Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18323

Full Text
&ys'

r:
AUNO L X11 HOMERO 187
*/>^ /^s#i^ 4fcl
SABBADO 24 I JULIO Di 1886
PAZii A CAJP1VAL B LLGABF'I OSBE MO *K PACA PORTE
. ........ 6^000
. ......... 120000
............ 24^000
la............ 0100
PARA lEVTRO B PORA DA PROTISC1A
Por tres mezes liiantado
Por 8e3 ditos dem.
hu auno :deaa.
. minero avulso, do mesmo
V
Por seis mezes adiantadoff. .
Por nove ditos idem.....-
Por um armo dem.......
Cada numero avulso, do das anteriores.
130500
200000
27(JOOG
01 0
HABI DE
NAMBfiO

|)r0jm*irat>e fre JHanoel ftgwdra i>e Jara St ftyos
TELEGRAMMAS
3 DA hSi$m 2474S
(Especial para o Diario)
LONDRES, 22 de Julho, tarde.
S. M. a rainha iocnmblo o Marques
de SaliMbury da formaro de um no-
vo gabinete.
MADRID, 22 de Julho, tarJe.
Sao provavei modiflcure minis-
terlacs. Julita se que ella* tero la
gar immeiataaientc.
MONTEVIDEO, 23 de Julho.
Xa Legar do Brasil, leve lugar
hoje urna reuuiao dos membroi do
corpo diplomtico.
Os representan! de todas as po
tencias eslrangeiras decidiram por
unanimidade solicitar do presidente
da repblica a soltura dos Jornalls
tas presos non o fundamento de te-
re m reproducido calumnias contra
o cnefe do estado.
Agen<5 Havas, ia! Na Pernambuco,
23 de Julho de 1886.
iNSTROCCi POPULAR
DA
NATACAO
(Eictrnhid/))
BIBLIOTIiECA DO POVO K DAS ESCOLAS
(Conhnua$5o>
PKlHEIEtO* SOCCOrtHO* QUE SE
DEVEN PRESTIR AOS '.FOtillOll
Nao basta ao nadador saber < xpr-se cam de-
nodo p-;ra tirar da agu i um afogiio ; preciso
que todos possam prestar-lhe 03 priraeiros soccor-
ros emquanto nSo ch g* ura medico, para que a
generosa dedie ie,ao do salvador nao fique estril.
Por isso entendernos dever incluir no presente
opsculo estas iastrnecoes necessara9 sobretodo
perante a consideraco deque rcinam entre o povo
as mais absurdas tradiegoes sobre otratamentomi-
nistravel aos fugados.
A primeira idea que oejorre aos minorantes
suspender pelos ps o > fogado para Ihe fazer era-
cuar a agua que tenha cngulido. dste meto pode
aimplesmeate converter a inirte apparente do as-
phyxiado em morte verdadeira ; e todos os que
praticam ou consentem que e pratique seme-
Ihante brutaliJade sao culpa-Ios ou cumplices de
um assassinio par imprudencia,e, como taes,
esto perfeitumente no caso de sei processados.
O estado de morte apparente do asphyxiado dura
s vezes alguinashoras, e nao ocaso rarissimo ver
tornar a si pessea que esteve duas ou tres horas
debaixo d'agua : j se v, pois, que todos os cui-
dados, todas as insistencias, sao realmeute pouco
ainda, q jando te trata de reanimar um afogado.
Fixadi b-.m este principio (paia que no espirito
do loitor nv-nos fainiliansado com 03 assumptos
mdicos nao reste duvida alguina), passaremos a
descrever os ssccorros que cumpre prestar.
0 primeiro cuida lo mandar a toda a pressa
chamar um medico. Emquanto elle nao chega,
deve a pessoa afogada c raucar a ser tratada no
proprio lugar em que f- tirada d'agua ou n'uutro
visinho e e e.amodo, para onde convenientemente
naja sido transpirtaJ. em lireira, pidila, carrua-
gem ou ven cu.o an I >go, s >bre palhas ou coleho,
de lad >e .befa descoberta e um piuco
levantada Caso nao peja possive! transportar o
Ktlxnereo, c in 1 lito rjea, cumprir que duaspes-
soas o levem nos br-ic >, on assentado sobre as
mSot enlutadas, tendo cuidado em nao o balancca-
rem dais ara que pouco a pouco possa ir
tor : .
, le cortar ou ras-
g .. > uins o deitaro sobre
. si, ara piuco mais le-
v rada em
o essoas ara-
p ; e, ncliaando-a um
p3 > 1. hi JUa que se acha
na b ido o cuidado de abrir-lhe
i
Emq : astea soc Jorros, igualmen-
te conven por todos is meios ir aqueceudo pouco
a p o 11 roupa de a, botijas de agua
quente aplicadas s plantas dos ps, e fricco'S
por tad o corp.) com urna fl.uiella embebida em
aguardent-" on >'o;n urna ecovabe;n a. pera,tudo
isto com o fim r. se llw pr 'pjrcionar o restabele-
cimTjto da circu(So.
Simultanamete cumpre imprimir Ibcmovimen-
tos s espaduas e brarpa de encontr ao peito no
intento de promover o resl ibeleciinento da respi-
racio.
Logo que o submerso entra a dar signaos de
vida e pod engulir, deve dsr-s-lbe a beber, em
repetidas c pequeuiuas porces (uina cjlberada
por cada voz) vinhoquente, agurdente com agua,
caf, etc., e depois d'istoser bomprop>rciouarem-
|fc-lhe condices rfe socigo em que possa tran-
quillamente conciliar o sorano. .Mu i tas vez.-s (uo
esqueca i.uoca seta particularidade) s depois de
8 a lOruraadeum assiduo trabalho que se I gra
restituir vida um afogado. Cumpre portan to
nao mterromper o tratamnoto emquanto o medico
nao declare terminantemente que nao r.stara es-
peranzas de reanivar o submerso.
(Con lica)
>
JARTE ti\\l\m
Goveruoda provincia
ESI'EDIEHTE DO DA' 16 DB JLBO DE 1856
Actos :
O vice-presidenteala proyiaeia, attenderdo
ao que requeren Luisa Amelia 3e Drumnv nd,
profeesora da cadeira d ensino primario
Formoso, resolye, usando da faculdade conferid*
pelo art. 26 da le n. 1860 do correute anuo, pro-
regar por quatro mezes, com ordenado, a licenca
ltimamente concedida peticionaria para tratar
de suh saude onde lhe convier.
Officio3 :
__Ao conselheiro presidente do Tribunal da
Helar}.Solicitando o promotor publico da co-
marca de C'mbres que V. Exe. sirva-se de emittir
parecer sob-e a consulta constante do ofEcio,
junte, que dirigi a esta presidencia em S do cor-
r nti: a S'm o declaro a V. Exc. para os fins con-
V rentes.
__ Ao inspector da Thesoararia de Fazenda.
Communico a V. S. que o promotor publico da co-
marca do Bonito, bacharel Luis Barbalho Ucba
pectivo exercicio para entrar no gozo da 30 dias
de licetca com ordenado, que obteve, a 9, do pre-
sidente do Tribunal da Relaco.
Ao mesmo.Remetto a V. S., para os^devi-
dos fins, copia do aviso de 3 do corrente, 924
A, em quaoExm. Sr. ministro da marinha .de-
clara fica-em approvados os crditos abertos por
esta presidencia em 7 e 12 de Junho prximo pas-
sado, s verbasForcas Navaes e Corpo da Ar-
madadeterminando que ees i Thesouraria quando
tiver de solicitar augmenta de crditos aprsente
demonptraco do estado aas sommas destribuidas
s respectivas rubricas.
Ao mesmo.Transinitto a V. 8 para os fins
convenientes, capia do officio de 14 do corrente
mez, relativo ao exercici de 5' juiz substituto da
comarca desta capital.
Mutatis mutand ao Thesouro Provincial.
Ao mesmo,Remetto a V. S., para os devi-
dos fins, copia do aviso de 2 do corrente, em que
o Ministerio d* Jus'qi declara ficar approvado o
acto dessa Thesouraria, decidindo nao t t direito
a vantagens milit.rcs o actual secretario do pre
sidia de Fernando de Noroaha.
Ao mesmoRemetto a V. S., para os devi-
dos fins, copia do aviso do Ministerio da Marinha
de 3 do corrente, n. 929, relativo ao pagamento
do premio de 10), que no incluso requerimento
solicita Francisco Fdgueira de Brito Lyra por
haver .alistado seu filho Felisardo Eustaquio das
MercSs Guerra, na escola de aprendizes mari-
nheiros.
Ao presidente do conselha fiscal da Caixa
Econmica e Monte de Soccorro.Remetto a V.
S., para os devidos fins, copia do aviso do Minis-
terio da Fazenda de 30 de Junno prximo pass i-
de, referente ao do 1 de Maio da corrente anno
que exige esclarecimentos sobre o debito e crdito
do Monte de Soccorro.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Ap-
provo a arr.'matacao feita por Bartholomeu 4: Ca',
Successores, do fornecimento de medicamentos
para a enfermara da Casa de Dte ico relativo
ao exercici de 18861887. com o abate de 6 por
ceato sobre os preces -lo formulario.
O que declaro a Vmc. para os devidos fins o
em resposta ao seu officio de 8 do corrente, n. 11.
Ao mesmo.De accordo eom informaco
n. 5, prestada par Vmc. em 3 do corrent-, mande
pagar a Gustavo Eduardo Mermond Filho, arre-
matante da obra de reconstrueco d^ ponte de
Beberibs, a quantia de 1:5733203, importancia da
dita obra, segundo o ; Tuneado que devolvo, j
deduzida a responsabilidade do estylo.Commu-
nicou-se ao engenheiro chele da Repartico das
Obras Publicas.
- Ao commandante do presidio de Fernando
de Noranha.Remetto a Vmc, para os devidos
fins, copia do aviso de 2 do correute, em que o
Ex n. Sr. ministro da justica declara fiea" appro-
vado o acto da Thesouraria de Fazenda decidindo
nao ter direito a vantagens militares o actual se-
cretario deste presidio.
As juiz o'e direito da comaica de Cimbres
Declaro a Vmc, em soluc^ 3o seu officio de 22 de
Junho linda, qa-s nao havejdo f irea paftysitisfa-
zer a req-iis cao constante ncesmo e dojaestaca-
meato ahi existente composta d: lo pracifc deve-
ro as pracas de que trata o citado offlcio ser
transferidas para a Casa de Deteneo, contarme a
forra do mesmo deatacameato. Comastfflcou-se.
ao Dr. de I^^^^^^^B*-
Ao juiz municipal de otphos do ermo de
Cimbres.Remetto a Vine, para seu conhecimento
e direccao, c >pia do officio quexdirijo hoje junta
c'.assifieadora de escravo desse termo.
Ao Sr. Raymundo Jos de Siqueira, presi-
dente d* Cmara Municipal de Ouricury.Tendo
o ..djunto do promotor publico, a qu Vmc.se re-
fere no offijio de 21 ue Junho ultimo, solicitado
titulo na Secretaria d'esta Presidencia, a 23 do
mesmo mez, aguardo que a respectiva junta cas-* mental.
Gustavo Adolpho -"chmidt, que obteve da respec-
tiva directora a exoneraco que solicitau.Com-
muuicou-se ao inspector do Thesouro Provincial.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 22 DE
JULHO DE 1886.
Antonio Jos da Costa Araujo e Jos
Faustino Marinho Falcao. Informe o Sr.
inspector da Thesoararia re Fazenda.
Coupanhia Th-: Great Westerns of Bra-
sil Ralway Compr.ny Limited. Remetti-
do no Sr. inspector da Thesouraria de Fa-
zenda, para mandar effoctuar o pagamento
de accordo com a sua informuyao n. 571
do hontem datada.
Francisca Maria da CooceifSo.J tan
ordenadodo a Thesouraria do Fazenda o pa-
gamento a queallude, nao ha o que deferir.
Joaquim Epiphanio de Mello.Remetti-
do ao Sr. commandante uterino do Corpo
de Polioia para providenciar de accordo
com as suas infonnagSes n. 589 e 617 e
16 do cerrante mez.
Jos Prente Vianna. Remettido ao
Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda
para attender, de accordo com a sua in-
formaSo n. 572, de 21 do corrente mez.
Jos Lucio Pacheco do Mello.Informe
o Sr. Dr. chefe de polica.
Joaquim Bernardo da Cruz.Remettido
ao Sr. Dr. juiz de direito da comarca de
Carum para prestar ao pedido a conside-
raco que merecer
Manoel Jos Maria.Ao Sr. director
do presidio de Feroando de N >ronha para
informar sobre a conducta do supplicante,
devolvendo estes documentos na primeira
opportuiiidade.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, em 23 de Julho de 1886.
O porteiro,
J. L. Viegas.
Repart?o da Polica
Secso 2.* N. 717. Secretara da Po-
lica de Pernambuco, 23 de Julho de 1886.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que forarn hodtem recolhidos Casa de
Detenyao os seguintes individuos :
A' ordera ;do subJelegado do Recife,
Jeo Francisco da Silva, por disturbios.
A" ordem do do 1. districto da Boa-
Vista, Danie', eseravo do Amalia Lilia do
Nasi.imento Tavares, por disturbios.
Hontem, s 3 horas da tarde, tentou
6uicidar-se, dando um golpa de navalha no
pescego, o individuo de nome Antonio Jos
lo Espirito-Santo, morador no districto de
Tigipi.
A presenja de pessoas da casa o que
muito a tempo agarraran) e desarmaran) a
Espirito-Santo, foi que o in pedio de levar
a eff-ito seu intento.
Espirito-Santo j attingio a idade de 70
annos e parece estar soffrendo de alienajo
sificadora te reunir sem demora. Cumpre, entre
tanto declarar-lhe que, dados os embarazos por
Vmc. notados, dever o juiz de direito nomear pro-
motor ad hoc, afim de que a junta se rena no
dia marcado.
Iustallada ella, dar Vmc. conhecimento sta
Presidencia.
Portaras:
O Sr. gerente da Campauhia Pernambucana
maude por dispasico da Dr. Jos Austregesillo
Radrigues Lima, quatro passagens r e duas
proa, do porto de C imaasim ao desta capital, por
conta das gratuitas a que o governa tem direito.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagens r, na primeira opportum
dade at o Rio Formoso, a Gaspar Rigueira Costa
e ena mulher, por conta das gratuitas a que o ge-
vnrno tem direito.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Offisbs :
Ao Io secretario da Assembla Legislativa
Provincial.De ordem de S Exc. o Sr. vico-presi-
dente da provincia, communico a V. S., que no
officio de 6 do corrente, n. 172, cantendo a relacao
n mi:.al dos Srs. Deputados que compareceram s
aesso.s durante o mez de Junho prxima passado,
e o p >nto dos empregados da Secretaria desta As-
semoia, relativo ao mesmo mez, foi hoje proferida
o despacho segante: Remettido ao Sr. inspec-
tor do Thesouro Provincwl pira os devidos fins.
Ao conselheiro director geral da Secretaria
d'Estado dos Negocios da Justica.Da ordera do
Exm. t-'r. vice-presidente da provincia, trans itto
a V. Exc. um exemplar do Diario de Pernambuco
desta data, no qual est publicado o ejlital notifi-
cando os juizes de direito Goncalo Paes d'Azevedo
Faro e Hisbeilo Florentino Ccrreia de Mello, de
suas remocoes das comarcas de Pao d'Alho e Na-
zareth, para aa de Viamo e Igu&rass, segundo
V. Exc. participan nos seusoflicios de 30 de Junho
fiado.
Ao commandante das armas.O Exm. Sr.
vice-precidente da provincia, manda declarar a
V. Exc. para seu conhecimento e fins convenientes
que, no requerimento do capito do 2o batalhao de
iufantaria, Antonio Francisco de Mello, sobre .que
ven i a iuforraaco desse Command i de Armas, de
18 do c urente, ge b n. 370, proferio o segainte des
tem lugar cm vista do disposto no
2o do art. 4 do decreto n. 3,579, de 3 de Janeiro
ue 1866.
A agencia de paquetes De ordem do Exm.
Sr. vice- presidente da provincia, aecuso o recebi-
mento du officio em que V. Exc. communica que o
vapor Cear, chegado djs portob do sul, hoje, s 6
horas da mauha, seguir para os do norte, ama-
nh3, s 4 horas da tarde.
__ Ao Dr. chefe de polica. De ordem de S.
Exc. o Sr. vice-presidente da provincia, commu-
nico a V. S., que na representado annexa ao seu
officio n. 643, de 30 de Junho lindo, foi proferido
hoje o s guinte despacho : Nao ha presente
mente ferca para adoptar as medidas alias a uito
convenientes.
__ Ao director do Arsenal de Guerra.b. -xc.
o Sr. vice presidente da provincia manda aecusar
o ofiicio n. 473. de hontem datado, em que V. S.
participa o tallecimento do escrevente de 2 classe
iEe Arsenal, Caetano Tavares da Costa, e a no-
meacao de Artbur Moreira Dins, para substituil-o.
Communicou-se ao inspector da Thesouraria de
Fazenda.
4- A' junta clasificadora de escravos do muni-
cipio de Itainb. O Exm. Sr. yice-presidente da
provincia, ficou inteirado pelo officio de 28 dJo-
nho ultimo, hontem recebido, de haverem Vv
se reunido nesse dia para cumprimento da circular
de 24 de Maio ultimo deste anno.
A- Ao Sr. Carlos Alberto de Menezes, gerente
da eompanhia Ferro-Carril.0 Exm. Sr. vice-pre-
sideute da provincia manda aecusar o recebim :.-
to do officio em que V. S. participa haver n'esta
date assumido a gerencia da eompanhia Ferro-
Cavalcante,efii 14 do corrente, interrompeu orea-.'Carrij de Pernambuco, em eubrtituicSo do Sr.
O ferimento que praticara em si foi con-
siderado leve.
Communicou-me o delegado do termo
de S. Beato, que no dia 12 do corrente
fura encontrado raorto em seu proprio ro-
yado, no lugar denominado Maniyoba, o
indiviiuo de nome Manoel Ale xandre.
Do exarte a que se procedeu no cada-
ver, verificou-se ter sido Manoel Alexan-
dre i ssassinado.
Forarn presos, como autores de tal cri-
me, Francisco de Macena, Anna Aleixa e
Liuriana Maria do Espirito Santo, sendo
estas consideradas man i antes, e contra os
mesmos procedeu-se nos termos do inque-
rito policial.
No dia 12 do corrente foi capturado
no termo da Pedra de Buique, pelo dele
gado respectivo, o criminoso Jos Francis-
co da Silva, pronunciado em S. Jos de
Ingizeira, por haver ferido gravemente a
Manoel Mariano, conforme elle proprio
confossou a autoridade e bem assim duas
mulheres que o acompanhavam.
Tambem no dia 10 foi capturado
pelo subdelegado do districto de Palmeira
de (xaranhuns, o criminoso de morte pro-
nunciado no termo de Pesqueira, Jos Ro-
drigues dos Santos.
Em data de 21 do corrente, passou
o subdelegado do 2. districto da Graca, a
disposiyao do Dr. juiz d direito do 4. dis-
trito criminal, o individuo de nome Feli-
cio Joaquim do Reg, que se acha recolhi-
do na Casa de Detengan, por ser um dos
curaplice3 de criroe de furto de cavalles,
segundo se verifica do inquerito a que a
mesma autoridade procedeu contra Cas
sianf Almeda do Ro3ar:o.
Pelo delegado do termo de Pesquei-
ra, foi remettido em datando 17 do corren-
te ao juiz competente, o inquerito a que
pro;edeu re tivamente ao roubq praticado
cm 23 do mez fiado na casa de Mauricio
Caduff.
Verifica se da dito inquerito que Ma-
rianno Gomes do Aguiar, no citado dia
penetrando clandestinamente no pavi
ment superior da cusa em que mora Ca-
dttff, conseguir, por meio de urna faca,
arrombar ama mala, d'ond tirara quantia
superior a novecentos mil reis em notas do
th souro, ouro e prata.
Em vi&ta d'isso forarn presos no dia 14
do corrente nSo s o referido Marianno
como tambem Jos Gcmes de Aguiar, pai
d'squelle, sendo encontrada em poder do
eiro urna nota de cem mil ris e mais
uil ris e no do segundo a simma de
sete mil ris.
Confcssado o exime por Marianno, offi-
ciou o delegado de Pesqueira ao de Cim-
bres, onde moravam qs delinquentes, pe-
dindo dsse urna bussa na casa dos mes-
mos, a qual deu em resultado ser encoh-
trada em um bah a quantia de 356)5130,
em papel, ouro e prata.
Forarn encontradas mais outras qu mtias,
attingindo tudo a 67-#130, que ioram en-
tregues ao seu dono.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
- O cb.9fe de polica, Antonio Domingos
Pinto.
Thesouro provincial
DESPACHOS DO DIA 23 DE JULHO DE 18 86
Adelino Celestino de Mondonga e Can-
dido Gongalves de Oliveira Filho.Cum-
pra-se, registre-se e fagam-se os assenta-
mentoB.
Anna Marques de Amorim. Entrege-
se pel>$, porti.
Torquato Laurentino Ferreira de Mello
e Adeudo Rosalina Bittencourt Barbosa.
--Fag*-se as notas da portiria de li-
cenca.
Jos Elias de Oliveira.Ao viontenciose
para dficlarar se est assignado o termo de
contrato.
Joanna>Maria de Salles. -Certifiqese.
Heronides Mondes da Costa Figueiroa.
Registre-se e facam-se as notas.
Antonio Lins Baptiste, Manoel Figueiroa
Faria & Filhos, officio do Dr. chefe de po-
lica, Antonio Moreira da Silva e Antonia
Francisca Bittencourt. Informe o Sr. con-
tador .
Gerente da Companhia Santa Thereza.
-NSo ha que deferir por nSo proceder a
consideragao do supplicante. porquanto an-
teriores ao acto a que allude, e de cuja
data pretende que sejam feitaa as glosas
resultantes da fiscalisacao provincial, ba-
viam differeutes ordensda presidencia em
que se firmaran) os descontos de quo trata.
Jos dos Santos e Silva, Joao Aureliano
Lins Alves, Antonio Gomes Porto, Gen-
crano dos Santos Selva e Dionizia Pacheca
da Silva.Ao contencioso p^ra cumprir o
despacho da junta.
Alpbeu Soares Rapozo.--Ao Sr. conta-
dor para os devidos fins.
Consulado Provincial
DESPACHOS DO DIA 20 DE JDLHO DE 1886.
Luiz Jos da Silva Guimares. -Infor-
me a Io secgao.
Al-xanlrina Gonzaga de Viterbo, Cer-
tifique&e o que constar.
Tertuliano das Chagua Pinheiro, Certi-
fique-se.
Balt; v Oliveira & C. Cumpra-se.
'A 21
Manoel de Freitas Bezerra. -A' Ia sec-
cSo para os devidos fins.
Jos Ramos Souto. A' Ia secgao para
attender.
Luiza de Miranda llenriques Gondin.
Informe a 1* seccao.
- 23 -
Barbosa & Santos, Nar-iso Candido Ba-
ptiata e Antonio Ferreira de Carvalho.
Informe a 1" secgSo
Maio & Rezende. Informe a 2a secgao.
Leopoldina Solano de Jes'JS, viuva de
Francisco Solano de Jess, teneute-Paulino
Antonio de Souza Ayres Joaquim da
Silva Carvalho. Deferidos, de accordo
com as informacoes.
Antonio Henrique Rodrigues.Deferido
com relagilo ao 2o semestre.
Martina Cordeiro & C Certifique-se o
que copstar.
Dr. procurador dos feitos, o mesmo. -
Informe a 1* seecSo.
Benigna Leocadia Cavalcante Marques
Muniz.
g3o.
Informe com urgencia a Ia sec-
DIARIO DE PERKASfflieO
RECIFE, 24 DE JULHO L> 188o
Noticias do norte do imperio
O paquete nacional Mandos, entrado hontem do
nortt, trouxe as seguintes noticias:
Amazonas
Datas at 12 d Julho :
Fra eleito deputado provincial o Dr. Manoel F.
Machado (L).
A pdicia, em Manaes, appreheadeu urna cdu-
la de lOfiOOO da 7.* estampa, eontendo manchas
de sangne. Esta cdula fra dada em pagamen-
to pelo Dr. Miranda, advogado do reo Taciano
Mantillo Torres, ao proprictario da loja Flora, es-
tabelecida ra municipal, esquina da da Conati-
tuico.
Esta apprehensao, como era natural, causn gran-
de sen8aco.
A polica ia submetter a cdula urna analyse
cbimica.
Em Barba c Itacoatiara reinava a epidemia
d v t'holerna.
Foi naturalisado brasileiro o subdito portu-
guez Luiz de Mattos Pinto.
Falleeeu em Manos D. Eduarda Placida
iuimaraes de L"cena, esposa do Sr. Luiz Jos de
Mattos Guimares de Lucna.
Para
Datas at J6 de Julho:
As noticias sao de menor iuteresse.
L'mos na Provincia de 8.
Hontem, pea mauha, passava pela travessa
das Mcrcs um rabe, enjo nome ignoramos, e^ao
chegar juuto ao pre o contiguo typographia"dtr
Diario de Belm, fci victima de um desastre.
O predio achava-se em concert, sem que
tivessem tomado as devidas cautelas, de sorte
qne, desabando a respeeiva cimaloa, deitou por
trra, sem sen'id s, o rabe, que passava.
a Sendo conduzido, j moribundo, para a phar-
macia do Sr. Serafim J. d'Alineida, alli jhegou
morto.
Lemos na mesma folha de 16 :
Nao podern ser mais serios os puros c m que
est luctando o Thescuro Provincial, para deso-
brigar-S' dos s> us compromissos.
Hontem iicarain exhaustos os cofres por onde
correm as despezas ordinarias.
A presidencia da provincia reaolveu mandar
suspender todos os pagamentos, at ulterior reso-
luto. >
-4- Falleeeu a Visconlessa de Santo Elias.
Haranbao
Datas at 17 de Julho :
Sao tambem destituidas de iuteresse as noticias
desta provincia.
Lemos no Paiz de 12 :
Alguns marinheiros da caahoneira Lamego
foram hontem s 8 horas da noite a urna quitanda
prxima ao quartel de polica, pettencente ao Sr.
S Vianua, e mandaram dcitar um pouco de agur-
dente.
Terminando a libaco coenecaram a provocar
nSo s ao proprietario do estabelecimento, como
tambem a outras pessas que alli se achavam.
A chamado do quitandeiro compareceram al-
gumas pracas de polica, que a custo consegui-
ram dispersar os amotinadores.
o Estes, influenciados pelos vapores do alcool
que haviam ingerido, voltaram ponco depois re-
ferida quitanda e pozeram de novo em pratica
as provocacoes de que se haviam servido a pri-
meira vez.
Foi ento que alguns moradores do bairro,
armados de formidaves cacetes, tomaram a re-
solucao de dar urna lico de mostr aos taes
marinheiros, um dos quaes ficou gravemente
ferido no crneo, segundo declararan! os mdicos
que se encarregaram do corpo de delicto.
O paciente acha-se em tratamento no hospi-
tal da Misericordia.
Sucumbi hontem victima de terrivel enfer-
midade, que por mezes o prostrou no leito de dr,
o nosso amigo Dr. Jos Izidoro Leal Vianna, pro-
motor publico da comarca do Baixo-Mearim.
o Dotado de grande torca de vontade consegua
o nosso amigo, nao obstante os soffrimeutos que
de continuo o perseguiam, a carta de bacharel em
sciencias jurdicas e sociaes, e ao chegar a esta
capital receben do governo da provincia a nomea-
eao para o lugar que s pode exercer durante dous
mezes.
Nos que o conheciamos de perto, que admira-
vamos a g-andeza dos sentimentos de sua alma,
eumprimos boje o doloroso dever de desfo liar sob
sua campa urna simples saudade interprete da
dor que nos despertou to triste acontecimiento.
Piauby
Datas at 3 de Julho :
Foram eleitos 5 conservadores e 5 liberaes ve-
readores da Cmara Municip .1 de Therezina.
Nada mais que mereca menco.
Cear
Datas at 20 de Julho :
Lemos no Cearense de 18 :
i. De passagem para o Rese est nesta ca-
pital o virtuoso missionario Fr. Seraphim de Ca-
tanea, do volta de sua viagem Therezina, onde
acaba de prestar os mais assignalados servaos ao
culto catholico, levando concluso o sumptuoso
templo consagrado a S. Benedicto, erguido n'a-
quella capital pela piedade dos fiis
Compriineutamol-o.
Fallecer o coronel Jeronymo Jos de Vi-
veiros, natural do Marauho.
Itio tranile do Xorle
Datas at 21 de Julho :
Nada dizem as folhas digno de nota.
Parabyba
Datas at 22 de Julho :
No dia 20 procedeu-se apuracao da votacao
do da Io para vereadores, e expedio-se diplomas a
4 conservadore s .e 2 liberaes.
INTERIOR
Correspondencia do Diario de
Pernambuco
PARAHYBA, em 22 de Julho de 1886.
Em geral satisfactorio o nosso estado sanita-
rio. Desappareceram completamente as febres de
mo caracte que gras..avara n'este capital, em
S. Joo, Campia Grande e Cabaceiras.
A forca de liuha que, ao mando do a'feres
Agnello Lopes Perera, seguio para o interior
afim de capturar e perseguir 03 criminosos que
infestam algumas comarcas longinquas d'esta pro-
vincia, logo que chegou villa de S. Joo prendeu
dous individuos pronunciados.
Na povoaco do Batalhao, d'aquellii comarca, es
tavam acoutados liversos criminosos que se eva-
diram para o termo de Patos, quando tiveram no-
ticia da approximacu da forca.
Este termo tem sido ltimamente o asylo de
dous grupos de malfeitores. organisados e dirig-
dos pelos criminosos Adolpho Mea Noite e o de -
sertor Pompeo.
Levando o alteres Agnello instruesoes para per-
manecer em Patos e pe seguir aquel le grupo, j
realisou, segundo consta, tres diligencias. Duas
foram inuteis por terem fgido os criminosos ; a
terceira, porra, qua metteu em sitio um grupo
que se oceultara na matta, deu em resultado sa-
hir ferido o criminoso Estaquili 10 pela forca, que
foi obrigada a repellir o fogo que sobre os solda-
dos fizera o referido grupo.
AsBm a;ossados os giuposprocuraram refugiar-
se r.a cidade de Pombal, qual ameacam atacar,
segundo communicaces receidas das autorida-
des.
Em vista de semelhante noticia e dos justos te-
mores da pupulaco d aquella cidade e das res-
pectivas autoridades, o presidenta da provincia
providenciou eficazmente, fazendo seguir inconti-
nente para alli 20 pracas, Lendo 10 da companhia
de liuha, ecmmandadas por um inferior, para guar-
nece, em a cadeia, a mais importante, depois da
ia capital, pelo numero de pres-os que contm, e
10 do corpo de polica, sob o commando do teuen-
te Manoel Autonio Ferreira Serrano, offieial de
inteira onfianca, o qual vai destacar em lugar do
aifres Goncalo Aquilino Perera Teja, que foi
dimittido.
Coustituidos assim dous destacamentos velantes
de 35 pracas, 15 de linha e 20 de polica, os julga
mos bastantes para a persegnisao, capturas e
completo desbarato dos grupos criminosos, desde
que aquelles cfficaes prodderem sempre de com-
mu-n aciordo e observarem fielmente as iustruc-
co s que lhes foram expedidas pelo Dr. chefe d;
polica.
Tendo sido dimittido Victorino Joe Rapo-
so Filho do p >sto de capito do corpa de polica,
f >i para e!le promovido o tenente Joo Baptista
Reg Cavalcante, e para o de tenente o alfeies
Manoel Antonio Ferreira Serrano.
Para as duas vagas de alfeies occasionadas pelo
accesao do teuenie Serrano e dmissao de,Gonca-
1. Aquilino Pora Tejo, foram n meados Daniel
Rspha! de Freitas e Firmiuo Jos- Alves da
Costa.
__ Foi nomeado promotor publico da comarca
o Inga, o bacharel ObnsUnttno da Costa Perei.a
e rom ividos por conveniencia do servicn publico,
o de Pombal, hacharel Aureliano de Albnquerque
Lima para a comarca de I'ane, e o dessa co nar-
ca bacharel Joaquim Theophilo Agr da Silva
para aquella.
PEMAHBCO
Assembla Provincial
50' SESSO EM 4 DE JUNHO DE 1886
paESrDEHCIA DO EXM. SB. DR JOS MASOBL DE BABBOS
. WANDEBLEY
(Concluso)
O Sr. Juvoncio Uar.i Sr. presidente,
nao pretenda voltar mais tribuna para tomar el(,itor conservador e aparentado com a senhora
[ arte na discusso sobre o projecto de forr;a pta y0 delegido< r
tlicUl ; p-rqie, como, ji tive occasiao d dier q aelega(i0) esnheeida essa eircumstlhcia,din-
nesta Casa, eu pens que, nos trnelos da palavra ^.ge 0a3a ao jr. Teixeira de Macedo e fea urna
fallada ou escripia, a<5 deveriam tomar parte
aquelles que, cora pericia e mestria, soubessent
bem exprimil-a ; e sempre, Sr. presidente, qne
subo esta tribuna, vou' dando provas de que
nao 'enho esta pericia, de -[ta nao disponho dessa
mestria.
(Apartes.)
Se me achasse oresente quando o meu collega
de districto subi tribuna e tomou parte na dis-
cnssio sobre o projecto de torca policial, eu o te-
ra succedido na tribuna para re ponder imme-
diatamente s cbservafoes que o nobre deputado
oppoz ao discurso que profer na sesso anterior.
Esperei, Sr. presidente, que o discurso do nobre
deputado fosse publicado, para eu poder ento
responder cora precisao ; infelizmente submet-
tido de novo A discusso o projecto, sem que esse
discurso tenha sido publicado, e nestas condcoes
eu vejme forcado a rostabelecer a verdade dos
factos alterados pelo nobre deputado...
O Sr. Rodrigues Porto Nao apoiado.
O Sr. Juvenco Mariz... segundo informa-
cues qne oblive de meus collegas de bancada que
se conservaram no recinto.
O Sr. Rodrigues PorteV. Exe. foi exagerado.
0 Sr Juvenco MarizEu declino da opinio
do nobre deputado. Se houve exagero as ex-
presares de que me serv, as consideracoes que
fiz Assembla quando discut o projecto de for-
e,* policial, repito que declino d> juizo do nobrj
deputado quanto ao exagero que dase ter havido
no modo de eu me txpressar.
Sr. presidente, eu dizendo alguma couaa sobre
o modo por que se tem conduzido o juiz munici-
pal dn termo de Caruar...
O Sr. Rodrigues Porto.V. Exc. deve fallar no
juiz municipal do Brejo.
O Sr. Juvencio Mariz... nada disse, porque
sc tantos os factos praticados por aquelle magis-
trado, que, por muito que dissesse, aiada sera
pouco, teria deixado muito por di..er anda ; e o
nobre deputado sabe que nao declinei todos os
factos por aq'ielle juiz praticados, e devia ser o
mais interessado em nao me obrgar a voltar
tribuna sobre tal assumpto.
Sr presidente, dase aqu nesta Assembla,
quando tomei parte pela primeira vez na discus-
so deste projecto, que o juiz municipal do termo
de Caruar nao ia procedendo bem.
O Sr. Rodrigues PortoJuiz municipal a quem
V. Exc endeosou at poucos dias.
O 8r. Juvencio Mariz O nobre deputado nao
me interrompa e consinta que eu prosiga as mi-
unes consideracoes.
S. Exc. disse que eu sempre tratei muito bem
a todos os juizes municipaes e de direito; certo.
Mas, exprimindo-se assim, pareceu de algum mo-
do querer fazer me urna certa insinuaco.
O Sr. Rodrigues PorteNao, senhor.
O Sr. Juvencio Mara S. Exc, porm, ha de
coLvir que eu nao receba licoes de quem quer que
srja, porque sempre proced com criterio e cor-
rectamente ; j porque est nos meus babitos, ja-
porque est na minh educaco ; e costomo sem-
pre tractor bem a todos que me respeitam, e em
assumptos de cavalleirismo o cortesa nao recebo
licoes, nem do nobre deputado, nem de quem quer
que seja.
O Sr. Rodrigues PortoNem eu to pouco.
i Sr. Juvencio MarizMas disae perfeitamente
o nobre deputado : eu costumo tractar muito oem
a todos quando me resoeitauj ; e, sendo assim,
nao ha motivos para reparos pelo tacto de eu trac-
tar com toda a cortezia a todos os juizes munici-
paes e s demais autoridades que all teem exer-
cdo jurisdecao, reic dstineco de cor poltica,
desde qne me tractarem bem.
Eu pedera mesmo, Sr. presidente, citar os jui-
zes municipaes e de direito, quer iiberaes, quer
conservadores, que alli teem estado, e com os
quaes tenho mantido relacoes amistosas; mas nao
o fa$o, porque nao preciso nem quero roubar
temp i intilmente.
Conseguntemente, nao se, Sr. presidente, a
que proposito veio dizer o nobre deputado que eu
at bem pouco tempo tractava muito bem o Sr.
Malaquias, e que entretanto hoje nao o faco.
O Sr. Ro Irigues PortoEra at o confidente de
V. Exc. ; um homem de sua confianca.
O .-'r. Juvencio MarizPeco ao aobre deputado
que tenha a bondade de repetir o aparte, porque
nao pude ouvil o bem.
O Sr. Rodrigues PortoEu disse que o Sr. Ma-
laquias at b'in p^uco tempo era um homem de
confianca para V. Exe, pois que apresentava-o
sempre como urna garanta da ordem.
O Sr. Juvenco MarizIsto prova apenas con-
tra o nobre deputado.
O Sr. R idrigues PortoComo assim ?
O Sr. Juvencio Mariz -Pois que V. Ex;-, dis-
culindo em urna das sessdes passadas o projecto
de fixaco do forca, j se uo lembra ter aQrmado
que o Sr. Malaquias nunca se tinha manifestado
em poltica ? lst,o o que se chama urna verda-
deira descahida !
Na referida sesso o nobre deputado disse que
o Sr. Malaquias nunca se tinha manifestada em
poltica ; no entretanto hoje vem dizer o contra-
rio, isto que elle era liberal e me inspirava as-
sim toda a 0 confianca 1
O Sr. R drignes PortoAinda contino a di-
zer que elle nao se manif stou em poltica.
O Sr. Juvencio Mariz-Fica, pois, de p minba
asseveraco, Sr. presidente, nesta casa, de que o
Sr. M Isquias havia sido liberal e passara se de-
pois para as conservadores. O nobre deputado
c 'ntestou-me enro ; mas agora com o seu aparte
atira nma censura sobre aqu lie juiz municipal,
hoje seu correligionario poltico, pondo em evi-
dencia sua apostasia poltica.
8r. presidente, dizia eu quando fui interrumpi-
do, que nao havia referido todos os factos pratica-
dos por aquede juiz ; que o nobre deputado, pa-
rm, obrigando-me a voltar tribuna, forcava-me
a denunciar outros factos que dao a medida da
parcialidade com que o Sr Malaquias cos'uma
proceder como juiz municipal no termo de Carua-
r, quando se tracto, de satisfazer os seus novoe.
amigos.
Sr. presidente, o juiz municipal de Caruar, ao
passo que mostrase initnigo raneoroso e vingati -
vo, qumdo, por qualqaer circumstancia, cabe sob
sua jurisdicco algnra cidado qu' lhe adverso,
revelase protector escandaloso d'aquelles que
lera ex-esrreligionari assim que nao fiel dep sitano da le, nem
urna garanta de ord^m para aquella localidade,
nem to pouco nda sabe collocar-se na sua ver-
dad-ira altara de juis !
Assim, aquelle cidado como magistrado, nao
procura esquecer resentimeutos polticos, que elle
engendrou para dar pasto a seu rancor, nem' tao
pouco distribuir a justica com gualdade para
todos.
Vou anda, Sr. presidente, apresentar dous fac-
t pira provar quilo justa a aecusacao que faco
agora aquella autoridade.
Poucos dias antes da eleico de 15 de Janeiro,
tendo-se dado cm C-ruar o ficto de um amigo
nosso, o Sr. Jos Alexandre Vierra, ter recebido a
quaDtia de 300.K) era notas falsas de 10*000, que
circula em giande numero na provincia, o dele-
fradr.d' polica immedi tamente foi casa daqoelle
cidado e tratou de averiguar o tacto como lhe
cumpria.
Al ahi eu acho que a autoridade policial pi
eedea bem e regularmente, porque o seu
era investigar e esclarecer o facto.
Chegado o Sr. Vieira em casa do delegado de
t, que pai d que as sedulas tinh'am sido dadas qu*
do pelo Sr. Manoel Leoncio Teixeira de


i
i
i
fliblVti


io de Pernambuco---Sabbado 24 de Julho de 1886
especie de investigaclo oa busca, porm,seto as
formalidades legres. V. Exc- compreheaHieqni *
certos casos em que a polica...
O Sr. R.idrigues Porto d um aparte.
O Sr. Juvencio MamPara que o nobre depu-
tado me est intertonpendo ? Eu estou pondo
os factos o quando nlo referir com verdade aquillo
que se deu, o nobre diputado reclame, que eu ta-
to' prompto e rectificar.
O delegado, repito, foi casi do Sr. Teixeira de
Macedo, iras nao o fea en. eertae.- formalidartaa
ue a lei exige, e o simple bom saos* aooneelh
em caso taograve,teadoello ren<^ eomMeoedo^i
porque este cidadlo .eaeado-oom ucea patea** de.
delgalo e convina aedir ^nelquer suspeifo c
O delegado linito-jtan* piren,* perguntera in-
dagar de Macedo se ecietianinais sedulaa desuel-
las em sea poder, satiettiendo-ee oem a negativa
daquelle cidadlo.
(Ha um aparte do Sr. Rodrigues Porto.)
Effectivamente deu se eeea especie de busca ;
j o disse por mais de urna ver, mas nao foi urna
busca conforme a lei exige; e, portento, o dele-
gado dando como nSi existindo mais notas daquel-
las no poder le Macedo, nao se conduzo com a
devida prudencia, que era paradesejar.
Em seguida foi a eeaa de Jos Atexandae Yieua,
e procedeu busca pelo mesmo modo. Feta essa
deligenoa, o delegado dirigio-se soa casa,
indo com elle diversos eidados, entr* os quacs
fnien tambem; e enlao teve- lugar um ante de
pergontas a-Maaoel Leoncio Teixeira de Macedo
ue ettava archicadaver, val era o seu estado Je
prcfundo abatimento e Jos Alexandrc Vieira, a
qnal feriaron que tendo ido ao estabeleeiuiento do
Sr. Casimiro Vieira de Mello trocar esees notae o
O 8r. i,\isiui.r. re; rah>\e'do s reo .falsas, a re-
.ziud>-la qu-) ni i proeurasso tracal-as
tniis oirqu* aquello lmheiro era falso; *>m vista
do 11 i ato.-gal-as a Macedo que lh'as b*vi*
emprestado
O Sr. Rodrigues Porto d nm aparte.
O Sr. Juvencio Mariz-Mauoel L-oa-'io Teixeira
. de Macedo declaren, que tinha dado ton effeito
essas notas a J. A. Vieira ; queja sabia que aquel
tas notas eram falsas e apenas fasia isto para ver
se nao perda ; mas qae .Jos Alexandre restituiu
do-as, elle as inutilisera .'
D'aqUi se v que o Sr. Manoel Leoncio Teixeira
de Macedo, conhecendo que aquellas notas eram
f *lsas. nao tinha o direito de procurar iliadir a um
ida -I qtialquer com o fia de nao soflrer prejui-
aos, eenfoame allego, por ser um onme.
(He nm aparte do Sr. Rodrigues Parto.)
Ora. este facto era n ais que sufficieate para o
juiz municip .1, que cstava entilo na vara de di-
reito, ce quizesse mostrar-se magistrado impar
cial na dstribaiclo da justiea, oomo diz o nobre
deputado que elle o esquecer-se de que esse in-
dividuo era conservador e tratar apenas de pu-
nil-c como infractor da nossa legislaco, como pas-
eador ou introductor de moeda falsa, embora dis-
sesse elle que tambera tinha receido em paga-
mento de inercadorias que vender em Canbo
tinho.
Mas o juiz de direito interino, Sr. presiden.e
devendo ser o primeiro a eonheoer que o enme de
moe a fa3a um dos crimes mais alarmante*,
porqu- un verdaleiro roubo contra a fortuna
publie* e particular, mostrou-se indifferente a
isto e correo nm veo sobre esse facto (ha um apar-
ee do Sr Rodrigues Porto), pondo urna pedra em
cima ic tudo!
Sr. presidente, se assim elle nao tivesse pro-
cedido, o Sr. Manoe! Leoncio Teixeira de Macede
poda r'ifeuder-se, porque nlo ba facto algum pe-
lo qual um homem seja aecusado, que nao tenha
defe;a, o prceeaso seria iustanrado, o Sr. Leoncio
cajeitr aecusacao e a justiea respeitada.
O Sr. Rodrigues Porto d um aparte.
O isr. Juvenco MarizEu nlo poeto reproduzir
e que enho dito, porque.eeria tas'idjoso e demais
o nobre deputado. estava ao p de mira e se nao
me ouvio foi porque nao presten attencao. Forera,
se por veniura oomo disse e repito ainda, o juix
municipal na Teca de direito nao tiveseo corrido
um v, sobre esse,teeto e eumprieee- oeeu da ver,-o
Sr. -Janoel Leoncio tee aecessariameuto sujeito
a process.e incomraodade ser lamente, porqee>a
cousequencia necessari a e fatal seria elle Ber su-
jeito a urna pronuncia da qual poderla so deten-
der concedo, mas em todo caso ficaria enjerto
aecao da justiea, o juis -le direito bem collocado,
a opinii* publica acatada, embora quizesse ento
absolv l-o da aicusaclo que Ihe fosse intentad.
Mas. longe disso, Sr. presideete, nao se fea ca-
so desse acontec ment, cousidercia-se como um
facto inteiramente banal, eem importancia- alguma.
(He um aparte do Sr. Rodrigues Porto).
Para que o nabre deputado diz lato ? Nunoa
aesta A98embl* ergui a minh* voz contra o Dr.
Dias Liras, nunca o aeoueei em parte algum*. O
nobre depalado est perfeitam^nte eag nado j ee
eo tiveise tido occasiao da censurar aojuit de di-
reito di com.rea, o Dr. Dias Lima, o fina con a
maior iwncao de aoi no i*eit casa ; fique oerto
dista; nao ataco uas sombras !
Entretanto, Sr. presidente, o noble deputada
que tem o mtenfo de endeosar c jan munioipal de
Caruai, que tem dado provas disto aqui na As-
eembla ; na occasiao em que se oceupou dn forca
policial, como agora era partes repetidos que me.
d, fez as mais graves aecusa^oes contra o Dr.
juiz de direito da eouerca do lirejo, o Dr. Gus
mao, e en nao reipopdi logo ao nobre deputado,
porque infelizmewte nao me achava presente n*'
Ass-mbla em tal uceaaiSo.
Eu, portanto, quando per bees sazoee m-s jal-
gasoe dispnsalo 1 vir a tribuna, teria neceasi-
dal de oecupal a de nov par* defender qno'W!
disiCt j ma^is'rad > qu : B\ opiniiio do nobre de
puudo pelo 1 ". di-tncto, capaz de udo;.de
todas as corageaa querendo d'est'arteestabelecor
certa ideuwdade entre le. e o celebre juiz muni-
cipal do infeliz termo de C inar. .
(Ba diversos apartes)
... para defender esse masistrado qne na-opi-
nio do nobrj deputado pelo l(r> districto capas
de tudo...
O Sr. Rodrigues Porto -Em poltica, bem en-
tendido.
O Sr. Juvenci MarizSe o Dr. Gusmo fosse
capaz de tudo cerno disse o nobre deputado, o.Dr.
Malaquias capaz de milito m>is !J
Faca esra Ilustrada Assemblaa idea do que
eaoaz o juiz municipal de Caroar !
Sr. tolrigu.es P.i-toV. Exc est tao zanga-
do com o Dr. Malaquias...
O Sr. Juveneio Mariz*r. presidente, pre-
nso que mais. um vea eu diga que e o que
ere sido o actual juiz de direito do.lirejo.
Esse magistrado quando esteve noBuiqtta.ealU
exerceu a ara de direito por espao-> de 5 annas,
acliava- se no poder o partido conservador elle
lutou com o major Marques, coron>l Camello e.ou
tros chefes importantes do-partido oonaervadorj
O Sr. R'drigues PortoBu sei quoauxiliou o
candidato conservador.
O Sr. Juveacio MarizEst engaado ; o Dr.
Gusta i > no espaco de 5 anuos que all exeneu a
vara de direito, pratieou actos- que mereoeu elo
gios at do gov rno imperial; o Dr. Gusma* aio
ee oceupou em faaerp ilitica, nicamente ocenpsu-
ae em uniros crimi'i osos, em restabeieeer aor-
dem al: rada e firmir all o imperio da lei ultra-i
jada.
O Sr. R-drigues PortoPorque V. Exc. nao
Jalla na fabrica dos phospboroe ?
O Sr. Juvencio. MarizQual phospboros La-
vante ,aqui a questao que he de responder O no-
bre deputado sab^ que na situacao actutl a divi-
ao e uidepeni'iicia dos poderes que nao podem
eer invadidos s- m um golpe fatal na Constituic,
j nao existein ; nos vamos quo na cmara dos de-
putados se invade as attribuicoas do poder judi-
ciano para se annullar qualificacoes de ama e
-neis uamareas para se fazer deputados !
Por cons-.guinte, o nobre deputado pensa que
nes liberaes sontos desabusedos oomo os amigos da
eituaco qu-' vivando ao rgimen das f laudes tem
interesse em enxergal as em nosao campo, para
derrotar candidatos liberaes que nao podiam ser
derrotados seaao deste modo, isto que os eleito-
ree que enffragaram suas eleicoes eram phos-
pboroe 1
^O Sr. Rodrigues PortoQuaes os que foram de-
putado- ?
. O Sr. juvencio MarizO nobre depotado in-
terronpe.me a cada momento, faz-me por esta
fcrma desviar-me: d-me licenca que continu.
? -Dizia eu, Sr. presidente, que na comarca de
ique, aquello magistrado, longe de fazer pol-
tica, fez all apenas raatabelecer o imperio da lei,
pnuindo aos criminosos, expondo para isto at sua
vida ao punhal dos eicarioe e sacrificando a sua
pequea fortune! E para provar qae o Dr. Gus-
nio xno fesie politice, nem capare de tudo, como
user eebra deputado auppondo-o o Sr. Mala-
. uias,, que eitenio no poder a poltica coueer-
vedora, achando-se no gabinete o coneelheiro Diogo
Teibj, que ezs. o ninieUo de justiea e presidente
- 4'est provincia-o Se. deeembargador MenoerCle-
.-nentino Cerneiro da Cunha, o chefe politicd da
fcevincia de Pernambuco, pretenden a no recon-
Tendo deste modo respondido ao aleive, e pul.
verisado a diftamaco d'aquelles meus i.dversa-
rios, faltos de generosidade, que me julgam por
O Sr. Rodrigues Porto Devo facer excepooee ;
eu nunca desci a isso, Caco justiea ao nobre de-
pu'ado.
O Sr. Juvencio Maris ....termino ped.ndo
desculpa A Ass-mbla de ter por mais urna vee
ainda occupadti a sua attunco, e abusado de sua
henevoleaoi
Vozes.Muir bem, muito bem.
es Perto-4b 7. 2 o mlpado... Ninguuia.:H(fwwdo a palava encerrada
o .Sr! Juvecnio Mariz jw bou eulpae denuiim dsetiussao,daWadftdada a votacio por falta de
duccao do Dr. Luiz da Silva Gusmio, e o Sr. Diogo
Ve Ib que tisaa.ni maleores ioforoeacee a ree-
peito d'aqnelle magistrado...
O Sr. Rodrigues PortoPara que nao falU dos
factos praticados em Caruar.
O Sr. Juvencio Maris... no qun attender
a esses pedidos e o reconduzio.
O Sr. Rodrigues PortoPara que V. Exc tore
da questio.
O de. Ju venci.Ma*ia-.Eu ua.) tenha rjeeu de
nweetir qualijuer queet sen que poee eer en
volvido o De, Gima.!
u nao faca ui>:de certasaeojwaeies ; de-l*encro.
'
preso- __
O 8r. Rodrigues Porto -Bu logo dsrei
O 8f. Juveaeio arir,Qaando ete*ner que
opporema a ooeatne tragi-oe.
O Sr. Rodrigare PartoEu s edaiifo,* a oora-
gem de nobre deputado.
O Sr. Juvencio MarizTenho coragem, sim,
para repollir e pulverisar a calumnia!
O Dr. Gusrao que j n'aquelle tempo pretend;:
se accede* do 'eraw de Buique, o conselheiro Diogo
Velho, uo quiz fasel-o sern prime i ro ouvir. sem
ter inr*rif*"" -da petatftda- ntaviuci, Em
consequencia d.isto, foi ouvido a zespeito da con-
venieacia ou nao convenca da reeouducco d'a-
qnelle juiz, e o Sr. d.-sernbaegador Manuel Glemen-
mentiuo, nformou ao governo geral qm nao poda
deixar de informar, que o Dr. Gusrao despoito.
de ser liberal e partidario, era iucoutestavelmeute
um magistradj honrado e moralisalo e qu na* <
seria justo p-.-dr sua uio reconduccao por motivos
estranhos i administracao da Justina. Em conse-
queuci* d'isto, o Dr. Guarni, contra a espjctativa
doa chefe* polticos do partido que eotao dominava
ro reconduzido! Alli se conservo elle.
Sr. presidente, a' que einfim, subindo o pirtdp
liberal em .78, o Dr. Guante foi nomeads para
Caruar.
'Isto prova quo o Dr. Gusraao nao bomem par-
tidario.-nao capaz de tudo como disse o nobre
deputado..
O Sr. R'.dngues. PortoE' capaz de todo em
poltica; como juiz, particularmente, fallando, faco
bom couceita d'ellj; uiu juiz prob, honesto, in-
capaz de prevaricar, mas em poltica, no.
O Sr. Ju;encio MarizNo termo di Caruar,
exercendo o cargo de juiz municipal e de direito,
nunca perseguio a um adversario seu, nuuc* to-
lerou um acto de violencia e por isto iuorreu at
no desagrado de ulguns amigos.
O nobre deputado boje tem um ainigp que fv
desattendido pelo Dr. Gusmao, em um ac'o que de-
via praticar com o juic ; urna questio Aabeasoor
pus que si pretoudoa obten, e elle denegou.
O Sr. Rodrigues Porto d um aparte.
O Sr. Javeueio MarizE' exacto; ato um
facto que prova que o Dr. Gusnio nao juiz par-
tidario nem capaz de sacrificar a justiea.
O Sr. Rodrigoes Porto d ura aparte.
O Sr. Juvencio MarizMas a ordsm de habea-
corpus n< lava o criine. Apeuae un* nuui-
lado de que pode gosar o aecusado para-se defen-
der emquaeto ni-) ha pronuncia.
Sr. presidente, o Dr. Gusmao ,eorao ji'iz, nunca
recueau despachos aos adversario^ trabalhand
mesmo as vezes at noite, em luz, dcspiichando
macos de peticoes, de recursos eleitoraes com as
tive occaeio de presenciar. Muifcas vezes era
obrigado a trabalbar at as 8 horas da noite, afim.
da atisfazct a todos, e uinguem ter o direito de o
censurar.
O Sr. Rodrihues Porto d ura aparte.
O Juveucio MarizO que facto que o nobre
O Sr. PrcsJrnte taranta a sessdo, dcsignamio
a seguinte.iaaen dda : 1 puto : coutiuuaoio
da aatec lote o maie,3 dtscussaodo projaelo n.
87 daeta a nao. y 2 parte : continuado da antoja-
deonnmaieJr disoe**eo do projoata-n. 37 deste
anno.
51* SESSAO EM 5 DE JUNHO DE 1886
taSlDBNCIA DO EXM. 8B- na. JOS MAX0EL OS BABK08
WABDEBLEY
Sujauaioo.bre-ss aessifl. ^LsHiua_a jppro-t
vaflo da acta da seasio antecedente.
Expediente.Adiameeto do reqoerimen-
t, di Sr. Jo8^ari, pedindp copia do
telegramma remettido ao governo geral
pela prepidenci da provincia.Discur-
so do Sr. Visconde de Tabatiuga sobre as
informacoes que receben aeeraa do pri-
vilegio para asaontacr trilbos, eoeeedido,
ao engenho G>'ntrai do Cabo. Diecus-
slo do requerimeato do Sr. Juvencio Ma
riz sobre a sahida da cadeia de Bom
Jardim de dois cri-aiuosos.Discursos
do author Herculan Bandei^a C>a*a Gomes e Jos.
Maria.rjei^ao d> requeriuH*to.I"-
parte da ordem do da.ContinuacSo d4
2. discusslo do proj-icto n; 43 dfste au-
no. Discursos dts Srs. Prxedes Piton-
ga e Gome Prente.Apoiamceto de
omeudas.Adiaraento da discusg' 2.*
parte da ordem do dia.Coojiiuaco da
2. discussio do projeeto n. 54 (at* 10,)
d'eete asrnii-Apoianento de divereae
emei)daa.rrr.Discirio do Sr. Ratis e 8l-
va.Aamento da discussao e final da
sesslo.
Ao meio da, feita a chamada e verifi ;ndo-se
estarooa presentes a Srs Rtti e Silva, Luis,de
A res de Amorim, Reg Barros, Joao Alves, Costa
Rbeiro, Visconde de Tabatiuga, Barros Wan-
derley, He colano Band-.dra, Juvencio Maris, Ba
rio de Itapissum.i, Gomes Pe.mnte. Rodrignea
. Sophro'ib Portella, Joo de S, Loureaco,
de S, Constantino de Albuqu^rque, Augutto Fia i-
klin, Andr Dias, F-rreira Jacdiina, Domingivs
da Silva, Cos'a Gomes, e Antonio Vie'or, o- Sr
presideat declara alerta e seaslo..
Compareown dcoois, o Srs. Joao de Ovsira,
Solonio de Mello, Jote Maria, Prxedes Pitanga,
! e Barao do Caiar.
Faltara os Sis. Rosa c -Silva, G race!ves Ferri-
re, Amara!, Juliode Barros, Regueira Cqsta,.Gas-.
i par de Drumie ! Mor nes.
E' lida e sem debate approvada a acta da se<>-
deputado nao pje
subtrahido peticoes!
ac :usar o
so antecedente.
0 Sr. 1-secretaro procede a leitura do seguale
EXPBoiaarE
_ ,. Urna o-ticao de D-lmiro Sergio de Paria, pro-
Dr Gusmao de ter fessor contractado i*, villa de Cabrob, requeren-
Pelo menea nao consta isto. do o pagamento de 309995 de difl\*-enc em st.ns
OSr. Rodriguss Porto-Eu 6 diijo a verdade. vencimentos.A' commisaao de orcamento provin-
cial.
Entrando em discussaOjO requerimeojo do Sr,
Jos Maria pedindo copia do telegramma remetti-
de ao governo ger- sobre o cerco da Assembla,,fiea adjado, a pedi-
do do do Sr. Barros Barrete junicc,
O Sr. Visconde de Tanatlnga -(X o
devolveu o seu -discuteo).
O (.arnelo Harte Embora nlo se
trate do drstricto que tenho-a honra de represen-
tar, eomtudo einndero que tenho^direito de toe oc-
oarte da commi-so de legislacao, se bem que uau.cpar de qualq.ier tacto que se der em qualquer
para
O Sr. Juveoeio Mariz-Sr. prosidente, quando
tive ocoatiao de ooeupar a tribuna desta A*seo>-
bla pela 1 vea, discutkido a forca publiea, pas-
sou-mo urna circumetMcia-e pira min indupen-
savel que trate della,
Eu tenbo vinio a este Assembla pela oonfianoa
Ilimitada e vontade espontanea dos meus.amigo*
em 3 legislaturas.- Na seseo passaia, c presi-
d.-nt-, aventou se como sabe a Assembla a grinde
questao de carne* verdes.
Por minha nfelici-Iade ou- caiporisrao talvez fiz
estivesse na altura de desompeubar este cargo
(Nao apoiadoe).
Como relator da commisslo a de accordo com oa- iDer se os factos sao ou nao veMadeires.
jneus collegas, dei um parecer sobre um contracto
outra circumscripcao^lertoral da provincia.
Nao tenho em vista seno esdarecer-me
V. Exc. coinprebende. que o faot de que me
celebrado entre o 8r. Oiiveira Castre a Camera.vouoceupar em meu requenmento da raaiorgra/
Municipal do Recife para o-aba^JcAmento de car-
nes verdes.
' Por esse contracta, Sr. presidente, o abastec
ment Jas carnes tornava-sc um monopolio. A
uominieeao de legiaUcio- exaioioaad-iio contracto, de roubo e estando
que foi entabnlado.por acuelle eoeporaclo. sem
distinqbtlo de cor politjica, porque na Camaca Mu-
uciphI do Ricife as forfis de ambos os -partidoe
se ac-ham equilibradas, isto ha tantee couserv--
dores co uo Jlibetaes; confeccionando o seu pare-
cer, procurou proceder do raode que julgou mais
Conveniente aos interesses deste municipio.
Este parecer. Sr. presidente, foi de um modo
vehemente atacado e'oste Assembla- e aquellos
que .se julgavwa prejudieados,ieto os marchan-
tes que nao tioham entrado neste contracto, pro-
coravam facer p*easa sobre a ooramiss-io e a As-
sembla e descerara a todos os reuurses, at o da
diffamacao I
Os Xnnae abicsto para o prorar. Na 1' dis-
cusso o projeeto passou, votando 25- deputados, a
favor e 2 ou 3 eoaira. Xa 2, 22 deputados a fa-
vor e na 3 17.
E' um tacto dehinien e de que a Assembla.an-
da est com a lembranca muito vivaz e sabe que
homens da estatura do Sr. Drummond Filbo,.Enn
rio Coutibo,Baro de Caiar, Fiel Grangatre,
Alfredo Correia, hoje.depotado geral e filho do
ehefc do partido conserva ior, todos estes homens
tomaram parte activa n'usta questao e votaran a
favor do projeeto. No entretanto dizia-se erepe-
tia-se que todos este3 horneas .tinhnmsido compra-
dos, e V. Exe. eomprehende perfeitemente bera o
valor que tinha seraelhaute iusinuacao : entibiar
os defensores do projeeto.
Um Sr. Depnt.do V. Exc nao devia tocar
neste r>onto, porque est muilooicima disto.
(Apoiados e apartes.)
O Sr. Juvencio Maria Toco n'este ponto, por
que foi a arma de que se servirn aa eleico con-
tra mim.. Naturalmente, Sr. presidente, porgue eu
era o mais pobre dos deputados que adoptaram o
contracto das carnes verdes, entendern que de
viasn faeer-recahir sobre mim toda a responsabi-
lidade d'esue acto, julgaudo-se-me at capaz de
.urna indigndade /
O Sr. Rodiigue9 Porto Eu sempre fiz justiea
a V. Exc.
O Sr. Juvencio Muria ~> que certo -que vi-
braran esta arma contra mira, mas tive um pra-
eer, Sr. presidente, porque o 10 districto ainda
urna vez confirmou a contianca que sempre depo-
sitou na ninha humilde personalidade.
Digo isto, nao com o intuito de justificar-me
perante-aquelles que me ouvam, mas em atten;aoe
ihomenagem aos meus amigos do 10* districto ;
pronuuciando-rre assim desta tribuna pens qae
rendo um preito de homenagem ao altivo eleito-
rado que, desprezando a calumnia torpe, distingui-
me con oa seus votos, cendemnando a diffamacao
convertida por adversarios pequeoinos- em arma'
de guerra contra mim !
Havia nm homem que se oceupava em cathequi-
sar amigos meus, dizendo : voces nao deven votar
mais no Juvencio elle sacrificou os criadores ; foi
arrastado por interesses menos confessareis l
Procnranio deste modo Sr. presidente incutir-
no animo de reeus amigos a opiniao de que nao
deviam aceitar a minha candidatura, julgava-me
por si.
Mas uetam precisa reeposta, porque, note V.
Exc. e a eaea, as duas eleicoes anteriores obti
ve na cidade de Caruar 87 votos e agora apezar
dessa guerra e estar na opposicao tena obtido 86,
se nao tivesse aconeelhado a dous de meus amigos
3ue votassem no meu Ilustre amigo Dr. Adelioo
unior.
O Sr. Rodrigues Porto d um aparte.
O Sr. Juveneie Marw Era tal a guerra, que
o tenente Malagueta disse no bilbar depois da
eleicao : Entao, nao diziam que o Javeueio nao
teria 50 votos ?
Entretanto tive 84 !
Disse-ee at a um amigo meu, 8r. presidente,
que se havia de levar os meioe de guerra ao ponto
de per-se em scena at as mulheres I Esse ami-
go toi-me file diste me : Minha malher tem ce
empenhado para en nSo vetar em Voc, mas en
desenganei a e pedi-lhe nao me constrangesse. >
Sabe, porem, V. Exc. o qae respond a esee ami-
g ? Que elle votasee em otro candidato ; que
nao desgostassC nafamilia.
Tive o praeef, porem, de ver desmoronadas a'
calumnia e a diffamacao pelos' meus amigos v qae
ma frzeram justiea ; outro nao podia aer o modo
de peaaat dtlea que viven conmigo me eonbe-
cem.
vidade.
Sjube por p-ssoas fidedigoas qee em dias do
mez.de Abril, esses individes-cujos nome3 men-
cionei em meu cequerimentoy accosados por ccimei
de roubo e estando o ultimo jai oondarnaado, sahi-
ram com autorisaoSo do delegado de polica do
termo de Bom-Jardn, par* iren a passeio 7 le
guas distante Ora, se o facto que acabo de ex-
por a Aesetnbia tor verdadeiro, i eomprehende V.
Exc. e a casa que um acontecimaoto que nao ac
pode deixar passar desapercebido, porquo isto se-
ria em escaudalo, que muitas veze3 se repetira,
nobavendo correctivo; O individuo que estsob
a presso de ama pronuncia, .e pde itahir da-
prisao quando presta flanea, sendo o orine affiao-
cavel, poim, quando se trata de crime grae, oo-
mo e crime de roubo, que nlo a admitte, nao ha r-
elo que justifique a sabida do individuo criminoso-j
para ir pastear oade bem Ihe oonviec-; e se o guar-i
da, caueereie *u detentor deye ser punido, com
maiocia de razio deve se'-o tambem o delegado de
pilieia, que como chefe das prisoes, deve ter
sciencia do movimento que n'elUee opera e por
onsequenoia essa autoridade aathorisandoa sa-
bida de individuos pronunciados, incorreu en ama
grave censura, e o seu procedimento nao pode
Ldexar de reclamar providencias muito severas.
Estou informado, Sr. presidente, que o juia de
diento da comarca logo que esse facto- ebegoa. aa
seu conhecimento fez vir o carcereico sua pre-
eenca, fez auto de perguutas e d'elle consta que
esses individuos pronunciado e condemnados ti
nham ido para nm lug^r, cujo nome nao me posso
recordar, mas que fiea a sete leguas distante da
cadeia 1
O juiz de direito depois de colhidas estas infor-
macoes e esclartciinentos dirigi-se ao Sr. presi-
dente da provincia em um officio instruido com es-
ses documentos pedindo providencias sobre o fac-
to ; e era de esperar que posto a limpo este nego-
cio, como o fes o juiz de direito d'aqnella comarca,
esse carcereiro nlo continuaese mais a exercer
aquelle lugar.e fosse demittido a bem do servio
publico.
N'estas condices ignorando cu se a administrar-
cao da provincia deu ou nlo as providencias que o
caso reclamava, dirig hoje Assembla esse re-
queritaento pedindo informacoes; e como se acham
presentes dous nobres collegas, representantes
d'esse districto, talvez me satisfaca com as infor-
macoes quo q lalquer de Ss. Exea, queira dar ; se
porm assim nlo succeder, aguardar-me-hei para
responder sobre o que Ss. Excs. houverem de
dizer.
O wr. Herculano Bctadeiira faz breves
consideracoes.
O Sr. Costa CJomen -Respondo ligeira-
mentc ao nobre deputado pelo iu distrcto. Sei
do facto por ter lido um auto de perguntac-feito
ao earcereiro, a quem en nlo couheco.
Um Sr. DeputadoNao conheee? Pois nao
mora na cidade de Bom Jardim ?
O Sr. Costa GomesNao, eu moro no Recife.
Blas como dizia, vi, Sr. presidente, nm auto de
pergontas em que o earcereiro diz que Jos Eleu
teo de Sant'Anna foi casa de sua familia,
deixando-o sabir a pedido d'eilee sob eua respon-
sabilidaae.
Sendo o auto anthentico, parece-me que o ear-
cereiro est sujeito a oriminalidade perante o jaiz
de direito, pois elle aquillo declaren.
O 8r. Javencio MaricE o tal Galdino?
Esse j est condennado por crine de furto?
O Sr. Costa GomesIsso nlo eei.
Era pois o que en tinha a diser, acreditando qae
o requeriraento nlo deve ser aceito depois do que
eu ufiirmei A casa.
O f*r. Jos Hartan-Sr. presidente, voto
contra o requerimento do nobre deputado, mea
honrado collega e amigo, o Sr. Juvencio Mariz, e
estou de perfeito aceord com o Sr. Herculano
Bandeira.
VocesOh!
O 8r, Jos Maria-4ois aehan Vv. Excs. que
hei-de votar pela approvaeao de un requerimento
que pede infornacoes sobre urna causa to eome-
sinha?
Dtus me livre I ir incommodar este earcereiro,
este pobre homem que lknitoa-te a facer anille-
sima parte do qne eommettem todos oe dias oe
grandes honens d'esta trra!
Nlo; nao faco rto.
vHa diversos apartes). >
E' por isto qae combato o requerimento e voto
"contra elle; porque seda sua approvaeao alguma
punlclo pudesse advir, este iria recahir cobre o
earcereiro, que um desgranado, mas nlo sebre o
delegado, 4|ue hamem de importancia da locali
dade.
Sr. presidente, nesta aUnaclo, quando se mata
a granel, quando se leva ao sacriaeie os homens
bous, sem que aquelles que isto praticam tenham
um Podre rese ou urna Ave liria de peniten-
cia, t-eousa de grande importancia, um earcereiro
consent r que presos vio dar um ligeiro e talvez
hygienico passeio? (Apartes).
Por ventura os presos de Bom Jardn sao uf-
riores aoa oriminosos de Tacaxat, para os quaes
a cadeia ana sala de visitas-onde alies entrame
sahenqmtBaVi querem?
Pois nao aabemos que desta eadeia sabia ama
mulant-a]uMf- arrependende-se depois, e nlo qu-i-
rendo andar fciragida, toi entrcaarrse.i prieau era
Floros ?
Eu nao pc*o de modo algn eo^aarrer para u:
commodae^taje carcereiro ; aile est fli soa pkap
direito ;Mnajtmentoque cu tenho i elle tei solta-
do someate dous criminosos ; mas devia soltar to-
dos os criminosos de Bom Jardim, para ver se o
seu acto seria Beguido-*por todos os carcereiros da
provincia. (Riso).
Quanto peior melhor.
Urna voz Isso seria urna calamidade.
O Sr, Jos Mariai alsreidade o que oratiea
Cavalcaute, que na minha opiniao p-jiot do qne
todos os criminosos desta provincia ; eutreteoto
ae conoi-ito do> nobres deputados um cid
prestimoso. (Apartes).
Elle vai para o Rio de Janeiro,, segundo ac'o >
de 1er nos jornaes da corte, e diz- ijue o seu'fim
visitar o rei e dizer-lhi :
Senhor, eu sou um C4bc) velho, um boavun-
deoente, pacato, rico, nunca fijrtei vaccag ; enca-
re para mim e veja se assim ou nao!
Eu, portanto, acompanbo o nobre deputado
achoama eousa naturalissima
O que soltar dous presos n'esta ituaeio-, con-
servadora, em que se commetem todos os criraes,
todos os dias, os mais hediondos?
Portanto, voto contra a requerimento do nobre
deputado; acho mesmo que a administradlo da
pVovincia devia fazer deste homem, ao menos um
alferes de polica.
Um carcereiro que d tao boas provas Je si ;
um bomem que em ama posiclo subalterna, como
esta que i xeree, demonstra capacidade para tao
altos feitos, nao deve ser abandonado Facam-
n'o <:aptao de polica ; alferes, pouco.
Este carcereiro rapaz de grandes comnwtti-
mentos-; parece ser vasado nos antigos moldes
do conaervatorisino.
E oa nobres deputados quo tra a faca es nucir
jo na mao, devora aproveital-o, concedeodo-Jhe
alguma graca, alguma merc. J que [elle de-
monstra tanta habiRdade tiestas cousas pequeas,
teta cera csrteza tambem para as eousas grandes.
Eu crvi> que os nobres depatalos po-leriivm fa-
zer desse carcereiro um major, afim d'elle ricar
equiparado a Manoel Major, e ao major Antonio
Affouso Leal.
Mais tarde podia mesmo ser elevado > a coronel,
tendo assim patente, igual ia de Civeleante, poM
que um homem peecisj este que tao bem serve
aos nobres deputado'.
Voto, portento, contra o requerimento, e espero
que esta casa faca o mesmo, praticando assim um
acto de justca- .
Ningucm mais pedindo a palavra eneerrada a
dscussao, e posto a votos o requeriraento rejci-
tado.
OBDEM DO DA
Contina .a disciws&o .do ait. 9 do or.oameoto
provincial.
(Contina.)
i\p>ilrao sui-anerloana de -Ber-
lina R-.-'.mi >-sc. bontem a comnisslo nomeada
para ag-nciar pro luotes para exposiclo sul-ame-
ricana de Berlim, e constituio-se pela seguate
forma :
Presidente Viacoode iiu SUwajLoyo.
Vtce-Presia'enftT-Commendador J -ao Fernandes
Loues..
Secretart'Andr Maria Pinheiro.
IhesowreiroCommondador J-jeeph Krause.
Os dentis mcuibros fiearaj como adjunctos
irlbuualdo Jury do HecifeA cscra-
va Romana, submettida a jalgamento bontem oes-
te tribunal foi esndemnada a soffrer 40 acoutes e
trazer um fem ao pesoooo per 5-dit.s, grio medio
do art. 20 Jo Co 1. Crim., de oentormids.de-oon o
dispost i no art. 60 de mesmo cdigo.
Achava-se ella pronunciado no dito art. 205 nO
procese que Ihe foi instaurada ipor queiaa de O.
Anna Franoelina da Cunha e pelo acto de heve*1
em 'J de Dezembro do anno pastado, no 2 andar
do predio n. 12 sito ra de Marcilio Dias, ferido
com urna oavalha a mesma queixoaa.
FunccirwH comoaccasador-particular o Dr. Joao
Clodoaldo Montoiro Lopss e proruoveu a defeaa
da r, na qualidade de curador o Dr. Jos Baadui-.
de Mello.
Tambem foi jnlgado o reo Jacob da Silva pro-
nunciado no art. 201, que teve por advogado ao
mesmo-Dr. Bandeira.de Mello e foi absolvido por
perempelo.
Era aecusado de baver em 1 de Ferereirodo cor-
rente anno. bordo do vapor Itamaraty, f rido a
Gomo Luiz
Cantara Municipal'Pelo Sr. Dr. Costa
Rbeiro, juiz do direito competente, foi desgnalo
o dia 2 de Agosto prximo para ter lugar a apu-
racao dos votos dados em 1. escrutinio, par
vereadores do Municipio do Recife.
Embarque No paquete Mandos seguio
para a corte o nosso amigo Dr. Deraocrito Caval-
cnte de Albuquerque, que, urgido por interesse
maior, emprehende esta viagem, que ser pouco
duradoura.
O nosso amigo teacioaa regresa ir em breve e
aqui vira gosar a licenca com que veio do Pari.
Desejamts-lhe prospera e feliz viagem.
Lacro audazAs 3 e meia horas da ma-
drugada de bontem deram f os tripolantes da
barcaca denominada Iris, ancorada com outras no
caes da Coaipanbia Peruambacaaa, que bavia al-
guem a tirar louoa de un gigo, que tora embar-
cado.
Effectivamente assim era, e quem se incumbi
de esvasiar o gigo era nm crioulo, de 22 aunos de'
idade, de nome Fernando Manoel da Conceiyo,
que, em trajos do pai Ado, enfunden que devia r
fazer aquella visita matinal.
Segn por diversos barca'ceiros, foi preso e en-
tregue respectiva autoridade, que tomou Conhe-
c-ia nto do facto, mandando proceder vistoria no
madrugador, o qual, nlo tendo sido delicadamen-
te recebido pelos rudes homens do mar, foi galar-
doado com algunas brechas na eabeca, feitas a
varas e remos.
Tentativa de suicidioAnte-hontem,
as S horas da tarde, em Tegipi, Antonio-Jos do
Espirito Santo, septuagenario, tentou sucidar-se,
dando urna navalhada no pescooo, e ferindo se le-
vemente.
' Pessoas da easa, que nter vieran opportuua-
mente, impediram que Espirito Santo consummas-
se esse acto condemnavel.
Cadver de um assasslnado-0 Sr.
delegado do termo de S. Bento acaba de commu-
nicar que no dia 12 do corrente fra encontrado
morto, em seu proprio rocado, no lugar denomina-
do Manicoba, o individuo de nome Manoel Alexan-
dre.
A autoridade respectiva veiitlcou ter sida o in-
feliz assassiiado, e j se acham preses, cerno au-
tores do crime, Francisco Damasceno, Anna Alei -
xa c Lauriana Maria do Espirito Santo, sendo
estas mandantes.
Captura* Pelo subdelegado do districto
de Palmeira de Garanbuns, toi no dia 10 do cor-
rente ca turado o criminoso de morte, Jos Rodri-
gues dos Santos, pronunciado no termo de Pes-
queira
No da Pedia de Buiqae, pelo delegado, toi tam-
bem capturado Jos Fraacisco da Silva, crimino
co pronunciado em S. Jos de Ingazeira, por haver
tendo gravemente a Manoel Marinho.
O comtnendador Sa* Candido de
HoraeaSeguio bontem, a bordo do paquete
nacional Afondo*, este noese amigo, eom destino a
corte, onde pretende demorar-se alguns mezas.
Desejamos que bons ventos o conduzam ao ter-'
no de sua viagem.
Enaennoa eertraen No mappa bon-
tem publicado nesta Revista, sobre engentaos cen -
traes, deram-se os seguintes erios, qae aprecsamo-
nos a corrigil-os :
Na 2* columnaCarmas moidas aa fabrica de
Calambuca, em vea de 11:119:667, leia-sev.....
11:197:667.
Na 7 columna- Ascncar fabricado, peso em ki-
losna fabrica da Escadaonde 16-se 788:996,
teia-ae 788:990.
Na 17* columnDficitfabrica Caianbuoa-u
onde l-se 25:451^670, leia-so 26:451*670.
Comit Iliterario acadmico Ama-
nhl esta til cerporaclo conposta de alumnos da
Facaldade de Direito, realisa a rerceira conferen-
cia da serie que enceteu.
As 11 horas, depois de a berta asesslo, oceupar
a tribuna o acadmico de 3 anno Julio Pires
Ferreira Sobrinho, que dissertar sobre a these :
=Da propriedade em geral e particularmente da
propriedade inteectual
Em seguida ser facultada a palavra aos rspre
sentantes das associacoes e outras pessoas que
anteriormente se tiverem inscripto.
O Sr. Paulo de Mello, viceorador do Comit,
'Usar por ultimo da palavra.
A sesslo realina*.se-ha aa sede do Gabinete
dtortuguea de Leitura, ru do Impeador, e
n'ella s6 terso ingresso o cavallciros (|u< presenr
taremo convite especial destrbaido pelo tymit-
. Fcuti\ idade,Auiaaha tora lugar no Cani-
ao-Novoa festividada, que annualmente Rtlebram
os devotos da Senhora Sant'Auna, sob a direceo do
Sr. Manoel Jos de Almeida.
A' tarde haver msica, sendo preenchidos os
int Tvalloc das pecas tocadas por baloes que su-
birlo ao ar ; e i noite queimar-se -ha um grande
e variado fogo de artificio, de escolhida compo-
sicao.
, A ra dever durante o dia offereeer nm mages-
taso espectculo pela sua oxnaraentecao, e a noite
urna magestosa vista pela iliuminacau dos edificios
que a formara, offereendo assim am agradavel
pAssein populacho d'esta oidade.
Eleicao Municipal A Cmara Munici-
pal de Limoeiro procedeu nc dia 20 apuragao
da eleico de vereadores d'aquella freguezia, de-
signando o dia 9 de Agosto prximo para effec-
tuar-se o 3- escrutinio.
A do Oliudn, no dia 17, procedeu tambem
apuraolo da eleioa para vereadores, verificando
que torara elcitos em \. escrutinio os seguintes
cidadaos : *
Francisco de Pinho Borges Sobrinho (C).
Theodoro Herminio dos Santos C ta (C).
Dr. Joao de S Cavalcante de Albuquerque (C)
Manoel Franscieco dos Reis (C).
Jos Nunca de Oiiveira (L)
Entrsm em 2." escrutinio, que dever ter lugar
ue dia 6 de Agosto pvo:mo vindouru, os seguintes
cidadaos :
Epiphaoio de Franca Mello (C).
Capitao Fredcrico Colomoiano da Silva Guirr.a
raes (L).
Capita < Joaquim Cavalcante da Fonseca Gal-
vao (L)
Tenente-coronel Manoel Dionisio Gemes do Re-
go (L).
Major Tbiraaz da-AIra-iida Antones (C).
Alferes Joao Augusto de Mello (C).
Alferes Antonio Rbeiro de Albuquerque (C).
Jos de Morses Guedes Alcofurado (L).
Paculdode de DirectoFicaram com-
postas da-forma seguate- as commissoes qae tem
de tratar das festas do dia 11 de Agosto :
1 comraiesao. ~oares Brandio, Pedreira Fran-
ca, Joao Capistrano, Paeheco de Queiroga, Anto-
nio de Lima Jnior a Paulo Silvcira.
2" commisso.Luiz do Amaral, Thiago da
Fonseca, Paulino de Mello, Alfredo Just, Antonio
Espiudnl o Hollanda Costa.
niaiaelro O vapor Marinho Visconde lev>u
para:
Macei 5:000^000
O vapor Ipojuca levou para-:
Mosson 32:000*000
Camossim 500*000
ReunaSen aoctaeHa hoje a seguin-
te :
Do Recreio Infantil 9 de Agosto, na respectiva
sede, (Instituto Acadmico) era assembli ge-
ral. i
Ananba ba as seguintes :
Do Instituto Litterario Ondenee, -do dia, para posse da nova directora.
Da Asbooc:1o dos Erapregados do Conmercio,
s 10 horas do dia, para posse da nova directora
e negocio? urgeates.
-Da Portugeeziiidc Bentficenaia, s 4 e meia ho-
ras de tarde, para leitura do relatorio da commis-
so administrativa.
, JJa Uniao Coramercial Benefioeute dos Mercie
ros, s 10 horas do dia, para cumprimento do art.
23 des estatutos
Da Irmandade de St-nt'Aana,- da Madre de
Deus, as 9 horas do dia, para eleicao da nova me-
sa reeedora.
Belleza* da manlolpto>-r-Aeerea do qae
nos cominuaicaran e nos boetem pablicmos sob
esta- pagraphe, escrevea-noe o Sr. fiscalda Boa
Vista :
Primeiro diatriote fiacal da freguezia da Boa
Viste.Em 23-de Jume de 1886.illms. Srs. ee.
dacboeee do Diario de PernambucoNa fieveta do
eeu Diario de hoje um assignante pede providen-
cias contra, a suspenslo que se fez do. atterro de
urna camb* qae existe no caes deGapibaeibc, de-
pois de ee-ter- all lanoado muito txo que tende a
apodracer vindo a eaco nu;>!ar aos que raorsmnas
proximidades.
^ qualidade de fiscal desta freguezia entende
queVevia explicar a que ha a respeito, para que
nlo continuem a pensar que a suspenslo do atter
ro foi -devida ao prejuiao q>te causa aos intentne
particulares de alguem.
O fallecido Bento dos Santos Ramos, quando
quiz que a cmara concedesee ficar a berta a cam-
ba para serventa de urna olaria, assig ion um
termo obrigando-se a conservar em bom estado
.nao s a camb mas tambem urna ponte que so-
bre ella faca para utilidade de quem necessitasse
passar por aquelle caes, podendo a cmara quando
quizesse, ou nao fossem cumpridas aquellas condic
ces, mandar atterrar a camba a custa do mesmo
Bento dos Sautos Ramos.
Depois de seu fallecimenco passou a olaria a
outros propietarios e a eanbi quasi que foi des-
presada, chegando a ponte a ficar completamente
estragada na- se prestando mais ao fien a que foi
destinada, e Vv. Ss., Dla Revista do seu Diario,
tiveram occasilo de reclamar contra este estado.
Procurei ver se consegua do Sr. coronel Oii-
veira Castro, proprietaro, o concert dessa ponte
que foi feito ligeiramente, rasao pela qual pouco
tempo depeis tornou a ser nceessario, sendo entao
feito da mesma forma pelo Sr. gerente da Cooi-
panhia Recife Drainage, que necessitava da ponte
para transito das carrosas que estavam neste tem
po fazendo o atterro do largo dos Coelhos. Recla-
mando providencias ao Sr. vereador, entao com-
missario de polica, Dr. Barros Reg, mandou S. S.
que fizesse vistoria, lavrasse o termo e remettes-
se Cmara, e tendo eu feito tudo isto resulteu
d'ahi a ordem que recebi da mesma Cmara para
mandar fazer 0 atterro qae foi comecado no da 19
sendo interrbmpido no dia 21, quando fomos inti-
mados de um mandado de manutened que havia
sido expedido contra a Lima. Cmara, por estar
fazendo um beneficio, Hvrando o publi ;o de um dos
maiores focos He infeccio que existe nafregaezia.
Ahi fiea a historia da Camba, e eu nlo vejo
como se possa evitar o que previ o seu informante
sem que seja decidida a questao que, segundo me
consta, j est em juizo
Relativamente I parte da noticia em quo se
refere o informante aos guardas e pracas que me
acompanhavam devo dizer que estavam doasguar
das qae servem sob minhas ordens quatro pracas
da guarda cvica que requisitei ao Sr. subdelega-
do porque Bellarmino Alves Aroxa, rendeirj ou
cousa que valha da olaria, quiz oppr-se a que
fosse comecado o atterro, e eatlo tive necessidade
da forca publica para fazer cumprir a ordem qae
tinha reeebido o que felizmeote- consegu sem qae
delta necessitasse servir-me.
Com a pablicaclo d'essa minha explicacao
muito grato ficarei a Vv. Ss.O fiseal, Francisco
Antonio BrandSo Cavalcante.
Aa victima* une eta cutan do o
canal de PanamOs joraaea iuglezee con-
tara noticias tefriveis sobre a hecatombe de victi-
mas humanas, qae custa o canal de Panam.
Sobre a f de testemnnhas seculares o RaiUvay
Revieto assegura que, para concluir um trabalho,
que elle chama impossivel, se sacricam um da
por outro 400 homens.
Estes deegracados, qae alvejam com os seas os
sos aquellas trras trepicaes, slo enterrados '
substituido por otros que chegam en procura:
de trabalho.
Esta desapparieio de inteiras phalanges de se-
res humanos, continua e inevitavel, considerada
alli como um incidente ordinario, e ninguem tas
caso della.
Os reeemchegadoa vivem mais de un mez oa
dous, depois ca bem destruidos pelas febres.
Coraeca-se j a enpregar oe negros de Jamaica.
De 50 engenheiroe mandados para o lagar na
poea dos trabalhos, s cineo vivem ainda.
Todas as informacoes foram colhidas verdadei-
ramente po. um deates deegracados engenheiroe
sobreviventes qae funceioaara como chefe de offi-
cina, regreseado ha pouco i Inglaterra, atacado
das febres, de que pro va ve I venha a morrer.
Se se ultimar a exoavaclo d'aquelle oanal, em-
presa que muitos technicos duvidam, a obra cos-
tar urna dezena de milhares de homens, pelo me-
nos.
A nova apena de VerdiEst finalmen-
te decidido ; o Otello, nova opera do Ilustre Ver-
di, ser representada na vindoura quaresma no
iSce'a em Millo.
Tiabalha-se activamente para os preparativos
deste novo colosso musical.
Lbesron a Veneza o sympathico Alfredo Edel, o
reputado figursta, encarregado da casa Ricordi
para estudar os verdadeiro 8 costumes da poca.
Edel tem trabalhado e ido muitas vzes a Ve-
neza.
Na Marciana, no Arsenal, no Musen Correr, na
Academia das Bellas Artes, no Palacio Ducal e
assim por diantetem achado os indicios, os qua-
dros, os costumes, etc., etc. Como sao bellos !
Ser us mise en cene espectaculosa. A armadu-
ra do aforo, as couracas, as alabardas, os capa-
cetes, os costumes do patriciado, os dos araldos,
dos pagens...
Estupendo golpe de vista, todo aquelle ajunta-
meoto de cores bvsantinas.
A phantasia do Edl produzir bom effeito.
Esperamos impacientes a realsacao deste gran-
de eveuto musical.
Ser urna folha de mais para accrescentar
gloriosa cora que erna a fronte do grande maes-
tro,
Um commovenie drama nocturno
Na pequea cidade de Peto, prximo de Merida,
na provincia mexicaoa de Yucatn, houve um tris-
te drama nocturno dos mais estranhos.
Represeutava no theatro urna companha, de
paaaagem, e a ella assistia parte das pessoas mais
notaveis da cidade.
De repente o theatro fo cercado por urna qua-
dri|ba de salteadores indios, que fecharan) as sa-
hilas emquanto qae os mais resolatos espoliavam
os espectadores do dinheiio que levavam e das
suas oas.
Succederam sceuas sanguinolentas ; um menino
de 14 annosque defenda a sua mai, a actriz Ruiz,
foi morto pelos bandidos.
O guarda-roupa da companbia foi saqueado e a
qnadrilha se retirou levando comsigo a -actriz
Ruiz e duas das mais bellas damas da companhia.
No dia seguiute os indios enviaram ura tele-
gramma reclamando 3,000 escudos pela resgate dos
capturados.
Urna subacripelo tirou-se na cidade da sommi:
que foi pedida.
As intelizcs actrizes foram restituidas; porm
deviam ter soffrido as offensas mais grav.-s.
tieUneM.Eff.a2t11ar-se.hao:
Hoje :
Pelo agente Gusmao, s 11 horas, na ra de S.
Joao n. 63, de movis, loncas, vidros, etc., etc.
Peio agente Brito, s 10 e 1/2 horas, na ra de
Raugel u 48, do estabelecimento ahi sito.
Segunda-teira :
Peto agente Pinto, s 11 horas, na ra do Sol,
de 3 carrosas de duas rodas, 3 bois, 1 jumento e
1 cavallo.
Pelo agente Alfredo Guimares, s 11 horas, na
ra do Bom Jess n. 45, d>j phospboros avariaos
e outros artigos.
Mi*aM runeorea.Serlo celebradas :
Hoje :
A's 8 horas, na matriz da Boa- Vista, por alma,
do Dr. Henrique do Reg Barros: s 8 horas na
matriz da Boa-Vista, por alma de Autonio Ber-
nardino da Cuuba.
PaaaageroaChegados do uortc no vapor
nacional Maneas:
Dr. Joilo Machado A. Mello. Joao Pinto Lsitao,
Jpaquim Agostinho da Cunha, Pedro S. do Espi-
rito-Santo, Jos Puiella, Ianoceuoio (eriado), An-
tonio Doraingucs Amodo. Domingos Rocbeira,
Luzia Francisca P. Perdigao, Maria Raymundi,
J. Silva, Adolpho Robb, Paul Bruraeau, Dr. Hen-
riqae Domingues, sua senhora e 3 criados, fre Se-
rafn) de Cotanea, Jlo Nunes Ferreira Coimbra,
Guilhermina Maria da Penha, Francisco Sicjpira,
Jos Francisco Alves, Antonio A. da Silva, Anto-
nio Domiu -jues dos Santos, Dr. Francisco Alves
da Nobrega, D. Maria Luiza Lins de Albuquerque,
Tarcicio Braga, Dr. Benjamim A. F Pessoa, Cons-
tantino Magalhaes, Dr. Justino de Assis Pereira
Rochs e Joao Goncalves Coimbra.
Chegados de New-York no vapor americano
Fincnce :
Hsnry L. Atherton, E. J. Christie sua se-
Seguiram para os portos do norte no vapor
Ipojuca :
Alferes Gervasio dos Santos Coelho, sua senno-
ra-a 3 filhos, S. Cecilia do Albuquerque Saraiva,
Caetano M., D. Maria Von Sobsten, G. Faria do
Espirito Sauto, Dr. Diogo Velho C. Albuquerque
Sobrinho, Antonio Fabricio do Souza,- Manerl
Gonzalo do Nascimento, Evaristo Jos dos San- >
W, L. Pinho, G. Pinhe.
Casa de eticVoMovimento dos pre-
sos no dia 22 de Julho :
Existan) pr-sos 318, entraran) 2, sabiram 4,
existem 316.
A saber:
Nacionaes 285, mulheres 2, estrangeiros 9, es-
cravos sentenciados e processados 10. ditos de cor-
receo 10.Total 316.
Arraeoadoe 275, sendo: bens 260, doentes 15
Total 275
Movimonto da enfermara :
Teve baixa :
Jlo Ferreira de Mello
Tiveram alta :
Jos Cardoso de Amorim
Francisco oe Paula Santos.
Matndouro PublicoForam abatidas ae
Matadouro da Cabanga 182 rezea para o consume
do dia 24 de Julho,
Sendo: 66 rezts pertencentes a Oiiveira Castro
(Si C, e 16 a diversos.
Mercado Municipal de 9. fose
movimento deste Mercado nos dras*23^ do cor-
rente, foi o seguate :
Entraran) ;
301/2 bois pesando 4,228 kilos.
1.018 kilos de peixe a 20 ris 20/36
61 cargas de farinha a 200 ris 123Qt
32 ditas de fructas diversas a 300 r?. 960t
7 taboleiros a 200 ris 1J40*
5 Sumos a 200 ris l00t
Foram oceupados :
251/2 columnas a 600 ris 15*100
27 compartimentos de frinba a
500 ris. 13/50*
23 ditos de comida a 500 ris 11/50*
691/2 ditos de legumes a 400 ris 2780
16 ditos de saino a 700 ris 11/20:"
1 ditos de tressuras 600 ris 7/200
1C ditos de ditos a 2/ 20/00t
1 dito a 1/ l/0Ut
A Oiiveira Castro & C.:
2 talhos a 500 ris l/OOf
54 talhos de carne verde a 1J 54/000
1

Deve ter sido arrecadada nestes dias
a quantia de 207*69
Rendimento do dia 1 a 22 4:547/86*
Foi arrecadado liquido at hoje 4:754/9.0
Precos do dia :
Carue verde a 240 e 400 ris o kios.
Si.uOi a 500e (00 ris idera.
Carneiro de 640 e 800 ris idem.
farioh. de 320 a 240 ris a cuia.
Milho d 280 a 320 res idem.
Feijlo de 640 a 1/280.
Lote 1 la da provinciaA lotera u '6e,
em beneficio da Santa Casa de Miseric/oia de
Recife s ir extrabida qaaudo for annuneiada.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Conceic&o dos Militares, se echarlo expostas ac
urnas e as espheras, arrumadas em ordem num-
rica 4 apreciacSodo publico.
Lotera da cortePor telegramma recebi-
do pela Casa da Fortuna, sabe-se terem sideestee
os nmeros premiados da 3* parte da lotera*364e
extrahida no dia 23 de Julho :
5.739 100:000/000
4.296 20:000/000
1.088 5:0000/000
Lotera do MoA 3* parte d lotera
n. 198, do nevo plano, do prenio de 100:000/00*,
ser extrahida no dia .. do corrente.
Os bilhetes acham-se venda na Caaa da For-
tuna 4 ra Primeiro de Mareo.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39. ___ -
Lotera de Macei de OOiOeoftoa*
__A 19 partes da 12 lotera, cajo premie
grande de 2170:000/, pelo novo plano, ser ea-
trahida impreterivelmeote no dia 27 de Juno ae
11 horas da manhl.
Bilhetes venda oa Casa olic da praija dena-
dependtnca ns. 37 e 39.
Tamben acham-se 4 venda na Roda da For-
tuna 4 roa Larga do Rosario n. 36.
Pret .s resumidos.
Lotera Gxiraordiarla de* Vpiraa-
a;a -O 4." e ultimo sorteio das 4." t 5.* srica
MMcMi


Iliftro de Peruambttco--Sabbado 24 de Julio de i886



desta importante lotera, oujo msjor dremio de
150:000*000, eer extrahida a 1,4 de AgMto pr3
XCDO.
Acbam a exaoato venda oa tseato das ti
lhetes na Caga da Fortuna, rua Primeiro de Mar-
co n. 23.
Lotera da provincia de Santa, Ca-
IbarlnaEataJetetia, cujo maior premia de
100:000*000, deveri ser extrahida impretetivel-
mente n dia 4 de-igoste.jHpHuio, as 2 hora* da
tarde.
Os bilhetes aeham-se venda na Casa da For-
tuna, roa Primeiro de Marco n. 23.
botera da drteA 4 parte da 3S4 lo-
tern da corte, cujo premio grande de 100:000,
ser extrahida no da de Julho.
Os bilhetes ach .m-se venda na Casa da For-
tuna rua Primeiro de Marco n. 23.
Tambe acham-se rend na prac* da Inde-
dendenciana. 37 e 39.
Cemiteriu publico.Obituario do dia 22
de Julho :
Mara, Pcinambueo, 3 meses, S. Jos; inte-
nte.
Qualbelia, Per-Bambuco, 1 anno, Santo Antonio ;
espasmo.
Luiz, Pernambuco, 9 meaes, S. Jes; febre bi-
liosa.
Benedicta Maris, da Gonce co, Cear, 40 annos,
solteira, Boa-VUta ; tubrculo.p^monares.
Quirino Jos de Sant'Anna, Pernambuco, 50
annos, viuvo, Boa Vista; tubrculos pulmonares.
Antonio Francisso Correia dos Santos, Portu-
gal, 32 annos, solt ro, Santo Antonio; lcsao car*
diaca.
Caetana Uinbelina Borgea Uchpa, Pernambuco,
78 annoa, viu.a, Afegados; smollecimento ce-
rebral.
Antonio, Pernambuco, 5 meaes, S. Jos ; a-
threpsia.
Luiz de Franca, Pernambuco, 19 annos, soltei-
ro, Boa-Vista ; ferida penetrante.
Appellacao civel
Da LeopoldinaAppellantea Marianno da Cos-
ta Araujo Japiass e oatfos, appellados Bellarmi-
no da Cos Araajo e outros.
AppaUacao ommercial
De MaceiAppeilante a companhia Alaj^a
Railway Limited appellada a companhia Unia
Mercantil.
JKgTBBigOES
Recurso crime
Ao So d#embargadnr, lvea. libairo :
De Bam Jardim -Recurrente o juiao, recorrido
Jos Joaquim Ferreira Jnior.
Appallacoea .crimea
Ao Sr. desQuabargador Bnarque Lima :
Da Naiareth AppeUaote o juico, appellado
Manoel Franeaaoo da Sila.
Ao Sr. desembargador Toscano Barrete :
oTraip^-Appellante Sabino Luis Perora,
appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Oliveira Maciel :
P.aVictoiiaT Appeilante Francisco Antonio da-
Oliveira, appellada a justica.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
Do BuiqueAppeilante Puntalea Rodrigues
de Siqueira, appellada ajnstica.
Encerrou-se a seaso as 2 horas da tarda .
"
CHRONCA JBICIARIA
Tribunal da Kelaao
SESSO ORDINARIA EM _>3 DE JULHO
DE 1886
PRESIDENCIA DO EXM. SB. CONSELHEIBO
E MIRANDA
Seerearo iaier.no Dr. Alberto Coelho
As horas do costume, presentes os Srs. desem-
bargadores en nume o legal, foi aberta a sessao,
depois de lida e approvad a acta da antecedente.
Distribuidos e passadoa os fetos deram-se os
segu utes
JLQAMESTOS
Habeas corpus
Pacientes.
Antonio Tenorio Cavalcante.Indeferido.
Recurso eleitoral
De Petroliualieoorreate o juizo, recorrido
Florencio Alves da Luz. Relator o Sr. cona-lh-.-i-
ro Queiroz Barro*. Negou-se provimento ao re-
curso, unnimemente.
Recursos crimes
De Nazareth Recorreute o juizo, recorrido
Jos Autonio Reruard'-a. Relator o Sr. conaelhei-
ro Queiroz Barros. Adjuutos os Srs. deseinbar-
gadores Pirca Goucalves e Bu-rque Lima. He
gou-se provimento no recurso, unnimemente.
Do RecifiRicorrente o juizo do commercio,
recorridos Pedro Maia & C. Relator o Sr des-
embargador Toscano Barrito. Adjuntos os Srs.
desembargadores Alves Ribeiro e Oliveira Maciel.
Negou-ae provimeiitp, unnimemente.
Prorogaco de inventario
Inventariaute Francisco de Paula Cavalcante
de Albuqueriue.Cjncedeu-se o praao pedido.
Appellacoes crimes
De,Jaboatao Appeilante o iuizo, appellado
Lula, eacravo. Relacor o Sr. ccnselheiro Queiroz
Barros.Mandou-se a noy jury, unnimemente.
De Pedras de FogoAppeilante Antonio By-
bosa do Nascia ento, appellada a justica. Rea
tor o Sr. consUieiro Quuiroa Bar oa.Deu-se pro-
vimento, unnimemente, para se iuipor ao reo a
pena legal.
Do RecifeAppeilante o promotor publico, ap-
pellado Manoel de Torrea Gallindo. Relator o
r. couselbeiro Queiroz Barroa. Deu-se provi-
mento a app-dlacao. contra os votos dos Srs. des-
embaicadures Alves Ribeiro, e Oliveira Maciel.
De Bjm CoaselhoApp>;liaote o juizo, appel-
lado Antonio Vieira das Virger.s. Relator o Sr.
onselhero Queiroz Bwrros Con,ye;teu-se em
iligencia".
De Pesquer-Appeilante o promotor publico,
appelladi. Jovino Jo4 de Ctvalho. ..^Jtor o
,r. desi-mbarg.doi Pires Gon?alves. iMandou-ae
a novo juey, contra os votos do Sra, eonaelheiro
Queiroz Barros e d seuibargador Pires Ft-rreira.
Do Bonito Apellante 0 juizo, appellado Joa-
, quim Pureira da -.iv.i Relator o Sr. desembar-
gador Pires Goncalv. s.Nao se tomou conheci-
mento, contra os votos do Srs. deseiijba/gadores
relator e Oliveira Maciel.
De S. Migu-IAppellMnte, Antonio Bernardo
dos Santos, appellada a justica. Relator o Sr.
desembargador Pires Goucalves. Mandou-se a
noy iury, entra o vt.. Oo Sr, conaejheiro. Quei-
roz Barros.
Do Brejo da Madre de Dos Appeilante Ma-
noel Vicente Meuteiro, appellada a. jpstica. Re-
lator o Sr. disembargador PireB Goncalve. -Con-
fixmou.se^a.nteiicH, contra o yate da Sr. conse-
heiro Queiroz Barros.
PASSAGESS
O Sr. uooselheiro Araujo Jorge, como procura-
dor da cora e promotor da ustic, deu parecer
nos seguiutes feites :
Appellacoes civeis
Do Recife-Appeilante Joao Alves da Silva
Guimares, appellada a Santa Cas de Miseri-
cordia.
Do Recifa-Appellante a t^ndg. pfqpoq*!,
jppcllados Bernet & C.
Appellaoea crimes
De BonitoAppeflauce. o juiso, appalla^l ,Si-
mo, escravo. .
'Do Bu^ne T Apelante o.juizg,. apoflladV
Frauciaco Le te Cavalcante.
Do PenedoAppeilante o juizoj appellaio Jo-
s Alves, da Silva Lima Novaes.
De,Paulo Affonso-r-Appeilante o, promotor pu-
Mico,; apeado, (Jofra Chr/sqstemo, de. Jiarros
Do Sr. conselheiro Queiroz Barros ao Sr. des->
embargador Buarque Lima :
Appellacao ciime
( Do P,eoe>>-r4liW.Ipe,pr>geniol/I^pe8 Gu-
maraes, avpellada a justica.
Embargos, infringentcs
Do BecifeEmbargante Antoni.. Moris Res,
embargado Manoel de, Mesquita Cargoso.
Do Sr. fb/sembafgador Buarque Lj,ma !^n Sr.
desembargador Tbjcaiio Barr to i
Appeijacoes crimes
De.Souzaippoilaate.Leonardo Jos Dpnetes,
appellada >\ justica. .
Da RecifeAue^ntes j3racijiaQ Qu/fi^o. do
Nascimento,e i.atro, appellada a justica.
Medleon
Conaultorio n.<'lico clrnrglco do lr.
(Tedro de AUaijde Lobo escotoa
ra da -loria n. 39.
O doutor Moscozo di consultas todos os
das uteis, daa 7 a 10 horas da manh.1'
Este consuitorio offorece a commodida
de de poder cada lente ser ouvido ex
minado, sem ser presenciado por outr<
De rneio dia as 3 hora,3 da tarde ser o
Dr. Hoscoso encontrado no torreSo 4pra-
q. do Commercio,, onde funocioua a ius-
peejao de sade do porto. Para qualquer
d'estes doua pontos, poderlo ser dirigidos
oa chamados por carta as indicadas horas
O Dr. Arhur Imbassahy, medico oceu-
lista, recentemente ebegado, esta cid>de,
d consultas tod js os dias, das 3 10
horas da manha, sendo gratis aos pobres,
no 1. andar do predio n. 53 da ra da Im-
pera triz.
Consultorio aliopatico-doMinaelrico
Dr. Miguel Thettmdo d consultas das
12 as 3 da tarde em seu consultorio ra
do Bario da Victoria n. 7, 1." apdar.
Chamados por escripto a qualquer. hora.
Especialidades partos, febres, syphilis,
molestias do pulmao e do corajao.
Dr. Lopes Pessoa Medico.Residen-
cia a ra de D. Podro I n. 2, onde pode
ser procurado at as 9 horas da manhS.
Consultorio ra do Bom-Jess n. 37 l.e
andar. D consultas das 11 s 2 da tar-
de. Gratis aos pobres.
Dr. Gama Lobo, medico operador e par-
teiro, reside ra do Hospicio n. 20, onde
pode ser procurado qualquer hora do dia
ou da noite. Consultas: de 1 s 3 boras
da tarde. E= rafoes dos orgSos genitourinarios do ho-
uiem e da niulher.
Dr. Barreto Sampaio mudou seu consul-
torio do 2. andar da casa n. 45, a ra do
Bario da Victoria, para o 1. andar, da
casa n. a mesma ra, como consta do
seu anuuncio inserto na seccao compe-
tente.
Advocado
O bacharel Benjamim Bandeira, ra do
Imperador n. 73, 1. andar.
Dr. Seabra. Mudou seu escripto doadvo
gacia para a ra do Imperador n. 24.
Drogara
Francisco Manoel da Silva & C 'nisO'
iitarios de todas as especialidades pharm>
ceuticas, tintas, drogas, productos bimacn
.o medicamentos homoeopaticoa, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e oficina de campia
de Francisco dos autos Maoedo, caes de
Capibarioe n. 28. N'este grande estable
cimento, o primeiro da provincia n'este -ge-
nero, compra-se e veade-se madeiras de
todas as qualidades,, seria-se. madeiras de
conta alheia, assimeomo sepreparam obra<
de carapira por machina e por preeos serc
COm notPr)"j)i.
l.OOOtOOOjbOOO
Qs bilhetes desta iraporUpte. lotera de
tres sorteios, que corre no dia 8 de julho-
acham-se venda na Roda da Fortuna
ru:i Larga do Rosario n. 36 e ra do Ca-
bu$ n. 1.
mos attestados palo Diario de Pernambueo, -em
cuja .paginas/.iteuho eateriotypado a minha alma
e o men coraco, pugnando por tudo quanto e me
tem sfigurado til e vantajoso ausa do.paiz e
maji par ti culac me te des t* provincia.
Como garante dos aacua intuitos de futuro offe-
reco esse modesto pasudo ao digno eleitorado do
3? distrjete, asseguraodo-lbe que eavidarai quanto
couber eiu u.im .para elevar-me aitur* da situa-
(b de paz e para mostrar-ce merecedor da con-
Jiauca co.a que ne bonrar esse digno eleitorado
0 meu norte sera o bem publico e o ciminh
para elle es% hon/oea confianca que nunca fa1
aq Ulustre cidadao i quen aspiro substituir e C*a-
s virtudes owiets toiaarei por.medelo.
. Subscrevo-me com a maior onsideracao e res-
peito.
De V. S.,
Amigo, attento, veneyador criado.
Recife, 6 de Julho de 1886.
Felippe t Mgueira Varia.
Embargos infrijgentes
a e Fdg.^-ErbrgWeDfc Ja^v
De.tedras L.
Francisco Vieira de M,;ll(j, embargado Msqoel
Vieira Bernardes Jnior.
Do Sr. desembrgador Toscano Barreto ao Sr.
desembargador Oliveira Maciel :
^ptiUcio,..extrae
De Peyt llame $ ,ulz/>> appellado Jpao
Baptista dos r-anto
Do Sr. desemb irgador Alves Ribeiro ao Sr.
conselheiro Que,roz_i5arrus :
lucOes crjmes
Do Bfejog-Ar,e^ante .\iauo|J duCaojpos^sn-
taj;o,,inpeDadat a justica.
DoLunoeiroj-AaDellante o joizo.yapielladp
ManoHl Alejianj* 2 Mello,
"fie GoyiinpApp--liante o promotor^ publico,
Dj Passo Appeilante D^Maria Jeteaba( Ac-
, ioli d; Barroe, appa^fn. ,fywf\ frfl, fe Lf.ma -
DILIGENCIAS
Cos^^sta aa r..conllrr^0#fOflfdor da co-
lea e irpu.otor di justiaa :
' Appeliacoes crimes
Da Eacada Appeilante o, juizo, appellado
Francisca, tto SalUs tt Saat'Ajina.
De Gameileira^-Appeilant^ Francisco Tavares,
npeuada a justica.
T)t Taquaretiiga -Appdltnteft promPt01' aP"
pellado Francisco Pereira da Silva,
De Nazareth-AppaUants Lopicino Francisco
Cavalcante, appellada a, justica.
Mandou-se a uu,a digaAeia no, jui^tt-ajiuo :
Appellacao exime
. Da S. Joo -r- Anpellaute o. >mzofc..o^Bllap
Manoel Freir da Mlva.
Coa* viataiai partea ]
mimuijiii.
COHMDNICADQS
A o eleitorado do V 41 strltjto
Im. Sr.O fallecimento do Dr. Antonio Fijan-
cjseo.Curreia de Araujo, abrindp uma.yaga n de-
putacao de Pernambuc*, determinou a necess^dade
de qm,clf icao. nq.,8 distrctovque^,(ijellejHnBtre
cidadao tao digjpamnnte repysentava.
Para pretoqbe/ essa vags. prqpqnbq-me eu aos
suffr.agios do_ distiucto eleitorado des^e districto,
nao, movido por impulso proprio, neo.temado de
apibijey qu^i esteu,^nge:48 iHr|rir3kar,..W^pre-
sentacao do partido em cujas fleiras milito e alen-
tado.pqlp oeseja de confinuar^ presar sar^s a^i
paiz nesse posto de combate que me foi indicado-
Comarca Je IgM-rass
Ha meses passados, susciUndo-se mu c-inflicto
entre o juiz de, direito e prom >tor publieu de
IgiarassiJ,flonaicto para.que * sendo maior escala primeiro, que fot qaem
deu azo pptlenga e tomando -se ueompativeis
esses dous funcoionarios, cuj i permanencia nos
respectivos postos traria dif&culdades destribui
co da justica; S. Exc. o St. Costa Pereira^ento
presidente da previnciu, na imi-js.->ibiiidalo de pu
nir o principal causador dessa sjtuaeao anormal, e
no louvavel intnlto-e. facer-.cvaj-ir ^.pMtSrbfeZe,
removeu para Pao d'Alho o eiialo promotor, -s-
sim attendendo ao intereste pataleo.
A Crovinciq, oxgao da opp)3eilo, o coajo tal
sempre na brecho, par* criticar o actos, atuja os
sai justos, dos sem adversarios, fazandu parg*
contra o promotor de Iguarass de todo o oceorri -
de na Romaica, conp>mnou o aete pte/iidenal,
porque, disse ella, em vez do ser urna punicao, i-A
um sceesso dado esse funeciojiario, que, no cm-
| ceite 4a mesma Provincia, msrecia ser exonerado
do cargo.
Respondeu-se eatao ao orgo oppoiiciouista que
o Dr. Paes B.irpeto nao tora o iniciador do con-
flicto, que fdra arrastado, o que portante seria
injastica punil-o com a demissi, deiando sem
umpater noster de peua o uu.ro funecionario que
com elle se havia chocado.
Ficou, porm, de p a aseeveracao d* Provin-
cia, de que tiuha havido accesso com a remoc)
para Pao d'Alho, e ficou dem*is bem jatate que
essa remocao ti vera por fim acautellar os ulerea-
ses da justica, regularisando a situaco do foro d;
Iguarass.
Sabe-se, agora, que de Iguarass foi reuvvido
para Pao d'Alho, o juiz da direjw que fra .parte
no alludido conflicto; e, sendo ionilivo q
Pao d'Alho iriam achar-re no mesmj terreno da
incompatibiiidade de pessoas os dous funeciona-
rios indicados, era de prever, c-tmo iad-cliaavel
necessidade, que se daria a transferencia de Pao
d'Alho para Iguarass do respectivo promotor,
pelas mestnas causas e raso -s que determinaran!
a sua remocao de Iguarass para Pao d'Alho.
Ao que vem, dds, a extranhes i da Provincia
em relacao a essefacto, logic<>, esperado, juste, nc;-
cessario? Essa extranhesa nao teic, nao pode t r
outro movel senao o teir que. tem o or-gio opposi-
cionista contra o Dr. Paes Barrete; e u f.icte de
atirar-se a Provincia, na serie do artigos que hoje
niciou, sob a epi^raphe que adoptamos, contra o
Exm. Sr. vic^-presideute da provincia, denuncia
que a paixao partidaria coutiut a ser o diapasao
pelo qual se medem os sous do despeito politie'j
dos adversarios da actual situaco.
Effectivamente, se outr'ora, ha mezes i 03, foi
dado accesso ao promotor de Iguarass, sendo elle
removido pt.ra Pao d'Alho, lgico que, agora,
dando-se o inverso, houve decess > p ira o prom >t ir
de Iguarass; e, portante, em vea Ja grita qu-: a
Provincia levanta contra o eto daadminisr-ra-l r
da pruviucia,,devia-se esperar que ella anulan -is-
se esse acto.
Era isso o que impunham a lgica s ae 'heren-
cia; mas a Provincia, ao que parece, nem eoab.....
urna nem outea epusa, quaiid.o so trata d.os seus
adversarios, quando v osinteresse* pblicos arra-
vz do prisma do s*:u espirito do teita.
Se outra fosse a norma de proceder do orgao da
spposicao; se a.causa da justi;i, se us interesses
de ordem superior podesseq impr-s Provincia i
ella eonfessaria que, dada a rem icio do Dr. Ame-
rito para Pao d'Alho, e subsistalo a incompatibi-
iidade entre elle e o. Dr. Paes Barrete, a transi
rencia deste para, Iguarass era um acto cnador
de louvore, digno de applau31, porque tinba par
alvo evitar postiveis conflictos o collocar a justica
de Pao d'Alho cm bqa sitme.^, era. condicons Je
marchar desaasombrada. aos seus fius soqiaes.
E que valor tem para o caso o tacto de estar
sendo processado, em, Iguarass o Sr. Dr.. Paes
Barreto? Em que ha menoscabo do principio da
autoridade, animaco ao crime, reoaicameqte dos
principios da administracSo, no acto da remoco
do promotor ?
Posta maxgem a deslaox.gao qua cncerram as
parases bymbasticas da ffrovinciq, sqmpro promp
ta a,-derahr,. dos.scus ad-varsaria, fa4 apenas o
acto salado do processo,,que, releva ponderar, j
pedia, nem pode ignorar, havia de reeonheeer qs
outro proesdimente nao poda ter-o digno seloso
administrad.r da ippovncia em relaco ao Dr.
Paes Barreto.
Haremos de. traaer ao. Jume Ja impceaaa todo o
monstruoso processo que :o.odto gema en.Igua-
rass contra o Dr; Paes. Barrtj ; havemos de
aoompanhar pari pastu os arrazoados da Provin
oa ; e temos a pretencio d^coaveoeeraao ella,
"ue cegs por voatade deliberadamas aos que
os lern, que: o acto dovice-prasideute da pro
vincia foi correcto; nio proceden a aUegaces
tresvariadas do orgio opposicionista; e o tal pro-
cesso nm megatherio anta-diluviano, digno de
figurar n'um museo de histeria natural.
23 do Jnlhs de 1886.
Muri.
I
Pesta da enJiora Sanf %nna que
se venera os coquelros da
roa Emperial, no dlsarlcto
de. *. fos por sua devoco.
1 No dia 24 do corren-e o^lebrar-Be-iba a
missa na igreja matriz de $ Jos, pelas
7 horas da manha e no dia -ib dom-srao,
haver ladainha na casa da ra .Impe-
rial.
PUUCOES A KBIDO
EI!c do, 3.' districto
Forcado a embarcar no .paaucte ilanos, que
deve partir amanga. para o Rio de Janeiro, onde
pretendo demorar-ne cerca de 15 dias, t.'stemu-
nho meu aentimeuto por nao assistr a elei;ao do
meu prezado amigo Dr. Felippe le. Fiaueir*
Faria.
Em i-eunio soleaju de quasi todo o eleitorado
conservador de Olinda, em. miau* cas, no dia 14
do corr-lite, declare* alto e bom som, nao s que
idopUva de coraco a .candidatura do Dr. Fe-
lippe, porm que eouaia>rav o m.iior obsequio
feito a raim o voto e o apoio a essa sympathica
canuda tura.
Quer co:nQppltico,.quer.aorao- partieular, o Dr.
Felijipe merece tudp desta ejciadaje. em cu>> aeio
naseen c tem-se f'io estimar pelos dotes de sen
espirito e um carcter que (> distingue entre seus
coinpr.iyiicuinos.
Eu devia ser o fiscal de sus eleioio na. mesa pa-
rochial de Oliada,.e. pisto que eousiga,fizer-me
substituir por psasoamais competente, sinto mui-
to qi.o cao poasa.. nrcstar-lhe esse psqueno ser-
vico.
Compansa-me, porm, a eert"a de que com a
minha ausenci 1 o Dr. Fclippo nia perder mais
do que o meu voto.
Depoia das minhas deelara^o-s, quera for meu
amigo no '*" districto, o ace.tar do mean modo
que aceitara a minha candidatura.
Aquelles a quem consiiero-me ligado pela mais
acrysulada gratido^ esses cidadios independen-
tes que honrara me com as suas manifestayoes de
apreco, porque sao altivos e geuerosos, conven-
cidos da ainceridade de meus votos pelo seu
triumpho, achar-se bao ao sea lado, senSo r---
presentando-me, ao menos para afiirmarera que
son leal, e dedicado, e, p*l minha vez, se honrar
os hoineus de msvecimeato do meu partido.
A esses, sim, apraz-me reuder o culto que o ta-
lento a as virtudes cvicas exigem.
O Dr. Felippe de Fiaueirfia Faria, no coaceto
de todos, pcesue os ttulos que mais recommeiidam
o pul,ti -o : fez-s pelos seus esfor^oa, trabalha-
doi Intotigavel, serio, leal, 6 verdadeiro, firme
e resoluto, e dispoe de um certo- cabedal, que os
charlniaeiu.viejin,.,ep9nsamquesnppr.m com a
intpo/i e a grosseria aio-a modos de tratar com os
infelizes que oa procuram, illtdidos.
S r, poetante, umita honroso, e motivo de justa
satistacao para o 3." districto, a aubstituicao do
Dr. Antonio Correia, de saudosiasima memoria,
pelo Dr. Felippe de- Figuiira Faria, em quem o
partido deve ter grandes e bem fundadas espe-
ranzas.
Recife, 23 de Julho de 1886.
Or. Democrilo Cavalcante.
Despedida
O Dr. Dem icrito Cavalcaute, teudo de seguir
hoje para o Ri d-- Jamiro, ondi' 8e demorar
poneos dias, pede dnscuipa aos seus jimigoa de
nao ir pessoajn ute. di|iedir-se e receber suas
ordena.
Offerece-lhes hfius diminutos prestimos, e apro -
veita a oco8*ito, para, imd ama v z, agradeeer-
Ikjsa sois attei.co.-s e obsequios.
agua Florida de Marra; t Lanmi
J l vai etse f-moo em qw poi rneio de bem
elaborados e engenh,sos -auncociou ns iornaes
pnMieos, se lenocavs o.empalnmr-Be e introda-
sir-ss umaitigs inferior .aceitapao publieu. As
esancias ordinarias e uu uun maoo^aj-ae. rb,
fabricadas d olees buratos, sfio oqjo em tiiu uni-
verealmente rejeitadae cas despeito de-itadas as
impresaas oertidoes.eomprebativat ;'OiqnHnt0 que
este admiravel e rtqaiesimo perfumn vcosineticn.
Os premios que seideviarardostribuipor-jeosapostoeextrahido par WBaMpiu E;,pws, e.S^84o,.pam4lr|1Far0tif,%(iSeJe e
patrocinado pelo meu partido, cujo. venerar.de, ,.m vez foi aauullad.o peo Tribunal da Rflac),
cptfc tpbu porr amijq^que, eu^v.epbqiSolicitaii de
V. S. o seu voto e tedo o ssu precioso auxilio 4,
tniuhi causa qp^eito qqe op vai frir bM^smente^
nes8dis.trictp, onde V. SAgosa df prestigio e dis-
poe de merecida influencia.
Bem cgnhecidp, .nest nroy^ncia, /u^de^flasei e
ende tenho sempra viv.do mourejar em fadig >ea8
lides pelas ideas conservadoras, e sob a gide
d'aquella honrw^ afretenUci; creio que ser-
me-ha, excusada a efhibic^ de^up^programma,
pois que <^uUo uao poajo tex quinao o do partido
ao quai tenho servido com dedicacSoa.esforcft.
Entretente, de harmoni a com, o nota ve!, discurso
proferida, S^dQ* em. l|7|l P*f0 bppradp Sr.
Coa/elbeirp Joao Alfred fioff df.Olijsfi/a, digno
chefe conservador em Peroambuco, direi qr.e a
synthese do mea p^gcamoM rr;PHuar Pela' re-
formas que forem e desenvolvimento pratico dos
grandes principios liberaes consagrados na Con-
stituicaa e.qqe P.rflfaui a base das mstituice
que nos, os conservadores, maatemos e queremos
mruter.
Duutro de taes limites ha atpaoq basUute para
too>^.Baij^qf*u^nltotrfintel^aefll mor>es e ma-
teriae^pasa ^dos o, ^58H8lriWBWa serios da.
psltic ecn/u/mi fiaancas cadmiaiattacai, emfim
para,' todas as maja, altas* *|pjr6>8 A tMos
livres, qua/jf ejtk*ob p fpgWp jar!amentar.
r 8% <%'|,'f%*.W*t*n<* 9UI n8trW'
fMr^flvf.*"!*. 8nPre MW*rW*
a minha actividade, e disso fazem prova os raras
I ,, f9&*liynr Assembls4Jjf,aWl'i8
meus, pequeas trabaU>o| na imprensa, tstes ulti-
a, que aaparamos, que o ser Mo.vpn'ute..por,-e3se.
Collcndo Tribunal, se,.coutra u geral espectativa,
ti ex, se^i^manq^saa n#usJir.ooai,da4e fareii3,I1que
nada acredita aos aeus, inicindor-ss.
Esse procwsso, .que,, corre p. .0 jtfizo de diraito
interiqo-r-alias um tribunal suspeitusimoe eivado
do microbio, do,p.srtLiarj3rao-^!m;na.da pode ser
embaraeado pelo, ,pootoj: e.ftectivo, e,pi. por
esse lado era nada poae piftjadiear ao oeu anda-
mento a presenca do mes'.no promotor.
Cndcportanto, omepfacyibejda^iiicipio da au~
toridade ? Em que fiea toihido esse principio, em
q^jtafifraa acciona jbjo4 u>r,eite V
Onde a animacaa ao crime? e de que exmese
trata? Trata se de um.aupposte crime de inju-
Mas, ainda qMiUido vigore o moustruoso
ras..
proceES-i, e o promotor si j* co^demnado, onde fiea
a,1auBacao ap. guarne ?
Com essa suppoaiyao nao rapar ou a Provincia
queoffendeu ao.eu psoprio amigo, jor municipal
em Ib'uarasst aataalmento ca. ftxarcicio.ua. v.i.a
de direite, e mais remotamente ao irerior Tri
[bunal d ReiacSo, a*o.bp3, os quao*1 ao chamados
inte/iferix na querella.
,nd e, ,pom,fra>Ai&ilc*lt >W fosabais
comesinhos principi,Qe A Provincia certameute delira. Se nao fosse o
sen ejtado.pajh9lpgico derjn->vciadQp.ela.,fe,bre da
,ma4e4cP':ia e do, i t mi.qualifi^ari 1 de
immoral o acto honrado vc8-pre:dente, Dr.
Ignacio JoaquioaJwteistqa1j1,dad81as rK.o^f. q""
ficam expesuidAS, quu orgai da opposicao nio
Igr>j;i Presbiteriana
Nesta igreja, :ta ra do Imperador, tOndo
eslo corri.-rvlo 1 > respectivos banbis, pretende ca-
ar-.se Abduii Americo d'Aquiuo com Amelia Mu-
ra de Figueiredo Davis.
Negocios do Para
Quando eu hoje despedia-roe da, familia,-sob as
iuipres.-es.deosea m imeals| duseparacae, sm car-
te'r-.i entregou-rae a coxrespoidencia do Para,
vii>da pelo. Mandos.
Rpidamente pude ver no Diario Grao Para,
qu % irapri'ns liberal d'aquella provincia est
ptwnpsnd >m de raim p-lo alamir, quelhecommu-
niea o honrado Sr. Conaeiheiro Freitas Henri-
ques
Mhu prezado coliega o Dr. Antonio Bezerra da
i M 'raes defende-me, e ellos aecusam-me, os
liberaes.
Comi tudo da habi'issima penna do meu distincto
mi,-0,0 muito da minha consciencia ; mas, piden-
do ser, que a ignorancia i".c aerlos/actos ntimos
prejulique me. protesto, que, um chegando corte,
ou de vol'a a esta capttsj, tudo explicarei.
Appello para o juizo nnparcial dos moae con-
t,-rrane s, e jurp que reatarxdeoerei a verdads em
in-ii favor.
K' quanto pp.-so dize.r ne9te momento de atro-
pello.
. Recie,; 23; de* Julho de-1886.
Dr, fiemotrito.. Cuvalcant.
fi]*po4leo .^1 Aaierieana em
Berliin
APPELLO AOS PSOODCTOKES DE PERSAMBDCO
A co;n:uissa^, abax tssigaa.d*,. iacum-
bida pela presidencia da provincia de or-
ganisar-uuaa c$rta,/Copja do pro.d^ctos na-
toraes, industriaos e artsticos qua possam
cora vantagem representtar a provinaia na
grao i Exposic3o Sal Americana, que se
teiu (l< rpalisar em Jiorliq n^dia Io de
Setcuibrc proxiup. f)ituro ;, erve-se hoje
da imprensa p ra fizer uiu appeilo a ;U>dos
08 productores da Pernarabu^o, o, em ge-
ral, a toda, a populayao da provincia, com
o fim da pedir,-lhes que c,qrrc8.pondam, do
melhor-modo,que puler:m, as jom dese-
jos. n3o s d.i c^mmiB.sa ) c i'-r. > lo, jjiv^rao
e >io. Centro da .LaiiQura, anxiliando a dita
nisi}p na ao/jujsiyjo dos.alludidos pro-
4ucjtos.
O presente appello extensivo a;. todas
bm casseg da nossa soqiedade, e 4irigi>-se
grap4q parte 3 senj*oras perna.mbu'a-
nas qu- trahalh:ira em flo.-es, tapec,*rias e
toda a ordernjdQ,bor.da4os.
A.poramiasaq, ds,pondo da muito poueo
ternjjg para a. sua, tajjfa, peda tolos os
qu'j 'lesejire:n. exoor os,seus ,tr.palhos ou
(iro 1-u 'tos, que os r,e!n"t$am, com ag devi
la icac^ea, para o estabulaciineuto Sa. JvVi -ph Krause & C, i ra Primeiro
d<; Margo n. 6, c ;s> ateo da 10 de Ag's-
ip vmdouro.
Conscia de qua ser ouviJo o seu. ppel-
lo, a.cpm.missaa.desdK agrade.-e a.tedos
aquaUe,que se dignaren! auxilial:a
Reeife, 23 du Jclbo de.786.
Viscondo da Silva Loyo.
Barao de Serinhaem.
Antonio Gomes, da Miranda Leal,
Jlo Pernandes Lopes.
Joteph Rrause.
Jos Fiuza de Oliveira
Apdr Mara Pioheiro.
. G. A. Schmidt pax$iuo com sua famlt..nr o
B^ji) ae Janeiro, despede-se por este meio_ de to-
das as p'8?os, yom^queni manteve relacSes
qu>m retribue a conideiacao com que o. d4#tinT
gjiiram durante. H-3ua, residencia nesta ,pivicia.
e deiculpa por nio poder pessoalmeute \
talas e receber suas rfens, autes de sua partida. ^
fl R^-ife, 28 d JuIhA d>1886. ,, fOr^**,
coasiao da fasta, sel-o-bio no dia wguin'
ta a xtraecSo da lnteria que se extratiir
no fim oui principio de raot seguiate, visto
nao estar mareado o dia da extr&cgao.
Recifa, 2 de Julho de 1888.
Eleicdo da mesma j"esta
Juiz por eleiejao
Fabi da'.Gs.ta.Pereira do Farias.
Juiz por dr.vacao
Dr. Gandido Jos Lisboa.
. Juiza por elejcSo
Erm.* Sr. D. Amalia Secuadina de Brito.
< iioiza por doTocao
Exm* Sra. D. Thereza Mara de Jess.
Mordomos
Os Srs.:
Joio- Evangelista Ramos.
Joao Rodrigues do Farias.
Pedro Jos da.Hora.
Eduardo Freir Perarra da Sdva.
M-dchiades das.Chagas Moura.
Soter Caio de Souza.
Francisco de Assis Santa Clara.
Manoel Fraiuis;' de Salles Filho.
Simao Thomaz de Aquino.
Agir, que o Sr. capitio Domingos de
Souza Barros, julga-me curado dos nteus
padeciraentoa, e oaando; eu-vijo me fivxe
dos tarriveis darthros, que, iam lavr indo
todo o meu rosto, coree-me o de ver de
agradeaer-lhe.
Nao houve remedio de que eu nto lan-
casse mao, o quasi todos appliaados por
medidos, entre estes alguns que muito se
nter casa vam pela minha cura, vista de
lacos de amisade; mas a molestia a tudo
resista.
Com fls remedios do Sr. captao Barros
restabeleci- me no espaco da tres mezes.
Felizmente nao sou um hornera desco-
nhecido : todos viam o meu estado, e pre-
S'H>temfate tolos v.n em mira um hornern
sao.
Nao querOjinem dovo instar na aprecia-
cSo dos remedios eiopr^ga los palo Sr. ca-
pitao Barros. S upresento o facto em si
mais eloquent? do que todas as palavras.
Recita, 23 de Julho do 18S6.
Bourel Josa lves< Cewlcante.
Jos Marceliuo Alves da Fonseca, ten-
Jo sido sem motivo algum plausi.el exo-
nerado do lu^ar, que desde 15 de Janeiro de
1872, i'xeroiaj a capatazia da Alfandega
desta cidade, do qual tirava os muios da
vida de sua familia composta de quinze
pessoas, vem oflFcrecer-se qualquer casa
commerrial para ser seu caixeiro csa-
ch nt-, pan cujo desempenho, julga-se
com as habditacocs necessarias.
Tainbeov s- offerece a promover co-
bran9a amigavul oujudieialmente procurar
perante qualquer ropartica publica e soili-
cit -r ttulos de terrarios de Marinha.
Qualquer aviso pode sjr d-:ix..dQ cusa
do Sr. Paula Mafra.
de raras-e delicadas flaroee pWnilaQ>iarae e so-
'brenaoatra estimado na-acoerica da Bulo i exieo,
de preferencia 4 todas as mais perfumaras 7 aguas
eheiresasvai grangeando e adquirndo para si
de dia em dia nova fama, novo triuotphos, por
meio de todas as classea do mundo civihsado, .-em
1 utra xecornmenda$ao. maia do que a sua incontes-
tav-1 exeellencia.
Nenhuma senhors, qual hsjx espargido alga-
mas gotas d'esta delicioaa essencia floral sobre o
seu lenco, ou baja asado a mesma n'um estado de
diluicao, como um cosmtico; por certo n-vitari
um 6 instante em perfeitameate coincidir c >m as
enhoras e senhoritas d'Ameriea Hespanh-la ; as
quaea a tem usado para mais de vinte aunos, me-
diante, urna completa excluso de todo e qualquer
outro perfume.
Como aABAUTra contra as Wsifiwcoes, obsrve-
se bem que os nomes de Lanman & Kemp venham
estampados em lettras trausparentee n^ panel livrinho que serve de envoltorio cada s^rr-.
Acha-se veuda em todas as boticas' e ojas de
perfumaras.
Agentes em Pernambuco, Heory Porster & C,
ra do Commercio n. 9.
Muito importa saber o pnblico que os gneros
que? compra sao realmente os genuinas'geoercs que
se representan!, para assim poder recusar as nu-
merosas falsificacoes e iinta$oes que inaadam o
mercado, em muitos casos com grave dmno da
su le pnblica. Dictramos por tanto positiva e
terminantemente que pela formla original, co-
mef ida a asar no anno de 1829, que o exiquisito
perfume conhecido como agua florida de
ilarry preparado, sendo esta indubitavelmeate
urna das cousas de possuir elle urna fragraucia tao
extraordinnria, tao suave, fresca e deliciosa, tio
superior todas.
Licor depurativo vegeta oiird
DO
3Iedi *o Quinte I la
pode
fiear
Ao publico
O Sr. Joaquim Jos de Sant'Anna nao
incluir em seu nocve.-r-Costapos assim
com o nome igual ao meu. O f,eto de lerem seus
antepassados sido da Costa nantium dixeite loe
di a prejndicar-ui;!. Procure, portante,, outro
nome.
Joaquim Jos 4c Sont'Ann Costa.
Ensinu particular
Anna Mcndes Bastos, residente ra do .Lima
o. 26 (Santo Amaro), acba se habilitada u eoaiuar
as aeguintes materias :"Vimeiras lettras, geo-
graphia, geometra, arithmet.ca, syathe.ma me:rico,
deaenho linear, priecipios de mustea e trabalbos de
agulha e pontea.
Os senhores pas de familias que quizerem hon-
ral-a com a sua confianca, podera.0irigir-se 4 casa
aeima mencionada, das 9 horas d manba a4 da
tarde.
N. 6. Em casos da tsica no primeino e
segundo grao o poder ourativo de Scott surprehendente.
As suas propriedades sanativas e fortifi-
cantes e as suas virtudes balsmicas e cal-
mantes fzem-89 sentir mmediatamentei ao
principiar a tomar o remedio.
Despedid]
Tendo de seguir para Portugal no dia 25 deste
mes, por uceminado. e.eads.e .nao. podendo des-
pedir-me pessoalmente de meas amigos, faco-o pe-
la pres- nte offerecendo Ihea all oa meus servicos.
Deixo por procuradores Joaquim Dias da Sjlva
;\zevedo Leiros, Jos Antonio da Silva Lapa e
/fcuteniq Bodtiigups dp; Bego.
. R^cie, 21 de Julho de 186.
Francisco Jos da Silv" Lapa.
Programma
DA
(pande fesla de Sania .tana
so
CAMlJHO NOVO
Ari romper o> aurora do dU jtb do corrate, qma
salva acumpanhada de diversas girndolas deib-
"uetes, annunciari todos oa fiis devotos, que
hega^Oiodia.daAtradJciaia.fsta^e^ant Anna.
A's 4 boras da,,taxdy, do raasmo, da, aflhar^se-
ha collocada em um corete a bandarmarcial do 14*
batalbao dn ipfautaria, tecaudo diversas ecas de
seu inengotavel repertorio, sendo os intervallos
preenchidos eom balees faites a capricho: para
esse mesmo dia.
A's 8 horaa da noite ser quemado um grande
e variada fogo da artificio, feito palo pyrotechnico
Franca Mello, tocando sempre a banda aciraa nos
intervallos.
A ra estar ornada com flores, bandeiras, ar-
cos, etc.
A coinmisso encirregada di,festejo,pede ate-
dos os moradores da ra que lluminein as frentes
de suas casas.afim d* abrilha,utar mais a festa.
Manoel Jos de Almeida.
Dr. Ciiirneiro Leo
MEDICO
Tem o seu consultorio e residencia ra
Livramento n. 31. i andar. Consultas de 11 he
ras da, manha s 2. da tarde. Chamados por es-,
eripto a qulquer hora. Especialidade :fehxca,
parios e molestias,da criancas.
dculisla
}!
Dx. Qarete Sampaio. Medico ocu-
lit^ta, ex-chefe de elinieo do Dr. de
Wecker, mudou aeu ooasultoriq, *o 2.
anda/ da casa q, 46* ru Victeria, para o l. andar da casa n.
51 da mesma-jua, Cunsukaade, meio
dia s 3 horas da tarde.
1 Ci rm.' ir ^* .
Este notabilissimo deparante que vem precedi-
do de tao grande fama infallivel na cura de todas
as doencas sjphiliticas,.escrofulosas, rheuraaticas
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rheumati-
cas, osteoeopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das e chronicas, -cancros sypbilitieos, inflamma-
coea visceraes, d'olhos, ouvidos, garganta, intes-
tinos, etc., em todas ae- molestias de pello, simples
ou diathericos, assim como na-alopecia on qu.da
do cabello, e as doencas dirterminadas prr satu-
racSn mercurial. Dao-ae gratis filhetos- onde se
encentrara numerosas exp'-rieiicias feitas eom este
especifico nos bospitaes pblicos t muitos attesta-
dos de mdicos e documentos particulares. Faz-se
descont para revender.
Depwitj e casa tie Fari -Ssarinhj C.
Ra do Marques de Olinda n. 4!.
yso
l Medico e pLarmaceutico uoraceptio.offe-
rece os seus servicos so reapeitavel publico
las 9 do dia as 12 e das as 6 horas da
tarde.
Na. ra de S. Francisco n. 29
Cifiirgia- dentista
Patricio -Aforcira
Consultas e'opera^oes, das 10 horas da manha
s 4 da tarde.
RA DUQUE DE CAXIAS
N. 7, 1 andar.


Oculista
Dr. Ferreira ia Sdva, con-
sulta* das 9 ao meio dia. Resi-
deucia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
tonuitorio wedico-eirnfgicfi

O Dr. Estevas Cavalcaute de Albaquerque con-
tinua a dar consulte aiedieo-cirurgicwa, na ra
dQ jom Jeaus 11. 20,1 andar, de meio dia s 4
horas da sardei Paras? demais eonsulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, Io andar.
s. 1 ,ep!ioa*on : de consaltorie 15 e residencia
126.
Eapeciaidades Partos, molestias de creacas,
Nd'ajltt aseus-annexos.
i, Uecknni
Usinas de oobre, atao bconae- ae i
Clolitzer. Ufer n. i). Berlim S. O.
Hspec .illdade:
Constrncfi:) rfe machi-
ras e apparelhos
para rnica* de assucar, dcstilla53es e re-
finagSes cora todos os aperfecoamentoa
modernos.
STALLAgAO DE:
Engeuhos Je assucar completos
Estabelecimento filial na Havana sob a
mesma firma de G. Heckmann
C. e San Ignacio n. 17.
Guieos representantes
Haupt Gebra'der
EIO DE JANEIRO
Para nformacSes dijijamse ai
Palmar* & C
iMii 110
Ao publico
Os abaixo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas industriaes e rtulos das
suas preparatoes na unta commercini doRio de,
Janeiro de conferm^dade coa. as presenpeoes das
lea do imperio do Brasil, declarara e particjpam
aos interesaaios,. que,, como nicos prpprietanos,
tem direito exclusivo de usar as mawxs_indus-
traos rtulos relacionados com manufactura,
fabricaeSo e venda das s guies prepara,o'S ;
Agua de Florida de Murray e Laman.
Tnico Oriental.
Peitoral de Aaaeahuita.
Paitilhas VeraMagas de Kemp.
Oleo de figado de baealbao de Lanman emp.
Eawlsao de oleo'de figado de bacalho com bj-
nbssphitcs, de Lanmam & Kmp.
rnlha de Bristol. .
Extracte duplo de aveleira mgica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e ..portante, persegairao, a todo tmitMpUo-
re iraitadonUdas d.t-is mar^a^dnstriaes e
rotaloa, procurando que sejam castigados com toda
*'Smdlctte.araoa o publico eornra todos
aquelles que intentatt-substituir 0"" I^g*
racoes aciraa mencionadas c m artigos falsuicadoa
J.quVteTm ron* ou flraavw4ltrJ*W.''nu-
a#aoasa. ^^ & gmp
V


Diario de PeruaubucoSabbado 24 de Julho de 1SS6
Fados e nao palavras
Acuque te desejam tratar sem compronetter a
mude com preparado mineraloga).
Nesta typograpbia e na ra Direita n. 43, 1.
andar vende-se tinturas homeopathicaa para ino-
fensiva cura das seguintes molestias : Estomtico,
anda meamo bronchitico; eiysipela, enzaqoecas;
intermitentes (sem o emprego do fatal quinino);
toase convulsa, falta de menatruaco ; cmaras de
sangue : estericos ou metnte ; dores de dentea ou
nevralginB, metrorragia; vermfugos, denticSoe
convuleoes das enancas; tudo manipulado de ber-
ras do paiz.
Assim como tratam se escrofulosos em qualquer
grao e gommatosos.
Dr. Corpira Mu
Tem o seu eacriptorio a ra do Marque* da
Olinda n. 53 das 12 as 2 horas da tarde, e dest
hora em diante em sua residencia ra da ban
a Cru n. 10. Especialidades, molestias de Be-
horas e eriancas.
Xarope de Mat-mat
O MaW*-**ai (lecythia idatimon) com
qual ae prepara este xarope um vegetal da flor
brasileira. .
E' um agente therupeutico poderosiss mo contra
as moleatias do peito e da asthma.
Os numerosos affectados que delie tem feito uso
conseguiram um resultado muito satisfactorio, aca-
bando por se reconhecer que at boje a melhor
preparacao para a cura da aNibma, broa-
chite amtbmalica, e antih'u e oppres-
a6e, dispensando o emprego do arsenio, folhas
de estramonio e plantas narcticas, que acabara
quasi sempre pelo abuso que delles se taz e mesmo
pelo uso prolongado por produzir effeitos desas-
trosos sobre a saio e em geral entorpecimento do
cerebro.
Vndese na Botica Francesa de Rouquayrol Freres
successores de A. Caor
TU. tCBa da Crui-X. **
KECIFE
Dr. Fernandes Barros
Medico
Consultorio rna do Bom Jess n. 30.
Consultas de meio dia s 3 horas.
Residencia ra da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
Di. Coelbo Lie
Medico, parteiro e operador
Residencia ra da Imperatriz n. 48, 2/ andar
Consultorio ra Duque de Casias n. 59.
Da consultos ,das 11 horas da mana s 2 da
tarde. ...
Attende para es chamados telephone n. 443 a
qualquer hora.
EDITES
O major Franee Vieira de Mello, 2- verea-
dor mais votado da Cmara Municipal
doste termo, em exercicio de juiz de or-
zbaos na presente praca, etc.
Fa saber a todjs que o presente edital virem e
lerem com 30 dias de praso e 3 de pracas, a con-
tar da data deste, excluidos os dias de domingo e
santificados, que a requerimento de D. Mirando-
lina dos Santea Moraea Pinheiro e outros conSe-
nhores, vai praca por arrendamento triennal o
engenho Pocirho, situado na freguezia da Luz,
deste termo, moente e corrente, cuja piaca ter lu-
gar no dia 17 de Agosto prximo vindouro, no pa-
co da Cmara Municipal no roesmo termo, pelo va-
lor de 2:500000 annual e de 7:500JUO o trien
nio, obngando se o arrendatario a conservar as
obras do referido engenho, no bom estado em que
se acham ; nao derrubando as mattas existentes,
nem conaentindo que ee derrubem ; entregando o
dito engenho, no fim do arrendamento, conforme
houver rocebido.
E para que chegue ao conhecimento de todos que
intereasar po8sam e se apresentem competente-
mente habilitados, no lugar, da e hora cima in-
dicado, para arrematarem o referido engenho, com
todas as suas trras, obras e utensilo, mandei
passar dous editaesde igual theor que sero aflixa-
dos, um no lugar mais publico e do costnme uesta
cidade e outro no lugar mais publico e do costu
me da freguezia da Luz do metmo termo.
Dado e passado nesto cidade do Espirito-Santo
de Pao d'Alho, em 10 de Julho de 1886
Eu, JoSo A lves Pcreira Lima Filho, esenvao
que o sabscrevi __
Franco Vieira de Mello.
: E mais se nao continha em dito edital aqu fiel-
mente copiado e qual estova competentemente sel-
lado, do que tudo dou f.
Joao Alves Pereira Lima Filho.
Edital n. 742
De ordem do inspector geral, declarase aos
professores Jos de Mendonca Maurity e Maria
Rosa Pereira, nomeados no dia 20 do coi rente, o
1 para a cadeira de instruccao primaria de An-
glicas e a 2* para a de Serra Verde, que lhes
fica marcado o praso de 30 dias, a contar daquel-
la data, para dentro delles assumirem o exercicio
de suas cadeiras.
Secretaria da instruccao publica de Pernam-
buco, 21 de Julho de 1886. = Servindo de secre-
tario,
Joao Fox.
COMERCIO
Bolsa commerclal de Pernam-
buco
BECIFE, 23 DE JULHO 'OE 188b.
As tres horas da tarde
CotacSe officiacs
Cambie sobre Para, 30 d/v. com 3/4 0/0 de des-
cont.
Cambio sobre Pars, vista, 469 rs. o franco, do
banco.
Cambio sobre aples, vista, 469 a lira, do
banco.
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. 6. Alcoforade.
RSNDMENTOS^PCBUCOS
Mes de Julho de 3886 .
ALFANDEGA
Ruda qb&ax.
De 2 a 22
dem dt 23
DA FBOVTSCIAI.
De 2 a 22
ldtmij/2'
Total
320:605*921
37:760*591
43:907*749
3:195*317
358:366*512
47:105*066
RBCMBEDoaiAD 2 a 22
a de 23
i pboviscui. De 2 a 22
dem de 23
363:081*578
19:189*475
1:607*733
20:787*208
117:891*695
2:095/558
O Dr. Adelino Antonio de Luna Freir, oficial da
imperial Ordem da Rosa, eommendador da real
ordem militar portugutaa de Nosso Senhor Je-
ss Cbristo e juiz de olreito le orphaos e au-
sentes da comarca do Becifo e seu termo em
Pernambuco, per 8. M. o Imperador o Sr. D.
Pedro II.
Faco saber que no dia 28 do corrente me*, na
sala das audiencias, ser vendida em basto pu-
blica a requerimentj do Dr. curador geral de au-
sentes e de accordo com o art. 43 do regulamento
n. 2,433, de 15 de Junho de 1859, a casa terrea n.
26 la ra do Padre Floriano, tendo parto e janel-
la de frente, 2 salas e 4 quartos, eoaTnha fra,
quintal murado, cacimba propria, medindo de lar-
gura 4 metros e 95 centmetros, e de fundo 16
metros, terreno toreiro, em-bom estado, avaliaa
por 1:400*, expolio do finado padre Juvencio Ve-
risaimo dos Aojos.
E para constar mandei passar o presente, que
ser publicado pela imprensa e afiliado no lugar
do costume.
Dado e passado nesto cidade do Becife, aos 20
de Julho de 18o6.
Eu, Francisco de Siqueira Cavalcante, escri-
ve, subscrevi.
Adelino Antonio de Luna irexre.
Alfandcga de Pernambuco
Edital n
Em cumprimecto ao disposto no art. 657 da
consolidacao das leis das Alfandegaa, se laz publi-
co qu.', no processo de apprehenso a que se est
procedendo, de duas latas contendo fumo, vmdas
no vapor nacional Baha, entrado neste porto em
7 de Junho prximo passado e apprehendidas no
caes da Lingueta, s 10 horas da manha do mes-
mo dia ; foi pela inspectora interina desta Altan -
dega dado o segunte despacho:
Julgo procedente a presente apprehenso e
mando que se prosiga nos termos ulteriores e con-
demno o infractor na multa de 50 0/0 do valor dos
obiectos apprehenddos.
Alfandega, 15 de Julho de 1886.Jos Son-
calves de Medeiros.
Pelo que, fica o infractor intimado para, no pra-
so de 8 das, vir satisfazer a dito multo.
3. seecao, 21 de Julho de 1886.
^ O chefe,
Cicero Braseiro de Mello.______
Edital n. 741
De ordem do inspector geral, faco seiente a
quem interessar possa, que por acto da presiden-
cia da provincia de 20 do corrente, foi rescindido
o contrato celebrado com Mirandolina Borges
Pestaa, para reger a cadeira de instruccao pri-
maria de Serra Verde.
Secretaria da instruccao publica de Pernambu
co, 21 de Julho de 1886. Servindo de secreta-
ro, _
Joao Fox.
A. Laberty.
Julio Fuerstemberg.
Estiva
Jos Ji.aquim Dias Fernandes.
Antonio Jos Soares.
Manoel Jos da Silva Guimaries.
Jos Lopes Albeiro.
Jos Ferreira Pinto de Magalhaea.
Manoel Jos da Cunha Porto.
Llvros
Manoel Cardezo Ayres.
Joao Walfrido de Medeiros.
Bacharel Jos Joaquim Alves de Albuquerqua-
Joaquim Nogueira de Souza.
Jos Goncalven Braga.
Joaquim Francisco de Medeiros.
Louca
Deodato Torres.
Manoel Joaquim Pereira.
M. G. J- Guimaraes.
Jos de Araujo Veiga.
Joaquim Duarte Campos.
Ferragens
Antonio Rodrigues de Souza.
Joao Joaquim Alves.
Antonio Duarte Carneiro Vianna.
Manoel Rod-igues da Siiva.
Mauoel Joaquim da Costa Carvalho.
Antonio dos Santos Oliveira.
Chapeos
Augusto Fernandes.
Affonao de Oliveira;
Antonio da Silva Maia.
Joao Cbristiani.
Joaquim da Silva Carvalho.
Jos Joaquim Samarcoa.
Machinas
Antonio F. Correia Cardoso.
Manoel dos Santos Vlllaca.
Alian Paterson.
John Wright.
Antonio Pedro de Souza Soares.
Gaspar Augusto Soares Leite.
Cera
Casimiro Fernandes.
Francisco Jos dos Paaaos Guimaraes.
Joaquim Teixeira Bastos.
Jos Joaquim de Azevedo.
Jos Duarte da Silva Papoula.
Manoel Gurjo da Silva Papoula.
Carde-alha
Oaetaao Cyriaco da Costa Morcira.
Jeronymo Gsmes da Fonseca.
Joaquim Alves da Silva Santos.
Joaquim Jos Goncalves Beltro.
3." Seecao da Alfandega de Pernambuco, 23 de
Julho de 1886.
O chefe,
Cicero B. de Mello
Alfandega de Pernam-
buco
Edital n. 8
Por ordem desta inspectora se faz publico que
de conformidsde com o disposto no artigo 529 1*
da consolidacao daa leis das Alfandegas e mezas
de rendas o lllm. Sr inspector da Theaouraria de
Fazenda, resolveu nomear por portara n. 198, de
21 do corrente oa empregados, negociante e maia
profissionaes abaixo declarados, para servirem de
peritos as qoe toes a que se referem os artigos
507 2-, 522 | 1 c 525 a saber :
Empregados
Chefe de scelo, Cicero Braseiro de Mello.
Cooferentes
Adolpho Gentil.
Salvador Ayres de Almeida Freitoa.
Julio da Costa Cirne.
Jos Joaquim de Miranda.
Manoel Aatonio Rodrigues Pinheiro.
1-t escripturarios
Vasco da Gama Lobo.
Antonio Leonardo de Menezes Amorim.
Negociantes
Fazendas
Luiz Antonio Siqueira.
Fraucisco Gurgel do Amaral.
Manoel da Cunha Lobo.
Antonio Correia de Vasconcelloa.
Joaquim Olintho Bastos.
Antonio Vieira de Sousa.
Miudezas
Dr. Manoel Gomes ie Mattos.
Emilio Roberto.
Henrique de S Leitao.
Jos Teixeira Bastos.
Joao Cardoso Ayres.
Manoel Joiquim Ribei-o.
Calcados
Manoel de Barros Cavalcante.
Satyro Serafim da Silva.
Thomaz Ferreira de Carvalho.
Jos Joaquim dos Santos.
Antonio de Paiva Ferreira.
Lino Leocadio Regalo Braga.
Drogas
Antonio Jos Abreu Ribeiro.
Antonio Jos Maria Ferreira.
Francisco Manoel da Silva.
Manoel da Silva Farias.
Francisco Floro Leal.
Damazio Rouquayrol.
Objectos diversos
Domingos Jos Ferreira.
Manoel da Cunha Saldanha.
Antonio P de Souza Soares.
Antonio de Souza Braz.
Antonio Pereira da Cunha.
Alfredo Badoux
Joias
Arthur de Moura Ribeiro.
Augusto Fernandes do Reg.
Jos Joaquim Goncalves de Barros.
Joaquim Martina Moreira.
Ktcitb draynagb-1 e 2 a 22
dem de 13
11:351*857
460*611
11:812*468
119:987*253
DESPACHOS DE IMPORTAQAO
Patacho bollandez Zuurdick, entrado do
Rio Grande do Sal no dia 22 do corrente,
e consignado a Baltar Oliveira & C, raa-
nifestou :
Xarque 161,250 kilos ordem.
Vapor nacional Mandos, entrado dos por-
tos do norte do dia 23 do corrente e con-
signado ao Visconde de Itaqui do Norte,
manifestou:
Azeite 10 barris ao consignatario.
Goma a de mandioca 10 paneiros a
Joaqaira Felippe d Agaiar.
Sebo 25 barricas a Antonio Rodrigues da
Costa.
DEliPACBOS DE EXPRTAgO
Em 22 de Julho de 1886
Para o exterior
Nao houve despacho.
Para o Interior
Na escuna ingleza Nellie, carregaram :
Para Porto-Alegre, P. Carneiro & C. 750 sac-
eos com 57,580 kilos de assucar branco.
No vapor nacional Mandos, carregaram :
Para o Rio Grande do Sul, A. B. 'Jorreia 100
caixas com cajurubeb.
Para o Rio de Janeiro, A. B. Correia 30 caixas
com cjurubeba ; D. M. da Cosa 5,000 cocos
fructa.
Nc vapor nacional Ipojuca, c arregaram :
Para o Cear, M. A. Senna & C. 40 saceos com
3,000 kilos de assucar branco.
Para Aracaty, Fernandez & Irmao 30 saceos
com 2,250 Kilos de assucar branco.
Pa.-a Camossim, Fernandes & Irmao 3 barricas
com 300 kilos de assucar refinado e 4 ditos com
400 ditos de dito branco.
Para Granja, E C. Beltro & Irmao 6 barricas
com 305 kilos de assucar branco.
r"ara Acarahu, E. C. Beltro & Irmao 14 bar-
ricas com 849 kilos de assucar branco.
Para Maco, E. C. Beltro k Irmio 4 barricas
com 314 kilos de assucar branco.
Obras Publicas
De ordem do lllm Sr. Dr. engenbeiro chefe,
faco publico que, em virtude da ordem do Exm.
Sr. vice-presHente da provincia, vni de novo
praca no dia 3 do mes vindouro, ao meio dia, a
obra de reparos da cadeia de Iguarasa, servindo
d base o abate de 24 0|0 sobre o valor do res-
pectivo orcamento, offerecido por Ismael Gau-
dencio Furtado de Mendonca,
Secretoria da repartico das obras publicas, 22
de Julho de 1886.O secretorio,
JoSo Joaquim de Siqueira Varej&o.
S. R. J.
Soire, em 14 de Agosto prximo futuro, soler.-.-
nisaodo o 22 anniversario da installaco da
sociedade
Ao Sr. presidenta podem desde j os senhores
socios entregar as notas de aeus convites, que
ulteriormente tero de ser entregues aos_ convi-
dados pela presidencia ou pelas commisses por
ella nomeidiB.
Secife, 21 de Junho de 1886.
Luiz Guedes de Amorim,
2" secretorio.
SOCIEDADE

pSfK'H
DECLARARES
Instituto Lltterarlo Olindense
De ordem do Sr. presidente convido a todos os
socios deate instituto se reunirem, demingo, 25
do crrente, s 10 horus da manh, na respectiva
sede, para asaistirema pos se da nova directora.
Olinda, 22 de Julho de 1886.
01 secretorio, Joa Pinto Souto-Maior
Obras publicas
De ordem do lllm. Sr. Dr. engenheiro chefe,
faco publico que no dia 3 do mez prximo yindou-
t< ao meio dia, recebe se nesta secretaria pro-
dostas para a execuco dos reparos do ac^ude de
S. Bento, oreados em 2:243*868.
O orcamento e mais condicoes do contrato se
acham disposico dos senhores pretendentes,
para seren examinadas.
Secretaria da repartico das obras publicas de
Pernambuco, em 12 de Julho de 1886.
O secretorio,
Joao Joaquim de S. Varejo.
IRHAWOIDE
D
Sentara Sanl'Anna da igreja da
Madre de Deus
De-efdem da mesa regedora e de accordo com
o que diapoe o art. 1" do compromisso, convido a
todoa es nossos irmos a comparecerem no con-
sistorio da irmandade domingo 26 do corrente,
pelas 9 horas da manh, afim de eleger-se u nova
mesa qne tem de reger a irmandadu no futuro
anno de 1886-87.
Secretoria da irmandade, 21 de Julho de 1886.
Antonio Cardoso Ayres,
sjecrivo.
Associa#ao Portugue-
za de Beneficencia
Assembica geral ordinaria
Convido os senhores socios desta asscciaco a
comparecerem ua sede social, domingo 25 do cr-
reme, s 4 1/2 horas da tarde, afim de ouvirem a
eitura do relatorio da commisso administrativa.
Recife, 22 de Julho de 1886.
O 2o secretario,
B. Aguiar.
A. E. C. P.
3* convocac-J
Novamente convido os senhores socios a com-
parecerem na sede social domingo 25 do corrente,
visto como nao se limitando a assembla a dar
posse nova directora, eai face de que foi deli-
berado na sesso ordinaria de Janho, e devendo
tambera resolver sobre essumpto transcedente ; a
mesa espera maior concur Secretaria da associacao dos empregados do
commercio em Pernambuco, 22 de Julho de 1886.
O secretorio ad noc,
Ildefonso Pinheiro.
No hiate nacional Ires, carregou :
Para Mossor, M. Amorim 30 barricas com
1,260 kilos de assucar branco.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 23
Mandos por escala11 dias, vapor nacio-
nal Mandos, de 1,999 toneladas, com-
mandantu Guilbenne Wad Dgton, equi-
pagem 60, carga varios gneros; ao
Visconde de Itaqui do Norte.
New-York por escala23 dias, vapor ame-
ricano Finante, de 1,919 toneladas, com-
mandante E. C. Eaker, equipagem 63,
carga varios gneros ; a Henry Forster
* C.
Maco -8 dias, hyate nacional Santo Am-
brosio, de 38 toneladas, mestre Manoel
F. de Mello, equipagem 4, carga sal; a
Manoel Joaquim da Rocha.
Rio Grande do Norte8 dias, hyate na
cional Santa Rita, de 48 toneladas, mes-
tre Manoel Joaquim da Silva, equipa-
gem 4, carga sal: a Manoel Joaquim
Pessoa.
Navios sahidos no mesmo dia
Rio de Janeiro por escalaVapor nacional
Mandos, commandante Guilherme Wad-
digton, carga varios gneros.
Camossim por escalaVapor nacional Ipo-
juca, commandante Antonio Maria Bap-
tista Ferreira, carga varios gneros.
VAPORES ESPERADOS
Pampa do sol hoje
La Plata da Europa hoje
Equateur do sul amarina
Bahia do sul a 26
Cearense de New-York a 26
Neva do sol a 29'
Scholar de Liverpool Agosto a 29
Ville de Bahia do sal a 5
tetro -olis de Hamburgo a 20
Segunda sesao ordinaria
De ordem do Sr. presidente da assembla geral,
convido os senhores socios comparecerem rA
sede social domingo 25 do corrente, s 10 horas
da manh, afim de se cumprir o disposto no art.
23 dos estatutos.
Recife, 21 de Jalho de 1886.
M. Martina Capito,
Secretario.
Por esto repartico e de ordem do lllm. Sr.
Dr. chefe de polici. se convida aos senhores dos
escravos abaixo declarados a virem, dentro do
praso de 15 dias, reclamar a entrega dos mesmes
escravos:
Amando, de Joaquim de Brito Vasconcellos ;
Antonio, dos herdeiros do Visconde da Livra-
mento;
Manoel ou Euzebio, de Jos Velloso; e Miguel,
de Jos de Souza.
Secretoria da Polica de Pernambuco, 23 de
Julho de 1886.O secretario, Joaquim Francisco
de Amida.
Arsenal de Guerra
O conselho de compras recebe propostos no dia
5 de Agosto, at a 11 horas da manh, para a
compra dos artigos se quintes :
Bules pequeos, de louf %, 2.
Facas de cozinha, 5.
Funis de folba, 2.
Jarras de barros com torneira, 7.
Baciaa de ferr estonhadas, 3.
Ditas de dito dito com jarros, 2.
Enxadas encabadas, 6.
Lavatorios de ferro, 5.
Ps de dito, 6.
Chicaras e pires de louca, 150.
Molheiros de dita, 2.
Pratos de dita, 150.
Copos de vidro para agua, 23.
Bilha de birro com prato, 1.
Vloringuts, 4.
Bandejas para copos, 4.
Chicaras e pires de ferro Agatha, 48.
'olher grande, de ferro, 1.
Conchas grandes, de dito, 2.
Canecos de ferro rsianhado, 29.
Frigideras de feces, 2.
Facao para cozinha, 1.
Pratos fundos de mets 1, 48.
Ditos rasos de dito 48.
Serrote para carne, 1.
Talheres de ac, 150.
Caixas de folba para amostra, 2.
Lotos grandes paia aparar caf, 2.
MarmitOea i ara 8 pracas, 57.
Urnas para agua, 2.
Saceos de brim para marmites, 48.
Enxergoes vasios com 2,m10 de comprimento e
0,'77 de largura, 134.
Saceos de algodo da Bahia para cuar caf, 18.
Toalhas de dito dito para pratos, 12.
Ditos de dito trancado para mesas, com 5,m00 de
comprimento (infestado), 4.
Aventaos de algodo, 2.
Marmitas para conduzir rancho a guardas, 12.
Balxnea romana, aystema decimal, com p?sos at
100 kiloa, 1.
Caldera8 de fero batido pira 50 pracas, 2.
Onnoes de ferro Agatha, com tarapas, 5.
Relogio americano, I.
Garfo grande de ferro, 1.
Terno de medidas para solidos at 20 litros, 1.
Dito de ditas para lquidos, at 2 litros, 1.
Cadeiras de bra$>s, de Jacaranda, 4.
Cama de ferro, 1
Colcho com travesseiro, cheios de l, 1.
Caneco de metal branco, 1.
Casti^al de bronze com manga de vidro, L
Tinteiro e areeiro com reservatorio de vidro, 1. _
Oleados espesaos para mesa com 51aCft de compri-
mento, 4.
Cintutes para msicos, 27.
Ditos para pracas com ferragens, 43.
Cartuxeiras para cintures, 426.
Palas para, ditos, 426.
Patronas para ditos, 426.
Bornaes de brim imperial para vveres, 457.
Cantis de folha, 400.
Canudos de folha para inferiores, 34.
Cordoes de l verde para os mesmos, 34.
Corroas compridaa para capotes, 400.
Ditas pequeas para ditos (parea) 400.
Ditas para cantis, 400.
Ditas para marmita de 1 prsca, 400.
Muxilas de brim oleado, com correias, 400.
Marmitas de urna praca, 400.
Flanella de algodo infestada, 179,n>20.
Brim pardo trancado, 961,m00.
Baeta azul para blusas. ^"OO.
Dito encarnada para ditas, 103,00.
Aniagem para intertella, 77,m00.
Algodo cardado (kilos) 8.
Mantas cimentas, 4.
Bandeiras de filete encarnado para exercicio, 6.
Dito de forma e cores da bandeira nacional, 1.
Dita nacional de nobreza, com facha e bollas de
ouro para o 14 batalhao de infantora, 1.
Hastea com lanca e ponteira de metal, 1.
Poste de velludo com galo de ouro, 1.
Previne se que nao sero tomadas em considera-
cao as propostos que nao forem feitos na forma do
art. 64 do regulamento de 19 de Outubro de 1872,
em duplicata, com referencia a um s artigo,
mencionando o nome do proponente, a indicaco
da casa commercial, o preco de cada artigo, o nu-
mero e marca daa amoatraa, declaracSo expreaaa
dj sujeitorte a multa de 5%, no caso de recusar
assignar o contracto, bem como as de que tratara
os arts. 87 e 88 do regulamento citado.
Secretaria do Arsenal de Guerra de I ernam-
buco, em 23 de Julho de 1886.
Jos Francisco Ribeiro Machado,
Secretario.
VENERAVEL IRMANDADE
DA
Gloriosa S. nt'Anna da igreja da
Santa Cruz
Elclfo
D ordem da mesa regedora, sao convidados
todos os nossos raaos comparecerem em nosso
consistorio no domingo 25 do corrente, s 9 horas
da manh, afim de reunidos em numero legal de
mesa geral, proceder-se a eleico para a nova
adminitracao que tem de reger esta irmandade.
no anno compromissal de 1886-87.
Consistorio, em 22 de Julho da 1886.
O seeretarioX
Manoel Jos de Sant'Anna Araujo.
Companhia dos Irilhos urbanos do
Recife a Olinda e Beber ibe
Dividi-nfo
Paga-se no escr, torio da companhia o 23a di-
videndo, correspondente ao semestre de Janeiro
Junho, a razio de 8 0[0 desde hoje at o da 17,
nos diaa uteie, das 9 horas da manh ao meio da,
e deste dia em diante todas as tercas e sabbadoa,
a meamas horas. Pagam a igualmente os juros
das iccoes preferenciaes e das aecea obrigato-
rias, se" 'orio da companhia, 7 de Julho de 1886.
O gerente,
A. Pereira Simos.
In.lo Federal Abolicionista
Pelo presente convido a todoa os socios desta
sociedade a se reunirem, de hoje em diante, todas
as noites, na sede social, das 7 s 9 horas, para
tratar-se de tiegoeio importante. Recife, 17 de
Julho de 1886.
Barros Sobrinh,
Secretario ad hoc.
Irmandade do Divino Espirito
Santo do Recife
PO-SE
Convido aos membro* eleitos da n iva adminis-
tracao que tem de reger a irmandade do Divino
Espirito Santo, ourante o inno compromissal de
1886-87, se reunirem domingo 25 do corrente,
ao meio dia, em nossa igreja, afim de serem em-
possados dos cargos para os quaes foram eleitos.
Consistorio da irmandade do Divino Espirito
Santo do Recife, 23 de Julho de 1886.
O e8criv<>,
Julio Ferreiri da Costa Porto.
IRMAXODlT
DO
SS. Sacramento da matriz de S.
Jos do Recife
3a convocaco
De ordm do irmao juiz, sao de novo convida-
dos todoa oa irmos comparecerem em o nosso
consistorio no domingo 25 do corrente, s 10 ho-
ras da manb, para em mesa geral elegermos o-
nmos que devero substituir aos que nao aoei-
taram os cargos.
Consistorio, 22 da Julho de 1886.
O esenvo,
Vieira da Cunha jobrinho.
Associafo Commercial Benefi-
cente
A directora desta associacao convida ao corpo
do commercio desta praca para urna reuniao no
seu edificio, s 12 horas do dia 27 do corrente,
afim de dar cumprimento ultima delibcraco da
proposta apresentada.
Becite, 23 de Julbo de 1886.
O secretario,
William Halliday.
Secretaria da coofraria de S.
Benedicto, erecta no convento
de Francisco do Recfe
D'1 ordem do nosso irmao presidente, sao con
vidados todos os nos-ios irmos que estiverem no
goso ae seus direitos comparecerem no Chpitul.,
desta confraria no dia 25 do corrente, a 9 b iras
da manh, afim de reunidos em assembla geral.
elegerem os novos funecionarios da futura mesa
regedora.
Thomaz Niceas do Espirito Santo.
Preparados
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RA DO BOM JESS-N.
Seguro mar i limos e terrestres
Nestes ltimos a nica companhia nesto praca
que concede aos Srs. seg uradi s isempco de paga
ment de premio em cada stimo anno, o que
equivale ao dr cont de cerca de 15 por cento em
favor dos be ti:a.doa.
DA
G.
LONDRES
Oleo de flgado de bacalbo e leite
pepitoolitado
Esto preparacao to saborosa que urna enan-
ca promptamente a toma.
O leite digerido tem a propriedade de quasi in-
teiramente disfarca' o oleo e as p;ssoas de diges-
to mais dbil podem tomar s-m receio.
Peptonoides de Carne
Um alimento nit'og uoso composto de consti-
tuintes solides de leite bem como gluten do trigo
(livre de gomma).
Recommendado as convalescencas de qualquer
deenca, afTeccoes pulmonares, febres, pneumonas,
gastrite, dyaenteria e toda e qualquer debilidade
aeja qual for a sua origem.
Maltina
Um extracto concentrado de trigo, avea e ceva-
da fermentados.
Valor diastasico 30 vezes o seu proprio peso !
O mais rico agente restaurador at hoje conhe-
cido, alt mente apreciavel nos casos de debilidade.
Alimento Soaluvel de carnlck para
criancas
A analyse deate alimento demonstra que os seus
constituintes nutrictivos sao quasi idnticos com o
leite materno, por isto o alimento mais aperfei-
(oado para enanca.
Fornecem amostras gratis aos Srs. mdicos.
Deposito ra do Barao da Victoria n. 48
Cha preto
As qualidades me-
lhores emais escolla-
das neste genero, con-
tina a vendar Carlos
Sinden, n. 48 rna do
Barao da Victoria.
Recebeu de impor-
taco directa e vende
mais barato do qne em
ontra qualquer parte.
Tambem vendemos
em caixas pequeas,
propriaspara botis e
casas de familia.
SEGUROS
CONTRA FOGO
The Liverpool I ido i Co
INSURRM COMPAIW
MISMA
Oompanhia de Seguros
martimos e terrestres
Estabelcida em 1H55
CAPITAL 1,000:0001
SDISTROS PAGOS
At 31 de dezemhro de 1884
Martimos..... I,il0:000$000
Terrestres,. 316:000^000
44Rna do Commercio
(OVTIll FOCO
Norlb British & Hcrcantile
CAPITAL
t:000.000 de libras sterlinat
A O EN 7 ES
Adomson Howic & C.
fondn and Braslllam Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todoa os vapores sobre as ca
sas do mesmo anco em Portugal, sendo
tn Lisboa, ra dos Capellistas n 75 N-
Porto, ra dos Inglezeo.
Companhia
Imperial
DE
seguros costra roe;o
EST: 1803 -
Edificios t mercadorias
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuitoa
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000
Agentes
BR0VVNS & C.
h N. Ra do Commercio N. 5
SEGUROS
V1ARITIMOS CONTRA FOGO
Companhia Phenix Per-
nambucana
Ruado Commercio n. 8
COMPANHIA D SEGUROS
NORTIIEKY
de LOndres e tberdeen
Polce Dnancelra (nesembro 1S8S)
Capital oubsciipto 3.000.000
Fundos accumulados 3.134,34j
Recella nnnual :
D premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE,
John H. Bomivell.
BA DIXOHIIEIM'IO :>-. 1- AWDiB
Club Concordia
SuntHg den 25 d. Mona's Nachmittags 2 uhr
Preiekegela. Nacheres m Club local.
Das din'Ctorium.
Coitipauhia de Ediicac-Oes
O escriptorio desta
companhia acha-se in;
stallado na pratja da
Concordia n. 9, conser-
vndole aberto das 7
horas da manh s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe-se de cons-
trucc,es e reconstruc-
Qes.
Recebe-se informa-
Qes acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios^ a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesmo escripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquarj, pro-
priedade da e s m m a
companhia.
THEATE0
Dirigida pele actor GIL
e da qual faz parte o NOTAVEL artista
Alvaro Ferreira,
assim como dlatiactoa artistas do theatr
Gymnasio de Lisboa
A' ehegar no prximo paquete da Bahia, far
sua estra com urna das melbores pecas do sea
vasto repertorio.
Recebetr.se desde j eneommendaa de bilhetes,
na Encadernacio Commercial, ra Duque de Ca-
rias n. 39.
Have/ bonds para todas as linbas e trem at
Apipueos.
As encommendas serao respeitadas at o da do
espectculo ao meio dia.
* I


>
Diario de PernanibucoSabbado 24 de Julho de 1886
D. Jfcxiinoem Oiinda
Grando festival ao ar livre, com o concurso
. excelleote
Banda da Polica
Dirig.i* PWrttro Cndido Filbo
Domingo 23 do corrate
Primeira parta(s 5 horas da tarde)
A BENGALINA DE D. MXIMO
Senada puto(s 5 1/2 horas dem)
A BIGORNIA HUMANA
TVrceira parte(s 6 horas dem)
A PXADA DA LOCOMOTIVA! **X
Quarta parte-^-fs 7 horas da noite)
OS GKUPOS PHANTASTICOS
Entro cada parte bwr fu iirc-vallo precn-
chido por callentes partitara do repertorio da
notav-I banda marcial.
A pasada da locomotiva, se entrr pola noite,
ser feita lu de Din raudafoco Drummond
tendo de atenaidade mais de 200 velas.
O grupos p.aataatieoa ser> executadoi ao
ciarlo de fogos Je beu*ala e fagot de ougreve,
espeeialmnut: preparados pelo ioimitavel artista
pyrotecliuie i, aator dos -cabe'los de fogos astro-
nmicos e inytholojico, Leoncio.
N. B.D. Maxim* avisa ao respeitavcl publi-
co que qualquer que o dceejar peder esperimen-
tar a suabengalinhaque s pesa 80 kilos; re-
petindo o sfu exaine antes o depois de cada exer-
cicio ; iissim como examimu o tea corpo para des-
cobrir o falladoespartilbj mgico-da ac de
boa tempera, o bichomagnetismo, que empre-
ga, segundo ja ouvio dizer, eutre outras so seu
trabalho abi^orna human-;3 ao uiesino tempo
pede agente do povo para que tome dos muchos
afim df quebrar as posadas pedias tomando-Ibes o
peso. D. Mximo nao recua neubum exame, e ne-
nhuma oompetencia, no seu grande trabalho a
puxada da machina ;o cavalheiro qujquer apos-
tar poder, pois, appareccr porque certo de sua
grande f tea,cutida a eusto d- muita arte e
sacrificios, D. Mximo coufia do ju.zo do publico
que generoso e al'ivo t proclamar o vencedor.
E' 'rem ver para crer.
Nada se paga.
D. Mximo, ali!>, sem orgulho ou pretoucSo
nao rejeitar os favores espontauaos do respeita
vel publico, confessando se uesta occasiao grato
aos honr.dos cavalheiros que tao agradavelmeute
o tem mandado visitar.
Haver frens expresaos para ida e vilta.
a's 4 1/2 estar a banda no pavilhao do Car-
ino.
A liad, : Olfnda
Comp..'. .'n Bra'Itoira de Xst-
sacio a Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Baha
Commandante 1- tenente Aureliano Izaac
E' esperado dos portos do sul
at o dia 26 de Julho, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os porto*
do norte at Manoa.
Para carga, paasagens, cncommendaa valores
racta-se na agencia
11 Ruado Commercio 11
GraiiOcd-se
COnPAXUlL ES MEWS*Ai5-
RES h ajui iwb:*
LINHA MENSAL
0 paquete Equateur
Commandante Lscointre
E' esperado dos portos de
sul at o dir. 25 do corrente,
aeguindo, depois da demora
do costume, para Bordeauz
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se los senhores passageiros de tudas
as el.\ases que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 % em favor das fa-
milias composta de 4 pessoas to menos e que pa-
garem 4 pastagens inteiras.
Porexcepco os criados de familias que toma-
rem bhetes de proa, gosam tambem d'este abat-
mento.
Os vales postaes s se dio at e dia 23 pagos
dj contado.
Para carga, passagens, encommendas e draheir i
a frete: tracta-se com o
AGENTE
Aupste Lab He
9 RA DO COMMERCIO-9
Tendo silo arrombada a parede da frente da
casa grande do pateo do engenbo Dous Irmos,
em Apipacos, e roubados diversos objectos e rou-
pa com a marca de J. H. Whieldon, gratificase
no escriptorto da Companhia do Beberibe a quem
dr infurmuces seguras para a prieao dos ladrees.
Aluga-se milito barato
a casa terr a n. 22 ladeira do Varadouro, com
bons coa modos, cacimba e portao para outra
ra : a tratar na ra do Arago n. 36, das 9
horas io dia 1 da tarde.
Anda ao Iris!!
lina doCabuuft n. I C.
DE J. DOS SANTOS AGUIAR
O proprietario deste estabelecimeuto, presumin-
do que os devotos da Senhora Sant'Anna dse
jam festeja 1-a est anno, como sempre o fize-am
nos anteriores, offeieee-lhes um pequeo, porm
cscolhido sortimento de fogos artificiaos, tanto es-
tran.'eiros como nacionaes. Esperando que o
publico em geral, o seus dignos fregueses em par-
ticular, o b.nr.iro com sua preseaca, previne-os
de que tambem enconcrarao noste estabelecimento
novidades muito apreciaveis em cigarros e grande
vari-Ji.de em galantarias proprias para mimos ;
vendendo-se tudo uto a precos commodos.
fc>S>
as
PAST1LHA8
De ANGELIM & MENTRUZ
ss
^
6*
en
O
C3
Remedio mais efficaz a
Cegare que se tem descoberto ate
hoje pera expe lir as Ion brigas.
R0QRIA10L IRERES
3
:*&..
LeiJo
Da armado de amarello, 1 fiteiro, fazen-
mi nm
4os4:000$000
^ra^a da Independen-
cia ns. 37 e 39
O abaixo assignado vendeu entre os seus
lolizea bilhetes garantidos da 64a lotera
a sorte de 100$ em 4 quartos n. 2476,
alm de outras muitas de 32J, 16)5 e 8.
Convida os possuidorea a virem recebe;
sem descont alguna.
Acham-se a venda os felizes bilhetes
garantidos da 65* parte da lotera a beneficio
5?Ieizo dos Frito da Fazenda
Escrimo Jorres Bandeira
No dia 6 de Agosto oro^imo, depois da audien-
cia, iro praca per venda, os predios abaixo de-
clarados penhi-rados pela Fazenda Provincial.
Recife
Casa terrea ra fo Pharol n. 58, com 2 portas
de trente, 4 metros e 30 centmetros de largnia,
12 metros de cumprimouto, 2 salas, 2 quart >s, cosi-
nba fra, pequ n > quiital e soto, avallada em
SCOOO perteuceute a Jos Duarte das Neves.
S Jc
Casa terrea ra de Vidal de Negreiros n. 47,
com 2 portas de frente, 3 metros e 10 centmetros
de largara, 14 metros e 7 ce n ti me tros de compri-
ment, quintal, cacimba, e portao para ra do
Forte, avahada era 500000, pertencente a Ma-
noel dos Anjos Ferreira.
das e miudezas da loja ra do Rangellda Santa Casa de Misericordia do Recife
n. 48
Agente Brito

Em seguida vender 1 mobilia de jncarand, 1
toilette, 1 secretaria, 1 lavatorio com pedra, 12
cadeiras de junso, 12 ditas de amarello, 1 apara-
dor, 1 marqueza, 1 cama franc-.'za, sp.-lhos e. oa-
tros objectos.
SABBADO, 24 DO CORRENTE
s 10 12 horas
Leilo
fi/i
COHIMMIIA l'E\4P DE
Aaveja^o cosieira por vapor
Tamandar e Rio Formoso
0 vapor Mandahu
Bpn-:fi-95-t;.lg
do dia 24.
Segu no dia 26 de
Julho, pelas 5 ha-
rs da manha.
Recebe carga at o
dia 24, e passagens at
s 4 horas da tarde
ESCRDPTORIO
raes da Companhla Peruabn
cana o. 12
Pacific Sieam ^avigalion Coinpany
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquote Patagonia
E' esperado da Euro-
pa ate o dia 1 de A-
-gosto, e seguir depois
Ida demora do cosame
'para a
Babia, Rio de Janeiro. Monte-
video e Valparalzo
Para carga, passagens, e encommendas, tracta-
ee com os
AGENTES
Wilson Sons dt t., Limited
N. 14- RA DO COMMERCIO N. 14
CO PAMHIA PKB.1 AMBVCa NA
DE
\"aveg;?o Costeira por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju' e Baha
0 vapor Jacuhype
Segu no dia 21 ae
Julho, s 5 horas da
tarde.
Recebe carga at o
Pdia 27.
Encommendas, passagens dinbeiro a frete at
b 3 horas da tarle do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Cues da Companhia Penwmbucana
_______________ n. 12_________________
ROYALMAILSTEAM PACkET
; COIPAHY
\ Vapor La Plata
E' esperado da Europa no dia
24 do corrente, segunda
depois da demora necessa
ria para
Baha. Rio de Janeiro, Monte
video e Buenos Aj res
Este vapor iraz siniplesmente
: passageiros e Dalas e immedia-
ianienlc cegar depois do desem-
barque dos meslos.
O paquete Neva
esperado
do sol no dia 29 de
csrrente seguinJo
llepois da demora
necessaria para
Sonthaniplon
apar paasagens, fretes, etc., tracta-se comes
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
gB Rio Grande e Pelotas
Segu com brevidade para o porto cima o
patacho nacional Social, recebe cartra : a tratar
com Baltar Olive ira & C, ra do Vigario n. 1,
priaeiro andar.
De 3 carroas de duas rodas, 3 bois pos-
santes para as mesraas, 1 jumento man
50 propro para crianga e 1 cavallo.
Segunda felra, 'iii do eorrentc
As 1 i horas
Agente Pinto
Na ra do So1, Porto do Capim, perto da esta-
co dos Trilhos Urbauos do Recife a Caxang.
Leilo
Be phosphoros avarlados e on
tros artigo
Segunda-feira 26 do corrente
A's 11 horas
POR INTERVENgAO DO AGENTE
Alfredo Guimares
Em sua agencia ra do Bom Jess n. 4b
que se extrahir quando or annunciado.
Preeos
Bilhete inteiro 4(J000
Meio 2(5000
Quarto 1,J000
su porco de OOJOOO pan
cima
Bilhete Dteiro 3)J500
Meio 1,5(750
Quarto 875
Antonio Augusto do 8ant~' Porto
FUNDICAO GERAL
ALLAN PATEKSOft tt C
N. 44-Ru i do Brum-N. 44
JUNTO A ES APA0 DOS B0IW8
Tem para vender, por pre< mdicos, as segtrVites ferragena:
Tachas fundidas, batidas e* caldeadas. #--
Crivaf5e& de diversos taannos.
Rodas de espora, dem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, ds lindos modelos
Portasd fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para iardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavaiioe
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura
Rodas d'agui. systema Leandro.
Encarregam-se de con yertos, a a'ssentameno ae machinismo e ezecaiam qaal-
trabalho com perfeicSo e prestezi. .
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 8/000 no becco dos Coe-
Ihos, junto de t. Goncallo : a tratar na roa da
Imperatriz n. 56.
Precisa se de urna boa cosinbeira para casa
de famil.a, paga-se bera : a trat r na ra do Ba-
o da Victoria n. 39, loja.
Aluga-se o sitio do Pina, ,com boa casa para
morada, contendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiros,
seis grandes viveiros, duas cacimbas com excelen-
te agua : a trufar no caes de Apollo n. 45.
LOUIS LA VENERE .ensina francez, lec-
ciona em casa do discpulo ; sendo encontrado i
ra do Livramento n. 12.
ALUG*-SE a casa terrea n. 20 da roa do
Capito Antonio de Lima, com 2 salas, 3 quartos
coaiaba e quintal com cacimba : a tratar na ra
do Mrquez da 'Jlinda n. 8.
Compra-se fios de linho para o hospital Pe-
dio II : na ra Formosa n. 4.
I plice provlnclae* de 1 O/O
. Compra-se no lxrgo do Corpo Santo n. 19, pri-
meiro andar.
Aluga-se urna casa na Estancia, com bas-
tantes commodos e bom sitio : a tratar na ra de
Mrquez de Oiinda u. 40.
Aluga-se o segundo andar do sobrado ra
do Livramento n. 26, eom agua e bsnho : a tratar
na loja do mesmo.
Fede-se ao Sr. C. A. R. A o obsequio de vir
saldar o slaguel da casa em que morou, sita em
urna das cidades da linha frrea de S. Francisco ;
nao vindo, serei mais positivo no p-esente pedido,
j que son ameacado de nSo receber.
IOS 4:0004(100
3ILSSIES CANUDOS
Ra Priroeiro de Marro n. 25
O abaixo assignado, tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos 4
quartos n. 406 com a sorte de 4:0005000,
1 quarto n. 2939 com a sorte de 100^000,
alm de outras sortea de 32)$, 16 e 8)5, da
lotera (64.*), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem receber
na conformidade do costume sem descont
a (gura.
Acham-se venda os afortunados bi-
hetes garantidos da 253. parte das lote-
ras a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife (65.a) que se exirabir
quando for annunciada.
Preeos
Inteiro 4000
Meio 25000
Quarto 10000
8m qnantldade maior de 100
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Mamad Martins Finta.
PILLAS
Ferruginosas
DE
JURUBEBA
BARTHOLMEQ
CASADMM
os 4.000^000
BUHETE tWSRM
Ra do Ka rao da Victoria h. 40
e casas do costume
Acham-se venda os felizes bilhetes
garantidos da 253.a parte das loteras i
oeaeficio da S< nta Casa de Misericordia do
Recife, (65.*), que se extrahir quando for
annunciada.
Preeos
JOSEPH RRAIJSE d'
Acabara de augmentar o sen j bem conhecido
mportante estabelecimento ,i rna Io
de marco n. 6 coro mais
am salo no i andar luxuosamente pepar-
rado e prvido de urna exposi-
{I* tiras de prais Jo Porte e ib*tevibte
dos mais afamados fabrcalas do
mondo inteiro.
nonvida, pois, as Exims, familias, seus nume-
rosos amigos e fregezes a visitaren
o seu estabelecimento, aim de
apreciarem a grandeza e bom gosto com qae
nao obstante a grande
despeza, o adornaram. em honra
desla provincia.
CHA-SE ABEBTO DAS 1 i'S 8 DA NOTE
0H H;^ V M rm^
Pharm. Pernambuco.
Curio a Ane
Taita de
na. Fia
le Mena
Flores brancas,
truaco,
s PebUldade e Pobre xa de angne^
Eacigir o. aasignatura,
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Esa poreo de 100*000
cinta par
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Joo Joaqun da Costa Leite.
Aluga-se o sobrado n. 3 no caes do Gas-
metro, entre o mesmo gasmetro e a estacao de
Caruar, tem commodos par grande familia e
bom quintal : a tratar com L. M. B. Valeoca no
mesmo logar.
Fica transferida para a 69 lotera da pro-
vincia as acces entro amigo? de um realejo que
se achava designada correr com a penltima
deste mez. Recife, 22 de Julho de 1886.
Salvador Guimaraea.
O coronel Francisco Manoel Wauderley Lias,
retirando-se desta cidade para o engonhe Bas-
tille, agradece aos seus parantes e amigos que se
dignaram de hnralo com suas visitas, e pede
desculpa de nao pagal as por nao o permitti' o
seu estado desmide. Recife, 22 de Julho de 1886.
Francisco Manoel Wandrrley Lina.
Aga de Vpo
Em quartos e meias garrafas, veodem Faria
Sobrinho & C, ra do Mrquez de Ohnaa j. 41
DEPOSITARIOS
Aos 4:0008000
1:1
E
[1 fl
Precisa-se de um caixeiro que teuha pratica
de mo'hado8 : na travessa do Prata n. 20.
Aluga-se urna salla piopria pura escripto-
rio : na ra do Bom Jess n. 38, 1- andar.
Palmares
Estando designado o dia 6 de Agosto para o
segundo escrutinio de vereadores deste municipio,
convido a todos os senhores eleitores meus amigos
politices para comparecerem e'eicao no referido
dia, com o que muite grato ficarei.
Palmares, 19 de Julho de 1886.
Austreclino de Castro S Barreto.
Prevencao
Constando que Manoel Antonio de Carvalho
pretende vender sua tav-.;rna da ra de Santi
Thcrcza, fregu^zia de Santo Antonio, em cojo es
tabelecimento osa o mesmo senhor da firma de
Joaqnim Antonio & C, previne-se a quem in-
teressar, que por pender litigio sobre o referido
cstabalecimento, nao pode elle ser vendido.
AlW ffiltO
A casa grande & ra de S. Jorge n. 26, no
Recife -
Sitio e casa para familia, travessa do Moto-
colomb n. 4, em Afogado.
Trata-se na ra de Santa Tberea n. 38.
16-Lua do Cabug-16
Acham-se venda os venturosos bilhe
tes garantidos da loteraf). 65a em beneficie
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
quu se extrahir quando for annunciado.
Inte-'ro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Sendo quantidade superior
a lt> l:000
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0750
Joaqnim Pires da Silva-
.,
Ejte remedio precioso tem gozado da acceft
(So publica dorante cincoenta e sete annos. com-
ejando-se a sua manufactura e venda em 1827.
Sua popularidade e venda nunca forao to exten-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo,
offerece a melhor prova da sua eficacia maravil-
hosa.
Nao hesitamos a dizer que nao tem dewado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
creancas quer em adukis, que se acharao afilio-
tos destes kmigos da vida humana.
Nao deixamos de receber constantemente
attestacoes de mdicos em favor da sua eficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
remedio, tem apparecido varas falsificaces, do
sorte que deve o comprador ter muito cuidado,
examinando o nome inteiro, que devia ser
7emifteo fle B. A. FAHNESTBCK.
Affonso da Cruz Miiniz
Os filhos do finado Afibuso da Cruz Mun>z,
jonvidam a todos os parentes e amigos para ou-
vir a missa por alma do mesmo finado, no dia 26
do corrente, s 7 horas do dia, na igreja da Santa
Cruz, 10 anniversario de seu passamento, pelo
que desdi j antecipam seus agradecimentos.
Ozefe P.
Ozea Sachet.
Ozea Essencia.
Ozea Agua de toilette.
Ozea Vinagre de toilette.
Ozea Agua para os dentes.
Ozea Pasta para os dentes.
Estas exquisitas preparacoes sao muito apre-
ciada* na mais distincta sociedade pela deli-
cadeza do seu perfume.
WMR ECER'S
TRANSPARENT CRYSTALSOAP
(Sabo transparente cristalino)
reconhecido como o mais perfeito do todos os sabaos de toilette pelas suas
propiedades hygienicas, pelo seu aroraa e pela sua larga duraeao.
^ Depilto nos prlneipij Perruxoariai, Farmacias, dea.


CADET
C U P. A
em TRES DAS
&B?Denain7]
pars
Pepos:tos na* princTpa^Plrmacii.
Em Pernambuco :
FRANco M. da SILVA C*.
r &
0 par.
(Mi s
S
0 S
-d t-
< -
ei e
be ns
O eg
-Sj g
ca fifi
fc
93
EVEIJIOMMplESDlfl(?UAfl^
c
kvrtheumatiemo.Cancroa,Boba6,lmpi|en8 -
etodas ae molestias que lenhao sua on^em
. na impure^ do sangup dpnda a syphifi
,- ^ ..... '
WM MUM taMM-TM
****<***>jrtn, ota, *C'nfcn*^auU4&yida*fimal

o

O
2
p
c
o
Cfq
P
3.
p
ta-
co


\&------Zi&f-zr^!^5^------
^ABORATORIO^CNTRai OC^BOOUCTOS#f
O
/
EOICI
**** (d
rBooycTOSl
Ba do vWande do Rio Branao w
------RIO DE elAWKlROr*
rey
'-. ".-'.1 i.vi...------------
0



o




6
Diario de PernajubucoSabbado 24 de Julho de 1886
i>-
Jos de Castro tiuima-
res
ue em Goyanna tem o nome de Jos Gaspar
Dsmingues de Souxa nao mais cobrador da co-
cheira ra da Ioaperatriz n. 39 desde Marco, e
chamado prestar contas dos dinheiros que re-
eebea, como consta das contas ^om os recibos, e
entregar as contas que ainda tem em seu poder
ao admit strador daquella conheirg.
Iliidaip
O solicitador Joao Caetano de Abreu mudeu o
seu escriptorio para o primeiro aadar do predio
a. 38, ra do Imperador. _^^____
Cosinheiro
Procisa.se de wa cosinheiro : no Instituto
Acadmico, ra do Visconde de Goyanna, Mon-
dego, n. 153.
Por 15^000
Aluga-se a loja do sobrado ra de Lomis Va-
lentinas u. f 0 : a trata.' na ra Primeiro de Mar-
oo p. 7 A, livraria Parisiense.
Grande casa terrea comsoto
Aluga-se
Tem no andar terreo 6 qufrtos, 2 salas, corre
dor ao lado, no quintal cosinha, boa caeiu.ba-
grande telheiro para animaee, no oitSo de toda a
casa nm terreno todo murado com porto na tren-
te, proprio para jardim e horta, toda a casa
muito ventilada, ra dos Coelhos n. 15, esquina
para o caes de Capibaribe : traa se no patee do
Carmo, casa de banhos.
Bon morada
Aluga-se os andares do sobrado n. 59 roa
nova de Santa Rita, tem agua e banheiro, ser-
venta independente para o caes : a tratar no
escriptorio n. 6 bucana. ___________________________________
AMA
Precisase de urna ama para lavar, en-
gomar, e fazer mais alguna servidos de
casa de familia na ra da Matriz da Boa-
Vista n. 9 se dir quem precisa.
Aluga-se
o predio n. 140 ra Imperial, proprio para es-
tabelecimento fabril : a tratar na ra do Commer-
ci n. 34, com J. I. de Medeiros Reg-
Aluga-se barato
A casa n. 96 ra dos Guararapes.
A ra Loma Valentinas n. 4
O armazem da ra do Coronel Suassuna n. 141
A casa n. 107 da ra Visconde de Goyanna.
Trata-se na ra do Commercio n. 5, 1* andar
escriptorio de Silva Guimares & C.
Jardn) das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendendo-se acabar com as plantas que es-
to em vasos n'eote jirdim, vende-se os sapotisei-
res muito grandes, e dando fructo, 2000, la-
ranjeiras, muito grandes, para enxertar, 6000
a duzia, o sapotiseiros mais pequeos por barato
prego- ________________
Arates lie eieiosoiite
I'oiueiu nota
Trilhos para engenhos
WAGONS PARA CA2JNA
Locomotivas
XaehEnismo coiuplclo para en
gentos de todos os tfamanhos
Systema aporfeicoado
Especificares e presos no escritorio dos
agentes
rowns & C.
B,
IV. S Hila do Commercio
N. B Alm da cima B & C, tem cathalogos de
d'i r-.mplementbsucessarios agricultura, como
ambem machinas para descarriar algodSo, moi
nhoa para caf, trigo, arroz e oiilho; cerca de fer-
ro galvanisado cxcel ate e mdico cm preco, pes-
soa nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
bral-a.
Telegranuna (resposta paga)
Bicos orientaes, grande variedade em cores
larguras, rceberam o Pedro Antunes & C, e ven-
der barato ; esperamos resposta o 63 ra Du-
que de Caxias, Nova Esperanza ; novo sortimen-
to em leques de papel a 700 e 800 rs, preferencia
exclusiva ; ditos de seda, bonitas cores e lindas
paisagens a 3$, barrato punbos e c.illurinhos
bordados para senhora a 11800 e 2*500 ; ditos
com pintas de cores a 1200 ; bonitos e delicados
lacinhos de cores, ultima moda em gravatas, a
1^100. Re posta paga; vale a p^na verem o que
6 : na loja de Pedro Antans" &~C.' 63^' $,rua
Duque de Caxias.
VeiHltfeirji
Precisa-se de cma vendeii-.ra livre ou escrva
-% vender e ajuflar a preparar i na roa da
ma n. 109.'
para
Pal.,
Pjira
Precisa-se de um menino de V 14 annos : no
Oriptorio desee Diario se dir'4 qOetn precisa.
~PMJ0 DE BIQA
de 3X9 4X9 e 3X12 ; vende se na serrara
Vapor de Climaco da Silva, ces 22'de Novembr.
numero 6. ________________'""
Serrara a vapor
Caes do CapJfcaribe 2 *
N'esta serniria encontrarlo os robores fregue-
ses, um gtando1 sortimento de pjch i 4f resina de
cinco a dez metros d rom] 8 de 0,08 a
0,24 d esquadros Garari3"-' preo mais como-
do do que em nutra qualauer parte.
Franeiscu .' ^ijC'.'dn.
WO.VP
WmmW
de Lon BLO.CH
(rmr.LKoiADo)
Systema extra-sensivel 5
Qus nao experimenta var.aijSo aJgums
derlda a contracto do vidro.
Adoptado pela Academia de Medicina de Ps.-iz
i 22 de teptembro de 1885.
TM m ntu Intnmentoi. trazw ojl j&x
iDtra JLuiina'.nra: *;322-*
Acbft-te nH principa Cama de Instrumento
d<- Oirurgia.
Venda em Grpsso.: 1?, raa Albony, en Mil
Deposito em PeruabB :
FRA^ Al 4a SILVA & O
e as priairapae* Phajrmaeins. -"
BIICO
Preoarago de Productos Vegetaes
extinvIo"das caspas
e outras Molestias Gapillares.
JVIARTINS& BASTOS
Pemanihtieo 9
Os proprietarios do muito conhecido estabelecimento denominado
MUSEU DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, commusicam ao respeita^el PUBLICO que reeeberaro un
grande sortimento de joiaa 1as mais modernas e dos mais apurados gostos, como tanr.
bem relogios da todas as qualidades. Avisam tarabem que continuam a receber poi
todos os vapores vindos da Europa, objectos novos e vendem por muito menos que en-
outra quaJquer parte.
MIGi WOLFP & C.
4o publico
Hermina de Carvalho Menua da Costa, propie-
taria da photographia sita ra do Barao da Vi-
ctoria n. 14 2. andar, declara para os fins con-
venientes, que desde o dia 6 do corrente deizou
de ser socio da mesma photographia o Sr. Flosculo
de Magalhes.
Aproveita a occasiao para eommunicar a todos
aquelles que se tsem dignado de dispensar-lhe a
sua proteccSo n'aquelle ramo de negocio, que con-
tinua com a referida photographia, a qual se acha
hoje melhorada cousideravelmente nao s quanto
aos misteres teehnicos d'arte, como tare bem quan-
to aos demais requisitos essenciaes para nao des-
agradar aquellas pessoas que alli comparecerem,
dando prov* de desejo de concorrer para o pro-
gresso da industria nacional.
Das Exmas. senhoras principalmente, espera a
referida proprietaria toda sua valiosissima protoc-
olo.
IMULSO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fiffado de baealho
COM
Hypepbospliitos de cal e soda
Approvada pela Junta de lly
giene e antorisada pelo
governo
E' o melhor rem dio at hoje deacoberto para a
llMica bronchite*. encropbulaii, ra-
cbiliM. anemia. > ebilitiaiic em (eral.
deOoiox. toMwe rbronira e tettece;em
do pelto e cin earaanta.
E' muito supericr ao oleo simples de figado de
baealho, porqwe, alm de ter cheiro e sabor agra-
daveis, possue todas as virtudes medicinaes e nu-
tritivas ao oleo, alm das propriedades tnicas
reconstituint< s dos hypophosphitos. A' venda na*
drogaras e b.ticas.
psito em Pernambuco

Offercee-se
um rapaz de b a conducta para mandados de es-
criptorio : quein prec-sr irija-se ao paces do
T<,v u. '-9,
Tricofera de Barry
Garntese que faz nas-
cerecrescer o cabello anda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e removo '
todas as impurezas do cas-. |
eo da cabeea. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir ou de embranque-
cer, e infallivelmente o
torna espesso, macio, lus
troso e abundante.
Agua
de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
18'2'J. E' o tnico perfume no mun-
do que ti-ia a ajprov.ieiio ofBcial de
um Governo. "Tem duas vezes
i uaia fragrancia que qualquer outra
ednrri'odobro doteipo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
Ien^o. E' duas vezas mais refres-
canto no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidio e debilidade. Cura as
dores de cabe9a, os cans903 e os
desmaios.
'Hftpt k ViJa Je Renter Ho. 2.
ARTES CB irsUr-O. SXPOIS DE SAL-O.
Cura positiva e radical de todas as formas da
escrfulas, Svphilis, Feridas Escrofulosas,
AffeccSas, Cutneas e as do Couro Cabel-
rudo Oompcirda do Cabello, e de todas as do-
enjasdo&ngne, Ftgado, e Rins. Garante-se
qua purijea, enriquece e vitalisa o Sangue
e restaura e renova o systema inteiro. a
Sabao Curativo de Renter
Para o Banho, Toilette, Crian
cas e par** a cura das moles-
tias da pe de todas as especies
o erri todos os periodos.
Deposito t ni I'crnaiiibuco casa de
Francisco lianoel da SiKa & C.
fit^ce wm) de caj'
primeira q proprio para pn'dente. tem
para vender na ru. do bom Jess nuire/o 35, r
mazem.
en^o
Courinbos de bod>. curtjdne, a ]200.
'"Taboas de loiQ- (S0D urna.
'Ditas de amarillo di <- 2 1/2 p-ilmos de lar-
gura : no pateo de S. Pedro u. 4, 1 ja.
N. 4RA DO
Jompra-se ouro e prata velha.
CABUG----N. 4
OsGRANULOS
ANTIMONIO-
FERROSOS
ioDPAPILLAUD
h IM.U ^i
comttum o Preparado Ierruelnoo
m *ffc2 smpregado plaa tummidadaa mdicas com lito
ao ANNOS
Contra a Anemia, ChUroae [Pales couleurs), Neuralgias, Affeecte* da Petle.
netATonio rAVORAVt por parte oa academia de medicina de pariz
Exlja-se sobre ceda trate o nome de .Mouamier b L. l'ajiillaud.
DErosrro obbal : FHarmacia QIOOIV, 25, rna Coaalire, PARIZ
Em Pernambuco : FRAN< M. da SILVA A C\
3i5CMIBWIIIHI^ES
***?-
VERDMIROS GRAOSceSAE do DTRANGK
' .*' Approvados pela Junta Central de Hygiene da Corte.
* Aperientes, estomachcos, purgativos, depurativos, contra a
C Falta de appetlte. Prisco de ventre. Enxaqueca, Vertlcens,
'f Cong-etSe, etc. Pose ominara : 1,1 s grSos.
*f ExlKl'" f*JlkiM'li-Will-M com ro'ulo em <* cores, ca
assigoturt A. Rouvire em tinta eaurua.
CAIXINHAS ZOES
*S#*
Em PABIZ, Pharmacia ZiiatOT.
DEPSITOS EM TODAS AS I'RINCIPAES PHARMACIAS
SAUDE PARA TODOS.
UNGENTO H0LL0WAY
O Ungento de Holloway t nm remedio infallivel para o* males de pemas e do peito tambem pura
as feridas antigs chagas e ulceras. E famoso para a gota e o rheumatismo e para todas as enfenai-
dades de peito na se reconhece egual
Para os males de garganta, bronchites resfriamentos e tosses.
Tumores as glndulas e todas as molestias da pelle nao teera semelhante e para os membros
contrahidos e juncturas recias, obra como por encanto.
Essas mediciau slo preparadas smente no Esubelecimento do Professor Hollowat,
78, NEW 0XF0ED STBEET (antes 533, Ox&rd Stredt), 10HDBES,
E vendemse em todas as pharmac4s do universo.
tt Ot compradores slo coovidaios respeitosamenle a examinar os rtulos de cada caixa e Pote, se nao teem a
direcsao, 533, Oxford Streat, ato (alsificaSoes.
IWMMryMMMr>MMr>r>rWr>rVrVV^WVW#*VVV^V*VVMVM
VINHO MARIANI
^^^ DE COCA DO PER
O Vaao maeiavi que fo experimentado nos hospitaes de Pariz,
3 prescrlpto diariamente com xito para combate a Anemia, Calorse,
Diireatdes ms, Moleitlaa das vas respiratorias e Enfraqaecl-
mento do orgio vocal.
O Medico* recomsncndam-Ho de Penos fraene e delicada*, txhautta* pela moUtlia,
ao* Velhos e Crianca*.
E' o Reparador dai PerturbacSes digestivas
O FORTIFICANTE por EXCEL.LENCIA
O VINHO MAR1ANI BK BMCONTRA EM CASA DB
Jar. raaTftWl, it< Partx, 41, bouler rd lauuauu; We w-Tork, II, Ust, II, Strat
Em Pernambuco : rranclsco M. da SZXiVA A c'\
AtVNAAA^vVVV
Sem cheiro nem gosto dos leos de Fizados de Bacalhau ordinarios
OLEO
de FIJADOS FRESCOS
BACALHAU
ITOTtTa
Efcaeidade certa contra a Molestias do Peito, a Ti9lca,
Bronquitis, Prisdes de Ventre, Tosses chronlcas, AffeccOes escrofulosas.
ADVERTENCIA. Exiga-se no rotulo o Bello-Azul do Estado fianoez.
HOGG, l'h.iin.iceutico, 2, ra Castiglione, PABIZ, e principaes Pharmacias.
grageas de Ferro Rabuteau
Laureado do Instituto de Franca. Premio de Therapeutica
0 emprego em medicina de Ferro Rabuteau 6 baseado na Sciencia.
As Verdadeiras Grageas de Ferro Rabuteau sao recommendadas nos casos de
Chlorose, Anemia, Pulidas Cores, Corrimentos, Debilidade, Esgotamento, Convulescencia,
Fraqueza das criatifas, Depauperamento e Alterafao do sangue em consequencia de
fatigas vigilias e excessos de toda a natureza. Tomar 4 6 prageas dor dia.
Nem Constipaco nem Dtarrhea, Assimilaco completa.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podem engulir
engulir as grageas. Um calix de licor ao3 repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente para as enancas.
uat Urna explicado detalhada acomoanh* cada frasco.
Exigir o Verdadeiro Ferro Rabuteau de CLIN & Cia, de PARS, que se
encontra em casa dos Droguistas e Pkarmaeeuticos. .
^^^^^-^^^T^^^F?^' _^

Casa PINET, fundada eza 1852, PARS
EXPLOTADO (.ERAL, CUTCHC
POR NOVOS PR0CESS0S APERFEIQ0A00S
ESPECIALI0*DEd'iNSTRUMENT0SdeMEDiCINAeCIRUR6IAenG0mMA Elstica ou BORRACHA
Urinoes, Seringas, Borachas-Peras para InjecoSes e Clysteres, Injeotores,
Pulverisadores, Pessarios, Fundas, Ventosas, Tubos, Bioos de Mamadelras,
AJmofadas, Bollas para Injeccdes para qualquer uzo, etc., eto.
MA3DA-8X O CATALOSO 7BASCO
. IARCASSIN & C, Cendre et Successenr, 34, ra Jurbigo, 3i, PARS
Estabelecimento fabril a vapor: AUX LILAS, perlo de Parts.
---------------- ,,,,,-------1. j\
H. B. A. grande /oga, sempre crescente dos nossos productos leudo dado logar
a faltltlCM^^^^^m exigir a Marca E. K. A C".
?IMI >>>
fawb e beiu iiionlada oflkina ^ alfaiate
Exlracto Composto
iAL de Ayer
' "'. *, f!'9A p.\nirn <_

Escrfulas e todas as Molestias
provenientes deltas: epara
Dar Vigor ao Corpo
ut- p,\ DilCKmtCU,InJlUt, ffl'l
PrBwad
E-jJ.
Fumo deslado do Ro-Novo

DE
Fritas Suva &
O meltaor ornis poro que tem
lado a esia pra^a
NICOS IMPORTADORES
Costa Lin-a & C. Ra do Amorim a. 37.
Almeida Machado & C- Ra da Madre de
Deus n. 36.
Jos Antonio dos Santos Ra do Marques
de Olinda n. 5 e ra Primeiro de Marco
n. 3.
General Versammlnng im 31 ten. $. Mts.
TagesurdnuDg
Bericht nnd, Rechnungs ablagc
Ai commercio
Os abano assignados, pelo presente declaran)
ter couprado ao Sr. Francisco Josquim Ribeiro o
seu estabelecimento de molhados, sito roa de
Pedro Ivo o. 10, livre e desembaracado. de todo e
qualquer debito ; mas se alguem se julgar com
algam direito em relacao ao dito estabelecimento,
| aprsente se uo praso de tres dias. D'ora em
dianto o estabelecimento continuar gyraado sob
a firma Fernandes Braga & Ferreira.
Eecife, 22 de Julho de 1886.
LoureDco Fernandes Braga.
Jos Ferreira da Silva.
Cornpi
jra-se
o Jornal do Commercio do Rio, de 27 de Maio
prximo passado : uo escriptorio desta fypogra-
phia.
O portador de dous vig-esimos desta
importante lotera do eusto de 2|200 est
habilitado a tirar
2o:oi2$ooo
Vigsimo,
vigsimo.
Prec,o em porc,o
A' RETLHO
l^OOO
l^lOO
A ROUA DA FORTUNA
36Ra Larga do Rosario36
SEMPRE MMDARES
Fazendas finas e modas
2 A-Kua do Cabug--2 B
J. BASTOS &C.
Pelo ultimo vapor recebemos de PARS :
Cortes de vestidos diaphancs, alta novidade.
Vestidos d^ cachemira, especialidade.
Ditos de toile d'Alsace, grande moda.
Cachemira broch, tecido moderoissimo.
Orlatienne, fazenda nova e padr3es lindissimo3.
Venitienne, combinacSo de fazenda lisa e lavrada de muito gosto.
Zephyr quadrile, novidade.
Cachemiras de todas as cores com enfeites de Guipoure.
Plumetie, bcanpo c de cores com lindos bordados.
Toile d'Alsace, variado sortimento.
Etamine de cores, desenho novissimo.
, Satn.dp.uble, tecido de algodao e raodernissimo.
Gase da algodSo, em todas as cores, propria para bailes e theatros.
Leques diaphanos.
Ditos de setim.
Ditos de madreperola.
Guipoure de seda.
Bicos du seda diaphano, revoluto da grande moda para, enfeitar vestidos
de sedas.
Chapeos de seda arrendados, novidade.
Sedas e^setios, branco, preto e de cores.
Colchas de damasco de goda.
Ditas de crachet e Guipoure.
ESPECIALIDADES
Dolmans de seda e cachemira com enfeites de passemanterie o vidrilhos,
uarn'jao de renda e franja.
Jersey de 13 com enfeites de pelucia e bordados, escolhidos sortraentos,d'e8tes
asacos de malha, que vendemos de 80000 a 150000.
Fornecem-se as amostras de todos os artigos.
(Telepbonen. 33)
CZ2
^5
^
c
Q
N. 41 -Ra do. Barao da Victoria- N. 41
Alinientacfto racional
das MAE?. oni*Nc*s.-*M's a convalesccjitm
Por uso o W/OSPIfiriV Fnlibrea.
PAH1Z, 6. Avenue Victoria, 6, PARIZ.
tqMttarbs M Per.ismbuzo : F.-UN" t. da SILVA C'.
Keate bem cunliecido (js!ib leciinento, s encontrar um lindo variado sor |
timer^tt dasMPJBP/L GUBMfiffi?, brjns, caiiiin s, punhos, i-ollarinhos, meias, gravatat.
lo das :iK lli tps fu&icas de Paris, Londres e Allemanhu; o para ben
fregu'-zp*, os proprietarios desto grande estabelecimenti
officinu habis artistas, e que no curto espaco de 24
je qu.lqu r tH^cn'la.
ao da Victoria n. 41
OS SEM COMPETENCIA)
ejm
horn
s. msiniii uiii
Chapeos e chapelinas
36 A40PRAQADAIMBBFBNBE1A--36 A 40
B. S. CARVALHO & C.
Proprietarios deste bem conhecido esUbelpcimento, ga^tecipa'u
as Exmas. familias e o publico em geral, que mensalmente recebem
das principaes casas em Paris e Mancbester o que de melhor e de
^^* apurado gosio ha em chapslinas e chapeos, para senhoras o meniors
e das priraeiras fabricas de. Lmburgo o que ha de melhor em cha-
pos para hemens e enancas, e muitos oulros artigos caaceruentes.
3
12
es
Z*2
5^
0
&5
ZX2

SP
chapelaria.
^C Flores artificiaes para ornmpno de salas.
,*w
IsHIIMHiHBBHBBBBBMHHIHsBHiMsIMB
m\\\\\W*\\\\\We\m
L
HlMMksM
HIsHhHLssHBI


Mario de Phiambaeo Stfbbado 24 de Jaiba de 1886
!



i
DcSs^StiTlIiieifstere
Berwhtund. Rechouug^blage.
unios pe cun!.
Sem dicta esem modifi-
cafoes de costuroes
Laboratorio central, rua do Vieonde do
Rio-Branoo n. 14 i
Etquina da rua do Reqene .Rio de
Janeiro
Especficos preparados petophar
macculico Eugenio Marques
de Hollanda
Approvndos pelas juntas de hygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Paris.
Elixir de imbirib'ma
Restabelece os dyspeptieos, _facilita as diges-
tes e promove as ejeccoes dilfieies.
Vinbo de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-aneraicos, debulla a hjpoemia
intertropical, r< constitue os hydropicos hsttbe-
ricos.
Xarop; de flor de arueira e mutamba
Muito recoman udado na bronchite, na hemop-,
Sse e MS tosses agudas ou chronicas.
leo de testudus ferruginoso e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraque in orga
nisuio, na fysica.
Pilul.:* ante peridicas, preparadas com n
pererina, quina e jaborandy
Cura radiealinante as febres intermittente, re-
mitientes e perniciosas,
Vinho lie jurub^ba sirnplea e tambem fer-
ruginosa, preparados em vinho de caj
Efficazos na infknimacoes do figado e baco
aguda* ou uhronicHS.
Vmho tnico do capilaria e quina
Appii'--K Mi convaJeseeneas das parturientes
urtico anMebrik
Depesito : Francisco Manoel da Silva & C.
Francisco Manoel da Silva & C
23-RUA MRQUEZ DE OLINDA-23
KOKA VK C051BSO
ASMA
EXPOSipiO DE PABIS 18*.
rultA D> COSCBSO
Cura
de
pelo P O do
r Glry
lnd+te em toda* tu PftamtaaMt.
rBCfiOCMSERfiLGL
Q8 Ulysse ROY, em Poican 9m&
imtlePRQUST, Suar- & Ge&v*
Perfume ensntioo ai Vtnhc* aa aobra) ^_.
deMeaoo.................IOO&mom "
y, K;,n''kviir.FT'*ncia4tCt^rn" "* }Ji fr-*" -5COa>
% Perfumetra todooUoore* ja WO (nucos, 3C0 fe
O. EsBeiiclaik)RliBmoodTa"ia,olOfco bOOtt
Depositarios em Pernaubuco i
MKINSON
rF EFMARIA INGLEZA
ftl&mada bi mus de aaa saclo; excede todas
u oatra*plomdperfuiedahcado efxquu.to.
TRKZ MKDALHAS DE O URO
PAR12 1171 CALCUTTA 1M
l-xtr-flB4*'x',''ll"ncideiua>iualldde.
JOCKETCLB ISUTH
HEUimOrtO I sUBaOLU
A rua alameda de
LAVANDA IN6LEZA OE ATHINSOM
joutros moios cojihecidos yenuiu.> pila ni
qualidadr e odor dehhteel e A^uullO^
PACTA I1EMTAL MU DENTES SE ATUHMI
sem rival para alrejar e tnoele*' ir us aeaie
e preservar as eengi\ /-
besatn-si f Ca le t*dcs f laeutej
J. E ATKI^SON
24, Od Bond Street. Londres.
MarcadeFabrica Urna" U"sabraoca'!
sobre ama Lyra de Uuro."
1862, Bordeaux: Uedalha de Brome;
Blois: Medalha dt Prata; Roche-
lort : Afenclo d K'dalha de Prat,
prande modelo _883,A:nsterdam:
Uedalha de Prat dourja. 1885,
ExpoafSodc trabaltao.iJ).s*Ac
F'Ml
Alimenta-gao Rica
em Bracipios azoUMs fcniiMaJi.
a TAJlIWHA mbsih e onicllior ausiliar
da ama de cite na aliiuenlacao das cmncinlias,
Ezpcrimenladacoiu omellio'r xitonaSCreches,
Hospitaes e Asylos, soberana para as Criaucas,
pessoas idosas, fracas e as que sofTrem de
Gastritis, Gastralgias, HColestias do Xnte-
tluos, Priso fie Ventre rebeld, e todas
as Affeccocs que nao permlttem ao estomago
snpporlar a alimentaoaq necessaria para a pro-
:duc?ao da forca e da sade.
EXIG! A MARCA REGISTRADA : i YIRSM '
Ph rtrmnea MLIX, em Bordeau* (frtnet)
! Ptrnambuao: Praa" B. da Silva V CS
16000
Pilulas purgativas- e depirativas
de Campanha
Esta pikoka, cuja prepanacio puramente ve
getal, teem eido por mais de 20 annos proveitdB
com oe melhores, resultados as seguintes moles-
tias : siFecces da pelle e do figado, gyphilis, bou
bee, escrfulas, fhagaB inveteradas, eryaipelaa e
a;onorha#,
Modo de nttal-a*
Como purgativas: tome-se de 3 a 6 por da, be-
Bendo-se aps cada dae um pouco d'agua adoca-
4a, cha ou caldo.
Como regaladoras : tome-se um pilula aojantar.
Estaa pilulas, de invenco :doa pbarmaceutiooB
Almeida Andrade & Filhos, teem vedictitm dos
8rs. medios para sua melhor garanta, tornndo-
le mais recommendaveis, por erem um seguro
^purgativo e de pouca dieta, pelo qae pedem ser
asadas em viagero.
ACHAM-SE A' VENDA
Mi drogara de Farla SobrlnMo S C.
^l BA DO MABQEZ DE OLINDA 41
Atso
Precisa-se de urna profeisora que saiba tooar
aem piano e mais traba Ihos de senhora, para en-
genho : a tratar com o Bario de Nasareth, rua
do Imperador n. 79, 1 andar. ^^^
\o eommercio
O bbaixo nssignado participa a corpo do eom-
mercio e a eeus amigos, .qae deizou de ser eaixei-
ro de JosLuiz Gonzaga- da Silveira, por estado
de sua s*de. Recif 22 de Julho de 1886.
Man el Caetauo Mendes Filho.
Criado para alugar-se
Na rua de S. Jo4o, eas-i n. 27, tem para alu-
gar-se um mulatinbo com 17 annos de idade, mui-
to proprio para copeiro ou outro qualquer servco
tnnto de casa como de rua, e taa bem sabe bolear,
po- j ter sido boleeiro.
VENDAS
Tende-se 25 pn-dim (sobrados, casas terreas e
sitios) as fregarziaa do RtKiiie, Santo Antonio,
S. Jos e Graca, tratar na rua do Imperador
n. 75.
Liquidam os seguintes artigos mais barato que em
outra parte, visto screin alguas comprados em
leilaa a saber:
Lindos cretones claros a 240 e 280 rs., o co-
vado.
Failes de novos gostos a 400 e 500 r. o dito.
Linoos cum palmas de l a 800 rs. o dito.
dem com salpicos a 560 e 700 rs. o dito !
Popelinas com litras de > eda a 280 e 320 rs., o
dito para acabar.
Eguiao pardo para vestidos a 500 e 560 rs. o
dito.
Setiaetas, novidadrs, a 320 e 360 rs., cores
firmes.
Damascos de 13, largura de 2 metros, proprio
para pannos de piano a 1800 o covado ; de coes
proprias para mesas a 1*500 e l600o iito.
Merinos pretos para luto, 2 larguras a 900, 1,
l*200e l>500odto.
dem de todas as cores a 1* e 1200 o dito.
Casemiras de 2 larguras, padroes inteirameate
novos a 1*200, 160O e 1*800'o dito.
Setim maeao, de toda aa coces, desde 800 rs. a
2* o dito.
Atoalhada trancado e bordado a 1*400 o 1*509
o metro,
Bramantes de 4 larguras, superiores a 900 rs. e
1*400 o dito.
dem depura linho a 2* o dito.
dem de urna largura a 500 rs. o dito.
Guarnices de crochets para sof e cadeiras a
8*.
KiquiBsimas eolias de dite a 12* e 14*.
Lindas grinaldas veos para Exmas. uoivas a
14*.
Cortinados bordados a 6*50Qe 10* o par.
dem em pecas com 12 jarda?, novos desenhos a
Toalhas felpudas do, coree, para rosto, a 7*5Af
duxia.
Meias inglezas, cruas a 3*600, 4* e 6* a dita.
dem arrendadas para senhor* a 8* a dita.
Seroulas bordadas de bramante a 12* e 16* a
dita.
Camisas superioies irsoerzas a 38* e 42 a
dita.
Cobertaa de ganga, forradas a 2*500 e S*.
Lences de bramantes, grandes a 2*.
Chales de casemira, dem, a 2*, 3* e 5*.
Cortes de; casemira iugleza a 3*, 4* e 5*.
CheT^ot superior, de 2 larguras, a 3* e 3*500 o
covado.
Vendas en grosso, damos dencont*
da praca
59Rua Duque de Caxias=59
Carneiroda CiinliaK.
WHISKY
ROYAL BLESD marea ViADO
Este excellente Whisky Escesscs preierivt
ao ognac ou sgaardenie de canna, para fortifica
o corpo.
Vende-se-a retalho bao tu lheres armasen
olhados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO cujo m
me e emblema sao registrados para todo o Braci
BROWNS t C, agentes
Cartera
Aluga-se a casa n. 4 da travessa do reitas
(antig do Trindade) ;m 8: Jo, com 2 salas, 2
sjuartos, cosinba, quintal, cacimb e um soto; a
have se acha junto n. 8, e trata se na rua da
na n. 62.__________^_^
Caixeiros
Precisase de um caii.'iro de 12 a 34 annos,
om p. dicta : na rua do Mrquez da Horval n. 73.
Ama para eostnkar
5iNo largo do O>rpo Santo n. 19, segundo andar,
precisa-se de uma boa cosinheira. que d fiador
de sua conducta.
Criado
Precisa-s- de um rapaz para cmdo : na rua
do Sebo n. 38.__________________________________
Aos Mes ios iiin
wa certa em 48 horas das inflamares
recentes dos olhos, pelo colyrio prepara-
do por Jos Pedro Rodrigues da Silva.
Bmpregae este poderoso colyrio sesapre com
jrandrs vantagens, uas seguintes molestias :
phtalmias agudas, purulentas e chronicas,on-
Btivit*e, etc., etc. .
Deposito v ral, na drogara de Paria bobnnho
4 C. roa do Mrquez de Onda n. 41.
Para informacoes, sedirijam livraria Indas-
trial rua do Barao da Victoria n. 7, ou a reai-
denei do autor, i rua da Saudade n. i.
ajea
M
late

Vende-se uma em I om estado, propria para
alfaiste : na rua da Paz n 24.
Vende-se barato uma cartera contendo na peca
de baiio dous armarinhos e tres gavetas, e na
peca de cima 17 compartimentos que se fechara
com umas chave : a ver e trata no largo d S.
Pedro n. 4, loa. _________________
GRANDE
LltlP
Exposif ao central roa larga do
Rosario n. 38
Damulo Luna & C, chamam a atieneao das
Ezmas. familias para os precos seguintes :
Carreteis de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas deiun palmo a 2*600 3*0O0.
Fita n. 80 para faza a 2*500.
Leqves regatas e D. Joannita a 1000.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2*000.
Leques D. Lucinda Colho a 6*000.
Toalhas felpudas a 500 600, e 1*000.
Duzia de meias para homem a 3(000.
Ditas para senhorss a 3*000.
Luvas de seda a 2*000.
Meias de fio de seda para menina a 1*000.
Colarinhos de linho a 500 rs.
Ditos de algodSo a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de cordo para vestido a 20 rs.
nvisiveis grandes a 320 rs.
rampos invisiveis a 60 rs.
Um leque de setim (novidade) a 6J500.
Ricas bolcinhas do'madreperola de 1*500 6*.
La para bordar 2*800.
Urna capella e veo de 15*000, por 12*900.
Um espelho de mol ara por 5*500.
Uma pulseira de fita per 1*200.
Plist a 400 e 600 rs.
Uma boneca grande de cera por 2*500 e 3*000.
NA EXPOSICAO CENTRAL
38Boa Larga do Rosario38
Loj
Florida
ja de miudezas
Rua do Duque de Casias n. 103
Os propietarios deste granda estabelecmiento
de miudezas, modas e para accommodar os interes-
ses da poca, tcm resolvido venderem po>- meuos
vinte por cento que em oatra qualquer parte.
Pentes elctricos 61 0 rs.
Luvas de pellica a 2*500 o par.
Linha de carritel branca e de cores a 80 rs.
Grampos a 20 ra. o mssso.
Invisiveis a 320 rs.
Vestuario de fustao bordado para crianca a
3*009.
Pentes de regaco para crianca a 100 rs. um.
Baleias a 360 rs. a duzia.
Haspas para anquinhas a 120 rs. o metro.
Bicos com tres dedos de largura a 1*500 e 1*800
a peca-
Linha de cores para crochet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amizade a 40 rs. o caderno.
Fita eninez a 320 rs. o masso.
Lenco de linho a, 1*500 a duzia.
Lindoa bicos de cores com O Jardas a 4* e 5*
a pega.
Uma caixa com tres sabonctes desenhando uma
rosa por 500 rs.
Meias de la de cores cara senhora a 1*500 o
par. t_____________________________________
hzendas brancas
SO' AO NUMESO
A o ru >da lu pe ral rz *? 4
Loja dos barateiro
Alheiro & C, rua da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todas estis fzendas
abaixo meneioaadas, sem competencia de precos,
A SABER :
AlgodSoPecss de lgodoxinho com 20
jardas, pelo- barato preco de 3*800,
48, 4*500) 4* i., bg, 5*600 e
MadapolaoPeoas de madapolao com 24
jardas a 4*500, 5*, 6* at
Camisas de mcia com listras, pelo barato
preco de
Ditas brancas c cruas, de 1* at
Creguella franceza, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
ceroulas, vara 400 rs. e
Ceroulas da mesma, muito bem fetas,
a 1*300<
Colletiuhos ra mesma
Bramante francs de algodo, muito cn-
corpada, com 10 palmos de largura,
metro
Dito de linho ingles, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro
Cretones e ehitas, claras e escuras, pa-
droes delicados, d 240 rs. at
Baptista, o que ha de mais delicado uo
mercado, rs.
Todas estas faxendas baratissiaaas, na conhecida
loja de Alheiro & C-, esquina do becco
dos Ferreiros
Algodo entestado pa-
Antonio L-onidas Durville Silva agradece do
iato d'nlma s pessoas que se diguaram acompa-
nhar A ultima morada os restos mortajes de seu
mnbado Antonio 3ernardino da Cunba, e convida
s mesmas para assistirem a missa, que por sua
alma, manda ci-lebrur n* sabbado, 24 do corrente,
aa mat. iz da Boa-Vista, s 8 horas em ponto,
caofessando-se desde ja aummamente agrade-
aida. _______________________
Malas para viagem
Vende-se malas e bolsas de todos os tamanhos,
por presos sem competencia > na rua do Impera-,
dor n. 63._________________________________
Aproveitem!
Vende-se tudo barato
Largo de 9. Pedro n. 4
Neste estabelecimento encontra se sempre um
completo sortimento de gaiolas e patsaros nacio-
aaes e estrangeiro?, o melhor que ha neste ge-
nero, fructas maduras, balaios proprios para ni-
nhos oe canarios do imp-rio, cestinhas para cos-
tura, vassouras do ara a 800 rs. cada uma, que
custa em outra qualquer parte a 1* e 1*200, con-
serva de pimenta americana em bonitos frasqui-
nhos a 120 rs. cada um, para acabar, massa de
mandioca muito bem preparada, para bolos.
Pialio -de- Riga
S*e3xl*
Vendem Fonseca Irmaos & C, a preco mdico
Alvarenga
Vende-se o casco de urna b-u-eaea de 600 saceos
proprio para alvarenga : a tratar na rua da Im-
peratriz com Alheiro Oliveira C.____________
Cabriolet
Vende-se um em perfeito estado e por preco
eommodo; A tratar na rua l^mae de Caxias n. 47
Jaboato
Vende se a padara e o estabelecimentp de mo-
lhados, bem afregueaados, e prometiendo ainda
maior negocio faser com, a ida das ofBcinas da
estrada de ferro .de Caruar, prximo mesma
estacao, fica situado os estabelecimentos cima,
arrendando as casas pessoa que pretender :
a tratar em Jaboato, confronte ao botel Globo.
6f50t
12*000
800
1*800
500
1*0U
800
1*2
280t
15800
400
200
ra enfoes
4'arabique
Vende-se un alambique netta oidade, em per-
feito estado, servindo para .destilar e reatil_ :
pasa informacoes. na rua Duque de Caxias n.
80, leja de faxendas.
daBos
A Revolu^o
M.-4a
r-
rua Duque de Casias, resolveu a v -ader
os seguintes artigos cor 26 Ojo de me-
nos de qae em outra qualquer parte.
Sedas lavradas de 2*000 por 1*000 o covado.
Cachemiras de cores a 1*200 o covado.
Ditas pretas a 1*000, 1*200, 1*400, 1*600
1*800 e 2*000'o W vado.
Dita broch, de l e seda, lindos tecidos, 1*500
covado.
GorgoMuas de listrinhas a 360 rs. o covado.
Setins a 800 e 1*200 rs. o covado.
Dito preto a 1*000 e 2*300 o covado.
Gaze eom bolinhas de velludo a 800 rs. o co-
vado.
Las com bolinhas a 640 rs. o covado.
Velludilho liso e lavrado a 1*000 e 1*200 o co-
vado.
Fustio beanco a 440, 600, 560, 600 e 800 rs. o
covado.
Giosdenaples pretos a 1*800, 2*000, 2*500 e
2*800 o covado.
Nxnsoc de cor a 300 rs. o covado.
Cretones finas a 360, 400 e 440 rs. o covado.
Cambraia de quadros a 1*500 a peca. '
Dito transparente de 4*000 por 2*000 e -*50O
a peca.
Linn bronco a 500 rs. o covado.
Fochs de retros a 1*000 um.
dem da la, de 1*000 at 6*000.
dem de pelussia a 5*000 e 6*500.
dem de pelussia bordados a 7*000.
Cretones para chambre a 320 e 360 rs. o eo-
vado.
Cambraia com salpicos a 6 rs. a peca.
Chapeos de sol de cores para senhorss a 7500
um.
Brim de linho de cor a 1*200 o metro.
Linhos escosse^es a 240 rs. o covado.-
Zephiros listrados a 200 rs. o covado.
Tapete para janella, piano e cama a 4*000,
6*000 e 7*000 um.
Ditos avelludados para sof a 24*000 um.
Fustao de cor a 500 rs. o cavado.
Setinetas lavradas a 500 rs. o covado.
Flanella branca a 400 rs. o covado.
Setinetas com desenhos lindes a 440 rs. o co-
vado.
Cortes di casemira a 3*000, 3*500, 5*0C0 e
7*000.
Casemira de cor e preta a 1*800 rs. covado.
Timoes bordados a 4*000 um.
Brim pardo lona a 360 e 500 rs. o covado.
Camisas de meia a 800, 1*000 e 1*200 uma.
Algodo com duas larguras a 800 rs. o me-
tro.
Esguiao amarello para vestidos a 500 rs. o co-
vado.
Espartilhos couraca de 4*000 a 8000 um.
Para a Exmas. noiva*
Setina maco a 1*200 e 2*000 o covado.
Popelinas a 600 rs. o dito.
Alpaca a 400 e 440 rs. o dito.
Setinetas lisas e lavradas 50Oe 560 rs. o dito.
Cortinados. borcUdos a 7*000, 9*000 e 15*000 o
par.
Capellas e veos finos a 10* e 14*.
Colchas bordadas a 5*000, 7*000, e 8*000
uma.
Camisa nacionaes
A .S."oo. aooo e a*5oo
32 Loja rua da Imperatriz = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortimento de camisas brancas, tanto de aber-
turas e pjnhes de linho como de algodo, pelas
baratos precos de 2*500, 3* e 4*, sendo taxenda
muito melhor do que aa que veem do estrangeiro e
muito mais bem feitas, por serem cortadas por
um bom artista, especialmente camiseiro, tambetn
se manda fazer por encommondas, a vintade dos
fregueses : na nova loja da rua da Imperatriz n.
3:, de Ferr ir a da Silva.
Ao32
Nova loja de (alendas
NI Rua da Imperatriz = 3'*
DE '
FERREIKA DA SILVA
Neste novo estabeleoimento encontrar o res-
pjitavel publico um variado sortimento de faxen-
das de todas as qualidades, que se vendem por
precos barattesimos, 8ssim como um bom sorti-
mento de roupas para honiens, e tambem se man
da faser por encommendas, p r ter um bom mes-
tre almiate e completo sortimento de pannos finos.
casemiras e brins, etc.
at-
as
A SOo ra. e l*o o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
fodo para leucoes d um e panno, oom 9 pal-
s de Jarpuraa 900 rs., e dito eom 10 palmos a
(10 o metro, aasim com dito trancado para
malhas de mesa, com 9 palmos de largura a 1*200
i etro. Isto na leja de Alheiro & C, esquina
do ceco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A l*200v 1*400,1*600, U800 e 2* o eovado
A heiro C, i rua d Imperatriz n. 40, ven
dem muito bons merinos pretas pelo preco acinw
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co dt s Ferreiros.
Espartilhos
Na loja da rua da Imperatriz n_40 venderse
muito bons espartilhos para 6enboras, pelo .preco
de 5*U00, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 3 e covado
Alheiro & C, rua da Imperatrix n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
sas, de duas larguras, com o padroes mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato precc
de 2*800 e 3J o covado ; assim como se encarre-
gam de mandar facer costumes de casemira a
30, sendo de paletot sacco, e 35* de fraque,
grande pechmcha : na loja dos barateiros
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o ovado
Os barateiros da Boa-Vista vendem uma grande
porcao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 32(
rs o covado, grande pechincha ; na loja da es
quina do becco dos Ferreiros.
Bordado* a IOO ra. a pe^a
A rua da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bordado, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em carto com 50 pecas, sorti-
das, por 5f, aproveitom a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
Farinha para pareo
Vende-ee para acabar, por preco mtdico :
roa do Imperador n. 63.
7*001
10*001
12*001
12*001
5*50t,
6*50
8*0U
3*00t
1*6W
1*00
na
VAPOR
e moenda
Vende-se um bom vapor e moenda oom pouco
uso ; a ver no engenho Timb ass. muito parto
da estacao do meuno orne
Imperador n. 48, andar.
a tratar na roa do
taa da Imperairix
Loja de Vertir da Silva
Neste estabelecimento vende-se as roupas aba>
xo mencionadas, que sao ba- n.aa.
Palitots pretos de ; >r u. aiagonaes e
acolchoados, senao tazendas uito en-
corpadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de cordo muito,
bem feitos e forrados
Ditos de dita, fasenda multo melhor
Ditos de flanella axul sendo inglexa ver-
dadeira, e forrados
Calcas de gorgorio preto, acolchoado,
sendo fazenda muito encorpada
Ditos de casemira de cores, sendo muito
bem feitas
Ditas de flanella inglexa verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1*200 e
Colli'tinhus de greguella muito bem feitos
Assim como um bom sortimento de lencos d*
linho e de algodo, meias cruas e collarinbes, etc
Isto na loja oa ?ua da Imperatrix n. 3i
R i sea dos largos
a OO rs o covado
Na loja da rua da Impera iris n. 32", vendem st
riscadinhos prsprios Dar roupas de meninos t
vestidos,, pelo barato proco de 200 rs. o covade
tenio quasi largura de chita francesa, e ssir
como chitad brancas miudinhaa, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincha
loja de Pereira da Silva.
FuMtoen, setinetas e lazlnlian a SO
rs. o covado
Na loja da rua da Imperatris n. 32, vende-
nm grande sortimento de fustSes broncos a 501
rs. o covado, lzinhas lavradas de furta-core.
fcsenda bonita para vestidos a 600 rs. o covade
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas ai
cores, a 500 rs. i covado. pechincha : na loj.
do Pereira da Silva.
Merinas aretes a 141*
Vende-se merinos pretos de duas larguras pan
vestidos c roapas para meninos a 1*200 e 1*60(
o oovado, e suoerior setim preto para enfeites
1*500, afsim como chitas pretas, tanto lisas com
de lavoures brancos, de 240 at 320 rs.; na nov
Isja de Pereira da Silva rua da Imperatrix n
mero 32.
icodoslnio trances para lencae*
a oo rs.. I* e lasoo
Na loja da rua da Impcratric n. 32, vande-s.
superiores ajgodaozinhoa franeexes com 8, 9 e lt
palmos de largura, proprios para lencoes de un
a panno pelo Darato preco de 900 rs. e 1*000 >
metro, e dito trancado pa a toalhas a 1*280, a
sim como superior bramante de quatro largura.
para lencoes, a 1*500 o metro, barato ; na loj.
do Pereira da Silva.
Ronpa para meninos
A 4*. Na nova loja da rua da Imperatriz a. 32, *
vende um vanado sortimento de vestuarios pro
prios para meninos, sendo de paUtosinho e calo
nha curta, feitos de brim pardey a 4*000, dita
de molesqum a 4*500 e dito de gorgorio preto
emitando casemira, a 6*, sao muito barates ; n
loja do Pereira da Silva. ,
Polta^liiiiitiili"-
. Vende Candido Tbiago, da Costo Mallo em sen
deposito rua Imperial n. 322, elaria,. Telephone
numero 221.
LOTERA
ALAGOAS
CORRE NO DA 27 DE JULHO
INTRNSFERIVEL! iTEaNHIM!.
O portador que possuirum
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar___
10:00600.
Os bilhetes acham-se a' ven-
da na Casa Feliz, praca di In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 27 de Julho
1886, sem alta.
AO PUBLICO
QUEIJOS DO REINO
Marea Joliaimes Pluvia
No intuido de sustentar a fama adquirida por estes deliciosos queijos, isto sarem:
Os melhores e os mais baratos
CHARLES PLU.YM &C.
Resolveram retalhar os queijos fresco da ultima remessa a
2*600 UM
24-RUA DO COMMERCIO24
(REC1FE)

Aos i.ooo:ooo$ooo
200:0001000
.00:0008001
I1MIDI LOTERA
DE 3 SOliTlu
Em fav* r dos ingenuos da Colonia Orpbanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Etrap lia 15 Oe Dezemro de 1886.
0 thesourriro, Praneisco (jolina I ves Torre

FAZEND4S BARATAS
Na bem conhecida loja dama Primeiro de
Marco n. 20
MU DO LOUVRE
Grande sortiraentOi de madapolSea de 4^500, b$, 5^500, 64, 6#&it
AlgodSes brancos, superiores qualidades, de 4$, 4#500, 5J, 5#500, 66 e
64500.
Saperiores cretones de 320 a oOO o covadu.
Batistes, lindro padr3es, a 200 e 320 rs. o covado.
Fustoes brancos de novos desenhos a 440 e 500 rs. o covado.
Coberta8 de gaDga, forradas, de dous pannos a 3(5 500.
Ditas de ganga cretone, bonitos padrSes, a 3(5000.
Lencoes de bramante, de linho.. de 25 a 4(5000 a um.
Ditos de algodito de 1,800 a 25500.
Toalhas felpudas, de tamanho regular a 55000 a duzia.
Ditas grandes para banbos a 25000 urna.
Lencos de algod2o de 15800 a 25200 a duzia.
D:*os *e algodSo, rom barra, a 25400 a duzia.
Bii p.irdo, claro, a 300, 400 e700 rs. o covado.
Dito ti-Hacado, loua, a 15, I5l00 e 15200 o meto.
Cortea i'- vesta^ de cretone de 205 por 85000.
Gu .jvanapos ue linho de 35500 a 65 a luzia.
Grande var'cdade de anquinhas de 25 a 55000.
Meias cruas para homem a 55, 65, e 75000* duzia. niinnn
Chambres muito bem preparados, para homem, de 55 a 105000.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 25500 o covado.
AlgodSo-trangado de duas larguras a 15300 a vara. ^^
Bramante de algodSo, de qnatro larguras, de 15500, 15800 e 20000 a vara
Dito de linho idem idem de 25, 25500 35 e 45000 a vara.
Leques de papel, de lindos desenhos, de 500, 800 e 15000.
Merino preto e azul a 1540( rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Guarda p de brim de linho pardo a 45, 55 e 6$000.
Oxford pura camisas, lindos padrSes, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Velbudnas de todas as cores a 15000 o covado.
Molesquin de cores, bonitos padrSes, a 600 rs. o covado.
Chales de algodUo a 15200, 15400,. 15^00 e 2000.
CostumeB para banbos de mar a 85 e 105000.
Cortinados bordados para cama e jasellas a 5 100, \, 14 e lb0UW pr.
Grande sortimento de roupa feita para trabalhadores de campo.
Encarregamo-nos tambem de mandar fazer qualquer roupa para horneo* e
menino,, para o que temos, um hbil oficial o um gfande sortimento de pannos, bm,
Que#n precisar de algun> artigo bom e barato, dever visitar de prefereoa
este antigo e acreditado estabelecimento.
Bu Ni (i un i. o
I UBttrl i




Diario de PernambucoSabbado 24 de Julho de 18S6
ASSBMB^EAJGEML
(iniHi D9 DEPUTADOS
SESSAO EM'8'DE JULHO DE 188(5
PBISIDBNCIA DO 8B. ANDHADE FtGUEIBA
(Continuado)
Sao lidas e reraeti las ha forma do regi-
ment, commissao de orgamento, as se-
guintes emend.s:
Auxilio escola domestica de Nossa
Senhora do Amp.ro da cidade do Petropo-,
lis 2:000$.- Olymp.o Campos.
Fica concedida Academia das Bellas
Artes Ja Bahia una subsidio da 6:000$ nn-
nuae- para o -ual i p Ua aulas. Ba-
rio da Guahy. -A.'Milton. Araujo Pinho
Accioli Franco. inerico.Barao de
G.rempabo.-Araujo Ges Filho. Pedro
Carneiro. Jii neira Ayres. Baro da
Villa da Barn>.--Jos Marc lino. -Pedro
Muniz. Pinto Lina. Fernand es da Cu-
nha Filho.Cari js Peixdjjo
Foram lidas, apeadas e entram eonjun
tameotc em discussao coin o projecto as
seguintes emendas :
f 22. (Culto publico.) Como na pVopos-
ta, applicaado-se s obras da S de Goyaz
as sobras das da verha destinada ao -abi
do. SR. A'avier da Silva. Marcoodes
Figueira. G. Cruz.
A adeira de xylographia fica substi-
tuida por urna outra de perspectiva e thed-
ria das sombras appli ada s bellas art^s,
nomeando o governo o respectivo profes-
8or ou cfntratanto-o sem augmento de
despesa.
o Sala das sesso s, em 8 de Julho de
1886. Ferreira Vianpa. Escragnolle
Taua>.y. Mattoso Cmara, i
O Sr. Lourei?o de Albuquer
que sent a ausencia do nobre ministro
do imperio na prsente oc -.siao, porque a
palavra oe S. Exc nesta discussao seria
mais necessaria do que o foi na anterior.
O nobre ministr-r, interrogado pelo ora-
dor a respeito de urna despeza de 14:000$)
nao autorisada em lei, cena a acquisigo
de quadros artsticos c outros objetos
para a academia de bellas-artes, despeza
que na tabella oxpli -tiya do ministerio do
imperio era designada como tendo sido
feita, r^pvnieu S. Exc. que havia equi-
voca da p&^sVdo orador, porquanto seme-
lhantant; (Tespcza ainda nao e tinha effe-
ctuado.
O orador folga cem a resposta do nobre
ministro, mas adverto que, se equivoco
houve, parti de quem confecconou a ta-
bella offiiia!, que d como comprado
aquillo qua tena di se comprar.
Agora o que resta ver se as actuaes
circumstaucias, em que um collega do no
bra ministro prop3a a redu cao de......
400:000-S na verba de auxilio torga po-
licial das provincias, couvm qu; a eania-
ravote esta despeza inteirmente dispen-
savel, qual a achica de queros ar-
tisti.03.
Allegou-so que a commissao <"e orga-
mento j prpoz umi emenda supprimmdo
esta verba. E' verdade; roas l est na
proposta urna verba de 15:000$^para o
meemo fira. De sorte que, so nao fora
aquella emenda, teria a cmara de votar
29:OO.-> Mas espera que a cmara, que
ajuda o governo a realizar economas, nao
deixar de votar por urna emenda que o
orador vai apresentar, reduzindo est*
verba.
A respeito da dotagao ao Sr. Duque de
Saxfe perguntou o orador o nobre minis-
tro e que molo eslava Si Exc. resolr lo
a proceder nesta questuo. R-spondeu S.
Exe. que o governo nao est resolvido a
renovar a lieenga o Sr. Duque de baxe,
isto um ministr raonarebista est re-
solvido a proceder de modo muito difieren-"
te de um ministro republicano, o Sr. Lr-
ayette, que entendeu renovar a lieenga.
Louva o nobre ministro do imperio pela
sua franqueza neste assumpto.
Faz ver que alm da sua dotago, ein-
quanto o Sr. Duque de Saxe tiver lieenga
para resi lir fra do imperio, nada mais se
vh ; e explica as razos que acta- com urna leviandade incomproheniivel. A
ram o anno passado no espirito da cmara
para revofar a autorisacSo de pagar-se o
dote a Sua Alteza.
O orador tamloem fallou alguma cousa
sobre hyriene, do qde est sinceramente
arrepentido. Na resposta que k' deu o
nobre ministro, disse S. Exc. que esta
.uestao tinha sido estudada a fundo por
celebridades europeas, e que ello tarabem
a havia estulado profundamente, e tanto,
assim que estava prompto a fzer quantos
discursos quizessem sobre hygi-n>".
Mas o orador confessou desde logo a
eua inompetencia nesta raat< ra; nao con-
'e.stou nem contesta que S. Exc. a tenha
estudado profun lamente ; e para dar ar-
rhas da proficiencia do nobre ministro nes-
tes assuniptos n5o prnisava 1er o que us
tolhas platinas e O Paiz dizem a respeito
do seu regulamento sobre byg ne.
Coletudo, a um r 'paro feito pelo orador,
citou o nobre ministro em resposta um
trecho da um sabio hygienista europeu,
que essa autoridade reconhecondo,
como todo munlo recohece os inconve-
ni ntes da agglomeracSo de organismos
animaos n'um espaco relativamente pe-
queo, declara que o meio de evitar esses
inconvenientes a adopco de medidas
hygienioas. Entretaeto o nobre ministro
tirou urna conclusSo muito differente, por
que, apoiando-se na canveniencia de remo-
ver os doentes de febre amarella da orto
para o hospital martimo da Jurujuba,
deixou subsistir o mal da agglomeragao
dos enfermos, reraovendo apenas o incon-
veniente de um lugar para outro.
Nuo 'a o orador defendeu interesses in-
dividuacs na cmara (apoiados) o se fallen
a respeito das casas de saude do Rio de
Janeiro foi por estar convencido de que os
seus proprietarios sabam aliar sentimentos
humanitarios aos seus legtimos interesses.
Reconhece a grande vantagem da estatis-
tica, mas para que esta aprovoite neces-
sario que seja exacta, sem o que induz a
erro L um opsculo, escripto por urna
notabilidade medica da corte, que revela
a grande proporjao de mortes entre os
doentes de febre amarella transportados
para o hospital martimo, mortalidade essa
devida em grande parte ao facto de trans-
porte.
O regulamento do nobre ministro n2o
obra perfeita, nem mesmo na parte gram
inatical; o o desappareeimento da febre
amarella no foi uevido a nenhuma medid
do obre ministro, mas acto da Divina
Providencia.
Nao aecusa a S. Exc. polas despezas
feitas com o Lazareto, que no foi obra
do governo actual.
Trata geiramente do arrazamento dos
mortos e o dessecamento dos pantanos
da cidade do Rio de Janeiro; nao se
oppoe ao saneamento da cidade, mas
estimara que nao se fizesse com esse
tr ib. lho grandes despezas. O nobre mi-
nistro j annunciou que ^presentara um
crdito p.ra o saneamenti da cidade ^e j
apresentou um para o matadouro j^jpo
peitubar assim os clculos do seu coUega
da fazonda ? E' preciso que todos os mi-
nistros se ponl.am de aceordo. O orador
duvila que S. Ex. aprsente^ a proposta
para o saneamento da cida'e, mas se vier
e fr votada nada ter a dizer, so o di.
nheiro nuo sahir do imposto gcral.
A commissao do orQamento entendeu de
sccordo com o ministerio apresentar urna
serie le emendas de que resultara econo-
ma, algumas destas, porm, foram aban-
donadas pe raaioria da commissao. As-
sim no oramento da just9a a commissao
rspz a verba de 20:000$>v para novos
ermos e comarcas, o orador! nao quera
ar nem real, mais tarde, por|m, foi essa
erba elevada a 50:000)5 ; e p que cer-
to que o ministro nem tugio nem mugi,
qaando devia protestar. O orador, po-
rm, nao perdeu a esperanca ; or que o
nobre ministro, que mineiro e economtro,
nao gasUr nem os 50:000$ nen os....
20:000$. Entretanto nao comprehende
estas marchas e contra-marchas. Ou o
ministro recusou ea a commissSo procedeu
RIGOLO
POR
247SS. II
icarxsrxi
I, CO.STLNU.\(>'DE ANGELa)
( C o c t i n u a i S. o do n. 16 2)
XV
Que ia fase? a Marselha ?
Absolutamente nada.... Esta va de
pas8a2;em.
Vindo de P..rz ?
Qual historia!... Vinlo da frica,
onde tquei durante tres annos.
Tem provas?
Ora, provas I Nao aqui, com cer-
teza, que eu estou no caso de lh'as dar.. .
Vamos a Argel e l Ihe mostrarei um mon
45o d'ellas... Cheguei a Marselha no dia
8 e parti de l no dia 10.
Ha de se lho provar o contrario...
Que fez da mala roubada sua victima ?
Qual mala, nm qual victima! Ce-
no nSo m tei ninguem, nem roub::i nin
guem !
O Sr. de Gevrey abri de nov a gave-
ta, de onde havia tirado a navalha corsa
e tirou a carteira de Jayme B?rnier, tra-
zid3 na vespera por Cejilia e Proli.
Reconhece esta carteira? perguntou
elle a Osear Rigault, pondo-lha diante dos
olhos.
Nunca a vi mais gorda, rftplicou o
mscate, depois de a ter examinado.
Da que servem estas negares, que
se despedagam com a evidencia? replicou
o juiz. Aconselho-lhe que confesse j, tu-
do.. Se ha alguma cousa que possa me-
recer ura pouco de indulgencia, urna con-
fisso sincera.
Meu juiz, eu fajo appsllo ao seu
bom senso. Como bei de confessar um
crime que nunca commetti ? Seria um sem-
vergonha, cousaria repugnancia ao senhor*
e at a mim.
commissao da conanca do governo e
della fazem parte vultos do partido con-
servador e nada podiara propor sem ap-
provac2o do ministro.
Observa que o nobre ministro disse que
o Sr. Revy, tinha um contrato com o go-
verno, que lhe garanta 1:000$ mensaes, e
para nao eatar ocioso, incumbio-o de traba-
mos na ci la le do Rio de Janeiro, mas S.
S. era chefts da conmissSj de acudes no
Cera; o governo oncarregou outro enge
nheiro de examinar os trabalhos daquella
eom'i-isso esse engenbeiro apresentou um
rclatorio que, se verdadeiro, seria suffi-
ciente para ser demittido o Sr. Revy ou
esse engenhero, se o relatorio fos3e falso,
mas ambos foram logo empregados, um
pelo ministerio do imperio e outro pelo da
agricultura; aquelle percebendo pela verba
dos ajudes, empregado em outro servijo.
Couclue pedindo que o governo emende
a mito, que os nobres ministros se ponham
de aceordo neate e em outros assuirptos ;
tilias ter motivo para dizer Srs. minis-
tros, tao bom, como to bomo orador
ttom por divisa dizer em tudo a variada a
quem em tudo a merece.
O Sr. Costa Agolar ouvio com a
mais agradavel impresso a declaraco do
Sr. ministro do imperio de que se oceupa
ria com urna reforma da instrucgS) publica,
ca, porque esta interessa a todo o paiz,*
mas, tratando-se dessa reforma, parece
lhe um dever de consci -ncia trizar roen-
te do nobre ministro um idea de que nao
se tem trataio ; falla na descentralisac.ao
do ensino.
Nao combate a cenlralisacao administra-
tiva, em que se jogara os interesses par
tidarios, mas a centralisacao moral, que
est enfraquecendo todas as forcas vivas e
raoraes desla paiz to rico o de tanto fu-
turo.
Como brasileiro, o orador folga com o
progresso da cidade do Rio de Janeiro ;
mas acia que todos os governos tem prati
cado um erro centralisando nesta cidade o
ensino publico superior; assim os habitan-
tes do resto do imperio estao sendo espo-
liados pela corte, porque someate se dei-
xou urna faculdade em tres provincias;
emquanto que os habitantes do extremo
norte lutam com as maiores difneuldades
para o ensino superior.
Moslra"que se despende com o ensino
superior da corte 2.7594000, emquanto
que as outras provincias do imperio se
gasta apenes 836:000|$.
Acha que neste ponto a metropole pro-
cedeu mais acertadamente, porque em
1813 mandou crear urna faculdade medica
no Rio de Janeiro, outra na Bahia e outra
no MaranhUo.
Como representante da provincia do
Para, pede ao nobre ministro do imperio
que na sua reforma se lerabre daquella
provincia.
Limita-se a estas observajoes, o espera
que o patrio i"ino do nobre ministro tome
em considerac.'vo os perigos que podem a i-
vir desta centralisacao moral, da qual pode-
r resultar o quo em poltica se chama re-
voluto.
A discussao fica adiada pela hora.
O Sr. Presidente d a ordem do dia
ara 9.
SESSAO EM 9 DE JULHO DE 1886
PBESIDESCIA DO BS. ANDSADE FIG0EIBA
Ao meio dia feita a chamada a que r^s-
ponderam 93 Srs. deputados, abre se a
sessao ao meio dia e sete minutos.
E' lida e approvada a acta da aesso an-
tecedente.
O S. 1 Secretario d conta do expe-
diente :
O Sr. AffonSO Peana vai mani-
festar sua opiniSo a respeito de alguns
pontos, que ltimamente tem sido contro-
vertidos, com relacjto ao regulamento ex-
pedido para a execuo da lei de 28 de Se-
tembro de 1885.
No senado, querendo o nobre presidente
do conselho justificar & interpellaco do
j Entao trava urna luta contra a jus-
tica ; mas a justija, tendo a verdade por
si, ha de ser a mais forte.
Emquanto a isso, desafio-a a que o
seja. Seria dar urna trincadela na la.
Nos o convenceremos, pela conufBao
de seu cumplice.
O meu cumplice ? repetio o mscate,
julgando sonhpr.
A mulher que lhe enofcirnendou e
pagou o crime -Angela Bern* !... Dir
tambom que a nuc conhece. *a
Mas* de certo qus o digo.-' Nem An
gela, nem Jayme Bernier So boje que
ouvi fallar pel primeira vez nelles.
Em que hotel se hospedou em Mar-
seiba?
No hotel d Argel.
Meutira I
-- Entao, se n3o foi l, onde que foi?
No hotel Beausjour.
Parece que o senhor sabe mais do que
eu 1 Pois bem, confronte-me com os do-
nos do hotel Beausjour... ver se. sao ca-
pazRs de me reconhecer... Requeiro um
inquerito.
Est feito, e >:ontra o senhor.
Meu juiz, estou. espantado, tsau eu
que lh'o digo. Cortem-me jo'pescoco,
porque eu sou um grande s !
Conhece isto ? proseguio o Sr. de
Gevrey, pondo diante dos olhos de Osear
o fragmento de lapis azul, achado pelos
agentes da segranos, no quarto que tinha
oceupado Proli, no hotel Beausjour.
Isso um pedago de lapis.
Que lhe pertencia ?
N2o, meu juiz.
O magistrado tirou, completamente abor-
ta, do proeesso, a carta perdida por Cecilia
e continuou :
Nega ter pessuido esta carta e ter su-
blinhado com este lapis as phrases princi-
paesj essas que o deviam guiar na realisa-
co do seu crimo ?
Neg com todas as miaas forgis e,

gal
a c-
cora a cabera em cima do cepo,
hia ainda.
Persiste em recusar em dar-rae
nhecer o seu domicilio em Pariz ?
Sebo I Nao persisto nao I.'". Urna
accusacSo de assassinato !... Irra R .. E'
o peior que me podia acontecer. Vo
minha casa, o que eu quero V l, meu Do qae serVe ?
juiz, e interrogue o dono da casa. ;. Elle
ihe responder que estou l des le o dia 12
de Dezembro, dia dajminha chegada a Pa-
ria, e que a&o dei"Uutro nome para me
nobra ministro da agricultura a um dos ar-
tigos dessa lei, S. Exc. referi se ao nome
do orador e ao Sr. Ferreira de Moura,
membroB da commissao que tinha de dar
parecer sobre o projecto, e disse que a
opinio da commissao era qua a deduucao
do valor por que fosaem matriculados os
escravos devia-se fazer e contar, nao da
data da lei, mas da data era que a lei co-
megassa a ter execuco.
Nao so lerabra o orador do que se pas-
sou no seio da commissao relativamente a
este assumpto; e explicando o qua sa pis-
sou na cmara transa-ta a respeito desta
questao, admira-so de qua o nobra miuis
tro da agricultura, tendo appella lo pura a
interpretajao da lei quauto ao encerramen-
to da matricula, fosse o proprio a confes-
sar gue estava em suas oaos o marcar o
ebraeco da deduc$ao das tabellas' para o
primeiro dia da matricula, e entretanto nao
iuterpretassa a lei neste sentido, ampliati-
va da loerdade dos escravog.
Mostra a razio por que o governo libe-
ral entendeu necessario adoptar se urna lei
expressa para a madanca dos es 'raros da
corte para a provincia do Rio de Janeiro.
e julga que para esse effeito essa razao
insubsistente diante da lei do elemento
ervil de 1895.
Chama a attenjo do nobre ministro da
agricultura para urna lacuna do regula-
manto dessa lei, a qual pode suscitar gra-
ves iuconvenientes.
Ahi se omitte ura. dos requisitos essen
ciaes da matricula, que a nacionalidade
dos escravos. Ora, esta falta pode prejuii-
car nao s o direito dos escravos como o
dos senkores, pela questi de nullida le da
matricula, que ella pode suscitar.
Estranha que o nobre ministro gastaos:
oito mezes para expelir o sou regulamen-
to, isto em detrimento da lei, que mandou
fossem cobrados desde logo os 5[0 aldi-
cionaes. Porera o quo mais impressionou o
orador foi^iuan lar S. Exc. fazer a cobran-
ga a partir, do Io da Julho, sem qu: tive se
incluido ?ate-impasto na prorogativa do or-
araento ltimamente votadi, como lhe
cumpria.
O Sr. Francisco Belisario (mi-
nistro da fazenda)-die que tendo somonte
cinco minutos para fallar, reserva-so para
dar a resposta amanhS ao nohro deputa do.
ORDEM DO DIA
FOB5AS DE TKBRA
Entra em 2* discussao o projecto que
fixa as forjas de trra para o exercicio de
1887 -1888.
O Sr. Sve navarro declara apoiar
sincera e lealmenta o actual gabinete, com
o qual se congratula por ver quo elle con-
centra em si t)doa os elementos para uma
boa e fecunda a adjinistrajao.
Assignala a decadencia moral e mate-
rial era que a nascenta situa3o encontrou
0 paiz, presa da anarchia e da miseria, c
os ingentes e patriticos esforcos que tem
feito para Iivrar as nossas instituicSes do
descalabro em que ara cahiudo.
Depois de accentuar a legitimidade con
que os conservadores foram ao poier, e o
firme proposito em que esto de resUbe-
1 cr a ordem e o imperio da lei, e dar ao
paiz as reformas uteis e neeessarias que
elle reclama e que os liberaes nito tiveram
forja para realizar, passa a tratar da ma-
teria em dis mssao.
Em primeiro lugar chama a atteneto do
nobre ministro da guerra para a necessida-
de que ha de reformar, o pessoal docente
da esoola militar do Rio-Granda do Sul.
Pela tabella annexa ao regulamento que
era Junhd de 1874 foi dido aquella escola
foram reduzidos os veneimentos dos res-
pectivos professores.
E' de erar que o governo, em conse
quencia da r-iducc&o que acabam de sofirer
aqulles professores, se tiver de recorrer
aos offieiaes dos corpos arregimentados,
nao os en:ontre, para lcccionar nos cursos
de preparatorios e nos cursos superiores,
inscrfver. .. Bem v que nada temo, abso-
lutamente nada !
Emfim, a sua morada ?
Boulevard de Batignolles, no Petit
Hotel.
O escrivo tinha escripto todas as res-
postas de Osear Rigault.
Leu-so a este ultimo o interrogatorio, que
elle, assignou, e depois o Sr. de Gevrey
disse aos dous guardas de Pariz ;
Tornera a conduzir este homem para
o Deposito, e que seja posto de novo na
cellula.
O mscate sahio do gabinete, com a ca-
beca baixa <* rosto transtornado.
i A sua inquietoslo tinha-se transformado
era angustia.
O Sr. de Gavrey fioou s em companhia
do chefa da seguranca e disse :
Vou mandar buscar duas carrua-
gens... Entrar na primeira commigo,
dous dos seus agentes oceuparo a outra e
iremos effaetuar uma pesquiza no bpule
vard de Batignolles, no Petit Hotel. Que
idea fas deste Rigault i accrescentou elle,
depois de ter dudo as suas ordens.
*enso que um maganao, a quem
nao altam n^m ge.ito nem ousadia, repli-
cn o chefe da seguranca. Espera des-
-fuortear-nos com a sua pretendida viagem
frica, mas nao o conseguir.... Leu
cora attenco o rslatorio dos meus agen-
tes ?
Li... Um delles apr sentou-se como
freguez na loja do hervanara de Bernier e
fez fallar uma mulher que est ao seu
ser vico... Essa mulher pretende nSo co
nhecer o nomo de Osear Rigault.
Isso nada significa. .. A creada po-
do mentir... e alm disso, talvez quo esse
patife se apresentasse em casa da herva-
naria com outro nome... A cumplicidade
parece-me certa... Creio que taria bem
em interrogar o amigo de Osear Rigault, o
Lombriga, como o chamam, ferido esta imi-
te com uma facada e raettido no hotel
Dieu.
II-i da interroglo, logo que estoja
em estado d responder.
Por meu lado, vou procurar a tal ir-
mS da Osear Rigault, que elle pretende
tambom procurar, e que, segundo as suas
exprseles : anda na pandega.
Nao estando prevenida e nao pabjen-
do'qua o irmao est preso, poder dar-nos
informacSas a respeito da ausencia do ir-
mao e da sua estada em frica.
tao "habituados como os engenheiros do ba-
talllo naval. Convm portanto equiparar
os seus vencimentos aos dos professores
da escola militar da corte.
Lnnbra tambara a necessidade do man-
dar construir mais dous quarteis, um na
jidada do Jaguarao, e ouro na cidade de
Bag. Para que s tropas poss n servir
ao rigor do clima mister quo tenhara boas
accoramodujBes.
Ura dos servicos para o qual o nobre
ministro deve ollur com a mxima atten-
co o das colonias militares. Algumas
lia qua deanh im. Co n a economa resul-
tante da supresso de urnas pode o nobre
ministro fundar outras, cuja necessidade se
impSa.
Assim, por ex^mplo, existe no Alto-
Uruguay uma povoagSo florescenta, de
700 almas, e outra na barra de Jejuhy
ambas situadas em pontos mag.iiti-os.
Eundadaa ahi duas colonias militares, prin-
cipalmente as margeos de Jejuhy, qua
um ponto fraco da nossa fronteira, sero
um obstculo a qualquer tentativa de in-
vas&o dos nossos inimigos.
E' tarabem da grande necessilade o
mandir o govefno continuar a linha teh-
graphica da Cruz Alta at Palmeira, Passo
Fundo e outroa ponto da fronteira do Rio
Grande do Sul. Nao. 6 pelo lado dos inte-
resses do commercio. como p lo dos nte-
r sses do Estado, e anda pela razo de
estrategia, de sumraa vantagem levarse
essa linha at ao extremo da fronteira.
Nao menos conveniente se lha afigura a
continuacao das duas liabas de estradas
de fer^o do norte e do sul da sua provin
ca. Por meio dessas estradas, que sao
duas verdad iras vial estratgicas, ficar
assegurada a tranquillidale daquella parta
do sul do imperio.
Em seguida mostra a injustica da aceu-
sao levantada pelo Sr. Jbaquim Pedro
Soares contra o nobre minis ro da guerra,
a quem S. Ex \ aecusou de partidario na
pasta di marinha, e passa a responder s
observac3es hontera feitas pelo Sr. Rodri-
gues Jnior, que charaou a attenco do
nobre ministra sobre cortos ramos do ser-
vido.
O orador concorda com S. Exc. na ne-
cessidade de uma nova reorganisaco do
'exercito. Esta medida certamonte acarreta
despeza e nao se fazam estulo ; mas sen-
do uma necessidade ger.dmente reconheci-
da, est que o nobre ministro apresentar
na prxima sesso uma reforma nassa sen-
tido.
Tambora acha convenionto a exoe-ujao
da lei de 26 da sete nbro, mas uepois na
expurgada do certas exc--pe.3es odiosas, o
que permittem au rico forrar-so ao servico
das armas, deixmdo o pobre em coniijSis
de desigual 'ade na lei, qua dave ser igual
para todos.
S. Exc. alludio ao fornacim mto da ca-
valhada p .ra o exercito e le obrou a con-
veniencia de fiscalisar as candelarias do
Estado na provincia do Rio Grande do
Sul, Julga o orador qua essa tscalisacao
de nada aproveita para a acquisicao d
avdlos bons e em numero fufliciente. Ma-
lh r ser f>rnecer se o exercito da indas
dustrii particulr.r.
Fallou tambera o nobre deputado na
morosidade de curtas obns militares e na
conveniencia de aproveitar os servijos do
batalhao de engauhairos. O orador est
certo de que estas ooservauoes do nodre
deputado sero tomadas nad;rda conside-
r.'jau pelo nobra ministro da guerra.
No seu afn de aecusar as autoridad s
da actual situaco e do ver desacatos e as-
sassinatjs por toda a parte, aecusou o Sr.
Candido de Oliveira as autoridades do mu-
nicipio de S. Francisco de Paula de Cima
da Serra, da provincia do Rio-Grande do
Sul. O orador defende essas autorilales
dades das (-rguicSes que offoroceram, e
justifica o procediment do ex-presidenta
da sua provincia, que suspenden o 'orca-
mento da asserabla provincial, por incons-
titucional, e mantou vigorar a le ante-
rior.
Mostra que os actos do insubordinajao
do distiucto general Sr. Visconde de Pelo-
tas, sao innmeros; nao lhe nega as glo
ras militar es, porque nao pode despir as
pennas ue pavo cora qua so cobrara mu
E' uoia historia absurda, qual im-
possi^e! dar crdito exelaraou o Sr. de
Gevrey. A culpabilidade :alta aos olhos...
0 facto s do ter reconhecido como aua a
navalha que servio ao assassinato, equi-
vale mais completa confissao... Sei
perfeitamente que o inculpado preten-
de ter perdidp a navalha; mas uma as-
sercao ridicula, que nao so tem de p ;
tanto mais que a sua perturbado, impedin-
do-o de refloctir e de coordenar as datas,
d essa perda como de dous dias... Vou
1 ti utir em tudo isto e tratarei, no segun-
do interrogatorio, de lbe tornar irapossivel
uma negayo.
T.lvez a busca que vamos fazer em
sua casa do boulevard de Batignolles d
resultados concluientes, accrescentando
mais uma prova material s provas moraos
que nos temos.
Talvez, com effeito. Logo que ebe-
guem as carruagens, partiremos.
Permitteme qua lhe pergunte. que
deciso vai tomar relativamente a Angela
Bernier ? E' hojo qua ella volta para Pa-
rs com a filha.
Naturalmente hei de dar ordem para
a prend. r; mss isso nao urgente. A esta
hora ella devejulgar-se ao abrigo do qual-
quer suspeita. Deixemol-a na sua coufiang.i,
mais forte eer o abalo e, por muito senho-
ra de si que seja < t creatura, a commo-
cao do primeiro momento compromet;
r, porque cont interrogal-a sem dar-lhe
tempo para adquirir sangue fro.
Vierara avisar ao juiz formador da cul-
pa que es carruagens encommandadas ti-
uluin chegado.
Partamos, disse elle ao ebefa da se-.
guranca, passaremos pela prefeitura para
levanuos os seus agentes.


Na vespera, Renato Dharville tinha re
cebido o telegramma da Lco L?royer avi-
sando o de que chegaria a Pariz dahia
quatro dias.
Contente com e3ta noticia, tratou de fa-
zer logo no dia seguinte os seus preparati-
vos de viagem.
Emma Rosa continuava a melboraf^de
dia para dia, ||ada por consequencia jpodia
impedir a partida de Angela e da filha,
partida fixada, como se devem lembrar, pa-
ra o dia seguinte.
O mesmo trem devia levar as dnas se-
nhoras e Renato.
p moco ia no compartimento ocenpado
tas gralhas ; entanlo que se sa fizesse ef-
fectiva a lei, S. Exc j taria respondido a
conselho de guerra, com a devida venia
cmara dos senadores.
Passa a responder s censuras ao presi-
dente da provincia feitas no senado pelo
Sr. Silveira Martins; quanto ao imposto
adiioional do 5[0 para libertaco de escra-
vos, sobre que apresentou-se uma emenda
sentando o Rio-Granda do Sul, pelo qual
votarara o Sr. Caraargo, ministro da gaer-
raento, e seus amigos, desde que essa
emenda foi rejeitada o Sr. Caraargo devia
sahir do gabinete, mas nao o fez.
Rebate outras argMcdiB, afiirmando que
nao conheee general mais digno que o il-
lustre militar o Sr. Deodoro da Fonseca e
que como general das armas o vice-presi-
dente da provincia em exer .icio, tem-sa
mostrado provecto administrador.
Cita 03 nomes da Ilustres liberaes que
o Sr. Silveira Martins atirou fora do par-
t lo, como os Srs. Bdro da Mau, Thi-
inoteo P.rira da Rosa, Fernando Osorio e
outros muitos ; entre estes ltimamente o
proprio nobre deputado Sr. Joaquim Pe-
dro, o qua prova com a Reforma de Por-
to-Alagre, quo nem deu a noticia do re;o-
nheciraento de S. Exc.
Repelle a proposigito de reaego naquel-
la provincia actualmente, quando os prin-
cipan chefes das repartiyo-'s pjovinckes
sao liberaes, como mostra.
Sustenta que a iniciativa das estradas
de ferro no Rie-Gaande nao pertence ao
Sr. Silveira Martins, posto que concorresse
para sua roasacao.
Depois da outras consideracSes respon-
endo o Sr. Joaquira Pe 1ro, enumera os
servios f tos ao Rio-Grando do Sul pelo
Sr. desembargaJor Lucena.
Tinba aiada outras observayoes a fazar,
mas a hora para esta discussao est ter-
minada, por isso conclue, fazendo votos
para que o governo, tendo de escolher novo
administrador pc,a-o Rio-Granda, procure
quara v seguir as aguas do Sr. desem-
bargado Lucena.
A discussao fica adiada pala hora.
OBgAMESTO do IUPEBIO
Entra em 3" discussao o projecto que
fixa a despeza do ministerio do imperio
para o exercicio de 1886 1887.
Sao lidas, apoiadas e entram era discus-
sao conjunctamenta com o projecto as se-
guintes emendas ;
a Da verba do | 33: Academia impe-
rial do Bellas Artes, iminua-3a a quantia
de 15:000$ para acquisicao de obras d'ar-
te, paineis, etc., ficando assim reduzida a
dita verba a 87:530$. Sala d era 9 de Julho de 1886. Lourenco de
Albmiuerque.
* Ao 53. Era vez de 231:710$, diga-
so 155:450$, deduzida a importancia de
72:260$ com que foi mais dotada a verba,
em virtude da organisaca dada ao- servi-
baixado om o decreto n. 9,554 de 3 de
Fevereiro de 1886, e emqu%oto nao for
esse decreto approvalo pelo poder legisla-
tivo. Sala da3 sessoes, 9 de Julho de 18f
Candido de Oliveira.Affouso Penna.
Joo Ponido. -Rvtisbona.
Entra no sdo o Sr. ministro do irar,
rio e oceupa a sua cadeira.
O Sr. Baro de Hamor (rain
tro do imperio) nao viri assist..1 1 esta dis-
cussao, conforme estylo, a nao ser con-
vidado ; mas lendo um discurso pronuncia-
do hontem pelo nobre deputado Sr. Lou-
renco do Albuquerqua, julgmsa na obri-
gaco de comparecer e,niara, afim de
dar breve resposta a alguns tpicos do dis'-
curso do honrado raerabro, que nao podem
passar sem pro opta refutaeio porquanto
alguns sao inexactos o outros injustos para
com o ministro do imperio.
pela mi e pela filha e servir lhes-hia de
cavalheiro at estaco do aaminho de
ferro de Pariz.
Cousa rara, tudo se passou como se li-
nha combinado de gntemo. %
Nenhum incidente imprevisto modificou
os projectos formados e, hora aprazado,
os nossos tres personag-ns sahiram de
Saint Julien du Sault.
O Sr. Do^rville e o doutor nao se afas-
taram seno depois de ter mettido no va
gao 03 pass;ig-iros, e s quando o silvo do
vapor annunciou que o trem se punha a
caminho.
Escusamos affirmar nos nossos leitores
que a b-lla hervanaria tinha exprimido ca
lorosamente o seu roconhecimento ao me-
dico e ao Sr. Dharville ; ao primeiro pelos
desv-los que prestara a Erma Rosa ; ao
segundo pela generosa hospitalidade rece-
bida era sua casa.
A's onze horas da raanh3, o trem che
gava estagSo da Pariz, depois de uma
ri.gem que diversas razoes tornaram bas-
tante triste.
O solavancos do caminho de ferro ac-
tuavam de maneira desr.gradavel sobre o
organismo da moga.
Apenas o trem comecou a andar, a crean
ga teve logo violentas dores de cabeca.
Ao rasmo tempo pareeia lhe que uma
especie da veo estendia-se-lhe dianta dos
olhos.
Os objectos appareciam-lhe fluos o in-
distinctos, como atravs de uma gaze.
Angela, doloro3amente affectada pela es-
tado de sua filha, nao tinha a necessaria
liberdr.de de espirito para se o cupar do
seu corapanheiro de viagem.
Comtudo, como nao faltasse senao uma
ou duas e8tac3s antes de ehegar a Pariz,
ella diss? a Renato :
Vamonos separar Sr. Dharrlle...
Resta-rae agradecer-lhe mais uma vez, e
cora toda a effuso de ura coracSo cheiode
reconheciraento, a parte que o senhor to-
raou no salvamento da minha querida filha.
Sabe onde moro, ra das Damas n. 110...
Se os seus afazeres lh'o permittirem, e se
o nao assustar a mediocridade da minha
posijao, venha visitar-me. ... Terei nisso
grande s^tisfaco.
Renato Dharville respondeu kgo :
Nao deixarei, minha sennora, de ir
saber noticias suas e da senhora sna filha.
Emma Rosa estendeu-lhe a mSo.
E tarabem me dar noticias, do sea
(Continua)
amigo Leo, nao verdade ? disse ella
com um pallido sorriso.
Asrd.n lh'o prometto, minha menina.
Elle nao deve vir em breve para Pa-
riz ?
Sim, minha senhora.
Quando ?
Daqui a poucos dias.
- Entao, trga-o.
Acompanhal-o-hei de muito boa von-
tade mas elle nao precisa de mim para I
saber logo o caminho da sua casa.
- Acha ?
Estou certo.
Angela tratou logo de interromper aquella
conversaco, qua lhe desagradava, por mo-
tivos conhecdos dos nossos leitores.
- Nao falles mais, minha querida, pe- :
90-te, disse ella. Cansas-te e vais augmen-
tar a tua dor de cabeja.
Emma Rosa dbedeceu e rcelinou a cabe-^
5a no encost estofado do vago c fe?.hou
os olhos.
Decorrerara ainda dez minutos e o trm
parou.
Tinham chegado estajo de Pariz.
Renato Dharville tinha qu: s; oceupar ,1
com as suas bagagens, bastante voluraosas,
porque sua rai, sabendo que elle nao ia
morar para um quarto de hotel, rc s sim
para um alojamento mobiliado por elle, ti-
nha mandado um certo num> ro de cisas
de grau es dimensSes. *
Apezar disso nio pensou nos seus neg-
cios senao depois de ter acompanhado a Sra.
Angela e sua filha a uma carruagem.
Depois de trocar mais algumas- palavras^
affeetuosas, o mogo foi reclamar as suas ba-
g gens. 1
Vendo-o afastar-se, Emma Rosa sentio <
duas lagrimas correrem-lhe pelas f. ees.
Pensava em Leao, e o corago apertava-
so-lhe.
Parecia-lhe que separando se do amigo
d L3o, se separava do proprio Leo, nao
por alguns dias, mas para sempre.
Angela tinha sempre os olhos fixos na fi-
lha.
Vio aquellas duas lagrimas.
Comprehendeu lhe a causa e sentio tara-
bem um violento aparto no coragao.
Como ella o amal.. pensava a po>
bre rai, e quanto esto funesto amor a fa-
r soffrer I
(Connuar se ha)
'Typ. do Diario, ra Duque de Casias n. 42

HHHHili^sli^BL^L^L^B^s^BLVi^s^s^s^Biis^BH
k^MHBi^H
ilHHHHs^sBl