Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18318

Full Text





AUNO lili 1U1BHO
PAl&t A CAPIXJkX U JUJfiA*** QSfifrJB NAO
Por tres ruezcs adiantado
Por seis ditos idem. .
.Por um anno ideaj......
Jada numero avuiso, ao mesmo da.
***
18 DE JULHQ DE 1886
ia*;a
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
6,5000
12*000
24*000
5100
Por seis meses adiantados.....
Por nove ditos idem.......
Por oin anno dem.......
.Cada numero hvuso, de diaa anteriores.
DE
13*500
20*000
27*000
5100
NAMBUGO
{faqretaftt ir Mmod Ji&neixfa i>e -feria Mijos

m
TELEGRAMMAS
ssst:;: da A^trcu satas
(Especial para o Diario)
' LONDRES, 17 de Julho.
E' pr*Tiv<>i que a ertae lonha por
desenlace a formaco de um mlaia-
(erio de coaliaao Sallabary-Martlns;-
lon.
PARS, lfi de Julho, 4 tarde.
i
Em eonaequencla de palavra f-
fenaivaN trocadas entre oh Sra. gene-
ral Boiilanger. ministro da Claerra.
e de Larcin(y, no correr de ansa dla-
eotio relativa ao principes de r-
leaes. no salao das aeaaea do Se-
nado, rol ajustado um doello entre
esses cvalhelros.
ROMA, 16 de Julho.
. M. o re da Italia parti para
peala alim de asslstlr a manobras
das lorpedelraa.
MBTE OFFICIAL
Governo da urovlncla
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO' DA 16 DE
JULHO DE. 1886.
Arscnio Augusto Magalhes.Informe 0 Sr. eh-
genheiro chefe da Reparticao das Obras Publi-
can. v
Antonio Cordeiro de Medeiros.Informe o Sr.
inspector da Tbeaoararia de Fazenda.
Antonio Francisco de Mello.Nao tem lugar,
em Tiata do disposto no i" do art. 4." do deareto
n. 3,579 de 3 de Janeiro de 1886.
AJbaixo a&signado de eleitores, veseadores, juizes
de aaaa proprietarios do termo de Alaga de Bai-
xo.3Djo>b-i presentemente forca para adoptar as
meitdas, arlas muito convenientes.
Bartholomeu & C Em vista do que determina
o aviso do Ministerio do Imperio, de 9 de Outubro
do 1884, nao pode ter lugar o que reqnerem os
ticionanos.
Fiaocisco Tavarec ,da Silva Cavalcante.In-
firme o Sr. engenheir chefe da RepasMcao das
Obras Publicas. *,
Francisco Pinto de Magalbaes.Informe o Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda. .,
Gerente da Companhia Santa Thereza.Op-^
portunamentS ser atteodido.
Jos Joa inim de Azevedo. Dirija-se Thesou-
raria de Fajeada, que acha-se habilitada a satis-
razei o pagamento solicitado.
Joaquina Francisca Wanderley.Informe o Sr.
director da oloaia Orphanologiea Isabel.
Luiza.Remettido ao Sr. juiz municipal e de
ceshos-do termo da Escada, para attender.
Manoel Caliste de Souza.Informe oSr. 1. juiz
de paz da paroebia de Panelias.
Secretaria da Presidencia de Pemambu-
co, em 17 de Julho de 1886.
O porteir0, -
V-- J- L. Viegaa.

HH
Jos d is Santoi e Silv i, Jo) Aureliano Luiz
Alves, Rodrigo acorn Martin* Pereira, Livra-
mento & C. e ouWoa.Haja vieta o Sr. Dr. procu-
rador fiscal. "' -
UoiKgo Leonardo Antunei de Meira Henriqaes.
Certifique se.
PERNAMBBCO
Assembla Provincial
PARS, 17 de Julho.
Teve lagar um duello a platolla
entre o general Boalangere o Sr. de
Lareinfy.
Fol trocada apenaa ama Itnia. aem
que nenbnm doa adveraarioa foaae
attingide.
NEW-YORK, 16 de Julho.
Bebentou ama Insarrelco de cer-
ta gravldade em Taaiaallpas (M-
xico).
As Coreas de que dlspaem aa au-
toridades locaea e que foram impo-
tente para comprimir a expulsa*,
nao podem rombaler a evlensao
ameacadora d o movlmeato sedi-
cioso.
Aganoio Haru, filia!
17 de Julho de 1886.
INSTRCtfO POPULAR
NATAQAO
(Extrahido)
A BIBLIOTHECA DO POYO E DAS ESCOLAS
IM'I.K trtti:" PH.ITICIK
ARTE DE NADAR
(Continua(o)
DA
Podem resumir-se em tres as applicaces prati-
cas da nataco :Ia, salvarmo-nos em caso de
submersSo accidental ; 2.a soeeorrermos nm dos
nossos semelbantes; > ", pdennos atravessar cor-
rentes de agua' larga* fundas sem soccorro de
barcos ou accessorios, e mesmo (para os militares)
sen largar as armas e si bagaeens era inutilisar
as municoes. Examinemos detidamente estes tres
casos.
Salvar-sc o nalador em caso de submerso.E'
muito vulgar ver perecer individuos que, sendo
alias bsus nadadores, cahem inesperadamente
agua : em geral provm isto de que se nao habi-
tuaran) a mergulhar vestidos. Entilo o fato sempre
largo e fluetnante (principalmente o fato paizana)
enche-se d'agua, tolhe-lhes os movimentos e ar-
rasta-os para o fondo.
Comeca ento a faltar o ar ; o nadador peide a
cabeca, os movimentos tornam-sj desordenados e
a morte por asphyxia nao tarda. O primeiro cui-
dado do individuo que eahir a agua deve ser o
desembaracar-se do capote ou casaco que o cobre,
sem precipitaco nem azafama, deizanio o corpo
seguir a impulsan que o levar para o fundo : feito
isto, um movimento enrgica das pernas reeondu-
zil-o-ha para a superficie d'agua jnde descanca e
toma folego.
Depois procura desembaracar-se das botas, urna
aps ontra ; de cada ves vai de certo ao fundo,
mas nao perca o sangue fri e voltar a cima
tantas vezes quantaa seja necesssrio para desean-
car e respirar. Quando se acbar s com a cami-
sa e calcas, poder tratar de nadar para trra
pelocaminho mais curto.
O soldado e o cacador, usando geralmf>nte fatos
apertados ao corpo, estao em melhores condices
para nadar vestidos ; para elles o primeiro cuida-
do deve ser o largar a arma, e em seguida desem-
baracar-se, um do chumbeiro e bolsas de caca, o
outro da mochila e cartucheiras, on espada (sendo
de cavallaria), e isto obtm-se fazendo correr as
correias por cima das hombro, e vindo por um for-
te impulso das pernas respirar superficie tantas
veses quantas seja necesssrio.
As botas do cacador e do cavalleiro constituem
o maior embaraco para a sua salvaco em caso de
Suda na agua (as primeiras pelas suas exaggera-
as dimensoes que fazem com qne se encham
Sromptamente d'agna e custem a tirar,as segn
as por causa das esporas que podem prender-sc
as hervas do fundo). Recommendamos (se pos-
sivel for) a mxima serenidsde de espirito e que
o nadador procure adquirir o habito de se deitar
agua completamente vestido, e at carregado.
Estes excrcicios taouteisdevem sempre tazer se
em companhia de amigos que nos possam soccor-
rer ; e as primeiras vezes dever o discpulo ir
preso por urna corda que Ihe passe pela cintura ou
debaixo dos sevaecs.
(Contina)
9&
da
Repartlfio da Polica
SecsSo 2.* N. 701. -Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 17 de Julho de 1886.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos Casa de
Detencao os seguintes individuos :
A' roinha ordom, Sndalo Alves Rodri-
gues Tupinamb, por uso de armas prohi-
bidas, e Eurico de tal, alienado, at que se
offereca opportunidade de ser transferido
para o asylo da Tamarineira.
A' ordera do subdelegado do Recife,
Candido Marcolino do Nasciment, por dis-
turbios.
Hontem, s 3 1[2 horas da tsrde, ma-
nifestou se principio de incendio no 1."
andar do predio n. 9 sito 4 ra de Pauli-
no Cmara, onde reside o cidadao Elpidio
Accioli de Barros, proveniente de um fo-
guete que cabio sobre a parte posterior da
coberta e cuja bucha communicou-se a
urna das ripas.
Immediatamente se apresentaram no lu-
Pernambuco, Lgar o aiibd argado da firaguezia e um con-
tingento da guarda cvica, de cujos servi-
50S nao foram mais precisos por ter sido
logo eztincto o incendio, que nenhum dam-
no causou, a nao ser o destelhamento da
coberta e o quebramento de duas ou tres
ripas, servico este feito por um criado do
referido Elpidio.
A inquihna do pavimento terreo do pre-
dio, Lourenca Rosa da Conceicao, recen-
tando quo o incendio tomasse proporcoes,
fez transportar para as casas visinhas to-
dos os seus movis e objectos, os quaes
foram depois recolhidos ao seu domicilio
com assistencia da autoridade policial.
Tendo o Rvd. frei Alberto de Santa
Augusta Cabral, provincial do convento
de Nossa Senhora do Carmo, communica-
do hontem ao subdelegado da freguezia de
Santo Antonio, por intermedio do alferes
commandante di Ia estacao da guarda
civica, ter sido forjada a gaveta di; urna
mesa de sua celia e subtrahida a quantia
de cento e tantos mil reis, alli compareceu
dito subdelegado e fez proceder a compe-
tente victoria para ulterior procedimento.
A celia tem duas portas, aue nao apre-
sentaram vestigios de violencia, sendo para
notar que o Rvd. provincial declarara ao
subdelegado ter encontrado urna das refe
ridas portas trancada chave, como ha-
via deizado, e a outra,que lbe pareca ha-
ver fechado interiormente com o ferrolho,
entreaberta.
Communicou-me o delegado do dis-
tricto de Canhotinho, que no dia 9 do cor-
rente fra capturado alli o criminoso de
norue Joao Loureoco da Silva, pronuncia-
do no art. 193 do cod. crim.
Falleceu hoje( ao meio dia, na enfer-
mara da Casa de Detencao, vietima de
beriberi, o detento de nome Antonio, es-
cravo de Joao Florentino, o qual havia sido
recolhido naquelle estabelecimento como
criminoso de morte na comarca da Escada.
Deus guarde a V. Exc.--Illm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
O chefe de poli :ia, .Antonio Domingos
Pinto.
A cimmiaaio de redacc de parecer que se
adopte a seguinte para o pfojecto n. 43 deste an-
no e emendas ao mesmo oflrecidas :
A Assembla L -gislstiva 'Provincial de Per-
nambuco resolve:
Art. i. A receilo da provincia para o exercicio
de 1886 a 1887 oreada do seguinte modo :
tot indirecto
rau car.
2o. 2 % sobre o algodfto.
3o. 8 /o sobre agurdente, alcool e genebra.
,4o. 20 % sobre couros verles.
'5o. 7 o sobre coaros seceos, espichados e sal-
loa.
1 6. 3 % sobre sola e couros.
J 7o. 6 /o sobre couros verdes, seceos ou espicha-
dos, sola e courinhos exportados para outras provin-
cias pelas collectorias limitrophes.
8o. 100 rs. por sacco de assucar em fasenda de
qualquer procedencia e em barrica de madeira es-
trangeira, que for desembarazada ou despachada
no Consulado Provincial, sendo 50 rs. quando em
1/2 barricas e proporcin almente as subdivises
oestes.
9o. 100 rs. por conro procedente de outras pro-
vincias e que for reembarcado.
10. 4^000 por carga de algodao exportado pa-
ra as provincias visinhas-
11. 10*000 por carga de fazendas importa
das das provincias visinhas.
12. 5*0C0 por carga de miudezas importadas,
idem, 'dem.
13. 3*000 por carga de quaesquer outras mer-
cadorias idem, idem.
8 14. 10 rs. por litro de sal importado.
15. 5 % sobre o valor official da t rifa para
os artefactos importados que torera fabricados no
paiz, exceptuando-se as fazendas.
16. 3*500 por cada rez abatida nos munici-
pios da provincia.
" 17. 20 % sobre o valor do fumo de corda, em
folha inteira ou triturada, sobre cigarrose charutos
de qualquer procedencia, introduzidos para con-
sumo oa como materia prima ; 500 rs. por kilo de
fumo picado e desfiado, vindo de qualquer pro-
cedencia para consumo em latas, pacote.-, etc.
8. 10 % sobre a importancia dos direitos,
inclusive os addicionaes pagos pelos despachos na
Alfandega de mercadorias estrangeiras, qu" fie-
rem parte do gyro commercial das casas de nego-
cio de importaco, comprehendidas aquellas que
sendo despachadas em outras provincias forem im
portadas por meio de cabotagem, exceptuados os
5 % destinados so fundo de emancipacao e as
mercadorias que forem reembarcadas para fra da
provincia.
19. 30 /0 sobre o valor locativo das casas de
commercio em groaso ou a retalho na cidade do
Recife, exceptuadas as a que se refere o 27.
Impottot directos
i 20. 1:500* por joalheiro que mascatear na
provincia arada que, pague o Imposte' por eiubeie
cimento oa casa- de vender joias.
21. 200* por pesaoa que empregar capitaes
em descont de lettra, exceptuados os cemmer-
ciantes estabelecidos.
22.1:000* por casa de garanta de bilhetes
de loteras ou f raeco destes.
g 23. 1:000* por casa de vender bilhetes de lo-
teras de outras provinciss, ainda que pague o im-
posto do anterior.
24. 20 % sobre o valor locativo dos predios
onde se eiercer qualquer industria ou profissao,
nao comprehendidoi os de que trata o g 19.
25. 10 % sobre as casas de commercio, indus-
tria ou prefi-soes nos arrabaldes da cidade e fra
dalla.
26. 12 % sobre escriptono de advogado, soli-
citador, cartorio e consultorio medico, na cidade
do Becife ; e 8 % tora da referida cidade.
27. Imposto de reparticao, conforme a tabella
annexa.
mpoetos de transmiseao de propriedade
% 28. 15 /0 sobre os premios superiores a 200*
das loteras ordinarias da provincia.
29. 1 % sobre o capital das loteras creadas
pela lei n. 1,842, continuando em vigor o disposto
na 2* parte do 19 do art. 2 da lei n. 1,860.
30. Sello de herancas e legados de todos os
heideiros ab-intestato ou testamentarios, inclusive
o* filhna annrioa. reculado do nodo secuinte : at
I 44. Pt'itmgio de ponte e eauradaa.^J_
5 45. Emolumentos das reparticea pftyuciaes
cobrados com o^accrescimo do 30 % sobre as re-
spectivas tabelles.
46. Imposta sobre o calc*mento, de que trac
tam as leis ng. 150 e 596
3 47. Dlsisoo do gado vaceum, cavallar e muar,
cobrado por arreroataco nos respectivos campos
deeriacSo.
5 "49. 2 por danto sobre a porcentagem dos the-
soureiros das loteras extrahidas na provincia.
CoutribuieStt
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 17 DE JULHO DE 1886
Francisco Ferreia Baltar, Jos Paulo Botflho,
Juventino d >s Santos Selva, Antonio Jjs Coim-
era Guimaries, Manoel Brasiliano de Anlrade
Poggi, Francisco Alves de Curva ho, padre Dr.
Manoel Goncalves Soares de Amonm e Joao Joa-
quim de iqueira Varejo.Ao contencioso para
cumpnr o despacho da junta.
Pret da guarda civica.Exnmine-e.
Francisco Teixeira de Carvalho Escriptore-se
a divida, visto achar-se esgotada a verba.
Euclides Ponseca.Pague be.
P. reir Crniro & C. Paulino Wanderley Na
varro Lins, Ricardo Fonseca de Medeiror, Carva-
lho & O. e Joio Walfredo de M-deiros. Iuforme
o Sr. contador.
Batar, Oliveira devidos fins.
David da Silva Maia, Francisco Alves de Car -
valbo, Flix Per<-iia de Souza, Jos da Silva Reis,
Joo da Silva Villa-Nova e Antonio Rodrigues de
Souza.Entregue se pela porta.
Jos Laudelmo de Almeida Andrade.Informe
a seccao d contencioso.
Pret e folha da guarda civica.Pague-sn.
Joao Isidro Paes de Ly a e Jos Lins de Mi -
janda.Archive-se pelo conencioso.
% 49. Das empresas Ferro Carril
tora.
50. A proveniente dos emolumentos e paten-
tes da guarda nacional e do imposto pessoal por
concessSo do gverno geral.
% 61. Dos empregados pblicos provinciaes, dos
aposentados, jubilados e reformados, dos membros
da Assembla Provincial, do fiscaes das compa-
nhias e empn .bs anonyuas, dos empregados ge-
raes que receberem porcentagem pela arreeadacao
da divida activa do sello de heranca, sendo esta
contribuicao de 10 / sbreos respectivos venci-
mentoe.
52. 100 rii diarios dos sidos das pravas do
corpn de polica e guarda civica, como indemni-
sacao do fardanrmto.
Beeeita eventual
53. Auxilio dos cofres geraes.
! 54. Saldo do exercicio anterior.
8 55. Multa por intraecao.
j 56. Jures de 9 "/. pela indevida retencao da
renda.
| 57. Bens do evento.
_ g 58. Beneficios e premios de bilhetes de lote-
ras que prescreverem no dominio desta lei, resti-
toicoes, repoeiees e outras quaesquer ndemnixa-
ces, provenientes do processo judicial.
| 59. Renda e venda dos proprios provin-
laes.
Divida activa
g 60. DivicV^aetiva proveniente dos impostes
provinciaes
g 61. 5 "Ja addicionaes a todas as imposices,
enjo producto ser applicado Colonia Isabel na
razao da quarta parte e e restante k Santa Casa
de Misericordia do Recife, como auxilio aos esta-
belecimentos a seo cargo ; subvencionando esta
os profissionaes da* clnicas de olhos e de partos
com ordenado igual aos demais do hospital Pedro
II, onde conservar constantenente um medico.
labella dos imptos de reporticAo sobre industrias
e profisiSe
Parte I
1. Casas importadoras, de com-
miss5es,de consigaaces e de com-
misf 8 's e consignaco 's
2. .Ditas ou depsitos de vender
em grosso carvao de pedra em tr-
ra oa agua
3. Casas de vender cal de Lis-
boa
4 Estabelecimeatos de compra
c venda de cavallos
FarteU
5. Lojas de vender joias l-
mente ou joias e relogios
6. Ditas de vesder relogios s-
mente
7. Ditas de veoder pianoa, mu-
sicas e instraeamtos masicaes
Parto III
r4 Mearon.
positas de rap
bao, inclusive
nambaeana
5 23. Idear*-Monte de Scfi-
corro
g 24. Conserviico e custeio do
laboratorio chimieo e histolgico,
enclasive desperas feitas no exer-
cicio de 1834 a 1885
Obras publicas
g 25. Empregados, inclusive o
administrador do theatro Santa
Iskbel e vencimentos do secietario
| fieando os deste equiparados aos
24:000*000
6:000*000
1:300*000
8. Fabril
9. Agencia
10. Fabricas
sive a de Afoga
11. Ditas de
4:000*000
2:000*000
2:000*000
8:000*000
10:000*000
5.000*000
4:000*000
ilhos espartos, regulado do modo seguinte :
o 3o grao inclusive 15 "/, d'ahi por diante 20 %
inclusive os estranhos.
% 31.10 % sobre doacoes de quaesquer espe
cies, exceptuadas as feitat em nbas ascendentes,
ou descendentes, que pagarn 12 "/ ; as menores
de 200* nos legados e doacoes destinados eman-
cipacao de escravos, sendo qne as escripturas do-
taes serao reguladas pela legislacao geralappli-
cavel especie Os sellos das doacoes mortis cau-
sa podero ser pagos por occasio da transferen-
cia da propriedade doada, o os das outras na oc-
casio do contracto, aob pena de multa para o ta-
bellic que o lavrar sem constar o respectivo pa-
gamento.
32. 1/2 % sobre herancas e legados mesmo
consistente em uso frueto entre herdeiros neces-
sarios.
33. 2 % sobre o valor dos predios rsticos ou
urbanos, cuja alienacao se verificar por quaesquer
meios, palosantos de lavrar-se o respectivo titu-
lo de dominio.
34. 1 o sobre o producto liquido de qualquer
leilio particular de movis e immcveis, com excep-
cao dos predios rsticos ou urbanos, quando pa-
garen) o impasto do antecedente.
g 35. 100* por venda de escravos e 150* quan
do fr ella fita por procuraco.
36 1 % sobre o valor das vendas de accoes
de companhias.
g 37. 2 % pelas transferencias ou venda de qual-
quer contrato com o governo provincial.
Impostas lancados
g 38. 2*500 por tonelada de alvarenga, canda
de carga ou descarga, conforma a arqutelo ou
matricula
g 39 25 /o sobre a renda dos bens de raa das
corporaco a de mao marta, que nao mantiverem
estabe.iecimnntos pos, exceptuados os bens da ir
mandade das Almas da matriz do Corpo-Santo
desta cidade, a qual pagar smeote 10 % em
quaiito for oenecente com s'us irmos pobres.
g 40. Decima ur ana, fieando d'ella isento o
Lyceu de Artes e Oficios dos Artistas Mecbanicos
e Lib' raes.
Imposto* nao lancados
41. 60 ris por tonelada de todos os vapores,
navios mercantes e embarcaces de coberta en-
luta e8tr*ngciros, qu- isicarregarem no porto do
R-cife, pagos por c .J.i viag-m na occasio da sa-
bida e metade p^r cada viagem dos vapores, que
deutro de 30 das tocarem no porto desta cidade.
g 42. 10 por cento de n vos e velbos direitos
dos em pregad s p'oviociaes por nomeaco, pr--
ai-oseniadona. remoco ou aceesso, sendo neste
cao feta a cobranca sobre o excesso d>s venci-
meuti s descontados em todos os casos durante o
auno
43. 10* por escravo recolhido Casa de De
te i. cao ri-quenmento de seu senhor, ou por de-
posito at um mes, e d'ahi por diante 6*000 men-
saei.
eerveja, vinagre,
vinhos, genebra, licores e moaa
das gsosas
g 12. Ditas de gas
Parte IV
13. Empresas anonymas cu
agencias destas
14. Bancos, agencias filiaos e
representante! dos mesmos e casas
bascaras, nao psdendo a quota de
cada nm dos coilectados exceder
de reparticao de 1884 a 1885
15. Companhias, agencias ou
casas de seguro ou qualquer pes-
aos que no carcter de agente de
eompanbks de seguro fizer con-
tracto desta natureza ou promo-
vemos com excepcao das que t-em
sede nesta proviicia e contracta-
rem o servico especial do art. 13
da lei n. 1860
16. Armazens alfandegador, de
d3po8tos ou de reeolh-ir
17. Casas de jago de bilbar
r
Art. 2.* A despeza para o mesmo exercicio de
1886 a 1887 fixida em 3.473:195*289 do seguin-
te modo :
AiismUa Provincial
g I. Sabaidio e ajuda de cusi
aos deputados
8 2.* Empregados da secretaria
| 3.* Expediente e asseio da
casa
g 4.* Apanhanento epublicacao
dos c1 bates
Secretaria do Governo
5.* Empregalos, inclusive a
gratificacao do oficial de gabine-
te, supprimido um dos lugares de
2.a official, que vagar, por morte ou
acceaso
6.* Expediente e asseio da
casa
lnstruccao Publica
g 7.a Empregados da inspec-
tora
g 8.* Expediento e asseio da
casa
Gymnasio
g 9 Pr>.feisores, inclusive o
addido na forma da tabella anne-
xa le n. 1,497 e le n. 1,525
g 10. Expediente e asseio da
casa
Esc Xa Normal
gil. Professores e empregados
na forma da tabella aanexa lei
n. 1,488 de 26 de Juuho Je 1880
g 12. Expediente e asseio da
casa
g 13. Alugn 1 da casa
Bibliotheca
g 14. Empregados, conforme a
tabella annexa ao rg.lamento
de 4 do Setembro de 1884
g 15. Expediente e aaseio da
casa, remonta e compra de livros
Aula delatim e fronte
16. Aula se latim e francez
na cidade ae Pesqoeira.
InstruccHo primaria
g 17. Professores de uistruccao
primaria
18. Alugael de casas para es-
colas, expediente diurno e nocturno
g 19. Foruecimento de movis e
compra de livros para os aiumnos
pobres, senlo 2:000* para compra
de 4.000 eollecces das obras que
Hilario Ribeiri escreveu para a in-
fancia das escolas primarias
Auxilio industrial
I 20. Sulve ico ao Iustituto
Aieh'Ologico e Geographico Per-
nambucano
g 21. I-'em A Sociedade dos
Artistas Mechanioos e Lib raes
32. dem a Companbia Per-
e Locomo- j dos 3s escripturarios do Thesouro
Provincial, e os vencimentos dos
apontadores, na forma da le n.
1,790, art. 2*
26. Expedierte c asseio da
casa
27. Estados graphicos e ser-
vico meteorologa
g 28. Reparos e conservacao
rde obras provinciaes, inclurve a
ajuda de cuate dos agentes paga-
dores e a importancia necessaria
para as obras da Casa de Deten-
cao e reconstrueco da ponte de
Arrombados 203:000* ; e mais
15:000* para a conclusao do se-
gundo raio do Hospicio de Aliena-
dos ; 13:000* para reparos doem-
pedramento da estrada de Jaboa-
to; 6:000* para a construccae
de um acude na villa de Quipap;
20:000* para urna ponte no rio
Pirapama enere os eagenhos Una
e Junqueira ; 12:000* para urna
ponte sobre o rio Ipojuca no Sal-
gado ; 20 000* para a construc-
cae de um raio na Casa dos Ex-
postoo ; 8:000* para os concertea
da cadeia do Brejo da Madre
de Deas; e 100;000*0y0 para 5
acudes uaS seguintes camneas :
Bom Ja'dim, Taquaretinga, Cim-
bres, Aguas Bellas e Salgueiro, de-
vendo estes 5 acudes ser feitos
por meio de arrematadlo do modo
vantagem offerecer provincia, e
que mais a juizo do respectivo en-
genheiro
29. dem dos jardins pblicos
comprehendida a pintnr do que
se acha situado no Campo das
Princesas
Se^aranca publica
30. Empregados da Casa de
Detencao
g 31. Expediente, asseio, illumi-
nacao da referida casa
g 32. Aluguel de casas para ca-
dfias e qu rteis, inclusive os da
guarda civica
g 33. Sold dos officiaes e pra-
cas do corpo de polica, inclusive
a ajada de casto e gratificaooes de
que trata o art. 4 da lei n. 982 e
le: n. 1802
34. Sold dos officiaes e pia-
fas da guarda civica
35. Expediente e livros para
o carpo de polica e guarda civica
inclusive 200* para o expediente
da casa da ordem do referida
corpo
g 3ii. tardamente, armamento
e eqaipamento do corpo de polica
5:000*000 e guarda cvica
37. Agua e los para os quar-
teis
luminacao publica
g 38. rom 1868 lampeoes na ci-
dade do R cife e seus arrabaldes,
sendo dous para a ra da Fundi-
co em Santo Amaro, um na tra-
vesea do Goncalves, um na tra-
ves-a do Ferreira, um na travesea
de Joo Veiga, todos em Santo
Amaro das Salinas, quatro para a
ra que tica em frente ao Hospital
de Santa gueda, denominada
travessade Joo de Barros e mais
deseseis para a entrada de Joo do
Reg, at o Hospital dos Lazaros
8 39. DifFerenca de cambio
| 40. Vencimentos dos guar-
das
41. Com 311 lampeoes em
Olinda inclusive 1:000* para um
guarda da illuminaco
42. <.om 40 lamqeocs em Igua-
rass
g 43. Com 90 ditos em Goyan-
na
Com 25 ditos em Ca-
59:843*900
800*000
2:000*000
20:000*000
3:000*000
20">*000
200|000
7:000*000
700*003
1:000*000
1:0004000
5:000*000
397:000*0
8:000*0)0
40:820*000
4:800*000
7:000*000
472:800*000
63c265jP00
374f500
83:265*000
3:000*000
37:667*500
37:200*000
2:800*000
22:312*000
81:507*730
4:000*000
17:060*000
988*000
95:480*000
472*400
36:923*332
1:100*000
2:316*800
10:100*060
1:800*000
1:600*000
656:410*000
67:777*620
5:000*00
2:000*000
4:000*000
Com 25 ditos em Naza-
Oom 25 ditos em Palma-
ruaru
I45
I'46.
res
g 47. Com 15 ditos na cidade de
Bezerros e 25 em Canhotinlio
g 48. Com 30 ditos na cidade do
Rio Formoso
Culto publico
49. Congrua de coadjutores
Auxilios diversos
50. Ao recolhimento de Bom
Conselho
g 51. A'casa de beneficencia de
B zerros
g 52. A' casa de caridade de
Gravat
g 53. Aos religiosos capuchi-
nbos do Recife
g 54. Ao recolhimento da Glo-
ria do Recife
g 5*5. A' casa de caridade de
Caruar
g 56. Ao recolhimento de Igua-
rass
g 57. A' casa de beneficencia de
Triumpho
58. Ao recolhimento de Olin-
da
g 59. Ao recolhimento de Goy-
anna
g 60. Ao hospital de misericor-
dia de Goyanna
8 61. Subvencao na forma do
art. 1- da le n. 1565 de 10 de Ju-
nbodel882
62 Para as obras da matriz
de Itamb
63. dem dem da matriz de
Cimbres
64. dem idem da matriz da
Boa-Vista
g 65 dem idem da matriz de
Muribeca
66. Ao Seminario Episcopal
de Ohnda para execuco da lei n.
985 de 1871
g 67. Ao vigario da freguezia
de Bom Jardim, Jos Francisco
Borges, para auxiliar a escola de
meninB descalcos, fundada e cos-
teada pelo mesmo vigario
g 68. Para es su de eduaco do
vigario Joo Evangelista
g 69. Ao Gabinete de Leitura
de Goyanna
70. Pagamento das annnida-
pesrelitivas ao servico da Recife
Draynage nos termos das leis
1,543, 1,594 de 1881, inclusive
600* para taes despesar, relativas
121:549*000
2<:C00*000
10:000*000
30:810*000
2:900*000
10:500*000
1:775*000
1:775*000
1:775*000
*
2:130*000
10:000*000
4:000*000
4:000*000
2:00*000
2:000*000
2:000*000
1:000*C00
1:500*000
2:000*000
1:200*000
1:200*000
1:0000000
1:200*000
4:000*000
1:000*000
4:0O0J00O
1:000*000
4:000*000
500*000
500*000
5000000
108:752*000
4:000*010
3:000*00
26:000*000
82:400*010
3:000*000
75:200*C00
144*000
132:461*050
94:000*010
17:385*000
6.900*000
2:400*000
536:906*920
aos predios RrMaseeatesao patri-
monio do convento da Gloria 1:800*000
ArrecadaoSo efiscalisaedo das renda
g 71. Empregados do Thesouro
Provincial nos termos da tabella
annexa ao Reg. de 2 de Jnlho-de
1879, le n. 1,693, e 1* do art 10
da lei n. n. 1,713, fieando extinctas
as gratificacoee do art. 52 da lei n.
1,261, e do art. 2. da lei n. 771,
sendo o ordenado do procurador
dos feitos de accordo com a lei n.
i,810; inclusive a gratificacao dos
agentes eacarregados da arreea-
dacao do imposto de gado vaceum
72. Expediente e asseio da
casa
g 73. Aluguel da casa sm que
uneciona a reparticao
g_ 74. Porcentagem pela cobran-
ca judicial e despezas judiciaes.
_75. -Empregados do Consulado e
conforme a tabella de que tratsTO
art. 33 da lei n. 1,786, revmgado o
srt. 10, g 5o da lei m L.713, de
1882, e sendo a porcentagem ra-
zao de 1 1/2 % sobre a impor-
tancia da arreeadacao, supprimi-
dos os lugares de dous lanzadores,
!ous 2 e8cripturarios e doue 3*
dito"
g 76. Expediente e asseio da
casa
g 77. Empregados das collecto-
rias, inclusive expediente e livros
78. Aluguel da casa da bar-
reira de Motocolomb
Pessoal inactivo
g 79. Aposentados e jubilados
Soccorros dr, beneficencia
g 80. Sustento e curativo dos
presos pobres
Publicacoes e imprusSes
% 81. Impresso e publicacao
dos trabalbos das repartieres pro-
vinciaes
Saude publica
82. Instituto vaccinieo
g 83. Medico da Colonia Isabel
Divida provincial
g 84. Juros das apolices emitti-
das
85. Divida de exercicio^ fin-
dos conforme o quadro agoexo, e '
mais 2l3 que se deve ao profes-
sor Gaspar Antonio dos Res, pro-
veniente do expediente da escola
nocturna de Allianca; 183*332
ao professor jubilado na cadeirade
instraeco primaria em Bebedouro,
Ju venci de Barros Correia, e pro*
veniente de seas ordenados de
Vlaio a Junbo de 1884 e o que se
estver a dever a Antonio Jos de
Souza, professor publico aposenta-
do na cadeira de Baixa Verde, de
eeus vencimentos, que deixou de
receber rio exenicio de 1884 a 85;
o qne se est a dever ao capit&o
Ismael Clementino Bczerra, pelo
fornecimento que, por ordem do
Dr. juiz de direito da comarca de ;
Iguaraseu, fez ao destacamento da
v**o d*e*.'ootne, c importancia''
de 879*830; a Laurindo Marques
de Sjuzs, do que despendeu com o
ostento dos presos pobres da ca-
deia de Flores, na importancia
de 476*800 ; a Diogo Carlos de
Almeida e Albuqu-rque. o que se
Ihe dever de ordenado oor ter re-
gida a cadeira de instrueco pri-
maria noGymuasio Pernambucano
do 1 de Julho de 1883 a 24 de Ju-
lho de 1884; Companbia Per-
nambucana, proveniente de trans-
portes 12:132*10 ; o que se est-
ver a dever ao cidado Manoel
Marinho Cavalcante de A'buquer-
que, do ternpo que foi professor em
Bo -Jardim e Anglicas ;.......
1:148{691 para pagamento do que
se est a dever ao coronel Manoel
do Nascimento Vieira da Cuuha ;
a de 240*30" para pagamento do
empreiteiro das obras da cadeia
de Agua-Prela; 2:536*520 para
pagamento do que se deve a Me-
deiros & C, de fornecimento feito
Secretaria da Assembla Pro-
vincial ; 183*660 C >mpanhia
Great Western of Brazil Railway
Limited, de transporte de presos ;
300*000 ao boticario Alfredo
Emilio Calumby, de medicamentos
fo oecidos aos doeni.es do povoado
de S. Jos; 6:28')/ companbia
da estrada de ferro do Recife ao -
S. Francisco, de transporte de pre-
sos e soldados; 32*000 a Cosme
Jos Guedes, por aluguel de sua
casa, em S. Lourenco, para q-jar-
te! ; o quo se est a dever de seus
vencimentos ao Dr. Joo Feliciano
da Motta e Albuquerque, professor
do Gymnasio, a contar de 8 de No-
vembro de 1879 a Janeiro de 1880,
razao de 166*666 mensaes;
400*000 a Manoel C-valcanteCoe-
luo, proveniente de alauel de sua
casa que serve de quartcl da
guarda civica na freguezia da Gra-
ca ; 750* ao professor da Magdale-
na, Christovo de Barros G. Porto,
conforme a lei n. 1,713, de 1882 ; a
Joo Baptista Esteves de Souza,
do que se Ihe est a dever como
empregado do Consulado Provin-
cial, de il de Fevereiro a 28 de
Marco de 1880 ; a Eduardo Car-
neim Leo, de aluguel da casa
que serve de destacamento em Mu-
ribeca ; a D. Taciana Alexandrina
Monteiro Lopes, de ordenados que
deixou de receber como professora
de Propriedade, correspondentes
aos meses de Jaoeiio e Fevereiro
de 1882; aos herdeiros de Manoel
Castao Spinol, a quantia a que
tiverem direito pelo* servicos pres-
tados no Gymnasio Pernam lucano,
de accordo com a lei n. 1,682; a
Antonio Femandes da Silveira
Carvalho,a quantia de 591*725; a
Luiz Lamenha de Mello Tambo-
rn, 538*000 ; a Elyseu da Silva
Gustno, 523*158; a Heorique de
Barros Cavalcante, 163*100, diffe-
renca do vencimentos a que teem
direite pelo exercicio interino dos
cargos de 1,2 e 3 officiaes da se-
cretaria do governo; a JosGenra-
no Lyra, o que se estiver a dever
de alugneis da casa que serve de
quartel e cadeia no povoado do
Riacho do Matto; 12*000 ao ex-
collector e ao eterivo da collec-
toria de Caruar, Antonio de Le-
mas de Vasconcellos e Alexandre
Freir de Carvalho; ao professor
Joo Fernandes Vianna, o que se
Ihe estiver a dever de seus venci-
mentos relativos ao exercicio pas-
tado; 206*666 aobacharel Hora-
cio Walfrido Peregrino da Silva,
*
MUTILADO
sssssl


Mario de PcrnainbifcoDomingo 18 de Julho de 1886
i

99:218*549
4:939*343
7:8dOOJ
a de
vencimentos entre o lagar de Io
escriturario e o de chefe de sec-
r ci do Consulado Proviuoial, m
* contar de 22 de Maio a 38 de No-
vembro de 188 i, tempe em que
exercea interinamente o ultimo
de&sea lagares ; 650*000 a Basilio
Gomes Pereira Rodrigues, differen-
ca de vencimentoa que tem deixa-
do de perccber pelo, exercioio inte-
rino do cargo de amanuense da
Repartido daa Ohras Publica*, a
contar de 1886 at o corrate
ezercicio ; 70jBOQ.pasa pagamen-
to do alugueis vencidos da c isa
que serve de qaartel na villa de
Seriohiem; a Vctor MarquesSan-
tiago, ei-pracaiofeorpo de polica,
o que se le nver-a devcr ; a
Honorio Hermetto Goncalves do
Oliveira, o que se Ihe estiver a de-
ver de alaguis vencidos de sua
casa que serve de cadeia e quar-
tcl na Tilla de Quipap #
8 86. Reatituicoes inclusive a
quantm de 1:402*348 a Cardosofc
Irmo, na conformidade da lei n.
1,995, de 1882, e mai 1:237*90,
qe as filhas de Miguel Augusto
de Obvair, herdeirss do remaaes-
cente de D.t Genoveva Rosa da
Silv, de mais pagaram deViceordo
com o 71 do -art. 2o da lei n.
1,810; 166*000 a Joio (Jomes da
Costa, que domis pagou em di-
versos exercicios eompanhia Re-
cife firanage, proveniente de an-
. nuidades, do predio sito ra do
a^fcarol, o qual se acha compre-
nMMo noque dispe o art. 17 do
contrato aquella eompanhia; a
oaqukn Jos de Mello e Jos
Torres Campos de Medeiros, o que
e Ihes dever palas dfspezaa de
novo titulo e novos e velhos direi-
les ique, nos termos das leis ns.
1,049 e 1,786 indevidam ente pa-
igtaam
87. Despezas evenfuaes
DISP0S1VOK3 OEBAES
Art. 3," Fica o presidente da provincia auto-
rieado:
8 lo A mandar desapropriar para serventa pu-
blica a ponte coustruida sobre o rio Bitury no po-
voado de 3ello J&rdim pelo capitio Gaudencio Ki-
drigues de Arauj). Para tal fim poder o presi-
dente abrir o crdito necessario, nio excedendo
de 1:500*000.
g 2 A despender 3:000*000 com a desapro
priaoao da casa, que serve de quartel na cidade
de Jaboatio. .
S 3 A emprestar Santa Casa de Misericordia
a quantia de G0:000* de valor do emprestim)
maedido, afim de occorrer ao pagamente do qus
ella deve e continuar as suas despezaa, sendo este
valor dednzido dos semetres a seguir na proporcao
de 10 % do que for arrecadado para a mesma
Santa Casa.
8 4 A aposentar o em pregado da santa oasa
de Misericordia Francisco Cromes Castellao com
os venciinentos que actualmente percebe de ccor-
do com a mesao* SauU Caaa, por cujos cofre* cor-
rer a aposentadoria.
8 5 A conceder, por praso improrogavel de lo
annos, privilegia a Alf.-ed Best Tugman ouaquera
matares vantagans ofterecer, para montar nesta
provincia a primeira fabrica de cimento, prepara-
do com materiaes do paiz.
L O cimento produzido pela fabrica de que se
traa nao gozar de isencio de imposto algum,
nem de quaesquer favores, directes ou indi-
rectos, que tenbam por fim prohibir a entrada ou
venda na provincia do producto similar, nacional
ou estrangero.
11. Se no fim de dous annos, a contar da data
da presente le, nao estiver a mesma fabrica tune
Clonando regularmente, a actual coneessio de pri-
vilegio ser ipxo facto considerada caduca.
(jo A desapropriar na villa de Taquaretinga o
predio que, all, foi construido para servir de ca-
deia, quartel e casa da cmara. Nessa desapro-
priacio poder ser despendida at a quantia de
8:000*, satisfeita em prestacoes annuaes de 2:000*.
7o A conceder a Eduardo de Moraes Gomes
Ferreira, a Francisco Emygdio de Guarni Lobo
ou a quem melhores vautagens offeiecer, privile-
gio por dez annos, para explorar a conversado de
graos de trigo em farinha, por meio de moinhos
& vapor, ficando isenta, durante o tempo do pri-
vilegio, di mpostos provinciaes e muuicipaes a
respectiva fabrica e os productos que forem ex-
portados, f
S 8* A conceder por prsso improrogavel de dez
annos privilegio a Jos Augusto Alvares de Car-
valhoou a quem maiores vantagen3 ofterecer, para
montar n'esta cidade urna fabrica de chumbo de
munico.
I. O chumbo produzido pela fabrica, de que se
trata, nao gozar de isencio de imposto algum nem
de quaesquer livores, directos ou indirectos, que
tenham por fim prohibir a entrada ou veoda na
provincia do producto similar, nacional ou estran-
geiro.
II. Se no fim de dous, annos contados da data
da presente lei, nao est;ver a mesma fabrica func-
conando regularmente, a acfnal concessao de pri-
vilegio ser ipso facto considerada caduca.
9- A innovar coin Vlanocl Clementino Correta
de\\Iello o contracto para custeio da iliuininacio
publica da villa de Iguarass, mediante as seguin-
tes condicoes :
Iudeinnisar o contratante provincia no fim de
5 annos, da qnantia ie 1:400$, custo de c.illoea-
cio dos 40 lampeos d'a^uella villa j
Collocar k sua cu ota cinco lampeoes, que passa
rio no fim daquelle praso a pertencer provincia ;
Fazer entrada da referida quantia por quotas
annuaer, sjado que ficar rescindido o contrato
com a falta dessa entrada nos prasos estipulados :
Entregar provincia no fim do contrato os 45
lampeo-8 perfeitaineute conservados e sem mais
indeuinsacio ;
Sujeitar se a receber da provincia o preco de
200 reis por noite e por cada lampeio ;
Obrigar-se a mantera iltuminaciogratuitamen-
te no caso de reseisio at que se eatabeleca novo
contrato ;
Prestar flanea arbitrada pelo Thesouro para
garanta das condicoes estipuladas.
| 10 A conceder aaseguiutes liceneas : porum
anuo com ordenado ao portuiro da repartidlo da
Jnotru'xlo Publica Jos Augusto de Mello, a D.
Launana Maria Ramos, professora de Jagua-
ribeem Itamarac, D. Listadla de Albuquerque
Mello, professora da Boa- Vista nesta cidade, a D.
Fausta Pergentina de Lima Barros, professora de
Cimbres e a Antonio de osa Maduro amanuense
das Obras Publicas; por um anno sem vencimen
tos a D. Argemira Gnilhermina Feitosa Breken-
feld professora do povoade de Cha do Carpina.
11. A reorrr ar a reparticao das Obras Pu-
blicas, dando lhe novo regulamento, como formis
conveniente, reorganisando o servico de conser-
vacio permanente das obras, sobre novas bases,
de modo a realisar-se a mxima economa, e pro-
videnciando no sentido deque os agentes paga
dores percebam 1:800* de vencmen'os.
12. A supprimir o Consulado Provincial, or-
ganisando com o pessoal necessario urna reoebe-
doria provincial incumbida da arrecadaco dos im-
postas de lancameuto. Os empregados que exee-
derem do quadro serao addides s r. partices pro -
vinciaes para screm prvidos as vagas que occor-
rerem. Os empregados que estiverem naa condi-
coes legaea poderao ser aposentados.
Serio mantidos na Recebedoria Provincial de
preferencia os empregadss mais antgos, sendo os
mais modernos mandados addir s repartisoeaiiro-
vinciaes.
i 13. A reformar o ensino publico, attendendo
restauracao do casino religioso as escolas prima-
rias. .
14. A rever aa disposicoea porque se rege o
ensino publico :
I. Confeccionando novo regulamento para a es-
cola Normal no intuito de melhor distribuir o en-
sino das materias ;
II. Reorganisaudo o Gymnasio Provincial do
modo que lbe parecer mais conveniente, podendo
supprimir do intrnate os lugares que forem dis-
pensaveis.
Dos alumnos pensionistas da provincia, bem
como dos internos actualmente mantidos pelo es-
tabeleciroento, continuaro a receber edacaoio e
ensino no Gymnaaio smente os de que trata o
art. 62 do regulamento de 19 de Abril de 1876,
observando e a segunte ordem :
Os filhos dos voluntarios da patria ;
Os dos out.-os servidores de estado;
Oa que se houverem distinguido pela sua ex
cepeional intelligancia e anplicacao naa aulas,
sendo em todo caso observadas as condicoes do
art. 66 do citado regulamento.
Estas alumnos gerfto mantidos costa do ata-
be lecimento. e se por ventora o seu estado finan-
iro nao o permittir, costa doa cofrea provin-
ciaes, para o que o presidenta da provincia abrir
o necessario crdito ___
III Con relacao nstruccao primaria 0 pre-
sidente da provincia poder transfer, as'Reirs
que convier serem collocadas onde possam ter
maior frequencia, respailando todas aa vantagena
e eatbegoriaa doa respectivos profeaaores. ^^^
IV Twnsr eftectivoi oa protesaores contratados
one teoa*revelado aptido para o ens'no.
V. OrpresMwite par essa ooeWao darA^wvo
mgulWBto4 instrs*eio primaria. .-----,
VI. JWWtorasde instrocoSo secuncarhi jae
vagareM^Wtoeopprimtdaa ou prvidas pstes leo-
taTdaqoellas, qne o preaidente jotgar desneeess^
ras, sopprimidas eaM. j. J
i 15. A nsaear effeflttvo o profwsor de Couro
d-ita. e. profeMOra de S. Jos do **>,*%
rtrtUdos regulamento de 6 de
Fevereiro, nma vez que provena que cumprem os
S3U* deveres a oonteuto da reparticao da luswc-
cao Publica. '
S 16. A prover, na primeira cadeira aoe vagar
nesta cidade, a professora jubilada D. fflana Goe
!ho da Silva, ficndo Mi ffeita-a s. jubilayio
8 17 A conc.-der professoras publicas de in-
ti necio primaria, D. Camilla do Carino rorrea,,
p.ofeesora da cidade do Divino Espirito Santo d
Pao d'Alho, D. Generosa do Reg Medeiros Ca-
valcantc de Alboquerque, e professora de Imbenbei-
ra em Afogados e D. Francisca Maria da Annun-
oiacao, professora da 2 cadeira da fieguezia de
Afogados, permuta de suas cadeiras sem pre-
juiso dos seas vencimentos e cathegorias.
S 18. A jubilar D. Sophia Guilhermina de Mo-
raes Mello, actual professora da aula pratica, an
nexa Escola Normal, computando o ordenado pelo
m >do eatabelecido na le n. 1,502, art. 1, e a gra-
tificaQao correspondente ao tempo de exeroicio .
Para prover a vaga, que sera preenchida den-
tro do exercicio financeiro, o presidente nomear
para reger a referida aula, independentem nte de
concurso, qualqu r professora de 2 ou 3' entr-
ela ; romtanto que soja titulada pela Escola Nor-
mal e haja obtido. pelo menea, em dous annoe de
curso, appnvacao com distinecao.
Art. 4. Fica a Santa Caja de Miserio-ird^ do
Recife autorisada:
8 1." A pagar no cirurgiao dentista do Hospi-
tal Pedro II, creado pela lei n 1860, os seus res-
pectivos vencimentos, que serao equivalentes aos
dos demas cirurgies d aquel le eatabelecimento.
2." A contratar um emprestimo at a quantia
de 60 contos de res, podendo caucionar eata em-
prestimo com seus ttulos.
8 3. A regulaiisar os vencimentos dos empre-
gados dos diversos es'ab-decim-ntoj de caridade a
seu :argo, suppriraindo os lugares que forem dis-
pensaveis, rudazindo, como for justo, os orlen idos
que fjrem excessivos c e!"Vando os dos emprega-
dos que estiverem mal pagos relativament.'.
8 4." A permutar ma Hanoel H -rrclito de Al-
buquerque o dominio directo que ella tera sobre
terrenos do engenho Bemfica, sito no termo de Ipo-
juea, pjr immovcia situados nesta capital ou em
apolices da divida publica geral da provincia,
mediante accord >.
5" A conceder ao escriyio PedrjRodngues
d Souia licenca com vencimentoa.^ at 6 mezes,
provand'i molestia prante a meama junta.
Ar. 5." Fica reatab decida a lei u. 981 de Io
de Maio de 1871.
Art. 6. Porm>rte d* nu ilquer doa tabelliaea
da comarca do R-cifj Bear* extincto o respectivo
c.rtirio, cujos papis serio distribuidos entre os
tabeljiaes compauheiros.
Fica revogada a lei n. 1,675 de 14 de Junho de
1882 e restablecida a que creou os dous lugares
de tatil'ian m termo de Glorii de Goit.
Art. 7." O esorivo de orphaos da cidade de
Pesqueira servir por distribuicao o officio de es-
ovivis do civil e commercio, e privativamente o de
eserivao da provedoria de capillas e resido m.
Art. 8. Ficar > extinctos os officios do 2 ta-
belliio, scrivo do criino e civel da comarca de
Aguas-Bellas, logo que vagarem por fallscimento
ou renuncia do respectivo serventuario, e sera i
aggregadas aa respectivaa funecoes ao cartorio do
1- tabellia e mais annexos da mesma comarca.
Art. 9 Fican isentos dos iinpostos provinciaes
e muuicipaes o predio que a directora do Ga-
binete Portuguez de Leitura desta cidade ten-
ciona edificar para o mesmo Gabinete, bem como
dos .impostas e direitoa de transmisse de proprie
dade a que estiver snjeito o terreno ou predio que
for comprado para tal fim. .
Art. 10. O "Banco de Crdito Real de Pernam-
buco fica isento do pagamento de qualquer im-
posto provincial ou municipal, comprehendendo a
isencao A exereicio da 188a x 188t.
As harancas, legados e doacoes quando consis-
tentes, no toilo ou em parta, em acces ou lettras
hyp ithecarias do Baes, ficam, quanw a este3 va-
lores, isentos do respectivo imposto.
As lettras hypothecarias do Banco serao aceitas
como garanta de flaneas prestadas nos contratos
com i provincia, obrigado n contratante a reforcar
proporcion^lmente ditas flaneas se porventura as
letr-is sofFrcrem diminuicao do valor porque fora recetadas.
Os favores da presente lei nao serao considera-
dos um privilegio, nem prejudicaro os que foram
garantidos peb lei n. 1,789 e respectivas instruc-
ces de 27 de Outubro de 1883.
, O Banco gosar destes favores :
1." Sempre que, em vrtude do art. 29 nico
dos seus estatutos, recbenlo do mutuario ou <'e-
duzindo do capital miituido, no acto do empres-
timo a annuidad respectiva ao tempo que decorre
desde a data do contracto t ao fim do semestre
em que o m-'amo contracto se fizer, compense aos
mutuari >9 os jaro de 7 /o ao anuo, desse. mesmo
tempo B decorrer, urna vez que pelo arta. 24 e 45
4o dos eatatut >s do Banca, os emprestimos a
loncos prazos s> feitos em letras hypothecarias
ao par e estas s vencem juros a partir do se-
mestre segunte aquella em que se tiver feito a
emisso.
2." Sempe que facultar para os emprestim03 a
loncos prazos o tempo de dez a trinta annos, m-
nimo e maxim > fixado pela lei n. 1,237 de 24 de
S sabr d 1864, decreto n. 3,471 de 3 de Junho
de 1865 e p los estatutos do mesmo Banco art 25.
Art. 11. A concess constante da lei n. 535
i> 1 art. 32 da le n. 1860, restabeleeida em favor
1 s i:nugind:res da eompanhia de edifica-cao
nesta cidade, ica ampliida ao pagamento inte-
gral di>s impostos a que a lei n. 535 se refere ao
prazo d- 15 minos para todas as casas que a com-
p mhia edificar e a contar da respectiva edificacao.
| 1 Os empresarios serio obrigados a recebei
gratuitamente em suas ofcinaa at 20 menin a
pobres, mndalos apresentar pelo presidente da
provincia, d'-'ntre os educandos do3 eatabelec-
mentos de caridade ou quaesquer outroa, e logo
que os meamos tenham aprendido o offlcio a que
se deatm-'in. a eompanhia pagar-lhes ha o salario
que fsr estipulado com os sena pas ou tutores.
2 O governo da provincia firmar contracto
cora os empresarios, no qual estabelecer clausulas
garantiduras da fiel execucio do disposto no 1".
Art. 12. Ficam relevadas do pagamento das
decimas atrazadas e vencidas at o exercicio de
1885 a 1886 as casas pertenecntea ao patrimonio
de Nossa aenhora do Carmo c sites na cidade de
Savama, ai p-rti-ncentes irmandade de Nosa
Senhora da Boa Viagem o a de Alexaudre Gomes
Rodrigues, situada na ra do Rosario n. 35, em
S. L mrenco da Matta, na conformidade da lei
u. 1541 de 1881.
Art. 13. O art. 1 1 da lei provincial n. 1,320
nai tem applicacio, quer aos parochos, quer os
cuadjuctores, aos quaes assste o direito de receber
as respectivas temporalidades.
Art. 14. Na arree idacio que se proceder por
meio de guias exjedidas pela seceo do Conten-
cioso do Thesouro Provincial ter o procurador
fiscal 2 "/ sem ser para esse effeito alterada s
tabella do att. 8 da lei e. 1470 de Junhj de 1879,
qae contina em vigor.
Art. 15. Fica concedido a Jos Maria de An-
drale privilegio por 20 annos para montar urna
fabrica da cortume em um dos arrabaldes desta
eidade; sendo obrigado a admittr em dita fabrica
10 meninos orphioa, aos quaes dar sustento e ha-
bitaco sendo-lhes ensinada a arte que all se
exercer e dando-Ibes tamb m um salario rasoavel.
No contracto que para este fim se celebrar serio
mencionadas aquellas condicoes alm das que se
fiacrem necessarias. i
"Art. 16. Fica concedido ao Dr. Joio Ferreira
da Suva, ou empresa que este organisar, privi-
legio por 25 anuos, para fundar nesta cidade urna
grande fabrica de machinas e apparelhos elctri-
cos, destinados produccio de luz, ao transporte
de forca, aos processos electrolticos, s applica-
ces tta'rapeuticaa e s demonstraces escolares.
I. O concessionario ou a empresa dar comeco
ao sorvico dentro do praso de dous annos, conta-
das do dia em que for feta a concessao.
II. O concessionario ficar obrigado a fornecer
s repartieres publicas da provincia e Santa
ente exercioio finsneeiro
| poder supender o pro>
Casa de Misericordia todo o material necessario
que ditser respeito sua inus'ria, por menos a
terca parte doa preco* dos taihalogos das casas
estrangeiras; ficando, poro, isento do pagamen-
to de quaesquer impostos provinciaes.
Art. 17. rica em vigor o art. 8 da lei n, 1,597
de 28 de Jonho de 1881.
Art. 18. O asancar produzido pelas fabricas
centraea de qae trata ^ lei n. 1,860. de 11 de
Agoste de 1485, nao gozarja de isencao de imposto
algffm.
Art. 19 Dsrante o p
o prissidefrte'da provinei: __
vimtMo das-eadeiras de instruccio primaria qu
v.ig#r*ra,'e*riWhito que as fregueziaa da capital
e era OfWa 'Jo exe.fda de nma terca parte, as
demUto'ttades ficandd ama cadeira de cada sexo
e o os pov&dos'nma dosexoteminino.que sVftcon-
verti*!'*! mita. f
Art. 20. ^ryse prOneherllo as vagtii,".qtfe se
derem as cadiras de instruccio primaria da 3"
entrais, at o numero de 20, e de 2 e 1* at o
numero de 30.
Q.iando n vaga fdr de eseoli do sexo masculino
e de 1 entrela, observar-soha o disposto no
art. 217 do regulamento de 6 de Fevereiro d
1885
Para melhor regularisar o nio preenchimento
desaasv.cadeiras, nbservar-seha o ditposto nos
arta. 44, 45, 46 c 47 do citado regulamento.
Art. 21. Ficam trasferidaa as segnintes cadei-
ras do sexo masculino:
A 2a do Ro Formoso para o lugar denominado
Coelho, nesta cidade; a de Tabatioga, .era Igua-
rass, para o Chacn, em a fregussa do Poco ; a de
Frecheiras, em Goyanns, para a rna da Soledade,
na mesma cidade; a do lugar Mimoso, do termo
de Bezenos, para o povoado dos Cocos, no mesmo
termo, sem prejuizo dos actuaos profesores, que
continuaro a peree'oer os mesmos vencimentos
que ora percebem.
Art. 22. No caso de serem supprimiias as ca-
deiras, regidas pelos protesaores Jos Feliciano
Bezerra de Aguiar e Herculano Hygino Nuaes
Bandeira, aero elles nomeados para adeiras de
2" entraneia.
Art. 23. A jubjacio do professor publico de
instruccio primaria, Antonio Mximo de Barros
Leite, fica regulada segundo as dispoaicoes do art.
156 do reguSientu de 6 de Fevere.ro de 18 jjS.
Art. 24. Af^roesaora publica de GoyannaSa-
ra Cavalcante de Albuquerque, quando ten!
jubilar-se, serio contados como de effoctivo exer-
cicio oito mezes de licenca que lhe foram concedi-
dos.
Art. 25. Ser contado na jubilacSo dos profjs-
aorea Francisco da Silva Miranda e D. Franceh-
na Forjaz de Lacerda, cora) de effectivo exercicio,
o tempo decorrido desde a nomescio at a data da
jubilacao.
Art. 26. O professor de latim e francoz de Pes-
queira per cebera as mesmas vautagens do profes-
sor de Afogados, e que foi andido ao Gymnasio
Provincial. g.\
Art. 27. As eadeir.is de instruccio primara da
cidade do Recife serio elas3iflcadas em ordem nu-
mrica, separadamente por freguezias c sexos.
Art. 28. Fica restaurada n aula.no jturna da ci-
dade da Escada.
"Ar. 2*. O thesoureiro das loerMS.ordinarias da
provincia poder elevar os respectivos planos, me-
diante approvacio do presidente da provincia, fa-
zeu i i comprehender era urna t lotera ptrte de
diversas coneessoea, observando em 'lodo o caso a
oraem de preferencia estabelecida na lei do orna-
mento d i respectivo exereic'o. J
1. Desde que for levad) o capital do plano,
passi-r a ser de 10 /, o imposto sobre premios
maiores de 20J, e de 12 /0 a comraissio do the-
soureiro, sujeita a todas as despezas da extraccio.
| 2." A disposicio uo antecedente fica exten-
siva ao thesoureiro das loteras para a emancipa-
cao do3 eseravos da Colonia Isabel.
3. O beneficio das loteras ordinarias da pro-
vincia ser de 7 % nos planos at o capital de
15:000*000, sendo a porcentagem dos empregados
do exame das respectivas contas de 2 /, deduzi-
da do referido beneficio, na firma do art. 62 da
>ei u. 1,141; nos planos cujo capital fr de mais
de 15:00 i*000 at 30:00 J*0JO ser de 6 1/2 /.
sendo de 1 1/2 a dita porcen'agem.e nos de capital
superior a 30:0 X)*000 ser de 6 /, sendo a por-
centagem de 1 %.
Art. 30. O reatante do capital das loteras con-
cedidas cm favor do fondo de emapcipacio pela
le n. 1,832, e o restante das concedidas em favor
da Colonia Isabel pela le n. 1,842, serio reunidos
em um s pira serem extrahidas loteras, ou par-
tes, cujo beneficio reverter em favor da Santa
Casa de Misericordia do Recife, wndo esta obri-
fada a entregar metade desta b.-f*rIcio Colonia
bel para edutfacao dos ingenuo
O thesoureiro das meucionadaUperias formu-
lar os planos de accorda com vm 19 da le n.
1,860, respeitando a legalaco e vigor, podendo
contemplar em ditos planos a porcentagem de 5 /.
para os c&moistas, devendo entretanto remetta
copia doa planos ao presidente da provincia e ab
Thesouro '
O beneficio da lotera de tres sorteios ser divi-
dido em partes guaes, entre a Santa Casa de Mi-
sericordia do Recife e a educacio de ingenuos da
Colonia Isabel.
O thesoureiro. de sua porcentagem, s gado a recolher, por trimestre, eaquauto durar o
capital, ao Thosouro Provincial, pira ser entregue
Commiasao Redemptora Jos Captivos, igual
quantia que proiuzir o beneficio provincial de
t idas as loteras extrahidas em favor do. fundo de
emancipacio.
A preatacio de contas de que trata o art. 8o do
regulamento de 13 de Agosto de 1884, ser o
duplo quando o' capital fc mafor de duzentoa
contos.
Continuara em vigor as demais disposicoes das
leis supracitadas e regulamentos respectivos.
Art. 31. Fica concedido a todos os arrematantes
de dizimo de gado a isencao do pagamento de qual-
quer onus referente ao ultimo anno do triennio do
contracto a vencer-se.
Art. 32. Fica rescindido o contracto de arre-
matar > do pedagio da barreira do Giqui, que
fez Jv,a Gomes Ferreira Maia, independente de
multa.
A reseisio ser contada depoisde findo o ac-
tual semstre de Janeiro a Junho do correte
anno.
Art. 33. Fica concedido ao bario de Limoeiro
um abate de 40 /o aobre o preco da arrematacao
rtaa burreiras de Magdalena e Ponte dos Carva-
Ihoa, e ao bacharel Jos Antonio de Pinho Borges
igual abate no preco pelo qul arrematou as bar-
reiraa de Morenos e S. Joio.
Art 34. Fica em vigor por mais de dous annos,
lavrando-ae novo termo, o acto cetebrado pelo The-
souro Provincial em 17 Je Setemsro de 1880 e re-
lativo ao que dispoem os arts. 68 e 70 do r.-gula-
mento de 8 de Novembro de 1873.
Art. 35. O presidente da provttcia determinar
em regulamento o meio de se Mjltaar a cobranca
do imposto dos 10, 11, 12, 13,3o art. 2.
Art. 36. Poderio ser dados nt pagamento aos
ciedores da provincia apolices doimprestimo ao.-
torisado pela lei n. 1,868 do correte anno.
Art 37. Fea revogtda a disposicio do Reg
de 6 de Fevereiro de 1885, que conoide gratifica-
cio de 15 annos aos professores poblicos.
Art. 38. Ficam expressamente prohib las quaes-
quer gratifieacas concedidas a tituW de excesao
de trabalho aos funcionarios publices, aos quaes
nao dado perc ber, sob pretexto algum, venei-
meutos superiores aos que estio estabjlecidos
nesta lei.
Art. 39. Sio disp'nsadas de especialisacio as
flaneas, que tiverem de prestar os empregados pro-
vinciaes mo txcedendo as mesmas a quantia de
2:000*000.
Art. 40. Fica revogada a lei n. 1,790 de 27 de
Julho de 1883, excepto no que dis respeito re-
p.rticio das Obras Publicas.
Art. 41. Os impostos de que tratam os 1 a 9,
14, 15, 17. 18 e 41 do art. lo poderio, se assm o
entender o presidente da provincia, ser arrecadado-
peios empregados da Altandega, percebendo estes
oeste caso a mesma porcentagem marcada nesta
lei para os empregados do Cnsul .do.
Art. 42. Ficam em vigor os arta. 13. 14, 15, 21,
23, 24, 26, 36 e 40 da lei n 1,810 de 1884; o art
17 da lei n. 1,597 de 1881; os arts. 27, 28, 29, 33.
36 e 37 da lei n 1,713 de 1882; e o art. 4* da le
n. 1,860.
Art. 43. Das loteras que tverem de correr no
exercicio desta lei, 15 pertencero aos estabeltci-
mentosplos da Santo "asa de Misericordia, as
quaes correrio alternadamente com as segaintes
conforme a ordem da sua numeracio :
1. Urna parte para as obras da matriz de Ca-
brob.
2. Dita para a matriz da Gloria.
3. Dita para as obras da igreja de S. Pedro dos
Clrigos do Recife. ,
4. Dita par a casa de caridade de Caruaru
6. Dito para a matriz de Una do Rio Formoso.
6. Dita para a capaila de Pao Ferro em Aguas
Bellas.
7. Dita para a matriz de Itamb.
8. Dita para a matriz de Sant'Anna de Vicen-
cia.
9. Dito para a matriz do Santissimo Sacramen-
to da Boa-Visto.
10. Dita para a matriz de Ljopoldina.
11. Dito para a Irmandade das Almas da Boa-
Visto.
12. Dito para a matrix de Taquaretinga.
13. Dita para a grefa do Guadalupe' em Oln-
da.
M^Oita era favor cffs obras da igreja de "Santa
Ciuj/flfcta cidade, a cargo'aVirtnindade da'Sithta.
apa.
alio.
entes,
aa Seniora 9a O
para o Club Litteraro de Caruaru'.
20. Dita para-a "matriz de Agua-Preto.
21. Dita para Si matriz da Victoria.
22. Dita para a'casa de ciridade de Bezeiros.
23. Dita para concert do tocto da igreja ma-
111 (fu rtDWa WWWr%'*ftl,98u nella.
24. Dita para a matriz de Ingazeira.
25. Dita para as obras do edificio do recolta -
ment da Gloria.
26. Dita para a capella de Catende.
27. Dita para a capella da Gasa Forte.
28. Dita para a matriz de Itamb.
29. Dita para a igreja de S. Goncalo de Itapis-
uma.
39. Dito para a igreja dos Martyrios da Goyan-
na.
31. Dita para a matriz de Garanhuns.
32. Dita para a igreja da Estancia.
33. Dita para a igreja do Carmo de Olinda.
34. Dita para a matriz da Vicencia.
. Dita p'ia a mafrnz da Granito.
3G. Dita para a igreja que se est construindo
cm Anglicas.
37. Dita para a Propagado* da Instruccio Pu-
blica di Boa-Vista.
33. Dita para a confraria da Santissima Trin-
dade no invento de 8. Francisco.
39. "Dita para a igreja de S. Sebastiio do Bo-
nito.
40. Dita parif a matriz de S;rinhiem.
41. Dita para a matriz do Corpo Santo.
42. Dita para a igreja de S. Pantaleao do Mon-
teiro.
43 Dita para a matriz de Granito.
41. Dita para a matriz de Itamb.
45. Dita para a igreja do Peres da fregnezia de
Afogados.
46. Dita para as obres da igreja de Santa Rita
de Cassia.
47. Dita para a matriz de Nossa Senhora da
Graca da Capunga.
48. Dita para a igreja matriz do Muribeea.
4'*. Dita para a igreja do Senhor Bom Jess do
.Bom Fim de Olinda.
i Dita para a igreja S. Goncalo de Ourcury.
51. Dita para a matriz de Itamb.
52. Dita para a igreja Nossa Senhora do Rosario
de Pj d'Alho.
53. Dita para a igreja do recolhimento da So-
ledade.
54. Dita para a igreja de S. Jos de Pelra Ta-
pada.
55. Dita para a matriz do Triumpho.
56. Dita para a igreja de Nossa Senhora do
Rosario da Varzea.
57. Dita para a igreja dos Milagres era Olinda.
58. Dita para a capaila do Jupy em Canhoti-
nho.
59. Dito para a matriz de Aguas-Bel las.
60. Dita para a matriz de Timbauba.
61. Dita para a matriz de Tejncupapo.
62. Dita para a igreja da Ordem Terceira de
S. Francisco era Olinda.
63. Dita par:' a Bibliotheca de Olinda.
64. D.ta para a igreja de ri. Benedicto em Qui-
papa.
65. Dita para a igreja da Pedra.
66. Dita para a igreja do Monte da Chi do Es-
tevao.
67. Dita para a igreja de S. Joaquim do Cara-
patos.
68. Dita para a igreja de S. Goncalo da Boa-
Vista.
6.1. Dito para a matriz de Itamb.
70. Dita para o Club Litteraro de Barreiros.
71. Duas partes para as obras da igreja de S.
Francisco de Serinhaem.
Art. 44. Ficam revogadas as disposicoes em
contrario.
Sata das commias^s, 16 d Julbs do 1886,
G. de rummond.
Barro Barreto Jnior.
A commissio de redaccao de parecer que so
adopte a reguinte para o projeeto n. 27 do cor-
rete anno :
A Assembla Legislativa Provincial de Per-
nambuco resol ve :
Art. I* Fica fixado em970 o numero de pracas
da torca policial para o exercicio de 1886 a 1887,
sendo 850 para o corpo de polica e 120 para a
guarda ivica local, que passa a ser augmentada
com mais 20 pracas ao numero de que se compoe
actualmente.
Art. 2- O presidente da provincia poder no
caso de permittir o estado financeiro dos cofres
provincias, augmentar ao corpo de polica mais
urna eompanhia constaute de 100 pracas e os res
pectivoa officiaea e inferiores ; podendo abrir para
esse fim alm dos necesaaiios crditos.
Art. 3- Sob pretexto ou motivo algum poderio
ser destacadas pracas da guarda cvica local para
fora da capital e suburbios.
Art. 4- Continuaras a ser os meamos os venci-
mento*dos oniciaes e pracas do corpo de polica e
da guarda cvica.
Art. 5- Ficam fevogadas as disposicoes em
contrario.
Sala das commiaaoes, 18 de Julho da 1886.
Barros Brrelo Jnior.
Gaspar de Drummand.
coKCLueio Ha sessIo do da 2 db junho de
1886
E' lido, apoiado e entra em diecussio o se-
gunte requerimento :
iteqoeiro que pelos canses competentes, se in-
forme que providencies tem tomado o governo no
sentido de cohibir os desmandos co omettidos pelo
sarg. nto do destacamento da cidade da Victoria.
Andr Das
O Sr. Asadr DaSr. presidente, aminha
presenta nesta tribuna justificase perfeitamtnta,
em en ter mandado mesa este requenmente de
infor nacoes ao Sr. presidente da provincia; per-
guntando a S. Exc. quaes aa providencias que tem
tomado a respeito do destacamento da cidade da
Victoria.
Ja na* e o primeiro facto, j nio o primeiro
ataque vida e propriedade do cidadio.
Os tactos se reprodusem todos os das; e quan-
do a npposicao se levanta nesta casa para pedir
providencias ao Sr. presidente da provincia que
esta sempre surdo aoe clamores da opposicao; pro-
vidrncias que nio tem sido dada, nem as seria,
porque todos os dias nos vemos se reproduzirem os
meamos tactos, e nenhuo>a providoncia o governo
tema em sentido de cohib' os demandos da poli-
ca.
Vi hoje no jornal A Provincia, orgio do partido
liberal urna noticia, que refere-se ao destacamento
da cidade da Victoria, da qual peco licenca para
ler o segunte topicosioh >: (l).
Um Sr. DepntadoVai por cinta da re.daccio.
O Sr. Andr Das Nao, senhor, esta noticia
transcripta do Federalista, de um jornal tambem li-
beral que se publica na cidade da Victoria, noti-
cia exacta e muito exacta.
E os nobres deputados nao devem admirar-se
deste facto, quando aqu na capital, em presenca
do presidente da provincia, e as barbas do chefe
de polica ataca se o cidadio a toda a horado dia
e da noute ; quanto ma, fra da capital. (
(Apartes). *
Factos como este, merecem da nossaparte_griin-
d reprovcao e principalmente, quando vemos
frente do) negocios pblicos este partido da rege-
geueracio e da ordem, esse partido que para le-
vantar candidaturas foi preciso derramar o sangue
na provincia de Goyas; esse partido que para sus-
tentar-se no poder, que para m >ralisar os seus ac-
tos preciso que a forca policial venba rodear a
a Assemb.a de Pernambuco, p.Ttarfto a minora
liberal nao pode deixar de constantemente profli-
gar do alto desta tribuna os abasos e os excessos
cuinraeitidos por esta polica.
Sr. presidente, eu aci editei, foi urna crenca, que
mais tarde deaappareccn, que com a subida do mi-
nisterio de 20 de Agosto, com as promessas do Sr.
cooseiheiro Baio de Cotagipe, um dos chefes do
partido da ordem, os nogocios pblicos tomassem
nova direccao, mas desenganei-me logs na 1 oe-
caslio,
A provincia de Pernambuco acostumadi sempre
a marchar na ordem, na vangaarda do progresso,
quando o partido liberal se acbava as ameias do
poder, a provincia de Pernambuco, que devera
merecer mais algama consideracio deste governo,
a provincia de Pernambuco que tem dado attasta-
dos de nio violentar o cidadio, parece impossivel
que tenha chegado ao ponto de na ciJade da Vic-
toria at j se estar castrando gente
Ora, se este facto revolta, quanto mais outros
factos igOaes a elle.
Sr. presidente, estou'certo de qne este requeri-
mento que stou justificando nio paasar, porque a
bancada conservadora est sempre surda ao ou-
vr os clamorea do novo (apartes); a bancada con-
servadora tem diac proVas de que negando estes
pedidos de informales tem conscienciade que o
Sr. presidente da provincia'se eonservari'senspfe
surdo aosjclamores do partido liberal.
Estou, portante, ceito de que este meu requeri-
mento ter a mesma sorte que tem tido es outros
presentados por um dos uns distinctos membros
desta bancada, o Sr. Jos Maria de Albuquerque
>, que e= tjaempre nesta tribuna profligando os
desmandos desta nefanda adminiatraccio.
Eu hei de estar sempre prompto a aubir tri-
bua em defeza de todos os meus amigos, princi-
Ranente daquclles que estio sendo sempre victi-
mas do punhal do sicario e anda mais victimas do
sabr e dos desmandos da polica, que devia dar
exemplos de moralidade, (apartes) e que a pri-
meira a perturbar a ordem, a consentir que a tor-
ca publica invada a propriedade e aquillo que o
cidadio tem de mais sagrado e garantido pela
nos3a constituicio, o lar domestico.
Eu tenho receio de sahir hoje depos das 9 ho-
ras da noite ; porque, quando o meu amigo, o no-
tare doputado Uoe Mana, para andar depois da
raea n.ite precisa ir acempanhado dos seas seis
amigos, e ato d-se com S. Exc, que mais cora-
joso do que eu o que hei de fazor? (Apartes).
Sr. presidente, lendo os discursos pronunciados
no Senada pelo Ilustre chefe do partido conserva-
dor, o Sr. conselhoiro Joio Alfredo, admirei-me
de ver ara bomem naqaella posicio, quando j nio
ton raaii esperancas, quando j4 cimmha para o
tmulo; admirei-me de ver a coragom com que
elle dizia que Cavalcante era um homem presti-
moBO.
(Ha diversos apartes).
Eu poderla trazer, >'r. presidente, para corrobo-
rar aquillo que venho de dizer, a affirmacio de ou-
tras pessoas.
Mas, Sr. presi ente, nio deirou de causar es-
tranhesa, verdadeiro pasmo, o discurso proferido
pelo Sr. consclheiro Joio Alfredo, que teve a co-
ragem de dizer que Cavalcante era moralisado.
Eu esperava que S. Exc. nio fos=o o primeiro a
sanecionar e encampai um acto sabido de todos.
Esperava que S. Exc, Ilustre chetc do partido
conservador, nio- fosse o primeiro a procurar en-
eobrir as scenas de verdadeira Darbaria commetti
das por um IM correligionario, fazendp de prefe-
rencia at com qu; mais tarde sotirease urna pu-
nilo severa e justa, como devo merecer todo
aquello que pretende collocar-se cima da le.
As accasacoes partidaa desta bancada, Sr. pre-
sidente, sio por demais procedentes, porqoanto
em nosso favor podemos ain ia invocar o testemu-
nho iniuspcito do Sr. Valparaieo, urna das influen-
cias eonservidoras mais legitimas daquella loca-
idade.
Mas, Sr. presidente, eu vou concluir esta pe-
quena arenga.
O Sr. Joio AlvesSem justificar o requeri-
mento.
O Sr. .\udr DiasTenho o justificado, ee bem
que enteja convencido de que estou fallando in-
tilmente.
Mas, Sr. presidente, ainda para provar o meu
requerimento, passarei a relatar um facto occor-
rido na loealidade.
Um Sr. DeputadoEm Tacarat ?
O Sr. Audr DiasNao, senhor; na Victoria.
Diz o noticiarista : (l)
E nio quer V. Exc, Sr. presidente, que a ban-
cada liberal esteja todos os dias aqui profligando o
procedimento da maioria, dessa maioria que est
sempre prompta a encampar os abusos e os des-
maudos da situacio. o nobre deputado repre-
sentante do 12o diatricto, disae ha pouco que lo
tinha justificado o meu requerimento.
O Sr. Jos MariaV. Exc o tem justificado
perfeitamente.
O Sr. Andr DiasSr. presidente, a hora esa
finia e en nao quero mesmo abasar da paciencia
desta cssa que tem sido por demais benvola para
commigo. Quero ser generoso; quero mesmo dei-
xar r< ou 10 minutos para que a bancada conser-
vadora responda.
Sr. presidente, terminando eu peco a '.Ilustre
maioria que ao menos desta vez nio seja surda
aos clamores da populacio, aos justos reclamos
desse povo que devia merecer mais benevolencia
do partido da ordem. Peco aos conservadores que
aceitando o meu requerimento dem ao menos urna
prova da sua generosidade para com esta provincia
que devia merecer mais alguma cousa.
Se Ss. Excs. quizerem approvar este requeri-
mento, estou certo de qne accordario S. Exc. o
Sr. presdante da provincia que ha muito tempo
est dormiudo o somno da indifferenca.
Peco aos nobres deputados que tenham piedade
desse pobre povo pernambncano que tanto tem
aoffrido, depois que se inangurou a funesta situa-
cio de 20 de Agosto.
Ditas estas palavr'B, Sr. presidente, esperando
pelo vereilictum da casa, sento-me.
O Sr. Jone Marta(Nio devolveu o seu
discurso). .
A discuasis fica adiada pela i ora.
Passa-ae
1* PARTE DA OBDF.M DO DIA
Continuacio da votacao das emendas ao art. 2
do projeeto n. 43 deste anno (orcninento provin-
cial).
Sio approvadas as emendas de 38 a 40, 62, 64,
65, 75 a 79, 85, 97, 100, 1U7 a 109,111, 113, 134,
144, 148, 151. 152 na 3- e 4- partes, 169, 160, 161
e 171; rejeitadas as de ns. 20, 84, 96, 136, 147,
149, 152 na 1 e 2 partes, 155, 157, 158 e 169;
pr jodcadas a de ns. 123, 138, 150, 166, 173 e
destacadas as de ns. 68 e 166; sendo nominaes as
aeguintes:
N. 109. Votou a favor os Srs.: Reg Barros,
Ferreira Velloso, Vsconde d Tabatinga, Soarss
de Araorim, Herculano Bandeira, Costa Gomes,
Domiogues da Silva. Barros Barreto Jnior, Coe-
lho de Moraes, Joao de Oliveira, Luiz de Andrada,
Rodrigues Porto, Constantino de Albuquerque,
Sophronio Pertella, Antonio Vicior, Joio e Go-
mes Prente. (17); e contra os Srs.: Costa Ri-
beiro, Joa Maria, Amaral, Joao de S, Bario de
Jtapissuma, Rogoberto, Andr Das, Ratis e Silva,
Loureuco de S, Regueira Costa, Juvcncio Mariz,
Augusto Frankhn, Prxedes Pitanga, Bario de
Caar e Solonio de Mello, (15).
. 96. Votara a favor os Srs. : Costa Ribeiro,
Jos Maria, Joio de S, Bario de Itapissuma, Ro-
goberto, Dominguss da Silva, Andr Dias, Ratis
e Silva, Lourenco de S, Regueira Costa, Juven-
eio Mariz, Augusto Franklin, Prxedes Pitanga,
Bario de Caiar e Solonio- de Mello (15) ; e con-
tra, os Srs.: Reg Barros, Ferreira Vell .so, Ama-
ra!, Viseando de Tabatinga, Soares de Araorim,
Herculano Banueira, Costa Gomes, Barros Barre-
to Jooior, C >elho de Moraes, Luiz de Andrada,
Rodrigues Porto, Joio de Oliveira, Constantino de
Albuquerque, Sophronio Portella, Antonio Vctor
e G imes Prente (16).
N. 62. Votam a favor, os Srs.: Costa Ribeiro,
Jos Mana, Ferreira Velloso, Amaral, Joio de S,
Bario de Itapissuma, Viscoude de Tabatinga, Ro
goberto, Dominguea da Silva, Andr Diaa, Ratia
e Silva, Lourenc.0 d"e S, Joio de Oliveira, Re-
gueira Costa, Rodrigues Porto, Juvencio Mariz,
Antonio Vctor, Augusto Franklin, Prxedes P-
.anga, Joio Alvea, Bario de Caiar e Solonio de
Mello (22) ; e contra, os Srs.: Reg Barros, Soa-
res de Amoriuj, Herculano Bandeira, Costa Go-
mes, Barros Barreto Jnior, Coelho de Moraes,
Luiz de Andrad Constantino de Albuquerque,
Sophronio Portella e Gomes Prente (10).
N. 78. Votaram a favor, os Sra.: Costa Ribei-
ro, Jes Mara, Ferreira Velloso, Amaral, Joio
de S, Bario do Itapissnraa, Viaconde de Taoa-
tinga, Rogoberto, Costa Gomes, Andr Dias, Ra-
tis e Silva, Lourenco de Sa, Luiz de Andrada, R:
gueira Costa, Rodrigues Porto, Juencio Mariz,
Constantino de Albuquerque, Sophronio Portella,
Antonio Vctor, Augusto Franklin, Prxedes Pi-
tanga, Joio Alves, Bario de Caiar e Solonio de
M lio (24) : e contra, os Srs : Reg Barros, Soa-
res de Amorim, Herculano Bandeira, Domingues
da Silva, Barros Barreto Jnior, Coelho de Mo
raes, Joio de Oliveira e Gomes Prente (8).
N. 84. Votam a favor, os Srs.: Soares de Amo-
rim, Costa Gomes, Joio de Oliveira, Luiz de An-
drada, Rodrigues Porto, Constantino de Albu-
querque, Sophronio Portella e Joio Alves (8); e
contra, os Srs.: Costa Ribeiro, Jos Maria, Fer-
reira Velloso, Amaral, Joao de S, Bario de Ita-
pissuma, Vsconde de Tabatinga. Herculano Ban-
deira, Rogoberto, Dominguos da Silva, Andr
Dias, Ratis e Silva, Barros Barreto Jnior, Lou-
renco de S, Coelho de Moraes, Regueira Costa,
Juvencio Mariz, Antonio Vietor, Augusto Fran-
klin, Prxedes Pitonga, Gomes Prente, Bario de
Caiar e Solonio de Mello (23).
N. 152. 1 parte:
Votaram a favor, os Srs.: Jos Maria, Joio de
S, Rjgoberto, Andr Dias, Ratis e Silva, Luir
de Andrada, Regueira Costa, Rodrigues Porto,
Juvencio Mariz, Constantino de Albuquerque, An-
tonio Vctor^ Augusto Franklin, Joio Alves, Ba-
rio de Caiar e Solonio de Mello (15); e contra,
os Srs.: Costa Ribeiro, Reg Barros, Ferreira
Velleso, Amaral, Bario de Itapissuma, Vsconde
de Tabatinga, Soares de Amorim, Herculano Ban-
deira, Costo Gomes, Domiogues da Silva, Barros
Barreto Junor, Lourenco de S, Coelho de Mo-
raes, Joio de Oliveira, Sophronio Portella, Pr-
xedes Pitanga e Gomes Prente (17).
N. 152. 2 parte:
Votam a favor, os Srs.: Jos Maria, Joio de
, Rogoberto, Andr Dia, Ratis e Silva, Luiz
de Andrada, Rodrigues Porto, Juvencio Mariz,
Constantino de Albuquerque, Antonio ictor, An-
gosto Franklin, Joio AIvjs, Bario do Caiar e
Solonio de Mello (15); e contra, os Sis.: Oosto
Ribeiro, Reg Barros, Ferreira Vellos), Amarah
Bario de Itapissuma, Viaconde de Tabatinga, Soa-,
res de Amorim, Herculano Bandeira, Costa Go-
mes, Domingues da Silva, Barros Barreto Jnior,
Lourenco de S, Coelho de Moraes, Joio de Oli-
veira, Sophronio Portella, Prxedes Pitonga e Go-
mes Prente (17.)
N. 152. 3. parte. Votam a favor os Srs. :
Jos Maria, Amaral, Joao de S, Soares de Amo-
rim, Rogoberto, Andr Dias, Dorainguss da Silva,
Bats e Silva, Luiz de Andrada, Regueira Costa,
Rodrigues Porto, Juvencio Mariz, Constantino da
Albuquerque, Sophronio Portella, Antonio Vctor,
Augusto Franklin, Joio Alves, Gomes Prente,
Bario de Caiar e Solonio de Mello (20) ; e con-
tra, os Srs. : Costa Ribeiro, Reg Barros, Ferrei-
ra Velloso, Bario de Itapiaauraa, Viaconde de
Tabatinga, Herculano Bandeira, Costa Gomes,
Barros Barreto Junor, Lourenco de S, Coelho de
Moraes, Joio de Oliveira e Prxedes Pitonga
(12;-
N. 152. 4. parte. Votam a favor os Sis. :
Costa Ribeiro, Jos Maria, Ferreira Velloso, Joio
de S, Bario de Itapissuma, Viscon le de Taba-
tinga, Soares de Amorim, Rogobsrto, Dcmiiigo^s
da Silva, Andr Dias. Ratis e Silva, Lourenco de
S, Joio de Oliveira, Regueira Costa, R)drgaes
Porto, Juvencio Mariz, Constantino de ilbuquer-
que, Sophronio Portella, Antmo Vctor, Augusto
Franklin, Prxedes Pitauga, Joao Alves, Gomes
Prente, Bario de Caiar e Solonio de Mello (25);
e contra, os Sra. : Reg Barros, Amara', Hercu-
lano Bandeira, Coata Gomes, Barros Barreto J-
nior, Coelho de Moraea e Luiz do Andrada (7).
Entra em diacuaaao a '.' parte da emenda n.
139, empatada na ultima votaco :
O Sr. Bario de Itapi**tirja-Sr. pre-
sidente, levanto-me para fazer um appello com-
i de orcaroento.
A nobre commissio, entre outras, consignou
em seu projeeto urna dispoiicio que nao pode pas-
sar sem reparo, e aquella que diz respeito ao
secretario das Obras Publicas ; porque, realmen-
te, nao se comprehende que urna rcpirticio possa
vi ver sem o seu secretario. Do mesmo modo o
que so d cm relacao ao thesoureiro da mesma re-
parr.icio.
Nem se-diga que esse iugar dispcnsavel, pelo
facto de so effectuarem os pagamentos no The-
souro. Como os nobrea deputados aabem, a re-
particio deve ter o seu cofre onde sio reeolhidos
os dinheiros reeebidos para despezae. Depois, a
repartilo das Obras Publicas nao executo se-
ment obras provinciaes ; executa tambem obras
geraes, cujo importe vai receber do thesonro ge-
ral, e Ac sob a guarda do thesoureiro.
Eu pens que a nobre commissio nao prestou a
devida attencio para isto. Depoe, um lugar
creado desde 1835, e at hoje tem sido conservado
por todos os governos, de qualquer cor poltica.
Como, pos, a commissio entendeu que poda sup-
primir esse lugar ?
Ha 51 annos que est creado c conservado, e
isto prova a sua utilidade. Assim, pos, nio pode
ser supprimido de repente, sem grave prejuizo do
servico publico.
Ea appello para a commissio de oren monto, pe-
diado que Ss. Exos. attendam para Ui
O emprego importante, tanto que, para ser
oceupado, presta-ae urna flanea nio pequea.
Tracto se de um empregado que j serve ha 8
annos, e contra quem nunca aqui se levantou urna
s qaozc.
Porque razio, poia, supprimir-se assim de re-
pente o seu lugar ? Isto s denuncia m dispo-
sicio dos membros da commissio para com o em-
pregado.
Peco nobre commissio que attenda s minhas
consideacoes, aceitando a emenda apresentoda,
que de toda jus.'ica e vem reparar um erro ou
descuido da commissio.
E' o que tinha a dizT em relacao ao assompto.
O Sr. Vinronile de Tabatinga(Nio
devolveu o seu discurso).
O Sr. tiomwi Prente diz que o projeeto
de orcamento est de tal modo desfigurado, tem si-
do tio alterado em sua essencia, que aguarda-se
para a 3a discussio emittir seu juizo a respeito do
grande numero de emendas, autorisando despezas
novas, que necessariamente importara o desequili-
brio do orcamento e a permanencia dos dficits,
que a commissio teve em visto extinguir com a
proposta que fez.
Trata-se agora de restabelecer o lugar de the-
soureiro da Reparticao das Obraa Publicas, que a
commissio entendeu que devia supprimir por nio
ser absolutamente necessario.
Est vendo a predisposicio da maioria da casa
no sentido demanter este lugar, como j manteve
outros igualmente inuteis na opimio do orador.
Contra esta tendencia irresistivel para o dispen-
dio dos dinheiros pblicos, o orador se sent f.aco.
As aecusa^oes de que tem sido victima, attri-
buindo-se at o seu procedimento falta do pa-
triotismo, por nio ter nascido nesta provincia, on-
de, alias, resido desde a sua mocidade e constituio
famili.*, tem desgostado o orador.
Poden, ter razio squelles que assim pensam ;
mas o orador eat de boa f, acreditando que na
poca actual a umea medida salvadora dos crditos
da provincia a mais rigorosa economa.
Far ainda um eeforco na 3a discussio, comba-
tendo essas emendas que augmentam despezas pa-
ra obras novas, cuja utilidade nio est demonstra-
da, e que em todo o caso nio sio urgentes.
Senio conseguir o seu fim, nio tem queixas, mas
lastima o erro em que se acham aqu-iles que acre-
ditara poder salvar as financas da provincia, sem
diminuir despezas.
Ningaem mais pedindo a palavra, encerrada a
discussio e poeta votos a 2* parte da emenda
empata la, approvada.
Vem mesa, ldo, apoiado e approvado o se-
gunte requerimento:
Requeiro prorogacio da hora por 30 minutos
para ser d'scutido o prejecto 87 deste anno.
Ninguem pedindi a palavra encerada a dis-
cussio, e posto a votos o projeeto, approvado.
Passa-se
2' PASTE DA OBDEM DO DIA
Continuacio da discussio do projeeto n. 51 des-
te anno.
Nio havendo numero deixa de ser votado um
requerimento de adiaraento.
Entra em 2a discussio e fica adiado na forma
do regiment o projeeto n. 27 daste anno.
O Sr. Presidente levanta a sessio, designando a
seguinte ordem do da: Ia parte, continuacio da
antecedente ; 2 parte, continuacio da anteceden-
te e mais 2 discussio do projeeto n. 87, e 1" das
de ns. 81 e 93, todos deste anno.
HtviSTA DIARIA
Aaaembla Provincial Funccionoo
hontem, sob a presidencia do Exm. Sr. Dr. Jos
Manoel de Barros Wanderley, tendo comparecido
29 Srs. deputados.
Foi lida e approvada, sera debate, a acto da ses-
sio antecedente.
O Sr. Io secretario procedeu leitura do se-
guinte expediente :
Um ofijio do secretario do governo, commoni-
cando que foram remetidos ao Thesouro Provin-
cial para os devidos fns a relacao nominal dos
Srs. deputados que comparecern] s sessoes de
Junho e o ponto dos empregados da secretaria, re-
lativo ao mesmo mez.Inteirada.
Outro do mesmo, communicando que o Exm. Sr.
vice-presidente da provincia prorogara at o dia
20 do corrente a actual sessio_desta Assembla.
Inteirada.
O Sr. Ratis e Silva, pela ordem, communieom
que o Sr. deputado vigario Augusto Franklin Mo-
. *


L
i "
'
JWHAM
bUbbVbHbbbbbbbiI
wmm


Diario de PernambucoDomingo 18 de Julho de 1886
reir da Silva nao comparecer sesso, por
achar-se incommodado.
Adiou-se de novo, pela hora, a discuss&o do re-
querimento do Sr. Jos Maria, sobre a eleiyo mu-
Bcipal do Bom-Jrdim, tendo orado os Srs. Her-
culano Bandera e Jos Maria.
Passou-se 1* parte da ordem do dia.
Approvou-se em 3> diseussao, que foi encerrada
a requerim nto do Sr. Sophronio Portella. e foi re-
mettido cominisso de redaccao, o projecto n. 27
deste anuo (fixaco de forca policial) sendo em vo-
tacao nominal, a pedido do Sr. Druramond, appro-
vada a emenda e tendo orado os Srs. Visconde de
Tabatinga e Ferreira Jacobina, e pela ordem o Sr.
Prxedes P tanga, sendo approvado um requeri-
mento do prorogaco da hora por 30 minutos, e fi-
cando prejudicado outro de adiamento da diacus-
sao par 48 horas.
Passou-se a 2.* parte da ordem do dia.
pprovaram-se os seguintes projectos, todos
deste auno, sendo dispensados do intersticio, a re-
querimento de diversos Srs. deputadoe :
N. 26, que trata dos limites da freguexia de S.
Jos do Egypto, em 2* diseussao.
N. 46, que approvao compromisso dairmandade
de Nossa Senhora da Luz, do Carmo do Recif1, em
2a diseussao.
N. 81, que approva artigos supplementares de
posturas da Cmara Municipal de Itamb, em 1
diseussao.
N. 10, agua potavel para a cidade da Victoria,
com as emendas offerecidas em numero de 10, em
2> diseussao.
N. 33, com urna emenda, elevando villas as po-
voacoes de S. Jos da Pedra Tapada e Canhoti-
nho, em 2" diseussao, orando pela ordem o Sr Joo
de Oliveira.
O Sr. Drummond, pela ordem, envin mesa
um requerimento, que foi approvado, para que o
projecto n. 4, de 1885, seja redigido conjunta-
mente com o de n. 54 dtste anno.
Achando-se sobre a mesa foram a imprimir dous
pareceres da commissao de redaeco, sobre os pro-
jectos ns. 27 e 54 deste anno.
A ordem do dia : 3 diseussao dos projectos
ns. 26, 46, 10 e 33 ; 2 do de n. 81, diseussao do
parecer n. 118, todos deste anno, e continuacao da
antecedente.
Eleicao provincial Por acto da presi-
dencia da provincia, de hontem datado, foi mar-
cado o dia 20 de agosto pa-a ter lugar a eleicao
de um deputado provincial polo 9 districto.
Centro da l.nvoura e do Comtner-
cloDo honrado Sr. presidente do Centro da
Lavonra e do Commercio, o >r Dr. Honorio Ri-
beiro, digno commerciante da corte, recebemos
bontem s 8 horas c 15 minutos da noite o se-
grate, telegramnia, cuja importancia e interease
sao lutuitivos :
DiarioRecife.
As mais respeitosas sandacoes do Centro da
Lavoura e do Commercio.
Communicacoes reeebidas de Berlim annun-
ciam que os diversos estados sul-americanos. es-
pecialmente as repblicas Argentina e do Chili,
se preparam para serem brilbantemente represen-
tadas na exposicao sul-americana, que asrir-se-ha
no Io de Setembro prximo.
O Brasil nao pode nein deve ficer atraz. Se-
ria a maior das humilhacoes e de moeffeito para
o futuro da immigraco adema.
A voz antorisada da imprensa deve concitpr
os brios e despertar o estimulo das classes inte-
ressadas.
Assignado : Honorio Ribeiro, presidente.
nao precisamos acrescentar urna palavra, sequer,
ao que ahi fica espendido.
jj fizeinos sentir as grandes, as immensss van-
tegens 4uc podein e devem resultar para o Brasil
deuma xposico em Berlim, de urna exposicao
ul-americana no foco, por assim dizer, do actual
nnvimento industrial do universo.
As uossas inclinacoes, como latinos que somos,
sao manifestamento po movimento civilisador
que tem por iniciador o poro francez, o primeiro
dos povos da nossa raca ; mas, ante o tacto posi-
tivo de ser actualmente a Allcmanha a vanguarda
da industria universal, em todas as relaces nter
nacionaes, nos deve levar neuessariaroente enter-
reirar-nos no seu eyelo de actividade, e apro
Priar-nos da exhuberaneia de seiva que alli ha,
prestas derraraar-se pelo universo.
A immigraco, devidamente compreheudida e
ponderada, deve mais que tudo atrahir-nos as at-
tencoes e as sympathias ; c a exposicao sul-ame-
ncana de Beriiro, sob esto ponto de vista, offerece-
nos um momento, talvez nico, em que podemos
guindar-nos ao come do capr.oit
Cumpre, pois, que o sait amos aproveiter ; e nao
sao outros os louvaveis intuitos da patritica asao-
ciacao Centro da Lavoura e do Commercio da
corte, urna das benemritas da patria pelos sena
tentamens em pro do incremento commercial e in-
dustrial do paiz.
Sergipe e Alagoaa-Tivemos bontem fo-
lba de Sergipe at 11 e de Alsgoas at 16 do cor-
rente. Nada reterem ellas.
Parahjba-Tainbein tivemos hontem folbas
daParahyba at 16 do corrente, e d'ellas nenhu-
ma noticia consta digna de dota.
Anni temariosPazem hoje 45 annos que
teve lugar a coroaco de S. M. o Imperador do
Brasil.
Am inha completa 62 annos de idade S. A.
o S. ende d'Aquilla.
Regata Realisa hoja o Clob Internacional
de B gatas a sur 1* f-sta, na bacia de Santo
Amro, confluencia a^a rios Capibaribe e Bebe-
fibe.
Sao 10 os pareos a correr, sendo para todos de
1:000 metros a distancia a percorrer, e tomando
parte em cada um d'js 9 primeiros duas embarca-
c *s e no ultimo tres.
Taes sao os pareas :
1. Out riggid racing-gigs Rpido, dirigido
por A. Vi. lio, a Coriseo, por A. Silva.
2.Escaleres, de 6 remos, Occania e Nepttmo,
O Io tendo por jatro A. Neves, e a 2o J. Livra-
mento. ,
3.._Out-riggid racing-gigs Rato a Temerario,
O 1* dirigido por O. Caroll e o 2 por L. Pinheiro.
4.Escaleres de 4 remos, Acato e Mercurio,
dirigidos o 1 por H. L., o 2 por M. Silva.
5. -Out-riggid racing-gigs Medrosa e Piaba, o
1 dirigido por J. Alfarra, o 2* por W. Cnstianni.
6. Escaleres de 4 remos, Corsario Negro e
Vencedor, o 1 dirigido por Manoel Va e o 2 por
Thouraz Santos.
i 7.__Escaleres de 6 remos, Pernambuco o Nep-
ttmo, ambos dirigidos por profissionaes.
8. Escaleres de 4 remos, auroro e Dalila, o
1 dirigido por W. Christianni e o 2" por Martina.
9.oOut-riggid-racing-gigs, Calope e Corifeo,
O 1* dirigido por L. Pinheiro e o 2 por A. Silva.
10.Escaleres da 6 remos, Neptuno e OceatUa,
e escaler de 4 remos Acaso, o 1 patronado por J.
Livramento, o 2 por J. Pereira e o 3 por Uno.
Sao as teguiut s as commissdes :
Commissao de dUtritmcOo de premios
S. Exc. o Sr. Dr. vice-presidente da provincia,
S. Exc. o ebefe de divisio inspector do Arsenal
de Marinha e o presidente do Clnb.
Commissao de recepc&o
Os Srs. Pompj Casanova, Bernardino Pontoal,
oao Maria de Albuqutrque Oliveira Pilho, W.
Webster e Torquato Gruinaraes-
Directores de archibancada
Os Srs. Eduardo de Leraos, Tboa m Ferreira
de Carvalno, Dr. Ftlippe Lopea Netto, Jos Ne-
Tea Freir de Andrade e Cailos Leal.
Directores da regata
Os Srs. Joo Holmes, Jos Joaqun Pereira e
Jos Antonio Moreira.
Juizes da partida
Os Srs. 1 tenente Antonio Botelho Pinto de
Mesquita, 2 dito Jos Rodrigues Pinto de Abreu,
Jos Monteirode Almeida, Arthur Aagusto d'Al-
meida e M. Bastos.
Juizes da chegada
Os Srs. 1" tenente Jos Pereira Goimaraes,
Joao Leal Reis, Ernesto Vieira de Araujo e Jos
de Barros Taveira.
Juizes di centro
Os Srs. 1* tenente Rodrigo Nuno da Costa, 2*
dito Francisco de Suaza Pinto, Jos Ricardo Dias
Fernandes, Ulysses Botelho de Andrade e Jos da
Silva Neves.
Fiscaes da raia
Os Srs. capitao tenente Joaquim Goncalves
Martins, Api r idizio Fernandes de Barros, Fran-
cisco Marcelino do Ainaral e Jos Cleinentinu
Henrique da Silva.
GK-oaananhla Imperial Japonea
Dar esta cotrpanliia de nota veis acrbatas soas
duas ultimas funeces hoje, sendo urna as 5 horas
e 3 qoartos da tarde e ou'ra as 8 e meia horas da
noite.
FallecnaentoTelegramma partcula* de
Oravat, diz ter alli al ecido hontem, das conae
qnencias de urna congestab cerebral, o respectiva
viga rio conego Joo Ser api o da Cruz.
Era homem maior de 5Q annos de idade, e sa-
cerdote digno de respeito e geralmente estimado.
Seja-1 he a trra leve.
Prova de apreco Os empregadoa da
Compauhia JFerro Carril, em demonstracao de
apreco ao ex gerente Sr. Gustavo Adolpho Schi-
midt, lhe offerecoram am retrato a crayon desse
cavalheiro, emmqldurado n'nm rico quadro
O retrato um bom trabalho.
Eleicao municipal-No dia 14 do cor-
rente a cmara municipal da Victoria apnrou a
eleicao de vereadores e designpn o dia 3 de Agos-
to vindouro para o 2o escrutinio.
Tribunal do Jury do Beclfe Neste
tribunal foram hontem julgados os reos Jos
Leandro de Miranda Filho e JoSo Ferreira da
ilva, pronunciado e Io no art. 201 e o 2 no art.
269 do cdigo criminal. _
Promoveu-lhes a defeza o Dr. Luiz E. Ro-
drigues Vianna.
Foram absolvidos ambos.
CooHelbo Iliterario^Rennio-se no da
15 do corrente sob a presidencia de De. inspector
geral da instruccao publica.
Foram lidos e approvados os seguintes pare-
ceres : _
Da 1* seceo, relator o professor Francisco Lar-
Ios da Silva Fragoso, sobre o compendio intitula-
do Nocoes grammaticaes por Pedro Nojips Leal,
concluindo pela approvacio.
Da 3 seccao, ralator o Dr. Justino de Souza,
sobre a gratificacao de 15 annos requerida pela
protessora Alexandrina Marques Mascarenhas de
Sooza, concluindo que a referida professora tem o
tempo de servico que allega, mas que nao tendo
feito a competente prova nao pode ser attendida.
Da mesma seccao e relator sobse o processo dis-
ciplinar instaurado contra o professor publico da
liba da Assumpcao em Cabrob, Manoel Delphino
de Medeiros Favilra concluindo pela absolvi^o.
Da mesma seccao, relator o Dr. Joo Baptista
Regueira Costa, sobre o processo disciplinar ins-
taurado contra a professora publica de Ouricury,
Rita Amalia Pimentel, julgando unpwcedente a
aecusaco, visto nao haver base para processo.
Da mesma seceo e relator sobre o processo dis-
ciplinar instaurado contra o professor publico de
Leopoldiua, Eduardo Monteiro de Moura, con
cluindo pela absolvicao do referido professor.
(aluniceUm iudustrioso penetren ante-
hontem na celia do Rvd. Frei Alberto de t-'anta
Augusta Cabral, provincial do convento do Car-
mo, e furtou da gaveta de urna mesa cento e tan-
to mil ris.
A polica tomou conhecimento do facto.
ajustn contas Falleceu hont:m na Ca-
sa do Detencao, victima de beriber, o detento
Antonio, escravo de Joao Florentino, o qual all
fra recolhido como criminoso de morte na comar-
ca da Escada.
Beunlden oclaea Ha hoje as seguin-
tes :
Da Irscandade do Senhor Bom Jess das Cha-
gas, em mesa geral, s 10 horas do dia, para elei-
cao da nava mesa regedora.
Da AsBOciacb dos Empregados do Commercio,
em assembla geral, s 5 horas da tarde, para pos-
se da nova directoria.
Da Uniao Beneficente dos Mercieiros, em as-
sembla geral, s 4 horas da tarde, para tomar
conhecimento do relatorio e contaa da directo-
ra.
Da Irmandade do SS. Sacramento de S. Jos
em mesa geral, s 10 horas do dia, para elei-
cao.
Amanha ha as seguintes:
Da Allianca, s 6 e meia horas da tarde, em ses-
so de financas, na respectiva sede.
Da Beneficente Luzo Brazileira, s 6 horas da
tarde, em assembla geral, para negocio urgente.
Taquaretinga Escreveram-nos desta lo-
calidade em 11 do corrente :
Ao termioar a ultima que lhes dirig era 24
de Junho ultimo, foi recolhido cadeia desta vil-
la, Antonio Gomes de Souza, pronunciado no art.
193 combinado com o art. 34 do Cod. Ciim., apre-
sentado voluntariamente.
Como a prisSo do celebre Jos de Mello, tem-
se realisado outras de importancia e tabemos que
foram capturados tres criminosos deste termo, em
S. Joo da Parahyba, Limoeiro e Bom Jardim, de
maneira que a ultima colbeita foi apenas de oito.
Tendo-se desenvolvido no lugar Estreno, da
comarca, o furto de cavallus, foram abertos ioque-
ritos e filados dous cujos, melhorandu a industria
com estas providencias.
A junta classifkrfdora dos escravos que teem
de ser libtrtos pela 7. quota distribuida a este
municipio, na importancia d 790*913, concluio
seus trabalhos 2 do mez findo, classificando
trea escravos. *i
A eleicao para vereadores e juiaes1 e paz rea-
lisou-se no Io do corrente, ten^o sido eleitoa todos
estes funccionarioa e seu supplentes que perten-
cem ao partido conservador.
Podera nao, se s compareceram 86 eleitores
e todos estes dessa parcialidade !
A opposico nao se quiz apresentar, nao nos
parecendo conforme com o systema de governo
parlamentar este alvitre ; pois que, sen a repre-
sentaco das minoras os comicios populares nao
pacsam de urna verdadeira burla, ticando desta
forma deturpado um dos principios da nossa or-
ganisacoo social.
O governo que v se sem opposico, que seu
fiscal, se torna dictadora, e o culpado a opposi-
co que, com a sua abstencao, Uaz um grande
prejuizo p-ra uossas inslituices.
Tal expediente, pois, digno de lastima.
< Fiuda a eleicao, os eleitnres reunidos em casa
para isto designada, e, tendo a msica da local-
dade comsigo, festejaram o resultado obtido no
meio de estrepitosas manifestacoes.
A' noite fizeram urna passeiata, apezar da
grande chuva que caba, com a msica e ogueta-
ria immensa, terminando tudo s 10 horas da noi-
te, sem que houvesse a menor alteracao na ordem
publica!
O jury convocado para 28 do me findo, reu-
nio-se sob a presidencia do Dr. juiz de direito e
promotor publico effectivo. Foram apresentados
tete p.ocesso e foram todos julgados como adan
te se v :
Em 28.Amaro, esc*avo de Poneano Coelno
da Silva, pronunciado no art. 205 do Cod. Crim.,
foi seu advocado o atieres Joo Al ves Bezerra
Cavalcante, absolvido e appellado pelo Dr. juiz
de direito ;
< Em 29.Alexandre de Lima, pronunciado no
art. 264 1 do referido Cod., foi seu advogado o
mesino Joo Alves,condemnado no mnimo deste
artigo;
Em 30.Manoel Flix de Brito, pronunciado
no art. 193 combinado com o art. 34 do referido
Cod., foi seu advogado o tenente Joo Barbosa de
Souza,absolvido unnimemente ;
Em 2 do corrente. Antonio Henrique de
Araujo, pronunciado no art. 257 combinado com o
art. 35 do reterdo Cou>, foi seu adyogado o mes-
mo Joo Barbosa,absolvido unnimemente e ap-
pellado pelo Dr. promotor ;
Anda em 2. Manoel Corris, pronunciado
no art. 257 do referido Cod., revelacondem-
nado no mximo deste artigo ;
Em 3.Manoel Pereira Lobo, pronunciado no
art. 201 do referido Cod., toi seu advogado o capi-
tao Joo casino dos Santos,absolvido unnime-
mente ; e
Anda em 3. -Antonio Gomes de Sousa, pro-
n melado no art.. 193 combiuado com o art. 31 do
referido Cod foi seu advogado o mesmo Joao Se-
zino, absolvido unnimemente.
Tendo-se restabelecido do incommodo que o
fizera vir a esta loosJidade o proleesor Vicente de
Moraes Mello, que em to pouee tempo anganou
e captivou a efleico de qnasi todo penoal d'aqui
e de Vertentes, realison su- retirada para o R-
cif.-, 7 do corrente, s 10 horas da manb, sen-
do HCuinpanhado por grande numero de cavaileiros
al Verteates, sendo-secebido por pessoas d'alli no
meio de vivas demonstracoes de apreco e ao troar
de fugeles em casa do negociante Austricliano
Bezerra de Aibu^uerque, que offereceu-lhe e aos
amigos que o cmpnharam um opparo jautar
que durou horas, havando diversos briodos.
Terminada a rfteicao, urna hora depois, se-
gua a comitiva d'aqui, encorporada de Verten-
tes at fr de seus suburbios, apartaudo-se ah o
referido Moraes Mello, deixaudo saudosis es ami
goa que o acompauharam, iuclusive o autor desta
missivs,
Eis as noticias de maior interesse, sendo qne
as ctiuvas vo dimiuuiudo, os legunxs barateando
cada vez mais, sendo enorme a quauti iade de ar-
ribacoes que em baudua procuram as catingas ad
jacentes a esia aerra, ofiFereceudo aos amadores da
caca.ia estas aves, hurs de duraecio e meio de
alimentaco aos que dispoem de pouecs b-os da
fortuna
As fuisastcnnliiioam animadas e abundantes,
aeudindo j 4 ellas ertan jos que sahem munidos
dos vveres que vein comprar, diapuudo dos que
trazem, sendo os precos dos genero*, os ordinarios
das feiras circuoisvisiuaas.
Aurcwir.
U4Ia Egctaat-se-t4o:
Terca-feim :
Pelo agente Brito, s 10 e 1/2 horas, na ra do
Rangel n. 48, do estabelecimento ahi sito.
Pelo agente Burlamaqui, sil horas, na rus
do Jardim n. 46, de movis, laucas, vidros, etc.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, ra do Bom
Jess n 17, da casa de banhos e seu utensis.
Quarta-felra :
Peo agente Modesto Baptista, s 11 horas, na
ra do Imperador n. 22, de predio.
Pelo agente Martins, s 11 horas, na ra do
Imperador n. 77, de movis, loucas, vidros, etc.
Peo agente finio, s 11 horas, no becco do
JJuiabo u. 31, em Afogados, de predio.
Mlasaa Caneares.-Serp celebradas :
Amanb :
A's 8 horas, em Santa Rita de Cassia, por alma
de D. Joaquina Emilia de Oliveira e Silva;
Terca-feira :
A's 8 horas, naa matrices de Santo Antonio e
Gamelleira, por alma do capito Vicente Elias Ca-
valcante de Albuquerque ; s 8 horas, na matriz
de Santo Antonio, por alma de D. Luiza C. Cor-
roa da Fonseca; s 8 hoias, na m-trz de Santo
Antonio, por alaia do Dr. Francisco Alves da
Silva.
PaawagelroaChegados dos portos do sul
no vapor nacional Jacuhype :
Dr. Evangelino Jos de Faro, Dr. Severano
Rabello Leite, Dr. Guilherme^Nabuco Maciel, Dr.
Manoel Villas-Boas Patury, Dr. Ozeias dos San-
tos.
Chegados no vapor nacional Jpojuca :
Dr. Jos A. Ridrigues Lima, sua senhora, 8 fi-
lhos o 3 criados, Joo Cbrysostomo, Galdino dos
Santos Lima, Carlos C. da Silva, Joo Gama, Ma-
noal N. Vieira, Joo N. Vieira, Antonio da
Costa, Joo Antonio de Moura, Manoel da Rocha
Freir, Jos Severo de Lima, Luiz Olympio, Pe-
dro de Miranda, Tbeodoro Jos de Maria, Maria
da Assumpce, Manoel Antonio, Luiza B. de Ma-
ria, Francisco S. Albuquerque AL, Francisco A.
Brito, Francisco Puglieses, Maria T. da Conceico
e 2 filhos. Manoel Ferreira Gama, saa senhora e
4 filhos, Roberto F. Gama, Joo Rodrigues M. e
sua senhor i, Manoel B. Saraiva, sua senhora e 1
filbo, Joo F. de Oliveira, Andr F. Gama, Fran-
cisco C. da Silva, Antonio G. de Oliveira, Joao
G. Netto, 2 pracas de polica, 1 desertor, 1 dita
de linha e 1 preso.
Operarse* clrurglcaaForam pratica-
das no hospital Pedro II, no dia 17 de Julho,
as seguintes :
Pelo Dr. Berardo :
Kerotomia reclamada por byponion do olho di-
reito.
Pelo Dr. Malaquias :
Labio leporino operado pelo processo de Mi-
rault.
(ais de Detencao-Movimento dos pre-
sos no dia 16 de Julho :
Existiam presos 313, entraram 4, sahiram 9,
existem 308.
A saber:
Nacionaes 276, mulheres 2, estrangeiros 11, es-
cravos sentenciados e processados 10, ditos de cor-
receo 9.Total 308.
Arracoados 267, sendo: bons 256,doentes 11
Total 267.
Nao houve alteracao na enfermara.
I 2- de Julho, so extrahir a lotera n. 64, em be
neficio da Santa Cas de Misericordia do Re-
cite.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora oa
ConceiQo dos Militares, se acharo expostas as
urnas e as espheras, arrumadas em ordem num-
rica aoreciaeodo publico.
IiOterla do ioA 3* parte d lotera
n. 198, do novo plano, do premio de 100:000^000,
ser extrahida no dia .. do corrente.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera de Macelo de SOOiOOOjOOO
A 17* e 18 partes da 12 lotera, cujo premio
grande de 290:000a', pelo novo plano, ser ex-
trahida impretervelmeote no dia 20 do Julho s
11 horas da manh.
Bilhetes venda na Casa Fel da praca da Ia-
dependtncia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Roda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Precos resumidos.
Lotera fxtraordlarla do Yplran-
ga O 4." e ultimo sorteio das 4. e 5. series
desta importante lotera, cujo major dremio de
150:000*000, ocr extrahida a 14 de Agosto prJ
ximo.
Acharase ex posto vendaos trea tos dos bi
Ihetes na Casa da Fortuna ra Primeiro de Mar-
co n. 23.
Lotera da provincia de Santa Ca-
marinaEsta lotera, cujo maior premio /de
100:OJOOOi, devera ser extrahida impreterirel-
mente no dia 14 de Agosto prximo, s 2 horas da
tarde.
Chamamos a attenco para o annuncio desta im-
portante lotana, publicado na seceo competente,
pelo diminuto pieeo porque se vendem os bilhe-
tes. "
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Lotera da corteA 3 parte da 364 lo-
tera da corte, cujo premio grande de 100:0004,
ser extrahida no dia .. de Julho.
Os bilhetes acham-se venda na Casa Felis,
praca da Independencia ns 37 e 39.
Tambem acham-se venda na praci da Inde-
dendencians. 37 e 39.
Matndonro PublicoForam abatidas no
Matadouro da Cabanga 101 reses para o consumo
do dia 18 de Julho.
Seudo: 84 reses pertencentee a Oliveira Castro
4 C., e 17 a diversos.
Mercado Municipal de Jos O
movimento deste Mercado uos dias 17 do cor-
rente, foi o seguate: '
Entraram ;
34 1/2 bois pesando 5,176 kilos. .
1.036 kilos de peixe a 20 ris 20*7^
112 cargas de farinha a 200 ris 22*400
50 ditas de fructas diversas a 300
ris 15*000
16 taboleiros a 200 ris 3#2C0
21 Sumos a 200 ris 4*00
' Foram oceupados : ,,m-vn
24 1/2 columnas a 600 rea 14*700
26 compartimentos do frinha a
500 ris. 13*000
24 compartimentos de comida a
500 ris 12*55S
701/2 ditos de legumes a 400 ris 28*200
16 compartimentos de sunoa 700
ris H20"
13 ditos de tressuras 600 ris 7*800
1G ditos de ditos a 2* 20*000
A Oliveira Castro & C.; ^^
2 talhos a 500 ris '55X
64 talhos de carne verde a 1$ 54*00
Deve ter sido arrecadada uestes dias
a quantia de
Precos do dia :
Carne verde a 360 e 400 ris o kio.
S i'-oi a 500 e 560 ris dem.
Carneiro de 640 e 1*000 ris den,
rarioh. de 320 a 200 ris a cuia.
Milho de 280 a 320 ris dem.
Feija de 640 a 1*200.
CHRONICA JDDIC1ARIA
Junta Couiuierclal da cidade de
Recife
ACTA DA SESSO EM 15 DE JULHO
DE 1886
passmEtict do illm. sb. commbkdadob ntosio
OOMIS DB MI&AHD LEiL
Secretario, Dr. Julio Cruimar&es
A's 10 boras da manh, declatm se aberta a
sessn, estaudo presentes os Srs. deputados :
Olinto Bastos, eommendador Lopes Machado, Bel-
tro Juuior e suppleute Herinino de Figueiredo
Lida, foi approvada a acta da precedente sesso
e fez-se a leitura do segninte
EXFBDDEltTS
Oficios :
De 6 do corrente, de S. Exc o Sr. vicepre
aiUmttt di provincia, para que se lhe rtta_ com
urg- ncia urna reacjlo.das companhias e socieda-
dade anonymas, uaciouaes e esirange ras, orga-
u sadas no r.-gimen da le n. 3,150, d 4 de No-
vembn lo 1882, que teubam archivado seus esta-
tutos naeta Juuta, e oam a'm semestral mente
das quo de ora em diante os arebivarem, remet
t ido, utroiai, urna rlaso das de procedencia
estraageiras que autorisadas a funecionarem no
impajsjp, enhatn dado. ou^i;ixado de dar aunpri-
227^430
ment s disposicoes legaes a ella referentes. O
Si. commandadsr presidente deolarou quo satis-
fes-esta rnquisi|iVl n 12 do corrente.
De 1 da correla, de Henry K. Gregory, dando
sciencia a esta Junta de haver reassumido a ge-
rencia do English Baok of Ro de Janeiro, Limi-
ted, desta praca.Accuae-se a recepeo e archi-
ve-se.
De 10 do corrente, da junta dos correctores
desta praca, enviands o boletim das cotacoes of-
ficiaes de 6 10.Seja archivado.
Diarios officiaes de ns. 174 a 183. Sejam ar-
chivados.
Distribuiram-se rubrica os seguintes livros :
Diario de Tempsral Filhos, copiadores de An-
tonio Pereira da Canha, WIfou Sons 4 C. e de
Pedro Osorio deCerqueira.
0 Sr. eommendador presidente deu sciencia
Illma. junta e esta ficou ioteirada, do deferlmento
que proferir, a 9 do corrente, na petico dos
agentes da Companhia Nacional de Seguros da
Prussia, mandando annotar o registro dos estatu-
tos que esta companhia nao ebegu a funecioner,
e por isso nao tez seguro algum, dando-se certi-
do aos memos ex-agentes.
DESPACHOS
Mappas :
Dos armazens alfandegados da ra do edificio
da Alfandega velha, apreientado por Luiz Jos da
Silva G ni maraes ; de dous trapiches denomina-
dos Baro do Livramentfc apresentados por Jos
Luiz de Souza ; e do trapiche Barbosa, apresen
tado por Antonio Muniz Machado. Cada um
destes mappas alcancou o dospacho : Archi-
ve-se. /*"
Peticoes:
Da viuva Concalves Lirega, para que se d
baixa no registro da nomeaco do seu caixeiro
Jos Nicacio Alves.Como pedem.
De Antonio da Fonseca e Silva, idem quaoto
ao seu ex-caixeiro Miguel da Cesta Oliveira.
Como requer, pago o sello da baixa.
De Francisco de Liraa.Coutinho e Gaudencio
de Souza Lqp, para que seja -archivado o dis-
tracto da firma desta praca Coutinho & Souza,
ticando o ex-socio Coutinho com a faculdade de
sontinuar a usar da mesma firma, de posse do es-
tabelecimento sito ra Duque de Caxias p, 80
e do activo, e obrigado pelo passivo do, extincta
soeiedade.Archive-se, na forma da lei.
De Guilherme Ferreira Ramos & C, para que
se d baixa no registro da nomeaco de seus ex-
caixeins Guilherme Pereira Bastos e Joaquim
Ferreira Ramos Fiiho.Como pedem, pago o sello
da baixa,
De Guilherme Ferreira Ramos & C, para que
se registre a nomeaco de eeus caixeiros.Regis-
tre-se.
De Nunes 0oimbra & C-, idem.Deferida.
De Couso Santos & O, idem. Seja regis-
trada.
De Ventora Pereira Penna & C, idem. Na
forma requerida.
De Mendes & C, idsm.Como pedem.
Do Mello Corroa s C, idem.Registrc-se.
Nada mais haveado a despachar, o Illm. Sr. com
mendador presidente encerrou a setsao s 11
horas da manh.
_____COIIHICADOS_____
Ao elellorado do 3 districto
Illm. Sr.O fallecimento do Dr. Antonio Fran-
cisco Correia de Araujo, abrindo urna vaga na de-
putaco de Pemambue, determinou a necessidade
de urna cleico no 3 districto, que aquelle Ilustre
cdado to dignamente representava.
Para preencher essa vaga proponho-me eu aos
suffragios do distincto eleitorado desse districto,
nao movido por impulso proprio, nem tomado de
ambicoes que estou longe de nutrir, mas por apre-
sentaco do partido em cojas fileiras milito e alen-
tado pelo desejo de continuar a prestar servicie ao
paiz nesse posto de combate que me foi indicado.
E', pois, ejeudado com esse patritico desejo e
patrocinado pelo meu partido, cujo venerando
chefe tenho por amigo, que eu venho solicitar de
V. S. o seu voto e *odo o ssu precioso auxilio
minha causa 00 pleito que se vai ferir brevemente
nesse districA, onde V. S. gosa de prestigio e dis-
pe de mereSla influencia.
Bem conlneido nesta provincia, onde nasci e
ande tenho sempre vivido mourejar em fadigosas
lides pelas ideas conservadoras, e sob a gide
d'aquella honrosa a presen taco; ereio que ser-
me-ha excusada a exhibtco de um programma,
pois que outro nao posso ter que nao o do partido
ao q\ial tenho servido com dedicacao e esforco.
Entretanto, de harmona com o notavef discurso
proferido no Senado, em 1879, pelo honrado Sr.
cobselueiro Joao Alfredo Correa de Oliveira, digno
ebefe conservador em Pernambuco, direi que a
synthese do mea programma pugnar pelas re-
formas que lorem e desenvolvimento pratico dos
grandes principios liberaes consagrados na Con-
stitituico e que formam a base das instituiede
que nos, os conservadores, maulemos e queremos
mafter.
Dentro de taes limites ha espaco bastante para
todos os melhoramentos ntelectuaes, moraes ma-
teriaes, para todos os cammettimentos serios da
poltica, economa, financas e administraco, emfim
para todas as mais altas aspiracoes dos povos
ivres, que vivem sob o rgimen parlamentar.
No decarao dos vinte annos que constiraem a
minba vida publica, sempre girou nessa rbita a
a miaba actividade, e disso faiem prova os meus
modestos esforcos na Assembla Provincial e os
saeus pequeos trabalhos na imprensa, estes ulti-
mas attestados plo Diario de Pernambuco, em
cujas paginas tenho esteriotypado a minha alma
e o meu coraco, pugnando por tudo quanto se me
tem augurado til e vantajoso causa do pais e
mais particularmente desta provincia.
Cono garante dos meus intuitos de futuro offe-
reco esse modesto passado ao digno eleitorado do
3 districto, assegurando-lhe que envidarei quanto
oouber em -m para elevar-me i altura da stua-
co do pan e para mostrar-me merecedor da con-
fianc co a que me honrar esse digno eleitorado
O meu norte ser o bsn publico e o caminho
.para elle essa honrosa confianca que nunca faltn
ao Ilustra cdado quom aspiro substituir e cu-
as irtndw civcas tomarei por modelo.
Subscrevo-me com a maior consideraco e res-
^t0- De V. S
Aoi/o, attente, venerador e criado.
Recife, 6 de Julho de 1886.
Felippe de Figueira Faria.
Pretende S. S. estar de volta dentro de trinta
das, e reassumir o exercicio de sea cargo.
Desejamos ao distincto fuuccionario feliz viagem
e que brevemente esteja entre nos.
ConstituicHo :
No vapor a sahir para o sul embarca esm d.sti-
no Pernambuco o nosso Ilustrado amigo o Sr.
Dr. Democrito Cavalcante de Albuquerque, digno
secretario do governo provincial.
S. S. passar em companhia de sna Exma. fa-
milia o resto da icenca de dous mezesque lhe foi
concedida.
Djsejamos-lhe feliz viagem e que volte comple-
tamente festabeleido a reassumir c exercicio de
seu cargo, no qual em pouco mais de um mez re-
velou S. S. a sua robusta intelligeaoia grande
illu8traco e aprimorada educaco.
A administraco da provincia nao pode dispen-
sar a cooperaco de to distincto cdado, que por
motivo de forca maior v-so obrigado a interrom-
pel-a.
O referido Diario traba escripto na vespera :
DB. DEMOCRITO CAVALCANTE
No vapor paquete Para, segu amanha para o
sul, o Ilustre Dr. Democrito Cavalcante de Albu-
querque, que servio com tanto zelo pelos interes-
ses pblicos o cargo de secretario do gsverno des-
ta provincia. Apenas dous mezes demorou -se em
Belem o distincto cdado, e to breve periodo foi
bastante para impr-so pelo seu carcter integro,
pela sua instruego variadissima veneraco e
estima da sociedade paraense, que manifesta-lh'o
claramente nos votos que faz pela sua prosperida-
de, certa de que seja a sua collocaco em o nosso
rgimen social ser um trabalhador dedicado do
progresso d'esta trra, onde deixa reaes afFeico;s,
e a que ha de ligar os seus destinos na expresso
de um intelligente e acrysolado patriotismo.
0 Ilustre Sr. Dr. Democrito segu com cenca
para Pernambuco, e de regressar no prximo mez
de Agosto. Fazcndo votos pela felicidade da
viagem que emprehende e pela reaiisaco do ob-
jectivoque afasta-o do-Para, traduzimos o sen-
timento nao s de quautos tiveram a fortuna de
cultivar as relacoes do llustre cavalleiro, mas de
quantos se interessam pola regularidade do ser-
vico publico sob a direceo esclarecida de func-
ciouarios que honram os seus cargos.
Boa viagem !
FALTA DE LEALDADE
A Provincia do Para, querendo fazer mais urna
barretada ao Sr. conselbeiro Freitas Heunques, a
quem j insultou, em seu ectorial de ante-hon-
tem, tratando da administraco que est a fiodar,
escreveu estas linhas sobre o procedimento do l-
lustre Sr. Dr. Democrito Cavalcante :
Na secretaria do governo deu tantas e to so-
bejas provas de falta de iealdade para com o Sr.
conselbeiro Freitas Henriques, que plenamente sa-
tisfez ao que tanto o recommendarara ao Sr. co-
nego.
E' falso.
A Provincia parece habilitada a provar o que
avanoou ; provocamol-a para que faca o publico
oonhecedor de urna s falta do Iealdade pratieada
pelo Sr. Dr. Democrito Cavalcante para com o Sr.
Freitas Henriques.
Estamos habilitadissimos a contestar todas as
infamias que a Provincia assacar contra o digno
secretario do governo que se ausenta hoie para
Pernambuco.
PARTIDO CONSERVADOR
O gremio do partido conservador convida a to-
dos seus co-religionarios para a^sistirem ao em -
barque do Ilustre Sr. Dr. Democrito Cavalcante
de Albuquerque, qae ter lugar 1 hora da tarde
de hoje, uo trapiche da empresa da Maraj.
m
Para
'IBL1L4C0ES A MUIDO
Para
Do Diario do Grum-Par transcrevemos :
A IMPBENSA E O DR. DEMOCRITO
Foi com estas palavras que os collegas despedi-
ram-sedo nosso Ilustre amigo Dr. Democrito Ca-
vitk'Kn'e :
Diario de Noticias :
Veio faer-nos suas despedidas o Ilustrado Sr.
D m-jcrito Cavalcante de Albuquerque, muito digno
feeretaria desta provincia.
Cavaileiro de tino traco o geralmente estimado
por sua nobresa de carcter, o Dr. Democrito se-
gn auumb para Pernambuco, no goso da licenca
iue ibe fra concedido, deixando aqu numerosos
e leaes amigos.
Faseudo votos por sua ielis viagem, desejamos
que o digno e estimado fuuccionario regresse o
mais b eve possivel ao Para, que rauiu espera do
seu talento e illustraco.
Adeus !
Diario de Belem :
Segu ao dia 5 para o Recife, o llustre secre-
tario desta provincia.
CONSELHEIRO FREITAS HENRIQUES
Transcrevemos do Diario de Belm, orgo con-
servador :
Belm, 4 de Julho de 1886.
O Tribunal da Relaco de Belm, ao findar a
conferencia de ante-hontera, 2 de Julho, deliberou
ir encorporado palacio, congratular-so com S.
Exc. o Sr conselbeiro Freitas Henriques, pelo
faustoso anniversario da independencia da Baha
e felicital-o por sua administraco altamente cri-
teriosa e honesta.
o Ao 3r. conselheiro Romualdo de Souza Paes
de Andrade, na qualidade ae presidente da Rela-
co, conbo a honra de exprimir a S. Exc. os votos
de sincera adhesao sua administraco, sempre
paut-ida pelos principios do justo e da honesto.
Esta manifestaco deve ter inmensamente pe-
nborado ao Sr. Frritaa Henriques. Partindo de
to alto, de urna regio inaccessivel s paixoes vul-
gares e de cidados encanecidos no oficio de jul-
gar, ella tem urna expresso particular de verdade
e de grandeza, que penboram ae mesmo tempo que
animam o culto do dever.
Na relaco ha liberaes e conservadores, e
quando os duis partidos se unem assim, em um
tejteraunbo de homeuagein a um administrador es
clarecido, certo nao esse administrador um ho-
mem vulgar e inepto, como procura urna certa
imprensa entre nos fazer acreditar.
A administraco do Sr. Freitas Henriques data
de Abril ape-ias. Se n'estes dois meses, nao teve
opportunidade de cuidar lie grandeb commetrimen-
tos, que possam entro nos perpetuar a memoria de
seu nome, tornou respeitavcl a justica e deu pres-
tigio lei e garanta a todos os direitos
Nao tem sido poltica sua administraco; mas
se nao fosse to curta, seria creadora e de resul-
tados nteiramente benficos para a provincia, que
vera em pouco tempo dilatados os seus recursos
Aquilatan a perfoitamente bem a Relaco do
districto. E nem poda deixar de fazel-o assim,
desde que seus raembros, emquanto estudam os
negocios pblicos, pairam em esphera inaccessivel
as paixoes que nos divdem.
Do poder o que pode querer a Relaco ?
Compoudo-se, como se compoe, de horneas in-
dependentes, aamoviveis, seu juiso nao pode dei-
xar de inspirar se na verdade e na justica.
Apreeiou-se por isso em extremo o Sr. Freitas
Henriques, que v assim confundidos oa seus mes-
quinhos e gratuitos detractores.
A attitude da Relaco do districto nao honra
entretanto nicamente ao presidente da provincia,
cobre a ella mesma de lustre e de renome, exhi-
bindo-a qual deve ser, um ante moral a todas as
injusticas e urna garanta a todos os drcitos.
A administraco do Sr Freitas pode nao ter
agradado aos polticos activos que tude submet-
tem a aeco da politicagem, que estraga o paiz ;
agrada porm aos homem honestos, que aspiram
ver a administraco entre nos erguida a altura de
nm sacerdocio. E' n'este ponto que apreciamos a
manifestaco da Relaco do districto, n'este ca-
rcter que a recebeu e a presa o honrado Sr. con-
selbeiro Joo Antonio de Araujo Freitas Henri-
ques.
Ella tras nm justo consolo aos homens de
bem, e prova que tudo anda nao est per-
dido- *
I lujlo de gjro
ni
Terminamos o nosso segundo artigo afirmando
que os direitos proviociaes de importaco eram so
mesme tempo urna afFronta ao art. 12 do acto ad-
dicioaal e a aberraco mais flagrante e clamorosa
de todo o espirito e tino administrativo.
E a nossa proposico nao pJe serabso utamen-
te contestada.
Quanto inconstitucionaliiade, basta 1er o ar -
tigo citado, da lei de 12 de Agosto de 1834 :
As Assemblas Proviociaes nao podero legis-
ar sobre impostos de importaco. *
Nao ha nada mais claro e terminante. Negar
que o impoeto de gyro, cobrado na Alfandega, pela
pauta da Alfandega e sobre mercadorias despacha-
das na Alfandega, nao um prfeito imposto de
inportaco, s o podena fazer quem erigase a m
f em priocipio de administraco publica, quera fi-
zesse do sophisma urna instituco do estado.
Direitos de importacaod. finiram Alves Bran-
co e Tarares Bastossao propriamente rendas
que se deduzem do valor das mercadorias proceden-
tes de paizes estanguiros na su primoira intro
dnecio na imperio.
E taes direitos, entendiam esaes Ilustres publi-
cistas, entenda o venerando visaonde do Uruguay,
entendem no todos quantos eosa|whendeni o que
leem, taes direitos constitueni.ronda peculiar e ex.
elusiva do governo geral, nico pela nossa Consti-
tuico sutorisado a legislar sobre commercio.
A inconstitucionslidade do imposto de gyro nu
de consumo pois, um facto completaaMnte ave-
riguado. A evidencia repelle qualquer contmver-
sia nesse ponto de lei diseutidissimo.
E' igualmente rrefutavel que s a mais cosa-
pleta ignorancia das condices mercantis desta
provincia podia inspirar a creaco de um tributo
que condemna a praca do Recife, outr'ora to
prospera e felis, a perda irremediavel do seu gran-
de privilegio de interposto commercial de todas as
pracas visinhas, privilegio natural, resultante da
mais vantajosa e excedente situaeo gsographioa
da America do Sul.
Mas se podesse haver anda a mnima duvida a
tal respeito, basta va lembrarmos que a propi'a
digna commissao que o anuo passado propoz i
Assembla Provincial a restauraco do imposto de
consumo, foi a primeira a reconhecer, e da manei-
ra mais explcita, que esse imposto trtaia o ma-
lfico effeito de restringir as transaegoes comme-
reines da nossa praca.
A alludida commissaonote-se bem-r-oada mais
fazia nessas textuaes palavras que traduzlr a opi-
niao emittda pelo Sr. baro de Cotegipe, actual
presidente do conselho, no celebre discurso que
proferio uo senado, quando, na sesso de 1- de
Outubro de 1880, se discuta o orcamento da ro-
ceita geral do imperia.
Recor 'ando um acto de seu governo, disso o l-
lustre baro :
< Era eu ministro da fasenda e presidente da
provincia da Baha o digno desembargador Lu-
cena, que sendo presidente de Pernambuco appro-
vara certas imposicojs quo vinham recahu- sobre
gneros importados. Eu d'aqui escrevi ao Sr. Ln*
cena, dizendo que reprovava completamevte que
assim se proeedesse para equilibrar as financas da
Babia : que procurassem outro meio ; e o Sr. Lu-<
cena, cedendo de sua opinio, reuni a Assembla
Provincial, e todos os artigos ou quisitos dos que
raziara recahir impastas sobre gneros importados
foram retirados da diseussao.
Pois bem : o imposto de gyro recabe sobre g-
neros impsrtados. A simples leitura da lei que o
consagra, convence de qus esse imposto nao mais
nem menos que urna taxa provincial de importa-
cao.
E como pensar-se que nessas condices possa
o honrado vicc-presdeate d'esta provincia, dele-
gado de um gabinete de que chete o Exm. Sr.
baro de Cotegpe, sanecionar a disposico do or-
camento provincial que tal imposto consagra?
Seria um caso estranho de incoherencia, em que
nao podemos, nem nos licito acreditar.
Reunmonos, portanto, ao meio da, nos saloes
da Associaco Cimmercial Benefice ite, e mostre-
mos anda urna vez, por um acto solemne, que o
commercio de Pernambuco nao est .esquecido do8
seus direitos, nem dos elevados interesses desta
provincia.
Alguns commerdantes.
Duas palavras
profertaan a beira do turnlo do Sr.
Ilriiriqui- Bezerra > Bes Itarroa.
por occaalo da visita a neputtura
dcpola da mltsa do iriseximo da
olTerecidaM a llluatre familia d
Uado.
A vida urna comedia sem sentido,
Urna historia de sangue e de poeira,
Um deserto sem luz,
A escara-de urna lava em crneo ardido,
E depois sobre o lodo... urna caveira.
Uns ossos e urna cruz.
ALVABPS DB ASCVBDO.
Meus senhores.Eis ahi a triste historia da hu-
maudado, n'esta sentida estrophe do celebre e
mallo^rado poeta, que to joven baixou ao tmulo,
privando assim a patria de am filho de to aspe'-
rancoso futuro !
Aps os threnos e suffragios que n'este recinto
sagrado o levita do Senhor acaba de dirigir ao
Omnipotente por alma d'aquelle, cuja perda de-
ploramos e que foi riscado do mmenso livro da
vida, seja-me licito proferir, duas palavras, n'este
momento solemne perante to numeroso auditorio,
nao para minorar a inconsolavel magua da Ilustre
familia, que aqui vemos coberta de pesado crep,
e com os coraces pungidos de f rusciante dr e
saudade; mas sim para acompanhal-a em seus
justos pesares, apresentar-lhe minhas sinceras
condolencias e depr sobre a campa fnebre po-
bres flores inodoras como symbolo de amisade.
Senhores, a ampulbeta di tempo marca hoje um
mez que a inexoravel Parca, a crusl ceifadora da
existencia humana, penetrou pallida e fra ao lar de
urna familia distincta, e insensivel s lagrimas
de urna joven e virtuosa esposa, profunda dor
de um pai csrinhoso, e ao pranto amargurado de
nma extremos* mi e de irmaos unidos e amigos
delicados, cortou com o gladio fatal a preciosa
existencia d'aquelle que em vida se chamava Hen-
rique Beserra de Reg Barros ; moco de qaalida-
des apreciaveis e de coraco magnnimo ; um es-
poso exemplar, um filho obediente, um rmo de^
dicado, um amigo prestimoso e um moco que viva
feliz, fruindo as docuras de um ditoso consorcio,
que ha tres annos contratara, e a quem a fortuna
pareca sorrr aojenando-lba largos annos de vida
e um venturoso porvir _^
Toda essa existencia de flores transformou^w,
pelo glido sopro da morte, nos angustiosos espi-
nbos de urna eterna separaco d aquelles que ine
eram mais charos, aos quaes legou a memoria de
nm nome immaculado e urna perpetua saudade .
Tado baqueou e sumio-se na escuridao do- urna
estreita sepultura !
Devemos, porm, como chnstos nos resignar,
porque nao est tudo extncto: Henrique Beserra
do Reg Barros nao morreu de tudo, resta anda
suaalm", essencia divina, e esta mmortal e-
azora e perfeitaraente fel* na mansao dos justos,
especela d'este theatro de lluses, e tantas de-
cepces. que se chama mundo 1
'eo involucro corpreo resvalou na teneoro*
valla dos mortos, e foi ser pasto de vermes, sua
alma se elevou ao throno de Deus, e nasceu para
a eternidade, em relaco qual osanos e os se-
culos sao apenas pocas ephemeras.
Sim, agora foi que to bella al ja comecou a go-
sar a verdadeira vida no empyreo; pois, conforme
escreveu o eminente Htterato bespanhol, Emilio
Castellar, em suas celebres cartas ao bispo de xa-
razona, a morte nao mata, a morte aniquilla; e
. um renascimento a ouira vida, e parece urna
. decomposico, porque nao brota a haste sem se
decompor a semeute, nem o fructo sem seccar a
flor, nem urna nova forma sem se apagarem as
formas antigs.
Se nao bouvesse morte, nao havsna renovu-
cao; anaturesa seria um lago immovel e mas
inatico, a humauilide urna velha impotente e
preoecupada.
O sepulchro um berco
Assim, pois, meus senhores, curvemos as frontes
aos decretos da Divina Providencia, prostern-
nos sobre s lousa que cobre os restos mortaes do
illattre finado, orvalhimos com as uossas lagrimas
os goivos e cyprestes que lhe m irginam c tmulo,
e imploremos aoAltissimo quo lhe couceda o re-
pouEO e a gloria na ttarnidade.^ /
Cimbres, 5 de Julho de 18->6.
Joaquim P. da Rocha Pereira.
N. l.E' marTlhosa a rpida* cono qu
os tsicos, os anmicos, 0sesrofulo8oa, os de-
bis e os que padecen do pcito da gar-
ganta restabeleoemcae depois de terem to-
mado a Emvkao de Scott.
MUTILADO


Diario de PcruambucoDomingo 18 de Julho de 136
0 Binculo
Por ter se dado um grande desarranjo na pa-
ginaco da nossa gazeta no numero de hont-m,
deixamos de dal-o, primeira falta em que cabimos,
ha seis annos de publieaco para com os nossos
asignantes, 4 qucm pedimos desculpa.
A Redaccao.
Prolonga ment deCa-
xang para a Varzea
Nio tendo resultado o tal embargo combinado
entre os inglezes da Limoeiro e Caranga para que
nao seguisse o assentamento de trilbos para a
Varzea, o antigo meatre de linha da Limoeiro,
agora gerente da Casanga, trancou as oropostas
para desaproprayes, que Ibe foratn enderezadas
pelos proprietarios interessados, e sem com elles
entender-se, sem cuso algum faser do direito de
propriedade, sempr garantido, mesjo quando se
tracta de desapropriaco por utilidade publica,
mandn que morosamente, prejudicando seriamen-
te a estrada que liga os puvoados de Casanga e
Varzea, proseguissem os trabalhos da nova linha,
que nunca pietenderam coustr.iir.
' que o pobre bomem julga-se, por ser agora
gerente de urna companhia de trilbos urbanos, ou
porque nao conhece os limites de sea direito na
posico que occupa, a tudo antorisado, at a su-
primir trena de tabella pelo governo approvada,
sem annuencia do mesmo governo; ou antes
porque ingenuamente pensou que, chocando inte
resscs diversos, ganbaria tempo, se nao conse
guiase com o novo recurso espacar indefinidamen-
te a obra.
A pequea estrada que liga Casanga Varzea
tem mais ou menos 25 palmus de leito.
Ella nao propriedade da provincia, nem da
Cmara Municipal. Abriram-a, beneficiaram-a e
conservaram-a os proprietarios em cujos terrenos
esi.te. Todos sabem que em parte o hzeram por-
que assim o esigia a uatureza de sea negocio, no
qual oc::upam car-ocas, poique os coramodos de
auas familias tornavam nfcesaarios transportes
cm carros, etc. O servido que esto fasendo pa-
ra assentamento de trilbos, inutilisa metade da
largura da estrada particular, as escavac.-s pre-
judicain-a muito, mesmo porque nao ha methodo,
nao ha cuidado, nao ha respeito para o que toi
feito a custa de suor alheio.
Ulisando as condicoes em que estilo a peque-
a estrada, ella se nao prestar mais aos fius a
Milita atiendo
O* abaiso assignados, residentes no reino ne
Portugal scientificam ao respeitavel publico uua
por justos motivos, que esto sendo discutidos em
juizo, cassaram os poderes que haviam conferido
a Jos dos Santos Coelho, negociante residente
n'esta cidade, sendo de nenhum effeito qualquer
acto em que intervenha o mesma Coelho eumo pro-
curador dos mesmos assignados, que protestam nao
convir em taes actos.
Recife, 14 de Julbo de 1886.
Joao Antunee Guimares.
Francisco Carolina Auiunes Guimares.
Seraphim^Anlunes Rodrigues Guimarats.
r'alleceu bouceut, drpjis de m-oo da, na eidaUe
de Grava t, o Rvd. vigario d'aquella freguezia,
conego Joo Serapio da Cruz. Grande conster-
uico causou to infausta noticia n'esta cidade,
onde por muito tempo servio de coadjutor o cone-
go Serapio, fazendo-sa amar pelo cumprimento
de seus deveres par do maior drsintcresse, ame-
nidade de trato e acrysolada caridade. Verdadeiro
sacerdote da religio catholica, nunca de seus la-
bios deisou cahir urna palavra, que denotasse sen-
tment de colera, do odio ou de desgosto ; tinha
sempre um balsamo para todas as feridas, um le-
nitivo para todas as dores e urna consolcao para
todos os infortunios ; por isso chorado por todos
sua memoria ser sempre abncoda.
Seja-lhe a gloria -terna o merecido premio da
nas vi/tnd-'s. Morreu P'bre.
Eleifo
DOS JlZES DA FESTA DA SANTISSIMA VIE-
GEM SENHORA DAS DORES, DA MATRIZ
DE TIMBABA NO AUNO DE 1886.
Ju zes
Os Illms Srs.:
Tenante-coronel Manoel Jos Azevedo do
Nascimento.
Capitao Manoel Gomes Cavaloante.
Hourique Luiz de Queiroz David.
Agostinho Ferreira da Silva.
Juizns
As Exm.'s Sras.:
D. Izabel, espesa do Illm. Sr. Dr. Caro-
do do Lima Santas.
D. Antonia, esposa do Illm. Sr. teneute
Francisco Ro rigues da Paixiio.
Progrunm da fesU do Glorioso
s. Benedicto erecto no conven
to de 8. Francisco do Recife.
No sabbado ao meio da ter lugar a benco de
um sino, sendo paranymphos todos os es-presi-
dentes e es-secretarios da contraria ; nesta occa
sio subir ao ar urna salva de 21 tiros e diversas
girndolas de fogueies; na madrugada do da 18
ter lugar as 4 horas, a missa resada por tenco
de todos os devotos que concorrerem para o acto;
As 11 horas da manh entrar a missa solemne
occupando a tribuna agrada o Rvdm. padre Luiz
Ignacio de Moura ; a noite s 7 horas entrar o
Te-Deum Lauiamus, occupando a tribuna sagrada
o mui distincto pregador da capella imperial. Rvdm
Fre Augusto da Immacolada Conceicao Alves.
Tocar em todos os actos a banda do 2a batalho
de infantaria. A meta regedora convida a todos
os seus irmaos a comparec'rem kfim de assistir o
acto e agradece a todos ao pessoas que fizeram
paite na eleico como tambem a todos os devotos
que concorreram para a festa.
Secretaria la Confraria de S. Benedicto, 16 de
Julho de 1886.
O secretario,
Ihotnai N. do Espirito Santo.
Urna nuvem escura encobre a
luz do sol da nossa existencia
A' incerteza da' vida juntase o mysterio
tenebroso da morte Era quanto que, por
amarellenta dos olhos ; estado fri e pega-
joso dan raaos e dos ps ; urna tosse secca
ao principio, acompanhada, porm, depois
de urna expectorarlo de cor sverdeada ;
cansaco constante sem que o somno pareca
proporcionar descanco algum; enervacSo,
irritado e mos presentmentos; deliquios
e verigens ao levantarse do repente ; pri-
s3o de ventre; esta lo secco, e veces, ar-
dente, da cutis ; condicao esptssa e em-
botada do sangue, cscassez e cor muito
tinta da urina, que deposita um sedimento
depois de permanecer por algum tempo em
repouso; devoluciio frequente do alimento,
urnas vezes com'&sto acido, e outras ve-
zes algum tanto eme; palpitacSo do cor-
ceo; manchas apparentes nos olhos; e nr-
tavel prostracSo e debilidade do paciente.
Todos estes syinptomas costumam :ipre-
sentar se por seu turno Acredita se que
quasi urna terca parte ta nossa populacao
esta affeetada da dita enferraidade em al-
guma das auas variadas formas Como
regra geral, os mdicos se equivocara a
respeito da natureza desta doenca, cujo
verdaieiro nomo dyspepsia ou indige3-
tlo; enferrai'.lade que se cura infulltvel
urna parte, esse primeiro grito infantil que mente por meio do Xarope Curativo da
Mui Seig
DECLARACOES
que foi destinada, mesmo porque a rodagem est T rancisc
limitada passag.-m de um nico carro, por falta D. Luiza, esposa do Illm. Sr. t'.raente Ma-
de largura, quando actualmente presta se petfei-
tamente ao servico pudlico e ao particular dos que
em sua construeco despendern) seu dinheiro.
Sendo assim, como nao terao os modestos pro
prietarios interessados trabalho para auferir a
companhia ingleza de Casanga o lucro de seu tra-
balho, em provado prejuizo seu ?
Se ao menos a conservaco da estrada fica: se
ebrigatoria para a companhia... Mas ni' ; na tal
innovacao do contracto^nada se sotatuio a respei-
to. A conservaco di^Estrada Nova continua _a
ser dever da provincia, como a da estrada parti-
cular de que tracta utos conlinuar a ser dever dos
habitantes do lugar, se a quizerem, depois de ser
redunda metade de sua largura primitiva, de-
pois de estragada por um trabalho estupido, uo
qual tndo equeee, para t attender-se aos inte-
resses de urna companhia estraugeira, que rouba
de nos, que tem merecido em todos os tempos as
mais graves accusacG.-s na imprensa e no recinto
da Assembla Provincial, pelo nenhum caso que
faz deste publico que a alimenta, e que ella des-
considera at rucebel-o em carros indecentes, que
nao abrigam das chuvas e nos qu.es tambem car-
ga despachada.
Ao honesto pernambucano que administra a
provincia r ludibriado, esperando providencias, no sentido
de serem acautelados os direitos, conspurtadoi
por gananciosos estrangeiros, que infelizmente
sao de ordinario felizes nas repetidas esperiencias
qne sobre nos fazem.
Um irlanda.
Eh era calvo
Boston, 20 de Juubo.
profestor Rtrry.
Presado Sr. Em principios desta primavera,
sto na ultima semani de Abril fui accomm-tti-
do de una m febre, que me fez em duas semanas
perder todo o cabello da cabeca e sobrancelhas.
Suppuz que tornara a crescer sem applicacao d^
remedios, mas tendo passado dous mezes sem mu-
dauca, decidi-me a esperimentar o seu Tricofe-
.ro de Oarry. e agora, ao escrever desta, j
teuho cabello tao borne abundante como o melhor
de qu^ os fel-zes se podem gabar na Nova Ingla
trra. Pode V. fazer drste certificado o uso que
lbe parecer proprio.
Pico com agradecimento etc.,
George Halmiton.
noel Dumingu :s Das da Queimz.
Esposa do Illm. Sr. S--bastido Gorues de
Arai'jo.
Consistorio da igreja matriz de Ti nbau-
ba, 4 de outubro de 1885.
Vigario Augusto Cabral de Vasconcellos.
Le se na 'Iribuna A/taicaile :
Ap'zar los prooossos d'3 pnricaySo
mais aperfoigoados, o odo do tigado do
b icalho ticou um rae.ticaraetito prohib lo
a inultos docntes, cujo estomago uo po le
mis supportar -.s substincias grasas. Era
p irtauto necessario procurar un: meio du
mudar radicalmente a sua forma conser-
vando todos os principios : este resultado
foi o jvla coraposicao do vinho de ex-
tracto do-figado de bacalho, (e Chevrier,
prep*rado segundo Tfma formula approva-
da pela Academia de Medecina.
Recoramendaraos aos nossos leiteres este
excellente producto qu-3 cootem v< z, to-
dos os elementos offi az*?8 do ol';o do fija-
do do bacalho e possue as preparados al
eoolices.
nos annuncia que outro ser acabado unir-se
nossa especie, inspira uraa alegra profun-
da, por outra partn trememos do espanto no
ouvir o bater horrivel das azas do anjo ex-
terminador A voz omnipotente da in-
fluencia suprema quo governa o universo
decretou nosso destino, a sentencia fatal foi
pronunciada e todos os homens estilo con-
d cornados a morrer !
Sem duvida alguma, a morte inevita-
vol. Nao pelemos, porm, retrdala?
E' esta urna que-tilo quo seria portancia incalcula /el, anda se tratasse s
mente de ganbar urna hora de vida, pois,
animados d'esse sentiraento sublime que se
chama instincto, esta nos sempre resolutos
a dar batalha cora um valor indomav;! ao
nosso inimigo mortal em favor do glorioso
Esto medicamento tem obtido
em ambos os hemspherios una reputayao
justificada incont'stavelmente por suas
grandes virtudes. Vcnde-se era todas as
bonicas, e phanuaaa e na casa dos pro-
prietarios, A J. Whit, (Limited), 35, Far-
ringdon Road, Loudres, E. C, Inglaterra.
Depostanos na provincia de P.-rnunbu-
co: Barthnlonieu & C, J. 0. Loyv & C ,
Francisco M. da Silva < C., Antonir. M- r-
tiniano Veras & C Rouquayrol & Ir n.los
o Faria Sobrinho & C. ; em Bello-Jariim,
Manoel de Siqueira Cavalcanto Arco-Ver
de e Manoel Cordeiro dos Santos Filho :
em Independencia, Antonio Gomes Bar-
bosa Jnior; era Palmares, Antonio Car-
dse deAguiar; c em Tacarat, Jjs Lou
renjo da Silva.
Sociedade Allian^
Se6i3o de financas
De ordem superior, convido a todos os socios
eornpareeerem na sede, segunda-faira 19 do cor-
rente mez., s 6 4\l horas da tarde, afim de ter
.lugar urna sessSo de financas.
Secretaria, 16 de Juiho de 1886..
Reg Jnior,
Secretario inttrino.
Circular n. 18
Thcsoorarla de Fizenda de Per-
nsmbuon, em 1G de Juilio de
ISSO
O inspector, no intaito de facilitar e fisealiear a
cobranza do imposto addicional de 5 0/0 das cer-
tidoes requeridas s difTerentes Estacoes de Fa
zenda, ordena aos senheres collectores das rendas
geres da provincia que, de "aes certidoes, co-
brem o dito imposto por meio de sello de verba,
que dev.'r ser ncllaa averbado, depois de haver
sido paga em estimpilhas a importancia do teiti j
de cada uma deltas.
Antonio Caetano da P. K<-lly.
A. h. C. f.
Dr. GoelUo Leite
Bolsa commerelal de
buco
Pernam
; RECIPE, 17 DE JULHO "VE. 18hb.
As trea horas da tarde
<-'<,tat;Ce* vtficiacs
1|4 0/0 de
com 1 1[4 0/0 de
Cambio sobre S. Paulo, 60 d/v. com 1
descont.
Cambio oir santos, 60 d/v.
descont.
Dito sobre dito, 30 d/v. com 5j8 Otode descont.
U presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. G. Alcoforade.
iti:\ i*. \ < otitii:it< i\r
Da semana de 19 a 1? de
Jiraho de iHHH
Cambio sobre o Para, 30 d/v 3/4 por cento
de d'-scunto.
Cambio sobre S. Paulo 60 d/v 11/2% de
descont.
Cambio sobre Santos, 90 d/v 1 3/4 por cento
de descont.
Cambio sobre Londres, 90 d/v 20 3/4e 20 5/8
d. por lj do banco. >.
Letras bypothecanas do banco de crdito reali^
Peroambuco, do valor 100# ao preco de 96#00O
cada uma. /
Na ^olca. Venderam- se : 'C~y^
224 Lcttras hypotheca nas.
A plices da divida publica, de 6 por cento, do
valor de 1:000* ao par.
Na Bolea.Venderam-se:
6 Apolices.
teneros naeionaes
Assucar. Entraram 963 saceos, vendas aos
precos seguinte3 :
O branco de 3.* sorte, superior, a 4600
os 15 kilos.
O dito de 3. sorte, boa, a 4J200 15 kilos.
O dito de 3. sorte, regular, a 4*600 os 15 ki-
los.
O dito de 4." sorte, a 2*800 os 15 kilos.
O dito somenos, a 2*900 os 15 kilos.
O dito maacavado, purgado, bom, a 2*100 os
16 kilos.
O dito dito, regular, a 2J000 os 15 kilos.
O dito americano, de 1*500 os 15 kilos.
O dito bruto, regular, de 1*400 os 15 kilos-
O dito do Canal, de 1*100 os 15 kilos
Agurdente Venda de 70*000 a 75*000 a
pipa de 48') litros.
Alcool Ultima venda de 120JOOO a 125*CC0
a pipa de 480 litros.
Algodao. Entraram 927 saccas, vendas a
7*20'i os 15 kilos mercado firme.
Arroz em casca. Retalho de 3J200 a 3*400
sacco.
Caf. Entraram 1793 saccas. Rctalhou-se de
5* a 7|6CO oa 15kilos.
Cera de carnauba. Cotainos de 4* a 7*000 os
15 kiles, conforme a qualidade.
Couros seccM refrescados. Venda, 290 ris
o kilo.
Couros salgados saceos. Vendas, 550 ris o
Mo.
Fariuha de mandioca. Retalho a 3f000 o
Meco*
Fume. Retalho de 15* a 20* os 15 kilos.
Medico, parleiro e operador
Residencia ra da Imperatriz n. 48, 2- andar
Consultorio A ra Duque de Caxias n. >9.
D consultas das 11 horas da maulla s 2 da
tarde. i
Atiende para ss chamados telephone n 449 n
qualquer hora.
Dr. Carneiro Leo
MEDICO
Tem o seu consultorio e residencia rna
Livramento n. 31. Io andar. Consultas de 11 li-.
ras da m.iuli s 2 da tard--. Chamados por es-
eripto a qulquer hora. Epccialidade :febres.
partos e molestias de crianvas.
Gorama de mandioca. Reulhi de 3*400 a
3*60.i os 15 kilos.
Graza do Rio Grande do Sul. Coturnos noini-
nalmente de 5*200 a 6*200 os 15 kilos.
Gordura do Rio da Prata. Colamos a 5*500
os 15 kilos.
Mel. Nominal de 45*000 a pipa de 480 li-
tros.
Milho. Retalho de 60 a 65 ris o kilo, con-
forme o estaco.
Sal do Ass e Mossor. Venda a 600 rs.
por 100 litros.
TapiocaRetalho de 2*500a 4*500 os 15 kilos.
Villa- stearinas do [Rio de Janeiro. Retalho
a 292 ris o masso com 6 velas.
Ditas ditas da provincia. Retalho a 300
ris o masso, dem.
Vinagre do Rio. Cotamog de 70*000 a 80*
a pipa.
Vinho do Rio. Retalho de 120* a 160*000 a
pipa de 480 litros.
Xarque do Kio Grande do Sul. Deposito
196,000 arrobas, retalho de 3*00U a 3*800 os 15
kilos.
lleneros estrangeiros
Alfazema Retalho de 8*000 os 15 kilos com
10 por cento de descont.
Arroz da India Retalho de 2*200 os 15 kilo;,
idem idem.
Alpita. Retalho a 4*500 os 15 kilos, idem
idem.
Aseite de oliveira em barris. Retalho de
2*800 o galio, idem idem.
Dito em laUs. Retalho de lOO) a lata.
idem idem.
Bacalho.Deposito S00 banicas, retalha-se
de 16* a 17*000 a barrica.
Banha de porco Retilho de 360 a 400 ris a
libra, com 10 % de descont.
Batatas portuguezasRetalho de 4*500 a caixa,
idem idem.
Ditas inglezas. Nao ha no mercado.
Brcu Cutamos de 13*000 a 15*000 a bar-
rica.
Carvao de pedra Nominal de 15* a 20*000 a
tonelada.
Canella.Retalho de 18560 o kilo, com 10 pa-
cent de descont.
Cebollas portuguezas. Retalho de 11*000
a 16*000 a caixa, com 10 /o de descont.
Cervejas Retalho de 7* a 11*500 por 12 gar-
tafas ou bo'.ijas.
CimentoCotamoa de 7*000 a 7*500 a barrica,
conforme o fabricante e peso.
Cominhos..Retalho de 18* os 15 kilo?, com
10 %'de descont.
Cravo da India Retalho de 1*400 a 1*5 JO o
kilo, com 10 % de descont.
Farinha de trigo Deposito 16,000 barricas,
retalha-se aos precos seguintes :
A americana, de 17*500 a 19*000 a barrica.
A de Triestre e Hungra, de 24*000 a 25*000
a barrica.
FeijSo. Retalho de 8* a 12|000 o sacco (con-
forme a procedencia.)
Garrafoes vazios Retalho de 700 ris a
1*500 por cada um, com 10 por cento de descont.
Doces em calda Nao ha no mercado.
Farcllo do Rio da Prata Retalho a 3(000 o
sacco.
Dito de Lisboa Retalho a 3j2O0 o sacco.
Herva doce. Retalho a 18*000 os 15 kilos,
core 10 /o de descont.
Kerosene Retalho de 3J500 a lata de 5 galoes
(lquido).
Louca ingleza ordinaria. Retalho de 90*000
a 130*000 a giga.
Massa de tomates.Retalho de 500 a 540 ris
a libra, com 10 % de dtsconte.
Manteiga em barril Retalho de 730 a 740
ris a libra, com K) "/ de descont.
Dita em lata.. *300 a
ibra, idem i
privilegio da existencia Aquello senti-
raento a voz espontanea da natureza, e o I Agua de Florida Hurrav <& Lanmnn
nosso dever consiste em obedecer. Va-
raos, pois, a ver; possivel retardar a
morte ? Indubitavelmen'e o pois que o
mundo est sujeito a certas leis, c quera
as estuda convence se que ti'cllas se cora-
prehende a dita possibilidade.
Os que so acharo dot los do valor o
uizo necossarios para se cobrirem com o
escudo que a prjpria nafurez* Ihes propor-
ciona para este offeito, poderao repeir os
ataques incendiosos do inimigo da vida, it
que as f.tculdades vitae* vilo poaco a pou-
co em decadencia em ama velhico malura
e ditosa, e at que o anno da iuz 83 Ibes
a presento com aspecto risonl.o o sem ter-
ror, para os conduzir, como n'uraa vsao
deliuioaa, a cssa regiio rcsplaodoceute que
brilha mais alm das trevas do sepulchro.
O destruidor toma diwersas formas, mas
d a preferencia a de um inimigo moral que
devora actualmente as partes vitaes da so-
ciedade moderna. Martyrisou e mar
tyrisa anda quasi todos os habitantes deste
p;iiz.
Que inimigo cst*. ? Quer o leitor sa-
ber se taiube.ni victima di erueldade
leste tyranno? Pergunte a si proprio se,
atormentado por utgum dus symptoraaa
que vamos enumerar: dor-'s ) cab<-ya,
d&i eo*tas e das espuluas; f^l d appo-
tite; accuraulacjto do uraa lam viscosa,
espessa e pegajosa em roda das gengivs o
dos dentes, sentindo-so simultneamente
um sabor desagradave!, especialmente pela
uanhil; tristeza e dcscabimento acoupa-
nhados de somnolencia; uuias vexes a sen-
sacio de uma carga pesada no estomago,
e outras, debilidades na bocea do mesmo
orgao, nao ha vendo satisfaySo alguma em
tomar alimento; aspecto tristonho e cor
Hassas italianas. Retalho a 8*000 a caixa,
com 10 *,'. de descont.
Oleo de linhac> Retalho de 1*500 a 1*600
o galas, idem idem.
Passas cotumuns Nio ba no mercado.
Ditas finas. Retalho a 13*000 a caixa, com
10 % de ddesconto.
Papel de embrullio Retalho de 640 ris a
1*500 a resma, conforme o tamanho, sem 10 */
de descont.
PimenU da India Retalho de 1*303 a 1*400
o kilo, com 10 */. de descont.
Plvora ingleza Retalho de 20*000 o barril.
Queijos. Retalho 2*600 a 3*000 um, com
10 / de descont.
Sal Nio tem havido entrada.
Sardinhas Retalho de 280 a 350 ris por Uta
da .juarto, conforme o fabricante, com 10 / e
Jacinto.
Toucieho de Lisboa. Retamo de 13*000 os 15
kilos, com 10 "/ de descont.
Dito ameriean:. Retalho a 10J500 os 15 kilos
com 10 % de descont.
Velas stearinas Retalho de 540 a 900 ris a
libra, idem idem
Vinagre de Lisboa Retalho de 130* a lo*
a pipa de 480 litros.
Vinho de Lisboa Retamo de 220* a 235*000
a pipe, de 480 litros.
Dito da Figueira. Retalho de 230* a 248*000
a pipa de 480 litros.
Xarqne do Rio da PrataDeposito 99,000 ar-
robas, retalho de 3*500 a 4*800 os 15 kilos
Atrava de toda America H-spanhola, desdi; o
norte do Mxico at ao Estreno do .VIagalhlos,este
perfume tido e cnnidrado como a agua arom-
tica a mais fina e delicad. As senhoras brasile-
ras, nSo s della fazem uso como o mais delicioso
perfume; mas siin, tambem habitualmente o usam
n'uma forma de diluico corn u:n i xcellonte meio
para tlvt-jar e conservar os dentes h dar um suave
e agrad. vel gi.sto ao paladar. Servindo de mod-s
ta e agradavel advertencia, recoinaiendamis aes
senhorer, que a n.esina usada debaizo d'esta ms-
ma forma, e haveudo Snlpicado o tato, isn.i depois
de haverem posado as bellas tumac^s *le mn bello
charuto dn Havana, os torna apre^-nraveis na pre-
senca e sociedade do h'llo Sexo. Aqnellel -lo sexo
barbudo e que teem urna pelle delirada, aeh:iro
com o maior priter, q'ie esta aju mna verda-
deira luxuria usada depois de bsv rem feit > a bir
ba, pois que ella fas dissipar toda a entaneM do
rosto.
Coxo garanta contra as ftlsiiWcoes, obsenr-
8 bem que os noines de Lanman A Kemp venliain
estampados em lettras transparentes no panel do
livrinho que serve de envoltorio cada garrafa.
Acba-se & vouda em todas as boticas e loisM de
perfumaras.
Agentes em Pernambuco, Henry Forsler & C,
ra do Commercio n. 9.
Companhia dos trilitos urbanos do
llecifc a Oliada e Bcbii Hu
Dividen o
Paga-ae no escri, trrio da companhia o 23* di-
v.i"iido, eorresp nlente ao semestre de Janeiro
Junho, a raz.io de 8 OO desde boje at o da 17,
nos das uteis, das 9 horas da manh ao mio dia,
e deste dia em diante todas as tercas e. sabbados,
'a mesinns horas. Pa'^am s; igualmente os juros
das t-eces preferenciacs 0 das aecoes obrigato-
rias, smdo o-tes (vista.
"orio da compauhin, 7 de Julho de 1886.
O gerente,
A. Pereira Simos.
~ IRMANDADE "~~
no
Neniior otn <*<'mhn iii Chacas, na
igi-oja iiu "*. S. a Pernizo
Df vendo ter lugar aglQ horas da m .nha do lia
18 do correte, Ulesa geral par > te proceder a
elec d s nnros funceoiiarios do auno de 188t5 4
1887, de ord-m da mesa reedora da mesma ir
m ndade, con vi Jo H'>* rarissimos irmlot para us-
t-istircm a missa do Divino Espirite Santo, e em
seguida reunir re no re-neetivo onsistorio, iifim
de se proced** a dita e cica resitectivo cocoDramiieo.
Cousiatori i la ig-j > le M. -S. do Paraiz i, 15 de
lilliio de 1(1860 seeiet.nrio,
" Auoiio .li.-iqtiim io Espirito Santo.
Oitiia
Despedida
R. tir.nd i-'iie hoje par-, o Cear a tratar de
miiiba sade, e nao podendo despedir-mi pesoal-
mente dos ineus aniiioH, o faCu por euto meio,
offeree^iido-lh-s wu prest i m > uuquella provin-
cia. Recite, 16 d Jnihe de 1886.
Francisco Vieira Perdigo.
Dr. Cerpira Leite
MKMt'O
Tem o seu escriptorio a ra do Mrquez d
Onda n. 53 das 12 s 2 horas da farde, e desta
hora em diante em sua residencia na da San-
a Cruz n. 10. Especialidades, nile.tiai de se-
boros e enancas.
Cariitrlo ilo **cri\ Dr. Calda
No dia 29 Je Jo I lio ir (iraca i-el i rend i de
dU3 iiano, peranle ojoizo de orpMM d-t C onar
ca i!e Olinda, o hiri i den onin ido Quadro, na
praia de Jang, com 3W) p>4s e cequoiros. com
matr.-is > capoeiro**. e.-i-a da lijol.t, tendo dito si
tio nieia lesoa de fon !o e 1,80>) palmos de frente,
sol) a base de 200*000 unnuaes. O.inda, 8 de
ulli-i d-' 1886.

RENUlMISiUS PBLICOS
Mes de Julho de 188G
DESPACHOS DE IMPORTACAO
Vapor nacional Jaeuliype, entrado da Bah>a e
eseaias no dia 17 do corrento e consignado Com-
panhia Pernambocaua, tnanifestou :
Algodao 50 saccas a Ainorim Initios & C.
Assuear 606 saceos aos mesmos.
Couros salgados seceos 44 aos mesmos.
Fumo 56 volumes a Autonio Pereira da Cimba
Mercadoras diversas 6 volumes 4 ordem.
Oleo 9 caixas a Domingos A. Matheus.
Panno de algodao 26 fardos a Bernet & C, 10 a
Ferreira te IrmSo, 15 a Rodrigues Lima & C, 15 a
Silva Uuimaraes & C.
Saceos 2 fardos a Pereira Carneifj & C.
Vapor nacional Ipojuca, entrado dos portos do
norte na mesma data, e consignado a Companhia
Pernambucana, manifestou :
Algodao 1,037 saccas.
Borracha 44 barricas.
Couros salgados seceos 388.
Lera 4 barrica.
Cobra 5 volumes.
Courinho8 2 amarrados.
Gummi 33 saceos.
La de ovelha 3 tardos.
Metal 3 volumes.
Mercadoras diversas 13 volumes.
Milho .'O saceos.
Pe les. 00 tardos.
Querjoa 30 caixas.
Sola'310 meios ordem.
De ordeffl do Illm. Sr. inspector, fac publico
qne no lia 22 ilo irrenfe, p-las 11 horas na ma-
ndil. recebem>e pr.postas perante a sessilo da
junta, para o ftrneeiis^ntn de r-meJi is neceasa-
rios enfermara do presidio de Fernando de No-
ronh-i.
A rclacao dos reinedi is acha-se nesta reparti-
lo e sera apiecent;.'!* aos proponentes.
Thesouraria d.' Fnzenda d3 Pernambuco, 15 de
Julho de 1886.O secretario,
, Lnix K^mIhiw d C.o,u.
'SOCIEDADE
Uni21 Commer^ial Benefieente dos Mer-
eieiroa
A.s.<*cniI>Ie:i geral
De ordem do Illin. Sr. presidente da assembla
geral, convido os eenhntes socios. comparecerem
na sede social domingo 18 do correte, as 4 horas
da tarde, afi n de apreciarem a Isitura do relato-
rio e contas apresentadas p--la directora. Recite,
14 de Julho de 1886.-0 1- secretario,
M. Capitao.
Reis &
i Samuel
Santos, 3 a Prente
P. Johnston & C, 6 a
.EKUA OBR4L
De* 2 a 16
dem 17
ALFANOEOA
192:693*968
11:850*352
KKHDA PKVIHCIAL
De 2 a 16
'.dem de 17
Total
.bcbbedobja D 2 a 16
. i de 17
28:085*069
3:375*328
2Ci:544*320
31:460*397
236:004*717
12:149*399
2:23*376
Comsiilado PaOVIMCIAL Ds 2 a 16
dem de 17
Kscifh DRAYmasiPe 2 a 16
dem de 17
14:379*376
107:725*317
1:891*988
109:617*305
8:296*432
140*544
8:436*976
-LTERAC0 da pauta
P-na a semana de 18 24 de Julho de 188b
AI Tabeado de amarello, 100* a duzi
Alfaaaegs de Pernambuco, 17 de Ji
Os eouferent _
Raymundo F. de O.
Adolpho Gentil.
1886.
Vapor ingles Velambre, entrado de Liverpool no
dia 16 do correte, e consignado a Saundres Bro-
thers & C. man.fe.-.tou :
Arcos de ferro 30 feixes a W. Halliday & C.
Alpis :e 10 sacos ordem.
Arroz 50 saceos ordem, 30 a J J. Alves & C.
Amostras 4 volumes a diversos.
' Barras de ferro 100 a Reis & Santos, 10 a Car-
doso rj lrmao, 755 e 235 feixes a F. Guimares
& O, 30 e 30 a W Halliday & C, 100 e 3 or-
dem.
Barrilha 70 tambores ordem.
Bisceutos 6 caixoes a Jos de Maceo, 14 or-
dem, 3 a Rosa & Queiroz, 2 a J. 3. Alves & C.
Canos de ferro 14 volumes a Cardoso & lrmao,
56 a Guimares &.C ,
Calcado 1 caixao ordem, 1 a Jos A. Pilro &
lrmao.
Carta para jogo 2 caixas a A. D. Carneiro
Vianna.
Cobre 44 volumes a Manoel .des Santos Vil-
laca.
Cera 5 caixas a F. J. dos Passos Guimares.
Chapeos 2 caisoes ordem, 1 a Adolpho & Fer-
rio.
Canella 5 caixas a Rosa & Queiroz.
Cerveja Ib barricas ordem, 8 a P. Jos Alves
& C, 10 a Joaquim F. de Carvalho & C, 15 a
Maia & Rezende, 30 caixas ordem, 10 a J. J.
Alves & C.
Gordas 2 fardos a J. A. da Silva Santos.
Cabos 47 volumes a C. C da C Moreira t C.
Cominhos 5 saceos ordem.
Chumbo de municao 20 barris a F. Guimares
& C, 19 a Vianna Castro & C.
Cofre de ferro 2 caixoes a W. Halliday & C.
Cb 25 grades ordem, 2 a J. F. da Costa, 9
caixas a J. Moreira & C, 2 a Moraes Si Marques,
10 caixas a J. J. Alves & C.
Drogas 4 volumes a Bartholomeu & C, 1 a Rou-
quayrol Freres, 1 a F. M. da Silva & C.
Doce 1 caixa a J. J. Alves & C.
Enxadas 31 barricas a A. Carneiro Vianna, 5 a
W. Halliday & C., 2 a Ferreira Guimares & C.
Fuzis para espingardas 6 barricas .a A. Rodri-
gues de Souza S C.
Ferragens 23 volumes a F. Guimares & C, 2
a A. D. Carneiro Vianna, 12 erdem, 3 a C. C.
da C. Moreira & C, 2 a M. Isabella, 5 a W. Hal-
'id.y 4r C, 15
Vianna & .,46
V. Castro & C
Telhas de Flandres' 20 cunhetes a F. Guima-
res i C, 50 a A. Per-iira daCunh, 100 a A. D.
Carneiro Vauua, 60 a Prente Vianna K C. 20
a Samuel P. Johnston & C, 20 a V. Castro
4 C.
Folh.i de ferro 36 ordem, 30 a F. Guima-
res & C.
Fio 4 fardos aos mesmos, 3 a Samuel P. Johns-
ton & C 2 ordem.
Graxa 2 barricas a Jos Joaquim Alves & C.
Louca 17 giffaH a Sauz- Basto, Amorim \ U.J
15 a Souza Nogueira & C, 135 e 2 barricas or-
dem.
Linha 20 caixoes a M. Isabella, 31 ordem, 1
a E. G. Oasco, 19 a A D. Carneiro Vianna, 10 a
Maia k Silva, 4 a N. Fonseca 4 C, la G. Car
doso & C, 2 a J. A. dos Santos & C, 1 a G., de
Mattos Irmaos, 2 a Oliveira Basto & C.
Lona 2 fardos a C. O da C. Moreira & C.
Moinhos para caf 1 volume a F. GuiuiarfS
&C.
Machinas para costura 7 caixas e 10 grades a
The Singer Manufactorie Company.
Machinismo e ferragens 13 volumes a Cardoso
4 Irmo, 8 a Alian Paterson Irmo.
Mercadoras diversas 2 volumes a F. Guimares
& C, 8 ordem, 1 a E. G. Cisco, 3 a Companhia
de Fiaco e Tecidos, 8 a M. J. C. Guimares, 1 a
J. Rigby.
Oleo de linhaca 5 barris a Fraga Rocha & C,
10 a Faria Sobrinho & C, 4 a Companhia de Be-
benb", 12 .. F. M. da Silva & C.
Objectos para gaz 8 volumes Empresa.
Pimenta lo saceos a Fernandes & Irmo.
Presunto 5 caixas a J. J. Alves & C.
Provises 6 caixas ordem, 13 a Ramos 4 C.
Perfumaras 1 caixa a F. Lauria 4 C. 1 a E.
G. Casco.
Passas 8 caixas a ordem.
Pyrognato de ferro 1 caixa a A. J. Maia & C
Phosphoros 5 caixoes ordem.
Papel 23 fardos ordem, 13 a T. Jast, 2 caixas
\ Joaquim Bernardo dos Reis & C.
Salitre 50 barricas a A. D. Carneiro Vianna
25 a F. M. da Silva 4C.
Soda caustica 200 barricas ordem.
Tintas 20 barricas a F. M. da Silva & C.
Toueinho 2 caixas a J. J. Alves & C.
Tijolos para limpar faeas 20 caixas a Fernan-
des 4 Irmo.
Tecidos diversos 42 volumes aGoncalves Irmo
4C, 2 a A. Lopes 4 C, 7 a Guerra & Fernandes.
3 a Couto Santos, 186 a ord. m 41 a Machado 4
P reir, 23 a Oiinto Jardim & G, 1 a R. de Car-
valho, 4 a Figueiredo & C, 5 a F. de Azevedo &
C, 2 a A. Santos 4 C, 6 a Bernet 4 C, 14 a L.
Maia 4 G, a B. Maia & C, 5 a N. Maia 4 C, 1
a Mdnhard Euber to C-, 93 a L. A. Sequeira, 4 a
D. P. Wild & C.
Veles 5 fardos a Domingos F. da Silva & C.
Vidros 1 barrica ordem.
Ko tendo comparecido no da 11 do ce;rente
numero de socios para constituir legalmente a as-
sembla geral, convocada para aquelle dia, orde-
na_o llim. br. presidente que sejam de novo con-
vidados a se reunirem pelas 5 horas da Urde do
da 18 do corrente, na sede social, afim de se dar
posse nova directora e as demais eommissoes.
A assembla geral ser constituida com o nu-
mero de socios que comparecer.
Secr-aria da Associ cao dos Einpregados do
Commercio em Pernambuco, 15 dt Julho de 1886.
O secretario ad hoc,
__________________________Ildefonso Pinheiro.
Monte Po Portuguez
A directora desta associaco benefieente resol-
veu, en sesso de hoje, e de conformidade com o
que se acha estatuido no art. 15 dos additivo, re-
duzir metade o pagamento dos subsidios que ac-
tualmente distribue a viuvas e socios iudigen-
Os interessados, portanto, podem dirigir-so ao
Sr. Thesoureiro do dia 21 do corrente em diante,
para serem devidamente pagos.
Recife, 15 de Julho de 1886.
'terina Pinto,
________________^_______ SeeretHl-io.
Obras publicas
Do ordem do Illm. Sr. Dr. engenheiro chefe,
neo publico que no dia 3 do mez prximo vindou-
n, ao meio aia, recbese nesta eeereta ia pro-
pr-stas pnra a execuco dos reparos do acede de-
S. Beato, oreados em 2:243*868.
O ornamento mais condicoes -io contrato se
aeham i dpoeicaa dos seuuores pretendentes,
para serem examinadas.
Secretaria da repartico das obras publicas de
Pcruambuco, em 12 de Julho de 1886.
O secretario,
_____ Jete Joaquim de S. Varejao.
Club Internacional de
Regatas
Venda de bilhetse
Previno ao publico que para a regata que este
club v i dar uo dia 18 do comente, na hacia de
Santo Amaro, haver bilhetes que d entrada na
archibancada pelos seguintes precos :
Geraes 14000.
Recife, 13 de Julho de 1886.
Joaquim A. da Fonsiea,
I- secreta io.
Associaqo Gowerl Beaeflcei-
ts es Periiinco
A directora desta assoeiacao, un vista de uma
rivreseiitacHO aasii^nada por diversos socios desta
cae, tem s h-oira de convidar ao corpo
coiaaeruial data praca para ame reano que ter
lugar nos sales cicio, os 12 horas
.-t niHiih do da 10. do corr.-oi', y. \r.i de tratar-se
i asessepto da referid* rr.Drescntoeao. iecile,
11 de Julho de 1886. 0 se-.r". tai -i..,
William Halliday.
Circular n. 16
Tbesoorarla de Faienda le Per-
nambuco. 14 de Jiiiiu. de l ss
O inspector, nos termos da circular do Minis-
terio dos Negodos da Pasen (a n. 15, de 26 de
Junho ultimo, declara aos senhores collectores das
rindas gert.es aa privincie, para a d-vida exe-
eueo, que as nttas propositalinente cortadas ou
estragada!, cuja upreeucao ficar ao prudente
jizo do thesoureiro e do desta inspectora, nao
deven ser aceitas nem trocadas nas F.stacoes de
Fneii'la desta provincia ; podendo entretanto os
possuido.-es dess.s notas rrqu re* o pagamento
ou suhs'.Kaico dolas, dlngiado as penices di-
rectamente junta administrativa da caixa da
amortisaeo ou por intermedio desta Thooura-
ria.
AatOOio Caetun'- Aa Silva K,j11j>.
Circular n. 17
TbeMonrartat de PasendA de Per-
nambuco, em 14de Julbode
S
O inspector, nos termos da circular do Minis-
terio da szenda n. 13, de 17 de Junho ultimo,
communica aos senhores collectores das rendas
geraes da provincia, para os fine convenientes,
que vo ser emittidas moedas de nickel de. 50 rs.
Antonio Caetano da Silva Kellv.
DESPACHOS DE BXPfiTACO
Em 16 de Julho de 188S
Para o exterior
Nao houve despacho.
Para o Interior
No lugar norueguense A. B. \Bull, carre-
gou :
Para o Rio Grande do Sul, J. L. dos R?is Fer-
reira 15,t00 litros de sal.
- No vapor austraco Jokai, carregaram :
Para Santos, P. Carneiro & G 1,793 saceos
com 107,580 kilos de assucar branco e 2,800 ditos
com 169,000 ditos de dito maacavado.
No vapor allemo Argentino, carrejaran! :
Pai a Santos, F. A. de Azeved 303 saceos com
18,180 kilos de assucar branco e 238 ditos com
14.280 ditos de dito mascavado ; Baltar Irmofl
4 C. 31 saceos com 1,860 kilos de assucar bran-
co ; Amorim Irmaos 4 G 165 ssccos com 9,900
kilos de assucar mascavado.
No vapor nacional Cear, carregaram :
Para Manos, Maia 4 Rezende 25 barris com
2,400 litros de agurdente e 25 saceos com 1,875
kilos de asa-car branco ; Baltar Irmaos 4 C. 40/
barris com 3,600 litros de agurdente e 60 vola*
mes com 2,845 kilos de assucar branco ; Amorim
Irraoa 4 C 40 barris com 3,840 litros de agur-
dente e 60 barricas com 3,935 kilos de assucar
branco.
Para o Cear, J. M. Das 13 caixas com 190 1(2
kilos de rap.
Para o Maranho, Maia & Rezende 20 barricas
com 2,100 kilos de assucar branco; S. Guimares
4 C. 30 barricas com 3,697 kilos de assucar
branco ; L. G. da Silva 6i Pinto 10 pipas com
4,800 litros de agurdente.
Para o Para, Baltar Irmaos 4 G 60 barris
com 4,500 litros de agurdente ; L. J S. Guima-
res 200 barricas com 14,047 kilos de assucar
branco; P. A. de Azevedo 250 barricas com
17,050 kilos de assucar branco ; P. Carneiro 4 C.
450 barricas com 26,140 kilos de assucar branco ;
V. T. Coimbra 600 barricas com 46,688 kilos de.
assucar brance ; A. R. da Costa 10 barricas com
230 kilos de assucar refinado.
= No hiate nacional Correio de Natal, carre-
garam :
Para Maeahyba, Amorim Irmaos 4 G 400 sac-
eos com farinha de mandioca.
So cter Geriauity, carregaram :
Para o Natal, J. Baptista 10 saceos com 750
kilos de assucar branco; Fernandes & Irmo 300
sacos com farinlia de mandioca e 2 taboas da
amarello.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 17
Baha por escala6 Ij2 dias, vapor na-
cional Jacuhype, de 380 toneladas, com-
mandante Joaquim Jos Esteves, equi-
pagem 30, carga varios gneros; Com-
panhia Pernambucana.
Camossim por escala13 dias, vapor na-
cional Ipojuca, de 360 toneladas, com-
mandante Antonio M- Baptista Ferrei-
ra, carga varios gneros; Companhia
Pernambucana.
Navio sahido no mesmo dia
Slanos por escala -Vapor nacional Cear>
commandante G. Pacheco, carga varios
gneros.
VAPORES ESPERADOS
Marinho Visconde
Cotopaxi
ViUe de Victoria
Pirapama
Pampa
Manos
Finance
La Plata
Equateur
Baha
Neva
Sckolar
Petnpolit
da Baha
do sul
da Europa
do norte
do sul
do norte
de New-Port-Nti
da Europa
do sul
do sol
do sal
de Liverpool
Agosto
de Hamburgo
hoje
amanha
a 20
a 20
a 21
a 23
a 23
a 24
a 25
-a .86
a 29
a 29
.
\
20
nV




Diario de PernambucoDomingo 18 de Julho de 1886
THEATRO
SANTA ISABEL
GRANDE COMPAMIAIMPEHUL JAPONBZ
DK
?OWIi*A.
Director
fhas. Ctnelli Empresa Bourgard
ADEUS A PERNAMBUCO
DOMINGO, 18 DE JULHO
De
Leilo
videos
tu
!
movis e
Ra dnJardfni n
A's 11 horas
Ter?a feira, O do corrate
O agente Burlamaqui competentemente autori-
sado por urna familia que se retira, para o Rio de
Janeiro, levar a leilo os movis seguales :
Urna mobilia de Jacaranda eom pedra, espelho,
jarros, tapetes, guarda-vestido, cama para casal,
toillete, bidet, guarda-loaca, apparadores, mar
quezoes, marquezas, cadeiras, loact par jantar e
al moco, uma carteira, tren de cosinba e muitos
outros objectos qu estaro patente no acto do
leilo.
enarca felra, 81 do correte
A's 11 horas
No segundo andar do sobrado d. 77 da ra
d Imperador
O agento Martina, f.ir leilo por autor isa gao
de ama familia que se retirou desta provincia, de
todos os movis existentes no 2o andar do sobra
do da ra do Imperador n. 77.
Ao correr do martello
Inia s S horas e 3|-, da tarde dedicada menihice e disuada
GLASSE GAIXEIRAL
A segundars 8 horas e 1(2 da noite
Offecccda een despedida ao bravo pov Pernambncaao
A Crirupanhta ei.b.ir ara irrevogavehaentc na vapor francos VILLE DE
VICTORIA esperad 19 ou 2 d-> corrente.
ientmftuto di SANTA ISABEL, domingo, 18 do corrente, ver e
preciar os gloso* trba!li Os billwtoj desde j veuJa txa anoriatorrdo Thc.tr>.
p =. ecos xwxaoxcas
' trntr te. te I. e 2. urdenT L'OOO Carfeiraa de 2. classe
dem da ">.* < i i t -.
dem '.' 4 dita
Oadeiraa d i 1.a classe
2,5000-
4/JOOO
2^500
Galeras
Platea
Paraso
25000
2#000
1000
45O
Trena ate Apipsiros c bouds para tedas
pceaeulo S:is 3/t da tarde ::eaba as H horas,
para 1/2 horas acaba s 11 eau ponto.
Club Internacional de
egatas
tes para, a regata
Os k e< > destts club poderse inundar buscar es
sena biht--" part n regata ile 18 do torrente, na
rna il Aj !l n. 10, ledos "s diaa das 12 horas da
manha s 3 da tar le, sendo que na v ep.-ia da ru-
gata nr bilb< t-s distribuir na .-de
do club, d-s 7 it-v
Beeite, VJ Je Jalao de :
Joaqnim Alvos da Punces,
1 Mentrai io.
soits:.**: ~~
Beneffeenc Luso Brasileira
.tniH-aiblca ;-i'ii
NSo m temi reunido numero legal na scssa.i i
conv Id d'> torrente, convido de novo i
aos srnhorws asoociado* a Cumparfcereal segunda-1
feira 10 do crtente, afim d.- sorem tonadas as
medidas urge; tes ara a sociedade, devendo ter
lugar n-i cede saeta', i ras nava de Santa Hita n.
5, s 6 lleras da tarde.
as linhas. O es
e o anaunciado
DE
ftavegaco Costeira por Vapor
PORTOS DO NORTE
Farahyba, Nata]., Macan, Mossor, Ara-
city, Cear, Acarahu e Camossim
0 vapor Ipojuca
"""ir
Segu no da 23 de
Julho, s 5 horas
da farde. Recebe
carga at o da 22.
Ag-ente Pestaa
Importante leilo
Da betn afreguezada casa do banhos, casa
para hospedes, movis e todos os uten-
silios do born montado estabelecimento,
cujos rendimentos dSo.para o sustento de
grande familia.
Terca feira. SO do eorsec
A's 11 horas em ponto
Do cstabelecimento sito ra do Born Jess
n. 17 (outr'ora da Cruz
O agente Pestaa competentemente aulorisado
e porconta e risco de qu.'m pertencer vender m
dia e hora cima mencionado, os objectos abaixo
declaiados:
Seis importantes banheiros de marmore, tornei-
ras, cncanamentos, 1 banheiro do madeira para
banhos ineliciuaes, 10 estrados para os mesracs, 5
cspclhos, 6 pentes, 6 esovas para Cabello, 6 ca
bids de ferr, 7 bancos eom podra, 8 forneiras de
metal, 2 grandes tanques de pedra para deposito,
G o.iciras pretaa, G anchos, 6 quadros, 1 cofra de
ferro, 1 bilco de amarello, 5 fueiros para perfu-
maras, 1 dito para cigarros e charutos, 1 grande
tanque de ferro, 2 grades de ferro, 1 caldeira de
cobre, G candieiros a gaz, registro e encana-
uienio, objeetus estes existentes no andar terreo.
Movis do andar superior: 2 sifs de amarello,
11 cadeiras de dito, 2 jardineiras eom pedra, 2
bais eom gaveta, 2 quartiaheirns, 2 camas de
amarello, colxoes, cortinados, cpulas, etagers, es-
pelho?, candieiros, tapetes e outros muitos objectos
que fazera parte do bem montado e3tabelecimento I
o qual chama a attenco dos Srs. compradores que
eom poaco dinheiro podero ter excellnte rend-
ment, sendo motivo da venda a retirada do dono
por encommodo de saude.
AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 8(X.O no becco dos Coe-
Ihos, junto de t>. Goncallo : a tratar na ra da
Imperatris n. 56.
ALUG-'SE a casa terrea n. 20 da roa do
Capitao Antonio de Lima, eom 2 salas, 3 quartos
cesinba e quintal eom cacimba : a tratar na ra
do Mrquez de Ulinda n. 8.
C mpra-se fios de linho para o hospital Pe-
dio II : na ra Formo3a n. 4.
Na ra da Matriz sa-se de uma mulhcr de idade para cosinhar para
pequea familia.
Aluga-so o sitio do Pina, jcom boa casa para
morada, contendo bastantes eommodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiros,
seis grandes viveiros, duas cacimbas eom excellen
te agua : a tratar no caes de Apollo n. 45.
FAZEDAS BARATAS
Na bem eonhecida loja dama Primeiro de
Mar^o n. 20
JOTO DO LOUVKE
Grande sortimento de madapolSes
U'oOO e 8,5000
de
60500.
4^500, 50, 50500, 60,
AlgodSes brancos, superiores qualidades, de 40, 40500, 50, 50500,
Saperiores eretones de 320 a 500 o covado.
Batistes, lindro padrSes, a 200 e 320 rs. o covado.
60 e
encina francez, lec-
seudo encontrada i
LOU1S LAVENEriE
eiona em casa do discpulo ;
ra do Livramento n. 12.
Vendu-se quiuze palmos de terreno morado
em lugar milito ameno para se fazer uma casa
em lugar cuito fresco, para os banhos do mar, em
Olinda : a tratar na ra do .Mrquez do Herva
i. 23, loja.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia, que saiba cosinhar e engommar : a tratar
ni ra Duque de Cuxias n. 28, 3 andar.
Foi permittio ao 2 cadete Jotto Baptista
de Figueiredo, alumno da escola militar da corte,
assignar se d'ora em iiante Joao Baptista Neiva
de Figueiredo
Aluga-se o 2' andar ra do Livramento
n. 26, eom agua e banho : a tratar na loja.
Pedese ao Sr. P A. R. A. o obsequio de
rir saldar o aluguel da casa em que morou, sita
em uma das oidades da inba frrea do S. Fran-
cisco ; nao vindo serei mais positiva no presente
pedido, j que bou ameacado de nao receber.
Eato em praca e sero vendidos, a'quem mais
rara
Leil
ao
Secretaria, 10 d>;
Julho de 1886.
Ramiro
Sacictnri
Inio Federal Abolcionisla
Felo presente e.iuvi.io a tialos os socios desta
sociedaJe u os r- -mnrein, de lioj- em liante, to^as
as noites, na ^ Iti socia', -'as 7 s 9 horas, pira i
tratir-.-e de negosio imajitanf.'. liecife, 17 de
Julho de 188G.
Barros Sobrabs.
Srri-p; rio d hoc
Enoommendas pasaagens e dinbeiros a frete a)
i s 3 horas da aide do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Peri-imb'issi-vi
n. 12
I -----------------------------------------------------------------------------------------_____
iCOHPAXBUfe E MGNN.IVK
res iivarnni:^
LINHA MENSAL
0 paquete Equateur
Commandante facointre
E' esperado dos por tos do
Da casa terrea do becco do Quiabo n. 31, fregue-
zia de Afogados, eom 1 porta e 2 janellas de
^frente, 2 salas, 2 quartos, cosinha tora, quintal
murado e caciniba meeira.
narta-e-ra 91
A's 11 horas
O agente Pinto levar a leilo porautorisacao
e em presenta do ir. enearregado do consulado de
Portugal | casa tarrea acuna mencionada perteo
cente ao espo'io do subdito portuguez Manoel Lo-
pes Ribeiro, isto s 11 horas do da cima dito na
referida casa nos Afogados.
Fust3es brancos de novos desenhos a 440 e 500 rs. o covado.
Cobertas de ganga, forradas, de dous pannos a 30 500.
Ditas de ganga cretone, bonitos padrSes, a 30000.
Lenjoes de bramante, de linho. de 20 a 40000 a um
- Ditos de algod_o de 1,800 a 20500.
Toalbas felpudas, de tamanho regular a 50000 a duzia.
Ditas grandes para banhos a 20000 uma.
Lenjos de algodlo de 10800 a 20200 a duzia.
D:*os ^e IgodSo, eom barra, a 20400 a duzia.
- i j.irdo, claro, a 300, 400 e 700 rs. o covado.
pilo :.;.ay;.do, loa, a 10, 10x00 o 10200 o meto.
rtea ite vestido de cretone de 200 por 80000.
GTa-raaoapoB de linho de 30500 a 60 a duzia.
Grnete varedade de anquinhas de 20 a 50000.
Meias cruas para homem a 50, 60, e 70000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 50 a 100000.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
Algodlo trancado de duas larguras a 10300 a vara.
Bramante de algodao, de qnatro larguras, de 10500, 10800 e 2(}000 a
Dito de linho idem idem de 20, 20500 30 e 40000 a vara.
Leques de papel, de lindos desenhos, de 500, 800 o 10000.
Merino preto e azul a 104O( rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Guarda p de brim de linho pardo a 40, 50 e 6$000.
Oxford p,.ra camisas, lindos padroes, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Costumes para oanhos de mar a 80 e 100000.
Cortinados bordados para cama e janellas a 80 100, 12, 14 e 160000 o par.
Grande sortimento de roupa feita para trabalhadores de campo.
Encarregamo-nos tambera de mandar fazer qualquer roupa para homens 'e
meninos, para o que temos um hbil official e um grande sortimento de pannos, brins,
der na audiencia do Dr. juiz de orphos desta ci- casemiras, etc.
^t^es^hr/o^i^^i^i Quemp^rdegr-&rtigohom e barato'dever visitar de preferencw
casa 5 quartos, 2 salas e cosiaba fra. e o sitio 2 este &nUS e acreditado estabelecimento.
cacimbas da melhor agua potavel, muitos arv'ore- !
dos de Hicto o 1145 palmos de frente para a mes-!
ma estrada, onde ba terreno para larga edificacao |
e at para ret.ilhar, e sabida para a ra de Nunes
Machado, onde ha tambem terreno para edificar,
e grande baix i para capim ou ca-.ina, e proporcoes
para faz r um viveiro, e finalmente direito ameia !
acZo do muro e oito vismhos.
Vender-as-ha na mesma audiencia uma parte de
trras na comarca da Imperatriz d provincia das
Aiaftas. *-
Tudo por menea do seu just valor.
.
fia Piieiro Marco 120
kt
lit^d Slales I Brasil laS.S.C.
0 paquete Finance
Espera-so de New-Port
News, at o dia23 de Julho
o qual seguir depois da de-
mora necessuria para a
Baha c Rio de Janeiro
Tara carga, passagens, eucoramendas e dinheir >
a frete, tracta-se eom os
AGENTES
Hcnry Forster & C.
. 8 RUADO COAbifcKClO. N 8.
! andar
Pacific Searn Fv^ationiCompany
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Cotopaxi
Espera-se dos portos
do sul at o dia 19 de
Julbr, seguindo pa-
ra a Europa depois da
demora do costume.
Este paquete e os que dora
em diante seguirem tocaro em
Plynouth, o que facilitar che-
garem os passageiros eom mai>
Jirevidade a Londres.
Hsvcr tambem abatimentc no preco das pas-
gens.
Para carga, passagens, e encommendas, tracta-
e eom os
AGENTES
WJIsoc Sons & C, Limited
N. 14- RA DO COAfMERCIO N. !4
sul at o din 25 do corrente,
seguindo, depois da demora
do costume, para Bordeaux
tocando om
Dakar e Lisboa
Lembra-se ios senhores passageiros de todas
as daases qiM ba lujaros r^eervttilos para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
_ Faz-se abatimento de 15 0/o em favor das fa-
milias eom posta de 4 pessoas ao m-ucs c que pa
garem 4 passagens intriras.
Pur excepeo os criados de familias que toma-
nem bilhetes de proa, gosam tambem d'este abati-
mento.
Os vales postaes s se dao at e dia 23 pagos
d. contado.
Para carga, passagens, encommendas e dinheir;
a trefe: tracta-se eom o
AGENTE
4nguste Lab He
9 RUADO COMMERCIO-9
(IAKIKIRS REUNS
Conpanhia Franceza de Savess-
rio a Vapor
Linba quinzenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro c
Santos
Steamer Pampa
2 leilo
Do importante sobrado de 3 andares e sota j da
ra do Imperador q. 22
O agente Modesto Baptista, por mandado e eom
assistencia do Exra, Sr. Dr. juiz de orphos, e a
requerimento de D. Henriqueta Ama a do Brito
Burlamaqui e outros, far leilo do sobrado cima
declarado, o qual rende annualmqnte 2:5004 e ul
mesiaii agento convida aoa 8rs. 'pretenden'
examinaren) dito preiio.
Quarta toira 21 de Julho
A's 1 i horas
No armazem da ra di Imperador n. 22
. O abaixo asignado, tendo pago aos credo-
res de seu filho Thomaz Ferreira da Cunba Ju -
nior os"dbitos contrahidos por elle, quer cominer
ciaes, quer c vis, at 18 de seteinbro de 1883,
julga-o quites eom seus credures at esta data,
mas se alguem se julgar credor. aprsente seu
titulo at 30 do corrate, na ra do Mrquez de
Olinda n. 44, sigundo andar. Recife, 17 de Ju-
lho de 1886.
Tbomaz Ferreira da Cunha.
Precisa se de uma boa cosinheira para casa
de f.mil a, paga-se bem : a trat r na ra do Ba-
rdo da Victoria n. 39, loja.
'S
Compachla ISahlana de nave
r_ ca a Vapor
Maoei, Villa Nova, Penedo, Ara :aj,
Estancia e Babia
O VAPOR
Marinho Visconde
Commandante J. fjf, Coelho
Segu impnterivel
mente jara os portos
cima no di 21 do cor
rente, as i horas da
tarde. Ke-ebr- carga
nicamente at o \H
Qiadodia21. '
Para carga,passagens, encomnenlas e dinho-.ro
afrete tra 7iua do Vigario 7
Domingos Alves Hatheus
Espera-se dos nuiti* do
sul at o dia 21 do corrente
seguindo depois da indis-
peasavel demora para o Ha-
vre.
Conduzem medico a bordo, sao de marcha rapid-
e ofierecem excellentes eommodos e ptimo passaa
dio.
As pas.'agens podero ser tomadas de anxemo.
Recebe carga encommendas e paesageiros para
os quaes tcm excellentes accommodacoes.
utner 71 is Victoria
E' esperado da tnropa at
o dia 20#de Julho, se-
guindo depois da indispen-
savel demora par a Ba
Iiia. Rio do Janeiro
e MnDiot.
Roga-se aos Srs. nportadores de carga p -loa
vapores desta linha,qaciram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng^ ..:..-
quer reclamaco concernente a volumes, que po-
ventura tenham seguido para os pertoe do suJ,afiu,
de se poderem dar a tempo as providencias neces
sanas.
Expirado o referido praso a compaacia nao se
responSabilisa por extravioe.
Recebe carga, encommendas e passageiros par*
ti quaes tem excellentes accomodacoes.
Leilo
Debons esolidos movis
Sendo :
Uma bonita mobilia de Jacaranda a Luiz XV
S? 12 ?jdeir*8 de gur"'o, 2 ditas de bracos,
2 ditas de balanco, 2 consulos o 1 jardineira coin
tampo de pedru, 1 mobilia de amarello entajbada,
eom pouco uso, tendo 12 cadeiras de guaruico, 2
ditas de bracos, 2 ditas de balaoco, 2 consolos e
iardineira eom tampo de marmore, 4 pares dejar-
ros f nos, 2 guarda-vestidos, de amarello, 1 lava-
torio de Jacaranda eom pedra marmore, 1 bonita
cama franceza de amarello, 1 meia cmoda, 1
banca de amarello, 1 cabido de columnas, 2 espre-
guicadeirae, 1 lavatorio de amarello eom pedra, 3
banqninhas, 1 mobilia deamarcllo de junco, 1 solida
mesa elstica do 4 taboas de amarello, aparado-
res de columna, cadeiras de amarelb, i bonito
guarda-louca de amarello, 1 marquezio, 1 mar -
queza, 2 mesas grandes de amarello, 1 dta de pi
ubo, lavatorio de ferro, qnartinheiro, eabides de
Srede e muitos outros movis pertencentes a uma
milia que se retirou- para o Re de Janeiro.
SEMPRE MMDADES
Fazendas finas e modas
2 A--Kua do Cabug-2 B
J. BASTOS & C.
Pelo ultimo vapor recebemos de PARS :
Cortes de vestidos diaphanrs, alta novidade.
Vestidos da cachemira, especialidade.
Ditos de toile d'Alsace, grande moda.
Cachemira broch, tejido modernissimo.
Orlatienne, fazenda nova e padrSes lindissimos.
Venitienne,-combinacSo de fazonda lisa e lavrada de muito gosto.
Zephyr quadrile, novidade.
Cachemiras de todas as cores cora enfeites de Guipoure.
Plumetie, branco e de cores eom lindos bordados.
Toile d'Alsace, variado sortimento.
Etamine de cores, desenho novissimo.
Satin double, tecido de algodSo e roodernissimo.
Gase de algodo, era todas as cores, propria para bailes o theatros.
Leques Jiaphanos.
Ditos de sotiin.
Ditos de raadrepei'ola.
Guipoure de seda.
Bicos du seda diaphano, revolucSo da grande moda para eufeitar vestidos
de sedas.
Chapeos de seda arrendados, novidade.
Sedas e setins, branco, preto e de cores.
Colchas de damasco de seda.
Ditas de crochet e Guipoure.
ESPECIALIDADES
Dolmans de seda e cachemira eom enfeites de passemanterie e vdrUhoi
guarnico de renda e franja.
Jersey de 12 eom enfeites de pelucia e bordados, escollados 80rtimentoa',d,flte
asacos do malha, que vendemos de HjjlOOO a 155000.
Fornecem-se as amostras de todos os artigos.
(Telephone n. 5>9)
PROGRAMMA
DA
Ia REGATA
DO
comp: ia lii-asiieia de iv*-
ftscSo a Vapor
PORTOS DO SUL
0 vapor Manos
Commandant,-, ] tenente Guherme Wad-
dington
E' esperado dos portos do
e at o dia 24 de inMho
,e depois da demora in
lispensavel, eegnir para
cortos do sal inclusive o
(la Vict
Recebe para Santo s, PeloUa e
Rio Grande d i sul, frete mdico.
Para carga, paasgens, encommendas e valores,
trata-se as agencia
N. 11 RA DOCOMMEROIO-N. 11-
AugustoF.deOiveiraH,
AEXTE!
42 -RA DO COMMERCIQ U
Aviso maritimo
Chr, Hay, capitao da barca norueguense
Soma, arribada n'este porto, na viagem de
Bihia para Nova-York, cora ueja carga de
11,7^0 sriccos de assocar, precisa contra-
tra a descarga e armazenagera do dito car-
regatnento, para o qual fim recebe pro-
posta no Consulado da Sueuia e Noruega,
, dirigidas o dito capito at raeio-dia do
j da 21 do torrente m. z.
Recife., 17 de Julho de 1886.
CLUB IiWERNACHML DE REGATAS
h baca de Sania Amaro, as 3 horas em ponto, no domingo 18
PEEMIO MEBALHA
POULE21000
GERAES -11000
Pareen
Emlinrcnroen
Out riggid racing-gie
tem
Escaler de 6 remos
tem
Oat-riggid racing gig
tem
Escaler de 4 remos
Itrm
SiguacN
azul
encarnado
l'iitiocx
A.
A.
Mello
Silva
azul
encarnado
a ral
eucaroado
azul
encarnada
Out-riggid racing-gig
tem
Leilo
Da arraavab de amarello, do resto de fa-
zeudas, roiudezas, 1 fiteiro envidracado^
1 lavatorio de pedra, da leja ra do
Rangel n 48.
Agente Brito
Vendei mais uma cas terrea ra do Gas-
metro n. 2 A, nova e rend
Te rea feira, O do correte
A' 10 1J2 hor
10
Escaler de 4
tem
Escala- de 6
tem
remos
remos
Escaier de 4 remos
tem
Out-riggid racing-gig
tem
Escaier eom 6 remos
tem
Escaler de 4 remos
azul
encamado
Bemadore
Vaughan, Scbiappe, A. Leal, Lino.
J. Alfarra, G. Raposo, A. Ponte, S. Araojo.
A. Noves
J. Livramento
G. Caroll
L. Piuheiro
H. L.
M. Uva
azul
encarnado
w-.lll
encarnado
azul
encarnado
azul
encarnado
J. Alfarra
W. Cbristiani
Distancia
F. VIcdeiros, A. Silva, Jo3o Livramento, A. Lima Azevedo Jnior, F. Lameg".
I. Marques, Michaeles, Regadas, A. Scbiappe, A. Torres, A Borges.
E. Malher Banks, Nelly, G. Dameyer.
J. Edwards, Grey, J. Cunha, C. Morcira.
Jos Brahdao, A. Leal, C. Regadas, C. Ramos.
J. Silva, J. Leone, R. Silva, S. Retamba.
Mancel Vas
Tli niaz Santot
J. Maraes, Muhler.
F. Michaeles, G. Dameyer,.
Pilar Filho
J. Livramento
AV. C hristiani
Martins
azul
branco
encarnado
L. Pinhciro
A. Silva
J. Livr
J. Pi
Liv:
Eustaquio, H. Lag s, E. Nasjimenfo, Jcs Albaquerque.
Mam i i Vieira, Jcs Cajrpos, Francisco Lamego, Jos So
Profissionaes.
tem.
F. Medeiros, A Bivar, A. Schiappe, Clemente Silva.
Lino, Adour, Borges, E. Jonnes.
1000
1C00
1000
1000
10J0
Poftiro
mar
trra
mar
trra
.\omex das embar-
cacOes
Rpido.
Coriseo.
mar
trra
mar
trra
1000
.000
Ba^ks, Edwards, J. Cunha, F. Micbaelis.
Alfarra, G. Raposo, A. Fonte, S. Aranjo.
arques. F Michaeles, E. Muhlert, A. .Schiappe, A. Torres, 8. Borges.
ft' o "JU1* Au5n8t0 M- Le8'* R- Layme, H. Antunes, J. Antunes.
ndH^ A. Leal, C. Regadas, C. Ramos.____________________,A
1000
1000
1000
mar
trra
mar
trra
mar
trra
Oceania.
Neptano.
Raio.
Temerario.
Acaso.
Mercurio.
Medrosa.
iaha.
Corsario Negro.
Vencedor.
p. rnambucano.
Neptano.
mar
trra
mar
trra
mar
centro
trra
Aurora.
D. lila.
Caliope.
Coriseo.
Neptnno.
Oceania.
Acaso.
c
T
Director de regatas
,Joo Holmes,



Preoaraoao de Productos Vegetaes
MUUk
EXTINAO DAS CASPAS
e outras Molestias Capillares.
JVIARTINS & BASTOS
Pernambitco
CURA CERTA
de todas as Affeccoes pulmonares
Todos aquelles que soffrem
[do peito, devem experimentar
las Capsulas do Dr. Fournier.
Depositarios era Pernambuco:
FRANCISCO H. do SILVA C.
^fflWWWWWNWWWWP
CREME de Y0UGE01
Especialidade de Casis
C JUST1N DEV1LLEBICH0T
DO (Citunif) naa^.
1 MeOihoa as Expotlot)** de i
rsEIZ 1855, 1M0, 1867 (EifMldl MntMl)
DUOH 1855 (Kedalba le Boira), IMS
LOIHB, MACOH 1858 BOKDEAOX 1858, 1885
B00B8 1858 BESUigOB, TROTES 1883
_r ttUS'Uiaem Pernambuco : Fr_c"M. 1 SlVA C1*.
Rtlp
CASA FILiAL
Receberam pelo ultimo vapor chgado
da Europa, um esplend lo sortimeoto de
chapeos para homens, senhoras e erancas,
forrados e lisos; grande variedade em co
refl- j
Chapeos chinezes que expoem a venda
por prejos re-umidssiinos.
Este betn conhecido estabelecimento ca-
pricha em servir bpm a seus freguezes,
para o que dispSe de pessoas bem habili-
tadas para todas as obras qae nos queiram
enoommendar; assim como fabricarn-se
chapeos de todas as quididades, concer-
tam se e cobrem-se chapeos em urna hora
com a maior perfeic&o poss'vel.
Vendas em grosso e a retnlho.
N. B. Levam-se amostras em qualquer
casa.
Ru;i do C'abug n. 1 __
GMULSAO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Figado de *acalho
COM
Oypephospliiios de cal e soda
Appravada pela Junta de Hy
glene e antorisada pelo
governo
E' O aoSbor rem.dk> *t luje deacbc-to para a
tlMir. feronriiite. eaeropliula. ra-
chiii.txnen.i. el.il*adc rm eral.
_el#XO.aOe clironica e aff.t6e.
do selio da araanla.
E'Bnuflo superior ao ol.-o simples de figado de
bacalbo, porque, alm de ter ch-iro e sabor agra-
dave.s, possue todas as virtudes- mediciones e nu-
tritivas do oleo, alm das propriedades tnicas
tonstituintes dos hypoohosphiios. A venda na
ogarias e boticas.
Deposito em Pernambuco ________
\o piildico
Tricofero de Barry
Garntese que fez nas-
cer ecrescer o cabello anda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir ou de embnvnquo-
cer, e iniallivelinente o
toma espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvacao oficial de
nm Govemo. Tem duas vezes
juais fragrancia que qualquer outra
e dura o dobro do tempo. E'muito
niais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
lenco. E' duas vezas mais refres-
canto no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidito e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
__, desmaios.
Xarope Je Viia Je Benter No. 2.
T
OfiiZA LACTE CREME ORIZh ORIZA VELOUTE
aos Consummidores
PERFUMARA oriza
PARS 207, Ra Saint-Honor, 207 PARS
OS PRODUCTOS DA PERFUMARA ORIZA L.LETGRAND
devem seu surcesso e favor publico i
1 An cnllaao escmptlMO nm que i a* 1 su (lalidadi ioalteravel
to htriudoi. i i smilaa do sel pertuae.
MAS SE IMITA OS PRODUCTOS DA PERFUMARA ORIZA
tem attlnglr o seu grao de delicadeu e perlel?ao.
O. A apparencia exterior destas imttacSes sendo idntica aos Fet_- dj
8 dviros Productos Orina, os consummidores deverao se JJ
A precaver contra este commercio licito e considerar cont aTIr
~rv contrafaccao qualquer producto de qualidade inferior __?
^Jk> vendido por casas pouco honradas.
SAVQN ORIZA-VELOUTE
a ilo Catalogo llluatrado a pedido franqueado.
Tooiem nota
Trilhos para engenhos
WAGONS PARA CANNA
Locomotivas
Machcuisnio completo para en
genhos de todos os tamanhos
Systema aperfeijoado
Especificagdes e precos no escriptorio dos
agentes
Browns & C.
HJ. 5 -Ra do Commercio
N. B Alm do cima B & C, tem cathalogos de
mu'i eimplementosnecessarios agricultura, como
mbem machinas para descarocar algodao, moi
nhos para cal, trigo, arroz e milho; cerca de fer-
ro galvanisado excelleate e mdico em preco, pes-
soa nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
bral-a.
AMTSB T> TAIr-0. CIPOIS DB SIL-O.
Cura positiva e radical de todas as formas de
escrfulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affec<;5e8, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do-
eneas do Sangue, Figado, e Kins. Garntese
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangue
e restaura e renova o systema inteiro. -Afcjl
Sabao Curativo de Renter
Para o Banho, Toilette, Crian-
cas e para a cura das moles-
tas da pelle de todas as especies
e em todos os periodos.
Deposito em Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C.
DO ENCAS do ESTOMAGO
DIGESTE8 DIFFICEIS
Dyspepsias, Gastralgias, Anemia,
Perda de Appetite, Vmitos, Diarrbea,
Debiliaade das Criancas
CURA SEGURA B RAPinA PBLO
ElIXIRGREZ
TNICO-DIGESTIVO
com Quina, Coca t Pepsina
Adoptado em todos os Hospitaes
MEDALHAS AS EXPOSIQOES
PARS, r.LaBruyre, 34, eem todas asPharmicis.
FUNDICAO GERAL
ALLAN PATERSON ft C
N. 44--Eu i do Brnm-N. 44
JUNTO A EF TAfAO DOS BOJOS
Tem para vender, por pra mdicos, as seguintes ferragens:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivac5es de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd fornalha,
Bancos de ierro com serra circular:
Oradeamento parajardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panaduraj
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, o assentamento de machinismo e execaiam qaal-
ob i traballio com perfeicio o presteza.
# IMPORTADO D# *^Of
Nova PERFUMARA Extra-fina
Telcgranioia (resposla paga)
Bicos orientaes, grande variedade em cores e
larguras, receberam o Pedro Antunes & C, e ven-
dem barato ; esperamos resposta ao 63 ra Du-
que de ('aiias, Nova Esperanca; novo sortimen-
to em leques de papel a 700 e 800 rs., preferencia
exclusiva ; ditos de seda, bonitas cores e lindas
paisagens a 3#, barrato puuhos e collarinhos
bordados para senbora a 15800 e 2500 ; ditos
com pintas de cores a 1/200 ; bonitos e delicados
lacinbos de cores, ultima moda em gravatas, a
1/C00. Resposta paga ; vale a pena verem o que
: na loja de Pedro Autunes & C. n. 63, ra
Duque de Carias.___________________________________
luga-se barato
A casa n. 96 ra dos Gaararapes.
A roa Lomas Valentinas n. 4
O armazem da roa do Coronel Suassuna n. 141
A casa n. 107 da ra Visconde de Goyauna.
Trata-se na ra do Commercio n. 5, 1 andar
escriptorio de Silva Guimaraes & C. ^_______
AOS 4:000.000
SILHSIES S-A-AUTIBOS
Roa Priraeiro de Marjo n. 23
O abaizo assignado, tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos 4
quartos n. 2130 com a sorte de 4:0005,
alm de outras sortee de 32$, 16 e 80, da
bteria (63.*), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem receber
aa conformidade do costurae sem descont
algura.
Acham-se venda os afortunados bi-
hetes garantidos da 252.a parte das lote-
ras a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife (64.a) que se excrahir
quinta-feira, 22 do corrente.
Precos
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Em qnantidade maior de 100
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Manoel Martina Finza.
r00PYt0PSIS iso Japaoi
l mm J
HU......... mCORTLOPSIS do JAPiS f ? ie abui. .. bCORYIOPSIS It JAPlt
nruCT.....m CORYLOPSIS doJ_fi j Biutrnu.. CORYLOPSIS doJAPAs
_n*,TiDumtiC)RYLOPSISio JAPAO j ou........CORYLOPSIS do JAPit
UHP ......_C0RYL0P'_iSdoJAFOf posha......CORYLOPSISJAPlO
*& ^3r j --
?t88
dio ao o3to
a bella alvura vapo-
rosa que Jei a reputaco
das Bellezas da Antlguidade.
L. PANAFIEU C"
parta, ru Roc/iecAouart, 70.
BeposiUriosi--Pernambuco :rr_c"M-dJSriVAAO*
CONTRA
Deflu_os, Grlppe, BronohRaa,
Irrltaco do Pelto.o XAROPE aPA STA peitoral
de N Ai de DELANGREKIEB _o de uido cBimoia cert
eTerificadaI)orMemlKMdA_ule_adoVe.lclDii_nDt.
Sem Opio, JfrrpMna nem Od'im m recelo _
crian cas affeoUda de Tosse on Coqueluche.
PARS, ra f'ivieune, 63, PARS
M TOD\S AS PHABHACl
DO Mt'KDO.
LERET
liBOlSTHADO
istlce, sem lijaduras debato lis
Para evitar as falsiflcacdei,
txigir a firma do inventor, estampada
em C'da suspensorio.
FUNDAS DE TMOS OS SISTEMAS
PARA VA1ZE9 '
llirLLraCT.UMimiK.iiBPSMr.Paj u.^jr^ljigt
Ao publico
O abaixo asaignado, tendo lido na repartico
da polica do Um 15, a priso dn um individuo
eom o mesmo nome, declara que nio se entende
com o abaixo assiunado e sio com outro de igual
nomc. Eecite, 16 de Julho de 1886
Antonio Mrques la Fonscca.
ISce secco de caj'
primeira qualMne, proprio para pese-te. tem
pan vender na ra do bom Jess numero 35, _
mizro. ____________
com wnr*i
JOSEPH RRAUSE t
Acabam de aupenlar o ,;co j bem conhecido
portante estabelecimento roa Io
de marco n. 6 com mais
di salo no \ andar lnxoosamente pepar-
radoe prvido de umaexposi-
{! te m de prali do Porte e lerfrftflite
dos mais afamados fabriaitos do
mando inteiro.
nonvida, pois, as Exmas. familias, seos nume-
rosos amigos e freguezes a visitaren,
o seo estabelecimento, aflm de
apreciaren! a grandeza e bom gosto com qne
nao obstante a grande
despeza, o adornaram, em honra
desta provincia.
cm abito mnn da son
Criado
Precisa se de um menino forro ou escravo : no
epiindo (tnrt-.r i ru dn Itnp#rtriz n 44.
GOHAS REGENERADORAS
do Doutor SAMUEL THOMPSON
rTratamento efflcar contra todas as affeccOes provenientes do entra-
oueslmento dos orgftos e do syBtema nervoso, ou das altcragaes do
-- sangue rnuiun lo. ln^Bsterllld-d. *m^_o6e^ ilTrmi
I qoeetment* sera, loa(M ConTatoaeoBO, Este tratam^nto de ha multo, reccohedao
e recomi|iendad> como o maior reeenorador do org-anlamo.
O FRASCO t S FRANCOS (_ ~*5*l y^ _*.
1 rodo trun t* nao trouxer a Marea de Faorie* regutrad e a muttnatura^^^J"'"* "r"
deve sor rigoroeamente recusada >s~y**
,fi. marmaclt ObXX, rom. Soe-ocboa_ t, SS w^
Deposito em Perae__uoo : FRAN~ M. da SILVA & C.
HenninadeCarvalh., M n.. da Costa, proprie-
taria aa pbotographi sita ru d Br^adaJ''
toria n 14 2." aiid..r, decl-ra para .s fins con-
venientes, que desde o n,6 do ern-nte deixou
dfrSSoqdam*nH pho. Kraphi. o Sr. Flosculo
deMnealhies. _.__
Aproveita a occas.o para eommumear a todos
aquelles que se t -em dignado d- disp. nsnr ILe a
a proteccao n'aquJl- ranm !., n^ocio, que con-
tinua com a referid,, p'".' ,-r pb'H, a q"*'" "
hoie melborada consid.raw uw.te na. e quanto
aos niisterestecbuii-..- d\.re, i; ran t b-ro quan
toaos demais reqniftis -m-i.cihhs pra nao d^s
agradar aquellas pe--, s q ie >lh ......par^cerem,
daad-> prov* de de-j c ., ner [>ara o pro-
Da Exmas. senli ra iiplmentf, -spera a
referida proprietar' \ i -n vai.si-sima prot^c-
Vao. ----------------
;ljn.
O Sr Abdon Am'f-'o Ai.....o tein .joii carta
deu.-enci:i pira lli..... .....' loja ce Car-
los Luiden. ra do 11 r.i \ u-i.h i. u. 48.
Att8C^0
AOS fl Mes dos tllDI
Cura certa ero 48 horas das inflaroacoeB
recentes dos olhos, pelo colyno prepara-
do por Jone Pedro Rodrigues da Silva.
Emprega -se este poderoso colyr:o sempre com
grandes vnnURens, uai seguintes molestias :
Op-talmias agudas, purulentas e chrju;cas, con-
unctivites, etc., etc.
Deposito .'.ral. na drogara do Faria oobnnho
C. ra do Mrquez dr Oiinda n. 41.
Para inf ruu,co-s, aedirij-m livraria Indus-
trial ra do Baro d Vicrorm 7, oa & resi-
dencia do svtor, ra da Saudade 4.
~WZ^ Jarim das plantas
MNDEQO N. 8i)
Pretendendo se acubarcom s plastas que es-
to em vasos n'este j rdim, vende se o sapotisei-
p_ muito grandes, e dando friiuO*, 2|i00, la-
ranjeirHS, muito grandes, para eiix^rUr, 6|S00O
a duzia, e sap-.iiseiros mais ptquenos por bajito
P'-e?3- _. __________________--------------------
PHOSPHAT0 de CAL GELATINOSO
di E. LEROY, Puannacfitico de \n Classe, 2, rna annon, PARS
OSTROGEXM* fin l_ntlTl_lto t Mtift trlutu. caira t Bacbltlai 11 HllMtti OaM
. */vmmrrHnri'mo esta Xarooe aos Mdicos e sos Doentea. de um sabor agradavel, de asslml-
fa^fecll^^vezlfsu^e^a^^s^aropesde ^V^&^nwUrtospeliespecu-
VINHO PHOSPHATADO DE LEROY *nSmmm.
____!_ Z_.____.__Z_ Buaahlla ahafta^l T(f lr>? Er9f111*70 lfMlli
\
Aremi,, Comumpfo, Bronchitechron/ca,T//ca, Fi-quea orgnica, Convaiescencas d/fflcus.
Depositarios eui reman ucu : t RAB- *v- ^^__-_-_--___
Urna pessoa c 'I'1 "branca,
isp ndo de tempo. ff e pr.-stnn. : pode
T procurada na ru l- er < r n 16
Gasiulidcu
Pr. cisa se de urna boa cosiobeira : na estrada
os Atuictos, junto a estacio dos AlBictos.
AMA
Precisa-se do uoia *m> para tarar, en-
gomar, e frser mais alguna stvcos de
casa de familia na ra da Matriz da Boa-
Vista n. 9 se dir quem pm-isa.____________
km
Precisa-se de urna amsTpa^-a _s.nb_
tea de S. Jos n. 3.
no pa-
grageas de Ferro Rabuteau
Lsunado do Instituto de Frtnoa. Premio de Therapeutiea
O emprego em medicina de Ferro Rabuteau baseado na Sciencia.
A? Verdadeiras Grageas de Ferro Rabuteau sao recommendadas nos casos de
Cha* Anetniet,Plidas Cores, Corrimentos, Debilidade,Esgotamento, Convalescencxa,
FraaZdas criancas, Depaupramelo e Alteragao do sangue em consequencia de
_ MFiKillias e eWssos de toda a natureza. Tomar 4 6 grageas dor da.
,M- > Nem conslipacao nem Diarrhea, Assimilacao completa.
EUxIr de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podem engulir
engulir as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente para as enancas.
UJf urna explicado detalhada acompanha cada frasco.
Exigir o Verdadelro Ferro Rabuteau de CLIN 4 O, de PARS, que se
encontra em casa dos Droguistas e Pharmaceuticos.
Sem cheiro nem gostodos leos de Figados de Bacalhau ordinarios
4os MOOSOOO
E
o sobrado de um audar e soto roa do Mrquez
do Herval, travessa do Pocinho n. 33, e a casa
terrea sita ra do Visconde de Albuquerque n.
170 : a tratar no largo ds Corpo Santo n. 4, pri-
meiro andar. ^^____^__
Oprepoflxo
1 llu Nova 1
Receben instrumento para cortar callos e outras
muitas cutillerias, finos oculos e pincesns.
Jos de Castro Guima-
res
que em Goyanna tem o nome de Jos GaBpar
Dom ingues de Souza nao mais cobrador da co-
cheira rus da Imperatriz n. 29 desde Marco, e
chamado prestar contas dos dinheiros que re-
cebeu, como consta das contas mm os recibo, e
entregar as contas que ainda tem em seu poder
ao admin strsdor daqnella conheira.______________
BILHETES GABANTIDOS
16-E.ua do Cabug-16
Acham-se venda os venturosos bilhe-
tes garantidos da lotera n. 64a em beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir quinta feira 22 do cor-
rente.
Urgencia
Precisa-se de costureiras : na ra da Aurora
n. 39, 1- andar.
Criado para alogar-se
Na ra de S. JoSo, casa n. 27, tem para alu-
gar-se um mulatinho com 17 anuos de idade, mui-
to proprio para copeiro ou outro qualquer servico
tanto de casa como de ra, e taabem sabe bolear,
po" j ter sido boleeiro._____________________
Inteiro 4,5000
Meio 20000
Quarto 1)5000
Sendo qnantidade superior
a 10 0:000
Inteiro 30500
Meio 1*5750
Qarto 0875
Joaquim Pires da Silva-
Mudanza
O solicitador Joao Caetaoo de bren mudou o
seu escriptorio para o primeiro audar do predio
n. 38, a ra do Imperador.
Permuta
Permuta-se um predio por outro maior, at
2:000^000 : quem o tiver nestas condices, diri-
ja-se ao pateo do Terco n. 2, que achara com
quem tratar.
USA DOOMJ
os 4:000^000
BILHETES MM90S
Rna do Baro da Victoria n. 4 o
e casas do costme
O abaixo assignado acaba de vender
em sena felizes bilhetes quatro quartos de
n. 1815 com a sorte de 2000000, e di ar-
aos premios de 320000, 160000 e 80000.
O asmo abaixo assignado convida os
possuidores virem receber na conformi-
dade do co8tume, sem descont algum.
Acham-se venda os felizes bhetes
garantidos da 252. parte das loteras a
Perdeu-se um annel com um brilhante,
n-um etabralho com a quantia de 50 jOO) em se-
dulas : qaem o tiver achado e quizer restituir,
pode fiear com o dinheiro e mandal o entregar no
armazem de molhados travessa das Cruzes nu-
mero 16.
Fumo desliado do Rio-Novo
1S1
DE
Silva
O melaor e o mal paro que tem
NICOS IMPORTADORriS
Costa Lin-a & C. -Ra do Amorimn. 37.
Almeida Machado & G. Ra da Madre do
Deus n. 36.
Jos Antonio dos Santos-Ra do Marques
de Oiinda n. 5 e ra Primeiro de Margo
n. 3.
Frritas
Cosinheiro
Procisa-se de um cosinheiro : no Institu
Acadmico, ra do Visconde de Goyanua, Mon-
dego, n. 153,_________________________________
Menina
Urna familia estrangeira precisa, para cuidar
de urna criaacinha de peito, de urna menina da
11 14 annos, a qual ser considerada como a
familia, dando-se um bom ordenado : intorma-
ces na ra nova de Santa Rita n. 55, sobrado.
Por 15#00
Aluga-se a loja do sobrado roa de Lomas Va-
lentinas n. 0 : a tratar na ra Primeiro de Mar-
co p. 7 A, livraria Parisiense.
Vende-se
na povoacao de Paratibe, junto a capaila de N. 8.
garantidos da 2o2. parte das loteras a n _*__,_ b^ propriedade, bastantes trras
oeaeficio da Santa Casa de Misericordia do ^^ de iav0Ura, muitas arvores de fructo, con
R:fi, IRA \ n an n.trahir auinla-feira ..UlOns de coaueiros e alguns ja botando,
Recife, (64.*), que se extrahir quinta-feira
22 do corrente.
Precos
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Ea por cao de i 00*000
cinta par
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Joo Joaquim Costa da Leite.
300 ps de coqueiros e alguns ja
I duas casas grandes, quarto com
taverna, forno e mais pertencas
botando,
armacao para
para padaria,
D. -niaa C. Crrela da Ponaeca
Antonio Jos Alves da Fonseca, seus filhos Joa-
quim Alves da Fonseca, Suno Alves da Fonseca,
Candido Alves da Fonseca, suas esposas, seus
irmaos Joao E. Gomes e Carlota Vieira Bibeiro,
e igualmente sua cunbada, agradecem s pessoas
de sua amizade, que honraram com sua presenca
o acto do enterramento de sua mu presada espo-
sa, mi, sogra, irm e cunhada, D. Luisa C. Cor-
reia da Fonseca ; e pedem desculpa a a mellas,
que por ventura deixaram de ser convidadas para
o referido acto, devida esta falta tai sanente &
perturbHcao de espirito, que a dor produz em tao
consternadora occasio. como tenham de man-
dar suffragar a sua alma no set.mo da de seu
cassamenw, rogain de novo todos os seus ami-
gos e prenles ocaridosj obsequio de assrstirem
aleumas roissas que se deverSo celebrar s b
horas da manha do da 20 do corrente, na matriz
de Santi Antonio ; pelo que desde Ja se confes-
aam agradecidos.
OLEO
i
de FIGADOS FRESCOS I
-BACALHAU *\
Vontre, i uaa _.,,_.a-l rin Estado ti ano
pontomuito bom de negocio ; vende-se por preo
commodo, e ao pretendente se dir a rasio da
venda : a tratar na metma povoacao ou em Oiin-
da com o capitao Maaoel Alcantilado Torres.
rsTTT
4os4:000$000
BILHETEN tiARl*TIOOJ
t'raca da Independen-
cia ns. 37 e 39
Acham-se a venda os felizes bilhetes
o-arandos da 64a parte da lotera a beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir no dia 22 de Julho.
Precos
Bilhete inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 1000
eni porco de 1005000 para
cinta
Bilhete inteiro 30500
Meio I*
Quarto 75
Antonio Augusto dos San** Porto.
f
Dr. Francisco Alvea da Nilva
Manoel Gomes de Barros e Silva manda cele
brar urna missa na igreja matriz de Santo Anto-
III 1
8 8 hjraa dt manh de 20 do corrate,
snicaciiladc
Bronquitis. Prlsfles deVentre. _s^.^/'v'""_a7^.(_Bi'_o" Setado ti anees.
III ', u '" ------------------"---------------. Al
alma do s>u presado anigo, o Dr. Francisco Al-
ves da S Iva, ^ue falleceu a 20 do mez lindo. Aos
que comparecer- a este acto deearidade cnris-
t des leja se^infassa sgradeci-lo.
Clarinda Firmana de Soasa
Rnberto Prudencio de Souza, seu filho Antoaio
B. Prudencio de Souza, agradejem s pessoas
que se digaaram acompanhar sua ultima mora-
da os restos mortses de sua presada esposa e maj,
e de novo convidara aos amigos e parentes para
assistirem as roissas que por alma da finada SS-
rao celebradas na matriz de S. Jos, no da _U,
nelas 7 horas da mann^-
ILLI LL
MMMMMM
1
MUTHADO



t


Diario de PcrnanibncoDomingo 1S de Julho de 1886
)Y^vJk
.4
Extracto Composto
s*sS
P ^PICAL DAS
Escrfulas c todas as Molestias
provenientes deltas:epara
Dar Vigor ao Corpo
purificado sangue.
P-.ir.iii ,ilo Dt J.CMBHO imlll.il blh
Sa Magdalena
Alaga-se urna casa terrea com comraodos para
familia, tendo agua e gaz encanado, jardim e
sitio todo murado, sita travessa do Paysand :
a chave est na taverna do Sr. Braga, esquina da
ra do Hospital Portuguez.
Josphe Krausc &C,
roa Primeiro dcxWarpo
n. 6, precisan, de nm
bom eosinheiro ou co-
sinlieira.

PASTILHAS
De ANGELIM & KENTRUZ
as
as
s*
es
i
ce
es
-3
es
ar
i
S3
O Remedio mais efficaz e
Seguro que se tem descoberto ole
hoje fiara expel ir as Loirbrlgas.
R0QRIAY0L HIERES
mm w en!
Sem dieta escm modifi-
cares de eostumes
Laboratorio central, ra do Viconde do
Rio-Branco n. 14
Esquina da ra do Reqente .Rio de
Janeiro
Especficos preparados pelo pliar-
maceutico Eugenio Marques
de Uollada
Apprcvados pelas juntes de hygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Pariz.
Elixir de imbiribina
Restabelece os dyspepticos, facilita as diges-
toes e promove as ejeccoes difficies.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anemicos, debella a hjpoemia
intertropical, rtconstitue os hydropicos e benbe-
ricos.
Xarope de flor de arueira e mutamba
Muito recomondado na bronchite, na hemop-
tyse e as tosses agudas ou chronicas.
Oleo de testudus ferruginoso e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraqueza do orga
nismo, na fysica.
Pilulas ante peridicas, preparadas com a
pererina, quina e jaborandy
Cara radicalmente as febres intermitientes, re-
mitientes e perniciosas,
Vinho 'le jurubeba simples e tambera for-
ruginos', preparados em vinho de caj
Efficazi's as inflammaces do figado e baco
agudas ou chronicas.
Vinho tnico de capilaria e quina
Applicado na convalescenea das parturientes
urtico antefebril.
Deposito : Francisco Manoel da Silva & C.
Francisco Manoel da Silva & .
23-RUA MRQUEZ DE OLINDA-23
Joaquina Emilia de Olvelra
Nliva
Francisco Antonio de Oliveira e Silva, ua mu-
Jher e filhos convidam aos seus prente e amigo,
para asistiri:in a missa, que por alma de sua pre-
sada mi. sogia e av, Joiquiua Emilia de Oli-
veira e Silva, mandam celebrar na i(rreja de San-
ta Bita de Cassiii, segunda- teira 19 do corrente
pelas 8 huras da maiirm, 1* anniversaiio do sen
passamento ; e pi r este acto de caridade anteci-
pam os sens agranros.
?-'*
O bacharel Aut-uio Venancio Cavalcante de
Albuquerqne mnda celebrar missas por alma de
sen muito presado pai, e capito Vicente Elias
Cavalcante de Albuqu-rqne, no dia 20 de Julho,
primeiro anniviranno de sen fallecimento, na
matrizes, de Santo Antonio a 8 hora da roanha,
e de Oamelleira s dia ; para cujo acto movida geus prente e ami-
gos, e a todos se confuMando profundameute re-
anacido.
Aviso
Preciaa-se de urna profeesora que saiba tocar
sem piano e mais traba Ihos de senhora, para en-
iho : a tratar com o BarSo de Nazareth, roa
Imperador n. 79, 1 andar.
Para eriado
Precisa-se de um menino de 12 14 annos : no
escriptorio deste Diario se dir quera precisa.
PIMO de rica
de 3X9 4X9 e 3X12 ; vende-se na serrara a
vapor de Climaco da Silva, cees 22 de Novembro
numero 6.______________________________________
CafdcTJaguaribe e S.
Bento
O abaixo assignado, proprietario do engenho
Jaguaribe, sendo o nico a qneimar a verdadeira
cal branca de Jaguaribe e S. Bento, declara que
o nico encarregado a vender dita cal na cidade
do Recite e em toda esta provincia, o Sr. Vi-
cente Ferreira de Albuqaerque Nascimento com
armazena de materiaes na praca da Concordia ns.
11, 13 e 15 ; devendo ser falsa toda e qualquer
cal comprada n'ontra parte. Engenho Jaguaribe,
14 de Julho de 1886.
Jos da Costa Pereira.
Serrara a vapor
Caes do CapSbarlbe n. SS
N'esta serrara encontraro os senhores fregue-
ses, um grande sortimento de picho de resina de
cinco a des metros de comprimento e de 0,08 a
0,24 de esquadros Garante-Be preco mais como-
do do que em entra qualquer parte.
Francisco dar Santos Macedo.
Pactos e nao palavras
Ao$\que se desejam tratar sem comprometter a
saude com preparados mineralgicos.
Nesta typographia e na ra Direita n. 43, 1.
andar vende-se tinturas homeopathicas para ino-
fensiva cura das seguintes molestias : asthmatico,
ainda mesmo bronchitico; eiysijM!, cnxaquecas;
intermitentes (sem o emprego do fatal quinino);
tosse convulsa, falta de menstruaco ; cmaras de
sangue : esfricos ou metrite ; dores de dentes ou
nevralgias, metrorragia ; vermfugos, dentico e
convulsoes das criancas ; tudo manipulado de her-
vas do paiz.
Assim como tratam-se escrofulosos em qualquer
grao e gommatosos. -______________ .
MMM smsC|
Fazendas brancas

mBm
SO' AO NUMERO
ra da Imperatrlz
6|5(X
12/000
800
1*800
500
1*000
800
1*2
8J80C
1J80)
400
200
ti
PEPTQM
Sob Mraa *l *INHO d KSF ."OKA
preparado por DeJresas de Faris, tuu
medicamento que muio cjn'rihue cara faci-
litar a? fu neceas 1o 2 sto maga, e regalar isa a,
digestfo, uoice n eie Ja .Vwwr > estric <
do doenta.
Spinurae a exportaos felfas peloe
7 mais afamados m-dicos ie Pai e -jutrot^
IjAizesdemcnstrara aeffiaciad'>VlBHO!
DE PEPTONA DEFRESN"; na iic-
" iiidade em que estados de reprodnsir
as saas cartas, Iim seiciar ju a carta dri^Ha m Sur Defrsar.
Tpar au laopiativo, cujo uema o a lama efe
feera coahecidos pelo mundo matisal.
Diz o P oi2t ao Sftr Defrssaa:
iU, a 29 ie Marco da 188,
( Teno e |tosto de lhe rurifasttr a aa-
Ittstatso crac Uve com oa Ff tona, palta
bsns resultados oae com ella alcaneei aos
caos gravea em ente a teab en pregad*.
Senapre quando uve de trata, r nm sst> ]
mago cansad, doente ou com \yka difsc*
.ties a aoa preparacic allivioa o
dae.itt.^tathoraiide-lhe as fanecoss digest-'
vas, aaltas rs"lheres idosas, oatrss
amercM t meninos rachitcos MTCB a
ssnd* a da Pepton. Por issw iqs
considere coa s um vsrdadeiro dever o W'X
I commendal-o > os masa doentes n"vo graada
a nnntero de cas:;
I Trthoprat;edt>coonmsdicoratieod-
parioaa do qoe hoje; anteo a* constitiicoss
aram mais vigorosas, sswgnrn, <
dotadas 4'um.robasto >, dv _
par urna gruida abundac da sardas gaa*
aSoss \-u provooava a prompta transforma*
fio dos afeosentos mais refractarios.
Hoja, porm. ji que os estmagos dsaJH-.
Udos carecem de eneris, 4 oonvenieata
>Uncsr mi de todas ar laestands ja U-
cilitam a digestao, como, *)r szasspls,
sna Paacretina.
O preceitu de b;|iM mais importada,!
porem mais desprezads i este : Gestar,
mu Jo rafa reparar thuW. a? sota as-
grado da saude, e durante muita temor
mew est.rfs tiverira este assrunpto par
prncipe, objecto; lm d'isso, l Tunha
toTpio de medico na RepaHicio de Benefl-^
cenca agesta cidade, em que os .tscTofulosoa}
e rfmpbiucos abandam fora de voedida rae i
permittem fuer muitss felites ;pplieac6ea^
de eus eicel lentes productos, s '
Acha-st, o deposito de to vaKoao med-'
camato na* Pharmacia e D.-ogarits d'esssj
cidde. E' fttrcto eufdsr ero recoi*ecel-j
e mVs leeitar as ireitacoes. 2xigin aaia*M-dadsirnVTJiHO DBF
rioinf'
VENDAS
Vende-se 25 predios (sobrados, casas terreas e
sitios) as rreguezias do Becife, Santo Antonio,
S. Jos e Graca, tratar na ra do Imperador
n. 75.
Vende-se
da Imperatrlz = 4o
'a dbs barataros
Alheiro & C, m#da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todas estis fandnt
abaizo mencionadas, sen competencia de preco,
A SABER:
AlgodSoPecas de lgodaoainho com 20
jardas, pelo- barato preco de 3d"800,
4f, 44500, Uj-b, bg, 5J500 e
MadapoloPeca de madapolao com 24
jardas a 44500, 54, 64 at
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de
Ditas brancta e cruas, de 14 at
Creguella franceza, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhaa e
ceroulas, vara 400 rs. e
Ceroulas da mesma, muito bem fetas,
a 14200 o
Colletinhos la mesma
Bramante fraocee de algodao. muito en-
corpado, com 10 palmos oc largura,
metro
Dito de linho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 24500e
Atoalhado adamascado para toalha de
mesa, com 9 palmos de largura, metro
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
droes delicados, d 240 rs. at
Baptsta, o que ha de mais delicado no
mercado, rs.
Todas estas fazenda baratrseimas, na conhecida
loja de Alheiro & C, esquina do becco
dos Fvrreiros
Algodao entestado pa-
ra lene oes
A OOo rs. e 1SOOO o metro
Vende-se na loja dos barateros da Boa-Vista
i^odao para lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de larguras 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o metro, assim conw dito trancado para
malhaa do mesa, com 9 palmos de largura a 14200
i" ctro. Isto na leja de Alheiro ce C, esquina
do ceco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 14200,14400,14600, 1*800 e 24 o covado
A heiro <$ C, i ra da Imperatriz n. 40, ven
dem muito bons merinos pretos pelo preco acinu
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co di 8 Ferreiros. _
spartUhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhora*, pelo preco
de 54000, assim como um sortimento de rounas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
do becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 24800 e 3* o covado
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um eleganto sortimento de casemiras male-
zas, de duas Lrguras, com o- padroes mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato prece
de 248OO e 35 o covado ; assim como se encarre-
gam d mandar fazer eostumes de casemira a
30, sendo de paletot sacco, e 354 de fraque,
grande pechincha : na loja dos barateros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateros da Boa-Vista vendem urna grande
porcao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 321
rs. o covado, grande pechincha.; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordados a IOO rn. a peca
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bordado, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em cartao com 50 pecas, sorti-
das, porSf, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.___________
Ta manco*
Vende-se tamancos de Peneao, em porcoe a
retalho : na ra da Roda n. 11.
Carteira
Vende-se barato urna carteira contendo na peca
de baixo dona armarinhos e tres gavetas, a na
peca de cima 17 compartimentos que se fec^am
com orna s chave ; a vor o trsUr no latg-- d- 3.
Pedro n. 4, loja.___________________________^ *_
WHISKY
ROYAL BLEND marca V1ADO
Este excellente Whisky Escessc preferivt
ao cognac ou aguarden.* de canna, para fortifica
o corpo.
Vende-se a retalho no tu Iheres armazens
nolhados.
Pede ROY AL BLEND marca VTADO cujo ne-
me e emblema sao registrados para todo o Brasa
BROWNS t C, agentes
GRANDE
um predio na freguezia da rioa- Vista, com terre-
no ao ludo, com bastan es fundos ; e na mesma
freguezia um estabelecimenro de molhados com
pouco capital, serve para qualquer principiante :
para intorioacoes, na paesagem da Magdalena,
ra do Bemfica n. 31-A.
Jaboato
Vende se a padaria e o estabelecimento de mo-
lhados, bem afreguezados, e promttendo ainda
maior negocio fazer com a ida daa oficinas da
estrada de ferro de Caruar, prximo mesma
estacao, fica situado os estabelecimento cima,
arrendando se as casas pi-ssoa que pretender :
a tratar em Jaboato. enfronte ao botel Globo.
et
Vende Candido Thiago da Costa Mello em seu
de; osito ra Imperial a. 322, ciara. Telephone
numero 2.1.
Cofre
Vende-sc um na ra do Amorim n. 66 do autor
Mueres.
Pinlio de Riga
3x e /, 19
Vendem Fonseca Irmioe & C, a preco mdico
M
d
Vende-te urna
alfaiate : na ra
em om
da Paz n
Cafado,
24
propria para
VAPOR
e moaifl.-
Vende-se um b>ni vapor c m nda com pouco
usu ; a ver no eng'-nho Tim!x5 asan, muito perto
da estaco oo mermo 11. me ; a ira ar na ra da
Imperador n. 48, Io an'lar.
itom n^ocio
Vende se fabrica de malas, b'hus e violas, 4
ra do Imperador 11 77, propria pira principiante
por ter pouco fundos, garante a chave. Assim
como urna arinacAo propria para qualquer ne-
gocio.
Expsito central roa larga do
Rosario 1U8
Damiio Lima & O, cnamam a attencao das
Exmas. familias para os precos seguintes :
Carreteis de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo a 24500 e 34000.
Fita n. 80 para faxa a 24500.
Leqves regatas e D. Joannita a 14000.
Frascos e extractos de Lnbin, grandes, a 24000.
ieques D. Lucinda Colho a 64000.
Toalhae felpudas a 500 600, e 14"00.
Duzia de meias para li mnn a 3000.
Ditas para senhor88 a 34000.
Luvas de seda a 24000.
Meias de fio de seda para menina a 14000.
Colarinbos de linho a 600 rs.
Ditos de algooao a 320 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de'cordo para vestido a 20 rs.
Iavisiv- is grandes a 320 rs.
rampos nvisiveis a 60 rs.
Um leque de etim (novidade) a 6J500.
Ricas bolcnhas de madreperola de 14500 64*
L5 para bordar 24800.
Urna capella e veo de 154000, por 124000.
Um espelho de moliura por 54500.
Urna puleeira de fita per 14200.
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna boneca grande de cera por 24500 e 34000.
NA EXPOSigO CENTRAL
58Roa Larga do Rosario38
Florida
Loja de miudezas
Ra do Duque de Callas n- f 93
Os proprietarius deste grande estabelecimento
de miudezas, modas e para acoommodar os interes-
ses da poca, tem resolvido venderem por menos
vinte por cesto que em outra qualquer parte.
Pentes elctricos 6>-0 rs.
Luvas de pellica a 24600 o par.
Linha de carritel branca e de cores a 80 ifc*
Grampos a 20 rs. o masso.
nvisiveis a 320 rs.
Vestuario de fustao bordado para enanca a
34000.
Pentes de regaco para enanca a 100 rs. um.
Baleias a 36 i rs. a duzia.
Haspas para anquinbas a 120 rs. o metro.
Bico com tres dedos de largura a 14500 e 14800
a pi-ca.
Linha de cores para crochet a 250 rs. o no-
vello
Papel iimizade a 40 rs. o caderno.
Fita chmeza a 320 rs. o masso.
Lencos de linho a 14500 a duzia
Lindo bico de cores com .10 Jarda a 44 e 54
a pt-c*.
Urna caixa cem tres sabonctes desenliando urna
A Hevolu^o
ra Duque de Casias, resolveua vender
os seguintes artigos com 25 0[q de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Sedas lavradas de 24000 por 14000 o covado.
Cachemiras de cores a 14200 o covado.
Ditas pretas a Ipm, 14200, 14400, 14600
14800 e 24000 o covado.
Dita broch, de 1 e seda, lindos tecidos, 14500
o covado.
Gorgorinas de listrinhas a 360 rs. o covado.
Setin a 800 e 14200 rs. o covado.
Dito preto a 14000 e 24200 o covado.
Graze com boliBhaa de velludo a 800 rs. o co-
vado.
La com bolinhas a 640 rs. o covado.
Velludilho liso e Iavrado a 14000 e 14200 o co-
vado.
Fusto branco a 440, 500, 560, 600 e 800 rs. o
aovado.
Giosdenaples pretos a 14800, 24000, 4500 e
25800 o covado.
nsoc de cor a 300 rs. o covado.
Cretones finas a 360, 400 e 440 r. o covado.
Cambraia de quadros a 14500 a peca.
Dita transparente de 45000 por 24000 e 24500
a peca.
Linos branco a 500 rs. o covado.
Fach de retroz a 14000 um.
dem de 13, de 14000 at 64000.
dem de pelussia a 54000 e 65500.
dem de pelussia bordados a 75000.
Cretones para chambre a 320 e 360 rs. o co-
vado.
Cambraia com salpicos a 6 rs. a peca.
Chapeos de sol de cores para aenhoras a 7S500
nm.
Brim de linho de cor a 15200 o metro.
Linhos escossees a 240 rs. o covado.
Zepbiros listrados a 200 rs. o covado.
Tapetes para janella, piano e cama a 45000,
65000 e 75000 um.
Ditos avelludados para sof a 245000 um.
Fustao de cor a 500 rs. o covado.
Setinetas lavradaa a 500 rs. o covado.
Flanella branca a 400 rs. o covado.
Setinetas com desenhos lindos a 440 rs. o co-
vado.
Cortes da casemira a 35000, 35500, 550C0 c
75000.
Casemira de cor e preta a 15800 rs. covado.
Timoes bordados a 45000 um.
Brim pardo lona a 360 e 500 rs. o covado.
Camisas de meia a 800, 14000 e 15200 urna.
Algodo com duas larguras a 800 rs. o me-
tro.
Esguio amarello para vestidos a 500 rs. o co-
vado.
Espartilhos couraca de 45000 a 84000 um.
Para a Exmas. nolwas
Setins maco a 15i00 e 25000 o covado.
Popelinas a 600 rs. o dito.
Alpaca a 400 e 440 rs. o dito.
Setinetas lisas e lavradas a 500 e 560 rs. o dito.
Cortinados borcUdos a 75000, 95000 e 155000 o
par.
Capellas e veos finos a 105 e 145
Colchas bordadas a 55000, 75000, e 85000
urna.
Cabriolet
Vende-se um era perfeito estado e por preco
eommodo; tratar na ra D'nue'3 Caxias n. 47
32=
Camisas nacionaes
l asoo. 3*000 > 35500
- Loja ra da Imperatriz = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortimeuto de camisas brancas, tanto de aber-
turas e pjnhos de linho como de algodo, pelos
baratos precos de 25500, 35 e 45, sendo fazenda
muito melhor do que as que veem do estrangeiro e
muito mais bem feitas, por serem cortadas por
um bom artista, especialmente camiseiro, tambem
se manda fazer por encommendas, a v intade dos
fregueses : na nova loja da ra da Imperatriz n.
8 i, de Ferreira da Silva.
Ao32
3i
Nova ioja de fazendas
%Z Ra da Imperatriz =
DE
FERREIRA DA SILVA
Neste novo estabelecimento encontrar o re-
pjitavtl publico cm variado sortimento de fazen-
das de todas as qualidades, que se vendem por
precos baratissimos, assim como um bom sorti-
mento de roupas para hotnens, e tambem se man
da tazer por encommendas, p r ter um bom mes-
tre alfaiate e completo sortimento de pannos finos,
casemiras e brins, etc.
8
s*-
750
10500
1240a
125001
55501
6550)
840O
3400(
14601
14001
rosa por 500 rs.
Meias de la de.
par.
cores Dar senhora a 15500 o
Boa da Imperairli-3*
Loja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se as roepas aba)
10 mencionadas, que sao ba~ > .1 as.
Palitots pretos de i""-- aiagonaes e
acolchoados, senuo tazendas muito en-
corpadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de cordao muito,
bem feitos e forrados
Ditos de dita, fazenda muito melhor
Ditos de flanella asul sendo ingleza ver-
dadeira, e forrados
Calcas de gorgorao preto, acolchoado,
sendo fazenda muito encorpada
Ditos de casemia de cores, sendo muito
bem f.'itas
Dita de flanella ingleza verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 24, 24500 e
Ceroulas de greguellas para homens,
sendo muito bem feitas a 14200 e
Colletinho de greguella muito bem feitos
Assim como um bom sortimento de lencos dt
linho e de algodo, meias cruas c collarinhos, etc
Isto na loja oa *ua da Imperatriz n. 3i
R i sea dos largos
a loo rs. o covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vendem s
riscadinhos preprios para roupas de meninos 1
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covado
tendo quasi largura de chita francesa, e ssii
como chitas brancas miudinhas, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincha
loja do Pereira da Silva.
FuNiSen. setinetas e lfislnhas a SO
rs o covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 82, vende-
um grande sortimento de fustoes brancos a 60t
rs. o covado, lzinhas lavradas de furta-cores
fi-zenda bonita para vestidos a 500 rs. o covado
e setinetas lisas muito largas, tendo. de todas ai
core, a 500 rs. > covado. pechincha : na loj
do Pereira da Silva.
Merinos pretos a l*
Vende-se merinos pretos de duas larguras pan
vestidos c roupas para meninos a 14200 e 1560!
o oovado, e aunenor setim preto para enfeites t
I45OO, arsim como chitas pretas, tanto lisas eonu
de lavoures brancos, de 240 at 320 rs.; na nov
leja de Pereira da Silva ra da Imperatriz nu-
mero 32.
Algodoslnbo francs para lence*
a VOOrs.. 141 e ioo
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-
superiores algodozinhos francezea com 8. 9 e 1'
palmos de largura, proprios para lencoes de ua
s panno pelo barato preco de 900 rs. e 14000 1
metro, e dito trancado pa a toalhas a 14280, w
sim como superior bramante de quatro largura*
para lencoes, a 14500 o metro, barato ; na loj
do Pereira da Silva. *..
Roopa para nieninis
A I. 4*600 e *.
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 32,
vende um variado sortimento de vestuarios pro
prios para meninos, sendo de palisosinho e calo
nha curta, feitos de brim pardo, a 4400O, ditot
de molesquim a 44500 e ditos de gorgorao pretc
emitando casemira, a 64, sao muito baratos ; ni
loja do Pereira da Silva.
O PUBLICO
QUEIJO DO REINO
Marca Johannes Fluya
No intuido de
sustentar a fama adquirida por estes delicilos queijos, isto serem;
Os meihores e os mais baratos
CMAKLES PLUY'M
ilveramfretalbar 03 queijos fi
2&600
Resolveramfretalhar os queijos frescos da ultima remessa a
&ft
24
s vfl
RA DO COMMERCIO24
_______ (RECIPE)
Grande e bem montada odicina de alfaiate
DE
PEDROZA & C.
N. 41Ra do Baro da VictoriaN. 41
Neste bem conhecido estabelecimento, se encontrar um lindo variado sor-
timento de pannos, casemiras, brins, camisas, punhos, collarinhos, meias, gravata*.
tudo importado das meihores fabricas de Paris, Londres e Allemanha; e para berr
servirem aos sous amigos e freguezes, os proprietarios deste grande estabelecimento
jm na direcjSo dos trabalhos da officina habis artistas, e que no curto espaco de 24
horas, preparam um terd'j roupa de qualquer fazenda.
Ra do Raro da Victoria n. 41
(PRESOS SEM COMPETENCIA)
Aos 1.000.000S000
200:0001000
100:000^000
LOTERA
DE 3 SORTEIOS
Em fav< r dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
BxtraccSo: no 15 fieteiro de 1886.
0 thesoureiro, Francisco (onya 1 ves Torre
O portador de dous vigsimos desta
importante lotera do custo de 2$200 est
habilitado a tirar
2o:oi2$ooo
Prego em porcao
vigsimo.
vijccsimo.
A' RETLHO
Wooo
I6100
A RODA DA FORTUNA
36Ra Larga do Rosario36
Taverna
Vende-se nma ta#rna em bom ponto : para
ver e tratar, na ra"Vidal de Negreiros n. 2.
LOTERA
DAS
ALAGOAS
COBRE NO DIA 20 DE JULHO
iTRAKlIVEL! IETfiiNSFERIEL! #
O portador quepossuir um.
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar.......
10:006f>000.
Os bilhetes acham-se a ven-
da na.Casa Feliz, praca di In-
dependencia ns.
Corre no dia 20 de Julho
1886, sem alta.
37e39.
Tasan

Isslftlfl


_ !
8
Diario de PcrtiambneuDomingo iS de Julho de 1886
*



ASSEMBLEA GEftAL
ABARA DEPUTADOS
SESSaOEM 6 DEJULHODE1886
PRESIDENCIA DO SB. ANDRADE FIGUEKA
[ContnuacSo)
O Sr. RatlsIOB tambem estranha'
como o seu colle^^ue aoaboa de sentar-
se, a tendencia, reformista que nestes lti-
mos tenipos tem rey.lado o Sr. Andrajo
Figaeira. ,
O orador confeasa que tem muito medo
de reformas porqua a experiencia me tem
mostrado que neste paiz a mior parte- das
vezes as reformas nao melhoram cousa al
gama. v j"
Nao quer dzer com isto que a emendas
propostas ao regiment nao melhorem o
actual estado dos trabalhos legislativos;
mas desde que a mesa pretende trazer csse
melhoramento, para que a reforma seja
completa seria bem escoimar das discus-
ses tonta poltica, que nao serve senao
de embaragar o andamento das questSes
sujeitas apreciacSo da cmara.
Assim, Dor exemplo, lombr^ria a conve-
niencia de* arredar a discussao poltica dos
projectos de forcas de de trra e mar, por
consideral-a escusada era semelhantes as-
Como, poro, a proposta pura o exerc-
cio de 18871888 calcula a despesa em
10,855:079,5594, ou menos 481:997*909
do que a proposta para o exercicio de 1888
1887 e 57:818*684 do que a votada
para o exercicio de 18841885, entendeu
a commissao dever tomal-a para base do
seu exaaie.
Comparando-se a despeza proposta para
o exercicio de 1887 1888 com a votada
para o de 8841885, nota-so que foi eli-
minada daquclla verba paraNavios des-
armadosna importancia de 11:783*800,
havendo alguraas verbas que nao soffre
ram alt^rago e outras que forara augmen-
tadas eu diminuidas.
sumptos.
Quanto disposigao definindo o que seja
diploma acha-a intil, pois que tal definigao
j se acha na lei e passou na cmara de
um modo claro que diploma considera-se
aquella que esOver asBgnado pelo juiz de
dircito e pelo menos por quatro presiden-
tes de mesas parochiaes.
Limita se a estos consideracSes, decla-
rando que nao pretenda fallar sobre o as-
sumpto, e se usou da palavra foi apenas
para applaudr o Sr. presidente da cma-
ra por esta reforma.
O Sr. Caadido de Ollvelra nao
sympathias com reformas regimenteos, prin-
cipalmente desde que ellas partam de ad-
versarios en grande maioria na cmara,
porque quasi senipro taes reformas vera
restringir e coartar os direitos da opposi-
S*to.
Entretanto, as emendas em discussao
nao ve que sejam atacados esses direitos ;
mas deve declarar que nao se enunciara
contra a reforma se nao visse nella con
signada urna medida que vai ferir o presti-
gio e a dign1 ..de da cmara. Essa medi-
da a que se refere ao escrutinio secreto
na votacao de assumptos individuaos, corao
pensoes, aposentadorias e lie angas.
Esto disposiao attenta contra a dignida-
de dos deputodos, cada um dos qaes deve
assnmir francamente a responsabilidade do
seu voto em questSes desta especie, e nao
dl-o as occultas, porque desta modo pode
elle ficar sujeito a apreciagoes injustas de
espiritos perversos.
Se no intuito de burlar o einponho que
quer adoptar esto provincia, ella era nada
remedeia o mal, porque o deputado pode
prestar-se concessao do favor dando o
aeu voto reservadamente e sem responsa-
bilidade alguraa.
lato que o orador entende sr urna hu-
milhagao para o systcrna parlamentar, e
por isso espera que a emenda nao seja
adoptada.
A medida que manda dissolver as com-
missSes que no prazo de 30 dias nSo de-
rem parecer sobre as materias^ que lho fo
rem sujeitas merece o seu apoio. Applau-
de-a de coraglo, pois receia muito das de-
masas era que incorrem as commissoes, e
principalmente as de inquerito, demasas de
que esto anno deram ellas frisante exem-
plo com a protclacao indefinida e inqualifi
cavel de pareceres-
Esto discussao fica adiada pela hora.
ORNAMENTO DA MABINHA
Entra em 2* discussao o seguate pare-
cer da commissSo de orgamento sobre a
despeza do ministerio da marinha no exer-
cio de 1886 187.
A proposta do governo para o exercicio
de 1886 1887 ixa as deepezas do minis-
terio da marinha em 11,337:077(5500. A
despeza votada no orgamento da 1884 -
1884, em vigor no crrante exercicio,
de 11,112:898*275.
Notase, pois, que aquella proposta ex-
cede a este em 224:199*225.
NOTAS EXPLICATIVAS DAS DIFFERENCAS
| 1. Secretario de estado. A differen-
ga para mais de 2* provm de se dar mais
um dia de vencimento aos dous correios,
que se uonsideram em effectivo servigo, por
ser anno bissexto.
4. Cen8elho Supremo Militar. Pro-
ceda a differenga para mais de 20*, de se
haver pedido mais um dia de etapa, pela
mesma razao supra.
6. Intendencia. A differenga para
menos de 8:445*300, provm de se haver
reduzido a 40 o nu raero de serventes e de
nao se ter co aprehendido o pessoal das
lanchas, rebocador, etc. ao servigo da In-
tendencia, por desneeessario, nao obstante
ter se dado mais um dia de vencimento aos
patries e remadores dos escaleras, por ser
o anno bissexto. A diff renga para menos
de 1*200 no material, provm de se haver
pedido menor quantia para o expodiento da
secretar" da Intendencia e de nao se dis-
tribuir importancia alguraa para o expe-
diente dos almoxarifados das provincias,
por estar comprehendido as quotas dadas
nos arsenaes. A somma necessaria para o
pagamento do porte da correspondencia, na
forma do art. 10 da le n. 3,229 de 3 de
Setembro de 1884, foi deduzida da votada
para o expediente no exercicio de 1884
1885.
| 8. Corpo da armada e classes anne-
xas.Por ter sido, nos exercicios de 1883
-1884 e 1884 1885, insuficiente o cr-
dito votado para as despezas desta verba,
apparece a differenga para mais da quantia
de 19-784*, attendida nesta para menos a
de 216*, relativa ao vencimento de um ofi-
cial de apito, que nao existe.
2. Batalho naval.Apesar de se ha-
ver pedido nesta tabella para mais a quan-
tia de 10:000*, para occorrer despeza
com as gratifieag5e3, na razao de metade
de sold, as pragas voluntarias e de se ter
dado a todas as pragas de pret mais um
dia de sold, por ser anno bissexto, appa-
rece s a differenga para de 8:873*764 da
somma votada para o exercicio de 1884
1885, era consequencia da reduegao do nu-
mero de inferiores, visto terse pedido para
seis companhias do 100 pragas cada urna,
do acardo com o aviso da 23 de Abril de
1884.
10." Corpo de iraperiaes marinheiros.
De aecrio cora a lei n 3.230 de 1884,
do art. 5.. autorison a re-
580*, provm de pedirse, pela mesma ra
zSo, maior importancia para fardatnento,
nao obstante deixar se de pedir consigna-
gao para luzes de quartel.
12. Arsenaes.Pessoal. Sendo suffi-
ciente a quantia votada para as despesas
desta verba, embora accrescida das que ao
faziam por conta do seu total cora as ofi-
cinas de torpedos e outras, agora comprc-
hendidas na tabella, se elevou a porcenta-
gem que se deduzia para faltas e vagas,
de 5 a 10 /0, notando-se ainda a diffe-
renga para menos de 341*800; de pe-
quenas alteragSes feitas.
Material.Para a comparagao da quan-
tia orgada cora a votada se deduzia a de
35:000*, destinada para fira especial pela
lei n. 3,230 de 3 Setembro de' 1884, do
que resulta a differenga para menos de
1:200*, que procede de s se ter pedido a
somma precisa para o fardamento dos re-
madores da galeota e da raduego do ex-
pediente na corta.
13. Capitanas de portos.Pessoal.
Apesar de se haver comprehendido, nos
termos do aviso de 28 de Julho de 1883,
os foguistas para as lanchas das diversas
capitanas e do accrescmo de um da de
vencimento, por ser anno biisexto, ainda
assim apparece m differenga para menos de
13:679*800, que piocede nao s das re-
duegoes que soffrou esto tabella no pessoal
("da corte, Santa Catbanna e Sergipe, como
do abatimento que se faz, attendendo aos
saldos anteriores.
Material Na quaosia votada nota-se *
differenca para menos de 2:000*, que pas
sou pura o 10. Assim, comparada cora
a quantia orgada, apparece a differenga
para menos de 30*, que provm de se ha-
ver pedido manor quantia para o expedien-
te das eapitanias das provincias.
| 14. Forga noval.-* Apesarde se haver
comprehendido nesta tabella as guarnigoes
do encouragado Aju'daban e da canhoneira
Maraj, orga-_se a despesa na quantia de
1:3000, por" se haver reconhecido saldos
em exercicios anteriores e pragas effectiva-
mente embarcados e tombem por ser pro*
vavel o estada completo das companhias de
foguistas.
15 Hospitaes.- -Nao obstante ter se,'
nos termos do aviso de 26 de Julho de
1882, comprehendido nesta tabella dous lu-
gares de 3 os cirurgioes do hospital da ma-
rinha da corte; dotar-se ns enfermaras das
escolas de apprendizes maruheiros da Ma-
ranhSo, Cear, Parahyba, Piauhy, Paran
e Rio Grande do Sul. com a praca de en-
cade do augmento da 5. parte do orde-
nado que passaram a recebar um lente, um
professor de desenlio e o de ingle da es-
cola do marinha; de se haver cosj^jehen
dido o pessoal da lancha ao sersigo da
mesma escola e da substituigo do segundo
enierraeiro do collegio naval por uro pri-
meiro.
Material. A differenga para mais, de
13:422*, provm de se haver consignado
a quantia precisa para o seguro dos volu-
mes da bibliotheca da marinha e de se ter
incluido a somma do 12:372* para a com-
pra de instrumentos para o gabineto de
chimici e physica da escola de marinha.
(Aviso de 5 de Dezembro de 1885.)
18." Reformados.A differenga para
menos, de 20:595*990, procede do maior
numero de officiaes fallecidos, nao obstan-
te a reforma de outros.
19. Obras.Mas 50:000*, por ser
insuficiente o crdito votado.
| 20. Hydrographia.O augmento de
2:300* destina-se a impresses para se ly
thographarem as cartas e plantas impor-
tantes.
21. Etapas.A iffaronca provm de
baverem fallecido tres officiaes que perce
biam a etapa.
| 23. Munigoes de boca.Pede-se me-
nos 76:053*500, em. vista dos saldos dos-
moostrados em exercicios anteriores.
26. OombustvelPede-se para me-
nos 50:000*, era consequencia do menor
prego do carvSo de pedra adquirido por
fusta effectuado cora & estrada de ferro
D. Pedro II para o fornecimento.
| 27. Fretes, etj. Pede-se para me-
nos 20:000* por parecer suficiente a eon-
sfgnago proposta.
Conselho supremo militarA proposta
pede menos 20* do que a do exercicio do
1887-1888. O augmento provom de se dar
mais um dia de etapa, pela circumstancia
especial de ser bissexto o anno de 1888.
Deve ser mantida a proposta.
Intendencia -oDave ser conservado o cro-
4ito da proposta, porque a diffurenga de
430*700 que se v na de 1087-18S8, pro-
vm do se haver computado mais um da
ao vencimento do pessoal e dado a quantia
de 400* para porte de correspondencia,
sendo para esta fira suficiente a verba do
expediente.
Corpo da armada o classes annexasA
proposta pede menos 19:800* do que a de
1.887-1888. Tendo-se, porra verificado a
iosufficiencia da dotago em exercicios an-
teriores, parece commissao que deve ser
A saber:
Io Secretaria de <^kdo
Diminua-se 26D*00O, e,
em vez de 111:590*000
diga-se
2o Conselho naval:
(Como na proposta)
3o Quartel general:
Diminuua-se 500*000 e,
em vea de 33:080*000,
dgase
4o Conselho supremo mili-
tar :
(Como na proposta)
5o Contad oria
Diminua-so 500*000, e,
em vez de 114:505*000,
diga-se
6o Intendencia e accesso-
111:390*000
24:300*000
32:580*000
12:100*000
114:005*000
*f
89:005*500
4:910*000
948:660*000
141*058*460
934:101*000
16:382*180
FOLKETM
UGOLO
PR
un n mnm
(COINTlNUAgO DE ANGELA)
(Continuas.o do n. 189)
XIV
Quando a Sra. Angela voltar u hei
de c vir, proseguio elle.
Pois sim, senhor.
Caseneuve pagau as pastilhas de mel e
veio ter com o seu oamarada.
E entib? perguntou Flogny.
E entao, meu velbo, eis aqu o que
eu pens: ou o Sr. de Gevrey est met
tendo os ps pelas macs (o que seja dito
entre nos, aconteco bastantes vezes aos
Srs. iuizes formadores da culpa) ou a her-
vanaria 4 urna abelha niestra ; urna espar-
talhona de primeira forja, que esconde o
seu jego por modo a desnortear os mais as-
tutos deste mundo, comegando por nos...
Se tem cumphees, era capaz de apostar
vinte frausos contra cimoenta cntimos,
em como esse cumplid nunca poz os ps
na loja.
Entao que vamos fazer ?
PensemoB Segundo as informag5es
dadas no caminho de ferro de Paria e con-
firmadas pelo cutileiro de Marselha, o as-
sassino deve ser um homcm intoiramente
vulgar, um typo de baixa procedencia, n'u-
aa palavra, urna especie de vadio, pande-
an e faraute... um verdadeiro typo das
Casas Centraos... Quer tenha sido pago
para matar Jayme Bsrnier, quer tenha sim-

e qne, no 1 do art. 5., autorison
torma, sera augmento de despeza, das com-
panhias de apprendizes marinheiros, sn at-
tendeu,, para o calculo da deapeza a fazer
com a nova organisagao, ao que se despen-
da por conta desde | 10 e ao que se gas-
tava pela verba para -Hospitaes, do que
resultou menor ttespoz1*. nesta e maior n'a-
quella ; bavendo. entretanto, da compara-
c3o entre o que se despenda o a nova
despesa urna differenga a favor do Estado.
Havendo o crdito votado para a despesa
desto verba no exercicio d [8841885
deixado sobras, deduzio se da quantia or-
gada a de 54:0000, do que resultou pedir-
se para menos 36:862*700 para o pessoal
e material. Tendo a capitana do porto
da provincia do Maranhlo passado para
um proprio nacional o alugel da casa por
ella occupada conjuntamente com a escola
de apprendizes marinheiros n. 2., se dedu-
zio da quantia votada para as despesas do
13 Casitania do Portopara ser ad-
dicionada a doCorpo do Imperiaes Mari-
nheiros, sendo essa a razao porque se
nota na quantia destinada para o material
da verbaCorpo de Imperiaes marinheiros
o augmento de 2:000*000.
11. Companhia de invlidos. Pes
soal. A differenga para mais, de.....
7:025*712, procede do maior numero de
pragas tdmitt'das no asylo.
Material.A differenga para maia, de
fermeiro, que no tinham, e dar se mais [augmentada a verba naquella importancia
um dia de vencimento aos serventes, re- Companhia de invlidos Tendo-se aug-
uradores e cosinheiros, ainda assim, pela .mentado o numero de pragas mandadas ad-
ainda assim,
nova organisagao dada s companhias da
appreodizes marinheiros pelo decreto de
14 de Fevereiro de 1885, que extingui
diversas enfermaras, e por se ter suppr-
mido as t*as escolas da Baha, Pernambu-
co o Para, e por haver o aviso de 25 de
Dezembro de 1885 reduzido a seis o nu-
mero de Berventas do hospital da Babia,
apparece a differenga par menos de....
11:419*260, sem embargo do que, con-
tando-se com as iodemnisagSes pelo trata-
mento dos officiaes e pragas, se fez o aba-
timento de mais 15:000*000-
Material. A differensa para menos de
3:880*, provm da reduegao operada pelo
decreto citado, de 14 de Fevereiro, que
supprimio varias enfermaras, nSo obstante
darse maior quantia para lavagem de rou
pa do hospital da corte.
16. Phares. PessoalA differenga
para mais, de 7:300*, procede de haver-ael
incluido o pessoal para o pharolete da ilha
do Bora-Abrigo, provincia d S. Paulo
(aviso de 8 Janeiro da. 1886), a tripolaco
da baleeira ao servigo do pharol dos Abro-
lhos de Jer-se elevado t numero de pha-
roleiros em alguna outros, He accordo com
os avisos de 5 de Maio de 1884' e' .9 de
Dezembro de,f 885* n5o comprehendendo-
8e o lagar de directa do pharol do Cabo-
Frio e, ern" lugar de oito, quatro remadores
para o mesrao pharol, nos termos do Aviso
de 17 de Janeiro de 1884.
Material. Nao obstante incluirse a
quantia necessaria para o custeio e conser-
vac2o do pharolete do Calabouc>, appa-
receu a differenga para menos de 7:300*,
redu gao das quantias destinadas ao
custeio e conservag2q de diversos phares
e pharoletes.
17. Escola de marinba.A differen-
ga, no pessoal, para mais de 4:501*, pro-
para
o
plesmente roubado o dinheiro que o ex-ar-
mador trazia, possue ums quantia impor-
tante.
i Os patifes desse genero, sabs to bem
como eu, sao incapazes de conservar um
sold. As amarellinhas escoam-se-lhes por
entre os dedos, como se fossem agua.
Quando um crime os torna, por acaso, mo-
ipentaneamente ricos, levam urna vida re-
galada I.. E' urna patuscada do diabo I...
Nao verdade ?
r Se 1 apoiou Flogny.
Ora, continuou Caseneuve, quaes sao
os lugares de delicias, onde esta caga da
Nova Caledonia vai, de preferencia, fazer
os seus pagjdes e obsequiar os ssus cama-
radas !
Sem hesitar, Flogny replicou como um
collegial, quando d ligao :
O Gato Vermelho, em Batignollea ;
Pata de Lebre, em Vincennes ; a Adegui
nba, em La Chapelle ; a Lanterna Trico-
lor, em Montmartre ;' os Tres PorquinhoB,
boulevard de Tres Coaronnes ; a Bella Po-
laca, em Vaugirar; o Buraco que Canto,
era Oros Caillou... Parece-me que quasi
tudo
Esqueceste o melhor.
Ora adeus, qual?
O Estofado, ra de La Harpe... E'
um lugar muito chic, para estes senhores
de urna certa categora. De mais, proce-
damos por ordem.... Visitemos primeiro
o Grato Vermelho, visto que estomo perto.
E tomou com Flogny o caminho do Ga-
to Vermelho. v
No momento em que entraram, a porta,
o estobelecimento, qua j descreveraos, ot-
ferecia o aspecto de solido quasi com-
pleta.
Tinlia passado a hora do alraogo.
As horas dos apere ti vos, que precedam os
j autores, ainda nao tinham chegado.
O dono da casa dormitava por tras do
baldo.
A ruido da porta, que se abri e se fe-
chou, levantou a cabega, vio os dous agen-
tes que elle conhecia e levantou-se imme-
diatamente, para ir ao seu encostro.
inittir no asylo, razoavel aumentar-se o
cwdito da proposta com a quantia da...
2:122*712.
Escola de marinhaA proposta consigna
menos 12:372* do que a do exercicio de
1887-1888. A difterenga provm de ter-
inclutdo aquella somma para a compra de
instrumentos que carece o gabinete daphy
sloa e chimica da escola de marinha. Tra-
tando-se de necessilades do ensino, a
commissao de parecer que so consigna o
augraeuti na proposta.
Obras Tendo-se verificado a insuficien-
cia destenida a esto rubrica, a proposta
para o exorcio de 1887-1883 consigna o
augmento de 50:000* que deve ser aceito
a o exercicio de 1887-1888 consigna
aumento de 50*000 que deve ser aceito
o exercicio de 1886 1887.
apas A pequea differenga de 2*OQ0
especial ao exercicio de 1887-1888, pela-
razSo j dada, nS> de vendo por isso ser
attendida.
Parece, portante, commissSo que a
proposta para o exercicio de 1887*-1888
pode ser aceita para o de 1886 1887, com
as modificagSes provenientes da circum-
cia de n2o comorehender este exercicio an-
no bissexto eendo 118*244 na verbaBa-
talhaonaval,-532 ris naCompanhia d|
invlidos 37i*4O0 na verba -Arsenaes,
5*200 na verbaCapitanas de portos,
82*340 nadeHospitaes, e 2*000na
deReformados -' sendo de parecer quo
se adopte a seguinte :
RESOLU^AO
Art. O ministro e secretario de estado
dos negocios da mariuha autorisado a
despender no exercio de 1886-1887, com
os servigos designados as seguintes rubri-
bricas, a quantia de 10.854:023*925.
elle, aportando a mo de cada um e de-
pois em voz baixa accresceotou : Ha por
aqui alguma cousa que nao ande bem.
Vimos pedir-lhe urnas ihformacSes,
meu querido, dase Casenedve.
A's suas ordens... Que querem sa-
ber?"
Conhece, entra a 4jpnrad freguezia,
a quem sustenta e di de beber quotidiana-
mente, u.n typo que responde pelo bonito
nome de Osear Rigault.
Por alcunha Rigolo... accrescentou
o dono do Gato Vermelho. Ora essa, se
conheco.
Caseneuve e Flogny fizeram um mov;
ment de alegra.
O dono da casa continuou :
Havia muito tempo que o tinha per-
dido de visto... Ternei-o a ver ha poucos
dias... disse-m que vi ojia, de Marselha.
Ah 1 ah I Vem aqui.todes as poites ?
NSo, senhor. Veio dous*- dias segui-
dos e desappareceu de novo com um rapaz,
que os senboros de vem conhecor e que elle
veio procurar aqui...
Que rapaz ?
O Lombriga.
Bem I Conhecido, disse Flogny, e
depois nao tornou a apparecer ?
Evaporado, como o fumo de um ca-
chimbo. .
E o Lombriga ?
Como o outro.
Osear Rigault pareca apatacado ?
Pareca... Comtudo, contou-me que
nao tinha feito fortuna na Alrica, onde ti-
.nha ido exercer a sua profissao. de msca-
te} dujante tres annos.
Ha de desembrulhar-se tudo isso,
disse Caseneuve, com urna gargalhada.
Essa voa da Afrioa, est me parecendo
urna grande historia... Sab onde se em-
poleiram elees dous passaros ?
S2o freguezes que nSo tm costume
de dar a sua morada.
Poderia ao menos, dizer-nos para que
lado elles se difygiram ?
Isso que nao; mas, se por acaso, o
souber, o que neceseario fazer ?
nos :
(Como na proposta)
7o Auditoria:
Como na proposta)
8o Corpo da armada e clas-
ses annexas:
Augraente-se 19:800* e,
era vez de 928:860*000
diga-se
9o Batalhao naval:
Diminua-se 99*100 e,
em vez de 141:157*560,
diga so
10. Corpos de imperiaes
marinheiros :
Diminua-se 56:500*000,
e, em lugar de 990:604*,
diga-se
11. Companhia de invli-
dos :
Augmente se 2:121*180,
e, em vez di 14:261*,
digajse
12. Arsc: aee
Diminua-se 110:095*, e,
em vez de...........
2,703:840*875, diga-se 2,593:745*875
13. Capitanas de portos :
Diminua-se 12:452*025,
e diga-se, em vez de
208:827*525
14. Forga naval :
Diminua-se 56:212*, e,
diga se em vez de.
1,364:712*0'JO
15. Hospitaes :
Diminua-se 17:881*600,
e era vern vez de......
201:968*700, diga-se
16. Phares :
Diroinna-se 1:708*000 e,
em lugar de 266:655*500
diga-se
17. Escola de marinha :
Augraente-se 12:372* e,
em vez de 176:902*, di-
ga-se
18. Reformados:
Diminua-se 15:095*520, e,
era vez de 276:7 3*330,
diga-se
19. Obras:
Augmente se 50:000*, e
diga-se em vez de.....
250:000*0000
20. Hydrographia :
Diminua-se 50*000 e di-
ga-se
21. Etapas:
(Como na propostej
22. Armamento :
(Gomo na propost*) *
23. MunicSes de bocea \
Diminua-se 76:053*510,
e em vez de.........
1,476:053*510, diga-se
24. Munig5e8 navaes :
(Como no proposta)
25. Material de construc-
gao naval:
Diminua-se 100:000* e
diga-se
26. Combustivel:
Diminua-se 100:000* e
diga-se em vez de......
400:000*
27. Fretes, etc
Diminua-se 20:000*
diga se
28. Eventaes :
(Como na proposta)
Sala das commissSes,
1886. Rodrigues Alves.Pereira da Sil-
va.Silva Tavarea, Lourengo de Albu-
querque. Matloso Cmara. Guahy.
Carlos Peixoto.
Entra no salao o Sr. ministro da mari-
nha e oceupa a sua cadeira.
ONr. Candido de Olive!ra an-
tes de tratar das verbas da despeza do mi-
nisterio da marinba, pergunta ao nobre
ministro se S. Exc, nos pou os dias de
sua administr.g5o, j esnhece "o < stado da
nossa armada, estado que ao pouco lison-
geiramente dcscreveu ha dias no senado o
Sr. Barao de Cotegipa.
Aquella nobre senador dscj urna gran-
de e triste verdade ; a nossa marinha im-
prestavel. En retanto, nao isto o que se
infere do relatorio do antecessor do nobre
ministro, o qual merece censura por nao
ter, tratando do estado da marinha nacio-
nal, revela io a verdade ao parlamento.
Nao de certo, nesse relatorio que o
nobre ministro deve colher informagSes ch-
tete
nha, a88gnadaGato Vermelho,ao che-
fe da seguranga... O senhor nlo ignora
que lhe hao de agradecer um servigo desse
genero e que o recompensarlo em occasiao
opportuna. A polica reconhecida.
Oh! teoho muita confianga no se-
nhor, Sr. Caseneuve e no senhor tambem,
Sr. de Flogny...
Pois entSo, a bom entendedor, meia
palavra Varaos fazer urna digrassao pela
Lanterna Tricolor, em Montmartre. Veja
isso e cont comnosco.
Os dous agentes tomaram o caminho das
collinas de Montmartre.
Osear Rigault e Lombriga tinham cora
effeito desapparecido do Gato Vermelho ha-
via muitos dias, nSo que tivessem mudado
de bairro, mas porque nao voltovain l se-
no a horas extremamente nocturnas.
O mscate tinha vendido por seiscentos
francos, ao dono da casa em que habitava,
o annel encontrado na mala de Jayme Bar
nier e munido com este dinheiro tinha dito
com sigo:
Com isto techo tempo de esperar. '
preciso que eu encontr a desasada de mi-
nha irm2.
Passou a agua com certeza, est na
margeui esquerra.... tinha afirmado o
Lombriga.
Confiando esta indicagSo, Osear Rigault,
em companhia do sen velho camarada, vi-
sita va todos os dias, entregando se a gran-
des comesainas, os estabelocimentos de to
chr'a especie, onde pensava ter probabili
dades de encontrar agrande Sophia.
Ura, estas comesainas proloogavam-se
muito pela noite adianto.
At entao as conscienciosas pes quizas
dos dous boraens nao tinham obtido senSe
ura resultado : o de os fazer entrar todas
as noites, nos seus respectivos domicilios, a
c&hir de beb dos.
Osear nao esmoreca e promettia conti
nnar as suas iuvestigagSes conscienciosas,
emquanto tivesso dinheiro.
Tenho confianga, pensava elle. Hei
de por a mSo em Sophia, exactamente na
occasiao em que eu tenha as algibeiras
Bons dias, meus senhores, disse-lbes Enviar immediatemente urna parti- o batas, quando nao ti ver para comer nem
196:375*500
1,308:500*000
184:087*100
264:948*500
189:274*000
261:617*810
300:000*000
15:750*000
70*000
100:000*008
1,400:000*000
450:000*000
700:000^000
300:000*000
60:000*000
e
100:000*000
25 de Junho de
ras e minuciosas sobre esta servigo, mas
sim no apresentado pelo Sr. almirante De-
tonare, durante o regiment libe, al.
Passando a confrontar um com o ostro
relatorio observa que em vez de oito temos
quatro encouragados, e que deste3 apenas
dous estao apparelhados convenientemente
para combates navaes. Entretanto o rela-
torio do antecessor do actual honrado mi-
nistro da marinha d oito encouragados
em bom estado e aptos para o combate.
Lamenta, portanto, que tendo so gasto
tanto dinheiro cot a nossa marinha, este-
jamos hojo sera meios de defeza na even-
tualidade de urna guerra.
Naa propenso a dotar largamente o
servigo da marinha nem o da guerra, que
tao custosos sao a urna nagao; todava,
ante o estado miserando da nossa armada,
cunipre ao nobra ministro reflectir na gran-
de responsabilidade que pesa sobre o go-
verno de conservar o paiz nesta situago
de clesarmamento dos nossos vasos de
guerra.
Analysando a proposta do gabinete Sa-
raiva e a proposta do actual ministro da
fazenda, nota um plano de economas si-
muladas, mais apparentes do que reaes.
A proposta nnterior consigoava para o
servigo da marinha 11.337:000*, e a actual
consigna 10.858:000*, sendo a proposta
da commissao de marinha e guerra de me-
nos 4:000* que esta. A verba em que
mais se cortou a de material e construc-
goes navaes; diminuindo-se 100:000*.
Cortou-se tambem em outros servigos, me-
nos no fiincci~nalismo que nesta repartigao
excessivo.
O espirito afilado do nobre ministro da
mariuha de certo j deve conhcccr o raa-
machinisrao da sua administrago, e por-
tanto ha de ter observado a falta de uni-
dade ua acgo e direcgo do servigo, nos
embaragos e na morosidade que dessa fal-
ta de unidade resultam para a exacuglo
das ordens de S. Exc.
A permanencia da repartigao da intau*
dencia urna anomala que o orador julga
se deveria extinguir, no s por economa
como para o bom andamento do servigo.
Neste caso diz estarem outras repartig3es
luxuosas do ministerio da marinha, as
quaes, se fossem supprimidas ou annexts a
outras congneres, como por exemplo, a
dos phares annexada ou fundida na re-
partigao hydrographiea. Daqui resultara
grande reduegao da despeza.
Nota tambem cortos servigos que achaca-
se confundidos e que deviam correr pro-
piciamente por conta da secretaria da agri-
cultura, por seren peculiares deste ramo
da administrago, e entretanto estilo a oar-
go do minisierio da marinba.
Nao comprehende como o nobre minis-
tro nao aproveita a ocaasilo favoravel que
se lhe depara, pois tara urna cmara quasi
unnime para affectuar urna reforma em
que se reduza o grande pessoal da sua re-
partigao, economa esto muito mais fruc-
tuosa do qua aquella que S. Exc. quer fa-
zer no material, que alias convm conser-
var.
Para a cmara verjquanto se gasta com
o systoma do papelorio, basta-lhe ponde-
rar que as diversas repartigoes da mari-
nha s com papel, penna e tinta despnde-
se 38.000*000 1
Mas o mal nSo est so ne3te desperdi-
cio ; mal maior provm do longo e moroso
processo que soffre o mais insignificante
pedido antes qve seja executado.
(Contina)
ura rabanete ; entao quo ella ha de en-
cher a minha profunda, visto que ella nada
em amarellinhas e sobre notas do banco,
segundo parece.
Entre os estabolecimentos raros, visita-
dos pelo Osear e palo Lombriga, existia
ura, que era mais particularmente honrado
cora as suas sympathias.
Este estobelecimento, em que ouvimos
fallar Caseneuve, era o Estufado da ra de
la Harpe.
Os nossos leitores parizienses, que habi-
tara a margem esquerda, conhecem este
trecho de ra, mal cheiroso, estreito, que
escapou s deraolig3es e que conserva a
physionoraia do velho Pariz.
Exterior mente o Estufado nada offerece
que attraia a attengSo e inspire repulsao
datar.
V se logo urna entrada de vendedor de
vinhos, como ainda ha alguraas na nossa
poca, com janellas guarnecidas de barras
de ferro formando ama grade e terminadas
por bicos de langas.
Um baldo de estanho brilhante, era o
nico ornamento de urna sala mnito bem
arranjada e onde se acbavam alguraas me-
sas.
Dous pequeos gabinetes, mobiliados de-
centemente, davam para este sala.
Nada de mais honesto na apparencia, e,
do certo modo, mais patriarchal, se este
epitheto se pode applicar a qualquer asso-
moir.
Mas nicamente para engaar a vista.
Entre os dous pequeos gabinetes, quo
acabamos do assigaalar, acha-se um cor-
redor.
No fira deste corredor existe urna porta
pesad i e massiga.
E'upurrando e3sa porta, achamo-nos n'um
patamur.
A claridade pallida de um bico de gaa
deixa adivinhar as profundes de urna es-
cada de caracol.
Esta escada condnz a adegas, como exis-
tem poucas provavelmente em Pariz, ade
gas que datam do XVI seculo, im mensas,
abobadadas e supportadas por pilares gros
sos e de forma quadrada.
-Estas adegas, ou antes, estas cryptas,
convertidas em salas de assomoir, apresen-
tara ura espectculo inolvidavel a todos
aquellos que as virara cheias de urna popu-
lagao ruidosa, to mscelada como mal com-
posta.
Nao nos demoraremos em descrever este
quarto de repeliente naturalismo, e que,
alm disso, nada offerece de absolutamente
novo.
No momento em que depois de ter des-
odo os degros da escada de caracol, pene-
tramos na mais vasto das salas, Osear Ri-
gault e Lombriga estovam sentados mesa
com tres ou quatro individuos de physiono-
mia mais que mediocre.
Deviam ser nove horas da noite.
Osear e o seu amigo tinham comido um
jantar de salsichas e de tripas, tinham lar-
gamente regado o jantar e comegavam a
estar um tanto toldados.
Jogavam o reurs, a cinco sidos a par-
tida.
Urna saladeira de vinho fri cora assu-
ar, no qual nadavam algumas rodas de
limo, achava-se era um dos extremos da
mesa urna mulher, armada com urna gran-
de colher de ferro, remechia o conteudo e
enchia com elle os copos.
Reurs I disse de repente Osear, diri-
gindo se a um dos jogadores. Paasa-me
para c as tuas cinco rodinhas, meu ve-
lho.
Eu nao sou reurs, responden com vox
rouca e arrastada o jogador interpellado,
ped paos na primeira jogada, tu nao os
jugaste e fazes urna ultima vasa em paos l
Entao, ad<*us I Nada de largar o coore !
Osear Rigault quando estova meio entra-
do era fcilmente melindroso sobre pundo-
nor.
Com um milhao de raios I exdamou
elle, abalando a mesa com a pancada de
um formidavel murro, creio que me cha-
mas trapaceiro 1
Isso offende-te ? replicou o outrofi
Offende-me, sim !
iContinuar-se-ha)
Tvp. do Diario, ra Duque de Casias n. 42
/

m