Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text
AMO LU HUMO 150
PARA A CAflTAl. E LVCARBS 0\DE NAO HE PACA PORTE
Por tres meza adiantadoi
Por seis ditos idem.
Por um anuo dem.
Cada numero avulso, do metro o
01-..
60000
120000
24^000
100
"N
DOMO 4 DE JLHO DE 1886
PARA DENTRO E FORA DA PROTHSCIA
Por seis mezes adiantados.....
Por nove ditos idem.......
Por um auno dem.......
Cada numero avulso, de das anteriores.
134SO
20000
2U00Q
5100
DIARIO DE
RNAMDUGO
1
|)roprica> < ittanoel -figncira >t -faria & alijos
TELEGRAMMAS
i
*

ssstc fABiic::::, :: biauo
RIO DE JANEIRO, 3 de Julho, s 4
horas e 30 minutos da tarde. (Recebido
s 5 horas e 30 minutos, pelo cabo sub-
marino).
A eao de Bioje da Cmara do
epatado* loroou se lempeilaoMi
Intervindo a galeras, e foi suspen-
sa qaande se tralava da interpella-
cao do Sr. conselnelro Alves d e
Aranjo ao Sr. eosiselbelro Prado, mi
aistro da agricultura, sobre o re-
calamenlo da le do elemento ser-
Til, mandando o Mr. presidente o
orailor sentar-se.
A sessfto roniiiiuou depols regu-
larmeate. sendo approvada ama
argn ca do Sr. Rodrigo Silva para
o Sr. mloistro da agricultura res-
poader. A minora retlroa se do re -
ciato protestando, mas voltou logo
que termlaou S. Exc. a sua resposta.
fortm reconhecidos os paderes
Al Srs. consellielro AiTonso Augus-
ta) Moreira Peana (O e Dr. Jos Ce-
sarlo de Farla Alvim , deputa-
dos pelo 3.e dlstrlctos da provin-
ca de Miuas eraes.
Em seguida a Cmara approvou
ent 9." dlscussao o orramento do Mi-
nisterio da Jas tica.
O Sr. cooselbelro Candido de Oli-
veira desenvolveu a sua laterpel-
laeo sobre a situar o unanceira do
sal. ten do orado os Srs. Bunio de
Cotegipe e commendador Soares.
Forana el el tos eml. escrutinio ve-
readores da Cmara Maalclpal da
Corte tres couservadores, dous 11-
raes e o Dr. Jose do Patrocinio.
do' hornera. Hoje que tanto se falla em progresso...
o ouc fazemos? forzoso (iizel-o, emboia cuate :
seguimos um caminho diametralmente opposto.
Em vez de termos escolas ao ar livr-, debaixo de
arcadas que o sol invade e doira (como faziam os
Gregos)reunimos as creancas horas sem cont
em casas onde frequeniemente poseo abunda o ar
e a luz. Em vez dos gyuuasios arborisads (onde
creancas e adolescentes lutavaam, corriam, e exer-
citavam ocorpopara dsscancir o espirito), amaior
parte dos collegios nao tem urna cerca onde os
educandos passem urna har banbando se as tor-
rentes de ar e luz indispensveis ao desenvolv -
ment do organismo.
Repire o leitor n'esse grupo de collegiaes que de
passeio desfila pela noasa frente. Onde as caras
rosadas e frescas que tanto gostamos de admirar
na infancia ? Que fetod'aquella expresado fran-
camente traveasa que transios na pbysionomia de
toda a creanca com sade dos 9 at aoa 14 annos ?
Nada d'isto existe, em "regra, nos rapazas que ve-
mos passar gravemente formados a dous e dous
com os nuis pequeos na testa da columna, e que
vo dar o seu passeio semanal sob a direeco de
um prefeito carrancudo e mal encarado, que olha
para el les com o ar aavero do mastim vigiando as
cvelhas cuja guarda lbe comfiaram.
A tez d'estas creancas geralmeate paluda e
doentia : no olhar, embora por vezes travesso, ha
um certo ar desconfiado e hypocrita, que nos con-
frange ; alguns defeitos orgnicos, bem facis de
remediar n'aquellas idades, abundam j. Veja-se
bem ; repare-se. Quantaa ca becas baix*s olhando
para o chao quantos dorsos abahulados 1 quantos
incipientes desvos na colujina vertebal (hoje ainda
insignificantes, mas que augmentarlo com a idadel
se notam n'aquelles corpinhos de creancas E
repare -se ainda: aproxima-se a cauda da columna
Sao os grandes os homens (como valgamente se Ibes
chama no collegio) : tem de 14 a 17 annos ; se o
leitor bem perscrutar, ver que a maiorU delles
myopc
Verdade que como conpensaco, urna parte
delles est dentro em poucos mezes sentada nos
bancos da Universidadeouda Escola Polytechni-
ca ; mas os restantes... tero ido irremissivelmen-
te dormir no cemiterio o somno eterno !
(Contina)
SE37is: da ak:: um j
(Especial para o Diario)
. BAHA., 3 do Janho, s 7 horas e 35
minutos da manhi.
O paquete inglez TAGUS da Boyal
Mal acaba de ser desencalbado.
ROMA, 2 de Julho, tarde.
De bootem para bo|e bou ve em
Brludlsi apenas oito victimas do
cholera moibu
BERLN, 2 de Julho.
Falla-se em que navera urna en-
trevista entre os imperadores da
Allemanbae da Austria a qual ter
lugar brevemente em Ciasteln.
PARS, 3 de Julho.
O governador militar de Pars re-
tirou o seu pedido de demisso.
MUNICH, 3 de Julho.
O re da naviera esta gravemeate
doente.
LONDRES, 3st Julho, 1 hora da
tarde.
Os re*u>">: os agora conbecl-
dos das eleice. que se esto rea-
Usando para membros da Cmara
dos Commuiis. poden assim dividir-
se t eleltos 44 partidarios do p rojee-
Jecto tiladstonee HO adversarios.
Agencia Havas, filial em Pernambuoo,
3 do Julho de 1886.
INSTRCC POPULAR
1SATACAO
(Extrahido)
V>A BIBLIOTHECJb DO POVO E DAS ESCOLAS
Prembulo bistorlco
Mais um livro sobre educacao pbysica do homem?
Assim leitor, pois que fiis ao nosso propramma,
nao nos canceremos deadvogar, sempre e por todos
os modos, a causa da educacao,quer ella tenha
por mira o espirito, quer (como succede hoje; o
corpo. As antigos davam grande importancia
educacao physica da creanca, do adolescente, e at
do adulto. Na creanca procuravam aproveitar a
exuberancia de vida, que se manifesta em todas
aa suas accoes, para lhe ir pouco a pouco afazendo
ao trabalho os orgos ainda debis.
Para o adolescente o fiui era j outro: procura-
vam equilibrar o desenvolvimento pbysico e intel-
lectual por forma qaeum nao prejudicasseo outro:
bem sabiam os amigos que era aindi tempo de
corrigir pela gymnastica orthopdica qualquer de-
feito de conf"rmaco. O adulto segua os exerci
tes como recurso hygenico.
iNo pense o leitor que exaggeramos. Scrates
exiga dos seus discpulos que seguissem os exer-
cicios do gymnasio, apezar de un^serem j adultos
e outros orcarem polos 18 ou 20 annos; Demosthes
cor/igia, i or mtio de aturados exercicios, dous de-
feitos physicos que o inutilisavam como orador ;
alario passavs por ser y primeiro soldado, o melhor
esgrimista, o mais veloz corredor, e o mais hbil
cavalleiro as regioes de que era eximio general.
E maior numero de exemplos poderiamos anda
eitar, se para tanto nos nao escaceasse o espaco.
Eis comj os antigos comprehendiam a educacao
tituto Vaccinieo, da Escola Normal, da
Casa de DetencSo e da Secretaria da Ins-
truccSo Publica.Ao Sr. pagador para os
devidos fins.
Dr. Francisco do Reg Barros de La-
cerda e David da Silva Maia.Certifi-
que-se.
Maria Joaquina dos Santos Abren e Sil-
va, officio do Dr. inspector geral da Iob-
trucao Publica, Jovino de Carvallio Vars-
j5o, director da Escola Normal, Trajano
Alves de Mendonca, Gaspar Jos de Mello
e Daniel Francisco Pinheiro.Informe o
Sr. contador.
DIARIO DE PERNAMBCO
/ARTE EFIClli.
CioTerno da Provincia
DESPAPHOS DA PRESIDENCIA DO DU 2 DE
JOLHO DE 1886.
Antonio Dil Estalote e Dr. Jos Julio Fernn-
des Barros.Informe o Sr. inspector da Thesou-
raria de Fazenda.
Antonio Pereira de Carvalho.De aceordo eom
a informueao do engenheiro encarregado das obras
publicas g raes, determino hoje que pela Theseu-
raria de Fazenda seja paga, no corrente exercicio,
lugo que tiver crdito para as obras da ponte
Buarque da Maeedo. a quantis de 8.-329460U, im-
portancia de 31, 648' da cantara restante, for-
necida para as obras da dita pontt, no exercicio
paseado, segando a cubac&o ltimamente feita, fi-
can 10 as pedraa destinadas ao 8 pilar para se-
ren pagas depois de apparelhadas pelo suppli-
cante, salvo pasamento pelo valor actual.
Antonio Joaquim CascSo.Kemet ido ao Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda para atten-
der ao pedido nos termos da sua informadlo de 26
de Junho lindo, n. 444.
Bacharel Benjamn Rodrigues de Freitas Ga-
raciolc.Sim.
Companhia Pernambncana.Aguarde o crdito
solicitado hoje Assembla Legislativa Provin-
cial.
Diogo Augusto dos R-is.Bemettido ao Sr.
inspector d* Thesouraria de Fazends, para atten-
der ao pedids, nos termos da sua informaco de
26 de Junho fiado, r. 445.
Domingos Ferreira de Moraes. Informe o Sr.
Dr. ebete de polica.
Dr. Gregorio Spporini.Certfique-se o que
constar.
Jos Antonio dos Santos.Informe o Sr. Dr
ebefe de polica.
M inoel Moreira de Souza.Remettido ao Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda, para at-
tender ao pedido, nos termos da sua informacSo de
26 djJunho findo, n. 442. ,
Seba8tio de Barros Barreto.Passn portara
dando pru vi ment ao presente recurso.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, em 3 de Julho de 1886.
* O porteiro,
J. L. Viegas.
Repartl^o da polica
Scelo 2.* N. 650. Secretara da Po-
lieia de Pernambuco, 3 de Julho de 1886.
Dlm. e Exin. Sr.Participo a V. Exc.
que apenas foi hontem recolbida Casa de
Detenyao :
A escrava de nome Luiza, pertencente a Luiz
da Silva Gusmo, a qual foi presa de ordem do
8ubdeigado de Santo Antonio, por estar pratican-
do disturbios.
Ante-hontem, s 2 horas da tarde e no lu
gar denominado S. B-az, pertencente ao districto
de Apipucos, o individuo de nome Jos Mendes
Torres praticou em si proprio, com urna tesoura,
diversos friolentos, que foram considerados leves.
O referido individuo est suffrendo de alienacao
mental e foi recolhido ao hospital Pedro II para
ser tratado dos ferimentos.
Communicou-me o cidadao Jos Alves Te-
norio ter em data de hontem roassnmido o exer-
cicio do cargo de subdelegado do districto de Api
pucos.
Na madrugada de 25 do mez findo e no lu-
gar Acude, do districto de Apipucos, aconteceu
ser ferido levemente o individuo de nome Antonio
Severino Marques, per um tiro de bacamarte dis-
parado pur Jos Malaquias Carneiro.
O subdelegado do districto mandn recolher o
ferido ao hospital Pedro II, onde se acha quasi
enrado, e proseguo as diligencias policiaes, das
que es ficou reconhecido ter sido casual o faeto al-
ludido.
No dia 27 do mez ultimo travaram-se de ra-
zos os individuos de nomes Manoel Lauriano de
Maria e Candido Jos Maria, meradores no t-imo
da Gloria Goit, e passando a vas de facto deu
em resultado sahir a ultimo ferido gravemente.
Contra o delioquente, que ainda nao foi preso,
procedeu-se nos termos do iuquerito policial.
Deus guarde a V. Exo. illin. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice-presidente da provincia.
O chefe de poli-:ia, Antonio Domingos
Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DU 3 DE JLHO DE 1886
Antonio Dias da Silva e Francisco Duar
te. Informe o Sr. Dr. administrador do
Consulado.
Dr. Carlos Frederico da Costa Ferreira
e padre Marcolino Alves dos Prazeres Li-
ma.Cumpra-se, registre-se e fa^am-se os
assentamentos.
Ordem Terceira do Carmo.Junte-se
copia das informales.
Ponto das Obras Publicas, da guardas da
illuminacSo publica, do Consulado, do Ins-
RECIFE, 4 DE JULHO DE 188o
noticias do norc do imperio
0 paquete nacional Baha, entrado hontem do
norte, trouxe as seguintes noticias :
Amazonas
Datas afe 22 de Junho :
A Santa Casa de Misericordia, en vista da cris
financeira com que luta, deliberoa mandar fechar
o hospital de caridade, tendo sido j d'ahi retira-
dos alguns doentes.
Parta
Datas at 26 de Junho :
Os empregados internos e externos da repart-
cSo da polica, offereceram, no da 23, ao Dr. ebefe
de polica, urna rica escri vaninha de prata e urna
caeta com penna de ouro, em signal de gratidao
pela consideraco com que os tem tratado, desde
o inicio da sua administraco policial.
O Sr. Theodoro Chaves, seu secretario, proferio
algumas palavras ao entregar a S. S. os referidos
objectos.
O illustra magistrado, commovido, agradecen
essa manifestaco de apreco com palavras repas-
sadas de reconhesimenio- e prometteu sempre en-
vidar os seus esforcos para que a repartilo que
lhe est entregue continu a merecer a confianza
que tem adquirido da opiniao.
Os amigos do Sr. conselheiro Samuel Mac-
Dowel preparavam para o da 29 urna esplendida
manifestaco ao digno ministro damarinha pela
sua elevaco ao importante cargo.
O gremio do partido conservador'convidara a
todos os correligionarios e todas as pessoas admi-
radoras das Iqualidades do distincto parlamentar
a-tomarem parte nesses festejos.
No Vinte e Oito de Maio, de Mau, lemos o
seguinte :
Na noite de domingo, 23 do corrente, em
frente casa commercal do Sr. Manoel Bastos,
no Atat, alagou se uma montara, em que iam
Jcs de Almeida, um filho menor, Braule de Al-
meida e um sobrinhs, tambem menor.
Depois de lutarem algumas horas com os ma-
res, perecerara Jos de Almeida e seu filho, sal-
vando-se aquelle ultimo ^ue, levado pela mar,
foi eneostar na ilha do Joroca.
Maranho
Datas at 26 de Junho :
Fallecer, s 10 horas da manha de 18, no Ca-
minho Grande, o bacharel em direito Jo&o Can'
dido de Moraes Bago Jnior. <4ha
CearA
Datas at 29 de Junho :
Tinham comecado no dia 27 as sesscs prepara-
torias da Assembla Provincial.
Reunidos os deputades, a hora regimental,
acclamaram aos Srs. coronel Dogo Gomes, Mar-
tinho Rodrigues e Valdemiro Moreira.o primeiro
para presidente, e us dous ltimos para Io e 2o se-
retanos, na ordem em que se acham collocados.
Constituida assim a mesa provisoria, os ami-
gos do Sr. Aquir iz e Rodrigues Jnior, diz a
ConstituieSo, em desespero de causa, porgue nao
contavain com a maioria para eleger a mesa e as
commisaes de verificaco de poderes, romperam
am gritos, dando sobre o assoalho e sobre as ban-
cadas fortes pancadas com instrumentos de que se
acbavam armados.
Para isso fizdram entrar no edificio da assem-
bla multido enorma de capangas para o fim de
perturbarem os trabalhos e derramareis a con-
fuso.
Nao se conformando os referidos grupos com
o pensamento da maioria de 16 deputados, amigos
nossos, diplomados legalmente p >r juizes de di-
reito, contra 14 d'elles, os quaes nao podiam
vista do bom seoso, da moral poltica, do regiment
e da forca do direito, formar a mes* provisoria e
gar ntir a maioria da assembla, o recurso eje-
cutado foi constituirem segunda mesa, /arca ridi-
cula e nojenta sem apparencia ao menos do decoro
poltico
Mas antes da realisacao d'esse plano, os ca
pangas dos Srs. Aquiraz e Rodrigues pretenderam
apostar se da mesa oceupada pelo presidente coro
nel Diogo e os respectivos secretarios, e teriam
conseguido fazrl-a voar pelos ares, se os nossos
correligionarios com coragem e bravura nao tives-
tein impedido ainda esse novo attentado.
N'essa occasio o nosso distin^ttc amigo ma-
jor Beserra, qae se oppoz violencia ile que fomos
victimas, foi accommettido por um capanga rece
bend'j traicoeirameute um golpe ns crneo.
Falta va apenas reconhecer um deputado no 3o e
outro no 6' ditrictos.
Seguio para o centro da provincia, em via-
fBm pastoral, o Exm. e Revm. Sr. D. tJoaqniin
os Vieira. bUpo da diocese.
S. Exc. foi ocompanhado at o sitio de resi-
dencia do Exm. Sr. Barao de Aquiraz, no Alaga
dico, por grande numero de cavalheiros e padres
domiciliados na capital.
Fallecer em Canidti o major Antonio dos
Santos Lessa.
Kio Grande do Norte
NSo recebemos fallas.
l'aruliylia
Datas at 2 de Julho :
As noticias nao adiantatn s referidas pelo nosso
correspondente, caja carta publica na seccao com
ptente.
INTERIOR
Correspondene'a do Diario de
Pernambuco
PARAHYBA, em 2 de Julho de 1886
Tem chovido abundantemente estes l-
timos dias na capital, e a huroidade ex-
traordinaria. As febre8 continuam. Em
Campia Grande tm diminuido considera
velmente a epidemia rrinante, ao passo que
ella recrudesce em S. Joo. Os mdicos
da localidade chmam-p'a febre amarella;
porm, nao liquido se ba fundamento
para tal diagnostico.
- Eu S. Joo de Souza foi victima de
um attootado o Io suppl nte de juiz muni
i-ip'al, JoSo Por D<-aa Rodrigues Seixas.
Em viagem foi sggredid) por tres indivi-
u >s, que o espaucaram e o deixaram
muito maltratado. Foram iouteis s dili
g-n.ias empr'gadas na l.alidada para ca-
ptura dos aggressora8, que se acham pro-
nunciados na comarca por outros eriuies.
Para satisfazer a requisico das autori
dades judiciarias, o preaideute da provin-
cia fez seguir para Souza o alferes Agnel-
lo Lopes Pereira com um destacamento de
15 pragas. O mesmo alferes j se acha
em Patos, paxa onde tinha seguido, ha
tempos, em peneguicSo de criminosos.
Pelo ultimo vapor chegaram da cor-
te os jornaes, onde acha-se publica-
do o discuri* do Sr. senador Meira
de Vasconcellos sobre os acontecimentos
de Pitimb e Alagoa Nova. Por sua vez
o Diario da ,Parahyba o est transcre-
veado.
Foi desagradavel a impresso causada
aqu por esse discurso, que tem sido cri-
ticado pelos proprioB correligionarios do no-
bre senador. O seu discurso um araon-
toado de falsidads, que foram todas van-
tajosamente desmentidas no senado pelo
Sr. senador Diogo Velho, e na cmara
pelo Sr. deputado Anysio. No Jornal do
Commercio publicou um brilhante artigo o
Dr. Pelino Ouedes, secretario do governo,
que se acha com licencu na corte.
O Sr. senador Meira de Vasconcellos, a
cujo caraefer Mflpeitavel fazemos justiya,
foi victima de.amigos apaixonados que lhe
enviaram d'asjui telegrammas mentiro-os
com o pseudonyino decommissao libe-
ral, e sartas cheias de narracSes ineis
ou exagerada*.
Em editorial de 25 do mez passado o
Jornal da Parahyba interpellou o directo-
rio do partido liberal sobre a autora des-
ses telegrammas, e sobre a attitude do
mesmo partido com relaclo ao presidente
da provincia. At agora o Liberal Para-
hybano, que te dizia orgio do partido,
man t m para com o Exm. Sr. Dr. Ban-
deira uma linguagnm de sympathia o at
de louvor por vezes. Ha mais de dous
mezes nao se tem publicado e agora sur-
gem os telegrammas da commissao libe-
ral.
Ainda nao appareceu resposta do parti-
do no Jornal da Parahyba. Em um a
pedido do Diario apparooeu um pequeo
artigo com o paeudonymo de Nunes Ma
ckado, procurando responder. Ser crivel
que o partido Kberal precise de mandar re-
presentarle na imprecsa por anonymoa ?
O que parece certo que os taes telegram-
mas nao foram passados por nenhuma com-
missao liberal, e sim por certo magistrado,
que aqui est fazendo poltica, e que pre-
tende arvorar-se em chefe, por que pensa
poder desmontar os mais festejados chefe
liberaes da capital.
A Gazeta d* Noticias da corte, em edi-
torial de 16 3 Junho, apreciou com as se-
guintes palavras as aecusaeftes feitas pelo
sena lor Mena de Vasconcellos ao Dr. Sou-
za Bandeira:
ltimamente o presideate da provin-
cia da Parahyba do Norte tem sido aecu-
sado no senado pelo Sr. Meira de Vascon
cellos, por actos de sua administrado. A
poltica, como entre nos entendida, d
todos os direitos, inclusive o de faltar
verdade. Nao estranhamos- portauto, o
facto que se d com o presidente da Para-
hyba.
'- Simplesmente o que desejamos regis-
trar que aquelle funecionaro est, pela
superioridade do seu espirito, pelo alto cul-
tivo da sua intelligencia, e pelas qualida-
des do seu carcter, n'uma posicao inac-
cessivel s tricas rels dos nossos homens
polticos, ao que disse no senado o Sr.
Meira respondeu hontem cabalmente o Sr.
Carneiro da Cunha. Nem tanto era pre-
ciso para sor julgada a intelligeate e mo-
derada adrainistracSo do Sr. Dr. Bandeira,
um dos mogos mais serios, que se tem pos-
to ao servigo deste paiz.
Chegou a esta capital no dia 28 de
Junho, vindo de regresso da corte, o com-
mendador Silvino Elvidio Carneiro da Cu-
nha, fest-jado chefe 'lo pani lo conserva-
dor parahybano. Foi recebido por muitos
amigos, que conduziram-no at a casa, on
de houve raanifestacao esplendida com mu-
sica e fugo i do ar.
No dia 3 do correte, os seus compa-
nheiros da Cmara Municipal dao-lhe um
grande baile. frje o mesmo commenda
dor assumir o exercicio do cargo de pro-
vedor da Santa Casa de Misericordia, e
noite haver no theatro Santa Cruz o es-
pecta ulo, queja annunuiei, em beneficio da
Santa Casa.
Passaram sem perturbacao as festaa
de Santo Antonio, S. Joio e S. Pedro.
O Dr. chefe de policia prohibir que
se solt.-issem as ruis da citade os celebres
buscaps, que tantos estragos e prejuizos
t-eni causado pessoas e propriedades. O
habito era invnteralo, porm a pacifica po-
pulayo d.-st* capital acquiesceu ao desejo
da autnrilade, e, salvo poucas prisBes, nao
houve incidente notavel.
Foi nomeado promotor publico de Pi-
timb' o Bacharel Alfredo Augusto Alves
Pequeo.
Acha se aqui o intelligente actor Xisto
Baha, com uma companhU dramati
ca. J deu o seu primeiro espectculo, que
nao foi muito concorrido por causa do mo
te.npi- Foi bem recebi lo, etove < appl sos a que t ;m direito pelo seu incontesta-
vel talento e alto mereeimento artstico.
- Realisaram se hontem as eleicoes
muni :paes e correram calmamente em to
das as localidades, de que j exist^m no-
ticias. Os conserva lores elegerain todos
os q'iitro juizes de paz da capital. Em
pri neiro escrutinio estSo cleitos 4 vereado-
res conservadores e 2 liberaes.
PERNAMBUCO
Assembla Provincial
8E8S0 EM 29 DE MAIO DE 1886
PRESIDENCIA DO EXM. SR. DR. JOS MANOEL DE BARROS
WANDERLET
Summaeio :Vbtacao e approvaco jda acta de 27.
Leitura e approvaco da acta da
scsso antecedente.Expediente.
Leitura e apoiamento de um reque-
rimento do Sr. Jos Maria sobre um
facto dado na ra do Baro da Vic-
toria.Continuaco da discusso de
um reqnerlmento do Sr. Jos Maria,
sobre a prisao de Primo de tal.
Discursos dos Srs. Jos Maria e So-
pronlo Portella.Retirada do re-
querime to. -Discussao do reqnerl-
mento apresentado na sessao de boje
pelo Sr. Jos MaraDiscurso do
Sr. Jos Maria.Adiamento da ds-
cusaao.Primeira parte da ordem
do dia.Votacao de emendas ao
art. 2* do projeeto de ornamento pro-
vincial.Obscrvacoes, pela ordem,
dos Srs. Jos Maria, Andr Dias,
Regueira Costa, Ferreira Jacobina e
Barros Barreto Jnior.buspensu
da sssao.Reabertura.Observa-
co-'s, pela ordem, do Sr. Jos Maria.
Final da sessao.
Ao meio dia, feita a chamada e verieando-se
estarem presentes os Srs. Ratis e Silva, Barros
Barreto Jnior, Luiz de Andrada, Joo Alves
Reg Barros, Rodrigues Porto, Barros Wanderley,
Sophronio Portella, Juvencio Marz, Soares de
Amsrim, Herculano Bandeira, Antonio Vctor,
Constantino de Albuquerque, Ferreira Velloso,
Domiogues da Silva, Joao de S, Costa Gomes,
Augusto Franklin, Coelho de Moraes e Julio de
Barros, o Sr. presidente declara aberta a sessao.
Comparecem depois os Srs. Rogoberto. JoSo de
Oliveira, Visconde de Tabatinga, Andr Das,
Solonio de Mello, Jos Maria, Baro de Itapis-
suma, Gomes Prente, Costa Rbeiro, Regueira
Costa, Barao de Caiar, Ferreira Jacobina, Pr-
xedes Pitanga, e Lourenco de S.
Faltam com partcipaco os Srs. Amaral e
Drummond Filho, e sem ella os Srs. Rosa e Silva,
e Goncalves Ferreira.
Continua a discussao da acta da sessao de 27.
Ninguem mais psdindo a palavra approvada,
sendo regeitada uma emenda do Sr. Regueira
Costa.
' lida e sem debate approvada a acta da sessao
antecedente.
O Sr. 1 secretario proceden leitura do se-
guinte
EXPEDIENTE
Um officio do secretario do irovcrno, remetiendo
iuformacoes do inspector do Thesouro Provincial
e mais papis annexos, afim de se resolver sobre
a decretacao de crdito de 53J2U0 de transportes
na estrada de ferro do Recife aLimoero em Abril
ultimo. A' commissao de orcamento provin-
cial.
Outro do mesmo, idem, idem, sobre a decretacao
de crdito de 11 200 para pagamento de trans-
portes a presos pobres, nos carros da estrada de
ferro do Recife ao S. Francisco, em Julho ultimo
A' commissao de orcamento provineial
Outro do da provincia do Espirito Santo, aecu-
sando a recepeo dos Annaes de 1885 c remet-
iendo um exemplar das leis daquella provincia,
do mesmo anno.Ioteirada.
Uma peticao do bacharel Jos da Cunha Libe-
rato de Mattos requereudo a restituico de 368t>35
que sua mulher pagou de mais como berdeira de
>. Genoveva Rosa da Silva, sua tia A' com
missao de orcamento provincial.
Outra de D Candida de Oliveira Lamenha Lins,
legataria e berdeira dos jens da refer da D Ge
neveva, sua tia, requerendo a restituida) de 5003
que pagou de mais de taxa relativa ao legado.
A' commissao de orcamento provincial.
Outra de Antao Borges Alves, esenvao do cii-
me e jury da Gloria do Goit, requerendo a con-
S'gnaco da quota de 400 que lhe devj de custas
de processos a Cmara Municipal d'alli.X' com
misno de orcameuto municipal.
Outra de Tito Jos Phss.js de Almeida Rosas,
tabellio publico e escrvo do jury le Florara,
requerendo coasi^naco de verba no orcamento
para seu filho Tito, de 18 de idade, estudar nesta
cap til. A' commissao de orcam'-n-.o provincial.
E' h'do, apoiado e dispensado da impresso em
avulso, a requerimento do Sr. Ratis e Silva, o se-
guinte projeeto :
N. 92 A Assembla Legislativa Provincial de
Pernambuco, resol ve :
Artigo nico. Fica restabelecido o eosiiio reli-
gioso as escolas publicas de instrueco pri-
maria.
Revoeadas as disposi^oes em contrario.
Em 29 de Maio de 1886 Vigario Augusto
FranklinSoares de Amorim.Julio de Barros.
Ratis e Silva.
E' lido, apoiado e fica sobre a mesa para ser
opportunamente discutido o seguinte requer
me>ito :
Requeiro qae pelos canaes competentes se
informe :
Io Se o governo tem eonhecimento de que
hoje, t h ira da madrugada, pouco mais ou me-
nos, estava na ra do Sara da Victoria, um sol
dado do 2" baralho de linha atacando aos vian-
dantes, armado^de faca de poota ;
2 Que isto fra presenciado pelo guarda c-
vico n. 99, com o inspector de quarteiro de nome
Arthur Machado dos Santos, que faziam o polica-
ment daquella ra, os quaei declararam quenada
p )diam fazor com um soldado de linba ;
3' No caso afirmativo, qua providencias to-
mou.Jos Maria.
Cinrinua a discussao do requerimento do Sr.
Jos Maria, pedindo inf jrmacis sobre a prisa > de
Primo de tal, efiectuada pelo subdelegado do 1*
districto da Boa-Vista.
O Sr. Jum Hara apresentou em uma das
sessoes paasadas o requerimento ora em discussao,
por ter sido informado achar-se recolhido esta-
co da guarda cvica da Boa-Vista um individuo
de nome Primo, a pretexto de descubrir elle os au-
tores ae um roub > qm se dera na ra dos Pires,
sendo para isto espancado por ordem do subdele-
gado.
Prometteu o orador pessoa que deste facto o
inf esse homem, o que nao pode faser por estar muito
oceupado naquelle dia, e para nao perder a ep-
portuiidade apresentou o requerimento. Poste
nrmente entendeu-se o orador c.m o subdelega-
do do Io districto da Boa Vista e este, que apeaar
de conservador, o honra com a sua amisade, lhe
di.se que, est indo Primo ae viga prximo ao lo-
cal onue se dera o roubo, mandara o prender, em
bura convencido de nao ser elle autor do crime,
emvicciu esta de que ai"da se acba de posee;
disse lhe mais nao ser exacto ter sido Primo br-
baramente espancado, porm confessra ter-ihe
mandada dar algumas ripadas e cachacott, para
ver se elle descobriria alguma couaa que porven
tura soubesse do roubo.
O facto, por conseguinte, deu-se ; mas o orador
para mostrar que nao taz opposico por qualquer
cousa, mas suieuto quando o facto grave; e en-
tendendo que ripadas e cachacaes sao neita situa-
co uma ecusa muito natural, doce de goiaba, pao
de lot sobre mesa, arroi de leite com com canella,
uedeao Sr. presidente que consulte cas se con-
sente n* retirada do u requerimento. (Maito
bem, muito bem).
O Sr. Sopriinio Portella[Nao de-
volveu o seu discurso).
Ninguem mais pedindo a palavra encerrads/a
discussao e retirado o requerimento pedido de
seu autor.
Entra em discussao o requerimento do Sr. Jos
Maria, apresentado e apoiado na sessao de hoje,
acerca de uma praca do 2* batalho de linha.
O Sr. afoft Marta diz que na i raras vezes
uma pequea cousa, uma contrariedade insignifi-
cante, transterna as boas disposicoes de espirito
em que se acha um homem.
Perfectamente calmo, tranquillo, socegado, com
a face lisa de lago adormecido, p*ra lembrar sedo
tempo em que fazia litteratura, essa litteratura f-
cil e superficial, que tanto tem concorrido para es-
tragar muito moco de talento, que longe de por a
sua intelligencia ao servias da patria e da huma-
nidade, esterilisa-a em sonhos, em phantasias, em
bungigangas, perfeitamente calmo, as mslhores
disposicoes, veio hoje o orador para a Assembla,
onde abri a su'alma, o seu coraco, e pedio a re-
tirada do seu requerimento, convencido de que
esse seu acto seria perfeitamente aquilatado, ver-
daderamente interpretado.
O orador tevo a veleidade de acreditar que os
seus adversarios aceitaran) o seu acto como filho
de um espirito justo e razoavel; entretanto servio
isto de motivo para o Sr. 2* secretario, que parece
querer dirigir a maioria nos ltimos dias de ses-
sao, atirar-lhe uma aneada, que o nao attinge.
0 or'dor soffre dos ervos, e este proccdimento
do Sr 2o secretario fez-lhe mal aos ervos.
Dahi resulta que uma certa agitaco vai se apo-
derando de seu todo, e talvez mais tarde essa face
lisa, tranquilla, socegada, se v poaso a pouco en-
rugando, encrespando, at que afinal se levanten*
ondas encapelladas o o lago se transforme em mar
agitado e procelloso.
E tu do isto por uma inconveniencia.
Para que?
O orador far um estoreo sobre si mismo, para
que isto nao aeouteca; pjis sn-'nte elle tem a
perder, porque afinal de contas altera a sua sa-
de e inutilisa-se por alguns dias, deixando assim,
por impossibilidade physica, du prastar ao seu
partido os servicos que este tem o direito de exigir
de sua pessoa.
Dirija o Sr. 2o secretario a sua bancada; mas
taca-o com criterio, com o necessario.tino, para
nao terem os seus proprios amig >s o direito de
se queixarem de que o cuido tora entornado por
imprudencia ou impericia do sua parte.
Raspoadendo a um aparte do Sr 2o secretario,
diz que nunca tuve a pretenco de dirigir a mino-
ra e muito menos a assembla; que, como tem
dito muitas vezes, um franco atirador, uma sen-
tinella avancada, um verdadeiro zuavo, devendo
caber aos seus amigos de bancada, velhos li-
beraes, alguma cousa do bom qu-i por ventura te-
nha feito, guardando sement para si a r.'spousa-
bilidade do que de mo haja oraticado.
De uma declaraco leal e franca que fez o ora-
d >r, tirou o Sr. 2o secretario a concluso de que
todos os seus requerimeotos tundavam-se em in-
tormaciSea falsas, sem comprehenier S. Eic que
se o orador quizesse fzer opposico a todo transe,
poderia oceupar duas sessoes seguramente com o
fi.cto que faz objecto do requerimento que fot a
seu pedido retirado, pois que nao um facto insig-
nificante ter-se n'uma capital como esta, prendioo
um h jraem sem .-azao suu^ciente para isto, coaser-
vando-se-o por muitos dias recluio n'uma estaeao
de guarda civica, que nao uma eadeia, e mimo-
seaudo s-o com ripadas e cacAaeSes.
O Sr. Augusto FranklinE' uma verdade o qae
dis o nobre deputado.
Continuando, diz que deixa de parte este inci-
dente e passa a tratar da materia em discussao,
pedindo permisso para narrar o tacto como elle
se passou, sem florvios de rethorica.
Depois de orna hor* da madrugada do da 28
do corrente sahia c orador da su officina de tra-
balho e diriga se para a sua casa ra do Baria
da Victoria, quando na ra do Crespo encontra-se
com o Srs. capito Manoel Miranda Sampaio O
Justino Antonio Pinto, aos quaes compriraeutou.
O Sr. Capito Manoel Miranda perguotou ao ora-
dor para ondj se diriga, e tendo tdo em resposta
que para a ra Nova, disse-lhe aquelle cidadao
que nao proseguase, pois que naqaella ra se
achava um soldado do 2 batalbo, com blusa par-
da, a atacar os viandantes, e que. nao dispondo o
orador da forca physica e da coragem de que elle
disponha, poda ser vctima, pois aquelle soldado,
que estava armado de uma faca de ponta, deixra
de conversar esm um guarda cvico e um inspec-
tor de quarteiro, como estava, jara ameacar e
insultar a elle e ao seu companheiro o Sr. Justino
Pinto.
O orador, que podia ser victima, mas que que-
ra certificar-se do que lhe dizia o Sr. capito Ma-
noel Miranda, dirigi se para a ra Nova e effeo-
tivam;;nte encontrou o guarda cvico n 9 e o in-
spector de quarteiro, por nome Arthur Machado
dos Santos, que confirmaran) o que. tinha o orador
sabido e que lhe disseram nada poderem faser,
pois nao queran negocio com a tropa de linhi.
Dirigo-se o orador ao subd legado, qae mora
na ra das Cruzes, e contou-lhe o facto; S. S. fi-
cou bastante incommodado e p -dio lhe que pelo
telephone fallasse para o quartcl do 2* bathiho
com o offici.il do dia; o orador, porm. cancn de
tocar no telephone para o quartel e s parou quan-
do o estacionario lhe disse que estavam no quar-
tel todo dorinindo.
Sahio da sua omeina o orador, acompanhado de
seus ami os, isto de um revolver com 6 balas,
e dirigio-8e para casa.
N'uma trra em que os oldados atacam, rou-
bam e matam, nao se pode deixar de au lar arma-
do, e o orador aconsclha a todos que andera ar-
mados para defenderem-ae antes de tudo da torea
publica.
Citou muitos outros factos para mostrar que a
polica longe de ser uma guarda da vida, liberda-
de e propriedade do cidadao, pelo contrario, a
primeira a transgredir aquelles direitos, e con-
clue pedindo a approvaco do seu requerimento.
A discussao fica adiada pela hora.
Passa se
1* PARTE DA OBDEM DO DIA
Procede-se votacao das emendas ao art. 2* da
projeeto n. 43 deste anno, (orcamento provincial)
a qual d o seguinte resultado:
Approvadas as de ns 26, 51, 86, 87 na primei-
ra parte, 88, 89, 90, 106 e 112.
Prejudicadas as de us. 17. 35, 37, 48, 52, 53, 54,
61, 67, 131, 142, 143,156, 162, 163 e 164.
R-jeitadas as de ns. 18, 55, 60, 87 na ultima
parte, 114,141 e 154, e retirad a de n. 165.
(O Sr. presidente deixa a ca leira da presiden-
cia, que oceupada pelo Sr. 1 vic-presidente).
(Diversos Srs. deputados retiram-se do re-
cinto).
Passados poucos minutos o ?r. presidente occo-
pa novam< nte a sua cadeira.
O Sr. lunuol Franklin (pela ordeoaf
Peco a V. Exc. que consulte casa sobre se me
concede dispensa do lugar de 1" vice-presidente.
O Sr. Presidente Em occasio opportun -
jeitarei deciso da casa o pedido de V. Exc.
O Sr. Jom Hara (pela ordem)Sr. pre-
sidente, eu fui dos deputados que se levantara
do recinto por occasio de V. Exc. deixar essa
cadeira. Cumpre-m-, a vista do-que se acaba de
dar, fazer a declaraco publica e formal de que
assim proced, nao ecm o fim de desconsiderar o
Sr. Io vice-presidente, mas para impedir que, coa-
dunando a sessao com !*. Exc. na presidencia, fi-
cassemos privados do voto dn S. Exc que, par di-
versas vezes, nos tem acompanhado. Nao houve
da minha parte, nem da dos outros Srs. deputados
que commigo se retiraran), o pensamento de mo-
Irsr a S. Exc. que, por veies, tem ocupado o
cadeira, presidindo aos trabalhos d'esta casa i
todas as quaes ha recebido de todos nos a

\.*


Mario de PernambucoDonngo 4 de Jnlho cto 1886

ideraqo que devida a todos oa deputados.
(Apoiados).
fique, pois, S. Ex\ convencido de que nio hou-
ve intenclo de efEende!-o (apoia-ioa), de descon-
aideral-o, mas, so contrario, o noaao Sm t iinpe,
dir que fic&Me-pr'jndicado o voto de 8. Bxc. que
se nao tein acompanhado a minoria sempre, aenio
nos ha acompanhado em tudo, tem-n'o feito toda-
via, em algurna cous, demonstrando asaim que
nao partidario a ponto de obscarecer a verdade.
(Apotados/
Creio que S. Baastuca** eon veste tdodie que-nio
! oJve de nossa 'paMe n Mor inteutoae dweoa
sideral-o. (ApaMBbs, sstuio osan).
O Sr. RcgaBtsra *a>(aSr. faresiAentc,
fui en quem levasssau a-asare ao ver qw V. Exc.
paaaava a cudeisa da paaadeasia ao .uabre Sr. I'
vice-presidente, o laassoceaUegauo r. vjaario Au-
gusto Frauklin.
Pareceu-me vern*retesadaaieW. Ere. urna, eer-
ta manobra para traitiliaar o voto sempre inde
pendente desae nosao amigo.
Eutio quis oppor urna contra manobra, e reti-
r -me com oa tn-us amigos conservadores e libe-
raos para que dexaase de haver numero para vo -
t*r-ae, pois eu nao quera quo o nobre deputado o
Sr. Augusto Prankliu fieasse privado do direito de
dar o sen voto s emendas do orcamento. "Nesae
acto noaso, portanto, nao bou ve o mnimo pnen-
me oto de desconsiderar o nobre Sr. 1 vio-presi-
dente, a quem todos nos respetamos ; ao contra-
lio e se pie ver uelle urna prova de considera -
cao, que qmzeraos dar a elle.
Era eata explioacio, que me compria dar.
O 8r. Presidente Creio, que depoia di.saoo oc-
bre depatado fiea aatiafeito; assim como faco sen-
tir asaembla que n;io me retirei por manobra.
O Sr. Regueira CostaEu nao affirmei; diase
que me tinha parecido isao.
O Sr. Ferreira Jacobina -(Nio deval-
veu o. seu discurso.)
O Sr: Ausanto Franklin diz que vis-
ta das expILacr s dadas pelos nobrrs deputado
que acabavam de oceupar a tribuna, pede a S.
Exc. o Sr. presidente que consulte a casa so con
sent na retirada do seu requerimiento.
E' retirado o requerimeuto.
Contnuatn \ otaca) de emendas, votain-s- no-
minalmentc as seguinte :
N. 114, 2 pare a requerimento do Sr. Jos Ma
ria pronuneiando-se a favor os Srs.: Costa R-
beiro, Jos liara, Bario de Itapissuma, /iaconde
de Tabatinga, Rogoberto, An ir Das, Barros Bar-
reto Jnior, Lourenco de S, Joo de Oliveira, Re-
gueira Costa, Juvencio Mariz, Sophronio Portel -
la, I'raxadi'8 Pitanga, Birlo de Caiar e Solomo
de Mello, (15] ; e contra oa Srs.: Reg Bir.oa,
Ferreisa Velloso, Joao de S, Julio de Barros,
Soares de Ainorim, Hercalano Bandeira, Unta
Gomes. Domingues da Silva, Ratis e Sil -a, Coe
ho de Maraes, Luiz de Andrada, Ferreira Jaco-
bina, Rodrigues Porto, Ciustantino de Albuquer-
que, Antonio Vctor, Augusto Franku, Joio Al
ves e Gomes Prente (18).
N. 89 (a requerimento do Sr. R -gueira Costa) :
Votam a favor os Srs. : Ferreira Velloso, Rg)
Barros, Julio de Barroa, Viseonie de Tabatinga,
Soares de Amcrim, Herculano Bandeira, Costa
Gomes, Domingues da >ilva, Barbs Barreto J-
nior, Coelho de Moraes, Joio de Oliveira, Rodri-
gues Porto, Ccnstantno de Albuquerque, Sopbro
nio Po.tella, Autouio Victor, Joo Al ves, Gomes
Prente e Luiz de Andrada (18) ; e contra os Srs:
Costa Ribeiro, Jos Maria, Joo de S, I5.ir.iu de
Itaoissuma, Rogoberlo, Andr Das, Ratis e til-
vo, Lourenco de S, K igneira O sta, Ferreira Ja-
cobina, Juvencio Mariz, Augusto Frauklin, Pr-
xedes Pitanga, Bario do Caiar e Solomo de Mel-
lo (15).
. 90 l' parte (a requerimento do Sr. Reguei-
ra Costa):
Votam a favor os Srs.: Rugo Barroa, Ferreira
Velloso, Julio de Barros, Vacende de Tabatinga,
Soares de Amorim, Herculano Ra ideira, Costa
Gj ne*, Domingues da Suva, RitW e Silva, Bar
ro Barreto Jnior, Coelho de Moraes, Joo de
Oliveira, Luiz de Andrada, Rodrigues Porto, Coas
tantino de Albuquerque, --opbrouio Porteila, An-
tonio Victor, Joo Alves e Gomes Prente (19) ; e
contra os Srs : Costa Ribeiro, Joo de Si, Jos
Mara, Bario de Itapissuma, Rogoberto, Andr
Das, Lourenco de Si, R -gueira Costa, Ferreira
Joeobina, Juvencio Miriz, Augusto Frauklin, Pra
xedes Pitanga, Buio ue Caiar e Solomo de Mel-
lo (14.)
N. 90. 2\'partc ( requerimento do Sr.,Regueira
Costa.)
Votam a favor os Srs.: Reg Barros, Ferreira
Velloso, Julio de Barros, Visconde de Tabatinga,
Soares de Amorim, Herculano Baudeira, Costa Go-
mes, Barros Barreto Jnior, Coelho de Moraes,
Joio de Oliveira, Luiz de Andrada, Rodrigues
Porto, Constantino de Albuquerque, Sophronio Por-
teila, Antonio Victor, Augusto Frauklin, Joao Al-
ves e Gomes Prente, (20); e contra os Srs. :
Costa Ribeiro, Jos Mari, Jao de S4, Bario de
Itapissuma, Rogoberto, Andr Dias, L>urenc> de
S, R-gueira Cost*, Ferreira Jacobina, Juvencio
Mariz, Prxedes Pitanga, Bario de Caiar e SoL-
nio de Mello, (13).
S. 88. (A' requerimento do Sr. Regueira Costa.)
Votam a favor, os Srs. : Rugo Barros, Ferreira
Velloso, Julio Je Barras, Viaeoude de Tabatinga,
Soares de Amorim, Herculano Bandeira, Costa
Gomes, Domingues da Silva, Barros Barret) Ju
nior, Coelho de Moraes, Jio de Oliveira, Luis de
Andrada, Rodrigue Porto, Constantino de Albu-
querque, Sophronio Portel,:), An'o io Victor. Joo
Alvise Gomia Prente, (18); e contra, os Srs :
Costa Ribeiro, Jos Mara, Joo de S, Bario de
Itapiasuma, Rogoberto, Andr Dias, Ratis e Silva,
Lourenco de S, Regueira Costo, Ferreira Jaco-
bina, Juvencio Mariz, Augusto Frnnklin, Prxe-
des Pitanga, Bario de Caiar e Solonio de Mello,
. 141. (A' requerimento do Sr. Jos Mara).
Vctam a t*vor os SVs. Costa Rib-ro, Jos .Ma
r'a, Bario de Itapissuma, Visconde de Tabatinga,
Soares de Amorim, Rogoberto, Costa Gomes, An-
Dias, Barros Barreto Jnior, Joo de Oliveira, Re-
gueira Costa, Sophronio Porteila, Bario de Caiar
e Solomo de Me.! (14) ; e contra, os Srs : Reg
Barroa, Ferreira Velloso. Joo de S, Julio de
Barros, Her-nlano Bandeira, Domingues da Silva,
Lourenfo de SA, Coelho de Raes, Luiz de An-
drada, Ferreira Jacobina, Rodrigues Porto, Juven-
cio Mariz, Gaostentme de Albuquerque, Antonio
Victor, Augusto Frankn, Prxedes'Pitanga, Joio
Alves e Gomes Prente, (19).
S. 151. (A1 requerimento do Sr. Jos Mara.)
Votam a favor, os Srs.: Jos Mara, Bario de
Itapissuma, Visconde de Tabatinga, Soai
Aav;riin, Co>ta (lomes, Andr Das, Barras B ir-
reto Jnior, Joo de Oliveira, Reducir C>sta, Ba-
rio de Caiar e Solomo de Mello, (11) ; e contra,
08 Srs.: Costa Ribeiro, Reg itrros, Ferreira
Velloso, Joio de Si, Julio de Barros, Herculano
Bandeira, Rogoberto, Dominguas da Silva, Ratis
e Silva, Lourenco de S, Celho de Moraes, Litis
de Andrada, Ferreira Jacobina, Rodrigues Porto,
Juvencio Mariz, Constantino de Albuquerque, So-
phronio Porteila, Antonio Victor, Augusto Frau-
klin, Prxedes Pitauga, Joo Alves e Gomes Pa-
rete, (22).
N. 77. Ultima parte ( requerimento do Sr.
Jos Marn).
Votam a favor, os Srs.: Reg Barrjp, Ferreira
Velloso, Visconde de Tabatinga, Soares de Amo-
rim, Herculano Bandeira, Costa Gomes, Barroi
Barreto Jnior, Joio de Oliveira, Luiz de An-
drada e Constantino de Albuquerque, (10); e
contra, os Srs.: Costa Ribsiro, Jos Maria,
de S, Bario de Itapissunia, Julio de Barros, Ro
goberto, Domingues da Silva, Andr Dias, Ruis
e Silva, Lourenco de S, Coelho de Moraes, Re
gneira C .sta, Ferreira Jacobina, Rodrigues Porte,
Juvencio Mariz, Sophronio Porteila, Antcuio Vic-
tor, Augusto Fianklin, Prxedes Pitanga, Joao
Alves, Gomes Prente, Baro de Caiar e Solomo
de Mello, (23).
N. 87. 1 parte ( requerimento do Sr. Juvencio
Mariz.)
Votam a favor, os Srs.: Reg Barros, Ferreira
Velloso, Julio de Barres, Visconde de Tabatinga
Soares de Amorim, Herculano Bandeira, Costa Go-
mes, Domingues da Silva, Barros Barreto Jnior,
Coelho de Moraes, Joio de Oliveira, Luiz de An-
drada, Rodrigues Porto, Constantino de Albu-
querque, Sophrouio-Portella, Antonio Victor e Go-
mes Prente, (17) ; e contra, os Srs.: Costa Ri-
beiro, Jos Maria, Joio da S, Baro de Itapissu-
ma, Rogoberto, Andr Jias, Ratis Silva, Lxi-
renco de S, Regueira Costa, Ferreira Jacobina,
Juvencio Mariz, Augusto Frauklin, Prxedes Pi-
tanga, Joo Alves, Bario de Caiar e Solonio de
Mello, (16).
O Sr. Jone Mara (pela ordem)Preciso
q*e V. Exc., Sr. presidente, me informe se a mesa
requieitou forca, pois que na ante-sala se acha
fardado o Sr. commaodante da guarda cvica com
um outro official, e existe as immediacdes d'asW
edificio grande numero de soldados. Nos estamos
sitiados. E' urna verdadeira coaccio esta, e eo
nio oa representante da provincia para vetar
alvtre de
d'este modo. Se V. Exc nio tomar o
fa*er sabir .. empandante da g-ard* mea a to-
da essa soldadesca, eu me retirare d este re
cinto.
V. Exc. resolva. i _.
O Sr. Presidente-O nobre deputado per-
mita que eu Ihe d urna explicacio ?
0 Sr. Jos MariaPois nao.
O Sr Presidente Quaado se votava as emen-
das do orea-nenio, comecaram as galenas a mani-
fesUrem.afc^p'fflto de interromperemas nosaoKjsja-
.albos eiavenesmo,,um certo .principio c*
_ to Aiasesa.iSn, paia, fi* umaeawnumcaefaw
Si.cheeoieaelieia, .veatando ,oiaecorridojpBH
vitar o mmmiito a-sta AssemUea. ____
'Pi-oced4NaWirporqae enand rr mais araj
Mote prevenir qualejaer attaaiado, do flae;tet|
asiio.ae stasantal-o. A ra isb!ica,isisianJ
Msn sa.natr ataetroaiaaa gataeias^aem nattoedi-i
fioo, o u Assmia |>da.ctMar^a fu""""na5
Mgularmsnte, ae o nobre deptadoMo se oitssasJ
se arrebatar por apprehenses que nenhumi pro-
cedencia teem. Quanto ao Sr. commandante da
guarda cvica, coovm declarar que este fiocs*-
naro tem por diversas vezes estado na ante sala
e ntnhura reparo merecen por parte de. S. Exc.
O r. Andr iia (Nio devolv o seu
discurso).
O Sr. Regueira Coila-(Nio devolveu o
seu discurso).
O Sr. Perrelra Jacobina(Sao devol-
veu o seu diseurso).
O Sr. Barra Barretto Jnior (1 se-
cretario)Bem sci, Sr. presidente, quenas recia
maces que os nibres deputados acabam ^de fazer
ba muita eousa de exagerado (apaiado3, nio apoia-
dos e apartes).
Ss. Exce. jujgam-sa sitiados pela forca oubliea,
quando entretanto eu os vejo'Jrodeados pelo povo
livr, tio livre como nos. (Apartes, sussurro).
Sr. presidente, nio coraprehendo e nem mesrao
imagino qua tiestas cadeiras oe aasente algum de-
putado capiz de ser consideradj coacto por estar
na proximidad': do edificio um batalhio inteiro,
quanto maia 4 ou 5 soldados da guarda cvica.
(Continuara os apartes eo suaaurro. O Sr. pre-
sidente reclama attencl> e ordem).
Sr. presidente, ao c mecar a sessio, das gale-
nas, esquecidas um piuco do respeito que devem
aos representantes do povo, proromperam em gritos
(ipartes) e chegou mesmo o desrespeito ao ponto
de atirarem alguna seixos ou couaa que os valha
sobre a mesa da Asaembla. (Apartes, 8U3surro).
Pois bem, a mesa sjtendeu que era d> seu de-
ver recorrer a autoridade competente e pedir ga-
rantas nio para ai, mas para todos os Srs. depu
tados. (Augmentamos apartes e o sussurro}.
Diiig urna car'.a ao digno chefe de polica di-
zendo Ine que as galeras tinham desrespeitado es-
ta Asaembla e que en neccssario lser com que
ellas nio interviessem as nosaaa discussoes).
(Gran le numero da apartesjjno deixam o ora-
dor concluir. Crescendo o sussurro e tornando se
tumultuaria a aesalo. o Sr. presidente suspende a).
Pasaalos 10 minutos reabre-ae a sessio.
O-Sr. Joa Maria (Nio devolveu o seu
disenren).
Reconhecendo se nao haver numero para conti-
nuar a votacoj o Sr. presidente levanta a sessio,
designando a seguinte
ORDEM DO DA
1 2a partes : ontinuaco da antecedente.
isaemala ProvincialNao houvo bou-
tem fiosai >, p ir terem comparecido apenas 19 Srs.
deputadoa.
A reuniio foi presidida pelo Exm.'Sr. Dr. Jos
Mano-I de Barros Wanderley.
O Sr. Io secretario procedeu leitura do se-
guinte expediente :
Um officio do secretario do governo eommuni-
cando haver o Exm. Sr. vce-presidento da pro-
vinea prorogado a actual sessio desta Assvmbla
at 9 do correte.Luetrada.
Urna peticio de Joio Rodrigues d Mour, ne-
gociante desta praca < eontractante do forneci-
ment de fardam-nto para o corpo d" polica,
apreaentaado doeumentos justificativos da dispo-
sicio para o orcaaaeato futuro que manda vigorar
por 2 auiKis o acto < alebrado em 13 de Abril de
1886 pelo Tbesouro Provincial.A' commissiode
orcamento provincial.
Em seguida dissolveu se a reuniio.
Fregaemla da Conceico da Ped'n
Pela presidencia da provincia toi hontetn expedido
o seguate acto :
4" S-oc'. Palacio da Presidencia da Provin-
cia de Pernambuco. em 2 de Ju h i de 1886.O
viee presidente da provincia, tendo era vista o
que represent u o Rvd. vgario da freguezia d
Nossa Senhora da Conceicio da t'edra, em officio
annexo ao que m lirigi i o Exm. Sr. hispo dioee
sano em 13 de Abril ultimo e as nformac-s pres-
tadas a respeito pela respectiva cmara e o Dr.
juiz de .lire.it > da comarca de Buique, das quaes
consta que a cadeia cu o quartel do deatacam- nto
illi existente nao estio em compartimento algum
do edificio em que funeciooa a mumcipalidade, re-
sol ve de accordo com o di aposto no art. 94 do de-
creto n. 8.213, de 13 de Agosto de 1881, determi-
nar que os eleitores da r-ierida paroeha se reo
nam para actos eleitoraes no paco da mesraa ca
mar ; ficando assnn ocrn fi -uto a portara ante-
rior na pai-teTelativa reuniio dos eleitores na
matriz il'aquella fregysia.
(Asaignad ). Ignacio Juaquimde Souza Ledo -
Elcico municipalTemas couhecimen-
to dos seguintes resultados :
VEREADORES
Olinda
Dr. Joao de S Cavalcante de Albuquerque ( )
Manocl Francisco dos fteis (O)
C Fran -sco de r'inho Borges Sobrinho (C)
Tenente Jos Nuues de Oliveira (L)
Vo a 2o escrutinio :
Epiphanio da Franca Mello (C)
Major Thonaz de Almeida Antunes (C)
Antonio Ribeiro de Albuquerque (C)
Jo.' Augusto de Mello (C(
Joaqum Cavalcante da Fouse.ea Galvo (C)
Tenente-coroncl Mauoel Diooizio Gomes do Re-
g |L)
Capito Fredenco Columbano da Silva Guima-
r>s (L)
Jas de Moraes Quedes Alcoforado (R)
Goyarma
Mathias Pinto de Abren (C)
Le. degario Correia de Oliveira (C)
Francisco Nnnes M mteiro (L)
Francisco Tavares da Rocha (L)
Leucadio Jote de Figu-ireoo (L)
Manoei Tavares Barreto (L)
Jou Antonio de Albuquerque Viegas (C)
Agnello Caetano de Medeirjs (L)
Jos Correia de Oliveira Andra-le (C)
Antero Florentino Pessoa do Mello (C)
Esto eleitos os cinco primeiros e vio a segun-
do escrutinio os immediatos em votos.
Nio houve eleico as fregut-zias de Nossa Se-
nh jra do O' e S. Lourenc > de Tejucupapo.
Serinhaem
Trajano Alves de Mendunca ((')
Severiano de Siqueira Cavalcante (C)
Dr. Honorio de tarros Wan.l. rL-y (C)
Gaspar Cavalcante Peres Campalo (C)
Tea-nte-coronel Henrique Wanderley (L)
Capito J- T. Paes de Albuque que (L)
uronoalo Cavalcante A. Ueh i (C)
i'nmeiuo Huberto Duarte (L)
Esto eleitos os seis raais votados, entrando
dous ltimos em 2 escrutinio.
Taqiuiretinga
Manoei Joaqum da mi va Curvello (C)
Manoei El ;o Dantas (C)
Pedro Ferreira Pedrosa (C)
Joj Ferreira d'Assumpco (C)
Bazilio Correia de Queirjz (C)
Joaqum Francisco de Barros (C)
Jos X ivier da Silva (C)
.dona Preta
Oiympio Firmino Teixeiru Cavalcante (C)
Auteogenes Afi'onso Ferreira (C)
Joo Machado Teixoira Cavalcante (C) '
Ficaram os oito maia votados para 2o escrutinio.
Na lista, que houtem publicamos, da eleigao ds
vereadorea do municipio do Recife, o 4o votado,
Sr. major Joio Francisco Antunes, obteve 228 vo-
tos e nio 226 como por engao ioi publicado.
JUIZ ES DE PAZ
S. Salvador da S
Tenente Manoei Joa de Castro Vilella (C)
Jos Marques Correia (C)
Tenento Jos Cari, s do liego Valenca (C)
Henrique Gibson (C)
Serinhaem
Major Joio Manoei de Mesquita Barroa Wander-
ley (C)
Capito Joa Wenceslao Afionso Regueira Pe rei-
r de Baatoa (C)
17
17
16
16
17
16
8
3
os
Capito Manoei do Reg Cavalcante (C)
Capito Pedro Afftnso Regueira Pinto de Sou-
za (C)
Taqttarettnga
Jos Francisco Barboaa da Suva Cumar (C)
Florencio Jos Roboam (C)
Manoei Corraia.de Albuquei que (C)
Francisco Goncalves Pasaos de Msria (C)
3 distneto de paz do Cabo
Joaqum Francisco de Souza Leo (C)
Joo Csayiiiliin.de Senna Tapioca (C)
BrazOkviaaaaeneiro Leo (C)
Manol*lau*sjB'Camiaha (C)
lim ratcrq alo Notario de Goyanna
"1 tllaaalu de Albuqiasrque (L)
UrindasalBalolie Albuqworqaie (L)
luliioJNaaaeiaatde Cttrmalho. (L)
Iz^iphaainriosiMitoaaBar.os (L)
**" AfmPnta
1 lstfriatn
Harcukao Frtmmti'no que (C)
Manoei da Rocha Lina (C)
Marcolino Evaruto.d* Rocha (C)
Antonio Genuin i do Reg Barros (C)
2* districto
Ismael da Cruz Gouveia (C)
"M*eiuno Jas aptitfca (C)
Joi Gaudiano de Inojesa Varejoi(C)
Alexandrino Ferreira de Luna (C)
Thealro Santa laabel-N'este theatro,
fez antc-hoatem seu beneficio a eximia actriz por-
tuguesa Lucinda Furtado Coelho, levando acea
o magnifico drama de repataes uoiveraa), intitu-
lado A Dama das Cameliado festejado e gran-
de eseriptor francez Dumas Filho.
0 acolhimsnto, sympathia e enthusiasmo que
entre nos, t-em sabido inspirar os talentos da dis-
tinoto artista, tudo permittio que sua festa arts-
tica fiase daalmais explendidas.
Enorme foi a concurrencia de dileUatui ique,
pela distineco e eacolha, puiihaa em alto relevo
a magnificencia do espectculo.
O theatro apresentava o aspecto de um vasto
iardim move lico, em que as flores erara as repre-
sentantes do bello sexo que, emavultado numero,*
ostentando aprimorado goato 6m suaa toilettes, por-
fiaram em abrilhantaro festim da arte.
A Ilustre beneficiada desempenhou o difficil
papel de protogouista, mauteudo-se sempre em
toda a altura de seu bonito talento.
E' pena, que o Armando Duval, o lonco e apai-
xonado arnaute de Margarida Gautier, nio Ihe po-
desse rvatisar em talento para que maia expleudi-
dos fossem oa seus triumphoa.
Do papel de Jorge Duval encarregou-se o lau-
reado actor Furtado Coelho, cujo nome por si s
urna credencial, que impoe ae sem commentarioa.
Os demais artistas desempenharam-se regular-
mente.
Os applausos qu* recebeu a .beneficiada foram
estrepitosos, sempre que ella viaha ao proscenio,
ao qual era repetidamente chamada, sendo cober-
ta por urna ehuva de flores nataraes e lindos ra-
ma 1 he tes.
Em auinma foi urna festa brilhante, que deve
ter enchd) de juito desvanecmentoa grande
actriz.
Acto de loueuraAnte-hontem, no lugar
denominado S. Braz, do districto de Apipucos,
2 horis da tarde, ferio a com urna tesoura, por
estar sfirendo de alienacao mental, o individuo
de nome Jos Meudes Torrea.
O offendido foi recolhido ao hospital Pedro II
para ser pensado.
rei'imeulo Na madrugada dodia 25 do
mez prximo paseado, no lugar Acude, de Apipu-
cos, foi o individuo de nome Antonio Severino
Marques ferido por u.a tiro de bancamartc, dis-
parado por Joa Malaquiaa Carneiro.
A autoridade local mandou recelher o offendido
ao hospital Pedro II, e procedeudo a diligencias
polciaes verifieou ser casual o facto.
l'erimculo graveNo termo da Glora
de Goit, no da 29 de mez ultimo, travaram-se
de razoes Manoei Lauriano de Maria e Candido
J'.s Mana e, passando a vias de facto, reatiltou
sahir o ult'ino gra.emente ferido.
Contra o delinquente, que evadio-se, procede
Bo no9 termoo da le.
Memorial densa medicoNa agencia
geral de asignaturas de obras ltterarias e. acieu-
tificas, do Sr Francisco Soares Quintas, ao largo
de Saldanha Marinha n. 4 e na livraria dos Srs.
G. Laporte Se C, acham-se a amostra oa dous pri-
meiros fascculos do importante romance de Ale-
jandre Dumas, intituladoMemorias de um me-
dico.
A edicio, que feita pela empresa Iliteraria
Fluminense, excellenta4 adornada com estam-
pas finas
Jaguaribe Este vapor da Companhia Per-
namb.icana, tendo feito os reparos que oecessta-
va e depois de examinado, a requerimento da res-
pectiva companhia, pelos peritoa do Arsenal de
Mariuha, foi considerado em ptimo estado, se
iuiudo hontem mesmo tarde para os prtos do
sul at Baha.
Convento ilo Carato>Io dia 6 do cor-
ren te mez de Julho cumecar a novena da Excel-
sa Virgem do Carmo, pelas 5 horas da tarde, pre-
cedida de missa s 4 horas da manila do mesmo
la, por todos os devotos e os que costumam coad-
juvar mesma festividade.
A orchestra ser regida.pelo maestro Polycaipo
Rosa, antes e depois da novena diversas pecas se
rao executadas pela msica do 20 batalhio de in
f .utiri i; e, em concb'so, subir ao ur, durante
todas as tardes, dep-.ia da uovena, um grande ba-
lio.
D. Frcl Yilal Nao podendfl ho;e, eitavo
anniversario do fallecimnto do bispo D. Frei Vi-
tal, ser celebrada a missa por ana alma, S. Esc.
livma. o Sr. D. Jos, reaal a-ha "amanhi, s ho-
ras, na ittreja de Noaaa Senhora da Penha, no al-
tar das Dres, sob o qual se acha o eorpo d'aquel-
le finado bispo.
Peta religiosaHoj eelebra-se, na igre-
ja do Paraiso, a festa do Senhor Bom Jess das
i h-gas, cnstmido do seguinte:
A's 11 h.iraa da manbi entrar a miosa, aendo
til iaute o Revm. padre Valeriano de AHeluia
Correia e occapand a tribuna sagrada, ao Evan-
gidbo, o Revm. frei Pedro da Purificacio Paz e
P.11 va i a orchestra aera regida pelo protessor
Sabino Freir, lev.nd i a missa Natal; os solos ae-
rio cantados por outros profesaores.
A's 7 horas da noiti entrar o Te Deum, oceu-
pando uesta occaaiio a tribuna sagrada o Revm.
frei Augusto da linmaculada Conceico Alves; to-
cando nestes actos as bandas marciaes de polica
e do 2o ba'alho.
O prf'Miiiliffitatlor Fanre eSlcolay
Por se achar doente a menina Helena, ficou trans-
ferido para qunta-feira o espectculo annuneiado
pira h je, no theatro das Variedades, em beneficio
da mesraa menina.
attendido.------O Sr. Alfredidos Santos Al-
raei i a, um dos candidatos a ve reador da Cmara
Municipal u'esta cidade, pede-nos paia rectificar
umengano que se 'leu na lista, que hontem publi-
om >8 ; e qua S. S. liberal e nao conservador.
Club Dramtico Familiar.Hoj, a
11 horas rectorio d'esse club.
Par assistir ao acto sao convidados todos os
Srs. socios.
("ancata de PerolaaC m este ttulo
acaba 'le vtr pa>a oe-t iii-ieeimeoto do Sr. Vctor
Fraile, aVMflaeaor, ra do Impera ior n. 55,
urna bonita p >ika para piano, do .Sr. Misael Ro-
drigues, e que tem obtido a maior aceitaco no
Ri-i Grande to Sul, na corte e aqu, onde tem sido
txecut da p In 2" batalhio de linha.
Airra lecetnos a offerta, que nos fizeram de um
exituo'ar.
Tribuna cademicaDatribuio-ae hon-
t ii i i., i) deste b m escrpto quinzenano, pm-
priedade de urna as*'ciac/i >.
Club Acadmico Mllvlo Roaairo
Fuueei uioj este C u i no d:a 3i,' co mez de Junho
proxun p.esi.d.1, aba presid acia do Sr. Costa
Car va i h> Filho e elegeu afim de servir no corren-
te mez J; Julho a seguinte directora :
l're-i lente.J. B. da Costa Carvalho Filho (ree-
leit )
Io viee-presidente. E. A. de Caldas Brito.
2o ditaA. da Costa Panto.
3o dito. A d Paula C v.lente.
[aeeretari-----J. A Pedreira Franca (reel ito).
o dito. I. d" Oliv. ira L ite (recle.ico).
Aijuit d Io eeret 'ro. .P. Polyeneto Ribeiro.
Ilem ii.2 T- Vmira le Mello (ree etto).
Orador.Caeei in i A. Lopes (reeieito/.
V c-orauor C' Carneiro Leal Filho (reeieito).
Theauureiro.J. Dantas de Magalbea.
BibliotbecarioE. Eiteve da Silveira (reeieito).
Commisao de oyiidicnncia :
Manoei L. Ferreira Pinto (relatar).
Intioc.ncio Serpa.
J. Dautaa de Magalbea.
Finda a eleico f j, na forma .dos eatatutoa, em-
poaaada a nova directora.
j lMr*f**ef* ^e *epm*,aJbtieoDamos em seguida o mappa demonstrativo do rendimento
da A^nde^ de Pernambuco, durante o ntez de Junho de 18867eomparado com o Igual mez do
anno ae eoo. r "
OEHOMDiaCAO DAS RENDAS
Importac&o
i'DirtisjB-de consumo .
iKVttikittttiaea de 5QQ/0 .
Augoajiiiode 10%. .
Expataitvnte de 5%. .
Arnsjuaaagem
CapaJsaaia.......
Imatts de 40 % sobvefxuaao.
Despachos martimos
Imposto de phai-eea. .
Dito de dcas.....
"Exportacao
Direitos de 9%.....
dem de 7 /......
dem de 5%......
ifimor
Sello por verbas.....
Dito adhesivo.....
Imposto de ta-ansm. de 6 /, .
Extraordinaria
Multas.......
Depsitos
Deposito de diversas origens.
Contribuico de caridade
Somma.....
1886
695:1611*368
342:51Q610
68:50*135
i:^&**y93
2;4aal9
6*400
3:220*000
969*720
8:385*641
4201
21:202*466
25*000
241*000
100*000
728*046
648*168
2:705*756
1.155:138*577
1885
383:901*825
191:971*180
38:394*239
2:6*7*160
8:377*211
2:188*8471
43*8
2:880*000
989*910
5:692*121
2*688
38:255*964
70*C00|
780*000
650*tHX)
496*782
1:374/* 168
2:428*700
681:116*205
REtTR'UL
D1FFEKENCA3
Para
801:157*043
150:538*430
30:107*896
2:817*843
5:018*394
293*343
*
340*000
*
2:693*520
*
*
*
231*263
*
271*066
492:975*788
Parameos
*
*
*
*
*
*
37*420
*
*190
17:C 53*498
45*001
568*000
550*000
726*040
*
18:953*416
AQAO
DEN 3XIKACAO DAS RENDAS
Iraportaco.....
Despachos martimos
Exportaco.....
Interior......
Extraordinaria ....
Depsitos......
Total ....
1.116:912*401
4:189*720
29:588*527
366*0u0
728*045
3:353*884
1.125:138*577
627:515*872
3:849*910
43:950*773
1:500*000
496*782
3:802*868
681:116*205
489:396*529
339*810
*
*
231*263
*
489:967*602
*
*
14:362*246
1:134*000
*
448*984
15:945*230
2 seceo da Alfandega de Pernambuco, Io de Julhe de 1886.O chele, Domingos Joaqum da
Fonseoa.O eacripturario, Odilon Coelho da Suva.
Biwertimcnto em Olinda ll>e. fa-
zenio bom da, D. Mximo se exhibir pela ulti-
ma vez, no largo 0% Carmo em Onnda ; far a ce-
lebrepuchada de bois. O annuucio que vai no
lugar competente deve ser lido.
Paquete Ingles TaguaSegundo tele-
grammaa particulares recebidos da Baha, sabe se
iue foi salva este paquete, havndo entrado hon-
tem n'aquelle porto.
Um lilao de .tunoleo I. Do Jornal
dos Debates, de 25 de tlaio, extrahimos o seguinte :
< O pretendido filho de Napoteio I, que se di-
zia ter nascido em .Santa Helena, morreu ultima-
mente e foi enterrado no ceiniterio de Loue-Mouu-
lain, em S. Francisco. Eis como o World, d'aquel-
la cidade, cuita a historia d'esse singular indivi-
duo a
A governante dada pelo governo ingl z ao
monareba exilado era urna mulher de raeia idade,
anda muito aceiUvel e possuidora de bellos ca-
bellos. Napoleo, como Jpiter, no poema immor-
tal de Dryden, gravou a sua imagem no coracio
da formosa Olympia, perdida na solidio de Santa
Helena, e teve d essa mulher um filho que se pa-
reca tanto ciin elle, que teria feito corar os seus
descendentes legtimos.
Depois da morte do imperadar, a governante
deixou Santa Helena com o filho para voltar a
Lonlre?, onde deaposou um relojociro chamado
Gordon. Este adoptou o rapaz, deu-lhe oaeu nome
e ensinou-lho o aeu officio. Gordon Bonaparte foi
depoia eatabelecer-ae em Xew-London (Connect-
cut), onde nio tardou a adquirir urna siluacotol-
gada, e mais tarde urna certa influencia poltica.
as horas vagas, rediga artigos para os jor-
naes,.e escreveu prncipaloiente no B^letim, de
Norwick e no iSar de New-Londou.
Nestes ltimos tempos, retirara-ae para Sio
Franciaco onde acaba de uorrer.
Gordon Bonaparte bordara do pai grande in-
telligencia, que muto Ihe servir nos negocios, mas
tinha um carcter-taciturno e reservado e aa auas
relacoes intimas sse. es'endiam a um circulo mui-
to restricto de amigos. Era o retrato vivo do pai
natural, e as pessoas que nao coubeciam o sagrado
do aeu naseimento, ou o viam pela primeira vea,
unpieasie.navam-ae com a sua extrema aemelhan
Ca c im Napoleo I.
Uma aacennno comino trente Mr.
Glorteux, que no anno passado fez urna ascenso
em Pars, prometiendo ir cahir no ocano, at-ab mais opulenta
de elevar-se de nevo no aeu balo, naa condices
mais originaes e perigosas que. posaivel
O aerenn uta foi sorpr. hendido por urna grande
tempestade.
O balo elevra-se majestosamente, alumiado a
fogos de bengala, por debaixo da barqun a. De
repente um violento vento atirou o aereonauta
para o nordeste.
O co entreabria-se de urna forma horrvel, oa
relmpagos sucoediam-se e os trovoes ribombavam
furiosamente, parecendo a cada instante que a
frgil nacelle se desfazia.
A chuva cahia torrencialmente, encharcando oa
aereonautas.
Mr. Glorieux nio deixava a sua buaaula.
A deacida era impoasivel ; pr.feriram subir,
mis tinham s quatro saceos de areia ; era necea
aario poapal os.
Vasaratn um e o balo subi rpidamente.
Estavam a 2,0u0 metros.
Haviam atravessado a tempestada qje ruga por
debaixo do balio, emquanto que per cima resplan-
deca um co brilhante de estrellas.
Era por isso necessario desc<-r, porque do con-
trario, com a violencia da carreira que levavam,
dentro de meia hora estara sobre o mar
Lancaram para fra duas garrafas vaaias, e ou-
viram o ruido da queda em trra.
Deviam estar sobre um campo.
Neste momento um relmpago terrivel atraves-
sou o egpaCO.
O ereouauta comeeou a puxar a corda da vl-
vula. A descida faza-te com urna rapidez verti-
ginosa.
Mr. Glorieux gritou aos seus compaoheiros que
deitassem fra oa saceos de areia. Nio houve
teinp'i para isa".
O balo, impelalo pelo vento, tinha estremec-
mentos terriveis. Um choque violento fez cahir
dentro da barquinha o i tres companheiroa do ar-
tista.
A areia, sahindo dos saceos, cegava os ; a luz
apagou se ; u n trovo estalou nos espacos; o ba-
ti teve um choque violento.
Todos, meuoa Mr. rlorieux, se julgaram per-
didos.
Ao c ntrario, estavam salvos.
A ancora prendera em trra, z.y,}ta campo de
trigo.
Electricidade na aceaA elet'r.oida-
de estj representando hoje um papel importante
nos theatros de Londres, quando all> se canta o
Fausto
Na oecasio em que VIephiatophelea intervem
no duello entre Fausto u Valentim, da espada del-
le espirram faiscas elctricas todaa aa vezes que
se eucontra c in a di adversario ; easas falseas sio
pr.duzi i s por aceumu adores da a'gibeira, que os
artinlat levam comsigo.
A potta da espada de Mephiatopheles tem tal-
bem urna p-qu na l.mpada de incandescencia, por
ineio da ijiiai illumina o rosto do cadver de Va-
l.-nriin, iiastaudo para isso esteuder a espada nes-
sa direee I,
Finalmente, o chapeo de Mephiat 'phelea igual-
mente guarnecido de lampadas elctricas de diffe-
reiit.-s idies, qua o diabo i'iumina i sua vo tado
para aa.auuiir a cor que quer.
Timli.iuiiu > Em 29 do mez fiudo ercreve-
rani-n a desta villa o sQguinte:
No dia 25 do corrate abno-se a 2' sessio or-
dinaria ao jury, a 'o a presidencia do juiz de di-
reito, Dr. Luiz Ferreira Maciel Piubiro, oceu-
paudo a cadeira da promotoria publica o Dr. Pe-
dro da ( uuha Pedrosa, e servindo de eecrivo o
cidadio Saturnino Franciaco de Souza e Silva.
Foi submettido ajulgamento, no mesmo dia>
o reo Estaquilno Paulo de Lima, iucurso no art-
269 do Cod. Crim., o qual teve por patrono o Dr-
Jos Bezerra Cavalcante, sendo condemnado a 8
aunes, grao mximo do referido artigo.
No dia 26 foram julgadoa 2 procesaos, sendo
no 1' o reo Antonio Francisco Borges, conhecido
por Antonio Tambor, que foi condemnado a 4 an-
ios, grao medio do art. 269 em que estava incur-
8", haueado patrocinado a causa o Dr. Jos Be-
zerra Cavalcante ; e no 2o foram reosEpaini-
nondas Seraphim de Mello, Manoei Pequeniuo e
Domino de tal, os quaes incorreram no art. 226,
combinado com o 2* 2" do cdigo criminal; o
primeiro eamo autor e o outros como cumplices, e
foram defendidos pelo mesjio Dr-Bezerra, sendo
condemnado Epaminondaa a 6 annos e 8 mezes,
grao mximo do mesmo artigo, e oa outros abajl-
vdos.
No di i 28 eueerrou-se a seaso, tendo sido
julgadoa tambem 2processos; no primeiro foi r
Miguel Pereira di Silva, incurao no art. 269
combinado com o 6o j Io do Cod. Crim., o qual
foi absolvido por per-rapeo da cauaa, tendo sido
seu advogado o cidadio Joio Remigio d'Albuquer-
que ; o no aegundo foram julgadoa Joa Mathias
e Seraphim da tal (reos ausent-a) aendo condem-
nado a 4 annos e 8 mezes, grao mximo do art.
257, em que incorreram, nao tendo havido defez i
por terem dexado correr suas causa revelia.
Esta comarca tem [sido ltimamente aaaalta-
da p ir quadrilhas de ladroes e malfeitorea, ape-
zar da vigilancia e interease que tem tomado as
autoridades locaee em oa punir.
Ha poucos das foram ao eogenho Trea Ho-.
coa, tentaram abrir a porta da estribara, e nio"
podeodo roubar os cavados que all estavam, le-
varam 3 cancalhas que eneoutraram ao lado de
fora, as quaes gerviraui curtamente para os ani-
maea havidos em suas excurades nocturnas, pois
sio muitos os pr judcados e araim contina essa
ladroeira sem que se pocsa tomar m didas que
tendam a fazel-a desapparecer.
Consta-nos que es em c matruccao o prolon-
gauento da ferro-via de N'azareth para esta ci-
dade, aob activa direccio, c qua til vez em de-
zumbro do anuo prximo (18871 eai.eja aberta ao
transito at importante estaco da Caiieira.
* Se assim aacceder, nio ha duvida que Tira-
b ba vira a ser muito breve a cidade central
desta provincia e o emporio de
maior commerco, mxime se baixarem un 20
por cento da actual tanta que regula a mesma
estrada. E' indiscriptivel a aitisfacao que cau-
sn a toda esta populacio tio lisongeira noticia,
t s cram p-rque pessoas fidedignas j viram
o trabalho comecado em Nazareth e effectiva-
mente prasegue-a com animacio.
E' doloroso ver-se a situacio em que se
acham es detentes na pbssilga, a que dio o nome
de cadeia, nesta cidade. J por diversas vezes
nos temos oceupado deste assumpto, appellando
para a8 autoridades superiores, e sobretudo pa-
ra os representantes deste iistricto na Asaembla
Provincial, e neuhuma providencia tem havido
emordein a mt-lhorar u sorte deasea infelizes, que
acotrentados todos em um apertado e mmundo
quarto, na casa da Cmara Municipal, all vivem
amarellos, macilentos, e maii para a morte do
que para a vida Nao ha outra casa para onde
se posaam rec dber, e anda meamo que haja al-
gum* que melhor ae preste para tal tiui, o aeu
proprietario nao se dispor a alugal-a ; no entre
tanto o mal contina irremediavel at que o go-
verno ro3olva-se ou a edificar urna cadeia, ou, em
falta, a comprar um predio que sirva, ao menos,
provisoriamente.
< At outra vez. >
LelloeM*Effcctuar-se-hio:
Amanhi :
Pelo agente Brito, a 10 e 1/2 horas, na ra do
Rangel n. 48, de dividas.
Pelo agente Pinto, a 11 horas, no caes da Com-
panhia Pemambucana, de 78 barricas com cimento
aVariado.
Pelo agente Modesto Baptista, s 11 horas, na
ra do Imperador n. 75, de diversos movis e
baid com carneiro para in- nios.
Terca-fera :
Pelo agente Pinto, s 10 e 1/2 horas, na ra do
B ir o da Victoria n. 54, de movis, louca e v-
dros.
Pelo agente Modesto Baptista, s 11 horas, na
i ta d i Imperador n. 75, de predios.
Pelo agente Brito, s 10 e 1/2 horas, na ra do
Kan el n 48, de armaco, mudezas e f.izendas
na m'-sma ca-a.
"elo agente Gusm&o. a 11 horas, na ra do
Bom Jess ti. 49, de movis.
Quarta-feira :
PeZo agente into, a 11 horaa, na ra do Bom
Jess n. 13, de fazendas, mudezas etc.
t'e o agente i'into, s 10 1/2 horas, na ra do
M irqaj.es d- Olinda n. 6, de fazendas, mudezas e
ferrag na.
PeZc agen'e Pestaa, as 11 horas, na ra do
Bom Jess u. 23, do hotel Dous Amigos.
HiNian funenre.Serio celebradas :
Amauna :
A'a 9 ho'.8, na matriz de Gravat, pir alma de
Henrique Bezerr.. do Reg Barros; s 7 e 1/2 ho-
raa, na matriz da Boa-Vista, por alma de D. Ade-
laida de viatto Leinoa ; a 7 horaa, na igreja da
Penha, por alma de D. Galdina Barbasa de Fa-
rias ; s 7 e 1/2 boraa, no Convent i do Carmo, por
alma de I). Balbina Calheiros da Grnca.
Quarta-feira :
A'a 7 1/2 horas, na igreja de S. Pedro do Re-
cife, p ir aima do monsenhor Jos Joaqum a-
uiellj de Audrade; a 7 horas, na igreja do Pa-
raiao, por alma de Edizio Franciaco da Fonseca
B trrosu.
Paaaagelroa Chegados doa portoa do nor-
te no vapor nacional Baha :
Dr. Temstocles A. de Figueiredo, Jos Espe-
ranza, Antonio Diniz, Joo Baptista Siqueira,
Faustino Joaquim de Silva, Jos Lucio de Alen-
cir, piloto A. Nebbok e 3 nufragos, Jobn Cord-
mer, Daniel da Coato Cordeiro, Joa Leandro Ba
raney, M noel da Costa Coimbra, 2 filhoa e 1 cri*:
da, Octaviano A. de Magalhes, Antonio Augus-
to de Magaihea, 1 cabo de esqnadra e 1 desertor
do 14 batalhio.
dperaeaea cts-ur*;icaaForam pratica-
das no hospital Ped II, no dia 1 de Julho,
as seguintes :
Pelo Dr. Berardo:
Enucleacio do olho direito indicada por oph'al-
inia aympatica e atrophia do globo oceular.
Kerotomia do olho direito reclamada por hypo-
pio de causa traumtica.
Foram praticadas no dia 3:
'Pelo Dr. Malaquias :
Arenotacio da phalangeta do dedo annular de
p esquerdo reclamada por nesroae do osso.
Poathotomia palo Utermo cauterio, reclamada
por phymosis-e cancros.
Urethrotomia interna pelo procesaa de Maisou-
ncuve, indicada por atresia do meato e eatreita-
mento da uretra.
Pelo Dr. Berardo:
Enucleacio do olho esquerdo pelo procesao da
Bouet, indicada por ophtalmia aympatbica.
Cana de Detencao Movimento doa pre-
soa no dia 2 de Julho :
Exiatiam presos 296, entrn 1, sab-am 6, exis-
ten 289.
A saber:
Nacionaes 256, mulheres 3, estrangeiros 10, es-
cravos sentenciados 6. procesaados 5, ditoa de cor-
receo 9.Total 289.
Arracoados 268, sendo : bons 269, doentes 9
Total 268.
Movimento da enfermara :
Teve bana:
" Pedro Celestino da Cunha.
Tiveram alta t
Ignacio Ferreira dos Santos, e Antono Jos de
M&galhiea.
Lo I oria da cortePor telegramma recei-
do pela Casa da Fortuna, sabe-ae terem sido eates
os. nmeros premiados da 2* parte da lotera 364*
extrahida no dia 2 de Julho :
1.958 100:000*000
3.092 20:100*000
12.722 1:0000*000
Lotera do RioA 1* parte da lotera
n. 198, do nevo plano, do premio de 100:000*000,
aera extrahida no dia 8 do corrate.
Oa blhetea acham-Be venda na Caaa da For-
tuna ra Primeiro de Marco.
Tambem acham ae venda na praca da Inde-
pendencia na. 37 e 39.
Lotera de Macelo de 20O:00OOOO
A 15" parte da 12 olera, cujo premio grande
de 2(?0:000*000, pela novo pin no, ser extrahi-
da impreterivelmente no dia 6 de Julho a 11 ho-
ras da manhi.
llhetes venda na Casa Feliz da praca da In-
dependencia ns 37 e 39.
Lotera Kxtraordiarla do Vpiran-
ara O 4. e uleimo sorteio das 4. e 5. series
d sta importante lotera, cujo major dretnio de
150:000*000, eer extrahida a 14 pe Agosto^-
ximo.
Aobam-se exposto venda os trastos doa bi-
Ihetes na Casa da Fortuna rua Primeiro de Mar-
co n. 23.
Lotera da provnolaQuinta feira, 8
de Julho, se extrahir a lotera n. 62, em be-
neficio da Santa Casa de Misericordia do Re-
cife.
No consistorio da igreja de Nosaa Senhora da
Conceico doa Militares, ae achario expoutas as
urnas e aa espheras, arrumadas em ordem num-
rica aoreciacodo publico.
Matndouro PublicoForam abatidas nt
Matadouro da Cabanga 96 rezea para o consuma
do da 4 de Julho.
Sendo: 79 rezea pertencentes a Oliveira Castro
i& O, e 15 a dveraoa.
Mercado Municipal de S. foO
movimento deste Mercado nos das 3 do corrate,
fot o seguinte :
Entraram :
27 bus pesando 3,412 kilos.
652 kilos de peixe a 20 res
61 cargas de farinha a 200 ria
31 ditas de fructaa diversas a 300
rea
11 taboleroa a 200 rea
18 Suni'S a200rcis
Foram oceupadoa :
24 columna8 a 600 rea
25 compartimentos de frinba a
500 ria.
24 compartimentos de comida a
500 rea
67 ditoa de legumea a 400 ria
16 compartimentos de suino a 700
rea
12 ditoa de treaaaras 600 res
12 ditos de ditos a 2*
A Oliveira Castro & C.:
2 talhoa a 500 res
54 talhos de carne verde a lf

13*040
12*20
9*50
2*200
3*600
14*400
12*500
12*&00
26*80*
11*200
7*200
24*000
1*00*
54*000
-y
Deve ter sido arrecadada nestes dias
a quantade 203J440
Precos do dia :
Carne verde a 400 res o kilos,
S i o- a 500e 580 ris idem.
Carneiro de 640 a 800 res idem.
t'ariuh. de 400 a 280 rea a cuia.
Milho de 280 a 320 ris idem.
Feijo da 600 a 1*280.
Cemiterio publico. Obituario do dia 1*
de Julho :
Hilaria Apolinaria Monteiro, Pernambuco, 34
annos, casad.., Graca ; metro peritonite.
Edizio Fraucisco da Fonseca Barroso, Pernam-
buco, 28 annos, soltciro, Recite ; tubrculos pul-
monares.
Bernardo Joa da Silva, Pernambuco, 35 annos,
aolteiro, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Eduardo Bslmiro dos S.ntos, Pernambuco, [3i
acnos, solteirn, Boa-Vista ; bronchites.
Maria Joaquina da Conceico, Pernambuco, M
annos, solteira, Boa-Vsta ; tubercjloa pulmona-
res.
Rita Maria dos Pruzeres, Pernambuco. 70 an-
nos, solteira, Boa-Vista ; eongestao h-y tica.
Ermeliuda Ernestina Ferreira Lima, ernam-
buco, 38 annos, aolteira, Santo Antonio ; alcoolis-
n.
Marcelina da Conceico, frica, 65 annos, San-
to Antonio ; marasmo senil.
Maria, Pernambuco, Graca ao nascer.
2
Um feto, Pernambuco, Boa-Vista; na^ceumorto.
Maria Francisca das Chagas, Pernambuco, 20
annos, solteira, Boa Vista; bronchites.
Zulmira, Pernambuco, 3 mezei, Boa-Vista ; en-
tente aguda.
Mantel Joaqum Ramos, Alagas, 90 annos,
viuvo, Boa-Vista ; paralysia geral..
Cypriano Barros, Pernambuco, 64 annos, sol-
t'iro, Boa Vista; lesio cardiaca.
Julio, Pernambuco, 50 das, Boa-Vista ; ente-
rite.
Julio, Pernambuco, 3 anuos. Boa-Vista ; ente-
nte.
Joanna Maria Pereira do Reg, Pernambuco,
62 annos. viuva, S. Jos; tubrculos pulmonares.
Gregorio, frica, 70 anuos, solte.ro, Recife ;
hydrotnorax.
Jos, Pernambuco, 3 mezes, S. Jos ; gastro en-
tente.
Emilia Maria d'Annunciacio, Pernambuco, 56
annos, casada, S. Jos ; erysipela.
Maria, Pernambuco, 3 mezes, Boa-Vista ; con-
VUlsOeS.
Luiza, Pernambuco, 4 mezes, S. Jos; espasmo.
INDICARES DTEIS
Medicon
Consultorio mediro-clrarglco do Dr.
Pedro de Attabyde Lobo Hoscoso A
ra da loria n. 39.
O doutor Moscozo d consultas todos os
lias atis, das 7 s 10 horas da manhS'
Este consultorio offerece a commodida
le de poder cada doente ser ouvido e er*--
uinado, sem ser presenciado por auto-
De meio dia s 3 horas da tarde ser o
Dr. Mobcozo encontrado no trrelo pra-
ja do Commercio, onde funcciona a ias-
peccSo de sade do porto. Para qualquer
d'estes dous pontos podero ser dirigidos
os chamados por carta as indicadas horaa.
O Dr. Artkur Inbassahy, medico oceu-
lista, recentemente chegado, esta cidade,
d consultas todas os dias, das 8 s 10


l -- -
Diario de Pqnumbnco- IkHJngo 4 de Julho de 1886
1
m*

horas da manha, sendo gratis aos pobres,
i no 1. aguardo predio n. 53 da ra da Im-
pera triz.
Cnnallorlu allopatteo d*sln>e(rloo
Dr. Miguel 'Dientudo d consultas das
12- 3 da tarde em sea consultorio ra
do Bario da Victoria a. 7, L* andar.
Chamados por escripto a qualquer hora.
Especialidades paitos, febres^ sypbits,
molestia do pulrnuo e do eoraco.
Dr. Lopp* Pessoa Medico.Residen-
cia a raa d Di Pedro I n. 2, onde pode
ser procurado at as 9 horas da maaba.
Consultorio ra do Bom-Jess n. 37 1.
andar. D consultas das 11 s 2 da tar-
de. Qratis aos pobres.
Dr. Barreta ampaio >i coasultas de 4
s 4 hois Ja tar.le, ra d Barao d
Victoria n. 45, 2. andar, residencia ra
do Riachuelo n. 17, canto da ra do Pires.
Dr. Guia Lobo, medico operador e par-
teiro, reside ra do Hospicio n. 20, onde
podo ser procurado qualquer hora do dia
ou di noite. Consultas : de 1 s 3 horas
da tarde. Especialidade : molestias e ope-
rafoes dos orgaos genitourinarios do ho-
mem e da mulher.
A ti togado
O bachard Benjamim Bandeira, ra do
Imperador n. 73, 1. aDdar.
Dr. Seabra. Mudou seu escripto de advo-
gacia para a ra do Imperador n. 24.
rogarla
Francisco Manod da Silva <5k C tono
sitarios de todas as especialidades pharn
ceutieas, tintas, drogas, productos chimico
e medicamentos homoeopaticos, ra do Mr-
quez de Olinda n 23.
Serrarla a Vapor
Serrara a vapor e officina de car apio
de Francisco dos antos Maoedo, caes de
Capibaribe n. 28. N'esto grande estaba e
cimento, o primeiro da provincia n'oste ge-
nero, compra-se e vende-se madeiras de
todas as qualidades/ serra-se madeiras de
conta alheia, assim como se preparam obrar
de c.irapira por machina e por precos seos
comr">,on,-'a-
i .ooo-.ooo &oo<>
Os bilhetes desta importante lotera de
tres sorteios, que corre no da 8 de julho,
acham-se venda na Roda da Fortuna
^u i Larga do Rosario n. 36 e ra do Ca-
#*" L__________________
riBLKJ4C0ES A PEDIDO
i
\
, I
Rio Grande do Norte
PARA S. M. O IMPERADOR VER E PRO-
VIDENCIAR
Consta que ser nomeado conego, e commenda-
dor do habito de Christo o vigariu da Macahyba,
Manoel Ferniindt Lustosa Luna, que actualmente
se acha na o:te, exereendo o emprego de capellao
no Asylo do Dcsen.rauo.
Nao conheeemos os servicos de S. Rvdm., que
di lagar tanta honrara de urna b ve*, salvo se
em to pouco tempo, que se acha na cite, j ter
adquirido servidos, que fa?am js a fio grandes re-
compensa s do govenio geral; ou ser por ventura
os servicos prestados com a reconstruccio da casa
de instruccao da vill da Macahyba ?
Se assim devemos prevenir e esclarecer a"
gsverno geral, que dita casa foi reconstruida, con
eorrendo com melado das di spesas o cidadao An-
tonio Olintho Barbalho, residente n'aquella villa,
para de aecordo offerecerera a provincia ; mas S.
Rrdm.t. abusando da boa d'aquelle distincto
oidndao, momentos ante* de partir para a corte
fe* offerecimento por si s da referida casa ao
presidente da provincia, querendo assim ter js a
grandes recompensas e passai por um grande pa-
triota.
Nio queremos amcsquinhar os senfimentos de
philan'ropia do Sr. vigario Fernauao; mas S.
Rvdina. nao tinha coragera de p r si t reconstruir
a casa de instruccao de >Sacahyba, c offertal-a ao
governo, para o fazer foi preciso recorrer ao va-
lioso auxilio do generoso cidadao Antonio Olintho
Baroalbo.
Est pois na conscencia de toda Macahyba,
presidente, da provincia e director da inst'UC(o
publica, de quo o Sr. vigario nao fez s s suas
expensas a recoustruc ;o do casa de instruccao da
Macahyba.
O Rvdm. vigario Fernando tem mais servicos, e
sao o -ter deixado a freguezia, pedindo licenca de
tres mezes, veocendo axongrua, e enganjar-se na
corte no Asylj do Desengao, como capellao, e
agora nos consta ter obtido urna outra licenot de
gm auno, dando a as m prejuiso ao cofres pblicos,
e religiio.
Ser noreste ultimo, queS. Kvdma.espera meias
encarnadas c coudecoraooea ?
(Explicado assim o facto chamamos a attencao do
governo geral afir. dd ficarem os servicos de S.
Kvdma. condecidos.
Natal, 1.* de Julho de 1886.
* # *
gThealro Santa Isabel
~ Pedimos a empresa Braga Jnior o obsequio de
levar a stena no ultimo espectculo o esplendido
drama Da lila, poia queremos anda urna vec apre-
ciar o mrito da grande artista Lucinda Furtado
Co.ho e o notavel actor Furtado Oofiho.
Rente, 3 de Julho de 1886.
Diversos admiradores,
Barrelro/, 93 de limbo
Exm. e Rvi. Sr. bispo.Como pai de familia, e
oftendiuo, venho, pela, impreosa, denunciar a V
Exc. ao padre Christovio do Reg Barros, actual-
mente vigario da freguezia de Baireiros; e pria-
cipio a minha exposiyao desde que eUe estove em
Agua -Preta : V. Exc. attenda-me.
O Sr. padre Chrittovo, quando vigario em
Agua Prota, requestou e aeduzo urna minha filha,
entai de menor idade, aproveitindo se de sempre
andar -y. por tora de casa, occu^ado em meu ser-
rico di. pedreiro.
Para inelhor facilitar os seu3 intentos perversos,
elle couvidava miuba familia para a sua casa, afim
de tuser c impauhia a saa mai, que eslava ento
com elle, seuhora velha e doente. e exiga que mi-
nha iufeliz fiha passasse semanas em conviven-
cia com as manas e sobrinha delle padre, quando
ahi estava, miras veaes ene a levswra para os
engenli i-, do pai >,u du man:i vmva, onda passava
bem tempo.
O da do encapa e por fim deseucapa; esta mfe-
lia foi mai ; foi esta circumstancia a que rasgou o
Teo a tanta hypocrisia! a tauta potervia !!
Do expost pode dar testemuoho o seu proprio
pai; que velho e honrado, poudoaoroso e chtfe de
familia, como e conhecundo de outras martas
band^llieiras dest-^ tilho deuatnrjdo, nao ne:;ar
a verdade V. Exc. ; aim o conceito do que at
boje tin zosado este anciao respeitavel, inspira
me tal cjunanca que nio4hesito em appellar para
o sen testemuuliu, cmbora seja contra seu proprio
filha
Agora o que fazer?!!
Butao prcurou reparar o mal, tomando a me
nina qno tem sido creada fra d sua casa e ca-
sando a mIi, para o que tomou aquellec'lebre
eonto de reis ao Bario de Sauto Auur, quantia
estanque muis tardo este doau a matiiz,desia vill-.
e de que Ihe passou recibo, dizendo dttpois q/ue o
tinha paado ein conian9i, e nao reeebera oem
ddI!!!
J^muito cynismo!!
Quando foi removido para a fre^ern de Un i,
ektav ea tamueio de muda par* e.-ta villa, air-b
tado pelo iucrewento que a edificacio aqu t'.uha
tomado, e onde cornou-se patente a daaoor de
miaba filha.
J removido para Una, achavu-so <-We no -n-
genho Roncadoninho, de que seu pai r*nieiro.
quando por ahi passou urna mulher residente em
^aa-Preta, e ella mandoua snrrar barbaramsnte
ponqu rata nao consenta que suas filhaa Iho fre-
queutassem a sua casa, nein que elle lhe encra-
saate os Dtenles; eis o-settcnm !!.'
D'este facto seu pai tem itrteiro conhecimento,
assim etmo o seu visinbo o teneote-coronel J"**
Pelippe Santiago Ramos, que ento era delegado
de polica e a quem a victima foi queixar-se.
Nao analysaref miodamento sua vida na fre-
gieziadeUna: citarei apenas dous tactos.
Comprometteu urna pobre moca, que ah era
profeasora, a ponto d'esta perder a cadeira : digo
-ootnprometteu para a >o usar de outra expres-
so menos decente. Oaca V. Exc. o inspector da
iostrucffto pnblica.
Mese* depois ai'stou no batalbaodas peccadores
urna menina de quatoraeanuos, que comsigo tronie
para aqui quando foi removido prra esta villa, e
depois abandonou-a, e a infeliz mais tarde va
gneiava pelas ruaa saboreando o horrores da pros-
tituioao.
Ai|ui raro o dia que se pasa* que nao seja
marcado por um enredo, injuria, calumnia, banda-
lheira e infamia praticada por este padre, que por
sua pessima conducta obrigou um honrado moco
ir-lhe e.n sua casa de faca em puno tomar-lhe
taiisfaeues, em pleno dia, obrigando-o a tranear-se
e a pedirlhe de dentro pelo amor de Deus que se
relimase e deixasseo em paz.
Por vezes esta villa toi testemunha das brigas
escandalosas havidas entre elle a sua irmit viuva,
que ento se achava em sua casa, por causa, de
urna mulatinha sua escrava e mucama, a qual,
dizem achar-Be hoje forra e esa vesperas de ser
mSi.
Nao direi a V. Exco porquefoi pouco
tempo espaneado no engeuho Altinho ou suas vi-
sinhanfas um pobre horoem.
Apure V. Exc. a verdade d'este facto que ha de
ficar horrorsado.
Finalmente n'esta villa com mais dous pandegos
e duas peccadoras passaram urna noite na mais
infrene baohanal! !
Mande V. Exc. syndicar da vida d'este padre em
Agua-Preta, na freguezia de Una, e aqui; encarre-
gue d'esta syndicancia a quem qner que seja, con -
tanto que seja um homcm criterioso, honesto, mo-
ralisado e incapaz de Iludir a V. Exc, que o re-
sultado d'esta syndicancia ha de couvencel-o de
que este padre deve ser suspenso d ordens j e
j, no que ad contumntion&m siu vilot
Por ora fieo aqui, pedindo a V. Exc. que nos 1-
vre d'esse devasao e voltarei a imprensa com fao-
tos novos, si promptss providencias uo forem da-
das; sim, Exm 8r., j i tempo de punir os cri-
mes e infamias d'este padre.
O pedreiro Ams.
Imposte de gyro
Diz o Jornal do Rerife de hontem, que o impos-
to de gyro, arrecadado pela Alfandega, renden
121:4814014 no mez de Junbo prximo passado.
Exacto quanto cifra o Jornal nao o ou quer
calar a veidade quanto s fontea d'aquella renda.
N"aquella importancia est incluida a arrecada-
eao dos seguintea impostes, que com o gyro passa-
rain a ser cebrados pela Alfandega :
Imposto de exportaco ;
Imposto de tonelagem ;
Imposto de fumo ;
Imposto de saceos;
Imposto d importa^So de gneros da provin-
cia; em urna palavra -todos os impostos nao lan-
cadoj.
Diga-se a cousa; mas como ella e sem o pen-
sameuto de alimentar-se urna falsa opinio.
Todos conhecem a razio extraordinaria, que ele-
vou no mez passado o rendimento da Alfandega,
a qual trabalhou at nos dias santificados, o mes- I
mo assim nao se quiz descriminar na renda pro-
vincial o gyro dos outros impostos !
Para que isso ? O esbulho j nao est consum- ;
mado ?
Nao houve deputado que fosse dizer na Assem-
blaque o gyro estava rendendo 5, 6 e 7 contos
por da na Aliandega ?
Assim se escreve a historia !
Consta que o Consulado, que est cobrando o
gyro anterior paaeagem para a Alfandega, tem*
po em que o negociante, por conuesso do regu-
Iamento presidencial, poda pagal-o depois de ti-
rada a mercadura, cbrou no mez prximo passa- i
do 21:618*776, que foram incluidos na renda to-
t .1 Jo mez.
Esta descriminaco que o Jornal deveria ter
feito na renda provincial cobrad, pela Alfaudega.
Recife, 3 de Julho de 1886.
Um curioto.
Publicando hoje, o soneto, que no tbeatro Santa
Isabel recitei, u dia do beneficio da eximia ac-
triz portugueza D. Eacinda, outro nao o fim, se-
nao dar urna satisfaco a* pablico sensato e Ilus-
trado, pjis s aos sensatos e ass que eutendem da
materia, dirijo me por meio destas linhas..
E a insigne actriz que digne-se de benvola
receber este preito que, como admirador de seu ta-
lento artstico, reado-lhe.
Quand* na scena, genio portentoso,
Assomas magestosa, triumphante,
Espargindo os matizes iri.intes
Do teu engenho culto, luminoso :
A multidao, n'um xtasis pasmoso,
N'um brado senhoril, soberbo, "vante,
Hyionos, flores t'offerece, actriz prestante,
Rainha do prescenio magestoso.
Aotriz os bymnoa que ora modulamos,
Do genio teu sao hlitos, batujos,
Com os quaes a tua gloria apregoamos.
E sao scentelbas, sao subtis arpejos,
D'alma arroubos jucundos que gosamos,
Que nos derain do tea genio os aaVjos.
Wartlda
Retirando-me hoje para a corte, e nao podendo
despedir-me pessoalmeote de todos os meus ami-
gos, ofaca palo presente.
Recife, de Julho de 1886.
Vicente Antonio do Espirito-Santo.
Una enfermldade tomada por
oiitr!
Equivoco dos lacukativis 1
O falleeimrito de algum amigo ou p-
rente a quem amamos ternaraente sem-
pre urna desgrasa lauentavel : mas a ca-
lamidade verdaiieiramente terrivel quan-
do os factos nos manifestara que a pobre
victima suecumbio por so ter empregado
um systema de trat'lmento que ao era
apropriado para a sua doen5a. Comtudo,
casos ha em quo o erro dos mdicos se
descobre antes de desapparecor a ultima
esperanca, e nestes casos, algumas vezes
se consegue salvar a vida do doente.
Para exemplo do que deixatnos dito, va
mos referir cortos factos que estabelecem a
i-erdade da nossa afBrmacio.
Ha cerca de dous annos, urna das se-
khoras mais bellas de New-York, abando-
nada pelos facultativos em um caso deses-
perado de tistea (pois era esto o nome que
os mdicos davam molestia) julgava-se
condomnada a morrer. Os pas da doente
resolverain leval-a a Paris, esperancados
em que, na capitxL de Franca, a Faculda
de descobriria al^im remedio contra o mal
que ameocava a vi la da joven senhora
sta esperanca nao ea-realisou, mae feliz-
mente em Paris os amigos da moribunda
ouviram fallar de um novo systeaia de trat
tamento adoptado primitivamente pelos
Shakrea do Monte Lebanon, no Estado
de New York, e empregado depois par ou-
tras pessoaB com um xito extraordinario
em muitos casos de Dispepsia. Aos pais
da infeliz pareeeu que era poseivel que a
doenca que affligia sua tilha poderia talvez
denominar se Dispepsia ou lndigestao, e
nao a Tsica que tanto teman), e abtiga-
vam a esperanca de que, em tal caso, se-
ria fcil salvar a desditosa joven.
Apressaram-se, pois, a alcancar urna
quantidade de um medicamento intitulado
arope Curativo de Seigel, e preparado
eom o fim especial de curar a Dispepsia,
A doente tomou algumas dozes deste re-
medio, e o resultado do novo tratamento
oi maravilhoso. Hoje, aquella senhora, j
restabeleoida, vive feliz e goza de urna
sade perfeita. Certo que, ueste caso
os mdicos tinhaui tomado urna doenca por
outra, o quando se descubri a origera do
mal, e se explicou o verdadeiro remed",
os syroptomas da Tisicu desappareceram
immediatamente.
O caso que acahamos de citar nSo o
nico neste genero. Ha militares de infe-
lizes que actualmente rstao tomando re-
medios para curar enfermidades do ligado,
dos rins e dos pulmSos, doencas prove-
nientes dos vapores miasmticos, etc., ao
passo que realmente nao existem em mui-
tos casos taes affeccoos, sendo a udiges-
tao a verdadeira causa dos symptomas que
tanto terror inspirara aos doentes; e se
estes appli;assem o verdadejrn systeaa de
tratamento, ni tardaran^ a curarse.
Nao ser por demaii o recordarmos ao
leitor que o xarope curativo de Seigel sa
vende cm todas as pbarmacias do mundo
inteiro, assim como-na casa dos propneta-
ros, A. J. Whte, (Limited), 36, FarrDg-
don Road. Londres, E. C.
Depositarios na provincia de Pernambu-
co : Bartholoroeu C, J. G. Levy & C,
Francisco M. da Silva & C, Antonio llar-
tiniano Varas & C Rouquayrol Innaos e
Faria Sobrinhe & C.; em Bello Jardim :
Manoel de Siqueira Cavalcante Arco Ver-
de e Manoel Cordeiro dos Santos Filho ;
em Independencia. Antonio Gomes Bar-
bosa Jnior; em Palmares : Antonio Car-
doso de Agniar; e em Tacurat, Jos
Lourenco da Silva.
27-88.
Olymtio 8. DOS 8aktos Plco.
agua Florida de Marray dt Lanman
N. 1S4:
Todos os perfumes os mais delicados sSo obti-
dos das dores diis regies do trpico e de todas as
essencias da Aromtica Flora do Trpico, esta por
sem duvida a mais duradora, pura e delicio 1a
por excellencia. Ella embalsama a rrspiracao e d
um agradavel e fragrant sabor ao paladar, todas
as vezes que se usa pelas maohas como enxagoa
ment-. da bocea, i misturada com um f ouco d'agua,
ansim como neutralisa de urna mant-ira appetecivel
o mo gosto do charuto depois de se ha ver fu-
mado.
Os senhores, nao obstante a presento predomi-
nante pix5o de barbas compriias, os quaes anda
conservam urna crta preferencia no uso da nava-
Iba de barha, acharo com arrdavel sorpresa, que
esta deliciosa agua de cheiro, urna vez levemente
applicada ao rosto depois da barba feita, os isenta
da usual penalidale eentidalogo depois dessa ope-
raeaoremorendo toda a ssnsacao de ardencia da
pelle barbeada.
Coao oabastia contra as falsifieaees. obsrve-
se bem que os uoaaes de Lanmau it Kemp, ve-
nham estampados em lettras transparentes no pa-
pel do livnnho que serve dj envoltorio a cada
garrafa.
Acha-se venda em todas as principaes bobeas
e lojas de drogas.
Agentes em Pernambuco, Henry Porstex & C,
ra do Coinmercio n. 9.
Se alguem j consigui concentrar em urna sim-
ples garrafa todo o aroma de um jardim de mil flj
res, encontra-se essa raaravilha na Agua Fio
s ida de Barry, quo espargida sobre o sobra-
do ou tap t s ou as roups envolve a pasnoa em
um atmosphera deliciosa, combinacio de sao ie e
prazer, respirando urna fragrancia to exquisita-
mente delicada qu" todo o mundo a reconhece co-
mo suprior a todas as outras, e inteiramente isen-
ta do p^ado e enjoativo cheiro parecido com gas
de carpi ou de alcat ao, que b* observa o abrir
ama garrafa das outras chamadas aguas floridas.
O orpo mdico de Paria acolheu benvolamente
o Vinno de Kxlraclo de Finado de Ba-
caluaol a sua aJmioiatrasao fcil collooou-o
entra as ina .8 de todas as mis ; a sua accao prom-
ta e poder.isa tornou o precioso para os anmicos
e para os individuos eujo saugu- ee acha viciado-
pela luberculose, escrfula e raehitiaw; a sua do-
8geua perf ita assegurou-lhe um lugar dos mais
honrosos ua cUasa dos agentes therapeuticos, cuja
otncacja ndisiutivei sanetaz ao meaau tempo
uxpariencia e ai* raciocinio.
(Tribune Medcale).
\ Cirurg.au s1
Patricio attoreira
C insultas a opercoes, das 10 horas da manta
i* 4 da lar le.
RA DUQUE DE CAXIAS
N. 57, andar.
Xarope de flat-mat
0 Matamata (lecyihis idatimon) com o
qual se prepar* este xarope um vegetal da flora
brasileira.
E' um agente therapeuco poderosiss mo contra
as molestias do p^ito e da asthma.
Os numerosos afiectados que delle tem feito uso
conseguiram um resultado muito satisfactorio, aca-
bando por se reconhecer que at boje a melhor
preparado para a cura da aatimsia Isroa-
cblie anilina aleta, e amiga e opprea-
OeN, dispensando o emprego do arsenio, folhas
de estramonio e plantas narcticas, que acabam
quasi sempre pelo abus > que delles se taz e sesmo
pelo uso prolongado por produzir effeitos desas-
trosos sobre a sa ie e em goral entorpeciinento do
cerebro.
Vende se na Botica Francesa de Rouquayrol Frere
successorts de A. Caort
*i. Zt Ba da Crui-X. t
KKCIFE
Conultorio oiedico-eirargico
O Dr. Esteva-i Cavalcante de Albuquerque con
tinua a dar cousult. medico-cirurgiuas, na ra
do Bom Jess n. 20, Io andar, de meio dia s 4
horas da tarde. Parase demais-eonsulta e visi-
tas em sua residencia provisoria, ra da Aurora
n. 53, Io andar.
i telepbomcos : do consaltone 95 e residenen.
12G.
Especiaidades Partos, molestias de creabas,
Xd'ujltt e-seus aaaaxos
Di. Gmpira Lsits
MKDita
Ts o sea eseriptorio ama do Marque d
'Jlinda n. 53 das 12 as 2 horas da tarde, e dest
hera em diaatc em sua residencia ra da San
a Cruz n. HA lispecialidadas, molestias de ee-
horas eerianga.
Dr. Fernandes Barros
Medico
Consultorio na do Bom iesus n. 30.
Consultas de meio dia < 3 horas.
Residencia ra da Aurora n. 127. _
Telepbone n. 450
Ueft fc[Hr*a4iw Yigew ideado
130
Medito (iaiutella
Este notabilissimo deparante que vem precedi-
do de tio grande fama infallivel na cura de todas
as doeni^ssrphilit4cjis,.C3crof'ttlasaai rbeumaticas
o de pelle, come tumores, ulcera, dores rheumati
cas,osteoaopsaenevralgioaa, Wennorrhagi-is agu-
das e chrooioas, cumi> sfpailitices,- iaflMnmu-
ces visceraes, d'olhos, ouvidfls, garrama, Sotes-
tinos, etc^ en todas as molestias du pclta, simples
ou diatliericoj, assimeomo ua alopecia uu qn.ila
do cabello,' q ua docooas determinadas per satu-
rarn mercurial. Do-se gratis folbetos onde se
encentram numerosas experiencias feitas com este
especifico nos hospitasa pabliooa e muitos attesta-
dos de mdicos e documentos particulares. Paz-se
descont para revender.
Deposito em casa de Faria Sobrinos & C.
Ra do Mrquez da Oliada n. 41.
Ocajurubelia em diseusso
ASSEMBLE'A PROVINCIAL
Do documento, que vai em seguida pu-
blicado, mais ama prava surge para
demonstrar que o Cajurubeha actual
mente o nico eipcifico, quo cura a asth-
ma.
Os pacientes de 20 e mais annos da sof-
frimentos, os desengaados dos medaos e
os que querem cuiar-se de urna vea s
usam o Cajurvbeba.
E os clnicos, mdicos Ilustres j vio
afnal reconhecendo a effijacia desse me-
dicamento X pois, quando esgotam o formu-
lario acadmico, recorrem ao Cajuruheba
como meio infallivel, ultimo recurso, que
nao falha, a arthariaarossa contra a
asthma. ^f*,^*
Quem ainda duvidar informe-s pessoal
mente.
O Dr. Maximiano Lijos Maguado (era
sessao da Assembta Provincial de 17 de
Marco do corrente anuo) tem apalavr*
0 Sr. Lopes Machado.
b Vou concluir, Sr. presidente, ma*
antes de fazel-o, nao posso deixar de ma-
nifestar a V. Exc. o meu reeonheci.-nento
pela benevolencia, com que se dignou ou-
vir-rae e ao mesmo tempo descobrir-lhe
uns receios, que me preoecupam neste mo-
mento. Nao alludo a rejeicao do parecer,
pois desde que o seu relator esforcou-so
por mostrar que 2 e 2 nao fazcm 4, nao
ba remedia senao confopmar-me com o que
est escripto.
t Receio, porra, que o abuso da pala-
vra por 4 horas succassivas nSo repiodu-
za o mal, que me trouxe acabrunhado por
quasi 30 anuos.
Ora diga-me V. Exc. em boa e si con-
sciencia: soffre d<; asthma? (riso.)
aPois entao na i sabe o que soffrer. Se
soubesse, nao teria c insentido nesta intil
prorogacao de mais 2 horas, que felizmente
esto a findar
Imagine V. Esc, j que nunca ex-
perimentou, dous homens de pulso e re-
solutos como a maiotia desta casa, arre-
mefiinio-se de repente ao pescoco de um
pobre para suffocal-o. Imagine os esforcos
supremos empregados pela victima j com
os olhas fp'ra das rbitas, esforcos incitados
pela conservacSo da vida, o causaco, a
N. l.E' maravilhosa a rapidez om qne
08tioos,OBanamics, os eserofti'osas/os de-
bis e os que padecem do peito e da gar-
ganta restabeh9m-se depois de terem to-
mado a EmulsSo de Scott.
EDITAES

O Dr. Thomaz Ghrcez Paranhox Monten'
gro, commendador da imperial ordem d
Rosa, juiz de direito especial do comrner-
cio- dtsta dade do Recife e sew termo,
capital da provincia de Pernambuco, por
S. M. o Imperador a qusm Deus guar-
de, etc.
Fas saber a todos quanto o presente edital vi
rom ou d'elle noticia tiverem que so acha designado
o dia 10 de Julho da corrente anuo, ao meio. dia,
na 3ala- das andiencias, para ter lugar a reunia
dos credores da massa fallida de Joaquim F-rreira
Campos & C, afim de assistirem a prestscao de
contas do administrador da referida massa nos
termos da lei.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
mandei pasaar o presente pelo theor do qual con-
voco os credores da referida maesa a eomparece-
rem no dia, har e lugar cima designados para
o fim declarado.
Dado e passado n'esta cidade do Recife de Per-
nambuco, aos 2 dias do mez de Juiho da lS8t>.
Eu, Jos Franklin de Alencar Lima, escrevao,
o subscievo.
T/iamaz Garcez Parinhos Montenegro.
EdltaT7739
De ordem du inspeetor geral, f ico saber pro-
fessora Miraudolina (Jorges Pestaa, da cadeira
de Serra Verde, que fica lhe marcado o pr so de
15 dias para responder sobre o abandono ds sua
cadeira, visto ter deixado de reussumil-u depois
de fiada a licenfa obtida e haver dacorride mais
de seis meses fra do esercicio della.
Secretaria da instruccao publica de Pernam-
buco, 2 de Julho de 1886.0 secretario,
Pergentino S de Araujo Galvao.
Edital n. 740
O inspector geral da instruc$3o publica manda
fazer esnstar aos prefessores de ensino primario
Manoel Candido Fernandes Prea e Lourenco
Ooucalves Ale lo, este da cadeira do Rio Form o
e aquelle da de Gloria de toit, qne p -r acto da
presidencia da provincia, de 30 de Junho prximo
findo, permittio-se-lhes permutarem as ca eiraa
que regem, e se lhea marcou o praso de 30 dias,
contados daquella data, para tomarem posse e
assumirem o exercicio de suas cadeiras.
Secretaria da instruccao publica de Pernambu-
co, 2 de Julho de 1866.O secretario,
Pergentini S de Araujo GalvSo.
Instituto Utn-arl Ollndense
Convido a todos os socios se reunirem, em
seaaao de asscmbla geral, domingo;. 4. de Julbo,
*10:bt>ri8ida anab^ c*ff4spastrra.uir, para
elei^So darnova Jlreetdrtir, d accordo ctmros nos-
snsertatntosi Olind*. 80 de-Junh de-1886.O
1. secre**rio,' Jos Pinto Smito'MaioT.
Beneicente' k dwmc* Wde
Jlro
Pedimos ao senhor que, com oaitulo-aoima, no
ticiou a fandacao de urna falsa seciedade, que na
continu com tcs pilherias, por nao serem dignas
de pesaos seria.
Os prejudicados.
Edital n. 2
guei a ver
felicidad*
OCULISTA
O Dr. Brrelo Mampata, medico oculis-
a, ex-chefe de clinica do Ur. de Weeker, d con
ultas de 1 s 4 hora da tarde, na ra do Barao
da Victoria n. 45, "2 andar, excepto nos domingos
e das sahumado. Resi ienciara do Riaeaaielo
o. 17, canto da ra dos Pites.
ADVOGADO
Paflre ncliaiel Asss Bszsrra
jsmgttsta e os deesfallecimentos, e ter V.
Exj. una longes dessa luta horrorosa.
< Nada Vale ao infeliz, nem revulsivos,
neui calmantes, a medicina cruza os bra-
gos e confessa se impotente.
Pois bem, foi no meio desse desaspero,
que o meu amigo e colleja o Sr. Drum-
mond Filho aconselbou-me o uso do (Jajn-
rubeba com aquellas maneiras insinuantes
e delicadas, que tanto elevam os seus m-
ritos.
Confesso que nquei desagradavelmente
sorprendido e rephquei-lhe com seceura :
Como, de um homem intelligente sabe
conselho tao banal? Nlo conhice o exame
chiuiijo que se fe no Cajurub-ba ? (*)
E elle porderou-me : Conheco, mas
tenho em mim a prova do contrario, Es
tou bom, depois do desengaado dos m-
dicos ; o Dr. Jos Julilo e mais algumas
pessoaa doipeu ontiec/mapto se acham
igualmente ?rBlabelecidiis. ,
Estas ^alavrs p. rturbanfa-roe e che-
fuslo do meu espirito a
nca me sorrio. Mas tor-
nando a ufro, besitei, lembrando-me que
j havia percorci^o a longa escala da phar-
maoopa ofScial e doracBiica.aem resultado
Mas o Dr, Druramund... A garanta
do seu tastemubu !
Deixal-o mal ? Nunca ; e fui Sr. pre-
sidente ao Cajurubeba, sem f, certo;
mas nao abandonado da esperanza.
c E o que hei de diz :r agora a V.
Exc. ?
Logo ao segundo franco rompi urna
araizade de trinu annos, abandonei a es
ir. monii), compaiihuiro laaeparavel destas
magras algibeiras (risos).
Annunoio a V. Exc. ecasa quaestou
bom.
c Gloria a Deus naa alturas e na trra
a esse gianie cidadlo, a esse talentien r
me e bemfazJo, que se chama Firmino
Candido de Figueiredo!
,. 0 Sr. Presidente : Pey a V. Exc.
que se restnja a saatoria em di.,cusao,
porque a hora est ; n-tar.
t O Sr. Lopes Machado : A materia
essa mesiua >
O Cajurubeba tem toda a relaolo com
o parecer do Sr. Gomes Prente, at mis-
ino na sua virtude depurativa (risos).
< Mas, omLu, vou findar, a n ste mo-
mento em que a sauiS'H* me suffoca a al-
ma, peco V. Exc. que nlo leve o seu
lenco aos olhos p la dr da despedida.
t AmankaS quando V. Eso. vir entrr
o meu competidor,' disfargsdo na batiaa d
8"U irmlo ; atnanhl, qu-ndo tudo estiver
revolto e eB* immovel e sur-io nesta cad-i
ra, que me pe tenue por escolha dos un us
con-cidadloa. dr entio para sua raaio-
ria : tizemos mal, foi um atte.ntalo !. ..
f (Muito bem, o orador cumprimenta-
do por divers s Srs. deputados de ambas
as bancadas. >
(4.a praja)
De ordem do Illm. Si. inspector se faz pu-
blico, que is 11 horas do dia 7 do mez corrente,
serao vendidos em pr ica, no trapiche Conceicao,
livres da direitos, sujeits, perin, ao imposto de
6 0/0 para o fundo ue emancipacao, 16 volumes,
sen lo caixas e amarradla, nmeros 1,172/1,187,
HF&C/vindos de New-York no vapor americano
Finance, entrado em 18 de Maio ultimo, abando-
nados aos direitos por Henry Forster 6t C, con-
tendo 830 duzias de ventar.las de papel e 270
kilogrammas de quadros e annuncios de mais de
urna cor.
3' seeco da Alfandega de Pernambuco, 3 de
Julho de 1886. O chofe,
Cicero B. de Mello.
Edital n. 1
(1 pra?s)
De ordem do lllm. Sr. inspector, se faz pu-
blico que s 11 horas do dia 7 do corrente uies,
serao vendidas eoi praca o trapiche Conceicio,
500 liacis de vime, pesando 2,250 kilos, vindas
do Porto na barca portugueza Minho. entrada em
2 de Marco do correte anuo, abandonadas aos
direitos por Manoel Joo Gome* de Amorira.
3* seccSo da Alfandega de Pernambuco, 3 de
Julho de 1886.O cuefe,
Cicero B. de Mello.
Edital n. 1
O administrador do Consulado Provincial faz
publico a quem interessar possa, que no dia 9 do
corrate terminar improrogavelmente a cobran- g |aVHtorlo8 e seus pertenece,
ya livre de multa do imposto de iaciina relativo
ao 2 semestre do exercicio de 1885-86.
Consuado Provincial de Pernambuco, 3 de Ju-
lho de 1886.
francisco Amyntas de Carvalho iloura.
DECLARiCCES
t neaario BMreMa
b. S*. 1* andar
.....^ >'' w
(*) Esse exame foi feito por nm pharma-
i-eutico, q'e nlo encontrando no Cajurube-
ba mercurio, nem arsnico, concluio que
era panacea,, que nao fazia bem nem mal-
*r.
Medir, paneira ? operador
Residencia krua dalmperatrit n 48, 2-- andar
Consultorio ra. Duqu- deCaxias n. 59.
D consultas das 11 horas da mann s 2 dS
-tarde.
Atiende para s chamados telepbone n 449 a-
qualquer hsra.
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro director da
reparticao das obrns publicas, faco publico que
em vista da autorisaco do Exm. Sr. vica-presi
dente da provincia, recebe-se no dia 15 do cor-
rente, ao meio dia, propostas em cartas fechadas
para a exeeucao dus repai os urgentes da cadsia
da villa de Iguarass, oreados em l:640.
O orcamento e mais condigoes do contrato se
acham diaposicij dos senhores pretendentes, pa-
ra serem examinados.
Secretaria da Repirticao das Obras Publicas, S
de Julho de 18?6.O secretario,
Joaa Joaquim de Siqueira Varejn.
Secretaria da presidencia de Pernambuco, em 2
de Julho de 1886.
4* seccao.
Por esta secretaria se f >z publico, de confor-
m'dade com o aviso do Ministerio do Imperio, de
10 de Frvereiro de 1864, que nos t-rm.s dos ar-
tigo 52 e53 *o decreto n 3069, de 17 de Abril d.-
1863, foi registrado boje nesta secr-taria o titulo
do hVvd. W.indreesillo Mello Lins para o cargo
de Ministro do Evangelho nesta provincia, coofe-
rido pela primeira igreja Baptista de Maeei.
Sfrvindo de secretaria,
Emiliano E. de M.-llo T-mborim.
Obr as Publicas
De ordem da Ida Sr. Dr. eng nheiro chefe da
repartida oaa obraa publicas, faco publico que,
eavirtude daauUiri8Hoo do Exm. Sr. vioe-pre-
sid nte d provincia, recebe se ps secretaria des-
U repartieo, no dia 15 de correute, ao meio dia,
oropost.as em cartas echadas pra a ex-cucao dos
reparos urgentes da cadea da cidade de Caruar,
or? dos em 2:188*.
0 orcamento e mais condicoes do contrato se
acham disposico dos senhores pretendentes,
para serem examinados.
Secretaria da repswticSo das Obras Puoliea, 3
de Julho de 1886 O seeretario, _
Joo Joaquim de Siqueiru w3j&u
Club luteruacional de
Prolonga me nio da estrada de
ferro de Pernarabnco e estra
da de ferro do Recife Ca
rnar.
De ordem do Illm. Sr. director, fago publico que
at o dia 15 do corrente, ao meio dia, no escripto-
rio central, ra de Antonio Carneiro n. 137, re-
cebem-se propostas em carta fechada para o for-
urcimenro dos seguintea objectos necessarios ao
almoxarifado desta reparticao :
5C kilos de rame de cobre.
.25 ditos de dito gulvauiaado.
25 ditos'de dito de chumbo.
25 ditos de ajo em bexiga.
25" ntw vaneas.
29 litros de alcool.
25 bets.
10 brochas.
25 kilos de borracha era Isacol.
10 bandeiras imperiaes.
I Iwnba americana.
10 bacas de estanto. ,
30 borrachas de Faber.
10 kilos de bren.
50 novollos de barbante.
12 caivetes.
24 cadeiras americanas.
50 copos de vidro.
10 kilos de colla da Babia.
5 toneladu de carvc de forja.
100 cadeadus.
15 kilos de er.
400 kilos de canos dachymbo.
250 ditos de-ditos de ferro;
5 carrinhos de mi.
10 oaixas com cotehetes.
6 capachos.
12 carretas.
4 cestas para papis.
600 kilos de cobre cm lencol.
200 ditos de canos de barro de 0,30 e 0,40 de dia
metro.
5,000 enveiopp''s quadrados grsndes, impressos.
1,000 ditos pequenos, lisos.
5,000 ditos telegraphico, mareados.
3,0 i0 ditos compridos, marcados
12 escarradeiras de louca branca.
10 espanadores.
15 kilos de estanho em vergas
25 .'usadas de sej de 2 12, 3 e 3 1/2 libras.
225 metade esmpim.
1,000 folhas de mo de olra.
2,000 ditas de mappas de bilhetes.
2,000 ditas paeareceita do trafego.
2.000 ditas para remeses, de dinheiro.
2.000 ditas para chefes de trenr.
2.5o0 kilos de ferro iugloz sortido.
50C ditos ds dito sueco.
1 folie.
25 foucvs naciunaes.
5 kilos de gomuia arbica em caroco.
12 f ascos com ditas liquidas.
15 kilos de gomma lacea.
50 uk tros de gachstas de linh".
1,000 kilos de graixa do Rio Grande.
5 jarras com torneira.
10 jarroes.
6 jarros de louca.
50 caixas com kerosene.
6 duiias delapis de borracha.
5 ditas de ditos de duas coros.
12 >iias de ditos de Faber ns. 2 e 3.
5 diias de ditos grapbicos.
i ditas de lacre encarnad* (paos).
12 limpadoresde pinnas.
,0 folhas de lixa esmeril.
10J ditas de dita de papel.
12 levas.
5 kilos de la para pavios.
120 limas uiurcas e outras.
Re^at
as
Primeiro anoiversario
Tendo <'de club de selemnwar o seu primeiro
anuo oe exisrencia com urna regata na hacia do
gasmetro no di 18 do corrente mez, prev.no a
quem se quiai r inscrever pia ella, comparecer
na sua sede, todos o dias, da 7 horas s 9 da
noite at 12 do mesmo. Recite, 1 de Juluo de
1886. O 1- secre-ano,
JoaquimAlves da Frnseca,
1 secretario.
IRHMOADE
DI
SS. Sacramewo do Becife
Nao tendo anda comparecido numero legal de
irmaos para proceder se a eleicao dos novos fuuc-
ci Basis qu.- t. eui de dirigir a irmandade duran-
te o aim e'inpromissal d.' 1886 87, por ordem do
iruio'juis, eonvido de novo a todos eompasaea-
rem cm o n aso consistorio domingo 4 do crran-
le, pelas 10 h'>ras da manhi. Conforme o eom.
promisso, ter constituida mesa seja qaal or o
numero de irmaos que ae aprsente.
Reotl 1- de Julho de 1886.
Bailar Sobrioho,
Escrivao interino.
5 kdos de lati em lencol.
5 livros registro em mercaduras.
15 ditos dito de bilhetes.
lo ditos de mao d'olra.
\i cyliudros mata-b rrao.
6 mi-sas para eseriptorio 6X3.
50 kilos de mialhar.
5 paos de n-itikiin.
25 niveis de bolha d'ar.
25 frasco! eom oleo para apparelho.
750 litros de oleo de linhaca.
500 litros de oleo de mocot.
800 litros de oleo de bauha.
5 machados.
2 resinas de p pe de linbo branco.
16 ditas de dito almasso pautado fiuine.
12 ditas de dit> cfficial para ministro.
12 ditas de dito almassj bom para impressio.
5 ditas de dito inferior.
12 picaretas.
12 pinceis para copiadores.
100 kilos de pregos franceses.
15 pegadores de papel,
(6 caixas com penas Mallat e Perry.
10,000 meias folhas de papel official.
2 prensas para copiadores.
2X) pavios.
12 libras de plvora.
50 resmas de papel almasso inferior.
15 folhas de dito secante.
50 ditas de dito mata-borro..
601' ditas de dito para embrulho.
15 ditas de dito oleado.
100 litros de pixo.
50 quariiuhas.
50 regoac de borrachas.
12 ditas de madeira.
3 relogios.
15 libras de roxo trra.
6 rtspadeiras.
5 caixas de sabonetej.
12 subsaleutes mata-barrio.
25 kilos de sabio.
ditos de folia francesa.
5 sinetas.
25 fraseos cem tinta carain.
12 trados.
3 thesouras.
4 tualhas.
5 trenas fometalico.
25 garrafas com tinta preta.
15 ditas com dita de copiar.
12 tinteir s.
12 taloes de passe de 1, 2 e 3 classe.
i oiios para assiguaturas, em cartoes.
50 vaaouas de piassava.
30 pilh-s L.chauch.
150 mrtros de oleados para cortinas.
2 mi-ios de cerdav" p>ira presilh-8.
1 grosa de botes para cortinas.
1 meio de olla inglesa.
6 livros de .ntradas e sahidas.
100 ps fundidos para bancos (de ferro).
80 lampeo 8 para carros.
10 meis de axila nacional para maagueifirs.
80 tii.a de ae> de peixe.
10 kilos de n bus de core com armellas.
Os cbjectos serao de Ia quaadade e eatregnes
convenientemente acsudlcionadoa no alasoiasi-
fado na estacao das Ciaao Pontas su as oficinas
da estrada de ferro do Rccit- a C iruarrCoatorme
aa exijrencias do servico. '***
Os Srs. proponentes devero acompanhar snaa
propistao das respectivas amostias, caaduja es-
senoial para serem aceitas.
Nt eseriptorio serao prnstatks as inf^macoes
aeceseanas. As propostas serio abertas-e liUaa
uo lugar, da e hora cima indicados,.na presen? i
dos Srs. proponeutes, que deverio B<41alHH.e as-
siinal-ao, iudioando a-as residencias.
X) foruecimento poder se' ajustado com um 80
pn ponente, ou parcialmente, conforme as vida
gena que offareces.
Secretaria do Prolongamsaio da Estrada do
Ferro do Recife a Franeiseo e Estrada d do Recife Caru..r, 2 de Julho de 1886.
O secretario,
Mamotl Juvencio de Saboya.
.
m


Diario de PernambncoDomingo 4 de Julho de 1ST6
S. R. J
Soire em 14 de Agosto prozimo futuro,
solemnisando o 22 anniversario
da installaeo da sociedade
Ao Sr. presiente podem desde j os senhores
en regar em aa notas de seos convite, qua
nlteriorn^ente tero de ser entregaos aos csnvi-
dados pela presidencia cu pelas commisses por
ella nomead s.
Recife, 21 de Junho da 1886
Luiz Quedes de Amorim,
2- secretario.
Recife Drainage
A companhia faz publico, para conhecimento
os interessados, qae collocou no mez de Junho
prximo findo. os appardhos abaixo declarados :
Recife
Boa de Domingos Jos Martina n. 2, apparelho
n. 8,020, casa terrea.
Ra do Bom Jess n. 21, apparelho n. 8,021,
leja.
S. Jos
Praa do Ferte n. 8, apparelho n. 5,655, casa
terrea.
Boa-Vista
Beceo da ra de S. Goncallo n. 1-a 9-b, appa-
relbo n. 10,935, casa terrea.
Recife, 2 de Julho de 1886.
O gerente,
J. Dotosley Jnior.
Club de regatas per-
nambucano
De ordem do Exm. Sr. Dr. presidente, convido
os senhores socios se reunirem em assembla
geral aa sede deste club, terca-ftira 6 do corren -
te, as 7 horas da noite, como determina o art. 30
dos estatutos.
Secretaria do Club de Regatas Pernambucano,
3 de Julbo de 1886.-0 1 secretario,
Osear C. Monteiro.
Club internacional de Regatas
Assembla geral
Convido aos Srs. socios d'este Club, para urna
reunio na sede do mesmo, s 11 horas da ma-
nea1 de 4 do eorrente, afim de se tratar de diver-
sos assumptoa cem referencia prxima regata.
Recite, 2 de Julho de 1886.
Joaquim Alves da Fonaeca,
1. secretario.
Gabinete 'ortuguez de
Leitura
Assembla (eral extraordinaria
De ordem do Exm. Sr, Visconde da Silva joyo
presidente da sssembla geral convido os Srs so-
cios do Gabinete, a reunirem-se na sede social, no
domingo 4 de Julho, as 11 horas da manb afim
de tomarem conhecimento da proposta apresenta-
d em assembla geral de 9 de Maio, para a aequi-
sicao de um predio parr o Gabinete.
Secretaria de Gabinete Portugus de Leitura
em Pernambuco, 30 de Junho de 1886.
Alfredo C. Cousseiro,
2 secretario.
Prolongamsnto do estrada de
ferro de Pernambueo e es
rada de ferro do Recife a
Ornar.
De ordem do Illm. Sr. director, faco publico que
at o dia 8 do eorrente, ao meio dia, recebem-se
propostas esa carta fechada, para o fornecimento
de 600 toneladas do carvSo Cardiff; no eacripto-
rio central ra de Antonio Carneiro n. 137,
Secretaria do Prolongamento da estrada de
ierro do Recife ao S. Franyioco e estrada de trro
do Recife a Caruar, 1 de Julho de 1886.
O secretario,
Manoel Juvenci de Saboya.
Preparados
C.
DA
lAIffi MiBFACiraWG
LONDRES
Olea ele ligado de baca I bao e lelte
pepito nisudo
Esta preparaco tao saborosa que urna enan-
ca promptamente a toma.
O leite digerido tem a propriedade de quasi in-
teiramente disfarca o oleo e as pessoas de diges-
tio mais dbil podem tomar sem receio.
Peptonoides de Carne
Um alimento nit'og.'ooso compoito de consti*
tnintes solides de leite bem cerno gluten do trigo
(livre de gomma).
Becommendado as convalescencaa de qualquer
doenca, affecces pulmonares, febres, pneumona,
gastrite, dysenteria e toda e qualquer debilidade
seja qual for a sua origem.
altlna
Um. extracto concentrado de trigo, avea e ce va-
de, fermentados.
Valor iastasico 30 veces o seu proprio peso !
O mais rico agente restaurador at boje conhe-
cido, alt mente apreciavel nos cosos de debilidade.
Allnaenlo Souluvel de earnlek para
rrianca
A analyse'deste alimento demonstra que os seus
eoostitaintes nutnetivos sao quasi idnticos com o
leite materno, por sto o alimento mais aperfei-
coado para crianca.
Fornecem amostras gratis aos Srs. mdicos.
Deposito ra do Bario da Victori n. 48
SEGURO
CONTRA FOGO
The Liverpool & London 4 Glo
INSIRRANCE C01HPAN.
&G.
IUDEMlSiDOEA
Gompanhia de Seguros
martimos e terrestres
Kstabelclda em 15
CAPITAL 1,000:000$
SINISTROS PAGOS
At 31 de dezembro de 1884
Martimos..... 1,110:0008000
Terrestres,. 316:0008000
41-Hua do commerelo-
(OMPANfflA
Imperial
MECil.'ROM CONTRA FOCO
EST: 1803
Edificio e mercadoria
Taxa baixat
Pronplo pagamento de prejuiso*
CAPITAL
fia. 16,000:000*000
Agentes
BROWNS & C.
t N. Ra do Commercio i.. 5
COMMERCIO
coioinerclal de Perraam
baeo
RECIPE, 3 DE JULHO X)E 18So.
As tres horas da tarde
''ofactM oficiar*
Oarab:o sobre Londres, 90 djv. 20 7|8 e 21 d. por
1J0O0, do banco, hontem.
T^mfr*^ sobre Paria, 90 d v. 456 rs. o franco, do
banco.
Dito sobre dito, i vista, 461 rs. o franco, do banco.
O presidente
Pedro Jos Pinto.
O secretario,
Candido C. t. Alcoforade.
RKNLMMENTOS PBLICOS
Mes de Julho da 1886
ALFANDEGA
Eskda oaaii
De 2 de Julbo
dem as 3
raovnrcux.
De 2
te I
30:127*317
6:699*116
696*854
2:032*645
Total
EacaaBDoaiA D
)< ib du 3
Coman.tno PaovnrciAi. Da 2
dem de 9
&*cm DaArKAOaDe 2
dem de 3
6:626*433
2:729*499
9:355*932
817*604
4:215*106
sLoadon and BraslUan Bank
Limited
Roa do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as ca
zas do mesmo anco em Portugal, sendo
ro Lisboa, roa dos Capellistas n 75 N
Porto, ra dos Ingleses.____________
SEGUROS
>IARITIMOS CONTRA FOGO
Companhia Phenix Per-
nanbucana
Ruado Commercio n. 8
EIADISHOu
COUTRA FOCO
Sortb Britlsh & Nercantiie
CAPITAL
t.-ooo.ooo de libras sterlinas
AQ EN 1E 8
IdomsonHowie & C.
5:032*710
12:385*112
11:026*898
23:412*010
771*999
261*833
1:093*832
DESPACHOS DEIMPORTAgO
Bares noruegaense Eliezer, entrada de Monte-
video no dia 2 de julbo e consignada a Amoi im
Irmos & C, manifestou :
Xarqae 210,000 kilos ordem.
Escasa allema Emma, entrada do Rio Grande
do Snl, no dia 2 de Julho e consignada a Amorim
limaos & C, manifestou :
. Xnqoe 130,500 kilos ordem,
Barca nornoguense Kalinto, entrada de Monte-
video no dia 2 de Julho e consignada a Pereira
Carneiro & C, manifestou :
Farinha de trigo 3,000 saceos.
Xarqne 1,500 fardos com 112,500 kilos ordem.
Lrar ingles Leander, entrado de Terra Nova
ao dia 2 de Julho e consignado a Sannders Bro-
thers & C, manifestou :
Baealbio 3,100 barricas e 930 meias ditss aos
consignatarios.
Vapor nacional Bahia, entrado dos portas do
sms^mmmmmmmmmsmsmmmmmsmsmmMmmmmmm
norte no dia 3 do eorrente e consignado ao Vis-
conde de Itaqui do Norte, manifestou :
Barris vasios 225 a Amorim Irmos & C.
Fazendas 1 caiza a Bernet fe C
Sebo 50 barricas a F. R. Pinto Guimares <5e C.
Barca norueguense Fettine Lonie, entrada de
New Port no dia 4 do eorrente e consignada or-
dem, manifestou :
Carvo de pedra 550 toneladas ordem.
DESPACHOS f KXPORTACO
Em 2 de Julho de 1886
rara o exterior
No vapor trance Vtlle de Santo, carrega-
ram :
Para o Havre, J. Fuerstenberg 5 kilos de ouro
velbo ; T. Just 1 caiza com joias no valor de
2:000*000.
No patacho portugus Dous Irmos, carra-
garam :
Para o Porto, Maia & Recende 64 coaros espi-
chados com 448 kilos.
Para o interior
No biate nacional Deu te Guie, carrega-
ram :
Para Mossor, J. J. Morcira 204 saceos com
farinha de mandioca.
Para Maco, P. Vianna & C. 400 saceos com
farinha de mandioca.
MOVIMENTO DO P0RTO
Navios entrados na dia 3
New-Port 43 dias, barca noruegaense
Festina Lente, de 398 toneladas, capit&o
E. Pedersen, eqnipagem 11, carga car-
vao do pedra; ordem
Mandos por escala11 dias, vapor nacio-
nal Bahia, de 1,999 toneladas, comman-
dante Silverio Antonio da Silva, equipa-
geni 60, carga varios gneros ; ao Vis-
conde de Itaqui do Norte.
Navios sahidos no mesmo dia
Rio de Janeiro por escala Vapor nacional
Bahia, commandante Silrerio Antonio da
Silva, carga varios gneros.
Bahia por escalaVapor nacional Jagua-
tibe, commandante francisco A. da Cos-
ta, carga varios gneros.
Rio Grande do SalBarca nacional Ma-
rta Angelina, capitSo Joaquim Mendos,
carga varios gneros.
Coflpl li Seguros FU,
fe Moa
AGENTE
Miguel Jos Aives
N. 7-RA DO BOM JESS-N. 7
Segaros martimos terrea tren
Nestes ltimos a nica companhia nesta praca
que concede aos Srs. seguradrs isempcode paga
ment de premio em cada stimo auno, o qne
equivale ao descont de cerca de 15 por cento em
favor dos segurados.
THEATRO
DE
EMPRESA
BRAGA JUM0R k G.
COMPANHIA
rURTD I
da qual fas
paite o
actriz
mesmo artista
portuguesa
e a pnmeira
LUCINDA FRTDO COMO
ltimos espectculos
Recitas de despedida
Domingo, 4 de Julho
Grande festa
Repetico do espectculo qne se realison em be-
neficio da primeira actriz U. Lucinda Por-
tado Coelno.
Irrevogav Imente ultima representadlo do po-
tico drama, intitulado
DAMA DAS CAMELIAS
Islstrilmivo
Msrgarida Gauthier, D. Lucinda Porta-
do Cocino Nicnette, D. Jcintha; Pruden-
cia, D. Clelia; Nanine, D. Adelina BeliUl; Olym-
pia, D. Gilda ; Estber, D. Augusta; Anais, D.
Adelia; GEORGE DUVOL, pai de Armando,
Furlado Coelno i Armando Duvol, Ferrei-
ra; Gasto Rieux, Bellido; Conde de Giray, Si-
mules; Gustavo, Mondar; Bario de Varville,
Araujo; Saiot Goadens, Teixeira; Doutor, Por-
tilho; Um moco de recados, Barros; nm criado,
Bastar.
Convidados de ambos os sexos.
A accio t;m lugar em Franca. Actnalidade.
Accessorios, mobias, tapecariae, foram ieitas
expressamente para esta peca em Psris.
pcenario do notavel artista Claudio Rossi.
Mise ea suene a capricho do artista Furtado
Cocino.
Os bilhetes venda na bilhetaria do thea'ro.
Comerra a s 1/4 horas.
Haver bonds para todas as liabas e trem para
Apipucos.
COsWANHU PEBlfAMaUCANA
DE
ftavegaco Costelra por Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty e Cear
O vapor Pirapama
Commandante Carvalho
Segu no dia 5 de
Julho, as 5 horas
da tarde. Recebe
carga at o dia 4.
Encommendas passagens e dinheiros a frete a7)
s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Pemambucaia
n. 12
AMANDA
Segunda-reir, 5 de Julho
Penltimo espectculo em des-
pedida da companhia
Mais una que ser definitivamente a ultima re
presentaco da esplendida peca, que tanto agra-
dou na sua primeia exhibicSo, ntitulada
llWllV 11
(DIVORgONs!)
Verdadeira fabrica de gargalbadas. Os princi-
pae papis o desempenhados pelos artistas ID-
ciada e Portado Coelbo. C>mpletar est
soberbo espectculo a linda comedia em 1 acto, do
repi 'torio do distincto actor Simona, intitulada
jUjina dflQ i m hnQ I
Os bilhetes
theatro.
i venda desde j na hilheteria do
Terf a-feira, 0 do crtenle
Despedida da companhia
Para satisfaser pedido, a empresa vio-se obri-
gada a dar mais urna representacSo do celebre
drama de successo
0 Hsr$ 4$ Forjas
(Grande Industrial)
A companhia parte para o Marauhao no vapor
de[7 ou 8 do eorrente.
EibibiQo ao ar lira
Em Olindd
STRAITS OF MAGELLAN LDE
Paquete Britannia
E' esperado da Euro-
pa ate o dia 4 de Ju-
lho, e seguir depois
da demorado costame
'para a
Baha, Rio de Janeiro, Monte
video e Valparaso
Para carga, passagens, e encommendas, tracta-
aecom os
AGENTES
Wllson Sons tfc c. Limited
N. 14 RA DO COMMERCIO N. 14
CHARGEURS REUNS
Companhia Franeeza de navega-
ci a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
ooa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos -
steamer Ville de Bahia
E' esperado da Europa at
o dia 8 de Julho, ae-
. guindo depois da indispen-
"aavel demora para a B-
tala. Rk> de Janeiro
e Manto*.
Roga-se aos Srs. inportadores de carga p 'los
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvareng. >.-
quer reclamacao concernente a volumes, que po-
ventura tenham seguido para os portos do sul.afit
de se poderem dar a tempo aa providencias necea
saas.
Expirado o referido praso a companhia aio se
responsabilisa por extravos.
Recebe carga, encommendas e passageir para
os qoaee tem excelentes accomodacoes.
Angosto F. de Oiiveira & t,
AGENTEN
42-RIJA DO COMMEROIO-42
Leilao
De movis, lonca, vidros, espelhos, qua-
dros, esteira forro de sala, candieiroa
gaz e 1 divisao de madeira para sala.
A saber:
Um piano forte, 1 mobilia de Jacaranda, com
1 sota, 2 consolos enm pedras, 1 jardineira, 2 ca-
deiras de bracos e 12 de guarnilo, 1 rico espelho
oval dourado, 4 quadros com finas gravaras, 4
jarros para florea, 3 candieiros gas e tapetes.
Urna cama francesa de Jacaranda, 1 toilette, 1
lavatorio, 2 marquezes, 2 commodas, 2 cabides e
1 lindo guarda-vestido, 2 mesas com estantes en-
vidracadas, 2 mesas redondas e vinbos.
Urna mesa elstica, 1 gaarda-louca, 2 appara-
dores, 12 cadeiras, 1 relogio de parede, garios e
facas, colberes, talheres de electro-plate, mesas de
cosinha, trem de cosinha e mais accessorios de
casa de familia.
Terca feira, do correte
Agente Pinto
No sobrado da ra do Barda da Victoria
i ra Nova) n. 51
O leilao qrincipiar s 10 10 1/2 horas!
10.940 Urna
relogio, ouro Je lei:
Leilao
De 1 mobilia de mogno com tampo de pedra, 1
guarda-louca de amarello, obra de Spiller, guarda-
vestido, apparadores, camas francezas, marque-
zes, lavatorios, 1 importante commoda de Ja-
caranda, bercos, cabides, mesas elsticas e muitos
outros objectos.
Terea-feira, do correte
/ A's 11 horas
POR INTERVENgO DO AGENTE
Gusmo
Leilao
Da armacao de amarello envidra^ada e do
resto das fazendas e miudezas da loja
sita ra do Rangol n. 48.
Agente Britt
Terca feira. do B correte
A's 10 1/2 horas
(OnFt\llli: DES HES8AVE
RE 1AUITIMEN
LINHA MENSAL
0 paquete Niger
Commandante Banle
Espera-se da Eu-
ropa at o dia 4 de
Julho, seguin
do depois da de-
mora do costume
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Baha, Rio de Janeiro e llontc
tevldo
Lembra-se sos senhores passageiros de tudas
as el asees que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne se ao ssenhores recebedores de merca
dorias qae s se attender as reclamscoes por fal
tas nos volumes que forem reconhecidas na occa
sio da descarga.
Para carga, passagens, encommendas e dinheir >
a frete: tracta-se cem o agente
iuguste Lab He
9 RA DO COMMERCIO-9
LE1L0ES
Afete Plato
Segunds-feira 5, deve ter lugar o leilao de bar-
ricas com cimento avariado no annazem n. 24 da
Companhia Prrnambucana.
Leilao
De fazendas limpas e avariadas
Terea-feira, tt do corrate
A'* 11 horas
POR INTERVENgO DO AGENTE
Alfredo Guimares
Em sua agencia ra do Bom Jess n. 4c
Leilao
De fazendas, miudezas n ferrgens
(POR LIQUIDAQO)
Constando de casemir.s, cnsaiuotas, lencos, cha-
les, pannos para capotes e nutras fazendas.
Espelhus, transas de earoci, fitas de sedas,
bandejas, bic >s. cachimbos e outras miudeeas, cal-
as com opoltas e jardas com fio.
QUARTA FtIRA 7 DE JULHO
Agente Pinto
VAPORES E3PERADOS
Amatonense de New-York boje
Britannia da Europa hoje hoje hoje
Niger da Europa
Sergipe ViUe de Santo da Bahia
do sul amar
Espirito Santo do sol a 7
ViUe de Bahia do Havre a 8
Trent da Europa a 10
Para do norte a 13
Elbt do sul a 14
Deiambre de Liveappol a 14
Cear do sui a 17
Argentina de Hamburgo a 20
Ipojuca do norte a 20
Mando do norte a 23
La Plata da Europa a 24
Equateur aeva do sol a 26
do sal a 29
nh
D. Mximo Rodrguez
O HERCULES
IMKH.ltA TI TI \
Primeira parteO brlnquedos revo-
lucionarlo.
Segaada parteO asidor dn nares.
Terceira parteA bl|orna hanaaina.
Quarta parteA puchada don fcol.
D. Mximo atirar ao ar como limito pesos de
20 e 30 kilos,i"far com elles urna trabalhada a que
chama brinquedo revolucionario. Depois agua-
sar com os denten urna pipa tende em cima dona
rapases ao meamo tempe que supportari nos hom-
bros um trapeaio com urna porco d'ellea faiendo
assim urna volta completa, o seu andor das na
c8es. Em seguida ainda sustentar sobre a bar-
riga duaa enormes pedras at serem ellas quebra-
das com malhos de 25 libras, tranformando-se
n'ama bigorna humana. E acabar por lutar cem
urna junta de boi, urna ou mais, as qae appareee-
rem, vencendo-oa n'uma puchada esplendida. E
tudo isto em pleno co abort, aem illusoes, com
toda a realidade. D. Mximo deixar se examinar
e dar os seus pesos, pedras e etc., a examinar.
UMA MSICA
far as honras da festa. A msica ir para o pa-
vilho do Carmo, s 11/2 horas da tarde, D. M-
ximo se apresentar as 5 horas
Terea-feira 6, o bom piano, na ra Baro da Victoria n. 51.
Quarta-feira 7, o de faseadas, miudetas, ferra-
gens, armaces, carteiras, "mesas e mais objectos
do armasen! da ra do Mrquez de Olinda n. 6.
MARTIMOS
Leilao
de 78 barricas de 70 kilogrsmmas e 20 ditas de
150 kilogrammas, de cimento com toque de avaria,
descarregadas da navio italiano Andrea Paure.
Negonda.leira. & do correte
A's 11 horas
Agente Pinto
No caes da Companhia Pernambucana,
armazem do Sr. Samico
3 leilao
De dividas na importancia de 6:2435000,
pertencentes ao espolio do Antonio Gon-
calves Guimaraes.
Agente Brito
O agente cima, a mandado do Illm. Exm. Sr.
Dr. juiz de direito da provedoria, e a requer meneo
do testamenteiro o Sr. Jos Nunes da Cunha, ven-
der em leilao as referidas dividas.
Negunda feira, 5 do correte
A's 10 1/2 horas
Ra do Rangel n. 48
No armazem da ra do Mrquez de Olinda n. 6.
Em rontinuaro
Urna rica armacao de amarello envernisada e
envilracada.
Urna armaeo ngl>-za grande.
Urna secretaria granee.
Urna carteira e outros movis.
O leilSo principiar as 10 1/2 horas pelas fazen-
das e miudezas.
Cede se a chave do armazem, bem como de todo
o sobrado, de preferencia, a quem comprar as ar-
maces do armazem.
Agente Pestaa
Leilao
Do importante hotel Dous IrmSos, com
todos os Beus utensilos, sito ra de
S. Bom Jess n. 23, protnpto a func-
cionar.
Quarta feira. 7 do correte
A's 11 horas em ponfo
O agente Pestaa, autorisado pelo proprietario
do hetel cima, vender os objectos abaixo de
clarados:
Mesas de madeira, ditas de forro, ditas de pe-
dra, cadeiras de junco, aparadores, fiteiros, qua-
dros, espelhos, cabides, lampeors, candieiros, ata-
gers, cadeiras de junco, relogio de parede, camas
de vento, lavatorios, marquezio, tamboretes, moi-
nbos, bandejas, toalbas, guardanapos, copos, garra-
tas, loucas, trens de cosinha e ou'ros muitos objec-
tos, que estaro a vista dos compradores, os quaes
serio vendidos em um ou mais lotes.
Hoate de Soccorro tt Pernamaco
Leilao de joias
Segundo e alt oto leilao
Dos predios abaixo declarados
Terca feira, de Julho
A's 11 horas na roa do Imperador n. 75
Do sobrado da ra do Calabouco n. 4, do da ra
Coronel Suassuna n. 50. da travesea do Carmo n.
10, do becco da Bomba n. 8, casas terreas da ra
dos Guararapes n. 96, da de Vidal de Negreiros
n. 45, da do Nogueira n. 13, da da Ponte Velba
n. 22, do Visconde Qovanna n. 107, da Baixa-
Verde ns. 1 B, 1 C e 3, e o sitio n. 5, da Cadeia
Nova n. 9 e 10 meia-aguas na travesea das Bar-
reiras n. 4.
O agente Modesto Baptista competentemente
autorisado far leilao dos predios cima e dar as
informacoes precisas.
Cooipattfela Irallelra do Mave-
gaco a Vapor
PORTOS DO NORTE
Vapor Espirito-Santo
Commandanf Joao Marta Pessoa
E' esperado dos portos do sul
at o dia 9 de Julbo, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os portos
I do norte ate Manoa.
Para carga, paaaageas, eneosaceeadaa valores
racta-sena agencia
11Roa do Commercio 11
Leilao
Segunda feira & Je Julho
A'S 11 HORaS
Ba do Impeador n. 75
De um bonito bonds para meninos, com os com-
petentes arreios e dous carneiros, pianos, mobi-
lias, lavatorios de pedra para cabelleireiro, toilets,
guarda-louca, aparador, secretaria, carteiras, com-
modas, mesas redondas, cadeiras avulsas, de bra-
co, de bataneo e de diversas qualidades, camas
francesas, marquezes, machinas para sapateiro,
relogios de parede, fogao, cofre, jarros, quadros,
talheres, colherea, copos, perfumaras, miudesas,
balcoes, armarios, fiteiros e muitos outros objec-
tos.
Agente ltalo Baptista
O conseibo fiscal attendendo nao s ao pedi-
do para ser transferido, de 8 do eorrente para 6
de Julho yindeuro, o anunciado leilao, como por
haver grande numero de cautelas em ser, e nao
convir aos intereasea do estabelecimento e dos mu-
tuarios submettel-as venda, faz agora publico
que no referido dia 8 de Julho se eSectuar im-
preterivelmente o leilao as 11 horas da manb.
Estalas exposico tres dias antes.
10.070 Urna salva oitavada e tres colberes para
sopa, peixe e arroz, prata de lei.
10.116 Um aanel de ouro, com brilhantas.
10.118 Desenove colhere, prata de lei.
10.136 Um par de rosetas de ouro com brilhan-
tes.
10.137 Um annel de ouro com brilhante.
10.784 Duaa salvas de prata de lei, 25 colherea,
12 garios, 12 cabos para tacas e um pale-
tero de prata.
10.786 Urna salva e duas colheres, prata de lei.
10.8U7 Um annel com brilhante e cinco botes de
ouro.
10.811 Urna eorrente e medalha para relogio e um
relogio, ouro de lei.
10.-817 Dous pares de brincos, dous broches, um
annel de ouro com um pequeo brilhante
e um trancilim, ouro de lei.
10.829 Um par de rosetas de oure com brilhan tes,
urna pulceira, um al nete, um par de brin-
cos com peroas, urna medalha, um annel,
seis botes e ums fivella, ouro de lei.
10.831 Duas puiceiras, um broche com coral, urna
volta de trancelim com perelas, um annel
e urna eorrente, para relogio, ouro de lei.
10.839 Um par de brincos de osro eom pequeo
brilhante, urna par de rosetas e um tran-
celim, ouro de lei.
10.841 Urna pulceira, um broche e um trancelim,
ouro de lei, um trancelim, ouro baixo.
10.842 Um broche de ouro com pe rolas, urna pul-
ceira e urna corrate, para relogio, ouro de
lei; um alfinete era vejado de diamantes.
10.843 Um trancelim e dous aunis, ouro de lei.
10.846 Um par de rosetas de ouro com diamantes
um par de brincos, urna pulseira, um tran-
celim e urna medalha, ouro de lei; urna ti-
jella, prata de lei; urna salva e nm copo,
rala baixa.
ma crrante e medalha para relogio, ou-
ro de lei.
10.869 Urna eorrente para relogio, um trancelim,
um brocho, urna loneta e um relogio, ouro
de lei.
10.887 Urna eorrente e medalha, para relogio, ou-
ro de lei.
10.889 Urna pulseira, um trancelim, quatro au-
nis e urna moedinha, ouro de le.
10.891 Um broche com brilhante e d -mants.
10.905 Tres correntes e urna midal.a para re-
logia, ouro de lei.
10.910 Urna eorrente e medalha para relogio, e
um trancelim, ouro de lei.
10.914 Urna pulceira de ouro com brilhantes.
X0.922 Urna eorrente para relogio, um resplando
cinco coras para imagens e um relogi
pequeo, euro de lei.
10.930 Deis anneia de ouro com brilhantes, urna
* volta de ouro com medalha, um trancelim,
uma moedinha, duas medalhas, dais pares
de brincos e nm relogio, ouro de lei. '
eorrente _
um relogio de ouro.
10.942 Dezenove colheres e um par de fivellas de*
prata.
10.943 Um par de rosetas de ouro com dous bri-
lhantes, orna pulseira e um par d# botes,
ouro de lei.
10.974 Urna eorrente para relogio, um trancelim e
urna medalha, ouro de lei.
10.997 Um relogio, ouro de lei.
11.006 Um par de rosetas de ouro eom brilhan-
tes.
11.015 Um tranceln, oure de lei, urna pulseira,
oaro de lei.
11.022 Urna pulseira, euro de lei.
11.032 Urna eorrente e sindte, tara relogio, ouro
de lei.
11.061 Um par de rosetas de ouro com pequeos
brilhantes, urna volta de onro e urna me-
dalha, ouro de lei.
11.062 Um par de rosetas de ouro com brilhantes,
um annel com dito e rubina, um alfinete,
dois botes e um relogio, uro de lei; um
alfintte da ouro com brilhantes, dois pares
de rosetas cravejado de ditos, um annel e
urna cruz com ditos, na fio de parolas, um
trancelim, um collar e urna eorrente, euro
de lei; dois cordoes, urna cruz, um cora-
co em ouro, ouro baixo.
11.068 Urna eorrente para relogio e urna meda-
lha, ouro de lei.
11.092 Um par de brincos de ouro, contendo bri-
lhantes.
[1.102 Urna eorrente para relogio, urna volta de
ouro e um relogio para eenhora ; ouro de
lei.
11.117 Um annel de ouro com um brilhante.
11.118 Urna eorrente para relogio e um relogio,
ouro de lei.
11.128 eis CiStlcaes pequenos,|prata baixa.
11.129 Um annel de ouro com brilhante.
11.138 Urna pulceira de ouro.
11.139 Um relogio, ourode lei.
11.146 Urna medalha, urna volta de cordio, dois
aunis, duas pecas para pulseira e urna te-
ta de ouro.
11.192 Urna pulseira, um trancelim, um meda-
lhao, um broche, quatro moedinhas de ou-
ro em botes, ouro de lei.
11.493 Um trancelim, um par de brincos e urna
pequea teta, ouro de lei ; um broche, um
par de botes e um annel, ouro baixo.
11.198 Um relogio, ouro de lei.
11.210 Um rvlogio, ouro de le.
11.212 Um alfinete de ouro com brilhantes e pe-
rolas, ouro de lei.
11.216 Duas correntes e urna medalha, ouro de
I-i.
11.242 Um annel de ouro com brilhante, urna cor-
rente e medalha para relogio, ouro de
lei.
11.247 Ums moedinha de ouro com laco de ouro,
dous pares de brincos, um dito de botes e
tres anneis euro de lei; nm alfiuete,
cordo, dous pares de rosetas, urna te
urna, figa e tres anneis, ouro baixo.
11.250 Um cordio e urna cruz ouro de lei; um
cordo ouro baixo.
11.257 Um par de brincos cravejados da brilhan-
tes em prata.
11 260 Urna eorrente e medalha para relogio, ouro
de lei; urna salva e doze colheres para
8< 11.261 Um annel de ouro eom brilhant, um dito
com ditos e esmeralda, urna pulseira e urna
eorrente para relogio, ouro de lei.
11.273 Um relogio de ouro para senhora.
11.299 Urna pulseira, um par de brincos e um an-
nel, ouro de lei.
11.303 Seis botes, ouro de lei.
11.309 Urna vulta de ouro, um cordio, dous an-
neis, um dodal, ouro de lei.
11.326 Urna pulseira, urna volta de ouro e umpar
de rosetas, ouro de lei,
11.330 Um relogio, ouro de lei.
11.334 Tres pulseiraa e duas pecas de brincos,
ouro de ei.
11.352 Umacorade ouro para imagem, um cor-
dito e um emblema do Espirito-Santo, onro
de lei.
11.356 Urna eorrente com medalha, oura de lei.
11.377 Urna volta de ouro com medalha pequea,
um alfinete, um aro de euro e um annel,
ouro de lei.
11 384 Umt pulseira, um par de brincos e urna
cruz, ouro de lei.
11.388 Um cordo, um par de rosetas e urna eras,
ouro de le.
11.392 Urna eorrente para relogio e umpar de
brincos, ouro de lei.
11.401 Um relogio, ouro de lei.
11.409 Um relogio, ouro de lei,
11.419 Urna pulseira, ouro de lei
11.437 Um n-logio, ouro de lei.
II .443 Um par de rosetas de onro cravejadas de
brilhantes e urna eorrente para relogio,
our.) de lei.
11.504 Um alfinete e um par de rosetas, ouro de
lei; urna salva, prata de lei; e doae co-
lheres, prata baixa.
11.454 Um lhco de ouro cravejado de diamantes
e duxs pulseiras, ouro de lei.
11.472 Um relogio, ouro de lei.
11 475 Um alfinete de ouro com brilhantes.
11.497 Sete colheres de prata.
11.511 Um cordo, urna moedinha de ouro com
laco, urna moedinha de valer de 5J e nm
annel, ouro de lei.
11.513 Um cordo, ouro de lei.
11.521 Um annel de oaro com um brilhante e urna
pulseira, ouro de lei.
11.523 Urna eorrente e medalha para relogio, oaro
de lei.
11.514 Um par de rosetas de ouro com pequeos
brilhantes e um annel com numero em cir-
culo.
11.548 Urna correte para relogio, ouro de le, nm
feixe de ouro baixo.
11.551 Urna salva de prata.
11.552 Urna pulseira, um par de brincas de onro
de lei.
11.553 Urna pulseira, nm broche e um par de ro-
setas, ouro de lei.
11.554 Um relogio de ouro de lei.
11.557 Um volta de trancelim, urna cruz, dous
pares de brincos pequeos, um dito de ro-
setas, nm dito de argoles, cinco botes
urna moedinha, dous.pares de celxetes, duas
pecas de brincos e um annel, de ouro.
11.566 Um annel de ouro com brilhante.
11.579 Um par de esporas de prata baixa.
11.589 Um par de rosetas de oure com brilhantes.
11.590 Um trancelim, urna medalha e um collar,
euro de lei.
11.600 Um annel de ouro eom brilhantes.
11.601 Urna eorrente de ouro para relogio, ama
dita com medalha, ouro e platina, e um
paliteiro de prata de lei.
Recite, 8 de Junho de 1886.
O gerente interino,
Felino D. Ferreira Coelho.
AVISOS DIVERSOS
Precisa-se de duas amas, urna que cosinhe
e outra que engomme, e de um criado menor de
16 annos : na ra do Imperador n. 45, pimeiro
andar. ^^^^^^^
Precisa-se de urna ama para cosinhar, para
casa de pouca familia ; na ra do Barao da Vic-
toria n. 57.
Aluga-se o sitio do Pina, com boa casa para
morada, contendo bastantes commodos para nu-
merosa familia, grande quantidade de coqueiroa,
seis grandes viveiros, duas cacimbas com encllen-
te agua : a tratar no caes de Apollo n. 45.
Aluga-se casas a 84000 no beceo dos Coe-
Ihos, junto de 3. OoncaUo : a tratar na ra da
Imperatris n. 56._________________________
Precisa-se de urna cezinheira, na ra da Au-
rora n. 81 1- andar. _________________.
j__Precisa-se de urna mulher de idade para
cosinhar e lavar alguma roupa ; na ra da Matris
da Boa-Vista n. 3.__________________________
_ Compra-s urna casa na treguezia da Boa-
Vista, por.2:000 : a tratar na roa do Visconde
de Albuqnerqne n. 21._______________________
__ Quem precisar de urna ama com urna filha
para casa de urna ou duas pessoas, dirya-se aa
pateo de S. Pedro n. 14.
CRIADO. Na ra do Visconde de Albuqner-
qne n. 21, precisa-se de nm, de idade de 12 an-
nos.
__ Precisa-se de urna coainhaira para casa de
familia; a tratar na ra do Bario da Victori
numero 39.

siMasBBsiimBBmsissmssaMsHiliH
s^sisaiHsaUs^H





I
l!
I
, -
)
r.
Diario de PernambocoDomingo 4 de Julho de 1886
. Na ra da Matriz da Boa-Vista n. 3, te
precisa de criados para vendas de taboleiro, e que
teanam boa condacU, amaneando, d-se bom tra-
tamento.__________________________________
Umcfamilia honesta alnga i outra d igua
conducta a metade da casa dama de Barthotemeu
n. 61. e precisa-se de um menino para Tender
na roa. .
Precisa-se de um caixeiro
ra da niao n. 54.
com pratiea ; na
_ ALUGvSE a casa terrea n. 20 da ra do
Capitao Antonio de Lima, com 2 salas, 3 quartos,
cosiaha e quintal com cacimba : a tratar na ra
do Marques de Olinda n. 8. _____________
'Vende-se 25 predio! (sobrados, casas terreas e
sitios) as treguexias do Recife, Santo Antonio,
S. Jos e Graoa, a traUr na ra do Imperador
n.75.______________ _____________________
Aos vendelhoes e a quem tver
transaefes com ? fabrica Snl
tana.
Op^oprietario da mesma participa que nesta
data deixou de ser seu caixeiro o Sr. Aderaldo
Leite, e que nao tendo outro, s com elle propie-
tario se devem entender, ra larga do Rosario
n. 15. Becife, 30 de Juuho de 18S6.____
__ Offerece se urna senhora honesta e de bons
coatomes, para ensinar primeiras lettras a meni-
nas, oc rfger casa de homem solteiro : quem pre-
cisar dirija carta esta redaccao com as iniciaes
J. M. R__________________.
Proprios para lunch de 1, 2, 3, 4 e 5 libras, re-
oeberam Jos Fernandes Lima & C.
Rua-Nova n. 3
AMAS
Precisa se de urna ama para cosinhar e comprar
e de outra par engommai e lavar, que durmam
em casa dos patros ; na ra Princesa Isabel nu-
mero 6.
Aluga-se
as duas casas da ra da Aurora ns. 167 e 169
tratar na ra do Hospicio n. 9.
Por 22#000
Aluga-se a casa n. 24 ra de S. Joao, com
bons commodos : a tratar na ra Duque de Ca-
xias n. 85.
Engenbo Concedo da freguezia
de Mwribeca
Maaoel Xavier Cameiro da Cunha Filho, ren-
deiro do engeuho Conoeicio da freguzia de Mu-
ribeca, avisa aos eonsenhores e interessados do
referido engeoho, que ao tomar posse das obras e
bemfeitorias em o 1** d Maio deste aono encon-
troa-as todas damnificadas : aecreacendo que a
casa do bagaco est em completo estado de ruina,
e ameacada de desabar, e para que nao se) res-
ponsavel, pois que obrigado pela conservaco de
obra arruinadas, fat a presente declaraco.
Perante o aizode orphaot de J a boa to o sig-
natario da presente vai levar o conhecijiento do
que expe pela iinprensa, com audiencia do Dr
curador geral de orpbos para ante elles acautelar
0 seu direito.
Engenbo Conceicao, 1 de Julho de 1886.
Manad Xivier Caraeiro do Cunha Filho.
Cidade da Escada
r Vende-se o Hotel Escadense, junto estacao da
mesma cidade; est funccionando, bem afre-
gnezado e bem montado, ahi demora-se o tren: J 5
minutos : quem pretender dirija-se ao mesmo. O
motivo da venda se dir ao comprador.
neniis pe en!
Sem dieta escm niodif-
ca$oes de eostiiines
Laboratorio central, ra do Viconde do
Rio-Branco n. 14
Esquina da ra do Reqente .Rio de
Janeiro
Especficos preparados pelo pliar
maceutico Eugenio Marques
de Hollanda
Approvudos pelas juntas de hygiene da Corte,
Repblicas do Prata e academia de industria de
Paria.
Elixir de imbiribina
Restabelece os dyspepticoa, facilita as diges-
tie e promove as ejeccoes difficiea.
Vinho de anauaz ferruginoso e quinado
Para os chloro-anemicos, debella a hj poemia
intertropical, rtconstitue os bydropicos e benbe-
itcoa.
Xarope de flor de arueira e matamba
Muito recoman ndado na bronchite, na hemop-
CALLOS
O MELHOR E MAISINFALLIVEL DE-
TRACTOR DOS CALLOS E" A
Majnardina
porque os extrahe completamente.sem cau ar
minina dor.
E' fac de applkar, nao impede de se andar
calcado e tem o seu effeito comprovado por attes-
tados insuspeitos e em numerosas applicacoes que
nunca falharam. Nao confundam, nem se en-
ganem com outro preparado. S verdadeiro o
que se prepara e vende na Drogara e Imperial
Pharmacia Diniz.
DE DINIZ & LORENZO!
37Pra?a do General Ozorio-57
Deposito em Parnambuco, pharmacia da
Hermes de Souza Pereira & C,
Successores
Bm io MarQQez te Otilia 121
abaixo assignado, Dr. em medicina pela Fa-
?uldade do Rio de Janeiro, cavalheiro da ordem
de ( hristo por Portugal, medico adjunto do Hos-
pital da Veneravel Ordem Terceira do Carmo, da
caixa de D. Pedro V, agraciado com a medalha
humanitaria por esta pia instituicao, etc., etc.
Attesta que o remedio denominado MAYNAR
DINA, preparado pelos Sre. Dinis & Lorenao
na imperial drogara e pharmacia Diniz, infal-
livel para a extraeco dos callos. Outrosim
attesto que tendo em si empregado, colheu os me-
lhores resultados a .ponto de pder calcar as bo-
tinas as mais justas
O que attesta verdade e jura aob a f de seu
fjrao- _
Rio, 10 de Dezembro de 1885.-Dr. Franatco
de Paula Costa Jnior.
FARINHA LCTEA
DE
!
MARCA REGISTRADA
15 n03 SE SCCESSO
21 recompensas, das quaes 8 diplomas de honra
e 8 msdalhas de ouro.
Certificados numerosos das primeiras autorida-
des medicas.
Alimento completo para rrianci
nfcaa de pello
Suppre a insuficiencia do leite materno, facilita
a deaamumentacSo e a digesto fcil.
Emprga-se tambem vanta jotamente para adul.
tos como alimeto para esto magos debilitados.
NICO DEPOSITO ESPECIAL DA FABRICA
VARA TODO O IMPERIO
1 C-RUA DE S. PEDRO 31C
Rio de Janeiro
AOS 4:0004000
SIIBSTES 2-ABANIIDSS
lina l'rinieiro de Marfo n. 23
nos
4
tyse e as tosses agudas ou chronicas
Oleo
ferruginoso
e aseas de
O abaixo assignado, tendo vendido
seas afortunados bilhetes garantidos
quartos n. 2070 com a sorte de 1O9O00,
alm de outras sortes de 32(5, 16<$ e 80, da
lotera (61.*), que se acabou de extrahir,
convida aos possuidores a virem receber
ua conformidade do costurae sem descont
algn.
Acham-se venda os afortunados bi-
lhetes garantidos da 250.* parte das loteras
a beneficio da Santa Casa de Misericordia
do Recife (62.) que se exirahir quinta-
feira, 8 de Julho.
Preeos
Inteiro 4,5000
Meio 2^000
Quarto 10000
8n quantidade malor de lOO*
Inteiro 30500
Meio 15750
Quarto 875
Manoel Mart.ins Finta.
Aos 4:000$000
I:
BILHETES BABAUTIDOS
16-Rua do Cabug-16
O abaixo assignado vendeu nos seus ven-
turosos bilhetes garantidos os premios se
guintes :1 inteiro coma sorte de 1:0000 no
n. 3682 alm de outras mais de 320,160, e
6 5 da lotera n. 61.
Convida-se aos possuidores a vir rece-
ber sem descont algum.
Acham-se venda os venturosos bilhe-
tes garantidos da lotera n. 62a em beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir quinta feira 8 do cor-
rente.
FAZE\DAS BARATAS
Na bem condecida lo ja darna Primeiro de
Marfo n. 20
JUNTO DO LOIVRE
Grande sortimento de madapoloes
70500 e 80000
de
60500.
40500, 50, 50500, 60, 60500
Algodoes brancos, superiores qualidades, de 40, 40500, 50, 50500, 60 e
HOSPEDARA
28- RA DO BARAO DA VCTORIA-28
O propretario (leste estabelecimento nada tem poupado afim de qne os seus
Ilustres ireguezes encontrem os melhores almocos, lunchs, notares ceias a fraaesza
e a brasileira, para o que acaba de empregar um cosiaheiro de prmeira ordem e pae-
soal escoltado.
Jantares e banquetes sobre encommenda.
Quartos mobiliados e salSes reservados para as Exrui.s. familias.
Falla-se inglez, allemao e outras linguas.
Recebe-se .nssignaturas para a mesa e pensionistas com moradia, por procos
muito commodos.
Em noites de espectculo, este ESTABELECIMENTO estar aberto t o fim
do mesmo.
CZ2
o
os
02
05
Saperiores cretones de 320 a 500 o covadu.
Batistes, lindro padrues, a 200 e 320 rs. o covado.
Fustdes brancos de novos deaenhos a 440 e 500 rs. o covado.
Cobertas de ganga, forradas, de dous pannos a 30 500.
Ditas de ganga cretone, bonitos padrSes, a 30000.
Lencoes de bramante, de linho.. de 20 a 40000 a um.
Ditos de algodao de 1,800 a 20500.
Toalhas felpudas, de tamanho regular a 50000 a duzia.
Ditas grandes para banhos a 20000 urna.
LencoB de algodao de 10800 a 20200 a duzia.
D:f03 ^e algodao, com barra, a 20400 a duzia.
liti pardo, claro, a 300, 400 e 700 rs. o covado.
Dito traacado, loaa, a 10, 10iOO e 10200 o meto.
(Jortes Je vestido de cretone de 200 por 80000.
-iai-unapos de linho de 30500 a 60 a duzia.
Graade var'cdade de anquinhas de 20 a 50000.
Meias cruas para homem a 50, 60, e 70000 a duzia.
Chambres muito bem preparados, para homem, de 50 a 100000.
Casdmira diagonal, preta e azul escuro, a 20500 o covado.
.A IgodSo-trancado de duas larguras a 10300 a vara.
Bramante de algodSo, de qnatro larguras, de 10500, 10800 e 2000
Dito de linho idem idem de 20, 20500 30 e 40000 a vara.
Leqiies de papel, de lindos d*senhos, de 500, 800 o 10000.
Merino preto e azul a 104O rs. o covado.
Setinetas lisas de todas as cores a 440 rs. o covado.
Velbutinas de todas as cores a 10000 o covado.
Molesquin de cores, bonitos padrees, a 600 rs. o covado.
Chales do algodao a 10200, 10400,10600 e 28000.
Guarda p de brim de linho pardo a 40, 50 e 6|000.
Oxford p*ra camisas, lindos padrSes, a 280 300 e 340 rs, o covado.
Costumes para banhos de mar a 80 e 100000.
Cortinados bordados para cama e janellas a 80 100, 12, 14 e 160000 o pa,
Grande sortimento de roupa feita para trabalhadores de campo.
Encarregamo-nos tambem de mandar fazer qualquer roupa para homem e
meninos, para o que temos um hbil 'oficial e um grande sortimento de pannos, brins,
casemiras, etc. .
Quem precisar de algum artigo bom e barato, dever visitar de preferencia
este antigo e acreditado estabelecimento.
a vara
os
02
02
Chapeos e eliapelinas
36 A40FRAUA. DA INDEP E1EIA ---36 A ,0
6. S. CARVALHO & G.
Proprietarios deste bem conhecido estabelecimento p&itecipam
as Exmas. familias e &o publico em geral, que mensajmente recebem
das principaes casas em Pars e Manchester o que de melhor e de
apurado gosto ha em chapclinas e chapeos para senhoras e meninas
e das primeiras fabricas de H.raburgo o que ha de melhor em cha-
peos para homens e criancas, e muitos outros artigos concernentes
a cbapelara.
Flores artificiaes para ornaroeno de salas.
teJD
ce

OS
O
02
ce
M Primeiro le Marco 120
de testudus
laranjas amargas
E' o primeiro reparador da fraqneza do orga-
. sismo, na fysica.
Pillas ante peridicas, preparadas com a
pererina, quina e jaborandy
Cura radicalmente as febres intermitientes, re-
nittentes e perniciosas,
Yinho de jurubeba simples e tambem fer-
ruginoso preparados em vinho de caj
Efficazes as inflammaces do figado e baco
' agudas ou chronicas.
Vinho tnico de capuana e quina
Applicado as conTalescrncas das parturientes
retico antefebril.
Depasito : Francisco Manoel da Silva & C.
Francisco Manoel da Silva & C.
23-RUA MRQUEZ DE QLINDA-23
PILULAS
Ferruginosas
'JURUBEBA1
BARTHOLOMEO & Ca
rhirm. Pernambuco.
Curio a Anemia, Flore branca,
Falta de aKenatmaefto,
Debilidades e Pobre xa de sangmejl
Sscigir o. assignatura
y3*i4lv&rt***C2J
Jlalo Fraaclaco da Foaaeca
arroso .
Paterniano C. da Fonseca Barroso, Eutropio T.
d Fonseca Barroso, Evaldo C. da Fonseca Barro-
so, Sidronia Maria das Cbagas Barroso, Mana
Luisa da Fonseca Barrcso, agradecem do intimo
d'ahna a pessoas que se digoaram acompanbHr
os reatos mortaes de'eeu presado irmao e cunbado,
Edisio Francisco da Fonseca Barroso, e de novo
as convidan! para assistirem ss missas que por
alma delle mandam rer na greja do Paraso no
dia 1 do correte, as 6 I/S hors da manhi, stimo
da de seu failecimento, e desde ja se coufessasa
eternamente gratos.
mito Kraomo Muretra de
Hendonra
Maria Leopoldina Macbado'de Mendonca e sus
filkaa maBdam wna, misaa-por alma de seu.
setnore lembrado espoao e p*i, na igreja da Penba,
as 7 horas do dia 5 do corrate, Io aamiveriaria
do sea psssamento
Intero 41000
Meio 2,5000
Quarto 10000
Sendo quantidade superior
a oorooo
Inteiro 30500
Meio 10750
Qarto 0875
Jooquim Pires da Silva.
iui
UsfcOOOSOO
BILHETEN tAU*\llO
t^ra^a da independen
cia ns. 37e 39
O abaixo assignado vendeu entre os seus
felizes bilhetes garantidos da 61a lotera
a sorte de 1000 em 4 quartos n. 2705,
alm de outras mnitas de 320,160 e 80.
Convida os possuidores a virem receber
sem descont abzum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes
garantidos da 62a parte da lotera a beneficio
da Santa Casa de Misericordia do Recife,
que se extrahir no dia 8 de Julho.
Preco*
Bilhote inteiro 40000
Meio 20000
Quarto 10000
ttm porco de 1005000 para
claaa
Bilhete inteiro 30500
Meio WM
Quarto fr870
Autonio Augusto dos Sant-' Porto.
pIlulas
JURUBEBA
SEMPRE NOYIDADES
Fazendas fioas e modas
2 A-Eua do Cabug--2 B
J. BASTOS &C.
Pelo ultimo vapor recebemos de PARS :
Cortes de vestidos diaphanos, alta novidade.
Vestidos da cachemira, especialidade.
Ditos de toile d'AUace, grande moda.
Cachemira broch, tecido modernissimo.
Orlatienne, fazenda nova e padrSes lindissimos.
Venitienne, combinacao de fazonda lisa e lavrada de muito gosto.
Zepbyr quadrile, novidade.
Cachemiras de todas as cores com enfeites de Guipoure.
Plumetie, branco e de cores com lindos bordados.
Toile d'Alsaee, variado sortimento.
Etamine de cores, desenho novissimo.
Satin double, tecido de algodao modernissimo.
Gase de algodao, em todas as cores, propria para bailes e theatros.
Lequcs aiaphanos.
Ditos de setim.
Ditos de madreperola.
Guipoure de seda. .
Bicos do seda diaphano, revolucSo da grande moda para enfoitar vesUdos
de sedas.
Chapeos de seda arrendados, novidade.
Sedas e setins, branco, preto e de cures.
Colchas de damasco de seda.
Ditas de crochet e Guipoure.
ESPECIALIDADES
Dolmans de seda e cachemira com enfeites de passemanterie e vidrhos,
guarnicao de renda e franja.
Jersey de 13 com enfeites de peluda e bordados, escollados sortunentos^d estes
casacos de malha, que vendemos do 80000 a 150000-
Fornecem-se as amostras de) todos os artigos.
(Telephonc n. 359)
BARTHOLOMEO.
Phtrm. Ptrnambuco
leuxo as ea5a. e todas as l"ebre J
Intermitiente.
S AHNOS DE SUCCESSOI
O* proprietarios do muito conhecido estabelecimento denominado
MUSEU DE JOIAS
sito a ra do Cabug n. 4, communicam ao respeitarel PUBLICO que receberam un.
erande sortimento de joias das mais modernas e dos mais apurados gostos, como tam
bem relogios do todas as qualidades. Avisara tambem que continuara a receber por
todos os vapores vindoe da Europa, objectos novos e vendem por muito menos que en
outra qualquer parte. .. w,w_ ^
HIGL WOLFP & C.
N. 4RA DO
Jompra-se ouro e prata velba.
CABUGNa 4
GOW ri"K
JOSEPH KKAISE 8:
Acabam de anpenlar o seo ja bem conhecido
mperiinie estabelecimento rna Io
de marco n. 6 com mais
om saino no 1 andar Inxuosamente pepar-
rado e prvido de una exposi-
f/k ir hras de prate k ForU e e*4rt>flite
dos mais afamados fabruaeies do
mundo inteiro.
|onvida, pois, as Gxmas. familias, seus nume-
rosos amigos e freguis a visitaren.
o seo estabelerimenio. alim de
apreciarem a grandeza e bom josto com qne
nao obstante a grande
despeza, o adornaran), em honra
desla provincia.
CHASE ABERTO DAS 1 i8 DA KOITB
8
g
t


a *
2 i
es ^m
^AOO'00 PH*lWf^;
EDCERKI MARQUESOEUOUUnUL]
'/Pfy/uglnty r
be Rheu mat is mo. Canc rofi, Bobas. 6npl|en6 t 'v
etodaeas molestias quetenho sna ori^tm
,'na impureza do sangue rienda a syphiue.


1 GH*n.j>ecpi4\c cAxA*ce /rot(n* covn oo O
ABORflTORkO'fEMTRAl Ot^RO0CTO8ll^0ICIIIAc|

<
_------------------------------------------------------..... '
MFIMA6BA8..UftM.
Ruado Viso onde do Rio Branco
-RIO DE elAXKIKO:-------
/ O
1

o
Qt)
N-i
3
%
55 s
S
P c-
3
S o
o U9
so
3
p P
t

0 rD
<
N ^
O.
P
o
S i
Su o
P s
2
M P
06 o
(V
11
Cu
P
GC
P
<
P
fr

A -
:'
iffiD


6

Diario ce PerDaiiibut;Oiiniing
Serrara a vapor
Caes 4o CapJbarlbe a. t.
N'eata serrara encontrarlo os aenhores fregue-
ses, nm grande sortimento de picha de resina de
cinco a des metros de compnmehco e de 0,08 a
0,24 de eequadros Garante-se preco mais como-
do do qne em outra qualqner parte.
Francisco dar Santos Macedo.
EMULSAO
DE
SCOTT
DE OLEO PURO DE
Figado de bacalho
COM
Hypojihosphilos de cal e soda
Approvada pela Junta de Ily
gicnc e autorlsada pelo
governo
E' o melhor rem dio al hoje deucoberto para a
liairR broucbite, eaoropbalas. ra-
calttffi. anemia, leMlldadc rmgeral,
srOuio, toitwe rbronifa e af<-<-d<>
do pelto o da sai-sania.
E' muito superior ao oleo simples de fgado de
bacalho, porque, alm de ter cheiro e sabor agra-
daveis, possue todas as virtudes medicinaes e nu-
tritivas do ole./, alm das propriedades tnicas
reconstituintes dos hypophosphitos. A' venda nat
drogaras e boticas.
Deposito em Pernambuco
Aviso
Precisa-se de urna professora que saiba tocar
bem piano e maia traba Ihos de senhora, para en-
genho : a tratar com o Baro de Nazareth, ra
do Imperador n. 79, andar.
Casa grande em Olinda
Por ifiooo
Aluga se urna casa euro grandes commodos
para familia, tendo bom quintal e grande viveiro,
sita em Santa Tbereza, lugar denominado Pisa,
pelo barato prejo de 16000 mensaej : a tratar
no Recite, ra da Imperatriz n. 32, loja.
Ana
Precisa-se de urna ama para tods servico de
casa de familia : a tratar na ra do Goto vello
numero 46.
Ama
0
Precisa se de urna sra* qne compre e C03inhe
con perfeicJo : na nu do Batao da Victoria n.
69, a- andar.
Ama
Na ra da Conceifao n. 58, precisa se de unas
ama para lodo -o servico :
Urna senhora offerece-se p ra ser ama, dando
conbecimento de sua conducta : quem de seus
serviojs precisar, dirija-se ra Bella n. 37, 1-
andar, que achara com quem tratar.
Ama
Preeisa-se de urna ama para todo o servico de
urna s pessoa ; na ra do Baro da Victoria n.
14. Na mesma casa aceita-se urna menina ou mu-
lher de idade, para companhia, dando-se casa e
comida.
Ama
Precisa-se de uros ama para todo servico de
casa de pequea familia; na ra Augusta n. 187,
segundo andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinh&r ; na tra-
vesea dos Pires n. 5, Geriquity.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de familia :
na rna Formoea n. 37.
Ama de leite e criado
Na ra da Aurora n. 81, 2- andar, se precisa
de urna ama de leite e de um criado menor.
Aluga-se
O segundo andar do predio n. 59 rna Duque
de Cazias com bons commodos para familia,
tractar na loja.
Onera tem?
are e prata: comprase ouro, prata e
pedras preciosas, por maior preco que em outra
quaiquer parte ; no 1 andar n. 22 a ra larga do
Rosario, anliga dos Quartes, das 10 horas s 2 da
arde, das uteis.
Apa ie ylf "
Em quartcs e meias garrafas, vendem Faria
Sobrinho & C., a roa do Mrquez de Olmaa i. 41,
DEPOSITARIOS___________
Porto Calvo
O Sr. Bcnvei.uto Buarque, para satisfazer
promessa e compremisso do dia 15, cham
ra ao Baro da Victoria n. 10, loja.
Alagase
urna grande casa com dous grandes quntaes e
agua encanada, ra Lembranca do Gomes a. 1,
em Santo Amaro : a tratar na ra da Imperatriz
n. 32, 1- andar.
Ao publico
Alug-a-se
casa pequea, roa de S Francisco n. 1
star na rna de Santa Thweza n. 38.""
Aluga-se
Hermina de Carvalho Mtnna da Costa, prprie-
taria aa photographia sita ra do Baro da Vi-
ctoria n 14 2." andar, declara para os fina' con-
venientes, que desde o dia 6 do corrente deizou
de ser socio da mesma photographia o Sr. Flosculo
de Magalhi's.
Aprovcita a occasiao para commumear a todos
aquellas que se t?em dignado de dispensar ILe a
ana pacteceo n'aquelle ramo de negocio, que con-
tinua com a referida pbotoqraphia, a qual se acba
hoje melborada consideraveluente nao s quanto
aos mistercs tcchnicos d'arte, como tambem quan-
to aos dt-maie requisitos essenciaes para nao des
agradar aquellas peso.:s que all coroparecerem,
dando prov de desejo do concotrer para o pro-
gresso da industrib nacional.
DasExmas. senboras principalmente, espera a
referida proprietaria toda sua valiossima protec-
v'o.
PAR7C0SINHAR
Precisa-se de uaia
ama que saiba cosi-
nhar bem; no 3. an-
dar do predio n. 42
da ra Duque de Ca-
xias, por cima da ty-
poopraphia do Diario
Criado
Precisa-se de um de 12 A 14 annos, para o s*t-
vico da casa t di- ra : na praca do Conde d*Eu
n. 30, terceiro -ndaw____________
casa terrea com rauitos commodos e quinta,
la do Conde da Boa-Viata (Caminho-novo), a
chave est na mereearia do Sr. Carneira na mes-
ma ran. 79 : ;. tratar na ra di Imperatriz n.
64, loja do Cyene.
Alnga-se
o segundo andar do sobrado do largo de S. Pedro
n. 4, limpo e com bons commodos para familia,
com aaam e gaz encanado : a tratar no primeiro
apdar &n mesmo sobrado, ou ra estreita do
KosaWa a. 'J.
^C
Aluga-se
o sobrado de um andar e soto ra do Mrquez
do Herval, travessa do Poeinho n. 33, e a casa
terrea sita rna do Visconde de Albuquerque d.
170 : a tratar no largo do Corpo Santo n. 4, pri-
meiro andar.
Aluga-sc barato
A casa n. 96 ra dos Guararapes.
A casa n. 107 da ra Viseonde de Goyanua.
A ra Lomas Valentinas n. 4
Trata-se no largo de Corpo Santo n.19.1 andar
brande casa terrea com soto
ItftfllHl'*
Tende-se ou 4rrendase,i anrruamente urna boa
casa com bastant** cifnrootibB para fumi'ia, tendo
agua e gaz etieanade|h com um bom quintal todo
mundo, (od aljjunufB arv'r-.i fructiferas e com
sabida para o rio, por pr*op,cauito razoavel : quem
precisar ainja-se rtia Dbque de Gaxias n. 117
qae achara Coa au> m tratar.
Lriao
Precisa se de'unj menino d 12 14 annos : na
ra do Mrquez do Herval n. 28.
h\\m\, tijok* e telas
Vende Candid" Tilingo da Costa Mello, em sen
deposito ra Imp'-rial n. 322, olaris, onde tam-
ben vende tij los < t< Ibas. Telephone n. 221.
Aluga-se
Tera no andar terreo 6 qntrtos, 2 salas, corre-
dor ao lado, no quintal cosinha, boa cacimba,
grande telheiro para animaes, no oitao de toda a
casa um terreno todo murado com porto na fren-
te, proprio para jardn) e borta, tjda a casa
muito ventilada, ra dos Coelhos n. 15, esquina
para o caes de Capiba be tra a so no patea do
Carmo, casa de banhos.
Ao i simltoTiis de eneenlis o
Tomem nota
Trilhos para engenhos
WAGONS PARA CANNA
Locomotivas
Haehftnismo completo para en
genhos de t do* os lmannos
Syirtema aporfeijoado
Esyecificacoe* e prqos no escriptorio dos
dgentes
Browrjs & C.
9. A Rna do f'ommcrcio
N. b. Alm do cima K 6c C, teui cathalogos de
muiros implementos necessarios agricultura, como
tambem machinas para descansar algodio, moi
nhos para caf, trigo, arroz e inillu ; cerca de fer-
ro gaivanisado ezcellente e mdico em pre^o, pes-
soa nenhuma pode trepai-a, nem animal que-
bml a.
C o^inheira limpa e fiel
Precisa-se para uina lojfc, eosinhando somonte
nos das uteis e doimindo onde lhe convier ; na
ra Nova n. 13
^r* hrlm das plantas
MONDEGrO N. 80
Pretedemlo t* acabar cojn aa plantas que es-
ttaem Taso- n'etta j rdlm. 'vende seos sapntisei-
roB mnitu grandes, e daodo'fractv^ 2ft'00, la
ranjiir>s, minio fcfnadef, para eniertar, 600()
a iizia, e sap iiseiros roais pequeos por barito
piSO
Vac
arruta
ingleza e fiuncezH, chegada pelo ultimo vapor :
ra* te-m- na bo'iea franeeza de lluuquayrol frreo
tu*d B ni Jeins u. 22.
Jos ile Castro (wHtimt-
raes
qn* ii i mingue J> Souza nii uinis cibr di r da c chei
ra a in .i. Imperatriz n 29 desdi* Mnico, e
cham ii i r .1 e ni > doa dinheiros que re
ceb .m i'uin'4 das comas Ci'm os re. ibos, e
ent'-t; 1 an <.....la- qu-ai. a ti m em acu poderc
ao kdiiiiiiiairadur daquoila cocheua.
Boa casa
A1ngN-B< urna b ..-i 1 na rna do Paysnuj n.
3, Jauto iio Sr. -frent- 1 -tit-lj, com agua, gaz,
jarai 1, ere. : a 'r.t'nr 11 ra do Hospicio n. 3.
(toixetro
faixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 10 12 annos,
cm alguma pratioa de molh-do ; na ra do Prin
cipe n. 28.
Reclame
Para i fabrica Vendme ebegou de Paris ar-
tigos nnvos p.ra fumantes, espccialidade em pon-
teiras de mbar, verladeiras, e de espuma, ca-
himbos de mbar e espuma, grande sortimento
de cerneja e de bruyre de todos os tamanhos,
aigMrri'iraa a bolsas para fumo, alta nnvidade, es-
Sueiros, cousa nunca vista, phosphnreirus, etc.
hemMm attenjao do pnbiico apreciador do mrito,
run d 1 Baro da Victoria n. 39.
Ae^es entre cavaHeiros
Do annel de briibnntp, reloaio chronometro n
5 "ilD que d via extrabir com a loeria 61, fien pira
correr com a lotera n. 63, como j hontein ee
aVISOU.
Att$iicSo
Prefin se de um menino com pratica ou sem
ella, qtw d fiador de sua conducta : na ra do
Aragao n. 13
Tend de me retirar desta praca, peco pela se-
gunda vez aos meus devedoree o tavt>r de paga-
rem seua dbitos por to&o mez de Julho vindouro.
Tbomaz Ferreira da Conha.
Chapeo legante
Cartalho Irmo c "'. participam s Enras, fa-
milias em geral,-jue acal>am di- receber pelo ulti-
mo vapor francez nm explendido e variadissimo
sortimento de chapeos, chapellnas e cap tai para
senhoras, o que ha de maia 'gosto n'Ste artigo ;
assim como tambem um completo sortimento de
gorros e barretes para enancas, tambem o que ha
de mais moderno. Esperamos que as Exmas. fa-
milias se dignarao vir visitar o nosso estabeleci-
mento, na roa do Baro da Victoria n. 12.Tele-
phone n. 422.
60TTAS REGEMERHORAS
do X>ouOr MJUEL THOMMON
amento efflcaz con*B todas as affeeooes provenientes do enfra-
quecimentp doa orgftos edo syetema nervoso. oU das alteracoes do
sangue. R4Beu dor*tn, s.teriUdade, *rlitta*, safra.
I qnaelBMata iil, loara-. ConTale.conoa*. Este tratamento (Te ha multo, recoBbetdo
e recomWBnado como o malor rereaerador do orranlamo.
^^AfP^g**' FRANCOS (EM J-RAN5IA.) y.
rodo fi m*1*iitk> UktaitrfMtrca de Fabrica regutraia e a m*mtim^Z,A- "' FtirifU
day^saf rigorosamenf recusada ^X-?w^ d*t
TJtmS. WmmueH ozx.nr, ru Sootaaobonm, 38
DflWitB OSF ^nrtmbuco : FRAN M. PHOSPHATO CAL GELATINOSO
de E. LEROY, PtarmaceticB ds \n Classe, 2, ma DannoD. PARS
OBTBOGEXE9 fin t tMtsliuuito i a ImUi ta CM>0(ai. eMtn liealluas e i MslitU kM
laceo. Todos
VINHO PHOSPRATAOO DE LEROY *SV&m
uremia, consumptso, Bronchlte chronloa, Tsica, Fnqueza orgnica, Convaescenpas diffics.
\ Deposita i ios cui l'cnium (/ .- f'RAN" M. ua SILVA e U\
______ .... i j i r
OHkii LACTL CnEME .HlZfl ORIZA VELOUTE
aos Consummidores
PERFUMARA oriza
PARS 207, Ra Saint-Honor, 207 PARS
OS PRODUCTOS DA PERFUMARA ORIZA L.LEGRAND
Oevem sen weeesa* e favo* publico :
_1 Ao elidido escriipiloso con (ie } a a >ia (iililadt laaltoranl *
sao laoric.os. J ssavidad do sel serline.
AS SE IMITA OS PRODUCTOS DA PIRFlimARIA ORIZA
sem Atingir ao seu gru de deUcadei e perielc/So.
Qk A gppare;ic,a exterior destas imitanes sendo idntica aos fertla- #
a Oetros ProOnetom Oriza, os consummidores rteeerao se ^m
^W. precaver contra este commercio illtctto e considerar como ^tr
VW*. co/ltra'accao aualauer itralimtn ip muin,in,ti- tnr+rinr ^mr
de i ros Produrtos Oriza, o's consummidores devero se
. precaver contra este commercio illtctto e considerar como ^\
y^ coiitraaccdo qualquer producto de qualidade inferior ^ftV
^* vendido poz casa* pouco honradas. ^"
v ?mii'iii:Bii;ir-iH' *"" do Catalofco tllnatrado pedido franqueado.
/
grageas de Ferro Rabuteau
Laureado do Instituto da Franca. Premio de Therapeutioa
O emprego em medicina de Ferro Rabuteau c baseado na Sciencia.
As Verdadeiras Grageas de Ferro Rabuteau sao recommendadas nos casos de
Chlorose, Anemia,Plidas Cores, Corrimentos,Debilidade,Esgotamento, Convalescencia,
Fraqueza das criancas, Depauperamento e Alteracao do sangue em consequencia de
fatigas vigillias e excessos de toda a natureza. Tomar 4 6 grageas dor dia.
Nem Constipacao nem Diarrhea, Assimilacao completa. <
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podem engulir
engulir as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente para as criancas.
1121 Urna explicado datalhada acompanha cada frasco.
Exigir o Verdadeiro Ferro Rabuteau de CLIN & Cia, de PARS, que se
__ ___________encontra em casa dos Droguistas e Pharmaceutieos. J
SEM CHEIRO NEM GOSTO DOS LEOS ORDiNAMOS
OLEO
dc TERRA-NOVA
j de FIGAjDCS Frescos
mBACALHA-
-illcaciil.iuo berta cor.tta a Molestia de Felto. a Tisloa,
Bronquitis Prisoes de Veutre, Tosses chronicas, Aieccoes escrofulosas.
ADVEHrETClA. Enja-se ao rotulo o eiJo-Azu/ do Estado francez, i '
HOGG. l'harraaceutico. 2, ra Castifllione, PARI.Z, e principan Pbarowci*
V# DfPOkTUXtt O *#C*
Nova PERFUMARA Extra-fina
r-xm '' w
IMtt.......m CORYLOPSIS k ml'j f P61> ilBIz... m C0R7L0PSIS fc JIPO
mucTl.....io CORYLOPSIS doJ^fAC i Buiuniii.. h CORYLOPSIS do JAP0
ACUi.TODUsei ao CORYLOPSIS jo JAPAO I sii*........ CORYLOPSIS da JAPfl
unv.......MCORYLflPsSdoJAFOPOiiM......ttCORYLOPSLSJiPAB
Sobaforsadj^INHCde'EPI.'OMA V
prepando por )a-eaa de Fat, un. f
meaicamer.lo qae muii cxi*ribue [ara filci' J
itar as fnnecces lo sstoaage, e refalara* a
digesta, usier n eic Je ArKracar > anlnei
de do ;n'.t.
Sannumera 4a experVsu fe seis nfonuuoa m -dioaa de i3aw -nitro* _
I bniic3 dcmcnslcara-. a efn.fa-.ia doVXRHC I
BE VEPTONA DEFRESITfi; na irc-1
iicssibilidade em que esta1".os de rprodiiLlr
tocias as inas carta, limibino-ii a jirs-*'
ectar a jii a carta dui^a o Sar Oarrear.* y
por aai uco'iativo, cujo uoma n a 'ama wi, J
.bem ciiiieciUos pelo mundo otedeai.
Diz o XniXet ao Sftr Oeft tana: f
anlia, a 'JO \e Mayo da 1S8S. +
' lando o gos) de lht> atar (estar a ut-J
Dlaeao qao Uve com va Fnptona, prk -'.
T i mu resultatioA o a* com ella akancu moa 4
ctaos gravea em q-e a teotM en pregada.
i'erjn.-e quando tire de trata um aate-
xago cansado, doente ou com vas dget-
tCes t mi preparactr- ai)urna o
d M^te. "vieHiorauda-lhe as fnnccdta digest-
vas, o snc-'-taa acibere? idosaa, cora 4
-jenie.>s t menino raurcticos derun af
* tivd v da feptona. Por iaaw i ja*
^considero commend!-o. es meusdoenea n'n n grande A
numero de crs;; A
'.^riopratljadoconi' medico fModB-','
rtt."s es asnos vV 1831 j 1800, triodo em j
ak* a pec^sidaoV de erguir os" alimentos, t
cRJsdiatameiUe .naaaiiro* era meos iat- i
p*nona dc que hoje; ertao r censtitucees.
* cmc. mais vigorosas, dangninea, en5."gjca
f i* j^tada 4'urri robusto ipmiiir. favor ridas
9 ,-or orna fnnt abundan'^ u sarcos gas-'
a'.m< \e vrtvoeava a prorapta transfcnTJsa-'
eib dos amr'.entOB asis refractarios.
i Hoje, porem, i qne os estmagos dabili-
t, los carecem de ew^ga, 4 conveniente
lar.fi.- tr.io de todas ar. subirancias me la
cilium a digestao, como, ^or axnns|t, da
soa Pa:icre-;;na. % ^*
O preceito de h;gieoe earis Importarte,,
iorm 'vais despreza^e este : GcMar
muito vara remirar rwutia. E" esto sa-*
gretfo aa sande, dntmte a> m.'.n.- est"<*fls tiverao estr ih -impo |(5r4
priricipt. o^jecto; alm d'iss" Ti-nhs si -i
'tu'icao de medico na hepai tico ae Bensfl- J
.ct-r.c-.s dista ciriade, em que os escrofulosos^
e ivmiihi'ijo sbundem for? de pennteiki faz' r mui:..j f.'l"es ifpliuacoes
de seusexrelK-ntesproduttos J
Aclis-s o deposit e tto vakcv ^aedl* V
campeo aas Pharn duadr E'^*n*o li'dar e\i recmiecer*/
e ilc iceit'.r a- inilac<-S4 ii^invoma^
OOEWQASdc ESTOMAGO
DIGISTOSS DIFFICSIS
Dyspepsias, Gastralgias, Anemia,
Perda de Appetite, Vomites, Diarrhea,
Debaade das Criancas
CURA. Sl'lGURa B RAPIHA I'Ht.0
I
TNICO-DIGESTIVO
com Quina, Coca c Pepr.inn
Adoptado em todos os Hospitaea
MEDALHAS KM EXPOSIQOES
PARS, r. La Brcyere, 34. e em todas as Pharmacias.
CURA CERTA
de todas s Affeccoes pnlmonares
Todos aquellos que soffrem
o peito, de vera experimentar
as Cnnsulas do Dr. Fournier.
DepOBlUUTlOS oui Pen'-ambuco :
FRANCISCO M- di SILVA A C*.
Me
P S
dio ao nor-to
a bella alvura vapo-
rosa das Bellezas da Antlguidat'e.
\^^\\\\\\V^\\m\\'^%\aa^\mTt!t\rW^^
CREME de VOUGEOT
Especialdade de Casis
C JSTfN DEVILLEBiCHOT
PI^HT (UMUt) granja.
19 fcaalhas asi xpotlftm dt :
i PABIZ 1855. 1M0, 1867 (Exasslfa* DUversal)
I DIJOH 1K5 (MMalhl il'Btnra), 116!
UHOUI, MACOI 1191 BOUEAOI U59, 1H5
un* jim mata, tbotej usa
< tltuHirmtmPeritlfnbuco-.rrafM.ian.'VAAa'
i
I
L. PA^AFIEU A Cta
Paria, ru* Roc/iecftouart, 70.
Hew\ Hl Llf HI lHIJIWW*
J
~cl:u:ccr3, Grifara, Bvcnc' -
"rrita^dos do Paito, o XAROPS caPASTA peitoral
(leNAF-loDELANGRENIKji acerta
everilic:nla porMcrobro Sem Opio, Morj-hino nem Co criancas affeotadas dc Tosse nu Coquelucl"e.
FAJII8, nra 'irienne, 63, 1ARMS
X EM TODAS AS PHAK3JAC1AS
DO MUHLO.
Preoaracao de Productos Vegetaes
extinvoIas caspas
e outras Molestias Capillares.
JvlARTINS & BASTOS
Pernainhmn,
Fregnezi do Rrcife
Aluga se um sotio na ra dos Guararapes n.
29, e na me-im precisa-se de um menino para
mandado?, e paga se bem.
Ao Sr. Vicente Alves or i a
Previne-se ao Sr. Vicente Alves Moieira que
no 3- andar da casa n. 43, ra estreita do Ro-
sario, ha para lhe sor entregue urna carta que da
villa do Ros trio, no Maranha lhe. mandn a
Exma. Sra. L>. Mara da Conc-icSo de Oliveira.
Jaboato
Vende se a padaria e o estabelecimento dt mo-
lhados, bem afnguizadcs, e prometiendo anda
maior negocio fazer com a ida das oficinas da
estrada d-' ferro de Caruar, prximo mesma
estacao, fica situado os estabelecimentos cima,
arrendando pe as casaa pessoa que pretender :
a tratar em Jaboato, enfronte ao hotel Globo.
Tricofero de Barry
Garante-se que faz nas-
cer ecrescer o cabello anda
aos mais calvos, cura a
tinha e a caspa e remove
todas as impurezas do cos-
co *?a cabeca. Positiva-
mente impede o cabello
de cahir ou de emblanque-
cer, e infallivelmente o
torna espesso, macio, lus-
troso e abundante.
Agua Florida de Barry
Preparada segunda a formula
original usada pelo inventor em
1829. E' o nico perfume no mun-
do que tera a approvaco offtcial de
um Governo. Tem chas vezes
mais fragrancia que qualquer outra
ednraodobro do tempo. E'mnito
maia rica, suave e deliciosa. E'
. muito mais fina e delicada. E'
mais permanente e agradavel no
I lenco. E' duas vezas mais refres-
cante no banho e no qnarto do
doente. E' especifico contra a
fronxido e debilidade. Cura as
dores de cabeca, os cansacos e os
I desmaios.
Xarope Se Vida ie Beiter No.!.
.^ &
Purgante as Familias.
Pnfna ptla fc.J.C MERlOAWilllllmiib
r SUSPENSORIO IVIILLERET 1
astico, sem ligidaras debafxo das com.
Para evitar as falstficacde,
exigir afirma dotnventor, estampada
em cada suspensorio.
FUNDAS DE TODOS OS SISTEMAS
MEIAS PARA VARIZCS
UUERET.LEGONIDEC, scr--e.or, raris. 49, r. J.-J. Bonsuai
REGISTRADO
Eogenho
A pessoa que tiver um engenho com proporeeft
para safrejar de dous mil paes para cima e qaizer
arrendal-o. queira dirigir-se ra de Marcilia
Das n. 34, 1- andar, que achara com queat
tratar.
Especialdade em bolaxinhas e
biscoutos
Das marees seguinces : Royal, Leopold, Napo-
len, Roll, Conbination, Dessert, Mixcd, Chocolate
Wafers, Oriental, Orange, Drops, Citrn. Queem,
Osbome, Club, Albert, Alberta, Victoria. Maiae-
nu, Captam. Giuger Wafers, Marie, Cabio, Sugar,
Lumach, Lorne, Milk, Chesc. Alberta, Pic-Nic,
Conversation, Oval, Crackuel. Uuicos que recebe-
ram Jos Fernandes Lima & C.
Ra-Nova n. 4
Mudanza de cscriptorfo
O advogado Francisco do Reg Baptista e
solicitadores Diogo Baptula Fernn les e Antoai
Machado Dias mudaram seu escriptoru> paM a
praca do Pedro 2 (outr'ora pateo do Collegio) n.
81, 1 andar, onde serio encontrados das 10 ha-
ras s 'i '.la tarde.
VENDAS
AIRES DC TJSAI/-0. SKPC2S DE C8*I.-0
Onra positiva e radical de todaa aa formas da
escrfulas, Syphilis, Feria* Blarofulosas,
AffeccSes, Cutneas e as do Conro Cabel-
ludo com perda do Cabello, e de todas as do-
encas do Sangue, Kgado, e Kins. Garante-se
ajuo purifica, enriquece e vitalisa o Sangne
e restaura e renova o svstema inteiro.
Sabo Curativo de Reuter
Para o Banho, Toilette, Crian-
Cs e para a cura das moles-
s da pelle de todas as especies
e em todos os periodos.
Vende-se
Deposito em Pernambiu-o nasa de
Francisco Manoel da SiKa & C.
Aviso
Para cenhf cimento de qu-m inten-ssar possa,
se faz publico que as c-sms ii 3 :'>. e parte da
de n. 7, sitas i travessa do Lim fr cuezia de
S. Jos. MtZa arrestabas d'. .siralas em poder
do Sr. Manoel Gn.ncaIvs Ferrei h da Silv-. de
positario geral desta cifiade, po- divida do finado
Muo 'I Ferreira Mapulhaes ; seudii por conse-
guinte nulla toda e qualquer v.-n a las alludidas
casas. Recife, 1 de Julbo de 1^86.
Criada
Precisase d>> uma pan euai bar; ni ra do
Bario da Victoria n 9.
Chapeos modTiios c
capas pr ras
A loja de Antonio Conr>* d V .- Micelios &
ra Primeiro de Marco n. 13. r>'< b- p> I > ultimo
vapor chepad i da Europa, riqui>sni. -. I p- linas
e chapeos pretos de cores par. >r, de mo
dellos inieirami-iite novos ; bra. f--irn capas p-e-
tas de seda, la l escomilha le g -t o dern"8 e
com lindos enf- les.
um cofre prova de fogo. perfeito ; a tratar na ra
do Mrquez de Olinda n. 31'.
Florida
Loja dc iniudezas
Rna do Duque de Caxias n. i 3
Os proprietarios deste grande estabelecimenta
de miudezas, modas e para accoramodar os interes-
ses da poca, tem resolvido venderem po menos
vinte por eento que em outra qualquer parte.j
Pentes elctricos a 61 0 rs.
Luvas de pellica a 2500 o par.
Linha de carritei branca e de cores a 80 rs.
Grampos a 20 rs. o m-.sso.
Iuvisiveis a3'20 rs.
Vestuario de fustao bordado para crianca a
3#000.
Pentes c regaco para crianca a 100 ra. um.
Baleias a 360 rs. a duzia.
Uaspas para anquinhas a 120 rs. o metro.
Bicos com tres dedos de largura a 1^500 e 180#
a peca.
Linha de cores para crochet a 250 rs. o no-
vello.
Papel amizade a 40 rs. o caderao.
Fita chineza a 320 rs. o masso.
Lencos de linho a 1T>U) a duzia.
Lindos bicos de cores com 10 Jardas a if e 5
a pe^a.
Urna caiza esm tres sabonctes desenliando uma
rosa por 500 rs.
Meias de la de cores para senhora a 14500
par.
Padaria
Vende-se uma padaria bem localisada e tambe
se admitte uai socio entraud i com capital : a tra-
tar na travessa das Cruzes n. 16.
Boa acquisi^o
Vende-se o predio da ra Duque de Carias a.
39, reedificado ltimamente : a tratar na nm
Primeiro de Marco n. 20.
BIfi*r
Vende-se um buhar francez em perfeito estada
com tres ji gos de bolas c seis tacos : a tratar
antigo largo do Pelourisho (corpo Santo) n. 7, ei-
criptorio.
Bom guarda
Vende-se um grande e feroz cachoro, proprio
para sitio ou estabelecimento, est acos uada
em corrente ; tambem se vende uma cachorra
muito nova e grande, propria para caca : para
ver e tratar, na ra do Fogo n. 20.
D. Bnlbinn Cr lliiro <*a <>>aca
Augusto tVaar Per. ira rtt- M-u a, l) Mura
do Carmo Vuai Bo Mend ac, n aoapa-
rentua e amigos da illuaire fin o I' l> na Ca
Iheiros da Gr ca, espesa do < i or (ini-
Iberme Jes da Gmc i. e f.lie. id o e, para
aaeiitrea as missas que p4a i n inandam
celebrar no ci.nvi nto do Carme i 2 Ii ri,s do
dia 5, c nfessa do ee a rale-! todo* que
concorrerem a esa'1 ctn de r H
Jaboato
Vndese ou bypotheca-se dous predios noya-
mente construidos de pedra e cal, na cidade da
Jaboato, com boas aecummodacoes para ftmilia
ambo com o quintal para o rio Jaboato, coa
ezcelleutes banheiros : a tratar na mesma cidade,
ra do Imperador n. 91.
Engcnhos
D. Adelaide ae Maiiim i.i-uh.n
Luiz F. P Ce.valc-nte de A Iin- M|n. bacer-
aa e SUH lamilia mandam no dia .corrente,
trigsimo do passamenfo de Adelante dp Mat-
tos Lemos. celebrar uma mistia na matrii da Boa
Vista, s 7 1|2 horas da maoh. e p assistil-a
convidara os seus patentes e xmig -. im como
aos da finada, agradecendo ja a tolos quantoa
accederem ao seu convite.
Vende-se dous engenhos na comarca da Eaca-
da, teriD-i de Gamelleira, distantes das edtacoes
Ribeira-; en Gamelleira urna e meia le^oa ; um
quasi t->H i de varsea de niassap, pudendo safre-
jar al 3 0" pleo, movido agua, sem acude,
moente e eorrente, com igreia, casa de vivenda,
senzalla. istribaria, destilacao, casa de larinha,
casa de engonho, com form-is de ferr.i, casa de
bagaco,com quiza casas de lelha para Javradores,
tudo e;n perfeito estado ; outro movido a vapor,
p idondo satrejar at 1,500 paes, com casa de vi-
venda, senzalla. destilacao. estribara, ba casa
de eugeuh. assim como ptimas casas para la-
vralrres : a tratar na ra Direita n. 106.
Cabriolet
Vende-se um era perfeito estado e por preca
eommodo; tratar na ra Dsque de Casias n. 47
nmn
mam
\\WM


; -y~
'-- -r-> '

Mario de fernambiico
igo 4 de Julho de 1886
n
(
i
>
-, Liquidado!!!!
5 Kua wwqae e Casia*-
'Atara* artigo 50 [. menos do mi le
{les damass, linda fazenda, a 400 r*.
, o co-
V*Linon8 com salpico, a 660 e 700 r.. o dito!
Cachemiras com boJinhas de velludo a l#iuurs.
dem de 2 largura, fingindo dadoe e lisa., to-
das as corea,a 1*500 -y.
Idem pretaa,e merinos (2 larguras) a 900, 1*00,
'SLffiL-fa-. ** o
Popelinas com .stras de seda a 280 e 320 o
dSeosMacoerdadeiro, desde 8t0 rs.a2*000,o
que ha de melhor ,
Gorguro pretc de da, par* (um ve*.-< de-
wte) a 2*000 o covado para acabar.
Damasss de cores, seda raperrar, a 900 rs.
^elludilhos liso e de listrinhas a 1*000 e 1*600
* EsguiSo pardo para vestido a 560 w. o dito!
JSansoks finissimos de cores a 320 rs. o dito !
Cretooes para chambres e cobertas, superiores,
a 860 rs. o dito !
Daseos de la com 2 metros de largura, a
1*800 o dito!
Mariposas de cores lindas a 260 rs. o dito!
Bramante de liuho superior, 4 larguras, a *UUU
I Atoalhado bardado, o melber possivel, a l*oJ
' Brins de linho de cores (linho puro) a 1*200 o
dito! ,
Camisas francesas sem punhos e colarmnos a
40*000 a duzia !
Ceroulas de bramante bordadas a \l e 18* a
dita!
Guardanapos de linho a 3*000 a dita ^^
Meias arrendadas para senhora a 8*000 a
'dem cruas para hom!ma3500,4*500 e 6*000
a dita!
Lencos brancos em lindas bolsinhas de setim a
3*000 a dita !
Enxovaes para casamento o seguate :
Lindas grinsldss e vus a 14*000 e !*<*
R.cas eolias de crochets a 10*000 e 12*000
Gnarnicoes de dito (cadenas e sof) a 8*000 !
Epartilbos americanos, chiques, a o*UUU e
8*000!
Cortinas bordadas, novos gostos, a 7*000 e
10*000!
Vendas em grosso, descont da praca.
S9 bus Dafne de Callan 5
LOJA DE
Carneiro da Cnnha & C.
Engenho a venda
Vende se o engenh.) Murici, com safra ou sem
ella, situado na freguezia da Escada, distante da
respectiva estacao um quarto de legoa, podeudo
dar seis caminhes por da, moente e corrente,
tem duas casas grandes e duas pequeas para mo
rada, e outra para farinha com snas pertencas : a
tratar na ra do Imperador n. 65, 2 andar.
L'UJII llill'ilO
r"ende-se porles de ferro, gradeamentos para
cima de muro, jardim e terraco, bandeiras de fer-
ro para portas exteriores e interiores, de todas as
qualidades, galliobeiro de ferro, carroca para
b;8 e ctvallos, carrinhos de nao e rodas ara
earrocas, por prec/> commodo : no largo do Forte
n. 4, defronte do quartel das Cinco Pontas, offi-
eina de frrreiro. ________^^^^^^^^^^^
lelegramma de Pedro
Antunes $ C*
Ra Duiue de Caxas n. 8
Para accomuiodar os nteresses da poca, os
proprietarios da muito couhecida lojs Nova Es
peranca n. 63 ra Duque de Casias, teem re-
solviio em pleno conselho de estado vender todas
as suas meri-adorias por menos 20 0/0 do que em
qualquer outra parte.
para a Exinas. leitoras se convenceren! devem
se dirigir o mesjto estabeleeimento ; e para
orientar um pouco, paseamos a demonstrar en
resumo os precos de algumas mercadorias mais
eonhecidS.
Espariilhos fios para senhoras a 4*500, 5*500,
* e 9*000.
Finas meias cruas dein a 7*500 e 8*500.
Bonitas caixas de madeira para costura a 2*500,
3*000 e 4*000.
Bicos bordados indianos, largura de 18 e 20
centmetros 4600 e 5*500 pebas de 4 metros
Boutas b leas c caixas para presentes de
criabas 200, rs., 300 e 500 rs.
Ai senhoras floristas :
Papel verde claro a 60 rs. a folha, e dito car-
mim a 200 rs rs. ; barato !
Fita Pompadour a 100 rs. o metro, largura
de 3 cent i metros.
Loques de papel a 300 rs., 400 e 800 rs.
E para nao abusar da pacifica e constante le
tora resumimos o presente, quo so visto das
mesmas proVinos o que acabaos de expr.
Grandt vanedade em luvas de seda de cores e
pretod.
dem em leques de seda, finas perfumaras,
punhos e cellarinbos para senhoras, immensa va-
.iedade de cali ngas
Piano se npparelhos para bonecas.
Cutolariai finas, capellas para uoivas e me-
ninas.
Sedas e frocos, las e desenhos coloridos para
bordados.
Grande variedade em artigos para presentes.
Meias finas para homens, senhoras e criancas.
Bonita variedade em artigos de electroplate e
outros muito. para presentes.
Ao 63, ra Duque de Caxias
Pedro imanes Companbla
A Revoluco
roa Duque de Caxias, resolveu a vender
os seguintas artigos com 26 Ojo de me-
nos do que em outra qualquer parte.
Las com bolinhas a.500 e 640 rs. o coyado.
Setns maco a 800 rs. o covado.
Setinetas lisas 400 rs. o dito.
Sttinetas escossesas a 440 rs o dito.
Cambraia com .lpicos a 6* re. a peca.
Linn braneo a 600 rs. o covado.
Linhos escossezes de quadrichos e lisos 240
rs. o dito.
Mariposas de cores a 240 rs. o dito.
Renua da China 240 rs-o dito.
Damasco de l com 160 centmetros de.largora
a 1*800 o dito. ,
Bramante de linho com 9 palmos ds largura a
1*800 o metro.
Bramante trancado dealgodaoa 1*200 o dito.
Bramante do urna largura a 3S0, 360, 400 e
440 rs. o dito.
nrim pardo a 300 e 360 rs. o covado.
Brim prateado de lmho a 600 rs. o dito.
Crochets para cadeiraa 1* e 1*600 um.
Ditos para sof a 2* e 2*500 um.
Colchas de fustao braneo a 1*800 urna.
F.chs de la a 1*, 2*. 2*500, 3* e U nm.
Espartilhos de coraca a 4*, 5*, 6* e 7*500 um.
C misis de linho bordadas a 30*000 a duzia.
,. lf finas a 240, 280, 320 e 360 rs. o covado.
Sintcs para senhora, nofidade, a 1*600 e 1*800
""L-nc-s brancos finos a 1*800 e 2*000 a dnsia.
Cobertores de l a 2*. 4*500, 6S5O0 e 8* um.
Cambraia preta para forro a 1*200 a pe08-
Meias para homens e senhoras a 3f, 4J, 5* c
6*000 a dusia.
Madapolao gema e pelle de ovo a b*000 a peca.
Cambraia branca a 2* a peca.
Crinolina branca e preta a 2*800 a peca.
Toalbis felpudas a 4*000 a dusia.
Toalhas alcochoadas a 12* a duna.
Cobertas de ganga a 2*800 e 2*900 urna.
Lencoes de bramante a 1*800 um.
Para as Emjm- nd-lwaa
Setim maeo a 1*200, 1*400, 1*800 e 2*000 o
covado.
Popelina de seda a 600 rs. o dito.
Alpaca a 400 e 500 rs. o dito.
Capellas e veos finos a 10* e 14*. .__..
Colchas bordadas a 5*000, 7*000, 8* e 10*000
urna.
Cortinados bordados a 6*500 o par.
Pinito de Riga
Vendem Fonseca Irmaos 6c C, a preco modi co
Carteira
JB*-
6550.
12*006
800
1*800
500
1*600
800
1*2
2J801
1J800
400
200
GRANDE
LltliPJ
Expsito central na larga do
Rosario n. S 8
DamiSo Lima & C, nao podeodo acabar com h
grande quautidade de merca-lorias, res )lvern,
anda rma e convidar as Exmas tamilias e i
respeiravel puboo em geral, que son eertoza nio
guem perd' ri u tempo, fazenii.i urna visita
EtpoMiro Central
Peca ae bordados'a 200, 40", 500 e 60" s.
Puiihs e colarinbos bordados pn senhora a
2J000.
Dit<.s ditos lisos, 1*500
Ditos para h mem, 1*'00.
Um pla.-tr n de 2*000 por 1*500.
Invesiv is grandes por 320 is.
Lacos para senhora por 1*500.
Macos (le la para bsrdar, 2*K" e 3i
Luvhs de seda arrendadas a *500.
Ditas lisas. 2*200.
Ditas de fio de Escossia, 1*000.
Brochen pura cenhora (modernos) l**0
Um p.r de m^ias para Senhora (fi. de sed.
600 rs.
Dito dem I so, 400 e 500 rs.
Di" dem (to de seda) lg200.
Duzi* i ,\ 360 rs.
Carretel; de ZX) jai das a 80 rs.
Me' |Uiuhas a 160 e 120 r-.
Um par ilo no i has de labyrintho. UW
Mac >P' s a 20 rs.
M' '-s a 400 rs.
Lin nnhos de seda para chapaos d*
senh-ra, de 5 0 rs. a 1*000.
Um penfo cora inscripcao para senhora 1*.
Um leque Bnoqco dos para criancas, leques de papel, fi-
nos, bicon So nnh", quadros para retratos, lenco*
espartilhos, bicos, galoes, franjas com vidrilhos,
outrss muito oojectos de phantasia prr preco
sem l competencia : na eiposicao Central, i rus
larga do Rosario n. 88.
Vende-se barato urna carteira contendo na peca
de baixo dous annarinhos e tres gavetas, e na
peca de cima 17 compartimentos que se feoham
com nma so chave : a ver e tratar no largo d S.
Pedro n. 4, loja._____________________________
WHISKY
.ROYAL BLEND marca ViADO
Este exccllente Whisky Escosse preferivt
ao cognac ou agurdente de canna, para fortifica'
o corpo.
Vende-se a retalbo nos tu lbercs armaren*
nolhados. ^,_r._ .
Pede BOYAL BLEND marca VIADO cujo m-
me e emblema sao registrados para todo o Brasi
BEOWNS & C, agentes___________
\lleii<;;io
Vende-se urna importante taverna no largo das
Salinas de Santo Amaro, propria para qualquer
Cincipiaute, fas frente para a lirba frrea de
mceiro : a tratar namesma.
Fazendas brancas
SO' AO NUMESO
4o ra da Iniperatrlz = 4kO
Laja dos baratero
Alheiro & C, ra da Imperatris n. 40, ven-
dem um bonito sortimento de todas estos fazendas
abaixo mencionadas, sem competencia de precos,
A SABER:
AlgodioPecas de Igodaozinho com 20
jardas, pelo' barato preco de 3*800,
4f, 4*500, 4* '. 5fl, 5*500 e
MadapolaoPecas de madapolao com 24
jardas a 4*500, 5*. 6* at
Camisas de mcia com listras, pelo barato
preco de
Ditas brancis e cruas, de 1* at
Creguella franceza, fazenda muito encor-
pada, propria para lencoes, toalhas e
S'Toulas, vara 400 rs. e
Ceroulas da mesma, muito bem fetas,
a 1*200 e
Colletiuhos '"a mesma
Bramante francez de algodao, muito eu-
corpado com 10 palmos de largura,
in -tr >
Dito de linho ingles, de 4 larguras, me-
tro a 2*500 e
Atoalhado adamascado para toalhas de
mesa, com 9 palmos de largura, metro
Cretones c chitas, claras e escuras, pa-
drees delicados, d 240 rs. at
Baptista, o que ha de mais delicado no
mercado, rs.
Todas estas fazendas baratissimas, na conhecida
loja de Alheiro 4 C, esquina do becco
dos Ferr iros
\lgodo entestado pa-
ra lencoes
A flo rs. e laOOO o metro
Vende-se na loja dos barateiros da Boa-Vista
:odo para lencoes de um s panno, com 9 pal-
s de larcuraa 900 rs., e dito com 10 palmos a
00 o metro, assim coma dito trancado para
ma'has de mi sa, com 9 palmos ae largura a 1*200
i ctro. lsto na leja de Alheiro z. C, esquina
do ceco dos r'erreiros.
MERINOS PRETOS
A 1*200, 1*400, 1*600, 1*800 e 2* o covado
A heiro A C, ra da Imperatriz n. 40, veo
dem muito bons merinos pretos pelo preco acim
dito. E' pechincha : na loja da esquina do bec-
co d< s Ferr i ros.
Espartilhos
Na loja da ra da Imperatriz n. 40 vende-se
muito bons espartilhos para senhora, pelo preco
de 5*"00, assim como um sortimento de roupas
de casimiras, brins, etc., isto na loja da esquina
de becco dos Ferreiros.
CASEMIRAS INGLEZAS
A 2*800 e 3 o covado
Alheiro & C, a ra da Imperatriz n. 40, ven
dem um elegante sortimento de easemiras ingle-
sas, de duas larguras, com o padroes mais deli-
cados para costume, e vendem pelo barato precr
1e 2*800 e 3J o covado ; assim como se encarre
am de mandar faser costumes de casemira a
30-, seudo de paletot sacco, e 35* de traque,
grande pech ncha ; na loja dos barateiros da Boa
Vista.
BRLM PARDO LONA
A 820 is. o covado
Os barat. ir a da Boa-Vista venden, nma grande
porco rte nnm pardo lona, por es'ar com princi-
pio de torne di swfo, pelo barato pr co de 32(
rs -i coviid.i. e grande pechincha na loja da es
quina do beean los Penwos.
Honiaiii a lOOr. a eca
A ru .la Imperntriz O. 40, vende-se pecas de
horda o, dons metros cada peca, i-elo barato pre
c.. de 100 rs., ou em eartto com 5" pecas, sorii-
da, por5, proveitoni a pechinch ; na loja da
squiua ilo beao doa F>rreiros.
Aproveilem a pechincha
Vende-.- eom grnde prejuize, por mcommodo
de sade, urna nova e boa armacio de aroarello,
torrada de cedro, anda nao estreada, propria ptra
qualquer negocia, ; menos molhadm, na ra do
Kangel, em bom aro asem n vo, claro e arejado,
eom agna, gaz, apparelhn, tanque para banboe
pequeo quintal ; informa-se na da ra Praian.
51, 2- andar.
LOTERA
XXA.S
ALAGOAS
CORRE NO DA 6 DE JULHO
fflMllWEL! DiTfiANWM!#
O portador que possuirum
vigsimo desta importante lo
teria est habilitado a tirar..
10:006$000.
Os bilhetes acham-sea' ven-
da na Casa Feliz, praca d; In-
dependencia ns. 37 e 39.
Corre no dia 6 de J ulho
1886, sem falta. ________
AoslJol^iOO
, 200:000$000
100:000$000
inmiii lotera
DE 3 SOdTEIS
Em fave r dos iagenoos da Colonia Orphanologica Isabel
DA PROVINCIA DE PERNAMBUCO
Extraccao: no Qia 8 fie Jlo flB 1886.
0 thesourriro, Francisco Gonfalvcs Torres

Climaco ^a ^iloa
CHEGOU
afinal o pinho de Riga, de primeira qualidade, ero pranchSo de 3X9, 4X9 0
3X12 de 19 at 70 palmos de corapriraento, barrotes, taboas de forro e assoa-
lho, ripas e caibros para cobertas, chalets, estafSes de vias-lerreas, e para suli-
pas; garante-se nao ser este pinho atacado pelo capim, em virtude de ser elle o
gverdadeiro pinho de Riga, nico que n'este clima resiste ao tal bichinbo. Ret
;lba se barato e em poroso haver reduccSes de piejo.
ff
1,5000
1,5000
1,5000
1^000
DE
MOMO JOS DE AZEYE00
13-Ii DO BAEIO DI TICTIi (ANTIGA IDA if A)-13
N'este estabeleeimento encontra-si nJlo s um completo sortimento de INSTRU-
MENTOS para banda e orchostra, mas at urna enorme quantidado de MSICAS
para piano, ARTES, S0LFEJOS, METH0D0S e ESTUDOS para todos os inika-
mentos e todas forjas. Acaba de recebar immensas novidades e entre ellas as
seguintes:
DONZELLA THEOD^RA, por Abdon Milanez.
O BILONTRA, pelo commendador Gomes Cardim.
RECORDAQES D'AMOR, walsa, por L. Bello
LEMBRANCAS D'ELISA, C. Gama
FOLIA, polka, por C. Ciarlmi
NOSSA SENHORA DA BONANZA, dobrado celebre
Continam a venda os afamados dobrados: Amor o Sympanthia, Quinze Das
de Viagem. Apulchro de Castro e a walsa DOLORES.
tlHUii lewi-it
PERNAMBTCO___________________________
Grande e bem montada oflicina de aifaiale
DE
PEDROZA & C.
N. 41Ra do Baro da VictoriaN. 41
Neste bem conhecido estabeleeimento, se encontrar um lindo variado sor-
timento de pannos, casemiras, brins, camisas, punhos, 'collarinhos, meias, gravatas,
tudo importado das melhores fabricas de Paris, Londres e Allemanha; e para besr
servireni aos seus amigos e freguezes, os proprietarios deste grande estabeleeimento
jm na direcco dos trabalhos da officina habis artistas, e que no curto espaco de 24
horas, preparam um terde roupa de qualquer fazenda.
Ra do Baro da Victoria n. 41
(PRECOS SEM COMPETENCIA)
GRANDE LOTERA
4,000:00
A MAIS IMPORTANTE DE TODAS HA VIDAS NO
EXTRACgO A' 8 DE JULHO
DATA MASCADA NOS RESPECTIVOS BILHETES
Esta loieria esi a cargo do thesoureiro das loteras da corte
A EXXKACCO EETA NOMO BE JANEKO
V PREMIOS MAIORES
1
1
2
2
1
3
11
de.
1 ,ooo:ooo$ooo
2oo:ooo$ooo
loo:ooo$ooo
5o:ooo|ooo
4o:ooo$ooo
2o:ooo|looo
lo:ooo|!ooo
Alm de muitas sortes de Sooooo, ^
Esta lotera de tres sorteios.
24 de.
50 .
80 .
2 approximafes de
2
4
4
o:ooo$ooo
2:ooo^ooo
l:ooo|>ooo
15:ooo|looo
6:ooo$ooo
4:ooo|ooo
2oo
2:ooo^ooo
ooo, loo#<*oo 4o^!ooo e 2o^looo.
_ ______________________ Um bilhete joga em todos
elles e est habilitado a tirar mais de um premio.
Esla lotera era favor dos ingenuos da Colonia Isabel da provincia de Pernambuco
MLHETES A VENDA
I"
RODA DA FORTUNA
do Rosario36
7)6--Ra Larga
Bernardino Alheiro.


Diario de PcrnambucoDomingo 4 de Julho de 1886
ASSEMBLEA GBilAL
CMARA DBPITADOS
ai^SAO EM 14 DE JUNHO DE 1886
PRESIDB8CU DO SE. ANDEADE FlGUElBA
[Continuado)
Mostra a inconveniencia do nobre ex-
XMMtro da marinha ir faz*r novo tirocinio
na pasta da guerra; pode ser que baja
mtivo muito justo para essa transferencia,
as o parlamento o ignora, a o nobre mi-
aittro da fazenda disse ser um facto da vi
d. econmica do gabiaete; parece que as
alias regioes ha factos determinados para
g*sfazer os caprichos dos Srs. ministros.
Passa a analysar o relatorio do nobre
em8tro da marinha, com o qaal ficou
sakisfeito quanto ao estado da nossa arma-
da ; alli ao ha ana palavra que denuncie
o mi estado do material da marinha: en-
tretanto, com pasmo l parte do discurso
de nobre presidente do oonselho pronuncia-
do no senado, expondo o contrario do rela-
torio da marinha, isto pintando o mate-
rial de guerra da armada no mais deplora-
toI estado, dizendo que nSo temos senSo
utf ficgSo de armada.
Pergunta qual dos dous ministros disse a
vrdade: isto interessa o crdito da adraiuis-
twclo, preciso queo pas saiba a verdade;
pque, se como dB o nobre presidente do
caoselho, deve o governo podir meios para
ra*ganisar a nossa armada; entretanto ap-
phmde em parte a franqueaa do nobre pre-
siente do conselho se o facto verdadeiro.
Depois de divirsas outras observaos
saore o assumpto, o orador conelue mos-
trando que entretanto ha necessidade do
dar forga moral parte material para que
a parte individual possa cumprir perfeita-
mate es seus deveres.
Esta discussSo fica adiada pela hora.
O Sr. presidente ai a ordem do dia pa-
i 15:
SESSaOEM 15 DEJUNHODE1886
ENCA DO 8. ANDEADE FIGUEIRA
Ao meio dia, feita a chamada, a que res-
psadem 10O Srs. deputados, brese a ses-
sio ao meio-dia e sete minutos.
E' lida e approvada a acta da sessSo
antecedente.
O Sr. 1. secretario d conta d o expe-
diente.
O Sr. Carnelro da Cunha es
tranha que a opposicSo liberal do Senado,
impotente para derrotar o ministerio por
meio de urna mogSo de confianca, lance
mi de requerimentos para tratar de ques-
tiunculas de campanario, no intuito de in-
comraodar os membros do gabinete.
E' assim que o Sr. Meira de Vascon-
cellos discutio no Senado um, requer ment
tendo por pretexto algumas prisoe de libe-
raes, teitas pelas autoridades conservado-
ras de Pitimb, da Parahyba do Norte, as-
sim como o saque e incendio de 26 casas,
perpetrados pelas autoridades de AlagSa-
Nova, na meama provincia. *
Defendendo os seu3 co-religionarios das
accusac&es de que sSo argidas, lamenta
qne o nobre Senador, no seu furor de ac-
ensar, rebaixe a tribuna do Senado insul-
tanda a victima que escapou milagrosamen-
te de urna emboscada, e admirase da sim-
plicidade de S. Exc. em fazer-se echo de
noticias inverosimeis que Ihe sSo transmit-
tidas por telegramma.
Procede-se votado do requerimento,
que approvado, da 3.a commissSo de in-
querito, pedindo a remessa da authenca
da eleigSo da parochia, do Carangola, 8.
districto de Minas.
Posta o votos, approvada a emenda do
Sr. Candido de OUveira tf outros, conce-
bida nos seguintes termos : Sem preju-
so da decisao da eleigSo. >
de 1886, concedendo um nno de licenga
ao Dr. Gracihano BaptisU, lente da facul-
dade de direito do Recife.
O Sr. Affonso Celso Jnior (pela ordem)
manda mesa um additivo para ser apoia-
do opportunamente.
O Sr. andido de OlWelra pede
honrada commissSo que declare a mo-
lestia de que soffre o peticionario.
Desde que v assignado o Sr. Penido
sem restricgSes no parecer, urna informa-
gao do honrado deputado ser bastante
para dar o seu voto.
O Sr. Penldo afirma que, exami-
nando os papis e attestados que instruiam
o pedido, verificou que a moslestia de que
soffria o peticionario era gravissima, um
cancro no rosto, e por isso nao hesitou em
assignar o parecer favoravelmente.
Ninguem mais pedindo a palavra, en-
encerrada a discussSo e approvado o pro-
jecto.
O Sr. Tarquinio de Souza requer e a
Cmara concede dispensa de intersticio
para que este projecto entre immediata-
mente em 2.a discussSo.
Entra, portanto, o mesmo projecto, em
2.' discussSo.
E' lido e approvado e entra em discus-
sSo o seguinte additivo:
c Igual favor ao padre Manoel Fernan-
des Lustosa Lima, parocho collado da fre-
guezia de Nossa Senhora da ConceigSo de
Macahyba, na provincia do Rio Grande
do Norte. Sala dos sessSes, 15 de Junho
de 1886. Affonso Celso Jnior, s
O Sr. Gome de Castro entende
que conveniente, para que a Cmara
possa votar com to inteiro conhecimento
de causa como acaba de praticar a respeito
da anterior pretengSo, que o additivo em
discussao v commissSo de pensSes e or-
denados para dar parecer.
Neste sentido vai mandar mesa um re-
querimeto.
Vem mesa, lido, apoiado e entra em
discussao o seguinte requerimento:
Requeiro que seja o additivo em dis-
cussSo remettido commissSo de pensoes
e ordenados, p .ra dar parecer sobre elle.
Gomes ds Castro.
O Sr. Affonso Celso Jnior
observa que se o additivo nSo tem parecer,
comtudo nSo vem desacoropanhado de
pro vas. No atestado medico que o ins-
true afirma um distncto facultativo que o
peticionaria soffre de urna molestia grave.
Asim, acreditando que o pedido em questlo
est as mesmvs condgSes d'aquelle que
acaba de ser votado, espera que a Cmara
dispensar o adiamento proposto.
Encerrada a discussSo, posto a votos
e approvado o requerimento de adiamento,
em virtude do qual remettido o additivo
commissSo de pensiles e ordenados.
CONTBATO DO GAZ
Entra em 3.a dscuss3o e sem debate
approvado o contrato para illuminacSo por
gaz corrente para a cidade do Rio de Ja-
neiro.
FOBCA NDYAD
Procede-se votacSo do art. 1. do pro
jecto cuja discussSo ficou encerrada e
approvado.
SSo successivamente postos em discus-
sSo e encerrados por ninguem ter pedido
a palavra, as arts. 2., 3. e 4. do projec-
to, que sSo approvados.
. O Sr. Rodrigo Silva, pede e a Cmara
approva a dispensa de intersticio para que
o projecto entre em discussSo na sessao se-
guinte.
O Sr. Coelho Rodrigues [l. secretario)
declara que est sobre a mesa a redaccSo
do projecto sobre o contrato da illuminagSo
a gaz, e pede dispensa da impressSo pura
que entre immediatamente em discussSo.
ORDEM DO DIA
Entra em 1
IJCENCAS
disoossSo o projecto n.
13,
FOLHETIM
KGOLO
POR
2^7133 ss mnm
(C0NT1NMQA0 DE ANGELA)
(Continuago do n. 146)
NSo tens direito de amar esse mo-
go 1 ___Sua familia repeilir-te-hia com des-
liera, com despreso, nSo porque sejas in-
digna, querida e anglica creatura; mas
porque s filba de urna bastarda t Quem,
pois, aceitara urna allianga, comtigo?
Dizer a Emir.a Rosa aquella terrivel ver-
dade, seria cxpl-a a um abalo perigoso e
talvez mesmo mortal.
O medico tinha lbe dito.
Antes que tudo necessario tempo.
Urna commocSo violenta poderia matar sua
filba.
Angela resolveu ganhar tempo. Con: o
tempo voltaria a forga, e o perigo deveria
desapparecer.
Por que nao Iiavias de tornar a ver o
Sr. LeSo, minha querida, replicou ella,
beijando a filha. As minhas palavras nSo
signficavam semelhante cousa... pelo con-
trario I muito provavel que tornes a en-
contrar aquelle que te salvou a vida : mas
tile tem deveres a cumprir, e a sa demo-
ra aqui nao se poderia prolongar por mais
tempo. LeSo mogo e os seus estudos, co-
mo os teus, ainda nao acabaram... E pre-
ciso que elle trabalha.... comprehendes,
nSo verdade ?
Comprehendo, sim, minha querida
mii... Mas promettes-me que hei de tor-
w a v)-o ?.
Com certeza.
J esereveu, depois que parti ?
OBCAMENTO DO IMPEEIO
Contina a 2.a discussao do projecto que
fixa a despeza do Ministerio do Imperio
para o exercicio de 18861887.
O Sr. BarSo de Mamor (minis-
tro do imperio) :Sr. presidente, sejam
as minhas primeiras palavras n'esta dia*
cussSo as de um voto de r^conhecimemo
aos dous honrados deputados da opposicSo
une me pricederam, pela benevolencia e
justica que dispensaram aq gabinete de que
fajo parte e particularmente ao orador que
tem a honra de dirigir-se presentemente
Cmara dos Senhores Deputa ios.
N'estes lempos de intolerancia partidaria
sempre agradavel ao Governo ser trotado
como o foi pelos honrados deputados. Vou
cumprir o dever de responder s propoai-
C048 de Ss. Excs. Antes, porm de fa
zel-o, a Cmara me permittir que tome
em consideracSo algumas accusacSes que
aqui me fizeram na ausencia e que nSo po-
dem a meu ver deixar de ser respondidas
immediatamente porque convieco minha
que no systema qae nos rog dever do
Governo acudir immediatamonte s aecu-
sagSes que fazem dos seus actos e dar
deles conta ao paiz par intermedio dos
seus representantes.
Fui aqui aecusado por dous honrados
deputados por Minas, creio que do 2o e 4o
districtos, de haver constantemente invadi-
do as attribuicSes da cmara municipal da
corte por modo a lhe tirar todo o prestigio
e forga moral. Esta accusacSo infelizmente
teve eco na cmara de que fago parte; mas
limitar-me-hei, como do meu dever, a
responder aos nobres deputadas por Mi-
nas.
A accusacSo de haver eu invadido as
attribuigo'ea da cmara municipal da corte
por modo a tirar-lhe % necessaria forga
moral, sobre injusta, tSo vaga que nao
me collocaria na obrigagao de responder
se os nobres deput dos nSo tivessem pre-
cisado dous factos para provar a sua as-
sergSo: Io, o haver eu me intromettido na
attribuigSo da municipalidade de mudar os
nomes das ras desta cidade; 2o, de haver
diminuido o numero de seus advogados.
Os nobres deputados vSo ver que ne-
nhuma destas accusag3es tem o menor fun-
damento.
Quanto 1* creio que na) desconheci-
do cmara o abuso que se tinha intro-
duzido com respeito 4 mudanga quasi dia-
ria das denominacoes das ras da capital,
a ponto de tal assumpto ser objecto do ri-
diculo que, como V. Exc. sabe, Sr. pre-
sidente, a posigSo mais dolorosa a que
podem chegar os homens e as institoi-
g5es.
Alera disso, desta continua mudanga de
nomes de ras resultava urna prrturbagao
completa em mais de um ramo de servigo
da maior importancia, taes como: contra-
tos de compra e venda, o rgimen das hy-
pothecas c o proprio fisco que se resentiam
de tal abuso.
Attendendo esta circumstancia, diri-
g Illma. cmara municipal da corte a
seguinte portara (L):
Copia. -Ministerio dos negocios do im-
perio, Ia directora.Rio de Janeiro, em
23 de Setembro de 1885.
Sua Magestade o Imperador manda de-
clarar Illma. cmara municipal, reiteran-
do as recommendagSes constantes das por-
taras de 20 de Setembro de 1875 o 22 de
Margo de 1879.
Io Que, sendo sobremodo inconveniente,
segundo a pratiea tem mostrado, a mu-
danga dos nomes das antigs ras e pragas
da cidade, cumpre que a Illma. cmara
se limite a dar denominagSo s no/as ras,
travessas e pragas, nos termos do art. 4
5o do decreto n. 152 do 16 de Abril de
1884;
2o Que, ainda neste caso, deve sujeitar
o seu rteto approvagSo do governo, con-
forme preceitua a citida disposigSo.
O decreto a que allude esta portara diz
o seguinte (l):
c Os nomes ias novas ras, travessas,
pragas, etc., serSo designados pela cma-
ra municipal, com afpr>WL^o do governo.
Ora, Sr. presidente, V. Exce compre-
hende que se os honrados deputados en-
tandem qne a faculdade que tem e gover-
no de chamar a attengSo, e mesmo admoes-
tar as corporagSee, como a de que se trata,
para a inteira observancia da le, intervir
de modo inconveniente em suas attribui-
g8es, escusado qae eu prosiga; mas Be
ob honrados deputados nao podem justificar
semelhante opiniSo; se a attribuigSo do
governo admoestar as corporagoes que
descuidam de seus deveres, chavnal-as ao
cumprimento da lei; repito, nSo podo ser
contestada, vm oe honrados deputados
que eu nSo fiz mais do que chamar a
Illma. cmara municipal ao cumprimen
to desses de veres (apoiados) observan-
cia restnct de um decreto que determin-
que nenbmn nome de praga, ra ou travesea
seja dado sem approvagSo dogoverno.
OSr. Costa Pereira : J era urna cou-
sa irrisoria.
O Sr. BarSo de Mamor (ministro do
imperio) : Maravilhou-me, Sr. presidente,
permittam os honrados deputados que lhes
diga, a censura do SS. Ex., e convenid-
me que nenhum acto por mim praticado
na gerencia da pasta do imperio merece
repara serio, e mais convenci-mo desde
que esta portara foi louvada e applaudida
por toda a imprensa da corte.
Fallo na imprensa, porque entendo que
ella elemento impresciodivel no rgimen
dos governos livres. Desde que a impren-
sa cumpriado seu dever applaude um acto
do governo, o governo deve pensar que
andou bem, e quando ao contrario a im-
prensa censura, o governo deve procurar
corregir o acto praticado.
E' doutrina que eu sustento e devem
sustentar todos aquelles que amSo de co-
ragSo o systema livre que no3 rege.
Esta portara foi applaudida pela im-
prensa da corte. NSo quero cansar a at
tengSo da cmara, pego upeaas licenga
para 1er o que disse desse acto, um dos
orgSos dessa imprensa que nSo pode ser
suspeito de modo algum. Sua opposgSo
ao gabinete clara e manifesta. Nao direi
que lhe tem m vontade, mas tem aberto
urna opposigSo clara e manifesta a este ga
bnete e portanto nSo louvaria o acto prati-
cado pelo ministro do imperio, 86 nSo se
convencesse que era muito corrente e que
corresponda s exigencias e conveniencias
do servigo publico.
Eu me retiro, Sr. presidente, ao Paiz.
Eis o que disse essa folha em 27 de Se-
tembro de 1885:
OSr; BarSo de Mamor acaba de fa-
zei direito a urna distincgSo queja vai
ficando rara.
a O nome de S. Exc. nSo figurar em
nenhuma placa de ferro servindo de deno-
minagSo a alguma ra.
A portara de S. Exc. reprehendendo
com tola razcLo, a cmara municipal pelo
abuso com que tem mudado os nomes de
quasi todas a3 ras dest* capital, se promo-
ve o nosso sincero applauso, com certeza
vai indisp-lo com a Illma. cmara e milita
gente mais.... *
Sr. Franco de S, approvou esta prtposta
e mandou cr ar os quatro advogades; func-
cionaram estes at que novamente foi ao
governo, sendo eu j ministro do imperio,
submettida esta nova proposta da cmara:
Pago da Illma. cmara municipal.
Ro de Janeiro, 22 ds Outubro de 1885.
Illm. e Exm. Sr. ...............
9!
J.
A ti, minha mSi ?
A mim, nSo___nem tiiha nenhu-na
razSo para me escrever; mas a seu amigo
Renato Dharville.
O que o ajudou a salvar-me ?
Esse mesmo.
Falla de mim nessa carta ?
Certamente. Como que nSo havia
de fallar.. pedia notidas tuas.
E o Sr. Dharville respondeu lhe ?
No correio seguinte, annunciando-lhe
que estavas muito melhor e que partira-
mos muito brevemente para Pariz.
Escutando sua mSi, Emraa Rosa sentia
entrar-lh'j no espirito alguma sereoidade.
- Sim, tornaremos a ver o Sr. LeSo,
irurmurou ella, e entSo, completamente cu-
rada, terei bastante satisfagSo em lhe agra-
decer. .. Com que entSo, mSi, depois de
amanha que nos partimos ?
Sim, miniia querida.
MamSi, antes de partir, permutes
urna cousa ?
Permittir te o que, querida ?
Escrever duas ou tres linhas ao
sobrnho da Sra. Fontana... ao Sr. LeSo...
a meu salvador, para lhe testemunhar o
meu reconhecimento ; porque, emfim, a
elle que eu devo ainda poder abragar te.
Eu mesma lhe escreverei, minha fi-
lha, respondeu Angela e tu acerescentars
algumas palavras em baixo de minha car-
ta.
Oh ? agradecida agradecida I disse
Emma Rosa, puchando a mSi para junto
de si e beijando-a com urna effusSo enthu-
siastica. Obrigada 1 Dais-me grande sa-
tisfagSo.
Depois, a moga reclinou a cabega no tra-
vesseiro e duas grandes lagrimas de coro-
raogSo e ternura escaparam-se-lhe por en-
tre os cilios 8emi-cerrados.
Como ella o ama! pensau a bella
hei vanara. Que hei de eu fazer '( Como
poupar-lhe os sofrimentos que ella para si
mesma prepara ?
E, nSo podendo responder a e3ta per-
gunta, ficou perto do leito, muda, immovel
e contemplando a filha.
Acabamos de p5r os nossos letores, tao
brevemente quanto possivel, ao facto do
que se passava em Saint Julien du Sault.
Voltemos a Pariz e vamoi de novo ter
com Angelo Proli, deixado por nos no
momento em que se apeava da carruagem,
no passeio da praga de Clicby.
Pagou ao cocheiro do fiacre e foi a p,
at ra das Damas, vizinho do seu anti-
go aposento.
Para dar urna forma definitiva s com-
binagSes do seu novo plano; para dar se-
guimento aos seus projectos, tinha precisSo
de fazer idea exacta sobre diversas colisas
relativas ao eslabelecimento da bella her-
vanaria.
Chegado em frente do n. 110 parou.
A loja da hervanaria estava sua es
querda.
A' sua dreita no n. 109" do outro lado
da ra, achava-se um botequim escuro.
Entrou nelle.
Aquella mesquinha loja compunha-se de
duas salas.
Em urna dellas jogava se o buhar.
A outra servia de lu^ar de reuniSo a al-
guna habitantes do bairro, que iam ah fu*
mar os seus cachimbos, lendo os jornaes,
jogando ao domin ou s cartas c bebendo
bocks, absinthio ou mazagrans.
Ninguem reparou na entrada do italiano,
com excepgSo do empregado que, appro-
ximando-sa delle, dirigi lhe a pergunta sa-
cramental :
O que deseja, senhor *?
Um bock, respondeu Angelo.
E sentou se a urna mesa perto da vidra-
gs.
Unas cortinas pequeas de cassa, um
tanto encard >s e correndo aobre varinhas
de cobre, protega os freguezes contra a
indiscreta curiosidade dos transentes.
Proli levantou urna das cortinas, o que
lhe permittio ver a loja da Sra. Angela.
Troux<-ram-lhe o bock e puzeram-n'o
diante delle.
Bobcu um golle e poz-se a embrulhar um
cigarro, eiDquanto examinava a bja da
hervanaria, como uro general em chefe que
estuda o t Treno sobre o qual tenciona dar
a batalha.
Na sobre loja, por cima do estabeleci-
mento, havia duas anellas, das quaes urna
estava aberfa apez reinava fra.
O italiano nSo tirou os olho3 da tal ja-
n^lla e nSo levou muito tempo que nSo (lis
tingu88e, no meio da penumbra, urna mu-
Iher ja idosa, andando de um lado para o
outro, lmpan lo e pondo tudo em ord-m.
No estabeleeiuiento nSo se va ninguem,
Segn lo parece, a habitagao da
hervanaria que est na sobre-loja, pensava
Angelo ; mas preciso certificar-me.
Chamnu o empregado, deitou-lbe na mSo
urna moeda de cinco francos e disse-lhe :
Podia me faaer o favor de ir coin-
O escriptor, Sr. presidente, contina o
seu artigo que longo, demonstrando e le-
vando evidencia, que este abuso, prati-
cado pela cmara municipal da corte, nSo
podia continuar (apoiados), e que o gover-
no procurando corta-lo tinha prestado rele-
vante servigo. Creio, pois, que as Recusa
guies, que me fizeram os dous honrados de-
putados, nao tem nenhum fundamento.
A segunda accusacSo que eu tinha di-
miuuioo o numero de advogado da cmara
municipal da cSrte. Senhores, esta accu-
sacSo semelhante carece de todo funda
ment, e eu vou prova-lo.
Pela lei de 1. de Outubro de 1828, a
entidade advogado completamente desco-
nhecida para a IHraa. cmara, pois essa lei
creon apenas um procurador dafido lhe to-
das as attnbug5e8 contenciosas. Muito tem
po depois foi que a cmara municipal ad-
mittio como auxiliar um advogado ; mais
tarde foi o governo sorprendido, por um
oficio da Rima, cmara representando a
necessidade da creagSo de mais tres advo-
gados, isto mostrando que precisa va ter
quatro advogados seus. O meu antecessor,o
t 4. Contencioso. De 12:000$ em
quanto foi orgada para 1885, esta despeza
deve elevar-se no exercicio futuro a......
18:000$, em virtude da portara do minis-
terio do imperio de 4 de Maio do corrente
anno, creando tres advogaios, como se v
da tabella n. 4.
O relatorio do Dr. procurador que vai
junto mostra a organisagSo desta repartigSo
e quaes suas necessidades. A Illma. cma-
ra tomar em consideragSo o que expSe o
Dr. procurador e propor ao governo im-
perial qualquer medida, se julgar conveni-
ente.
Entretanto nSo pode deixar de ooafes-
sar que a nova organisagSo dada ao con
tencioso da Illma. cmara nSo correspon-
den absolutamente aos fina que tinha em
vista ; as diversas questSes pendentes dos
tribunaes nSo tem sido prostguidas com a
actividade que era de esperar : a arrocada-
gSo de multas em juizo para punigSo dos
infractores das posturas mtinicipaes tem
sido menor que anteriormente.
Tendo-se em vista com a nova orga-
nisagSo do contencioso a melhor direcgSo
dos negocios a seu cargo, sem augmento
de despeza e verificando se nao colhar a
Illma. cunara vantagens algumas coa esta
reforma, propor ella em separado com as
justificativas necessarias o quo for mais
conveniente e a experiencia o ti ver demons-
trado, sendo certo que tem em vista redu-
zir a despeza desta rubrica, sem comtudo
sffrer o servigo municipal.
Ora, bem vem os nobres deputados que
foi a propria cmara municipal que propoz
o augmento, e agora prop5e a reducgSo.
Cumpre notar que a concessao feita pelo
meu antecessor,o Sr. Franco de S, foi aob
a condigSo d nao elevar-se a despeza que
entao se fazia com esse servigo, que ora
de 12:000^1; mas assim nSo aconteceu,
pois essa despeza attingio, com o aug-
mento do pessoal, a 18:0005000.
Contra este acto qae a propria cma-
ra 'municipal se pronunciou.
Pergunto aos honrados deputados : o que
fariam no meu lugar ? A questSo foi pos-
1 ta pela cmara municipal uestes termos : o
augmento de despeza de 12 a 18:0005,
longe de produzir o cffeito desejado, pre-
ju licou o servigo; as causas nSo tiveram
andamento, as multas nSo so cobraram. O
que fariam os nobres deputados? Natural-
mente o que eu fiz: responderiam cma-
ra municipal, com o seguinte trecho desta
portara : J ,
Que, attentas as consideragSes que fas
demonstrando que a nova organisagSo de
seu contencioso, que por 8olicitag3:s reite-
radas da Illma. cmara foi approvada por
portara do ministerio do imperio de 4 de
Maio ultimo, nSo corresponde absolutamen-
te aos fins que a Illma. cmara teve em
vista, fica revogada aquella portara e res-
tabelecido o servigo como anteriormente se
fazia, dentro porm, quanto for possivel,
do que preceitua o art. 81 da lei de 1.
de Outubro de 1828, e conforme as alte-
rag3es e modificag3es que tem soffrido o
rgimen econmico da Illma. cmara, com
a creagSo das duas repartig3es contado-
ra e thesouraria, a cargo das quaes se
acham presentemente os servigos concer-
nentes arrecadagSo e applicagSo das ren-
das municipaes. Para qualquer providen-
cia que caiba tomar se, aguarda o governe
a proposta que, com o fim de memorar
esse servigo, declara a Illma. cmara apre-
sentar prximamente. >
prar aquella hervanaria que est alli em
frente urna caixa de pastiibas de hortelS-
pimenta inglesa ? i
Intmediatamente, senhor, respondeu
o empregudo.
E depois de ter ido prevenir a dona do
botequim, sahio.
. Mais do quo nunca o italiano fixou os
olhoa na janella aberta.
A mnlher j idosa, evidentemente urna
criada, tsontnuava a andar de um lado para
outro, tendo um espanador em urna das
mSos e urna vassoura na outra.
O empregado do botequim entrou na
loja da hervanaria.
A roulher da sobro loja parou immedia-
tamente, voltou a cabega, pareceu escutar,
e depois desappareceu.
Ao mesmo tempo modificou-se o objecti-
vo do olbar de Proli.
Em lugar de ficar fixado na sobre-loja, o
seu olhar desceu para a loja, onde a mu-
lher que elle espa va appareceu ao cabo de
um segundo.
O italiano conseguir o seu fim.
Dalli em diante suba o que ella queria
saber, isto que a habitagSo da Sra. An-
gela estava por cima do estabelecimento.
O empregado do caf levou bastante
tempo para ser aviado.
Quaado acabou de azer a sua compra,
atravessou a ra e entrou no botequim.
Aqui est o que o senhor pedio, disse
elle, collocamio diante de Proli um era-
brulhszinho e o troco da moeda de cinco
francos.
O italiano erapurrou, com o dedo sobr
o marmore, urna moeda de dez sidos i
scompanhou a acgSo com estas palavras
Pego-lhe que aceite estes cincoenta
cntimos pelo seu trabalho.
Agradecido.
Levaram tempo a servil-o.
Ora, nfc> me falle nisso! Aquella ve-
los Cathanna, urna velha que nuoca aca-
ba de fallar Esteve-me a contar que a
patroa voltava depois de aannha com a fi
lha e que preparava o quarto da moga, que,
sigundo parece, ficou fenda na viageio. ..
Uina porgao de historias, que erara da gen
te dormir ora p ; mas por delicadeza nSo
tive remedio senao ir onvindo.
A chegada de ura freguea poz ura par*-
deiro, ao fluxo de pahvras do empat-ga lo,
que pareca com todas as disposico-ts para
se mostrar tSo tagarela como a propria cria
ia velha.
Proli teve o cuidado de nSo perguntar
mais nada.
Ora. pergunto eu : quem reduzio o nu-
mero de advogados da cmara ? Foi o mi-
nistro do imperio, de propria autoridade ?
Ninguem o dir; eu nSo fiz mais com esta*
portara do qne spprovar urna proposta da
mesma cmara municipal para a redcelo
do numero dos seus advogados.
Sr. presidente, nSo costumo prolongar
discussSo alguma, nem mesmo na cmara
de que fago parte; e V. Exc. comprehen-
de que seria at descortezia minha vir pro-
longar debate na cmara dos Srs. deputa-
dos ; portanto, nSo direi senSo o que for
estrictamente necessario.
Acredito que tenho mostrado a injustiga
e a falta de fundamento das aceusaoSas
dos honrados deputados. Mas ainda ha urna
terceira accusagSo que me fazem : que eu
esb.injo as economas realizadas pelo meu
honrado collega ministro da fazenda, com
a commisSo que dei ao Sr. Rvy nesta
corte.
Vou explicar este acto: o engenheiro
Rvy tinha sido contratado pelo governo
para construir agudes no Cear ; alli este-
ve, nSo entro agora nesta questSo, nem
ella vem aproposito, o que facto que
retirou-se para esta cSrte : nestas oondigSes
o gabinete actual resolveu sobre estar na
execuySo d'aquelles trabalaos, at que u
parlamento emitisse opiniSo a respeito da
conveniencia de fazer um grande agude ou
differentes agudes naquella provincia. Ora,
o engenheiro Rvy tinha um contracto so-
lemne com o governo, que lhe garanda o
recebimento de 1:0005 mensalmente ; de
sorte que ficava aquelle engenheiro nesta
corte, de bracos cruzados, com esses ven-
cimwtos, porque o governo nSo seria o pri-
neiro a desrespeitar tal contrato.
Pois bem," foi entSo que o ministerio re-
solveu em conferencia aproveitar os servi-
gos desse engenheiro em um dos importan-
tes servigos cuja necessidade nos sentimos,
como eu hei de demonstral-o em occaniSo
opportuna, quer aqu, quer no senado, o
estudo do deseccamento dos pantanos.
O Sr. Jaguaribe Filho :Apoiado, e a
competencia do Sr. Revy est muito pro-
vada.
O Sr. BarSo de Mamor (ministro do
imperio): Pois bem, senhores, o enge-
nheiro Revy foi encarregado desse traba-
lho por instruucoes que lhe dei, sem aug-
mente de seus honorarios. Portanto, j v
a cmara dos Srs. deputados que a com-
missSo que dei ao Sr. Revy em cousa al-
guma aggravou o estado do tbesouro (apoia-
dos), pelo contrario proporcionou substi-
tuir a ociosidade do mesmo engenheiro por
um trabalho til e cujas consequencias
mais tarde se hSo de sentir.
Passarei agora, Sr. presidente, a dar
resposta aos differentes tpicos dos discur-
sos que aqui ouvimos dos honrados depu-
tados pelo Cear e por Alagoas.
O honrado deputado pelo Cear, o Sr.
Ratisbona, comegou o seu discurso por
covidar os partidos polticos a que estabele-
ceasem urna tregua entre si para cuidarem
dos altos interesses do paiz e sobretudo das
reformas de que elle carece. O honrado
deputado disse perfeitamente que para cer-
tas reformas, principalmente para as re-
formas da importancia daquellas que o ga-
binete pretende iniciar, indispensavel o
concurso de ambos os partidos politicos ;
nSo possivel que, em reformas de
certa natureza, os partidos venbara esgri-
mir-se; preciso que elles, consultando o
seu patriotismo, concorram na maior boa
f e com todo o empenho para que este
pobre paiz tenha os melhoramentos de que
tanto precisa. Portanto, Sr. presidente,
sendo esta a minha convicgSo, nSo posso
deixar de abragar de muito bom grado o
convite de honrado deputado, e de pedir
aos meus co religionarios que, quando for
necessario o concurso do partido liberal
para essas grandes reformas, o abracem
com a mesma boa vontade e com o mesmo
applauso com que o governo o abragar.
"Perguntou o honrado deputado quaes sSo
as minhas ideas sobre a reforma da ins-
truccSo publica.
(Contina)
que
O acaso acabava de lbe mostrar o
elle tanto interesse tinha em conhecer.
Acabou o seu bock, sohio do caf e se-
guio pela ra das Damas, afim de se diri-
gir ra de Gourcelles.
Emquanto ia pelo caminho pensava :
Ella volta depois de amanha cora a
filha... E' preciso, pois, que fique tudo
terminado amanhS.
Quando passou por dinte do n. 54 le-
vantou os olhos para a janella no andar on-
de morava Cecilia.
As janelLs estavam fechadas e nao hou-
ve mSo nnhutna que afastasso as dobras
do cortinado.
O italiano continuou o seu caminho e
nSo levou muito terapo a chegar casa da
ra Courcelles, onde tinha alugado um apo-
sento no rez do chSo.
Encontrou a porteira limpando a casa e
apaando a mobilia.
- Nao ha j quera o veja, Sr. doutor...
disse ella com urna grande rverencia.
Ah minha cara senhora, ainda me
ha de ver menos vezes d'aqui por diante,
respondeu Angelo.
EntSo por que ?
Tenho doentss na casa do saude que
reclamara a minha presenga a todo o mo-
mento ; mas sei que posso descansar na se-
nbora, com relagao ao arranjo do meu apo-
sHuto. jFaz isto cora um zelo que s tenho
a agradecer-ihe.
U que hei de eu fazer senSo tratar
bem a nobilia de to bom inquilino... e
iho generoso, replicou a porteira.
A senhora su filha, a futura estrella
de priraeira grandeza, est finalmente de
volta 1
NSo, Sr. doutor. ...Recebi esta ma-
nda urna carta da miaba querida filha. ..
D'Z-m-4 que era Pjon vaiprovavelraente as
signar urna escrptura para dar grandes re-
pteentag3es em algumas cidides onde ha
gu .rmgoes. .. Parece que s-r vantajoso
M ella, com relagSo aos senhores oficiaos;
i ntu lo, eu deslava que ella visase, visto
quH o senhor t-ve a excreraa bondade de
ra- proraetti-r que havia de protegel a.
Assim quo ella chegue, eu cumprirei
a riiinba promessa,
- Eu vou escrever-lbe e dizer lhe isto
> |ig'( que ella saiba que esperada por um
prr ct .r, estou certa que nSo perder
uuuo t<*mpo cora os militares.... Dorrae
aqui esta noite, Sr. doutor ?
- NSo, minha queriia senhora; ne-
cessario que eu volte para a casa de sau-
de.
NSo precisa de nada ?
De nada, absolutamente.
A porteira retirou-se.
Proli, assim que se vio s, abri o mo-
vel que continua o dinheiro e os papis ;
agarrn nos papis e as notas do banco e
metteu tudo em um dos bolsos do sobre-
tudo.
Tornou a fechar o raovel e disso comsi-
go, tirando a chave da techadura :
O resto esta noite.
Feito isto deixou a ra de Courcelles, foi
buscar urna carruagem estagSo mais pr-
xima e. deu ordem para que o levassem
casa de saude.
A-abavam de tirar as bagagens do Dr.
GrUky para as transportar, segundo elle
tinha ordenado, para a eatagSo do caminho
de ferro do Norte.
Proli tomou immediatamonte posse do
aposento do palaco. seu predecessor.
Vbrio os movis e vio as gavetas rou-
pa branca magnifica, porque Grisky nSo
levara senao a roupa do seu uso pessoal e
deixava na casa .toalhas, lengos, ete.
A decoragSo e mobilia do quarto de dor-
mir estavam um tanto fra da moda, mas
esta era perfeitamente commoda e de gran-
de riqueza.
Cada vez mais encantado com o maravi-
I.108O negocio que o crime que com metiera
lbe tinha permiitido coneluir, o italiano des-
ceu ao gabinete de trabalho e fechou na
burra os papis e valores trazidos da ra
rte Courcelles; depois mandou chamar os
seus chefes de servigo e oceupou se com a
adrainis'.ragSo da casa.
D^st vez era ella o verdadeiro dono, o
nico dono da sua casa...
Coegando sua morada da ra das Da-
mas, depois de ter deixado Proli, Cecilia
B-rmer, deu ordem a Brgida para embru-
lhar immediatamente a roupa branca e fi-
car prorapta para deixar a casa.
Brgida escutava aquella ordem com urna
sorpr<-z, misturada de terror.
Receiava que os desgostos tivessem des-
arrapado o cerebro da sua joven ama.
EntSo partimos, menina? ousou per-
guntar a fiel criada.
- Era garal, nSo se embrulha a roupa
para tcar, respondeu Ceoilia com impacien-
cia.
tLdntinuar-seha)
Tjp. do Diario, ra Duque
Cazias n. 42
nssn