Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18322

Full Text
AMO Lili OMEBO
PAITA A C.4FIOAL K lAJAJ**'* OSDE NAO K PACA PORTE
Por tres mezes aiantadoa ... ........ 6(5000
Por seia ditos idem. ..... ......... 120000
i"*or uin auno dem..... x. .*....... 240000
Cada numero avuiso, do mesmo da......... #100
DIARIO DE
SEIfA-FM 23 Dfi JLHO
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis meses adianudos......... ....
Por nove ditos idem................
Por um auno dem................
Cada numero avuiso, de dias anteriores..........
13500
20^1000
270OOP
uo
NAMBUGO
Proprtefrafre fre Jflantul Jigpevca t>t Jara & -ftiljos
TELEGRAMAS
i
i
s&mgo :-::::^ d: siAnxo
RIO DE JANEIRO, 22 de Julho, s 3
horas e 40 minutos da tarde. (Recebido
s 5 horas, pelo cabo submarino).
Hontem o connelbeiro Antonio Pra-
do, minlntro da Agricultura. C'om-
mercio e Obra* Publica*, aprenentou
urna propota de le obre trra*.
Hoje a Cmara approvon em *.*
dlir-n*ao o orcamento do Mlnlaterlo
da Marinha.
INSTRDCCiO POPULAR
NATACAO
(Extrahido)
JA BIBLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
COXSELHOS VOS MADADOBES
{Conltnuaco i
Dentro d'agua vulgar acontecer que o nadador
seja accommettido por contraccoes dos msculos
usaremos movimeotos, sao muito dolorosas. 'este
caso o uadador deve estender a peni atacada
de caimbra, cessar com ella todos os movimeotos
e deitar-se do costas; era breve desappirecer a
caimbra. Agitando-se, nao consigue seno tor-
nal-a cada vez mais forte e portantomais dolorosa.
Terminado banho, deve enxugar-se, vettir-se
promptamente e pr-se logo em movimento para
provocar a reacco de calor que segu seinpre um
banh em agua fra.
Milita geute pensa que 03 banhos no tempo dos
canicirlarts sao nocivos sande; nao o sao, porem ;
o que deve ap.-nas evitar-se o banho s horas
de mais calor.
Banhar-se en agua estagnada expor-se tola-
mente a apanhar sezoes sempre teimosas e que s
vezes degeneram em febre3 malignas.
Uin exercicij muito querido dos nadadores ,
as praias, oqaechamam vulgarmente tomar ondas;
o nadador afa9ta-se.da praia, deita-se de costas, e
deixande-se fluctuar, ora se sent elevado ao come
de urna grossa vaga, ora despeno i do no valle
formado por duas ondas consecutivas. Esteexer-
cicio, realmente agradavel, pode tornar-se perigo-
so, se o nadador se d.'s;uil*. Eis como : as vezes
a vaga, por muito alta, adquirc piuca estabilida-
de, succedendo que a crista comee* a dobrar-se
formando um verdadeiiM canudo, que com urna tor-
ta irresistivt-1, desaba sobre o imprudente nada-
dor, irazendo-o sem sentidos at praia onde o
mutila e fere de encontr s pedras, calhos, ou
conchas Depois a vaga, retirando, arroja-o para
largo onde niio geralinente poasivel ir buacaUo.
E' fcil conhecer que .. vaga vai formar rolo ;
basta reparar para a crista,! notar-se ha que
ella corneja a dobrar se para o lado da praia, e a
lraujar-se d espuma ; ento o nadador volta-se
rapi lamente de bracos e mergulhs, furando acnda
junto base.
Um ultimo conselho. Se em trra o dictado la-
tino Audacia fortuna juvat verdadeiro,dentro
da agua e elle mais do que falso, porquaatoa for-
tuna abandona quasi sempre os qpdaciosos que se
expoem sem necessidade.
E, em boa verdade se diga, so nobre e louva-
vel o procedimento d'aquelle que se expoesem he-
sitar com um fina til,morrer sem necessidade e
so por ostentar valenta pelo menos, toleima da
parte d-- quem assim procede.
D sempre vonude de ihe applicar um outro
dictado latino ATti util-e es quod facimos, stulta
es gloria.
(Contina)
MRTE UFFILm
Cioveruo ta provincia
EM ADDITAMENTO AO BXPEDIEKTE DO DA 12 DE JLXB0
DE 1886
\ lo :
O v.ce presidente da proviucia, tendo em
s o que i'XDOS o engnheiro chefe da Repart-
as Obras Publicas ea otfieio n. 226 de 23 de
\) z< inliro iio auno pi-ii'l", sobre o do gerente da
Companhia de Santa Tii- reza, de 2 do mesmo mez,
e de B mfurmidade com o art. 25 'o regla-
la-iiri df 12 >le Agosto de 1873, expedir as ins-
traccoc* r. i;u!a:nentr>s abaixo transcriptas, para
o servic," da illuminaco a gaz da cidade de Olin
da, a carga da dita c-'unpinba em substituidlo do
estado reglamento de 12 de Agosto de 1873, que
ficar em vigor em relacao ao servico do abaste-
cimeuto d'agua aquella cidade :
Do servico do agente fiscal
Art. 1.* Para a nbpeccio do servico da illumi-
nacao a gaz da cidade de Oiinda, ter o governo
da provincia um fiscal, ao qual incumbe :
| 1." Examinar o estado do machinismo e cana-
litico, requisitano da companhia todas as me-
dicas de eautella e mais providencias para evitar
sinistros.
5 2. Vigiar por si ou por meio de agentes su-
balternos, que sero por elle nomeados com a au-
tcriSHcio e approvaco da Presidencia da provin-
cia, oibre a regularidade o servico e boa execu-
co do contracto.
3." Solicitar da companhia os reparos ou subs-
tituido que sejam necessarios nao soinente nos
combustores das ras e pracas, mas ainla em
nuaiquer pec> ou parte do material que embarace
o regular andamento do servico, na produccao b
fornecimento do gaz.
| 4. Velar sobre a tabella dos preess do3 for-
uecimentos particulares, afim de que seja observa-
da a ultima parte da sexta condicao do contracto,
levando immediatamente ao couhecimento do pre-
sidente da provincia qualquer abnso, que pela
companhia nesse ponto seja commettido.
^ 5. Recebe'r qualquer reclamaco que pelas
corporages publicas, aatoridades e particulares
lbe forem dirigidas em cenformidade do art 19,
dar as providencias precisas oa solicital-as do
presidente da provincia, quando estas excederem
s suas attribui(es.
| 6. Propor ao presidente da provincia a col-
locacao de novos lampeoes, que forem sendo recla-
mados pelo desenvolv ment da edficaco e aug-
mente da cidade, bem como corrigir e alterar, de
accorJo com a companhia, a distribuico actual-
mente feita nos pontos em que a pratica do servi-
7. Determinar, Je accordo com a masma com-
panhia, os puntos em que devam ser collocados os
manmetros ou indicadores de pressao e fixar os
limitas entre os quacs possa esta variar.
& 8.* Verifiear, sempre que julgar conveniente,
a qualidade oh inteosidsde da luz, afim de conhe-
cer se correspMtaMAstnnieio de pi cbicos que
fr iixado jarji consumo dos combustores e for-
neci menttMpyfotiealares,
9.4Spdir iastruccoas pelas quaes devam re-
guiar-sc os enpMgaass 4jue lbe forem subordi-
nados.
Das obrigacSes da companhia
Art. 2. A companhia conservar a cidade illa-
minada sempre que a la nao e.-tiver a cima do
horisonte e distribuir o servico de modo que re-
gule o tempo medio de seis horas por noite, duran-
te o anno, feitas as deiuccoes do artigo seguate.
Art. 3." Nos tres das anteriores e no immedia-
to la ebeia, deixar de haver illnminaco, sal
vo no tempo de invern, quando a la deixar de
ser visivel. e a companhia reeeber ordeno por es-
cripto do fiscal da provincia, para fazer accender
os combastores.
Essa ordem que dever ser dada com antece-
dencia nunca menos de 6 horai antes das horas do
comeco da illuminaco, declarar si toda a cida-
de ou parte della, que deve ser illam nada.
O coasumo do gtz-que d'ahi resultar ser pago
no fim do mez na razo de 216 res por noite para
cada combustor.
Art. 4' A companhia ser responsavel por to-
dos os damnos prejuisos causados a terceiros, pro-
venientes de falta sua e de seas prepostos.
Art. 5." A companhia dever evitar que as suas
obras preju liquera, quer as publicas, quer as par-
ticulares, devendo repor e reparar a sua custa as
deslocacoes que nellas fizer, ficando entendido que
as obras por ella feitas serio observadas as mes-
mas regras, tanto pela Presidencia, como pelos
particulares.
Ar. 6. A companhia responsabilsar-s-ha pela
exactilo dos reguladores que vender para o con-
sumo do.3 particulares, e no caso de reconhecer-se
inexacfidao nos mesmos reguladores, verificada
pelo fiscal da provincia, ser a com janhia obriga-
da reparal-os oa substituil-os, sob pena de urna
multa de lOf a 30, si a isso se recusar.
Art. 7.a A companhia nao poder exigir dos par-
ticulares maior paga do que 10 res, por p cubico
de gaz, ficando reservado ao presidente da pro-
vincia, o direito de alterar case preco, sempre que
o gaz fr de menor densidad, e-t.>rnar-se neces-
sario maior numero de pea cbicos para prefazer a
luz da densidade exigida para os combustores das
ras.
Art 8." A companhia dar 4s pessoas a quem
fornecer gaz, iastruccoes por escripto, formuladas
pelo seu engenhsro e approvadas pelo fiscal do
governo, prescrevendo as medidas de eautella que
devam ser tomad as pelas familias e o modo porque
se serviro ellas dos apparelh >s quelhes forem
fornecidos, afim de evitarem qualquer accidente
que possa provir da ignorancia.
Art. 9.* Na canalisacao por aluguel, ieito pela
companhia, na forma do 4, art. 9 do regla-
mento de 12 de Agosto de 1873, para o fornecimen-
to de gaz nos predios particulares, nao se compre-
bendero os candieiros, arandelas, lustros e man-
gas de vdro, que sero comprados pelos particula-
res ou aquilinos, da qaalidade que lhd couvier.
Art. 10. A companhia ter sempre limpos os vi
dros dos lampeoes pntalos todos, su ferragem
o as columnas ou bracos em que estiverem collo-
cados.
Art. 11. Cada combustor fornecer umaluz equi-
valente em densidade, a 10 velas de spermacete,
por hora.
Art. 12. a illuminaco ser numerada, cada
combustor ter o seu numero de metal estampado
no vidro do lampeSo, de maneira que seja visivel
dorante a noite.
Art. 13. Por cada combustor que se encontrar
com luz amortecida pagar a companhia a quantia
de 210 ris, por noite, e o dobro por cada um que
nao estiver accesso.
Art. 14. As multas sero descontadas mensal-
mante da importancia do que tiver de reefber a
companhia do Thesouro Proviacial, onde sero
tambera feitos os pagamentos mesma compa-
nhia. ^
Art. 15. No caso de paralysacao da illuminaco
por culpa da companhia, correr por sua conta o
exeesso de desposa que a provincia fizer com este
servico.
Art. 16. A provincia ter um ou mais agentes
incumbidos de examinar o estado do macbinismo e
canal.sacao, para evitar sinistros, prestando-se a
companhia todas as requisicoes.
Art 17. Quaesquer reclamaces acerca do ser-
vico publico ou particular, relativas illumin > para serem attendidas, devero ser feitas per es-,
cripto, datadas e assignadas e dirigidas ao escrip-
torio da companhia (officinas de gaz nos Milagres)
diariamente, das 7 horas da manb s 3 da tarde.
Disposifoes geraes
Art. 18. Todos aquelles quo dammficarem ou
inutilisarem objectos pertencentes ao servico da
iliumioacao, taes como canos, lampeoes, columnas,
registros, etc., sero responsaveis para com a com-
panhia pelo pagamento de taes objectos, segundo
os valores seguintes :
Columnas com lampeo, caaao etc. 70/000
Braco com lampeo, canno etc. 605000
Columna j collocada sem lampeo. 40/000
Braco com lampeo 30/000
Lampeo somento com vidro*. 15/000
Canno de viacao collocado 12/000
Cada vidre lateral do lampeo. 800
Cada vidro da coberta. 600
Cada vidro de fundo. 400
Art. 19. Qualquer autoridade oa corporacao,
taes.como a Cmara Municipal, inspeceo da saude
publica, etc, completamente para dirigir ao,fiscal
represeataces sobre qualque*- companhia que che-
gue ao sea conhecimento cu para pedir providen
cas e medidas que em sua aleada couberem
acerca da illuminaco publica.
Art. 20. O presidente da provincia, ouvindo o
fiscal, poder dividir a cidade em tantos"districtos
quantos torem necessarios para a boa fiscalisaco
do servico da illuminaco. Cada um d'esses dis-
trictos ter um guarda que ser nomeado pelo
fiscal.
Art. 21. O fiscal dar o preciso regulamento
ou instraccoes pelas quaes devam regular-se
os ditos guardas.
Art. 22. As despesas provenientes das alteracoes
feitas nos lampeos actualmente collocados em
virtude do 6." do artigo 1 correro por c. nta
da provincia.
Art. 23. Oas multas impostas pelo fiscal ter a
companhia recurso para o presidente da prova.
Art. 24. As autoiidades policiaes prestara o o
auxilio e intervenco ojue for pedida pelo agentes
da companhia, para que nao .sejam damnificadas
as obras e aprestos da illuminaco e nao sejam oa
mesmoe agentes por qualquer modo estorvados no
desempenho de seus trabalos.
Art. 25. O presidente da provincia, kfar n'este
regulamento os additamentos que a experiencia e
as uecessidades do servico acsnselbarem, ouvindo
a companhia.
EXPEDIENTE DO DA 14 DE JULHO DI 1886
Ac*os:
" O vice presidente da provincia asando da fa-
culdade conferida pelo art. 7 da le de 12 de
Agosto de 1834, resolve prorogar, at o da 17 do
crrante, a actual sesso da Assembla Legislati
va Provincial.Communicou-se ao 1* secretario
interino da respectiva Assembla e ao inspector
do Thesouro Provincial.
- O vicepresidente da provincia tando em vista
o officio do commandante superior interino da
guarda nacional da comarca do Becife,,do 12 des-
te mez, sob n. 303, resolve, na forma do decreto n.
5,619 de 2 de Maiode 1874, designar o 5o juis subs-
tituto desta capital, bacharel Lindolpho Hisbelio
Corroa de Araujo para fajter parte do conselho
de revista da guarda nacional, que dever reunir-
se na terceira dominga (18 do corrate), de con-
formidade com o decreto n. 722 de 25 de Outubro
de 1850.Communicou-se ao commandante supe-
rior interino eaojis substituto.
O viee-presidente da provincia attendendo
ao que requeren o tabellio do termo de Garanhuns,
snoel Thomai Villa Nova, resolve conceder-lhe
3 mezes de licenca para tratar de sua sade, de-
vendo entrar no gozo da mesma licenca no prazo
de 20 dias.
O viae-presideate da provincia, de confor-
midade com a preposta do Dr. chefe de polica em
officio n. 690 de hontem datado, resolve nomear o
cdado Joo Carlos da Silva Pexoto para exer -
cer o cargo de 1 supplente do subdelegado do
distrctn de Leopoldina, ficando exonerado o ac-
tual, Sergio da Costa Agr.
OfEcios:
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Nos termos da sua informaco de 2 do correte, n.
458, mande V. S. eftectuar o pagamento da impor-
tancia de 15/900, proveniente dos transportes de
que tratara as inclusas contas, concedidas na es-
trada de ferro do Iecife ao S. Francisco e no res-
pectivo prolongamento, durante os mezes de Abril
e Maio ltimos, por conta dos Ministerios da Agri-
cultura, Commercio e Obras Publicas, do Imperio
e da Guerra.Communicou-se ao respectivo su-
perintendente.
A,o mesmo.Sirva-se V. S. de informar, com
toda a urgencia, sobre o assmnpto do tele^ramma
junto, do Ministerio da Agricultura, Commercio e
Obras Publicas, de hontem datado.
Ao tenente-coronel Antonio Vicente da Cos-
ta Azevedo, commandante superior interino da
guarda nacional da comarca de Nazareth. Fico
inteirado pelo officio de 10 do eorrent', de haver
V. S. assumido o commando superior interino da
guarda nacional da comarca de Nazareth e o ca-
pito da 1* companhia Francisco das Chagas OH
veira, o commando do 69c batulho de infantara
do servico activo da mesma guarda nacional, por
ter fallecido, 4 deste mez, o coronel commandan-
te superior Joaquim Goncalves Guimares.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Man-
de Vme. entregar ao thesonreiro da repartifo
das Obras Publicas a quantia de 8:205/000, cons-
tante do incluso pedido, para occerrer sdespe
zas a cargo da mesma repartico, relativas ao
mez de Maio ultimo.Coiiinunicou-se ao respec-
tivo engnheiro chefe.
Ao inspector da sade do porto. Para os fins
convenientes communico a Vmc. que o Exm. Sr.
ministro e secretario de estado dos negocios do
imperio, em telegramma de 12 do correte decla-
ren me ter sido suspensa a resoluco de 5 de No-
vembro, devendo ser recebibos ero livre pratica os
navios procedentes de Brost e mais portos france-
zes entre Nantes e Cherburgo.
Ao commandante interino do corpo de poli-
ca.Autoriso Vmc. a alistar no corpo de seu
commando os paisanos mencionados no officio de
10 do eorrente mea, n. 598.
EXPEDIENTE D O SECEETAEIO
OfEcios :
Ao 1 secretario interino da Assembla Le-
gislativa ProvinciklDe ordem de S. Ese. o Sr.
viee-presidente da provincia, remetto a V. S. a in-
formaco do inspector do Thesouro de 8 do cor-
rente, n. 12, e s demais papis inclusos, coocer-
neutes ao pagamento da importancia de 27/020,
d. transportes concedidos nos trens da estrada de
ferro do Becife ao 8. Francisco, durante o mez de
Maio ultimo, por conta dos cofres provinciaes,
afim de que a Assembla Legislativa Provincial
se digne de resolver sobre a decretaco do crdito
que se faz necessario para occorrer aa referido
pagamento.Communicou-se ao respectivo supe-
rintendente.
Ao memo.De ordom de S. Exo. Sr. vico
presidente da provincia, remetto a V. S. a infor-
maco do inspector do Thesouro de 7 do crrente,
n. 10, e os demais papis annexos, referentes so
pagamento da quantia de 777/600 de passagens
dadas nos vapores da Companhia Pernambucana
durante o mez de Juaho prximo passa fo, a sen-
tenciados que seguiram para o presidio de Fer-
nando de Norenha, afim de que a Assembla Le-
gislativa Provincial te dign de resolver sobre a
decretaco do crdito que se faz necessario para
occorrer ao dito pagamento.
Ao mesmo.Ds ordem de S. Exc, o Sr. vice
presidente da provincia, remetto a V. S. a infor-
maco do inspector do Thesouro de 7 do eorrente,
n. 9, e os demais papis juntos, eoncernentes ao
pagamento da quantia de 5/800 de passagens
comedidas nos carros da estrada de ferro do Be
cife ao Limoeiro durante o mez de Maio ultimo,
por conta dos cofres provinciaes, afim de que a
Asssembl Legislativa Provincial se digne de re-
solver sobre a decretaco do crdito que se faz
preciso para occorrer ao alludido pagamento.
Ao agente da Companhia Brasileira de Na-
vegaco a Vapor.S. Exc. o Sr. vice-presidente
da provincia ficou inteirado do officio desta data,
de haver entrado s 6 horas da manh o vapor
far, proveniente dos portos do norte, o qual se-
guir boje mesmo para os do sul s 6 horas da
tarde.
Ao Dr. chefe de polica.De ordem do Exm.
Sr. vice-presidente da provincia, communico a V.
S. que, no seu officio n. 678, di 9 do eorrente mez,
proterio-se hoje o seguinte despacho :
Ao Sr. promotor publico da comarca de Flo-
rest* para providenciar como for de justica.
Ao mesma.De ordem do Exm. Sr. vice-pre-
sideote da provincia communico a V. S., para os
fins convenientes, que nesta data providenciou-se
no sentido de ser satisfeita a requisico constante
do sen officio n. 687, de 12 do eorrente mez.
Ao administrador do Theatro de Santa Isa-
bel.S. Exc. o Sr. vice-presidente da provincia,
manda remrtter copia do officio, ao Dr. chefe de
policia, de 6 do eorrente, sob n. 665, em soluco
ao de V. S., datado de 5.
Ao engnheiro chefe da Bepartico das Obras
Publicas.. Exc. o Sr. vice-presidente da pro-
vincia ficou inteirado, palo officio de hontem, sob
127, de h ver V. S. mandado passar certificado de
pagamento, a que tem direito o contratante da
obra de reparos das tres ponteg do Bio Formoso,
proveniente da 2* prestaco relativa ao orcamento
primitivo.
Ao juis de direito da comarca de Ingazeira.
De ordem do Exm. 3r. vice-presidente da pro-
vincia, transmiti a V. S. para os fins convenien-
tes, a copia inclusa do aviso de 2 do eorrente
mez, do Ministerio da Justica, relativo ao abono
de vencimentos do carcereiro de?sa comarca.
Ao juiz substituto da comarca de Iguarass.
De ordem do Exm. Sr. vice-presidente do pro-
vincia communico a V. S., para fazer a notifica-
co, nos termos indicados no decreto n. 8266 de 8
de Outubro de 1881, que por decreto de 26 de Ju-
nho findo, foi removido o juiz de direito dessa co-
marca, bacharel Antonio Jos de Amorim para a
de Pao d'Alho, sendo-I he marcado o praao de 3
mezes para entrar em exercicio
Aos membros da junta classificadora de es-
cravos do municipio de Granito.S. Exc. o Sr.
vice-presidente da provincia ficou inteirado, pelo
officio de 22 de Junbo ultimo, de haver-se reunido
no dia 21, a junta classificadoia de esclavos desee
municipio e do Ex, em comprimento da cireular
de 24 de Maio deste anoo.
Ao Sr. Antonio Marinho F; lelo (Villa de
Ouricury).O Exm. Sr. vice-presideoto da pro-
vincia manda communicar a V. S. que a Thesoura-
ria de Fazenda, segundo informou o respectivo
inspector, em 10 do correte mez, j foi recolhida
com .o respectivo juro a quantia alludida em seu
officio de 14 de Dezembro do anno passado
Matatis mutandis ao Dr. juiz de direito da
comarca de Ouricury, em resposta as officio de 29
de Janeiro ultimo.
Ao Sr. Dr. Joao Alfredo de Freitas (Becife).
De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da pro-
vincia, transmiti a V. S. o offieio junto em ori-
ginal, remettido pela presidencia da provincia do
Maranho para ser-lhe entregue conforme solici-
tou a mesma presidencia.
niqaal em
ternfc lufE
diaf4, dvt
KXPED1BNTE DO DIA 15 DE JUL1I0 DE 1886
Actos :
O vice presidente da provincia, tendo em
vista o officio do vice-presidente da cmara muni-
cipal de Garanhuns, Pedro do liego Chaves Pei-
xoto> de 15 de Junbo ultimo, em que participa ha-
ver designado o dia 21 do eorrente para a reunio
da janta classificadora dos escravos libertados,
por conta da 7* quota do fundo de emancipaco,
a'legando haver recebido no referido dia 15 de
Junbo a circular desta presidencia de 24 do Maio
anterior, relativo aos ditos trabalbos :
Considerando, como prova o recibo do certifica-
do remettido pela Bepartico dos Correios com offi-
cio dpste mez. sob n. 585, que dita circular foi
otltgue ao secretario da respectiva cmara mu-
1 em 7 de Junho, e que, portanto, houve
fficiente para a installucao da junta, no
4, d> signado para tal servico ;
Considerando que, de conformidade com o art.
3 decreto n 6341, de 20 de Setembro de 1&76
- r presidencia da provincia competente para a
d.;signacao do dia em que deve reunirse as jun-
tas ulassificadoras, resolve impor ao mesmo Pedro
do ihgo Chaves Peixoto a multa de 50/ de que
trata a 1* parte do *rt. 96 do regulamento de 13
da Novembro de 1872, a qual ser cobrada execu-
tivameate na forma do art. 100.
Resolve outrosim designar o dia 26 do eorrente
para a installaco da dita junta.Bemetteu-se co-
pia cmara municipal, ao juiz municipal e
Thesouraria de Fazenda.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereu Bellarmiua Francisco Lobo Bar-
ros, professora da cadeira mixta de Pao Branco e
tendo em vista a informaco n. 195, de 25 de Ju-
nho ndo, do inspector geral da Instruccao Pu-
blica e o parecer da junta medica provincial, re-
solve conceder i peticionaria tres mezes de licen-
ca, com ordenado para tratar de sua sade onde
lhe couvier
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereu Adelaide Rosalina Bittencourt
Barbosa, professora da cadeira de Maricota, tendo
em vista a informaco, n. 179, de 5 de Junho fin-
do, do inspector geral da Iustrucco Publica e o
parecer da junta medica provincial, resolve proro-
gar por 60 diasfeom ordenado a licenca ltima-
mente concedida peticionaria para tratar de sua
saude onde lbecon/ier.
OSeios : -
Ao commandante das armas. Remetto a
V. Exc, para os fins convenientes, a inclusa guia
de expedico de medicamentos mandados fornecer
pharmacia militar d'esta provincia pelo labo-
ratorio pharmaceutico militar, na importancia de
32/175.
Do contedo dos d'-ze volumes, em que vo
acondicionados os ditos medicamentos, providen-
ciar V. Exc. no sentido de ser feita a remessa da
quita cao.
Ao mesmo. O Ministerio da Guerra no in-
tuito de reduzir tanto quanto for possivel o nu-
mero das licencas que, com prejuizo do servico,
frequentemente sao concedidas a officiaes e pra-
cas do exercito e a empregados dasrepartieo s de-
pendentes do mesmo Ministerio, manda recommen-
dar, en aviso circular de 5 do eorrente, s juntas
de sade a maior severidade, as inspeccoes dos
individuos que forem subroettidos ao seu exame.
O que communico a V. Exc para seu conheci-
mento e devidos efieitcs.
Ao Dr. chefe de policia. Em vista da 2
parta ,4o art. 247 do regulamento do Thesouro Prr.-
vi-c'ifce de conformidade com a tabella de 10 de
Hetemwro de 1874, autoriso a despeza com agua e
luz no quartel do destacamento de Tacaratu, de
que trata V. em offieio de 1 de Junho ultimo,
sob n. 558, o que declaro ao mencionado Thesouro
para ter lugar o respectivo pagamento.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Declaro a V. S., para os fins convenientes, que,
12 do eorrente entrou em exercicio do lugar de
capello do Arsenal de Guerrs, conforme partici-
pou o respectivo director, em officio de 13 d'este
mez, sob n. 471, o capello capito do corpo ecle-
sistico do exercito, padre Leonardo Joo Grego.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
fins convenientes, que o juiz de direito da comarca
do Cabo, bacharel Francisco Teixeira de S, reas
sumi o exercicio de seu cargo a 8 do eorrente
mez.
Na mesma data deixou o de juiz de direito in-
terino da referida comarca e reassumio as res-
pectivas funecea o ju'z municipal do termo da
mesma deneminaco, bacharel Luiz Salazar da
Veiga Pessoa.
Ao inspector do Thesouro Provincial. De
accordo com a informaco de Vmc. datada de 21
de Junho ultimo, sob n. 725, autoriso o pagamento
da despeza de agua e luz com o destacamento de
Tacaratu.
Ao commandante interino do Corpo de Po-
licia. Para que esta presidencia possa resolver
sobre a peiico de Joaqnim Epiphanio de Mello,
sobre a qual Vmc. informou em officio de 6 deste
mez, sob n. 589, torna-sepreciso que esse comman-
do mande ouvir o tenente Bellarmino Pinto de
Pai va commandante do destacamento de Buique,
a quem foram remettidos os vencimentos das pra-
cas, que recrberam foroecimentos do mesmo Joa-
quim Epiphsnio.
Ao gerente da Companhia Pernambucana.
Remetiendo a Vmc. copia do aviso circular n. 3,
do Ministerio da Agricultura, Commercio e Obras
Publicas, acerca do pedido feito pelo Centro da
Lavoura e Commercio para o transporte gratuito
dos productos que tin de ser enviados Exposi-
co Sul-Americina em Berlim, cont que ess
companhia transportar, dos portos servidos por
seos vaporea, para esta capital ditos objectos, cor-
to Vme. de que o governo imperial considera esse
servico importante.
Ao gerente da Sociedade Auxiliadora da
Agricultura de Pernambuco.A' vista da requi-
sico feita pelo Ministerio da Agricultura, Com-
mercio e Obras Publicas nesta data solicito do ge-
rente da Companhia Pernambucana o transporta
gratuito entre os portos servidos por seus vaporee
e esta capital, dos productos que tem de ser en-
viados a Exposicao Sul-Americana em Berlim.
Ao juiz municipal e de orphos do termo de
Granito. Tendo me participado a junta classifi -
cadora de escravos dessx termo e do Ex, em of-
ficio de 22 de Junho ultimo, haver se reunido em
21, em comprimento a circular de 24 de Maio, ten-
do feito parte da mesma junta como presidente da
cmara municipal e promotor adjunto os cidados
Raymnndo Florencio de Alenear e Autholiano Pei
uto de Alenear, informe Vmc. se ha entre elles
grao de parentesco que os torne iocompativeis as
funeces de promotor e no easo afirmativo far
isso constar a supradita junta, providenciando
Vtr.e. sobre a nomeacao de promotor ad-hoc, nos
tsrpios da lei.
' Portaras:
A' Cmara Municipal do Becife.Acenso o
reeebimeato do officio n. 19, de 5 de Maio ultimo,
dg qual a Cmara Municipal do Becife solicitou-
me autorisacio, afim de contractar o servico fie
limpeza e asseio di cidade cem Albino Jos dos
Santos pela quantia da 24:931/421, segundo a li-
citaco em hasta publica.
Da informaco n. 29, prestada pela cmara a 7
do correte mea, consta que, at agora, se ha des-
pendido com a execuco d'aquelle servico, admi-
nistrativamente, a quantia de 34:742/790, restan-
do apenas a de 5:257/210 do crdito de 40:000/,
consignado pelo art. t 17, n. 11 da lei n. 1,862
para a despeza respectiva, inclusive a da arbori-
sacao da cidade.
Em resposta declaro que, nao tendo a cmara,
desde o comeco do exercicio Suaneeiro municipal
vigente, providenciado sobre o assumpto, como
alias he cnsapria, em vista da erpressa disposi-
cio do cap. IV, art. 5 da citada lei n. 1,862, hoje
ao findar-se o dito exercicio e com o citado crdi-
to quasi esgotado, impossivel a celsbraco de
contracto, tanto mais porque se o licitante Albino
dos Santos annuisse a 'xecutal o smente at o
fim de Setembro prximo vindouro, anda assim o
crdito, ora existente, seria iusufficiente para o
devido pagamento.
Cabe-me, entretanto, notar que ou o dito Albino
Santos pelo preco que propoz teria de iesempe-
nhar muito poaco satisfactoriamente os seus com-
promissos ou a Cmara tem dispendido exagera-
damente com o servico ora feito, sob sua adminis-
traco.
Nao podendo, pelos motivos expostos, conceder
a utorisaco solicitada pela cmara, recommen-
do-lhe que, sem perda de tempo, chame de novo
concurrentes ao dito servico por parochias, n?s
termos da ordem desta presidencia de 7 de Junho
de 1879, por espaco de seis mezes, devendo as
propostas ser abrtas logo aps a publicaco da
lei orc&mentaria do futuro exercicio para que fi-
que a cmara habilitada, coma precisa antece-
dencia, a apreciar as vantugens ofFerecidas pelos
concurrentes.
Assim tambem poder esta Presidencia, sem re-
cejo de falta de crdito, pois que o orcamento em
discusso na Assembla Provincial o consigna,
approvar, a tempo, o respectivo contracto, tendo
este execuco desde o comeco do novo exercicio
A' vista da demonstraco de despeza constante
da citada informaco, n. 29, chamo a attenco da
Cmara e recommendo-lhe a fiel observancia do
oisprsro no art. 53 da lei n. 1,791 de 27 de Julho
de 1883.
A' mesma.Becemmendo de novo Cmara
Municipal do Recife que preste, com urgencia, a
informaco exigida em officio ue 28 de Junho fin-
do, relativa declaracao do namero de rezes aba-
tidas nos tres ltimos exereicios que nao foram
expostos venda por estarem em ms condices.
O Sr. agente da Companhia Bahiana faca
transportar at o Penedo, com destino viila Je
Tacaratu por conta do Ministerio da Justica, no
vapor Marinho Visconde, um caixo mediado 24
centmetros de cemprimeutu, 17 de largura e 17
de altura, contendo medicamentos para o trata-
mento das pracas destacadas na dita villa, acooi-
mettidas de molestias que reinam n'aquella locali -
dade, segundo requisitou o commandante do res-
pectivo destacamento ao brigtdeiro commandante
das armas.Communicou-se ao commandaute das
armas.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagem r, at Natal, no vapor que
segu para o norte a 20 do eorrente por conta das
gratuitas a que o governo tem direito, a D. Domi-
tilia da Silva Terra, providenciando sobre a volta
da mesma opportunamente.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Officios:
Ao commandante das armas.S. Exc. o Sr.
vice-presidente da provincia manda communicar a
V. Exc. ter autorisado o director do Arseual de
Guerra a sat.sfazcr o pedido que acompaahoa o
sea officio n. 326 de 18 de Junho fiado, de artigos
necessarios escolla elementar do 2 batalho de
iofaataria.
Ao iospector da Thesouraria de Fazeoda.
O Exm. Sr. vice presidente Ja provincia manda
devolver a V. S., devidamente assigoados, os 17
ttulos de terreos de marinha expedidos por esta
repartico e que vieram annexos ao seu officio de
hoje, sob n. 497.
Ao mesmo.O Exm. Sr. vice-presidente da
provincia manda remetter a V. S. as inclusas or-
deno do Thesouro Nacional sob ns. 141 a 143.
Ao mesmo.O Exm. Sr. vice-presidente da
provincia manda remettox a V. S. quatro ordens
do Thesouro Nacional sob nsnST aT40.
Ao director do Arsenal de Guerra.3. Exc.
o Sr. vice-presidente da provincia manda aecusar
recebido o officio n. 471, de 13 do correte, em
que V. S. partecipa ter, 12 d'este mez, entrado
em exereicio do lugar de capello d'esse Arsenal e
capelle-capito do corpo ecclesiastico do exercito,
padre Leonardo Joo Grego.
Edital:
Por esta secretario se faz publico para co-
nhecimento dos interessados, que o Exm. Sr. vice-
presidente da provincia proferio hoje nos autos le
demarcaco e legitimaco da posse denominada
Espinhosituada no municipio de Agua Preta,
desta provincia, requerida pelo cidado Rngaciano
Barbosa Camello, a sentenca de tbeor seguinte:
* Vistos estes autos de demarcaco e legitima-
co da posse denominadaEspinhosituada no
municipio de Agua Preta, requerida pelo cidado
Bogaciano Barbosa Camell >, conliderando, de
accordo com a informico prestada pelo Dr. pro-
curador fiscal da Thesouraria de Fazenda, em
officio de 22 de Junho ultimo, sob n. 16, qne
prejudicial aos interesses da Fazenda Nacional a
dita demarcaco, visto que a ella mo assistio
agente da mesma Fazenda, e roram por ella ofen-
didos es lotes de trras ns. 81 a 88 do extincto
aldeamento do Riacho do Matto, demarcado em
1876, sem reclamaco ou opposico dos primitivos
donos da dita posse, deixo de confirmar a sentenca
proferida nos Iludidos autos pelo juiz commissario
competente.
Por esta secretaria se taz publico para co-
nhecimento dos interessados, que S. Exs. o Sr.
vice-presidente da provincia proferto hoje nos au-
tos de demarcaco e legitimaco da posse de tr-
ras denominadasTaquarinhassituadas no mu-
nicipio de Agua-Preta, d'esta provincia, requerida
pelo cidado Rogaciano Barbosa Camello, a sen-
tenca do theor seguinte :
Vistos estes autos de demarcaco e legitima-
co da posse denominadaTaquarinhassituada
no municipio de Agua-Preta, requerida pelo cida
do Rogaciano Barbosa Camello; considerando de
accordo com a informaco prestada pelo Dr. pro-
curadar fiscal da Thesouraria de Fazenda, em of-
ficio de 22 de Junho ultimo, sob n. 15; que
prejudicial aos interesses da fazenda nacional a
demarcaco feita, visto quo a ella nao assistio
ageste da mesma fazenda e foram por ella offen-
didos os lotes de trras ns. 93 a 95, 102 a 105.
lil a 114 e 124 a 127, todos pertencentes ao ex-
tincto aldeiamento do Riacho do Matto, demarcado
em 1876 sem reclaraaees ou opposico por parte
do ttevd. los Barbosa Mendes da Rocha, anteces-
sor do requerente, deixa de confirmar a sentenca
proferida pelo respectivo juiz commissario.
Por esta secretaria se faz publico para ce
nhecimento dos interessados que S. Exc. o Sr.
vice-nresidente da provincia proferio hoje nos
autos de medicao e legitima? i o da propriedade de
trras denominadasTrapicheno municipio de
Agua-Preta, d'esta provincia, da qual sao conse-
nhores Antonio Francisco Jatob Canuto e Ber-
nardino Be2erra da Rocha, a sentenca do theor se-
guinte :
Vistos estes autos de madico e legitimaco da
posse denominadaTrapichesitiada no munici-
pio de Agua Preta requerida em 18S7 ao respec-
tivo juiz commissario por Antonio Francisco Ja-
tob Canuto e Bernardino Bezerra da Bocha ; con
siderando que pelos documentos d fls. 68 e_ 17 foi
verificada a cultura effectiva e morada habitual e
citados os heros confrontaotes ; cousideraudo que
os demarcaotes compraram a dita posse n'aquelie
anno aos primitivos ocenpaotes, que ahi estabele-
ceram-se em 1851 (documento de fls. 23 a 25), e
considerando finalmente, pelos documentos de fls.
24 e 26 que est provado o pagamento da sisa,
pelo de 21, que foi feita a rectificaco requeri-
da a fl. 20 e que do de fl. 27 consta a declaracao
para o registro das trras da mencionada posse,
confirmo a sentenca de fl. 28 v. proferida pelo
juiz commissario competente, e, approvado como
approvo, de accordo com o parecer do Dr. procu-
rador fiscal da Thesouraria de Fazenda, em offi
co de 9 do Junho ultimo, sob n. 13, a melico e
demarcaco de fls. 9 a 17 v-, hei por legitimada a
posse dos requerentes e mando que se Ihes passe o
devido titulo, satisfeitos os direitos do art 11 da
lei n. 601 de 18 de Setembro de 1850 e pagos of
emolumentos legaes.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 21 DB
JULHO DE 1886.
Arsenio Augusto Magalhaes e Francisco
Tarares da Silva Cavbante. Conoorra
nova praca.
Alexandrina Marques Mascarenhas de
Souza. Id tormo o Sr. inspector do The-
souro Provincial.
Antonio Adalberto Gomes Penna. In-
forme o Sr. presidente da Junta coramer-
cial.
Bianor de OH veira. Requeira ao Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda, a
quem cabe tomar conhecimento do assump-
to.
Fielden Brothers. Aguardem o crdi-
to hoje solicitado do ministerio da guerra.
Dr. Francisco do Assis Kosa e Silva,
Joao de Araujo Livramento, Jos de Arau-
jo Livramento e Jos Lourenco da Silva.
Informe o Sr. inspector da Thesouraria
de Fazenda.
Fausta Pergentina de Lima Barros.
Apostillhe-se.
Ismael Graudencio Furtado de Mandon-
es. Concorra nova prags, servindo da
base o abate de 24 |0 offe-recido pelo sup-
plicante.
Dr. Joaquim Oorreia de Araujo. Re-
mettido ao Sr. inspector da Thesouraria
de Fazenda para attender, de accordo com
a sua informaco n. 489 de 18 do corren-
te mez.
Mano el Cavalcante Coelho. Informe o
Sr. inspector co Thesouro Provincial.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, em 22 de Julho de 1886.
O porteiro,
J. L. Viegai.
Repartido da Polica
Seccao 2.'N. 716. -Secretara da Po-
lica de Pernambuco, 22 de Julho de 1886.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram recolbidos Casa de DetencSo
os seguintes individuos :
A' minba ordem, Joo Bafinn de Alm e Cae-
tano Al ve- de Souza, vindos do termo da Victo-
ria como criminosos.
A' ore n do subdelegado de Santo Antonio,
Candido Pereira da Silva, Manoel Jos de Olivei-
ra, Jos Thomaz de Lima, Francisco de Souza
Ferraz e Pedro Francisco Ferreira, por distur-
bios.
A' ordem do do Ia districto de S. Jos, Calisto
Jos Pereira Leite, por disturbios.
A' ordem do do 1 districto da Boa*Vista, An-
tonio Leopoldiao Pinto e Emiliano Joo dos San-
tos, por crime de fenmentos.
A' orden i do do Io districto da Graca, Jos Do-
mingos do Espirito Santo, por crime de furto.
Hontem, s 7 1/2 horas da noite e na fre-
guezia da Boa-Vista, travando -se de razoes os in-
dividuos de nomos Jos Paulo da Costa e Silva,
Antonio Leopoldino Pinto e Emiliano Joo dos
Santos, resultou sahir oprhneiro ferido levemente
pelos dous ltimos, que foram presos em flagrante.
Contra os delin-juentes abri se inquerito.
Pelo subdelegado do 2 districto da Graca,
foi remettido ao juizo competente o inquerito po-
licial a que procedeu contra Canuto Augusto Ga-
mberro por haver ferido a Francisca Mara do O'.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
O chefe de poli ;ia, Antonio Domingos
Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 22 DE JLHO DE 1886
Geneiano dos Santos Selva e Antonio
Gomes Porto. Deferido, ficando irres-
ponsavel o supplieante pelo debito anterior
do estabelecimento n. 16 a ra do Livra-
mento e n. 8 a ra do Vidal de Negaei-
ros, no qual prova nao succeder.
Antonio da Silva, Manoel Cavalcante*
Coelho e contas do collector do Cabo: -*
Ilaja vista o Sr. Dr. procurador fiscal.
Antonio Jos de Soasa. Restitua-se,
Joao \ureliano Lins A'ves- Deferido,
ficando irresponsavel o supplieante pelo de-
bito do ostabelecimento n. 7 a ra do Li-
vramento, visto ter pago o debito dos exer-
eicios de 1884 885, a que refrase o
despacho desta junta de 17 de Junho ul-
timo.
Alpheo Soares Raposo. referido, sen-
do traeferidas as apolices, que serlo para
isso exhibidas contadoria.
Manoel Jjaquim de Araujo. Nao ha
que deferir a vista das informacSes.
OfEcios do Dr. procurador dos teitos.r
Informe o Sr. Dr. administrador do Con-
sulado.
Jos de Asssumpcao Oliveira. Satis-
faga a exigencia da contadoria.
Manoel da Gloria Cavalcante de Araujo,
e Alfredo Adolpho Ferraz da Costa. Re-
gistre-se e fa^am-se as notas.
Tenente-coronel Jos dos Santos Silva.
Deferido, tomando-se pelo termo afianca
offerecida.
Dionysio Pacheco da Silva. Deferido,
dando-se baiza no debito da casa n. 22
atravessa do Pacheco, visto achar-se as
condices da lei n. 1544, como foi de-
clarado por despacho da administracSo do
Consulado de 9 de Dezembro de 1883.
Officio do Dr. procurador dos Feitos-
Informe o contencioso.
Alexandrina Marques de Mascarenhas
Souza e Antonio Berardo de Lima Men-
des. Informe o Sr.' contador.
Dr. Jos Austre^esilo Rodrigues Lima
e Affjnso Lucio de Albuquerque Mello.
Facam-se as notas da portara de licensa.
Jo5o Bezerra Cabral e Ntcas da Silva
GusmSo. Junte-se copia das inforraacrJes.
Barao de Araripe. Volte ao contador.
ILEVl
__



y
Diario de PernambueoSexta- fcira 23 t Julho de 1886
PEMAMBC0__-
AsscnAla Provincial
50. SESSO EM 4 DE JUNHO DE 1886
.IES.DEHCIA DO.X-. R. OS AHOB. DE BSEOS
WANDERLEY
ummabio :brese aseado. Leituraa appro-
vacuo da aat* da.aessio a*te<*d>ute.
ExpedienU.Cotowa5o da djseuasio
do requeivMto *>r. Andr Dim so-
bre os dend..j do sargento 4o des-
Ucau.ei.to 4a Yctora.-p.sio dos
Srs. R." Salva e Andr 0*aav~ Ke-
geico do requeiimuutA.. Leilura e
apoiameuto de um eqa*rixeiUo do r.
Jos Mari pedindo copia de um tele,
gramma.-l- prte da ordem do da
outinuacio da 2- discusso do projecto
n. 43 d'este anno.-- Leitura e apela-
mente deea.endao.-Votae.ao.-2' parto
da ordem do dia.2 discusso dojro-
iecto n. 87 deste anno-Approvaeio.
2a discuti do projecto u. 27 deste
-Diae-irso do Sr. Juvencio Man.
anno.-------------
__Eucerrameuto da discus.-ao e aia-
roeiito da.votoco. Final da seasio
Ao meio da, feita s chimada e verifi jando -se
estareu presentes os Srs. Ratis e Si'va, Antonio
V.ctor, Lu.x de Andrada, Rodrigues Porto, boares
de Amorim, Joao Aires, Sophro.no Fortella, Via-
conde de Tabatiega, Rogoberto, Costa bornes,
Costa Rib ir.>, Barde d Itapissuuia, FerreiraVel-
losa, ConstoOtioo de Albuquerqu-, Barros Ww-
drrley, Barros Barrete Jnior, Reg Barros, An-
dr Das. Juv.neio Mariz, Regueira Costa, U>elno
de Moraes, He culano Bandeira, Prxedes Pitan-
ga Ferreira Jacobina, Solonio de Mello, Jos Ma-
na eJoo de Olivera, o Sr. presidente declara
aborta a sessao. -__.
Comparecen. d pois os Srs. Gomes Prente,
Drunsmond, Bardo de (Jaiare Augusto rrnkl'n.
Faltara os Srs. Rosa e Silva, Goncalves terroi-
ra, Amoral, Jlo de Si, Julio de Barros, Dorain
gu-s da Silva e Loo-anco de S.
C iiin esem dbate approrada a seta da se-
gas antecedente.
OSr. l'seoretario procede a leitura do seguate
nistracdo da provincia e ao Sr. Dr. chefe de poh-
a fawado-oV reepeasaeeis por easas P*qn"
?ouaaTV essas questiunculas que se dao fre-
quentemente as localidades. j.alipiifi da-
Eu Sr. presidente, cerno depuUdo daquelledis
tricto me cumpria dizer alguma cousa a respe.to,
S "orando tudo nada disse nem polie d.ser
nW.ela ocoasio, aguardado "fe'^ -Je
me autor.saaseu. a fallar sobre a materia. Effeeti va
mete** solicite, do Sr. Dr. chefe de polica, eom
aaera ote entend, e este mewev.-rou que na, sa-,
6,adaoousaegom*i que tuina reeofeido co.u-
muaies*"10 *cial alguma.
S. Exc., r. p.-eatante, omprobeode. a aasem-
blatembem sabe, aae quando se dio (actos gra-
vea, iaetos de eerte ordam, eltoe,ao ficam sem
s-r mwito falladoa e coinmeutada, e as autoruj*-
des inferiores os commuateam i ai
oeriare.
" A razio de nao ter vindo essas eoniuni cacos
foi Ido somente porque o tacto de .ae se trata,
nada valia, era insignificante e sem importancia
alsuraa. ,
Eu comprehendo, Sr. presidente, que quanio S3
dao tactos, que trasera abalo, perturbado da or-
dem publica, desses tactos eom effa.to, a assem-
bia se deve occupar, ieve pedir providep
contra clles. Mas quaudo se da) MCtps pequeos,
como tai ese, a assembla nao se ha de tornar
e,n tribunal correccional, no h* de tem-tr contal
de tudo uuanto se der por ahi, e nem a adminis-
co nem o chefe fia polica, podera ser responsa-
veis por semelbantes bagatellas.
O Sr. Andr Dias-V. Ere. entilo acha q:ie este
faeto pequeo, nao tesn importancia alguma
O Sr. Ratis e Silva \cho que foi nsigmuc.
soldado do
te.
EXPED ENTE
Um offieio do secretario do governo remetteado
urna peticio da Cmara Muuicipal da Escada re-
queren lo construoea) da pona da Barra e ura
auxilio para a construecao do cemiterio.A eom
misado de oriniento provincial.
Ou'ro do de Amazonas aecusaudo a recepcao
dos Annaa de 1SS5 e remetiendo urna coUeccao
das leis d'aqnetla provincia, do mesmo anno ln-
teirada a archivar.
Outro do do Rio Grande do hu aecusando^a re-
cepoio ds Annaes de 1885 e declarando nao re-
me'tter as leis daquella provincia do mesmo ai
por nao ^c terem imDreasas.-Inteirada.
Urna peticio Ja profesora Argemira Guilher-
mina Fetcsa Brekenfeld, requwnde a conce.sao
de dm auno de licenca cim veneimentoa.
misa-c de Petic.-s.
i Outra de Eduirdo Antunes de AlbuVirque
HeUo, rscrivao d crime e jury de Cimbres, reque-
rendo qu se determine na oreamento municipal
a qnem destinada a verba de 500*000 de custas.
A' cemmissao de orgaroento municipal.
Outra de ..eaquim Vieir.i de Souza, arrematas-
te de impatos muuicipaes da comarca de Bom
Couselho, requer.-n.te o abite de metade da quan-
tia. .nrqoaato as arrematra.-A commissao de
ercamenio municipal. .
S-o lidos, apciados e ficam adiados os seguintes
nareceres por haverem pedido a palavra sobre o
primero o Sr. JcSo de liveira, e sobre o segundo
os Srs. G. Prente e P. Pitanga e Jos Mana.
A commissao de peticas teado examinado a
de Francisco Emygdio de Gusmao Lobo, reque-
rendo privilegio exrlnsive par* montar urna fabri-
ca a vapor e moinhos de triturar o trigo
provincia.
Ceoeidcand. que as machinas da moer
go nao acmlo invencao do supplicante nao _pode o
seu trabalho ser privilegiado, e que um privilegio
peroctuo exeederia a previsao da sociedade con
A informavj que tive, toi que um
destacamento, alias franaino e fraco, catava
em lucta eom urna raulh. r sua amazia, a rsta
foi aos testculos do soldado ; no aperto em que ae
achava o soldado, grita por aoccorro ; appareceu
o sargento do destacamento, e dirigmdo-se a mu-
iher d-ihe duas chibatad .s, para que deixassse
livre.o soldado .
O Sr Audr DiasEutio isto um faeto mag-
nificante ? -j
O Sr. Ratis e SilvaE'. pois nao ; toi urna pe-
quena lucta entre o soldado e sua amasia, do qu..
u5o resultou ferimento.
Se as autoridades superiores, nao tiveram no-
ticia do faeto de que fallou o nobre d-futadj,
c^ino se traz para este recinto, umi accusacaT tao
grave ao presidente da provincia e cb"te de pli
ei* fazendo-os responsaveia por cachaoe^ qu se
dao as localidades ? D'iato compute a autori la-
do local, conhecer e providenciar, nio vem d ah
responsabilidaie s autoridades superior
O S-. Andr DiasColloque-se V. Esc. nocas?
dtfsse amigo.
O Sr. Ratis e Silva Creio q-ie a pmlaoe nao
tem lugar.
Ditas estas palavrs ''ir satisface somente a .
Dr. Jos Maria e ao meu c impanheiro d" distrieto,
sento-me certo de que a aceusajao foi Bvbee modo
injusta e. que as autoridades su-j-riorea nao pod-m
ter a menor r-sp.nsahili la l- .-ra um faeto d e-ta
ordem, que considero insignificantissimo, cuj > eo-
nheeimento e procidencia compete 4 polica lo-
cal.
O r. **r ia Si* devolvau o sea
dis'-nrso.
Niaguem mais p-dind.i a palavra, eneerrs -
9 i I Uo.ann?A A r..iii !
emendas, urna \es qna j ioram aceitas amia,
deviam ser aceitaa outraa. E' extraordinario isto !
Pois a mesa tendo errado urna ves, timbra em
perseverar no raesm erro, tendo convcoo de
que errou ?
A meaa pode deliberar como quizer ; mas en-
ttndo que o regiment foi ferdo em sua lettra ;
emendas de 8erv;os differentea e que nao disem
respeito a receita e despezas, nao podem caber
no art. 3. : a as i u estava esperando que o nobre
relitir di enanisio de tsenla viesse 4 tribu-
na e easa qual era a sua opnio em
j^ac i-'udas offarecidas a seu trabalho.
Mas a t-\plie .04* que a commissao nos da o si-
\amf\'. a wadez. osen unici argumento a bru-
mMdade du vo:
^p,m i rL.vv.mo-. d? aa'jer a maneira de votorr
aa wi emaoda ooavciiiwate a fioancas da pro-
viaeia ou nao ?
A. sobre commiaato, que tem estndado especial-
mente eate servioo, que deve vir tribuna e dar
o seu parecer sobre as emendas ; mas, como a
coramisao nSo o taz, c eu, cjmo depntado, me
iropus a obfiga^io de vir discutir o oresmento
at onde chegaseem as minhaa foreas, nao tenho
remedio senao vir declarar a V. Exc, qne nao
posso dar o.meu voto ao art. 3., e nem to piuco
a emendas i meramente estranhas materia or-
camentaria.
O art. 3 e as emendas relativas, como todo o
projecto de oreamento, em lugar de pregtar um
gervico as naucas da provincia, muito pelo con-
trario atraa-Hs, damnifica-as.
A commissao, consultando a lei do oreamento
vigente, aproveitou d'elte quanto lhe conveio
mas era relami a diaposiijoes benficas, a commis-
sao elirainod on altern tudo.
Aasim que vemos eliminado deate projecto o
art. 21 da lei de 1884, que o orcxraeuto vigente
mandou vigorar ; mas i commisaaio gupprimio o
art qu" diz (le).
V. xc. deve saber, como a caaa tambem o sa-
be, que na ortica, rauitos empregadoa que sub-
sttuem a outro, embora s-i* este de catbegona
superior e de ordeuudo naior, aquellea recebes
giatieacao e ordenado ; mas a lei do anno paa-
gadr, para Impedir ieso, determnou que o empre-
gado qae fosse substituir aquell
nesta
o tn

perpctU'
tempornea ; ,.
Coaaiderando que os trabalhos agneoias-pao po-
dem eatar sujeitas a onua como pedido e que oa
favores que pede o supplicante escedem As attnbui-
toes das asaemblas provineiaes, de parecer que
aeja.tata peticao indeterida.
Sala das commisso s, 21 de Main de lasb.Ur.
A. Coste Gomes.Dr. Ferreira Velloso.
A commissio de peticoes, tendo examinado a
do engenbeiro de Manch. ster, ltieliard Zfier pe-
dindo isenco de impostos e direitos para as ta-
brioas de fiar, tecer e eatampar panno de algodao
que dia pretender montar nesta provincia.
Censiderdndo que a le provincia, a. ltuu de ia
de Junhode 1871 innovada pelado n. io9b de
21 de Jucho de 1881 e msntiia pelos decretos na.
6010 de 20 de Outubro de 1875 e 11 de Marco de
1882 conceden privil.-gio exclusivo 'i Antonio Va-
lentim da S:,va Barroca, para consruir e explo-
rar fabricas de fiando e tecldos da algodao nesta
proviac-ia cu.io nivilegio se eatendexi ate 13 de
Outubro de lsO.'j, e
I uusileraudo que, nioobatante esentraves que
tal ooueessao trasera A tabricacao do panno de al-
godao e a liberdalo. Je industria, devem er mau-
tidaa aa lei e oa decretos cima, de p .recerque
geja indeferida.
Sala das commisso -a, em 10 de Mato de lSe.b.
Dr. Costa Gomes.C.a'lho de Moraes.
E' lido, apoiado, julgado objecto de dlibera-
Cde e vai a imprimir sendo dispensado da pubiica-
ia em avulso, a requerimemto do Sr. Kegueira
Costa, o seguinte projecto u. 9f.
A Aaaerobla Legialativa Provincial de Peruira-
buco, re=o!ve : _
Art. 1.' Fica creada no term de S. Bento una
freguezia s..b a invooaedo de iSossa Senbora da
CoBceicao de Canhotiuho, a qual ter os seguintes
limites: ......
S I. A linha diviaona partir da barra do ria-
cho Manaean, no sitio Caivete. divi cia de Al.gaa cornada Pernambueo, cm rumo
norte at eueontrar a serra do Boi, cojos cumes
pereorr-ra, seguindo a divisa das aguas que vei-
fem para o ro Pirangy, de um lado, e do outro
para o rio Canhoto at aieancar o aitio Ponte Que
brada em frente a caaa que foi do eoi-onel Med,i-
roa.
D'ahi a linha acompanhar a estrada que, pas
aaodo p-lo bitio Cascudo b nejo Salobro, vai ter
-. guio sauto Antonio na margera do nacho da
ZiU, ponto de divisa eom a freguezia do Alt>-
nho de onde prcorrendo a divisa cura essa fre-
gueiia at eueontrar a fazer.da velha do Boquei-
rao, teguir estrada que vem do Altmho, paa
aaodo pelo povoado Lagede, que continnar a per-
tencer freguesia de S. Bento.
Do Lagedo, seguir a linha pela estrada qoe vai
ter ao Jupy, povoado que ficar pe meando n.-
va freguezia de Canhotinbo e seguindo pela estra-
da que vai para Garanhuna passando pelss sitios
Jenipapo e Olbo d'Agua Preta, ouj*a casas, quer
de um, juer de outro lado da estrada, ficarao
pertencendo nova freguezia, ir ter a insrg-m
d) rio Canhoto no limite da freguesia de trara
nhuue. ,, ,
D'esse poatj a linha descera o rio Canhoto e
paasando por Pitombeira ir ter a Cachoe;rioha
onde abaudonando o rio, seguir a longo da es
irada que paseando pelo sitio Varznha, vai sahir
na estrada velho de SambahyDa e segurado esta
at a Lagoa de Angelim, ir encontrar a estrada
de Palmeira Garanhuna, que ser tambem per-
corrida atraveesanio a estrada de ierro, em rumo
direito paseagem do Angelim, no gibo do fcnads
Jos Ignacio.
D'esse local tomar a linha divisoria rumo, paa
aando pelo aito Perypery em direcedo ao engenho
velho do finado Azevedo e aeguindo pela estrada
para Coquinho at encontrar a encruzlhada exia-
tente na meama estrada, ahi tomar o camiohoda
direite, de modo a ir pasear no aitio do Velho Ge
raido e encontrar o riacho d'Ara pelo qual des-
cera at a diviaa da provincia das A4ag0as.
D'ahi a linha percorreA--a diviaa existente ntre
aa proviaciaa de Alagaa e Pernambueo, at en-
contrar de aovo a barra do riacho Manaean, ponto
de partida daa limites cima aaaignalados.
Art 2. Picam revogadaa aa diaposicoes em
contrario.'F. A. Regueira Costa.
Entra em digeussao o requerimento 4o Sr. An-
dr Dias aobre oa deamandoa do aargento do dea-
tecamento da cidade da Victoria.
0 0r. umtim llmSr. presidente, na
esaio de quarta-feira, o meu amigo o Sr. D-. Jos
Mara, orando, eatranhou o adencio deata banca-
da, aeirca de urna aecuaaco que levanten o meo
collega e oompanheiro de diatricto, ofir. Aor
DiaTa administraede da provincia, eom retado i
nm faeto insignifloaate, que se deu na cidade da
Victoria. .
S. Exc levnntou urna acre accosaco a admi-
a discasao e proceiendo-se votacio, r-je ta-
do b requerimento.
E' lido e apoiado ficando sobre a meaa para ser
discutido em terapo o reguinte r.queriraento :
o aequeir^ que so solicte'cpia de telesramm v
eo-iado pela presidencia da proviucia, sobre o
er-o d'eata ssembla.Jos Mara.
Vem mesa, enviado pelo Sr. deputado Ferreira
Jacobina, um esamo pwdua.do no intuito de mos-
trar que os editores elimidados no 2- districto e
a inulusdo de outrpa cjdadaos no aligtameoto do
supra citado dstricto. o torain de conformidad,
eom a lei.
Paasa-se
1 PAUTE DA OBOEU OO DA
Continua a 2a discusalo do projecto n 43 d-ate
anno. .
Vem mesa, sao lids e apoiadas e entrara con
juuctamente em discu=sao a* seguintes emendas :
N. 180. Onde couuer :
Fiuim prorogadoa por maia tres annos, dep.is
de fiudos, os contractos teitoa eom Augusto Oeta
visnno de Souz, Aurelio doa Santos Coimbra, An-
tonio da Silva Florencio, Antonio de Vasconcelos
Florencio, Joao Sepomuccno da Silva, Joao Gui-
lherme de Azevedo Lyra & Sobrinhos e Jos Cor-,
deiro doa Santos, arrematantes de disimos de gado
vaceum, cavallar e mii.r, sem o meuor ouua para
os supracitadofl arrematantes. Joao Alves.
Constantino de Albuquerqae. -Rodrigues Portel-
Gomes Prente.Coelho de Moraea.Luiz de An-
drorta Juvencio Mariz.Jos Mana^-Hereula-
no Bandeira.Antonio Vctor.Coata Ribeiro
Regueira Coate. Solonio de Mello Sopbronio
Portella. .. .
N. 181. Onde couber. Fica o presidente da
provincia autoriaado a aposentar o empregado da
Santa Casa de Misericordia, Francisco Gomes
Cas-ellao, cora os venciraentos que actualmente
percebe, de accord eom a raesina Santa Casa.
Vicario Augusto Franklin.Jodo Alves P. G.
Ratia e Silva KogobertaG. de Drummond.
N. 182. Artigos ndditivos.Art. Io O thesou
reiro das loteriaa ordinarias da provincia podera
elevar os respectivos planos, mediante approvaedo
do presidente da provincia, tazendo corapr. Ii l-
der em urna s lotera parte de diversa; conces
aoes, observando em todo o cso a ordem de pre
fereucia eatabelecida na le do oreamento do res-
;..ercoberia a
gratfieaedo, e nao o ordenado ; maa a cmaST^
sao, nao sh porque razio, querendo augmentar
venc mentes aos substitutos, e assim prejudicar
as financas da provincia, fez eliminar este arti^p,
.!e maneira que o empregado que de hora em
diente substituir a oufro, n:v> tora s a gratifica-
cao, mas tem o ordenado, cano suceedia antes.
Eu p-'co a nobre cominiesao que venha di*r-
noa qual foi a razio que teve para eliminar este
artice da le vig"nte.
N.l i espete que acomir.ssao attenla aos raeus pe-
didoa repetidos por raaia de uma vez, msaao menoa
em Httencio a eata provincia que nos est con-
templando, a commissao tem o dever de vir ex-
ternar o seu neasainento. porque na ignon
dos mo i vos que levaram a;commissio a proeeder
por esta forma, s me pirece aue nlo obrou eom
o devido criteri.
Nio emtiiiue a commissao ni seu mutismo, pois
lera o dever de defender o sea trabalho, que deve
ter tido por bise, um estudo gdno dos mtereasea
d< provincia.
Se o humilde .orador nao merece a attencio da
commissao, merece eata provincia que tem o di-
le ser zsladoa 8eus intoresses pelas seus
mandatarioa.
A nobre commissao eom o seu revolucionario
projectj, atea de desorganizar tudo, quer acabal-
as iiossaa melhorea mstituicoea. -
Diz o nobre depntado : cenaura-ae a coramsaao
por tudo ; nlo, nos nao cenauramos s pelo praz^r
de censurar, pedimos explicacoes ; damos a nosaa
opinio, que nao teremos duvidas em refrmala,
ae aa xpiicacoeada commiasie juatificarem aquillo
qu na temos como ura attentado.
A' commiaao. porm, tapa os onvidos e emmu-
doce, o que nos deixa convencidos que nao tem
jubtificaco possivd o seu trabalhe.
Sr. presidente, eu nao continuo porque vejo que
baldado, mas em todo o caso remetto uma emen-
da era relacao ao art. 3 que diz : (l)
Mando mais outra emenda para ser collocada
onde convier : (l)
Eu aeho que urna medida til. Se havemos
de mandar aposentar lentes, cujas cadeiras sao
supprim-das, elles qne fiquem addidos ao Gym-
naeio e que aejam mandados para aa cadenas que
torera, vagando.
Porque razao ha-de ae nomearem novos pap
sores, qnando os que regiam as cadeiras auppci-
midas no Gymnasio, estdo addidos ao meam a
espera da collocacao ?
Anda tenho outra emenda para ser eollocatta
onda conyier : (l) J:
En a* trago emendas revolucionarias ; ^^J""-
mem do governo, e portante aeho quo a auppfes -
sao de dous empregadoa em cada reparticao, uma
medida til.
Anda tenho outra emenda, (l). .
Eu nao sei porque razao a commiaado efimmou
o art. 4-. _
Silo <'8tas as emendas que tenho a oflerecer a
e3se artigo, porque outroa jtemapresentado gran
de numero dellas; espero que a commiaao nOo me
tome por iu.portuno, pois, que eu dase desde
principio que nao aeeitava o seu oreamento tal
qual catava confeccionado.
Aasim, tendo-me maniteatado conforme as mi-
nbas foreas me permittiram. aguardo o proced
ment da caaa em ekcdo aa obaervacoes que
acabo de lazer, e as emendas apresentadas.
pectivo exeroicio.
Ar'. i. Desde que fr elevado o capital do pia-
no pasaar' a ser de 10/. o imposto sobre pre-
mios maiores de 200$, e de 10 paito do plano actual, a commissao do thesourei-
ro suj-ita a todas as despezas da, extraccaoGo-
mes PrenteCoelho de Morafes.Constantino
de Albuquerque.
. 184. Onde conver.O presidente da provin-
cia nao podera fazer novas nomeacoes para as re-
partieres publicas, doa lugares que forera vagan-
do, at o numero do doua, excepto o de chefe, se-
cretario e thesoureiro.Barao de Itapissuma. -
Jos Mara.
N. 187. A> art. 5-. Supprima-se.Barao de
ltapissnma. Jos Maria.
N. 188. Onde conver. Oa profeaaorea do Uym-
nasio, oujaa cadeiraa forera aupprimidas. ficar.
addidos no raeamo estabelecimento para serem n -
meados lentea das cadeiras que torem vayan a -,
inclusive h de ng'ez, cuj ultimo concurso fiea de
nenhum effeitoBaro de Itapissuma.Jos Ma-
l. 189. N-.8 diaposicoes geraes. Fie i a Santa
Casa de Misericordia do Reeife, autora ida a con-
trahir um emprestimo at a quantia de 60 contoa
de ris, podendo eaucionar este emprestimo cora
seua ttulos. -Ratis e Silva.Sophronio Portella.
Vctor GorreiaGomes Prente.Uonstantino de
Albuquerque Ferreira VellosoJulio de Bar-
. 190 Sas diaposicoes geraes. Fica a SanU
Casa de Misericordia exonerada de repartir eom a
Colonia lsalwl a renda do patrimonio doa or-
pfcosRatis e Silva.
N. 191. As gratifieacoes aos empregadoa do
Theaouro, encacregados da temada de coutas das
loteras, nao ser de importancia maior da que
actualmente.Costa Ribeiro.
N. 192. Fica a junta da Santa Casa de Misen
cordia autorisada a regularisar os vencimentoa doa
empregadoa doa diveraoa eatabelecimentoa de ca
ridade a seu cargo, aupprimindo oa higarea que
torera excessivos e elevando oa dos empregadoa
que estiverem mal pagos relativamenteBata c
Siiv* S-.phronio PortellaSoarea de Amorim
Coelho de MoraesVictor CorreiaGomes Paren-
te Oonstantiao 4e AlbuquerqaeFerreira Vello-
soJolio de BarrosLuiz de AndradaRodri -
guea PortoDomingues da SilvaJoao Aires
Augusto Frankiin.
N 193. Supprima-se o art. 5-, vigorando a le
que rege a materia. Dr. Pitanga.
O 8r. Barao de IiftplnaanaSr. pre-
sidente, ndo goeto de vir A esta tribuna, e s as-
sumo ella qnando aou toreado a iaao, como no
momento actual.
K emendaa ao art 8. teem aido remettidas em
grande numero e aceitaa pela meaa, e eu eapera-
va que a nobre commiaao de oreamento tomasae
a palavra para dedarar casa qnaea eram as
emendas que aeeitava e quaes as que nao podia
aceitar ; mas a nobre commissao de oreamento
tracen a rote que deria seguir, e d'ahi nio se
afaste ; ndo quer dar a rato por qoe se annnl
lam ser vicos, nem to pouco o motivo por que no-
vos servicos se estebefeeem.
E* questdo do voto, > voto simplesmente ;
oquero porque poseo, porque bou maioria.
Eu vi, 8r. presidente, que V. Ere. aeaba de
aceitar emendas inteiramente eatranhas ao art.
3.*. Vi nesta lesaio a meaa declarar que aa
O Hr. Coste Bltoelro-(So devolveu aeu
discurso)
< Hr. ornen PrenleSr. presidente,
tenho n .tado que o nobre deputado pelo 8- ds-
tricto, na impugnaedo do projecto de oreamento,
sera querer molestar a commissao, todava tem
sido i)justo para eom ella.
0 Sr. Barao de ItapissumaNao tem aide esta
a minha inteneao. a
O Sr. Gomea PrenteSalvo a ntenjo de V.
Exc. Mas anda boje o nobre deputado raagW
me em extremj quando disse que a commissao
tem desbaratado oa dinheiros da provincia.
Ora, Sr. presidente, creio qne ainaa nao houve
uma commissao de oreamento que foase tao ata-
cada, to combatida como a actual, e iaao porque
propozcom o fim de equilibrar o opamente va-
rias medidas que importavam diminuicdo d^ dea-
P Era auaa accusaces chegou o nobre depntado
a dizer que a commiaao aumente pela vaidade
de presentar um saldo havia desorganisado
aervicoa prejudioan*) os mtejresses pblicos.
Sr. presidente, no ha maior injustica; nio toi
a vadade que dominou a commissao de oreamen-
to. nem to" pouco o deeejo de prejudicar o nte-
reae de alg'in.
lnspirou se a commissao nos sentimeDtos pa-
triticos de bem servir a provincia, e as medi-
das econmicas que propoz nao desorganisou ser-
Vico algum.
Vivemos no regimem dos demU desde o anno
do 1883, e a divida da provincia vai aasumindo
proporcoes assustadoras; neate estado de coasaa e
preciso parar e convm extinguir aquellas verbas
de despeza, que sao desneesssanas.
Foi o que fez a commissao, sem entretanto dea-
organisar servicos, salvo aextincedo do intrnate
do Gymnasio, por se ter tornado intil, sendo pre-
indicial. ,
Trata-eo, Sr. preailente, do art 8 do projecto.
Neste artigo, que est inscripto sobre a apigra-
pheDiRposicoes geraesse manda vigorar al -
guns artigos de leis anteriores, que devem ter
execuedo no futuro exercicio.
A eaae artigo foram offerecidoa multes additi-
vos^, maa me parece qoe nao occaaio opportuna
para aerem tees addrtivo discutidos e votados.
(Apartes). ,. ,
N:-.o teem elles relaco aliruma eom o objecto de
qne se trata no artigo em diacuaado, e por iaao ?6
depois da votaedo do projecto que se peder ad,
mittil-oa senao foaaem contrarios ao regiment.
D'entre ae emendaa e additivoa apreeentadoa en-
contr dous que teem relaedo eom o art. 3, que se
acha em discosso: um apresentado pelo nobre
deputado pelo 3o districto, em que manda vigorar
a dispoaco do art. 21 ds lei de 1884, e que ae re
fere gratificando qne vem perceber oa empre-
gadoa publicoa, quaadp aubatituem a outroa je ou-
tro foi apresentado pela commiasio, em vrrtude do
qual ae manda vigorar o art. 24 da meama le de
1884, que se refere frequsucia dos alumnos as
aulas do Gymnasio
Este art 24 determina une a aula do Gymnasio
qne to tiver de frequenea mais de 10 alumnos,
o respeetivo professor perder a gratificscdo.
Este medida parece conveniente e justo, e eon-
va. que aeja mantida. .___'
Com reteedo emenda do nobn deputado, ea-
tou de perfeito aoeordo eom ella e aceito; porque
o empregado publico, que snbstitue a ouUo, aao
pode perceber duas gratt&catoes, a propna
substituido. -1
O Sr. Baro de ItapiaaumaAgradeco a V.
Exc.
O 8r. Gomes PrenteDevo, porm, dizer :o
nabre deputado, que nSo me passou desspercebida
essa disposico.
No principio da aeaado foi apreeeutado a eata
aaiembla um projecto que conc-dia liconcaa com
todoB os vencimentoa a empregadoa pblicos. Nes-
sa occaaio impugnei esse projecto, dizendo que
j havia un a disposico de lei permanente, em
virtude da qual nao se pxlia conceder tcenlas
com todos oa vencimentoa, do raeamo modo que o
fuacciouario publico nao podia reeeber duas gra-
tificacooa, a propria e aquella que perteaci i a
qusm .a aobstituir.
Entretanto, o caao de ac diser, que ueste m
feria nada ha 'de maia.
Aceito a emenda do nobre dspated-i, e iique
mais uma oyez consignado aue empregado publi
co que sabstitue a outro nio podera recebar duss
gratificaces; pereeber o sen ordenado e a gra-
tificaedo do substituido. Ha diversas diaposicoes
de lei a eate respeito.
O Sr. Barao de ItspissumaNa pratica ge tem
dado o contrario d'isto e por estar bem informado,
que formulei eata emenda.
O Sr. Gomes -fartateT-N*.pratica tou aa'dado
erros e abusos de toda a ordem, e at em
i.oca ae fizeram para aa repartigoeB publicas no
meacoea interinas de individuos eatranhoa s re
partieres, o que deu lugar a q te a provincia pa
gasae duplamente os meamos venciraentos, n>to ,
pagaaee ao licenciado e igua'meute a aquel le que
o subs'ituia interinamente, bavendo entretanto
substitutos legacs que .- tinham o direito de per-
cebe.- a gratincafao lo substituido !
Esta illegadade se manteve por algura teoipo,
at que o auno passado o Sr. Barao .c Caiar,
ichaiido-se na administraba o da provincia, officioa
ruercadamente au Thesouro para que ads pagaase
a essea empregadoa iuterinos para o.- quaes a lei
nao marcou verb"..
lato se chama simplesinenia eabaojamento, e
contra iaao que clamo.
Entretanto, eaaea empregadoa interiuoa no e
resignaram a percefier gmente a gratificaco do
aubatituido, e recorrern! Assemblt pedindo o
pagamento dos vencimentoa doa einpregi.s que
exercerara interinamente.
Portanto, aceito a emenda do *ob:e deputado.
que tem por fin evitar abusos antigos.
As outraa emen las, Sr. presidente, sao de gran-
de importancia, e a maior parte dellas estranhaa
4 receita e deapeza da provincia.
Ms pareca, portanto, que se poderia votar o
art. 3 e as duas emendaa que lbe sao relativas,
adiando-se a discasao e votacio doa additivoa
para depois da votaedo de todo o projecto.
Parece-me que eate seria marcha mais regu-
lar ; publicaudo-se eases addi'ivoa para a Assem-
bla po icr votar com perteito cenheciraonto de
eatisa e nao atropelladamente.
Um Sr. Deputado Maa faz-ae iaao quando
ao muitaa emendas.
O Sr. Gomes Parante Mas ha emeudas^ mu-
tissiui i iinijrtautas e achp prudente que nao se-
jun vtalas pelo modo porque ae pretende.
Eg nio posso dar um vote oonseieucioao sobre al-
guna do* additivoa apreaentados ; ain la n moa ea-
tudei e creio mesmo que na casa nao llavera mui-
l.n Reputados qu-- touhKm eouheeimento delles.
Me parece, por'anta que poderemos votar, sem
inconveutente, a emenda do nobre deputado pelo 3"
diatricto e a da commiaao que se referen especial-
mente ao art. 3o, e c.rar.Uco ao* additivoa que
Reina publicados no jornal da casa para aniauba
aerem diatutidoa c votados.
(Ha diversos apartes.)
Aa emendaa que se refewm no art. 3 aao ape
as duaa ; a outraa sao additivoa que a elle nao
ae referera ; ao artigos novoa, que nao tem rela-
cao alguma coui o oreamento, e que ae torem ap-
provados devem aer. na redcedo, destacadas do
prujecto nos terraja do regiment.
E' o que tinha a dizer sobre as emendas ofte-
raeidaa ao artigo do projecto que se acha em dia-
cusso.
Ninguem mais pedinda a palavra.
a discusso e posto a votos o art. 3",
com as emendas a elle referentea.
Eutra em discusso o art. 4."
O .Sr. Praseies Piteoga Sr. pres-
dante, me parece que este art. 4o nao deve ser up-
provado, por dous principios.
A aua 1 parte pedera aer apreaentada como
ura additivo para aer discutida depoia que, em
3 diacuaao fosae approvado o oreamento, porque
dora d'isto, estabelecer um precedente que aao
pode vigorar.
Se nos nao sbemos quaes sao os lugares sup-
primidoa pela lei de oreamento, como queian-
.teeipamos autoriaaedo presidencia para snp-
pnmir egses lugares ?
Me parece, pjrtauto, que em 3" ducusaao, como
uui additivo ao oreamento, podena a commissao
apresenter este artigo para ser discutido, porque
na j teamos mais ou menos razio para conhe-
cer das foreas do oreamento em relacao a sup-
preaso dos diveraoa lugares, maa actualmente
como o art. 4", formando corpo com o oreamento,
me parece que inaceitavel. .
Quauto a 2 parte do artigo, e8ta esta rejei'ada
por ai mesraa ; nao da competencia da commis-
sao determinar que a Aasombla resolva acerca
da auppreaaao doa seus empregadoa ; ua sabemos
que da competencia da commisao de polica,
uio s a apresentaco ou -reacio dos empregadoa
necesasroa...
0 Sr. Coelho de Moraes Essa diapoaicao na
taxativa.
0 Sr. Prxedes PitangaE .
____nao s a creaoio dos emprega ios neces-
aarioa para a aeoretoria da Asaembla, como tam-
bem da aua competencia a apresentado de pro-
j-ctoa, aupprimindo ou reduzindo os lugares da
mesma secretaria.
Portanto, a commissao de oreamento s tem uma
competencia, que depois que a commissao de po-
lica, submette consideraco da casa o seu
pedido de auppresso ou oreacao de lugar, e re-
mettido este projecto commissao de oreamento,
marcar o seu ordenado, c n'esta occasiio tem ella
competencia de augmentar ou diminuir o ordena-
do, porque da ua attribuico "ratar do augmento
ou diminuicao dos ordenados.
Portanto, a 2 parte do art 4 nao pode aer
aceita, porque ella ae repele por ai meama, ella
traz meamo a ana competencia expreasa na sua
pablicacdo, porque diz a 2 parte ; (Le)
Tendo comecado a fazer consideracoea, ndo quero
aeno defender a minha testada, de concorrer com
o meu voto para uma irregularidade, firmar nm
precedente que maia tarde pode aer prejudi-
1 ortanto, espero que a commissao aeeiter es-
tas minbas pequeas reflexoes, no intuito de trans-
f >nr a Ia parte do artigo, para um artigo additivo
ou final do ornamento e eliminar a 2' parte, aguar-
dando que a commissao de polica, se entender de
conveniencia faser a reforma de sua secretaria,
a-iresente o seu projecto para o que seja discuti-
do depois de aerem declaradas por elU as razos
i'e existen a favor de semelhante extinecdo.
Com estas palaVraB findo minhas pequeas obaer-
vacoes
3 districto bem como a outroa deputadoa que na
2* diacuaao se reioriram a extinecdo do intrnate
pernsmbucano. E' uma queatdo esta aobre a qual
a commiaao nao pode deixar de dar aa razo-a
pelas quaes julgou conveniente propor Assembla
a medida que ae acha conaignada no projecto, re-
lativa a extinecdo do Gymnasio ; mas na impossi-
bilidade em que me aeho de disentir e tendo
mesmo deixado em casa as minhas notas relativa-
mente a este ponto, sujeito por isso consideracio
da Assembla um reqnerimcnto de adiamento at
amanhi, visto baver outraa materias importantes
de quo nes podemos occupar hoje.
Aeho que nao. demaia que se me conceda este
adiamento, entretanto se elle me fr negado, pro-
geguirei.
Vem meaa, lido, apsiado e approvado o e-
,-uinte requerimento :
Requeiro o adiamanto da discusso por 34 ho-
l*ea. Gome3 Prente.
Paasa-se
2* PARTE DA ORDEM DO DIA
Eutra vm 2" diacuaao o projecto n. 87 d'este
anno,
Singuem pedindo a palavra encerrada a dis-
cossao, o posto 4 votos approvado o proje.-to,
sendo dispenaado do interaticio a requerimento do
Sr, Barros Barreto Jnior.
O hr. Io secretario 16 um offieio de S. Exc. o Sr.
Dr. fice presidente da provincia, communicando
.jue prorogra por 10 dias oa trabalhos da actual
sesso da Assembla.Inteirada.
Contina a 2 discusso do projecto n. 27 d'este
anno (forca policial).
(Contina.)
KvSTA DIARIA
encerrada
approvado
que
Ninguem mais pedindo a palavra encerrada a
diacuasao, e posto votos o art 4, regeitedo.
Entra em discuaaoo art. 5.
O Sr. Bario de Itapiaauma ?r. pre-
sidente, mandei uma emenda anda, no proposito
em que rae aeho de eoncorrer tanto quanto era mim
eraber para que eate oreamento ae harmoniae o
maia poaivel com o aervico publico.
Tenho-me manifestado por maia de uma vez em
eentido contrario disposico do oreamento pre-
vincial que manda extinguir o Gymnasio Per-
narabucano. E' assim que aeho desnecesaario o
art. 5. Se eu nao aimitto qne seja extincto esse
interuato, nao posso votar pelo art 5. Foi esta
a razo po.-que mandei uma emenda, e espero que
a nobre commissdo, como das outras vezes que me
tem dado a honra de chegar a accordo, anda
d'eata ve nao ha de descordar, porque principal-
mente eata medida muito injusta, ndo produz o
menor provoito. Ao contrario eHa nao pode dei-
xar de aer classifieada como uma medida de hoa-
tihdade ao verdadeiro progreaao d'eata provin-
cia.
Peco, portante, a honrada commissao que lance
suas vistes para essa mocidade que com muito
cueto vai all para esclarecer o seu espirito e que
nao dispondo de outroa recursos nio pode reee-
ber a educacio em outra parte.
Justificada asaim a emenda, espero que a casa
decidir a seu favor.
O resultado da votaedo do oreamento foi o se-
guinte '.
Approvadas as emendaa de na. 179 a 183; reti-
rada a de n. 185, prejudicada a de n. 186.
O Sr. Come* PrenteSr. presidente,
do
aabmetti d consideraco da caaa ara requeri-
mento de adiamento; estou impeesibilitedo de dis-
cutir hoje por encommodos de saade e ndo poaeo
deixar de dar uma reaposte ao nebre deputado pelo
Tribunal do Jury (lo atedieHaven-
d comparecido apena" 35 juizes de tacto, deixuu
de baver seaaio houtem neate tribunal, sendo mul-
tados em 201 os que faltaran, e sorteados mais os
Regiiintes :
Freguezia do Reeife
Thoib Gomes Ferreira Lima.
Freguezia de Santo Antonio
Joaqun Nicolao Ferreira.
Celso Dnpperron.
Antonio Correia dos Santos.
Freguezia de S. Jos
Joio Henrique da Silva.
Freguezia da Boa-Vista
Jos Elisiario dos Santos.
Fabio Faustino Ferreira da Silva.
H.'iirique de Barros Cavalcante.
Jos Afiooso de Araujo.
Joaqun Ignacio Pesaoa de Siqueira Caval-
cante.
Freguezia da Graca
Antonio da Silva Paria.
Freguezia de Afogados
Augusto Hunrique Albuquerque .dilet.
Freguezia do Pofo
Jos Ildefonso 'e Mello.
Anniversario-D' Boje o dia auniverasrio
da maioridade de ti. M. o Imperador o Sr. D. Pe-
dro II. Por esse motivo haver salvas 1 hora la
tarde.
At JE' o tiiulo de um nocturno para pia-
no, que acaba de ser impresso pela casa de msi-
cos d'> Sr. Azevedo, ra Bario da Victoria n.
13. Nio traz declarueao do autor.
Paquete Hanoa-Eate paquete nacional
que deve chegar hoje do norte, 8ahe hije mesmo a
tarde, para oa portes do sul da sua escala.
Ferinaento leveA'a 7 1/2 horas da noite
de ante-hontem, na freguezia da Boa-Viata, Jos
Paulo da Costa e Silva, Antonio Leopollino Pin
to e Emiliauo Joio dos Santos travaran- se de ra
zoes, e paseando a vias de faeto, re3ultou subir
levemente ferilo o primeiro.
Foram presos os delinquentes, abriudo-se o res-
pectivo nquerito.
Bellessaa lo municipioEscrevem nos:
No caes do Capibarioe existe urna immuuda
eamba, que na segunda-feira toi comecada a at-
terrar pelo Sr. fiscal da Boa-Vista, que, com guar-
das e pracas da guarda cvica, fazia debpejar o
claco trazido em muitaa carrocaa nos lugares que
indicava, parecendo pelo aparato de torca, que al-
guma cousa de extraordinario se passava.
Transitei por ah n'easa occasiio, e fiquei aa-
tisfeilo vendo ser feito, embora eom cisco, um ser-
vico necesaaro e j maia de uma vez reclamado ;
mas hontem tarde vi o servio parado, e hjje
soube que nao sena elle continuad*, porque con-
trariava interesses particularen que devem aer mais
attendidos do que oa do municipio, e por ato peso
a Vv. Sa. que chamen a attencio da Cmara Mu-
nieipal para o que fiea dito.
O ciseo comeca a apodrecer e o ftido que ja
se eentia antes d'elle, que agora augmenta e que
ser anda maior quando a putrefacto fr com-
pleta, ser insupportavel para os que raoram na vi-
siubaiica, e todos esperara que a Cmara ou o fia-
cal tome na devida eouaideracao a reclamaco.
Muito grato ficar a Vv. Sa. pela publisacao
d'eata. Um assignante.
Ahi fica relatada a b-lleza : um atierro cora
ciaco Maa que ao menoa completera-n'o, e aobre-
tudo que cubram o mouturo com alguma cal e de-
dos com areia.
L.igeiroa estados aobre Ensillo Zola
__E' o ttulo de um folheto de 40 paginas, escrip-
to e publicado peio alumn do 4* anno da faculda
de de direito, o Sr. Marianno de Medeiros.
Occupando-se o autor da vida e escola litttera-
ria do Ilustre eacriptor francez, o fezvantajoaa-
mente em eetylo correcto.
Agradacemoa o mimo da offerta de nm exem
piar.
On portugnezea n'AfricaE este o ti-
tulo de um dramma em 3 actos e 8 quadros, que a
sociedade dramtica Nova Thalia, vai representar
no dia Io de Agosto, em Beu beneficio, no theatro
Santo Antonio.
Esta peca, quefoi extrahida das viagens de Ser
pa Piuto ao ceutro d'frica de grande movi-
mento e apparato, e para sua representaedo nio
tem a Sociedade ponpado despezas, sendo de espe
rar que os seus eaforcoa aejam coroados de um fe-
liz xito.
Club i.itierio Fre CanecaPrmccio-
nou ante-hontem esta sociedade, 8ub a presidencia
do Sr. Franciaco Machado Diaa.
Foi lida e apnrovada a acta da seasa antece-
dente. O 1 aecretario deu conta de diversos re
queriraentos.
Pas=ando-se a ordem do dia foi discutida pelos
Srs. Solidonio A. Leite e Carlos M. Bodriguea a
aeguinte th-aeAttilio Regulo foi ou nao morto
pelos Cartagenezea.
Nao havendo maia de que ae tratar foi encerra-
da a sesaao a 7 hora da noute, ficando designado
para a ordem dodiaWasesio vindoura : discusso
de thesea e jury histrico.
Tilla da Peora Escreveram-nos em Id de
Junho.
J por diversas vezes tenho occopado aa co-
lumnas deasa Ilustrada folha, em aua Mevista Da
ria, com minhaa mal alinhavadaamiaaivaa, que tem
sido bem acolhidae; pelo que ai ida uma vez agr
deco e peco a publicacao desta.
rDepois de termos lutado com uma ternvel aec-
ca, a de 1885, bem pouco inferior de 187 ao
menos neaa comarca, appareceram abundantea
chuvaa no dia 28 de Marco do corrente anno e ae
prolongaran por todo o mes Abril.
Em Maio tivemoa um vero baatante prolon-
gado, que ameacou a perda de quasi todas as plan
acoea: maa felizmente no pringo de Junho ap
pareeeram chuvaa que, inda que finas vieram aal-
var quaai todaa aa lavouras, perdendo-se somente
algnns feijoea e milhoa noa lugares aeccoa e ruma.
. Temos porm, cm compenaaco eaperanca de
uma aafra de algodao eatraordinaria, pelo earrego
que mostea oa algodoeiroa; e ae o invern continuar
como vai, at o lira de Agosto, ento, na phraae de
meus conterrneos, havemos de ter uma aafra bru-
ta, porque oa algodoeiroa tomaran dupla caaa.
< A ordem publica vai aem alteracdo.
A polica eat baatante activa as auaa attn-
UFalecen no hoapilal-Luiz de Franca,
qne s 10 horas da noite de 19 do corrente, no
becco dos Ferreiroa, fra ferido por Lourenco Jo-
s Franciaco. conhecido por Zeguedegue, facte ^e
que demos acienciaao publico, fallecen ^nte-lion-
tem 4 noite, no hospital Pedro II, onde ae achava
em tratamento. ,
O onde de Parta e o re "lmT""
dfo*in de Paria publicou, aob reaerva e simples-
mente a titulo de curioaidade, uma carta relativa
a expulsdo dos priacipea de Orleana, que coincide
com a decadencia do re Luiz II de Baviera.
0 autor deaaa carta publicou a eate reapeito al-
gumaa re7elao5es, daa quaes elle afirma garantir
a absoluta autoridade:
O rei Luis foi privado do governo do reino por
ter solicitado o soccorro financeiro dos principes
de Orleans, e o Conde de Parisfoi expulso porque
tinha promettido eoceorrer o sen primo de Baera.
O soberano, individado, tinha pedido um empres-
timo de 25 mlhes de francos; o apoio a Bavie-
ra, e a aua influencia aobre a poltica externa do
principe de Biaraarck a favor de uma reatauraco
monarchica era o premio mediante o qual o Conde
de Paria consenta em arriscar 08 seua milhoea.
O infortunio nao quiz que oa intermediarios daa
duas partes contractantea usaagem da neceasaria
discripeo. O segredo foi revelado ao chancellar
germnico, e este mudando repentinamente d'atti-
tude para com um aoberano, que embora louco, ser-
va bellamente o rei da Pruaaia, decreten que o
rei Luis toase immediatamente desthronado, e apr-
sente*! as provas materiaes da conapiraco trama-
da eom oa Orleana.
0 cbanceller primeramente uformou ao aeu ve-
lho Soberano de tado, e obteve a autorisacao do
imperador para oa ministerios bavaros decretaren
a regencia.
O ministro Freycinct tambem foi informado de
toda cata conspiraco dos Orleans, como ae cha-
mou em Berlim, o eata toi a verdadeiraeaua e nao
o recebimento no palacio Galliera, da lei queau-
torisou a expulsao.
A proposito de obaervaeftes feltaa
aobre a cabeca de nm leca p i todo
Herzen A. (Gazz. dello cud de Torino, n. 9.
Expoe primeiraraenteaa obaervacoes, a propo8to
feitas pelo Sr. Reginird e Laborde e oa fa :tos tam-
bem notadoa por P. Bert.
O autor convm com oa j.hiaiologoa aupra men-
cionados qne a consciencia desapparecc logo depois
da decapitacio: immediatamente tem-feuma con-
traccio geral do todos os msculos do corpo, que
bruscamente cessano lapso de 3 s.: a abolicao m-
mediata dos reflexoa nij certa.
Quanto a consciencia nio ha duvida que pode
persistir em uma cabeca separada do corpo, deEde
que nio poasivel abolir completamente toda a
pressio sanguinaria n cerebro e toraat-o absolu-
tamente exange para pol o tora da actividad.;:
antes basta un afrouxauu-nto ou enfraquecimeato
tambera pasa^geiro das pancadas do coiacio para
produzir orna =yncope cera abolicio total da cods-
ciencia.
Um quiailo por tanto da maior iinp .rtaueia aeria
este: se por raeio d'uma cireulaedo artificial -e
pole ou nio restablecer aquella a< a in-
tereerebral, que coiisntue a aelividade psyeh
Laborde o ere, Bert c duvida : Herzeu p ex-
periencias sobrs coelhea c ces do valor ine
tavel ci que todas aa funecoes do cerebro, com-
prehendida u vida psychiea depois '.: li
uma inturrupclu de mais hora?, determinada pela
anemia da cabera, p"dem restsbelecer-se na sua
integndade sob a influencia da circulacio do san-
gue comtantj que este se effectue era condiecoca
norraaea.
C3
o
5
Q
C3
3
e
H
O
9
O"
I
15
9
9
s

to
^*
es
a O O o
.-- OS o>
& Ti J ^
-i a> a o>
-D 09 X --
D (35 ts >Ca>
* co co O
-. en co Q
s 4 O 8 O

to
o
cania moidas
K1LOOHAMM.V3
co
to
CALDO OBHDO
liti: I
to
o
J
O!
- ?- DENSIDADE ESPE-
o o CIFICA
BXPBBSagO DA
HOENDA


O
TONELADAS DB
CANSAS TABA UMA|
DB ASBOCAR
CO
O
TONELADAS "E
CABV0 PARA OMA
DE ASSBCAR E
AGCRDENTE COR-
RESPONDENTE
to
I ^*
O I "-
co I \s
O I -1
CO e-
O"
O
co
co
i.
^*
co
-a
PESO LIQUIDO
REAI. DO A88CCAR
VENDIDO
KILOGRAMUAS
O"
co
to
co
co
o
o
&
AGURDENTE PRO-
DCZIDA
LITROS
EM 1 M M .
m 99 1 SS tl > n
* 1 2 lO co CO g CB
^ to to P
s
s
CO

as
SI
o
CO CP
fe
to
>
os
s

-

V
i
IB
a.
I 2
I S
co
1
o
CO
B
o
co
co
o
a
to
s
I!
S I
1.
I
CO H^ te to to
-- CO
Oi *> M V
t B O S5 s
:^ -4 to CT to
4i a* ,
to -4 te
g o ** o 1* O 3
s
e
?
9
S
S
X
a
t
s
9
"i

\
O
T.
"5
8
a.
i
> 55
1
c 1
a
IB ^j
" 5
c -
o m
se

a
3?
9 -
2. B"
2 <=
o.
B -
os cr
|i
?!
10
8
K =
P O
a> n
a c
fi, s to Ib. S 1
K1 S O en fe
en co en O
i * o a>
5 1 rf en o to
SI s =5 o
DFICIT
O
o>
s
en
tto

O
tS
O
s
to
s
SCO
O
fe s
8
35
S2
4
S 2
09
-J
to
s
o
o
to
a
i

-
O
s
CCSTO TOTAL E
CHA TONELADA
DB AS3DCARE
AGURDENTE COE-
PONDENTE
33
i'
&
ce

o*
O
en
Obaervagoea0 aaaucar fabricado divide-se em
134b* saceos de branco (experiencia) 34:155 de
cryataes amarellos e 2187 de rtame secco.
Na receita nio esto incluidos 10:274280, pre-
venientes de descontos, juros recebidos pelos em-
preatimoa a agricultores e restituicfs ; e na des-
posa a quantia de 1:086^280 de despezas jndi-
ciaea.
Aa fabricaa comecaram a moagem regular em
principio de Novembro e devido a frequentes in-
terrnpcea s concluir i como segu: CaboS
de Maio; Eacada6 de Marco ; Cuyambuca27
de Fevereiro ; e Bom-Goato5 de Marco.
Fiacal8acao doa engenhoa centraea do 1 dia-
tricto, Recite, 15 de Julho de 1886.Franeitv i
Reg Barro*, engenheiro fiscal.
EieilAea.Effectuar-se-hao:
Hoje :
Pelo agente Gusmao, s 11 horas, na ra de S.
Joio n. 63, de movis, toncas, vidros, etc., ete.
Mi**** fnnenrea.Serio celebradas :
Hoje :
A'a 8 horas, na matriz da* Boa-Vista, por alma
do Dr. Henrique do Rogo Barros.
Operaraea ctrurglcaaForam pratica
das no hospital Pedro II, no dia 32 de Julka,
as seguintes:
V
j mm i
/


Diario de PcniarabncoSexta-feira 33 de Julho de 1886
i

\
Pelo Dr. Malaquias :
Urethrotomia interna pelo processo de Masou-
nenve, indicada por estro, lamento fibroso da ure-
thra.
Duas postbotomias, sendo pelo theasor eauteno
a indicada por parapairsosis, e pelo procusto de
ficord a indicada por phimoais.
Pelo Dr. Berardo :
Amputacao de apbilouia geral pelo proceaso
de Welcker.
Can* de (enfiloMovimento dos pre-
sos no dia 21 de Julbo :
Existiam presos 310 entraram 8, sahram 5,
xistomSld.
A saber:
Naeionaes 287, mulherea 2, estrangeiros 9, es-
eravos sentenciados e procesaados 10, ditos de eor-
reccio 11.Total 318.
Arraccadoa 274, sendo : btns 2o8, doentes 16
Total 274.
Movimento da enfermara :
Teve alta :
Jos de Lima Gomes dos Santos.
Lotera da pro*inciaA lotera n. 65,
em beneficio da Santa Cas* de Misericordia do
Recite sor extrahida quando for annunciada.
No consistorio da igreja de Ncssa Senhora da
Conceicio dos Militares, se achanto ex postas as
urnas e as espheras, arrumadas em ordem num-
rica apreciaciodo publico.
I,olera do RioA 3a parte d lotera
n. 198, do novo plano, do premio de 100:000^000,
ser extrahida no dia .. do corrente.
Os bilbetes acbam-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acbam se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39. '
Lotera de Macelo de 00:000*000
A 19" partes da 12a lotera, cujo premio
grande de 200:000 j, pelo novo plano, ser ex
trabda impretcrivelmente no dia 27 de Julho s
11 horas da manhii.
Bilhetes venda na Cua Feliz da praca da Ia-
depeudtneii". ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda aa Roda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Presos resumidos.
Lotera Eitraordiaria doYpiraa-
ga O 4." e ultimo sorteio das 4. e 5. aunes
desta iinpirtinte lotera, cujo major dremio de
150:000*000, eer extrahida a 14 de Agosto prj
ximo.
Acbam se expjato i venda os treatos dos bi
Ihetesna Casa di Fortuna rua Primeiro de Mar-
co n. 23.
Lotera da provincia de Santa Ca
tbarinaEsta lotera, cujo maior premio de
100:OJO0Ot>, devera ser extrahida impreterivel-
mente no dia 4 de Agoato prximo, a 2 horas da
tarde.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro do Marco n. 23.
Lotera da corteA 3 parte da 364 lo-
tera da corte, cujo premio grande de 100:000,
ser extrahida boje 23 de Julho.
Os bilhetes ach-m-se venda na Casa da For-
tuna rua Primeiro de Marco n. 23.
Tambem acham-se venda na prac da Iude-
dendencia n3. 37 e 39.
Matndouro PublicoForam abatidas no
Matadouro di Cabanga 68 rezes paca o consumo
do dia 23 de Julho.
Sendo: 53 rezes pertenceutes a Olivera Castro
4 C, e 15 a diversos.
Ulereado Municipal de *. Jos0
movimento deate Mercado nos das 22 do cor-
rente, foi o se quinte :
Entraran) ;
301/2 boia pesando 4,735 kilos.
198 kilos de peixe a 20 res ."JS960
48 cargas de farinba a 200 ris 9**60
36 ditas de fructas diversas a 300 rs. 10*800
13 taboieiroa a 200 ris 26C0
15 Sumos a 200 ris 3*000
Foram occuoados :
26 columnas a 600 ris 15*600
27 compartimentos de frinha a
500 r.s. 1300
23 ditos de comida a 500 ris 11 5.J
73 ditos de legumea a 400 ris 29*200
16 ditos de suinoa 700 res 11|20 13 ditos de troseuras 600 ris 7*800
10 ditos de ditos a 2* 2 A Oliveira Castro & C.:
2 talhoa a 500 ris 1J00
54 tainos de carne verde a 1| 54*000
teiro, reside 4 ra do Hospicio n. 20, onde
pod ser procurado qualquer hora do dia
ou da noito. Consultas : de 1 s 3 horas
da tarde. Especialidad : molestias e ope-
raeoes dos orgiles gouito-urinarios do ho-
mem e da mulber.
Dr. Brrelo Snmpaio mudou seu consul-
torio do 2. andar da casa n. 45, a ra do
Barao da Victoria, para o 1 andar, da
casa n. 5, a mesma ra, como consta do
seu annuncio inserto na seceso compe-
tente.
Advocado
O bacharel Benjamim Bandeira, ra do
Imperador n. 73, 1. andar.
Dr. Seabra. Mudou seu escripia de advo-
gacia para a ra do Imperador n. 24.
Drogara
Francisco Manoel da Sv & C. i so o-
sitarios de todas as especialidades pharui.
ceutieas, tintas, drogas, productos chiraic
o medicamentos hommopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e oficina de carapiwo
de Francisco dos antos Macedo, caes de
Gapibaribe n. 28. N'este gran la estaba e
cimento, o primeiro da provincia a'este ge-
nero, compra-se e vende-se madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras de
conta alheia, assim como se preparam obres
de carapira por machina e por precos sem
COm not\ni.
.000:0004000
Os bilhetes desta importante lotera de
tres sorteios, que corre no dia 8 de julho*
acham-se venda na Roda da Fortuna
ra Larga do Rosario n. 36 e ra do Ca-
bug n. 1.
quilo acodada foi a Provincia de boje, dando va-
lor real aos boatos que apanhou ao acaso, relati
vamente nao oaoeoio do orcamento, e ao mesmo
tempo poem em evidencia que o orgio oposicio-
nista foi mal inspirado no artigo que tem por epi
graphe a que adoptamos para esbocar esta res-
posta.
Sem duvida a parte mais interessante da mis-
P. 8. O desembargador Paes de Souza, presi-
denswda IttelaCao do Para, qno promoveu a man
featacio do dia 2 de Julo, o orou eta notae do tri-
bmnal enere liberal e poli ti oo militoate.
0 desembargador Jos Qumtino de Castra Leio
uaico magistrado uaquella provincia que o parti-
do conservador considera poltico partidario das
suas ideas, nao compareoeu referida manifesta-
O.jornal A Provincia do Para, que publicon o
artigo de 4 do corrente, transcripto no Jornal do
Despedida
Bao das assemblas de provincia, na forma dos. Recife de 20, contra o secretario, orgo liberal,
arts. 9 a 12 do citado Acte Addicional, oreare |do Dr- Ai38 oaselheiro Tita a outros libera*
a receta, laucando impostos, e decretarem a des-
Deve ter sido arrecad:;da neates das
a quautia de
Rendimento do dia 1 a 21
Foi arrecadado liquido at hoje
194"60
4:353*100
4:M7*8GO
Precos do dia :
Carne verde a 240 e 400 ris o kos.
SiuiOJ a 500e 560 ris dem.
Carneiro de 640 e 500 ris dem.
ifariiih. de 320 a 240 ris a cuia.
Milho de 280 a 320 ris idem.
Fiijao da 640 a li'SO.
Cemiterio panuco. Obituario do dia 20
de Julho:
Damiana Miria de Jess, Pernambuco, 61 an-
uos, viuva, Boa-Vista; diarrha.
Vsente, frica. 60 annos, solteiro, Boa-Vista ;
carcinoma.
Libania M ria de Souza, Portugal, 78 annos,
viuva, Boa-Vista; cachexia senil.
Euzebio Costa, frica, 65 anuas, casado, Affoga-
dos; tuberculoso.
Catbariua Maria da Cjuceicio, frica, 102 an-
uos, viuva, Boa-Vista; cachexia senil.
21
Maria dos Prazerc?. Prnambuco, 101 annos,
viuva, S. Jos; cachexia senil-
Olympia Alves Feitosa do Nascimento, Pernam-
buco, 24 annos, solteira, Boa-Vista; infeecao p-
trida.'
Ricirdo da Silva Pires, Peraaesbueo, 25 annos,
solteiro, Boa-Vist ; letao cardiaca.
Antofcio, Pernambuco, 5 dias, S. fcs; conval-
sss.
Manoel, Ptrnambuco, 10 meaes, Boa-Vista; di-
arrha.
Eduardo Antonio do Saeranwnto e Silva, Per-
nambnco, 26 anaos, solteiro, Recife; tub-rculos
pulmomres.
Leopoldina Baptista de Barros Moreira, Per-
namouc.i, 19 annos, solteira, Graca ; tubrculos
pulmonares.
Davia, Pernambuco, 11 mezes, Graca; cenvof-
soes.
Um receamasoido, Pernambuco, Boa-Vuta, re-
mettido pelo subdelegado.
Um recemnasetd', Pernambaco, Boa-Vista, re-
mettdo pelo subdelegado.
^m^^mm,w^mtmamtmmmmmi
INDICARES TEIS
Medico
ConnuKorlo medlro clrarglco do Br
redro de AUanyde Lobo Moncoza
ra da Gloria n. 39.
O doMtor Moscozo d consultas todos os
dias uteis, das 7 s 10 horas da manhPv'
Este eotrauitario otfenwje a comnwrtida
de de poder cada lente ser ouvido e ex*
minada, sem ser presenciado por oiur^
De meio dia s 3 horas da tarde eer <
Dr. Mos<;z<"> ncontrartu no torreJo p->-
ca do Cominercio, onite lunccionaa mt-
SeccSo de sad do porto. Para qualqu-r
'estes dous pontos podero ser dirigidos
08 chamados por carta as indicadas horas
O Dr. Arihur Inatsahy, medico occu
lista, recenterocote chegado, esta ciad,
d consultas todis os dias, das 8 s 10
horas da maha, sendo jrrot aos pobres.
no 1. andar do predio n. 53 da ra da Im-
pera triz.
ConBitri aiiopaUco-d*laaeu>lco
Dr. Miguel Themudo d consulta das
12 s 3 d tardv- em s.u consultorio ra
do Bario da Victoria n. 7, 1.* awbr.
Chamados por escripto a qualquer hora.
Especiaidades partos, ebres, s/fAilis,
molestias do poiinaa, e do corecSo.
Dr. Lopes Pessoa -Medico.-'Re'siUen-
i xu.de D. Pudro Id. 2, onde pode
ser procurado at, s 9 horas da mana.
OoMihsri ra do Bm-Jan i. 81 i.
andar. D totrrohw das 11 s 2 da tar-<
de. Gratis aos pobres.
Dr. Gunm L*bv, atare of^maor e par-
lo ele i orado do 3o districto
Ittm. Sr.O fallecmento do Dr. Antonio Fran-
cisco Correia de Araujo, abrindo urna vaga na de-
putaco de Pernambuco, determinon a necessidade
de urna cleicao no 3 districto, que aquelle Ilustre
cidadao tao dignamente representava.
Para preenebef esaa vaga proponbo-me eu aos
suffragios do distiucto eleitorado desse districto.
nao movido por impulso proprio, nem tomado de
ambices que estou longe de nutrir, mas por apre-
sentacao do partido em cujas fileiras milito e alen-
tado pelo desejo de continuar a prestar servidos ao
paiz nesse posto de combate que me foi indicado-
E', pois, eicudada com ease patritico desejo e
patrocinado pelo raeu partido, cujo venerando
chrfo tenho por amigo, que eu venho solicitar de
V. S. o seu voto e 'odo o ssu precioso auxilio
minha causa no pleito que se vai ferir brevemente
nesse districto, onde V. S. gosa de prestigio e dis-
poe de merecida influencia.
Bem couhecido nesta provincia, onde nasci e
ende tenho sempre vivido mourejar em fadigosas
lides pelas ideas conservadoras, e sob a gide
d'aquella honrosa apresentacao; creio que ser*
me-ha excusada a exhibico de um programma,
pois que outro nio posso ter que nao o do partid >
ao qr.ai tenho servido com dedicacao e esforz.
Entretanto, de harmouia com o notavel discurso
proferido no Senado, em 1879, pelo honrado Sr.
couse!heiro Joao Alfredo Correa de Oliveira, digno
chefe conservador em Pernambuco, direi que a
synthese do raeu pragramma pugnar pelas re-
formas que forem o deseuv jlvimento pratico dos
grandes principios liberaes consagrados na Con-
stitituicao e que formam a baae das inatitui^ou
que nos, os conservadores, maulemos e queremos
tnanter.
Dentro de taes limites ha espaco bastante para
todos os mtlhoramentoe intelectuae, moraes e ma-
teriaes, para todos os commettimentos serios da
poltica, economa, financas e administraba i, emfim
para todas as maia altas aspiracous dos povos
livres, que vivero sob o rgimen paramentar.
No decurso dos viute annos que constituem a
rninlia vida publica, sempre girn neesa rbita
a minba actividade, e disso fazein prova os mus
modestos esforfos na Assembla Provincial e os
meus pequeos f.ibalhos na imprenta, tstes lti-
mos attestados palo Diario de Pernambuco, em
cujas paginas tenho esteriutypado a minha alma
e o meu coracao, pnguaodo por tudo quanto se me
tem augurado til e y&ntajoso causa do paiz e
mais particularmcnLe desta provincia.
Como garante dos meus intuitos de futuro offe-
-eco esse modesto pastado ao digno eleitorado do
3* districto, assegurando-lhe que envidarei quanto
couber em aba para elevar-me altura da aitua-
co do paiz e para mostrar-me merecedor da con-
fianca oo n que me honrar esse digno eleitorado
O meu norte ser o bem publico e o caminho
para elle essa honrosa confianza que nunca faltou
ao illustrn cidadao qoem aspiro substituir e cu-
as virtudes cvicas tomarei por modelo.
Subscrevo-mc con) a maior eonsideracio e res-
peito.
De V. S.,
Amigo, attento, voerador e orlado.
Recife, 6 de Julbo de 1S86.
Fdippe de FigwirSa Paria.
A megfk$o da anceo ao
rcameoo
E' faeto publico que n trabalhos da Assi-mola
ProvuMiaL no canete asno, foram encerrados
no dia 20 do mez actual, e nao meuos certo qne
gmente a 19 foi ap-rrovad* a radaca do prjec-
to de orcamente para o cxcrcico que comecoo no
dia 1", sendo que, esmo consta das notas da im-
prensa, aqulla reifaec8s-ffren emendis, que al-
aertun em parte o que foi pub.ieado eomo redacto
doproje-:to no alludido dia 19.
D'est'arte, ezjcypflt f.iudot macabros da Ae-
aembla, prepentes seceao e Vi, todos ignortrn
em defiaitivo qual a verdadeira rcdacSao do pro-
jecto orcamentano, e do numero dos que o igno-
rara nao pode ser excluido o honrado vice-presl-
dente ds provincia, fe nao pode ter assento no
parlamento provmeral, neto anda receben o refe-
rido proyecto para examinal-o, e **ppr nao, ns termos dos arta. 13 a' 16 i* Acto Addl-
De facto, dado o encerramento d sesd 20,
c sendo extenso, como nunca o foi, o projeto or-
yiuatwi, cW sinyim iatni|li cao das copias par* serete remeltidas a sanecao
nao pode estar feita,a nos asseguramos que nio
ett, e consegaioientente fra de duvida que o
honrado vice-presidcnte da provincia nio teve
anda opportunidade de examinar o projecfo.
, sem ezarainl-o, orno onnult* sea respei-
tonm juico, e *rtera( e, *Wflonto de ter d'elle
ciencia a Provincia, o ergio da oppoticio, que fe
nppj nS privar tswxi a aaiaisUa-Br?
fcsfei Hgriraa KfleiSes servem pata m#trar
peza, sobre orcamento dos presidentes, as res -
pectivas circumacTipcoet territoriacs. Mas fu-
til, ilgico, e ante-constitucional deduzir do veto
presidencial uin projecto orcamentario um rebai-
xamento da Assembla
Contra urna tal dedaeco proestam : em 1' lu-
gar o proprio Acto Addioioaal, qaaode faculta
esse veto todos os projecto*, sea excepcao, que
dependem de saaccao, caso em que se acha o de
orcamento; en 2o logar toda a nsssa liistoria par-
lamenta? e poltica, desde o extremo mrto al o
extremo sul do Imperio.
Para nio evitar senio tactos occ rril.is as p.o
ximidades da pTOvincia, recordaremos que, duran
te varios exercicios consecutivos, no domia:. libe-
ral ultimo, o Rio Glande do Norte viveu sob o re-
gimen das proro^ativas orcamentarias, sendo ne
gada a saaccao leis votadas per assemblas do
mesmo credo do respectivo presidente, que at
deixou de convocal-a extraordUiariasm'nte, como
do le.
Com que direTto, portento, extr.mh* a Provincia
que se posea dar em Pernambuco o que acontiiceu
no Rio Grande do Norte e n'oulias provincias de
ambas as bandas do Imperio ? E o que tem que
a maioria da Assembla de Pernambuco seja con*
servaior* ?
Nao ha quera ignore que, desfalcada cssa maio-
ria pela norte e pela ausencia, dada urna apro-
ximaco eventual entre a minora e urna pequea
fraccao da maioria, fcaram asforcas partidarias
quasi equilibradas ; faeto de que se aproveituu a
opposico para incluir no ^orcamento medidas
inteiramente extranhas reeeita e deapeza da
provincia, contra o proscripto no regime-ito da
Assembla, que tem forc de le e que tira-a dos
arts. 6 e 11 do Acto Addicional.
Remissoes de dividas, abates, moratorias, con-
eessao d- privilegios, contractos lesivos provin-
cia e inuumcras outras medidas deste jaez, todas
manitestamente contrarias ao interesse publie >,
e estraahas ao orcamento, tudo se contm no pro-
js^to que foi objecto dos amores da Provincia, no
artigo que respondemos.
Em vista disso, nao ha que e ti-.iuhar nos boa-
tos que corren a rtpeito do veto presidencial ao
monatro-o bontracomo chamiu-o o redactor-
chefe da Provincia, -poB que ta;s boatos sao a
manifestarlo do sontimento pnblico em relaeao ao
projeew) queetiouado.
O que n apenatj'aotamjs que a Provincia,
orgio da oppos'cao, que ?m these deve peracrutar
os dctames da opinio para sanecional os, desta
feita se tenha apartado dessa nor sua, para, sobrn um cistello no ar, aventurar pro-
pesivoes que umsimples sopro derroca.
lato, se alguma cousa prova, que a Provincia,
cojos amigos cooperaram grandemente para o bi-
lunira, tem amores de pai para o monatro, e dete-
ja que elle viva- e dure, pelo meuos at produzir
certos effeitos lo'erioos, de contractos, d-; abat es
etc., es:., em que andou seriamente empenhada a
minora da Aa.-embla.
O veto presidencial a le de meios da provincia
de faeti um acto grave, que n.to ser praticado
sem muita refl^xao, sem maduro exame e estudo
atorado; mas, se o enxamede medidas danmosas
provincia o aconaelhar, nao vemoa porque causa
dadas as razos constitucional e histrica, ha-de
ser posto margem.
A quettao a ser resol vida esta : formulado
um mo orcamento, qual couvem ao iuteresse Jpu-
blicosanccoual-o, ainda que com prejxizo da
provincia, ou oppor-lhe o velo, causando provin-
cia igualmente prejuizo ?
Tudo se resume, pois, em saber onde o menor
mal ; e como este que em ultima analyse deve
sef preterido, coinprehende-se quilo ardua a
misaio do honrado administrador da piovincia,
tendo de pesar os dous facto e dar preferencia
ao que for menos prejudicial.
S. Exc. s pode, p>is, apreciar e resolver sobre
o pr jecto de ornamento, tendo o em suas mos, e
elle ainda nio foi retnettido i sancao.
Ueseance, portanto, a Provincia. O honrado
administrador da provincia ha de bem ponderar
as cousas, e cortar o n-gordio pela melhor for-
ma, isto de modo que a provincia nio seja
sacrificada, como alias sempre tem procedido.
22 de Junho 86.
Ao pnblico
Declaro ao respeitavei pablico que a nometcio
que consta por tetegranrma publicado no Diario de
22 deste mea nao se enteade commigo e siin com
ostro de igual nome, ficando d'or era diant aa~
signando-meJoaquim Jos de Sant'Anna Coste.
Arraial, 22 de Julho de 1886.
Joaquim Jos de Sant'Anna.
Ao publico
Tntds deparado com um arti;p isaerido em o
n. 150 dest fsl-ba, de 4 do corrent-.', tendo por
epigr.ipha Para Sua Magcatade o Imperador
ver e providenciar v^uho desde j protestar
contra aquella asserco torpe e mentirosa, em que
o seu autor nio teve cenao a intentlo reprovaaia-
aima de elogiar-se e arruma a baba pestfera de
aeujiespeito e maledicenei sobre o distiucto vi-
gario desta freguezi o Revio. Manoel Fernando
Lust--sa Lima.
O generoso e distincto cidadao faltou descara-
damente com a verdade, qu\nd.i dase em seu ar-
rigo que o Revm. vijrario Mauoel Feruando, nio
ae achango com a coragem de, as suas expensas,
reconstruir a cas* de i ristra cqSo desta villa, pe
didr^para isto o seu valioso auxilio ('.) O Sr. An-
tonio Olinto Barbalh >, generoso cidadao, deve re-
cardar-se de qu'-, quaudo o Revm vigario Manoel
Fernando, off-icuvu-se Bu Era. presidente desta
provincia, p;ra re-onruir a casa era. qu.'st'.o
adhando-se nassa occabiao presente, ofiereceu-se
da sua expontanea vootade ao Revm. vigario pnra
auxilial-o na recoustruccao da dita casa, o que
foi pelo ciesmo aceito.
Esta a verdade que o distincto cidadao nao
poder contestar.
Ainda deve recordar-sc o Sr. Barbalho, o he-
ro-j de Anna Prela, que no acto de ser reinettido
o offico da entrega da dita casa ao Exm. presi
dente, foi Ihe pelo Revm. vigario apresentado, e
lendo-o nada teve a reclamar. Como pois s ago-
ra veio trazer ao -onhecimento do publico que o
Revm. vigario fazendo a entrega em seu nome,
abusou de sua, boa f! Ser porque o distincto e
generoso cidadao sonhou que o vigario ia receber
alguiua commeuda por esse beneficio prestado
provincia e que elle fiearia noclviio? Ser tai-
vez este o motivo que poder allegar o generoso
cidadao.
Causou-lhe simplesmente pena os qualificativos
que o Sr. Barbalho atirou em si proprio, de ge
neroso e distincto cidadao; sem duvida a falta
de quera Iho os attribua, porque incoutestavel
mente nao ha quem, conh- cen lo o celebrrimo
Cassandra deste infeliz termo, lhe faca tainauha
iujusl9,t.
Creio assim ter explicado o facto com toda a
claresa, e reduzido a aero a ladainh* d'aquelle
de Tactor; s reputar;oes ameias.
Rio Grande do Norte, Ma.-ahyba, 13 de Juiho
de 1886.
Um desiiderenado.
Marte.
mm
PlBLItitOES A PEDIDO
Pergaota Proviacia
Porqa motivo o orgio liber.il nio di puWici -
dade ao parecer da 1" comesiasio da Cateara doa
Depatados, que concluio pela nallidade das V'i-
goes procedidas na 1* e 2 seccoes do Poco i
l'anella'e da Varzea, e nio procura destruir os
fundaineafos do mesmo parecer ? 1 ..
Em vez de estar vociferando que te raubou
o diploma conferido ao Dr. Jos Mariarino. mnis
jaiieiosimeBte procedera a demonstras.-e a ia-
jnstir^a q" diz ter soffrido o mesfco Dr.
Na com fanfarr modas e pa/avroes que a
Provmciti nveneer e arrattai a opiniio pu-
blica, mas com ntetoernios e prova*.
Q leremos apreciar o orgio liberal no terreno
calmo de urna disenssio leal e seria.
Publique, portanto, o purecer e combata o<
seas fuidameutos. Quemos ver este milagre !
Um curioso.
G. A. Sclwidt partindo com sua familia ptr.i o
Rio ae Janeiro, despede-se por este meio de to-
das as p' seoas com quem manteve relacoes e a
quem retribue a conairteraoio cam que o distin-
gu rain durante a sua residencia nesta provincia.
PeJa desculpa por nio poder pnotealmente v.ai -
tal-as e receber suas ordene, antes de sou partida.
R,cife, 23 d Julho de 1886.
Para
ISsplieacao necessarla
O jornal conservador intitulado Diario de Bt-
lm desde ba muitos annos que dissidente
Hea-uaico propietario e reaaetor j nao poli.ico
milita fe, porque desde 1872 que Separou-se do
gremio. Alm diese, porm. na qnalidade de a '-
vogado, elle tem tido negocios peadentes de solu-
?ao da presidencia da provincia, edn cavalhoi-
ra generosae debwaraoio.
O org do partido conservador naqufla pri-
vincia at 6 do con ente mez de Julho era a Q>n-
tltaifao ; decae da por diante deve ter pasando a
eoasiderar-se orgia do partido o Divrio do Or&o
Paro, segordo deltkaron o gremio director, pela
razio de ser a OonstUmi&ki .-netn-recada de publi-
car o expediente da gtWerao, e acsim nio pod. r
manifestar e irrreaente.
Os jornaes etpertdoc amanni pelo Mstnos e
Ibor explicaran O* pentc.
Recife, 22 de Jcrlho de 1886.
g m que sabe.
Protesto
O abaixo assignado, eredor hyoothecano dos
follecidos Antonio Go nes de Andradc t sua mu-
Iher, da quantia de deseaseis oontos de ris, prin-
cipal e juros, alm de cusas que se' liquidaren),
nio podendo pagar-se integralmente c m a pro
priedade Avajada, que pe'os finados devedorea lhe
foi hypotuecidi >m: garanta do paga>neuto de
todo o seu debi; v-ein pelo presante protestar
contra qualquer rrnaaoe&a a(M te pista fazer com
a propri<-dade Re do Braa, perteae ate aos mea
m is hypothecanr.es ; tanto mais quanto esta pm-
priedade foi em parte destinada para pgame it i
ao abaixo assigna'.o na partilha a uuo ae proedeu
in licialmente por occasiao do inventario da falle
cid-rlher do livo.theeantu ha mais de dous to-
nos, e que fji jn!.-;ado por sentenca pela Dr. juiz
de direit > da comirca, sem contestacao e opposi
qo dos iuteressauj3.
OutroHm, t'uio o abaixo astiirnado obtido sen
tenca favoravel da Venerando Tribunal da Rela-
cao do districto, no da 8 do oorr^nte, vem ainda
protestar conta O seguinte inventario qu-; por
ventura s>' pretenda faaer amigave! ou judicial-
mente para partilhar-se a mesma proprieda.de Rio
do Braxdo termo do Piluca desta comarca.
Areia, 12 de Junho d* 1886.
Francisco Antonio CazuUo.
(Da Conservador, da Parahyba).
Encino particular
Anna Mendes Bastos, residente ra do L'ma
o. 26 (Santo Amaro), achase habilitada a ensinar
as seguintes materias :''rimeiras lettrat, gec-
graphia, geometra, arithinetic.i, syath-ina m* rico,
deseuho linear prin'tipi s de msica e trabalhos de
agulha e pontos.
Ot senhor.'s pas de familias que quieorem hou-
ral-a com n su confianza, podem airigir-se casa
cima mencionada, das "9 liorat da manhi a 4 da
tarde.
Tendo de seguir par* Portagal no dia 25 deste
mez, por incaminodo de side e nio podendo dec-
pedir-me pessoaimente de meus amigos, faco-o pe-
la presente offerecendo Ihes all os rotuo tervi^oa.
eixo por procuradores Joaquim Dhts da^jilva
Azevedo Lentos, Jos Antonio da tHlva Lapa o
Antonio Rodrigues do Reg.
Recife, 21 de Julho 4e 1886.
Francisco Jos da Silv* Lapa.
Prograwaia
DA
Grande festa de Santa Anna
ao
CAMINHO NOVO
Ao romper da aurora do di i 25 do correte, urna
salva acorupanhada de diversas girandolss de fo -
puetes, annnnciar todos os fe devotos, qne
chegado o dia da tradicional festa de Santa Anna.
A'a 4 horas da tardo, do meamo dia, achar-ae-
ha collocada em um oorto a banda marcial do 14*
batalhio de intentara, tocaudo diversas pecas de
seu inetgatavei repertorio, sendo os iutervallos
proenchidos com bales fritos a capricho para
esse mesmo dia.
A's 8 horas da noite eer queira&do um grande
e variado fogo de artificio, feito pelo pyrotechnico
Franca Moli, tocando sempre a banda cima nos
intervallos.
A ra estar oraada com flores, bandeiraa, ar-
cos, etc.
A comiaisso eoc irregada do festejo pede a to-
dos os moradores da ra que illuminem as frentes
de suas casas, afim de abrilhantar mais a festa.
Manoel Jos de Almeida.
C, Heekmann
Usinas da cobre, tata e bronze ee d
Golitzer Ut'er n. 9. Berlira S. O.
Espeeialdade:
Construep de machi-
nas e apparelhos
para fanucas de assucar, destiila95es e re-
tina^oes com todos os aperfecoamentos
modernos.
INSTALLAgA DE:
Engenhos de assucar completos
Estabeleciraento filial na Havana sob a
mesma firma do C Heekmann.
C. e San Ignacio n. 17.
linices representantes
Haupt Gebru'der
EIO BE JANEIRO
Para informales dij.imse ai
Pohlman &C
\arope de Mal-raat
O Mi*icVatt*u& (leeydus HMiaua)
craal =e prepara esto xurjjJw am vt'
brasiliira.
E' um agento tfcentpeotico pooVcOsiss dio contra
na molestitt do peito e d* ttthma.
Os ovmerosos afrontados que deUk te &tto uso
conseguirn um resultado mait ooxitfaotario, aca-
bando por se recoaswcor que at boje a melhor
reparsci? para a cora da ""imn bruu
isla aaaiiBMaUca, e susitca e nprea-
6c, dispensando o empKgo a arseuio, folhas
de estramonio e planta* mu-cotieac, que acabara
quasi sempre pelo abuso que delles se las e mesmo
pelo uso prolongado por produzir ifFeitos desas-
trosos sobro a sanie e em g ral eutorpecneuto do
cerebro.
Vende se na Botica Franceza de Bouquayrol Freres
successores de A. Caors
X. Roa da trui-t. 9
RECIFE
Dr. Fernandes Barros
Medico
Consultorio ra do Boin Jess n. 30.
Consultas de meio dia 3 horas.
Residencia ra da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
Dr. (Mi Llitl
Ao publico
Retirando-ine temporariamente par Porta ja I a
tratar de minha sa Je c sem tempo da despedir-
me pessoaimente dos meas amigos, faco-o pela pre-
sente, off^recendo-lhes meus s^rvcos nVquelle
reino.
Deixo per meus procur.idorrt Jnaqaira Jos
Goncalvea Beltro, Antonio dos Santos Lopes e
Manoel Ooncalves Eatella.
Recite, 21 d.' Julh > de 1886.
Autonic Gunc.iives Beltrao.
N 5 A Emnrsao de Sjott muito re-
commendada pelos mdicos como o melhor
remedio para a tisira pnlmanar e moleslias
do peito e da garganta.
Restaura o organismo das pessoas pne-
dispostas tiska e fortifica contra os ata-
qui da doenja.
Sfaa de Floriiln Horrar t Lnmiinn
SOS
Nit dinicultoao licado e refinado rosto, pea qaaSrJade doa perfu-
mes de que geralmente a. Tanto as senhoras da
md eomo as senhortas- da America Central e do
Sul, dio urna inditputavel preferencia Agua de
Florida de Murray & Lanmun, em rugar de qual-
quer om outro perfume para o lenco; e teem-se
aferrado ai mesmo para mais de vinte longos
annos e,t i parle, 4 ousta do inteiro e completo
abandono do extracto de Lubin, asaim como de
muitos outros perfumes e easenciaa europeas maii
ou meaos agmdaveie, mis ea saahum caso tio
arouiaticoa e de propriedades tio toareis e refrige-
rantea. As nosoaa proprtas boidades, sjo hoje as
prime ras a justificar a ajsiaada senten<. passada
pelo publico da America do Sal, em favor desta ri-
quissima estenca fLral, a qual vegeta e se propa-
ga pelo mundo inteiro a ti va e sem rival, adqui-
rindo contiuuadamente novoa triumphoa.
Como garanta contra as falsifcHCoes, observe-
ae bem que os nomes de Lanman < Kemp venbam
estampados em lettras transparentes no papel do
livrinbo tpie serve de envoltorio eada garrafa.
Acha-se^ vmoa em todas ae boticas e tojas de
perfumaras.
Agentes em PernaStbaco, Heery Forster 4 C,
rus do Comueccio u. 9.
__
Ao contiar'io doa varios medicamentos queoio
pascando em muitos casos ,de compostoa anti
scientidcoa e incompativ.9mantidos peran'e o
publico furca de profooo* anuintcios, quaudo pos-
tos propriumeute prava como ap-rieutes salaa-
parrilbae, purifieadosea, reguUres oa promotores
da sade, se averigu aerrm absolutamente inu-
teis, o Xarope de Vida de Henler. N. .
leai continuado de anuo em anuo ganhaado sempre
na estima de todos os facultativos observadores, e
p- rfeitamente garantido pM-js factoa, que recom-
inendaaos o nao feote Valioso preparado a todos
quaut.it aofirasa de doeness pruvenientea de unpii
reaas do aangue, priaio do ventre, tempe amento hora, em diante en oaa residencia i roa da San
bilioso, ictetioia, febres, Jytpesia e todas s sfieo- ByCruz n. 10 Espocii'iladea, molestias de se-
eoes do figado e do rma.
.. te le Quenio 1.10
Licor depurativo vegetal :mk
Medi;o Qiiintclla
Este notabilissimo depuraute que vosa precedi-
do de tio grande fama infallivel na cura de todas
as doencas syphiliticas, escrofulosas, rbeumaticas
a de pelle, como tumores, ulceras, dores rheuiuati-
ciia, osteocopas e nevralgiesa, blennorrhagias agu-
das o ebronica*, eanerua syphilitieos, inflamina
edea riiwwos, d'olkss, ouvidos, garganta, intea-
'inos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathericot, assiic como na alopecia OO qiuiia
do i-abelM, a^s doencas determinadas per satu-
racao mercurial. Dio-te gratis folhetos onde ae
encentrara numerosas experiencias fetas com este
especifico noa hosp't.ies pblicos e muitos atiesta-
dos de mdicos e documentos particulares. Faz-se
descont para reveml-r.
Deposit i em casa de Faria Sobrinh & C.
Ra do Mrquez de Oliuda n. 41.
Aviso
Fabio Xarier fle Ssnza Foiseca
Medico o piarmaceuti .o hoincepatico o Ac-
rece os seos servic'i8 ao respeitavel publico
das 9 do dia as 12 c d-.s 3 as 6 horas da
tarde.
Na ra de S Francisco n. 29
91
(
i
Dr. Barreto Sumpaio. Medico ocu-
lista, ex-chefe de clnica do Dr. de
Weikcr, mu lou seu consultorio, do 2."
andar da casa n. 45 ra do Bario da
Victoria, para o 1.' andar da casa n.
51 da mesma ra. Consultas de meio
dia s 3 horas da tarde.
l
Cirurgia dentista
Patricio Moreira
Consultas e operaces, das 10 horas da manhi
s 4 da tarde.
HA DUQUE DE CAXIAS
N. 7, 1* andar.
ADVOGADO
Paln tardunl isas Bem
Ra do Boa-arlo Ealreita
u. **. i a
EDITAES
O major Frauwe Vicira de Mello, 2- verca-
dur mais votado da Cmara Municipal
deste termo, em exercicio de juiz de or-
phaos na present praf*, etc.
Faz saber a todjs que o presente edital virem e
lerern com 30 das de praso e 3 de pracas, a con-
tar da lata deste, excluidos oa dias de domingo a
santificados, que a requerimento de D. Mirando-
lina doa Santos Moraes Piuheiro e outros conse-
nbores, vai prar;a por arrendamento triennal o
eugeuhj Pocirho, situado na freguezia da Luz,
deste terme, muente e corrente, cuja piaca ter lu-
gar no dia l7 da Agosto prximo vindouro, no pa-
co da Cama-a Municipal no mesmo termo, pelo va-
l..r de 2:500000 annual e de 7:500J(;0 o tren-
nio, obrigando se o arrendatario a conservar as
obras do referido engenbo, no bom estado em que
se acham ; nao derrubando as mattas exiatvutes,
nem consenfiudo que se drrrubem; entregnndo o
dito engeaho, no fim do arrendamento, c.ntorme
houver recebido.
E para que ehegue ao coiiheeiuienfo de todos que
ateressar possam c se apresentein comucUnter-
mente habilitados, no lagar, dia e hora cima in-
dicado, para arrematarem o referido engenbo, com
todas aB Bas trras, obras e utensilos,^ mandei
passar doua edteesde igua' theor que serio affixa-
doa, um no lujar maa publico e do coatume nesta
cidade e outro no lugar mais publico e do costa
me da freguezia da Luz do mesmo termo.
Dado o passado neata cidade do Espirito-Santo
de Pan d'Alho, em 10 de >ulho de 1886
Eu, JoSo Alves Pereira Lima Filho, eBcrivio
que o subscrevi
Franco Fietra de Mello.
E mis se nio centraba em dito edital aqu fiel-
mente copiado o qual estava competentemente sel-
lado, do que tudo dou f.
Joao Alves Pereira Lima Filho.
Edital n. 741 _
De ordem do inspector geral, taco sciente a
quem interessar posea, que por acto da presiden-
cia da provincia de 20 do correte, foi rescindido
o contrato celebrado com Mirandolina Borges
Pestaa, para reeer a cadeir de instruccao pri-
maria de Scrra Verde.
Secretaria da instruccao publica de Pernambu-
co, 21 de Julho de 1886. Servindo da secreta-
rio,
Joio Fox.
I
Oculista
Dr. Ferreira da Silvay con-
sultab das 9 ao meio dia. Resi-
dencia o consultorio, n. 20 rna
Larga do Rosario.
CflBulUirw uedico-eirorgico
O Or. Estevi' Cavalcante de Albuquerque con -
(inua a dar consults medico cirurgicas, na ra
do Bom Jess n. 20, 1 andar, de meio dia s 4
Boraa da tarde. Parase deatais eonsulta eviai-
ras em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1 andar.
s. i ephoaiCiM : do oonsultorie 95 e residencia
126.
Eapeeiaidades Partos, molestias de cnacaa,
Nd'udtt aseus auuexos.
Dr. Carneiro Lea a
MEDICO
Tem o eeu consultorio e residencia ra*
Livraraento n. 31 1" andar. Consultes de 11 ho-
ras da uianb a 2 da tarde. Chamados por es-
eripto a qualquer hora. Eapecialidade :febres,
parios e molestias de crmicas.
B. ufimia Loite
HKDKO
Ten o seu escripturio a ra do Mrquez da
linda u, 53 das 12 s 2 horas da tarde, e dott
/oras e crianzas.
Edital n. 742 .
De trdrm do inspector geral, declarase
professores Jos de Mendouca Maurity e Maria
Roaa Pereira, nomeados no dia 20 do coirente, o
1" para a cadeira de instruccao primaria de An-
glicas e a 2 psra a de Serra Verde, que Ibes
tica marcado o praso de 30 das, a contar daquel-
la data, paca dentro delles assumirem o exercicio
de suaa cadeira
Secretaria da instruco&o publica de Pernam-
buco, 21 de Julfco ile 1886 -= Servmdo de seerc-
terio, _
Joao Fox.
Hedi, partelro e operador
Residencia ra da Imperatriz n. 48, S.- andar.
Consultorio ra Duque de Caxiaa n. 59.
D consultas das 11 horas da manhi a 2 i
tarde.
Attend-i pira as chamados telephone n.
qualquer hura.
Os abaixo assignados, tendo registrado e depo-
sitado as suas marcas industriaos e rtulos das
suas preparavoes na junta oommeroiai do Rio de,
Janeiro de conf. rm dale cor., as prescripces das
leis do impeno do Brasil, d claram e participam
aoa ntei-essados, que como nicos propietarios,
tem direito exclusivo de usar as marcea indus-
triaos e rtulos relacionados com manufactura,
fabricacio e venda das s;guin;ea preparai.5:s ;
Agua de Florida de Murray e Laman.
Toiiio Oriental.
Peitoral de Anacabuita.
I'attilhas Vermfugas de Kemp.
Oleo de figado de bacalho de Lanman & Kemi..
Emulsio de oleo de figado de bacalho com hy-
pophosphites, de Lamnara & Kemp.
Sslsapamlha de Bristol.
Extracto duplo de aveleira marica de Bristol, e
ungento de aveleira mgica de Bristol,
e que, portante, peraeguirao a todos os falsificado-
res ou imitadores das ditas marcas industraea e
rtulos, procurando que tajan castigados com teda
a sevenJade da lei.
Tambem acautelamos o publico contra todos
aqurlles que intentam sub.tituir as nossas prepa
raedes cima in"nciouadaa c >m artigoa falsificado
que levara rtulos ou marcas udustriaes que imi-
tain as nossas.
Lanman & Kemp.
Fados e nao palavras
Ao* tanda com preparados mineralgicos.
Ne6ta typograplia e na ra Direita n. 43, l.
andar vende-se tuituras homeopathicas para ino-
fensiva cura das seguintes molestias : asthmatico,
ainda mesmo bronchitico; eiysipela, enxaquecas;
iutennitentes (san o emprego do rata) quinino);
tosse convulsa, falta de inenstruacio ; cmaras de
sangue : cstericos ou metrite ; dores de dentes^ou
nevralgiiia, mi-trorragia; vermfugos, denticoe
uonvulact das crianes ; tudo mauipulado de her-
vaa do paiz.
Assim como tratara se escrofulosos em qualquer
,;ro e gommatoflos.

Alfandega de IVrn .mbnco
Edital n.
Em cumprimento ao disposlo no srt 657
consolidaca.'-das 1 is das \lfandegas, ae las publi-
co que, no proeesso di apprehensio a que se est
priedendo, de duas latas cuntendo fumo, viudas
ao vapor nacional Bahia, entrado oeste porto em
7 de Junho prximo passado e apprchendidas no
caes da LiugneU, s 10 boraa da manhi do mes-
mo dia ; foi pela inapectoria interina desta Alfan-
dega dado o seguinto despacho:
Julgo procedente a presente apprehenaao e
mando que se prosiga nos termos ulteriores e oon-
derano o infracta na multado 50*,*>d*sior-iios
objectos apprehenddos.
t Alfandega, 15 de Julho de 1886.-Jos oron-
calves de Medeiros.
Pelo que, fica o infractor intimado para, no pra-
bo de 8 diaa, vir satiafater diW multa,
3.* eeco, 21 de Julho de 188b.
* O chefe,
Cicero Brasiletro de Mello,


4
Diario de PernambucoSexta-feira 23 de Julho de
13*6
O Dr. Joaquim da Costa Ribeito, jui* de direito.
do Io dietricto criminal do Recife., por 8. M. o
Imqerador, etc., etc.
Fu saber que em vista do que lbe represente*
Cmara Municipal desta cidade em officio data-
do de 20 do corrente mez, tem designado o dia 2
do prximo mea de Agosto para a apuraco gem
daa eleicoes dejuizes de .paz e vereadores, que
deixou de ter lugar dentro do prazo da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei psssar o presente edital, que ser affixado
no lugar do costume e publicado pela imprensa.
Recife, 22 de Julho de 1886.
Eu, Antonio de Burgos Ponce de Len, escrl
v3o, o escrevi.
Joaquim da Casta Ribetro.
O Dr. Adelino Antonio de Luna Freir, officiai da
inperial Ordem da Rosa, commendador da real
* ordem militar portuguesa de Nosso Senhor Je-
ss Christo e juiz de aireito ie orphaos e au-
sentes da comarca do Recife c seu termo em
Pernambuco, per S. M. o Imperador o Sr. D.
Pedro II. .
Faco saber que no dia 28 do corrente mez, na
sala das audiencias, ser vendida em hasta pu-
blica a requeriraentj do Dr. curador fe eral de au-
sentes e de ccordo eom o art. 43 do regulamento
n. 2 433, de 15 de Jucho de 1859, a casa terrea n
26 u'aru'a do Padre Floriano, tendo porta e jasel-
la de frente, 2 salas e 4 quartos, cosinha fra,
quintal murado, cacimba propria, medindo de lar-
gura 4 metros e 95 centmetros, e de fundo 16
metros, terreno toreiro, em bom estado, a valia Ja
por 1:4001, expolio do finado padre Juvenci Ve-
rissimo dos Aojos.
E para constar mandei psssar o presente, que
ser publicado pela iinprensa e affixado no lugar
do costume.
Dado 0 passado nesta cidade do Recite, aos 0
de Julho de 18o6.
Eu, Francisco de Siqueira Cavalcante, escri-
vao, subscrevi. ,
Adelino Antonio de Luna Freir.
DECLABACES
A. E. C. P.
3' convocacj
Novamente convido os senhores socios a com-
pareeerem na sede social domingo 25 do corrente,
visto como nao se limitando a assembla a dar
posse nova directora, en face de que foi deli-
berado na arsso ordinaria de Junho, e devendo
tambem resolver sobre sssumpto transcedente ; a
mesa espera maior concuo de associados.
Secretaria da associacSo dos empegados do
commercio em Pernambuco, 22 de Julho de 1886.
O secretario ad hoc,
Ildefonso Piuheiro.
S. R. J.
Soire, em 14 de Agosto prximo futuro, soleen -
nisando o 22 anniversario da installaeao da
sociedade
Ao Sr. presidente podem desde j os senhores
socios entregar as notas de seus convites, que
ulteriormente tero de ser entregues aos convi-
dados pela presidencia ou pelas commissGes por
ella nomeidUs.
Recife. 21 de Junho de 1886.
Luiz Guedes de A"iorira,
2 secretaTio.
sociedade:
:i3l
Instituto Mllerarlo Ollndense
De ordem do Sr. presidente convido a todos os
socios deste instituto se reunirem, demingo, 25
do corrente, s 10 horas da manha, na respectiva
de, para assistirem a posse da nova directora.
Olinda, 22 de Julho do 1886.
O 1 secretario, Jos" Pinto Souto-Maior
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. Dr. engenheiro chefe,
faco publico que no dia 3 do mez prximo yindou-
rr, ao meio dia, recebe se nesta secretaria pro-
do'stas para a exeeucSo dos reparos do acude de
8. Bento, oreados em 2:243*868.
O orcamento e mais condicoes do contrato se
acham disposiclo dos senhores pretendentes,
para serem examinad-'S.
Secretaria da reparticao das obras publicas de
Pernambuco, em 12 de Julho de 1886.
O secretario,
JoSo Joaquim de S. Varejao.
~IRHAID1DE
D
Sentara Sanl'Anna da igreja da
ladre de Deus
De ordem da mesa regedora e de accordo com
que dispoe o art. 7* do compromisso, convido a
todos os nosse* irmaos a comparecerem no con-
sistorio da irmandade domingo 25 do corrente,
pelas 9 horas da manha, afim de eleger-se a nova
mesa que tem de reger a irmandade no futuro
anno de 1886-87.
Secretoria da irmandade, 21 de Julho de 1886.
Antonio Cardoso Ayres,
Escrivao.
Associafo Portugue-
za de Beneficencia
Assembla geral ordinaria
Convido os senhores socios desta associaeo a
comparecerem ua sede social, domingo 25 do cor-
rente, s 4 1/2 horas da tarde, afim de ouvirem a
eitura do relatorio da commissao administrativa.
Recife, 22 de Julho de 1886.
O 2o secretario,
B. A guiar.
Club Concordia
Suntag den 25 d. Monats Nachmittags 2 uhr
Preiskegeln. Nacheres im Club local
Das directorium.
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. Dr. engenheiro chefe,
faco publico que, em virtude da ordem do F.xm.
Sr. vice-presi lente da provincia, vai de novo
praca no dia 3 do mez vindonro, ao meio dia, a
bra de reparos da cadeia de Iguarass, servindo
d- base o abate de 24 (hO sobre o valor do res-
pectivo orcamento, offerecido por Ismael Gau-
dencio Furtado de Mendonca.
Secretaria da reparticao das obras publicas, 22
de Julho de 1886.O secretario,
JoGlo Joaquim de Siqueira Varej&o.
Segunda eessao ordinaria
De ordem do Sr. presidente da assembla geral,
convido os senhures socios comparecerem na
sede social domingo 25 do corrente, s 10 horas
da manha, afim de se cumprir o disposto no art.
23 dos estatutos.
Recife, 21 de Julho de 1886.
II. Martina Capitao,
Secretario.
A o commercio
' Os abaixo assignados, pelo presente declaram
ter con prado no Sr. Frr ncisco Joaquim Ribeiro o
seu cstabelecimento de molhados, sito ra de
Pedro Ivo n. 10. livre e desembarazado de todo e
quslqur debito ; mas se alguem se julgar com
algam direito em relacao ao dito estabelecimento,
aprsente se no praso de tres das. D'ora em
diante o estabelecimento continuar gyrando sob
a firma Fernandes Braga & Ferreira.
Recife, 22 de Julho de 1886.
Lourenco Fernandes Braga.
Jos Ferreira da Silva.
tluizo dos Folios da Fazenda
Escrivao \Torres Bandeira
No dia 6 de Agosto prximo, depois da audien-
cia, iro praca per venda, os predios abaixo de-
clarados penborados pela Fazenda Provincial.
Recife
Casa terrea ra do Pharol n. 58, eom 2 portas
de trente, 4 metros e 30 centmetros de largura,
12 metros de comprimento, 2 salas, 2 quartos, cosi-
nha tora, pequeo quintal e sotao, avaliada em
8C040O0 pertencente a Jos Duarte das Neves:
S Jos
Casa terrea ra de Vidal de Negreiros n. 47,
com 2 portas de frente, 3 metros e 10 centmetros
de largura, 14 metros e 7() centmetros de compr-
meme, quintal, cacimba, e porto para ra do
Forte, avaliada em 5004000, pertencente a Ma-
noel dos Aojos Ferreira.
Preparados
DA
c.
COMMERCIO
ttoisa commerclal de Pernam-
buco
RECIFE, 22 DE JULHO \>E 18So.
Aa trea horas da tarde
Cote'fie* offidae
Apolices da divida publica, de 6 0/0, do valor de
1:000*000 aopar.
Cambio sobre Londres, 90 d[v. 20 5/8 d. por
1*000, do banco.
Dito sobre dito, vista, 20 3(8 d. por 1*000,
do banco.
Descont de ierras,.8 0/0 ao anno.
Na hora da uolst.
Veadejam-se :
6 apoices da divida publica.
O presidente,
Pedro Jos finco.
O secretario,
Candido C. G- Alcoforado.
RENDIMENTOS PCBUCOS
Mes de Julho de 1886
ALFANDEGA
MaLTIA IMFACTRINu
LONDRES
Oleo de ligado de bacalhao e leite
pepllonisado
Esta preparacao tau saborosa que urna enan-
ca promptamente a toma.
O lei te digerido tem a propriedade de quasi in-
teiramente disfarcar o oleo e as pessoas de diges-
to mais dbil podem tomar sem receio.
Pepioaoldes de Carne
Um alimento nifoguoso composto de consti-
tuintes solides de leite bem cerno gluten do trigo
(livre de gomma).
Recommendado as convalescencas de qualquer
deenca, affecciks pulmonares, febres, pneumonas,
gastrite, dysenteria e toda e qualquer debilidad.1
seja qual for a sua origem.
Maldna
Um extracto concentrado de trigo, avea e ceva-
da fermentados.
Valor diastasico 30 vezes o seu propro peso !
O mais rico agente restaurador at hoje conhe-
cido, alt mente apreciavel nos c^sos de debilidade.
Alimento Koulutel de carnlcK para
rrianra*
A analyse deste alimento demonstra que os seus
CJDstituiutes nutrictivos sao quasi idnticos com o
leite materno, por isto o alimento mais aperfei-
foado para enanca.
Fornecem amostras gratis aos Srs. mdicos.
Deposito ra do Barao da Victoria n. 48
Commando das Armas
De ordem de 8. Exc, o Sr. general commandan-
te das armas, faco saber ao ex-soldado do 2 bata-
Iho de infantaria Antonio Goncal ves Lima, que em
14 de Haio do corrente anno foi escuzo do servico
do exercito por haver dado como snbstitut o o pai-
zano Joo Feliz da Silva, que tendo desertado este
dever se apresentar para continuar no servico do
batalho, at que seja capturado o seu substituto
de coof rmidade com o aviso do ministerio da
guerra de 10 de Julho de 1860, visto assim ficar
obrigadopelo termo que assignou neste quartel ge-
ne ral.
Secretaria do commando das armas de Pernam-
buco, 22 de Julho de 1886.
Francisco Camello Pessoa de Lacerda,
Coronel, secretario.
ioislerlo da Marinha
Reparticao de phardes
Aviso aos navegantes
Pharol do Bom Abrigo
PROVINCIA DE S.PAULO
BRASIL
( S 1886 )
Estando adiantada a construccao do pharol da
ilha do Bom Abrigo, no litoral da provincia de
S. Paulo e proximidades da Barra de Cauauo,
avisa-se que a respectiva luz ser exhibida du-
rante o mez de Junho prximo vindonro ou prin-
cipios de Julho.
O apparelho de luz dioptrico, da 6* ordem,
girante, e exhibir successivamente dous lampe-
jos brancos e um vermelbo, com o intervallo de
15 segundos de lampejo lan pejo.
O plano local eleva-se a 12,m 25 ao nivel do
slo e 154,m 20 (506 ps) aos das marea de qua-
dratura, e a luz ser visivel da distancia de 14
milhas, com tempo claro.
A torre, com a forma quadrangular, est com-
prehendida na casa dos pharoleiros, e pintada
de branco, bem como a mencionada casa. O pha-
rol est situado na parte meridional da Ilha.
Posicao g'-ographica
Latitude-25" 6'40" S.
Longitude4o41' -30" O. Rio de Janeiro.
47,-51'-50" 0. Gw.
5012'00" O. Paris.
Directora geral da reparticao de phares. bor-
do do vapor Madeira, Desterro, 12 de Maio de
1886. (Assiguado) Pedro Benjamn de Cerqueira
Lima, capito de fragata, director geral.
Est conforme. Capitana do porto de Per-
nambuco, 19 de Julho de 1886.
O secretario,
Antonio da Silva Azevedo
COMPANHIA
Imperial
DE
SEGUROS contra FOGO
ESI: 1803
Edificio! e mercadoriat
Taxat baixas
Promplo pagamento de prejuixoi
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
f N. Ra do Commercio N. 5
RlKDA OBBAi
De 2 a 21
dem d22
Bbxda rioracuL
De 2 a 21
idem de 22
268:883*430
48:643*79
40:102*835
3:804*914
Total
RacMBDORM D 2 a 21
Icern da 22
Coislado PaovaciiL De 2 a 21
dem de 22
Kcitb DuvaAOBL>e 2 a 21
dem de 22
317:527*229
43:907*749
361:434*978
18:006*244
1:183*231
19:189*475
116:678i431
1:213*264
117:891*695
10:457*767
894*090
tj>PACIiOS i)t KXPUU1 A(;O
Em 21 de Julho de 1886
Para o exterior
Nao houve despacho.
Para o Interior
No vapor francez Ville de Victoria, carre-
garam :
Para Santos, Maia & Rezen ie 500 saceos com
30,000 kilos de assuear mascavado.
Para o Rio de Janeiro, P. Carneiro & C. 195
saceos com 11,700 kilos de assuear branco ; H.
Burle & C. 230 saccas com 18,726 kilos de al-
godo.
No vapor nacional Marinho Yconde, car-
regaram :
Para a Babia, M. J. Alves 80 barricas com
8,430 kilos de assuear branca.
Para Macei, Fernandes & Irmao 1 barril com
96 litros de agurdente.
No vapor nacional Ipojuca, c urregaram :
Para o Cear, J C. Mello 1 barrica com 85
kilos de assuear refinado e 4 latas com 70 ditos
de doce.
Para Camossim, ?. Alvcs & O 15 volantes com
1,260 kilos de assuear brance.
Para Acarahu, P. Alves & C. 6 barricas com
311 kilos de aso^c:r branco.
Para Parnahyba, P. Alves & C. 30 barricas com
1,047 kilos de assuear mascavado, 20 ditas com
780 ditos ae dito branco e 30 ditas com 1,053
ditos de dito refinado.
MOVIMENTO~DO PORTO
Navio entrado no dia 22
Pelotas 17 dias, lagar hollanrlez Zuur-
dick, de 123 toneladas, capitao G. E.
Olthof, equipagem 5, carga xarque ; a
Baltar Oliveira & C.
Navios sahidos no mesmo dia
Santos por escalaVapor francez Ville de
Victoria, commandante Simonet, carga
varios gneros.
Bahi por escalaVapor nacional Marinho
Visconde, commandante Boaventura Ro-
drigues de Lima, carga varios gneros.
Companbia dos trilhos urbanos do
Recife a Olinda e Beberibe
Dividendo
Paga-se no escri^ torio da companlua o W* di-
videndo, correspondente ao semestee de HWliaii
Junho, a razo de 8 0[0 desde boj* as dm 17,
nos dias uteis, das 9 horas da manhl so mo dia,
e deste dia em diante todas as tercas e sabbados,
a mesoias horas. Pagam se igualmente os juros
das Lccoes preferenciacs e das aoces obrigato-
rias, w-o eetes vista.
"orio da companbia, 7 de Julbo de 1886.
O gerente,
A- Pereira Simos.
mo Federal Abolicionista
Pelo presente convido a todos os socios desta
sociedade a se rnuairem, de hoje em diante, todas
as noites, na sede social, das 7 s 9 horas, para
tratar-so de negocio importante. Recife, 17 de
Julho de 1886.
Barros Sobrino,
Secretario ad hoc.
Cha preto
As qualidades nie-
lhores emais escola-
das neste genero, con-
tina a vendar Carlos
Si den, n. 48 ra do
Barao da Victoria.
Receben de impor-
tacao directa e vende
mais barato do qne em
outra qualquer parte.
Tambem Tendemos
em caixas pequeas,
propriaspara botis e
casas de familia.
SECURGJ
ISDiNTRA- FOGO
FheLiverpool & hmii (lo
INSIRRANCE C0MP41M
BTS & a
Gompanhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelclda em 1^55
CAPITAL 1,000:000^
SINISTROS PAGOS
At 3 i le dezembro de 1884
Martimos..... M!O:0OO$OOO
Terrestres,.. 316:000^000
44-Raa do Commereio-
SEGUROS
MARTIMOS contra fogo
Companhia i*henK Per-
nambucana
Ruado Commercio
n.
6
C'OHPA^HIA KECUROS
N0RTHERX
de liOadres e Aberdeen
PoMlc&e Onaacelra (Oeiembro 1885)
Capital oubsciipto
Fundos accumulado3
Receila animal :
D premios contra fugo
De premios sobre vidas
De juros
3.000.000
3.134,348
577,330
191,000
132,000
O AGENTE,
John H. Bexwell.
BA OO COMMERCIO "V. I ANDAR
Companhia de EiJilicacoes
O escriptorio desta
companhia acha-se in
stallado na pra$a da
Concordia n. 9,conser-
vando-se aberto das 7
horas da manha s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
trucQes e reconstruc-
es.
Recebe se informa-
ndes acerba de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesmo escripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da e s m m a
companhia.
THEATEO
DE
(OHPAMIII EM HEiSAVG
RE HAItlTIMES
IJNHA MENSAL
0 paquete Equateur
Commandante Lecointre
E' esperado dos portos do
Bul at o dit 25 do correte,
seguindo, depois da demora
do costume, para Bordeaux
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se nos senhores passageiros de tudaa
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 /o em favor das fa-
milias composta de 4 pf ssoas ao menos e que pa
garem 4 pas.Hgens inteiras.
Por ezcepcao os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosam tambem d'este abati-
mento.
Os vales postaes s se do at e dia 23 pagos
de contad*.
Para carga, passagens, encommendas e dmheir >
a frote: tracta-se com o
AGENTE
ugnste Lab He
9 RA DO COMMERCIO -9
COMPANHIA PEUVtHirll'AM
DE
.Vavegaco eosteira por vapor
Tamandar e Rio Fornioso
0 vapor Mandahu
Segu no dia 26 de
Julho, pelas 5 ho-
ras da manha.
Recebe carga at o
dia 24, e passagens at
as 4 horas da tarde
do dia 24.
ESCRITORIO
cae* da Companhia Perumbn-
cana n. I * Coanp;. j Ura. jsfoa Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Baha
Commandante 1- tenente Aureliano Izaac
E' esperado dos portos do su I
at o dia 26 de Julho, e
seguir depois da demora in-
*y dispensavel, para os port'.-;
do norte at Mauos.
Para carga, passagens, encouu&tndaa e valoree
racta-^e ni agencia
11Ruado Commercio11
PORTOS DO SUL
0 vapor Manos
Commandante 1~ tenente Guilherme Wad-
dington
L' esperado dos portos do
uorte at u dia 23 de .''ulho,
e di'pois da demora in-
dispeuaavol, seguir para
os o->rr/>s do sul ioclueive o
da Victoria.
Recebe taiuo-m carga pira .Santo s, Pelotas e
Rio Grande d i "ul, trete mdico.
Para carga, passi^eus, .:ui-iin;n^ndas e arvo a
tratase na agenci
M. 11 RITA DOCOVIMEHCIO-N 1.
Jacaranda, i brco, 1 candieiro paragaz kerosene,
2 quadros, marqaetdes para casal e solteiro, urna
secretaria para senhora, marquezas, duas cadei-
ras poltronas, urna cadeira riara costura, urna ma-
china nova de Singer, uma mesa elstica, 1 guar-
da-)ouca, 3 aparadores, 1 porta charutos com m-
sica, urna mesa grande de amarellb, lavatorio,
ama bilba com ton.eira, duas jarras para agua,
cadeiras de guarnicao, ditas de balaneo, dita de
bra^o, duas arandellas, mesas grandes para dese-
nho, 1 cofre grande inglez, louca para almoco, di-
para juntar, copos, tacas, colheres, galheteiro,
portas-retratos, albuns, bandejas e muitos outros
objectos da uso domestico, que estars patente no
acto do leilSe.
Sexta-feira 23 do corrente
V* 11 horas
Na ra de S. Jlo n. 63, casa que foi ei-
criptorio do Sr. Dr. Gonjalves Brto
INTERVENgO DO AGENTE
Gusmo
POR
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 80t0 no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Goo(allo : a tratar na ra da
Imperatriz n. 56.
Piensa se de uma boa cosioheira para casa
de fmil a, pga-se bem : a trat r na ra do Ba-
jo da Victoria n. 39, luja. ^
Aluga-so o 8itij do Piua, com boa casa para
morada, contendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiros,
seis grandes viveiros, duas cacimbas com escolen-
te agua : a tratar no caes de Apollo n. 45.
ensina francez, lec-
sendo encontrado
LOU1S LA VENE tE
ciona em casa do discpulo ;
ra do Livramento n. 12.
A
COttPA.WHIA PtUIIHHK
DE
%afes:icao Costeira por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju' e Bahia
O vapor Jacuhype
Segu no dia 2S at
Julho, s 5 horas da
tarde.
Recebe carga at o
dia 27.
Encommendas, passag<. s dinheiro a frete at
as 3 horas da tariie do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pemambucana
n. 12
O abaizo asignado, tendo pago aos credo-
res de seu fiho Thomaz Ferreira d* Cunha Ju -
nior os di-bitos contrahidus por elle, quer commer-
ci es, quer c vis. at 18 de setembro de 1885,
julga-o quites eom seus credores at* esta data,
mas se alguem se julgar credor, aprsente seu
titulo at 30 do corrate, na ra do Mrquez de
Olinda n. 44, segundo andar. Recife, 17 de Ju-
lho de 1886.
Tbomaz Ferreira da Cunha.
ALUG SE a casa terrea n. 20 da ra do
Capitao Antonio de Lima, com 2 salas, 3 quartos
cnsiHba e quintal cum cacimba : a tratar na ra
do Mrquez de Olinda n. 8.
Compra-s> fios de liuho para o hospital Pe-
dio II : na ra Formosa n 4.
Uma mull-r de meia idade se oflerece par
servir eu? casu de uma ou duas pessoaa de fami-
lia : a tratar ni ra da Unio n. i.
Apolices pro inclae de 9 O/O
Compra-s ni 1-rgo du Coipo Santo n. 19, pri-
iiicd andar.
Coipfe ip Segaros Fllii,
ie Lisboa
AGENTE
VAPORES ESPERADOS
11:3SH|
Pampa
Manos
Finance
La Plata
Equateur
Bahia
Neva
Scholar
Petropolis
do sul boje
do norte hoje
de New-Port News hoje
da Europa amanha
do sol a 25
do snl a 26
do snl a 29
de Liverpool a 29
Agosto
de Hamburgo a
Miguel Jos Alves
N. 7-RT^A DO BOM JESS-N.
Segarow martimos e terrestre
Nestes ltimos a nica companhia nesta praca
que concede aos Srs. seg uradrs isempcode paga
ment de premio em cada stimo anno, o qne
equivale ao descont de certa de 15 por cento em
favor dos segurados.
COMPANHIA DMEOS
CONTRA FOGO
Nortb British i MereanUle
CAPITAL
t:OOO.Ooo de libras sterllwu
A O EN 1 ES
Adomson Howe & C.
Dirigida pelo actor GIL
e da qual faz parte o NOTAVEL artista
Alvaro Ferreira,
assim como distincin artistas do theatro
Gymnasio de Lisboa
A' ebegar no prozimo paquete da Bahia, far
sua estra com uma das melhores pe$as do seu
vasto repertorio.
Receben, se desde j encommendas de bilhetes,
na Encadernaco Commercial, ra Duque de Ca-
las n. 39.
Have/ bonds para todas as linhas e trem at
Apipueos. '
As encommendas serao respeitadas at o dia do
spectaculo ao meio dia.
iimed Surtes i Brasil Hail S. S. C.
O paquete Finance
Espera-se de New-Port-
News, at o dia 23 de Julho
o qual seguir depois da de-
mora necessaria para a
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
N. 8 RUADO CUlOutfOlO.-N 8.
1' andar
BOYAL MAILSTEAM PACkfT
COMPANY
Vapor La Plata
No dia 11 do corrente p.-rd.-u se uma pulsei-
ra de ouro com pedra (turqueza) e perolas, no
trajecto da capelia i'i;leza ra da Aurora at 0
Camiuho Novo, hotel inglez. Offerece-se boa re-
compensa a quem levar a dita pulseira ao mesmo
hotel.
Aluga-se uma casa na Estancia, com bas-
tantes commodos e bjn sitio : a tratar na ra de
Mrquez de Olinda n. 40.
= Compra-se ou hypotheca-sc uma casa pas
pequea tamilia : a tra>r na ra do Imperador
nnmero 45-A.
Aluga-se o segundo andar do sobrado ra
do Livramento n. 26, com agua e banho : a tiatar
na lija do mesmo.
- Fede-se ao Sr. C. A. B. A o obsequio de vir
saldar o alagu<-l da casa em que morou, sita em
uma das cidades da linha frrea de S. Francisco;
nao viudo, serei mais positivo no presente pedido,
j que sou ameacado de nao receber.
Aluga-se o sobrado n. 3 no caes do Gazo-
metro, entre o mesmo gazometro e a estacao de
Caruar, tem commodos par grande familia e
bom quintal : a tratar com L. M. R. Valenea no
mesmo lugar.
Pica transferida para a 69 lotera dajpro-
vincia as accoes entre amigo? de um realejo que
ee acbava designada correr com a penltima
deste mez. Recife, 22 de Julb de 18S6.
Salvador GuimarSes.
161000
Aluga-se a casa n. 4 da travessa do i-'reitas
(anrig- do Trindade) em S. Jos, com 2 salas, 2
quartos, cosinha, quintal, cacimbi e um soto; a
chave se acha junto n. 8, e trata se na ra da
Guia :>. 62.
Caixeiros
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 annos,
com platica de molhados e d fiador de sua con-
ducta : na roa do Mrquez do Herval n. 73.
Ama para cosinhar
No largo do Corpo Santo n. 19, segundo andar,
precisa-se de uma boa cosinheira. que d fiador
de sua conducta.
MARTIMOS
i.ondoo and Braslllaa Baak '
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, sendo
ro Lisboa, roa dos Capellistas n 75 N
Porto, ra dos Ingle zea.
COMPANHIA PEBMAUUCAN~
DE
AaTegaeo Costeira por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
0 vapor Ipojuca
Segu no dia 23 de
Julho, s 5 horas
da tarde. Recebe
learga at o dia 22.
Encommendas passagens e dinbeiros a frete aoj
s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRDPTORIO
Cae da Companhia Periamiucana
n. 12
E' 'esperado da Europa no dia
24 do corrente, seguinde
depois da demora necessa
ra para
Baha, Rio de Janeiro, Monte-
video e Buenos-Ayres
Este vapor traz simplesmente
passageiros emala*. e immedia-
lamcnic segura depois do desem-
barque dos niesmos.
0 paquete Neva
esperado
do sol no da 29 de
crrente seguinio
depois da demora
necessaria para
e Southanipton
tes, etc., tracta-se
NATARIOS
Adamson Howie & C.
Precisa-se de um
do Sebo n. 38.
Criado
rapas para criado
Para
passagens, fretes, etc., tracta-se com es
CONSIGNATARIOS
Alnga-se milito bacilo
a casa ter.- a u. 22 lade'ra do Varadouro, com
bons commodos, cacimba e por to para outra
ra : a tratar na ra do Arago n. 36, das 9
horas do dia 1 da tarde.
CnroflaMaR
Liquidam os seguintes artigos mais barato que em
outra parte, visto serem siguas comprados em
leilao a saber:
Lindos cretones claros a 240 e 280 rs., o ca-
vado.
Failes de novos gostos a 400 e 500 rs. o dito.
Linons com palmas de la a 800 rs. o dito.
dem com salpicos a 560 e 700 rs. o dito !
Popelinas com litras de i eda a 280 e 330 rs., o
dito para acabar.
Esguio pardo para vestidos a 500 e 560 rs. o
dito.
Setinetas, novidades, a 320 e 360 rs., cores
firmes.
Damascos de la, largura de 2 metros, proprio
para pannos de piano a 1800 o covado ; de cores
proprias para mesas a 14500 e 14600 o lito.
Merinos pretos para luto, 2 larguras a 900, 14,
14200 e 14500 o dito.
dem de todas as cores a 14 e 14200 o dito.
Casemiras de 2 larguras, padroes inteirameote
novos a 14200, 14600 e 14800 o dito.
Setim maco, de todas as cores, desde 800 rs. a
24 o dito.
Atoalhado trancado e bordado a 14400 e 14500
o metro.
Bramantes de 4 larguras, superiores a 900 rs. e
14400 o dito.
dem de puro linho a 24 o dito.
dem de uma largura a 500 rs. o dito.
Guarnieses de crochets para sof e cadeiras a
Ro Grande e Pelotas
Segu com brevidade para o porto cima o
patacho nacional Social, recebe carga : a tratar
com Baltar Oliveira & C, ra do Vigario n. 1,
primeiro andar.
LEILOES
Leilao
De movis, cofre inglez prava de fo-
go. mesan grandes para desanos,
espelhos. toacas e vldros
CONSTANDO
De uma mobilia de mogno com tampo de pedra
e completa, uma dita de amarello, 6 jarros para
flores, 2 espelbos, uma alcatifa grande, 1 relogio
com 30 dias de corda, uma cama francesa de jaca-
randa completamente nova, urna rica commoda de
Riquissimas colxas de dito a 124 e 144.
Lidas grinsddas e veos para Exmas. noiva* a
144.
Cortinados bordados a 64500 e 104 o par.
dem em pecas com 12 jardac, novos desenhos a
94-
Toalhas felpudas de cores, para rosto, a 74500
a duzia.
Meias inglezas, cruas a 34500, 44 e 64 a dita.
dem arrendadas para senhor i a 84 a dita.
Seroulas bordadas de bramante a 124 e 164 a
dita.
Camisas superiores fr&ncezas a 384 e 424 a
dita.
Cobertas de ganga, forradas a 24500 e 34.
Len$ea de bramantes, grandes a 2.
Chales de casemira, dem, a 24, 34 e 54-
Cortes de casemira ingleza a 34. 44 e 54-
CheV-ot superior, de 2 larguras, a 34 e 3500 o
covado.
Vendas em grosso. damos descont
da praca
59=Rua Duque de Caxias=59
Carneiro da Cunha i C.



Diario de PernambucoSexta-(eir 23 de Julho de 1886
<
. Tj-r-
M Jilf
^
Deutscher Huelfsverein
Genual V^rsHmuilung r. 31 ten. d. Mts.
TAGES 'RDNNG
Bericht nnd. RichiiunKs Hblage.
IFTTI
4os4:00OS000
Pra^a da Independen
cia ns. 37 e 39
O abaixo assignalo vendeu entre os sen,
foliaba bilhct<;s garantidos da 64a lotera
a sorte de 11)00 em 4 quartos n. 2476,
alm de outraa omitas de 32$, 160 e 80.
Cjnvida os possuidores a virem recebe
sem descont alfrum.
Acham-se a venda os fe.zes bilhet>*s
gan. G5 parte da lotera a beneficio
da Sauta Casa de Misericordia do Re-ife,
que se extr*hir quundo tor annuociado.
iiiibeta inteiro 40000
>'o 2,5000
(uarto 10000
la por?l?> de lo5at>o par
C'Mft
sir 35500
Meio 10750
guari 875
mu Augusta ios San*-* Po~ff
curamr
Sem dieta csem modifi-
cares de costumes
Laboratorio central, ra do Viconde do
Rio-Branco n. 14
Esquina da ra do Reqtnte .Rio de
Janeiro
Especficos prep irados pelo phar
macculico Eugenio Marques
de lio!lauda
Approvndos pelas juntas da hygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Pariz.
Elixir de imbiribina
Jegtabelece os dyspepticos, facilita as diges-
tVs e promove as ejeceoes difficies.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anemicos, debella a hjpoemia
intertropical, rtconstitue os bydropicos e btribe-
ricos.
Xarope de flor de arueira e mutamba
Muito recommt ndado na bronchite, na hemop-
tyse e as tosses agudas ou chronicas.
Oleo de testudus ferruginoso e cascas de
lar.injas amargas
E' o priineiro reparador da raqueza do orga
nismo, na fysica.
Pilulas ante peridicas, preparadas coaj a
p-rerina, quina e jaborandy
Cura radicalmente as fcbres intermitientes, re-
mitientes e perniciosas,
Vinho de jurub^ba simples e ta.nbem fer
ruginoS' preparados 6 3i vinho de caj
Effieazes lias iuflaumacoea do figado e baco
igudas oo chronicas.
Vinho tnico de capuana e quina
Appcado nai coovalcsevncas das parturientes
urtico antefebril.
Deposito : Francisco Manoel da Silva & C.
Francisco Manoel da Silva & G.
23-RUA MRQUEZ DE OLINDA-23
Grande e bem montada oflicina DE
PEDROZA & C.
N. 41Ra do Baro da VictoriaN. 41
Neste bem conhecido estabfN-i ment, se encontrar um lindo variado sor
timento de pannos, casemiran, brins, camisas, punhos, collarinhos, meias, gravatas
tudo importado das melhores fabricas de Paris, Loodres e Allemanha; o para ben
servireni aos seus amigos e freguezes, os proprietarios deste grande estabelecimenn
jm na direccao dos trabalhos da officina habis artistas, e que no curto espaco de 24
horas, pr"p;iram um terrV. roupa de qu&lquer fazenda.
Ra do Baro da Victoria n. 41
(PRIMOS SEM COMPETENCIA)
U
Roa Priineiro de Sarco n. 2o
O abaixo assignado, tendo vendido not
seus afortunados bilhntes garantidos 4
quartos n. 406 com a sorte de 4:0005000,
1 quarto n' 2939 com a sorte de 100,5000,
alm de outrae sortea de 320, 16)5 e 8$, d&
latera (64.*), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem recebe:
na coaformklade do costuiae sem descont/
a (gura.
Acham-se venda os afortunados bi-
lletes garantidos da 253.a parte das \ole-
rias a beneficio da Santa Casa do Miseri-
cordia do Reeifo (65.a) que se excrahir
quando for annunciada.
Presos
Inteiro 4 000
Meio 20000
Quarto 1,5000
Em quantidate matar de loo
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Manoel Mar'hm Finta.
t i
s 4:000U00
m$m mmmi
Boa do Baro da Victoria n
e casas do eestame
Acham-se venda, os felizes bilhetes
garantidos da 253. parte das loteras
beo.e6.cio da S.nta Casa de Misericordia do
Recife, (65.*), que se extrahir quando for
40
annunciada.
Inteiro
Meio
Quarto
porco
E:
Inteiro
Meio
Quart
Precos
40000
20000
10000
de 10(Mt4eo
cima
30500
10750
0875
FUNDICAO GERAL
4LLAN PATEKSN 8: C
N. 44--Ru i do Brum--N. 44
JUNTO A EF AfAO DOS BONDS
Tem para vender, por prer mdicos, as seguintes ferragens:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
CrivasScs de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de Vto batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modeloa
Portasd fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeameato para iardim.
Vapores de for9a de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura-; *
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, e assentamento de machinismo e execntam qual-
traballio AO PUBLICO
QUEIJOS DO REINO
Marca Johannes Phiym
No intuido de sustentar a fama adquirida por estes deliciosos queijos, isto seren:
Os melhores e os mais baratos
CHAELES PLYM &C.
Resolveram retalhar os queijos frescos da ultima remessa a *
2*600 UM
24RU4 DO COMMERCIO24
___________ (RECIFE)
P. 59Ra Duque de "axias N.59
Riquissimas cliapelinas e lindos chapeos para sonhoras a 60 e 800001 I
Anquinhas de sc.ti.n a 30000 para acabar.
Lindas luvas de seda, todas de cores, a 30000 !
Setins de listrinhas, phantasia p/.ra bailes a 400 rs. o covado 1
Capas de la para senhoras a 20, 30 e 60000.
Espartilhos hnissimos a 50 e 60000 Figurino
Camizinhas bordadas para senhoras a 40 e 50000.
Leques, rueias arrendadai, lenos de seda, enxuvaes para casamento, artigos
de gosto, tudo barato.
CARNEIR DA CUMA &C.
59Ra Duque de Oaxias59
Fumo desdado do Rio-Jovo
litt
par-
DE
Fritas Silva A C.
O mrlhor e omal poro que tem
Indo a ema piuca
NICOS IMPORTADORES
Q >8ta Lina & C. -Ra do Amorira n. 37.
AI, neida Machado & C Ra da Madre de
1 eus n. 36.
Jost '' Antonio dos Santos Ra do Mrquez
dt i Olinda n. 5 e ra Primeiro de Marco
_ 3.
Ag fie Wm
Joo Jnaquhf da Josta LeiU.
Em q
Sobrink
nartaa e meias garrafas, vendem Faria
> & C, roa do Mrquez de Olinaa i. 11
DEPOSITARIOS
Este remedio precioso tem gozado da acceit
C3o publica durante cincoenta e sete annos. com-
ecando-se a sua manufactura t venda em 1817.
Sua popularidade e venda nunca forao tao exten-
as como ao presente; e isto, por si mesmo,
orinece a melhor prova da sua eficacia maravil-
boca.
N3o hesitamos a dizer que nao tem dewado
em caso algum de extirpar os vermes, quer em
creancas quer em adukos, que se acharo afflic-
tos destes inimigos da vida humana..
Nao deixamos de receber constantemente
attestaces de mdicos em favor da sua eficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
rtmedio, tem apparecido varas falsificaces, de
son que deve o comprador ter muito cuidado,
.caminando o nome inteiro, que devia ser
^emiftec de B. A. FAHNESTOCK.
PILULAS
Ferruginosas
J\ 7RUBEBA
p, ^fTHOLOMEO & Ca
Phirm. Permmbuco.
Anemia, Flores brancas,
lt de SCenstrnacao,
daden tFobrea de san|
ir a assigna-turay'

De ANGE.
VSTILHAS
l_M & MENTRUZ

Antonio Laonidaa Durville Silva agradece da
and'ulma s peesoas que ge dignaram acompa-
nbar ultima morada os resto mertaes de seu
cunhado Antonio 3ercardino da Cunba, e convida
s meamas para assistirem a mise, que por eua
alma, manda celebrar no sabbado, 24 do crrante
na mati iz da Boa-Vita, s 8 horas em pontoi
cenfeaaando-se desde j summatnente agrade-
cido.
as
ere*
iT5
9
es
S3
5J
a
_>
O Remedio mats efficaz
Seguro que se tem deecobeiio i
hoje para expe'lir as Lon brlga.
SEMPRE
NOVIDADES
finas e modas
2 A-Eua do Cabuga-2 B
J. BASTOS & C.
Pelo ultimo vapor recebemos de PARS :
Cortes de vestidos diaphanos, alta novidade.
Vestidos da cachemira, especialidade.
Ditos de toile d'Alsace, grande moda.
Cachemira broch, tei-ido moderoissimo.
Orlatienne, fazenda nova e padroes lindiasimos.
Venitienne, combioac2o de fazenda lisa e Iavrada de muito gosto.
Zephyr quadrile, novidade.
Cachemiras de todas as cores com enfeites de Guipoure.
Plumetie, branco e de cores com lindos bordados.
Toile d'Alsace, variado sortimento.
Etaiine de cores, desenho novissimo.
Satin double, ecilo de algodSo e modernissirno.
Gase de algodJo, em todas as cores, propria para bailes e theatros.
Leques diaphanos.
Ditos de setim.
Ditos de madreperola.
Guipoure de seda.
Bicos do seda diaphano, rovoluco da grande moda para enfeitar vestidos
de sedas.
Chapeos de seda arrendidos, novidade.
Sedas e setios, branco, preto e de cores.
Colchas de damasco de svla,
Ditas de crochet e Guipouri?.
ESPECIALIDADES
Dolmans de seda c cachemira com enfeites de passemantere e vidrilhos,
uirne2o de renda e franja.
Jersey de 12 com enfeites de pelucia e bordados, oscolhidos sortmentos''d'esteB
asacos de malha, que vendemos do 8)5000 a 15)5000.
Fornecem-se as amostras de Iodos os artigos.
(Telephonen. 559)
-________________________________________________________*------------------------1---------------------------------------------------------------------------------------------------------------_
iiu/c js*. t efe ur a* *.un tinga ^ r*
BO0R14VOL FRl ^
Aos oies dos Diii
Cura certa em 48 horas das
mi
15
lamacoes
recentes dos olhos, pelo colyrio
do por Jos Pedro Rodrigues da i
Emprega e este poderoso colyrio semj
grandes vantagens, lias sesuinti's rnolestiat
Ophtalmias agudas, purulentas e clironici
uncvites, etc., etc.
Deposito era!, na drogara de Faria Sol
ru.a do Mrquez de Onda n. 41.
i*" 'n^rmHcoep, sedirijum livraria In
tnal ra do Barao da Victoria u. 7, ou i
dencia o autor, ra da Saudade n. 4.
p repara-
Silva,
ir com
\s, con-
>rinho
dns-
esi-
OEROCQUE
DEROCQUE
DEROCOUE
15, En', de Poitca, H
PA R I S
OLEO
FIGADO ue'BCALHA
Natural
Ferruginoso e Creosotado
Ru friiiiMN rturatru
1'Echqniir.
Foruocedor
privilegiado da Casa Real de Espanha
e de 3. jI. a Rainha de Italia.
Ozea P.
Ozea Saehet.
Ozea Essencia.
Ozea Agua de toilette.
Ozea Vinagre de toilette.
Ozea Agua para os dentes.
Ozea Pasta para os dentes.
Ozea Oleo.
Ozea Sabio.
Ozea Pomada.
Ozea Fixativo.
Ozea Cosmtico.
Ozea BriHiantina.
Ozea Cold Cream.
Estas exquisitas preparaces s&o milito apre-
ciadas na mais distincta sociedade pela deli-'
cadeza do seu perfume.
WMR ECER'S
TRANSPARENT CRYSTALSOAP
(Sabo transparente cristalino)
rccouhccido como o mais perfeito do todos os sabaos de toilette pelas anas
propiedades hygienicas, pelo seu aroma e pela sua larga duracio.
Deprit* nos principa Perfumarla, Farmacias, Ac.
FAZENDAS BARATAS
Na bem condecida loja dama Primeiro de
Marfo n. 20
JUNTO DO LOLVRE
Grande sortimento de madapol3es de 40500, 50, 50500, 60, 60500
70500 e 80000
Algod5e8 brancos, superiores qualidades, de 40, 40500, 50, 50500, 60 e
60500.
Saperiores cretones de 320 a 500 o covado.
Batistes, lindro padroes, a 200 e 320 rs. o covado.
Fusiles brancos de novos deaenhos a 440 e 500 rs. o covado.
Cobertas de ganga, forradas, de dous pannos a 30 500. ,
Ditas de ganga cretone,bonit os padrSes, a 30000.
Lencoes de bramante, de linho. de 20 a 40000 a um.
Ditos de algodSo de 1,800 a 20500.
Toalhas felpudas, de tamanho regular a 50000 a duzia.
Ditas grandes para banhos a 20000 urna.
Lencos de algodao de 10800 a 20200 a duzia.
D'tos ^e algodSo, oom barra, a 20400 a duzia.
t.i nardo, idar.i, a 300, 400 e 700 rs. o covado.
Dito '..aacado, Uus,, a 10, 10tOO e 10200 o meto.
Jres ile vest.k. de cretone de 200 por 80000.
G.t..iuaaapos a'e liaho de 30500 a 60 a duzia.
Granae varicdade de anquinhas de 20 a 50000.
Meias cruas para homem a 50, 60, e 70000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 50 a 100000.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
Algodo-tranjado de duas larguras a 10300 a vara.
Bramante de algodSo, de qnatro larguras, de 10500, 10800 e 2000 a vara
Dito de tnho idem idem de 20, 20500 30 e 40000 a vara.
Leques de papel, de lindos desenhos, de 500, 800 o 10000.
Merino preto e azul a 104O( rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Guarda p de brim de linho pardo a 40, 50 e 6J000.
Oxford para camisas, lindos padrSes, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Velbutinas de todas as cores a 10000 o covado.
Molesquin de cores, bonitos padroes, a 600 rs. o covado.
Chales de algodao a 10200, 10400, 10600 e 25000.
Costumes para banhos de mar a 80 e 100000.
Cortinados bordados para cama e janellas a 80 100, 12, 14 e 160000 o par.
Grande sortimento de roupa feita para trabalhadorea de campo.
Encarregamo-nos tambem de mandar fazer qualquer roupa para homens e
meninos, para o que temos um hbil official o um grande sortimento de pannos, brins,
casemiras, etc.
Quem precisar de algum artigo bom e barato, dever visitar de preferencia
este antigo e acreditado estabelecimento.
Eoa Primeiro Se Marco i. 20
JOSEPH KRAUSE &
Aeabam de augmentar o seo j bem conhecido
mportanle estabelecimento roa Io
de marfo n. 6 com mais
nm salo no 1 andar inxnosamente pepar-
rado e prvido de urna expesi-
fkBm deprata fe Portee iedn>plM
dos mais afamados fabricaiies de
mnndo inteiro.
nonvida, pois, as Exmas. familias, seus nume-
rosos amigos e fregnezes a visitarem
o sen estabelecimento, afim de
apreciarem a grandeza e bom gosto com que
nao obstante a grande
despeza, o adornaram, em honra
desta provincia.
CHA-SB ABITO DAS, A'S 8 DA ME

K2
5

WQ
Chapeos c chapelinas
36 A40PBAQ DA INDBPENDEIA--36 A 40
B. S. CARVALHO & C.
Proprietarios deste bem coohecido estabelecimento pautecipam
as Exmas. familias e o publico em geral, que raensalraente recebem
das principaes casas em Pars e Manchester o que de melhor e de
aparado goso ha em chapalinas e chapeos para senhoras e meninas
e das primeiras fabricas de Hamburgo o que ha de melhor cm cha-
os para homens e criangas, e muitos outros artigos eonoernentes
chapelaria.
Flores artificiaes para ornamento de salas.
G<3
&2
S9
rz
c^


niulZ.

tmr
ip^p


6
Diario de PeroambucoSexta-feira 23 de Julho de 1886
=>*
Jos de Castro Guima
raes
ue em Goyanna tem o nome de Jos Gaspar
Domiagues de Sauz nao mais cobrador da co-
ebeira ra da Imperatriz n. 29 desde Marco, e
chamado prestar contas dos dinbeiros que re-
ceban, como consta das contas rom os recibos, e
estregar as contas que ainda tem em seu poder
ao admin strador daquella conheira.______________
jsrico
Miidanp
solicitador Joao Caetano de Abren mudou o
seu escriptorio para o primeiro andar do predio
n. 88, ra do Imperador. ^___ ___
Cosiaheiro
Precisa-se de uoi cosinheiro : no Instituto
Acadmico, ra do Visconde de Goyanna, Mon-
dego, n.153,
Por 151000
Aluga-se a loja do sobrado ra de Lomis Va-
lentinas n. f 0 : a tratar na ra Primeiro de Mar-
co p. 7 A, livraria Parisiense.
Grande casa terrea com solio
Aluga-se
Tem no andar terreo 6 quprtos, 2 salas, corre
dor ao lado, no quintal cosinba, boa cacimba-
grande telheiro para animaes, no oitao de toda a
casa am terreno todo murado com portao na fren-
te, proprio para jardim e borta, toda a casa c
muito ventilada, ra dos Coelhos n. 15, esquina
para o caes de Capibaribe : tra'asc no patea do
Carmo, casa de banhos.
mor
1)0J inerte
Aluga-sc os andares do sobrado n. 59 ra
nova de Santa Rita, tem agua e banheiro, ser-
venta independente para o caes : a tratar no
escriptorio n. 6 ao caes da Companhia Pernam-
bucana.
Precisase de una
gomar, e fazer
AMA
ama para lavar, en-
e tazer mais alguns servicos de
casa de familia na ra da Matriz da Boa-
Vista n. 9 se dir quem precisa.
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba cosiiihar
ra do Riachucllo n. 13.
na
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinbar e fazer
mais servicos de casa : na ra do Visconde de
Albuquerque n. L'4.
Ama
Para cuidar de urna crianca precisa-se de urna
ama : na Capunga, ra do Dr. abuco n. 16, casa
de azulejo amare! lo.

PreoaraQo de Productos Vegetaes
PARA
TINyiO DAS CASPAS
e outras Molestias Capillares.
JvIartinsTbastos
Pernainbuco
Ao publico
Hermina de Carvalho Menna da Costa, proprie-
taria da photographia sita ra do Barao da Vi-
ctoria n 14 2." andar, declara para os fins con-
venientes, que desde o dia 6 do cerrente deizou
de ser sccio da inesuia photographia o Sr. Flosculo
de Magalhaes.
Aproveita a occasiao para eommumear a todot
aquelles que se teein dignado de dispensar-lhe a
sua proteccao n'aquelle ramo de negocio, que con-
tinua com a referida photographia, a qual se acha
boje melhorada consideravelmeute nao s quanto
aos misteres technicos d'arte, como tambem quan-
to aos dema8 requisitos esseiiciaes para nao des-
agradar aquellas pessoas que alli comparecerem,
dando prov* de desojo de concorrer para o pro-
gresso da industria nacional.
Das Exmas. senhoras principalmente, espera a|
referida proprietaria toda sua valiosissima protec-;
cao.
MULSAO
Aos i.ooo:ooo$6oo
200:000$000
lOIMIOOSIIOII
LOTERA
DE 3 SIMIOS
Em fin r dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Extracgo: no 15 oDezoiro ae 1886.
0 thesourero, Francisco Gonvalves Torre
mwwwiminni>B
De Figado de Bacalhau Pancretico
DE DEFRESNE
I
TODOS OS QUE FAKCEM MOLESTIAS DO POTO
Devem lar o eeguinte
Este oleo tem o aspecto de nm creme branco
que se pode diluir no leite, cha, chocolate ou
caf. Possue todas as virtudes e propriedades
de to precioso remedio, e tambem toma-se sem
repugnancia alguma pelos doentes mais deli-
cados ; grecas a elficaz addicao da Panero-
atina, chega no estomago, digerido de tudo,
e nunca provoca nauseas nem diarrhea.
Oepois de ura semnumero de experiencias
praticadas nos hospitaes da Corte, este medica-
meuto obteve a approvacao dos mdicos da Fa-
culdade de Pars. Hoja em dia, todos os med
eos receitam o Oleo de Figado Pancre-
tico de Defresne, como nico remedio
para curar radicalmento:
JLTMPHATISaO, II ACIflTISSE
TSICA rri.!HO\AK
e mais affeccoes que impedem os eiTeitos da
nutrifo e assimilaco.
EM TODAS AS PHARMACIAS
AAAA A*AA<>AIA
'4
&

ii
jg-a-se
o predio n. 140 ra Imperial, proprio para ea-
tabelecimento fabril : a tratar na ra do C'ommer-
cio n. 34, com J. I. de Medeiros Reg
Aluga-se barato
A casa n. IG ra dos Guamrapes.
A ra Lorna^ Valentinas n. 4
O armazem da ra do Corone! Suassuna n. 141
A casa n. 107 da ra Visconde de Goyanna.
Trati.-se na ra do Commercio n. 5, 1' andar
escriptorio de Silva Guimaraes & C.
Jardn) das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendendo- se acabar com as plantas que es-
to em vasos n'este jirdim, vende-se os sapotisei-
res multo grandes, e dando fructo, 2000, la-
ranjeiras, muito grandes, para ensertur, 6000
a duzia, e sap tisciros mais pequeos por barito
preco._
1,1
DE
SCOTT
i)E OLEO PURO DE
Figado de Uacalho
COM
Hvpojtl.ospl.itos de cal e soda
.ipprovada pela Bsinta de Ily
glene c aii governo
E' o nielhcr renv dio at hi-jc deicoberto para a
tlMira bronchitc, owcropliailaM. ra-
chitrs. Dnemia, cltiladr em ge ral.
defla.mi>, iomm> elsronica o anvcoes
do pollo o da snrsanta.
E' muito s'.p-Ti' r o oleo simples de figado de
bacblb". porque, aiin de r i li iro e sabor agra-
daveis, possoe > virtudes medicinaes e nu-
tritivas oo ole '. in Jas propriedades tnicas
reconstltumr .- I byj bosphitos. A'venda nai
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
Offereee-se
um rap a d>' b a conducta
ciiptorio: quem precisar
T reo ii :1.
para mandados de es-
irija-se ao patea do
Toiuem nota
Trilhos paraengenhos
WAGONS PARA CANNA
LocoDiolivas
Jlaehnismo completo para en
genhos de todos os tamaitos
Systema aperfe9oado
Especificares e presos no escriptorio dos
agentes
Browns & C.
.\. 5 Una do Commercio
N. B Alm do cima B & C, tem cathalogos de
mu i t implementos necessarios agricultura, como
.ambem machinas para descarocar algodo, moi
nhos para cat, trigo, arrez e milho ; cerca de fer-
ro galvanisado excelleate e mdico em preco, pes-
8oa nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
bral a.
Telegramma (resposta paga)
Bieos orientaes, grande variedade em cores e
larguras, receberam o Pedro Antunes & G, e ven-
em barato ; esperamos resposta ao 63 ra Du-,
que de Casias. Nova Esperanza ; novo sortimen-
to em lequea de papel a 700 e 800 rs, preferencia
exclusiva ':' J" aH" -;- ... I
?"". j u..us ue .._, uu...wd cores e lindas
paisagens a 3$, barrato puuhos e collarinhos
bordados para si-uhora a 1800 e 250O ; ditos
tom cintas de cores a 1200 ; bonitos e delicados
licnbos de Cures, ultima moda em gravatas, a
1( 00. Ke;posta paga ; vale a pena verem o que
: na loja de Pedro Antunes & C. n. 63, ra
Duque de Caxias.
Vendedeira
Precisa-se de urna v. nedeaa livie ou eacrava
para vender e ajudar a preparar : na ra da
Palma n. 109. __________________________________
\o commercio
Eu, abaixo nesignado, declaro que Vndi ao Sr.
Lourenco Fernandes Braga e Jos Ferreira da
Silva o meu cstaoe ecim>'iito sito ra de Pedro
Ivo n. 10, livre e desembarazado de todo e qual-
quer onns para os mesmos compradores, ficando
eu reEponsavel pelo passivo do mesmo estabelv-
cimento, e aquella que so julgar com direito ao
mesmo estabelecimi nto, apns-'nte suas contas no
praso de tre9 das para eerem pagas. Recife, 19
de Julho de 1886.
Francisco Joaquim Ribeiro.
Tricofero de Barry
Garntese que faz nas-
cer e crescer o cabello ainda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todos as impurezas do cas-
co da cabe9a. Positivu-
mente impede o cabello
de cahir ou de embranque-
cer, e infallivolmente o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada segnnda a formula
original usada pelo inventor em
1820. E' o nico perfnmenomun-
do que tem a approvacao official de
um Govemo. Tem dnas vezes
ninis fragrancia que qnalquer outra
eduraodobro do tempo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
lenco. E' duas vezas mais refres-
cante no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidao e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cunsacos e os
desiuaios.
Xarope e Vida fle Reuter No. 2.
O portador de dous vig-esimos desta
importante loteria do eusto de 2$200 est
habilitado a tirar
20:012$000
Prego em por^o
DO ENCAS do ESTOMAGO
DIGESTOES DIFFICKIS
Dyspepsias, Gastralgias, Anemia,
Perda de Appetite, Vmitos, Diarrhea.
Debihaade das Crianc-as
QCBA sequsjl e ha?:: a pei.o
BtVn
Torgico-Dioz:3Tivo
m Qitineif Cocu < Pepsina
Adoptado em todos os Hospitaes
KEOALHAS NA3 EXOS1QOES
PARS, r. LaBrnyre,34, e em todas as Phannacia!.
Vigsimo.
Vigsimo.
A' RETLHO

A ROUA DA F0HTUN4
30Una Larga do Rosario30
MORSONs PEPSINA
O Vigor d
Cabello
"Ayer
I r Vigor)
I SUA
'
cuma,
TOHNANCa-3

1-ACI0. KEXIVEL F. LUSTROSO
Purjr otlo Df J.CyCSaCIA.IoiWUtoitl-'
Remedio Malilvel e agradavel
PARA COMBATTtR A ^
INDIGESTA0
Sob a forma de
riAscoa, pos
ou GLBULOS.
VENDE-SEna HUNDO INTEIfO.
PRKPARADOS DE
Pepsina .florson
Muito recommendadas
pth prmeipaes Medcot.
MORSON SON
Soulbamptai Row, Russell-Square
UJNDON
lili i iilllil 144
UtmiitriMsmPerntmbuco ^rinr-JC-iaSILVAAC'
ESt
la Pernambuco : .' ...-
Silva Si C-
dicamshto de um Kusto agradavel, adoptadq co:.\ erante xito ha z^C
de 20 asnos peloj mclliores Medio ola Parlz. cura os e/luxo, 6-if, Tuse*, ^;.5ft.
*or* dt Caraanta. Caiarre mimonar. IrrttaamM a ueuo. das Vita urina'i-i O 1a liex-iQa.
Zu?
Aviso
PraeSaa-se de uaa profrss ra que saiba tocar
be piano e mais rul). 'h >s d;' seabora, para eu-
genho : a tratar c >m a Bario di- Nasaretb, ra
do Imperador n. 79, l >.n,!ar.
pimo m RK.4
. de 3X9 4X9 e 3X!2 ; vende so na ferrara a
"Tapnr de Climaco da Suva, ctres 22 de Xovembro
numero G.
Serrara a vapor
Caes do Capibaribe n. Z s
N'esta serrara encontrarao os 8'uhoivs frepue-
'ea, um grande sortimento de pirhj de resina de
neo a de metros de compnmenco e de 0,08 a
' 9,24 di- esquadros Garante se preco mais como-
do do que em oura qualqucr parte.
Francisco dar Santos M acedo.
"HMMI.........1.............IIPIIIKWHWW
SABONETEdeALGATRO
'ABA A TOIIX1TB, OS BANHOS B CUIDADOS A BAB A CRIA I, C A
Este #ABO\kte, vermtuUiro antimeptic, o mata efflcax fara a cura de toda, as
______ mOLESTIAS DA PELLE
SAPO CARBONIS DEXERGENS
i.acat vosxas enancas com o ftAfO / ttiHOSla HJbl.lH.l.. oSARAHPO, m. VARILA m. FE3RE ESCARLATINA
E~tea BABOXETES sio rocoinmeiidados pelo Corpo medico Intelro porque irevlrem as
MOLESTIAS KPIDEIiCAS e CONTAGIOSAS e te udaptao a qualq'uer cuma.
MARCA DE FABRICA f^-i KNVOLUEROS K SOS PES
ODeyosito srra.l: W. V. WBIGKT SZ, C, Sou.ilT-wrarlr. LONDRES
Em Farixs-ry- 1-neo y-.-an" 3VC. cia SiTT ~r /V & C'
a^^^. a a. ^.^^Bfl^^-^a.^^ AA.A,...r teta ^^. -
DAY& MARTIN
Fornecedons de Sua Majesttde a fttlth dt Inglaterra,
do Exerclto e "j Uarlnht briUnnlct.
GRAIXA BRILHANTE LIQUIDA
GRAIXA.pastaUNCTUOSA
OLEO para ABEEZ03
E tudo o que necessario pan a manu' encie da coan
sob todas as formas.
DEPOSITO GF.RAL EM LOi IORES :
*t, lliijh Holborn, 07
IB fer.mbuco : FRABC" H. i SUVA V
Sffr:;:'i':.-
Ii-. Henrlque do Mego Brr
A Condessa da Boa-istn, Mara do Beo
ros e Affonsn do Reg Barrea, mili e itma.is do
finado Dr. Henriqne d Reg Burros, cii.\
aos seus parenteg o amigos para caridsco
qnio de assistirera ss missas do primeiro annir< r-
sario, que por alma ri mesmo finada mandan oe-
lebr>r sexta-feii-a 23 do eorrente, s 8 hora
matriz da Boa-Vista, pelo que desde j anteci-
pam os seus sinc- a Bgradi eimenl -i
Para criado
Precsa-se de um menino de 12 14 annos j' no
ec.riptorio deate Diario 6e dir qurui nreeM.
MUTttA TODAS as
^OLESTMSdasYS 0EB1RIAS
jpscumEyiS
Catorro cornico da Jos,:
fcritatfiB do canal de urjtf",
Molestias da prstata,
:iContinencia da Urina,
Arsia na urina, etc.
HI, Pharmaceuticc-:
*. :a \:tiol;o'E, i%, PAHI3
4o commercio
O kbais Uu participa an corpo do com-
mercii amigos, qni- u>-ixou de wr caixei-
rodeJoaLniz non/.np* da Silveira, "stado
de eaa s>iile. Reeif 2 de Julho de -
MaiiK-1 C-etano Meudr.. Vi ha.
ittenco
: inlis de bode, curtidos, a lS:2>0.
Taboits de louro e oitmica a l5U0 urna.
Ditas de aniareHo de 2 e 2 1/2 palmos de lar-
gura : no pateo de S. l'jdro u. 4, loja.
Em casa de todos os Perfumistas e Cabelleireiros
da Franga e do Extrangeiro
V ^^^^ Por OH. X
\ FJ^JEHe, 9, Eua de
PREPARADO COM BISMUTHO
Perfumista
la Paix, 9, FJUEeiS
Os proprietan'os do muito conheciJo etulL ci.ueuto denomirj>.:i-<
MUSEO DE MAS
sito a ra do Cabug n. 4, commuoic&m ao respeitavel PUBLICO que receb -.m un
grande sortimento de joias tas mais modernas e dos mais apurados gostos, c....... tara-
bem relogios de todas as qualiiiades. Avisam tambein que continalo a psaeber por
todos os vapores vindos da Europa. obj".ctos novos e vendem per muito menos que en
outra qualqner parte.
r^n5LSLElSl]Eil5l5TSl5l5^
1KTES DE TTSAL-O. DEPOIS DE USAL-O.
Cora positiva e radical de todas as formas de
escrfulas, Sypbilis, Feridas Escrofulosas,
AfeccSes, Cutneas e as do Couro Cabel-
lado com perda do Cabello, e de todas aa do.
n^as do ftngue, Figado, e Rins. Garante..se
que purifica, enriquece e vitalisa o dengue
e. restaura e renova o gyatema intejro. ^,
SaMo Curativo de Reoter
Para o Banho, Toilette, Crian
Sas e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especies
e em todos os periodos.
f VINHO E GRAGEAS
do vivien
EXTRACTO NATURAL DE FIGADO DE BACALHAO
Premiado coi medalhas de Ouro e Prata
. p^la ACADEMIA nacional
Ordenado nos hospitaes de Feanea, America, Inglaterra, RumLb, to.
Administrar sob forma mui fcil e agradavel todos os elementos curativos do olee
evitando assira o cheiro e sabor nauseosos d'este; alem d'isso esta preciosa preparaci
tem urna su^eriorida le incontestavel sobre o oleo porque pode ser usada durante a
grandes calores em quanto o uso daquella impossivel, tal o eminente servifo prestad*
pelo Doutor VIVIEN; a experiencia tem confirmado o bom xito d'este producto.
Exigir a firma do inventor H. VIVIEN em duas c&res ao redor do caralo de caula
dos Fabricantes jo, boeltvard Strasbourg, em PARS.
garrafa com o Sello de uniao
X AOPE *RStMVILLf i
_, Laureado pela Academia de Medicina et**"'
0*,lji->4_. Cavafbero tft Legl&o e Honra r-rilT^
^^>a:
^ATOdaCAL GrEt-^'
pL-toda cal
quandade normal dirolnue resulta umaatTeccae nr^antca grave
O Phosptato da ai 6 & substancia mineral mais abundante do organismo toda Te* que sua
Mala de deco rail curas, a mor parte jusUUCada pelos Profossores e Medico* das Facilidades
forao obtldas ltimamente e fUer&o com que o Xarope to ir Keinvillier fosse cl;is-ilicado
COtnO O especifico uiais seguro contia a Tsica pulmonar, Sranciiite -fcronic, Aiiemi*,
Hachltiimo, Sebilloade'd Organismo, u Xarope do V KemiUlietr administraao
dianameut aicrUmcas facilita a donlioio o o crescmeuto as mies e amas du leite toro o
.leite nvdhof; apode a caria e Dej".~
Fra
i i'i-rn;, .
M.nool da
rxpoalto: PtermBoia VXBXiWQ:trB, 8, Plao du la Magoolelna, r&MJX.
i Pcrnambuto. JWAJF* M. da Sfc YA Jt C, e nu principan Pharmaolai "
trtat.
S,l a
asa de
&C
H-H*e sceco k aj\\
primeira
para ven
maz'-tr.
proprio pn
in i do bom Jt-
ente, tem
nuirero 35, ar
\viso
UTARilS'-^illX
Pe.! UCtlRM ESHC
'OSO, .
N.
MMHJ1, WOLFP & C.
[ RA DO CABUG--N.
ompra-se ouro e prata vclha.
LOTER
ALAG0AS
WREN0DIA27DEJULH0
'^TRNSFERIfEL! "'""............
Mpira-se a f'iaiaue que penetra uo pe tu auuuia u syiup.urnd
a expeclor??a e favonsa as funcooos aos orgaos resi fraC
'ir"- eaa mmii em aa *e A EMCIC t, ra w-Sjuturc. etm Paria
Zlffoittartoiem P*rtt***bueo fJtAKV- X.oUti'i.iA* 'C-. _
Ti-ado .'
os bH
23593.
Sra. J
eora publ
relio de 0
coireio
xa da pr
sur ao I
que teem
|; DI.
ao mesmo
fe, 21 de .h
Dr
tai egaa d Kr coronel Fiuza
i .. do ^ pir i -. ">2516 e
emd para Ai nfia r:- Baxn
Qodi y \ :i !", prof- s-
Iher do meu n-;j l.oii Au-
Vxs 'oncell">, p rec u do
tora por mi la ni eai-
e i'Eu ; : eoh i avi-
. c non- 1 ni i neuhores,
vinder bilh les, qye,,ua6 pa-
i >'88'-s bilhete- f'tfws, seno
Keci-
.-. do 186.
l'iaxtd-'s Gomes de Sovza bitanga.
INHO.gilbeitSEGIIIN
FEBRFUGO FORTIFICASTE :j.'"Ovtdo osla Academia de Medicina de Parle
Sessenta annos de Espsiencia
_ xito tem demonstrado a ecacia incontestavel desle TOtmo, qn \iem para cortar as Tt.br *e evitar seu reappareclmento. qur como forti/lcant* as
aoencaa, Debilidade do Sanrne, ralta ie Mentruaco, Inappetencia, Slgea-
I >1, aafermldadea nervosas, Debilidade causada pela edade o por exceasoa.
n'>, que contim mala principios activos do que oa c, parados ilmilartt, rendirte por prasa im
ptico mais thn1o.Hto se dte objectar contri o prtco mi riitt dt reoonhecida elcacit do mtditmmtuto.
FtaarmoU <3-. UH3C3-tmHr, 378, ra SainvHon&r. PARTS
Deoosiiarios ein Pemomdnco FR4N M. da SiLva e O".
uepossmrim
vigg8|mo desta importar) te \ o
tera est habilitado a tirar........
10s906f 000.
Os bilhetes acham-sea' ven-
da na Gasa Feliz, pragad in-
dependencia iis. 37 e 39.
Corre no dia 27 de Julho
41886, sem alta.
r


Diario de PcrnambucoSesta-Feira 23 de Julho de 1886
>
i
)
Pillas pnrgalhas c depurabas
de Campanha
Estas pillas, cuja preparaco puraajeute ve-
retal, teem sidj por mais de 20annos aproreitadas
com os melhores resultados as Beguintes moles-
tia* : affeccoea da pelle e do figado, sypbilis, bou
Mes, escrfulas, chagaa inveteradas, erisipelas e
gonorrhas.
Modo de uaal-a
Como purgativas: tome-se de 3 a 6 por dia, te-
bendo-se apoa cada dse um pouco d'agoa adoba-
da, cha ou caldo.
Como reguladoras : totae-se oa pilula ao jantar.
Estas pillas, de iuvencao dos pbarmaeeuticoB
Almeida Andrade & Filbos, teem veriduium dos
Srs. mdicos para sua melhor garanta, teroando-
se mais reeommeadaTeM, por seren um seguro
purgativo e de pouca dieta, pelo que podem ser
osadas em v:agem.
ACHAM-SE A' VENDA
>' drosni-ia de Farta Soiirlulio C.
t HUA DO MAKQOEZ DE OLINDA 41
'PERFUUARU DO HUNDO ElEBAHTr
DELETTREZ
54, 56, Ra Rlcher, 54, 56
CREACO PARIZ NOVA
SUAVIDADE
con.cen.traQao
SCE
SABONBTB, BXTRACTO\
AGUA DO TOUCADOR
POS DE ARROZ
COSMTICO, BRULHANTIPTA
OL.BO, POMMADA, VINAGRB
A Perfumara OSMHEDIAassegura aos
Puentes f ibis
mntsde tltrna e fot tem igual
Ky
em Pmambum: FRAN- M. da SILVA & C'-
criado para alngar-se
Na ru:' i!c? S. Joa i, cas* n. 27, tem para alu-
gar-se um mulatiuho com 17 annos de idade, mui-
to proprio para ce-peiro ou outro qualqucr servco
tanto de casa como de ra, e tau bem sabe bolear,
po- j ter sido boiceiro.
Hscls pan late
Vende-se ama em bom estado, propria para
alfaiate : na ru da Pas n. 24.
Altenfo
Vende-se urna taverna na freguezia de Santo
Antonia, bem afreguezada, propria para qaalqner
principiante por ter poneos fundos e commodos
para familia : a tratar na na de Maris e Barros
numero 11. ________________________
Malas para viagcni
Vende-se malas e bolsas de todos os tamanhos,
ror precos sem competencia : na ra do Impera-
dor nJJS.__________________________________
Aprov ilem!
Vende-se tndo barato
Largo de S. Pedro n. 1
Meste estabelecimento encontrase sempre um
completo sortimento de gaiolas e pausaros nacio-
aaes e estrangeiro?, o melhor que ba neste ge-
nero, fructas maduras, balaios proprios para n-
iihos de canarios do copino, cestiohas para cos-
tura, vaBsouras do ara a 800 rs. cada urna, que
cnsta eai outra qualquer parte alf e 1/200, con-
serva de pimenta americana em bonitos frasqui-
ihos a 120 rs. cada um, para acabar, massa de
mandioca muite bem preparada, para bofos.
Bom emprego de peque-
o capital
Vende-se urna boa casa terrea no Porto da Ma-
deira, com frente -para a mr-ma ertrad, onde
oceupa a officinn de tinturara, cr.m ezccllcnte
banbo nos fundos : a tratar com o dono da taver-
na da esquina, ao p da ponte.
Pinito de Riga
3^9e3x 18
Vendem Ponseca Irmios & C, a preco mdico
VAPOR
Carteira
e nioenda
Vende-Be um bom vapor e moenda com pouco
usu ; a ver no engenho Timb ass. muito perto
da estaco do metmo uome ; a tratar na ra do
Imperador n. 48, 1 andar.
Vende-se 25 predios (sobrados, casas terreas e
sitios) una freguezias do Becife, -janto Antonio,
S. Jos e Gracn, tratar na ra do Imperador
a. 75.
Alvarenga
Vende-se o casco de urna barcaca de 600 saceos
proprio para alvarenga : a tratar na ra da lm-
peratriz com Alheiro Oliveira aV C.
Vende-se barato urna carteira contando na peca
de baizo dous armarinhos e tres gavetas, e na
peca de cima 17 compartimentos que se fecbam
com ama e chave : a ver e tratar no largo d S.
Pedro n. 4, loja.
GRANDE
Exposif ao central roa larga do
Rosario n. 3 8
Damiao Lima & C, chamara a attenco das
Ezmas. familias para os precos seguintes :
Carretel s de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 2/500 e 3/000.
Fita n. 80 para faza a 2*500.
Leqres regatas e D. Joannita a 1*000.
Frascos e eztractos de Lnbin, grandes, a 2/000.
Leques D. Lucinda Colho a 6/000.
Toaihas felpudas a 500 600, e 1/000.
Duzia de meias para homem a 3J000.
Ditas para senhoras a 3/000.
Luvas de seda a 2/000.
Meias de fio de seda para menina a 1/000.
Colarinbos de linho a 500 rs.
Ditos de algodao a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de cordo para vestido a 20 r.
avisiveis grandes a 320 rs.
rampos invisiveis a 60 rs.
Um leque de setim (novidade) a 6(500.
Bicas bolcinhas de'madreperola de 1/500 6/.
La para bordar 2/800.
Urna capella e veo de 15/000, por 12/000.
Um espelho de moldura por 5/500. #
Urna pulseira de fita pr 1/200.
Pliss a 400 o 600 rs.
Urna noneca grande de cera por 2/500 e 3/000.
NA EXPOSigO CENTRAL
38Rna Larga do Rosario38
Loj
Florida
i a de iniudezas
Vende-se
Cabriolet
um predio na freguezia da noa- Vista, com terre-
no ao ludo, com bastan.es fundos ; e na mesma
freguezia um estabelecimento de molhados com
pouco capital, serve para qualquer principiante :
para 'infonoaedes, na passagem da Magdalena,
ra do Bfmfica n. 31-A.
WHISKY
OYAL BLEND marca ViAOO
Este ezccllente VVbisky Escossai preferivf
ao cognac ou a guarden, e de caona, para fortifica
0 corpo.
Vende-sn a retalho nos d, iberes armazens
melhadcs.
Pede IOYAL BLEND marca VIADOcujow
me e emblema silo registrados para todo o Brasi
BROWNS t C, agentes
Vende-se um ero perfeito estado e por preco
eommodo; A tratar na ra P>iue de Casias n. 47
Jaboatao
Vende se a padaria e o estabelecimento de mo-
lhados, bem afreguezados, e prometiendo anda
maior negocio fazer com a ida das officinas da
estrada de ferro de Caruar, prozmo mesma
estacao, fica situado os estabelecimentoa aeima,
arrendando-se as casas pessoa que pretender :
a tratar em Jaboatao, confronte ao botel Globo.
Vambiqie
Ra do Duque de Caxlas n 103
Os proprietarius deste grande estabelecimento
de miudezas, modas epara accommodar os interes-
ses da poca, tem resolvido venderem po' meuos
vinte por cento que em outra qualquer parte.
Pentes elctricos 60 rs.
Luvas de pellica a 2/500 o par.
Linha de carritel branca o de cores a 80 rs.
Grampos a 20 rs. o masso.
Invisiveis a 320 rs.
Vestuario de fustao bordado para crianca a
3/000.
Pentes de regado para crianca a 100 rs. um.
Baleias a 36U rs. a dazia.
Raspas para anquinhas a 120 rs. o metro.
Bicos com tres dedos de largura a 1/500 e 1800
a peca.
Linha de cores para crochet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amizade a 40 rs. o caderno.
Fita cnineza a 320 rs. o masso.
Lencos de linho a 1/500 a duzia.
Lindos bicos de cores com 10 Jardas a 4/ e 5/
a peca.
Urna caiza cem tres sabonctes desenhando urna
rosa por 500 rs.
Meias de la de cores oara senhora a 1/500 o
par.
Fazendas braocas A RevoluQo
Vende-se um alambique nesta cidade, em per-
feito estado, servindo para destilar e restilar :
para informacoes. na ra Duque de Cazias n.
80, leja de fazendas.
Powra, tiiolosfilias
Vende Candido Thiago da Costa Mello em seu
de osito ra Imperial n. 322, olaria.Telephone
numero 221.
SO' AO NUME80
4 ra da Imperatrlz = 4o
Loja do baratros
Alheiro de C, a ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todas est^s fazendas
abaizo mencionadas, tem competencia de precoa,
A SABER:
AlgodaoPecas de lgodosinho com 20
jardas, pelo' barato preco de 3/800,
4J, 4/600, 4/j 0, bg, 5/500 e 6J5(X
MadapolSoPecas de madapolo com 24
jardas a 4/500, 5/, 6/ at 12/006
Camisas de meia com listras, pelo barato
precfl de 800
Ditas brane is e cruas, de 1/ at 1/800
Creguella franceza, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toaihas e
ceroulas, vara 400 rs. e 500
Ceroulas da msema, muito bem fetas,
a 1/200 e 1/500
Colletinhos r a mesma 800
Bramante fraocei de algodao, muito oa-
corpado, com 10 palmos de largura,
m-!tro 1/2
Dito de linho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 2/500 e 2^800
Atoalbado adamascado para toaihas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro 1 $800
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
droes delicados, de 240 rs. at 400
Baptista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs. 200
Todas estas fazendas baratissimas, na cenhecida
loja de Alheiro & C, esquina do becco
dos Ferrciros
Algodao entestado pa-
ra lenfoes
A Oo ra. e 1<000 o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa- Vista
-ida para lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de larpuraa 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o metro, assim com dito trancado para
malhas de mesa, com 9 palmos de largura a 1/200
otro. Isto na leja de Alheiro & C, esquina
do ceco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 1/200,1/400,1/600, 1*800 e 2/ o covado
A heiro & C, ra da Imperatriz n. 40, veo
dem muito bons merinos pretos pelo preco acim>
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co di s Ferreiros.
Espartilhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhora, pelo preco
de 5/O00, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2/800 e 3/ e covado
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
zas, de duas larguras, com o* padroes maia delr-
cados para costume, e vendem pelo barato preco
de 2/800 e 3J o covado ; assim como se encarre-
g&m de mandar fazer costumes de casemira a
309, sendo de paletot sacco, e 35/ de fraque,
grande pech'ncha ; na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porco de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 32*
rs. o covado, grande pechincha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordados a lOO rs. a aeea
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bordado, dous metros cada peca, pelo, barato pre-
co de 100 rs., ou em cartao com 50 pecas, sorti-
das, por 5f, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
Farinha para poreo
Vende-se para acabar, por preco mdico : na
ra do Imperador n. 63.
ra Duque de Cazias, resolveua vender
os teguintes artigos com 25 0[q de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Seda lavradas de 2/000 por 1/000 o covado.
Cachemiras de cores s 1/200 o covado.
Ditas pretas a 1/000, 1/200, 1/400, 1*600
1/800 e 2/000 o covado.
Dita broch, de 1S e seda, lindos tecidos, 1/500
o covado.
Gorgorins de listrinhas a 360 rs. o covado.
Setins a 800 e 1/200 rs. o covado.
Dito preto a 1/000 e 2/200 o covado.
Gaze com boliahas de velludo a 800 rs. o no-
vada.
Las com bolinhas a 640 rs. o covado.
Velludilho liso e lavrado a 1/000 e 1/200 o co-
vado.
Fustao branco a 410, 500, 560, 600 e 800 rs. o
covado.
Grosdenaples pretos a 1/800, 2/000, 2/500 e
2/800 o covado.
Nnsoc de cor a 300 rs. o covado.
Cretones finas a 360, 400 e 440 rs. o covado.
Cambraia de quadros a 1/500 a poca.
Dita transpareute de 4*000 por 2/000 e 2/50O
a peca.
Linn branco a 500 rs. o covado.
Facbs de retroz a 1/000 um.
dem de 12, de 1/000 at 6/000.
dem de pelussia a 5/000 e 6/500.
dem de pelussia bordados a 7/000.
Cretones para chambre a 320 e 360 rs. o co-
vado.
Cambraia com salpicos a 6 rs. a peca.
Chapeos de sol de corea para senhorof a 7 i 500
um.
Brim de linho de cor a 1/200 o metro.
Lmhos escossei'es a 240 rs. o covado.
Zephiros listrados a 200 rs. o covado.
Tapetes para janella, piano e cama a 43000,
6/000 e 7/000 um.
Ditos avelludado8 para sof a 24/000 um.
Fustao de cor a 500 rs. o cevado.
Setinetas lavradas a 500 rs. o covado.
Planella branca a 400 rs. o covado.
Setinetas com desenbos lindos a 440 rs. o co-
vado.
Cortes da casemira a 3/000, 3/500, 5/0C0 o
7/000.
Casemira de c6r e preta a 1/800 rs. covado.
Timoes bordados a 4/000 um.
Brim pardo lona a 360 e 500 rs. o covado.
Camisas de meia a 800, 1/000 e 1/200 urna.
Algodao eom duas larguras a 800 rs. o me-
tro.
Esguiao auiarello para vestidos a 500 rs. o co-
vado.
Espartilhos couraca de 4/000 a 81000 um.
Para aa Exmas. nolvas
Setins inazo a 1/200 e 2*000 o covado.
Popelinas a 600 rs. o dito.
Alpaca a 400 e 440 rs. o dito.
Setinetas lisas e lavradas a 500 c 560 rs. o dito.
Cortinados bordkdos a 7/000, 9/000 e 15/000 o
par
Capel las e veos finos a 105 e 14/.
Colchas bordadas a 5/000, 7/000, e 8/0Q0
Camisas nacionaes
A S500. 3#O00 e 3/500
32^-- Loja ra da Imperatriz = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortimento de camisas brancas, tasto de aber-
turas e punbas de linho como de algodao, pelos
baratas precos de 2/500, 3/ e 4/, sendo fazenda
muito melhor do que as que veem do estrangeiro e
muito mais bem feitas, por seren cortadas por
um bem artista, especialmente camiseiro, tambem
se manda fazer por encommendas, a vontade dos
freguezes : na nova loja da ra da Imperatriz n.
3, de Ferreira da Silva.
S9
Ao32
Nova loja de fazendas
7/000
10/000
12/000
12/000
5/500
6*50C
8/000
3*000
1/600
1/000
Una da Imperatriz = 3t
DE
FERREIRA DA SDLVA
Neste novo estabelecimento encontrara o rea
p itavel publico cm variado sortimento de fosea-
das de todas as qualidades, que se vendem- per
precos baratissimos, assim como um bom sorti-
mento de roupas para horneas, e tambem se man-
da fazer por encommendas, p >r ter um bom mos-
tr alfoiate e completo sortimento de pannos fiaos,
casemiras e brins, etc.
filn p Hs
t-laa da Imperairir-
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se as roanas abai-
zo mencionadas, que sSo ba i .i.as.
Palitots pretos de ;r->rc... cnagonaes) e
acolchoados, senao tazendas muito en-
corpadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de cordo muito,
bem feitos e forrados
Ditos de dita, fazenda muito melhor
Ditos de flanella azul sendo ingleza ver-
dadera, e forrados
Calcas de gorgorSo preto, acolchoado,
sendo fazenda muito encornada
Ditos de casemira de cores, sendo muito
bem feitas
Ditas de flanella ingleza verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2*, 2/500 e
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 1/200 e
Colletinhob de greguella muito bem feitoa
As9im como um bom sortimento de lencos de
linho c de algodao, meias cruas c collarinbet, ett
Isto na loja aa na da Imperatriz n. 3i
Riseados largos
a COO ra. o covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vendem se
riscadinbos prspros Dar roupas de meninos t
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covade
tendo quasi largura de chita franceza, e ssic
como chitas braacas miudinhas, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincha
loja do Pereira da Silva.
FuMtoeN. aetlneas e laalnbaa a SO
ra. o covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-
um grande sortimento de fustoes brancos a 000
rs. o covado, lzinhas lavradas de furta-cores,
fe senda bonita para vestidos a 500 rs. o covado,
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas as
cores, a 500 rs. i covado, pechincha : na loja
do Pereira da Silva.
Merino preto* a lt
Vende-se merinos pretos de duas larguras par
vestidos c roupas para meninos a 1/200 e 1/680
o covado, e suoerior setim preto para enfeites a
1*500, arsim como chitas pretas, tanto lisas come
de lavoures brancos, de 240 at 320 rs. ; na nova
loja de fereira da Silva ra da Imperatriz nu-
mero 32.
Algodoaintio francs para lence*
a OOOra.. l e iSoo
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-a
superiores algodaozinhos francezes com 8, 9 e lf.
palmos de largura, proprios para lencoes de ua>
s panno pelo barato preco de 900 rs. e 1/000 >
metro, e dito trancado paa toaihas a 1*280, a
aiin como superior bramante' de quatro largura*
para lencoes, a 1/500 o metro, barato ; na lojs
do Pereira da Silva.
Roopa para meninos
A 1*. 1*50 e 6
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 38, w
vende um variado sortimento de vestuarios pro-
prios para meninos, .sendo de palitosinho e cajei-
nha curta, feitos de brim pardo, a 4/000, dito
de moleequim a 4/500 e ditos de gorgorito preto.
emitando casemira, a 6/, sao muito baratos ; a
loja do Pereira da Silva.
DOS PREMIOS DA
252"
LISTA GERAL
N B.O premio prescrever
um arara depois da extracto.
64
PARTE DAS LOTERDAS CONCEDIDAS POR.LEI PROVINCIAL N. 1836 EM BENEFICIO DA SANTA CASA DE MISERICORDIA DO RECD7E, EXTRAflTDAEM 22 DE JULHO DE 1886.
*S
NS. PKEMS. NS. PREMS. tf& PREMS. NS. PREMS NS. PREMS* NS PREMS. H. gPREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS NS. PREMS.
3 4$ 238 U 470 40 726 4 1025 40 1266 49 1480 40 1715 0 1935 40 2189 40 2452 40 2707 40 2949 40 3170 40 3349 40 3606 40 3819 4*
8 40 72 29 27 I 71 82 48 40 42 93 56 8 60 71 bb 13 27
11 41 __ 77 OH 35 _ 29 l0 72 84 20 43 99 61 14 62 - 73 60 18 29
17 42 _ 83 . 39 _ 30 40 85 _ 88 22 48 2203 74 26 66 77 80 69 25 30
18 59 , 86 43 , ^ _ 34 92 98 _____i 25 53 4 76 1OO0 44 75 - 92 40 80 31 32
20 62 . 90 . 45 __ 39 __ 94 1506 80 26 s 59 5 81 40 50 81 180 94 95 36 38
35 65 _ 91 la^ 47 45 1302 13 40 27 U 74 80 6 84 54 82 40 3205 96 39 43
37 67 __ 503 9* 55 _ 49 4 15 28 76 40 25 85 59 83 6 3410 42 - 45 -
39 _p 68 M 12 4* 64 55 12 32 31 79 33 87 60 89 7 13 43 47
42 69 --- 13 --- 67 ._ 56 3*0 15 __ 38 - 32 - 81 80 37 96 80 65 93 14 15 44 48
49 --- 71 18 77 sn 57 u 27 39 33 85 40 47 97 40 67 - 3003 17 18 56 - 49
53 __ 72 _ 24 86 4 73 *0 39 __ 42 35 __ 95 86 *0 2501 72 6 20 19 64 51
56 77 _ 33 --- 87 81 40 41 , . 43 38 __ 2009 53 40 2 77 13 " 21 24 10 66 53 80
64 - 86 ~ 39 --- 89 ,,, 84 51 44 45 _ 11 69 4 _ 87 19 22 37 40 67 54 40
65 --- 94 --- 40 --- 90 __ 87 __ 52 __ 45 49 _ 18 78 13 w 92 21 ni 1 o 48 - 73 66 5
66 96 -- 52 811 # 99 ^^ 57 _ 47 53 wmm 26 80 21 __ 96 23 ~ 37 33 74 68
68 303 --- 64 13 H 1108 _ 58 _ 52 54 mmm 28 85 22 _ 97 26 ^ 38 - 57 l:ooo0 77 80 69
79 __ 4 --- 71 28 9 *_ 59 _. 56 56 29 86 oo0 29 __ 2800 80 l 42 58 tw 83 40 72 __
97 (i - 79 _ 31 w 20 60 59 SOO0 57 ___ 30 91 40 34 1 80 33 44 61 40 90 73
103 - 10 89 _ 44 _ 21 61 63 40 61 _ 32 94 37 ^ 18 40 41 48 63 93 74
6 _ 12 --- 92 M 59 __ 27 64 64 62 (IW 34 96 - 39 _ 25 43 50 68 96 - 75
10 _ 31 --- 94 - 62 32 6T 80 75^ 80 _ 39 97 46 ^__ 26 49 51 71 - 3700 80 __
20 . 32 - 99 , 64 33 71 40 81 81 48 98 48 30 - 50 53 82 t 83
21 _^ 42 --- 604 , 87 37 74 92 85 59 2301 60 V 31 53 62 83 11 84
23 _ 43 6 , 94 42 77 95 88 61 k 3 63 _ 39 59 63 86 20 *! 86
28 _ 52 --- 10 . 97 57 _ 78 97 ._ 1800 _ 70 10 65 _ 41 60 - 64 87 21 " 89
30 __ 53 16 . | 910 65 79 98 7 74 12 74 __ 47 63 69 96 23 ^ 94
3ti 71 25 16 69 84 1601 10 87 16 78 . 49 67 - 70 3507 - 30 99
38 . 77 36 _ 22 1 74 76 93 8 23 88 18 82 ^ 50 70 . 71 10 33 " 3903 i0
47 79 --- 40 __ 29 94 ... 10 31 80 2100 23 2600 _ 55 74 76 16 35 38 44 45 *W 7 40
48 84 42 ^^ 32 AO 95 __ 16 _ 43 40 1 30 "- 3 _ 61 75 - 78 80 17 """ 10
49 m 66 45 54 61 63 64 69 75 76 80 40 33 81 82 97 _ 26 _ 44 19 38 * 14 80 69 - 93 79 40 24 10 12
51 46 87 36 r 99 31 .^. 50 20 39 160 20 80 75 98 81 27 80 15
53 96 - 42 86 1408 ^_ 36 _ 56 ^_ 24 43 u 21 40 83 3101 86 29 40 55 * 21 80
54 402 --- 47 1201 11 at 45 58 29 44 26 86 2 88 34 56 "" 26 i1A
58 __ 3 49 2 17 U 56 60 . 31 ___ 49 29 91 4 92 10 39 58 " 32 40
59 6 4: ooo4 53 83 5 20 57 72 34 _ 58 33 2906 11 3306 40 40 62 ? 34
61 *< 17 4* 56 40 7 23 _ 59 74 3t0 35 _ 59 48 9 12 8 42 66 " 45 tW
68 u 18 64 8 9 24 _ 61 _ 83 40 42 _ 60 50 _ 11 17 9 44 68 ^ 55 40
73 19 68 26 mmt 63 88 44 65 55 13 27 11 i0 54 80 71 74 77 82 t>6 '
80 23 l 82 73 11 ir 29 ' " 70 92 w 45 72 - 62 21 3t0 34 14 40 56 40 57 *"*
82 52 44 83 __ 81 16 35 _ 71 ,_ 97 40 50 60 82 68 80 26 40 39 20 63 -- 61
92 56 91 85 22 37 _ 76 __ 99 51 40 93 74 40 32 41 " 21 70 ""*" 84 89 94 3805 66 72 78 85 89 91
95 800 " 57 58 93 704 - 88 92 23 25 44 47 77 83 1908 10 z 57 60 94 24C0 ^"""" 76 80 ^_ 34 37 ^^m 43 47 __ 22 26 *" 78 79 -
10 60 mm 9 95 _ 26 64 84 __ 14 67 3 81 39 1OO0 49 33 81
24 1 61 ^ 12 __ 1007 30 65 ^m 89 ^ 16 80 68 8 87 42 40 52 34 85 ^~
36 4# 82 aaaMi 20 8 45 69 1707 _ 24 40 78 25 95 43 62 . 35 86 7
28 67 isaa. 21 14 53 70 8 _ 31 81 31 96 ~ 44 66 39 95 10 96 97
31 69 24 " 17 56 0 79 12 32 84 45 98 i 46 69 46 3601 17


J MIMAM
*** i


8
Diarfo de PcrnambucoScxta-fcira 23 de Julho de 1886
ASSEMBLA GEAL
CMARA ** DBRJTADOS
SESSAO EM 7 DE JULHO DE 188t>
PRI3IDKNCIA DO 8B. AKDRADE FIGUEIRA
(ConclusUo)
O Sr. Alfonso Celso Junior
dizque a resposta do Sr. ministro, que
alias nio o sorprendeu, nao pode satisfa-
zer nem mesrao ao raais complacerte dos
seus sustentadores. Revelara-se nella a ra-
decisio e as difficuldades com que ltima-
mente tem arcado o gabinete e que, por
esforcos qe envide tn, nao pocemos pro-
prios Srs. ministros dissiraular. Nao leve
passar sem reparo o moHo, porque o go-
verno ltimamente entnndeu dever dar res-
posta s interpellacSes que lhe sao fetas.
E' um laconismo estudado, um tom de des-
denhosa sobranceria inadequada, a masia-
rar as mais evasivas, titubeantes e frou-
xas asseverag3es, a que a maioria presta
ouvidos desatiento ou indifferentes, ani-
mando as raras vezes benignamente com
alguns applausos de conveucio.
Entretanto, o assumpto que se debate
devora merecer seria atteuglo do gabinete,
pois a falta de presidentes as provincias
nao facto da somenos importancia, mas,
como j ticou assjgnalado, traz obvios in-
convenientes.
Na ordem administrativa, como na judi-
ara, a interinidade sempre um mal que
cumpre remover.
A quem exerce autoridad.: precaria e ac-
cidentalmente fallecem nao s o prestigio
e a forja moral iodispensaveis para impor-
se ao respeito dos jurisdicionados, senio
tambera a disposicSo de animo e, por ve-
zes, o terapo para estudar e resolv r as
questoes graves e difficeis que por ventu-
ra se suscitem. Ha quem pense nao ser a
theoria dos Fabio Cundator mera tctica
militar, mas ainda excellente norma de go-
verno e boa poltica; cerno regra geral,
porm, um erro manifest, porque ordi-
nariamente os negocios complicara se quan-
do protellados, o as difficuldades aggra-
vam-se com o trato do tempo.
Se, pois, os vice-presidentes limitam-se
a quettoes de simples expedientes e nem,
salvo casos urgentes, outra causa regular-
mente devem fazer, manifest que sof
frem com isso os grandes interesses pbli-
cos. Por outro lado, tambem ordinaria-
mente os vice-presidentes sao pessoas que
residem as provincias, chefe3 de partido
e de cabala, mais ou menos contaminados
das paixoes locaes, de extensas relag3es
ligadas e entregadas do modo que quasi
impo8sivol prooederem com a iraparciali-
dade e isengio requerida no alto cargo do
delegados do governo imperial. Quando
nio se restrinjam s questSes de exclusivo
expediente, de que o orador fallou, afim
de que nio se interrompa a marcha natu-
ral da adrainiatragao, difficilmente ppdem
eximirse influencia do meio em que vi-
vera c insensivelmente obedecem s con-
veniencias dos seus amigos, para nao dizer
s proprias conveniencias.
Os partidos lucram sempre com a admi-
nistracao dos vice-presidentes, maa a cau-
sa publica difficilmente, s por excepto,
bao ellos commuramente o instrumento
dan medidas odiosas e violentas, mxime
as roudancas de situacSo poltica, quan
do enaarregam-se de desbravar terreno,
de fazer as derrubadas, praticando todos os
excessos e por forma que nio raro a repu-
tacfio de administradores moderados e im-
parciaes, que conquistan alguns homens
pblicos no governo das provincias, vem
siroplesraente da comparagio dos seus ac-
tos com o dos antecessor interino, do con-
fronto com o que este fez e elles nio fa-
zem, nao por faltar-lhes coragem e vonta-
do e sim por nao haver j que fazer. O
facto nao s prejudicial s provincias ;
prejudica igualmente o ministerio, depondo
contra os ministros. Elle nao pode expli-
car se senio por quatro moti'os, cada qual
inaceitavel para quem visa, nas elevadas
posigSes sociaes, alguma cousa mais do
que as exterioridades e honras vis.
Se o governo hesita e demora-se no pro-
vimento de presidencias de provincias,
isso necei-sariamente devido a urna das
seguintes razoes :
1.a Falta de peasoal habilitado no seio
do seu partido. Se esta causa das inte-
rinidade's que o orador assignalou, cousa e
para sentir-se e lamentar se e que deve
inspirar serias preoccupagSes a quem se
interessar sincerameute pelo futuro do
paiz.
Dentro de poueos dias completar o se-
gundo reinado 46 annos de existencia,
sendo um dos mais longos qua a historia
enumera nos tempis antig03 ei modernos
Por urna fortuna admiravel, o partido li-
beral s tem governado o paiz,' nesse lar-
go periodo de quasi meio seculo, 18 an-
nos, cabendo o mais, cerca de 30 onnos,
aos conservadores. E' este partido, pois,
quem naturalmente deve contar maior nu
mero de homens habilitados para governa-
rem, em lazio l da pratica e experiencia
adquiridas, nos! cargos que tiveram occa-
siio de xcrcer. Portante, se nao ha
muito onde escilher e d'ahi provera as dif-
ficuldades do gjoverno, o que se segu
que o nivel intelectual do partido desceu
e reduzio-se a; pleiade do seus homens
eminentes. Mas, felizmente, esta nao a
verdade, e park raconhecel-o basta lancar
os olhos para as capacidades, que a cmara
encerra e para as que nao poderara en-
trar. Esta raz&o, pois est excluida.
Poder-seha dmittir urna segunda, isto
, a absteugio' dos mais preatimoaos co-
rigionarios dq governo, sem squito, sem
apoio no seu partido, de modo que nao
encontra quem, nas oondigSes de servir,
se preste a ser lhe delegado ou represen-
tante?
Se este o motivo das interinidades, os
nobres ministros tem bastante patriotismo
e dignidade para comprehenderem que
sao demais e tempo de descansarem.
Ha urna terceira razio que pode expli-
car o facto :luta, dissidencia entre os
amigos das provincias, creando obstculos
a que se possa azer nomeagues de presi-
dentes que a todos agradem. Mas, dada
esta razio, alm do mais que fica aponte
do, a stuagio sempre insustentavel, por
que os vicepresidentes por sua vez nao
podem contentar a todos os grupos em que
se acha dividida a familia conservadora.
Se, porm, nenhuma dessas prevalece,
entilo evidente que a causa do phenome-
no ama quarta vem de cima, est nas
altaras.
Contase qu Leopoldo da ^H
dlo dos reis constitocionaes, sua
mesa de trabalho utn certa gaveta, em
que guardava as propostes doa seus minis-
tros a que nao annuira : a essa gaveta
denominada oublietts e os mesmos minis-
tros nao tinham paciencia de esperar que
se enchesse.
Haver alguma oubliette em S. Christo-
vio ? O nao compare<:imento habitual de
um ou dous dos Srs. ministros aos despa-
chos imperiaes e a pouca duracao desses
despachos ltimamente, pois que o de sab-
bado, segundo dizem os jornaes, tSrrainou
pouco depois de 10 horas da noite, come-
cando a 8, Tazein suppr que a tal oubliet-
te de Leopoldo entra por muito na interi-
nidade em que vegetara algumas provincias
do Imperio. O orador nao affirma o facto,
conjectura apenas, e nem sequer tira con-
sequencias das coojeeturas: dexa-as ao
alto criterio do governo e sua maioria.
A opiaiio publica inclina-se para esta
ultima explicagio, que nao pode sorpren-
der a quem observar os ltimos phenome
nos polticos. O governo est vacillante,
est fraco ; ha disso irrecusaveis syropto-
mas manifestos e outros mais graves, ainda
latentes, mais que breve fario explosio.
Que o governo est fraco, demonstram-
n'o entre mil outros factos os seguintes:
Essa demora injustificavel era preen-
<:her cargos de alta confianca ;
Anda a demora na apresentagao dos
espectaculosos "projectos de reformas cora
que ataviou-se a talla do throno, o que j
ser impossivel na actual sessao legislativa,
salvo prjrogacjto ou sessSo extraordinaria,
pois sao pa8sados doua mezes de trabalho
sem que nada so fizesse ;
O adiamento de medidas urgentes e
capitaes, como os lamosos planos de sanea-
ment do Rio de Janeiro, do S. Ministro
do Imperio, de que o orador pede noti-
si&B ;
As ndecis5es da maioria da Cmara,
como na questo das emendas ao orgamen-
to do Imperio, em que a respectiva com-
ussSo, forg'iso convil-o, desempeuhou
bem pouoo invejavel papel :
A estrondosa derrota soffrida pelo
gabinete no Senado, a proposito do projec-
to relativo a eleigSes de voreadores e juizes
de paz. O silencio com que a illustre
maioria ouve o orador sao provas ainda
dos seus assertos. (Roclamag3;s.)
O governo est fraco, nao tanto m ra
zao dos ataques da opposicao, nao tanto
em vrtude das hobtilidades Becratas dos
seus inimigos ntimos, isto dos seus ami-
gos, pois no vigente systema parlamentar
sSo esses os que mais mal fazem, no intu
to de herdar, como permitte a moral pol-
tica d'aquelles que assassinam, no tanto
em consequencia dos attestados que tra
praticado ou que nao tm impedido con-
tra a liberdade, a seguranga, a seriedade
dos cidadSos e das mais respeitaveis cor-
porag5es do Imperio, ludibriando o habeos-
corpus, ridicuiarisando a mariaha da guer-
ra, prolongando jllogalmente o rgimen do
captiveiro, illudindo e postergando a le;
mas porque sent, ao que consta, que lhe
vai fugindo terreno l pelas bandas do po-
der omnipotente, omnisciente, omnloquen-
te rreponsavel, inviolavel, sagrado, ao
qual, pela nossa carta constitucional! alero,
de outras attribuigSes valiosas, compete a
funegao de chave, ou antes, como j affir-
mou na Cmara, a de gaza das alias j
mais do que arrorabadas portal doa outros
poderes.
(Muito bem, muita bem!)
O Alfonso Penna observa que o
silencio da Ilustre maioria vem confirmar
as apprehens&es do eloquente discurso do
Sr. Affonso Celso Jnior, isto o desgos-
to profundo que o nobre ministro do impe-
rio encontra no sea partido, a ponto de S.
Exc achar-se s na Cmara. (Contesta-
c5es da maioria.)
Quan lo vio a resposta do Sr. ministro
afirmando que nem um s dos cidadaoa
que fossera convidados recusara seua ser-
vicos ao gabinete, lembrou-se o orador de
factos que foram lavados tribuna do Se-
nado e que nao tiveram contestagSas de ne-
nhum senador nem de nenhum dos minis-
tros que all tem assento.
Vio o nobre ministro da justiga all con-
firmar que alguns cidadaos foram convida-
dos para presidentes de provincia e nao
aceitram; entretanto o nobre ministro do
imperio declarou ua Cmara o contrario.
Nao pretende entrar na vida intima da
situacao; mas como mineiro n5o pode dei-
x*r, de lavrar um protesto pelos interesaos
da sua provincia, que corapSe quasi a quar-
ta parte da populagao do imperio e que
vive abandonada, que nlo tem um s de
sem filhos nem ao menos como chete de
palicia; entretanto, o partido conservador
mineiro tem em seu seio homens conspi-
cuos; p;rque nao silo convidados? nSo
senio pelo menospreso aquella importante
provincia.
Parece-lhe que a actual situacao poltica
s procura confiar nos filhos das provin-
cias da Baha e de Pernambuco, porque
sao estas quo tem dado pelo menos metade
dns presidentes de provincia. (Contesta-
g3es.)
Acha essa poltica de exclusao a mais
inconveniente.
Nota que o Sr. presidente do conselho
declarou no Senado que nao se responaa-
biliaava pelo procedimento dos vico-presi-
dentes de provincia; entretanto aeha-se
grande numero delles em exercicio; por
isso rauitos attentados se commettem im-
punemente do sul ao norte do imperio ;
por isso quatro ou cinco provincias estao
fra do rgimen legal, cobrando so impos
tos sem lei, como o orador demonstra em
relagao provincia do Amazonas, lendo o
que em relagao respectiva Assembla
Provincial se J no Paiz.
NSo tem esperanga que o governo tenha
providenciado a respeito, porque julga ser
plano do governo exautorar as assemblas
provinciaes.
V que o pouco caso do governo para as
provincias vai produzindo os funestos re-
sultados que se presenciam em toda a
parte.
Resorda que o Sr. presidente do conse-
lho, respondendo ao Sr. Candido de Ol
veira, disae que podia repetir que no
com retaliacSes de precedentes que se jus-
tifican), os factos; mas no periodo liberal
nao se deram os acontec mentos que des-
crevo terem succedido nesta sitnagao a res-
peito de assemblas provinciaes.
Aproveita este momento para declarar
que a minora da Assembla Provincial de
Minas nao' desacatou a Assembla, do que
dou testemunbo a propria maioria.
Termina concitando o nobre ministro do
imporio para por termo ao estado anmalo
em que se acham todas a provincias do
Imperio. i
inguem mais pedindo a palavra, en
cerrada a discusaSo.
Tendo se esgotado a segunda parte da
ordem do dia, volta so priraeira.
FOBQAS DE TERRA
Entra em 2.* discussao o segrate pare-
cer da commisso de marnha de guerra
sobre a proposta fixando as forcas ua tr-
ra para o exercicio de 18871888. J
i A commissSo de marinha e guerra,
tendo examinado a proposta do goverao,
fixando a forga de trra para o exercicio
de 18871888, de parecer que seja ella
adoptada, depois de convertida no seguate
projecto de lei:
c Accrascente-so no lugar competente :
i A Assembla Geral decreta :
i Art. 1. (Como na proposta)
a Art. 2.a (Como na proposta).
Art. 3. (Substitutivo.) Fica o go-
verno
escolas mili-
meios, anda nSo tem urna linha de tiro, de que tem sido theatro urna das mais im-
autorisado.
< 1. A reorganizar as
tares do Imperio.
2. A crear una coudelaria militar
na provincia do Rio Grande do Sul no lu-
gar raais conveniente.
3. A reorganisar as colonias milita-
res do Imperio, supprimindo as que fofem
desneeessarias.
Art. 4. (Como na proposta.)
* Sala das commissoes em 3 de Julho
de 1886.Carlos Frederico Castrioto.=Qr.
Jos Ferreira Cant3o.=Escragnolle Tau-
uay.
Proposta
Augusto3 e dign8simos Srs. repre-
sentantes da nagio.Em cumpriraento do
preceito constittucional e de ordem de S.
M. o Imperador, venho apresentar-vos a
seguate proposta :
Art. 1. As forgas de trra para o
anuo fnanceiro de 18S71888 constante:
1. Dos officiaes das diferentes
clasaes do quadro do exercito.
c 2. de 13,500 pragas de pret em
circumstancias ordinatias e 30,000 em cir-
cu mstancias extraordinarias. Estas forgas
serio completadas na forma da lei n. 2,556
de 27 de Setombro de i 874.
< 3." Das companhias de apprendizes
artilheiros, nio excedendo de 400 pragas,
das duas companhias de apprendizes mili-
tares creadas nas provincias de Minas Ge-
raes e Goyaz, com. o pessoal que Ibes toi
marcado e do corpo do alumnos da Escola
Militar da corte, e das companhias de
alumnos da Escola militar da provincia do
Rio Grande do Sul, at 400 pragas.
Art. 2. O premio para os volunta-
rios ser de 400^000, o para os engaja-
dos de 500)5000, pagos em tres prestag5es,
sendo o dos segundos proporcional ao tem-
po pelo qual de novo se engajario, nos
termos do art. 2. da lei n. 2,623 de 13
de Setembro de 1875.
t 1." Os voluntarios perceberio, em-
quanto forera pragas de pret, mais urna
gratificagio igual metade do sold de
primera praga, conforme a arma em que
8ervirem; os engajados recbenlo mais
urna gratificagio igual o soldade de pri-
mera praga, e tambem segando a arma
em que ser/irem
% 2." Quando forem escusos de ser-
vigos, se lhes conseder nas colonias do
Estado um prazo de trras de 108,900 me-
tros quadrados.
(i | 3. A importancia da contribuigio
pecuniaria, de que trata o art. 1.' %
n. 7, da le n. 2,556, de 26 de Setembro
de 1874, continuar a ser de 1:000^000.
Art. 3. Fica o governo autorisado :
8 1. A dar novo regulamento Es-
cola Militar da corte, tomando por base o
ultimo projecto organisado pela congrega-
gio da referida escola.
2. A crear urna coudelaria militar
na provincia do Rio Grande do Sul, no
lugar mais conveniente.
3. A dar nova orgaiiisagao s tres
armas do exercito, inclusive o batalhio de"
engenheiros, sem augmento de despeza.
a 4." A reorganisar as colonias milita-
rea do Imperio, supprimindo as que forem
desneeessarias.
Art. 4.* Fcam revogadas as disposi-
g3es em contrario.
Palacio do Rio de Janeiro, em 5 de
raaio de 1886.Jofo Jos de Olivara Jun-
queira. >
O Sr. Joaquim Pedro observa que nio
se achando presente o Sr. Ministro da
Guerra e faltando poneos minutos para as
4 horas, nio pode tomar a palavra.
O Sr. Presidente responde que a ses-
sio vai alm das 5 horas, e que o Sr. Mi
tro deve achar-se no edificio, por isso que
nio comraunicou impedimento.
O Sr. Cesario Alvina pergusta se pod
propr o adiamento da discussao.
O Sr. Presidente responde que esse pe-
dido s compete a quem tiver a palavra.
O Sr. Joaquim Pedro declara que vai
enviar mesa um requerimento nesse sen-
tido.
Vem mesa lido, apoiado e entra
em discussio o seguinte requerimouto :
Requeiro o adiamento da dlcuss2o
por 24 horas, por nio estar presente o Sr.
Ministro da Guerra. Joaquim Pedro Soa-
res. j>
O Sr. Coelho Rodrigues (1. secretario)
informa que o Sr. Ministro da Guerra re-
tirou-se por momentos para a sua secreta-
ria para objecto de servigo publico, dei-
xando dito que o chamassem pelo telepho-
ne, sendo, preciso, e o que acaba de fa
zer-se.
Ninguem raais pedindo a palavra, en-
cerrada a discussao do requerimento.
Indo votar-se o adiamento, reconhece-se
nio haver numero legal e procede-se
chamada.
Entra no sali o Sr. Ministro da Guerra.
Contina a discussio do projecto.
O Sr. Joaquim Pedro folga por
encontrarse na tribuna com o Sr. Minis-
tro da Guerra, a quem felicita pelo bri-
lhante carreira. a sua nova pssta S.
Exc. encontrar campo mais vasto para
exercer o seu talento, pede, porm, o ora-
dor que seja menos partidario.
Estimar tambem que pela intruegio
procure elevar o nivel moral do sojdado
braaileiro, afim de enllocar o exercit no
plano em que se acham os das outras na-
g3es. Estranhou a exiguidade da verba
que o nobra ministro pede para a escola
do tiro do Rio Grande, que, por falta de
A verba para essa escola de 5:8000000;
so essa escola um luxo, deve ser suppri-
mida; se, porm, urna necessidade de
priroeira ordem, deve se lhe dar a dotagio
conveniente para quo possa preencher o
fim a que destinada, e para isso basta-
ra elevar a 20:0000 os 5:8000000.
Pergunta se o nobre ministro pretendo
conservar o batalhio n. 12 de infantera
ooo Bag, onde nao ha acoomraodag3es ne
cessarias no quartrl.
Limita-se a estas cons;.derag3es sobre as
forgas de trra par responder aos discur-
sos que tm sido pronunciados sobre sua
proviucia.
Agradece ao Sr. Alvss do Araujo ter
tomado a defesa do chefa liberal da pro-
vincia do Rio Grande do Sul, quando o
orador ainda nio tinha sido reconhecido
Entra na apreciagio das aecusagoes fei-
tas ao partido liberal do Rio Grande do
Sul, sendo que a este deve a provincia a
sua tarifa especial, cjua fez subir o rendi
meato da alfandega, levantou o commercio
e diiuinuio o contrabando; as estradas de
ferro, arrancados situagao conservadora
pelo partido liberal. (Contestares da de-
putuc3o do Rio Grande.)
Protestara ainda contra essas aecusagoes
as verbas votadas para os estudos do porto
do Rio Grande, a sua r le telegraphica, as
obras bydraulicas, a imraigragio e a eman-
cipagio dos escravos.
Convida os conservadores a offuscar o
brilho dos servigos dos liberaes, revendo a
tarifa especial, prolongando as estradas de
ferro e desen%olvendo os ncleos coloniaes.
Disso o nobra deputado que s finangas
da provincia do Rio Gr-vnde do Sul estavam
estragadas ao tempo em que deixou de do-
minar o partido liberal. Nio comprebende
o orador como isso possa ser, desde que os
ttulos daquella provincia tm cotacio su-
perior ao seu valor real.
O nobre deputado pelo 5o districto da
sua provincia qualificou de criminoso um
acto praticado pela actual assembla pro-
vincial, por ter esta corporagio revegado
um imposto creado pela assembla ante-
rior, e dado outra applicagio a esse impos-
to, j arrecadado. Nio v aqui onde este-
ja o crirae denunciado.
Censurou o nobre deputado ao ex-minis-
tro da guerra por nio ter feito entrar no
cumpriraento de seus dever-s ao general
Visconde de Pelotas, que ousra censurar
o governo. O nobre deputado fez este re-
paro certamento por esquocer que rquelle
illustre general senador do Imperio, e
como tal nio est inhib lo de censurar os
actos dos ministros.
Passa a responder a alguns pontos do
discurso do nobre deputado pelo 7o distric-
to de Pernambuco, e conclue indicando al-
guns actos, que considera injustos, pratica-
dos polo ex-adrainistrador da Eua pro-
vincia.
A discussio fica adiada pela hora.
O Sr. presidente d a orikm do dia para
8 do corren te.
portantes cdades da sua provincia ; entio
quando pedio a palavra tinha sido publica-
do um tel^gramma noticiando qu:um:i hor-
da de sicarios apromptava-se para invadir
a cidade da Januaria, no iaturto de rouba-
rem aegio da justiga o faciaora Kco, co-
mo j haviara feito era 1870, quando a po
pulagio achava-se no rgimen do terror,
quando a situagao nascente anounciava
achar-se rapleta de elementos para fazer
raantor a ordem publica.
Assevera quo a sua provincia, ordeia
por ndole, respeitadora de todos os direi-
tos, tem visto alterada a ordem publica era
varias localidades, sendo que essas pertur-
bagSes provm em geral dos proprios agen-
tes da autordado publica.
Responde a apartes que o Sr. ministro
da justiga, foi interpellado no Senado a
respeito e assoverou que o destacamento
da Januaria era de 40 pragas, forga suffi
ciento para manter a or em ; entretanto o
ultimo telegramma recebido demonstra qu<
all s existem 25 pragas.
Desde que tomou assento na Cmara
tem chamado a attencao do governo para o
estado daquella comarca.
Depois de historiar o qua all se tem pas-
sado, o orador conclue que nio tem espe-
ranga quo a aegao do poder central se figa
sentir all, sendo-lbe dado nicamente coa-
fiar no esforgo individual.
SESSO EM 8 DE JULHO DE 1886
PRESIDENCIA DO SB. ANDRADE FIGEIRA
Ao meio dia, feita a chamada, a que res-
pondera 100 Srs. deputados, abre-se a ses-
sio ao ineio-dia e sete minutos.
L-se e entra em discussio a acta da
sessao anterior.
Oa Srs. Coelho de Rezende e Jayme
Rosa reclamara contra a acta publicada ao
Diario Official, que eraittio seus nomes,
quando se acharara presentes chamada.
O Sr. Presidente convida os nobrea de-
putados a mandaren suas roclamagSes
mesa. "
Nio havendo mais observagSes, d se a
acta por approvada.
O Srr 1. secretario d conta do expe-
diente.
O Sr. Ol veira Rlbelro tem-so
abstido de oceupar a tribuna, principal-
mente porque est convencido de que os
discursos prouu ociados todos os dias aa C-
mara devem acarretar impedimento de al-
guma gravidade para que o ministerio ac-
tual se deBempenhe da nobilssima tarefa
que tomou a si em momentos de aflictiva
situagao da nosa patria ; este receio assu-
mio proporg3es em seu espirito, que lhe
suggerio o alvtre de deixar correr rev
lia essa massa de odios levantada pela non
rada opposicio contra o governo que com
louvavel hombridade e abnegagio trata de
s cumprif seu dever, restaurando as fi-.
nangas do Estado e fazendo prevalecer a
moralidade na alta administrado publica.
Por isso escu8ar-8e-hia de oceupar a tri-
buna, se o discurso ante-hontera pronun-
ciado ne Senado pelo Sr. Bario da Estan-
cia nio se tivesse referido ao orador ; se
assim nio fosse, sontectar se-hia em ver
surgir pela segunda vez na triouna parla-
mentar o nobre bario; mas S. Exc. pr-
tendeu sobretodo desvirtuar a hombridade
e o civismo do eleitorado da provincia de
Sergipe ; por isso o orador entendeu que
devia levantar um protesto centra esses
golpes adrados independencia de carc-
ter daquelle eleitorado.
Faz ver que, se Sergipe urna das pe-
quenas provincias do Imperio, tem comtu-
do em seu seio urna ubrrima natureza,
que a tornara urna das primeiras regi3es
do Brazil se tchaase proteegio dos poderes
contraes.
Passa a historiar as lutas que sustentou
em diversos pleitos eleitoraes com o nobre
bario e as raachinagoes que se armavam
para nio triuraphar a candidatura do ora-
dor.
Termina, fazendo sentir as urgentes ne-
cessidades de que precisa ser provida a
provincia de Sergipe o esperando que o go-
verno as attenda nas forgas do possivel.
E' dada a palavra aos Srs. Rutisbona,
Lemos, Gongalves Ferreira e outros senho-
res, que cedera della.
O Sr. Presidente d a palavra ao Sr.
Affonso Celso Jnior.
O Sr. Affonso Celso Jnior
toma a palavra de sorpreza, sera estar pre-
venido, porque pedio palavra ha uns pou-
cos de das para fallar nos primeiros tres
quartos de hora da sessio e alo esperava
que s hoje lhe fosse concedida.
O Sr. Fresidennte responde que, visto
haver reclamag3es contra o uso que quera
inaugurar do conservar inscriptos os que
pedissem a palavra nestas condigSes e nio
a podessem obter logo, voltar ao antigo
systema.
O Sr. Affonso Celso Jnior vai oocupar*
se das graves alteracSea da ordem publica, 1 essa censura.
ORDEM DO DIA
JUBILAClO DO BARAO DE SABOYA
O Sr. Presidente observa que, era vr-
tude da alteragio do regiment votada hon-
tem, deve ser examinado pela respectiva
commissio ; por isso o enva conmissio
de fazenda.
PBESCRIPClO
O Sr. Presidente diz que o projecto n.
73 de 1885 acha-se nas mesraas condig3es
do antecedente, por isso o remette com-
missio de lazenda.
KORCAS DE TERRA
Continua a 2* discussio do projecto que
fixa as forcas de trra para o exercicio de
1887 -1888.
a O actual corpo de pharmaceuticos do
exercito, ser coroposto de 6 captles, 10
tenentes e 14 alferes, sendo as promogSea
fetas de conforroidada com a lei das pro-
mogSes de 6 de Setembro de 1850. Car-
los Frederico Castrioto. Dr. Jos Ferreira
Canto. Escragnolle Taunay.
O Sr. Presidente declara que na forma
do regiment o additivo remettido com-
misso de fazenda.
O Sr. Gomes de Castro nio teria
vindo tribuna se nio fosse impellido pelo
discurso do nobre deputado o Sr. Joaquim
Pedro ; mas a eloquencia parece attributo
commum nos filhos da provincia do Rio
Grande do Sul; depois que ouvio o illustre
Conde de Porto Alegre, de saudosa memo
ria, sempre que escuta um orador rio gran-
dense, acredita ouvir aquello distincto raes-
tre do estrategia militar, porque de facto
os filhos daquella provincia, quer advoga
dos, quer mdicos, entendem bastante do
servigo das armas.
O Sr. Miranda Ribero : Somos sempre
os. primeiros a encontrar o iniraigo em tem-
po de guerra.
O Sr. Joaquim Pedro: E' a primera
provincia no sacrificio do sangue.
O Sr. Gomes de Castio louva o sacrifi-
cio de sangue dessa generosa provincia;
mas nota que ella sempre attendida, em-
quanto os gritos angustiosos de algumas
proviucas encontrara surdos os ouvidos dos
seus irraios das demais provincias.
Lembra que a parte raais interessante
do discurso notavel do nobre deputado foi
a da instrucelo do exercito e da craagio
de urna escola pratica para o raesmo exer-
cito.
Responde a apartes, recordando e proce-
dimento do nobre presidente do conselho,
organisando o actual gabinete e ainda l-
timamente chamando aos conselhos da co
roa um deputado de incontestavel merec-
ment ; emquanto que houve poca em que
alguus ministros eram formados, chegan-
do s provincias as nomeas3e8 ao mesmo
tempo que pela primera vez chegava o do
me dos nomeados.
Faz diversas consideragSes, pedindo que
se levante o interdicto que pesa sobre os
officiaes do exercito brazileiro ; nunca la-
vou a mal que o nobre ministro da guerra
do gabinete de 6 de Julho tranferisse cor-
pos do exerito, porque sempre julgou in-
conveniente permanencia de corpos por
muito tempo era urna looalidade; mas oSr.
Candido de Oliveira, segundo o orador ou-
vio dizer, fez transferencias por interesses
eleitoraes; a prova que um official que
se achava no Cear doente dos olhos, espe-
rando reforma, foi removido para o Mara-
lo durante o pleito eleitoral, regressando
depois ao Ce&r.
Demonstra que aquelle illustre ex-minis-
tro transferio 307 officiaes, lendo a relagio
das respectivas patentes.
Observa que o illustre ministro da guer-
ra com todo o zelo do que deu exemplo na
pasta da marraba, nio poder fornecer ia-
strucg3es ao exercito dissercinado como se
acha por todo o paiz e porque dependera
esse servigo de grande despeza.
Entendo quo economa nio pedir d-
iero para pagar dinheiro ; mas fazer-se
O 3r Alfredo Chaves (ministro da guer-
ra) : -E' urna grave injustga.
O Sr. Gomes de Castro nota quo quan-
do se discuten) factos, {clama se contra a
retaliagio; mas porque a opposigio acen-
sa sem proras? Julga que o proprio pudor
mandava que nio se aacusassem reciproca-
mente os homens pblicos.
Passa a responder oo nobre sendor Fran-
co do S e ao illustre deputado Candido
de Oliveira, que se oceuparam de. factos
da provincia do Maranhao, dando motivos
porque esta provincia tem-so regido ha an-
nos sem lei da orgamento, porque tem-se
creado impostes de exportago.
Nota os abusos oommettidoa pelo admi-
nistrador da sua provincia, no dominio li-
beral, em proveito do amigos e parentes do
Sr. Franco de S, emquanto S. Exc. usu-
fruia aquella provincia cujo donatario era ;
e assegura que o actual donatario nao a
usufrue era usufruirjamis. Nesse tem-
po a parentella do nobre senador era a-
graciada pela presidencia da provincia com
empregos remunerados, durante o goso de
licenga com ordenado, com debites cancel-
lados e outro3 favores escandalosos. Entre-
tanto S. Exc. nao encontrar como em-
pregado publico senio um prente do ora-
dor, na alfandega do Maranhio, e esse,
empregado zeloso e honesto, que deve o
lugar nicamente so seu mereeimento.
Esteja certo o nobre senador que o ac-
tual donatario daquella provincia s tem
urna aspiracio, e : que ella seja bem go-
vernada, pur seja por liberaes, qur por
conservadores.
O nobre senador est descontente com
o actual administrador da provincia do Ma-
ranhio ; por isso j o orador por vezes tem
pedido ao governo que mande presidir a-
quella provincia por outro cidadao, porque
emquanto estiver no poder um prente seu,
o sorano irapossivel para aquella grande
alma.
Para mostrar a injustiga do nobra depu-
tado por Minas, que tanto censurou o go-
verno por manter na presidencia da As-
sembla Provincial um respeitavel cidadio
que no dizer de S. Exc. um assassno,
nio tem remedio senao voltar a explicar
jurdicamente que o facto a'.tribuido ao reo
nao era crirae, coaforrae o decidi um tri-
bunal do Imperio.
Discutido esse ponto, conclue renovando
ura pedido ao governo, e quo acabe de
urna vez com o duende que nao deixa dor-
mir socegado o nobre senador a que se
tem referido, mandando para o Maranhio
um presidente que nio faga economas gas-
taado, e que oSo entenda deva ser motivo
de praoceupagio o confessar-se um homam
amigo poltico do orador.
O Sr Rodrigues Jnior comega
dirigindo parabens ao actual ministro da
guerra, recentemente chamado a gerir es-
nheiro para pagar
com que o orgamento se equilibre ; isto
que espsra do nobre ministro da guerra
e o Brazil ser respeitado pelos seus yizi
nhos ; ha reformas pedidas pelo exercito e
que nio custara dinheiro; por exemplo, a
desidia de certas rapartigoes ; a demora no
fornecimento de frdame nto tem sido to
escandalosa, que o soldado no segundo so
mestre que rebebe as pegas de fardamen-
to do primeiro.
Cita como, exemplo, que a colonia por-
tu^uezaa do Maranhio quiz suffragar com
exequias solemne3 a morte de D. Fernn
do e o presidente da provincia raandou for-
necqr-lhe urna guarda de honra, mas esta
foi de caiga branca, porque o corpo nao ti-
nha recebido caiga azul.
Outro raelhoramento que nio onera o or
gamento reformar a legislagiq penal mi-
litar; o orador cita anda outras reformas
que o nobre ministro da gueraa tem basta-
te capacidade para fazer.
Tem ouvido que no Senado se aecusou
o nobre ministro da guerra como a incar-
naglo do espirito partidario ; se isto fosse
verdade, S. Exc. devia vangloriar-se do
ser o nico de sete ministros que merega
sa pasta, e faz votos para que S. Exe.
se desempenhe dessa tarefa com o brilho
que de esperar dos seus talentos.
Antes de oceupar se propriaraente dos
assumptos da proposta, pede venia para fa-
zer algumas consideragSes polticas relati-
vas a negocios do Cear, ao quo obriga-
gado como representante da mesma pro-
vincia.
Occupa-se sspocialmente com a anoma-
la que se observa na sua provincia, qual a
de achar-se at agora sem soluglo a ques-
tio do reconhecimento da legitima Assem-
bla Provincial.
Attribue este facto imprevidenaia do
governo. A questlo foi adiada, maa o seu
adiamento nio vem resol vola. Entretan-
to, se o presidente da provincia tivesse sa-
bido euraprir o seu dever, vista dos
meios de que na occasiio dispunha para
verificar qual era a maioria ligitima, j a
esta hora estara installada a Aasembla.
Nio aabe a razio porque o nobro minis-
nistro da guerra nio procede reorganisa-
gio do exercito. Esta reforma geralmente
considerada imprescindivel, e sobre a qual
j ha trabalhos faitos, poderia o nobre mi-
nistro lvala fcilmente a effeito com a
cmara actual.
Lamenta que a lei de 6 de Saterobre,
para o preenchirneuto dos claros das filei-
ras do exercito, tanto em tempo de paz
como em tempo de guerra, nio tenha tido
execugio, e admira quo os conservadores
tanto pugnassem, na opposicao, pela exe-
cugio della, e nao se lembrem disso actual-
mente.
Mostrando a conveniencia do raelhorar
as condig3es do3 diversos fomecimentosr
lembra a vantagem que teria o governo de
mandar inspecionar a invernada de Saican
na provincia do Rio Grande do Sul.
Sabe que esse estabelecimento nio pode
fornecer toda cavalhada para o exercito ;
mas convinha fiscalsal-o no sentido de
quo se dsse bom trato aos animaes, fazen-
do quanto possivel para melhorar a raga.
Quando ministro da guerra, o orador re-
ceben constantes reclamaeSes dos com-
mandantes militares contra a demora na
manufactura de obras militaras, e principal-
mente nas da corte, o quo deu lugar a
que ao arsenal do guerra fossem incumbi-
dos servigos qua naturalmente deviam ca-
ber ao archivo militar.
Veado a necessidade de dar raeJhor di-
reegao a esta servigo, organisou instruc-
g3es provisorias, que provideneiavam a res-
peito.
E' incontestavel quo este servigo carece
de ser reformado. Esta iustituiglo vive
obscura e, eutretanto, a destinada a pres-
tar grandes servigos. Para ella, que con-
ta officiaes de engenharia muito distinctos,
chama a atcengio do nobre ministro, pois
nio acredita que S. Exc. continua manter
no archivo militar esses oflHaes, que nada
tem alli a fazer, quando alias podenam
prestar ptimos servigos.
Se o governo os incumbisse de trabalhos
em estradas de ferro, telegraphia elctrica,
melhoramento de portos e desobstruegao de
ros, poderia dispensar rauitos engenheiros
civis empregados aesse servigo e reahsana
assim grande economa.
Tinha ainda a fazer algumas considera-
rles attiuentes ao assumpto em discussio,
,Das como o Sr. presidente o adverte de
au9 a hora est dada, p3e termo aqu ao
que tinha a dizer e aguarda-se para conti-
nuar em occasiio opportuna.
OR5AMENTO DO IMPERIO
Entra em 3a discussio o projecto fixan-
do a despeza do ministerio do imperio no
exercicio de 1886 a 1887.
(Continuar se-ha)
Typ. do Diario, roa Duque de Canas n
42

1
md mm