Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text

iltO lili IMI1! 1
PAHA A CAPIl'Ai. K LSARSW OJBE NAO SE PACA PORTB
6\JOO0
120000
24^000
0ioo
Por trea adinntadoff
Por seia ditos idem......
i'or um anno : Cada numero avuiso, do meoino dia.

DIARIO DE
QOiHA-FfiSA 15 BE JLHO CE 1886
PARA DEXTRO E FORA DA PRO VI \C IA
Por seis mera adiantados.....
Por nove dito idem.......
Por um armo dem.......
Cada numero avuiso, de dias anteriores.
130500
20^000
27,JOOt?
Alv.0
RNAMBUGO
Proprtefralte fre Jttatwel -figudra b* Jara & -fdljos

TELEGRAHMAS



f
SSS7I50 mmm so diasio
RIO DE JANEIRO, 14 de Julho, s 4
horas e 40 minutos da tarde. (Recebido
s 4 horas e 55 minutos, pelo cabo sub-
marino).
Foi boje roronherido dopntado
pela S.* dlntrlcto da provincia de Per-
nambueo. o coaselbelro Tbeodoro
Hasbado Freir Perelra da Silva.
O pavo applaudio ao Br. tloa Ma-
rianas Carnelro da Cuaba.
Fol nomeado presidente da pro-
vincia de S. Panto o Bar&o da Par
nabyba.
INSTRCCO POPULAR
NATACAO
(Extrahido)
OA BI3UOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
Cono
a nadar
se apprende
(CoHttnwKoo,
EXGRCICIOS DENTRO D'AGUA
Artigo II Xaaf*o de coma
Para nadar de costas, o*dicipulo deita-se para
traz ) ou volt-3e, estando de brucos), ficando com
as pernas e3tendidas, o tronco tenso, o peito um
pouco eleva lo e a cabeca det^da para traz ; sus-
tenta se nesta posicao por ineio de um morimen-
to horisontal das mos. Para eaminhar estando
de costas, approxima os calcanhares das nadegas
o m ca unindo os joelhos, e ajadanio este movimento
com as maos.
Pode tainbem o nadador deitar-se de costas, re-
tesando o corpo e apoianlo a cabeca sobre as mos
cruzadas por debaixo da nunca ; n'este caso a
progros;. > obt.'in- se sineat com o movimente
das pernas.
Este exercicio utilissimo,no s porque ofiere-
ce urna posicao em que o corpo se nao fatiga, mas
por ser esta a posicao que o nadador deve tomar
pando atacado por urna caimbra.
Artigo IIIMergalbar
Quasi todo os banbistas, e mrmente as crian
cas, t m certa repugnancia em mergulhar de cho-
rre, e recelo de abrir os olhos dentro d'agui.
O mestre deve eombateresta repugnancia come-
cando por habituar o discpulo a eneher bem os
umoes d ar por meio de urna inspraco prolon-
gada ; depois, estando o discpulo de p, far-lbe-ha
enrvar as pernas at que a cabesa fique comple-
tamente immergida n'agua.
Repete se este exercicioa miado, exigindo-se
que de cada vea augmente o teinpo de immerso.
Logo que o discpulo mergulha Bem hesitaco nem
repugnancia a cabeca n'agua, exige-se que abra os
olhos ; e, como prova de que o fe*, pede-se que
traga do fundo urna pedrm ou outro objecto que in-
tencionalmente se lancou agua. Recommend-
nos j ao mestre que se absteuha de gracejos
n'esta parte da instrueco sao elles ccmpletamente
extemporneos ; s pela paciencia e pelo exem-
plo que o instructor lograr vencer certas repug
n&ncias, asquaes um gracejo intempestivo pideria
or ve zea temar in venc veis.
Os exercieios preliminares, que acabamos de
expor, habilitara o alumno a lacear-se agua de
m ponto elevado, o que sa pode fazer de leus
modos : deitando-se de cbeos, ou com os ps para
a frente. ,
No primeiro caso o alumno, chegado a borda aa
ponte, barco, ou fraga d'-nde se quer lancar, curva
corp estendendo os bracos por cima da cabaca
as maos unida*. D urna impulsao para a
_ estendendo bem o corpo durante a queds, e
_er vand-j a posicao das raaos. Chegado ao f un-
ou teudo cessado a impulsao adquirida, co-
meca a iilar cem o corpo ji direto at tir
auperfi : d'agua. Aa maos tomam a posicao in-
dicada nao s para proteger a cabeca de qualquer
Cboqu suDerficii! da agua.
Em regra" nao se deve mgulhar de cabeca em
sitio onde a natures do fundo nao sejabem conhe-
cida.
Para mergulhar e-,ra os p>s, o alumno a vanea
at borda da ponte ou barco, da ao corpo urna
forte impulsao para frente e deixa-se ir com o
corpo extendido, as pernas bem unidas e os bracos
junUs ao corpo, a nta dos ps inclinada para a
agua, o e rpo ii'nnsa linba obliqua em rclacao a
superficie
Os p-, i.ieUam-se para nao bater do chapa na
agua, o qne orod;iz urna aensavla igual da queda
obra ama la ge* ; as pernas unem-se para evitar
ma pancada violenta na regio inguinal,pan-
cada que, alm de dolorosa na oeeasio, pode mais
Urde pro-luzir accidentes de algum* gravidade.
Quando se mergulha de alto e com os ps para a
frente, sempre conveniente proteger com urna
das mao? a sobredita regiao.
(Contina)
De tres mezes, aos juizes de direito :
Antonio Jos de Amorioi, removido da
comarca de Iguarass para Pao d'Alho,
em Pernambuco.
Hisb-llo Florentino Correia de Mello,
removido da comarca de Nazreth para a
de Iguarass, na mesraa provincia.
Em 30 do raez passado nao foi agracia-
do o reo Francisco Ribeiro do Nascimonto,
condemnado pena de 11 annos e oito me-
zes de priso simples, em conformidade
com &s decisSes do jury da capital da pro-
vincia do Cear por rime de homicidio.
Por docretos de 3 do correte :
Foi nomeado secretario da Relaclo de
S. Luiz, o bacharel Eduardo Sauloier de
Pierrelev.
Juizos municipaes e de orpbaos:
Forau exonerado^, a pedido, o bacharel
Lupercio da Rocha Lima, do termo de S.
Jos de Campos, na provincia de S. Pau-
lo, e o bacharel JoSo Goncalves Pedreira
Ferroira, do termo do Mangaritiba, no Rio
de Janeiro.
Foram reconiuzidos, no termo de S.
Francisco, na provincia do Cear, o ba-
chaael Antonio Ferreira de Mello Santia-
go ; e no da Soledade, no Rio Grande do
Sul, o bacharel Melohisedeck Mathusalem
Cardos o.
Fei removido, a pedido, o bacharel JoSo
Otbon do Amaral Henriques, do termo de
Trahy para o da Imperatriz, ambos na
provincia do Cear.
Foram nomeados:
Para o termo de Trahy, na provincia do
Cear, o bacharel Jaoome da Cunha Frei-
re;
Para o de Boio-Jesus dos Meiras, na
Babia, o bacharel Theophilo Moreira Gruer-
ra -i
Para o de Itabaianinha, em Sergipt^ o
bacharel Olympio da Silva Costa ;
Para o de Palmeira, no Paran, o ba-
charel Francisco de CarValho Gonsalvcs
da Rocha.
Foi feita raerc da serventa vitalicia dos
oficios de Io tabelliSopdo publico, judicial
e de notas, e escrivSfpe orphos e da pro
vedoria de capolfas e residuos do termo
de Apody, na provincia do Rio Grande do
Norte, a Jo5o Agripino Alves de Castro,
noinealo provisoriamente pelo respectivo
presidente.
Por portara da mesma data, foi dec lara-
do sem effeito o decreto de 12 de Sete ru-
bro do 1885, que nomeou o bacharel
Olympio da Silva Costa para o lugar de
juiz municipal e de orphlos do termo de
Pombal, na provincia da Baha, visto n5o
ter entrado em exercicio no prazo legal.
Por portaras de 7 do corrente :
Dfcdarou-se que o juiz de direito nomea-
do para a comaica de Christina, na pro-
vincia de Mnas-Geraes, por decreto de 26
do mez findo, o bacbarel Adolpho Perei-
ra de Burgos Ponce de Len, e nSo Adol-
pho Pereira de Burgos Ponce de Leo,
como foi esuripto no mesmo decreto.
Comedeu-se exequtur, nos termos do
decreto n. 777 de 27 de Julho de 1880,
sentenQO do juiz de direito da comarca de
Melgaco, no reino de Portugal, habilitando
D Maria Joaquina Soares de Castro Vian-
na como nica e universal herdeira do seu
finado marido JoJo Manoel fisteves Vian-
na.
Foram prorogadas:
Por dous mezes, com o ordenado a qne
tiver direito, a lteeoca ltimamente conce-
dida ao bacharel Esperidilo Eloy de Bar-
ros Pimentel Filho, jui de direito da co-
marca de Cururipe, na provincia das Ala-
goas, para tratar de sua side.
Por tres mezes, com o ordenado a quo
tiver direito, a concedida ao bacharel Jos
Isidoro Leal Vianna, promotor publico da
comarca do Baixo Moarim, na provincia
do Maraohao, para idntico fim.
Em 8 de Junho ultimo, passou-ss diplo-
ma habilitando o bacharel Afrodisio Vidi-
gal ao cargo de juiz de direto, e em 30
o bacharel Antonio Cesario R ibeiro.
Ministerio da Fazonda
Por decreto de 3 do corrente foi oonce-
dida a aposentadoria que pedio Antonio
Hermogcnes Pereira Rosa, inspector da
Thesourara de Fazenda da provincia de
Minas Geraes.
Por titulo de 6 foi nomeado Jorge Xa-
vier Castrioto para o lugar de 3. escrip-
turario da Alfandeg do Rio de Janeiro.
Ministerio da Guerra
Por decreto de 3 do crrente :
Foi nomeado apellSo tenente do corpo
ecelesiastico do exorito o padre Joo Fran-
cisco da Silva Nene.
Caldas do 6. para o 20 batalhSo da mes-
ma arma.
Ministerio de Estrangelros
S. M. o Imperador recebeu no dia 7 do
corrate, s 6 Ij2 horas da tarde, no paco
de S. ChriltovSo, em audiencia particular,
S. Exc. O.Sr. Dr. D. Domingo Gama, o
qual entregeu ao mesmo Augusto Senhor a
carta que d por finda a sua missSo de en-
viado extraordinario e ministro plenipoten-
ciario da repblica dp Chile-
Ministerio da Harlnha
Por tituro de 5 do corrente, foi nomeado
Foi mandado reverter primira classe Aristides da Rocha Borba, para exercer o
do exercto, o 2. cirurgio aggregado ao
corpo de saade, Dr. Leovegildo Honorico
de Carvallio, visto ter sido julgado promp-
to para o servico em nova inspeccSo de
saude.
Foram promovidos nos corpos espeeiaes
e armas do exercto os officiaes abaixo
mencionados:
CORPO DE ENGESHEtROS
A mejor :
O major gradeado Francisco da Cruz
Ferreira Jnior, por antiguidade.
A capitSo :
O tenente do estado maior de 1.' clas-
se, Antonio Gomes da Silva Chaves, de
conformidade com o art. 4." da le n.
3169 de 14 de Julho de 1883.
CORPO DE ESTADO MAIOB DE I.' CLASSE
A tenente :
O 2." tenente de artilharia Olavo Otto-
ni Barreto Vianna, de conformidade com o
art. 7." da le cima citada.
CORPO D8 ESTADO MAIOB DE 2.' CLASSE
A major:
O major giaduado Carlos Manoel Fer-
reira de Araujo, por merecimento.
A capitUes:
O capitSo graduado Joaquim Alves da
Costa Mattos ;
O tenente Franklia Francisco Barreto.
A tenente :
Os alferes:
Affonso Pedro da Fonseca Lessa ;
Martniano Jos Alves Ferreira;
Antonio Gentil Baha.
-"' CORPO DE SACDE
A cirurgio-mr de brigada :
0 1. cirurgio Dr. Antonio Pereira da
Silva Guimare8, por merocimento.
A primeiros cirurgiS^s:
O segundos cirurgiSes:
Dr. Atabalipa Americano Franco e Dr.
Jos Lopes da Silva Jnior.
A pharmaceuticos tonentea :
Os pharmaceuticos alfares:
Luiz Antonio Murtiuho e Norberto da
Silva Ferraz, do conformidade com o art.
9.* do regulamento approvado pelo decre-
to n. 1900 de 7 de Margo de 1857.
ABMA DE ARTILHABIA
Estado maior
A tenente-ooroncl:
O tenente-corooel graduado Francisco
Jos Texeira Jnior, por merecimento.
3. hatalhSo
A capito :
0 1. tenente Horacio Hermeto Bezerra
Cavalcaot-, para al.* bateria.
Al.0 tenente da arma :
0 2 tenente Antonio Medeiroa Ger-
mano.
Arma de cavattari
3. regiment
A capitaea :
Os t nentes :
Jos Ignacio Ribeiro, para a 2. com
paohia, por antiguidade
Avelino Pinto, para a 6.1 companhia,
idem.
4." regiment
A capito :
O tenente Pedro Augusto Pinheiro Bit-
tencourt, para al." companhia, por es-
tudos.
lugar d ecrevente da canhoneira Lamego.
Por titulo de 6 do corrente foi nomeado
o mestre de 1.a classe do corpo de officiaos
marinheiroM, Jacintho Leopoldo de Souza
para o lugar de mestre dos diques.
Na mesma data ooncedeu se ao i. te-
nente Candido Floriano da Costa Barreto
licenca, por tres mezes, com a metade do
sold, pan tratar de seas interesses na
corte.
1." corpo
JARTE OFFlCUi,
Ministerio da lustlca
Por sortarias de 30 do Junho ultimp:
Foi declarado sem eff-uto o decreto de
23 de Janeiro do corrente anno, que no-
meou o Bacharel Bernardino Alvares ^ da
Nobrega Pinarjg para o lugar de juiz
municipal e de orphaos do termo da Pal-
meira, na provincia do Paran, visto nSo
ter entrado em exoreicio no prazo legal.
Coih ederam-se seis mezos de licenca,
com o ordenado a que tiver direito, ao ba
barel Acyndino Vicente do MagalhSes,
juiz do dirrtito da comarca do Pilar, na pro-
vincia de Goyaz, para tratar de sua sauSe.
Foi prorogada por tres mezes com o or-
denado a que tiver direito, a li lenoa lti-
mamente concedida ao bacharel Joao Gon-
calves ds Medeiros, juiz municipal e de
rphos do termo de Souza, na provincia
daParahyba, para tratar de sua saude.
Na mesma data:
Mrrcaram-se os Beguintes prazos para
Msumirfm os respectivos exToicios :
De cinco mezes, ao juiz de direito Gon-
aalo Paes de Azevedo Faro, removido da
comarca de Pao d'Alho, em Pernambuco,
para a de Viamio, no Rio Grande do Sul;
De quatro mezes, ao juiz de direito Joa-
qmim Ignacio Silveira da Motta Jnior, re-
movido da comarca de S. Jos dos Pi-
ahaes, no Paran, para a de Santa Chnsti-
a do Pinusl, no Rio Grande do Sol.
Ministerio do Imperio
Por portara de 30 do mez findo, foi
comedida a Julio Procopio Favilla Nunes
a exoneragSo que pedio do lugar de ama-
nuense da Inspectora Garal da Hygiene,
e nomeado para o referido lugar Frmino
Martina de S.
Por despa-ho imperial de 3 do corrente
mez :
Foram agraciados :
Com o grao de offi;ial da ordera da Rosa
o Dr. Hilario Soares do Gouveia, lente de
ophtalmologia da Faculdade de Modicina
do Rio de Janeiro ;
Com o de cavalloiro da mesma ordem, o
Dr. E. Alexandre Poney, preparador de
histologa da dita Faculdade ;
Com o de cavalluiro da ordem de S.
Bento de Avia, o capitSo do 11* batalho
de infantaria, Francisco Flix de Araujo.
Foi nomeado o padre Jos Valois de
Castro p?ra o lugar de professor de histo
ra e geographa do curso annexo Facul-
dade de Direito de S. Paulo.
MI ni-torio da Agricultura
Por portaras de 7 do corrente foram no
meados : .
Para o lugar de 2 oficial da adrainis
tracSo dos correioe da provincia do Para,
o 3 official da mesma ad oinistracao Fran-
cisco Antonio Nepomuceno Jnior, com os
vencimentoi que Ihe competirem ;
Para o lugar de 3e offi ial da mesma
admiuistracao Leandro Barbalho Bezerra,
percebendo ob vencimeuto que lhe compe-
'tirerjD.
A capito :
O tenente Carlos Augusto Peixoto de
Alencar, para a 2. companhia, por estu-
dos.
A tenentea da arma :
Os alferes Albano de Olvera e Silva,
por antiguidade.
Joaquim Roberto da Silva, dem.
Joao Nepomuceao Dantas, idem.
Raphael Pereira Nunes, idem.
Luiz Antenio Cardoso, por estudos.
Odoarto da Silva Moraes, idem.
Arma de infantaria
6. batalbo.
A major, o major graduado Estevao
Jos Ferraz, por antiguidade.
14 batalho.
A capitd, o tenente Antonio Firmo de
Souza, pira a 8.' companhia, por antigui-
dade.
21 batalhSo
A capitSo, o tenente Francisco de Pau-
la Andr de, para a 2. companhia, por an-
tiguidade.
Quadro extranumerario
A capito, o tenente Luiz Maria de Mel-
lo e Olvera, por antiguidade, de confor-
midade com o art. 104 do regulamento
appro.-ado pelo de;reto n. 9259 de 9 de
Agosto de 1884.
A tenentes da arma os alferes
mo Texeira Franca, por estudo*.
Norberto Ildefonso Muniz, por
dade.
Manoel Jos BrandSo, idem.
Por decretos da mesma data foram elas-
sificados os majores de artilharia Antonio
Francisco Duarte e Firmino Pires Ferrei-
ra, o primeiro no estado maior, e o segun-
do no l.* batalhSo; e transferido o major
de infantaria Honorato Candido Ferreira
Jerony-
antigui-
Ciorerno da Provincia
xpcomm do da 23 de juhho db 1886
Actos : a I
0 vicepresidente da provincia, leudo ouv-
do o inspector do Thesouro Provincial, e exami-
nando as propostas qu?, em virtude do edtal de
26 de naarc* Ultimo, foram apresentadas por Jos
da Silva Loyo Jnior. Arthor Goocalves Fer-
reira Casc?o, Cardoso & Irmo, Andr Maria Pi-
nheiro e Jos Frankiin de Alencar Lima, e consi-
derando que as clausulas apresentadas pelo pri-
meiro dos proponentes sao mais vantujosas aos
interesses da provincia para a construeco e e-
ploracao de engenhos centraes, na forma dos
arts. 16 a 18 la lei n. 1,860, de 11 de Agosto do
anno passado, resolve que com elle se contrete a
fundaco dos ditos engenhos centraes, mediante as
segnintes bases :
1. O contractante Jos da Silva Loyo Jnior
obriga-se a fundar e plorar nesta provijeia, de
conformidade com os arts. 16 a 18 da citada lei
n. 1,860, quatro engeahos centraes com capacida-
de para moer cada um de 25 a 30 milhes de
kilogrammas de caneas em cem dias nteis, sendo
cada um do custo de 600:000*, ou oito com capa-
cidade para moer cada um de 12 milhdes e 000
mil a 15 milboes de kilogrammas de cannas, sen-
do nesta hypothese de 300:0 )*000.
Z.* Os referidos engenhos serSo fundados nos
Beguintes municipios : Goyanna, no valle do
Capibaribe, Agua Preta, no valle do Pirangyzi
nho, Muribeca, no ville de Jaboatao, Serinhaem,
no valle do rio Serinhaem, e em outres valles, de
accordo com o presidente da provincia.
3.' No caso de nao haver quntidade de canna
si'fficiente para a moagem de 25 a 30 milhoes de
kilogrammas e assim nao poder realitar-se a fun-
dacao em qualquer dos referidos municipios de
um engeuho de typo maior, fundar-se-ha um ou
dous de typc menor, ou um smente e o outro
em outro municipio, Bempre de accordo eom o pre-
sidenta da provincia.
4.* Os machioismoB e apparelhossero os mau
moderaos e aperfeicoados de modo a se poder ob-
ter das cannas a maior porcentagera de aSsuc-ir,
a uizo das commissoes examinadoras, de accordo
com a presidencia.
5. Comecaro aa ob.as da construcclo do pri-
meiro engenbo tres mezes depois de feitos e ap-
provados os exames de que tracta a elausula} 4.* e
ficaro concluidas em Setembro de 1887, e dous
pelo menos de qualquer dos typos no meemo mes
de cada aano aeguinte.
6. Sero submettidos approvaco do pres
deute da provincia, dentro de 90 dias, depois da
assignatura do contracto, o plano de todas as
obras pr< jectadas, os desenhos dos apparelhos, a
desenpeo do processo do fabrico do asquear, a
planta do local escolhido e os eoutractos feitos
com os proprietarios fornecedores de cannas ao
primeiro engenho qne tier de construir-se
7. O praso para apresentaco des trabalhos
mencinalos na clausula anterior, relativamente
aos outros engenbos, ser contado tendo-se em
aitencao o disposto na clausula 6.*, de modo que
um anno antes da poca oa conclusao das obras de
dous engenhos de qualquer dos typos sejam os
meemos trabalhos submettidos approvaeSo d
presidencia.
8. Sero aceitas as modifieaces que forem in-
dicadas pelo presidente da provincia nos trabalhos
preliminares a qne se refere a clausula 6.', depois
de ouvida a commisso de engenheiros, de que
tracta a condico 7.* do art 19 da lei n. 1,860.
9." O contractante ser sujeito multa de-----
5: I. Se as obras de cada engenho nao lirem con-
cluidas no praao estipulado, cabendo aos fornece-
dores de cannns urna indemnizaclo pelas suas
safras, no caso de torca maior.
II. Se deixar de funecionar o engenho por es-
paco de um anao, salvo caso de forca maior.
Os casos e forca maior|sero justificados per-
aute o presidente da provincia.
10" O contractante renuncia o favor consignado
na lei, referente despensa ou sencao do paga-
mento do imposto provincial de exportaeao para o
asiucar que produzirem as fabricas.
11* Os direitos e obrigacoesentre o contractan-
te e os plantadores e fornecedsres de cannas se-
nt regulados pelos contractos entre elles cele-
brados. ,
12* No caso de serem onstruidos engenbos ao
curto de seisceutos contos de res a provincia con
correr, a titulo de emprestimo, com a quaatia de
duzentos contos de reis, por cada engeuho em
apoliceg de 7 por cento, sendo 03 respectivos juros
recolados ao Thesouro Proviaeial, no ira de cada
semestre pelo contractante.
O concurso da provincia para os engenhos do
custo de trresentos contos de res ser de cem
confr* de reis e as niesmas condicoes.
13 O pagamento dessas quantias ser Jeito
pela provincia em duas prestacoes iguaes, sendo a
primeira quando forem apresentadas o conheci-
meeto do embarque, factura e apolice do seguro
dos mtense?, cojos documentos sero endocados
ordem e ficaro archivados no Thesouro Provin-
cial tracUnte ; a segunda depois que se ainarem os
materiaes no lugar ew que estiver construido o
edifici., urna ve reconheeido, por quemo presi-
dente da provincia indicar, o estado dos ditos ma-
chinismoB e a sua conformidade com a desenpe >
desenhos app'ovados.
14 A provincia ter hypotheca sobre cada fabrica
terrenos e dependencias da m^sma, par garanta
de suas apolices ; ficando, p-.rm, cada fabrica e
dependencias isenUs de qualquer impost-* pro-
viaciaes e municipaes durante des annos excep-
tuado o de que trata a condico 10.
15 A provincia ter durante as abras umenge-
nheiro fiscal, de nomeaeo do presidente da pro
vincia, com a gratific-.c annual de dous contos
e quatrocentoa mil ris, que correr por rata da
emp.esa, logo que comecar a coas rucea., de um
engenho, slevando-se a dita gratificado a quatro
cont de reis quando a construcclo for de dous
ou mais engenhos.
16* V araortisacao das apolices de que trata a
coadielo 5* do art 16 da le a. 1860 ser falta
rasio de 10 por oanto, referente a cada engeaho,
annualmente e por sotteio, logo depois de colbidas
as safras de cada um, ficando livre empresa
faxer maior amortisaco, se assim^lbe convier.
17 O contracto resultante da presento portara
s peder ser transferido agricultores, prece len-
do approvs^o do presidente da provincia, com
relaco a todas as clausulas da cesso ou transfe-
rencia. Poder, porm, o contractante encorporar
companhia para executar a construccao e explora-
do dos engenhos contractados, e depois que esta
estiver legalmente constituida transterir-lhe os
direitos e obrigsces do contracto, precedendo
igualmente approvacao da presidencia.
18.* O contratante prestar perante o Theseuro
Provincial flanea que garanta a importancia dos
juros que tiver de pagar provincia pela emisso
de suas apolices, podendo dim'uuir a rrerida flan-
ea proporco que a divida diminuir.
19.* Nenhum dividendo ser pago antes de serem
satisfeitos os juros das apolices emittidas pela pro-
vincia e a quota da respectiva amortisaco.
20.* Quaesquer duvidas que se suscitaren! entre
o presidente da ^provincia e o contratante sero
definitivamente decididas por dous arbitrss no-
meados, um pelo presidente da provincia, o outro
pela outra parte. No caso de desaccordo, cada um
dos arbitros apresentar para desempatador urna
pessoa, e a sorte decidir.
21.a Pela infraccao de qualquer das clausulas
supramencionadas, verificadas aobre representaco
ou informaco do engenheiro fiscal, impor o pre-
sidente da provincia, administrativamente a multa
de 500* a 5:000*, sendo smente adnvttido re-
curso para juizo arbitral, quando o valor da multa
excedef de 1:000*.
22. Picar caduco o presente contrato se, den-
tro de 15 di is, contados desta data, nao for assig-
oado na reparticao competente o respectivo termo.
23.* O valor do mesmo contrato fixado, para
os effeitos legaes, 'na importancia de 2,400:000*.
O vice-presidente da provincia, usando da
faculdade conferida pelo art. 7* da lei de 12 de
Agosto de 1834, resolve prorogar por 10 dias a
actual sesso da Assembla Legislativa Provincial.
Communicou-se Assembla Provincial e ao
Thesouro Provincial.
O vice presidente da provincia, attendendo
ao que requereu o ex-2* cadete do 2* batalhlo de
infantaria Francisco de Assis Reg Barros, e ten-
do era vista a informaco da Thesouraria de Fa-
zenda, de 16 do corrente, n. 408, res- Ive, de con-
formidade com o disposto no decreto n. 2,884, do
1* de Fevereiro de 1862, abrir sob sua responsa-
bilidade um crdito da importancia de 3*185,
verba Praga* de pret, do Ministerio da Guerra,
exercicio de 1885 1886, afim de occorrer ao pa-
gamento devido ao peticionario e que consta do ti-
tulo exhibido n'aquella reparticao.
O vice-presidente da provincia resolve, de
accordo com a proposta contida no officio lo ins
pector do Thesour, de 17 do corrente, n. 717, no-
mear o bacharel T>to Celso Correia Cesar para
exercer o cargo de ajudante do procurador dos fei-
tos da fazenda provincial no districto da collecto
ria de Tacarat. Coramunicou-se ao Thesouro
Provincial.
O vicepresidente da provincia resolve, de
accordo com a proposta contida no officio do ios
pector do Thesouro de 17 do corrente n. 716, conce-
der a Abilio Ferreira de Araujo a exoneraco q,ue
solicitou da cargo de collector das rendas provin-
cia es do municipio de Aguas Bellas e nomear para
substituil-o o cidado Archimedes Cavalcante de
Albuquerque.
O vice presidente da provincia rosotve, de
accordo com a proposta contida no officio do ins-
pector do Thesouro de 19 do corrente, n. 723, no-
mear o bacharel Carlos Frederico da Costa Fer-
reira para exereer o cargo de ajudante do procu-
rador dos feitos da fasenda provincial no districto
da collectoria do Cabo.Communicou-se ao inspec-
tor do Thesouro Provincial.
O rice-presidente da provincia, attendendo
ao que requeren o capttao de 14 batalbo de in-
fantaria, August* Frederico Pereira de Caivalho e
tendo em vista a informaco do brigadeiro com-
mandante das armas, de hontem datada, sob n.
336, e o termo de inspeccao de saude que por
certido exhibi, resolve conceder lhe licenca por
60 dias na forma da lei, para tratar de sua saude.
Officios.
Ao inspector do Arsenal deMarinha.Decla-
ro a V. Exc, para seu conhecimento, oue o Exm.
Sr. conselheiro Samuel Wallace Mac-Dowell, por
aviso circular de 14 do corrente, communicou-me
ter entrado, n'aquella data, no exercicio do cargo
de ministro e secretario de estado dos negocios da
mannha, para o qual S. M. o Imperador houve
por bem nomeal-o por decreto de 12 deste mea.
Mutatit mutandis ao eommandaate da escola de
aprendizes marinheiros.
Mutatit mutandis Thesouraria de Fazenda.
Ao commaodante das armas.Dec'aro a V.
Exe., para seu conhecimento, que o Exm. conse-
lheiro Alfredo Rodrigues Fernandes Chayes, por
aviso circular de 14 do corrente, commuoicou-me
que S. M. o Imperador houve por bem nomeal-o
por decreto ds 12 deste mez ministro seeretario
de estado dos negocios da guerra.
Mutatit mutandis ao director do Arssnal de
Guerra.
Mutatit mutandit ao engenheiro das obras mili-
tares.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda -
De conformidade com a portara junta, por copia
de abertura de crdito a verba pracas de pret.
do Ministerio da Guerra, exercicio de 1885-1886.
mand- V. S. pagar ao ex-segundo cadete do 2*
batalbo de infantaria, Francisco de Assis Reg
Barros, a importancia de 3*135 que lbe den-
do, secundo o titulo exhibido nessa Thesouraria.
Outrosim, provindencie V. S. para que seja in-
cluida na demonstraco exigida pelo aviso d'aquel-
le ministerio da 28 de Maio ultimo sobre o ce-lito
da verba fardamento a importancia de 39*200
a que tambem tem direito o mesmo ex-seguudo
cadete em vista de outro titulo que se acha nessa
repart o >.
Ao mesmo.Declaro a V. S., para os fins
convenientes, que, de conformidade com o aviso,
junto por copia, do ministerio ds guerra, de 10 do
corrente, autorisei o director do Arsenal de Guar
ra a mandar foraecer ao corpo de polica desta
provincia as 16,00 capsulas fulminantes de que
trata a inclusa nota, tambera por copia, orgamsa-
da na reparticao do qusrtel mestre general, em 12
de Abril ultimo, na importancia de 112*.
Outrosim, nesta data expeco ordens ao inspec-
tor do Thesouro Provincial para, opportunamen-
te, indemnisar quelle misterio da referida quan
ti e da de 280*0*0 em que importa oforneci-
mento de 8.000 cartuchos embalados que tem de
ser feito ao dito c-.rpo pelo deporito de artigos
das Alaeoas, segundo o citado aviso.Communi-
cou se ao Thesouro Provincial, so director do Ar-
senal de guerra e commandante do eorpo de poli-
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Remetto a V. S., para os devid-s 6 e 8ela"
cao ao exposto as suas nformacors de U de Ja-
eiro e 2 de Abril ltimos, ns. 42 e 220, capia do
aviso do ministerio do imperio, de 31 de Maio pro
ximo pasado, n. 2,352. relativo ao pagamento da
tesoesa de 170*575, proveniente de objectos for-
necidos para a baleeir construida no Arsenal de
Marrona para o servico da saude do porto, e bera
assim as inclusas contas.
Ao thesoureiro das loteras para o fundo de
emancipaclo e educaco de ingenuos da Co.onia
Isab-1 Declaro a Vroc., em reaposta-ao seu offi
co de 27 de Maio ultimo, que estaad* pendente
de deciso do governo a consulta feita por esta
presidencia sobre acharem-se era nao isentas do
imposto geral as loteras intensadas pela le pro-
vincial n. 1,842, em favor daedneacio de ingenuos
da Colonia Isabel, nao pode por ora ser approvado
o plano aanexo ao citado officio e que nao conten
a importancia do referido imposto.
Ao commandante interino do corpo de poli-
ca.rovidencie Vrac. para que ae apresentem
ao Dr. ehefe de polica, no dia 25 do corrente, 2
praca de polica, afim de conduzirem um preso
para TaquaretingaCommunicou-se ao Dr. che-
fe de polica.
Ao promotor publico da comarca de Igua-
rass'.Haja Vmc. de informar o que souber acer-
ca do asaassinato do italiano Luig Miceli, se elle
deixou espolio, emquapto este monta e o que se
fez a respeito e bem assim se o assassino foi pre-
so e submettido a julgamento.
Portaras: 13
A' Cmara Municipal do Reeife.Sirva-ae
Vv. Ss. de informar com urgencia se reunio-se no
dia 14 do corrente a junta clasificadora de ea-
cravos deste municipio como recommendei em
circular de 24 de Maio ultimo.
A' Cmara Municipal da Gloria de Goit.
Para resolver sobre o assumpto do officio_de26 de
Maio findo, recommendo Cmara Municipal da
Gloria de Goit que me remetta urna demonstra-
cao do crdito preciso para occorrer as despezaa
constantes do seu predito officio.
O Sr. gerente da Companhia Pernanbueana
mande conender passagem a pida at o presidio de
Fernando de Noronha, a' Francelina Ignacia dos
Santos, mulher do sentenciado Paulino Ignacio
dos Santos e a tres filhos menores, por conta daa
gratuitas a que o governo tem direito.Communi-
cou se ao director do presidio de Fernando de No-
ronha.
XPBDIBIfTE DO SECRETARIO
Officios :
Ao 1* secretario da Assembla Provincial-
De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da provin-
cia devolvo a V. S. at peticSes de Mariana Te-
xeira di Costa Coelh Antonio Manoel da Silva e
Arthur Octaviano da Silva Ramos, com a infor-
maco, junta em original, prestada a respeito pela
inspectora geral da instrueco publica, issim
respondo ao seu officio n. 171, de 14 do corrente
raez. ,
Ao inspector do Arsenal de Marraba.-De
ordem do Exm. Sr. vicepresidente da provincia
communico a V. Exc, em resposta aos seus officioa
de 15 de Dezembro do anno passado e 90 de Fe-
vereiro do corrente, ns, 584 e 78, que por aviso de
Ministerio do Imperio, de 31 de Maio ultimo, n.
2,352, boje remettido por copia Thesouraria de
Fazenda, foi autorisado o pagamento da despeza
de 170*575, proveniente de objectos fornecidos
para a baleeira constreida nesse Arsenal para o
servi ,o da inspectora da saude do porto. ^
__ Ao mesmo. De ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da provincia aecuso o recebimento do
officio de 17 do corrente, no qual V. Exc. commu-
nica achar-se entregue o vapor Etpirit Santo, da
Companhia Brasilera de Nave^aco a Vapor,
palos reparos precisos nos dous rombos ft-itoa
quando bateu no lugar denominado Pedra Secca,
ao entrar no porto desta cidade, pelo que foi jul-
gado em estado de poder seguir sem pengo para o
Rio de Janeiro. O mesmo Exm. Sr. ficen intei-
rado de terem sido por ese pharol prestados ob
meios e utensilios precisos, e da actividade do
ajudante desse Arsenal, dos directores das ofici-
nas de machinas e construccoes navaes, patro-
mr, mestranca, remadores e alguns operarios.
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia
do Reeife.O Exm. i?r. vicepresidente da pro-
vincia manda remetter a V. Exc. para seu conhe-
c.ment, cop'a do a/iso,expedido pelo Mjnisterio
do Imperio, em 11 do corrente, sob n. 2,476, acer-
ca do auxilio solicitado por V. Exc, ao deste Mi-
nisterio em oficio de 13 de Maio ultimo e de 6, do
mesmo Exm. tir. vice-presidente.
__ Ao Dr. juiz de direito e de orphos e ausen-
tes da comarca do ReeifeDe ordem do Exm. Sr.
vice presidente da provincia, transmiti a V. S.
em solucao do seu officio n. 246, de 10 de Ma:o
findo copia do de n. 171, de 17 do corrente mea,
do director do presidio de Fernando de Noronha,
relativamente aos bens deixadoa pelo fallecido
senten iado Arsenio Cesar Barreto.
__ Ao juia substituto do Io districto criminal do
Reeife.De ordem do Exc S'. vice-presidente da
provincia, transmitto a V. S. em resposta ao sea
officio de 17 de Maio findo, copia do de n. 174, de
17 do corrente mez, em que o director do presidio
de Fernando de Noronha declara o motivo porque
nao pode ser satisfeita a requisico constante do
cit-do officio.
Ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. vice-
presidente da orovincia, transmitto a V. S. ena
solucao ao seu officio de 8 do corrente, copia do d
n 166 do director do presidio de Fernando d
Noronha.
Ao inspector da sade do porto. O t-xm.
Sr vice-presidente da provincia, manda remetter
a V. S para aeu conh-cim -uto e em solucao ao
seu offi o de 5 de Maio prximo pastado, copia
do aviso expedido em 10 do corrente, pelo Minis-
terio do Imperio sobre a impossibihdade de con-
servar-se os dous guardas de que trata o mencio-
nado officio.
Ao commandante interino do corpo de poa
licia.-0 Exm. Sr. vice-presidente da provincia,
manda comraunicar a V. S. que nesta data profe-
rio o segrate despach > em seu offieio de 0 do
cerrente, sob n. 510, a respeito de abono de aja-
das de custo a officiaes desse corpo Retettido
ao Sr. inspector do Thesouro Provincial para
mandar attender e n visr de sua Informaco de
18 do correte, sob n. 720. .... n
Ao agente da companhia brasilera. U
Exm. Sr. vice presidente da provincia, manda ae-
cusar o recebimento do offici) em que V. Exc.
participa que o vapor Oir chegado hojo as
horas da manb dos portos do norte seguir pi
us do sul b.^je mesmo, 4s 6 da tarde.
- Ao gerente da companhia pernambucana.
0 Exm. Sr. vice presidente da provincia, manda
aecusar o recebimento do officio de 21 do cor. en-
te em que V. S participa que es*a companhia ex-
pedir no dia 28 o vapor Jaguaribe, para oa por-
tos do sul at a Babia.
Ao presidente da junla classificadora de es-
eravos do municipio de lom Jardim. De ordena
de S. Exc. o Sr. vice presidente da provincia, ac-
enso o recebimento do officio de 14 do corrente,
em qne V. S. commumeam que nessa data reu-
ni se a junta classificadora de escravbs desse-
muuicipio para o fins e de conformidade com a-
circular do 24 de Maio ultimo.
Mutatit mutandis junta classificadora do
Brejo e Bonito.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DU 13 DB
JDLHO DE 1886.
Anna Luiza da Goncei^o. Declare a
Bupplicante o nome de aeu riltio.
Celestina A. Alvares de Souza. ~ km
vista do parecer da junta medica, concedo
sessenta dias. '
Feliaraina Alves Ordeiro. -Em vistada
informaco do director da Colonia Isabel,
nSo tem lugar o qu- requer.
Hermenegildo E. do Reg Monteiro. -
Pdsae portara, r levando' a multa.
Justina \. da Silva Santos.-Nao est
vaea a cadeira.
Caaitao Joao Caroliao do Naacimento
J tendo sido rasolvda a questio pelo go-
verno imperial, eutregue-se a petiS3o ao
supplicante.
1


HL
Diarto de Pernambuco---Quinta-feira 15 de Julho de 1886


JosMuniz Teixeira Guimaraes.-D-
W"Major Joaquim de Medeiros Informa o
Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda.
Jo da Silva Loyo Jnior.-Apprv-
do.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, em 14 de Julho de 1886.
O porUiro,
J. L. Viegas.
Reparta* da Polla
Seccao 2." N. 694. -Secretaria d* Po-
lica de Pernambuco, 14 de Julho de 1886.
Illm. e Exm. Sr.~Partiipo a V. Exc.
ue foram hontem recolados CaBa de
letenySo os seguintes individuos :
A' ordem do subdelegado de Santo An-
tonio, JoSo Lobiao de Souza Castro, Al-
berto Ignacio Xavier e Candido Pereira da
Silva, por disturbios.
A' ordem do do Io districto da Boa-Vis-
ta, Jlo Pedro do Sant'Anna, conhecido
por Magrello, por uso do armas def z is.
Comruunicou-me o delegado do termo de
Aguas Bellas, qne no dia 6 do crrante ef-
fectuar a captura do or minos i de morte
de nonw Ludgero Basilio, pronunciado no
termo de Cerrentes.
Dito criminoso estava homisiado no lu-
gar denominado Alto da Botija e ape-
nas avistou a escolta, que o devia prender
o era coromandada nelo cabo de polica
Pedro Marinho de Mello Matta, diaparou
sobre a mesma alguns tiros de pistola e
com urna faca ferio a praca de nome Jos
Ferreira da Cruz.
Estabeleceu se entilo urna luta de parte
a part-, de que rasultou ser ferido o cri-
minoso, que afinal foi preso e recolhido na
C-ideia.
O delegado abri inquerito e j o remet-
teu ao juizo competente.
Polo subdelgalo da freguezia de Santo
Antonio, foi remettido ao Dr. juiz de di
reito do 2o districto criminal o inquerito a
que procedeu contra Manoel Martins J-
nior, preso em flagrante como iucurso as
penas do art. 201 do Cdigo Criminal.
A alienada Mara Rita do Rosario, que
se achava racolliida na Casa de Deteneio
com destino ao asylo da Taroarineira, fal-
leceu hontem na enfermara daqu-lte esta-
belecimento, victima do urna congestivo ce-
rebral.
Dpus guarde a V. Excllm. e Eira.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
O chefe de poli :ia, Antonio Domingos
Pinto.
1886
Con-
Thcsouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 14 DE JULHO DE
Pedro Nunes de Alcntara. -Ao
salado para attender.
Jermrmo Theotonio da Silva Loureiro e
Franceljia Sabina do Monte. Certitique-
se-
Antonio Gomes Porto e Antonio Mire-
ra da Silva. Informo o Sr. Dr. adminis-
trador f*o Consulado.
Abaixo assignados moradores e comraer-
ci ntes dos povjados Fro e L-iWoziiiho.
Haja vista oiSr. Dr. procurador fiscal.
BalUr OHveira & U., engenheiro chef-)
do prolongamento, Antonio Brito de Quei
roe, Augusto Octaviano de Souza e Anto-
nio Rodrigues de Souza & C Informe o
Sr. contador.
Francisco Fernandes da Fonseca. -A'
rta das inforrnacoss, nao ha que deferir
ao supplcante, per nao aproveitar-lbe o
disposto no art. 43 da le n. 1860.
com'b15e8 vendanos, seguio para o palacete do
bravo maior Sr. Frcderico Costa, que vistosamen
te decorado, Iluminado a giorno, ostentava n ura
transparente de btllissimo effeito o retrato do con
selheiro Samuel Mac-Dowel. Ah feaum bn-
lhante improviso o Sr. Dr. Jos Agostinho dos
Res e recitou urna inspirada poesia urna nteres-
sante crianca. Servio-se em seguida um profuso
copo d'agua, em que se affirmava na varidade
das iguaria, as maneiras fidalgas do illustre ara
phytno, tronando-so os-mis eothnsiasti :oa brin-
de*, todns em tnnvor do eons'lbeiWMac-Dowel.
. a passeata dissalveu-se na praca D. Pe-
< O theatrdda Paz, ataviada xasieicbosan***
con brilbsmte MluminacAo, abra snas porta par*
am espectculo em honra do eminente cidadao
gentilissna homenagnm da 8ra. Adele Naghe),
que qui soeiar-se jnWIW d# popal*** pa
bandas de mosto, postada na HMresMlBrae,
O Sr. presidente declarou adiada a inrtallaoc
da Assembla para o di 1.* de Setembro do cor-
rente anno, e levantou oa trabalhos.
Foram eleitos em primeiro escrutinio oito
vereadores para o municipio da capital, sendo
quatro conservadores, dous liberaos e dous repu-
blicanos.
Suicidara-se, em Canind, Antonio dos San-
tos Lessa, na su faseada de criar.
Na idade de 75 anuos, falleceu, na villa de
Tamboril, no dia 21 de Junho, o Sr. Eutroeino
Vieira Mouro, que tomou parte activa as lutas
desta familia, na cidade de Ip.
io Crande do Norte
N3e rec hemos folhas desta provincia.
Parahfba
DaWwSrt 18 do corrate.
Foram eleitos em primeiro escrutinio VSJrea-
4oreg'fll>.auniaipio da-capitel, tres eonservnibres
DIAKJ DE PERJAKBUCO
RECIFE, 14 DE JULHO DE 1883
Noticias do norte do imperio
O vapor nacional Para trouxe-nos dos portes do
norte as seguiutes noticias :
AmsiooM
Datas at 2 de Julbo:
Par*, vertaderes da Cmara Municipal da capi-
tal, consta va terem sido eleitos em 1 escrutinio
quatro conservadores e tres liberaes.
P-mrft
Datas al 6 de Julho :
Tinham sido eleitos vereadores da Cmara Mu-
nicipal da capital, em 1* escrutiuio, quatro con-
servadores e quatro liberaes.
O Diario do Grao Para de Io do corrente
descreve asaim a manifesteeo do prestigio que
gos na sociedaiie paraense, o i Ilustre Sr. conse-
lheiro .Samu-I Wallace Mac-Dowel, ministro da
marinha, a festa. com que os seos amigos do Pa-
ra celebraran o seu advento aos couseibos da no-
ria.
Em toda a cidade notava-se terca-feira a ag
tacao fest va dos groadas jubilo p .polares. Nm
era um partido poltico que corainernorava um
triumpho, era urna populaco inteiri inspirada ua
mais nobre i entimeiitos que exaltavam um cida-
dSo, d- que a distinecao assiguala se n'uma vida
de lutas iucessantcs. em que o mnis esclarecido
patriotismo dirige todas as inspiraco-s, regula to-
dos os aetoa. Belent honrou-se hontem, honrando
m braiileiro notabilissimo, de quum as glorias
pertr-ncein a todos nos, e que na ordem dos senti-
raentos como na ordem das ideas syiithetisa as ap-
fjdo 8 de toda a naco para o ideal supremo de
ioatiOH, quo caracterstica fuudamen'al das
grandes e poderosas nacionalidades.
Cinco bandas de usica militares tocaram
tala mnnha a alvorada em varias pracis da cida
de, quenando-sa em todas grandes gyrandolaa
deioguetes e salvas de morceiros. Depois p^r-
coneram muiUn mas, ,ue tinham tolas casas vis
tesamente embaudeiradas, alm de arcos com
pomposas decoraces. A vasta baha do Guajara
apresentava um deslumbrante espectculo: todas
as embarcacoes ah ancoradas esta vam embandei
radas, aet'-riiiinadamente os paquetes da Red
Oros Line, a grande frota de vapores fluviaes,
perteacente as companhias do Amazonas, Para e
Amasonas, empresa do Maraj. No emtanto des -
tribuia-se A Amazonia, edicao especial de urna f j-
loa ein honra do eminente cidadao, Ilustrada com
o seo retrato, e em que collaboraram representan-
te de todas as classes sociaes. A commissao di-
rectora dos festejos enderecou ao eminente cida-
dao o seguate despacho telegraphico:
Ao ministro da manuha :
Grandes festejo populare em honra su. Edi-
cao especial da Amcuonia. Passeats. Espec
taculo de gala. Grande enthusiasmo. O Para
celebruu seu advento como a consagrac&o de
suas mais nobres aspiracSes, representadas em
sua vida de dedicacao a patria.A commUs&o
de futejot.
S. Exc. responden :
c Major Frederco Costa.
c Agradeca commissao de festejos. As honras
que me prodigalisa o Para, so-me estmulos
para esforear me pelo engrandecimento de nos-
f sa magestosa trra.Mac-Dotoel.
A's 6 horas da tarde, novas gvrandolaa e no-
vas salvas de morteiroa. A's 7 horas, desfilava
da praca de Sant'Anna urna imponente passeata,
em que viam-se agremiados representantes de to
iu as classes sociae. A passeata dirigio-ae i.
nraca da S, onda est situada a tipographia da
&m*t orou o Sr. Paulino de Brito, um talento de primor
ne tere um desses brilhante rapto de espirito
qne produsem as grandes emoode Depois e-
uio a passeata psra a prca de Palazo, sendo
saodada na passagem pelo Sr. conselhsiro presi-
dente da provincia com vivas ao imperador, i fa-
milia imperial, ao grande cidadao Bario de Gote-
cipe, ao conselheiro ministro da aariastt, s aiiioc-
enpaodo 80 bx^|eibaideiradi laminados
raense. Gineo
grandes sal> do tbertro, toewvaW arante tervallos. A sala do theatro reunia o que de mais
distincto se conta na sociedade paraense: a c-
mara mucipal, o general commandante das ar-
mas, chefe de poci, magistrados etc. As senho-
ras ostentaram ricas toilette.
m Cantou-sa o Boceado a esplendida partitura
de Supp. Recitaram psesias no fim do 1 acto o
Sr. Joao de Deus do Reg, no do 2o Sr. Frede
rico Rhossard, saudados os poetas com muito ap
plausos No fim di 3 acto, em scena aberta, no
meio de um tropho nntavel, pela ornamentaco.
via-se um magnifico retrato do ministro da mari-
nh-i, com estas inscripcoes :
Ao Exm. Sr. conselheiro ministro da marinha
honra egloria
ao 6 dittriato eeora.1 d Para
O intellizente actor Joo Rocha recitou urna
poesa d* Baulino do Brito,. interromi-ido a cada
strophe cornos mais enthusiasticosapplausos
Depois desta poesa o Sr. Padua de Carvalho
recitou outra, offe-recendo um bouqnet ao Sr. Joao
fCocba, seguindo se-lhe o Sr. Paulino de Brito, que
em palavras eloquentissimas encarecen o concurso
que as festas prestara a Sra. Adele Naghel, offer-
tand-i-lhe, por sua vez, um lindo ramo de flores,
em nome. da commissao defestejis. Ao d-'aeer o
panno, no meio de acclamacSs* enchusiasticas, o
Sr. Dr. Agostinho dos Reis levantou os seguintes
viva, correspondidos com enthusiasmo, emquanto
as bandas de msica tocavam o Hymuo Nacional:
constituico poltica do imperio, ao partido con-
servador, ao ministro da marinha.
Esta pallida descripcao das festas, com que o
Para exaltou o seu Ilustre representante, affirma
a collaboraco de todos os horneo de coraco e de
boa voutade na homeaagem rendida ao grande ci-
dadao, que pondo ao S'Tvico do patriotismo talen-
tos prodigiosos e a lealdade immaculada de um
carcter integro, elevou a provincia que repre-
senta ao nivel de seus esplendidos destinos.
__ 8ob o tit' lo Diligencia frustada d a Pro-
vincia d Para, de 1, a seguiute noticia :
Constando m Manoe, que o vapor Grao Para,
em viseen para este porto, traaia a seu bordo
carea n;Io manifestada, lesando assim os interesses
fiscaes da provincia do Amazonas, o Sr. presiden-
ta daqucl a pravincia resolveu mandar a esta ca-
pital um empregado em commissao, afim de aseis-
tir aqu o desembarque das mercadorias, por se
tornar diGicil fazer all a descarga do navio.
Ao chegar iqui o respectivo empregado, com-
municou presidencia o fim da sua commissao e
deu comeco ao trabalho.
Na segunda-feira, porm, quando fazia-se a
baldeacao da carga do referido vapor para urna
alvarenga, foi notado pelo empregado commissio-
nado maior quantidade'de volumes do que aquelles
que indicava o manifest, e observando isto ao
official de descarga que o acompanhava, reservou-
se para fazer a appreheosao desses volumes no
acto do desembarque. Esgotando se, porm, a
hora do expedienta, snspendeu-se o serico, des-
atracando a alvarenga, que tundeou ao largo, an-
da que a isto oppos se o imrnediato do navio.
Nao esmorecendo no curopriraento de seus de-
veres os empregado do fisco, fizeram executar as
ordens dadas e retiraram-se para trra, prevenindo
barca do registro do cccorrido, afimde que do-
rante a noite tosse de perto vigiado o nsvio.
Succede, entretanto, que honteai, &t 5 horas
da manhiJ, naa melhores condicSes de tempo, foi a
pique a alvarenga !
Deixamos de comm^ntar ete tacto, porque
nao queremos aventurar juizos temerarios; mas,
as circunstancias que o rodeiam, nos indnsem a
crer qne ha ahi mais de nm enme a punir.
A submerso da alvarenga, ss nao foi casual,
o que nao fcil de crer, exige a responsabilida-
de de quera devia velar para que ninguem commu-
nicasse cem essa embarcacSo. >
No mez prximo findo a recebedoria provin-
eial arr'adou :
Para os cofres da provincia 126:3731581
Ver o peso 7:095/492
Santa C-sa 1:9MMn
Cmaras municipaps 5:24!I#93U
A renda da alfandega no referido mez toi de
845:3774331.
Maranho
Nao recebemos folhas desta provincia.
Plauby
Datas at 27'de Junho.
Lem >s na poca de 12 :
Est entrf nos o Exm. Sr. bispo diocesano
aqui ch-gado, em 31 do mez findo, a bordo do va-
per Therezinhense.
S. Exc. foi recebido por distinctos cavalleiros
de nosaa sociedade e per um numeroso concurso
de novo que correu ao seu encontr, achando-se
p istada no porto de sen desembarque urna guar-
da de honra, que fus as continen- ias do eatylo.
No dia 8eguinte foi logo S. Exc. visitado peo
Exm. Sr. presidente da provincia e por quasi to-
da as pessoas gradas da nossa sociedade, as
quaes nao se demorara em dar-lhe essa prava
de alta eonsideraeao.
Devemos esta visita ao vrtuoso e incansavel
Fre Serafim de Catania, a quem o Exm. 8r. hispo
promettera u vr sagrar a igreja de S. Benedicto,
logo que estiv-'sse concluida.
Te ve lugar, efiectivainentu, no dia 3 do cor-
rente, a sagracao deesa magestoso templo, com a
pompa e solemuidade do eatylo, a par de um ex-
iraordinario concurso de pessoas, militan das
quaes vieram de pontos mu remotos desta ca-
pital.
Consta-nos qne S- Exc. seguir no dia 13
deate para o Amarante, e que d'ull visitar anda
outros poatos da diocese.
Humildemente saudando a S. Exc, cumpri-
meutamos tambera ao seu Ilustre secretario o Sr.
padre Vicente Ferreira GalvSo, e aproveitamos o
ensejo para felicitar a Frei Serafim de Catania,
vendo coreados os seus tsforcos de tantos anuos
de modo a recommendal-o gratidao de todos os
piauhyenses, e a perpetuar a memoria de seu
nome entre nos.
Fallecer no sitio Santa Anna, termo desta
capital, a 25, Ricardo Rodrigues Forreira, victi-
ma de febre paludosa. O finado era natural da
provincia do Cea', resida na cidade de Sobral,
tinha 40 anuos de idade, e andava na provincia,
segund) nos consta, promovendo cobrancas.
Cear
Ditas at 11 de Julho.
Na 4.* s9so preparatoria da Assembla
Provincial, em 30 de Junho, s 2 horas da tarde,
presentes os Scs. deputados, foi lida b s-guinte
portera, acompanhada do respectivo officio da Se-
cretaria do Governo :
1. seoco.O presidente da provincia, con-
siderando que os memoro eleitos para a nova le-
gislatura da Assembla Legislativa Provincial
compareceram no dia 27 do corrente no edificio
da m .'na Assembla com o fim de iniciar, io aa
sessoes preparatorias, nos termos do respectivo
regiment, e, dividindo-sc em dons grupos, acclu-
maram tumultuariamente duas mesas no meio de
c inflictos o- corridos entre os c rcumstantes qus
iuvadiram o recinto e encheram os sales d edi-
ficio, pratieando sceoas de saugue que d--termina-
ram, por parte de ambas as mesas, a requ isico
da torca publica para mantel-as em suas tuueges
e fazer evacuar o edifieio de pessoas estr.ohas ;
Cousid -rando que am constituidas aquellas
mesas mantiveram-se em sesso permanente para
procederem, cada urna de per si, a venficacSo de
poderes, dando em resultado o reconheeimento di -
vergente de daas turmas de membros da Asaem -
bla, em seguida cad> urna d'ellas ofiiciou a esta
presidencia, pediudo da e hora para a installaco
da mesma Assembla
Considerando, pois, que em t es crcumstan-
cias nao pode aquella corporajao regularmente
fnnccionar a abrigo aa reproduccSo das scenas
violentes do dia 27 :
Resolye, usando da attribuicao qne lhe con-
fere o art. 24 2 do acto addicional, adiar para
o dia 1.* de Setembro prximo vindouro, a instal-
lacio da mesma Assembla, por assim o exigir o
bem publico da provincia.
palacio da Presidencia do .CotarA e 30 d
Junho de 1886. Joaqmm i* Coso Barrado.
Por p >! ds^Dr. etofe de polica, d 1 do
corrente, foi demittido o amanuense da secretara
da polica, Jos Ferreira Das, que all substitui-
r ao cidadao Jos da Silva Nove, entilo exone-
rado pelo parti io liberal.
Por portara da mesma data foi nomeado
para o referido cargo de amanuense d'aquella se-
cretaria, Ignacio Evaristo Monterro Sobrinho.
Motieias do Pacifico, Rio da
Prata e sul do Imperio
O paquete ingles Etbe, entrado hontem do sul,
trouxe as seguintes noticias, alm das que constara
das rubricas Par* Official e Interior:
C talle
Ditas 12 do passado.
O partido conservador resolveu abster-se as
clecoes presidenciaea maceadas para o da 25, por
nao ter candidato depoi da reuuncia de Vergara
e como protesto decidido e enrgico contra o sys-
tema eleitoral de sangue e fraude estabelecido pelo
actual governo.
Ao diario portenho La Nacin cemmunicou o seu
correspondente eoi Santiago do Chile, a 28 do pa-
sado : Terminou a eleico de presidente da rep-
blica, obtendo triumpho completo o partido liberal
que tem Balmacedapo.'chefo.Triumphou este par
tido em65 dos 65 departamentos daTcpnbliea. O
partido clerical, alliado cm os radicaes, s conse-
guio maioria nos 10 departamentos.
Esta situaco eleitoral induzio o candidato op-
positor Vergara a desistir de sua cami.datura, e o
partido clerical a abster.so completamente.
B)tlmaceda pr'vou ser um caujilho poltico
superior a"s seus competidores, e ne proprios adversarios fundara hoje grandes espe-
ranzas para o futuro.
Esto triumpho poz termo a todas as agitaces
polticas, e as cousas voltaram ao seu caminho 'Or-
dinario e tranquillo.
Balmaceda f j nomeado conselheiro de estado
em substituicao de Antonio Varas.
Rio da Prata
Datas at 2 do Julho :
A questao poltica da provincia d Buenos- Ar-
res era o assunipto que mais se discuta na capital
da Repblica Argentina. Os initnos estavam all
muito exaltados, navendo grande animaco de to-
dos os centros.
Terminado o escrutinio das eleices municipaea
em La Plata, deu se grande conflicto entre os dois
partidos que pleiteavaiu a eleico, resultando da
lucta a morte do tres individuos e o ferimento de
decoito.
as eleices triumphou o partido pacista.
F.ziam paredd os vendedores de verdura ; ton-
do-se produziao um* infinidade de ncdentes en -
ti-e os partidarios da parede e os contrarios a ella.
Os primeiros destmiram crea de dusentos carri-
nhos em que os ltimos conduziam verdura para
a capital.
Os trabalhos de conciliaco poltica em La Pla-
ta, capital da proviaea de Buenos-Ayres, davam
em resultado a admisso da candidatura de Mxi-
mo para governador.
Todos os juaristas inflentes apoiavam esta can-
didatura.
A discussao do projecto de reforma do corpo di-
plomtico dar assumpto para debates anima-
dos.
A cmara ia principiar no dia 2 a discussao do
augmento de vencimientos do presidente e vice-
presidente da repblica, ministros do poder exe-
cutivo, do supremo tribunal, membros do congres-
so, juizes e subsecretarios do ministerio. O aug-
mento seria de 25 /
Algumas folhas do Montevideo, referindo-se ao
que publicou La Cotona Etpanoa, a pretexto das
evolucSes da esqnadra argentina, expdem a ra-
zse em que se fundam para nio lhe dar nenhum
crdito, e negara a probabilidade de rompimento
entre o Brasil e a Repblica Argentina, c mais
aiuda que a Repblica Oriental esteja destinada
a ser campo de guerra entre os dois pases.
Ao iiario de Montevideo El Siglo, noticio o
seu correspondente cm Buenos-Ayres ser vos cor-
rente alli que um dos primeiro actos do novo pre-
sidente ser substituir o Dr. Moreno na legaco
do Brasil.
No dia 23 chegon Montevideo a divisSo naval
argentina em viagem de instrueco para Fernando
de Noronha.
Rio Brande do Sol
Datas at 3 de Julbo :
Dizem os jornaes de Pelotas que, por causa das
chavas torrenciaes que all cahiram, transborda
ram todos os los, que correm para os lados de S.
Goncalo.
H. Paulo
Datas at 8 de Julbo :
Sarah Bernbardt foi applaudidissima nos dramas
que tem representado.
A classe acadmica e os f/ancezes residentes na
capital preparam distncta artista urna o vaga
explendida.
Existem na penitenciaria 165 presos, estando na
enfermara 13
Tomou posse do cargo de juiz de direito da
Franca o Dr. Jos Joaquim Cardoso de Mello J-
nior.
Est grassando a varila em It, tendo sido ac-
coin netlidas 13 pessoas.
Acha-se arranchado na villa do Mogyguaas,
um bando de cigauos.
Foram recebidos com grandes demonstrace de
jubilo no Tijuco Preto, os membros da commissao
geographica e geolgica da provincia.
Saicidou-se o tenente Jos Soares de Oliveira,
agente da barreira de Rnzende a Aris.
Foi encontrado morto as caf< zaes do capito
Antonio Salgado, em S- Jos dos Campos o esla-
vo G raido, que ae enforcara em urna ariore. O
infeliz andava fgido
Eacrevem de It a > Correio Paultano :
As festas de S. Luiz, padroeiro do collegio
dos jesutas, foram brilhantissima, con) grande
concurrencia d- pessoas de fia, entre os qu .es o
bisjo dioc>-sano, monseuhores, aenador-a e depu-
tadas e muitos sacerdotes de outras provincias.
Pontificou o Sr. b3po da diocese.
A illuuuu icio do collegio das tres classe* de
alumnis foi brilhantissima, sobresahindo, a nosso
ver, a dos ined03. Constou ella de 3,000 linter-
nas.
Hiuve abundancia de iogos na noite segunto
foste
Aos alu unos do collegio foi offerecido um jantar
de 500 trillares, a qu assisnrara inultos convida-
das, reinando durante a testa muito enthusiasmo e
co: lialidad) -
F 'i urna festa esplendorosa.
Acerca da manifestc4o feite a Srah Bernhardt
escreve a Provincia de S- Prtoincia:
R'-iisou-se hontem a manitestaco dirigida
pela cl-is' acadmica a Sarah Bei-nhr.lt. Em nu-
mero de 3oH) sabiram os acadesnicos d) largo de S.
Francisco, com urna bauda de msica, archotes u
togos de B'iugala. Dirigiram-se ao Grande Ho e
e depois do hymuo acadmico pela banda acclama-
ram a gran le actrix, que vei o tacada principal
do primeiro andar do ho'el accenando com um
lenco branco agradeca juoilosa. Fallou nessa oc-
casi > o acadmico Autouio Teixeira.
As casas de coinraercio quas todas, principal-
mente na na de S. Bento, illuminaram as suas
frentes. Os raaufe Untes dingiraiu-se em seguida
Sara o th-atro Jo, onde foram esperar Sarah
hardt.
L9 se na mosma folha .
Partd boje para C-napinas a portentosa tragi-
C. Val dar ti- j-- alli a o nico enpectaculo com
Dama da' Cimelia*. E-ur de voita a racia-nji
te, em ir iu espaeai, cegar aqu s 4 hora da
manlia, a tempo de seguir araau mesme para a
corte.
A Sra. Baronesa de Atibaia offarecen ao asylo
de Orpbos de Campias, a quantia de 1001.
Em Santa Rita do Passo Quatre L assassiaado
am individuo conhecido por r'edro Cearense. O
indigitado assassino est preso.
Sarah Bernhardt representon no theatro de S.
Carlos, em Campias, com grande sneceso. Fi
vivamente applandida pales eampineirss.
Fi aposentado o padre Joo de Souza Carva-
lho, no lugar de prefessor publico da cadeira do
bairro dos Pinheiros, na capital.
O Dr. Jayme Serva telegraphou de Pars para
a capital, annunefando que seu filho, que alli se
aeha em tratamento pelo sabio Pasteur, loi decla-
rado radicalmente curado.
Escreveram do 8ap do Jah ao Diario Popu-
lar comraunicando que a 28 de Junho s 3 horas
da tarde, na estrada que daquella treguesia vai
villa do Jabu', perto do bairro de Fres, Antonio
Rodrigues de Aguiar, na oecasiao de ser preso
em flugrante delicto por ter dado ama caentada
em Joao Vicente No, vulgo Birro, desfechou nm
tiro d# garrucha era Jesuino Vicente Cmrdoso, jue
falleeen no outro dia.
AgBlr foi preso pelo inspector de qaarter*o,
Antonio Joaquim de Altneid*. Ilouve ante de
corpd'de delicto.
iyitm Cardoso era Ma-.ttOyO, muito- eitim-
d, tmtfoso e probo; deitit^vrva e sels^lRios em
extrema pobreza. Aguiar nao gozava de bom
nome.
Morrea repentinamente na estac&o da Pcnha o
negociante de Mogy das Cruzes, Emilio Antonio
de Moraes, que era passageiro da estrada de ferro
do, Noite.
Hian Cernen
O Jornal do Ctmmereio da efirte, de 6, d a s t-
guinte noticia :
Recebemos o seguinte telegramma do no30
correspondente, expedido de S. Joo d'EI-Rei, s
2 horas e 20 minufos da tarde:
A's duas horas da tarde realizou-se a inau
guracao dos trabalhos de prolongamento de estra-
da do Oeste. Muito povo e enthusiasmo extraor-
dinario. Estiveram presentes ao acto a munici-
palidade, autoridades e engenheiros. A bencao
foi dada pelo vigario, depois da qual houve dis
cursos, saudacSes, msica, foguetes e sslvas. A'
tarde foi offerecido lauto banquete aos oonvidados
havendo noite grande baile. Partida para a
corte amanha. '
Da rcdaccSo da Gazeta Mineira, recebemos
hontem o segniote telegramma, s 12 hor .s e 5 mi-
nutos d noite :
Inaugurou-se hoje os trabalhos do prolonga-
mento da estrada de Oste. Grande enthusiasmo.
A estaca foi batida pelo Dr. Joo Mouro, achn
se presentes o presidente da Cmara Municipal
Pereira Barbosa, presidente da directora Dr.
Gouveia e director das obras publicas. Houve
discursos e vivas. A imprensa da corte foi sau-
dada pelo Dr. Joao Mourao. A' noite grande bai-
le. *
Rio de Janeiro
Datas at 9 de Julho :
No senado, no dia 2, o Sr. Viriato de Medeiro3
expoz o estado anormal em que se acha a assem-
bla provincial do Cear, e propoz um reqnerimen-
to, que foi approvado sem discussao, para que o
governo informe quaes as medidas que tomou ou
pretende tomar afim de tazer cessar esse estado.
O Sr. Affouso Celso, lendo tres telegrammas pu-
blicados nos jornaes de 27 de Junho ultimo, acer-
ca de desordena na cidade de Januaria, pravincia
de Minas-Geraes, observou que em sua opiniao as
providencias dadas nao eram sufficientea: e re-
quereu qne o governo informe como pretende raso-
ter a ordem e o respeito lei naquclla localida-
de. Apoiadc e posto em discussao este requeri-
meoto, o Sr. < xirreia declarou que, votando por
elle, nao poda deixar de notar que nao ha motivo
para uppor que o governo se limitasso s provi-
dencias indicadas no telegramma do Sr. ministro
da justica ao presidente da provincia, e que o no-
bre senador foi o proprio a reconhecer que anda
era temp" de tomar outras medidas.
O Sr. Affonso Celso ponderou qaa as observa-
ces do nobre senador, eram mala que sufficientes
para sustentar o requerimento em discussao e
agredeoeu o anxilio que assim lhe era prestado.
Posto o requerimento a votos, fei approvado.
O Sr. Franco de S disse que havia pedido a
palavra para interrogar o governo acerca da si-
tuaco diffie.il da provincia do Maranho pela de-
cretaco de um imposto anti-constitucional; mas
nao tendo comparecido sessi nenhum ministro,
desistia da palavra, aguardando melhor ensejo.
O Sr. Meira de Vasconcellos, tiendo de cceapar-
se com o aviso de 9 de Junho ultimo, regulando a
execueo da sentenca e penhora em bens ds C-
mara Municipal da corte, no processo em que
exeqnente Pedro Leandro Lsmbartti, apresentou
um requeriraonto, \ao foi approvado sem debate,
pedindo copia de documentos relativos a essa
questao.
Passando-se 1* parte da ordem do dia, entrn
em 3* discussao a propeaisio sobre aposentadoria
do protonotario Ernesto CamiHo Barrete. O Sr.
Siqueira Mendes justifiopu urna emenda, tornando
extensiva esta reselucdo i aposentadoria de dous
lentes do Seminario db Para ; mas o Sr. presiden
te nao recebeu a emenda por ser contraria a urna
disposico regimental. A discussao da proposicito
ficou encerrada, nao se votando por falta de nn-
mero legal.
Na 2 parte da ordm do dia oatrou em discus-
sao o voto df grapas. O ir. Franco de S fez ver
a necessidade de adiar-se esta discussao, por nao
estar prosete nenhum memoro do gabinete. O
Sr. Octaviano propOz o adiamanto at segunda-
feira. Apoiadoo aiiamento, o Sr. Junqueira fez
algumas observaces E Ievantou-se a sesso, por
nao haver numero para pfir-se a votos o requeri-
mento do Sr. Octaviano.
- Na cmara dos deputados nao houve sesso
por falta de numero iegal.
Na sesso de 3, do senado, o Sr. Jos Boni-
facio das que, desojando opportunamente aquila-
tar as uegoeiaees dos dous ltimos emprestimos,
externo e interno, nao considera para is30 sufi-
cientes os esclarecimentos contidos no relatorio
do Sr. Ministro da fazenda ; por esta razo pre-
cisava que o governo enviasse mais completas in-
formap-s, especificadas no requerimenti que en
viou mesa, foi apoiado e posto em discussao. O
Sr. Baro de Cotegipe, nao podendo. de repente,
declarar se todas as informacoos solicitadas pelo
nobre senador esto no caso de ser ministradas,
pedio o adiamento, que foi approvado.
O Sr. Franco de S jastificou am requerimen-
to, que foi apoiado e posto em discussao, para qu
o governo infirme quaes as providencias que tem
dado a respeito da grave questao que se agita no
Maranho, em consequencia da lei que decretou
um imposto de importaco, imposto inconstitucio-
nal e que tem levantado graudn opposico da par-
te dos ciuner;iante3. O Sr. Baro de Cotegipe,
depois de dar explicaces sobre o facto de nao ter
na precedente sesso comparecido nenhum dos
ministros, respondeu ao nobre senador pelo MEara-
uho l.-ud-j diversos telegrammas trocados entre o
presidou'e d iquilla provincia e o Sr. ministro do
nup-rio ; ob*ervon que o governo anda nao rece-
beu a le de que se trata, e que, estando reunida
a assembla geral, a esta e nao ao governo cabe
tomar conheuimento da constitucinalidade da lei
provincial, que, entretanto, se recommendou ao
presidente da provincia que tratasse ds executar,
empregand meios suasorios. OSr. Silveia Mar-
ta limitou-se a pedir a* nobre presidente do con-
selho que faca, applicar ao Rio-Grande do Sul a
theoria que, com muito boa razo, sustenta em re-
laco ao Maranho. A discussao ficou adiada pela
bera, e passou-se ordem do dia.
Foi appro vad em 2* discussao a proposicao que
autora* a aposentadoria de um lente do semina-
rio de Matto-Grosso.
Nao passou o requerimento de adiamento da
discussao do voto de gracas, que continuou. O
Sr. Dantas oceupou-se detidamente com o tratado
de limites eutre o Brasil e a Repblica Argenti-
na, mjstrando que ao gabinete actual nao pie
deixar de caber inteira responsabilidade pela so-
laco ; tratou de outros asaumptos concernuntes
repartico dos negocios estrangeiros ; condemnou
o regulamente Je 12 d Junho, na parte cm que
annexou o municipio neutro provincia do Rio de
Janeiro, e juanto cootagem do praso de 13 an-
uos para a extiujcio tetal da escravido ; e t .r-
mui u com cunsideracoes ssbre a sorte e c.'ndico
do partido liberal. O Sr. Qorreia, enx rgtmdo na
ultimas coniderac3es do Sr. Dantas o reconh. ci-
mento da legitiraida.de da ascenso da situaco
coiservadorae app|audindo as ideas de S. Exc.
sobre a necessidade.da unio do partido liberal,
co.iclue respoudeudo ao que o nobre senador disse
toin r ilaco aos negocios estrangeiros- A discus-
sao ficou adiada pela hora.
Na cmara dos deputados, no mesmo dia, no
expediente o Sr. Aires de Araujo apresentou urna
luterpeilacao ao Sr. ministro d agricultura, que
deeUiou estar prompto para responder imraedia-
tamente ; e sendo dada a palavra ao Sr. deputado
interpellante para fundamental a um quarco an-
te de urna hura, comecou felicitando Sr. minis-
tro pela prestes com que aceitou a iuterpeliaco ;
passou depois a desenvolvl-a, tratando de de-
monstrar que o govern i nao podia, no regulamen-
te que exped'o para execueo da lei de 28 de Se-
tembro de 1885, annexar o municipio neutro
provincia do Rio de Janeiro. Dada a hora (urna
e um quarto) de passar para a ordem do dia, o
Sr. presidente advertio o orador, que persisti em
continua! na tribuna, originando-se dahi algum
tumulto e a suspenslo da sesso durante cinco mi
utos ; findos estes, rabiado a Sr. ministro da agri-
cultura tribuna retirou-se do salo o Sr. Alves
de Araujo e alguns amigos polticos. O Sr. minis-
tro passou a responder aterpellaco, declarando
que suppnnha prestar homemgem ao interpellante
respondendo immediatamente; sustentou, depois,
o acto do governo, que acbou claro o Densamente
do legislador que qnis que o municipio neutro fi
zesse parte da provincia do Rio de Janeiro, tanto
na constituico, como no acto adicional e na lei
eleitoral.
Na ordem do dia, foram appro vados os parece-
res da 3' commissao de inquerito, reconhecendo
depntados petos 3* e 8 districtos de Minas, os
Sr. Affonso Penna e Cesario Alvim. Foi tambera
votado em 2" discussao o ornamento da justica
O Sr. Candido de Oliveira funiamentou a aa in-
terpellaco ao Sr. presidente do conselho, apresen-
tada na s?sso de 21 de Junho, sobre o estado da
provincia do Rio-Grande do Sul, privada da le
do ornamento, allegando que alli o povo vai pagar
impostes illegalmente por um acto dictatorial,
quando o presidente devia ter convocado extraor-
diamiauuut* ansenrbla provincial para reconsi-
derara le que o administrador da provincia nao
s necionou.
Rsspondeu o Sr. presi lente doconselh) que u>
va onde estava a illegalidade do procediinento do
ex-pre8identc do Rio Grande, o por isso nao tinha
o governo que tomar providencias. A' questao da
nao sauecao da lei de orcamento pende de deciso
da cmara, qual foi aff ecta e que o nico poder
qae pode resolver stbra a inconstitucionalrdade
dessa lei. O Sr. Joaquim Pedro Soares lavrou um
protesto sobre o modo par que est sendo gover-
nada a provincia do Rio Grande do Sul.
No Senado em5,oSr. Dantas chimou a attencio
do governo para um telegramma de 4 do corrente,
que recebeu da capital da provincia de Sergipe,
no qual foi communicado que um prapri ebegado
da villa de Simio Dias, referi que o chefe con-
servador Loyola, impedio a eleico a que se devia
proceder no dia 1, e que em Coi t foram roubados
os livros da leico por capaagas e soldados, ha-
vendo feriraentos mortacs em liberaes. Occupou-
se em seguida com a demsso, que considera in-
justficavel, de um guarda da mesa de rendas
eraes de S. Francisco, na provincia de Santa
Catharina, apezar de contar 29 annos de bons ser-
vicos. Sobre estes dons assumptoseaviou i mesa
reqnerimentos pedindo informaces, que foram
apolados, e suecussivaraeote postos em discussao :
a respeito do Io que foi approvado, orou o Sr. Ba-
ro de Cotegipe (presidente do comelho) declaran-
do que o governo anda nao teve informaces, mas
qae quando as receber dar cenheeim"nto ao Se-
nado ; ao tocante a 2*. cuja diacusso ficou adia-
da pela hora, orou tambom o Sr. presidente do
consaloo e> ponderou que, conforme as leis de fa
zenda, oa guardas das mesas de rendas sao de no-
meaco e demisso dos respectivos administrado-
res ; se o acto do administrador fii offeus'vo dos
dreitos do guarda, a este cabe recurso para a The-
souraria de fazenda ; e s depois d'isso poder o
governo central ntervir, se para tanto bou ver mo-
tivo.
Continuou a discussao do requerimento do Sr.
feira de Vasconcellos, adiado em 22 de Junho ul-
timo, sobre factos que occorreram na capital da
provincia do Para ; orou o Sr. Siqueira leudes
defendendo o presidente da cmara municipal da-
quella cidade e os vereadores que o acompanha-
ram eom o fim de mostrar qux procederam cor-
rectamente ; a discussao ficou adiada afim de tra-
tar-se di ordem do da.
Proseguo a discussao do voto de gracas : o Sr.
Ribeiro a Luz (ministro *a justica) respondendo
ao Sr. Affonso Celso, expoz os acontecimentos da
cidtde da Januaria, provincia de Minas-Geraes e
as providencias que o governo tomou para desa-
gravo da le e manter alli a ordem. O -r. AfFmso
Celso contestou que as providencias tomadas foa-
sem as mais convenientes e proficuas. A discussao
ficou adiada para entrar a 2* parte da ordem do
dia.
Foi posta em 2' Jiscasso a proposta de crdi-
tos para o ministerio da agricultura. Orou o Sr.
Meira de Vasconcellos, apreciando algumas deci
8oes do Sr. ministro d'eata repartico, e espe-
cialmente o regulamento de 12 de Junho ultimo :
orou, por ultimo, o Sr. rVado (ministro da agri-
cultura), sustentando e defendendo a legalidade e
conveaiencias de seus actos.
A discussao ficou adiada pela hora.
Na cmara dos daputedos, n mesmo dia, nos
tres quartos de hora, o Sr. Paula Primo d'tcudeu
a autoridades da Parahyba do Norte das accu:
sacse que Ibes fez o Sr. senador Meira de Vas.
coiieellos. O Sr. ministro da agrioaltura apreseiv
tou um pedido de crdito para pagamento dos ter-
renos desappropriados na la do Visconde de lua-
na. Na ordem do da procedeu-se a eleifo da me-
sa, qoe foi reelete, com exc^peo do ->r. Mac-
D iw-'ll, 3* vico-presidente, que foi substituido pe-
lo Sr. Luccna.
Foram votadas sem debate em 1* e"2 discusses
licencias aos deserabargadores Ferreira Gomes e
Leocadio Andrade Pessoa; e em urna s discus
sao : peuao a Antonio Paes de SA Barretto e apo
entadoria a Peregrino Jos Freir. Entrando em
dis 'usso o parecer da commissao de inquerito so-
bre a eleico do 17* districto de Minas, orou o
Sr. Matta Machado, sustentando a legitimidade
do seu diploma, o o Sr Carlos Puixoto, relator da
commissao, defendendo o parecer desta, queau-
nulla o diploma do Sr. Matta Machado.
A discussao ficou encerrada e adiada a votaco.
C ntinuou no da 6 no senado, a discussao
do requerimento do Sr. Jos Bonifacio, pedindo
informaces pobre os emprestimos externo e in-
terno : orou o autor do requerimento impugnando
a restriccao posta pelo Sr. presidente do conselho,
quanto inconveniencia de prestar algumas ias
informaces solicitadas ; e replicn o Sr. Baro de
Cotegipe, ponderando que nao negou o direito de
pedir informaces, mas apenas manteve o direito,
que oabe ao governo, de nao enviar aquellas in-
formaces que lhe parecer inconveniente minis-
trar, feito este protesto, de;larou que voteva pelo
requerraeoto qae foi approvado.
O Sr. Baro da Estancia, fundando-se em um
telegramma de 2 do correte, que recebeu da pro-
vincia de Sergipe, pede intormac-'s ao governo
sobre os acontecimentos da eleico municipal no
Campo do Brito, perturbada por capangas e sol-
dados dirigidos por autoridades de lugar e o col-
lector de Itabaiana. Apoiado o requerimento e
posto em discussao, foi approvado depois de orar o
Sr. Ribeiro da Lu (iniuistro dajustic), que de-
fe-ideu o governo das iacrepaces que lhe fez o
nobre senador.
Proseguio a discussao do requerimento do Sr.
Meira de Vasconcellos, a respeito de questes relati-
vas Cmara Uuuicipal da capital da provincia
do Para, e, depois ie algumas observaces do au-
tor do requerimento, foi este approvado.
Sem mais debate approvou-se o requerimento
do Sr. Franco de Si, a respeito da co branca do
imposto de importaco decretado pela respectiva
assembla provincial.
Paseando se ordem do dia, continuou a dis-
cussao do vote de gracas; orou o Sr. Silvcira
Martins e ficou a questao adiada para continuar a
2* discussao ds proposta que concede um crdito
ao Ministerio da Agricultura. Orou o Sr. Sarai-
va, protestando contra a infraeco da lei de 28 de
setembro, que resultou da disposico do regula-
mento de 12 de Junho, sobre contagem do prazo
para a extiacelo da escravido. Coube em se-
guida a palavra ao Sr. ministro da agricultura,
que defenleu o regulamente, sustentando que nao
infringi a le. Orou depois o Sr. Gorreia, pro
nuncianio contra o art. 2, por desnecessario ; e
notando algumas irregularidades no pedido deste
crdito. O Sr. Octaviano contestn a proceden-
cia das observaces do Sr. Correa, que sustentou
sua opinio. A dscosso ficou adiada pela
hura.
Na Cmara dos Deputados, no mesmo dia,
nos tres quartos de hora o Sr. Bulbes Carvalho
iratou largamente da demisso dada pelo Sr mi-
nistro da fazenda ao colUctor de Igaass, qae
aecusou de ter libertado escravo pelo tundo de
emancipaco por valores excessivos.
Na ordem do da toi votado o parecer d 3*
commissao de inquerito sobre a eleico do 17* di
tricto de Minas ; e sendo rejeitadaa algumas con-
cluso-^ do parecer, foi reconhecido deputado por
aquelle districto o Sr. Joo da Matta Machado.
Entrando em diacuseo a reforma do regiment,
orou o Sr. ffonso Penna, applaudindo a reforma
na parte que evita a protellaco no reconhecimen-
to de eleices legtimas; e lembrou que os reque-
r mantos pedindo documentos e informaces sejam
votados logo. O Sr. Affonso Celso Jnior aceitou
a incompatioilidade do deputado no julgameoto
de eleices da provincia por que toi eleto. Pro-
nunciou-se contra a dissolucao das commisses
que nao derem parecer dentro dos 30 dias ; e sus-
tenten a conveniencia de nao ser a ordem do dia
dividida em daas partea.
O Sr. Ratisbona nao seoppoz reforma ; porm
sustentou qne se devia escoimar da poltica a dis-
cussao da torca de mar e de trra. O Sr. Candi-
do de Oliveira pronunciou-se contri a votecSo por
escrutinio secreto em assumptos individuaos, como
prope a reforma, porqaanto offonde a dignidade
da eamara e nao evita o empenho.
A discussao ficen adiada.
Sobre o oresmento da marinha tomou a palavra
o Sr. Candido de Oliveira, qne Ismentou o mo es-
tado em que se acha a marinha de guerra, sem
navios e sem marinhagem ; observou que as econo-
ma apregodas sao mais apparentes do qne
reaes, porque mantem-se ara ranecionalismo ex-
cesivo. Iudicou economias que se podem reali-
sar no pessoal, mais fructuosas do que na mate-
rial quo convem conservar Pronuncioa-se tam-
bera contra a manutenco dos arsenaes da Baha
e Pernambuco. Respondeu o Sr. Rodrigues Al-
'm, relator da eommisslo qae procuroa demons-
trar que o partido liberal, quando no poder, podia
ter feito a economa que nao fez. Affirma que no
relatero eet descripto o ve-dadero estado da ar-
mada.
A discussao ficou adiada.
Continuou no da 7, no Senado, a discussao
do voto de gracas. O Sr. Baro de Cotegipe (pr j-
sidcntft do conselh) tomou em eonsideraeao os
discursos dos nobrea senadores p -la Baha ios
Srs. Danta e Saraiva) e pelo Rio-Grande do Sal
(o Sr. Silveira Martins) e respondeu s observa-
ces que fizeram nesta discussao. Seguio-se o
Sr. Franco de S, em contestaco ao Sr. presiden-
te do conselho; e ficou a discussao adiada para
tratar-se da 2 parte da ordem do dia.
Proseguio a 2 discussao da proposta qae abre
ura crdito para o Ministerio da Agricultura; toi
encerrada a diacusso do art. S, e passou se ao
art. 3 (que revoga as disposices em contrario).
O Sr. Martinho Campos pedio explicaces ao no-
bre miuistio da agricultura, sobre a imposaibili-
dade de conciliar as disposiyes da lei do Rio de
Janeiro, relativa entrada de escravos no t-rrito-
rioda provincia, o o regulamentD de 12 de Junho,
que considera o municipio nntro incorporad
quella_provincia ; o Sr. Franco de S notou con-
tradiec-s que en.erga entie disposic;s desse re-
galameuto e opimes sustentadas pelo nobre mi-
nistro na sesso de 18S5 O Sr. ministro da agri-
cultura sustentou, em resposta ao Sr. Martinho
Campos, que o reguUmento nao revogou, nem re-
di revogar a le provincial do Rio de Janeiro; e
responde ao Sr. Franco de S que nada miis tem
que accresesntar ao que j disse no senado para
explicar seu procedimento e suas ideas nesta
questao. 0 ?'r. Jos Bonifacio nao julgou satis-
factorias as informaces contradictorias dadas
pelo Sr. Saraiva e pelo Sr. presidente do conselho,
a respeito do que so passou na Cmara dos Depu-
tados por occasio do discutir-se a lei que marcon
prvzo para a uxtincco da escravido; e pedio ao
nobre ministro da agricultura que explique orno
se passaram as coasas, e faca desapparecer aquel-
las contradieces. A um aparte do Sr. mnistro,
que attribuindo s a equivoco as asseveraces do
Sr. Saraiva, responden o orador que, vista disso,
tendo sido a lei, nease ponto, votada por um equi-
voco, convem que o governo r-considere o regu-
lament'i, mandando contar o prazo da libertaso
da data da lei.
A discussao ficou adiada pela hora.
Na Camira dos Deputados, no mesmo dia,
nos tres quartos de hora, tendo a Cmara, a re-
querimento do Sr. Rodrigo Silva concedido urgen-
cia, o Sr. ministro da fazenda presten as informa-
ces requerida pelo Sr. Cesario Alvim relativas
aos U'timos emprestimos externo e niterno, Res-
pondeu o Sr. Cesario Alvim dizendo que, em vista
das facilidades que o Sr. ministro encontrou para
realisar os emprestimos nao merece louvores; qae
o jaro le 5 0/0 s mostra a negaciio dos capita-
listas par* emoarcar capitaes em empresas nteis.
Na ordem do dia, contiuuando a discussao da
reforma do regiment, orou o Sr. Io secretario de-
fendendo o parecer da mesa. Sendo a diacusso
encerrada a requerimento do Sr. Rodrigo Siva foi
a reforma approvada cora ss emendas da mesa.
Sobre a interpellacao do Sr. Affooso Celso Jnior,
orou o interpellante, lendo parte de ubi discurso
do Sr. Andrade Figueira, que no m niuterio do Sr.
Lafaycttc apresentou um interpellacao da qual
a do Sr. Aflons Celso Jnior copia exacta.
Respoideu o Sr. ministro do imperio que ha s
tres provincias sem presidentes e tres com presi-
dentes impedidos. Declarou mais que o govern
nao tem encontrado difficuldade em achar quem
sirva o cargo de presidente de provincia e ae se
ainda nao nomeou presidentes para as provincia
que os nao tem porque nao jul O Sr. Affonso Celso Jnior replicou estranhan-
1 a irr.'s lucio do Sr. ministro na sua resposta.
O Sr. Aflonso Penna notou c*ntra lie-cao entre a
affirmaeo do Sr. ministro do imperio : que ne-
nhum cidadao tinha recusado presidencia de pro-
vincia ; c o que dase o Sr. ministro da justica qae
affirmou que alguns tinham recusado.
A discussao ficoa encerrada.
Esgotada a 2" parte da ordem do dia va'ton-ic
primeira, entrand em discussao a prop ista fi-
xando as toreas de trra. Subi tribuna o Sr.
Joaquim Pedro, que pedio ao Sr. ministro que cui-
dasse da instruccSo do soldado e da escola do tire
de Rio Grande, paseando depois a tratar da pol-
tica da provincia do Rio Grande do Sul.
A discussao ficou adiada.
No S na o, no dia 8, continuou a discussao
da proposta que concede am crdito para o Mi-
nisterio da Agricultura. O Sr. Aff >nso C-lso ex-
po* novas duvidas com rela^o disp isicao do
regulamente de 12 de Junho. O Sr Saraiva res-
pondeu aos discursos lo Sr. ministro da agricul-
tura e do Sr. presidente do conselho : sustento*
a impuguayao que fez aquello regulamente e
abutidou as ideas do precedente orador. O Sr.
Baro de Cotegipe (presidente do eonselho) ob-
servou que, tratando se do art. 3 (que revoga
disposices em contrario), aguardar occasi
mais propria de volcar s qu st--s que se tasa
ventilado nesta discussao, na qual dcixa de temar
parte como ura protesto contia as mis praticas,
que nao coacorrer para que sejam establecidas.
0 Sr. ministro da agricultura expoz como os fas-
tos se passaram no seio da commissao da outra
cmara, afim de dexar fra de duvi-i i a lealda-
de do sea procediraeuto, insistindo anda em que
fiel a intcrpretaco dada pela r-.ru oento, e
que este de modo albura enfraquee o-- f teres
da lei. O Sr. Juuqucira fez vari .s obser -'aces,
e o Sr. Jos B mifaeio desenvolveu sui ar.ruinep-
uco contra o regulamente. Fie u encerrada a
diacusso, nao se votando por falta de numere
legal.
Proseguio a diacusso do voto de gracas, qne
fi ou tambera encerrada, depois de orar o Sr. Jun-
queira.
Na Cmara dos Deputados, io mesmo da,
nos tres quarto de hira, o Sr. Oliveira Ribeiro
tratou de negocios de Sergipe.
O Sr. Aff nso Celso Jnior chamoa a attencae
do goveoo para o estado anmalo da cidade da
Jannaria, em Minas
Na ordem do da, orou o Sr. Gomes de Castro
sobre forcas de (erra, lamentan io a difficuldade
que ha em dar instrueco ao exercito, por se achar
este to disseminado. Indicou alguns raelhora-
mentes que se podem conseguir sera dispendio.
Passou depois a oecupar se dos negocios da pra-
vincia do Maranho
O Sr. Ridrigaes Jnior tratou da negocios da
Cear, censurando a deciso do govrno relativa-
mente s duas assemblas provinciaes._ Convi-
dou o Sr. ministro a trasjtar da reorgaoisaco d
exercito, do estabelecimento de ama coudelaria n
rinco de Sayean, e lamentou que nao esteja sen-
do executada a lei do alistamento mihtar.
A discussao ficoa adiada pela hora.
Entrando em discussao o orcamento do imperi,
orou o Sr. Lourenco de Albuquerque, qne respon-
deu ao discurso do Sr. ministro do imperio, trac-
tando detidsmente das diversas verbas do orea-
mente ; e o Sr. "oeta Aguiar, que pedio descen-
tralisaco da instraeco.
A discussao ficou adiada pela hora.
Foram eleito em 1* escrutinio vereadores da
Illma Cmara Municipal da corte o Srs. Dr. Jos
Ferreira Nobre, Dr. Jos Alves Pereira, Jos Car-
los do Patrocinio, Dr. Tcrqaato Couto, Dr. Adol-
pho Mouro e Dr. Antonio Dia Ferreira, segund
noticiamos por telegramma.
__ A bordo do paquete francs Niger chegara
o 8r. conselheiro Nogueira Soares, enviado ex-
traordinario e ministro plenipotenciario de S. M.
Fidelissima no Imperio.
Cbegaram tambera, no mesmo paquete, os 8rs.
Conde de Paraty e Virgilio Teixeira, 1* e 2* h-
cretarios da legaco portuguesa.
Ao rabo de dous mezes de soffrimento, falle-
ceu no dia 7, as 11 horas da manb, de febre ate-
xjca adynam um abeesso do figado, o conhecido e estimado cr-
retor da praca Carlos Howat, na idade de 5* sa-
nos. Era. caralleiro da ojdem di Roja.

J IHMl 1


Diario de Perambac<>-tyiii ta-feira 15 de Jalho de 1886
w.'__ Tambem folleceu do mesmo dia o doutor em
medicina Paulino Corre Vidigal, que, ha annos
pasasdoa, foi mirtibro da Aaaemblt Legislativa
Provincial do Rio de Janeiro.
Espritu Sane
Datas at 1 da Julho:
A Alfandega renden uo mas ultimo 19:8434273.
'

Datas at 11 de Julho :
Fuicciora a Aasecobja Legislativa Provincial.
De Santo Amaro communicaram o seguinte
Quieta da Babia:
O arraial do Picado, do termo de Santo Amaro,
foi no dia 26 do prozimo passado tbeatro de urna
scena de gangue, digna de figurar nos annaes dos
maia hediondos crines que registrara os tribunaea.
> Nao se trata de um assasaioio que tivesse por
movcl o incitamento de am razo trasbucada por
ama paixo vehemente; nao nos oceupa a attenco
o tris:e resultado de urna lucta cruenta entre dous
homens, atirados pelo odio um face do outro; nao
toi a honra ult-ajaU, que em aasomos de vindicta
procurasse lavrar com o sangue a affronta rece-
bida.
Nao; a victima de to espantoso e premedi-
tado crime foi urna desventurada menina de 14
annes de idade, assassinada traicociramente no
thalamo nupcial por aquello a quem momentos an-
tes havia dado por entre transportes da maior ale-
gra a sua mo de esposa e todos os anhelos de
seu coracao de mulher.
a O monstro que perpetrou to nefando crime
chama se Valentina Ferreira da Silva, e entregue
accao da juatica acha-se preso as cadeias pu-
blicas de Santo Amaro, onde jacta-se de contar
com a proteceo de peaaoaa altamente collocadas
ua hyerarchia social.
Relatemos minuciosamente o facto e as tria-
tes circumstancias que o rodeiam, garautindo sua
reracidade sob a reaponsabilidade de testemunhas
presenciaes e que figuram no inquerito policial.
< Reside no arraial do Picado, onde possue urna
pequea fazenda, que adquirir ha poucos annos,
o honrado negociante Pedro Nery de NLesquita,
rantajosamente reputado n'esta cidade e abonado
por 42 anuos de probidoso labor. A sua familia,
compuuha-se d'dlle. de sua esposa e de urna filha,
eolevo de sua vida, na qual concentrava todo o
seu aSecto de pai e por cu jo lutaro estremeca de
zeios.
Ha 13 meses apresentou-se Vaientim Fer-
reira da Silva requestanao e propondo-se a casar
com Philomena, filha de Pedro Mesquita e fre-
q tentando por sao asaiduainente a casb d'eaae in-
feliz pai, fra sempre nella recebido a acolhido com
a lhanesa e franqueza, que caracterisam as almas
si'nples e deapreoccopadaa.
Obtido o consentimentodos pais de Philonacna,
ficou ajustado o casamento, o qual, aps tres adia-
mentof, effectuou-se no dia 26 de Junho t 11 ho
ras da manh, na capella do arraial do Picado.
As 5 horas da tarde, aps as expanaoea de
pnizer que succedem a taes actos, Valentim Fer-
reira retirou-se com sua noiva pra a casa desti-
nada a sua residencia conjugal e encerrando-ae
tornou-se incommunicavel e inaeessivol at mesmo
ao pessoas que da casa de seus sogros iam proeu-
ral-o.
Passou-se o resto da noite sem que ninguem
suspeitasse ao menos que naquella casa onde, ha-
ra" pouco, entraram jubilosos e parecendo sonhar
com mil venturas dous entes, que acabavam de
protestar perante os altares mutuo e perenne au-
xilio, estava se representando a lgubre tragedia,
qu* havia de traaer a consternaco e o luto a dous
infelizas paig.
A's 6 horas da manh, attrahida por gritos an-
gustiosos e abafados, que partiam da casa da Va-
lentim, situada a pequea distancia da de Pedro
Mesquita, correu pressurosa a rai de Philomena
e com a mais dolorosa surprea recebia em seus
bracos, agonisante e banhada em ondas de sangue
sua desgranada filha, victima dos instinctos da
fera humana com que se enlacara.
< Tres enormes focadas, dadas quando Philome-
na se achaua inmersa em profundo gomno, atra-
ressando-lhe o pescoeo e interessando os vasos
dessa regio, arrancaram em poucos momentos a
vida desaa malfadada moca.
A' vo da desolada mi acudiram diversas
pe3soas, que conseguirn! prender Valentim Fer-
reira o qual estava gellaudo um animal em que
pretenda evadir oe para evitar a severa puaico
da justica humana.
Levado preaenca da autoridade policial
barbaio assassino, impvido confessou o crime, in-
dividuando todas as circumstancias do negro al-
tentado que commettera, nao deixando transpare-
cer nrorao ou arrependitnento.
Sm acto continuo, o digno subdelegado do
Bom-Jardim efiVctnou as diligencias da lei, lindas
as quaes, remetteu o preso a auioridade compe-
tente, nesta cidade, pelo trem de ferro, sendo elle
so desembarcar acompanhado por numerosa mul-
tidio, indignada ante to requintada perversidad
sea urna alma de moco presa da mais deplorare!
degradaci moral.
Prometiendo traser a publico todas as minu-
dencias seate horrivel assassinio, dadt ja appella-
mos para a juatic publica, que nao deixar im-
pune este crime oriundo dos instinctos purversoe
de am verdadeiro selerado.
L* se no Almgoiuhetue de 28 do passado:
.. A's 8 horas da noite de 17 do crrante, indo
fechar urna das jauellas da frente de sua casa, D.
Jesuina Bastos de Albergara, digna consorte do
soaso amigo o tenente Joao Glimaco Soares de Al-
bergara, dcsabou sobre ella a parada correspon-
dente meema janella, ficando tao digna senhora
esinagada sob os adobes da parede.
Eutre o delirio do sentimento a o desejo de
airar sua ei-posa, o seu incangavel espoto em rito
e soccorro procurou tirar de sobra ella a castada
e barro, que a envolva, buscar am ssu auxilio
08 mdicos da cidade.
Ao chegar o primeiro reconheceu estar D.
Jeaniua cora ambas as pernas fracturadas, e at
lisa em dous lugares, lesada intoirameate, aam-
bem fracturadas as costellas.
N'este estado applicaram-lhe os appaielhoa
precisos, e contina rigorosamente medicada, no
leito de enferma.
Ao seu digno esposo damos por noata ves os
bobsos sentmentoa e fsernas| votos aos < sa pelo
reeUbelecimento de sua tranquillidade to doloro-
lamente alterada.
Victima de urna febr3 que sombon de todos es
retamos mdicos, (atiesan o 6aannista de medicina
Joaquim Bernardno da Senna, natural de Minas
Geraes, ba pouco ebegado a esta capital, onde vi-
nhu 'erminar o sea tirocinio acadmico.
A sua inditosa estrella o attrahio para aqui onde
ha poneos dias acabou de perder a sua idolatrada
sp-js.". vic'.ima tambem de febres.
i'alleceu e sepultoi-se no domingo ultimo na
Tilla de Itaparca, onde resida, o Dr. Antonio Ns-
tor Pereira da Costa, cidadao muito estimado
'aquella localidade.
aVIarjPM
Datas at 13 de Julho :
Por acto de 20 do corrente foi declarado vago
lugar de promotor publico da comarca do Traip,
visto nSo ter asaumido at aquella data aa^ res-
pectivas funecoes o hachara) Francisco de Soilza,
nao obstante j haver decorriao o praso de 49
diva, contados de 22 de Maio, quando fra remo
Tido para a referida comarca: sendo noraeado
Esra preencher o dito lagar o bacharel Luis Emi-
s da Pas Lima.
Por acto de 6 do corrente foi declarado
suppresso, de accordo com o diapoato so 3 do
art. 4* da lei do ornamento em vigor, combinado
om o art. 48 da de n. 965 do 21 de Julho de 1885,
am lugar de escripturario da seccao do arrola-
uaento io consulado de Jaragu, sendo por conse-
guate dispensado das respectivas funcco.'S o ci
dadiu Manoel Martina Gomes.
INTERIOR
Corrcspoudeac'a do Diarlo de
Pernaubuco
RIO DE JANEIKO Coete, 9 de Julhs
de 1886
Sumen- i -T. rminaco das.feriaa parlamentares.
Reeleicao da mesa da cmara dos
deputados.As cdulas em branco.
Urna interpellacao do Sr. Alves
de Araujo.Couflicro que u'ahi se
originou.Interpellacao do Sr. Can-
dido d* Oliveira sobre negocios do
Rio Grande do Sul.Reaposta do
Sr. Cotegipe. Um jrotesto iufi 1 do
Sr. > andido de Oliveira. Reconbe
cimento do Sr. Matta Mchsdo.
Reformas do regiment.Obeerva-
coea da imprensa reapeito.Inter-
pellacao do Sr. i.sIbo Jnior.Dia-
cussao das torcas de trra e do or-
cameato do imperio.As diacasses
no Senado.Opiuiao Sr. Saraiva
sobre a matricula e depreciacao d
valor do eacravo.
No dia 3, aabbado, recouiecou a eimara dos de-
potados oa seu trabalhos, d m io por finias a*
ferias qae havia tomado e que esperava-se s ter-
miaaaaem 5, segunda-ftira. Essa untecipacao nao
deixou de causar alguma admiraclo ; e o caao foi
attnbudo por una ao exqmplo dalo pelo Senado,
que tez scisa na vespera, embora fosso o grande
dia dos bahianos, o 2 de Julho, e o em qae aqu
tem lugar a grande featividade de Santa Isabel,
ns Santa Casa de Miaericordia, com aaaistencia de
Suas Mageatades, e 14 estivessem oa tres ministros
sen-dores, o Sr. Cotegipe, como provedor da ir-
mandade, e oa Sra. Mamor e Ribeiro da Luz,
como mordomoa ; pr outros esperaoca de que
houvease pagamento de subsidio. Se foi este o
motivo porque houve numero, Iludida ficou tal
esperanca, pois s na eegunda-feira pagou-geo
subsidio e fez-se a eleicao da mesa, sendo esti
reeleita e dando-ae a repetic2o de votoa em
branco de membroa da maior i a, como na eleicao
anterior, o que mostra qae anda peraiatem varios
descosientes com o Sr. Audrade Figucira.
O facto, porm, nao tem a grande importaucia
que o Pai*, nos tpicos do Sr. Serra, tem-lbe que-
rido dar.
O resultado da votacao ioi este :
Recebidas 101 listas, aendo 21 em branco. An-
drade Figueira 72 votos, Candido de Oliveira 7,
Gomes de Castro 1.
Ora, nesse dia comparecern! a seaaao 17 depu-
tados liberaes; e como sement 7 votassem no Sr.
Candido de Oliveira, devein os outros 10 ter vo-
tado em braneo.
Ficam, pois, 11 abstences de conservadores,
qae uem todas sao propesitaes, porque em todas
as eleicoes que se seguiram, dos vice-presidentes
e secretarios, houve cdulas em branco, em nu-
mero superior s qae devem ser attribuidas aos
liberaes. E nao havendo contra nenbum daquel-
les indaposicoes, especialmente contra o Sr. Go-
mes de Castro, que obteve 67 em 92 cdulas, o
que se deve concluir, e effectivamente a verda-
de, que algans diputados da maioria, desde qae
nao ha risco na eleicao, nao se querem dar ao
trabalho de eacrever a sua liata, e na occaaiao
lancam-a em branco na urna.
Volteado, porm, seaso do dia 3, parece 3|ne
ella estava tadada para ser a primeira que tinha
de ser suspensa por tornar-se tumultuaria. At
aquel'.e daos trabalhos iam coricndocom a deseja
vel placidez, e a opposico, por sua parte, muito
ia conorrende para iaao, nao levantando qseatoes
irritantes e condusindo-ae com calma na8 disena-
soes.
E' o caso, qus o Sr. Alves de Araujo, recebado
qae outrem lhe temasse a dianteira, apr.veitou o
primeiro dia de sesso para mandar mesa urna
interpellacao ao Sr. ministro da agricultura, Der-
guntando < qual o fundamento legal que teve o
governo para deliberar que o municipio neutro fi-
zesse oarte da provinea do Rio de Janeiro, com
relacao matricula de escravos, e qual o peus.i-
mento do governo em relacao depreciacao do
valor dos escravos, assim coaio em que dispoaclo
de lei fandou o mesmo governo a sua competencia
para alongar o praso da ecravidao.
Na forma do regiment, achando se presente o
ministro, perguntou-lbe o Sr. Andrads Figueira
qnando julgava poder respouder a essa interpella-
cao. O Sr. Prado declarou que poda responder
immediata mea te.
0 Sr. Alveg de Araujo, que nao esperava por
essa resposta e contava que a discussao ficaase,
pelo menos, para a aegunda-feira, depois doa re-
clames dos jornaes que de algama forma excitas-
sem o espirito publico, o Sr. Alves de Arauj-
mostrou-se contrariado e reclamou, sendo acompa-
nhado por outroa deputados da oppoeic&o, porque
nao ha ver a tampo bastante para desenvolver a
interpellacao.
Respoudeu-lhe o Sr. Andrade Figueira qae, nos
termos do regiment, desde que, lida a interpellacao,
o ministro declarava que estava prompto a res-
ponder, dar-lhehia a palavra, visto estarse na
hora do expediente, se o Sr. Alves de Araujo nao
quizesse tomal-a antee, notando que, fiada a meia
hora, pedera elle reqaerer urguncia ae nao tivesse
concluido o qae tinha a dizer.
A'- vista diaao oceupou o Sr. Alves de Araujo a
tribuna; era ves de aproveitar o teinpo e tratar
rnente dos pontos sobre que versava a sua inter-
pellacao, comecou a divagar fazendo o histrico
dos acontecimentoa abolicionistas doa annoa ante-
riores e do que ha occorrido em outroa paizes, para
mostrar que a corte s obedece ao poder central,
citando exemplos de Franca e da Inglaterra e ex-
plicando o ajue o lelf gwernement e o direito de
interpellacao.
este ponto observou-lhe o Sr. Andrade Fi-
gueira que etava terminado tempo, e que nao
poda continuar sem requeror urgencia.
Aqu transcrevo da Gazeta de Noticia o se-
guinte :
i Nao eeteve por isso (rjquerer urgencia) o Sr.
Alves de Araujo, que declarea nao submetter o seu
direito do interpellacao a ama votacao caprichosa
da maioria.
i Insisti, pois, em ficar na tribuna, e o Sr.
presidente retirou-lhe a palavra.
c Iutervieram as galeras, houve grande alga-
larra, repicarain oa tympanoe, e o Sr. presidente
suapendeu a sesso por cinco minutos.
r Quando continuou a sesso, deo-se o seguinte
episodio :
O Sr. PresidenteContina a sesso.
c O Sr. Rodrigo SilvaPC90 a palavra pela or-
dem.
O Sr. PresidenteTem a palavra pela or-
dem.
c O Sr. Airee de AraujoMaa eu esteu na tri-
buna.
O Sr. PresidenteJ, na forma do regiment,
eu disse qae o nobre depuUdo poda seatar-se.
O Sr. Airea de AraujoMaa eu, na forma do
do ragimesto, estou na tribuna.
< O Sr. PreaidenteTem a palarra pela ordem
o Sr. Rodrigo Silva.
O Sr. Rodrigo Silra (pela ordem)Sr. presi-
dente, peco a V. Exc. que consulte cmara, ae
concede meia hora de urgencia para o Sr. miniatro
da agricultara responder interpellacao do nobre
deputado pelo Paran, e para aerem votadas as ma-
taras que esto na ordem do da, e cuja discugso
ficou encerrada.
O Sr. Airea de AraujoMas a interpellacao
nao est feita. A que que o Sr. ministro vai
responder T Coatiuuarei a fallar.
O Sr. PresidenteO Sr. depuUdo qneira aen-
tar-se ; j usei d'esta formula regimcutal.
O Sr. Alves de AraujoObedecerei a V. Exc.
por qnalqaer outra forma; assim, nao.
O Sr. Preaidente Os aeuhorea que approvam
o requermento de urgencia, queiram levantarle.
'approvado o reqaerimento de urgencia.
(Rumor as galeras.)
O Sr. Alves de Araujo V. Exc. tem a forca,
mande-me retirar; eu nao abandono a tribuna.
(Continuara as manifeatacea aa galeriaa. Pro-
testos da opposico.)
O Sr. Affouso Celso Jnior -Isto am escn-
dalo A oppoaico deve retirarse. (Aopposiyao
retira-ae. Drixam o recinto .-arios siembres libe-
raes. Augmenta o rumor naa galera.)
O Sr. PresidenteAttenco! Va-ee proce-
der leitara do artigo regimental que prohibe s
galeras de manifeatarem-ae.
O Sr. 1* aecretario procede-ae leitura do ar-
tigo do regimiento.
Assim terminou o incidente, tomando a palavra
o Sr. miniatro da agricultura e reapondendo ao
qaeationaro da interpellacao.
Devo dizer que nao acoinpanharam o movimento
de retirada o Sr. Rodrigues Jnior, Jus Porapou,
Ratisbona, Lonrenco de Albuqaerqae e Ribeiro de
Meneses.
Tendo-ee de votar os dous pareceres da 3" com -
inieao, recouhecendo depntados oa Srs. Affouso
Penna e Cesario Alvina, voltaram oa retrante8 s
suas cadeiras s ib os olbarca cruzados e riso ma-
ligno doa correligionarios que nao oa tinhatn adm-
pauhado, at mesmo porque viam que, em argida,
eataiia em causa o intereaae de dous migos qu-'
08 fariam voltar acanhadimente.
Reconhecidoa e jurameutadoa os doas deputados
e votado o orcamento do ministerio da justica sota
as emendas da commisso, entrn em diacusao
outraintrpellacao, de dja anteriores, do Sr Cas
dido de Oliveira, ao Sr. preaidente do couselho,
para que este informaste < ae tem conhcimento
do estado anormal ta |B0rm h's do Rio Gis. .de J
Sul, privada da le de orcamento e de forca poli-
cial no exercicio corrente; <^ue providencia foram
tomadas para reatab. leciuieuto do rgimen da le-
galidade ; e, finalmente, ai o governo entende qu -
ae deve aguardar a futura reuuio da Asaembla
d'aquella provincia, para votacao de novaa lea, ou
ae julga er caso de convocaco extraordinaria da
Aaaerabla LegiaUtiva corrente. >
O interpellante, recordando as* secuaacea feitas
esa 183 pelo Sr- Andrade Figueira ao preaiden-
te de Rio de Janeiro, Sr. avie Peisoto, qao
tendo negado aauceo a lei do orcamento, maada-
ra cobrar invpoatoa, apoia-ae nesse exemplo para
verberar o acto do ex-praidnte do Rio-Grande
do Sal que mandou tambem arbitrariamente cobrar
impostoa sem lei qae o autoiisasse. Hbil como,
o Sr. Candido de Oliveira, explanou a questo por
varias face, achando qae ella muito seria a
envolve um direito agrado que nao suscepti-
vo! de confisco, porque desde qae a le marca um
anuo para a duraco de ama lei de orcamento,
nSo ha poder algum, excepto o da asserab.'a pro-
vincial, que possa prorogar am orcamento caduco
e mandal-o executar >
Preacindindo de entrar naa rasoea da sao sansco
da lei, nota que o Sr. presilente do conaelho nao
intervenh para que a coramaso de asse'ublas
provinciaes d parecer aoore o conflicto que lhe
est eujeito, qaando o que ae v urna provin-
cia prirada da lei do orcamento ; am goverso pro-
rogando cx-proprio Marte um ore tm.uto caduco ;
urna assembla que nao p ie reunir para remediar
o mal, e um parlamento aberto que nao toma co-
nhecimento daa razea da nao aaneco do pres-
dante doi Rio Grande do Sal, mantendo ae am es-
tado de cousaa indefinido, que um ataque s li-
berdades publicas .
E' dinlcl dar aqui asi resumo da resposta do
Sr. presidente do conseibo, resposta hbil, frisante
e completa naa queatoea qae o interpellante ajun-
tou materia em que fazia objecto do seu ques-
tionario.
Quanto a este, a reaposta do Sr. Cotegipe foi
muito concisa: o governo tem conhecment do
estado da provincia do Rio-Grande do Sul, regida
por urna lei de orcamento prorogtda pelo presi-
dente da provincia ; nao considerando ter havido
illegalidade propriamente reconheeida no proce-
dimento do presidente, o governo nao tem neahu-
ma providencia que tomar para faser cessar a
supposta illegalidade ; ge uo estivesse reunida a
abseinola geral, o governo averiguara ae o pre-
aidente tave ou nao razio na negativa da aaneco ;
mas funecionando o oarlamento na occaaiao em
que foi negada a aaneco por inconstitscioualida-
de, e pendendo a questo da decalo da cmara,
s -sta a pode resolver, e se a commisso de aa-
aembleag prorinciaeg nao tem dado anda parecer
aobre ella, ao nobre deputado cabe reclamar da
tribuua a apreaentaco deaae parecer. Quanto a
idea de urna convocaco extraordinaria, desdo que
a lei est sujeita a assembla g-ral nao p ie o
governo uem o presidente convocar urna sesso
extraordinaria para resolver a queeto >.
Acompashando o Sr. Candido de Oliveira nos
diversos pontos de que tratou, dase o Sr. Cotegi-
pe qae nao era entre nos urna novdade a proro-
{sco de leis de orcamento provinciaea em falta
de nova lei, meio este a qu,e os liberaes ae tem aoc-
corrido, como ae pode ver doa aanaea da legisla-
oo provincial, que mostram que a maior parte das
provincias tem-se regido um e maia annos por lea
prorogadaa pelos presidentes.
Aqui acudi o Sr. Canudo de Oliveira disenso
que foi a primera o Rio-Grande do Sul .
Ao leitor pernambucano nao aera preaiao recor
dar o qae ae deu sessa provincia em 1878, emque,
por nao ter havido reunio da aaaembla provin-
cial, o presdante de ento, o Sr. Adolpho d 1 Bar-
ros, prorogou a le do orcamento e a de forca po-
licial. Era ministro o Sr. Silveira Martins, que
teve conhecimento do facto e nao aconselbou aos
contr.buintos, como agora o fez, que nao pagas-
sem os respectivos ioapostos.
Mas para nao citar outros exemplos, baste lem-
brar que mesmo ao Rio-Grauda Jo Sul j bou ve
lei de orcamento proregada por maia deoim anno,
coma bem disae o Sr. Cotegipe. Em 1865, nao ten-
do-ae reunido a assembla nrovincial, o prejaideo-
te da provincia, que er *nto o Conde da Boa-
Vista, mandou vigorar a le doorcamento do exer-
cicio anterior ; e como por causa da guerra e das
repetidas reunioea de forcas na provincia, resol rea
o governo que nao houvesse lli eleicSe*, toi a
mesina lei prorogadaat 1869, em que houve elei-
$o e foi votada nova lei.
Pouco imoorta a causa que motivou a taita de
reunio da assembla provincial que deria votar
annualmente as leis de orcamento e de forca poli-
cial. O facto que a le do orcamento foi aueeea
sivameutc prorogada pelo presidente e ninguem
recusou pagar impoatoa.
Referindo-se ao que diese o interpellante sobre
o que actualmente occorreu no Maranho, obaer-
vou o Sr. Cotegipe que tendo o preaidente aanecio-
nado a lei, o governo nao manda Mispendel-a.
t O Sr. Candido de OliveiraNem pode.
O Sr. Barao de CotegipeNem pode... Maa
a de Peruambueo foi susp'nsa.
O Sr. Candido de OliveiraFoi urn atten-
tado ; levaatei-me em opposico ao ministerio do
meu partido que fes isso. E' quanto basta >
Este protesto do Sr. Candido de Oliveira precisa
ser esclarecido. O honrado deputado nao ae levan
tou para rotar contra o acto do ministerio. Qual
quer que foase o aeu modo de pensar na questo,
guardeu o m-smo silencio doa outros deputados
lber aea, com excepeo do Sr. Ruy Bar boas que
manifestou-se coutra.
E' verdade que no principio da sesso s?guinte
o Sr Candido de Oliveira foi um dos 26 deputa-
dos diaaidente8 que, adherindo a eonapiraco tra-
mada pelo Sr. Rodolpho Dantas, votar am a moco
de desconfianza redgida por este e apresentada
pelo proprio Sr. Jos Maranno, que tantos aplau
sos e vantagena colbea da auapeuso dos impoatog
pernambncanog.
E' sabido qae eaae acto do gabinete Paranaga
esa nada concorreu para a queda do min>Bterio;
outraa foram aa causas.
Deixemos, porm, essa questo.
Por fim orn o Sr. Joaquim Pedro Soares, que
comecou por agradecer ao Sr. Alves de Araujo a
defeaa que fea ao aeu chafe, o Sr. Silveira Mar-
tins, das aecusacoea que lhe dirigi o Sr. Lacena,
defeza de que com inaite goato elle aa encarre-
garia soja estivesse reconhecido.
Paaaou depois a justificar a Assembla Provin-
cial, e, depois de affirmar que o poro rio-grao-
dense leranta-se quaai em maaaa contra o paga-
mento de um imposto illegal, contra a cbranos
do qual ufana se de ter aconaelhado a reaiateocia,
coocluio dizendo que, se o gorerno adiar a aoluco
deaaa queato, a lhea restar ajoelharem ae
diante do aepulchr das liberdades publicas pe-
dir aos impulaoa do patriotismo a ressurreco
d'ellaa.
A sesso seguinte foi sem importancia. Depois
da eloico da mesa, diacuto-se a eleioo do 17*
districto de Minas. O parecer da maioria da com-
misso, de que era relator o Sr. Carlos Peixoto
recoubecia o Sr. Hcrculanc Penna; e o roto em
separado, aaaignado pelo Sr. Beltro, reconhecia o
Sr. Matta Machado. O reato da sesso Ioi con-
sumido por una discurso deste e outro, em re-
poata, do relator do parecer. A diacusao ficou
encerrada, e j ah sabido qae foi reconhecido
no dia seguate o Sr. Matta Machado, que, sobre
o ponto mais importante daa conclu^oes do pare-
cer, obtere 45 rotoa, contra 30.
No dia 6, depois da apreaentaco de varios re
qerimentoa por parte da oppusico, que ficaram
addados, o que houve de maia intereaae foi a dia
cuaa-i de varias al eracoes propostaa peia mea
ao regiment, e que devem ter influencia no bom
andamento doa trabalhos, e cootem diapoai(6as im
portantes.
Empanbaram se no debata os Sra. Afionao Pen-
na, A. Celso Jnior, Ratisbona e Candido de Oli-
veira, achando boas algunas alteracoea, maa nao
se conformando com outraa; entretanto cosgra
tulavam-ae com o presidente da casa, a quem viam
com prazor passar de ultra conservador a refor-
mador, como ae tem mostrado desde que sentou-ao
n'aquella cadeira.
Na segunda parte da ordem do dia diacutio-8e
aa forcaa de mar, orando com corto calor o Sr.
Candido de Oliveira, que prece vai acentuando o
aeu papel de oppoacioniata com calculada acn
moma, que desloa da mederaco e assabilidtHn
com que costumara discutir at pouco tempo Easa
mudauca pie ser atribuida ao facto de j estarem
reconhecidoa todos os deputados mneiros liberaes,
leices eram eoateatdaa.
Na aeaao de 7 ap.eaentou o Sr Cesario Alrira
:im requer ment pedindo direraaa informacoea
oobre aa condicoes e taxas dos dona ltimos rn-
prestimoe. O Sr. Beliaario deu as deridaa expii
cacos, aobre aa quaes f.'z o autor do reqaerimento
vari i cinaiderucoea, declaiaudo que entrara ua
Cmara com animo deliberado de coadjuvar o go-
verno em todo quanto digaer reopito a eeoeo-
miaa.
Na pruncir parte da ordem do da, depoie de
um diacurao do Sr. (.Velho Rodrigaca iuatificaudo
aa reforma proposta ao regiment pola mesa, foi
s r posta desta sppiovaia.
A iiaprensa tem-se manifestado contra algumaa
Has alteraeoes adostadua, particularmente a q .e
eatabelece a votacao por escrutinio secreto naa
qaestes de. interease particular.
Na 2a parto da ordem do rite entrou em d acos-
so urna iuterp llacio do Sr. Celso Jnior ao Sr.
miniatro do imperio, prgontaudo que dilficul-
daole tem o governo encontrado para nomear pre-
sidentes para as provincias, e que razeg de pu
blioa conveniencia eoxerga o raeamo governo em
etntinuarem ellas sujeitas a adminatraolo de vi-
ce-preaidentea ?
O Sr. Celso Jnior, dizendo que ae acham.vagas
aeia presidencias, saber : do Maranhlo, Paroam-
buco, Rio de Janeiro, Paran, S. Paulo o Ro
Grande do Sul, record que por igual motivo di-
rigi o Sr. Andrade Figueira urna interpellacao ao
Sr. Lafarette, e fondado nesae precedente e lendo
aa palarraa proferidaa ento pelo honrado deputa-
do do Rio de Janeiro, q >e faz suaa, pede ao nob-e
miniatro que attenda s razea de conreniencia
publica, que reclamam a cesaa;Io daa adminiatra-
cjea internas.
O Sr. Mamor, em vez de 1er o discurso com que
o Sr. Lafsyette reapondeu ao Sr. Figueira, e que
seria a maia completa reaposta ao interpellante,
conteutou-ae com obaarrar resumidamente que a
tres presidencias esto vagas : a do Maranho, a
de Peruambueo e a de S. Paulo. O presidente do
Rio de Janeiro est apenas com licenca; e os do
Paran a Rio Grande do Sul eato com aaaento na
Cmara, e anda nao Ibes foi dada a demaso do
cargo. Nenhuma difficudade tem tido o governo
em nomear presidentes ; pelo contrario tem tido
a rara fortuna de nao encontrar em seus amigoa
repulaa para qualquer cargo.
Quanto aoa vics-preaidentea que se acham em
exercicio, merecem ao govnrao tanta confiaaca
camo mereciam os presidentes cffectivoa. Accrea-
ce que a verba para ajuda de cuate presidentes
est esgotada, e como achanto-nos no fim do exer-
cicio, de bom couselho esperar o novo exercicio,
*fim de dispr da rerba respectiva.
Voltou anda a tribuna o interpellante, sendo
acompaohado pelo Sr. Alfonso Penna que v
no facto motivos de outra ordem e gravidade, que
mostram que ao actual ministro do imperio falta o
apoio do seu partido, e que o governo est traco,
nao tanto pelos ataques da opposico, nem mesmo
pela hostiiidado secreta dos proprioa amigos ; mas
porque, como consta, vai-lhe fugindo o terreno pe-
las bandas do poder omnipotente.
Por fim, entrou em discuaso a proposta de for-
cas de trra, orando at o fim da seaso o Sr. Joa-
quim Pedro, que, como rio-grandense, julga-se no
dever de dar a sua opinio sobre questoes mili-
tarea.
Hontem a aeaao correu aem interease. Sobre
forcaa de trra fallaram os Sr. Gomes de Castro
e Rodrignea Jnior. O primeiro dedicoa a 2 par-
te do aeu diacurao aoa negocios do Maranho, rea-
pondendo ao que no Senado tem dito o Sr. Franco
de S. O segundo oceupou se em primeiro lugar
com acentecmentos de sua provincia, e depois com
a administraco da guerra, mostrando praticamen-
te que foi immerecida a baixa por incapaz que lhe
deu o Sr. Lafarette.
Passando-i e a 3* discuaso do orcamento do im-
perio oraram os Srs. Lourenco de Albaquerque e
conego Costa Agaiar, eata pedindo certoa benefi-
cios para o Para e aquel le reapondendo a certoa
pontos do discurso pronunciado pelo Sr. Mamor,
na 2* diacaaao.
Nao me reate tempo para noticiar o que ha oc-
corrido no Senado, que tem trabalhado seguida-
mente desde o dia 2, como disae, e onde as discus-
aes teem estado interesaantes. Alm disto, anda
conaarro-me adoentado.
A' proposito de nm crdito do ministerio da
agricultara, tem sido tongamente discutido o re-
gulamesto dado pelo gorerno para a matricula de
escravos.
O Sr. Prado tem-se risto abarbado com a criti-
ca que ae tem feito ao aea acto nos doua pontos
praso para o comeco da depreciacao do valor do
eacravo, e incorporaco do municipio neutro a pro-
vincia para a matricula.
O Sr. Saraiva, cuja palavra era eaperada e re-
clamada pela imprenaa abolicionista, iez-se ouvir
ltimamente. Condemna com energa que o pra-
so comece a ser contado do 1 de Janeiro de 1887,"
como fiza o regulamento, e nao da data da lei.
Quanto a queato da incorporaco do municipio
neutro, provocado por um aparte do Sr. Franco de
S, dase qae o caso nao tiuha para elle importan-
cia. Nao estava essa incorporaco no aeu pen8a-
mento; mas reconhece que a lei neaaa parte obs-
cura .
Hontem ficou easa diacusao encerrada, bem
como a da reaposta c falla do throno, nao se ten-
do rotado por falta de numero.
PARAHYBA, em 13 de Julho de 1886
Reina agor* bom tempo Da capital, e vai
melhorando o estado sanitario. Em Cam-
pia Grande cessarain as febres, e nao ti-
remos mais noticias de S. Joao.
No dia 2 de Julho tomaram po3se os
novia msanos da Santa Casa de Miseri-
cordia, e estove em exposicSo o pobre, mas
utilissimo hospital. Comp3a-se a nova me-
sa dos seguintes irmaos: provedor, Dr.
Silrino Elvidio Carneiro da Cunha ; escri-
vSo, Dr. Miguel Peixoto de Vasconcellos ;
procurador geral, Dr. Ernesto Augusto da
Silva Freir; Thesoureiro, Joaquim Garci
de Castro ; mor lome do hospital, major
Francisco Pinto Pessoa ; mordomo dos pre-
sos, Dr. T. de Aquino Mindello Jnior ;
mordomo do cenaiterio, Francisco Primo
Caraicante de Albuqaerque ; mordomo dos
predios, Augusto Gomes e Silva. Foram
oomeadoa tambem os definidores em nume-
ro de vinte.
Na noito do mesmo dia, realisou-se
no theatro Santa Cruz a espectculo em
beneficio da Santa Casa de Miaericordia,
proaiavMs, pela Exma. Sra. D. Carmen
Bandoirlyesposa do presidente da provin-
cia.
A sociedade dramtica Santa Ctub eseo-
Ihou o drama Gaspar o gerralkeiro, que
foi satisfactoriamente desempenhado por al
guras intelligentes socios.
O theatro estere repleto, e foi insufficien-
te o numero de entradas, fieaado aasira
coroado de esplendido resultado a generosa
iniciativa.
Rendcu o beneficio a quantia approxi-
mada de um cont e trezentos mil ris,
sendo muito poucas as despezas que se fi-
zeram, parque quasi todos os servicoa fo-
ram prestados gratuitamente.
A mesa da Santa Casa offereceu Exma.
Sra. D. Carmen urna rica bolsa de velludo,
oa qual foram recolhidas esportulaa, algu-
maa bastante valiosas.
Alguna camarotes foram pagos a c^m
mil ris e cincoenta, e nenhum renden me-
nea de vinte mil ris.
No dia 3 realisoa-se no pajo da. As
sembla Provincial, o baile que os veraa-
dores e empregalos da Cmara Municipal
da capital, offereceram ao Sr. commenia-
dor Silvino Elvidio Carneiro da CuuU.i,
om regosijo do seu feliz regresa* provin-
cia.
Esteve muito concorrido e prolongot s;
durante a noite con grande animajlo.
Na noite de 7 tambem houve g.-ande
reunio em palacio, onis se conreg;.ram
os amigos de S. Exc. para frstej ire.u 1
anniveisario natalicio de sua Exma. se-
nhora.
Infelizmente logo no dia seguinte a tris-
teza e o luto penetrou-lhe na familia, f .1-
lecendo s nove horas da noite a Exn.
Sra. D. Hara Benedicta de Souza Ban-
deira, ita do Sr. Dr. Bandoira, e que mn
rava cm sua comp.inhia hi alguna mezes
Fall-cau oo.n idade aproximada de bet>*n-
ta annos, victima de ama apoplsxia fulmi-
nante.
Era urna senhora distincta, muito piodo
aa e caritativa, que se fasia estimad* de
todas os que com ella tinham a fortuna de
tratar.
O enterro foi muito concorrido.
Falleceu tainbura em idaloavangada,
no sua engens de S. Joo, a haroneas do
Marahu, sendo o cadver transportado pa-
ra a capital, onde foi sepultado. A Ilus-
tre senhora estava enferma ha muitos dias,
o todos esperavam o triste desenlace.
Era geralraente respeitada por suas qaa-
lidades pessoaes e pelos servicos que sea
marido preatou esta provincia.
- Correu sem alteracao da ordem a
eleijo municipal em todos os lugares, de
ende j ha noticias. Na capital venceram
os conservadores, fazendo os quatro juizes
de paz e cinco vereadores. Tambem fo-
ram victoriosos no Pilar, Pedras de Fogo,
Gurinhem, loga, Independencia, Bananai-
ras, Areia, Araruna e Alagoa Nova, se-
gundo noticia o Jornal da Parahyba.
Em.Mamanguape venceram os liberaes
a eleicao de juizes de paz.
Em Campia Grande, nao houve eleicao,
porque nao foram lavradas as respecti-
aas actas. Os mesarios conservadores
aecusam os liberaes do haverem subtrahido
os livros, impedindo que as actas fossem
escripias. Os liberaes aecusam os con-
servadores de haverem entrado em combi-
nado para aa actas serem lavradas, depois
de urna pequea suspensao dos trabalhos,
e de haverem faltado ao compromisso, pa-
ra inutilisarem a eleicao. 0 presidente da
provincia ordenou ao promotor de Campi-
a que requeresse inquerito sobre esses
factos.
Foi demittido o subdelegado de Jacarau',
Manoel de Araujo Marques, porque verifi-
cou-se ser exacta a aecusagao de que elle,
sob falso fundamento, mandara prenier
um eleitor que se encaminhava para a ci-
dade de Mamanguape, conseguindo dest'-
arte que elle deixaase de rotar.
Foi exonerado o amanuense da poli-
ca, Jos Ferreira Dias, e nomeado para
substituil-o, Ignacio Evaristo Montiiro S>-
brinho.
No dia Io de Agosto prximo deve
reunir-se a Assembla Provincial.
Segundo somos informados, o projecto
do orgamonto para 1837 est cuidadosa-
mente organisado pelo Thesouro Provincial,
de accordo com as indicacSes da presiden-
cia. 0 dficit de parto de 180:0000,
porque, ao envez do que se praticava
anteriormente, quanto aos juros das apoli-
ces, o presidente reaolreu consignar como
despeza todas a importancias dos juros de-
ridos, a qual maior do que aquella quan-
tia. \ pratioa antiga do Thesouro era
pedir o pagamento de um anno de ja-
ros.
Parece, pois, manifest que ha o pensa-
mento de tratar seriamente do pagamento
do juro das apolices. Nao soppomos pos-
sivel que a Assembla Provincial encontr
meios de cobrir o dficit; mas aem duvida
ella habilitar o presidente com a autorisa-
9X0 necesaaria para se entender com os
credores da provincia, afim de conseguir-
se um accordo razoavel. Este estao in-
teresse da provincia e no interease dos ora-
dores.
Comeca agora a crise da creajao.
Ahila nao poderam ser pagos os vencimen-
tos dos empregados relativos ao mez de Ju-
nho.
Existindo apenas em cofre quantia pou-
co superior a 8:000a!,. nao jalgou prudente
o Excm. Sr. Dr. Bandeira autoriaar paga-
mento nenhum para evitar j astas rcelaraajSes
dos empregados preteridos. Espera-se que
at o fim do mez, haja recolhimentj suffi-
ciente para pagar a todos.
S de Agosto em diante comeca a safra,
a o recolhimeto do imposto do dizimo do
gado.
i>m
PEMAIBCO
Assembla Provincial
EMENDAS APPBOYADAS NA 3* DlSCUSSlO DO
PROJECTO N. 54 (OagAMENTO MUNICIPAL)
NO DIA 14 DO COHBENTB.
N. 155. Ao art. Io ao 14, acerescente-se : n.
16 ordenado do aelador do sitio Cacte 1:J.
Reg Barios.Rodrigues Porto.
N. 157. As diapoaicoea geraas, accrasceote-ae :
por morte do aotual aelador do aitio Cacte, a C-
mara Municipal do Recita arrendara dito sitio e
emquanto o nao fizer ficar a flscalisacao da aitio
a cargo do fiacal de Afogadoa.-Rtgo Barroa.
Rodriguea Porto. ...
N. 158. O se'vico da limpaaa da cidade do Ke-
eifa a podera ser feito por meio de arrematacao e
nunca pir adminiatracaoHago Barros.Rodri-
guea Tarto.
. 160. Reatabalecam-ae aa vencimientos que
tem, aegundo o orcamento rigente, o administra-
dor do cemiterio de Naxareth.Jos Mara.
t. 165. Ao n. 1 do % 5*reneimentos do admi-
nistrador do mercado publico de 3. Joao : aej.un
diantidoi ea reneimentos qae tem pelo orcamento
vigente.Ratia e Silva.JoeA Alaria.
N. L66. Onde couber. A Cmara Municipal de
Panellaa pagar de preferencia o que eativer a
dever a Joao Pampailino Cavalcante, ae cuataa
pelaa defeaaa produsidaa no jury cmpral de preaoa
pobres.Jos Maria.
N. 167. Ao 5. Sejam mantidoa oa reneimentos
do aiudante do admimatrador do mercado publico
de S. Jos, ie conformidade com o orcamento vi-
gente.Ratia e Silva.
N. 169 Onde couber. A Cmara Mamcipal do
Rio rVuwao pagar pela verbaEveutuaea>
qua eativer a dever de cuataa ao eacrivo Miguel
Zefenno de Asevedo.Regu ira Costa.
N. 170. Mtintenham-ae oa reneimentos do ad-
miniatrador do logradouro do Qiqoi, como aao
aotualmente.Coata Ribeiro.
N. 172. Conoeda-ae ao fiscal da Graca o mesmo
favor que ao do 1* districto da Boa-Viste por ter
sob sua immediata inspeccao o matadouro da mes-
ma fcegiea a-Jos Maria.
N. 173. r'ica appravado o contracto feiio pela
Cmara Municipal do Recite, para o aerrico da
limp-z* pubua.Jos Maria.
N. 171 Ao n. 1 do 8 10 do art 1. Pica reate-
belecido o ordenado do adminiatrador do Cemite-
rio do Arraial, de conformidade com o orcamento
vigentH. Ratis e Silva.
N. 176. Ao n. 4 do 3* art. 1. Fica restabelc-
cida dispeai^ao do orcamento vigente referente ao
afendor. .
N. 177. Offjreco como emenda o projecto
>>- 6- a a
O projecto a que se refere a emenda o se-
guinte : .
A Aasembla L?gialativa Provincial de Pernam-
buco reaolv : ..,,.,..
Art. 1 Fica a Cmara Municipal da cidade do
Reuife autorisad* a contratar com a pesaos a
quum cunvier, a aolueio, ou quitacio do debito
i tual, coutrahido peta meama Cmara Municipal
c m o B-tuco do Brasil, mediante o gozo do reu
diuiento do Mercado Publico de S. Jos pelo tempo
de 01 to anno3.
Art. 2* O contracto poder ser feito colleetiva
ou aingularmente, aendo o eontractante obrigado a
asaignal-o dentro do praao de 30 dias do em que
fr ijsstaiT. e deliberado em seaaao da Cmara
Municipal.
Art. 3 0 eontractante s poder tomar conta
do merca io quando exhibir na Cmara Municipal
a quitacio do referido debito, pateado e aaaignado
legalmente pelo aeu credor do Banco do Brasil.
Art. 4o No a doa ditos oito annos entregar o
eontractante Cmara Municipal o Mercado Pu
blioo d';S Jas no mtsino catado de conservacao,
em que o recfber, e bem asaim todos oa aeua uten-
silios, doa quaes tomar conto por um inventario,
que aaaignar e aera lancado no corpodo termo do
coutra';to. _
Art. Em viata da diapoaico aupra aera o
oontaotente obrigado a iudemnisar todo o pre-
juixo qse houver para s Cmara no acto da en-
trega da mercado, quer por falta da alga atoa-
si lio, quer por deterioraco ou mo estado de lim-
peza do edificio, aendo o prejuizs avahado -por
doua arbitros e um deaempatadoc a contento da
ambas as partes contractantea, aujeitando-ae eJIa
ao desempate sem recarao algum.
Art. 6* O eontractante no gozo do tempo da*ee->
alo do Mercado Publico de S. Jos ser obligada
a reapeitar as postaras muuicipaee, refentes ta-
bella doa preooa doa gneros, e os impostoa este-
be leeidos aobre esses, sob aa-penas da lei em .que
houver incorrido.
Ficam revogadaa oa diapoaicoea em contrario.
Recife, 4 de Maio de 1886.O depntaso Rati t
Silva.
N. 180. Ao art. 55 27. Depois da palana-
artificio acerescente-seou por individuo que
fabricar.Luiz de Andrada.
N. 181. Ao 65. Accrescente-aeasaim com
um dos lugarej de lancador.R:go Barroa.1R0
driguea Porto.
N. 183. Offereeemoa como emenda o orcunento
apreaentado pela Cmara Municipal de 8. Bento*
1 Ordenado do aecretario
2' dem do porteiro
3"> dem do fiscal da villa
4o dem do fiacal de Cunhotinho
5o dem do fiacal de Jupy
6* dem do fiacal do Calcado
7* dem do fiscal de Cachoeirinha
8* dem do adminiatrador do cemi-
terio da rula
9 dem de um coreiro
10. dem do adminiatrador do cemi-
terio de Canhotinho
11. Porcentagem de 6 /0 ao procu-
rador
12. dem ao auxiliar do procurador
encarregado especialmente da c-
branos da diriia activa
13. Expediente e assignatura do Dia-
rio
14. Agua e luz para a cadeia
15. Jury, eleicao e alietemento mi-
litar
16. Deapezaa e cuttas judiciaes
17. Aluguel do paco da cmara
18. Limpeza das ras
5 19. Obras inunicipaes, tenda prefe-
rencia o muro do acude municipal e
concert da mesmo
S 20. Eventuacs
I 21. Porcentagem de 15 / ao afa-
ridor
4004006
804600
1064000
50401
404000
404000
404000
604000
304*100
304006
15040o0
1004006
604000
804006
504000
2O4OOO
1804000
504000
8004000
1004000
304009
2:6704700
Rugo Barros. Radriguea Porto.
N. 185. Ao art. 43. Supprima-ae o 8 7: no
6, onde se 4004, diga-se 1004. Eleve-ae a
verba do 16 que derer ficar em 892, aceres-
cente-se : sendo 5004 para pagamento da casa que
a cmara comprou.Reg Barroa.
N. 186. A'emenda n. 118 no 2" : onde se
Ifi sem indemnisacao, diga- ae com indemniaacio
nanea auperior meta Je do valor Jo edificio.Her-
culauo Bandeira.
N. 187. A Camai a Municipal do Recife fica
autoriaada a reatituir Cmara de Olinda a im-
portancia de foroa que individamente receben de
terrenos e predioa desta municipalidade-Gomes
Prente.
N. 188. Oad'. couber. Pague a Cmara Mn-
nicipal da Recife 854 que deve de custas judi-
ciaea ao juiz de direito Dr. Manoel da Silva R-
go, aendo o pagamento realiaado de preferencia a
qualqner outro, aagmentanJo-ae a verba deatina-
da e cuataa judiciaea.Gomea Prente,
S. 189. Fica approvado o contrato celebrado
pela Cmara Municipal do Recite, efectuado em
virtude da autoriaacao dada no art. 74 da lei n.
1,515 e mandado vigorar no exercicio d lei de 26
de Julh; de 1884.Andr Diaa.
N. 191. Ao 13, n. 9, accreacente-aa: aendo
1:6004 para aa obras da canalbacao d'agua do
matadoura do Arraial, depoaito d'agua e torneiraa.
Jos Maria.
N. 192. Ao art. 1, % 14, n. 4: inelnaire
3014760 a Jo. M. Goncalvea Salgueiro, como j
foi reconhecido pelaa leis na. 1,063 e 1,791.Rago
Barroa.
N. 193- Ao art. Ia, 14, n. 4, rerba de cuataa,
accreacente-ae : pagando-ae de preferencia aa que
sao devidaa ao eacrivo Florencio Rodriguea de
Miranda Franco, antea de lhe aer marcado o orde-
nado que percebe.Jos Maria.
N. 194- Ao 3 do art. 1 n. 1: manteunam-se
os'vencimentos de accordo com o o: camente ri-
gente. Jos Maria.
N. 195- Fica approrado o contrato celebrado
pela Cmara Municipal de S. Bento com Joo Jo-
s Ferreira, para a conatrueco de urna casa de
mercado na villa do mesmo nome.Regueira
N. 196. Onde couber. Fica a Cmara Munici-
pal do Recife autorisada a mandar pagar, com pre-
ferencia a outros, a quantia de 2674260 de cus-
tas que a masma Caara deve a Joa Joaquim
Diaa do Reg Jnior.Vigario Anguato Frankhn
Ratia Suva. _
N. 199. Fica a Cmara Municipal de Caruarn
autoriaada a pagar o que eativer a dever de cua-
taa ao esenvo do crime e civel, Francisco de
Paul Beserra Caraicante.Rodrigues Porto.
N 'HW. Additiro Fica a Cmara Municipal
do Recife autorisada a pagar a Penna, Motta & C.
a importancia que, amigavel oa judicialmente, tr
liquidada em vista da deoisao do Tribunal da Ua-
1a?ao na que^tao relativa ao coutracto de limpeza
publica.Gomea Prente.
N 201. Supprima-ae o 70 do art. 65.-Bago
Barroa.Lourenco de S.-Barros Barrete J-
nior.-Luis de Andrada. onn.n/vi
N 202. Ao art, 11 S 14. Em vez da 3004000
diea-ae 5004000, dimiuuiudo-ee da veiba do 12
%^^^S^dCS: 4004000 ao
fiacal da Cmara da EaeadaAudr Diaa.
N 206 A'adiaDoaicoeageraea. Fica a Cmara
Municipal de Jaboaiio autorisada a pagar o que
eativer a dever ao tenente coronel Jeronymo de
Souza Leao, de alugueia da casa que servio da
paco mnnicipai.-Rego Barroa.-Sophrenio Por-
tella.Kodriguea Porto.
N.208. Emenda ao art 40 2. Em ye* de
4004 diga ae 5004, e ao 4", em vez de 1404000
dgase 2004000.Rodrigues Porto.Regueira
Costa.
KtviSTA DIARIA
aaaembla Prowlncl! Funccionou
hantem, aob a preaidencia do Exm. Sr. Dr. Jos
Manoel de Barros Wanderley, tendo comparecido
30 Sra. deputados.
Foi lida e approvada, sem debate, a acta da sea-
sao antecedente.
O Sr. 1 secretario procedeu leitura do ae-
guinte expediente :
Um officio do secretario do governo, coamuni-
cando haver S. Exc. o Sr. viee-presidente da pso-
rincia prorogado por mais tres diaa 03 trabalbos-
da actual sesso desta Aaaembla.Inteirada.
Urna peticao de Antonio Luiz Caeteno da Sil-
va, bacharel Anuibal Palero e Alfreda da Silva
Falco, actuaes contractantea do aervico ateno-
graphico deata Aaaembla, propondo-se a conti-
nuar a executar o mesmo servico durante a aessao
de 1887, mediante as clauaulaa j estabelecidaa
no contractT vigente.A' commiso de polica
O Sr. Ferreira Jacobin orou, juaticaudo um
requerimento de informacoea aobre actos pratioa-
doa polo 1." juiz de paz de Panellaa na eleicao do
1. do corrente. Foi apoiado, fieaudo a ,bre a
meaa, afim de aer opportunamedtc disentido.
Reieitou-se o requerimeuto do Sr. Gomea
Prente, aobre o projecto n. 43 deate anno,
que foi remettide commisso de redaccao, tendo
orado os Sra Viaconde de Tabatinga e Gomea
Prente.
Paasou-se 1* parte da ordem do da.
Approvou ae urna emenda em 3. ao projecto
n 27 deate auno (torca polici), orando pela or-
dem osSrr. la reir Jacobina, duaa vezer, Pr.i-
xedea Pitanga e Jos Mana.
Appiovou ae em 3. diacusao o projejto n. it
deste anno (subsidio) aendo remettido commia-
eao de redaeca", orado oa Sra. Ferreira Jacobi-
na, Viaconde de Tabatinga e Costa Ribeiro, e
pela ordem o Sr. Ferreira Jacobina.
Passou-se 2." parte da ordem do dia.
Votaram-se aa emendas offerecidaa em 3.*
cnaao aa projeeto n. 54 deste auno (.reamente
municipal).
A ordem do dia : 1.a parte : 2.' disco
das emendas apreaentadoa em 3. aos proj..
na. 54 e 27 deate anno ; 2. parte : conticuacao
da antecedente. .
MeetingConforme foi annunciado, realiaou
ae snte-lootem em frente ao eaeriptono da redac-
cao da Provincia, um meeting do partido liberal,
afim de protestar contra o acto da l commisso


Diario de PernambucoQuinta--fcira 15 de Julho de 136





l
I


ieverificacio de poderes, relativamente a eleicao
eral do 2 districto deata provincia.
Foi numeroso o meeting e fizeram se ouvir os
Srs. Dra. Jos Mari, Esteva de Oliveira, Fer-
roira Jacobina, Phaelante e Fernando de Castro
os acadmico* Srs. CassUno Lopes e Nilo Pe-
aanha. Havendo comecado o primeiro dos orado-
res s 4 1/2 horas da tarde, duas horas depois ter-
mino! o ultimo, sendo entao dissolvida a rounio
popular, em boa ordem.
B>r. Democrllo CavalcanteAo bordo
do paquete Pard, procedente do norte, cbegou hon-
tem 4 esta cidade o nosso amigo Dr. Democrito
Cavalcante de Albuquerque, secretario da presi-
dencia do Para.
Grande numero de amigos foram rocebel o ao
bordo do vapor, e em muitos escaleres o acompa-
aharam at a rampa do Gymnasio, onde S. S. des
mbarcou, sendo recebido com girndolas de fo-
guetes, msicas e vivas.
D'alli secuiram todos para a estacao da ferro-,
ta de O inda, onde tomaram um trem expreeso
que os levou para Olinda, indo no trem a bauaa
2o corpo de poucia. _
Em Oliuda, desde a estacao do Varadouro at
a casa de residencia do Dr. Democrito, estavara as
ras decoradas com fo'hagens e bandeiras ; e na
aetaco ranitos amigos o esperavam, e o recebe-
ram com vivas e fogoetes.
Foi rvido todos um auto almoco, do quai
depois nos oceuparemos.
Saudamos cordialmente o nosso amigo.
Enbarque A' bordo do paquete nacional
Para sahido hontem de nosso porto, seguiocom des-
tino a corte do imperio Dr. Alfredo Dias, enge-
nbeiro chefe de seccao do prolongamento da via-
ferrea do Recife S. Francisco.
S. S. vai gosando urna licenca, que Ihe foi con-
cedida para tratar de sua sade.
Fazendo votos pelo seu restaheleciinento, dse-
jamos-lhe prospera viagem.
Satbre oclua dilacerada Na res-
pectiva seccao publicamos ama circular do Sr. ins-
pector da Tbeeouraria de Fazonda relativamente
s cdulas dilaceradas que nao devem aer aceitas
pelas citatorias.
A Escarno Da corto recebemos boatcm o
n. 12 deste inport&nto jornal de modas parisien-
ses, dedicado s senhoras brasileiras.
Trac alm de muitas estampas intercaladas no
texto dous figurinos coloridos.
Agradecemos a offerta que nos fzeram de um
exemplar.
CriminoNO de morleO Sr. delegado de
Aguas Bellas acaba de communicar, segundo se
V*J da parte do Sr. Dr chefe de policia, que no dia
6 do corrente effectuou a captura de Ludgero Ba-
silio, criminoso de uorte, pronunciado no termo de
Cor rentes. .,
H misiado no lugar denominado Alto da Botija,
resisti priso, ferindo urna praca e sabio tam-
bera ferido.
Os JaponesesPara hoje est annunciado
no theatro Santa Isabel o altimo espectculo des-
tes artistas, cujos inexcedivcia trabalhos tem si-
do to admiradla.
Quem ainefa os nilo vio nao perca a occ-so.
O crime de Vanderbtlt Distribuio-se
hontem o 2 fascculo do romance sob o titulo ci-
ma, que est sendo publicado nesta cidade.
Moedat de 50 rls O Sr. inspector da
Thesouraria de Fazeuda, por urna eircular que
publicamos no logar respectivo, avisa que v5o ser
emittidas moedas de nikel de 50 ris.
DinbelroO paquete nacional Para trouxe
dos portos do norte para diversos desta praca
50:592*520.
Cumpanhia do BeberibePelo Sr. Dr.
Ceciliano Mamede Alves Ferreira, director-ge-
rente desta companhia, foinos obsequiados cora
ara exemplar do relatorio que apresentou nases-
2o ordinaria da ssscmbla geral dos accionistas
neste anno.
Agradecemos-lhe a offerta.
Ansoclaco Commercial Steneflcen
lePara 19 do correute est annnnciada urna
reunio do corpo commercial desta praca, ao meio
ia-
Paraso perdidoDeste poema deMiiton
racebemos hontem o 2," fascculo, que agradece-
nos. Como se lembraro os leitores, urna tra-
dueco em portuguez feita neeta cidade, que se
est publicando pouco a pouco.
Dansas familiares A intitulada Rus-
tiann, de cujo apparociineiito demos hontem noti-
cia, divide se as seguints partes : Nossa Senho-
ra da Bonanza, dobrado ; Bahiano Pastoril rasga-
do, Lembranca de E, ita, walsa ; Serandinha, Ca-
rangiujo e a walsa Dolores.
Acha-se venda no estabeleciinento do Sr. A.
J. de Azevedo ra do Barao da Victoria n. 9.
Negocios de JaicosRecebemos de Tb-
reaina um exemplar do opuseulo sob o titulo ci-
ma, publicado pelo Sr. Raymnndo J. de Carvalho
e Souza.
Agradecemos.
Compositor precoceLemos no Jornal
do Commercio da edrte de 9 da corrente :
O maestro Miguel Caldoso cbnvidou-nos para
Sue fossemos ouvir, no cstabelecimento dos Srs.
uscbmann & Guimaraes o seu discpulo F. Valle,
moco de 16 4nnos e que, com o mencionado pro-
fessor, estuda harmona ha poneos mezes.
O Sr. Valle um moco de carcter jovial e
despretencioso, antes estiolado do que magro, de
lhos grandes e extraordinaria expresso, qaando
toca. Aprendeu msica na r ic, temou depois li-
foes de piano com o professor Bevilscqua, duran-
te alguns mezes e actualmente est entregue aos
cuidados do Sr. Miguel Cardoso, maestre que fez
os seus estudos no conservatorio de Milo.
A primeira peca que tocou foi urna sonata de
10a lavra. E' urna peca tratada por maneira que
mesmo em muito mais adiaalada idade causara
pasmo. Modulacao, desenvolmento lgico das ideas
iniciaos, reconduccao ao motivo principal natural-
mente e sem esforco e sobretudo urna unidade in-
lexivel e ininterrupta em toda a peca, eis o que
todos admiraram nesta prodcelo, escripia na ida-
de em que apenas se embecem as mais comesi-
ahas e elementares regras de msica.
COMMERCIO
Bolsa commercial de Pernam
buco
RECIFE, 14 DE JULHO \>E 188b.
As tres horas da tarde
CotacSet olfiriaes
Letras hypothecarias do Banc de Crdito Real
d<- Pernambuco de 7 0/0, do valar de
100 J 96* cada urna.
S& hora da bols
Vendei am-se :
30 letras hypothecarias.
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. G. Alcoforade.
RUDIMENTOS PBLICOS
Mes de Julho de 1886
ALFANDEGA
Rusa qbru.
De 2 a 13
dem ua 14
KmtDA PKOVUlCLkL
De 2 a 13
dem de 14
Total
117:381*225
23:240,1903
18:8*4*934
2:487*819
Rcbbdoria D 2 a 13
latn du 14
140:622*128
21:372*753
161:994*881
10:279*220
870*491
Onde aprenden Valle aquella distneco de
formas, aquella variedade de modulacao, de onde
veio aquelle fogo inspirado e mantido sem quebra
durante toda a extensa peca? O sea proprio mes-
tre nao o sabe, nem o poje explicar, antes deve-
nios attribuir to assignaiado prodigio ao dom da
Provid n :ia, esae dom que fea de Mosart e de
tantos genios da arte grandes mestres, quando ti
nham apenas tempo para serene pequeos disc-
pulos .
Depois, o Sr. Valle tocou urna mazurka de con-
cer'o, esenpta no estylo moderno. A idea inicial
desta pee* de urna belleza, de urna novidade e
de to grandiosa concepcSo que faria honra a Go-
Jard.
Ahi temos, pois, mais um talento Mecidido
para a arte musical, como raras vezes apparecem
no mundo, e que cumpre proveitar para gloria do
Brazil e da humaoidade. *
Preservador Cavaleaotl Limos sa
supracitada folha de 9 do corrente :
Na augusta prasenca de S. M. o imperador
foi experimentado hontem, s 11 horas da manha,
o Preservador CavaleatUi, apparelho construido, no
intuito de evitar desastres de bonds, pelo Sr. Jos
de S H illanda Cavaloaati.
O bond de experiencia, em que se achavam o'
Dr. Bulhoes, engenheiro fiscal do governo, repre-
sentantes da imprensa e outras pessaas, parti s
11 horas do largo do Machado. Ao chegar ra
das Laranjeiras, em frente ao Instituto dos Surdos
Mudos, onde se achava S. M. o imperador, foram
tirados os ammaes do boud e comecou a experien-
cia, sendo atirado um manequim sobre a linha,
que foi arrastado por um dos pea at certa distan
cia. Varios profiasionaes, entre os quaes o Dr.
Paulo Fontin, declararam que o mo xito da pri-
meira experiencia era devido a um paratuso do
apparelho, que nao estava limado, aem conveniea
temente posto no seu lugar.
Depois do outras exoerieneias feitas com o
manequim que foram quusi todas satisfactorias, o
Sr. Cavalcanti e seu filho atiraram-se varias ve -
tes sobre os trilhos, cahindo em diversas poaices
e nao Ibes aconteceudo o menor mal.
Por ordem de d. M. o imperador fiseram-se
mais outras experiencias com o manequim, sendo
puxado o bond por aoimaes, e em um dellaB foi
ainda arrastado o manequim at certa distancia.
O Sr. Miller, gerente da companhia Botafog >,
apresentou era seguida o aparelho salva-vidas,
construido para o mesmo fira, as oficinas da com-
panhia Das exr>eru neias feitas com o manequim,
foram ums felizes, outras nao.
Vaga de desembargadorO Supremo
Tribunal de Justc> enviou no dia 3 do corrente
ao Ministerio dos Negocios da Justica a seguinte
lista dos 15 juizes de direito mais antigos afiui de
sr preenchida a vaga existente na Relacao desta
corte, por causa da nomea^o do desembargador
conselheirc Lui Carlos de Paiva Teixeira, para e
lugar de ministro do mesmo Supremo Tribunal de
Justica.
1* Joaquim Jas Honriques; 2- Barao da Santa
Candida ; 3- Fernando Muraahense da Cimba, 4-
Jos Alves de Aaevedo llagalhaes; 5 Augusto
C^Bi-r de Medoiroa; 6- Jos Antonio Rodrigues;
7- Joaquim Jos de Ol'veira Andra.de; 8- Jos
IgnacioGomes Guimaraes; 9- Hcrmogene.s Scrates
Tavarcs de Vns-w.cellos ; 10 Mnol Vieira Tes-
ta ; I i Joaquim Tavares da Cjsta Miranda ; 12
Casimiro de Senna Madureira ; 13 Carlo6 fcsper-
do de Mello e Muttos ; 14 JoSo Cavalcante de
Albuquerque; 15 Fredcrico Dabney de Arellar
Brctro.
QFesta de Xossa Senbora do Carmo
na igreja dos Milagrcs ta cidade de
Olindailavoi esta testa que ser precedida
de tridas, o quai cainecar a.s 5 1/2 horas da tard
do hoje, e terminando com bencao do San'.iasimo
Sacramento.
No domingo 18 ter lugar a festa que entrar
As 9 horas da mnha.
A's 5 1/2 da ta-de desse mesmo dia ha ver ser
maoj e ladainha, terminando iodo o acto com a
ben;ao do Santissimo Sacramento.
liellAes.Etf-:ctuar-se-bao :
Hoje :
Pelo agente Martins, s 11 horas, na ra do
Brum n. 84, de movis.
Peio agente Brito, s 10 e 1/2 horas, na ra du
Rangel n. 48, de dividas.
Pelo agente Brito, s 10 e 1/2 horas, na ra do
Rangel n. 48, de urna armacao envidra;ada, fa-
z-ndas e fnrinha.
Amano! :
Pelo agente Brito, s 10 li2 horas, na ra d
Padre Nobrega n. 22, de pian >, m.veis, obras do
ouro, prata e lvroa.
Peio agwi'e Pestaa, ao meio dia, ra do
Commrrcio ca Olinda, de um sobrado.
MIssaM funeurt'.Ser' celebradas :
Hoje :
A's 8 horas, na matriz do Santo Antonio, por
alma de D. Luiza Lasne de Mello ; s tf horas,
na Ordem Terceira do Carmo, por ama de D. Mar
celina Mana da Pureza e 0!v. ira ; s 8 hras,
na capella de Belm, pela do prof-ssor Joo Fran-
cisco d8 Chagas ; s 8 horae, no Carmo, por alma
de Guilhermina A. Souza Mendes ; a 8 horas,
na Ordem Terceira do S. Francisco, por alma
de Joanna Francisca Seve Navarro ; s 8 horas
na matriz da Boa-Vista, por alma de D. Mara
Benedicta Souza Bandeira.
Amanha:
A's 7 1/2 e 9 horas as matrizes de Santo An-
tonio e Gamelleira, par alma do acadmico Fran-
cisco de Assis Lins Caldas.
Sabbado:
A's 7 horas, no convento da Gloria, por alma
de D. Joaquina Ferreira de Salles Dutra.
PasascelrosChegados dos portos do nor-
te no vapor nacional Para :
Paulo Moreira da Silva, Antonio da Silxa Pe-
reira, Francelina M. Elisa, Bellarmino Caneca,
Dr. Democrito Cavalcaut* e 1 criado, Sebastin
Moutinho, Maria da Silva, Thomaz Miranda Pes-
soa, Jos Silva Fmta, Jeronymo Silva Frota, Ma-
noel Leandro de Menezes e s'ja senhora, Fra. cis-
co das Chagas, Francisco Diamantino, Alberto
Butanir, John Tate, Jos H. da Silva, Jos Con-
11:149*711
GoSi-u>o PaovraciAi. -Di 2 h 13 100:25r*594
dem de 14 4:179641
RaCil datao -Pe 2 13
dem v 14
104:430*235
7:040*101
6&>
7:701*073
DESPACHOS DE I.MPORTAQAO
Vapor nacional Para, entrado dos por
tos do norte no dia 14 do correnta e con-
signado ao Visconde de Itaqui do Norte,
manitestou :
Amostras 5 volurnes a J. Pater C.
Carof.r2o 3 encapados a J. V. A. Ma-
tkeus & C.
Polvilho 20 paneiros a J. J. da Fonseca.
Tapioca 18 paneiros a Rodrigues de
Faria & C, 18 a J- J. da Fonspca.
Vinho 25 barris a Souza Basto Amo-
rim & C.
Lugar ioglez Petunia, entrado de Terra-
Nova no dia 14 do corrente e consignado
a Jobnston Pater d C, manifestou :
Bacalho 3,253 barricas e 49 meias
ditas aos consignatarios.
DESPACHOS DE EXP0RTAC0
Em 13 de Julho de 1886
Para o exterior
No vapor inglez Elbe, carregaram :
Para Lisboa, S. Basto Amorim & C 400 saccas
com 30,902 kilos de aigodo.
No lugar pcrtujzaez Temerario, carregou :
Para o Porto, A. Taborda 73 couros salgados
com 876 kilos.
No patacho portugus Dou* rmelos, carre-
garam :
Para o Porto, A. C. da SU va 200 saceos com
farinha de mandil ca.
Para Lisbca, J. F. da Costa 21 saceos com 798
kilos de polvilho,
Para o interior
No lugar nacional Marinh* 6', carregou :
Para t) Rio Grande do Sul, J. F. da Costa 5
pipas tora 2,400 litros de agurdente.
No vapor americano Advance carregou :
Psra o Para, P. C. de Alcntara 365 barricas
com 26,884 kilos de assucr branco.
o hiate nacional Cerni de Natal, carre-
gou :
Para Muri. N. Marauhao 200 pares de tamn-
cos.
Na bar caca Ihdim, carregou:
Para Parahyba, A. R. Branco 34 saceos com
farinha de mandioca.
N barcaca F. Steitdade, carregaram :
Para Mamangnape, P. Alves & C. 10 barricas
com 600 kilos ds assuear refinado.
rado de Souza, Jaai Flix Freir, Nilo Nilson,
Alves Faurense, S. OUen. M. Mehcten, Caetano
Molica, J< s Teles de Oliveira, Alvaro G. Perei-
ra, Rosa de Holl nda e 1 criada, Bernardo Go-
mes, Jos Ferreira da Silva, Bernardino Cah,
Jos Pereira Borges, Antonio A dos Santos, F.
Lisbi Cmtinho, Jos Antonio Oliveira, Jamos
Taylor, sua senhora e 3 filhas.
Chegados des" portos do sul no vapor ingles
Elbe :
Jos Ferreira Jnior, Victorino Jos Antunes,
Raphael Gonzalos, Francisca Pedro-Lopes, Fran-
cisca de Andrade, Anglicker.
Sahidos para a Europa no mesmo vapor :
Miall e 1 filho, AUtfu e 1 filho, Cari Hansing,
loo late, Antonio uarte Carneire Vianna, Zefe-
rino Luiz Ferreira, Jos Joaquim de Barros Lobo,
Antonio Carneiro Lsite.
Casa d> Saelenrao Movimento dos pre-
aos no dia 13 de Julho :
Existiam praast 105, cntraram 4, sahiram 9,
esiatem 300.
A saber:
Nacionaes 266, mulheres 4, estrangeiros 11, es-
ravos sentenciados e processados 10, ditos de cor-
r-ccao 9.Total 300.
Arracoados 267, sendo: bons 259, doentes 8
Total 267.
Movimento da enfermara :
Tiveram baixa :
Jos de Lima Gomes dos Santos.
Jos Joaquim de Santa Anna.
Manoel Casta do Nascimento.
Falleceu :
Maria Rita do Rosario (louca).
Lotera da provincia do Blo de Ja
neiro Eis os nmeros mais premiados na 2
parte da 2a lotera da caixa dotal dos orphaos dd
S. Francisca de Paula (2 parte da 364), extrahi-
da em 2 de Julho :
pasmos db 100:000*000 x 1:000*000
1958 100:000*000
3092 20:000*009
12722 5:000*0i
2025 2:00i*000
5140 2:000*000
1326 1:000*000
2282 1:000*1100
3811 1:"00*000
6045 1:0000000
7345 1:000*000
11073 APPBOXI*A?OE8 1:000*000
1951 1:000*000
1959 1:0;X)*000
3091 600*000
3093 6'X)<000
12721 400*000
12723 4'X)*000
2024 300*000
2026 300*00
5139 300*000
5141 ruamos db 500*000 3O-J*\J0
3628 7666 9153 11017 12775
4497 7848 9366 12033 13005
5342 $493 10759 12719 PRKMIOS DB 200* XX)
989 40.il 7014 9015 112^0
1078 4260 7077 8673 11550
1100 4314 8195 K-756 12516
1549 5756 8374 10946 12675
1598 6131 8927 11228 ruamos db 100*000 13369
384 3543 5660 7508 9149 10856 13584
891 3682 5815 7774 9380 11526 13881
1209 3917 5872 7844 9650 11762
1249 4697 6424 8050 9!)37 11900
1572 4798 6722 8070 10523 12680
1906 4896 690B 832 1C644 12717
2181 5282 7o61 8550 10715 12751
- 2983 5292 7288 8772 10728 13517
Ktotcria de MaceloPor tel-gnnma re-
cebido pela Casa Feliz, sabe so qu^.na 1G parte
d |2* loteria extrahida em 13 de Jullu Joraai
premalos os seguintea nmeros :
30.543 200:000*000
12.798 40:000*000
32.827 20:000*'KX)
11.564 10:000*000
29.621 :000*OW
7.820 2:000*000
8.405 2:0. 0*000
12.172 2:00<)*O0O
12.613 2:00O*lXX)
12.767 2:000#000
16.401 2:000*iKOO
17.022 2:0ii0*0.)0
2.026 2:000*000
26.557 2:000*000
Pramnaios de li*0$
299 3.305 4.664 9.530 9.9*5 lr>.503
11.424 11.799 16.908 19."57 19.078 19.424
19.541 19.862 21.575 22.612 86M 85.057
35.308 36.018 38.i40 38.078 38.493
ipproxlmare
30.542 4-000*000
30.544 4.000*000
12.797 2:000*000
12.799 2:000*000
32.826 1:350*000
32.828 1:350*000
Os nmeros de 30.501 a 80.600, excepto o da
sorte grande, estao premiados com 400*.
Os nmeros de 12.701 a 12. "00, excepto o prs-
mio de 40:000*000, estao premiados com 200*.
Os nmeros de 32.801 a 32.900, excepto o que
sahio 3 premio de 20:000*000 estn premiados com
100*.
Todas as centenas cujos dous algansmos termi-
naren! em 43, estao premiadas com 100*, inclusi-
ve a da sorte grande.
Todos os nmeros que terminarem em S e H
estilo premiados som 20*.
Lotera do BloA 2* parte di loteria
n. 198, do novo plano, do premio de 100:000*000,
sera extrahida hoje 15 do corrente. aj*
Os bilbetes acham-se venia na Casa da For
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham-se a venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Lotera da provincia Hoje, 15 de
Julho, sa extrahri a loteria n. 63, em be
neficio da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
ConceicSo dos Militares, se acharo expostas as
urnas e as espheras, arrumadas em ordem num-
rica apreciaclo do publico.
Loteria de Macelo de 00:000*000
A 17* e 18 partes da 12" loteria, co_0 premio
grande de 290:000*, pelo novo plano, sera ex
trahida impreterivelmente no dia 20 do Julho s
11 horas da manh.
Bilhetes venda na Casa Feliz da praca da Ia-
dependtncia ns. 37 e 39.
Tambem acham-se venda na Roda da For-
tuna ra Larga do Rosario n. 36.
Precos resumidos.
Lotera Exlraordiarla do Tplraa-
Ka -O 4." e uleimo sorteio das 4. e 5. guripa
desta importante loteria, cujo maj.ir iremio de
1511:000*000, eer extrahida a 14 de Agosto pro
ximo.
Acham-se exposto venda os trestos dos bi-
lhetes na Casa da Fortuna rua Primeiro de Mar-
co n. 23.
Lotera da provincia de Santa Ca-
tbarinaEsta Uteria, cujo maior premio de
100:010*0, dever ser extrahida amauh 16 do
corrente impreterivelmente, s 2 horas da tarde.
Chamamos a attencao paraoannuncio desta im-
portante lotaria, publicado na seccao competente,
pelo diminuto pr eco parque se vendem os bilhe-
tes.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna, ra Primeiro de Marco n. 23.
Matndouro PublicoForam abatidas ns
Matadouro da Cabauga 82 rezes para o cousuuio
do dia 15 de Julho.
Sendo: 66 rezes pertencentes a Oliveira Castro
iJl C, e 16 a diversos.
Mercado Municipal de **. Jos-O
movimento deste Mercado nos dias 14 do cor-
rente, foi o seguinte :
Entrarais :
331/2 bus pesando 4,755 kilos.
524 kilos de peixe a 20 ris 10*230
95 cargas de farinha a 200 ris 19*000
44 ditas de fructas diversas a 300
ris 13*200
11 taboleiros a 200 ris 2**00
8 Sumos a 200 ris 1*600
Foram occuoados :
24 1/2 columnas a 600 ris 14*700
26 compartimentos de farinha a
500 ris. 13*000
25 compartimentos de comida a
500 ris 12*500
68 ditos de legantes a 400 ris 27*200
16 compartimentos de suinoa 700
ris 11*200
13 ditos de fressaras 600 ris 7*800
16 ditos de ditos a 2* *'. M
A Oliveira Castro & O:
2 talhos a 500 res 1*000
54 talhos de carne verde a 1$ 51*000
Deve ter sido arrecadada nestes dus
a quautia de
221J70
o kios.
Precos do dia :
Carne verde a 240 a 400 rjs
8-w(H h 500 e 5-K ris ideal.
Carneiro de 600 e 800 ris dem.
rTariuh* de 320 a 240 ris a euia.
Milho de 280 a 320 ris dem.
Feijio de 040 a l*i?00.
COMHDNICADOS
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados na dia 14
Manos por escala11 dias, vapar nacional
Para, de 1,999 toneladas, coinmandante
Carlos Gomes, equipagem 60, carga va
rioa gneros; ao Vizconde de Itaqui do
Norte.
Terra-Nova37 dias, Lugar inglea Petu
na, de 207 toneladas, capitao C. Ni-
cholls, equipagem 9, carga bacalho ; a
Jobnston Pater & O.
Buenoa-Ayrns por escala 13 dias, vapor
inglez Elbe, de 1,772 toneladas, com-
raandante J. Brander, equipagem 105,
carga varios gneros; a Adamson Howie
& C.
Porto-Alegre23 dias, patacho inglez En
reka, de 143 toneladas, capitSo David
L. Ross, equipagem 7, carga farinha do
mandioca ; a Pereira Carneiro rjt C
Navios sahidos no mesmo dia
West IndeasBrigue norneguense Ara,
capitao F. Fobrasen, em lastro.
Southampton por escala Vapor inglez
Elbe, commandante J. Brander, carga
varios gneros.
Rio de Janeiro por escala -Vapor nacional
Para, commandante Carlos Gomes, car
ga varios gneros.
Babia Lugar inglez Petunia, capitao C.
Nicbolls, carga, bacalho.
VAPORES ESPERADOS
Jokai da Europa hoje
Delambre de Liverpool hoje
Advanee do sul boje
Marinh Visconde da Babia hoje
Cear do sul a 17
Jacuhype do sul a 18
Viile de Pernambuco do sul a 1
Cotopaxi do sul a 1
Ville de Victoria da Europa a 20
Argentina de Hattburgo a 20
Ipojuca do norte a 20
Mandos do norte a 23
Finance de New-Port News a 23
La Plata da Europa a 24
Equateur do sul a 25
Bania do sul a 26
Neva do sul a 29
Scholar de Liverpool a 2
Ao eleitorado do S districto
Ittm. Sr.O fallecimenta do Dr. Antonio Fran-
cisco Correia de Araujo, abrindo urna vaga na de-
putac&o de Peruamhuc*, determnou a necessidade
de urna clcicao ao Ss ajistrieto, que aquelle Ilustre
eidado Uo dignamente representava.
Para preenche e*sa vaga proponho-me eu aos
suffragios do distincto eleitorado desse districto,
nV) movido por impulso proprio, ncra tomado de
anibicoes que estou longe de nutrir, mas por apre-
st-nticiio do partido em cujas fik'iras milito e alen-
tado pelo desejo de continuar a prestar serviros a*
pas nesse posto de combate que me foi indicado.
E', pois, escudada com esse patritico desejo e
patrocinado pelo meu partido, cujo venerando
chi-fo tenho por amigo, que eu venho solicitar de
V. S. o sen voto e 'odo o ssu precioso auxilio
minha causa no pleito que se vai ferir gravemente
nesse districto, onde V. S. gosa de prestigio e dis
pe de merecida influencia.
Bem conhecido nesta provincia, onde nasci e
n le tenbo sempre vivido mourejar cm fadigosas
lides pelas ideas conservadoras, e sob a gide
d'aquella honrosa apresentacao; creio que ser-
me-ba excusada a exhibico de um programma,
pois que outro nao posso ter que nao o do partido
ao quai tenho servido com dedicado e esforco.
Entretanto, de harmona com o notavel discurso
proferido no Senndo, em 1879, pelo honrado Sr.
ooaselheiro Joo Alfredo Correa de Oliveira, digno
chefe conservador em Pernambuco, direi que a
synthese do meu pragramma ^pugnar pelas re-
formas que forem e desenvolvimento pratico dos
grandes principios liberaes consagrados na Con
stitituico e que formam a base das insttuiee
que nos, os conservadores, maatemos e queremos
manter.
Dentro de taes limites ha espaco bastante para
todos os melhorameato8 intelectuaes, moraes e ma-
teriaes, para todos os commettmentos serios da
poltica, economa, financas e administracao, emfim
para todas as mais altas aspiracoes dos povos
'vres, que vivera sob o rgimen parlamentar.
No decurso dos vinte annos que constituem a
minba vida publica, sempre girou nessa rbita a
a minba activdade, e dsso fazem prova os meus
modestos esforcos na Assembla Provincial e os
meus pequeas trabalhos na imprensa, tstes lti-
mos attestados palo Diario de Pcrnambuoo, em
cujas paginas tenho esteriotvpado a mnha alma
e o meu coracSo, pugnando por tudo quanto se me
tem afigurado til e vantajoso causa do pais e
mais particularmente deat provincia-
Como garante dos meus intuitos de futuro offe-
reco esse modesto passado ao digno eleitorado do
3* districto, assegurando-lhe que envidarei quanto
couber em um para elevar-me altura da situa-
co do pau e para mostrar-me merecedor da con-
fianca co n que me honrar esse digno eleitorado
O meu norte ser o bem publico e o caminho
para elle esaa honrosa confianca que nunca faltou
ao Ilustre eidado quem aspiro substituir e ca-
jas v irtudes cvicas tomurei por modelo.
Subscrevo-me com a roaior consideraco e res-
peito.
De T. S.,
Amigo, attento, venerador e criado.
Recife, 6 de Julho de 1886.
Felippe de Figueirta Paria.
de commerciante, nunca contra mim se levantou
aecusaco de natureza aloma, que podesse aba-
lar o meu crdito e a minha reputaolo, quer como
bomem particular e pai de familia, quei no c*rg)
de subdelegado que por alguns temos exerci; d's
to, dio testemunno, os conspicuos cidados d'aquel-
la comarca, sem distinecio de cor poltica, desta-
cando se entre elles, o honrado ex juiz de direito
da comarca, o Sr. Dr. Goncalo Paes de Azevedo
Faro, que nao podd de forma algnma ser suspeito
Provincia.
Dito Uto, juljo-ma desobrigado para com aqsel-
les que nao me coobecem; pois, nesta cidade, a'on-
do son natural e tenho familia, os m-:us prece-
dentes protestara cintra taes aecusacoes.
liecife, 14 de Julho de 1886.
Elias Baptista da Silva Ramos.
EDITAES
Pesta do Carmo
KA VBSPERA DO GRANDE DIA 16 DO
CBRENTE
Hoje ao meio dia e ao som das excellentes msi-
cas do 2.a batalho de infantariae da polica, urna
salva annuneiar.a grande fosta de Nossa Senhor.i
do Carmo, e nesse mesmo dia s horas do costura
e cora a maior solemuidad-; haver vesperas, est-tns
do a igreja Iluminada e ornada do melhor gosto
pelo distiucto artista Bartholomeu V. da Silva.
A's 5 horas da madrugada do mesmo grande
dia, urna salva iembrar a todos os fie i* que
chegado o feliz dia da festa da excelsa Virgem do
Carmello, ha vendo missa resada como de costu-
mc.
A's 11 horas do dia impreterivelmente entrar4a
missa solemne, a quai ser o Dogma da ConceicSo
do maestro Colas, executada grande orches
tra, regida pelo maestro Joo Polyearp i Soares
Sosas.
Ao Evangelho oceupani a tribuua sagrada o
eximio pregadar Dr. ilauoel Soares de Amo-
rim.
a's 7 horas da noite entrar um solemne Te-
Deum, pregando o livdm. Frei Augusto da Imma-
cnlada Coaceifao.
O vigario provincial convida a todo povo ortho-
thodoxo da capital para qu tome parte em todos
estes actos, em honra da Santissiraa Virrem do
Carmo, com aquella decencia o espirito religioso
jue Ihe proprio como eminentemente civilisado e
catholico.
PIBLIC.4C0ES A PEDIDO
Cura importante
Pedro Mnreira, de 21 anuos, iho da viuva
Francisca Mnria da ConceicSo, ha um anno que
soffria de grandes ferdas sypbiliticas e selvageus,
que oceupavara todo o corpo, desde a cablea at
os ps, e ueste estado viva n e prostrado em urna
cama.
Saa mSi, no intuito de cural o, procurou, por
diversas ves-!S. mdicos desta cid^ds que o medi-
caras! sem resultado algum.
Neotas circuraftaueias e quas desenpinada de
salval o. dirigio-se a nosso couselno ao Illui. Sr.
capitao Domingos de Souza Barroe, reaideute
ra rio Imperador n. 75, o quai, accedendo nos ro-
gos da infeliz raiti, proaton-aga medical-o caridosa
mente, com os remedios de qoe usa, c no curto es-
DH$o do cucoenr dias conseguio curar o infeliz
Perfra de sua grave e repugnan*! enfermidade.
Testctnunha oceular desta import'tnte cura e
teudo por minha v-z contribuido para ello, pela
iudicaco que un Ii6a hora fie, faltaria a nm sa-
grado ilever, se nao me apressatse a vir dar um
publica U'sU'.munho do facto nao s por homena-
gem ao Sr. cauitao Barros, como tambem para que
conhecido o tacto, possam eartros iufelis, que se
acnarem as condicoes de P--dro *loreira, recorrer
aos conbeciraentos do mesmo capitao.
Resido La ra de Luiz do Bogo n. 43, e o bene-
ficiado d rna do Hospicio, no lugar denominado
libadas Mu!atast onde pode ser examinado p ir
quem qu'zer se convencer da veracidade da
cura.
Recife, 9 He Julho de 1886.
Vtoente Gvacm'ves Ferreira Costa.
tena de Florida Burray tft LanmiMi
A verdadera prova da genuidade e pureaa de
qualquer ura perfume extrahido das flores consiste
na sua duradoura existencia quando exposto in-
fluencia do ar. O aroma derivado de leos chimi-
eos desvanece em breve e deixa aps de si um
cheiro por eerto mu pouco agradave! ; porm
aquelle que obtido mediante a destillacao do
frescas e odiferas flores, i>e apura e aperfeicoa pa-
lo contacto do ar, e por conseguinte a sua uracao
de maior espaco de tempo. Eis por isso que a
agua florida de Murray & Lanmun, formando urna
concentrada produeco das mais raras flores do
sul, apanbadas durante o zenith da sua florescen
ciu e maior fragrancia, nao s possue a fresquidao
de um fresco ramalhete, mas tmbeme indestruc-
tivel e mextinguvel, a nao ser a excepfo de la-
vagem do lenco anteriorment j humedicido na aies-
ma agua.
Cono gabastia contra as falsificaces, obsrve-
se bem que os nomes de Lanman & Kemp veuham
estampados em lettras transparentes no papel do
livrinbo que serve de envoltorio cada garrafa.
Acha-se vonda em tedas as boticas e iojas de
perfumaras.
Agentes em Pernambuco, Henry Forster & C,
ra do Commercio n. 9.
Os principaes peridicos do mundo, os mdicos
da mais alta eminencia, muitissimos cidados proe-
min-intes de tajas as profisses e innmeras ee-
nhoras que o teem durante annos usado pessoal-
mente e as enancas, todos a urna admittem que
para dar vigor, brilbo, sedosidade e ondeado ao
cabello, e curar a tinha e a caspa o TricotVro
de Barry. nao tem igual. Provado por mais de
80 annos de constante servico ao publico o
nico artigo que decididamente, faz crescer de no-
vo o cabello nos lugares calvos.
EstSn-se correado no culto da igreja probyte-
riana, sita ra do Imperador n. 71, 1* andar, os
banhos para o casamento do Sr. Francisco Al -
brecbt Leopoldo Americo Pralle. com a Sra. D.
Hermine Therese Selma Bosse.
A- D. Carneiro Vianna, tendo de seguir
hoje, para a Europa, deixa encarregados
da gerencia de saa casa commercial, aos
Srs. Luiz Alfredo de Moraes, Manoel de
Oliveira Maia e Francisco de Oliveira
Maia, e como seus bastantes procuradores
aos mesmos cima ao Sr. W. W. Robil-
liard.
Approveita a occaslo para se despedir
daquellas pessoas de sua amisade, aquem,
por causa da presteza de sua viagem, nao
te ve tempo de ir receber as suas ordens.
Recife, 14 de Julho de 1886.
N. 10. Recommenda-se a EmulsSo de
Scott aos doentes do peito, da garganta e
dos pulmo*es; aos anmicos, debis e es-
crofulosos, e a todos os que precisem de
nm bom reconstituate.
A EmulsSo nao tem igual para reparar
as forjas dos debis e enfraquecidos.
O Dr. Adelino Antonio ae Luna Freir,
offi'jial da Imperial Ordem da R isa, com-
mendador da Real Oriem Militar Por-
tuguesa de Nosso Senhor Jess Cliristo,
e juiz do direito privativo de crphaos e
ausentes n'esta comarca do Recife, por
Sua Magestade Imperial a quum Deas
guarde, etc.
Fuco saber aos que o presente edital virem ou
delle netijia tiverem, qne no dia 20 do corrente
mez, depois da audiencia desta ju'zo, na respecti-
va sala, ir praca para ser arrematada por quem
mais der, urna parte de um sobrado n. 33, ra
do Rangel, com andar e soto, tendo este janellas
para a frente com varaada de ferro, e o andar 2
janguas de frente, tambem com varunda de ferro,
medindo 4 metros e 40 centmetros de largura, e
de fundo 16 metros e 20 centmetros, i alas, 2
qnartos, cosinha fra, pequeo quintal, solo pro-
prio, avallado por 6:000j, sendo a parte de.....
2:750758, que servir dbase paraoprecoda
arrematacao. E vai praca a raqaerimoato de
Manoel Sezino de Albuquerque Maranbao, por si
e tutor natural de seu filho meno"-Jos Alberto, e
Tertuliano Ernesto de Moraes Carvalho, co-se-
senhores do dito predio.
E para que chegue ao couhecim-'nta de todo3
pa8sou-se o presante, que ser publicado p.-la im-
prensa a ailado no lugar do coatume.
Dado c paosado nesta cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco, aos 14 do Julho de
1886.
Eu, Manoel do Nascimento Ponte3, escrivao o
subscrevi.
Adelino Antonio de Luna Freir.
O Dr. Antonio S-rgio Lopes Lima, juiz do
commercio da comarca da Victoria, (^e
Pernambuco, por S. M.' o Imperador, a
quera Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem, que
no da 22 deste mez, s 2 horas da tarde, na por-
da sala das audiencias d'-ste juizo, tem de ser ar-
rematada a quem rnaior Janee oSereeer, urna ma-
china a vapor de moer canoas, autor Clatou Skat-
tortb Lencolepou, n. 222 v., ein 1869, faltando o
3arafuso d regulador, o bronze da in.inivella, O
nabo do celindro, o tubo da crivacuo, o regulador
do salutre, a peca do apito, a haate da bomba,
maniveila, a vlvula da salvacao, a p- que SUa>
t<-nta a mesma, a cald.ra principiando a furar,
mais alguns pirafusos, uvaliada por 2:2O0; e
vai praca requerimeuto de Alian Paterson &
C, aa exeencao que movem por este juizo, contra
Joao Paes Barreto.
E para que chegue a noticia a todos, mandei
passar este, que ser publicado pela iinprensa e
affixado no lugar ao coctume.
Jdo e passado nesta comarca da Victoria, aos
10 de Julho de 1886.
Eu, Bellarmino dos Santos Buido Filho, escri-
vao uterino, o escrevi.
An'onio Sergio Lopes Lima.
Edital n. 1
De ordem do Illm. Sr. Dr. nepecor, fafO pu-
blico que tem de realisar-se e empre^timo autori-
sado prla 1-i n. 186^ d.; 15 de Maio ultimo por
eraisso ao par do apolices de 7 0/0 ; e por isso
eonvida-se aos senhn-ea que queiram tomar as
mesinas apolices a f*z--r*in-no desde j, reoolhen-
do as re.-p<'CLv8 imiiortuiicias.
Secr tana do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, 5 de Julho de 1 i86. Servlndo de secre-
tario,
Lindolpho Cainpello.
Edital n. 3
De ordem do IHra. Sr. Dr. inspector, faco pu
blico que no dia 16 Jo corrente priniipiar o pa-
gamento dos juros das apolices provinciaes rela-
tivos ao semestre fin io em Junho ultimo.
Secretaria d-> Thesouro Provincial de Pernam-
buco, eoi 9 do Julho de 1886.
L. Campello.
O Dr. Thomaz Oarcez Paranhos Monte-
negro comtreodalor da imperial Ordem
da Rosa e juiz do direito especial do
commercio d'esta cidade do Recife, cu-
pital da provincia de Pernambuco por
Sua Magestade o Imperador a quem Deas
Guarde, etc.
Faz saber- aos que o presente edital virem delle tiveri-m noticia, que se acha designado o dia
15 do corrente mez, s 11 horas di manh, na sala
das audiencias, para ter lugar a prestado de coa-
tas dos administradores da massa' fallida de Mo-
raes & Rocha.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandou passar o presente edital, pelo quai e sea
theor convoca os credores da referida massa coa-
parecerera no lugar, da e hora designados para
fira cima mencionado. O presente ser publicad*
pela imprensa e outro de igual theor affixado na
lugar do costume, de que se juntar certido aos
autos.
Ds do e passado nesta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 7 dias do mez de Julho do anno de
Nosso Senhor da 1886.
Eu, Jos Franklin de Aleocar Lima, o subs-
crevi.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro.
Edital n. 5
Ocolista
Dr. Ferreira da Silva, con-
sultas das 9 ao meio dia. Resi-
dencia e consultorio, n. 20 ra
Larga do Rosario.
i
Algumas patarras aos que nao
me conhecem
A Provincia, or^ao do partido liberal, de 8 do
corrente, na sua misso de opposicionista, ven com
urna noticia de Pu d'Albo, sobre tactos que all
se deram na noute de S. JaSo, attribuindome a
autora de taes tactos, procurndome ferir e em-
prestando-me qualidades, que sement podera pos-
suir o autor de tal noticii.
Nao admira que assim seja, porquanto muito
conhecido entre nos o actual systema de oppo-
sico.
Na cidade de Pan d'Alho, onde actualmente re- g
sido a 3 annos msis aa menos e exerco a profisso' jff
Dr. Barreto Sampaio. Medico ocu-
lista, ex-chefe de clinica do Dr. de
Wecker, mudou seu consultorio, do 2.
andar da casa n. 45 ra do Bsro da
Victoria, para o 1. andar da casa n.
51 da mesma ra. Consultas de meio
dia a 3 horas da tarde.
(3 Praga)
De ordem do lllm. Sr. inspector se faz publica
que as 11 horas do dia 16 do corrente mez, ser
vendidos em praca no trapiche Conceicao, livres de
direito, 8ujeitos, porm, ao imposto de 5 *'o para o
fundo de emancipaco, as mercaduras abaixo de-
claradas :
Armas em n. 1
Marca D B -Urna caixa n. 559, vinda do Havre
no ^apor trances Ville de Santos, entrado em 2C
de Setembro de 1885, consignado ao Dr. Brito,
contendo amostras.
Armazem n. 2
Marca diamante R B ib Cno centroUrna caixa
n. 1, idem de Liverpool no vapor inglez Chanceller,
idera em 19 de Marco de 1884, consignado a or-
dem, contendo 188 kilos lquidos legaes, de marre-
tas de ferro.
Marca idemUrna dita n. 2, dem idem idem,
contendo cabos de madeiras para machados.
Marca idemUrna dita n. 3, idem idem idem,
contendo ferro batido em obras nao elassieadas,
simples, pesando liqoido legal, 300 kilos.
Marca diamante M V no centro e V embaxo
Um cesto n. 170/173, idem idem, no vapor ingles
Sculptor idem em 27 de Janeiro de 1885, nao con-
sta do mauifesto, contendo amostras de loucis da
p de pedra ns. 1 e 2.
Marca D F & C e embaixo diamante B no centra
Urna caixa, n. 793 A, idem idem, n vapor in-
glez Author. idem em 21 de Marco idem, idem a
Domingos F. da Silva cfcC, contendo cataljgos d
fo.has de flandres.
Armazem n. 7
Marca AUrna caixa, sem numero, idem, idea
no vapor inglez Chrysolile idem em 27 de Outu-
bro dem, idem a Francisco Xavier Ferreira 4 C.,
contendo cabos, ponleiras de chfre, ferro e mais
accessoos para chapeos de sol, tudo velho.
Marca TDesoito caixas, ns. 1/18, dem de
Londres no navio franeez Emilie dem em 10 de
Abril 1883, idem ordem, contendo 216 kilos, peso
liquido legal, de parafina em massa.
Marca S P JUrna dita n. 1, dem do Havra
no vapor franeez ViUe de Para, dem em 10 da
Setembfo idem, dem a S, t". Johonstou 4 C con-
tendo 17o kilos peso liquiio legal de fechaduras
de ferro de duas voltas.
Marca J C L & C e H embaixo-Um barril, n.
2510 idem idem no vapor franeez ViUe de Bahta,
dem em 11 de Abril de 1882, idem a J. C Levy
t C, contendo 15 kilos de azul ultramar.
Marca M V & C u S embaixoUrna caixa, n. i,
idemdeHamburgo, no navio allemo Magjiet, idem
em 15 de Setembro, idem idem a Feliciarib Silva &
C, contendo 22 kilos, peso liquido legal de capsu-
las de estanho para garrafas.
Marca A P MUrna dita pera numero, idem da
Southampton no vapor inglez Tagvs idem em 27
dem idem, nao consta do manifest contendo amos-
tras de farello.
Trapiche ConceicSo
Setentae tres barricas e des meias ditas vasas,
que eontiveram bacalho dado a consumo, descar-
regadas do lugar ingles Susana.
3. soccio da Alfandega de Pernambuco, 1S da
Julho de 1866.
O chefe
Cicero B. de MeUe


Diario de PernambucoQuinta--eira 15 de Julho de 1886
i
*1
i

*
Edtalo. 739
Da ordena du inspector g. ral, f.co ssber a pro-
fessora Mirandolina Borges Pestaa, da cadeira
de berra Verde, que fieu loe mareado o pr so de
15 dias para responder sobre o abandono de s
cadeira, visto ter deixado de reassumil-i. depois
de finda leme* obtida e laver deoorrido inais
de seis mezes fra do exrrcicio della.
Secretaria da iostruecio publica de Pernam-
buco, 2 de Julho de 1886.-0 aecretnrio,
P-0i/inn S. de Araujo Galvao.
Te
Pergentino S. de Ar
O Dr. ilermogemis Scrates Tavares
Vasconcellos, juiz de direito le orphaoa
e ausentes d4 comarca de Okada por
Sua Magostado o Imperador, a quem
Deus guarde, etc.
Faco eaber aos que o preser.te_ediM vuom e
d'dle noticia tiverem, que no da 15 do aaaae,
a 1 hora da Urde, depois da audi.ncia, o porteiro
Uteriuo dos auditorios, levar a publico preg-.io
de venda e arremata?Jo, a quein inais dr e ine-
Hior lanco cflVrecer, coui se undo abato de W ,,
da reviva avaliaeio : uia casa terrea de pe
ara e el o 3, a ra do Amparo desta cilkdo,
eom 3 iJiellas e urna porta de trente, corredor m-
depenJ ote, duas salas, fres qaarton, urna disp-nsa,
osiuha fra. qumUl marado com portio e_ um te-
lheir.. em muito boui estado d. & naerTafto,
liada em 2:f>0000 por 2:025(W0, a anal va. a
-raca de eonforui'uiade coui o despacho no rque-
rimento de Caecana de Ol oda Silva Nanea, ere-
dora do finado professor Joio Penetra de Men-
donca, cujo espolio pertenee dita casa.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei pascar o presente, que ecr affixado no lu
Kar do cosluine o publicado pela iroprena.
Dad. e nusado u'esU cidade de Ouud, no 1
de.tulho d'e 1886.
fia, hacha re Francisco Lina Caldas, esci^ao, o
subseievi.
Hermogenet Scrates Tavare de Vasconcellot.
SEClii

Um b teta
cao flaacir (ceaitoro 1 a*a>)
Capiul oubciipto 3.000.000
Fundos accumulados 3.134,348
Rereii aaaaal t __
Da piemos contra f>go 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
BA BOKMliaff'l AXBAB
O AGENTE,
John. H. Buxtcell.
no
SS. Sacramento da matriz de S.
Jes & Bocife
MESA GEBAL
Tendo alguna rujias lecu.ado a aceiMr o oar-
gospaia mefcai eleit-j*, de ordena do rmio
juiz, convido a todos os rmiof a comparecercm
no dia 18 d>a8-rente, s 10 horas da uianha, ein
o nossu consistorio, para em Hssembla geral ele-
germo3 os iimoa que deverlo prcne'ucr os ditos
cargos.
Consistorio, em 15 de Julho de 1886.
0 eseriviU interino,
Joao Gustuo.
Assaciago Gowrcial Beueflce i-
te He PinaiiiN
A directora desta aaaociacao, ata vista de urna
rearis-niaclo assignada por divernos (roana **aa
XiaeV, tem a hura de convidar ao carpo
loreial d"it'i praea para urna reuniio que ter
lagar nos silo.s do ins.n-> edificio, a la horas
da manaS do dia 19 do corr^nt-, afim d
do asacir.pto da rvferid representaclo.
V4 dt Julho de 1886. 0 secretario,
W.llia.n H^Uiday.
SOCIEDABE
Uu Commorcial Beneficene o
cieir08
Assnbla geral
De ordem d* IlLm. hr. presidente da assembla
geral, convido os senhoies sociu comparecersni
Sade aocial domingo 18 do correnta, as 4 horas
tarde, afi a de apreciareui a letura do re Uto-
rio e contaa apresentadas pela directora. Recite,
14 de Juiho de 1886.O 1- acerata rio,
M. CapitSo.
Prolongamenlo
ferro de Pernambuco e estra
da de ferro do Reeife Ca
ruar ii.
De ordem do Illm. Sr. director, taco publico que
at o dia 15 do corrente, ao meio dia, no eacripto-
rio cential, a ra de Antonio Carneiro n. 137, re-
eebem-se propoataa em carta fechada para o for-
necimento doa aeguintea objectoa neceaaarioa ao
almoxaritado deBta reparticSo :
50 kilos de rame de cob-e.
35 ditoa de dito gslvaniaado.
55 ditos de dito de chumbo.
9> ditoe de ac em bexiga.
25 alavancaa.
25 li:ros de alcool.
25 bonete.
10 brechas.
25 kilos de borracha em lencol.
10 bandeiraa imperiaea.
1 bomba americana.
10 bacias de estanto.
30 borrachaa de Faber.
10 kilos de bren.
50 novellos de barbante.
12 caivetes.
24 cadeiraa americanas.
5 copos de vidro.
10 kilos de colla da Baha.
5 toneladas de carva de forja.
100 cadeades.
15 kilos de er.
400 kilos de canos de chumbo.
250 ditoa de ditos de ferro.
5 carrinhos de in&o.
10 caixaa com cok-hetei.
6 capachsa.
12 (carretas.
4 cestas para papis.
600 kilos de cobre em lencol.
200 ditos de canoa de barro de 0,3 e 0,40 de di-
metro.
20 kilos de chlorhydrato d amoniaco
5,000 enveluppes quadrados grandes, impres
1,000 ditoa pequeos, lisos.
5,000 ditos teleg/aphicos, marcados.
3,0()0 ditos compridoe, marcados.
12 eacarradeiraa de louca branca.
10 fe Baadores.
15 kiioa de esUnbo em vergaa.
25 enx*daa de co de 2 1/2, 3 e 3 1/2 libras
225 metros de eatupim.
1,00 folhas de mao de olra.
2,000 ditos de mappas de bilhetea.
2,000 dua* parareceito do trafego.
2.000 ditaa para remeesa de dinheiro.
2,0*0 ditoa para chefea de trem.
2.500 kilos de ferro ingle* sortido.
500 diUifl da dito aueco.
1 folie.
25 fticas nacionaes.
5 kilos de guarna araoia* em caroco.
12 f-Bscos com ditoa liquidas.
15 kilos de gomina lacea.
50 mi tros de gachetas de linh".
5,000 kilos de graixa do Rio Gr nde.
1 jarras com toraeira.
lOjarroea.
6 jarros de louca.
50 eaixas com kerosene.
6 dutias de lapis de borracha.
5 ditas de ditos de duas coros.
12 ..itas de ditoa de Faber ns. 2 e 3.
5 dirs de ditas graphicos.
Sditaa de lacre encarnada (paos).
12 limpadoreade pennas.
f*0 folhas de liza esmeril.
100 ditas de dito de papel.
J2 levas.
5 kilos de U para pavios.
120 lina* uiurcaa a outras.
3 lavatorios o aeu8 pertraces.
i kilos o> kt3o am lencol.
5 livros registro em mercadorias.
15 d.tos dito de bilhetes.
1M ditos de mao d'ulra.
\t cylindros mato-b-rrao.
6 mesas para eseriptorio 6X3.
50 kilos de mialhar.
ecife,4^ >** ia.aaakiin.
25 niveis de bolha d ar.
25 frasco? com oleo para apparelko.
750 litros de oleo de lmhaca,
M0 litroa de oleo de mocot.
800 litros de oleo de bauba.
5 machados.
2 reamas de p .pe da linbo branco.
16 ditos de dito aimaaso pautado fiume
12 ditos de dit cffieial para ministro.
12 ditoa da dito almatej bo para mpressio.
5 ditaa de dito inferiar.
Estrada de ferro doUe-
cife faruai
De ordem do Illm. Sr. dirfetor, faco publico
para qne chegue ao conheeimento de todos e es-
pecialmente doa intereasados, o aeguinte abaixo
aseignado, dirigido eaa dta de 3 do corente, ao
raesmo Sr. director, pelos consenhores da propnt-
dade Russas, no termo de Gravat.
Copia.Illm. Sr. Dr. engenheiro em abfe >
estrada de torro do Reeife Caruar.-Os abaixo
assignados, consenhores as terras que consti-
tuem apropriedade commum, denominada Russas,
no termo de Gravat, a qual principia na lagAa
das Carahibas, su turbia da cidade de Gravat,
om direccao ao nasceote, taben o que O- Fla-
rinda Anselma de aouru quer arrogar-ee di-
reito nesaa propriedade, sem ter titulo alguna oue
garant, para assiin hav. r a lademmsaioaO do
erreno oceupado pela linha, para obstara isso,
oa ab.iix> assignados vm respeitoaamente offere-
eer ao Estado, sem indemnisacao algurra, oftor
reno que for ^ecupado pela linha, na dita pt+-
priedad no tanto a que os abaixo assignados
teem, direito. obrigando-se a passar eecriptura
publica se for preciso, porm aem onua algum.
por isso esperara que V. S. aceitando case offe
recimento c as providencias que julgar de direi-
to para garanta do governo.
E assim fazendo R. M. (achava-se urna estam-
nilha de 200 rs. inutilisada da forma sefrainte) :
Cidade de (Jravat, 3 de Julho do 1886, (as-
signados) Severiuo de Barros Vasconcellos, An-
tonio Fernandea Bezerra, Manoel Beserra de Si-
queira Ramos, Jos Soares da Silva, Amaudo
Jos de Olivtira, padre Manoel Gomes de Brito.
Secretaria do prolongamen*^ da estrada de ier-
ra do Reeife ao S. Francisco c estrada de ferro
do Recite a Caruai 14 de Julho de 1886.
O secretario,
Manoel Juv?ucio de Sabova.
Soccdade Bcnecente Laso-Bra-
silcira
Assembla geral
De ordem do Sr. presidente e a requerimento
da directora, convido a todos ca aenhorea socios
comparecerein a uma sessao de aaaembla geral,
afim de se tratar de negocios urgentiaaimos, de-
vendo ter lugar no dia 15 do corrente, a 6 horas
da tarde, na ede social, ra n>va
Rita n. 5.
Secretaria, 13 de Julho de 1886.
Carneiro Costa,
Seoretario.
de Santa
Wieitos li Craz
De ordem da Resp. Ir. Ven. convido a
todos os OObr.-. da nosaa Aug, Ofi.-. para
comparecerem a uma sesso de finanzas, que tera
lugar na quinta feira prxima, 15 do corrente, s
7 horaa ia noite ; devendo todos os Ilr.'. *?*"
sentarem as quites em suas contrioui^oes, sob
pena e nao r.derem votar, conforme determinam
os RReg--- GQer.-. dard.
aecr..
M. Gomea da Suva18 _________
Banco do Brasil
Paga-se o 65 dividendo na razio de 9J000 poi
necio, roa do Commerco n. 6, 1 andar, es
criptorio de Pereirs Carneiro de C.
12 picaretas.
12 pincoia para copiadorea.
100 kilos de pregos franceaea.
15 pegadores de papel,
25 caixaa eom penas Mnllat e Perry.
10,000 meias olhas de papel oficial.
J prensas para copiadorea.
2'H) pavios.
12 libras da plvora.
50 resraaa de papel almasso inferior
15 folhas de dito aecauto.
50 ditos de dito mata-borrao.
600 ditos da dito para embramo.
15 ditos de dito oleada.
100 litros de pixe.
0 quartinha*.
50 regoaa de borrachas.
12 ditoa de madeira.
3 relogioa.
15 libras de roxo trra.
6 raspadeiras.
5 caixaa de sabonetei.
12 snbsalentea mata-borrio.
25 kiloe de sabio.
7 ditos de sola fraoseza.
5 ainetas.
25 frascoe ocm tinta earnin.
12 tradas.
S thesouras.
24 toalhas.
5 trenas fiometalico.
25 garrafas com tinta preta.
15 ditoa com dita de copiar.
12 tinteiros.
12 toles de passe de 1, 2" e 3 classe.
5 ditos para assiguaturaa, em cartea
50 vassouras de piassava.
30') pilhs Lechanch.
150 metros de oleados para cortinas.
2 meios de cerdavio para presilh S.
1 grosa de botoes para cortinas.
1 meio de eolia inglesa.
6 livros de entradas e aahida8.
100 ps fundidos para bancos (de ferro).
30 lampeea para carros.
10 meios de sola nacional para mangaeiras.
30 litros de azeite de peixe.
10 kilos de rebitcs de cobre com armellas.
Os cbjectos aerio de 1 qualidade e entregues
convenientemente acondicionados no almoxari-
fado na estacad das Ciaeo Pontos eu as oficinas
da estrada de trro do Recite a C ruar, conforme
as exigencias do servico.
Os Srs. proponentes doverao acompanbar suas
propostas daa respectivas amostras, condicio ea-
sencial para sercm aceitoe.
N-ste eseriptorio serio prestodaa as informacoes
necesearias. As propoataa serio abertas e lidas
no lugar, da e hora cima radicados, na preaenca
dos Srs. proponentea, que deverao eellal-as e as-
si-mal-as, indicando s-aa residencias.
^O fomeciment podar se' ajustado com um a
proponente, ou parcialmente, conforme as rauta-
tena que offerecer. ^. .
Secretaria do Prolongamento da Estrada de
Ferro do Reeife a S. Francisco e Estrada de ierro
do Reeife Caruar, 2 de Julho de 188b.
O secretario.
Manoel Juvencio de Saboya.
Obras do Porlo e Geraes
De ordem do Illm. Sr. engenheiro dir*ctor inte-
rino da reparticio das obras da Couaervacao doe
Portea, e Obraa Geraea de Pernambuco, de con-
tormidade com a autoriaacio de S. Exc. o Pr. Dr
vice presidente da provincia de 21 do mes p. p.
e na forma do art Io do Dec. n. 2926, de 14 de
Maio de 1862, e 18 do Dar., n. 2922, de 10 da
iseama, data do regulamento do Ministerio da Agri-
cultura, Commerco e Obras Publicas, fazemos
eciente, quem interegsar poasa, que no dia 15 do
corrento, ao meio dia, na mesma reparticio rece-
bem-se propostas para o furnecimeuto durante o
semestre de Julho a Dezembro do corrente anno,
dos seguiotes objectos, e materiaes necesaarios as
obras do prto, obras geraea, e obras da ponte
Buarque de Macedo:
Art. 1 Oa proponentes deverao apresentor as
suas propoataa em carta fechada, e competente-
mente selladas, atea hora ncima mencionada,
sendo que depois nao serio mais aceites.
Art. 2o Os proponentes de ver i o apresentor amos-
tras dos objectos propostos.
Art. 3' As propost is doveria ser teitas segun-
do o aystema mtrico de pezos e medidas, deacri-
minando a qualidade e quantidade, conforme a re-
lacio abaixo especificada.
Art. 4* Os fornecedores se obrigarao a fazer o
foruecimento a tempo e a hora, em que Ibes for
pedido, seb pena de pagarem 10 /. de multa sob
o valor do foruecimento, e de 20 "/o se tff-'ctiv-a-
mente o nio fizerem.
Art. 5 Oa fornecedores, serio obrigados a en-
tregar os objectoB pedidoa no Caes do Ramos, no
armazem de deposito, e ponte Buarque de Mucedo,
mediante recibo, que ser passado pelos empre
gados competentes, na primeira via do pedido, a
qual acotnpanbsr a couto, que dever ser tirada
mensalmente e entregue na reparticio ata o da
15 do mez seguinte ao do fornecimento.
Art. 6* O carvao para as dragas e vapores ser
forneeido a bordo, da quantidade de 10 20 to-
neladas, em ei barcacio d'essa arqueaclo, eompi
tentemente veri6cadas.
Relago dos objeetoa
Acido muriatico, litro.
Ac batido, kilo.
Dito dito era verguinha, idem.
Dito fundido, idem.
Dito dito em verguinha; idem.
Dito chato e aitovado, idem.
Dito bexiga, idem.
Agua ras, litro.
Alcatrio, idem.
Almotolia de folha de 1/2 a 5 litros, uma.
rame de cobre, kilo.
Dito de lati, idem.
Dito de ferro, idem.
Apito mecnico, um.
Azul ultramar, kilo.
Arrebem, peca.
Azeite doce, litro.
Aseita de carra pato, idem.
Azeite de peixe, idem.
Aldrabas, uma.
Arruelaa de borracha pan tubo, kilo.
Aguilhode trro, um.
Ancoreto de ferro uma.
Areia de fingir, metro cubico.
Alicate, am.
Al a vanea de ferro, divereoa tomanhos, dem.
Agulhade coser, grajjKde em duzia, uma.
Bandeirolaa de madeira, idem.
Barril, um.
Barris pequeos, um.
Baldes de ferro, um.
Baca de louca, uma.
Bronze de ferro; nm.
Baldea ferrados, dem.
Barra de gal, idem.
Bandeira nacional de 2 pannos, uma.
Batanea decimal, uma.
Borracha vuleanisada em lencol, kilo.
Bigornia, idem.
Bri-u, idem.
Brim, metro.
Brochan. 8,uma.
Brocha pequea, uma.
Craveiro de ferro, um.
Chap* de ferro, uma.
Cardeneiro Canoa, uma.
Caldeira de f-rro para draga, uta.
Ciscador de ferro, um.
Chave inglcza, uma.
Caldeiroes para verniz e alcatrao, um.
Cavilhas, uasa.
i^orrei^ d borracha, metro.
Cabo de lilil, kilo.
Dito de caanilba, dem.
Caderaaes bronaeados, pares.
Ditos ferradoe, idem.
.. adeados de ferro, am.
Ditos de metoea, um.
Caivete, um.
Colla da Baha, kilo.
Cadinhos, nm.
Caetas, duzia.
Campa pequea, uma.
Calque em panno, metros
Dito em papel, peca.
Colheres de trado o.0136 a 0,012B de grasura
a 0",0337, duzia.
Obras Publicas
De ordem do III tn. T que no dia 15 do corrente, ao meio da, receba se
oeste secretoria propoBtas em cartaa fechadas e
competentemente sellad-a, para a eieoucio das
obras de reconstruccio da bomba da vareea de
Catende, na estrada da Victoria, ercada em------
2:400*000.
O orcamento e mais condices do contrato s
acham disposicas dos senhorea pretendentes
Secretaria da reparticio das Obras Publicas de. forqneta de trro uma.
nambuco, 6 de^ulaode 1886. o de a ge dio, kilo.
O oficial secretario. Dito de li, dem.
Dito de rosca O",0135 a u",0125 de grossura
idem.
Chumbo em barra, kilo.
Dito em lancol, idem.
Caldeira sortida de derreter breu, idem.
Carvio Cardiff, idem.
Carvio para ferreiro, idem.
Dito New-Castle, idem.
Dito Cok, idem.
Cimento Porthand ingles de marca Peramid, peso
lquido, idem.
Dito Romane Vassi, peso liquido, idem.
Dito infles marca Lee, peso liquide, idem.
Dito francs marca Demarte, peso liquido, idem.
Dito allemio Vom Fels, peso liquido, idom.
Dito dito Zurme, eso liquido, idem.
Dito ioglez Helton, peso liquido, idem.
Dito dito Hemmoor, peso liquido, idem.
Cobre em barra, idem.
Dito em lencol, dem.
Dito para forro de canoa, i iem.
Dito velho, idem.
Dito em vario, idem.
Correia desoa ingleza ingela, metro.
Dito dita dito dobrada, idem.
Corrente de ierro, kilo.
Couro cr, um.
Cr, kilo.
Cravo ou rebite, idem.
Cantoneira de ferro sortida, ideal.
Cal preta, metro cubico.
Dita branca, idem
Curvas de sicupira de differentes tamanhos, con-
forme a forma apresentada, uma.
Cavernas de dita verdadeira, com 3">,60 de haste
e i 138 de grossura, idem.
Caibros de qualidade, metro.
Corda para andaime, peca de 5 metros, uma.
Cano de chumbo, metro ou kilo.
Dito de barr de divereos dimetros, um.
Cera amarella, kilo.
Cepo de ferro, bate estaca, um.
Candieiro, idem.
Cabo de cairo, kilo.
Carreta de ferio, uma.
f'arr nhoa de mi, um.
Correia de bar'acha de diversos tamanhos, metro.
Dobradiae6 de ferro, par.
Ditos de metal, idem.
Ditos de cruz, idem.
Encbadas, uma.
Escova ingleza, idem.
Ditas para tobo, idem.
Escpula de ferro, idem.
Escala de madeira, dem.
Escala de marfim, dem.
Estanho em verguinha, kilo.
Eacopeiro, um. j
Estopa de algodiu, kilo.
Dita de linho, idem.
Eseova para limpar machina, uma.
Encli sacho, um.
Est- ios de einberiba preta, um.
Estopa de einberiba. kilo.
Enehama de sicupira verdadeira com o
comprim.nto e 0,138 de grossura, um.
Euvelopcs pequeos, ento.
Ditos p..ra uffioios, idem.
Fcehr.dura, uma.
Feltro, kilo.
Ferro ingle sortido, kilo.
Dito em lencol, idem.
Dito ingles, mrca Somoor, idem.
Dito sueco em barrs, idem.
Dito bruto para fundir, iiein.
Feriolho de ferro, um.
Fatecha, uma.
Garfo de ferro, um.
Graxa do Rio-Grande, kilo.
Gato de ferro inglez dobrado, um.
Jangadaa uma.
Jarra de madeira ferrada, uma.
Jarriubo de tonca para pena, nm.
Lumpeao, um.
Lat&o em lencol. kilos.
Limas inglesas de 0,"15 a 0,"45, urna.
Dita triangular, uma.
Dita chata, uma.
Dito uiurca de 0,n>15a 0,45, uma.
Limatio inglez de 0,15 a O"^, um.
Linha de barca e sondagem, kilos.
Linha alcatroada. dem.
Lame de aicupir de differentes tamanhos, con-
forme a forma apresentada, uma.
Liza de esmeril cm panne, folba.
Dita de vidro de pape), idem.
Lona ingl'-za, metro.
Lapis de duas cores, duzia.
Dito Fber, idem.
Dito Gibert, idem.
Dito de borracha, idem.
Livro em branco, de papel almaco pautado de 50
a 200 folhas, um.
Dito em branco. papel Carr, de 50 a 200 folhas,
ideal.
M'-rlim, kilo.
Metal composicio em tolha, kilo.
Manga de vidro para lanterna submarina, una.
Mialbar branco, kilo.
Moitoes bronzeados, idem.
Machina para cerrar madeira, uma.
Moitoes forrados, kilos.
Mola para porta, urna.
Mira nma.
Martelto calcado de ac, um.
Nivel de bolha de ar, idem
Olhar de lati, idem.
Oleo de linhaca, litro.
I albas de coqueiro, cento.
Papellio, folha.
Parafusos de ferro, duzia.
Ps de cabra, um.
Pipas para deposito d'agua, uma.
Parafusos de metal, duzias.
Pi db ferro patente de errado, uma
Dita de ac, uma.
P preto, kilos.
Pranchoes de amarello, nm.
Pranchdes do pao carga, um.
Dito de lonro, um.
Ditos de pinno da Sueca, metro.
Ditos de pinho resinoso, idem.
Pregos de cobre batel, grandes e pequeos, kilo.
Ditos de cinco, idem.
Ditos de forro d< 0, 10" a 0-, 20, idem.
Ditos caibraes, idem.
Ditos ripaea, idem.
Ditos de forro, batel grande a pequeo, dem.
Ditos francezes, idem.
Percas para ataicachar parafuzos, idem.
Ditoa de ferro de divereos tamanhos, idem.
Pennas Gauthier, caixa.
Ditos Perry, idem.
Ditas Fatcon, n. 48, idem.
Ditos Mallat, idem.
Ditos finas para desenbo, idem.
Presilhas de diversos tomanhos, idem.
Picio de trro, um.
Pastas de oleado, uma,
Pusaime, caixa.
Papel sem fim, preco.
Dito mntto borrSo, folha.
Papel almaco pautado, resma.
Dito rosado pautado, caixa.
Dito dito grande, resma.
Dito Carr, cento.
Dito Jes, idem.
Prussiato de potossa, kilo.
Pranehio de oiticica trancado, tendo 12 metros
de ci raprmi nto, 0mfi de largura e O"075 de
grossura, um.
Piearta, urca.
Pregos de ferro fino, kilo
Ditos com armella galvanisada, idem.
Puxadores p* ra gaveta de pao ou metal, duna.
Pao de jangada, um.
Pate8ca, urna.
Paspador de ferro, um.
Pedra bruta granito, metro.
Quartinha de barro, uma.
Quaitolla ferrada, idem.
Quiry para cabo, um.
Reino de faia, metro.
Kaapa de ferro, ama.
Rxo trra, kilo.
Hatpaoeira de cabo de osso, uma.
Regoa du faia, idem.
Ripas de qualidade, com 5 metros de comprimen
lo, duzia.
Rodalnapara putesca ou de cadernaes, uma.
Rebolo de pedra com caixa de ferro, um.
Rodete de ferro, idem.
Regulador, idem.
Saceos vasios, idem.
Sapatilha, ama.
Serrafito metro.
Serrotao, um.
Seccante feses do ouro, kilo.
Seccante de zinco, kilo.
Safra de ferro, uma.
' Sola ingleza, meio.
i Sneta de bronze, uma.
Scrra circular, idam.
Tezoura, idem.
Trilbos de ferro, kilo.
Tezoura de funileiro, uma.
Tmpano, um.
Tulla, uma.
Taboas de amarello, de 0", 0135 e 0,0125 de
prossure, uma.
Ditas de po carga de 0m025 de grossura, idem.
Dito de pinho da Sueca, idem.
Dita de pinho resinoso, idem.
Dita de louro, idem.
Dito de sedro, idem.
Tapete para escalieres, metro.
Taxa de cobre, kilo.
Taza de bomba, kilo.
Tjolo iuglez, um,
dem de fogo, idem.
dem de alvenaiia batida, rcilheiro.
dem de al venara grossa, idem.
Tinto branca d-; zinco em maca, kilo.
dem verde era maca, dem.
dem preta Stepheer, botija.
dem carmim, Irasco. ,
Trave de sicupira vetdadeira, metro.
Trena de fita, uma
dem de ac, idem.
Trados de diversos tomanhos, um.
Trave de emboriba preta, metro.
Trincal, ki.o.
Tubo de vidro para o nivel d'agua, um.
dem de lati para caldeiras, kilo.
Tarrachas diversas, urna.
Tinteiros de vidros, idem.
lelhas de barro curvas nacionaes, milheiro.
dem le zinco onduladas, folha.
Toroeira de bronze diversas, uma.
Tecido de rame de qualidade e dimensoes, kilo.
Traveta de 7 metros, uma.
Tijolo francez, milheiro ou um.
Tecido de rame de lati, metro.
Tornos de ferro para bancada, um.
Vlvula de bronze de mola e de tamanhos diver-
sos, uma.
ViE30ura de Timb, idem.
Verroma de diversos tomanhos idem.
Vasssonra de piassava, idem.
Vara para cauda, idem.
v"erde francez, kilo.
Vormeihio, idem.
Verde chromo, litro.
Vcrgontea de pinho, uma.
Zarco inglez, litro.
Zinco em folha, uma.
Reparticio daa Obras do Porte e Obras.Geraes
de Pernambuco, em 10 de Julho de 1886.
O Io escripturario,
Manoel Dumrte Pereira.
O escripturario das Obras Geraes,
Joaquim He Matero* Baposo.
THEATRO
SANTA ISABEL
GRANDE COMPAA MESIAL JAPONEZA
DE
Director Chas. Coiuelli Empresa Bourga
A
KDIOO
de anillas familias a empresa resohea dar
MAISUMESPECTACULO
,1 Quinta-reir, 15 de Julho s 8 1|2 horas da noiti
EXERCICIOS NOVOS
Quera anda nio apreciou os trabalhos destea maravilhcsos artista* j^p-
nezes nao devem perder:
A OPINIAO GERAL que nunca tinha vindo Pernambuco cof-
nbia 8ernelhante 1 -_
% TheatroHOJE-quinta felra, 1S de lulho I!!
Os bilhetes desde j venda em casa de CHARLES PLUYN & C H,
ra do Comraercio, Reeife e a partir do 1 hora da tarde no eseriptorio do Theatro
DKasegas xwxa:axcas
(amaretes de 4.a e 2.a ordem 120000
dem de 3.a dita 60000
dem de 4.a dita 40000
Cadeiras da 1.a classe
Cadeiras de 2.a classe
Galenas
Platea
20500 Paraiao
Tren at Aplpucos e bonds para tedas a linhas.
0
11
Secretarla da wenerawel ordena ter-
eelra de N. S. do Carato do Beelfe.
de Julho de 1S
Em vista do cenvite do Revm. padre provincial
do convento do Carmo, e de ordem da respectiva
mesa reeedora, scientifico a todos oa nossos ca-
rissimos irmios, afim de encorporados, assistir-
mos nos dias 15 e 16 do carrete mes, pelas 6
horas da tarde, as vesperas, no aubsequente a
festa, Te-Deum e raaoura da Excelaa Padroeira ;
assim tambem no da 20 a festa a Te-Deum do
qosso patriareha Santo F.lias.
O secetario,
Adolphs Coelho Piaheiro___
,60 de
3oio Jmqvim de] Signara Yarejdo
Companhia
DO
Nio ae tendo reunido accionistaa desto eompa-
nhia em numero sufieieote para constituir a as-
sembla geral ordinaria no dia f do corrente
mez, sao de novo convidados os senhores accie-
nistas para reunirem-se no dia 16 deste mez, ao
meio dia, afim de que tenha lugar a mencionada
assembla goral, a qual teri lugar com qualquer
que seja o numero dos accionistas presentes, na
forma da lei. A reuniio no lugar do costume,
no eseriptorio desta companhia, i ra do Impe-
radsr n. 71.
Recite, 7 de Julho de 1886.
Ceciliano Mamede Alves Ferreira,
Director gereute.
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina,
Directrr secretario}
CIARI.EIRS REUIS
Companhia FraHceza de XavefaV-
e a Tapr
Linha qnimenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeirt e
SfcuitOB
MARTIMOS
Dito de vela, idea.
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro director da
reparticio das obris publicas, faco publico que
em vieta da aut-risacio do Exm. Sr. vice-presi-
dente da provincia, recebe-se no dia 15 do cor-
rente, ao meio dia, propostas em cartas fechadas
para a exeeucio dos repaios urgentes da cadeia
da)vlla de Iguuruse, oreados em l:640f
O orcamento e mais condices do contrato se
achara disposicii dos senhores pretendentes, pa-
'raserem ezaminadoa.
Secreuria da ReDrticio das Obras Publicas, 3
Julho de 1886.Osecreterio,
JoSo Joaquim de Siqyeir* VarejSo.
Comps^Ma Bra.IIeira de Xave-
sacoa Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Cear
C checo
E' esperado dos portos do sul
at o dia 16 de Julho, e
seguir^ depois da demora in-
diapensavel, para os portos
do norte at Manaos.
Para carga, passagens, encommciidae e valores
racta-ae na agencia ,
11Ruado Commerco11
" flamarE-SaeiiamBrilaiisclia
DamprschirtTahrts-GeselIsehailL
O vapor Argentina
Espera-se de HAMBURGO,
via LISBOA, at o dia 16 do
corrente, seguindo depois da
demora necessaria para
Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, e cncommendas tracta-
ae com os _
CONSIGNATARIOS
Borstelmann & C.
RUADO VIGARON. S
1' andar
E' esperado da Europa
o dia VO de Julho, sa-
guindo depois da indispea-
savel demora para a B-
tala. Rio de Janeir
e Saatoa.
Roga-se aoa Srs. reportadores de carga p^aa
vapores desta linha,queiram apresentar dentro d*
dias a contar do da descarga das alvareng.. qual-
quer reclamacio concernente a volumes, que jm-
ventura teuham seguido para os partos do 8ol,aSB
de se poderem dar a tempo aa providencias nece-
sariaa. *" "
Expirado o referido praso a companhia ato te
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas e passageir**. para
es quaea tem excellentes accomodaeoes.
Augusto F. de Oiveira 4 C
JkGEXTEU
42 -RA DOCOMMERniO-42
tOMPA^HIli ES MEHMAiSK-
RIES MARITIMUN'
LINHA MENSAL
0 paquete Equateur
Commandante Lecmntre
E' esperado doa portos do
sul at o dit 25 do corre
seguindo, depois da de
do costume, para Bordate
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se sos senhorea passageiros de tuV*
claases que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 % em favor daa fa-
milias composta de 4 pesaoas ao menos e que pa-
garem 4 pastagens inteiras.
Por excepcio os criados de familias que tomav-
rem bilhetes de proa, goaam tambem d'eate abaa-
mento.
Os vales posUes s se dia at e da pagaa
de contado. .
Para carga, passagens, encommendas e dinner
afrete: tracta-secamo
AGENTE
Magoste Lab lie
9-RA DO COMMERCO-9
as
tnueil States & Brasil MailS.S.d
O vapor Advance
E' esperado doa partos da
buI at o dia 15 de Jal
depois da demora necessaria
seguir para
naranho, Para, Barbados, S.
Thomaz e Xew-Vork
Para carga, passagens e encommendas e dinhsi-
reta frete tracta-se com
AGENTES
WM


O paquete Finance
Espera-se de New-Port-
News, at o dia 23 de Julho
t> anal seguir depois da de-
mora necessaria para a
Baha e Rio de laaelro
Pura-carga, {assagAs, enofitoraendas edinheuj
a fete, tracta-se com os
AGENTES
Bewy Forsler 4 C.
N. 8 RUADO COMiiKClO.-N 8.
! andar
Companhla Bahlana de navega-
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaju,
Estancia e Bahia
O VAPOR
Marinho Visconde
Commandante J. J. Codito
Diario de Perajn&uco(hiiita--k'ra 15 de Julho de 1886
E' esperado dos nortos aci -
ma at o dia 15 de Jnlho
e regressar tiara os mes-
mos, depois da demora do eos-
turne.
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete tracta-se oa ," ncia
7tiua do Vigario7
Domingos Aira Matheas
PaelcSefflllaigation Companj
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Ootopasi
Espera-se dos portos
do sul at o dia 19 de
Julho, seguindo pa-
ra a Europa depois da
demora do costume.
Este paquete eos qoedora
em diante segnirem tocaro em
PIymonth, o que facilitar dra-
garen, os passageiros com mais
brevidade a Londres.
Haver tambem abatimento no preco das pas-
agens.
Para carga, passagens, e encommendas, tracta-
se com os
AGENTES
Wilson Sons ft C, Umlted
N. 14- RIJA DO COMMERCIO N. 14
LEILOES
6 agente Martin?, autorisado pelo procurador
do Sr. Jos Vicente Gsncalves Torres, far leilio
dos moris e mais objeetos existentes no referido
sobrado, os quaes se recommendam pelo apurado
eosto e ptimo estado de conservacao.
Entrega esa acta contlano
Leilo
De miudezas, ferrawns, ferramentas, balancas e
muitos outros artgos q e serao vendidos para
liquidscao do armazem e deposito da ra do Vi-
gario Tenorio n. 31.
CONSTANDO DE:
Balancas de 3 a 50 kilos, serras, inches, vasa-
dores, tenazes, colheres, leles, batedores de ovos,
torquezes, bracos para balan?, faees, tbesooras,
plainas, galhes, pannos para enfeites de caixes,
c rnamentos, objectos para casas mortuarias, bor-
das douradas e serras.
Botes de linho, espelhos, fitas de seda, trancas
de caracol, bandejas, bicos, fraBJas elencos.
Espoletas e fio e brabante.
Frase para pbarmacia, capsulas para garra-
fas e frascos vasios de differentes tamanhos.
Sexta-feira ie do corrente
O agente Pinto faia leilo por conta e risco de
quem pertencer de 152 volumes com terragens,
roiudezas, fertamentae, balancas, frascos e outros
muitos artigos existentes no armazem da ra do
Vigario n. 31, os quaes sero vendidos ao correr
do martello e sem reserva de pre90s.
O leilo priucipiar s 10 1/2 horas, por serem
muitos e differentes os lotes.
Agente Pestaa
Leilo
Do sobrado de um andar, sito ra do
Commercio, outr'ora Quatro Cantos,
n. 17, em Olinda.
Sexta feira, i do correte
Ao meio dia em ponto, no mesmo predio
O agente Pestaa, vender pelo maior prec
que puder obter o tobrds cima mencionado, com
2 sallas, 5 quartos, cosinha, penna d'agua, quinta I
com sahida para outra ra, em terreno proprio e
livre e desembarazado de qualquer onus e em per-
feito estado de conservaco. ________________^_
lilil
APPROVACAO DA ACADEMIA DE MEDICINA DE PARS
O quinium Labarraque um Vinh ^eminentemente tnico et febrfugo destinado k substituir (odas
oatras preparages de quina.
O quinium Labarraque contem todos os principios activos dos rinhos mais generosos.
O quinium Labarraque prescripto com vantagem aos convalescenr.es de doencas graves, as parturientes e
a todas as pessoas iracas ou debilitadas por urna febre lenta.
Tomado com as verdadeiras pilulas de Vallet, sao rpidos effeitos que produz nos casos de Morse,
ma, c6res paludas.
Em razao da efEcecia do Quinium Labirraque, 6 prefcrivel f* CS^
tomal o em copo de licor, no fim da refei^o e as pilulas de Vallet antes. ^J$pj9# y^
Vende-se na mor parte das pharmacias sobe a assignatura : j
Fabricago e atacado : Casa L. FRERE
19, ru Jacob, Pars.
Sexta-feira 16, o de ferragens, miudezas,
frascos, ferrament*s, balancas e muitos outros ar-
tigos que sero vendidos para fecbamento de con-
tas e liquidaco do armazem da ra do Vigario
n. 31.__________________________________
Agente Pestaa
LEILO DE PREDIOS
Bom emprego de capital
Livre e desorabarajado de todo e qualquer
onus
O agente Pestaa, decididamente, entregar
pelos maiores precos que puder obter, as casas
abaixo mencionadas ;
Ba da Palm n_ il._Excellente casa terrea
rcKndo 264*000.
Ba de Lomas Valentinas n. 4.Casa terrea
com 2 sotas, rendendo 300*000.
Ba de Hurtas n. 141, fabrica de licores Casa
terrea em terreno pronrio, rendende 300*000.
Corredor do Bispo n. 18.Casa terrea, em ter-
rena proprio, rendendo 300*000.
Ba do Tambin. 5Uma boa casa terrea, ren-
dendo 300*000.
Travessa de S. Jos n. 23.Casa terrea em ter-
reno proprio, rendendo 3008000.
Ba de Hortat n. 143.Casa terrea, pequea,
em terreno propri, rendendo 168*000.
Ba do Visconde de Goyanua n. 107.Casa
terrea, em terreno proprio, rendendo 30#*000-
E finalmente a casa terrea sita a ra do Bosa-
rio da Boa-Vista n. 11, onde se acha localisada
uma taverna, rendendo 300*000.
Quinta feira. 15 do corren te
A's 12 horas em ponto
Em seu armazem ra do Vigario Tenorio n.
12,
De 1 piano, movis, obras de ouro e prata
e livros de religiao
Agente Britto
0 agente cima, a mandado do Illm. Exm. Sr.
Dr. jniz de direito de erphos e ausntese re-
querimento do Illm. Sr. Dr. curador, vender em
leilo o >eguinte :
1 piano quasi novo, 1 mobilia de Jacaranda com
1 sof, 1 JBrdineira e 2 canslos com podras, 4 ca-
deiras de bracos e 18 de guarnico, 1 mobilia de
junco com 1 sof, 3 couslos com pedras, 2 cade-
ras de bracos e 12 de guarnico, 1 mesa elstica,
1 gualda-louca, 2 aparadores, 1 cama franceza,
1 lavatorio com pedra, 12 cadeiras de junco, 1
marquesa, 2 mesas para jogos, 10 cadeiras de
guarnico de Jacaranda, 2 meias commodas, 1 sof,
l marqueta, 1 quartinheira eolumna, 2 conslos, 2
cadeiras de bracos, 1 mesa grande de amarello,
ectagers, jarrss, espelhos, candieiros par kerose-
ne, copos, colfceres, facaj, loucas para jantar eal-
moco, obras de ouro e prata, do espolio do padrs
Antonio de Mello e Albuquerque.
Sexta-feira, 16 do crvente
A's|flO>l|* horas
Ra do Padre Nobrega n. 22, outr'ora do
Alecritn
Leilo
Leilo
Quinta feira, 15 do corrente
A's 11 horas
Na ra Duque de Caxias n. 9
Urna mobilia de Jacaranda, 1 cama fraace, 1
toillet, 1 mesa, 18 cadeiras avnlsas, 1 marquoza, 1
marquezo, 1 cama para menino, 1 commoda, 2
eonsolos, 1 quartinheira, 1 cabide, 1 relogio de pa-
rede, quadros, jarros, talheres, colleres, 1 aparador,
v cadeiras de balanco, 1 jarra e trens de cosinba.
Agente loieste Bautista
Leilo
de mobilias, camas fraucezas, marqueses, com-
modas de Jacaranda e amarello, mesa elstica,
aparadores, bercos, guarda-louca, arandelas com
globos, espelhos, jarros, candieiros, piano, 1 al-
catifa grande, lonca e muitos outros objectos.
Sexta feira, fS do eorrente
A's II horas
No armazem da ra o Bom Jess 49
POR INTERVENgAO DO AGENTE
Gusmo
AVISOS DIVERSOS
De dividas na importancia de 1:2675000
em 3 lettras aceitas pelo Sr. Bento Leite
Cavalcante de Albuqnerque, pertencente
ao espolio de Jos Francisco de Salles.
Agente Brillo
O agente cima, a mandado do Illm. Exm. Sr.
Dr. juiz e direito e da provedona, em preaenca e
a requerimento da inventariante, vender as efe-
ridas dividas.
Quina feira. i. do corrente
A's 1012 horas
Ra do Raugel n. 48________
~"Grande leilo
De importantes movis, 1 excellente piano,
1 bonito espelho oval, louca de porcelana
fina, crystaes o objectos de eletro-pate.
Constando de :
Um excelente piano forte, 1 cadeira para o
mesmo, 4 pe. de vidro, 2 livros de msica, 1 solida
e elegante mobilia de Jacaranda, a Luis XV. (com
pouco us.) tendo 12 cadeiras de gu rnico, 4 ditas
de bracos, 1 sof, 2 consolos coa tampo de mar-
more, 1 bonito ta. elh.i cval, 2 serpentinas de crys-
tal, 2 ricos purs de jarros para flores, 6 cadeiras
de fantasa, 2 tapetes para sota, 5 ditos para por-
tas 1 d'to para cama, lanternas, 1 banca de ferro
e 3'langas para c rtinadoF.
Uma importante cma francesa de Jacaranda, 1
toillet de .titi. m pedra, 1 lavat.no cem pedia,
1 rica guarnicii' Dar lavatorio, diversos vasos e
jarros para toillet, 1 boni'o guarda-vestidos de
amarello, 1 in.ia c muv.da, 2 tamas de amarello
para erwnc .s, 2 cupu as para vama, 1 -s.bide de
columna e um puarda-r upa com frente decsocl, o
Uma mesa elstica, de mareDo, com 4 Uboa
1 guarda-iouca. 2 aparador, a le e- lomn, 1 guar
da-emida com p de columii., gu"rd-prata je
amarell.., V cadeiras de junco, 2 ditas de bracos,
1 maiqe a, 1 rico appar. Iho de porcelana para
jantar, 1 dito para almo.. de compo
jjari fas para vii.hu, copos, clices finus, 1 galbe-
teiro, duz.as de talhere d; electro-pate piara
mesa, 2 dusiis de ditos de -lito p mesa,
> duzias de colheres de dito pira opa e 2 ditas
ditas para cb, 1 bonita salva de di'o, concha de
dito para M>pa. colher de dito para arroz, 2 tiboas
e cav..'letes p>ra engommad.-, 1 earrinho para
iianc^, 1 deposito pa a gz, 2 la'as par* farmha,
L nx-sa de c.zinh.., 1 trem de enziuha e outros
mnit veis d Uso de un>a familia.
Quinta-fcira, 15 do corrente
A's 11 horas
No 2o andar do sobra Baro do Triumphoyantiga ra do Brutn
Aiuga-se uma casa e sitio na estrada de
Joao de Barros n. 6, junto a estacao do Espinhei-
ro, tendo agua e gaz encanados, e bem assim se
aluga uma boa sala e um quarto tambem com
agua e gaz ; a tratar na ra nova de Santa Rita
n. 57, sebrado._____________________________
~^ Alnga-se casas a 8000 no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Goncallo : a tratar na ra da
Imperatris n. 56. _________^_________
ALUGi-SE a casa tarrea n. 20 da ra do
Capitao Antonio de Lima, com 2 salas, 3 quartos,
cosinha e quintal com cacimba : a tratar na ra
do Marques de Olinda n. 8.
Compra-se fios de linh para o hospital Pe-
dio II : na ra Formosa n. 4. _______^__
Precisa-se de uma ama para cosinhar e
fazer mais servicos de uma casa de pouca fami-
lia : na travessa da Praia do Porte n. 6.________
Quem quizer dar a quantia de lUt>4(XXJ que
falta para a liberdade de um escrava perfeita
engommadeira de roupa de homem e de senhora, e
cosinbeira de tazer qualquer jantar de possoas que
se tratem, de conducta irreprenhensivel e seria,
dirija-se a essa typographia, ou na ra do Mar-
que do Herval n. 23, que achara com quem tra-
tar, ficando a escraa Bujeita por um contrato a
ervir at pagar a dita quantia a quem a em
srestar. _________________^_^___
Na ra da Matriz i Boa-Vista n. 3, preci
sa- se de uma mulber de idade para cosinhar, para
pequea familia.______________________________
Vende-se a taverna da esquina da entrada
do Fundo, em Beberibe, faz-se todo negocio a
vontade do comprador : quem pretendel-a dirja-
se mesma. ___^____________
Aluga-so o sitio do Pina, com boa casa para
morada, contendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiros,
seis grandes viveiros, duas cacimbas com excellen
te agua : a tratar no caes de Apollo n. 45.
Urna familia honesta aluga outra de igual
conducta a metade da casa dama de Bartholomeu
n. 61. e preeisa-se de um menino para vender
na ra.__________________________________
= Precisa se de um homem para tratar de um
pequeo sitio : a tratar na estacao da Jaqueira
sitio do Dr. Valenca.
LUIS LAVENERE
eiona em casa do discpulo ;
ra do Livramento n,12.
entina francez, lec-
sendo encontrada i
__ Precisa-se de um criado, dando flanea de
sua conducta ; na ra da Florentina n. 36.
__ Precisa-se de uma ama para cosinhar e
comprar : na ra da Imperatriz n. 41.___________
_ Arrenda-se nm bom sitio na Piranga, eom
casa do boas cccominodacoes, contendo 2 salas, 4
quart, saleta, cosinha fra, estribara, eteimba
eom agua potavel, tanque para batfho, o sitio
bi'm plantado de arvor.dus do boas fructas :
quem pretender, dirija-ae Olmd, ladeira da
Misericordia, segunda casa quem desee aolado
dirciu. _____________
Criado
paia ut= sitio ; preciii-se contratar na ra Nova
numero 13.___________________________
"Conollorio medico-eirurgico
O Dr. Estevo Cavalcantw de Albaquerque con -
tinua a dar consulta medico cirurgicas, na ra
do Bom Jess n. 20,1 andar, de meio da s 4
horas da tarde. Paras? demais eonsulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1 andar.
a. i ep hoaicos : do consultone 95 e residencia
1^6.
"Especiaidades Partos, molestias de creacas,
Nd'ujltt e seus annexos.
INJECTION CADET
Cura certa em 3 das sem ontro medicamento
JTAUIS 7, Boulevard IMuiain. V l'AUl
Cura rmpUUt e eerta pe
ARSENIATOdeOURO DYNAMISADO
do DOUtor ADDISOiV
' da Chloroae, Anemia, Ma m Malastlas do System* nerroso, mesma *s
mala rabeldts, Molestias chronlca do* PulmSee, ele., te.
Aj nudoref UloatTaeOes medical Mea testado o podar oor*tiTO deata medlcaaaate daakaram-u'w
o pnmeiro e o mais enrgico do rfcofUlilMmle*.
O FRASCO : O FRANCOS (SS nukSfO'.A.) yp
Todo fratco a*e no trouxer a Marca a* Fabrica rtiittrwio $utioHtrth-i^j^',"lto F*MMt*
deve ser rigorosamente reooaado. fs^J^ tfaffe
PA.RIS, rbormaela 6ZJ.nr, ma Bocbeanonara, 30.
Deposito em Fernambuco : FRAN M. da
EX
Ewnr
SILVA Se C*.
ca
Aviso
Deodsto Monteiro declara ao commercio ac
publico em geral, que o Sr. Manoel Fernand de
Cerqueira, deizou de ser caizeiro da firma de
Deodato Monteiro & C.. desde o dia 12 do corren-
te. Escnda, 14 de Julho de 1886.
Farinha para porco
Vande-se na ra do (mpejador n. 63.
Criado
Precisase de um criado
de Albuquerque n. 24.
na ra do Visconde
Sem cheiro nem costo dos leos de Flgados de Bacalhan ordinarios
FIGADOS FRESCOS I
I BACALHAU I
l.lade certa contra a Molestias de Pelto, a Tsica,
Bronquitis, PrlsOes de Ventre, Toases chronlcas, AfTecs8es escrofulosas.
ADVERTENCIA. Exiga-ao no rotulo o sello-Azul do Botado traneez\
HOQO, Pharmaceutico, 2, ra Castiglione, PARIZ, e principaes Pharmacias.
OLEO
CAPSULAS
Mathey-Caylus
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten nao fatigao nunca
o estomago e s3o recommendadas pelos Professores das Faculdades de Medecina
os Mdicos dos Hospitaes de Pars, Londres e New-Yort, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Cystite
du Collo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos orgos gtmito urinario.
UH Um* txplicigS ditlhada tcompanh tuda Fruto.
EaigW m Verdaderas Capsulas Mathey-Caylus de CLIN & C1*, de PARS,
que te ochlo em oso dos Droguista* e Pharmaceuticot. ^^
o sobrado de nm sudar e aotiio ra do Mrquez
do Berra!, traressa do Pocinbo n. 33, e a casa
terrea sita ra do Visconde de Albnquerque n.
170 : a tratar n largo d* Corpo Santo n. 4, pri-
meiro andar.
Bom
negocio
Precisa se de um moco que tenba bastante pra-
tica de molhados e que o mesmo tenba qualquer
quantia, para com esta entrar de sociedade, em
nm dos melhores lugares da praca : a quem in-
tersssar, dirija-se ao pateo do Paraizo n. 2, que
abi lhe dir quem pretende.
Cosinheira
SAUDB PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
Ai Pilulas purlftco o Sangue, correm todas as desordems de Estomago e
dos Intestinos.
Fortalecem a saude das consttucoes delicadas, e sao d'um ratof iaeArtl para todas as enferndades
peculiares ao sexo feminmo em todas a edades. Para os meninos acsira como tambem para as
peasoas de idade arancada a sua eficacia incontestareL
Bsaaa Mdicina *> preparada smenla ao Battbeladmto do Prora*- Holioa\
78, HEW 0XT0KD 8TBBET (antes 533, Oxford Street), L0KDBE8,
B rendeasa am toda* *a phannaciaa do aiTario.
*W O* canioradores alo (nridados respeitoaamente a ejeaminar oa rotnlaa de c*d* mtm t Po s alo tesm a
^ *" direcoao, 5ji Oxford Soeet, *k> aUil*a|os*.
Preeisa-se de
quena tamil a :
do andar.
ma cosinheira para cisa de pe-
no psteo do Carmo n. 18, segn-
jndante para cosinha
Precisa-se de um bom ajudante para cosinha
no hotel do Caminho Nevo.
t
Jouojiiina
Exigir t tolh
FruiOU.
soLuee goirre
Exigir o
Frtnooz.
ttih
AO CHLORtfYDRO-PHOSPHATO DE CAL
t adoptado por todos os Medico* da atarop* na
rrooueut oeral, Anemia, CHoroiii, Tsica, Cactomia, Bscrorki**, RocMitn, Doeneo*
i, Cresemcnto Ufficti da* eriatteas, Pasito, DyspefUa*.
O mak aederoao aarn 1
nroeueut
4o* o**oi,
rsris, COIHHB, rfc~, 79, i*_4jCfcirtJlidK-JsMt^
Ferrelra de tile*
Dnlra
Anastacio Alexandrino de Salles Dutra Jnior
eonrida aos seas parentes e pessoas de sua ami-
sade para assistirem a missa do stimo da do
pasaamento de ma presada esposa, Joaquina For-
reira de Salles Dutra, qne minda resar na igreja
do eonreato da Gloria, s 7 horas da manh do
dia 17 do corrente, e desde j antecipam o sen
reconhecimento por este caridoso oh>paio-
f


V
4
REMEDIO
DE i
CONTRA SEZOES
(xrrBfs Aoct ccee)
cura luraAHJTrr. com cotrra
as
SFebros IntermitteiilesJ
Rcmirnlf 3 e Biliosas;
as
, MaVitM.os Calafnos.
TODAS AS
ilole Jlias Paludosas.
PiapvaX %4m IV. JCXTPOA.Ltjn^.^r...
"% mu
rW
r~\
Precisa se de nma ama para lavar, engommar
e fuzer mais alguns servicos, com tanto que dur-
mb em casa : na ra da Matriz da Boa-Vista n.
9, se oir quem precisa.
AMA
Precisa-se de uma ama para lavar, en-
gomar, e faaer mais alguna servicos de
casa de familia na ra da Matriz da Boa-
Vista n. 9 se dir quem precisa.
Aluga-se barato
A casa n. 96 a ra dos Guararapes.
A casa n. 107 da ra Visconde de Goranna.
A ra Loma- Valentinas n. 4
O armazem da ra do Corone! Suassuna n. 141
Traf>.-se na ra do Commercio n. 5, andar
Jardn, das plantas
MONDEGO N. 80
Pretendendo-se acabar com as plantas qne ei-
to em vasos n'este jirdim, rende-se os sapotisei-
res muito grandes, e dando fructn, 2000, la-
ranjeinis, muito grandee, para eiixertar, i 600#
a duiia, e sapotiseiros mais pequeos por barata
preco. ________
Casa PINBT, fundada em 1853, PARS
EXPLOTACAO GERAL M CAUTGHDG
rOR HOYOS PROCESSOS APeRFEIjOADOS
ESPECIUDDE rUSTRUMEIITOS i MEDICINA CIRURGIA mi GOMIft ElsitlM H BORRCH*
Crluoes Seringas,Boraoha-Pera*paraIn(ecc3o3 ecaysteree, Injeotore*.
Palrerisadoraa, Peaeairlos, Fundas. Ventosas, Tubos, Bicos de Mamadelra,
Aimotadas. Bollas para Injeccdes para qualquer uo, eo., ato.
MAVDA-Ba O CATALOGO VSASOO
E. I1RCASSIH & C>, Geaire et Snccesseur, 34, rsa Turbigo, 34, PARS
EsUbeleclmento fabril a vapor: AUX ULAS, perto da Pars.
dado
H 4 grtnda /ogs, sempre crcente dos nonos prorfuto
a faltlHcaceas, conraf exigir a atarea B. BC. *V C*.
tendo
logar
?sJWWWWrlb* _
FraasUen de AmmIm Llns Csalda
Florismundo Marques Lins, sua esposa e filhos
unmameote penalirados pelo prematuro fallec
ment de sea sobrinho e primo, Francisco de As-
sis Lins Caldas, mandam celebrar uma missa
sexta feira 16 do corrente, as 7 1|2 horas da ma-
nh, na matriz de Santo Antonio, stimo dia de
seu passamento, e convldam para assistir a este
acto a todos os seui parentes, amigos e collegas,
e desde i4 protestar su eratidio.

100:0008000,
Lotera da provincia de Santa Camarina
A lR VANTAJOSA DO IMHEBIO a
MO M SEliES IEI SHIlf ISIES
Decrelo provincial de i de Fevereire de .88b
Anna Carlota da Albuquerque
Mello
Primeiro anniversario
O bacharel Pedro Alfonso de Mello, em comme-
moracao do 1 anniversario do falleclmento de
sua sempre chorada mulher, Anna Carlota de Al-
buquerque Mello, anda celebrar missas por sua
altaa bo dia 16 do corrente (sexta-feira) s 8 ho-
ras da manha, na matriz da Boa Vista ; e muito
peahorado ficar todas a pessoas que lhe 15
rem a finesa de assistir a
religiao.
Doce secco de caja*
primeira qualidade, proprio para presente, tea
para render na ra do bom Jess numero 35, ar-
mazem.
Casa para alugar
0 2- e 3- andares, juntos ou separados, da raa
larga do Rosar:o n. 37, esquiaa dcf'route da gro-
ja : a tra'ar no parisaento terreo.
Para criado
Precisa-se de um menino de 12 14 annos : na
escripterio deste Diario 6 dir quem precisa.
Caixciro
Precisa-ee
da t^rerna ;
de um menino com niguma pra tica
a tratar na ra de Hurtas n. MI
Caixeiros
Precisfc-se de um menino, c outro de 14 a 16-
annot, qoe duem ti.uior de sua conducta : na ra
da Roda n. 48.
Criado
esse acto de candada e
Prewsa se de nm menino ferro, ou cscravo :
segundo aadar ra da Impereti iz a 44.
11 geoda
O Sr. Abdon Amar ico Aquino tem urna carta
de urgencia para lhe ser entregue na loja de Car-
los Linden, ma do Baiio da Victoria u. 48.
Roa do Mrquez do Herval n, 15t)
Aiuga-se a casa cima : trata-se na raa
Imperatria n. 16, 2- andar.____________^_^^_
Criada
Preeisa-se da urna criad > que saiba cosinhar
bem, que aprsente attestades de boa conducta a
queira ir yara a prorincia do Espirito Sinso : a
tratar na ra do Baro da Victoris n. 57.
<
C3
O
H
o
<
O
9i
O
O
e
e
a
j
a.
e
e
e
9 *
i
a. 3
9
t e
w
o
9
mi
V

m*
A
s
1 premio de
1 dito de
1 dito de
1 dito de
1 dito de
2 ditos de
6 ditos de
12 ditos de
24 ditos de
47 ditos de
100 ditos de
200 ditos de
loo:ooo$ooo
24:ooo$ooo
12:ooo$ooo
8:ooo$ooo
5:ooo$oo<
0
2:ooo$ooo|
1:ooo.a$oooS
e
5
a
S
9
t
tZ
>?
e
a
>
B!
H
ir.
2
m
5oo|looo| |
2ooSooo
looSooo
5oSooo
2o|ooo
joaanlm da Cotila Ramos
Joaquina Maria dos Prtxer milia agradecem a todas as pessoas que se digna-
ram acotapanhai at ao cemiterio publico os restos
mortaes de seu chorado filho, Joaquim da Cesta
liamos, e de novo convidam a todos os parentes
e amigos do fallecido assistirem a missa de s-
timo da, que ter lugar quinta-feira 15 oo cor-
rente, pelas 6 1|2 horas da manha. na matrixjde
Santo Antonio ; pelo qu desde j se confessam
eternamente gratos.
M .- KkVMM o**-~- .w.-^-=*'
^5
D. Mara
SB
9

03
O
Benedlria de Nohza
Bandelra
Dr. Rirmundo Bandera e sens irrnaos (ausen-
tes) convidam seus parentes e amigos para as
missas que por alma de sua tia, D. Maria Bene-
dicta de Souza Bndeira, fallecida na Parahyba
a 8 do corrente, mandara celebrar na quinta-feira
15, as 8 horas da manha, na matra
Vista. _____
EXf>eiqXo db pars ii
*oaa d oesapaso
Cxxia
de
peto o
^-mt mu todo* o* Photmacto*.
voaA d oewapaao
ASMA
, mb llflftvaa rtaiii 4as mam
Para etnmr as fahtflcacde,
^ougir afirma eio itmentor, tam\
em euici su&penaorio.
nm k tok as ststex&s
MEIAS PARA VARlZES
MUIRET, LE61HK, \M-fM.tlmS. W. r. J.-I.
da Boa-
Duas approximacoes de 3:ooo$ooo para o pri-
meiro premio
EXTRACCAO A lr> DO CORRENTE
\E1TOF-SE Na\ C\S\ D\ 01VTI3\ V
2o-Rua *. de Mar?o-23
t
D. Joan"
Ama
Precisa-se de uma >tma para servico de casa de
duas pessoas : a tratar no largo ds 8linas i
Santo Amaro, taveina
reir.
do Sr. 3ento Jo3 Fer-
Ama
Precisa-se de uma ama para
na ra Formosa n. 37.
casa de familia
Precisa-se de um ama pur cosinhar e encom-
mar em casi de pouca familia : na ra des Pires
numero 107.
Vende-se uma
alfaiate : na ra
em i om estado,
da Paa n. 24.
propria pai
Franelsra Sewe na-
varro
Os irmios Lcal nandarr. resar uma missa pnr
alma de tua presada Un, D. Joanna Francisca
Seve "ararro, na igreja d>i ordiiu terceira de S.
. rancisco, as t> horuB de 15 do corrente, set-mo
iiade sen fall-'ciinento, e se confessam reconhe-
! i dos aos que o mpwrerer-m a -i-se et.
Ac*.cl-iii<. Fram-Uro de Anmm
1,1 ii* Calda
oo Francisco da Kocha Baixa Lins e seu fi-
lh->, fsismente compungidos pelo infausto pas-
sam ufo de seu presado par< nte e amigo, Francis-
co de Assis Lins Caldas, mandam celebra/ urna
missa por sua alma n" da 16 do crrente, pelas 9
horas da manha, na matriz de Gamelleira, e con-
vidam seos pirante* amig-'B para assistirem.
S RES DE FAMILIA
Para remediar fraqueza das enancas, dejen-
Tolver suas forras, seu crescimento e \>rt$Ot-
ral-os das molestias communs idade tdflrt,
os principaes Mdicos e Mcmbros da Aca'iamia
de Medicina receitao, com grande xito. o verdar
deiro Racahoat ios rabes e Dolangrenttr,
de Fariz. Este alimento muilo agradayol ^S*"
iosto de substancias vegetaes nutritiva
ortitlcantes, se espalha por toda a econo
e em vista de suas propriodades anatepu
memora a composico do leite das seal
ue crio, e restaura as torcas enfraquocfi
_o estomago.
Depsitos em todas as Cidaes do BrtuiU e do Prf>foX.
ao"
Prcsjnezido Rccife
Alog*-se por cemmodo prec" metade da casa da
ra dos ({uararar.es n. 8?. Na mesma pr.osa-se
de nm ra-nmo qne seja Bal para criado, e paga-
se bem._________________________,_________
PI\H0 DE RIG4
de 3^0 4X9 e 3X12 ; vende-se na serraria a
vapor de Climaco da Suva, Ces 22 de ovembro
numero 6.
Serrara a vapor
Caes do Cap.baribe o. *8
N'esta serraria encontrarao oa s/rnhores fregue-
xes, nm grande sortimento de pir.h? de resina de
cinco a dez metros de couiprimenio e de 0,08 a
0,24 de esquadros Garante-se preco mais corna-
do do que em futra qualquer parte.
Francisco dor Santos Macedo.


Diario de Pernambuco- Quinta-feira L5 de Julho de 1886
S
I
i
i
Tricofero de Barry
Garante-sa qnefaz nas-
oer e crescer o cabello ainda
sos mais calvos, cara a
tinha o a caspa e remoro
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impeda o cabello
de cahir ou de embranque-
cer, e infallivelments o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a frmala
original usada pelo inventor ea
1829. B' o nico perfume no mun-
do que tem a approvacSo official da
um Govemo. Tem duas vosea
m.iis fragrancia que qualquer outra
eduraodobrodotempo. E'mmito
mais rica, suave deliciosa. E'
milito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
len90. E' duas veas mais refres-
cante no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra a
frouxidSo e debilidade. Cura aa
dores do cabera, os cansacoa e o
desmaios.
Xarope fle Vifla 3e Reter No. 2.
SUTES DB TTSAl-O. MPOIS DB USAI/-C
Cura positiva o radical de todas as formas da
escrfulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affecces, Cutneas e aa do Couro Cabel-
ludo comperda do Cabello, e de todas os do-
encasdoSanguo, Figado, a Bins. Garante-a
que purifica, enriquece e vitalisaoSangu*
e restaura e renova o svstema inteiro. ^ ^
Sabao Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian-
zas e para a cura das moles-
tias da pella de todas as especie
em todos os periodos.
rfepo
sito ein Pernambuco casa de
Francisco Manoel da Silva & C
Ao saiiiQiBS fle Bflgenio e eutros
Tomen! nota
Trillios para cngenhos
WAGONS PARA CANNA
LocomoTas
Maph'risuic completo para en
gtnho* de t*dos os amanhos
Systema aperfeicoado
Etptcificagoes e presos no escript&rio oe
agentes
Browns & C.
V. Ra do Commcrcio
IL'B \ lea do cima B & C, tem cathalogos de
mof- i .mpletnentcsneceBSarios agricultura, coma
.mbem machinas para descarocar algodao, mai
nhpjs para cat, trigo, arroz e millio ; cerca as fer-
ro^rlvunisado excelk-ate e medico gm preeo, pes-
L. nenhuma pode trepal-a, nem animal que-
A caridade abre a por-
ta do co
A infelii tuv, Mara Jos da ConceicSo, mo-
radora na travesaa de S. Jos n. 2, e que se acha
prostrada no leito, quaai paralytica, supplica e
estende aa mitos, pedindo as benvolas almas e
caridosos cDracSes dos habitantes deata cidi.de,
urna esmola. A meem infelis viuva tem comsigo
nma filba moca, que vive honestamente a leu
lado, e que unindo aos de sua mai os seus rogos,
nao cessar tambem de rogar as bencSos celestes
sobre todos aquel les que ae condoerem do duplo
infortunio que pesa na tempo sobre mi e a
filha. Chanta tuptr omnia.
f elegrauTnia (resposta paga)
Bieos orientaes, grande variedade em corea e
larguras, receberam o Pedro Antunes & C, e ven-
dem barato ; esperamos resposta ao 63 a na Du-
que de Caxias, Nova Eeperanca ; novo sortimen-
to em leques de papel a 700 e 800 rs., preferencia
exclusiva ; ditos de seda, bonitas cores e lindas
paisagens a M, barrato pnnhos e coHarinhos
bardados para senhora a 1*800 e 2*500 ; ditos
com pintas de cores a 1*200 ; bonitos e delicados
lacinhos de cores, ultima moda em gravatas, a
1*'00. Reiposta paga ; vale a pena verem o que
: na loja de Pedro Antnnes & C. n. 63, ra
Duque de Caxias.________^^^^^^
Na Magdalena
Aluga-se urna casa terrea om commodos para
familia, tendo agua e gas encanados, jardim e
sitio todo murado, sita travessa do Paysand :
a chave est na taverna do Sr. Braga, esquina c*a
ra do Hospital Portugus.
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA
aff raada ha mus de um mcoJo ; cede toda*
as outraspelo ten perfuma licado e exquiailo.
Trkz Mkdai.ha* or. Ouno
PARIZ 187a. CALCCTTA 1884
pela extra-fina excellem ia de m qnajidade.
ESSEICIi DE WIITE FOSE
FRlieiPiHE I YUH-YUIi
SIEPIUOTIS 0P0P0I1X
ontros muilos i erumc* conhendoi p^Ia f a*
qaalidade o odor deleitara! e eiquiiiW.
Afamada
1GD1 DE C0L0II1 K ITMSOI
ncomparavl pelo mo parame e concentradlo,
vpenor aof producios simiUrec Tendidos,
aob o mearno no trie.
fc*4- ri umCui ii IWi.iI'r-i utei irairliulft
4. A E. ATKINSON
24, Od Bond Street, Londres.
Marcada Fatiriea Urna "Rosa branca*
sobre ama Lyra de Ouro.
511333
AimMttrtfio : PARIZ, $, loultrtrd Uontmttirt.
GRANDE-GRILLEAff^tilTmphtticai.oeo-
C*s dafltiis digestir!,obslruernet no figado t do ba;o
obstrvccei Tisceraes,concrecei ralcolo&atda bil.
HOPITAL. AffectOGSdaiTiacdigrclivuitiroraiDO-
dos do estomago, digetlao diflkil, iuappalancia,
gastralgias drtpepaia.
CELESTINS.AffCfes do rius, 'labal igaaraiai,
cancre*csdaioriaa,goU, diabelat.albomiourii.
HATJTERIVE.Affo'r<-8Q0rius,dtai6a,arcii<
concrcooaida ouriria, gola, diabet!, albuminuria.
EXUv-SE 0 BOME a FOMTE ca CAPSOUt
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fiera do de bacalho
COM
Em Hmtmauco, aa Ag;ias da Fontes de Viefcj,
aginia noroesdis, hio-se em casta de
BARISMEN'JY & LABILLE, 9, rus do Commwmo;
e SULZER & KOECHLIN, 35, ra di Crux.
MOLESTIA^ oo PEITO
Xh <*, i. r.^^t
XAROPE
DE HTPOPHOSPHITO DE CAL
Kmpregados oom tanto eito para curar a
phthiaica e as molestia* tuberculosas,
veadem-ee nicamente em frascos quadra-
doe com o nome do doutor Chubchixi. aobre
c vtdrv.
Sob a Influencia dos Hvpophospnttos a
Itosse diminue, o appetite augmenta, as for-
\s tornio a vir, os suorea nocturnos cesso,
e o doante goza de um bem estar desusado.
O kypopkosphitos que levo a maro*.
de aonca da ph.armacia 6WASX,
12, ru Cattighone. Pariz, sao oe nt-
eos reconhecidos e recommendados pelo
D' CHURCHILL auo- da deacoberta
de sxias propriedades curativas.
Preco : 4 francos por frasco em Franca.
radm-M as principaei Pharmtcia.

HypoTitiosphitos de cal e soda
Apprevada pela lunta de Hi-
giene e autorizada pelo
enverno
E' o melhnr rom- dio at hije descoberto para a
Salea hroncbltea. escrepliula. ra-
ebtirs. anemia. eblllUadc em eral.
Ieflut>. loisne chronica e aTecceB
So pello e ? muito superior ao oleo simples de figado de
aaSho, pirqae, tilin de ter cb-iro e SHbor agra-
dalRs, poaeue todas as virtudes medicinaes e nu-
tritivas ao oleo, Hlm das propriedades tiwicas
recmjstituim>s dos hypophosphitos. A' venda mu
rogrias e boticas.
Deposito em Pernambuco_____
Tara cosimvr
Precisase de urna
ama que saiba cosi-
nhar bem; n< 3. an-
dar do predio n. 42
da ra Duque de Ca-
xias, por cima da ty-
po^raphia do Diario
VENDAS
Vende-se
um predio na freguezia da rioa- Vista, eem terre-
no ao lado, eom bastantes fundos ; e na meama
freguezia um estabeleciment de malhados oom
pouco capital, serve para qualquer principiante :
para informacoes, na passagem da Magdalena,
ra do Bonifica n. 31-A.
Vende-se 25 predios (sobrados, casas terreas e
sitios) as freguezias do Reeife, banto Antonio,
S. Josa e Graca, a tratar na ra do Imperador
n. 75._________________________._____________
Vapor e moenda
' Vende-se um bom vapor e moenda com poico
uso ; a ver no engenho Timb ass. muito perto
da estaao do meimo uome ; a tratar na ra da
Imperador n. 48, 1' andar.
\ publico
prmin de Carvalho Menn dn C ta, proprie-
iaia pholorn|ihia bita i ru d- Bar > da Vi-
stoia n 14 2." anda, declara para r fius con-
veniente?, que desde o da 6 do cmate deixoa
de ser s ci di uiesina photographiji o tSr. Plosculo
de Uagaihii- s.
Aproveita a ocoisiao para comanini'ar a todos
aqoSle-qn ee tem dignado mi disueaaar ILe a
iu pn ti 0 -Hp ramo de negocie, que. con-
tinna Com a referid:, photoifraptlia, a qna se acha
acfcmehoindn coiieuleravelii i quante
aoVmist-r re"hnie.-. d'arte, Como t b .. quan-
toaos il n reqoU-t s easeuciam p.r nao d-s
agMWar aqu <;> po.--"as que all ai < er.-m,
Saado prov. 'i des j i ae obc- rre para o pro-
greaso n i i dustri nacional.
akaEzm-is. -ruti ras principa lin "P"ra a
aSjrida proprietai >da soa va i j"'1 crot-'c-
**>_____________________________________
Vtso
F/tC'" profeas^ra qi' ta.ba tocar
kjwfpia hos desea), rn, para eu-
M&ho : i tratar ui o Bario de Naiaretb, a ra
ao Ira-r'r n ?'i l" andar.
iado para alugar-se
Ka rna de b. Joio, casa n. 27, tem para alu-
gaf^Sje um mulatinho com 17 annos de idade, moi-
tottwpno para copeiro ou outro qualquer servico
kai de tasa como de ra, e tambem sabe bolear,
par j lar sido bolatii*-
Ta manco h
Vend-se tamancos de P> ncao, em porcao e a
retalho : n ra da Roda n. 11.
Camisas nacionues
A tOO. a^ooo e S500
32=- Loja & ra da Imperatrie = 32
Vende-se neste novo estaheleoimento um gran-
de sortiin'-jto de camisas brancas, tanto de aber
turas e p.inbos de linho como de algodao, pelat
baratos precos de 2500, 3A e 4S, sendo lacrada
muito melhor do qu" aa que veem do estrangeiro e
muit mais bem feitas, por serem cortada por
um b-m artista, especialmente camiseiro, tambem
se manda facer pur encommundas, a v mtade dst
fregueces : na nova loja da ra da Imperatrie n
3 i, de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
9 Ra da Impcratrlz = *'
DE
FERREIRA Da SILVA
Neate nnvo estabeleeimeato escontrar o re
jitavel publica om variada aortimento de tacen-
as de toi s a qualidades, que ae vender poi
recos baratissimos, assim eu um bom s irt
menta d- r upas para h'>aleB8, e tambem se man
da tacer p t eneommendas, p r ter um bom mea-
tre alfaiate e completo sortimento de pannos fino
casemiras hrius, etc.
Ditos de casemia de cores, sendo muit
bem feitaa 6J50I
Ditas de flanella inglesa verdadeira, e
muito bem feitaa 800(
Ditas de brim de Angola, de muleskim e
de brim pardo a 2, 24500 e SAO
Oeroulas de greguellas para horneas,
sendo muito bem feitas a 1 200 e 14601
ColletinhoB de greguella muito bem feitos lfOl
Assim como um bom sortimento de lencos d
linho e de algodao, meias ernas c collarinhss, etc
Isto na loja aa ma da Imperatriz n. 3a
Riscados largos
a OO ra. o eovado
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vendem a
riscadinhos praprios para roupas de meninos >
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covade
tendo quasi largura de chita francesa, e ssii
como chitas brancas miudinhas, a 200 rs. o
do,e ditas es coras a 240 rs., pechincha
loja da Pereira da Silva.
FaMten. nctinelaa e lalnlias a SO
rn. o rotado
Na loja da ra da Imperatrix n. 32, vende-a
um grande sortimento de rustes brancos a 5f>
rs. o covado, lzinhas lavradas de furta-corea
fcrenda bonita para vestidos a 500 rs. o covade
e setinetas lisas muito largas, tendo de todas a>
cores, a 500 rs. i eovado, pechincha : na loj
do Pereira da Silva.
Merlna pretoa allt
Vende-se merinos pretjs de duas larguras par
vestidos e roapas para meninos a 14200 e l4&Of
o covado, e sunenor setim preto para enfeitea
14500, apsim Como chitas pretas, tanto lisas cora
de lavoures brancos, de 240 at 320 rs.; na nov>
laja de Pereira da Silva ra da Imperatriz nc
mere 32.
aigoaaoalobo francs para lence
n OOOra., 1$ e 1OO
Na loja da ra da Imperatriz n. 32, vende-a
superiores algodozinhos francezes com 8, 9 e V
palmos de largura, proprios para lences de ua
s panno pelo barato preco de 900 rs. e 14000
metro, e dito trancado pa-a toalhas a 14280, mi
sim como superior bramante de quatro largura,
para lencoes, a 14500 o metro, barato ; na loj
da Pereira da Silva.
Ronpa para meninos
a %$. ateoo e 6*
Na nova loja da ra da Imperatriz n. 32, a<
vende um variado sortimento de vestuarios pro
prios para meninos, sendo de palitosinho e calo
nha curta, feitos de brim pardo, a 44000, dito,
de molesquim a 44500 e ditos de gorgorito preU.
emitando casemira, a 64, sao muito baratos ; n
oja do Pereira da Silva. _____________
Fazendas brancas
SO' AO NUMESO
40 rna da Imperatriz = 4o
Loja dos barataros
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todas estas fazendas
abaixo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER :
AlgodaoPecss de lgodaozinho com 20
jardas, pelo1- borato preco de 34800,
4*\ 44500, j-A., bg, 54500 e
MadapolSoPecas de madapolio com 24
jardas a 44500, 54, 64 at
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de
Ditas branca e cruas, de 14 at
Creguella francesa, facenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
cerouks, vara 400 rs. e 500
Ceronlas da mesma, muito bem feitas,
a 14200 e 1*500
Colletiuho8 c"a mesma 800
Bramante fraocez de algodao, muito en-
corpado, com 10 palmos de largura,
m 'tro 1*2
Dito de linho inglez, de 4 larguras, me-
tro a 24500 e 2J8(K
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro 1J80Q
Cretones c chitas, claras e escuras, pa-
drees delicados, d. 240 rs. at 400
Baptista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs. 20"
Todas estas fazendas baratissimas, na conhecida
loja de Alheiro & C, esquina do becco
dos Perreiros
Algodao entestado pa-
ra Icnyocs
A 90o ra. e 1*000 o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
rodo para lencoes de um s panno, com 9 pal-
b de larpnraa 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o metro, assim comn dito trancado para
malbas de mesa, com 9 palmos de largura a 14200
v otro. Isto na leja de Alheiro & C, esquina
do ceco dos Ferreiro8.
MERINOS PRETOS
A I42OO, 14400,14600, 14800 e 24 o covado
A heiro C, a ra da Imperatriz n. 40, ven
dem muito bons merinos pretos pelo preco acim
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co di b Ferreiros.
Espartilhos
Na leja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senboras, pelo preco
de 540OO, assim como um sortimento de roupae
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Perreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 24800 e 34 e covado
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento de casemiras ingle-
sas, de duas larguras, com o- padrees mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato preco
de 24800 e 3J o covado ; assim como Be encarre-
gam de mandar faser costumea de casemira a
30f, sendo de paletot sacco, e 354 de fraque,
grande pech-ncha : na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 rs. o covado
Os barateiros da Boa-Vista vendem nma grande
porcao de brim pardo lona, por estar com princi-
pio de toque de mofo, pelo barato preco de 82C
rs. o covado, grande pechincha ; na loja da es-
quina do becco dos Ferreiros.
Bordados a IOO ra. a pe^a
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas de
bordaJo, dous metros cada peca, pelo barato pre-
co de 100 rs., ou em carto eom 50 pecas, sorti-
das, por 5J, aproveitem a pechincha ; na loja da
esquina do becco dos Ferreiros.
6J50
I24OOO
800
14800
A KevoluQo
M..-4L
rna Duque de Caxias, resolveua vender
os seguntes artigos com 25 0\q de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Sedas lavradaa de 24000 por 14000 o covado.
Cachemiras de c6res a 14200 o covado.
Ditas pretas a 14000, 14200, 14400, 14600
14800 e 24OOO o covado.
Dita broch, de la e seda, lindos tecidos, 14500
o covado.
Gorgorinas de listrinhas a 360 rs. o covado.
Setins a 800 e 14200 rs. o covado.
Dito preto a 14000 e 24200 o covado.
Gaze com bollabas de velludo a 800 rs. o eo-
vado.
Las com bolinhas a 640 rs. o covado.
VeUudilho liso e lavrado a 14000 e 14200 co-
vado.
Fustao branca a 440, 500, 560, 600 e 800 rs. o
covado.
Giosdenaples pretoa a 14800, 24000, 34500 e
24800 o covado.
Nxnsoc de cor a 300 rs. o covado.
Cretones finas a 360,-400 e 440 rs. o covado.
Cambraia de quadros a 14500 a pe, Dte transparente de 44000 por 24000 e 24500
a peca.
Linn branco a 500 rs. o covado.
Fchs de retroz a 14000 um.
dem de 13, de 14000 t 64000.
dem de pelussia a 54000 e 64500.
dem de pelussia bordados a 74000.
Cretones para chambre a 320 e 360 rs. o co-
vado.
Cambraia com salpicos a 6/ rs. a peca.
Chapeos de sol de cores para senhoras a 74500
um.
Brim de linho de c6r a 14200 o metro.
Linhos cscossee8 a 240 rs. o covado.
Zepbiros listrados a 200 rs. o covado.
Tapetes para janella, piano e cama a 44000,
640(10 e 74000 um.
Ditos avellndados para sof a 244000 um.
Fustao de cor a 500 rs. o cavado.
Setinetas lavradas a 500 rs. o covado.
Flanella branca a 400 rs. o covado.
Setinetas com deseuhos lindos a 440 rs. o co-
vado.
Cortes da casemira a 34000, 34500, 540C0 c
74000.
Casemira de cor e prete a 148O0 rs. covado.
Timoes bordados a 44000 um.
Brim pardo lona a 360 e 500 rs. a covado.
Camisas do meia a 800, 14'0 e 14200 urna.
Algodao com duas larguras a 800 rs. o me-
tro.
Esguiao amarello para vestidos a 500 rs. o co-
vado
Espartilhos couraca de 44000 a 84000 um.
Para as Exsnaa. noivas
Setins maco a 14200 e 24000 o covado.
Popelinas a 600 rs o dito.
Alpaca a 400 e 440 rs. o dito.
Setinetas lisas e lavrads a 500 e 560 rs. o dito.
Cortinaaos bordtdos a 74000, 94000 e 154000 o
par.
Cspellas e veos finos a 104 e 144.
Colchas bordadas a 54000, 74000, e 840)0
urna. __________^^_^___^_^^__^___
WHISKY
ROY AL BLEND aiarca V1ADO
Este excellente Wbisky Escessns preferiv
ao cognac ou uguarden.e de canna, para fortifica
o corpo.
Vende-Be a retalho nos tu lheres armazens
siolhado8.
Pede ROY AL BLEND marca VIADO cujo n<
me e emblema sao registrados para todo o Bras;
BROWNS 6 C, agentes
Carteira
Vende-se barato urna carteira contendo na peca
de baixo dous armarinhos e tres gavetas, e na
peca de cima 17 compartimentos que se fecham
com ama so chave : a ver e tratar no largo de S
Pedro n. 4, loja. __^__________
Armayao
Grande e bem montada oflicina k alfaiate
DE
PEDROZA & C.
N. 41Ra do Baro da VictoriaN. 41
Neste bem conhecido eatabelecimento, se encontrar um lindo variado sor-
timento de pannos, casemiras, brins, camisas, pnnhos, collarinhos, meias, gravatas,
tudo importado das melhores fabricas de Paris, Londres e Allemanha; e para be
servirem aos seus amigos e reguezes, os proprietarios deste grande eatabelecimento
ira na direocao dos trabalhos da officina habis artistas, e que no curto espaco de 24
horas, preparam um terde roupa de qualquer fazenda.
Ra do Bar fio da Victoria n. 41
(PRESOS SEM COMPETENCIA) _______________
FNDICAO GERL
ALLAN PATEKSON & C
N. 44--Eu i do Brum-N. 44
JUNTO A EF f A(JA0 DOS B0NDS
Tem para vender, por pre mdicos, as seguiates ferragens:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
CrivacSes de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, e assentamento de machiniscio e executam qual-
qo i traballio com perfeico e presteza.
Aos 1000.000S000
200:000^000
100:000$006
iiiiniii; lotera
de 3 mm
Em fav DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Veade-se ama baa armacas de taverna bara-
tissima : trata se na ra Duque de Caxias n. 23,
ou na ra da Pas n. 88.
\II Vende-se urna importante taverna no largo das
Salinas de Santo Amaro, propria para qualquer
Erincipiaute, fWi frente para a lirha frrea de
limeeiro : a tratar nainesma.
Florida
Loja de iiiiudczas
Ra do Duque de Caxias n 103
Os proprietarios deste grande estabelecimento
de miudesas, modas e para accommodar os interes-
ses da poca, tem resolvido venderem po' meuos
vinte por cento que em ontra qualquer parte.
Pentes elctricos 6 0 rs.
Lavas de pellica a 2500 o par.
Linha de carritel branca e de cores a 80 rs.
Grampos a 20 rs. o masso.
Iuvisireis a 320 rs.
Vestuario de fustao bordado para crianca a
3J000.
Pentes de regace para crianca a 100 rs. om.
Baleias a 360 rs. a dnsia.
Haspas para anquinhas a 120 rs. o metro.
Bicos com tres dedos de largura al500 e 1800
a perja.
Linha de cores para crochet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amisade a 40 rs. o caderno.
Pita cninesa a 320 rs. o mxsso.
Lencos de linho a 14500 a dusia.
Lindos bicos de cores com 10 Jardas a 4f e hf>
a peca.
Urna caiza com tres sabonetes desenhando urna
rosa por 500 rs.
Meias de 14 de cores para senhora a 1J500 o
Par-_________________
GRANDE
It-Raa da Imcerairis -SI
Jjujo de Pereira da bva
Ne-.it ecr helecinxniti) vende-se as roapas aba>
xo uitnn nadas, qut- sao b- as
Palitot pretos de aiagonites e
acolchimduij, sen .u tuseudas muito en-
corpadas, e forrados 74001
Ditos de casemira preta, de cordao muito,
bem feitos e torrados 104001
Ditos de dita, fasenda muito melhor 124001
Ditos de flanella asul sendo inglesa ver-
dadeira, e forrados 124001
Calcas de gorgorio preto, mcolchoado,
sendo Cascada maite ensorpada 4MM
Exposif o central ra larga do
Rosario n. -8
Dsmiao Lima & C, chamam a attencao das
Exmas. familias para os precos segaintes :
Carreteis de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs.
Ditas de m palmo a 24500 e 34 Pita n. 80 para faxa a 24500.
Leques regatas e D. Joannita a 14000. ^^
Frascos e extractos de Lnbin, grandes, a 24O0O.
Laques a D. Lucinda Colho a 64000.
Toalhas felpudas a 500 600, e 14'O0.
Duzia de meias para bornem a 3f000.
Ditas para senhora 8 a 34000.
Lnvas de seda a 24000.
Meias de fo de seda para menina a 14000.
Colarinhos de linho a 500 rs.
Dites de algalio a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de cordio para vestido a SO rs.
nvisiv is grandes a 320 rs.
rampos inviaiveis a 60 rs.
fjm leque de aetim (novidade) a 65500.
Ricas holciahas de madreperola de 14500 4 64.
La para bordar 24800.
Urna cap lia e veo de 15*000, por 124000.
Um espelho de mol inra p >r 54500.
Urna pulseira de fita par 14200.
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna boneca grande de cera por 24500 e 3jrw0t.
NA EXPOSICAO CENTRAL
58Ra Larga do lWsario-38
Extracco: i 15 fiB
0 thesoureiro, Francisco Gonfalvcs Torre
.OTERIA
ALAG0AS
CORRE NO DA 20 DE JULHO
Vende-se
barato o sobrad nho da ra do Apollo a. 63 ; a
tratar no pateo do Livramento n. 21.__________
Cabriolet
Vende-se um em perfeito estado e por preco
eommodo; tratar na ra n-'qUe de Caxias n. 47
Jaboatao
Vende se a padaria e o estabelecimento de mo-
lhados, bem afreguerados, e promettendo ainda
maior negocio fazer com a ida das oficinas da
estrada de ferro de Caruar, prximo i mesma
estacan, fica situado os estabelecimentos cima,
arrendando-sa as casas pessoa que pretender :
a tratar em Jaboatao, confronte ao botel Globo.
Atiendo
Vende-se nma importante taverna no lngar das
Salinas de Santo Amaro, propria para qualquer
principiante, fas frente para a linha frrea de
Limoeire : a tratar na mesma.
Polrora, tliolos e tenas
Vende Candido Thiago da Cesta Mello em sen
de i osito i ra Imperial a. 322, otaria. Telephone
numere J<1.
Coire
Vende-se um na rna do Amorim n. 66 do autor
Milneres.
Finito de Riga
8>d,*eftb<19
Tendees Feaaeca Irsoios e C, a preco medioo
O portador qaepossuir um
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar..
10:006W00,
Os bilhetes acham-se a ven-
da na Casa Feliz, praga d In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 20 de Julho
1886, sem falta.
N. 59Ra Duque de Taxias N.59
Riquissiraas chapelinas e lin*.s chapeos para sonhoras 6e 8^000! !
Anquinhas de setim a 3tf000 para acabar.
Lindas luvas de seda, todas de cores, a 3|00 !
Setins de listrinhas, phantasia pra bailes a 400 rs. o covado I
Capas de 12 para senhoras a 20, 30 e 64"00.
Espartilhos finissimos a 50 e 60000 I Figur,n
Camizinhas bordadas para senhoras a 40 e 50000.
Leques, meias arrendadas, lenSos de seda, enxovaes para casamento, atufa-
do gosto, tudo barato.
CARNEIRO DACUNHA&C.
59- Ra Duque de Oaxtas-^59


m
rnussir~i


Diario de Pcrnuibiico--(luinta-feira 15 de Jalho de 1886
ASSEMBLEA GERAL
SESSaOEM 23 DEJUNHODE1886
AMDBADE FIQOEIBA
Celso
DESCIA DO SS-
Jimio r
o seu
O Sr. Alfonso
palestra alguns momentos cono
Arnop.ari.-io, o Ilustro Sr. ministro da
Stica protuaindo geiras considerares
Nggeridas pela leitura do relatono de S.
* mioeiros, e, sobretudo, quando
. dos interlocutores se desvanece de con-
ssgrar a outro cordiaes sentimento de res-
peito estima, qual o orado em relaS3o ao
Lnistro, devem ser banidas da conversa
todas as etiquetas cortezas. Por isso, sera
mais prembulo, o orador entrar em ma-
Na pag. 48 do seu rea torio declara o
Se. ministro ser geralmente reconhecida
a'mecessdade da reforma judiciaru, e en-
tende que, adiantada como se acha a dis-
cssio, nao se pode deixar de proseguir
oolla. Entretanto, e posto que na falla do
tbrono se proclamasse urgente aquella mes-
Ka reforma, informa o Sr. ministro que s
depois de meditado exame, de accordo com
os membros da commissao de legislaeSo
do senado, que estao examinando o pro-
i||to ha dous annos, assentar as modi-
Mjfeos quo as cir cu instancias indicarem e
que opportunamonte e dettdamente ser3o
apreciadas pelo senado e pela augusta ca-
" Nao iar o orador cabedal da certeza
que assim manifesta o Sr. ministro de que
o projecto ha do ser emendado e voltar
cmara, pois que o gabinete j tem mam
ra no senado; perguntar apenas, quando
vira somelhintJ opportunidade.
O Sr. JoSo Peniio :-0 Sr. ministro
acaba de declarar que s aceita aquee
projecto, como baso da discuss3o.
O Sr. Alfonso Celso Jnior diz que das
expressSes do nobre ministro o que se con-
clue que nao tem muita pressa em rea-
lisar a reforma, alias reconhecida como
urgente, pois ainda vai estudal-a datada-
mente, par.i depois assentar as medri
Sojs a f izer, as quaes em tempo
aposentadas.
Considerara um grande mal essa de
mora se pudesse ter a esperaba de que
essas modificares se conformassem com o
espirito liberal, mas a julgar pelo que S-
Exc. expendeu acerca do jury, receta que
tenhamos algaraa reforena de arroxo.
Quando tudo aconsclha que so eleve o
jury que alias S. Exc. qualfica, na pag.
52 do relatorio, palladlo da liberdade do
cidadao, o nohre ministro quer cercear-lhe
attribuig'es para confial-as aos juizes mu-
nicipaes e de direito, nomeados pelo go
boa para os mais mombros
social.
Accresce qttMgrnie anomala nem
sequer justiflfcda pelas exigencias do
servigo publico JTnas, ao contrario, a exis-
teacia dojuiao privativo, como a experien-
cia o demonstra, tem-se convertido em gra-
ve embarago ao movimento da cobranga
da divida activa d* nagio.
A achilo desso juizo concentra-se na cor-
te e capitaes de provincia, nio so fazendo
sentir ou ebegando froux i e ineffi :az nos
tormos e comarcas do interior.
Classicada como cobravel a divida acti-
va do imperio em quantia superior a.....
12,000:0000, insuficiente o que dessa
somma su cobra animalmente por effeito
do juizo privativo. Diahi succede que a
pouco e pouco, essa divida cobravel vai-se
convertendo em incobravel, ou porque des-
apparecem os devedores ou porque p asi
a herdeiros desconhecidos. Desde 1845
que todos os relatnos do ministerio da
fazeada tra sido severos na aprecagio do
juizo dos feitos, fazendo-lhe severas cri
ticas.
Pensam alguns que o mal se remediara
dando-se ao juizo dos feit03 urna nova or-
ganisag3o ; pensam outros que seria me-
lbor supprimil-o de vez. A commissao de
legislado do senado adhera iraniamente
ao ultimo alvitre, entendendo que a res-
taurag3o da competencia do juizo commura
para os negocios da fazenda, creando em
cada termo e em cada comarca um centro
de actividade, communicar favoravel im-
pulso a marcha ds causas fiscaes, cort in-
do difficuldades existentes. A' vista disto,
a commissao offerece o seu substitutivo
supprimindo o juizo privativo dos feitos da
fazeada, tomando, ao mesmo tempo, pro-
videncias no intuito de se restituir justi-
ga comraum a attribuigao de julgar as
causa em que a fazenda nacional inte
ressada como autora ou r, assistente ou
oppoonte, sendo a competencia determina-
da pelo foro do domicilio do reo.
Sao excetuadas certas causas que, pela
Ba naturoza, cumprem serem reservadas
para o foro da corte e capitaes das provin-
cias.
Taes sio : 1, o de habilitag3o para suc-
ceder em tengas e pensoes ; 2o, a da jus
tificagio de remunerag3o de servidos remu-
verno
i
J que o Sr. ministro v?i ainda meditar
as emendas a fazer, chama o orador a
attengio de S. Exc. para a necessidade
tambem ha muito reconhecida dr suppres-
sao dos juizes dos feitos da fazenda. J
exista a respeito um projecto no senado
efferecido pelo Ilustre Sr. presidente do
conselho, Sr. Bario de Cotegipe, ao qual
a commissSo de legislo, opinando pela
conveniencia da suppressao desta jursdic
gao privativa, offereceu om substitutivo.
Sao de incontostavel procedencia as ra-
zies que fundamentara a suppressao.
De facto, como allega a commissao, est
provado que o juizo dos feitos da fazenda,
qual o constituio a lei n, 242 de 29 de No-
ve.ubro de 1841, nao preenche nem pode
pre'.ncher o fim a que se destinava.
Em primeiro lugar de notar que a in
stituig3o de um juizo privativo para as
causas da fazenda nacional implica certo
desabono ao juizo commum, como que si-
gnificando que o estado n3o confia suas
causas justiga incumbida do julgamento
das causas particulares. Se o juizo com
mum tm suficiente idoneidade para admi-
nistrar justiga nos negocios privados, deve
igualmente tel-a para conhec-r e decidir
das causas fiscaes. Dir-sc-hia que o esta
do nao quer para si urna justica que julga
imperio.
Para se avahar
o que tem sido a juris-
diegab privilegiada, basta 1er o que coas-
ta de relatorios apresentados pela commis-
sao encarregada de rever o cartorio dos
feitos da corte e composta dos Drs. Costa
Pinto, Azevedo Castio a Botafogo. Consta
do primeiro desses relatorios que: Da Ju-
lho de 1867 a Julho de 1876 bavia era
juizo 101,045execugSes, da3 quaes 28,056
lindas. 22,615 sera resultado pelas cir-
cumstancias dos devedores e 50,374 pen-
dentes.
Consta do 2o que: -Havia mais 74,488
mandados executivos, dos quaes 10,067
pagos; 9,397 ineobraveis e 51,024 pen-
MGOLO
POR
{COiNTMJAgO DE ANGELA)
(Continuas & o do n. 156)
XII
Ra da Saude, casa do Dr. Grisky.
Perguntars pelo Dr. Proli... Todos os
dias, entre onzo horas e meio dia, podes
estar certo que me encontras no gabine-
te... Hei de te tratar por modo que te
core depressa.
E sou eu, Sr. doutor, que ficarsi seu
obrigado e recoohecido.
Os dous curapces separaram-se.
Angelo tinha promettido ir ver nesse
dia a Sra. de Qevrey.
Foi, sem perda de tempo, ra Vieille
du Temple, casa de Tonnelli.
Os vidros estavam proraptos.
0 italiano verificou se as saas recom-
rcendagoos tinnam sido bem comprehendi-
das e litteralmente executadas ; porque se
tratava de obter urna precisao mathemati
ca; depois, munido dos dous discos de
crystat de rocha, foi ao caes dos Ourives e
fl-os collocar n'uma luneta ligeira de tar-
taruga.
1 inmediatamente depois dirigio-se casa
do juia formador da culpa.
O Sr. de Gevrey, que acabava de en
trar, receben logo o visitante, e o magis-
trado, encarregado do processo do assassi-
ato de Jayme Bernier, estendeu affectuo-
samente a m3o ao assassino.
O senber bomem de palavra, caro
doutor, exclamou elle sorrindo, e agrade-
eodbe Nfto preciso dizer Ibe que minha
mii espera o com ama impaciencia com-
parare! de um condemnado que espera
seo perdi.
H^^HIH^H Ora, sa na corte, com 03 largos
^^H da ac^So de que d^spoa a autorida-
isto sa d, havenlo demais o estimulo
dos enormes lucros que proporciona a exe
cuelo, o que n5o haver as provincias
onde as despezas adiantadas pelo thesouro
para o custeio das causas muitas vozes
nem sao compensadas pelo exiguo paga-
mento dos devedores ?
Com a extiacco do juizo privativo s
tem a lucrar o thesouro, quando menos a
porcentagem que dever ser diminuia.
Tenha o thesouro pela sua divida ou cr-
dito privilegio; prelacio na cflv.ctivdade
do seu direito creditorio; procasso execu'
tivo rpido e efficaz ; -mas jaizo especial
nao conveniente nem razoavel, tanto
mais quanto se obser/a na pratica que
inexequivel a providencia qua reserva no
juiz da capital da pravincia a competen-
cia para julgar de todos os incidentes que
occorrem as execujoes movidas nos ter-
mos do interior.
Ao juiz dos feitos da corte quasi que s
cabe assignar mandados e lavrar despa-
chos de tarifa, concebido em quatro ou
cinco palavras, recebando por este insigni-
ficante trabalho avultados proventos, sem
jamis ter ensejo de formar um processo,
examinar urna questio e julgar um pleito.
Este facto, que revela a necessidade
urgente da suppressao apontada e ontros
mais graves, consistente em percepcao de
custas indevidas, constara de um discurso
proferido no senado pelo Sr. Bario de Co-
tegipe a 12 de Outubro de 187?, uo qual
i S. Exc. noticia, de terem cabido ao
juiz e ao escrivio por occasiio de cobran
ca do imposto passoal, simplesmente pela
expedicio de mandados 30:000)5 1
E' tambem de indispensavel necessidade
a subdivisio do cartorio do escrivio dos
feitos, porque nao humanamente possi-
vel que um s individuo possa coordenar
o archivo da enorme Babel do juizo dos
feitos, e, ao mesmo tempo, dar expediente
aos (multiplicados e incessantes negocios
que correm no cartario onde compare jem
mil bares de individuos.
Cumpre tomar urgente e enrgica provi-
dencia para dar termo a semelhantes abu-
sos, favoreeendo ao mesmo tempo o legi-
timo nterasse da fuzenda, na percepjio do
que lhe de vi do.
O Sr. ministro prestara noiavel servigo
se desse andamento a urna reforma qual-
quer nesse sentido, para o que ha o pro
jecto pontete do Senado, na qual se res-
tabelece a competencia territorial regulada
pela foro do domicilio e da situacio real.
Esse projecto conserva ainda a jurisdiegio
nasos 'especiaos quo forem
mencionados. Nem para elles, porra, ha
necessidade de juizo privativo. Em ma-
teria de administracao de justica na orga-
nisaQSo judiciaria, a uniformidade urna
condigno de vantagem que u3o con v m
desprezar. Resguarde-se o direito das par-
tes, sem quebra dos legtimos interesses do
thesouro e ter-se-ha feito o raelhor sem ne-
cessidade de subsistir um privilegio odioso
e prejudicial, que tanto tem de pesado,
como de intil por qualquer lado que seja
encarado.
A suppressao do juizo dos feitos, porm,
nao a nica necessaria, mas tambem a
de todas as juridicg5es privativas como as
commerciaes, orphanologicas, provedoria e
de ausentes. Nao tem razao de ser esto
fracciocamento de jurisdiegio e delle se ori-
ginam graves inconvenientes. Nao tra ra-
aSo de ser porque o magistrado deve ter
competencia para julgar todas as questO'-s
que interess >m o direito privado de seua
jurisdiccionados, seja qual for a causa em
quo esse direito esteja envolvido.
Tras inconvenientes porque 3 jurisdic-
g3ea privativas impedem que os juizes de
rtireito se habilitem a julgar todas as ques-
tons, alstrictos como ficam aos pleitos de
func95es de urna espi;ialidade. D'ahi re-
sulta que quando nao sao promovidos a
desembargadores nao possuem a somma de
conheciraentos e experiencia que se reque
rem para t3o alto carga. O desembar-
gador deve estar perfeitaraente habilitado
pi-ri julgar qualquer questio seja ella ci-
vel, commercial, ou orphanologica, o qua
como sabe-se, nio a regra geral dos nos- foi capturado am individuo que oonfessou
sos tribunaes, sem que, todava, deixem de
sor Ilustrados e procurem -centir.
Na pag. 91 de seu relatorio trata o Sr.
ministro do regulamento sobre execug3es
civis e commerciaes. Contera esso regu
lamento graves ommissoes, sobrelevando
falta do dispo8c3fls que permittisso s hy
pothecas innovadas conservarem o num -ro
de inscripgao do registro primitivo. O Sr.
ministro diz que absteve-se de consigna?
tal perraisaao no regulamento por julgar-se
sem competencia para ampliar a lei. En-
tretanto, ampliou-a e o que peior restrin-
gio-a, confossando francamente quo o fez.
Ampliou-a, por exemplo, quando no art.
54 do Reg. trata da deaapropriaglo por
utilidade publica geral, provincial e muni-
cipal, e no 55 de licenga para casamento
contra o consentimonto do pai ou tutor, o
que absolutamente nada tem com execu-
g5es civeis e commerciacs. Por outro lado
foi limitado ao prazo de dous annos o pe-
nhor agricola, cora o que n3o foi interpre-
tado o pensamento do legislador, que, com
quanto lhe assgnalassa tempo curto, nio
podia ter en mente reduzil-o tanto. Esse
crdito aproveita mais que ninguem ao pe-
queo lavrador de mingoado recurso, que
jamis poder saldar o debito contrahido
ao cabo do segundo anno.
Nao coraprehendeu o po ler executivo as
vistas do legislador, nae dando a esta con-
cepgSo toda a sua ela3ticida le, iraprescin-
divel para ssutir o desejado effeto.
Quanto ao penhoragricola, estabeleceu
anda o regulamento mencionado, que ella
s se possa estatuir por escriptura publica
ao acto judicial. A lei nada determina a
respeito, o que indiija que pormitto a es?es
contratos revestirem quaesquer formas de
direito porque estipulem-se conveng3-)s,
conseguinteraente tambera por escripto par
ticular. Essa interpretagao a qne de-
corre do espirito da nossa legislagao, que
aceita o escripto particular para o penhor
mercantil, a de todos os homens eminen-1 todo o norte de Minas e o orador assegura
tes que se tem oceupado do assurapto, a o. Evade se quera se quer subtrahir ac-
tor sido um dos executores mandado de
Gil. Confirmada a pronuncia pela Rela-
cjio, verificou-se que esse.indiviclno er3 um
embusteiro, talvez adrede arranjado, e que
nem sequer vira Gentil. Presos posterior-
mente os verdadeiros criminosos, confes
sarara que a familia Gentil, nenhuma in-
tervengio tivera nos delctos. Entretanto,
a pronuncia ha_via produzido todos os eflFei-
tos. Urna outra inexactidlo do relatorio
reforese ainda ao tentante-coronel Gentil,
que, na phrase official, capturado em S-
Sebastiio de Leng3os, evadise da escolta
que o conduzia para a cidade do Rio-
Pardo.
Vai nisso ama inverdade, devida so-
monte a informagSes falsas de autoridades
suspeita. Pronunciado na Bahia em fins
de Dezembro, foi effectivamente preso nos
confins de Minas aquelle official no dia 13
de Janeiro, mediante requisigSo telegrapl-
ea do chefe de polica da Bahia ao da cor-
te, que a transraittio ao de Minas, este ao
delegado de policia da Diamantina, ultima
estagio telegrapbica da norta da provincia,
mandando estes positivos para todos os
pontos em que presuma poder estar Gen
til, afim de efiectuar a captura antes da
eleigio, contra a qual seria effectivamente
de grande effoito e autorisando movimento
de torga como se deu. Esse acodamento
um argumento contra o governo em rela-
$ao ao facinora Nco: mostra que, quando
a autoridado quer e toma interesse, nao ha
captura impossivel. Mas esse agodamento
fez cora que a requisico telegrapbica fos-
se redigida em termos tio incompl 'tos que
as autoridades detentoras de Gentil, igno-Uj0 e tratar ainda urna vez
rando o motivo que determinara a prsao, ^
attrbuiram-no a um simples manejo eleito
ral, de sorte que, depois de o tratarem com
extremo rigor nos dias 13, 14 e 15 de Ja-
neiro, abrandaram no dia 16 e o soltaram,
er o orador, a 17 ou 18.
Soltaram-n'o, sira, o fa".to notorio em
neraveis ; 3o, a de habilitagao para meio
sold ; 4", aquellas em que figurara es roe
devedores em razao do offi.no como thesou-
reiros, pagadores, almoxarites, quaesquer
outros exactores e seus fiadores.
Define ainda o substitutivo es causas em
que tem cab'mento o executivo fiscal, in-
clue disposig3es relativas cxecu$ao; des- prvativa para
igna quera, com a suppressao, deve fazer mA;nn^ns
as vezes de procurador dos feitos perante
as justigas locaes, incumbinlo essa tarefa
aos promotores pblicos; conserva na cor-
to e as provid ias os escriv&es privativos
das causas da fazenda, ne i tuito de con-
centrar em un s offi:io o servigo das cau-
sas fiscaes nos lugares em qua ellas sao
mais numerosas.
O orador tem na mao um conciso, mas
notavel parecer de um dos nossos mais
d8tinctos jurisconsultos, cujo nome no
meneiona por nio estar autorisado, do qual
colher alguns argumentos afim de demons-
trar que o juizo privativo s tem trazido
desordena ao nosso foro, produzindo ve-
ame s partes, pela extorsao de custas ex
cescivas e porcentagens indevidas, e dando
ao paiz e ao escrivao privilegiados rend
mantos enormes e desproporcionados ao do
mais 'remunsrado funcionario publico do
Queira conduzr-me onde est sua
mii... Com effeito, trago-lhe a vista.
A pobre cega estiva na sala, devorada
por urna febre proveniente, ao mesmo tem-
po, da esperanga e da aniiedade.
Quando a porta se abri, voltou rpida-
mente a cabega para o lado daqu-Jles que
ella ouvia andar, mas que nao va.
- Minha mai, dsse o juiz formador da
culpa, aqui est o Sr. Dr. Proli que a nao
quiz deixar penar lentamente.
O rosto da Sra. de Gevrey tornou-se ra-
diante.
Em todo o caso, seja bemvindo, so-
nhor, aisse ella, e se me traz a luz, seja
abengoado!
Espero merecer essa bengao, minha
senhora, replicou Proli, tirando da cartei-
ra a luneta. Mandei executar os vidros
combinados que devem permittir-lhe ^nao
somonte dirigir-so e reconhecer seus ami-
gos, esmo at ler sem difficuldade e sem ta
diga... Est3o collooados n'ura pnce-nez de
tartaruga, afim de nio lhe augmentar o
peso ; mas, se preferir, podem collocar-se
de outra forma.
Servir-me-hei do pnce-nez, senhor,
respondeu a cega.
E estendeu a mi para receber o objec
to de que ella tinha tanta pressa em expe
riraentar o poder.
Poroli poz-lh'o entre os dedos.
Aqui est, minha senhora, dsse elle.
Com mo, que a emog3o tornava trmu-
la, a cege collocou-o diante dos olhos e o
resultado provou a exactidao das sabias
combinago'es de Proli.
A Sra. de Gevrey, logo que os discos
de crystal lhe ficaram era frente das pupil
las, deu ura grito do alegra.
Vejo I... Vejo-te, mea filho! I !. bal-
buciou ella logo. Beija-me, abraga-me !
O magistrado apertou a mai nos bracos.
Proli tinha agarrado n'um livro que es-
tava em cima de ums. mesa, abri o e da-
se, apresentando-o Sra. de Gevrey.
Queira ler.
A velha senhora agarrn no volume e
leu correntemente em alta voz.
Mas um milagro 1 am vordadeiro
milagro I exclamou o juiz formador da cul-
pa. Ah caro doutor, quanto lhe sou re-
coohecido, e como hei de pagar-lhe o que
lhe devo ?
Pego lhe que nio fallemos mais nisso,
iaterrompeu o italiano. Julgo-me muito
que deriva do estado da gestagao da lei.
Vem ainda restringir a facilidade do pe-
nhor agricola a indispensabilidade de seu
registro para poder prevalecer contra ter-
ceiros.
Qual a razio de ser de seraelhante exi-
gencia se nao dependom de registro o pe
nhor civil, nem o commercial 11 Nao s
isso.. A lei no seu art. 12 diz : < As dis-
posic^aa da presenta le reger3o s mente as
execug5as por dividas contrahidas depois
da sua publicocao. A lei foi publicada
no Diario Official, de 11 de Outubro de
1886.
Diz por seu turno, o art. 119 do regu-
lamento que traz a data de 23 de Janeiro
do crente anno : As disposigSes conti-
das na lei n. 3,272. de 5 de Outubro da
1885 s regerao as acg5es e execugSes por
dividas contrahidas depois da puMicagSo do
presente regulamento. manifest que
o regulamento n&o obedeceu le.
Todos os contratos celebrados de 11 de
Outubro a 24 de Janeiro serio liquidados
pelo antigo rgimen, contra expressa da-
terminagao do logislidor.
Voltaudo ao relatorio do Sr. ministro da
justiga, diz o orador quo ha nello inexacti-
dSes de factos, que requerem promta racti
ficagao. Assim, no capitulo que se escre-
veTranquilidade publica e seguranca in-
dividual e de propriedade, referindo-se aos
nunca asss com mentados acontecimentos
de libos, affirma o relatorio que os barba-
ros assassnatos ahi praticados tiveram por
autores ompregados do t-nente-coronel Gen-
til Jos de Castro. Isto completamente
falso. Os assassinos nao tinhara, na acca-
siao do crime, a menor ligagao com o te-
nente-coronel Gentil, sendo que um delles
nem sequer o conheci, havenuo chegado a
Ilhos depois que o tenente-coronel Gentil
partir para Minas. E' o que consta dos
autos respectivos. Deu-se neste famoso
processo, entre muitos ou'ros incidentes
reveladores de tremenda perseguigao exer-
cila pela autordade contra urna pobrrf fa-
milia, um caso digno de nota.
Quanto os autos subram Relagao para
decidir sobre a pronuncia dos aecusados.
satisfeito pela satisfagao que lhe dou I...
Permitta-me dirigir Sra. sua mii algnmas
recommendagSes relativas ao emprego des
ses vidros.
Pois sira, doutor.... Serao religiosa-
mente seguidas.
Antes de tudo importa evitar o can
sago... Assim, pois, durante os primeiros
dias, minha senhora, use modera lamente
da sua vista reconquistada... Nao leia, ou
pelo menos, leia pouco.
Nfto lerei doutor, senio quando o se-
nhor me der autorsagio.
Pelo menos, nestas duas semanas,'evi-
te, noite, a luz muito forte, de velas e do
gaz... Alm disao, d'aqui a qunze dias ou
talvez mesmo antes, terei a honra de a vir
visitar .. estudarei de novo os seus olhos,
e este estudo me ser muito til para o fu-
turo.
O senhor nunca vira aqui de mais,
respondeu a Sra. de Gevrey, apertando as
maos no doutor. S jr sempre urna grande
alegra recbelo e vel-o, aecrescentoiK ella
com um sorriso, sublinhando de certa fr
ma, pela entonagio, esta ultima palavra.
Demais, a minha vida nio ser sufficieiite-
mente longa para lhe exprimir todos osaen-
timentos da minha gratidSo.
Proli inclinou-se e apoiou respetosa-
mente os os seus labios sobre urna das
maos, ainda muito bellas, daquella velha
senhora.
Caro doutor, disse entio o juiz for
mador da culpa, quar acorapanhar-me^ao
meu gabinete ? Desejava conversar com o
senhor um momento.
Estou s suas ordens.
E depois de se ter despedido da eega a
quera acabava de restituir a vista, Angelo
seguio o magistrado.
Che-gados ao gabinete, os dous homens
sentaram-ae.
Tamos qne conversar de cousas im-
portantes, disse o Sr. de Gevrey; mas, an-
tes de tudo, queira dizer-me que somma lbe
devo a ttulo dos seas honorarios... Seja
qual for essa sarama, nunca estar altura
do servigo que prestou.
Pego lhe, senhor, repcnu Pareli. que
nio pense mais nesta questio de honora-
rios.
Comtudo...
Pego- lhe que nio insista... As saas
g3o da autoridade e o tenente-coronel Gen
til, ao ver-se solt, mas sabendo que effec-
fivamente achava-se pronunciado, atraves
sou toda a provincia, onde conta numero-
sos amigos e parantes e onde dispoa de
merecida influencia e veio espontneamen-
te apresentsr ao Sr. ministro da jnstigaque
o fez seguir para a Bahia.
Isto nio evadirse. A respeito do te-
nenta coronel Gentil pedir o orador provi-
dencias sobre ura dos nuraerosissiraos abu-
sos coramettidos era seu processo. O te-
nente coronel Gentil e seus irmos foram
absolvidos pelo jury ha mais de dous ma-
zes e o juiz de direito appellou ex officio.
A lei marca o prazo de oito dias para se
arrazoar a appellagio, a contar de sua in-
terposigo. Sera embargo, ao que infor-
mam ao orador, n3o foi elle ainda arrazoa-
do, nem os outros reraettidos relag3o,
continuando detidos Gentil e seus irmaos.
E' urna verdadeira prsao Ilegal e seria
caso de habeos corpus, se essa garaniia n3o
andasse tio ludribiada nos tempos que cor
rera.
J que nio fcil obter-se a palavra nos
tres quartos de hora que o rrgimento des-
tina a reqasrimentos e reolamag3es e nio
licito a am membro da opposigao conse-
guir da maioria a mais pequea urgencia,
quando, entretant) s3o ellas concedidas
com profus3o aos membros da mesma mai
oria, v-se o orador contrangido e apro-
veitando a presenga do Sr. ministro da
justiga, tratar de pequeas questSes, con-
cernentes alias pa3ta de S. Exc. e que
reclamam providencias da sua parte. O
orador e os seus collegas de opposigao sao
aecusados de quotidianamonte usurparem
o tempo da cmara, tratando de factos co-
mesinhos de poltica local. E' a consa-
quencia fatal do reprovado systema de dis-
tricto de um s.
O orador considera-se o orgio dos seus
committentes perante os poderes pblicos
z a nica vlvula de qua disp8a e a t
buna.
Tvie a felicdade de ter urna circumstancia
em que lhe podesse ser til... Professo
pelo senhor a mais alta estima, e em troca
do servigo prestado (sSo as suas expres-
aoes) s lbe pego urna cousa : a sua amiza-
de... se me julgar digno della.
Meu caro doutor, tem a minha inteira
amizade, disse Ricardo de Gevrey com eu-
husiasmo.
Bem v que sou eu entio qnem deve
ser reconhecido! E agora oceupemo nos
das esusas de que tera que me fallar.
Primeiro, urna pergunta.
Qual ?
Installou na sua casa de saude a me-
nina Cecilia Bernier?
Installei. Occupa um pequeo apo-
sento, muito commodo, desde hontem
noite, com urna velha criada que a vio nas-
cer e a quem ella muito dedicada.
- Est perfeitamente. Emqaantoamim,
dirigi-me era companhia do Sr. Benjamn
Leroyer, tabelliao de Dijon, ao gabinete do
presidente do tribunal de prmeira instan-
cia... U testamento do desgragado Jayme
Bernier foi aberto.
- E' idntico ao rascunho que encerra-
va a cartira que eu achei ?
Idntico... Foi depositado no carto-
rio do Sr. Maigret, tabelliao em Parz e
correspondente do tabelliao de Dijon....
Tratei offi osameata de arranjar a tutela
da menina Cecilia Bernier... Vi o juiz da
p z. Vai i inmediatamente provocar a rea-
uiao de um conselho de familia e abreviar,
tanto quanto possivel, as formalidades l-
gaos, fcst diaposto a continuar a sua obra
caridosa e oucupar-sc com esta pobre mo
ga, tornada orphi por ura crime ?
A isto r-spouderei logo ; mas, antes,
tenho muitaa i o usas, e cousas importantes
que lhn dar a conhecer.
Falle, meu caro amigo. O senhor
permittio que eu lhe dsse esse titulo.
Tenho satisfagio e orgulho om o re-
ceber.
E entio T
Hontem, depois de o ter deixado, ti-
ve com a menina Cecilia Bernier urna lon-
ga conversa... conversa intima, como a
da penit-nte cora o confesso, e esta con-
versa era indispensavel, por causa de urna
circumstancia grave, desaperettbida pelo
senhor, que magistrado, mas que nabpo-
instancias sio me desagrada veis... O se-> dia escapar aos meus olhos de medico,
enhor nada me deve; eu nada oeitarei... Urna circumstancia grare I qual I
Que outro correctivo, de resto, se pode-
r applicar s autoridades arbitrarias do in-
terior do paiz, sen3o a censura parlamen
tar ?... N3o costuma o orador fazer pe-
didos aos Srs ministros, nem dirigir-se a
SS. Excs. em particular. Sa precisa fa-
zel-o, tal-o em publico, conscio de que as-
sim cumpre striutamente com o sou dever.
Nsksaram os jornaes a captura de Ma-
noel Tavares de S eco, o famigerado fa-
cinora da Januaria, e o orador j congra-
tidou-a com o governo por esse, erabora
tardo, acto de moralidade, manifestando,
porm ao mesmo tempo, receio de que nio
pastassa ella de urna burla ou simples in-
intuitode salvaras apparencias. Confirraam
as apprehensSea do orador informag3ea que
recebsu nos ltimos dias. Corre como cer-
to que o advogado do eco, ho nem in-
fluente da sitHagao, obteve da presidencia
da provincia a nomeagio para "promotor pu-
blico da Januaria de um individuo sera im-
putabihlade, completo instrumento seu,
afim de mancoramunado com elle, conseguir
por raeios tortuosos a absolvigio do faci-
nora. Esse advogado que s obedece com
o seu procedimento os intuitos polticos, es-
t* em seu pleno direito, promovendo por
todos os meios a aeu alcance o livramanto
do seu cliente. Nio lhe permettido, po-
rra, servirse para esse fim do orgao da
justiga publica, dirigindo-a feigio dos
seus interesses.
O orador chama a attengao do Sr. mi-
nistro da justiga para as comarcas da Ja-
mara e S. Francisco, na prmeira das
quaes est Nuco, e, com elle, o fundado
receio de se alterar a cada momento a or-
dem publica e na segunda as autoridades
estao abusando de um modo revoltante.
N3o pode o orador exirair-sa obriga-
da exonera-
gao do Dr. Theodoro Dias de Carvalho
Jnior de promotor publico do Ubcraba,
evidentemente determinada pelo miserando
desejo de subtrahir poderosos delinqueutes,
protegidos da situag3o, da aeg8o legal que
sobre elle deve pesar.
Interpellado sobra os motivos d3ssa ae-
miss3o o deputado do 15 diatricto, que con-
fessa ter sido o nico causador della, S.
Exc. lmitou-se a deprimir o inmaculado
carcter do Dr. Theodoro, sera dar urna
nica explieag3o plausivel do acto argido.
Se o Sr. Theodoro era o homem leviano e
inepto que S. Exc. descreveu, como se ex-
plica que o nobre deputado raantivesse com
elle as mais amistosas ralag3es, ao ponto de
querer a todo transe promover a nomea-
gio delle para um termo importante da
provincia ? Nio! a coincidencia da exone-
ragjlo daquelle funecionario com facto de
haver elle dado comego ao processo contra
os delnquentas do dia 15 do Janeiro, O
simples confronto das reopectvas datas,
mostra qual a causa real da sua demis-
s3o.
Digara o que disaerem, ser esta mais
urna triste prova de que nio o espirito
de imparcadade bem o respeito lei os
principios qua estao inspirando a admiais-
tragio de Minas Geraes.
Responde ainda o orador ao discuso pro'
nunciado na sessao aatecedente palo Sr.
Garlos Peixoto.
Conclue lendo uc telegrararaa da oppo-
sigao liberal da asserabla provincial de
Minas, em que ella affirma que n3o nega
meios ao governo e que os tumultos bavidos
em Ouro preto foram provocados pela mai-
ria conservadora que est abusando esoan
dalosamente.
O Sr. Jayme Rosa lembra o no-
bre deputado Sr. Affonso Celso Jnior que
a talla do throno proraette qua ser apre-
aentada um reforma judiciaria ao parla-
meato por isso n3o lhe parece a occasiio
mais opportuna para tomar em considera-
g3o as observag3es do nobre deputado nes-
te sentido.
Deixa tambem de parte as accusagSes do
nobre deputado a respeito de factos que
desconhece, para oceupar-se de questo"es
mais pertinentes, isto as censuras feitai
pelo nobre deputado o Sr. Candido de Oli-
veira ao illustre Sr. ministro da justiga, que
lhe parecem as nicas mais proprias desta
discussio.
O estado actual da menina Bernier.
Interroguei-a e ella confessou-me tudo, cho-
rando.
xin
O Sr. de Gevrey fez um gesto de es-
panto e exclamou em seguida :
Oh a desgragada!
E' verdade, bem desgragada, e raes
mo mais desgragada do que culpada... o
verdadeiro, o uraco culpado o homem sem
coragio e sem honra, o covarde que abu-
san da innocencia dessa moga e se aprovei-
tou de um momento de fraqueza.
Quem este homem?
t Cecilia Bernier recuaou dizer o seu
nome.
Per que n3o casa com elle ?
Porque ella experimenta, agora, por
elle tanta avers3o quanto desprezo. Ella
julga-o como elle deve ser julgado e por
nenhura prego quereria ser sua mulher.
Angelo Proli deu um pjofundo suspiro e
continuou:
Suspeitando a verdade, tentei davi-
dar do testemunho dos meus proprios olhos
e lutar contra a evidencia. Mas, infeliz-
mente, a eonfiss3o de Cecilia veio confir-
mar as minhas suspeitas... A irremedia-
vel queda da pobre moga havia-me sido
confessada. soffri. soffr muito...
O italiano, como j sabemos ha muito
tompo, eia ura comediante de prmeira for-
ga.
Pronuaciou estas palavras com voz tr-
mula e com apparencia de urna profunda
commog3o.
O juiz formador da culpa, moilo admi-
rado, olhou para ella.
O senhor soffreu T repetio elle.
Tanto que o nao posso exprimir !
Suppanba que conhecia a menina
Bernier s a dous dias.
E nio se enganava.
Entio tem alguma razio, alm do
motivo geral da bumanidade, para dedicar
a esta moga am interesse particular ?
Tenho ama.
D me licenga que lhe pergunte
qual T
Hesito em responder.
Entio, nio sos seu amigo ? A ami-
zade pede contianga.
Tem raz8o, voa lhe abrir o mea eo-
rago. Mas, primeiro, diga-me urna cousa :
acredita no amor ?
{Continuar se ha)
Um sorriso um tanto sceptco acudi aos
labios do Sr. de Gevrey.
Em que amor falla ? perguntou elle.
Se o amor dos sentidos, daquelle que er-
gue altares Venus impdica, acredito mui-
to nelle.
- Fallo da uniao dos corac3es, replico
Proli. De duas almas que se fundem em
urna s... do amor immaterial, ethereo,
quasi divino I
Nao posso affirmal-o, nem negal-o...
Dizem qne elle existe... Pesaoalmente nSo
o conhego.
Entao est disposto a adraittr que
vendo se urna mulher pela primeira vez sa
sinta irresistivelmente dominado por essa
mulher e que, ao trocar o primeiro olhar,
nasga o amor ?
E' o que Stendhal chamava, craio, o
raio Parece-me impossivel nio adraittir ;
porque muitas pessoas, que se dizem mui-
to bem informadas e em estado de ser, af-
tirmara que estes amores instantneos sio,
n3o soraente possiveis, mas at frequentes
duradouros.
Pois bem, cahio-me o raio.
Da menina Bernier?
E' verdade.
O senhor, um hornera serio!. Um
homem de sciencia E' crivel?
Ah I Bem conhego que inverosmil!
Pode considerar me louco, insensato, mas o
meu corag3o j n3o roe pertence! Perten-
ce inteiro a essa orph3, o amo-a, com tan-
to ardor, que o proprio passado n3o ser,
para mira, obstculo... Experimento por
Cecilia, Japezar do seu erro, tanto respeito
como amor. N3o pens em fazer della mi-
nha amante... quero tornal-a minha es-
Admira se ?
Reflectio bem, (pe*
posa.
__Muito, confesso.
caro doutor ?
Rcflocti. Calculei tudo, e nada me
detra.
_ Entretanto, ella...
Esse filho srr meu.interrompeaAn-*
gelo. Nascido no casamento, ter o mea
nome... Amo sua m, hei de amal-o tam-
bem.
i Lontinuar-seha)
Tjp. o Diario, rts Doqae de Caxias n. t
,1
Ul u I