Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18329

Full Text
V
)
ANUO Lili loifliom
31 DE JLHO DE 1
P.UI.4 (tl'IIAL 12 .1 JCJAR^* OSDE XAO HE PA PORTE PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por tret. -uiiantados ... ........ 60000 Fot seis mezes adiantadoa......... ..... 134500
Por seis oros idem. .... ....... 120000 ~;.wr^^S Por nove ditos idem................. 20)5000
i?or Km anuo 'deni...... .......... 240000 ^^9^^H Por um anno dem......^........... 21&00Q
Jada ottBon avuiso, do mesinc DIARIO DE P1RNAMBC0
fJroprieiralie &e JHat^el Sxgfxtixn It Jara & f&ljos
.-+-

TELEGRAMMAS
Sffl7Im
i U AG2SCIA 2A73
(Especial para o Diario)
LONDRES, 30 de Julho.
Foi Borneado miniNtro do Interior
o Sr. Hatllietm.
MADRID, 30 de Julho.
A Cmara arabam de ser proro-
sada* At Outubro prximo*
Agencia Havas,
filial ea Pernambueo,
30 de Julho de 1886.
INSTROCqO POPULAR
NATALIO
(Extrahido)
OA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
UMA I ItKH A TODO
{ConttnuafSo)
O VAPOI
Kis nos, porm, em Messina, ao abrigo de um
porto que parece artificial, comquanto seja simples
obra da Natureza.
Perte de trra, como estamos, temos quinze bra-
casde fundo !
__Parece o Aterro (diz um lisboeta commovido
por encentrar recordares da patria a tantas le-
guas de distancia;.
, valha a verdade, o Aterro ; salvo, porm, o
mo cheiro que o caracterisa. amauka para
trra, leitor ; fujamos faina do carvo que de
todas as de bordo a mais desagradavel para o pas-
sageiro (e principalmente para a passageira) que
deaeja conservar immaculada a sua reputaco de
elegancia, e a alvura dos scus collarinbos epunbos.
Para trra que nao nos falta que ver Alin o
Etna com o seu pennacho de fumo ; as faldas
d'este, Catanea; aqu a Via Vittorio Emmanuele,
tao semelhante ao nosso Aterro, mas com melhores
edificios ; a catheiral com a sua riquissima capel-
la-mr de mosaico ; o Campo Santo d'onde se gosa
urna vista admiravel do estreito de Messina, mais
estreito do que o no:tO Tejo entre Lisboa e Bar-
reiro.
E agora que tudo es' fif'o carvo recebido, os
frescos devidamente a. ondicio lados,a caminbo,
que a viagem longa e a vida curta.
Eis-nos em Porto-Said, i sgs> cidade de hontem,
trra onde se fallam todas as lnguas, e ode r-
culam todas as moedas de ouro e pinta do mundo.
De dia a actividade commercial que se adaoira
todos se movem e cruzam n'um caminbar incessan-
to apez>r do sol abrazador do Egypto. De noite
a trra do prazer, una Paria em embryao; Caff-
Concerto, Alczar, Caff das Colonias, tudo est
cheio de consumidores : os sons gutturaes e speros
da lingua arbica misturam-se com as palavras
doces da italiano ; o francez, o icglez, o allemo,
o portugus, que se fallam em cada urna das mesas
dio idea perteita do que poderia ter sido a Torre
de Babel.'
Vamos nvamete levantar ferro e entramos no
canal de Suez.
Como largo !
' Nao tanto como te parece, amigo ; ests no
lago Mensaleh; o canal uqui apenas profundado
no leito do lago.
Oiha tanta cousa branca ao pe da agua
(diz urna luura e bulicosa enanca, abrindo deame^
didamente os olhos travessos). Que aquillo *
Sao homens que pescam ?
Sao de t'eito pescadores, meu amiguinbo ; mas
comquanto tenhain dous ps, nao sao homens, mas
sin pelicanos e flamengos.
A prova nao se faz esperar : um tiro, um ruido
qualquer, ainedronta os implumados pescadores...
e el-os esvoa^ando pelo ar para em seguida ir
pensar um poucu mais longe.
Agora que estenios do canal propriamente
dito ; e, como ven, apenas tem largura para um
avio.
Qje desapontaooonto ento e tuto, o canal i !
i.' tafo : aridu e a-eco ns margeos, mal re
Vestido de pedra n'alg.ms pontos, setn embargo,
a Ohra mw importante do nosso sei-ulo .'
EiKoutara (diz um passageiro queja conhe-
ceo-caiW). E' o chui.ubodas caravanas. Talvez
vjame-> algaras.
E de feito, La cornaca a moverse urna longa en-
fiada de ciinelos pesadamente carregados, que
atravesoam o caual em El Kantara (a ponte)
Visto assioa de longe o espectculo pictoresco ;
de perto, perde 90 por cento da sua poesa.
(Contina)
MRTE OFFIClilL.
Coveruo da provincia
SXTSD1EKTE DO DIA 21 DE JLHO DE 1886
Actos :
O vice-presidente da provincia, tendo em
vista a portara de 16 de Dezembro de 1885, pela
qual foi considerada sem efteito a remocao da pro
fessora Rito dos Santos Leal, da cadeira de eus-
no primario da villa de Corrente3 para a fregue-
zia de Cimbres, e attendendo ao que requereu a
profe3sora Fausto Pergentina de Lima Barres,
que lezcionava n'aquella villa, determiua, de ac
cordo com a informacao n. 200 de 30 de Junbo
findo, do inspector goral da Inatruccao Publica
se proceda devida apostilla na respectiva provi-
sto, afim de qie a referida professora Fausta Per-
gentina de Lima Barro?, contine a ter exercicio
na mencionada cadeira de Cimbres, da qual tomn
posse em 28 de Abril do corrente anno.Remet-
teu-se copia ao inspector geral da Inatruccao Pu-
bl'ca. .
__O vicepresidente da provincia, tendo em
vista os ofucios do engenheiro encarregado das
obras da Alfandega e do inspector da Tbesoura-
ria de Fazenda de 5 e 13 do corrente mez, resol-
ve abrir, de accordo com o dieposto no art. 50
80 do decreto n. 2,884 do Io de Fevereiro de 1862,
um crdito da importancia de 2:000*000 verba
Obrasdo Ministerio da Fazenda, exercicio de
1886188", afim de occorrer as despezas com os
reparos urgentes de diversos armazens da dita
Alfandega- Remetteu-se copia ao inspector da
Thesouraria de Fazenda.
Oficios :
Ao inspector da Thesouraria de Fzenda.
Communico a V. 8., para os fina convenientes,
que o bacharel Antonio Jos de Amorim, assumio
a 19 do corrente mez, o exercicio do cargo de juiz
de direto da comarca de Pao d'Alho.
Ao mesmo. Communico a V. S., para oa
fias convenientes, que o bacharel Joaquim Pedro
Cavalcante de Albuquerque, a 19 do corrente mez,
assumio o exercicio do cargo de promotor publico
interina da comarca de Pao d'Alho, para o qual
foi nomeado pelo respectivo juiz de direto.
Ao mesmo. Communico a V. S.> para os
fins convenientes, que o bacharel Alvaro Barba-
Iho Ucha Cavalcaute Jnior, assumio hontem o
exercicio do cargo de 1 juiz substituto da comar-
ca desta capital.
Ao inspector do Thesouro Provincial.De-
< laro a Vmc, para os fina convenientes, que as
informacoes exigidas por esta Presidencia em ofi-
cio de 4 de Junho ultimo, referem-se casa n. 7
da ra dos Patos, e nao a de n. 9, ambas perten-
centes ao patrimonio da irmandade do Santissimo
Sacramento da matriz de Santo Antonio desta ci-
dade, equivoco que alias deu-se por ter sido men-
cionado o o. 9 ne seu oficio de 26 de Marco, sob
n. 540.
Cumpre, portante, que sejam quanto antes, pres-
tadas idnticas informaces sobre a casa n. 7.
Ao engenheiro ebefe da Reparticao das Obras
Publicas.A' vista do que ezpoe em oficio de 19
do corrente, sob n. 132, subte as propestas apresen-
tadas por Ismael Gaudencio Furtado de Mondn-
ca, Francisco Tarares da Silva Cavalcante e Ar-
senio Augusto Magalhaes, para execucao da
obra de reparos da cadeia de Iguarass, antoriso
Vmc. a mandar por de novo em praca dito obra
com o abate de 24 0/0 offerecido pelo primeiro dos
proponentes sobre o respectivo orcamento Com-
municou-se ao inspector do Thesouro Provincial.
A' junto classificadora de escravosdo muni-
cipio de JaboatSo.Com o oficio de 17 do corren-
te remetteram Vmcs. copia da classificacao feita
para applicaco da 7a quota do fundo de emanci-
pacio.
Da allndida copia consto que essa junto deu a
preferencia, como pertencendo 1* classe de fa-
milia, a sete eacravos perteocentes a difFerentes
senhores, aegaindo-se-lhes cinco escravas casadas
com homens livres e sete eacravos casados com
mulheres livres.
A referida classificacao nao pode ser approvada
por esta presidencia, 1 poique, segundo o aviso
circular do Ministerio da Agricultura, Commercio
e Obras Publicas, de 18 de Janeiro de 1883, a 1*
classe de familia a dos conjuges de livres, e con-
forme, entre outros, o de 26 do mesmo mez e an-
no, a mulber prefere ao homem, anda que este te-
nha peculio e aquella nao; 2 porque, na classe
das escravas caar.das com homens livres, esto
promiscuamente classificadas escravas as que teem
maor ou menor nnmero de filhos livres, sem de-
claraco da idade, quando, alias, o aviso de 31 de
de Maio de 1884 manda que tenham preferencia ss
escravas casadas que tiverem maior numero de
filhos menores de 8 anuos, e em seguida as que
os tiveremonaior de 21, estabelecento-se anda a
preferencia em cada grupo pelo maior peculio rea-
lisado.
Tambem nao conato da copia remettida por
Vmcs se com a classificacao feito ficaram esgo-
tadas as classes preferidas, a que cumpre ser ob
servado por Vmcs., que na fornvi do citado aviso
de 19 de Janeiro, nao podem passar de novo a ou
tra classe sem essa condicao.
Outrosim, informen) Vmcs. sobre o destino de
Gertruaes, filha de Rito e Antonio, matriculados
sob os ns. 14,937 e 14,943.
Procedam, portanto, a novos trabalbos pelo mo-
do expendido.Remetteu-se copia ao juiz de di-
rlrito deorphtos da respectiva comarca.
A' junta classificadora de escravos do muni-
cipio de Taquaretinga.Approvando, vista do
que Vmcs. informaram no oficio de 13 deste mez,
a classificacao, annexa por copia, de 28 de Ju-
nbo, declaro-Ibes que findo o prazo do art. 34 do
regulamento n. 5,135 de 13 de Noverabro de 1872,
o agente fiscal, membro dcasa junta, dever proce-
der, quanto aos valores dos Iibertandos, de accor-
do com o art. 37 e segaintes do dito regulamento
e ordem circular do Thesouro Nacional, de 16 de
Julho de 1883, tendo em attencSo o estado physi-
co e outras ceadices dos libertondos, porquanto
os p.*3Cos mximos, a que se refere o 3 do art.
1 da le n. 3,270, sao oa pernrittidoa para a nova
matricula e segundo o aviso circular do Minate -
rio da Agricultura, Commercio e Obras Publicas
de 6 de Abril ultimo, a que alludi na circular de
24 de Maio, contina at o encerramento da nova
matricula o processo eatabelecido no citado art.
37 e seguintes.Remetteu-se copia aojuis muni-
cipal e de orphaos do respectivo termo.
A' jurta clasaiucadora de escravos do muni-
cipio de Bom Jarduo. Nao pode ser approvada a
classi Jcacao de que Vmcs. envi&ram copia com o
oficio de 12 do corrente, porquanto, segundo o
aviso do Ministerio da Agricultura, Commercio e
Obras Publicas, de 31 de Maio de 1884, alludids
na circular deata presidencia, de 26 de Junho,
preferem os conjuges de livres que tiverem maior
numero de filhos livres, menores de 8 annos, e em
seguida oa que os tiverem menores de 21, estobe-
lecendo anda a preferencia nessa classe, o maor
peculio realisado.
Essa condicao nao foi observada por Vmca. a
respeito dos escravos sob os ns. 2 a 9, da copia
remettida, nem foram declaradas as idades dos fi-
lhos livres.
Outrosim, nio pode ser classificado para a li-
oertacao pelo fundo de emancipaco o escravo Do-
mingues, viuvo, com um filho livre, pertencente a
condominos e livre em metode 'de si-u valor, nio
t porque, segundo os avisas de 15 de Agosto de
1881 e 19 de Janeiro anterior, ao qual se retere a
circular desta presidencia, de 10 de Fevereiro se-
guinte, os escravos viuvos com filhos livres, per-
tencem classe dos individeos de que trato o 2o
n. 1 do art. 27 do regulamento de 13 de Novem-
bro de 1872, mas anda porque, prevaleceuao a
stu respeito o condomino e a lioerdada em metade,
dever-se-ha proceder, nos termos do art. 4* 4
da lei n. 2,040 e art. 62 do dito reculamente. Cum-
pre, p.>r tudo isto, que tenha lugar nova clasgifi
cacao, attendendn que, esgotada qualquer clasSe,
deve ser esja circunstancia mencionada na casa
das observares.Remetteu-se copia ao juiz muni-
cipal e de otphaos do respectivo termo.
A' junta classificadora de escrav s do muni-
cipio de Groyanna. De posse da copia da claasi
ficacao que Vmcs. enviaram com o oficio de 10 do
correte, recebido 19, para appl>cucao da 7a quo-
ta do fundo de emanciposlo, declaro-lhes que
cumpre proceder & novos trabalhos, afim de dar-
se os devidos lugares aos escravos preferidos sob
os ns. 4 a 11 da dita classificacao, visto que, se-
gundo o aviso circular do Ministerio da Agricul-
tura, Commercio e Obras Publicas, de SI de Maio
de 18-4, prefere o conjuge que ti ver maior numero
de filhjs menores de 8 annos, e ea seguida os
que os tiverem menores de 21, estabelecendo an-
da a preferencia em cada grupo o maior peculio
realisado.
Outrosim, nao consta estar esgotada a classe a
que pertence a coDJnge Faustina, como determina
o aviso de 19 de Janeiro de 1883.
Ao juiz municipal e de orphaos do termo de
Goyanna. -Remetiendo a Vmc, p-ra sua direc-
cio, copia do oficio que dijjo boje j mta classi
ficadora de. escravos d'esse termo, chamo a sua
attencao para a condicao dos filhos classificados
eob os ns. 4 a 11, de accordo com o aviso circular
do Ministerio da Agricultura, Commercio e Obras
Publicas, de 31 de Marco do 1884, alludido na
circular desta presidencia, de 26 de Junho se-
guinte.
Ao Juiz de paz presidente da junta de alis-
tamento militar da parochia de S. Miguel de Ipo-
EXPEblEKTE DO 8ECBETABIO
Oficios:
Ao Dr. juiz municipal de orphaos do termo
de A^nas Bellas. De ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia-transmiti a V. S., emso-
lucao ao teu oficio do Io do corrente, copia dos de
16 e 17 do referido mez, do Dr. ehefe de polica e
commandante interino do corpo de polica.
A' junta classificadora de escravos do mu-
nido de Palmares.Da ordem do Exm. 8r. vice-
presidente da provincia acemo o recebimento do
oficio de 19 da corrente, no qual Vv. Ss. eommu-
nicara que se reuniram n'esse dia, com> foi ord-
nalo em data de 9, para procederem classifica-
cao dos escravos libertados nesse municipio e no
de Agua-Preta, por couta da 7a quota do tundo
de emancipado.
Ao presidente da junta classificadora de es-
cravos do municipio de Boa-Viata e Petrolina.
De ordem do Exm. Sr-vice-presidente da provin-
cia acenso o receHtmento do oficio de 21 de Ju-
nho ultimo, no qual V. S. communica terse reu-
nido a respectiva junto para cmnprimento da cir-
cular de 24 de Maio.
Ao director gerente da compauhia do Bebe-
ribe. O Exm. Sr. vice-presidente Ja provincia
manda aecusar o recebimento do oficio de V. S.,
com o qual remetteu 4 exemplares impressos do
relatorio que apresentou aos accionistas d'Essa
companhia, na ultima asaembla geral ordinaria,
sobre a gesto dos negocios e servico de abasteci-
miento d'agua a esta cidade durante o anno social
prximo findo.
EXPEDIENTE DO DIA 22 DE JUUTO DE 1886
Actos : 4.
O vice-preldente da provincia, em execucao
da lei n. 2,395, de 10 de Setembr de 1873, esol-
ve nomear, para preenchiniento das vagas exis-
tentes no 18 batalhSo de infantaria do servico ac-
tivo da gnarda nacional da comarca de Cabrob,
os seguintes officiaes:
1* companhia
Tenente Bento da Costo Araujo.
Alferes, Rosendo de Oliveira e Silva.
2* companhia
Tenente, Manoel Ribeiro de Carvalho Granja.
Alferes, Raymnndo Abilio Ribeiro Granja.
3* companhia
Tenente, Caetono Pereira da Silva Leite.
Alferes, Jeronymo Rodrigues da Silva.
Communicou-se ao respectivo commandante supe-
rior.
O vice-presidente da provincia do conformi-
dade com a proposta do Dr. chefe de polica, em
oficio n. 691, do 13 do corrente, resolve exonerar
o tenente do exercito Leoncio Luiz Pinto Ribeiro,
do cargo de delegado do termo de Leopoldina por
ter de se retirar dalli o destacamento sob o com-
mando desse oficial e sendo substituido no referi-
do cargo pelo alferes do corpo de polica Jos Fe-
lippe Gomes Jnior. Communicou-se ao com-
mandante interino do corpo de polica.
O vice-pre8idente da provincia, de confor-
midade com a proposta do Dr. chefe de polica, em
oficio n. 708, de 20 do corrente mez, resolve exoo
nerar, por ter sido nomeado collector, o capit-
Joao ia Costa Ribeiro Canto, do cargo de 1- sup-
plente do delegado do termo d Goyanna e nomea-
do para substituil-o o major Jos Correia de Oli-
veira Andrade Jnior, actual 2- supplente, que ti-
ca substituido pelo cidadao Joao Goncalves Bas-
tos, que occopa o crgo de subdelegado do 1 dis-
tricto.
O vice-jiresidenW da ecovincia, de confor-
midade com a proposta do Dr. chefe de polica,
em oficio n. 708, de 20 do corrente, resolve no-
mear os cidadao Francisco Cavalcante Das de
Amorim, Jos Alves de Souzi Pira, Jlo Lupec-
no Ferreira da Silva e Jos Lopes de Lima e Sil-
va para oa cargos de subdelegado, 1-, 2- e 3- sup-
plentes do 1 distncto do termo de Goyanna.
O vice-presidente la provincia de conformi-
dade com a proposta do'Dr.[ehefe;de polica, em of-
ficio n. 701, de 17 do corrente mez reeolve nomear
o bacharel Vicente Tavareo Rodrigues Lima para
o cargo de delegado do termo de Gamelleira, fican-
do exonerado, a pedido, Joaqum Dmaso de Arau-
o Lima.
O vice-presidente da provincia, de conformi-
dade com a propoato do Dr. chefe de polica, em
oficio n 704, de 17 do corrente mez, resolve no-
mear os cidadaos Antonio Dias Alves da Silva e
Joaqum Pantaleo de Barros e Silva para os car-
gos de 1 e 2 supplentea do delegado do termo de
Gamelleira.
O vice-presidente da provincia, de confor-
midade. com a proposta do Dr. chefe de polica,
em oficio n. 704, do 17 do corrente mez, resolve
nomear para o cargo de subdelegado do 2 distrc-
to (ttibeiro), do terma de Gamelleira,, o 2* anp-
piente Joaqum Francisco de Almeida, ficando
exonerados Joao Felippe de Souza Leao
Outroim, resolve nome*r para 0 cargo de Io
supplente do referido subdelegado o 3* supplente
Joaquina Tibuicio Ferreira, em substituicao de
Manoel Baptista da Coneeicao, que mudou de re-
sidencia.
- O vice-presidente da provincia, de conformi-
dade com a propuata do Dr. chefe de polica, em
oficio n. 704, de 17 do corrente mes, resolve no-
mear o cidado Francisco de Paula Nunes para o
cargo de 3 supplente do subdelegado do 3o dis-
tncto (S. Jos. da Extrema) do termo de Gamel-
leira, ficando exonerado Jos Ignacio da Silva
Nuo'S.
Oficios :
Ao commandante das aruns A' vista do
que V. Exc. representa em offioo a. 379, de 20 do
corrente mez, sobre o atropello do seryieo de guar-
nicao por falta d^ forca, autorisa-o a mandar re-
colher-se captol, segundo propoe, o destaca-
mento de linha que est em Leopoldina, ao man-
do do tenente Leoncio Luiz Pinto Ribeiro e bem
assun mais 6 pracas do destacamento da Tacara-
t -Commnnicou-se ao Dr. chefe de polica.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda
Trammitto a V. o. para os fins convenientes, co-
pia do oficio do juiz de dreito da Taquaretjpga,
datado de 15 do corrente mez, relativo ao exerci-
cio dos promotores pblicos, efFeotivo e. interino
dessa comarca.
Ao meamoPata os fins convenientes, com-
munico a V. S. que o Rvd. Joo Ignacio de Al-,
buquerque, igirio da fri-guezia de Buique e en
Carregado da da Pedra, declaron ter entradem 3
do crrente mez, no goso da licenca que lhe foi
concedida em 26 de Junho findo.
Ao mesmo Remetto a V. 8., para seu co-
nhecimonto e fins convenientes, a inclusa copia
do aviao do Ministerio da Justica, de 10 do cor-
rente mez, relativo ao abon" de veocin entos ao
ex-piomotor publico da comarca de Iguarass,
bacharel Francisco Xavier Paes Barreto, corres-
pondentes aos meses de Fevereiro e Marco ni
timos.
Ao'director do Arsenal de GnerraAutiri-
ao Vmc. a deapender, at aquatia de 200*000,
co-n o preparo de objectos, que teem de figurar
na seccao braadeira da Exposicao Sul Americana
que estar aberta em Berlim de 1- de Setembro a
31 do Outubro deste auno, apresentando opportu-
nami-nte as devidas sontas para serem pags.
A' junta classiTOadora de escravos do mu
cipio do Triumpho.De posse da copia da classi-
ficacao, que Vms. enviaram com o oficio de 5 do
corrate, da qual conato que foi preferido em pri-
meiro lugar o escravo Ignacio, casado com mulher
livre e em segundi o menor Pedro, tlhd de Fran-
cisco e Barbara, j libertados por coata do tundo
dito -
de Maio de 1884, tendo em vista essa preferencia,
a conjuge, que tiier maior numero de filhos li-
vres, menores de 8 annos, antecede a que tver
menor numero e em seguida a que os ti ver em maior
numero, menores de 21, estabelecida anda a prio-
ridade em cada ama dessas classes, em igualdade
de coadicoea, o maior peculio.
Sendo assim, preciso que nesse municipio nao
haja escravos em taes circunstancias, para que
possa ser c'assificado o escravo Ignacio ou outros
da mesma classe, attendendo-se que, esses mea-
mos requisitos, devam ser observados com re'.acao
a classe, a que este pertence.
No caso de estarem esgotodas *no municipio
qualquer das classes de familias e coja gradacao
eatatuiram o citado aviso de 31 de Maio e o de 19
de Janeiro de 1883 e tiver essa junta de passar a
classe immediato, deve ser isso mencionado na ca-
sa das observaeoes.
Recommendo, portanto, a Vmcs. que procedam
a nova chssificacao, informando aobre o que oc-
correr, quanto ao que fica expendido.Rpmetteu-
se copia ao juiz municipal do termo do'-Trium-
pho.
A junta classificadora de escravos do mun-i
cipio de Ex e Granito.De posse do oficio de 6
do corrente, em que Vmcs. commuDcam que deram
comeco a seus tiabalhos, quando alias no dia 22
de Junho importancia que anterior se reuniram,
como esta presidencia determinou na circular de
24 de Maio, dclaro-lhes, para que se observe
oppurtunamenty que reunidas as juntos classifica-
doras de escravos nos dias marcados, nao pedem
sob as penas da lei, adiar aa suas reonioes, s .1 vo
motivo justo e comprovado.
Ao presidente da Cmara Municipal de Ga-
melleira.Reoommendo Vmc. que devolva-me
com urgenciaorequerimento dofcRvdm vigaiio An-
tonio Graciano 'de Araujo Guarita, a obre o qual
versa a informa^So d'essa Cmara de 26 de Maio.
findo.
Portaras :
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar transporte, provincia do Rio Grande
do Norte, por coota do Ministerio da Gueri a, ao
vapor Ipojuca, sos soldados da companhia de in-
fantera d'aqnella provincia, Fabricio Gomea de
Souza e Manoel Goncalodo Naacmento, que dalli
vieram escoltando um desertor do 14 oatalho da
mesma arma.Communicou-se ao commandante
das armas.
O Sr. gerente da Companhia ] Pernambucana
mande dar passagem a r, at a capital da Para-
hyba, na Drimeira oppurtunidade ao cadete sargen-
to Joo Carlos de Mello, por conta das gratuitas,
a que e govorno tem direto.
O 8r. chefe da eatacao de Palmares, no pro-
longamento da estrada de ferro do Recife ao S.
Francisco, mande dar passagem, em carro de 1*
classe d'ahiata de Canhotinho, por couta da pro
vineia, ao tenente coronel Constantino Rodrigues
Lins de Albuquerque.
O Sr. engenheiro em chefe do prolongamento
da estrada de ferro do Recife ao S. Francisco e
da do Recife Garuar mande dar transporte da
estacao central cidade da Victoria, em carro de
3a classe, por sonta do Ministerio da Guerra, ao
soldado do 14* batalbo de infantaria Idalino Nu-
nes Pereira, que. vai assistir formaco da culpa
no jnzo municipal no processo que lhe est sendo
instaurado, e bem assim ao cabo Eugenio Rosas
Paes Barreto e soldado Joaqum Bezerra da Silva,
que vio oscokijdo o dito soldado Pereira.
A referida'sorta deve regreasar pela mesma
via frrea.Remetteu-se a portara ao respetivo
commandante das armas.
EXPEDIENTE DO SECBXTiBIO
Ao vicepresidente da Cmara Municipal de
Pao d'Alho, Dogo Soares Carneiro de Albuquer-
que.De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da
provincia, aecusn o recebimento do oficie de 19 do
corrente no qual V. S. communica ter se estalla-
do nesse dia a junto clssificadora de escravos desse
municipio, conforme ordenouo mesmo Exm. Sr.em
oficio datado de 6.
Ao gerente da Companhia de Santo Theresa.
De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da pro-
vincia remetto a V. S. copia do regulamento expe-
dido a 12 do corrente para o aervico da illumna-
cao a gazda cidade de Olinda, a cargo dessa com-
panhia, em subatituicao ao de 12 de Agosto de
1873.
Ao gerente da Companhia Pernambucana.
De ordem do Exm. Sr. viee-preaidente da provin-
cia acenso o recebimento do oficio de hontem no
qual V. S. communica que sero expedidos, no dia
26 do corrente, pela madrugad, o vapor Maadah
para os portos de Rio Formoso e Tamandar, e no
dia 28, as 5 horas da tarde, o vapor Jacuhipe para
os do sal at a Bahia.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 29 DE
JLHO DE 1886.
Anglica Francisca Bastos. Informe o Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda.
Antonio Ferreira Nebrega.Sim, com as res-
tricces do stylo.
Cap tao Carlos Eiysio Pessoa de Albuquerque.
Passe portara.
Feliabina Constonca de Azevedo.Sim, me-
diante recibo, a peticionaria ou a sea procurador
mostrando-se devidamente habilitado.
Fausta Pergentina de Lima Barros.Remettida
junto medica provincial a quem a peticionaria
se apresentar para ser inspeccionada.
Francisco de Paula Souza Leo.Como requer
Jos Maniz Te xeira Guimaries.Em viata do
parecer da junto medica provincial, concedo dous
metes.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
eo, em 30 de Julho de 1886.
O porte iro,
J. L. Viegas.
9" e 18a partea das matrizes de Quipap, Naza-
reth e Jaboato.Examine- se..,
Antonia Umbelina Monteiro e Antonio Rodri-
gues da Silva Valle.Registre-se e facam se as
notas.
Joo Raymundo Ferreira de Moraes.Certifi-
que-se.
Joao Conrado & O, oficios do Dr. procurador
dos Feitos, Jos Osias de Paula Homem e Manoel
de Araujo Gomes.Haja vista o Sr. Dr. procura-
dor fiscal.
Joao de Araujo Alves da Fonseca.Cumpra-se,
registre-se e facam se os assentamentos.
Joao Florencio Franco.Ao Sr. contador para
esnhecimento e ao contencioso para lavrar termo
definitivo de contracto.
Administrador da Casa de Detenco e Fielden
Brothers.Junte-se copia das informacoes.
Luiz Felippe de Csrvalho.Informe o conten-
cioao.
Amelia Mara da ConceieSo Ramos.Facam-se
as not as da portara de licenca.
Consulado Provincial
DESPACHOS DO DIA 2$ DE JULHO DE 1886
Antonio Casimiro de Gouvea.Certifique-se o
que constar.
Jos de Azevedo Maia e Silva Jnior.A' Ia
secc&o para os devidos fins.
Commendador Antonio Valentim da Silva Bar-
roca.Informe a Ia aeceo.
Manoel Alves Barbosa, AntonioPoreira Simoes,
o mesmo e Manoel Alves Barbosa. A' Ia seccao
para os devidos fins.
Antonio Pereira Simoes.Ao ^r. chefe da Ia
scelo para os devidos fins.
Adolpho Fernandea da Silva Manta.A' Ia aec-
cao para os devidos fins.
29
Manoel Joaquim da Rocaa.Informe a 2 sec-
cao.
a Ia
Antonio Gomes Miranda Leal.Informe
seccao.
Jos Gomes de Moraes Araujo.A' Ia para os
fiis convenientes.
Gomes Maia & C.Deferido de accordo com a
informacao, fazendo-ae referencia ao abono do pa-
gamento feito na Alfandega.
Joaquim Lonreofo doa reis Ferreira.Informe
a 2a seccao.
Gustavo Eduardo Mermonel.A' 1" aeceo para
nformar.
PERHAIBUCO
juca. Com este ser entregue a Vmc. um livro de emancipacao, declaro-lhes que o dito menor
embranco para o servico de aliatamento militar deve preferir a qaalquer familia, "e"<
aviso do Ministerio da Agricultor, Commercio e
em Dranco para o servico
d'essa parochia. Quanto aos artigos para o expe-
diente da junto, compete, nos termos do art 19
do regalamento n. 5,881 de 27 de Fevereiro do
1875, Cmara Municipal fornecel os. Fica as-
sim respondido o seu oficio de hoatem datado.
Obras-Publtcaa, de 31 de Marco de 1883.
Declar Ihes mais que, segando diversas deci-
sdes do governo, a escrava casada com hcwem li-
vre prefere ao escravo ; e conforme o aviso de 31
Repartidlo da Polica
SeccSo 2.* N. 738. Secretara da Po-
lica de Pernambueo, 30 de Julho de 1886.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidoB Casa de
"DetencSo oa seguintes individuos :
A' ordem do subdelegado do Io distncto de S.
Jos, Sebastio Francisco da Silva, por Jiaturbios.
A' ordem do do 2 districto da Boa-Vista, Vi-
taino Jos dos Santos, por crime de furto.
Houtem, s 3 horas da madrugada, a patru-
lha que roodava o lugar denominado Chora Me-
nino perseguio a trea individuos que eatovam ar-
rombando urna casa junto ponte de Paysan ,
do lado esqurdo, nao consegumdo alcancal-os
por terem, um se atirado n'agua e os ontro3 done
galgado o muro do hospital portuguez, por onde
se evadi?am.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
O chefe de poli-a, Antonio Domingos
Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 30 DE JLHO DE 1886
Padre Manoel Ferreira da Rocha.Informe o
Sr. contador.
Vctor Neesen.Entregue- se pela porta.
Joo CUmaco Correia de Araujo.Archive-se
pele contencioso.
Jos Ferreira Campos.-Escripture-se a di-
vida.
Contas da extraccao das 2a* partes das loteras
da matriz de Panel las e daa igrjas do Livramento
d'esto cidade e da povoacao de Maneota e das 3",
Assembla Provincial
53a SESSO EM 8 DE JUNHO DE 1886
PRESIDENCIA DO EXX. SE. DE. JOS MANOEL DE BABBOS
WANDEBLEV
(Conchudo)
O Sr. Coala Bibelro(Nao devolvea o
scj discurso).
O Sr. Prxedes Pitan*-* Nao preten-
da, Sr. presidente, voltar mais tribun paradla
cutir o orcamento em 2* discussiio. Havendo ama
emenda offerecida ao 13, que por alguma forma
me pareca aceitavei e que seacha sob o numero...
na qual ae autoras o Sr. presidente da provincia
a aposentar ss profesaores do Gymnasio e a ad-
dil-os ao estobelecimonto .at que podessem ser
aprOveitados, en estava resolvido a nao voltar
tribuna e a aguardar-me para discutir largamente
em 3* discusso O projecto de orcamento; mas a
ch-gada de um bond conduzindo emendas de todo
o quilate e com as quaes eu nao concordo, eolio.
cou-me como no meio de mneunan, esqueci-me dos
espinhos, de rraneira que nao me pude conter.
Vejo, Sr. presidente, qae mais lisongero ser
refractario observancia das leis do fisco, vejo
que aquelles que assim procedem gosam de mais
inmunidades do que os observadores das mesmas
leis.
Incontestavelmente sao mais agradareis aos que
se retrahem ao pagamento dos impostos, as leis
qae fornece esto Assembla no anno seguinte do
que aquellea que sao obdientes, que correm pres-
surosos a entrar com o seu contingente a que por
lei esto snjeitos.
Eu vejo que o additivo apresentado sob o n. 202
d maior garanta ao refractario do pagamento do
imposto, do que quelleque foi dcil e que ontrou
para a fazenda com a quota a que estava obri-
gado.
Portanto, devo declarar que esta Assembla
deve por editaes peante a nossa sociedade para
que nao se pague o imposto no anno corrente, que
se deixe passar esse anno porque no vmdouro,
anda mesmo que tenha sido accionado, vem um
emenda que, nao s dispensa a multa, e uns tan-
tos por cento dos emolumentos, como mais urna
quinto parte ou 20 % dos raesmos impostos. De
sorte que aquelle que obrigado a pagar dez,
fica s obrigado a pagar oito depeis de passar o
anoo corrente.
Esta emenda, portanto, alm de ser contra a
disposico expressa do regiment, que ubriga a nao
aceitocao de emendas que impurtem abate ou re-
missao de dividas, poucomoral, porque estabelece
um precedente do qual resulta que todo o cidado
deve reagir contra a le para ser depeis por ella
favorecido; e estamos nos creando urna reaeco
dentro da A8sembla para sermos agradayeis a
alguem que se rebellou contra as nossas 'isposj-
ees anteriores, porque constova que nos mais
tarde ha vamos de fazer este favor.
Esto emenda nao deve passar na Assembla
porque ella diz muito pouco do fundamento com
que nos legislamos no anuo anterior.
Esta emenda, Sr. presidente, nao urna nnova-
cao feita de presente, ella j a reprodueso de
actos anteriores desta Assembla.
O facto de havermos em sessoea anteriores acei-
tado peticoes de individuos que senegam ao cun-
primento do seu dever, confiados na bondade com
que s) aceitas as suas petico s, em qu* pedem a
remisso de divids, diminuicao ou abate de im-
postos, autorisa a continuaco do mesmo traquejo
contra a maioria daquelles que, levados do cum-
primento do dever, se prestam promptamente ao
pagamento do imposto a que esto sujeitos por
forca da mesma le.
Neste caso seria melhor que a Arsembla ou
isentasse individuos que nao podem pagar, estabe-
lecendo para isto bases determinadas para que o
thesouro possa atteoder sua disp.-nsa, ou modi-
ficar o imposto que possa tocar a todos sem que
mais tardo viesse a produzir este, mal que gra-
vissimo, aquellea que sao obedientep.
Eu, portanto. nao poda deixar de votar contra
semelhante emenda, porque ella offensva do d-
reito de equidade, do dreito de igualdade ; ella
fere de fente aoa deaiais contribuintes que entra-
ram com quotas determinadas, convencidos de que
nao podiam ser dispensados deste obrigaQo, e ao
contrario o faziam para nao entrar com urna quota
maior quando haviam de ser obrigados na recusa
do seu pagamento.
Si por urna circumstancia peculiar viesse o de-
vedor da fazenda, mostrando que contra a sua
vontade nao tinha podido pagar no tempo devido,
pedir dispensa da multa, allegando e comprovando
o porque ao fez esse pagamente no tempo deter-
minado pala lei; se este Assembla, examiuando
as razoes apreaenteaas quizease conferir Iheeste
favor, isto seria aceitovel, porque sabemos qae na
sociedade ha individuos que se julgm possuidores
de bens, dos quaes nao podem disp em poca
determinada ; mas que alm da dispensa de cus
tes se qu^ira tambem dispensar a 5 p rte do im-
posto, isto nao posso aceitar e urna cousa que
tambem nao deve se' aaeita por esto Asse.nolea.
Nao posso deisar de atacar de frente urna emenda
do meu nobre amigo e collega companheiro de dis-
tricto que pede a remisso da divida de um func-
ionario que deixou de entrar com o arrecadado.
Um Sr. DeputedoQual a emenda ?
O Sr. Prxedes PiteDga-E? a de n. 217.
Nao posso deixar de combater de frente e de
viaeira descoberta a emenda n. 217, no qual o meu
Ilustre amigo e companheiro de districto pede qns
seja dispensado um funecionario publico da en-
trega do dinheiro que elle arrecadou.
Si o individuo encarregado pela fazenda de ar-
recadar o imposto fosse violentado por urna forca
extr^nha qae tirasse do seu poder aquillo que
elle havia arrecadado para entregar em occaaio
em que elle o procurava fazer e viesse esse
individuo pedir Assembla dispensa da entrega
de quantia igual aquella qua lhe fdra subtrahia,
por urna forca extranha sua vontade, eu dara
de bom grado o mea voto, desde que estivesse bem
provado que esse senhor havia sido atacado e
roubado ; mas que o individuo que a arrecadou e a
arrecadou sem prestar flanea, porque entrn no
lugar de arrecadador por ser simples e meramente
escrivo d'aqnella reparticao, a quem a lei confion
esto arrecadaco durante o impedimento oa a
ausencia do effectivo, nao entregou o dinheiro no
tempo determinado, e nos prasos qne lhe foram
concedidos e que maia tarde venha pedir a esto
Assembla a dispensa do cumprimentc dos seus
deveres, on quitaco desse debito, realmente um
facto que nao Dode moralmente ser aceito por esta
Assembla, porque crear delapidadores para a
fazend i publica, que mais tarde venham a este
Assembla, contando com o apoio della pedir dis-
pensa de entregar o qne fazenda pertence.
Um Sr. Deputedoloto hoje ; e hontem ?
O Sr. Prxedes PitaogaHoje e hontem urna
e a mesma cousa.
Se este Assembla em algum tempo procedeu
sem criterio acerca de concessoes iguaes, a ella
corre a obrigaco da aoa defeza moral; e nem
d'uhi se pode t:rar a oonclusao para qae este As-
sembla hoje nao queira moralisar o facto e o
qnsira repetir, quando os nobres legisladores de
boje reconhecem o mo procedimento dos legisla-
dores de ento. Ninguem deduz de um faeto mo
urna prova para justificar [aquillo que quer pra-
ticar.
Desde que esta Assembla continuar a fazer
concessoes deste especie, ella autorisa o roubo,
ella autorisa a delapidauo da fazenda sem garan-
ta alguma por aquelles que sao obrigados peranto
a mesma fazenda pela entrega dos dinheiros que
arrecadarem dos seus concidados sob a denomina-
caod impostose revestidos de urna autoridade
que mais perigosos os torna diante da nossa so-
ciedade, e sob o nome de representantes do fisco e
arrecadando o imposto e metiendo em si, do que
multas vezes encarregar se um individuo do um
contracto de urna obra e vir mais tarde pedir dis-
pensa della ou remisso da sua divida, visto como
um usurario ambicioso quis preterir o concurrente
persuadiudo-o de que poda realisar por um preco
menor o trabalho de que se tinha encarregado.
Mas este Do, este recebe para entregar, um
intermediario entre a fazenda e os seus concida-
dos ; aquella lhe entregou o direto para repre-
sental-a, dando-lhe o jus de haver a todo transe
do aeu concidado o valor do imposto a que estova
obrigado; ste, entngando-lhe confidencialmente
um pouco do lucro do seu trabalho, estava persua-
dido de que concorria com essa pequea quantia
para nd-mniaaco das despesas a que estava a
lazendarobrigrada, quando em vez d'isto vai o in-
termediario locnpletar-se com a quantia"afreca-
dada, contando mais tarde qae esta Assembla,
quo deve ser constituida de homens que represen-
tem o dreito da fazenda, sao os primeiros a di-
zer : podis continuar no papel que fizestes, por
que mais tarde anda tereis nao s dispensa d'isto,
mas a contagem, naturalmente do tempo em que
servistes, e servistes mal, para juntar a outro afim
de virdrs pedir a vossa aposentadoria.
Portanto, senhores, nao ha possibildade de ad-
mittir por minha parte, sem um grande protesto,
que esto Assembla aceite a emenda n. 217, fir-
mada pelo meu Ilustre amigo, e contra a qual te-
nho pezar de levantarme, m*s que nao jode ser
aceita ; porquanto vai abnr um precedente ex-
cessivamente perigoso, qual o de armar os arreca-
dadores da fazenda do uireito de enpulir toda a
arrecadaco, contando mais tarde com a oenevo-
lencia desta casa.
Portauto, Sr. preaidente, nao podia dei.ar de
levantar-mf. para fallar anda urna vez em segun-
da dacusso, contra o projecto ; porque a ma-
xambomba que entrou hontem por esta casa, car-
regada de emendas, trazia no seio d'ella algumas
que nao me parecem aceitaveis.
Como trato de urna emenda que diz respeito ao
meu nobre amigo, por elle firaada, ire logo a
urna outra em seguida.
S. Exc. apresentou tambem a emenda aob nu-
mero 224, autohsando o presidente da provincia
a fazer urna desapropriaco por valor certo, e com
pessoa determinada.
Diz a emenda : (l )
S. Exc. autor9ou o presidente da provincia a
desapropiar pelo valor que foase dado o edificio
que sTve de cadeia ua villa d: Taquaretinga,
para que se prestasse nao s a esse mister, como
tambsm paco da Cmara Municipal; cu, na ob-
stante sabor que tinha determinado fim, nao du-
vi.laria votar a favor, porque razoayel que o
governo procure fazer acqusico de edificios ou
construil-os, para que os presos tenham urna pri-
so mais comtnuda, e a Cmara Municipal um lu-
gar oude possa celebrar suas sessoes ; mas de-
terminar que fossem por oito contos de res...
0 Sr. Joo AlvesNao marquei a quantia.
O Sr. Prxedes Pitanga -Ora veja : (l.)
O Sr. Joo Alves Disse at a quantia de
tanto.
O Sr. Prxedes Pitaoga Parece qne limitou (
para a desapropriaco o mximo que podia ser
elevado, e de. erar que o projecto que calculou a
iauortancia at oito contos uo queira dar me-
nos, dssde que revestio este propnedade de domi-
nio autorisado e cerno indispenaavel para a loca-
lidade.
Se o individuo que p issue o estabelecimento
um individuo altamente ollocado na_ poltica ;
se na localidade nao exis'e outro edificio seno
esre que fra propoaitalmente construido para ser
offerecidj pelo dono, gratuitamente, e sem que eu
possa dizer que houvesse o arriere pensie de maja
tarde vir pedir provincia que lhe pagasse capi-
tel e juros, sem que queira irrogar-iato ao Ilustre
pnprietario do edificio, todava, digo cu, nao pode
o estabe ec uento valer menos do que o mximo
ettabelecido, pjrque, eonclue-se logo, nao ha ou-
tro na localidade e o preco este.
Portauto, j se v que, tendo V. Exc. marcado
oito contos de res nos autorisando a presidencia
da provincia a empregar esta quantia, quantia
alias j votada no orcamento p asado para a con-
strueco de um quartel e casa que servase para a
Cmara na mesma localidade, mas que o presi-
dente d'ella rao se servio, porque nao havia di-
nh 'iro como V. Exc. deve estar lembrado, bem
cono de qu- no anuo passado tambem se autori-
sou o presidente da provincia a fasar uso eempre-
go lesta quantia para a coustrueco de urna casa ;
j v, port-nto, quei existinds urna autorisaco, a
presidencia nao se servio d'ea para mandar con-
struir urna casa para eiee fim por falta do neces-
sario. Hoje, quando muito, poder se-lia d-zer
que fica o presdeme da provincia autorisado, de-
poia de maudar proceder aos necessanos estados
e exames, a fazer cquisicao do predIU pelo valor
que fosse estipulado. .
Eu creio que, se o governo partase a tana ao
meio, o dono ficaria satisfeito ; porque ea nao co-
nheco casa que naqu-lle ponto possa vUer mais
de quatro contos de res.

I MUTHAH 1


Diario de PcrnambucoSabbad 31 de Julho de 1886
O Sr. Joo Alves-Se nao valer mais, cutis nao
se dar.
O Sr. presidentePeco liceo? o nabre orador
para mindar Mr-um requerimeo'.o de prorogaco
de hora.
O Sr. Praxedea PitaagaPon nao !
E' do, apoiado o appnvado o aepuinte re-
querimento : Bequeiro prorogacao da hora por 40
minuto.Gomca Prente.
O Sr. PresidenteO obre diputado pode con
tinuar o seu discurso.
O Sr. Prxedes Pitanig* (contiauanda) Agr-
deco, Sr. presidenta, boadade, nao peavimpor-
tancia do orador,.raaaa petft-iinp*rtanaada aa-
eria.
Quando se tratando ornamento e se trata d
emendas com) esta de >jne me occupo, tasto
mala larga a di|fesw*tanlnaaaB franca a
porta por oode se Atina aahir o penaamento, me
Ihor o resultado par*-* taaenda publica.
Q jando se trata de materia orcwnentaria toda
a restri) de diacuaso prejudicial.
Portanto, indapeuavel que cada um franca-
mente emitta o seu juizo acerca do modo de orga-
nisar, do mod de desenvo'vd o e do modo de rea-
lisa l-o.
Eu, .por!aotu,apezar de j ter qu.aai.cheg* do
concluso do meu pensante' to, pois que nao pre
tenao mais discutir tereeira vex em ^.discuasSi,
pawarei urna revista ligeira obre a I gama emen-
das ch^gadas bontem no bond e dar-nte-hei por
Batisfeito votando pelo art 3-. Ha ideas que
como na realidade dase o nibre relator da.com-
misso df> orcamento nao cabiam como emendas
nacte projeoto, mas nem por uso se tornaro dea-
agradaveis as anas collocacoes, pirque incontes-
taveloteuDo ellas nao teriam sido discutidas se
aguardasssm a oeeasiao da diseuaso em projeetos
em- separado.
Mas se isto urna verdade, tambaos urna ver
dude que projeetos importantes uucartados como
emendas nao teriam a amptido da diacuaso que
a le i exig qu.:ndo elles se occupain de materias
importantes. ,
As coocesaoes d dispensa de impostes par di-
versas fabricas, cujea projeetos se oecnpam de as
tornar indispenssveis, at orto panto sao acci aiveis
porque se dellea resulta-n urna dimiuuicao de im
posto para as materias que devem fazer objecto do
seu fabrico, do seu trabalbo, tambera verdade
que'Bindastriaein maior ejcala offerece mais van-
tagena para a proviueia, onde apenas ha ruiime'i-
tos dos meamos trabalbos.
Para o fabrico da ctrveja. porm, nao accei-
tavel e dispensa do imposto, poroue mutaa e di
versas fabrieas existem da meso especie e ha
maitos annos. E tanto menoi dispon savel ,
quando o proprieUno sendo mais ab .atado e fa-
bricando em maior escala est em melhorea cou-
dices para abalar as pequeas empresas e tirir
do seu fabrico, do seu gyro o maior interesae.
(Apartes).
Effectivamente nao me .parece razoavel urna
emenda que foi presentada com relaco a este
assuraptc, mas para o oatabelecnnento edificado
no poato em que existe a mesma fabrica como a-
mara aoa amantes ou dileetantes quer do theatro
e qner da cerveja, esta Aasembla f .zendo urna
concossao nao far couoa extraordinaria, porque
naqnelle genero sem duvida alguma o que ba de
mais importante e de mais imponente.
(Ha um aparte).
Sim, limitando porm a dispensa daquelle i n-
postoqne dizia respeito smento aoestabulecimento
e como meio de o desenvolver pela parte theatral,
mas nao perraittinlo que mais tarde possa dar
arrbaa a que de iuturo abranja a dispensa do im
posto para todos os estabeleeimentos que podem
toruar-se filiaes diquetlc que originario ; assim
como tratando da disp'nsa do imposto para o fa-
brreo da cerveja, perno que o peticionario nao toro
jus a ella, sssim timbera digo a respeito da con
ces9ao do dneito de desapropriacao por utilidade
publica para mais tarde ser esta deaapropnaco
entregue por meio de venda ou permutta a um
particular que fcaria gorando da dispsosa do
imposto.
Voto portanto contra esta emenda na parte rea
tiva o-fabrico e desapropriaeao. Um prnjecto do
jual son eu signatario, ou um parecer que con-
cede ao Dr. Joo Ferreira a permiaso para esta-
belecer nesta provincia a venda ou introdcelo de
instrumentos que se oceupatn do desenvolvimento
e appKoaco de electncidade e de i nt trunientos
elctricos, at um curto pouto tem cabimento, nao
s porque nao ha na provincia nem artistas que
seoecupem deste trabalho, seuao quelles que n
da va com a telephonia, que sabein apenas con-
certar ou remediar os e rdes transmissores, como
tamhem nao ha introductores dcstes instrumentos,
destaa machinas que podessem ser preteridas no
seu direito pela coneeaso feta a eato individuo.
Acho, portanto, que limitando-se o praso da
cooeessSo a dez ou qumze anuos, como pede o pe
ticionarie, desde que eu posso asseverar casa
que elle j possue um material importado tal ves
no valor de mais de des contos de ris, com o fin
certo e determinado de estabeleoer esta oficina, e
que tenho em meu poder doeumentos de todos os
cheles de oficinas de machinas, inclusive o da te-
lephonia que declaiam nao haver aqu concurren-
tes na mesma especie, acho que poder ser aceita
seas grande inconveniente porque urna nova es-
pecial idade.
A iguanas outraa emendas, Sr. presidente, exis-
tem quo t&n seus signatarios, <- que podero por
si defeudel-as, tieando commisso de ornamento
a obrigaco de, como seutinella vivn, rejeital-as
em 3 discueso, se entender que ellas nao forain
bem cabidas.
Eu me aguar?, Sr. presidente, ainda urna vez
para disentir a orcai.eiito em 3 discusso, fazen-
do eoasideracoes gt-raes acerca delle e espeeiaes a
cada no dos seas artigos. (Muito bera^ !
O Sr. Ferreirtt Jacobina- (Nao devol-
veu o eeu discurso).
O Sr. Joo Al ve* (Nao devoveu o seu
discurso).
Ningnem mais riedindo a palavra encerrada a
discusbao.
O Sr. preaidenti-' levanta a aesso, designando a
seguince ordem do dia : 1 e 3* partee : continua
cao da antecedente.
Em seguida trateu-se de seguinte jury histrico
__Julio Cesarsendo promotor o Sr. Caries t.
Reis e advogado Jos da P. Nunes, e em vista das
deliberaces do eonselbo foi o reo absolvido.
Foi encerrada a aeaao, aendo deaignado a dia-
cusao de jury histrico para a ordem do dia da
sessao seguinte.
\ victima lorinoatlaO Sr. Silveira
Carvalho publicou um folheto sobo titulo.Jos
Marianao ou A victima glorificada que chamou
Apatheose em 5 qaadroa ; ede que nos mimosea*]
co un exemplar. Agradecemos.
In traantllo0 paque Neva levou aatac J2xercito territorial
hoatom para a Europa 142 pasMgwros. sendadst Sua reaM
tomados em Pemxmbuco.
DtnbefaO piquete JVet tronxe do sul
para.:
60:000*000 Jbaercit
ritviSTA DIAMi
Transferencin e fo.ola. Foi transfe-
rida para o domingo 22 de Agosto (dia de 8. Joa-
qun)) a solemne festividad* da Gloriosa Sant'An-
ua da itjrtja di Santa Crnz.
A nae*-! r. redora da irmandade desta gloriosa
santa pele a todos os seus devotos que contribuum
com suas esmolas afim do ser celebrada dita festa
eon. o maior espen lor possivel.
BeneficioA Sociedade DramticaNova
Thalia levar amanh, no theatro de Santo Anto-
nio em seu beneficio um espetaculo em que ser
represMit.ido o apparatoao drama portuguez em 3
acts e 8 quadros, extrahido das viagens do ex-
plorador Serpa Pinto, e intitulado Os Portuguaes
%a frica.
Club dramtico Parlado Cocino
Alguns mocos amantes da arte dramtica funda-
ran hontem nesta cidade um club com o titulo
cima.
Procedeu-se eleicao da directora provisoria
que ficou assim composta :
Presidente Theodoro de FreiUa Barbosa.
Viee-preaidenteSamuel Pern.
1 secretario -Carlos Luiz da Veig* Pessoa.
2* secretarioMarques da Silva.
AdjuntoJulio de Araujo.
OradorFabio Bino Jnior.
Vice-directorJoao Pacheco de Queiroga.
ThesoureiroFrancisco Gomes Prente Filho.
Commisso de syndicanciaFabio Bino Jnior,
Teiga Pessoa e Gomes Prente Filho.
Nao ha vendo nada mais a tratar o Sr. presiden-
te encerrou a sessao, designando o dia 1" de Agos-
to p ira ser empossada a directora s 10 horas Ja
manb.
Club A y re* (amaHoje ha na hora do
costume, sessao aesse club, sendo dh cutida pelos
Srs. Joao Cordeiro e o orador do club a theseO
que o bomem.
O laraploaNa noitadeante-hontem.es-
tes industrilos tentaram penetrar no predio da
roa do Paysand, onde mora o Sr. tenente-corouel
Domingos A lves Matheus, para o que comecaram
a arrombar urna janella da parte posterior do mes-
mo predio.
Presentidos pela polica, deitaram a fngir, tem
que neuhum deiles osae alcancado.
Club Hiterarlo Fre CanecaFunc-
cioaou ao dia 26 eata sociedade, aob a presidencia
dcSr. Francisco Machado Dias.
Foi lida e approvada a acta da sessao antece-
dente, e o 1 secretario den conta de diverso* re-
qnerimen'.os.
Passando-se ordem do dia foi discutida pelos
Srs. Ulysses Soares Brandan e Jos da Fonseea
ones a seguinte these: Os cawlUdoi da'guerra
sao naos ou nao ?
agsh Bank
0 metano paquete kou para:
Franca 120
Lanlerna ajajagicaistnbnio-se hontem
o ii. 161 deste peridico livre e humorstico.
Irmandade da lorio*; .iiUtnia
da lajreja da Santa CruzTendo-se pro
cedido no domingo ultimo 25 do correte a elei
cao da nova administraba* que tem de r->g'>r esta
irmandade no anno eompromisaal da 168 -S7 deu
o seguinte resultado :
JuizAstolpho Francisco de Mello Tava.es.
SecretarioAntonio Baphael Al ves da Costa.
ThesoureiroJoao Francisco Dures.
Procurador geralAntonio Alvea Vilella.
ProeuradoreaJoi Maria de Araujo Franca e
Joiio Amancio Bruno.
DefinidoresIlenrique da Costa Carvalho, Ma-
noel Alvea Vilella, Julio Augusto Cesar, Pedro
Brasil, Joaquim Ramos da Costa, Manoel de J.
Carvalho Santos, Antonio Carlos Barromeu dos
Santos, Mano 1 Domnguez da Silva, Mauoel Cor-
reii Masiel da Silva, Eladio Xavier Faustino Ra-
mos, Luiz de Franca Main e Silva.
Teiido-se procedido a dous escrutinios para o
cargo de secretario em virtude da: ter apparecido
urna cdula com dous nomea, o JO ir dsta ironn-
dade levando ao conhecimeuto do Dr. juiz de'ca-
pelina o tacto, este rninlou ouvir o Dr. promotor
do juizo que ipinou pelo primeiro escrutinio c nes-
ta conf .r.nidade defarlo o dito Dr. juiz de direito
de capellas.
OvuImu -') Sr. Dr. Barrcto Sampaio rau-
dou seu consultorio para o n. 51 da ra do Baro
da Victoria e residencia para o u. 34 da ra Sete
de Setembro.
BeunideN atociaen Ha amanhl as se-
gu ntes :
Do Club Internacional de Regatas, s 11 horas
do dia, para eleicao da nova adminstracao.
Da Irmandade do Divino Eipirito Santo, s 11
horas do dia, para cumpriineuto dos arta. 83 e 84
do couipromisso respectivo.
Da Portugueza de Beneficencia, s 5 horas da
tarde, para eleicSo da nova directora.
Do Club Io>peratriz, s 10 horas do dia, para
negocios urgentes.
Da Recreativa 13 de Junho, s horas do costu-
m:, em sessao ordinaria.
Garuara. Eserevem-nos em 26 do cjt-
rente :
. Honem, 26 do corrente, te?e lugar nesta ci-
dsiie um pequeo regosijo, por occasio de ser
fincada a ultima estaca do servio de locacao da
estrada de ferro do Recfe a Caruar, a cujo ser
vico se achava a frente, com alguns empregadoa
e auxiliares, o engenheiro Dr. Pedro de Figueire-
do Rocha.
Cerca -de trezentas pessoas ae achavam pre-
sentes, e urna banda de msica regida pelo pro-
tessor Jos dos Santos Vieira, tocando variadas
pecas, dava a este acto, em que todos se mostra-
vam cheios de jubilo, grande imponencia.
Termn adoa d-fiuitivamente os trabalbos, o
engenheiro Dr. Rocha comprimentando os habitan-
tes deata cidade, felicitou-os pelo termino do ser-
vico de ocacao e pelo adiaotamento dos mesmot
trabahos que promettem em breve realisar a che-
gada da estrada de ferro a esta cidade, a qual,
pela sua topographia, salubridade e belleza,
digna d" um tai melhorameuto.
Nesta occasio, o advogado tebastio Antonio
de Albuquerque LeSo, em oome dos habitantes ca-
ruaruenses, comprimeutou e agradeceu ao enge-
nheiro Dr. Figueiredo Rocha em um ligeiro mas
animado e Woquente discurso, as maneiraa com
que tao distiucto cavalheiro se houve em seus tra-
bahos, elogiando a sua solicitude, zelo e aptido ;
fallou do engrandecimento e vantageus que traz
fra urna localidade a estrada de ferro, e terminou
dando alguna vivas co-nmisalo de engenheiroa
desde o seu chefe.
Em seguida, o Dr. Rocha convidando a todos
os amigos presente para tomar ura copo de cer-
veja, seguio acompanhado da banda de msica
at o eacriptorio, onde tiveram logar os seguintes
brindes :
Do Dr. Rocha a commisso dos trabahos ;
do deputado provincial Manoel Rodrigues Porto
ao dietincto chefe de aeceo Dr. Braga Torres ;
do meain > deputado Rodrigues Porto ao enge-
nheiro chefe Dr. Aristidea ; do teneute Estevo
de Lima as Dr. Julio Vianna ; do profesaor Joe
Vidiciano commisaao encarregada dos trabahos
de loeacao representada pelo Dr. Rocha; do ma-
jor Joao Firmo ao Dr. ttotha, comciisso de
engenheiroa e aos caruaruensea, representados na
pesaoi do diatincto deputado provincial pelo 10'
distrwto Manoel Rodrigues Porto ; do capillo Al-
buquerque Leo ;io Eim. Sr. Dr. Francisco de
Assis B>sa e Silva, o qual como deputado geral
por este 10' districto muito t-cm ae es-oreado pela
realiaaC/o da estrada de ferro do Recfe a (Ja
ru:ir ; e finalmente o brinde de honra do Dr.
B i ha N cao Brasileira, a S. M. o Imperador,
ao ministro da agricultura e ao povo caruaruense.
E assim terminando, as 2 horas da tarde, na
melbor ordem os festejos pela concluso do ser-
vico de locacao, retiraram-se todos com a epe-
rauca de que, si o governo, como se espera, to-
mar na devida consideraco, ter em breve a
estrada que tanto almejam e que to grandes me-
ihoramentos trar para esta cidade.
Rbiuonplalia. Um cirurgio reuni ac-
tualmente em Berlim as celebridades medicas da
G : inania.
Entre as cousai interesjautes que fjrain debati-
das na assembla, a clino-plaatica, ou arte de con-
ttruir um na iz para substituir outro defeituoso,
foi objecto de urna conferencia do profesaor Koeniz
da Uoiversidadc de Gottinga.
At ento todos aquellea uarizos artificiaes, for-
mados da transplantacao da pelle da testa e do
braco, tinham o grande defeito de falta de consis-
tencia. Eatavam mais ou menos no posto, p>rm o
menor golpe de vento os fazia dobrii, urna ligeira
pancada bastara para dcaormal-os com justo des-
praxer do proprietario.
Procoroo-se remediar este inconveniente com
toda especie de apparelhos deapoio, mas sem gran-
de successo.
O profeaaor Koeniz tentou um outro processo
A um joven, cujo osso nasal tinha sido fracturado
por urna barra de ferro, implantou ao mesmo tera-
po pelle da testa e um pedae.0 deoaao nasal, no lu-
gar do nariz que nao existia. A experiencia fiu
bem auccedida; e a assembla pode convencerse
devitu que o paciente apresentado pelo engeohoso
pr.'feseor posauiaum naris grego da melbor aspec-
to e to clasaico quauto era o seu precedente.
A polica em Landres.Para a polica
de populavo ha 13,765 agentes de polica, que
custam ao Estado 3,321,020 schelings por anno.
O chefe do corpo am commissario geral com
52.500 schelings de estipendio ; doua commiasarios
aiudantea coui 32,000; um couseiheiro legal com
25,000; um secretario geral com 17,000; dous su-
perintendentes para as investigad-oes criminaes,
um inspector chefe e mais varios outroa que consti-
tuem o estado-maior do corpo, o qual se completa
com 24 commissarios de districtos, 637 inspecto-
res, 1,067 sargentos e 11,151 adjuntos.
Os policimeru ao eecolhidos deatre os mdivi-
duoa que o reqoerem e podem dar as melhores prc-
vas de moralidade.
Passam em urna escola techoica no tirocinio que
varia entre os 3 e 15 meses.
Entre as outraa cooaas que ahi ae enainam,
apreudam tambera a educacao.
Eis urna instituicao que dev:a ser imitada em
outroa paizea... excepto a polica do Brasil.
Populacuo de algumaw repabllraa
la America. Segundo urna recente estatsti-
ca, a ponulac&o de varias repuBUcaa da America
est a*nm dividida:
Mxico 9,279,079, Per 3,230,932, Colombia....
2,910,329, Chile 2,075,971, Argentina 1,877,499.
Venexuela 1,784.1*0, Bolivia 1,742,344, Guatema
la 1,MX)Q0, rugay 450,000, Honduras 851,700,
S, Fiini~".TTl. Nicaragua 250,000, Para-
guay ^l.OOO^Jto Eica 135,000.
Parca aailltar da llallaA forca effcc-
tiva que a Italia pode por sob aa armas em caso
de guerra a seguinte:
Exercto de 1 linha 770,000
2- linha 300,000
* 3" 1,923,000
Carabineiros reaes 26,000
Guarda de finanea 15,000
Horneas
Total 2,142,000
Forca cAVetiva da Franca-V forca
effectva do exercto francez segundo a le de 27 de
Julho de 1872 deve s?r:
.Exercto activo
Sua reserva
T-tal
A fon^a-mobilisavel a seguate
816,000
555.000
662,000
673,000
2,705,000
rlomens
i roseara
territorial.
1,097,000
1,203,000
Horneas
Total 2,300,000
Exercto da Aunlria -A Auatria pode or-
ganizar, em tempo de guerra, a torca effectva da
1* linha de 924,000 homena e aquella da 2a de
321,000 homena.
A forca inobiliaavel a seguinte :
Primean, linha 6w00 Homena
Segunda liuha 29S.0O5
Total 957,000
Pondo em confrontaco as forcasmobilisaveis das
4 potencias: Italia, FrancH, Austria e Suiaaa, temos:
Homena
1 linha 2 linha Total
Iulia 434,000 173/XX) 607,000
Franca 1,097,000 1,203,000 2,300,000
Austria 659,000 290^)00 957,000
Suiaaa 114,000 80,000 202,000
Nesta coofroniacao nao fizemos mencao do ex
ercito de 3* linha.
Resumindoeconfi-oatando, podemosaaegurar nos
de que o exercto italiano como se vio. Amera mais
de um milhao de aoldadadoa, os quaes aj esta hora
receberam urna iustruccao sufEciente para a recla-
macao das viciesitudea.
Contra a bydropbobia Lemos no Po-
plo Romano de 5 de Julho :
. E' coubecida a noticia excitada pelos suecea-
soa obtidos em Paria pelo Dr. astcur com aa suas
iuoculac,oes para a cura da raiva canina.
"Na Italia, no fira do secuto paseado, oDr. Val
de Padua, tentou o mesmo processo com favoravel
resultado; hoje o Dr|Dopi de Genova, que rei-
vindicando a defcoberta da inoculaoo ao Valli,
reclama a actencao do publico e do governo sobre
os exagerados succeaaoa do profesaor Pasteur.
Hontem o Dr. Dapr foi visitado pelo honra-
do Depret8, presidente de miniatr08, que que iufor-
mar-ae dos estudos feitos pelo notavel Dr. em Ge-
nova, estudoa que ae compendiara em numerosas
curas coroadaa de felizea resultados, 15 daa quaes
fazem agora poueos annos.
o O honrado ministro csteve como Dupr cerca
de mcia hora, ioteressando se vivamente pelas in-
teneoss do insigne Dr. que est firme no propoaito
de abrir em Genova um laboratorio com o concur-
so do governo.
Depretis ao deapedir-ae delle, assegurou qae
8ubmetteria a queato ao Conselho superior de
Saude.*
l Hoje :
Pelo agente Brilo, s 10 e 1/2 horas, na ra do
Rangel u. 48, da armaco e miudexas ah exia-
tentes.
Terca-feira :
Pelo agente Alfredo GuirAara.es, s 11 horas, no
ra do B..-m Jess n. 53, do estabeleclmentu ahi
sito.
Miaan fnebre*. Serio celebradas :
Hoje :
A's 7 horas, em S. Francisca, por alma do com-
mendador Manoel Figueira de Faria; s 8 ho-
ras, na matriz da Boa -Vista e no engeuho Geni-
pabo, por alma de D. Maria de Jess Cavalcanti
Oliveira; s 8 1/2 horas, na matriz a Boa-Vista
por alma de D. Mara Urcesiaa do Reg Barroa.
Seguada-teira :
A'b 8 horas, as matrices da Boa-Vista e de
Palmares, por alma do major Custodio Floro da
Silva Fragozo ; s 7 horas, na capella do cemite-
rio publico, pela de Manoel Antonio de Jess ; a
7 horas, no convento do Carmo, por alma de D.
Maria Gertrudea da Cjnceicao.
Cana Ue uetencA Movimeatu dos pre-
sos no dia 29 de Julho :
Existiam presos 337, entraram 2, sahiram 5,
existem 334.
A saber:
Nacionacs 298, mulherea 5, eatrangeiros 11, es-
cravos sentenciados e processados 19, sato* de cor-
reccao 10.Total 334.
Arracoados 293, sendo : b< ns 280, doentesl3
Total 293.
Movimento da enfermara :
Teve baixa :
Zacharias Jos de Sant'Auna.
Teve alta :
Antonio Pedro dos S.-.nros.
laoterla da provincia do Bio de Ja-
neiro Eis os numeres mais premiados na 3
parte da 3a lotera da c.iixa dotal dos orphos de
S. Fraucisce de Pau'a (2* parte da 364], extrahi-
da em 23 de Julho :
premios db 100:000*000 a 1:000*000
100:000000
5739
4296
1088
193
12137
321
6649
8245
8682
10235
11941
5738
5740
UM
4297
1087
1089
192
194
22136
22138
FPBOXIMA90E8
365
908
970
premios de 500*000
1957 2701 6475
2443 3844 8178
2655 6196 10144
PREMIOS DE 20Q*Y.'00
11 2939 6328 '9695
1101 3121 7155 9747
1117 3706 8517 9846
1613 4388 9232 10.30
1947 5428 9455 1136
PREMIOS DB 100*000
20:000*000
5:000*000
2:000*009
2:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:0000000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
1:000*000
600*080
600*000
400*000
400*000
300*000
300*000
300*000
300*000
12147
13V63
11164
12886
13635
13760
13774
179 2377 4597 6336 9152 10802 13241
578 2439 4765 6586 9391 10820 13636
693 2526 5013 7029 9834 109a4
1678 2780 5234 7095 9955 11089
1928 3327 5481 7221 9952 11667
2350 3482 5844 7934 10478 12153
2353 4007 6084 8718 10696 13096
2358 4208 6249 8974 10625 13159
Lotera da provinciaA lotera n. 65,
r-m beneficio da Santa Casa de Misericordia do
Recite eur extrahida qnando for annunciada.
No consistorio da igreja de Nessa Senhora da
Couceico dos Militares, se acharo expoataa aa
urnas e aa eapheraa, arrumadas em ordem num-
rica apreciacSo do publico.
IiOterla da cortePor telegramma recebi-
do pela Casa Feliz, sabe-sc terem sido estes
os nmeros premiados da 3 parte da lotera 198
extrahida no dia 30 de Julho :
3.087 100:000*000
9.041 20:000*000
Lotera do BioA 4 parte da lotera
a. 198, do nevo plano, do premio de 100:000*000,
ser extrahida no dia 5 de Agosto.
Os bilhetes acham-ae venda na Casa da For-
tuua ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia na. 37 e 39.
Lotera de Maeeia de *000a0 Aj* partea da 13* lotera, cujo premio
grande de 2170:000*, pelo novo plano, ser ex-
trahida impreterivelraente no dia 3 de Agosto a
11 horas da manh.
Bi I he tea venda na Casa Folia da praca da In-
dependencia na. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Reda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Precos resumidos.
Lotera Eatraordiaria do Vpiran-
ga-0 4. e ultimo aorteio daa 4. e 5." sanes
desta importante lotera, cujo maior premio de
150:000*000, ser extrahida a 14 de Agosto pro
ximo.
Acham-se expostos a venda oa reatos dos bi
1 he tes na Caja da Fortuna a ra Primeiro de Mar-
co n. 23.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
dendencia ns. 37 e 39.
Lotera da provincia de Santa Ca
tbarlnaEsta lotera, cujo maior premio de
100.000*000, devera ser extrahida impreterivel-
raente no dia 6 de Agosto prximo, s 2 horaa da
tarde.
Os bilhetes acham-ae venda na Casa da For-
tuna, rna Primeiro de Marco n. 23.
Lotera da corte A 4 parte da 864 lo-
tera da corte, cujo premio grande de 100:000*,
ser extrahida no dia .. de Julho.
Os Mitotes acham-ae venda na Casa da For-
tuna rna Primeiro de Mwco n. 23.
Tambe acham-ae venda na prac da Inie-
dendenchams. 37 e 39.
Hatadonro PublicoPeran abatidaano
Matados da Cabanga 0 rflzaaaara o ei
do da3mttle Julho.
Seadu io4 rezea i i mi aaaan UN i i
iSi^C.,"e W a diversos.
Mercado Municipal de S. JoneQ
movimento deste Mercado uo8 diaa 30 do ca-
rente, foi o seguinte :
Entraram :
301/2 bois pesando 4,043 kilos.
1.37 kilos-de peiae-a O-reia 20*740
55 cargas de farinha a 20J ris 11*000
32 ditaa de fruetae diversas a 300 rs. 9*600
11 taboeiros a 200 ria 2*2C0
11 Sumos a 200 ris 2*200
Foram oceupados :
24 1/2 columnas a 600 ria 14*700
27 compartimentos do frinha a
500 ria. 13*500
23 d itoa de comida a 500 ris 11 *500
<11/2 ditca de legumes a 400 ria 28*600
16 ditos de sunoa 700 ris 11*200
11 ditos de tresaaraa 600 ria 6*600
10 ditoe de ditos a 2* 20*000
1 dito a 1* 1*000
A Oliveira Castro 4 C.:
2 talh is a 500 ria 1*000
54 talhoa de carne verde a 1J 54*000
Deve ter sido arrecadada neates dias
a quantiade 2078-10
Rendimentodo dia 1 a 9 5:972*460
Foi arrecadado liquido at hoje 6:180*300
Precos do dia :
Carne verde a 240 e 400 ris o kioa.
S n o a 600 e 500 ria ide.n.
Carneiro de 600 e 800 ris idem.
b'anuh. de 320 a 240 ria a cuia.
Milho de 280 a 320 ris idem.
Feijo de 640 a 1*280.
Cemiterio publico.Obituario do da 29
do corrente :
Joao Florencio Pereira,- Rio Grande do Norte,
32 annos, selteir>, B..a-Vista ; vmitos.
Joaquina de Lima, Peraambuco,.4 ann)s, viu-
va, Boa-Vista ; leeo da aorta.
Anna Bernardina, Pernambuco, 15 mezea, Boa-
Vista; remettido pelo subdelegado.
CHRONICA JPDICIARIA
Tribunal da ftelaco
SESSAO ORDINARIA EM 30 DE JULHO
DE 1886
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELHE1KO
QOTNTIO DE MIRANDA
Secretario interino Dr. Alberto Coelho
As horas do coatume, presentes oa Srs. desem-
bargadorea em nume -o legal, foi aborta a sessao,
depois de lida e approvada a acta da antecedente.
Distribuidos e passados oa fcitoe derum-se os
eguiutes
JLOAMENTOS
Habeaa corpus
Pacientes .
Jos Feliciano Mirtina.Coucedeu-ae a soltura
contra os votos dos Sra. despmbargadores Pires
Goncalvea, Monteiro de Andrade, Pires Ferreira
e Oliveira Maoiel.
Alexandre Lucas.Mandou-se ouvir ojniz de
direito do 2o diatricto.
Virgilio Olympio Marinho de S. Mandou-se
ouvir o Dr. chele, de polica.
Recursos eleitoracs
Do Catle do Rocha Recorrente Bernardino
Jos da Rocha Formiga, recorrido o juizo. Re-
lator o Sr. conselheiro Arauje Jorge. Negou-ae
provimento ao recorto, unnimemente.
De Petrolina Recorrente o juizo, recorrido
Jos Francisco Ferreira Pontes. Relator o Sr.
desembargador Alves Ribeiro.Deu-se provimen-
to ao recurso, contra os votos dos Srs. desem hur-
gadores Pires Goncalvea, Pires Ferreira, Buar-
que Lima e conselheiro Queiros Barros.
Carta testemuubavel
Do RecfeAjgravante Manoel Soares de Fi-
gueiredo, aggravado o juizo. R-lator o Sr. dea
embargador Buarque Lima. Adjuntos oa Srs.
desembargadores Alvea Ribeiro e Prea1 Ferreira.
Negou-ae provimento a carta contra o voto do
relator.
Aggravo de petico
Do Recite-- Aggravante Joo Goston, aggrava-
do o juizo. Relator o Sr. desembargador Montei
ro de Andrade. Adjuntos os fira. desembarga-
dorea Pires Ferreira e Oliveira Maciel. Deu-se
provimento ao aggravo, unnimemente.
Prorogacao de iuventario
Inventariaate Anna Maria da Conceico.In-
deferido.
PASSAGENS
O Sr. conselheiro Araujo Jorge, como procura-
.or da cora e promotor dajustica, deu parecer
noa seguintes feitos :
Appellacoea crimes
Da Parah/baAppeliantes o juizo e Antonio
Joaquim de Saint'Anna, appelladoa a justica e o
reo Joo Marinho Falco.
Da Palmeira dos Indio8Appellaate Joao Cor-
reia da Silva, appellada a justica.
De ItabaianaAppellante o promotor publico,
appellado Bellarmino Francisco Bellote.
e Pesqueira Appellante o juizo, appellado
Manoel Rufi o de Mello o Silva.
Do*-Sr. desembargador Buarque Lima ao Sr.
desembargador Toscano Barreto :
Appellacoea crimes
Do Rio FormosoAppellante Manoel de Oli-
veira Lias, appellado Antonio Gomes de Almeida.
De Nazareth Appellante Alexandre Jos Go-
mes da Silveira, appellada a justica.
DeBom JardimAppe.lante o juizo, appellado
Joa Joaquim de Souza.
Conflicto de juriadicc&o
Entre o subdelegado de Bom Jardim e o juiz
de paz do mesmo districto.
Do Sr. desembargador Toscano Barreto ao Sr.
desembargador Oliveira Maciel :
AppellacJo crime
De AlagasAppellante Antonio da Racha Pe-
reira, appellada a justica.
Do Sr. desembargador Oliveira Maciel ao Sr.
desembargador Pires Ferreira :
Appellacao crime
Do RecfeAppellante o bacharel Aureliano
Augusto Pereira de Carvalho, appellado Joo Pe-
reira Lima Jnior.
Do Sr. desembargador Pires Ferreira ao Sr.
desembargador Monteiro de Andrade :
Appellacao crime
Do CollegioAppellante o juiz de direito, appel-
lado Jos Alves da Silva Lima Novaos.
Do Sr. desembargador Monteiro de Andrade ao
Sr. desembargador Prea Goncalvea.:
Appellacao crime
De Mscei appellante o juizo, appellado Joa
Jo..quim do Nascimento.
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel :
Appellacao crime
De PenedoAppellante o juizo, appellado Gal-
dino Joa da Luz.
Do Sr. desembargador Pires Goncalvea ao Sr.
deaenabargador Alves Ribeiro :
Appellacoea enmea
Do Buique Appellante o juiao, appellado
Francisco Carlos da Cruz.
De SerinhaemAppellante o juia, appellada a
Justina, reo condemnado Luiz Francisca da Silva.
Do Sr. desembargador Alvea Ribeiro ao Sr.
conaelheiro Queiroz Barros :
Appellaces crimes
De Taquaretinga Appellante Francisco Perei-
ra da Silva, appellada a justica.
D* ParahybaAppellante Jos Delmiro, appel-
lada a justica.
DILIGENCIAS
Mandou-se ouvir o Sr. conselheiro promotor da
justica noa seguintes feitoa :
Appellitfdes crimes
De Traip Appellante Manoel Jos de Faria,
appellada a juatica.
De Bezerros-Appellante Jos Alvea Barbosa,
appellada a juatica.
De PesqueiraAppellanta o promotor publico,
appellado Manoel Vicente Pessoa.
e ItambAppellante Vicente Rodrigues Li-
ma, appellada a justica.
Ordenou-so diligencia noa aeguinte8 feitoa :
Appellaces crimes
De TimbeabaAppellaute o juizn, appellado
Antonio Joaquim do Nascimento.
Da VictoriaAppellante Francisco Antonio de
Oliveira, appellada a juatica.
De .Magda do MonteiroAppellante o juizo,
appellado Manoel Severino da Motta.
De Jaboatio Appellante o juizo, appellado
Joo Capistrano de Souza.
Do RecfeAppeliantes Manoel Antonio de An-
drade e outroa, appellada a juatica.
Com viata a partea :
Appellacao civel
Do RecifeAppellante a junta administrativa
da Santa Casa de Miaerieerdia, appeHadoa Joa
Anselmo Marques e outroa.
Appellacao commercial
De GoyannaAppellante Jco Cavalcante de
Arroda Cmara, appellada Hermelinda Maria de
Jeaua.
DISTRIBigOES.
Recurso eleitoral
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
e CamaragibeRecorrente o juizo, recorrido
capito Mano-I Ferreira Pontes e outroa.
Recursos crimes
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barroa :
De Campia G'andeRecorrente o juizo, re-
corrido tenente-coronel Jop Lourenco Porto.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
De SouzaRecorrente o juizo, recorrido Jos
Pardens Rodrigues Seixas.
Ao Sr. deaembaigador Toscauo Barreto :
De SouzaReccrrento o juizo, recorrido Jos
Pardena Rodrigues Seixas.
Aggravos de petico
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barroa :
Do Recfe Aggravante o banco Induatrial
Mercantil do Rio ae Janeiro, aggravado o juizo.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
Do Recife -Aggravante a companhia de fiaco
e tecidoa, aggravado commendadjr Antonio Va-
lentim d& Silva Barroca.
Appellacoea crimes
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
De QucbranguloAppeliantes Francelina, Del-
fina e Joo, por seu curador, appellada a juatica.
Ao Sr. dcaembargador Pires Goncalves :
De NazarethAppellante Bellarmino Pereira
de Lyra, appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
De Agua PretaAppellante Joo Carlos das
Santos, appellada a justigi.
Appellacao commercial
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel :
Da Parahyba Appellante Jos Ferreira da
Silva, appellado o juizo.
Enccrrou-ae a sessao as 2 horaa 1/4 da tardo.
INDICARES OTIS
Medicon
Conxuilorio medico cirurffico do Dr.
Pedro de Attabyde Lobo Moncozo A
rna da Citoria n. 39.
O doutor Moscozo d consultas todos os
dias uteis, das 7 s 10 horas da manh.V
Este consultorio offerece a commodids
de de poder cada doente ser ouvido o exa
minado, sem ser presenciado por outr
De meio dia s 3 horaa da tarde ser o
Dr. Moscozo encontrado no torreao pra-
ca do Commcrcio, onde funcciona a ras
peccjto de sade do porto. Para qualquer
d'estes dous pontos poder o ser dirigidos
os chamados por carta as indicadas horas
O Dr. Arthur Imbassahy, medico oceu-
lista, recenteroente chegado, esta cidide,
d consultas todis os dias, das 8 s 10
horas da maoha, sendo gratis aos pobres,
no 1. andar do pr?dio n. 8, largo da
Santa Cruz.
Consultorio allopattco -doaimetrico
Dr. Miguel Themudo d consultas das
12 a 3 da tarde em seu consultorio ra
do Barao da Victoria n. 7, 1. andar.
Chamados por escripto a qualquer hora.
Especialidades partos, febres, syphilis,
molestias do pulmiio e do coraco.
Dr. Lopes Pessoa Medico.Residen
cia a ra de D. Pedro I n. 2, onde pode
aer procurado at s 9 horas da manha.
Consultorio ra do Bom-Jess n. 37 1."
andar. D consultas das 11 s 2 da tar-
de. Gratis aos pobres.
Dr. Gama Lobo, medico operador e par-
teiro, reside ra do Hospicio n. 20, onde
podo ser procurado qualquer hora do dia
ou da noite. Consaltas: de 1 s 3 horas
da tarde. Especialidade : molestias e ope-
racoes dos orgos genito-urinarios do bo-
mem e da mullier.
Dr. Barreto Sampaio mudou seu consul-
torio do 2." andar da casa n. 45, a ra da
Baro da Victoria, para o 1.a andar, da
casa n. 51, mesma ra, como consta do
seu annuncio inserto na seceao compe-
tente. Residencia a ra Sete de Setem-
bro n. 34.
Advocado
O bacharel Benjamim Bandeira, ra do
Impeador n. 73, 1." adar.
Dr. Seabra. Mudou seu escripto de advo-
gacia para a ra do Imperador n. 24.
Drogara
Francisco Manoel da Siiui & C... depo-
sitarios de todas as especialidades pharmn
ceuticas, tintas, drogas, productos chimioi
e medicamentos hoinoeopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de carapinD
de Francisco dos antos Maeedo, caes de
Capibaribe n. 28. N'este grande ostabd e
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, compra-se e vende-se madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras de
conta alheia, assim como se preparam obras
de carapira por machina e por precos sem
COB,n**An*-IA.
Entretanto, de harmoni a com o notavel discurso
proferido no Senado, em 1879, pelo honrado Sr.
conselheiro Joo Alfredo Correa de Oliveira, digno
chefe conservador em Pernambuco, direi que n
ayntheee do meu progrmala pugnar pelas re-
formas que forem e desenvolvimento pratico dos
grandes principios liberaea consagrados na Con-,
stitituicao e que formam a base das instituce
que nos, oa conaervadores, mautemo8 e queremoa
manter.
Dentro de taea limites ha eapaco bastante para
todos oa melhoramentoa intelectuaea, moraea e ma-
teraes, para todos oa commettimentoa serios da
poltica, economa, financas e adminstracao, emfim
para todas as mais altas aspiraco-a dos povos
'ivres, que vivem aob o rgimen parlamentar.
No decurao doa vinte annoa que conatituem a
minba vida publica, aemprc girou nessa rbita a
a miaba actividade, e disso fatem prova os meua
modestos eaforcoa na Aasembla Provincial e os
meus pequeos trabahos na imprensa, estes lti-
mos attestados pelo Diario de Pernambuco, em
cujaa paginas tenho esteriotypado a mina alma
e o mea coracao, pugnando por tudo quanto se me
tem augurado til e vantajoao cauaa d paiz e
mais particularmente desta provincia.
Como garanta dos meue intuitos de futuro offe-
reco esse modeato paasado ao digno eleitorado do
3o diatricto, aaaegurando-lhe que envidarei quanto
couber eui u.im para clevar-me a altura da stua-
co do paiz e para moatrar-nve merecedor da con-
fanca co a que me hourar esaa drno eleitorado
O meu norte aera o bem publico e o caminb
para elle esaa honrosa coud.iuca que nunca f a' i
ao illustrn cidado quem aspiro substituir e cu-
as -.irtudes cvicas tomarei por modelo.
Subscrevo-me com a maior considerafao e res-
peito.
De V. S.,
Amigo, attento, venerador e criado.
Recife, 6 de Julho de 1886.
Felippe de Figueira Faria.
COMUNICADOS
Ao eleitorado do 3 distrito
Illm. Sr.O fallecimento do Dr. Antonio Fran-
cisco Correia de Araujo, abrindo urna vaga na de-
putacao de Pernambuce, determinou a necessidade
de urna cleico no 3" diatricto, que aquelle Ilustre
cidado to dignamente representava.
Para preencher eeaa vaga proponho-me eu aos
suffragioe do diatincto eleitorado deaae districto,
nao movido por impulso proprio, nem tomado de
ambices que eatou longe de nutrir, mas por apre-
aentaco do partido em cojaa fleiraa milito e alen-
tado pelo desejo de continuar a prestar aervicos as
paiz nease poato de combate que me foi indicado.
E', poia, escudada com esse patritico desejo e
patrocinado pelo mea partido, cujo venerando
chefe tenho por amigo, qae ea venho solicitar de
V. S. o aeu voto e todo o asu precioso auxilio
minba cauaa no pleito que ae vai ferir brevemente
nesse districto, onde V. S. gosa de prestigio e dis-
poe de merecida influencia.
Bem conhecido neata provincia, onde naaci e
onde tenho sempre vivido mourejar em fadigoaaa
lides pelas ideas conservadoraa, c sob a gide
d'aquella honrosa apreaentaco; creio que ser-
me-ha excusada a exhibico de um programma,
poia que outro nao posso ter qae nao o do partido i
I ao qual tenho servido com dedicacSo e eeforco.
PLBLtCACOES A PEDIDO
Rio Grande do Norte
O capito foo Keveriano lia
ciel da Costa e o sen detrator
Urbano Joaquina de .oyola
Barata
Levantado, como j disaemos, o conflicto de ju-
risdieco entre o Exm. Sr. general Jos Angelo
de Moraea Reg e as Justinas da cidade dj Na-
tal ; burlados oa eaforcoa que intilmente ae fize-
ram com sacrificio daa prerogativas do pievilegio
do cro militar, para que compareceasem perante o
juiz municipal d'aquella capital, ns nossos amigos
capito Miciel d.t Costa e cnente Rodrigues Pe-
reira, afim de se verein proceasar porcrime de
estellionato contra a fazenda nacional,para o qae
foram citados por officiai de juntica ; frito o mais
solemne fiasco e dad > o mais triste es ectaculo
com a exploso mais diaparatada de odios recal-
cados, comefsram os corypheos do Sr. Loyolla Ba-
rata a espaihar beatos, cada qual maia ex,rava-
gante e insolente ; e, sem rebuco diziam que os nos*
s js amibos perderiam a farda, pnB seriam cen-
demnadoa a den anoa de prisa-i ; que o con-
flicto havia de aer decidido em favor do juiz mu-
nicipal, para o qu" j haviam ido muitas cartas
para a corte-, que os noasoa amigjs aeriam pre-
sos preventivamente, at que fosee decidido o con-
flicto ; G outras balandronadas, que muito e muito
eompromettem o bom senso c ciivumspecco de
quem j procura encerrarse na guarida do car-
go, mas que a intimidade em que viva com os que
as eapalham, dio aso a certa vcroaimilhanca !
Apoz esses boatos estultos e ridiculos, o capita
Maciel da Costa teve denuncia de que alguma
cousa ae trama va contra.si.
A principio, nao quiuncreditar ; por;-, foi le-
vado a isto pela revtfeco que loe f-z urna prac*
da companhia de inTantaria daquella provincia,
que ouvio Joaquim Moreira, empregado no cor-
reio d'aquella cidade e irmo do alteres Paula
Moreira, genro do Sr. Loyolla Barata, dizer, em
urna reuoiao.de pessoas de aua tmsade, que, se
su familia nio consegusse triumpbo no processo
que move no foro commum, eom carcter de crime
publico e denuncia ex-offido da promotoria con-
tra aquellea officiaes ; urna pessoa j eacolhida e
prompta para o caso, saberia vingal-08 !
Averiguada eesa revelaco, o nosso amigo le-
vou-a oficialmente ao conhecimento do Exm. Sr.
general Moraea Reg, a cuja disposico all est
e pedio garantas para sua vida !
S. Ezc. o Sr. general, informando-se minuciosa-
mente do facto, assa grave, nao se demorn em
leval-o ao conhecimento do Dr. chefo de p.ilicia,
pedindo garantas para o aeu subordinado !
E' eata a poeico em que est col locado aquelle
nosso '.migo, que 8e sent ameacado at na pro-
pra existencia, e tuao sao porque prenden c 8ub-
metteu a conaelbo de investigaco o alferes Fran-
cisco de Paula Moreira, genro do Sr. Loyjila Ba-
rat-i, verdadeiio manddo de aldeia, e que estava
acostumado a intervir directamente na admins-
tracao d'aquella infeliz companhia, e nao podia e
nem pode resignar-ee a deixar de representar pa-
pel to saliente, poia nao ponco aer-ae comman-
dante honorario de urna companhia de linha !
Nao noa podemos furtar ao prazer de applaudir
urna dse iberia eui generis eita pelo juiz munici-
pal d'aquella capital, bacharel Raposo da Ca*
mar !...
E' urna cousa assombrosa e monumentalmente
estupenda, e que d perfeitamente a medida da
mentalidad** e progresao intellecrual dease magis-
trado, formado em sciencias jurdicas e sociaea !!
S. S., dizem dos, depois de um serio e acurado
eitudo sobre o conflicto de jurisdieco de que nos
oceupamos. dese.ibrio um al vara de 19 de Ja-
ha de 1855 Mi
Ignora S. S. que depois do juramento da Cons-
tituico do Imperio nao houve mais alvars ? Se
ignorava iato, ignora ambem muita consa que um
juiz anda mesm; do Rio Grande do Norte, nao
pode dvixar de saber ; e portanto declrese rou-
bado e exija do governo o dinheiro que despendeu
com as matriculas, Iivros, carta, etc., etc.; pois
sabio da Academia, muito ignorante.
O promotor publico da comarca do Natal, Fran-
cisco Carlos Pinheiio da Cmara (vulgo Chico Fa-
rofa), apesar de ter tj evidentemente evidenciado
a denuncia que o foresram a dar, ha de, como o
seu primo, o juiz municipal, morrer de bestidade
recolhida, molestia incuravel nos innocente*...
O Sr. Urbano Barata, que to acodadamente en-
ven para muitoa officiaes da guarnico da corte,
onde suppunha crear urna opinio contra oa nos-
sos amgoa capito Maciel e tenente Rodrguea
Pereira, o seu celebrado folheto declaracao, com
certeza ainda nao dase aos aeus ntimos o estado
em que elles ihe foram devolvidoa .'
Sc eacruruloa de conaciencia que noa respeita-
moa.
Opportunamente, contaremos nma historia de
um fusco Jos Gabriel, que tanto ae tem avanta-
jado ua queato d'aquelles amigos ; e que j foi
proceasado, por ter paasado para o lado da epstola
certas quantiaa recolhidas pelas csllectoriaa do in-
terior !
J que Smc. foi metter-se em Salve Eainha,
alheia, justo que saia gaendo e chorando.
No seguinte artigo responderemos ao que publi-
cou Epaminondas neate Diario de 25; e, para
adianUr expediente, dizemos desde jaque o Aviso
citado pelo articulista de 11 de Fcvereiro de
1850, e nao de 17 e qae o aeu contedo nao tem
absolutamente relaco com a materia em discus-
ao, o que nos faz crer que : ou Epaminondas nao
diger bem o que lea, oa citoa de oativa.
M. i.
Assembla Provincial
Sob a rubricaA negocio de sanccSo do orna-
mento provincial\i no Diario de 28 do corrente
o seguinte trecho, qae fes alterar a verdade do
facto, que ae passou na Assembla Provincial, Te*
nho rectificar.
Eis o tpico :
E o que valcm ns autorisacoea, de qae fas cabe-
dal a Provincia, em face de tantas e tao peni
cioaaa reaolucoes imperativas ? Pode iaao, em boa
e aa poltica, er considerado como prova de con-
flanea ?
i
f

">
nm
Wbw
J HUTRADO


Diario de Pernambaco Sabbado 31 de Jullio de 1886
A Provincia sabe perfeilamente que assim nao | Para abater-se no conceito publico, esse
, poia croe os seus amigo, quando se tratou na deseracado nlo treprdoo em apreseotar-me
AsaemMa de tirar do ornamento os enxertos que ~ nnlitM /aahnnaa*n f.~k^n.
>

'
Ihe foram feitos, para constituirem projectos sepa-
rados, votaram contra eaarn medida, conseguirn)
O seu intento, gracas 4 maioria eventual que obti-
veram na occasiao, auxiliados como foram por al-
. auiu, felizmente poucos, conservadores.
O engao, a que foi inducido Maniso pole-
mista que firmou o artigo, consiste as ultimas
paUvras gripbadas.
Assim nao exacto, que pouco* conservadores
auxiliassem aos liberaes, votando eontra o reque-
rimento em que o seu autor o Sr. Gomes Prente
soliciten da Assembla separar do orcamento pro-
vincial os enxertoi.
Se piucos conservadores houvessem votado con-
tra o requermeu,to, nao obstante os votos contra-
rios dos liberats, elle teria sido apprevado.
A' sesaao de 14 do corrente, em que foi votado
o alludido requerimeiito, compareceram trinta de-
pntados, sendo dez liberaes e vinte conservadores.
A' favor do rcquerimento votaram, apenas, seis
conservadores, o que se pode verificar de urna de
claracac de voto, que ellas mandaram meja e
foram os depotadosGomes Prente, Domin/us
da Silva, Costa Gomes, Vigario Augusto Frank-
lin, Herculano Bandcira e o abaixo assignado.
Arejeieao do requerimeato surprehendeu-mc.
Reoordo-me do seguinte incidente :
Aberta a discusso, orou o Sr. Visconde de Ta-
batinga, que em appelo ao r. Gomes Prente fez-
Ihe sentir a necessidade de ser retirado o reque-
rimento, por isso que provocara larga discusso,
que era de mo etTeit), ach m io-se a Assembla
ja prorogada pela 4* ou 5* vez.
O Sr. Gomes Prente, dispensando-me attencio
cousuitou-me respeito e commigo combinou em
insistir, como realmente o fez, declarando da tri-
buna, que nao retirara um requerimento, que se
lhe atigurava de alcance, desde que visava des-
prender do orcamento aquellas medidas, que nao
deveriam constituir parte integrante e sim resolu-
ces separadas; e, quu a ser retirado ou regeita-
do, ver-se-hia em embaracos a administracao sen-
do forcada ou a negar sanecao ao orcamento para
nao acceitar medidas talvez prejudiciaes aos in-
teresses pblicos ou a sanccional-o, tendo de exe-
cutar aquella medida, por isso que nao eram de
autorisaco.
Depois de orar o Sr. Gomes Prente, foi encer-
rada a discussao e posto a votos o requerimento.
Apenas seis conservadores votaranj favor sen-
do que o demais, emnumero de treze, se nao me
engao, votaram contra conjunotemeute com os
liberaes.
Sorprehendeu-mc o facto e porque afigurou-se-
me ter havido engao da parte dos meas correli- .
gionarios, ped na forma do Regiment, que se ve
como aai poltico deshonesto, attriboindo-
me sentimentos ignobeis, em que elle
capaz de inspirar-ae.
Sim 1 Confesao publica e aoleamemen-
te que fui iateressado com outros na con-
cebsSo da estrada de ferro Natal a Nova
Cjuz.
Fui a Londres, com capitaes tomados a
um banco onde tenho crdito, tratar uni
caraente desse assumpto que significava
um melboramento e beaeficio para minba
pro 'incia.
Digam o que quizerem, mas a verdade
que me dominava um sentimento nobra,
generoso e patritico.
Empenbei miabas economas, compro-
metti o meu crdito, sacrifiquei os meus
commodos, contrari! meus interesses, ar-
risque! o futuro de miabas irmas, para
quem nicamente vivo e para quem s-
mente trabalbo, tudo enviJei para dotar
minba provincia com um grand melbora-
mento, em cujas vantagens sempre acredi-
tei e ainda acredito, apezar dos erros cora-
mettidos em sua execucjto.
u tinha diante de mim os excmplos
que me derara os marquezes de S. Vicen-
te e o de Mont'Alegro, seDador padfe
Pompeu, Couto de Magalhaes e tantos ou-
tros. a quem nunca se contestou o mrito
de suas accSes e o patriotismo de seus
commettimentos.
Esse ente, entretanto, que tanto tem de
ridiculo, como de desprezivel, emprehen-
deu um dia urna viagem Europa.
Era levado all por um interesse incon-
fessavel, por seu sentimento ignobil, por
urna torpe especulado.
Ardia-lhe no cerebro o demonio da am-
biguo. Sem coragem para o trabalbo, so-
nhando um mundo de gozoB, imaginando
urna posicao commoda e farta, queria en-
riquecer custa alheia, farejando um ca-
samento rico.
Sempre repellido, sempre repudiado,
rificasse a*vofacao, o que se fez, sendo confirma-Icommetteu todas as indignidades e passou
do o resultado. 'por todas as huinilhago'ea..
Eis, pois, restabelecida a verdade. r -
Se procuro rectificar o engao, porque cum-
pre-me salvar a parte da responsabilidade que me
cabe.
Tendo votado por algumas emendas imperati-
vas ao orcamento provincial, o fiz sempre com os
protestos francos de em ocesiao opportuna, des-
tacal as d'aquelle projeeto assim eoncorrendo para
expurgai do urcameuto melidas imperativas que
podessem repugnar a sanecao presidencial j fir-
mando administracao a lib-rdade do sanecicnal-
as ou nao em resolucoes separadas,
Assim entend e a-saim votei. Outros, porm,
pensaran) e obraram de modo diverso, votando
sempre contra taes medidas, quando ellas eram
discutidas com o orcamento, e no entanto, mus
tarde votando para qus taes medidas enxerladas
continuassem a falca parte do projecto d-J orca-
mento e com elle fossem redigidas para tudo ser
presante sanecao presidencial !
Reeife, 28 de Julho de 1886
G. de Drummond.
----------------ssanatsfar---------------
O promotor publico de Igua-
rass ao publico
Fui eond'-mnadn, em audiencia de h ije, pelo ba
ebarel Telesco Salles, no grao mximo do art. 236,
combinado com outros artigos do Cdigo Cri-
minal.
O facto nao me causou sorpreza, uo s porque
j dito Salles havia aununciado que, eontra o dis-
posto na lei, me havia de condemnar, como por-
qu", tai o acodaiw'n'o c >m que o pjbre moco
costuma proceder, que ante-houtem lavrou a sen-
tenca condemuatoria e m'a fez intimar pelo escri-
vao Raudo ra, sem se lembrar do p.eceito legal,
qnant'j marcha dos processos policiaes.
Avisado lupus pelo referido escrivao de que
cahira em erro palmar, deu por desfeita a iati-
macilo e aguardju-se para hoje, dia de saas au-
du neias.
Qner o publico saber a rasao da descahida do
Sr. Telesco Salles?
Elle tema a chegada do Dr. Hisbello Florentino
cue estava marcada para aquello dia e ver-lhe
gir o passaro das mos seria horrivel dcccpcao!
Nao lhe convinha perder to boa monea de
pregir-me o dente e uai minuto paia ellr, dnate
de to negro phautesma, tinha o valor de um e-
culo.
A sentenca condemnatoria obra prima no
do na trma.
Seus considerandos fncarregaa-be d pr
falsidade do autoamento e, ainda mais, o pr
das duas testemunhas, mmhas inimigas !
J appellei e inuito breve publicarei a curiosa
sentenca e as ininhas raaies de appellacao.
Espero em Deus que o Sr. Telesco Salles ha de
encontrar justica no Superior Tribunal da Re -
lacio.
Confie muito e muito na honradez e ategridnde
dos venerandos magistrados, que compoem aquella
Tribunal; u nao fie-ario, cortamente, sem castig,
tantas injustijas c iniquidades, praticadas pelo
meu carrasco.
Iguarasa, 29 de Ju'.ho de 1886.
Francisco Xavier Faes Barreto.
P. S.Ao concluir o presente artigo, cabio-me
as ruaos a Provincia de hontem, na qual encon-
tr i um pequeo trecho, que muito me agradou.
No artigo sob a epij.aphe Comarca de Igua-
rass l-se a seguinte melgueira : Q acto do
Sr. Ignacio Joaquim fji urna i.ffrouta ao- governo
geral Se este tira de Iguarasa o>Dr. Amorim,
alias o menos culpado na desgrasada oceurrencia,
por consideral-o incoaipatibilisado de alli servir,
fizer voltar o promotor, erm duvida o mais culpa-
do, arcar contra o pensamento do governo cen-
tral.
luito bem Bonito J o Ilustre orgao li-
ral reconheve culpabilidade no sea prot gido
Dr. Auborim.
Por ora, eu sou mais e lie mpnos culpado ;
fc-eveineate a Provincia, quando tiver de bater o
Dr. Amorim, por loucuras praticadas em Pao
d'Alho, dal-o-ha, quasi certo como nico eul-
pado !
podre 4oo Manoel
AO DR. J0AQ1M NABCCO
Meus amigos devem comprehender quan-
ta repugnancia preciso vencer para sus-
tentar uma luta ingloria, a que fui arrasta-
do por constantes provoca ;3es de um insen-
sato, coberto de ridwulo e de lama, que tu-
do tem a ganbar e nada a perder, e qHe
tem feito da patacoada e do escndalo o
peiestal de sua triste celebridade.
Eatregando-se a hbitos puramente fe-
min8, iisaodo de papelotes, de cabella, fri-
sado e de pulseira, pareca que seus actos
estivessem de acedrdo com as delicadezas
do sexo, que se esforja por assimilar; e
entretanto nos seus assomos de vaidade,
consi ierandj se o raaior vulto do seouio e
O lu-oe.n mais bello do mundo, atira-se
energHmeno contra seus adversarios, ferin-
do todos os melindres e procurando cons-
puri.ar todoz os caracteres.
F.' assim que, s havendo entre nos mo-
tivos da desprezo reiipro^o, teve a petu
lancia de atacar-me varias vezes gratuita
e violentamente, entendendo sem duvida
que eu me acobardara diante de seus re-
petidos golpes.
:, Esse insolente nao quiz comprehender
que s no empenho de evitar: lutas pes-
soaes, deixei de acudir s suas primeiras
provoca^Ses ; e traduziado por modo a pru-
dencia em que me inspirava, cada vez
ais amdeu contra mim o faoho de sua
olera, como se o fdator d urna eleic3o
dispozene do juizo da commitsao e do vo-
to da cmara.
Sua figura esbelta e gentil, com que
acreditou poder fascinar um espirito culto,
nobre e altivo, tornou se asquerosa e re-
pugnante.
Corren Scja e Mcc:a, sem achar cota
53o as prac^is onde pretender vender-se,
representando sempre o papel de cavalhci-
ro de triste figura.
Consumia-o atrozmente fogo interno e
devorador.
Redemoinbava-lhe n'alma cheia de vai
dade e sedenta de riqueza sem trabalbo,
um infera ^ de coatrariedades e de doloro-
sas decepgSes.
Sua natureza metalisou se.
A ganancia tornou-se seu uoico estimu-
lo, o ouro sua mais ardeuta aspirajHo, o
casamento rico a grando preoccupac2o de
seu espirito.
Como que desilludido de arranjar bom
negocio por esse meio, metteu-se a abol,
cionista.
Fez de^sa dea nobie e generosa nova
tonta de indigna exploracao.
Enxovalhou o nomo da patria, apre-
seotando a aos olhos do estrangeiro como
um paiz de selvageos e de barbaros.
Desacreditou o Brazil, exagerando as
secnas da escravido, deserevendo-as com
as tintas mais negras e pintando-as com
cores aterradoras.
Um simples facto solado, que s por
excepcSo aontece. servia do tremendo oa
pitulo de diffama55o contra a trra de seu
proprio berco.
Filho desnaturado, sem cntranhas, sem
alma, sem coracSo, apunhalava sua m3i
patria, fernd)-a na sua honra, amesqui-
ii- drstns, smente para con-
! bridad*, recebendo epbe-
ii<'S, que lhe aram tribu
ju il-s i.'i'suijs que mediam
rjh i da vileza de seu carcter.
s ruinas moraes de sua patria
ii '. Dr. Joaquim Nahuco erguer
ao -i igeiro 8 pe testal de sua gloria !
sforeo vao O Brazil ainda vive cer-
cado de prestigio, seu nome ainda fulgura
no estrnngeiro eircumdado de gloria, seus
crditos anda se conservan firmes e ina-
balavis, a> passo que o ridiculo aventu-
reiro, pisando novamente o seu solo, est
condemnaio a viver de expedientes, lan-
cado nos bracos da molecagem e despre-
zado pelos homens de bem.
Padre JoO MANOEL.
{Jornal do Commercio, de 14 de Julho.)
Agua Elrlda de Marrar fc Lanman
03
Os perfumes compem a parte potica, a verda-
deira poesia do toilet, e as senhoras de elegancia
e refinados gostos sao de ordinario maii ou menos
fastidiosas o dificultosas de contentar, relativa-
mente a escolha destes artigos.
As bellas habitantes da America do Su!, as
quaes sao perfeitas conhecedoraa de taes objectos,
teem dado para mais di 20 anuos esta parte,
uma deesssiva preferencia k esta refrigerante o
odorfera agaa para o touesdor. Ella tem sido fa-
bricada quasi que exclusivamente para o consumo
da America Central e do Sul; porm bem pouco
tempo ha que oeste paiz se fez a descoberta da sua
avantajada superioridiide sobre os perfumes de
ama qualdade imperfeita e demasiadamente op-
pressivos importados da Europa ; em consequeneia
pois, deste novo augmento em seu consumo, os
prsprietarios estao empregando todos os seos es-
forcos afim de satisfactoriamente supprirem to
vasto pedido.
Alm de suas muitas virtudes, em qualidads de
nm delicioso e vivificante perfumo olla torna-sr,
quando misturada n'uma pouca d'agua, uma ex-
celleote preparaco para a pelle ; assim como pode
servir emo uma dmiravel lavag-m para o tes e gengivas, deixando um gradare 1 e aromti-
co ebeiro na boeca.
Cono oabaktia contra as falsificaooes, obsrve-
se bem que os nomes de Lanma* Kemp venham
estampados em lettras transparentes no papel do
livrinho que servo de envoltorio cada garrafa.
Acha-ie venda em todas as boticas e lojas de
perfumaras.
Agentes em Pernaraboco, Henry Forster C,
ra do Commercio n. 9.
^O Xarope de Vida de Benler. IV. 9,
o grande purificador do sangui remedio do sca-
lo para limpar e purificar o systema. Enoontra-s*
na saliva, no suer, no leite, no sangoe e na urina,
aeia hora depois da primeira dose, mostrando as-
sim qus entrn na crcalaoao o invadi todas as
partes do corpo. Extenama para sempre o virus
da eyphilis, da esarofula, do^eaucro e do scirrb.",
sea te^Tris venenos do ssagu^us dsfarman o
cxrpo e aniquilam o machiniemo da vida.

N. Vt. Atteato ter empregado cora van-
ajosos resultados em doentes de tubercu-
loso, pulmonar, em raiuha casa de saude, a
Emuls&o de Scott oleo de figado de bsca-
Iho com bypophosphitos de cal e soda.
O referido e vcidade e o juro m fide me-
oi.
Ito do Janeiro/ 15 de- oaabro de 1884.
Dr. J. Tavano.
O Dr. Prxedes Pitanga vem declarar ao Illm
Sr. coronel Finza e aos demais Srs. que tem casa
de vender bilhetes, que os bilbetes que elle decla-
rou desasppnrecidos do corroio foram apenas re-
tardados e se ucham entregues a quera os mandou
comprar.
VH de Julho de 1886.
Escada
A fim de restabelecer a verdade e para que nao
possa haver equivoco algum, torna-so indispensa-
vel declarar, que por engao da redaccao do Be-
bate foi mencionado o nomo, do Sr. Antonio Jacio-
tho, relativamente a uma p.hlicacao feita naquel-
le jornal de sexta-feira 23 do corrente.
S a um equivoco pedem -s attribuir semelhante
engao, pois nao era a este prestimoso e sincero
amigo poltico a quem aquella pablicacao se refe-
ria, mas sim a Deodato Monteiro, assaz conhecido
n'csta cidade da Escuda.
O vel/io Birro.
Ao publico
0^abaixo assignado faz ocente qne ninguera fa-
ca negocio ou transaccao com o Sr. Miguel Ar-
chaujo da Silva, em nome da firma finheiro &
Silva.
O abaixo assignado protesta por easss transac-
eoes e nao se respousnbilise p >r ellas.
Barreros, 22 de Julho de 1886.
Antonio dos Santos Pinheiro.
Exposico Sul Americana em
Betiim
APPELLO AOS PHODCTOEBS DE PEENAMBDCO
A commissSo abaixo assignada, incum
bida pela presidencia da provincia de or-
ganisar uma certa copia do productos na-
turaes, industriaes e artsticos que posaam
cora vantagem representtar a provincia na
grande Exposicao Sul Americana, que se
tem de roaliaar era Berlim no dia Io de
Setembro prximo futuro ; serve-se hoje
da imprensa p-ra fazei ura appello a todos
os productores de Pernambuco, e, em g3-
ral, a toda a populacao da provincia, com
o fim da pedir-lhes que corrospondam, do
raelhor modo que puderem, as bons dse
jos nSo s da commissao como do goveruo
e do Cenro da Lavoura, anxiliando a dita
commissao na acquisigao dos alludidos pro-
ductos.
O presente appello extensivo a todas
as classes da nossa sociedade, e dirige-se
em grande parte as senhoras pernambuca-
nas que trabalham em flores, tapecarias e
toda a ordem de bordados.
A commissao, dispondo de muito pouco
tempo para a sua tarefa, pede a todos os
que desejarera exoor os seus trabalhos ou
productos, que os remettam, cora as devi-
das indicacSes, para o estabelacimento do
Sa. Joseph Krause & C, ra Primeiro
de Marco n, 6, e isso at o dia 10 de Agos-
to viudouro.
Conscia de quo ser ouvido o seu appel-
lo, a commissao desde j agradece a todos
aquellos que se dignarem auxilial-a
Recite, 23 de Julho de 7886.
Viscondo da Silva Loyo.
Barao de SerinhSem.
Antonio Gomes de Miranda Leal,
Jo5o Fernandes Lopes.
Joseph Krause.
Jos Fiuza de Oliveira
Andr Maria Pinheiro.
Dr. Gergueira Leite
MKDIL'O
Tem o seu eseriptorio a ra do Mrquez da
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da carde, e desta
hora era diante em aua residencia ra da San-
Cruz n. 10. Especialidades, molestias de s-
hura e criancaa.
C, HeiiiinanD
Usinas de cobre, iatao o bronze ee d
Golitzer fer n. 9. Berlim S. O.
Espeealidade:
Construcfo de machi-
nas c apparelhos
parafaoifcas de assucar, destilla93es e re-
finacoes cora todos os aperfegoamentos
modernos.
DSTALLAgAO DE:
Engenhos de assucar completos
Estabelecimento filial na Havana sob a
mesma firma de C. Heckrnann
C. e San Ignacio n. 17.
Lnicos representantes
Haupt Gebru'der
EIO DE JANEIRO
Para informacoes dijijamse ai
Pohliiiaii &C
LIO
Oculista
n
Dr. Barreto Sampaio, medie ocu
li^ta, ex-chefe de clnica do Dr. de
Weeker, mudou seu consultorio, do 2.
andar da casa n. 45 a ra do Bario da
Victoria, para o 1. andar da casa n.
51 da mesma ra. Consultas de meio
dia s 3 horas da tarde. Residencia
ra Sete de Setembro n. 3 A.
1
Licor depurativo vegetal iod?^
DO
Medico Quinte!la
Este notabilsimo depurante que vem precedi-
do de to grande fama infallivel na cura V todas
as doencas syphiliticas, scrofulosas. rheumaticas
o de pello, como tumores, ulceras, dores rheumati
cas, osteocopHS e nevralgicas, blenoorrhagias agu-
das e chronicas, cancros syphiiiticos, inflamraa
ooes visceraes, d'olhoe, ou vicios, garganta, intes-
tinos, etc., em todas as molestias de pello, simples
ou diathericos, assim como na alopecia ou qa-da
do abetio, e as doencas determinadas per aatu
racao mercurial. Do-ae gratis folhetos onde se
encentram numerosas experiencias feitas eom este
especifico nos bospitaes pblicos e muitos arresta-
dos de mdicos e documentos particulares. Faz-se
descont para revender.
Deposito em casa de Faria Sobrinha & C.
Boa do Mrquez de Olinda n. 41.
Dr. Carneiro Leo
MEDICO
Tem o eeu consultorio e residencia ra
Livrawento n. 31. Io andar. Consultas de 11 ht.
ras da manha s 2 da tarda. Chamados por es-
eripto a quxlquer hora. Espccialidade :febres,
parios e molestias de criancas.
flfcxc:
"CT!^^-**3C
Oculista
Dr. Ferteira da Silva, con-
sultas das 9 ao- meio dia. Resi-
dencia e consultorio, u. 20 ra
Larga do Rosario.
Conullorio medico-eirirgict
O Dr. stevn Cavalcante de Albuquerque con-
tinua a dar cnsul ta uiedioo cirurgioas, na roa
do Bom Jess n. 20,1" andar, de meio dia s 4
horas da tarde. Parase demais eonsulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, l8 andar.
s. :! 11) i.'. i. : 1> consultorio 95 e residencia
126.
Especiaidades Partos, molestias de exeacas,
Nd'nltt taseus annexos.
Escola particular {1
Mara dos Anjos Dornellas Cmara,
piofcssora particular, contina a lec-
cionar, na casa de sua residencia ra
Duque de Caxias n. 70, 2' andar, as
materias que conslituem a instrueco
primaria, e os trabalhos de agnlha e
bordados. O exercicto d'este por espaco
de mais tres anuos um garante de
olas habilitacoes e espera merecer dos
pais de familia a subida honra de lhe
confiaren) suas filhas.
A' tratar na casa cima.
Dr. Cfiei Leite
Medico partelro e operador
Residencia ra da Imperatriz n. 48, 2.- andar
Consultorio ra Duque de Caxias n. 59.
D consultas das 11 horas da manha s 2 da
tarde.
Attende paca as chamados telephone n. 449 a
qualquer hora.
Dr. Fernandes Barros
Medico
Consultorio ra do Bom Jess n. 30.
Consultas de meio da i 3 horas.
Residencia ra da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
Cadeia Nova, Vidal de Negreiro, j Frei
Ao publico
Os abaixo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas industriaes e^rotulos'das
suas preparacSes na junta commeiciai do Rio de,
Janeiro de eonf nndade com as prescripcoes das
Ieis do imperio do Brasil, declrame participan)
aos interessados, qne como nicos proprietarioe,
tem dircito exclusivo de usar as marcas indus-
triaes e rtulos relacionados com manufactura,
fabricaco e venda das s-guimes preparares ;
Agua de Florida de Murray e Laman.
Tnico Oriental.
Peitoral de Anacahuite.
Pastilhas Vermfugas de Kemp.
Oleo de figad de bacalho de Lanman & Kemp
Emulsao de oleD de figado de bacalho com hy
pophosphites, de Lanmam & Kemp.
Salsapamlha de Bristol.
Extracto Ipplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento d aveleira mgica de Bristol,
e que, portento, perseguirao a todos os falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas industriaes e
rtulos, procurando quo sejam castigados com toda
a severidade da lei.
Tambem acautelamos o publico contra todos
aquelles que intentan) substituir as nossas prepa
racoes cima mencionadas om artigos falsificados
que levam rtulos ou marcas industriaes que imi-
tan) as nossas.
Lanman & Kemp.
EDITES
e Assembla.
Edita! n. 2
0 administrador do Consulado Provin-
cial, faz publico a quem intereasar possa,
que em -cumpriment da portara n. 36 ex-
pedida em 24 do corrente pelo Illm. Sr.
Dr. inspector do Thesouro, ser effectuada
por esta reparticao, no espaco do 30 das
uteis, oontalos da data pr-sente e livre de
multa, a cobranya, conforme a relagSa in-
fra, daB'onnidudes e mais servicos d
Reeife Drateage Corapany relativamente ao
2. semestre do exercicio de 1885-J886.
Consulado Provincial de Pernambuco,
27 de Julho de 1886.
Francisco Amyntas da CaroaJho Moura.
BELAAO a Ql"! ps-L spra
/
Mrquez de Alt res
Cabra I, Commercio. I ba Tor-
res, Thom de Souza. IX M tn d Souza,
Vigario Tenorio, B rreto M neaos, Mj-
riz e Barros, Burgos, A o iri a, Hoeda
Tuyuty, Companhia P rna tbaoaaa, Madre
de Deus, Domingos Jos Martios, Masca-
tes, Restauraso, D. Maria Cesar, Viscon-
de de Itaparica, Pbarol, Anal, S. J^rge,
Vital de Oliveira, Guararapes e Barao do
Triutnpho.
Prnca8 e traveesas:
Assembla, Chaco, Pedro I, Vigario,
Madre de Deus, Campello, Domingos Jos
Martins, para o Corpo Santo, Antigo Porto,
Bom Jess, Areal, para a Fundi^ao, Occi-
dente, Guararape* e Praga de Pedro I.
Beccos;
Abreu, Noronha, Largo, Pindoba, Ta-
pado e Paachoal.
Largos :
Alfandega, Corpo Santo
Caes:
Companhia, Bruna e Apollo.
Freguezia de Santo Antonio
Ras :
Imperador, Primeiro de Marjo, Duque de
Caxias, Cabug, Bar3o da Victoria, Trin-
cheiras, Laranjeiras, Larga do Rosario,
Estrcita do Rosario, S- Francisco, Jo3o do
Rgo, Ilh de Canvalh, Roda, Patos, Ca-
lattoujo Velbo, Santo Amaro,' Mathias de
Albuquerque, Paz, Paulino Cmara, Fogo,
Livramento, Peritoa, Visconde de Inha
ma, Pedro Affouso, Nova da Praia, Mar-
cilio Dias, ViracSo, Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, Santa Tbereza, 24 de
Maio, Palma, Mrquez do Herval e Ca-
deia Nova.
Caes :
22 de Noverobro.
Praca:
Pedro II.
Travessas :
Queimado, Cruzcs, Mrquez do Reeife,
Ra Bella, Quarteis, Calaboujo, Expostos,
Matriz, Flores, Carino, Bomba, Livramen-
to, Arsenal, 1. e 2.* travassas da Praia,
Caroereiro, S. Pedro, ViracSo, Lobato,
Beeco do FakSo, Pocinho e Concordia.
Beccos:
Travesea da Ra Bella, Calabouco, Ma-
triz, 1., 2." e 3. beacos da Gamboa, Fal
cao e 1. e 2. da Cadeia Nova.
Campo :
Princesa.
Largos :
Paraizo, Carmo, Penha, S. Pedro e Pra-
ceta.
Freguezia de S. Jos
Ras:
Marcilio Dias, Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, S. Joao, Palma, Mrquez
do Herval, 24 de Maio, Dias Carduzo,
Pawo da PaU-i*^ Padre Nobrega, Victoria,
Hearique, Dique, AssutnpoSo,. Demingos
Tbeotooio, Padre Florano, ChristovSo (Jo
lorabo, Jardim, Forte, Antonio Henrique,
Nogueira, Santa Cecilia, SaBta Rita, Nava
de Santa Rita, S. Jos, Praia de Santa
Rita, Pescadores, Ypiranga, Imperial,
Praia do Forte e Luiz de Mondonga.
Travessas :
Maityrios, Ramos, Pocinho, CaJdereiro
G*z, Fortrt, Prata, Serigado, Copiares
Ra Azul, Santa Rita, Praia do Forte, S
Jos, Peixoto, Matriz de S. Jos e Lima
Beccos :
Palma, Caldcreiro, Gaz, Assumpgao, 1."
becco da ru3 de Santa Rita e Matriz ds S.
Jos.
Largos:
Forte e Mercado.
Freguezia da Ma Vista
Ras:
Irr-.peratriz, Concaigao, Visconde de Pe-
lotas, Tambi, Capibaribe, Ponte Velha,
Conde da BSa Vista, Riachuelo, UniSo,
Saudade, Sete de Setembro, Hospicio, Ca-
mar2o, Rosario, Gervasio Pires, Atalbo,
Socego, Principe, Santa Cruz, S. Goncalo,
Coelhos, Hospital Pedro 2.", General Sea-
r', Coronel Lamenha, Alegra, Lea o Co-
reado, Bar2o de S. Borja, Soledade, Vis-
conde de Goyanna e Attraccao,
Travessas:
Gervasio Pires, Atalbo, Coelhos, Barrei-
ras, Veras, Quiubo, JoSo Francisco, Man-
gueira, Campia e Palacio do Bis'po.
" Prajas :
Conde d'Eu e S.nta Cruz.
Largo:
Campia.
Becco :
Coelho.
O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, juiz de
direito do civel desta cidade do Reeife da
provincia de Pernambuco, por Sua Ma-
gestade o Imperador, a quem Deus
guarde, etc.
Fa?o saber aos que o presente edital virem em
como por este meu juizo se ha de arrematar a quem
mais der fiados os dias da lei:
Tres prelos de typographi -, s^ndo um prelo
grande de n. 4,000, avahado por 300.
Um outro prelo menor de n. 4,03* em mo esta-
do avallado f-or 150 J.
Um outro prelo n. 233, tambem em mo estado,
avahado por 100.
Sendo os dous primeros americanos, c todos el-
les com as competentes ramas, penhorados a firma
lulhert & C, por execucao de Joaquim Manoel
Perreira de Souza.
Toda a pessoa que em dito prelos quizer laucar,
o poder fazer nos dias da praca.
E pura que chegue ao conheeiinente d? todos,
maudei passar o presente que ser publicado e at-
fixado no lugar publico do ostume.
Dado c paseado n'esta cidade do Reeife do Per-
nambuco, aos 26 dias do mez de Julho de 1886.
Eu, Pedro Tertuliano da Cunha, escrivao, es
crevi.
Joaquim da Costa Ribeiro.
Juizo dos teitos da fa
zenda nacional
Etfcrivuo Reg Barro*
0 Dr. Alvaro Barbalho Uchoa Cavalcante Jnior,
juiz substituto dos feitos da fazen la deste pro-
viucia de Pernambuco. etc.
Paco saber a todos que o presente virem e delle
'iverem noticia, que no dia 6 do vinduro mez de
Agusto, pelas 11 horas da manha, depois da au-
diencia c parante este juizo se vcuder em praca
publica 03 bons seguiut/s :
Um sobrado de um andar e sotao interno, sito
ra dos Gutrarapcs n. 50, freguezia de S. Pr.
Pedro Groncalves, edificado em terreno foreiro de
marinha. um tanto arruinado, pertenceute aos
herdi-irod de Antonio Alves Barbosa, avahado
por 2:000000.
Urna ca-roya de oax5o o um boi muso, quo eo
acham depositados no poder de Autonio Joaquim
Moreira, dono da coebeira sita ra de Santo
Amaro n. 1, e que dever estar na porta da casa
das audiencias viste dos concurrentes mesma
praca, avahado tudo por 150$, pertencentes
Manoel .-"achoco da Assumpcao ; sendo todos os
b--es cima mencionados levados praca por exe-
cucao da f.tzenda nacional.
E para constar mandei passar o presente edital,
que vai per mim assignado
Eu, Jos francisco do liego Barres, escrivao,
o escievi.
Alvaro B. Ueha Cavalcante Junio*.
Juizo dos feitas da fazenda na-
cional
ENCriio Reg Barros
O Dr. Jos Manoel de Preitas, desembargador ho-
norario, i tUcial da imperial ordem da Rosa e
juiz privativo dos feitos da tazenda desta pro-
vinci i de Pernambuco, etc.
Faco saber a todos que o presente virem e delle
tiverem noticia, que no dia 6 do vindouro mez de
Agosto, pelas 11 horas da manha, depois da au-
diencia o peranto este juizo, so vender em praca
publica os beus seguintes :
Uma casa terrea de tijolo e cal, site ra dos
Pocos, na freguezia de Afosados, com um sitio
contendo ps de coqueiros e outras arvores fruc-
tferas, dous viveiros de criar peixes, grande ter-
reno de plantacao e pasto, pertencente a Manoel
Duarte Vioira, avahada por 1:000$.
Uma casa terrea de tijolo e cal, de porta e ja-
nella na frente, sita travessa do Lima n. 5,
rna Imperial, fieguezia de S. Jos, pertencente
aos herdui-os de Munsel Perei.a Magalhaes, pelo
valor da 7504, por quanto foi adjudicada tazen-
da nacional, sendo todos estes bens vendidos por
exocacao da fazenda nacional contri- os meamos.
E para constar, mandei publicar o presento, em
que me assigno.
Dado e pasando no sartorio dos feitos da fazen-
da nacional, aos 28-do Julho de 1886.
Eu, Jos Francisco do Reg Barros, escrivao,
o escrevi.
Jos Manoel do Freitas.
Ediial ii. 10
1* prara
De ordem do Hit. Sr. inspector, se faz publico
que amanhi, 31 do corrente, s 11 horas do dia,
ser vendida em praca no trapiche Conceicio,
uma caiza sem marca, viuda de New-York no va
por americano Merrimack, entrado em 19 de No-
ve-toro do anno passado, contendo duas lates cm
kerosene, pesando liquido 30 kilogrammas, a qual
uio conste do manifest.
3 eccao da alfandega o Pernambuco, 30 de
Julho de 1886.O chtc,
Cicero B. de Mello.
DECLARARES
O Dr. procurador dos feitos d faxenda provincial
t.ndo recebido do Thfsouro Provincial a rea
efto abaixo transcripta dos contribuiotes de im-
posto da decima do exereieio de 1884 a 1885 da
freguezia de Afogados que deixnram de pagar
o mesmu imposto no tempo competente, decla.a
aos mesmos contribnintes que lhes fica mareado
o prajo de 30 dia, a contar da publicacao do
presente edital, na oonformidade do dispoeto no
art. 53 da lei n. 891, para roeolherem a impor-
tancia de seas dbitos ao Consulado Provincial,
certos de quej nudo o referido praso, se procede-
r execntivamense a eobranca,
Reeife, 24 de Julho de 1886.
O procurador dos feitos,
Miguel Jos de Almeida Pernambuco.
Relaeo dos oevedores da decima da treguia de
Afugados do xercicio de 1884 a 1885, que
deixaram de pagar.
Oequi a Jaboatao n. 235. Joao Luis
Vianna e outros 40^4 i
Castello n. 5. Joo Machado Evange-
lista W*
Setubsl n. 2. Joao lluptfowno Ac-
""cioly
Travessa da Estrada Real da Torre
n. 3. Jio Ribeiro Pesada
Peeos n. 20. Joo Teixeira de Souxa
Lima
lequi a JaboMtio n. 153. Joaquim de
Almeida Qucirez
Dita n. 155. O laesmo
Uitan. 157. O mrsmo
Coaceieao n. 15. Joaquim Alves Dia
Estrada do Rio n. 19. Joaquim Anu-
da da silva
Travessa dos Remedios n. 16. Joaquim
Candido Ferreira
Dita n. 18. O mesmo
Dita n. 20. O mosino
Dka n. 22. O mesmo
Dita n. 24. 0 mesmo
Dita o. 26. U mesmo
Dina n. 28. O mesmo
Osqui a Jaboatao n. 42. Joaquim Do-
mingues Ta vares
Travessa de S. Miguel n. 7. Dr. Joa-
quim Elvu-o de Vloraes Carvaiho
Dita n. 9. O mesmo
Di tu n. 11 O ersmo
Dita n. 13. O mesmo
Dita n. 15. O ineimo
Dita u. 17. O mesmo
Dita n. 19. O iLesmo
Direita n. 35. O mesmo
Castello n. 1. Padis Joaquim de Fa-
ria
Estrada Nova n. 74 A. Joaquim Fer-
reira Estevcs
Dita n. 99. Joaquim Ferreira Lima
Dita n. 101. O mesmo
Poyos n. 39A. Joaquim Ferreira
Netto
Mutocolomb n. 8. Joaquim Francisco
das Cbagas e Silva
(juiabo n. 56. O mesmo
Estrada Real da Torre n. 36. O mes-
mo
Estrada do Rio n. 13. O mesmo
Gequi a Jaboatas n. 245. Joaquim
Gomes Sarava
Dita n. 248. O mesmo
Dita u. 250. O mesmo
Dita n. 341 B. Joaquim Gomes Sa-
rava
Bemfica n. 54. Joaquim Jos Alves de
AJbuquerquo
Gequ a JaboatSo n. 224. Dr. Joa-
quim Jos Ferreira da Roana J-
nior
Dita n. 226. O mesmo
Dita n. 341. O mesmo"
Rosario n. 1. Joaquim Jos de Santa
Auna
Gequi a Jaboatao n. 50 A. Joaquim
Machado Lima
Dte n. 184. Joaquim Manoel do Oli-
veira e Silva
Estrada Real da Torre n. 3. Joaquim
Rangcl
Gsqui a Jaboatao n. 188 A. Joaquim
da Silva L )> .
Estrada Nuv n. 51. Joaquina Car-
neiro de Albuquerque Lacerda,
parte
Dita n. 55. A mesma
Dita n. 59. A mesma
Estrada Real da Torre n. 16. Joaquim
Eloy de Arantes_ Mendonca, parte
Estrada Nova u. 78. Joaquim Lacer-
da, parte
Estrada Real da Torre n. 9. Jorge Au-
gu'.to Roth
Largo dos Remedios n. 63 Jorge Pinto
Estrada doBongyn. 86. JovinoFran-
cisco da Silva
Quiabo n. 35. Jos, filho de Isidora
S- Miguel a. 124. O mesmo
Dita n. 111. O mesmo
Imberibeira n. 24. Jos de Albuquer-
que Mello L y illa
Dita n. 26. Oinesmo
Estrada Real da Torre n. 29. Jos
Benevides.
Gequi a Jaboatao n. 120. Jos da
CoQceico Figueiredo
S. Miguel n. 62. Jos da Costa Ra-
bello
Travesaa do Lucas n. 18. Jos Eles-
bao Borges Ucha
Bongy n. 2 A. Jos Emiliano M o-
reira
Dita n. 2B. O mesmo
Diteu. 2C. O mesmo
Bongi n. 2 D. Jos Emeliano Moreira
Pi IX n 1. Jos Franeisco Borges
Bi Miguel a. 11. Jit Franrisoo Ua
chado, parte
Bongy n. 8 A. Jos Francisco dos
PraZL-res
Bemf a n. 8. Jos Francisco de S
Le>to e herdeiros de Joao de S
Lei tio
Giqui a Jaboatao n. 341 G. Jos
Francisco de Souza Lima
Dita n. 341 E. Jos Joaquim de Cas-
tro e Silva
Dte n. 341 F. O mesmo
Imberibeira n. 16. Jos Joaquim Pe-
reira dos Santos
Ilh* de Bemfica n. 2 A. Jos Ja-
cintho Ribeiro
8. Miguel n. 133. Jos Joaquim da
Silva
Dita n. 149. 0 mesmo
Direita n. 80. Jos Luiz de Franca
Caldas
Estrada-Nova n. 61. Dr. Jcs Maria
Carneiro de Albuquerque Lacerda
Travessa de S. Miguel n. 23. Jos
Maria Pires Justo
Pocos n. 6 A. O mesmo
Dita n. 6 B. O mesmo
Dita u. 6 O. O mesmo
Dita n. 6 E. O mesmo
Estrada real da Torre n. 1. Jos Ma-
ria de Santa Anua
Dire:ta n. 41. Jos Pedro Velloso da
Silveira
Travessa do Motocolomb n. 2. O
mesmo
Conceicao n 21. Jos Pereira dos San-
tos
Motocolomb n. 32. Jos Pereira da
Silva
Travesaa de Uch6a n. 6. Jos Pe-
reira Vianna
Dita n. 8. O mesmo
Direita n. 54. Jos Ribeiro de Mo-
racs e Silva
Giqui a Jaboatao n. 347. Jos Ro-
drigues dos Santos Jnior
Dita n. 102. J s Ribeiro Guimoraes
. Miguel n. 5. Jos Rufino Carvaiho
e Silva
Conceicao n. 1. Jos dos Santos
Silva
Giqui a Jaboatao n. 265. Jos Seve-
ro Ferreira
Estrada real da Torra n. 8 A. Jos
Baptsta da Silva e Almeida
Bom Gosto n. 2. Jos Tavares de
Azevedo
Etrada real da Torre n. 18. Jos
1 eixeira Bacellar
Giqui a JaboatSo n. 96. Jos Vieira
de Lima
Dita n 98. O mesmo
Motocolomb n. 4. Josepha Elvira
Rodrigues Ribeiro
Estrada Nova n. 78. Josepha Florenti-
na, parte
Dita n. 82. Josepha Lacerda, parte
Dita n. 57. A mesma, p-rte
Dita n. 59. A mt-sma, parte
Rosario n. 2. Josepha Maria do Espi-
rito Santo
Bongy n. 12. Josepha de AlmeMa
Mello
Estrada Nova n. 82. Julia Maranhio,
parte
Dte o. 78. A nossas, parte
Dita n. 57. A mesma, parte
Dita n. 59. A mesma, parte
Segundo becco da travessa dos Reme-
dios n. 2. Justino Pereira Alves
Din ita n. 18. Justino Pereira: de' Pa-
rias
Estrada real da Torre n. 34 B. Dr.
Leonardo Franci-co do Almeida
Dita n. 19. Leoncio Quiutino de Cas
tro Leo
Travesa d 8."Miguel n. 21 A. Leo-
poldo Jos Felippe Santiago
Dilan.1M'B. O mesmo
Estrada de Rio n. 32. Libanio Ca-
dtd Kibeiro
7flS
IM360
6*180
6*180
6*180
7*416
12*360
24*721
7*416
7*416
41*202
8*652
7*416
4*944
7*416
tl*:24
2*472
2*472
2*472
8*472
2*472
2*472
2*472
25*751
6*180
14*832
14*832
7*416
8*652
9*888
9*888
24*721
15*450
4*944
4*914
4*944
6*180
30*901
7*416
61*803
24*7*1
.9*838
12*360
8*652
8*652
7*416
1*081
1*236
2*292
12*711
1*201
14*832
7*416
7*416
9*888
8*652
14*832
24*721
12^360
7*416
14*832
9*888
8*652
4*944
l'J-li
4*944
4*944
24*721
1*181
3*708
61*803
6*180
4*944
4*944
4*944
30*901
7*416
6*180
12*360
15*450
9*888
6*180
6*180
6*180
7*416
11*124
30*901
21*011
12*360
9*888
3*708
1*708
61*803
24*721
13*360
12*360
15*450
6*180
7*416
24*721
9*888
7*416
17*304
1*901
7*7*4
9*472
4*657
6*180
12*360
7*724
1*404
2*472
26*255
7*416
15*450
20*601
19*450
srsos
3*108
304901
1
ILEEnVEL


Diario de PernambucoSabba do 31 de Julho de 1%6
Louren-
de

de
Estrada de Jaboatao n. 5 A.
co Gomes de Oliveira
S. Miguel n. 151. Loureneo Jos
JJigueiredo .-
Dita n. 153. O mesmo
Motocolomb n. 2->. Lucinda Mana
de Albuquerque _
Estrada de Jaboatao n. 228. Luis
Bernardo da Bocha Caatello Branco
Dita n. 252. O mesmo
Dita.n. 202. Luiz da Conceico Al-
buquerque
Dita n. 204. O mesmo
Dita n. 206. O mesmo
N. 206 A. O mesmo
G. a Jaboatao n 206 B. Luis da Con-
oeico Albuquerque
Dita n. 206 C O mesmo
Conceico n. 3. Luiz Eduardo de Hoi-
landa
Dita n 5. O mesmo
S. Miguel n. 63. Dr. Luiz Emygdio Ro-
drigues Vianna ..
G. a Jaboatao n. 76. Luiz Jos de Al-
E.'sSwTiat Luiz Jos Antonio de
BomeGosto n. 9 Luiz Liger Voutier
Motocolomb n. 60. Luisa Amnela Tei-
E. K. da Torre n 7 C. Luiza Maria da
Conceico
E. Nova n. 2 A. A mesma
S. Miguel n. 101. Manoel do Amparo
E. Nova n. 120. Manoel Antonio do
Espirito Santo
G. a Jaboatao n. 319. Manoel Antonio
M.galhes ...
S. Miguel n. 7. Manoel Bernardes Al-
ves
Dita n. 9. O mesmo
Ditan. 69. Manoel Candido de Albu-
querque
Dita n. 89. O mesmo
Dita n. 91- O mesmo
E. Nova n. 49. Manoel Carneiro
Souza Lacerda
Dita n. 53. O mesmo
Dita n. 59. O mestne (parte)
Direita n. 28. Manoel de Carvalbo
Maura
Dita n. 68. O mesmo
Dita 72. O mesmo
Motocolomb n. 2. O mesmo
Dita n. 23. O mesaio
Dita n. 27. O mesmo
Bom Gosto u. 15. O mesmo
S. Miguel n. 10. O mesmo
S. Miguel n. 10 A. Manoel de Carva-
lho Moura
Ditan. 27. O mesmo
Travesa de S. Miguel n. 2. O mesmo
Dita n. 18. O mesmo
Dita n. 1. O mesmo
Dita n. 25 O mesme
Quiabo n. 52. O mesmo
Gamelleiran. 38. O mesme
Giqui a Jaboatao n. 75. Manoel Cor-
deiro de Medeiros
Dita n. 77. O mesmo
S. Miguel n. 162. Manoel da Costa
Estrada real da Torre n. 51. Manoel
Elias de S4
Dita n. 53. O mesmo
Giqui a Jaboatao n. 260. Manoel Fal-
ca de Menezes
Travessa de Motocolomb n. 9. Ma-
noel Ferreira Esccvar
S. Miguel n. 106. Manoel Francisco
de Carvalbo Paaa de Andrade
Giqui a Jaboatao n. 172 A. Manoel
Francia da Silva
Dita n. 172 B. O mesmo
Dita n 172 C. O mesmo
Dita n. 172 D. O mesmo
Dita n. 172 E. O mesmo
Dita n. 172 F. O mesmo
Dita u. 233. O mesmo
Pocos n. 16. Manoel Francisco Xavier
Travessa dos Remedios n. 1. Manoel
Avila
Estrada Novan. 11. Manoel de Jess
Jordo Caldeira
Dita n. 17. O mesmo
Viveiro n. 5. Manoel Joaquim
Dita n. 7. O mesmo
Dita n. 9. O mesmo
Imbiribeira n. 10. Manoel Joaquim
dos Passos
Dita n. 12. O mesmo
Qaiabo n. 78. Manoel Joaquim
Silva .. ,
Giqui a Jaboatao n. 115 E. Manoel
Jos de Almeida
Dita n. 115 F. O mesmo
Bom Gosto n. 26. Manoel Jos de
Araujo
Dita n. 28. O mesmo
Dita n. 30. O mesmo
Dita n. 32. O mesmo
Dita n 3i. O mesmo
Cacte n. 2. O mesmo
Direita n. 90. Maaoel Jos de Bastos
Mello
Dita n. 92. O mesmo
Bom Gosto n. 24. .Manoel Jos* da
Costa Cabral
Gieui a Jaboatao n. 220. Manoel
Luiz da Conceico
Ditan. 222. O mesmo
Motocolomb n. 26. Manoel Luiz
da
dos
74416
61180
94888
18J540
244721
24*721
44944
44944
44944
44944
44944
44944
94888
64180
74416
124360
74416
84652
114124
94888
84652
614808
74416
64180
124360
124360
74416
84652
74416
94886
94888
64470
144832
14*83*
144832
274193
12*860
9488
64180
114124
94888
124360
74460
84652
74416
244721
124360
244721
24472
34090
74416
224249
344609
244721
204601
244721
84708
347(18
34708
34708
34708
34708
64180
347(8
414202
124360
194776
64180
64180
64180
44944
184540
94888
124360
64180
44944
44944
44944
44944
44944
304901
184540
184540
84652
34090
34090
ttvtaa commerclal do Perraam-
buco
' RECIFE, 30 DE JULHO VE 188b.
As trea horas da tarde
,' tacfie* ofiaes
Accoea da companhia de Santa Therexa, do valor
de 504 a 424 cada urna.
Cambio sobre o Rio deJaueiro, 3 d/v. ao par.
Na hora da bola
Vendeam-se :
acetes da companhia Santa Thereza.
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. G. Aleoforado.
i *
REND1MENT0S PBLICOS
Mes de Julho de 1886
ALFANEGA
2a9~ 436:0344451
dem o. 30 18:1004524
Kzna raoviacuL
De 2 a 29
dem 'da 30
Total
CoaSCLiDO PBOVISCIAIi
dem de 30.
55:7054174
2:8734054
t*. 2 a 29
454:1344975
58:5784228
ROaS> DUiVNAQB
dem d- 30
-He 2 a 29
512:7134203
128:9584778
210*693
129:1694471
13:2954725
322308
13:6184038
Santos
Dita n. 15. O mesmo
Estaco n. 14. O Dirano
Dita u. 16. O mesmo
Bom Gosto n. 17. O mesmo
Travessa de 8. Miguel n. 50. Manoel
de Moura e Silva
Dita n. 52. O mesmo
Dita n. 54. O mesmo
estrada Nova n. 91. Manoel Moreira
da Silva S-intos
Conceico n. 13. Manoel Nunes de Oli-
veira
Direita o. 88. Manoel Olavo do Reg
Barros
Largo dos Remedios n. 57. Manoel de
Paulo Pinto Jnior
Dita n. 59. O mesmo
Dita u. 61. O mesmo
Travessa do Luca n. 2. Manoel de
Paula de Souza Rangcl .
Direita n. 8. Dr. Manoel Raymundo
de Oliveira Pinheiro
Dita n. 8 A. O mesmo
Estrada Nova n. 98 A. Manoel Ribeiro
Pesaos
Giqui a Jaboatao n. 35. Manoel Ro-
sas de Oliveira
Estrada Nova n. 25. Manoel Sabino
do Monte
Mocotolomb n. 51. Manoel Vieira Gui-
mares, pai e tutor dos menores Jeo,
Manoel, Antonio e Maria
Giqui a Jaboatao n. 186. Marcelino
Antonio Pereira
Ettrada Nova n. 66. Marciano Carnei-
ro da Cunha
Dita n. 68. O mesmo
Dita n. 12. Marcolino Rodrigues Pe-
reira Diniz
Dita n. 14. A mesis.
Estrada da Boa Viagem n. 2 Marcoli-
no Rodrigues Esteves
Gigui a Jaboatao n. 281. Mara An-
gela do Carmo
Mocotolomb n. 18. Maria Bernardina
Monteiro
Ilha de Bemfica n. 8. Maria Candida de
Menezes e outras
Estrada Nova n. 80. Maria do Carmo
Rodrigues Campello
Dita n. 112. A mesma
Dita n. 51. Maria Carneiro de Albu-
querque Lacerda (parte)
Dita n. 55. A mesma (parte)
Dita n. 59. A mesma (parte)
Dita n. 6 A. Maria Carolina de Arau-
Dita n. 78. Maria Cecilia (parte)
S. Miguel n. 60. Mara da Conceico
Rosario n. 8. A mesma
Giqui a Jaboatao n. 79. Mana da
(Conceico Figueiredo
S. Miguel n. 95. Maria Francisca das
Chacas
Giqui a Jaboatao n. 180 A. Maria Jo-
sefa da Conceico
Estrava Nova n. 57. Maria Lacerda
(parte i
Dita n. 59. A mesma (parte)
Dita n. 82. A mesma (parte)
lo becco da travessa dos Remedios n.
2. Maria Lorto B. de Campello
Dita o. 2 A. A mesma
Dita n. 6. A mesma
S. Miguel n. 122. Maria Magdalena dos
Praacri'D
Bongy n. 10. Maria do Monte Carnei-
co Campello
Giqui a Jaboatao n. 4. Maria do Xas-
cimento de Jess
Dita n. 269. Maria Rosa Gloria Fer-
reira
Dita n. 13. Maria Sebastiana Caval.
cante
Dita n. 21. A mesma e outra
Dita n. 15. A mesma
Dita b. 19. As mesmas
S. Miguel n. 74. Maria Theodora de
Mello
Largo dos Remedies n. 38. Mana Theo-
dora Cavalcante
Aurora n. 22. Martha Maria da Con-
ceico
Dita n. 24. A mesma
Dita 'i. 26. A mesma
Setubal n. 3. A mesma
Dita n. 3 A- A mesma
Giqui a Jaboatao n. 321. Miguel Ar-
chanjo de Mattos
Dita n. 139. Migael Baptista da Costa
Dita n. 139 A. O mesmo
Imbenbelra n. 1. Dr. Miguel Jjaquim
de Castro Mascarenhas
Dita n. 3. O me;mo
Dita n. 7. O mesmo
Giqui a Jaboatao u. 254. Miguel Paes
Barrete, 1/2
Direita n. 76. Miguel Rodrignes Este-
res
Largo dos Remedios n. 68. Miguel Ro-
drigues Pavo, tutor de Candida
Mocotolomb n. 29. M iraudolina Ma -
ria do Espirito Santo
Estrada Nova n. 2 B. Mirandolina de
Souza Rangel
Bemfica n. 30. Nicolao Jos Lidatone
Paz n. 36. Olindina Caudida de Amo-
risa
Castello n. 18. Paulino Antonio de
Souza
Travesea de S. Miguel n. 22. Paulino
Rodrigues de Oliveira
614803
304901
114124
114124
74416
74416
74416
74416
94888
244721
304901
74416
74416
74416
244721
374081
514502
84652
94888
144832
94888
144832
124360
84652
84668
44944
74416
224249
304901
94888
44944
14081
14236
14787
44944
14204
94888
124360
244721
74416
64180
24472
445%
74742
74416
7416
44944
124360
124360
94888
74416
74416
64180
64180
64180
94888
124360
154150
144832
144832
14832
12*360
44944
74416
64180
244721
44944
44944
94888
244721
74415
184540
94888
674983
84652
144832
64180
O mesmo
n. 13. Paulo Ferreira da
64180
Barras de ferro 47.. a Alian Paterson 4 C. 100
a W. Halliday <5t C-, 84 a Carioso de Irmo, 183 e
9 i feizes a Miranda & Souza, 80 e 65 a A. Silva
& C, 35 feixos a F. Guimaries & C.
Crrenles de ferro 7 barricas a Samuel P. Jo-
hnstou & C.
Canella 10 caizas a ordem.
Cofre de ferro 4 caizas a C. Sinden.
Cerveja 40 barricas e 24 caizas ordem.
Chapeos 1 caizo a A Oliveira & C, 2 a J.
Christiaui & C.
Carvo de pedra 105 toneladas aos consigna-
tarios.
Couros 1 volume ordem.
Cobre 43 volumee a F. Guimares A C.
Cha 4 grades ordem.
Conservas 27 eaixas a Rosa & Qaejroz, 10 a
Sulzer Kauffman & C.
Drogas 2 volumos a Faria Sobriuho & C, 1 a
F. Manoel da Silva & C.
Euzadas 3 barricas ordem, 18 a Sumu-1 P.
Jobnaton & C.
Estaiiho 4 barricas a F. Guimares fe C.
Estopa 12 fardos ordein,.10 a Julio & Irmo,
20 a Loureneo Gomes & C
Esteira 1 tardo a Manoel da Cunha Lobo, 12 a
F. G. do Amaral.
Fio 2 fardos a Ferreira Caseo fe Filho.
Folbaa de ferro 25 a F. Guimares & C, 8 a
Miranda & Souza.
Fer-agens 47 volumes a Cardoso & Irmo, 7 a
F. Guimares A U., 6 a Miranda & Sonsa, 5 a G.
de Mattos Irmaos, 8 ordem, 2 a N. Fonseca &
C, 16 a Samuel P. Johnstoo tC.,3t A. Rodri-
gues de Souza & C, 36 a W. Halliday & C.
Folbas de Fianares 60 cunhetes a Samuel P
Jobnston & C, 70 a G. de Mattos Irmaos, 2 a W.
Halliday &C
Formas para assucar 44 gigas a Cardoso Jt Ir-
mo.
Linha 75 caizes ordem, 20 a F. Launa & C,
lia Eugenio & Vieira.
Baste, Amorim & C-,
Dita u. 24.
Gamelleira
Paiio 254751
Estrada Novan. 116. Pedro Cavalcan-
te da Silveira Lina 144832
S. Miguel n. 11. Padre Pedro Gomes
Fernandos, (parto) 134560
Giqui a Jaboatao n. 68. Ponciana da
Silva Tavares 124360
Torre n. 16. Prescilla Silveira Ra-
mos das Chagas 204601
Motocolomb n. 55. Rita Joaquina
Aceioli Rosa 94888
Bom Gosto n. 33. Rita Mana de
Barros. 74 419
Est.ada do Rio n. 32 B. Rosa Candi-
da Goncalves Ferreira 504901
Giqui a Jaboatao n. 215. Rosa Feli- fj
ciana Galvo e outras 124360
Estaco n. C. Rosa Maria de Jess
MendoDca 74416
Dita n. 20. A mesma 74416
Motocolomb n. 11. A mesma. 22)4249
Giqui a Jaboatao n. 158. Rosa Ma-
thilde da Conceico 94888
Dita n. 157 B. Rufino da Fonceea
Baptista. 64180
Bita n. 157 C. O mesmo. 64180
ita n. 7. Rita Feliciana de Menezes 988.S
Dita n. 11. A mesma 4944
Dita n. 29. A mesma 44944
Primeiro Becco da Estrada Real da
Torre n. 1. Rita da Costa 64180
Direita n. 78. Sebastio Feliz Pereira
Caldas e outro 144832
Estrsd.i Real da Torre n. 13. Sebas-
tio Jos Cavalcante 104300
Giqui a Jaboatao n. 180 B. Senho-
rinha Tiburtina de Sima. 94888
Largo dos Remedios n. 40. Seraphim
Leite Pereira 124360
Qaiabo n. 64 Severino -Rodrigues da
Silva Campos 74416
Giqui a Jaboatao n. 100. Tertuliana
Mana da Conceico 74416
Quiabo n. 1 A Tertuliano Marques de
Mello 74416
Giqui a Jaboatao n. 48. Theodoro
Alves dos Santos 34708
Quiabo n. 38. Thereza Amelia dos
Prazeres 84652
Estrada Novo n. 78. Thereza de Jess,
parte 14204
Dita n. 57. Theresa Lacerda, parte 24472
Dita n. 59. A mesma, parte 44601
Dita n. 02. A mesma 74792
Pocos n. 13. Thereza Maria de Jess 04180
Dita n. 24. Thomaz Domingues Tava-
res 64180
Dita n. 26. O mesmo. 64180
Qaiabo n. 7. Urbana Maria da Concei-
co 74416
Bongy n. 2. Vicente Alves 94888
Becco da Estrada Real da Torre n. 4.
Vicente Joo da Costa Monteiro 8J625
Aurora n. 14. Dr. Vicente Pereira do
Reg 4142C2
Estrada do Rio n. 40. Virginio Rodri-
gues Campello 74416
Dita n. 42. O mesmo 244721
Ilha de Bemfica n. 14. Visconde do
Livramento 1243G0
Praia n- 2. O mesmo. 304901
Sesso do Contencioso do Tbesouro Provincial,
10 de Julho de 1886.
Manoel do Nascimento S. Basto*.
Arsenal de Guerra
O conselho de compras recebe proposUs no .lia
5 de Agosto, at s 11 horas da manb, para
compra dos artigos se quintes :
Bules pequ-nos, de Iouca,2.
Facas de cozinha, 5.
Funis de folha, 2.
Jarras de barros com torneira, 7.
Bicias de ferr-j estanbadas, 3.
Ditas de dito dito com jarros, 2.
Euzadas encabadas, 6.
Lavatorios de ferro, 5.
i'as de dito, 6.
Chicaras e pires de louca, 150.
Molheirus de dita, 2.
Pratos de dita, 150.
Jopos de vidro para agua, 23.
Bilba de b>rro com prato, 1.
Moriiigii. s, 4
Bandejas para copos, 4.
Chicaras e pires de ferro Agatha, 48.
olher grande, de ferro,-1.
Conchas grandes, de dito, 2.
L'ani'Cos de ierro ra'.aobado, 29. r
Frigideiras de ferro, 2.
Faci para cozinha, 1.
Pratos fundos de metal, 48.
Ditos rasoa de dito 48.
Serrote para carne, 1.
Taherea d>* ac, 150.
Caixaa de folha para amostra, 2.
datas grindes paia aparar caf, 2.
Marmiies ara 8 pracas, 57.
Urnas para agua, 2.
Saceos de brim para marmitoes, 48.
Enxereoes vasios com 2,m10 de eomprimento e
077 de largura, 134.
Suecos de algodo da Babia para cuar cat, 18.
Toalhas de dito dito para pratos, 12.
D tos de dito trancado para mesas, com 5,"00 de
eomprimento (infestado), 4.
Aventaos de algodo, 2.
Marmitas para conduzir rancho s guardas, 1J.
BaUnca romana, systema decimal, com p sos at
100 kilos, 1.
Caldeiras de fero batido pira 50 pracas, 2.
Orinoes de ferro Agatha, com tampas, 5.
Relogio americano, 1.
Garfo grande de ferro, 1.
Terno de medidas para solidos at 20 litros, 1.
Dito de ditas para lquidos, at 2 litros, 1.
Cadeiras de bracos, de Jacaranda, 4.
Cama de ferro, 1
Colcho com traveaaeiro, cheioa de l, 1.
Caneco de metal branco, 1.
Casti;al de bronze com manga de vidro, 1-
Tinteiro e areeiro com reservatorio de vidro, 1.
Oleados espessos para mesa com 5,00o de eompri-
mento, 4.
Cinturoes para msicos, 27.
Ditos para pracas com ferragens, 43.
Cartuxeiras para cinturoes, 426.
Palas patyt ditos, 426.
Patronas para ditos, 426.
Bornaes de brim imperial para viveres, 457.
Csntis de folha, 400.
Canudos de folha para inferiores, 34.
Cordes de l verde para os meamos, 34.
Correias compridai para capotes, 400.
Ditas pequeas para ditos (pares) 400.
Ditas para cantis, 400.
Ditas para marmita de 1 praca, 400.
Muxilas de brim oleado, com correias, 400.
Marmitas de urna pr&r;a, 400.
Flanella de algodo infestada, 179,n>20.
Brim pardo trancado, 961,m30.
Baeta azul para blusas. lS.'nOO.
Dita encarnada para ditas, 103,"00.
Aniagem para intertella, 77,mOO.
Algodo cardado (kilos) 8.
Mantas c uzeo tas, 4.
Bandeiras de filete encarnado para exercicio, 6.
Dita de forma e corea da bandeira nacional, 1.
Dita nacional de nobreza, com facha e bolina de
ouro para o 14 batalho de infantera, 1.
Hastea com tanca e pouteira de metal, 1.
Poste de velludo com galo de ouro, 1.
Previne se que nao serio tomadas em considera
cao as propostas que nao forem feitas na forma do
art. 64 do regulamenlo de 19 de Outubro de 1872,
em duplcate, com referencia a um s artigo,
mencionando o nome do proponente, a iudicaco
da casa cominercial, o prego de cada artigo, o uu-
J mero e marea das amostras, declaraco expreasa
do sujeiter te a multa de 5/o, no caso de recusar
assignar o contracto, bem como as de que tratam
os arte. 87 e 88 do regulamenlo citado.
Secretaria do Arsenal de Guerra de Ternam-
buco, em 23 de Julho de 1886.
Jos Francisco Ribeiro Machado,
Secretario.
Gabinete ortugnez de
Leitura
De ordem do Exm. Sr. presidente do conselho
deliberativo, convido es senhores conselheiros a
reunirem-se segunda-feira 2 de Agosto, na sede
do Gabinete, para se proceder a eitura do rela-
torio da directora, e decidir-te sobre o modo d effectuar a festa anniversaria.
Secrel ria do conselho deliberativo do Gabinete
Portuguez de Leitura em Peinainbuco, 29 de Ju-
lho de 18860 2 secretario,
Alfredo C- Cousaeiro.
dulzo dos Feltos da Fazenda
Escrivd.o [Torres Bandeira
No dia 6 de Agosto prximo, depois da audien-
cia, iro praca por venda, os predios abaxo de-
clarados penhorados pela Fazenda Provincial.
Recite
Casa terrea ra 10 Pliarol n. 58, com 2 porta*
de trente, 4 metros e 30 centmetros de larguia,
12 metros de eomprimento, 2 salas, 2 quart >s, cori-
ntia tora, pequeo quintal e soto, avaliada em
8" 04000 pertencente a Jos Duarte das Neves.
S. Jote
Casa terrea ra de Vidal de Negreiros n. 47,
eom 2 portas de frente, 3 metros e 10 centmetros
de largura, 14 metros e 7 centmetros de compri-
nwota, quintal, cacimba, e porto para ra do
Forte, avahada em 5004000, pertencente a -Ma-
noel dos Anjoa Ferreira.
Instituto Litterarlo Olladease
De ordem do Sr. presidente faco publico que as
sessoes do Conselho Administrativo sero celebra-
das nos primeiros e penltimos domingos de cada
mez, s 10 horas da manb
Secretaria do Instituto Litterario Olindense, 29
de Julho de 1886.O 1.a secretario, Samuel M. de
Lima Botelho.
Dealscher Hoelfsverei
General Versammlung am 31 ten. Juli 1886.
Abends 8 Uhr im Lcale des Clubs Concordia.
Tagesordnung
Rechnungsablage nnd Bericbt.
Ad. StoUenbach
Schrftfuehrer.
Em adiitamento ao edtal desta repartco, da-
tado de 26 do crvente, declaro de ordem da Illm.
Sr. inspector, que a arremataco para o arrenda-
mento do armazem n. 7, sito no Forte do Mattos,
pertencente Faze.ida Nacional, ter lugar por
meio de licitacao publica, perante a sesso da
junta do da 31 do corrente, scicntificande-se aos
concurrentes que s sero admittidos a licitar de
poie de haverem depositado noa cofres a cauyo
em dinheiro na importancia de 5004000, nos ter-
moa da circular n. 10, de 14 de Fevereiro de 1883.
Theaourara de Fazenda d3 Pernambuco, 28 de
Julho de 1886.O secretario,
Luiz E. Pinheiro da Cmara.
Club Internacional de
Regatas
De onlem do Sr. presidente deste club, tenho a
honra de convidar aos senh res socios para a reu-
n.o de assembla geral, me dever ter lugar as
11 horas da manb de 1' de Agosto vindouro, na
sede do club, afin de proceder-se a cleico dos
novos funeciouaros para o anno de 1886 a 1887,
prestaco de contas da actual administraco, e
outros assupiptes de inferesse social.
Recite, 27 de Julho de 1886.
Pompeo C. Casanova,
2- secretario.
C. Ce E.
Club Commereial Enterpe
Assembla eral
Por ordem do Sr. presidente, convida todos os
socios quites para c un o cofre soca1, a comparr-
cerem ni sed- de-te club s 7 horas da noite do6
de agosto prximo, p ira em assembla geral tra
tar-se da eliininaco dos socios em atraso.
Secretaria de !lub Ointoercial Euterpe, 29 de
Julho do 1886.O secretario,
Francisco Lim>.
Obras publicas
De ordem do IHin. Sr. Dr. eiigenheiro ehofe,
faco publico que no da 3 di.' mez prximo vindou-
p.aotneio na. reci.be se neaia secretaria pro-
drsta.9 pura a exeeuco dos reparos do acude de
S. Beato, oreados em 2:2434868.
O orcament.o e inais coadicovs do contrato se
achain dispisi^io dos senhores pretendentes,
para seren examinad -8.
Secretaria da reparico das obra.' publicas de
l'eriiambui-o, etn 12 de Julho de 1886:
O secretario.
. JjSo Joaqun de S. Varejio.
i/e Ce .
CU
Escola de aprendizes
marinheiros
Pela secretaria da escola de aprendizes mari-
nheiros de Pernambuco convidado o negociante
J'-io Rodrigues le Moura. para comparecer nesta
< acola no dia 5 de Agosto, s 10 horas do i\,
nfip de assignar o contrato de fardamento a que
i-e propos. em^B de Junn > d 18?6, *ob p'-nua de
nscrever aas multas previstas noa reglamentos
m vigor.
Secretaria da escola de aprendizes marinheiros
d<* Poroambuco, 30 de Jlho de 1886.
Ernest" Jos di Souza Leal,
Offieial de Fazend
Obras Publicas
3e ordem do Illm. Sr. Dr. engenbeiro chefe
faco publico que. em virtude da ordem do F.xm.
Sr. vicepresi tente da provincia, vui de novo
praca no dia 3 do mez vindouro, ao meio dia, a
obra de reparos da cadea de Iguarass, servindo
d base o abate de 24 OjO sobre o valor do res-
pectivo orcameuto, offerecido por Ismael Gau
denci'i FurtaJo de Mendi ucl
Secretaria da repartco das obras publicas, 22
de Julho de 18S6.O secretario,
Jo&o Joaquim de Siqueira Varejn.
Stmuel P. Johustou & C, 15 a F Guimare
ctC.
Presunto 6 eaixas a Reza & Queiros.
Perfumara 2 canas ordem.
Pregos 5 volumes ordem, lia F. B. de An-
drade.
Sardinbas 30 eaixas a Sulzer Kauffmam & C.
Soda 5 tambores a Vianna Castro & C.
Tinta 8 barucas a N. Fonseca & C.
Tapetes 1 fardo a Eugenio 4 Vieira.
Tecidos diversos 237 volumes a ordem, 1 a M.
da C. Lobo, 2 aJMonhard Hnber 6c C, 15 a L. Mala
& C 3 a R. de Carvalbo, 4 a 8. Nogueira & C,
23 a A Vieira & C, 13 a B. Maia & C, 102 a
L. A. Seqoeira, 10 a Guerra 6c Fernandas, 20 a
N. Maia fe C, 3 a Figuerdo & O 8 a A. Amorim
& C, 4 a A. Lopes & C. 56 a Machado & Perei-
ra, 70 aOlintoJardim C, 74 a Goncalves Irmo
4C-, 1 a F. Lauria & C, 33 a R de Drusina & C,
1 a D. P. Wild & C 12 a A. Santos 4 C. 14 a
A. de Brirto 4 C, 12 a Silveira fj C. 14 a
B riet 4C-
Tachas de ferro 'JC a Caldoso 4 Irmo.
Tenas 336 amarrados a Companhia de Bebe
ribe. -
Vidros 1 volume a erdem.
Vitriolo 6 eaixas a A. J. Maia & C.
Zinco 1 Barrica ordem.
DESPACHOS DE IMPORTAgAO
Vapor ingles Scholar, entrado de Liverpool e
Lisboa no dia 29 do corrente e consignado a Saun-
ders Brothers & C, manifestou :
Carga de Liverpool
Afees de -ferro 100 feixes a Miranda & Souza,
70 a Albino Silva & C.
Angpcoes para sellins 1 caixa a W. Halliday
tide 10 barricas a Faria Sobnnho 4 C
a mineral 30 caixaa aos consignatarios.
Amostras 6 volumes a diversos.
Barr I ha 30 tambores a Fernandei da Costa &
C, 8 ordem.
BJMsjotos 5 caixes a Ramos & C, 10 a Fer-
naraE* z Irme.
Agua mineral 5 eaixas
Vale.nte.
Batatas 100 caizas a Silva Guimares
& C, 30 a D. F. da Silva & C, 150 a
J. F. Lima & C.
(.'ebol'.s 175 caizas a Silva GnimarHes
& C, 26 ordem^ 50 a Dominga F. da
Silva & C, 30 a Joio F. de Almeida,
100 a Ferroira Rodrigues C.
Cal 50 barrica ordem.
erdem, 18 a Fernandes & Irmo, 1 a B. D Cam-' Droga* O volumes a M. A Barbosa, 4 a
pos C 13 e 1 barrica a J. F. de Carvalbo Si
C-, 11 eaixas a Browns 4 C-
Lona 4 fardos a Samuel P. Johnston & C, 1
ordem.
Mat.'riaes para engenho 38 volumes e pecas aos
h-rdeiros Bowmann.
Maclunismo 1 caixa ordem.
Ditos e ferragens 8 volumes e pecas a Alian
Paterson 4 C.
Movis 12 caixoes a A. D. Carneiro Vianna
Mercadorias diversas 12 volumes ordem, 1 a
M. da C. Lobo, 3 a Cramer Frey 4 C, 6 a E. G.
Casco, 2 a F. Lauria 4 C, 34 a Baltar Oliveira
ce C, 2 a Companhia de Beberibe.
Materiaes para encamen tos d agua 409 volumes
e pecas mesma.
Ditos para navios 3 volumes a' Beltro x
Costa.
Ditos para estrada de ferro 109 volumes c pe-
cas a Great Western of Brasil Railway Cocn-
Machinas de costura 143 eaixas a The Sin-
Objectoa para chapeos de sol 1 caixa ordem.
Pas de ferro 6 teixes a Miranda 4 Sousa, 20 a
Carga de Lisboa
a GuiraarSes

G. Laport'&C, 1 a A. J. A. Ribeiro.
Feijilo 86 saceos a S- GuimarSes & C
Lupressos 1 caiza a A. J. de Azevedo,
1 a Gr.^Laport & C, 1 a A. Santos C,
1 a M. J. Goncalves Braga.
Livros 1 caiza a R. G. Amorim, 2 a J.
N. de Souza, 1 a Joao W. de Medeiros,
{ a A. D. Carneiro Vianna.
Mercadorias 1 volume a Leal A IrmSo.
Papel 1 caiza Medeiros & C.
Roupa 1 caiza a A A, M. GuimarSes.
Vinho 10 pipas e 40 barris a Souza
Bastos Amorim C, 10 e 16 a F. R.
Pinto Guiniaries, 25 barris a J. F. de Fi
gueiredo, 21 a Carlos Rabello, 15 a Joa-
quim D. Sim3ea C, 6 a A. J. da Matta
GuimarSes, 1 ao Dr. H. Pederneira.
Vapor nacional S. Francicq, entrado
da Baha e escalas no dia 29 do corrente e
consignado Companhia Pernambucana,
manifestou :
Algodo 6 saccas a H. Nuasch & C.
Azeite 7 barris a viuva de Luiz F. do
Almeida.
Couros 100 a H. Nuesch & C.
Farinha de mandioca 100 saceos a Amo
rim Irmaos & C.
Pellos 10 amarradas a Domingos A. Ma-
tbeus, 4 a H Nuesch A C.
Panno de algodo 22 fardos a Silva Gui
maraes & C.
Piassava 100 molhos a viuva de Luiz F.
de Almeida.
Sola 100 meios a Domingos Alves Ma-
tneus.
Toros 7 a Baltar Oliveira 4 C
Tamancos 2 fardos a Beltrao A Costa.
OK'iPACBOS DE EXPORTACO
Em 29 de Julho de 1886
Pra o exterior
Nao bouve despacho.
Para o Interior
No patacho nacional Luita de Vteme, car-
regaram :
Para o Rio Grande do Sul, P. Carneiro 4 C.
44,800 litros de sal.
MOVTMENTO DO PORTO
Navios sahidos no dia 30
Memel52 dias, barca norueguense Hakon
Iarl, de 491 toneladas, capitao I. P.
Kaostrup, equipagem 11, carga maeira
de pinho ; ordem.
Terra Nova35 dias, lugar inglez Kalmia
de 172 toneladas, capitao George Bu-
sell, equipagem 9, carga bacalho; a
Saunders Brothers A C.
Navios sahidos no meamo dia
GuamBarca norueguense Festina Lent,
capitao E. Peterden, em lastro.
Estrada de ferro de Ri-
beiro Bonito
Noa tercos do umeo do art 4 e arta. 5 e 9
2 dos estatutos, convida esta directora aos se-
nhores accionistas para recolberem- o L mdon 6r
Braailian Bank, a s-gunJa prestaco de 10 0,0
do valor nominal de cada acr;o, a conejar desta
data 4 60 dias.
Recite, 20 de Julho de 1886.
O gerente,
Hyppolito V. Pederaeiraa.
Thesouro Provneial
De ordem do Illm., Sr. inspector deata reparti-
C{0, taco publico qu do dia 2 de Agoato prximo
vindouro em diante, comecam oa pagamentos dos
veucmentos dos embregados provineiaes, em li-
quidacio do exercicio de 1885 a 1886, conforme a
collocaco seguinte :
Nos das 2 e 3, pmfessoras de entrela.
No dia 4 de 2* dita.
No dia 5 de 3' dita.
Nos ibas 6 e 7, profesores de 1* entrais.
No dia 9 de 2* dita.
No da 10 de 3* aita e escolas nocturnas.
No dia 11, Tbeseuro,Juizo, Instrucfo Publica,
Bibliotbeca e 8a le Pubiica.
No dia 12, Assembla e Secretaria do Governo.
No da 13, Casa de Detenca e Illuminaco.
No dia 14, li,cola Normal e Gymnasio.
No dia 15, Consulado.
Nos dias 17 e 18, Aposentados e Coadjutores.
ragadoria do Tbesouro Provincial de Pernam-
buco, cm 27 de Julho de 1886.
O escrivo da despesa,
Si I vino A. Rodrigues.
Iniundade do Divino Espirito
Santo doRecife
Conoelho lliciU
Primeira seaao ordinaria
De eonformidade com o art. 68, convido aos
irmaos ex-juizes e bemfeitores a se rennirem em o
nosso consistorio domingo, 1- de Agosto, pelas 11
horas do dia, afioi de dar-se cumprimento ao
objecto de que trata a 1 parte do art. 83, e a 2'
parle, do art. 81 do nosso compromisso.
Consistorio da irmandade do Divino Espirito
Santo, 29 de Julho de 18S6.
O procoiador seral,
Paule Jos Alves.
es esperado;-
do sul boje
Agosto
da Europa a 1
do norte a 3
da Europa a 3
da Bahia a 4
do sul a 5
da Europa a 5
do sul a 6
da Europa a 10
do corte a 13
de Liverpool ^rl3
do tul a 14
do sul a 16'
de Hamburgo a*0
do norte a 23
i/boTur6e
Paiagonia
Espirito Santo
Senegal
Marques de Caxias
ViUe de Bahia
Ville de Cear
Para
ilondego
Cear
Merchant
Mnoi
Petropolit
Bahia do norte a 23
Circular n. 21
Tbcaouraria de Faienda de Per-
nambuco. esa Zl de 101110 de
1SM
O inspector, em additamonto circular desta
Thesouraria n. 12, de 16 de Junho prximo fiado,
recommenda aos senhores colle^tores das rendas
geraes da provincia a fiel observancia da ordem
do Tbesouro Nacional n. 54, de 15 do correte
mes, dirigida Theaourara de Fazenda de Santa
Catharina, e que vai abaixo transcripta.
Antonio Caetano da 8. Kally
Ministerio dos negocios da fazenda n 54.Rio
de Janeiro, em 15 de Julho de 1886. Francisco
Blisario Soares de Sousa, presidente do Tribu-
nal do Thesouro Nacional, declara ao Sr. ins-
pector da Tbesonraria de Fazenda da provincia
de Santa Catharina, em resposta consalta cons-
tante do seu telegramma de 8 do corrente mea :
1* Que da venda de estatnpilhas nao cobra-
vel a taxa addicional de 5 0/0, porque esta s in-
cide nos actos que est) sujeitoe ao sello por ver-
ba oa estampilbas da taxa de 2000 para cima.
2 Qne as eetacoes arrecadadoras do sello s
teem de escripturar, em verba especial, o produc-
to di dita taxa de 5 0/0, quando o pagamento
desta se verificar as mesmas estacoes ; e que,
portento, nada ha a escripturar, quanto aos do-
cumentos sellados por particulares fra dessas es-
tacoes, limtando-se os exactores a verificar,
quando taes documentos lhes sejam presentados,
se esto oa nao sellados de eonformidade com a
dautrina da circular n. 12, de 28 de Maio prxi-
mo paseado.
F. Belisario Soares de Souza.
Associac&n Portugue-
za de Beneficencia
2* assembla geral ordinaria
Convido os senhores socios desta assocaco a
comparecerem ua sede social, domingo 1 de Agos-
to prximo, a S> horas da tarde, afina de eleger
os poderes que tm de dirigir os destinos desta
assocaco no anno social de 1886.87, conforme
preceitua o art. 34 dos nossos estatutos.
Secretaria da assembla geral da AssociacSo
Portuguesa de Beneficencia, 30 de Julho de 1886.
O 2o secretario,
B. Aguiar.
0 Commereial Kuterpe
Sarao era 31 do corrente
Ncita noite realisar se-ha o sarao que este
club proporciona sos seus associados. lgreseos
em mo do Sr. thesoureiro para os socios quites
at 31 do corrente. Depois do sarao haver bonds
para Magdalena e Fernandes Vieira.
Secretara da Club Commereial Euterpe, 24 de
Julho de 1886.O 1- secretario,
Francisco Lima.
Hub Imperatriz
Sesso extraordinaria
De ordem do Illm. Sr. presidente, convido a
todos os enh res socios a comparecerem domingo
1 de Agosto, s 10 horas da manb, na sede so-
cial ra da Imperatriz n. 42, 1* andar, para
tratar-se de negocios urgentes e de nteres je so-
cial. Recife, 29 de Julho de 18S6.
O tesoureiro,
Augusto Jos de Azevedo Maia.
Cha preto
As qualidades me-
Iflores ciis cscolhi-
das neste genero, con-
tina a vendar Carlos
Sinden, n. 48 ra do
Baro da Victoria.
Recebcu de inipor-
taco directa e vende
inais barate do que em
outra qualquer parte.
Tamben, vendemos
em eaixas pequeas,
proprias para botis e
casas de familia.
Companhia de EiirafOes
O eseriptorio desta
companhia acba-se in
staliado na pra$a da
Concordia n. 9, conser-
vndole aberto das 7
horas da manila s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
truc^es e reconstruc-
CjSes.
Recebe-se informa-
goes acer nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesmoescripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da e s m m a
companhia.
Preparados
DA
maltina imcn &
LONDRES
Oleo de Usado de bucal lio e lelle
pepitonisado
Esta preparado to saborosa que urna cria*-
ca promptamente a toma.
O leite digerido tem a propriedade de quasi in-
teiramente disfarcar o oleo e as pessoas de diges-
to mais dbil podem tomar sem receio.
Peptonoldes de Carne
Um alimento nt'ogoooso composto de consti-
tnintes solides de leite bem cerno gluten do trigo
(livre de gomma;.
Recommendado as convalescencas de qualquer
doenca, affeccoes pulmonares, febres, pneumonas,
gastrite, dysenteria e toda e qualquer debilidade
seja qual for a suaorigem.
Maltina
Um extracto concentrado de trigo, avea e ceva-
da fermentados.
Valor diastasico 30 vezes o seu proprio peso !
O mais rico agente restaurador at boje eonhe-
cido, alt mente apreciavel nos casos de debilidade.
Alimento Souluvel de rarnlck par
rrianca*
A analyse deste alimento demonstra que os seas
constituintes nutrictivos sao quasi idnticos com o
leite materno, por isto o alimento mais aperfef-
coado para crian?,
Pornecem amostras gratis aos Srs. mdicos.
Dop98to rua do Barao da Victoria n. 4^
L.ondon and Brasllian Bak
iJmiied
Rua do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, sendo
etn Lisboa, rua dos Capellistaa n 76 N-
Porto, rua dos Inglezes.__________'
7
I
SESSBi
CONTRA FOGO
he Liverpool k leuden ittei
insurrance mmm
H. -
r <
wm^tmm
I iumMo


Diario de PeniambucoSabbado 31 de Julho de 1886.

COHPAXHIi D<2 NESl'ROl
NORTHERN
rolcflancra (nesenbro I
3.000.000
3.134,348
Capital oubsciipto J^E
Fundos accumulads
Brxlia nnnal : --yoon
Dj premios contra fogo O' 7,od\)
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE,
John H. BoxwtU.
BA. DO COMKEB'IO X. 1- AXMB
MARTIMOS CONTRA FOGO
Companhla Phenx Per-
nambucana
Ruado Coniuiercio n. 8
{o jipanhia |I| Imperial
SBiCJC'ttOS costra FOGO
1CST: 1808
Edificios e mercadoria*
Taxar baixa*
fronpto pagamento de prejuizo*
CAPITAL
rts. lG,000:(KX)/000
A'jenes
BP.OVVNS & C.
*> N. Rva do (\nnmnrcio N. 5
Se LJstiDa
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RA DlBOM JESUS-N.
Kccuro-i mnrilimoM e lorreatrrM
Ne^-tes ltimos h nica companbia nesta praca
que concede aos Srs. seg urad' s isimpcao de paga
ment de premio em cada stimo anno, o que
equivale >,-, rwsooto de cerca de 15 por cento em
favor dos s<"; rucias. ________________
PllSlDl
(lOinpaiihia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Eslauclcida em i .
CAPITAL 1,000:000*
SINISTROS PAGOS
li :i a de dczenibro de SS4
Martimos..... 1,(10:000(000
Terrestres,. 316:0008000
-5* llua do < oiiiiucrelo -
\t> rninrmnc,
COHPAMH13. ES MElAi5
RE K1HITI1EN
LINHA MENSAL
Paquete Senegal
Commandante Moreau
Espera-se da Eu-
ropa ateo dia 3de
A gusto, seguin
do depois da de-
mora do costume
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Baha, Ro de Janeiro e Monte
te video
Li'mbra-se t.os senhores passageiros de tuda*
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar en qualquer fempo.
Previne se ao sseuhores recebedores de merca-
dorias que s se .-.t'rudera as reclam:icoes por fl
tas dos rolutnea que forcn reconhscidas na occa
siao da descarga.
Para carga, p ucm-imendas edinhein
* fr 'te: tiicta-se com o
AGENTE
\nguste Lab He
9 RIJA DO COMMERCIO-9
Companhla Franceza de Navega-
do a Vapor
Linha quinzennl entre o Havre, Lis
ooa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e
Santo
stemer Ville de Cear
K' esperado da fcuropa at
0 dia 6 de Agosto, se-
gumdo depois da indispeu-
savel demora para a Ha
hia. Rio de Janeiro
e Kantoii.
Roga-se aos Srs. ir-portadores de carga i jos
vapores desta linha,queiracj apresentar dentro de 6
das a contar do da descarga das alvaren
quer reclamaco concernente a volumes, qao po-
ventura tenhaoi seguido para os portos do sul.aim
de se poderem dar a tempo as providencias neces
sarias.
Expirado o referido praso a companhia nao se
esponsabisa por extravos.
Uecebe carga, encommendas e pasaageirra par,
i s quaes tem excellentes accomodaeoes.
Augusto F. de Oiveira & t
ac; t:\rc*
42 RIJA DO COMMERCIO 4^
Precisa se de urna boa cosinheira para casa
de finil a, paga-se bem : a trat r na ra do Ba-
jo da Victoria n. 39, l.ja. __^_________
Aluga-se o sitb do Pina, com boa casa para
morada, contendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiros,
seis grandes viveiros, duas cacimbas com excellen
te agua : a tratar no caes do Apollo n. 45.
- ALUG\-SE a casa terrea n. 20 da ra do
Capitaj Antonio de Lima, com 2 salas, 3 quartos
cosinha e quintal com cacimba : a tratar na ra
do Marquer de Olinda n. 8.
Compra-s fios de linbo para o hospital Pe-
dio II : na ra Formosa n. 4.
Apollcen provinclae* de 1 O/O
Compra-se no l^go do Corpo Santo n. 19, pri-
mejro andar. ^__^__
Foruece-se comidas com precisSo e preco ra
soavel : ra do Imperador n. 54, 3 andar.
Na ruada Matriz da Boa-Vista n. 3 preci-
sa-se de duas amas que tenham boa conducta,
pendo urna para cosinha e que enfeuda de asear
bolos, e outra para lavar, engommar e ajudar em
utrus servico* de casa de pouca familia
Precisa-a de em caizeiro com pratica de
aiolbados : a tratar na ra da UniJo n. 54.
Aluga-se o 2- andar n. 31 e armazem u. 39
a ra do Imperador, e a loj- do pateo do Terco n.
20 : a tratar eom Luis de Moraes Gomes Fer-
reira. _________________
Antonio Coelho de Lima convida a todos os
aa.igos do Exm. Sr. deputado Or. Jos Marianno,
dolo do povo pernambucano, assistirem a urna
iniss que manda resar na capella de Belem em
acc&o de gracas pela chegada do mesmo esta
provincia, e anda pela paz reinante em todos os
festej a. Recite, 30 de Julbo de 1836.
A tonio Coelho de Lima.
MSADIHUH
-os 4:000#000
BHHETEu ^BANTIDOS
Rna do Baro da Victoria n. 40
e casas do costume
Acham-se vend os felizes blhetes
garantidos da 253.a parte das loteras a
aeaefcio da Stnta Casa de Misericordia do
Recife, (65.*), que Be eztrahir quando for
annunciada.
Precos
Inteiro 4^000
Meio 2000
Quarto 15000
Esa poreode 1004000
cinta par
Inteiro 3I500
Meio 1750
Quart 5875
Jo3a Joaqun da Costa Leite.
AO PUBLICO
QTJEIJOS DO
Marea Johanoes Pluym
\
No intuido de sustentar a faina adquirida por estes deliciosos queijos, isto seret
Os meibores e os iiiais baratos
COXTRl FOGO
Xorlb Brilish k Mercanle
CAPITAL
e.-ooo.ooo de libras sterllnas
A GENTES
Adomson Howie & C.
EMPREZA D GAZ
Pede-se aos Sendo
res consummidores que
queiram fazer qualquer
^omunicacao ou recla-
mae),seja estafeita no
escriptorio desta empie-
za ra do Imperador n
29, onde tambem se re-
ceber? qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrador.es
externos sao os Senhores
HermUlo Francisco Ro-
drigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Oi-
veira, e quando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
tins Carvalho.
Todos os recibos dessa
empreza devero serpas-
sados em taloes carimba-
dos e firmados pelo abai-
xo;assig -do sem oque
nao terao valor algum.
George Wiodsur,
(OHI'IVIIJ PEBXAMHt'CASIA
DE
XaTegaco costeira por vapor
Fernando de Noronha
O vapor Giqui
Segu no dia 10 de
Agoso, pelas 12 ha-
rs da manila.
Recebe carga at o
dia 9, e pasaagens at
i 11 horas da manh
do da 10. ~
ESCRIPTORIO
raes da Companhia Peruaasbn-
cana n. 1 *
Companhia Haitiana tic naves"
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Bahia
0 vapor Mrquez jlo Gaiias
Commandante Nova
E' esperado dos no.-rop ci-
ma at o dia 5 de Agosto
e regressar ,:ira os mes-
mos, depois da demora do cos-
tume.
Para < arga, pasaagens. encommendas e dinhoiio
a frete tracta-se na agencia.
7Kua do Vigario 7
Domingos Alves Matheus
Coraji cittia raileira de Xave-
gaco a Vapor
PORTOS DO SUL
Vapor Espirito-Santo
Commandante Joao Mana Pessoa
E' esperado dos portos do
norte at dia 1 de Agosto
e depois da demera n
diapenaavel, seguir para
i os portos do sul.
Recebe tambem c*rga para Pantos, Pelotes
Rio Grande d> Sul, frete mod co.
Para carga, passgens, encommendas e valares
trata-se na agencia
N. 11 RA DO COMMEROIO -N. 11
Pacific Sieaai Navigation Compay
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Patagonia
E' esperado da Euro-
pa at o dia 1 de A-
gosto, e seguir depois
Ida demora do costume
para a
Bahia, Rio de Janeiro, Monte-
video e Valparaizo
Para carga, passagens, e encommendas, tracta-
ae com os
AGENTES
Vilson Sons *k C, Limited
S. 14- RDA DO COMMERCIO N. 14
Bio Grande e Pelotas
Segu com brevidade para o porto cima o
patacho nacional Social, recebe carea : a tratar
com Baltar Oiveira & C, ra do Vigario n. 1,
primeiro andar.
l'OSPASHI.t l'EBSAMBtCASIa
DE
Aavesaco Costeira por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba,. Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear e Acarahu
O vapor Pirapama
Segu no dia 5 da
Agosto, a 5 hor-s
da tarde. Recebe
rga at o dia 3.
Encommendas passagens e dinheiros afrete at
.i ras da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Cae ia Companhia. Periamui-inn
n. 12
LEILOES
Leil,
Da armaco, fazendas e miude
zas da loja da ra do Ran^el
n. 48
Agente Brito
Vender mais urna mobilia de Jacaranda, urna
se.-retaria c 1 taillet, 1 lavaterio con> pdra, 1 mo
bilia dr- junco, 1 gusrda-louea, 1 etnte para li
vros. cadeiras de amarell'J novos, 1 cama de fer-
ro, 1 marqueza, 6 cadeiras nevas de pi bidet de Jacaranda, copos, calheres, espelhos e ou-
tros cbjecto8 e 1 vacca com bezerra.
habitado. 31 do corrente
A's 10 e meia horas

Lisboa e Porto
Rio-Grande do Sorle
Leilo
A de Agosto
O agente Odilon vender em leilao publiop, na
cidade do Natal, no da 7 de Agosto proxinm, o
patacho norueguense Land.
E' espetado nest^s das o patacho car
Osear segu com brevidade para os porto) ci-
ma, por ter onasi coda a carga engajada para o
resto qne falta, trata-se na ra do Mrquez d-:
Olinda n. 4.
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 80U) no beuco dos
Ihos, junto de S. Goncalb : a tratar na raa (a
Imperatri n. 56.
Bacharel Ferreira de Menezes, advgado
com esciiptorio ra de Santo Amaro n. 4, pri-
meiro aadsr.
= Precisase, para 1- de oufnbro, de urna casa
com ou ti quartos, banho e jariim, que seja em
bom estado, na Magdalena ou arrabalde : quein
ti ver dirija-se ra do Hispo Sardinha n. 1.
Criada
Preciss-8C de urna criada para morar em casa,
que saiba eneommar, e tambem frisar e preguear
roupa de seuhora, paga-se bem ; a tratar em San-
to Amiiro, portao encarnado, junto capella.
16^000
Aluga-se a casa n. 4 da travissa do Freitas,
antiga do Trindade, em S. Jos, com 2 salas, 2
quartos, cosinha fra, quintal murado, cacimba e
sotao : a chave acha-se junto n. 8, e treta se na
ra da Guia n. 62, Itecife. ____________
Caixeiro
Precisa-se de um menino : no pateo do Paraizo
numero 18.
Aluga-se
a casa n. 1 u ra Lrmbranca do Gomes, em Santo
Amaro, tem agua : a tratar na raa da Imperatriz
n. 32, 1 andar.
Novidades musicaes
Casa Vctor Pralle
.'5 RA DO IMPERADOR 65
Zefinha, polk, por Claudio S. Carneiro Leal 14500
Mas a surte nao o quiz, valsa em resposta
a bem poder ser ainha, por A. de Al-
buquerque Gama 15000
Porque nao ? valsa, por Tbiago da Fonseca 14000
Volamama, valsa, 2 edicSo 14000
Dolores, valsa, por E. Waldteufel 3 4500
Minha Rninha, valsa, par Couto Jnior 14500
Murmurios, valsa, par Domingos Jos Mar
ques
Calouros, polka, por Misad Domngues
4os 4:000S000
i:000$000
16-Eu% do Cabng-16
Achair-a; venda os venturosos bilhc
tes garantidos da lotera n. 65a em beneficu
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
quo se extrabir quando for annunciado.
s
15000
14000
AOS 4:00011000
3IL2SIS2 sasaiiiidd:
Raa Primeiro de Mareo n. 23
O abaixo assignado, tendo vendido nos
seus afortunados bilhetea garantidos 4
quartos n. 406 com a sorte de 4:0O0jtO0O,
1 quarto n 2939 com a sorte de 100000,
alm de outras sortos de 320, 165 e 80, da
1 iteria (64.*), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem recebe:
na conformidade do costurae sem descont
a'gum.
Acham-se venda os afortunados bi-
hetes garantidos da 253.a parte das lote-
ras a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife (65.a) que se excrahir
quando ior annunciada..
Precos
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Km qnantldade maior de loo*
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Manoel Mar*int Finta.
an feliz
4os4:000$000
RILHETEU CABiSWIO
^raija da independen
cia ns. 37 e 39
O abaixo assignado vendeu entre os seus
folizes bilhetes garantidos da 64 lotera
a sorte de 1000 em 4 quartos n. 2476,
alm de outras muitas de 320,160 e 80.
Convida os possuidores a virem recebe:
sem descont algum.
Acham-se a venda os fezes bilhetes
garantidos da 65a parte da lotera a beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que so extrabir quando tor annunciado.
Precos
Bilhete inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
em porcSo de 100,500 par
cima
Bilhete inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 875
Aut/mi Auonxto df>* Sant-- Po-tt
liarla Gertrude* da Concelct
Claia Ma'ia da Conceicao, Umbelioa Francisca
Monteiro, Palustina Monteiro, Maria Aquilina
Monteiro, Manoel Escoci de Souza, Jos Akxsn-
dre Bezerra, Candido das Chagas Ribeiro e Fran-
cisco das hagas Ribeiro agr -eceon do intimo
d'alm* 4 todas as pessoas que se diguaram de
aeompanhar os restos mortaes de sua sempre cho-
rad filha. mai, sogra, ta, av e hma, **.". eterna
mirada, e de novo ub convidam paia asBistirem a
missa que mandain celebrar no dia 34 de Agosto,
stimo de seu passamento, no convento do Carmo,
a 7 horas da manha, e desde j se canfessam
agradecidis por este acto de religiao e candadg
Inte-'ro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Sendo quantidade superior
a lo 0:000
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0750
Joaquim Pires da Silva-
Fumo desliado do Ro-Novo
___________listf
DE
Freitas Silva A
O iikIIioi- c o mal* paro que tem
vtndo a emln praca
NICOS IMPORTADORES
Costa Lina & C. Ra do Amorimn. 37.
Almeida Machado & C. Ra da Madre de
Deus n. 36.
Jos Antonio dos SantosRa do Mrquez
de Onda n. 5 e ra Primeiro de Marco
n. 3. ______________
onrvwn
Em quartcs e meias garrafas, vendem Faria
Sobrinho & C, A ra do Mrquez de Olinaa .1. 41
_____________DEPOSITARIOS_____________
Pilulas purgativas e depurativas
de Campanha
Estas (.lulas, cuj.i preparacad puramente ve-
^rtal, tCOm Sldj JH)r mus dcO.nn...pr..o;(.J.B
com os mclhorcs resultados as segnintes moles-
tias : affecc5es da pelle e do figado, syphilis, bou
b6es, escrfulas, chagas inveteradas, erysipelas e
gonorrhas.
Modo de aHal-a
Como purgativas: tome-se de 3 a 6 por da, le-
bendo-se aps cada dse um ppuco d'agua adoba-
da, cha ou caldo.
Como reguladoras : tome-se um pilula ao jantar.
Estas pilulas, de inveneao dos pbarmaeenticos
Almeida Andrade & Filbos, teem veridictum dos
Srs. mdicos para sua melbor garanta, tornndo-
le mais recommendaveis, por screm um seguro
purgativo e de pouca dieta, pelo que podem ser
asadas em viaeem.
ACHAM-SE A' VENDA
> drosarla de Faria Sobrinho *S C.
I BA DO MRQUEZ PE OLINDA 41
FAR1NHA LAGTEi
DE
ESTL
MARCA REGISTRADA
1S AMOS D3 SCCESSO
21 recompensas, das quaes 8 diplomas de honra
e 8 madalhas de ouro.
Certificados numerosos das primeiras autorida-
des medicas.
Alimento completo para criancl-
11 lia* de pello
Suppre a in8iifficiencH do lete materno, facilita
a desam;imentacio e a digestao fcil.
Emprega-se tambem vantjosamete para adul-
tos como alimeto para stumagos debilitados-
NICO DEPOSITO ESPECIAL DA FABRICA
PABA TODO O IMPERIO
31 C-RUA DE S. PEDRO 31C
Rio de Janeiro
-N

(ZUO
CHAKLESPLYM &C.
Resolveram retalhar os queijos frescos da ultima remessa a
2*600 M

24-RA DO COMMERCIO24
(RECIFE)

FUNDICA!
ALLANPATERSONftC
N. 44E 1 do Bnun-N. 44
. JJT0 A B^ TAfAO DOS B0NDS
Tem para vender, por pra modiesos, as seguintcs ferragena:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivacoes de diversos tamanhos.
Rodas de espora, dem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Qrradeamento para iardira.
Vapores de for^a de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leacir.
Encarregam-se deconcertos, 98sentamento de mauhiuismo e xectuam qaal-
traballio com perfeicao c presteza.
COMVITE
JOSEl'H KRADSE t
Acabam de augmentar o seu j bem conhecido
mportante cslabelecimenlo ra Io
de mrrfo n. 6 com mais
um sale no Io andar luxuosamente pepar-
rado e prvido de urna exposi-
{!f- m de piala to Portt e titn+hu
dos mais afamados fabreanles do
mundo inteiro.
nonvida, pois, as Exmas. familias, seus nume-
rosos amigos e freguezes a visitaren.
o seu estabelecimento, alim de
apreciaren, a grandeza e bom gosto com que
nao obstante a grande
despeza, o adornaran], em honra
desta provincia.
CHA-SE ABEBTO DAS 7 A'S 8 DA NOITH
t
Aos flo^ntesflos oinos
Cura certa em 48 horas das ioflaoicSes
recentes dos olhos, pelo colyrio prepara
do por Jos Pedro Rodrigues da Silva.
Emprega *e este poderoso colyrio sempre com
grandes vantagens, naa seguintcs molestias :
Opbtalmias agudas, purulentas e chronicas, con-
unctivites, etc., etc.
Deposito eral, na drogaria de Faria Sobrinho
4 C. ra do Mrquez de Olinda n. 41. _
Para informac5et, sedirijam livraria Indus-
trial ra do Baro da Victoria n. 7, ou resi-
dencia do autor, ra da Saudade n. 4.
PILULAS
JURUBEBA
ra
BARTHOLOIYIEOtC"
Phrm. Pernambuco
.1 CurSo as Sesftes, e tudas as Febrei J
intermittente.
B ANNOS DE SUCCEtSO!
KJ>jXX^:r O. aseiflnaturay
PILULAS
Ferjugi nosas
JURUBEBA1
BARTiOLOMEO a Ca
Ph: rm. Pernambuco.
Curio a Aneada, Fierra branca,
Falta ce
tmaeae
I Peblliaade t Pobrera de anyn
, Exirjir a as8ig7iatura,
Elixir carminativo e tnico do
pharmaceutico Ye as
Remedio que cura dyspepsias, gastralgias e to-
das as perturbaces ligadas desarranjos de es-
tomago e intestinos. Aconselhado por varios cli
nicos dos mais conceituados desta cidade, acha-se
venda exclusiv.mente na pharmacia america-
de A. la. eras & C, ra Duque de Caiiae ntn
mero 57.
\
Este remedio precioso tem gozado da acceit
(3o publica durante cincoenta e sete annos. com-
ecando-se a sua manufactura e venda em 1827.
Sua popularidade e venda nunca forao to exten-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo,
cfferece a melhor prova da sua eficacia maravil-
hosa.
Nlo hesitamos a diier que nao tem dewado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
creancas quer em aduks, que se acharo affli
tos destes mimigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attestaces de mdicos em favor da sua eficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varias falsificacSes, cl
sorte que deve o comprador ter muito cuidado,
.examinando o nome imteiro, que devia ser
Vennifteo 46 B.A. FAHN1STQCK.
&&^yc\ztc0fut
*aattn^ cu


Diario de PeroambucoSabbado 31 de Julho de 1886
PUAAnMlfiC CO*?TVME&.
r0SS.ASTHMA.BR0\CHITE,
Coqueluche ouTosst Convulsiva
Tsica ePulmonar.
Alug-a-se
o predio n. 140 ra Imperial, proprio para es-
tabelecimeoto fabril : a tratar na ra do Commer-
cio n. 34, com J. I. de Medeiroa Reg-___________
Alagase barato
A casa d. 96 roa dos Gnararapes.
A ra Lomas Valentinas n. 4
O armazem da ra do Coronel Suassuna n. 141
A casa n. 107 da ra Visconde de Goyauna.
Tratt-se na ra do Commurcio n. 5, Io andar
eecriptorio de Silva Guimaraes & C.___________
Aloga-se milite barato _
A casa grande 4 ra de S. Jorge n. 26, no
Eecife, com 5 quart09, quintal e portao.
Sitio e casa para familia, traressa do Motc-
colomb n. 4, em Afogados, coin muitas fructeiras
e banho salgado.
Trata-se na ra de Santa Thereaa n. 38.
eeiro andar.
Piecisa-se de urna : na
ra do Cabng n 3, ter-
Ama para cosinhar
No largo do Corpo Santo n. 19, segundo andar,
precisa-se de urna boa cosinheira. qne d fiador
de sua conducta.
Na ptaca do Conde d'u n. 7, 2- andar, pre-
cisa-se de urna ama que cosinhe bem, para casa
de pequea familia.
Pintura domestica
PHARMACIA
Mermes de Souza Perelra & C. Sac
HMMjl
Receben grande sortimento desta excellente
tinta de todas as cores e em latas de 1 a 5 libras,
que continuHm a vender por commodo preco :
qualquer pessoa (crindo cu menino) pinta com
perfeico. Com esta tinta podem todos com pouco
dispendie conservar suas casas sempre limpas.
Ra do Mrquez de-Olind n. 27
Ao5 sfinhorfis fle enfffinhn e ontros
loiuoin nota
Trullos para en^enhos
W.vCONS PARA CANNA
Li; con; olivas
H; m completo para en-
; n.odet"dosostamanhos
Sysii-ma nperfeicoado
Especifica fies e presos no escriptorio dos
agentes
Browns & C.
\. 5 Ra do t omnicrcio
N B Xlm do cima B c C., tein cathalogos de
mii mplemeutos nt* ci-ssarios agricultura, como
.amtKn machinas para desear car algodao, moi
nho9 para caf, trigo, arroz e milho ; cerca de fer-
ro galvanisado excellente e mdico em preco, pes-
soa nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
bral-a.
Collegio de Sant'Anna
Recite
Emilia Macara de Meira, professora particular
~e primeirs lettras, francs, allemao, desenbo,
z usica, piano e diversos trabit'hoi de agulha,
5 irticipa aos senhores pais ile familia aue quize-
[em bonra-U com a sua confianca, qne abri seu
Legio ra do Bom Jess n. id, 1' andar.
Tollos un no!
em dieta esem modifi-
cares de eostumes
iboratorio central, ra do Viconde do
Rio-Branco n. 14
TEtquina da ma do Reqente .Rio de
Janeiro
fcpecicos preparados pelo pbar
muecutic Eageiih* Murqups
de lio 11 anda
Approvados pelas juntas de bygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Pariz.
Elixir de irabiribioa
Restabelece os dygpepticos, facilita as diges-
t3es e promov as ejeccoes difBcies.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chlero-anmicos, d'-MIa a hj poenm
intertropical, rtconstitue os hydropicos e berjbe-
NICO

\
Preoaraco de Productos Vegeta.es
EXTINGO'DAS CASPAS
e outras Molestias Capillares.
JVIARTI NS~&~BASTOS
JPernambtuio
Tricofero de Barry
Garanta-se que faz nas-
cer ecrescer o cabello ainda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de chir ou de emblanque-
cer, e infallivelmente o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry*
Preparada segnnda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvacao official de
um Governo. Tem duas vezes
mais fragrancia que qualquer outra
ednraodobrodotempo. E'multo
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
len<;o. E' duas vezas mais refres-
canto no banho e no qnnrto do
doente. E' especifico contra a
frouxidao e debilidade. Cura as
dores de cabeffl, os cansacos e os
desmaios.
Xarope Je Vida Je Reuter No. 2.
AHTES DE TTSAI/-0. DKPOIS DE USAL-O.
Cura positiva e radical de todas as formas de
escrfulas, Sypbilis, Feridas Escrofulosas,
Affeccoes, Cutneas e as do Couro Cabel-
lado com perdado Cabello, e de todas as do-
neas do Sangne, Figado, e Bins. Garntese
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangne
e restaura renova o systema inteiro. ^
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian.
Ks e para a cura das moles-
K>cllw re* t/%*= especies
O em todos os periodos.
Deposito em Pemambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
Serrara a vapor
Caes do Capibnribe a. *
N'esla serrarla encontrarlo os s< nbores fregue-
ses, um grande sortimento de pir.b i de resina de
cinco a dez ii'ctros de comprunenco e de 0,08 a
0,24 de eequa do do que em i uir qualqurr parta.
Francisco dor Sanr-'S Macodo.
a
Urna senhora habilitada afazer qualquer
trabalho d gulh^ cora toda a promptidSo
e aceio, cff r--c sena prestimos ra de
Joao de Burros n." 32, onde poder ser
encontrada, g: de de pr-'C".
Grande e bem montada oflicina de alfaiate
DE
PEDROZA & C.
N. 41Ra do Baro da VictoriaN. 41
Neste bem conhecido estabelecimento, se encontrar um lindo variado sor
timento de pannos, casemiras, brins, camisas, punhos, collarinhos, meias, gravata*
tudo importado das melliores fabricas de Paris, Londres e Allemanha; e para ben
servirem aos seus amigos o freguezes, os proprietarios deste grande estabelecimentt
jm na direccSo dos trabalhos da oficina habis artistas, e que no curto espajo dte 24
horas, preparam um terde roupa de qualquer fazenda.
Ra do Baro da Victoria n. 41
(PREgOS SEM COMPETNCU)
W2
W3
e
QB
rs
Chapeos e chapelinas
36 A40FBACIDAISDEPBNDE1A-36140
B. S. CARVALHO & C.
a"
S:
5
o
ZJ
Proprietarios deste bem conhecido estabelecimento paatecipam
as Ezmas. familias e ao publico em geral, que mensalmeute recebem
das principaes casas em Paris e Mancbester o que de melhor e de
^* apurado gosto ba em chapelinas e chapeos para senhoras e meninas
e das primeiras fabricas de Hamburgo o que ha de melhor em cha-
peos para horneas e criancas, e muito a outros artigos concernentes
; cbapelaria.
as
-^ Flores artificiaes para ornamento de salas.
5


COLLEGIO FRANCZ
PARA MENINAS
17Ra do Baro de Bonifica17
NA LfflHA DA PASSAGEM DA MAGDALENA
As senhoras Mme. Francia e Mlle. Francis, m2 e filha, diplomada pelaFa
culdade de Paris, recenteroente chegadas de Franca onde exerceram por muitos an-
nos o professorado, acabam de estabelecer um collegio para meninas, segurado o pro-
gramma adoptado em Franga ; o qual proporcionar s alumnas que Ihes forem confia-
das urna educacao completa c esmerada.
Os senhores pais de familia sao convidados a visitarem este novo estabeleci-
mento situado era to saudavel bairro e dispondo de todas as condigoes do confortavel
ede hygieno.
Mlle. Izabel Francis possuo um talento elevado para o onsino de piano.
Jtlla precisa de urna ajudante para as classes.
*. *
Os proprietarios do muito conhecido estabelecimento denominado
MUSEUDE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicim ao respeita^el PUBLICO que receberam un
grande sortimento de joias tas mais modernas e dos mais apurados gostos, como tare
bem relogios de todas as qualilades. Avisam tambem que continuara a receber poi
todos os vaporest vindoa da Europa, objectos novos e vendem por muito menos que en
outra qualquer parte.
MIGUL WOLFF & C.

ss
PASTIXHAS
De ANGELIM&MENTRUZ
neos.
Xarope de flor de arueira e mutamba
Muito recommi ndado na bronebite, na hemop
tvse e as tosses agudas ou chronicas.
Oleo de testudus ferruginoso e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da frnqueza do orga
nismo, na tysica.
Pilulas ante periodisas, prenurdas :om a
pererina, quina jaborandy
Cura radienlmente as fekrea .intermitteate, re-
mitientes e perniciosas,
Vinho de jurub-ba simples e ta.nbem fer
ruginux, preparados em viob0je caj
Efficfijes as iiiflaoimacea d". y figado e bact
agudas ou chronicas.
Vinbo tnico de. Qa pilari a e.jqnioa
Applicado nai convalescencas das parturienta
Deposito : Francisco Manoel da Silva & C.
tw/mo Jbinoel da^ilw. 4
er-
es
:rs
as


o
I
ei
Seguro que re ttftt dexoberto ate
hoje para expe'lir as ion tir/gas-
BOOUYAL t'RERES
N. 4RA DO CABUG-
Jjmpra-se ouro errata velha.
N. 4
J^^ Jrrfim das plantas
Prei. ofi
to em \
n s miui
ranjiii s, r
a duza. i
preco
JUEGO N. R'
ir in as i'1 as que es-
i :in, vende g u. sapntisei-
fru.r HOO, la-
'i < r, 6*000
1 a mais i> qtii-in a i>or barUo
Ven.ir-
gunilo
de bfi
To m mu Um
" o hot i. 19, se-
EU b d. I.hyrir.th',
|t

rar ttnn r,i:rn( / otnetter a
ndos mirteruliigicO
un ru I 'inna II 43, 1."
b ine pura no
- : ii-thniatico,
nao |a|.i>r;ts
Ao*\q e
mtuil
Nesta ij ,.i
andar vfini
fensiv cu'-
ainda mean uxaquec&s;
intermiten' n qninno);
tose convii ca, .triaras de
Mugue : .de dentes ou
nevralgins, m : venn'tn^us. di-nticao e
convulsSi'g el i ifJi Jo d nr-
vas do pniz
Assim como tiaiam-se escrofulosos em qnalqutr
grfo goMm*fc.<;
mwm NOVIDAHES
Fazendas finas e modas
2 A*-Rua do Cabug--2 B
J. BASTOS & C.
Pelo ultimo vapor recebemos de PAKIS :
Cortes de vestidos diaphanos, alta novidade.
Vestidos da cachemira, especialidade.
Ditoado toda d'Alsuco, grande moda.
Cachemira broch, tecido modernissimo.
Orlatienne^ fazenda nova e padres lindissimos.
Venitienne, combinajao de fazenda lisa e lavrada de muito gosto.
Zephyr quadrile, novidade.
Cachemiras de todas as cores com enfeites de Guipoure.
Plumetie, branco e de cores eom lindos bordados.
Toile d'Alsace, variado sortimento.
Satin double, tecido de algodao e raodernissimo.
Gase de algodSo, em todas as cores, propria para bailes e theatros.
Leqiics diaphanos.
Ditos de setira.
Ditos de madreperola.
Guipoure de seda.
Bicos do seda diaphano, ravoluco da grande moda para enfeitar vestidos
de sedas.
Chapeos de seda arrendados, novidade.
Sedas e setios, branco, preto e de cores.
Colchas de damasco de seda.
Ditas de crochet e Guipoure.
ESPECIALIDADES
Dolmans de seda e cachemira- com enfeites de passemanterie e vidrilhos,
uarnijao de renda e franja.
Jersey de 13 com enfeites de pelocia e bordados, escollados sortirnentos d'eatet
asacos de malha, que vendemos do 8^000 a 15^000.
Forneccm-se as amostras de todos os artigos.
(Telepbue n. m}
(
privilegiado da Casa Real de Espanha
e de S. j. a Rainha de Italia.
Ozea P.
Ozea Sachet
Ozea Esseneia.
Ozea Agua de toilette.
Ozea Vinagre de toilette.
Ozea Agua para os dentes.
Ozea Pasta para os dentes.
Ozea Oleo.
Ozea Sabio.
Ozea Pomada.
Ozea Fixativo.
Ozea Cosmtico.
Ozea Brimantina.
Ozea Cold Cream
Estas exquisitas preparaces sao mnito apre-
ciadas na mais distincta sociedade pela deli-
cadeza do seu perfume.
TRANSPARENT CRYSTALS0AP
(Sabao transparente cristalino)
reconhecido como o mais perfpito de todos os sabaos de toilette pelas suas
propiedades higinicas, pelo seu aron;- o pela sua larga daraofio.
( Depsito as principa.i Perfumaras, Farmacias, dea.

i*
osas
ftr. .
i xa*-
8 %
* 2"
be P
>fie/Jfwri-
<^t/uu>ua-J&}aeMr^
..HhnumatisnM).Cancros,Bobas mpi^ens
e todas as molestias que tenho eua orujem
na impureza do tiangue derida a syphlis

WlO 0*,

3
x
o
h

-V,'.
c-SZirif^-----.----- -.------
ABOftATORIO^EHTRAl DE^RO0UCTOS#t0ICINAt|
i 0AF UNA IA8.tUtRA ^
19 Ra do Vteeonde do Rio Bra-noo l|jP
-HIOKE JAXK 10 s
O

(Je. m
s O
= a*

=
o
9
G-
P
Til
o
M*m%m*%*m***

C :
>#^i
(oengas $trvo
RADICALMENTE CUS M COM 0
BROMURET
XA.ROI=E SED.A.TIVO
0*8 Ciscas da Laraiijts amarga
com BRCKIURETOde POTASSBO
APPROVADO PELA JUNTA DK IIYGIE.NE DO B3AZIL.
\1
O
Bromnreo de Potassio de
Laroze, como todos os productos
feitos neste estabelecimeulo, de
urna pureza absoluta, condigao indis-
pensavel para que se obteuha elTeitos
dativos e anodynos sobre o sys-
tema nervoso.
Dissolvido no Xarope Laroze de
Gaseas de laranjas amargas, este bro-
mureto umversalmente empreado
e exclusivamente receitado pelos mais
celebres mdicos de todas as facul-
dades para coml>ater com certeza :
as ilfcc^oes nervosas do corac3o,
da vas digestivas e respiratorias,
as nevralgias, a epilepsia, o hyste-
rico, a danca de S. Guy, a insomnia
das criancas durante a denticao, em
um.i palavra, todas as aeccSes
nervosas.
No mesmo deposito acha-se a venda os seguintes roaiictos de J.-P. LftROZE r
XAROPE UR0ZE.^^^TGslC0, MITI-? ERVOSO
Contra as Gastrites, Gastralgias. Oyr.pepsia, Dores e Caimbras de estomago.
XAROPE BEPUITIIIOdeSS.^,*IORETO 0 POTASSIO
Cooira m A#>f?6s escrofulosas, cancerosas. Tumores brancos. Acide? de sangue.
Accidentes svpliihticos eecund nos e terciarios
XAROPE FERRUGINOSO,':;;Prt3T0-l0l)HET0*FERR0
1 Anamia, Chloro-Aneniir., COr-^s paludas. Floros brancas. Racbiusmo.
ipesitc tm toiss u isas Sngtxaj i gaxti.
% Pars, J.-P. LAROZE e C fl, Pharmac ticos.
dlk 2, ME OrS ItOHS-SlINT-PiUl 2 ^
IPILLAS DIGESTIVAS B PANCEEATINAl
de DEFRESNE
Pharmaceutico de i" Classe, Fornecedor dos Hosoi'a- de Paris
A Pane re atina empregada nos hospitaes de F'aris, o mais poderoso)
[digestivo, que se conheca, "isto como tom a propredade d digerir el
I tornar assimilaveis nao smen.e a carne e os corpos furdurosos, masl
[tambem o pao, o amido e as fculas.
Qualquer que seja a causa da intolerancia dos alimentos, aneaco, oul
'ausencia de sueco gstrico, inflammaeao, ou ulcer;u;- is ido intestino, 3 a 5 pilulas le Panceatina de Derc-s"*- depois da co-i
Imida, sempre alcancam os melhores resultados e sao por ibso p-3scriptas|
(pelos mdicos contra as ssguintes a(Tecco':s:
jFalta de appetite.
'Ms digestes.
Vmitos.
Flatulencia estomacal
Anemia. i Gastrclgiaa
Diarrhea. | Ti]cerac6*a oancerosaa.
Dysenteria. Enfermiriarles do figado.
Gastrites. Einmarrocimento.
i Somnolencia depois de comer, e vomitlo comp..nna q a gravidez
FANCREATMA DEFRESNE am frasquinlios :om a .ose de 3 a 4colhe-
radazinhas depois da comida.
|Ib cm dt DEFRUSNB, autor da Peptona, PARS, an todas ai PharmaciM
1
.^&i4K*ii!l'I '* e-J1..




Diario de PeraambucoSabbado 31 de Julho de 1886

L

i
Menino
precisa-Be, de um menino:
Casias n. 39 2- hiidar.
na roa Duque de
ltenlo
Compra-se oualuga-ae urna boa easa perto da
cidade, desejande-ae nos aeguintes mw= &"
ledade Caminho Novo, Cpanga, Pasagcm da
Magaalena, tendo bom sitio, ?> g q
tiver dirija se ra do Imperad n. 49. 1 andar,
a traUr com o solicita ter Antonio Nevea.
201390
O Dr. Mello Gomes e chamado ra estre
do Rosario n. 15, a >*gc>o qe nao ignora, ha
dous annos._________________________
Precisa-se de urna professora que saiba tocar
bem piano e mais traba Ihos de senhora, para en-
genho : a tratar com o Bario de Nazaretn, a ra
do Imperador n. 79, 1- andar. ________
Engonimadeira
Precisa se de urna mulher de bom comporta-
ment, que saiba engomar bem : a entender-ae
no escriptorio da redaccao desta folha. das 2 horas
at s 5 da tarde. ___________
Olioda
Carlorio do ewcrlvCo Dr. Calda*
No dia 29 de Julho ir prac pela renda de
dous annos, perante o juizo de orphaos da comar-
ca de Olinda, o sitio denominado Quadro, na
praia do Jang, com 300 ps de coqueiros, com
mattas e capoeiras, casa de tijolo, tendo dito si-
tio meia legoa de Mudo e 1,800 palmo de frente,
sob a base de 200j^nnuaes.________________
Entre amigos
Com a uitinta lotera do me* de
Julbu
Deixa de ter lug.'r por ter sido transferida a
lotera n. (y, que era a ultima deste reez. como se
v do anuncio do Diario de 28 do andante, ficar
para quando for mnunciada.
Gavillo e botes.
Telegramna (resposta paga)
Bicos orientaes, grande variedade em cores T
larguras, receberam 0 Pedro Antunes & C-, e ven-
dem barato ; espen.mos rt aposta ao 63 rna Du-
nue de Cas. Nova Esperknca ; novo sortimen-
to em leques de papel a 700 e 800 rs, preferencia
exclusiva : ditos de seda, bonitas cores e lindas
paisagens a S, barra*. puohos e collarinhos
bordados para senhora a lSOO e 2*500 ; ditos
com pintas de cores a 15200 ; bonitos e delicados
lacinhos de cores, ultima moda em gravatas, a
1JC00 Re:posta paga ; vale a pena verem o que
: na loja de Pedro Antuues fc C. n. 63, ra
Duque de Caiias.___________________________
Pharmacia
Vende-ie a armaco com balea, potes, vasilha-
me e mais pertencas da Botica do Recite, sita
rna do Bom Jess n. 26, por precoa muito com-
modos. Para informaco.-s, dirijam-se botica
franceza de Rouquayro! Freres. ra do Bem Je-
ss n. 22. _______
Mmlanca
O solicitador Jlo Caetano de Abreu mudou o
seu escriptorio para o priaieiro audar do predio
n. 88, ra d" Imperador.
Oagei te Ifis Pestaa
est encarregado de comprar e vender bona pre-
dios nesta cidade : trata-se em seu artnazem
ra do Vigario Thenorio n. 12. ^^^^^
Jos de Castro (jiiima-
raes
que em Goyanna tem o nome de Jos Gaspar
Douiingues de Souza nao mais cebrador da co-
cheira rus da Imperatriz n. 29 desde Marco, e
chamado prestar contas dos dinheiros que re-
cebeu. como consta das contas <"om os recibo, e
entregar as contas que anda tem em seu poder
ao admin strador daquella conheira.
IMULSAO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Figado de bacalho
COM
Hypophosphitos de cal e soda
Ipprovada pela Junta de Hy
glene e antorlsada pelo
fioeruo
E' o melhor remedio at hoje descoberto para a
(iHlra broncblla. eseropbnlas, ra-
ctalttM. anemia. H enillando em gei-al.
defluxom. toa>e cBronlca e affecede
do pello e da garear.tn.
E' muito superior ae oleo simples de figado de
bacalho, porque, aWm de ter cheiro e sabor agra-
daveis, possue todas as virtudes medicinaes _e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituiutts dos hypophosphitos. A' venda na&
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
VENDAS
Vende-se pela quautia do 1:( 00J000 urna
letra no valor de mais de 8:000 com os compe-
tentes juros. E' divida segura, pois ha aeco de
penhora e exeeucao, como se poda ver nos com-
petentes documentos : qu*m pretender dirija-se i
ra do Marques do Herval numero 23, pavimento
terreo.
Vende-se um terreno sito na Casa-Forte,
ra da Amisade, com eatimb e fructeiras, tendo
156 palmos de frente e 300 d fundo : tratar na
ra da Imperatriz n. 42.
. Vende-se ou arrendase e engenho Jerusa-
Icm, na freguezia de SerinhSem, perto do porto de
embarque e perto da etcao de Kibeirao ; enge-
nho d'agua com bons terrenos, mattas, cercado,
casa de vivenda, com 12 casas para moradores,
casa de farinha, distilacao, estribara, e outras
bemfeitorias; bem como boa safra paia 800 paes.
Os pretndenos podem dirigir se para o metmo
engenho, ou para o escriptorio da ra do Bom
Jcuur n. 43, que acharao com quem tratar.______
Auna Lenidas de Fi-
gneiroa Faria
Francisco de Fgueir6a Faria e seus filaos con-
vidam a todos os seus parentes e amigos para
assistircm as missas que por alma de sua nnnea
esquecida esposa e mili, m.indam celebrar no dia
5 de Agosto, no convento de S. Francisco, s 7
horas da man ha, Io anniveraario de seu pasea-
mente Desde j antecipam seus sinceros agra-
decimentos a todcs aquel les que se dignarem ae-
sistir a este acto, dando assim urna prova de sua
amizade e car dade chjista.
Custodio Floro da Mi va Fragoso
A ma, roaos e eunh .dos do finado msjor Cus-
todio Floro da Silva Fragoso, agradecer de cora-
cao todas as pessoas de sua amizade que lhes
fizeram o caridoso obsequie de acompanbar ao
cemiterio publico os restos mortaes daquelle sen
idolatrado filho e irmae ; e de novo lhes rogam o
compareeimento s missas do stimo dia, que se-
rao celebradas as matrizes da Boa-Vista desta
cidade e da de Palmares, pelas 8 horas da ma-
nha do dia 2 de Agosto.
Manoel Antonio de Jeao* .
O Dr, Jnlio Cesar de Castro Jess, o bacharel
Augusto E. de Castro Jess (ausente), Olympio
de Jess Goncal ves, Mara Leopoldina de Jesns
Carvalho, o capito Manoel Antonio Goncalves,
Antonio Gomes de Mattos (ausente), Theodolinda
de Jess (ausente), Jos Fernandes de Carvalho,
filhos, genros e ora de Manoel Antonio de Jess,
cordialmente agradecem aos amigos e parantes
que assistiram aos ofc.os fnebres e enterramen-
to de seu presadissimo pai e ogro, e vogam-lhes
o carid' so obsequio de comparecerem s missas
de stimo dia, que serao celebradas na matriz de
Santo Antonio e na capella do cemiterio publico,
a 8 horas da manbq de 2 de Agosto.
JN Joaquina Bibeiro
Joauna Maria Ribeiro, Jos Firmino Ribeiro,
Caetano Theatino da Silva Ribeiro, Fructuosa
Francisca Ribeiro Ontes, Antonio Ontes Martina,
Rita Maria de Amorm Ribeiro, Joio Casimiro
Archelau de Ontes e mais parentee, agradecem
do intimo d'alma todaa aa pessoss que se digna-
raaa acumpanhar os restos mortaes de sen sempre
chorado esposo, pai, sogro e av, a ana eterna
morada, e ^e novo os couvidam a asaistirem as
missas que u andam celebrar no dia 2 de Agoste,
stimo do seu passamento, na matriz da Boa-Vis-
ta e i, a capella de 8. Jas de Pedra Tapada, aa 7
1|2 horas da manha, e desde j ae confesaam
" Jecidos por este acto de religo a caridade.
Liquidam os seguintes artigos mais barato que em
outra parte, visto serem alguna comprados em
leile a saber:
Lindos cretones claros a 240 e 280 rs., o co-
vado.
Failes de novos gostos a 400 e 500 rs. o dito.
Linons com palmas de la a 800 rs. o dito.
dem com salpicos a 560 e 700 rs. o dito !
Popelinas com litras de leda a 280 e 320 rs., o
dito para acabar.
Esguiao pardo para vertidos a 500 e 560 rs. o
dito.
Sctinetas, navidades, a 320 e 360 rs., cores
firmes.
Damascos de la, largura de 2 metros, proprio
para pannos de piano a 1800 o covado ; de cores
propnas para mesas a l500 e 1600 o Merinos pretos para lut, 2 larguras a 900, l,
1*200 e 1*509 o dito.
dem de tudas aa cores tU el 200 o dito.
Casemiras de 2 larguras, padroes inteiramente
nevos a l#i00, U600 e l^SOO o dito.
Setim maco, de todas as cores, desde 800 rs. a
2 o dito.
Atoalhado trancado e bordado a 1^400 e 1500
o metro.
Bramantes de 4 larguras, superiores a 900 rs. e
1*400 o dito.
dem de puro iinho a 2 o dito.
dem de urna largura a 500 rs. o dito.
Guarnices de crochets para sof e cadeiras a
8*.
Riquissimas colzas de dito a 12* e 14*.
Lindas grinaldas e veos para Exmas. noivas a
14*.
Cortinados bordadas a 6*500 e 10* o par.
dem em pecas com l' jarda, novos desenhos a
9i.
Toalhas felpudas de cores, para rosto, a 7*500
a duzi;i.
Meias inglezas, cruas a 3*500, 4* e 6* a dita.
dem arrendadas para senhort a 8* a dita.
Seroulas bordadas de bramante a 12* e 16* a
dita.
Camisas superioies frsncezas a 38* e 42* a
dita.
Cobertas de ganga, forradas a 2*500 e 3*.
Lences de bramantes, grandes a 2*.
Chales de casemira, dem, a 2*, 3* e 5*.
Cortea de casemira inglesa a 3*, 4* e5*.
Cheviot superior, de 2 larguras, a 3* e 8*500 o
covade.
Vendas em grossodaaos descont
da praca
59Ra Duque de Caxias==59
Carneiro da Cunha k .
WHISKY
KOYAL BLEND marca V1ADO
Este excel lente Whisky Escosscs nreferivt
ao cognac ou agurdenle de caima, para fortifica
o corpo. *
Vende-se a retalbo nos tu iherea armazens
nolhados.
i'ede ROY AL BLEND marc* VIADO cujo n.
me e emblema sao registrados para todo o Braai
BBOWNS V C, agentes_________
Malas para viagem
Vende-se malas e bolsas de todos os tamanhos,
por presos sem competencia : na ra do Impera-
dor n. 63.
Cimento po llaod
Vende-se de diversas marcas, no armazem de
Soares de Amaral Irruios, ra da Madre de
Deus n. 22.
GRANDE
. + t ft
Constancia de sonsa Monlclro
Jos Maria Monteiro e seus filhos, agradecem
do intimo d'alma a todas as pessoaa que se dig-
narais acompanbar os restos mortaes de sua pre-
zada filha, Constancia de 8. Monteiro e de novo
as convidara para aasistir ;a miaaa de stimo dia.
que ter lugar segunda-feira 2 de Agosto, na
ja de N. B. do Carmo, as 7 horas da manha ;
leja se confesaam agradecidos.
Aproveitem!
Vende-se tudo barato
Largo de S. Pedro n. 4L
Neste estabelecimento contra se sempre um
completo sorti ment de gaiolas e pacsaros naci-
naes e estrangeiros, o melhor que ha neste ge-
neroj fructas maduras, balaios proprios para ni-
nhoa de canarios do imptrio, cestinhas para cos-
tura, vassouras do ara a 800 rs. cada urna, que
custa em outra qualquer parte a 1* e 1*200, con-
serva de pimenta americana em bonitos frasqui-
nhos a 120 rs. cada um, para acabar, maesa de
mandioca muito bem preparada, para bolos.
Pinho de Riga
Vendem Fonaeca Irmaos t C, a preco mdico
Cabriolet
Vende-se m em peraito estado e por preco
,'ommodo; tratar na ra H'ni.- dnRazias u. 4~>
Exposifo central roa larga do
Rosario n. S8
DamiSo Lima & C, chamam a attencao das
Exmas. familias para os precos seguintes :
Carreteis de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 2*500 e 3*000.
Fita n. 80 para faza a 2*500.
Leques recatas e D. Joannita a 1*000.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2*000.
Leques D. Lucinda Colho a 6*000.
Toalhas felpudas a 500 600, e 1*000.
Duzia de meias para homem a 3J000.
Ditas para senhora s a 3*000.
Luvas de seda a 2*000.
Meias de fio de seda para menina a 1*000.
Colarinbos de Iinho a 500 rs.
Ditos de algodSo a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de eordao para vestido a 20 rs.
visiveis grandes a 320 rs.
rampos invisiveis a 60 rs.
Um leque de setim (novidade) a 6J500.
Ricas bolcinhas de madreperola.de 1*500 6*.
La para bordar 2*800.
Urna capella e veo de 15*000, por 12*000.
Um espelho de moliura por 5*500.
Urna pulseira de fita per 1*200.
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna boneca grande de cera por 2*500 e 3*000.
NA EXPOSICO CENTRAL
38Boa Larga do Rosario38
Florida
Loja de miudezas
Rna do Duque de Caitas n IOS
Os proprietarios deste granle estabelecimento
de miudezas, modas e para accommodar os interes-
ses da poca, tem resolvido venderem por meuos
vinte por cento que em outra qualquer parte.
Pentes elctricos 6* 0 rs.
Luyas de pellica a 2*500 o par.
Linba de carritel branca e de cores a 80 rs.
Grampos a 20 rs. o masso.
InvisiVeis a 320 rs.
Vestuario de fusto bordado para crianca a
3*000.
Pentes de regaco para crianca a 100 rs. um.
Baleias a 360 rs. a duzia.
Haapas para anquinhaa a 120 rs. o metro.
Bicos com tres dedos de largura a 1*500 e 1*800
a peca.
Linha de cores para crochet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amizade a 40 rs. o caderno.
Fita cnineza a 320 rs. o masso.
Lencos de Iinho a 1*500 a duzia.
Lindos bicos de cores com 10 Jardas a 4* e 5*
a peca.
Urna caixa cem tres sabonctes desenhando urna
rosa por 500 rs.
Meias de la de cores Dar senhora a 1*500 o
P^j______________________________________
Fazendas brancas
SO' AO NUMEXO
4 rna da Imperatriz = 40
Loja do baraeiro
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todaa estas fazendas
abaixo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER :
AlgodSoPecas de Igodoxinbo com 30
jardas, pelo- barato preco de 8*800,
4|, 4*500, 4*j 0, bg, 5*500 e 6J50
MadapoloPechas de madapolao com 24
jardas a 4*500, 5*, 6* at 12*006
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de 800
Ditas branca e cruas, de 1* at 1*800
Creguella francesa, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
ceroulas, vara 400 rs. e 5O0
Ceroulas da mesma, mnite bem fetas,
a 1*200 a IJOO
Colletiuhos (fa mesma 800
Bramante fraocez de algodo, nraito on-
corpada, com 10 palmos de largura,
metro 1^2
Dito de Iinho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e 208I
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro 1J800
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
drees delicados, d 240 rs. at 400
Baptista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs. 200
Todas estas fazendas baratissimaa, na conbecida
loja de Alheiro & C-, esquina do becco
dos Ferreiros
Algodo entestado pa-
ra lenfoes
A Oo rs. e l *000 o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
:odao para lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de largnraa 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 metro, assim coma dito trancado para
malhas de mesa, com 9 palmos ue largura a 1*200
i. otro. Isto na lija de Alheiro & O, esquina
do ceco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1*200,1*400,1*600, 1*800 e 2* o covado
A heiro & C, A ra da Imperatriz n. 40, ven
dem muito bons merinos pretos pelo preco acim
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
cu di a Ferreiroa.
Espartilhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vcnd**fce
muito bons espartilhos para senhora*, pelo preco
de 5*000, assim como um sortimento d roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 3* e covado
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
sas, de duas larguras, com os padroes mais deli-
cados para costnme, e vendem pelo barato precc
de 2*800 e 3J o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar fazer eos turnes de casemira a
301, sendo de paletot sacco, e 35* de fraque,
frande pechincha ; aa loja dos barateiros da Boa
lata.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Oa barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porco de brim ;ardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de S3
rs. o covado, grande pechincha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordados a lOOrs. a ateca
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
brdalo, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em cartao eom 50 pecas, aorti-
das, por 5f, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Frreiros.
A RevoluQo
ra Duque de Caxias, resolveua vender
os seguintes artigos com 25 0[q de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Sedas lavradaa de 2*000 por 1*000 o covado.
Cachemiras de cores a 1*200 o covado.
Ditas pretes a 1*000, 1*200, 1*100, 1*600
1*800 e 2*000 o covado.
Dita broch, de l e seda, lindos tecidos, 1*500
o corado.
Gorgorinas de listrinhas a 360 rs. o covado.
Setins a 800 e 1*200 rs. o covado.
Dito preto a 1*000 e 2*200 o covado.
Gaze com boliBhas de velludo a 800 rs. o co-
vado.
Lis com bolinhas a 640 rs. o covado.
Velludilho liso e lavrado a 1*000 e 1*200 o co-
vado.
Fustao branca a 440, 500, 560, 600 e 800 rs. o
covado.
Gioadenaples pretos a 1*800, 2*000, 2*500 e
2*800 o covado.
Nnsoc de cor a 300 rs. o covado.
Cretones finas a 360, 400 e 440 rs. o covado.
Cambraia de quadros a 1*500 a pe$a.
Dita transparente de 4*000 por 2*000 e 2*500
a peca.
Linn branco a 500 rs. o covado.
Fecha de retroz a 1*000 um.
dem de la, de 1*000 at 6*000.
dem de pelussia a 5*000 e 6*500.
dem de pelussia bordados a 7*000.
Cretones para chambre a 820 e 360 rs. o co-
vado.
Cambraia com salpicos a 64 rs. a peca.
Chapeos de sol de cores para senhoras a 7500
um.
Brim de Iinho de cor a 1*200 o metro.
Linhos cscosse^es a 240 rs. o covado.
Zephiros listrados a 200 rs. o covado.
Tapetes para janella, piano e cama a 4*000,
6*000 c 7*000 um.
Ditos avelludados para sof a 24*000 um.
Fustao de cor a 500 rs. o covado.
Setinetas lavradaa a 500 rs. o covado.
Flanella branca a 400 rs. o covado.
Setinetas com desenhos lindos a 440 rs. o co-
vado.
Cortes da casemira a 3*000, 3*500, 5*0C0 c
7*000.
Casemira de cor e preta a 1*800 rs. covado.
Timoes bordados a 4*000 um.
Brim pardo lona a 360 e 500 rs. o covado.
Camisas de meia a 800, 1*000 e 1*200 urna.
AlgodSo com duas larguras a 800 rs. o me-
tro.
Esguiao amarello para vestidos a 500 rs. o co-
vado.
Espartilhos couraca de 4*000 a 8*000 um.
Para as Exmas. noivas
Setins maco a 1*200 e 2*000 o covado.
Popelinas a 600 rs. o dito.
Alpaca a 400 e 440 rs. o dito.
Setinetas lisas e lavradaa a 500 e 560 rs. o dito.
Cortinados bordados a 7*000, 9*000 e 15*000 o
par.
Capellas e veos finos a 10* e 14*.
Colchas bordadas a 5*000, 7*000, e 8*000
urna.
Camisas nacionaes
A 4SOO. 3OO0e 3*500
32^-- Loja ra da Imperatriz = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortimento de camisas brancas, tasto de aber-
turas e pjnbos de Iinho como de algodSo, pelos
baratos precoa de 2*500, 3* e 4*, sendo iazends
muito melhor do que as que veem do estrangeiro e
muito mais bem feitas, por serem cortada* por
um bom artista, especialmente camiseiro, tambern
se manda fazer por encommendas, a vjntade des
fregueses : na nova loja da ra da Imperatriz n.
3:, de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
S Rna d Imperatriz = *i
DE
FERREIRA DA SILVA
Neste novo estabelecimento encontrar o rea-
p jitavel publico cm variado sortimento de fazen-
das da todas as qualidades, que se vendem por
precos baratissimos, assim como nm bem sorti-'
ment de roupas para homens, e tambern se man-
da faaer por encommendas, p r ter um bom mes-
tre alfaiate e completo sortimento de pannos finos.
casemiraa e brina, etc.
8*
Boa
acquisi^ao
Vende-se, arrenda-se ou .ermut se um* boa
casa para gmnda familia,^ontendo sitio bem ar-
borisado, duas cacimbas, (Pagua d< ama
meia agua no ujesmo sitio, a qnal saacha singa-
da e com taverna, no luar Campo Grande, pesco
da eetacao do mesmo nome : a tratar com o pro-
prietario Luis do Reg Barros, no mesmo siti.
Farinha para porco
Vende-se .para acabar, por preco medico : n
ra do Imperador n. 63.
VAPOR
e moenda
lotera
ALAGOAS
CORRE NO DIA 5 E AGOSTO i
INTRAHSFER7EL fflMSFlIVEL!.
O portador quepossur um
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar..,-...
10:0061)000.
Os bilbetes acham-se a' ven-
da na Casa Feliz, praca da In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 3 de Agosto
1886, sem alta.
O portador de dous vigsimos desta
importante lotera do custo de 2.1200 est
habilitado a tirar
2o:oi2$ooo
Pre^o em porco
Vigsimo
vigsimo.
A' RETLHO
14000
t100
5J5CX
6J5K
800l
3J0M
1J6M
no
a*Boa da liaperairii
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se aa roupas abai
xo mencionadas, que sao ba- .i^mwt.
Palitots pretos de p-v cnagonaes e
acolchoado8, senuo tazenoa sauito en-
cornadas, e forrados 7#00t
Ditos bem eitos e torrados lOJOOt
Ditos de dita, fazenda muito melhor 12*001
Risas aiminlli nml sendo iaglesa ver-
dadeira, e forrados 12*001
Calcas de gorgorao preto, acolcboado,
sendo fazenda muito escarpada
Ditos de oasemira de cores, sendo mnito
bemfeitas
Ditas da flanella inglesa verdadeira, e
mnito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de tnuleskim e
da brisa pardo a 2, 2*500 e
Cesadas de greguellas para homens,
sesjoo muito bem fetas a t*'300 e
ColletmhoD de greguella muito bem' fcitos
*|^ini como nm bom sortimento de lencos d*
Iinho e de algedao, meias croas e coilarinhes, etc
Isto na loja aa ma da Imperatriz n. 3a
Riscados largos
a OO rs. o ovado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vendem si
riscadinhos preprios para roupas de meninos *
^vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covade
tendo ^jnasi largura de chita francesa, e asir'
como bitas brancas miudinbas, a 200 rs. o
do,e duaa es curas a 240 rs., pechincha
loja. s Esleir da Silva.
Fnsrt*s, setinetas e taslnltas a so'
rs. a ovado
Naoja da roa da Imperatriz n. 38, vende-s
um grande sortimento de fustSes brancos a B0
rs. o covado, lazinhas lavradaa de urta-cSrea.
& senda, bonita para vestdes a 500 rs. o covado,
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas s"
cores, a 500 rs. > osrsdo. pechincha : na lo*
do Berera da Silva.
rina pretos a 199
' Vendaje merinos pretos de duas larguras pan
vestidos e roupas para meninos a 1*200 e 1*60(
o covado, e suoenor setim preto para enfeites f
1*50Q, afsim como chitas pretaa, tanto lisas eoos
de lavfcurea brancos, de 240 a' 320 rs.; na nov
laja dfe Pereira da Silva rna da Imperatriz na-
meroB2.
Alstoduociobo francs para leacate
a OOO r., 1 e l**o
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vande-a.
superiores algodaozinhos francezes com 8, 9 e 1'
palmos de largura, proprios para lences de na
s panno pelo barato preco de 900 rs. e 1 *000
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*280, as
sisa como superior bramante de quatro largurai
para lencoea, a 1*500 o metro, barato ; na Iqjt
do Pereira da Silva.
Roupapara meninos
A 44, flSOO e a*
fta nova loja da ra da Imperatriz u. 82, m
vende nm variado sortimento de vestuarios pro
prios para meninos, aeadode palitosnbo e ealei
nba corta, feitos de brim pardu, a 4*000, ditoi
de moletqvim a 4*500 e ditos de gorgorao pretc
emitaodo casemira, a b*, sao muito barates ; n>
loja do Pereira 4a Silva.
9
Vende-se nm bom vapor e moenda com
uso ; a ver no engenho Timb ass, muito c
da estaco do mesmo nome ; a tratar na ra de I de
Imperador n. 48, 1 andar.
Pitea, tiiatfts e telte
/
.a^HHkp-ieu
elephone
A RODA DA FORTUNA
56Ra Larga do Rosario36
Aos LOOOIOOOSOOO
200:0001000
lltMMSOH
LOTERA
13 S08TEI0S
Em favi-r dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Etrap flia 13 fie Beata tt 1886.
0 thesottreiro, Franciseo Gonyalves Torre
nimm baratas
Na bem conhecida loja dama Primeiro de
Mateo n. 20
JUNTO DO LOLVRE

Grande sortimento de madapolSes de 4^500, 5, ^5^50, 6^ 64&06
7S00 e 80000 H
Algodoes brancos, superiores'qualidades, de 40, 40500, '50VIW5OO, 60 e
60500.
Saperiores eretona de 320 a 500 o covado.
Batistes, lindro paarSes, a 200 e 320'rs. o covado.
Fust3es brancos de novos desenhos a 440 e 500 rs. Jk.oovado.
Cobertas de ganga, forradas, de dous pannos a 30 500i!
Ditas de ganga cretone,boni^4 padrSes, a 30000.
Lengoes de bramante, .de lnhY de %$ a 40000 a um.
Ditos de algodao de l/BOO a 20500. '
Toalhas felpudas, ^^manho' regular a 50000 a duzia.
**" Ditas grandes para banhos. a 20000 urna.
Lenco de algodao de 10809 a 202Q8fc* duzia,
'"D^os"'1'? algodjff, nm~bacra, a 20400 a duaia.
.i pardo, claro, r. 300, 400 o 700 rs. o covado'.-/, ;"
Dito Jaacado, loua, a 10, 10x00 e 10200 o meto,
vest.- de cretone de 200 por 80000.
apos Bnho de 30500 a 60 a duzia.
Grande vanodade de anquinhas de 20 a 50060.
Meias cruas para homem a 50, 60, e 70000 a duna.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 50 a 100000.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
Algodao-trangado de duas larguras ft;l#30O a vara.
Bramante de algodao, de qnatro larguras, ie 10500, 10800 e 2000 a vara
Dito de'linhb idem idem de 2&205OO 30 e 40000 a vara.
Leques de papel, de lindos d>#enhos, de 500, 800 e 10000.
Merino preto e azul a -104O Js. o covado..
Setinetas lisas de todas, s cores a 440 rs. o covado.
Guarda p de brim oM*Snho pardo a 40, 50 e 61000-
Oxford pra camisas, lindos padr*, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Velbutinas de todas'as/cores a 10000 o covado.
Molesquin de cores, bfafitos padrSes, a 600 rs. o covado.
Chales de algodao a'10200, 10400, 10600 etfJfOOO.
Costumes para oanhos de mar a 80 e 100000. ^^
Cortinados bordados para cama e janellas a "S 100, 12, 14 e 160000 o pa*.
Grande sortimento de upa feita para trabajadores de campo.
Bncarregamo-nos tainhkde mandar fazer iquajquer roupa para htmens e:
meainos. para o qne temos un hafcl oflScial e um grande t sortimento de pannos, bnai,
casemiras, ete. .ir
qu >ns. barato, jd^ver visitar de prelerenoif
este antigo e nc

I

al

no
F


ASSEMBLEA GEilAL
AMAIlT~s_DBeiITAS
SESSO EM 15 DE JULHO DE 1886
PEISIDBNCIA DO SB. A3DBADE FldUEIBA
(Continuadlo)
FOSCAS DE TEBBA
Eotra em a 2* diicasslo o art. 2o do
project fixando as forjas da trra para o
exercicio de 1887- 188o.
O Sr. Candido de ollvelra nao
se aproveita da faouldade que lbe d a
nova reforma do regiment pra discutir
geralmeute no art. 2" os assumptas dos
demaia artigos, e por isso limitar se-ha a
discutir strictamente o art. 2..
Trtando de premios a engajados e a vo-
luntarios, a proposta fixa 500 para os pre-
mios e 400 para os segundos. Nao acha
exagerado o premio, 'o por isso concorda
com a propjsta; o que i-penas acba incon-
veniente o modo por que se faz o paga-
mento, em tres preatagoes iguaes, a pn-
meira no acto de assentar praga, a segun-
da depois de dous annos de servico e a
terceira na occasilo em que se d a baixa
ao soldado. As desercSes o os fallecimentos
das pragas muitas vezes prejudicam a fa-
zenda publica, em consequencia do adan
tamento das prestares. Por isso julgava
melhor que se instituase outra regra para
o pagamento dos premios.
Pugnou por esta idea quando no gober-
n : infelizmente nao pode leval-a a effeite
pelos embaragos quo entlo surgiram.
Pela experiencia que adquiri na pasta
da guerra, pode assegurar ao nobra mi-
nistro que nao s nesta paBta como na da
marinha podem realisar-se grandes econo-
mas, j em relaglo a reparticoes duplica-
das e que podem ser supprimidas at cora
Eaniagem de servigo publico, j pela eli-
linaglo de pessoal visivelmente superluo.
V, porem, com pezar que o plano eco-
nmico do nobre ministro da fazenda vai
ser burlado, porque em vez de S. Exc.
enterder-se cora os chefes dessas duas pas-
tas no intuito de fazer grandes reducges
no sentido indicado, S. xe, lunita-se a
economas que nada peaam no seu emp3-
nho de debellar e dficit. I
At agora nada se sabe a respeito das
economas qua pretende realisar o nobre
ministro da guerra na sua reparticao
por isso estrauha o silencio de b. &
que talvez veja tudo cor de rosa, como
vel pela qual
voluntaria'o. reprodcelo do que se tem feito ultima-
e
Exc,
o
e razoa-
seu antecessor
Acredita o nobre ministro que
vel a continuado do systema de pagamen_
to de premios aos voluntarios e engajados?
E nao se pense que este systema pode dar
bom pessoal, porque sabido que desde a
abolicao do recrutamento s acodem a ser-
vir as fileiras, nao cidadlos morigerad- s,
mas gente que nao tem occupaglo alguraa,
vagabundos e desordeiros.
Infelizmente o problema do paupernsmo
j se impSe na nossa aooiedade, pela ac-
cumulacao nos grandes centros de grande
massa de'gente desoecupada. Aqu o pro-
letariado numeroso, e avolumado por
essa conspiradlo armada contra a tranquil-
lidade pualica, symbolisada pela instituicao
do capoeira. Para cumulo do mal, no
capoeira que est o viveiro do nosso vo-
luntario. Para isto deve olbar o governo
com a maior attenglo, porque a rategrida-
de do imperio nao deve estar confiada a
muitos daquelles que tem a seu nome no
rol da polica como malfeitores, facto de-
gradante para a naci, e que o orador
teve ensejo de verificar consultando os ar-
jChivos da repartilo da guerra.
"Pronuncia-se contra a nianutenglo do
systema da le de 1874, que garante s
classes ricas un* privilegio odioso, qual o
de libertarse pecuniariamente o cons-
cripto.
Esta desigualdade da lei avilta o pobre,
collocando o em condiglo inferior no paga
ment do imposto de sangue, que deve to-
car a todos.
A lei de 1874 est sendo executada ha
12 anno3 ; mas vai sendo constantemente
violada, acreditando o orador que para
esta violaglo concorre a forma condemna-
FOLHETIH
RIGOLO
POR
2A7IS3 32 EMTBHS
(C0NT1NUAQ0 DE ANGELA)
(Continuando do n. 171)
xvni
Fique descansada a este respeito, mi-
nba senhora... Conhego o Sr. de Gevrey
nicamente de nome e de vista, e, mesmo
que tivesse relagoes intimas com elle, nlo
seria to desastrado que lhe fallasse as
suas innocentes distracces.
Ab I senbor discreto...
E' na miaba opiniao, absoluto dever,
sobretudo quando se trata de ama se-
nhora.
Um terceiro sorriso, cada vez *raais gra-
cioso, provou que a moca concedia a esta
declaraco de principios urna approvacio
sem reserva.
Sophia e Renato camnhavam um ao la-
do do outro sobre o asphalto do boulevard
Saiat-Michel.
Parece-me, disso Sophia, que nunca
o encontrei na Vaga, a nao ser boje... es-
toa engaada? v
Nao se engaa... FurThoje pela
ptlmeira vez.
Comtudo, do Quartier.
Voa ser. Cheguei mesmo esta ma-
nbS a Pariz... para aqui estudtr,..
Medicina ?
mm Nao, minha senhora, direito.
Magnifico... Costo mais disso.. os
estudantea de medicina nao se dio com o
mea gosto ; patuscos, bons rapazes, mas
parece-me sampre que chfljiyn a cadver.
,A moja calou-se, mk a vista nos olhos
de Renato e dea ama grande gargalhada.
E' certo que as provincias do norte concor-
rem com o maior contingente para o preen-
cbimento das fileiras do exereito ; por ora
este ponto nlo offarece difficuldade: os
quadros de exereito alo preenshidos fcil-
mente?; mas seria conveniente que o nobre
ministro or lenass um inquerito aaquellas
provincias onde a exeouglo da lei soffre
reluctancia, e depois do exame instituido S.
Ex. apresenussa ao pvl imontJ os retj
ques na lei conforme o que a experiencia
a o ostu'io lbe sggorissein.
Realmente, o orador nlo sabe d que
jian'-ira, com semolhante lei, podara o no-
bre ministro obter 30,030 horaons em cir-
cumstancias extraordinarias.
Dosejava qua o nobre ministro lhe m-
forraH8sa de que modo est sendo executa la
a concesslo dos prazos da trras aos vo-
luntarios escusos do servico ; qual o nume-
ro de prazos concedidos, e era que colo-
nias, de preferencia, as concesaoes tem si-
do feitas ? acabado o tempo de servico,
acba-se a praga escusa munida do sou titu-
lo?
Espera que o nobro ministro lhe d as
nformagoes quo pedo sobre este ansumpto,
que se prende xacujlo d a lei de 1874,
e, portanto, deve merecer a attenglo do
governo.
Umi das reformas que o actual gov r
no pretende realizar a reorganisaglo das
colonias. Discutir o assampto na occa-
silo propria ; entretanto desejava que o
nobre ministro desde j lhe dissesse se tem
em vista a obtencao do crditos extraordi-
narios e especiaos para a reorganisaglo das
colonias, e tarabam se quar augmentar-
les o numero ou substituir por outras
aquellas que julgar inuteis e desaprovei-
tadas.
O que lhe parece de alta conveniencia
que o nobre ministro attenda ao pensamen
to da lei, que est sendo burlado, e reu-
nir as coloniae das fronteiras um pessoal
com quo o paiz possa contar em urna occa-
silo da la. Oomquanto nlo receie nenbu-
ma emergencia grave, acha de bom conse-
lho que nos previnamos com tempo.
Lembra esta provi iencia por estar certo
de que o nobre ministro a adoptar se a
respeito consultar os offiaes competentes
do nosso execito.
O nobre ministro por ora nlo cuida da
reforma do cdigo penal militar, e quanto
reorganisaclo do exerqito adiou-a para a
futura sesslo Entretanto S. Ex. com es-
te adiamento pretere os diriit03 dos nossos
ofEciae8 e desconhece 4os principios de eco.
nomia que resultara ra dessa medida, pois
que nlo se comprehende qua um exereito
apenas de 13,300 prajas tenha cera de
1,500 ofiiciaes.
Conta co 11 a resposta do nobre ministro
s con8derac3es qu< acaba de fazer; con-
cluindo pedo a S. Exc. que faga econo-
mas reaes e efiieazas, em deaempenho do
governo, e nlo se limite a pedir autorsa-
3es ampias em que o abuso pode-se ma-
nifestar excedendo as verbas vptadas.
O Sr. Alfredo Chaves (ministro
da guerra) pretenda na 2.a disuussao do
art. 1. tratar das qu^stSes levantadas pelos
nobres deputados que tomaran parte na
discnsslo desta proposta; que tomaram
parte na discuaslo desta proposta ; espe-
rava poder responder boje, mas a disous-
bIo ficou encerrada hontem por rio haver
oradores inscriptos. Reconhece. entretan-
to, que o Sr. presidente europrio exacta-
mente o regiment. Na 3. discusslo ter
oc -asilo de discutir todos os pontos da
proposta.
D esta explicaclo, nlo porque se in-
commodasse com a declaraclo do Sr. Can-
dido ds Oliveira, de que o orador precisa-
va de tarapo para estudar as questSes da
pasta da guerra; essa declaraclo antes o
lisonjeou, porque costuma pensar antes de
fallar ; mas assegura que nlo precisava de
estados para responder ao nobre deputado,
e se nlo tomou logo a palavra, foi porque
quera dar aos seus collegas occasilo para
tratarem de questoes puramente polticas.
Tratar agora somonte do art. 2." reser-
vando-so para discutir o art. 1. quando a
proposta entrar em 3.a discusslo.
O art. 2, que trata do premio que se
concede aos voluntarios e engajados, a
mente. At 1872, o premio de volunta-
rios e engajados* foi da 400)5 ; ora '1873,
psou a ser da 3005 para os voluntarios
e 4005 para os engajados; em 1876, alte-
rou-se, sendo de 4005 para os voluntarios
e 5005 para os engajados. Alera deesas
vantagas tm elles mais metade do solio
que competa a urna praga, isto 55 ris
na infantaria e 60 ris na cavallaria.
Com estes premios tera-se despendido
cerca de 800:0005 por auno. O orador
est resolvido a ent;ndor-se com a com-
misslo, afira da tazer urna redcelo nestes
premios, em vista da affluencia Ja volun-
tarios, e julga poder diminuir o premio do
engjado a at igualal-o ao do voluntario.
Quanto ao modo de fazer o pagamento, est
de occorio com o que disse u nobre depu-
tado no seu relatorio. Comprehende os in-
convenientes do systema actual, e crj po-
der reforraal o.
Quanto lei do sorteio militar, diz que
se ha nella urna disposiclo que lha repug
na, o resgate por dinheiro; a lei tem
seus defeitos, mas agora nlo se trata de
reformar a lei, e sim de a fazer executar.
Estranhou a pergunta do Sr. Candido de
Oliveira, e diz que, so reconhecer que a
le nlo pode ser executada, vira cmara
pedir providencias.
Com relajo aos prazos de trras conce-
didos aos voluntarios, diz que verificou que
a lei tem sido cumprda com a maior exac-
tidlo. Pedio autorisaclo para reformar as
colonias militares, porque reconhecea que
estas carecem de reformas, mas nlo pre-
tende augmentar a despeza com esses ser-
vicos.
A organisaclo do exereito assumpto
muito serio, sobre o qual nlo pode emittir
opiniao de momento ; mas assegura ao no-
bre deputado que ha de estudar a materia
e apreaentar um project.
O Sr. Aires de Araujo suppfe
que o Sr. ministro da guerra ficou emba-
raza Jo com o eneerraconto do art. 1.,
com o qae o Sr. presidente da cmara pen-
sou prestar um servico ao governo.
Nlo sabe que resultado o nobre minis-
tro espera colher, reduzindo o premio de
voluntarios e engajados* Sentio, que S.
Exc. guardasse silencio sobre as providen-
cias de que pretenic lanear mo para dar
execulo lei do sorteio militar e acha
correcta a declaraclo que fez S. Exc. de
que se vis3e que nlo poda dar execuclo a
essa lei, viria pedir providencias c-
mara.
Passa a tratar das colonias de estado,
mostrando que os prazos de trras, conce-
didos por lei s pracas que acabara seu
tempo de servico, um ireito qae-nlo
pode ser restringido, porque pode-se dizer
qun um contrato que o estado celebrou
com a praca voluntaria; quanto aos pra-
zos s serem dados as colonias militares,
nlo v inconveniente que as pracas os ven-
dara a quem nlo tiver sido militar, porque
nessas colonias ha varios cidadlos que nun-
ca foram militares e at estrangeiros, como
commerciaute3 e artistas ; teve occasilo d
visitar urna dessas colonias e vio os mora-
dores satisfeitos e laboriosos.
Pede ao nobre ministro da guerra quo
estude esta questao e ha de prestar grande
servijo ao paiz e s ex-pracas do exereito.
Agradece a attencao que seus nobres
collegas lhe prestram e anima que semen-
t allou para nlo deixar sem resposta o
1. discurso proferido pelo actual Sr. mi-
nistro da guerra.
A discusslo fica adiada pela hora.
O Sr. Presidente d a ordem do dia 16:
SESSO EM 16 DE JULHO DE 1886
PRESIDENCIA DO SB. AMDRADE FIGUEIBA
Ao meio-dia procedendo-se a chamada,
a que respondem 106 Srs. deputados, abra-
se a sesslo 7 minutos depois do meio-
dia.
E' lida e approvada a acta da sesslo
antecedente.
O Sr. 2.' secretario, servindo de 1.*, d
conta do expediente.
O Sr. Paulino Chaves reclama a
attenclo do governo para o facto que pas-
sa a expr.
Em dias do raez de Seterabro do anno
passado deu-so um audacioso roubo na the-
souraria geral de Porto-Alegre.
O facto foi levado ao conhecimonto do
presidente da provincia e do ehefo de poli-
ca, e essas autoridades apresentando-se
immediatamente na thesouraria, com o in-
tuito de descobrir os criminosos, deixjrara
entrar no edificio todas as passoas que se
achavara do lado de fra, o que evidente-
mente devia embarazar a acyao das pes-
quizas o diligencias a empregar para o con-
hecimento da verJade.
O presidente da provincia procedeu,
nessas diligencias, de modo que deu a en-
tender que os criminosos achavam-se den-
tro daquella repartilo, mas nem provas
nem indi-ios apparecendo que pudecsiin
suffragar aquella declarajlo, nem modificar
o parecer por S. Exc. expendido, todos
ficaratn convencaos de qu S. Exc. procu-
rava incriminar o thesourairo daquella
thesouraria geral. /
Nada se tendo descoberto que pudesse,
sequer, fazer suspeitar da probidado desta
funecionario, ordena se, todavia, a prislo
delle seis on oito dias depois, em conso
quencia de ter um trabalhador apresontado
umf ormlo, urna lima e outros utensis,
que achou escond los no forro do edificio,
embrulhados em urna receita aviada em
urna botica, para a casa do thesoureiro, e
que se pretenda serem os instrumentos
com que se perpetrou o (rime.
Foi impetrada ordem de habeos corpas
para este cidadlo, to arbitraria e injusta
mente encarcerado, e logo que elle rece-
beu ordem de sol tura vio-se rodeado de
grande numero de amigos, que deram in-
equvocos testemunhos da consideran em
que tinham este empregado zeloso e ho-
nesto, e exemplar pai de familia.
O mesmo inspector da thesouraria foi o
proprio, nessa occasilo, a abonar a prubi-
dade desse funecionario; mas as oceultas
communicava prfidamente ao governo que
um dos autores do crime era o Sr. Macedo
Cont.
Contina a pezar sobre este cidadlo,
pela persegu5aode que est sendo victima,
a pecha de criminoso. Assim, pede ao go-
verno que cumpra o seu dever, visto que o
facto criminoso nlo se pode descobrir por
mero acaso, providenciando de modo que
o processo seja remettido to podei judicia
rio, afim de fazer cessar o infamante labo
que pesa sobre o aecusado, que soffre urna
grande injustica e nlo pode mostrar a sua
innocencia.
Aproveita a occasilo para pedir res
pectiva commisalo que d com bjevidade
o seu parecer relativamente a urna repre-
sentado da iunta comraercial de Porto-
Alegre, e apresentada considerajlo da
cmara pelo orador.
ORDEM DO DIA
I8ENCAO DE IMPOSTO
Contina a discusslo do project n. 121
de 1883, sentando do pagamento da dci-
ma o convento da Soledade, na Baha.
Ninguem pedindo a palavra, a discus-
slo encerrada e o project approvado.
O Sr. Tarquinio de Souza requer e a c-
mara concede dispensa de intersticio para
que este project entre iramediatarcente
em 2.' discusslo.
Entra, portanto, em 2.' discusslo.
O Sr. candido de Ollvelra sen
te que as palavras hontem proferidas pelo
Sr. Ferreira Vianna, em favor das monjas
da Soledade, po levassem a convicelo ao
seu espirito para determinal-o a votar.
Nem S. Exc, nem nenhura dos orado-
res qie sustentaram o project adiantou
idea sobre o ponto principal da questlo,
que a quanto monta a importancia pecu-
niaria da isenclo que se solicita e que nlo
deve ser pequea, porquanto o convento da
Soledade, como corporaclo de mio-morta,
deve estar sujeito ao pagamento da deci-
ma em dobro.
Accresce que j i ha u n processo inicia-
do, j ha despezas com o sequestro, e nlo
sabe a cmara se essas despezas, no caso
de ser deferida a pretenglo, correram por
conta da fazenda publica. A cmara' rele-
var a pena smente, ou tambem as des-
pezas com o andamento do feito ? Ninguem
o sabe, e isto que convm averiguar.
Por isso deseja que o nobre ministro i-
fuzenda lhe informe emquanto importa o
favor solicitado, e a que periodo fioanceiro
se refere a concesslo impetrada.
O orador pedio hontem o adiamento da
questlo pura que a cmara fosso melhor
informada; mas a maioria nlo annuio a
este alvitre, e o fez soffregamente, proce-
dimento este que contrasta singularmente
com o plano de economas apregoado pelo
governo.
Demais nlo comprehende a necessidade
desta favor quando esta corporaclo, que
de mo morta, est condemnada a desap-
parecer em breve.
Pelo menos, emquanto nlotivor as infor-
macSes que pede, vota contra.
O Sr. Ferreira Vianna concor-
da em parta com algumas das observacoes
do nobre deputado. Nlo estranha que S.
Exc. pedisse informales ao honrado mi
nistro da fazenda, e as quizesse da com
raisslo que deu o parecer, a respeito da
quantia a.n que importa a isenclo do im-
posto pedida no project. Louva at o em-
peubo que mostra o nobre deputado, em
ser roanter e fazer manter o plano de eco
noraiaa apregoado pelo governo. O que,
por'U, nlo pode deixar de estranhar, a
impugnadlo que o nobre deputado move a
um project que nlo propriamente urna
graca que as freirs da Soledade solicitara,
mas tambem um direito.
Nl> ha mais duvida que, pela morta do
ultimo representante destas iostituicScs,
seus bens revertera para o Estado. Pois se
verdade que ellas esilo condamnadas,
urna vez que a mo viva faz desapparecer
a ralo marta, razo a vel que o Estado,
em vez de querer cobrar urna decima do-
brada, se contente com urna decima sim-
ples a exemplo do que se pratica a respei-
to dos bens particulares, porque o Estado
nlo tem mais diante de si a razio pela
qual cobrava en dobro ; nlo tem mais di-
ante de si o imperivel, o perpetuo, mas
um prazo curto, como os particulares.
Portanto, julga o orador que s ordens
religiosas a asiste o direito de virem pedir
ao p rlamento que nlo as grave mais com
um imposto que nlo se funda na justica.
As monjas que solictame favor slo po-
bres, tm smente o seu patrimonio para
seu uso, para uso e servico da igreja ; de
nada mais preciara'
Se Ibes fr negada esta graca ficarao
reduzidas miseria ; ao parlamento, pois,
curapre acodir-lhes, para que nlo succeda
essa desgraca.
O Sr. Candido da Oliveira (pela ordem)
entende que a votaclo deste project deve
ser reservada para araanh!, porquanto,
ainda que paasasae pelos dous turnos regi-
mentaes antes da reforma do regiment,
agora que se trata da votaclo deve obser-
var se a nova pratica, estabelecida na lei.
O Sr. presidente discorda da opinilo do
nobre deputado ; entrentanto sujeita a indi-
celo de S. Exc. deliberadlo da cmara.
Consultada a cmara sobre a convenien-
cia de ser este project votado na sesslo
de amanhl por escrutinio secreto, resolve
negativamente.
Ninguem mais pedindo a palavra a dis
csalo encerrada e posto a votos o pro-
ject approvado, para paasar 3.a dis-
cusslo.
LICENgAS
BEPOBMA DE BEGMSITO
Entra em discusslo nica o project n.
134 de 1886 reformando o regiment in-
terno.
O Sr. Hatta Hachado teve a hon-
ra, em 5 de Setembro de 1883, de apre-
sentar um requerimento pedindo cmara
a nomeaclo de urna commisalo qua se en-
carregass^, no intarvallo da sesslo da or-
ganisar urna reforma do regiment ; esta
proposta origiuou-se na experiencia qua ad-
quiri durante 3 anoos successivos em que
exarceu o lugar de Io secretario, do que o
regiment da cmara necessitava de refor-
ma radical, para qua os trabalhus fossem
uteis e o tempo fosse aprovaitado; a cma-
ra approvou essa idea e o presidente de
entlo nomeiou urna coramisslo de seis
membros, tres conservadores e tres libe-
raes, sendo o primeiro nameado o Sr. An-
drade Figuaira: pelo modo* por que ficou
constituida a commisalo v-se que nlo
houve espirito partidario.
Organisou um project de reforma para
servir de base discusslo no seio da com-
iiiissao, cujos trabaihos o orador descreve.
Encarregado e redigir o project em
que se havia asaentado, quando o orador
o levou a assgnatura do Sr. Andrade Fi
gueira, S. Exc. lembrou-se de urna alte-
raclo importante na parte fiioal do art.
176 do regularaento, que diz que a l* e
'* discussSes nlo serlo encerradas haven-
do quera tenha a palavra sem que pelo
menos se baja tratado da materia em duas
sessSes diarias; quera S. Exc. que se
declarasse, em lugar daquella parte do ar-
t'g>
em duas sessSes diarias
Do que se ri ? perguntou o mogo,
estupefacto com aquella blaridade, de que
nlo poda adivinhar a causa.
Devo-Ihe parecer louca ; mas nlo es-
t mais na minha mo... replicou Sophia,
continuando a rir. E' urna reflexlo que
me passou pelo espirito e que me fez rir...
o acaso sempre urna cousa muito diver-
tida 11 Ha ana hora ainda nlo nos co-
nheciamos... nunca nos tinhamos visto, e
eis-nos agora a conversar juntos, como dous
velhos camaradas... que talvez seremos
ara da.
Que somos j, tratou logo de res-
ponder o futuro estudante, amistado pela
situaclo.
Verdade ? disse Sophia, com tom sa-
tisfeito. Somos amigos.
Assim o espero.
- Entlo sou-lhe sympatbica ?
Tanto quanto pnssivel sl-o. Agra-
dou-me logo que a vi.
Seriamente ?
Palavra de honra.
V que estou satisfeitiaaima: porque,
por rau lado, espantoso como eu o esti-
mo... Volta Voga ?
Irei l, se a senhora for.
Sim, senhor, isso bonito 1... Pois,
para o ver, l voltarei. .. conversaremos ;
se soabesse como me aborrego algumas ve-
zes.
Tratarei de a dstrabir.
- Parece-me que lhe ser fcil. Onde
mora ?
Por agora, no hotel onde me hospe-
doi... mas amanhl oceuparei a metade de
um alojamento que acabei de alugar.
A metade ? repetio Sophia.
- Sim, minha senhora, porque partilho
esse aposento com um dos meus amigos, quo
deve chegar d'aqui a dous ou tres dias, e
que, como eu, vem cursar a escola de di-
reito
Aposento para dous I I disse Sophia,
com pronunciado amuo. Entlo, nlo est
sua vontade...
Entlo por que? Pelo contrario, com-
pleta independencia. Ha urna sala entre os
nossos dous quartos.
Assim, sim, disse a moga tranqulli-
sada. Emquanto a mim, moro na rui
Dauphine, e teoho um aposento muito bo- do, at qae ella desappareceu.
nito e mobiliado com muita elegancia. Mas Esquecel-a, marmarou elle, aessanao
de que me serve ? Nlo posso receber nin-
guem em minha casa.
Porque ?
Ricardo zeloso como um tigre.
Rieardo o Sr. de Gevrey?
Em pessoa, verdadeira e natural...
Percebi um dia que elle me vigiara... com-
prehende que isso de magistrados, dispem
da policia. ..
E que soube elle ?
Absolutamente nada.... dei vnte
trancos ao agente que rae vigiava... elle
fez o seu relatorio, e nlo lhe digo mais na-
da. E quem que ficou satisfeito ? Foi o
meu magistrado O mea magistrado to
perfeitamente informado I 1
V-o muitas vezes ?
Mnitas, e at vezes de mais. .. mas
as horas das suas visitas sao quasi seanpre
regulares, e depois de elle ter vindo ou
quando nlo pode vr, sou senhora do meu
dia,
Aproveitar estas occasioes para me
tornar a ver ?
Com certeza l visto que nos have-
rnos de encontrar na Vaga.
E nlo quer vr -minha casa ?
- Scho !... vai muito depressa. Fal-
laremos nisso mais tarde... Como se cha-
ma ?
Renato.
* Ola um bonito nome. Renato de
que ?
Renato Dharville. E a senhora ?
Sophia.
Podiam chamal-a a bella Sophia.
E assim que me chamam no Quar-
tier ... Mas nos temds tagarellado como
gralhas e j tarde... Safo-me... Vai
manhl Vaga ?
- A que horas terei a probabildade de
a encontrar ?
Pelas tres horas.
Entlo, l estarei s trea horas.
- Entlo, at amanhl, meu Renato .
e d'aqui at amanhl nlo se esqueja de
mim 1...
E a moga, depois de ter dado ao seu no-
vo affeigoado, urna das rosa3 de seu ra-
mo, metteu-se com passo rpido, pela ra
que vai ter ao boulevard de Saint-Mi-
chel.
O estudante seguio-a com olhar encant-
oslo eu
Que soberba raulher, original e
nlo vaidosa. Emfim, a sorte est lan-
gada... nlo aproveitar esta occasilo qua
se apresanta seria toleima. Nlo estou ena-
morado como Lelo... posso ter aveutu-
ras... A minha peoslo vai-sa toda.. vou
fazer loucuras /... Ora, a mocidade dura
pouco 1
Renato depois desta curto monologo, vio
all perto um restaurante e penetrou nelle
para jantar.
Voltemoa a Cecilia Bernier.
Tinha recebido a citaglo como testemu-
nha, que lhe foi dirigida pelo Sr. de Ge-
vrey casa de saude de Angelo Proli.
Esta citaglo, eremos havel-o dito, inti-
mava a para se dirigir no dia seguinte, s
duas boras, ao gabinete do juiz for mador
da culpa.
O que se teria passado de novo ?
Com muita curiosidade e um tanto in-
quieta, foi sera perder um minuto mostrar
este papel a Proli, que acabava de a dei-
xar e de se dirigir para o seu gabinete de
trabalho.
O Bucceasor do polaco Grisky pareceu
achar a cousa absolutamente natural.
Dizemos : pareceu, porque no fundo tu-
do quanto emana va do Palacio da Justiga
cauaava lhe angustiaa que combata sem
poder vencel-as.
Dara o que estivesse era suas mos pa-
ra chegar ao dia saguinta e para saber o
que se tratara na quella convocaglo ines-
perada.
Acompanhe-me ao gabinete do juiz,
meu amigo ? perguntou Cecilia.
-r- Nlo vejo em que a minha preseoga
lhe possa ser til respondeu o Italiano...
Alm disso, a citaglo dirigida pessoal-
mente senhora e seriado mo effeito apre-
senur-ae em sua companhia sem ser cha
niado... Acabarilo por se admirar de me
ver seguila por toda a parto.
Esta gente da justigaraettc-me medo.
Proli rijplicou sorrindo.
- Ora ah est um medo ojfrjnada jus-
tifica 1.. Nada receie.. Am gente da
justiga, tomo a senhora o qjjp, ha do tra-
tal-a com toda a consideragao.... Alm
disso, j vio que o Sr. de Qpvrey um ho-
mem-da sociedade, absolutam -uta correcto
e que me trata com extrema benevolencia.
Eu bem aei qae, por consideragao ao
Entra em 3.* dUcusslo o project n.
44 de 1885, concedendo cenga ao des-
embargador Ferreira Gomes.
Ninguem p -dindo a palavra encerrada
a discusslo e posto a votos adoptado o
project e remettido commisalo de re-
dacglo.
Entra em 3.a discusslo o project n. 50
de 1885, concedendo licengaao desembar-
gador Leocadio Andrade Pessoa.
Ninguem pedindo a palavra encerrada
a discusslo e posto votos o project
adoptado e remettido commisalo de re-
dacglo.
Entra em discusslo nica a project n.
28 de 1886 concedendo licenga ao lente
da faculdade da Bahia Dr. Antonio Pache-
co Mondes.
Ninguem pedrado a palavra encerrada
a discusslo reaervada a votaglo para es-
crutinio secreto na sesslo seguinte.
pelo menos durante quatro horas.
Nlo podendo na occasilo entrar em ac-
cordo ora S. Exc, que recusou-se assi-
gnar o project, o orador desisti de apre-
sental-o aos outros membros da coramis-
slo.
Hoje, porm, concorda com as ideas do
Ilustre presidente da cmara a aceita a
modificarlo proposta.
Apezar de inscrevor-se contra, porque
tem de propor emendas, nao pode deixar
de ver com satisfaglo a proposta da mesa,
que nlo mais do que a reproducglo,
a parte um ou outro ponto, do trabalho
da 1883; est certo de que a cmara ter
beaeticos resultadosjdesta reforma.
Como o capitulo 8o, a respeito dos traba-
ihos das commissoes, nlo tem alteraglo
alguraa daquella outro a que se referi, e
como o nobre Sr. Io secretario nao tem
comparecido, chama a si o trabalho de de-
fender a reforma da mesa.
Nota que um dos grandes inconvenien-
tes da organisaglo da cmara impossivel
corrigil-o, porque est arraigado aos hbi-
tos da populaglo em geral, isto que o
deputado nlo pode deixar de servir se da
tribuna para discutir as grandes questSes
que se agitara e tambera para mostrar aos
seus constituintes qua trata de zelar os in-
teresses locaes; isso, porm, s vezes, em-
baraca negocios de alta monta ; entretanto,
a reforma abre um novo meio de se conci-
liarera esses interesses as respectivas
comm8s3es sem estorvarem o andamento
dos trabaihos da cmara.
A emenda apresentada hoje pela mesa
prevenio outra que o orador quera justi-
ficar.
Julga quo a mesa ha de alterar a refor-
ma votada para que certas pretengSes pes-
soaea sejam votadas por espheras, porque
ha pretengoes a que sa apresentam varias
emendas e impossivel perder-se tanto
tempo na votaglo de cada emenda.
Conciue louvando o zelo da mesa pelos
trabaihos de reforma do regiment que tsm
apresen tad o. .^
A discusslo fica adiada pela hora.
bem re-
aenhor, serei, com certeza, muito
cebida.
Entlo, o receio seria ridiculo.
E' verdade, e j estou tranquilla.
Tenho que lhe taaer urna pequea
recommendaglo. a de observar com muita
attenglo a pbysiaomia do juiz-rormador
da culpa e de gravar na memoria tudo
quanto se disser na sua presenga. Tenho
quo defender os seus interesses, querida
Cecilia, e preciso estar bem informado-..
Quando voltar, dar-me-ha conta das suas
recordagdea e imprehs3es.
Prometto lbe.
Tem algum project para esta noiie ?
Celia olhou para Proli, com olhar ad-
mirado.
Nenhum, respondeu ella, que projec-
t poderia eu ter ? Vou 1er no meu quar-
to, at me deitar.
Na minha qualidade de medico, en-
tendo que um pouco de distracglo nlo s
lhe ser necessaria, cerno indisp'ensavel.
Quer ir ao espectculo ?
Com o senhor ?
De certo.
Entlo com todo o gosto... Onde va-
moa ?
Onde quizer. Escolha a senhora mes-
raa... Theatro lyrico, theatro de operetas,
theatro dramtico. Gosta do drama ?
Muito.,.
Entlo, vamos ver Fualds, no Ambi-
g. Vou mandar buscar um camarote.
O meu lato nlo muito recente para
me mostrar em publico ?
Ninguem a conhece, alm disso man-
darei b*iscar urna baignoire; ninguem a
ver,
Como lbe hei de agradecer ?
Amando me um pouco.
Ura, olhar eloquente foi a nica resposta
do C"ilia, que apresentou a fronte a P-
roli, recebeu um beijo e retirou-se.
A filba de Jayme Bernier sentia-se rea-
nimar.
Senhora das suas acgSes, julgaado-se
adoraaa por Angelo, prestes a possuir urna
grande fortuna, consderava-se perfeita-
mente feliz e, no jo da sua felicidade nlo
via uraa s nuvem.
Foi tar com Brgida e deu com ella longo
passeio nogeande jardim, ou antes no pe
quena parque da casa de saude.
faroli, quo tinha a btwaa de um excel-
FOBA8 DE TEBBAS
Continua a 2a discusslo do projeoto fi-
zando as forgas de trra para oexercicio de
1887 a 1888.
(Continua).
lente administrador, tinha ido tratar de sena
negocios diarios.
O oriado do quarto entrou-lhe no gabi-
nete, depo8 de ter batido discretamente, e
disse;
- Sr. director, est l fra um homem
que deseja fallar-lhe... pretende ser co-
nhecido e vem para se tratar.
Como se chama ?
Luigi.
Mande entrar.
O criado do quarto abri logo a porta e
introduzio no gabinete o official arraeiro.
__Ha de perdoar, disse este, foi-me im-
possivel vir mais cedo.
Foi bem que viesses hoje, replicou
Proli. Tenho justamente precalo de ti.
Sabe que estou s suas ordens... De
que se trata?
De vigiar a casa, na qual to gemo-
samente fizeste penetrar a tua bengala com
eflfracglo, e me dar conta do que se pasaa
em casa da hervanaria.
O armeiro cegou atrs da orelha, em lugar
de responder.
_ Que difficuldade achas tu nisao? per-
guntou Proli.
Absolutamente nada.... a cousa
inais fcil deste mundo ; mas para o fazr
necessario sahir da casa do meu patrio.
_ E' isso exactamente o que eu nlo
quero Quero, sobretudo, que conserves a
tua posiglo de armeiro no theatro de Ba-
tignolles.
Entlo o que hei de fazer ?
__Pede ao teu patrio urna licenga -de
quatro ou cinco dias, a pretexto de te cu-
rares dos olhos.. Nlo te pode recusar.
__De certo que nlo.
A vigilancia de que 8e trata nlo du-
rar mais de cinco dias. Pago-te dez fran-
cos por dia. Convem-te?
__Bem sabe que, para o servir, sou ca-
paz de trabalhar de graga.
Entlo estamos de accordo... Agora
varaos l ver os teus olhos.
Proli, depois de ter examinado as pal-
pebras do Piemontez, abri um armario, no
qual se achavam frascos e vidros .de todas
aa dimenses.
[Continuar seha)

t'
Typ. do Diario, ra Duque de Carias n. 42
MHHH^WHMVl
nm