Citation
Diario de Pernambuco

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Publication Date:
Language:
Portuguese

Subjects

Genre:
newspaper ( marcgt )
newspaper ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
This item is presumed to be in the public domain. The University of Florida George A. Smathers Libraries respect the intellectual property rights of others and do not claim any copyright interest in this item. Users of this work have responsibility for determining copyright status prior to reusing, publishing or reproducing this item for purposes other than what is allowed by fair use or other copyright exemptions. Any reuse of this item in excess of fair use or other copyright exemptions may require permission of the copyright holder. The Smathers Libraries would like to learn more about this item and invite individuals or organizations to contact Digital Services (UFDC@uflib.ufl.edu) with any additional information they can provide.
Resource Identifier:
002044160 ( ALEPH )
AKN2060 ( NOTIS )
45907853 ( OCLC )

Full Text
Por tres mezes adant
Fbr se ditos dem
Por um anno dem
Cada numero avulso, do mesmo da.
60000
12,5000
230000
100
OMffiGO 31 DE MARCO DE 1889
PARA Di; Y TRO E FORA DA PROVINCIA
'Por seis mese* adiantados..............
Por nove ditos idem-...............
Por un anno idem. .............
Cada numero avulso, de das anteriores..........
13*500
20*000
26*000
*100
DIARIO DE PERNAMBUCO
Os Srs. Amede Prin-
ce & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex-
clusivos de ajmuncios
e publicares na Fran-
ca e Inglaterra.
TELEGRAMAS
sss::;: u ::-s::: s::s
FORTALEZA, 30 de
nLl.
Mareo, pela ma-
*
Graeas ao Exm. Sr. Dr. Caio Prado, pre-
sidente da provincia, e bons officios de mais
al.urnas pcssas embarcaram hontem no
vapor Ehibrosc para o Havre 24 voluntes
* tinados Exposicilo Universal de Pa-
r;>.
As chuvas tm continuado eni toda a
provincia.
Infelizmente a populacho laboriosa acha-
re agglomerada em certos pontos onde an-
da faltam recursos e, serao funestas as con-
.sejuencias se o governo geral nao ordenar
e de j medidas urgentes para fazer vol-
tarem ao seu lar os infelizes retirantes afim
de em tempo fazerem as plantacoes.
PARTE 0FF1CIAL
t.ovfruo da provincia
EIP8D1ENTE DO DIA 20 DE MARCO DE 188!1
Actos:
0 presidente da provincia resolte designar
a teuente-coronel :ommandante do 14 batalho
de infamara Feliciauo Caliope Monteiro de Mello,
os teuentes coronis reformado e honorario do
exercito Jos Joaquim Coelho e Apolinario Flo-
rentLio de Mbuqu>-rque Maranlio e o Dr. juiz
de direito dos Fet )s da Fazenda Antonio De;
mingos Pinto paraponstiturem, de aceordo
tufOjb til
Tropriedade de iotf Cari
da? resoluges de que trata o seuoom'iortW Carlos Pinto, de Lemos, Joaquim An oni
de il do corrent raez, anecionadas sob ns.
1.966, 1.968 a 1,979, e tres das que deixaram de
sel-o pelos motivos expostos as mcs'inas resolu-
Hlrosim. declaro a V. S. que foi publicado
sob n. 1,967 o decreto dessa assembla appro-
vando posturas da cmara municipal ce Ora*
vat.
ao mesmo.De ordem db Kxm. Sr- presi-
dente da provincia respondo ao oflicitflle Y. S

a. 10 de 15 ao arrale ;aez, ,fer>
da informaban ua2JUiC iwaaB di


PARS, 30 de Mareo.
O estado de Mr. Foucher de Careil
aprsente urna ligeira inclhora.
Corre o boato de que- vao ser processa-
dos o general Boulanger e o Comit Rcpu-
Wc'mio Xacional do quai presidente,
o Imo autores de um trama contra a segu-
Aanca do Estado.
kgencia Ha vas, filial em Pernambuco,
He Margo, de 1889.
IHSTROCgiO POPULAR
I
AS MAMES IWEMjOES
ANTIGS E MODERNAS
KA5
Sciencias. industrias e artes
POR
i
O irleMCopio
(Continuacao)
l. aecessaro agora amplillcar esta imageni
coco um ocular. Mas deve dispor-se ludo, de
m. do que o observador, situado defronte do oeu-
lar. nao fique entre o objecto c o t-.-pelo e nao
ni.; a que os raiosluminoso.- cbegueni at este.
Kis a ougenhosa disposico imaginada por Gre-
m*. para obviar a esta diftieuldade.
H> seu telescopio era formado de um longo
Kp de cobre. Em urna das extremidades diste
est um espelho cncavo, o qual tem no
.jro urna abertura circular. No centro na
ro espelho cncavo, apenas pouco mais largo
que a abertura central do pnmeiro. Os rajos
ittidos por um a-tro. rellectem-se no primeiro
elho e formam urna primeira imagem. Esta
atlia-se entre o centro e o foco do segundo es-
geiho, de sorteqne os raios, depois de se terem
elido outra vez nelle vao formar imagem
amplificada e invertida e por cunseguinte direita
*z. relaco ao astro. Amplifica-se esta imagem
Jrc:n o ocular, que urna lente biconvexa que
wtLi, por tanto, um erTeito ampliatorio.
loi 1672, Newton fez presente sociedade real
Londres de um telescopio de reflexo que ti
i construido por suas proprias maos, confor-
o svsleuia de Gregorv. que acabamos de e.v
t esta circumstancia que explica o erro
Em attribuir a Newton a desee berta do teles-
de espelho, que. na realiadade, pertence a
jf\. nevemos tambem declarar que tudo
Ira que no seculo XIII Rcgerio Baconio tinha
onstruido e usado em suas observaces as-
lomicas, mu verdadeiro telescopio de refle
astrnomo Guilherme Herscbel, que vivia
- do seculo passado, contribuio muito
ot(!sca> dimensoes dos telescopio que
no, %jw|har o conhecimento d'este ins-
truu.'.nti) pen^m f, ,jUal muito o admirava.
el nao estaivjegtinado nem preparado
por cu.i posigto, paFy abracar a carreira dos
?suidos astronmicos. pt*cer* simplesmente um
msico. Veio-lhc ca?ualmHit as m4oS am te-
lescopio. Transportado das *i*avilbas 1"c
.-o Ine maailVituv.i, rayas & ''s'-4urumento
d'optica.apaixonoow pe'"!1- obeerTa^g^ono
ii telescofo ik pe u-avr.
lorca ampliatoria : trateu por.iwo Qi pri
le maiores dimensucs. 5lae o custo
umento era muitu subido para a \>oh
m simples curioso, f omtudo Berscbell mo
.riiraou : como nao poda comprar o instru
Lent<> fabrii-ou um. Eil-o pois feito matbema-
Eco constructor e opti. o Em 1781 ja elle tinlia
ruido mais de 40o es-pelbos rellectores para
Jrtes telescopios de Herschell, constam de
espelbo metallico, collocado no fundo de um
bu de robre ou madeira, albura tanto in-
oodo a projector a imagem oiui
iv4da e luminosa d'ura astro para a borda
nde elle a examinava com
^^Kto supprimia o segundo es
^^Hfory, que produz ne-
luz, por causa da
-nente ums
i reflo
(Contina)
o final do capituftMe titulo. seaados da se
parte do i- iulamlto dpTjBeHoverabro de
1 ta de ju*tiaJe'c.Ti*Bfci instancia devora
r o processoiBstai'.fado contra o alteres da
ebrapanhia do (orpti de polica Emilio da
Silva Costa ; e determino que a referida junta
se rena no palacio do governo d'esta provincia
no dia 26 do corrent, a 1 hora da tarde.Fize-
ram-se as necessarias communicaces.
O presidente da provincia resol ve, de con-
formidade com a proposta do Dr. chefe de poli-
ca em oflicio d'esu data. n. 283, exonerar, a
pedido, Manoel da Silva Pinto do cargo de 3
supplente do subdelegado do 5" districto do ter-
mo de Bom Jardim, e nomcar para substitnil-o, o
cidado Manoel Francisco da Silva Canguengo
.0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o capitao da 2* csmpanhia do 42
batalho de infant&iia da guarda nacional da co-
marca de Goyann. Bento Bandeira de Albu-
querque, resoive conceder-lhe seis mezes de li-
cenca para tratar a sua sade fra da proviu
caCommunicou-se ao commandante supe-
rior.
Officios :
Ao teuente-coronel Antouio Florencio Pe-
reira do Lago, commandante das armas interino.
Fico inteirado pelo oflicio n. 382 de 19 do cor-
rente de haver V. S. assumido interinamente, no
dia anterior, o exeieicio do cargo de comman-
dante das armas d esta provincia, visto ter se-
guido para a corte ci brigadeiro Jos de Almeida
BarreteCoiamunicou-se ao inspector da The-
souraria de Fazeuda.
Ao mesmo.Faga V. S. seguir na primeira
opportunidade para a provincia do Lear o l-
ente Antonio Goncalves Pereira e alferes Joo
de Deus Moreira de Carvalho. nomeados para a
Esrola Militar all creada.
Ao inspector da Tbesouraria de Fazenda.
Communicoa V. i., para os lins convenientes,
que. por despacho d'esta dala, justifique) as fal-
tas de exercicio que, por motivo de molestia,
deu o juiz municipal e de orphXos do termo do
Bonito, hachare) Sebastio Ildefonso do Reg
Barros, de 6 a 10 do carrele mez. -
ao mesmo.(iDmmunico a V. S., para os
tins convenientes, que, por despacho de 18 do
corrent mez. justiliquei as faltas de exercicio
des promotores pblicos das comarcas de Flores
eRia Formoso, hachareis JoSo Quinttliano de
Azevedo e Silva e Jos Bonifacio de S Pereira,
de quem tratam os aaH oflicios, de 12 e 18 d'este
mez. sob na. 123 e 126.
Ao mesmo.-Pela verba compleme, mande
V. S. pagar ao inspector especial de trras e
coloisueo hacha i d Jos Osorio de Cerqueira a
quantia ue 34400U, i que tem direiio pela fia-
gern de ida e volia ilha de ltamaraca, em que
gastou quatrodias, conforme solicitou-me o mes-
mo inspector em ofli.'io de 18 d'este mez.Com-
municou-se ao inspector especial de trras e co
loaisacao.
Ao major Gregorio Thaumaturgo de Aze-
vedo. Ccnvm que V. S. na primeira opportu-
nidade siga para a provincia do Cear, visto ter
sido nomeado para i Escola Militar alli creada.
Ao director geral de Obras Publicas.Por
oflicio de 28 de Janeiro ultimo, n. 10, submetteu
Vmc. minha approvago o orcamento dos re-
paros a fazer se na ponte de Afogados, na im-
portancia total de 1/ :34O/U80.
Sendo urgentissima a execuco da alludida
obra, e apresentando-se Joio Lino Cavalcante de
Albuquerque para ?(Tectual-a peta quantia de
13:500*000, autoriac Vmc, de conformidade com
o art. 52 do Reg. de 2 de Junho de 1887 a man-
dar lavrar o respectivo contracto com o referido
JoSo Llns, mediante as clausulas estabelecidas
no mesmo orcamento, correndo a despeza pela
verba do $ W. art. i; da lei n. 1884 de 30 de
Abril de 1887.Commuoicou-se ao inspector do
Tnesouro Provincial.
Ao commandante do corpo de polica.
Providencie Vmc. para que quanto aoles sejam
obstruidas as antigs latnnas existentes no quar-
tel do corpo sob seu commando, visto j estarem
funecionando os apparelhos da Companhia Re
cite Drainage que lh mandei collocar, segundo
[>articipou-me o inspector de hygiene em oflicio
n. 217 de hontem datado.
Ao mesmo.A' vista do que pondera Vmc.
em oflicio de honteo dat-ido. sob n. 245, auto-
riso-o a excluir doquadro effectivo do corpo de
seu commando o soldado Jos Bastos Manga-
beira.
Ao Dr. juiz de direito da comarca de Igua-
rassPara que Vmc. possa informar, ci con-
formidade com oav.so circular do Ministerio dos
Negocios da Justina n. 287 de 28 de Junho de
186o, tendo em vi si a o disposto no aviso do mes-
mo ministerio n. 63 de 22 de Outubro de 1886,
sobre o julgamento do reo Manoel Francisco das
Chagas, transmuto lhe a certidao do respectivo
processo, que me fol enviada pelo conselheiro
presidente do Tribunal da RelayJo do Recife,
com oflicio de 16 do corrent mez, sob n. 3211, e
ser-me-ha por Vmc. opportunamenle devolvido.
Portaras:
0 Sr. gerente da Companhia Pernambucaua
faca transportar por conta do Ministerio da Guer-
ra a provincia da P.irahyba. para onde segu aiim
de reumr-sc ao 27.* batlno de infantaria a que
pertence o capitao Manoel Alcntara de Souza
ousseiro, e bera assim sua mulher Francelina
Rosa de Gusmio Cousseiro, seus tilhos Antonio
de 12 annos de rtele, Julia de 10 annos, Ambro-
sina de 8 annos e un criado de nomc Jos Ole-
gario Pinto.Ofliciou se ao inspector da Thesou-
raria de Fazenda para mandar ajustar contas ao
referido capitao e rammunicou-se ao comman-
dante das armas.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco faca transportar da as-
tarao das Cinco Ponas ciefade da Escada, em
carro de 2.1 classe, por conta do Ministerio da
Guerra o ex-soldade Joaqum Jos de Sant'Aona
Primeiro o qual tendo sido escuso do semen do
exercito per concluso de 'tempo re-collio-se
aquella cidade d'otide natural.
0 Sr. superintendente da estrada de ferro
Recife ao S. Francisco faca transportar da cs-
das Cinco" Ponas de Una. em carro de 2."
i, por conta do Ministerio ia Guerra o ex
iNlanoel Ccnstautiuo de Mello Ribeiro o
Qua! ,,elSfcido esetso do servigo do aiercito por
conclusao*^Ljgmp|)reco|ne.se coaiarca de Ga-
ranhuns d oW^5 turil,
Igual ao "aj^iro chefe do Prolonga-
mente para manfcflOKQp^ ate Garanhuns
.ommuBicou-se aa os
EXPBBIBNTi: DO
Officios: ,^^L
- Ao presidente do Tril.uV v -^.y Roco
a V. Exc. ue, por ctnvemencii-^Jt'-viKC ?
bli o. se digue. de dispensar ^"V^Soa da
actual sesso do jury o 2. ofliciul d es\,--
rio, capiUio Francu-.co de Lemos Duarle
Ao 1. secretario da Assembla Legis
Provincial.-De ordem do Exm. Sr. presidei
da prorincia devolvo a V. S. qualro ejemplares
lo copia
iresta-
Udanle das
ITABIO
armas.
_ pol_.
le 2o de Fe
. acha urna publicagSo a-i-
gnada por grande numero de moradores da co-
marca de Rarreiros em abono do tenenle Deo-
cleciano Peixoto de Alencar.
O mesmo Exm. Sr; presidente manda declarar
a V. S. arim de fazer constar a essa assembla,
que ao procedimento enrgico do dito tenente
Deocleciano deve-se a tranquillidadc hoje exis-
tente n'aquella localidade.
Edital :
Por esta secretaria se faz publico, a quera in-
teressar possa, que acha-se nesta repartico,
afim de serem entregues aos interessados depois
de pagos os devidos direitos as cartas patentes
do major ajudanle de ordens secretario geral do
commando superior da guarda nacional ia co-
marca de Bom Conselho, Candido Carlos da Cos-
ta Vilella ; do major ajudante de ordens secre-
tario geral do commando superior da guarda
nacional da comarca de Aguas-Bellas Jos Faus-
tiao Marinho Falcao e do capitao quartel-mestre
do commando superior da guarda nacional da
mesma comarca Manoel Soares de Albuquerque
Preac. O secretario interino Manod Joaqum
Hlreira.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DA 20 DE
MASCO DE 1889
Directoras das Sociedades Abolicionistas.
Informe o Sr. administrador do- Theatro de Santa
Isabel.
Emilia Alexandrina de Albuquerque Pereira.
Entregue-sc mediante recibo.
Jos Antonio Francisco do Nascimento.In-
forme o Sr. regedor do Gjmnasio Pernambu-
cano.
Jos Joaqum de Azeveilo.Inforiac o Sr ins-
pector da Thesouraria de Fazenda.
Joanna Francisca Rosa. -Ao Sr. Dr. juiz de di-
reito da comarca de Palmares para mandar syn-
dicar do fado e informar.
Jos Vieira de Oliveira Maciel JJunior.Entre-
gue-sc, mediante recibo.
Otte Fell. Informe o Sr. inspector da Thesou-
raria de Fazenda.
Secretaria da Presidencia de Prnambu
co, 30 do Marco de 1889
O porteiro,
F. Chacn.
Ramiro M. Costa C,
o. .
to de Vasconcellos, An-
ssone e seus irmos,
iotao & C. e Agostinho
fucam a exigencia da Ia
francisca Ciaudina da
secoSo para os devidos
Repartidlo da Palela
2. seccio.N. 318Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 30 de Margo de 1889.
Illm. e Exm. Sr.Participo V. ExcT
que foram Jbontem recolbidos Casa de
Detengan os seguintes individuos :
A' minha ordem, Jos Vicente Jeronyno de
Carvalho, por disturbios ; e Joao Francisco de
Araujo, vindo de S. Lourenco da Matla, como
desertor do exercito.
A' ordem do delegado do l. districto da capi-
tal, Mara Saturnina da Conceico, Mara Marti-
niana e Joaana Eugenia da Conceico, por of-
fensas moral publica ; Joo Baptista do Sa-
cramento, conhecido por Joo Grande, por uso
de armas defeza ; Vrgolino Ignacio de Mello,
Oclaviano Pereira Felippe Santiago, Maooel Go-
mes da Silva e Antonio Francisco de Lima, por
disturbios ; Joaqum Rodolpho de Mello, como
alienado, minha disposico at que leoha
o conveniente destino.
A' ordem do subdelegado do 2. districto da
freguezia da Boa-Vista, Elisio Argemiro Barbo-
sa, por crime de rapto e defloramento.
O Dr. delegado do 1." districto da capital re-
metteu hontem ao Dr. juiz de direito do 3.* dis-
tricto criminal, o inquerito policial procedido
contra Jos Candido de Oliveira, pelo crime de
roubo de um bah, pertencente ao quioto-an
nista de direito Jeronymo Xerez.
0 delegado do termo de Nazarelh trouxe ao
meu conhecimento os seguintes fados :
Na noite de 14 do mez passado, em trras do
engenho Bonito, foi traicoeiraraente assassinado,
na occasio em que dorma, Cessia de tal, eva-
uindo-sc o delinquente. Acerca do fado abrio-se
o competente inquerito
No da 22 d'aquelle mez, em trras do enge-
r.bo Tamatape. o individuo de nome Carlos
Leitc assassinou com um tiro a Rosa Mara da
Conceico, logrando evadir-sc anos o crime.
Aquella autoridade, tomando conhecimento do
fado, fez proceder vistoria, abri o compe
tente inquerito e diligencia a captura do crimi-
noso,
Na manli de 16 do corrate, por qtostes de
rocas, foi gravemente ferido Joaquim Ricardo de
Albuquerque, por tres filhos de Uenrique Pe
reir de Moraes, une lograrain e vadir-se. O de-
legado lomou conhecimento do fado e procedeu
a res pe to nos termos da lei.
Anda no dia 17, tambem deste mez, Manoel
Christovo Barbosa assassinou a Mara Jos dos
Prazeres, sua amazia, entregando se priso.
A referida autoridade tomou conhecimento
do facto e abri o inquerito.
Hontem, pelas 8 horas da noite, foi ferido, na
ponte da Boa-Vista, na occasio em que por alli
paseara a msica do 2. batalho de infantaria.
o individuo de nome Pedro Augusto Martios dos
Santos, que deehrou nao conhecer seu offensor
O subdelegado respectivo tomou conhecimen-
to do facto e fez transportar o oflendido para o
hospital Pedro U, afim de ser medicado.
Deus guarde a V. Exc.Dlm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Groes, muiux digno presidente da provin-
cia. O chele de polica interino, Dorio
Cavalcante do Reg Albuquerque.
?
Reeebcdorla Provine!al
DESPACHOS DO DIA 28 DE MAECO DE
1889
Jos Mara de Lemos Duarte, Jaciutho
da Hora Pires, Guedes de Araujo & Fi-
lho, Manoel Gongalves Pereira, Beato
Machado & C, Ferreira IrmSo & C, Joa-
quim Antonio de Souza, Joao da Fonseca,
viuva de Antonio Pedro de Souza Soares,
Jos Antonio de Souza, Jos de Araujo
Vieira 4 C, Antonio Dias & C, Andra
de Lima A Irmaos, Affonso Banks, Silva
& C., Emilio Martins, (. hrispim Cilonio,
JoSo Martins & C, Ferreira Irmo &
C, Bartholemeu & Successores, Eustaquio
A C, Antonio Domingues de Lima & C,
Carvalho Irmao & L\, Andr Domingues
^Santos, Hermes de Souza Pereira & C.
eessores, Augusto ^o Reg d C, Al-
.d Silva & C
^o I
Jidio
FuesBtenberg,
Pereira
Informe
Anto
tonio d
Heuriqi
& IrmSo
secco
Guli
Loneeij
nns. J
' ioaoceiu de Salles- Informe a
Ia seceo, e quanto ao requerimento em
relacSo os ejercicios anteriores, dirija-se
ao Thesouro Provincial.
Franciseo Ribeiro Pinto Ouimares.
Deferido, com relag3o ao 2o semestre do
exereicio rindo, em vista das inforinaces.
Francisco Jos Rodrigues Prae.-a.Cer-
tifique-se o que constar.
29
Joaquim Duarte Simoes & C. Pinto
Ferreira & C, Hermiua Costa, Castro
de Medeiros & C., Rodrigues & C,
F. P. Boulitreau Suceessor de G. Laport
& C, Jos Teixeim & C, Ribeiro Gui-
marSes & C, Pereira Penna & C, San-
tos & C, Santos & Irmao, Joao Baptista
Pinheiro, Jos dos Santos Oliveira, Anto-
nio Fernandes & C, Francisco Gabriel
das Chagas, Antonio Barbosa da Fonseca,
Antonio de Miranda Castello Branco, Joo
Vctor Arres Matbeus & C, Arthur Cas-
cao & C, Jos Vilella de Castro Mariz,
Albino Joaquim Cbelho Pacheco, Fernan-
des de Oliveira & O.. Miguel de Azevedo
Andrade, Salvador Pires & C, viuva Gon-
calues & Lorega, vinva de Adolpho Mar-
Suc-s dos Santos, Affonso Oliveira & C,
ulio Castro & C.Informe a 1* secea .
Reis & C.A' Ia seccao para os devi-
dos lins.
DIARIO DE PERNAMBUCO

RECIFE, 3LD MARCO DE 1889.
A qnesto da farinha
O Jornal do Recife, que at hontem
guardara proposita! silencio relativamente
portara de 21 do corrent, pela qual
a Presidencia da Provincia prohibi a ex-
portaeTio da firinha de mandioca, julgou
deve.r *tyltf$ resrjji^trVCfazef. a|l4ttp^>
. ^.mlrtrt lio ItinCl'flP
mos, nem
ver,
guns commeirtarios'rio sentido de mostrar
que aquello acto tem o cunho de urna sus-
pensa de garantas, que a Constituirn
outhorga ao poder legislativo, e ao execu-
tivo, no caso de, encerrado o parlamento,
correr a patria perigo.
Descordamos in limine de modo de ver
do Jornal do Recife, por quanto nao ve-
rasoavelmentc ninguem pode
no acto de 21 d Margo urna suspen-
sSo das garantas constitucionaes. O que
fez esse acto foi, baseando-se as excep
c5es firmadas no 24 do art. 179 da Con-
8titucao, decretar urna restriceao na lber-
dade de commercio, sem duvida tao res
peitavel como as demais liberdades, mas,
como estas, sujeitas s restriegoes legfces,
limitada, como ellas, s condicoes tracadas
no pacto fundamental e as lois posterio-
res, como o cdigo eommercial.
Desde qne o commercio da farinha de
mandioca entrn cm uiua phase que ma-
nifestamente se opponha aos costumes p-
blicos ; desde que por esse facto entrn a
perigar a seguranea publica pelo ataque
que fazia aquclle commercio sade dos
cidadSos, privando estes de um genero de
primeira necessidade; impoz-se admi-
nistracao a medida que foi tomada, poii
que era evidente a infraegao do preceito
constitucional que estatu que nenhum ge
ero de trabtdho, de cultura, industria ou
commercio, pode ser prohibido urna vez que
nao se opoonha aos toslumes pblicos, se-
guranza e sade dos cidadaos.
Foi nesse dispositivo que assentou o
acto de 21 de Margo, que, por nenhum
modo suppoe suspenso de garantas cons-
titucionaes ; e evidentemente visou a sal-
va3o publica, a fome do povo, promovida
por espccidacfeB mercantis sobre um ge-
nero de primeira necessidade, e especula-
5<"cs tanto mais condemnaveis quanto sa-
hiram dos rasoaveis limites em que se faz
o commercio commum-
E o jjroprio Jornal do Recife reconhece
a procedencia do acto, quando accrescenta
que, se nSo foi elle dos que applaudiram
aquelle acto, tambem nao censura a por-
tara de 21 de Marro; o que poe patente
que o contemporneo nao teve em vistas,
no seu artigo de hontem, fazer censuras
ao acto, senao encaral-o por urna face
nova qual a que decorre desta pergunta
que faz : J manifestou-se o governo
sobre essa grave questao ?
Nao, respondemos nos, com a devid*
venia : o gqyerno nilio se manifestou, nem
tem carene!* de fazel-o, porque e acto de
21 de Marco da Presidencia da Provin-
cia desses que nao careceiu de appro-
vacao do Governo Imperial.
Ao conhecimento do governo foi leva-
do por dever que tm os delegados do
poder executivo de comiuunicar-lhe todos
os seus actos ; mas nao est sujeito ap-
provajjlo, nem della tem cajgencia. pin
prodJzirTOao8 os seus effeitos.
E releva dizer, que o nico ineio que
teria o Governo Imperial de fazer modi-
ficar esse acto seria exonerar o presiden-
te que o lavrou, substituindo-o por outro
que pensasse de modo diverso, isto ,
que, encarando a questao sob o pris-
ma pelo qual vin os negociantes de
farinha, patrocinasse o problemtico di-
reito destes contra os do povo em geral,
sujeitando o povo fome Je assumindo a
responsabilidade de todas as consequeu-
cias decorrentes da situayo cruel assiin
creada.
Afora esse ineio, nao conhecemos outro
de interferir regularmente o governo no
acto da Presidencia da Frovincia nem
eremos que o governo intervenha, e me-
nos anda que o seu silencio enfraquec.a a
administracao de Pernambuco, que sente-
se forte, ao contrario, com o applauso ge-
ral da popula5o ao seu acto de 21 de
Margo.
Nem crea o Jornal do Recife que, pu-
blicando os precisos termos do telegram-
ma do Cearmedida acertadissimati-
vemos por fin mostrar que o digno pre-
sidente dessa provincia approvava aquelle
acto, que alias s lhe foi communicado
para seu governo, e que nao dependa de
sua approvacao. Publicamol-o para desfa-
zer urna intriga que surdiaa se cstava
fazendo, impingindo-sc bocea pequea
que os especuladores do Recife estavam
comprando farinha por conta da adminis-
tracao do Cear.
Aquelle 4elegramma elisse o contrario
'ajpente ; desfez .it^eqnenyia intri-
que. tant a uedi-
nosfrou a todos
da tomada pelo honrado Sr. Dr. Araujo
Ges nao era offensiva da populacao cea-
rense, que o. presidente do Cear achou-a
acertadissimaelle que tem heroicamente
pugnado pelo bem dos cearenses.
Urna prova desse nteresse deu e33e
presidente autorisando o seu collega de
Pernambuco a lhe remetter farinha por
conta dos soccorros s victimas da secca
do Cear; e nao senao para attender
essa necessidade, tanto mais urgente
quanto a farinha dos particulares vnde-
se alli por preoos exorbitantes, que o
Exm. Sr. Dr. Araujo Ges tem autorisa-
do correctores essa compra.
Nao eolhern, portante, as insinuares
do Jornal do Recife. O actual presidente
de Pernambuco tem por si mesmo a pre-
cisa cnergia; o seu acto de 21 de Marro
nao depende nem carece de approvacao
do Governo Imperial: e S. Exc. tem o
apoio da opiniSo publica para levar por
diante a execuco do seu acto, at que
as condieSes do commercio da farinha se
modifiquem, e possa ter lugar a revoga-
co da portara de 21 de Marco.
Xotlela da Europa
ioncluimos hoje as noticias da Europa rtce-
bidas pelo paquete Tomar:
Inglaterra
O Sr. Stauhope, ministro da guerra, expoz na
cmara electiva os priocipaes tpicos do orca-
mento da guerra.
Fez ver que a reuniSo de milicia pode agora
effectuar se mais rpidamente do que outr'ora, e
que a maior parte da reserva pode estar sobre
as baodeiras dentro de quarenta| e |oito horas.
As armas que lhe sao necessarias estao nos de-
psitos e promptas a ser distribuidas nos pontos
de coacentracito.
Todos os pontos do imperio podem ser postos
em estado de defeza do modo mais eflicaz, no
prazo de dez dias, por meio de minas subma-
rinas. ,
O ministro est-sc oceupando de um projecto
de mobilisaco que permita a reuniao rpida
de 130 a 160 mil homens. A difficuldade que
esse projecto encentra va era a de se haver os
cavallos necessarios ; mas o syslcma de inscrip-
cSo. inaugurado o anno passado, reraedea essa
falta e ga-ante o recrutamento do l\ mil ca-
vallos. Tambem convem desccutralisur os de-
psitos de material.
Pelo que respeita aos voluntarios, sero i-m-
pregados as defezas locaus, mas principalmente
para proteger a cidade de Londres.
Para defeza da metropole nao s coiiiiro
fortalezas, ma3 construir-se-hao campos entrin-
cheirados em diversos poatos estratgicos.
0 ministro lembrou que ha dous annos o mi
nislerio ua guerra nio tem peJido crditos sup-
plemenlares, e que esse facto explica sulficieute-
mente o ser o orcamento de 1890 superior ao do
exerricio correte.
A cmara dos communs rejeitou por 160 votos
contra 64 a emenda lo Sr. Caldwell lamentando
que o discurso da eoru nao faga a mnima allu-
sao i penuria da Escocia e s medidas neces-
sarias para a remediar.
Tambem rejeitou por 210 vetos contra 92 a
emenda de deputa4o socialista e gladstoniaiio
Cuniogbus Graham que tencua a censurar o dis-
curso da corta sobre o estado social dos opera-
rios, e- em seguida approvou a mensagem de
resposta por 277 votos contra 99.
Na sesso de 7 da cmara dos communs, lord
George Hamilton, primeiro lord do almiranlado.
propoz a construccao de 70 navios de guerra no-
voscuja importe se avalia em 21:500:000libras,
este plano ser executado em quatro annos c
ineio a contar desde que se de comego ao pri-
meiro navio.
Os radicaes oppera-se aburtamene ao bM
para a construego de 70 navios novos custando
vinte e um milhofs e meio de libras sterlinas.
Esperare que a cami tra esse projeclo seja dirigida pelo Sr. G4ads
tone.
Na cmara dos communs, a 44, sir Ja.nes Fer-
gusson secretario poltico do ministerio dos ne-
gocios estrangeiros. respondendo ao Sr. Thoraa?
Buchanan.deputado liberal de Edimburgo disse
nao ter mais nenliuma informaco sobre a expe-
digao portugueza Cardoso ao lago Nyasso, e
accres;entou : Nao temos nenhuma infdrma
cao positiva de haver cliegado ao lago a expe
dico ; mas nao duvidamos de que enha ch^
gado.
Vigiamos os pregressos da'expedig
na visinhanca das colonias inglczas ce
anciedade e avisamos o governo portn
existencia de mteresses inglczes na mar,
Nyasso, e de que nao podemos to erar
ja'm perturbados ou compromettidos, ra
tuito da expedico pacifica, e visto nSFtocar
ainda em territorio sujeito solK-raina ou poste;
sob o protectorado inglez. nao temos direito fl-
gum a pedir a sua retirada.
As declaracoes e morie de Pigolt nao poze
tins aos trabalhos da commisso Parnell; vai
ser apresentado um relatorio, dando como certa
a falsificacao das cartas. Discutir-se-ha tambem
se o Times fez complot para obtel-as e se as pu-
blicou sabendo serem falsas.
Parnell nao se contentar, por certo, com as
desculpas que lhe dirigi o procurador geral.
Diz-se que o tribunal da Escocia se declarou
incompetente para julgar o processo que Par-
nell intentou contra o times.
J nao acontece o mesmo como o de Dublin.
onde Parnell exige do times a quantia de 50
mil libras sterlinas por perdas e damnos.
0 Times oppe-se, declarando que tal processe-
deve ser appenso ao que lhe ser levantado em
Inglaterra. Sendo assim, Parnell pedir urna io-
demuisaco total de cem mil libras.
Logo que voltem a Londres os agentes envia-
dos a Madrid, para restabelecerem a identidade
de Hgolt, a opposigo pedir ao governo todos
os documentos que elles colheram, e perguntar*
porque razio nao foi ainda suspenso o Times.
Cr-se que isto originar grande questao no ga-
binete.
Foi aberta urna subscripeo a favor dos qua-
tro filhos de Pigolt, dous dos quaes ainda so de
tenra idade.
Pigolt deixou-os na miseria ; quando a mu-
lher morreu, ha dezoite mezes, nem siquer teve
dinheiro para pagar ao medico. Esta data cor-
responde perfeitamente do comeco das suas
relajees com Honston, o intermediario no nego-
cio das cartas e que pagava pelo Times.
Um dusgracado alinal!
O Eighty Club deu a 8 um banquete ao conde
r'pencer, que foi vice-rei da Irlanda no segundo
raiaisterordo S\ Gladstone.
Entre os convftas nelavn*^
seberj e o Sr. pafeil. 1$&i^*&' E' a primeira vtl^ue se convida o Sr.Tarneli
para urna festa puramente ingleza.
O conde de Rosebery, que foi secretario de
Estado dos negocios estrangeiros no terceiro
robinete Gladstone, feliciton o Sr. Parnell e lo-
vou a sua paciencia e firmeza. 0 Sr. Parnell
a^radeceu ao partido liberal os seus esforcos a
favor da Irlanda, e disse que a autonoma da
ilha irm nSo prejudicar de modo algum o reino
britnico ao qual a Irlanda est ligada por latos
indcslructiveis. 0 conde de Rosebery disse que
a noite de 8 de Margo ser histrica, porque
urna prova pa'pavel da reconcitiaco das duas
naces.
Comecou no palacio Lambeth o processo ec-
clesiastico instaurado contra o bispe de Lincoln,
que aecusado de empregar um ritual parecido
com ocatholico.
A rainha Victoria est em Biarritz ; breyi-
meute seria visitada pela rainha regente de Hes-
panha sendo a entrevista em San Sebastian.
Os jornaes inglezes cor.sideram com appreben-
so a situago da e Grecia da Servia em rirtude
da abdicacao do re Milrn, e temem graves con-
sequencias deste acto.
Ao mesmo tempo os jornaes de Vieuna pareceui
convencidos de que os regentes da Servia cqa-
tinuaro a poltica externa do rei Miln.
A imprensa ingleza nao se mostra salisfeita
com o tom da mensagem inaugural do preigen
te Harrison, que tende sobre tudo a lisongWfc
sentimentos dos polticos americanos; mas cao
v n'isso motivo de apprehenso.
Em Dublin o padre catholico Revd. Stephon
foi condemnado a seis mezes de priso por ter
instigado os rendeiros a nSo pagarem as ren-
das.
O pailre appellou da sentenga.
A oeste de Inglaterra, especialmente na visi-
nhanca de Fauoton e Bristol, houve ltimamen-
te grandes inundacOes, motivadas pelas chu-
vasT
Na primeira daquellas cidades, as aguas iara-
diram centenas de casas e iaundaram bastantes
ras.
Atgumas pontee e urna parte das linhas fr-
reas foram arrestadas pela correte. Os cam-
pooezes dos arredores estao impossibilitados de
ir cidade.
Eio Warwickshire e Lecestershire deran
igualmente grandes inundacoes.
Um mnibus, que tinha sido enviado em soc-
corro dos inundados, foi arrastado pelas aguas,
licando morlo um dos conductores. Pelo campo
vi?m-se cavallos, bois, carneiros em correras de-
sordenadas
Bizem de Bristol que o Avon e o frane satu-
rara de seu leito. O Tamisa tem crescido muito.
Em evonshire todos os reg tos se converte-
r.im em torrentes, _no espago de algumas ho-
ras.
Todas as trras baixas do condado de Koter
esto submergidas.
Assignalam-se igualmente mullos estragos
em Bath. Chippenham, Gloncester, Newn-ham,
Lvdnv e Blakedey. .
"Urna parte da iinha ferrea entre Trent e L-
cester ticou destruida.
viK-mauba
Ha dias na dieta de Goltha, um deputado pro-
poz que em vista daconflagrago imminente na
Europa se guardem de reserva o? escesaos das
recetas de ducado.
0 Sr. Gron. ciiefe dos negocios estrangaros,
rsiiiondi^u que conforme as suas informacoes
tomadas uas l'ontes mais seguras, o governo al-
lemo nao prev de nenhum modo a guerra, an-
tes est persuadido da manutenco da paz cm
1889 e 1890 ; accresccntou que a Rusia nao tem
nenhumas ioieoges bellicas, e a ranga est
unicaiiieu* ocenpada com a sua exposic&o uni
versal.
AGiZ'ii Nicomil d* Brrlm. re|iroduzindo o
boato de que^i iup ru lor Guilherme h-m estado
doente n v-ies ulliiii is dias, diz que \ indi
sigo nao inspira i nuietngo ali^i Nora
nasga das don
se manife-tam.
AWaJkebLitt diz que iinpi
desconieale com c. ras iutrig;
j lhe troux.Tara alguus
quaes passana muito be:
Que intrigas aero aqu


2
Diario
de
Pernambuco- Doj
__
w

,
i
'er jurada
marca)
Em seguida ao casamento da princesa Soplria.
quedeve realizar-e cm Athenas, no prximo
Outubro. e a qm aasistir o inperador da Aiie-
manha, ir este foier urna visita ao sultao de
Constantinopla.
A esquadra alleuia deteve-se era Port-Said a
era de erdens. Suppe-se que nao ira nem
a s>ama aera a Zanzbar, mas que voltar para
o Bltico.
O prncipe dt Bbwarofc daaatiu da.exrieaii
a Sama* mviaae daaconarahir
canos.
Foi preso o sargjaa ior Hauc-fc, da f rt-si-
mento da guarda, ytr, estavu encara-gado de
ensinar as unaabras militan'- do principe im-
perial da Altemanha.
Tal prisacvaafos motivo* >e ignarara causea
Jima certa seaaaj etu Dorlim
Dizem de Beeiaaae o aoaaraador da Prussia
orieata1, em vnfcraa. iraimirraalrque prodo* a
falta de bracos para o trabalbo, resolveu contra-
ciar trabalbadores chinezes.
Sob o patrocinio da academia das sciencias
deBerlim tratase de organizar urna ex pedigo
que tem por tim esiuda a vida animal e a ve-
etatura|uas profundidades do ocano. Esta ex-
pedico comegar por explorar as aguas que ba-
oham as costas da America, pausara depois a
Groenlaudia, e por lim ao Brazil. A academia
maadou armar pasa tal lim um nuvio. que sahi-
r brevemente do porto de Hamburgo.
Ser director scientilico da expedigo o Sr.
Hensen, prefessor de pililos jpliia da universi-
dade de Kiel.
O Sr. Stevensou, escritor bein conbecido e au-
tor do interessaute romance Uha do Thesouro.
que anda viajando por motivo de saude u'uin
biate de recreio pelo ocano Pacilico, dirigi ao
Times urna curiosa carta a respeito dr. procedi-
menlo dos allemaes em Sama.
Accusa elle o cnsul allemo, o Dr. Kuappe,
de haver respondido em termos inslenles ao ac-
tual representante da Inglaterra em Apria, o co-
ronel Coetlogou, o raesmo que era chefe militar
. m Klarium ante da cliegada de Gorden, e que
iwvia protestado contra a violaco systematica
dos dire;tos dos subditos britannicos pelas for-
cju allemaes.
k>ov quai processo diplomtico diz o esenp-
Jor a Sr. Kuappe se elevou da cathegoria de um
imples ollicial municipal ao de um Bisraarck da
POlyu esia 1
De que eucauto foram victimas os gabinetes de
Washington e de S. James para que o Sr. Bla
-klock eslivesse lauto lempo sem apoio, e para
que o coronel Coetlogou tivesse que curvar a
fronte sob um ultrage publico r
Sei por iuforraagdes recentes que o Dr.
Kuappe seallivioudo rei Malietou com bellsi-
mas paiavras e Ihe assegurou que o estado de
^guerra, o bombardeamento. e os outros flagollos
wde momento nao sao dirigidos contra o povo de
Sama, mas sim con.ra os iaglezes e os ameri-
canos, e que quaudu estes forem expulsos, a
paz sorrir de novo sobre a ilha entao allem .
arra o Sr. Slevenson a priso arbitraria de
um artista inglez a bordo deum paquete da sua
nacao, o Rickuond, e o seu encerramento no cru-
zador allemo Adler, por haver penetrado no
campo de Malietou, <|uando andava desenliando
n'uina floresta
Nao foi restituido a liberdade, apezarde lodos
os protestos officiaes, souo no momento em que
eslava prestes a ordenarse o toque a postos le
combata a bordo do navio de guerra inglez,
O Sr. Steveason termina com estas paiavras :
E' isto o que o puro inglez eutende ser a so
Ucrania dos mares ? .
Auairia Huagr-ia
Biz um correspondente de Buda-Pesth para o
Berltntr Tageblatt qL.e inspira cuidados a saude
da imperalriz d'Austria, o que provavelmenle
apressar a projectada partida da soberana para
Corra.
A imperalriz raauifestou urna coragem heroi-
ca por occasio da rataslrophe de Meyerling es-
quecendo-se de si propria para procurar apenas
servir de lenitivo ao pesar do imperador.
Depois vio a reaecao; a soberana acha-se
a'iiu estado de profundo abatnenlo; soffre syn-
copes freqacntes que inquietara a corle e todos
reconhecem a urgencia das distraeces de una
.iagera e de urna malanga de ares, para res-
tituir as forcaf desolada mae.
Fiii'-ni\i)
Arcentua-se deilia para da o mo estado de
-audo do. rmua. HoJJanda. .Encerrado no seu
i-to do castello de Loo, sem torgas parase
er do leito, o rei espera pela morte queine-
viurrelwente chegar cedo.
ltimamente lem-se recusado a tomar os me
dicamentos. Devora com algum apetite um co-
simnto de manas em leite, que os mdicos llie
a-onselharam.
B a nica prescripgo que segu risca.
a corte aguardase a sua morte de um mo-
mento para o oulro.
O ultimo despacho que assignou foi em 16 de
Pevereiro : de en Uo para c os documentos vao
erata
NatecepQo.diplouatica de 6 de Marco, t em
Belgrado, o rei Hilan annunciou que abdica va a
cora da Servia em seu lilho o principe Ato-
xandre.
O principe tem 12 annos de idade.
Na sua proclama^ao annunciando ter abdica-
do, o rei Miln lembrou que, ao despedir-se da hostil contra a rainha Natlialia
grande ckupcht-m, declarou que outhorgava ao : Marrocos
paiz urna nova con.-tituigao, nao para si, mas O governo minoquinolratouultimaulente rom
para seu Uiiiu e paca* a Servia *.dis.se que era a JdUif lahai llilin da luoaaMyaaiaimenta.
favwavei, aaai aiuner as coinaaaertwss de se
niiali maiaaritinlgaamnnnpriir>-nr outnis potea-
ciaa^ antnMato daaaeafiase officiaiioeste que o
suit > Milaa-Hasaaa baja leiioqnalnaar cessao
de territorio Allemanba.
O corresponden* do>sae/ajv/ ea>Berlim di
que a visita da.aaasaMam marroquina corte
imperial gema limaba de dar eai resaltado urna
urnaataoiniaeccialjasis latina entre i Ailumaulia
e Marroi om poid-jo uaMLxaedicao>OGgaaisada
em Bcrlim por arguus negociantes vai a Murro-
eos preparar o mercado para os productos alie
maes.
O coriaspeadente prev, por conseguate, um
redobramento de concurrencia aos productos in-
gleze- naquelle imperio africano.
opprar grandes economas; entre ellas a da sup- traba: pHPnacaa s<> teuha que o luminava, nois que 96 o idealismo n
pressao das legaces de Londres i tlw ^aMignaiado po^r&SlWAlll^lriticos-,-u I pin o tirnil e elle prospera e contina cneio
as. # : por perturbacOes que nesta hora seriam gravis- de actividade e de vida, de riqueza e de eaenria
Os jornaes rusjos mostram se satisfeitosco simos. '-
a formacao do novo ministerio e da regencia da Dante da Europa, dilacerad, inquieta, cheia
Servia excepto ao que dizrespeitoao Sr. Pro-- d'lincertezas lgubres de varias ordens, o Bra
titcli, que se tornou impopular cora a altitud--sil, depois de ter dado um destes passos que
sao de to capital importancia no rgimen eco-
sendo accumulauos na mesa de gabinete.
colhida do Castello Loo
o rei declina lenta-
A ultima inforraaco
pelo Vadrrlnnd foi a d
mente .
Ruasia
O Sotoie Yremia diz que a abdicacao do rei
Miln a consequencia do bcu desaccordo com
j Uussia, o ijiial tornou impossivel o governo
dellena Servia; depois do pnneipe Alexandre
de Battemberg rliegou a ver do rei Miln, o
possivel que chegue em breve a do rei Carlos
da Bomania.
Bra 2 de Margo participaram de Port-Said que
tinlia entrado no canal, em din-crio a Suez, a
corveta rucea Zubiaka com o lim de receber a
seu bordo o cosaco Atchinoff e seus companhei-
'ros, qoe para aquelle porto tinham sido condu
Jos as corvetas francezas SeignHey e Prima-
#;;

Ainda a proposito do incidente Atchinoff, e o
correspondente do Nord em S. Petersburg affir-
'pa que o governo de czar, pela sua declaracao
fiponlanea, clara e fraila, publicada no Mensa
l*Vto Offiriai simpliticou deveras o acontecimen-
'o. reduzindo o a sua importancia real.
Alludindo as interpretaces erroaeas que le
tem dado ao caso, escreve o mismo corres
poodente :
... O que nao obsta a que o publico, que
ua Russia, como em toda a parte, se deixa guiar
as suas apreciacGes mais pelo Benthnent do
Hue pela razo imparcial e fria, esteja desfavo-
ravelmentc impressionado com os fados que aca-
bara de dar-se.
Tem sido muito censurado o procedimento
do almirante francs contra os couipanheiros de
\tciiniclT; por muito incorrecta e intolerante
que fosse a linha de conducta d'aquelle aventu-
reiro, eremos que se poderla ter tratado esta
questao com mais branoura .
O ?ord fecha com estas paiavras um artigo
consagrado ao incidente:
Por mais justa c correcta que tenha sido,
sob o ponto de vista da legalidade, a attitude
dos agentes fraacezes, todos os que na Franga
e na Russia se interessam pela manutenco das
boas relaces entre os dous povos deplorara de
certo a fatalidade que* fez com que os ltimos
aperfeicoamentos do material de guerra francez
fossem experimentados derramando sangue
rttsso.
Deve dizer-se em abono da verdade que
muito jornaes francezes teem manifestado esse
pecar, a que deu urna certa cor ollicial tuna ia-
terpcflaco apresentada na cmara dos deputa-
os ; de resto, essas raanifestagOes de sympathia
que por essa occasio se teem feito ao povo rus-
so devem*contribuir muito para attenuar n'a-
quelle paiz a desagradavel irapressao causada
pelo caso de Sagallo.
O cossaco Atchinoff chegou,a Constantinopla a
II a bordo de um navio rosso, acompanhado de
alguns dos seus partidarios.
A Porta estranhou muito que a Russia tivesse
transportado Atchinoff em um dos seus navios
depois de ter negado o apoio s empresas colo-
niaes por elle intentadas.
Um despacho de Hamburgo para o XIX Sicle
4is :
AtehinofT, que parti de Port Said a bordo
da corveta russa ZabUca, desembarcara em Se-
bastopol, donde ser enviado para o Caucaso
para ser enterrado. #
alearla
Segundo annunciam de Vienna, o Sr. Zankoff
disse alli que a abdicacao do re Miln apres-
sara a queda do principe Fernando de Coburgo;
e esta cpiniSo, que telismente parece exacta,
tOBMp a ser partilbada em Vienna, onde se
recela muito que o principe Nicolao do Monte-
negro retina a ser tambera principe da Bul-
gana-
.liegaa abara -aai cu.npnr a sua pronsessa
iueri"it-caaBU qa*duraste o seu reinado emaregou
todoa-os seus esfojyus lauto no interior como
-no exterior, para salaaauardar os interesses do
,i.iiz ; que tere ein coula>aeigeiiciaa impostas
pelo scula XIX a lodo erqaaiauer paiz civilisa-
do ;' justkwr aiadeciaaes do couaresso de Berlini
quooroclaaou a iolr|)eHdeiicia da Barvia de
inoiaaa tornas u rciaa um actor a*-ordem
e de pa'nos Halkans ;-registDU que a stnr
obra llie captara as sympathias da Europa ; nie-
morou depois os dias fastos e nefastos do seu
reinado ; declarou assumir, s para si, a res-
ponsabtlidade dos romea : accresceolou que a
primeira parte do ?eu reinado foi consagrada
as dilculdadtts exlernas, e a saguoda refor-
ma constitucional, e por isso acaba de abrir
urna nova lei.
Explicou tambera que, depois de haver dado
ao paiz os elementos de paz e da ordem, nto se
sent com a forca necessaria para corresponder
s exigencias que inipoe a siluacao actual, com-
pete agora aos partidos justiticareiu cora os seus
actos a conflaoca que o paiz ibes inanifesta ;
lembrou as difficuldi.des que teve com as diver-
sos partidos ao seguir urna polrtica nacional ;
pedio esqueciraenio reciproco: declarou que
sera no paiz o prime.ro subdito de seu lilho o
rei Alexandre 1 : recuininefldou a seu lilho de-
dicacSo' fidelidade para com apovo servio ;
conliou a regencia a patriotas experimentados,
que sabr-ro prajervar os ialkJuias das even-
tualidades da gnerru e salvaguardar os interes-
*es internos exteriios do reino j designou em
seguida os regentes.
Depois, sob a base da nova eonstituico, or-
denou obediencia ao novo rei e terminou por
estas paiavras : Viva o rei Alexandre 1 Viva
o boto servo
Na edico especial da folba ofloeial seguido
este documento por urna carta regia enderecada
ao Sr. Ristioh, expriraindo a esperanca de que
os novos regentes sabero merecer a contiatica
que Ihes concedida. Depois vem o auto da
oreslaco do juramento dos Ires regentes, os Srs.
Ristish, Proticb e Belimarkowich. Risiish o
presidente do conscllio de regencia.
A folha ollicial do lia 7 publicou dous uka-
ses : o priineiro, aceitando a demisso do Sr.
Christich, da presidencia do conselho e contan-
do esta ao yeneral Brotich, ministro da guerra :
e o segundo uomeando ministro do interior o
general Beliraurkowieli. A folha ollicial nao diz
nada acerca dos outros ministros, os anata dv
vem pois conservar as suas pastas.
Na curte da rainha Nathalia nao causou gran-
de sarprfesa a abdicacSo do rei Miln. Os p-
renles da rainha estavaiu em dia com ludo, gre-
cas aos a.uijos declamados que ella sempre con
servou no pago. penas se iulgava que a so-
lucao chegasse mai- tarde. Imaginava-se que
Miln seria re a...c ac mez de Maio.
Todos teem como cerlo que a raiuha Nathalia
voltaria Servia dentro de algumas semanas e
convencel a-ho da ii3'-assidade de nao precipitar
os acoulecimentos, aflm de dar a Risticht que
ltimamente se tem mostrado hostil rainha,
o lempo necessario para mudar de aititude, e
fazer cora que tkuptrJiina resol va restituir a Na-
ti lalia seu tirulo de rainha e rai. convidan-
do-a a vollar.para Belgrado.
Quanto ao divorcio, de crer que seja animl-
lado |>elu metropolitano Micbel. exilado pelo rei
Miln, e que se relirou para um convento ru so,
protestando sempre contra o exilio, e continuan-
do a considerar-se o nico che/e legitimo da
igreja servia. E' de crer que seja chamado
corle.
Nao ser dilticil justificar a anunHaco, gra-
pa duvidosa legalidade do divorcio e ao pro-
cedimento do re Miln. A rainha consentir
em assignar om reqnerimento de divorcio, que
ser regularmente despachado pelo syoodo,
conservando-, porra. a rainha o s>*u titulo e tu-
tora sobre o seu lilho at maioridade.
Taes sao as esperanzas da corte da rac.ilia,
tendo era vista o auxilio ofhciosd da Russia.
Km todo ocaso, brevemente-baren't ajaten-
irevistf entre Nathalia e o filho, na Itoaaoania
ou na Hungra.
O correspondente do standard em Vienna,
commentando o optimismo ellectuado pelos jor-
naes officiosos de Berlim ndativamente Ser-
via, conrlue que o principe de Bismarck se pre-
ara para representar novamente o papel de
onrado corrector
O correspooden e le Berhm para o DOSMO ne
riodico, enviou telegraphicaueute aquello jornal
um resumo de certos dados, que ura diplmala
Ihe forneceu relativamente -situaco ila Servia.
Este diploraata ve na abdicacao do rei Miln
urna victoria principalmente devida ao oppoi tu-
nisrao da Russia.
As tentativas do re, para se approxiuiur
daqnel'.a potencia tmham-se mallogrado peraute
a insistencia do czar era reoonciat-o com a rai-
nha Nathalia a em obter delle certas concesses
relativas Bosnia.
Una das causas principan* da abdicacao deve
tambem ter sido a agitaco panslavista na Ron-
mana e na Bulgaria. O rei Miln achava-so so-
lado.
O interlocutor do correspondente inglez no
v que Protilch possa ou queira continuar a po
litica do passado, erabora se tenha coraproraet-
tido a isso, porque terde se haver com a rainha
Nathalia que exerce uraa grande influencia so-
bre seu lilho Alexandre. Alai disso opinio
dominante ira Servia que aquelle paiz deve tudo
Russia, e seria diflicil emprehender urna lucia
contra essa opinio.
O despacho termina pela iusinuaco, attrihui
da ao diploraata anonyino, de que ua seria im-
possivel uraa interveinjo ta.Russia nos Balkans.
Assegura-se que a rainha Nal lia! ia pedio re-
gencia autorisaco para vollara viver na Servia;
mas parece que a regencia Ui'a recusar.
. O Standard considera que a queslo do regres-
so da rainha Nathalia para a Servia ha de tor-
nare seria: porque ir joven rei deseja ter sUa
mu junto a si. e a Russia interviria se a A usina
tentasm hnpedil-o.
Participara de Vienna que a regencia da Servia
encarre.-'ou um de seu membros de visiiar a
rainha Nalhalia. atini de n'gularisar as suas re-
lajaaa com o novo rei. E provavel que a rai-
nha regresse a Belgrado, ilizem estes.
Segundo iuforraa um correspondente de Ber-
lim para o Matin, o re Miln ba cerca de ura
anno que eslava resolvido a abdicar, e tel-o-hia
feito antes, se ao dar esse passo tivesse a certeza
de que inutilisaria a influencia da rainha Natha-
lia sobre o principe Alexandre.
Os ainijros ntimos do reitenlaram demovel-o
do seu projecto e quizerara aplanar o terreno
para una rcconcihaco com a rainha
Estaro lembrados os leitores de que na ultima
entrevista com a rainha, o rei Miln tratou de
assentar as bases de um modus vivendt, fazendo
concesses. que nao foram aceitas.
Escreve o correspondente estas paiavras .
A rainha Nathalia guardou segredo sobre
este projecto conciliador, e fez constar que pre-
tendiara ronbar-lhe o lilho e prohibir a sua per-
manencia na Servia. Esta que a verdade.
Vieram em seguida as peregrinacoes da raiuha,
e a medida desgranada de se arrebatar o princi-
pe Alexandre sua mai, tacto violento que tanto
desacreditan o rei Miln.
O re, vendo inutisados os seus estoicos de
conciliaco, tratou desde logo de evitar as com-
flicaces que resultara do regresso da rainha
ervia. *
Nessa correspondencia desmente-se formal-
mente o boato do projecto de casamento do rei
Miln com a mulher de um diplmala servio,
que havia de divorciarse para isso.
< A verdade, diz o correspondente que o rei
Miln, fatigado de trabalhar, deseja descancar,
entregando a regencia do reino a homens que
proseguiro na mesma norma de poltica pru-
dente.
A situaco
Xoagarau*a Taager quatro-navios couamMiM-a^rtae*-* <|ne f-interefse"FnercTmtn promovera
nomico de u:n i nacao, continua imperturbavel
na sua marcha progressiva Dar a verdadeiraci
vttwafo humana e-frateriuL. e couio ene torta
>4agiapelo acto de aesinteresse eda^aw nio-
raiaue praticou.
(Mrabajbj) vre substitae o irabahio -ainda ha poua^bestas de sarga a
egados todoa'aadireiaaa e todas as
ue .ios homens saacimoadiaDs-acham-
se:hofe alforriado* pelo generosa,.inipatf dos
quaiafio hsitaram-diantw.aas pentas< aateriae,
queaala salutar rerolucc
siga, "para se puiilicarer da mancha:.-aa es
cravatura imprima na gloria moral de sua pa-
tria.
E' tanto mais notavel esta revoluco decisiva
8 p.icilica. que, estamos certos. ura -faci econo
mico desle
realisaria
alcance e desta importancia nao se
hoje, na velha Europa, sera graves
inglezei/ O cominandnte desembarcou "e fot
conferenciar com as autoridades marroquiuas. o
qu# alvorocou a cidade.
Reina grande descontiaucaum Marrocos por
causa da presenca de esquadra ingleza naquel-
las aguas.
Zanzbar
A tripolagao do um barco rabe, preveniente
de Mscate, e chegado a-6 de-Marco a Simbaran-
ga, conlou que durante o trajelo tora o mu bar-
co abalroado por um navioalleniao, mas depois
largado; foi todava detidjO' novamente, c os al-
lemaes lizeram fogo sobra-elle aatandadhe o
capitio. Reina por isto ]Tntnde agtago um
Zanzbar. A imite anm grande, multidao de
rabes da tribu Alkasnri reunise defroote doj
palacio do salto reclamando viuganga. O 6Ul-
Uo mandoB-os para e cnsul da Aiiemanha.
Os negociantes uiglezos e:n .Zaiibar protes-
tan! enrgicamente contra a medida.'omada pe-
los allemaes prohibiudo o desciiibarque de pro-
visoes na parte allem do littoral.
Estamos n'uma pbase tao-trisuimeateulilitaris-
ta, que lodo o antigo idealismo tos nossos aais
e dos nossos avs apparecc hoje sob a coi lu-
bia de urna chimera va, aos que eslo encarre-
gados de traduzir em leis as aspirages dos po-
ros, e de interpretar no governo as aecessida-
des moraesdos governados.
Vejamos n'uma revista sum nana i rpida, o
aspecto pol.tico e social que ueste momento a
Europa aos aprsenla.
9e consulta irnos um dos escriptores mais po-
pulares da Alleraanha moderna, Max Nordan,
acerca (fas cousas do mal estar que nos devora,,
elle dir nos-ha que a Europa, cinlisada uuii
f enorme enfermarfc .de tk)i-nte qu*e8-h
espago com o eco dos seus gemidos datesp
dos.e. se eontoreem na agoo do toda a espe-
cie de martyrios.
Na Allemanhajapesardos discursos optimistas
e a livos do Sr. de Bnmtrrlr que declara em
pleno lleerhttay que o Imperio Cermonwio s a
IDeus teme sobre a trra sabe-sebem que, sol)
apezar de Ihe ter ouvido, contra oz consellios
do cruel egosmo, a inspiradora e querida voz '
Mara Amalia Yaz de Carvalho.
INTERIOR
Corr
OMdeuei* do Diario de
Pernaathiiro
PA METRA DF GARAN'HUNS27 do
de Marco de 1889.
Ao couaUr a passado, ti.e de, com ocorace
coberto Japiuloafi seutamento, billar cerca-da
. Telegrammas particularos de Zanzbar lngara essa upparencia, de orgulhosa e viril robuslez.
luz sobre o wysterioso Stanley. O afamado via-
jante dirige se actualmeutc pelo centro d'Africa
para a < osla oriental.
Seis homens e uraa senhora. missionanos alle-
maes, que tinham sido aprisionados pelos rabes
em Jaueiro, foram agora postos em liberdade
mediante o pagamento de 6,000 rupias e a res-
liluico de doze escrivos aprehendidos pelo
navio '-ouracado alleraao.
Fui concedido to de Lebbe ua regio da Zanzbar.
India Inglesa
Por letegramma vindo deCalcutl, consta ter
se descoberlo nos papis do fallecido priineiro
ministro de Caattemn, provas evidentes de qu
n n.aharajah criminoso de liaigo e de tenta-
tiva de eiivenenamento na pessoa do
britannico.
iClitna
AiiDUDCia ura telegrarama de Sa:ig-IIae para o
Mandan: i,ue Lihung-cbang raaudou atfastar as
tijpas chiuezasque ameagavam a colonia chi-
nezade Chefn : nortanto o peiigoest proviso-
rrainoote conjurado.
O siintiraentos hostis contra os eslrangeiros
teem-se acconluado em toda a China desde a su
bi la do joven imperador ao throno!
llaili
Um navio proveniente de Cap-llaitien d no-
ticia de ter harido um cmbale em 2' de Keve-
reiro na costa occidental da ilha entre as tropas
dos geueraes Legitime e Bjppolile, tendo Rcado
batidas as deste ultimo,que pe.rdeu cercado 300
homens e sendo yocidados todas oseridos.
Segundo inticiai do Ihiin.cjind.ila de til de
Fevereiro, a canhoueira Benaliiu-s, do general
Legitime, parti de Gonaives depois deum bom-
bardeamento infructfero.
Corran boato de que>eU canhoneira sosso-
brara depois no niar alio, era cousequencia do
grande rombo que Ihe iizera urna bala de arti-
iharia disparada d'aquella praga tendo perecido
toda a tripolago.
Alli: mavase que as lropas do general Legiti-
me tinham queimado Grande Saline.
Knlmlas I nidos
O general Harrison. noo jwesidente da gran-
de repblica dos Estados-i jUos,' pede na sua
meusugein iaaugural d4 u%Maruo, o mais ri-
goroso exame acerca do carcter e da reputagab
dos emigrados, e sobrenado das que requerem a
uaturalisaco : entende que preciso de excluir
todos os eslrangeiros cuja presenca um en-
cargo sobre os reiidimentos da l'nio e urna
ameaca par^'a ordem social ; diz, que empre-
gar* todos os esforees para man ter e alargar as
amigaveis relaces das Estados-Unidos com to-
das as potencias europeas'; fallando do Panam,
diz nao poder ver com benevolencia um proje-
cto que tendea expor os Eslados-Unidos a urna
vigilancia hostil ; relativamente a Samoa de-
clara que nenhu:na conc.esso oblida por ameri-
canos auiigavelmente pode ser modificada sem o
assentiracnto dos Estados-Unidos ; declara es-
tar persuadidu da que o congresso poder fazer
a reduego nccessaiia no excedente dos rendi-
mentos pblicos sem atacar a paula proteccio
Dista ou prejudicar seriamente as industrias; e
conclue recommendando o augmento damarinha
de guerra.
O presidente Harrison propoz ao senado, e
este approvnn, o seguidle ministerio; secretario
de estado, o S~. Blame ; do thesouro, o Sr. Win-
dain : da guerra, o general Proclor ; da mari-
nlia.oaiiniraute Traes : do interior, o Sr. Nn-
bje ; director geral dos correios, o Sr. Wamu
muller : advogado geral, o iSr. Miller ; e com
avsnrio da agricultura, o Sr. Rusk.
Em Washington, n'uma conservago com o
redactor do SMra respeilo du Samoa. o almi-
rante Portar disse que, no caso de conflicto com
a Aiiemanha, os Estados-Unidos poderiam em
dous mezes improvisar urna armada que des-
truira o coraraercio allemo.
0 almirantado americano esluda o projecto da
eonslrucgao' inmediata de oito. novos aavios.de
ucrra, e o plano de mais quatro. que sero
constru los depois.
Assevera-se que o general Tracy, secretario
da marinha, declara que o" governo americano
nensa- seriamente em augmentan a tna armada
1 n /.em os jornaes americanos que o engeahei-
ro constructor Lindeuthal acaba de submetter
ha causas latentes de desaggregago, ha germen-
de urna ineorabativel doenga.
Succumbida ao pso do seu aniiamento colos-
sal, amont jando cada anno novas despezas para
urna guerra provavel, a Aiiemanha sente-se dia
a da a mais dolorosamente agitada, g
O socialismo vermelho roe vidamente cora
os denlos airados as columnas do editicin poli
tico e social, e. aem o esteio do soc.alisrno de Es-
lado-oa christo, nem as leis de excepeo. nem
oquasi permanente estado de sitio, nem os po-
deres discricioaarios da lolicia o dntraem por
instantes da sua obra de destruiyo sileneios-i
subterrnea.
Na Austria e Hungra urnas poucas de naco-
ualiiades diversas em lula urnas com as outras.
residente! fazem-se mutuimeotc ido o mal que podera.
A Russia. i"in em si os elementos confusos da
extrema civilisaeao. e os inslinctos selvagens da
oarbaria irreprimivel, reveanos ura mixto des-
ordenado das mais estraahas e incorapativeis
qoalidades;
A adminLstragfui burocrtica, perdeadeaUi io-
do o sentimenlo de solidariedade publica, ocr
petra impunemente as malversages mais im-
quas As classes instruidas e exaltadas por isso
mesura, pela sbita passage-ai que n ellas >
opera, das trvas da ignorancia ao conheciraenlj
sera melhodo das maisjextremas e radiciesdou-
Iriuas -soccom-ra-se do nihilumo como a arma
suprema dos que pescram a esperangiepoein,
n'esa negago formidavel; o seu instinco de
deslruicao selvagum e brbaro, e as suas ten-
dencias raysticas, mais estranhas e mais con-
tradictorias ainda.
Os seus pensadores, os seus poetas, os seas
romancistas, os seus philosoplios acham a or-
dem social presentemente estabelecida tudo que
ha de mais iniquo e de mais perverso.
Iras preferem a este estado de cousas presen-
te a anarchia, o cahos, a perfeia desordera ;
outros fundara seitas. to fnebremente desin-
teressadas da vida, como as que foram produ
zidas no extremo Oriente pea atroz desigual-
dade das condicoes. pela cruel separago das
casias, fieh.jflrarcbia-sor>ia' levada- at. lou-
cura...
Os homens de Estado, sem saberem o reme
dio que pode dar sea urna crise to complexa,
ora pensara no parlamentarismo da Europa Oc-
cidental-quenada Ihes dara -. no lim decon-
tas ; ora veem a sal vacio nica na inteirasup-
pressao dus influencias democrticas da Europa,
na.supremaca recouhecida do espirito asitico,
c no estabclccimcnto delinilivo e solido do des-
potismo hereditario e religioso dos czares ; ora
suppoem a guerra o mais salutar e o mais ef
ficaz derivativo, e sonham urna guerra iconUa a
Aiiemanha, contra a Austri.1, contra a Turqua,
contra dous niuudos e duas civilisages anta-
gnicas. ..
lerabrado Baro de Coregipe| te iguahnente'-do
digno ex-representante d'este circulo, o presti-
inosissuno Dr. Bento Ceciliano, de iinmorredoura
memoria.
Agora, inda urna vez, com a peona enlutada
de pezar que principio a presente, mencionando
mais o -duaauptti-eciraento de um ootro impor-
tante aierabro do nartido conservador desta co-
marca., tonetite.-co'onol fose: Paes da Silva que.
coitaa,' hisu* e casualmente for assassinado na
cidade de fiaranhuns, na noitc de ante-hontera.
Seriara de-7 para 8 horas da noite d'aquelle
dia, quando em caminho encontrase elle com
ura iiidiv-Ju) desconliecido que o ioterpellou.
gntaiidp-lhe oor raais de urna vez ; quera vem
la \
E como o mencionado teen le-coronel temeu-
do.que tosse algara raalfeitor, iratou de defeu-
der-se da aggressao que va diaute de si, o des-
conliecido puxando de uraa faca qne eomaigo
Irania, cravou-a to certeiraraenle no coracito
d'aquell,', que matou-o uq*iedialainente.
Ao vcnlicar-se por luda, a cidade n iiurt do
preslraiuso voinaaVo Jos Paes da Silva,ioi tal
o senliraeato, que dir s*-Ji;suma s t'amiita la
separadwnent, noraaiaiOseH presidente, faz
regulamentos ; as resolugOes devem ser volfl|
pelas duas repartigges e approvadas pelo "^H
Si este oppe o seu veto, a mjdida volta de novo
para ellas e s tem torga de lei si for approvada
pela uiaioria dos dous tercos dos votos. Muir,
aldermen, councilnwt, sao eleitos direcUmeqta
por suffragio universal para dous, tres e quatro
annos. E' sabido que os Estados-Unidos realisa-
rara o raoviontoe!eitora*perpetuo. (10)
guno a carta outorgada cm 1881 Nova
Orleans, o conselho raunieipal, composto de M
meiiibros, o inutre, os principaes funecionarios
sao eleitos por quairo aaaos, por escrutinio se-
creto. 0 conselho verifica os poderes de seus
membros e s pronuncia a concluso pela maio-
ria do- dous tercos : suas sesses sao publicadas,
Mawelatoaaa obiigatoriameiite puolicados nos
jornaes; poflu Jangar um-iaiposlo annual em prO-
sensibilissima e iuiprevusia perda do- aempa veitada. ciduOao< proprielarios de aualauer na-
1.....lili i 1 ii Ifcaafi ii I *-*-- .......... fk .... *u. I ..... i ._ ." '
approvaro do governo dos' Estados Unidos o
projecto'de urna ponte peesil entre New York e
New Jersey, medindo urna extenso total de
tjltt metros, oque excede em algumas cente-
nas de metro-, a famosa ponte de Brooklyn.
A ponte ser teda construida de rame de ago,
lbrmando cabos de I-,22. entrelagados de modo
3ue permitala a grande dilatacio que as mu-
ancas de temperatura devem causar.
A carga mxima que recebergeralmenteser
a decima parte d'aquella para cuja resistencia
tor calculada.
Xa Inglaterra a apiiareucia por ora a da le-
galidade,.da disciplina, da ordem jerarcluca. da
realeza respeitada, da aristocracia poderosa, da
burguezia slidamente estabelecida...
As classes dominantes fazem ouvira sua voz;
a lei e supremamente acatada na sua lettra e
nos seus representantes; os privilegiados do
nasciraento, da fortuna e da posico social de-
tendem cora torga e babilidade, por era quanto
disolutamente iriuniplianies, as suas regalas e
as suas prebendas!
Mas para quera miuber oucir, o alargamento
do suffragio, dando s novissimas carnadas uraa
preponderancia crescente, ameaga, para nao
mnito remota poca, a solides tranquilla do
monstruoso e compacto edificio da civisago
anglo-saxoaia. 0 proletario, ojornaleiro e ope-
rario resmungam surdaraente urna ameaca, que
por ora *e nao formula, mas que ni j deflnin-
do-se e accentuando-se com unanimidade as-
sustadora. Formam se associaces socialistas e
republicanas, celebram-se meetings, escrevem-
se pamphletts, e a Irlanda mostra de longe o
punhal, com que fere pelas costas o laud-lord
oppressor, e o trabuco, que desfecha na sombra
contra o fuuccioiinrio rapame que a lnglat-.rra
Ihe enva.
A Italia tem dentro de si, a dilacerarem-lhe
surdaraente o organismo, aiada" nao robustecido
pelo tempD, de um lado os irredentistas.- do oulro
lado os ardentes devotos do papa...
') republicanismo porem que parece amea-
atr mais seriamente a sua dyuastia mal conso-
lidada.
A Franca ? Mas todos eslo vendo o que se
passa era Franca. E nao ha deveras espectculo
mais doloroso que o d'essa nagao generosa e
sublime, disputada e torturada por diversos
bandos de mdicos aventureiros !
Em frente do radicalismo de Clemenceau, o
cesarsmo de Boulanger.. Os excessos da
communa, sanecionados pela candidatura ven-
meniando a morte de seu chele Foi um a de
horror 1
i Oitinalo tenente-corouel fos Paes da Silva,
era urna alma talhada pela mo do Omnipotente
par i sol; e a trra pra'icar o bent, sera procurar
a quera. Amigo dedicadissimo, poltico sincero,
chefe de familia teloso e amante, carcter im-
masillado, pobre, verdade, de recursos pecu-
niarios, mas, rico du senlimentos, eis o que era
o liudo lenente-coronel Jos Pies que ltima-
mente n'aquella cidade exercia dignamente o
cargo de collector.
A patria carpe .profundamente a perda de um
cidaaao que a hoorava, a lamilia cbora-amarga-
inente a ausencia d'aquelle que ainda houie:ii
era a paz, a, tranquillidade e a esperanca d'a-
quelle iar; e o partido conservador a|olha-se
tambetu sentido e verte copiosas lagrimas sobre
a campa d'aquelle que ttontem, cheio de vida.
era para elle um defensor intrpido, ura va lo
prestimoso. Jaz em paz!
Quando era comeen de Fevereiro viraos so-
bre este slo cahiram to copiosas chavas, lic-
;nos de veras satisfeitos. pera suppunliamos que
ellas eram o prenuncio de ura anno frtil, entre-
tanto illodio-nos, disse-nos adeus at esta data.
< em troca deiviu nos un mo substitutoura
calor abrazador.
As feiras lera sido aniraadissiinas, porm o<
gneros jwr precoa elevados, assim que a f
rinha lera dado 'JO > r.is. o milho 600 e 700 ris,
0 fiijo 1600 c 2tW0, etc.
Se nao tiverinos chuvas nestes poucos dias,
tristes conseqoeoeias deveinos esperar.
Para as bandas de Quebrangulo foram ap-
prehendidos ua rao de una socinl'tdr- de bemfei-
lores nocamos i cavallos furtados sendo um
peitencenie ao capito Jos Paes de Barros, c os
outros a diversos daqui. E ento; nao isto
umaprova deque estamos muito bera avisinha-
dos?!
- O Illin Sr. capito Jos Paes de arros len-
ciona preporar ura prado Besta povoacao, para
a realisago do qual j deu coraego ao trabalho.
Realmente, foi urna excellente idea, porque ser
una fonte de distrago para esta localidade.
Fazeraos votos para que a idea progrida, e te-
n hamos a rea I idade.
A ordem publica tem se conservado em paz.
A estagao de ngelim tein urgente preciso de
um augmento, visto que pelo seu diminuto es-
pago nao pode accommodar asmercadorias que
para all o importadas e exportadas.
A estacSo de Angelim o foco para o qual
eonvergein as seguintes localidades : Palmeira.
lho d'Agua de Gcs. Conentes, Uom Conselho,
guas Bellas, Calgado, Crauatl c outros, e nao
menos de lo vapores de descarogar algodSo se
contam espalhados por esses lugares, de modo
que afilue constantemente grande quantidade de
eargo, l, couros, ele e constantemente licam
ditas mercadorias ao lempo, ao rigor do sol e
da chuva. e at mesmo ao alcance de qualqucr
rapinagem de algum transente.
E' veniade que felizmente aquella estaco leal
pruseoteaiente ura chefe que honra o lugar que
oceupa, o diguo de encomios, mas pode elle
ser responsawl por qualquer imuiria uin> vez
que nao ha alli commodidades f
Nao, certamente. Esperamos, pois. que se
tome cui considerago a reclamaco que vimos
de fazer.
Approxima-se odia 22 de Abril, em que
os dous partidos polticos se teem de debater
pranla as urnas alim de se eleger aquelle que
no II* lera de substituir a vaga deixadapclo Ii
nado Exm. Dr. Bento Ceciliano.
Para raais una gloriosa victoria do partido
conservador mister que o mesmo se unifique,
deera os seus membros as ai.is, e assim, for-
mando um lo nquebranlavel possa vencer as
manobras dos adversarios, imitando dest'arte o
brioso e digno eleitorado do 10" jque inda urna
vez veiiceouo enormes barretras, provou a sua
altivez, tornndose assim grato aos immensos
beneficios que a nossa chara patria tem prestado
o Exm. Dr. Rosae Silva. E assim curapria fa-
zel-o.
Gravitar sobre dous pilares erguidos em cada i cedora do general Cluseret, e as orgias e as cor-
margem, e o taboleiroda jionte achar-se ha iiO1
metros cima do aivel do praiamar.
Aquella obra colossal est oreada approxima-
damente em 143 milhOes esterlinos.
A cmara dos representantes rejeitou amogfio
Edmunds lendeate a protestar contra a ina-
niga de qualqucr governo na empreza da aber-
tura do isthmo de Darien.
Os Srs. John Kanon, William Phelp e Geor-
ges Bater sSo os personagens designados para
representaren] os Estados-Unidos na conferen-
cia de Berlim relativa questo de Sama.
EXTERIOR
O Brasil e a Europa
(Do Jornal du Commercio de Lisboa)
A imprensa portngueza, brasileira e a ingleza,
fallando, com profundo sentimenlo, da morte do
illustre benemrito conde de S. Salvador de
Mattosinhos, e prestando 9incera homenagem,
desinteressada e unnime, s virtudes que inal-
teciam a alma d'esse grande cidado deve ter
l consolado, pelo nico modo possivel por que
fina iceira da Servia pessima. taes dores se consolam, aquellesquc a morte do
As differentes communas devem ao Estado lo 'nosso amigo deixou na orphandade da viaves, e
milhfies de impostos. 0 rei Miln ebihnron "m na desconsolada tristeza,
projecto de reforma que aera brevemeuie appn-, 0 conde de S. Salvador morreu justamente
cado pela regencia. Nesse projecto suppriraem- n'uma hora em que Ihe tena sido bem grato vi-
se mil empregados nuteisacriam-se inspecto- ver, para assistir grande evolugo econmica
res do fisco, eocarregados da cobraapa dos im t de que o Brasil est sendo o theatro.
postos,que serlo pagos pelas comrauuas. > E glorioso para um paiz, ver que no seuseio
A partida do rei Miln eslava marcada para, se completa urna traiisfrmaco radical, como a
IB de Margo. Parece que a regencia projecta que altera completamente as cofldigoes do sea
rupges do segundo imperio imminentes tal vez
sob a dictadura cmica do petit Ernest, celebra-
da pelos cantores de caf-concert.
Nao fallo aqui era da Hespanha, onde as
crise se esto accentuando de um modo asss
claro,'para que o provavel remate de tudo isso
se possa desde j preadivinhar ; nem do meu
pobre paiz, que, apezar da tonga paz que tem
gozado, que, apezar tta ausencia quasi absoluta
de diiliculdades internacionaes, devida sua
posigo geograpbica e a sua relativa pequenez,
que, apezar de alguns elementos favoraveis de
que poda fazer uso, s acha tambem n'uma cri-
se bem dolorosa e bem triste de desanimo col-
lectivo, de sceptismo poltico de indi&erenga
pessimista e sterilizadora, de que proviro os
resultados mais tristes.
##
No meio d'este quadro que lamentavel, olhe-
mos para alm do Atlntico, para esse Brasil
que ja foi nosso e que temos de rommum com-
nosco tantas tradiges e tantas glorias.
Elle levou a cabo a sua obra sublime de
emancipagao da raga escrava, e supporla cora
viril energa e sem perturbages que de tora
avultem e se fagam ver ; as consecuencias eco-
nmicas, financeiras e sociaes do passo deciso e
grande que deu I
Basta este fado culminante de urna civilisa-
eao para consolar os que precisara de algum
alent e de algum incentivo que os impilla par
a frente.
O idealismo das nacoes ainda nao perdeu
seos direitos, nem vio extracta e mort '
O mgftaVMl -nunieipal das gran-
de cidades estrangeiras
(itEVUE DES DEUS MONDES)
VH
O retraa do Sr. do Tocqueville asseraelha-se
Cada vez menos com o original ; a Unio nao
pode mais rigorosamanie definida : urna confe-
derago de Estados, igivjas e communas sqb>
rauos, e todava, o .// government alli existe
mais poderoso, raais vivaz que era neuhura outro
peiz (9).
Nao se pode negar que as grandes cidades se
encaminham para a eentralisaco; a administra-
gao dos pobres, das escolas, dos hospitaes alli
passam como repartigoes especiaos que nomeiam
directamente os cidados; as novas cartas con-
stituem por vezes que os emprestimos votados
pela municipalidade devero obter a approvagao
das cmaras do Estado. Em New-Yorfc a carta
municipal de 187i. garante a preponderancia ao
muir conferndo-Ihe a nomeaco dos principaes
eraprejados da cidade, sera conselho primitivo
da corporaglo; ella creou tambem urna reparti-
go, encarregada de superintender as provises
orcamentarias e as despezas.
Mas aqui, como na Suissa, na Inglaterra, essa
centralisagao affasta-se singularmente da nossa,
porquanto confia a tutella de corpos eleitos a ou-
tros corpos eleitos.
Qual outro paiz que concede communa e
direito de admittir, ou nao, a representago das
minoras, de decidir si ella eleger ura conselho
por escrutinio de lista, ou si se repartir em dis-
trictos eleitoraes, de organisar a seu talante os
seus servigos municipaes. y"
Era algumas cidades, Ballimore, Cincip ,
Pittsburg Nova-York, o eowmoacoul djj^ .
em duas cmaras': a repartigao dos
repartigo dos conncilmen; cada
(9) Bulletm et Annmire deje** f* U^?'
ti-m comparte, 1882 >**2?nae^ ^u^"
Uuiscontemplaos, ^^; Plai0T0S"^hJ.I:
rand /> Pam lih,-of S"061. Les sytUme d*
Sraam^aLar*^*; John Hopkins, Univer-
?fi < S^^Crur le gouvernement municipal
dl?*2rus- PkUadelphia, 1887. Aiute-
**o Sr. Eraile Daireaux sobre o Pra
, Hachettel887. Devo agradecer
/Sr. Duque Torlania, aos Srs. de Likhats-
t aair e Nova-York eao Sr iiarat, primei-
secretario da legago do Japoque se serviram
tornecer-me utilisfliraas inforraaces municipaes
de seas pases.
nen, a
reune-se
ressa
a*
(10) No Brazil, a lei orgnica de 9 de Jaueiro
do 1881 reforraou a legislago eleitoral do parla-
ment: das asserablas provinciaes e das niaai-
ipalidades. D'ora em diante o censo exigida^
tito baixoqne nm ministro pode affirmar que esse
paiz gosa do suffragio universal; eleitor, com
effeito, lodo o cidadao que possne urna i oda
liquida annurfcde 300 francos fiOO). proveuienra*
de immoveis, de uraa industria, de ura commer-
cio ou de um emprego ; os membros do clero,
muitos l'unccionares, officiaes e professores tm
tambera o direito de suffragio. A lei de 1875 con-
sagrava o systema da representago proporcional
com o voto limitado, mas a ausencia de coslumes
pblicos fortemente constituidos produzio resul-
tado contrario espectativa geral, a eleigo de
urna cmara de urna s nuanga poltica, a do mi-
nisterio que governava ento. Em 1881, quiz-se
prestar homenagem ao principio, mas ediclaado
outro3 meios :. estabeleceu^se o voto uninorainal,
restricto pelo quociente eleitoral calculado sobre
o total dos eleitores que tomara parte no escru-
tinio. A cmara municipal do Rio de Janeiro tem
21 membros, as das outras capitaes 17,13 ou 11;
ella elege o seu presidente e seu vice-presidente;
o seu mandato dura quatro annos.
(11) Desde 1822, a municipalidade de Buenos
Ayres comprehende um conselho deliberativo,
composto de 50 meg^fos e de urna repartigao
executiva. FazeJT>rte do corpo eleitoral: 1,
os cidados "ciliados de ba seis mezes, que
pagara^Se-'*661108' ^ francs de impostos mu-
Qicia#-=rtm de contribuigo fiduciaria, ou que
pr?5rn urna profissSo liberal; 2, os estran-
^ros residentes ha dous annos, que saibam 1er
- escrever, que paguem 250 francos de impos-
tos por anno, ou que exerganj urna proGsso
beral. As funcgdes de conselheiro sao gra
tas, obrigalorias, incorapativeis com qualqui
commisso, emprego poltico e remunerado,
conselho designa su presidente e dous rice-pM
sidentes, verifica a eleigo de seus meod^H
vota com certas reserva: os impostos
paes e superntende os emprestimos,
sa as loteras, saneciona o orgamento, di
trabalhos necessarios, etc. Quanto ao
executivo, designado pelo nome de in
municipal. nomeado pelo presidente da rep
ca com assentiraento primitivo do sena
dirige todos os servigos, tem o direito de vetq
nos cinco dias, representa a municipalidade juJ
to dos poderes do Estado. Na pratica, tem sido
assaz frequentes os conflictos entre o conselho
e o intendente.

rtureza. 0 muir deve ser cidado do Estado ba,
cinco annos; tem inco dia3 para exercer o seu
direito de celo e os venciraentos de 3.500 dollars.
A |iar delle, certo numero de funecionarios:
recebedor, th^soureiro. 'commissario da? obras *
publica.-, commissario da polica, inspector das
obra*,- advogado; os quatro primeiros assistem,
cora voto consultiyv, s sesses do eonselha.
(iirao, em muitas cidades, transaeges escanda1-!
losas t-c lizeram para o concert de ras sem i.e-
cessidade, exige-seque essa medida seja provo-"
cada por uraa petigo damaioria dos ni, ri-
os. O nuiire de Nova Orleans, o recebedor, o
tbesoureiro, os dous commissarios. os juiz-.'s ile'
polica e o advogado, podem em qaalquer puca:
ser dmitUdoi pelo conselho por ra gesto, ne-
gligencia ou incapacidade. Admte-se iae o
aecusado se dyfeuda: para ser valido, o julga-
raento deve reipir urna maioria de, pelo menos,
1-J consel.'ieiros.
Refere se que um pregador reprehenda as
enancas das ras, lo numerosa em Nova-York :
Quera cuidar de vos, bradou elle, si vossos
pais e vossas maja vos abandonara ?A polica.,
cultor, a polica* responderam esse* cordeiros
imprnsitada, am ama s vez.-*-* Aps muitos
abusos, vista do perigo sempre crescenle de
urna populago de vagabundos compost;i da es-
coria ilos dous mundos, demcratas e r-publi-
caiios comprelienderara a necessidade de subtra-
hir a polica influencia da poltica; o pessoal
dos agentes nao est mais desrrpcao do auirt,
este escoUie tamben os qualrocoranits.sarijs su-
periores que o dirigem, mas sao nomead-js por
seis annos, e s poleai ser demitiidos com o as-
sentiraento do governador do Estado.
A cidade imperial faz as cousas grandiosa-
mente : um simplespatrolmmde 3* classe rece-
be .i..00 francos por anno os de 2a e i* classe'
o,.'> H) e 6,000; mais que elles, os sargentos ti'-m
8.000 francos, o capito de cada quarteiro f.'!.7'0,
os quatro inspectores 17,500 cada ura, o supe-
rintendente :io,'0-; no todo, 3,246empregados
que onerara o orgameuio municipal com urna
despeza de 22 milboes (11).
Antecedentes irwpreBKlsiwis, carcter. mSra-
lidade ao abrigo de qualquer suspei'a. estatura
alta, vigor, eis o que se exige dos uatrohnen:
no que diz respeilo instruego sao deserabaj -
gados, e assaz severos quanteao servigo : as pu-
f
incoes rliovcm como saraiva. mas o:!':':.o dos
pnUruitun, desliliudo pelo superintendente pode
ilefen.lei'-sc perante iautori ade^judiciaria.' Ad-
miraveis no reprimir as desordens. um pouc
lirutaes nos das ile festas pubhcas, esses precio-
sos servidores nao tiveram talvez lempo para
meditar assaz sabr o preceito do Sr. de Talley-
rand e-jogam de bora grado o club em inadeira
de acacia. ^
Ao lado do Sr. Frenen, presidente da repart-
gao de polica, o Sr. Byrnes. chele da policaae-
creta, tera s suas ordens urna brigada que faz
verdadeiros prodigios.
A repartigo de polica exerce importantes at-
tribuiges em malcra eleitoral: ella quera
designa os 4,872 inspectores assalariados eucar-
regadosde vigiar as 812 secgOes de vol, o que
nao impede que o trafico dos suffragios c pra-
tique desaforadameuie.
A corrupgo invade essa deinocracia.no cen-
tro, oa base; as eleicOesje :eduzem cada vez
mais em urna escamotagem, compra"' se votos
como gado no mercado, o patricia do burguez,
os proprietarios, esmagados por impostos.enor-
mes, desgotam-se, deixam o campo livrc nos po-
Iicos de prolisso; deputados, senadores, al-
dermen batem moeda muitas vezes cora o seu po-
der.
lia, dizta-se, urna lerceira casa na sede do
governo, onde se vende a legislago em grosso
ouaretalho: podis comprar dessa gente leis
por pega ou por vara, por duzia ou as du/.ias.
Aos escndalos dos carpet'baggers nos Estados
do Sul e da administrarn do general firant res-
ponderam os roubos fantsticos das inuncipali-
dades
Nova-York tinha dado o exeinplo : compran-,
d pcnvboraHlinheirosiimpwnsa, os jaizes, Otv
deputados recalcitrantes, aorainaiido a legislara-
ra do Estado por sua alianca cora as corapa-
nhias de estrada de ferro, o conselho municipal
dessa cidade formara urna associagao que mo-
[opolisava lodos os poderes pblicos.
Em 1"69. a divida da cidade s se elevara a
30 milhes de dollars : dous annos depois, ex-
ceda de 100 milhes de dollars: neuliuin tra-
balho importante se tinha executado, mas os em-
pregados municipaes tinham enriquecido, tanto
que o publico chamava vulgarmente a munici-
palidade : a caverna de Ali-Bab. e repeta este
rifo consagrado:
Cuidado cora vossas algibeiras ; aqui estSe
os Srs. conselueiros municipaes f
Era 1873, esse poder foi idespedagado, mas a
maior parte dos delinquentes evitaram urna con-
deinnago e a obrigagao de entregarem a gar-
ganta a corda; ao cabo de quatro annos, dos
centenares de milhes roubados, a cidade o ti-
nha cobrado 690.849 dollars dos qum f a raaior
parte provinha de urna restituicao \"o'u;:laria.
Os espiriios atilados tinham propbctisado:
depois desse esforgo espasmodico,1 a 'antiga-in-
diflerenga, a antiga apathia tomaram a diunteira
e immediatainente surgiram novos Tweeds; hi
dous annfls, ii conncilmen de Nova-York foram
conrencidos de ter vendido por 509,000' dollars a
eoncesso de urna estrada de ferro; mais que
nunca: as grandes cidades, a concusso e, .a

Si
i


'-':
T
1
i
i vm i



r
i
-

. ... .-ffBHP
I
i a latera deita)**
m ata suas escolhas, e que o yo Sam,
vnico da comedia do Sr. Sardro. veio
o ideal Ja seus geverua:
ir de taatos pontos negros, a Uniao, afo-
ra & grandes centros, e ama poderosa denroora-
rural, apoiada sobre a propriedadi, a fami-
lia t a religio; para encurtar o flagello da iios-
savelda Europa, ts rcvolucoes da populara ella
ronipeu abertaraenta rom o prejuizo trancez.
No lim da guerra da independencia, o con-
;j da jov repblica tioha a sede em lhi-
del;)hia, onJe aadicOes vieram repelidas ve-
les interromper sua e ficaram impunes
da parle das autoridades locaes.
: l'-incipe-Tow, em Annapolis. onde elle
mmmmmmmmsmm
Manoel FernanJes da "osta, commendador
1 'Mauoel da Silva Maia, Manoel Joo de Amlrun. e
legaluiente representados os accionista* Antonio
Heorique Rodrigues, Antonio fernandes Bibeiro
Jnior, D. Anna Emilia Maia dos Res, Henrique
Fernandes da Costa, Henrique Ventura dos San-
tos Reis, Joaqu'm Fernandes da Costa, Jos Fer-
nandos Lima, Manoel Ventura dos Santos Res e
D. Mara Ventura dos Santos Reis : total 27 ac-
cjoautas representando 335 acgoes tomou a pre
sidencia o Sr. commendador Francisco Ri.beiro
l'into (iuimarSes. tendo po>- primeiro secretario
o Sr. Francisco Gwvel do Amaril e, convidando
para segundo secretario ao Sr. Jos Ferreira
Marques, abri a sesso.
A requerimento do accionista o Sr.-Joo Jote
Rodrigue tendee, foi dispensada a leitura da
PertfnUiBA--Domingo 31 de Mai^o de 1889'
estabeleceu-se successivamente, o mesmo ac-1 acta anterior, por ter sido publicada nos termos
Ihimento, as mesmas violaces da soberana na-
cional.
Washington e seus amigos sxiberam compre-
hender e prever: o congresso designou como
ral poltica urna pequea povoaco Minada
na margera direita do Potomac, cercou-a de mu
territorio restricto destacado dos F.stadosde Mi-
rjian I e de Virginia, neulralisou capital e terri-
ervando para si o direito de ah legislar
mar so.
Segundo urna le i federal de 1868, todos oe po-
deres, em *\ ashington, perteocem a tres com-
missarios, que, Horneados por tres annos pelo
dente, rom a spprovacfto do senado, admi-
llislram sob a vigilancia do parlamento : i m
wdeiles (leve ser un engenhetramilitar.
Nao ser licito pensar que, a nao ser essa
in lida a repblica americana poderia ter roas
jomadas de 1830. de 1840. de 1870. e tatvez at
ornadas de 170:1, de 1871
Felizes os povos que se lemhram e sabeni
aobtrahir-se aos entusiasmo* irrcfleetidos e fa-
ler poltica com a razo, sem darouvidos a ima-
>o!
Victo* >b rleu.
De domingo a domingo
Meu amigo.
tao
que
Goinpareco hoje verdadei-
nunente atropellado e declarando pouco
me demorar.
Estar eu muito quieto, n'uui agradavel
exame de uns sophismas com que uns in-
dividuos, esfarinhados na especnlacao ba-
aeada as criticas eircumstancias de un
mercador n5o abastecida regularmente,
|> lem provar a incompetencia da au-
joridade administrativa na questao que te-
re :. magia de abafar urna outra que at
enf." en o assumpto obrigado de todas
as conversacoes por mais serias que fos-
*A i'onstituieao n'io urna cousa
oseara, um labyrintho to intrincado
i sa ser objecto de tal controversia.
I Smente os que, levados por urna falsa
rientacao da verdadeira intuicao do fim
l ''rtivo que caracterisa a mercancia,
leara-se prejudicados em interesses que
no devem achar-se cima das necessidades
de urna populacho oppriniida, que levan-
tara a grita ingloria que nao conseguio
impedir que os poderes constituidos e aos
qaws st commettido o dever de velar
aem bem publico, promovendo as medidas
que aehar conveniente, oucan os reclamos
d "piniSo.
Estava, pois, lendo, com mu certo des-
guato eausado pea defeza de urna causa
m;'. os artigos que um advogado contrac-
ta Lo est publicando, quando me surge o
vulto desastrado do empregado que vinha
l> car o artigo.
< Ira avalie se o meu desapontaraento.
Alem de nao gastar de escrever p ra o
' publico, visto como tenlio a rara virtude
de c >:i!iecar-me, ainda mais, como contra
I
,para a agencia de Bello Jardim Mara Narcisa
ualvao, para a de Limoeiro Ricardo Gomes de
Britto e para a da estacSo dos Prazeres da es-
trada ae ferro de S. Francisco, Leopoldo Peres
da Cunha.
Eaibarqne Seguro hontem para a pro-
vincia da Babia bordo do paquete americano
Fnance, a Exma. Sra. D. Mara Constanca da
Cunha Ges.
0 crescidissimo numero das mais distinctas
senhoras de nossa sociedade, que a acompa-
nbaram. as sentidas demoostMMkde pozar
pela inesperada partida da estimada hospede
significaran) do modo o mais elequnnte as sym-
pathias que ella soub. aqu conquistar e a con-
sideracao e amizade que Iho grangearam as de-
licadas :aanciras e atteocSes, que dispensava a
todos.
A's lo 1/2 horas da manba de hontem come-
caram a flluir ao palacio da presidencia muitas
senhoras e cavalheiios, de modo que, ponco an-
tes de meio da, cerca de 30 senhoras se acha-
tan alli reunidas e numeroso concurso de ca-
vallieiros enchia os sales.
Ao meio da e uo approxiinar se a hora da
partida foi offerecido a Exma. Sra. D. Constan-
ca Ges, por parte das senhoras que cuMivavam
as suas relaces, um primoroso lbum de couro
da Rusta coai artstica estante de bronze dou-
rado e conlendoas photographias das senhoras
de sua amizade.
Iguaiweate o'Smmetnm he ellas um lindo bou-
qurt de ciavos e mjjfosotis, forrado de seda bran
da mesm os" accionistas se-fa lavrada e-da-reuflas lina.
da le.
Passando-se ordem da sesso o Sr. presiden-
te fez constar que a adrainistracao da companhia
tendo satisfeito as disposices do art. 25 n. 1 e i.
a art, 50 n. 9 convocou a presente rcunio.
'rmeiro para a a-sembla geral toiuar^ccnhe-
cimeMo e deliberar sobre o inventario, balanco
e contas relativas ao anno social de 1888. que
apresentava aconipanbadas do parecer da eom-
misso Bacal.
Segundo para proceder s eleicoes annual da
commissSo fljcal e biennal do presidente, vice-
presidente, 1. e2.* secretarios da assembla _r--
ral e dos tre3 administradores.
Estando impresso e distribuido o relatorio foi
dispensada a leitura, sendo lido pelo secretario
o parecer da commisso fiscal, que, sem discus-
sao foi approvado bem como o balanco e contas
do anno.
t'assando s eleicoes, o Sr. presidente con vi-
dou para escrutiadores os Srs. Antonio Nunes
da Crnz e Francisco Antonio Gomes de Matlos.
fez proceder chamada, correr os escrutim
apureda c verificada a votacio, proclatnou elei-
tos em resultado
guir.tes:
Assembla gerai
PraeiJenteComraendador Francisco
Ribciro Pinto Guimares 62 votas
Vice-presidente Joio Jos Rodriaues
Mondes 62
I." SecretarioCarlos de Morae Go-
mes Ferreira 60
2. DitoFrancisco Gurgel do Ama-
ral 61
Commisso fiscal
Joaquim Jos de Amorim 66
Coiuiuendador Francisco Ferreira Bal-
tar 64
Antonio Fernandes Bibeiro 62
Administraco
Luiz Duprat 62
Manoel da Silva Maia 63 <
Dr. Manoel Gomes de Mattos 62
Mais obtiveram votos pa a a administraco Joo
Jos Rodrigues Mendes votos, Joaquim Jos de
Amorim 4 votos, para a commisso fiscal Manoel
Joo de Amorim 4 votos. Francisco Gurgel do
Amaral 2 votos.
Nada mais havendo a tratar e sendo 2 1/4 ho-
ras da tarde o Sr. presidente encerrou a sesso
e en Jos Ferreira Marques 2 secretario a subs-
efevo. Jos Perrem Marques,
Francisco Ribciro P. G maraes.
Presidente.
Fmncisco Gurgel do Amaral,
l." Secretario.
. escrever a vapor
Tenho, orno sabes.

um horror c urna
repugnancia a essa critica inesquinha e
incon- lente que anda com ares de grande
tmhura conquistando os olhares da multi-
dao. quando nao passa de tuna infame
mLf /i V..
U.m. assim como o cacad*"''.- nocturno
n3o se pode livrar do ataque de um reptil,
, o moco que trabalha e que estuda, que
vive, de aspiracSes o alimenta esperanzas,
Batutas vezes tracoeiraraente ferido pelo
acicate lethal da maledicencia.
A ni''r parte dos crticos da actualidade,
aqni frtsse pedacinho de trra, neste Re-
cite tilo decantado, issourna quantida-
de de espiritos mediocres ou obsecados
por ama idea nica.
Quando surge um espirito, que, afaman-
do se do mundo em que elles vegetara,
busca produzir algnm trabalho aproveita-
ve!, os rae, que nto pode ni passar de
emoldores, pretendem (e para isso envi-
dam todos os meios^ destruir a reputaeSo
1 t* : :ria do autor.
W. c meu inimigo ; F. teve a franqueza,
nes.-c 'nnndo de falsidades, de me mostrar
a di tos com que a natureza me or-
Bo: .... Pois bem, F. nao pas6a de um
ep anhado, incapaz dfl merecer um
flos.
I. -sse o raciocinio dos pseudo-criticos
|Hk cuja furia nao e;eapam nem mesmo os
ji 1 i.s talentos.
Na vida particular d-se a mesma cousa.
L*:ia pessoa nilo p fla '. sua casa que nao seja obrigada a
prest ir d'isso centas, sob pena de ser tal
acto esmerlhado, augmentado e considera-
d orno urna offensa ;i mora!, aoa costn-
1 mes 'naosei mais ao que.
O lar um edificio vulneravd, onde
qualct'ior zangao tera o direito de mergu-
Ihu i- suas vistas, com o fito de saber o
4juc dentro delle se passa. .
E ai d.iqueile que se rouella .contra *e-
melli.-:Ue censura.' V...
I<-i y Club de l'i-ruanbuco
A directora resolveu aditar ao regiment in-
terno a= seguintes disposicOes :
Das inscriproes
l.' Quando o numero de' animaes inscriptos
em qualquer pareo fr menor do que o estabele-
cido no projecto da inscripeo. ou quando de-
pois de publicado o programma da corrida, em
virtude de declaraces por forfait e retiradas de
animaes, esse numero for alterado poder a di-
rectora annular o parco, restituindo as entradas
dos animaes inscriptas.
Dos jockey*
2." O jockey que lizer urna sahida falsa obri-
gado a voltar a irote largo para o ponto da par-
tida, sob pena de multa de 20* a 1005000 que
ser imposta |n:la directora.
3. O jockey que em urna partida falsa per-
correr toda a raa ou a maior parte di lia ser
multado em 204'00 a 1004000 pela directora ou
suspenso ut 2 mezes se ella entender que houve
proposito para cancar o anima!.
4. O jockey que licar parado depois do juiz
proferir a palavraLargaou que aia com
atrazO nuiito consideravel. sera pela directora
Eunido com as peuas do artigo antecedente se
ouver motivos para acreditar que elle assim
proceden propositalmcute.
5." E' prohibido ao jockey subir as archiban-
cadas em das de corridas seja qual for o pre-
texto, sob pena de 20 a 50*000 de mulla.
6." O iockey que fr encontrado comprando
poules na casa das apostas ser multado era 204
aSOOOO
Dos dias de corridas
7. Quando qualquer animal fr retirado de-
pois de ter entrado na raia, pagar proprie-
tano alm da multa estabclecidu no arl. 57, do
regiment interno, mais 10 0 do valor das pou-
les vendidas no animal retirado, salvo forca
maior por elle justificada e reconhecida pela
directora
Em qualquer'dos casos ser.\ restituida aos
apostadores o valor das poules vendidas no ani-
mal retirado.
Dtsposic'ies geracs
8." As alteraces e additamentos feitos D'este
regiment entrarn em vigor 5 das depois de
sua publicaco.
O gerente,
Henrique Schutel.
Queram assim as suas amigas manifestar-
Ihe o reconheciraento e estima que Ihe trbuta-
vam. urna vez que tempono houve para signi-
icaiemde outro modo os seus sentimentos de
saudade amizade.
A Ilustre senhora, visivelmente commovida,
agradeceu e abraoou a todas as senhoras, mos-
Irando-se profundamente pennorada.
Feitus as despedidas a seu estremecido esposo,
tomou o carro, que devia conduzil-a ao Arsenal
de Mariana, sendo acompannada pelas senhoras
e cavalheiros presentes, que tomara in lugar em
trinta a nove carros.
No Arsenal de Marinha achavam-se muitas
outras senhoras, que all foram esprala, e to-
dos tomaram os escaleres em demanda do pa-
quete, onde se dumoraram at pouco antes da
partida deste.
No embarque loearam quatro bandas de mu-
sica.
Deixa a Exma. Sra. D Constanca Ges pro-
fundas e sinceras affeices, adquiridas e inspi-
radas pela sua delicadeza, amabilidade e no-
breza de sentimentos.
Associando-nos as merecidas deiuoijtraces
feitas a to distinca e estimavcl hospede, sao
nossos votos que prsperos ventos a conduzam
ao seu destino.
Fnrnldade de OireitoLis o resultado
dos actos de hontem :
P anno
Joo Fernandes da Silva, simplesmente.
Joaquim Carneiro Nobre de Lacerda, plena-
mente,
ctaviano Al ves Monteiro, simplesmente.
Joaquim Leopoldo Cavalcante, dem.
3 anno
Joaquim de Gusmo C. Fillio, plenamente.
Jos da Cunha F. Filho, simplesmunte.
Dio/cues dt Almeida Pernambuco, idem.
Jos Dantas de Magalhes, idem.
RrndimenioN publico As seguintes
estaces arrecadaram emMar^o:
Mfandega :
De'809 743:68505
1888 888:278*431
1887 899:517*276
- 18W 725:233*387
1885 744:383*595
Recehedor n Geral:
De 188! 67:340*217
- 888 74:537*386
1887 95:227*516
1886 120:783*158
1885 98:848*414
Recebedoria Provincial:
De 1889 143:424*183
888 177:269<.93
1887 190:681*299
< 1886 132:566*19i
188.-, 109:127*276
KimSTV DIARIA

d_-.
dia <
secei
<
meu bem miga.
como nao
re*, you,
seriamente embarazado,
io (U n'isso e 'ncordara comniigo)
i uielhor reservar nn- para outro
p*w Uoje li;iutar-nw a escrever nesta
" iis '"les palawraa:
'ni potast *H^r, capiat..
ARL'-j.

.%! ;s da esfto la a*enibl
ral ordinaria da C'oHpanh
de es;Hi-os MarhiMO 0 Ter-
restre* Phcoiv PerpaBihai-
eaaa.
ida do lm. ir. commendader Fvni-
dsco Rib'iro P, tarSes
^Kl hora e 13 minutos da tarde dt da 19 de
:c 1S89. na sede &, InaTheiiK
Kamna-nrr ra no Couimerno n. 38. pre-
PenianilKS Ri-
Btooio Nunes da ra. Aurelio dos San-
bra Francisco Antonio Gomes de Mat-
liiailrrr \ i'' '- Ribeiro Pinto Gui-
ucr) Jos dos 'u^-os Gnimares.
Bailar. Francis-
i idrifues Hen-
wueira
- Manoel ttomed*Mw-<
Anembla Provincial Nao houve
hontem sesso por terem comparecido apenas
12 Srs. deputados.
A reuniao foi presidida pelo Exm. Sr. Baria
de Itapissuma.
O Sr. 1 secretario procedeu leilura do se-
uinte expediente:
l'm oflicio do secretario do govemo transmit-
tindo 40 exemplares impressos das leis desta
provincia, promulgadas no anno prximo passa-
do Fin a-se distribuico.
Outrodo mesmo transmittindo copia da in-
formaco prestada pela inspectora de hygiene
sobre febres de rao carcter. A' quem "fez a
requisicSo
Outro da venerarcl irmandade do Senhor Bom
Jess dos Passos da Graca de Olinda. convi-
dando esta Assembla assistir as procisses
nos dias 11 e 12 do mez prximo vindouro. In-
teirada.
Urna petico de Ernesto de Oliveira Cavaleaa-
te. e^crivo doji/ry da comarca de Limoeifo. n-
quernido um ordenado de 600* pelos .-cus ser-
viros A'commisso de orcamenlo. motcipal.
rnitra do mesmo, requerendo pagamento de
custas que Ihe deve a Camaia Mnwcipal d'alli.
A' commisso de orcamento municipal.
Outra deD. Capitalina Cavalcante Vieira de
Mello, lequerendo reievacao do pagamento da
quautia de 210*900 de decima, que deve (a-
zenda provincial.A' commisso de orcamento
provincial.
Outra de Joo Hermenegildo Boraes Diniz, em-
pregado addido ao Thesouro Provincial, reque-
rendo que se Ihe mande pagar os seus venci-
mentos integraes do lempo decorrido da data de
sua exoncrdcoa da sua reintegraco A'coni-
misso de orcamento provincial.
Achando-se sobr a mesa foram a imprimir
tres pareceres da commisso de redan-o sobre
rojectos ns 77 de 1885 e 68 e 125 de 1888
presidente nouieon aos Srs Ferreira
^^Estevo de Sa e Tavares Netto para a
^^i'^jSttjocissio dos Passos em Olmda e
m s.egUKfcj^myeu a reunio.
;. V ^Jdencia do provincia
-Por i.ctos do^Xle Marco :
ro noraeado o\ %teformado do exercito
Rayniuiido de AlmX .,10 pa^exerrer
inlcr.namente o cargoV ^gt0 /0 Ar'3ena! ut.
Ouerra. N.
Foi exonerado Joaquina,
ros do cargo de agente do coi N
-I
de Medei-
lo Jar-
iza
dira e nomeado para subustitui!-o\
Galvo.
Foram concedidos Cao juiz raum
orphos do termo de -algueiro, bacharel
to Abei 'eixolo de Miranda heoriques tre
zes le licenca com vencimentos. a contar
da 24 de Feveieiro findo. para tratar de sua
BauoV.
Norledade Auxiliadora da Agricul-
tura Verificou-se ante-hontem, sob a presi-
dencia do Exm. xr. eouimendador Francisco do
Hego Barros de Lacerda, a annunciada- sessao
da assembla geral de dita Sociedade, especial-
mente convocada, pela segunda vez, para proce-
der a eleico dos membros do conselno adminis-
trativo;^ mais funecionarios electivos.
Achavam-se presentes ns sede social, hora
marcada, alem do Sr. presidente, os Srs. Baro
de Seiinhera, Drs. Paulo de Amorim Salgado e
Ignacio de Barros Barreto, engenheiro Antonio
Pereira Simoe- e Henrique Augusto Milel, agri-
cultor Alfredo Alves Simes barbosa e o repre-
sentante da firma CardosoA Irmo.
Verificando-se entao que os votos dos socios
presentes excediam muito dos precisos para for-
mar o terco exigido pelo art. 54 dos estatutos o
Exm. Sr. presidenta declara constituida a as-
sembla geral e procedendo-se a eleico foram
reeleitos per unanimidade de votos :
Membros do conselho administrativo
Os Exms. Srs. :
Consellieiro Luiz Fotippe de Souza Leo
Baro de Serinhem.
He rao de Grivat.
Viscoude de Guararapes.
Dr. Ambrosio Machado da Cuulia Cavalcante.
Dr. Paulo de Amorim Salgado.
Coiiiinendador Francisco do Reg Barros de
Lacerda.
Agricultor Francisco Antonio de Souza Leo.
Negocame Alian Palerson
lardoso 4 Irmoo.
Agricultor Alfredo Alves Simes Barbosa.
Mjor Laurentino Jos de Miranda.
Commendador Joo Fernandes Lopes.
Engenheiro Lmrimio F'eij de Mello.
Para mesa da assembla geral
Presidente Commendador. Fr.mcUco do Hego
lkirros de Lacerda.
1 vicepresidente Dr. Ambro-io Machado da
Cunha Cavalcaule.
2" dito -Dr. Paulo de Amorim Salgado.
Gerente Engenheiro Henrique Augusto Milet.
Tliesuureiro Engenheiro Antonio Pereira Si
mes.
Vacilante A casa Prale 4 C ra do
Imperad' r n. 55, acaba de editar uina lindssi-
iui gacotta para piano, intitulada Vacilante, com-
o do Sr. Misael Douiingues, festejado com
po-itor j bem conhecido do nosso publico.
Agradccendo casa Prale 4 C, o mimo que
nos fez de um exemplar da nova composicao do
Si. Misael Domingues, lecommendamos .essa
curaposico aos apreciadores.
Rerrealita ( ummeri iul Elfl assem-
bla geral reunein se hoje. s 4 horas da tarde,
os membros da Sociedade Recreativa Commer-
cial, para assumpto de interesse da raema so-
ciedade.
vin-iunoui da Cirecia -Consta-nos que
oSr.Il. Nemeyer.vice-consul da Grecia nesta pro
rinda, retirando-se temporariamente, passar
intciinamcnie o exercicio do respectivo cargo
Sr. Eugene Chalina.
tela de atukra Distribuio-se hontem
o n. i deste peridico, orgo da Associaco dos
Kmiccionarios Provinciaes de Pernambuco.
AMttaaalnaiosNo dia 14 do mez passado,
em trras do eDgenho Bonito, de Nazareth, foi
traicoeirainente assassinado. na occasio em
que dorma, Cessino de tal. evadindo-se o deli-
queute.
A polica tomou conhecimento deste facto e
diligencia a captura, do criminoso.
No da 17 deste mez, em Nazareth, Manoel
i ; eres, sua amasia, entregando-se prisio-
inquerito.
~neno* Ante-liontcm, s 8 horas da
' lo na ponte da Boa-Vista, na oeca-


em que por alli passava a msica do 2o ba-
talho de infamara, Pedro Augusto Martins dos
Santos, que declaron ao Sr. subdelegado do l
distrinto da freguezia da Boa Vista nao conhecer
o :mu offensar.
Na manh de 16 des* mez, em Nazareth,
ior questOes de rocas, foi gravemente ferido
oaquira Ricardo-de Albquerqoe Vasconcellos
por tres lilhos de Henrique Pereira de Moraes,
que lograram evadir-se.
Tribunal to Jury do Itecife Func-
cionqu hontem este tribunal com a presenca de
36juizes de facto, sob a presidencia do Dr' Joa-
quim da Costa Ribeiro, juiz de direito do Io dis-
tricto.
Foi submettido a julgamento o reo Francisco
Manoel Solano, pronunciado noarl. 201 do cdi-
go criminal e acensado de ha ver no dia 27 de
Marco do anno passado, na praca do <'apim, fre-
guezia ue Sanio Antonio, ferido levemente a Ma-
noel dos Reis-da Sant'Anna, conhecido por Ca
saca.
fuiccioaaram no conselho os jurados se-
gUilles.
Joo Carolino do ftastmento.
Manoel Jos de Campos Barbosa.
Antonio Ignacio do Reg Mideiros.
Francisco U. de Carneiro l'aes de Andrade.
Manoel Machado da Silva Santiago.
Manoel Felippe Pimentel
Dr. Virginio Marques Carneiro Leo.
Dr. Herminu Moreira Dias.
Dr. Manoel Netto Campello 6' Souza ; andeira.
Dr. Jos A. Rodrigues Lima
Thomaz arneiro da Cunha.
Caelano da Silva Azevedo.
Interrogado o reo e feita pelo escrivo a luitu
ra do [irocesso, o Dr. Hbnso Oliiidense, l pro-
motor da comarca^ produzio a aecusacao e pedio
a condemnaco do reo no grao medio do art. 201.
Occupou a tribuna de defesa o acadmico For-
tunato Roberto Guimares
De conformidade com as decises do jury qut
reconheceu por 6 votos ter o reo praticado o
crime em defesa de sua pessoa, ms. termos do
art 14 5 2 do cdigo criminal, foi elle absolv
do e condemnada as cnstas a Cmara Munici-
pal.
Tambem foi julgado perante o mesmo conse-
lho de jurados o reo Antonio Ferreira da Silva,
pronunciado no ai 205 do cdigo criminal por
que no dia 8 de Janeiro do anno passado. na rna
uiz do Reg ferio gravemente a Daro Paixo
de Oliveira.
luda a palavra ao Dr. promotor, depqiadc in-
terrogado o reo e feita pelo escrivo a leitura do
processo, desenvolveu elle a aceusai/So e pedio
a condemnaco do aecusado no grao mximo do
art 205 por ter concorrido na pratiaa do delicio
a aggravantc da noite.'
Dcduzio a defesa o Dr Joaquim Thiago da
Fon seca.
Em vista das decises do jury que confirmou
por unanimidade de votos a autora o delicio, e
por 7 votos a.aggravante da noile, foi o reo con
demnado a 5 annos e 3 mezes de pristo e multa
correspondente a metade do tempe, como ocur-
so no grao mximo do art. 203 do cdigo cri-
minal combinado com o art. 49 do me.-ino cdi-
go e 332 do cdigo do processo.
Foi levantada a sesso s 4 horas da tarde, e
adiada para amanh s 10 horas.
lioyanna .1 Poltica liberal, que se publi-
ca na cidade de Goyauna, no seu numero de 27
do crrenle d esta "local:
No dia 24 do crreme, s 8 horas da noite,
Jug da Silva Vendanno, acorapanhado pelos
si.- irmos Antonio da Silva Vendanno e SU vi-
no da .-Mlva Vendanno. e por Jos de Arruda
genro de Silvino. foi a casa de seu visinho Luiz
Antonio de Moura. no lugar Jaranea, e matou-o
comjum tiro, ferindo gravemente com diversas
facadas a amasia de Luiz Antonio, Mara Vic-
torina da Conceico, de quem sobrinho o afi-
Ihado.
- Deu motivo ao crime urna altercado proce-
dente da venda de urna saeta de algodao.
A polica lez conduzr |>ara esta eidade o
cadver de Luiz Antonio e a offendida Maria
Victorina, eest procedendo a inquerito.
Os criminosos nao foram encontrados.
luis de direito de Xazaretn De
Tracunhem nos dizem o segrate em 28 do mez
que hoje linda :
Acompanhado de sua distincta familia se-
guio hoje para a cidade de Nazareth, o Sr. Dr.
Carlos Augusto Vaz de Oliveira, que aqui se
achava desde o mea de Dezembro do anno pas-
sado.
S. S.. que velo a sta povoaco smente go-
sarda vida potica e innocente do campo e apre-
ciar as delicias' das auras, retirase satisfeito e
deixa bem gratas reordaces .
Extrnalo Vi turno Princesa l*>a-
Im*iEste instituto de instruccao tem funecio-
nado regularmente nestes tres ltimos mezes :
tendo urna matricula superior a 30 alumnos.
o decurso do auno tmdo suDio a matricula
78 alumnos, havendo urna frequencia regular de
4o. A aula annexa do sexo femenino tem 11
alumnos.
Diversos foram os offerecimentos no mesmo
anno, avultando um donativo de mais de 100 vo-
lumes feito pelo Ilustrado educador Bario de
Macababaa, que se tornou assim credor do reco-
nhecime to do Extrnate, e especialmente do
seu instituidor.
A matricula contina aberta. e de esoerar
3ue neste. como no passado, grande numero at-
oa a receber as luzes da instruecto.
Encola >urmal Amanh comegaro os
exames escriptos mandados fazer pela le n-
1.968.
Rcrreattra MaadalenenaeReune-se
hoje esta sociedade, em su sed s 11 horai da
manh, para tratar da ultima discusso dos es-
tatutos.
Xofa* militaren -Esto de superior do
dia hoje o Sr. capito Pedro Velho e de ronda
menor um offlcial de cavallaria.
- A cidade guarnecida hoje pelo 14 bata-
Iho de infantaria e amanh pelo 2 da mesma
arma.
Exislem em tratlamento na enfermara mi-
litar 37 pracas.
A' guarda de palacio commandada pelo
Sr. alferes Pedro de narros Falco.
A guarda da Thesourria commandada hoje
pelo Sr. ail'eies Vicente Ferreira de Lima.
- A junta medica militar que inspeccionou
ante-hontem o 2 sargento do 14" batalho de
infamara Manoel Januario da Annunciaco, foi
de parecer achar-se elle apto para continuar rio
servico do exercito.
- A banda de msica do 2* batalho de in-
lantaria tocar hoje das 3 horas as 7 da tarde no
jardim do Campo das Priocezas, e a do 14 da
mesma arma hoje s4 horas da tarde acompa-
nha a procisso do Senhor Bom Jess dos Pobres
Afflictos
O Exm. Sr. lente coronel commaudante das
armas, determinou que em;virtudc da approxi-
niaco da estago invernosa, a parada da guar-
nico seja feita s 9 horas da maulla, e a revis-
ta do recolher s 8 horas da noite.
Foi mandado recolher preso a rortaleza do
Brum o 9* cadete forriel Joo da Costa Sobriuho,
por nao se haver portado com calma na occasio
em que passando pela ra da Imito recebeu urna
vaia dada por estudantes residentes em urna re-
publicas
Ije* "oe*Effectuar-se hio os seguictes :
Araanh :
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, ra Mar-
que de Olinda n. 44, de um sobrado de dous
andares.
Pelo agente Gusmo. s M horas, a ra
Mrquez de 0'inda t. 48, de dividas em ttulos
e conta de livros.
Pelo agente Stepple, s 11 horas, ra da
Auroran. 41. de movis eapelhos, wJ ros, etc.
Pelo agente Britto, s 10 1,2 horas, no pa-
tPO do Terco n. 96, da arraaco, fiteiros e per-
lences da loja de cigarro? ahi sita.
Pelo agente Gusmao, s II horas, ra Mr-
quez de Olinda n. 48, de gneros de estiva
Miaa* runebreoScro celebradas:
Amanh .
A's 7 horas, na matriz de Pao d'Alho, pela
alma do alferes Joo Paulo Nunes de Mello ; s
7 iioras, na matriz da Boa-Vista, pela alma do
Dr. Agostinho Moreira Guerra Jnior; s 8
horas na matriz da Escada, pela alma do coro-
nel Domingos Alves Mattieus r s 8 horas, na
Conceico dos Militares, pela alma de D. Anna
Joaquina da Silva Barbosa
Pannaceiron Saludos para o sul no va-
por americano Fitumce
Dr. Jos Nunes Coimbra, Revm. Americo S
N. Avelino, Antonio Maia, Dr. Joaquim Cmara,
sua senhora e 5 filho?. Dr. Arlnur N. de Lemos,
Dr. Miguel Calmon Dr. Arthur Calmon, Fran-
cisco Jos'dt Castro Rebello,' D. Maria C. da
Costa Goes, F. M. de Goes Calmon, Augusto de
A. Goes, Manoel R. de Farias, Cliristina M. J.
la Stlva, e Maria.
Directora dan obran de conoerva-
oodoo PortotfdejP*mu.mtowoo--Rea-
re, 99 de Mu neo de 1889.
Boletim meteorolgica
f
Hora:
o ot.
9
12
3 t.
6
1 lio

o u,

i-
24-
97-1
30-i
29-
28 6
Barmetro a
0"
760-50
761-62
761-19
754-68
759-95
Tcnso
do vapor
19,35
99,00
21,83
22,31
22,77
o
I
3
a
S
87
80
68
72
78
Temperatunrmaxima 30,5O.
Dita minima 24,00.
Lvaporacto em 24 horasro sol: 5-.0; som-
bra : 2-6.
Chuvanulla.
ireccao do vento: SSW demeianoite at 9
huras e 45 minutos da manh; S at 10 horas e
3 minutos ; SSE at 11 horas e 42 minutos : SE
com algumas interrupees de SSE at meia
noite.
Calmara durante 9 horas pela manh
Velocidade media do vento: 1- 24 por se-
gundo.
Nebulosidademedia: 0,61.
Boletim do porto_____________
cz 2 5 29 de Mareo a 30 de Marco
B. M. P M. B. M. P. M.
Hora-
919 da manh
3-43 da tarde
953
4 8 da raauh
0-,47
2-,73
0-.34
2-51
Reuna* norial ila hoje a seguinte :
Do Monte-Pio Typographico l'ernambucano. s
10 horas da manh, na sede social ra do Co-
ronel Suassuna n. 41, 2' andar, em sesso ordi-
naria.
Operacao cirurgicaFoi praticada uo
hospital Pedro II no dia 30 do corren le, a se-
.guinte :
Pelo Dr. Puntual :
Ligadura, pelo catgut, in loco da arteria bra-
chiaC reclamada por aneurisma arterio-yenoso
consecutivo a ferimento da arteria e veia por
faca de ponta.
Cana de DetencaoMovimento dos pre-
sos da C*a oV Detencao do dia 29 de Marco iit
1889.
Existiam 459; entraram 13; sahiram 13 .exis
tem 459.
A saber:
Nacionaes .25 ; mulheres 13 ; estrangeiros 21
-Total 459.
Arracoados 409.
Bons 391.
Doentes 17.
. Louco 1- Total 409.
Movimento da enfermara
Tiveram alta:
Francisco de tal.
Jos Rodrigues de Souza Magalhes.
Hoopital Pedro II O movuneuio deste
estabelecimento de daridade, no dia 29 de Mar-
co, foi o seguinte :
Entraram 15
Sahiram 13
Falleceram 2
Existem 633
Foram visitadas as respectiva; enfermarla?
pelos Drs..:
Moscoso?8 1|2, Cysneiro s 11. Barros So-
brinho s 6 3|4. Malaquiass 8 1)2, Pontual s 9,
Estevo Cavalcante, s 9 1|2, Simes Barbosa
s.9 1|2.
0 Dr. Berardo nao compareceu
O cirurgio dentista NumaPompilio s 8 1|2 ho-
horas.
O pharmaceutico entrou s 8 1|2 da manh e
sahio s 4 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico entrou s 7 1|2
da manh e sahio s.4 horas da tarde. .
Lotera do Grao Para Eis os premios
da 2." serie da 27.* lotera do Grao-Para, ex-
trahida em 30 de Marco de 1889 :
2637 60:000*000
3623 6:000*000
5084 3:000*000
3371 1:200*00
6032 1:2004000
APpaoxiMAVas
2636 6004000
2638 60J4000
3t>24 3004000
3626 3004000 ,
3083 1804000
5085 1804000
Esto premiados com 6004000 os seguintes
uumeros :
1014 1787 5150 7669 -
Esto premiadas com 300*000 os seguiutes
nmeros: .
97 1422 1747 2709 5519
Esto premiados com 1204000 os seguiutes
nmeros :
2631 2632 2633 2634 2635 2636
2638 2639 2640
Esto premiados com 604000 os seguintes
nmeros:
:>2i 3622 3623 3624 3626 3627
3628 3629 3630
Esto premiados eom 304000 os seguintes
nmeros :
5081 5082 5083 5085 5086 5087
5088 5089 5090
Todos os nmeros terminados em 37 esto pre
miados com 60*000, excepto o da sorte grande.
Todos os nmeros terminados e;n 25 esto pre-
miados com 6040 O, excepto o da sorte imme
diata
Todos os nmeros terminados em 84 esto pre-
miados com 30*000.
Todos os nmeros terminados em 7 esto
premiados com 304000, excepto os terminados
em 37.
Todos os nmeros terminados em 5 esto
premiados com 3)4000, excepto os terminadas
em 25.
A seguinte latera corre no dia 3 de Abril
com o plano de 60:0004000.
olera do Gram-Par-A-3- parte da
27* lotera, dessa provincia, cujo premio grande
6:0000O0, ?er extrahida, qnarta-feira, 3 de-
Abril.
Cernlerio Publico -Obituario do dia 29
de Marco de 1889 :
Maria Luiza i^sar de Mello, Pernambuco, 75
annos. viuva. Afogados ; Ies3o cardiaca.
Benedicto, Pernambuco, 78 annos. viuvo, Afo-
gados; leso cardiaca. *
Rita Mara da Conceico, Peruambuco. 10 an-
nos, solteira, Boa-Vista ; lesao cardiaca.
Manoel Jos de Castro Guimares, Pernanbu
co, 68 anuos, solteim, Santo Antonio; tubrcu-
los pulmonares.
Severina Maria da Conctucto.. Pernambuco, 24
annos. solteira Graca ; tsica.
Siario Muniz de Almeida, Bahia, 45 annos, ca-
o. Varzea: tsica pulmonar.
Joo, Pernambuco, 5 annos, Recife; gastro
enterite.
Henrique. Pernambuco, 1 anno. Boa Vista;
convnlses.
Isabel, frica t anuos, solteira, Boa Vista ;
cachexia senil.
Um pouco de tudo
Diz P. Mangazza, a respeito do ne-
vroaico :
Nao procuris esta palavra no dicciona-
rio da Crusca, nem do Fanfani, e nem
mesino no de Regutini, e nem em outro
vocabulario qualquer da nossa lingua.
Nao a acharis: quando muito a podereis
ler nos diccionarios de medicina, mas tam-
bem estes deverao ser muito recentes.
Houve em todo tempo doencas nervo-
sas, porque cerebro, medulla espinhal,
ervos e ganglios podem adoecer como to-
das as visceras e todos os tecidos do nos-
so corpo, mas o nevrosismo palavra no-
va, pois que senre para exprimir urna cou-
sa que hao existia, ou era ta& rara que
no lirmava a attencao dos observadores.
ara oa mdicos as nsvrotes alo doencas
do 3ystenia nervio, das quaes sei ignora
a natureaa intima e a alteraces materiaas, i
que devem sem duvida acmpannal'&ac-
A apoplexia cerebral ou espinhal,
amolecimento do cerebro, a menengite
outras .tantas affecfoes do syatemfi nervo-
so, nao se chamara, neorosee, porque ae ca-
nhece a sua anatoma pathologica, o pro-
cesso porque se formara e a maneira nomo
se desenvolvem, para depois senem cura-
das ou matar-nos.
Igualmente se chaniam uevroses as'oiie- >
na5es mentaes, perqu estas formara urna
classe bem distincta de todas as outras ;
affecySes nervosas, posto que para muitas a
ou quasi todas se ignore a natureza do
mal.
Assim, chamamos nevroses a hypoeou-
dria, e o hysterismo, e outras affeccSes
similhantes que se confunden] com a anu-
de, e certas formas de constitaieao indi
vidual, chegando muitan vezes a tocar
l'ronteiras das alienacoes mentaes.
(uando a chimica e e microscopa nos i.
tiverem revelado a natureza intima deatas
perturbafSes, quando se sonber em que
consiste a alteracao material -dos ervos
dd orelha, que gritara ao rumor- mais l-
geiro e que pela maior parte dos homens
Altura torna-se inditferent; c quando soubermos
como sao alteraoas as cellulas cerebraea -
de um individuo que se enfurece menor.
contradic(ao ; entao substituiremos a pa-
lavra nevrose por.outras tantas e mais pre-
ciosas palavras, que serlo verdadeiras e
proprias definicoes da cousa.
O nevrosismo, pois, ura estado geral.
de todo .o n"sso systema nervoso,- mais
difficil de eutender-se do que definir-ae, e
acerca do qual a lingti.-gera vulgar eatpri-
iie um conceito confuso, que a spieani)
s capaz de reduzir a forma mais preci-
sa, dando-lhe rana propria figura.
Todos dizemos, diariamente : Eu eMon
nervoso; deixai me tranquillo, porque me,,
excitareis os ervos, etc., etc.
Outros com a palavra ingleza dizem
Hoje estou com o spleen.
Palavras todas incertas, e obscuras co-
mo a nuvera que se v, mas nao se toc^,
que se v. mas nao tem era, nem forma?;,
to obscuras que silo adoptadas muitas-ve
ves por pessoas ignorantes de anatoma,
a ponto de confundirein com as mesmas
palavras os fios que trans; ittem a sensi*
bilidade e o movimento co.a es outros eor-
does que, unindo-se os msculos com os
ossos, servem de transraittir oa nossos
movimentos voluntarios aoa membros- .
aos orgaos que derein ser postos em ino-i-, i
vimento. Os primoiros fios sao oa verda-, h
deiros ervos e fazera no nosso organsmo :
as func9oes dos fios telcgraphicos; os ou-
tros tao tendoes e esto entre os orgaos
menos sensiveis do nosso corpo.
***
A therapeutica das doencas miasmatico-
contagiosas importantissima,. sobretudo
a da febre amarella, da qual nos oceupa-
mos de presente.
A maior honra cabe prophylaxia rar
cional, que a mesma que deve ser para
toda a doenca contagiosa e importavel, e
o seu meio mais efficaz consiste em. impedir r-.
o contacto do doente com individuos aaos.t
por isso como medida adoptadissima tv<< |
conside.rado o isolamento dos enfermos, o.
qual j as epidemias dos seculos passado. a
figurou como principal mis pfecatreipnal.
O isolamento as doencas infeccionantes,
nao deixa de ter seus effeitos ravoraveis,
quando a epidemia est em principio e os
seus casos ao limitados; porin, logo que
ella torna-se intensa e se estende, esse
raeio vem a ser impiaticavel, sabretud .
era cidades populosas.
Mas o isolamento o mais das vezes tor-
na-se frustrado, desde que osprimeiros ca-
sos de doencas que se verificara, depois
de seguida a introduccao do germen in-
fectivo n'um lugar, raras vezes chegam
logo ao conhecimento da autoridad^, ma.,.
alora disso a vigilancia do doente e das
pessoas que esto em contacto com elle,
impossivel que seja inteiramente severa.
O doente deve ser transportado para
um hospital, destinado a receber os affe-
ctados de doencas contagiosas, todas as
vezes que as peculiares condic3es de ha-
bitaeSo e econmicas nao tornara possivel
o seu tratameeto no proprio domicilio.
ptima medida a de affastar da habita-
cao e tambem da casa infecta, todos os
saos, e sobretudo os meninos, e isto o
mais cedo possivel.
A segunda medida preventiva a citarrse
contra as doencas de infeccSp, a desin-
feccao, a qual deve ser activada com telo
o escrpulo, e a quarentena quando o mal-
importado de um lugar em commnnica-
cSo pelo mar, cumprindo ao .Estado a in-
dispensavel necessidade de adoptar todas
as medidas precaucionaes para com os pas-
sageiros, e as mercadorias provenientes de
um lugar infecto. Relativamente febre
amarella convra abandonar o lugar onda.?
reina, e em alguns casos ao menos mudar
a propria habitacao para um dos quartei-
roes iramunes.
Mas, onde reside a vardadeira prophy-
laxia das doencas de infec^ao, as nor-
mas que por toda a parte devem ser ae*
guidas sobre hygiene individual e publica.
E' certo que as epidemias levam seus es-
tragos onde reinara a immundicta e & mi-
sara, juntamente com o vicio. A limpeza
das cidades, as ablucSes com ptima agua
potavel, as habitacoes sans, urna adapta-;
da canalisafao, a desinfeccao adaptada em.
vastissima escala, sao medidas de hygiene
publica de que todos necessitam, e que
unidas s de hygiene privada, executadas
por todos concorrem para conservar inof-
fensvo um lugar, erabora o apparecimen
t de epidemias, ou pelo menos a limitar
o numero dos casos e a mortalidade poi
ellas ausada.
5;
* *
Creaca
o
Santa Maria de
capital da provincia.
de algumas cidades do P
Belm do Grao-Pata.
A sua primitiya csl-
thegoria de instalado foi declarada por
fundador, o capitab-ini Francisco Cal
deira Castellc Branco, en 1616.
Viga, cabeca da comarca do me
nome, foi creada villa em fins de 1693,
passando a gozar dos foros de cidade pela
lei n 2;">2 de Outubro de 1854.
Gameta, cabeca de municipio
igual nome, foi elevada a cidade pela
u. 14 de 24 de Outubro de 1848.
dar-a o gov.ernador eapitSo-mr Fran
Coelho de Carvalho. em Dezembm









Jm
Diario de PernambucoDomingo 31 de Mar^o de 1889



rra fonda*
. Braganea, existente desde 1753, an-
no cm que t'oi creada pelo eapitao-general
'rancisco Xavier de Mendonca Furtado,
pMBoa a cidade por ici n. 252 de 2 de
Ootubro de 1854.
Esta mesma lei conceden igual be-
neficio a Obidos, fundada em 1758 na
margem esquerda do rio Amazonas, perto
da coafluencia do rio Oriximina.
Macap, creada em 1752, ganhou
furos de cidade com a dccretacSo da lei
a. 281 de 6 de^etembro de 1856.
Monte-Alegre passou de villa a c-
iade pela lei n. 970 de 15 de Marco de
1880.
Continua-se com actividade a organiBa-
clo do Congresso de Mulheres que ter
lagar em Paria durante a ExposicSo. Tra
ta-se d'um congresso geral c internacio-
nal.
Ser composto de tres sortes de raem-
bros: os membros honorarios que pagam
urna subscripcZo facultativa, ao minimo de
25 francos ; os membroe activos, tendo s
o direito de voto c que pagam urna coti-
sacSo fixa, individual ou .collectiva de 10
francos; depois os membros sympathicos,
a titulo gratuito.
A administracSo dos congressos interna-
cionaes de mulheres que existe nos Esta-
dos-Unidos, votou 150.000 francos para o
Congresso de 1889.
_ *
Urna questo militar que por militas ve
sea preocupou, n'estes ltimos annos, a
de se saber como um chefe de exercito
poder observar o todo das operacScs no
campo de batalha. Ontr'ora, em quanto
que se nlo empenhavam ao mesmo tctnpo
torcas immensas, a prmeira eminencia que
apparecia era um exccllcnte posto de ob-
servaclo d'ondc se apercebia tudo o que
se'passava.
Todos os quadros de batallias doutrora
represntala o general em chele, rodeado
de.itti estado-maior, examinando do cimo
d'uA collina, com um oculo, a luta que
se trava.
Mas de nossos dias nao pode mais ser
awm.
Se a guerra se achasse declarada, enor-
mes massas de tropas entrarao em comba-
te, e os campos de batalha se estenderao
em superficies considerareis.
Seria pois quasi impossivel de se encon-
trarem ele vacies de terreno d'onde se po-
desse seguir as diversas phases da accSo,
fbi preciso inventarem-se observatorios ar
tificiaes.
Foi asaim que se tem tentado numerosas
experiencias com os balSes captivos, expe-
riencias estas que tem provado alera d'isso
que os balSes podem prestar grandes ser-
vicos na tctica de exploracao.
Mas os balffes captivos requercm um
pessoal numeroso; preciso bastante tcm-
po para se cncherera: sS<, alm d'isso es-
tas machinas ao mesmo tempn irageis c
e custosas, que o menor accidente poe
fra do servico.
Era pois para se desojar que se encon-
trasse algum apparelho que podesse subs-
tituir, at certo ponto, a ausencia do-bailo j
tivo.
pondo^actuaunente em cstudo
observatorios transportaveis e de desar-
, queja foram experimentados no ex-
ercito russo.
O systcraa milito simples c engenhoso.
O apparelho, quando est armado, trans-
forma-se n'uma torre de vinte e sete me-
tros. Seu peso nao passa de 1,050 kilo-
gramraas, e bastam quatro cavallos para o
pucharem n'um carro especial. E com-
posto de duas couceiras, oonstituidas por
travezinhas que se abrem e fecham cm
plano parallelos. No topo aeha-sc urna pa-
qul Se sobe por urna
ta-forma, para a
escada de ierro.
Slo precisos vinte minutos para se mon-
tar d'uma maneira solida, mesmo com um
vento forte. Um telephone poe immediata-
mente'em communicaeSo a plata-frma de
observacSo com a trra.
Reconheceu-se que, com um tempo cla-
ro, distingue-se o terreno at treze kilo-
metros.
COMUNICADOS
COHMERCIO
TELKRiUA
Servido da Agencia Harn
LIVERPOOL, 29 de Marco.
ASSUCAR: FlrMc.
de rrrmtnbuia a. ii'ndt--r
II por qainlal.
AlXODAO .-Snl^niatfo.
FAJR le Prrnambiuv <-Md <-- u
.' d. por libr.
rada* do din fctOOO fardo.
NEW-YORK, 28 de Marco.
ASSl'CAH Ti-ndfiii'ia pura subir.
** Polariaaro -3 ." s c. por II-
Agencia, Havas filial em Pernamubco,
30 de Marco de 1889.
Revista ao Mercado
Recife, 30 DE MAR9O DE 1889.
Pouco foi feito no mercado de cambios.
Na Bolsa foram negociadas 15 aeces da Fa-
brica de Fiaeio e Tecidos, ao'par, e 49 lettras
hypoiecaria* com o decouto de i "/,.
A questo da farinha
Nao contestamos, nem de boa f se pode coa-
testar, a afirmativa feita hoje no Jornal do Reci-
fe pela illustre Associaco Commercial Benetl-
cente de que a produeco da fariaha de man-
dioca em Pernambuco tem assumido as propor-
ces de urna industria exportadora, que precisa
contar e j nao pode mais deixar de cootar com
o mercado externo, e com a qoal esse mercado
precisa e j nao pode deixar de contar.
E porque assim pensavain todos, c porque
assim tambem o entenda a administradlo da
provincia, |foi que, antes da crise actual, nin-
guem reclamou contra cssa exportacao c o go-
verno provincial manteve-se na sua posicao de
mero expectador desse movimento.
0 excesso de prodcelo, filho de causas occa
sionaes, de cffeito talvez transitorio, sabia livre-
mente da provincia, como detnoustraram as es-
tatistieas publicadas pelo Diario de^ernambuco.
Ninguem Ihe creou barreiras, e o coramercio se
guia sea rumo ordinario, assistindo a presiden -
cia, na phrase do primeiro artigo do Jornal si
lenciosa e quieta esse mesmo movimento mer
cantil, quojaehava pcrfeitamenle legitimo e regu-
lar.
Depois, entretaalO; sobrevieram as qoeixas e
reclamac.es do interior da provincia, da zonna
plantadora de mandioca e fabricadora da fari-
nlia ; todas as correspondencias para as folhas
diarias foram acordes cm declarar extincta a
colheita da mandioca e portanto terminado o fa-
brico da farioha ; a espcculaco sobre este ge-
nero subi de |K>nto, mandando-se comprar todo
o resto da farinha as feiras, e domioasdo-se o
mercado do Recife, fazendo-se assim subirem os
precos que de 400 ris elevaram-se 800 e 1 000
cada meio decalitro.
Pergunta-se : continuava a ser a mesma a si-
tuacao? As condices da produeco subsis-
tiam ? Havia excesso, que podesse ser expor-
tado sem damno para a populacho desfavorecida
da fortuna ? A subida dos precos nao denun-
ciava a escassez do genero ?
Nao, nao eram idnticas as coudices n'um e
n'outro caso, a produceio nao s diminuir por
forca de causas insuperaveis, como sao as clime-
tericas, mas tambem eslava extincta, no dizer
dos correspondentes do interior, que jamiis
foram contestados. Longo de liavcr excesso, j
ia faltando o estrictamente necessario para o
consumlo local. E os precos subiam. subiam
sempre, malsinando a populaco pobre, para a
qual a fariaha de mandioca representa o mesmo
que o pao na Europa.
, Assim expostos os factos reaes c positivos, i
de todo o ponto inexacto, como diz a illustre
Associarao pelo orgo do seu advogado, que o
excesso de producrao que agora se observa, pro-
movido pelo commercio de exportacao, eviden-
temente nao cabe todo no nierrado eonsutnmidor
do Recife ; e, pois, ao envez do que aflirma a
illustre corporaco, embarazando a sua sabida.
agora qi* a produccau ett qunst extincta, o bon-
raclo administrador da provincia nao fez mais do
que opor um dique ao simples filete d'agua que
corra, na intencSo de assim crear um acude
onde se podesse desalterar a populaco.
Se. contrariamente s informacocs viudas do
interior, surgirem, cerno por encaoto, os 10
TABELLAS AFFIXADA8
o
U K eS ii
S" 3
T
f !
es *V
n: o v B
3
tr
ja
c


I
f
e
Bol
sa
tac5es officues da jcsta dos cob
RETOBES
R/cife, 30 at Marco de J889
Acedes da fabrica de agao c teciiios, do valor
de 1004 ao par.
letras hypothccarias com juros, a ^0OjO cada
ama.
lambo sobre Londres, avista 27 3 8 d. por
tMOl). do banco,
'.ambio sobre Lisboa, vista 03 0.0 de.premio,
do banso, honu-m e boje.
Na Bolsa Venderatn-se
accoes da fabrica de leeidos.
49 letras cynotheearia* rom ium?.
Candido G. Aicefoi-ido.
O serv tario,
EiluarJo Dancax
t 8 1
; t " a c i?
+ co co
<0 t* *- 1 *
* 1* * L* ^ 1 c
>* 1 s> < I
> . 1 1 s
-J ^ ~ OS r^
i 0 i * -- 93
* * ->i tt CT i
| * !
, , { CO CO =: 9
to * *- <
>t f 1* *>
s
s*. 9 < i
*J * i *- CO , 'm-
5 3 1 0 *-ex * M. V
; _ M 8 ?
. . . . *a a. S
* 1* m co < =
* . i* *- 3
i
s* 8
- te co '1-
* * i M 9 d^i
cados de mandioca; se contrariamente espec-
tativa geral, bascada ii'essasinfofmaees, as en-
tradas de farinha supenibuudarem de modo a
reporem em seu prstino estado as condic0e9 do
mercado ; e se, portanto, o dique de que falla-
mos for assoberbado. nada pode impedir que
o acto de 21 de Mareo, Je sua propria ndole
transitorio, seja revogado, e possa o excesso da
producc.lo sahir liviemente da provincia.
E'assim que tem sempre procedido, em rea
caoao trigo, os governos dos pnizes civilisados
em que o pao a bae da alimentaste 'publica,
l'rohibem-lhe a exnorlago quan !o lia f..lta. re-
vogam-esse acto quando a situaco das cousas
muda de face pela abundancia do genero.
E isso far o digno administrador da provincia
sera carencia de que alguem lh'o peta: o seu
dever, como as actuaes condigoes foi o seu de-
ver prohibir a exportacao da farinha
Essa medida, tomada nio so por conveniencias
da administracao municipal, mas tambem por
necessidade de auxiliar a popnlarao facilitando-
Ihe a vida pe alimento indiopcnsavel; essa
medida que visou os casos de excepcao previs-
tos no i S4 do art. 179 da Constituic5o,.ti'm pois
o cunho de salvaco publica, e nao se acha com-
pendiada no 34 do uiesrao artigo. i|ue rstabe-
lece dontrina de ordem mais elevada e que nSo
destroe o pre A administracao da provicia tinha diantc de
si, nao ha occultal-o, urna calamiif^de publica
a forae im mi tiente ; mas essa calara idade s-
tava sendo creada arliculinente pela especula-
co era larga escala, e de ura modo cruel por-
que titia por roovel, nilo soccorrer o Oear, mas
baier moeda sobre a desgraca do povo cearense,
maniendo se all o exorbitante proco a que che-
gara a farinha de mandioca.
A adniiuistraco nao nodia, era devia por-
tanto|qacdar se indilTerente. Fez o que, em taes
casos, faria qualquer governo previdente, em
bem ila ordem, da seguranca e da saude publi-
ca. Naousou da propriedade alheia, nem ab-
usou da situaco das cousas. Medio esta cora
calma, avalioa com seguro olhar as consequen-
cas funestas da fomc do povo ; e agio em con-
sequencia, dentro da esphera de suas attribui-
ces nos dominios da prmeira das leisa
iKistitoico Poltica
Nao houve suspenso de garantas consiilucio-
naes E' um escarneo dizel 0. Ao contiario
a propria Constituicilo .que autorisa medidas
taes. sempre que o trabalho, a cultura, a indux
tria e o commercio oppor-ss aos costumes ri bu-
cos, SEGURANC* B .-AI'liF. I> >s UDAPAOS.
Era o caso : tal como eslava senuo feito, o
commercio da farinha de mandioca oppnnha-se
aos costumes pblicos, porque era violento e
menos honesto, baja vista o que se "ussou de-
pois das ordens do presidente do Cear para a
compra da farinha ; e punha em risco a segu-
rauca publica, fomentando quic desordens pelos
dauraos que trana saude publica era conse
quencia da fome determinada pela falta de fari-
nha, genero de prmeira necessidade, base da
alimenlarao popular.
Nao, repelimos, nao houve suspensu de ga-
rantas constitucionaes. Houve apenas urna li
niilaro na liberdade de commercio, imposta
pela calamidade publica inminente, e autorisada
pelo i 24 da ("onstitiluieo Poltica do Imperio-
Wll.sON.
30 de Man;o.
P. S.E' menos real que tenharaos chamado
o odioso na questo da farinha sobre a Associa-
co Commercial Benelicente. Ao. iuvx disso.
temol a tratado cora todo resjicito e ai-atamento.
e procurado raanter Ihe os foros de que sempre
gOSOB, a estima eni que sempre foi tida na opi-
nio publica.
Deploramos, sim, que por una m compre-
heiiso dos factos. por iusciencia talvez dos pre-
cedentes dessa questo. principalmente dos re-
lativos s ordens vindas do Cear e lo triste-
mente malbaratadas e Iludidas, tenha a Illustre
Associai;o assumido a atlilude era que se collo-
cou, di^na de certo de me!hor causa.
mesmo-dircito de que se serve a illustre corpo
racSo para. 11a imprensa, interpretar as aeg6es
do digno administrador da provincia, ao qual
empresta sentimentos e intenyoes que, estao lon-
ac do seu espirito recto e illustrado.
Nao deturpamos a asserco da Ilustre corpo-
rac no referente sua audiencia corno repre-
seutante do commercio. A asseiro questionada
foi feita uestes precisos termos : Mas tanto
sto verdade, quanto certo que. para oblor da
classe commercial qualquer limitaco da sua
liberdade legal em falta de lei nova que a re-
strinja. -! a Associarao Commercial o canal com-
ttenle, intermediario mico oficial, -rouhecido
c adinissivel ,
Em taes termos, que differem enormemente do
.que hoje. escreveu o articulista da respeitavel
corporaco, vae urna aflirmativa da audiencie
imprescendivel da Associago* Commercial Be-
nelicente.
Foi essa necessidade indeclinacel que contesta-
mos, poique nao assenta em lei, mxime nao
sendo a respeitavel corporaco orgo official.
Mas, tizemos a contestaco era termos attencio-
sos delicados e respeitosos, salvando setnn/c a
inlenco da Ilustre corporaco.
WlLSON.
I'l lll.ll WIOES 4 l'lllillll
Usina Pinto:
Branco 1*
!f
omeno .
Mascavado .
ilOOtl
2.'HX>
:|*(KM)
11900
A exportacils, feita pela alfandega ueste mez
at o da 28, altiugio a 8008.010 kilos, sendo..
2.G04.871 pata o exterior e 5.373.139 para o iuls-
rior.
As entradas verificadas al a data de boje, so-
biui a 113.007 saceos, sendo por:
Ao povo pernambucano
Os abaixo assignados, membros da commiss&o
organisada para tratar da manifestacao que tem
de realizar se por occasiao do emharqne do Exm-
Sr. Dr. Inoocencio Marques de Araujo tocs,
muito digno presidente dVsta prbvineia, em ho-
menagem ao acto humanitario e patritico da
protiibicao da exportaeo da farinha de mandioca,
declarara que darao comeco sua tarefa do uia
i de Abril por diante e esperara que o brioso
povo pernambucano, generoso, como facilite a
sua incumbencia, o que desde j Ihe agra-
decen!.
Recife, 31 de Marco de 1869.
A commisso,
Ricardo de F. Gaimaraes.
Ildejonso 1'.acalcante de Albnqnerqae Mello.
Joao Canelo da Silca.
Joo Joaqim de Figueirtdn.
Manocl Antonio do Sasdinento Peretra.
A mesma commisso nomeou para thesoureiro
os Srs. Joseph Krause & C, era cujo estabeleci
ment poder qualquer pessoa depositar sua
esportilla.
Atlen^io
PRADO DA BAHA
Seguio Dar alii um Sr. Andrude. que trouxc
e S. Paulo tres anlroa?s, que quera que corres
sem como da provincia.
O cujo vendeu um animal aqui, e nao tere
outro cito seno levar a carga.
O comprador do que aqui licou, que parece
ser llometn serio, j fez correr o animal com os
de igual forca ; ms os ootros foram para o prado
d'esta provincia para correr n com animaes da
provincia
Os signaos dos animaes sao : um alaso bem
queimado, nafrico. tem orna mao branca e toda
a frente iberia de bronco, castrado ; o outro
rodado. tueJe mais de 7 1/2 palmos, tem um ta
Iho na anca esquerda e um taino na orelha. tem
um pe calcado de preto.
Alerta proprielarios de animaes.
l'm que v>o os animaes.
Recite. 29-3-89.
ooee
Ha rearas
Vapores.....
Animaes.
Via-ferrea de Caruarn.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro
Somma.
43.297 Saceos
......
5.9(6
8.937
30.U19 .
3478 .
113 007 Saceos
Algodo
Offertas para o de 1" sorte dd serto a 630O,
pciindo os saccadores fiSiOO.
A exportacao feita pela alfandega neste mez al
odia28,subioal.788.U35kilos, sendo 1.314.049
para o exterior e 473.368 para o interior.
As entradas verificadas, at a data de hoje so-
bem a 28.560 saccas, sendo por:
Barcacas.
Vapores .
nimaes ....
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea de Limoeiro
Somma.
4.609 Saccas
l.f62
10203
2.040
3 256 .
6.590
28.560 Saccas

Camhio
a 5" 3 4
es a :
Assnear
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
cundo a Associarao Corancrcial Agrcola, 11
os seguinte9:
Brancos ..... 3*200 a 3*600
Someno..... 1*900 a 2*1(10
Mascavado purgado 1*400 a 1500
"bruto. 1*100 a 1000
Kc!ame..... 2800 a 1*000
011 ros
Cota-se os salgados seceos a 370 ris na base
de 12 kilos.
Agurdenle
Cota-se a 88*000, por pipa de 480 litros. ,
Alcool
'kila-se a 1655000 por pipa de 480 litros.
Mel
Cota-se a 30*1)00 por pipa de 80 litros.
Pauta da alfandega
RUANA ni I i 6 DE ABRIL DE 18~9
Assucar retinado- (kilo).....220
Assucar branco (kilo)
Assucar mascavado (kilo)
Alcool (litro)......
>rroz com casca (kilo) .
lgodo (kilo)......
gurdente.......
Borracha (kilo).....
Coures seceos salgados (kilo)
Couros seceos espichados (kiloi .
ouros verdes (kilo) .
Cacao (kilol......
af bora (kilo).....
Ca!o restolho (kilo) .
achaca (litro) ... .
Carnauba (kilo).....
1 arocos de lgodo (kilo) .
arvo de pedra de CardilT ion.)
Farinha de mandioca (litro) .
Folbas de jaiiorandy (kilo/ .
Genebra (litro).....
Mel litro).......
Milho (kilo.......
Pao Brasil (kilo).....
Tabeados de amareMo (duza)
20i
86
340
50
360
160
800
394
410
199
KM
550
350
80
260
16
16*0(i0
id
300
900
70
60
35
100*006
Colonia Isabel:
Branco 1" *
. 2* .
. 3* .
ao -
Mascavado
410
28W)
1*600
.\avlos carga
Brigue poitnguez Adtlfoa. para o Porto
nacional Logo, para Pelotas.
Pata-lio nacional Marinko 1.a. para Pelotas.
allemao Anna, para Rio Grande do Sul.
Va; 0: inglez Atbkroc wl.
navios a descarga
Lgir inglcz V
le orisanie, bacatho.
acalho.
Lgi-r americano Robert Y Barr, farinha de trigo
*enhor lliim lesos dos Mar-
ityrlas
Re-laya* > das pessoas que eoncorreram com
siuis esmolas para a tnica e mais al-
faias do mesmo Senhor
l>. Guilberraina Eduarda da Cruz Itibeiro 5*000
. Leonor Porto 2*00H
I). Mara Macara de Meira 1*000
Tenente-corofiel Jos Fiuza de Oli'.eira 10*000
Antonio Aithur M. de M. udonca 10*000
(ktmmendador Leopoldo Jos F. Sao-
liago 105000
Manuel Gouealves Agr lOOOO
Teueutc Leoliaido A. Soraes .'iKI0
Torrc-s & Iruius 5*000
" --..-1 .. ____ -
rui-tortaefio
Vapor americano Hnunce, eir.rad'.i de Xew-
Vork e escala era 31} do corrate e consignado a
yenry Forster * Amostras 2 voluines a diversos.
Breu 200 uarricas ordem, 100 a Ferreira lr-
mao C, 40a Joo Feneira da Costa, 30 a H.
Druziiia & C.
Banh.i 150 barris a Domiiipos Cru/. H., 25 a
Ramos Geppert C, 200 a Joo Fernandos de
Alraeida. 50 a Gouealves llosa Fernandes, 150
a aiva Valente C, 50 a Araujo Castro & C ,
200 a Fernandes Irnios, 30 a Soarcs a IVr-
nandes, 20a Lopes Alheiro +C, 25 a Silva
Marques C 2o a Joaquira Duarte Simos A
C. 25 a Guimares Rocha & >'.
Candiciros I caixo a Vianna Castro it C.
Drogas 7 volantes ordem, 10 a Francisco Ma-
noel da Silva C.
Fogos da CbBa ;k> volumes a Fernandes & Ir
mtm, 18 ord m, 25 a Araujo Catira C.
Ferragens 6 volumes a Cardoso Inuo.
Movis 1 caixo a Araujo asn & C. Ma-
chinas 1 caixa n Polilmann C.
Maizeoa 50 caixa* a Joo Francisco Ferreira
50 a Lopes Alheiro 6. C, 100 a Josio Feruaniips
de Alraeida, 5<> a Joaquitn Du. re Siaies & ('...
50 a Araujo Castro A C.
Mercaduras diversas 16 volumes orden), 1 a
Bedel & David, 6 a Manocl J. de Miranda.
Perfumaras 2 volumes a Francisco Manuel da
Silva C, 12 a Prente Vianna C. Pinturas
1 caixa ordem. Piano 1 caixo ordem.
Relogios 4 volumes a E Gostscbl.
Teci-tos de algodo 3 (foixas a Luu Antonio
Sequeira. Youcinho 45 barris a Paiva Valente
4 C, 20 a Araujo Castro Duarte Simes & C, 13 a Fernandes Innos.
20 a J Fernandes de Alraeida, 5 a Lopes de Ma-
galhesi C, 13 a Soares Fernandes.
Hiate nacional Camelia, entrado de Maco em
28 1I0 corrente e consignado a Manoel J. Pessoa,
manifestou :
Algodo em rama 174 saccas a Gomes de Mal-
los Innos.
Barrica^ vazias 75 volumes a. Guiraarcs 4
Valente, 60 a Pereira Pinto 4 C.
Cera de carnauba 33 saceos a Gomes de Mat-
tos limaos.
Sal 200 alqueires ord-m.
ltate nacional Girtftritgr. enlrjdo do Natal em
30 do corrente e consignado a Manoel Joaquim
Pessoa, manifestou
Algodo em rama 150 saccas a Julio 4 IrmSo.
Couros seceos salgados 325 aos mesmos.
Exportadlo
F.ECIF, 29 DE .VAxgO DE 1889
Paia o exterior
No vapor inglez Ashbroek, carregaram .
Para o bltico, Borstelmann 4 C. 650 fardos
com 111,303 kilos de algodSo.
yo vapor inglez S. Georges. carregaram :
Para Estuaos-Unidos, J. Pater 4 C. 28,400 sac-
eos com 2,130:000 kilos de assucar mascavado
o vapor allemao Valparaizo, carregaram :
Para Hambtirgo, Borstelman 4 C. 2,720 couros
salgados com 32,640 kilos ; Pohlman 4 C. 1,800
couros salgados com 14,00 kilos : V. Neesen
& C. 1,302 couros salgados com 13,624 kilos.
Par o interior
No vapor americim Fmance, carrega-
m :
Para Rio de Janeiro P Pinte 4C. 20 pipas ^
9,600 litros de agurdente.
No vapor nacional Sergye, carreg
Francisco Barbosa
Urbano Carlos de Lemos
Maximino Gusmo
Vianuto F. de Souza Ral
Jos de Souza Aguiar
Tenente-coronel Manoel Martins Fiuza
Augusto Stepple
Tbomaz Ferreira de Carvalbo
Joaquim de Oliveira
Azevedo Irmos
Commendador Joo Vic nte Torres l'an-
4eira
Manoel Ignacio T. Bandeira
Philemon Resthier
Dr. Manoel Francisco Barros Reg
Joo Flix de Oliveira
Florindo Carvalho
Gomes Augusto Gayo de Miranda
Dr. Manoel Martins Fiuza Fitbo
Revm. padre Francisco Joaquim da Silva
Jos Duarte Pereira
Lcovigildo Gongalves Agr
Joaquim Floriano Correia de Brito
Sebaslio G. da Silva Brito
Capito Antonio Samico C. e Mello
Manoel Cardoso
Iguacio Ferreira dos Santos
Rufino Susano G. Miranda
Lino Braga
J. R. O. J.
Jos Bernardino Ferreira
Jos de Oliveira e Mello
Manoel G. Pereira Lima
1 ugusto Boyo
Jos Maria Brekenfeld Vicira da Silva
Capito Pidilha
Antonio Pinito Borges
Major Gusmo
Antonio Barbosa Fonseca
Marcolino Jos Joaquim Correia
Loiz de Franca Padilha
Dr. Clodoaldo Lopes
Jos Rufino Climaco da Silva
Dr. Antonio E Manoel Goncalvcs F. c Silva
Jos Ribeiro
Antonio Pedresa
Desiderio Martins de Oliveira
Dr. Jos- Eustaquio F. Jacobina .
Uta sacerdote
Jos Alves Salazar
Antonio Pereira da Silva
Jos Castor de A. Souza
Djalma Moreira
Pedro Francisco dos Sanios Costa
Jlo de Oliveira
T. P.
J. A. M Guinarcira.
Fihsberto Fiuza
A. F.
Manoel Francisco Teixeitt
Alfredo S
Joo Ferreira Loureiro
Dr. Barros Guimarcs
Veriato Pinto
Joao T. da Costa
Antonio Macario de Meira
Dr.D.
maro Lins dos Santos *
Manoel Gouealves Salgado
Candido Jns de Goes Telles
Joo Joaquim de Souza
Castro Medeiros
Augusto H. de Miranda
Vianna
Theodoro Benlzem Filho
Joo Douiingues
J. Heurique T Lima
Joo da A.-'.suiii|ieu
Jos Francisco e Silva
Domingos l. Vicira
M. F. P.
Joo I. de Jess
M. L. Pedresa
Guilhernie Ferreira da Cruz
Silvino l'orto
J. L. Grego
Alvaro Alfonso de Oliveira
Alfredo F. B. V.
t'rbauo Jos de Lima
A. S. Muuiz
Francisco Pereira Cardozo
Geroncio de Souza Reis
Claudino Francisco Garca
Imioocncio J. de Miranda
liento Guedes
Joo Martins de Andrade
Francisco de Souza Reg M.
Domingos Ferreira
tugenio C. do Naseitnento
Manoel B. A. da Silva
Tbomaz de Paula Hecha
Mauoel Bandeira Filho
lnnocencio J. Barral
Decnlato Piulo dos Santos
AiuericoO. dos Santos
Art luir
53000
3000
33000
5*000
53000
33000
330"0
53000
33000
3 400" i
U60O
4O(M>
4000
3*00"
13000
33000
340-0
3*001
:*tMJ0
23000
2 3001 >
23000
2*000
23000
2301X1
23000
23000
2*000
23000
2*000
25000
23000
2*000
2000
23000
23000
23000
24000
230 0
23000
23000
230(10
23000
23000
23000
23000
230O0
23000
23000
fOOO
23000
23000
23 00
23000
23000
23000
23I1HI
23000
23 23000
23IMH)
23000
23000
2*000
23000
13000
13000
13000
1300
13000
13000
13000
1*000
13000
13000
15000
13000
13000
13000
14000
13000
1*000
I3004
13000
13001)
15(100
13000
WOOO
13000
13000
I30.M)
13000
1*000
13000
13000
15000
15000
13000
15000
t -i( H h i
13000
lOOO
1*000
15000
13000
500
2705500
DDSPEZA
Documento ni. Pago a Sra. supe-
riora du casa dos expostos pelo fel-
para Pcnedo, A. G. Flores 20 garrafoes e 30
caixas com 48 litros de genebra
Na barcaca osepkmt. carregou :
Para Paranyha, A. A. Soares 2 barris rom 92
litros de alcool.
Iftinheiro
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional Sergipe, para :
Puede 10.0005000
Pelo vapor nacional Maranho, para :
Parahvba 1.0005000
Para 6,0004000
Pelo vapor inglez Trenl, para :
Rio de Janeiro -'O 0005000
Rondimentos publicos
MKZ DK MARi;
Alfandega
io e bordado da tnica
dem n. 2. Pago a viuva Guilberme
1 peca de velludo com 8 metros
dem n. 3. Pago a Pedro Francisco
dos Santos Costa, pelo prateado |e
guarnico do andor
dem n. i. Pago a Alfredo 4 C. por
urna caixa de Flandres para guar-
dar as alfaias
dem n. 5. Pago a Bastos 4 C. fazen-
da para opanno do tbrono
dem n. 5. Pago ao agente Pinto pe-
los 6 casticaes e 6 jarros para o
altar
dem n. 6. Franjas para os ciprestes
do andor
dem n. 7. A Francisco de Paula Pal-
mas para o grdame do altar
Receita arrecadada
Esmola de nm devoto
2133010
723O0O
303009
isooe
193000
53000
65000
366*000
2703500
934oO'J
3665000
^XXXXXXXXXX^t
AO INTIMO AMIGO
J. C. Ribeiro da Sd^va
)(
X
)(
)( O dramaturgo do Cora e do
)(
)(
X
ben, comprimenta pela sua appro-
vaco plena no 2." aano jurdico,
e abraca-o estreilamente
K
30-3-89.
/ F. de Souza.
Protesto
Rcn..'a aeral
Do da 1 a 29
dem de 30
719:0773370
26:8894135
-----------------745.966*505
O abaixo assignado, tutor de seus -
Ihos, netos do finado Joao Maria de Albu-
querque Oliveira, protesta contra o pro-
cedimento irregular e clandestino por que
est procedendo seus dous eunliados, Julio
e Joao, rilhos do mesmo finado, com re-
laeao ao espolio deixado pelo seu mesmo
sogro, sem sua intcrvcneSo e sem a assis-
tncia dos Srs. juiz curador e de orpbilos ;
isto somonte cora o fim de prejudicarem
nao s como herdeiro, como tambem como
eredor pelo segare de vida de minha fina-
da raulher, que o mesmo meu sogro li-
quidou sem o poder fazer, porquanto, j o
abaixo assignado era casado; o que tudo
muitro breve ser trazido luz da publi-
cidade.
Declaro nullo qualquer acto que tenbam
feito, bei que por acao tenbam pago, porquanto,"*
sen finado sogro nada devia a pessoa al-
garas, segundo dizia, e era isto conhecido
por todos; pelo que, se existe alguma,
fpi por certo contrahida por seus dous
cunhados, que desde 1885 at agora estao
na gerencia do escriptorio do finado, sem
terein dado conta neiu apresentado balan-
eo desde aquella mesma poca at hoje, o
que de vera fazol-o agora perante o juiz
de orphaos por onde tem de correr o in-
ventario.
Pro esto tambem fazer valer em juizo
certas obrigagSes em que se achara os
mesmos Julio e Joao para com o espolio
por adiantauentos feitos para casamento*
e csbanjanientos, como fcil provar,
apezar de torem desapparecido papis a
eles referentes; como dizia e contava
meu finado sogro possuir, assignados por
elles.
Aproveito a occasiao para chamar a
attenc,5o dos Srs. juiz e curador de or-
phSos, visto como, s assim darao elles
bens a inventario; nao cumprirao o que
eom todi arrogancia dizem, que ho de fa-
zer o que bem quizerem e entenderem.
Brevemente ser trazido luz da pu-
blicidade todas as peripecias e mais cou-
8iitku que se tm dado neste negocio
Olinda, 29 de Margo de 1889.
Francisco de Figueiroa Faria
Rendimeuto dos das 1 a 28 do cor-
rents 5:4163680
Renda provucial :
Do dia 1 a 29 106:5915860
dem de 30 3:0815751
109:6735611
Somma total 855:6403116
Segunda seccio da Alfandega, 30 de Margo de
1889.
8 thesoureiro Flerencio Domingues.
ebefe da seccio -Cicero B. de Mello.
Recebedorla Geral
Do dia 1 a 29 65:1093296
dem de 30 2:230321
67:3405217
Recebedorla provincial
De dia la 29 21:2255082
dem de 30 12:525*190
33 7503572
Recife U rain age
Do dia I 29 47:7573930
dem de 30 6:9245265
.51:6823195
Mercado Municipal de.g. Jom.
O movimento deste mercado- no dia 29 de
Marco foi o seguintc :
Entraran.) :
17 bois pesando 3,918 kilos.
636 kilos de peixe a 20 ris
i i cargas de farinha a 200 ris
4 ditas de fructas di ver-
ris
1 i taboleiros a 200 ris
10 suinos a 200 reis
22 matulos com
Foram oceupados
27 columnas a^_
24 SomM?1* ^de far'a
Comidas a 50"'
Je legumes a 400 i
5s de sumos a 700 r
de fressuras a 600
talhos a 23
Foi arrecadado liquido at boje 5:6135200
Precos do dia:
Carne verde de 240 a 560 reis o kilo.
Garneiro de 720 a 13000 reis idem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
Farinha de 500 a 600 reis a cuia.
Milho de 360 a 400 reis idem.
Ke:;ao de 900 a 1360J iden. ,
Hatadouro publico
Neste estabelecimento foram abatidas para o
consumo de hoje 84 rezes pertenecntes a diver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
.MEZ DE ABRIL
Sul.......... Trent.............
Sul........ Xer^he............
Sul........... Valparaso......
Europa....... Rio..............
Euroi a....... Orenoque.........
Norte......... Para.............
Europa....... Aconcagua.........
>ul-----....... Alagos...........
Europa....... Ville de S. Nicolao. -
ful........... Finance ..........
Europa....... Elbe
2
4
a
7
7
10
11
12
300 iv,
13200
25200
23000
43400
163200
300
125000
1X3000
325000
135300
7430011
19635 20]
Vapores a sabir -
MEZ DE ABRIL
Antuerpia----- Trent............. las 2h-,
Ronleaux Xerthe............ 2 as 4 h.
Santos e esc.. Rio.............. 3 as 4 h.
Haniburgo ... Va/paraso........ 3 as 4 h.
Montevideo. Orenoque.......... 4 as 4 h.
Sul.....----- Para............. 5 a3 5 h.
Montevideo... Aconcagua....... 7 as 2 h.
Norte........ lagoas........... 8as 5h.
autos e esc. Ville de S. Nicolao.. 10 as' 4 h.
New-York-----Fiwnce........... 12 as 4 h.
Rueos-Ayres. Elbe.............. 12 as 4 h.
Movimento do porto
Navios entrados yr\oVa 30
Rio Grande de Sul 41 drfjiipatacho hespanhol
Joven Pura, de 131^lCdas, capito Pedio
N. Zaragoza, equF^m ", carga xanjue; a
oruem. Jm?\ ....
Babia5 dia4aPl,cno nacional Monteiro 2, de
196 \o*v**< capito Joo Alves Pinto, equi-
gp.-^^carga varios gneros ; a Amorn Ir-
12 dias, hiate nacional Iteus te i,'uardr.
e 60 toneladas, mestre ios Antonio do. Mou-
ra, equipagem 5, carga sal; a Bartholomeu
Lourenco.
Natal 4 dias, hiate nacional Geriquity 2, de
toneladas, mestre Joaquitn Honorio da -Sil.
ra. equipagem 5, carga varios gneros: a Ma-
noel Joaquim Pessoa.
Rio de Janeiro8 dias, barca norueguense '
(/)( equipagem 13, em lastro; aJohnston Pata
i C.
SaJiidos no mesmo dia
Sanios c escalaVapor americano Finante, a
mandante E. C. Backer
os.
indaku, co
:e Alcides M. de Albuquerque, ca

A


I


s
K
**>.

c



I
1
- III
'
Diario de Pernambuco---Domingo 31 de Mar.^o de 1889
9
Olimla
abaixo assignados, querendo com a
aa brevidade, recother eui poder do Sr.
oosmendador Jscpa" Krause, thesoureiro
da coniniissao do Recife, o rebultado da
^^peripcSo, que promovem em favor da
femilia de indi tos* tenente Pedro Regaard,
aedem encarecidamente & aquel les que
aaaignaraiu e a inda nao deram, o ebse-
ajaio de entrare/in coui n importancia de
0 vinho de Quin ura de
o mais enrgico e o mais
assignatiuas.
inda, 2b fio. Mareo de 1839.
Herculano Cava cante de Albuquerque,
Tresidenta.
Mano*-] PJrocopio da Silva,
Lhfsniireiro.
Silvino Augusto Nunes de Mello.
Francisco -Antonio Teixeira de Faria.
lo I ulversal de \HH9
io a carta que nos eserevem nos-
spondentes, os Srs. Auide
ftBce/Sb C., o Pavilhao do Guatemala
de /lies acabara de organisar una sala
aV leitura de todos os principaes jornaes
aWs Americas do Centro, do Sul, das An-
Buts e do Extremo-Oriente uma cons-
nsccjlo de madeira muito bonita.
Este pavilhao acha se situado direita
Ja Turfe Eiffe!, pelo lado direito e de-
froste da parte cental do > alacio das Ar-
tes Liberaes. Est perto de todas as sc-
ate das Repblicas Americanas e do lin-
aria do Brasil cujos riqnissiiuos palacios
lio de constituir, por sem duvida, uma
aW Hiaiores attraccSes da Exposicao.
Ase nossos patricios recommendamos
caic tridamente que visitem no Pavilhao
1 Guatemala a installacSo dos nossos
arrespondentes, Sr. Amde Prince &
C, devida ao obsequio do Ilustre com-
do Guatemala.
Labarraque
ffieas dos t-
nicos conhecidos. Dr. \Y\.hu, "medico prin-
cipal dos hospitaes Argelia).
Em todas as phar maclas.
---------------^---------------
O Sr. Dr. Luizde Araujo
Tenho empregdo em minha clnica
o Pcitoral de ambara, do Sr. J. Alvares
de Souza Soares boh casos de molestias
broncho-pulmonaiex, colhendo scraprc re-
sultados muito satisfatorios.
Posso mesmo, em virtude desses bons
resultados, garantir i efficacia deste me-
dicamento, principalmente quando estas
offeccSes tiverem tomado o carcter de
chronicidade.
Isto verdade e o juro sola S do meu
grao:
Anta (provincia do Rio de Janeiro^, 18
de Agosto de 1888.
Dr. Luiz Jote de Araujo h'ilho
o geral
Agradecimento
M> ILLM. SR. DR. CARLOS BETKNCOL'RT
M) presente declaro a quem possa in-
9evssar que achando-me doente de um es-
^ertamento da urethra indicaram-me o Sr.
lar. Rettencourt e, procurando-o no seu
a>salterio, fui operado pela electrolyse,
mb dOr, ficando logo bom e radicalmente
rodo do estreitamentu.
Agcadeco do alto da imprensa a impor-
taase cura que fez-me este i Ilustre faculta-
lipa e que archive mais este attestado nos
triumphos diarios.
Recite, 9 do Marco de 1889.
Laureiitino Jos da Silva.
Entre amigas
Como passas, minha amiga?
Vou indo bastante adoentada; ha al-
$ ana forte tosse, que me desespera.
Ora, isso cousa que nao te deve
ar caidado, principalmente se tomares o
ftitural de Cambar, de S. Soares, que
a aaelhor remedio para as enfennidades do
paito e aquellc que mais promptos resill-
adas opera.
O Peitoral de Cambar vende-se em
aaaa dos agentes Francisco Manoel da
lva & C, a na Mrquez de O inda
- 23> e as prineipaes pharmacias c dro-
pviss da capital.
qjGE
Nao ha Dais mo pi.ra estar majrro : A per
dadas carnese dos le idos celulosos par causa
da eulermiduiic. |i,n!-iiinei]lo moral uu doenya
de loiinu iluwraoi- lar.I e rpidamente reparta
IDO o uso constante e sem interrupeo dculgu-
mas ^arralas da riniulso de Laanao A Kemp ,
:i >|iial < feila alo Oleo de Pigado de i imiis puro ( ese.lliido ijue |>ode|iroilu/ir a .No-
ruega e cuuihinudo ci> ii os livpoplio gundo u formula sem rival do Dr. Churclnll.
A Emulso de Laomai &Kemp nao smente
ura recuperativo poderoso das constituicoes de-
bis, e um remedio seguroe infallivel contra to-
das as affecces do pt-Ho, a garganta eos'pul-
mes (e outras mulestiis em que prescreve-se
o uso do oleo puro); mas alui dissu o agente
digestivo por excellenca para os estmagos de-
licados ou dyspepticos.
------------^socaad-----------
EXPOSITION UNIVERSAL DE 1889.
Segn nos escribe, a nuestros correspon-
sales, los Hrti Amte Priace j V.
el Pabelln de QuaUmala, en donde han
organizado un gabinete de lectura de los
principales pridices de las Americas del
Centro, del Sud, de las Antillas y del Ex-
tremo-Oriente es una construccin de ma-
dera, de las mas lindas.
Est situado dicho pabelln a mano
derecha de la Torre de Eiffel, del lado
derecho y en frente de la parte central
del Palacio de los Artes liberales. Se en-
cuentra a proximidad de todas bis seccio-
nes de las Repblicas de las Americas y
del imperio del Brazil, quienes han cons-
truido palacios que rivalizan de riqueza, y
que sern una de las mayores atracciones
de la Exposicin.
Encomendamos particularmente a nues-
tros compatriotas que visiten, en el Pa-
belln de Guatemala, la instalacin que lian
hecho nuestros corres) "onsales, Hth. A os
alee Prlnrr y C gracias a la amabili-
dad del seor comisario general de Gua-
temala.
(3)
ENFERMIDADE E' ESTA QUE
NOS ACOMMETTE?
Como o ladrilo que nos ataca noite,
Ba aeommette-nos s oceultas. Os affligi-
itm desta docnca tin dores de peito, de
algumas vezes, de costas. Nao
fallar, e sentem necessidade de
Percebe se na boca um sabordesa-
avel principalmente peb mnnhS. Os
acales cobrem-se de uma especie de ma-
it viscosa; e o appetite desapparece. O
yaciente sent como que um grande peso
aa estomago, e, s vezes, uma sensacao
W vazio no mesmo orgao. Na boca do
ttomago ha muita fraqueza; c a nutricao
le produz satisfacao alguraa. Os olhos
laapanaiii-se; e as iuAos e os pos esfriam,
a tomam-se viscosos. Algura tempo depois
riaripia uma tosse, secta no comeeo, c,
aa seguida com uma expectoracSo esver-
abada. O doente queixa-se de um can-
^ointcrminavel, e, quando procura dor-
aar un pouco, nenhum allivio sent. Logo
epois. o enfermo torna-se nervoso e iras-
ral, e o seu espirito nao v senao tristes
aresagios. Elle sentc vertigens uma es-
de tontura na cabeca quando se le-
anta sbitamente. Ha priso de ventre ;
m palle torna-se secca e quente alternati-
aacste ; o sangue acha-se espesso e iner-
a> j a cor do branco dos olhos. amarellen-
m 1.4 a aria quasi nenhum e muito
corada, deixando um deposito no vaso. O
tfiigido militas vezes obrigado i vomi-
ar os alimentos que toma, e estes vmitos
irixara-lhe na boca um gosto urnas vezes
afaMKO e outras vezes adocicado. Este
irtiSo de coisas frequentemente seguido
W palpitad-oes do coracao. Enfraquece a
vista do doente, e elle parece ver nodoas
iiaote do olhos, sen ti ti do ura grande can
peo e debilidade. Estes symptomaa ap-
aaiacem cada ura por sua vez. Dizem
ajae o terco da nossa populacao soffre da-
aittlla enfermidade sob alguma das suas
&tnaas. Indubi avel mente, os mdicos sem-,
are enganaram sobre a natureza da cita-
4a nolestia. Alguns trataram-n-a como
affeceio do tigad ; e outros como denca
ao ras; mas ncnlimii tratamento conse-
aio cural-a, porque o remedio devia ser
wseeptivel de obrar liarmoniosamente so-
Ve t^d tun daquellcs orgaos, e tambera
o estoBaao. Nos casos de Dys-
sendo cste7*^rdadeiro nome da
iijermidade; todos os ellfchMorgilosdesor-
i-se ao mesmo tempoT^^^cisam de
medicina que possa obnaWfibre to-
m elles simultneamente. O
(tivo de Seigel produz um effei
ya esta elasse de padecimentos dan
nrio quasi inmediato. O Medica-
nto vende-se por todos os Pharmaceu-
e Boticarios do mundo inteiro, e pe-
irietirios, A, J. White (Limited)
ingdon Road Londres E. C. In-
ColJegio Meira
Este eollegio abri suas aulas desde Ja-
neiro prximo tindo.
Ensinam-sc nellc ti>dos os preparatorios
que cunstitucm o curso preparatorio as
faeuldadeti do imperio, e o seu pessoal do-
cente o mais habilitado que se pode de
sejar.
Continua a fuuecionar a aula primaria
que poder receber jumnos da mais ten-
ia idade, po8 dirigida por duas llias do
director, das quae? uma alumna do 5.*
auno da Faculdade de Direito do Recife.
Desde o 1." do corrente est aberta a
aula de allemao, era que se ensinar a tra-
duzir e a fallar essa lingua.
O professor respectivo ser o Sr. Sidney
Schiefler.
Os estudantes, que quizerem frequentar
esta aula, pagal-a-bao separadamente da
neasalidade do eollegio.
O director do eollegio Meira espera o
mximo apoio dos paes de familia que dc-
sejam o real aprorcitainento de seus filhos,
po8 que tem sempre tido por programma
dar aos alumnos, que llies sao confiados uma
vei-dadeira instruccao a par de uma boa
educacao Aoral.
O resultado dos exames feitos no rim do
anno passado a prova mais evidente em
favor do eollegio Meira.
Dos cincoenta e cinco exames feitos pe-
los alumnos deste eollegio, inclusive um de
allemao na Babia, apenas tres foram in-
fructfero.
Recebem-se alumnos internos, meio-pen
sionistas e externos.
Ra do Imperatriz n. 63, 2.* andar.*
Recife, 18 de Marco de 1889.
O director,
Arcencio Vnervino Meira de Vasconcellos.
EDITAES
*are eajoa
p*psi*\s
i na provincia de Pernambu-
I. da Silva & C.
no, na
cidade de
. C Levy
Fr-
passar o presente edital, pelo qual e seu
theor sao chamados aqn elles a quem for
obrigada a mencionada propriedade Tab,
para, no prazo de 30 dias pagarem pelos
sens direitos.
E para que chegue ao conhecimento
de todos, mandei passar o presente, qu*
ser aftixado no lugar do costume e pu-
blicado pela imprensa.
Dado o passado nesta cidade de 01 inda,
aos 28 de Fevereiro de 1889.
Eu Jo3o Theodomiro da Costa Montei-
ro, escrivo do civel no impedimento do
de orpblos, o escrevi.
Jos Antonio Crrela da Silva.
DECLARARES
Quarta pra^a
Pola inspectora dcsta Alfandega se faz pu-
blico, que no dia I do mez de Abril \ indouro,
as 11 horas do dia, serao arrematadas em praca.
i porta do trapiche alfandegado, Baro do i-
vramento, a* seguintes mercadorias :
Marca JGt, 10 barris le 5- coutjiido vinho
secro commuin, eapacidade 8 Lisboa no vapor iaglcz Sculptor, em :)0 de Julho
de 1887.
Marca VF.aX. Meaixas, azulejos, peso b,*uto
1.440 kilos, vinilas do Havre no vapor ftaJKOi
Yttle de Qmt. em ti de Fevereiro d.^ IH87.
Lctreiro J. H. Antunes, -Jo barris de o vinho
seeco commuin, capai'idade i,130 litros, viudos
de Lisboq no vapor francez VUte de Pmimnhuco.
em 1-1 de Setembro de 1887.
3. seccAo da Alfandega de Pcrnaiiiliuco, 2ft
de Marco de 1889 -O ebefe,
Domiugos Joaquim da Fonseca.
Concurso
De ordem do Sr. Dr. inspector geral da ins-
truccao publica, faeo saber aos mteressados Ar-
thur Octaviano da Silva Ramos, Arthunio Vieira
e Pedro Ratis de Inojosa V'arejo, que no dia o
de Abril futuro, petas 12 horas, nesta reparticao,
tera comeeo o concurso annunciado para provi-
mento da cadeira de 2.' entrancia de instruccao
primaria do sexo masculino da freguezia do Po-
to da Panella.
{Secretaria da instruccao publica de Pernara-
buco, 29 de Marco de 1889.
0 secretario,
Pergentino S. de Araujo Gal vio.
Arsenal de Guerra
De ordem do Illm. Sr. capitio director interi-
no, distribue-se costuras nos dias 1, 2 e 3 do
mez de Abril prximo com as costurelras pos-
suidoras das guias de ns. 491 a 540.
Secco de costuras do rsenal de Guerra de
Pcrnambuco, 31 de Marco de 1889.
Flix Antonio de Alcntara,
Alfercs adjunto.
Irniiiodadc do Senlior Bom Jess
das Chavas
De o:dem da mesa regedora convido aos ir-
mSos desta irmandade, para comparecerem em o
consistorio s 2 horas da tarde de domingo 31
do corrente, para irem acompanhar a procisso
do Senhor Bom Jess das Dores.
Consistorio, 29 de Marco de 1889.
0 secretario,
Ildefonso Florentino da Costa Mheiro.
Club Carlos Gomes
tarAu
Acha-se designado o dia G para o sarao de
Abril prximo.
s ingressos aos senhores socios, comecario
a ser entregues pelo Sr. thesoureiro. do dia 2
em diaote, das 7 s 9 horas da noite. na sede
do club.
Secretoria do Club Carlos Gomes. 28 de Marco
de 1889.0 1 secretario,
Andr Costa.
Veneravel irmandade do Se-
nhor Bom Jess dos Pas-
sos
Pelo presente convido a lodos os nossos caros
raaos a comparecerem no convento de X. S. do
Carino, sexta-fera 5 de Abril, pelas 3 horas da
tarde, afim de eneorporados, acompanharmos a
Sacro Santa Irnagem de nosso Divino Padroeiro.
em solemne procissao para nossa sede, matriz
do Corno Santo. Recife, 31 de Marco de 1889.
0 escrivo,
Manoel Moreira Campos Jnior.
A ssociacaoCommercial Agr-
cola de Pernambuco
ASSEMBLA GERAL
Sao de novo convidados os Srs associados a
comparecerem reunido que dove ter lugar no
dia 3 de Abril s 10 hors da manda, afim de
com o numero que comparecer proceder se a
eleigo da nova airectoria, leitura do relatorio e
prestacio de contas.
Recife, 30 de Marco de 1889.
Antonio Arthur M. de Mendonga,
1." Secretario.
O Dr. Jos Antonio Correia da Silva,
cavalheiro da Ordem de Christo, com-
mendador da Rea! Ordem Militar Por-
tugueza de Nossa da onceic&o da Vil-
la V90sa, juiz da direito de orphaos
da Comarca de Olinda, por S. M. o
Imperador, a quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital
virem e delle noticia tiverem, que. por
parte de Joaquim Antonio de Miranda,
me foi diaigida a pcti;ao do theor segra-
te :
Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz de orphaos
de Olinda.Diz Joaquim Antonio de Mi-
randa, que havendo arrematado perante
V. S. a propriedade Tab, sita na fre-
guezia de Taquara, provine ta Parahy-
ba, o pertencente ao espolio do coronel
Jofio de S Cavalcante de Albuquerque,
requer o supplicante. para|gai-antia de seu
direito, que V. Exc, depositado o pro-
ducto do bem que o supplicante arrema-
tou, mande, de acco-do com a Ord. livro
4 titulo 0, passar editaes, chamando todos
uelles a quem for obrigada aquella
iedade, para, no prazo que Ibes for
arem pelos seus direitos.
NelG ~ a V. Exc. deferi-
mento ETaw^ \U 27 de Feverei-
ro de 1889.-^^ ^**^io de Miran-
da. (Estava sellada!^, ^
Em a qual peticilo
do theor segrate:
Feito o deposito eomo acao
passe-se o edital as condicoes
com o praao de 30 di-w, ficando assi
ferido o presente requerimento, que b>
junto aos autos. Olinda. 27 de Fevereiro
de lS't.Oorreia da Silv
^HasssssssssssssB)Iiha despacho
, e por forca do mes-
1* SeceaoSecretaria da Pi-esidencia
de Pernambuco, en 28 de Marco d,e
1889.
Por esta secretaria se faz publico, a
quem interessar possa, que se acha nesta
reparticao, afim de ser entregue ao inte-
ressado, depois de satisfeitos os devidos
direitos, a patente de reforma no mesmo
posto do tenente coronel Francisco Pe-
reira de Carvalho
O secretario interino,
Mauocl Joaqim SUveira.
nhia Drainage e
3V20|0,,12[
1* SecciioSecretaria da Presidencia
de Pernambuco, em 28 de Margo de
1889.
Por esta secretaria se *laz publico a
quem interessar poasa, que se acham nes-
ta repartilo, afim de serem entregue
aos interessados, depois de pagos os de-
vidos direitos, as patentes dos tenentes-
coroneis commandantes dos batalhoes 33,
58 e 63 de infataria da guarda nacio-
nal das comarcas de Barreiros, Gara-
nhuns e Bom Conselho, Pedro da Rocha
Wanderley, Jos Paes da Silveira e An-
tonio Alves de Carvalho Cavalcante Con-
ceis&o, e bem assim a do capito quartel-
mestre do commando superior da guarda
nacional da comarca de Iguarassu, Seve-
rino Rodrigues da osta, todos nomeados
por decreto de 9 do corrente mez
O secretario, interino,
Manoel Joaquim Sibeira.
Recebedoria Prov incial
Os abaixo assignados cobradores da
Recebedoria Provincial previnem ao 6e-
nhores contribuintes que recebeni at o
fim do corrente mez e com a multa de
6 # decima e contribuifSes da Compa-
10 |0 os impostos de
e 10 [ mo morta,
Programma da 15.a corrida
QUE SE REALIZAR
Domingo 7A de Narco
llllzes de partalaCapitio Amador Lins e Dr. Luiz Antonio Cavalcante.
lulzes ele che fiadaDr. JoSo Barbalho, coronel Manoel G. Pcreira Lima e Dr. Jos Austregesilo Rodrigues Lima.
falz de dlutancladoJoaquim do Reg R; ;;s.
f uixes de arrhlhanrada J>. Alvaro Ucha Cavalcante, Dr. Francisco de Assis Pereira Rocha, Dr. JeZo
Alves Lima, Dr. JoJo de Oliveira, Francisco da Costa Foffo, Manool Pereira do Reg, Toaquim Ignacio P.
de Siqueira. Moreira Reis Filbo e capitao R-.ymundo Antonio Sampaio.
iHlzes de ralaJoa*o Climaco de Miranda, Adolpbo Mendes Torres, Henrique da Costa Carvalho e professor
Henrique de Miranda Henrique.
iatlz de pegaresProfessor Francisco C. da Silva Fragoso.
*o
aae
Pello*
>Hluriiliil;i-
Pe toa
IOr da ti-Nlimriila

Proprietarion

Coruja.........
D. Juanita.....
Fantina.......*
Ida...........
Primavera
Stella........
Primazia......
1* PareoWtxtvm -700 metrosE^uas da pri-vincia.
. .iPernamhnco..
Premios : 130.S000 a 1", 33*006 2- e 13*000 3*
i anno.
S
3
5
4
4
5
Rodada ..
Castanlia

Rodada.-
I'edrez..
Zaina ..
Foveira..-
:a kilos
.'3
3<
33 -
53
.'7
33
Rranco...............
liosa.................
Azule blanco.........
Azul e amarello.......
Oiim e lirio..........
Encarnado e branco
Rosa e preto..........
J. M.
Coudelaria Recife.
M. P. A
R. P.
Coudelaria Victoria.
R C
JA. A.


2 ParcoAniaaara* -000 metrosAnimaes da provincia que d2o teoham (anho neste Hippodromo nesta ou maior distancia.
Premios : 230*000 ao 1", 60*000 ao t- e 23*000 ao 3
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
I
12
13
14
13
16
D.........
Caim......
Sneca .....
Guanabara ... #
Bolachinha.....
Royal.........
Corsario......
Trlha........
Extrambolico.
Orange........
Camossim.....
Farrabraz 2". .*
Pirapama......
Pirraca.......
Vinho Branco..
Rosa de duro.
6,annos..
4
5
8 >
5 *
4
4
3
5
3 -
5
3
7
o
4
3
Melado .......
Rodado .
Russo-pedrez..
Baio.........
Russo.......
Rodado .......
Castanho
Rodado-pedrez.
Castanho......
Baio..........
| Castanho
Russo pedrez..
Alazfio........
Pernambuco
35 k ilo. ] Preto e branco......
53
33
53
33
33
33
35
33
53
55
50
33
35
33
30
Grenateouro
Amarello e azul............
Encarnado e branco.......
Branco c azul............
Grenat e ouro.............
Riscado ..................
Preto e encarnado..........
Branco e preto............
Preto, encarnado e ouro
Azul c branco..............
!
Encarnado e branco
J. L. S. F.
A F. C.
U. Pessoa.
M. Meodonca.
M. G. M.
Saldaoha.
J. F. S.
Pereira Oliveira.
F. L.
A. J. G. A.
Luiz de A. Salle;.
P.T..
F. C
F. L.
M. M.
R A.
*-

3o PareoPro lawli
de PrrnanbDro- 900 metros -Animaos de menos de meio-sangue que nao sejain da provincia.
Premios : 300*00 a T, 73*000 ao 2 e 305000 ao 3
Alpha.........
Cometa........
Moncorvo ..
Favorita. .. .
Recife. ......
Aymor......
4 PareoCoi
6 annos.
5
4
Alaz........
Tordilho -.-----
Zaina........
Castanho......
S. Paulo......
Rio de Janeiro
S. Paulo......
54 kilos.
54
55
35
Ouro e branco............
Rosa e preto..............
. m
Violeta e ouro ...........
Preto e grenat............
Verde e amarello..........
D. Moreira.
Coudelaria Luzo-Brasileira.
<*.. Fernandes.
Coudelaria Luzo
A. M.
ipenwaro -GRANDE PREMIO-1430 niel ros Animaes da provincia que nao tenha
n'es'ta ou maior distancia Premios : 400*000 ao i% 100*000 ao 2." e 40*000 ao 3."
1
2
3
I
5
I
7
8
9
\1
12
13
li
15
lti
17
Tupiniquim
Phebo.........
Iacitatus......
Mylord ...-...*
Rigoletto.......
Scrid.........
Good-morning.
Fanfar........
General......
Waterloo.....
Ingazeira.....
Planeta ......
Fantoche .....
Barnave ......
Roldao........
Bonaparte.....
Vassallo......
annos.
Rodado -.
Castanbo-
Alazao-----
Baio......
Rodado -.
Castanho .
Rodado-
Rosilho...
Alazo- -
Baio.. ..
Russo ...
Rodado...
Castanho
Baio.....
Rodado. -
Peruambnco.
51 kilos.
34 .
54
54
34 -
54
54 -
54 .
5i -
54
54
51
34
51
54
4
34
Rosa e preto...........
Azul e branco..........
Encarnado ...............
.zul c ouro..............
Branco e azul...........
Encarnado e branco........
Branco e preto............
Branco e encarnado........
Encarnado, preto e ouro...
Azul e branco..............
i.renat e creme............
[Rosare branco.............
Greuat e ooro..............
I Rranco e encarnado........
Encarnado ................
F. G.
Coudelaria
3jjfe||e-a.
premios
Junho.
Coudelaria Pon
A. S. C. A.
M. G. A.
R. C.
R.C.
J.D. C. B.
A. L.
C. B.
J. Reg Bar
B. C.
I. S.
.F.
R. G. L.
Coudelarial'/niao.
iros.
3a PareoPro*reu1200 metros. Eguas at puro Mpupir Premios : 350* l, 80* a 2* e 33* ja 3'
Olga...........
Diana ........
Vanda .......
Gallia.........
Risette........
Minerva...
i
3
o
5
8
*
annos.
Castanha.....
Alaz.........
Zaina........:
Alaza........
Zaina.......,
Douradilha
S.Paulo.......
Franca.......
Rio daPrala...
Inglaterra..
Rio de Janeiro
S. Paulo......
..,31 kilos.
..58
. 64 .
.. t>4
.54 .
. 51
Ouro e branco........
Azul e ouro ...........
Preto e grenat.........
Ouro e branco........
Grenat e oro.........
Violeta c ouro ........
M- N. Pont
Coudelariaj Internacional.
A. F.
Coudelarnjl Emulaco.
Coudelarfa Brazileira.
Coudelaaria Cruzeiro.
6.* Pareo Experleaiela1.100 metros. Animaos da provincia Premios : 250* ao 1, 60* ao 2y, 25* ao 3
Arumary
Msico.......
Templar.....
Monitor......
Capricho.....
7 Pareoa*
Alpha ...
Maiidarjjn
Minerva .
Mimosa-
Favorita
Douro ..
annos...
Alazo........
Rodado .......
Russo.......
Rodado cardo.
-rbyClufc-1 609 metros
Hippodromo.
Pernambuco......54 kilos.
54
154 .
i'54 -
54
Animaes nacionaes al meio-sangue que nao teoham
Premios : 330*000 ao 1", 80*000 ao 2 e 35*000 ao 3"
Violeta e ouro...
Grenat e ouro..
Verde e ouro ..
Rusa e preto.
6 annos..
5
4
3
6

Alaz........
Rosilho-------
Douradilha..
Alaz ......
Zaina .......
Alazo
:S Paule
32 kilos
54 -
49
i6 -
52 .
54 -
Onroe branco.....
Grenat, azul e branco...
Grenat azul.......
Vilela e ouro.....
Verde e amarello-----
Rio de Janeiro.
(*) Montado por amador.
OBSMYACOES.,
Pede-se aos Srs. proprietarioa o obsequio de terera sens animaes ;& 9 horas
F. Sio.ueira & Bastos.
Sald'anha.
J. tt.
iniciara Pernambucana.
S. S. F.
nho nest? v^jfancia no
D Moreira.
J. Bastos.
Coudelaria Cruzeiro.
Coudelaria Parnamerim.
Caudelaria Luzo-Brazileira.
F.P.
*f
da manlia no ensilhame**'.
visto como impreterivelmente ser cumprido o horario. ^ %.g
Os animaes inscriptos para o 1. pareo devein achar-se no ensi^fliainento s 9 horas da manha.
Os animaes inscriptos para os outros pareos devem achar-se no ensilhamento 1 hora antes da determinada
ara o pareo em que tm de correr. /
Os jockeys que nao estiverem matriculados na secretaria do ^ppodromo nSo poderao correr, cumprindo-lhes
presentar as respectivas cadernetas na ocoasio da peskgcm. /'
Os forfaits serao recebidos na forma do artigo 2 do Cod'go de Corridas.
HORARIO
Corridas
/
1.1 pareo
2.4
3. .
4.
5.
6. .
7.
Recife. 28 de Marco de 1889.
O secretario, Jone
11 horas
11 a e 50 minutos
12 i e 40
1 e^0 >
o > e 20 >
e 10
4
ts tuquio Ferreira Jacobina.
gurdente, alvarenga e clasae, sendo que
d'etrtft data em diante, pagar.'
9 *f. os primeiros e a de 20 'j0 os de-
ltos,
avizo referente ao
/15\,/Mareo de 1S
Bernardo do R
[ico wtimarSes.
Club Commercial Euterpe
ASSEMBLA GERAL ORDINARIA
Nao tendo comparecido numeVo legal na ultima
reunio convocada, de nuvo convido aos Srs. so-
cios a comparecerem ra Duqne de Caxias
n. "i, t." andar, quarta-feira3 de Abril, s 7 ho-
ras da noite, afim de ouvirem a leitura do reia-
lono da directora que vai fmdar seu mandato
c elegerem os competentes novos-
[>c perfeito accordo com os respectivos estatu-
tos, effeciuar-se-ha a mencionada sesso. seja
qual for o numero dos Srs. socios presentes
secretaria do Club Commercial Euterpe, 30 de
Marco de 1889.
0 !. Secreario,
Alvaro de Menezes-
Derbv Glubde Pernambuco
Para cnhecimcuto dos interessados, faco pu-
blico que so sero peraritHdoa os cotejos de ani-
maes na rain do Derby, de manh ate as 10 ho-
ras, e a tarde das 3 libras em diante.
Recif, 30 de Marco de 1889.0 gerente,
Henrifiuc Sehotel.
Club Concordia
Aii'.-ero-iler.ili'-Iie Man ng.
Dreostag. den 2 a
Tractand'
Diverses.
Das Directorium.
Capitana do porto
Ayko aos navegante
De ordem do Illm. Sr. capito-tenente itodi
Nuno da Costa, inspector deste arsenal e capitio
do porto dcsta provincia, faco publico para
quem interessar possa, que o Sr. capitao do por-
to da provincia das Alagoas, communicou a
capitana, em ofcio datado de 26 do con-
que o navio que se achava virado em I
porto de Macei, eocalhou no dia 33 dest
na praia do Giqui na raesma pro
daquelle" pono.
Capitana do porto de Pernn>bu<
eo de 1889.0 secretario,
Amonio da.v
\
V


DWBYCI.
DI
PERNAMBUCO

Para a 9." corrida
Em 7 de Abril de 1889
@MfflD8 mmm as 13 lasa
i
1." t-T^^ft EMll-ArO 800 tetros. Eguas da provincia. Premios:
1506000 iprimeira, 354000 scjr-\ii e 155000 terceira.
ttf *\^!, CONSOLAOAO 8 BC^' >S. AnimaeB da provincia que an-
da n$e tenham ganho no Derby n esta ou tdaiot distancia e nos ou-
tros prados do Recife, em distancia maior efe 850 metros. Premios
2500000 ao primeiro, 500000 ao segundo e 250000 o terceiro.
. *V^V> PROVINCIA DE PERNAMBUCO i.00 Bteros. Animaes
da provincia. Premios: 3000000 ao primeiro, 600000 ao segundo e
300000 ao terceiro.
^^g(fft.tDE PREMIO 2) WE .n.\!0 |.4oO otro*. Animaes
de menos de raeio sangiic. Premios : 800001)0 ao primeiro, 2000000 ao
segundo, 1000000 ao terceiro e 800000 ao quarto.
W[ *v^>0 INTERNACIONAL 1.O nrtr<**. Animaes de qualquer
paiz. Premios : 6000000 ao primeiro, 1200000 ao segundo e 600000
ao terceiro.
. TVVM* VELOCIDADE meiros. Animaes nacionaes at meio
sangue. Premios : 3000000 ao primeiro, 1500000 ao segundo e 300000
V ao terceiro.
%* vv^s PROSPERIDADE f0O molrov Animaes da provincia que
anda nao tenham ganho no Derby, em maior distancia. Premios : 2500000
ao primeiro 500000 ao segundo e 250000 ao terceiro.- 11
Observares
O pareo 4r:tn instnvam e corram pelo menos 6 animaes de proprietarios difrereatei.
Nenhum dos outros pareos ee realisarao sem qwe so nseP3vam pelo men#s
tres av.imaes de proprietarios dtffefentes.
SA serao aceitas para cada pareo as quinze propostaa que primeiro forem
fcert;-.
Pede-se a attencito dos senhore* proprietarios ou seo legtimos represen-
tantes para o paragrapho nico do art 30 da regiment interno do Derby Club de
Pernambuco.
A inscripcao incerrar-se-hn egunda-feira. f.* de Abril do .eorrente anno,
t 0 h >:n, da tarde, na secretaria praca de-Sldanlia Marineo a. 2. 1. andar.
O GERENTE,
y m:\Ri4ti i: schuIEL.
i'
!
I
O PAREO
GRANBEVPREIIO INPREVSA MfMlt
.Na corrida que se nealisar no da 21 de Abril de 1889
f 90# metros Animaes raacionaes de meio sangue. Premios: 1:2000000 ao
primeiro, 5000000 aoWundi, 2000000 ao terceiro 1000000 ao quarto.
Inscri^o OOSOOO
?eYvagoqs
Nao se realisar este pareo sm que se inscrevam 6 animaes de proprietarios
diferentes. \
Os roprietarios deverao apreajentar certidao o Stnd ook do prado onde
tenha corrido o animal que nscreverem\
A inscripcSo encerrar-ee-ha no lia 11 le Abril, na secretaria do Hippo-
dromo, i ra do Palacio n. 16, Baha. A
Babia, 9 de Marco de 1889. I \
\ O SECRETARIO,
A. Coutiraho.
S. R# C.
e Bifi.a iv (mmi'nial
ksembla geral extraordinaria
De ordem' ojo film. S presidente convido a
toaos 09 sennonps socios a reunirem-se em as-
scmbla geral extraordinaria, domingo 3i do
correte, s 4 hoVas da 'srde, afim de resolve-
ren uai assumptd>de. interesas para a sociedade.
Secretaria da Sociedade Recreativa Commer-
cial. 28 de Marco d 18).
OM secretario
Ernesto -Gnirnuans.
4.' scele.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em l9 de Fevereiro de
1889.
Por esta secretaria se faz publica a re-
antunendacao do Exm. ministro e secre-
tario de Estado dos negocios do imperio,
constante do aviso n. 288 de 22 de Ja-
aeiro findo, paxa eonheci ment de Mara
Sererina da Conceicto Lucas, mai do
aJumnw do Instituto dos Sur Jos-Mudos,
Jos- Lom-enco Godolredo Lucas.
N. 288. 2a directoria.Ministerio
dos negocios do imperio. Rio de Janeiro.
22 de Janeiro de 1889.
c Dlm. e Exm. Sr.N.~o podendo, na
conformidade do artigo 25 do regulainen-
to do Instituto dos Surdos Mudos annexo
ao decteto n. 5,435 de 15 de Outubro de
1873, continuar lli, por haver attingido
a idade de 1S annoa, o alumno Jes Lou-
renco Godofredo Lucas, a quem se refere
oofficio dessa presidencia de 24 de Ou
tnbr convindo; perianto, pro-
?idenc-ar afim de que seja retirado d"
mesin. Instituto ienor, o qua
gund-> rxfenpam.- c director do estabe
meato ao olBfiif, jue a tal resp ito me di-
rtBsnsIsrrMur r eserip-
^^^BHidernador e teui
ilhido a t'aixa
iinec 'l'tto a V.
eonv'nintes.
rrei-
da nro
MOC
Banco de Crdito Real de
Pernambuco
Hite eslabelechncntc, de'conformidade com o
arj|ldos estatutos, p^jgi seo 5 dividendo.
relabro-ao semestre finio em 31 de Dezembro
do aano prximo pascado, aiazio de 5 0/0 so-
bre o valor das entrada: realisdas do capital,
ou 5*000 por BOgtO. tolw os di* uteis. desde
a? 10 horas da uianh'i le i da tardt em sua sede
ra do Commf-rcio n. 34. \
Rerife, 23 de Marco de 1883. Y
0 perolte.
manaes Lopes.
O UK'IBr ?* ./c-ii Mrl* de rt*
veuir o rulurcy liara i e para o
ron e o M'rurr' vida na >o\a
Ysrk
tfew-Yorli i nce Coananj)
*.'omii ;; ; wdu niontepio dos

Ca 11
Deposito :i TI
, 0t>00>
Para pi i infotmaces. com o Sr. Tneo
Cbristiansen, ente da eompanhfa em
taraos, agente
Arraial
Tendo sido por esta sabdelegacia. apiireino-
didoe, em poder de Joao Rufino Vfeira, como
suspe'ito- de serem furtados, dous cnvollos^os
quaes fui am depositados, e serao entregues a
En no prazo de 15 das provar com justiliea-
uroduida no juizo competente, prtencer-
,-sob pena de serem ditos animaes remetti-
dos a iuie de ausentes.
Subdelegacia do distrifto do Arraial, 29 de
Marco de 1889.
Francisco los fides de Lacerda.
DO
capHal e,ooo:OOOd
dem realidad 19,000:0004
A caixa filial deste Banco funecona
ra do Commercio n. 40, sacca, vista ou
a prazo, contar os seguintes corresponden-
tes no estraagerro.
LONDON.. (Banco 1 n i e r nac o n :i I
do Brasil,
London oflice.
( London ( Banking Company L.1*1
PARIt......(BanqnedeParIdd<*>
( Pays-Bas
Hamburgo..
Berlim.......1 Deutsche Bank.
Bremen..
Fr an k fur t
sur Main...!
Antuerpia.. Bank d'Anvers.
Roma........v
Genova......
aples...../ Banca Genrale e sua
Milao e inais > agencias.
340 cida-i
desde Itsr*
lia...........'
Madrid......
Barcelona .. i
Cdiz........i
Malaga......I Banco Hypotecario de
Tarragona..' Espaa e suas agen-
Valen cia e cias.
outras ci-
da des d a
Hes pa nha
e ilhas Ca-
nanas......
Lisboa......k
Portoeniaisl > Banco de Portugal e
cidades de> suas agencias.
Portugal el
ilhas.......'
Buenos Ay- The London & River
res ........., Plata, Limited.
Mon tevido
Nova York. G. Amsink&C.
Compra saques sobre qualquer praca do
imperio e do" estrangeiro.
Recebe dinheiro em canta corrente de
movimento com juros na razao de 2 /0 ao
anno e por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente, H liam M. Westber.
"SATACAST
CASAS PARA ALCCiAR
Ra da Moed n. 49, armazem 240OtN)
dem do Vicario Tenorio n. 27, laja 240*000
dem idem n. 22. 3. andar 180*000
dem idem n. 25. i. andar 360*000
dem do Bispo Sardinha n. 3, 1 e 2."
andares e sotao 400*000
Ideai do Mrquez de Olinda, sobrado
n.44 2:1313000
dem do Bom Jess n. 29, 1.- andar 240*000
Idem de Domingos Jos Martins n. 136,
loja e 1" andar 400*000
dem de Thom de Souza n. 14,1" andar 200*000
dem do Itaro da Victoria n. 41,.ar-
mazem 1:2006000
dem Imperial n. 151. casa terrea 3605000
E' esperado da Europa no
da Abril de e segui-
r depois da demora ne-
cessaria -para
Bak% Rio de Janeiro, Bnenoe-Ayrae e
Montevideo
Lefhbra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podeni tomar em tmatquer temno.
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado-
ras que s se attender a reclamages por tai-
tas, nos volumes, que forem reconhecidas na
occasiSo da descarga, assim como deverao den-
tro de 48 horas a contar do dia da descarga das
alvarengas, fazerem qualquer reclamagao con-
cernentes a volumes que porventura tenham se-
guido para os portos do sol, afim de poder-se
dar a tempo as providencias necessarias.
Este paquete < I iluminado i la
elctrica.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro ? frete: !rata-se com o
AGENTE
AlisasteLabille .
y Ra do Commercio 9
Compaohia Brasileira d
Navegagao a Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do norte at
o dia 5 de Abril e depois da de-
mora indispensavel seguir para os
portos do sul
As encommendas serao recetadas no trapiche
Barbosa at 1 hora da tarrte do dia da saluda.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor Alagoas
Commandante Joao Mara Pessoa
E* esperado dos porto9 do sul ateo
dia 7 de Abril e segurado depois
,da demora indispensavel para, os
portos do norte at Manos.
As encommendas so serao recetadas na agen-
la al 1 hora da tarde do dia da snhida.
Para carga, eocommarntes, passigens e valo-
res irata-se cem os
AGENTES
Pe reir Carneiro & C.
6=Rua do Commercio=6
Io andar
LEILQES
MARITIIOS
Rova Mail Steam Packel
Companhia
O paquete Trent
Commandante W. Chopmam
E esperado do sul no dia 31 de
Marco e seguindo depois da demora
necessaria para
Lisboa, viso, souihampton. e
Antuerpia
t Reuc$ao de passagens
ida Ida e volta
A'Lisboa i classe 20 30
A'Southamptonl'Oiasse -i- 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pemu^ibuco.
Emnuanto vigorar a quarentena imposta na
Rppublica Argentina, aos vapores e navios pro-
cetes dq^irasil, os vapores desta companina nao
aceitaran passageiros nem cama para Buenos1
Ayres.
Para passacfns. fn-ttv.'eacoairoendaa, traa -e
(';, os
AGENTES
Vmorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom JessN, *>
l.eilo
De 3 barricas com nozes novas, ca xas com
passas e iigos novos, presuntos de fiambre, cer-
veja allenia em carrafas, champagne, latas com
ameixas, ditas com manteifa ingleza. ditas com
arenques, resma de papel puntado, ditas para
irapressao, i mobilia de amarello, entalhado
com pedra ditas de jonro novas, ditas de Jaca-
randa usadas, pianos, quadros, espelhos, movis
avulsos, louras. vidros. fazendas, roupas feitas e
outros muitos objectos.
Terea-feira de Abril
A's 11 horas
No armazem ra Mrquez de Olinda
n. 48
POR interven;ao do AGENTE
Gusmao
lijoreiro, 1 berco de faiu, f espellio, diversas
obras de direito, 1 apparelho de louca para jnn-
tar. 1 dito para almoco, garrafas para vinho,
fructeiras de vidra, compoteiras de vidro, copes
com ps, clices, canecos, 2 paliteiros, 1 taxo de
cobre trem de cozinha e outros movis que es-
tarSo a vista dos Srs concurrentes.
Le la o
i
de urna excellente armaco de amarello enver-
nisada e envidrarada, 2 balcOes grandes de
amarello, I teiro grande, 1 carteira com arma-
rio, 2 armacoes inglezas grandes e de amarello,
1 re partimento para escriptorio e l cofre pro va
de fogo, de Milner.
Um rico rastre de cristal com 8 bracos, 2
arandellas a gaz, de cristal, 2 cahdieiros, 6 aran-
dells, registro e encanamentoe 2 guarda-lou-
eas enviiracados.
<|uarla-feira. 3 de Abril
A's 11 horas
Manoel da Cunda Lobo, lendo mudado seu es-
tabelecimento de fazendas nara a casa nova da
ra Mrquez de Olinda n. 35rfar leilao por in-
tervenio do agente Pinio, em differentes lotes,
a armacSo e mais objectos cima mencionados,
existentes na loja da ra Mrquez de Olinda
n. 33.
_--------
Leilao
De urna mobilia de Jacaranda, com tampo de
pedra, 1 piano, i espelho oval com moldura
dourada, 6 quadros, 2 jarros de alabastro, 4 ditos
de porcelana, 4 elagers, 2 candieiros para kero-
zene, 1 mobilia de amarello, 1 cama franceza, :
marquezes, meia commoda. 1 banca cabeceira
de cama. 1 mobilia de pao carga, 1 mesa els-
tica, o cacharas de junco, 1 apparador grande,
1 quartinheir. 1 mesa redonda, loucas para al-
moco c janlar, copos, clices, garrafas, talheres
coiheres. bandeiju<, jarra para agua e ttmitos
outos objectos que esJarao patentes no acto do
leilao.
Quarta-feira 3 de Abril
A's 11 horas
No 2." andar do sobrado da ra do Bom
Jess u. 8
POR IXTERVEKCO DO AGENTE
Gusmao
FLORIDA
para
AVISOS DIVERSOS
Vende-se o bera afreguezado kiosque da
ra imperial, por seu dono ir para o serto cui-
dar da sade : a tractar no mesmo kiosque.
Aluga se casas a 8000 no becco dos Coc-
hos, junto de S. Goncallo ; a tratar na ra da
mperatriz n. 56.
luga-se o soirado n. 46 ra da'Roda
com bons commodos e muito fresco, todo pinta-
do de novo e forrado a papel a salas : a tratar
na ra do Cabug n. 16, loja. .
uga-se um sitio coa baixa de capim e
casa de vivenda. estrada nova de Beberibe.
freguezia da Graca : a tratar na ra do Impera-
dor n. 42, cartorio- '
Leil
Pacific Sl;e m Navigation
Con pany
STRAITS OF MAGELLAN LINE
O paquete A coucagna
Espera-se da Europa at o dia
7 de Abril e seguir depois
da demora do costume para Val-
'paraiso por
Baha, Rio ae Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
YYilson, Sons & (,. Limited
14RUA DO COMMERCIO14
V
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Nerthe
Commandante Jezegabel
fi' esperado dos portos do
su! no dia 2 de Abril,
seguindo depois dademo
ra do eos lime para bor-
deauxj Mcano rm
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados pan
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abatimento de 45 0)0 em favoi' das fa-
milias compostas de 4 pesaras ao menos e que
pagarein 4 passagens ratean?.
Por excepeSo, os cranos de familias que to-
marem bilhetes de proa, gozara tambera deste
abatiroento. '
Os vales postaes s eedao at o dia 30 pagos
de contado.
ParS carga, passrgens. en.coni,mendas e di-
aheiroja frete : traa-se com o GENTE.
ao
Das #vidas em ttulos e contas de livro :ia im-
portancia de 48:S16730 pertenoentes ao espo-
lio de Jos Jacintho de Medeiros.
Ter^a-feira 2 de Abril
A's 11 horas]
Vo armazem ra Mrquez de Olinda
n. 48
0 agente Gusmao, autorisado por despacho do
Exm. Sr. Dr. juiz de dlreito do commercio, a re-
querimento do administrador do espolio de Jos
Jacintho de Medeiros, far leilao, com assislen-
cia do mesmo juiz, das dividas cima mencio-
nadas, podendo os Srs. compradores examinar a
relaciio que se acha em poder do mesmo agente.
Agente Pestaa
Leilj
Do importante sobrado de dous andares em
terreno proprio sito ra Duque de Caxias n.
46 outrora do Queiraado, servindo de base a of-
ferta de 5:55".
Urna importante casa terrea sita ao largo da
Santa Cruz n. 14, em terreno proprio, servindo
de base a offertade 3:850.
Terea-feira 9 de Abril
Ar8 11 horas
No armazem ra "Mrquez de Olinda
n. 44
O agente Pestaa vender por corita e risco
de quem perteoarv no ia e hora cima men-
cionados as casas acimamencionada*.
Leilao
De 5 meias aguas n. 2, 4, G, 8 e 10,
travesea da estrada de Joo de Barros
Terea-felra. de Abril
A's l horas
No armazem ra do Bom Jess n. 4g
0 agente Alfredo Guimaraes, por mandado e
assistencia do Illm. Exm. Sr. Dr. juiz de ausen-
tes e a requerimenti do Illm. Sr. cnsul de Por-
tugal levar a teilfi as ." meias aguas, perten-
ceates ao espolio do portuguez Manoel Gracahes
Ferreira. #_________
Agente Brito
Leilao
De I arniaco, 3 liteiros, 2 commoas, 3 mar-
queses. 1 mesa para jantar, 6 cadgiras de jaca-
randa, 6 carleiras .de junco. 1 guarda rouna, 1
esprepuicadeira. i espelho, 4 etagers, 1 jadinei-
ra de amarello, 1 estante, quarlinheira e cabidea,
4 quadros, 1 lavatorio com pedra, machina de
costura, I reloyio de parede. jarros, loura e mui-
tos outros objectos
Ao correr do martello
Terea-feira de Abril
A's 10 1[2 horas
Pateo do Terco n. 26
Agente Stepple
Leilao
Aluga-sc a casa n. 1 ra Lembranca do
Gomes, em Santo' Amaro ; a tratar na ra da
Imperatrirn. 32, 2- andar.____________
Alura-se o sobrado de um andar n. 17
ra da- Trineheiras, aluguel mensal de 30*000,
a tratar na loja do mesmo.'
Precisase fallar com o Illm. 5r. maior Jos
Marcelino Alies da Fousec actual fiscal da fre-
guezia de Afogados, na ra da Companhia Per-
nambucana n. 10 A.
Precisa-se de um caixeiro com bastante
pratica de padaria. o que se achaf nestas eondi-
jOes dinja-se a ra larga do Rosario n. 27.
Precisa-se de urna hrofessora que saiba
portugnez, francez, msica t piano : a tratar no
pateo da Penha, 2- andar, entrada pelo becco.
Precisa-se de urna cosinh^ira e de urna co-
peira : a tratar na ra da Soledade n. 82.
Precisa-se de duas amas para o arranjo de
urna casa de familia, na ra do Pies n 30.
AMA Precisa-sc de urna, para cosinhar:
na ra Barita da Victoria n. 35.
OITerere-se urna senhora para casa de ho-
rnera solkiro.ouviuvo, tendo habilitago de casa
de familia, prel'erindo pessoa de fra na cida-
de ; na ra da Roda n. 16, achara com quem
tratar.
E' incrive, mas verdade, Joao Mannho
da Rocha Falco fez urna hypotheca era data de
9 de Marco de 1878. e at esta data nunca mais
foi visto, mas consta ter nesta cidade prente.
Thom 'M.'iisto da Silva Villar. a^tnatTipn-
te na provincia go para liquidar st-us negocios e at hoje nada.
Joo G. dos S quando se resol ve lembrar-
se do seu amigo, que tantos beneficios Ihe fez
naquella data, conforme as suas cartas.
Joo Baptista Ferreira, morador actual-
mente em Olinda, fez urna hypotheca era 28 de
Dezembro de 1880 e al o presente nada tem
feito. ____
. = Desejando.se escrever ao sr. Dr. Lidio Ma-
rianno de Albuquerque, e nao sabendo se onde
esteja, pede-*e o favor de dizer na ra do Jar-
dim n. 46.
= Pela ultima vez pede se ao Sr. capitao
Francisco Antonio de S Barreto, em nome de
seu honrado pai, que acabe com aquelle nego-
cio que motivon V. S. passr o papel de venda
da parte do sobrado da ra Direrta.
"~ Epiplianio ila Bocha Wanderley, ehefe na
estaco da estrada de Limoeiro desd 1880 qui-
nao paga aluirueis dos trastes, e nem se quer
os reslitue.
Esta bem conhecida casa, previne aoa
seus numerosos fregneaes e freguezas que
contina a servil-os, como dantes, em to1
das as suas mais extraordinarias exigen-
cias, para o que substituio a sua antiga
armacSo por outra que mais expansiva, of-
ferece muito maior accommodacoes as in-
nmeras fazendas de que se acha hoje
provida, aonde s Exmas senhoras encon-
trarlo tudo quanto o rigor da moda exigir
para um toilette completo, desde o maior
chiquisme at as mais simples.
Venham verificar por si mesr
acreditarem.
Para a quaresma
Galdes, palmas e rosas de vidrilho. *
Bicos e seda e 'de algodao com e sem
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao.
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para bomem a 3#000 e 45000
a duzia.
Lencos de linho em caixinhas a 3j4a
dita.
Meias para hornera, duzia a 4i$000.
dem para senhora, duzia a 4iJ000.
Lindos Jeques transparentes de gaze a
WOOO um.
Grande sortimento de porta-retractos de
pellucia.
Finas -pulseiras americanas a 45, 6^ e
8dO(Xt o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno, de
2^500 a 35000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama a-
120000, 17-5000 e 195000 o par, alguna-
de cores.
Ditos para janellas a 75000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 o
15000.
Ditos para sof a 25000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de comprimento
a 45000.
Capelina coih veo para- noiva a 65000 e
WOOO.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e ele cores a 25000 a pea.
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos enxovaes baptisados a 85 105 e
125000. .
Toucas de setiin para baptisado a 35, 45 o
55000.
Extractos c leos de diversos fabricantes.
Linha de machina, ^claque, a 40 rs. o car
ritel. i*,
Lindos ramos de flores a 45000 um.
Collarinhos e pnnhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas.
Balcias a 28o rs. a duzia.
Pastas a 15000 e 25000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 25000.-
Arquetes para chapeos e chapelinas *
15500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 25000 o :
par.
Ditas de seda para creanca a 15000.
Dita para moca a (#900 o par.
Grande sortimento de jarros para toilette,
sanctuario e consollos.
Lindos len5os de seda, gosto moderno.
Grampos dourados para segurar cabellos.
Ditos ditos para enfeitar cabeca e segurar
chapeo.
Espartilhos para creanca a 45 e 45500. |
Ditos para senhora a 45, 45500, 55000 e ;,
65000.
Grande sortimento de sabonetes de 200 a
15500 um.
Estojo com faca, gario e colher, proprio
para creanca.
Bengallas coin flauta a 15500.
Meias de l para homens e senhoras.
Linhas douradas para fazer crochet.
Lindas fitas para facha a '2. 35 e 45000
o metro.
Lindos leques de setim para casamento.
Grande sortimento de leques de setim e
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 25000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas carteiras para algibeira de 15, 25
3 e 351600 urna.
Ra Duque de m\m u. 141a i
T
H.
Amia Joaquina BarboM
Francisco Antonio- da Silva Barbosa, e ausen-
tes Antonio Joaquim da Silva Barbosa. I). Jose-
pha Candida A Silva Barbosa de Moraes, D. The-
reza Candida da Silva Barbosa Guimaraes. I>.
Mara da Conceieo da Silva Barbosa, commen
dador Antonio Joaquim Pereira de Moraes, Jos
Antuiies Barbosa (iuimares. convidam aos p-
rente e pessoas de sua amizade para assistirem
a missa que inanSra celebrar por alma de sua
mai e sogra. que fallecen em Portugal, que mui-
to gratos ficaro s pessoas que assistirem a
este acto caridoso. que ter lugar na < onceicilo
dos Militare-, no dia 2 de Abril, s 8 horas da
manh.
t
Airer<- Joo Paulo \unrn de
IMM
0 clubEnsaioDramtico PaodAlhense manda
rezar urna missa por alma de seu sempre lem-
brado consocio e ex-director de scena. alferes
Joo Paulo Xunes de Mello no da 2 de Abril
De movis, espelhos, vidros e mais
objectos
I ria-felra. de Abril
* A's 11 horas
So 1 andar do sobrado ra ca Aurora n. 41
O asente cima, por mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito de orphos e au-
sentes, a requenmento do inventariante Dr. Alo-
xamtre de Souza Pereira do Carmo, do espolio
do finado Dr. Pedro Affonso de Mello, vender
em leilao 2 mobilias de Jacaranda cora encost
de palinha e consolos com pedra, 1 piano, 1
cama de Jacaranda cora cpula. 2 raesinhas, "
cadeiras de Jacaranda, de balanco, 1 dita de?;'
relio/ 1 secretaria de mogno, estragada
taarip de Jacaranda. 1 puarda-louca de >**
1 pequeo guarda-roraia, 3 aparadore>v/lav;.
lorio-de amarello. t*.tantede 6nrello>4 relo-, mPQt0
gios, diversos jarros, quadros c.m molduras i '^i
proxi.; futuro, trigsimo do seu prematuro pas-
samento, s 7 horas da manh, na igreja matriz
ara <
gosli
do Divino Espirto Santo de Pao d'Alho ; e para
assistil-a. convida a todos os prenles e amigo
do flnado, antecipando-lbes desde joseusiny
cero arradPcira"nto.___.__... '\f
f
lveo Ma-
Coronel nomina o
tneuN
D. Xtalia Mana Bamos e Silva o seus filhoii,
sogra e cunhados do fallecido coronel Domigos
Alves Matbeus, convidara aos seus parentes e
amiaos e aos do fallecido, para assistirem a
missas que mandam rezar s 7 horas, na matriz
da Boa-Vista, quarta feira '! de Abril, stimo dia
do seu falleeiraento.
t
Manuel Joaquiu* le Bai ros
Auna 1 fiereza de Barros e Jos Joaqun, de Bar^
rosagradeceni doiatimo d'alma todas as pessoas
que se diguaram acompanhar os restos mortaes
de seu nunca esquecido filho o irrno Manoel
Joaquim de Barros. De novo rbgam s mesmas
pfessOs. amjgos e parentes do finado para'as-
sistiretu missa do 7" dia, quarta-feira. 4 di-
Abril que maodsm rezar na matriz da cidaoV-
da Escada. as 8 e 1/2 horas ; pelo que licaro
eternameate gratos.
Coronel
Fabio Vellos
aos seus pay
^?Ira fcuerra
j >^or
y^egueira Duarte e sua mu-
Jwia fiuerra Duarte mand.ira
Xpela alma de seu prezadissuno
/ado cunbado e irrno Dr. Agrtsti
.^'Guerra Jonior. e convidam a todos
prenles e amigos para assistirem a eflse
_ -eliKio. que ter lugar na matriz da
Vista, s 7 horas da manh do dia 2 de Abril
Antoni
Iher D.
rezar
ae
(.loxima futuro (terea-feira) trigsimo do passa- stimo dia
Al ve Hulheu
re e. sua familia convidan)
Fe amigos e aos do coronel Do-
mingos Ax*neus, para ouvirem a urna mista
que m?^>Tf regar na matriz da cidade da Esea*-
.UA yfhora.^ da manh do da 2 de -> bril, seli-
o fallecimento de seu prezado amigo. De.-
r: j agradecen! a todos que se dignarem assn1-
tir a este acto de caridade.
Hanoi-lia Lint t'e*r le Mello
Antonio Cesar de Meilo, Anna Lins Cesa :
Mello Mattiias Luiz Cesar de Meilo (au*|
Jos Alcoforado Cesar de Mello, Wandre
Alcoforado Cesar de Mello e Amelia AlcoiS
Cesar de Mello convidam aos parentea
pessoas de sua amizade q_-e se di""
pandar ao cemiterio publico i
restos aortaes de sus prezada ;
Manoella Lins C
5ue mandara ct
e Afogados,no dia M

falle
pelo que s?
/
/

l
\
;
<
.
1
4



'T'X

Fernambuco- -Domingo 31 de Margo de 1889
V<

Ub.*
combate
COM
ef()eitii
AME
a ** ee oto a do** goit*-' t c\.Ja rofeicho.
STa atrasar
oiapobreciraatc
imiiaco**.- Safifl a fin
**?&
I
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------:---------------------------?

-
I
HERMES DE SOUZA PEREIRA & C.
5
I Acaba de rpbrir-w esta importante pharmacia sita a ra do Mrquez de Oliiifa n. 27, depois de ter
passado por urna transformaba completa. Est em condi^oes de satisfazer todo e qualquer pedido, nao s concer-
Dente manipulado do .rece itu a rio. como a venda de preparados nacionaes e estrangeiros, dos quaes a casa se acha
rigorosamente sortidh.' '
Esta ca*sa sendjp por demais conhecida pela sua seriedade, os seus proprietarios esperam do distinti corpo
medico e da populado em geral, a coDtinuacao da proteccao que sempre lnes dispensaram, para o que empenham
& reconr (cida leadade com que costil mam tratar os negocios de sua profissao.
xacoeaaxvxDss oooe sorrzA DPoex^KXDajK. & c. successores
I
ENGENHEIRO E CONSTRUCTOR i

C 41
DK
MOS lK FERRO
ROR&RTO WESS
FKANKJPORT S/MENO
(Estabdecimento especial por Ibmecimehlo do camin|*o> ac transportareis, e fixos montados completos para posicao e manpijo e
asisro como
rado

' ADEIRLNHA CM RODAS, VAGONETES, DE
TAIPAES LOCOMOTIVAS, GRAS, ETC.
Pinoso: agrigola, plantafSes, rmateos, minas
industrias, selvas c campos militares, etc.
EiPOHT!

De sabor mui itgradavel, o VINHO do Doutor vviEN re-
ceitado por todo? o* medicas para o Raehitittno, Escrophulas, Anemia.
lfal**tima de Peite, Catarrhe pulmonar, Debilidad, etc.
t.VXVIET JKi O". BO. Boul0vmrd d StraaAir KANANGAdoJAPAO
RIGAUD y C, Perfumistas
PARS 8, Rae Vlvienne, 8, PARS
**-*-*.
A (AgVL de ^aiianga, a locSo a mais refrige-
rante, a que mais vigor d pelle, e que oais branquea al
cutis, perftitnando-a delicatamente.
,Extr(lCtQ de KaiKing, suavissimo e aristocrtico,
pAfraflM para o tonQfr.
QleC di (Kananga, thesouro dos cabellos que abril -
hanta, faz crescer e impede de cair.
Sabonte de Kananga, 0 mais agraoave naci,
conserva cutis sua nacarada transparencia.
(S de (KaiUUlga, branqueao a tez dando-lhe legante
cor mate e a preserva o de sardas.
Depsito nos principies Perfumara*
Para a -cura effitax i firatopta das
Molestias provenientes de im-
pureza do Sangue.
E' urna loucura andar a fazer expe-
riencias com mistaras inferiores com-
postas de drogas ordinarias ou de plantas
indgenas cuja eficacia nao confirmada
pela selencia, mquanto que a molentia
cada ? raiganhando terreno.
Lanccn roao, sem demora, de unj re-
medio garantido cuja efflcacia seja facto
assipnalfulo e inquestionavel!
O EXTKACTO COMVOSTO CONCENTRADO
de SALSAPARRn.n* T)F. Aykr conhecido
e recommendado pelos mdicos mais in-
telligentos dos paizes adiantados, j
durante 40 annos,
Centenas de mil liaros de doentes
tm colhido beneficios do sen emprego e
sao mitras tantas testemunhas da sua
efllcaf la positiva e ni omparavel.
raaTARi do rtxo
DR. J. C. AYER &. CA,
Lo well, Mass., Est*-Uaidos.
deposito *"-*
INFALLIVEL e RADICAL
no corativo de todas-as affeC^qes bronchiacs :
Mal de Garganta, Tosee e Tsica
PEITORAL
N-.
y
*
l
De ANAGAHZTA
Remedio V^etal i
I da INali
vio e curiJde Todas as mol
;urcza para o
'estias
Do Poito dos PtUmScs.

lug&r'se
o 2- andar d casa ra da Aurora n. 8t, junto
a estafio da estrada de ferro de Olinda, com
frandes comaodos para familia, gae e agua en-
canados ; a tratar no escriptwio de Sebastiao
de Bsrros Harreto, rea uo Bem *esue n. 16,
primeiro andar. ,
Aluga-se
(i 2- andar do predio n. t, a ra Marque
Olinda : a tratar no 1 andar da ra fars
Rosario n. 22.
:z de
arga do


PiM^tt
ES

Recebedores directxos dos mercados da Europa
aquidam osseguintes artigos com descontxo de 14 [o as
vendas em grosso
Bramantes de aSgodlo superiore, a 800 rs. o metro, 4 larguras.
dem de puro liho fazenda de 25200 para acabar a 105OO,- metro.
'.loalbado alvo, duas larguras, a 700 rs., 10100 e 141200 o dito.
Algodito alvo, nacional, para lencoes a 55500 a peca.
Madapolao americano, a 35600, 45000 e 65000, com 24 jardas. .
Mariposas de cores a 220 rs. o covado.
Chitas claras e escuras, edres firmes, a 200 rs. o^ditc.
Bat3tes idem a 120 rs. o dito.
Zefiros de qnadrinhos, a 80, 160 e -200 rs. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 rs. o dits. R
dem de quadros modernos a 280 e 300 rs. o dito.
Fichsde renda chics a 15000.
Ichas trancezas de cores a 25000 e 45000, tuna.
Lencoes de bramante a 15800, para cama de casal.
m ras de cores para roupa de enanca a 1^000 ejl500, diagonal, duas
sas inglczas e Irancezas a 265000 e 305000^ duzia.
Tapetes aveludados. grandes, a 145000 um.
Onrtinr.Hos ricamente bordados a 55500 e 65000-
Pannos de cSres para mesa a 15100 e 15300 o covado.
Cheviot preto e azul, a 35000 o dito. '
Urina pardos e de cores a 280 rs. o dito.
fKlhos de-cores < pretos a 900 rs. o dito
les austriasas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.
^etins de todas as cores a 900 rs. 0 dte.
-. .,neias lavradas"200 e 246 ra. o dito.
V.) icas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito,
'ueias cruas inglezas para homem a 25500 e 35000 a duzia.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 125000 e T65000 4ip/.
Cortes de easemiras para caifa a 45000 e 65000.
dem de meia casemira a 25000.
Toalhas grandes para rosto a 45000 a duzia.
dem felpudas para banho a 125000 a dita.
E ro'iitos artigos que serlo lembrados com aprsenla de noss 59Ra* Duque de Caxias59
LOJA de
PRIEA lAfiALHlES
INJECTION GADET
Cura certa em 3 das sem ootro medicamento
PARS 7, BotUmrard Mfenni*, 7 PAH1H
Depsitos em todas as iniitltitliii Fharmaolaa e Drogaras.
VA'.\ A SEMANA SWT.A
ACABA DE RECEBER
> LOJA DAS ESTRELLAS
:k e m -Raa Buque de Ca\ias--ofi e 08
assimas capas a peilerinas a 105000 155000.
-y.rak da seda preta a 152(>
de seda, superior rundid-
'talte preto, ulti. 'ade, ap| ^^^1
s preta8. desen
h ^mi^ pretas \ *ei* e lajead.
P'itas hespanholas a 350"'
"Ibas hwpanhoanjvid.
utr.is Wiiog artigo* propri* para a
jgMiinaua e a leituraWo nosso annunf
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HCLLOWAY
Ai Pilulas purifeio o Sangue, corrigen) todas as Jesordems de Estomago a
dos Intestinos.
Fortatocem a saude das coastitas peculiares ao sexo femiiiino em todas as edades. Parces meninos assim como tambem para M
pessoas de idade avancaHa a su.i A. ii e inconteslavel.
Easas medicinas slo preparadas smenic no Esu^ticii ;ien:o do Professor Hollowav,
78 VR-W 0X7 0BO vrvrrr im*-.1*f-*.-?.-, -- wT>^r-
. ^ "ff "" ~-' -~ -- >, venciernse em todas ss onanKc^ls do universo.
T Os corapcadores *m cooridados respetosamente a examinar oc rtulos de cada caixa e Pote se nao teCS 2
drec^ao, 533, Oxford Street, sio :alsif'caoes.
Alug-ue barato
Baiza Verde ns. 1-Cel.
Hua Visconde de Ilaparica n. 43, armazem.
Ra Visconde de Pelotas n. 5.
Largo do Corpo Sanio n. 13, 2o andar.
Hua do Bom-Jesus n. 57, 3 andar.
Ra do Calabouco n. 4 loja.
Ra do Coronel Suassuna (quarlo) n. b.
Ra de S. Jos n. 74.
A tratar ra do Commercio n. 5, andar,
escnptqrio de Silva (Juimaraes & C.
Precisa-se de urna ama perita eugommadeira
a tratar na traversa de Joo de Barros n. 45.

.
AON. 20
JUNTO

Gazes de cores a 500 rs.' o covado.
FustSo branco a 360 e rs. o covado
Brins,de cores a 2>i0 rs. o covado.
Baleias pretas a 2tjO i rs. a duzia.
Colchas de cores a 25 e 35000 urna.
Cumbraisis bordadas a 45000 a peca.
Luvas de seda a 25 e 20OO o par.
Lene*- brancos a 15200 e 15800 a duzia.
Cretones de Alsace a 3fiu rs. o covado.
Atoalhado bordado a 1^200 o metro.
Brlm pardo a 280 rs. o> covado.
Linhos de quadros a 280 rs. o covado.
Bramante trancado a 800 rs. o metro.
Espartilhoscouraca a 55000 um.
Chales adam aseados a 25500 um.
Cortinados bordados a 65000 o par.
Merino do core, a 500 rs. o covado.
Ceroulas de Mamante a 145 a duzia.
Madapolao americano a 6O0O a peca.
Chachemiras lisas e listra de combinacSes
a I52OO o covado.
Cambraia Victoria a 25900 a peca.
Bramante de linho a 15700 o metro.
Toalhas para banho a 15500 urna.
Tapetes grandes a 135000 um.
Ceroulas de linho a 345000 a duzia.
Cretones francezes a 400 rs. o covado.
Leques transparentes a 25500 um.
Alpacas de quadro a 600 rs. o covado.
Camisas brancas para meninos.
Sahi'"' <, do baile a 15000 urna.
Cretones de cares a 240 rs. o covado.
Percales fi as a 200 rs. o covado
Nansok cores tixas a 240 o dito.
Las escossezas a 260 rs. o dito.
Alpacas indianas a 320 rs. e covado.
ra Primeiro
, CASA DK iO\p|l"\V
AMARAL
A O LOUVRE
Popelina branca 800 e 1 5000 o cov ado
Poicos matisados a 25500 e 35000 a peca.
Panno da costa adamascado.
Regatas de cores a 15000 urna.
.Sargelun de cores a 200 r. o covado.
Crenolina, preta e branca, a 400 rs.
Chambres, de crep a 55000, 165OO um.
'achemira;. de quadros a 260 rs. o covado.
Guarnirlo de crochet com matiaes.
Grinaldas para noivas.
Setim de cores a 800 rt. o covado.
Cachemiras de duas larguras a 800 rs.
Cortes de linn em carto a 105 e 125000.
Camisas alkmaes a 365000 a duzia.
Cachemira 'de duas larguras a 800 rs. o
covado.
Linn de cores a 500 ts. o dito.
Linhos de quadros a 80 rs. o dito
Bramante trancados a 15000 o metro.
Meias para horneas a 35600 a duzia.
Guamicao de croch'., brancas.
Extracto Port-Veine a 15400
Alpacas mescladas a 600 rs. o covado.
Entretella para camisas a 800 rs.
PAEA A UAKBSMA
Merino preto de 800 at 15800 o covado.
Setius .pretos de 15000 at 15400 o dito.
Crep mglez (de seda) a 25000 o dito.
Fichs t Lut"s' pretas a 25500 e 35000 o par.
Cheviots pretos a 35000 o covado.
Casimira preta a 25000 dito.
Renda hespanhola a 35000.
Bicos pretos, todos os precos.
Regatas pretas a 15560 urna.
Amas
Precisa-se de duas amas, sendo urna para co-
smhar e outra para ensaboar e mais servicos de
casa de familia : a tratar na ra do Hospicio nu-
mero 41.
itmatll~-
Ama secca e cosinheira
Precisa-se de urna ama de leite, urna para
cuidar de changas e outra boa cosinheira, paga-
se bem : a tratar na ra Barao de Tacaruna n.
23, ou nta da Madre de Deus n. 5, Recife.
Cozinheira
Precisa-se de urna ama que cosinbe bem, para
casa de pequea familia, que durma em casa
dos patres; na ra Conde da Boa-Vista n. 24-F.
portao de ferro
Para a quaresma
ALTA NOVIDADE em sorahs feilles, setim
merveilleux, ottomanes e sedas pretas de Lyon,
rendas e bicos, escomido sorlimento em palmas,
guarnices c pellermes de vidrilho preto ; na
ra Bario da Victoria n. 15, sobrado.
Atelier mdame I muy Silva
MODISTA E C0STUREIRA
Tdephone n. 93
Professora
Urna senhora competentemente habilitada, com
urlica de 11 annos de profissao, presentando
diversos attestados de bom inethodo e compon
ment, offerece-se para leceionar em casas pa*
ticulares, na cidade ou em seus arrabaldes as se-
guintes materias : Portuguez, Francez, Italiano
Geographia, Piano, trabalhos de agulha, etc.; a
tratar na Visconde de Gojanna n. 69 ou em
casa do Refrulaoor da Marraba roa larga do
Rosario n. 9.
-----------------------------
TelegTamma
Vejam e admirem!
S o 55 ra Duque de Caxias podt
vencer pelos precos que abaixo' mencio-
namos. ,
Amor da China, novidade em padrSes, a
200 rs. o covado.
FustSes brancos a 360 e 500 rsC o ce-
vado.'
Velbutinas de todas as cores a 800 rs. o
covado. E' barato t
Casaos e capas para senhoras, o rpe
ha de mais novo e barato.
Cortes de seda, padroes lindos e prejos
razoaveis.
Madapol2o com 1 metro de largura a
65 a peca.
Zefiros a 80, 170, 200, 240 e 400 rs
o covado.
Ditos-bordados a 800 rs. o covado
Tecidosvarrendados a 400 e 500 rs. o
covado.
Brins de cores a 320 re. o covado.
Cortinados de crochet, cousa chic e
prego barato.
Cambraia Victoria a 25800 a peca.
Dita batista a 120 rs. o covado.
Sargelins de todas as cores a 200 rs. o
ce-vado.
Guardanapos bons a 15800 a duzia.
Las modernas a 240, 280 e 320 rs. o
covado.
Rendas hespanholas a 25 o metro.
Luvas de seda a 25 e 35 o par.
Espartilhos couraca a 45, 55 e 65 um.
M*ins preta *> da .eres, urna varie-
dade immens era precw r qualidades.
Setns de todas as cores a 800 rs. o co-



.


,


M W
C.
Capsulas
IWathey-Caylus
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montycn
j As Oapsu'.as ;'.. hey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten nao fatigan nunca
" o,e?tcmago <" ommendadas pelos Professores das Faculdades de Medeclna e U
ledicos dos ilo.-pilaes de Paris; Lonnres e IfeNv-YcrK, para a cura rpida Aos.:
Corrimentos antigosMu recer.tee, a Oonorrhea, a Blennorrhac-ia, a Cystit|
gn ^ollo, o Catarrho e as T'c'.sstia da Bexigas e dos orgaot aeniU rtartf.|
.....V-.r. ^,.3A;.
comptnh cada Frasco-
Verdaderas Capsulas jlatha^-Gaylas de CLIN fe C'*, de PlMS,

Droguistas
m
e Pharmaceuticos\
aaaiH3Ma*BiBvr
.y^

SqtSAUDEcrDTRANC

IONE fro
rWo
(U.1CK
^
"
r.T
fOA OSRL DK HYOIKN'K DO IMPERIO DO BRAZ;_
hioo* Purgativo, Depurativos
strucs&o, a Enxaqueca, as Vertleeria,
- ose ordinaria -. 1, t a 3 graos.
ielr o rotulo irnto imprimlclo em francs
0 Cilio di Hite-* doi FWieantet
'. ia J |: rOtttm rkUaUOtl.
Um moen habilitado [.rcyie-se aleccionar pri
meiras letras,pbrtuguezt rraniBratifa >' theo-
ncami-nie e anthrnetica, em >prjni*r nnit-n^o.
Para inforiniujOes dirijam se ;i ra Maicillo Das
n. 81, i.siri,.lorio* ou a ra do Imperador n. 81,
! andi-. jiscri.-'tiKn (sala ih- ictrax).
^ :';"!;i a vnpor
Tem para vender diversas balancas sendo urna I
nropria para engenhos contraes ou estradas de
ferro, por ser de grande forca do pesa Temdi
versas bombas grandes de differentes modelos
Tndo se vende por precos commodos.
Professora
Urna senhora competentemente habilitada pro
se a leceionar em collegios e casas particu-
s aa seguintes materias : portuguez, francez,
msica c piano : a tratar na ra Visconde de .nl-
buquerqu" n. 20.
Guide internacional
rope
disido em portuguez, em francez
D'Europe au Brc4let la Plata
idigido em portugu
ric-t', iadMpeaaaTel para
Estejr
o en n
viajante, tanto da Europa para oBrazil. cmo
as costas do Imperio e do Rio da Prata, encon-
tra-se as casas sepuintes :
Sulzer Kauffmann C:34 ra Mrquez t
Olinda. rJL
Charles Pluym C.a| ra do Comnjerck.
F. P. Bovlitreau. 46 rila do Imperador
Francisco Soarrs Oui'ito* 4 mr> - vado.
Toalhas felpudas, grande reduccSo em
precos em vista da grande quantidade.
Enxovaes parabaptisados o que ha de
mais moderno e por pouco preco, 105000.
Colabas de crochet muito chic.
Camisas inglezas com e sem collarinho.
Atoalhado para mesa a 15 e 15800
muito fino.
Collarinhos e punhos de linho e algodlo
e por prec barato.
Babados e entremeios, grande sorti-
mento.
Madapolao pelle de ovo por 6$ a peca.
Esguiao pardo e chumbado a 400 rs. o
covado.
Urna grando variedade em lencos.
Gravatas e meias para homens.
Cretones para coberta o que ha de mais
barato e bom.
Mantilhas de renda a 55 urna.
Leques de setim muito chic.
Lmon bordado com quadros a 800 rs. o
covado, muito bonito.
Chitas escuras e claras a 240, 280 e
320 rs. o covado.
Crotones trancados, finos, a 320 rs. o
rivudo, para acabar.
Casemiras de cores e pretas um grande
s.i-i.niento em qualidades e precos.
Casinetas, o que hade mais .bonito, a
400 e 500 rs. o covado.
Tapetes grandes e pequeos por precos
razoaveis.
'Crinoline preta e branca a 15600 o me-
tro.
Brins pardos a 320, 400 e 500 re. e
covado.
Cortes de vestido de cachemira com vi-
drilho o que ha de gosto.
Ditos de linn para vestidos bordados.
E' barato.
Cambraia branca, bardada, o qae ha de
mais gosto e por preco razoavel a 85000 a
peca.
Dita com salpicos a 45 e 55000 a peca.
Colchas argentinas a 65500 urna.
Dita de 25, 35, 45^e 55000
Bramantes de algodao, e linho de todo
os precos.
Grande sortimento ero fichs de cores
c pretos.
rinaldas para uoivas. ;
al e leques para noivas.
de cores muito chic.
u dq que acabamos de annunciar,
u o urna quantidade de artigos qu? so
-se, se acredita, pelo /que pedem que
arecam.'
T)e-se amostras cz;; penhor.
4etinetas lisas de todas as co>
ovado. Sao nvr+o largas.
,i ta e por modida.
a Duque de caxi
TOMWfcS DE AZEVED
\o cDinmen







Attengo
^^^tem <:do possivc-l encontrar con
iMaooel TiTqi- raujo Saldauha, .peil
a este stbor 3 bondade de res .-i r quellc
1 gocio.

ria
^^feoota .1 qii.-il
^os dundo garanta
^B'a nesta typographia

K
f
no mu:
v* ni.ffv
'*-%


1
--j mam l
-*\ MHTILAW t
s.


t

?
Precisa-se
dt urna seniora de dde de borra coslumes de
familia, que seja -ruerno de sua
coaducta. para fazer co nbora
casada : a trsrar na ra Duque di' Cavias nuroc-
',sp77-A, loja.
pt n
ASTA
Rplcncti*:
ie8 tabtiiiha") v i
nin aovo mara-
vilfcJao JfeMdo;
baako dlkio
hyiriNilfo. e W
txcellrate -
toataor. *
Es. ;.
f'/.H 1 -
versa!. ubi*iuo*r& i
Jtiailia a 'ul
como rtfra^B^BH
arprrt lodo <|ia*ti:
Jo poahere .1 1
rato*.
Typo alt e LilUg.aphia
FABRICA D.S LIVR03DE ESCRIPT-
RACaO
Premiad* uas expolie5c* de
*S* e IHS
flftfe! J./le Miranda
em. cartoes de
3RBiiai fiijiw de toias-Sf,
Telephoaeri. 194.
m
o de Pernambuco -Dontiniro 31 de Marco-de 1889
Boa cTgommadeira
Na ra do Sebo n. 22, precisase de urna boaj
naimtoa icMiuMr ."#- S**r:.'i C'.
Bolsa perdida
Pttle-si -ou que achou
uiaa bolsa de cauro'nrt. coofendo grande por-
lo de contal'e bilbcts,.\ favor de leval-a ru;i
do IiiJi-rador n. !, quesera gratificada com ge-
.i.ule. B
N*mc;i atW
de Cambar a.
casos, durante
Oo cffcit. a, do Pwit.tm! J
uiestani-se, na rpainria dos
o uso d' -o.
Este remedio c efficaz para as nfermi-
FrmiaSepil. da Silva Agentes tfai Peraainbuco.
WM*
P OL.CRV
InjecQo de Grimauit e Ca
oom o M TICO
ptU Job fc llftoBi di liMa-JtMirt.
Preparada coc afetelbas do
Matloo do Per, que lo po-
pularas para a cura da, bien-
norrhagia, esta injccio ad-
quiri em pouco tempo ama
reputacio universal, sendo
inteiramente inotTensira por
conter apenas vestigios de
ses adstringentes, que se en-
contrlo em quant idade em ou-
tras do mesmc genero. Em
das ella supprme os oorrf-
mentos mais rebeldes e dolorosos.
Deposito em Paria, 8, rae Vivienne
poucos
enabainTFdeirsi.
YioMi puro.de Sanlareni
Da Quinta do Barral
" Cliegou a pnmeira remes.-u deste especial vi-
nio pera o Armazern .ftentr.il de gneros alimen-
ticios a ra do Cabugan. 11. o qual se torna re-
oomraendado pela sua pareja e boa qualidade,
manda-se em cata dos distinctos fregueeea livre
de frete. para qualquer oooto da cidade.
Riia do Caong n. I
,Telephone n. 447
Joap.ni Christovo & .
VENDAS
Vente-
Avi- aos tSrs. marchantes
No engeuho Sete Ranchos, freguezia da Esta-
da, existem 40 bois gordos para seren ven-
didos, quein o? quiz-'i- comprar, poder ir vi'l-cs
e cntender-se com o Barao do Limoeiro, no seu
engeuho Penaiiduba. em Jnboatfio. Ksiio ex-
collentes para o ai.ougue, e pivti-re-se a quem
o.- (;omi>rar todos.
Mdt-u
\
AIS DE 10:000 CIRAS
xosts so a22K::..
JDORSS'E eDENTE>
PBEPAEAfXI UMCAMESTt
f'iR CALASAJfS & \XA BAHA
Medicamento heioico contra os rheuma-
tismos, mcfcs^oet. dorcr aciatica-, nevra!
gi; -. dormencid, ^et-, empregai/do-se eio
fomcnta(3e6 sobf- os lugares affeetadas
Cura o bcri-beri, as parfJj'iaa e as dore?
de dentes.
Todos os frascos JS^ai direc^oca par*
uso d'este medicamento admiravel.
Pejso X200. Dcseoiito ia^iima duzia
em oante.
DEPOSITO NO REC3rF
Francisco Manoel da Silva & C. fia
Mrquez de Olmda u. 2'<
Criado
cisa-je de um criado : ^ n. do I
MEDICAMEITOSOS
i* ORIMAULT t>
SAIOHf TE SULFUROSO contra m **-
oulhat, itmanchat e as divcrtai irup-
cssv im as Minifartfci n- pstta
SAS0NITE SOLFURC-ALCALIH0 cha-
mado saboneta de Utlnerick, contra a
Mrna, a (mAs, mcUhas escamota a
pilyriau do cooro cabellac.
t ARMETE oe ALCATRO d> NORKRA
empregado nos mesmos casos que o pre-
cedente.
8AI0METE 0| ACIDO PHERICOpre-
terrativo e anbepidemieo.
SAI0RETE de ALCATRO coa RORAK
costra as afcecoee cnlaneas, enronieasoa
lifeir, smu de leite, dartroe, edema.
Bspsaitoem PAJU8,8, ras Trrienna.

ro 19.
Co
ieiro
ro : na ra do Pav.
Cosinheir:
Precisa-se de u a aue co*
stnlie bein no 3. andar, d^
typographia do cDiario,
. _.. -------_
< aulellas do Monte de Soeeorro
Compra-se cautelia; doM,:.' e Soccorro de
qnalqoer joia, brilt.anies e reojdos: paga-se
bera na Pra^a da iepecdi; ,- n. 22, loja de
rHojoeiro. ^ '
Prt-i isa-acdeaflaj
ad n. sf>..
Manoel da' unlia Lo^Hredou o mu estabele-
to de fazenas pst^p novo predio a> St> da
ru. Mrquez de Ofloda. corrti.'uo a antiga Asa
P
Jfc-. l35or
.a naincre l'Aailayt me ysiienaque ca*
i Le Yvril quifo lapa i Xeoquia Pe _'
S\c- ko ebibe aquei lasquar nov HR
v- leja lakli v y' quarbe. **.
N'relapa-se lapamobim bo ynko peyhiquarlos
a lsro Irogerto. rRo udlit quo kaes xonquice-
oais quozre osre meeoz. Osme quo jepelos
seise- Obeis Ixraba a reo libreto.
10-3-89.
Aos astlimaticos
Se padecis de asthma, usai o T'eitoral
de Cambar, que f remedio de efl'i
surprehendente8 e duradooros.
OSPHATR BE FERRO
de LERAS, Doutor em Scienciaa
narsndo pa/a Juna t* H/flens do Rio-dt-Jiniln.
Este ferruginoso o nico que
ojtm em sua composrao os ele-
u. 'ritos dos ossosedosangue.E'muRo
i fliiiaz contra a anemia, ipobresa
do sangue, as dores de estomago,
pallidez, as perdas brancas e as
'Sf^6 IgSSa^Pplo^l'
speoto e pelo seu sa^r, sernpre bem
acceito pelo estomago, > umito acon-
selbado pelos mdicos, s senhoras,
s mocas e s creaiy-a. delicadas.
Ba TARIS. S. Ru Vrienne.
Ao commercio
Os abaixo assijmad fazem ciente ao publi-
co e ao commercio que nesta Jai:', comprarain aos
Sra.Jos de Almeida & >.. -cu eslabi-lecimen-
to de motilados roa da Palm.' n. 71. livre e
(lesenil-aracado de qualquer bito.
Recife, 27 de Marco de 18?'J *
Joaquim Fpr*eira C.
F0LF5T1M
MI
POK
pa:: ixwm
Introduzido bo recinto lo t-'bunal um in-
dividuo idos, de porte e maneiras per-
ti.-itamente distinctos.
Era um medico dos mais considerados,
e desde Ionga data afamado pelas suas ex-
periencias tio originaes f|)ia.ntu curiosas.
Sr. presidente, dis^ "!e, sou co-
nhecido do Sr. Marais, cile da seguran-
5a, em cujo gabinete ti ve j Tlonra de
apresentar-me ba algiim tempo.
Para trata'- de aasvannios relativos a
este procesao ?
Sim, senli'-r.
\
M0GKNTK 0 CULPADO ?
(C o n t i b a ac 1 o do n. 7 2)
capitulo xr
% hora <.porli
E entretanto nSo se achavam anda ter-
minadas as sorprezas, e pareca qnk.'ati''
a ftm aquelle singular proesso devia al-
vrotar e impressionar a todos.
eabava de" dar-se urna supensao da'
*e**o antes de tfvir-se a replica do pro-1
mot-i-, e o Dr. Leval voltou para a sua
tribuna absolutamente preocupado e toma-
do de urna exaltacRa que estava rauito lon-
ge de ser natural.
Pedio a p/davra e dejam-ln'a.
Julgo, disse elle 'in primeiro lugar,
com o admiravel timbre de voz ardente c
sympathio, que repercuta cm todos o
corac^cj, julgo. que
Uk) iincero do ^
,fier
a ve. nder.
ves atollo ein soffrido
da horrivel accosaclo
. para que o dever
era luz tSo completa, to br-
,to possivel ; para que todos os nos-
<>s n5o tenham po*iii
pleta, aem a son

a miu-

PSr que n3o veio mai- cedo
t- Ausentme de Pa-;z muito
do-
Contine.
A mea ver, proseguio elle, trago-lhe
a luz.
O Dr. Leval, apoiado ao parapeito da
sua tribuna, nao perda do vista o medico,
e pareca escutar com angustioso inte-
resse a mais insignirica:;:e das suas pala-
vtas.
Toda a luz, torno.i o magistrado,
talvesrexagerar. Em todo o cafco, vou for-
necer a V. Exc a prova flagrante de que
o aecusado innocente do horrivel crime
que lhe imputam.
Um profund movimenti> de curiosida-
de percorreu a multid; .
O silencio restabeleceu .e, uao obstan-
te, completamente, emquanto o presiden-
te, com a sua voz mais mota'liea do que
nunca, dizia :
Vejamos a prova.
Ha alguna annos, cnntjnuou o medi-
co, viajei muito na AMfeu~. sio'da travar conheci'.i'uto intimo, na
Ba viera, com o celebre Lr. LYuner* que
por muito tempo fui pro fu de anatoiuia
e director do nospitel ri' r do Cairo. U
clima ,do Egvpto, p
sade, e elle teve que ara a Euro-
pa, onde i- >ntina r^pfc suas ex-
l.s -1 O settso
1 illu.tr" oa ja. e o I>r.
..^rle Etuno^-
de te

k -ber de um houvB^^H
-*^v y .vel ura pedido para ser ou
;*~db
dente a tineza de defe
^pv
toi
al vez
o a V. >;
U6 qj
Inte 3
Prun.
periencias ex
u potv
iieaj3epa-
tlas erapra-
ifica un i ver-
se e 0 barata a armatao, balaba,
pozos, medidas, cauteiros e ura ptcellente ba-
nheiro He urna so pedra, a casa lm commodos
para familia e agua encanada, a tratar nu mesma
ra da Sania Cruz n 5.
Pao centio
Mello & Biset, Ervisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
ooroso pao ; roa larga do Rosario n. 40.
Continan, as pechinchas
A' ra Duque de Caxias n. 4
N'este mu acreditado cstabelecimento
de fazendas finas, continan! a ofterecer as
mesmas vantagens, vendendo por menos
30 0[" do que em outra qualquer casa.
Como sejam as seguintes fazendas :
Cambraia com salpicos broncos e de Crfs,
muito fina com 10 jardas, a 45 duiI
Cortes de meia-casemira, cores fixus, a ,
2)5000 um.
Cortes de casemiras, finos, padi-oes moS?r-
nos, a 45, 5-5000, 60OOO e 70O0 um.
Cortes para vestidos em cartSo, todos os
aviamentos (novdode), a 75, 95, 10:5 e
125000 ura,
'Pannos de crochet para cadeirc a lwO e
para sof a 25000 um.
' Capellas' com veos para aeivas a 85000
urna; pcehincha.
I Setineta branca lisas e lhviadas a 440 rs.
o covado.
1 Setineta preta lisas e lavradas a 440 rs. o
dito. r
Mantillias pvetas de seda a 55 e 75j^ma.
Cobertas de ganga para cama de casal a
25S00 urna.
Colchas brancas c de cOres a 25, 35, 45,
r>\ (jf> c TtfOOO um.
Cambraia preta paia forro a 15200 a peca.
Cambraia preta, nansuck a 160 rs. o 00-
vado.
Algodosinho muito largo a 35500 e 45000
a peca.
MadapolUo especial com 24 jardas a biX)
e 65OOO a peca.
Esguiao para casacos a 35200 a peca-;
aprVeitem.
Brim hollanda para vestidos cu guarda!
pos a 400 rs. o covado.
Las modernas de listas e miadros a 200,
240 e 28 rs. o covado.
Fechs de rctroz com palmas de c
pretos a 15000 um.
Fiehs de la, todas as cores, a T540Q,
25000 e 35000 um.
Seda Alcacanna. padrSes escolhidc* (phan-
tasia) a 240 rs. o covado.
Espanlllniv Uv dbun^ll, fldtffi a *5,
e 55OOO um.
Merinos pretos finos a 700, 800 15000,
15200 e 15500 o covado.
Camisas francezes, puro liuho de 605000
a duzia por 485000. *
Toa lias acolchoadas a 120 c 2X> rs. tuna
(s se vendo).
% na loja da Rcvoluco
DE
HENRIQUE DA SILVA MORE IRA
Gi) prete saperior
Carlos Sndc:
gnezes em geral que recebeu pelo ultimo
vapor cha preto novo a superior que ven-
de por precos mais resumidos em -vista
da continuujito do cambio favoravel.
Convem que experimentem.
4*RUADOBAr;AO DA VICTORIA 46
Assucar
Usina Pinto
Santa Filn ila
Colonia Isabel
Na refinacao Salgueiral, ra Mareilio Bias
nuteero 22.
Assucar refinado
especial, o melior que se fabrica nesta cidade.
J0AQUIM .sALGUEIRAL & C.
Ra Mareilio Dias n. 22
Telepbone nnmrro 445
FarinLa a 500 rs. a cuia
Veude-se no largo do Mercado n. 12.
vou que cabellos de cor e aspecto absolu-
tamente ideticos differiam esscncialmen-
te ao microscopio, conforme o individuo
de cuja cabeca tinhain elles sido corta-
dos.
Um grande estremecimento agitou mais
nina vez a multidSo. ,
O presidente, vendo o interesse profun-
do que se ligava s palavras do medico,
perguntou:
Com que fitn. vem o senhor dizer-
nos rudo isto V
- Com o sabio Dr. Latteux, oceupei-
me destas cousas, que me apaixonvam.
Ha muito tempo digo commigo que tasa
deseoberta viria prestar grandes servcos
medicina legal. ltimamente, lendo as
noticias deste processo, VI que tinha sido
encontrada urna mecha de cabellos namao
da victima.
Pensando que era esta orna occasiilo
nica para fazer a expereiqia das minhas
theorias, obtive do chefe da seguraaca al-
guns desses cabellos ; consegu igualmen
te alguns do Sr. de Sames, e comec^j as
experiencias.
E concluio i
Que as das especies da cabellos,
sobre as quaes operei, rJSp tm nem o
mesmo bulbo, nem a mesma Lastre. Exph-.
come : no centro do cabello exisibs um
canal, vjsivel ao microscopio sraa^p, e
que para o cabello o que a dMdula
para o osso. Esse canal diaphaao no
louros, mais o menos cheio nos fcenos
da Europa e absolutamente opace nos ne-
gros. Alera disso, conformaba raca, ca-
bello chalo, oval ou redondo.
Pois bem. nao smente os cabellos que
analyse n3o se pareeem entre si, ,'jnas os
do Sr. de iaurae sao tSo ovaes enrao os
tem de ordtfiario.os europeus.
O senhor certifica isto ? pcrgrthton o
presiden*
Sim. debixo da mlnka^nlr.vTa da
ii^nga c pela minlia onnstHRia. oerti-.i-
(^-O, sim; maf o Dr. Priuier c ertifica-'oj
lambem, nJim relatorio qr.e ter a hsura
de apresenrar ao tribu
(gqijno, obteve t Dr.
que Jfvamp^
- Tinlia envido fallar muito a respeito
do Sr. de tauves. e tantos heoacus de hono-^eraquanto l'ejf
ra^ilidade incontestavel defendiam-n'o t5o
caSrosamete, que .emecei tamben-, a crer
na sua inOcencia, o toiaei entSc r peito,
miahas;-exp''iLii .,- de modo partieu-
imo.
Desejava, porm, antes u<- fuilr^t
Dr. roso do aecusado.
anos ex- Assist para esse fim a urna dar- suas
as, e pro-' longas esperas no corredor dos
Rojal Blend marea \IAD0
Este excellente \Msky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
^>ara fortificar o corpo.
Vende-se a retalno nos melkores arma-
zens de raolhados.
Pede Royal Blend marca Vlado,
cujo nome e emblema s2o registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
O lempo pxoprio
N.lo se esquecam do aovo sortimento deguar-
nicoes pretas. palmas e pingeutes de vidnlhos,
grande varedade em bicos de todas as lacearas.
rend*. crep inglez e litas pretas, veodein por
precos redzidos Pedro ABtunes 4 C, te ra
Duque de Casias, Nova Esperanca.
Para oDerby
Carlos Sinden recebeu grande sortimen
to de gravaras e camisas de cores proprias
para os amadores do Prado e est venden-
do por precos sem competencia.
Rece'oeUy^ambem collarinhos
de borrach^e fonnatos novos.
48 asU BAKAO DATtoRIA 4^
punhos
ja novo
Jar
aveiros umncQs
VecJe se 60 ps muita bonitos, bem como
urna pequea bomba de repudio, com o respec-
tivo encanameate : a tratar na ra da Conceico
numero 31.
B<
Jico
>em p
Vende-se farkiia a retalno : no trapiche Fiuza
no caes do Conlpanlua Pernambucana.
Mereearia
Vende-se urna mercearia das meiiiores nos
arrabaldes da Boa-Vista : pa:a iaformajCes; na
ruado Socego n. 33^,'tavcrra. i.'l___
Movis
Vende-se lima cama para casalTum marquezo
e um berco, tudo em bom estado : a ver e tra-
tar na praca do Conde d'Eu n. 7-
Aos capitalistas
vYiuic-se os bem conhcci,dos T-x!cnsos ar-
mazei's n. 51. caes do Apollo, incluindo dons
sobrados ns. lt e 108 ra d Domingos Jos
Estes arniazens sobem situados e:n freTHa
nova ponte Buarqe de Macedo e tem capacida-
de purap.UOO a 10,000 barricas de farinba de tri-
go ou outra mercadoria fc4iijiroporcao.
A' tratar com.MatlKi's Astin at L.. a. 1S, ra
do Commercia.
Superior vinho de
Passto
Pelo mdico proco de 3o o quinto e 9C00 _<
garratao de tres caadas, voltando o gana...
7*500 ; vinagre de vmho 30i o barril e 6#tXX) o
garraRo sem casco, pr^co- quidos ; na fu Jo
Amorim n. 60.
instruccao, e vi perfeitaraente o Sr. de
Sauves, de muito perto.
N3o, aquelle homem de olhar firme e
franco, de rosto aberto, no menta.
Disse entao commigo que a minha au-
toridade n^o bastara talvez para convefl-
cer os Srs. jurados, e, revolado contra o
que eu presenta-ser urna grave injustica,
part para a Aflemauha, aiin de pedir ao
Dr. Pruner a sua opiniilo.^.,
Restavam-me anda cabellos, submetti- s
ao seu exarae,
O Dr. Pruner fez as suas experiencias,
e as conclusoes a que ehegou s2o idnti-
cas s minhas. Declaramos-!he, pois,am-
bos, que os cabellos encontrados na mao
do Sr. Jorge Ch4|iers, assassinado, nSo
s3o os cabellos do Sr. de Sauvfcs.
O doutor retiranjse r.o mrio de um ru-
mor indescrptlvel, emquanto Suzana, sen-
tada n'um dos primeiros bancos, tornava-
se to pallida como se fosse niorrer, e
muito baixinho balbuciava:
Ah Deus de |justi9a. tenho eniSo
um meie de saber o nome do assassino !...
O promotor que via a que ponto os ju-
rados e o publico tinham mudado, tentou
no bbstante, na sua replica, sustentar a
aecusacao e accenttfal-a em outro sen-
tido. JM
O Dr. Leval, porm, responden de ina-
neira tSo categrica e ao mesmo tempo
tao sincara, tilo commovida, que refutou
triumphantemente todos os seus argumen-
tos, arrancando lagrimas de todo o audi-
torio.
Fo! no tneio de urna? tempestade de ap-
AUU]
PA
TtRA
e PrS.
sem com-
AZEYEDO, IRM,v<
16 Ra do B. da/Victoria1
Tendo recebado directamente da Europa
grande sortimento de I e modas o
que ha de mais novo
potencia.
A taber :
Capas de surah, .-onda e raer!
Renda preta, diversas q
Etamines, preto-, de la e Uhseaa.
Damasse de seda pura.
Merinos p/etas de 800, 15000-e 1200.
'Crinoline preta e branca & 400.
Sargelin% todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linlio a 15500,* com 10
palmos.
Toalhas para bauho a 15000 e 15500.
Chachemiras com 2 larguras a 800 s.
Ditas de 4 e seda 2 larguras a 15000.
MadapoISo trancado a 95000 a peca.
Dito globo a 75000 a dita
Dito camiseiro a 75000.
Dito Ba-Vista, verdardeiro; a 65000.
Fiehs de la e seda 15000.
Brin8 de liaho coi es fixes a 600".
Espartilhos couiaja a 45000 e 55000.
Colchas de fusfSo a 2^000 c 35000. '
Capellas para noiva com v8o bordado a
65000.
Toalhas de cures para rosta.
Rendas, comprimento de saia a 15500.
Renda de 12, preta, para quaresma.
f-ano verde para bilhar.
Tapates para sof a 135000..
A verdadeira esteira para forro de sala
a 15000. *. .
Camisas de-fianella a' 55000^
Cortmadcs do crochet para cama a
105004
Chitas do cores a 200 rs.
Crotones com larguras a 400.
Baleias eom. forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cj-es 800 e 15000.
Extracto Rita Sangal a "25000.
Velbutina de qaadro a 8UO e 15900.
Gruarnicoes, 'pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com stractos para presentes.
Rend;5 hespanhola a 45000.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 25000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cSres para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite"
Grande sortimento de chapeos de sol/
Setineta para coberta a 600 rs. *.
Cortes de collcete de seda.
Dito de fustao de cures.
Dito de casemira de cores.
TELEPIONE 200
>,a>tf?A.a cfusxc
Q*c se possa Tender por esf
pre?os
Zefiros muito largos a 160 rs.
vado. *
hitas batistes a 12'' rs. o covado.
Popelines de cores a 180 rs. o cova
*8etine'.as maito^argas a ^JGO rs.
vado.
Las tinas a 20 ,-.ji
Ditas de ojiadros a 240 r
Setim muito bom
Bramante de linho com' -44*rguras-
Dito de dito e algodav a 15400 a va
Uambraias com salpica da cor e ;
a 45000 a pe
Toalhas felpudas a $00 rs. t
Cortes de vestido em cartao com iodo
os prepares a 85000. -
Fiehs*felpudos, muito grandes, a 501'
Madapolao americano a 55000 a pee,*
* Meias ca/jemiras de cores proprias par
roupas de menino a 1-500^ o covado.
, Cambraia Victoria com 10 jardas
2*80p a pee-.
Mennspret03 a S00 e 1)500 o c
a uu e
vado,
Flama! a branca 500 rs. o covadoi vi
Camisas francezas a 25000.
Ditas de cretonc a 1 >700.
Colchas de'cores a 15800.
Cortes de Duraquc para tolete.
Ditos de fustao para colete.
Ditos de casemira para calca e pav
costume, o mais moderno que ha ndmer
cado. .
Grande sortimento de chales de uvmv
ra por prejof baratissimos. / 4J
o)t dito-Je grvalas para/ homem, p-, v
nhos e collarinhos, chapeos, \ceroulas, ca
misas de meia e mutos outrtos artigos. #'-
Vende-se em grosso coni' desccnto de
14 cr,. \
ide-
Vende-se
o estabeleciinento de moiliados sito ra do
Bom Jess n. 29, antiguada Cruz, est bem sor-
tido e afreguezado : a lrtar no me3mo.
Armacao
o
Veude-se urna armago de araarello enverni-
sada e envidracada. propria para q'HlCF%pefB)-
^;i"iuj yt;Cvniup*Wf'WuBUUl!l, uuif uru mu
gel n. 19. e garaate-se a chave* da dita casa. Na
mesma ucliaro com quem tratar.
Vende-se
Veniain ver para ^rer
A casa tem por signal bandira eflear
efBar
'
pbiusos, impossiveis de conter, que o che-
fe do jnry4C01.11 a mao sobre o coracao, co-
mo ordena a lei, declarou que por unani-
uidade de votos Pedro de Sauves estava
reconhecido innocente.
Ncsse raomeiito um grito dominou 0
vuniulto,, c tez-sc ouvr um baque sardo.
Era A ieia 1 'haners que va, de-
p<.is de haver murmurado :
tiSHnor !.. Dos do;;
tnes-me finalmente
^H^ nos tr,
na afigria.
Tinha oit'rido
Voltou entr
nm
s dolorosos, rao
Urna averna bem localizada e com poucos
fundos, o motivo ,' por seu proprietario ter-sc re-
tirado pura tora da cidade por motivo de moles-
lia, a tratar na ra Bella n. 37.
Alambique
Wnd| se um alambique de tamanho regular e
em perwito estado, com a competente raspadei-
ra. propria para engenbo; a tratar na fabrica de
vinagre ra Barao doTnumpo n. 75.

. 0 nome da filha era tao poderoso sobre
o coraco da pobre viuva, que ella obede-
cen.
Com etfeito, na falta do seu marido,
que ella chorara toda a sita vida, nao tinha
o seu caro thesouro a ir ver, apertar nos
bracos, cobrir de beijos e de caricias?
No era s sua filha que poda attenuar
o medonho vacuo que existia, que existi-
ra para sernpre na sua, vida ?...
Pedro era lhe restituido!...
Mas o outro ?
Desgracadamente,, daquella cruel, som-
bra e glida regiao nao se votta nunca.
E tudo, tudo se repara, menos a morte...
Adelia parti.
Demais, Pedro, a quem quera acopi-
panhar, nao sabio sosinho daquelle triste
lugar, onde quasi baqueara a sua honra.
O Dr. Leval no o dexou, como de
suppor; mas todos os* seus amigos da as-
cola,'as pessoas de suas lelacoes, os seus
freguezes, os seus operariosestes lti-
mos confusos por havlo suspeitado |um
instanteccrcaram-no logo que o viram.
Disputavam-lhe s m3os para apertal-as,
beijal-as Me.
-Oh patro !... patrio !... murmu-
ravam os empregados da usina com as
faces banhadas de lagrimas, o senhor vol-
ta finalmente !..- Como a sorte justa ft.
ji no era sem tempo!...
E esqueeeado-se de que tinham sidq*os
primeiros a compromettel-o, accresccnta-
vam:
E um crime fazer softrer um ho-
mem bom como o senhor !
nada com 13 no meio. \
Venhain com f, nao tenham/receio.
Rl'A VISCOND: DE iNHAf"
Gon^alves Santos &C
Grande rednecao enj preeo
NA X
Loja do Triumbho
A' R*A DUQUE DE CAXIAS^N. 49
Merinos d cores. 1 largura, a 200 rs. o eoyade
Dito, dem, 2 ditas, a 500 rs.
Dito, idem larrados 2 ditas. 700 rs. o dito.
Etamine de listas arrendadas. iOO rs. o dte
CretoBPs Unos claros, 2i0 rs. o dito.
. Lino estampado. padrOes novos. 320 r;
lito. .
Las de quadros tinas, 240 rs. o dito.
Ditas mescladas finas, 300 rs. o dito.
Zefir de quadros largos,- 210 rs, o dito.
Saias bordadas Onas, 3*000.
Camisas bordadas para senhora 4.
Ricos cortes de cretone com ngurinos, 8.
Toalhas acolxoadas grandes, 4*500 a duzia
Guardanapos muito bons, l#o00 a dita.
Madapolao lino largo. 24 jardas por 6*400.
Algodae largo, 10 metros, 24500 a peca
Dito idem 20 jardas. 41 a dita.
Dito idem superior 20 ditas, 5*200 a dita.
Bramante i larguras para lencoes, 700 rs. 1 .
vara.
Camisas de Unto sem colarinho sem punho
3000.
ttOlvS Ul*^-^JSlBwa aplaza, :i S c 42500.
Le eos de esguiao (nos, a 25.W0 a duzat
Esguiao blanco para saias e casacos, 350P;
peca.
Cambraia bordada. 425 Merinos pretos finos, 800. 900 rs,, 15, U200 i
1*40' o covado.
Sedas c setins pretos grande varedade d:
precos.
Bastos & C.
;-f

\
Terreno

Bom para coudelaria ra Mrquez do Hei-
val 80 e 82 ; para ver, na casa ao p, c tratar
na ra Mrquez de Olindan. 25. Tem cocLeira.
grito e ouviram-se estas
pronun-
ciadas por voz pura e cristalina
Papai.'... meu pai!...
Pedro, sbitamente mais branco do que
lm cirio, voltou-se com os olhos brilhan-
tes como brazas.
Ao mesmo tempo, com moviment ins-
tinctivo, os que o ccrcavam afastaram-se
e Roberto foi cahir nos bracos de Pedrc
de Sauves.
O pequeo estava tambem muito palli-
do; og seus labios roscos tremian, as Ha-
rinas do seu pequeo nariz achavam-s
dilatadas, as suas palhebras,.sobre pupilas
mais brilhantes que as estrellas, batiam
como a^ azas de um passaro ferido.
- Tu aqu, meu amor! balbuciou
Sr. de Sauves. Como, vieste ?
Ouvi hoje de manhS Simado dfeer
que essa gente ia talvez condemnar-te
Simio chorava e diza : Ah! quem po-
der fazer comprehender quelles magis-
trados que homen* de bem o patrSo
Fugi entilo de casa para dizer quanto tu ..
s bom, pois que ninguem o ousava ou ,;
sabia!...
Pedro suspeodeu-o nos brayos.
Nio mais necessario isso, diss*
elle, estou livre.
Para sempre,
1
n
nio verdade?
sim. Ah como
VOh
sapparecia com o
advogado para a derrdeira formalidad
do mffndado Suzana l'o-.yava a
joven scnhflMa.turnar co-n ella o caminho
de BelledH
Quero dB}, rnurmurava Adelin.
tebtando res^
Supplico Uara
devras doente,^- largilio-ihe a
o nue ser enta^de Georgina?
Os engenheiros, os seus amigos, nio
eran menos expansivos.
-- Bravo, de Sauves. bravo, gritaram-
lhe elles, a escola e los collegas sentem-se
orgulhosos. meu velno !... Nunca duvida-
mos da tua honra, bem o sabes !...
amicos cram t3o firmes hontcm
o
hoje. !
Elle, apoiado ao braco do Dr
o que replicar, don?.
i>ons am
Ah! qae
ahir de
para a frente
itUI.-
vai
cahir
rapariga. %n'
Mas,
ccrescent
procurar o assassino de
existe-
de repente, resoeu um
Para sempre,
amar-te!...
O Dr, Leval interveio.
' Roberto, meu pequeo, disse elle-
gravemente, vobsC est vendo .todas esta;
pessoas que cercam sen paj; estes s5.
seus amigos, engenheiros como elle, isto
, homens de bem c intelligentes com(
os que mais o sito; quelles que ^sao os
merarios que o conhecem e viveram
cor -elle. Vicram todos apertar-lhe a mi
e repctir-lhe qual a profunda estima em
^SBfco tinham. Nio se esqueca nunca,
d filho, de que. seguindo synpre di-
seu caminho, como'fez mjesante-
\i, acaba-se por vej^v toda~
isjcontraricdades. todo-' os desgos^l. todos
....
iva un carro. O advogadoyeha-
.cheiro. /
Quiz apertar a mto de Pedro /e dei
i-o tomar sosinho com o filho o cami-
nho da usina-
Nao, disse o Sr. de S&uve, o se-
nhor foi muito meu amigo ddtwite as ho-
ras do desespero, para' quo-eixe de o
ser a.^ora. E' em sua compsma que que-
ro franquear, rehabilitad*, o limiar da
porta daquella casa, cb/qual sahi como
criminoso. Nao recuje acompanhar-me^
Ven!: (Continuar-ie-ha)
-o Aru Duque de Caxisjr n. W."-
7
.
1 MUTILADO