Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18311

Full Text
r
Por tres mezas adiarttadot
Por seis ditos i
Por ura anuo dea
dada numero avulau, do mesme di
SABBADD 10 DE JULIO DE 1886
>a1M
PARA DENTRO E FORA DA PROVINCIA
Por seis meses adiantados 4 ^^^^^^^^^^|
Por nove ditos idem.........
Por un auno dem.........
Cada numero avulso, da dias anteriores.
c*S
^Z
130500
2CJ000
2UOOQ
DIARIO DE
lroprieira&e fce Jttaiwel S\$*en&k >e Jara & ftyos
mm
m
TELEGRAMAS
sssvic: "ABTis::r, r: diasio
- RIO DE JANEIRO, 9 de Julho, as 3
horas e 50 minutos da tarde. (Recebido
as 5 horas e 20 minutos, pelo cabo sub-
marino).
A 1.' commlM&o de inquorito. apre-
ciando a elelciio do 9." diHlrleto de
Prrnamburo, reoiito reconhecer
como depulado por esate wtricto. o
eonnelbeiro Tbeodoro Machado Fre -
re Perelra da Silva.
o, o hachara^
presenta o
erque Bar-. -
sor da ca-
pnparato-
fet
V


/,


-
j
8S.7153 si ssfe bitas
(Especial para o Diario)
LONDRES, 9 de Julho.
Bstao elelton membron da Cma-
ra dos (ommiiin 191 partidario e
904 advenarla da reforman da
Irlanda.
O Conde e a Condessa de Parla de-
vem ner brevemente receMao* por
S. M. a r iinlia da Inglaterra.
Agencia Ha^-oa, filia! ..-.n Par"utu)uco,
9 de Julho de 1886.
IHSTRCCO POPILAR
Foram nomeados :
Cavalleiro da ordem de 8. Beato de Avie, e ca-
pito do 31 regiment de cavallaria ligoira, Ma-
oel Ambrosio de Camargo ;
Inspector da sade do porto da provincia do
Paran, o Dr. Jos Justino de Mty
Inspector da bygiene da de Gaya*; o Dr. Jos
Netto de Campos Carneiro;
Secretero da provincia de 8J
Estevo Leao Bourronl.
Dkcisao dc recursos.
recurso que o Dr. Joaquim
r^s Guimaxes, na qualidade do
deira d" rhetorica c poetica'da
ras da FacoJdade'ipDireito da MjKife, interpoi
do despacho de 13 de Outibeo de 1166, pelo qual
o Ministerio dos Negooio do Iipperlp -midio que
nao possivel considerar vitalicio o mesmo p r*tes-
sor, emquanto nao completar cinco annos da
efiectivo exercicio naquelle lugar; hei por bem,
conformando-ole por minha imperial resojoco'de'
19 do corrente mea eom o parecer di aeoc doa
Negocios do Imperio do Conaelho de Estado, exa-
rado ein consulta do 2o de Janeiro dest" anno, de-
clarar, de accordo com o art. 441 do regulamento
n. 124 de 5 deTevereiro d 184*, que, .vista do
art 23 da portara de 4 de Man), de 1856, deve aer
mantido o referido despacho, e portante nao pode
ter provim. nto o recurso. Palacio do Rio de Ja
neiro, em 26 deJunho de 1886, 65 da Indepen-
dencia e do Imperio.Com a rubrica d S. M. o
Imperador.Bato de Mamar.
Seudo-me presente o recurso que o Dr, "Joa-
quina de Albuquerque Barros Guimar^s, na qua-
lidade de professor da cadeira de rbeorica e po-
tica das aulas preparatorias da Faonldade de Di-
r- ito" do Recite, iuterpoa do despaofe^ de 13 de
Outubro de 1885, pelo qual o Miuisterio dos Ne-
gocios do Imperio decidi que n$-> pode ser pago o
veneimenlo relativo ao tempo em qne deixou de
reger a cadeira, hei por beui, conformando-me por
minha immediata resoluco e 19 do earttante me's
com o parecer da seceso do Negocios dd Imperio
do Conaelho de Estalo, exarado em consulta de 28
de Janeiro deste anno, declarar, de accordo com o
art. 46 do regulamento n. 124 de 5 de-Favereira
de 1842, que o referido despacho pelos seos funda-
mentos deve 8r mantido e portento nao pde'ter
proviment > o recurso. Palacio do Rio de Janeiro,
em 26 de Junho de 1886, 65 da Iiulepejodencia e
do Imperio.Com a rubrica de S. M. Impera-
dor.Barae de Mamar- m ,
m
NATACAO
(Kxtrahido)
O* BIBLIOTHECA DO POVO K> DAS ESTOLAS^
Como Me aprende a nadar
MontmiMtfd'>\
Parecer' percute grande numero de pessoas que
nao sahem nadar (fcto, como j dissemos, muito
vu'.g-r mesmo as povoacSes do littoral e em gen-
te do mar) que a arte da nataco muito difficil
de aprender ; tal nao acontece, porem ; fcil,
muito fcil mesmo. Os methodosde ensino que
sao mo e torL-am difficultosaestaaprendiragem
para qnem nao seja rapaz com pasicao que I be
permitta o ir banhar-sesem pejo em qualquerpraia
Um dia reunem-se quatro pituscos em passeio ou
goleando, e dirigem se a praia ou ao rio mais pr-
ximo ; ahi despidos completamente e importando
Ibes mu pjueo o escndalo d'aquella inconvenien
te pratica, l vao da camblhada foliar para dentro
da agua.
Os que silbe m.dar um poucachito, met-
tem es companheiros em bros, e estes procuraos
imitar os mestres improvisados. Que despeitos e
qneslias entao O pobre appr-ndiz ecfalfa-se,
agita-se desordenadamente ; em vez de avancar,
recua; quer fluctuare a cabeca raergulba n'njiua
falta-ibe a respin.cao e, quaudo julga encher d'ar
os pul mo s, engole a tragos valentes urna agua
cuja pureza nao a maior parte das vezes sua
qualidade dominante. No entinto os companhei
ros fazem Ibo toda a casta de pirraca ; puxam lhe
pelos pea, atirm-lhe chapadas d'agua quaudo o
desgraca'ot-stmais afflctoe suffocado, levam-n'o
para fra de p onde o deixam debater-see engu-
lir boa dse d- agua primeiro que lhe acudam,
para (lia-m aquellas boas almas !) lhefazer per
der o medo,
Assun correm as llaves entre risadas e chufas
e picardias de rapazes, sem, que o mise o nada-
dor consiga avancar um palmo siquer. Um dia,
porm, casualmente o rapaz conseguo barmonisar
os movimentus dos bracos e dss pernus, e eil-o
(eom grande pasmo stu !) nsdando. Que alegra
entSo Rapazes olhvm... ja sei^ nadir !
(exclama elle). E, n. (loria do seu inesperado
trumpho, pcuej lhe f iit.i para rrpatiff a sceua de
Archimedes e correr a esa no trajo ultra primi-
tivo em que se ac'ia. a c ntar i todos, ao pai,
mu, boa da avs iihu qne o ha de uscutar sor-
rindo, a sua tncanha. n tua victoria, a sua gloria
emfim. Feliz idaiie. 1.1 z tempo aquelle que de-
corre dos 14 aos 16 i.nnos !
Foi este o methodo por que a maioria dos bons
nadadores appraidev a nadar,resultando d'aqui
a crenei geral que a naocdo s se pode sppren
dereuiqu.no rapaz. Tai crenca un erro:
em tod* a idade se apprende a nadar, quandtt nSo
haja (ent nda-se bem) defeito orgnico que o im-
peca.
Mas porque precisa o homem apprender a nadar
qnando todos os aniases (at os gatos, cuja anti-
pathia pela agua provervial) nadamsem appren-
disagem e at mesmo logo depos de nascidos ? E'
urna simples questo de conformaco physica.
Ministerio da fiiiiftca
v
Par decretos de 26 de Junho prox/mo findo :
Foram removidos os juizes de direito :
Goocalo Paes de Azevedo Faro, da comarca do
Pao d'Albo, de 2* entrancia, em Pernarabueo, para
a de Vmmo, do 3 entrancia, na provi^si* do S.
Pedro do Rio Grande do Sul ;
Antonio Jos de Amoriin, a pedido, di comarca
de Iguwrass para a de Pao d'Alho, ambas de 2a
entrancia, na provincia de Pernambuco ;
Hi8bello FlorentinoXorreia de Mello, a pedido,
da comarca de N'azareth para a de Ignaraas, am-
bas de 2" entrancia, na provincia de Pernambuco,
ficando sem effeito a anterior remocao para a co-
marca de Viamao de 3- entraucia, na provincia
-Ta
comarca de S. Jos doa Pinhaes, de 1* entrancia,
no Paran, para a de Santa Christina do Pinhal,
de 2 entrancia, na provincia de S. Pedro do Rio
Grande do Sul ;
Foram comeados juizes de direito :
O bacharel Getulio Augusto de Carvalho Ser-
reno, da comarca de Ireritiba, de 1 eutrancia, a
provincia do Espirito Santo ;
O bacharel Adolpho Pereira de Burgos Ponce
de Leao, da comarca de Christina, de 1* entrancia,
na provincia de Minas Geraes ;
O bacharel Joo Coelho Gomes Ribeiro, da co-
marca de S. Jos dos Pinhaes, de 1* entrancia, na
provincia do Paran.
Foi declarado vago o lugar de juiz municipal e
de orphos do termo de Camaragipe, na provin-
cia das Alagoas, por ter sido o respectivo juiz,
bacharel Joo Marinho Carneiro de Albuquerque,
condemnado, por aentenca paasada em jal gado, a
perda do cargo.
Foi exonerado, a pedido, o bacharel Benjamim
Soares de Azevedo, do lugar de juiz municipal e
de orphos do termo de Botucst, na provincia de
S. Paulo.
Foram leconduzidos o bacharel Eloy David Be
nedicto Ottoni, no lugar de juiz municipal e de
orphos do termo d) Patrocinio, na provincia de
Minas Gentes ; e o bacharel Josi Antonio Moreira
Dias Jnior, em igual lugar no termo de Itapeti-
ninga, na provincia de S. Paulo.
Foram nomeados juizes municipios e de or- f
phis :
Dos termos de Borba e Mamcor, na provincia^
do Amazonas, o bacharel Manoel Agapito Pereira ;
Do de Botucat, na de S. Paulo, o bacharel Bra-
zio Alves Correa do Amaral ;
Do de Araz, na dc Minas Gdiaes, o bacharel
Joo Jos Frederico Ludovico
Foram confirmadas as nomeacoes provisorias
feitas pelos respectivos presidentes de provincia,
para as serventas vitalicias dos officios de :
1* tabellio do publico judicial e notas, e escri-
vo da provedoria de capel las e residuos e das
ezecueoes do termo do forto da Folha, da provin-
cia de Sergipe, a Luiz Antonio das Dores :
De 2* escrivao de orphos do termo da capital
da provincia do Espirito Santo, a Augusto Ra-
pbael de Carvalho.
Foi reformado, no posto de major, o capito do
antigo batalho de infantaria n. 8 da guarda na-
olfcorrer afogado, preciso perman- do mc'pw de Gu.maraes, na provincia
a fra d'aguaf-o queos animaes qua- du Maranho, Joaquim Manoel de Azevedo.
Para se nao
cer s cabeca
drnpedes conseguem naturalmente, ao passo que
no bomem e nos macacos a cabeca muito mais
densa ooe as cavidades thoracica e abdominal
tende a mergulhar ; e acontecer isso taifto mais
depressa quanto mais agitarmos 6s bracos fra
d'agua, o que o homem que nao sabe nadar faz
por orna impulsan inatinctiva tentando laucar a
uto a quanto julga ao alcance. Pira o homem
poder portanto conservar a cabecea fra d'agua,
indispensavel se torna um precio esiudo.
(Contina)
ARTE OFFICIA
Actos do Poder Legislativo
' DECRETO N.A277 DE 25 DE JUNHO DE
1886
Hei por bem saneconar e mandar que se exe-
ente a seguute resoluvo da Assembla Geral:
Artigo nnico. As leis ns. 3,229 e 3,230, de 3 de
Setembro de 1884, qns orcam a receita e fixam a
deapeza geral do Imperio para o exercicio de 1884
1885, continuaro em vigor durante os primei-
ros quatro uiezea do exercicio de 18861887, se
antes rao forera prsVulgadas as leis do orcamen
to deste exercicio.
Francisco Belisario Soares de Souza, do meu
eonselho, ministro e secretario de Estado dos Ne-
gocios da Fasenda e presidente do Tribunal do
Thesonro Nacional, assim teuba entendido e faca
executar. Palacio da Rio de Janeiro, aos 25 de
Junho de 1886, 65 da Independencia e do Im -
seriaCom a rubsjaa de S. M. o Imperador.F.
BelUario Soare de Souza.
i Misterio iMperio
Por despacho imperial de 26 de Jonho prximo
lindo:
Ministerio da Fazsnda
Por decreto de 26 de Junho proiiuu findo foi
aposentado o l4 escripturano d* Thesouraria de
Fazenda da provincia de Minas-Leraet, Carlos
Jos los Santos.
Por ttulos da mesm i data foram nomeados :
Official de descarga da Alfandega de Parana-
gn, provincia dc Paran, o praticante da Thesou-
raria de Fazenda da mesma provincia, Benjamim
Cesar Carneiro.
Prati :anre da referida Tneaouraria, o offiefal de
descarga da dita Alfandega Moyss Ribeiro de
Andrade.
Foram expedidas as seguntes circulares :
Circular n. 13.Ministerio doa nego-ios da fa-
z nda.Rio de Janeiro, em 17 de Junho de 1886.
Francisco Belisario Soares de Souza, presiden-
te do Tribunal do Thesouro Nacional, communica
aos 8rr. inspectores das Thesourarias de Fazenda,
para os fins convenient-s, qne vo ser emittidas
moedas de nickel de 50 ris, e ordena-lhes que
nao devolvam mais ao mesmo Thesouro as moe-
das de bronze de 10 ris existentes as respecti
vas Thesourarias, as quaes podero ter sahida
nao sndo comtudo, obrigateria a aceitacio del-
tas F. Beluario Soare de Soiaa.
Circular n. 14.Ministerio dos negocios da fa-
enda.Rio de Janeiro, 25 de Junho de 1886.
Francisco Beliaario Soares de Souza, presidente
ds Tribunal do Thesouro Nacional, transmiti aos
Srs. inspectores das Thesourarias de Fazenda,
para que tenha a devida execuco, o docreto n.
8,277 deste data, constante dos exemplares jun-
tos, determinando qne as leis ns. 3,229 e 3,230 de
3 de Setembro do 1884, qne orcam a receita e fi-
xam a despeza geral do imperio para o exercicio
de 18841885, continnem em vigor durante* os
quatro primeros meCs do exercicio de 188687.
F. beluario 8oaretde Soma.
Ministerio da Marluna
Por .aviso de 26 de Jnnbo prximo findo foi no-
meado o 1* tenente Luis Jos dos Santos para com-
inandar o eoeonracado Piaiihy.
Ministerio da Agricultura
Pelo miuisterio da agricultura toram expe-
dida?, a 25 do corrente, as seguintei circulares :
Illm. Exra. Sr.Sendo neceasario eatudar-
se a influencia exercida no espirito de associacao
pela nova le n. 3,150 de 4 de Novembro de 1882
e"procederan respectiva estatistica recomtaen-
do a T IJxc. providenci.' afim.de que porinterme
dio da secretaria deasa presidencia seja coa ur-
gencia remettfla a esta secretaria de estado a re-
laco das companhias ou sociedades anonymas,
constituidas nessa provincia, e do archivameuto
de seus estatutos depos da citada lei, e bem as-
sim, sea,estralmente das que de ora em diante se
.forinarem com a indcacio do nomo, fina, capital
social e prazo de duraco de cada urna.
Outrosim, fac-v igual ricommendacao em rela-
co ff companhias ou sociedaces anonymaa es-
trao>reiras que, tendo obtido do governo imperial
autoriaaco para funecienarem no imperio, tenbam
dado ou dexado de dar cumprimedto a tedas as
disposicoes legaeg a' ellas ref jreotes. -
Deus guardea V. Exci-r- Antonio da Silaa Pra-
do Sr. ^residente da provincia de* .. >
Hlm. Sr.Querendo est^i ministerio tomar co
nneciinento do movmento operada-pela nova- ki
n. 3,150 de 4 de Novembro de 1882 no espirit de
associacao, remtta*Vr. S. com Urgencia a esta se-
cretaria de estado arelaco das companhias on
sociedades anonymas que, organisadas depos da
citada lei, tenham nrenivadaseus estatutos na se-
cretaria deasa junta, com a iadicaoao de seus no-
mes, fins,'capital social prazo de doracao de
cada nma ; bem como das companhias ou socieda-
des anonymas strang iras, qne, tendo obtido do
governo imperial autorisacao pa;a funociouarem
no imperio, tenham feito registrar nessa mesma
sscretaria'seus estatutos, exhbiuio para tal fim a
respectiva carta imperial.
Deus guarde, a V. S.Antonio da Silva Prado.
-Sr. presideate da junta oommersJal de ..
overoo da Provincia
KXPEOIETB DO DIA 19 DE JUHHO DE 886
Acto :
O vicepresidente da provincia, attendendo
ao que requeren o tabellio publico desta capital,
Antonio Borges da Silveira Lobo, raso've proro-
gar por 15 das o prazo marcado ao su aplicante
para entrar no gozo da lieeuoa que ltimamente
obteve para tratar de ana sande.
Offijios :
io commandants das armas. fW'Declaro a
V. Kxc, para seu conhecimento e ftUr convenien-
tes, que nesta data concedo lieaoea pH 15 dias ao
2. cadete da companbia de cavatlaria, Manoel
Machado da Silva, para ir cidade du Pal-
mares.
Ao mesmo.Declaro a V. Exe., para os de-
vidos fins, que, de accordo oo a indicaco con-
stante de 'sen oficio u. 328, de aontetn datado,
designo o coronel Jos Thomas Goncalves para
presidir o eonselho que no dia 25 do corrente, s
11 horas da mann, no quartel da Cinco Pontaa,
Mpitite do subdelegado do
term> do Bre|o, ficando
i a?eretra Lima, que
oara o cargO|
diatriet de
eiooarado
fia o refe|l L
- O ricB-p> pa pr iviaeia attendendo
ajo qne i"S,nM i uaSapto portugnwe Bento da Ro-
fla, rwideate casta provincia, resolve naturali-
aal-o de accordo eom o disposto no decreto n. 1950
do II da Jumo de 1871. e em virkade da autorisa-
oo expresa* na art. 14 da lei da 30 de Outubro
de 1882 e an d que possa gozar de todos os di-
rritos, honras e prerogativs, que pela constitu
ci osape
dos.
O
ao qne soli
querimeoto
ra de s*ai
toe cidados brasilnros naturalisa-
7%^;Wmsx<
idnte da provincia attendendo
oo Ignacio Ribeiro Roma no re-
Ilude a infirmacaoda Theaou-
e 15 do correnta, n. 405, resolve
abrir, sob ailt responsablidada, um crdito da
qnantia de 63)4344 verbadeapezas de corpos
e quartaisd Ministerio da Guerra, eiercieio de
1885 1886, fcfim de occorrer ao pagamento da
despesa relativa ao fornecimento de capim, que
era Maio ultimo fes o peticionario cavalhada da
ompanhia da cavallaria desta provincia, visto ter
sido inadiavi o mesmo forneci meneo Semetteu-
J se copia Tfceouraria de Fazenda.
J MHBresidente da provincia, tendo em
vista o officisdo juis municipal do termo de Villa
Bella, de 15-de Maio deste anno, acompanhado
dos livros deitioados classificaco de escravos
daquelle mampipio, julgados eatraviados pela res-
pectiva junBclaaaificadora, qne serviram durtnte
os annos de9B73 a '885, resolve considerar sem
efteito a p^Bria de 2 de Abril ultimo, no qual
Ibe haviam SMo impostas as multas de qne trata
a 1* parte daArt. 96 do regulamento de 13 de Ne-
vembro de 1*2, visto terem sido encontrados os
mencionadosSprros no archivo da collecto'ia gev
ral di mestaj) municipio.R-'metteu-se copia a
Ibesouraria de Fazenda, ao juiz de direito ejuiz
municipal.
O viosj-presi.lente da provincia, de confor-
midade com .proposta do administrador dos cr-
relos, em eflieio de 17 do corrente, sob n. 532, re-
solve, nos termos da lei n. 2,794. de 30 de Outubro
de 1877, exoarar Jos Florencio de Oliveira Bar-
ros, do cargalle agente do crrelo da villa do Boa-
Vista, e normar Jos Florencio de Caldna. Re-
solve na forma da mesma proposta, nomear Joo
Pedro de Oliveira Porto, para o lugar vago de
ajudante do eurreio da povoacod Pe Ira Tapada.
Commuaioan-se ao administrador dos correios.
Officios: i
Ao compaiidante das armas. r V. Exc.
suas ordeaajBsara que seja remettida Thesoura-
ria de FasaBa, conforme solicita o respectivo in
spector, eejjgicio n. 4S1, de 19 do corrente, urna
rslaco OODslbal das praoss do ^ batalho de in-
fantera, qasmes'uiram para Hacarat, afim de ser
legaliaada iBquant-.aadiantada ao coamandante
do mesmo mtalho, em 10 de Maio finm, para o
forneeimentdHe etapaa em dioh"iro a ditas pra-
9as, visto como o pret apresentadu n'aquella occa-
si contmlmente o numero das pracas.
Ao DaSchofu de polica.Accuaando o re-
cebimente AgfScio n. 60, de 15 do corrent re-
commbndo sjW. S. que em nome ueste presidencia
agradeca j'off'-recimento feito pelo Rvd. vigario
Renovata Peipcir* Tejo, da serventa gratis dtrseu
isteno
tem, nos ter
daiGuerta, dc
sobre o consumo de diversos artigos a cargo do
2.* batalho de infantera
Ao inspector da Thesouraria de Fasenda.
Srva-se V. S. de designar um emprogado dessa
reparticao para fazer parte da commisso que no
dia 25 do corrent-, s 11 horas da maub, no
quartel das Cincj Pintas, tem, uos termos do
aviso circular do Ministerio da Guena, de 23 de
Janeiro de 1884, de resolver sobre o consumo de
diversos artigas a cargo do 2.a-batalho de in-
fantera.
Ao mesmo.Declaro a V. 3., para os fius
convenientes, qne approvo as propostes sobre as
quaes versa a sua infoimacj n. 348, de 24 de
Maio findo, aceitas pelo eonselho de compras do
Arsenal de Guerra, em sesso de 11 do dito mez,
rra o fornecimento de materia prima nscessaria
manufactura do farlamento destinado a diver-
sos corpos.
Ao director do Arsenal de Guerra. Re--
metto a Vmc, para os fins convenientes, o incluso
termo de abertura de 18 volumes rdmettidos pela
Intendencia da Guerra, de que trata o seu efficio
n. 413, de 9 do corrente.
Ao mesmo. Declaro a Vmc, para os fins
convenientes, que o ajudante interino dessu Ar
seal dever fazer parte da commisso que, no
dia 25 do correte, s 11 horas da meaba, no
quartel das Cinco Pontas, tem, nos termos do
aviso circular do Ministerio da Guerra, de 23 de
Janeiro du 1884, do resolver sobre o consumo de
diversos artigos a eargo de 2." batalho de infan-
tera.
Ao mesmo.Bemetto a Vmc, para os fins
convenientes, o incluso term> de inspecgo de
saTle a que foi submettido o soldado da compa-
nhia de operarios militares desse Arsenal, Ma-
noel N-tto M ndes da Silva, e de qu* trata o seu
oficio n. 420, de 14 do corrente.
Ao mesmo. RemeUo a Vmc. as inclaaaa
propostes, que fieam approvadas, aceitas p-lo
conaelho de compras desse Arseaal em sesso de
11 de Maio Sudo, para o fornecimento de materia
prima nccessaria manufactura do fardamento
destinado a diveroos corpos, afim de sercm lavra-
dos os respectivos termos de contracto, na irma
do regalamento n. 5,118, de 19 de Outubro de
1372.
Portera:
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Becife ao S. Francisco, na forma do estylo,
sirva-se de mandar conceder passagens gratuitas
de ida e volta, de primera classe, a Jos da Silva
Barros, do Recfe a Agua Preta, quando se apre-
sentar, co n direito bagagem-
XXPBDIBNTE DO SECRETARIO
Ao inspector da Tbesouraria de Fazenda.
O Exm. Sr. vice-presi lente da provincia manda
devolver a V. S devidamente assignados, os ttu-
los de nomeaco de Manoel Jos da Cosca e Ma-
noel Estanislao da Coste Jnior, para os lugares
de fiis de armazem da Alfandega.
Ao commandaate interino do corpo de poli-
ca.O Exm. Sr. vice-presidente da provincia
manda commnnicar a V. 3. que no seu oficio n.
546, d hontern datado, relativo ajuda de custo
do tenente desse corpo, Toeodomiro Thomas Ca-
valcante Pessoa, que destaca para Canhotinbo,
proferto boje o despacho aeguinte: Remettido
ao Sr. inspector do Thesouro Provincial para
manda' attender.
Ao engenheiro chefe da reparticao das Obras
Publicas.O Exin. Sr. vice-presidente da provin-
cia ficoo iuteirado, pelo otficio da honren datado,
sob n. 112, de ha ver V. tj. mandado lavrar termo
de recebimento provisorio da obra de reparos da
ponte sobre o rio Serinhem no engenho Gindahy,
constante dos orcamentos primitivos e snpplomen-
cos, e passar o certificado de pagamento a que
tem direito o respectivo arrematante.
EXPKDintTB DO DIA 21 DB JOMHO DI 1886
Actos :
O vice-presidente da provincia, de eonfbrmi-
dade com a propoata do Dr. chefe de polica em
officio n. 609, de 17 do correte mez, resolve no-
mear o cidado Joaqaim Correa Paes da Rocha
para o cargo de 1* snpplente do subdelegado do
districto da Serra de S. Luiz Gonaaga do termo
de Garanhuns, ficando exonerado o actnal, por ter
modado de residencia.
0 vice-preaidente da provincia, de conformi
dade com a proposta teita em oficio n. 610 de 17
do corrente mes, pelo Dr. chefe de polica, resolve
nomear o cidado Francisco Antonio de Salles
,v*r: indiead .tr Yui^wstlitn -"- ^~~1Tr'fSsilP -ndantaria, de artigos destinados escripturac'.
predio, sito na villa de Taquaretingk, para o fim
ao Thesouro Provincial.
Ao mesmo. Sciente do que V. S. informou
no seu oficio n. 601, de 15 do corrente mez, sobre
o requerimento, que hoje indeferi, do guarda da
Casa de Detenco, Pedro Antonio de Mello, decla-
ro Ibe, em resposta ao citado offijio, que providen-
cie a respeito como julgar conveniente.
Ao mesmo.Sciente do que V. S. expoz-me
em oficio n. 612, de 18 do corrente m&, com rel-
celo s diligencias que se efiectuaram no sentido
de serein descobertos os autores do fabrico de se-
dulaa' falsas, qne se estavam introduzindo na cir-
cularlo, as qua-s deram em resultado a captura
dos individuos de nomes Francisco Cardoso Leal,
B'llarmino Jos dos Santos e Francisco Lins de
Freitas Barbosa, cabe-me louvar a V. pela in-
telligencia e zelo com que se houve no desempe-
nhe de to espiuhoaa missu, e recommendo-lbe
que, em nome deste presidencia, lonve ao delegado
do 1* dtricto, subdelegado da Grace e comman-
dante da 5* eataco da guarda cvica, qu-< tanto o
auxiliaram para que os seus estorcoa tossem co-
roados do melhor resultado.
Declaro a V. S. que de todo occorrido acabo de
dar sciencia ao governo imperial, e confio que con
tinuara a proseguir as convenientes investiga-
rles, afim de que nao possa escapar aeco da
jnstlca, quem quer que se ache envolvido em t>o
grande delicto.
Ao presidente do Banco Industrial e Mer-
cantil do Rio de Janeiro.Transmit o a V. 8. a
inclusa 1* va du saque tomado ao par e a 10 dias
de vista p-lo Thesouro Provincial a favor desse
banco ao New Loudon andBrazilian B*nk, desta
cidade, sobre o seu estab lecinvnto na corte, na
importancia de 17:037(1612, para pagamento dos
juros do semestre de Janeiro a Junho coTcnte,
das apolices da divida desta provincia, emittidas
por intermedio de mesmo banco.
Devo declarar a V. S. que a referida importan-
cia se compe da de 17:045^000 propriamente dos
juros e da do 42fS612 proveniente da commisso
de 1/4 % q* diz respeto ao servico ao pagamen-
to dos referidos juros, conforme a demonstrado
junta.Cominuiiicou-se ao Thesouro Provincial.
i Ao inspector da sade publicaRespondo ao
ofici que V. S. dirigio-me em 17 do corrente mez,
declarando-lhe que em nome deste presidencia
agradeca os serricos prestados pelo professor pu-
blico Bononio Rosa de Lima Leal aos doeutes
accommettidos de febres palustres eqi-Catende.
Ao administrador dos Correios.Nesta data
resolv com despacho, proferido no requerimento
de Joo Goncalves, a que se refere a iaformaco
de V. S. em efficio de 10 do corrente, que deve re-
clamar primeramente perante a agencia do correio
em que registr o valor, cuja restituiso pode nos
termos do regulamento de 1 de Dezembro de 1866.
Ao jniz de direito da comarca de Oliuda.
Nesta data submetto cousideraco do Exm. Sr.
ministro da Agricultura,. Commercio e Obras Pu-
blicas o assumpto, de que trata o officio de V. 8. de
11 do corrente, remetiendo copia do que a ease jul-
io dirigi o respectivo escrivao acerca das des-
pesas que [lusam occorrer no servico para liber-
Caco dos eacr-irus que tiverem attn^ido s idades
de que trata o art It do regulamento n. 9,517 de
14 de Novembro de 1885.
A' Tbesouraria de Fajeada. Declaro a V
S., para os tes con ementes que nesta date anto-
risooeugentviro diicctor das obrar da cnnservacu
dos portos e encarregade. das obras geraes a con-
tractar, por meio do eonselho do compras, com
quem melhor vantagem offerecer, ofouiecim'nto de
diversos materiaese objectos necef'
tivas repart coes no prximo sem
Desembro, a que se refere % infoi
por essa thesouraria em 17 do cor:
Outrosim, designo o engenhajro
cao das obras publicas para laze
conselbo.Communiaoo-se ao en,
reparticao das obras publica.
A' mesma.Keme.tto a V. S,
effeitos, copia do aviso expedido pelo Ministerio da
Guerra em 7 do corrente, em que consta a appro-
vaco do acto desta presidencia abrindo um cr-
dito da importancia de 5:5694000, afim de ter
lugar o pagamente da mesma importancia a Braga
e Si pelo fornecimento de calcado ao Arsenal de
Guerra.
Feverei'o do corrente anno, de ve rao ser abonados
ao Dr. Pedro de Athayde Lobo Mescoao, de qnem
se oceuoa V. 8. em sua informaco de 11 deste
mez, sob n. 395, os vencimentos qne lhe compe-
tem de inspector de sade dos portos e inspector
de sade publica, at que tenha lugar a alludda
installaco.
A' m.sma.Attendendo ao que V. S. expoz
no seu officio n. 403, de 14 do corrente mez, rela-
tivamente indevida ucluso do nme do nego-
ciante Jos da Silva Loy > Jnior da lista dos con-
currentes, proferidos pela junte de fazenda, para
o fornecimento de gneros alimenticios e diversos
artigoa ao almoxariado do presidio de Fernando
de Noronha no prximo semestre, e considerando
que aquelle fact deu-se por equivoco, visto que
a proposta do referido Loyo Jnior para furnecer
xarqne deixou de ser aceita, por nao ser a raas
vantajosa, recommendo-lbe em soluco do predito
officio que abra nova concurrencia para o forna-
ciinento d'esse genero. Devolvo-lhe as reapectivas
prspostas, e a relaco que acompanhou-as.
A' mesma Declaro a V. S., para os fins
convenientes, qne, vista da sua informaco
o. 402, de 14 do corrente, antorsei o director do
Arsenal de Guerra a satisfazer, no mee de Julho
vindouro, o pedido do commandante do 14 bata-
lho de infantaria de artigos para a eacripturaco
do rancho do mesmo batalho e da Enfermara
Militar, oreadas em 690J000.
Ao Thesouro Provincial.A' vista das infor-
maces ns. 696 e 698 prestadas por Vmc. rm 10 do
corrente, auforiao a mandar entregar ao thesou-
reiro da reparticao das Obrsi Publicas, a quantia
de 16:388, importancia dos dous pedidos juntos,
para occorrer as despezaa a cargo d'aquella repar-
ticao dos mezes de Marco e Abril ultimo.
Ao mesmo.Devolvendo a Vmc. a petico de
Antonio Rodrigues de Souza k C, a qnem se re-
fere sua informaco de 2 deste mez, sob n. 682,
tenha a dizer lhe que nao. pode ser attendida a re-
clamaco constante da mesma petico, pelos fun-
damentos apreseotados pelo contador.
Aproveito a occasio para declarar a Vmc. que
Alfandega, a quem tambero nesta data me dirijo,
enmpre cobrar o imposto de gyro sobre as merca-
dorias ainda all depositadas, c remester ao Con-
sulado relaco dos impostes pagos, em vista da
despachos anteriores a 17 de Maio prximo pas-
sado, afim de que possa essa reparticao regu-
larizar sua eacripturaco e ter lugar a rsstituico
de impostes pagos em duplicata, como o de que se
trata.
Ao mesmo.A' vista do que Vmc. informa
em officio n. 694 de 10 d; corrente mez, mande
fornecer duas ps de ferro ao corpo de polica,
Commnnicou-se ao commandante interina do corpo
de polica.
Ao inspector d'Alfandega.Deelaro a Vmc.,
para os devidos fins, qne cumpr; a esea Alfande-
ga cobrar o impaste de gyro sobro as mercadoiias
anda ahi depositadas, e remetter ao C nsuladd
Provincial relaco loa impostes pagos em vista de
despachos anteriores a 17 de Mair prximo passa-
do, afim de que e mesmo Consulado possa regula-
risar sua escnpturaco e ter lugar a restituico
de diremos pagos em duplcate, conforme aconte-
ceu aom Antonio Rodrigues de Souza & C.
Ao director do arsenal de Guerra. Autoriso
Vmc satisfazer, no mes de Julho vindouro, o
incluso pedido do commandante do 14 batalho de
claro a V. 8., para seu conhecimento e em respos-
ta ao seu officio n. 418 de 12 do crrante, que,
nesta date, foi proposto ao governo geral o capel-
lo-capito do corpo esclesiasfico do eiercito, te-
nente Leonardo Joo Grego, para servir cesse
Arsenal.
A' junta clarificadora de escravos de Pa-
nellas.S. Exc. o Sr. vice-preaidente da provincia
manda acensar o recebimento do officio de 14 do
corrente, em qne Vv. Ss. communcam que nessa
data se reunirn de conformidade cem a circular
de 24 de Maio ultimo.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DU 8 DI
JULHO DE 1886.
Celestina Amelia Alves do Souza. In-
forme o Sr. inspector geral da IostrucfSo
Publica.
Compaahia Pernambucana. Aguard' o
crdito solicitado Assembla Legislativa
Provincial.
Fielden Brotliors.Informe o Sr. ins-
pector dj Thesouro Provincial.
O mesrao. dem.
Francisco Barbosa da Silva.N2o ka
que deferir, visto qae o supplicanto j foi
requesitado para ser submettido a julga-
mento.
O mesmo.dem.
Jos Antonio da Silva Lima.Ao Sr.
Dr. juiz do>direito da comarca de Garuar,
para informar.
Jos Eduardo- de Souzi Landira.In-
forme o Sr. inspector geral da instraecSo
Publica. '
Major Luiz Antonio Ferraz. Informe o
Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda.
' Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, em 9 de Julho de 1886.
O porteiro,
J. L. Viegas.
Reparticao da polica
Seccao 2.' N. 675. Secretara da Po-
lica de Pernambuco, 9 de Julho de 1886.
Illm. e Exm. Sr. Participo a V. Exc.
que foram hontern recomidos Casa de
etencSo os seguintes individuos :
A' minha ordem, Delfino Correa Braga,
i res pee-
de Julho a
lo prestada
sob n. 415.
kda reparti-
i referido
ebefe da
A' mesma.Nao achando-se ainda installada terio da Guerra de 4 do corrente.
a reparticao de hjgiene, de que trate o srt 12 do
regalamento a qne se refere o decreto 9584 de*de
do rancho 3o mesmo batalho e da &ftftnara mi-
litas) oreados em 6301. Retpondo aasim a seu of
ficio n. 404. de 4 do corrente.
Ao inspector geral da Inatruccao Publica.
Deferindo hoje o requerimento da professora Ge -
nerosa do Reg Medeiros Cavalcante d'Albuquer
que, sobre a qual versa a informaco n. 134, pres-
tada por Vmc, em 11 do corrente, autoriso-o
justificar as faltes de exercicio escolar que por
motivo de molestia deu a referida professora,
contar de 16 de Janeiro 16 de Abril ltimos.
Ao mesrao. Concedo a autorisacao solicita-
da por Vmc. para justificar as faltas do exercicio
escolar da professora Grata Candida de Alcntara
Couto, de qne trata em seu officio, a que respondo,
n. 185, de 16 do csrrente mez.
Ao commandante iaterino do corpo de poli-
ca. Attendendo ao que Vmc. expoz do seu offi
ci n. 539, de-16 do correte, autoriso-o, conforme
soliciten excluir do corpo do seu c mimando os
soldados Jos Antonio Xavier Leite, Cosme Mar-
ques da Silva, Candido Francisco Braz e Joo
Dias Chave*
Ao engenheiro da conservarlo dos portos e
obras geraes.Autoriso Vmc. contratar por meio
do eonselho de compras, com quem melhores van
tagens offerecer, durante o semestre de Julho a
iiezembro prximo, o fornecimento de diversos ma-
teriaes e objectos necessarios esaas repartices,
de que trata o seu officio de 22 de Ma'o ultimo, sob
n. 103. Outrosim, designo o engenheiro chele da
Reparticao das Obras Publicas, para fazer parte
do referido eonselho.
Ao empresario do servico telephonico d'esta
cidade.Ao officio de 12 do corrente, no qual an
nexou copia do que este presidencia he dirigi em
6 do Junho do anno passado, n > qual se declarou
que essa empresa havia enmprido a clausula 13
do regu'amento approvado pelo decreto n. 8,935,
de 21 do Abril de 1883, e nos despachos de 13 de
Fevereiro e 11 de Junho desse anno, havia sido in-
dicado s repartices as condicoes da clausula
indicada, respondo que o facto de nao tei sido o
Arsenal de Guerra comprehendido n'aquellc nn -
mero nao contou a mesma empresa de collocal-o
agora, pelo qne deve ser quanto antes cumprda a
determinaclo de 9 do corrente.
Portaras:
A' Cmara Municipal de Taquaretnga.
Respondo ao officio de 7 do corrente mez. re-
commendando Cmara Municipal de Taquare-
tnga, que em nome desta Presidencia agradeca o
-.ffer 'cimento feito pelo Revd. vigsro Renovato
Pereira Tejo, dfcserventia gratis de seu predio si-
to n-aaa villa, para o fim indicado em seu predito
officio. i
O Sr. gerente da Compsnhia Pernambucana
faca transportar provincia do Rio Grande do
Norte, por eonte do Ministerio da Guerra, no va-
por Ipojuea, ura fardo pesando 72 kilos, contendo
tardamente destinado companhia de infantera
d'aqu-lla provincia. Commuoicou-se ao director
do Arsenal de Guerra.
__O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passsg'tn a r, at a Parahyba, no va
por quVsegue amanh para o norte, a Augusto Ca
mar Correia do S, pr conta das gratuitas, a
que o governo tem direito.
EXPEDIENTE DO SECRETARIO
Officios:
Ao Io secretario da Assembla Provincial.
De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da provin-
cia, communico a V. 8. qne no seu officio n. 169,
de 2 do corrente mez, exirou se boje .o seguinte
despacho : Remettido ao inspector do Theaou-
ss Provincial, para ob fins convenientes. _
Ao mesmo.De ordem do Exm. Hr. vice pre-
sidente da provincia, devolvo a V. 8., em rospos-
ta ao 3eu officio n. 149 d 10 d Maio findo, as pe
tico-s de Hermino Delphino do Nascimento e Ma-
noel Bernardo Gomes Quinteiro, e a informaco,
em original, prestada pela Cmara Municipal de
Lim ieir i.
A' mesrao.De ordem do Exm. Sr vice pre-
sidente da provincia, Iransmitto a V. S. a inclusa
representaco dirigida a essa Assembla pela Ca-
ara Municipal de S. Bento.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
O Exm. Sr. vice-preaidente da provincia manda
remetter a V. 8., tres ordens, sendo duas de ns.
118 e 10 do Thesouro -Nacioual e na do Minis-
Ao inspector do Arsenal de Guerra.De or-
dem do Exm. *^r. vice-presidente da provincia, de-
por crime de.-ferimentos graves; Silvmo
Bezerra da. Araojo, viadjv do termo de
Santo Anto como desertor do corpo de
poli ia da provinra-jfla Bahia; Manoel
Ferreira do M lio, remettido polo delegado
de S. Lourenco como criminoso de ferimen-
tos, diaposico do Dr. juiz de direito do
5 districto criminal; Izidoro Marques da
Silva e Jos Joaquina de Sant'Anna, viu-
dos do termo de Palmares como senten-
ciados. ..,._. -i^ ,-w ___
I* A- ordem d-- sub3lHtit d Becife^
Joviniano Jos dos Santos Luiz Antonio
dos Santos, por disturbios.
Polo subdelegado do 2.9 districto da
Gra9a, foi remettic'o ao juiz competente o
inquerito policial o que proced^u contra
Cassiano Almeida do R sario, como incur-
so as penas do art. 269 do Cod. Criin.
Commuoieou-me o delegado do ter-
mo do Tacarat, que no dia 28 do mez
fiado remetiera ao juizo competente o in-
querito a qne proceder com referencia ao
crime de homicidio praticado na pessoa do
alferes Jos Bedor de Araujo.
O capitUo Elysio Alberto Silveira
reassuraira hontem o exercicio do cargo de
subdelegado do 1. districto da BVVista.
Tamben no dia 5 do corrente assu-
mio o cidado Alexandre Sil vino de Albu-
querque, na qualidade de 3." supplente, o
exercicio do cargo de subdelegado d* dis-
tricto de Alagi Secca.
Deus guarde a V. Excillm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
O chefe de poll-a, Antonio Domingos
Pinto.
- *.-
C ni m and o das Armas
Qrj*ARTEL GENERAL DO COMMAKDO DAS AR
MAS DE PERNAMBUCO, EM 9 DE JULHO
DE 1886
Ordem do dia n. 110
Apresentan so hoj* a este quartel-geue-
ral, vindo da provincia da Baha, o Sr.
alferes do 2 batalhSo de infantera, Joa-
quim Querino Villarim, qua era considera-
do n2o apresentado : assim o faco constar
a guarnielo.
(Assignado) Agostinh Marques de S,
brigadeiro commandante das armas.
(Conforme) Jonquim Jorge de Mello Fi-
Iho ajundante de ordens interino eucarre-
gado do detalhe. ,
Thesouro Provincial
dESPACHOS DO DIA DE 9 JLHO DE 1886
Jos dos Santos e Silva. -Informe o
contencioso.
Jos Lundelino de Almeida Andrade,
J. J. Alves de Albuquerque, Alpbeu Soa-
res Raposo, Gustavo Mermond, Mauricia
Mara da Conceiclo, officios do engmheiro
chefe das obras publicas e Fielden Bro-
thers.Informe o Sr. contador.
Ordm Terceira do Garmo. Declare-
o contencioso se toi prestada a ruanca
Joao Bartholoroeu Pereira da Sil?*.
Registre-se e fajam-se as notas compe-
tentes.
Traan o Alvos de Mendoza, Jovino de
Carvalho Varejo e Joo da Costa Ribeiro
Canto. Haja vista o Sr Dr. procuralor
fiscal.
Officios do Dr. procurador dos feitos.
Inf.rrae o Sr. Dr. administrado.! do Con-
sulado.
Consulado Provincial
DESPACHOS DO DA 8 DE JULHO DE 1886
Joaquim Jos Alves Guimares 4 C, Jos An-
tonio Pinto e Hilarno dos Santos Franca. Iu-
torme al1 aeceo.
Joo Duarte Carneiro da Cunba GamaDefe-
rido de accordo com as informacoes.
Joaquim Pereira de Asevcdo Ramos.Informe
a 1* seccao.
Emilio SpichiJunte o titulo e dominio.

I


puflvf


,o
Diario de PcrnambucoSabb&do 10 de Julho de 1886
.


DIARIO DE PERHA3BGC0
RECIFE, 10 DE] JULHO DE 18J
tosidas do Pacifico. Rio da
PraU sal do Imperio
O paquete nacional Espirito Santo, entrado ben-
tem do aul, trouxe as seguintes noticias, u'iD das
que constem das rabteas Parte Oficial e Inte
rior :
raaMbco
Datas Ul.grapsaw 1*22 de Janho:
O senado ehil.-a eriarooa as es* secretas,
approvauao os aaadidatos propistoa para as dio-
ceses vagas.
A cmara do deputad eeatinuava a occu-
par-se cora os faatos ecerridos no dia 15.
O raltado geavl das eteieoas*n Santiag i Uv.
d us senadores, caaes deputadoa e mai.ria n inu
nici-alidade a oppasieo.
Fallara se que o partido liberal pcdiria a an
millacS > das eleicoes municipaes.
Hiw da Prala
D.ttas de ambas as capitaes at 24 de Janho :
as cainaras argentinas eoatinuavam as gaasftn
hiualfuriu pr causa 4a verifteataaa W jasan.
Continuavin na imprensa argentina as BggpM-
6e cintra o Brasil seos heneas, polticos por
cgrasa darevolucSit) i.-ntal.
Renasce aqni, di um telegramma de Buenos
Arres para El Siglo, de Moutrsvid >. o pirtido da
guerra, prtgondo-a ara todas as forma* e eob
qualquer pretexto.
Tem-se i-ffectuado reunies clandestinas para
qne a propaganda seja mais efBcaz, para a reali-
sacito desso proposito.
Diz o incauto telegramma: 0 ministro dos
negocias etraoseiroe ordenon polica a prie
de A>redmdo, que ueste momento procura!,
por se saber que. cliegon esta manha do Perga-
raiao.
Consta va que tinham renuauiad o 03 cargos o eh-fe
poltico csronol li>sch e a sub-secretario Pineda,
por divergencias om o ministro do in'erior.
Esrava qoasi prompta para seguir viagem at a
iba da Fernando de Normha a esquadra de evo
luco* aob o comisando do almirante Barth >l..ra u
L. Coadero e e oinposta dos vasos: encatiracado Al-
mirante Broten, encouracado Los Andes, eucoura-
cado El Plata, canhon ira La Argentina, canhu
neira Paran, canhoneira Uruguay, vapor-aviso
Argentino e duas lauchas torpedeiras.
Lvam a bordo, alm dos cinco chefes e offi-
ciaes que forman o estado-maior da esquadra, 837
homens.
la cmara dos deputados da Repblica Orien
tai do Uruguay hoove, no dia e ooite de 22, ses-
gues tumultuosas, motivadas por manifestaos das
galeras, que chasqaeavam de cortas xplieaeoes
dos ministros, e das declarares de alguos dpu
talos. Em primeiro Ingar foi interpelado o mi-
nistro da justica, oulto e instruceao oublicx sobre
a universidade e, depois d largo debate, que deu
occasiSo a incidentes em que tomaram parta as
galcrias, que foram evacuadas pela forca publica,
approvou-se urna m cao pea qul a cmara de-
clarou-se satisfeita com as explicacoes do ministro.
Depois foi interpeUado o ministro da fazenda
acerca do despacho, sem pagamento de diretos da
alfandega, de o-ercatforias importadas por Ctedo-
nro Artaaga 4 C. < destinadas a uniformes do
ox-Tcito ; sendo approvada a seguate raocSo :
Ouvidus as xplioacoes do Sr. ministro da fa-
zenda e conhecendo o destino, para fardamento do
exercito nacional, dos artigos despachados livres
de din-itos, a cmara passa ordem do dia.
Em seguida fai mterpelkdo o irinistro do go-
verno sobre a denuncia de afrentados commettidos
p'lo chefe poltico d* Colonia contra varios cida-
dos. A cmara ainda se decl&rou aatisfeita oom
as explicacoes d governo.
Por ultimo-foi nterpeHadoo ministro da guerra
acerca das denuncias da estxrem gerviodo no
ere-cita violentados varios cidadios. Aa explica-
coea do ministro da guerra foram tambem satia-
factoriris para a cmara, qne conclaio a sesso s
3 horas da manha.
QuaasYrsahio da cswara o diputado Gmez Pa-
lacios, que fizera severas censuras ao estado da
universidade, um grupo de cerca da t-em estudan
tes prerompeu em manffestacoes hostia e apopadas.
Geares PalsMios, para poder ehegar ao carro qoe
tinha de oeradusir, apontou um revdver par., o
grupo, que immediatamente dcixox Ihe o pa-so
ltvse.
Bio Grande alo til
Dataste 26 de Junho :
Fallece.-ara: na cidade do Rio Grande D. Per-
patkw te Medciraa, spos de Jos Apotinano de
Medeiroa; em Pelitas, D. Julieta Chavea Linha-
res, esposa da Dr. Manoet do Vascimento Al ves
Linhares e filha do 9r. JoSo Mara Chavns.
Ttelegrasnoia' reeebido na corte diz que os
cansarvadores obtiveram victoria em Porto Alegre
na.eleicoes de vereadores e juizes de paz.
Santa camarina
Datas ad 39 de Janbo :
As noticias sao de loteresse local.
Paran
Datas at 26" de Junho :
Tambem carecen de interesse as noticias d'esta
provincia.
Miao Ci rae
Datas at 27 de Jimb :
Em Pinipetinga no dia 9 do corrente cahio urna
mo-itanba d'agaa Meomparrhad de pedras c gran
de trowoada que paz em alarma tod. a populacao
Calenia-se em mais de 50.0(4)4 o prejuiaa A
estncao da estrada de ferro beopoldina, o engenho
central e outros edificios softrerim grandes ava-
ris. Oa cafezaes, arvorodos e plantacoes ficaram
deepidoa de folhagem.
o -da segnintR ao meso ci, anda traciam pe
drns de grande distancia.
Na Vargem Grande o trio tem sido (ntenso,
sendo na noite de 19 para 20' extraordinaria a
geada, que em gross eamada nos lugares baixos
elevou- te at os- mais altos pontos. Alguns fu
maea dos poucos que. exisfem e que escaparam das
geadas anteriores, nSo puferam resistir esta,
s> ffrendo ainda bastante os cafeaae< e cannaviaes.
Falleceram : no Mnr de Hespar.ha Racbel Pes-
taa e na Vargem Grande Joito Rbeiro da Costa.
M. Paulo
Datas at 1 de Julho :
No da 13 de Junho, aas Aguas do Lambary,
PrancTSW dos Reia aesassinou Antonio Joaqnim
de Sonsa, dando Ihe urna facada no peito do lado
esquerdo.
0 asaasaioo fai preso um flagrante, encontran-
do se-lhe ainda a faca de que se servir para per
petrar o crine.
Em Gaaraticguet foram capturados JoSo
dos Santo, aecusado do criine de morte e Manoel
Francisco de Almeida, vulgo Manoel Comprido,
aceusado do crime de ferimentos graves.
Sobre a chegada da eminente actriz Sarah
Berahardt, esoreve o Diaria Popular de 29:
Chrgou honrem a esta cidade em trem es-
peeial, As 1/2 h jras- da tarde, a grande artista
francesa Sarah Bernhardt.
Valumosa foi a onda p polar qne se aecu-
mulou na estacao do Norte para assistir ao des-
embarque de Sarah, a-mais correcta personificucc
do drama -moderno,'jactando-se l varias familias
fraacezaa.
Um frmito gbral di grande -emocSo comida
e esperada perpasson por toda rurba quando asso-
mou na plata-forma o vulto dbil e nervoso, pro-
fonda mente sympathioo e intelligente da grande
artista.
Rompern os vivas.
Sarah passou por entre duas grandes alas de
povo, batido de emoeloy edendo de vl-a sacad do
de jnsta curiosidade.
c Frt, espera va a um carro que a conduzio ao
Grande Hotel,
E' huje a estrs, cora a Fedora, drama de
Vietoriva Sardou, cm qae ella faz o principal pa
pe, o da p.nceza Fedora Romanoff, s 8 1/2 ho
ras no S. Jos.
Foi aasassinado no Amparo o filho do fa
zendeiro Manoel de Siqueira. O assassinato
attribuido a diversos escravos.
-arah Bernhardt foi muito applaudlda na
fedora e Frou-Frou, j,ue a companhia francesa
levou i geena no Theatro S. Jos
A companhia da linha frrea do norte est
fasendo eonstmir nn ramal para a fregueria da
Panha de Franoa, qne dest'arte vai ser um dos
mais interessantes bairros suburbanos da capital.
__ Em Tatuhv morreu queimada una menina
de nome Adolpaioa, de 8 asnos d idade.
__ Hoave algasarr ? tiros de revolver na ra
Direita, na capital, por causa da teimosia de um
neg< cinnte quftconserva aberta a porta de sea ne-
gocio nos das santificados, com intraeco da pea-
tora municipal.
ala te Janeiro
Datas at 2 de Julho :
O parlamento nio tnnecionara entre 26 de Ja
,Bho e 1 do corrente
As principaes noticias constam da carta do
nosso correspondente, publicada na rubrica Inte-
rt- Em sesslo de 26 de Juaho, o Tribuual do
iferio'o recurso do director da Colonia Or-
nbanologica Isabel, na provincia de Pernambuco,
afim de Ihe serera restituidos os diretos pagos de
objectos escolares vendos em urna cana alm das
duas declarad.s na ordem que as mandou despa-
ch-ir livres de direitos ; ^^
Ind ferie o recargo da campanilla de navegan*
s vap r de Anaaenas, eoatra a malte de dinsUoa
en n 'bre pela AUandoga do Para, pela d'ffensnfs
oe p.so venficala .-m am despacho d-, 10 esaaas
coa I. na de liuh.? ____
Nao tosnoa eenbeci meato do recurso de 1 nona ai
II -nderBon, capitio d > apor inglez Qlenrath, ean
tra a maMa. imposta p da Alfandega de Pernaa
noo, em 17 de Ha te 18?4, t,,r *"*?***
do, na batea dada p-le goaroViair, m roadatia
em quan'aa Je superior 4 qoe-coaatava da lista
dos obresalentes; nao s por se achar perempta,
como por estar a decisao recorrida de accoid 1
com as d8po8cos do regnlameito.
Lemas no Jornal do Commereio de 27 de Ja
nho: 1
Foi seccionada ante hootema r 3olucao pe
qual a asserabla geral approvoa o contrato cele
brado entre n governo imp-rial e o cdadao frail-
ees H-nn Brianth-, a 4 de Jttlln de 1889, pan tl-
luminucao dt cidade do Ro de Janeiro por gaz
errent'-.
Aproveitaremos e a sobriedade dos discussoes parlamentares e a
boa diAtribacao Jas materias e do tempo podem
coocorrer para o bem publico. Nao ha niuit-w
lias fizemos sentir a necessidade de abreviar a
resolncio definitiva do parlamento quinto ao con-
trato de qie cima se tr^ta Havia quasi^m aii
n 1 que a mesmo contrato fra assignado, e tendo
alias o governo a faeuldade de o da- execucao
pr .visoria, segando permittia a le:. Se at cousas
houvessera eaminhado com a prompltdao conve-
niente, nada teria sido mais fcil do que preen-
cher em 1385 a t.rmalidade da approvacao, e di-
zemo 1 formalidade porque, celebrado o contrato de
inteiro aec >rdo eom as clausulas fundamantne
iae a lei fixra a intervencao do parlamento ti-
nha apenas p .r fi-n verificar a concordancia das
condicoes estipuladas com as que a le havia esta
belecido. Apezar disto adiou-se por onze mezes
a resoluclo legislativa, para a qnal bastarara ago-
ra poneos dias, quantos erara essenciaes ao tran-
sito do project 1 pelas duas cmaras.
Este facto nao tao comnum que nao raer ca
roencao. Em poneos das deliberou o parlaminto
acerca de objecto grave, qoe muito fcil teria sido
procrastinar pe'-i meio, tantas vezes asado, da en-
xertar na diseusslo de cada projecto aprectacoes
qne, nao raram nfe, n^nhuma relacao tm c m a
materia sujeita a exame. Iofere se bem que, se
pir igual BSOTofosM ordinariamente circumscripta
a discussao de cada objecto, a tarefa legislativa
teria de dar-nos resultados mu divers /s dos que
constituem, cada annu, o inventario da faina par-
lamentar.
. D multos tmes poderia aehar se pungida
a legislacao patria, e maitOi melhoraraentos pode
riam ter reeebido os servtcog pblicos pela uniea
reforma dos estylos parlamentares, que entre nos
tera lanfadoraizcs t5o profundas. Pondo tinbre
em que as disctisses correpndam ao seu objec-
jo, de sorte que a poltica nao avada e obstrna
t-dos os caminho3 e ata'hoa, o parlamento ter
prestado a cansa publica sevico relevante.
. Nada mais fcil do que cheg*r a este resulta-
do sem o minimo sacrificio dos interesses politi
eos, cuja alta valia a ninguem dado desconhe-
cer. Felizmente podemos registrar, para honra
d> minora e maioria das duas cmaras, que a ac-
tual essao legislativa nao tem peccadopelo antigo
abuso de embarazar a prompta expedieo dos ne-
gocios. Excepcao feita da verificarlo de poderes,
que alias constitue materia de importancia capi-
tal, a actividade parlamentar para ser lou-
vada.
Bis as noticias comnterciaes da ultima data :
Rio 1 de Julho de 1886. -O mercado de canbio
esteve boje fi'rae e em alta : os bancos encetaram
suas operacoi-s sobre Londres taxa de 20 5/8 d.,
e pe 1 hora da tarde adoptaram a de 20 3/4 d.,
e as eqaivaleutes sobre as outras pracas.
As tabellas no rommercial e no Commereio, e
as tal s no London Bank e English Batik, daqut-l-
la hora em dia'ite faiaoi as seguintos:
Londres 20 3/4 d., a 90 d/V.
Pnriz 460 rs. por fr., a 90 d/v.
Hamburgo 570 p 569 rs. por m., a 90 d/v.
Italia 465 e 464 rs. oor lira, a 3 d/v.
Portugal 260* 259 /* a 3 d/v. t
Neva-York 2S4flO e 2J440 por dol., vista
O movimento do dia foi menos que regalar so-
bre Londres a 20 5/8 e 20 3/4 d., bancario, e a
20 13/16, 20 7/8, 20 15/16 e 21 d., papel particu-
lar, e sobre Franja a 452 rs. dito.
Repassou se papel Dancirio obre Londres a
20 7/8 d.
Na Bolsa o movimento foi pequeo.
Babia
Desta provincia nada adiantou n paquet-, por
ter sabido no mesmo da em que largos'o Aconca-
gua, ante-hontera aqu chegafo.
atahona
Datas at 8 de Julho :
As noticias dssta provincia sito destituidas de
interesse.
INTERIOR
Correspondencia do Diario de
Pernambaco
RIO DE JANEIRO Corte, 1 de Julho
de 1886
Sumwabio:Feriado de S. Joao e S. Pedro.PVIta
de trabalhos no parlamento.A eleivo
municipal e a indifTerenca do eleitorado.
Um candidato republieano e abolicio-
nista Falta de combinoslo dos par ti-
d.'sA eleicao senaRirial em Minas.
Falta de accordn entre os conservadores.
Eiei^ao senatorial de Sxnta Catharia.
Um meeting de indignacao.U regu-
lamento sobre a nova matricula de es-
cravos O general Arredondo.
Desde v dia 23 do passado at a presente data
nao tem havkto sessao, nem na Cmara dos Depu-
tados, neni no tirnudo, divido isto s ferias de S.
JoSo e S. Pedro, a que de poucos annos a esta
oarte eostuma enoregar-se o nosse parlamento.
Esta a us- neia de tratoalho as camar?, na epo-
cba em que toda a vida poltica concentra-se nes-
tas, tira todo o interesse as noticias da corte para
as provincias. A imprensa fluminense mesmo nao
tem agitado questops que prendan a attenc,ao.
A preocupacao destes ltimos dias tem sido a
eleicao municipal c de juizes de paz, que deve ter
lugar boje; mas essa preoceupaco parcial, SO
smente os candidatos e os directorios organigados
s pressas as fn-guezias, que tem-se ocoupado
com tal eleicSo, que em regra nao ioteressa a me-
ttede do eleitorado do muniei io, quando, pelo con-
trario, devera interessar a todo ellel
A fase regpeito fez ha pouco a Gazetn de Noti-
cias reflexoes muito razoaveis, censurando os elei-
toree, por entenderem que como a Cmara Mu-
nicipal de certo tempo para c, se tem despresti-
giad, o remedio a esse mal nio consiste em dar-
Ihe prestigio, escolhendo escrupulosamente os geus
membrog, mas sim em afcandonal a a sua propria
desmeralisaco.
Na vek-dade, aesim Mas eu mesmo, que re-
conheco aqui consigno a p-ocedencia da censura
da Gazeta, ainia que nao estivegso privado de
sahii- i ra, como estou, nao concorrena urna,
para nella depositar o men vote; faria como le
outres, que l nao vio, com a differenca de que
este9, abstendose, reservam-se, todava, a liber-
aade de fallar, de queixar-ae e acensar meio mun-
do ; e eu, abatendo-me, nada dira, nem me julga-
ria eom direito de fazer a menor censura, porque,
si certo que todo o povo tem o governo que
merece a corte tem a edidade que merece,
pela ndilTer.-nca eom que olba para o que alli se
paeaa e deixa que no recinto < m que s deviam
sentar se h-nren honrados, sinceramente dedica-
dos aos nter'sses do municipio, se introduza meia
duzia de v-lhacos que, com a maior impunida4s
facan. d'aquillo urna feira ambulante, em que sf
praticam as mais descaradas gentilezas.
E' verdade que para corrigir tudo isto ahi se
aprsente o partido republicano, que propoe-se re-
generar os nogsos costumes e esporgar todos os
vicios que de longa data se teeo enraizado as
iostituicoes populares. Para esse fin ja organisou
elle a sua chapa, e trabalha coa grand-o esforco
pelo seus candidatos, quer vereanca, quer ao
juiaado de paz. Para um daqueiles lugares
apresntndo o Sr. Jos do Patrocinio no duplo ca-
rcter de republieano e de abolu-iouinta. Nesta
qnalidade recommendoa o Sr. Nabuco a gua can-
didatura em artigo eapecial, no Pait, proclamando
aos abolicionistas da corte qae o sustentara com o
mximo esforco. E' provavel o trumpho dsse
candidato.
E conven observar que alm da iadifferenca, qne
ha quanto elecio municipal, houve mesmo da
parte dos que costumain interessar se nella, um
tal ou qual desmido, pela persuasao em qu este*
vam de que s.-ria adoptada a reforma que se dis-
enta no Senado, e a eleicao teria lagar mais tarde
e por outro gystema. Mas e projecto *a reforma,
oom surpreza, foi rejeitado pelo Senado, onde os
conservadores nio contara actualmente urna maio-
ria j gam para 1 o-1 a s aa medidas |ue d'S-jara.
Coav e swaido, nao foi do actual ministerio que
parti a iJa-daquella iwforiaa, iniciada na gitua-
ca' nasBtti, >' de-de en ti bb*I're-.-ebida pelo
Sr. Saraiva, qne nio tchava afficiente a expe-
lencia ealtela du nava lei cleiteral, para aue
a?=J: i tegrtasse sf-torm il-a. O que havia de
novo agjora eran as em-n las da eemnissio wpe-
<3il, couteecioaadag teaeootd oara o gererno, no
sfiatido de satrruir- voto incompleto, contra o que se pronunciou o Sr.
Leao Velluo, n-ste ponto echo do Sr. Saraiva.
Por espirito de opponicio na liberaes eerrarasa
fi'eiras, tomando por pret-x'o irla admittirem ne-
nhuma refirma qne nao tivesse por base o alurga-
meato lo v to. Nao ia por ahi o^fruipo Jo Sx.Sa-
rarv.i, mas como rail > queri tm a altirrarjSo no sen-
tid) proposto ehegon ao msrn,'resultado e a.'sim
foi o projecto rejeitado por 23 votos mntra 20.
Sorpreheu Hdos crtrn esjg^d"st-cho, eonvearam
os cabalistas j um poaeWlkrde o seu trhiho, t
de tolos os ladog teem surgido es mais imprevis-
tas e extravagantes candidaturas; deraodoqud
parece que nio ha nma eorabinacio de partido ai
sentida e apresentada com o apoio moral dag ga-
midades de partid j. Por 8Jo de snppor que da
eleicao municipal resulte nma moxinifada imutel-
ligivel, moxinifada como a q n; possival se dfi aa
eleicio senatorial de Mirras, se a chapa liberal nio
aahir completamente triumphante.
E' triste o espectculo que est dando o partido
conservador n'aquea provincia; e o peior qae
ni) hi comocompor alli as congas.
J Ihes disseqne apena constaft-afallecimento
do conielherro Silveira Lobo, os liberaes rTgaafsa-
ram a sua chapa, da qual ixc dos Ssnto*. Era de suppor que os congervad.ire
mintlvessem a cua chapa da antorio >-leicSo.
Nao aTontecdH a3m. Em um reuniofdita
s pressasJ>s noves"deputadog, presidida pelo
Sr. Cruz Machado, que foi o autor de tado, com-
binarim urna chapa composta dos Srs. Bre'tas,
8oareg e Bario de Leopoldinacera exclusio dos
Sr. Gama Cerqueira e Evaristo Vo-ae remet-
ti^am-a para Ouro Preto ao directorio do partido.
Este a fe.z circular pela provincia. O Sr. Veiga,
na 1 recontuieondo a autoridad^ de tal chapa, e
nem se conforman lo com ella, atirou-se a traba-
Ihar por su* e.Jntu ; C pooco d--pois pablicou a im-
prensa ama circular aseignada pelos Srs Antio
e Lmz Carlos, recommendando o Sr. Jos Calmen
como candidato do partida.
Sr. Ribeiro da Lnz, vista disto ateSiBO
p"l-i sua pisiflo Je ministro, ravou >-a mos, de-
clarando que nao queria sabir de nada e cada um
Hzesse o que en'endese.
\--im que muito piovav-f, se nao certo, o
triumphe da chapa liberal, embora tambem entre
os liberaes se Jeera divergencias. O Sr. Peludo
dos Santos pretende conquistar o lugar qWe oc-
copou na lista paseada, e auxiliado pelo 8r. Mon-
tandon e um pequeo grupo, guerrflso nomo do
Sr. Carlas ASenso, o qaal, entretanto, confalo no
apolo do irmao, r-.-puta-ge seguro.
O resaltado da elei;ao senatorial, que j
deve ser ah conhecido, faz crer ;q io nio era oxac
ta a noticia que correa, e que tive oCcasiio de
referir-me, de ter sido orgaoraada' urna cbap>|
composU dos Srs. Tau iay, Thaodwo Machado
i'into Lima. Todava aigirma cousa houve a e s
respeito, e so a combaaco nao vingou, fei ievi
do, prime-amente a tef o govern* se ab-itido
completamente de intervir no pleito, e depois, a-
tactica adoptada desde priaeipie pela Sr. Taunay,
de recommendar aas seus'sangos que oavissena as
influencias dag localidades orgiuiaesern a cha-
pa segundo as mdicaeoes de^fcas ; foi wna espe-
cie d escrrtraio previo rjne, nfto g -nde cotttrafia
do pelo gdvevrro, vingou.
A imprensa abolicionista tem-se *qui oeeu-
pado com- o ultima regnUoieot* proalede pelo'
governo, sffbre a matricula e avWrb 4o dw esen>-
?os. para o fim especial dessa matricula foi o
munte*pi aeuOro cotlidmdo cosa fatergd parte
da provincia do Rio de Janeiro. As Goteta da
Tarde, de Noticias, e> o Sf. Nabheo, no Pci*,i
achara qae o governo falSSou'a'Iei por ess*mo'|
de fraoquaou a entrada 4e>seecravosrssitlsntes'da'
erte na prowncta, fasrtdo'i^naaoash'-o asrnM"
do de escravos j extincto pelo rnvrjosto de......
.l:5O0gt creado pela Asgembla Provincial.
A isto tera respondido am esoriptor miaisterial
qu essa incorporaoio do municipio pr-vincia
gjasaste para o fim especial ia averba^io, e
que o governo foi forjado a essa resolucao para
evitar que fosse sophis nada a disposi^io da lei
que considera livres 03 eecBiVos transferidos de
um .s para outras provincia. Ora, nio sendo o
municipio neutro provincia, poda asa disposicao
;ser il.ndida, ou pelo menos iJVr lugJir a duvidas.
Um outro ponte que tambem merejeu maitas
censuras do8 abolicionisraa, foi o mudo estatuida
para contar-se o prazo estibelecido pela lei para
a matricula.
Por >.raboo os motivos foi convocado um grande
meeting de indignado no tbeatro Politheama, para
o qu 1 foi convidado o jornalista argentino Heitor
Varella, que aqui se acha de passagem. Quera
primeiro fallou foi o Sr. Nabuco, seguindo se o
Sr. os do Patrocinio e outros. AcoedenJo a
pedidos do aditorio orou tambem o Sr. Varella,
que, rronrdaudo ter passado urna parte de ua mo-
cidade nesta capital, onde fugindo s persegui-
cSes de Rosas veio procurar trabalho e meiog de
vida que achou, concluio fasendo votos peia prog-
poridade do Uraol, de cujo solo oeeja vr des-
apparecer a mancha da escravido.
Por fim foi votada urna mocao condeiunando o
proeedimento do governo.
Reterindo-me aquello argentino, occerre-me
diser qne a prisao do general ArredoaN/ nio foi
ordenada por exigencias do governo oriental, mas
em virtnde de reclamares do miwisrro trances,
por ter aquelle general se apoderado violentamen-
te de um vapor com bandcira franoeza, quando
com o son exercito afravessou o Uruguay para in-
vadir o Estado Oriental.
~ PEMAIBilCi)
PA8SIVO
CPtal 500K0*000
Emigsio de letras hypothecarias 519:O00UO0
Garantas de hypothecas 1,038:500/000
Caucio de administracao e gerencia 16.000*000
Letras hypothecarias sorteadas 1:300*000
Premio de letras hypoth carias sor-
teadas
Amortisscoes
Jaros de hypothecas
Coram ssoes
Lucros suspensos
180*000
2:042*487
4:69*664
586*949
8:559*8fB
8.
E. eO.
buco, 7
2,0tr857*BT3
de Julho de 1866.
Os administradores,
MamdJoSo de Amorim.
AntHko Rtmandet Bibeiro
LumMsifrmL
Jo&o Fernanda Lopes.
KEViSTA DIARIA
steasta
Jos
I.OI
loa *
raclllan Bank l>l
alet
Capital do Banco 1.000:000
do pago 500:000
Fundo de reserva 250:000
BALANDO DA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO,
a 30 DH JUNHO PB 1880
Activo
Letras descontadas
Letras a receber
Emprestimos, contas correntes e
outras
Garantas por contas correates e
304:608*7500
1,297:593*340
3,938:181*540
diversos valores
Caixa esa snoeda corrente
6'6:413*230
409:642*930
6,551:439*830
PassivO
Depsitos :
Em conta corrente 932:810*950
Fixo e por aviso -',167:868*500 3,100:679*450
Garantas por contas correntes e
diversos valorea 1,703:611*270
Diversas contas 1,747:149*110
Letras a pagar *
6V651:439*830
S. E. & O.
Pernambuco,
7 de Jnlho de 1886.
W. H. Billn, majiager.
Wm. Hl, accountant.
Banco de Crdito Real de Per-
namboco
b de 18 8
ACTIVO
Accionistas 404:
London and Brasilian Bank, Limites 19
Emprestimos hypothecarios 519.
Valores bypotbecados 1,038
Deposito i administracao e gerencia 16:
Movis e utensilios
Letras hypothecarias
Despezas de iustallacao
Aluguel de escriptorio
1
52
3
Caita
30
800*000
000*000
000*000
; 500*000
000*000
783*150
300*000
500*800
225*00
748*923
2,085:857*873
gitoaai
hratera sob a pteeideacia do Eam. Sr. Dr.
Manoel de Barros Wanderley, tendo comparecido
33 Srs. deputados.
Foi I ida e approvada, aera debate, a acta da seg-
so antecedente.
O Sr. 1 secretario procedeu leitura do se-
gu nte expediente :
Um otfieio do secretario do governo, remetiendo
nmt con a documentada de 113310 ) de passagens
dadas nos vapores da C'mpanhia Pernambucana,
fim de serem annexadas a oUtra j remetttda.
A' eoinraissao deoreamento provincial.
Urna petico da Associacao G'mraercfal Bcnefi-
centc, reclamando ontr* a disposicao Vi le do
ornamento em drscuseae, que consigna o imposto
de 10 rs. por litro de sal.A' coratnisso de r-
(4 me rito provincial.
Adiou-se a pedido dos Srs. Sophroaio Portella e
Lonrenoe de S o requerimento d nf-r < 'es
sobre a prisao do eleitor Joaquim F< .-.j ^j
su I)delegado de [pojuca.
O Sr. 1" secretario leu um officio do secretario
do governo, commnmoendo que o Exm. Sr. presi-
dente da provincia prorogra at o dia 14 do cor-
rente, a actual seasilo.Iiitelrada.
Orou ra ord m o Sr. Jos Maria.
Regeitou-sa depoia de orar o Sr. Jos Mara,
quo man lou mesa urna emenda, o requerimento
do Sr. Bir&e de itapissuma sobre o emprestimo de
1,000 contos de reis. ,
Adinu-se par34 horas a pedido do Sr. Loureo-
50 de a discussito do requerimento de informa-
ifoes sobre a prisio do eleiter JoaqUim Pelp^pe.
pero subdelegado de I pojuca, orando o Sr. Drum
mmd e sendo prorogada a hora por 30 minutos a
refiuerito'nto do Sr. Regueir Costa.
r^ssou-se I* parte danedem do dia.
R-geitou-se o requerimento de adiameato, do
Sr. KeTreira Jacobina, da 2* discussSo das emen-
das ao projecto n. 43 deste auno (rcameno pro-
vinei>:l) orando pela ordem o .oV. Barros Barreto
Jnior.
'Continuando n r depers de orafeffl os 8rt. Luis de Andrada, Prxe-
des Pitanza, Visconde de Tabatinga, Jnvencio
Maris e Drinrmond, sendo prorogada a hora at o
'ira da sesso a requerimento do Sr. Gomes P-
rente.
A ordna do dia : 1' pas-te, votaeaodas emen-
das apres-.-ntadas em 3 discussao do projecto n.
43 dest anrt; patte, continusco da antece-
dente.
Klelrao de depntado eralPor acto
da presidencia da provincia de 9 do corrente foi
designado o da 12 ac Agosto vndouro para ter
lugar a eleicao de um diputado geral pelo 3. dis-
trito, na vaga do finado Dr. Aatodio Francisco
Correa de Araujo.
Foi em consequencia expedida a seguinte eom
municacao :
cffSo =Pdlado da Presidencia de Per-
nambuco, em 9 de lulho de 1886.Tendo em vis
o aviso n. 2205 d 27 de Maio findo, do Exm. Sr.
ministro e secretario de estado dog negocios do
imperio, deterraiuo Cmara Municipal de Igua-
rnssu expeca as devidas eommunicacs e provi-
donoie na foririe do estylo. afim deque no dia 12
le Agosto protimo vindoliro se pfjeeda a eleicao
pra preeneh--r a vaga deixada na respectiva c-
mara >pelo deputado'g'erl pelo 3 districto d'esta
Srovincia, o bacharel Antonio FrariciscoCorrea dw
^rrfnjOjOtte fallecen a 14 do dito w z de Maio.
^tta 4e IgoiKiss, Pao d'Alho e Gloria de Goit.
Tribunal do Jury do (Reclfe For
hentem installada a 3' sessSo ordinaria deste fri-
barftl no corrente atino, 8ot> a" presidencia do Dr.
Joaqun da Cos-.a Ribeiro, juis de direito do l."
dtstncto criminal.
Funeciona como accusador o I* promotor publ
co d comarca Dr. Joao Joaqtfim de Freltas Hen-
S"|U'8 c como flserlVSo o privativo do jury capi-
0 Florencio Rodrigues de Miranda Franco.
Foram presentados ao jury 17 proeessos devi
danWuto preparados para julgamento, sendo jl-
gado o reo Joaquim Tiburcio Pereira de Maga-
Ihaes, pronunciado o artigo '25,7 do cdigo crimi-
nal, do qual foi patrono o a.lvdgado dos presos
pobrcB Dr. Luiz Emygdo Rodrigues Vianna.
De conformidade com as respostas do jury de
senta foi o reo absolvido por pt-rempeo.
Foram multados em 20* :
Camill Lelis Peixoto. '
Cetano da Costa Moreira.
Jos dos Santo da Costa Moreira.
Dr Joto Telesphoro da Silva Fragoso.
Jos Ricardo l oelho Jnior.
Dr. Jos Prrncijco Ges Cavalcante.
Antonio Bezerra Cavalcante de Albuquerque.
Dr. Ezequiel Franco de S.
Teneute Francisco Evaristo de Sousa.
Dr. Raymnndo Carneiro de Souza Bndeira.
Victorino Luiz I. Peggi.
Dr. Jos Vicente M. de Vascoucellos.
T-nente Antonio Jos da Silva! e ooea.
Tener.te-coronel Manoel Goncalve- Ferreira Cos-
ta.
Adolpbo Estanislao da Costa.
Eduardo da Costa Oliveira.
JoSo Emiliano de Letnos Duarte.
Filomeno H. dos Guimsres Peixoto
Joo Tiburcio da Silva Guimaraes-
Adolpho Brito Tavares Cordeiro".
Libanio Clndido Rrbeiro.
Manoel de S Leit>.
Pedro Jos Pmto.
Juro de apolices No dia 16 to cor-
rete ter lugar no Tbesoaro Provincial paga-
mento dog jur< s das apolices provinciaes, relati-
vos ao semestre findo em Junho ultimo.
dulzo do clvelAs audiencias deste juizo
a contar de boje, emquanto durar a actual sesso
do jury, serao abertas s 10 horas.
Auxiliadora da Agricultura. Na
prxima ter9a-feira 13 do corrente, reune-se em
Besoio extraordinaria o cunselho administrativo
desta sociedad^, pelas 11 horas da manha, para
assumpto de interesse social.
Uiwcurao. Recebemos e agradecemos um
ejemplar, impresso em fulbetoa, do discurso pro-
ferido em 24 de Maio ultimo pelo c nsulheiro Fran-
klm Doria, na Cmara dos Deputados, sobre a elei-
cao do 3. distrcto do Pauhy.
Faliuliift de lia Fonlalne. Veio-nos
do Rio de Janeiro o 3. fascculo d'esta obra,
e tcelo luxuoaa da casa David Corasai, de Lis-
boa.
Osi Japoaeses no Rdea Da Indepen-
dencia Belga, de 11 de Maio ultimo, tradusimos o
seguinte artiga :
c O Eden-Theatre acaba de ter a felicidade de
retardar por alguns das, em sua passagem, urna
companhia de gymniasarchas e equilibristas japo
nezes euriosissimos : a companhia imperial de Mr.
Comed.
A companhia de qne fallamos e cujo peseoal
nameroso, acaba de ehegar quaai que directa-
mente de Yokohama. Trata-se do japones au-
thentico, natural e positivo ; exoellente e impre-
vista acquisico pira os amadores que cultivam o
japonismo.
Os vestuarios dalles, de urna linda originali-
dade, sao de riqueza desusada, fascinante. Os
acrbatas vestem-se artsticamente de esteros ma-
ravilhosos, oom um fausto delicado e sinrelo, alig
muitissimo conheeido boje, graoas ao commereio
que, tao generosamente, tem espalhado os produ-
ctos asiticos, exhibindocs as nossas lojas. Nos
movimeatos to elegantes dos exerc'cos executa-
doB pelos japoneses, as suas roupas fazem de modo
admiravel scintillar as delicadas nuancas dos com-
plicados bordados, do que sao adornados, cheias
de amekcadores dragoes e de passaros pousados
nos contornos de orna vegetacao de onro e de pra-
ta. S isto nos recompensa bem das celebtes ves-
timentas de meia edr de carne, sempre despoetisa-
das por urna serie de lavagens.
Os gymnastas japoneses, com a sorprendente
deatreaa de que sao dotado*, formara por attitndos,
que assustam, e bizarros grupos, verdadeiros qua-
drog, que muito agradara, e pintam ao vivo os ado-
raveig desenhog que Regamey esbofava eu meia
duzia de traeos de crayon.
O encanto dessa acrobtica, bem nova para
nos, que se exeeuta com urna simplieidade abso-
luta, urna naturalidade tranquilla, sem contorsoes,
sem estafamentoa. Com urna destreza graciosa os
corpog se desliaam e se rojam com mo vintenias fe
linos, ostentando urna flexibilidade e vigor taes
que parecem imposaiveis cotutituieo de nossa
raca da Europa. Esses j iponezeg, de arasawdes-
fO', nao teem a graea desenxabida dos nossas pe-
lotiqueros de bracas reliaos qne, ao ter-p.inarem o
seu exercicio, parecem dizer ao publico : < Sao
capases os seahores de fazer cousa igual ? Quan-
do um d'aqueUes ageis rapases de cor amar el la
chega so alto de nma pyramde vaeillante, tira
tranquilamente o leque e acaricia o rogto com um
poucochinho de ar fresco; mas faz isto muito a seu
coinmodo ; ou entao, no alto de urna posico de
tinas, agita graciosamente longas bandeirolas en-
carnadas o que forma um bonito quadro, bem
artstico.
Ha ernMeae dos seas trabalhos de forca e
destreza tudo escolhido c bom Os accessorios
sao preciosos, bonitas bolas e copos, chapeos de sol,
peoas interessantes ; os pelotiqueiros traba lbam
com objectos de laca, carapetas que fasem o dia-
bo a )uatro, finas porcelanas ; e ento a gente dis
com os seus botoes : Ora, se aquillo tudo ca-
hisse !----- Mas nada cabe; nada, porque esses
artistas de tes cidrada teem urna certeza excep-
cional, urna impeecavel precisao no olhar. Todos
os seus movimeatos sao justos e perfeitamente me-
didos. Tudo se faz batedella do leque, qna a
vara de condao que possuem.
A' destreza dos equilibrios, agilidade as esca-
moteacoes reunera elles um certo engenho que at-
trahe a attenoao publica, interessande-a nai sor-
tes que exeontam. No meio de exerciciog de agi-
lidade, durante 1 gentimento de admiraeae por ama
pretidigitacao aem appnrelhos, prodigio degabti-
lusa manual, vee'm-ee bruscamente su-prezas s-
bitas e vasos que scintillam am ebuva de fitas mal-
tico res.
Os exerciciog euriosissimos deata companhia
sia de orna variedaje abundante, e, certamente,
um egpleudido accliinento espera a Mr. Omdli e
aos eeug) comp inheiros em nosso continente, onde
acaba de desembarcar a companhia japonesa para
fazer um gyro, que emocar per Bruxellaa.
Dlabelro0 paquete naoionil Espirito San-
to trouxe do sul para :
Diversos : 231:972* Esmola Das comraissoes encarregadas do
funeral do Dr. Antonio Francisco Correia de Aran-
jo recebemos 121*180 para dividir com dez fami-
lias necessitadas.
Cumprimos aasira o encargo :
D. Miquilina Vidal, ra do Noguei
ran. 12 13*150
O. Amelia Rabelto, ra da Gloria 1
P 144 12*000
D. Maria Autran, ra Marques do
Herval n. 137 124008
D. Joaarw Pires, ruaja Praia a. 76 12^000
D. IsabelBastos de Oliveira, ra do
Prograsso. i A- 12*000
A' familia do tecco do Bernardo 12*000
D. Maranna Pires de Ssuza, ra
dHortas n. 43 12*000
D. Laura Vctor, ra do Mangue
n. 26 12*000
D. Herminia Sette, ra da Gloria
n. 64 12*000
D." Fr beisca Senhormha de Mello
Albwruerqae, Rsmedos 12*000
Qremlo Eiltterario CO de Aconto
Alguns mocos estallantes f.indaram hontem u'esta
cidade ama sociedade com o titul > cima, i'roce-
deu-se a eleio da directora provisoria, que fi-
cou assim organ>3ada:
PresidenteJos Curio.
1. vice-presideate Pabio Rio Janior.
2.* ditoFrancisco Gomes Prente Filho.
1.' secretarioCarlos Luis da Veiga PessOa.
2 ditoUusebio M. Mendonoa.
AdjuntoManoel J. Silveira Sobrinho.
OradorEurico Vf. Pinto B. Aceioli Vasconcel-
los.
Vice-oradorAugusto A. de Souza Ribeiro.
Thesoureiro* Alfredo !). Ferreira Lopes.
Commisses :
SyndieaociaGomes Prente Filho, Fabio Ris
Jnior ig-Silveir^ Sobrnho.
int:-Ve(ra, Alfredo Ferrara e Euzabio.
RedaoooWitrurio, Veiga e Gomes Parete Fi-
lho.
Ki-nniAeo oclaesj Ha amanba as se-
guintes :
Do Instituto Litterario Olindense, s 10 horas
do da, para eleicao dt nova directora.
Da coufr"ria de S. Benedicto, s 6 horaa da
tarde, no consistorio respectivo, para os fina do
art. 41 do eompromisso.
norn Couaeltio^screvem-noa em 3 do
corrente:
Vamos hoje allivar a carfeira do grande pezo
das notas que tem registrado no lapso de tempo
que d'corre desde a nossa ultima missiva.
Em prrmeiro Ingar, eongratulamo-n"s com
Vs. Ss. e cora todos os leitores e leitoras do Diario
por pertei cerraos ao rol dos vivos, sahindo iiico
lomes do cboauo da festividade de S. JoSo com a
de Corpa de Deus, contra a espectativa de Vos-
tradamus, e seus sectarios, que aforeiori queriam
transportar o nosso planeta com as nossas ehris-
tiauismas pessoas pafa o grande vacio da eterni-
dade.
Por aqui,.os nossos camponeos prevenirsm-se
eom velas behtas e caixas de pitos jhoros, para
passarem a claras desta. .. para melbor Vida.
Por esta cansa, o S. Joao deate anno foi todo
taciturno.
A cangca, bolos, railho verde, palmas e em-
bigadag, tudo, tudo desapparceu da scena, para
dar margem aos bendictos, tercoa rosarios, etc.
V tudo em descont das nossad culpas e pee-
cados.
A fataldade acaba do fazer urna precioga
victima.
Nos ltimos dias de Maio, um moco distincto,
de nome Apolinario, genro de velho Jos Alves,
inspector do sitio Guaribag, deste termo, empa-
uh u urna faca na mo esquerda e um ccete na
direita, para matar... um rato ; c apanbando
este a geito, quiz cravarlhe a faca, msa, el-o
tao desageiudamente que, em lugar, de terir o
rato, traspasseu urna das propriaa coixas, a cujo
ferim-'nto sobreviven apenas 13 dias.
1 No dia 31 daquelle mez, o cidadao Manoel
Goncalves de Mello, nomeado 1* auppleute de de-
legado deste' termo, prestou o respectivo jura-
mento, assuraindo o exercicio no dia 11 do passa-
da, por ter stguido para essa capital o delegado
effectivo capito JoSo Francisco Hemeterio Por-
tella.
No dia 2 de Junho. raeolheu-se cadeia, o
criminoso Antonio Alexandre de Almeida, para
ser julgado na ultima sesso do jury.
Parao mesmo fim, reculheu se ainia no dia
6, Vicente do Rocha (vulgo Gzrrote).
No dia 14, (o designado para a reuniao da 2a
seasao do iury), nao funecionou aquelle tribunal,
por terem compar-cido apenas 20 Srs. jurados.
A 15, depois de reunido o numero legal, foi
aberta a aessSo, na qual foi julgado o reo Jos
N.-to Nogueira, (vulgo Jos Damio), preso, e
Jos de Franca (adsente), sendo ambos condem-
nados no grao medio do art. 257 do cdigo cri-
minal.
" No dia 16, ainda foram julgados dona proees-
sos, em que eram reos o mesmo Jos Neto No-
gneira, pronunciado em crime de furto e Antonio
Alxaadre de Almeida, em crime de tentativa de
morte.
0 1 foi coodemnado no grao medio do art.
256 o 2* absolvido.
No dia 17, responJeu o reo Vicente Ferreira
da Silva (vulgo Garrote), aecusado pelo crime de
ferimentos g aves.
Foi unnimemente absalvido.
No da 18, foi julgado o ex-escravo Glaudino,
comparca de Cabo Preto, e j ento condemnado a
43 annos de prisao, e sobre quem ainda pezavam
dous procesaos : um por crime de tentativa de
morte e outro por crime de furto.
Do 1", foi absolvido por unanimidade de vo-
tos e do 2 condemnado 10 grao medio do art.
257.
2, Os dous primeiroa reos foram defendidos pelo
advogado Tertuliano Pancracio Villa-Nova; o 2o,
30 e 4* pelo capitn Bento AmericoCavalcante de
Albuquerque, e o ultimo pelo Dr. Joaquim Anto-
nio da Silveira Jnior.
Promoveu aecusacao doroClaudinso major
Lourenco de arvalho de Araujo Ypiranga, por
impedimento do respectivo promotor, nou.eado ou-
tr'ora curador do reo.
Composeram o tribunal o juiz de direito da
comara, Dr. Francisco de Castro Rebello, o promo-
tor publico interino Dr. Joaquim Antonio da Sil-
veira Jnior e Ananias lago da Cunha, como s-
envao.
No dia 15, o nosso amigo Lourenco de Albu-
querque Maranhb, subdelegado do districto de
Mocambo, em Aguas Bellas, ia sendo victima *
dous tiros que Ihe desfecharam dous individuos
criminosos^ e como oa quacs nao tinha a menor
deuntelli*encia".
Felizmente a carga nao attingio o alvo.
Apo'icia procuroa prender os culpados, que
aps o drlicto poieraoi-se ao fresco.
No dia 16, evadiram-se da cadeia desta vite
os criminosos Jos Ferreira Ferro e Joaquim Fer-
reira Ferro, pronunciados cm crime de furto, e
qae voluntariamente fe recolheram a prisao, para
rwpouglerein na sessao do jury, de Marco.
ileeeiosog das penas j applicadas a Jos Ne'o
* Joa Daeoiaa, eram s de Villa Diogo, para o
qu nSo foi muter grandes esforcos, visto como
eram conservados no corpo da guarda p.-lo rea-
pectivo carcereiro, a pedido de urna das influen-
cias locaes, que os patrocnva, mas de quem el-
les desconfiaraia em tempo.
0 pobre carcereiro, bomem de 70 annos, e de
muito boa :, logo que deu pela fuga, participou-a
ao Dr. juiz municipal, por quem foi mandado re-
solher cadeia, da qual s sahir quando ? dous
passaroa voltarem gaiola, o qu raaito duvi-
daooB.
No la 23, em audiencia do Dr. juiz munici-
pal, foram declarados livres 37 escravos de 60 a
64 annos e 22 rtos maiores de 65.
No <*ia 1 do corrente, procedeu-se e!eicSo
municipal, qual concorreram 136 eleitores, sen-
do 100 conservadores e 36 liberaes.
Eie o resultado da votaco :
Juizes de paz
Candido Carlos da Costa Vilells (C) 95.
Vicente Ferreira Pinto de Miranda (C) 67.
Manoel Laurindo do Rosario (C) 52.
Antoulo Jo Beneville Canuto iC) 51.
Supplentes
Jos Ferreira Franga (O) 51.
Jos Goncalves da Costa (C) 42. /
Antonio Ferreira Dntra (C) 38.
Luiz Tenorio de Albuquerque Mello (L) 36.
Vereadores
Aigusto Martiniano Soares Vilella (C) 20.
Lourenco de Car val ho de Araujo Ypiranga (L) 20
Tude Pinto Crespo (C) 19.
JoSo Ferreira Barros (Cl 16.
JoSo Tenorio Lima (L) 1K.
Manoel Eustaquio Cardoao (C) 16.
Francisco de Albuquerque de Hollanda Cavalcan-
* te (Cl 15.
Jos Emiliano Cavalcante de Albuquerque (C) 7.
Sendo 19 o quoeiente eleitoral, estSo eleitos
os 3 primeres e -vSo a 2 escrutinio os 6 imme-
diatos.
1 Tendo sido hoje denunciado ao subdelegado
Jos Ferreira Franca, Io supplente em exercicio,
transitar na ra armado de um punhal o ndivi1
do conheeido por Lrarenco Grude, ao ser corrido
pelos s Hados na ra, descompol oa bastante, pelo
que estes o coearam com os sabres e o recolheram
ao xadres. Del hio Grude, irmao de Lourenco,
ao s*ber da prisao do primeiro, corre cadeia e
l tenta arrastar o detento, ameacando a guarda
e o proprio subdelegado, o que Ihe grangeou ama
boa doze de pannadas de facSo, indo pernoitar
igualmente na cad-ia.
Acaba de ehegar-nos urna h trrmosa noticia.
No lugar Gi'f, desre termo, foi hoje encontrado o
cadver deurn hornera desconhecido, bastante muti-
lado de fren e apreseutaodo vestigios de ferimen-
tos de chnmbo.
O delegado e subdelegado esto em preparati-
vos para seguir para o lugar do eriine.
> NSo foi o Sr. Jsao Baptist Lusitano o no-
meaoo promotor interino, como se deprehende da
missiva estampada no Diario de 6 do pasaado, e
aim o bachirel Joaquim Antonio da Silveira J-
nior.
Sem duvida foi mais ura engao em que fre-
quent mente cahime, dvfdo a- pressa cora que
quaai sempre confeccionamos as nossas missivas.
Hrclama> de casamentos Foram
lides na matriz de NossaSenhora das Qracas. na
dia 4 do corrente, os seguintes :
Narciso Augusto Pereira dos Santos Com Gr-
trndes Carneiro Ros.
Antonio Jss d Lima com Auna Maria do Es-
pirito-Santo.
Francisco de Sonsa Pinto com Olndina Santa
de *s.
Luis de Franga Vianna com Julia Mara' da
ConCecao.
Mstioel Antonio'Luiz de Sant'Anns com Anna
Francisca do Espijito-Santo.
IjellOes.Effecftrar-se-hao:
Ho|e : -
Pelo agente ModKd Baptistax s 11 horas, n
ra do Imperador h. 75, de movis, loucas ete.
Sexta-feira :
Pelo agente Alfredo GvimarSes, s .11 horas,
na ra do Bom Jesas n. 45, de phosphoros avaria-
dos,
Terca-feira :
Pelo agente Modesto Baptist, s 11 horas, na
rna do Imperador n. 22, de predio.
Miwmaa fttsiettrew.Serio celebradas :
Segunda-feira :
A'g 8 horas, na matriz de Agua Preta, por al-
ma de Joaquim Pires Machado Portella Jnior ;
s 7 boras no Egpirito-S-.uto, por alma de Manoel
Haptisti de Athayde Filho: s 6 horas, em S-
Pe-iro Martyr de Olinda, por alma de Jos Cardo-
so de Queiroz Fonseca ; s 8 horas, no Espirito
Santo, por alma de Antonio Jos da Fonseca.
Quinta-feira :
A's 7 horas, no Carino, por alma de Guilbermt-
na A. de Souza Mendes.
Pasisageiroi*Chegados dos portos do sul
no vapor nacional Espirio Santo:
Commendador Jos Pereira de Araujo, Dr. JoSo
Gomes Ribeiro, JoSo Goncalves Andr, Francisco
Jorge de Souza, Adslpho de Castro Silva, Antonio
Cesar, Pedro Nabugo, Joao Ignacio, J >s Gabriel,
I. Farol, alfeees Joaquim Quirino Villarim, Anto-
nio Martin 1 dos Santos, Joaquim Seixas, Manoel
Pereira da Rocha, Alfredo Passos, Antonio Joa-
quim P. Carvalho Albuquerque, JoSo Dantas Co -
lho, L N. Guerinean, Thomsz de M. Sobrinho An-
tonio Domingaes Codeceira, R. Carlos, Rufino C
de C. Albuquerque, Juventino Flix Pereira 8
urna irmS, Joaquim R. da Silva, tenento Alfredo
Carvalho e urna Irma, JoSo C. Rodrigues, Jos de
Baos Taveira, Amelii Pereira Guiraaraes, Car-
los Hansing e Antonio R. Hervad.
Manta Cana de Misericordia.Pes-
soal dos enfermos e educandos existentes nos di-
versas eatabelecimentos a cargo da Santa Cas
de Misericordia do Rccife, no mez de Junho
findo :
Hospital Pedro II 539
Dito dos Lazaros 34
Dito de Santa gueda 4
Hospicio de Alienados ? 218
Asylo de Mendicidade 17
Collegio das OrphSs 197
Casa dos Expostos :
m creacao 136) 141
Em educacao 205)
Total 1.508
Operacoe* clrurgicaaForam pratica-
das nn hospital Pedro II, no dia 9 de Julho,
as seguintes :
Pelo Dr. Malaquias:
Urethrotomia interna pelo processo de Maisou-
neuve, reclamada por eatreitamento fibroso da
urethra.
Pelo Dr. Pontaal :
AmputacSo por desarticulacao da phalhange do
dedo indicador da mSo direita pelo methodo de
rctalho externo, indicada por egmagarrento.
Dilataco do meato urinario pelo urethrotomo
Nelaton indic ida por atregia.
Casa de Heteof-:Movimento dos pre-
10B no dia 8 de Julho :
Bxiatiam pr-sos 293, entraram 8, sahiraoi 8
exist m 293.
A saber:
Nacionaes 262, mulher l, estrangeiros 11, es-
era vos sentenciados e processados 11, ditos de oor-
reecSo 8Total 293. '
Arrac-ados 273, sendo : bong 263, doenteg 10
Total 273
Moviin-'nto da enfermara :
Teve balxa :
Jos Feliupe de Lima.
Ti vera m alta :
Man el L-nrenco de Lima.
L-iHfrei-o Helencio da Annunciacao.
Lotera de Macelo de *00s000#000
__A 16 p -de da 12* lotera, cujo premio grande
de 2#0:000*000-, pela novo plano, ser extrahi-
da imprerivelrBeBte,DO dia 18 de Julho s 11 ho-
ras du manha.
llilhetes venda na Casa Folia da praca da la-
dependencia ns. 37 e 39. I
.-
!

WMT\
&^

s.


Diario de PernambocoSabbado 10 de Jalho de 1886
i
13
*

Lotera da provincia Qunta-feira,
15 de Jalho, sa extrabir a lotera n. 63, em be
neficio da Sarta* QMtd Misericordia do Re-
cifc.
No eoaeieetrio da igrej* de Nossa Senhora da
Coaceieao dV) Militar*, ae diario expostaa at
ornas e aa- espherSB, amttwdaa em ordem num-
rica i apreciacao do publico.
Lotera Extraordiaria do Yptrao
*a -O 4." e ulWmo *Jtteo das 4. e 5. sanea
desta impirtwite lotera, eujo mij ir d rento de
l&lrOOOJOOO, eer citraliui a 14 pe Agaato pro
jimo.
a. Relator o 8r. desem-
,.Mendou-se nevo ja-
Acham-se expotto
mino Carneiro da Laoerd
b&rgador Buarqoetjpfma.-
ry, unnimemente.
De Bem Jardim Appellante Manoel M miz
Falco, appellada a juatofa. Relator o kfr. det-
embargador Buarque Liaia.-Aemtllou se o jul-
gameeto, unnimemente.
De Porto de PedrasAppellent* Joa Marinho
da Costa Wandarley, appellada a justica. Re-
lator o Sr. deseinbargador Buarqne Lima. Re-
fonnou-se a sentenca para o mximo do art. 257
do cdigo criminal, unnimemente.
De Agua BellasAppellante o juizo, appel-
da 09 trestos dos bi lados Estacio Jos Correia e Raimundo Joa da
IhetesnaCas* daF.rfmae ara* PriaMre de Mor-
co n. 23.
Lotera da provincia de Manta co
tbarinaEsta latera, cuj maior premio de
100:OJO40JJ, deve> ser uxtrabJa no dia 15 do
corrente impreterivclmnite.
Chmanos a atienao paraoannuncio desta im-
portante loUna, publicado na secc-ao competente,
pelo diiniuuto preco pirque ae veudem os bilhe-
tes.
Lotera do RioA 2* parte da lotera
n. 198, do nevo plano, do premio de 100:0004000,
aera extrabida bo dia .. do corrente.
Ir*Os bilhetes acbam se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco.
.Taubein acbam so venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Os bilhetes acham-se a venda na Casa da For-
tuna, ra Primero de Marco n. 23.
Maindouro PublicoForain abatidas no
Matadouro da Cabanga 81 rezes para o consumo
do dia 10 de Julho.
Seudo : 66 rezes pertencentes a Oliveira Castro
4 C, e 15 a diversos.
Mercado Municipal de S. Joa-O
movimento deste Mercado uos das 9 do cor-
rente, foi o seguate :
Eutraram ;
24 bus pesando 3,647 kilos.
1.197 kilos de peixe a 20 rita 23J840
82 cargas de farinha a 200 ris 164X
52 ditas de fructas diversas a 300
ris 1J600
11 taboleiros a 200 ris 2*200
10 Sumos a 800 ris 2*000
Foram occupados :
24 1/2 columnas a 600 lis 14*700
28 c"tnpartim nial de farinha a
500 r.s. 14*000
23 cotnnartim'ntos d cernida a
5U0ris 11*500
69 ditos de legumes a 400 ris 27*600
16 compartimentos de suinoaiOO i
ris 11*200
13 ditos de tressuras 600 ris 7*800
11. ditos de ditos a 2* 20*000
A Oliveira Castro & C.:
2 talhos a 500 ris 1*006
( 54 talhos de carne verde a lf 54*000
221,}940
5 mezoe, Boa-Vista ,
1 anuo, S. Jos ; es-
annos, Boa-Vieja ; in-
40
Deve ter sido arrecadada nestes das
a quantia de %
Procos do dia :
Cariie verde a 240 e 400 ris o kilos.
8 ii-03 a 500 e 5'0 ris dem.
Carneiro de 8-K) e 640 ris dem.
Partuh. de 320 a 240 ris a cuia.
Milho de 280 a 320 ris dem.
Feijo de 640 a 1*000.
Cemlterlo puolico.Obituario do di iJ8
de Julho :
Eudoxia, Pernambuco,
convulaoes.
Antonio, Pernambuc',
pismo.
Elvira, Pernambuco, 3
serit .
Paulina Miria da Conceico, Pernambuco,
annos, aolteira, B>a-Vista; sclerosa cerebral.
Manoel .loaquim cus Santos, Peruambuco, 35
annos, solteiro, 11 >a-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
Jos Gomos Morir*, Portugal, 3 annos, eol-
teiro, Ba-Visca; beriberi.
Isii.eui.i, Pernambuco, 13 meses, Boa- Vista ;
dentico
Justina Hara da Coneeco, Peroambuno, 38
Santo Antonio; hemorrhagia ce-
rebral.
Guilhermina Adelaide de Souza Mendes, Per-
nambuco, 28 annos, casado, Santo Antonio ; cir-
rhose di figado.
Um feto, Pernambuco, Boa-Vista ; naaceu
oorto.
CHftOHICa JUDICIARIA
Tribuual da HelaeSo
SESSO ORDINARIA EM 9 DE JULHO
DE 1886
PRESIDENCIA DO EXM. SB. COKSBLHEIRO
QUINTINO DE MIRANDA
Secretario interino Dr. Alberto Coelho
As horas do cosame, presentes os Srs. desem-
barga dores em nutne o legal, foi aberta a sessio,
depois de lida e approvada a acta da antecedente.
Distribuidos e paseados os fetoa deram-se os
aeguiutes
JULGAMENTOS
Babeas eerpuB
Pacientes .
Antonio Barbosa de Aguinr.Maodo-i-ee ouvir
O Dr. chete de polica e autoridade judndaria de
Timbaba.
" Antonio Uves dos Santos. Mandn se ouvir o
juiz de direito do 2 districto.
Aiaarj Gomes Correia Cesar.Fieou adiado.
Recursos eleitoraes
Do Inga Recorrente Francisco Alexandrino
da Veiga Torres, recorrido Joa Paulo da Silva
Vieira. Relator o Sr. desembargador Buarque
Lima. Deu-se provimenfo ao recurso, unnime-
mente, e mandou se responaabilisar o recorrido e
O respectivo collector.
Da EcadaRecorrente Jos Eugenio da Silva
Barros, recorrido Francisco Nunes de Paula. Re-
lator o Sr. desembargador Pires Ferreira. Nc-
gou-se provimento ao recurso, unnimemente.
Do lugaRecorrente Francisco Alexandrino
da Veiga Torres, recorrido Pedro Tavares do Re-
8i Brrelo. Relator o Sr. desembargador Alves
ibeiro.Converteu-se' julgamento em diig.-u-
ia.
Recursos crimes
De Nazrctb^Recorrerrte o joizo, recorrido Jo
Fraaciac Diai. RelatoTO Sr. conselheiroQiK
roa Barros Adjuntos os 8rs. desembargadores
Monteiro de Andrade e Pires Ferreir.Negoa
ge provimento ao recorso, unnimemente, e man-
dou se responsabilisar a aiutoridade que retardou
jj dar saa resposta.
De Olindafe-corr^nte o jnia', recorridos Jero-
nymo Antonio Luiz d Franca Antonio Mana
M.chad i. R-lator o Sr desembargador Buarqne
lVm-i. Adjuntos os Srs. desembafgadoras Piree
Ferr.ira e conseiheiroQnefroa BaWB--i-Negou-se
arovimeu'.o ao recurso, manira*me;Hte.
De PlaneRecorrmte o juio, recorrido Fan
aiseo J ; de Sotua. Relator Sr. desembarga-
dor Bjar re L na. Adjnntos Eflores Pires G.mcalves e wnselheiro Qeiro
rros Segou s provimento ao rocurso, unam-
atoment .
Do B nitoR:orreute o joiaa, recorridos Vi-
aente Ferreira da sva o Joao honres do Sonza.
Relatjr o Sr. desembargador Toseano Barrrto
Adjunt' os Srs. deseinbargadores Pires GonQal
Tes c Monteiro de Andrade. NegoU-BH p,vi-
Ben^, unnimemente, votando o Sr. relator pela
roeponaibilotade do delegado.
De Bezerros Recrrante o juico, recorrido
Adol.di' ReVM He Oveira. Relator o Sr.
dttMtrgador IfoMtdra de Andrade. Adjuntos os
8rs. desejabargadorea Pires Ferreira ecouslhei-
rb Queiroz Barro:.Negou-se provimento, una
aimamente. ^
De AUgArGrandeRecorrente o juiz-, reo >r
ridos Aur esc Pereira e Man .el Joa-
quimrleL'ma. RHitor ofir. desembarga lor Pi
res Goncalvea. A ttl Alves Ribein. e Buarque Lima. Neg,u e
previrm?nt.', un.nin mente.
Coufl'cto de iurisiicco
Entro OS ju'z inumeipaea dos termos de S.
Jo&> e do Teix. ira da Prahyba. Relator o Si
daembargador Toseano Brrelo. Revisores o
Srs. desembargarfores Pires Ferreira e Mouteiro
de Andrade..Julgou ae pela competencia do
jai* snunieipal do Telxeira, unnimemente.
App.llacoes eriales
De Palmares Appellante o juizo, appellado
Ftaneisco Victorino de Oliveira. Ralato o Br.
onselheiro Qoeiroz Barros. -Converteu-so o jul
gamento em diligencia.
Do R^cifeAppeWaate o juiao, appellado Fir-
Silva. Relut.r o -r. deaembargadar Burque Li-
ma.Mandou-se a novo jury, unnimemente.
D= Sazareth Appellante Manoel Francisco
Carlos, appellada a justica. Relator o Sr. des-
embargador buarque Lima, Mandou-se a novo
jury, unnimemente.
Da Palmeira dos IudioB Appellante o juizo,
appellado Manoel Ferreira da Silva Osorio. Re-
lator o Sr. desembargador Pires Ferreira.Con-
firmou-se a sentenca, unnimemente.
Appellacao commercial
Do RecitoAppeilantes c appellados D. Digua
Candida da Conha e Joaquim de Alnaeida e Silva.
Relator o Sr. desembargador Buarque Lima. Re-
visores os Srs. desembargadores Toseano Barre-
to e Pires Ferreira. Julgou-se por sentenca a
habilitacao.
Appellacao civel
Do Recif.:Appellante Arthur Lopes de Ol -
veira, appellado Joaquim Jos Alves Guimaraes.
Relator o Sr. conselheiro Araujo Jorge. Reviso-
res os Srs. conselheiro Queiroz Barros e desem-
bargador Buarque Lima.Foram despreaadoJ os
embargos, uuaaimeinente.
PA8SAGEN8 l
O Sr. eomelheiro Araujo Jorge, como prbcura-
dor da cora e promotor da justica, den parecer
nos seguintes feitos : r
Conflicto de jurisdieco
Entie o subdelegado e o juiz de paa da co-
marca de Bom Jardim.
AppellacoeB crimes
De SouzaAppellante o juizo, appellado Padre,
Carneiro de Oliveirt
De Bom Jardim -Appellante o juizo, appellado
Jos Joaquim de Souza.
De NazamhAppellante Alexandre Jos Go
mes da Silva, appellada a justica.
De Tsquarctinga Appellante Francisco Ro-
drigues Chaves, apellada a justica.
Do Sr. conselhoiro Queiroz Barros ao Sr. des-
embargador Buarque Lima :
AppellacoeB crimes
De Jaboato Appellante o juizd, appellado
Luiz, cscravo de Ijourenco Barbosa Coelho.
De Bom CoueihoAppellante o juizo, appalla-
do Antonio Vieira das Virgens.
Do Sr. desembargador Toseano Barreto ao Sr.
desembargad jr Pires Ferreira :
Appellacao civel
Do RecifeAppellante Manoel do Amparo Ca-
j, appellado Manoel dos dantos Araujo.
Do Sr. desembargador Pires Ferreira ao Sr.
desembargador Monteiro de Andrade :
Appellacoes crimes
que] nos, oa conservadores, maatemos e queremos
meoter.
Dentro de taes lim'tes ha espaco bastante para-
todos os melherament is iuteleotoae, nwraes tm-
teriaes, para tadoa oa comraettimeatoi serios da
poltica, economa, fiaancas e administrafSo, emfim
para todas as snais altas aapiracea dos poyas
livrea, que vivem sob o rgimen parlamentar.
No decarsi dos yinte annos qne eonatiruem a
minba vida publica, serapre girvu neeaa rbita a
a minba aetividade, e isso facem prwa os wim
modestos esforcos na Assembla Provincial os
meas pequeos trabalbos na imprens, rstes trlti-
mos attestados pelo Diario de Pernambuco, e
cujas paginas tenbo steriorypado a minba alma
e o meu coracao, pugnando por tudo quanto se me
tem augurado til e vantajoso causa do pais a
otis particularmente de ata provincia.
Como garante dos meu intuitos de futuro effe-
reco esse modesto paseado ao digno eleitorado do
8 districto, assegurando-lhe que onvidarai quanto
eouber em mira para elevar-me altura da aitua-
eio do pait e para moitrar-ue merecedor da con-
fianca co o que me honrar ess digno eleitorado.
O meu norte ser o bem publico e o caminho
para elle essa honrosa con6an(a que nunca faltou
ao Ilustre cidadao quem aspiro substituir e cu-
jas irtudes civicas toratrei por modelo.
Subsurevo-rae com a inaior consideracao e res-
peito.
, De V. S.,
Amigo, atiento, -vanerador e criada
Recife, 6 de Julno de 186.
Felippe de Figueira Faria.
Nuaaa toeraoidiriaxoente raptarle no aoe-
ao8 daa atoaa, i que aa obfigaram. Ar-
ranjam-as da modo que aaa rarneaaas de
aaauoar que pela estrada de forro faseiu
nem saropre tcem dneito ao abatode regu-
laine.nto sobra os frotes que-p'ag*m as ex-
pedicSes que eXcedem corto p>*ao. Ro
duzem propones exiguas os ordenados
a jornaefl do peisoal brxsiteiro, pira on-
servarem g*ands vantug^ns em ingfezes,
isto Mt anianoB, qnu vio fatal nente nos
estJo praj>aliando ; tudo isso expensas
da garanta de juros, anas que sobro nos
PIJBIMCOES k PEDIDO
Engennos cenlracs
A divisao do traballio no planto da cari-
na e no fabrico do assujar necessidade,
tSo reoonhecida, em v^sta do nosso atraao
agrcola e industrial, da transaccjlo do tra-
bulho escravo para o livre, da total falta de
eapitaes, que g.ralmente sentera os actuaes
senhores de nossos engeriKos, que seria su-
perflua qualquer demora para pro ral o.
O mal 4 geral, todos o soffrem : a de-
preciajo do principal producto de expor-
tafo, da provincia augmenta de safra para
safra nos mercados consum lores, nos quae>
nXo pode o nosso assuuar da oanna entrar
em competencia com o da pobre beterraba,
tao rica tornada pelo aperfeijoaruento dos
De Tim labapp'-ilante Avelino Goncalves machbismos modernos, destinados p'ir
meio d'elles extrabir-se o assuoar em quan-
tiiades relativamente grandes e em quali
da le mui:o superior que obtemos polo
nosso rudimentar Byatema.
Bsta necessidad: est tao reennhecida,
que tez opiniao no moio do indiffr-rentismo
que nos caracterisa quando so trata do
que seriamente interessa ao futuro desta
nayao, cuja virilidade so exgota em esto-
reis controversia? partidarns que s ser-
vem para provar que em geral o bem pu-
blico -:ousa qu* pouco interessa aos par-
tidos uonstitucionaes que estes, quando
galgara as posic3*8 oflScip*, esquecen to
das as promessas feitas, lodos os compro
m8sos contrahidos, para srtaenderam nica
mente a interesses, qua com certeza n3o
sSo os naciou -'8.
A grande ii.ea da, divislo do trab^lho,
idea salvadora as especiaes condiy>.-s em
que estamos collocados, vnio mais urna
vez provar que tudo entre nos presta-se ao
esquecimento do d-sver, que o tilhosmo
ergue-so altivo,, expensas do bom estar
geral: Em maSbpra, l na cSrte, os que
especulam com a obtenc&o o venda do pri-
vilegios exploravam a ; e obtiveram ga-
rantas de juros para construccSo e explo-
rayao de dezenas de fabricas para assucar.
O que quer dizer garantir-se juros para
emprezas semolhantes? Ha ou nae canna
para alimentado das tabocas. Si ha, o
futuro de taes emprezasyfiuar perfeita
ment garantido com os onm que nos
respectivos contractos se obrigam os plan-
tadores da canua. Si nao ha quanta baste
pira ubastecimento, com certeza o governo
acceitou um pesado encargo, no qual ser
0 Estado prejudicado, sem proveito para a
oLisse interese ida.
Nem so diga que sam juros garantidos os
capitaes estraogeiros nSo buscr.riaii empre-
go no paiz. No caso, os factos v5o pro-
vando modestamente qu> nao s com capi
taes inglezes po leriamos ir transformando
o trabalho de nossos engenhos. E nao se-
ria muito que o governo abrase tambero
crdito no Banco do Brazil para as provin-
cias assucareiras do nort% como j o 6m
para outras agrcolas do sal. Desde que
tivessem dinheiro barato, prasos longos e
com os proprio8 recursos, os nossos senho
res de engenho se arranjariam em melln-
re8 cond95es, no ficariam presos por con-
tractos leoninos ganancia estrangeira, se-
riara senhores hoje como hentem, nSo en-
tregram maos desconhecidasos produc-
tos de so.us labores, p*ra serem talvez es-
banjaSoa por aquelles, para os quaes j
grande negocio a garanta com que contam.
D.'spendesse o governo 500 ou 600 con-
tos c >ra a Monstruecilo de una fabriea real
ment i aperLigoada, em eada provincia
assuoareira, explorasse-a por conta propria,
voiii o din de praticamente mostrar clas-
ae interessada quaes as vaatagons do novo
systema de fabrico ; e outro seria o nesso
futuro.
A incuria governamental, no que se re-
f re aos engenhos oentraas, eaneikw tudo
quanto de imprevidente relatara os annaes
d'- nossa administrlo publica. Graranti-
dos os juros at o maxi-uo gastwel para a
tr'u '9ao do cada fabrica, o governo
li'ixiu 08 compradores dos privilegios im-
portarem os Hiachinsmos que quiz ram ;
feuhoa os olhos, nada quiz ver, dexou
boo fe doB interessados o cumprimonto dos
le vi ros que acceit o. rto de que, se nSo havia tudo feito em
pr.l da 1 ivoura da canna, com certeza ti-
nlia plenamente aatisfeito os iutefesses dos
amigos.
Nao ti vamos fisjaes ; trouxeratn-noa ma
ohinismoB, encostados l novEgypto dos n-
gU-z pT inpr btaveis. In'umbrrain o as
Bf-atamento d'elles pessoal u&o habilita-
do, e exploradlo tas fabricas do sul da
prov.noia ae est fazendo as mais tristes
condicd -8. Como oonsequenoia, a grita dos
plantadores geral. Cortaran) largo no
capital ce levantameato autorsados; e o
pr.-juizo do Estado p-st feaKsado, do mes-
rao molo que o dos plantadores.
Em a. s fabricas, at o sueco das ca-
nas ha lanyado, ao rio sendo cero que
nellas s veses o recolhimento das atrs
se tem realrtado era tempo mais longo do
que em engenhos do antigo systema.
de Oliveira, appellada a juatica.
De Bom JordimAppeilantes o promotor pu-
blico e Joaquim albuquerque Gandra, appellados
Joao Barbosa da Silva e outros.
Do SerinhSwn -Appellante Francisco Fel de
Aguiar, appellada a jus'ic. i.
Do PiancAppellante o juizo, appellado Joao
Caxsiano da Silva.
Do Sr. desembargador Pires Goncalves- ao Sr.
desembargador Alves Uibcro :
Appelluco crime
De PosqueiraAppellante o promotor publico,
appellado Jovno Jos de Carvalho.
Appellacao civel
Do CuboAppellante Dr. Jos Flix da Cunha
Menezes, appellado Domingos Cavalcaate de Sou-
si Le.10.
DILIQENCUS
Mundoa-se ouvir o Sr. conselheiro promotor da
justica nos seguintes feitos :
Appellacoes crimes
Da FlorestaAppellante o juiao, appellado .lo-
s Gomes da Silva Sobrinbo.
Do Pituco--Appeilantes Laurentino Felis da
Silva e outro, appellada a justic, i.
De GamelleiraAppellante o promotor publico,
appellado Manoel Antonio Machado.
Mandou se descer ae juizo a quo para yir o
traslado eoofarido e concertado.
Appellacao crime
Do ianc--.\ppehaute o juizo, appellado Va-
lerio, escravo. __^
DISTRIBUIDLES
Aggravo de peticao
A i Sr. desembargador Buarque Lima :
Do RecifeAggravante Ctndida Mara do Ro-
sario S, aggravado o juizo,
Appellacoes crimes
Ao Sr. desembargador A vea Ribeiro :
Da Parahyba -- Appellante Jos Deliniro de
Souza, appellada a Justina.
De CimbresAppcllant* o promotor publico,
appellado Manoe! Rafino de M-llj e Silva.
Ao Sr. conselheiro Queiroz Barros :
Da ParahybaAppeilantes o juizo e o reo An-
tonio Joaquim de Sant'Anua, appellados Joao Ma-
rinho Falco e a justica.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
Da Palmeira dos In liosAppellante Joo Cor-
reia da Silva, eoaheeiJ.. pjr Varzinha, appellada
a justica.
Ao Sr. desembargador Toseano Barreto :
De Taquaretinga Appellante o promotor pu-
blico, appellado Francisco Pereira da Silva.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
De PeuedoAppeilante o juizo, appellado Jo-
s Mves da Silva Lima Novaes.
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
Do RecifeAppellante Jos Flix, escravo, ap-
pellada a justica.
Ao Sr. desembargador Pires Goncalves :
Do RecifeAppellante o juizo, appellado Ju-
venal Francisco de Almeda.
Appellacao civel
A Sr. conselheiro Queiroz Barros :
De MaceioAppellante o juizo, appellada D.
Ca-tana Rosa do Nascmento, senhora do escravo
Antonio.
Eucerrou-se a sesso as 2 1/-1 da tarde.
nan
COMUNICADOS
Ao eleitorado do 3o dlstricto
lllm Sr.'O fallecimente do Dr. Antonio Fran-
cisco Corroa de Araujo, brindo urna vaga na de-
putaco de Pernambuc*, determinou a necessidhde
de nina eleiei) no 3* districto, que aquel le Ilustre
cidadao t5o dignamente representava.
Tara preencher ensa vaga proponho-me en aos
suffragios do distincto eleitorado desse districto,
na > m >vido por impulso proprio, era tomado de
ambico que estou I inge de nutrir, mas por apre-
8' ntacS do partido em cajas fileiras milito e alen-
pelo di sejo de contMuar a prestar servicia ao
paiz ndkW pirto A" combate que ate foi indicado
E', posa, eieu.lad-i i'om esje patritico desejo
lo p|. m u purtidj, cujo venerando
tenh i por amigo, que eu venho solicitar de
V. S. o >eu voto e *odo o ssu precioso auxilio
rainh cama o pleito que se vai ferir brevemente
istncio. onde V. S. g sa de prestigio e dis-
10 ree.id i iiifl lenca.
B in conbeeido iiosfa provincia, onde nasci e
M le leoh K npre viv .io mourejar em fadig.'Sas
pj< fct rvadorus, e sob a gide
honro a apres-nt.cao; creio qne ser-
oxhibico de um programma,
toit (io u'ro nao p.-o ter que nao o do partid j
i. r lo m delicaQao e esforco.
le h uin oa com o notavel discurso
1879, pelo honrado Sr.
h ro Joao Alf:ed.. C .rra de Oliveira, digno
ior em Pernambuco, direi que a
gyuti, a progrmala pugnar pelas re
formas que f irem a deseuvolvimento pratico dos
grandes principios^ likieraes consagrados na Con
atitituicao c que torsaasn a base daa instituicoea
pesar serapre, se providea ias muit i en-r-
grais nSo forera tomadas.
Se estudar-ae o quo se vai paasando as
fabricas do norte da provincia, ver-so-ha
que o nico trabalho em andamento, ha an-
nos, o do engenho de S. Lourenco nSo
acabado anda. Eabanjaram e capital au
torisado, era talo, menos no fim que era
destinado ; e, qua do muito, poderao con-
olur as obras deste engenho, em reia2o
ao qual j declararan) aos plantadores que
teem contratos, que meamo en Setecnbro
nao poierao transportar caunas. Entre-
tanto no meio delles alguns existen), qu-;
estao desprovidos de machinas p:ra moer,
confiados na boa f da corapanhia ngleza
Accresce que o engenho central de S.
Lourenjo nao ter cannas para alimentar-
se, se n3o prevalecerem os contratos tei-
tos com os propriotarios da margo 10 direi-
ta do Capibaribe ; e as cannas d'alli nao
virain fabrica ao tempo da prxima sa-
fra, aa vista do estado da obra da ponte
que deve unir as duas margeos do ro.
O que aqu se est passando em rela-
cao aos engenhos centraes vem mais urna
vez provar que nao temos senso adrarais
trativo, que continuamos no systema de
nao provenir-nos -ontra os especuladores,
que de alera mar veem explorar a nossn
ingenuidade o desidia. Rjconhecemos que
O actual Sr. ministro a agrio iltur.t, leal
mente ajudado pela aptido e probiiade do
engonheirs fiscal respectivo, alguma cousa
ha feito, no sentido de chamar ac cumpri-
monto do dever os que tao incapasmento
dirigem aqu semelhantes compaohias. Pa-
rece nos, porra, que as medidas adopta-
das nao bastara, em vista do estado que
chegaram as cousas. O fiscal que a diri
ge incapaz. Nao ter o governo o di-
reito de exigir sua substituicao, quando
interesses nossos esto comproraetti los ?
Se as eompanhias se nao importara com a
prusperidada de seus negocios, co tentan
do-se cora a apprva$3o das contas que
aprsenla-n sobro copitaes que dizem ter
despendido com as vantagens da adraiuis-
tra<;ao na exploraco e com os joros de
tudo aso, o governo nSo ter o direito do
e-ubarayar n contuuaco de tantos dos-
manilos, ae nao consentir que continuo
levar uos urna administrajSo incapaz?
Augmentamos de rnuito as nossas. des-
pezas de garantas de juros eompanhias,
que nos nao buscara com 0 fim de tenta-
ren) exploracdes iadustri s, mas para
abrir oa transaccSes commoreiaes comnos-
co ; e s teriimos alcanQado, em vista do
que se est pastando, o desuredits da
grande idea dos engenhos centraes, se nao
e8tivern tao arraigada j na canse.enca
dos inteiSasaiioa a necessd>de da divisa)
do trabalho como medida salvinora na cri-
se era qno nos acharos. Felizmente para
a grande lavoura da canna teera os a tuaes
senhores da engaaos ideas fixs respei-
to : e agora mesmo, quaddo as apparato
sas corap*nhias inglezas de juros garan-
tidos tao tristemente se estilo exhibiodo,
compromettendo-nos, ah se vao erguendo
pela iniciativa particular modestas fabricas
de appar-'lhos aperfeicoados, urna em Hi-
beiro e outra em Timb, que brevemente
provaro ao governo que por caminhos
mais curtos, mais desbravado e raais pa-
tritico poderia ter alcanesdo melhorr.s re-
sultados.
A ido nao morr^u, apezar das tristes
provaa exhibida). Se fosse tempo ainla
de sermos cautelosos...
O matuto.
Bom Conselho
O altere- Joao Peixoto Soaresi
ao publico
Ameacado com a douv.sso do argo policial
quo ocenpo, venho patentear ao publico a razo e
procedencia de tal ameaca, para que se vulgarice
a form< porque em nosso paiz re premeia a dedi-
caco, esforcos e servioos do cidad-, que ae abs-
traho di 8 seus ciiladoi domsticos para tratar
dos publicas negocios.
Mi-mbr i da numerosa familia papacaceira, que
emrn repr.santou nesta localidade, e onde cun-
sid ri> por sua posiclo social e instinctos ordei-
ros, familia nimiamente conservadora, que prim
pela uniio e lealdade aoseu partido, e que, no de-
curso dos diveisos periodos, que tem estado em
opposico, jamis recuou um paaso ante as amea-
cas do governo, nem so deixou fascinar pelas u-
rea., do poder adverso, fui despertado pelo sonoro
cbo que retumb m em todos os ngulos do impe-
rio no glorioso dia 20 de AgoBto do anno fiado, em
qne o grande partido conservador bi de novo cha-
mado ao poder, e co istiaugido pelos meus amigos
a aceitar o cargo de subdelegado do 1 districto
deste termo, para o qnal fui nomeada por portara
de 11 de Setembro, cargo ver *ade*ameute ineom-
pativel cim as minhaa mltiplas oceupapoes de
agricultor e fasendeiro, mas ao qual nao pude es
quivar-me, porque nio sei resistir s ordens e ins-
tancias do meu ch:te, quando este reerama os
meus servicos e fracc apoo ta ocoasiilo propria.
Jurameumdo ao dia 23 d'aquede mea, e portan-
K>, de pnsse do mandato que me impunha o dever
de policiar o termo, principie! por eipurgal-o dos
ladidis e criminosos de que e acbav.i contarniua
do, para o que acer^u?i-n>e de pessaal habilitado
e de confiana, e eom o qual eombiuei logo os m.-ua
p'auos de campanha, os quaes for.Hrrj brilhaute
mente iniciados no da 10 de Outubro, c m a pri
sao do celebre ladro de cavallos Jos Damin,
ltimamente condemuado por dous crimos de
furto.
A esta importante diligencia segn se a cap-
tura do famig-rado Francisco Flix, imiigit!:.i >
aur r do assassioato do .sargento Lobato de ta .
Dias depois,carquei casa de um t.l Boa-Bdo.
reputado cfcefa da urna quadrilha de ladro s, eji
eutao pronunciado asa crime de furto, couaegoiii I
este ovadir-ee, ado em seguida collocar-s debai
xo da proteeco. do delegada do termo, o qua
eutao n&o tiaha dado o minim > signai de dvaap-
provacao aOB meus filos.
.-istava eu longe de supor que, assim procedi-
do, cahisse no des i,Talo o. meo coi -
elle, sem attenyan nem resp -uo a sou c> .
manifestaSBe tau claramente prut ettif d~ cn.ni.
SOS. Il I Ilda UVe !
Um uffieio qaa as* dirigi aps este cerco, tirou-
me toda a soiatr. .le luvida.
Ord-uou bd oa tal ..ffico ^ue, u iihum d <
oo duBtacain uto ol eu m-na r. tu-.r a-, quartel
jea aU ordem.
Cuuheee.id ,, pois, o falso terreno em que pisa-
ya, tratei de neutralisar-me, d-iiaudo que os ne-
gocios policiaes curressein exclosiv-iuieute por con
U do meu collega, e entao pude avaliar o prejuiso
queja Ibe tiuha causado, eo qu.uti Ibe foi lucra
tiva h minba absienvao. Um seu irino T r
no r"ancracio, int. irauente piuperrnno, que vive
exclusivamente nao de adv igar, mas de b-trulhir
as causal e os amigos, f spirit. trefeg i < pertuina
dor, e a quem attribuido o priucipal pupel no
mvlmento quebra-kilos, Tertuliano Pancracio,
repito, teva occaaio propicia de oolher urna boa
safra de cobres a ca*lloi, durante o periodo da
minba absteocao, porque era titulo nico, garan-
ta solida, para nao ir-se cadoia ou sahi se del-
la, darse ao irmao do delegado 50, lOOstOOO ou
um bucephalo qualquer. Pago este impisto, o la-
drao sabia a campear impiinemente por toda a
parte, a tao domsticos estavam ji, que os riamos
de mSos dadas com os criminosos, traasitarem
dentro desta villa, afiroutando a opinio publica
as aatoridadea supariares da comarca
Os maiores attentados commetteram-se e
sem que a polica dsse o menor signai d vida
efe* oMstNutet e iaeqoicaj>nmi da adtesa-
e apreco, afto s do seas jorisdiocionasloe, tma
das proprias autoridades superiore da corafea,
eos/ distfocoio de cr pslitico, cuavictae, portan to,
que a ex*iravlo do a uso tos > nao ama Me-
dida reclamada pela ordem publica, aa o taanl-
tado-dw urna aomamaco entre(urnas IrAaMaini
eatranhas a esta local id ade, aesa aanuenaa dosmsso
aonbecr-do chefe, eom o mico m m aaainf laniini
o capricho e veIcidade do alnna-dctaflateaos qne,
cis o da p sico e popularidade que aereaiaa-
men'e gosa o alferes Joao Pix >to, nao trepidam
jVaacrooiial-j peranta alguaados dignos rapaaaan-
ran:<*< aVi fcenlo attrtbmndo-lke talt a aten-
salvo, quando da su i intervencao sargia qu .Iquev oee v,wdoW*n3.ito iasagraarias, os .W as
tnloposua napa n f^li* a rttytitr.t.in An .......... .i'.. *^ '
signados veem ao altn aa impronsa protestar, orno
solemnemente protestam, contra o appareetaMato
de 8frae!b*ate dosaiaaa >, que a nao ser solicitada
pelo, proprio nomeado, ou ac-nselhada pelas in-
flneacias looaes, ser m ^ualquer tempo que ve-
ha luz considerada extempornea e offensiva
atoa nossos bros e autonoma.
Os abaixo assigoadoe, que jamis se desviaram
do camiuho da orddas e di prudencia, cumprind
risca as prescri coas d muito digna chefe con-
servador d'eata provincia o Exm. conselheiro Joo
Alfredo, esto bem Iouge de aereditar que urna
tal deseonsider^cao Ibe eer tita, por parte
d'aquelles que lli- devem a posico social que hoje
oceupam, e que s devem e a podem intervir nos
oeijocios polticos de Bom Jonselbo, quando a iato
forem cmvid idos p^Us inflaeuoias d'esta locali-
dadr.
Os abaixo assigna ios soffreriam resignados e si
lenciosoi a bofetada que se lhes pretende atirar
s faces, ae, eom} j dissem^s, um s facto, um
leve erro de aracio tivesse sido articulado contra o
nosso amig >. Observa-se, porm, o contrario : o
alferes Joao Peixoto ameacado da destituicao de
seu cargo, porque deaaffronto a le e aa autorida-
des, preudeodo U'n individua reconhecidamcute
erimn iso, o qu resida em plena villa, onde tran-
sitava armado, em deapeito autoridade e pessoa
do subdelegado, a queja constantemente ameacava,
animado pela proteecio que ostensivamente Ibe era
dispensada par aqueiies. mesmo a quem oumpTa
collaborar eom as autoridades na manuteuco da
ordem publica.
)s a.baixo a-sijiiados, %ndo em mente os sea:
longos servicos causa do partido, esperam que
justica lh-s ser feita, por parte d*aquelles a quem
est confiada a suprema direccao dos negicioa po-
lticos d'esta localidade, attendendo a cada um na
altura do seu mrito, ; popando aos signatarios
do presente protesto e profuudo golpe que ae Ibes
prepara.
Caso, porm, seciueumtne a d -sti (nielo d> nosso
amiga, ene ntrar-n >sba do alalaia, aguardando o
dia em que, todjs p,r um e um por todos, pessa-
mos provar que somos 08 uuiecs competentes para
maa lar em nossa casa.
Temos concluido.
Bom Cmselho, 17 de Junh-J de 1877.
Augusto artimano Soares Villela, leitor e pre-
sidento da Cmara Municipal.
Bacharel Joaquim Antonio da Silva, eleitor e pro-
motar publico interino da comarca.
Francisco Teixeira de Macedo, capitSo da guerda
nacional e 2o sup lento do juizo municipal.
Jorge Goncalves da Costa, eleitcr e veriador da
Cmara Municipal.
Cnndido Carlos da Oosta Vi.lela. tjnia de paa, e
eleitor.
Njmcso Carlos Soares Villela, eleitor.
Marcos Evangelista da Costa Villela, eleitor.
Americo Infante Marinho Faleao, eleitor.
Manoel Felisardo de Almeida, eleitor e veriador da
Cmara Municipal.
Laurindo Ferreira de Oiivei'a, eleitjr.
Joaquim Alves de Souza. eleitor.
Houorio Hernesto Carneiro Pinto, eleitor
Antonio Pinto Teixeira, eleitor.
Antonio Jos da Cunha, eleitor.
Jos Pereira de Vasconcellos, eleitor.
Antonio Ferreira Dutra, eleitor.
Jos Ferrara) Dttira, eleitor.
Joao H renlino de Souza, eleitor.
Man el Carvalho de Souza Dalas, eleitor e alfe
res da guarda nacional.
Antonio Jos KameviHe tau.to, eleitor.
Lucio Hermenegildo Correia de Maeedo, eleitor.
Joao Jos Pereira, professor'publico e eleitor.
Luiz Urbano de Hollanda Cvalenti, oleitor.
Manoel Pinto de Oliveira, eleitor.
Victoriano Olimpio de Cerquira, eh t r.
Lourenco Pinto Teixeira Sobrinho, eleitor.
Albino Pereira da Fonseca, eleitor.
Theobaido Pinto Teixeira, eleitor.
Ant mi> Pinto de Oliveira, eleitor e lente da
guarda nacional.
Jos Aiixandre de Souza, eleitor.
Juvenal Correia de Macedo, eleitor.
Jo5o Tenorio de Mascarepbas, eleitor.
Manoel Goncalves de Mello, eleitor.
Jos de Barros Correia, eleitor.
Vicente Ferreira Pinto de Miranda, eleitor. .
Antonio Pinto de Miranda, eleitor e 2o jmz de piz.
6-aldino Pinto de Barras, eleitor.
Jos Guedes Alcoforado, eleitor.
Luiz Alves Feitos, eleitor.
Juvencio Soares Villela, eleitor e lente degnar-
da nacional.
Jos do Barros Cavalcante, eleitor.
Francelino Brasiliano de Figueiredo Lima, tenan-
te da guara nacional e eleitor.
Antonio Goncalv.s de Mil o, eleitor.
Francisco Pinto de Barros, eleitor. ^B.
Trajaao Jos de Gee, eleitor.
Antonio Teixeira de Maeedo, eleitor.
Antonio Piulo Villela, eleitor.
Alexandre de Barros Correia, eleitor.
Pedro Paul Pereira P nto, eleit-r.
Autouio Martina Francisco dos Santos, eleitor.
andido Jos da Silva, eleitor.
Antouio Bjrges da Costa, eleitor.
Manoel de Carvalho de Holanda Cavalcante, elei-
tor.
Francisco de Hollanda Cavalcanie, eleitor e vice
presidente de Cmara Manicipsl.
*de Alhuoueraue de jllaudaCavalcante, elei-
ioteresse para o feliz advogado, ou vingaoga d'a-
quelles que nao cammungavam eom as suas per
versas ideas.
Eu am faoto que prov.i exbaberntemeate esta
assercSo :
No dia 7 de Fevereiro deste aaoo, o n 'gociante
Luiz Alves Feitosa deu merecidamente uas mur-
ros no individuo de aome Jos Puluca, pelo facto
de este, alm de nao querer pagar Ihe urna conta
velha, dirigir-lha patavras injuriosas. Tertuliano,
que com seus i ruaos se coustituiram desaife ;tos
d'aquelle negociante, arvorado em delegtdo, cer-
cou-lbe a casa, cerco que s re.tirou s^l horas
do dia segunte, por terem intervindo os juizes de
direito, municipal e diversos amigos, quo. Ib-? fize-
ram ver a improcedencia do seu acto, visto como
ambos os contendores tinbam sahido inclumes da
alteraco.
A' 29 de Marco, pelas 8 horas da oite, foi des-
techada um tiro em Luiz Feitosa, por am sugeito
que eafrentou com a sua porta, mntalo a caval
lo, em trajos de vaqueiro, o qual retir ju se mui
tranquillam-'nte depois da perpetrar > do crime ;
e minntos depois, chegaram algumas pravas no seu
estabelecimento, mas, a passo lento, indiff 'rentes,
com ares de quem nao quer a cousa, limitando as
suas pesquizaa e diligeaoias a perg intar pela sa
de do enfermo.
A opiniao publica, as proprias autoridade ju-
diciarias, foram logo unanim 's e:n proclamar a
Jas Puluca, pelo autor do tiro : m.s esta procla-
macaj foi inteiranente d-apresada pela polica do
delegado, despreso que diversas pes-oas traduzi-
ram logo em connivencia, attenta indisposic <
existente entre elles e a victima.
Para desencarg de eonsciencia, comparecen
aquella autoridade no dia t-eguinte em casa de
Feitosa. offerecendo-se para tirar o cirpo de de-
lictu, e feito este, verificou-se tereic os peritos
considerado leve* oa ferim-otos, nao obstante se-
rem elles gravissimos, a ponto de levarem a victi-
ma ao extremo de pedir oonfisso.
Certo, pois, Luis Feitosa, de qne tudo estava
ageitads em favor doassassino, requereu-me novo
oorpo de delicto, no qual os peritos divergiram da
opiniao dos primeros, reconhecendo a gravidade
dos ferimentos.
Este mea novo acto, ao qual nao mo era dado
furtar-me sem faltar aos deveres de meu cargo,
foi tomado pele delegado com > un affronta, e eu-
tao rompeu abertamenta comigo, tomando a ques-
to um ciracter gravissimo, manife-tondo-se em
favor da victima a parte mais seusata da popula-
cao, sem exclusao das autoridad ;s judieiarias da
comarca.
Censnram-me os meus antagonistas pelos pas
sos que dei em favor da victima, pelo facto de ter
ella adherido o partido liberal. Se.-o louvaveis
e proce lent. s taes juizos ? .'
Tudo mais que era oonceroente polica la nes-
11 vertiginoso caminho. O quadro da villa era
nos dias de teira um arsenal, urna verdadeira pra-
ca d'armas. Foi ento que o Dr. B uto Ramos,
digno chefe conservador da comarca, resolveu
por um dique a tantoa desmandos, impondo ao de-
legado o pedido de demieso, que felizmente foi
attendido.
Continuou, no entanto, oex-delegado no exer-
cicio, e ento tratou de h stilisar-me por todos os
meios e modos, consentindo que Jos Puluca, cos-
tra quem j tinbam depjeto duas tcstemunhas no
nquerito, me amea^asse e transitasse armad em
plena villa, at que aual fui aviando que, aquel-
le criminoso, estava dispondo os seus negoci
pan ovadir-se, apenas chegasse o novo delegado.
Foi ent i que deliberei prondel-o, para o que, nao
confiando no destacamento pelas razos j ap ii-
tadas, reun algunsjpaisanos, e com o rorootor
publico, dirig me casa de Puluca no dia 29 de
Atril, effectuando a sua prisao com o melhor xi-
to, sem opposico de sua parte, e sem que elle ti-
vesse soffii io o menor desacata ; e quando j se-
gua com o preso p-'Ta cadeia, eis que apparec o-
do um grupo, composto daa praets de polica, t-
ente Amaral, o ex-delegado e diversos cap-ingas,
e ento em altas vozes, aquella milla autoridade
dirigime os maiores improperios, qualificundo o
mea acto de violento e arbitrario, e era seguida
jurou que, apenas fosse o preso recolhido, elle o
pona em liberdade, ao qu; lhe respond jbi,
achando-se elle ipto facto demittido, acto algum
podia mais praticar cerno autoridade, o que tam-
bero confirmou o tente Amaral, vista do que
elle resignou-se, sendo afina! o preso recolhido.
Chegadas as cousas a este extremo, assentou o
ex-delegado de promover a minha detnisso por to
d >s os meios e modos, acra o que poa log i em cam-
po todo o embuste, perfidia e mentira de que fr-
til a musa Tertuliana ; mas, convicto da sua pou
ca popularidade, soccorreram-se di teneute coro-
nel Constantino, cuja demasiada sensibilidade sou-
beram dispertar, faz ando o er:- que eu estava
age.itando nm processo, no qual ia elle ser inclui-
do como mandante do tiro de Luiz Feitosa, idea
que jamis paasou-me pela mente, pois sou o pri
meiro a reeonhecer quo aquelle tenente coronel
pouco ou nada cochees a Feitosa, e como mandar
assassinal-a ? .'
No emtanto, o tenente-coronel acraditou de
prompto a exposico de Tertuliano o do ex-dele
gado, e immediatamente dngio-se ao D.. chefe.
de polica, exgindo a minha dem'ssa >, e em se-
guida veio para aqu, expor-me o qu; tinha feito,
e pude ento conhecer a perfi lia de Tertuliano, e
o quanto o meu procedimenso estava longe de of-
fendel-o.
Pedio-me, portanto, desculpa, reconhecendo a
precipitaco com que tinha obrado, e garautio-me
que, se at a sna chegada na capital a minha de-
misso noestivesselavrada, rjue nlo o seria mais,
cora o que julguei terminado este incidente.
Das depois chegaram aqu diversas cartas do
mesmo tenente-coronel, asseverando estar lavrada
a minha demisso, e exgindo de meu primo Au-
gusto Hartimano a indicac) de um pessoa para
substituirme, pedido que elle nao atisfez, nem
satisfar jamis, desde que reconh-ce que elle e s
elle, que indicou a minha nomeacao, pode aconse-
Ibar a minha demisso, salvo se os seus servicos e
prestigio nada mais significaren) no animo dos
candidatos.
Son correligionario do tenente-coronel Constan-
tino, como o sou daquelles que me quizeram indis-
pir com elle. ...
Duas vezes foi elle eleito com o auxilio deste
collegio, e continuar asel-o, desde que.]seja .pre-
sentado pelo chefe conservador da proviacU, a
cuja vontade nos submetternrnos sempre; mas,
esas apresentacao nao Ibe d direito a uoinear e
demittir pessoa algumi as localidades dirigidas
por outras influencias.
SI eu, prendendo Jos Puluca proced impolti-
camente, porque elle ia matando um libjra!, e
al n disso era protegido p t alguns coacervado
res, fui a isWiostigado palo amor que con agro
iustica, a cajos reclamos Jamis deix-irei d-.- atten
iuda a 20 de maio prend o crfmio-isi Romo,
filho do meu amigo e correligionario Flix de Bar
ros por enjo tacto soffri anda acres censuras,
porque Romo altamente por diversas influen-
cia-.
So formas de entender as cousas, o em gestos
e opiuies nao ha disputas.
Os meus desaffectos teem a liberdade de proce-
der me pensarem diversamente.
8i,'. cada u o o seu caminho c n i frigir dos ov#
tolo- teresB >s conseguido o nosso desi leratum.
Bom C-inselho, 3 de Julho de 1886
Joao Peixoto Soarts.
I
Btrin-Cnsclln>
Jos de Albuquerque
tor- i^
Manoel Cordoiro de Araujo, eleitor,
Francisco Pinto Ferreira, eleitor,
Jcaquim Vieira de Scnza, eleitor.
Geriuald) Pinto TeilPra, eleitor.
Jos Antonio da Costi Gic, eleitor.
Jos Ferreira Franca, eleitor e 1 snpplente do
subdelegado em exercicio.
Jos Correia dos Santos Rocha Gico, eleitor e i.
juiz d paz.
Francisco Peixoto dos Santos eleitor.
fiscada
AOS PODERES
P0BIAGOS, GERAES E PBO-
VINCIAES
A The Central Sugar Factorie of Brasil Limi-
ted, no seu contracto c*m o g verno geral, entre
outras clausulas, obrigou se a fazer cmprestimoa
de riiuhoiro aos pircnlares fornecedores de can-
nas, a.liantando-lhes cm byootllecas m snaa sa-
fras tandadas, at -toia tercos do valor de auam ava-
l.acocs. ,
N*eont.aoto3 particular s fez se referen:ia a
clausula com i inelbor garanta para os
esta
agricultores e para a empresa,
visto orno forue
PROTESTO
Oj abaixo assignados, proprietanos e eleitorus,
utos no termo de Biin C mil b n-
di ios ^ indignados ao constar-lhea por cartas Vio
das da capital, aohar-so aes. ntada a d amaso dj
actual subdelegado di l" districto d'oste termo
alf.res Joo Peixoto Soares, e comu tal dem:ssv
jm iia se posea basear om f-tlta ou crime alguu.
attribuido ao nosao amigo pela imprensa d' am tf vial* de Batracio tic Fiado de-
nos oa matizea politicos, durante 9 mez-s d coa- aea|iJ4ih de Ctievrier. oiupoito de tal
stante exercicio de seu cargo, em cuj > perio U> te.n ^ (y u(n ( c)lhur (je Vlnh, t.orr.;pnde eaacti-
nente a urna olber do oleo de ligado de b*0a-
hto. .
As doses do vnho nao devem exceder e de
cendo cannas para as fabricas centraes interrom-
piam elles aa suas reiacoes c.mmerciaes c m a
praca. .
Estamos iustara-nte na epoch* em que sel;
indisp nsavcl a fiel ob.erv-.neia daq-iella promaev
para a fandaci de novas safras e a satisfaco de
iu.porta.tds servicos at entrar-ae na colheita.
Uas .i eoinp.uVa que cm lempo proceoeu as
avaliaces d s safras fundados, e concordo* n s
adiantamenros de dinheiro p;didos pe'OJ seus for-
necedores, ate est. data se tem recusado, pelo
men paiavra e obaervaaea do seu contracto, nij sa
d guando ao raeno. de dar-lht urna esperance re
qaer 1 ,,.
Pedimos pois, aos poderes pblicos geraes e
piovinciaes, a just.oa a qne temos direito, vi-o
como a taludo cumprimento daquella obrigacao
im idrta a nao fondaca regular e em tempo da fu-
tura safra, o que nos trar prejmzos incalculi-
y is e s poder significar despiezo, por parte da
compauhia peas clausulas do aeu contracto e peta*
I eis do paiz. .
S. Exc. o digno adutaaiJtrsdit desta proviaota
prestar um grande eerv eo a lavoura, chamindo
.uOlla empresa ao cumprnn 'nte dos seus deve-
res e ao rcapeito s leis do pas, como eepe-
lquns agricultores logrados.
aristado os mais relevant s servic s ordem pu-
blica, j prendendo e' perseguindo criminosos, e j
vitando, eom a sna reeonhecid* inflneneia, a re-
prodneeo de muitos crimes, por cuj s servicoa ro-
m*<*#*
m
p


Diario de Peruanibuco---Sabbado 10 de Julho de 1C6
]o; ella* vanars segundo a idade e a eonsti-
tuicio do individuo, entre tana [t) e quatro (f) co-
lheres por dia.
E' de |rande Imaorlaocla nao exoeder
esta dose, um medicamento nao preencheu os
aens fina logo depois de ter passado a bocea ;
chegando no estomago deve set digerido para tor-
nar se til: ora as doses excessivas nao ae dige-
rem, ellas acairetam pelo contrario, perturbarles
gaitrieisj/ie natureza diversa, como o professor
Devergie tSo utilmente assignalou. Eis porque
chamamos a attencJo dos doentes sobre um ponto
mnito digno de consideracio : Nao ha exageracao
falsa no rotulo do Violto de Extracto de
rigado de Bacal nao de Cnevrier. nao
pode haver < xageracao imprudente na sua admi-
nistrado
(Revut Medcale).
agua Florida de Mnrray di Lnnmtn
N. 189
Inteiramente differente generalidade d'essas
intituladas aguas de cheiro e extractos de essen-
eiaa pra o toucador, as qua-s nao sao mais que
meras essencias aromatisadas; este rico e delicado
perfume um cesmetico excedente, e ao mesmo
tempo possue a neeessara virtude de servir como
m grande remedio externo.
Diluido n'um pouco d'agua pura, tornu-se urna
excedente e agradavel lavagem para a pelle, re-
saovendo toda aspereza da pelle, maculas, erup-
soes, emping'ns, sardas, etc., tzansmittindo em
sen lugar urna clara compleicao, rosada e liada,
macia formosa. Applicada testa ou fontes, dis-
sipa dores de cabera, previne desmaios e verti-
gens, dando urna nova vitalidade refrigeradora ao
espirito; empregada como uma lavageo paraos
dentes e do rosto (quando diluida em agua) de
uva aromtica f-esquidio scn igual, ase ira como
serve de suavsare mitigar a ardencia da pelle de-
pois que se baja feito a barba.
Como oajustia contra as falsificarles, obsrve-
se bem que os nomes de Lanman & Kemp, ve-
nbam estampados em lettras transparentes no pa-
pel ido iivrinho que serve di envoltorio a cada
8mrrara- .
Acha-se vend em todas as pnncipaes bo-.icas
e tojas de drogas.
Agentes em Pernambuco, Henry Fsrster & C,
ra do Commeruio n. 9.
O suave e rico ambiente exhalado pela Agua
Florida de Barry nao pode nunce esque-
oel o quem o tivergosado urna vez. E' im nensa-
mente mais fina, mais suave e mais agradavel do
que qualquer outro artigo jamis offerecido cum o
nome de agua florida. Fortalece e refresca aos de-
bis e delicados, aclara e robustece as faeuldades
mentaes, habilitando o caneado exhausto a pensar
eom clareza, fallar com verbosidade e escrever
eom energa e preciso. Nenbuma outra das cha-
madas aguas floridas tem taes effetos, nem exerce
influencia alguma benfica obre as faeuldades
sjentaes ou physieaa. A Agua Florida de
Barry a nica da sna especie, que preparada
segundo a formula original usada pela inventor em
1829, e esta a razo porque to differente de
todas as nutras e to superior a ellas todas.
c,
Usinas de cobre, iat$o e bronze ee d
Golitaer fer n. 9 Berlim S. .
EspeeaUdade:
Constru ao de machi-
nas e apparelhos
para frnicas de assucar, finaySes cora todos os aperfecoamentos
modernos.
INSTALLAA DE:
Engenhos de assucar completos
Estabelecimento filial na Havana sob a
mesma firma de C. Heckaiann.
C. e San Ipnacio n. 17.
I Reos representantes
Haupt Gebru'der
EIO PE JANEIRO
Para informales dijamse ai
Pohlman &C
mu flo ComnierBio 110
ED1TAES
Cmara Municipal
O abaixo assignado, morador na ponte de S.
JoSe, reclama a attenfo das autoridades compe-
tentes e do Sr. fiscal, afim de evitar os enormes
premisos de que est sendo victima, occasionados
pelos animaes do Sr. Jos Israel, em sua taverna,
que apesar de se ter entendido com este seuhor a
tal respeito, nenhuma providencia tem toma io, o
que prova prevenco contra si. ,
8. I^urenyo, 7 de Julho de 1886.
Wenceslao Ferreira de Arauj.
Lefons de Franjis
Theorique et Pratique
Louis Monteyrol
N. 53-RUA DO HOSPICIO-N. 53
Conullorio medico-eirurgico
O Dr. EstevSo Cavaleante de Albuquerque con -
tinua a dar consultan medico cirurgieas, na ra
do Boas Jess u. 20, Ia andar, de meio dia As 4
horas da tarde. Parass' demais eonsulta e visi-
tas em sna residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1 andar.
s. t elephonicos : do consultorie 95 e resideneii-.
126.
Especiadades Partos, molestias de cp-acas,
Nd'ujltt e seu un nexos.
N. 6. Em casos de tsica no primeiro e
segundo grao o poder curativo da Emuls&o
de Scott surprehendente.
As suas propriedades sanativas e fortifi-
cantes e as suas virtudes balsmicas e cal-
mantes fazem-se sentir immediatamente ao
principiar a tomar o remedio.
Edtal n. 1
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, faco pu-
blico que tem de realisar-sc o entprestimo autori-
aado pela lei i 186 de 15 de Maio ultimo por
emisso ao par do apolices de 7 0/0 ; e por sao
convida-se aos senhores que queiratn tomar as
mesmas apolices a fnz rem-uo desde j, re atinen-
do as respectivas importancias.
Secretaria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, 5 de Julho de 1 386. Servindo de secre-
tario,
Lindblpho Campello.
O Dr. Tkomsss Oareez PaVankos Monsmm-
gro, commendador da imperial trdem da
Rosa, juiz de direito especial do commer-
cio desta cidade do Recife e seu termo,
capital da provincia de Pernambueo, por
S. M. o Imperador a quem Dem gur-
ele, etc.
Faz saber a todos quanto o presente edtal vi-
rem ou ti'elle noticia tiverem que se acha designado
o dia 10 de Julho do corrente anno, ao meio dia,
na sala das audiencias, para ter lugar a reunas
dos credores da maesa fallida de Joaquina Ferreira
Campos & C, mOjb de aasistirem a prestaste de
contas do administrador da referida masca nos
termos da lei.
E para qu anegue ao conhecimento de todos,
mande! pasear o presente pelo theor do qual coa-i
voco os credoMn da referida massa a comparece-
rem no dia, bera e lugar cima designados para
o fiai declarado.
Dado e passado n'esta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 2 dias do mez de Juiho de 1886.
Eu, Jos Fraoklin de Alencar Lima, eecrevgo,
o subscrevo.
Thomaz Garcez Paran/ios lontemegro.
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Monte-
negro comaendador da imperial Ordwa
da Rosa e juiz de direito eepeciei io
trente para a mesma estrada, inclusive oireito
adquirido por escripcur.i privada de 1 de Junho
da 1876, a meiacao do muro e oito da ct>sa Con-
tigua do lado do poeute ra de Nunes Machado
perteneente a Antonio Jos de Souza e outr'ora
de lanoel da Costa Maogerico, no valor de
A parte de trras no lugar denominado Dous
Bracos na Barra da Areia e Rio das Inhumas da
Lage do Canhoto, comarca da Imperatriz, provin-
cia das Alagas, no va'r de 2434000.
E para constar maadei passar o presento, que
ser publicado pela imprensa e affixado no lugar
do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 5
de Julho de 18o6.
Eu, Olavo Antonio Ferreira, escrivo, o fiz es-
crever e subscrevo.
Adelina Antonio de Luna Frere.
ommercro d'esta cidade do Recre, ca-
Bdital n. 739
De ordem do inspector gral. f fessora Mirandolioa Korges Pestaa, da cadeira
de Serra Verde, que fice Ihe marcado o pr so de
15 dias para responder sobre o abandono de sua
cadeira, visto ter deixado de reassumil-a depois
de fiuda a licnca obtida e l>aver decorrido mais
de seis meses fra do exercicio della.
Secretaria da instruccao publica de Pernam-
buco, 2 de Julho de 1886.O secretario,
Pergentino S de Araujo Galvo.
Ht>-a coiniuerctal de Pernam-
feaeo
RECIFE, 9 DE JULHO VE 18&b.
As tres horas da tarde
'oKu.Oe vifioiacM
Cambio sobre a Babia vista, com 1/2 0 0 de
p-emio, do banco.
Londres, 90 d(v. 20 7/8 d. por
O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, juiz de
direito do civel n'esta cidade do Recife e
seu termo capital da provincia de Per-
nambuco, por Sua Magestadc Imperial
Constitac'oual o Sr. D. Pedro II, a quem
Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem on
d'ehe noticia tiverem que findos os dias de
pr-'ges e pracas da lei. e na audiencia d'ette
juizo do dia 10 de Julho do corrente anno, be ha
de arrematar por venda a quem mais der e maior
lance offere w < s bens constantes da uv do thear seguinte :
Urna bcrlinda em bom estado com lanlcrnas e
competentes arreios avahada em 0040.0.
Um carro fechado, envidracado, eom lnt"r:iis e
competentes srreioa, avaliado em 500000.
E assim serio os ditos bens arremaUdos pur
venda a quem mais der e maior lance i ffereeer ue
dia cima indicado, os quaes forain peuhorados
para pagamento da accao ejecutiva que por este
juizo move Joan Kempe Jnior entra i.) Anua
Lucia de Oliveira. E nao hnvendo lanzador ,ue
cubra o pre^o da avaliacio proceder se-ha na for-
ma da lei.
E para que chegue a noticia a todos mandei
passar o presente edital que ser atExado no li-
gar do custume e paHicado pela imurensa.
Dado e uasaado nestu cidade do Recife, tob 10
de Junho de 1886.
Eu, Felicissimo de Azevcdo Mello, esenvao o
subsenvi.
Joaquim da Cotia Ribeira.
Em cunsequencia de estar o Dr. juiz na presi-
dencia do tribunal do jury, far audiencia civil
as 10 horas e nao a.- 11 como era de cestnrae..
Edital n. 1
O adminisiradur do Consulado Provincial fas
publico a quem interessar possa, que no dia 9 du
corrente terminar iinprorogavelmentc a eobran--
ch hvre de inulta do imposto de Jaciina relativo
ao 2- semestre do x^rcieio de 1885-86.
Consuado Provincial de Pernambuco, 3 de Ju-
bo de 1886.
francisco A myntat de Carvalho Mouro.
< -o
pital da provincia de Pernambuco por
Sua Mageatade o Imperador a tpMea Qtm
Guarde, eie.
Faz saber aos que o presente eStal virgen uu
delle tivenm noticia, que se acha designado o dia
15 do corrente mez, s 11 horas di mauh, na sala
das audiencias, para ter lugar a prestacao de oo-
tas dos adaAiistradores da masea fallida de Ho-
raes & Rocha.
E para que ebegue ao conhecimento de todos
tnandou passar o presente edital, p< o qual e sea
theor convoca os credores da referid;. saaM cuin-
parecerem no rugar, dia e hora designados par* o
fim cima mencionado. O presente ser publicado
pela imprensa e outro de igual tli.-or afiliado no
lugar do costume, de que ae juntai certidao ajs
autos.
Dido e passado nesta cidade do Recife de Per-
naubuco, aos 7 dias do mez de Julhj do anno de
Nosso Senhor de 1886.
Eu, Jos Franklin de Aleac.ir Lima, o subs-
crevi.
Thomaz Oareez Paranhos Montenegro.
O Dr. Adelina Antonio ae Luna Freir,
official da Imperial Ordem da Rosa, cora-
raendador da Real Ordem Militar Por-
tugueza de Nosso Senhor Jess Cliristo.
e juiz do direito privativo de orphaos e
ausentes n'esta comarca do Rscife, por
Sua Magostado Imperial a quem Oeus
guarde, oto.
Faco saber aos que o presente edital virem ou
delle noticia tiverem, que no dia 13 do corrente
mes, depois da audiencia deste juiz, nt respectiva
sala, ir praca para ser arrematada por quem
mais der, urna parte de um sobrado de um andar e
sotan, sito ra do Rangel, sob n. 33, com 2 jauel-
las na frente, com varandas du ferro, 2 salas, 2
quartos, cosinha extorna e quintal pequeo, tendo
o sotao janellas na frente com varanda de ferro,
com 4 metros e 40 centmetros de largura e 16 me
tros e 20 centmetros de compriraento em solo pro-
prio, o qual sendo avaliado por 6:000 dita par-
te de 2:04,'4910, que servir de base para a arre-
maco. E vai praca a requeriinrnto de Mainel
Sezino de A'buquerque Maranhao, por si e como
tutor de seu filho menor Jos Alberto, e Tertulia
no Ernesto Je Moraes Carvalho, co-sciihores do
dito predio.
E para que chegue ao conhecimento de todos
passou-se o pres-'nte, que ser publicad; p la im
prensa a ailado no lugar do cos'un'.
Did'i e passado nesta cidade do Beeifi*, capital
ia pruViucia de Pernambuco, as 6 d-; Julho dv
1886.
Eu, Manoel do Nasc.imento Pontn, i -, riv.i > o
snbscrcvi.
Adelina Antonio de Lrnta Freir.
ODr. Adeiino Antonio de LunaYrrir.-, ofH-
cial da Impertid Ordem da Rosa, com-
O Dr. Adelino Antonio de Luna Freir,
official da Imperial Ordem da Rosa, com-
mendador da Real Ordem Militar Por-
tagueaa de Nosso Senhor Jess Chrsto,
juii de direito de orphoe e ausentes,
n'esta comarca do Recife e sea termo,
por Sua Magestade Imperial e Consti-
Wniional o Senhor D. Pedro II, a quem
Deus guardo ote.
Fajo saber aos que o oresente edital virem, ou
d'elle tiverem conhecimento que no dia >3 do cor-
rente me, depois da audiencia d'este juizo, ua res-
peetiva sala rao praca para serem arrematadas
por qaem mais der, as casas segnintes :
Urna casa terrea, n. 284, sita ra Imperial,
com daas portas de frente e duas de fundo, tendo
de cumprimento 15 metros e 18 centimstros, e de
largura 4 metros e 10 centmetro*, euj caixao,
qainul em aberto, edificada em terreno proprio,
avahada por 1:500000, que servir de base para
o preco da arrematado.
Urna casa terrea n. 288, sita mesma ra Im-
perial, com duas portas na frentee duas no fundo'
em eaixo, medindo de comorimento 25 metros e
88 centmetros, sm rebeco interno e externo, ter-
reno proprio, quint .1 em abrto, esta casa tem
duas aguas, avahada por 2:000000, que seivir
de base para o preco da arreraataeao. E vao
praca requeriineuto do Dr. Vicente Ferrer de
Barros Wanderley e Araujo, inventarente dos
bens deixados pir Firmino Antonio Rodrigues,
para pagamento de dividas a custas do mesmo in-
ventario.
E para que chegue ao conbecim-mto de todog
mandei passar o presente que ser publicado pela
imprensa e atujado no lugar do costume.
Dadoe passado n'esta cidade do Recife, capital
da provincia de Pernambuco, ncs 7 dias do mes de
Julbo de 1886.
Eu, Manoel lo Nasci.nento Puntes, escrivo o
subiere* i.
Adelino Antonio de Luna Freir.
Obras Publicas
De ordem do IUm. Rr. Dr. director, faco publico
que no dia 15 do corrate, ao meio dia, recebe se
nesta secretaria propostas em cartas fechadas e
eompetentemente selladxs, para a execuclo das
obras de reconstrueco da bomba da varzea de
Catende, na estrada da Victoria, creada em. .. .
2:400*000.
O orcamento e mais condteoes do contrato se
acham disposife dos senhores pretendentes.
Secretaria da reparticao das Obras Publicas de
Pernambuco, 6 de Julho de 1886.
O official secretario,
Jo&o Joaquim de Siqueira Varejao
Club Iutcr.iacio.ial de
Regatas
Primeiro anniversario
Tendo este club de solemnisar o seu primeiro
aupo ce existencia com urna regata na bacia de
S. Amero no dia 18 do corrente mez, prev.no a
quem se quizer insciever pma ella, comparecer
na sua sede, todos os dias, da 7 horas s 9 da
noire at 12 do mesmo. Recite, 1- de Julho de
1886.- O- secre ario,
JoaquinAlves da Frns^ca,
1 secretario.
Edital n. 4
Cambio sebre
1#(KJ0, do banco.
Cambio sobre o Porto, vista, 159 0/0 de premio,
do banco.
O presidente,
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Canudo C. G. Alcofora^o.
RSNIMKNTS PBLICOS
M"i ce Julho de 1886
ALFANDEGA
Sbkda easiLi.
De
dem
2a8
o9
MOTUCIAL
De2 a 8
'.dem de 9
68:9S904d
14:906,1523
12:54j272
1:88540
83:897*569
Movis 1 volunte a Sampao Coelho & C.
Mercaderas diversas 8 voluntes a N. J. Lids-
tone, 1 ordem, 3 a Carlos Pluyn Se, C.
Panno de algodao 25 fardos a Rodrigues Lima
& C, 100 a L. A. Siqueira, 50 a Oliuto, 16 a Fer
reir & Irmn.
Xarque 300 fardos or Icm.
Viuho 2 ipas e 10 barris a Augusto Figueiredo
& C.
Carga da Baha
Amostras 3 volomes a William Halliday & C.
Charutos 1 eaixo a Sulzer KaiirTminn & C-, 1 a
Almeida Machado & C.
Chapeos 2 caxoes ordem.
Fumo em folha 64 fardos a Esnaty & Banks.
Fio de algod'i 2Q saceos a Joo F. Leite.
Mercaduras diversas 2 volumes a Cramer Frey
4C.
Panno de algodo 25 fardos a Ferreira & IrmSo,
25 a Machado & Pereira, 5 ordem, 10 a Cramer
Frey & C, 10 a Goncaives Maia & C, 10 a A. d>.
Brito 6t C.
Piano 1 eaixo ordem'
Vioho 25 barris a Maia & Rezende.
Barca norn>'guense Mariat entrada de Cardiff
no dia 9 do corrente e coocirnuc'a a Wil on Sr>n
Si C, manifestou:
Carvao de pedra 634 toneladas orUcui.
mendador da Uel Or.iem .MiKt .r Portu-
gueza do Nosso Senhor Jets Ghrist",
e juiz de Direito privativo de o plios e
ausentes nesta comarca do Rccif'i e sn
. termo, por S. M. Imperial e Constitu-
cional o Sr. D. Pedro II, a quem Dsus
guarde, etc
Faco sao r aos que o presente edtal virem nu
de'le tiverem noticia, que, ua audiencia da 20 de
Julho do cdrVnte son-1, na respectiva sala das
audiencias iro a praca, a quem m lis der, s r-
vind.i de base o abate de 10 por cente da. lei, os
bens seguiute.s :
Tres quartas partes d-j sitio e casa em terreno
proprio, sob n. 8, estrada de JVo de Barms, fre-
euezia da Graca, com 5 quartos, 2 salas, coninba
lora e eacimia de agua pitavel, e o sitio com di-
versos arvor-dos de fructo, com 1,145 palmos de
Tetal
RaCBBBDOKIA I)
U u de 9
2 ag
14:430^674
98:328/ .'43
6:917/617
596/465
CemnLAiMi pboviscui.
dem de 9
O- 2a8
Rehira dbatao! e 2 a 8
dem
7:514/082
71:737/280
10:669*221
82:4064501
4:333/076
675. 334
5:008/410
'SSPACHOS
Et. 8 de
Para
Julho de 1886
o exterior
com 8,047 kilos de assucar branca ;* T. de Azeve>
do Souza 300 barricas com 2J,370 kilos de assu
car branco ; A R. da Costa 20 barricas com 945
kilos de assucar refinado e 1 ca abarri.
Para Maranho, V. de Itaqui do Norte 10 pipas
com 4,800 litros de agurdente.
Para Manos, V. de Itaqui do Norte 25 barris
com 2,300 litros de agurdente; Baitar Irmos i,
C. 40 barris com 3,600 litros de agurdente e 60
volumes com 2,849 kilos de assucar branco ;
Amorim Irmos<& C. 65 barris con 6,240 litros
de agurdente.
No hiate nacional Correio de Natal, carre-
gou :
Para o Natal, M. J. Ramos 1 b rril com 96
litros de agurdente. i
Na barcaca Laura, carregaram :
Para o Na al, E. C Beltro e Irmo 3o barri-
cas com 1,647 kilos de assuj-r branco.
DESPACHOS DE IMPORTACO
Vapor naci( nal Espirito Santo, entrado dos por-
tea do sal no dia 9 do corrente e consignado ao
Viseonde de Itaqui do Norte, manifestou :
Carga do Rio de Janeiro
taf 217 saceos a Doningos Cruz & C, 160
erdem, 113 a Joaquim Duarte Simoes C, 110 a
Fernandes da G ata Dt C.
Chapeos 1 caixio a Affonso Oliveira 4 C, 1 a
Joto Chritiani os C, 1 a AdolpUo Ferro, 1 F.
R. da Kilva.
Cognac 20 caixas Paiva Valente & C.
Covxi 2 Totumes a Msndes & Oliveira.
tfigarr e 5 caixas a Fernandes & Irmao.
Faino 39 volumes ordem, 7 a M. J. A. da
Feyic 70 saceos a Baltar leerte & C.
No ligar portuguez Temerario, currega-
ram :
Pura Lisboa, Amorim Irma is & C. 696 saceos
com 52,200 kilos de a..uci' masoavado esM
ditos com 22,800 ditos de dito branco.
No patacho ptrtBjgucz Dout Irmaos, earre-
garam :
Para Lisboa,JjS, Auuiin 10 barris com 960
litros de aguarirnte.
Para lBlerir
No patacho dinamarqus Mercurio, carre-
gou :
Para o Rio Grande diSul, T. de Azevedo Soe
za 350 barricas com 22,780 kilos de assucar bran-
co e 50 ditas com 6,200 ditos de dito masca vado.
No vapor francez Ville de Bahiu, carrega
ram :
Para Santos, H. Burle & C 250 sacces com
T),tKi0,kiloii de assucar branco e 500 ditos cesa
30.000 ditos d dito mascavado.
No vapor nacional Sergipe, carregou :
Para Baha, J. F. dos Santos 4 caixas com 240
kilos de doce.
No vapor nacional Espirito Santa, carrega-
ram :
Para o Para, 8. G. Brito 509 bairicas cosa
10,600 kilos de assucar branco ; F. A. de Azeve-
do 400 barricas com 23,250 kilos de assucar bran-1
ce ; JA. da Costa Med iros 50 barricas com
2,122 kilos d" assucar branco ; M. A Senni & O
rricas com 945 kilos de aesuenr refinado ;
J. C. de Albuquerque 200 barricas com 13,310
kilos de assucar branco ; V. T. Coimbra 5C0 bar-
ricas com 39,485 kilos de assucar branco ; V. de
Itaqui do Norte 10 pipas com 4.800 litroe de
agurdente ; P. Carneiro C. 5 pipas com 2,400
litros de alcool e 750 barricas com 54,215 kilos de
assucar branco ; M. J. Al ves 60 barris com 4,800
litros de aguaraente e 30 barricas com 2,436 kilos
de assucar branco ; Amorim Irmos & C. 50 bar-
ris on 4,800 litros de agaardente e 130 barricas '
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 9
Rio de Janeiro por escala9 dias, vapor
nacional Espirito-Santo, de 1,999 com-
mandante Joao Mara Pessoa, equipa
gem liO, cga v.irios gneros ; ao Vis-
conde de Itaqui Jo Norte.
Cardiff47 dias, barca uorueguense Mar-
ryat, de 423 toneladas, capitSo G. Busck,
equipagem 11, carga carvao de pedra;
a Wilson Sons A C.
Hamburgo61 dias, brigue allemao Or-
pheus, de 260 toneladas, capitSo John
Warns, equipagem 9, carga varios ge-
I eros ; a Gru maraes & Per man.
Navios sahidos no mesmo dia
LiverpoolVapor iuglez Mariner, cotB-
mandanto J. Nevill, ros.
Manos por escala -Vapor naeionaf Espi-
rito Santo, commandante Pessoa, carga
varios gneros.
Macei Lugar norueguenso Saron, c*pi-
to J. Johnson,, em lastro.
Baha por escala Vapor nacional Sergipe.
commandante Pedro Vigna, carga va-
ros gneros.
Santos -patacho allemao Ades, capitSo
G. P- C'horaak'r, carga varios gneros.
(2 Prafa)
De ordem do IUm. Sr. inspector M '-ai publico
que as 11 horas do dia 13 do c irr.i ite mez, seio
vendidos era praca n trapieheCaoceigtoi livres de
direito, sujeitos, pjriit, ao imposto de 5 't para o
fundo de einane-i^aco, as mercaderas abaixo dc-
ulara'as :
Armatem n. I
Marca D B -Uma caixa n. 559, viuda do Barre
novaptr traice/. Ville de Santos, enrrado em.23
de Setembro de 1885, c usignadoai Dv. Unto.
conteudo amostras.
Armasen] u. 2
Marca diamante R B Jfe C no centroUm eeiw
n. 1, dem de Liverpool no vapor ingles /anceller,
idem em 19 de flarcei de 1p84, consignado a or-
dem, contend 188 kil.is 1 quidos'legaes, demarre
tas de ferro.
Marca idemUrna lita n 2, dem dem idem,
coiiten.lo cab.18 d" ma leras para machadoA
Marca ilemUrna dita u. 3. ideal dem id. m,
conteudo ferro barid i'in obras nao efassftcad^s,
simples, pesando liquido legal, 8(10 tolo.
Marca dauv.nr.e M V no centro V embaix Um cesto o. 17 '/17 t, i :em, idem, no vapor ingles
Sculptor dem in 27 de Janeiro do 188 >, na > cun-
sta do maufest.', conteudo aruoit":.s de louc s de
p de pedra ns. 1 e .
Marca D F S C'iiibni.i diamante Lt n centro
Uma caixa, n. 793 \, i leu i :ti. m v*p r in
glez Author. dem em 21 de Maiv dem, id m a
Dueswgoa F. da Silva cfcC, cometido cataljgos em
fo has de flaiidrea.
Armazem n.. 7
Marca AUrna cnixa, ten numero, dem, dern
no vapor ingles Ckrysotite dem em 27 de O.utu-
bro ide n, dem a Fmne seo Xivi-r Ferreira & C ,
contendo cabos, p> nteras de chtfre, ferro e mal
aecssorios para ooepos de sol, ludo velha.
Marca TDeso ti caixaa. :i-. 1/18,^ id m de
L udres no navio fraucez Etnilie idem em 10 de
Abril 1883, idem otdew, coniendo2l6 kilos, peso
liquido legal, de para fina de maesa.
Marca S P JUrna dita n. 1, idem do Havre
no vapor (ranees Ville de Para, dem em 10 de
Setembr idem, dem a S, c". Jobonst<>u & C, con-
teudo 17 i kilos peso I-quilo legal Ue f--ch.duras
d ferro de duas voltas.
Marca J C L ,J C e H einbixo Um barril, n.
2510 dem idem u. vapor fraucez Ville de Bahia,
idem em 11 de Abril de 1882, dem a J. C Levy
& C, contendo 15 kilos de azul ultramar.
Marca M V & O u S/emb.iioUrna caixa, u. 5,
idem de llambugj,n > navio allemao Magatt. idem
em 15 de Setembro, idem, idem a Feliciano Silva \-
C, contendo 22 kilo, peso liquido legl. Je cap=u
las de estanhopara garrafas.
Marca A P MUna dita eem numero, idem de
Southampton no vapor nglez Tagus idem em 27
idem idem,nio constado mauf.'sto coniendo amos-
tra) de farello.
Trapiche Conceico
Setentae tres barricas e- dez meias ditas vhssp,
que contiveram bacalho dado a c nsumo, descar-
regadas do lu^ar iugies Susana.
3. seceo da Alfandega de Pernambuco, 9 de
Julho de 1866.
O chere
Cicero B. de Mello
Obras Publicas
-De ordem do Illm. Sr. Dr. eng- nlieio chefe da
vparticio das obras publicas, faco publico que,
em virturie da bu'torisacao do lxm. Sr. vice-pre-
sidente d.. provincia, recebe se ra secretaria des-
ta ropa i tico, no dia 15 da eorreute, :io meio dia,
propostas em cartas echa Us pira a ex. :u<;ao dos
reparo* urgentes da cadea da cidade de Curuar,
ore-dos em 2:1$8.
O orcamento e mais conai^oes, do contrato se
acham dispostejio dos senhores pretendentes
para serem examinados.
Secretaria da raa*rtic.So das Obras Publica! 3
de Julho de 1886.O secretario.
Joo Joaquim (e Siqueira Vm^j\j
Lotera i) 4000 cantos em favor
dos ingenuos da colonia Isa-
bel
De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da pro-
vincia fica adiada para 15 de D.-aembro do cor-
rente anno a extraeco desta lot-iii.
Thesourana dns lot-rias para o fun io de fman-
cipacSo e ingenuo)', 6 de julbo de 1886.
O thesoureiro.
Francisco G nc.aloes Torres.
Estrada de ferro do Re-
cife f aruan
CJD. ordem io Illm. Sr. director, engenheiru
ehefe, faco publici que. a contar di dia 1) do cr-
rente e-n diante o tiein de volts P 4 partir da
estacan de S J-uio d-"s Poutbos Ai 3 horas da tar-
de, e da VcMria :U 5.
Secretaria do pralongamento da estrad d- fer-
ro do ft.cife ao S. Francia :o o estrada de ferro do
Recife Carnar, im 7 .!e Julho de 1886.
O secretario,
Manoel Juveneio de Sabsya.
iasUni((crario Oliade
Convido a tolos as socios se
sessao de ussembla geral, domingo, 11 do corrente,
s 10 horas da inanlti, na respectiva i de, para
leifc da nova diiee-tori* A sessiio funecionar
com o nom< n que c."i parecer, de aceordo cornos
n'>ss'is estatutos. Olinda, 6 de Julho de 1^86.
I. secreta lie, Jus6 Pinto Souto Maior.
se
rtuuirem, em
Clab de regatas per-
nambucano
Stentifieo aos soc-jS liedle club, qnf a sede do
mesmo ach.".-se u-udada para a rua da Aurora
numero 11.
Secretaria do Club de Regatas Pernambucano,
8 ue Julho de 1886.- O 2 secretario,
lioel Iphu Moreira.
Secretaria da eonfraris de S. Benedicto
erecta no convento de S. Francisco do Recife, 7
de Julho de 1886. De erdem do nesso iruiiio pre-
sidente, sSo convidados os irmos ex-presidentes
e ex-secretarios comparecerem no capitulo desta
confraria, no dia 11 do corrente, s 6 horas d
tarde, afim d* reun los, tratar de aceordo com o
ar', 41 do nosso c mprnmisso.
Thomaz Nicos do Espirito Santo,
Sreretario.
Thesonraria de Fazenda
Pagamento de jur- s
De ordem do Illm. Sr. inspector s^ faz publico
que no dia l'J do corrente mez ciimefah^o paga-
mento dos juros das apolices inscriptas nesta re-
particao, relativos ao 2 semestre do xercicio de
1885-.6.
Tbesouraria de Fazenda de Pernambuco, 9 de
Julho de 1886.O secretario.
Luiz Pinheirada Cmara
VAPOKE8 EPERADOa
Trent da Eurnpa boje
Para do norte a 13
Elbe do sul a 14
Jokai da Europa a 14
Delambrc de Liverpool s 14
Advance do sul a 15
Cear do sui a 17
A rgentina de Hamburgo a 20
Ipojucm do norte a 20
Manos do norte a 23
Fnance de New-Port News a 3
La Plata da Europa a 24
Equatcur do sul s 25
Bata do sal a 26
f as sal a 22
Cha preto
As qualidades mc-
liorcs c mais escoIlu-
das neste genero, con-
tina a vendar Carlos
Sinden, n. 48 rua do
Baro da Victoria.
Recebeu de impor-
taco directa e vende
mais barato do que em
outra qualquer parte.
Tambem vendemos
em caixas pequeas,
propriaspara botis e
casas de familia.
Companbia dos trilhos urbanos do
Recife a Olinda e Beberibe
Dividen io
Paga-se no eseri, tr-rio da companhia o 23* di-
videndo, corresp"Hdente ao semestre de Janeiro
Jnnho, a razo de 8 0(0 desde boje at o da 17,
nos dias utes, das 9 horas da manh^ao meio dia,
e desta dia em diante todas as tercas e sabbados,
is mesmas horas. Pagam se igualmente os juros
das i.ccoes preferenciaes e das accoes obrigato-
rias, sepilo entes vista.
r orio da companhia, 7 de Julho de 1886.
O gerente,
A. Pereira Simos.
S. R. J.
Soire em 14 de Agosto prximo futuro,
solemnisando o 22* anniversario
da installaco da sociedade .
Ao Sr. presidente podem desde j os senhores
socios entregarem as notas de seu's convite, qua
ulteriormente terao de ser entregues aos envi-
dados pela presidencia cu pelas commisses por
ella nomead s.
Recife, 21 de Junho de 1886
Luiz Ouedes de Amorim,
2- secretario.
C. C. .E.
|Club de regatas per-
nambueano
Tendo-*e transferido a sede deste club para o
palacete da rua do Viseonde do Rio Branco n.
111, canto da rua do Lima, fica marcado o dia
quarta feira, de 6 s 9 horas da noite,para as pes-
soss que tiverem negocio, a tratar com o sen the-
soureiro, porque fra deste dia e lugar, elle nao
tratar ds nenhum negocie relativo ae referid*
shb.
Club Commerclal Bsterpe
Sarao em 31 do corrente
Nesta no te teri lugar o sarao deste m"z. Os
senhores socios pederao dar suas notas de convi-
tes na secretaria deste club, das 7 s 10 h.ras
da noite.
Secretaria da Club Commercial Euterpe, 7 de
Juiho de 1886.O 1- secretario,
Francisco Lima
Companhia
JO Jti JCZ> JT\ X JC3 Jl
NSo se tendo reunido accionistas desta eomB-
nhia em numero sufficieute para constituir a as-
sembla geral ordinaria no dia f do corrate
mez, sao de novo convidados os senhores accio-
nistas para resnirem-se no dia 16 deste mes, ao
meio dia, afim de que tenha lugar a mencionada
assabla goral, a qual ter lagar esm qualquer
que seja o numero des accionistas presentes, na
forma da lei. A reuniao no lugar do costume,
no escriptorio desta companhia, raa do Impe-
ra dsr n. 71.
Recife, 7 de Julho de 1886.
Ceciliano Mamede Alves Ferreira,
Director gerente.
Jet* Eustaquio Ferreira Jacobina,
Director secretario]
Prolongamento da estrada
ferro de Pernambuco e estra-
da de ferro do Recife Ca
ruar.
De ordem do Illm. Sr. director, faco publico que
at o dia 15 do corrente, ao meio da, no escripts-
rio centtal, rua de Antonio Carneiro n. 137 re-
cebem-se propostas em carta fechada para o toi-
necimento dos seguintes objectos necessarios as
almoxaritado desta reparticao :
50 kilos de rame de cob-e.
25 ditos de dito galvanisado.
25 ditos de dito de chumbo.
25 ditos de ac em bexiga.
25 i.lavaneas.
25 litros de alcool.
25 boneU.
10 bnchas.
25 kilos de borracha era lencol.
10 bt.ndeiras imperiaes.
1 bomba americana.
10 bacas de PStanbi .
30 borrachas do Fabcr.
10 kilos de breu.
50 iiovcllos de barbante.
Vi en ni Ve tes.
24 cadeira americanas.
50 copos de vidro.
10 k'los de colla da l;,ha.
5 toneladas de carvao de forj.
1'O cadeados.
15 kilos de er.
400 kilos de ctuosde chumbo.
250 ditos de ditos de ferro.
5 carrinhos de mao.
10 caixas com colchetes.
6 capachos.
12 carretas.
4 cestas para papis.
600 kilos de cobre em lenc-ol.
200 ditos de canos de barro de 0,30 e 0,40 de di-
metro.
20 kilos de cblorbydrato d'smoniaco
5,000 i'nveiopp<'squadra.1os grandes, impres
1,000 ditos pequeos, lisos.
5,000 ditos telegraphicos, marcados.
3,000 ditos comprdos, marcados.
12 escarradeiras de louca branca.
10 espanadores.
15 kilos de estanho em vergas.
25 enxadas de eco de 2 1/2, 3 e 3 1/2 libras.
'ib metr s de estupim.
1,U00 fi.lhi.s de mao de ol a.
2,000 ditas de mappas de bilhetes.
2,000 ditas parare^eitadu trafego.
2.000 ditas para remessa de dhiheiro.
2,000 lii'as para cheles de trem.
1 kil s de ferro ingles tortido.
50C ditos do dito sueco.
I folie,
25 fouces nac naes.
5 kilos de giunina arbica em carolo.
12 f nscos com ditas liquidas.
15 kilos de goii'.ma lacea.
50metros d gachetas de linh.
1,(KM3 k'los de graixa do Rio Or .nde.
5 jarras com torneira.
lOjarroes.
6 jarros de louca.
50 caixas com keroseue.
6 duzias de lapis de borracha.
5 ditas de ditos de duas coros.* ,
12 .i tas de ditos de Faber ns. 2 e 3.
5 ditas de ditos graphicos.
ditas de lacre encarnada (paos).
12 limpadores de pennas.
f 00 folhas de lixa esmeril.
100 ditas de dita de papel.
12 levas.
5 kilos de la para pavios.
120 limas murcas e outras.
3 lavatorios e seus pertences.
5 kdos de latao em lencol.
5 livros registro em mercaduras.
15 ditos dito de bilhetes.
10 ditos de mao d'olra.
Vi cytindros mata-b.rr5o.
6 mesas para escriptorio 6X3.
50 kilos de mialhar.
5 paos de nnkiin.
25 niveis de bolha d'ar.
25 frasco? com oleo para apparelhs.
750 litros de oleo de linhaca.
500 litros de oleo de macuto. '
800 litros de oleo de banha.
5 machados.
2 re-un!s de p.pel de linho branco.
16 ditas de dito a.masso pautado fiume.
12 ditas de dte official para ministro.
12 ditas de dito almassj bom para impressao.
5 ditas de dito inferior.
12 picarecas.
12 pnceis para copiadores.
100 kilos de pregos francezes.
15 pegadores, de papel,
25 caixas com penas Hallat e Perry.
10,000 meias folhas de papel official.
2 prensas para copiadores. ^
2) pavios.
12 libras de plvora.
50 resmas de papel almasso inferior
15 folhas de dito secante.
50 ditas de dito mata-borro.
600 ditas de dito para embrnlho.
15 ditas de dito oleado.
100 litros de pixe.
50 quartinha.
50 regoas de borrachas.
12 ditas de madeira.
3 relogios.
15 libras de roxo trra.
6 raspadeiras.
5 caixas de sabonete.*.
12 subsalentes mata-borrio.
25 kilos de sabio.
7 ditos de rolla franceza.
5 si netas.
25 frascos cem tinta carain.
12 tradus.
3 thesouras. ,
24 toalhas.
5 trenas fiometalico.
25 garrafas com tinta preta.
15 ditas com dita de copiar.
12 tinteiros.
12 taloes de passe de 1*, 2a e 3* claase.
5 ditos para assiguaturas, em cartes.
50 vassouras de piassava.
300 pilhs Lechanch.
150 metros de oleados para cortinas.
2 meios de cerdavo para presilh s.
1 grosa de botes para cortinas.
1 meio de sola ingleza.
6 livros de entradas e sabidas.
100 ps fundidos para bancos (de ferro).
30 lampees para carros.
10 meios de sola nacional para mangneiras.
20 litros de aseite de peixe.
10 kilos de rebites de cobre com armellas.
Os cbjectos serao de 1 qualidade e entregan
convenientemente acondicionados no almoxari-
fado na estacao das Ciaco Pon tas eu as offieiaat
da estrada de ferro do Recite a Carnar, conforme
as exigencias de servico. **d*4B
Os Srs. proponentes de veris acompanhar sass
propostas das respectivas amostras, condicas es-
sencial para serem aceitas.
N^ste escriptorio serio prestadas as informasess
ceceBHarias. As propostas serio abertas e lijas
no lugar, dia e hora cima indicados, na presenss
dos Srs. proponentes, que deverao sellal-as e as-
signal-as, indicando s-as residencias.
O fornecimento poder se' ajustada com na as
proponente, ou parcialmente, conforme as van**-
gens que efferecer.
Secretaria do Prolongamento da Estrada as
Ferro do Recife a S. Francisco e Estrada de Vesrs
do Recife Carnar, 2 de Julbo de 1886.
O secretario,
Manoel Juveno ie Saboga.
do
Prolongamsnto do estrada
ferro de Pernambuco e os
grada de ferro do Recife a
Carnar.
De ordem do Illm. Sr. director, faco publico qss
at o dia 8 do corrente, ao meio dia, recebem-is
propostas em carta fechada, para o fornecimenls
da 600 toneladas do carvio Cardiff; no ecripss-
rio central rua de Antonio Carneiro n. 13T,
Secretaria do Prolongamento da estrada
ferro do Recife ao S. Franvioco e estrada de
do Reeife a Cariar, 1 de Julho de 1886.
O secretario,
Manoel Juveneio. de Saboja^
aVaSasst


I

I
t
I

r
l
t
Diario de Pornaiubueo---Sa libado 10 de Julho de 1886
EATRO
iTJ lili
GRANDE COMPAlIi IMPERIAL
Director Chas. Cemeltt-empresa Boargar
3
FNCgOES
4 l II T B R 1 O LIGAR
SABBAO IB t DOMINGO II00 MENTE
Pela grande eompanhia do Imperador
DO
Que rabalhou nos prlncipaes
theatros europeus
e ltimamente no theatro
EDN DE P.4BIZ
Compssbla Bra. gseSo a Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Para
Commandante o Io tenente Carlos An-
tonio Goma
E' esperado dos portos do
norte at o dia 12 de Julho
e depois da demera in.
dispensavel, seguir para
os portos do sal. Recebe
tamVm carga pura dantos,
Pelotas e Kio Grande d > Sul, fre'te mdico.
Para carga, pasagens, e.ncommcndas e valores,
tratu-se na agencia
N. 11 RA DO COAIMERCIO N. 11,
COIPANY
O- paquete Trent
assistencia do Exm. Sr. Dr. juir de orphios far
leilao do sobrado cima declarado, o qual rende
animalmente 2:500*000, sendo que para ^ualquer
infurinaeao o mesmo agente as dar.
Terca-feira, 15 do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra do Imperador n. 22
Esla agglomerfo de ta lentes japonezcs coniposla de ubi numeroso pessoal de
os qnaes apresenlai nina torrente de milagres, como
Equilibristas, jonglcurs, contorsionistas, gimnsticos, acrbatas e
mgicos, etc., etc.
O vestuario o que lia ESTREA DA COMPANHIA
Sabbado, 10 do irrenle, s 8 \\i horas da noite
Os biiftes desde j icik! eme-sade CHAHLES PLUYN & C, 24, [ ra do 'comercio, Rocife e a partir de
Ihc
ra da t. nie im recriptorio do Th--!itr", no dia v'o espeetaeulo.
' amar* tes de 1.a e 2.
dem de 3." dita .
1 m de 4.a dita .
uniera
phegos maioxcas
. 126000 i Uedeiras da 1.a classe .
. 6i50<<0 | dem de 2.a dita. .
. 4,5000 Galeras .
Platea loOOO i- Paraizo 500 ris
oOO
2,?000
2$000
Dlima exhibido
DE
D. Mximo Rodrguez
Ero Olindd
Antonio Francisco Cordeiro di* Carvalhi.
Ant.mi i (J. usrs da Silv.-ira e Meiln.
A(it<>.'ii>> JiiMunim Pires CuTVMiho Albuquerque.
Atitotii i Joaquim bario 80 liriiga.
Antonio Ji>Mc;tiim.
Antonio u' Halles de Suuae Panto*.
Anti ni'i Thvmm de Carvalhn e Silva.
Anronio Wenti sln de Otneua.
& Rl 9 | h S lenedicto .Martina He Carvnlbo.
A'< "i H( il w r>A T\nnr Carine Carneiro ll.-nt.-iro de Selles.
A S> .) riOKAS DA 1AKDL Listadlo Portado .1- U-iidmc..
EspeetactUO gratis ao ar /iere Duonagoa dos can
A pedido ue diversos eavaJhcirns, D. ^u,iiio L,h,b,!
r i i .* e rcrtiiHato l'inf.i di- Araniii.
llaxi.no resolir.-u-se .dar mai.s esta fui,.-.va.>, Fj..miii0 T,,,;ornio d rji,,, Santiago (3).
na qual far os lltfj surprendenl-s dos Frailesca C.hjVih de Jess.
seus aqu nuni-a vistos trab.-.lhos. Francisco Duarte Pasaos.
Ia p-rte : A are* rjet Ni. Franeisc-. Felipp- de Anreu.
D-,, \ c i- Francisco J"!- Das L-uro.
. Mximo .lepla .le for-.ni.r diversos Franjee Jos di Silva Freirs,
grupos, seoipiv ^ eli-s sr:rvitido do liase e Guilhermc Pinto Mem-llrs.
pedesr.il, > tio^e rtiste, entra li->ioeo |Howw -m deOlivoira e Silva,
e meninos, termiaax con a sccm-i. Arca Inr.oc.iKi.. Rreardod. Sl:%a
, vr i Jcin''a Mana da Concetcau.
deftNo- ^ JMitl de Fr,itas.
2* parto:- O torno ambulante. Jachaba de Bartolo.
D Mximo, vontadfl do r.-sp-tav- Ales Souzh Rmga.
publico, dobrar nos duales e no braco va-; "- Angelo u SilT.ir.
v 1 o f 1 11 1 ___i' i I > Antonia Barbosa.
rijas de ferro de 3(4 de pcllegada _e 1 pol ,,>> An( imo Um^
legada de dimetro n ]) lo menos ;> palmos j,)tlf> h,a|da da Silveira Licords.
de cor
dos pe
Ago
bor est.
Alt.i ncvid.'.de
Cousa nuo a vista en p re algiiina da
aiuodo desdes os lempos loythologlcOS !
3a parte: a suluc/io 1I0 problema.
Allegoria, na qual D. Mximo suppor-
tar Sobre a barriga urna montanha de
gente pesando at 3,000 kilos (tres mil
No mesmoescripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pro-
priedade da m e s m a
companhia.
snco do Brasil
Paga-se o 65* dividendo na razio de 9J00O poi
accao, ra do Commercio n. 6, 1 andar, es
ciiptorio de Pereira Carneiro & C.
E' esperado da Europa no dia
10 do corrente, seguinds
depois da demora necessa
ria para
Macei, Baha, Rio de Janeiro, Santos,
Montevideo e Buenos-Ayres
O paquete Elbe
esperado
do snl'no dia 14 de
curren te seguin io
depois da demera
necessaria para
M. Vicente, Lisboa, Vlgo e Son
thamplon
Para passagens, freles, etc., tracta-se comes.
CONSIGNATARIOS
Adamson Howie & C.
CrtWP* VIII* PKR.IIHHi i *.\
DI
Wavegaeo Costeira por Vapc--
PORTC^S UO SUL
Macei, Tenedo e Aracaj
0 vapor Mandahu
Segu no da l d
Julho, s 5 boras da
tn rde.
tecebe carga t o
dia 9.
Encommendas, passarr.. .rs d uheirn a rete at
as 3 horas da tarde do lia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhin Pervamhucana
n. 12
AVISOS DIVERSOS
Precisa-se de duas amas, urna que cosiube
e outra que engomme, e de ura criado menor de
16 annos : na ra do Imperador n. 45, pineiro
andar.
Aluga-se o sitio do Pina, com boa casa para
morada contendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiros,
seis grandes viveiros, duas cacimbas com exceden-
te agua : a tratar no cues de Apodo n. 45.
Precisa-se de urna cosinheira para casa de
familia ; a tratar na ra dj Bario da Victortn
numero 89.
Urna familia honesta aluga ostra de igua-
conducta a metade da casa da ra de Bartholemeu
n. 61. e precisa-se de um menino para vendci
na ru:.
ALUGvSE a casa terrea n. 20 da ra do
C'apitao Antonio de Lima, com 2 salas, 3 quiirtos,
cosiaha e quintal com cacimba : a tratar na ra
do Mrquez de Ulinda n. 3.
Compra-se Sos de linho para o hospital Pe-
dio II : na ra Formoaa n. 4.
Aiuga-se urna casa e bo na estrada de
Joao de Barros n. 6, junto a estacSo do 9pinhei-
ro, tendo agua e gaz encanados, e beio assim se
aluga urna boa sala e um quarto tambem com
agua e gaz ; a tratar na ra nova de Santa Rita
n. 57, sobrado.
Aluga-se casas a 8fi000 uo becco dos Coe-
Ihos, junto de -S. Goucallo : a tratar na ra da
Imperatrizin. 56.
Precisa-se de urna senbora para fazer com-
panhia a duas senhoras viuvas, em casa de pouco
servici-i, dando-se casa, comida e vestir, etc., se
prefere solceira ou viuva : a tratar na Estancia
uum.ro 6.
Precisa-se
de ama ama para cosinha a tratar aa roa da *a-
ao da Victoria n. 35.
Aviso
ao publico
Declaro que ninguem fac. transaccie coa 4
lettiaa aceitas por Emilio Sepecho, da qaantia ae
25JO0O cada urna pela venda do hotel sito a ras.
das Trincheiras n. 1 visto estar embargado )-
gamento na mo do comprador.
Cofre
Vendc-se um na ra do Amorim n. 66 do
Milaeres.
Caixeiro
Precisa-se de um menino com aiguma ptatiea
de taverna : a tratar aa roa de Hortas a. M.
Caixeiro
Piecisa-srt de um caixeiro do 12 a 14 aneas de
idade, eom pratica da averna, que d fiadar de
saa oandncra : na ru das Trincheiras n. 23
Ama
Precisa-se
duas pessoas
da urna ama para oosiahar |aca
: a tratar na ra do Sol n. 17.
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba cosinhar : ao
armazem do Paulino, raa do Imperador a. 28.
Alun* seo 1* andar do sobrado n 43 ra
da Aurora : a tratar com o Sr. Negreiros rus
dn IrrpTfldor n. 21.
= Josi
n. 6, precisad!
nheira.
Off
use & (', roa Primeiro de Marca
Jd nm u n -)inheiro oacosi-
,!- nm -enhora honesta e de bons
costumes. par* cwikmi' prime i-13 lettras a meui-
n 1 ger casa de h > > Iteiro : qufm pre-
i-ia.r .-.'a luiim?". 1 com as iuiciaes
J. M. K
la uc un!..11 u p' iv wmnwa pauuwo j0bS i'auli.i 1 da Mlveira U'icoril
DroprirneiHi., qoe Uta forcn aprsenla- [ Jos Tvares Carneiro.
por quom quer que seja. J"^ ,V|,'"IH ,, ,
t [T i- 1, 'Joao de Assis Pereira ICoeh .
;oi-ti c qu-' e a omisa. HuC uptts niela- ,. r
si i .loa-j feavalcante li.in-nha Laiiis
1ABITIM0S
Jijo (jines.
.1 ubi IgnaCHi de Aibuquerque.
Jiix^iiim Aut mi j de Abreu Baatoc
I.M'jio M-nteiro.
Luis de Frmc Lyu (2).
Lxuteotino Gviivalvo nenna.
Maria Carlota de Vascone- los Abreu Bego.
Mar:u Litis.
Maria Militana de Castre.
Mana Salustiaiia dn S' uza.
Martinhi Joaquiui Perreira.
kilos, duranto o lempo neccs3ro para
ser exec-ut;ido o lijriuno nacional p la Dan- \ Miguel Roasio.
d musical, que seotar-sj-ln no sop da I Jnnoel Alva* Bastrta.
____,, 1 Mtnoel Fi rieira dos Anios.
montaul.a. ,. ,. J
aiii Mainel Ignacio Mal.
4 parte: A pilZada da loeemOtWd. Jlanoel J mquim M-mzes Am.onn Fiho.
Trabilho surprendeut'-, estupendo, in- Manoel Junuuiso do Kaaeiaaanto.
crivel Lita entro D. Mximo e u..... lo Maaal Le mho de Amorin Lima.
comotiva da companhia dos trilhos urbanos, > Praatijea de Sani'Anua
, 1 1 Pon-lant de Ijiiiz Amador de Malla.
di peso re U toneladas eom a pressiV, y0,U,,ui, Eine?to P.aza Lima,
de 3 atmospieras. D. Mximo, vencedor j p.dro da Purifiea^ao PaesePaiva.
da terriit I junta de bois, eom qual lntou : R'^al'a Traub.
no domingo ultimo, ^arant" que a liono-
tiva ser igualmente vencida.
D. Mximo aposta 1:000$ contra 100($,
e sojeita-s" .1 ser a locomotiva goawraada
por qualquer rnachistfl, que aeja fiscali
sada peb sea j.aiiinlio de desafio.
Este trabalbo extraardiaario que ainda
nao foi exeeutado por Be reales algum,
ItaSaele Argir.
Bataetino Alfredo de Souza.
O 1 official
Deodato Pinto dos Sanio*.
COMPANHIA PEBNAMIl'CANA
DE
\avegaeSo eostelra por vapor
Fernando de Xoronlia
O vapor Giqui
Commandante'' Lobo
Segu no dia 10 de
Julho, pelas 12 ho-
ras da manh.
Recebe carga at o
dia 9, e passagens at
s 11 horas da maih
do dia 10.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Persanoo-
cana n. i*
inued Sities i Brasifl.il s7s7c.
O vapor Advance
E' esperado dos portos do
sul at o dia 15 de Julho
depois da demora necessaria
seguir para
dos tacs
que,
s vendj se ci
Companhia de EdiGcacAes r
O eseriptorio desta
companhiaacha-?e in-
stallado na pra Concordia n. 9, conser-
vndole aberto das 7
horas da manh s 5 da
d larde, ern todos osdias
atis.
Incuiibe-sedecons-
naranho, ff*ar, Barbados, S.
Thomaz c New-York
Para carga, passagens e encommendas e dinhei-
ro a frete tracta-se com os
AGENTES
D. Mximo, pela primeira vez na sua
vida o vnj tuzer, Terrivel momento entre.
g bragos da intelligencia -ia jnateria.
C^uem vencer? O publico dir!
A's 4[2 estar a loufeca no pavilio.
Haver trem extraordinario se circiuwa-
taavia o exigir.
Obras Publicas
L)d ordem do Illin. fr, en^enhriro director
repartida das obra publieas. foo publico quo
em vista da mi; do Exm. 8r. v>ce-preai
dente da provui i iecebe-8e uo dia 15 do cr-
reme, ao nuio l em curras fechadas
aara a ex-eiieao ...s repaios urgonte.i da aadeia
da vilia de Ignaraaa, oreados em l:610i.
Oorcaineuto ornis condicSi do '^tr.,1 se ^ AnAn tttril O- i
atbamdisp. 3'viidos eubores pret-ndeabs, pa-- H 111^^1/CO C ICtUUSUUt
ra seren ex.-.rnjiailos. ,
Secretaria d^Reparticio das Obras Pnblicas, S
de Julho de 1886.0 secretario.
/oo Joaquim de Siqueira Vartjt.
ADMINISTUAC.V) Dos CORREIOS DE PER
KAMBCO, G DE JULHO DE 1886
M*la$3o da correspondencia registrada ($ma
valor) ste nesti igUo, f*r
nao terem .airados seus destina-
tarios.
Anua Viii"-. i doa S ntos.
Afiostinho Ferreira lnoos.
Affoaso Lust '8*.
As Un
Antonio Abaten
Antonio Uaptista de Mora'
Aotoaio Evangelista
Aatenie Tavares de Carvalho e
0 paquete Finance
Espera-se de New-Port
News, at o da 23 de Julho
qual seguir depois da de-
mora necessaria para a
Babia e Kio de Janeiro
['ira carga, passagens, encommendas e dinheir >
a frete, tracta-se com oa
AGENTES
Henry Forsfer i C.
N. 8 RUADO CUAAiatClO. N 8.
1' andar
Vapor austraco Jokai
Espera-se doj
portes da Europa
at o dia 14 de
Julho e seguir
Idepois de p >uca
demora para a
Baha, Kio de Janeiro e Santos
Recebe csrga a frete mdico tracrar com os
Consignatarios
JOHNS T^N PATER & C.
(OWPWaiI l lEDMUH
HIB .UAJtaTIHK
LINHA MENSAL
0 paquete Equateur
Commandante Lecointre
E' esperado dos portos do
sul at o dia 25 do corrente,
' seguindo, depois da demora
do costme, para Bordeaux,
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se sos senhores passageiros de tudas
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 15 0/o em favor das fa-
milias composta de 4 pessoas ao menos e que pa-
garem 4 pastagens int.eiras.
Por excepeo os criados de familias que torna-
ren! biibetes de proa, goam tambem d'este abat-
ment.
Os vales poataea s bo dilo at e dia 23 pages
d-j contado.
Para carga, passagens, encommendas e dinheir o
afrete: tracta-se com o
AGENTE
4ugusle Lab He
9 RA DO COMMERCIO-9
Pacific Sieam Navigation Company
STRAITS OP MAGELLAN UNE
Paquete Sotopaa
Espera-se dos portos
do sul at o dia 19 de
Julhc, seguindo pa-
ra a Europa depois da
demora do costme.
Este paquete e os que dora
em dianle seguiren. loearo em
Plyoiouth, o que facilitar che-
garem os passageiros com mais
brevidade a Londres.
Haver tambem abatimento no preco das pas-
sagens.
Para carga, passagens, e encommendas, tracta-
se com os
AGENTES
Wilsou Sons dk C., Limited
S. 14- RA DO COMMERCIO N. U
= Offerece se um raiwi p, ra copeiro em casi
i;'aeiiia ou h til no.- par-i .-' i tem pratica e d
ua con liii-r -. .-qt'cn .rocisar dirija-se
i um .va d S uta I it i
Vni'! > < :i:-.v-.".i sita casa n. 24 da
travos* rio Poi-inhu : trotar na ra da Palma
iminrro 7-.
Jos Autoio da Silva Pernautea, commerctan-
le, participa ao pnh'Kn e es; vilmente ao corpo
do comm-'ni que nisrj d> 'a principia ssig-
nar-se.
Ci'dade ila K-'-da. 8 >! Julhi de 1886.
Jun Per.indes -la Sliva Potte.
Estilo em praea < aerito ven.iicnis, a quem mais
d-r na audiencia do !'r. jn'z de orphSos desta ci-
dade de 20 no correte, ns 3 quartas partes da casa
e sitio n. S a estrbda lie Jyt de Barros, tendo a
casa 5 quart-'s, 2 sal-.s e-cosirihu fra. e o sitio 2
caeiinh-i la un.-lu.o- agua p t.,.w!, muitos arvore-
dos de foleto* 1145 pliana iiu frente para a ines-
ma estraiia, und ba leireuu pira larga edificacao
e at para ; t-vlhar, c saluda ara a ra de Nunes
Machad-, ndo lvi tam'-era t ireuo para edificsr,
e ffrande haixn pan. enpira vu caana, e proporeoes
vara faz. r um vivein-, e finalim nte direito ameia
a ci do muro e oitu viaiuhos.
Vend r-so ha na mesma ao tienciauma parte de
lunas na comarca da Imperat iz di provincia das
Alacas.
Tudo por tenos da sen Justo valor.
= I reeisa so de ura homeui ptra tratar de um
piqueno sitio a tra'ar na estaojb da Jaqueira,
sitio do Dr. Va lenca.
Telegramma (resposta paga)
Bicos orientaet, grande vaiiedade em cores e
larguras, receberam o Pedro Antones & C, e na-
den barato ; esperamos trapocta ao 63 ra Du-
que de Oaxias, Nova Espermci ; novo sortimen-
to em leqais de papel a 7'JO e 800 rs., preferencia
exclusiva ; ditos de seda, bonita* cores e lindas
paisagens a 3A, barrato punhos e collarinhos
bordados para senhora a 1800 e 2500 ; ditos
com pintas de cores a 1200 ; b mitos e delicados
lacinhos de cores, ultima ue. la em gravatas, a
ltOO. Remosta paga ; vale a pena verem o que
: na loja de Pedro Antuties A C. n. 63, ra
Duque de Caxias.
4os 4:00055000
1:0008000
SILHETES GABAfiTIDOS
16-Lua do Cabug-16
Acham-se venda os venturosos bilke-
tes gar: ntidos da lotera n. 63a em beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
quo se extrahir qainta feira 15 do car-
rente.
pucos
Inte-ro 4I000 -
Meio 23000
Quarto 1^000
Nendo ajnantldade superior
a l0:OOO
Inteiro 30500
Meio 10750
Qarto 0875
Joaquim Pires da Silva'
TKINSON
TESrlLURIA INGLEZA
annida tu mu d um Melo; excede todu
u oatnipelo a*a perfume delicado e exqniito.
TRBZ HKDAUUS De OURO
PARIZ l!7i. CALCUTTA-H84
pela oitre-flm eicellencie Se su iimriitie't.
srans nowEHs
jatUTCLDB JiSKIH
BILIOTSPIO KiUUA
Agu aiDuSe de
LdVUNO INGLEZ DE ATKINSQN
outroi maitofl eoDheflidos perfumes teTS so*
{ualidad* e odor deWtiTel e exquisito.
FAST4 OIIENTAL MU HITES BE ATIIWII
Km nril para aiTojir ambelecer os deutas
e preaerrar as eagiras.
baln-u t% Ci it tin NlefocitaUi iFitvieutaj
J. C. ATKINSON
24, Od Bond Street. Londres.
Jfaraa de FabricaUrna jRosa branca "
obre ama Lyra da O aro."
Leilao
BampfschifiTahrts-Get^Hschan
O yapor Arg-entina
$oes.
Kecebe-se informa-i
qes acerca de terre-
nos na cidade e subur-
bios^ a respeito dos:
quaes queiram os res-!
pectivos donos fazer Borstelmann & C.
negocio.
Efpera-se de HAVIBURGO.
va LISBOA, at <> dia lfi do
corrente, seguindo depois da
di mora necessaria para
Kio de Janeiro e Sanios
Fara carga, passagens, C eacouimendas tracta-
je :->!* os
CONSIGNATARIOS
Sabbndo, 10 do corrente
A's 4 f horas
Na ra do Imperador n. 75
De movis, jarros, quadros, 1 bond para meni-
no, machinas, vidros, chapeos, perfumaras e miu-
desas.
Leilao
de pboapboros averiados
Segunda-feira 12 do corrente
A's 11 horas
Por iiiU'rienro do anale
Alfredo Gaimares
Armazem da raa do Rom Jess
n. 45
ElPOSiqlO CENTRAL.
EM LIQUIDA CAO
38--RUA LARGA DO ROSARIO-38
Domiio Lima A C, chamam a attenco dss
Exmas. familias para os precos seguintes :
Carreteis de 200 jardas 80 rs.
Pecas de bordados de 200 a 600 rs-.
Ditas de um palmo a 2*500 e 3IGO0.
Fita n. 80 para faxa a 2*500.
Leqves regatas e D. Joannita a 10G0.
Frascos e extractos de Lubin, grandes, a 2*000.
Loques D. Lucinda Colho a 6*000.
Toalhas felpudas a 500 600, e l*uO0.
Duzia de meias para homem a 3$000.
Ditas para senhoras a 3*000.
Luyas de teda a 2*000.
Meias de fio de seda para menina a 1*000.
Colarinhos de linho a 500 rs.
Ditos de algodao a 320 e 400 rs.
Macos de grampos a 20 rs.
Pecas de eordo para vestido a 20 rs.
Invisiv is grandes a 320 rs.
Grampos invisiveis a 60 rs.
Um leque de setim (novidade) a 6(500.
Ricas bolcinhas de madreperola de 1*500 6*.
La para bordar 2*800.
Urna cspella e veo de 15*000, por 12*900.
Um espelbo de moltura por 5*500.
Urna pulseira de fita por 1*200.
Pliss a 400 e 600 rs.
Urna boneca grande :e cera por 2*500 e 3*000.
NA EXPOSICO CENTRAL
38Boa Larga do Rmsario38
Cosinheira
Precisa-se le vjma
da Unio n la* *
aregria
&4,:
AHionio Jone da Fonaeca
Joaquim Jos da Ponseca, Ventura Jos da
Fonseca e Antonio Martina Ferreira, irmaoi e
socio de Antonio Jos da Fonseca, fallecido em
Portugal no dia l de Junho prximo passado,
convidam sos parentes e amigos seus e do finado
para assiatirem as missas que por sua alma man-
dam celebisr no dia 12 do correte, pelas 8 horas
da manba, na igreja do Espirito Santo, trigsimo
de seu passamento, pelo que se confessam desde
j summamente agradecidos. Depois das missas
ser distribuido pelos pobres esmolas para satis-
facer a vontado do fallecido em verba testamen-
taria.
Jone Cardse de iueiroi
Poniera
O professor Trajano de riarcbllos manda cele-
brar segunda-feira 12 do corrente, urna missa aa
matriz de 8. Pedro Martyr de Olinda, s 6 horas
da manhil, pelo descanso eterno d'alma desse sea
bom amigo, stimo de seu failecimento.
aa cosinheira : a tratar na ra
dovigarjo
1* andar
Do sobrado de 3 andares e sotSo da
do Imperador n. 22
O ageste Modesto Baptiata, por mandado e
raa
A caridade abre a por-
ta do co r
A infeliz viuva, Maria Jos da ConceicSo, Mo-
radora na travesea de S. Jos n. 2, e que se aeha
prostraJs no leito, quasi paralytica, supplica e
eetende as "iSos, pedindo s benvolas almas e
earidoses CDrar;oes dos habitantes desta cidad>t,
urna estonia. A mesm infeliz viuva tem comsigo
urna filha moca, que vive honestamente a leu
lado, e que unindo aos de sua mai os seus rogos,
nao cessar tambero, de rogar as bencaos lelestes
sobre todos aqaelles que se condoerem do duplo
infortunio que pesa ba tempo sobre mai e a
filha. Chantas super omnia.
Attenco
Urna senhora habilitada para ensinar primeiras
lettras e trabadlos de agulha, tendo j praticado
em diversos engeuhos desta provincia, e ultima-
mente em uirf collegio desta cidada, rffirece-se
para leccionar essus materias na capital, em um
engetih* ou arrabalde prximo, bem como para
auxiliar nma professora publica : a 'ratar na raa
da Gloria n. 67.
(.ailberniicn Adelaide de Soasa
Uenda
Manoel Gomes Mendes convida aos seus pasea-
tes e pessoas de sua araizade para assistiresa a
missa do stimo dia di passamento de sua presada
esposa, Guilhermina Adelaide de Sooza Meadas,
que manda mar na igreja do Carrao, as 7 1/2
horas da manhS do dia 14 do corrente, e Vsde j
antecipa o seu reconhacmento por este caridko
obsequio.
Criada
Precisa-se de ama criada para
raa do Baria da Vietarm a. 9-
eosiahsr :
D. Vlorlnda da .\atlvidade Fereaft
EnCt'ie
O Dr. Manoel Joaquim Ferreira Esteves (ansaa-
te) e Leonizia da Natividade Ferreira Estevee,
agr*decendo do fundo d'alma ao Exm. Sr. vise-
presidente da provincia e mais cavalbeires que se
dignaram acompanhar a ultima morada os restas
saortaes de sua presada mae D. Florinda do Nati-
vidade Ferreir. Esteves, e novamente os conai-
dam para assistirem as missas que por alma da
finada mandara celebrar na igreja do Tercosegsa-
da feira 12 do corrente pelas 7 horas da manat,
anticipando por mais este obsequio todo o seu ae-
conhecimento.
i^aaWWaa^g^fgjJH Jlll LaliBIHW
O. Maria Iaabc>l dcOlIvalra Praaa
Napoleao Olimpio Frates a Jos Prates, seask)
amanh o dia considerado Ia anniversario da sea-
sv>-l parda de sua rresada esposa e mai resolve-
rn! mandar rezar algnmas missas pelo eterno re-
pouzo de sua alma na matriz da Boa Vista hoje 10
pelas 8 horas da manh e para este acto convidasa
seus parentes e amigos c confessam-se desde jia-
eiramentet erat
i JP


s

6
Diario de Perambuco- Sabbad > 10 de^ullio de 1886
*
fl\
%
Preoaraco de Productos Vegetaes
PARA
EXTDtyiO DAS CASPAS
e outras Molestias Capillaree.
JV1ARTI NS^BASTOS

-4
&
V
>

Caixeiro
Precisa-ge de um menino
Nova n. 30, pad.ria.
us ra da Senzallu
Serrara a vapor
Caes do Capibaribe n. t
N'esta serrara encontrarlo os atnbores fregue-
ses, um grande sortimento de pinh) de resina de
cinco a dea metros de comprimenco e de 0,08 a
0,24 de esquadros Garntese preco mais como-
do do que em oura qualquer parte.
Francisco dar Santos Macedo.
Jos de Castro Uiiima
raes
em Goyamia tem o noine de J ;s Gaspar Do-
Jues de Souza nao mais cobr dur da cochei-
rua da Imperatriz n 29 desde Marco, e
nado prestar ccntas dos dinbeiros que re -
cebeu, como cousta das contas cora os renibos, e
entregar as contas que ainda tem em seu podere
ao administrador daquella cocheira.
Aviso
Precisa-se de urna profesaora que saiba tocar
bem piano e mais trab;.- Ih..s de senhora, para en-
genbo : a tratar com o BarSo de Nasareth, ra
do Imperador n. 79, 1- andar.
P LULAS
Purgante as Familias.
p* Dtjcjwnucu.. iUMmi j.ii.
Ama
Criado
Precisa-se de um de 12 i 14 annos, para o ser-
vico da casa e de ra : na praca do Conde d'Eu
n. 30, terceiro andar.
Aos laranbenses
Pede-Be o corar 'ivcimento de todos os Mara-
nhenses, sem excepcas de clasae, para orna reu-
niao que deve ter logar quinta reir 8 do corren-
te, casa n. 15 da ra da Imperatriz, lo andar s
11 borae da aianha.
Criado
Precisase de am criado para compras e mais
servaos de casa : na ra do Vis-onde deAlbu-
qderqo a. 24.___________________
a Magdalena
Aluga-se urna casa terrea com commodos para
lamilla, fcndo as^ia e (jar encanados, jardiin e
sitio todo murado, sita travesea do Paysand :
a .chave est na taverna do Sr. Braga, eaquiua da
r*f 3o Hospital Portuguea.
Precisa-se de urna ama para andar com duas
enancas, lavar e engommar para as mesmas : a
tratar na ra da Roda n. 16.
Ama
Precisa se de urna ama para todi servico de
casa de familia : a tratar na ra do Cotovello
numero 46.
Precisa-se de urna ama para cosinhar ; na tra-
vesa dos Pires n. 5, Geriquity.
AMAS
Precisa se de urna ama para cosinhar e comprar
e de outra para engommai e lavar, que durmam
em cafa dos patries ; na ra Princeza Isabel nu-
mero 6.
Precisa se de urna ama para lavar, engommar
e fazer mais alguna servicos, com tanto que dur-
ma em casa : na ra da Matriz da Boa-Vista n.
9, e oir quem precisa.
Ama
Especialidade em bolaxinhas e
hiseouios
Das marcas seguinies : Rojal, Leopold, apo-
lj|p, Roll, Conbinaiion, Dessert, Mixed, Chocolate
ryers, Oriental, Oange, Drops, Citrn, Queem,
Osbome, Club, Albert. Alberta, Victoria, Maize
na, Captan.. Ginger Wafers, Marie, Ca.bin, Sugar,
Lumaeh, Lome, Milk, Chesc, Alberta, Pic-Nic,
Conversatlon, Oval, Cracknel. nicos que recebe-
ram Jos Fernaudes Lima & C.
Ra-Nova n. 3
Precisa-se de urna ata no Arraial, que saiba
lavar e tngommar ; a 'ratar na ra do Vigario
Thenorio n. 12.
Ama
Precisa-se de urna ama pus casa de pouca fa-
milia ; na ra de Pedro Affonso n. 58, antiga ra
da Praia.
Ama
Precisa-se de urna urna para cosinhar, que dur
ma em caaa do emprego ; na ra da Conceico a.
4, primeiro andar.
Sitio
Aluga se o sitio da travesea de Joo de Barros
n. 6, com boa casa de vivenda e bastantes fruclei-
raa : a tratar na ra da Imperatriz n. 14, cami -
aria.
de um menino de 10 12 annos, para vender em
taboleiro ; na ra do Cabug n. 11, 1 andar.
Francez. aritiimetica e geome-
tra
Pessoa habilitada off.a-ecc se leccioaar as ma-
terias cima em collugioe oa casas particulares,
por preco eomusodo : a tratar na ra do Impera-
dor n. 44, botica.
Para criado
Precisa-se de um menino de 12 14 annos :
esi-.riptorio deste Diario se dir quem precisa.
km
Precisa-se de urna para cosinhar e cuta para
engommar, para casa de fimilia : na ra For-
raos n. 37.
Ama de leite e criado
Na ra da Aurora n. 81, 2- andar, se precisa
de urna ama de leite e de um criado menor.
Aluga-se
a loja do sobrado n. 14 da ra das Cruzes, pro-
pria para cartorio ou mesmo familia, tem agua e
bons commodos, e est limpa : a tratar na ra de
Rangel n. 9, padaria. ________
Alga-se
o terceiro andar do predio n. 56 ra Duque de
Caxias, com grandes commodos para familia, as-
sim como a sala do detraz do 1 andar do mesmo
predio ; a tratar no n. 58 da mesfna ra.
Aluga-se
urna casa pequea, roa de S Francisco n. 1
a trate; na ra de Santa Tbereza n. 38.
Freguezia do Kecife
Aluga-se por commodo prego metade da casa da
raa dos Guaranaes n. 2t. Na mesma precisa-se
de um menino qne seja fk-1 para eriado, e paga-
se bem.
' Para escnpt&rio os olma
Aluga se o I- audar e quarto do sobrado n. 3
ra do Rangel.
Da casa n. 13 sita roa do Livrameno, 1." an-
dar, furtaram na noite de sabbdo para domingo,
os seguintes relogios, abaizo ruenei.nados:
47.528 remontoir de ouro descoberto 13 li-
nhas.
? relogio de ouro descoberto, caixa soldada com
esfanbe.
143 de prata descob-rto Boston lever.
80.904 de prata desco!>>
15.326 de prata di-se brt intrador quebrado.
37.149 de ,'rata di-acbrrto lettras encarna-
isa.
53.740 de prata c< birto, mostrador pintado com
lores.
25.809 de prata tierct b-rto.
29.197 de pra'a d e hert. remontoir mostra-
dor prtjto.
H2;l"Z.
bTtfl n iimutoir.
Aluga-se
o segundo andar do sobrado do largo de S. Pedro
n. 4, limpo e com bons commodos para familia,
com agua e gaz encanado : a tratar no primeiro
andar do acamo sobrado, ou ra estreita do
Rosara n. 9.
Inga-se
urna casa pequea, ra de S. Francisco n 1 : a
tratar na ra ne Santa Thereza n. 38.
Aluga-se barato
A caaa n. 96 ra dos Gaararapes.
A casa n. 107 da ra Viseonde de Gojanna.
A ra Lomas Valentinas n. 4
Trata-se na ra do Commercio n. 5, 1* andar
Proprioa para lunch de 1, 2, 3, 4 e 5 libras, re-
ceberam Jos Feraandes Lima & C.
Rua-Ni.va n. 3
30.233 deprnt:
17.420 de prai,
43.879 de prau
99.313 do mck
ano.
Um t lo*i
Um r< ugio de p. -
Um relvgio de ;
Ura re I trio
Vma caiza de 0m
Pede-s-
cafiea ditos o
otiejar ru d 1.

r montoir ameri-
te ingle.
i v iiL'i'itado.
niiiiello.
flada.
- fin (iff'-rt-cidos
'prebenden m O
B(i|-inii> ia Aihayde
Flhto
Manoel Baptis!;, de Aihajde, ^na mulher e fi
Ihos gradecem c- r imIh.. mr nos parentes o ami-
gas qoe acompanl
restos mortaes de s'-u presado fiho, enteado e
irmio, Manoel Bajcisia ii.- Ath ,yJe Filhfcede,
novo os convidam par a iisa da betiico dm que
aoandain celebrar na reja do Esp riit> Santo, no
da 12 do corre 7 horas da manb ; o
por este acto de caridade e religio se confessam
agradecidos.
Jardih das plantas
MONDEGO N. '80
Pnbtendendo-se acabar com as plantas que es-
to em vasos n'este j rdim, vende- se os sapotisei-
nsmaito grandes, e dando fructo, 2*000, la
ranjeims, mHito grandes, para enjertar, 6000
a duzia, e sapotiseiros mais pequeos por' barito
preco.
Ouem lem?
re e prata : compra se ouro, prata e
edras preciosas, por maior preco que em outi,.
ualquer parte ; no 1 and^r u. 22 a ra larga d-
tosano, antiga dos Qnartei?, das 10 horas s 2 d*
arde, di.is uteis.
Criado para aingar-se
Na ra da 8. Joo, eas-i n. 27, tem para alu
gai-se um mulatinbo com 17 annos de idade, mui-
to proprio para oopeiro ou outro qualquer servic
tonto de cata como de ra, ta bem sabe b ilear,
po- ja ter sido bo'eeiro.
-
gradeas de Ferro Rabuteu
Luimdo do Instituto dt Fnnea. Premio de Therapeutiu
O emprego em medicina de Ferro Rabnteau baeeado na Sciencia.
^ As Verdadeiras Grageas de Ferro Rabuteau sSo recamnwndadas nos casos de
Fraqueza da, crxa^a, Depauperammto Alterado 4o , fatigas vigillias e excessos de toda a natareza. TomaT! 6 grageas dor dia
Nem Conshpaeao nem Diarrhea, Asrmaco completo.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podem acular
engulir as grageas. Um calix de licor aos repastos. Bmar
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente para as criancas.
ti*( Urna explicado detalhada acomoanha cada tramo.
Exigir o Verdadeiro Ferro Rabuteau de CLIN Se C'B de PARS
encontr em cosa dos Droguistas e Pharmaceuticos.
que se
0$ GRANULOS
ANTIMONIO-
doDPAPILLAUD
FERROSOS
oontitum o Vreparado ferrinoo
mu immj empegado pelas summidnd. medicas com ite ha mii dt
ao ANNOS
Contra a Anemia, ChUn-oue [Piles couleurs), Kevralglaa, Aff**Bem ma JVUe.
RELATORIO FAVORAVEL POR PARTE DA ACADEMIA DE 1IEDICII1A DE PAHUS
CsUt-s ubre cada truco o nomo de B. Mousnier k 1.. PapUloud.
DEPoarro obkat. : Pharmacia GIQOIW, 25, ra Coamdllire, PARIZ
K:i\ Prniaubwo .- FflANco jj. da SILVA & C"
aia^BaaataMatMinaaMaaBar^.. ^.-.-IJ-.--------..^.
Sem cheiro nem gosto dos leos de Flgados de Bscalhan ordinarios
de FIGAD0S FRESCOS | I.1JJ
BACALHAU llUn
Efllcacdade certa contra a Molestias de Pelto. a Ta a,
Bronquitis, PrisOes de Ventro, Tosses chronlcas, AtTeccOes escrofulosas.
ADVERTENCIA. Exiga-ae no rotulo o sello-Azul do Safado fiaocez.
HOGG, Ph.n maceutico, 2, ra Casglione, PARIZ, e principaes Pharmacias.
OLEO
M*ViM*l<^^a>aVliryryr^rVMVV^VVVVVVVi^VVV^^
TIWHO MARIANI
DE COCA DO PER
O vnrao MAHiav que fol erpcrlmentado nos liospltacs de Parlz,
prescrlpto diariamente com xito para combater a Anemia, Cblorose,
r>setdis mas, Molestia* das vas respira'
ment do orgo vocal.
O Madaoa recomsnendam-no d Pcttoai fracat e delicada; exhauttaa pela mtAeitia,
ao Velhoa e Crirteos.
E' o Reparador das Perturbacoes dqastlTas
O FORTIFICANTE por EXCE1XBNOIA
O VINHO MARIANI u BtlC0irrr_i EM CASA DE
Sur. KABIAZM, ta" Varia, 41, Hulerard lUMauu; ITew-Tork, II, aut, 11, iirsst
Em Pernambuco : Frataclsoo M. da srxvA A C".
SADB PARA TODOS.
(UNGENTO H0LL0WAX
O Ungento de Holloway um remedio infallivd para oa males de pernas e do peito tambera p>ja
as fendas antigs coagus e ulceras. E famoso para a gota e o rheumatismo e para todas as enfcrmi-
dades de peito nfia se reconhece egual
Para os males de garganta, bronchites resfriamentos e tosses.
Tumores as glndulas e todas as molestias da pelle nao teem semelhante e para os membros
contrahido6 e juncturas recias, obra como por encanto.
Easaa medcisas ato preparadas smente no Estabelecimento do Professor Hollowat,
78, HXW 0XP0ED 8TKEET (antes 633, Oxford Strest), L0KDEES,
E Tendcmse em todas as pharmacs do universo.
tf Oa conapradores slo convidados respeitosamente a examinar os rotlos de cada caixa Pote, se dso teem a
^rec5ao, 533, Oxford Street, sao falsificaooes.
Depoatoi mas principaes Perumariaa, l'nariuaauua s oaboilereiros ua America.
**?**
,msm
*^i#
Approvados pela Junta Central de Hygiene da Corte.
Aperientes, estomachicos, purgativos, depurativos, ontra a
J Falta de appetlte, Prlsao de ventre, Bnxaqueca, VerUtens,
CongreatSes, etc. Dose ordinaria : 4,S S graos.
Exigir fgfl|4(,<|i1lVjil^l cora rotul em "* cores, ea
as a*'.r.mii':sTiT4UaTi asignatura a Souviere m liuu tciruii.
Em PARIZ, Pharmacia LEXOT.
DEPSITOS EM TODAS AS PRINCIPAES PHARMACIAS
Casa PINET, fundada era 1852, PARS
EXPLOTACAO GERAU CTCHUC
POR H0V0S PR0CESS0S APE8FEIQ0AD0S
ESPECIALIDADE .INSTRUMENTOS^
rinoes, Seringas, Borachas-Peras para InjeccSes e Clysteres. Injeotores,
Pulver Isa dores, Pessarios, Fundas, Vontos-s, Tubos, Bicosde Mamadeiras,
Almofadas, Bollas para In]eco5es para qualquer uzo, etc., oto.
VAffDA-S O CATALOGO FKANOO
i. IARCASSIM i C', Bendre et Successeiir, 34, ra Turbigo, 34, PARS
Estabelecimento fabril a vapor : AliX LILAS, perto de Pars.
H. B. A grande cofa, sempre crescente dos nossos productos tsndo dado logar
,i falalflcacOea, cofvem exigir a Marca S. ZIT. 6~ C ,
1^82, Bordeaux. Meojlfii de Brome;
Eloi; ttxjntha de Prati; Bocho
lort : A-'e/fjo ie V d.ilha d Prata,
grtir.de mcelo.. IS33,Amsterdam:
Meutlha tePrat, ccur,i:c.~ 183&,
Exivori^aode irabalho:/Jflif*f lo
oliln
Alimentario Rih
i a priac.Biss an ^tos e -i, j^paat jos.
A rar.laTHA IKtrtr e o n.elhor auxiliar
ga ama de leite na allii:c-i>' tc3> .-Tinas.
trp.;riin'5nladai'0 loUe. nrOxIti
Hospiiaese Asym- >i> r.aiieaa,
- '' as pie
Casi- i i
"'
tuv.ii a......
; .

*r. /v

f%
, a .i pro
. -aitacIFnnft', i
Alimentoslo racional
das MES, CRIANCAS, AMAS CONVALESCENTES
Por uso da PHOSPHA TiXA f'iitirresh
PARIZ, 6, Avenue Victoria, 6, PARIZ.
ssJadUrioi a Pernambuco : FitAN" SI. da SILVA fe G'\
NOVO
THER20:iETuO
i
de Lon BLOGH
(rRIVILOIAlM))
I Systemtt ssjntra-ftpjisivel
Que nao experimen
drtelas com
Adoptado pe!
i 22 de .
Professor
Um moco ensillando di vera.& prepartorios, com
tres annos de pratica na corte, e tendo oh ',:
esta cidale ha um n.ez, deseja encontrar alamnos
r em cMsi.B particulada Pava infjrmacSes dirijam
n, se ao B-vm. piovincial do convento do Carmo, ou
ao llim. 8r Dr. Vaz de Oliveiw, em seu escrp-
^^^Bs raa do Imperador n. 73.
fl0
BSEROV,r: ,,
POVSt. Sus*- Gnr

i cao alguiua
ro.
i de Parir
:i.
TtH ot mm inj-nur
aiuti U
Achare as princ- nt0
|Tia en Grosso: 18 na Arcy, ea MRH
i-jtlooaoeVtnbcslou sobra/ .
.....os 100frasco.! 3006?
>'>!nclasiCagnav> 100 fraseo SCO fe
- loa os Lloorea, js 100 frasona 300 tr,
3, (nWOfrsccoa bOOtl
un iHbrtft :
Deposito ra Promhnco ;
FRAN" M. da SILVA
&e

-o de pars iau
UUA DB CO.S<
)ura
do
Pre( i-a-si- de uira ama d<- us coatvnt e
ASMA
pelo ? do
Vfnde-se em toiat as P/utroiactcu,
familia (ju, ;r ;:ma no M mteiru ;
das Crnzfg n. 39, t- andar.
:ar n ra !
Pisj* teto,
lido Tlii i^-o 'la Costa Mel ero seu
o- to ma Imperial p. 322, olaria.Telephone
de
i um i 2 1.
proprietsriOs) do muito cor.hocido eetabfrieeioieato denominada
MUSBU DE J0I\S
ito m ra do Cabug n. I* ccfrrirbunicam ao reapeila''el PUBLICO que reeeberaui an
grande sortimento de joias das mais modernas e dos mais apurados gostos, como tam-
bem relogios de todas as qualidades. Avisa tnmbem que continuam a receber pot
todos os vapore.vindoe da Europa, objsctos novos e vendem por muito menos que en
outra iqualquer parte,
MIGUfi W0LPP & C.
N. 4RA DO CAB1JG----N. 4
' Jompra-8e oDro e prata vdha.
mmm baratas
Na bem condecida loja darna Primeiro de
Mar?o n. 20
JUNTO DO LOUVRE
Grande sortimento do madapotes
7^500 e 8^000
AlgodSes brancus, superiores qualidades, de
65500.
de 4^500, 5^, 5,?500, 6,5, b'0500
4,5, 4^500, b, ,^500, 60 e
Saperiores cretonea do 320 a 500 o covado.
Batiste8, lindro padrBes, a 200 o 320 rs. o covado.
FustBes brancos de novos desenbos a 440 e 500 r;. o covado.
Cobertasde ganga, forradas, de dous pannos a 3,5 500.
Ditas de ganga cretorie, bonitos parlrCes, a 3^000.
Lengoes de bramante, de linho. de M a 4^000 a um.
Ditos de algodSo de 1,800 a 2^500.
Toalhs felpudas, de tamanbo regalar a 5^000 a duzia.
Ditas grandes para banhos a 2^000 urna.
Lenjos de algodSo de 10800 a 2200 a duzia.
D:+08 At algodSo, com barra, a 20400 a duzia.
U. Dardo, rfaoM, a 300, 400 e 700 rs. o covado.
i'o traatfado, loi.a, a 10, 10iOO o 10200 o meto.
Corte3 i<- vestiuo de cretone de 200 por 80000.
(3.ui'danapos de linho de 30500 a 60 a duzia.
Grande vanedade de anquinhas de 20 a 50000.
Mei*8 cruas para homem a 50, 60, e 70000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 50 a 100000.
Ca8'iuira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
1 Igo Jiio trancado de duas larguras a 10300 a vara.
Bramante de algodao, de qnatro larguras, de 10500, 10800 e 2000 a vara
Dito de linho idern d.-m de 20, 20500 30 e 40000 a vara.
Leques de papel, de. lindos d-senhos, de 500, 800 o 10000.
Merino preto e azul a 104O( rs. o covado.
S tin-'tas lisas de todas ts cores a 440 rs. o covado.
Velbutinas de todas as cores a 10000 o covado.
Molesquin de cores, bonitos padr3es, a 600 rs. o covado.
Choles do algodSo a 10200, 10400, 10-iOO e 23000.
Guarda p de brim de linho pardo a 40, 50 e 6$000.
Oxford p .ra camisas, lindos padrSes, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Costumes para Dnnhos -le mar a 80 e 100000.
Cortinados borda loa p;.ra cama e janellas a 80 100, 12, 14 e 160000 o
Grnde sortim-nto lo roupa feita para trabalhadores de campo.
lincarri'gauo-uos tac]*** *> mandar fazer qualquer roupa para hornee
n"nir 's. para o que tem >s vua lafi I il&'ial e um grande Bortimento de pannos, b
[y_.se uiios, eto.
Quem precisar de al;uni artigo bom e barato, dever visitar de preft ate antigo e i-reditad est.-ibfl->.:kansu.
fin mssi d Marn 120
lL^i t
JSEPH RRAUSE 8:
Acaban, de augmentar u sen j bem conbecid^
mpertante estabelecimento rna Io
de Biarf o n. 6 com mais
nm salo no. andar Inxnosamente pepar-
rade e prvido de urna expesi-
fte 4 &m de prata & Parte 4**fo>?h&
dos nais afamados fabricaifia? do
mundo inteiro.
nonvida. pois, as Exmas. familias, sens nume-
rosos amigos e freguezes a visitaren.
o seu estabelecimento, afim de
apreciarem a grandeza e bom gosto com que
nao obstante a grande
despeza, o adornaran., em honra
desta provincia.
GHA-SH ABERTO DAS 1 A'S 8 DA NOITE
C OM m/r 1 TT
C
a
4
^

Gsn

o
c
Q
a^
Q

5
Chapees e cbapelinas
36 40PRUA 01HBHTENDEIA---36 A 40
B. S. CAEVALH0 & C.
Froprietarioa dest btm fonhc.-iJo estabelecimento pajecipam
as Exmas. familias e ao publico eiu geral, que mensalmente recebem
das principaes casas m Pari e Manchester o que de melhor e de
apurado gosto ha em chap linaa e chapeos para senhoras e meninas
e das primeiras fabricas de Haraburgo o que ha de me'lior em cha-
peos par% homens e crianyas, e muit'S oatroi artigos concernentes
A chapelaria.
Flre artificiaes para ornam-nto de salas.
2
S5U
2
5C

4?
Sfe
SO
LJWU*


.
/v1
Diario de Pernanibuw-- Sabbado 10 de Julho de 1886
Tricofero de Barry
Garante-so que faz nas-
oer e creecer o cabello ainda
aos maii calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impoda o cabello
do cahir ou de embranque-
cer, e infallivelmente o
toma espesso, maaio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada segnnsa a formula
ori^nnal usada pelo iavaater em
1-;_!'.. E'o nico perfume no mun-
do que tero a approvucao oficial da
uin Governo. Tem duas vezes
mais fragrancia que qualquer outra
e dnra o dobro do tempo. E'muito
Bazas rica, suare e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
- permanente o agradavel no
lenco. E' duas veas aiais refres-
cante no banho e no quarto do
docnte. E' especifico contra a
I froiuidiSo e debilioade. Cura a*
dore3 do cabeca, os oansacoa a os
I desmaios.
Jarope le Vida Je Renter No. 2.
AHTZ8SE TTSAL-O. SKPOIS BlOTAlr-O.
Cura positiva e radical de todas as formas da
escrfulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affec^oes, Cutneas e as do Couro Cabel-
ludo com perdado Cabello, e de todas as do-
encaa do Sangue, Figado, e Bins. Garante-e
que purifica, enriquece e vitalrsa o Sangue
e restaura e renova o systema inteiro. w
Sabao Curativo a Rtuter
Para o Banho, Toilatt, Criara-
e para a eura data snolee-
is da pelle de todas a Mp*ci
0 tm todos os periodos.
Deposito era Pornambuco casa de
Francisco Manoc-I da Silva & C-
muiiuioo ud ongoiiiiu fi
Tomen nota
Trillios para engenhos
WAGONS PARA CANNA
LocomoliYis
Machraismc completo para cn-
genhos le ds os tamaohos
Systema nperfeigoado
Especificares e precos no escriptorio dos
agentes
Browns & G,
IV. 5 Rna do Commereio
N. B. Alc'm do cima B & C, tem caftialogos de
amitos implementos iiecessarios agricultura, come
tambern me.'-hina* pata nbo3 para cat, trigo, arroz e milho; cerca da fer-
ro galvunisado xcellente e mdico em preco, pes-
soa nenhuma pode trepai-a, nem animal que-
bral a.
IMLSAQ
DE
SCOTT
1E OLEO PURO D
Figado de hacalho
COM
Hypo ii'.sphitos de cal e soda
Approvada pela aJunta de iiy
giene e autorisada pelo
governo
E' o melhor remidi at boje descoberto para a
loba tironchiien, eacrophalaa. ra-
rbitiw. anemia,. eltilirtnrir ra scral,
defluxo*. loMne chrontca e aWteut;6em
alo pello da t,aruanin.
E' muito superior ao oleo simples de figado de
bacalbo, p.rqne, alm de ter cheiro e^r agra-
da veis, poBsue todas e virtudes maaieinaes e an-
tntivas do oles, alm das propriedades tnicas
reeonstituinffs dos bypophospbitos. A' venda na
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
Mi!il "
Em quartcs e meias garrafas, vendeni Faria
Sobrinho & C, a rna do Mrquez de Olmaa i. 41,
DEPOSITARIOS_____
PARA COSNthR
Precisa-se de una
ama
nhar be i;
que. saiba cosi-
no 3. an-
dar do predio n. 42
da ra Duque de Ca-
xias, por cima da ty-
pographia do Diario
Ao publico
Hermina de Carvalho Menna da Costa, proprie-
taria aa photoer*|.hia sita roa do Bario da Vi-
ctoria n 14 2. andar, declara para os fias con-
venientes, que desde o dia 6 do corrente deixon
de ser s>cio da mesma photographia o Sr. Flosculo
de Uagalbai'g.
Aproveito a oco.sio para commumear a todos
aquelles que se t -em dignado de dispensar-lbe a
sua ptotecca> n'*quelle ramo de negocio, que con-
tinua com a referida photc^rsphia, a qual se aeha
baje melhordn consideravelmente nao so quanto
aos msteos tpchnicng d'arte, como taaibem quan-
to aos d>mais r.-qnisitc essenciaes para nao des-
agradar aquellas nessoag que all cossparecerem,
dando prov iV des.jo de ooncorsa |ra o pre-
gresso Das Ezmas. senhoras principalmente, espera a
referida proprietarin tida sua valiosissisca protee-
co.
Muda iira de escriptorio
O adi gado Francisco do Reg Baptita e os
aohcits.Sr .-. Di.go Baptuta Fernn les e Antonio
Machad > I lias madnram sen escriptorio para a
praca d' Pedro 2" (ootr'ora pateo do Collegio) n.
81, 1- Mndur, onde serio encontrados das 10 ho-
ras ia 3 da urde.
Ao Sr. Vicente Alus or i a
oe
Previne-se ao Sr. Vicente Alves Moreira
no 8- andar da casa n. 43, a ra astreita do Bo-
drio, ba para, lbe a.r entregue urna carta qu da
vil] do Rosario, no Maranbia, lhe inandou a
Ejima. 8ra. h. Mara da Conceicio de Oliveira.
Este remedio precioso tem gozado da aeceita
|5o publica durante cincoenta a sete annos, com*
ecaedo-se a sua manufactura e venda em ittj,
Sua popularidade e venda nunca forSo tSo cten-
te* como ao presente; e isio, por si mamo,
offerece a melhor prova da sua efficacia maravfl-
hoaa.
. Nio hesitamos a dker que no Sem deisads
em caso algum da extirpar os vermes, quer em
creaiicas quer em adultos, que se acharo auHcy
tos destes mimigoj da vida humana.
Nao deizamos de receber constantemente
attestacdu de mdicos em favor da sua efficacia
admiravel. A causa do successo obtido por este
reatedi, tem appareoido varias falsificacoes, do
jorte que deve o comprador ter muito cuidado,
nominando o nome intairo, que devia ser
Termiftee fle B. A. FAHNEST9CK.
VENDAS
PB
Vende-se 25 predio* (sobrados, casas terreas e
sitios) as fregnezias do Recife, Santo Antonio,
S. Jos e Graca, i tratar na roa do Imperador
n. 75.
Vende-se unta blanca
nm temo de pesos : no ateo
mero 21.
graude, de braco, e
do Livramento no-
Armario
Vende-se urna boa armaco de taverna, bara-
tissima : trata se na ra Duque de Casias n. 23,
ou na na da Pat n. 38.__________
Camisas nacionaes
A *#&00. SafeOO e 8 3500
32=^- Loja a ra da Imperatric = 32
Vende-se neste novo estabelecimento um gran-
de sortim-nto de camisas brancas, tanto de aber-
turas e p.mhos de linho como de algodSo, pelos
baratas precos de 2*500, 3 j e 44, sendo tasesds
muito melhor do que as que veem do estrangeiro e
muito mais bem feitas, por serem cortadas por
nm bom artista, especialmente camiseiro, tamben-.
se manda facer por encommendas, a v mtade des
fregueses : na nova loja da ra da Imperatric n
3.', de Ferreira da Silva.
Ao32
Nova loja de fazendas
H9 Rna da Imnerarlz = S\
DE
FERREIRA DA SILVA
Neste novo estabelecimento encontrar o rea-
,'itavel publico em variado sortitnento de tasen-
as de tod<>s as qualidadea, que se vendesn poi
recos baratissimos, assim como um bom sorti
ment de roupas para bontens, e tambera se man
da fazer por encommendas, p r ter um bom met-
tre alfaiate e completo sortimento de pannos finos
caaemiras e brins, etc
Mpas parafimns
J! Hoa da Imperairli-It
Loja de Pereira da Silva
'Neste estabelecimento vende-se as ronpss aba
so mencionadas, que sao ba- i .-.o.as.
Palitots pretos de p"vV .. aisgonaes
acolehoados, sena taae&aas muito en-
corpadas, e forrados
Ditos de casemira preta, de cordio muito,
bem feitos e forrados
Ditos de dita, fazenda mutto melhor
Ditos de flanella azul sendo inglesa ver-
dadeira, e forrados 12<00
Calcas de gorgoreo preto, acolehoado,
sendo fasrnda muito eneorpada
Ditos de oasemia de cores, sendo muito
bem feitas
Ditas de flanella inglesa verdadeira, e
muito bem feitas
Ditas de brim de Angola, de muleskhn e
de brim pardo a 2J, 24600 e
Ceroulas de greguellas para homena,
sendo muito bem feitas a 14200 e
Colletinhot, de greguella muito bem feitos
ABsim como um bom sortimento de lencos d<
linho e de algodo, meias uruas e collarinbae, etc
lato na loja aa ;ua da Imperatriz n. 3*a
II i sea dos largos
* Na loja da roa da Imperatriz n. 32, vendem a*
riscadinhos praprios Dar roupas de meninos
vestidos, pelo barato preco de 200 rs. o covatk
tendo quasi largara de chita francesa, e stD>
como chitas braaeas miudiuhas, a 200 rs. o
do,e ditas es curas a 240 rs., pechincka
loj do Pereira da Silva.
Fulo. xotlnetait e Ifirlnliao m SO
ra. o eovadlo
Na loja da ra da Imperatria n. 32, vend-
um grande sortimento de fustoes brancos a 50t
rs. o covado, lSzinbas lavradas de furta-core
fixenda bonita para vestides a 500 rs. o eovade
a setinetas lisas muito largas, tendo de todas a>
cores, a 500 rs. enrod, pecbineba : na loj
do Pereira da Silva.
crlaa p re lo m I**
Tende-se merinos pretos de duas largura* pan
vestidos e roupas para meninos a 14200 e 146*
o covado, e suoenor setim preto para enfeites i
14500, arsim como chitas pretas, tanto lisas cons
de lavoures brancos, de 240 at 320 rs.; aa novt
laja de Perefra da Silva ra da Imperatriz ne-
mero 32.
4ls;odozlnh franre sara lonce
a too ra.. t e 1IOO
Na loja da rna da Imperatriz n. 32, vende-a-
superiores'algodaozinhos franceses com 8, 9 e 11
palmos de largura, proprios para lences de ua
e panno pelo barato preco de 900 rs. e 11000 i
metro, e dito trancado pa a toalhas a 14280, a
sim como superior bramante de quatro largura
para lencoes. a 14500 o metro, barato ; na loj
da Pereira da Silva.
Ronpa para meninos
A 4*. I04* e *
Na nova loja da ra da Imperatriz a. 82, a-
vende um variado sortimento de veatoarioa pro
prioa para meninos, sendo de palitosinho e calo
nha curta, feitos de brim pardo, a 44000, dito
de molesquim a 44500 e ditos de gorgorito prett
emitaudo casemira, a 64, sSo muito barates ; n>
oja do Pereira di Silva.____________________
GRANDE
7 4UI
104001
124WX
545
645
840
340
146
1400)
Expsito central rna larga do
Rosario n. 58
Damia Lima & C, nao podendo acabar com a
grande quantidade de mercadorias, resolvern)
anda rma ves convidar as Ezmas. familias e o
respeitavel publico em geral, que com certeza nin
gnem perder seu tempo, fazendo urna visita a
Eapoalcao Central
Pecas de bordados a 200, 400. 500 e 600 rs.
Panhss e colarinbos bordados para senhora s
fOOO.
Ditos ditos lisos, 14500
Ditos para homem, 14c00.
Um plastrn de 24000 por 1500.
t- Invesivt is grandes por 320 n.
'" Lasos para senhora por 14&00.
Macos de la para bardar, 24^00 e 34
Luvaa de seda arrendadas a 24500.
Ditas lisas, 24200.
Ditas de fio de Escosaia, 14000.
Broches para senhora (modernos) 14500.
Um par de meias para senhora (fio de seda
600 rs.
Dito idem liso, 400 e 500 rs.
Dito idem (fio de seda) 1J2O0.
Duzias de bateias a 360 rs.
Carretela de 200 jardas a 80 rs.
Matroz de piqun has a 1-60 e 120 rs.
Um par de froabas de labvrintho, 14500.
Macos de gramp s a 80 rs.
Metros de plisss a 400 rs.
Lindos passariohos de seda para chapeos de
zenbara, de 500 rs. a 14000.
Um pente com inscrincito para senhora, 14'
Um leque de 164 par 94.
Brinquedos para criaooas, leques de papel, fi -
nos, bicos de linha, quadros para retratos, lencos
egpartilb08, bicos, galoes, franjas com vidrilhos,
outras moitos oojectos de pbantasia por precoi
sem 'competencia: na ezposicao Central, run
larga do Rosario n. 38._______________________
A Revoluto
M-4a
ra Duque de Casias, resolveua vender
os. saguintes artigos com 25 0\q d% me-
nos do que em outra qualquer parte.
Sedas lavradas de 24000 por 14000 o covado.
Cachemiras de cores a 14200 o covado.
Ditas pretas a 14000, 14200, 14100, 14800
14800 e 24000 o e-vado.
Dita broch, de la e seda, lindos tecidos, a 14500
o covado.
Gorgorinaz de listrinhas a 360 rs. o covado.
Setins a 800 e 14200 rs. o covado.
Dito preto a 14000 e 24200 o covado.
Gaze com bolinhas de velludo a 800 rs. o ao-
vad?.
Las com bolinhas a 640 rs. o covado.
Velludilho liso e lavrado a 14000 e 14209 e ao-
vado.
Fusto branc-j a 440, 500, 560, 600 e 80t rs. o
covado.
Giosdenaples pretos a 14800, 24000, 14500 e
24800 o covado.
neoc de cor a 300 rs. o covado.
Cretones fiaas a 860, 400 e 440 rs. o covado.
Cambraia de quadros a 14500 a peca.
Dte transparente de 44000 por 24000 e 24500
a peca.
Linn branco a 500 rs. o covudo.
Facrms de retroz a 14001) om.
Idrin de la, de 14000 -t 64000.
dem de pelussia a 54000 e 64500.
dem de pelussia bordados a 74000.
Cretones para chambre a 320 e 360 rs. o co-
vado.
Cambraia com salpicos a 6 rs. a pc,.
Chapeos de sol de cSres para senhorit a 750O
um.
Brim de linho de cor a 1420) o metro.
Linhoe escosse^e a 240 rs. o covaJo.
Zephiros liatrad. s a 200 rs. o covado.
Tapetes para janella, piano e cama a 44009,
64000 e 74000 um.
Ditos avelludadoB para sof a 244000 ua.
Pustao de cor a 500 rn. o cevudo.
Setinetas lavradas a 500 rs. o covado.
Flanella branca a 400 rs. o covado.
Setinetas com deseuhos lindos a 440 rs. o co-
vado.
Cortes d caa.-mira a 34000, 34500, 540C0 e
74000.
Casemira de cor e preta a 14^00 rs. covado.
Timoes bordados a 44000 um.
Brim pftTdo lona a 360 e 500 rs. d covado.
Camisas de meia a 800, 1 4*M 8 h 14200 ama.
Algodo com duas larguma 800 rs. o me-
tro.
Esguio amarello para v.stidos a 500 rs. o co-
vado.
Bspartilhos couraoa de 44000 .84000 usa.
Para aa Exnai. uolvam
Setins maco a 14200 e 24000 o covado.
Popelinas a 600 rs o dito.
Alpaca a 400 e 440 rs. o dito.
Setinetas lisas e lavradas a 500 e 560 rs. o dito.
Cortinados bordados a 74000, 94000 e 154000o
par.
Capellas e veos finos a 104 e 144
Colchas bordadas a 54000, 74000, e 840*0
urna.
I
Liquidacio
59 Rna tiuque de Casias 5
Alguna urtigos 50 [, menos do seu valor
Failes ddtaass, linda fazenda, a 400 rs. o co-
vado !
Linons com aalpicos a 560 e 700 rs. o dito
Cachemiras com bolinhas de velludo a 14200 rs
o dito !
dem de 2 larguras, fingindo dados e lisas, to-
das as cores.a 14500 !
dem pretas, e merinos (2 larguras) a 900, 1400,
14400 e 146001
Alpacas de sedas finas a 360 e 400 rs. o dito 1
Popelinas com listras de seda a 280 e 320 o
dito!
Setins Maco verdadeiro, desde 8iO rs. a 24000,0
que ba de melhor.
Gorguro preto de seda, para (um ves*. < de-
cente) a 24000 o covado para acabar.
Damasss de cores, seda superiar, a 900 rs.
dito!
Velludilhos liso e de listrinhas a 14000 e 14600
o dito!
Esguio pardo para vestido a 560 rs. o dito"!
Nansoks finisaimos de cores a 320 rs. o dito !
Cretones para chambres e cobertaa, superiores,
a 860 rs. o dito !
Damascos de l com 2 metros de largura, a
14800 o dito!
Mariposas de cores lindas a 260 rs. o dito !
Bramante de linho superior, 4 larguras, a 24000
o metro!
dem do algodo, idem, idem a 14500 o dito !
Atoalhado birdado, o melhor possivel, a 14500
o dito !
Brins de linbo de cores (linho paro) a 14200 o
dito!
Camisas francesas sem punhss e eolariohos a
404000 a duzia!
Ceroolnsde bramante bordadas a 124 e 184 a
dita!
Guardanapos de linho a 34000 a dita !
Meias arrendadas para senhora a 84000 a
dita !
dem cruas para homem a 34500, 4#5O0e 64000
a dita!
Lencos brancos em lindas bolsinhaa de setim a
3000 a dit !
Enxovaea para casamento o seguinte :
Lindas grinaldas e vus a 144000 e 16*000 !
Ricas colzas de crofchets a 104000 e 124000!
Guarnices da dito (cadenas e sof) a 84000!
Espartilhos americanos, chiques, a 64000 e
84000!
Cortinas bordadas, novos gestos, a 74000 e
104000!
Vendas em grosso, descont da praca.
5 stua Dnqsc ale Caxlaa 59)
LOJA DE
Carnefro da Cunta & C.
, 100:0008000
Lotera da provincia de Santa Catharia
AIU VANTAJOSA DO IMIBIO
~ i ii seiies ni soeeiwises
Decreto provincial de. de Feereiro de 1886
+1
<
O
23
i
m
s

e
-o
s
-

S O
n a
I
s
av
1
1
1
1
1
2
6
12
24
47
100
200
premio de
dito
dito
dito
dito
ditos
ditos
ditos
ditos
ditos
ditos
ditos
de
de
de
de
de
de
de
de
de
de
de
loo:ooo$ooo
24:oo<>$ooo
12:ooo#ooo
8:ooo-io o
5:ooo$ooo
2:ooo$ooos
Irooo-Sooof
5oo|ooo|
2ooSooo
looiooo
5o|ooo
2o^ooo
fe
e <
s
M B
4 B
H S
I
9
as
O
Duas approximacoes de 3:ooo^ooo para o pr
meiro premio
EXTRACCO A 15 DO CORRENTE
23-Rua l. de Mar^o-23
Engenho venda
Vane ae oengeohi Muriei. com safra on sm
fila, situado na freguezia da Escada, distante da
respectiva estacao um quarto de legoa, podendo
dar seis camiuhas por dia, inoente e correte,
tem duas casas grandes e duas pequins para mo
rada, e outra para farinha com sua* p.itencas : a
tratar na ra do Imperador n. 65, 2 andar.
Carteira
Vende-se barato urna carteira contendo na peca
de baixo dous armarinhos e tres gavetas, e na
peca de cima 17 cOmparthnentos que etf fecham
com ama so chave : a ver e tratar n* largo d S.
Pedro n. 4, loja.
4
4 O
6g5
124008
800
14800
500
14O0
800
280t
1(800
400
200
SO' AO NUMERO
ra da Imperatriz
Loja dos barateiro8
Alheiro & C, a ra da Imperatriz n. 40, ven-
dem um bonito 'sortimento de todas estes fazendas
abaixo mencionadas, sem ompetencia de precos,
A SABER :
AlgodoPecas de Igodosinho com 20
jardas, pelo- btrato preyo de 34800,
4, 44500, 4*. bS, 54500 e
MadapolSoPecas de madapoln com 24
jardas a 44500, 54, 64 at
Camisas de meia com listras, pelo barato
preco de
Ditas brancis e cruas, de 14 at
Cregiiella francesa, fazenda u.uito eneor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
ceroulas, vara 400 rs. e
Ceroulas da mesma, muito bem feitas,
a 14200 a
Colletinhos (*a mesma
Bramante francs de algodo, muito en-
cornada, com 10 palmos de largura,
metro
Dito de linho ingles, de 4 larguras, me-
tro a 24500 e
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro
Cretones e chitas, claras e escuras, pa-
drSes delicados, d' 240 rs. at
Baptista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs.
Todas estas fazendas baratissimas, na conhecida
loja de Alheiro & C, esauinu do becco
dos Perreiros
Algodo enfestado pa-
ra enfoes
A 90o ra. e lOOO o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Viste
;<>do para lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de lardaras 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o metro, assim coma dito trancado para
malhas de mesa, com 9 palmos de largura a 14200
o etro. Isto na laja de Alheiro & C, esquina
do ceco dos Ferreiros.
MERINOS PRETOS
A 14200,14400,14600, 1J800 e 24 o covado
A heiro f C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem muito bons merinos pretos pelo preco acinu
dito. E' pecbinchu : na loja da esquina do bec-
co d< s Ferreiros.
i:partilho*
Na '.jH da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bono espartilhos para senhora*, pelo preco
de 540OO, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 24800 e 34 covado
Alheiro & C, ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento de caaemiras ingle-
sas, de duas larguras, com o- padroes mais deli-
cados para costme, e vendem pelo barato preco
ae 24800 e 3J o covado ; assim como se encane-
de mandar fazer costumes de casemira a
grande pechncha ; na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRIM PARDO LONA
A 320 is. o covado
Os barateiros da Boa-Viste vendem urna grande
porcao de brim pardo lona, por es'ar rom princi-
pio de toque de mofo, pelo barato pr rs. o covado, grande pechincha ; na loja da es
quina do becco dos Ferreiros.
Bordados a IOO ra. a peca
A ra da Imperatriz n. 40, vende-se pecas Ue
bordado, dous metros cada peca, pelo barato pre-
so de 100 rs., ou em eartio eom 50 pecas, surti-
das, por 5f, aaroveitem a pechincha ; aa loja da
esquina do baoeo dos Ferreiros.
Philio de Riga
Vendem Fonseea IrmAoS t C., :i pr-'CO'mdico
WSK
V
HOYAL BLEND asarea V1ADO
Ese excellento Whisky Etevas-.-s pseterivt
ao cognac ou agurdente de oaniia, para fortifica'
o corpo.
Vende-se a retalho ne i>. tbares artnazens
nolhados.
Pede ROYAL BLEND mama VIADO cujo no
me e emblema sao registrados para todo o Brazi
BsKWVKS* C,-apaates
\Hencao
ES
Vende-se urna importante taverna no Iirrgo das
Salinas de Santo Amaro, propria para qualquer
riuaipiaute, fas frente para a lirba frrea de
inoeiro : a tratar nauesma.
Aproveitem a pechincha
Vende-se eom grande prejuizo, por mcommodo
de erndde, urna nova e boa armaco de amarello,
torrada de cedro, ainda nao eetreada, propria para
Jualquer negocie, ', menos molbados, na ra do
langel, em bom aruasem n.vo, claro e arejado,
com agua, gaz, apparelho, tanque para banho e
requeno qnintal ; informa-se na da Tua Praia n.
1,2- and'.
Aos 1.000.000S000
200:0001000
100:000S000
GRANDE LOTERA
BE 3 SORTEIOS
Em fax r dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
ExtFacgio: no dia 1S ii Deamlin (i 1886.
0 thesoureiro, Francisco Uon^akcs Torre

Florida
Loja de miudezas
Ra do Duque 4e Caulas IOS
Os propietarios deste grande estabelecimento
de miudezas, modas epara accommodar os inters-
sea da poca, tem resolvido venderem por meuos
vinte por cento qne em entra qualquer parte.
Ptutes elctricos 6(;0 rs.
Luvas de pellica a 25500 o par.
Linha de carrito! branca e de cores a 80 rs.
Orampos a 20 rs. o masso.
Invisiveis a 320 rs.
Vestuario de fustao bordado para enanca a
3*000.
Pentea de regace para crianca a 100 rs. um.
Baleias a 36o rs. a duzia.
Haspa para anquinhaa a 120 rs. o metro.
Bicos com iresdedos de largura a 1*500 e 1*800
a peca.
Linha de cores para crochet a 250 rs. o no-
ve I lo.
Papel amizade a 40 rs. o caderno.
Fita cnineza a 320 rs. o masso.
Lencos de linho a 1*500 a duzia.
Lindos bicoe de cores com 10 Jardas a 4* e 5*
a peca.
Urna eaixa cem tres sabonetes desenbando urna
rosa por 500 rs.
Meias de la de cores para senhora a 1*500 o
par.
Jaboato
Vendase ou hypotheca-se dous predios nova-
mente construidos de pedra e cal, ua eidade de
Jaboato, com boas accommodacoes para familia
smbos com o quintal para o rio Jaboato, com
excellentes banbeiros : a tratar na meima eidade,
ra do Imperador n. 91.
Vende-se
barato o sobrad nho da rna do Apollo n. 63 ; &
tratar no pateo do Livramento n. 21.
Cabriolet
Vndese um ero perfeito estado e por preco
eommodo; a. tratar na ra n-ioue de Cazias n. 47
Jaboato
Vende se a padaria e o estabelecimento de mo*
Ihados, bem afroguraados, e prometiendo ainda
maior negocio fac-r coui a ida das oficinas da
estrada de ferro de Cnruar, prximo 4 mesma
estacao, fie situado os estabelecimentos cima,
arrendando se as casas p> ssoa que pretender :
a tratar em Jaboato. enfronte ao hotel Globo.
Mwteiga ingleza nova a f$100 a
libra
Vendem Jos Fernandes Lima & C, i ra No-
va n. 3.
LOTERA
ALAG0AS
CORRE NO DIA 13 DE JULHO
INTBANHI7EL! IUTBANSFERIVEL! #
O portador que possuir um
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar..
10:006 W00.
Os bilhetes acham-sea' ven-
In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 13 de Julhn
1886, sem falta.
da na Casa Feliz, pra<;a d
N. 59Rna Duque de faxias %59
Riquisaimas cliapelinas e lindos chapeos para sonhoras a6e 8(J000!
Auquinbas de setiio a 3^1000 para acabar.
Lindaa luvas de seda, todas de cores, a 3^000 !
Setins de listrinhas, phantasia pra bailes a 400 rs. o corado 1
Capas de 1S para senhoras a 2A", 3$ e 6l000.
Espartilhos tinissimos a 5$ e 6)5000 I Figurino.
Camizinhas bordadas para senhoras a 4 e'5)J000.
Leques, raeias arrendadas, lengos de seda, enxovaes para casamente,
de goeto, tudo barato.
CARNER DACUNHA&6.
. 59Ra Duque de Carias59
l .jnwLl


Uiario.de PcrnarobueoSabbado O de Julho de 1886


*



defel-
teve occa-
ASSEMBLEA GEML
(AVAR4 DEPUTADO
SmtSkO EM 16 DE JUNHO DE 1886
MBSIDENCU DO 8B. AHDSADE FlGUEIRA
(Continuaclo)
Disse o oobre deputado que o governo
xas precisa de autorisaclo do corpo legis-
lativo para rever e alterar o regulamento
d quartel-general da armada. Neste pon-
to labora S. Exc. o na* engao, porquanto
se o regulamento do servico actual da ar-
ma foi organisado em virtude do autori-
safSo legislativa, concedendo ao governo a
faculdade de alterar, dimimrr, ou augmen-
tar o pessoal, como pois nlo se h.e dar
agera autorisasSo para alterar um regula-
manto na parte em que o servico
taoso a moroso, como o orador
smU de demonstrar ?
Pronunciou-se tambem o nobre deputado
castra a autorisacSo dada ao governo de
alterar o regulamento de 14 de Fevereiro,
ne sentido de augmentar o numero das es-
colas de aprendize marinheiros e da divi-
d-ss em classes.
E' sabido que estas escolas conatituera o
viveiro do pessoal para a nossa marinha;
ora, tendo a exeouco daquelle regulamen-
to mostrado a ana ineficacia para obter-
sa pessoal, a razio porque a commisso
entendeu necessario confiar ao governo es
ta reforma.
Mostra a conveniencia de autorisar tam-
bem o governo a reformar o regulamento
de corpo de saude da armada, e declara
que persuadido de ter justificado as emen-
das apresentadas pela commisso, vai sen
tar-se para deixar a ptlavra ao nobre mi-
nistro da marinha, que naturalmente occu
para j tribuna.
Antes, porm, de concluir deve de ia-
rar que a commissao de marinha e guerra
nao fez questlo das emendas e additivos
que apresentou ; a cmara vote como en-
tender ; e, se ella, por escrpulo constitu-
cional iulgar que, em voz de conferir ao
governo a faculdade de rever a legislado
penal da armada, deve deixar que conti-
nu o atatu quo, entlo o orador desdo j
est prevendo este caso cora a sua emenda
a este additivo, fazendo depender da c-
mara dos deputados a approvacSo do cdi-
go militar. ,
O Sr. Mac-Dowell (ministro da
marinha) vai responder do raelhor modo
que Ihe fr possivel s perguntas dos no-
bres deputados opposicionistas sobre um
assumpto para o qual taita ao orador a
competencia, visto nlo ter a pratica e a
experiencia, que nao se a Iquirara em pou-
cos dias, de gerencia dos negocios da sua
repartidlo. .
O nobre deputado pelo 2o Astricto de
Minas, combatendo as autorisoeos pro-
postas pela honrada commissao de marinha
e guerra, estabeleeeu um ddemma ; por
um lido considerou-as inuteis, e por ou
tro lado inconstitucionacs e de effeitos des-
astrosos.
Inquiri o nobre deputado por quo r*
zlo nao adoptava.o governo as economas
que tanto apregoou.
A este ponto deve responder que o go-
verno est resolvido a tornar urna realida
de o seu progranma de economas, pelo
qual tanto pugnaram os conservadores na
opposicSo.
Mas nlo tem razio o nobre deputado
quando pensa que deve ser regra fixa e
invariavel o nlo sujeitar a exame a eco-
noma que se pretende fazer, a torto e o
direito, na verba mpregados publicas.
Pensava o nobre deputado que podia-se
dar autorisajao ao governo para alterar o
regulamento do quartel-general da armada,
urna vez que e podesse reduzir o numero
de mpregados dessa reparti; mas es-
quece S. Exc. que a economa" tem de ser
limitada pela nlo desorganisacJo de serv-
jos creados por lei.
A cmara deve comprehender bem que
o orador nlo pode em tres dias de adm-
nistrajao, e principalmente tendo o se.u
antecessor, deelarado que o pesseal do
quartel-general era deficiente, nao pode,
diz, estar habilitado a informar ao nobre
deputado se com effeito aquella reparticSo
est as condgoes de scffrer redcelo no
numero do seu pessoal sem sacrificio das
exigencias do servico publieo. Comtudo,
se se convencer de que a redcelo pos-
sivel, autorisado polo corpo legislativo, nao
hesitar em fazel-a.
Perguntou tambem o nobre deputado so
o governo, estando disposto a fazer econo-
mas, ir ao ponto de nao concluir as con-
8trucc338 navaes que esto principiadas, e
do nao reparar os vasos de guerra q'ie so
acham imprestaveis.
O nobre deputado, inspirando-se em pa-
lavras, que mal interpretou, do nobre pre-
sidente do conselho, descreyendo a nossa
marinha, declaro que ella se achava
em um estado deploravel; mas o orador
tem informa^'3.'s de pessoas competentes
acreditar o contrario, pois nlo
para
lhe consta qne uenhnm vaso da nossa ar-
mada esteja no caso de ser condemnad),
ou as condis3e8 minadas pelo nobre de-
putado.
Quanto ao additivo da commissao auto-
risando o governo a rever a legislaclo pe-
nal da armada, bem como a emenda fa-
zendo depender esta rcvislo da approva-
5I0 da cmara, entende o orador que isto
em nada inbibe a qualquer deputado, que
tenha projecto fjrraulaio sobre o assura
pto, de apresental-o e dscutil-o.
H muitos annos as cmaras se tem
manifestado no sentido de reformarse sma
1 gislacSo militar absoleta e barbara como
a que temos ; mas tilo ditficil a passa-
gem na cmara, sempro atarefada com as-
sumptos urgantes e importantsimos, do
um trabalho de codificacao do qualquer
genero que seja, que da maior coave-
niencia autorisar o governo para sujeitar
aos seus auxiliaras a laboraclo desse
trabalho, que devo ter uoidade de vistas e
ser frito livre d.s agitaos da poltica.
Existe um trabalffo do corpo naval
neste sentido ; mas bsm possivel qm-
nlo s ja tu; perfeito que nlo possa soffrer
retoques. Sendo assim pie a Cmara
examinal-o e substituil-o por outro, se o
entender conveniente. A que fica, pois,
reduzido o dilemma apresentado pelq no
bre deputado, de nconstitucionalidade ou
de perigo ? Este perigo parece mais urna
phantasia do nobre deputado do que urna
arguicao seria.
O orador, portanto, aceita a autorhacao
preposta pela commisso de raariaujft e
guerra.
O nobre deputado tambem considera mu
til, pelo mesmo principio, a autorisagSo pa-
ra reformar o quartel general da armada, c
ainda porque o poder executivo tinha com-
petencia para fazer este trabalho.
O orador ficou sorprehendido com as ra-
z5es allegadas, pois nlo sabe como o po-
der legislativo pode julgar-se autorisado a
reformar um servico que foi organisado em
virtude de autorisayao da Cmara.
O seu antecessor deelarou quo o ssrvigo
do quartel general carece de reforma. Se
o orador se convencer desta necessidade
usar da autorisagJo, o no cao contrario
n5o usar della. O que por ora no,pd.e
affirmar de um modo cabal se o Bervico
actual do quartel general se presta a todas
as exigencias e se convem ser regulamen-
tado. y
Nestas conigSes aceiti a autorisayao
que, como a outra, foi classificada de inao
cente pelo nobre deputado, e portanto nao
p le tr.izer mal nenhum.
Quanto ao regulamento de 14 de Feve-
reiro do 1885, est certo da competencia
de seu autor, o Sr. De Ln.naro, que alte-
rou o regulamento anterior ; mas S. Exc.
bem podia ter-se engaado no modo por
que reduzio o numero das companhias de
aprendizes marinheiros, mudando-lhes a
sede, e fci este o maior inconveniente no-
tado pelo nobre ox-rainistro d marinha seu
antecessor, porque essa mudan5 deu ern
resultado a diminuicSo da affluencia de pes-
soal.
O orador aceita tambem esta autorisa-
cao para o governo reformar o regulamen-
to no sentido que sa julgar mais conve-
niente.
Respondendo japarte do discurso em que
o Sr. Candido de Oliveira quer saber o que
pensa o governo sobre a exequibiiidade da
lei de 1874, admira-se de que o nobre de-
putado nao dirigisse esta pergunta aos mi-
nistros do seu partido quando no poder.
Para o orador a lei perfetamente exe-
quivel, assim liberaes e conservadores con-
greguen! os seus esforjos no sentido de
responsabilisar as juntas revisoras e fazer
desapparecer as sedijSes a que alludio 0
nobre deputado.
Esta discussao fica adiada pela hora.
ORNAMENTO DO IMPERIO
Continua a 21 discussao do projecto fi-
xaodo a despeza do ministerio do imperio
para o exerci&io de 1887 a 1888.
O Sr. *5o Resido estranha alem-
branca da mesa adoptando urna medida
eat igda em tola o. pa:
a de os diputados a responder
chamada como se fossem meninos do es-
cola.
Eacontra por parte do presidento da C-
mara muita severidade na applicacSo do
regrmento ; entretanto osqueieu se de o ap-
plicar sua pessoa, como no dia em qua|
fallou da mesa sobre o projecto dos deba-
tes, quando alias devia deixir a sua cadei-
ra da presidoneia para ir filiar das banca-
das.
Mas nao se queix* disto, porque julga
que tudo quanto o actual presidente da C-
mara faz bom ; o que a-sha mo que o
partido conservador, taodo subido ao poder
Dar regenerar o paiz,*em ver de dar
deputados, brese
notos.
Hs das 8es-
exp;-
iater-
FOLHETIH
RIGOLO
POR
bons exemplos, esteja caosticando constan-
temente a pequea minora libiral, lembran-
dolhe suppostos crimes e desvarios com-
mettidos pela situacjlo que findou.
Dpo8 de algumas ob^rvac3es sobre
poltica gerai, passa a tratar da materia do
orcamento do imperio, o corneja pelo ensi-
no primario e superior, lamentando a falta
de instrueco aecusada pelas estatisticas,
segundo as quaes apenas nove decimos da
populacho do imperio sabe 1er o screver.
Eotende que a dessemina^lo de escolas
palmarias seria de maior vantigem do que
a raanuten$ao de certo* estabeleeimantos
de imtruccao, costeados pelo governo, co-
mo o internato D. Pedro II, que um sor-
vedouro da dinheiro do estado.
Pronunciase contra o laxo com que es-
t esUibelecida a Academia de Medicina da
c6ite, analysa os seus estatutos, que jlg
carecerem de reforma, principalmeate no
tocante s propinas que aos examinadores
sao) obrigados os alumnos a pagar dos de
que n possam fazer os seus examos se-
nSo depois do mez de Margo.
Pede a attencao do nobre ministro para
urna empreza que so propo i a realsar o ea-
neamento da la6a de Rodrigo de Freitas e
ao msjmo tempo estabeleeor urna necropole
extramuroa servida por urna estrada de fer-
ro o que ser de grande vantagem.
V urna verba do 14:000$ p ira a com-
pra de quadros o outros objectos para a
Academia de Bellas Artes e deseja saber
qual foi o ministro que fez essa despeza
sem estar autirisado.
O Sr.Olympl0 Vallado Jes ja-
va tratar de assumptos relativos ao orna-
mento do imperio, mas tantas tm sido as
emendas remettidas mesa, que julga me-
Ihor serem ellas remettidas commissao,
afim de preparal-as para a 3* discussSo
Nesse sentido vai mandar mesa um re-
querimento.
Vom mesa, lido, apoado c entra em
discussao o ssguinte requer ment da adia-
manto :
t Raqueiro que todas as emendas offe-
recidas durante a 2a discusso do projecto,
sejam remettidas comsisso de orcamen
to para reconsidralos por sjcasio da 3*
discussao, nao ficando interrompido o an-
damento do mesmo projecto.
o Sala das commissoes, 15 de Junho de
1886.Oljmpio Vallado.
O Sr. Ratisbona nao tem por fim
obstar a passagem do requerimento, que
nao lhe parece estar muito nos hbitos par-
lamentares. Nao coinprehauda emendas
apresentadas pela commissao de orcamen-
to sem o assentimento do ministro ; S.
Exc. porm est presente e pode manifes-
tar a sua opiniao a respeito.
1 Sr. Mattoso Cmara deelara
Hque a commissao aceita o requerimento em
vista das duvidas que se tem levantado a
respeito das emendas, e pede Cmara
que o approve.
O Sr. Ridrigo Silva (pela ordeno) roquer
e a Cmara approva o eneerramento da
discussSo do requerimento, quo posto a vo-
tos approvado. .
Continua a discussao do orcamento.
O Sr. Rodrigo Silva requer o a Cmara
approva o eneerramento da discussSo do
projecto.
Posto a votos appTQvado o projecto co-
mo foi apresentado pela comraissilo do or-
Samento e publieado no Jornal do Com-
mercio do dia 12. -
O Sr. Presidente d a ordem do dia pa-
ra 19.
diente:
Vem lint*
pellac&o :
t Requeiro que se marqu dia a i
para que o Sr, pi cooselho res
ponda s interpellac^es :
1. Tem o governo conhecimento do es-
tado anormal da prov Paulo do
Rio-Grande do Sul, is do or-
namento o de forja policial para o exerei-
ci corrente ?
2o No caso afirmativo, quo provil-n
cias foram tomadas para o restabslecimen-
t do rgimen da legalidade ?
3. Entende 9 governo que se deve
aguardar a reuniSo futura da aasembla
legislativa daquella provincia, para vot*9ao
da novas leis do orjamento e- forja poli-
cial, ou nlo julga ser caso de convocaclo
extraordinaria da asaembl legislativa
corrente ?
Sala das sess.3e3,21 de Janeiro de 18S6,
Candido de Oliveira.
O Sr. Presidente 'rz que opportuncruen-
te marcar dia e hora.
SESSO EM 21 DE JUNHO DE 1886
PRESIDENCIA DO 8R. ANDRADE FIGElRA
Ao meio dii feit* a chamada a que res-
Msa de jcomri
(CONTINUAgAO DE ANGELA).
CoDtiauago
do n. 153 )
Respondeu-Jhe que o actor Paulo Dar-
nala tinha sido seu amante ; mas que tendo
reflactido e tendo verificado que isso que
iulgara amor era apenas um capricho, ti
nha achado opportuno passar a esponja so-
bre um passado que se tinha tornado in-
commodo e por no meic da ra o amante
que j nlo lhe agradava e de lhe recujar
mesmo o direito de dar o seu noma ao fi
lho que trazia no seio.
O comediante esperava, pronunciando
estas palavras, provocar urna exploslo de
colera em Cecilia. *
Assim nlo acontecen.
A filha de Jayme Bernier replicou, com
o tom mais calmo e com o sangue fri mais
nsultuoso :
Edganei-me sobre o meu estado I
vordade. Felizmente os lagos vergonhosos
que me podiam ligar ao senhor e dos quaes
O senhor tea feito urna cadeia... nlo exis-i-ma e3pe*rava
tiam... Sou li*re, grasas ao c, absoluta'- ^
mente livre I!! Nlo dependo nem do se-
abor, nem de ninguem !... Disse ao mea
tutor o que entend que lhe devia diaer;
o senhor nada tem com isso... Ainda ago
ra o sfinhor fallou em um capricho... ad-
inittamos qu* me inspirou o capricho da
urna hora... Tanto meloor para o senhor ;
mas tndo est aeabado A illuslo de um
instante dissipou-se... j o nlo conhe$o I
nlo sei quem o senhor .
E eu conheo perfetamente !.. Co-
nbeco-a de mais, respondeu Darnala fu-
rioso. S lamento n6 lhe ter arrancado
a mascara hontem, era presenja do homem
que se achava perto da senhora ; talvez o
seu tutor boje; mas, com certeza, osen
amante amanh... Pelo menos, teria sabi-
do quanto tempo duram as suas phaata-
sias 1 I Dzia a senhora que, quando pBTT-
^ava em mim subia-lhe a repugnancia aos
labios. Entlo que fiz eu, para lh'a inspi-
rar T Que fiz eu para merecer taraanho
desprezo 1 Amei-a, eis tudo Se soubesse
como a amava, Cecilia ? Era tudo para
mim! Occupava toda a minha vida. Quan-
do ha poucos dias lia em.Dijonaquella car-
ta perdida, em que seu pai lhe annunciava
que tinha reconquistado a sua fortuna e
que tencionava voltar em breva, fiquei co-
mo que esraagado.. o futuro metteu rae
medo. Poosei no nosso erro, cajos resul-
tado, em breve, seriara visveis... Disse
commigo que o meu dever era vir laucar-
me aos ps de seu pai, que a julgava pu
ra, implorar lhe o seu perdi e conseguir
que elle me aeeitassa como filho.
Mas a idea do dinheiro que a senhor 1
ia possuir incommodava-me... De pobre
qu; era a tornar-se rica... O Sr. Bernier
pon talvz em duvida o desinteresso do
meu amor e expulsar-me-hia como caja-
dor de dotes, que havia especulado com a
fraqueza de urna moga I Ah que sauda-
des eu tinha da sua pobreza. Ao 'menos
nlo podia attiogir-mo a suspeita infamante
de uns esperanja interesseira. Comtudo
Contava que o amor lija
dara foreas para lutar, junto commigo,
pela felicidade de ambos.
Paulo Darnala interrompeu-se durante
ua segundos.
ncK'So ia-o dominando.
Passou a mo pelos olhos, talvez para
oceultar urna lagrima.
Cecilia tinha um sorriso irnico nos la-
bios.
O actor vio aquelle sorriso. Dissipou-
se lhe a commojlo e oin colera sempre
cresecnte proseguio :
Contar com o seu amor. Que loueo,
que imbcil era eu Porveutura capaz
de amar ? Tem siquer, ao menos, coraclo ?
Hoje morro seu pai e nem mesmo o cho-
ra 1 Tem o luto nos vestidos, mas nlo o
tem na alma.
< Ah comprehendo perfetamente o seu
pensamento... Est all gra porque se v
ivre, porque se acba rica, e porque o di-
nheiro lhe dar raeios de oceultar a sua
vergonha. Disse-rne que se tinha engaa-
do a respeito xdo seu estado... Dpois de
o ter afrmado, nega o. Pois bem, essa
negaclo urna meitira para me afastar
da senhora ; presinto-o, adivinho-o !
Disseram-me que sabe de Pars e de-
ve 8* verdade, visto que as suas baga-
gens provam quo parte e essa partida tem
sem duvida um fim criminoso e infame.
A senhora capaz de tudo ; mas tomo coa-
la. V para onde for, que eu. a sab'er#i
encontrar, e so verdade o- queeu suppo-
nho, ha de rae dizer o quo fez de meu fi-
lho.
Cecilia estava paluda como urna morta.
Parece que me est ameacando, disse
ella com um tom choio de desprezo.*
Ameagal a, porque? Quando se pos-
suem a resoluclo e a forca nlo so amea-
9a .. At vista, Cecilia Bernier.
At a vista naoj adeus.
At a vista, repito, porque juro-lhe
que ainda nos tornaremos a ver.
E o actor depois de ten acdmpanhadj
estas ultimas paLvras com um "gesto por
domis theatral, dirigile para a porta,
abrio-a e sahio do quarto e depois do apo-
sento.
No pataraar encoctrou-se com Brgida
que voltava acompanhada de um oarrega-
dor.
O Sr. Affonso Celso Juni*r
observa que a cmara de certo notou a
presteza com que arremesaou-se tribuna,
logo que a palavra lhe foi confiada peloSr.
presidente.
Poi medida de precauclo. Receiou que
a menor demora dessa ensejo a que algum
honrado memoro da maioria lhe ratersep
tasse e sequestpssa no ar o oy-eito de fal-
lar, para o qui, com o hbil auxilio d>
Sr. presidente e secaudalo psla forga no
meriea de seus amigos, nao lhe seria dif-
ticil encontrar dispoa'^ao a.lequada em ex-
cavojdps regimentis.
O St. Presidente : O rjeeio do nobre
deputado infundado,
O Sr. Affonso Celso Jnior diz que nlo
, pois para justifiear o acfo podia ser in-
vocado um procediment occorrido na ulti-
ma sesslo.
A cmara foi testemunha da que, fiado
o ligeiro debate a proposito das emendas
do orcamento do imperio, foi dada a pala-
vra ao orador para dis ratir o mesmo orga-
meuto. Quando, poram, ia e)le iniciar as
suas observagSes, foi-lh9 dispirada em ple-
na face urna rolha inopinada e contunden-
te, como urn verdadeiro projectil.
A maioria est em seu pleno direito en-
cerrando as ver: mas o modo porque o fez na alludi la
sasilo importou urna descortezia pessoal,
tanto mais injustificada quanto foi vietima
delia a mais humilde individualidade da
cmara, a qual se samara em tratar todos
os seus companheiros com aparada defe-
rencia ; o qu9, alias, deve constituir obri
gacjlo primordial de urna assembla, onde
presume-se quo se resume o que ha de
mais elevad 1 no paiz e cuja misslo cmn-
pre ser priu.'plmente educadora dos cos-
tumes nacionaes. (Apoiados.)
O Sr. Presidente : V. Exc. declarou
quo ainda nlo estava na tribuna.
O Sr. Affonso Celso Jnior responlo
ser exacto que nlo occupava ainda a tri-
buna no sentido restricto o material do
termo, isto nlo achava-se ainda de p e
nlo havia pronunciado o classico : Sr Pre-
sidente. .. Estava, porem, de posse da pa-
lavra, tinha sobre ella um direito adquiri-
do, cuja sonegacao oonstituio urna violen-
cia, alm de tudo intil, pois o debate ulo
fora protelado.
Para qua violencia quando se dispoa de
to doeil e avultada maioria?... S e vio|6ncia entra como elemento constitutivo
da ndole do partido dominante, que, pra
tican^o-a, obodeoo a exigencias fatacs de
temperamento, a irreparaveis impulsos da
natureza. (Nao apoiados o -apoiados.)
Sabedor disso e para praveair sorprezas,
o orador d'agora em dianto vai usar de
uro expediente que acoaselha aos seus col-
legas de oppsico. Qundo fallar, pora a
menor pausa possivel entre os periodos,
restringir o proprio intervallo natural das
phrases, portanto, -era algumas dellas des-
agradando maioria, bem possivel, se
nlo provavel, que so lovant um dos re-
presentantes desta para propor'^i eaicerra-.
ment immediato dodiscurso, e ser atten-
dido. Incontinente descobrir-se-ha no re-
giment a disposiclo que o autorise, ou,
se nlo fr possivel descobril-a, pre3cindir-
se-ha della sem mais ceremonia. Regimen-
^^
A visto da velha Brgida, trazendo um
homem para carregar as malas, nlo deu
teinpo a Cecilia para se entregar ao terror
que deviam fazer nasccr nellas as ameagas
do seu antigo amante.
Foi ao mesmo tempo urna distraerlo e
um derivativo.
O carr<-gador vio o que tinha que levar,
na carrocinha de mo, e racebeu as ordena
da menina Bernier.
Brgida dvia ficar com elle, acompanhar
a carrocinha e nlo dizer, senlo a meio ca-
minho, para onde iam.
Cecilia deixou-lhe o bilheto da casa de
saude ; encarragou-a de entregar as cha-
vea, quando aahisse, na loja de trastes, e
parti immediatamente.
Estar com pressa de tornar a ver o Dr.
Angelo ParoU e de se collocar sob a sua
protecclo.
No boulevarl Clichy, entrou n'uma car-
ruagem e disse ao cocheiro :
Ra da Saude.
Pelo camiuho, o terror que nlo tinha t-
do tempo de assaltal-a at entlo tomou a
bu a desforra.
O que ia fazer 'Paulo Darnala contra
ella?
O que tentara ?
O que poaeria elle fazer ?
Por momentos teve a idea de guardar se-
gredo sobre esta entrevista com o seu an-
tigo amante, mas a reflexlo demonstrou-
lhe que, no interesse meamp da sua seg-
ranos, nada devia oceultar a Proli do que
se havia passadb.
A sua primeira phrase, quando chegou
ao estabelecimeato do polaco Griaky, foi
peguntar se doutor estava em casa.
A resposta foi affirmativa.
- O Sr. director acha-sa no seu gabi
nete do rez do chlo..
Cecilia dirigi se immediatamente para
4 to garanta de opposic&o. Para que prfl-
cisar della a. maioria, garantida pela pro-
pria forga ? I. ..
Mais do que nunca, entreunto, neoeaai-J
tava naquella oc "asilo a opposiyao de usar
da pslavra para elucidar cartos pontos obs-
curos da staselo.
Dera-se um incidente da mais subida
importancia, que nilo podia passar sem
commentario, a bem mesmo dos taredito*
do governo. O Sr. relator da comrais.ao do
ornamento do imperio que se discuta. Ni
podia ter apresentado ossa3 e tiendas sen
conhecimento e acquioscencia do respecti-
vo ministro, pirante quem o relator di
commisso do orcamento faz o papd >io
orglo mais balsado da maioria que o
apoia.
De repente, quando todos esprv*m
que semelhantes emendas fossem adopta-
das sera discrepaneia, pois por algumas
dallas votava a propria opposielo, eis q
levanta so um outro conspicuo raembro da
maioria e propec que as iaes emendas vol
tem propria commisso que as formu-
lara.
O Sr. Jo?.o Penido : -A commisso can-
tn palinodia. *
O Sr. Affonso Celso Jnior observa que
semolhante requerimento implicava, quan-
do menos, urna grave censura a o relator
da commisso, qual a de haver offerscido
aa taes emendas precipitada mente, sera es-
tudo previo, tanto quo fez se raister fos-
som-lhe devolvidas e recambiadas afi.n de
as apreciar meltmr. Accresce que o Sr.
ministro do imperio nao disse urna palavr*
a respeito, como lhe corapsti-t. De doaa
ama f ou as emendas fora n apresentadas
de accordo com o goverao, ou nlo. No
primeiro caso, a sua devoluclo commis-
so foi ociosa e offensiva ao gov*rno; no
segundo caso, a commissao nlo apoia o
governo, foi desautorada pela oa-nara, deve
demittir-se. Estas reflexSes deram corpo a
insistentes boatos que corram, de que rei-
na seria divergencia entre os meiubros do
ministerio, sobretodo entre os Srs. minis-
tros da f.iz.-nda e do imperio, a proposito
de projectos financeiros. Ha antimonia
completa entre os reapectivos planos de
salvadlo publica O primeiro quer felicitar
o paiz por meio da mais severa economa
reduzindo cada vez mais os gastos pbli-
cos. Ao contrario, o segundo pretendo fa
zer a ventura do mesmo paiz despenden-
do avultadas somraas em melhoramentos
imprescindive8.
P.ovm dessa discordancia radical cer-
tas scenas, apparentemente inexplicaveis,
de quo a cmara tem sido testemunha,
qual a da marcha e contra marcha das
aneadas.
Comprehende-so a perplexidade da ho
rada cora mis coraprehende se a permanencia do gabino-
te. O Sr. Bario de Mamor exige cem
mil contos para sanear a cidade do Rio de
Janeiro ; o Sr. Belisario considera seroe-
lhante saneamento como urna epidemia pa-
ra as finanjas nacionaes, j de si to an-
micas.
Se tudo isto inexacto, conrnha qu
fos3e explicado. Como quer que seja, as
manobras occorridas confirmarara as noti-
ciaa correntes, Longe de ser vantajoso, o
eneerramento naa conOijSes era que foi rea-
lisado constituio desserv90 ao gabinete.
Isto posto o orador p3sar a oceupar-
se de aasuraptos concernentes sua pro-
vincia. Leu ha dias n'uma eonecituada
folha diaria que a deputagai conservadora
de Minas Geraea, deaconteote com o ac
tual administrador da provincia, exigi do
governo a sua exoneraclo. Desojara sa-
ber o que ha de exacto em semelhante ver-
slo.
all.
Vendo o rosto transtornadd da 0109a e a
agitaclo e o susto j|ue exprima a sua 4tti-
O Sr. Olympio Valladlo :E' inexacto.
O Sr. Affonso Celso Jnior folga cora es
ta noticia, pois, a assumir a administraclo
o Sr. Io vice presidente da provincia, so-
bejos motivos haveria para se assustarem
us liberaes. Asaeverou o illuatre deputa-
do pelo 13 diatricto de Minas que a depu-
to.910 raineira consagra especial animosida-
de ao referido Sr. Io vicepresidente. Nlo
ha tal, pelo menos por porte do orador,
que nlo conhece aquelle cidadlo e jamis
ataca ou censura sem plena conv9lo da
procedencia de suas argu9oes.
O Sr. Olympio Valladlo d um aparte
O Sr. Affonso Celso Jnior diz que
notorio distinguirse o mencionado vico-pre-
sidente por feroz intransigencia partidaria,
considerando seua adversarios como inimi-
gos que curapre exterminar a ferro e fogo.
(R^clamacjas da deputa^lo conservador 1
de Misas .J
Deseeode de una familia sem davina
Aaatre e merecedora de acataraento, mas
d grande intolerancia poltica.
OSr. Jlo Penido: -Filho de peixa sa-
be nadar
O Sr. Affonso Gdso Jnior lembra que
tem cabido a merabros dessa familia a glo-
rios incumbencia de ni darem a adminis-
traclo da provincia n^s muancas de ei-
tu*9lo; e de tal geito tem effoctuado a
derrubada, que, em torno do seu nomefor-
raou-so nraa legenda de terror. Slo os He-
rodos partidarios de Minas; os degola lo-
ras dos fonceionarios innocentes.
Qui-ixou-se anda o illuatre deputado pe-
11 1 o distri'-to de que esse vice-presiden-
ta fica arguido~-so senado pelo simples tac-
to de assignar circulares, recoramendando
amigos seua na prxima ele9lo senatorial,
meto, no dizer do >. Ex. sem importancia, e
que nlodeveria provocar censuras doalibe-
raac pois tambem um vice-presidante Beste
credo poltico, o venerando Sr. conselheiro
Sant' Aaii 1, roeommen lara candidaturas
aa passada 6t'jaclo. Nlo contesta vera-
cidadn o asserto, porque foi informado de
que effectivaraente o facto deu-se. A df-
feren9a ost, porm, em que p Sr. conse-
lheiro Sant'-Anna, cora a circumspecclo e
alto criterio que lhe sao 08 menores pre-
dicados, jamis andou pelas repartiySes pu-
blicas a araea9ar ostensivamente os era-
pregados de demittil-os e perseguilos quan-
do assumisse a presidencia, se elles nSo vo-
tassem era determinados nomes. (Apar-
tes.)
Sa o Sr vice-presideoto de Mina3 tomar
conta da adminiitra9.ao senatorial, grandes
violencias serlo commettidas, pois S. Exc.
nlo eaeolher meios para fazer triuraphar
a combina9ao que re^oramendou, com tan-
to maior desesperado ompenho, quanto,
pelas d8Ben93es que lavrara notoriamente
as suas tileiras, pouca esperanya reata-lhe
de vencer.
O Sr. Olympio Valladlo d ura aparte.
O Sr. Pre8dont>: --Nlo posso aimittir
apartes.
O Sr. Jlo Penido : E foi ara aparto
muito comprido.
O Sr. Affonso Celso Jnior diz quo ac-
cresce urna circuraatancia para augmentar
o reeeu do3 liberaes de que o Sr. vice-pre-
sidente entre em exereieio, a qual deve pe-
sar no animo dos proprios conservadores.
O honrado deputado pelo IMstricto de Per-
uambuco, cuja administraclo, praz ao ora-
dor repetil o, sera pro sem reoeio de contes-
ta9ao, foi moralisada e digna, deafez mu-
toa act08 do aeu #ntece83or, o que lhe sua-
citou guerra de urna parte de seus co-reli-
gionarios.
O Sr. Manoel Portella d ura aparte.
O Sr. Afton80 Celso Jnior diz que os
actos rovogados forara de grande impor-
tancia. Voltando presidencia, ha de na-
turalmentj o Sr. presidente qnerer reBtabe-
lecer aquillo' que praticou, sob pena de
confessar hiver procedido injustificadamen-
te, donde se originar um conflicto com o
qual a provincia tom s a perder.
Disse ha dias o illustre representante do
11 distrieto que todas as accusa93es feitas
aos actuaos funceionarios da provincia slo
filbas de paixlo partidaria e sem funda-
mento. Paixlo partidaria revelam os ac
tos de semelhantes funecioaarios. Por que
razio foi demittido o administrador dos
correios da provincia tunecionario honesto,
que datante nove meses toi convervado pe-
la stuaglo em seu cargo ? Disse o Sr.
ministro da justiga que a demisslo foi de-
termnala por conveniencia de servico pu-
blico. Que conveniencias forara essas ? S.
Exc. nlo dignou-se explicar.
(Ha muitos apartes.) >
anormal
bava de se passar alguraa cousa
e muito grave.
Tudo quanto se refera filha de Jayme
Bernier devia fatalmente causar lhe viva
preoccupacJto.
Levantou-se para ir ao seu encontr,
sgarrou-lhe as mos e disse-lae no tom
mais affectuo80 e temo:
Como est comraovida, querida me-
nina I I Entlo que tem ?
Tomei o a ver 1 murmurou Cecilia,
deixaudo-se cahir n'uma cadeira.
Quem ?
Paulo Darnala.
Angelo franzio o sobr'olho.
Encontrou esse mseravel na ra ?
disse elle, ou teve a audacia de se apresen-
tar em sua casa ?
Apresentou-se em minha casa.
Quando ?
Ha urna hora.
O que quera elle ?
Tinha nos labios a amea9a o a inju-
ria. .. vinha lan9ar-me era resto o que elle
chama a minha trapo... vinha reclamar
o filho que deve nascer...Por mais que
lhe affirmasse que eu rae havia engaado,
nlo rae quiz acreditar.
E Cecilia repetio, sem nada omittir, o
que se tinha passado entre ella e o actor,
no aposento da ra das Damas.
Proli tinha ouvdo com attenclo a nar-
ra9o da menina Bernier.
P fogo sombro da colera brilhava-lhb
nos olhos.
Proli pensava :
Eis aqui um homem que se vai tor-
nando perig080... Preciso tomar providen-
cias.
O que hei de eu fazer contra as suas
ameacas ? balbuciou Cecilia.
O italiano era bastante senhor de si, pa-
ra serenar immediataraente a sua pbysio-
nomia.
Nlo se inquiete com cousa nenhuma,
minha senhora... respondeu elle. Eu me
encarrego de tudo, mas deve comprehen-*
^uoe o ansio uo exprim m sua bi- cu^..^6v -u .uuU; m.o o.w wr-------* ,__ Am nm-mm .o
tud, Angelo Proli compretadeu que ac der quanto mport apressar o mais pose. Tvp. do Dvano, roa Duque de Cana. n. 42
Para mostrar que o ego espirito do par-
tido preterindo sagrados interesses do di-
reito e da justiga, quem inspira os actos
offciaea em Minas, o orador citar um fac-
to significativo. Desde outubro do anno
passado exercia o lugar de promotor pu-
blico da comarca de Uberaba o Dr. Theo-
doro Dias de Carvalho Jnior, 111090 de al-
to raerecimento moral e intellectual, pru-
dente e escrupuloso no desempanho de
seus deveres, inspirando confian9a a libe-
raes e conservadores.
{Contina)
vel o nosso casamento. .. Urna vez que se-
ja minha mulher nada mais ter que te-
mer e eu ficarei com o direito de fazer sal-
tar pura e simpieamento os milos desse
patife, se ainda tiver o atrevimento de a
ameajar... Repous, pois, o seu espirito e
nlo pensemos senlo na nossa prxima fe-
licidade ... Fe^ tudo quanto lhe recom-
mendei que fizesse ?
- Fiz. Os movis esto vendidos e da-
qui a pouco devem chegar as malas e os
volumes que contera aquillp que me era
mais necessario. *
Mesmo naquella. jJccasilo. o criado de
Angelo veio prevenil-o que chegava urna
carrocinha carreg&da com as malas da me-
nina Bernier.
O italiano deu ordem para que tudo fos-
se transportado para o quarto da 13109a,
que pa8sava aos olhos do pessoal por urna
nova pensionista da caea de saude, e foi
elle mesmo proceder installaclo de Cecilia
e Brgida.
Depois do jantar, em que a menina Ber-
nier se sentou mesa, em frente ao dou-
tor, esta pravinio-a de que era obrigado a
ausentar-se, para negocios, e ella subi pa-
ra o seu aposento.
Proli sahio.
Tinha mandado erabora o seu coupe to-
mou uraa carruagem na estacjto da prs9a
do Observatorio.
Esta carruagem conduzio-o ra de
Courcelles, onde elle pagou e raandou em-
bora o cocheiro.
__ Deve-se tomar .todas as precaugoes,
dizia elle comsigo, introduzindo a chave na
Tachadura do seu aposento.
Tinha tido o cuidado de conservar a rou-
pa, comprada por elle, por occasilo da sua
viagem a Marselha.
Oito dias de uso tinhara completamente
amarrotado e ro9ado aquella roupa de pa-
cotilha, que custa pouco e vale o que casta.
Nada ha de mais caro do que aquillo
que barato. 1 Contnuar-as-aa;
>
fi