Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18310

Full Text

AUNO Lili- HOMERO 154
FAB&A A (JAI'ITIL K IiVAHE ONDE SAO E FACA PORTE
Por tres menea adiantado^ .... ........ f^^l
Por cis ditos idom...... ......... 1241000
i>or uta anno icicui................. 24(*^n
Jada numero valso, do mesmo dia............ 0IOO
DE
SEITA--FEIBA 9 DE JLHO i 1
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis metes adiantadoi..............
Por aovo ditos dem................
Por nm anno dem................
Cada Dumr.ru -.vuIbo, do ias anteriores..........
13J500
20,5000
216QOQ
NAMBUGO
PropueiraHc Ir Jlanoel Jirjiftra i>e Jar & frisos
m
m
TELEGRAMMAS
\
1
S2S7I20 IU AISRtt 81743
(Especial para o Dltrio)
LONDRES, 8 de Julho.
Ento eleitoe memkroi da Cansara
lo- (omniiins IIS pnrlirin: iuo < ti8
adversario* da rcfurm poltica e
agraria da Irlanda.
PARS, 8 de Jaiba.
Foi inausu rada r m Par* a etisina
de Lamartine.
Foi imponente o acto laaag-ural.
PARS, 8 de Julho, s 3 horas da tar-
de.
Fallecen llonxenbor ulberi, ar-
cebinpo de Parta.
Agencia Havas, filial
8 ie Julho de 1886.
e.n Pernaaibuco,
INSTRCCIO POPULAR
NATACAO
(Extrhido)
DA B1BLIOTHECA DO POVO E DAS ESCOLAS
Presbala liKlorlrn
i Continua cao i
No anno do 1837 (segundo elegantemente -efe-
re o contri almirante Celestino.Soarcs no tomo I
dos aeua Quadrot Navaes) cruzava no Estreito de
Gibraltar durante o mez de Abril a esquadra com-
posta das fragatas S. Joao Principe, Gtfinho e do
brgre Libre. No da 4 d'aquelle mez, depois do
meio da, levantou seo tempo, e as austro horas
pule o navio chefe ( a fragata Golfittho,) aprovei-
tando urna oceasiao em qae o co-limpra, faser
signal Arribarbaha de Jeremas. O com-
mandante da S- Joao. por ignorancia, orgulho, ou
o que quer que f jase, nao fez aso da ordem dada,
nem to pouco das advertencias d* pratieo e dos
ofEciaes de bordo ; e o navio l fbi bater n"una ro-
cbedos prximos de Estep >na. Perdidas j todas
as esperaucas de salvamento, preparava-se o capi-
to de fragata Frawerseo faximhrno para se lau-
car ao mar agarrado a urnas boias, quando o teen
te Sequeira se chegou a elle com um hlho de dez
anuos nos bracis, dizenlo lhe :
Franeisc : sabes nadar, e en nao : cede-me
essas boias, a ver se salvo e innocente que trago
nos bracos.
Francisco M iximiano, bom o generoso, nao hesi-
tou nm momento, cedeu as boias ao amigo: a todos
tres se lancarara na agua. O pobre pai que nao
sabi i nadar, foi encontrado morto na praia abra-
cado ao cadver do filho ; e o bom e generoso of-
ficial foi dos piucos que se salvaran. Que terri-
veis angustias pa>-a um! que immensa satiafaco,
qne nobre orgulhopara o generoso e intrpido na-
dador !
Urna vez que fallamos em dedieaco philantro-
piea nao esquejamos uns hroes de hoje, que anda
vivem. comquauto um d'elles seja um velhoj al-
quebrado. Todos conhecetn o neme de Joaqaim
Lopes, bom e singelo mariuheiro qne tantas vidas
tem sa lvo ; poucos dos nossos leitorea, porm, te-
ro tido a fortuna de lhe faar.de (como se dis cm
estyio familar) lhe puxar pela lingna como sucee-
deu a quein e=tas nnhas escreve. Nao julguem
qne a plirase puxar pela lingua seja forca de e-
presso : nao e. J >aquiin Lopes, orno todos os
bomena prestan'es, muito reservado quando tal-
la das suas proezas ; e s a eusto de muita diplo-
macia consegue o curioso ouvir-lhe a narraco de
nm outro facto,narraco que elle faz, seinpre
psiecendo extranhar que se oocupem de actos to
simples e facis de ex- catar.
Uui dia, tiizia nos o bom velho : Nasei em Paco
d'Arcjs a ("i vi*, indo a cnsto a Lisboa e s
obrigido p lo servico. De diadivirto-me a -ver os
b*rcoquee.i trame c lum ; uoite deito-me e dur-
moaoladoda iiimiIih ci mpanheira. Se as torres
dao os tiros pe mi i -nc-corro, a iniuha velha acor-
da-me. chuiu Quitina e os rapazes, e l vamos
barra l^. Em quanto inulher. .. esra j est
acostumada a isro, c rica em easa a resar por mim
e pelos filho'al que voltamos .
Estas palavras do bem a medida na ana elo-
quente simplicidade do quanto vale este bom e
modesto horneo do mar. E sabe o leitor por innitos annos o barco em qne Joaqnim Lemos
realisava as tacaneas de que elle to modestamen-
te talla ? Era a fala do servido da Torre de S.
Julio da Barra, fala j velha e msia podre.
Este homem. ja encanecido ento, i orna vezsen-
do victimada sua dedicaco se o Quirino, seu filho
mais velho, lhe nao acode : um dia lanca-se sonar
no portmho de Paco d'Arcos para soccorrer a nm
desgranado prestes a afogar-se ; este agaira-o com
a tenacidade propria dos afogados ; e so lhe nao
acode o filho to depressa, teriam os daus suecum-
bido irremissivelmente.
Que diremos do Maio e do cabo Bimo, que no
Porto rivalisam com Joaqnim Lemos em dedica-
cao e coragem?
Estar j ganbe o pleito que encetmos ou pre-
cisaremos adduzir novos argumentos em favor da
nossa cansa?
(Con ti oa)
MRTE 0FF1CHK,
Go Ye ru da provincia
EXPEDIENTE DO DIA 17 BB JKH0 DE 1886
Acto :
O vice-presidentfl da provincia, tendo era
vista a proposta constaute de officio do hoje do
inspector da Thesoursria de. Fazenda resolve no-
rt cidados Msnoel Jos ds Costa e Manoel
EstMbJ&o da Costa Jnior para exercerem os car-
gos de fiis de armazem da Altandegs. Commu-
nicou-se a Thesouraria de Fazenda.
Oficios :
Ao presidente da provincia di Rio Grande
do Norte. Communico a V. Exc. que n'esU data
expeco erdem a gerencia da Companhia Pdrnam-
bacans de Navegac&o afim de serem concedidas a
Gastavo Olympio Alvares e D. Maria Magdalena
Gameiro Alvsres, as passagens de qne trata o
seu oficio de 12 do corrate.
_ Ao Di. jaiz de direito das execuces crimi-
naes da ooowrea do Recife. Transmiti a V. S.,
para a devida exeoajao, os inclusos al varis de
ioltnra carta 4e gnu enviados pelo jais tnaniei-
pal do termo de Cachoeira, na provincia da Baha,
om favor do reo Cesario, perdoado por decreto de
23 de Abril ultimo da pena do gali perpetuas,
que estava camprindo n> presidio de Fernando de
Noronha.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Declaro a V. S., para os fias convenientes, que,
vista da sua inforinaco n. 409, de hontem datado,
autorisei o director do Arsenal de Guerra a man-
dar feruecer, no mez de Julho vindouro, compa-
nhia de cavallaria os artigos mencionados nos tres
pedidos sobre os quaes versa a oitada informacao
podendo ser feta administrativamente a acquisi-
cao dos artigo que nao ti ver o dito Arsenal.
Ao mesmo. Tendo autorisado hoje o di-
rector do Arsenal de Guerra a admittir na compa-
nhia de aprendizes artfices como addido r.t ha-
ver vag, o menor Ernesto, assim o communico a
V*. S afim de qne mande pagar, sob responsabili-
dade desta presidencia, a diaria proveniente da
admisso do dito menor.
Ao mesmo. Communico a V. S. que o pro-
motor publico da comarca do Rio Formoso bacha-
rel Deomedes Theodoro da Costa, em 10 do cor-
rente mez, entrn no goso de 30 das de lcenca
que lhe conced ltimamente para tratar de sua
ssude. n
Ao mesmo. Para os devidoseffeitos trans-
miti a V. S. a copia inclnsa do aviso do Ministe-
rio da Justica de 27 de Maio lindo relativo a res-
tituicao de peculio de diversos sentenciados, dos
quaes trataram as informacoes dessa Thesouraria
de 22 de Janeiro e 23 de Marco ltimos sob ns.
49 e 196.
Ao mesmo. Transmiti a V. S., para os
fias convenientes, copia do aviso do Ministerio dos
Negocios da Justica de 31 de Maio findo appro-
vando urna licenca concedida por esta presidencia
ao ex-promotor publico da comarcade Bezerros ha-
chare! Manoel Mayrink Monteiro de Andrade.
Ao Thesouro Provincial. Deferindo o re-
querimento sobre que versa a sua informacao de
28 de Maio prximo findo, n. 668, autonso Vmc.
a mandar pigaraos contractantes da impressSo e
pub cacao do expediente e mais actos do governo
e das repartices publicas provineiaes Manoel F-
gueirda de Faria t Filhos depois de sellada a in-
clnsa contaa importancia de 2:340^000 provenien-
te de 6,400 exemplares do rcgulamento das esco-
las publicas primarias approvado por acto desta
presidencia de 20 doOutubro do anno prximo pas-
sado, fornecidos em excesso do numero a que sao
obrigados pelo respectivo contracto.
Ao directir do Arsenal de Guerra. Auto-
riso Vmc. a mandar foinecer, no mez de Julhs
vindouro, companhia de cavallaria os artigos
constantes dos tres inclusos pedidos, sbreos quaes
versa a sua informacao n. 401, Je 2 do correte,
podendo fazer administrativamente a acquisico
dos artigos que nao tiver esse Arsenal. Com-
mnnicou-se ao commandsnte das armas.
Ao mesmo. Mande Vmc. admittir na com-
panhia de aprendizes artfices desse Arsenal, como
aJdido at haver vaga, se estiver uas condices
do respectivo regnlaroento, o menor Ernesto, que
lhe ser apresentado por parte do regedor interi-
no do Gymnasio Pernambucano.
Ao comnandantc interin do corpo de poli-
ca.Transmito) a Vmc. copia da iniormaco
prestada pelo agente da Companhia Brasileira de
Navegaco, acerca da reclamaco feita no final do
seu officio n. 505 de 1 do correte mez relativa-
mente ao modo porque sao tratadas as pracas
d'esee corpo nos vapores da referida companhia.
Ao director do presidio de Fernando.Para
os devidos efieitos tranaiit'X) a Vmc. copia in-
clusa do aviso 27 de Maio findo do Ministerio da
Justica, relativo a restituicio do peculio de varios
sentenciados.
Portaras:
O Sr. agente da Companhia Brasileira faca
transportar a corte, por conta do Ministerio da
Marinha, no vapor Espirito Manto, os imperiaes
mrnbeiros Olympio Manoel Bomfim e Martins
Baptsta da Silva, remettidos d* provincia da Pa-
rabyba, como desertor da corveta 1 de Marco.
Communicou-se ao inspector do Arsenal de Mari-
nha.
O Sr. gerente da Companhia Pernsmbucana
mande dar passagem gratuita a r at o Ass no
primeiro vapor que seguir para os portos do norte
a Manoel Francisco Peres.
Uutatie mutandis at Mossor, a r a Vi-
cente Wandrley.
O Sr. gerente da Conpanhia Pernambucana
mande na primeira opportunidade conceder passa-
gem a r at a provincia do Rio Grande do Norte,
a Gustavo Olympio Alvares e t. Maria Magda-
lena Gameire Alvares, por conta da dita provincia,
conforme solicitan o respectivo presidente em offi-
cio de 12 do corrente.
BXFBDIENTB DO BBCB8TABI0
Oficios:
Ao 1 secretario da Assembla Provincial.
O Exm. Sr. .vice-presidenje da provincia manda
declarar a V. S., para que faca consta/ a essa As-
sembla que tendo sido oreados pela reparticao
das Obras Publicas cea 32:747*379, os reparos ur-
gentes da Casa de Detenco, deve ser autonsada a
competente verba, visto o orcamento vigente nao
comportar tal despeza.
Ao director da directora das obras publicas
da Secretaria de Estado dos Negocios da Agri-
c altura, Commercio e Obras PublicasDe ordem
do Exm. Sr. vice-presidonte da provineia envo a
V. S. quatro exemplares impressos da velatorio
apresentado em 6 de Marco deste anno Assem-
bla Legislativa desta provincia pelo coneelheiro
Jos Fernandes da Costa i*ereira Jnior.
Ao Thesouro Provincial.0 Exm. 8r. vice-
presidente da provincia jnanda declarar a V. S..
em additamento ao officio da Presidencia de 8 do
torrente, que toi do theor seguinte, o despacho pro-
fardu na petico do professor de Gamelleira, Julio
Cesar toocalves Lima, sobre que informon esse
Thesouro em officio de 21 de Maio prximo pas-
sado sob a. 654 : Nesta data ex peco ordem ao
Thesouro Provincial para pagar ao snpphcante os
venemento8 que lbe competir na qualidade de pro-
tessor de Ganiellera, depois de registrado o res-
pectivo titulo, conforme exige o art. 93 do regula-
ment i 2 de Julho de 1379.
A' Agencia de Paquetes. De ordem do
Exm. Sr. vice-presidente da provincia, aecuso o-
recebimento do officio du hoje, no qual V. Exc
commuuica que o vap ir Espirita Santo, tendo con
cluido os reparos de que careca, seguir para os
portas do sul, s 4 horas da tarde.
A' mesma.O Exm. Sr. vice-presidente da
provincia, aecusa o recebimento do officio em que
V. Exc communica qne o vapor'Pard:, chegado
dos portos do sul h je, s 6 horas da mauh, se
guir para os do norte amanh, s 4 horas da
tuHo.
EXPEDIENTE DO DIA 18 DI JDSBO DE 1886
Acto:
O vicc-presieente da provincia, attendendo
ao qne requeren o tabellio do termo de Palmares
major Castouio Floro da Silva Fragoso, resolve
conceder lhe tres meses de licenca para tratar de
sua sade, devendo o peticionario entrar no goso
da referida licenca no praso de qninze das.
Officios:
A' Theaooraria de Faaenda.Tendo de re-
gressar para a corte o 1 teoente Leopoldo Ban-
d ira de Gouveia, ajodante do Arsenal de Mari
nha, conform determina o ajudante general da
armada no telegramma a que allude o officio do
inspector do mesmo Arsenal de boje datado sob
o. 305, rt colimen do a V. S que mande abonar, ao
referido !* tenente a importancia das passagens,
na rasao de 80*000 cada urna, para elle, sua bsb-
Iher e ama filha de 6 annos de idade.Communi-
cou-se ao inspeutar do Arsenal de Marinha.
A'-mesma.Communico a V. S,pra o fins
cmveniente, que o jais municipal e de orpbios
dos termos de Palmares e Agua Preta, hachare!
Francisco Potber Rodrigues Lima, em 15 do tor-
rente mez, reassumio o exercicie de sea ea.-go.
Ao mesmo. Sirva se V. S. do informar s*
providenciou sobre o coraparecimento do empre-
gado de fazenda de que trata o artigo 28 do de-
creto n. 5,135, de 13 de Novembro de 1872, para
fazer parte da junta classificadora de eecravos
desta capital que dever ter-se reunido no dia 14
do corrente.
Ao Dr. chefe de p>licia. Oom as tr s in-
clusas copias dos officios do inspector do Thso-
ro Provincial, datado de 8 do Maio prximo fiado,
e de 2 e 7 do corrente mez, sob ns. 623, 681 e 687,
respondo o officio de V. S., n. 557, tambem ds 8
do corrente, com referencia ao foriiecimento aos
presos pobres da cadeia da villa de Floras.
Ao director do Arsenal de Guerra. O mi-
nist-'ris da guerra, em aviso de lu do osrnsate,
declara que de\e ter baixa do servico, por inca
pacidade physica, o soldado da jompanhia de ope-
rarios militares desse Arsenal, Launaoo Cardoso
Alves Nunes. O que communico a Vmc. pira os
fias convenie .'es e em resposta as* seu officie a.
354, de 7 de Maio finde.
Ao inspector da Alfandega.Sirva-se Vmc
de mandar entregar ao servento da secretara da
presidencia, que ste apresentar, dous caixetas,
vindos hontem no vapor Para e remettido a esta
presidencia pelo ministerio da agricultura, com-
mercio e. obras publicas, contendo os livros deque
tratam o 4 do artigo 11 do regulamento n.
9,517, de 14 de Novembro do anno paasado.
Ao juiz muuicip&l e de orphaos do termo do
Bonito.Inteirado do que Vmc. expoz ao officio de
18 de Maio ultimo, recommendo-lhe que informe
se foram affixados editaes nos lugares mais conve-
nientes, mencionando os nomei dos escravos liber-
tados na forma da le n. 5,270, de 28 de Setembro
do anno paasado, com as deelaraedes expreasas no
aviso do ministerio da agricultura, commercio e
obras publicas, de 29 de Abril ultimo, dirigido ao
da justica.
A junta clasificadora de escravos do muni-
cipio d* Victoria.Remeti a Vmca., eomo p.-dem
om officio de 15 do corrente, copia da circular des-
ta presidencia, de 10 de Fevereiro de 1883.
Ao juiz de direito da comarca de Salgueiro.
Respondo ae officio de 26 de Maio findo, decla-
rando a Vmc. que a 15 do mesmo mez expadi or-
dem afim de trausferir-sc pata o termo de Leo-
poldina o destacamento ao mando do tenente Leon-
cio Luiz Pinto Ki bei ro.
Confio que Vmc. continuar, a bem da justica,
a promover as diligencias necessanas para o des-
en volv ment e puoico dos culpados relativamen-
te ao crime praticado contra o c.dadb Mariaono
da Costa Araujo Japias^.
Aojis de direito da comarca de Ouricury.
Cumpru que Vmc. providencie de modo a ser
observada a ordem desta presidencia, de 3 de Ju-
lho do anno passado, relativo ao procesao de res
ponsabilidade, mandado instaurar contra o juiz
municipal supplente, Ottoni Caetano Pimental
Angelin, por ter pronunciado a Severino Francis -
co da Silva e Joo Lourenco da Silva, achando-sc
em exerc:cio o respectivo juiz municipal.
Assim respondo ao seu officio de 27 de Maio fin-
do. Remetteu-se copia ao promotor publico
Ao mesmo.Accuso recebide o sucio de 24
de Maio fiado, no qual Vmc. p*rtcpou ter pro-
nuaciado-ao artigo 129, 8 do cdigo criminal o
tabeKt&Vdo termo de Ouricury, Joaa Pateira da
Costa Miranda, e aguardo o resoltado do respec-
tivo processo.
Portaras:
O Sr. superintendente da estrada de ferro do
Recife ao Sao Francisco sirva se de mandar dar
passagens do ida e volta, em carro de 1* classe,
entre a estacao de Cinco Pontas e a de Una para
serem opportunameote descantadas das gratuitas,
a que o governo tem direito, ao Rvd. Fre Fidelia
de Avola, commiasario geral da ordem doa capu-
chinchos e a tres companheiros.
O Sr. agente da companhia brasileira faca
transportar no vapor Pard para a provincia da
Parahyba e Cear, por conta do ministerio da jus-
tica, oa eriminoaoa e escolta, de que trata o ofi-
cio, incluso por copia n. 611, de hontem datado,
do Dr. chote de polica dosta provincia.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
mande dar passagem gratuita, de r, at o Natal,
no vapor qae segu a 22 do corrente ,par* os por
tos do norte, a Frei Venancio Maria da Ferrara.
O Sr. gerente da Companhia Pernambucana
faca transportar provincia do C'iar, por conta
do Ministerio da Guerra, na primeira opportuni -
dade, setecaixoes, m>dindo 1.473 decmetros cu
Dicoa e um fardo, pesando 33 kilos, contando arti
gos de fardameota destinados ao 11. batalho de
infantaria.Communicou se ao commandante das
armas.
EXPEDIENTE DO SECBSTABIO
Officios !
Ao 1. secretario da Assembla Provincial.
O Exm. Sr.-vice presidenta da provincia manda
remetter a V. S, para o fim de eer presente
deliberacio dessa Assembla, a inclusa informa-
cao, i m original, do Thesouro Provincial, datada
de 10 do correute, sob n. 697, em ^ue se declara
que, por nao haver verba propria na lei do orea-
menta vigente, nio pode ter lugar o pagamento
da quantia de 10*550 proveniente de passagens
concedidas por conta da provincia, nos carros da
estrada de ferro do Recife ao 8, Francisco, no
mes de Abril procimo passado. Gommuaieou-ae
ao superintendente da estrada de ferro do Recife
ao S. Francisco.
4o mesmo. De orJem do Exm. Sr. vice
Gomes, petico inicia) a folhas 2, termo de med
ao da folhas 12 a folhas 17 ; considerando que
toram raspeltados oa direitoa dos confrontantes e
observadas as disposicoea da lei b. 6 1 de 18 de
K-teatro de 1860, confirmo a entenet a filhas
96, proferida pelo respectivo juiz commissario e
approvando, eomo approvo, a dita medico, hei
por legitimada a poaae do requerente, e mando
qne sa lhe pasas o competente titulo, satisteitos os
direito* do art. 11 da citada lei e pagos os emo-
lumente* devidos.
A' junta classificadora de escravoi do mu-
nicipio de Ignarass.S. Exc. o Sr. vice presi-
dente da provincia, manda aecusar o recebimento
do oficio de 14 do corrente, em qae Vv. Ss. com-
municam que s*reuniram nessa deta, de confor-
midad* coa a c reular de 24 de maio ultimo.
I dam det BezerrosS. Exc. o Sr. vice-
psesidente da proviaoia, manda aecusar o recebi-
acato do officio de 14 do corrente, cm qae Vv. Ss.
comtnaaicara qae se reuniram neasa data, de con-
f.rmidade com a circular de 24 de maio ultimo.
dem de TaquaretingaS. Exc. o Sr. vice-
presidente da provincia, manda aecusar o recebi-
mento do oficio de 14 do corrente, em qae Vv. Sa.
comaunicaram qne nessa data so reuniram, de
onfornidade com a circular de. 24 de maio ul-
timo.
Ao inspector geral da Iustrucco Publica.
De ordem do Exm. Sr. vicepresidente da provin-
cia, devolvo a V. S. oa autos de processo do pro-
fessor Pacifico Paulino Malaquias, nos quaes o
mesao Exm. Sr. proferio a aentenca de 155,
absolveado-o da pena imposta pelo conseiho Ilite-
rario.
Aasia fies respondido o sen officio n. 155, de 18
de maio findo.
Aojnjs de direito da comarsa d Taquare-
tinga. O Ktm. Sr. vice-presidente da provincia,
manda declarar que foi encaminhado o officio por
V. S. dirigido ao Exm. Sr. ministro da justica, o
qual veio aooexo ao que V. S. transmiti presi-
dencia em data de 23 de maio prximo fiado.
DESPAPHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 7 DE
JULHO DE 1886.
Flix Julio Teixeira Lima.Informe o Sr. com-
mandante superior da Guarda Nacional da comar-
ca de Cabrob.
Fieldem Brothers.Informe o Sr. inspector da
Thesouraria de rsenla.
O mesmoInforme o Sr. inspector do Tbesou
ro Provincial.
Bacharel Francisco Augusto Paes Barreta.
Deferido com officio desta data Thesouraria de
Fazenda.
Ferreii a Silva de.Sim, coa as restrieces do
estro.
Rodrigo Jaeome Martins Pereira.Remettido
ao Sr. inspector do Thesouro Provincial, para at-
tender ao pediao, nao ha vende inconveniente.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
8 de Julho de 1886.
O porteiro,
J. L. Viegas.
co, em
Repartiro da polica
Seecao 2.,. N. 671.-Secretaria da Po-
lica de Pernabahnco, S de Julho de 1886.
IHm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos Casa de
Detenyao 08 seguintes individuos :
A' ordem do subdelegado do Recife, Isidora
Marcellina de Lima, Amalia Maria Viuira e Fran-
cisco Nogueira da Silva, por embriaguez e distur-
bios.
A' ordem de do Arraial, Severiso Jos de San-
t'Anna, Sebastiao Jos de Souza, Antonio Marcel-
lino de Soasa e Benedicto Jos Canuta, por cri-
me de roubo.
Communieou-me o delegado do termo do Bui-
que, que no dia 24 do mez findo, s 2 horas da
tarde, pretendendo Victor Antones Pereira casti-
gar por desobediencia, a um filho de nome Possi-
donio Antunes Pereira, do 19 ann-ia de idaie, ea
te, armando-se de um cabo de machado, descarre-
gou-o por diversas vezes em seu proprio pai, frac-
turauo-lhe um braco e fazendo outros forimentoa
grav.-s.
Contra o delinquente, que foi preso ees flagran-
te, procedeu se nos termos da le.
Pr se adiar pronunciado na comarca de.
Taquaretinga, nos arts. 205 e 222 do Cod. Crim.,
foi capturado no dia 18 do mea ultimo, pelo sub-
delegado do 1 districto de Limoeiro, o individuo
de nome Galdino Gomes de Souza.
O subdelegado de S. Lourenco da Matta re-
mettau ao juizo competente o inquerito policial a
que procedeu contra Manoel Ferreira de Mell),
por haver ferids gravemente a Clementias Jos
Cabra I.
Hoje s 7 1/2 horas da manh, fui avisado
de que no predio da ra da Aurora o. 17, onde re-
sidem o negociante Bernardino Gomes de Carva-
Ibo e Manoel da Silva Leal Loyo, acaba va de dar-
se um crime.
inmediatamente para alli me dirig c encontrei
fendo, com urna punhalada sobre o peito direito,
Manoel da Silva Leal Loyo, que estava sentado
n'uma cadeira no pavimento terreo.
Interrogando, me ioformaram o ferido a Bernar-
dino Gomes de C.arvalho, qae o autor de ferimen-
to bavia sido Delphino Corma Braga, que anda
posta ao seu officio n. 151, de 10 de Maio findo, a
petico de Manoel de Sousa Leal, com a intonoa-
cao, junta em origiaal. prestada a reapeito pela
Cmara Mnuicipal da Gloria de Goit.
Editaes :
Por esta secretaria se faz publico, para conhe-
cimento de quem interessar, ds ordem do Exm.
Sr. vice-preaidente da provincia, qu, segundo o
aviso do Miniaterio da Agricultura, Commercio e
Obras Publicas, de 11 do corrente, sob n. 4, foi
indeferido o requermento em que Diogo Henri-
que de Souza peie, por eompra, trras devolutas
sita as entre a villa du Qutpap, e a provincia
das Alagoas, e bem assim lieeaca para corUr ma
deiras em trras devolutas nessa provineia.
De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da
provincia taco publico, para conhecimento dos in-
teressados, que, nesta dala, foi proferida a sen-
tenen, abaixo transcripta, nos autos de medico* e
legitimaco da posse denominada Cab >je t, si-
tuada no municipio d Agua Prcta.
Sen tenca
Via'os estes autos de medico e legitimaco da
posse denominada Cab ijd situada n > munici-
pio de Agua Preta, requerida por Joo Baptsta
dos Aojos, petico inicial a folhas 12, termo de
medicoes de folhas 18 a f >lhas 24 : onsideraudo
que foram respetados os direitos dos confrontan-
tes e observadas as di-poaicoea da lei 601 de 18
de Setembro do 1850. confirmo a aentenca a fo
lhas 29, preferida pelo respectivo juiz commisaa
rio, e approvando, ce.no approvo, a dita medico,
hei por legitimada a posse do requerente e mando
que se lhe passe o eompetonte titulo, satisfeitos
os lireites do art. 11 da citada le e pagos os
emolumentos devidos.
De ordem do Exm Sr. vice-presidente da
provincia foco publico, para conhecimenta dos
intaressados, que nesta data foi proferida a ^sen-
tenca, abaixo transcripta, nos antas de medicoes e
legitimaco da posse denominada Balthazar,
situada no municipio de Agua Preta.
Sen tanca
Vistos estes autos de medico o legitimaco da
posse denominada Balthasar >, situada no mu-
nicipio de Agua Preta. requerida por Flix Jota
se achava na sala onde havia praticado o facto de-
presidente da provincia devolvo a V. 8., em res- lictuose, e a quem prend.
Por indagaces que fiz verifiquei que, tendo ha
vido orna ligeira dissenco entre o ferido e sua
mulher por cansa de urna criada qae recasava fi-
car em sua companhia, succedeu ter D. Maria Se-
rafina Braga, esposa de Manoel L yo, urna synco-
pe em consequencia do estado de excitacao nervo-
sa em que se aehava, e chegando nessa oceasiao
seu irmo Delphino Braga, indagando o que era
e dixendo-lhe L">yo que se retiraaae, foi lhe dea -
carregada urna punhalada, pelo mesmo Delphino,
seu cunliado.
Proced a viatoria, funecionanda como peritos oa
Drs. Prxedes Gines de Souza Pitanga e Job
Flix da Cunha Menezea, que declararam ter en-
contrado na regio mamaria direita 8 centmetros
cima do mamelo do peito entre a quarta e quin-
ta coate.la um fo'imento de forma lgeiramente
triangular c.m o vrtice ara traz de 6 a 8 cen-
tmetros de extencao dirigido d : cima para baixo,
e obliquamente de fra para dentro, penetrando
ua cana thoraxica e na mesma directa >, ferindoo
pulra i, pelo qui c msideravam grave o feri-
mento.
O delnqueme, lavrado o auto de flagrancia, foi
recolbido Casa de Detenco.
Proced o auto de p rguntas ao off-ndido e s
uesaoas da casa assim como ao i-IFenaor que con-
firraou o delietc.
Remetto nesta data todos os papis ao Dr. de-
legado do seguudu districto para proseguir nos
termos do inquerito por me faltar o lempo necea-
sario para isso a vista do muitoa out.-oa afazeres
que tenho em moa.
Deus guarde a V. Exc. ll.n. e Extu.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
O chafe de poli-a, Antonio Domingos
Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA DE 8 JLHO DE 1886.
Antonio Rodrigues de Souza. Indef -.-
rido, a vista das inbrmacSes.
Constas da 6.a parte da loteria da ma-
triz de Palmares e do collector de Olinda.
Approvadas.
Flix Pereira e Souza. Iadeferido, vis-
to nao achar-se as condicSss do art. 33
da lei n. 1860 a casa n. 10 a ra de Ma-
ciel Monteiro, segundo as iofonnacoes.
JoSo Rodrigues da Silva. Ao conten
cioso para attender.
Mariana Ferreira da Costa Coelbo.
Facarn-se as notas da portaiia de li$enga.
Juveotino dos Santos Selva. Diferido,
cando irresponsavel o supplicante pelo
debito anterior do cstabelecimento n 30
a ra de Santa Thereza, visto provar nao
succeder no mesmo estab-.'le :m rito.
Francisco Nogueira de Mello. Prove
a desoccupacSo.
JoSo da Silva Villa Nova e Jos da Sil-
va Res. Indeferido, visto nao estar desoc-
cupada a casa de que trata, segando infor-
ma o Consulado.
Raltar Oliveira A C. Deferido, dndo-
se baixa no debito e na respectiva matri-
cula do exercicio de 1884-85 por diante,
com relacSoao escravoDomiogos /visto ter
sido alforriado em Dezembro de 1883 e
cessar assim o fundamento da obrigago
do imposto do 22 art. 1 da lei .n. 1810.
Contas do ex-collector de Groianna e of
ficio do Dr. procurador dos feitos Haja
vista o Sr. Dr. procurador fiscal.
Genciano dos Santos Selva, Aurelio dos
Santos Coimbra, officio do Dr. chefe de po-
lica, viuva Virgolioo & C, Joaquim Fer-
reira Ramos Jnior, Joaquim Ramos Souto,
Antonio Ferreira de Carvalho, Fielden Bro-
thers, Antonio Fernandos Xavier do Lima,
e Manoel Figueiroa de Faria d Filhos.
Informe o Sr. contador.
Antonio Jos Coimbra Guimaraes De-
ferido, dando se baixa no debito exigido
com relacSo ao exercicio de 1881-82, visto
ter sido pago em tempo.
Pereira Carneiro A C. Observem o
disposto ne art. 112 do regulamento de 4
de Julho de 1879.
Fonseca 4 C. Entregue-se pela porta.
Dr. Jos Francisco de Araujo Lima e
outros. D se,ficando copia por certidao.
Francisco Alves de Carvalho, Jos Pau-
lo Botelho e Francisco Ferreira Baltar.
Deferido, ficando irresponsavel pelo debito
anterior o novo inquihno que estabelecer-so
no pavimento terreo do predio n. 1 a rus
de Vidal de Negreiros, e as casas n. 27
a ra do Visconde de Itaparica e n. 95 a
ra Imperial, cuja desoecupaco se prova.
Luiz Januario da da .na. Registre-se
e facam-se os assentamentos.
Maria Francisca da Silva Tntor e Joao
Antonio de Mello. Certinque-se.
Joao Joaquim de Siqueira Vsrejao.
Deferido ; porquanto prova-so achar-se a
casa n. 3 a travessa da Baixa-Verde as
condicSes da lei n. 1544.
Manoel Brasiliano Andrade Poggi e pa-
dre Dr. Manoel Goocalves Soares da amo-
ro). Deferido, tomndose por termo a-
fianca ofFerecida.
Consulado Provincial
DESPACHOS DO DIA 6 DE JLHO DE 1886.
Joaquim Jos da Fonseca e Jos Francisco de
Carvalho.Informe a 1* seceo.
-7
Dr. procuradjr doa feitos, o mesmj, o mam >,
Victorino Luiz do Souza Medeiros, Coama Maria
do Espirito Santo e Francisco Jos Soarea. In-
forme al seceo.
Balear Oliveira & C.Informe a 21 seceo
PERMfflBUCO
Assembla Provincial
DISCURSO DO ^R.
EM SESSAO
FERREIRa. JACOBINA
DE 28 DE MAIO
O Sr. Ferreira JacobinaSr. presiden-
te, erabaracoea a ranina posicao, porque a re-
daceo da acta como est, e a posicao que vai to-
teando o debate incidentemente, nao ae pode apu-
rar a verdade, porque o nobre 2* secretario, do-
mando a maioria, j exige a approvac) da acta,
e a minora, ae bem que de poaae da verdade, nao
tem para onde recorrer.
O Sr. Sophronio PortellaE qual a ver-
dade ?
O Sr. Ferreira JacobinaE' aquella obaervada
por na. Se nao se trataase de urna queato poli
tica, eu appellaria s para V. Exc.
O nobro Sr. 2" secretario, Sr. preaidente, com
surpreza de todos na, terminou o seu discurso por
um requermento de encerramento da discusso.
Eu nao entr* na apreciaco dos motivos ou da
medida de que seja mais conveniente que eata ca
sa se torne urna academia de silenciosos, como j
ouvi dizer.
O Sr. Joo AlvesAntea aaaim, do que urna as-
sembla de patativa8.
O Sr. Ferreira JacobinaD8see nobre de juta-
do, a quem me retiro, que ae pronunciava muitoa
discursos, e naturalmente por esse facto, S. Exc.
pronuncias lo mais um, enteudeu que nada mais
rcatava a dizer. E aaaim terminou a sua peca
oratoria, propondo o encerramento da discusso.
Mas, permitta S Exc. que lhe diga, que ainda
dessa vez nao foi feliz.
O Sr. Sophronio Portella d um aparte.
O Sr. Ferreira JacobinaPortento, Sr. presi-
dente, disia eu que, com surpreza noasa, foi pedi-
do o encerrameuto da materia, e digo com aurpre-
za, porque V. Exc. nao encontra nos Annaes
que um orador, oceupando-se de urna materia, ao
termintr o seu discurso, eja o proprio a arrolhar
a discusso, quando alias existe sobre a mesa
grande numero de emendas, aobre as quaos se te-
nba pedido o juizo Ja commiaso, juizo que o dig-
no relator prometiera apreaeatar e extremar, em
resposta ao nobre Barao de Itapissuma, em seu
luminoso dcursc Portante, digo eu, com sur-
presa nossa ouvimoa pedir o encerramento do de-
bate.
E para mim ato foi tanto mais sarpreh.ndentc,
quanto ae dizia na ante-sala, quejum outro dig-
no collega estava enrarregado de pedir isso.
O Sr. Joo AlvesNao nouve sorpresa.
0 Sr. Fereira JacobinaEu ao quero discutir
6sae ponto com V. Exc porque nao pretendo fe-
rir saacptibildades. Mas ouvi diser na ante-sa-
la que outro collega, que nao o nobre 2 secreta
rio, era encarregado ds misso de propr o encer-
ramento.
Aaaim, Sr. preaidente, nanea poderia suppr
que o orador fosee e proprio a exigir semelhaate
couaa *: de que S. Exc. terminara Jo seu discuraj
cam eata chave de ouro :ailencio para todos-
porqu depois de mim uinguem. S. Exc, qae en-
tendeu qae todos oa discursos tiuham sido lumino-
sos, brilnantar, por parta dos nobrea depatados
que ae oceuparam da materia, S. Exc, oceupan-
do-se da mesma materia, e ao terminar o seu dis-
curso pedir o encerramento do debate, implcita-
mente fez sentir qae depois delle ningaem sera
capas de trazer luz questo.
O Sr. Sophronio Portella Isso o que V. Exc.
diz. Eu nao poda ter seinelhante intenco.
O Sr. Ferreira JacobinaDisro isso firmado no
procedimento de v*. Exc.
0 Sr. Sophronio PortellaNao fiz mais do que
usar de urna prerogativa concedida pelo regimen-
t desta casa.
O 8r. Ferreira Jacobina Senhores, digamos
cora franqueza a verdade. O nobre deputado po-
de dirigir esta assembla como bem lhe parecer.
Tem por si a mesa e a maioria, e com esees dous
elementos de forca pode conseguir tudo quanto
quizer, mesmo aquillo que ii de encontr lei.
S. Exc, o Sr. presidente, pode reBOlvr a materia
por qualquer modo; mas ao menoB taca respeitar
a verdade doa factos.
O nobre deputado pelo 9 diatricto, o Sr. Reguei-
ra Coate, ante8 que o Sr. 2o aeeretaria tivesse pro-
posto o encerramento da discuaao, pedio a paia-
vra pela ordem. V. Exc dase: nao idu a pala-
vra pela ordem. O Sr. Heputado Regueira Costa
fez ver que tinha um requermento apresentar, e
antes que o seu requermento fosae lido, reinou o
tumulto nesta casa, e V. Ex. ento determinou por
em dUcusao o outro requermento. O facto prin-
cipal, porm, que o requermento toi apresenta-
do, e se nao se trataaae de urna materia poltica,
en apoellaria- para V. Exc Portento, o requer-
menta foi apresentado, se bem que V. Eic tives-
ae negado a palavra ao 8eu autor.
O Sr. Preaidente Nio veio mesa.
O Sr. Ferreira Jacobina. .. neatas condicoea, c
requermento toi apresentado antes; entrou no do
minio da casa antes da votacio; mas V. Exc. en-
tendeu que nao de.vi lr, fez muito bem; massa-
bemsa que o nobre deputado padio a palavra pela
ordem e V. Exc. negou.
O Sr. presidenteEu disse ao Isr. deputado Ke-
gueira Cesta que nao dava a palavra paia llr re-
quermento ou apresentar emendas; se qaeria a
palavra para requerer voUeo nominal, eu dar-
Ihe-bia.
O Sr. Ferreira JacobinaV. Exc. contmaou
nisto; elle pedio a palavra e fallou, V. Exc hade
desculpar,levautou-se e fallout V. Exc, um
pouco fra dos seus habitas, muita conhecidos, tan-
to mais quando encontrase repulsa, V. Exc con-
tinuou e disse: os senhores que approvam o re-
quermento de encerramento queiraaa se levantar,
u os Srs. deputados levantaram-se.
O Sr. PresidenteEu desejo apenas camprir o
regiment.
O Sr. Ferreira JacobinaA casa teve Bcieacia
d > requermento antea da votaco, esta que a
verdade; a acta pede dizer o contrario, nao ad-
mira. Portento, eu apenas aqu venho dizer que
a maioria pode approvar a acta; maa o facto
que tivemos sciencia do reqaeriinento antes de
votado o encerramento da discusso.
DISCURSO DO 8E. FERREIRA JACOBINA HA
SESSAO DK 29 DE MAIO
O Sr. Ferreira Jacoblna-Sr. presiden-
te, poucas palavras direi, em attenco ao nobre
deputado que a -resentou o requermento.
Logo que V. Exc. se retirou d'aqui e chamou
para subs'tituil-o o nosso diatincto collega, o Sr. 1
vice-pre8idente, eu notei nease procedimento como
que urna tatica, no intuito de ae inutih'sar um de-
putado que estava votando.
O Sr. PreaidenteJ fiz aentir que nao me re-
tirei por talic nem manobra ; mas porque tive
necesaidade de ausentarme por alguna minutos
deste recioto.
O Sr. FerreiraJJacobinaNao duvido que asaim
acontecesse ; mas dando-se esse facto, parecendo*
me isso urna manobra, como bem pareceu a inultos
dos nobres deputados, retirei-me dizendo : eu agora
vou tambem tomar folego, e sah do recinto. Por-
tento nao se veja naa minhaa palavras nem no
meu procedimento, um acto de descortezia ou des-
respeito peaaoa do Sr. vice presidente, a quem
muito acato, tanto mais quanto, eu nao tinha mo-
tivo que me impedisae de receber as suas ordena.
Dito iato creio que S. Exc. fiuar satisfeito com
a minha explicaco.
DISCURSO PROFERIDO PELO SR. ANDR DAS
NA SESSAO DE 29 DE MAIO
e Sr. Andr Olas -Sr. preaidente, estamos
com a Assembla cercada pea forca publica e
quando se vota o orcamento provincial, isao -
muito significativo.
As galeriaa maniteatam-ae quasi aempre, com
justica; e porque tolher-se eata liberdade?
O Sr. PresidenteV. Exc. nao pode continuar ;.
nao ha nada em discusso.
O Sr. Andr DasUto s se v em urna situa-
cao como esta que para manter se preciso erapre-
gar a foica publica em tudo e por todo o imperio.
Sr. presdente, revolta-me, como moco, pertea-
cer a esta Assembla, quando eUa funccionar de-
baixo da prcsso da forc-t-
0 Sr. Presidente Eu peco a attenco do nobre
deputado-
O Sr. Andr DinaConclundo, Sr. preaidente,
lavro um protesto desta tribuna, dizendo bem alto,
para que a provincia inteira saiba, que o partido
conservador, cercou a \ssembla Provincial, quan-
do se votavam as leis annuas, para assim ame-
drontar a minora; porm esta portan-se com-
todo o herosmo, protestando, com urna s voz,
contra este acto brbaro e selvagem, proprio da
indele deste partido, que, pordesgraca nossa, se
acha no poder. E retirando-me da sess) de hoje,
tica lavrado o meu protesto.
DISCURSO DO SR. FERREIRA JACOBINA NA
SESSAO DE 29 OE MAIO
O Sr. Ferreira Jacobina (pelaordem)-
Ped a palavra, pela ordem, para rogar a V. Exc.
que, estando a torca nis proximidades deste recin-
to, e na ante-sala o sen commandante, apesar da
casa estar to pacifica, mas que ah eato,,/. Exc
nomele urna commissao para recebel-o com at for-
malidades a dar Ihes ingresso neste recinto, afim
de melhor poderem fiscalisar oa perturbadores das-
ga-erias, especialmente, e os deste reciuto, onde se
representa urna farca no momento.
Caixa Econmica e lonle de Soc-
corro de Pernambuco
alncete em SO de Jambo
im
CAIXA ECONMICA
Activo
Thesouraria de Fazendaconta de
depsitos
Thesouraria de Fazendaconta de
juros
Monte de soccorroconta de pas-
sagens
Caixa
de
612:2681200"
246:852*873
75:956*652
617*000
Passivo
Depsitos em contas correntes
Monte de Sjocoorroconta de juros
935:691*725
931:588*33
4:106*387
935:694*736
QPO
V


o
Otario de PernambucoSexta-feira 9 de Julho lie I8$6

MONTE DE 80CCORKO
Activo
Emprestnos sobre penhores
Valores depositados
Movis
Cadernetas
Taesouro Provincial
Despezas geraes
a de juros
Ahiguel da casa
Caixa econmica
Retorno de juraa
Lacros e perdas
Caixa
Capital
Cautelas de pechares
Juros
Caixa econmicasonta de passa-
Thesouraria de Fazendacoata de
emprestime
Saldos de penhores vendidos em
leilio
SnUo de penaore* prescripos
Gastos com leilo.-s
116:304*616
147:723*377
6:021*227
317*404
3:264*000
6:639*505
714*000
l:i06*387
15:7J|*04
47:7S*377
7:736*463
75:956*652
34:998*845
3:287*612
.U2A12P
16*660
'!c^dAouro.el0da,UbUHe Ta9USpm *a"
< O Sr. Manoel K;appe assistia a todos os tra-
bnos de desencalhe, empregrando n'elles aquel
la actividade que todos lhe coubecetn.
O Tagus dcacarregou quaei toda a carga nos
ltimos dois das, razio por que talvez s amanha
p s6a seguir viagem.
__Sao da mesmi folha da 5 esto,3 linhas:
Levou tres dias o trubalho da desencalhe do
Tagm e toram quatro os vapores empreados
Possa Uso _
ro.;^r.^.t-Nacb-d
n. 16 oaga-se o 65* dividendo das aceces do Ban-
co do Brasil A rszao de 9*000.
otn Jnu> da As 6 1/2
horas da tarde de boj- reune-se esta con rana pa-
ra eleger um outro procurador, visto o elcito nao
ter aceitado o cargo.
Ferro la de linda -Naestecao do Re-
$% ftdajajsjm^a^-.e o2afed.v1dend*as
CatibariLe Jieberibe. ... e i
S. E. &-0.
285:59^*381
O guarda-livros,
Felino D. Ferrara Catlho.
Izandon i
Capital
Brazlllaa Bank U
uiited
do Banco
do pago
Fundo de reserva
BALANDO DA CAIXA FILIAL EM PEKNAMBUCO,
EM 30 DE JUNHO PE 1
Activo
Letras descontadas
Letras a receber
Emprestamos, contas correntes e
outras
Garantas por contas correntes e
diversos valores
Caixa em moeda eorrente
1.000:600
500:000
250:000
304:608*000
1,297:593*340
3,933:181*540
6i)6:413J20O
409^42*930
Pa8SVO
Depsitos :
d eonta eorrente 932:81*90
Fixo e por aviso 2,167:868*500
Garantas por contas correntes e
diversos valores
Diversas contas
Letras a pagar
6,551:439*830
S. E. & O.
Pernambuco,
3,100:679*450
1.703:611*270
1,747:1-49*110
*
6,651:143*110
7 de Julho de 1886.
W. H. Billn, manager
Wm. HiU, accountant
KhvSTA DIARIA
.enfels irowlocUU Na aeeaao :de
antp-bontem e na 2.' parre daordem do da adiou-
e pela har a 3.* discusso do projecto a 37deste
auio (subsidio e ajuda de.costo dos depuUdos da
viiiduura legislatura) sendo epoiadas diversas
emendas e ten 'o orado o Sr. Ferreira Jacobina.
Oru pela .rdem o Sr. Javenc;o Man.
A ordem do da toi esta : 1. parte, continuaoao
da auteced-ne; 2. pite, 3.a discussa* do pro-
testo o. 54^ deste anno e contiauacao da anteee
Hontem funecionou sob a presidencia do Exm.
Sr. Dr. Jos Maooel de.B*rros Wauderiey, tendo
Desparecido 33 Srs. dopotadoa.
Foi lida eaporovada, sera debato,a acU da ses-
aio antecedente.
0 St. 1 secretario procedeu a leitura do se-
ruinte exiiedienta :
Um officio do secretario do governo, transmit tu
dopor eopi* urna peti^o de msradores em Santa
Ciara de Buique, com urna iuformaco, tambera
por copia, do inspector da Instruccao Publica, re-
lativa wmeiKia q aquella localidad*.A' commisaao de Instruccao
Adiou-se, a pedido do Sr. Viaoonde de Tabatin
e_u-A.-ottpBWcdem, bem como o Sr. Drum
*nuu* < requeritnento- dos Srs. Lourenco de S4 e
Jos Mari* sobra a prisao do afeitar Joaquim re-
lifcpet P*10 subdelegado de Ipojuca.
Adiouse pela hora adiscussao do requemnento
do Sr. Barao da Itapissuma sobre o empreotimo,
erando o mesmo Sr. deputado duas vezas e mais os
Srs. Druuwnon 1, Colbo de Moraes Visconde de
Tabatinga. _
r'assou-se 1 parte d* ordem do da
Encerrou-se, ten Jo a hora sido prorogada at o
fim di sessao a requenmonto do Sr. Fraxedes Fi-
Ung., a 2 discuabi das emendas ao projecto n.
43 ai-s'-e a uo, tendo orado o mesmo Sr. doputado
e o< S,s. Drummond e Sopbronio Portella, nao se
o ando, por falta de nume.o, um requenmeoto de
adiamanto do Sr. Ferreira Jitobina.
faaEOii-se 2 p-rte da wdem do da.
Eocerr.u se a 3 discuasao do prajecto n. i
eita anuo (f .rea policial) i* se votando, por flta
de numero, um reMuanmeuto de ad.amento do Sr.
f. neii-a Jacobina.
Adiou-te a 3. discussao dj proj. cto n, 3 oeste
A ordem do da : i.' e 2. partes, co-rfiouacao
da untecrdente. .
Eleteo nanlrinal-Teuios conheosmeii-
to dos seguiutes resulud s da eleicao do 1." do
crrente para vareadores :
itoaicmo na oh cosbi^o
Eltitos :
1. Augusto Villela (C)
2. Loukenco de Crvalho Ypiraoga (L)
3. Tude Pinto Crespo (C)
Wiu 2. escrutinio :
Joo Ferreira Barro (C)
Joo Tenorio Lima (L)
Mauoel Eustaquio Caidoso (C)
Francisco de Albuquerque da H Cavalcante
Joaq'iim Vieira de Souia (C)
Jas Emil-ano Cavalcante de Albuquerque (C)
Jule. ie paTemos conhecuaeuto dos
. Mguiute resultados da eleicXo dos juizes de paz,
do 1.* do eorrente :
Parochia da Luz
1. Capitn Jos Gvminiano de Araujo Piuhei-
ro (^) t / -.N
2. Capito Jus-o S. da Aasum.'cao Neves ( ,)
3.o Jos do Reg Barros de Albuquerque (L)
4. Caetano Ferreira Chaves (C)
Parochia de Bom Conselho
1 Candido Vdlela (C)
2 Viceate Correia Pinto de Miranda (U)
3. Manoel Laurindo do-Rosario (C)
4. Autonio Jos R. Canuto (C)
ApUces genes- No dia 12 do correte,
na Thesouraria de Faztnda, comecr o paga-
mento dos juros-das apolic.s inscriptas nessa re-
particao, relativos ao 2. semestre do anno finan-
ceiro findo, de r885 -86
Compsshia imperial Japonesa
Eita coropaabia aurobatioa ewreiara amanb, sab
bado 40 do crreme, ao theatro Santa Isabel, en-
hindoos seos varisdes trabilhos, conf rmese v no
sanando que vai inssrido na soccao propria desta
r erro vi le Cansar- V partir de 11
do correnta o tren de volta n. 4 da ferro va de
Caruar, largar de S Joo dos Puosbos as 6 ho-
ras da tarde e da Victoria s 5 horas.
instituto Lltlerario Ollodeasje-Es-
toJjutUutD.reBaew.se, em assembla geral, as 10
horas do dia 11 do eorrente, para eleger a sua no
ira directora. ...
Paquete do stlDeve hoje chegar a esta
cidade, psoisdeato do sul, o paquete nacional Et
pirita Sent, enr viagem para o -norte.
rara Pera asi O vapoa Giqw segu
amanha para Fernando de Noronba.
rsqaete Trsal Aawnha deve tacar m
Pernambuco, em viagem para o sul, o paquete m-
ilez rrea, arocedante da Europa.
b a^aaaeataireHIesigraeaHontems 7 ho-
ras da manbi, ama lamentavel desgraca immergio
Ba or: urna familia respeitavel, residente no predio
n. 27 da ru* da Aurora
Sem causa conhecida. um cunhado ferio a outro
, Com ama panhalada, pondo-o em eminente risco de
O erid, que foi vistoriado por 6 mdicos, est
ao leito. O criminoso foi preso e recolhido De-
A poijcia tomou conie cimento do tacto, jwo-
cedo os tenaos da lei.
_Eut_dfcfereaoia" i Uastre familia assim consler-
aatka abstemo-nos de refl;x8es e couunentarios, e
At de catar nemes.
fl^nhlf3r8a,dorr^4( fiptM,3
-T4.e Vi4|ne da e^ieoia .i .
tincto Iliterato francs Joli*T ,
Ease volume contera o remance Avaura* do
Capitao Hattera. linde e interessante como iodos
os do afamado romancista.
Diccionario de llagua portaMaaaa
_ A citada livraria tarabea recebeu o Dicciona-
rio etjmologicc, prosdico e orthogr.iph.co da ta-
gua portugueza, 8. di5ao wt au.,nen^
d, .pub cada pela casa David Coraazi, d. Lis-
oort.
J nos externamos sobro esse Diccionario, e
nosso juizo cootiuA a ser moito lisongeiro.
TribunM do dory do Becire-Ante-
hentem, s teodo comparecido SOjoiaes de facto,
qo p k funecionar este Tribunal.
Fprm sorteados os seguintes:
Freguexia do Red/e
?rmrisco Jos Glvao. f>,
Adolph.. de Britto Tavares Cordeiro.
Fraacelino de Mouia Peasoa.
Fregvetia de Santo Antonio
Bento AugUfto de Souza.
Jos Tiburcio de Souz* Guimaraes.
Antonio Grraindo de Gusmao Lobo.
Frcguetia de S. Jos
Jos Bernardino Rosas. _
Philomeun Heim.no do3 Quimares Peixoto.
Joaquim Jos d Silva Guimaraes.
Freguezia ca B/M Yuta
Jeronymo Guedes da Fonseca. ....
Dr. Antonio Witruyio Pinto Baadeira e Accioli
de Vasconccllos.
Antonio Pereira Simoas.
Jos Manoel Correia do Haseimeato.
Antonio do Carmo Ribeiro.
Joo Joaquim Al ves.
Autonio Lilis Caldas.
Freguezia da (iraca
Ckidoaldo C.'Cameilo Fessoa.
Frtgvtn dt Afogados
Marcelino Antonio Pereira de Carvalhc
Continuara a ser multados cm 20* os jurados
notificados que tem dnixado de comparecer.
Aiodahontem nao se-installou a 3* sasbo
deste Trihunal, por tacen somente comparecido 34
jnizes du facto.
Procedeu se ao aorteio dos seguintes supplen-
tes: ,
Freguezia do Hecife
Frederioo Luis VWira.
.anuario Jos da Gasta.
Freguezia de Santo .Antonio
Joviuo Francisca de Mello Tarares.
Freguezia de S. Jost
AL:i el Gome de S Leitao.
Joaquim Gomes F.rraira de Si Laito.
Freguezia da Boa- Vista
Pedro Jos Pinto.
Manoel Luii de Siq eira.
JoovCarlas Cavalcapte. <*e Albuquerque.
.Jo5-I^n Manoel de S Leitao.
Freguezia da Graca
Adolpho Epiphanio Maurica.
Sarcolino Fedro:du4iiiuza Braga.
Freguezia de Afogados
Libanio Candido Ribeiro.
Carlos Pinto de (Jueiroz.
- FdriuvJDultados em 20* :
C.ndido de Lelia Pcixov).
Dr. Antonio Germano Regueira Pipto de bouzas
L)r Francisco de Asiis Pereira Rocha.
Jos Ricardo Coelho Jnior.
Dr. Jos Francisco Gea* Cavatoante.
Autonio Bezerra Dr. Ezcquitl Franco de S.
Tenente Francisoo Evarist. de Souza.
Dr. Raymundo Carneiro dec^ouza Baadeira.
Victorino Luiz Iaaoceuci Pogy.
O. Jos VK^nto Muir de ,Vasc:ooeeUs.
Tenente Antonio Jos da Silva e Souza.
Adelpho Estanislao da Costa.
Eduardo da Costs Oiiveira.
Juo Emiliano de L moa Duarta.
Philtmeoa fL-noino dos Guiaiariea-Pekioto.
Joo Tiburcio da Suva Guimaraes.
Joaquim Jos da Silva Guimaraes.
Adolpho de Britto Ta vares Gordeirj.
Capitao An'onio Gracindo de Gusmo Lobo.
CongK-Mii liiUeraclo Sclcassifl.cs>
Funcciouou houtem sob a presidencia do Sr. Pedro
Machado Jnior i
Lida a acta da sessio antecedente foi approva-
da sem debate. Em seguida tomou asento O Sr.
Pinto Borg-a. f ,i
For m sorteados para o jury histrico Lartoia
Corday, os Srs. Pedro Machado e Alvaro Caval-
cante, H- nnque Palmfin para a segrate these :
Se a contenf/ranoeza foi criminosa coniemnande
Aps foi, sob pr-posta do Sr. Jos Brandao, lan-
cado na acta um voto do louvor ao Sr. AthenogB-
nes Luoa. .
FoicoMC-dida a eliminadlo de socn a r. Ka-
phael Costa e deiiberou-s* que se ofnciaase o
Sr V. Jurema.
Nao havando uada raais a tratar, foi eacerrada
a sessao, dsiguaado-se a seguinte par odia lo.
Paqnete Par'-ste paquete nacional sa-
bio hontem Urde do Maranbo. Deve tocar
amanha no Cear, no dia 11 no Riu Grande do
Norte e 12 o 13 era Pernambuco.
Da. BoBttoerMo CavaicaateAo bordo
do paquete Para vem de viagem para esta pro-
vincia o nosso amigo Dr. Democrito Cavalcante
de Aibuquerque, secretario du presidencia do
Par, o qual, teado entrado no goso de urna li
cenca que solicitou, vrm visiUr a familia.
O paquete dve aqu tocaj 12 ou 13 do eor-
rente.
Os amigos do Sr. Dr. Demoorito, residentes em
Olinda, p'eparam lhe uraa bonita recepcao.
BabiaDa provincia da Bahia recebem u fo-
Ihas at 5 do eorrente. Eis o que ellas referem:
Prosegu* em scus/ trabaibos a Hssembla pro-
vincia!.
__ Para a cmara municipal da capital foram
eleitos em 1 escrutinios os Srs. D.-s. Jos Bap-
tista Gonealves, Augusto Guim iraca, Virgilio de
Carvalho, Bo'.larmiuo Costa e teneote-coroael Ma
noel Caieaeiro, liberaes; Dr. lnnocencio Goes
Juuior e capitao Joo Rodrigues Germano, era-
servadores.
__Correram em paz as festas do anmversano
da ei trada daa tropas libertadoras na Bahia, ha-
vendo, como aempre, muito enthusiasmi.
__Lem no Diario de Notician de 1 do cor-
rente, sobre o Tagus :
Regressou hontem s 6 horas da tarde de
Sauto Amaro de Tat, onie fra expressamente
para alli receber os passageiros do la^us, o vapor
Bit Vcrmelho da Cimpanhia Bahiana.
Chegaram oitenta e tantos que foram alojados
alguna em hoteis e outros em casas do familias na
maior par e ingieras.
Os valores fiearam na praia de Aratuba sob
a vigilancia da torca publica.
As malas chegaram bontem tambern pelo Rio
Vcrmelho.
H mtem i noite regressou o vapor Mitrinho
Visconde, que lunto com o vaqor Jaihype, empre
gou os maiores esforcos para desencalhar o Tagua,
conseguindo". apenas fazel-o mover.
Hoja seguiram o Coxias, para o local do si-
nistro, levando a seu bordo o engenheiro da Com-
panhia Bahiana, o Sr. James Hunter, que vai ten-
tar novo esfor?.. para aafar o Tagus ; e o Rio Ver-
melho para oanto Amaro do Cat, com 0 fim
de conduxir o resto das b&gagena e todos os va-
lores.
Consta nos que o Tagus desde hontem noite
faz alguna agua. v-*
Lomos na raesma folha de 3 : -ve,
Est felizmente salvo o paquete ingle-*Tayus
da Royal Mail
H ntera, por volta das 5 horas da tarde, con-
seguiram deslocal-a do ponto onde se achava en-
caihadj, depois de empregarem grande esforco,
os v.apores Marinho Visconde e Mrquez de Ca-
xias da Cimpanhia Bahiana, Jacuhype da Compa
nhi Pernambucana a dous rebocadores da Com-
panhia Tranaportea Martimo*, trazendo-o a po-
der navegar perfeitamente, verificndose eatao
que qussi nenhama varia havia elle soffrdo.
io: o Coxias da compinhia Bahiana
ppJ'erDaiobucaua, e dois rebocadores
Xransnartes Maritimos.
,o o deiu:alh tinba o Coxias tres
ntirtiJos, teado um dalles 15 polega-
a.
aajy,do 'agua guidiar carreira o Jacit
_ cpiw^ra.n^e abandonar rrose
pU^ obr-B, ^ tf^^^^ T^^^aad^wiran-
' de auxilio prestado por "ste3 dous vaiwrej, mau-
dou o Sr. Guilherme Wilsou agradecer e louvar
as respectivos omotandantes pela acertada drec
cao que doram a todos os tribal hos.
A boido do Caxias esta va o Sr. James Hunter
engenh-iro cojstructor daCompinhia Bahiaaa.
------------------------------ '------------- i Mim
art. 269. Teve por advogado Severino Alexandre
Villarim e foi condamoado a 5 anuos e 3 mez.s
de prisao.
PrancUco Flix de Lima, incurso no art. 183
combinado som o art. 34. Tevo por advogado
Alfredo Odilon Silverio Coelho e foi condamnado
a 3 meses e 15 dias de prisao.
Caetano Uves de Souza e JoSo Romualdo da
Silva, ocursos ao art. 192. Tiveram por advogv-
dos Alfredo OJilon Silverio Coelbo e Sevarino Ale
xaudreyillarim O Ia foi oade:nuaio a lian-
nos e o. 2* absolvido.
Eugenio Francisca de hpuza, inc.ufd) u'^art.
25. Teve por advoco Dr. Vic it.),Sa:aiya|de
CacasJJBo Neiva e ti coiiicmuadj a i 4 ra^z^de
Rufino de Abreu, ncijraT no ai t. AJ.
t advogado Abngel,gdi i AJy ir.-.
is e foi coademgado ^*t^n
apeilou.
^^Jro Jos Gonojilgesiijatuiso no art. 272
(2a parte). Teve por advogado MinoeT Lydio
Alvares dos Prazeres e foi absolvido por 6 votos.
O juiz appellou.
Antonio Jo Lgjnardo, iucurso n> art, 193.
. Teve por advogado o academeo Hgripino Tn-
I gueiro Castello Rranco e foi absolvido.
Z f&-Tagus aiad_je .aaaer.va..no. uuaso port o,' <-Carolinaj*larFi d-< Jusus, laaurai no art. 201'.
arnJu impossivel marcar o dia eo que deve seguir
viagem.
Os mergulbadores viodos do R o oontmuam e
examinar o porao do paquete.
Parte doa passageiros seguiram no ieoetiu e
no Bufon e amanha, no Araujania, vo muitos ou-
irpa, cando os restantes para seguir no dia 12,
no Elbe da mesm corapaaaia.
. Todas s encommanda va. tambera no Axau-
eania, aasim como o valores.
O desancalhe do Tagus foicotractado com a
Companhia Fernambucaua por 50 contos,.xom a
Babiaui por 60 e nao sabemos c.n quaato pela,
de Transpon s M;iritimos, alera das avarias que
soffressem os, v sures aue turara. aSanta Amaro
do Cit receber os passsageiros.
OSr. J Douglas Spooaer, coramandanto do
paquete ingles Tagus, enviou iho Sr. J. Estoves,
commandante do vapor Jacuhyp* a seguate hon-
rosi cartL :
. Vapor Tagtu.
. Babia, 5 de Julho da 1366.
i Capitut J.-Estoves.
Vapor Jacuhype.
Amigo e Sr.
Tomo a liberdade de lhe agradecer a mineira
porque Vai. srestou-se noservico do salvamento
do vapor Tagus. Sa nao foase o seu vapor e a
. manetra aela qual Vmc. traba uou, creio que o
resultado de nossos esforcos a&Oj seria to satis-
autorio ooano O foi.
Esperando qu>! Vmc. obter da direccab de
ana cmp.inhia e do publico em.geral os louvores
de que .merecedor, son seo amigo sincero e agra-
decido.J. Douglas Spooner.
. Le moa. na itada folha, sob o titulo Conflicto:
Era vista do telegrammas recebidos, ordenou o
Sr. conselheiro presidente da provincia ao Sr. Dr.
chife de polica de seguir para Santo Antonio dss
Queimadas, onde se deram cooflictos, dos quaes
resultaram urna morte e diversos teriiuenlos-
EFecti'amante seguio houtera pa a o l**eat
referido o Sr. Dr. Dojniug'S Guimaraes, acompa-
nh^do dos Srs. Dr. ijaptista Gonealves, medico
da pcia, e alferes Tertuliano da i"uuha,.da
corapanhia de permanentes.
Com o Sr. Dr. chefe de polica seguio tambern
uraaforca de 15 pracas do carpo de polica, sob o
commando do Sr. alfana Apomplo.
-- Renperam em Junho :
eald<,ga 928:243*537
P.avind.1 MsB>W83
Recebedora .39:443*644
Mesa da rendaa 105:2 8*552
Jan rsubo aatOacloaoUra ricouogo-
Teve por advogado Manoel Lyd-o Alvares dos
Prazeres e foi absolvido.
Jos Tertuliano Camello, i icurso no art. 201.
Teve por advogado Dr. Jos Douato Gom -s Tor-
res e f.i absolvido.
. Eucerrou-se a sessao no dia 6 desta mez.
il.ltIO cnvalloN de- vasor!-ai ma
chinas accumuladas actualmeuta no isthrao de Pa-
nam rehlisam pelo menos, o trabalho de ua ei r-
cito de 500,00o horneas.
Ragra geral, p > le-se assegurar qua alo preci-
sos 10 horaens para realisar a fama de um cavallo
.de vapor.
. Pois bem: plc-se classfiuar do scguia'e modo
o materixl de que hijo se dispoe n> m;ncoo:ido
Cavallos de
vapor
isthrao
11.* Durante a paassgem do yacth imperial pe-
los rios Bugl e Ingul alo podero navegar barcos
part calan*.
12 Durante a estada de sua masrestade em Ni-
k daiens permanecer o fechadas todas as tavernas
e carvejanas.
Proclaman de calamentoNo domin-
go 4 de correte na nutriz da Boa-Vista, foram
lidos os seguintes :
Paulino Ignicio Paca com Mara Luisa de
M mra.
Narciso.Augusto Peieira dos Santos com Ger-
trudes Saporit Carneiro Rios.
Ouira uianu elctrica. Com as ex-
ploracoes d.Afiiea Central sa vio d ^scobrindo va-
ria especies de plan as daseoohecidas $. hoje.
Entre ellas acaba de,descobrr-se urna nova planta
elctrica, a oiial se.deu o nome de Etotolacca Elec
trica, e qae ^eguaif
como a rosa^eajp,
insectos fogein :d.a!la Cnalaguiba maguelsadt
que se approximeaos galbos desta planta se dobra
e se torce polos eff-i'.os da eorrente electr.ca, que
se desprendem de ditos galhos e passam a agulna.
t Iraosfuso do angue.Diz um pe-
ridico parisiense:
, Jtri p"TTn ffi'Wmi' A ni tafo y:1 mnln
S o seu aangue nao rrga os campos de bitalha,
era por isso dona de vertel-o omo valente. O
sanguo que corre nos combates se derrama por
obra da morte, emquant > que o do heia em ques
to serve pira dar vida a outros seres.
Este her: que verte seu sangue em beneficio
de seu3 seraelhantes, um soldado reformado da
guarda imperial, ie 52 annos de dude, de uma
constitni9io robusta, de um carcter fro e tran-
quillo.
Seu braco tera servido sato vezas para a tran-
sfuso. Com seu sangu deu vida a seie seres
araeaca los de morte certa.
A ultima vez que se apresentou foi para a de-
moiistracao do novo raethodo de transiusao do Dr.
R misal', na Faculdade de Paris.
Aotualmente a on Taca > da transfusSo se faz
com resultados da xito completo, e nao pergosa
ciante de provincia chegav ha tres semanas a Pa- tuncoes.
200 locomotoras europeas
60 .locomotoras americanas
8 locomotoras de tres toneladas
bm
105 escavadores europeus
11 escavadores americanos
4 dragas de 6i cavallos
22 dragas de 180 cavallos
3 dragas marinbas
7 dragas amar canas
10 apparalhos da.varas classes
4 navios fiuotuantes
22 transportes
97. locomuveis
3i machinas semi-fas
500 gras de vap >r
28 grandes rebocadores
i pontao
141 bombas a vapor
Total
57,400 cavallos da vapor, isto 574,000 homens
de ferro e ac 1
Que esforco e que mamfeatac > to vigoros ad o
poder humano !
Amor li nsyMticiamo t Um* senhora
das mais foruiosas de Madrid, e que era notada
pela sua posicao social e pelo seu geuio folgaso,
uianifestou reeentemeate s suas relaooas vontade
do professar.
Ningu-m sabe |iie motivos u lev iram a t^o
inesperada resoluco ; una supooam uns autoras
in^l correspondidos, e outros mysticisrao ardeate.
Seja o que fr, a verdada que a menina em
questo deve tomar o veo no convento real de San-
ta Isabel, muito brevemente, e que teem siJj inu-
teis os esforcos feitos para desvial-a das suas iu-
riSj para assistir as testas que alK tiyeram lugar.
Pasaagelroa-Chegados dos portos do sal
no vapor ingles Araueama :
H. J. Eddoura, Joo Antonio de Mattos, Manoel
Francisco da Silva, Fraucisco de Jess e Luthi
G.rdi.
Sabidos para a Europa ao mesmo vapor :
W. J. Hayues e sua 6enhira, M. T. da Costa
Ribeiro, su i senhora e 1 filho, John Cordner e B.
da Roch.
Casa ii ueieaco-Movimento dos pre-
sos no dia 7 de Julho :
Existiam presos 298, cntraram 7, sabiram 12,
ixistem293.
A abei:
.Naciouaes 260, mulheres 2, estrangeiros 11, es-
ravos sentenciados e processados 11. ditos de cor-
.. A 293.
i se oiz^ethaja elac^ioidada rraoados 273, seudo : boas 264, doentes 9
. seupetfume., ^naaj^ros.* [^otaljWd.
, Movimento da enfermara :
Teve baixa :
Cosme los Damio.
Valndooro PublicoForam abatidas a
Matadouro da Cabanga 60 rezes para o consume
do dia 9 de Julho.
.Seado: 46 reres pertenceates a Oiiveira Castro
j C, e 13 a diversos.
Mercado Municipal de *. JoneO
movimento deste Merca lo nos dias 8 do jsor-
rente, foi o seguinte :
Entraram :
33 boia peaando 4,512 kilos.
442 kilos de peixe a 20 reis S*840
58 cargas de f irinha a 20J res 13*60t
38 ditas de fructas diversas a 3 JO
ris 11*400
13 toboleiros a 200 ris 2*600
10 Suims a 200 ris 2*000
Foram oceupados :
24 1/2 columnas a 600 ris 14*700
29 c >mpartim -nt n de frinha a
500 rea. 14*590
23 compartimentos da comida a
500 ris 11*500
70 ditos de legumes a 400 ris 28*00.)
16 compartimentos de suinoa 700
ris 11*200
13 ditos de tresearas 600 ris 7*809
10 ditos de ditos a 2* 2.1*000
A 0'iveira Castro & C.:
2 talhos a 500 ris 15009
54 talhos de carne verde a lg 54*000
apor para o que d o seu aangue era para o que re -
19,200 cebe.
4,100 Nao h t muitos annos que era um das opera-
eo.'s mais difficeis e perigusas.
A primaira transfuso que a historia da me-
dicina menciona, a que soffreu o papi Ionocen-
cio VIII, em 1492. Estava hydropico e foi operado
por um medico judeu, cora o sangue de dous jo-
vens, aos quaes cortou as arterias cartidas, o que
produzio-lbes a mort-< pela bemorrhagia que loes
sobrevino, o papa morreu tambern de obstruccio
circulatoria.
Fouco tein jo depois, com o notavel descobri-
meuto de; H irvey sobre a circolscb do sangue, se
pos muito em voga a transfuso; porm, praticada
esta cora apparelh is defeituosos, nao dea bons.re-
sultados at estes ltimos tempos. D oais, se ser
viam do sangue do uovilho, que era um veneno
mortal para a circuladlo humana, que nao admitte
glbulos de saugue d'uraa especie differeate.
Gracas a este metbodo, a transfuso nos ca
57,400 sos de hemorrhagia e anemia tem dado sempre ex
cellentes resultados.
A rainha regente, sabendo desta caso, enviou
ris, para asaioiir aa euo 4d ". nru.= -- --.- .-B------, ---------------
Hos' edatlo n'ura hotel, o nosso provinciano,nao ia futura freirc uin magnifico vestido da seda com
i_;.....tl_ oberbos b>rdados,fira de que o,envergue na
(C)
ao theatro nem a parte alguina limitaada-ae a
passar as noites no cat do hotel, s, pois a> co
nbecia niaguem.
Contiguo ao quarto do msso bomera morava oin
individuo e uma dama de porta distincto, com os
quaes se encoutrav teda as Urdes 4 mesa, nao
lardando muito tampo qne travasse ralacoas com
elles. .
Uma das noites, porem, quando o provinciano se
recolhis ao quarto, ouvio uma violenta discussa
entre. oa.Wnaos -ceaaog, ^apols.o. ruido, c o in-
dividuo parti dizendo para a su-* companheira :
Adeus dixo-t inheiro arranja-te como
-psderes, eom a carteza, porem,de.que nuuca rnats
me tornars a yer.
E fechou-se a porta.
O provinciano exnnecava a adsrmecer-se, quan-
do foi despenado p umaa paneanas discrcta-a na
porta doseu.quarto -r ira a visinha, que, banhada
em pranto, Ibo vinha pedir hospitalidade, reoejan-
do que o aeu amante voltaase, e, talvez, lhe -ba-
tease ; que nao ousava ficar s no seu quarto.
A niulher era nova, e, alera d'isto, formosa, e o
provinciano dcixou-so teatar.
Mas neste muado nao ha nada que nao tcaha
fira, e o nosso hroe deixou-sc vencer pelo sorauo,
a adormeceu ao lado da sua formosa visinha.
Despertando pela tnaah,^baataote Urde, acou
sorprahendido- por se encontrar s; ,que a'mal bar se tvesse rotirado para o sea quar-
to, e foi procural a. O quarto, porm, esUva va-
aio.
Imagiiie-se agora o furor uo aosso hornera, quan
do souba que esm a bella tinbam desappa.acid,
tambam, o seu relogio, correnta e carteira com
710*000! ltu
Tinba sido victima da comedia que om malfeitor
e sua amante haviam represeutado pira o explorar.
. Va NuicidaexlrasaganleParecebla
guey m is verdade, visto'ique todos os peridicos
de Paris o dizeiu.
Na Urda d4 ia.Junho ehegou ao hotel Was-
hington, ru da Mootmarta, ou mancebo, a qual
pedio um quarto, onde se encerrou.
Paasadas algumas horas, ouviram-se gemidos.
O criado do quarto ehamou pela gente do hotel,
e, forcando se a porta, encontraram o mancebo
morto, com um punhal noruego eravado at ao cabo
no peito.
E >. cima da mesa estava uma caita concebida
nestes termos : ...
< Chamo me Courbacane, e estoo aborrecido de
nao ver aeno geote aotipathica pelas roas, e do
aedhiraento afiectuoso que todo o muneo me faz,
4 excepcao de minha familia. Verdade que tem
motivos para isso.
-LcTanter-me boje pelas 11 horas, e almocei no
bouion Duval. Fui s corridas, e nao ganhei
para pagar, como quera, aoa meus credores.
Do regres80 Paria, jantei nocaf Chatean-
dun, e fui depois ouvir a opera cmica oSonho
de uma noite de Verti.
< Depois -le consagrar alguna momentos a ama
I aveatura amorosa, vim a este hotel, oade vou ma-
lar me.
Sou partidario da-cremaco, e rogo ao Sr. juiz
que ray^i queimar o mcu cadver.
At o morrer se vai tornando, para os iodiv-
du s de bom humor, uma cousa de pouca impor-
Unea.
Oa laraploaEstes industriosos, na noite
de ant. -hontem para hontem, tentaram penetrar
as lojas us. 7 e 11 da ra do Baro da Victoria,
pelo lado posterior d'ellae, que deita para um bec
co tapado da Camboa do Carmo.
deudo presentidos, pozerara ss em fuga os Ues
sucios, qui* eram oito, deixando como lembranca
um caibro que levaram para a excursao
Ho (linoMandam dizer de Buique que, a
24 uo passido, pretendendo Vctor Antunes Pe-
reira castigar a um filbo de norae Possidonie An
tuues Pereira, de 1' annssde idade, armon-se es
te de ura cabo de machado com o qual fractorou
ura braco e f--s outros ferimentos no autor de seus
dias.
O d. tinquate foi preso em flagrante.
Jury da Victoria Escrevem nos em da-
to ue 7 deste' mez :
IusUllado o jury no dia 12 de Junho, sob a
presidencia do juiz de direito Dr. Joo Bernardo
de Magaihea, tendo como promotor o Dr. Joo
Vie me Per. ira Dutra, e servindo de escrivo o
alferes Ballarmmo dos Santos Buleo Filho, foram
julgados na st-sso os reos :
Jo Francisco da Silva, iacurso no art. 205,
tendo por advocado Severino Alexandre Villaiim.
Foi absolvido,
Miguel Domingos dos Santos, incurso no art.
272 combnalo com o art. 35. Advogou Manoel
Lyiio Alvares dos Prazeres. Condemnado a 1
anuo 4 raezes de gales.
Taoiaas A.itouio deGouveia e Daniel Go
mes Ja aiiva, tucura is no art. 272 (2* parte). Ad-
og Serariuo Alexandre Viilnrim. 0 Io f
conuemnado a 8 annos de gales, o 2a a 5 annos e
4 meses de gales.
Valdevino Campos de Ne^relros, inenrso no
occasio do seu acto religioso, e para que depois
o offereca magera de ossa Scuhora do L ireto,
que se venera no proprio convento de Santo Isabel.
A nova liata civil na Hctpaaba -
Diz o Noticiario, folha madrilea, qre o ministito'
d fazenda j redigio o projecto de lei, que esto
semana mesmo aprosentar ao eongraaso, filando
a dotacao do ra a da familia real.
No artigo 1" dispe-se quo nos oreamantos ge
raes de despea* se incluiro os crditos -necessa-
rios para aatisfazer as seguintes peasoas ananaes :
Para o re e a sua casa e a ratuha regento. .'.
1,260:000*.
Para o immediato suceessor da croa 90:0X>*.
Para a infante qu, tendo sido ovoceza das
Asturias, deixasse de sel-o, 45:000*.
Para cada ama das infaatas ou o principe das
Asturias, desde os sete annos, 45:000*.
Dispoe-ss n'outro artigo immediato suceessor corda contraa matrimonio,
su determine por uma lei, segundo a constitaic/>o,
a dotaco annual de sao canjuge, e qual a que des-
tructora no caso de viuvez.
Ainda n'outro artigo sadispoi que se in-'luiriw
as leis annaas de oreamentos :
Para a rainha D. Isabel 135:000* e para o rei
D. Francisco de Assis 54:000*.
ispoe, finalmente, n'um outro artigo que 4s
doteco^s consignadas nos anteriores artigos teem
,- o carcter de vitalicias e que devero-cessar pelo'
tallecimentodas pessoas a q lem foram concedidas.
tti vegaco auntnnrina Uui novo ua-
vio submarino inventa I > p-u Mr. Waidingtou fui
amatado eom xito em Liverpool.
Este barco mede 11 metros decomprido pjr 1,8.J
centmetros d largo, e apreseuta a forma de um
charuto.
Navega perfaiteraente, couservsndo a sua posl-
ci horisontal ; um mechanismo anthomatico de-
termina esta posicao no navio e faz que a conser-
ve quasi sempre. *
As mudancas de direceo no plano vertical ob
tera-se por avio de duas pranehai movis sita
das no exterior, as quaes se inclinam em angu'os
vanaveis, segundo a direoco reeebida no interior
do navio n'uma manobra fcil e de resulta lo ira-
mediato.
Tem um leme popa e depsitos do ar compri
mido, que asseguram a proviso neesssaria para a
equipagem, composta de dous individuos.
A forca motriz, prodazida por 50 aecumalado-
res, basta para dez h >ras de Uivegaco com mar-
cha de 15 kilmetros por hora na superficie o no
fundo das aguas.
A crrante utilisa-se tambern para aillumiuaco
e para por em marcha a bomba destinada eva-
euacao da agua doa depsitos do ar vasio, que se
enchem para obter a submerso to barco.
O propulsor urna hlice ordiuaria.
Un cao vbora E' de er.- que a lenda dos
caes da Terra-Nova seren os m^lhores e os mais
fiis, perca pelo que diz respeito gratido, pelo
seguinte facto narrado por ama gazete fraueeza
de 7 do corrate :
Hontem um robusto cao, parecendo pertencer
raca da Terra Nova, era arrastado pela eorren-
te as altaras da Ponte Nova. Um aprendiz de
14 annos, vendo que o animal ia desapparecer,
atirou se agua, e. agarrando-o pelo pesoc>, ar-
rasta-o margem cora grandes estorc >a. l.m
agradecimento o Terra Nova morde o bemfeitor
no labio, e escapa-s^ a toda a pressa.
Como viaja o Imperador da Ruania
Por occasio do lancamanto agua d'om coura-
oado russo, o imperador Nicolao foi a Nicolaiens.
Antes de se realisar a viagem o vice-almirante
Pelscburo publicou um bando que dizia assim :
1. No dia da chegada de S. M. estenio facha-
dos todos os cafs, resteorants, cervejaras e
eaUbelecimentos anlogos sitos as russ onde a
corte imperial tem de passar.
2.a No pateo do palacio s podero entrar as
pessoas que trouxerem bilhete especial da polica.
D'esta ordem nao ficam exceptuado., os militares
nem os servidores da corte imperial.
3.* Durante a esUda de sua magestade e pro-
hibido o transito de carros e carruagens pelas
roas principaes da cidade.
4." E' prohibido ccllocar bancos e cadeiras not
pasneios.
5.* E' prohibido circular pelas roas destinadas
ao transito de sua magestade e correr atraz das
carruagens imperiaes.
6.a E'prohibido o commercio ambulante ese-
rio tiradas da va publica todas as barracas, ten-
das, etc.
7 E' prohibido subir aos telbados, as arvores
e s grades.
8.a Permitte-se o emUandairamento das facha-
das di casas at a 11 horas da noite, do dia em
que chaicue sua-ssagestade.
9>*> Nao nooero circular cavallos sellados p las
ras designadas para o transito da corte.
10.*> Nm podero assistir revista miliUr se-
nao as pessoas manidai de um bilhete especial da
polica.
Cousas de todo a parteaOs suici-
das polticos.
VJm esenpt u- fancez acaba de publicar um no-
tavel trabalho. sobre o suicidio nos tempos aatigos
t modernos, examinando especialmente os que obe-
de 'era causas polticas.
O autor desta. estudo crique a revolucao fran-
cs i deu incremrato ao suicidio.
A declaraco dos di.eitos do hornera, proclaman-
do a liberdade .humana, r.coahecia o direito que
cada qual tera dispor da sua vida.
a epocha do terror se fomentou o suicidio.
Se furmaram. associacoes mutuas de aucidistts
em Paris, e outras capiucs, cujos membroase obn-
gavam a matarse successivamsnte : o suicidio an-
iiu il se desiguava por sorteio.
..Ura club de suicidas que se formou em Paris
cotitav em 1812 somente 6 toembros; o ultimo ma-
tous-j.em 1819.
As sociedad a secretas, tao estendidas nos prin-
cipios do secul >, cauaaram tambera nao poucos
suicidios, j pilo terror que iutuodiara aos espiri-
ros debis, j porque os jnasmos associados estavam
abrigados a matar se quaudo nao tivessem valor
para oumprir alguma misso poltica que Iheafos-
ae confiada.
A morte mystoriosa do general Oudet, conbeci-
do com o nome de PhiUpoemen na suciedade se-
creta que fundou com atitalo.de Philadelpbios,
ipai *. propagar as idaa lepublicaaas, no exeraito,
pr-idusio varios suicidios.
Dou ouiuiaes que ibes erara adictos quizeram
marrar no mesin > dia; um. sargento se Uncou con-
tra a risU de seu sabru, a borda do mesmo fosso
ura tenente matoa-sa diapartado um tiro na ca-
-beca.
Durante periodo da gmlhot ina, p grito de yira
o rei! foi muitos Teses pretexto e causa de suici-
dio.
No do consulado e ao imperio, os suicidios foram
m^i frequentes as prises.
autor fraucez ciU.varios casos de suicidio
dos chites militares e civis, que se ecoutraram
impotentes entre a disciplina ou a insubordinaco.
Insurreccionados em ilanoy trez ragimeatoa, o
oficial Deailles se collocou entre a bocea d'um ca-
nho que vomitava metralba sobre as tropas, iu-
disoiplinadas,querendo-perecer antes que tomar as
armas contra seus companheiros.
Nos suicidios polticos, como disse oescriptor al-
luiids, se confunde mokas vezes o herosmo eom
a vaidaieou o fanatismo, e mu pundonor coma
dbil idade ou orgulho.
MaeaePedra Es aqui algons detolhes da
nova opera de Gounod, cujo argumento tirado da
Tragedia histrica do Abelarde Elosa.
Fala-si',-de facb, de um poema intitulad Maese
Pedro, concebido ba 8 annos na forma dramtica
acostumada.
Porn, Gounod renunciou a idea de pol-o em
msica era taes condicoes.
O lvro de Maese Pedro, arranjado posterior
mente por Lua Gallet, nao constitue ama obra^
Iramatica; autos um cyalo legendario em 4 partes
as quaes figuram os princip*ea episodios, porm,
nao todos os accidentes da vida do celebre dou-
tor.
Os quudros se succedem, e rauda-so o lug&r da
aeco, sera ter em eonta as transieces.
Isto offarece um aserie de sesaas que principiam
pela dispata de Guilherme de Chainpeaux e Maese
Pedro, e termina pela morte de Elosa.
Maese Pedro nao ser, pois, ama opera e*um
drama lyrico, seno uma sxposicao dramtica em
quatro actos.
Nao tem mais de quatro ou cinco papis, senao
de gr nde desenvolvim*ito as massas cornea.
A obra est terminada desde ba muito tempo e
Ulvez nao se pmba'em'soena at epocha da pro
xima exposico de 1869.
Pecundldade dos anlmaes-L'm cu-
rioso estudo de Mr. Dalaanax, publicad) na Revue
Scienti/ique nos offarece sarpreheadentes detalnes A
a-jerea de incrivel fecuodidade di alguns anmaes.
Um cecilo de Mycoderma aeti' pode produsir
em 24 horas 3 mllbo.s de insectos semelbantes a
si mesmo :
Entre os a timae3 inferiores, a fecundidade nao
tem limites.
Mr. Pastear demonstroa com que rapidez se mul-
tiplicara oa microbios.
A mariposa poe d'uma s vea 400 ovos a abelba
6'000 cada anno.
Uma mosca pide produzr 400,000 semelhantes.
A posteridade do pulgo se eleva cifra inve-
rosimel de 45.460:000 at a otava gerac..
Oa pexes pem ovos aos milhares.
O arenque produz 10,000; a carpa 25,900 e a es-
torio 7.653-^00.
Porm, leva a palma o bacalho qu termo me-
lio, pe 9.350:000 vos.
Moticlaa do VaticanoO papa ordenan
que a proporco que os cantores contraltos da ca-
pel .a de Sistina sahem do servico por doenca idade
avancada ou morte nao sejam mais substituidos.
jelioea.Eff tuar-se-bao:
Hoje :
Peio agente Brito, s 10 e 1/2 horas, na ra do
Raogel n. 78, do estabalecimento ahi sito.
Pelo agente Qutm&o, s 11 horas, ra Duque
Caxias n. 4, do movis, loucas, tapete, etc.
Amanda :
Peio atjene Modesto Baptista, s 11' oras, na
rua do Imperador n. 75, d : movis, loucas ete.
XIssas funenrea.Santo celebradas :
Hoje :
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista, por a.ma
do Dr. Antonio dos Santos de 8iq eira Caval-
cante ; s 8 horas, na matriz de Santo Antonio,
por alma do coronel Decio de Aquiuo Fonseca.
Sagunda-feira :
A's 8 horas, na matriz de Agua PreU, por al-
ma de Joaquim Pires Machado Portella Jnior;
s 7 horas no Espiritd-Santo, por alma de Manoel
Baptisti de Athsjrde Pilho.
Deve ter sido arrecadada nestes dias
a quantia de
Precos do dia :
Carue verde a 240 e 400 ris o kilos.
8naos a 500 e 64 ris idem.
Carneiro de 560 e 610 ris idem.
r'ariao. de 320 a 280 ris a cua.
Milho de 280 a 320 ris idem.
Feijo de 50 a 1*000.
Durante o mez de Junho findo,
movimento:
Entraram :
15.481 kilbos de peixe
1.55'J cargas de farinha
723 ditas de fruaUs
. 301 tabolcros
391 sumos
Foram oceupados:
680 csluinitas
784 compartimentos com farinha
680 ditos de comida
2.172 ditos de legumes
417 ditos de suinos
388 ditos de fressuras
272 talhos a 2*
A Oiiveira Castro 6c C.
1.629 talhos a 14
60 ditos a 500 ris
201A140
Foi ar recadado
mez
liquido no mesan
foi este o
309*620
311*800
216*900
60*200
78*2CO
408*000
392*000
340*000
868*800
333*900
232*809
544*000
1:620*000
30*000
5:746*220
Lotera da provincia Quinta-teira,
15 de Julho, S3 extrahr a lotera n. 63, em be
neficio da Santa Casa de Misericordia do Re-
cite.
No consistorio da igreja de Nossa Senhora da
Coneeicao dos MiliUres, se acbaro expostas as
urnas e as espheras, arrumadas em ordem num-
rica aoreciaco do publico.
Lotera da cortePor teiegramma recei-
do pela Casa Feliz, ,aabe-se terem side estes
osr numero* premiados da 1 parte da lotera 198*
extrahida no dia 8 de Julho :
10.915 100:000*000
2.288 20:100*000
Lotera do MoA 2* parte d lotera
n. 198, do nsvo plano, do premio de 100:000*000,
ser extrahida bo dia .. do eorrente.
Os bilbetes acham se venda na Casa da For-
tuna rua Primeiro de Marco.
Tambern acham ae venda na praca da Inde-
pendencia ns. 37 e 39.
Os bilhetea acham-se venda na Casa da For-
tuna, rua Primeiro de Marco n. 23.
Lotera de Macelo de 100:000*000
A 16a parte da 12 lotera, cujo premio grande
de 2 da impretcrivelmeate no dia 13 de Julho s 11 ho-
ras de manh.
Bilbetes venda na Casa Feliz da praca da la-
dependencia ns 37 e 39.
Lotera Extraordlarla do vpiran
ga O 4." e uleimo sorteio das 4. e 5 series
desU importante lotera, cujo major dremio de
150:000*000, eer extrahiaa a 14 pe Agosto pro
ximo.
Acham-se exposto venda os trestos dos bi
Ihetes na Casa da Fortuna roa Primeiro de Mar-
co n. 23.
Lotera da provincia de Santa Ca-
marinaEste latera, cujo maior premio de
100:000*000, dever ser extrahida no dia 15 do
eorrente impreterivelmente.
Chamamos a attenco para o annoncio desta im-
prtente lotera, poblicado na seceo competente,
pelo diminuto preco porque se Tendem os bee-
tes.
Cemiterio publicoObituario do dia 7
do crrante :
Apollinario, Pernambuco, 16 mezes, Uoa-vuta;
hepatite.
Mana, Pernambuco, 8 meses S. Jos ; conTUl-
Vicencia Etelvina de Lacena, Pernamba;o 29
annos, solteira, S. Jos; repentinamente.
Arcelino Teixeira de Barros, Pemamboco, 17
annos, soltero, Santo Antonio; fc'ampaia puerpe-
ral.
Catbarina de Senna, Pernambuco, 50 annos,
Boa-TisU; tubrculos pulmonares.
Antonio Falco, Italia, 58 annos, tuvo, Boa-
vista; dyarrba.
Francisco Antonio dos Santos, Pernambuco, d*
annos, casado, Boa-visU; ferida por arma de
fogo.
INDICARES DTE1S
Mdicos
Consultorio medico-clraralco do Dr.
Pedro de AI lab y de Lobo Moacoao a
rua da loria n. 3.
O doutor Moscozo d consultas todo* oa
aa atis, das 7 s 10 horas da manh'
Este consultorio offerece a commodida
de de poder cada doente ser ouvido e exa-
minado, sera ser presenciado por outro
De mejo dia s 3 horas da tarde ser o
Dr. Moscozo encontrado no torreo pra-
ca do Commercio, onde funecioua a ihs-
peccao ds sade do porto. Para qualquer
d'estes dous pontos podeio ser dirigido
os chamados por carta as indicadas horaa.
O Dr. Arihur Imbas8ahy, medico oceu-
lista, racenteraente chegado, esta cidade,
d consultas tod>s os dias, das 8 s 10
horas da manha, sendo gratis aos pobres,
no 1. andar do predio n. 53 da rua da Im-
peratriz.
Consultorio allopalico dosiaaetrica
' Dr. Miguel Hiemudo d consultas das
12 s 3 da tarde em sou consultorio ras
do Barao da Victoria n. 7, 1 andar.
Chamados por escripto a qualqaer hora.
Especialidades partos, ebres, sypais,
molestias do pimo e do coraco.
Dr. Lopes Pessou Medico.Residaa-
oia a rua de D. Pedro I n. 2, onde podo
ser procurado at > s >** da manh.
ILEQVEL
MMMM
i


Diaria de PernamtaicoSexta-feira & fe Julho de W86

Consultorio ra do Bom-Jess n. 37 1."
andar. D consultas das 11 s 2 da tar-
de. Gratis aos pobres.
Dr. Barrito Sampaio'dl consultas de i
s 4 horas da tarde, ra da Barao Victoria'n. 45, 2." *Wr, rtteti* ra
do Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Dr. Gama Lobb, medico operador e par-
teiro, reside ra do Hospicio n. 20, onde
pode ser procurado qunlquer hora do dia
ou da noite. Cirisultas : . da tarde. E^pecialidade : molestias e npy-
racoes dos orgSos genitourinarios do ho-
mem e da tnullier.
tdvoarado
O hachare! Behjamim Bandeira, ra do
Imperador n. 73, 1. andar.
Dr. Seabra. Mudou seu escripto de advo-
gacia para a ra do Imperador n. 21.
Drorartav
Francisco Manuel da Silva <& C la-
sitarios de todus as especialidades phanria
ceticas, tintas, drogas, productos chimico
e medicamentos homosopaticos, ra do Mr-
quez de 01 inda n 23.
Serrarla a Vapor
Serroria a vapor e offieina de carapino
de Francisco dos antos Macedo, caes de
Capibaribe n. 2S. N'ete grande estaba e
cimento, o primeiro da provincia n'este ge-
nero, compra-se e vende-se madeiras de
todas as qualidades, serra-se madeiras de
conta albeia, assim como se preparam obra.'
de carapira por machina e por precos sea'
1.000:000*000
Os bilhetes desta importante lotera de
tres sorteios, que corre no da 8 de julho,
acharase venda na Roda da Fortuna
ra Larga do Rosario n. 36 e ra do Ca-
bug n. 1.
COMMNICADOS
Ao eleitorado do 3o dlstrlcto
Illm. 8r.O fallecimienta do Dr. Antonio Fran-
cisco Correia de Araujo, abrindo ama vaga na de-
putacao de Peruambuc*, detorminou a necessdade
de ama cle^o no 3* diatriuto, que aquelle Ilustre
cidado to dignamente representava.
Para preenche* essa vaga proponho-me eu aos
sufiragios do distincto eleitorado desse districto,
nao movido por impulso proprio, nem tomado de
ambicoss que estou longo de nutrir, mas por apre-
sentacao do partido em cajas fileiras milito e alen-
tado pelo desejo de continuar a prestar servicia ao
paix nesse posto de combate que me f > indicado-
', pois, escudada cora esse patritico desejo e
patrocinado pelo rn. a partido, cujo venerando
chrfe tenho por amigo, que eu venho solicitar de
V. S. o seu voto e 'odo o ssu precioso auxilio
minha causa no pleito que se vai ferir brevemente
nesse districto, onde V. 8. gosa de prest:gio e dis-
pe de merecida i.fluencia.
Bem conhecido neata provincia, onde aasci e
ande tenho sempre vivido mourejar em fadigosas
lides pelas ideas conservadoras, e sob a gide
d'aquella honrosa upresentaeao; creio que scr-
me-ha excusada a exhibico de um programma,
pois que <-utro nao posso ter que nao o do partido
ao quai tenho servido com deJicac&o e enforco.
Entretanto, de harmona com o notavel discurso
prulVri Jo no Senado, em 1879, pelo honrado 8r
couselheiro Joao Alfredo Coria. de Oliveim, digna
ehefe conservador em Pernambuco, direi que a
sjnthese do mea programma pugnar pelas re-
formas que forem a desenvolvimento pratico dos
grandes principios liberaos consagrados na Cou-
stitituico e que formam a base das instituidora
qua| nos, os conservadores, maatemoa e queremos
Matar.
Dentro de tae3 limites ha espaco bastante para
todos os melhorauentoa intelectuaes, moraes e ma-
teriaes, para todos os commettimentos serios da
poltica, economa, uaucas e aduiiniatracao, emfim
para todas as mala altas aspiracoea dos povos
hvres, que vivem sob o rgimen parlamentar.
No decurso dos vate aunas que constituem a
miaba vida publica, sempre girn nossa rbita a
a miaba actividade, e disso f.ueui prava os .neua
modistos esfore,os na Assembla Provincial os
meus pequeos fsbalbos na mprensa, tstes lti-
mos attestados p ilo Diario de Pernambuco, em
sajas paginas tenho esteriotypado a minha alma
e o mea coracao, pugnando por tudo quanto se me
tem augurado til e vantajoso a causa do paiz c
mais particularmente desta provincia.
Como garante dos mcus intuitos de futuro uV
reco esse modesto pastado ao digno eleitorado do
3 districto, asegurando lhe que eavitlarei quanto
que nem a iaso se prestariam, nem seriara coag-
dos tasel-o pelo honrado subdelegado, cujos h-
bitos pacifico* repeliera os nseios violentos de qn
Ihe fas carga a Provine**.
E', pois, inteirament? pnantastica a perseguieio
de que se diiem victimas Trujano Mooteiro e sen!
filho.
Outr'ora, quando governaram os liberaes, que
o terror mperavaem toda a comarca de Igua
rass; e ficuu-lhes de tal modo afforrado o veas1
das perseguicSes que finia hoje os mandis de al-
deia d'aquelle credo pclitrco tazem ameacas e di-
rigem off~-nsas aos adversarios.
Anda boje, apesar de 10 meses de poder, os
conservadores de Iguarass nao se sentein de todo
livres d'aquelle terror, e o facto que os liberis
all desfructam, mansa e pacificamente, todos, os
proventos de algumas posieoes ofHciaes, das quaes
alias, como d'antes, abusam de modo de:com
munal.
N'estus condicoes, como poderiam dar-se os fac-
tcs de que a Provincia fas carga ao Sr. C kles ?
Repetimos, pois, que quando nao fossem bastan-
tes para desmentir as aecusaedes articuladas con-
tra o subdelegado de Nova-Cruz os precedentes
do honrado Sr. Cokles, o seu carcter, a sua n-
dole branda, o seu temperamento, com certeza se-
ram suficientes para provar a falstdade de tara
aecusacoes o que levamos dito relativamente aos
mandoes de Iguarass.
Nao, mere de Deus, nao procedjm taes accu
saedes, e semelhantemente acontece em r^lacao ao
delegado de Pao d'Alho, o Sr. Pinheiro Ramos,
que um negociante honesto, moralisado, geral
mente apreciado pela nobreza dos seus sentimentos,
pela sua moderaco e pelo seu criteiio.
O Sr. Pinheiro Ramos nao prenden o italiano
Domingcs, como mandaram dizer ;i Provincia ou
ella inventou; e, pois, nao havia raailo para a que-
rella com o ex-subdelegado Elias Baptista.
E sab a Provincia porque nao fo preso Do-
mingos? Foi porque o Sr. Dr. Faro tel-o-hia soltado
por habeos-corpus, embora ex-officio, como tcm pra-
ticado muitas vezes, saltando por cima da lei e de
todas as conveniencias publicas.
Quando u'uma comarca se tem um juiz da ordem
do Sr. Dr. Faro, que vjve cm luta aborta com
Justica e com a polica, a misso d'esta drficl-
mente f de sor realisada : as autoridades sentein-
se coactas, e a ordem soffre as consequencias do
estrabismo poltico do magistrado falto de cri-
terio.
E' o que se tem dado em Pao a'Alho ; e por isso)
respondendo hontem Provincia, dissemns que
neham governo serio poda conservar como juiz,
n'aquella comarca, ao Sr. Dr. Faro, que tudo v
travz do intereasa do seu partido, pelo prisma
das suas paixoes desordenadas.
O delegado de polica de Pao d'Alho est muito
cima dos conceitos ferinos da Provincia e do seu
'nformante. E' incapaz de um acto de violencia,
da mesma forma que nao se dobra s violencias
dos enfatuados. Comtemporisa s vezes, quando
as circunstancias o exigem ; mas nao pratica
actos de fraqueza, e s se submette s lea da
henra.
Eis a verdade.
Mais de espado valtzremos ao assumpto.
Mino.
PUBLICICOES 4 PEDIUU
Egaalia Concetoao da fresaeza ds
Morto
Manoel Xavier Carnriro da Otih'ha Filho, rn-
deiro do engenho CoBcercio da fregfleiia de Ma-
ri beca, avisa aos consenhores e intCressados do re-
ferido engenho que1 ao* tomar posee das obra**e
berafeitorias em o Io de'Maio degte aono, encori-
trou-as todas damnifica las : aerseerido que a ca-
sa de bagaco esti em completo estado de ruin*, e
ameacada a desabar e i ara que nao seja respoii
savel e obrigado pela coiiservaco de obras arrui-
nadas, fax a presente declarwcio.
P,raute ojuizo deorpha"S'leJabontSoosigaata-
rio da presente vai levar bo c*nreciment'> do que
expde pela imprensa, eom audiencia do Dr. cara-
dor geral de orphos para ante1 elle acaatellar o
seu direito.
Engenho Conceco. 1* de Julho de 1886.
Manoel Xavier Carneiro-da Canha Filho.
agua Florida de Mttrray Lanmsn
Existe por certo urna qualidude altamente sani-
taria suave e deleitavel na deliciosa fragrancia
desta agua popular que d'j te grande orna neato
serve ao toucador.
Ella como por encanto aos faz lembrar o dulcs-
simo nenso florida de vero ou a imitacSo de um
favorito tom de msica antigo, o qual por ventura
nos faz recordar aquellas scenas j passadas, du-
rante os quaes ouvimol-o pela vz primeira. es-
piritualisante e delicado como o aroma da genuina
agua de colonia, e eoratndo o seu pertame mais
profundo e duradouro e a sua fragrancia nunca
muda nem entraquece, como acantece com os uiiis
perfumes fxtrahidus e con^postos de leos volatis.
As senbiras as quaes geramente s-iffrem de dfl
res nervosas do cabera lh d3o a preferencia A to-
da e qualquer urna outra applicacio local, como
um i'xceileute meio de alliviar as dfires, e em qua-
lidade de um perfume par o quarto de um doente
elle por sem duvida eminentemente refrigerante
e agradavvl.
Referimo-nos to tmente quanto a Agua Flo-
rida de Murray Se Lctnman. Quanto as imitacoes
sao el as desprosiveis e nao merecem a mais levo
mencio.
Como a.uiASTiA contra as falaifieajoes. obsrve-
se bem que os notnes de Lanman & Kemp, ve-
nbam estampados em Ifttras transparentes no pa-
pel do livrinho que serve dj envoltorio a cada
garrafa.
Acha-se venda em todas as principies bricas
e lajas de drogas.
-.Agentes em Pernambuco, Uenry Forsrr 4 O.,
ra do Commercio n. 9.
Os mdicos, homeopathas como allopathas, en-
contmram emfim no Xarope de Vida de
Reater *'. % urna preparacao segura e genuina
que nunca daixa de produzir seu devido effeito. E'
composto de ingredientes qu purifiexm o sangue;
e bem se sabe que carnes saus, fibra robusta e
msculos vigor' sos sao o resultado do sangue pu
ro Exerce sua aceito directamente sobre o Agudo,
o grande orgo depurador do svstema, e quando
este bom orgao se acha em perfeito estado e em
actividade ha de facto sempre limpeza interior e
perfeita appareneia ext rior de sade.
Ao publico
Iguarassn
A Provincia, (peridico) orgao do partido libe-
ral de Pernambuco, na ingloria tareta de malsi
nar de tudo e de todos, reteie, em sou numero de
hoje, dous fact09, que nao sao vepiadeiros.
O primeiro versa sobre o procedimento do hon-
rado tenente Francisco Cockle- Teixeira de Arau-
jo e Silva, subdelegado de Nava Cruz, quera os
vultos polticos daquella comarca votara grande
desaffeico.
E' falso que Trajano Monteiro esteja soffrendo
persegui^ocs, por amor de suas crencas polti-
cas.
Porque nao menciona a folha liberal os tactos,
justificativos de sua asserso?
Imjano Monteiro est na berlinda, diz a Pro-
vincia ; e o que certo que uo aponta o gene-
ro de perseguicio, que elle est soffrendo Esta-
r elle cmnorebendido entre os jaagadeiros amea-
cados de fo^o em seus instrumentos da traba-
lho?
Nada esclarece o orgo liberal, limitando-se sim-
plesmente, por mal entendido calculo poltico, a
dizer que o honrado tenente Cockles vai-se distin-
guido por actos de requintada perven dade po-
ltica.
D-se a Provincia afazeres mais serios e con-
venc se de que a mais arbitraria autorade po-
licial do actual governo, rst muito aquera da
mais prudente e sensata autoridade policial do
fallecido partido liberal.
O segundo tacto o de ter sido demittido, de-
eouber eu> auia para elevar-ia* altura.da sita- ^^ da nltuM cngjo do partido conservador ao
c^io do paz e para mostrar-me merecedor da con-
aanea co n que me honrar essa digno eleitorado.
O mcu norte ser o bem publico e o eaminho
para elle essa honrosa confiauca que nunca faltou
o* Ilustre cidado quem aspiro substituir e ca-
jas v irtudes civicas tomarei por modelo.
8bserevo-me com a inaior consideracao e res-
peto.
Os V. S.,
Amigo, attento, venerador e criado.
Beeife, G de Julao de 188fr.
Felippe de Figueiroa Paria.
9.* districto
A Provincia, medida que se avisinham os das
da e1eie,i< tceralno 3* districto, acceiera o S'u
daabragamnw contra as autoridades policiaes
d'esjfe districto, como se ellas fossem espaotaihua
para oa nangos do orgo da opooacao.
Hontem, atirou-se a Provincia contra o subde-
legado d" Nova-Croz, em Ignarass, o Sr. Fran-
cisco Cokles Taixera de Araujo, e contra o dele-
gado de Pao a'Alho o Sr. Jos Francisco Pinheiro
Ramos, ff'iideudo a ambos, procurando a nbos
des-iioralisar, s-*m o menor vislumbre de razio,
sem o menor criterio.
Quem e -nhece o Sr. Francisco Cokles, um ho-
mem cespeitavel por todos es ttulos, um cidado
honestiasiiao, de ndole mansa e pacifica, de ca-
rcter sosten, porm, ameno, ha-de necessaria
ate rir-se do qoe contra elle escrevou a Provin-
cia, perqu s o riso merece to estulta aecu-
safio.
E' faU>-, r.-nincuteioenta falso que o Sr. C kles
tenho creado casas do Xumbi sob o pretexto de
tomar armas. Se alguna individuos, de repntaca
m, de ndole perversa, teem sido corridos, nada
ha que extranhar n'isso. Em iodos os tempoa,
desde poca retaotiasima, sempre foi praxe assim
praticar-si em relaco ana oonhecdos dasordeiros
torUului.t a, que costumam andar armadoa e
provocaren as peaaoas que Ibes rsheo em des-
agrado.
liso m'sao na o Sr. Cuklss quem pratica. Fa-
no n'o os agentes polic acs, e nunca paisanos '
poder, o cidado Jos Teixeira da Motta Cavalcan-
te, de cujo fallecimento d noticia a mesma Pro-
vincia. O finado Motta foi exonerado, bem do
aervico publico, pelos seas correligionarios, em
coaaequeocia de nao pequeo alcance para com o
Tbesouro Provincial.
Pobre e muito pobre, sem achar entre os seus
amigos polticos mi caridoss qoe o soccorresse,
fallecen elle, sem liquidar suas coata coa o mes-
mo Theaooro, que deixou de accional o para nao
perder tempo e gastar intilmente dinheiro em
custas da accio executiva.
Sem por em duvida as boas qoalidades poltica
e sociacs do fallecido Motta, o escriptor deltas
quatro liabas lamenta que os correligionarios do
mesma Motta o tiveasem atirado ao abandono nos
ltimos momentos de ana vida, olvidando at cur-
tos sralimentos.de caxidade, proprios da* almas
b-m formadas.
Motta, ao exbalar o ultimo suspiro, teve a inte
lieidade de ver-se deeprezado por aquellos que,
sem o menor dispendio e- taerificio, chorara b. jo a
tu morte ; nio convnHo squecer que, imploran-
do soccorro de seus generosos adversarios, mere -
ceu delles toda consideraci".
Citaramos o nome de um dalles, alma caridosa
e beintaseJH, all residente, se nao temeaaemos of-
fendar sua reconhecida modestia.
E' o que temos a diz';r ao orgao liberaL
Recife, 8 de Ju ho de 1886.
Justas
A* Ex.Bi. 9r. Blsa-o Oiocesaao
A ha-.-e em risco de her espa calo, us
ras d>'sta villa por um guarda-eusta do Sr.
padre Christovo do R-go Barros, vigario
desta freguezia, o cdadSo Jos Grong Jves,
artista sell'-iro, o qu ti teve a ousadia de ir
casa lo vigario cobrar-lha o conuerto de
dous sellins ; reoebia !o aquello artista,
em lugai do pagaraentodevido, grande dose
do mi.se iu o o cap inga do vigari ', que vive
debaixo do iiiasinn tacto com aea desvelado
amo. Diz se, porm, que o uioto real, le
cons-otir o vigario no insulto feito ao artis-
ta por seu capango, o ter tido Jos Gron-
yaUes por algum tempo, em sua companhia,
sua albada ou prenta, de nome Mario
Vicun-:a, a qual, diz-*e, audava sendo re
questada pelo patrio do tal apanga.
E' conveniinente
diocesano, chame
Ciristovao.
que S. Esc, o bispo
oriem o Sr. padre
Um qu* sabe.
Licor depurativo vegetal loriado
1X>
Hedi Quinte I la
Este notabilsimo depurante que vem precedi-
do de to grande faina infalliv I na cura de todas
as doencas syphilticas, escrofulosas, rheumaticas
e de pelle, come tumores, ulceras, dores rheumati
cas, osteocopas e nevralgicas, blennorrhagias agu-
das e chronicas, cancros syphiliticos<- inflamma-
5oes visceraes, d'olbos, ouvidos, garganta, intes
tinos, etc., em todas as molestias de pelle, simples
ou diathericos, assim como na alopecia ou qa.da
do cabello, e as doencas determinadas per satu
raoao mercurial. Do-se gratis foi he tos onde se
encentram numerosas experiencias feitas com este
especifico nos hospitaes pblicos e mu i toa attesta-
dos de mdicos e documentos particulares. Faz-se
descont para revender.
Deposito em casa de Faria Sobrinho & C.
Ra do Mrquez de Olinda n. 4!.
Dr. Fernandes Barros
Medico
Consultorio ra do Bom Jess o. 30.
Consultas de meio dia i 3 horas.
Residencia ra da Aurora n. 127.
Telepbone n. 430
OCULISTA.
O Dr. Barreta *anaaaio. madico oculis-
a, ex-chefe de clnica do Dr. de Wacker, d con
sultas de 1 s 4 horas da tarde, na ra do Bario
da Victoria n. 45, '2 andar, excepto nos domingos
e diaa santificados. Resitenciara do Riachuelo
n. 17, canto da ra dos Piras.
ADVOG/VDO
Os abaixo asstgttados, tendo registrado e depo-
sitado as sit* rihreas ndostrlaes e rotaloS-das
suas preparacoes na junta cowimercial do Rio de,
Janeiro de confV rm-dade coWas preserlpeOes das
leis do imperio do Brasil,- d-clararn e participan
aos interessados, qo coto* nicos proprietarios,
tem direito exclusivo de ustrr as marcas inaus-
tria's e rtulos relacionados com manufactura,
fabricaco e venda das s guiri es pti'para 5-k;
Agua de Florida de Murray e Ioaman.
Tnico Oriental.
Peitoral de Anacahaita.
Pattilhas Vermfugas e Kemp.
Oleo de figado de bScalho de Lanman 4 K*mf.
Emulsio de oleo de flgado de bacalho com hy-
pOphoSpbites, de Ijiinmam & Kemp.
Salsstparnlha de Bristol.
Extracto Inplo de aveleira mgica de-Bristol, t
ungento de aveleira maeica de Bristol,
e que. portante, perseguiro a todos os falsificado-
res on imitadores das ditas mareas industriaos e
rtulos, procurando que sejam castigados com toda
a severidade da lei.
Tarabem acautelamos o publico contra todos
aquelles qoe intentara substituir as nossas prepa
raefles' cima mencionadas cem artigos falsificados
que levam rtulos oa marcas industriaos que imi-
tara as nossas.
Lanman b Kemp:
O cajufiibefra em diseusso
_ ASS MBLE'A PROVINCIAL
Do documento, que vai em seguida pu-
blicado, mais urna prova surge para
demonstrar que o Cajurubeha actual
mente o unioo rspeifico, que cura a asth-
ma.
Os pacientes de 20 e mais anuos de sof
frimentos, os desengaados dos mdicos e
os que querem curar-se de urna vez s
usam o Cajurubeha.
E 08 clnicos, mdicos Ilustres j vio
afinal reconhecendo a effi^acia desse me-
dicamento ; pois, quando esgotam o formu-
lario acadmico, recorrem ao Cajurubeba
como raiiio infallivel, ultimo recurso, que
nao falha, a artharia grossa contra a
asthma.
Quem ainda duvidar informe-se pessoal-
mente.
Fate^oo palavras
Aos qme tedsejam tratar sem comprometter a
tmmtiotm'fsrepsroM mineralgicos.
Muir [tm0BJt^u j roa-Direlta n. 43, 1.
andar \clrlS>s*y ttsUlglW-hBBWpliiiw para ioo>
feasivaearawka sogaintsa nutiill: .stiasatiao,
aiada- mesmo- broBhitieo; eryBipeJa, eazaaaacas;
intermitentes (sosa o era prego do fatal quiaino);
toase con valsa, falta de menstruaeo ; cmaras de
O Dr. Joaquim daadosta Etek, juiz de
direito do cirei n'esta cidade do Recite e
seu termo capital da provincia de Per-
nambuco, por Sua Magostado Imperral e
Conatitocoual o Sr. D. Pedro. IL a qnem
Deus guarde, eto.
fa^oaatoor aorqueo preaentesditai vimoai a
d'elie noticia tiverem qoe findos o daa de
sangue : estericos ou inetnto : dore4e deots oo P"^0*8 Pr"v* da le. e na- audiear ageste
nevrsgis, raetrorragia ; vermfugos, dmtifio e
convulses das crianzas ; tudo manipulado de ber-
vas'de paiz.
Assim como tratan se escrofulosos em qualquer
grao eromssatosos.
C, Ueckmaon
Usinas de cobre, iatSo e bronze ee d
Golitzer Ufer n. 9. Berlim S. O.
Espeef alldade:
Construc^o de machi-
nas e apparelhos
parafaoucas de assucar, destillacjSes e re-
finacoes com todos os aperfeyoamentos
modernos.
INSTALLAgA DE:
Engentaos de assucar completos
Estabelecimento filial na Ha vana sob
mesma firma de C. let-k uann.
C. e San Ignacio n. 17.
nicos representantes
Haupt Gebru'der
EIO DE JANEIRO
Para informa^oes dijamsn ai
Pohlnian &C
M lo Gommersio 110
Roa do Boiario Eti s 11
o. 3*. i" andar
Di1. Cerpira Lei
Tem o sea escriptorio a ra do Mrquez d
'llinda n. 53 das 12 s 2 horas da tarde, e desta
hora em diante em sua residencia i ra da Sao
a Crua n. 10 Ksueui ni 1* la, id >lestias de se-
horas e criancas.
\arope de lal-mat
O Haimaii (lecythis idaiimao) com o
qual se prepara este xarope um vegetal da flora
brasiieira.
E' um agente therapeutioo podroslas mo contra
as molestias do p.-ito e da s*tliui.
Os numerosos aflectados que dclle tem feito uso
cooseguram um resultado muito satisfactorio, aca-
bando por se reconbocnr que at hoje a melhor
preparacao para a cura da UNllima, bruu
chile aibmaiii-a, e anilira e appres-
*. dispeaaaodo o emprego dw araenio, folhas
de estramonio e plantas narcticas, que acabara
quasi sempre pelo abus > que delles se taz e mearoo
pelo uso prolongado por produr tffeatts desas
truaos sobre a sa le e em gral entorpeciineuto du
cerebro.
Vende se na Botica Franceza de Rouquafrol Frerts
successores de A. Caors
X. *Ba da CruaX. 9
wawm
Dr. Cus Leite
Medico, aneiro e operader
Residencia na da Imperairit n 48, 2.- andar
Consultorio a ra Duque de Carias a> 59.
D consultas das 11 horas da manh s 2 da
tarde.
A'teue para as chamados telepbone a. 449 a
qualquer hora.
Cirurgio s1
Patricio Mordra
C insultas e opercoes, das 10 horas da manh
s 4 da tarde. _-i
RA D#QUE DE CAXIAS
N. 57,1* audar.
Dr. Caraeiro -L^o
MKDICO
Tem o seu consultorio e iresideneia ra
Livramento n. 31. andar. Consultas de 11 he
ras da manha s 2 da tarde. Chamados por es-
cripto a qualquer hora. Espceialidade :febres,
parios e molestias de enancas.
O Dr. Maximiauo Lnpes Mamado (em
sessao da Assembta Provincial de 17 de
Marco do crrante auno) tem a palavra.
O Sr. Lopes Machado.
< Vou concluir, Sr. presidente, mas
antes de fazel-o, nao posso deixar de ma-
nifestar a V. Exc. o raen reconhecimento
pela benevolencia, com que se dignou ou-
vir-rv.e e ao mesmo tempo descobrir-Ihe
uns receios, que me preoecupam neste mo-
mento. Nao alludo a rcjeicSo do parecer,
pois desde que o seu relator esforcou-so
por mostrar que 2 e 2 nao fazera 4. nao
ha remedio senao conformar-me com o que
est escripto.
Reseio, porm, qne o abuso da pala-
vra por 4 horas successivas n3o repiodu-
za o mal, que me trouxo acabrunhado por
quasi 30 anuos.
Ora diga me V. Exc. em boa e sa con-
sciencia : soffre d- asthma? (riso.)
Pois entilo na^ sabe o que soffrer. Se
soubesse, nao teria consentido nesta iuutil
pror^gaco de mais 2 horas, que felizmente
estao a findr
Imagine V. Exc, j que nunca ex-
perimentou, dous homens de pulso e re-
aeiutos como a matenia desta casa, arre-
megaado-se de reponte ao pescoco de um
pobre para suffocalo. Imagine os esforcos
supremos erapregados pela victima j com
os olhos fura das rbitas, esforfos incitados
pela conservajao da vida, o caasaco, a
angustia e os debfallecimentos, e ter V.
Exc. uns longes dessa luta horrorosa.
a Nada vi/le ao infeliz, nem revulsivos,
nem calmantes, a medicina cruza os bra-
cos e confessa se impotente.
Pois b'-m, foi no meio desse desespero,
que o raeu amigo e collega o Sr. Drum-
mond Filho acunaelliou-iae o uso do Cajn-
rubeba com aquellas maneiras insinuantes
e delicadas, que tanto elevam os seus m-
ritos.
i Confesso que fiquei desagradavelmente
sorprendido e rephquei-lhe com seceura :
< Como, de um hornera intelligente sahe
t onselbo tao banal T NSo conhece o exame
chiuito que se frx no Cajurubeba? I*)
< E elle porderou-rae : Conheco, mas
t-Tiho em mim a prova do contrario, Es
tou bom, di-poia de desengaado dos m-
dicos ; o Dr. Jos Julio e mais algum es
pessoas do meu coahecimento se acham
i^ualmmte restabelecidas.
< Estas palavras p rturb>ram-rae e che-
guei a ver na confusa do meu espirito a
telicidade, que nunca me sorrio. Mas tor-
nando a iuim, hesitei, lembrando-me que
j havia percorrido a longa escala da phar-
macopa official e domestica,sem resultado
< Mas o Dr, Drammuod... A garanta
do seu testemuho 1
Dcixal-o mal T Nunca ; e fui Sr. pre-
sidente ao C-jurubeba, sera f, certo;
mas nao abandonado da esperanza.
B o que be de diaer agora a V.
Exc. f
Logo ao segundo frasco roropi urna
amizade de 'rinto- annos, abandoei a es
tr; monio, compaiiheira Inseparavel desta
magras algibeiras (riaas).
i A anuncio a V. Exc. ecaaa que estou
bom.
i Qloria a Deus as alturas e ua trra
a esse gtanie cidado, a esse talento en r-
ine e bea>>z-jo, que se chama Firraino
Candido de Figueiredo .
.i O Sr. Presidente : Pego a V. Exc.
quo se restrinja a materia em gUcusbo,
porque a bbra est > finoar.
O Sr. Lopes Machado : A materia
essa mean a
O Cajurubeba tem toda a relajao com
o parecer do Sr. Gomes Prente, at m s
mo na sua virtude depurativa (risos).
i Mas, emfim, vou findar, e m ste mo-
mento em que a suu a le me suffbea a al-
ma, pey a V. Exc. que nSto leve o seu
lenco aos olhos p la < Auianha quando V. Exc. vr enirr
o mcu competidor, diof..raudo na batiaa do
seu innao ; amanhS, quando tudo estiver
revolto e lie immovel e surdo nesta cad'i
ra, que me peitcnce por cscolha dos un us
con-iMdadaos, d r entSo para a sua maio-
ria : fizemos mal, foi um attentado '. ..
i (Muito bem, o orador camprmenta-
do por diversos Srs. deputado de ambss
as bancadas.
Conultorio medieo-eirargico
O Dr. EstevSo Cavalcante de .\lbuquerque con -
tinua a dar consultso uiedico-cirurgicas, na roa
do Bom Jess n. 20,1 andar, de meio dia a 4
horas da tarde. Paras? demais consulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, 1 andar.
. telephomcos : do consultone 95 e residencia
126.
Especiaidades Partos, molestias de creacas,
Xd'uiltt e seus annexos.
N 5. A EmulsSo de S :ott muito re-
comraendada pelos mdicos como o melhor
remedio para a tsica pulmonar e molestias
do peito e da garganta.
Restaura o organismo das pessoas pre
dispostas tisica e fortifica contra os ata
ques da doeoca.
juna do dia 10 de Julho do corrate ana,, se ha
de arrematar por venda a qui m mais dar e iaak>r
lance otTere er en besa coustaates dai ai
do ther aerainte>
Ursa bcrtindaeo boar estado casa lantenas e
com pt ten tes arrales avallada em HOJO.iO.
Um carrofeehada, envidraaado, com Inateanaa e
competentes arreios, avaliado em 500000.
E assim srro os ditos bens arrematados por
venda a quem raais der e maior lance oflrecer ao
dia cima indicado, os quaea iomm penboradoa
para pagamento da accao executiva !j: por este
juizo move Joao Kempe Jnior contra D Anua
Lucia de Oliveira. E nao havendo lancador iae
cubra o preco da avaliacao proceder se-ha na for-
ma da lei.
E para que chegue a noticia a todos mandei
passar o presente edita! que ser aflatado na lo-
gar do costume e publicado pela imprensa.
Dado e naaaado nesta cidade do Beeife, aos 10
de Junho de 1886.
Eu, Pcliouaima de Aaevedo Mella, eeenvio
eubscrev.
Joaqum da Costa Ribeira.
Bdital n. 73
De ordem do inspector g ral, f ico saber pro-
fessora Mirandolina Horges Pestaa, da cadeina
de Serra Verde, que fica.lhe marcado opr sede
15 das para responder sobre o abandono de su
cadeira, visto ter deiaado de rexssumil-a dapoia
de rinda a liernca obtida a iiaver decorrido naais
de seis meses fora do exereicio della.
Secretaria da instracoao publica de Peaasa-
buco, 2 de Julho de 1886.^=0 secretario,
___________Pergentino S-. de Araujo Galvao.
Edital rt. 1
O adminisirador do Consolado Provincial faz
publico a qnem interessar possa, que no dia 9 do
correute termiuar mprorogavelmente a cobraa-
9a livre de multa do imposto de Jacima relativa
ao 2- semestre do 'xerccio de 1885-86.
Consuado Provincial de Pernambuco, 3 da Ja-
ho de 188fi.
francisco A myntas de Carvalho Mourm.
DECLARCOES
( ED1TES
jB Jc> jS Jw X jE3 JcJ
Nao se tendo reunido accionistas desta eooips-
nhia em numero sufiicieate pxra constituir a as-
sembla geral ordinaria no dia |" do- correte
mes, sao de novo convidados os senhores accio-
nistas para reunirem-se ne dia. lt degte mez, ao
meio dia, afim de quo tenha lugar a mencionad
asamblea goral, a qual ter lugar cem quiln
que 8-ja o numero dos accionistas presentes, as
forma da lei. A reunaj no lugar do costme,
no esoriptori" desta companhia, ra io Inope-
rdr n. 71.
Recife, 7 de Jurho de 1886.
Ceciliano Mamede Alvaa Ferreira,
Director gerente.
Josa Eustaquio Firreira Jacobina,.
Directrr secretario.
S. R. J.
SocieMB Bnatiy Jifutn
Soire em 14 de Agosto prximo futuro,
solemnisanHo o 22* aniuv< 1 sario
da installacSo da socieiade
Ao Sr. presidente podem desle j os senhores
socios entregaren) as notas de seus confite qu*
ulteriormente terao de ser ntregucs aos cuvi-
dados pela presidencia cu peas commisscs por
ella nimead s.
acife. 21 de Junho d t86
Luiz fuedes de Amorim,
2- tecretario.
Edital n. 1
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector, fuco pu-
blico que tem de realisar-se o emprestirao autori-
sado pela lei i I86S de 15 de Maio ultimo por
eteiissao ao par do apolices de 7 0/0 ; e por isso
convida-se aos senhores que queiram tomar as
mesmas apolices a faterem-no desde j, recolhen-
do as respectivs importancias.
Secretaria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, 5 de Julho de 1386. Seivindo de secre-
tario,
Lindolpho Campello.
O Dr. Thomaz Garcez Paranhos Monte-
negro comrrendador da imperial Ordem
da Rosa e juiz de direito especial do
commercio d'esta cidade do Recife, ca-
pital da provincia de Pernambuco por
Sua Magestade o Imperador a quem Deus
Guarde, etu.
Fas saber aos qu? o presidente edital virem na
d'elle noticia tiverem, que, por parte do Dr. Joao
Cavalcante de Albuquerque foi a este juno dirigi-
da a p:-fcao do theor seguate :
Illm. Sr. Dr. juiz de direi'o do commercio.Diz
o Dr. JoSo Cavalcante de Albuquerque, que mo-
vendo por este juizo, es :rivo Ernesto Silva, exe-
cucao de sentenca contra o coronel Joao de S
Cavalcante de Albuquerque, c tendo este fallecido,
fea o supplicante citar aos herdeiros deste, para
na primeira audiencia leste juizi fallaren) aos ter-
mos de ana artigos de habiltacao, com es quaes
pretende o supplicante provar que os supplicados
sao legtimos auccessores de todos os cireitos e
obrigactlo do d'to curonel Joio de S, afim de com
elles correr a mesma execusao at integro paga-
mento desta, ficand logo citados para todos os ter
mosdos referidos artigo, sob pena dereveiia. |U(.Ha(, amac PUPlilliB.
E porque entre esses herdeiros existe o de nome ILlvI 5 U III(X19 JBfJWIlIl
Joaquira de S Cava!- ante de Albuquerque, que
se retirou desta provincia para o sul do Imperio
onde reside, em lugar incerto e nao sabido, quer
por isso o supplicante justificar este deduaido, e
que provado quanto baste, se digne V. S. mandar
passar cartas de editos cun o praso de 40 das,
afim de ser dito supplicado, citado para todo o con-
tedo desta.
Pede a V. S. Ibe delira. E. R M.
Recife, 13 de Maio de 1886.Jos Theodoro
Gomes, procurador.
Estava sellada com urna estampilha de 200 res,
legalmente inutilisada.
E mais se nao continha em dita petico, aqu
fielmente copiada, na qual lia-se o despacho do
theor seguate :
Sim, designando o escrivo dia.
Recite, 13 de Maio de 1886.Montenegro.
E mais se nao continha em dito despacho aqu
copiado, depois do que via-se que teudo o exequen-
te produndo suas testcmuuhas que dep,zeram con-
venientemente acerca do allegado, o respectivo es-
crivo fez sellar e preparar os autos e m'os fez
conclusos em 19 de Maio de 1835, que i.'elles pro
feri a sentenca segrate :
Vistos. Hei por justificada a ausencia em lugar
incerto de Joaquim de S Cavalcante de Albu-
querque, e mando que este seja intimado por edi-
taes ..os termos da peticao de folhas.
Recife, 20 de Maio de 1886. Thomaz Garcez
Paranhos Montenegro.
E mais se nao continha em dita sentenca aqu
bem e fielmente copiada. Em virtude da raeama, o
respectivo escrivo fez passar o presente edital
pelo qual e sea theor cito e hei por citado Joaqum
de. S Cavalcante de Albuquerque, para na pri-
meira audiencia deste juizo tailar aos termos de
uns artigas de habilitado por todo conferido aqui
transcripta
E pai a que chegue ao coahecimento de todos
mandei passar o presente edital que ser publica-
do pela imprensa e athx.do uos lugares do cos-
tume.
Daao e passado nesta cidade do Recife, capital
da provincia de Per mbaco, aos 21 de Maio de
18o6.
Subscrevo e aasigno. Ernesto Silva.
rbomaz Garcez Paranhos Montenegro.
() Esse exame foi feito por nm pharraa-
ceutico, qoe nao encontrando no Cajurube.-
ba mercurio, nem arsnico, concluio que
en panacea, que nSo fazia bem nem mal-
O Dr. Miguel dos Aojos Barros, official da inope
nal ordem da R pha s do termo de Bom Con*ilh", comarca do
mesmo nome provincia r f'ernambueo, por Sua
Magestade Imperial e Constitucioual o Sr. D.
Pedro II, que Dea? o guarde etc, etc.
Paco saber aos que o presente edital virem oo
delle tivrem noticia, que pelo Dr. juiz de direito
da enmarca, foi por sentenca de 11 do correute,
declarado interdicto o subdito italiano Domingos
Rossi, sendo por ete juizo nomeado curador do
mesmo interdicto, o italiano Salvador Maturelly.^
E para que chegue noticia a todos, afim de nac
poder contratar pessoa alguma com o referido In-
terdicto, sb pena de nullidade, mandei passar
pres -uie que ser atfixado no lugar do costume, i
publicado p1 la mprensa.
Dado e passado neda villa do Bom CoTwelho.
aos 4 das do mea de Juuho de 1886.
Eo, Luis Antonio Oocdeiro, escrivo, o subs-
arevi.
Miguel do* Anjot Barros.
C. C. Ei.
'Iuli tommerrlBl Balerpe
Sarao em 31 do correute
Nesta no te teri lugar o sarao deste m a. Os
senhores socios pederao dar suns notas de convi-
tes na secretaria deste club, das 7 s 10 betas
da noite.
Secretaria da Club Commercial Euterpe, 7 de
Julho de 1886.O 1- aecrctarie,
Francisco Lima
Cha preto
As qualidadcs me-
llas neste genero, con-
tina a vendar Carlos
Sinden, n. 48 ra do
Baro da Victoria.
Recebcu de impor-
tavo directa e vente
mais barato do qne e
outra qualquer parte.
Tamben, vendemos
em caivas pequeas,
propriaspara botis e
casas de familia.
OCIEDADE
Auxiliadora da agricultura de Per
namburo
Conselho administrativo
Previne-se a todos os seuhorea raemos d) con-
selho, que ficeu marcado o di terca feira, 13 do
corrente mez de Julho, para urna sess3-* extr-ior-
dinaria, na qual delberar-s-ha cem os menibro
que comparecerein, visto nao ter podido o conse-
lho funeconar por falta de numero, no dia desig-
nado para a precedente scssV, e tr lugar s V
horas e no lugar do costum-i.
Recife, 6 de Julho de 1886.
Henrique Augusto Milet,
Searetario geral.
Companhia dos triios urbanos d
Recife a Olinda e Beber ibe
Dividen lo
Pags-se no escri torio da companhia o 23" di-
videndo, corresp ndente ao semestre de Janeiro
.limbo, a raaao de 8 0[0 desde hoje ai o da U,
;3 atis, das 9 horas da manha ao meio di,
i oto dia em diante todas as tercas e sabbado,
-mas horas. Pagara se igualmente os juro
J..8 t.ccoes preferenciaes e das huevea obrigato-
ii. gr-doeftea avista.
orio da companhia, 7 de Julbo de 188S.
O gerente,
A. Pereira Simos.



4
Diario de PeruaiubucoSeita-feira 9 de Julho de 13S6
I


Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. Dr. director, faco publico
que do dia 15 do corrente, ao meio dia, recebe se
neita secretaria propoataa em cartas fechadas e
competentemente sellads, para a execuco das
obras de reconstruccSo da bomba da varzea de
Catende, na estrada da Victoria, treada em------
2:400*000
O orcamento e mais eondigoea do contrato se
acbam disposicas dos senhores pretendentes.
Secretaria da reparticao das Obras Publicas de
Pernambuco, 6 de Julho de 1886.
O official secretario,
Joio Joaquim de Sigudra VarejSo
Club Iuterucional de
Regatas
Primeiro anniversario
Tendo eate club de solemnisar o sea primeiro
anno oe existencia com urna regata na bacia de
8. Amoro no dia 18 do corrente mez, prev.no a
qnem se quizer inscrever p&ia ella, comparecer
na uua sede, > todos os das, da 7 horas is 9 da
noite at 12 do mesmo. Recite, 1 de Julho de
1886.-01- secre'.ano,
JoaquimAlves da Frnseca,
1" secretario.
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. Dr. engenheiro chefe da
reparticao das obras publicas; faco publico que,
em virtude da autonsacao do Exra. Sr. vice-pre-
sidente da provincia, recebe se ra secretaria des-
ta reparticao, no dia 15 do correte, ao meio dia,
propoatas em cartas echadas para a txeeuco dos
reparos urgentes da cadea da cidade de Caruar,
oreados em 2:188*.
O orcamento. e mais condicoes do esntrato se
acbam disposico dos senhores pretendentes
para seren examinados.
Secretaria da reparticao das Obras Publicas, 3
de Jnlho de 1886.O secretario,
Joo Joaquim de Siqueiru u. *j5u
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro director da
reparticao das obris publicas, faco publico que
em vista da auterisacao do Exm. Sr. vice-presi
dente da provincia, recebe-ae no dia 15 do cor-
rente, ao meio dia, propostas em crtas fechadas
para a execuco dos repaios urgentes da cadeiaj
da villa de Iguarass, orcadoB em 1:640*.
O orcamento e mais condicoes do contratse
acbam disposico dos senhores pretendentca, pa-
ra serem examinados.
Secretaria da Reparticao das Obras Publicas, 3
de Julho de 1886.O secretario,
Joo Joaquim de Siqueira Varejo.
lotera de 4000 conlos em favor
dos ingenuos da colonia Isa-
bel
De ordem do'Exm. Sr. vice-presWente da pro
vincia fica adiada para 15 de Deaembro do cor-
rente anno a extraeco desta loteri i.
Tbescurana des loteras para o fun lo de eman-
cipado e ingenuo?, 6 de julho de 1886.
O thesoureiro,
Francisco Gonealves Torres.
Estrada de ferro doRe-
cife Taruaru
De ordem do Illm. Sr. director, engenheiro
chefe, faco publico que. a contar do dia 1J do cr-
rente em diante o trem de volta P 4 partir da
estaco de S. Joao-dos Pombos s 3 horas da tar-
de, e da Victoria s 5.
Secretara do prolongamento da eatrads de fer-
ro do Rocife ao S. Francisijo o estrada de ferro do
.Recife Caruar, ,m 7 de Julbo de 1886.
O secretario,
Manoel Juvencio de Sabeya.
Instituto Mtterarlo Olindense
Convido a todos os socios se reunircm, em
seaso de ussembla geral, domingo, 11 do corrente.
s 10 horus da manhS, na respectiva lde, par
eleicic da nova directora A aesso funecionur
COM o numero que comparecer, de accordo ooin os
nosaos estatutos. Olinda, 6 de Julho de 1FS6.
O 1. secretario, Jos Pinto Souto Maior.
.Club de regatas per-
nambucano
-Scientifico aos socios deete club, que a sede do
mesmo acha-ae mudada para a ra da Aurora
numero 11.
Secretaria do Club de Regatas Pernambueano,
8 de Julho de 1886. O 2- secretario,
Rodolpho Moreira.
Secretaria da eonfraria de S. Benedicto
erecta no convento de S. Francisco do Recife, 7
de. Jnlho de 1886.De ordem do nesso irmo pre-
sidente,- sao couvidadoa os irmaoa ex-pretidentes
e ex-sccretarios c-omparecerem no capitulo desta
oonfraria, no dia 11 do corrente, s 6 horas d .
tarde, afim de reunidos, tratar de accordo com o
art-41 do nosso c< mpromisso.
Thomax Nicios do Espirito Santo,
Secretario.
Thesouraria delazesda
Pagamento de juros
De ordem do Illm. Sr. inspector se fai publico
que no dia II do corrente mes comecar o paga-
mento dos juros das apolicea inscriptas nesta re-
particao, relativos ao 2 semestre do ixerciciode
1885-6.
Thesouraria de Fazenda de Pernambuco, 9 de
Jn*J de 1886.O secretario.
Luiz E. Pinheira da Cmara
GOMMERCIO
Prolongamento da estrada de
ferro de Pernambuco e estra
da de ferro do Reelfe Ca
ruar.
De ordem do Illm. Sr. director, faoo publico que
at o dia 15 do corrente, ao meio dia, no escrito-
rio cential, ra de Antouio Carneiro n. 137, re-
eebem-ae propostas em carta fechada para o for-
necimento dos seguintes objectos necessarios ao
almoxarilado desta repartilo :
50 kilos de rame de cobre.
25 ditos de dito gslvanisado.
25 ditos de dito de chnmbo.
25 ditos de ac em bexiga.
25 a la vaneas.
25 litros de alcool.
25 bonets.
10 brechas.
25 kilos do borracha em lencol.
10 bandeiraa imperiaes.
1 bomba americana.
10 bacas de estanho.
30 borrachas de Faber.
10 kilos de breu.
50 novcllos de barbante.
12 caivetes.
24 cadeiras americanas.
50 copos de vidro.
10 kilos de colla da Babia.
5 toneladas de carvo de forja.
100 cadeados.
15 kilos de er.
400 kilos de canos de chumbo.
250 ditos de ditos dt ferro.
5 carrinhos de mo.
10 caixaa com colche tea.
6 capachos.
12 carretas.
4 ceataa para papis.
600 kilos de cobre em lencol.
200 ditos de canoa de barro de 0,3 e 0,40 de di-
metro.
5,000 eaveloppes quadrados grandes, impres
1,000 ditos pequeos, lisos.
5,000 ditos telegraphicos, marcados.
3,000 ditos compridos, marcados.
12 escarradeiras de louca branca.
10 espanadores.
15 kilos de estanho em vergas.
25 enxadas de neo de 2 1/2, 3 e 3 1/2 libras.
225 metros de eatupim.
1,000 fulhas de mo de olra.
2,000 ditas de mappas de bilhetea.
2,000 diwa parareceita do trafego.
2.000 ditas para remessa de dinheiro.
2,000 ditaa para chefes de trem.
2.5U0 kilos de ferro inglcz aortido.
500 ditos de dito sueco.
1 folie.
25 fouces nacionaes.
5 kilos de gomma arbica cm caroco.
12 f ascos com ditas liquidas.
15 kilos de gomma lacea.
50metros de gachetas de linh".
1,000 kilos de graixa do Rio Gr nde.
5 jarras com torncira.
10 jarres.
6 jarros de lnuca.
50 caixaa com kerosi ne.
6 duziaa de lapis de borracha.
5 ditas de ditos de duaa coros.
12 i-itas de ditos de Faber ns. 2 c 3.
5 diaa de ditoa grapbicos.
i ditas de lacre encarnad (paos).
12 limpadores de pennas.
00 folhas de lixa esmeril.
100 ditas de dita de papel.
i' levas.
5 kilos de la para pavios.
120 limas uiurcas e outras
3 lavatorios e seus pertmcis.
5 k 5 livros registro em mercaduras.
15 ditos dito de bilhetea.
10 d.tos de mao d'ulra.
1j cyliudros mata-b rro.
6 int-sas para cscriptorio 6X3.
50 kilos de mialhar.
5 pos de n.iikiin.
25 niviis de boiba d'ar.
2 frasco? com oleo para apparelho.
750 litros de oleo de liubaca.
500 litros de oleo de mocot.
800 litros de uleo de bauha.
5 machados.
2 reamas de p pe de linbo branco.
16 ditas de dito a.masso pautado fime
12 ditas de dito ofHcial para ministro.
12 ditas de dito aliaos j bom para impressic.
5 ditas de dito inferior.
12 picaretas.
12 pinceia para copiadores.
100 kilos de pregos frauce7es.
15 pegadores de papel,
b caixas com penas Mallat e Perry.
10,000 meias folhas de papel inicial.
2 prensas para copiadores.
2'H) pavios.
12 libras de plvora.
50 resmas de papel alinaaso inferior.
15 folhas de dito secante.
50 ditas de dito mata-norrio.
600 ditas de dito para embruiho.
15 ditas de dito oleado.
100 litros de pixe.
50 quartinhae.
50 regoal de borrachas.
12 ditas de madeira.
3 relogios.
15 libras de roxo trra.
6 raspadeiraa.
5 caixaa de sabonetOJ.
12 subsalentes mata-borrao.
25 kilos de sabio.
7 ditos de rolla francesa.
5 sineta?.
25 frascos ecm tinta caraiu. f
12 trades.
3 tbesouras.
24 toalhas.
5 trenas fiometalico.
25 garrafas com tinta pre'a.
K^PACS DE BXPOKT&VAO
15 ditas cora dita de copiar,
12 tinteiros.
12 taldes de passe de 1*, 2" e 3 elasse.
5 ditos para asaiguutnras, em cartoes.
50 vassouras de piasaava.
300 pilhs Lechanch.
150 metros de oleados para cortinas.
2 meio* de ccfdavo para presillas.
1 grosa de botoes para cortinas.
1 meio de sola ingleza.
6 livroa de entradas e sabidas.
100 ps fundidos para-bancos (de ferro).
30 lampeoes para carros.
10 meios de sola nacional para mangusiraa.
20 litros de azeite de peixe.
10 kilos de rebites de cubre com.armellas.
Os cbjectos serio de 1 qualidade e entregase
convenientemente acondicionados no aHsnoxari-
fado na estacao das Ciaco Postas e as olciaas
da estrada de ferro do Iiccit a Cantar, conforme
as exigencias do servico. .
Os Srs. preponen tes deverao acompanhar saas
propostas das respectivas amostras, condico es-
aencial para serem aceitas.
Neste escriptorio serao prestadas as'informaeoes
ueceaearias. As propostas aerao abertaa e lijas
uo lugar, dia e hora cima indicados, na presenta
dos Srs. proponentes, que deverao sellal-as a as-
gnal-as, indicando a-as residencias.
O forneciment poder ae ajustado com um a
proponente, ou parcialmente, conforme as vaula-
gens que cffereccr.
Secretaria do Prolongamento da Estrada de
Ferro do Recife a S. Francisco e Estrada de Perro
do Recife Carm.ru, 2 de Julho de 1886.
O secretario,
Manoel Juvencio de Saboya.
EMPREZlT^GZ-
Pede-se aos Senho
res coDsuraraidores que
queiram azer qualquer
couiuiiicacao ou reda-
maci'), seja esta feita no
escriptorio desta empre-
za ra do Imperador n
29, onde tambem se re-
ceber? qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobradores
externos sao os Senhores
Hermillo Francisco Ro-
Jrigues Freir e Manoel
Antonio da Silva Uli-
veira, ei guando for pre-
ciso o Sr. Antonio Mar-
as Carvalho.
Todos os recibos dessa
empreza deverao ser pas-
sadoseintaloes carimba-
dos e firmados pelo abai-
xo assig io son o que
rto lero valor algum.
George Wiodsjr,
Fcrtunato Pint
Firmino Theotonio da Cmara Santiago (3).
Francisca Cordeira de Jess.
Francisco Duarte Passos.
Francisco Felippe de Abren.
Francisco Jos Das L >uro.
Francisco Jos da Silva Freitas.
Guilherme Pinto Menelles.
Hornem Bom de Oliveira/e Silva.
Innocencio Ricardo da Silva
Jaciotha Mara da Cenceico.
Jacmtho de Freitas.
Jaeintho de Bartolo.
Jos Alves de Sonca Braga.
Jos Angelo da Silveira.
Joa Aolouia Barbosa.
Joa Antonio Ramos.
Jas Paulino da Silveira Lacerda.
Jos Tavares Carneiro.
Joa Vianna.
Joo de Assis Pereira Roch.;.
JoSo Cavalcante Lamenha Lina.
Joo (Jomes.
Joo Ignacio de Aibuquerque.
Joaquim Antonij de Abren Bastos.
Lacio Mjiiteii-o.
Luiz de Friiuc Iy^yo (2).
Laureotino Goucalvos Seona.
Mara Carlota" de Vasconcellos Abreu Reg.
Mana Lina.
Maria Militana de Castro.
Mana Saluatiana de riouza.
Martinh.) Joaquim Ferrelra.
Miguel Rosaio.
Mnuoel Alves Baptista.
Mtnocl Fcrreira doa Anjoa.
Manoel Ignacio Hala.
Manoel Jjaquiui Menczes Amprim Fi.ho.
Manoel Joaquim do Nascimento.
Manuel Le /ino de Amjriin Lima.
Paula Francisca de Sanl'Anua.
Poncian* de Luiz Amador de Maria.
Poseidonio Ernesto Fiaza Lima.
Pedro da Purificaco Paes e Paiva.
Rosala Tranb.
RaSaele Areir.
Saluatino Alfredo de Souza.
0 1 oficial.
Deodato Pinto dos Sanios.*
Prolongamsnto do estrada de
ferro de Pernambuco e es
trada de ferro do klecife a
Caruar.
De ordem do Illm. Sr. director, faco publico qne
at o dia 8 do correte, ao meio dia, rtci'bem-ae
propostas em carta fechada, para o fjroecimento
de 600 toneladas do carvao Cardiff; no escripto-
rio central ra de Antonio Carneiro n. 137,
Secretaria do Prolongamento da estrada de
ferro do Recita ao-S. Fran^ioco e strad Oe trro
do Recife a Caruar, 1 de Julho de 1886.
O secretario,
Mancel Juvencio de Saboya.
Bolsa coininercial de Pernam-
baco
RECIFE, 8 DE JULHO ^>E 186e.
As tres horas da tarde
f'otate* otfiraet
Cambio sobre Sautos, 60 d/v. com 1 1[4 0/0 de
descont.
Cambie acore Para, 60 d/v. core 1 1/2 0/0 de des-
cont.
O presidente,
Pedro Joa Pinto.
Pelo secretario,
Augusto P. de Lemos.
RENiUMKiNTOS PU'BLlUiS
Mes fie Julho de 1886
ALFANDEGA
Ruda or al De 2a 7 dem 8 56:115*004 13:8744770 68:989/774

Rassa paoviacui. De2 a7 dem de 8 8:276/406 4:268*866 12:5272
Total i i 81:989/046
KacxaaDOBrA !> 2 du 8 7 6:550/005 3674612
6:91/4617
Caaaoi-ioo pbovisciai. "' -1 a 7 dem de 8 69:293*818 12:43
71:7374280
Rcirs Dsav.iAUK e2a7 4:0554308 277*768
Em 7 de Julho de 1886
Para o eilerioi
No vapor inglez .l'artner, carregaram :
H-ra Liverpool, Pohli-i.n C. 17 barricas com
1,314 kilos de borracha.
No lugar portuguez Temerario, f::rre?'i-
ram :
Para Lisboa, J O. PercUa 30 barra e 1 pipa
co'ii 4,800 litros de mel e 30 ditos e 1 aita com
4,800 ditos de dito.
Para o Porto, P. Pinto i C. 10 pipas coc
4,80) litros de mel.
Para o interior
Banco do Brasil
Paga-se o- 65 dividendo na razo de 9000 poi
aeco, ra do Commercio n. 6, 1 andar, es
criptoriu de Pereira Carneiro ct C.
ADMINISTRACAO DOS CORREIOS DE PER
NAMBUCO, 6 DE JULHO DE 1886
Rela valor) que existe nesta reparticao, por
nao terem sido encontrados serta destina-
tarios.
Anna Viceneia doa Santos.
Agostinho Ferreira Ramos.
Affonso Lustoss.
Antonio Azevido Andrade.
Antonio Abatemarco.
Antonio Baptista de Moraea Filbo.
Antonio Evangelista Meudes.
Antonio Tavares de Carvalho e Silva.
Antonio Francisco Cordeiro de Carvalho.
Antonio Gomes da Silveira e Mello.
Antonio Joaquim Pires Carvalho Aibuquerque.
Antonio Joaquim Barroso Braga.
Antonio Joaquim.
Antonio de Salles de Souza Pontea.
Antonio Tavares de Carvalho e Silva.
Antonio Wenceslao de Omena.
Benedicto Martina de Carvalho.
Cari, s Carneiro Monteiro de Salles.
Custodio Furtado de Mcndooca.
Domingos dos Santos.
Emilio Lubbe.
Coiiipaiiliia de Edilicaces
O escriptorio desta
companhia acha-se in
stallado na prac,a da
Concordia n. 9,conser-
vando-se aberto das 7
horas da manh s 5 da
tarde, em todos os dias
uteis.
Incumbe- se de cons-
truc^es e reconstruc-
Kecebe se informa-
Qes acen-a de terre-
nos na cidade e subur-
bios, e a respeito dos
quaes queiram os res-
pectivos donos fazer
negocio.
No mesmo escripto-
rio se encontraro as
amostras dos produc-
tos da olaria mechani-
ca do Taquary, pj*o-
priedade da m e s m a
companhia.
(ompanhia
Imperial
DE
NECUROi contra FOCO
E8T: 1803
Edificios e mercadoriat
Taras baixas
Prompo pagamento de prejaixon
CAPITAL
Rs. 16,000:0004000
Agentes
BROWNS & C.
* N. Rita do Commercio N. 5
sLondon and Braslliao iBank
Unted
Ra do Commercio n. 32
S.icca por todos os vapores sobre as ca
xas do mesmo anco em Portugal, sendo
m Lisboa, ra dos Capellistas n 75 N-
Porto, ra dos Inglese*.
COUPnlIADESEGulOr
CONTRA FOGO
Kortb British 4 Hercantile
CAPITAL
C.-OOO.OOO de libras sterlinas
AGEN!ES
MomsonHowie & .
COMPANHIA PEB>i HBUAVi
DE
Xavegaco cos eir por vapor
Fernando de Voronha
0 vapor Giqui
Coraraandante Lobo
~^L a. Segu no dia 10 de
Y^~~~~^jlr^- Julho, pelas 12 lu-
ras da manh.
Kecebe carga at o
dia 9, e passagens at
4s 11 horas da maiha
do dia 10.
caes
ESCRIPTORIO
da Conapaniala PerKanlrB
cana n. 12
lima! States & Brasil Sail S. S. C.
O vapor Advance
%
;>orado dos portus do
sul at o dia 15 de Julho
depois da demora m ceasaria
sepuira para
naranho, Para. Ilarbados, .
Thomaz e Xew-York
Para carga, passagens e cncomincudas e dinhei -
ro a frete tracta-se ciin <>s
AGENTES
0 paquete Finance
Espera-se de New-Port-
News, at o din 23 de Julho
o qunl seguir depois da de-
mora iieeesaria para a
Baha e io de Janeiro
Para carga, passagens, encuinniendaa e diuheiro
a frete, tracta-se com o>
AJENTES
Henry Forster A C.
N. 8 RUADO OOMMtKClO. N 8.
! andar
(osrt DE '
.%'avegaeao Costeira por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penede e Araeaj
0 vapor Mandahu
Segu no dia 10 Julho, s 5 horas da
tarde.
Recebe carga at o
dia 9.
Encommendas, passag<,..s dinheiro a frete at
as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pemambucana
n. 12
Vapor austraco Jokai
Espera-se doj
portos da Europa
at o dia H da
Julbo e seguir
Jdopois de pouca
demora para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Recebe enrga a frete mudieo tractar com os
Consignatarios
JOHNSTON PATER & C.
Coinpanhia isahlaaa dt* air-^^a-
cao a Vapor
Macei, Villa Nova, Penedo, Araeaj,
Estancia e Bahia
O vapor Sergipe
Ccmmandante Pedro Vigna
Segu impreterivel-
ii,(i:ic para os portos
cima no dia 9 do cor
rente, ;u 4 horas da
Urde. Receba carga
uuicHincnte at o 1/2
dia do dia 0.
Para < arga, passagens, encommendas c dinheiro
a frete -racta-se na agencia
7tina do Vigario7
Domingos Alves Matas
LSILOES
Lcilo
Da artnac&u envdrncoibi, e do resto das fazen-
las e raiudezaa da loja da roa do Rangel n. 78.
Agente Brito
Vender mais 1 vacci :\ trra com 1 beaerra e
60 saceos com farinha.
Kexta-feira, do eorrente
A's 10 1/2 horas
Lcilo
MOVIMENTO DO PORTO
Navios entrados no dia 8
Valparaizo por escala25' dias, vapor in-
glez Araucanin, de 1,806 toneladas,
commandante II. Browna, equipagem
72, carga varios gneros; a Wilson
Sons & C.
Banana (frica)22 diag, lugar norue-
guense Saron, de 34i tonelada!, rapitao
J Joneeen, equipngem 10, em lastro;
ordem.
Bahia9 dias, patacho hollandez Reprise,
de 174 toneladas, capitKo '. F. Lufisen,
equipagem 7, carga varios generes; a
H. Lundgrin & C.
Navios 8ahidos no mesmo dia
ECURSi
CONTRA FOGO
The Liverpool Hondn Glo
INSIMAME GOVANV
&G.
PE-SQBQamBriKani
Dampfschifflahrls-Gesellschaft
O vapor Argentina
Esperase de HAMBRGO,
Via LISBOA, at o dia 16 do
corrente, aeguimlo depoia da
di mora necessaria para
fe
Ir Lisboa
4:338^076
No lugar njruegueuse A. B. Bull, carrega-
ram :
Para o Rio tirandu do Sul, H. ^undgrin dz C.
5'A200 litros de sal.
No patacho dinamarquez Mercurio, carre-
giram :
Para o Rio Grande d-j Sul, Vinva M. F. Mar-
qnes & Filbo 605 barricas com 55,752 kilos de
assucar branco e 100 ditas com 10,565 ditos de
dito mascavado.
No vapor francez Ville de Bahia, carre-
g,u :
Para o Rio de Janeiro, Manoel Luiz 2 barricas
com janipabos, fructa.
No vapor nacional Sergipe, carregaram :
Para Penedo, H. Oliveir 10 barricas com 600
kilos de assucar branca ; P. Pinto & C. 20 barra Bspiro Santo
com 3,2( 0 litros de mel ; A. B. Correa 5 caixas Trent
cajurubeba. Para
No vapor nacional Espirito Santo, csrrega- Elbe
ram : Jokai
Para o Para, V. da Silveira 200 barricas com Delambre
11,625 kilos de assucar branco ; 8. de Almeida Advanee
237 barricas com 16,64i) kilos de assncar branco. Cear
Pa: Manaes, H. Oliveira 20 barricas com 925 Argentina
kilos de assucar branco e 20 barris com 1.920 Ipo/uca
litros de agurdente ; Maia & Rezeude 200 bar- Mamaos
ricas com 20,000 kilos de sebo. Finance
Na barcaca Lindo Paquete, carregaram : La Plata
Para a Villa da Penha, Fernandea Irmao 1 Equateur
barrica com 110 kilos de assncar branco e 2 ditas Bahia
com 210 ditos de dito refinado. Neva
t
Ilha do Sobreiro (Antilhas)Barca alterna
Agnes, capitulo F. Pagiler, em lastro.
BabiaBigue italiano Andrea Padre, ca-
pitao B. Othooe, carga varias gneros.
Santos por escala Vapor francs Vtlle de
Bahia, commandante A. Deliens, carga
varios gneros. .
Liverpool por escalaVapor inglez Arau-
cania, commandante H. Browns, carga
varios genero.
VAPORES ESPERADOS
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7-RA DO BOM JESS-N. 7
Segaron martimo*) e terrestres
Nestes ltimos a nica companhia nesta praca
que concede aos Srs. seguradla isempcaode paga
ment de premio em cada stimo anno, o qne
equivale ao diconto de cerca de 15 por cento em
j ivor dos secroradoa,
do sul lije
da Eurrpa amanb
do norte a 13
do sul a 14
da Europa a 14
de Liverpool a 14
do sul a 15
Jo sul :ti
de Hamburgo
do norte a 20
do norte a 23
de New-Port News a 23
da Europa a 24
do sul 25
do sul a 26
do sal a 29
Goiopanhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
EstabelcJda en l-*55
CAPITAL 1,000:0001
SLNISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 1884
Martimos..... M!0:000$000
Terrestres,. I6:OOO$OO0
44Ra do Comnereio
"SEGUROS
UAlRITIMOS CONTRA FOGO
Per-
Ro de Janeiro e Sanios
Para carga, passagens, e encommendas troca-
te com os
CONSIGNATARIOS
Borstelinann & C.
RUADO YIOARON. S
1* andar
Compsi&Ma lira* i le ira de !Vave-
fEseoa Vapor
PORTOS DO SUL
0 vapor Para
Commandante o Io tenente Carlos An-
tonio Gomes
E' esperado dos portos do
norte at o dia 12 de Jnlho
e depoia da demora in
dispensavel, seguir para
os portos do sul. Recebe
tambem carga para Santos,
Pelotas e Rio Grande d Sul, frete mdico.
Para carga, passgens, encommendas e valorea,
trata-se na agencia
N. 11 -RA DO COMMERCIO N. 11.
PORTOS DO NORTE
Vapor Espirito-Santo
Commandante Joo Mana Pessoa
E' esperado dos portos do sul
at o dia 9 de Jnlho, e
seguir depois da demora in-
dispensivel, para os portos
i do norte at laaos.
Para carga, passagens, encommendas valeres
racta-se na agencia
11Ruado Commercio11
ROYALIAILSTEAM PACKET
COMPANY
0 paquete Trent
E' esperado da Europa no dia
10 do corrente, seguinde
depois da demora necessa
ra para
De urna pega da alcatifa nova para forro
de sala, urna mobiiia do Jacaranda, um
marquezSo, um Iavaorio de ferro com
espeiho, um bcr^o, dous espelhoa com
moldura dourada, cinco quadros, tres
lanternas, urna mesa elstica de tres ta-
blas, um guarda-louc, urna quartinhei-
ra, urna raeia commoda, jarros, e oatros
objectos existentes no primeiro andar do
sobrado sito travnssa da ra Duque
de Caxias n. 4. -
8evta feliM. 9 de dulho
A'a 11 horas
O agente Guamao far leilao por ordem de urna
familia que retiruu-ae, dos movis cima mencio-
nados, e nao pertencentes a maasa fallida de Fran-
cisco Teixeira Barboaa como por engao aahio no
numero de hontem.
Leilao
Sabbado, 10 do corrente
\'s 41 horas
Na ra do Imperador n. 75
De mve3,2jarroB, quadros, 1 bond para meni-
no, machinas, vidroa, chapeos, perfumaras e miu-
desas.
Agente Moosio Baptista
Leilao
Do sobrado de 3 andares e sotao da ra
do Imperador n. 22
O agente Modesto Baptista, por mandado e com
assistencia do Exm. Sr. Or. jniz de orphos far
leilao do sobrado cima declarado, o qual rende
animalmente 2:500#000, aendo que para qualquer
inturmacao o mesmo agente as dar.
Terga-Jleira, 15 do corrente
A's fl horas
No armazem da ra do Imperador n. 22
AVISOS DIVERSOS
Precisa-se de duaa arrisa, urna que cosinhe
e outra que engomme, e de um criado menor de
16 annos : na ra do Imperador n. 45, pineiro
andar.
Aluga-so o sitij do Pina, com boa casa para
morada, contendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiroa,
seis grandes viveiros, duis cacimbas com ezcellen-
te agua : a tratar no caes de Apollo n. 45.
Precisa-se de un cezinheira, na rna da Ac
rora n. 81 andar._________________________^^
Precisa-se de urna cosinheira para casa de
familia ; a tratar na rna do Baro da Victoria
numero 39. _
Urna familia honesta alnga outra de igua-
conduefa a metade da casa da rna de Bartholemeu
n. 61. e precisa-se de um menino para vende]
na ra.
- ALUGA-SE a casa terrea n. 20 da ra do
Capitao Antonio de Lima, com 2 salas, 3 quartos,
cosinba e quintal com cacimba : a tratar na rna
do Marques de Olinda n. 8.
Companhia Phenlx
nambucana
Ruado Commercio n.
8
Macei, Bahia, Rio de Janeiro, Santos,
Montevideo e Buenos-Ayres
0 paquete Elbe
esperado
do sul no dia 14de
cerrente seguinlo
Idepois da demora
___ necessaria para
1. Vicente. Lisboa, Vlgo e Hou
(hampton
Para passagens, fretea, etc., tracta-se com ca
CONSIGNATARIOS
Adamson lio w ic & C.
Compra-se fios de linho para o hospital
dto II : na rna Formosa n. 4.
Pe-
A senhora que se offerece no Diario de hoje ( 7
do corrente), para ensinar ou reger casa de ho-
rnem solteiro, dirija-se ra do Mrquez do Her-
val n. 105 at s 9 horas da manba, ou de 1 s 6
horas da tarde, que encontrar com quera tratar.
Aluga-se casas a 80C0 no beceo dos Coe-
Ihos, junto de 8. Gonallo : a tratar na ra da
Imperatrizjn. 56.
Precisa-se de urna senhora para fazer com-
panhia a duas aenhoraa viuvas, em casa de pouco
servico, daado-se casa, comida e vestir, etc., se
prefere solteira on vinva : a tratar na Estancia
numero 6.
Aluga se o 1 andar do aobrado n. 43 rna
da Aurora : a tratar com o Sr. Negreiros roa
do Imperador n. 24.
= Josepb Kranse & C, ra Primeiro de Marco
n. 6, precisara de um bom cosinheiro ou cosi-
nheira.
Offerece-se urna senhora honesta e de bous
costumes, para ensiaar primeiras letras a meni-
nas, ou reger casa de hornem solteiro : quem pre-
cisar dirija carta esta redaccSo com aa iniciaes
J. M. R______________________________________
= Offerece se um rapaz para copeiro em cas*
de familia ou hotel, qne para :sto tem pratica e di
fiador ana conducta : qnem precisar 'dirija-se
ra nova de Suata Rita n. 9._______________
Vende-te a armacao sita casa n. 24 da
travesea do Pocinho : a tratar na rna da Palma
numero 71.

i
i^H


Diario de PernambucoSexta--.eir 9 de Julho de 1886

i


THEATRO
GRANDE COMPANHIA IMPBfilAL
Director Chas. Comelli-empresa Boorgard
FNC^ES
<| 1 K TERiO LUGAR
SABBA 10 E DOMINGO l DO CORRENTE
Pela grande eonpanhia do Imperador
DO
tuc trabalhou nos princlpaes
theatros europeos
e ltimamente no thcatro
_______________[ EDN DE PAIZ
Esla agglooieraf o de tlenlos japonezes composla de un numeroso pesseal de
fliSClPES OllitliS
os quaes apresentaiii uma trrenle de milagres, como
Equilibristas, jonglenrs, contorsionistas, gymnasticos, aerbatas e
misgieos, etc., etc.
O V( -tn.'.rio o que h de man rico re- genero, a roup.i i de gala 'los IMPERANTES do fapao.
ESTREA DA COMPANHIA
Sabbaiiv, 10 do corrento, s 8 \\1 horas da noite
Os bilhetes deede j tend em cosa de CHAHLfcIS PLUYN & C 24, ra do i oraroercio, R-cife e a partir de
1 hora da tunie na fscrrptoriu do T l -tr>, no da Jo espectculo.
dp:b.kgos xvxaDaxcas
. 120000 | Undeims de 1. otase..... :05OO
. G0OliO dem de 2.a dita....... 20000
. -15000 I Galeras......... 20OOO
Platea 10OOO o Paraizo 500 ris
JOSEPH KRAUSE tt'
Acaban de augmentar o sen j bem conhecido
mporlante estabelecimenlo rna Io
de marfo n. 6 com mus
ffl salo no! andar lnxnosamene pepar-
rado e prvido de uma apast-
is ? dirs de pn!s s farfe e ^u,
m mais afamados fabriles u
mundo inteiro.
nonvida, pos, as Exilias, familias, seus nume-
rosos amigos e freguezes a visitaren,
o seu estabelccimeRlo. alim de
apreciarem a grandeza c bom gosta com que
nao obstante a gratule
tlespeza, o adornaram. ei honra
desta provincia.
CHA-SE ABEBTO DAS 1 8 I)A NOITE
amar tes de 1.a c 2.* muera
1 lem d* 3.a dita ....
[lera de 4.a dita ....
Ictinheiri
TI El lILvjllLltr
HOSPEDARA
' Precisa-s de lima o sinln.'ia : n tintar na ra
da Uniao n 11-
Para criado e
Precisase d.- did menina de 12 \ 11 unos : no
esKriptori desta liarin si dir queja precisa.
Fresue/ia do Recife
A.ogaJ?r, a pe n a, ;i 28- RU \ DO BARAO DA VICTQRIA--28
ruados Uuararanea a. -'. Na BMNuna nrreisa-se f
de um rajniuo que soja II-1 p-tra en lo, apaga- O "proprictario d'cste estabelecimento nada tero poupado atim do que os scus
se bem. ilustres troguezes encontrem os melhores almocos, lunclis, jantares e ceias a francezs
soal escolbido.
Alagase o 1- a..dar e qu-.rfo d.i soiiraoo n. 3 Jantares o banquetes sobre encommenda. ,
i ruado Kangel. Quarios mobiliarios e aalVs reservados para as Exruas. familias.
7 Falla-ae inglcz, allemo e outras linguas.
iallia Recebse .-^signaturas para a mesa e pensionistas com moradia, por prc^s
Precisa- e de ama ama para and r eom duas muio (-ommodos. ^
enancas, bar* i.goumwr para a ineamas : a Em noites (ic rspectauulj, este ESTABELECIMENT estar aberto te O fim
tratar na ra d.t Itoda U. 1G. ,ln nuanxi

i'
^
' r.:
ce O-C.
iva *U
O
& V
g "O
M
*l X tt
0
/-s a-
Para boiiid oa okna
: ''o inestui!.
Aviso
Bn abaiio asaiffiad p-v "i Sr. Ant nio An -
g.'Jo da i ruz, da romaica de Agua Fr><, por ob-
sequio de "ir em iiiinha easa, A ra (io cidenti
n. 2, para quiJar o negocio ene tHD SHaigo, ii3
praso de oit.j iIms ; quando n objectos vendidas em leda i. Jtccife, i!e Julho
de 1886.
Seraphim Marqncs de 01v> ira.
fec-o
r* 2 8
02
O
-
O
Precisase
da a) menino de 10 V annos, para vender em
taboleiro ; na ra d i Cabnga n. 11, 1- aailar.
Francez, arilhmelica e geome-
tra
Pessoa ttabilitada offitnoe se eccionar is ma-
terias cima em eollcgios ou chshh particalarca,
pOr preeo t-ommod) : a tratar na rna do liaj>eia<
dor n. 41, bol i
ioubo
Da casa n. 13 sita i ra do Livramento, I.* an-
dar, furtaram na noite de aabowlo para domingo.
os seguintes relogios, abano mencii.nados :
47.52^ reiuoutoir do our-t deseoberto 13 !-
nbas.
t reloglo de onro deaoubarto, caixa soldada com
eatanhe.
li;t de prata descobcvtn Jdtou lever.
80.904 de ara: i Aeaoobcrt ..
15.326 de prau iK-scob;rto mostrado: quebrado.
37.14'J de l).'rto lettr.is encurii'.-
das.
53.740 de preta e.brtc, mostrador pintado coas
flores.
5J5.800 de prata descoberto.
29.197 de pwu ikemerto remoutoir mostra-
ba* preto.
30.233 de pr.it.i-'-br: i InslM.
17.420 de prat rtd rementoir.
43.87-.I do prata dcacaberto.
99.313 d- mck>] daieoberto remontoir am i-
cano.
Um rtlogio d^- pr.'ta eoberto, pa:ente ingle:.
Um relogig de prata eonerto d.'scoucertado.
Um relogio de d^urado.
TJmreligio de pratt, m>trador auarello.
Urna caixa de onro u. B.
Uma caixa de prata quasi nova, pesada.
Pede-ge ai | e.--, as a quem forem off^r. eidos J
eases ditos ofcjeetos o favor da apr henderi-m e
noticiar i. ra do Livrauen'.o n. 13, loja.
O* proprietarios do rnuito eonhecido estabelcciraento denominado
MUSEU DE JOIAS
sito a r i a do Cabug n. 4, communieoin ao respeitarel PUBLICO que receberam un
"rande s-.-ti-nen'o de jias tas mais modernas o dos mais apurados gostos, como tan
t b:in reiogioa de todas as qualidades. Avisam tambom que continuara a receber po:
i todos os vaporea viudos da Europa,-objectos novos e vendem por muito menos que en
oatra qualqoer parte.
MIGL WOIiFP & C.
N. 4 RA DO CABUG----N. 4
Jompra-se ouro e prata velha.
^J
a
OS
?5>
Chapees e chapelinas
C2
SO
osa
>2
5C
SO
36fl.....PRiOiDiV IKDEPENDHI--36 A 4Q 4
5*
SO
4&
~~ Qkx' c KAsxctewvwnXc'/txuhcaB ..^
de Rheumat is mo .Cancros, Bobas, btratgens
e todas as rnolentias qiietenho eua orugem
na impureza do tiangue rienda a sypbis.
-^ --------------------------r*
WWMUiawarai
cMvMAiAl
Laboratorio ^tb*i oc^roouctosIibicin
*.*
M FIMABRAOlIUIM..
Ra do Vise onde do Rio Braneo -Wf
HIOIIK JAXKIRO-*
,

ce
g-op
SI'
9
s- &
o p
ss ^
:
r p
o g
- o
P
o
Aiuga-se uma casa e sitio na estrada de
Juao de Barroa n. 6, juat... estacao do fispinhfi-
rov tendo agua e gaz encanados, e bem asaim se
alaga um bo .!a e um quarto t-mbem com
agua e g-.iz : a tratar ua roa nova de Santa Rito
n. 57, sobrado.
nnptlaiu di
anibe
Maooel [JaptisU imalkerefi.j
Ibos agrud'
gvo que ai
restas mor'
novo ta
raaadam ce.
da 12 do c
por cst
agrade
ico OS
idu e
':
7 horns da man
-o se confessam
pelas
9

B. S. CAEVALH0 & C.
Proprietarios desta bem eonhecido estabelecimento pajfecipaoi
as Exmas. familias .; .o publico em geral, que mensalraente recebom
ipaes casas em Paria o Mancliester o quo de juelhor a de
lio goslo ba em chapsfixMW o chapis para sciiboias e meninas
ia priinoiras fabricas do Hainburg-i o qu lp da uiellior etn -Iia-
poa para h-mi-as e criancas, e rauites utros arti
cliapelaria.
Flores artiticiaes para ornamento de salas.

so
\a bem conhecida loja darua Primeiro de
Mar? n. 20
JOTO DO LOLVRE
Grande sortimento de madapolues -le 4^500, or$, bfiO0, 6^, 6)5500
7I500 e 8^000
AlgodSes brancos, superiores quali-ia-K-s, da 4$, 4^500, 55, $bQ0, 6)5 e
60500.
Saperiores crotones de 320 a 500 o covadu.
Bat8te8, lindro padr3es, a 200 e 320 rs. o covadi.
FustSes brancos do novos desenhos a 440 e 500 r:. a covaJo.
Cobertas do garga, forradas, do dous pauuos n 30 500.
Ditas de ganga cretone, bonitos padrSes, a 350UO.
Lentes do bramante, de linlio de 25 a 4!00 Ditos de algodao de 1,800 a 23500.
Toalbas felpudas, de tamanho regular a 50000 a duzi;;.
Ditas grandes para banbos a 200 uma.
Lenjoa de algodo de 10800 a 202O a dalia.
D:*os algodao, com barra, a 2:>400 a duzia.
.', L-.,r-lo, !,r .- 300, 400 700 rs. o covado.
Dito -.^.aca.io-, 1 ,..*,, -. lo, 10100 e 10200 o meto.
Cortes te vesti.i. Uo cretone lie 200 por 80000.
0...i-aaQapos .te linb i de 50500 a (30 a iiizia.
Graoae var'caade de anquinhas rte 20 a 50000.
Meas cruas para homeru a 50, 60, e 70000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para hornera, do 50 a 1O0UOO.
Casemira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
Algodao-trancadc- do duas larguras a 10300 a ra
Bramante de Igodao, do qnatro larguras, te !0OO, 10800 e 2000 a vara
Dito do linho idem dem de 20, 20500 30 e 40000 a vara.
Loques de papel, de lindos desenhos, de 500, 800 a 10000.
Merino preto e azul a 104O( rs. u covado.
etinetas lisas do todas as cores a 440 rs. o covado.
VelbutinaB de todas as cores a 10000 o covado.
Molesquin do coree, bonitoa palrVs, a 600 rs o covado.
Chales do algodSo a 10200, 10-100, 10OO e 2"0 ) '.
Guarda p de brira de. linho pa'rdo 'a 40, 50 e 65000.
Oxford p.,ra camisas, lindos padrdVft, a 280 300 e 310 r, o covado.
Costuraos para oanhos iic mar a 80 e 100000.
Cortinados bordados para cama e janellaa a 8r^ 100, 12, 14 o 160000 e pa?,
Grande sortimento te roupa fetti para trabalhadorc.5 de cirapo.
Encarregatno-noa tambom de fazer quulquer roupa para hornera o
meninos, para o quo ternas um hbil offlcial n um grande eoi de pannos, brina,
casemiras, etc.
Quera preciiar do alguu: artigo bom brat tar de preferenc'a
ste antigo e acreditado estabelmsimeuto,
Bu Piieiio It Marco i i
40S 4:00l000
mm GAfiANTIOOS
Priner de larjo i. 13
O ebaixo assignado tem ezpoato
da os seos afortunados bilhetes garai
da 251. parte das loteras a beaefici
Santa Casa de Misericordia do Kecife ((
que se ezerahir quinta-feira, 15 de Ji
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Em quaatidade maier de t*9
Initiro 30600
Meio 10750
Quarto 0875
Manad Martins Fuma.

mitfit
os 4:0000000
BttlBS GABANTI30S
Rna do Bario da Victoria e casas do costme
Acham-se venda os felizes bilha^es
g^u-antidos da 251.a parte das loteras
oeoefcio da Scnta Casa de Misericordia do
Recife, (63.a), que se eztrahir quinta-fesra,.
15 de Julho.
Precos
Inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
Ba porc de 100*000
cima para
Inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Joo Joaquim Costa da Leite.
CASA FELIZ
Aos4:000$000
BILHGTEi IRiW'X'IDO
^ra^a da independen
eia ns. 37e 39
O tibaixo assigsado vendeu entre 05 seus
folizes bilhetes garantidos da 62* lotera
a sorte de 1000 em 4 quartos n. 1309,
alm de outras muitas de 320,160 e 80.
Convida os possuidores a virem recebe:
sem descont algum.
Acham-se a venda os feiizes bilhetes
garantidos da G3a parte da lotera a beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que so extra hir no dia 15 de Julho.
Precos
Bilhete inteiro 40000
Meic 20000
Quarto 10000
m porco de 1005000 para
cima
Bilhete inteiro 30500
Meio 10750
Quarto 0875
Antonio Augusto dos Sanf^ Porto.
_KOMlFtlI-i!
Sem dicta esem inodifi-
cafoes de costumes
Laboratorio central, ra do Viconde do
Rio-Branco n. 14
Esquina da ra do Reqente .Rio de
Janeiro
Especficos preparados peo phar
maceuco Eugenio Marques
de Hollanda
A pprovados pelas juntas de bygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Psriz.
Elizir de imbiribina
Restabelece os dyspepticos, facilita as diges-
toes e proraove as ejeccoes difficies.
Vinho de ananaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anemicos, debella a hjpoemia
intertropical, rtconstitue os hydropicos e beribe-
ricos.
Xarope de or de arueira e mutamba
Muito recoman ndado na bronchite, na hemop-
tyse e as tosses agudas ou chronicas.
Oleo de tstudus ferruginoso e cascas de
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraqueza do orga-
nismo, na fysica.
Pilulns ante peridicas, preparadas com a
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente as febres iptermittentes, re-
mitientes e perniciosas,
Vinho de jurubeba simples e tarabem fer-
ruginosi, preparados em vinho de caj
Efficazes as inflammacoes do figado e baco
agudas ou chronicas.
jVinho tnico de capilara e quina
Applicado as convaleseencas das parturientes
urtico antefebril.
Dspesito : Francisco Manoel da Silva Se C.
Francisco Manoel da Silva k G.
23-RUA MRQUEZ DE OLDDA-23
.--..
Pi


6
Diario Serrara a vapor
Caes o CapJbaribe n. 18
N'eata errara encontrarlo os mborea fregu-
aos, um grande ortimeuto de piuhj de resina de
cinco a des metros de compnmenco e de 0,08 a
0,24 de esquadros Garanta-se preco mais como-
do do que era outra qualquer parte.
Francisco dar Santos Macedo.
BMULSAO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Fisrado de >>acalho
COM
Hypepl.ospl.ilns de cal e soda
Approvada pela Junta de --
glene e autorizada pelo
governo
E' o roelhcr remedio at hoje deocoberto para a
lilo broncttiies. eaeropbula. ra-
cttiii. anemia, i ebllidade emgeral.
deOaios, losse cbroaica e aflTeccea
do pello la garganta.
E' mnito superior ao oleo simples de figado de
bacalho, porque, alm de ter cheiro e aajbur agra-
daveis, possue todas as virtudes medieiaes e nu-
tritivas do oles, alm das propriedades tnicas
reconstituintes dos hypopbosphitos. A' venda na
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
Aga do iib
Era quartcs e meias garrafas, vendem Faria
Sobrinho & C, na do Mrquez de Olinaa i. 41,
DEPOSITARIOS______________
PARA COSMAR
Precisa-se de uma
ama que saiba cosi-
nhar bem; no 3. an-
dar do predio n. 42
da ra Duque de Ca-
xias, por cima da ty-
pographia do Diario
Ama
Precisa se de uma ama para todo servico de
casa de familia a tratar na roa do Gotovello
numero 46.____
Ama
Precisa-se de uma ama para todo o servico de
u na t pessoa ; na roa do Barato da Victoria n.
14. Na mesma casa aceitase uma menina ou mu-
lhar da idade, para companhia, dando-se casa e
comida. -_________
Precisa-se de uma ama para cosinhar ; na tra-
vessa dos Pires n 5, Geriquity.______________
AMAS
4o publico
Hermina de Carvalho Heno da Costa, proprie-
taria oa photographia fita ra do Baro da Vi-
ctoria n 14 2." andar, declara para os fins con-
venientes, que desdo o dia 6 do corrente deixou
de ser socio da mesma photographia o Sr. Flosculo
de Magalhaes.
Aproveita a occasiao para communicar a todos
aquelles que se t?em dignado de dispensar ILe a
saa protecco n'aqnelle ramo de negocio, que con-
tinua com a referida photographia, a qual se acba
bi je melborada consideravelo>eute nao s quanto
aos misteres technicos d'arte, como taoibem quan-
to aos demais requisitos essenciaes para nao des
agradar aquellas pesuas que alli comparecerem,
dando prov* de destjo de concorrer para o pro-
gresso da industris nacional.
BasExmas. senhoras principalmente, espera a
referida propietaria toda sua valiosissima protec-
cao.____________________________________________
Jos de Castro Guima
raes
que em Goyanna tem o nome de J .is Gaspar Do-
mafeues de Souza nao mais cobr dor da cochei
ra ra da Imperatriz n 29 desde Marco, e
chimado prestar centas dos dinheiros que re
c< eu, como consta das contas com os re-ibos, e
entregar as contas que anda tem em sen podere
ao administrador daquella cocbeira.
AoSr. Vicente Atoes or i a
Prerine-se ao Sr. Vicente Alves Moreira que
no 3 andar da casa n. 43, ra estreita do Ro-
caqo, ha para Ihe sor entregue uma carta que da
vi/m do Rosario, no Maraoha, lhe mandn a
Expa. Sra. L. Maria da Conceico de Oliveira.
Aviso
Precisase de uma profesa ra que saiba tocar
bem piano e mais trabklhos de se.ihora, para en-
genho : a tratar com o Bario de Nazaroth, rna
do Imperador n. 79, 1 andar.
Precisa se de uma ama para cosinhar e comprar
e de outra par engommai e lavar, que durmam
em casa dos patroes ; na roa Princesa Isabel nu-
mero 6.
Precisa so de uma ama para lavar, engommar
e fasar mais alguns servicos, com tanto que dnr-
ma em casa : na roa da Matriz da Boa-Vista n.
9, se oir quem precisa.________________________
Criado
Precisa-se de um de 12 14 annos, para o ser-
vico da casa de ra : na praca do Conde d'Eu
n. 30, terceiro -indar.
Machinista
Antonio P. Pacifico de S f .i demittido do ser-
vico-da companhia pernambucana, na gerencia do
Sr. F. B. Steple da Hlva por insubordinado e ca-
neca de inotiro E era apepas prsticante. De-
clara se isto per nSo havr duvida.
D, R.-.uioa.
Aos Maranfienses
."rde-se o corap r .'cimento de ti dos os Mara-
nhenses, sem excepcJo de classe. para uma reu-
nido qu* deve ter lugar quinta feira 8 do corren-
te, casan. 15 da ra da Imperatriz, 1 andar s
11 horas da tuih.
Ao commercio
Eu abaixo asignado declaro que cemprei ao
procurador oe Man el Joaqun da Silva o teu es-
tabclecim.n o de tnulhad.s, sito ru Imperial n.
7, livre e desembarazado de qualquer onus que
possa apparecer, e se houver alguem que proteste
apresente-se no praso de tres dias. Recife, 6 de
Juiho de 1886.
Manuel de Freitas Barbosa,
Mudanza def scriptario
O adv. gado Francisco no R-go Baptista e as
solicitadores Diogo Baptuta Finan les e Antonio
Machado Dias inudaraui s u < scriptori" para a
praca de Pedro 2" (outr'ora p ro du Collegie) n.
81, 1* andar, onde serio encontrados das 10 ho-
ras 4s 3 da it-rde ___
Dedo iie quino Fonweca
Trigsima ra
En haVa 4* Aquino Fon- Ale-idea de Aqui-
no Fnite a e 1). Varia Emilia de Salles Fouseca
conv m ^.''8 pr ntes e aii ig a ; ara assistirem
a mi -.- une, u r :.'rca de sen ,!" e sogro,
Decio le Aqnino Fon- a, > 'ni p tar na ma-
triz v tono, pe'a 8 hur s 9 do e.ni' ii'-. e dt-sde ; : em todos que
com ... e caridade.
iiKomu do Maulo wiquetra
Catalcaiiii-
An ni Sanl <.- S;quen;- a\aleante Jnior,
sua dj llit-r, rilhoj e m ra igradee m aos seus pa-
recer* Km ^os qoe acompanhai rn -.o cemiterio
public. os r ^'ua morfa 'a de e< n presaoo pai, fo-
groeav. Antonio dos Santos Siqueira OaTal
cante, e nuvameuta os convidara sr asistirem
a missa do se'imo dia, que sei c-lebrada na
raatri de Palmares, s 7 h ras do dia 8 do cr-
tente, pe' deoiH
Vina
Precisa-se de uma ama no Arraial, que saiba
lavar e engommar ; a tratar na ra do Vigario
Thenorio n. 12.
Ama
Precisa-se de uma ama para casa de pouca fa
milia ; na ra de Pedro Aflonso n. 58, antiga ra
da Praia.
Ama
Precisa se de uma uma para cosinhar, que dur
ma em casa do emprego ; na ra da Conceico n.
4, primeiro andar. ____________^______
Ama de lerte e criad
Na roa da Aurora a-81, 2- a ni, tm precisa
de uma ama de leila e de um criad menor.
il-H
o terceiro andar do> presjfe n. 56 rn DlKjBe d*
Caxias, com grande commdoa- par fem*ta\ a*'
sim como a sala do detraz do 1" awdar i mesmo
predio ; a tratar nc* n 56 da mesma na.
Aluga-sc
uma casa pequea, roa dtt 8. Fr8nrco n. 1
a trata na roa de Santa Thenwa a. 38.
Aliga-se
o segando ndar do goartdo do largo de 8. Pedro
n. 4, limpo e com borj comMo* para familia,
com agua e gaz encanado '. a tratar m* ptiaieiro
apdar do sesmo sobrado, on roa astreita do
Rosario n. 9.
.___ .i ii '
AJiga-se
uma casa pequea, ra Je S. Francisco ft* 1 : a
tratar na ra de Stnta Theresa n. 38t
Alug*vsfr l>arat#
A casa n. 96 ra dos Guararapes.
A casa n. 107 da'roa Viseando de Goyanna.
A roa Lomas Vafentinas n. 4
Trata-se na ra do Comraweib n. 5, 1*-andar
Fimttes sent osso
Proprios para luneh de 1, 2, 3, 4 e 5 libras, re-
cebemos Jos Fcrnaftdes Lima & C-
Rua-Nova n. 3
Jardn, das plantas
MONDEQO N. 80
Pretendendo-se acabar com as plantas que es-
to em vasos n'este jitdiffl, vend- se os sapotisei-
r< s multo grandes, e dando fructo, 2000, la-
ranjeiras, muito grandes, para enMrtar, 6#000
a duaa, e sapotiseirbs mais pequeos por banto
preeo.
Vaecina
inglee francesa, ebegada pelo ultimo vapor
venie-se na botica fraiiceaa de Rouquayrol frreo
ruado Bom Jess n. 22.
Oikmw tem?
dure e praia : compra se ouro, prata e
wdras preciosas, por maior preco que em outra
ma'.quer parte ; no 1 andar n. "22 a ra larga de
Rosario, antiga dos Quarteis, das 10 horas s 2 da
arde, dias uteis.
Criado para alngar-se
Na ra de S. Joo, casa n. 27, tem para alu-
gai-se um mulatinho com 17 annos de idade, mni-
to proprio para copeiro ou outro qualquer servico
tanto de casa como de ra, e ta>. bem sabe bolear,
po- j ter sido bo'eeiro.
Profcssor
Um mojo ensinsndo diversos preparatorios, com
tres annos de pratica na corte, e tendo chegado a
esta cidade ba um nez, deseja encontrar alumnos
em casas particulares Para informacoes dirijam
se tto Revm piovincial do convento do Carmo, ou
ao Illm. Sr. Dr. Vaz de Olivein, em eeu escrip-
torio ra do Imperador n. 73.
Sitio
Aluga se o sitio da travessa de Joao de Barros
n. 6, com boa casa de vivenda e bastantes fruefei-
ras : a rutar na ra da Imperatriz n. 14, cami
saria.
Aos o- ntes los iJbos
Cura certa em 48 horas das inflamares
recentes dos olhos, pelo eolyrio prepara
do por Jos Pedro Ro Irgues da Silva.
Emprega e este poderoso eolyrio sempre coiu
grandes vantagens, as seguinttit molestias :
pbtalmias agudas, nurulentas e chronicas, cou-
unctivites, etc., etc.
Deposito geral, na drogara de Faria Sobrinho
C, ra do Marqm-z > O boda n. 41.
Para informacoes, ne<1irii m livraria Indus-
trial ra do Baran ^a Vistura n. 7, ou resi
dencia do autor, ra la Bandada n 4.
Especialidad em boiaxinhas e
biscoilis
Das marcas seguirr. s : Royal, Leopold, apo
len, Roll, Conbinaiion, Dessert, Mixed, Chocolate
Wafers, Oriental, O snge, Dropg, Citrn. Queem.
Osbome, Club, Albert. Alberta, Victoria. Maize
a. Cptala Gingei Wi f -. M rie. Cabm, Sugar.
Lutauch, Lome, Milk, Chite Alberta, Pic-Nic,
CVijversMtien, Oval, Cu- knel nicos que r-cebe
ram Jos Fernandes L ma & ( .
Rn:i-N.\a ii 3
Cmara Kuiidpal
O abaixo assi(;ni>do, morad r na ponte de 8.
J.'So, reclama a attene das autoridades compe
lentes e do Sr. fiscal, afim de vtar os enormrt
prejuisos de que esta si-n'l ictmia, oecasionad.is
pe m animaes do Sr Jo Ior I. m sua taverua,
que asesar de se ter eutendnl.i < m e.-te senhor a
t;.i respeito, nenhuma providencia tem tomado, o
que prova prevenc^o contra si.
S. I-ourenco, 7 de Juiho de 1886.
Wenceslao Fon. iia de Araujs.
PARIZ
s ^=i
Ivenw YktsrU v;
! Fernambuco : _..
Ir-M-asuniiC1* "*
Este MlDlCAHENlo de um gusto agradavel, adoptad* com erand xito ha '
mais de zo annos pelos melhores Mdicos de Parlz, cura os Oeftuxo, C-i>, Tos,
m J Garonnla. CaUmrro vulmonar. IrrUrtm i amia, das Vial tarina-ir m 1a H*riga.
^^^m^^l**9999999**9999* SABONETEdeALCATRAO
paaa a Totuma, oa bajchos coiDanoa naa Aa c*ianca
gata MABONMTM, wertiadeif antimepttem, o mala effloa para a cura oa todas a
MOLESTIAS DA PELLE
SAPO CARBONISOETERGENS
/oca votsas Crtancat com o sJ* VAKHOB1I8 O-ETMCKtilCXS afm de proce-jel-o* contra
o SRAMPO, a. VARILA a a FEBRE ESCARLATINA
itea 8ABOKETE8 sao recommendados pelo Corpo medico lnlelro porcrae prevlnem is
MOUE8TIAS KPIDERISCAS e CONTAGIOSAS e te adaptdo a qualqutr e"4>ia.
MARO DE FABRICA XO ENVOLUKSOS B OS PKS
Deposito amrmO. l T7V. "V. WRIGHT Z. O*, Soiath-wmrc. LONDRES
IT.-m. Pernsrnhn^o Fraii" "MT. da. g^TT ,^ a o, -,_ ^
^SSl5l5iEil5l5l5l515lSl5l5l5
VINHO E GRAGEAS ufe VIVIBN
EXTRACTO NATURAL DE FIGADO DE BACALHO
Premiado com medaJhaa de Ouro e Prata,
PELA ACADEMIA NACIONAL.
Ortlaiadoa as tkespitaes de Franca. Amrica, Inglaterra, Ruaaaa ata
Administrar sof famas mui fcil agradavel todos os elementos curativos do ala
evitan lo assun o efeaira e sabor nauseosos d'este -, alem d'isso esta preciosa preparacae
' tem uma saperioridadt incontestavel sobre o oleo porque pode ser osada durante oa
gia'le calores em quanto o uso daquelle impossivel, tal o eminente servico presta*
pelo Ooutor AnviHN; a experiencia tem confirmado o bom xito d'est producto.
Exigir a firma do inventor H. VIVIEN em duas cores o redor do gargalo da
garrafa- com o Sello do uniao dos Fabricantes o, bovlevari Strubourf, tm ?/

PrenaraQSo de Productos Vegetaes
PAK
EXTINQO DAS CASPAS
6 outras Molestias Capillares.
JVIARTINSTBASTOS
PernatributHi '
Tricofero de Barry
Garntese que faz nas-
cer e crescer o cabello anda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todos as impurezas do cas-
co da cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir ou de embranquo-
cer, e infallivelmente o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
'*MU|'.
a
P
5
Exn coa de todos os Perfumistas e Cabelleireiros
da Franca e do Extrangeiro
i TS A "R.TR B. 1
s di glrdt Arroz especial
PREPARADO COM BISMUTHO
OH. I"A."V, Perfumista
Z&JL-RXS, 9, Ba de la. Fa-iac, 9, PABIS /
XAROPEd REINVlLLIfl
Laureado pela Academia de Medicina gQ
***
^os
Cara*e/ro aataj/ao de Honra
^HATOdsCAL
GV&U-*-
*&*{
O Pbosphato de oal 6 a substancia mineral mais abundante do organismo o toda ve que sua
QTianUdade normal dlmlnue resulta uma alTeccae orgnica grave. ^.^. *.. *,\A_,\Ba
4 Mais de cinco mil curas, a mor parte Justificada pelos Protessores e Medico das ^culdades
lrao obtidas ltimamente e zerio com que o Xarope do P"BeinviU,erIo^ocl^a^o
como o especifico mais seguro contra a Ti.ica. pulmonar, ^nh"e,?.^c.^^"trto
achlttsmo, Debilldade-do OrganUmo. O Xaroite do D- Beinvillier ad.ni^traao
Saromente as criancas faclliU a dentlcio e o crescimento: as mies e amas de lette ton o
rlse nJhor; npode a carie e ciieda dos dentes to tregenles depols da prenbea.
DvpoaMo: Wrtr M*r ~TM~*i Em Perhambueo: nAB* M. da StiA IbJP, nm nttcte*** Phtmtgn
0PPRISS5
UTsaaB^HiilU
Pelel CIGARROS ESHC
vspira-se a fo:aca que penetra no twitu .... ..' o ayinuUHna uefOW, lacUU
a expectoread e favonsa as fuuccoa aos orvoa resiiralor....
Ttiaar ai lacaaa em tus de J EWF1C i r. ru w'-tejre. ee
jXgHtlarwt tm je*rt__*noa:JM4JLi_ *****''** ''"* -
0r*_*!>*
VINHO gilbertSEGUIN
FEBRFUGO FORTIFCAME sprwado Ma Academia da Medicina da Pari$
i ?*---------------------------
Sessenta aUnos de Experiencia
e de bom xito tem demonstrado a eficacia incontestavel deste V1HMO, qur como antu
prriodiro para cortar as Vebrja e evitar o seu reapparecimento. qur como fortificante as
Conraleacenoaa, Bebllidade do Supu, Falta Ce BSenatraaco, Xnappetenela, Xtlsoa-
tooa difflo--1, Kafermldadea nervosas, DebUldade causada pea edade o por excessos.
fi t'inho, qu cntim malt principios aciVoj do que ot p pirados similsm, rtndt-st por prtot e
pouM mtls titulo Nlo ta dtt* oojtctar contra o prseo tm ristt di rtoonhtcldi tlcicft do mtdlumnito.
Pharmacia C3-. eSIE:C3-XJTJ>a", 37a ra Saint-Honor. PARI8
Depositarios em Pernambuco : PRAN M. da Sil.VA e <*.
DAY& MARTIN
Fornectdortt d Sin Hajtstide i fl/Srdi InlUttrn,
do Estrello t Uirlnki brlWttlet.
GRAIXA BRILHANTE LIQUIDA
GRAIXAertPisTAUNCTUOSA
OLEO par ABBEZ03
EtmlDoqunceuario piriiniino'ntio4o cosrg
sob todas astrmn.
DEPOSITO OERAL EM LONDRES:
V, Higk Holbom, 07
a rMiiM: fiahc" n. u mu*a.
DOENCAS-doESTOWAGO
DIQESTOSI DIPFIOaflS
Dyspepsias, Qastralgi s, Anemia,
Perda de Appetite, Vmitos, iarrhea,
Dbil.nade das Crianpas
CURA SKOURA K BAPIDA PELO
IXIRG
TNICO-DIGESTIVO
com Quina, Coca e 1'epsina
Adoptado em todos os Hospitaes
MEOALHAS AS EXP0S1QES
PARS, r. La Bruycre, 34, e em todas as Pharmacias.
perfumara do mundo elegante
DELETTREZ
54, 56, Ra Rlcher, 54, 56
CREAgAO PARIZ NoyA
SEM
RIVAI,
SUAVIDADE
concentracao
^po5Srk
CREME 0SMHEDIA
' SA BONETE, EXTRACTO \
AOA DO TOUCADOR
POS DE ARROZ
COSMTICO, BRILHAJVTllVA.
OLEO, POMMAJ3A, VINAGRE
A Periumaria 0SMHED1A assegura aos
pLIBNTES flBIS
lavnt.it tlima i fot ta igual
MORSONs PEPSINA
Remedio Intaillvel e apdarel
Para covbattlr a .
INDIGESTAD
Sob a forma de
FRASCOS, POS
on OXiOBT7X.OS.
VENDESEmMUHDO INTEIR0.
|-ni-.l'A[lAH' '
Pemitsa Martmn
Muito rtcovmtndadit
pelos pnncioae. Meaicos.
BIORSON & SON
Sontbamplcn bv, Ruvell-S^uaro
L.ONDON
t^tifqpmv~ei~'-Vi*, '.-' .i^.-^...jN___
IMsiUrioi'B Pernambuco : FranrM. U SILVA & C"
XaiiosemPenuimbu-. FRAN M.da SILVA 4C.


ll
rttw ia t.-itffi
anal ttc
'( oros'.
ttinencla da Ur'io,
irtna, etc
Htra-O fwn,.
ET
Elstico, na ttfa^w dsbaixo das cszu.
'a, -Lsiftcace*,
upada
em coda suspen$orio.
FUNDAS DE TODOS OS SYSTEMAS
MEIAS PARA VARlZES
miLEHET, LE aOMIDEC. taccMiir,Prli. 49, t. J.-J. Bamau
HEOI.->l;AI'0
Mafial.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1839, E' o nico perfume no mun-
do que tem a approvn9&o official de
nm Govemo. Tem dnas veres
mais fragrancia que qualquer outra
eduraodobrodo tempo. E'muito
mais rica, suave e deliciosa. E'
muito mais fina e delicada. E'
ranis permanente e agradavel no
lenco. E' duas vezas mais refres-
| cante no banho e no quarto do
doente. E' especifico contra n
IfrouiidSo e debilidade. Cura as
dores de cabe9a, os consaoos e os
i desmaios.
larope ie Via le Renter No. i

ASWW DB U8AL-0. DEPOIS DE SAL-O.
ura positiva e radical detodasasfonnasd
escrfulas, Syphilis, Feridas Escrofulosas,
Affec95e8, Cutneas e as do Conro Cabel-
ludo oom perda do Cabello, e de todas as do-
encasdoBangue, Figado, e Eins. Garante se
que purifica, enriquece e vitalisa o Ssngue
e restaura e renova o systema inteiro.
Sabao Curativo de Reuter
Para 9 Banho, Toilette, Crian-
Ss e para a cura das moles-
as da pelle de todas as especies
a em todos os periodos.
Deposito em Pcnmninueo casa do
Frarnisco M.-mocl da Silva & C
Aviso
Trantfere-se a l-teri SCanj terceira i'o eorrent" nie-z. impr. t-rivelniente.
Ali

P
Tomen nota
Trilhos para enfLtcnhos
W.vGONS PARA CANNA
LocomotiTas
lliuh'i sni'- complcio para en
genhos de t dos os (amanhos
Systema p-rCeicoado
Especificles e precjj no escrptorio dos
agentes
Browns & C.
.V Rna do C omineitio
N. B. AlmdJHt l ic (J tem carhnlogos de
Diuitt.s implementos m c^ssiirii:s .igricultura, como
tHinbiro niRC-hiuas pura desesn cr lgodo, moi
nlioj psrn c.il, rrig", rroz o milh" ; cerca de fer-
ro gaivhiiisudo ficelli nte e mdico em preco, pes-
soa nenhuum foile trcpai-.i, nem animal que-
bral a.
Criado
PreciH no de atn triad ?nr* compras e mais
serv ?os de i ai : na raa eto Vis .-onde de Albu-
querque n L'4.____________
nfflS
Precis -se !' um r** castobar e rntta para
engommar, pura caas d^ farilia : na ra For-
mosa n. 37
yyvwywvwwwwvwwKHii
De Figado de Bacalbau Pancretico
r>E DEFRBSNE
TODOS OS QUE PADECEM MOLESTIAS DO PEITO
Devera lor o segainte
Este oleo tem o aspecto de um creme branco
que se pode diluir no leite, cha, chocolate ou
caf. Possue todas as virtudes e propriedades
de to precioso remedio, e tambem toma-se sem
repugnancia algum.-i pelos doentes mais deli-
cados ; gracas a effica addicao da Panero-
atina, cliega no estomago, digerido de tudo,
e nunca provoca nauseas nem disrriiea.
Depois de um semnumero' de experiencias
pracadas nos hospitaes da Corte, este medica-
meuto obteve a approvaco dos mdicos da Fa-
culdade de Paris. Ho e em dia. todos os mdi-
cos receit.im o Oleo de Figado Pancre-
tico de Defiesne, como nico remedio
para cafar radicalinento:
VStril I TI SHO, KACHITISME
tsica pvi.jionah
mais nflecedes que impeJem os effeitos da
nutricio e assimilaco.
EM TODAS AS PHABHACIAS
u ira-se
arla p;ir:.
bats c
Ringel ii
ii i., 'i a raa dasCruses, pro-
.np u i. e-mo f.imilia, tem agua e
liiopa
i i ria
a tratar a rus ci
Na Magdalena
AJnga-H ama casa terrea era commodos para
familia, tendo agua e gaz encanados, jardim e
sitio todo Diunrdo, sita travessa do Paysand :
a chave est ni taverna do 8r. Brngs, equina Ca
ra do Hospital Portugui7.
mAVER
REMEDIO
SEZOES
(AYIffS AOCT CBB)
cuMBAPJUMEirrt ccom cnrrzA
as
Fbres Intenniltentes,
Rciniltentese Biliosas:
as
os Calanos,
[ TODAS AS
oleslias Paludosas.
Caixeiro
Precisa-se de um menino : na ra da Senxalla
Nova n. 30, padaria.
VENDAS
Vende-se 25 predios (sobrados, casas terreas e
sitios) as freguezias do Recife, Santo Antonio,
S. Jos e Graca, tratar na ra do Imperador
n.75. ______________________________ _
Vende-se urna batanea graude, ue braco, o
um temo de pt ses : no pateo do Livramento nu-
mero 21.
Vende-se
barato o sobrad nho da ra do Apollo n. 63 ; a
tratar no pateo do Livramento n. 21.
Cabriolet
Vende-se um ero perfeito estado e por prego
eommodo; A tratar na ra P"iu* de Cuxias n.tl
Monteiro
Vende-se ou arrenda-se animalmente uma boa
casa cor bastantes commodos para faui a, tend
agua e gaz encanados, com um bom quintal td
murado, com algumas arvorea fructferas e con
sahida para o rio, por preQO tjuito razoavel : quera
precisar dirija-se ra Uuque de Caxia n. 117
que achara coro quem tratar.
Jaboato
Vende se a padaria e o estabclecimeato de m-
lhados, bem afreguezados, e promettendo ainda
maior negocio fiara com a ida das oncinas da
estrada de ferro de Caruar, prximo mesma
estacao, fica situado os estabelecimentes cima,
arrendando- se as casas pessoa que pretender :
a tratar em Jaboato, confronte ao hotel Globo.
Bom negocio
Vende-se a taverna bem atreguezad, propria
para qualquer principiante por ter poucos fundos
& ra do Imperador n. 65, em JahoatSo, e o mo-
tivo da venda o dono ter de retirar-se breva-
mente ; a tratar na mesma, ou na mesma ra Da-
mero 57.
A Revoluco
ra Duque de Caxias, resolveua vender
os seguintea artigos < om 25 0[Q da mo-
nos do que em outra qualquer parte.
Sedas lavra las de 2J000 por 1*0(0 o corado.
Cachemiras de cores a 14200 o covado.
Ditas pretas a 1000, i.i.'OO, UlO.i, 11601
libOO e 2*0C0 o covado.
Dita broch, de la e seda, lindos tecidos, 4 1 j50#
o C"vad.
Gorgi.rimis de listrinhas a 360 rs. o covads.
Setins a 800 o 1A200 rs o covado.
Dito preto a 1*000 e 2*200 o covado.
Gaze com bollabas de velludo a 800 rs. o ca-
vado.
Las com bolinhas a 640 rs. o covado.
Velludilho liso e lavrado a 1*000 e l*20t aa-
vado.
Fustao branco a 440, 500, 560, 600 e 80 rs.
covado.
Giosdenaples pretos a 1*800, 2*000, 2*50t a
2*800 o covado.
Nxosoc de lora 300 rs. o covado.
Cretones finas a 360, 400 440 rs. o c-ovada,
Cambraia de quadros a 1*500 a peo.
Dita transparente de 4*0o0 por 2*000 e 2*40*
a peca.
Linn blanco a 500 rs. o covedo.
Pacbs de retro a 1*000 um.
dem de la, de 1*000 t 6*000.
dem de pelussia a 5*(XK) e 6*5('0.
dem de pelussia brdanos a 7*000.
Cretenes para chambre a 320 e 360 rs. a co-
vado.
Cambraia com salpicos a 6} rs. a peca.
Chapeos de sol de teres para senhor-t a 7/5W
um.
Brim de linho de er a 1*20 o metro.
Linhos escossees a 240 rs. o corado.
Zephiros listrados a 200 rs. o covado.
Tapetes para janella, piano e cama a 4*009,
6*0t'0 e 7*000 um.
Ditos avelludades para sof a 24*000 uta.
Fustao de cor a 500 rs. o covado.
Setinetas lavraHas a 500 ra. o covado.
Flanella branca a 400 rs. o covado.
Setinetas com desenlio.-, lindos a 440 rs. 0 ca-
vado.
Cortes da case mira a 3*000, 3*500, 5*0C o
7*000.
Casemira de edr e pretn a l*rOl :s covado.
Tinies bordados a 4*000 om.
Bi ni pardo lona a 360 K) rs. .evado.
Camisas de meia a 800, l*'-l'0 1*200 nina.
Algodo com duas guras a 800 rs. o mo-
tio. '
Esguiao amareo pan v filos a 500 rs. o ca-
vado.
Espartanos counc d 4*000 a 000 tm.
Para aa Eama. noiaN
Setins maao '*-'0'> aWO i v.|0.
Popelinas a 600 rs o di
Alpaca a 400 e 440 r> o it .
Setinetus lisas e lavra! s >. -00 e 560 s. o dita.
Cortinados bord> dos a 7*00 >, 9*0l>i e 15|000
par.
Cxpellas e vi-s finos a li> I 144.
Colchas bordadas a 5*000, 7*0il0, e 8*O0f
uma.
Mmleiga ingli'Z nuva a{$100a
l'hra
Vendem J.fc Fernandes Lima & C, a roa No-
va n. S.
Armapo
Vende-se uma boa armacaa de taverna, bara-
tissima : trata se na ra Dnqne de Caxias b. 23,
ou na ra da Pac n. 38.


Diario de PernambueoScj
a 9 de Jaldo de 1886

v.
liquidado!!!!
*' Ka Noque de CaxJo -*
Alean artigo 50 |. menos do aeu valor
Filies d.masa, linda tasenda, a 400 r*. o co-
nfinen* com lpicoe a 560 e 700Ir*.oi*fc>l
Cachemiras com bolinhaa da velludo a l#_00is
M_ de 2 largura*, fingiado dado e liaaa, to-
da as corea,a 1*500 ^^
dem preta,e merino (2 largura) a 900, 1*00,
"$22%** fa-O ra o jy
Popelina com liatra de seda a 280 e 320 o
8e't ,s Macao verdadeiro, desde 8t0 r. a 2*000,o
ue ha de melhor ; '
florguro ptetc de seda, para (un *%'* de-
WDte) 2*000 o covado e para acabar.
Damassa do corea, aeda aupenar, a 900 re.
Velludilhos liso e de liatrinhaa a 1*000 e 1*600
dito!
Eiguiao pardo para vestido a 560 ra. o dito !
Nanaoks niasimoa de corea a 320 ra. o dito !
Crotones para chambres e cobertaa, superiores,
860 rs. o dito !
Damasco de 12 com 2 metros de largura, a
1*800 o dito!
Mariposas de cores lindas a 260 ra. o dito !
Bramante de linho superior, 4 larguraa, a 2*000
dem do algodao, idem, dem a 1*500 o dito !
Atoalbado bjrdado, o melbor poasivel, a 1*500
Brins de linho de core (linho paro) a 1*260 o
*^ ^ i w
Cajaisas francezas seco pannos e eolanubos a
40*000 a duzia !
Caroulas de bramante bordudaa a 12* e 18* a
dita!
Guardanapos de linho a 3*000 a dita 1
Meiaa arrendadas para senhora a 8*000 a
dita '
Ideo cruaspar homem a3*500,4*500 e 6*000
a dita!
Lencos brancos em lindas bolsinhas de aetim a
3*000 a dita !
Enxovaes para casamento o aeguinte :
Lindas grmaldas e vus a 14*000 e 16*000
gicaa eolias de crochets a 10*000 e 12*000
G-aroicSe de dito (cadeiaa e sof) a 8*000!
E^artilbos americanoa, chiquea, a 6*000 e
Cortinas bordada, novos gostos, a 7*000 e
10*000!
Veadas em growo, deacqfito da pra$a.
5W Ba Duque de Cxla- s
LOJA DE
Carneiro da Conha & C.
Pinho de Riga
Vendeos Fonseca Irado ---------------------------------------,_--------------------- ,----------------------------------;
WiUSK Y
BOYAL BLEND marca ViADO
Este excellente Whisky Ececi preterm
au cognac ou agurdente de canoa, para fortifica
o corpo.
Vende-se a retalho nos _. Iheres armasen
nolhados.
l'ede ROY AL BLEND marca VIADO cujo nt*
me e emblema sao registrados para todo o BraaL
BBOWNS 6t C, agente*
Allenca
Engento venda
Vende se o engenho Murici, eom aat ou sem
ella, situado na fregueia da Escada, distante da
respectiva estacao um quarto de legoa, podeudo
dar seis caminhas por da, moente e corrente,
tem duas casas grandes e duas pequeas para mo
rada, e outra para farinha com anas pertencas : a
tratar na ra do Imperador n. 65, 2 andar.
Bom emprego de ca-
pital
Vende-se o importante e bem conheeido e afre-
ricsado e8tabelecimento da casa de banhos sito
roa do Bom Jisus n. 17, poi d bastante mar-
gem em ganhar dinbeiro a quem comprar.
Carteira
Vende -se barato urna carteira contendo na peca
de baixo dona armarinhos e trea gavetas, e na
peca de cima 17 compartimento que se fecbam
com urna sj chave : a ver e tratar no largo d S.
Pedro n. 4, loja.
Vende -se urna importaste taverna no largo das
Salinas de Santo Amaro, propria para qualquer
Erincipiante, fa frente para a lir-ha frrea de-
imceiro : a tratar namesma______________
Aproveitem a pecbincha
Vende-se eom grande prejuizo, por incommodo
de sade, urna nova e boa armacao de amarollo,
torrada de cedro, ainda nao estreada, propria para
qualquer negocio, menos molhados, na ra do
Rangel, em bom aru axem ivo, claro e arejado,
com agua, gac, apparelho, tanque para banbo e
rjqueno quintal ; informa-se na da ra Praia n.
L, 2- andV____________________________ ___
Florida
Loja de miudezas
Ra do Duque de Caxlas n 13
O proprietario deste grande estabelecimento
de miudezas, modas e para accommodar os interei-
sea da poca, tem resolvido venderem po' meuos
vinte por cento que em outra qualquer parta.
Ptntes elctricos &'0 rs.
Luvas de pellica a 2*500 o par.
Linb de carritel branca e de cores a 80 rs.
Grampos a 20 rs. o masso.
Ivisiveis a 320 rs.
Vestuario de fustSo bordado para crianca a
3*000.
Pentes de regaco para crianca a 100 rs. um.
Baleias a 360 rs. a duzia.
Haspas para anquinhas a 120 rs. o metro.
Bicos com tres dedos de largura al*500 e 1*800
a peca.
Linha de cores para crochet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amizade a 40 rs. o caderno.
Fita cbineza a 320 rs. o masso.
Lencos de linho a 1*500 a dnzia.
Lindos bicos de cores com 10 Jardas a 4* e 5*
a peca.
Urna caixa cam tres sabonctes desenliando urna
rosa por 500 rs. ^^
Meias de la de core para senhora a 1*500 o
PM-___________________________________
FNDICAO GERAL
ALLAN PATEKSON fr C
N. 44-Eu i do BrumN. 44
JUNTO A E? TACAO DOS B0NDS
Tem para vender, por prei_ mdicos, as seguintes ferragens:
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
CrivacSob de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, dem.
Ditas angular es, idem, idem.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos
Portasd fornalha.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradearaento parajardim.
Vapores de forca de 3, 4, 5, 6 e 8 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de paadora
Rodas d'agoa, sy atena Leandro.
Encarregam-se de con^ertos, e assentamanto de machinismo e execuiam qual-
qu i trabalho com perfeicXo e presteza.
100:0008000
Lotera da provincia de Santa Catharina
A MUS VANTAJOS DO MIMO
lio li SERIES :_ SUPIV1S6BS
Decreto provincial de 1 de Feveretro de 1886
--------------
I
DE
Climaco a ^a
Bom guan
i
Vende-se um grande e feroz cachor.o, proprio
para sitio ou estabelecimento, -est acos u osado
em corrente; tsimbem se vende orna cachorra
muito nova e grande, propria para caca : para
ver e tratar, na ra do Fogo n. 20._________
; CHEGOU
; final o pinho de Riga, de primeira qualidade, em pranchao de 3X9, 4X9 e
' 3X12 de 19 at 70 palmos de coraprimento, barrotes, taboas de forro e aasoa-
lho, ripas e caibroa para cobertaa, chlete, e8taco a de vias-terreas, e para auli-
i pas; garante-se nao ser este pinho atacado pelo cupim, em virtude de ser elle o I
Lverdadeiro pinho de Riga, nico que n'este clima resiste ao tal bichinho. Retaos
tIba se barato e em por^ao haveri reduccJJes de pie^o. ^
ggft----------------------________ .__.--------------^jfi
N. 59 Ra Duque de ftyxifis N.59
Riqusimas cliapelinas e lindos chapeos para sonhoras a 6 e 8|J000!
Annninhas rlp. antiin a HAO00 nara acabar.
9
I
S
i
V
m. e
O 9
W
i i
il
1
s
&
S
i?
1 premio de
1 dito de
1 dito de
1 dito de
1 dito de
2 ditos de
6 ditos de
12 ditos de
24 ditos de
47 ditos de
100 ditos de
200 ditos de


loo:ooo$ooo
24:ooo$ooo
12:ooo$ooo
8:ooo|ooo
5:ooo#ooo|
2:ooo$ooog ;
l:ooo3ooog ^
5ooSooo| -
>
o
a
S-
8oo$ooo~ \
lOO^OOO 2
5oSooo
C3
s
2o3ooo
s
co
o
P3
Duas approzimapoes de 3:ooo 5ooo para o pri-
meiro premio
EXTRACCAO A 15 DO CORRENTE
\ENDE-SE \ C\S\ D\ ORTI]^i_
23-Roa V de Marjo-23
Jaboato
Yende-se ou bypotheea-se dou predios nora-
mente construidos de pedra e cal, na cidade de
Jaboato, com bas accommodacoes para familia
ambos com o quintal para o rio Jaboato, com
excellentes.banbeiros : a tratar na raesma cidade,
ra do Imperador n. 91.
uu9 chapeos para sonhoras a 6$ e 8)$000! 1
Anquinhas de setim a 30000 para acabar.
Lindas luvas de seda, todas de cores, a 30000 !
Setins de listrinhnH nhnntaaia n ira bailes r A
luquisaimas cnap''iin
Anquinhas de setim _
Lindas luvas do seda, todas de cores, a 30000 !
Setins do listrinbas, phantasia para bailes a.400 rs. o covado 1
Capas de 13 para senhoras a 20, 30 e 60000.
T.onrtilhna finisaimna a HA n fiAOOO 1 Fip-urDO
Padana
VeBde-se ama padaria bem localisada e tambem
se admitte um socio entr&udo eom capital : a tra-
tar ds travesea das Cruce n. 16.
Capas de 13 para senhoras a 0, o0 e 60UU.
Espartilhos finissimos a 50 e 60000 I Figurino
Caraznha8 bordadas para senhoras a 40 e 50000.
Leques, meias arrendadas, lencos de Bda, enxovaes para casamento, artigos
de gosto, tudo barato.
CARNEIRO DACIMA&C.
59 Ra Duque de Oaxias59
Aos 1.000:000^000
200:000
000
100:000$000
oRiNDE LOTERA
En fav< r dos ingenuos da Colonia Orphanologica Isabel
DA PROVINCIA D^ PERNAMBUCO
Eilr_p:i 15 eDenUro fle 1886.
0 thesoureiro, Francisco Gonfalves Torres
DOS PREMIOS DA
I ^ m\ m m B L N B. O premio prescrevera I ^
J | __^_l ^Bi ^ku I _l^Wi um anno depois da extraegao. ^^^ ^^
2>0\J PARTE DAS LOTERAS CONCEDIDAS POR LE PROVINCIAL N. 1836 r.M BENEFICIO DA SANTA CASA DE MISERICORDIA DO RECIFE, EXTRAEODA EM 8 DE JIJLHO DE 1886
S. PREMS.
NS. PREMS.

i
7
8
13
14
17
18
19
24
.7
33
37
65
8
70
73
76
_0
86
87
88
92
97
99
102
6
9
24
30
33
35
47
50
54
61
66
71
80
86
91
93
99
203
17
23
24
33
37
45
49
61
40
1M
40
i0
40
30
80
10
U
40
SC0
40
US. PREMS.
NS. PREMS NS. PREMS*
260
61
69
74
76
85
305
6
8
11
13
22
29
32
37
40
45
48
49
50
61
63
7
68
72
78
81
84
97
400
6
11
15
22
23
30
33
40
43
52
66
68
74
76
82
85
93
96
99
501
80
40
81
40
502
6
7
18
20
22
25
26
42
48
49
53
54
60
64
66
09
70
85
91
94
601
4
18
19
26
29
31
33
38
42
65
71
74
91
92
94
99
702
4
11
16
17
24
26
28
43
44
47
- 52
40
8t0
44
80
40
80
40
757
62
67
68
70
74
78
81
82
88
90
95
801
40
80
40
NS PREMS. K. gPREMS
2 80
4 40
P
24 -
27
32 80
34 40
36
45
50
52
56
61
64
66
71
78
81
82 l:ooo0
85 40
89
900
7
13
16
21
22
24
30 . _
39
42
46 .-.
47 _
50
55
61
, 63

973
82
86
06
1000
14
15
21
24
27
31
32
33
34
39
40
45
61
73
77
78
80
83
85
86
87
8
96
1104
5
13
14
19
20
28
30
45
51
53
60
68
71
74
76
77
79
80
83
89
91
80
40
80
40
80
40
NS. PREMS.
3*0
40
1192
97
1205
9
12
26
27
28
29
31
32
34
40
46
56
64
73
74
82
85
1306
7
9
16
17
18
19
20
28
30
32
39
43
44
61
75
76
79
81
87
91
94
95
1402
3
4
9
10
12
13
45
lo0
40
10
40
1421
23
24
26
30
34
36
39
40'
44
62
&
67
73
74
80
82
89
97
1503
9
14
16
24
26
44
46
62
67
' 70
75
<6
88
89
90
93
95
1600
1
8
9
14
18
27
30
44
47
50
55
63
80
40
80
40
40 1666
- 68
-, 80
84
88
94
1706
13
17
24
25
27
35
40
43
50
54
55
68
70
76
77
79
81
84
85
87
1801
9
11
16
25
34
40
41
53
61
63
6?
69
71
75
88
97
1902
5
10
17
28
33
40
6
40
80
40
0
40
10
40
1OO0
40
NS. PREMS.
1934 40
35
36
50
68 -
78 -
84 -
93
2008
:18
19
20
26
34
36
40 -
50 -
54
58
59
60
66 -
69 -
70 -
76
82
. 85
87
90
91
95
96 4'
99
2100
1
5
7
8
10
16
24
26
28
44
46
49
52
53
55
56
80
40
ooo0
40
80
40
NS. PREMS. NS. PREMS NS. PREMS.
2161- 40 2388 40 2627 40
63 94 30 __
66 98 32
70 % 99 34
76 2410 38
86 16 - 42
89 25 43
90 28 47
95 34 __ 54
97 36 80 57
2201 39 40 60 -
3 42 _ 62
12 43 67
16 49 w 69
33 I0 53 ____ 76
35 40 64 ___ 77
38 65 78 1OO0
43 66 _. 86 40
45 67 _ 89
57 68 ___y 2701
62 70 _ 2
73 71 _.__. 13
74 72 , 21
78 75 ' 23
81 84 ___ 25
86 97 _ 30
94 99 ___ 33
96 2509 _- 36
97 21 42
2302 31 _ 43
4 36 __ 48
6 "* 38 49
9 39 _ 53
15 40 54
16 3*0 46 _ 55
26 40 48 62
27 53 ,r 68
30 54 - 73
31 55 82
43 58 -- 87
45 ' 65 98
47 66 -- 2806
48 - 74 -- 8 t0
49 78 12 80
51 _~ 79 -- 19 40
63 _ 80 -- 20
71 91 -- 25
73 99 80 26
79 2600 40 28
87 1 i 29
NS. PREMS.
2830
35
36
38
41
43
47
57
59
69
78
88
93
94
2905
8
10
11
12
14
49
24
40
41
42
45
48
55
61
64
66
70
71
79
81
82
84
88
89
91
99
3006
7
13
19
25
33
39
40
47
40
i0
40
80
40
80
40
NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMfc
3048 40 3269 40 3538 40
52 77 -- 39
58 _ 87 40
60 __ 91 45 -
61 3306 __ 48
64 12 56
69 13 58
71 14 64 -
89 15 67 _
96 22 68
3103 27 Te -
9 29 84
14 32 '94
15 45 - 97
22 47 99
24 __ 53 3609
30 ._, 60 22
34 __ 64 32 -
35 __, 68 80 45 -
37 __ 76 40 49 80
47 _ 77 59 40
48 i 83 61
49 __ 86 62
54 ___. 90 63
65 80 95 66
67 40 3405 - 67
69 8 68
73 _ 18 70
75 21 __ 75
77 29 77 ii
78 __ 32 82 M
82 __ 40 85 ~*
83 _ 48 88
85 _ 52 96
90 _ 58 3702
92 80 64 . 6
98 40 72 __ 18 80
3204 73 22 i0
7 80 __ 25 40
15 ,81 _ 28
26 '82 _^_, 29 -
27 86 33
37 88 _ 38
39 93 _ 44
40 99 __ 47 0
42 __ 3503 58 40
44 _ 22 59 80
47 26 71 40
61 33 73
62 36 74 "
NS. PREMS
3777 40
78
79 3*0
80 4J
84 -.
85
87 __
95 H
98
3803 __
6 __
11
19 -
20
28
29
31 -
42 __
46 _
47
55
68
69 1
75 i
76 1
78 lf
80 80
83 40
85 -
92
95
99
3902 -
10
23 80
32 40
34
37
46
54
58
66 -
68
71
75
76
81
89 3
91
4000


Diario de PernanlbueoSexta-leira 9 de Julho de 886
ASSEMBLBA GEIIAL
Mar dos disputados
S^SAO EM 17 DE JUNHO DE 1886
H^SIDENCIA DO SR. AHDRADE FlGOEIBA
Ao meio dia, feita a chamaba, a que res-
p^em l0* Srs- deputades, abre-ae a ses-
bj| ao aaeio-dia e seta minutos.
ff lida e approvada a acta da sessSo
anwdente.
Sr. 1." secretario d conta do ex pe-
M
O Sr. Ckrlsiiau Las propoe-se
raAondar s arguijoes que Ja tribuna da
Croara foram levantada par um dos hon-
rsfpe opposicionistas, acerca das razoes de
dtanecao produzidaa pelo presidente da
pffrinoia de Minas com referencia le de
liento da mesma provincia.
fara mostrar a plausibidade dessas ra-
baatar -lhe ha lembrar que a materia
ral da asaombla de Minas procurou
rar extraorninariamenta a roceita or-
em buscar o equilibrio entre a re-
a a despeas, de maneira qua sendo a
agrior receita .wecadada aforen* a do exercicio de 1886 1887
ea; 5.400:0000000.
Accreaoo que as assomblas anteriores
n^'aeus orjamentos consignavam sempre
aa* preaidente da provincia a faculdade de
Mr operajSes de crdito para o caso de
idjfcB ii n i i das verba votadas; entre-
tanto agora n'esta lei a ssaembla nao lhe
d% esaa autorisajSo.
Alen disso estabeleceu as clispoaijSes
permanentes urna serie de medida* hetero-
Leasque por si s demonstran o proced-
an correcto do presidente negando sanc-
a aemelhante lei.
TS' aasim que nessas disposijSes se con-
caiem aposentadorias a empregados publi-
uo, as quaes nada mais significara do que
o desejo de proteger a co-roligionarios; e
legislando aobre materia para a qual nao
tsm competencia, fez passar um medida
que torna vitalicios todos os lugares de pro-
Teasor publico. ,
Mostra quo precaria o actual eataao
fiaauceiro d provincia attribuindo a res-
pbtabilidade ao partid liberal, que na
paaaada situajSo fez coneeasSes de estradas
do. farro, o outras, que vieram onerar gran-
demente o thesouro publico.
Conclue respondendo a allagajSes pro-
ducidas por seus ad/ersarios na tribuna
can relajSo a negocios politcos da sua
provincia, e deteniendo as autoridades ac-
euaadas assevera que todas as censuras
que contra ellas Ss. Exea, tin levantado
rwentem-se exelusivainent j da paixSo par-
tidaria.
ORDEM DO DA
PDBLICACXO DOS DEBATES
Entra em discussSo o projecto obre a
publicajSo dos debates no Diario Oficial,
com as emendas.
O Sr. Araujo Coes Jnior pede
que a mesa lhe informe se uo virtude da
clausula 5. do contrato o Dwrte Oficial
deve ou nio ser remettido aos deputados
?[ue residirem as provincias, porque da4
rma porque est redigida esaa clausula
pode-se entender que esaa folha Ber dis-
tribuida smente aos deputados qua resi-
direm na corte. .
O Sr. Coelho Rodrigues (1. secretario;
diz que deve entender-se a remesa feta
nlo so* aos deputados que residirem na
cte, mas tambera aos que residerem as
provincia, durante e no intorvallo das ses-
sSas, como sempre se tem praticado.
Ninguem mais pedindo a palavra en-
cerrala a discussSo, e procedendo so vo-
tacao approvado o projecto cora as emen-
das da commissao de palieia.
O Sr. Candido de liveira (pela ordem)
diz que as emendas di commissao que
aeabam de Sbr approvadas attendeu a mesa
aos pontos principaes, que versavamjiobre
a garantia dos deputados na publicajSo dos
seus discursos. N'estas coodijoes sSo des-
necessarias as emendas que -presentou, e,
portante, pede licenca para retiral as.
' Consultada, a Cmara concede.a retirada
das emendas.
CRDITO AO MINISTERIO DA AGRICULTURA
Contina em 3.a discussSo o projecto n.
15, concedendo ao Ministerio da Agricul-
tura o crdito espacial de 3.764:0J7P> 163
para o prolongamento das estradas de ferro
de Pernambuco.
Ninguem pedindo a palavra, encerrada
a dis.-usaSo e posto a votos o projecto,
adoptado.
FORQA NAVAL
Contina em 3.a discussao o projecto n.
b, fixando a forja naval para o exercicio
de 18871888.
O Sr. Candido de liveira sen
te que o nobre ministro Ha mariana nao
seja obrigado a assistir 3.a discussao
deste projecto ; mas ooneidera de tanta
vantagem a sua presenja depois que a no-
bre commissSo de marinha e guerra apre-
sa&tou as suas emendas, que aohava con-
veniente pedir-se o adiamento da discus-
sSo e mandar-se convidar o nobre ministro
para S. Esc. acompanhar o debate.
NSo formular, porm, este requeriraen-
to porque talvez, a honrada inaioria nto o
aceite, visto como ella quer a maior brevi-
dade na passagem das leis
Acha digno de nota que a honrada
maioria, que quer estudar a maneira de
debelar o dficit, limite-se a confiar na pa-
avra de ordem do governo e das commis
Bies, primando desta forma pelo seu ab-
Benteisino na discussao dos mais importan
tes assumptos. Isto revela que ao quer
Das o voto, a celeridade na
passageiE
apen_._
de medidas cuja conveniencia, utilidade
aperfeijoamento s do embate das opiniis
p^de resultar.
(Entra no sali o Sr. ministro da mari-
na* e oceupa a sua cadeira.)
O orador chama a attenjSo do nobre mi-
nistro, a quem folga de ver presente, e da
Cmara, para as emendas da commissao
de marinha e guerra, as quaes lhe pare
cem um grande disparate.
Urna dessas emendas conoede ao poder
ejecutivo a faculdade de rever a legisla-
rlo militar. Isto quer dizer que o poder
exeeutivo pode fazer um codico penal para
a armada, dando-se-lhe o direito de appli-
car as penas mais severas a urna das chu-
sos mais importantes da sociedade brasi-
O orador v n'esta coneessio um atten-
tado contra as prerogativas do parlamento,
e lembrsv-se que o actual Sr. presidente da
Cmara levantou-se, na situacao passada,
contra asas autorisaclo muito menos gra
, qae a Cmara pretenda dar ao gover-
no, porque tratava'-sa entao de urna reor-
ganisacSo do axercito com ^ bases certas e
definidas, elaboradas pela Camra.
Aquella concess.lo era apenas um acto
regulamentar da competencia do gov,
e entretanto o Sr, Andrada Figueira tova
forja bastante na Cmara para tazer dos
tacar do projecto do forja de trra essa
emenda da comiuiasa i.
Mas volveram-se os tempes e boje a
commissao de marinha e guerra de urna c-
mara conservadora qu da delegando no governo urna faculdade le-
gislativa sobre aquilli qua ple liaver de
mais delicado n'uraa sociedade bera eons-
tiluida, qual a elaboracSi de um cdigo
penal militar.
O orador concita o nobre relator da c > ni
mis82o de marinha e guerra a retirar a su*
emenda e a revolver es velhos archivos da
Cmara, onde jazem projectos esquecidos
e que foram elaborados por pessoas com-
petentissimas na materia, aproveitand'j del-
les as idaa qua julgasse melhores.
Aoreditava que S. Ex:, leudo os pare-
ceres dos Srs. Viscon-le do Rio Branco,
Conde d'Eu, e tantos outros homens en-
endidos, que estudaram o assurapto^vies
se recommendar o seu norae gratidao da
armada ; mas nio : S. Eze. esqueceu-se
dos tr-balhos feitos e d no governo o di-
reito de, por sua conta e sem nenhuma
restricjSo por pirte do corpo legislativo, fa
zer a revisite do cdigo e polo inmediata-
mente em execujao.
Deplora que a inadvertencia e facilidade
do nobre deputado chegossem a tal ponto
que, abstrahindo das normas usadas em
taes casos, nao tivsso a cautela de fazer
depender da approvacllo da Cmara dos
Srs. Deputados o projecto do cdigo orga-
nisado pelo poder exeeutivo.
Respondendo a apartes, obaerva que se
o governo vai fazer a revisao do cdigo
para apresentar o seu trabalho Cmara,
>ntao nao precisa d .utorisajao nenhuma j
tanto mais quanto do relatorio do ex-mi-
nistro da marinha v-ae que um dos tr-
bateos de que elle se oceupava era justa-
mente da revisao do cdigo penal da ar
mada a da organisajSo de um projecto nes.-
se sentido, Nao s o nobre ex-ministro
mandou elaborar p>r offi;aea competentes
um projecto de cdigo, como a falla do thro
no recommendava este trabalho Cmara
como era priraitivamintc da sua compoteu-
cia. Portante, nao ba necessidade d au-
torisajilo para isto.
Espera que o nobro deputado convenba
com o orador que esta emenda superflua,
e que retiran lo a, revolva os velhos archi-
vos e traga Cmara um projecto j adian-
tado e que tem a seu favor o parecer de
entendidos.
Julga intil discutir miis este ponto, por
que a Cmara deve estar convencida do
perigo que ha em dar-so ao goVerno a
competencia pan fazer um cdigo penal.
Acr'editava tambem que a honrada com-
missSo iuiciavajima nova era poltica, dan _
do ao governo raeios de reduzir o quadro
dos officiaes da armal1 inteiramente des-
proporcional ao effectivo das forjas e s
necessidadeg do servig^, quadro qua o no
bre ex-ministr- da marinha, no seu rea
torio, acbou exceseivo ; mas engaoou-se.
porque a commissao, e.u vez do dar aogo
verno a faculdaie da reduzir o quadro d*s
offiiiaes, que a governo considera super-
fluo, oceupa-so cora f.utorisajSis escusadas
e de ordem secundaria.
Nao sabe o quo significa a autorisajSo
dada ao governo para reorganisar o quar-
tel-general da armada. Se a medida trou-
xes3e economa, bera ; mas que nao traz,
demonstrou o o nobro ex-miniatro da ma-
rinha, que no seu relatorio, tratando do
servijo da marinha, d^z que o pessoal
deficiente.
Quanto alteracao do regulamento
armada, do 14 de Fevereiro de 1885,
serva que o Sr. almirante do Lamare, pss
soa competentissima na materia, fez urna
nova distribuicao das companhias de apren-
dizes marinheiros. Por esse regulamento
reduzio-se a 12, do 18 que eram no rgi-
men anterior a 1885. Esse regulamento
est era vigor ha um anno apenas ; como,
pois, so pretende reformal-o j, sem se
saber se 03 resultados provam em contrario
sobre a sua applioaco 'i
Nao pie o orador conformar-so com a
manutocite dos arsenaos da Baha e Per-
nambuco. Nao duvida que para a sua
conservajao se attenda ao senti ment pro-
vincialista ; mas este sentimento nao dev
predominar quando se trata dos grandes in-
teresses da patria.
Acredita que o nobro ministro da mari-
nha antes do tudo, pedir faculdade para
modificar o systema dos arseuacs ; qua col-
locar se^ha superior s exigencias da pequa-
na poltica, dodicando-sj a fazer econo-
mas vcrdideiras"
Referc-sa tambim emenda que maida
modificar o corpo da saude da armada,
bem como no numero da officiaes de fa-
zmda. .
Mostra que temo3 um corpo do om^iaos
da armada excessivo ; quo o corpo do sau
de, desde o cirurgiao mor at os pharma-
ceuticos, contm 79^fficiaes.
Quando se discutir a forja de trra, o
orador mostrar que so abusos boave da
parte dos hberaea, materas se tem dado
ltimamente.
Demonstra a difficuldade de se preenche-
rem os claros nos corpos da armada e que
no exercito eta diffiauldado so faz sentir
com muita intensidade.
Pergunta se o nobre ministro da mari-
nha de accordo com seu collega da guarra,
empregou slgum raeio, afim do completa
rem o effectivo dos diversos corpos; in
quiro das causas por que nao tem sido la-
vado a effeito o alistamcuto militar; e ex-
p3e a opiniao qua formou desta fajto quan
do ministro da guerra e as providencias
qua julgou conveniente tomar para ver se
conseguira algum resultado ; preciso qu
o governo trato seriamente da lei do recro-
tamento, que foi o nico titulo do gloria da
ultima 8tuajSo conservadora.
Recorda as palavras do nobre presidente
dos os metes da tratar desses assumptos
vanidosamente, porque tem grande maio-
ri i e urna opposijlto que so pode dizer go-
vuroa mental.
Faz diversas observaj3:s para mostrar
que tem direito de reclamar do partido con-
servador o cumpri liento do seu programma
de opposijao.
No quer ir mais longo, mas n8o podia
deixar de apro^eitar :i presenta do nobra
luioistro da marinha para provar qua das
emendas apreeantadns pela materia urnas
silo inuteis, outras nao convm, porque ne
se pele autorisar o governo a faz.-r a sau
talante um coligo criminal.-
Esta discussilo fiea adiada pela hora.
ORNAMENTO DU IMPERIO
Continua a 2a discussao do projecto fi-
xaudo a despeza do ministerio do imperio
para o exercicio da 1886 a 1887.
Q Sr. Gomes de Castro observa
que o nobra deputado o Sr. Mattoso Cma-
ra, que liontera falln, o teria dispensado
da vir tribuna, sa fosse licito eneerrar-se
o debata depois das emendas que foram
off'.recidas ao orjaraento do ministerio do
imperio; correndo por esta pasta negocios
eleitoraes, de instru^jHo publica o outros
sobre os quaes a nobre opposijao liberal se
tem manifestado pelos seus mais distinctos
raembros ; ouvio com sorpresa o modo pou-
co liaongero por que 03 nobres deputados
se manifestaran! em relajao reforma elei-
toral, foita por um do3 mais Ilustres che-
fes do partido liberal; entretanto est na
memoria de todos o enthusasmo com que
foi saudada a reforma da eleijao directa ;
mas hoju a linguagem outra : os Srs.
Candido de liveira e Affonso Celso J-
nior dizem quo essa reforma urna perver
sao dos nassos costuraos.
O Sr. Ratisbona : -Nio opiniao de to-
do o partido liberal.
O Sr. Gomes de Castro peda ao nobra
deputado qua lhe dispensa immediata res-
posta, para dizar que o Sr. Candido do
liveira censurou a reforma eleitorat, por-
que pristecratisou o voto.
T) Sr, Piula Primo ; Neasa parte, tivo
razao.
O Sr. Gomes de Castro nao pode acom-
panhar a opiniao do nobre deputado, re-
cordando o resultado das eleicBes pelo sys-
tama indirecto e dizendo quo, se
hoja
se
da
ob
nos, o principa teria o usofrut> dametide
da renda do dot) e um tarjo so nlo hou-
vassa herdeiros. Sun Alteza fallecen ha
mais da vinte aunas, e o Sr. Duqm de Sa.
xe rara* veza* te:o viu lo ao imperio, en-
tretanto tem reeebido mais da mil contos.
0 orador nao precisa dar arrhas do sau
amor monarchia, que julga ser por em-
qaanto a melhor forma do governo para o
Brasil; mas o partido republieano vai se
formando, e o mete do salvar a monarchia
provar que ella nao cuata senlo o qua
necessarte. Lamnnti entretnnt) que o Sr.
Duque de Saxa pajfira morar na Europa a
i\t ao Brasil.
Hi nesto Brasil um partido liberal quo
quer viver com a constititijo o proraove-
as reformas que opaiz exig:, essa o par-
tido conservador.
Pronuncia-so o orador contra a federa-J
j2s das provincias, pois dahi repblica ha
apenas um pasao. Entende que o raeio ic
^arredar a federajao a dascentralisagilo,
porque o paiz nSo pode continuar com o
systema de adrainistraj&o qua temos. A
descentraliaajao urna necessidade indacli
navel, nao programma da nenhun par-
tido
O 3r. ministro da fazenda poudo reali-
zar os dous emprestimo3 nao' s pjrque
soubo aproveitar a oceasio, mas porque
tioba por ei um partido que n5o tinba fa-
ma de esbanjador. A resp msabilidada do
partido conservador gravissima e se for
infiel s suas tradijSis nada mais resta ao
paiz, porque nSo ser o partido libaral
quera ha de vir restauraras finaujas.
Pdnsa que rib ministerio do imperio ain-
da ha milita economi-i a fazer. Pronun-
cia-e contra os internatis dos collegios e
diz que nao sa oppor a nenhuma reforma
da instruejao publica mas acredita qua o
primeira reforma deve ser do corpo docen-
te.
Vem mesa, silo hdas, apoiadas e en-
traa canfriQtamente em discuso as sa-
guiotes emendas :
Suprima-se o 7o : DotajSo do Duqua
de Saxa.Gomes de Castro.Ferreira.
Vianna. j
ta verba*-saude-publicaaugmenta-
se 12:0000000 para a Polyclinica. -Ratis-
bona > <
Fica o governo autorisado a dar me-
lhor organisacJo e maior ^desenvolviraen.to
ao casino protissional dos institutos do ite-
ninoi cegos e surios mudos, podendo ce
der a direjao desses estahelecimentos a
urna aasociajao pia, conoedendo-lhe um pa-
trimonio de 400:000)$ era apolices de 5 0[0.,
annuaes, fazendo parle desso patrimonio os
edificios em que funceionara os mesraos
estabelecimentos. -Mareondes Figueira.
Xavier da Silva.
Reduz-sa a quantia da 13:000( (se-
cretaria do senado) para augmento de ven-
cimentos de empregados ; reduza-se a....
3:000^ a despeza evento:aes, e a 1:0000 a
pedida para mobilia.
40. Instituto Histrico. Deduza-so o
subsidio da 7:0000003, ficando redu-
zida a 2:0000 a verba para acquuijao de
documentos e ooti.sias sobre historia e gao-
grapbia do Brasil.
| 39. Reduza se a verba, supprimidos
2:8000 para pagamento de dous auxiliares
qne fteam dispensados e deduzidos 5:0000
da quantia pedida para acquisijao de Uvros.
Mareondes Figueira. Xavir da Silva.
O Sr. Presidente : Tom a palavra o Sr.
Penido.
O Sr. Joito Penido diz que a hora es: a
dar, a, alra disso, desejava qua o Sr. mi-
nistro estivesso presente para ouvir as ob-
servaj3es que tem a fazer
O Sr. Presideote diz quo, em vista das
observacSas do nobra deputado, fija a dis-
cussao diada.
O Sr. Rodrigo Silva observa que o &r.
asa, e retirou-sj por
estabeleaeram coUiaa, admira qua essa 0 mui^m fie ir o arbitrio do
fazenda do esttdo esteja abandonada e a
incom
O Sr. Presidente d a ordem do dia 18.
SE3SO EM 16 DE JUNHO DE 1886
PRESIDENCIA DO 8R. AKDRADE FIQElRA
Ao meio dia tota a chamada a que
ponderara 104 Srs. deputado
do conaelho no Senado, era que tfatottj
desacreditar o material da arm
enuraerajao dos novios existentes, dizendo
que neste assumpto toda a clareza pouca
para por de sobreaviso o paiz e justificar
qualquer pedido de novos impostes ; pre-
ciso que o nobre ministro declare quaes
desses navios estto em condicSeB de pres
tar servicos e os que esto estragados ; do
mesrao modo se exprime era relacao ao ar-
senal da corte.
Aeha que o nobre ministro tem boje tode reoebido o dote,oe
alargar mais o voto directo, dar 03 mes
moa inconvenientes do systema indirecto.
Responde ao Sr. Ratisbona, que S. Exc.
e o grupo que o acompanhou esto pros-
criptos do partido liberal; o nobre deputa-
do e o Ilustro Sr. Lourenjo de Albuquer-
que esto era minoria no partido liberal a
por isso o orador nlo deixar de admirar a
Ss. Excs., bem como ao Sr. conselheiro
Saraiva, quo tova o desgosto de ne ver con
deranado peio seu partido.
Nao pertenco ao numero dos que axalta-
ram essa reforma, mas o motivo da queixa
do orador outro; foi entregar-sa ao po-
dar judiciario a qualificajao dos votantes;
pasea a justificar com fastos es3a queixa,
bara como a inconveniencia dos districtos
de um s deputado, recordando a intaireza
das oleicSes no te-upo antig), a mesma n-
tireza ainda ha pouco no ayateraa indirec
t) e a corrupjao que infalizmente tem la-(
. I vrado mais ou menos no systema directo.
Tratando das cmaras municipaes, afir-
ma que nao v grande perigo na dejeen-
tralisajao administrativa ; porque hoja no
so pie viajar pelo centro do imperio sem
grande risco du vida} e este perigo nSo es
t na lei de 1 de Outubro, mas na falta da
dinheiro ; o nico defeito desea H reger
igualmente a capital do imperio.
Pede o eoncurso valioso do Sr. presi-
dente da Cmara para esta obra de rege-
nerajao ; porque o brasileiro mais obscuro
do sertao contribue para a illuminajo e
outros gosos desta corte: necessarte ac- miniatro esteva na <
bar cora este estado anormal, dando vida ccommodo de saude.
e independencia s municipalidades.
Admira que a opposijao se tomasse de
susto pelo programma de refirmas do ac-
tual gabinete, provavelmerite queria que o
governo cruzasso os brajos, como fizaram
os governos liberaos,
Cita os exemplos dos actos dos nossos
estadistas mais conspicuos, fazendo o con-
fronto entre a gerajjto antiga o a moderna,
do que lucrou aquella com o ensino supe-
rior, e de quanto perdeu esta com as pom-
posas reformas do mesrao ensino.
Admira a integridade de carcter do Sr.
Lourenjo de Albuquerque, a sua illustra-
j3o e moderajjte ; mas o partido liberal na
escolha de magistrados, foi de urna intole-
rancia raaniesta.
Nao quer incorrer na censura de retaliar,
porra os Sra. Candido de liveira e Al-
fonso Celso Jnior disseram que o eleitora-
do coraposto das classes conservadoras,
entilo como explicara os triumphos liberaes
das eleijdaa passadas ?
Citando o exeraplo da Franja, mostra o
grave erro de banir-se do nsino publico o
ensino religioso, quo nSo est no poder de
ninguem banir do coracao humano; j que
a monarchia tolerou esta doloroso sacrifi-
cio, o poder legislativo nSo deve consentir
que se continu a fazer da escola um ce-
nculo ; so o partido conservador o da
monarchia, nEo o monarchs, por isso nio
deve o partido ter duvida de resistir ao rei
para melhor servir o_rei.
Pede lioenja para tratar de urna verba
do orjameuto, que a opposijao conservado-
ra podio entao que fosse eliminada.
Demonstra que o nosso estado financei-
ro o mais deploravel, pede-se emprestado
dinheiro para pagar dividas; os impostes j
sao tilo pesados, que o comraercio e as ia
dustrias se queixam e o estado das pro vio
cias desgrajado: qua rigorosa economa
iuposta pelas circumstaocias extraordina-
rias do paiz; por issoustifica urna emen-
da supprimiodo a dotaco de S. A. o Sr.
Duque de Sxe, que foi casado cora a se-
ranisaima princeza D. Leopoldina, tJo ce-
do roubada ao amor dos brasileiros.
Admira-se que ministros de um m mar-
cha to ligado a essa augusto principa te-
abara consentido que Sua Alloza soffra o
ve3tamo*e pereaber ainda t*l dotajilo;^,
k, dever de todos os brasileiros concor-
para que oesse senelhante vexame.
Ouvio o nobre ministro do imperio de
clarar qua nao havia de dar mais lteenja
porque Sua Alteza ira resiiir definitiva-
mente na Europa; mas acha que a proro-
gativa da lisonja era acto Ilegal.
Explica o contrato antenupcial em que
se fez reviver a ordenajSo relativa aos mor-
gados, excluindo |a oommunhao. Se a Sra.
prinoeza D. Leopoldina fattecease, depois
herdeiros necesa-
r.-s-
104 Srs. deputados, abre sa a
a sassao o meio dia a set) minutos.
E' Hdi e approvd a asta da aesso
antacededta.
O S. 1 Secratario d o oxpadieote:
O Sr. Olymplo ValladSo vai r;s
ponder s obsarvajSes faites^ pelos nobres
deputados os Srs. Candido de Olweira e
Affonso Celso Jnior relativamente ad-
ministrajao da provincia de Minas Geraes.
NO saba porque .em ambas as casas do
parlamento, da parte da opposfcate, domi-
na urna certa m vontade em relajao ao
vice-prasident da provincia de Micas-Ge-
raes, nao encontra outra causa senlo re-
presentar esse vice-presidente tradicj5as
muito caras ao partido conservador, porquo
o continuador dos servijos prestados por
seu repeitavel pai; aquello vicepresidente
no servijo da administradlo, tora tido o
maior criterio, amor a provincia o grande
moderajao; entretanto, tam visto cora pa-
zar censuras continuas a esse disttecto mi-
nistro, at porque escreveu circalares re-
coramendando candidatos.
Pergunta se os presidentes e vice presi-
dentes liberaes nao esariviam circulares ra-
commondando candidatos de seu partido;
o que permettido a estes, pode sor ve-
dado aos chefes conservadores?
Passa a justificar minuciosamente as ra-
z5es porque essa vice-presidente negou san-
cjlo ao orjaraento provincial.
Quanto aos factos, ooumerados pelo no-
bra deputado o Sr. Affonso Celso Junir, per
turbadores da ordem publica, no entender
da S. Exo., succedidos em varias localida
des, o orador trata especialmente do rafe-
rilo eni relajao coraaroa de Alfanas, que
pertencj ao districtojquetam a honra d-.re-
presentar, provando o proceder aorrecto
do chefe do polica e, das respectivas auto
ridades.
Termina dirigindo um ped Jo oo Ilus-
trado Sr. ministro da agricultura : existe
no municipio da Campanha, junto cidade
sedo do municipio, urna fazenda qua per-
tanee ha 40 aunos ao estado e corap3o-se
de miis de 590 alqueires de trras magni-
ficas para cultura o campos para criacSo ;
entretanto, est completamente abandona-
da, quando essas trras sao sarjadas por
innmeros regato*, collooaia junto
Campanha, notavol pela amenidade de sau
clima, distando 2 kilmetros da urna es-
trada da ferro e havendo alli urna estrada
regular; quando o estado despende deaa-
na* da eontoe para adquirir terrenos na
previaoia do Paran e outras, afim de te
provincia do Minas esteja privada ata b*-
nefieios da imraigrajao ; peda, pois, ao go-
verno quo lance suas vistas nnste ssntido
para Min 8 Geraes.
ORDEM DO DA
vebificacao de PODiaat
Posto a votos approvado o parsoor s
3a commiasio la inquerito re?>onhecendo
deputado pelo 6o districto do Rio-Granda
do Sul o Sr. Joiqnira Pelro Soares.
E' proolamado deputado o Dr. Joaquim
Pedro Soares qu1, achando-so na ante-
sala, intro-Iuzido com as formalidad? do
estylo, presta juramenta e toma assento.
PATBIMOXO DE IRM4KDADB
Entra em Ia discussilo o projecto conce-
dendo igreja da Nossa Sanhora do Rosa-
rio dos homens pr. tos, da cidade d S.
Paulo, autorsajao para possuir beae de
raa no valor de 30:0000000.
NSo havendo quem p<-ja a palavra, 4
encerrada a diaeussSo e, post > a vasas,
approvado o proje>;to,
O Sr. Rodrigo Silva (pela ordem) pede e
a cmara ponseuto que o projecto otra
inmediatamente em discussSo.
Entra em 2' discussao o projaeto.
Vem mesa, lida, apoiada e entra
discussSo oom o projesto a segrate -
da redacjSo :
c Em vez de bens de qualqatr aatar*-
za, diga-se bens do raz. Kodri^o Sil-
va.
^inguem pedindo a palavra encara-
da a discussSo o approvado o projWto e a
emenia da redacjSo.
O Sr. Ratisbona eavia i mesa o aegai
ti artig) additivo que apoiado e reser-
vada a disiiUjSsSo pira depois d votado o
projecto :
E' concedido igual favor at 0^0000
insttujSo de Candada CorajSo de Je-
ss, da cidade-do Crato, ni proviasia de
Cear, a rosputo dos im novis qua ad-
quirir por qualquer meio, parmittido em di-
reito, e que obtiver at o valor de......
50000000.
t Sala dass easS s, 18 de Junho de 1886.
Ratisbona. -Torre3 Portugal. JagutiWe
Filhot Jos Pompeu.
Entra em Hsousaao o additivo, que sem
debata, approvado.
VSo ambos reapectiva commissao.
RESTUUigAO DE IMPOSTO
Entra em Ia discussSo o projecto n. 16
fde 1886, qua autorisa o governo a restituir
a quantia de 9:000! que o Lyceu Litera-
rio Portuguez pagoit de imposto do trana-
missSo pela compra da casa em qae func-
eionara as aulas.
NSo havendo quem pedase a palavra,
posto a votos o projecto approvado.
O Sr. Affonso Celso Jnior (pela ordem)
requere a cmara concedo dispansa de in-
tersticio para qne entre j em 2a discus-
sSo o projecto.
Entra era 2* discus-So o mesrao projecto
e sem debate approvado.
Contina a 2a discussSo do projecto n.
7 de 1886, forjis de mar para o exercicio
da 1837 a 1888, cora as emendas apoia-
das.
Vem mesa, lida, apoiada e entra
conjunctamante era discussSo urna emenda
do Sr. Castrioto, para que s entre em ex-
oeujSo a reforma do cdigo penal, depois
de approvada pelo corpo legislativo.
(Entra no salSo e oceupa o sau lugar o
ministro da marinha.)
O Sr. Castrioto responde ao que
disso hontem o nobre deputado o Sr. Can-
dido de liveira, que nao foi intuito da
oommissao ora do*nobra ministro da ma-
rinha apresentarem emendas ultima hora ;
os additivos apresentado3 hontem j os ti-
nhara silo era 2a discussSo; mas como de-
pois do nobro deputado, o Sr. Affonso Cel-
so orar, ninguem tomou a palavra, o rea
tor da commissSo eutendeu que nSo lhe
competa responder s argujSas de polti-
ca geral, qua foram quasi as nicas expos-
tas ; mas, logo que se annuooiou a 3' dis
cussSo, as emendas firam lidas e a cmara
entrou na sua apreoajlo ; inlependenta
disso, em 2" discussSo o Sr. CantSo, maaa-
bro da commissSo, j tinha tomado em con-
siderajSo o pouco que se disse em relajSd
marinha.
Domonstra qua a autorisajSo que a com-
missao apresentou para o governo rever o
cdigo inilt.r penal, indispansavel, por-
que sa so espjrar que o corpo legislativo
faja Beraelhante reforma, ella jamis ter
execujSo, porque as mataras urgentes para
o servijo da adrainistrajSo absorvera todo
o tarap. da sessSo, quo ainda pouco.
(Apeados.)
Pido conhacimento que o orador tem das
legislajSes militar e da armada v a ne-
cessidade de exrema de novo cdigo penal
porquo nSo- dossivel que a armada seja
regida por um cdigo qua nada tm de
commum cora as instituijoes modernas.
Admira-se da censura do Sr. Candido
de liveira, quando encontra-se igual pedi-
do de autorisajSo em'todos os relatorios do
domini > liberal; ainda mais, a 14 de Ju-
nho de 1884 a commissSo do marinha e
guarra autorisou o governo a fazer o cdi-
go penal.
Responla a apartes, que bem saba que
s da competencia do po 1er legislativo
le"islar, bm como do poder exeeutivo
perior, em relajSo s outras penas, o
(ais que o superior ente der; s lenjJS
que se pode apreciar o horror de alguna
de taes artigos, e o que o orador passa
a lar.
(Viaoaa-se diversos apartes ; o Sf pre-
sidente reclama attenjSo.)
O ador le o pedido feito a respeito do
cdigo panal pelo nobra ministro o Sr.
Asfrodo Chaves, quo julga deve ser acre-
ditado pela ilustre opposijSe.
O Sr. Lomos: Nesse ponto estamos
ts4os rte aooordo.
O Sr. Castrioto julga proterivel autori-
sar gererno a f-izer este servijo, perqu
do governo actual nao vira cousa alguma
M s pareja com o que decrr.tou aquello
ministro liberal sem antorisajao, como por
qus tasa teda a confian ja nos actuaos mi-
esfsrea a guerra e da marinha e porque
de outro modo nata so conseguir a res-
bete.
O S\ Batisbona : V. Exo. tem toda
a raaao.
(Ha ros apartes.)
O Sf. Castrioto justifica ainda a sua
opiniSo com .t lei de 31 de Maio de [877,
qaa aatorrtou o governo a regular as colo-
aw Bwktaret, bem como os presidios mili
rea ipoBdo penas som limite algum.
O orador nSo coraprehende a razSo por
jjrii testo repugna ao nobra deputado por
b* a autorisajSo daoa ao governo para
rever o cdigo panal da armada, quando
8. sfac, ao ministerio de quo faz parte,
fteaa *ociose ao ser apiesewtado pela
olie!o de marinha e guerra um addi-
tiv aatorisando o governo a alterar o
plano do organisajSo das tres armas do
maroito, com o direito do rogular as pro-
naofSes. Entretanto esta autorisajSo
ailo mais importante do que aquella de
qae trate. (Coninao)
YifilEMDES
Ao mea amigo Dr. Francisco
Xavier raes nrrete
O BBTBATO
Tiveasa eu penoa rutila
E o dora da poesa,
Corto des:revera
Em verso este transumpto ;
Mas, n'estas linhas trmulas,
Que, do Helicn distante,
Eu trajo n'este instante,
Ha da mo ser assumpto.
NSo vou, pois, s Pirides,
A's prstinas irmSs,
A' quem dorara manhSs
Os velhos ses homericoos :
Teria graja sculos
A' dar-lhes as guedelhas
P'ra darem-rae scentelhas
Seus olhos cadavricos I
Depo.s : como s decrepitas
Pedir da cornucopia
A descripjSo da copia
Da um mojo de hoje ?NSo 1
Seria isso irrisorio!
Portante, do qua trato,
Desse mesrao retrato
Ma venhs a inspirajSo.
J pela vez trigsima,
Atravez de urna lente,
Estou-lhe gazilraente
A' rever ; na verdade.
Bello e todo sympathco
Dotes d'uraa alma bella,
Honra, amor, bemrevela,
Saber, luz, amizade.
Vinte o nove primaveras
Da fragrancias a de flores,
A estajSo rica de amores,
Desta vida o tempo grato;
To cordtaes, tao sinceras
As expressSos d'este rosto,
Dizem bem, vejo com gosto,
Contemplando este retrato.
Vinte e tantas primaveras
Passadas no santo ocio,
Achando ser bem beocio
Quem queima as pestaas, nSo ?
NSo, senhor; porque, deveras,
Este retrato de quera
A aureola do estudo tem,
Tem labor e crudicjSo.
Quasi trinta primaveras
Ondo os sorrisos vicejam, .
Oode os amores adejam
E as flores sSo naraoradas ;
Mas, sera vicios nem chimeras,
E sim de bons paradigmas,
Rei cajador dos enigmas,
Logogriphos e charadas.
Primaveras, primaveras,
Auroras da florea idade,
Junte ao louro da amizade
Juntas o lauro do amor ;
Bem como s flores e s heras,
A' mocidade da* vijo ;
Este retrato diz isso,
Qual a copia de urna flor.
E nSo ser eu poeta e nSo ser eu pintor!
executa'r a lei; mas oSo S30 que se tem
feito at hoje em assumpto desta ordeno.
NSo contesta nobre minora o oireito
de oppor-so a tudo, tambara o orador tai-
vea zesse o mesmo se eativeise e n oppo
sijSo ; mas sabe o qua e3t fizando dele-
gando ao governo a revisSo do coligo pe-
nal ; parara nao fez mais do qm o inioi*-
tro da marinha pedio em seu relatorio;
mas os ministros liberaes pediram o mes-
mo e se as commissSes do marinha eguer-
ra do entao nSo attenderam a essas pedi-
dos, uSo isso motivo para a commissSo
a:tual deixar de attander a um juste.pedi-
do do governo em quem confia. (Apoia-
dos.)
Observa ainda quo o Sr. Meira de Vas-
concellos, quanto ministro da marinha em
1883, legslou sobre materia penal sem
autorisajSo alguma do poder legislativo, e
nSo regulou s, fez mais, rapos penas,
como o orador nrova. leudo o decreto de 3
de Marjo de 1883.
Pergunta quem autorisou S. Exc. para
estabelacer graos de penaldade; entretan-
to nSo ooffreu censura do obre deputado
pela publica jSo desse decreto.
Trouxa os aftigos de guerra que anda
vigorara na armada, dos qnaes 30 eao i
O fosske do trato havia de compor
BeoieacAe um poema ptimo em plectro eoleo
E urna roprduccio faria agora oleo
Ao bello original d'esta photographia;
Desta cabeca, que, pela craoioacopia.
Sal chamara boa, e p pde pbys'oaooio,
A' lhe aasertaro ocnlo.a <" .do aasim de utronomo,
Teodo-lbe o sol da front* a8 estrellas dos olao,
Lavater, sem errar, dina, sem reattos,
der de m tem lento e um coracao-pnnor !
B nio ser eu poe* E a5 Mr e0 Pint9r !
Mostrara oaanneis lindos destes cabellos,
Deate fronte imponente o estes olhos to bellos
O irrad.os, a argucia, a calidez e a graea ?
De urna carga ru.m de uns v.dros de vidraca
Livre o nariz ; a bocea, os laa.os tweee^^
Entre urna moacazmha e uns bigodes tomosos ,
Labios que oato sornndo e luze, desde a estrt^
Tem sabido j Em raioa contra oprime, em Aires de eloqoaoea,
Sentiaella da luz, garant da innocencia.
E.. ma, Pr 1ae taftB ?Do q*nto .leTO ito
Si paluda a diccio, sem mrito o eacnpto,
%' aae e nio sou poete. E pois no cofre de oaro,
Que o lbum, guardo, emfim, agora este thesoure
iO retrato do amigo* quem u,t0 K1'1'?'
O mimo da amizade, a dadiva do apreco.
8. Pranoisco-121186.
B. d CAavauo.
vigoran, ua *f-, ^"'ZJ^ZL' 1 Tvp. ds Diaria,
portautes, astable^ena a pena d saorte e, i '-
ras Duque de Cazias a. t
riafr