.fteve ter-m'as dado^ mas eu estava
de tat maneira preoocupado, que me nao
lembro.
P.E dos agentes Bechu e Flahaut ?
R.Nao me reco-do.
P. -A.22, entregaram-vos despachos do
marechal Mac-Mabon ; que fizesteis para
que esses despaebos chegassem ds maos do
marechal Bazaine ?
regasse de um despaT-bo recebido a 28 ?
R.NBo me lembro.
P. Entregastes um despacho ao juiz de
paz de Sarreguemines ?
R.A 16, encarreguei o Sr. Lallemant
de uma missao, mas que missao era essa ?
Nao me lembro ja. No summario, leram-
me o despacho que eu nlevera ter cntregado
ao Sr. lallemant; mas isto nao ficou na
mind i lembranga. Cbmprebendo que Se-
na muito importante para estes debates,
que eu me lembrasse d'estes detalbes, mas
n3o pensava entao em conservar essa recor^ continuar o sea movuaento.
R.Como sabia que para alcanoar Metz
era uecessario coahecer uiinuciosamente o
paiz, escolhi boas emissarios. Fiz pois tudo
quanto me era possivel para fazer com que
chegassem ao seu destino os despachos que
me tinbam sido man lados.
P.Chamo a vossa attencSo sobre o des-
pacho cifrado. Tinbeis um agente que co-
nbecieis, e no qual tiuheis confian$a, Flar
haut ; porque nao lhe fizestes entrega
d'esse despacho ?
R.Foi porque me designaram outro
agente na reparti^ao de policia.
P.Pedistes ao Sr. Goyot que se encar-
dacfto.
Presidente.Terieis podido, com a
preoccupagao da salvacSo do exercito e da
Fran$a, conservar uma eerta recbrdacSo
di'ssas missoes. Cito vos ainJa outra cir-
cumstancia : o Sr. Lagosse citou-vos um
despacho.
R.Sim, meu general.
PLembrai-vos dos termos desse des-
pacho?
R.0 Sr. Lallemant disse-me o objecto
da sua missao, e colhi pouco mais ou me-
nos o seguinte : 0 exercito estari a 27
sobre o Meuse, o general Ducr-t, comman-
dante do corpo Mac-Mahon, e o general
Donay na direita.
P.=Nao- havia mais nenhuma p*lavra
nessa phrase?
R. N8o m-. lembro.
P.Tinbeis redigido tres despachos.
R.""Sim, tres.
P.=Todos tres erara rJenticos ?
R.=N3o seise eram identicos,mas deviam
ter o mesmo sentido.
P.=0 summario mostra que tiuheis feito'
tres expedigdos dtesse despacho por tres emis-
sarios differentcs. Um dos exemplares exis-
te no registro, o segundo fi)i destruido a
sua chegada a Mote ; nao sabeis a quem
foi c mfwdo o terceiro ?
R.=Nao poderei dize lo.
P.='}oe razdo podieis ter, mandando o
despacho do general Duurot p:ra naojjuntar-
des a essa remessa o despacho eifrado de
Mac Mahon?
R.=NSo me lembra. Seria necessario
que esse despacho tivesse um volume raui-
to pequenoi
p.=Nao seria antes porque tinheis sabi-
Ido de origem certa que aquelle despacho
tinha chegado as maos do marechal Ba-
zaine?
R.=Nao, Sr, presidente. Nao tioha ne-
abuina noticia a esse respeito.
P Mas sabieis que o despacho tinha si-
do expedido a 23.
R.=Sim, oreio isso
Ogeneral Pourcet,=Qiaana'o a 21,.rece-
bemos noticias de Metz, havieis-as comrau-
mcado ao commandante Magnan, que sa
bieis estava tlo irapaciente para as receber?
R.=Eu davoter feito- tudo quanto me
era presi:ripto pela minha intelligencia.
Q'general Pourcet apresentou muitos ou-
tros quesitos, aos quaes a testemunha res-
pondeu sem poder precisar mais cousa al-
guma do quo tinha feito no seu depoi-
mento.
Mr. Lac/aud.=Havieis dito ao Sr La-
gosse, por occasiao da sua passagem por
Thionville a 2? de agosto, que estaveis sem
noticias de Metz desde o ilia 22 ?
0coronel rurmer.=Talvez tenha dito
isso ; masnSo pesso affirma-lo ; ja me n3o
lembro.
AUDISNCIA DE 31 DE OUTUBRO.
O general Co/fipie'res, governador de
Metz.No fim do meu precedente depoi-
mento, o Sr. commissario do governo per-
guntou-me porque tinha eu concedido um
armislicio depois da batalha de li de
agosto. 0 campo de batalha de Borny ti-
nha sido abandonado por dous exercitos ;
u5o havia nenhum iaconveniente em sus-
pends as hostilidadespara deixar enterrar
os mortos.
Presidente.Mas porque tinheis feito pe-
dir pelo vosso official d' ordenancas, o Sr.
Rochas d'Aiglim, uma prolongacjio de vin-
te e quatro boras ?
R.Porque nao tinham sido enterrados
Poucos dias depois da to ma da de Faenza,
Cesar, com um luzido cortejo degeutis ho-
mens e damas, foi & Roma assistir as bo-
das de Lucrecia com o principe de Ta-
rentOv
Acotnpanhava-o o insoparavel Michelotto
com um enxamode esburos.
Junto a Michelotto, e, tratado por elle
com grande respeito, o que significava o
apreco em que Cesar o tinha, ia um perso-
nagem mysterioso, que nomeamos jd sem
comtudo o descrever.
Aquelle personagem era Vampa, o habi-
tante da casa isolada que desapparecera e
na qual Cesar tiveta uma eotrevista com
Angiolina.
Vampa mudara de nome : chamava-se
Giovanni Scorzo, cujo appollido tinha todos
os visos de um dpoJo raui significa-
tive
Vampa era moQO ainda, energico, som
brio ^e vestia como um verdadeiro se-
nhor.
Respeitavam-n'o todos, em primeiro lugar
porque Cesar Borgia o distinguia e tinha
com elle largas conferencias secretas ; e em
segundo lugar porque revellava um valor
feroz, e sabia gastar cavalheiramente o seu
dinheiro.
Vampa vivia intimamente ligado com Mi-
chelotto, que levava igualmente uma vida
de fidalgo.
Os nossos leitores teraojulgado certamen-
te qae Michelotto era um esbirro vulcar um
pobre djabo.
Todos viam no senhor Giovanni Scorzo,
natural de Corsega, ura companheiro de
Michelotto, e, como este era temivel por
mais de um respeito, do mesmo modo
se tornara temivel tambern Giovanni Scor-
zo.
As bodas fizeram-se com grande os
teutacSo, e em seguida a ellas Lucre-
cia e seu marido dirigiram-sa para Napo
les.
Concluido este negocio de familia, Cesar
voltou de novo as suas operacdes, atacou o
duque de Urbino, e este vio-Sd obrigado a
fugir com sua esposa, buscando um refugio
em Veneza.
Os seus estados forara confiscados e ad-
judicados a Cesar, que os comprou apparen-
temente.
Em seguida Cesi-r marchou sobre Jane-
U', villa de A.-tor Manfredo, no qual cor-
riam parelhas a juventudo e a formosu-
ra, porque s6 conta va entBo dezoito an-
nos.
Nao querendo imitar o exemplo de
Sforza, Malatesta e Urbino, que haviam
fqgido com a aproximtQao de Cesar, e,
apozar de se ver abandonado pelos seus
parontes e com poucos soldados, pouco
dinheiro e poucos viveres, faz-se forte, pro-
vocando a colera funesta daquelle que, Ce-
sar de nome, preiendia com uma ambic,ao
monstruosa ser Cesar de facto.
Defendeu-se por tal mod j ojjven Astor
Manfredo, encontrou taes recursos na sua
desesperacao, que fez com que o sitio se
prolongasse ate ao inverno, em cuja esta-
c_2io, nao tendo onde aquartellar as suas
tropas, Cesar se retirou para Sesena, onde
estabelecou os seus quarteis do inverno, re-
solvido a voltar a Janete, quando viesse a
primavera.
Nada aconteceu neste espaco de tempo que
fosse notavel e tivesse relates com os nos-
nos personagens
A politica seguia a sua marcba, porera
como o nosso fim nao e occupar-nos da
bistoria geral daquelle tempo, passamos por
alto o poriodo que Cesar passou em Sesena,
rodeado de prazeres, convertendo aquella
pequena villa em uma cdrte faustuosa, ale
gre e corrompida, em quanto que em Flo-
rence prosegun o processo de Savonarola,
e Lucrecia adormecia era Napoles, nos
bra^os do seu terceiro marido, que era
talvez o unico homem a quem havia
amado.
Ao aproximar se o bom tempo comegara
a sobr mr graves successes.
Cesar abnndonou os prazeres, ou pelo
menos nao se entregou completamente a el-
les, pagou em jrmas e marchou sobre Faen-
za, que resistio como da primeira vez. Cor-
tadas, por6m, as comraunicacOes por Cesar,
Astor Manfredo propoz uma capitulacdo, e
vio-se com assombro, que Cesar, que era
mui pouco generoso, accedia as honrorissi-
mas condicdes que Astor Manfredo lhe pro-
pozcra, advertindoo de que se n8o fossem
aceitas aquellas condicdes honrosas, per-
sistiria na defeza ate* succurabir debaixodas
ruinas.
Cesar accedeu a tudo; mais ainda, afagou
de tal modo o joven Artor Manfredo, sedu-
zio-o com uma tal arte, que o joven princi-
pe permaneceu ao lado de Cesar, confiando
nelle, longe de acreditar que o ameacava
uma traicjto infame.
Um dia disse Cesar a Giovanni Scorzo :
Tu quetes que eu sirva & tua vingan-
ca, e para isso e necessario que tu sirvas &
minha ; nao posfo penioar a Astor Manfre-
do, a essa crian^i, o ter-me obrigido a ca-
pilulir com elle de ura tnolo excepcional,
que manchou um pouco a minha repitajdo
militar. A inveja d s meus iniraigos vio
nessa capilulacao, liao a minha prudencia,
mas o receio de ser repellido, se nao a ac-
ceita-so At6 certo p/mto, Manfredo em
v f
is
todos os mortos no mesmo dia. Honro-me
pois de ter pedido aquella promulgacAo.
P.Este debate nio e" maia do que am
incidente. Nao deixa de ser verdade qae
0 armisticio que primeiramente nio tinha
sido de mais de does boras, foi depois pro-
longado por vinte e quatro boras.*
Ogeneral Pourcet, commissario do go-
verno.Esti averiguade tambern qae ti-
nbeis tratado deste armisticir, sem preve-
nir o marechal Bazaine, e que durante essa
suspensio de hostilidades, o inimigo podia
>R.Se nio preveni o toarecbal Bazaine,
forporque lhe nao liguei nenhuma impor-
tancia X
President .-=.Senhor general, digne-se ex-
por ao conselho tudo quanto vos recorder
relativamentis communicacGcs que existi-
ram entre vos~e-.fi governo, o wnperador t
o marechal Mac-Maboo, durante o priaaei-
roperiodo da invas*o.
General Cofliniere},Desejaria primeiro
apreseotar algumas ^bservacOes relativa-
mente ao armisticio afie se concluio a Iff
de agosto para enter ramento dos mortos, e
que deu lugar a ebserva^ees contra as qjiaes
julgo dever protesXar.
Presidente. -Teudes a setavra.
Das explicaeAes fornecidas pelo general
Coffinicres, reyulta que o armisticio tinbe
primeiro sido I concedido por dtias horas,
das tres as cracVr e que se esse prazo nao
foi respeitado, \ torque foi insufficiente, e
depois porque tDulw sido roto pehis tropas
quo occupavarai o forte de S. Quiotino, as
quaes nao tinhum sido prevenidas- a tempo,
fez-se a leitura d)e diflerentes documents j<
conhecidos-, e d^s quaes sobresabe que a
rolongagao d > ar'naisticio teve por effeito
acilitar ao iuimigo7~nttjas massas appare-
ciam na planicie, a pJssagem do Moselle.
Ogeneral Coffinieres inVocou o testemunho
do Dr. Lefort. Ignora s^m duvida qae a
testemunha declarou que loaquelle Jdia, 15
de agosto, tinba notado urto grande movi-
raento de tropas iniraigas nfll valle.
Presidente. 0 conselho odflic as vossas
expiieacoes a respeito deste incipo**. O
Dr. Lefort ha de ser chamado se s|e jj"'g*r
conveniente. dignai-vos fazr o v*o de-
poimento sobro as coramuoicacOes datJfa5*
de Metz, com o governo, e com o exit
de Chalons.
Peco agora ao general que response i
pergunta que estudamos, isto e, quaes fo-
ra m as vossas reiacoes corn o exterior||aotes
e depois dos primeiros dias- do bloqueie- ?
R-.Depois do ter tornado posse do go-
verno da prac,a, oecupei-me do seu araa-
mento e das suas provisoes. Os viveres- e
as munieOes tinham sensivelraente dimioui-
do desde os primeiros dias, e vendocbegar
alSde agosto, antevi um novo consu-
mo ; foi entac que expedi u.n despacho
ao ministro da guerra, para pelir viveres e
mur.ieOes. Durante o bloqueio, a 20, re-
cebi um emissario que me disse qae o ira-
perador queria absolutainente noticias.
Respondi ao iraperador era outubro ; man-
dei por ura balao muitas cartae; o balao foi
tornado pelos prussianos. Tjve^depoisrela-
56e&com numerosos emissarios. Flahaut
veio a 20 de agosto, depois chegaram cam-
ponezes, e em seguida outros, de cujos Do-
mes nap conservo memoria.
P. Nao havieis expedido um telegramraa
ao iraperador com data de 17 de agosto ?
R. Nao me lembro.
0 escrivaii faz leitura desse despacho, no
qual se diz : pedimos biscoitos e polvo-
ra ; estamos quasi bloqueados.
P.Considersveis pois Metz como Uo-
queada a 17 do agosto ?
R.Nao, e n8o creio que o despacho
seja meu.
0 despa-dM) foi apresentado ao marechal
Bazaine, e tambern elle na) conheceu quem
era o autor.
V.Tivestes conhecimento, a 2 Je agos-
to, de um despacho d> commandante Ma-
gnan?
R.Nao me lembro.
Continuar-se-lia
como vencedor; e preciso que Manfredo
lesappareca como um relampago entre as
trevas. Marcar-llw-hei uma entrevista esta.
noite, para um lugar retirado, sob pretext
de o levar d casa da formosa Cornelia i
quem ama ; tu espera com os homens que
julgues necessarios, proximo da casa della,
uma bora depois do toque de silencio, e
prepara tudo para que nao restc o raeoor
vestigio do desapparecimonto dc Manfredo.
No dia seguinte dizia-se em Faenza que
Astor Manfredo tinha fugido.
Cesar mandou emiss rios em todas as di-
recQdes, e estes nao descobriram cousa al-
guma.
Um mez depois, os barqueiros do Tiber
que procuravam o cadaver de uma joven
que se havia suicidado, atiraudo-se ao rio,
do parapeito da ponte de SanfAogelu, tira-
rara outros dous cadaveres.
Ura delles era o de Astor Manfredo que
foi possivel recouhecer ainda.
0 outro, cujo estado de decomposicao
tornava impossiv-1 o reconheciraeuto, era o
de uma mulher mettida dentro deum sacco,
no qual havia igualmente uma grande pe-
dra. Portlm, o que nao plde revellar o
rosto desfigurado uo cadaver, revellou-o um
rice lentjo bordado que so encontrou com um
rosario de coral e ouro, na algibeira do
vestido.
0 lenco tinha bordado em duaa pootas^
n'uma o escudo de armas de Crespi/^fa ou-
tra o dos Albici. Nas outras duaai pontas
lia-se o nome de : Angiolina. /
Tinha aldra disso o cadaver,,pendente do
pescoco, um me lalhao. deutfro do qual ba-
via ura rctrato em m rfim/que, apezar de
meis apagado pela agua.yoeixava Ter ainda
alguns tracos awrac'iOTiSUcos da pbysiooo-
mia do geperal veneziano Joio Carac-
ciolo. *l
Nao havia, pois, duvida alguma em que
aquelle cadave.r.era o da desditosa Angio-
lina. V.
Assira se declarou officialraente, e Angio-
lina foi enterradta ua igreja de Santa Ma-
ria del P6polo, erjtre a sepultura do duque
de Gandia e a de Alfonso Crespi.
Aos pes destes tr s cadaveres abrio se a
sepultura de Astor Manfredo.
Estava alii utin poema horrivel escripto
com sangue peios Borgias.
Corao fdra que^G'ovanni Scorzo levara i
Roma Astor Manfre.fO.?.
Devemos coufessar a nossa ignorancia a
esse respeito, em bora nos custe essa cou-
fifsSo, tal fdra o segredo c o mysterio com
que Giovauni Scorzo cumprira a commis-
sao de Cesar Borgia. \
FIM DO VOLUME PRIMEIRO.
TYP.DO DIAK10.-RUA DUQUR DB CAJUaS. "
1