Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18317

Full Text
ANNO Lili--- ROMERO 181
!

*
!
>
I
*
PUU A CAPITAL E LUGA??* OTOE MO E PAGA PORTE
Por trea mezes adiantadoa ........... ?Aa
Por seis ditos idem...... ......... 120OC
r*or um anuo :dcm.................. 24*^n
Cada numero avulso, do mesmo da............ #10
DIARIO DE
SMDfl 17 BE
BE 1
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantadoa.....
Por nove ditos idem.......
Por um auno dem.......
Cada numero avulso, de dias anteriores.
13500
200000
270001?
NAMBUGO
Proprterabe ir* Jttaiwel J^urira be iaria 4 -fUljos
TELEGRAHHAS
(Especial para -o Diario)
PARS, 1G de Jultio.
O naque de taale parti para a
Inglaterra.
Bnceirrou-ne a ne*n&a ordinaria da
Psrlamcnla.
LONDRES, 16 de Julho, s 3 horas da
tarde.
* abertura da Parlamento ingles lera lagar a 5
de Agonfo prximo.
Agencia Ha .'as, tiiial *>a Purnumbuoo,
16 de Julho de 1886.
IHSTRUCC10 POPULAR
NATAQAO
(Kxtrnhido)
fA BIBI-IOTUECA DO POVO K DAS ESCOLAS
Como we apprende a nadar
EXCRCICIOS DENTRO D'AGA
{Continuando,
Artigo IV Alguna exercleloa
ettpeclaea
Nadar a bracadas. Esta maneira de nadar
muito elegante e rpida, fazendo lembrar a mar-
cha de urna gu'ga tripolada por habis reinadores,
Para nadar as bragadas, o corpo gyra um pouco
sobre si meamo a ficar quasi de lado ; um do* bra-
cos fica junto ao corpo, e o outro vein tora d'agua
adiante da eabec* f*z-ir a irapulso, que dada
traaendo o brac,o at encostar ao corpo ; as
peraaa auxiliam o mevimento com u^ua forte
mpmeo unindo-se em seguida completamente.
Estes estorbos combioadus traxetn o corpa para a
frente, e durants o moviuiento o corpo inclina-se
m fiear deitado sobre o outro lado ; quando cessa
a impulsio, repetem-ge os moviuieotos com o braco
que se nao movcu, e continua-se deitando o oorpj
alternadamente para um e outro lado.
Sustentar-se de p4 deutro d'aguaCndireita se
o corpo, c faz-6e o impulso com urna das pernas,
emquanto pela compresso da agua, so doora ou
encelhe a outra sem esforcs, fazendo estes movi-
ments alternadamente. Qtierendo avancar, im-
pelliremos o corpo para a frente, auxilando o mo-
! Timento com as mitos quando necessario seja.
Nadar de cao.Este modo de nadar o mais
natural. Nadase imitando os movimentos que
faz, nadando, o cao (isto fazendo sahir da aga
alternadamente s ps e as mos). O movimento
das extremidades combinado pelo modo seguinte :
a mo direita mov.-se coDJnctamente com o p
direito. As maos lancam-ae um pouco curvadas
com a palma da mo para baix e superficie da
affua ; trazem-se at prximo do peito, e entilo le-
vsntam-se uovamente.
Nadar de ladoCasos ha em que psde ser prc
ciso nadar sem perder de vista a margcm do rio
d'onde parti o nadador. Este deitar-se-ha entilo
sobre o lado direito ou esquerds. Nadands de
brucis e quersndo deitar se sobre o lado esquerdo,
basta ao nadador voltar a cabeca pira a direita,
impellir a agua com forca. por um movimento da
mo direita que se traz depois jauto ao peito, e re-
petir em seguida este movimento.
Quando o corpo est deitado sobre o lado lireito,
a mo esquerda que ento fuucciona como remo.
N'este modo de nadar, os ps movem-se pela forma
que ensinmos para i nataco de brucos.
Nadar com um braco fra d'agua-A este msdo
especial de nadar devemos nos havar Luiz de Ca-
rao -s podido salvar em um naufragio nos mares da
China o precioso manuseripto dos Lunada.
A este acontecimento al lude o pico em sen in-
mortal pooaa quando na' estancias 127* e 128* do
canto X se expressa pela f jrma ffeguinte :
Vs passa por Cambuja Mecom rio
Que capito das aguas se interpreta ;
Tantas recebe d'outro s no estio.
Que alaga os campos largos c inquieta :
Tem as enchentej, quaes o Nilo fri :
A gente d'elle er, como indiscreta,
Que pena e gloria teem depois da morte
Os brutos aninaes de toda sorte.
Este receber placido e brando
No seu regaco o canto que molhado
Vem do naufragio triste e miserando
Djs prccello8os baixos escapadp,
Das tornee, dos uerigos gran ies, quando
Ser o injusto mando exeeutado
N'aquee, uja lyra sonorosa
Ser mais famada que ditosa.
Luiz d Camoes, que sua Tiagem de Maco
para G >a naufragou na costa de Cambodja, junto
foz do rio Mekoog, logrou, salvando-se a nado,
salvar simultneamente a brhante odyssa das
glorias portuguesas. Segurando no munuscripto
com urna das mos, e mantendo fra d'agua o res-
pectivo braco, Camoes p le assim garantir contra
o turor das ondas a sua deslumbrante epop*.
Qiieragora o leitor ficar sabendo como qan se
nada com urna das mos fra d'agua ?Os inov-
mtntos a fazer sao os meamos que para nadar de
brujos, e o corpo deita-se nm poueo para o lado es-
querdo, se a mo direita que fica fra d'agua
Com>, porm, ao nadador falta para a progresso o
poderoso auxilio de um braco, torna-se preciso
suppnr esta falta dando maior forja ao movimento
das pernag. Por modo inverso se faz sahir da
agua a mo esquerda.
(Contina)
JARTE OFFIClA,
GOVERXO DAPOVWCIA
LE N. 1,873
Ignacio Joaquim de Souza Leo, bacharel em sciencias jurdi-
cas e "sociaes, fidalgo caualheiro da casa imperial, cavalheiro da or-
dem da Rosa e 1' vicepresidente da provincia de Pernambuco :
Fac saber a todos os seus habitantes que a Asscmbla Legis-
lativa Prsvincial decretou e eu sanocionei a resolucao seguinte :
Art 1." Pica o presidenta da provincia autorisado a abrir os
seguintes crditos supplementares :
Ao S 12 da lei do orcamento vigente o de 400JOOO ; ao % 15 o
de 7301000 ; so 19 o de 33:790*000; ao 33 o de 6:820*000 ; ao
42 o de 14:461*248 ; ao 79 o de 11:500*000.
A t. 2. Fioa o presidente da provincia igualmente autorisaco
a abru crditos para as verbas, relativas ao subsidio e ajuda de
custo d diputados e publicaco dos debates.
Art Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Jdani portento, a todas as autoridades a quem o conhecimento
e execuco da presente resolucao pertencer, que a cumpram e a-
cam iuinprir tu mteiramente comon'elli se conten.
O secretario da presideacia desta provincia a fca imprimir,,
publicar e correr. o _i -i n_ j toan
Palacio da presidencia de Pernambuco em Id de Julho de 188b,
65 ila independencia e do imperio.
L s. Iobacio Joaqbui di Souza Lalo.
Sellada e publicada a presente resolucao n'esta secreUria da
presidencia de Pernambuco aoe 13 de Julho de 1886.
Servindo de secretario,
Emiliano Ernesto de Mello Tamborim
XPEDIEKTE DO DA 26 DS JUSRO DB 1886
Actos :
O vice-presiden'e da provincia, tendo em
Tista a coia Aa ri'vico ultima, do alistamento
leitorai da purochiu da Bia-Vist, do municipio
desta capital, p- la qual bk verifica ter sido aug-
mentad > o nuii ro de cleitores, de forma a tornar-
te necesaria a alteracao da diviso existente,
resol ve, de cenformidade eom o disposto no art.
95 e da attribuicao que Ihe dada pelo art. 94
do decreto n. 8,213 de 13 de Agosto de 1861, di-
vidir a dita pxrochia em sete secco 'S, para a re-
uni'ao e trabalhos das assemblas eleitoraes pela
frma s guidle :
.' A 1.* seccao, que se reunir no eiificio da As-
embla Provincial, compor-se ba de todos os
eleitores do 2.* districto de subdelegacia, quartei-
r5es 1." a 10, e dos eleitores doquarteiro 1.* do
1.* districto.
A 2 seccao, que se rt unir no consistorio da
igr.'ia do Rosario, compor-se ha dos eleitores do
2. e 3. quarteire8 do dito 1.* districto.
A 3.* secc", que se reuuir m consistorio da
igreja matriz, compor-sc-h* dos eleitores do 4.#ao
t* quarteiroes do meema districto.
A 4.* seeco, que se reunir no consistorio da
igreia da Santa Cruz, compor-se-ha dos eleitore8
io 9." ao 12 qaarteiross do mesmo districto.
A 5. seeco, que se reunir na escola publica
da ra do Visconde de Albuquerqun n. 182, com
por-se-ba dos eleitores do 13." ao l(j. quarteiroes
do tresmi districto.
A 6. seccao, q e se reunir no consistorio da
igreja de S. G^ncalo, compor-se ba dos eleitores
do 17." ao 19 o quarteiroes do mesmo districto.
A 7.a seccao, que se r unir no consistorio da
igreja aa Soledade, compor-se-ha dos rleitores do
20.* ao 2.* quarteiroes do mesmo districto.
Extraia-se copia d^sta portara e remetia-se
istcoqtininte Cmara Municipal, pra os fine
specificados nos arts. 94 % l.* e 237 do citado
regnlamento n. 8,213.Rem-tteu-se copia aojuiz
de pac mais votado da paroebia do SS. Saeramen-
t. da B,a-Vista.
O vee-presidente da provincia, tendo em
vista a copia da reviso ultima, do alistamento
deitoral da p.rochia le S.Jos, do municipio des-
ta capital, pe a qnal se verifica ter sido augmen-
tado o numero de eleitores, de torna a tornar-se
necessaria a alteracao da diviso existente, resol-
ve, de conformidad com .> disposto no art. 95, e
asando da attrlbmco que Ihe confere o art 94
do decreto n. 8,213 de 13 de Agosto de 1881, di-
vidir a dita paroebia em quatro secoes, para a
reuoio e trabalhoi das assemblas eleitoraes,
pela frma seguinte :
A 1.* seccao, que deveri reunir-so no consis-
torio da respectiva matriz, compor-se-ha de todos
os eleitores alistados nos quarteiroes que tormam
0 2 districto pilicial o dos eleitores dos 38.a, 39.*,
41. e 42.* quarteiroes do 1. districto.
A 2.a eeco, que dever reunirse no consis-
torio da igreja dos inartyrios, compor-se-ha dos
eleitores do 25.* ao 47 quarteiroes do dilo l."
districto.
A 3 seecio, que se reunir no consistorio da
igreja de S. Jos do Riba-Mai, compor-se-ha dos
eleitores do 15." ao 24. quarteiroes do mesmo dis-
tricto.
A 4 seccao, que se reunir no consistorio da
igreja do Terco, compor-se-ha dos eleitores do 1.*
ao 14 quarteiroes do mesmo districto.
Extraia-se copia desta portara e renutta-sc
incontinente i Gamaia Municipal, p*ra os fins
especificados nos arts. 94 % 1. c 237 do citado
decreto n. 8,213.Reme.tteu-sc copia ao juiz de
paz mais votado da paroebia do SS. Sacramento
de S. Jus
O vice-presidente da provincia, tendo om
vista a copia da ultima reviso do alistamento
eleitoral da paroebia de Santo Antonio do Recife,
que Ihe foi presante com officio desta data, do juiz
de direiti do 1. districto criminal, e pela qual se
verifica ter sido augmentado o numero de eleito-
res, de forma a tornar se necessaria a diviso
existente, resolvo, do conformidade com o art. 94
do decreto n. 8,213 de 13 de Agosto de 1881, di-
vidir a dita paroenia em quatro gecces, para re-
unio e trabalhos das assemblas eleitoraes, pela
forma seguinte :
Al.* seccao, que se reunir no paco da Cmara
Municipal, compor-se-ha dos eleitores do 1.a ao 9.
[ quarteiroes.
A 2. seeco, que se reunir na escola publica
da ra do Calabougo, compor-se-ha dos eleitores
do 10.a ao 16." quarteiroes.
A 3. scelo, que se reunir na Escola Modelo,
compor-se-ha dos eleitores do 17. ao 26.a quar-
, teiroes.
A 4 a seccao, que se rennir na Escola Normal,
i compor-se-ha dos eleitores do 27. ao 32.a quartei-
i roes.
Extraa se copia desta portara eremetta-se u-
' continente Cmara Municipal, para os fius de
que trata o art. 94 g e 237 do citado regula-
1 ment n 8,213 Remetteu-se copia ao juiz de paz
mais votado da purochia de auto Antonio do Re-
I cife.
O vice-presidente da prov incia reaolve, de
I conformidade com a aotsrisaco contida no aviso
i Circular do Ministerio da Agricultura, Cemmercio
i e Obras Publicas, de 19 de Maio ultimo, abrir um
I crdito da quantia de 25*000 i verbaFundo de
'emancip'Coa que se refere o mesmoaviso, afino
de occorrer ao pagamento da despeza relativa
publicaco feita no Diarb de Pernamkuc* do edi-
tal dojuizo de orpboe da comarca de Olin la,
contendo s lista dos escravos declarados libertos
p>r forja da lei n. 3,270, -4a 28 de Setembro de
1885.
O vice-presidente da provincia, attendstido
ao que requeren Jos Paulino da Silva Filho, pro-
fessor da cadeira de ensino primario de Ipotinga,
e tendo em vista a informaco n. 192, do inspector
geral da iostruccao'pjblica, reaolve coaceder ao
peticionario, a c >ntar de 16 do corrente, tres rae-
zea de licenca com ordenado, para tratar de sua
saude onde Ihe convler.
"> O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requeren Mara Leopddina da Silva, pro-
fessora da cadeira de ensino primario de Ipotinga,
e tendo em vista a informaco n. 192, do inspector
geral da instrueco publica, resol ve conceder
peticionaria tres meses de licenca com ordenado,
para tratar de sua saude onde Ihe convier.
0 vice-presidente da provincia resolve nt-
mear o bacharel AlbertOyde OHveira Coelho, para
exercer o carg> de secretario da Re!a;ao do Reuife
duran'e o impedimento do serventuario vitalicio,
que obteve h: je tres mezes de licenca, para tratar
re sua sade.
O vice-presidente da provincia, a(t"ndendo
ao que requereu o secretario da Relaco do R^ci-
fe, bicbrel Virgilio de Gusmo Coelho, resolve
concier-lhe tres mezes de licenca, com o venc
ment qne Iho competir, para tratar de sua sa-
de ; devendo o peticionario entrar no goso da re-
ferida licenca no praso de 15 dias.
O vice-presidente da provineia, de eonformi-
dade com a proposta do Dr. chefe de policia, em
officio n. 621 de 22 do correte mez, resolve exo-
nerar Joo Peixoto Soares, do cargo de subdele-
gado do 1" districto do termo de Rom Conselho.
Commuuicou-se ao Dr. chete de policia.
Oficios :
Ao conselbeiro procurador,0a Corda, fazenda
e soberana nacional.Sirva-s*.yrj5xe. de emittlr
seu parecer sobre os inclusos estatutos do Monte
Po dos Voluntarios da Patria.
Ao Sr. coronel Joo B. Pereira Lab.Res-
pondo ao officio de hoje datado, declarando a V.
S. que nao tendo sido at agora rem ttido pelo
juiz de direito do 5a distrito criminal, desembar-
gador Jos Manoel de Freitas, a copia da ultima
reviso eleitoral, quo requsitei directamente por
nao a ter enviado por intermedio do juiz do 1 dis-
tricto criminal, nao posso resolver sobre a subdi-
visi das secfcs eleitoraes dessa paroebia, e nein
cbeme indicar o modo porque V. S. dever pro-
ceder quanto s duas eecooes actuaes, que contcm
ambas mais de 250 eleitores, vista da disposico
do art. 241 g 3 do regulamento expedido com o
decreto n. 8,213 de 13 de Agosto de 1881.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Declaro a V. S.. para os fins convenientes, que,
vista da sua informaco n. 430 de 23 do corren-
te, autor8ei o director do Arsenal de Guerra a
mandar fazer, no mes de Julho viadonro, o cncer-'
to de que tem preciso as mesas da secretaria do
Commando das Armas, na importancia de 80*?.
Ao mesmo.A' vista da inclusa coota, man
de V. S. pagar a Manoel Figueira de Faria & Fi-
lhos, a importancia de 250O0, de que trata a por-
tara junta, por copia, e proveniente da publicaco
no Diario de Pernambuco, do edita! do juiao de
crphos da comarca de Olinda, contendo a lista
dos escravss declarados libertos por forca da lei
n. 3,270 de 28 de Setembro do auno prximo pas-
sa do.
-"-Ao mesmo*" Mande V. t. abonar sob a res-
ponsabilidade desta Presidencia a ajuda de custo,
na importancia de 602000, arbitrada pelo Minis-
terio da Justica em aviso de 12 do corrente, ao
juiz municipal ede orpbos nomeado para o termo
de Floresta nesta provincia, bacharel Jos Mauri-
cio Borges Jnior providenciando para que oppertu-
namente seja levada a despesa aa crdito que para
ella tem de autorisar o Ministerio da Fazenda.
Ao mesmo.Recommendo a V. S. que man-
de abonar, sob a responsabilidade desta Presiden-
cia, a ajuda de custo na importancia de 318>?#00,
arbitrada pelo Ministerio da Justica em aviso de
12 deste mez, ao juiz municipal e de orphos no-
meado para o termo di Tacarat nesta provincia,
bacharel Francisco da Costa M*ia Filho, provi-
denciando para que seja opportunam :nte levada
essa despeza ao credto que para ella tem de con-
ceder o Ministerio da Fazenda.
Ao mesmo Communico a V. 8., para os Sos
convenientes, que o bacharel Joio Lopes de^Si-
queira Santos, em 21 do corrente mes, assumio o
exercicio do cargo de juiz municipal e de orphos
do termo de Gamelleira.
Ao mesmo. Nesta dati expe;o ordem ao
agente da Companhia Brasilcira de Navegago a
Vapor, para mandar transportar at a provincia
do Para, por conta do Ministerio da Fasenda, no
primeiro vapor que tocar neste porto em Julho
vindouro, o 1 escripturario da Alf mdega desta
provincia, que vai servir temporariamente na de
alli, Joo de As sis Pereira Rocha, e bem assim as
essoas de que trata a relaco annexa ao officio
dessa Thesouraria de 22 do corrente, n. 427, a
que respondo.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os fins
cenvetftentes, que o bacharel Luiz Ignacio da Sil-
va Filho, em 5 do corrente mes, assumio o exer
cicio do carg > de juiz municipal e de orphos do
termo de Petrolina, para o qual foi removido do
de Capia Grosso, na provincia da Babia, por de-
creto de 27 de Marco ultimo
A j mesmo.Communico a V. S., para os fins
convenientes, que Antonio Joaquim dos Santos
Mungabeira, em 10 do corrente, assumio o exerci-
cio do cargo d promotor publico interino da co
marca de Boa-Vista, para'o qual foi nomeado pelo
respectivo juiz de direito.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os fins
convenientes, que o juiz municipal do termo de
Nazareth, interrompeu hontem o exercicio de seu
cago por motivo de molestia.
Ao inspector do Thesouro Provincial. Ap-
pruvi a arrematacao que, segundo consta do offi-
cio desse Thesouro de 17 do corrente, n. 718, fez
Jos Elias de Oliveira do fornecimento de alimen-
taco para os presos pobres da Casa de Detenco,
durante o trimestre futuro de Julho a Setembro,
com o abate de 1 0/O sobre a diaria de 420 rs.
O qne declaro a Vme. pira os fins convenien-
tes, reeom neudmdo llie faca levar novamente
praca o fornecimeuto de medicamentos para a en-
fermara d'aquella casa, correspondente ao exerci-
cio vindouro, visto haver grande differenca entre
o abate com que fra arrematado por Bsrtbolomeu
*. C, e o do tornecimento do exercicio correte.
Ao director do Arsenal de Guerra.Au-
toriso Vmc. a mandar fazer, no mes de Juiho vin-
douro, de accordo com o orcamento, que ve o
annexo ao seu offi.-io n. 41, de 14 do corrente, o
concert de oito mesas da Secretaria do Commando
das Armas, de que trat.\ o incluso podido.
Ao :mmandante interino do corpo depo'i-
cia-Mnnie Vme. reforcar o destacamento de
Itainb, retirando para esse fin qnatro pracas
de Timbibs. -Communicou se ao Dr. chefe de
polica.
Ao Dr. Joe Julio Fernandez de Barros.
Pelo officio de hoatem datado fico sciente de haver
Vmc. assumdo em 23, u exercicio do cargo de ins-
pector de sade do poi to, por ter seguido a ser*
vico, para a corte, por ordem do governo, o Dr.
Pedro de Ata' yd Lobo Moscoso. Communicou-se
ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Ao Ia juiz de paz presidente da junta de
alistamento militar da paroihia de Nsssa Senhora
da Conceico de Paj>-a de Flores. -Declaro a Vmc,
em respost* ao seu officio de 6 do corrente, qne
com este ser-lbe ba entregue nm livro para o ser-
vico do alistamento militar dessa paroebia.
Circular :
Aos juises da orphos (menos da capital) -
Declaro a Toa. para os devidos fins que em vista
do dispoito na primeira parte do aviso circular do
Ministerio da Agricultura Commercio e Obras Pu-
blicas de 19 de Maio ultimo, smente onde houver
imprensa dever ser feita a despeza com a publi-
caco dos editaes coucerneutes aos escravos de-
clarados liberto por forca da lei n. 3,210 de 28 de
Setembro de 1885.
Oficios:
Ao juiz municipal e de orphos do termo do
Cabo.Declaro a Vmc. que nao nde ser publi
cado pea imprensa desta capital a relaco, que
acempanhuu o seu officio de 18 do corrente, dos
escravos declarados libertos por esse juizo, em
audiencia de 28 de Maio, por haverem attingido a
idade de 60 annos; porquanto, segundo o aviso
circular do Ministerio da Agricultura, Commercio
e Obras Publicas de 19 do dito mea de Maio, nao
havendo imprensa nesse termo, cabe apenas a pu-
blicaco nos lugares mais pblicos, mas nao por
aquelle meio.
, Ac juiz de direito de Salgaero. Respondo
ao officio de 23 do Maio findo declarando que a Vmc.
cabe providenciar de conformidade com os inte-
resses da justica quanto ao asaumpto de seu pre-
dito officio.
Ao Sr. bacharel Vicente Pereira do Reg,
juiz de direito interino da comarca de Bom Jar-
dim. Tendo o delegado de policia respectivo re
presentado que Vmc. por modo inconveniente e
coa ameacas protesta intervir no pleito eleitoral
do Ia de Juina prximo vindouro, chamo a sua
attenco para laso esperando que compenetrado
dos seus deveres se abstenha de tal procedimento
infenso a lei e as ordens terminantes do governo.
Ao juiz de direito de Nazareth.Declaro a
Vmc em respoata ao seu officio de 22 de corrente
mez, que nao depeudendo a pratica de actos elei-
toraes as parochias do provimento destas can-
nicamente, conforme tem sido declarado por vezes
e consta da Jeciso junfa por copia do Ministerio
do Iu.perio referente parochi* de Viccncia dessa
coinarci., dever-ae ha por isso proceder a quaes-
quer actos eleitoraes na parochia de Nossa Se-
nhora do Bom Despacho de Alaga Secca, de con
formidade com a portara d'esta Presidencia de
15 de. Setembro da 1883, tendo se em vista qusnto
a composico dameoa eleitoral as disposicoes do
arts. 111 a 116 ^6 regulameuto eleitoral, que forem
applicaveis ao caso.
Circular :
Aos jaizeskla direito e municipaes.Con-
vem que as cartay rogatorias expedidas para fra
do Imperio sejatn Scmpre acompanhadas de Utca
traduccao em lingua do paiz ende tiverem de ser
cumpridas ou pelo menoa em lingua francesa.
O que reosin a&endo a V.... para a davida exe-
cuco e em observancia do ;" do Ministerio dos
Negocios % J >s4Tga dp aa antaate me.
ForUrrfts !
A' Oamara Mimiclpal do RecifjfJJa-TrauB
mitto Cmara aannicipal do Recife, aos fins
especificados nos arts. 94 g Ia e 237 do regula-
mento n. 8.213, de 13 de Agosto de 1881, copiada
portara de boje datada dividindo em sete secces
eleiteraes a paroahta do Saatissimo Sacramento
da Boa Vista.
A' masma.Para os devidos effeitos trans-
miti CauiaraMunicipal do Recife a copia in-
clina ds portaras que exped boje relativamente
4 nova divisan las secces eleitoraes das paro-
chas de Santo Atouio e S. Joe do Recite.
A' mesma.Kecommendo de novo Cmara
Municipal do Rg,f* que me remeta com rgen-
eia as mformaeor exigidas'em officios de 29 de
A tu ultimo e 1 do corrente mez, relativas ao
reodimento do Mercado Publico de S. Jos.
A' Cmara Municipal de Nazareth.Tr ns-
mitto Cmara Municipal de Nazareth a copia
inclusa do officio qne hoje exped ao Dr. juiz de
direito da comarca, a reapeito de actos eleitoraes
na paroebia de Alaga Secca.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco mande dar transporte,
da estaco das Cinco Pootaa de Palmares ; para
sor descontado dos gratuitos a que o governs tem
direito, em carro de 2 classe, ao sargento aju-
dante do corpo de policia Augusto Jos de Moraes;
e em carro de 3 a urna praca do mesmo corpo,
com direito bagagem
O Sr. agente, da Companhia Brasileira do
NavegacSo a Vapor, mande dar passagem at a
provincia do Para por conta do Ministerio da Fa-
senda, no Ia vapir que tocar neste porto em Julho
vindouro, ao 1 escripturario da Alfaodega d'esta
provincia que vai servirj.tempurariamente na d'alli,
segundo aviso do mesmo Ministerio, de 25 de Maio
ultimo, Joo de Aosis Pereira Rocha, e bem assim
aa filho e criado que o acompanham, e se acham
indicados na relaco juut por copia.
O Sr. agente da'C>mpanhia Brasileira de
Navegaco Vapor faja transportar, at pro -
vincia do Para, por conta do Ministerio dos Nego-
cios da Justica, o soldado de polica R .ymando
Jos dos Aojos, que d'alli veio conduzindo o preso
Alfonso Rodrigues de Oiiveira.
- O Sr. gerente da C unpauhia Pernumbucana
de Navegaco Costeira Vapor, mande dar pas-
'agem gratuita r, na primeira opportuoidade,
desta capital para o Penedo, ao tenente Francisco
Rodrigues Soeiro.
O Sr gerente da Companhia Pt ruarabucana
mande dar passagem proa, at Macei, na pii
meira opportunidade, a Tertuliano Fcmandes Can
pos Caf, por conta das gratuitas que o governo
tem direito.
XPSDIBHTB DO SBCBBTARtO
Offi-ioB:
Ao brigadeiro couimandante das armas.
De ordem do Exm. Sr. vice-preaidente da provin-
cia, declaro a V. Exc, que autorisou-se o director
do Arsenal de Guerra mandar fazer no me. de
Julho vindouro, o concert ns mesas de que tra-
ta o pedido que veio annexo ao seu officio u. 293,
de 31 de Maio findo.
__ Ao director do presidio de Fernando de No-
ronha.De ordem do Exm. Sr. vico presidente da
proviucia, declaro a V. S., em resposra ao seu offi-
cio n. 167, de 17 d corrente mez, que no Arsenal
de Guerra d'esta provincia nao existe, segundo in
formou o respectivo director, instrumental algum
V/ndo da corte, com destino i msica d'esse pre-
sidio.
Ao juiz raunieptl e de orphos do termo do
Bonito.De ordem do Exm. >Sr. vice- presidente da
provincia, aecuso o recebimento ao officio de 23 do
corrente, no qual V. 8. communicou ter mandado
affixar editaes, mencionando os nomes dos ecrav"8
libertadoa por esse juizo, em audiencia de 17 do
mes de Maio ultimo, na frma da lei n. 3,270, de
28 de .etembro de 1885.
Ao juiz municipal de Gamelleira.S. Exc. o
Sr. vice-presidentH da provincia fica inteirado do
assumpto do officio de 23 do corrente, recommenda
a V. S. que, cm observancia do art. 10 do decreto
n. 4302, de 28 de Dezembro de 1863, transmita
a certido do seu exercicio.
__ Aos m' mbros da junta clasaificadora de es-
cravos do muaicipio de Goyanna.De ordem do
Exm. Sr., vicepresidente da provincia, aocusso re-
cebimento do officio de 15 do corrent', n qual Vv.
Ss. communicaui que uo dia anterior reuni se essa
junta para cumpriraent > da circu ir de 24 do Maio
ultimo.
Aos da de Flores.De ordem doExin. br.
vice-presidente da provincia, aecuso o recebim-n
to do officio d 14 do corrente n* qual V\. Ss.
communicam que ae reuniram n'oaaa data para
cumplimento da circular de 24 de Maio ultimo.
__ A' commasio liquidadora das contas da es-
trada de Ierro do Recife ao S. FranciscoO Exm
Sr. vice-presidente da provincia, manda declarar
a V. S. que n'esta data tiveram o conveniente des-
tino os documentos que acompanharam o seu offi
ci de 22 do Corrente.
Ao agente da Companhia Brasileira de Na-
vegaco Vapor. De ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia, acenso o recebimento do
officio em que V. Exc. communica que o vapor
Mandos, chegado dos portos do sul, boje, s 6 bo
ras da manh, segoir para os do norte, amanh,
s 4 horas da tarde.
EXPEDIENTE DO DIA 28 DB JUNHO DB 1886
ActoB :
O vice presidente da provincia, de confor-
midade eom a proposta do Dr. chefe de polioia,
em officie n. 635, de hoje datado, resolve exonerar
Joaquim Manoel de Moura e Silva, do cargo de
subdelegado do districto de Cateude, do termo de
Palmares, e nomear para substituil-o Antonio Ga-
millo da Silva.
O vice-presidente da provincia, de confor-
midade com a proposta do Dr. chofe de policia,
em officio n. C36, de hoje datado, resolve nomear o
cidado Liberato Pereira Lopes para o carga de
3." supplente do subdelegado do 1* districto de
Palmares, ficando exonerado Ernesto Adolpho de
Paiva, por nao ter prestado juramento.
O vice-presidnte da provincia, de confor-
midade com a proposta do Dr. ebeete de policia,
em officio n. 637, de boje datado, resolve nomear
oa cidadoo Adolpho Firmo de Oliveira e Miguel
Rodolpho de Barros, para os cargos de'2* e 3
supplentes do delegado do termo de Palmares, fi-
cando exonerado, conforme pediram Joaquim Sil
verio.de Souza e Antonio de Mi ira Lins.
O vice presidente da provincia, resolve pro-
rogar a lei n. 1844 de 26 de Junho de 1882, de fi-
xacao de forca policial, afino da ser executada at
que a Assembta Legislativa Prsvincial vote igual
lei para o novo exercicio de 18861887, o qual
comeca no dia 1* de Julho prximo vindouro.
Commuuicou-se ao Thesouro Provincial.
O vice-presidente da provincia, resolve pro-
rogar a lei n. 1860 do orcamenio vigente, para ter
execuco emquanto a Assembla Provincial nao
votar o orcamento para o prximo exercicio fiuan-
ceiro.Communicou se ao Thesouro Provincial e
Alfandega.
O yice-presidente da provincia, fr-ndo^ pre-
sente o recurso interposto por CNrvalho Jnior 4t
Leite dadecisoda junta;especial doThesoaro Pro-
vincial que manteve a collecta dos recorreutes na
classe n. 5 da tabella annexa a le n. 1860, e con-
siderando, de accordo com as informacoea do dito
Thesouro, constante do officio de 14 deste mes,
sob n. 707, que foi devida a mencionada collecta,
resolve negar provimento ao referido re- urso e
determinar que se remetta copia desta portara ao
Thesouro Provincial para produzr os neoessarios
efteitos.Remetteu-se copia ao Thesouro Pro-
vincial.
O vice-presidente da provine a, tendo pre-
sente o r-curso do bacharel L turino de Moraes
Pinhriro, interposto da deciso da junta especial
do Thesouro Prsvincial que manteve a incluso do
recorrente na (>' diviso da classe n. 1 da tabella
annexa a lei o- 1860. e considerando, de accordo
com as iuformaces prestadas pelo mesmo The-
souro, em officio de L4 do corrente, sob n. 710, que
foi regular a mencionada incluso, resolve negar
provimento ao indicado recurso e determinar que
se remetta copia desta psrtaria ao Tbescuro Pro
vincial para produzir os necessarios effeitos.Re-
metteu se copia ao Thesouro Provincial.
O vicepresidente da provincia, tendo pre-
sente o recurso de Theodoro Bhriih-nsen, inter-
posto de deciso do junta especial do Thrsouro
Provincial, que mantee a collecta do recrrante
na 6* diviso da classe n. 1 da tabella annexa a
lei n 1860, e considerando, de accordo com aa in-
formarles prestadas pelo mesmo Thesouro em offi-
cio de 14 do corrente, sob n. 709, que o recor-
rente foi devidamente collectado, reolve negar,
provimento ao citado recurso e determinar que se
remetta copia desta portara ao Thesouro Provin-
cial para prnduzo os precisos effeitos.Remetteu-
se copia ao Thesouro Provincial.
O vice-presidente da provincia, attendendo
ao que requereu o 3a escriptursrio do Thesouro
bacharel Antonio Adolpho C tendo em vista o attestado medico exhibido e a
informaco do mesmo The80ure, de 21 do corrente
aob n. 72, resolve prorogarlhe por 60 dias a li
cen(a que Ihe foi concedida por portara de 15 de
Marco ultimo, para tratar do sua saude.
O vice-preaidnnte da provincia, tendo em
vista a copia da ultima reviso do al turnen to
eleitoral da paroebia do Poco da Panolis, que Ihe
foi presente com officio, hontem recebido, do Dr.
juiz drf direito do 1* districto criminal, e pela qual
se verifica um accreacimo de 270 eleitores, de
forma a tornar-se necessario alterar a diviso
existente da dita parschia, nos termos do art 98
do decreto n. 8213 de 13 de Agosto de 1881, re-
solve, usando da attribuco que Ihe caafere o
art. 94 do mesmo decreto, dividir a sob-edita pa-
roebia em qaatro sessoes para a reunio dos elei-
tores c trabalhos das eleic5es,"pela forma seguinte :
A 1* seeco, que se reunir no consistsrio da
respectiva matriz, compor-se ha dos eleitores dos
Ia e 3a quirteiree ;
A' 2* seeco, que se reunir na capella da Casa
Forte, 2ompor-se-ha dos eleitores do 5o 9a 11*
12a 13 15a e 16a quarteiroes;
A' 3' seccao que se reunir na groja do Mon-
teiro, compor-se-ha dos eleitorw do 7a 8 e 10
quarteiroes;
A' 4* seeco, que se reunir na igrja de Api-
pucos, comp ir-se-ha dos eleitores do 2o 4 6a 14 e
17 quarteiroes.
Extraia-se copia desta portara e remetta se
Cmara Municipal para os fins especificados nos
Hita. 94 8 Ia e 237 do citado dec. n. 8218.Remet-
teu-se copia Cmara Municipal do Becite e ao
juiz de paz mais votado da paroebia do Poco.
O vice-presidente da provincia resolve Bo-
rnear o en exercer o cargo de delegado do districto Ilitera-
rio de Canhotinho, em substituico de Jos Perei-
ra Leite, que fica exonerado por ter mudado de
residencia, sogundo declarou Ih o inspector geral
da'nstrueco Publica em offi-io n. 198 de hoje
datado.Remetteu-se o titulo ao inspector geral
da Instrueco Publica.
__O vice-presidente da provincia tendo em
vista o que representou o provedor da Santa
Casa do Recife em cfficio n. 584 de 9 do cor-
ren'e mez, resolve nomear para preenchimento de
vagas de mordomo supplentes da junta adminis-
trativa da mesma Santa Casa durante o futuro
bienni. ao cidado Dr Joaquim de Albuquerqu -
Barros Guimares,. Manoel R izendo Torquato de
Almeida, Joo Ferreira Leoncio, Lucas Alfredo
de Moraes, Joo Joaquim Alves e Jos Felippa
Nery d;i Silva que devero oceupar os ltimos lu-
gires da lista respectiva seguuio a orden de sua
collocaco na psente portara.emetteU-se Co-
pia 4 Santa-Casa.
__O vicepresidente da provincia tendo em vie-
ta o que representou o provedjr da Santa Casa
de Misericordia do Recife, em offi-.io u. 584 de 7
do corrente mez, resolve nomear os supplentes
major Jos Joaquim Autuues e Francisco Augus-
to .'ereira da Costa para gervirem fe mordomos
da junta administrativa da mesma Santa Casa
durante o biennio prximo futuro, oceupando os
17 e 18 lugares, segundo a ordem da sua collo-
caco.Remetteu-ee copia Santa Casa
O v ce-presidente da provincia attendendo
ao que requereu Francisco de Paula Souza Leo
apootador da repartico das -bras Puolicas Pro-
vinciaes e tendo em v.sta o parecer da junta me-
dica provincial, rasolve concder-lhe dous meses
de licenca com ordenado na forma da lei, para
tratar da saude onde Ihe convier.
Officioa : .
Ao commandaote das armas. Defermdo o
requerimento do 2- cadete 2- sargento do 14- ba-
talbo de infantaria Manoel de Araujo Lima Cal-
das, autoriso V. Exc. a vista da sua nformico n.
341, de 26 do correte, a conceder-lhe baixa do
ser vico do exercito, me liante substituto, urna vas
que este tenha os requesitos exigidos por lei. %f*
Ao conselbeiro presidente do Tribunal da
Relaco. -Aecuso recebido o officio n. 2,512, de 2S
do corrente, em que V. Exc. me participa ter no
dia antecedente concedido 30 das de licenca aa
desembargador Francisco de Assis Oliveira Ma-
ciel, para tratar de sua saude.Communicou-se ao
inspector da Thesouraria de Fazenda.
Ao commandante das armas.^irva-seY.
Exc. do informar, conforme determina o incluso
aviso do Ministerio da Guerra, de 1 de Marco ul-
timo, sobre a re presenta cao annexa, do gerente da
fabrica de tecidos de Renk, acerca da compra que
Ihe parece Ilegal o que diz terem feitoos arsenaes
de guerra desta e da provincia da Babia, de pan-
nos para fardamento de pracas de pret
A este acompanha a amostra do panno cujo
fornecimento para aquele fim contrat#u a mesma
fabrica.
Ao juiz de direito do 1 districto criminal da
Recife. Respondendo ao officio em que_ V. S. en-
viou-me a lista dos eleitores da fregueziado Poca
da Panella, cbeme dizer-lhe aue, comquanto te-
nha elle a data de 26 do corrente, s me foi en-
tregue hontem, a 1 hora da noite, em casa de mi-
nha residencia, pelo Ia juiz de paz daquella fra-
guezia. No dia 26 proroguei o expediente da se-
cretaria desta residencia, at s 5 horas da tai de,
e as 7 horas da noite procuronme o mencionado
juiz de Daz para avisar-me de que, nao estando
prompta a lista, smente domingo, 27, ser-me-hia
ella entregue, o que. com effei'o venficou-se, sendo
que de -6 a data da lista remettida a V. S. pelo
respectivo juiz de direito. E para que fique este
ponto bem liquiiado, fa?a eata rectificaco acerca
da data do officio de V. S. J
Ao inspector do Thesouro FrovincajU. Man-
de Vmc. entregar ao vigario da fregusde 1 Lam-
be, Manoel Goncalves Soares de Amorim, a quan-
tia de 1:000* votada no art. 1 30 da lei do or-
camento vigente destinada a ebras da matriz da
mencionada fivguezia.
' Ao director do Arsenal de Guerra.Remeti
a Vmc para os fins convenientes, o incluso termo
de consumo dos artigos de armamento, equipa-
ment, instrumentos bellicos_e utensilios a cargo
do 2 batalho de infantaria.
Circulares:
Aos juises de direito.Remetto a Vme,
para os fins convenientes, um exemplar impresas
da lei n. 3,270, de 28 de Setembro do anno pas-
eado, e oatro do regulament que b*'xou eo
decreto n. 9,517, de 14 de Novembrn do mesmo
anno.
Muta mulandis aos promotorea pblicos.
Ao engenhe'ro chefe da R-parti^o das Obras
Publicas.Approvando o oroaaento supslementar
na importancia de 2:940*000, dos repiros neses-
snrios s pontes do Trapiche e Guerra, annexo ao
officio de Vmc, de 18 do corrate, 8ob n. 113, au-
toriso-o a mandar executal-os pelo contratante das
obras primitivas de conformidade com o art. 54 do
respectivo regulamento.Communicou-se ao The-
souro Provincial.
Ao presidente da junta classificadora de es-
cravos do municipio de Ipojuea.Informa Vmc.
se reuuio-se no dia 14 do corrente a junta classi -
ficadora de escravos desee municipio, conforme re-
coinraendei em circular de 24 de Maio ultimo.
Portaras :
Rccommendo Cmara Municipal do Recife
que me declare com urgencia o numero de rezas
abatidas as tres ltimos exercicio, que nao f-
ra m expostas venda por estarem em ms con-
dices.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco sirva-so de mandar
transportar hoje, gratuitamente, em carra de 3
classe, da estaco das Cinco Pontas de una, aos
cabos de esquadra do corpo de policia Severiao
Nunes da Silva e Sebastio Mara Csutinho.
BXPBOIBRTE DO SECRETARIO
Officios :
Ao Dr. juiz do direito de Bom Jardim.S.
Exc. o Sr. vice-presidente da provincia transmiti
a V. S., em soluco ao seu offieio sem data, rece-
bido a 19 do corrente mez, copia do de n. 627, de
25, em que o Dr. ebefe de polica participa ter
providenciado no sentido de interromper o respec-
tivo exercicio o subdelegado do Ia districto da
term de Bom Jardim, visto estar pronuuciado em
crime de responsabilidade.
A' junta classificadora de escravos do ufom-
cipio de Bom Conselho.S. Exc. o Sr. vice presi-
dente da provincia manda aecusar o recebimento
do officio de 21 do corrente, em que Vs. Ss. decla-
ram que se reunramjnesse dia em cumprimento da
circular de 24 le Maio ultimo.
__A1 gerente da Companhia Peroambncana.
De ordem de S. Exc. o Sr. vice presidente da pro-
vincia aecuso o recebimenti do officio de hoje, no
qual V. S communica que, em consequencia da
mo tenip>, nao pJe o vapor Jaguanbe: receber
toda a carga para os p >rtos do sul, at S. Salva-
dor, pelo que fica a viagem transferida para o dia
30, s 5 horas da tarde.
A' concessionaiio da empresa telephoniea
nesta cidade.S. Exc. o Sr, vice presidente da
provineia ficoa inteirado, pelo officio de 38 de Ju-
nho ulti-no, de qm ia V. S. maudar collocar o res-
pectivo apparelho no Arsenal de Guerra.
O mesmo Exm. Sr. levou nesta date esse as-
su ipto ao conhecimento-do Exm. Sr. ministro da
agricultuaa, conforma solicita em aeu citado offi-
CIO
BXPEDIERTB DO DA 30 DE JSHO DE 1886
Actos :
O vice presidente da provincia, tendo em viste o
exposto no officio do inspector do Arsenil de Ma-
rinha, de 25 do corrente. sob n. 318. resolve nomear
os hachareis Olintho Vctor e Pedro Celso Dcba
Cavalcant- e o 3. escripturario da Recebedona
Ulysses Fragoso de Albuquerque para servuemde
eliminadores no concurso que deve ter lugar no
referido Arsenal de Mariuha, no dia 10 de Julho
iudouro s 10 horas da manh, para provimento
v.e urna Vaga de escrevente da directora de ma-
chinas do mesmo arsenal; e ordena que aos Bo-
rneados se facam as necessarias commuacac 'gFi-
zcram-se as devidas communicacoes.
O vice presidente da provincia, attendendo ao
iue requoreram oa professores Manoel Candido
'ernaados Pires e Lourenc> Goncalves Aleixo.eate
da cadeira de ensino primario de Ro Formoso e
aquelle da de Gloria de Goit, e tendo em vista a
informaco n. 189 de 21 do corrente, do inspector
eral da iuatraccau publica, reaolve, de accorda
m o art. 149 do regulamento de 6 de Fevereiro
i 1885, p -rm ttir que os peticinanos permutem
cadeiras em que actualmente leecionam Com-
municou-se ao inspector da inttruccao publica e
Thesouro Pr'vincial.
O vice presidente da proviucia, de conformi-
dade c>m a proposti do administrador dos crrelos
era officio de hoje, sob n. 573, resolve, nos termos
, loi ii. 2-9*4, de 20 de Outubro de 1877, nomear
aoo Francisco Xavier da F..nseca para ex-rcer o
lugar de agente do crrelo da povoaco de Caten-
" ficando exonerado o actual, Lucio Cruz C irdei-
Communicou se ao administrador dos cor-
reos.
Officios :
__ Ao presidente da provincia de S. Paulo.Com
inclusa certido do vigario enCOi..mcndado da
iguezia de Floresta (Fazenda Grao le), respondo
ao officio dess* presidencia de 17 de Fevereiro ul-
timo, relativo ao assentamento dob*pti*mo_do Jos
Vicente, ex-escravo de D SenhorLh i Rodrigues da
' Ao presidente da provincia da Parahyba,
Transmiti a V. Ere, em resposta ao seu officio da
25 de Maio findo, a inclusa relaco dos objeet s
a
fre
ao
1
t
i JHWH 7i



Diario de Pernambuco---Sabbado 17 de Julho de 1886



xistentes na Escola Normal deata provincia para
o ensino das'sciencias physicas e nataraei.
_ Ao provedor da Santa Casa de Misericordia
do Recife.Em-Mfeiposta ao en officio de 19 de
Maio ultimo n. 560, cominunico a V. Ere que, em
informado de 25 do mesrao inez, n. 660, decUrou
me o inspector do Thesouro Provincial haver pro-
videnciado de modo a ser entreguesemanalmente
pela repartido a seu cargo ao tiesoureiro dessa
Santa Casa o producto do addicioaal referente a
arrecadacao dos isspnstoc provincia* aoje obra -
dos pela Altando^-Coawuniaou-se ao uto ins-
pector.
Ao Dr. chafe efe prieta.Por falta de torca
disponivel, confesa daeferou o comosaariante do
Corpo de Polica, ea offioia n. 563, de do eor
rente, nao pode ser por ora, aagmintado o deeta-
-caraento do ItapiaBaaia. Ae-in fica respondido o
officio de V. S. a. 6>, datado de 21 do me e)u
boje finda.
A' Tbeaouraria de Fatenda.De eouorm-
dade eom a ordem do Thesoaro Nacional de 17 do
corrate n. 129, mande V. S. effectuar o pagamen-
to da importancia de 404*820, proveniente dos me-
dicamentos de que trata a inclusa conta, fornecidos
em Abril ultimo pelos pharmaceuticos Rouqusyrol
Frres para o tracain- uto de indigentes na. eidade
do Brejo em Catende.Communicou-se ao inspec-
tor interino da anude pablica,
Ao aoesmo.Ao capito de estado-mawr de
artilharia 3 Vicente Antonio do Espirito Santo,
que arge para a corte, inunde V. 8. justar con-
cas.
Ao inspector do Theiotaro Provincial.Man
ae Vmc. pegar ao gerente da estrada da terroeo Re-
cua a Caxaag a quantia de 71*200, importancia d*
288 pasees concedidos por diversas autoridad*
policiaes uos cauros da raesma estrada da ferro
durante onet de Abril ultimo, segundo o docu-
mentos juntos,, correnda a despea por conta ti
verba Ewentuae.Comoiaaicocee ao respective
engenbeiro fiscal.
Ao png-'nheiro das obrtis publica. vutoriao
Vece, a mandar por ei praca a repares argentos
da cadeia da eidade de Garuar, na iraporaaneia
de 2:188*117, ee nbou o e officio de 25 desta mes, sub n. 116.-
Fiaeraro-se as devidas eomtstunicaooes.
Ao mesmo.Autoriso Vmc. a mande* par
em pcaca os reparos argentes da caaea de Igua
rass na importancia le 1:640*00#, segundo o em
caoaanti, que acempanhou o seu officio de 25 deste
moz, sob n. 115.Fizcrauvse as devidas cnunu
ucacts.
Ao mestno.Autoriso c*inie., como pede m
seu officio di 27 do eorrente, sob u, 117, a eisprei-
tar com o arrematante da obra de reparos das 3
pontea do Rio Formoeo, os concert urgente da
casa que aili s?r<'e de escola publica, pelo preco
do novo oreao-aato na importancia de> 850*000.
Fxeraa*-8e ae.devidas eowmunioacoes.
Ao i ci/iaVlil n fiseal da estrada da ferro do
Reeife ao si. Francisco.-Remetto a Vmc. upia
da informacin. 432, prestada .pelo mapec'o da
Tbesouraria de Fazenda em 23 do correuto, sobre
o assumpto de que trata o aeu offioio de 15, sob n.
50, acerca da cbranos por part da administra-
cao dessa estrada de ferro, do 5 o/o adaiciouaee
sobre a taza de transporte estabel.cJa pelo de-
creto n. 3565 de 3 de Di'zoinbro de 1879.
Qoanto s feancies, convena que no neto da oo
branca de tal imposto sejara despeesadaa quaud
nao houver no.'d* correspoudeute a iiiuirtiu.-ia
d'ellas, at que o governo imperial resol/u o con-
trario. Communicou-se ao inspector da Tbesou-
raria de Fazenda.
Ao Sr. agente do correr) da Vilia-Bella
Do posse do officio de 14 do corrate, no qual
v'ruc. comrauuica que, por determinadlo do jidmi-
nistrodor djs correios, assumio as fuuccoes de
ageate fiscal da fazenda naoional para proceder
nova-matricula dos escravos, declaro que enmare
Ibe tambem fazer(parte d* junta clasgificadoca que
devera ter-se reunido no dia 21, como deteimmei
em circular de 24 do Maw ultnnu.
Portiwias :
O Sr. agenlie da Compauhia Braedeira de iNu-
vegacao Vapor, faca transportar corte, por
oseta do Ministerio da Guerra, no vapor especado
don irte, o cupitio do estado-inaior da artilharia
baebarel Vicente A -nonio Espirito Santo, que se
rseolbe ao carpo a que perienee, c be agsim a
sua inuiher D. Rosa Cassnl do Espirito Santo e
seus fiihos, Francisca ai 5 annos de iiade. Vicen-
te de 8 e um menor de uiu auno.
O Sr. gerente da Companhia Rernautbucaua
mande dar pussagemare, at a Fortaleza, no va-
por que seguir para o norte a 5 de Jalho prximo,
a Eugenio Barros) do Amara!, .oor conta das gra-
tuitas a que o governo tena direito.
___Id-m, idem at o porto de S. Salvador no
vapor que segair-para o sal a 10 de Julho prxi-
mo, a Joao da Costa Lima.
A' ordem do subdelegado do Recife, Manoel
'Francisca Nunca, par offensas oral publica eJ
Anna Maria do Prazeres, por disturbios.
- A" ordem do de Santo Antonio, Maximino Joa-
quim Pereira, por offensas moral publica, Vicen-
te Ferreira de Paula, Jos Francisco Rodrigue
do Nascimento, Joao Ignacio de Mello, Jlo Ale-
xandre de Mello. Jlo Anaatacio, Gandeacio Fer'
reir da Assumpclo, Jos Joaquim da Silva e Ma-
nael Antonio Dawel Cordeiro, por etnbria-guea e
distdrbiea. ,
A'arfemdadol^dtatrietodaiw Vista, Jos
mi de Mirseda, Raymunda Hara Tietwsa
__ Jesua sr-Jona^mo acravo da Joaquim Mwrerra
Befe, por easbria^uez e disturbios.
Petasabdetegado de S. Lourenco da Matta,
foi reinettMo ao jnizo eompeteate'o inquerito po-
licial nqn proeadeu ermtra o meaoa Joao Rodri-
irasB Maesa, por laves, aa oecasiao em qne Brin-
eava com urnas pistola, ftido casualmente,
no p direito, a om oatro nrenord nome Jlo
Vidira Arco-Verde.
__ Communicou-me o cdadio Luiz Alexandro
de Alencar, que no dia 28 do mez findo asumiiir
naqualidade de 1' supplente, o exercicio da de-
legada do termo de Granito.
Deua'guanifi a V. Eju.~hlia. e &ut
Sr. Dr. Igaacie Joaquir de So-ua beHtx,
amito digno vica-presidente d. provioei.
-O che/e d* po ta, tnartt Domingos
Pinto.
Se roma
Diversas deaSesas
Dficit em 31 de
pad
EXPEDIBItTE DO SEC8ETABI0
iAo 1* secretario da Assemb.a Lagidativa
Provinaial.De ordem de S. Exe. o Sr. ice-pre-
sidente da provincia, transmiti a V. S. afira de
serem presente a Assefobia Provincial a iaforma-
cao do inspector do Tbasour* Pr.wincal de 28 do
eorrente,'n. 738, o as qm u ellas se. cbaut anne-
xas, conccrnentcs as petices que devolvo de
Ismael Clementino Bezerra, Cmara Municipal de
Palmares, Fabio Velloso Freir, Liurindo Mar-
ques de Snuza e Antonio de Oliveira Maia Fiea
deste modo respondido o officio de V. S. de 20 ae
Miio ultimo, n. 161.
- Ao rheoheiro das Obras Publicas.De or-
dem de S. Ere. o Sr. vice presidente da provincia
iiceuao o recebi ment do officio de 2 deste mez,
aob n. 118, em que V. S. communica ter mandado
passar certificado de pagament > da >r meira pre-
stafilo, a que tem direito o centractante da obra
e reparos das pontes do Aterro, Ra Bella e Aqou
gue, em Rio Pormoso.
Ao juiz municipal e de orphes do termo de
Ipojuca -De ordem de 8. Ese. o 8r. vice-presi-
dente da provincia, aecuso o reeebimento do officio
de 22 do correte, no qual V. S. commnmca que a
14 reunio-se a junta classificadora de eseravos
desse termo, como foi recoraicendadoem circular'
de 24 de Maio ultimo, nomeando V. S. promotor
ad boc para fazer parte da mesma junta.
Ao mesmo___e ordem de S. Exc o Sr. vice
presidente da orovincia, aecuso o recebimento do
officio de 22 do eorrente, no qual V. S. commun -
aa que em audiencia do di-i 9 declarou libertos 357
escravos, na forma dos j 10 e 11 do art. 3- da iM
u. 3270, de 28 de Setembro do auno paseado, sendo
lt>8 de 60 a 64 annos de dale e 189 maiores de
65 annos.
Ao de Pao d'Albo.De ordem de 8. Exc. o
Sr. vice-presidente da provincia, aceuso o recbi-
mssto do om ia de lf do coraente. com o qual V.
S. remettea-me urna relaclo de 139 escravos nne
condicSs dos 1 e 11 do art. 3- da lei n. 3270
de 28 de "et"inbro de 1885.
O mesmo Exm. Sr. ficou inteirado de haver V.
S. averiguado que inferior o numero dos ditos
escravos, por terem fallecido muitos e sido li-
bartadosoutros sem que tossem averbados na res-
pectiva collectcrias.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 15 DE
JULHO DE 1886.
Annunciada de Mello Montenegro e Jos de
Mondonga Maurity.Informe o Sr. inspector ge-
ral da lnatruccao Publica.
Companhia Pernambucaua.Encaminbe-se, de-
vendo a aupplicante pagar o respectivo porte no
Correio.
Francisco Cordeiro Faleao BraaiL Sino, aa for-
ma da le.
Fortunato Jos de AndradeNesta data soli-
cito do Ministerio da Fazenda o preciso crdito.
Jos Joaquim [de Az-. vedo Informe o Sr. di-
rector do Arsenal de Guerra.
Jois Baptista Cavalcante de Albuquerqoe.
Informe o Sr. inspector do Thesouro Provinoval.
Vicente Ferreira Albuquerqne NascimentoIn-
fo/me o Sr. inspector da Tbesouraria ee Fazenda.
Beeretaria da Presidencia de Pernambu
eo, em 16 de Julho de 1886.
O ajadente do porteiro,
Antonio F. da Silveira Carxxdho.
Repartir da Qollcia
Seccao 2.* N. 698. Swretara da Pe-
licia de Pernambuco, 16 de Julho de 1886.
Illm. e Extn. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolbidoa Caaa de
DetencSo os segaintes indiidnos :
__A' minba ordem, Antonio Ramos de Almeid,
Liberato Francisco Correia de Aranjo e Joa dos]
Santos, por oso de armas d* feaaa e jogoa prohib
dos; Lucas Paca da Silva, por embriaguez, Ma-
noel Joaquim de Sant'Anna, rettettido pelo sub-
delegado do districto da Vanea, por erfcne de
furto.
Tiieoouro provincial
DESPACHOS DO DIA 16 DE JULHO DE 1886
Jos d'As8ur/ip9lo Oliveira, Migue] Rei-
nu Duarta Ffao, Antonio Diaa da Sil-
va, Mri* Tb,eiadora d'Asarapo5fl, Dr.
Lili* Rodrigues ViUaree, engenheiro jhefe
do prolongaojeoto, Dr. juiz municipal de
Barreiros, JoSo Fernandes Marques, Jolo
Baptista Cava-loante de Albuquerqu-', offi-
cio do Dr. ltiete de polica e Antonio Ro-
drigues Tavares. Inforrpe o Sr- conta-
dor.
Maoriiia Maria. da Coacergao. Satisfa-
ga a exigencia da. contaxloria.
Joao ChrysostOJuo d Mello Cabral. j
Jntese copia das infopmaces.
Narciso (Jando Baptisl* e Francisco
Nogueira de Mello. Inforose o Sr. Dr.
adtnin'trador do Consulado.
Joao Francisco Florencio .de Sous. -Re-
gistre-ae e fagaiu se as optas.
Maria Joaquina do Santos Abreu e
Silva, Joaquim Ferreira Rasaos Jiinior e
Geu iaao dos Santos SsJva. Haja vista o
Sr. Dr. pro-uradpr fiscal.
Joaquim Jos Rodrigues Costa. Volte
ao Sr. Dr administrador do Consalado
para declarar se foi au nao despachado o
algodao d" que so tniu. No caso negativo
rxHin, de s--lhe lesembarajo. visti> t".rem
sido recebidos os direit03 ii exportagao na
sahiila de Bom-Coacelbo, como cdletoria
limitrophe, para a provincia de Alagoa*.
Adelaide Minervina Moraas e Silva e
.Joao Caroeiro de Araujo Vasconcellos.
Certifique-ee.
Irman-lade do Santissimo Sacramento da
Boa-Vista. -Ao Sr. thesoureiro para os
de.vidos fias.
A Fagam se as notas da portara e li-
cen$a.
Manoel (Resino do Alburqu*rquo Mara-
nai>.Ao cantenoso para i.ttcndel-o.
Ubelina Candida de Asevedio da Silva.
Satisface o dispost no art. 152 do peigu-
lamepto deste Thesouro.
parecer da commissao de archeologia a aopracita-
da inser pcao encontrada no convento de Nssa-
reth do Cabo, e bem assim da respectiva commis-
sao da histeria, o original da provisao e relaclo
das capellas e vioeolos offertados pelo Dr. Perrer.
Foi lido, discutido e vai a imprimir o aeguints
balaneo da recefta e deapeza, verificadas no tri-
mestre de Janeiro a Marco ultimo :
R-jceita
Urna joia de eon correspondente 20/000
DcfU 342*730
Deapeza
documentadas
Dezembro prozimo
362X730
311*200
21*530
NviBlila ProvIaaelsU Funcsjonou
hontem, sob a presidencia.do Ezm. Sr. Dr. Jos
'.Manoel de Barros Wanderlejr, tendo comparecido
28 Srs. depotados.
Foi lida eanprovada, sem debate, a-aeta da sea-
sao antecedente.
Fui tambem sem debate approvado o parecer da
coimisaao de radacelo aobre o projecta n, 37
deste anno.
O Sr. Juveneio Mariz, pela ordem, enviou a
mesa om requerimento, que foi apoiado e all fi-
cou para ser opportunami'nte discutido, pedindo
informaea sobre o facto de tfr do no dja 4
tierra do Vento o delegado do Brejo falsificar a
acta da 4ei$o de 1 do eorrente.
R jeitou se o requerimento do mesmo Sr. depu-
tado sobra a eleicao municipal de Caruar.
Adiou-se pala hora a discusslo de um requeri-
mento do Sr. Jos Maria subre a eleic^o munici-
pal de Ruin Jardim, orando o mesmo 8a. deputado,
que mandou mesa urna emenda, que foi apoiada,
e o Sr, Drummond.
P&ssou-se Ia parte da ordem dia.
Rejeitou-se o requerimento de adiamanto da 2"
disousaao das emendaa ao projecto n. 54 deste
Hnno (orcamt'ilto municipal).
Continuando a.diaeusaao. encerrou se d<'j>ois de
orarem os Sra. Prxedes Pitanga, Javencio Mariz
e Seg Barros, sendo votadas t remeriido o projecto commiaaa de redaccao.
Enoerrou-se a 2* diacusaao da emenda em 3* ao
projecto n. 27 deste auno (fixac&o da forca .poli-
cial) sendo apoiado um requerimento de adia-
manto por 24 hoxaa e na ae votando por falta de
i.umuro.
Paaaou-ae 2 parte da ordem do dia.
Adiou-se a 1 discuaaao do projecto n. 13 de
1885.
Acbandc-se aobre a mesa foi a imprimir um
.parecer da commissao de redaccao sobre o projecto
n. 43 deste anno.
A ordem do da : parte: 2 discnssfio da
encula o projecto n. 27 deste anno; 2* parta:
continuacao da antecedente.
Ministerio do Imperio S. Exc. o Sr.
presidente da provincia recebeu o segainte tele-
granima :
Reparticio Geral dos Telegr*phos Estacao
o Recife, 12 de Julho de 1886.Procedente do
Rio de Janeiro.Ao presidente de Perna moneo.
^Suspensa rrsjlucao de 5 de Sovembro, devem ser
recebidtts em livre pratica navios procedentes
'Brest e maia portos francezes entre Nantes e
'Cherbargj Ministro do Imperio.
Tribunal o Jury do Recife Foi
'hontem neste tribunal aubmettido a julgamento o
reo R berto Al vea de Souza, conhecido por Grato
Bravo, iacurao as penas no art. 205 do cdigo
criminal.
Accusado pela juatica publica de haver em 27
de Abril de 1883, na Casa de Detenoao desta ci-
dnde f. rilo gravstneate a Antosao Manoel do
eciieuto, foi pela Jury ceadernaado a 6 mezes
e 15 das de prisau e multa osrresa-iadcnte me-
itade do lempo, grs medio do art. 301 do dk c-
digo.
Prodoizio h defiza o Dr. Laiz fims-gdio Rodn-
goaa Viaana.
I >is I il ni o .rrfK-olosrico e eara-
phiro Ptrnimburano- Quinta-feira, 8 de
crreme, a 1 hora da tarde, reunio-ae o Instituto
m aessfio ordinaria, aob a presidencia do Bxm.
flr. conaelherrj Pinto Jnior, com aasiatencia doa
rs. Dre. Luna Freir, Cicero PeTegrina, Baptista
Regucira, 1* aecreterio, Joa Hygiao, Bar-os Bar-
ret e Lopes Machado, e dos Sra. D. Juan Busson,
Aaguato Casar, Aagosto Costa e major Codeacira,
2* secretario.
Luda, foi approvada a acta da sessao anteceden
teeoSr. Dr. 1* secrtrio saenaionoa ae seguintes
ftertas:
Pelo conaoeio Dr. Vicente Ferrer de Barros
Wandei ley. Aranjo, o original de urna provisao da-
tada de le de Datubro de 1745, dirigida ae pro-
vedor de despachos e aasen toa da cidada de Oiin-
da ; te de autos dos sartorios destt eidade ate o anno
de 1887; copia de urna inecrtpoo em latn que
anda se encentra qoaai apagada, do oauvento He
Nasareth do Cabo, com a tradoceo litteral e livre,
acompanhada da observaedes do mesmo conaoeio
ofertante ; nma paotograpbia do deseabo da igre-
ja de Nossa Senhora da Livramento do Cabo.
Pelo conaoeio D. Juan Busaca, am volunte das
poesa* de Jos Maria da Osata e Silva.
Petas raspetitas redoslas, diferios joraasi
desta e de ostra provincial.
O Instituto mandn aubmetter apreciacao o
Seaxna 362*730
V.-m A mesa e approvada nma proasata para
ser admrtfido seeft heitorario de lstrente," ff*n
sul geral do Brasil na Hsllanda o Exm. Sr. Anto-
uio Carlos TeJeira.
O Sr. Dr. Barros Barrete apreseatqu alguna,
queaitoa para serem propoatoa commissao medi-
ca, que tem de dar parecer aobre a oaaada adia-
da no convcQta 4o v*tm de PlifidaV
Nada mais havendo a tratar-se foi levantada a
sjala
Alag**O paquete Cear, entrado, hontem
do .sul, penas adiaqtoit datas de AlagOas, trazen-
dp-as at 15 do con-cnte.
Cnegara ao Trtnf a eogeaheiro bydraulico J. H.
Whioldon. incumbido de examinar as obraa do
novo acude.
Fallecer o capito honorario do exercito Joa-
quim Jos Rsmos.
Club nter nacional de aseajata*)
Este Cob rea-lisa amauhS,.qa baca de Santo Ama-
ro, ocnfluencia doi res Capibaribe e Bebeaibe, a
sua 1* regata. Ha arehi'baacada para os espec-
iad res.
Bleico munlclaal-^Ka terca-leira vin
doura, pelH 10 horas do dja, a Cmara Munici-
pal proc-de a,-uracAo geral dos votos dados em
! cecrutiruo par vereadores do respectivo muni-
cipio.
tasuciaraii CutnmerclalBesse0cen-
(eXa segundayteira prxima, l'i do eorrente,
pelas 12 horas do dia, e por convite da Associaco
Cbmmercial Beneficento rene se o corpo coaimer
ci;il da prar;a do Recife, no palacete da referida
assoqiacao, para tomar coohecmento de urna re-
present-isio dirigida mesma soeied.de.
Tribunal da-|acAo-fate egregio tri-
bunal coirfiruiou, em sua seaaao de 9 do eorr.-ute,
a seqtenca de jury da comarc de Palmeira doa
Iud .os das Alagoas, que coniemnon o reo Mauool
Qerreira da Silva Orjonho, come autor do homi
cidio pratieado na pe.sao do bacharel Joaquim
Francisco de Paul^ Estoves Clemente, promotor
d'aquella comarca.
Peala acadmicaN prxima segunda-
feira, 19 do corrent.-, s 11 Oeras do dia, reuem-
se os Sra. W:ademicos, com o fim.de tractarom das
festas comujemorativi8 da creacao dos cursos ju-
ridiecs d imperio, em 11 de Agosto viqdouro.
Modedade Pbylomatlea Boje, 4s 4
horas da t*tde, reune-se st;i sociedaje na res-
pectiw^ o le
IMabeiro9 pVqu"te Cear trouxe do su
par :
Dversoa 4:416*360
FatleciuaentoNo dia 18 do correte, uh
cid:ide do Limoei'o, 8uccumbro a usa affeeeao
pulmonar. 1). Maria R-?guoira Duartc Pinto de
Souza, espiaa do major Pedro Alfonso Rogueira
Pinto Je Souza. Era urna senhora respeitabilis -
sima e exumpiar mi de familia.
Oontava 44 humos de idade.
iceviata AcadmicaPnblicou-se o n. 5
desta reviafa, que continua a ser bem elaborada.
A l||H(racSoKecebemos o n. 12 (.c 2 i
do paasado, d^i Iilustracao, qui se puDlica em Pa-
rra.
Traz esplendidas gravuras e um bom artigo de
critica.
O KatudoPpb!icou-se o n. 4 deste quinze-
nario, organ do Cl ib Luterano Jiegues Juuior.
Conseco de inoejssdloHoqtem, cerca de
3 e m*iia h iras da tarde, d.jram as igrejas desta
eidade signaos de incendio no bairro de Santo
Antonio Em consequencia d'isto procusaram as
autoridades va freguezia saber oude era o ineen-
do e vejificaiam que no pre lio n. 9 da ra de Pau-
lino Cmara, tnuuuestaVB-se o fogo na comesira
do mes no predi p.Io lado posterior.
Indagada a eaosa, gaube se ter sido o comee
do incendio prodpsido pela hucha de uma.nomb.
Immediatamente tomaram-se as necessarias pre-
eiuaet, e o ,fogo toi ext'iacto un causar maior
damno.
I'aaiamenloHontem reodeu alma ao
Creador, em idade maior de 70 sainos, o.capitao
Jos Redriguea Pereira.
Era um homem respeitavel pela swo probdade
e firmeza de carcter.
Tendo sido negociante dciw praca por muitos
annos, foi-lbe a fortuna adversa, de modo que
suecumbio p"bre, deixando como legado a aua l-
lustro familia, um notme honrado.
Era pai d nosso amigo o Dr. Jos Rodripruea
Perer Jumor, a quem eapecialmente apresenta-
moa uossas sinceras condolencias.
Keunioei soriaea ra ainauha as se-
guintes :
Da Irsaudade do Senhor Bom Jeeus das Cha-
gas, em mesa geral, s 10 horas do ia, para lei-
Vo da nava mesa regedora.
Da Aasociacao doa Empreados do Commercio,
cm aasembla geral, s 5 horas da tarde, para pos-
ee da nova directora.
Da Uniao Bonifcente doa Mareieiros, em as-
sem.ola geral, s 4 horas da tarde, para temar
coubecimeute do relatorio e contas da dirveto-
rin. *
Da Irmaudada do S8. Sacramento de S. Jos
en me*a geral, s 10 horas do da, para elei-
Sau-
RcIokio de olA Pruvineia de & Paulo
d a s-guiute uoticia do relogio do sol que o l-
lustrado capuchincbo Frei Germano d'.nneey
maudou couatrair na Italia, e pretende installar
na Franca da Imperador.
O relc^io todo feito do mais fino marmore
de Cvrars, pesando *o todo 2 toneladas. Foi fei-
to expresaamente oa Italia, maa o marmore veio
completamente em branco, sendo oa aignaea todoa
delicadamente realisados n-sta capital pelos co-
ubecidos rsculptores Martiuelli, sobre desenho de
Frei Germano.
Compe-se n relogio de tres pecas diversas r-
urna columna, um cubo e urna esphera, marcando'
quaiquer d- lias de per si ou tt.daa aimultaneamen-
te, o da, a hora, o mez e os signos do Zsdiaco.
Contm cinco poateiroa de metal galvanisado
e eua altura d qaatro metros.
O relogio ser lavada para a Franca breve-
mente e para iaso. promptificaram-se as nossas
compaubias de estradas de ferro, de mmto boa
vontade, pasBHgem gratis.
Dep jis de convenientemente eollocado, o re-
logio afra cercado distancia por urna bollissima
grade cujo desenho vimos, e tundida na importan-
te asa Mii-Hardy, de Campiras.
Em coaciuaa e um trabalho admiravel que
muito honra aeus autores, entre oa quaes canta
m.s o illaso-ado astrnomo e oa rmaos Martin.l-
li.
Villa le S BcntoEscrevem-noa em 13
di corrate;
Depon de loaga ausencia apparecsu ante-
hontem, s 8 aoras aaaoite, a banda marcial des-
ta villi tocan da wnitaae variadas pecas por meio
de urna passe.iata expleorlida percerreodoas fria-
cipaes rtias da localiade depois de urna visita
que fizeram a chcara da Sr. Ola vo Correia Crea-
po, digno aecretario da nossa manicipalidnde, que
lhea o-reoeu am delicado copo d'agua.
0 iaverno aqsi vai ocio l e meio c ; final-
mente para melhor diaer, aem invern nea ve-
rao.
Tendo vagido -o eartorio do juico de pas ada
subdelegada por haver sido ornead* escriv in-
terina de jury docto termo o Sr. Maaoel Goncalvt a
de Siqaeira qae oceupiva aqueile lagar, foi pelo
aubdetegado respectivo propseco para substituil-o
em o Tonrio caigo o oideo Joao Hemeierio de
Moraes, qaa, por acta de 10 do correte, t eftec-
tiraaiente nomeado palo delegado Altacida Valon-
ea em face da alludida proposta.
fo dia 11, faoccioaou o nosso Club Lutera-
no cas casas extraordinaria a qaal foi presidida
pelo Sr. Joaquim de Aimetda Vaieoea 1* viee-pre-
sidents, encapando a adeira del* ocre tari o o
Sr. Francisco Alexandrias de Paula Roeaa.
Oonsta-noi que m dirantore* do Club, nomaa
rata orna eomaiuio d'enire os aens aaembros para
agenciar entre es Sra. socios certa quaatia pata)
darem atas partida brevemente.
IHudr* D*hi o Matkemt ce to/u*e..
A quebradeira por aqui eit... damnaaa.
Demos tempa ao lempo.
Quem vi ver, ver. "^
O subdelegado do Calcado fes urna importan-
te di)lgencia no dia 5, capturando o celebre facei-
nora Joao Lourenco da Silva, um dos mais par-
versos aaaassinos dos acontechaeatoi que tiveram,
lugar na decantada Grota ova do districto poli-
cial de Canhotinho.
Estas e outras acqu8ces fazem com que nos
vejamos livre desses bandidos que trazem em so-
bresalto os habitantes desta e das comarcas visi-
nhas.
t A trabquillidade publica contina inaltsravel
devido solictude e zelo com que se teta podado
as autoridades policiaes deste termo.
BaaafioEscrevem-noa em 10 do emente:
CDmtnunico-lbe qua fot aqai reeebkia eem
geral satisfaeo, a noticia do acto da Presidenow
da Paoviocia de 18 do mes pascado, que deu prc-
vimwotoao recurro iaterpoato paio proiesaor deca
villa Pacifico Paulino afalaqattac, da i I legal e in-
iuitdsMaUnca do conascaa IMbSMrio, qat a eon-
druiucra a urna remoclo foread a.
c Ao chegar a noticia, foram queimadas inn-
meras gyrandolas. de fogoa, de differentes casas,
b pontos da villa, demonstrando positivamente,
deate modo, os amigos d'aquelle professor, quao
grande era o contentamente de que ae achavam
aifcaiiidni niir vrim afinal ienflia *^a nina nirfiflda
^^^^^^^B^KB^^V- ?^W^^W nHMl ^a^^ ^^ m^^^ p^^^i^^
luta de 7 mezes, reintegrado em aeu magisterio
d'oude bruscamente havia sido arrancadj, para
aatisfazer caprichos ncoufesaaveis.
r Ko dia 22, chegando aqui a Sr. Dr. Clau/ino
de Mello, que havia mandado a. notiejaj-.conti-
nuarara aa festas, endo o meeuio visitado c com-
pnmeutado par muitos amigos, seus e de seu p-
rente, o referido prafessor, pelo acto, de juatica e
equidjide, produzido pelo Exm. Sr. Dr. Ignacio
Joaquim de Souza Lear, a quem os habitamos do
Bonito, nao regateam applaasos uaauimts e en-
thudiastaa, pela absolviclo do Sr. profeasor Mala-
qilias.
No dia 24, o referido profeasor recebeu cm
sua oasa, ac manifestacjlo de seus amfoa, que
com urna bauda.de msica marcial a frute foram
Comprimeutni-o ao meio dia e com elle c sui Exm i.
tamilia, passaram no ma,is doce prazer.a farde desse
dia; tocando a banda, aa melhores pejaa do seq
escolhido repertorio, e os amigos manifestantes nos
comprimentps maia Mourosoa
A a 6 horas da tarde foi servido um lauto e,
profuso jaqtar, oude au dessert e ao espumejar
do champagne, foram erguidos di.flereutes brindes.
Terminado o jantar seguio-ae urna saire
agradabilissmw, que sa proloqgou at aJU n,oite,
continuando depois de ser servido o chi, reinando
seuiprc o inis vivo contenta ment, eqtre os con-
vivas, que ao retirarem-se prla madrugada, sa-
hjram penljorados, pelo exoelleote tratamento, que
gostosameute Ibes diapoiuayam, o Sr. profeasor
Malaquias, e sna Eima. senhora, que a todos c^p-
tiv.ju com seus dotes aprecia/eia.
Pretendii.m oa amagos mauifestautes, depois
do jantar, fuzerem qma pass'.iaja pulas ruad d.i
viiU com a msica a trente, porm dcixaram de
a tazer, a pedido do Dr. Claudiiio de Mello e do
professor, quj agradecidos se conf-ssiram J/ir
tmt-s pro vas de consid>Taeao e an.isade-
Ni dia 23, o Retn. Sr. vigario Joaquim da
Cuaba (Javaleaote, amigo dedicado do Sr. pro-
teos-ir M-alaquiss cjieio do iriaior contfQta1''1*''
pele acto do Exm. Sr. presidente da proviucia.
i i-Hu- > em sua Casa, Uwi grande uuui'io de seus
anjgoa particulares e pojiaicos, e offereceu ao Sr.
paotesaor Pacifico Pauliuo Malaquias, um profuso
jantar, decl irando uo orimoiro brinde, que a sua
aatiscao era tal, quf s obsequiando publica
mente o seu amigo pryfessor, poieria traduzir a
satisfagao, qua experimentava.
Ne.-oejutar feram tambem erguidos .muitos
brudes.
< Findo o juntar seguiram todos para a sala de
visita, oude com mucas aenhoras, que au oebavam
pteseqtes improvisou se uoia deeioaa soire, que
se pro'.ougau at oras adiantadas o depois toi ser-
vido o cha, proaeguindo anda a danaa reinando
sempre a mais doce alegrU, o riso mais puro, que
s sabe provocar as victorias do justo, e do ver-
dadeiro.
Alui da banda maroial, que-cora as melhores
pegad do sen repertorio convidava aos ntimos foi
gures da dausa; acbava ae toeaudo no largo da
matriz outra msica desde o comqco da feata.
Foi Jisaim, que no m>ia risonlu enthusiasmo,
no mais delirante festim, aoleinaisaram oa amigos
do profeasor Malaquias a ana gloriosa e disputada
victoria.
qae no cor*ciio do homem sincero e b>-m,
ha aempreuim rastro de luz, que aclara a face pura
da victoria, para queimar a fronte negra do algoz.
Anda no dia 30, chegando a participacao otE-
cial, resolveram oa amibos faaerem urna nova iaa-
nife-stacao ao prp/iaaor MUqoiasfc ao reassumir o
exarcicio de iuaa fuacoea de profeisor publico
desta villa; agradecen lo este, e pediodo dispensa
por achar-se com-i^eiio incommodo de sade.
illaaai ranearea. Jierc celebradaa :
Uoje :
A's 7 horas, no convento da Gloria, por alma
de D. Joaqun Ferreira de Salios Dutra.
Segunda-teira :
A's 8 horas, em Santa Rita de Caaaia, por alma
de D. Joaquina Emilia de Oliveira e Silva ;
Ter^a-feira :
A'a 8 horas, naa matrie8 de Santo Antonio e
Gamelleira, por alma do capito Vicente Elias Ca-
va le inte de Albuquerque ; a 8 hojas, Da matriz
de Santo Antonio, pjr aima de D. Luisa C. Cor-
reia da Foasea ; s 3 hoiaa, na metriz de Santo
Antonio, por alaia do Dr. Francisco Alves da
Silva.
Iraawageiroa bogados dos poitosdosu
no vapor nacional Cear :
Baailio Maguo, Guiaeppe Franciaoo da Lio
iGuiseppe, Dr. Manoel Lopes de Oliveira Ramose
sua tamilia, JooKoerk, Liboria de Antonia, Gui-
IhermeS. Braga, Dr. Altiao de Araujo, Wlisses
F. de Paulo. Manoel Pereira da Silva, ex-praca,
Joao Jof de Brito, Manoel Joa de Sant'Anna,
capito Joa C. de Carvalho, Dr. Guilherme M.
Vianca, Dr. Al/redo Lcite, Daro M. de Alineada,
.Eobert Moyoli, Dr. Jos Alves de Almeida, Jos
.de Oliveira e Silva, Dr. Jos Ignacio G. F. Mene-
izea, Francisco M. da Fonseca, Manoel O. B. de
Almeida, Dr. J. H. Whieldon, Jos Alves da Sil-
va, aua senhura e 2 filbos.
Caaa de Uetencs&oMov ment dos pre-
sos no dia 15 de Jalho :
Existiam presos 802, eatraram 19, sah^m 8,
exisiem 318.
A saber:
Nacionaea 279, mnlberes 4, estrangeiros 11, es-
cravos sentenciados e processados 10. ditos de eor-
recco 9.Total 313.
Arraooaakis 264, sendo : bens 25(,doeatea 10
Toral 264.
Mov ment da enfermara :
Tiveram baixa :
Jo8epba Maria da Csnceicao.
Antonio, eacravo de J..o Florentino.
Tere alta :
Manoel da Costa de Naaeimento.
Lotera l'da provincia Quinta-feira,
2 de Julho, so extrabir a lotera n. G4, em be
Baficio da Santa Casa de Misericordia do Re-
cik.
No coasiatorio da igre)a de Nossa Senhora da
Conoeico doa Militares, se achara expostaa as
urnas e as espherae, arrumadas em ordem num-
rica 4 apreciado do publico.
Lotera do loA 3 parte di lotera
n. 198, do novo plano, do premio de. 100:000(000,
ser extrhida no dia .. do correte.
Oa bilhetes acham-se venda na Caaa da R>r
tuna roa Primeiro de Marco.
Tambem acham-se venda na praca da Inde-
pendencia ni. 87 e 89.
.olera de Macelo de SOOtOOOaOOO
A 17" e 18 partea da 12* lotera, cujo premio
grande de 2(0:0OW, pelo novo plano, ser ex
tratada impreterivotaieole no di 20 de Julho s
11 h .ras da mafth.
Bilhetes Venda na Oasa Fblia da praca da la
dependencia ns 37 e 39.
Tatnbem acham-se venda na Roda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Preous resumidos.
Lotera Extraordlarla do Vplran
ata O 4. e uluiao surtsio das 4. e .* senes
desta importaste lotera, cujo major dremiD de
150:008JOOO, eer astrahida a 14 de Agosto pr-
ximo.
Acham-se expoato venda oa trestos dos ti
Iheteaoa Casa da Fortuna rua Primairc da Mar*
90 n. 23. 1
Lotera da rArteA 3a parte da 364 lo-
tera da corte, cujo premio grande de 100:0004,
aera extrahtda no dia .. de Jalho.
O bilhetes aoham-co veada na Casa Feliz,]
praoa da Independencia as 87 e 30.
Tambem -acham-se venda ua praca da Inde-
dendencia ns. 37 e 39.
Matudouro PublicoForam abatidas no
Matadouro da Cabanga 79 rezas para o conaamo
do dia 17 d Julho.
Sendo: 64 resea pertenceotes a Oliveira Castro
iS C, e 15 a diversos.
Mercado Municipal de Joa0
movimento deste Mercado uos das 16 do cor-
rente, foi o seguinte:
Entraram ;
34 1/2 bois pesando 3,378 kilos.
1.283 kilos de peixe a 20 res
81 cargas de farinha a 200 ris
45 ditas de fructas diversas a 300
rii
9 taboiairoa a 200 ria
12 Smncc a 300 lis
Foram ooeaaadoc:
24 1/2 columnas a 00 ria
26 comaartiu
500 rea.
21 corapartinKQtes da eemida a
500ris
71 ditos da lagomea a 400 res
16 compartimentos de suinoa700
ris
13 ditos de ireaauras 600 ris
1G ditos de ditos a 2f
A Oliveira Castro & C.:
2 talhos a 500 ris
54 talhos da cama verde a 1J
a de frnha a
254660
164200
13*500
14800
14400
144700
184000
.Wr-
114200
74800
204OOO
14000
544000
Dave, ter sido arrecadada uestes das
a quantiade m#6P
Preep do dia :
Carne verde a 280,e 409 ris o kioa.
S u^o 500 9 5iiO. ris idem.
Carneiro do 560 e 640 ria idem.
banuh. da 320 a 240 ria a cuia.
Milho de 280 a 320 ria idam,
Feijio da 640 a U08O.
Ceaaiteria publico.Obituario do da, 15
de Julho :
Franciaoo, Pernambuce, 18 mezea, S. Jos; quei
maduras.
Ignacia Carolina Paula Chagas, Pernambuco,
44 annoa, viuva, Santo Antonio; tubrculos pul-
monares.
Maaoel Nasqimento Accoli, Pernambuco, 47 ao
nos, solteiro, Boa-Vista; tubrculos pulmona-
res.
Antonio Lopes Guimares, Pernambuco, 27 an-
uos, solteiro, Boa-Vista; diarrha.
Margan ia, frica, 70 annoa, viuva, Boa-Vista i
ttano.
Luiza Maria do Espirito-Santo, Pernambuco,
60 anno*, solteira, Boa-Vista; diarrha.
Jos Douingues, Pernambuco, 5 mezes, Boa-
Vista; athrepaia. ,
Ricarda Maria da Conceicao, Pernambuco, 60
annos, solteira. S. Jos; febre perniciosa.
Franceliuo de Miranda Henriques Lopes Reis,
Pernambuco, 63 naos, casado, t'oco ; tubrculos
pulmonares.
Luiza Custodia Correia Foaaeca, Pernambuco
56 annoa, casada, Boj-Vista ; febre typhica.
Caetauo Tavaraa da Costa, Pernambuco, 78 an-
nos. casado, Boa-Viata; congestao cerebral.
Maria, Pernambuco, 4 mezes, Reoife; enten-
te.
Jeronyina Roca da Conceicio, Pernambuco, SO
anuos, solteiro, Sinto Antonio; velhice.
Tribunal da Kela^o
SESSAO ORDINARIA EM 16 DE JULHO
DE 1886
PRESIDENCIA DO EXM. SB. COSSELHEIRO
QOINTINO DE MIRANDA
Seereqrio interino Dr. Alberto Gotlh
As oras do costme, presentes es Srs, desca-
bargadarea em nume o legal, foi aberta a sessao,
depois de lid a e approvada a acta da antecedente.
Distribuidos e paaaados os fetoa deram-se os
seguiutas
JULGAMENTO S
Haaeaa corpas
Pacientes .
Antonio Ignacio do Nascimento. Iudeferido,
por aehar-se pronunciado.
Antonio Barbosa de Aguiar.Ficou adiado.
Recurso leiteral
De SalgueiroRaeorrente Rrasilino Ferreira
L'.te, recorrido o juizo. Relator o Sr. desem-
bargador Alves Ribeiro.Negou-se proviraento
ao recurso, unnimemente, e mandn-se preceesar
o recurrente par crimo de falsidade.
Recursos erimes
iie {.leaiiraKaeBanoacaala jatea, rcoorridoc
Joa Francisco Ferreira e outros. Relator o Sr.
desembargador Buarque Lima. Adjuntos 03 Srs.
desembargadores Pires Ferreir e Pires Qoncal-
ves.Negou-se provimento, unnimemente.
De PenedoRecorrente o jaiao, recorrido Car-
loa Augusto de Oliveira Maciel. Relator o Sr.
deacmb&rgador Toseano Barrete. Adjuntos os
Srs. deaembargadorea Pires Qoaearves e Monteirc
de Andrade. Negou-se provimento, unnime-
mente.
Do PilarRecorrente o juico, receido Manoel
Flix Benedicto. Relator o Sr. deeembargador
Pires Ferreira. Adjuntos os Srs. deaembarga-
dorea Monteiro de Andrade-o conseiheiro Qoeiroa
Barros. Negou-se proviraento, unnimemente.
Do RecifeRecorrente Joaquim Ferreira Li-
ma, recorrido o juico. Relator o Hr. dasembarga-
dor Monteiro de Andrade. Adjuntos os Srs. dea-
embargadorea Toseano Barrete e Alves Ribeiro.
Negou-se provimento, unnimemente.
Do Recife Recorrente Joaquim Jos Alves
Guimares, recorridoa Antonio Joaquim Mwreira
de ."Sainpaio e outros. Relator o Sr. desembarga-
dor Alves Ribeiro* Adjuntos os Srs. desembar-
gadores Monteiro de Andrade e Toseano Barrete.
Negou-se provimento, unnimemente.
Aggravo de pe ti cao
Do RecifeAggravante Mathias Lopes da Cos-
ta Maia, aggravado Antonio Oasemiro de Gouveia.
Relator o Sr. desembarcador Buarque Lima. Ad-
juntos os Srs. desembargadones Prea Ferreira e
Pires Gonealves.Nao te toraou conhecimento do
aggravo, unnimemente.
Appellaces erimes
De Aguas BellasApoerlante Loureneo Tinte-
ro da Costa, apoeUada a justiea, Relator o Sr.
desembargador Toseano Barrete.Foi confirma-
da a aentenca, unnimemente.
De Campia Grande AppeHante Francisco
Gomes de Almeida, appellada a justiea. Relator
o Sr. desembaiwRdor Toseano Barrete.Foi con-
firmada a sentenca, unnimemente.
D Gloria do GoitAppelrante Beroardno Jo-
a doa Santos, nppellada a justiea. Relator o Sr.
desembargador Toseano Barreto. Foi confirma
da a sentenca, unnimemente.
Do PombalAppeHante o juizo, appellado Mar-
ciouilo Beserrade Bit... Relator o Sr. desem-
bargador Toseano Barreto.Maadou-ae a novo
jury, unnimemente.
D Pilar de AUgaaAppeHantes o juiro o
Jos Januaii appellada a justiea, Relator o Sr.
dpsetobarfrador Toseano Barreto.Msndou-se a
novn jury, unnimemente.
De rimba>aApp-ll*nte o juizo, appellado
AntonioC'amptdlo da Silva. R Jator o Sr d*sam-
bareador T-'aeauo Barreto.-Maadou-ae a novo
jury, unaainvmen'-'.
Da Viet-ria Appollante a jaiao, appellado
Flonauo Jf.ada L. Relator o Sr. desembarga-
uW Prea FerreiraMaudou-e a novo jury, ana
uiineaieute.
De Bom Jardim -App>.llaue Joaquim de Ar-
buquerque Chandra, appelladoa Jjo Barbosa d
Silva e outros Relator o Sr. res Ferreira.Maadou-ae a aovo jafr, onanime-
ur.eute.
un RecifeApp Antonio Alves da Cu-
aba, appellada a juatica. Rtlawr a Sr. desembar-
gador Pires Ferreira.Foi confirmada a senten-
ca, castra o voto do Sr. desembargador Pires Gou-
Oatvei
De NazarethAppellaate Boeaardlno da Arm-
an Lmh, ap|eil*d a juatica. R-latir o Sr. daa-
embapgador Prea GanaalvecMandou se a nevoi
jury, unnimemente.
De Timb^oAppei4nto o juiao, appellado
Antonio da lUu Gadelli Rvl.iCir o Sr. deceoa-
bargad >r Alves Ribero. Maudou-se a novo ju-
ry, ciutra autores do Sr.. cuas Iheiro Queiroz
Barros o Pires G.moalvaa.
AppelaQoee civeia
Do RecifeApptHautti D. tfatia Jos Pereira.
Rost.au, ppsliadoa Maunail Jo>d Pareara Bocado e
afazcuda nacional Relator j Sr. desembargador
Prea Ferreira Revista oa Srs. desembar-
gadorea M. nteir> de Auidraae e Prea Goneal-
veaRclonniiu-ae a aeat nca, unnimemente.
Da Eac-ida App-'Uute a t.iienda nacional,
apjxjliada a Barn-ta U* Ea .:anla. R la ter O Sr.
desambargador Pires Ferreira Revisores os
Sra. deambargadorea Monteiro de Andrade e P-
rea Goccalvea.Foi cenfiemada a seutenea, aoa-
nimemente.
PA8SAGEN8
O Sr. conseiheiro Aranjo Jorge, como procura-
dor da cora e promotor da justiea, deu parecer
nos seguintes feitos :
Appellacab civel
Do RecifeAppeHante a fazenda nacional, ap-
pellados Seixas rmaos.
Appellaces erimes
Do BuqueAppeHante o juao, appellado Joo
Pereira da Silva.
De FI3resAppeHante o juizo, appellado Jo-
s Gomes da Silva Sobrinho.
De GamelleiraAppeHante o promotor publico,
appeilados Manoel Antonio Machado e outros.
DoPiancAppellantes Laurentino Flix da
Silva e outros, appellada a juatica.
De Taquaretiuga AppeHante Francisco Pe-
nara da Sdva, uapdlada a juatica.
Do Sr. desambargador Buarque Lima ao Sr.
daseinbargador Tojcano Barrete :
Appellacao civel
De Maragogy AppeHante Jos Antonio de
Oliveira Senna, appellado Francisco da Rocha
Hollanda Cavalcante.
Do Sr. desembargador Toseano Barreto ao Sr.
daaembargadjr Pires Ferreira :
Appellacao civel
Do RecifeAppellantes Francisco Antonio de
Oliveira e outros, appeilados Henrique Forster &
Companhia
Do Sr. desembargador Pires Ferreira ao Sr.
desembargador Monteiro de Andrtde :
Appellacao crme
De TaquaretingaAppeHante Francisco Ro-
drigues Chaves, appellada a justiea.
Appellacao civel
De Goyanna AppeHante o juizo, appellado
Francisco Tavares de Mello, senhor dos escravos
Antonio e Josepha.
Do Sr. deaembargader Monteiro de Audrado ao
Sr. desembargador Pires Goncalve8 :
Conflicto de jurisdiccao
Entre os juizes municipal e de direito da co-
marca de Bom Jardim.
Do Sr. desembargador Pires Goacalves ao Sr.
desembargador Alve3 Ribeiro :
Appellacao crime
DoBrejo-Appellaate Manoel Vicente Montei-
ro, appellada a justiea.
Appellacao commercial
Da ParahybaAppeHante Ant mi Corroa da
Silva, appeilados Figueiredo rmaos.
Do Sr. desembargador Alves Ribeiro ao Sr.
conseiheiro Queiroz Barros :
Appellaces erimes
De S. MiguelAppeHante Antonio Bernardo
dos Santos, appellada a justiea.
Do Bonito Appeliuute o juizo, appellado Joa-
quim Pereira do Silva.
DILIGENCIAS
Mandou-se ouvir o Sr. conseiheiro aromotor da
justiea nos seguintes feitos
Appellaces erimes
Do Bonito AppeHante o juizo, appellado
Simao, eicravo do Dr. llsnnque de Barros Lins.
Do RecifeAppeHante Jos Flix, escravo de
Jos Pereira dos Santos Alvareuga, appellada a
justiea.
De ItabaianaAppeHante o promotor, appellado
Bellarmiuo Francisco Bellote.
Do Buque AppeHante o juizo, appellado
Francisco Le te Cavalcante.
De Nuzarcth Appellaate Antonio Cardoso de
Mello, appellado Heurique de Moraes Campello.
Do Recife\ppellante o promotor, appellado
Juvenal Franeiseo de Almeida.
Do CollegioAppeHante o juizo, appellado Jos
Alves da Silva Lima Novaes.
Do PiancAppellaate o promotor, appellado
Manoel Pereira da Silva.
Appellacio civel
Do RecifeAppeHante o juizo, appeilados Ber-
net 4 C.
Cpm viste s partes :
Appellacao commercial
Do Reeife A apellante Joaquim Cavalcante de
Albuquerque, appellado Nieomedes Maria Freir.
Appeacao civel
De GoyannaAppellantes Henrique Olympio
Tavares da Rocha, appellado Dr. Diodoro Ulpia-
no Coalho Catanho.
Msndou-se a urna diligencia no juizo a quo :
Appellagao ciiine
De AnadiaAppeHante Joaquim Joa de San-
t'Anua, appellada a juatica.
DiSTaiBifOjas
Recursos rimes
Ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
Dm OcaaaaaAppeHante Joaquina Maaoel Pe-
reira da Nobregs, appellada a justiea.
Ao Sr. conseiheiro Queiroz Barros :
De PanellaaAppeHante Antonio de Siqueira
Cavalcante, appellada a justiea.
Ao Sr. deeembargador Buarque Lima :
De OlindaAppeHante o juizo, appellado Fir-
mino Manoel Ferreira do Nascimento.
Ao Sr. desetnbaiirador Toseano Barreto :
De ItambAppeHante Vicente Rodrigues de
Lima, appellada a justiea.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
Da SiseadaAppellaate o juiz de direito, ap-
pellado Franeiseo dr Salles de Sant'Anna.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
De JaboataoAppeHante o juiz de direito, ap-
pellado Joao Capistrano de Souza.
Ao Sr. desembargador Pires Gonealves :
De S. Joao da ParahybaAppellants o juiz de
direito, nppellado Manoel Freir da Silva.
Encerrou-se a sessao na 2 1/4 da tarde.
INDICARES TEIS
Medico*
Conanllorio nsedico-cirarglco do lr.
Pedro de Atlabyde Lobo Hoicoio m
ra da .loria n. 5.
O doutor Moscozo d consultas todos oa
diae atis, das 7 s 10 horas da manhS'
Este consultorio offerece a commodida
de de poder cada c'ocnte ser ouvido e exa-
minado, sem ser presenciado por outro
De meio dia s 3 horas da tarde ser o
Dr. Moscozo encontrado no trrelo pra-
ca do Coramercio, onde funcciona a as-
peocao de sade do porto. Para quaiquer
d'estes dous pontos podero ser dirigidos
is chamados por carta as indicadas horas.
O Dr. Arihw Imbassahy, medico oceu-
lista recentemente chegado, esta eidade,
d consultas todos os dias, das 8 s-10
horas da manha, sendo gratis aos pobres,
no 1. andar do predio n. 53 da ra da Im-
peratriz.
CoanaWtorlu allopatlco doaimetrieo
Dr. Miguel Themudo d consultas das
12 s 3 da tarde em seu consultorio raa
rio Baro da Victoria n. 7, 1.* andar.
Chamados por escripto a quaiquer hora.
Especialidades partos, febres, syphiis,
molestias do pulmao e do coracao.
Dr. Lopes Pessoa Medico.Residen
ca a raa de D. Pedro I n. 2, onde pode
ser procurado at s 9 horas da maaha.
Consultorio ra do Bom-Jess n. 37 ^1.*
andar. D consultas das 11 s 2 da tar-
de. Gratis aos pobres.
Dr. Gama Lobo, medico operador e par-
teiro, resido raa do Hospicio n. 20, onde
pae ser procurado quaiquer hora do-dia
ou di noite. Consultas: de 1 s 3 horas
da tarde. E^peciaJidade : molestias e ope-
rares dos orgos genitoarinarios do ho-
mar e da roulber.
jDr. Barreto tampaio mudou sea consul-
torio do 2." andar da casa o. 46, a ra do
Berilo Victoria, para o 1. andar, da
casa n. 5, a raesma ra, como consta do
8eu 'i 'unci inserto na secoao compe-
te nt--
ldvoado
O baeharil Benfamim Bandeira, ra da
Impra-tor n. 78, 1." andar.
Dr. Seabra. Mudou seu escripto de advo-
g< i 1 para a ra do Imperador n. 24.
Orn arla
uteueo Manoel da Silva & C. clapo*
sit&rios de todas as especialidades pharma
ceticas, tintas, drogas, productos chimico
f>
*



Diario de PcrnamtaicoSabbado 17 de Julho de 1886

.
medicamentos homceopatieos, ra do M.vr- *>* aio pennaneca por mais tempo sob
quez de Olinda n 23.
errarla a VajMr
Serrara a vapor e oficina de earapirm
de Francisco dos autos AJacedo, ca^8 de
Capibarioe n. 2S- N'este grande catato e
cimento, o prneiro da provincia n'osta ge-
nero, ompr^e e wenda-ge raadeiraa de
todas as quajidades, serra-so raadeirsje. de
conta atheia, assim como se preparam obras
de carapira por machina e por presos sera
cowr"*f"",i*-
l.OOOi 000*000
Os bilbetes desta importante lotera de
tres sorteios, que corre no dia 8 de julho*
acharase venda na Roda da Fortuna
run L-rga do Rosara n. 36 e ra do Ca-
bug n. 1.
COMUNICADOS
A eleitorado do 3* districto
Illm. Sr.O fallecimente d Dr. Antonio Franr
cisco Correia de Aranjo, abrindo urna va/ja oa de-,
putacao de Peruambuca, determinla a necessidade
de urna cleicao no 3* districto, que aquelle illnstre
eidado tio dignamente representava.
Para prceucher eas* vaga ptopooho-me en aos
suffragios do distincto eleitorado desse districto,
nao movido por impalso proprio, nem tomado de
ambieoes quo eatou tonga de nutrir, mas por apre-
sentaco do partido em cujas fileiras milito e alen-
tado pelo desejo de centinuar a prestar servicos as
paiz nesse posto de combate que me foi indicado-
E', pois, escudado com esse patritico desejo e
patrocinado pelo naeu partido, cujo venerando
ch< fe tenho por amigo, que eu venho solicitar de
V. S. o seu voto e *odo o ssu precioso auxilio
minli.'. causa do pleito que se vai ferir brevemente
uesse districto, onde V. S. gosa de prestigio e dis-
poe de merecida afluencia.
Bem cjuheeido nesta provincia, onde nasci e
ende tenho sempre vivido a mourejar em fadigosas
lides pelas ideas conservadoras, e sob a -igide
d'aquella honrosa apreseotacao; creio que ser-
me-ha excusada a exhibico de um programma,
pois qua outro nao posso ter que nao o do partido
so qcal tenho servido com dedicacao e esforco.
Entretanto, de harmona com o notavel discurso
profer io no Senado, em 1879, pelo honrado Sr.
conselheiro Joao Alfredo Correa de Oveira, digno
chefe conservador em Pernambuco, direi que a
synthese do mea prsgrarania pugnar pelas re-
formas que forc a desenvolvimento pratico dos
grandes principios liberaes consagrados na Con-
titituicao e que formam a base das instituicoe
que nos, os conservadores, maotemos e queremos
mas ter.
Deutro de taes limites ha espaco bastante para
todos os inelhorainentos intelectuaes, moraes e ma-
teriaes, para todos os commettimentos serios da
poltica, economa, fnancas e administradlo, emfim
C todas as mas altas aspiracoes dos povos
s, que vivem sob o rgimen paramentar.
No decarao dos vinte annos que constituem a
miuba vida publica, sempre girou nessa rbita a
a minha actividade, e disso faiem prova os meua
modestos esforcos na Assembla Provincial e os
meus pequeas trabalhos na imprensa, tstes ultir
moa attestados pelo Diario de Ptmambuco, em
tujas paginas tenho esteriotypado a minha alma
e o naeu corao-o, pugnando por tudo quanto se me
tem afigurado til e vantajoso a causa do paiz e
mais particularmente desta provincia.
Como garanta dos meus intuitos de futuro offe-
reco esse medesto pasaado ao digno eleitorado do
8 districto, aesegurandc-lhe que onvidarei quanto
couber eu ka para e!evr-mo i alara da situa-
cao do paiz e para moetrar-u-e merecedor da con-
fonca co n que me honrar esse digao eleitorado
O meu norte ser o bem publico e o camiobo
para elle essa honrosa confiauQa qa nanea faltoq
ao Ilustre cidadlo quem aspiro sabstituir e co-
as v irUdes cvicas toro a re i por modelo.
Subscrevo-ice coa a major consideracas e ree-
peito.
De ?. S,
Aaaigo, attento, venerador e criado.
Recife, 6 de Julho de 1886.
Felippe de Ftgueira. Faria.
Ao Sr Dr. (ion? a lo Faro
O Sr. Dr- Faro, exjuia de direito de Pao d'A-i
lho, en; artigo que publicou na Provincia de boje,,
cham ii-me pessoalJiente para ama discuasao, em
ane me envoivprei a contra goeto, porque nao me!
quadram as qnostoea em que anda-a envolvidas!
indivklualidadefi.
jujo e ama coBtribuicao que oaniquilla, compro-
mqtteada.de modo fatal o presente e o futuro aVsta
generosa provincia.
ilo hareria descula para o comajerejante que,
invocando as auas deaillasoeae desaeijsvs, faltaste
solemne sessao annuntiad.
' certo que sess&es semejlbantes se tsem reali-
sado no recinto da Associaclo Commercial Benefi-
cente e sera o deiijavel resultado pratico.
Mas en que prejudica isso a justica da nobre
causa que o commercio defende, e em prol da qual
deve luctar emquanto tiver a ntida consciencia
dos seus di re i tos?
A obstinafao no erro nao justifica a desidia e o
absndopo dos que comba tem era nome da ratio.
A tenacidade com que os poderes pblicos na-
cionaes e proyinciaes teem at hoje cerrado os ou-
vidos 8 noasas procedentes reclamaces, voz da
pura veraade que lhes fallamos e s advertencias
que (ao frequente e repetidamente Ibes hao sido
dirigidas, esse tenacidade impeninente, impoli*
tica, ante-patritica, nao pode condemnar-nos a
perpetuo silencio, nem irapor-nos, como de dever'
urna obediencia pasava, urna quietacSo degra-
dante, urna questao que para n3 de vida e
mor te.
De vida e tnore, dsemos, e nanea esta phrase
foi com mais profunda justexa applicada.
Como j um mlho de vezes se tem dito e a
toda a luz demonstrado, a continuacao do fonesto
rgimen fiscal a qao esta provincia est ha dos
annos subjugads, ha de forcosamenta produzir o
total esgetamento das forcas ecanomicas de urna
regio a que o conjuncto mais completo de felizes
condicoes nataraes pareca estar promettendo bri-
lbantssimos destinos.
O imposto de consumo ou de gyro eommereial.
como se lhc queira chamar, estabelecc para Per-
nambuco urna situacao excepcional ante as provin-
cias cujos legisladores locaes tiveram o superior
bem senso de nao acceitar ou repellir em tempo o
exemplo que lhesda administrago pernambuca
na, creaado e maniendo a todo transe urna con-
tribuico patentemente prohibitiva da reexportaco
das mercaduras estrangeiras despachadas na Al-
faudeg-t desta cidade.
A praca do Recife nao s v quasi extincto o
seu commercio com Alagoas, Parahyba, etc., mas
est experimentando a diminuico progreasiva da
somma de euas transaeces com os proprios merca-
dos oentraes desta provincia.
Como e natural, esses mercados procaram onde
mais lhes convem os gneros estrangeiros de que
neeessitam, e a verdad^' que essa conveniencia
os afasta da nossa praca, qae aao pode iutar com
aquellas onde as direitos proviaciaes de importacao
nao sao ao mesmo tempo a afronta mais positiva
ao art. 12 do acto adaicional e a obaervacao mais
flagrante e clamorosa de todo o espirito e tino
administrativo.
Aigimt ea-wneretanfet.
P d'Alho
Para conhcimenio do publico e para honra,
gloria e proveito do Sr. Dr. Goncalo Paes de Aze-
vedo Faro, ex-juz de direito da comarca de Pao
d'Alho, aqui publicamos os seguintes documen-
tos.
fSo do a verdad--, que nao precUam senao da luz da
pablicidade par produz ru:n seus naturaes effei-
tos-
Eil-os:
Termo de juramento
Aos onze das do mez de Junho do armo do as
cimento de Nosso Seohor Jess Chriato de mil o-
tocentos e oitenta e seis, em casa do subdelegado
do I districto, tenente Joaquim Servulo Viera da
Paa, que se achava preseote, commigo, escrv >
aaVoc nomeado, abaixo assigrtado, foi-me deferid >
pelo mesmo subdelegado o jaramento aos Santos
Evangelhos de bem e fielmente servir o lugar de
eeerivo adhoc, nos autos ile perguntas feitas a
Bellarmino Goncalvus de Mederos e Joaquim Jo-
s Pacheco, cujo juramento foi por mos aceito na
forma do estylo; do que, para constar, lavro esta
tertno, que vai rubricado pelo' subdelegado. Eu,
Joa Tbcmaz Nones do1 Valle, escrivao ad-koc, es-
crevi.
Servnla
Jos Thoaaz Nunes do Valle.
Amtc de pergantas feitat a Bellarmino Qoncalve
de M*eiros
Aas onze dias do mez de Junho do anno do nas-
ciotento de Nosso Senhor Jess nijrigto de mil oi
to centos e oitenta e seta, nesta cidad do Espiri-
to Santo, cm easa de resideucia do subdelegado do
1* distrioto, tente Joaquim 8ervulo V i-ira da
Paz, presnnte o mesmo strbdelegado eonunigo es
criri ad-hoc, abaiio nomeado, BWIarmino Qon
calves d Medeiro., pelo subdelegado lhe foram
teitas a perguntas seguiates :
Perguntado qual o sen nome, idade, estado, fi
iiacio, naturalidade, profissia e domiailio, e se sa-
be lie e escrever ?
Reaasodcu chamar se Ballsrmioo Gonealvaa de
ledeiros, de triata e cinco annss de idade, soltei-
Respondeu que conhece-a desde menina e abe
qae lora ella presa por embriaguez, disturbios e
offensas mora/ publica, e que nSo f6ra espanca
da, nem no acto da priso, nem at ser recolhida
cadeja publica. Disso ra*>is que eUa tem por
coatume eubriagar-se, e neate estado provocar
disturbios e ofender 4 moral -ratica.
Perguntado se sabe quanto toi a quantia encon
trada em poder della ?
Responden qae tres mil trezentos e oitenta ris,
que ficam em poder da subdelegacja para ser en
trege a Bellarmino Goncalves deMeaeiros, ama
zio della, como o fez o subdelegado em presenca
della respoodente.
como nada mais dtsse, nem lhe foi pergunta-
do, asigna a sen rogo o presente.auto o Sr. Ig-
nacio Bezerra Pssoa, depois de lhe ser lido e
achar conforme, com subdelegado, que tambem
rubricou. E eu, Jos Thomaz Nunes do Val,
escrivao ad-hoc, o escrev.
Joaquim Servule Viaira da Paz.
Ignacio Bezerra Pessoa.
Auto de perguntas ftitat a Joaquim Jote Pacheco
Aos qaatorze dias do mea de. Junho de mil oito-
oentos e oitenta e eia, nesta cidade do Espirito
Santo, de Pao, d'Alho, em casa de residencia do
subdelegado de polica do 1* districto, o tenente
Joaquim Srvalo Vivir da Paz, presente o mes-
mo subdelegado, commigo, escrivao de seu cargo,
abaixo asaignado, tambem presente o interrogado,
a quem o mesmo subdefegadp faz as perguntas
seguintes:
Peguntado qual o seu nome, idade, estado, na-
turalidade, fhacao, profisao e residencia, e se sa-
be lr o escrever ?
Responaeu chamar-ac Joaquim Jos Pacheco,
de eincoenta anuos de idade, casado, natural des-
ta provincia, filho de Antonio Jos Pacheco, em-
pregado da Cmara Muniaipal desta comarca, mo-
rador nesta cidade, no sabe lr nem escrever.
Pergun'ado se n > da sexta-feira (11 do corren-
te) respondeu auto de perguntas, com relaclo i
priaao de Maria Page e parante quantaa autori-
dades, e quaea ellas foram ?
Respondeu que, respondeu auto de perguntas
perante r'u is autoridades, sendo ellas o subdele-
gado do Io districto desto termo e o Dr. juiz de
direito da comarca.
Perguntado perante qual das duas autoridades
respondeu priraeramente?
Respondeu que perante o subdelegado.
Perguntado se quand" respondeu 4 auto de per.
guntas, perante o subdelegado, se o fez livre e
desembarazado de toda o qualquer coaeco, disco-
do com franqueza o que sabia a respeito do tacto,
pelo qual era interrogado?
Responden qus o que disse perante o subdeler
gado, foi a expressito da verdade de tudo quanto
vio e sabia, e que o fez livre de toda e qualquer
presso.
Subdelegada de polica do 1. districto de Pao
d'Alho, 2 de ja$o de 1886
O carcereiro da cadeia das|a cidade certifique
ao p desta em qu data foi Mara do Nascimen-
to, conhscida por Pajv, re*olhida qadua publi-
ca, de erdem desta. subiaAegacia, e ,9 motivo d
prisao; em quedaba f.4 eli coodid* presen-
oa do Dr. juix de dirtiito, acompanaada por (juna,
e se teve para isso portara d mesmo Juiz ; e,
finalmente, quaado foi posta en lberdade por est
subdelegada.
Cumpra.
Joaquim Srvalo Viera da Paz,
Subdelegado.
Certifico, em cgmprimento portara supra, que
Maria do Nafcimento, coohecida por Mara Paje,
fra recolhida cadei- publica desta cidade, de
urdem do Sr. subdeiegado do 1." districto, Joar
qiim Scrvub Vieira da Paz, no da 11 de Junho
proximu findo, por embriaguez, disturbios e offen-
sas moral publica, e nesta mesma data toi por
mim oanduzida presenta de Sr. Dr. juiz de di-
reiio da comarca, perante quem responden a auto
da perguntas, depois do que foi d'alli conduzida
de novo prisao, e posta em lberdade no dia se-
quinte, 12 do corrate, por ordem dq me^rao Sr.
subdelegado. O que afliirao em f de mea-caj-go.
Cidade do Espirito Santo, de Pi d'Albo, 2 d
Julho de 1886.
O carcereiro,
Feliamino Nunes do Reg.
Illm. Sr. escrivao.0 tenante Joaquim azvulo
Vieira da Paz, subdelegado do 1 districto, desta
terina e commundaota do dqatacameate estaciona-
do nesta cidade, a bem de s> us direitos, rqorer
que V. S. na qualidad Je escr-v'i do jury, em
cujo ca torio pairamos auto* .reiati vos aprij de
aana Pajea, pelo qual o juiz da direito Goncalo
Paes de Azevedo Faro tentou reaponaabilisar o
supplicante, lhe d6 por certidio veroum ad-ver-
bum os meamos aotoa.
Nestes termas pede deferimento Z. R. .M
Nao daret hcasa S. S. a retpoan* seo sea ar- m, filho de Apolinaro dos Santos de Mello, nata-
. .. _4,j^ j.,r _a. I r| doiRecif.-, artista, mora nasta cidade de Pao
*go exige. Aaao ma*> aUrefade doma,, aie i ^^ J^^ ^^ e>erevef
ttgo
ae sinlo bom de saude.
Protnetto, poseso, brevemeota responder ao al-
lddo artigo; e no entaato afl>rmo qoe nao fai
w qaem provoco* o debate. Quem o inicios, d^a-
e logo envenenando o, fbi a PuOciaeta, forass os
amigos politwos do Sr. Dr. Faro, qae nio pode
ratn eonter-se diaate da ana remocio, alias factp
naturalissimo, desde qua S. S. tinha qtiadrieBnio
feito e direito coaaarca de entraneia.
Quaeraio elle eazargar neaaa reraoeia um acto
partidario; e, eBqneoaodp aaremoces dos Srs.
Dr. Cjrr 1 da silvas de Limoeiro para Caam,
deaembargador Lucena, de Jaboatao para o Mara-
abao, Dr. Beata Bajaes, da Base Conaesbo fiara
Baixo M virim, bcbi eaattr oatras sauatas esse
goatP, vexdaderaa d*f artaces de magistrados
bonestoe, intshigentes e i Ilustrado*, vocifeaaram
aootra o aetual giverno.e isrogarsanme censuras,
or eu, tolu canscieucii tui nao haver merecido.
N'eatas condicoes, m uio poda qittdar-ma in-
diff mtt'j>:u, Sr. Dr. Faro, que agora me provoca di-
rectameule, nao deixal-o sem respocU.
Taabii pois, S. S. Uto pouco da paciencia. En
TOftarei i-;a.
Reoif, lo de Julho de 186.
Jfalipfl* de Ftgueir&a Faria.
Sujeto de fftfr
1
A honrada dirtetoria da A88qoa?iio Gonampr-
ial Benuti-^uto, attaadeado a > que lhe f i reo/ni-
rido por diversos eonaoej convida o eotpi om-
ercul d'eeta praca par un* reuno qan. ae ef-
fcetuar.i ssguoda-feira, lt do eorrento, aoa salovs
amesuia Assoejatio.
A migaitude dos motivos q0 determinaraia tal
aatvocacaa, garante o coaewa a esas aflamte*,
que devora resolver-se quaes oa meios legaea
* emjregar para qae o rnaispcrei de. Pernam.
Perguntado se coaheca a Maria do Nascimento,
eanawcida por Maria Pagat, e 88 abe o motivo
porque (oi ella presa hoja; e se- fai espaacada oo
acto da prisa* e at ser reaelbida i cadeia po-
bical
Respocdeu qae conhece, vista ser ella ana ama-
alia ; sabe ter ella sida peesa aqr ae achar embria-
gada, provocando JljCurbios eoffaudendo moral
publica, tanto qu elle respoodente a qaereado
coqter e sao o podenao faaer, urna praca, do
destacaireato, que mora defronte dalle rcapoaden
aa, comparecen immediatameatee effectuoa a pri-
sao ordeca desda subdelegada, achando-se pre-
mte Joaqeim Joa Pacheco, qae tambem a^om-
Dauhou a turbulenta at presenca dessa aubde
legaca, e com elle at cadeia, onde ficou reco-
lhida, s.nar que tivease 'ella, ao acia da, priaao, ra
acbido a ownima cfaaaa, nem Uanbea at ser re
colhida .cadia.
Perguntado ae por aaaia deiomayaes; eata subde-
legada nio o taso advertido para *ue chame or-
ee* sea amada Mmua Page, em virtisde davin-
niiiniaa queixa* .que deHa Um recabis ?
Rvepoaden que par aaais de usa a vea teso sidq
dmrtido por usa subdVlegaeia ; masque au pe
da outel-, m vista das iasoiuteaa 4ue pratie*
quaudo se aeha rubrHgida.
E odio na.: mais Usut', n'n lhe< fbi pejgliatm
do, sesigoa a seu titgo, o preaente. auto, o atiesa*
Geuaino Jos Aroeatino a Sdva, deaou Ae lhe
aar lido e achar confort com apubeV-lrgado, ane
t*ioib-,in rubricou. E ea, Jos Thomaz Muaea do
Valle, escrivao adhoc, o eaerevi.
Joaquim Srvalo Viera da Paz.
Geouiao Jos Ardmtino da Silva.
Atto de perguntas feitat a Joaquim Jos Pacheco
Ao- onze di-ks do mee de Junho do anno do oas-
cmepto nV Nosso Seanor /.sus Cb/iato de, mil o i-
t cantos e oitcnu e seis, m-sta eidpd de Espirita
SaatJ, eu. esa. da reaidenuia do subdelegado do
lo diaCricto, tenentu Jojqujia Servulo Vieira. ala
Faz, pre.-enle o misino sub ielegado, eenuhjgo, oa
crvio adhoc, abaixq numeade, e Joaquim Joa
Pach'CQ, p :!o ue&mo apbd,. legado lhe foram feitas
as p'-rguntus seguintes i
Perguntado qual o aen nomo, idade, estado, fi-
liac^.naturilidadL'.prefisaic, re#duci* e se sab<'
lr a escrever ?
R\speodru cbaar-se Joaquim Jcs Pacbee".
idade de cincon:a anuos, casado, fijbo de Ant -
na) Jas Paiav-co, natural do B-'Cife, emprt
puqcu, resida neata cidada de Pao d'Albo e ajo,
sabe t nem. eacrci er.
Pvrguptadn se eoaheee Masa da Nascinjepto,
ccubacisa por Mara Pagrs e pe sabe o motivo
porque toi ell* prpaabuje;, e ae fji eapanaada, no,
acto da prieo e atetar recalhid cadeia po-
blica?
Perguntado como que, tendo perante o aub
delegado declarado que conhecia Mara Paje e
sabia 0 motivo porque foi ella presa, que por em-
briaguez, disturbios e offausas moral publica, o
e que nao tora espancada, nem no acto da priaao,
nem at ser recolhida cadeia publica, dtsendo
mais ter ella p >r coatume embriagar-ae e nesta
estado provocar disturbios e ofreueaa moral ; e,
perante o juizo de direito da comarca, disse que
Maria Pajs estando apenas embriagada e em
ana casa, chegando 4 porta e tazeado ama careta,
o sollado da polieia que mora defronte d'ell,
suppondo ser a careta feita a elle, paxoa do fcil >
e, com elle'em punho, diigio-se a Maria Pajej
com o intuito de espancal a, e que nao o fez por
ter ello respndante obstado ; e qae sendo Paje
conduzida presenta do subdelegado, esse a mal-
tratou com palavras e ameacou lhe as maoa nos
queixos eempurron-a, cahindo ella sobre r calca-
da, e que d'alli conduzida para a cadeia, em ca
minh?, uir. dos soldados a quiz de novo espancar :
o quo nao o fez por elle respondente anda ter ob-
stado ?
Respondeu que todas as respoatas que profera*
perante o Dr. juiz de direito da comarca, foram
as mesinaa que piofeno perversidade, dizendo
apenas de mais que Mara Paje ameacou a m&o
no roato do aubdelegado e nao o subdelegado no
rosto d'ella.
Perguntado se, no acto de ser elle interrogado,
o juiz de direito da comarca dissera-lhe perante
si e as demais pessoas que se achavam ua occa-
siao, que hava de processar ao subdelegado, e
mostrar-lhe para quanto prestavam 08 negros
desta cidade, conforme confessou elle respondente
no acougus, perante algumas pesaoas ?
Respondeu negativamente.
E como nada ma a diosa nem lhe foi pergunta-
do, mandn o aubdelegado encerrar este interro-
gatorio, que depois de ser lido e por acbar con-
forme, assignou o subdelegado, e, a rogo do inter-
rogado, poi nao saber ler aera escrever, Eugenio
Goacalves d* Barros.
Eu, Jos Zeferino Brayner Raogel, escribi qua
escrevi.
Joaquim Servulo Vieira da Par.
Eugenio Goncalves de Barres.
Alicatada
Aoa 14 dias do mez de Junho de 1886, nesta ci-
dade do Espirito Santo, de Pao d'Alho, ec casa
da residencia do subdeiegado de polica do 1.
districto, o teaonte Joaquim Servule Vieira da
Pac, presente o mesmo, commigo eserivao de sou
cargo, abaixo asaignado, ah passou o subdelega-
do a inquirir as testemonhis, pela frai se-
guinte :
Prmeira test^munba
CaeUne Bessoae de Assis Campos, viuvo, de O
asnos, natural desta proviucia e morador nesta
cidad-', eaapreg^do desta fVo, testeitaunha jerada
no livro dos Santos Evangelhos, em que pos sua
mi directa e prometteu daer a rerdada do que
aoabesse e ibe-fosse perguntaio.
Pergantado.se se achava presente na ocoasiao
em qae Joaquim Jop Pacheco responda a auto
de perguntas baje, perante esta subdelegada, e o
que respondeu PaoUeco com relacio aes autos de
pergautas a qae respondeu no dia 11 do corrate
peraate esta subdelegacia e o Dr. juiz de direito
desta comarca'?
K .spoade* qne, tendo sido convidada pelo aub
delegado paca assisr ao auto de pergantas faites
a Joaaaim os Pacheco, heje, com osTerto desis-
ti, seado o auto de pergantas de que traeta.es-
erpto pelas proprias palavras do respondente e
aem alteracao al goma.
E estas nada mais disse nem lhe fe petgonta-
do, deu-se por fiado dito depoimeiito, que abaiza
assigna.
Segincia tastemunba
JoSo de Mello Martws, atado, dej 31 annos,
aatural desta proviacia e morador nesta eidede,
vnvs de oegoew, teatcasaaha jurada no livro des
Santos aWaagethus, em qua poz sua mi direita e
prometteu daer a verdade do qae aoabesse e me
foase perguatado,
farguntado ae ae aciiav. presente, boje, aa oc-
caaiao em que Joarjuim Jos' Paijhecj reapondia a
auto de perguntas perante esta subdelegada, e o
qne declarou Pachaco parante a. mesma ?
Dissw qao, estando presente na ootso em
qae Joaquim Pawaeeo reapcadia aato de per-
gantas, hoje, pevaat* eata aabdelagacia, praaeo-
eiou qne Joaqaiaa Pasbeoo disaa tudo qaauso
OBsta do auto, aem ait rasio algama.
E como nada mais diese neta lhe foi a#tJm*>
da, depoa de lido e por aobar canfoBose, de-*e
por findo, que deptiis assjgno.
Tereeira tewtemuaha
Eagenio Goaaalws 4a Barra, casado, do 25
annos, natural desta provincia, negociante, mora-
.jor esta eidpde testamuulw jurada no livro_ das
Santos Evsagelhos, em qaepozaa mi direita e
prometteu dizer a verdade do que .soubesse e lhe
fosse perguntado.
Perguntado ae elle testeaunha esta va presente
por occaeiii) das pergantas taitas hoje a Joaquim
Joa Pacbeoo, em auto de perguatas, ie rafe
rid auto fot luvrado d conformidad ou o dito
do mesaaa Joaquai Pacbejj, aem alteracsVi al
gama V
Kt>ap"aei affirantivameatu.
E cerno nada msis disse, nm (be fbi perguotik-
|do, mandou o subdelegado enc--rrar este depoi
ment, que, depoi da tu^io- bd e por aebarsm
:Conf.rmp, afsiguaram oo- o sa-smo subdelegado.
Eu, Jos Zefertao Bsayner Rangel, escrivao iu-
jterinn, que esetavi
Joaquim Srvalo Viera. da Paz
Casiano. Be *>**) de Aasis Cafos.
Joao de Mdl > Martina.
Eag-'aki Craafutve ae Barros.
Juiza de dflreita di eaaaapfayd'" Pao d'Alho, 11
I ligense informar me porayie motivo foi reeolhida
presa a cade'a desea dd ida Mari Paje, por sol-
dados do commando de V. S,
Drua guardo a V. S Illm. Sr. commaadanre.
do destacamento do 1' distrioto desta cidade.
O juiz de direito,
Gnenlo P. de Azevedo Faro.
Francisco Antonio Braymer de Souza Kaug !, es-
envi interino do jury do termo de Pao d'Albo,
em virtuda da le, ete.
Certifico aerem os autos de que tra>a a petigio
supra do theor seguinte :
Juizo de direito da comarcado Po-d'Alho. Au-
toamento da urna or em de habeos corpas ex-otfi-
cio a favor de Mana Manoela do Nascimento co-
mo abaixo se declara. O escrivib do jury Fran-
cisco Antonio Braymer da Soasa Rangel.
Anno do Nascimento da Noso Senhor Jess
Christo de mil oitocentos oitenta e sois aos onze
diaa do mez de Junho do dito anuo, nesta cid lie
do Espirito-Santo de Po-d'Alho em meu cartorio
facooste autoamentb.
Eu Francisco Rangel, escrivao, escrevi.
E mais se nao continha dep >is do que se v o
seguate :
Juizo de 'lirelto da comarca de fo d'Alho, on-
ze de Junho" de mil oitocentos oitenta e seis.--
Tendo sido ueste momento presa por pracas do
destacamento urna mulher de nome Maria Paje
que em vozea alta* proteatava pla illegalidade
da prisao, dando lugar a agglemeracao dd povo
ua praca da fcira desta cidade, em freute a casa
en que se achava o subdelegado de p ilicia, asse
virando se na occasio qu3 Maria Paje acha-so
grvida, e portanto de tristes consecuencias a pri-
sao e violencias que acaba da sotErer, o escrivao
des te juizo logo que esta receber officie ao subde-
legado de pdicia que informe o motivj da prisao ;
e caso baja demora na respoata, pasae portara ao
carcereiro da cadeia para que aprsente a pacien-
te a casa de minha residenda para ser interroga-
da. O juiz da direitoGoncalo Paes de Azevedo
Faro.
E mais se nao continha, depois do que ae v o
seguate :
Certifico que nesta data officiei ao subdelegado1
do primeiro districto desta cidade. O alfares de
policaJoaquim Servulo Viera da Paz. E de-
pois do que paasei ordem ao carcereiro para apre-
sentar a paciente, como ordena a portara retro.
Cidade do Espirito-Santo, onze de Junho de
mil oitocentoa e oitenta e seis, o escrivaoPean-
cisco Antonio Braymer de Souza Rangel.
E mais se nao continha depois do que se v o
seguinte :
Subdelegada de polica do primeiro districto de
Pao d'Albo, enze de Junho da mil oitocentoa oi-
teuta e seis. Illm. Sr. Respndanlo o olfico de
V- S. de boje datado, tenho a dizer que foi presa
a recolhida cadeia publica desta cilade, mi-
nha ordem, Maria do Nasdmeati, oonhecida por
Mana Pajea, por embriaguez, disturbios e off-'n
aaa mora^ publica.
Deus guarde a V. S. Illm. Sr. Dr. juiz de direi-
to da comarca de PAo-d'Alho. -Joaquim Servulo
Vieira da Paz, subdelegado.
E mais se nao continha depois do que se v o
seguinte :
Auto de perguntas ao detentar
Aos enze daselo mez de Junho de mil o tomen-
tos oitenta e seis, nesta cidade do Espirito-Santa
termo de Pi d'Alho, em easa de residencia do
juiz de direito da comarca Dr. Goucalo Paes de
Azevedo Faro, presente o acarno juiz, commigo
eacrivio, abaixo asaignado, ahi presente o carce-
reiro da cadeia desta cidade Feliamino Nunes do
Reg, a quem o dito juiz lhe faz as perguntas se-
guiates :
Qual sea nome, maturalidade, estado e profis-
sio?
Reapondeu chamar-ac Feliamino Nunes do Re-
g, natural de t;i fregoezia, casado e vivo de ser
carcereiro da cadeia desta cidade.
Perguntado a ordem de quem tioha a paciente
presa e ha quanto tempo ?
Respondeu que a ordem do subdelegado do pri-
meiro districto Joaquim Servulo, cuja ordem do
theor seguinte:
O carcereiro da cadeia desta cidade recolha a!
minha ordem a lana do Nascimento conhecida1
por Pajeu', por embriaguez, disturbios e offensas;
a moral publica, teudo-lbe sido apresentada dita'
ordem e a paciente hoje s 11 t/2 horas maia ou.
menos do da pelo qae elle respondente a recolheu
presa : sendo acompaiihaia por um soldado, Joa-
quim Pacheco, Manoal Carvoeiro e Bellarmino dd
tal e a paciente encalvecida por ter sido presa il-
legalmente.
E come nada mais responded aem lhe foi per-
guntado mandou o juiz lavrar este auto, qne vai
pe. mesmo asaignado com o juic. Eu Francisco,
Rangel, escrivto, escrevi. Gonealo Paes de Aze-;
vedo Faro.Feliamino Nones do Bogo.
E meis ae nao continha depois do que se v o
i' guite :
Auto de perguntas feitis a Maris Monodia do
ascimeuta
E logo no mesmo da, mez. e anao retro decla-
rado, presente o mesmo juiz e por ile foi feito a|
padeata aa perguntas seguintes:
Q protiasao e residencia ?
Respondeu chaicr-sc Mara .Vfaooella do Nas-
oianauto, natpral de Paje de Flores, com 29 aqaos
de idade, solteirp, vive de eagpmmadaira resi-
dente n'esia cidadaa4 meaea mais ou meten.
Perguntado. o. motivo de sua priso?''
.-Respondeu que estar presa porintrgas de Ja-
nu .na de Tal amasia de Joaquim Paobecs, cuja
pciaan foi effaetuad palo *3da*JO de polieia Jos
Ignacio que mora tambem l perto d'ella, interro-
gada, descmbaiubaitda o soldado o rea e em se
guida appareceram m"'* dona soldadtm e a.condu-
zimm presa para a oadeiad'esta etdade, qaeoaiido
Jaa.Ignariu Ibe dar coma aedki no q-ve alia, res-
pondenie. se oppoz intimando a Jos Ignacio que
uio lhe desse.
Disee mais que o soldado Jos Ignacio nata on-
aentio que ella se caJcaasa pelo que Ceveide vle de
ps no chao e sera seu asaco.
Dase mais que,comparecen!) perante o ib-
delegado de polica, este toaxaodo a parte do iloe
Iguacio nio quiz ouvil a c chamando u de barra a
maaduva para a cadeia.
Dase luais.que eatavagsavida de pouco.tempo.
Daae mais que ao sabir da parta do aubdei-gado
deri gritos de aoccerro por qaam riru o saHala-
gado dep.iis que encostara, as iBioe nos que*xo
d'ella piacava o olho aqa saldados para mandar
dar-lbe, o que nio teve lugar visto a resistencia
qan ella apreacntau, cecudio logo muita gente, pes
soas e meninos, sendo que at muitos meamos para
verem na recolher-ae.
Disse ma8 que Jos Ignacio assim proceden
por causa de Januaria.de quem viaialis ou antes
que foi visiiiha, digo, por causa Je Jaauario de
qu<-m visuho e amigo.
Disse mais qne vi sin ha ou antes que fot vial
nha de urna velha viuva que. tem filbas donsaUsvs
em casa chamada Totonia, madrasta da sogra de
Joo de Freitas, pessoas eoneeituadas e qo* oanca
tiveram o que dizer do seu comportamento.
Disse mais qn o Sr. everno U.mcs sea vi
sinho, pode bem informar o aeu compjrta-.nento.
1 E como nada mais responden nem lhe foi per-
guntado, mandou o juiz lavrar este anto que va,
asaignado pelo mesmo e a rogo da respondente as/
signa Antonio Marques de Andrado Lima.
Eu, Francisco Rangel, escrivao, escrevi.Gon-
calo Paes de Azevedo Faro.Antonio Marques de
Audrade Lima.
E maja se nio continha depois do que se v o
seguinte :
Auto-de perauntas.a bellarmino Goncalwe de,
Mcdros
E Ugo .no ipesmo, dis, mes e anno no retro de-
clarado prese ate o juiz de direito commigo, escri-
vao de seu cargo, abaixo asaignado, e pelo masmo
juiz foram feitas aa perguntas a Bellarmino Gon-
calves de Medeiro pelo modo seguinte :
Perguntado qual aeu uorne. idade, estado, resi-
dencia e profisaio?
Respondeu chamr-sa Bellarmino Goncalves de
Medeiros, com trinta e cinco annos, solteiro, filbo
de Apolinaro de tal, natural da freguezn da Boa-
Viata do Recifc e morador.n'eita cidade a muito
todapO.
Perguntado se assistio a prisao da paciente e
perqu motivo foi ella presa ?
Reapondeu que a6si*tio a prisao da paciente que
foi. effeeiada pelo soldado de paicia Jos Ignacio
por causa de intrigas entre o paciente e a amasia
de Jos Ignado da nome Jaauaria, a qual faz das
qae vive intrigada com a paciente e por interina
dio de Jos Ignacio trouve a intriga ate a malher
da subdelegado o tenente Servulo, pedindo entio
para que fosse a paciente chamada a sub :elegacia
pelo que entio o subdelegado em dias do mez pas-
sado fra elle interrogado como amasiado que
com a paciente, intimado pelo subdelegado que
seria elle interrogado e a paciente presos se conti-
nuasse haver a intriga entre Jaauaria e a pa-
ciento.
Disse mas que na occasijo em que tora ella
presa nio dissera palavra nanhuma contra Janua-
ria nem outros e nem depds da prisa o, o que ea-
tava era ella respondente brincando de palavras
com Joaquim Pacheco, dizendo que Joaquim Pa-
checo a tinha visto ella pequea e de facto exac-
to tur Joaquim Pacheco a criado desd pequea e
ter relacoes estreitas com a psdente.
Dase mais que a paciente ao ser presa por Jos
1,'nacio, que levauteu o salve contra ella, ficara
muito irritada pelo quu tras soldados mais aeom-
panharam a prisao ella interroga lo e mais Joaquim
Pacheco afim de nao deixarem que a paciente
fosse maltratada pelos soldados que estavam com
muita voutade de o fazer e para o que logo na
occasio da prisao intimaram a elle interrogado e
a Jovjura Pacheco que se retirassem.
Dase que quaudo a paciente se apresentou no
aubdelegado este procurando correr os seus bolsos
pura ver se tinha diuheiro, maltratou a pacieu'e
empurraodo-a pelos queixos a chamando-a de bur-
ra, pelo que ella paciente dase-lhe que sendo elle
pai da familia nao foase tio falto de delicadeza.
Disse mais que o dinheiro encontrado pelo aub-
delegado na mo da paciento fra 3 JO ) qua foi
leutregiwa elle interrogado.
Disse maia que ao sahir da porta do subdelega-
do dous dos a jldados a pucharam um por um bra-
co e outro por outro, sendo que um levava urna ta-
bica na mo e lhe quiz dar com ella.
Disse finalmente qae na porta do subdelegado
ajuntou-se muito povo ua occasii) em que chegou
a paciente presa.
E mais aio diss", e lido e por achar conforma e
ni) saber escrever a seu rogj asaigoa Aufouio
Marques de Andrade Lima com o jaiz. Eu, Fran-
cisco Rangel, escrivao, o escrevi.-Goncalo Paes
de Azevedo Faro.-Antonio Marques de Andrada
Lima.
E mais ss nao continha depois de que se v o
sega i ate :
Auto de perguntas- feitas a Joaquim Jos Pacheco
E iogo no mesm> dia mez e anao retro declarada
pelo juiz foiinquerido pelo modo seguinte :
Q'jl e aeu nome, idade, estado, fiaeao, natu-
ralidad*', profisaio e moradia?
Respondeu chamarse Joaquim Jos Pacheco,
com 50 annos de idade, casado, natural da cidade
do Recite, filho de Antonio Jos Pacheco, vive de
ser empregado da Cmara e residente nesta ci-
dade.
Perguntado como se tinha dado a priaao da pai
dente presente e o motivo da prisao?
Respondeu qu? estando em casa da paciento
hoje com o fim de ir buscar ura seu filho que l
estava, ento vira a paciente sahndo de casa
para pegar um seu caosinbo e tazeado para elle
interrogado urna careta, o soldado Jote Ignacio
que estava da ponto, pensando que era paradle
dirigise com palavras para ella, ella s hrapara
fra de casa para ir a porta do soldado, entao
ella baten a miio do faca e vaio fra e ello iuter-
rogado pedindo ao soldado qae nada fizesse ento
o soldado dea voz de prisao a ordem do subdele-
gado, e conduzindo ella interrogado, a paciente
para saa casa em caminho encontrou a Jos Igna-
cio com maia duas pracas as quaes acompanharam
a elle interrogado at a aua cas, e*tando ella em
casa de Franca foram l e a prenderam, sendo que
um dos soldados tentara maltrtala e elle interro-
gado s; oppozera, levando os soldados a paciente
at i casa do subdelegado qae a maltratara cha-
mando- do burra, levando a mi aos quoixoa da
paciente pe* f*ct-> do subdelegado querer dar
busca nos bolsos da paciente e ella uio consentir
e anal elle mesmo tirou o dinheiro, que era tras
mil e tantos ris, e o subdelegado fixera entrega
do dinheiro ao caaeiro della ; sendo que o subde-
legado dando com a mi na paciente ella eacorre-
gara, cahira na calcada e rasgara o vestido, e en-
to dous soldcdos pegaram, um n'uui braco e outro
n'outro e levaram para a cadeia.
Disse mais que um dos soldados no caminho
para a cadeia fez menco de querer dar com urna
chibota na^pacienta e Sra obstado por elle raspn
dente, dizendo que nio 83 podia maltratar urn
pessoa presa.
Disse mais que a paciente nio estava em seu
juizo perfeito,- porm que ignora que ella tenha
mo comportameDto cosa os visiohos, sendo que a
vira boje antes da prisao mu alegre.
E mais aio dase, e lido o seu deferimento e por
achar conforme, nio aaben lo eacrever o seu rogo
assigaa Autanio Floriaae Pereira ds Lemos, com
o juiz.
Ea, Francisco Rangel, escrivao, escrevi.
Goncalo Paes de Asevedo Faro.
Antan'O Floriano Pereira de Lemos.
E maia se aio continha depois do-que *b v o
seguate
I nforna ci
Illm. e Exm. Sr. Dr. jaiz de commerdo.Cum -
pre-me informar a V. Exc que a pedeute j' foi
posta esa lberdade hoje s 6 horas da manhi mais
ou meaos.
Cidade do Espirito Santo, 12 de Junhe de
1886. -O escrivao, Francisco Antonio Bragner de
Sonza Res.
E mais se nio continha em depois do que so v
o seguinte 1
Termo de coaelosio
Aos 12 dias do saes de iaabo le 1886, em meu.
cartorio, faco astea autos coneluaoa ao jaiz de di-
reito da comarca Eam. Sr. Dr. Goucalo Paes de:
Azevedo Faro.
Ea Francisco Rangel. escrivao o escrevi.
E a.ais <> aaa confiaba em dito tormo depoia do
qae se v o seguinte :
Sea tanca
Veririeaado-se destas autos que a paciente Ma-
ria Paje j fra relaxada da priaio em que ea
tava, julgo prejudieado todo psseodimento deste
jateo, e advirto por instruccao ao subdelegado de
polica Joaquim Servulo da Paz para que se abs-
tenha de mandar recslber a prisao pessoa alguma
pelo simple tasto de fazer ama careta, por nao
ser iato asa Meto crariaoao, e muitn menoi dar
bus i no ea po de oma mulher, maltratar com pa-
lavras injuriosas aa pessoas prosas, dando !ugar
a s r repellido, como foi P9r Maria Paje, como
conste dos interrogatorios, isto na coleada de urna
casa situada na praca maispublic desta cidade,
motivando a sgglomeracio de povo.
Se a todo eidado em geral cumpre se haver
com toda mod-racio e delicadeza, muito maia
aquel le que ae acha revestido de tan cargo pu-
blic > e remunerado emo o da retenda autorida
de,que <-endo subdelegado igualmente alteres do
esrpo de da proviati
Lidade do Espirito Santo de Pao d'Alho, 12 de
Junho de 18b6.
Goncalo Paes de Azeved Paro.
E mais se nio contiuha em dita senteaca aqu
copiada do proprio original ao qual me reporto,
depois do que se v o termo seguiste :
Termo de. publicavio
No mesmo dia, mee e anuo supra, declarado ao
primeiro dia do mez de Julho de 1886) em meu
cartorio foi entregue estes autos com a sentones,
voto e supra.
Eu Francisco. Rangel, esorivio, escrevi.
E mass se nio confiaba em ditas pecas aqu
copiada do proprio original ao qual m reporto.
Eu Francisco Antonio Bragatr.de Souza.Rsar
ge1, eacriio, Bubacrevi fl sssigoo.
Em.f d-> /erdade,G escrivao
Cidade da Espirito. .Santo, 12 ds Julho de; 1886.
i>Vanc!* Ro Grande do Norte
O caplto afoo ttererlaao Ha
del da Costa e o sen detrator
Urbana ofoaqaim e JLoy!a
Barata
Quando escreviamos o artigo anterior
que est publicado ao Diario de 14, mal
sabamos que na cid&te do Natal, j esla-
va lavaatado o coafli.t) de jarisdicjSo en-
tre, o Ilstralo e distincto general Jos
Aogelo de Moraes R'igo, inspector das
tropas e eatabelecimantos militare do or
te do imperio, e o juiz municipal aqueja
capital, bacharel Augusto Leopoldo Kapo-
so da Cmara I
E* lamentavel que terrhamos neceeaida-
de de, pelas columnas deste respeita^el
orgia da imprensa, vir profligar autos da
magistratura brasileira ; quaado est no
proprij decoro, iateresse e raoralidade del-
la que, os qua a ex :rcem, pautem os seus
actos pelas mais,severas negras da justica
o impar 'ialidadi ; que nos, o menos com
patente, saiamos da abscuridade, em que
vivemos, pipa dar a um de seus raembros,
lices de direito patrio e quio de mais
alguma oousa I !
Desde quando a justica publi sa se arvo-
rou ou antes si rehaixou em 'il instrumen-
to da mais vil perseguigSo promovida por
garotos apat icados V
Al quando aquella inteliz provincia sa-
far merca de um moyo que, se nao pe
ca por ignorante,, como nos somos os pri-
meiros a ree-nheeer, prevarica, o que
pcior pelo odio qua vota a um e afleicao
que dispensa a ouljro ? 1 I
Naquello artigo dissemos que o Exm.
Sr. presidente do Rio Grande do Norte,
nio obstante as diversas e repetidas decj-
soas do governo, no sentido de evitar con-
flictos, marcando as raas do poder judicia-
rio, no tocante aos crimes commettidos
por militares no exercioio e em razao do
seus cargos, e para essee crimes, creaado
privilegio do foro; ORDENQ (! !) ao
promotor publico da capital, bacbarei Frau
eiaeo C ros Pinheiro da Cmara, que ds-
ae denuncia contra o capitSo Joao Seve-
riano Ma riel da Costa e tenente Joaquim
Rodrigues Pereira, pjrcriraa de ettellana
to contra a fazen la nacional, conforme a
declaradlo feita perante Thesouraria de
Fazeala, por Urbano Joaquim do Layol-
U Barata !
O Sr. bacharel Pinheiro da Cmara,
apezar de conhoaer a sua incompetencia
para o caso, como confessou ao nosso ami-
go capitao luaciel, deu a denuncia por as-
sim lli'o haver ordenado a presidencia !
lEssa denuncia, ou antes esses parto labo-
rioso e monstruoso de moa consumada ig-
norancia, foi dado luz no dia II de Ju-
nho ultimo. Vinte e seto dias depois a 8
do crrante, foram os denunciados citados
por um offiuial de justica, por mandado do
juiz municipal Raposo da Cmara, que
contmeteu nio s urna grosseiria para com
o illuitrado general Moraes Reg, mas
tambem um grave erro, mostrando supina
ignorancia, pois devia saber que :
Nao silo obngidos a comparecer em
juizo
'. Os militares, nao tendo sido PRE-
VIASIENTli deprcalos aos seus respec-
tivos chafes.Alvs. de 21 de Outubro de
1763 e 16 de Margo de 1812. Portara
de 9A do Julho de 1823. Ava. de l de
Julho do 1844 e 9 de Fevereiro de 1852.
Circ. d-- 17 de Julho de 185 o Av. de
17 de Outubro de 1872.
A' aquella citacao grosseira e desafora-
da, seguio-se, estamos informados, o ofi-
cio do distincto general, levantando o coa-
flicto de jurisdicclo por iacompetencia de
foro, visto como trata se de crime militar,
ae verdade que ha crimo a punir I
Achava-se S. Exc. o Sr. presidente em
casa do juiz municipal, onde dizem reside,
quan lo este recebeu o officio a que ailudi-
mos; e lendo-o S. Exc, disse ao eu ami-
go : N2o des importancia a isto ; vai pro-
cessando esses tratantes e metiendo os na
cadeia I I
Que opinilo ceosata e criteriosu 1 I! Mas
oslo disse o mesmo S. Ex?., quando *ece-
beu o officio torniquete com quo o aper-
tou o illustre general. Dizem nos que in-
tallou se e mandou suspender o feito .. .
At quando estavao os poderes pblicos
merc de to levianos e ignorantes agen-
tes ? At quando reinar aquella acephalia ?
O mais interessante de tudo, O pro-
motor querer justificar o seu erro, dizendo
que se errou, foi por ordem de seu supe-
rior !
'ua pobreza de espirito!.. Que ac-
nhamento de ideias !! ....
Ordens illegaes, cumprem-se? Si obra
de misericordia ensinar aos ignorantes ;
nio o e menos castigar aos que erram.
_____________________________ M. F.
NO TRIGSIMO DIA DO PASSAMENXO DA I-
NHi 8BMPRB SADDOSA IRMA. MARA MA
SILVEIRA DE ALBUQTJESQDE MELLO
Assim tudo Aquillo que bom,
Vive no chao como vive a rosa :
D-lhe Deus o dia mas lhe vem a noite
E inclina a fronte na mSo perfumosa,
Teo nome lindo que abre-me a saudade,
Acha-se eseripto no meu corayao
Em letras d'ouro, de diamante e peredas
Com a mais santa veneracao.
Aceita, pois, mioba querida irmS,
Maria Pa dos meus sonhos dourados,
Esta prova de amisada eterna,
Que feu irralo demonstra maguado.
R.icif, 16 de Julho de 1886.
Candido Silveira.
\arope de Mat-mat
O MatsVmai (leoythis idatimon) cora
qu-vl ?e prepa::i est xarope am vegetal da fl>r
brasileira.
E' um agente therupeutico podirosiss mo contra
aa molestias do p^ito e da aathm i.
Os numerosos afi-ctados quo dclle tem feito use
cnuseguirun um resultado muito eatisfactorio, aca-
bando po' s reconhecer que at hoje a melhor
preparaco para a cura da antlamn. bron-
ciilte antbmatica. e mtica e epprea-
mtor dispcoaiado o emprego do arsenio, folbas
estramonio e plantas narcticas, que acabam
quasi sempro pelo abuso que deiles se taz e nr.csir.u
n-le nso prolongado por produzir tffeitos desas
.tr leerebro.
Vende-se na Botica Francesa de Rouquayrol Frere
successores de A. Caors
N. **Boa da cmX. 9
RECIFE
I

j mnM


Diario de Pernambuco---Sabbado 17 de Julho de
13E6
m ii i
proiramma da festa do Glorioso
m. Benedicto erecto no conven
tfo de S. Francisco do Reelfe.
No tabbado ao meio da ter lugar a benco de
m gino, sendo paranymphos todos os ex-presi-
dentes e ei-secretarios da contraria ; nesta oeca
sio subir ao ar urna salva de 21 tiros e diversas
girndolas de f >gueies; na madrugad do dia 18
ter luga' as 4 horas, a missa resada por tenco
de todos os devotos que coneorrerem para o acto;
is 11 horas da manh entrar a missa solemne
occupando a tribuna agrada o Rvdtn. padre Luiz
Ignacio de Moura ; a noite a 7 horas entrar o
TeDeum Law.amw, occupando a tribuna sagrada
mui distincto pregador da capella imperial.. Rvdm.
Prei Augusto da Immaculada Coneeico Alves.
Tecar em todos os actrs a banda do 2 batalho
de infantaria. A meta regedora convida a todos
os seus irmos a comparecerem afim de assistir o
acto e agradece a todos as pessoas que fizeram
paite na eleicao como tambem a todos os devotos
que concorreram para a festa.
Secretaria ia Contraria de S. Benedicto, 16 de
Julbo de 1886.
secretario,
Ihomaz f- do Espirito Sanio.
Medico distincto
Cumpre uai dever de gratidSo, mani-
festando ao publico o raeu profundo reco-
nhecimento ao Dr. Jos Olivio de Uzda,
2o cirurgiSo do exercito, em servico nesta
provincia; e fundado no que passo a expor :
Ha quasi tres annos que soffria na roSo
direita urna enfcriuidade que, tomando ca-
da dia maiores propones, causava-rae
grandes incommodos, privan lomo at de
qualquer trabalho manual.
Encarregando de ininha cura a diversos
facultativos, que fizeram-me usar de 1-
guns medicamentos, sujeitando-me a dolo-
rosas operacSes, nao foi-me nunca possi-
vel conseguir ao menos melhora de meus
goffrimentos ; ao contrario, o mal se aggra-
vava intensamente, e eu receiava nao po-
der sobreviver.
A Providencia Divina amerciou se de
mim, e veio por minha felicidad para es
ta capital o Dr. Jos Olivio de Uzda, que
ltimamente tomando a si o tratamento de
meu mal, foi de urna solicitada inexcedi-
vel, e eu me considero hoje completamen-
te restabelecido, sem causar-rae grandes
soffrimentos a operaclo por elle frita, nem
deixar-me sensivel deformidade.
Muitas curas semelhantes, e outras mais
difficeis ainda, tem o Sr. Dr. Uzda con-
seguido realisar nesta capital, o que amito
o tem elevado no conceito publico.
Deixando aqui estampadas estas poucas
linhas, asseguro a esse distincto medico o
meu sincero agradecimento.
Cidadc do Natal, 12 de Julho de 1886.
Antonio Manoel dos Santos.
Ana de Florida ilsirray de Lnmnn
OO
Ha vinte annos ssta parte, ella tomou o lugar
e todos os extractos e esencias europeas nos
mercados tanto da America do >ul como as An-
tilbas, supprimindo todas as differentea qualidades
dessas chamadas Eau de Cologne. O seu deleitavel
aroma tem urna approxiuiacao mais estreita e an-
loga respiraco delicada das verdadeiras flores,
do que aquelle de nenhum outro artigo em uso pa
ra a mesa do toucader. Usada como urna lavagem
ou enxagoamento da bocea, ella igualmente neu-
traliza e tai dessppjrecer o mi gosto e hlito
causado pelo fumo do charuto, melhoraudo a con-
dico e estado dos deutos e gengivas.
Como oabaxtia contra as falsificaeoes, obsrve-
se bem que os nomes de Lanman <& Kemp venham
estampados em lettras transparentes no papel do
livrinho que serve de envoltorio cada garrafa.
Acha-se vonda em todas as boticas e lujas de
perfumarlas.
Agentes em Pernambuco, Henry Forster & C,
ra do Commercio n. 9.
N. 12. Attcsto ter empregad com van-
ajosos resultados em doentes de tubercu-
loso pulmonar, em minha casa de saude, a
Emulsao de Scott oleo de figado de baca-
Iho com hypophosphitos de cal e soda.
O referido e veidado e o juro in fide mo-
dici.
Rio do Janeiro, 15 de outubro de 1884.
Dr. J. Tavano.
Dr. Fernandcs Barros
Medico
Consultorio ra do Bom Jess n. 30.
Consultas de meio dia i 3 horas.
Residencia ra da Aurora n. 127.
Telephone n. 450
E' facto positivo que a nica agua florida que
neate mercado se e.ncontra preparada strictarnente
conforme a verdadeira formula original a Agua
Florida de Barry. cuja receita foi deseo-
berta ha 50 anuos. Seu perfume to superior ao
de todas as outras combinacoes at hoje descober-
tae, que qu m urna vez a usa nao voltaa usi.r
nenhuma outra. A Agua Florida de Barry
o nico perfums no mundo que tem recebido a
approvaco official de um governo. No final do pe-
queo folheto em que vai envolta cada garrafa,
\-e o certificado do --overno dos Estados-Unidos,
assienado pr seus officiaes e au'.henticado por ra-
bellio publico.
Aviso
Faio Xavier fle Soaza Fonseca
Medico e pb.armaceu.tieo homcepatico offe-
rece os seus servigos ao respeitavel publico
das 9 do dia as 12 e das 3 as 6 horas da
tarde.
Na ra de S. Francisco n. 29
Dr. Garaneira Leite
u<:>< <>
Tem o seu eseriptorio a ra do Mrquez d
Olinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
bora em diante em a Cruz n. 10. Especialidades, in ilestias de se-
horas e -riancas.
Cirurgio dentista
Patricio Moreira
Despedida
Retirando-me hoje para o Cear a tratar 4e
minha samde, a nao podendo despedir-me pessoal-
mente dos meus amigos, o taco por este maio,
offereeendo-lbes o meu prestimo naquella provin-
cia. Recite, 16 de Julho de 1886.
Francisco Vieira Perdigo.
ED1TAES
Consultas e operacoea, das
s 4 da tarde.
10 horas da manh
><
RA DUQUE DE CAXIAS
N. 57, andar.
ADVOGADO
US
O Dr. Adelino Antonio Luna Freir, ofi-
cial da Imperial Ordem da Rosa, com-
mendador da Keal Ordem MHitar Portu-
guesa de Noiso Senhor Jess Christo,
ejuiz de Direito privativo de oiphaos e
ausentes nesta comarca do Recife e seu
termo, per S. M. Imperial e Constitu-
cional o Sr. D. Pedro II, a quem Deas
guarde, etc.
Faco sabrr aos que o presente edital virem ou
dele tiverem noticia, que, na audiencia de 20 de
Julho do corrente afino, na respectiva sala das
audiencias irao s praca, a quem miis der, ser-
vindo de base o abato de 10 por cento da lei, os
bens seguintes :
Tres quartas partes do sitio e casa em terreno
proprio, sob n. 8, estrada e Joo de Barros, fre
guezia da Graca, com 5 quarlcs, 2 salas, cesinha
IrJra e caciml a de agua potavel, e o sitio com di-
versos arvor-dos de fructo, cjm 1,145 palmos de
trente para a mesma estrada, inclusive o direito
adquirido por escriptura privada de 1 de Junho
de 1876, a meiaco do muro e oito da ci sa con-
tigua do lado do poente ra de Nunes Machado
pertenceate a Antonio Jos de Souza e outr'ora
de Manuel da Costa Mangerico, no valor de
2:916*000.
A parte de trras no lugar denominado Dous
Bracos na Barra da Areia e Rio das Inhumas du
Lage do Canhoto, comarca da Imperatriz, provin-
cia das Alagas, no va,nr de 243/000.
E para constar mandei passar o presente, que
ser publicado pela imprensa e affixado no lugar
do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 5
de Julho de 18o6.
Eu, Olavo Antonio Ferreira, esenivo, o fiz es-
crever e subscrevo.
Adelino Antonio de Luna Fren.
IRMANDADE
DO
Mena or Isa Jeana da Chacsi, aa
Igreja de N. 8. do Paraso
Devendo ter lugar s 10 horas da manh do iia
18 do corrente, mesa geral para se proceder a
eleicao dos novos funcionarios do anno de 1886
1887, de ordem da mesa regedora da mesma ir-
m ndade, convido aos carissimos irmot para as-
sistirem a missa do Divino Espirite Santa, e em
seguida reunir-te no respectivo consistorio, afim
de ae proceder a dita eieico, como determina o
respectivo compromisso.
Consistorio da igreja de N. S. do Paraizo, 15 de
Julho de 186.O secretario,
Amaro Joaquina do Espirito Santo.
THEATRO
SANTA ISABEL
Olinda
Cartorio do eacrliao Dr. Calda*
No dia(9 de Julho ir praca |.ela renda de
dous annos, perante e juizo de orphaos da comar-
ca de Olinda, o sitio denominado Quadro, na
praia da Jang, com 300 pea de coqueiros, com
mattas e capoeiras, casa de tijolo, tendo dito si-
tio meia legoa de fuudo e 1,800 palmos de frente,
sob a base de 00*000 annuaes. Oliada, 8 de
ulho de 1886.
di:
llua do Ronario EilreUa
n. 39. 1 andar
Dr. Goelo Leite
Medico, panelro e operador
Residencia na da Imperatr n. 48, 2.- andar.
Consultorio ra Duque de Cazias n. 59.
D consultas das 11 horas da manh s 2 da
tM re.
Atienda para s chamados telephoue n. 449 a
qualquer hora.
Dr. Carneiro Leo
MEDICO
Tem o seu consultorio e residencia ra
Livramento n. 31. Io andar. Consultas de 11 ho-
ras da manh s 2 da tarde. Chamados por es-
eripto a qualquer hora. Espccialidade :febres,
parios e molestias de enancas.
Oculista
Dr. Ferreira la Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
Sociedade Allian^a
Ses*ao de financas
De ordem superior, convido a todos os socios
compmrecerem na sede, segunda-faira 19 do cor-
rente mez,, s 6 1| i horas da tarde, afim de ter
lugar urna sessao de finanzas.
Secretaria, 16 da Jnih > de 1886..
Reg Jnior,
Secretario int Circular n. 18
TneNouraria de Faienda' de Per-
nambuco, em i o de Juiio de
O inspector, no intuito de facilitar e fiscalizar a
eobranca do impasto addicinnal de 5 0/0 das eer-
tidoes requeridas a diferentes Estates fle Fa
zends, ordena aos seubi n-s collectores das rendas
cernes da provincia que, do !aes certides, ce-
brem o dito imposto por meio de sello de verba,
que dever ser nellas averbado, depois de haver
nido paga em estampilhas a importancia do teitii
de cada urna dellas.
Antanio Caetano da P. K-lly.
De ordejj do Illm. Sr. inspector, faco publico
qae no dia 22 do corrente, pelas 11 horas da ma-
nha. reeebem-se propostas perante a sessSo da
junta, para o fornecimento de remedios necessa-
rios enfermara do presidio de Fernando de No-
roohs.
A relaco dos remedios acha-se nesta reparti-
co e ser apreaentada aos proponentee.
Tbeaourara de Fazenda d3 Pernambuco, 15 de
Julho de 1886.O secretario,
Luiz E. Pinheiri '! Cmara.
4.E.G.P.
a
>, rmte
l<: a as
Crrelo
Oculista
Mala a expedirse hoje
Pelo vapor nacional Cear. esta a.rcinistra-
co rxpede malas para os portos do norte, rece-
bendo imprceos e objectr registrar at 2 horas
da tarde, e cal 'as ominarlas ata 3 horas ou 3 1/2
com porte duplo.
Adioinistrai-o dos corrcioa de Pernambu .o, 17
de Julho de 188>. O administrador,
Affotuo do llego JSam.
COMMERCIO
ttUa commerclal de
buco
Pernam
KECIFE, 16 DE JULHO \)E 188b.
As tres horas da tarde
f'oacet olficiaet
Letras bypothecarias do Banc de Crdito Beal
da Pernambuco de 7 0/0, do valor de
100* 96* cada urna
Cambie sobre Para, 30 d/v. com 3/4 0/0 de des-
cont.
Cambio sobre S. Paulo, 60 d/v. com 1 li2 0/0 de
descanto.
Cambio sobre Londres, 90 div. 20 5/8
1*000, do heneo.
Descont de ierras, 8 0/0 ao anno.
Na hora da bols*
Vendeiam-se :
24 letras hypothecariag.
50 ditas idem.
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
Pelo secretario,
Augusto P. de Lemos,
d. por
Dr. Barrero Sampaio. Medio ocu-
li>ta, ex-chtfe de clnica do Dr. de
Weeker, mu-iou sen consultorio, do 2."
andar da casa n. 45 ra do Baro da
Victorit, para o 1. andar da casa n.
51 da mesma ra. Consultas de meio
dia s 3 horas da tarde.
Conultorio medico-eirurgico
O Dr. Esteva" Cavalcante de Alboquerque con-
tinua a dar consulta medico cirurgicas, na ru
do Bom Jess n. 20,1 andar, de meio dia s 4
horas da tarde. Parasa deraais eonsulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1 andar.
a. eptudioi : do consaltorie 95 e residencia
126.
Especiaidades Partos, molestias de creacas,
Nd'ujltt e seus unnesos.
RENDIMENT0S PBLICOS
Mes de Julho de 1886
ALFASOEGA
Ruda gxral
De 2 a 15
Idea c 16
SlIDi PBVIliCHI.
De 2 a 15
!em de 16
ToUl
166:403*163
26:290*805
23:635/361
4:312*735
192:693*968
47:948*096
RacasBDoaiAD 2 a 15
Ich-oi de 16
CoaauLADO PaovraciAi. De 2 a 15
dem de 16
240:642*064
11:457*591
691*808
12:149*399
106:521*172
2:204,145
Bca DBATHAaKDe 2 a
dem de 16
15
107:725/317
7:897*400
399^032
8:296*432
DESPACHO DE IMPORTACAO
Vapor nacional Cear, entrado dos portos do
sul no dia 16 do corrente e consignado ao Viscon-
de de Itaqui do Norte, manifestou :
Calcado 1 caixao ordem.
Chapeos 1 caixio a Adolpho & Ferro, 1 a J. J.
Sama reos.
Caf 163 sacos a Domingos Cruz & C, 70
ordem, 60 a Araujo Castro & C.
Fumo 70 vulumes k ordem, 2 1 a Guimares &
Valente, 5 a J. P, Pontea.
Lnr 6 caixas a F. M. da Silva C.
Malas 7 vulumes a viuva de A. VI. da Silva.
Machinas 8 volumes a The Ccutral Sugar Fac-
torie.
Panno de algodo 30 fardo a Machado & Perei-
ra, 10 a Olinto Jardim & C, 5 a A. Lopca & C.
Carga da Bahia
Couros 88 amnrrados a J. C. de Carvalho.
Chapeos 2 caixes ordem.
Fio de algodo 76 saceos a Joo F. Leite, 20 a
Ferreira & Irmo.
Livros 3 volumes a S. L. Johnston.
Panno d'algodo 20 fardos a Fernando Silva &
C, 10 a A. Vieira & C, 10 a L. A. Siqneira, 10 a
Olinto Jardim 4t C, 5 a Ferreira & Irmo, 5 a
Machado & Pereia.
ESPACUOS iTbXPORTACAO
Em 15 de Julho de 1886
Para o exterior
No vapor americano Advance, carregaram :
Para New York, H. Nnesch & C. 7,470 pelles
de cabra ; H. Stolzenbach 4 C. 6,800 pellea de
cabra ; H. Lundgrin & C. 1 barrica com 60 kilos
de borracha.
Para o interior
No vapor allemo Argentino, carregaram :
Paia Santos, L. J. S. Guimares 423 saceos
com 25,380 kilos de assucar branco e 400 ditos
com 24,000 ditos ae dito mascavado ; Baltar Ir-
mos & C. 450 saceos com 27,000 kilos de assu-
car branco e 750 ditos com 45,000 ditos de dito
mascavado ; J. M. Dias 77 si ecos com 4,620 kilos
de assucar branco.
No vapor austraco Jokai, carregaram :
Para Santos, H. Burle & C. 500 saceos com
30,000 kilos de assucar mascavado e 250 ditos
com 15,000 ditos de dito branco.
Para o Rio de Janeiro, H. Burle & C. 200 sac-
cas com 14,196 kilos de algodo.
No vapor americano Advance, carregaram :
Para Maranho, P. Carneiro & C. 1 pipa com
480 litros de alcool.
Par o Para, Baltar Irmos & C. 5 pipas cem
2,400 litros de agurdente ; B. Oliveira A C. 3
pipas cem 1,440 litios de alcool; V. da Silveira
30 volumes com 2,706 kilos de assucar branco ;
Maia & Rezende 40 barricas com 4,(00 kilos de
graxa.
No vapor nacional Cear, carregaram :
Para Maranho, V. de Itaqui do Norte 25
barricas com 2,780 kilos de asa-car branco e 25
ditas com 3,000 ditos de dito mascavado.
Con.panl.ia dos irilhos urbanos do
Recife a Olinda e Beber tfoe
Dividen io
Paga-ae no escri. torio da companhia o 23* di-
videndo, correspondente ao semestre de Janeiro
Junho, a razio de 8 0(0 desde hoje at o da 17,
nos dias uteis, das 9 horas da inaub ao meio dia,
e desta dia em diante todas as tareas e sabbados,
s mesmas horas. Pagam se igualmente os juros
da kccoes preferenciaea a daa tecoes obligato-
rias, srndo artes vista.
orio da companhia, 7 de Julho de 1886.
O gerente,
A. Pereira Simas.
Nao ti'ii 'o eouiparecido no dia 11
numero i!e o OS para constitu:- legal
sembla geral, convocada para aquelle dia, orde-
na o Illm. Sr. presidente que sejam de novo con-
vidados a se reunirem pelas 5 horas da tarde do
dia 18 do corrente, na sede social, afim de se dar
pos86 nova directora e as demais commissoes.
A assembla geral ser constituida com o nu-
mero de socios que comparecer.
Secretaria da Associ cao dos Empregados do
Commercio em Pernambuco, 15 dt Julho de 1886.
O secretario ad hoc,
Ildefonso Pinheiro.
Monte Pi Portuguez
A directora desta associaco beneficente resol-
veu, em ees.-o de h< je, e de couformidade com o
que se acba estatuido no art. 15 dos additivoc, re-
dulir inetade o pagamento dos subsidios que ac-
tualmente distribue a viuvas e socios indigen-
tes.
Os interessados, portante, podera dirigir-se ao
Sr. Thesoureiro do dia 21 do com nte em diante,
para seren devidamente pago*.
Recife, 15 de Julho de 1886.
Zejermo Pinto,
Secretario.
Club Internacional de
Regatas
Bilhctes para a regata
Os socios deste club podero mandar buscar os
seus biIlutes para a legata de 18 do corrente, na
*| ra do Apollo n. 10, todos os dias das 12 horas da
manh s 3 da tarde, sendo que na vespea d re-
gata o restante desses billu t<-s distribuir na tJe
do club, ds 7 s 9 da noite.
Recite, 13 de Julho de 1886.
Joaquim Alves 1 secretario.
Obras publicas
De ordem do Ulm. Sr. Dr. engenheiro chefe,
faco publica que no dia 3 do mez prximo vindou-
n, ao meio oa, recbese nesta secretaria pro-
prstas para a execucao dos reparos do acude de
S. Bento, oreados em 2:243 868.
O ornamento c mais condie, acham disposico dos seuhores pretendentes,
para serera examinad is.
Secretaria da repartico das obras pnblicas de
Pernambuco, em 12 de Julho de 1886.
O secretario,
Joo Joaqnim de S. Varejo.
Director Chas. Comelli Empresa Bourgard
S/VBBADO, 17 DE JULHO
. A's 8 \\l horas da noite
CHANDE ESPECTCULO VARIADO!!
DIVIDO EM 3 PARTES
Offerccido em despedida
Com este espectac u!o a Companhia Imperial Japonesa despe^e-se do Mus-
tiado publico da Veneza da America do Sul, o conta com a benevolencia que sempra
o distingui.
A Companhia embarcar irrevogavelincnte na vapor francez VILLE DE
VICTORIA esperado 19 ou 20 do corrente.
Consequentemente ao SANTA ISABEL, sabbado 18 do corrente, ver e
apreciar os pro 'igiosos trabalh->s executados pelos cjrmpathicos artistas JAPONEZES
Os bilhctes desde j a venda em casa de CHARLES PLYN & C 24,
ra do Commercio, Recife e a partir de l hora da tarde no eseriptorio do Theatro.
Para o Para, J. M. Dias 20 pipas com 9,600
litros de agurdente.
Para Manos, P. Pinto 4 C. 55 barris com
5,280 litros de agurdente ; H. Oliveira 30 bar is
com 2,880 litros de agurdente e 60 barricas com
3,400 kilos de assaoar branco.
= No hiate nacional Correio de Natal, carre-
garam :
Para Macahyba, E. C. Beltro & Irmo 15
barricas com 781 kilos de a atacar inascnv..do.
Para o Natal, P. Alves & C. 15 barricas com
1,108 kilos de assucar mascavado.
Na barcaca Espadarte, carregaram :
Para Parabyba, F. M. Duro 200 saceos com
farinha de mandioca ; J. M. Dias 2 candes com
100 kilos de rap.
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 16
Rio de Janeiro por escala6 das, vapor
nacional Cear, de 1,999 oaeladas,
oommandante Guilhcrme Pacheco, equi-
pagem 60, carga varios gneros; ao
Visconde de Itaqui do Norte.
Hamburgo por escala20 dias, vapor al-
lemo Argentina, de 1.551 toneladas,
commandante William Reteike, equipa-
gem 49, carga varios gneros; a Bors-
telman & C.
Liverpool por escala22 dias, vapor d-
glez Deambre, de 998 toneladas, com
mandante Cadogan, equipagem 26, car
ga varios gneros ; a Saundc-rs Bro-
ders Brothers & C.
Navios sakidos no mesmo dia
Rio Grande do Sul Patacho dinamarguez
Mercur) capito C. Furo'c, carga assu-
car.
Lisboa o Porto Patacho portuguez Doim
Irmos, capitSo Antonio Jos Correia,
carga varios gneros.
Canad Barca inglesa Ralph B. Peake,
capitulo C. M. Dougall, em lastro.
SOCIEDADE
UniSj Corameroi.il Beneficente dos Mer-
cjfiroa
AsKcnibla geral
De ordem do Illm. Sr. presidente da aqsembla
geral, convido os senhor es socios compareceris
na sede social dominpo 18 do corrente, s 4 horas
da tarde, afia de apreciaren) a lettura do relato-
rio e contas apresentadas pela directora. Recite,
14 de Julho de 1886. O l- secretario,
M. Capito.
Club Internacional de
Regatas
Venda de bilhetes
Previno ao publico que para a regata que este
elub v i dar no dia 18 do corrente, na bacia de
Santo Amaro, haver blbetes que d entrada na
archibancada pelos seguintes precos :
Geraes 1*000.
Recife, 13 de Julho de 1886.
Joaquim A. da Fonseca,
1* secretario.
Circular n. 17
flamantes de 1.a e 2.*
dem de 3.* dita
dem de 4. dita
Cadeiras do 1.a classe

orde
124000
66000
4,5000
20500
Cadeiras de 2.* classe
Galeras
Platea
Paraizo
200*
2SQ09
ltWOt
0500
Trens para Aplpueos c
0
Olinda. lio mis para todas as linhas.
-S8 S 11
Tbeaourara
nmburo,
de Paseada de Per-
cn 14 de Jal lio de
18s
O inspector, nos termos da circular do Minis-
terio da 1 azenda n. 13, de 17 de Junho ultimo,
communica aos senhores collectores das rendas
geraes da provincia, para os fine convenientes,
que vo ser emittidas moedas de nickel de 50 rs.
Antonio Caetano da Silva Kelly.
ial
te de Penito
1-
VAPORES ESPERADOS
larinh* Vimotjd* a Bahia boje
Ipojuca Jacuhype Ao nort* hoje
do sul hoje
Cotopaxi do sal a 1
Ville de Vietori* da Europa a 20
Pirapama do norte a 20
Pampa do sul a til
Manoi do norte a 23
Mnance de New-Port New* a 23
La Piala fuaUur da Europa do sul a 24 a 25
Bahia do sut a 26
Neva do sul a 2
Scholar de Liverpool i
A directora desta associaco, em vista de urna
representaco assignada por diversos socios desta
associaco, tem a honra de convidar ao corpo
commercial desta praca para urna reunio que ter
lugar nos saldes do mesmo edificio, s 12 horas
da manh do dia 19 do corrente, afim de tratar-se
do assempto da referida renresentaco. Secife,
14 de Julho de 1886. 0 secretario,
William Halliday.
IRMANDADE
DO
SS. Sacramento da matriz de S.
Jos do Recife
MESA GERAL
Tendo alguns irmos recusado a aceitar os car-
gos para que foram eleitos, de ordem do irmo
juiz, convido a todos os irmos comparecerem
no dia 18 do correte, s 10 horas da manh, em
o nosso consistorio, para em assembla geral ele-
germos os irmos que devero preuncher os ditos
cargos. *
Consistorio, em 16 de Julho de 1886.
O escriv* interino,
Joo Goston.
5.* seceo.Secretara da presidencia de Pernam
buco em 15 de Julho de 1886.
Por esta secretara se faz publico para conhe-
cmento dos interessados que oExm. Sr. vice-pre-
sdente da provincia pioferio hoje nos autos de de-
marcarlo e legicimacio da posse denominado
Etpioho,situada no municipio de Agua Preta
desta provincia, requerido pelo cidado Rogtcia-
no Barbosa Camello, a seutenca de theor seguin
te :
Vistos estes autos de demarcaco e legitimaco
da posse denominadaEspinhosituada no mu-
nicipio de Agua Preta, requerida pelo cidado
Rogaciano Barbosa Camello; considerando, de ac-
cordo com a intormaco prestada pelo Dr. procu-
rador fiscal da Tbesouraria de Pazenda, em otficio
de 22 de Junho ultimo, sob u. 16, que prejudi-
cial aos iuteresses da tazenda nacional a dita de-
marcaco, visto que a ella nao assistio agente da
mesma fazenda e foram por ella offendidos os lo-
tes de trras ns. 8l e 88 do extincto aldeamento
do Riacho de Matto, demarcado em 1876, sem re-
clamaco ou opposico dos primitivos donos da
dita posse : deixo de confirmar a sentenca proferi-
da nos alludidos autos pelo juiz commUsario com -
ptente.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 15 de
Julho de 1886.
(Assignado)Ignacio Joaquim de Souza Leao.
Servindo de secretorio,
Emiliano Ernesto de Mello Tamborim.
5.a seceo.Secretaria da presidencia de Pernam
buco, 15 de Julho de 1886,
Por esta secretara se taz publica para conhft-
cimento doa interessados, que S. Ezc. o Sr. vico-
presidente da provineia proferio hoje aos autos de
demarcaco e legitimaco de posae de trras de-
nominadaTaquarinhasituada no municipio de
Agua Preta desta provincia, requerida pelo cida-
do Rogaciano Barbosa Camello, a sentenca do
theor seguint* :
Vistos estes autos de demarcaco e legitimaco
da posse denominada Taquarinha, situada no mu-
nicipio de Agua Preta, requerida pelo cidado
Rogaciano Barbosa Camello*; considerando, de
accordo com a informaco prestada pelo Dr. pro-
curador fiscal da Thesouraria de Pazenda em ofi-
cio de 22 de Junho ultimo, sob n. 15, que pre-
judicial aos iuteresses da fazenda nacional a de-
marcaco feita, visto que a ella nao aesistio agen-
te da mesma fazeuda e foram por ella o Hendidos
os lotes de trras ns. 93 a 95, 102 a 105, 111 a
114 e 124 a 127, todos pertencentes ao extincto
aldeamento do Riacho de Matto, demarcado em
176 sem reclamacoes ou opposico por parte do
Revd. Jos Barbosa Mendes da Rocha, antecessor
do reqcerente : deixo de confirmara seutenca pro-
ferida pelo respectivo jaizcommiosrio.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 15 de
Julho de 1886.
(Aesignado).Ignacio Joaquim de Souza Leu*.
Servtndo de secretario,
Emiliano Ernesto de Mello Tamborim.
SOCIEDADE
Beneficente Laso Brasileira
Aaaembla a-eral
Nao se tendo reunido numero legal na sessao
convocada para 15 do corrente, convido de novo
aos senhores associados a comparecerem segunda-
feira 19 do corrente, afim de serem tomadas as
medidas urgentes para a sociedade, devendo ter
lugar na sede social, ra nova de Santa Rita n.
5, s 6 horas da tarde.
Secretaria, 16 de Julho de 1886.
Ramiro Costa,
Secretario.
Estrada de ferro do Re-
cife flaruar
De ordem do Illm. Sr. director, faco publico
para qne ebegue ao conhecimento de todos e es
pecialmente doa interessados, o seguinte abano
assignado, dirigido em data de 3 do corrate, ao
mesmo Sr. director, pelos consenhores da propne-
dade Russas, no termo de Gravst.
Copia.Illm. Sr. Dr. engenheiro em chefe da
estrada de ferro do Recife Caruar. Os abaixo
assignados, consenhores as trras que consti-
tuem apropriedade commum, denominada Russas,
no termo de Gravat, a qual principia na laga
das Carahibas, suburbio da eidade de Gravat,
com direceo ao nascente, saben do que D. Plo-
rinda Anselma de Moura quer arrogar-se de di-
reito nessa propredade, sem ter titulo algum que
garanta, para assim haver a iademnisaco do .
terreno oceupado pela linha, para obstar a isso, rl .' 1ue.0
os abaixo assignados vera respetosamente offere-
cer ao Estado, sem iademnisaco alguma, o*ter-
reno que for eccupado pela linha, na dita pro-
predade, no tanto a que os abaixo assignados
teem direito, obrigando-se a passar escriptura
publica se for preciso, porm sem onus algum.
per isso espram que V. 8. aceitando esse off-
recimento a as providencias que julgar de direi-
to para garanta do governo.
E assim fazendo R. M. (achava-se urna estam-
pa de 200 rs. iautilsada da forma seguinte): ^^omtio^dYi de" JunhVultimo,' s"ob V,
Cidade de Gravat, 3 de Jolho do 1886, (as- me'd^0 a demarcaco de fls. 9 a 17 v., hei por
signados) Severino de Barros Vasconcellos, An-
tonio Fernandes Beserra, Manoel Bezerra de Si-
Sueira Ramos, Jos Soares da Silva, Amando
os de Oliveira, padre Manoel Gomes da Brito.
Secretaria do prolongamenio da estrada de fer-
r do Recife ao S. Francisco e estrada de ferro
do Recife i Caruar, 14 de Julho de 1886.
O secretario,
Manoel Jav?nco de Saboya,
5.- Secco.Secretaria da Prealden-
rla de Pernambuco. 15 de Julbo
de 1S8
Por esta secretaria se faz publico para conbeei-
mento dos interessados, que S. Exc o Sr. vice-
presidente da provincia, proferio hoje, nos autos
de medieo e legitimaco da propredade de trras
denominadaTrapiche, >no munuipio de Agua-
Preta, d'esta provincia, da qual tio consenhores
Antonio Francisco Jatob Canuto e Bernardino
Bezerra da Rocha, a sentenca do theor seguinte :
Vistos estes autos de medieo e legitimaco
da posse denominada Trapiche, situada no mu-
nicipio de Agaa-Preta, requerida em 1867 ao res-
pectivo juiz commiasario, por Antonio Francisco
Jatob Canuto e Bernardino Bezerra da Rocha;
considerando, que pelos documentos de ts. 68 e 17
foi verificada a cultura effectiva e morada habi-
tual e citados os heros confrontantes; conside-
_ marcantes compraran a dita pos-
se n'quelle anuo aos primitivos oceupantes, que
ahi estabeleceram-se em 1851 (documento de fls.
23 e 25: e considerando, finalmente, pelos docu-
mentos de fls 24 e 26, que est provaio o paga-
mento da siza, pelo de fl. 21, que foi feita a recti-
fica?o requerida a fl. 20, e que do de fl.24, consta
a declaraco para o registro das trras da men-
cionada posse; confirmo a sentenca de fl. 28 v.,
preferida pelo juiz commissario competente, e, ap-
provando, como approvo, de accordo com o parecer
do Dr. procurador fiscal da Thesoarari de Fa
legitimada a posse dos requerentes, e mando que
se lh passe o devdo titulo, satisteitos os direitoe
do art 11 da lei n.^601, de 18 de Setembro da
1850, e pagos os emolumentos legaes. Palacio da
Presidencia de Pernambuco, 15 de Julho de 1886.
(Assignado)Ignacio Joaquim de Souza Leo.
Servindo de secretario,
Emiliano Ernesto de Mello lamborim.
V
.'.


*

t


?
A

Diario de PernambucoSabbado 17 de Julbo de 1886
>*>

5
Banco do Brasil
Paga-se o 65 dividendo na raza de 9j000 poi
acco, ra do Commercio a. 6, Io andar, es
criptorio de Pereira Carneiro dt C. ________
Companliia de EdicacOes
O escriptorio desta
companhia acha-se ja-
stallado na prac,a da
Concordia n. 9, conser-
vndole aberto das 7
horas da manh s 5 da
tarde, era todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
trucc,es e reconstruc-
c,es.
Recebe-se informa-
C,6es acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mescno escripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da otaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da e s m m a
companhia.
SEiBlS#
CONTRA FOGO
The Liverpool & London k GIo
INSUIMNCE COMPANY
_jxaSm_ Brotes s C.
t.omion and nrasillao Bank
Limited
Ra do Coraraercb n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cu
xpb do mesmo anco em Portugal, sendo
m Lisboa, ra dos Capellistas n 75 V-
Parto, na dos Inglezea.
Cha preto
As qualidades me-
lhores cmais eseolhi-
das neste genero, con-
tina a vendf r Carlos
Siiiden, n. 48 ra do
Baro da Victoria.
Recebcu de impor-
tacao directa e vende
mais barato do que em
outra qualquer parte.
Tambein vendemos
em caixas pequeas,
propriaspara botis e
casas de familia.
CHARGECRS REUNS
CompauhJa Franceza de navega
ci a Vapor
Linha quiuzenal entro o Havre, Lis
Doa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e.
Santos
Steamer Pampa
Espera-se dos Durto* do
sul at o dia 21 do correte
seguindo depois da indis
pensavel demora para o Ha-
vre.
Conduzem medico a bordo, sao de marcha rapid-
e offereeem excellentes commodos e ptimo passaa
dio.
As passagens poderlo ser tomadas autumo.
Kecebe carga encommendaa e pa?sageiros para
os quaes tem excellentes accommodacoes.
Preparados
DA
c.
LONDRES
e leite
Oleo Ue ligado de bacalbo
pepitonisacfo
Esta paraeao t saborosa que urna crian-
za promptam-'iite a toma.
O leite digerido tem a propriedade de quasi in-
teiramente disfarcn o nleo e as pessoas de diges-
tSo mais dbil podem tomar s<-m receio.
Peptonoides de Carne
Um alimento nit'ognoso composto de consti-
tuintes solidos de leite bem como gluten do trigo
(livre de gomnia).
Kecominendado as convalescencas de qualquer
d.enca, affeccoes pulmonares, febres, pneumonas,
gastrite, dyaenteria e toda e qualquer debilidade
Bija qual tor a suaorigem.
Maltina
Um extracto concentrado de trigo, avea e ceva-
da fermentados.
Valor diastasico 3U vezes o seu proprio peso !
O mais rico agente restaurador at boje eonhe-
cido, alt mente apreciavel nos cas de debilidade.
Alimento tfoulaiel de carnlclc para
fiamas
A nalyse deste aumento demonstra que os seus
onstituintes uutrictivos sao quasi idnticos como
leite materno, por sto o alimento mais aperfei-
coado para crianza.
Foruecein amostras gratis aos Srs. mdicos.
Deposito ra do iJarao da Victori n. 48
Steamer Ville fle Victoria
E' esperado da Europa at
o dia 20 de Julho, se-
guindo depois da iuJispen-
savel demora para a fia
hia. Rio de Janeiro
e Mantos.
toga-se aos Srs. importadores de carga i loo
vapores desta linha.qneiram presentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng
quer reclamaco concernente a volumes, qiij po-
veotura tenhara seguido para os portos do sul.atin,
de se poderem dar a tempo aa providencia nt-ces-
sarias.
Expirado o referido prase a comp^ahia nao se
responsabiliza por extravos.
Kecebe carga, encommendaa e passajeir>s> para
(g quaes tem excellentes aecomodaces.
Augusto F. de Oiveira i (
AGENTE*
42 RA DO COiniEROIO -4X
Lnii^d Slates & Brasil Mail S. 8. C.
0 paquete Finalice
Espera-se de New-Port-
NewB. at o dia 23 de Julho
o qual seguir depois da de-
mora necessaria para a
Baha e Hio de Janeiro
Para carga, passagens, eucommendas e diuheiro
a frete, tracta-se com os
AGENTES
Henry Forster 4 C.
N. 8 RUADO COMMilRClO.- N 8.
1' andar
Poi permittido ao 2o cadete Joto Baptista
de Figueiredo, alumno da escola militar da corte,
assiguar se d'ora em ilante Joo Baptista Neiva
da Figueiredo.
Aiuga-se o 2- andar 4 ra do Livramento
n. 26, com agua e bauho : a tratar ua loja.
Pedeae ao Sr. P A. R. A. o obsequio de
vir saldar o aluguel da casa em que inorou, sita
em'uma das eidades da liuha frrea do S. Fran-
cisco ; nSo viado ser- i mais positiva no presente
pedido, j que bou ameacado de nao receber.
Esto em praea sero \endidoa, afquem mais
der na audiencia do Dr. juiz de orphaos desta ci-
dade de 20 do corrate, as 3 quartss partes da casa
e sitio n. 8 a estrada de Joto de Barros, tendo a
casa 5 quartos, 2 salas e cosinha fra, e o sitio 2
cacimbas da melhor agua pitavel, inultos arvore-
dos de tacto e 1145 palmus de frente para a mes
ma estrada, onde ba terreno para larga edificaclo
e at para retnlhar, e sahida para a ra de N'unes
Machado, onde ha tambein terreno para edificar,
e grande baixa para capim ou cauna, e proportoes
para faz r um viveiro, e finalmente direita ameia
acaodo muro e oito visinhos.
Vender-S'.'-ha i a mestna audiencia urna parte de
trras na comarca da Imperatriz di provincia das
Alsgas.
Tudo por menos do seu justo valor.
FAZENDAS BARATAS
Na bem condecida loja darua Primeiro de
Mar?o n. 20
JUNTO DO LOIVRE
Grande sortimento de madapol3es
7,5500 e 80000
de
Ao publico
O abis j assignado, tendo lido na repartico
da polica do dia 15, u priso de um individuo
com o mesmo nome, declara que nao se entende
com o abaixo assi^nad e siio com outro de igual
nomo. Recite, 16 de Julho de 1886.
Antonio Marquss da Fonseca.
Ama
Precisa-se de urna ama pa'a cosinhar
teo de S. Jos n. 31.
no pa-
a
S
COXTIM FOCO
Norlb Brilish & Hercanlile
CAPITAL
t.-OOO.OOO de libras sterlioas
A GEN ES
AdomsonHowic & C.
I
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RA DO BOM JESS-N.
Seguro* marillmoK e lerrealres
Nestes ltimos a nica companhia nesta praca
ment de premio em cada stimo anno, o qne
equivale ao drroonto de cerca de 15 por cento em
favor dos segurados.
(JOMPANHIA
Imperial
DE
SEGUROS contra FOCO
EST: 1803 -
Edificios e mercadoriaM
Taxa baixas
Prompto pagamento de prejaito
CAPITAL
Rs. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
r% N. Ra do Commercio N. 5
SEGUROS
MARTIMOS CONTRA FOGO
Companhia Fhenis Per-
nambucana
Ruado Commercio n. 8
liompanhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabcleida t ni I -55
CAPITAL 1,000:000^
SINISTROS PAGOS
M 31 de dezembro de 1S4
Saritiraos..... 1,110:000^000
Terrestres,. 316:000$000
44Ra do (ommerclo-
FOHFAMIIV D SEGUROS
X0RTIIERX
de LOndres e Abordeen
Potlca Onancelra (Deiembro !*%-)
Capital oubsciipto
Fundos accumulado3
Beceila nnnaal:
Da premios contra fogo
De premios sobre vidas
De juros
3.000.000
3.134,348
577,330
191,000
132,000
O AGENTE,
John H. Boxwell.
BA DO COMHEBCIO Yt|. ANBAB
Pacific Sieaui Saviga ion Companv
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Ootopazi
Espera-se dos portos
do sul at o dia 19 de
Julho, seguindo pa-
ra a Europa depois da
demora do costume.
Este paquete e os que dora
em diante seguirem tocaro em
Plynioiitli, o que facilitar che-
garem os passageiros com mais
brevidade a Londres.
llavera tambem abatimentc no preco das pas-
gens.
Para carga, passagens, e encommendaa, tracta-
se com 08
AGENTES
\\ llson Sons di V.. Limited
N. 14- RA DO COMMERCIO N. 14
Compa&sia Brasileira de XaVe"-
ft&eo a Vapor
PORTOS DO SUL
0 vapor Manos
Commandante V tenente Ouilkerme Wad-
dington
E' esperado dos portos do
norte at o dia 24 de Julbo
e depois da demora in
dispensavel, seguir para
os Dortos de sul inclusive o
da Victoria.
Recebe tambem carga para Suato s, Pelotas e
Rio Grande d > Sul, frete mdico.
Para carga, passgens, encommendaa e valores,
trata-se na agencia
N. 11 RA DO COMMERCION. 11
COM HA* IIIA PEB.-VAMBUCANA
DE
AaYegaeSo Costelra por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Arc-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
0 vapor Ipojuca
Segu no dia 23 de
Julho, s 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 22.
Encommendas passagens e dinheiros afrete ajj
s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Cae da Companhia Pemambw/iia
n. 12
< OMPAMiis, e* mi;v*a.i;
re ?iahitims:
linha mensal
0 paquete Equateur
Commandante Lecointrc
E' esperado dos portos do
sul at o di.-. 25 do correante,
seguindo, depois da dentera
do costume, para Bordeaux
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se sos senhores passsgeiros de todas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Fm-m batimento de 15 /0 em favor das fa-
milias composta de 4 prssoss ao menos e que pa-
garen) 4 passagens inteiras.
Por excepcSo os criados de familias que toma-
rem bilhetes de proa, gosnin tambem 'este abat-
ment.
Os vales postaes s se dio at e dia 23 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendaa edmheirj
afrete: tracta-se com o
AGENTE
logaste Lab lie
9 RA DO COMMERCIO-9
____AVISOS DIVERSOS
Aluga-se casas a 8/5000 no becco dos de-
Ihos, junto de S. Goncallo : a tratar na ra da
Imperatriz n. 56.
ALUGr \-HE a casa terrea n. "0 da ra do
Capito Antonio de Lima, com 2 salas, 3 quartos.
cosinha e quintal com cacimba : a tratar na ra
do Marques de Olinda n. 8.
Compra-se 6os de linh para o hospital Pe-
dio II : na ra Formosa n. 4.
Quem quizer dar a quantia de 10000 que
falta para a liberdade de um* escrava perfelta
engommadeira de roupa de homem e de senhora, e
cosinheira de tazer qualquer jantar de possoas que
se tratem, de conducta irreprenhensivel e seria
dirija-se a essa typographia, ou na ra do Mr-
quez do Henal n. 23, que achara com quem tra-
tar, ficando a escrava sujeita por um contrato a
ervir at pgar a dita quantia a quem a em
sn star.
Na ra da Matriz da Boa- Vista n. 3, preei:
sa-se de urna mulber de idade para cosinhar para*
pequea familia.
Aluga-se o sitio do Pina, Jcom.boa casa para
morada, contendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiros,
seis grandes viveiros, duss cacimbas com excellen-
te agua : a tratar no caes de Apollo n. 45.
Urgencia
Precisa-se de costureiras : na ra da Aurora
n. 39, 1 andar.
VAPOR
e moenda
Vende-se um bnm vapor e moenda com pouco
uso ; a ver no engenho Timb ss, muito perto
da estacao do metmo nome ; a tratar na ra da
Imperador n. 48, 1 andar.
Criado para alngar-se
Ka ra de S. Joo, casa n. 27, tem para alu-
gai-ee um mulatinho com 17 annos de idade, mui-
to proprio para copeiro ou outro qualquer servico
tanto de casa como da ra, e ta- bem sabe bjlear,
po" j ter sido boleeiro.
4^500, 5d, 5500, %, <&
AlgodSes brancos, superiores qualidades, de 4fi, 4I500, 5^, 50500, $
Saperiores cretones de 320 a 500 o covadu.
Batistes, lindro padr3es, a 200 e 320 rs. o covado.
FustSes brancos de novos desenbos a 440 e 500 re. o covadot
Cobertas de ganga, forradas, de dous pannos a 30 500.
Ditas de ganga cretone, bonitos padrSes, a 30000.
LeDjoes de bramante, de linho. de 20 a 40000 a um.
Ditos de algodao de 1,800 a 20500.
Toalbas felpudas, de tamanho regular a 50000 a duzia.
Ditas grandes para banhos a 20000 urna.
Lencos de algodao de 10800 a 20200 duzia.
D:*os ^e algod2o, com barra, a 20400 a duzia.
iJ.i pardo, claro, a 300, 400 e700 rs. o covado.
Dito U-aacado, lo^a, a 10, 10x00 e 10200 o meto.
:<>rua io vestido de cretone de 200 por 80000.
U.i.a'anapos de linho de 30500 a 60 a duzia.
Granae vanedade de anquinhas de 20 a 50000.
Meias cruas para homem a 50, 60, e 70000 a duzi.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 50 a 100000.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
Algodao-trancado de duas larguras a 10300 a vara.
Bramante de algodao, de qnatro larguras, de 10500, 10800 e 2(5000 a vasa
Dito de linho idern dem de 20, 20500 30 e 40000 a vara.
Leques de papel, de lindos dsenhos, de 500, 800 o 10000.
Merino preto e azul a 104CK rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Guarda p de brim de linho pardo a 40, 50 e 6$000.
Oxford pra camisas, lindos padr3es, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Costumes para banhos de mar a 80 e 100000.
Cortinados bordados para cama e janellas a 80 100, 12, 14 e 160000 o par.
Grande sortimento de roupa feita para trabajadores de campo.
Encarregamo-nos tambem de mandar fazer qualquer roupa para horneas ^e
meninos, para o que temns um hbil official o um grande sortimento de pannos, brina,
casemiras, etc.
Quem precisar de algum artigo bora o barato, dever visitar de prefertaou
este antigo e acreditado estabelecimento.
El Primeiro de llamo n. 20
U
FARINHA LCTEA
DE
ESTL
LOI8 LA VENERE
ciona em casa do discpulo ;
ra do Livramento n. 12.
eiibiua francs, lec-
seudo encontrado i
MARCA REGISTRADA
1S ras DE S7CCESSQ
21 recompensas, dax quaes 8 diph mas de honra
e 8 tnjdulhas de ouro.
Oertificados numerosos das primeiras autorida-
des medicas.
Alimento completo para crianci-
i?3fli nbast de peleo
Sappru a insufficieucia do leite materno, facilita
a desam..roentacSo e a digestao fcil.
Emprga-se tambem vantajosameate para adul-
tos como alimeto pira cato magos debilitados.
NICO DEPOSITO ESPECIAL DA FABRICA
,',*?'> PAKA TODO O IMPERIO
:31:C-RUA DE S. PEDRO 31 C
Rio de Janeiro
Arrenda-Be um bem sitio na Piranga, com
casa de boas accomniodacSes, contendo 2 salas, 4
quartoe, saleta, cosinha fra, estribara, cncimba
com agua potavel, tanque para banho, o sitio
bem plantado de arvoredos de boas fructas :
quem pretender, dirija-se Olinda, ladeira da
Misericordia, segunda casa quem desee ao lado
direito.
Vende-se quince palmos de terreno murado
em lugar muito ameno para se fazer urna casa
em lugar muito fresco, para os banhos do mar, em
Olinda : a tratar na ra do Mrquez do Herva
n. 23, loja.__________________
Preciea-se de urna ama para ser vico
casa : na ra Augusta n. 187, 2- andar.
Precisa-se de urna ama para casa de pouca
familia, que saiba cosinhar e engommar : a tratar
i ra Duque de Caxias n. 28, 2 andar.
Aos HoDtes dos cilios
Cura certa em 48 horas das inflamares
recentes dos olhos, pelo colyrio prepara-
do por Jos Pedro Rodrigues da Silva.
Empregae este poderoso colyrio scrapre com
grandes vantagens, as seguintes molestias :
Ophtalmias agudas, purulentas e chronicas, con-
unctivites, etc., etc.
Deposito eral, na drogaria de Faria Sobrinho
4 C roa do Marques de Olinda n. 41.
Para informaces, sedirijam livraria Indus-
trial ra do Bario da Victoria n. 7, ou resi
dencia do autor, ra da Saudade n. 4.
M i Wn
Em quartcs e meias garrafas, vendem Faria
Sobrinho & C, ma do Marque* de Olinaa i. 41
DEPOSITARIOS
SEMPRE NOVIDADES
Fazendas finas e modas
2 A--Kua do 0abug--2 B
J. BASTOS & C.
Pelo ultimo vapor recebemos de PARS :
Cortes de vestidos diaphanrs, alta novidade.
Vestidos da cachemira, especialidade.
Ditos de toile d'Alsace, grande moda.
Cachemira broch, teeido modernsimo.
Orlatienne, fazenda nova e padr3es lindissimos.
Venitienne, corobinacao de fazenda lisa e lavrada de muito gosto.
Zephyr quadrile, novidade.
Cachemiras de todas as cores cora enfeitcs de Guipoure.
Plumetie, branco e de cores com lindos bordados.
Toile d'Alsace, variado sortimento.
Etamine de edres, desenho novissimo.
Satin ouble, ecido de algodao e raodernissimo.
Gase de algodao, em todas as cores, propria para bailes e theatros.
Leques Jiaphanos.
Ditos de setim.
Ditos de madreperola.
Guipoure de seda.
Bicos do seda diaphano, revolucjto da grande moda para enieitar vestidos
de sedas.
Chapeos de seda arrendados, novidade.
Sedas e setins, branco, preto e de cores.
Colchas de damasco de seda.
Ditas de crochet e Guipoure.
ESPECIALIDADES
Dolmans de seda e cachemira com enfeites de passemantere o vidriloos,
guarnioSo de renda e franja.
Jersey de 13 com enfeites de pelucia e bordados, escoliados sortiraentos'd''estes
casaeos da malha, que vendemos de 8j000 a 15^000.
Fornecem-se as amostras de todos os artigos.
(Telephone n. 359)

PROGRAMMA
DA
Ia REGATA
DO

I
CLIB INTEMACIOML DE REGATAS
Na l)iicsa de Santo Amaro, s l horas em ponto, no domingo 18
PKEMI0 MEBALHA
POLE21000 GERAES11000
Pareo* I Embarcactes
1 |Out riggid ricing-gig
tem
4
9
10
Escaler de 6 remos
tem
Oat-riggid racing gig
tem
Escaler de 4 remos
tem
SlgnaeN
azul
encarnado
azul
encarnado
azul
encarnado
Out-riggid racing-gig
tem
Escaler de 4 remos
tem
Escaltr de 6 remos
tem
Escaler de 4 remos
tem
Out-riggid racing-gig
tem
Escaler com 6 remos
tem
Escaler de 4 remos
azul
encarnada
asul
encarnado
azul
encarnado
PalrfieM
A. Mello
A. Silva
A. Ncves
J. Livrariiento
G. Caroll
L. Pinheiro
H. L.
M. '-Uva
Remadores
Vaughn, Schiappe, A. Leal, Lino.
J. Alfarra, G. Raposo, A. Fonte, S. Araujo.
P. Medeiros, A. Silva, Joao Livramentc, A. Lima, Azevedo Jnior, F. Lameg"
J. Marques, Michaeles, Regadas, A. Schiappe, A. Torres, A Borges.
E. Mtilher, Banks, Nelly, G. Dameyer.
J. Edwards, Grey, J. Cunha, C. Moreira.
Jos Brando, A. Leal, C. Regadas, C. Ramos.
J. Silva, J. Leone, R. Silva, S. Retumba.
J. Alfarra
W. Christiani
Manoel Vaz
Thomaz Santos
azul
encarnado
azul
encarnado
azul
encarnado
azul
branco
encarnado
Pilar Filho
J. Livramento
W. Christiani
Martins
L. Pinheiro
A. Silva
J. Livramento
J. Pereira
Livro
J. Marques, Muhler.
P. Michaeles, G. Dameyer,.
Distancia Poairo
1000
mar
trra
1C00
1000
1000
1000
Eustaquio, H. Lag s, E. Nasci ment, Jos Albuquerque.
Manoel Vieira, Jcs Caupos, Francisco Laraego, Jos Souza.
Profissionaes.
tem.
P. Medeiros, A Bivar, A. Schiappe, Clemente Silva.
Lino, Adour, Borges, E. Jonoes.
Banks, Edwards, J. Cunba, F. Michaelis.
. Alfarra, G. Raposo, A. Fonte, S. Araujo.
Jcs Marques. F Michaeles, E. Muhlert, A. Schiappe, A. Torres, S. Borges.
E. Adcur, L. Augusto, M. Leal, R. Layme, H. Antones, J. Ao tunes.
J. Rrando, A. Leal, O. Regadas, C. Ramos.
1000
iOOO
1000
1000
1000
mar
trra
mar
trra
mar
trra
mar
trra
mar
trra
mar
trra
mar
trra
mar
trra
mar
centro
trra
tornen das embar-
cacaes
Rpido.
Coriseo.
Oceania.
Neptuno.
Raio.
Temerario.
Acaso. ..f
Mercurio.
Medroza.
Diaha.
Corsario Negro.
Vencedor.
Pernambucano.
Neptuno.
Aurora.
Dalila.
Caliope.
Coriseo.
Neptuno.
Oceania.
Acaso.
Director de recatas.
Joo Holmes.
mM i



Diario de Peruambuco-- Sabbado 17 de Julho de 1886
#
s*i\
\
Preoaraco de Productos Vegetaes
PARA
EXTINGO DAS CASPAS
e outras Molestias Capillares.
JtfARTINS & BASTOS
Pernamhnco
AS
1
MeriiBades Secretas!
UKNOnnHAGIAS
GOltOETOHEAS
FlORE8 BRANCAS
CORRIMIENTOS
jtomtes es untlgos sSo curados <:n|
' jowcor das em secreta, sen r igl- j
|mb n*m tisanas, sem censar Jicfl I
BOteetar a? rgano* digestivos, petas
PIJ-ULi^S
e injeccSo de
DO D0OT0R FCRMIER
?5us a cf ia m
'tlstr
?(KA> a. m*

ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA
na*rhBrw de ira seelo; frHe todas
u ou! r js pelo mu pe rame drlieado e exquisito.
IKW MhAI.HaS I>F OCRO
PAJUZ 17s. CALCUTTA 1--
pela oitra-Jl>A e*cll*iicii de luaqofttde.
i'erTiUSM modernos de Alkioion
FA6MA& CTMBIDU t%
im rirn e peculiar parfutaM. lendo sido
i m n-J podTO er obtidopor i ntrrmedio
: .r^iwrc ou seiisAgcn.es.
LOCAO DE QINI10 DE ATKHSOM
em iiTalparafurial t^reembelexarof cabellos
Garantida inoffensiva.
AOA FLORIDA DE ATKIHSOS
perfume xcepeioiul para o len;o; distiIUdo
da ruis exquiaita seo loa.
IiMilra-u mtiu tt U4is iitenelnes i FiiriMiUi
. & K. ATKINSON
24. Od Bond Street, Londres.
L Marra de Fabrica Urna Rosa branca t
sobre ama Lyr de Ouro. "
CASA FILIAL
Recebcram pelo ultimo vapor i h gado
da Europa, um esplend lo sortiun-oto de
chapeos para lloveos, senhoras e crirteos,
forrados e lisos; grande variedade eiu co
res.
Chapeos chinles quo expoera venda
por procos rezumi lissimos.
Este be.n conhecido estabelecimento ca-
pricha em servir bero a seus freguezes,
para o que dispoe de pessoas bem habili-
tadas para todas as obras que nos queirarh
encomraendar ; assim como fabricam-se
chpeos de todas as qualidades, concer-
tam se e eobrem-se chapeos em urna hora
com a maior perfeicio poss'vel.
Vendas em grosso e a retalho.
N. B. Levam-se amostra* em qualquer
casa.
Rna do Cabug u. 19
m
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fijado de Uacalho
COM
HypofhosplHlos de cale soda
\ mi-ovad a pela Iunta de Hy
"lene e antorlsada pelo
Sjoverno
E' o ruelbor remed-
tialea ir'
el*
t h.Je dfescoberto para a
I o*CrO|ihlllU>. rn
.ci.it>*.
J.... anemio. etollieodc em acra..
-deHuxo... .o..e vbrontca e affecrae*
do pello e da gargantB.
E" muito superior ao oleo simples de figado de
bacalbo, porque, alm de ter cb-iro e sabor agr-
daveis, possue todas as virtudes medicioaea e nu-
tritivas ao oleo, alm das propnedades tnicas
reconstitu.ntrs dos hypophosphitos. A venda na
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco___________
\\) publico
Hermina de Carvalbo Menn di Cajta, proprie-
tarlana pbotegraphia sita a ra (i Bario da V.-
ctoria n H 2. andar, declara para fina, con-
venienteo, que desde o Ais 6 do eorrente de.xou
de se ocio da meania ph>t..grphi hr- *,oseul"
de Magalhaee. ,
Aproveita a occas.au para eommaaioar a todos
aquellesaue 6et*m dignado de disp. na.n-
ua protecgo n'quelle rain > tinua com a referida pbet. ?wbb-8, i qua se acha
boje mcbd* eonsidei.-. am a (J
aosmister.stcchni. '" "'1
toaos demais requisitos eaaeuoa -s pira nao n a
agradar aquellas pes*>s qHj l">" eer.-m,
daado provt de deaejo ,ier para o pro-
grefSO da industri. nacional.
Bus Fr1""' senhuras |>iinei|)>.luient'. .speraa
referida proprietaria tjda sisa valiosissima prot.x-
50.
t geneia
Gaxante-se qnofaz nas-
cereoreeoer o qaballoainda
aos maia calvos, enra a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabca. Positiva-
mente impede o cabello
de cabirou de embranq^e-
cer, c infflivelmcnte o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Viifr
IrT
''4/SAUS
A?ua Florida de Barry
Preparada segunda a formla
original'Tiaada p*lo inventor em
Prepa:
-iginal' _..
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvaeao official de
nm Govrno. Tem duas vezes
maia fragrancia que qualquer outra
e dura o dobro do tempo. E' mnito
mais rica, suave deliciosa. E'
niuito mais fina delicada. E'
mais permanente e agrndavel no
lenco. E' dnas vezas mais refres-
cante no bnho e no qnarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidao e debilidade- Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
_ desmaios.
Jarope ie Vida fle Renter No. 2.
mu DZ TJBAl^-O. DKPOIS DB TTSAI^-O.
Cura positiva e radical de todas as formas de
scrofnlas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
AffeccSes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do-
611988 do Sangue, Figado, e Bins. Garante-ae
que purifica, enriquece e vitalisa o Sangue
e restaura e renova o systema inttiro. ^.. ^
SaMoCuratiYO de Renter
Para o Banho, Toilette, Crian
Ss e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especies
e em todos os periodos.
Deposito em Pemarabuco casa de
Francisco Maaoel da Silva & C.
fPlLLSdcDrCRONKR
de I0BUHE70 de FEftRO t de QUIMA 1
TRINTA aNNOSlboiu xito tMDdemowt do
a efflcaei ii eoaUstan"- d'wtaa PUulas, que nrai ia
Iioiattlrmmio4 .recripara a rrgatrvaa it *v'
PoIm ina preprirt*!^ iila mpmroHmt,
o loouteeTo j; ntaa' t a (vnrTTA
o nyiUeamott/. iflAto '^otfvo ooatr. u
Orn He listovago Vibrte SmirM
Pe.-oa t MpoctHe
Cmjwq Empibrr :imsnta do Sanaca
Affesgoei saij-of/oaas, eU-
H SmiU Saral: 0. raa ,n feniUe-talat-firui. BB
fci5^S^:^"^*>-?*-'>-'' ty*"'^^
1S8J, Eoi der.ux: Kttn'hi te Sr-mn;
BloiK : KedaHi (iis PrjU ; Bcche-
lort : Ifmfit c'r :'..'. i t: Ifilt,
I rinde mcelo -*.883,Ainsteriam :
MbciIM de Priti aovr'ii. 1885,
xposio Jo 'i rabalbo: j.tvsj-V
Alimentago Rica
em princi'ios azotados e phospbataJoi.
a r&siKB& MLix 6 o niollior auxiliar
da anja de lett" na alimeiitarao das erlanclnnaa.
-Experimentada rom o incllio'r xito as Crcclies,
Hospltaos e Asylos, c soberana para as Criancas,
pessoas idosas. fracas e as que solTrem de
Gastritis, Cas tradas. Molestias de Intes-
tinos, Prlsao de Ventro rebeides, c tudas
as Atfcrces .7110 nao pcrm!ttc:>.i ao'estomago
supporlar a allmeniaeo necessaria para a pro-
duc?o da forja e da sade.
EIIG1H A MARCA REGISTRADA : A T1KGESI
lltartnacia MLUt,em Rortleaux [Fnnfi)
la Parnjmbuco: Pran" Jt. da Silva V C.
AS MAES DE FAMILIA
Para remediar fraqueza das criancas vdeAea-
Tolver suas forcas, bcu crescim'enlo e pnger-
val-os das molestias communs 4 idade Whf9,
os principaes Mdicos e Membros da Academia
de Medicina receito, com (rrande xito, o verda-
deiro Racajiput dos Arabas da Delangreuier,
de Parij, r$fe iliinento muilo agradavercom-
no?SJ de substancias ftgelae aulritltas "
lortificantes, se espalha.j.or iodjt a coiK
e em vista de suaf proprioxla^c'5 an^lei'')
melhora a composifo do leito da^ sanlr
3ue crio, e restaura as forcee cnrft o estomago,
0*pot/fMm (oda ttdudoBnvrlidoP0ftug*l.
Ae&lSftrao-se as Cas
1 onini'unica ao Cabello t a Bmrba
1 Cor natural
hasii csi i'iajU'tofis sem Ltaagaj!-.!?P.eparaciOj
35 Arrwbs de xito
E SALLES tils; J. MONEGHETTI, suocessor
PsilaKtsta-Ctiia^ae', 33, ruTurbii, PABIZ
Initmn tm r.tfaj a *prl*otiut Pw'iirifiit e D-otiiriti
P50..1 M-M ftSTt.VA*P'.
FUNDICAO GERAL
ALLAN PATERSOIS ft C
N. 44--Bn t do Brum--N. 4*
4NT0 A E^ ACAO DOS BONOS
Ta?di para vender, por prec_ mdicos, as seguirites ferrageoB:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Criva^JJes de diversos lmannos.
Rodas de espora, idem, dem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento parajardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollcgadas de panaduraS
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, e assentamento de macbinismo e excouim qual-
gci trabalbo coro perfeicSo o presteza.
Cutdada cor as Falsiflcacoes
...... t.-.i\
PAEIS, 14,
I Cantr i Apoplexla, o Oholera. EnlOo do mar, M Flatos, as Clicas, Iudi-
1 yostl.n. i Trlirn i-------"r. *t* ter t tros;e:t no qultsitntclvido cada tidro.
rxve-se exigir a etretu braneo c prato. em lodos os vidros,
seja qual f8r o tamanho, como ta:;i! em a a**i'jnati*'m:
ositos em todas a.. PUarmacias das Americas.
AGUA de MELISSA1
dos Carmelitet
BOYER
Unloo Soooeeeor dos Carmnlitcta
Ra de l'Abbaye, 14, F-A.ISIS
as. Indi- ^----% /
MEDALRA DE HOSM
0 BliO CHEVR1EB
4 afintoctado pelo AlcatrSo,
tnico blum.-co, otjue muflo
ugrrtfit* a* proprlodtdo* to
0 OLEO de FIGADO
DE IACAL10 FERRUSINOSO
C a onlc preoricio qut permltte
tdmiDiatrar o Ferro tem pro-
dullr Pristo *e ThW, oem
lacommode.
BttOSin jml m PAXMS
11, na fe riiuV-Iontmartrt, 21
aG^POj
^RANCOLOiRO,

DIPLOMA DE BON1
BICB1TADO rOE TODAg .
OeloTarldales Medicas
EA TRANCA S DA 1UR0PA
. MOLESTIAS DO PEITO,
rAFFECQOESESCBOFlHOSS
CHL0R05IS,
ANEMIA, DEBILIDADE,
TSICA PULMONAfl,
8R0NCHITES, RACUTISMO
Vinho de Coca
DEPSITOS EM TODAS AS PRINCIPAB9 PHARMA.GIAS DO BRAZlL.
x^viso
_5it\iIIl
N. 59Rn Duque de ^axias ?.59
Riqu8siraas cbapelinas e lindos chapos para snnhoras a 6$ e 8^000! I
Anquinhas de sctin a 3^000 para, acabar.
Lindas luvas de seda, todas de-cores, a 3000 !
Setins de listrinbas, pbantasia p ra bailes a 400 rs. o covado !
Capas, ele lil para snnhoras a i?5, 3d e 6> spanjltws. tttj_gs[ffios,a 55 o 650001 Figurino
CaroTinauas bordad:.s para senhoras a 4$ e 5^000.
L^q lflda de gosto, tuda, V '
CARNEIRO UACUNHA&C.
.59 Ra Duque de Oaxias59
SADE PARA, TODOS.
UNGENTO HOLLOWAY
1
O Ungento de Halloway um remedio inMlivel para oa males de pema e do peitc tasnbem p
as feridas antigai chagas e ulceras. E famoso para a gota e o rheumatismo e para tedas as enaerm-
dades de peito na* se reconhece egual
Para os males de garganta, bronchltes resfmmentos e tosses.
Tumores nos glndulas e todas as molestias da pelle no teem semelhante e pata os membros
contrahidos e uncturas recias, obra como por encanto.
fim nedicinas sao preparadas simente no Eatabeleciawnto do Paofessor HouoWAV,
78, HEW 0XT0BD STEEET (antes 683, Oxfor Stret), L0NDBES,
E veodemse em todas as pharmacsis do unirerao.
&r Os eoiapradores sao convidados respeitosamente a examinar os rollos de cada caixa e Pote, se oo teem a
direc^ao, 533. Oxford Street, sao falsincaoea ______
Deodsto MoMbiro d. clara ao cammercio ac
publico em geral, que o Sr. Manoel Fernand de
t erqu^ira, deixou d ser caixeiro da firma de
Deodato Monteiro A C. d.-ede o da 12 do corren-
te. Es'e.da, 11 do Julho de 1886._______________
^0fi3CEKIM5
a t?LYSSt ROY, etn?oit??ps (Fpwi
?mB PftOUSt. Sus*'- Gafa*-
O Sr Abdon Americo Aqnino tem urna.carta
de argencia p*ra Ihe sw e-trtoie M toja om Car-
Ui Linden, ron do Bara da V icu.n 48.
: # m w m rtr m
JOSEPH RRAUSE S
Acabaoi de augmentar o seo j tan mW\
mporlante eslabelecimenlo ra [n
de marfo n. 6 com afiis
m 5Sb no 1 andar tomosanete |^|.ar-
rado e prvido de un.a exyssi-
& ratea* de fala tefofUe #4fi^-.
des mk araados rabricante de
mondo inteiro.
nonvida, pois. as Exmas. familias, seus nume-
rosos amigos e freguezes a visitaren
o sen estakicrimento, am de
apreciaren, a grandeza e bom gosto com que
iko obtanl a grande
dspeza, o ad.ornaram, em honra
desla provincia.
CHA-SE ABERTO DAS 1 A'S 8 DA IITE
anana w a ri"
PARA C0SINH4R
Precisase de uan
ama que saiba eosi-
nhar bem; o 3. an-
dar do predio n. 42
da ra Duque de Ca-
xias, por cima da tj-
pographia do Diario
1
Toincui nota
Trilhos paraengenhos
WAGONS PARA CANNA
Locomotivas
HaefalBism completo para cu
genhos de t dos os lmannos
Systema aperfeicoado
specifica<;oe$ e presos no escriptorio dos
agentes
Browns & C.
V. 5 -Rna do Commerelo
N. B Alm do cima B dt C, teui cathalogos de
mu i t .(rnbem machinas para descantear algodao, moi
nboa para cal, trigo, arroz e milho; cerca da fer-
ro galvanisado ezcellcate e mdico em preco, pes-
soa nenhuina pode trepal-a, nem animal que-
bral-a.
Telegramma (resposta paga)
Bicos orieotaes, granda rariedade em cores e
larguras, receberam o Pedro Antunes & C, e ven-
der barato ; esperamos resposta ao 63 ra Du-
que de CaxiHS, Nova Esperanza ; novo sortimen-
to em leques de papel a 700 e 800 rs., preferencia
exclusiva ; ditos de seda, bonitas coree e lindas
paisagens a 3, barrato punhos e collarinhos
bordados para senbora a 1800 e 25500 ; ditos
com pintas de cores a 1200 ; bonitos e delicados
lacinhss de cores, ultima moda em gravatas, a
lsSCOO. Keiposta paga ; vale a pona verem o que
: na loja de Pedro Antones & C. n. 63, ra
Duque de Casias._________________
GASA DO OURO
os 4:0001000
61
2 IT
Bna do Baro da Victoria n. 410
e caas de eos tu me
O abaixo assignado acaba de vender
eta seus lelizes bilhetes quatro quartos de
n. 1815 cora a sorte de 200J0O0, e diver-
sos premios de 320000, 160000 e 8*5000.
O mesmo abaixo assignado convida OS
possuidores a virem receber na conformi-
dade do costume, sem descont algum.
Acham-se venda os felizes bilhetes
garantidos da 252.a parte das loteras
oeaeficio da Santa Casa de Misericordia do
Recife, (64.1), que Be extrahir quin!a-feira;
22 do corrente.
1*IMM
Inteiro 4,5000
Meio 20000
Quarto 10000
Ha porco de tOO*$000
cima para
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarte 0875 _
./oIo Joaquim Costa da LeiUt.
Ama
Preeisji-se de nma ama para
na ra Formosa n. 37.
casa de familia
Precisa-se de nm ama para cosinbar e engom-
mar em casa de pouca f .milia : na ra do Pires
numero 107._________________^___^_^^_
AMA
Precsa-se do urna ama para lavar, en-
gomar, e faser mais alguns servaos de
casa de familia na ra da Matriz da Boa-
Vista n. 9 se dir quem precisa.
Ama
Precisa-se de urna ema para servico de casa de
daas pessoas : a tratar no largo das Salinas de
Santa Amaro, taveina do Sr. 3ento Jos Fer-
raira.
Aluga-se barato
A casa n. 96 ra dos Guararapes.
A ra Lomas Valentinas n. 4
O armazem da ra do Corone! Suassuna n. 141
A casa n. 107 da ra Viseonde de (Joyanna.
Trata-se na rna do Coramtrcio n. 5, Io andar
eacriptorio de Silva Guimarae & C. ^^____
Maga-SB
AOS 4:000SOO0
3ILBSIES JAHIID3S
Raa l'rimeiro de Sarfo n. II
O abaixo assignado, tendo vendido nos
seus afortunados bilhetes garantidos 4
quartos n. 2130 com a sorte de 4:0000,
alm de outras sortas de 320, 160 e 80, da
lotera (63.*), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem receber
na conformidade do costurae sem descont
algum.
Acham-se venda os afortunados bi-
hetes garantidos da 252.a parte das lote-
ras a beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife (64.a) que se excrahir
quinta-feira, 22 do corrento.
Precos
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Km qnantldade malor de loo*
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Mannd MaHins Finza
4os 4:0008000
16-Eua do Cabug-16
Acham-se venda os venturosos bilhe-
tes garsntidos da lotera n. 64a em beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir quinta feira 22 do cor-
rente.
o sobrado de um audar o sotao ra do Mrquez
do Herval, travesea do Poeinbo n. 33, e a casa
terrea sita a ra do Viseonde de Albuquerque n.
170 : a tratar no l.irgj do Corpo Santo u. 4, pri-
meiro audar. <
i n i.
lio ni negocio
Precisa se de um moco que tenha bastante pra-
tica dt molhad e que o laesmo tenha qualquer
qnantia, para com esta entrar de soc.edade, em
Jai dos melhores lugares da praca : a quem n-
-lessar, dirija-se ao pateo do Paraizo n. 2, que
,,lii Ihe dir3o quem pretende.
.iardini das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendendo-se acabar com as plantas que es-
to em vasos n'este j irdim, vndese 8fPtl8f "
I a rauito grandes, o danda fructo, a 24000, la-
lanjeiras, muito grande, para enxerUr, fe
. duaia, e eapotieeiros mata pequeos por
pr.-co.
Integro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
endo qnantldade superior
a 10 0:000
Inteiro 30500
Meio 10750
Qarto 0875
Joaquim Pires da Silva-
banto
MudaBfa
O solicitador Joao Caetano de Abreu mudou o
,eu escriptorio para o primeiro andar do paedio
n. 38, ra do Imperador.
0 ppejo fixe
91 II u Mova 1
Receben instrumento para cortar callos e outras
muitas cutillerias, finos oculos e pincesns.
Criado
Precisa *e de um menino furro ou escravo
eeguode andar 4 ru d ImparatrU u

.. P"Wrtuine onanUoo aoa Vtnfeo ou sobra; ^^
dcleto.................ailOtras.! a
' t, ncio uE8senclstCogna'"l'W frasco.
'. i' A iriaer.t-iaacRhnmondeTa'ia, o. 160 frasco.
fiposUarlos em 1'ertiaju.Oueo i
tfi B lu. 5CO ?;
300
faOOtt
Attw?5o
Urna pessoa eo'm baatai.te pratica de cobranca,
ispondo de tempo, uffere.e seuj preaticnoa : poda
ser procurada na ra do Imperador n. lo.
Precisa se de um riada
de Albnquerqne n. 24.
Criado
iia roa do Visconie
Fregaeyja Alug* se fot eommode prec metade da cxsa da
ra dos uarara, es n. 2!. Na mesna pr eiaa-se
de nm menino que seja fiel para criado, a paga-
se bem.
no
-A nemla,- Catharro pulmonar, Bronchlte chronica,
caparra SBxla-PMism, Tosse conoutsa, Dyspepsta, Palidez,
Ptf^MaMtt.-cmarres antigs e computados, etc.
Boulevard Minia. 7. em PJJtlX, e aa prlndpaea Poarmactos.
j^stoTCastro Guima
raes
que rm Goyanna tom o nome de J*s Gaspar
l)omincues de Souza nao mais cebrador da eo-
cheira a rus da Imperatria n. 29 desde Shrco, e
chamado prestar contas dos dmbeiros que re-
ceb-n como consia daa comas "om os recibo,, e
entregar as coataS 'i>'- in>i* ,fta em seu wcr
,io adrain strndor dqu-Ha- eonheira.____________
"Docelceco de caj'
primeira qualidade, proprio para presente, tem
para vender na ra do bom Jess nuicero d>, ar
mazi-m.________________
ASA FELIZ
AisiOMSvO
BICIIKXi:* Aaa.AW-ria<
j^ra^a da Independen-
cia ns. 37 e 39
Acham-se a venda os felizes bilhetes
garantidos da 64a parte da lotera a beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir no da 22 de Julho.
Precos
Bilhete inteiro 4000(1
Meio 20000
Quarto 1*000
im porco de 1OO0OOO para
cima
Bilhete inteiro 30500
.Meio 1^'
Quarto 87n
Antonio Augusto dos fian*** Po-t>
Cosinheira
Precisa se de urna boa cosinheira : na estrada
jdos Aflictos, ju..to a estacan dos Affict.s.
GinroT
GOUMON BE GUYOT

O. I.iii* C. Crr*ia da l'on.eea
Antonio Jos Atves d* Ponseca. seus filhoa Joa-
quim Alves da Fonseea, Nuno Al vea da Fonseaa,
Candido Alves da Fonacca, suas esposas, seu
irmo's Joio E. Gcmes e Carlota Vieira s'9*^t
e igualmente sna cunbada, agradecem peasoas
de sua amizade que honraram com ana preseaea
o ac;o do enterramento de sua mui j>resda espa-
aa, mai, aogra. irm e cuubada, D. Lui C. CSr-
reia da Foaaeca ; e pedem descnlpa a a wellai,
que por ventura deixaram de ser convidadas para
o referido acto, devida esta falta tai s.weate
perturbacao de espirito, que a dor produz em taa
conaternaaora occasiio. eomo tenham dei maa-
dar sufragar a sua alma no aetmo da de vm
passamento, rogam de novo todos os -u ami-
gos e prenles ocaridos> obsequio deassiabNat
algumas missas que se deverao celebrar a i
hora, da manha do d.a 20 do eorrente, na matna
de Santo Antonio pelo que desde i se confea-
am agradecidos.___________________
amaBmmammmm
<* B&e SPc*S em empo epidmico.* urna bebida bygtesic. piadora, tm Tidro baaU
iffl5Sn."a5$ff!^^ em. .eodo
atacado :CsaL. I f
Dr. Franclaeo tlves da Sil*
Maaoel Gomes de Barros e Silva manda cala
brar urna missa na igreia matriz de Santo Ante-
n. s 8 horas dt m:inb de 20 do correte, aor
alma do sea presado asnigo, o Dr. Francweo Al-
ves da S Iva, que fallecen a 20 do mez fiado. *p
que comparecerem a este acto de cari
ta desie ja se cnnfesaa,agradecido.
*J



V '
Mario de Pernambuco Sabbado 17 de Jnlho de 1886




.
fr
I


^
Cabello $l#rfkEAyer ^^^K (Ayer's Uair Vigor) >/~> IA-O"J5i-0. TPaMAHDO-0 ZXIVEL E LySTROSOJ
J
Jia Magdalena
P Alug:i-te urna casa terrea com comraodos para
familia. ten sitio todo murado, sita traves do Paysand :
a chave es; na taverne do Sr. Braga, esquina da
tu do Qespital P.-rtuguez.
Jospie Krause &ft,
ra Prini<5tro de Mar$o
n. 6, precisa ni de un
bom cusinliciro ou co-
sinheira.

PASTILHAS
OeAKGEUN&MENTRUZ
ce
a
ere
93
=
33
93
as
=

e>s
0 Remedio mais efflcaz e
Jeguro que se tam escobarlo ata
hoja para e*pe ROQRIAYOL HIERES
Aviso
Precisa-se de una profesara que saiba tocan
bem piano e meia tfabhlhoa. de senhqra, para.eu-
gmip : a. .to*W com o Bati, a*ac)tj, 4, ra
do Ipsnsrador o, 79,. 1 andar,,_______________
Para criada
Pieeiee-sede uttJmenio.o dul'i 14-aano: o,
eieriptoiio deata I>rio sejy.qMfim precia.
Permuta
PHnutt-ae us, predio por outro maios, ate.
2:000*000 : quera o tiver nestas con.dic.oea, din-
ja se ao pateo do Terco a. 2, -que achara com,
quem tratar.
PIMO DE RIGA
de 3X9 4X9 e 8X12 ; veadese na serrara a
Vapor da Ciimaco d* Bdva, ett 22 da Novembro
uumero 6. _____________________________
Cal de Jaguaribe e S.
Bento
O abaixo asaigoado, prtpiietario do engpnbo
Jsguanee, sendo o nico a queimar a verdadeira
cal branca de Jsguarib e S. Beato, declara que
o nico encarregadj a vender dita cal ua cidade
g Reeife e ein toda esta provincia, o 8r. Vi-
cante Femeira da Albuqaexque Nacimento com
armasen* de materiaes na praca da Cuacordia na.
11, 13 e 15 ; devendo ser falsa, toda e qualquer
cal comprada u'outra parte. Eogenho Jaguaribo,
14 de Jalbo de 18&.
Jos da Costa Per-ira.
Serrara a vapor
Caes do Capibarihe n.
N'esta serrara encontrarlo os sentares fregu-
es, um giandc sortiaento de piolo de resina de
cinco a dez metros de comprimen e de 0,08 a
0,24 de esquadros Garanta-te preco mais cmo-
do do que em nutra qualqner parte.
Francisco dar Santos Macedo.
Fados e nao palavras
Aos^jve se desejam tratar sem comprometer a
laude com preparados mineralgicos.
Nesta typographia e na ra Dircia n. 43, 1.
andar vndese tinturas homeopathicas para ino-
fensiva cura das seguintes molestias : asthmatico,
anda mesmo bronchitico; eiysipela, enxaquecas;
intermitentes (s*m o emprego do fatal quinino);
tosse convulsa, falta de inenstruacao ; cmaras de
sangue : esfricos ou metrite ; dores de dentes ou
nevralgias, metrorrugia ; vermfugos, denticioe
oonvuleoes das eriancas ; tudo manipulado de her-
vas do paiz.
Assim como tratam se escrofulosos em qualquer
grao e gommatosoe. ^jw
f
Sem dieta esein modifi-
carles de costames
Laboratorio central, ra do Viconde do
Rio Braneo n. 14
Esquina da ra do Eeqente .Rio de
Janeiro
Especficos preparados pelo phar-
maceuco Eugenio Marques
de Hollanda
Approvr.dos pelas juntas de hygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Pariz.
Elixir de nibiribina
Restabelece os dyspepticos, facilita as diges-
toes e ptomove as ejeceoes difficies.
Vinho de inanaz ferruginoso e quinado
Para os cbloro-anemioo, debella a hj poeasa
intertropical, rtconstitue os hydropicos e benbe-
ricos.
Xarope de flor de arueira e matamba
Muito recoman ndado na bronchite, na bemop-
aie e as tosses agudas ou chronicas.
eo de testudus ferrugino&o e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraqueza do orga
oismo, na fysica.
Pilulas ante peridicas, preparadas oom a
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente as fiebres intermitientes, re-
mittentes e perniciosas,
Vinho de jurubeba simples e tambem fer-
ruginosa, preparados em vinho da caj
Efficazes as inflaotmaooes do figado e baco
agudas ou chronicas.
Vinho tnico de capilaria e quina
Applicado aas convaleseencas das parturientes
urtico antefebri!.
Deposito : Francisco Manoel da Silva & C.
Francisco Manoel da Silva k C.
23-RUA MRQUEZ DE OLINDA-23
Este remedio precioso tem gozado da aeceita
fio publica durante cincoenta e sete annos. com-
pandse a sua maaufactura e venda em 1807.
Sua popularidade e venda nunca foro to exten-
sas como ao presente; e isto, por si mesmo.
offerece a melhor prova da sua efficapia maravil-
hosa.
Nao hesitamos a diier que nao tem delatado
em caso algnm de extirpar os vermes, que* en
creaacM quer em adukcs, que se acharao amio*
tos destes kmigoc da vida humana.
Nao deixamos. de reoeber constaatemente
attesta$0es de edicos em favor da sua efficacia
admiraveL A causa do successo obtido por oste
remedio, tem appjuecide varias sificaf8es, da
sozte qua dev*o comprador tr muito. cuidado,
examiaaado o nomo inteiro, que deviaser
yeraiftec da B. A. FAHNESTQC1L
Fazendas brancas
SO' AO NUMESO
4o roa 4a Itaperatriz =* -IQ
Lo/e. dos baraUiros
Alheiro i, C, ra, da, ImperaUix o. 40, ven-
den] um bonito sortimento de todas estts faenda
abaixo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER:
AlgodoPecas de Igodaosinho com 20
jardas, pelo" barato preco de 34&00,
4J, 4*500, 4* j ',. 5J, 5*500 e 6|50.
MadapolSoPecas de madapolao com i
jardas a 4*500, 5*, 6* at 12*000
Camisas de meia com listras, pelo basato
preco de 8QQ
Ditas branc e cruas, de 1* ata 1*800
Creguella francesa, faaenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhss e
ceroulas, vara 40Ors. e 500
Ceroulas da meana, maito Wu felas,
a 1*200 e l**00
Colletinhos ra mesma 00
Bramante francs de algodio, asuito ca-
corpada, com 10 palmes de largura,
metro 1W
Dito de linho ingles, de 4 larguras, mer
tro a 2*500 e SJKX.
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro 1J80Q
Crotones e chitas, claras e esciurss, pa-
dr6es delicados, d. 240 rs. at 400
Haptis'a, o que ha de mais delicado uo
mercado, ra. 200
Todas estas fasendas baratissimas, na coaheeida
loja de Alheiro & C, esquina do beeeo
dos Ferreiros
Algodo entestado pa-
ra lenfoes
A OOo ra. e looo o metro
Vende-se na loja dos barateiros da loa-Vista
rodio para lencoes de um s panno, com 9 pal-
8 de larguras 900 rs^ e dito com 10 palmos a
00 o metro, assim com# dito trancado pata
Btalhas dn mesa, com 9 palmos rie largura a 1*200
c etrp. Isto na leja de Alheiro C, csqaina
do eeco dos Ferreires.
MERINOS PRETOS
A 1*200,1*400, 1*600, 1*800 e 2* o covada
A heiro & C, A ra da Imperatris n. *0vve
dem muito bons merinos pretoa pelo preco aein>
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co di s Ferreiros.
Espartilhos
Na loja da ra da Imperatris n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhoras, pelo preco
da 5*000, sssim como um sortimento de roupas
de casimiras, brius, etc., Bto na loja da esquina
de beceo dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZA9
A 2*800 c 3/ o covado
Alheiro & C, ra da Imperatris a. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemirsi ingle-
sas, de duas l-rguras, com os padres mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato preco
de 2*800 e 3f o covado ; assim como se enearre-
gain de mandar faser costumes de casemira a
30<(, sendo de paletot sacco, e 35* .de fraque,
grande pecbncha : na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem urna grande
porcao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 32fr
rs o covado, grande pechincha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordados a soo r. a peca
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
brdalo, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em carto com 50 pocas, sorti-
das, por 5J, sproveitem a pechincha ; na 103a da
esquina do becco dos Ferreiros.________________
CORACAO
Asma, Catarro
CTJEA CETA
COM O EMPRSGO J
Granulos Antimoniaes
IT PAPILLAUD
Relatorli IntravH la Iciiimli I Miiicln si rtrli.
IstrmSos sus Jsou w Hyiiesi f Braia.
Oere-M tiltir sobre cada Frasco os nomo da
E. MOTJSNIEK L. PAPILLAT7D
PKPOniTO OEIUL
Pamicii 6M4V. 26. rw Ctfsillitrt. riUZ
Em Pernambuco : ril~ I. da SILU l
________TENDAS________
Vende-se
um predio na fregueaia da boa- Vista, com terre-
no ao l>do, com bastan es. fundos ; e na mesma
freguezia um estabelecimento de molhados com
pouco capital, serve para qualquer principiante :
para iiiforuaeea, na paesamem da Magdalena,
ra do Bemfica n. 31-A.
Vende-se 25 predios (sobrados, casas terreas e
sitios) as freguisias do Reeife, Santo Antonio,
S. Jos o Graca, a tratar na ra do Imperador
o. 7S.
Tamanco s
Vende-se tamaocos de Peneao, em p ircao.e a
retslho : na ra da Roda n. 11. ^^^^^
Carteira
Vende-se barato urna carteira contendo na peca
de baixo dous armarinbos e tres gavetas, 1 e na
peca de cima 17 compartimentos que se fechain
com nma so chave : a ver e tratar no largo de S.
Redro n. 4, loja.___________________
WHISKY
AOYAL BLEND marca VlADO
Este excellente Whisky Escossc preterm
ao cognac ou aguarden^ de canna, para fortifica
o corpo.
Vende-se a retalho no <. Inores armasens
nolhados.
Pede BOYAL BLEND marco VIADOcujoni-
me e emblema sao registrados para todo o Braxi
BBOWNS & C, agentes
GRANDE
.lahoatao
Joaquina EmUia e Olvera
e Silva
Francisco Antonio de Oliveira e Silva, sua mu-
lher e filhos convidam aos seas parentes e amigos,
para assistirem a misss, que por alma de sua pre-
sada mai. sogra e av, Jo*quiua Emilia de Oli-
veira e Suva, mandam celebtar na igreja de Saa-
ta Bita de Cassia, segunda- teira 19 do correte
pelas 8 horas da manh, 1 anniversaiio do sen
passamento ; e por este acto de earidade anteci-
pam os seus aam-teoMBenroa._________
O bacharel Antonio Venancio Cavalcant de
Alboquerque manda celebrar misaas por lma de
sen muito presado pai, e capitao Vicente Elias
Cavalcante de Albuquerque, no dia 20 de Julho,
primeiro anniversario de een rallecimento, as
matrises, de Santo Antonio as 8 horas da manhi,
e de Qamelleira as 9 horas da manh do referido
dia ; psra cujo acto convida seus parentes e ami-
go, e a todos se confeasaado profundanjeute re-
connecido.
Vende se a padaria e o estabelecimento de mo-
lhados, bem afreguezados, e prometiendo ainda
maior negocio fasvr com a ida das oficinas da
estrada de ferro de Caruar, prximo mesma
estacao, fica situado os estabelecimentos cima,
arrendando se as caeas pessoa que pretender :
a tratar em Jaboatao. confronte o hotel 6-lobo.
Vende Candido Thago da Costa Mello em seu
dei osito ra Imperial n. 322, olaria.'- Telepbone
numero i i.
Core
Vende-se um na ra do Araorim n. 66 do autor
Mueres.
__________________--------------------------~--------------------------------------------------------------------------
i'inlio de Higa
S^tetxlt
Vendem Fonseca Irmaos c* C, a precs- mdico
IcHh w ala"
Vende-se urna em 1 om estado, propria para
alfaiate : na ra da Pas n. 24
Farinha para porco
Vende-se na ra do ImpeJador n. 63.______
8om ipgocio
Veade se a fabrica de majas, bahus e violas,
ra do Imperador n 77, propria para principiante
por ter poucos fondos, garante-se a chave. Assim
tam im *"**& pwp par* qualquw ne-
gocio.
A Revoluto
M.4m
ra Duque de Gaxias, resolveaa vender
os segnintes aitigos com 25 0[q de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Badas Wradas de 2*000 por 1*000 o cavado.
Cachemiras de cores a 1*200 o covado.
Ditas pretas a 1*000, 1*800, 1*100, 1*600
1*600 e 2*000 o covado.
Dita brech, de l e seda, liados tecidoa, i 1*800
o covado.
Gorgorinas de listrinhas a 360 rs. o covado.
Setins a 800 o 1*200 rs. o covado.
Dito, preto a 1*000 e 2*200 o covado.
Gase com bollabas de velludo a 800 rs. o eo-
vads.
Lis -com bolinhas a 640 rs. o covado,
Velludiiho liso e lavrado a 1*000 e 1*200 co-
vado.
Faitao braneo a 440, 5Q0, 560, 680 e 800. ra. o
covado.
Gtosdenaples pretos a 1*800, 2*000, J*|00 e
2*800 o covado.
nsoc de c6r a 800 rs. o covado.
Cretones finas a 360, 400 e 440 rs. o covado.
Cambraia de quadxoa a 1*500 a peca.
Dita transparente de 4*000 por 2*000 e ?*!Q
a peca.
Linn blanco a 500 ra. o covado.
Faohs de retroz a 1 000 un*.
dem de 13, de 1*000 at 6*000.
dem de peluaaa a 5*000 e 6*.*00.
dem de pelussia bordados a 7*000.
Crotones para chambre a 320 e 360 rs. o co-
vado,
Cambraia com salpicos a 6i rs. a peca.
Chapeos de sol de cores para senhoras a 7500
um.
Brim de linho de cor a 1*203 o metro.
Linhos escoase^es a 240 rs. o covado.
Zephiros listradoa a 2Q0 ra. o covado.
Tpeles para janlla, piano e cama a 4*000,
6*000 e 7*000 um.
Ditos avelludados para aof a 24*000 um.
Fusto de cor a 500 ra. o covado.
Setinetas lavradas a 500 rs. o covado.
Flanella branca a 400 ra. o covaelp-
Setinetas com desenhos lindos a 440 rs. o co-
vado.
Cortes da casemira a 3*000, 3*500, 5*OC0 c
7*000. *
Casemira de cor e preta a 1*800 rs. cavado.
Timjs bordados a 4*000 um.
Brim pardo lona a 360 e 500 rs. o covado.
Camisas de meia a 800, 1*600 e 1*200 urna.
Algodao com duas larguras a 800 ra. o me-
tro.
Esguiao amarello paca vestides a 500 rs. o co-
vado.
Espartilhos couraca de 4*000 a 8*000 uuj.
Para aa Erfmaau nolvas
Setins maao a 1*200 e 2*000 o covado.
Popelinas a 600 rs. o dito.
Alpaca a 400 e 440 rs. o dito.
Setinetas lisas e lavradas a 500 e 560 rs. o dita
Cortinados borddoa a 7*000, 9*000 e 15*000 o
par.
Capellas e voa finos a 10 e 14.
Colchas bordadas a 5*000, 7*000, e 8*000
urna.
Cabriolet
Vende-se um em perfeito estado e por preco
eommodo; tratar na ra P'wiue de Caxias n. 47
Exposiyao central rna larga do
Rosario 1U8
Damio Lima & C, chamam a attenco das
Esmas. familias para os precos seguintes :
Carretela de 200 jardas 80- rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de um palmo, a 2*500 e 3*000.
Fita n. 80 para faxa a 2*600.
Leqves regatas e D. Joannita a 1*000.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2*000.
Leques D. Lucinda Colho a 6*000.
Toalhas felpudas a 500 600, e 1*000.
Duzia de meias para h'.roem a 35OOO.
Ditas para senhoras a 3*000.
Luvas de eda a 2*000.
Meias de fio de seda para menina a 1*000.
Colarinhos de linho a 500 rs.
Ditos de algodao a 320 e 400 ra
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de cordao para vestido a 20 rs.
Iaviaiv. is grandes a 320 rs.
ratopos invbiveis a 60 rs.
Um leque de setim (novidade) a 6J500.
Ricas bolciahas de madreperoia de 1*500 6*.
L5 para bordar 2*800.
Urna capella e veo de 15*000, por 12*000.
Um espelbo de mol iura por 5*500.
Urna pulseira de fita per 1*200.
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna boneca grande ie cera por 2*500 e 3*000.
NA EXPOSICO CENTRAL
08Kuu Larga do Rvsario38
Florida
Loja de miudezas
Huatl'oUuqiie delaxas a- 103
Os proprietarj.a itst* grande estabelecimento
de miudezas, modas epara acci mmodar os interes-
aes da poca, tem resulvido vnderem po' meuoa
vinte por ceato que em outra qualquer parte.
Feotes elctricos 4 6 0 rs.
Luvas de pellica a 2*500 o par.
Linha de carritel brauca e de cores 8 80 rs.
Grampos a 20 ra. o masso.
Invisiveis a 320 rs.
Vestuario de fusto bordado para enanca a
Pentes e r''g"?o para criapca a 100 rs. um.
Baleia8 a 36(1 rs a duzit
Baspas para anqumhas a 120 rs. o metro.
Bicos com tresdeii'js de largura al*500 e 1*800
a peca.
Linha de cores par crochet a 250 rf. o no-
vello.
Papel amizade a 40 rs. o caderno.
Fita oninez a 30 rs. o masso.
Lencos de liub a 1*500 a dueia.
Liados bieo de cores com 10 Jardas a 4*_e 5*
a peca.
Urna eaixa cem ti es sabonetes desenhaodo urna
rosa por 500 rs. ^^^
Meias de la de cores Dar seahora a 1*WU o
par.
Camisas nacionaes
A **&00. 3*000 e 3*500
32=^- Loja a ra da Imperatriz = 32
Vende-se ueste novo estabelecimento um gran-
de sortimento de camisas brancas, tanto de aber-
turas e pjuhoa de linho como de algodao, pelee
baratos precos de 2*500, 3* e 4*, sendo iaaend*
muito melhor muite maa bem feita8, por ecrem cortada, por
um bom artista, especialmente camiseiro, tambem
se manda fazer por encommendas, a vjntade dos
freguezes : na nova loja da roa da Imperatrit a
3;, de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
&Z Ra da Imperatriz == .'*
DE
FERREIRA DA SDLVA
Neste novo estabelecimento encontrar res-
paitavel publico um variado sortimento de fazen-
das de todas as qualidades, que se vendem poi
precos baratissimos, assim como um bom sorti-
mento de rcupas para hotnens, e tambem se man
da fazer por encommendas, p r ter um bom mes-
tre aliaiate e completo sortimento de pannos finos,
casemiras e brns, etc.
KotiBas ploras
3S_Ilaa da Imperatriz-3*
Ltoja de Pereira da Silva
Neste estabelecimento vende-se as roupas aba)
xo meacioaada8, que sao ba- ...as.
Palitots pretos de fr*r*. aiagonaes e
acolchoados, senao tazenaas muito en-
corpadas, e forrados <*00t
Ditos de casemira preta, de cordao muito,
bem feitos e forrados 10'^9f
Ditos de dita, fazenda muito melhor 12*001
Ditos de flanella asul sendo inglesa ver-
dadeira, e forrados 12*W>
Calcas de gorgorSo preto, acolchoado,
sendo fazenda muito encornada 6*50
Ditos de casemira de cores, sendo muito
bem fcitas 6*6
Ditas de flanella inglesa verdadeira, e
muito bem feitas 8*001
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2*, 2*500 e 3*001
Ceroulas de greguellas para horneas,
sendo muito bem fetaa a 1*200 e l/60t
Cofletinhoo de greguella muito bem feitos 1*00
Assim como um bom sortimento de lencos d
linho e de algodo, meias cruas c collerinhes, etc
Isto na loja aa ~ua da Imperatriz n. 3*
Risea dos largos
a soo rs, o covado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vendem w
riscadinhos proprios para roupas de meninos i
vestidos, pelo barato pmer de 200 rs. o covadt
ten do quasi largura de chita tranceza, e ssp
como chiras brancas miudinhas, a 2Q0 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincha
loja a Pereira da Silva.
Fumoes. etlmetaa e lclnbasi a 60
ra. 9 covado
Na loja da ra da Imperatris n. 32, vende-
um grande sortimento de fustoes branca a oOt
rs. o covado, lazinbas lavradas de furta-core
fi-zenda bonita para vestidas a 500 rt>. o coyade
e setinetas lisas muito largas, teodo de todas a
cor- a, a 500 rs. covado. pechincha : na loj.
do Pereira da Silva.
Merino* prelo* a 1**
Vende-se merinos pretos de duas lrgura pan
vestidos e roupas para meninos a 1*200 e 1*60
o covado, e suoenor setim preto para enfeites
1*500, arsim como chitas pretHS, tanto lisas com-
de lavoures branc os, de 240 a6 320 rs. ; na aov
l..ja de fereira da Silva ra da Imperatr,iz n
mero 32.
ilgodoiinho (ranees paja lencoe.
Na loja da ra da Impuratn* n. 32, vende-a
superiores algodaozinhos fraucezes com 8, 9 e 11
palmus de largura, uroprios para lencoes deuB
s panno pelo barato preco d W0 rs e 1*000
metr<>, e dito trancado pa a toalhas a 1*28(1, at
sim come vperior bramante de quatro largurto
para kucoea. a 1*500 o metro, barato ; na lo.n
di Pereira m Kilva.
itlllij
meninos
>U|a par^ nienmi
% i*. ao e o
Nan^n loja .urna da imperatris n. 32, a
veieie un. oriottni" "fc veotoarioa prt
prios par- acudo de (.aii^isinho e calo
liba eurts, feio i brim pard^, a 4*000, dlW
de mole*auim 4^5(N) de gorgoro pretc
saitajtd i.Minr... oi n muito urat. 1 ; n
loja do Pereira >l Silva
Tm venia
Grande e bem montada oflicina k alfaiate
N, 41Ra do Baro da VictoriaN. 41
Neste bem conhecido estabelecimento, ae eneontrar um linde variado aer-
timento de pannos, casemiras, brina, camias, pannos, collarinhos, meiaa, gravata,
todo importado das melhores fabricas de Paria, Londres e AUemanha; e para beer
servirem aos sous amigos e freguezes, os proprietarios deste grande eetabelecimeato
jm na direccao dos trabalhos da officina habis artistas, e quo no curto espado de 24
horas, preparam um terde roupa de qualquer faseada.
Ra do Baro da Victoria n. 41
(PRESOS SEM COMPETENCIA)
Aos 1.000.000S000
200:000$ooo
100:000$000
DE 3 SQBTEIOS
Em avir dos ingenuos da ColoniaOrphanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
EHrap:i flia 15 fieDrairo b 1886.
0 thesoureiro, Francisco Gon?alves Torre
O portador de dous vigsimos desta
importante lotera do eusto de 2$200 est
habilitado a tirar
o:oi2$ooo
Vigsimo,
vigsimo.
Pre^o em por^o
A' RETLHO
iooo
I&IOO
AR04 DA FORTUNA
36Rua Larga do Rosiriii-.ili
Vendase um t.^ o m ponto a
ver e tratar, na rui V dal de Si gr-iros n. 2.
OTERI
ALAGOAS
CORRE NO DIA 20 DE JULHO
MAMEBIfl! IlTENMm!,
O portador que possuirum
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar..
10:0061,000.
Os bilhetes acham-sea ven-
da na Casa Feliz, praca di In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 20 de Julho
1886, sem falta.

Os propietarios, do muito conheoido estabelecimento denornaado
MUSEU DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicam ao respejU^l PUBLICO que receberam u
grande sortimento de ioias das mais modernas e dos mam apurados gestos, como bn-
bem relogioa de todas as qualidades. Avisara tembem que contmuam a reoeber per
todos oa vaporea vindos da Europa, objectoa novoa e vendem por muito menos que em
N. 4 RA DO CABUG----N. 4
Jopjpra-se ouro e praa velba.



ano
--------
*eriiaiiibuc 17 de Julho de 1886
ASSEMBLA GEAL
CAVARA DO DEBUTADOS
SESSaO EM 3 DE JULHO DE 1886
PBWIDBICIA DO 8B. ANDEADE F1QEIEA
[Contrmaylo)
NRa estn4o reunida a nssemb lea
geral, o governo dir se o presidenta da
prtviucia teve ou n5o razSo na negativa
da sancho de ama lei ; mas funccionanlo
o parlamento na occasiSo era que foi ne-
gjtfa a sanecao, cumpria ao presidente da
piL*oia rometter o orgamento nSo^san-'
i%>do cmara, para examnalo
Pende
a quesSo de decisSo da cmara desde
Maio, e se a commissSo da assemblas pro-
vinciaes nao tem dado anda parear sobre
ella, obrigago do nobre deputado recla-
mar da tribuna pola apreseutaglo dosse pa-
recer.
O orador, oomo govorno, nto pode dar
opiniSo sobre urna questao que est pen-
dente de decisSo da cmara; se o nobre
deputado quer a intervangSo do governo
para com a commissSo, o orador deBde j
pede mesma que d o sou parecer sobre
isto.
Quanto ao 3o quesito, nao lha compre-
Leuden beo o alcance. Falla o nobre de-
putado era convocar o presidente da pro-
vincia urna assembla extraordinaria para
resolver a questao ; mas o nobre depntado
esquece que alm das raz53s de incovenien-
cia o presidente allegou uina de inconsti-
tucionalidade, nao podia a assembla man-
dar executar a lei pelos dous teroos, por-
que nao ella o poder competente para
conhecer das razo js de inconstitucionalida-
de, e sim a cmara dos deputados, a quem
a questao est affecta.
O acto do presidonte do Rio Grande do
Sul, -tao verberado pelo nobre deputado,
exemplo de actos constantemente pratica-
dos durante o dominio liberal. Nao ser
muito 82 a dontrina em que ella se inspi-
rou, mas preferivel eguil-a a ver desor-
ganisados os scrvigos e paralysada a admi-
nistracao publica. Portanto, desapparece
a supposfa ill<*galidade, visto que nao se
cobran impostos que nao fossem votados
por lei.
Relativamente a impostos iuconstitucio-
naes decretados polas assemblas de algu
mas provincias^ pansa ser esti urna ques-
tao qne nao se pode discutir com meia du-
zia de palavras. preciso attender ao
estado de miseria em que se acham algu-
mns provincias.
Perguntou o nobre deputado o que suc-
cederia aos habitantes do Rio Grande que
se negassem a pagar o imposto? E ac-
crescentou S, Exc. que ellos deviam resis-
tir por todos os mcios a essc pagamento
por illegal.
^ur suppor que os neios aconselhados
por 5. Exc. sao os legaes, os meios judi-
ciarios. Elles que re-orraro a esses meios.
Quinto s dua8 assemblas provinciaes
do Cear, o governo nao podendo decidir
se aobre qual dellas era a legal, nada mais
lhecunpna fazer senao dirigirse ao pre-
sidenta da provincia e pedir Ihe urna rela-
cSo circumstaneiada por onde se verificassa
qual era a que tinha maioria legal para fi-
car installada. Emquanto este ponto nao
fica averiguado, entendeu o goxerno que
devia dirigir-se a ambas as assemblas e
adial as. Nao sa dirigi s urna dellas,
porque entilo rejonheceri implicitamento a
legatidade dessa.
O Sr. f. Padro Soares declara
que nao veio tratar desenvolvidaraente
desta questSo j discutida brilhantemente
Eelo Sr. Candido da Oliveira ; vai apenas
ivrar um protesto contra ,o modo inslito
por que est sendo governada a provincia
do Rio-Grande do Sul, menoscabada pelo
seu ex presidente.
Dos altos dotes do espirito dos servio
da experiencia dos negocios, e das nobres
qualidades que elevam o carcter do ac-
tual Sr. presidente do conselho, o orador
esperava do governo de S. Exc. urna po-
ltica moderada, de respeito aos direitos
dos eidadSos e s liberdades publicas; in-
felizmente soffreu urna grande decepcao
vendo, desde que o nobre ministro subi ao
podei, desfeitas essas esperancas, j pelo
que se pasta em a Ba provincia j palo
que se est passando em outras.
L- menta que o nobre presidente do con
seibo mandaste para a provincia do Rio
Grande do Sul um presidente que a go-
veruou tyrannicamente, rasgando as luis,
anadiando todos os actos da assembla e
esmagando os diroit03 dos eidadSos.
A' imprevidencia do nobre ministro deva
S. Exc. agora o ver-se collocado diante
-i um conflicto travado entre aquelle ad-
ministrador e a assembla provincial.
Urge, portanto, que so restabeleca o re-
gimen da legalidad', o quo a paz e a or-
dena soceguem o espirito daquelle povo,
attribulado pela poltica emagadora exer
cida pelo ex-dalegido dogiverno.
Sent que o nobre ministro nSo quizesao
dar a sua opiniilo sobre a solucao, que
pretende dar o conflicto Entretanto essa
opinia;i sari de grande valor para os rio
grandenses saberem o que devera esperar
do governo nesta diffieil emergencia, e para
saberem como deven proceder diante des-
tes dous faltos, que csperam urna solucao
seja ella qual fr; da um lado um orga-
mento legal, e do outro a suspensao da
exccugSo dosse orgaraente o a prorogogSo
de um orcamento legal.
Po le as3egurar quo au>pinio o-grn-
dense levanti-se quasi em massa contra o
pagamento de um imposto illegal, e contra
a cobranca do qual o orador so ufana de
ter aconslhado a resistencia.
Invoca os sentimental de justiga, as luzes
e a sabedoria do nobre presidente do con-
selho para que esta questlo tenha urna bre-
ve solucao, porque se S, Ex. a^iar s nos
restar ajoalharmos diante do sepulchro das
liberdades publicas e pedir aos impulsos
do patriotimo a resurreigSo dellas.
A discussSo fca adiada pela hora.
O Sr. Presideuta da a ordem do dia 5 :
SESSAO EM 5 DE JULHO DE 1886
PBESIDENCIA DO SE. ANDEADE FIGCTEIBA
Ao meio dia feita a chamada a que res-
pondern} 103 Srs. deputados, abre se a
sessilo ho meio dia e seta minutos.
E' lida e approvada a acta da sessSo an-
tecedente.
O S. 1* Secretario d conta do expe-
diente :
Vem mesa e lida a seguinte inter-
p ella cao :
c Peco dia e hora para dirigir ao Sr.
ministro do Imperio a seguinte interpella-
gSo :
^il' Que difficuldade tem o governo en-
contrado para nomear presidentes para as
provincias ?
f Que razos de publica conveniencia
enxerga o governo em continuarem ellas
sujeitas adrainistragSo de vice presiden-
tes ?
Sala das seasSes, 5 da Julho de 1886.
Aff.raso Celso Jnior.*
Na ausencia do Sr- ministro mandou-se
officiar a este, ficando o Sr. presidenta de
marcar dia e hora, em tempo.
O Sr. Paulo Primo, subindo tri-
buna para restabelecer a verdade de al-
guns factos que tarara narrados no senado
de um modo menos exacto pelo Sr. Meira
de Vasoncellos, trata de demonstrar a im-
proceienoia das accusacSes por aquella no-
bre sanador levantadas contra varias au-
toridades da sua provincia, e pede a S Ex.
que por amor da verdade e da justiga nSo
continua a guiar se por falsas informacSes
para produzir defesas impossiveis e accu-
sayoY's infundadas.
E' introduzido com as formalidades do
estylo o Sr. ministro da agricultura, que
lea scguinta proposta:
c Art. Io E' concedido ao ministeriodos
negocios da agricultura, commercio e obras
publicas um crdito especial da quantia de
186:234!k)00 para indemnisacao a Paulo
Taves e Antanio Domiogos dos Santos
Silva, dos terrenos desapropiados no mor-
ro do Senado a dos que tarara aterrados ao
longo da ra do Visconde de Itauna.
Art. 2o Para oecurrer a esto pagamen
to... (A iniciativa partease a Cmara dos
Srs. Deputados.,)
Art. 3o Ficam revogadas as disposigoes
em contrario.
A propost 1 rcmettida commissSo de
orcamento.
ORDEM DO DI
ELEI5I0 DA MESA
(O Sr. presidenta deixt a cadsira que
occnpada pelo Sr. Gomes de C istro, Io vi-
ce-presidente.)
Procede-se eleigab da mesa.
Presdate : R-colhera-sa 101 cdulas
(21 era branco). Os Srs. Andrade Figuei-
rn, 12 votos ; Candido de Oliveira, 7 ; Go-
mes de Castro 1.
Io vice-presidente : 92 cdulas (15 em
branco. Os Srs. Gomes de Castro, 67 ;
Candido de Oliveira, 6 ; e outros menos
.votados.
2o vice-presidente : 86 cdulas (11 em
braneo). 0 Srs. Viseonde da Villa da
Barra, 72 ; Candido de Oliveira, 2 ; e ou-
tros menos votados.
3o vice-presidente : 79 cdulas (10 era
braneo). Os Srs. Lucena, 66 e outros com
1 voto.
Io secretario : 78 cdulas (12 em bran-
co). O Srs* Coelho Rodrigues. 65, Cho-
chrane 1.
2o secretario : 83 cdulas (9 era branco)
Os Srs. Cochrane 73, Candido, de Olivei-
ra 1.
3o e 4a secretarios: 77 cdulas (13 em
branco). Os Srs. Coelho e Campos 55,
Portugal 54, Milton 3, Ribeiro da Cunha
3, e outros menos votados.
Tendo empatido a votajao dos Srs. Mil-
ton e Ribeiro da Cunha, a sorte desempa-
tou a favor do Sr. Mdton, que passou a
ser Io upplenta.
LICENCA
Entra en 1.* discussilo o projecto auto-
risando o governo a conceder um anno de
licenca ao desembargador da rolac&o da
Fortaleza, Joaquin Tiburcio Ferreira
Gomes.
Minguem podindo a palavra encerrada
a discussao a approvado o projecto.
O Sr. Jos Pompea pede e a cmara
concede dispensa de intersticio para que
este project) entre immediatamente era 2*
discussao.
Entra o projecto em 2." discussao e
approvado sera debate.
Entra era discusslo ura additivo, conce-
dendo igual favor ao desembargador da
relaco de S. Luiz, Leocadio do Andrade
Pessoa.
Ninguem pedindo a palavra encerrada
a discussao e approvado o additivo, qua
remettido com o projecto commissSo de
redaeyb.
PENSAO
Entra em 1* discuBso o projecto auto-
rizando o governo a conceder urna pensao
de 30(J monsaes ao alferes honorario An-
tonio Paes de S Barrete.
O Sr. Torres Portugal requer e a cma-
ra approva que este projecto tenha urna so
discussao.
Ninguem pedindo a palavra o encerrada
a discussao approvado o projecto que
remettido coramissSo de reiaccao.
APOSENTADOBIA
F0LHET1M
RIGOLO
POR
misa be mnm
(CONTINUAgO DE ANGELA)
(Contiuuacao do n. 15S)
XIII
Renato accrescontava que a Sra. Ange
la Beruier e sua filha partirais no dia se-
guinte de manhS e qua elle seria seu cora-
panhiro de viagem.
Logo que cheganse, tratara de procurar
um pequeo aposento e de mobilial o.
Esperava LeSo com impaciencia.
O que te escrevo teu amigo? per-
guntou o tabelliao.
Leao communicou a seu pai a partida de
Renato, evitando, como fcil de suppor,
dizer urna s palavra a respeito da Sra.
Angela e de Emma Rosa.
Bntao manda lhe inmediatamente ura
telegramma, replicou o Sr. Leroyer. Avi-
M-0 de que chegars d'aqoi a quatro das
e Ide que irs para a ra de Rivoli,
para a casa do meu collega Maigret, onde
fcaras at que te installes definitiva-
mente. Hei de remetter te a quantia ne-
oessaria para reembolsar o teu amigo da
etade da importancia que gastou com a
obilia para ambos. Anda, vai depressa
a telegrapho.
O moco nSo esperou que se repetase a
ordem. Tinha precisao de isolamento e de
ar livre.
Nao era nm telegramma que ella deseja-
va enviar a Renato.
Sa dependesse delle s, teria partido pa-
ra Saint Julien du Sault pelo primeiro trem,
afim de participar ao amigo as terriveis
cousas que acabava de lhe revelar seu
pai.
A aecusaco feita Sra. Angela irrita-
va-o, revoltava-o intimamente.
Nem por instantes poz em duvida a in-
nocencia daquella infeliz senhora.
Desejava prova a seu pai que, acei-
tando Angela Berner, calumniavam-n'a.
Mas travar luta, a respeito da rali, s ra
quasi que confessar o amor pela filha.
Ora elle nao se Iluda.
Dizer ao tabelliao, cdigo vivo de todas
as conveniencias sociaes : < Estou louca-
raente enamorado pela menina Emma Rosa
e quero a por esposa 1 era, em some
loantes circunstancias, provocar intilmen-
te urna terrivel tempestada.
O que em qualquer outra occasiao talvez
fosse possivel, nao po lia tentar-se hoje sem
rematada loucura.
A infamante, a monstruosa aecusacao que
pesava sobre a bella hervan tria traziacom-
sigo o aniquilamento das esp:rancas do
'iioco, o desabamento de urna felicidale,
entrevista n'um aonho.
- Tudo est perdido, dza elle com
desespero, e coraiudo a Sra. Angela est
innoceate Era apaz de responder pela
sua innocencia, como pela mnha.
Cuegado ao escritorio do telegrapho, ex-
pedio o telegramma seguinte a Renato:
Partirei em quatro das para Parz, es-
pero-te ra Rivoli, casa do Sr. Maigret, ta-
belliao : alua aposento. Compra mobilia
a gosto commum.
Enviado o telegramma voltou para casa
paterna, onde se fechou no seu quarto.
Em Dijon, os doas agentes de segaran
ca, Vagalume e o teu inseparavel compa-
nbeiro Pnosphoro, nao tinham obtiio o me-
nor resaltado.
Em vao tinham andado de hotel em ho-
tel, dando os sgnaos de Osear Rigault.
Em nenhuma parte reconheciam estes
Entra en 1* discuasSo o projecto appro-
vando aaposentadoria do Dr. Peregrino
Jos Freir.
O Sr. Coelho e Campos requer o a ca-
mara concede que esta projecto tenha urna
s discussao.
Ninguem pedindo a palavra, encerrada
a discussilo e approvado o projecto, que
remettido commissSo de redacsao.
PEKIFICA9S0 DE PODEBBS
Entra em discussao o parecer n. 129
da 3a commUsao sobre a loicSo do 17 dis-
tricto de Minas.
(O Sr. Matta Machado entra no saUo e
oceupa urna cadeira.)
O Sr. Presidente : Ten a palavra o
Sr. Matta Machado.
O Sr. Matta Machado diz que
foi renbilo o pleite eleitoral a que se pro-
ct:deu no 17* districto de Minas-Garaes,
onde o partido conservador, animado pela
recenta ascenjo de scus co-riligionarios, e
tambera pelo concurso dedicado e at apai
xonado que lhe prestava urna das familias
liberaes mais importautes do districto, ati-
rou-so fran jmente na luta levantando a
sustentando a candidatura do Sr. Hen ula-
no Peana, que apresentau-se cmara
contestando a validado do diploma do ora-
dor.
Dispondo de tao poderosos elementas, e
sendo o seu competidor fillio de urna pa-
rochia vizinha do districto, nSo estranha
que elle fosse preferido aos caudidatos na-
turaes do mesmo districto para concentrar
em si a votacao conservadora.
Foi grande a agitacao qua se observou
neste pleito; mas, em homenagom ver-
dade, o orador (aproveit* a occasiao para
declarar que o governo da provincia nao
interveio na eleicao, Esta correu livre :
te, nao sendo em parochia alguma pertur-
bada a or.lem. Os partidos, entregues a si
proprios, bateram se galhardamente a com
enthusiasmo, e o resultado da luta a ma-
guara sorprended.
E* verdade que logo depois de conhecido
o triumpho do candidato liberal as urnas,
correu a noticia de que essa triurapbo nSo
era real, esperndose ura 3* escrutinio na
cmara para dar a victoria ao sea conten-
dor.
Naturalmente os amigos de sea adver
sario propalaram o boato do 3 escrutinio
no sentido figurado, irnicamente ; mas o
que certa que o povo chegou a acredi
tar nesse pregoado 3o escrutinio, que alias
nunca preoecupou o espirito do orador, por
que, deve declralo em honra da dignida-
de do seu proprio contendor, nunca acredi-
tou que o seu diploma lhe fosse rasgado
pelos adversarios.
Fi.z justica ao seu competidor, que, pela
pureza do seu carcter e pela reputaco il-
libada que goza de hornera serio, rejeitaria
urna cadeira em que nao se sentasse tran
qullo, porque sabe nao Ihepertence, tendo
b. Ex. contestado a eleicao do orador nao
voluntariamente, mas somonte pira satis-
fazer a exigencias de amigos, como ello
proprio terri dito.
Listiraa que o Sr. Penna assignasse
urna contestacao que um acervo de so-
phisraas, o que d a entender que S. Exc.
nao foi quem a redigio, mas algura amigo
officioso.
C"ra isto nao pretende e orador irrogar
injuria ao seu adversario; mas est certa
de oue se S. Exc. tivesse redigido esse pa-
pel, nao atnrmaria como verdade um facto
inteiramentc falso, conforme v.ii demons-
trar cmara lando um tpico desse es-
cripta.
Depois de outras observac3es neste sen
tido, entra na discussao do parecer, que
combate, oppondo-Ihe o voto em aparado
de um morabro da commissao, o Sr. Bel-
tro, o qual procura mostraj sophismas le-
vantados pela commissSo para dar ganho
de causa ao seu contendor.
Passando a antlysar os osamentas em
quo se funda a commissSo para propor a
annula^ao de quatro parochias, esforca-se
para demonstrar que na parochia do Rio-
Proto nSo ha a nullidade que se lhe quer
argir.
Podia limitar se coutestacSo que aca-
ba de fazer a esta eonclusao da maioria da
commissSo; mas passa a fazer analyse
mais rwpida sobro a razoes incomprehen-
siveis o algumaa at contradictorias com
que a maioria da commissSo quiz justificar
emharacar adefezi do parecer da maioria
da commissSo.
O Sr. Matta Machado : E' mais ama
injustica que o nobre deptado me taz.
O Sr. Carlos Poixoto proourar, apeiar
disso, deserapenhar-se, nSo s da missZo de
relator do parecer que se discuta, como
corresponder consideracSo que Lkt e
ce o Ilustre conselheiro, que com- tornto ar-
dor pretendeu defender atoa cauta e d
seus co-raligionario.
Assevera vque o Alustra contendor 4o
EEPOBMA DO EEQIMENTO
Entra m discussSo nica o parecer n,
131 da commissSo de polica sobre a re-
forma do regiment da Cmara.
O Sr. Alfonso Peana coraeca
nSo sabendo se ha de agradecer ao digno
eleiterado d'aquelle abencoado torrSo, co-
ahtei-io por 6. districto da provideia de
Minas Geraet, o reconhecimento da sua le-
glma eleicSo, da qual hid a consciencia
tranquilla, ou se deve attribur este facto
tk benevolencia da Cmara; entretanto, de-
aobra candrduto nao coropro^ a mf ^ qtta era apar de apresentar-so
debate por mo,tvo de dognga; mais urna
infelicidade, nSo ser a legitimidade ddata
cauta sustentada pelo Sr. Dr. BtroaU*
Penna.
Historia a situacSo do 17* diatfto ta
provincia de Minas, a luta eleitoral alli
havda em 1884, o esforjo empregado pelo
chafe do gabinete Dantas em 1885 para o
triumpho do Sr, conselheiro Mitta Macha-
do e a granda derrota qua S. Exc. entSo
soffreu. .
Trata ara seguida de sustentar a nulli-
dade das eleicSes das paruchias de S. Gon-
calo do Rio Preto. do Brejo das Almas, do
Bom Saccesso e de Olhos "de Agua.
Combatendo em todos os pontos o voto
em separado do nobre desatado o Sr. Cu-
nha BeltrSo, membro da commissSo, o ora-
dor concias afirmando que a maioria da
commissSo s teve em vista a verdade da
eleicSo do 17 districto de Minas-Geraes,
apresentando oseuparecer com a maior
isencSo de animo, sem ter ante si o proce-
diinento que sempro tiverara contra os seus
adversarios polticos os liberaes daquelle
districto eleitoral da provincia de Minas-
Geraes.
NSo se achando mais nenhum orador
signaes, pelaB razSes que perfeitamente co-
nhecemos.
No hotel da Coto d'Or, onde Paioli tinha
se hospedado sob o pseudonyrao de Paulo
Grard, caix> iro viajante, os agentes nSo
tinham feito caso desse nome, em razSo da
pouca demora que aquelle homem alli ti-
nha tido.
Ninguem ignora que os viajantes de
commercio nto pausara, a maior parte das
vezes, senSo alguraas horas n'uma cidade
e desapparecein.
Alm disso, nada de inslito tinha mar-
cado a passagera do tal Paulo Grard.
Gaseneuve e Flogny tornarara-se a raet-
tur no caminho de farro e voltaram t Pa-
riz, onde derara imraediatara'nte conta, ao
chefe de segranos, da missSo de que ti-
nham sido eucarregados por ella.
Depois de os ha ver escutado, conduzio-os
elle mesmo ao gabinete do Sr. de Gcvrey.
Quera que o magistrado terraador da
culpa ouvisse da propria bocea delles, as
explicacSes relativas as pesquizas feitas e
ao resultado obtido por elles.
As informacSes dadas pelo cutileiro de
Marselha eram precitas e pareciara de alto
valor
O Sr. de Gevray juntou o relatorio, re-
digido por Casaneuve, aos outros documen-
tos que compunbara j o processo.
E perguntou elle em segida : nSo no-
tou nada, nada descobrio no quarto que
este homem oocppava no hotel Beaus-
jour T
Queira perdoar, Sr. juiz formador da
culpa, respondeu o agente; mas o que eu
acbei era tSo pouca cousa, que pensei que
nSo era caso de eu a mencionar no meu
relatorio.
E mfim, o que entSo ?
1880.
E Caaeneuve tirou do bolso o fragraen
to de lapis azul, cuidadosamente embru-
Ihado em papel branco, desembrulhou o e
apreseutou-o ao magistrado.
Este agarrou nelle e, depois de o ter
examinado, estremecen.
Este indicio que Ibes parece nullo,
disse ella em seguida, comtudo de impor-
tancia capital.. .
Certifica a identidade do locatario do
se
inscripto, encerrada a discussSo e a vo-
tacSo adiada por falta da numero.
O Sr. Presidente d a ordem do dia
para 6 de Julho.
SESSAO EM 6 DE JULHO DE 1886
PEESIDEXCIA DO SE. ANDEADE FIGElEA
Ao meio dia, faita a chadfcda, a que res-
pondera 103 Srs. deputados, abre-se a ses-
sSo ao meio-dia e sete minutos.
O Sr. 1. secretario d conta do expe-
diente.
ORDEM DO DI A
VEBlFlCAQAO DE PODEBES
Procede-se a votacao adiada do parece1*
da 3* commissSo de inquarito sobra a elei-
cSo do 17* districto de Minas Geraes.
O Sr. Candido de Oliveira (pela ordem)
pede a votacSo separada de cada eleicao
da 1 conclusSo.
Assim, posta a votos a inexistencia e
nullidade da eleicSo do Rio Preto, sSo r-
joitadas por 45 votas contra 20.
O Sr. Carlos Peixoto (pela ordem julga
que, vista desta votacSo, era melhor pas-
sar-se a votar a conclusSo do voto sepa-
rado.
O Sr. Presidente observa qua a questao
de formula e o regiment dispta qoa te
adopte como base o parecer da maioria da
commissao.
Poe-se avotos a inexistencia da eleicao
do Brejo das Almaj.
O Sr. Duarte de Azevedo (pela ordem)
o seu voto da nullidade contra as eleigoes | declara que vota pela nullidade dessa elei-
do Brejo das Almas, do Bom-Succeseo e
de Olho d'Agua.
Termina agradecendo a benevolencia dos
nobres deputados, qua o oaviram, ffirraan-
do que est convencido do ssu direito, que
iaatacavel.
Veio tribuna apenas cumprir um de-
ver de partidario; a cmara, porem, jul-
gar como entender; certa de que o ora-
dor, na sua vida publica, nSo tem tido ou-
tra ambicSo senSo a de poder prestar al-
gum servico ao paiz; em todo o caso, ha
le respeitar a decisSo da cmara, qnal-
quer qua ella seja, porque est certa de
quo dentro da consciencia intima todos o
consideram o verdadoiro represantaate do
17 districto da provincia de Minas-Ge-
raes.
O Sr. Carlos Peixoto lamenta to-
mar parte neste debate em hora tSo adian-
tada, quando pouco tempo falta para termi-
nar a sessSo e sobretudo porque lne parecen
intencional a conclusSo do discurso do nobra
candidato pouco antes dn hora, para assim
era,
hotel Beausjour.... Essa homem
com toda a certeza, o assassino.
Depois vendo o espanto dos dous agen-
tes, o Sr. do Gevrey accrescentou :
Esta lapis azul servio para notar a
carta escripta por Jayrae Bernier sua fi-
lha... a subnnhar as phrases sobra as
quaes se devia fixar a attencSo do assas-
sino.
XIV
Olhe.. accrescentou o magistrado e
procurando no processo collocado diante
delle sobre urna escrivaninha, a carta per-
di la por Cecilia, pSI-a diante dos olhos dos
policiaes.
E' evidente! exclamou Caseneuve,
depois de ter tomado eonheeimento das
pasagens sublinhadas. Ha aqui, sem a
menor duvida, mais do que urna coinciden
cia... permitte-me que lhe pergunte, Sr.
juiz, como se acha eBta carta em sea po
dor?
O Sr. de Gevray respondeu :
A cart-ira du Jymn Bernier foi apa-
nhada ante-bontera na ra ; continha tres
documentos de grande importancia.
Na ra, em Pariz7 dissa Pbosphoro.
Na ra.
I aso ama prova qua o assassino n&o
sahe de Pariz, onde se julga em segranos.
Admira me que os nossos colegas da bri-
gada anda nSo lbe tenhara deitado a mSo.
Os senhores j estSo de volta, repli-
cou o magistrado e cont particularmente
cora os senhores, para conseguir a captura
do roiseravel.
Esta aoite mesmo, Sr. juiz, lhe da-
remos caca e faremos tudo quanto depen-
der de nos. Consi lerar-nos-bemos falizes,
se consegurraos justificar a confianca que
o Sr. juiz tem a bondade de nos testemu-
nhar.
Recomraendo-lhes que exercara vigi
lancia particular sobre a casa de Angela
Bernier, a hervanaria de Batignolles.
EntSo continua a haver suspeitat con-
tra a hervanaria ?
Sempre e mais do qua nunca.
Caseneuve cocou na orelha, com ar pou-
co convencido.
9S0, mas nSo pela sua inexistencia que
ura facto.
NSo approvada a existencia d'aquella
eleicSo, mas sim a sua nullidade.
Posta a votos a inexistencia e nullidade
da eleicSo da Barra do Rio das Velhas ou
Bora Sucesso nSo sSo approvadas.
Posta a votos a 3.a conclusSo mandando
contar ao Sr. Matt a-Machad o os votos se-
parados da parochia de Dattas, appro-
vada.
A 4* conclusSo, que manda contar um
voto ao Sr. Harculano Penna rejeitada,
mas approvada a responsabilizado da mesa
eleitora>.
Posta a votos a 6.a conclusSo, que ap-
prova as deraais conclusas, approva la.
Poe-se a rotos, vista do resultado da
votacSo, a 3.* conclusSo do voto separado
do Sr. BeltrSo, que approvada.
O Sr. Presidente proclama deputado pelo
17.* districto de Minas o Sr. J0S0 da Matta
Machado, que achando se na ante-sala
introduzido com as formalidades do estylo,'*
presta juramento e toma assento.
ceno deputado eleito, sa por ventura fosse
praco solicitar a menor benevolencia de
teas advariarios polticos.
Fot isso congratula-se com a masa por
algunas reformas1 qua v consignadas ne
projecto em discussSo, que remedeiara esta
grande mal a protelaySo no reconheciraento
do eleigoes legitimas.
Vai off-recer consideragSo da mesa al-
gumas ligeiras consideracSes, afim de ver
se ainda possivel melhorar as disposicSat
propostas.
Approva a cxciusSo da commissSo do
inquerito no julgamento de qualquer elei-
cSo do deputado da mesma provincia cuja
eleigao se vai tratar.
Entende que nos priraeiros 3/4 da hora
de sessSo davem ser preferidos com a pa-
lavra de os membros da opposicao, porque
a maioria tem torca para oceupar von-
tade outra qualquer- hora, ao passo que a
minora s pode achar tarca nos recursos
que o regiment lha permittir.
Acha sacrificio de direitos sagrados a re-
forma do art. 8., que limita a publicacSo
de documentos eleitoraes que omitas veaes
interessam aos candidatos.
Felicita por fira ainda urna vez a raesi.
quanto medida que corta em parte o mal
da prolongada demora do reconheciraento
de? Ieic5es, isto de direitos adquirido!.
O Mr. Alfonso Celso Junior
corneja, como o seu Ilustre antecessor, fe-
licitando a mesa ou antes o digno presiden-
te da cmara, em quera a opiniilo publica
costuraa enxergir a mais genuina encar-
nacSo do espirito conservador e qua entre-
tanto vai transformando os servicos da c-
mara, j no modo de fazer se a chamada,
j no servigo tachygraphico, j na reforma
do regiment que se discute e ainda em
outra que se diz tem de appar.;cer.
O Sr. presidente: E muitas outras.
O Sr. Aflbpso Celso Jnior faz votos
para que esse espirito reformador nSo se
apague ; porque o paiz carece de muitas
reformas e estas devem coraecar pela raiz.
Lenibra que na sessSo de 1883. a re-
quoriiuento do Sr. Matta Machado, uome-
ou-se urna commissSo para formular ama
reforma do regiment e julga achar neste
alguraas disposijBes daquelle projecto.
Aceita a incorapatibilidade do deputado
no julgamento, como membro de coramis-
fa&o tfe inquerito, de eleicSo da provincia
poique tai eleito; posto que esta incom-
patibidade devia ticar delicadesa mo-
ral d* deputado.
Aclia perigoso deixar-se ao arbitrio da
commissSo a escolha do substituto do de-
putado naquellas condicoes, salvo podndo-
se appellar dessa escolha.
Parece-lhe conveniente que quando as
commissdes nSo derem parecer sobra um
projecto, nSo nomoar-se nova commissSo
mas qualquer deputado rquerer que en-
tre o projecto na ordem do dia.
Expoe os motivos porque considera me-
dida attontatoria da liberdade da cmara a
que manda sujeitar todas s emendas cre-
ando despezas commissSo de fazenda.
Achava tambora raelhoi a onlem do dia
ser urna s e nSo dividida em duas partes.
Lembra a necessidada de ura palacio do
corpo legislativo, cujas vantagens descre-
ve, mas isso depende do estado financeiro
do paiz ; entretanto, taz sentir as poucat
accommodacSes do edificio da cmara, onde
at os tachyhraphos decifram os debates
era um lugkr impossivel do ser descripto;
alera de que quasi todo o edificio e o pro-
prio salao da cmara est minado pelo cu-
pira.
Termina analysando outras emendas
projecto.
Emfm, murmurou elle, pode ser...
Tudo possivel... Veremos.
Depois em alta voz, accrescentou :
Quer nos dar, tenhor, nm mandado
de prisSo contra o individuo pue pretende
chamar so Osear Rigault.
Iraraediatamente.
O Sr. e Gevray encheu e assignos o
mandado, quo Vagalume pedio e entregou
lh'o.
Os dous agentes retiraram-se.
No pateo do palacis de justica, Caseneu-
ve disse a Flogny.
Vamos primeiro tazer lastro, cora um
bom almoco, meu velho Pbosphoro ; em
seguida iremos comprar pastilhas de mel.
Apachaste alguma doooca de gargan-
ta esta noita no caminho de ferro ? pergun-
tou Flogny.
Exactamente e as pastilhas de mel
sSo remedio soberano contra as doeny^s de
garganta... Ora, eu sai um lugar, onde
se vendera excelientes.
Onde ?
Em Batignolles... ra das Damas...
em casa de urna hervanaria do nosso eo-
nheeimento.
Flogny, posto que nom sempre appro-
vasse as ideas do sea collega, raras vezes
as discuta.
Entendido e adoptado... disse elle.
Depois, os dous agentes dirgiram-se jun
tos, para ura pequeo restaarante de prego
fixo, onde tinham por habito comer.
Acabado o alraojo, entraram n'um m-
nibus, que os conduzio a Batignolles, pra
ca de Clicby, d'onde tarara a p para a
ra das Damas.
Chegados a cincoenta passos da loja da
hervanaria, Caaeneuve parou.
Etpera-me disse elle a Flogny.
E dirigio-se ssinho pnra a casa que ti-
nha o n. 110.
Catharina esteva arranjando o interior
da casa.
O policial entrou.
O que que o senhor deseja? per-
guntou a criada.
Desejava cento e vinte e cinco gram-
olas de pastilhas de mel.
Sim, senhor. Vou servil-o.
Emquanto Catharina pesava ai pastilhas
{Ctnina)
e as mettia n'um cartucho de papel, Case-
neuve perguntou:
Este estabelecimento existe ha moito
tempo 'i
Sim, senhor, ha muito tempo. Ha
mais de cinco annos que a Sra. Angela o
oomprou e que o temos.
EntSo deve conhecer toda a gante
aqui do bairro ?
- Nos conhecemos muita gente aqui.
Desejava fallar sua ama... Tinha
urnas intorniacSes qua lhe pedir.
A senhora nao est em casa. S vol-
ta amanhS... Pobre senhora, teve um des-
gosto ... Volta cora a eua filha, que es-
t ferida ; mas pareco-me segundo rae es-
rreveu a senhora, qua a menina vai me-
lhor, gracas a Deus IMas, emfim, se so
trata de urna informajSo, talvez qua e
lh'a podessa dar na ausencia de minha
ama, porque conhego tSo bem as pessoat
do bairro como ella ou ainda melhor.
Trata se de um dos meus amigos,
que vem aqui muitas vezes, segundo me
disseram e que se chama Osear Riganlt...
- Ha muito tempo qne nSo vem aqui ?
Catharina olhou para o seu interlocutor
com manifesta sorpreza.
Osear Rigault, repetio ella.
Sim, sennora.. sei que uraa das
pessoas da amizade da Sra. Angela Ber-
nier.
O senhor est engaado, com certe-
za... A Sra. Angela nSo tem pessoas de
amizade e nSo recebe senSo os seus fregue-
zes... Nunca rae lembra de ter visto aqui
homem vir visiur a senaora, e estou bea
certa que ella nSo con hace a pessoa de
quem o senhor falla.
Comtudo pensava que nSo me enga-
nava, disse Caseneuve.
E emquanto fallava, estudava a cart do
Catharina.
A sinceridade da boa mulher liase por
maneira indiscutivel.
Era impossivel suspeitar a sua completa
boa f.
Caseneuve tentia-se convencido.
1 Continuar-se-ha)
ti
t.
Trp. do Diario, ra Duque da Caxias n. 49
MBI^MHI