Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:18289


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANN -l;_________,___
PARA A CAPITAL E LIGARES O.VDE XA SE PACA PORTE
Por tres mezes adiantads................ 60000
Por seis ditos dem................ 120000
Ppr um anno dem '.........'....... 230000
Cada numero avulso, do mesmo dia..... .... 0100
8BXTA-F 15 DE UPi 1889
*
PARA DEATRO E PORA DA PROllXCIl
Por seis mezes adiantados....... >...... 130500
Por nove ditos dem................ 20)5000
Por um anno idem............... 260000
Cada numero avulso, de dias anteriores.......... 0100
DIARIO DE PERNAMBUGO
Trcpriedade de Marwel dnqurca de diaria S 3%V)cs
Os Sr s. Amede Prin-
ce & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex
elusivos de annuncios
epnblicapoes na Fran-
ca e Inglaterra.
IHSTRCCIO
AS GR.HDES WVHCOES
ANTIGS K MODERNAS
AS
Scienas. industrias e artas
pon
Vil
O\idro
(Con t inuaclo)
Vidro de garrafaPara a preparaco do vidro
de garrafa, ou o vidro preto, emprega-se areia
ocrasa porque o oxydo do ferro que encerrar
fusibilidade ao vidro. Reuoe-se-lhe soda em
bruto, cinza de madeira e grande quantidade de
pedacos de garrafas. Os fornos para vidro da
garrafa contm geralmcnte seis grandes cadi-
nbos, que se enencm com a dita mistura e se
aquecem durante 7 a 8 hora.-.
Para fazer urna garrafa, um servenluario mette
repetidas veze* o canudo metallico no vidro fun-
dido, ato de la extralr a porcao necessaria para
formal-a e de cada vez fal-ogirar constanternen-
te as ruaos. O soprador toma entao o canudo,
descanca o vidro em urna chapa de ferro fundido
tazendo girar o canudo para formar o gargalo
da garrafa ; depois sopra o coudo e da ao vidro
a forma de um ovo. Marca em seguida o garga-
lo da garrafa, torna a aquecer a peca e sopra-a
de novo, depois de a ter ntroduzdo em urna
forma de bronze, que Ibe da forma c as di-
menses conveniente. Para fazer o fundo da
jrrala, apoia um dos ngulos de urna pequea
chapa rectangular de ferro no centro da base da
garrafa, e faz andar esta roda por meio do ca-
nudo. So resta depois separar a garrafa do ca-
nudo e accrescentar urna pequena corda de vi-
uro no cirao do gargalo. Metteru-se depois as
garrafas no forno de recozer. deixam-se esfnar
lentamente.
Os tubos de vidro fazera-se por meios inteira-
mente semelbantcs aos precedentes, os quaes
consistem em tirar proveito da extrema ductili-
dade do vidro, quando amollecido pelo calor.
Para produziros longos tubos de vidro que se
usam nos laboratorios de chimica, para condu-
zir gazes e construir diversos apparelhos, toma
um operario urna mnssa de vidro que sopra em
forma de esphera. Em seguida outro operario,
pegando com urna vara de ferro, naoutra exr-
midade da massa de vidro soprada e anda molle
com o calor, afasta-se do priraeiro operario, an-
dando para traz, alongando assira a massa de
vidro, a qual, como tem sempre urna cavidade
interior, acaba por produzir um longo tubo
Cortando as duas extremidades do longo canudo
de vidro assim fabricado, fazem-se os tubos que
se empregam nos laboratorios.
CrystalO crystal difiere do vidro propria-
mente dito por conter urna certa quantidade de
oxydo de chumbo, no estado de silicato d'oxydo
de chumbo, que o vidro ordinario nao contem.
Este silicato de chumbo d massa vitrosa um
Srande peso especifico e urna limpidez perfeita.
sraios luminosos que o atravessam, experi-
mentan] urna refraccao (isto urna desviacao)
muito mais consideravel do que no vidro ordi-
nario.
Emfim o crvstal lapida-se ao cinzel com a
maior facilidade e pode por isso receber todas
as formas para ornato. E' esta reuaiao de quali-
dades notaveis que tornam o crystal tao precio
so para muitos usos, e constituem a sua superio-
ridade a respeito do vidro propriamente dito.
O minio, ou oxydo rubro de chumbo, o com-
posto plmbico que serve para preparar as dif-
ferentes variedades de crystal.
Faz-se o crystal mais ordinario fundindq jun-
tamente no msmo cadinho areia pura, minio e
carbonato de potas purificado.
Urna variedade de crystal mui denso, muito
refraagente e, quando lapidado, imitando singu-
larmente o diamante o chamado strass. Se for
colorado com oxydos mctallicos, produzem-se
podras preciosas rtifciaes,
Os vid ros usados para as lentes que entram
nos instrumentos pticos slo o crown-galss, que
tem urna composicao anloga do vidro de Bo-
hemia, e flint-galss.que um verdadeiro crystal.
No Crown glass entra : areia branca, carbonato
de potassa, carbonato de soda, greda e acido
arsnico. O flint-glass formado de areia bran-
ca, minio e carbonato de potassa muito puro.
(Contina)
PARTE OFFICIAL
Governo da provincia
FALLl ue Aftettfcla Legislativa Provini-lal no dia de Ma
Installaro a 1 de Har de 18SO, presidente da previne! Dr. Innoeenelo vi arque, de
\ rauJo Cies.
(Continuacao)
REPARTICAO DAS OBRAS PUBLICAS
A vista do que expoz o director geral d'esta Repartilo, engenheiro Francisco
Apoligoro Leal, em officio 4e 8 de Janeiro, resolv, por portaria de 11, nomear Jos
Fenfandes Pereira da Silva para exercer interinamente o lugar de continuo da mes-
ma Reparticao, por fallecimento de Jos Francisco Pereira da Silva, visto nao ter se
apresentado Adolpho Targino Accioly, nomeado por portaria de 31 de Dezembro.
Em 17 de Janeiro defer o roquerimento de Joaquim Firmo de Ohveira, a
fiui da ser admittido a assignar o termo de arrematacSo da obra de reparos da ponte
de Duas Barras sobre o rio Amaragy, por ser mais vantajosa sua proposca de 15 [,
de abate sobre o orcamento de 5:5760420, julgando assim sem efiFeito o que delibe-
n-u o meu antecessor em zO de Dezembro do anno passado, que mandeu por de
novo em praca a obra, visto ter o director geral de obras publicas informado em 17
nao dever ser aseita a proposta do dito Joaquim Firmo, por ser preposto de Adol-
pho Firmo de Oliveira, que tem contractadn diversas obras e alo as tem executado,
0 que alias nao foi provado.
Approvei o contracto celebrado com Francisco Tavares da Silva Cavalcante para
exeeuclo dos repares precisos na ponte da ra do Rio, na cidade de Goyanna, na
ponte grande da Vanea de Uruah, e no pontilho de Pao Amarello com abate de
1 i0 sobre o valor total de 1:481(5660. .
Foram recebidas provisoriamente as obras de reparos das pontes de Bujary e
Arataca e da estrada do norte entre Iguarass a Itamb; e definitivamente as das
pontes de Caxang, Cmara, S. Jlo, Nazareth, Tapinass e boeiro da Campia de
Vassouras, e da cadcia de Serinhlem.
Mandei pagar os reparos das pontes de Tapacura e Maus na importancia de
1:0640800; do pontilhao da estrada de Luiz do Reg na do 7010050 : da ponte do
Porto da Madeira na de 3970297, pagas previamente at prestaefes de responsa-
ilidade. d .,,
Em 16 de Janeiro autorisei o inspector do Thesouro Provmcial, a vista ao que
expoz em officio de 10 de Dezembro ultimo, a mandar vender em hasta publica todo
o material do proprio provincial que servia de cadea na villa de Salgueiro, e que se
acha em ruinas.
Resolv por portaria de 25 de Fevereiro lindo, atiento o que expo/. o director
eral da Repartilo das Obras Publicas, em officio de 23 nomear para a effectividado
3o cargo de continuo o cidadao Jos Fernandes Pereira da Silva, por nlo ter solici
tado titulo o nomeado por portaria de^31 Dezembro.
REPARTICAO DOS CORREIOS
Contina dependente do Governo Geral a decalo sobre a renovaclo do
contracto de arrendamento dos predios ns. 34 e 36 da ra do Bom-Jesus, nos quaes
fnneciona esta Reparticao.
Acha-se vago o lugar de fiel, por ter ter sido anda approvada pelo governo a
proposta que, para preenchimento d'csse cargo, fez o respectivo thesourero.
A receita durante o anno findo em Dezembro ultimo foi a seguinte :
Ordinaria........95:479*530
Extraordinaria.......ooJIKSK!
Movimento de fundos ...- o:ouoo44
Somma
A despeza foi de i
Pessoal .
Material .
Movimento de fundos.
392:5940372
70:3490996
47:16O0U65
224:5260387
Somma .... 342:0360448
Informa o administrador que o saldo de 5":5570924 nlo se pode dar como
liquido, por depender sua escripturaclo da liquidacao dos balancetes de algumas
agencias, e da realisaclo de pagamento de despea* com a condcelo de malas.
Conta esto provincia 120 agencias, nao funecionando anda as de Caxang,
Monteiro, Malhadinha e Laga do CavalI*iro.
Durante o anno foram reoebidos 1544 477 objectos com 2.799.815 portes, e
Medidos 844.626 com 2.074.548 portes.
A correspondencia oficial recebida foi de 58.747 objsctos, com 246.788 por-
u:s; e a expedida, de 34.281 com 145.679 portes, sendo ordinaria 5y.7ol com
267.965 portes j registrados sera valor 21.534, com 98.39 portes; c registrados
n valor 6.753 com 26.210 portes.
A correspondencia particular constou de 1.490.730 objectos recebid9s, com
27 portea e 810^35 expedidos con 1.784.869 portes.
O movimento de vales postaos emittidos e pagos sibio a importancia de
180076.
OBRAS GERAES
Cuntir rabalhoB da ponte Buarque de Macedo, 30b a direccio do en-
** r
Terminou-sc em Outubm ol.0 pilar, e em Dezembro, suspendeu-se a cons-
truejao dos 12. e 13., limitando-se os trabalhos conservago dos aprestos, por
nSo haver no mercado d'esta cidade emiento apropriado a tal servido.
As despezas erTectuadas com os rabalhos d'essa ponte, durante o anno foram
as sguintes :
Pessoal........65:2650026
Material........56:5860102 ,
Somma.
121:851012*
CONSERVACO DOS PORTOS
No anno prximo finAfcjp* P^r l^partijao a quantia de 178:014r>395,
descriminada pela seguinteal *'" *
Direccio geral ^^*. / f. 10:4670312
Servico techno.......33:8450660
Dito martimo ..... 76:0280150
Aluguel da casa para officina de machinas 1:5990984
Dito dito para oficinas de carapina e calafate 3000000
Reparos de navios......45:2790549
Ditos dc"aes e rampas .' 9:4160640
Dique de Nogueira...... 2220100
Aluguel da casa para armazem de deposito 8600000
Foram extrahdas do porto 157.192 toneladas mtricas de vasa, das quaes
73.150 foram lancadas no Lamorlo; 3.798 no largo do Hospicio, e o resto em diffe-
rentes nontos d'esta cidade.
ESTRADA DE FERRO DO REOIFE AO S. FRANCISCO
Informa o fiscal do governo, engenheiro Manoel Martins Fiuza Jnior, que
foi feito regularmente o servico d'esta estrada de ferro, durante o anno prximo
findo.
Terminou-se a superstructura da ponte de Jaboa5lo e encetou-se a reconstruc-
5I0 da de Pirapama.
seguinte :
36.314 Ii2
888
246.459 Ii2
83
' 772.920 kilog.
O movimento do trafego foi o
Passageiros de 1.* classe
2.a
3.a
periodo
(extincta)
(hoje 2.)
Bilhetes de
Bagagens .
Trena eipeciaes.
Mercaduras
Animaes diversos
Armazenagem
Transporte por conta-do governo
Passageiros de 1.* classe .
2.1
3.a
113 855.935 kilog.
4.636
. 1.878 Ii2
12
1.617
Bagagensj .... 68.579 kilogs.
Mercadonas .... 2.874.262
Animaes 10
Transporte por conta do Prolongamento :
Mercadorias .... 85.750 kilogs.
Boceita total do trafego 1.170:2380420.
A receita total arrecadada foi a seguinte :
Trafego ....
Renda do telegrapho .
Venda de material inutilisado
Juros de saldo em deposito .
Renda nlo classificada.
Despezas a saaullar
Difierenca de cambio .
Multas ....
Somma
A despeza foi de :
Conservacio
Trac$lo ....
Reparos de carros wagons
Trafegos ....
Administradlo
Telegrapho.
Reconstrucclo da ponte de Pirapama
t de Jaboatlo
Differenta de cambio .
Passagens e ajudas de custo.
68:1680650
1:4340450
157.3490890
1:1650500
35:8970440
3610000
883:5460120
8:2640600
2:8250190
1:3580370
230760
9550610
7160700
8:0140720
170600
1390060
1.170:2380420
6:1170640
3:4750307
4450190
2340000
5:6510570
1020644
1O0OCO
1.186:2740771
172:7580575
131:8790648
38:1350749
125:0350539
13;959|935
17:4890535
27:7390907
5:3330578
43:4300409
990364
Somma .... 575:8620239
Verifica-Be assim um saldo de 610:4120532 a favor da garanta de juros.
A garanta a que os cofres geral e provincial foram obligados, durante o anno,
conforme as liquidacoes feitas n'esta provincia foi a seguinte:
Geral ..... 312:1670991
5 0[9 do Governo
Provincial
Somma ...
Abatida a importancia dos juros de 7 0 ao anno so-
bre o emprestimo de 400.000 feito pelo Go-
verno do Brasil Companhia
Saldo devido Companhia ...
39:9350033
352:1030024
248:8880888
103:2140136
ESTRADA DE FERRO DO RECDTE AO LIMOEIRO
Informa o engenheiro fiscal, Luiz Jos da Silva, que tem sido feito com regu-
laridaUe o servico a cargo d'essa estrada de ferro.
Durante o anno de 1888 transitaram 2.967 trens, transportando :
Passagfiros de 1.* classe..... 6-05J lj2
2.
3.
Assucar
Agurdente .
Algodlo
Farinha de trigo .
Madeira
Mercearias .
Carocos de algodlo
Diversas
Bagagem
Animaes

A receita foi de 691:1680100, discriminada pela seguinte forma:
Passageiros
Bagagens .
Animaes .
Mercaduras
Trens especiaos
Tele rapno
Armazenagem
Multas
Renda nlo classificada.
Juros.
Transporte por conta do governo
Difierenca de cambio
Somma
Em 1887 ....
A despeza foi a seguinte :
Admmistraclo
Trafego .
Telegrapho
Locomoclo.
Via Permanente
DespezKs judiciaes
Differenca de cambio
1 Em 1887
Somma
44.639 1[2
42.093 lp2
30.088.965 kilogrammas
611.284 t
6.522.103
1.233.984
1.650.054
4.015.926
7.512.401
18.759.007
220.568
8.800
134:0940220
9:9610600
9:7700280
350:1400170
5010800
4:0730190
7650800
,1860930
2950710
3600000
810080
9410320
691:1680100
528:5900900
45:9450200
106:7130710
13:5700660
136:6620910
108:8100760
1:5000 XX)
5:4280040
taxa
\i..... *
de transporte produaio a importancia de 3:6280900
418:5310280
383:2390830
Passageiros . 114.293
Bagagens e encomtnendas 222.000 kilogs.
Mercadorias . . 32.899.000 .
Animaes . , 2.984
Trens especiaos . '. 4
Tetegrammas . 2.581
Armazenagem .
Multas . a #
Rendas diversas . . .
PROLONGAMENTO DA ESTRADA DE FERRO DO RECIFE AO
S. FRANCISCO
Acha-sc na direcelo das obras, desde o dia 7 de Janeiro, o engenheiro Loas
da Rocha Das, nomeado por decreto de 24 de Novembro ultimo.
O movimento e receita do trafego durante o .anno de 1888 foi o seguinte:
59:861010
7;5230tOe
112:7870816
3:583076
318050!?
3:lO80iae
264047
70000
2O9076B
Somma .... 187:726,365
A taxa de transporte produzio .... 3:8710900
Esto sendo feitos por conta do respectivo empreiteiro, conforme deliberoa *
Exm. Sr. Ministro da Agricultura, os trabalhos de reconstruccSo do trecho entre CSfc-
nhotinho e Garanhuns.
No trecho comprehendido entre as estacos de Canhotinho e S. Jlo, J
entregue ao trafego desde 22 de Dezembro, foram reparados 3 boeiros em arco, qw:
ameacavam desabar e construidos 3 drains.
A estaclo de Angelim soffreu diversos reparos.
No trecho de S. Jlo a Garanhuns foram reconstruidos 2 boeiros copeados,*
para a reconstrucclo de outras obras foram transportados 921m3,500 de pedtx
45n',,500 de lajSes e 6m .0 de areia.
A estaclo de S. Jlo, assim como a estaclo e rotunda da de Garanhuns, sr
casas de turmas, necessitam de serios reparos.
ESTRADA DE FERRO DO RECIFE A CARUARU'
O seu movimento e receita durante o anno prximo findo foi o
Passsageiros .
Bagagens e encommendas.
Mercadorias.
Animaes.
Trens especiaes
Telegrammas.
Armazenagem
Multa?.
Rendas diversas .
253.927
39.1336
28.258.633
1.869
10
1.919
lilog.

seguinte:
104:2210503
8:359021
102:6030966
2:889096
1:004000
1:7380506
246017
2A300
1:651077
222:73502
140:3290060
33:3530050
20:6810230
38:2640100
7IiflM076O
CCOte-
Somma. ...
A taxa de transporte produzio a quantia de 5:5690100.
ESTRADA DE FERRO DE RIBEIRO AO BONITO
Foi recebido em 19 de Janeiro deste auno o 13 kilmetro desta estrada it
ferro.
Segundo informa o respectivo engenheiro fiscal dispendeu a empreza, at c
dia 31 de Dezembro do anno passado a quantia de 310:6120200, discriminada pele
seguinte forma :
Construccio dos 12 prmeiros kilmetros.
Construcclo do restante da linha. .
Obras d'arte, comprehendida a ponte sobre o rio Ama-
ragy, estacos e armazem.
Compra do material rodante. ....
dem, idem, idem, fixo .....
A partir do 13 kilmetro acham-se bastants adiantados os traba!
trcelo at o 22 em Ilha de Flores.
Esto quasi concluidos os trabalhos de locaclo e revisao da linha at a
do Bonito. "^^
Contm o trecho construido 3 estacSes : a primeira ainda em construccae
est situada no ponto inicial no povoado de Ribeirlo; as outras duas, de constrae-
clo provisoria, ficam em trras dos engenhos Caxang e Progresso nos kilometwB
9o e 13.
A empreza deu comeco construcclo do edificio destinado s officinus,
qual tem 45 metros de comprimento sobre 18. m60 de largura.
Possue 2 locomotivas de 6 rodas, da forc de 45 a 50 cavallos, 6 wagons
passageiros de 1* e 2a classe, 2 carros fechados para mercadorias, 24 carros para
transporte de cargas e lastro, 1 wagn para animaes, 1 carro para madeira e 1
gon para passageiros, ainda em construcclo.
Tem a empreza o material fixo suficiente para o assentamento da linha at'
o 20 kilmetro.
Espera receber a cada momento 1 locomotiva de 8 rodas, 1 wagn de passa-
geiros de Ia classe, 1 carro fechado para mercadorias e 22 kilmetros de trilhos Wg-
nolle de 20 kilog. por metro corrente.
O trafego at 31 de Dezembro foi o seguinte:
Passageiros de Ia e 2* classe ... 4.391
Encommendas (volumes). ..... 248
Mercadorias (volumes) ...... 10.781
Animaes ........ 62
Cannas (kilogrammas) ...... 2.604.026
O rendimento total desse movimento foi de 5:0420700.
0 capital effectivo da empreza at a referida data era de 225:0000000
Subscripto e 198:4000000
A provincia obrigou-se a auxiliar esta empreza com a subvenclo kilometrie
de 9:0000000, da qual tem sido pagos 117:0000000. '
1 la vendo, porem, a estrada obtido garanta de juros do Estado pelo art. 7* {
Io da lei n. 3,397 de 24 de Novembro de 1888, parece que deve cessar a coatri-
buiclo provincial.
Favorecida com a garanta de juro peder a companhia levantar a quantia ue.
cessaria para a construcclo dos kilmetros restantes, ficando assim a provincia all
viada do onus que contrahio.
Convm que deliberem a tal respeito.
ESTRADA DE FERRO DO RECIFE A CAXANG'
Segundo informa o fiscal do governo, engenheiro Paulo Jos de Oliveira, tem
sido feito com regularidade o servico de conservacio deSsa estrada de fierro.
Em 14 de Dezembro toi concedida por esta presidencia a permisslo pedida
pela respectiva gerencia, para o estabelecimento de um ramal provisorio, de 260
metros de desenvolvimento dos Quatro Cantos ao portlo do Derby Club, tornaaaa-
se esse ramal permanente pela nova ra all projectada, quando esta for franquej
ao transito publio-.
A estaclo de Mangabeira de Cima foi Substituida per"utra de alveaam
construida no termino da 2a scelo do ramal dos Aflictos.
Durante o periodo decorrido de 1 de Julho a 31 "de Dezembro ultimo, fo;
transportados nos carros dessa estrada de ferro :
43.949 passageiros com bilhetes
184.458
23.797
29.598
1.054,50
4.025,75
193
l
287.073,25 Total
Foram transportadas 750 toneladas mtricas de mercadorias diversas.
A receita durante o referido semestre foi de 124:9390040
A despeas ordinaria de. ..... 95:3170068
K

avulsos de Ia clan
. 2a t
de ida e volta > Ia
> 2a
asssignatura Ia 2a
menores
Saldo.
29:6210972
ESTRADA DE FERRO DO RECIFE A OLINDA E BEBERIBE
Serviram como fiscaes do governo, de 25 de Abril do anno passado at 18 t
Junho, o engenheiro Luiz Marques de Albuquerque Maranhlo, e at 23 de Novem-
bro o engenheiro Gregorio Thaumaturgo de Azevedo.
E linongeiro o estado dessa estrada de ferro, segundo informa o engenhesn
fiscal, bacharel Felippe de Figueira Farfa.
O seu activo, conforme o ultimo balanco publicado de 651:4050710 c pa-
sivo de 630:8010150, sendo o capital de 500:0000000.
O dividendo do anno ultimo foi de 8 [0 e as accSes cotaram-se ao par e eos
20 ll2"i, de premio.
Transitaram 15,300 trens ordinarios, 680 expresaos ordinarios
narios e 780 de lastro.
Fi ram transportados 2,789 passageiros com bilhetes de periodo.
Ia classe e 656,044 de 2.*



ceita durante o aau frtttadttagk
Superior a de 1887 em
A despUttKK ....
Inferior de
1887
em.
anno passado foi de.
:StB49H
13:4850700
107:315(J2683
12:2570667
78:341^652
25:T44067
a de Belm, sendo
A .renda/Kjuda durante o
Superior a de 1887 em
Canstruh-am-se duas novas estacoes: a do Principe
O mmttri da agricutfcBa emmmmnmi obAto de S de Jaaeiro ukiaso
ue sobre o aatma aobre c despask eiciMe ta jHWidMia^nfou-d
mutm no emgfittMorme fWMMianT
dos avIWWfc *siert^o*^owita**Btica
_- as. ifW des de4hrjilNla(*V e<24<*0u-
IubrotJ4886.
Olinda para cedWiidenca 'assetuuiB# de*4Wde ii-mrtleBWWlu ruef***n|
,vo municipio para a'eondu*e5owi'paWSgeifis- e carga por trt 2cio ld'at a pan te*
de Tacaruna, heeve per bwr. Geverao Imperial; de confor:ttMad com o m
do Conselho de Estado d**dii de Janeiro qu%^*eetae 'eera dav aieada do floverne G-rt, ooiao por eH TMndatWtoc. '"j^^j* "
tem sido declarado.
COM. ANHIA FERRO CARRIL
Foi de 117,261 o numero de viagens redondas durante o anno de 1888, no
percurso de 1078,565,k802,u transportando-se 2352,427 passag jiros.
A receita total foi de......340:135*729
A despea foi a segninte
' Despera-no Recife-......220:0M#307
Porcentagem do gerente. 2:346*146
Despexa na corte.......35:308*380
Atoortisacao e reserva 6.d*04dO R
Semma.
Saldo
264:2180813.
75:928441
Desse saldo tiraram-se 36:000*000 para um dividendo de 3|0, e o ? estante'
na importancia de 39:923*416, passoa para a conta de lucros suspensos, e est des-
tinado, a ser repartido pelas diversas verbas do activo da companhia, em orden de
apprnxinial-as de seu valor real.
Esta companbia est gozando de um privilegio que lhe foi concedido por os-
pa? pai -8 cofres provinciaes e municipaes, e alm de tudo isso o especial favor de nao
etar'uJBJta penalidade alguma pelas violceas do seus deveres e obrigacoes.
sta situacao a mais commoda possivel para a .companhia, porem nao a
mic inelhor consulta o interease do publico, : por isso rogo-vos' que adoptis provi-
dencia* legislativas tendentes a melhorar o eervico do transporte de passageiros e
cargas, a prolongar o horario at meia noite pelo menos e a investir a administrando
de meios de accao proprios para se fazer respeitar e obedecer.
Permitti que vos indique a legislacie da provincia da 3ahia como digna de
ser consultada sobre tal assumpto.
A Ferro < arril de IV mana buco j conseguio awr aUrviada da contribuicao de
4:0000000 annuace que lhe incumba pagar provincia durante as primeiros 35 an-
05 do.privilegio; e da de36:000*000que devia entregar annualmente durante os
ltimos 13 annos; e nao vos admiris que solicite tamben) a annuUacao da clausula
27 do contracto de 1*2 de Fevereiro de 1875, a qual diz:
c Findo o prazo do privilegio tica rio pertencendo provi cia todos os ani-
maos, carros, materiaes e linhat daeompanhia, independetrte de qualquer indemnisa-
jSo. *>-'
Espero de vosso patriotismo a approvaco de um projecto de lei autorisando
geveruo a regulamentar esae servido, impondo penas do unlta, e marcando, os
sos con que as obras podem ser desapropriadas.
COMPANHIA PENAMB ANA
Durante o anno tindo, realisaram-se 25 viagens aos porios do norto, 38 aos do
ul 0 12 ao presidio de Fernando de Noronha.
Foram transportados 1,758 passageiros de re e 2,853 d>s proa, 292,877 voln-
e*de carga, 1,828 de cncommendas e 347 de bagagem. v
Importou assim a receita em. < 301:8330113
Eadespeza em.......300:404*315
( OMi'ANHIA DO BEBERIBE
Segundo informa o riscal da companhia, engenheiro Jos Joaquim de Mullo
Cah, tm sido feitas com a presteza e cautela possiveis, as experiencias e inaugu-
racoes das novas obras de abstecimento d'agua a osta capital.
Esto sendo construidos pela companhia pocos para apanhar as aguas das ca-
rnadas do terreno permeavel que ricam em nivel muito baixo, e ausentados os enca-
aments que os devem unir, com o fim de augmentar o volume d'agua necessario
ao abstecimento.
Todos os trabalhos tm correspondido espectativa.
Dos- encanamentos de distribuicao apenas falta experimentar-*e o de una
parte das freguezias de Santo Antonio e S. Jos.
Cerca de 50 kilmetros de encanamentos geraes fineconam, supportando a
alta piosse.
Em todos esses encanamentos existem hydrantes.
Hafij'peio^itigo systema 1,400 pennas Tagua, dasqraesj se aeham 1,000
stituidas pelo novo systema, e feito igual numero de novas oonces*5es.
Falta apenas a inauguracao de dons dos noves chafamos.
COMPANHIA DE BOMBE IROS
Segundo declara a commissao riscal reepectiva dispende u-se com a stallacao
da companhia em 1887 a quantia de 44.515*278.
Existem na Caixa Econmica, em obediencia ao nico do art. 34 do reg.
866*000. j .
A cominissio orea em 30:000* a despieza annual da companhia, prova de que o
servico foi' organisado sobre largos moldes, incompativeis, )>or acarretarem grande
dasueza, com as circunstancias rinanceiras da provincia. Poder-se-hia conseguir o
esmo melhoramcnto com dispendio muito menor, si nos ce ntestasseinos com urna
creado modesta, sem apparateso carcter militar e seus consectarios, correndo toda
a depeza por contadas companhias, que em tal caso ncariam dispensadas dos iapos-
tos provinciaes.
0 encargo da provincia actualmente muito pesado, ere. consecuencia do con-
tracto de> 11 de Julhode 1887, e por isso poco-vos autorisacac para entrar em novo
accoBdo com as companhias contractantes,.aiim de reformar-so o contracto no sentido
de manter-se apenas um servigo igual ao existente na capital da Baha, onatoado pe-
las companhias de seguro, sem o menor onus dos cofres provinciaes.
Segundo o relatorio da commissao durante o anno p:ussado a companhia foi
chamada vinte c quatro vezes, mas s teve de trabalhar em oaze caaos, pois nos 13
restantes ou ja encontrn extinctos os incendios comecados, ou verificou terem havido
simples uspeitas.
Os prejuizos materiaes causados em predios, mercaduras e outros valores sao
calculados em 60.000*000.
Ha neccosidade de augmentar o xeaterial da companhia, propondo o comman-
dante queso adquira ma;or numero de metros de mangueira do qualidade superior e
aprepriada alta presso d'agua nos encanamentos da comj>.inhia de Beberibe, um
apparelho de salvaco; urna e"scada com o respectivo apparciho de salvado : urna
bemba a vapor ; e u a parclba de animnes para conducc3o da lomba maior.
Admira como deu-se por installado o servico sem urna bomba a vapor, sem
apparelhos de salvaao com escadasapproprialas. esmente cora o material insniaieate
ferneeido pelas companhiase que em Dezembro de 1887 era o jeguinte:
1 bo'uba manual de estado.
1 ce posto.
1 .. r cisterna.
4 pequeas abufadeinas.
1 carro de mangueiras.
1 t c material.
1 t 1 escadas completo.
571,'" de nianguoiras d^ lona. f'
7,41U de mangotes de couro. /
3,4m i borrachas
44 juntas de uniao.
IPfcBgucliow. .
Bem vedes qu? com seinelhante material o servieo lia de ser defricionte, o
eainpre que as companhias, em desempenfao do que contractaram. facam acquiaido de
aunnto foi- necesrario para um trabalho regular e dicaz.
O governo empregar os meios ao seu alcance para chigaraoste resultado.
(Contina).
fiier substituido no caigo, conforme pfecemnri Aecolha dos meinbros do di
os avisos do Ministerio dos Jiegocioda Jotica *ijpfizaeertacj.
de 28- Ue Junho VH865 e de OutuurtWteWe; ATflt-WiWoipio coinpfie.se de tres collegios
sob nsi 287 e-63.
ao Dr. J* d* direito da comawai -de Ca
maru. Hei'.ero d'Vrac. a requis.co fe*r licio de t*de Malo de 4887, no sentido (testar-
me transmitida a certidao do processo do reo
Horacio Barbato Accioli que interpoz recurso
de irrac* d*,:MMde imie sas, ionosta
em A-*?Nowo*ro iB*mfrh do termo i'OMUiiirtP
A oedtlMlMPOWe sto
cao itqBjWli'-^ond
ha**
ma-
u daqMdlMpje o tsdost
Communico a V. S. jara os (ins conveiiifnt's
que o juiz de direito da comarca de Tucura 111
bichare I Jos Maria da Rocha. Carvallio reassu-
mio o exercicio do se] cargo no dia 21 de
reiro findo.
Ao mesmo.Communico a V. S. para os
tins convenientes qut o hachare! Joo Paes Bar-
reto Lins reassumio 10 dia 21 de Fevereiro An-
do o exercicio do caigo de jui municipal e de
SnwltoXtaearoento, resolve nomew para o I orphos do termo de lacarot.
mesmo coaselho o 1 apitao Antonio Jos Pesiana, Ao director do Arsenal de Guerra.-Trane
lente, e os alferes Cbrisniniano Pimentel mittindo a V. S. em aditamento ao meu oflicio
elino, Francisco Xavier Camello resaoa e de 27 de Fevereiro (i ido. a inclusa nota do fur
!o Ferrcira Goraes. vofjaes ; servindo damento mandado fomecer ao deposito de arii
8XPEDU!NTS U0 OU 6 DK MAUCO DS lt'9
Acto :
0 presidente da provinea, considerando
que o i onselho de investuco ltimamente no-
leado, pponuncion por unaoinr.dade de votos o
alferes do rorpo de polica Emilio da Silva (k>s
ta. como ocurso as penas dos arts. 131, 138 e
li do cdigo penal ao referido corpo, e deci-
di que aquelle oflicial (leve er* s bmettido a
ho
do Mallo as sete pracasalli existentes e augmen-
tar com ellas o destacamento de Palmares.
Ao director o presidio de Fernando de
Norot.Reeonwieado a Vic. sivel brevidade e como complemento das infbr-
macOes prestadas no relatorio ltimamente apre-
sentaito'.'ear otwwmncta ilo arr,rfierjTe-
ulanienton.'9,386 'te Janeiro del88. transmita
U-rae os escJareciruentos exigidos pelo avilo
por copia, do Ministerio dos Negocios da Just-
ca, de 2' de Fevereiro fhido.
Ao uiesmo.--oeommendo Vmc 'jfoe.
com a maior brevidade possivel envi-rae rela-
cOees nomnaes'de todos os sentenciados exis
tentes nesse presidio, organisadas pela forma
exigida- peto aviso, por copia, do Ministerio dos
Negocios da Justica, de 21 de Fevereiro lindo, e
mais deelaracOBs especificadas no modelo aqui
junto.
. Portaras:
Concedo a autorisago solicitada pela Cu-
mara'Mnntcipal do Recite, para levar pruca as
obras com a construccao do muro de que trata o
orcamenlo enaexo aos seusofficics ns. 108* 23,
de 28 de Novembrc do anno passado e27de Fe-
vereiro (indo; as eraos devero ser contracta-
das com qoem- tnelhores vantagens offerecer.
Respondo ao oflicio dei3 de Fevereiro1 to-
do, declarando* Cmara do municipioda Pedra
que podem .'seT' levados a praca os impostos de-
cretados .pela lei do oi-eamento municipal em vi-
gor, e bem assim' que a disposico do art. 73 da
lei n. 1,221 de 24 (Je Junho de 1875, nao se acha
revogada.
KXPUDIBM K 00 I)B; SBCRBTAB10
< Iflicios :
Ao inspector da Thesourariade Fazenda.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda re-
remetter a V. S. duas ordens-do Thesouro Na.
ciunai,- ns. 38 e 39.
Ao 1 secretario da ssembla Provincial
De ordem do Exm S:. presidente da provin
cia remello a V. S., para os lins convenientes, o
balatico da receita e despeaa do exercicio de
1887 a 1888 e o orcamento para o de 1889 a
1890, da Cmara Municipal de lpojuca.
----------------SQPBfTi -------------
UESPACHOS DA PRESIDENCIA'DO DIA 13 DE
nico .directorio couservador do imperio, o di-
rfeotorio da villa de s Bento.
i D>se, corta a creagfio dedtreetorios, estan-
do a poltica no poder, quatido ha dissidencia
entre 06 membros do mesmo partido ; 9a aqui
de auditor o f promotor publico da comarca
des la rnpitai bacharel Affooso 0linden?e Ribei-
ro de SooiS.-Fizeracn-fe as necessinas com-
BBDicat*- e remetteu-se copia ;'0 coaunandan-
te do corpo.
Oi
Ao Dr. chefe de polica. Antorise V. S. o
delegado do lermo dp lpojuca para contractar
I da eu*de qu- trata em seu oflicio n.
Bndo, pi'iiencenle ao
oosla, pelo preto de 30^
o e quai tel do des-
MBti ade, devejulo porm
'le proprielario a despeza.com
isa o predio, para o mis-
iu-se copia.ao ms-
iirariadeFaienda.-
MARCO DE
ii-;ges da
1889
Silveira
Lobo.
Antonio
Concedo.
Francisco de Hoanda Cavalcante de
Alboquerque.Informe o Sr. inspector do
Thesouro Provincial.
Jos Joaquim de Asevedo. Informe o
Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda.
Bacharel Jos Bonifacio de S Pereira.
Informe o Sr. inspector da Thesouraria
de Fazenda.
Jos Antonio Motta Guimaries. En-
caminhe-se, devendo ser pago o respecti-
vo porte na reparti dos correios.
Misael da Silva GuimarSes.Informe o
Sr. inspector do Arsenal de Marinha.
1 apitao Manoel Alcntara de Souza.
'ouceircRequeira por intermedio do
coramandante das armas.
Tenente Manoel Jos de Sant'Anna
Araujo.Informe o Sr. commandante su-
perior interino da guarda nacional da
marca do Recife.
Tenente Olegario Herculano da Sil
Pinto.Remettido ao Sr. inspeetor
Thesouraria de Fazenda para mandar abo-
nar.
Serviliano Correia Maia.Indeferido.
Thomazia Gonfalves de Aquino.Con-
cedo, vista da informaao.
Vicente Tryza. O documento offereci-
do nao. satisfaz por gracioso. Junte o
supplicante passaporte.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, 14 do Marco de 1889
O porteiro,
F. Chacn.
exercicio nos seus respectivos disti icios,
elei- 'que falta ao 3o districto' essa alular garanta ta
lei, e sabe-se que as distancias de qualquer dis
tore'5.*Beiii ,' anhotinho e Jupj
trhsiOJres convocados foram mente os do
gpltegl'Pleitoral desta villa, (cando margem
Me tMrores.dos collegios eleitora^s restantes; e es 200' ilomtros para vir de por na sede da
nao tendo sido estes consultados, darao por bem "illn "'> irr.tivn nnrfo nunmoitm.
tricto aaui no centro torna-se um vexame para,
por exeroplo, urna testimunha caminhar as ve-
feitose acabados os traballjo 4c um, terco do
do municiptof.. reconlieceraowi
creajiBao qual dois Micos ^BNele
McipiMiao concorreraa e> eo fofa
JS.
Eis o motivo pelo qual uwwuai' qaaae
da diNOtoria nao foi Miz f aeertau J$e* s
villa, quando o juiz effectivo pode commetter
esse encargo a*pplento raepeciivo.
E', oortanrdVanilaui.ssMattnMHB3ea-
cao de um *turJptiilte de jeizo neaciicipa.
0 carninaUpaMena, atfH^lesapMcehad nao
sei se devidseC'laoewida i4iyapB4romo
ou a quebrHra,a.qual espiral ne*4ernio.
Nem ao nwno9:heuve rjrtradicieoBt eensea-
bundo enMM, ewhouve'ili eweicalenlo di-
minuta que|aisoa^eoini>>-sima4lHe, deeaper-
cebido.
A tranquttlitode.{wlilic* i iiudtefaw-p ca-
deia se conserwsem 1tr>spederfr mezes, o
porijWlodos os meinbros do ntevinoM*
tereecklpollulos; so cidadaos 'le crenca:-
buse toreaWiupy e CanliowMw.'-'
Foi tambera um facto transcedente a creago que indicio de que o povo val se eompenetran-
do directorio tiesta villa, estando no poder a po- do de que sem paz e tranquilhdade nao ha feb
litica coiisermdora; e asnoirnas paulinas re- cidade.
pellenros directorics creados no seio do partido Acha-se designado o dia 17 do crreme mez
que governa, e hoje visto que o primeiro e' para a 3* corrida no Hyppo.lromo da Bella-Vista
Ha uav proowo de 60* pttm o pareo-le-4 000 me-
tros, e se falla que esse premio ser disputado
peles me.Jhores cavallos desto-e dos municipios
visinhos.
Ha de sef urna bella festa, e pira assistir
ha essa dlssidencia, Uo oceulta, to irapr-' mesma nao e necessario despender-se muito di
eptivel que itaw dado a um; mlssivista profa j uheiro.
nar os seus arcanos. Cora 800 ris teni-se um hilhete de entrada ge-
E se nio ha dissidencia, esta apparecer sem j ral com direito archibancada e ao ensilba-
demora, porque reunidos os dous collegios elei- ment e cada poule custa 1 oot).
co-
2.a
Iicia
Repartido da Polica
seccao.N. ...Secretaria de Po-
de Pemambueo, 14 de Marco de
1889. Ulm. e Exm. Sr. Participo
V. Exc. que foram hontem recomidos
Casa de Detencao os seguintea individuos:
A' minha ordem, Pedro Alves da Silva,
como alienado, at que tenha o convenien-
destino, Bernardino Jos de Almeida, por
disturbios e Francisco Ponciano de Souza^.
A' ordem do subdelegado do Io districto
da freguezia de S. Jos, Galdino dos San-
tos Gloria, por embriaguez e disturbios ;
Manoel Joaquim Flores, Cypriano Fran-
cisco Martins dos Santos, Antonio Jos
dos Santos, Jos Antonio dos Santos, Fo-
lippa Maria da Conceiao e Jos Alves de
Oliveira, por disturbios.
A' ordem do do 2o districto da fregue-
zia de S. Jos, Francisco Ferreira de Ly-
ra, por disturbios, e Joo Antonio do Nas-
cimento, por crime de defloramento.
A' ordem do do 2o districto da fregu-'
zia da Boa-Vista, Joo Jos do Nascimen-
to. por crime de defloramento.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Ges, muito digno presidente da provin-
cia. O chefe de polica interino, Daro
Cavalcante do Reg Aliuquerque.
INTERIOR
gos bellicos da pro iicia do Rio Grande do or
te, para recrutas, reitero de conformidade com o
avi o do Ministerio da Guerra, de 26 do mesmo
mez. a ordea contida no citado ufBcio. om
municou-se ao inspector da Thesouraria de Fa-
zenda.
* ao Dr. jniz de direito da comarca de Sc-
rinhaem.-Reconim:ndoa Vmc ne eai cum-
primen'o do aviso do Ministerio dos Negocios
da Justica, de 21 de J'evereiro ultimo, junto por
copia, iran-mitta mea certidao do processo do
reoCesario Claudinc dos Sanios, que interpoz
recurso de graca da pena de 15 annos, 6 raezes
e 20 das de priro imposta por deciso do ju-
ry do lermo de Seriebaemem 15 de Dezembro
de 1885.
i A certidao deve sor acompanhaHa de isforma-
co do jniz da coDdemnacao ou d'aquelle que o
Correaf4adeBcla do Diarlo de
Peraabuco
VILLA DE S. BENTO 10 de Marco
de 1889
0 fado ,. maior importancia que seden nesla
villa, foi a ereaco de um directorio conser-
vador.
Reunidos, hoje, trinta eleitores, em casa do
digno juiz municipal Dr. Mauricio Borges, e feta
por este ligeira exposico do fim da reuniao
Bcoa assim consmuido o diri-etorio :
Presidente,
Major Fraocisco Alves Maciel.
Vice-presidente
Felippe Manso de Santiago,
secretario
Coriolano de i'aiva Mello.
2 secretario
Francisco Alves dos Sanios
conselheiros ordinarios
Capito Behniro Guillienne de Arruda.
Jos Bento Oe Oliveira.
Joo de Oliveira Cintra.
Jo&o Victor Xavier.
LinoRibeiro deAodrade.
Ciiincllieicos extraordinarios
Lean 1ro Gunculvcg de Souza.
Eugenio Siraes de Mcedo.
Jos (rancisco.de Seuaa Paesiuho.
odri^ues Jacobina
Francisco Texeira Paula.
Jos Manoel Pacheco.
JoSo Goncalves de Souza Vianua.
torees do Jupy e Canhotinho, cujo numero de
eleitores maior do que o desta villa, protesta*
ro ;e na obedecerao as resoluges tomadas
pelo directorio da S. Bento, tanto mais quando
nSo foram consultados, e alli exisiem chefes
presuioss erque se julgaua com direito a man-
dar i: nao a abalear
Pelo mello*, posso-ufiimiar. que quem di-
rige1 a poltica do munfieipic-w' um eleitor de
Canhotinho, inielligeafli e forte as laclas pol-
ticas, cujo contrito para a capital e talvez para
o Rio de Janeiro nada deixa- Considero iirfeli a creacao de um directorio
coaserrador n'esta villa, tanto maisqaando, no
presente anno lia certamen renhid as eleices
geraes. provinciaes e raunicipaes, e praza a Ueu
que nao se realisemas nossas previsOes!
FaHeceu no dia 1 do corrente, c sepultou-se
na capella da (jovoarao do Jupv, o presliraoso ci-
dadlo Joaquim Basilio de Barros, na idade de 68
annos.
Pai de numerosa familia, o linado nao poude
sobreviver penosa euferraidade da qual foj
accommettiJo. no soie mezes,- apezar dos recur-
sos meilicoi e dos1 desvellos dafamilia I
Recebara seus dignos fllhose-genros Francisco
Ignacio de Paiva, Coriolano de Paira e Mello.
Pedro Luiz de Souza Fontes, Manoel Ignacio da
CunhaeLucioQoerinode Mllas nossas con-
dolencias.
No dia-8 tare lugar uini' ini-sa pelo repouso
eterno do finado e mandada resar pelo seu digno
tilho Coriolano de Paiva e Mello, na muriz desta
villa; e no dia 30 do correte, haver exequias
solemnes1 da matriz de Cdribotioho, mudadas
celebrar pelo seu nao meaos dwoo filho Fraueis-
co Ignacio de Paiva, agenle da Estacan d'aquella
freguezia.
Novo desacato solTreu o Revm. Dr. padre As
sis, vigario de Canhotinho, na povoaco do mes-
mo iiome. no da 3 do corrente mez, tiendo ug-
gressor Francisco Ignacio de i'aiva Tao.
Estando este na carcida do negociante Manoel
Ignacio da unha, assemado, diz-se que o viga-
rio Assis fwjitiriin as-pemas do-se Tao ollendido, deu un ponta-pe no vi-
galio I
A polica nao se moveu, porque nao havendo
queixa do ollendido, assim devia proceder, mas
os amigos do vigario, os meamos qne promove-
ram as desordens do da 13 de Janeiro do cor-
rente anno, desordens que conflagraram a povoa-
co de Canhotinho, protestara dsaffrontar o vi-
gario e ameacara Tao, o qual se nao se acaute-
lar, pagar bem caro o desacato foito ao viga-
rio.
A alegria causada pelas copiosas chuvas dos
principios de Fevereiro passado, vai se transfor-
mando em tristesad
0 sol' raaB que abrasador, que nos tera visita-
do dia a dia depois das chuvas, destruio as la-
vouras plantadas: e os campos visinhos, como
se achavam, com as pastageos, estao qtiasi eres-
Hados !
Se nao apparecerem chovas copiosas, tudo se
perder :-gados, lavouras e at a propria vida !
A farinha, mdho e feijo estilo por pregos fa-
bulosos, por causa da procura dos mesmos para
exportaco.
Admira o grande movisaenlo d'esses gneros
em Canhotinho, e node-se dizer que os trens de
carga, sempre que descm, vo replelos de mi-
Iho, farinha e feijo; e es compradores forrai-
gam por todo esie municipio em proenm de taes
gneros.
Anda hontem a farinha venden se a oitocen-
tos ris a cuia, quando era tod.j o mez de Feve-
reiro passado sempre se venden de tresentos a
quinhentos res*
No dia 3 do prsenle mez, como se achava
annunciado, houve a segunda corrida no Hippo
dromo da Bella-Vista. correndo os cavallos ins-
criptos nos pareos segnintes:
No primeiro pareo, Folgudo, o qual chegou
em primeiro lugar e Talhado em segundo, se-
guindo-te Sertanejo e Paquinha.
No segundo pareo, Miudinho que chegou em
primeiro logar e Barbacena em segundo, seguin-
do-se Perde e gwma e Boldo. -
No terceiro pareo, I'arapeiro chegou em pri-
meiro e Iogaseira em segundo lugar, seguindo-
se Good-morning. Pabulagem e Vencedor.
No quarto e ultimo pareo, Desengao chegou
em primeiro lugar e em segundo Rpido, se-
geindo-se Quibir e Cochiliao .
Anda desta vez o raovimento das poules foi,
por demais, animado, nao fallando na archiban-
cada o bello sexo, ornamento indispensavel para
brilhantisroo de qualquer fesla; e todo teria
corrido sem novidade, se por ventura um meni-
no travosso nao tiveese jjogado nina enorme pe-
dra no recinto do ensilhamento, em risco de
esraagar as pessas que l se achavam ; urna pe-
quea troca de patarra na archibaocada, e o se-
giiiinenlo, antes da paturralargardada pelo
juiz da partida, do animal Desengao, dando lu-
gar a protestos e reclamacoes.
Tudo, porem, se acabou na santa pat do Se-
nhor, rendendo as poules de Desengao-----
1U20-I.
A concurrencia no Hotel 10 de Fevereiro, con-
tiguo ao Hippodromo, foi muito grande e o pu-
blico encontrou conforto botn e barato tanto
neste, como no botequim do Pulex, edificado
perto da archibancada.
N5o ha ponanto a receiar a fome por parte
dos frequen i adores do Hippodromo da Bella-
Vista.
Clama, ne cesses I A falta de movis as cinco
escolas primarias do muniipio causam vergo
nha a lodos aquelles que visitam as raesmas es-
colas, e se lembrm que as mesmas se aeham
funecionando nesta heroica provincia f
Se o digno funccionario que dirige a instruc-
cio publica desta provincia se dignasse de, pes-
soalmente, visitar as escolas publicas do muni-
cipio, (Icaria admirado e convencido do que aca-
bamos de dizer.
E as. escolas particulares, especialmente dos
matos, as quaes ainda se sol 'ira um b cora a
b a bcojos movis nao paseara de urna tosca
mesa fabricada de varas e os assentos para os
alumnos sao toros de madeira; aos quaes se d
o nome de cipo I
as casas de edcacao, alera das rearas higi-
nicas, asseio, venlilco e amplido, deve haver
os movis indispensav. is para os meninos.
Em bons e commodos assentos o gosto para a
leitura e para a frequencia da aula sobremodo
excitado pelo luxo e commodilade ; nao snecede,
porem, assim; quando o menino se lembra que
vai para a escola e obrigado aescrever de joe-
Ihos, a assenlar-se no chao, e as mies a fleac de
p, como as tcstemumias uo lempo dos celebres
devasso*I
Venham bons movis para as escolas publicas
do municipio ; a importancia dos mesmos n&o
to avultada que v desfalcar as (mancas pro-
At outr vez.
O rgimen municipal das gran-
des cidade estrangelras
(rf.vue des deux mondes)
I
A centrahsacao tem sido nos derradeiros 30
annos fertilissimo themu sobre o qual raoitos
discursos se tm urchitectado,. muilo3 volumes
ten: sido escriptos. E, porvenlura, ter-se-ha
sempre coraprehendido a signiticaeo exacta
desse vocabulo, o seu alcance, as vantagens e
os perigos que elle encobre ?
Nao acontecer a centraiisaco o mesmo que
liberdade, igualdade, palavras vagas e luien-
tes, que mal comprehendidas, podem servir de
passaporte imis detestavel tyrania e de pre-
texto ao mais inesquinho fanatismo ? Segando1 o
interpetre varia o valor da cousa ; assim como a
applicaco d maior ou menor valor ao instru
ment.
Quando se fallava de espirito, Locke pergun
lava :
De que espirito fallues f
Drf que centraiisaco fallaes-' Pergraitaremos
nos aos theoricos.
Ser da centraiisaco poltica, pseudonymo de
unidade nacional, dessa centraiisaco lo neecs-
saria, que faz os peres do mesmo modo que as
abelhas Eazcm um corJico, sem > qual elles nao
poderiam viver, prosperar e engrandecer-se ?
Ou vos refers ceutrarisaco adinini-tr.tiva
concepeo inleiramente romana, cara aos geo-
melros "polticos que leva la ao excesso, aestroe
e hiiIjiiiibW da iniciativa, engendra ragas de
carneiros, conduzidas por um exercito de func-
cionarios, hubituados a tudo esperar do poder,
attribuindo tudo a elle, promptas turabem aim-
puur-lhe a> resiionsabilid.ide dos accidentes aos
quaes elle inleiraii/ente estranlio ? Diz-se com
muito acert que a liberdade i4 o sal da trra,
mas que a auioridade 6 o su pao : publicista;
horaens de Estado, todos convra que 6 mister
raismral-os em urna constitnico. Mas era que
dse ? Era que proporco ? Como conservar ura
equilibrio que, em falta da lei, os owtumes
ameacam romper constantemente de um lado ou
do outro ? Onde se cojlocar essa liberdade ou
essa antoridade* Os irrglezes cottocam aquelli
na base, esta no parlamento ; elles passoera o
genio do relativo, do concreto, ej mosastas i
comparaveis, que fabricam ferramentas novas
para necess'dades novas, juntando urnas vezes
urna ala, outras vezes um tidar, pedindoi so*
archilectos os cstylos maio diflerentes, cons-
troem o seu edificio constitucional sem soim-
portarem 10(0 a uniformidad^, com a belleza es*
thetiua ; as com a preoocupago e o sentido do
confortavel. Public bitsinets is pnvaie business of
every man ; os negocios pblicos, pensam elles,
sao o s negocios particulares de cada hornera.
Ha, enlre elles e nos a mesma differenca que
entre um drama de shakspeare e urna tragedia
de Racine, um jardira iaglez e o parque de Ver-
salhes, urna igreja gothica e um templo grego
Autoridade liberdade, tudo, era Franca, con
centra-se no pice, e, a despeiio das leis novas,
a vida municipal e nrovincial enlanguece, para
lysada pela grande sombra projectada pelo Esta
do ; e to verdude isso que mesmo quando se
lancam iinpostos ao departamenu, e coramuna,
p rece que Ibes do urna esmola.
O imperio, dizia-se em 1868, e um governo
pessoal onde nSo ha mais i nnguem.
O prapidenle da repblica, arada quando Ii-
casse inteiraraeoie aniquilado pelas caraara e
reduzido ao papel que Bonaparte to pitoresca-
meute quatificava, ainda quando nio houvesse
MMM no Eryseu, a repblica ser sempre om
governo pessoal, tendo por alavancas a burocra-
cia, o fetichismo do executivo, hbitos secu-
lares.
N) seu Principe fderatif, Proudhon n-se dos
fondadorest da democracia, que, em 1793, jul-
garam 1er feito obra-prima decepando a cabeca
do re, emquanto decretavara a centralisago.
0 conselho dos Dez, observa elle, era um ver-
dadero tyrano e a repblica de Veneza um des-
potismo atroz: pelo contrario, dai um princi-
pe, com o titulo de re a urna repblica como a
Suissa, si a constituico nao mudar, ser como
si collocasseis um chapeo de feltro sobre a es-
tatua de Henrique IV. 'A tyrania que muda de
bandeiri nao muda de carcter.
Seremos sempre joguetes das palavras e das
apparencias, prompios a nos desga rarmos por
etiquetas, imaeinarraos que, faltando o sym-
bol a cousa nao existe t Sob as crqp de igual
dade, decretamos um nivel estpido; nosso ge-
nio unitario, nosso deiiio de lgica, levam-nos
a subinetter ao mesmo rgimen urna grande ci-
dade e urna pequea aldeia, as mocas e os man-
cebos, o soldado intelligente e o ente rudimen-
tario, sacrificar por uuia abstraeco as regras
dogstoeda experiencia, nao darmos valor
as differencas econmicas, s superioridades so-
ciaes. Si assim quer a lgica, si assim quer o
principio, si assim quer a falsa eentralisucao.
Procurae persuadir-nos que o mellior ministro
toda a genle ; que a ordem nao dimana smente
do pode-: mas que, pelo contrario, a sociedude
se governe interna e externamente, e o melhor
governo aquello, que menos se vi I
Assemelnamo-nos a esse atheoiense que, len-
do quebrado a perna, habimou-se-as mukHas, e
aoltou altos gritos quando, depois do seu cura-
tivo, propuzeram-lhe que caminhasse sem esse
apoio. .
Henri Heioe refere que um mechanico leudo
j imaginado as machinas mais engenbosas, dis-
poz-se ahnal, a labricar um homem.e o conse-
guio.
A obra que sahira das suas raaos poda uioc-
cionar e agir como um horaem; tinha no seu pei-
to de ouro urna especie de apparelho de senli-
mento humano, sabia commu. icar sons arlicula-
dos.suas eraocOes e o rumor interno das rodas
molas e palhetas que se ouvia ento, produzia
lima verdadeira pronunciaco.
Finalmente, esse aulnomato era um geutleman
perfeilo e para ser corapletamenle um homem s
lhe fallava ter alma. Durante muito lempo o
nosso departamento, n'essas coraraunas teiu-se
assemelhad a esse authomato, faltand9-lhes
tambera urna alma ; tinha-se adiunle de si urna
poeira departamental, um yo cutfmunaJ e as cou-
sas nc tm mudado desde i 870.
Conselheiros geraes. conselheiros municipaes,
ntatt, todos conservara a idulatria d Bt-udo, a
paixao das muletas administ rali vas: aciualiuen-
ffe como outr'ora, antes de ter urna opimao sua,
querem saber o que se diz em Panz e o pan-
tanto com o que ella pensa
Pariz nao cessa de perturbar, de fatigar a opi-
nio.
Demais, a cmara parece erar que a situacao
exige algumas mudancas, ministros, deputados
mintriibies prnmetteram certas concessos ao
parlamento do Hoter de Ville, e inconteslavel-
raente fez-se muito ou muito pouco pela cidade,
imperial. Mas con vira diminuir ou alargar essas
liberdades rannicipaes, qne, em todos os paizes,
sao o berro, a escola, o baluarte das liberdades
polticas ?
A ojuesla*o mportamte. porquanto enVolvea
semiianca soc id, a ordem, efaturo da naco.
1 ara lerminap-n demonstraeo (11, quizera di-
zer como ella foi resolvida em outras partes,
itessas-capiiaoB-do mando -orvilisado que, se-
gonrtoa.expreiao dor. A. Cechin, oceupam no
movimeDt^ da isvilisaeto.olanr dos principaes
lonetas no syHoma gutol de mundo.
A Franca nao tem ma:s a pretenco de car li-
coes aos outros povos, e de nunca recenel-as de
outrera : dezoito annos, nossos oradores esme
rarn-se era citar o eslrangeiro, nossos legislado-
res inspirara-se as 3uas instituigoes; n'isso
Jraesrao, sera coademnar se a urna servil imuco
"talvez que se encontrassem alguns pontos de'
coraparaco para assignalar, exemplos para me-
ditar : talvez sepudesse aproveitar a experien
cia dos outros.
0 eclectismc (em cod*>s boas, tanto na poli-
tica como na p:"iilosophia, e em iodo o caso, vale
mais que os systeiuas absolutos que partera de
umaiformula p;ira rematar em um absurdo.
II
Em Frailea; a iatervenyo central esta eenada
ao executivo, era Inglaterra pertence ao parla-
mento. Quanto X ultimo, nenhuraa caria, nenhu-
ma instituicao deline seus poderes, que lera ca-
rcter universal: religiosos, administrativos, ju-
diciarios, legishUivos*
A propria realeza dirigise a elle para inves-
til-o das mais latas attribuicoes : ella depoz, do-
mino rainlKns. motilicou por vezes a ordem de
successao, tranu formn-se em concilio, fondou a
igrejS aiigeona, dando-'lhe seus dogmas, seu~
privrte?rroe, suas riqueza?.'
D'ah ese adagio celebreque elle tudo pode,
salvo azor de tun homem urna muller. e de urna ,
mulhernra hornem.
O parlaraenlo inglez c dictador, o Estado 6
elle, mas represen ni o paiz ea opinio pablica,
e si decreta leis pura todo o reino o poder cen-
tral nao acompanba em geral a sua execucao;
seus funccion.irios desempenham ordinariamente
funeces nao retribuida* pelo thesouro publico, I
e nao tem superior administrativo que os dirija,
recompensa t,u puna.
Outrosim, o luco hierarehico conserva se fra-
quissirao entre o Estado, os condados, os burgos, .
us cidades, as freguezias, e cada adininistraco ~
forma de alguma sorte um entro especial. Se-
gundo as circunstancias, v-se o parlamento re-
tirar freguezia, ao condado esta ou aquella de
suas attribuicoes a.caridnde. o estado civil, a.
polica (i) para d'ellas investir urna commissao
que lera sede na Metropole; mas, em vez de
suppnrair o privilegio, contenase em tomar o
quiiho necessario para exercer sua superin-
leinlencia, entregando o excelso aos nteres- -
sados.
Longe de se chocar em attntos ccmtimics, to-
dos csses poderes movem-se na sua propriaes-
pli"i-,i. needendo rara vezes seus limites. Por-
que ? orqn.i Hcara sujeitos a urna tisealisaco
superior, a da autoridade jndiciarip.. qual a
cmara dos communs, dando o mais salutar
exempo, conlia o cuidado de pronu;iciar-se
sobre as elekjes contestadas de seus merabros.
A burocracia ingleza gauluiu terreno nos lti-
mos quarenta annos; centralisou-se a adminis-
tracao dos pobres, melHorarara'se os privilegios
das corporaeoes, mas essa centraiisaco difiere
profundamente da nossa, porquanto a maior
parte das- vezes as commissOes instituidas pelo
parlamento reerutain-se pela eleico. A ad-
ministraco simelhante areia sobre a qual
carmnhaio os individuos; r.ao 6 urna montanha
qne os-domtnav As pequeas forras provinciaes
sao idnticas a mananciaes amistados uns dos
outnoi: o a hn rios onde vo misturarse e per-
der se. As rendas dos condados, das cidades
nao passam previamente pelas mos dos coller-
tore-'do Elaido. Poder-se-hia definir assim a
autoridade : una caldeira de agua fervendo cujo
selfgovernmeni*"* vatvnla de seguranca : o in-
glez agarrase apuixonadamente a essa vlvula,
sem a'quul a machina umitas vezes arrebenta
algures, nao adinitte o-dominio dos Iribunae^,
que pretendem a direceo suprema de todas as
cousas, essa influencia oceulta cujos innmera-
veis los, como os da teia da aranha, estendem-
se e correm em todos os sentidos, segundo a ex-
presso de Goetne.
O inglez sabe que um estado precisa sempre
da mesma quantidade de poder, mas que lude
muda diversamente quando o poder confiado
ao funecionario ou ao cidadae.
Penetremos uora nesse labyiintlio municipal
de Londres uiessa provincia cborta de casas),
cujo organismo resume o genio nacional da In-
glaterra, onde nos aguarda um espectculo to
original quanto attrabcnte
Urna superficie quintupla da de Pariz, com po-
pulacho superior a 4 milhes de almas, una mu!-
tido de autoridades de todo o genero e de todos
os graos, entrelacadas, juxta-postas, sobrepostas,
conservando' sua personalidade, sua vontade,
seus recursos, viveodo vida intensa que faz lem-
brar essa agitaco dos mercados asiticos, onde
affluem os representantes e os productos de vinte
povos, associaces livres, vestries, districtos,
commissOes centraos que proseguem no seu mo-
vimento complicado, a cidade de Londres sub-
sist ndo no centro da Melropole como urna iu-
stituigo gothica e fossil, segundo uns, como a
guarda da soberana da comranna, aflirniam oi-
tros, semelhante viso espanla-nos primeira
vista.
As arvores impedem ver o bosque, essa nuven
de minucias contunde nossas imaginaces, julgar
mo-.ios no chaos.
Sem contar que os limites da metropole diffe
rem, segundo os objectos que se coiisideraasi e
que se poderia tratar sobre o raappa sete circut
los concntricos, como que limitando sete cida5
des distinctas.
S o polica abrange no seu dominio toda a
capital, com 8 seus 4 447.000 habitantes.
Depois vem estreitando-se cada vez mais, o
Corrtio, o Metropolitan-Board of Works, a xindott
School. o tribunal central criminal, o circulo das
tabellas de recen sea ment, o dos burgos parla-
mentares efinalmente a cidade.
Na.base de outros poderes, citei a freguezia,
civcumscripcao territorial determinada pelo cos-
tume; ua asserabla, o vestry, compOe-se de
todos os habitantes que pagara o imposto dos
pobres, gozando cada coulribuiule ue um nume-
ro de votos proporcional a cifra dos impostos,
sera, todava, poder exceder o numero de seis;
elegivel qualquer Gontribuinte inscripto no
imposw dos pobres com urna renda superior
a 40 (l 000 francos).
Gratuidade das funeces, renovaco pela terca
parte, ministros e erapregados de freguezias
membros; por direito de vestry, essas regras
upplicam-se tambera aos 38 distados londrinos,
divisoes administrativas do segundo grao, for-
madas pela reuniao de um grupo de fragdezias.
vinciaes ; lembre-se o digno director da mstruc- ziense inquieta-se
cao publica da pnviucia e a Assemblea Legisla-' como o que pensam suas pernas.
(iva, que o sertanejo tambem e brazileiro e mu- Pariz tambera tornou-se a sede do gobern e
to couc irre para os cofres provinc dos parlamentos, foi o baluarte, a praca lorie da
Ha mais de um anno que foram eitas as no-; centraiisaco poltica e administrativa, tez e iies-
uieacoes dos supplentes do juizo municipal deste i fez muitos governos, destruio o que tuina enih-
trmo cado, e abaou a Franca nleira. Sua organisacao
O 1" e V supplentes preslaram juramento e se municipal tem constantemente preoecupado os
aeham funcci.'uando; no umlanie falta o 3o sup- poderes pblicos, e por suas lamentaces, por
alate qual nao omou nosw.oneeuinte- suas re lamacoes, por suas usurpacoes. Sua
mente acha-se o 3 districto privado de ter juiz.! Eminencia-Encarnada o conselho municipal de
<1) V. na Revista d 15 de Setembro de 1888
o estudo intitulado : Regmmvmmeipal de Pariz.
(2> Ver sobre o rgimen municipal de Lon-
dres ; Augusiin Cocbin e mirar Rafulowitch
(Reme des Deux Mondes 1 de Junho e 1 de Julho
de 1882) : Gneist, la Constitutim Angtabe ; Fisce
e van der Straclen le ornees locales en Angleterre:
Paul Leroy Beauliea /'Adminutratm lcale en
angleterre; Yvcs Guyot, l'Organitution munici-
pale de Paris et de Londres; Rulletin de fo So-
det de leaislatK>-> compaie, anno 1881. esludo
do Sr. Dehuye; Langel, /' Kngleterre wliliquett
socale; Reportt of lhe Met opal-tan board of
Work'', 1884, 1883, 1886. Estes relatnos foram-
rae graciosamente ^ommunicados por lord Ma-
gherai'iorre e o Sr. de la Hooke. Os frs. Ni-
cbolas Herbert i Jonkin puhlic.aram tamucm l-
timamente um commentario asss aprofundade
sobre o 6if de 1888. Votada para comprazer ao
partido radical, essa lei, sob o nome Cwinty ct
cus e de Borough's countgt; oiganis :aa Ingli
Ierra conselhos geraes. A admioislracSo
condados pertencia outr'ora gent*v, aos
de paz designados pe'a corda ; con
attribuicoes judiciarias, mas 'su
(.oes purameule administrativas j
os conselhos geraes, que
selheiros do condado,
peles rtiepw
dermen de e<
pelos con
torna-st o cosdsds d
.

i


A
i
i
V.


P#&&1
rorio de Pei
Mmtani-se mai i de 3 O' Jrymen $
'^|"a*r*alB,taHfTjfto <1
Coraquaato aatos succeasi*es do- pariaueato
tenham singularmente dia>iaaido o sen dominio,
suida Ikes cabera os funeraes, o? banbo.s e lavan-
deras, 6 estradas reaes locaes, o servico e o
ateaai enlodas, igrejas, os peqqpnos igotoe, o
iuieao,'ailluniBacao, a iBgpHcrfio das mo-
lestias epidmicas O acto de 4888 nao instru-
gio absolutamente suas atlribuigoes.
cima d'elles paira arepartigo metropolitana
das obra, que prelViuiradaSena.
-Genstit-daetu 1858, composta de-46 membros
eleitos por tres annos pela cidade, distrctos e
fregueiias, encarregada prlmeiramente das gran-
des obras, taes comoa6 aguas eesgotos. o sanea-
mentodcr Tamisa, adrainageiu, suas attribuiges
estenem-se todos os dias, e representa de al
guma sorte o papel de creada para todo o servi-
co domestico, a maid af ol works: suas sessoes
sao publicas, mss. como d'ellas stritamentc ba-
nida na poltica, sao \kico frequentadas.
Noineado vitaliciamente pelo board, s o sea
presidente recebe o ordenado de 37-500 a 50.000
trancos ; as foncgOes dos outros membros sao
gratuitas.
Ainda aqui, o direito eleitoral s xercido
pelos contnbuinles e domiciliados : nenhuma in-
tervencao concedida a pupolago indigente ou
nmada, aos que recebeiu sera pagar, a os que
gosam sea coutribuir: os cordoes da bolsa sao
seguros, exclusivamente pelos representantes
daquelles. qnea euchem.
O inglez nao comprebeade a democracia como
nos : da direitos a todos ; reserva o poder para
alguns ; na administracao dos negocios, par-
tidario da selecgo, procura e escolhe as supe-
rioridades.
Habituado a encontrar o signal dislinctivo, a
presumpeo da capacidade, na fortuna ou fartura,
pensa como o proverbio italiano : Aquel le que nao
tem nao existe ; de bom grado applicaria ao po
bre sua mxima sobre Ja embriaguez : A man, a-
'hing: um homem, urna cousa, um ebrio antepe
t liberdade igualdade.
Milln, no aeu Paraso Perdido, caracteriea
perfeitamente essa consciencia das distincroes
sociaes entre os ingleses :
If not equal, yet free,
KqmUht free, for orden and eqrees
Jar nnt witk tiberty, but well coasisl.
Si nao sao todos iguaes, sao todos igual-
mente livres, porque as classes e as posiges,
longe de descordar com a liberdade, ajustam-se
pmeitameata cora ella.
Os impostes directos formam a base princi-
pal do systema flnanceiro dos condados, burgos,
reguezws e commissOes. Tem em geral por
typo n imposto de condado ou o dos pobres, e
joMcam-se com razOes de equidade emanadas
da especialidade da despeza a que devem pro-
" ver.
Absorvendo o estado quasi todas as fonles de
Tendimentos indirectos, as administraces locaes
Uveram de recorrer aos impostes indirectos-
Hesse systema enconlrara-se garantas serias
Contra as" despegas uuteis, garantas que com-
pensara os ineons unientes das difliculdades e
desigualdades da repartirao.
O Metropolitan Board "of Works percebe dos
'listrictos um imposto metropolitano e um im-
posto dos esgotos: por seu turno, distnct03 e
l'reguezias estabelecem impostos anlogos, desig-
nado para os servigos a que devem acudir ; im-
posto do pobre, imposto de igreja, imposto de
policia, irai>osto dos caglos, etc. Os nicos di-
reitos de arrecadacao, que existem em Londres,
sao os direitos sobre o arrio e um direito di-
minutissiroo sobre o vinho, que s recae sobre o
vinho trazido em navio ao porto de Londres e
produz 8.00(1. Os direitos sobre o carvao ren-
dem cerca de 450.000 por anno, cabendo as
duas tercas partes repartirao metropolitana, e
a outra terca parte cidade".
ZKiuanto ao capital necessafio para a execuco
das suas grandes obras, o Metropolitan Board
adquire-o por meio de emprstanos, emittindo
ttulos chamados : Metropolitan cotuolidati'd stock \
0 seu crdito vale o do Estado : em 1886, contra-
dio elle um empresiimo de 30.250.000 francos a
,3 %, subscripto pela taxa [media de 995/8. Era
31 de Dezembro de 1887, sua divida elevava-sea
.000.000.
(Contina).
-.\ i|ii V&ji >\" :iinnr 6 h a imba
snitrir-meda voraz descrenca
que m ai tsar*, qual o inga as-Hafanunras.
Nada sou nada prez*, a nada aspiro
na vida e n que me aobei, sora que a buscasse.
J que ni veas, ou mo nao queies, morte.
orre a et cootrar-te-no profundo aoysmo. *
Estofen-tenas aguas!... Derepente
desfez-se rtemoestade !... luz fagueira
volveu eir. dia lmpido ao planeta !
Parece qut a borrasca, em seos furores
estimnlanco ao scepiico Masphemias,
emmudecoi de pasmo, ante o desfecho
da lormeoiosa vida. A natnreza
naquebe I ;bo ingrato alliviouse
da procella mais hrrida, a procella
erguida contra Ileus "um pensamento.
nal]
-feira 15 de Marco de 1889

LITTERATDRA
Das ondas merc, boia um cadver,
e afraal, re. rilado pelas ondas
as raaos da caridaae abrem-lhe a cova,
Mais um que se finou. Que pressa intil
para o termo fatal! Que mjporta ao mundo
um vvente de menos ? Sao decresce
na incessaile harmona do universo .
a obra de J hov. Bera hajam vidas
que dadiva* divinas se reputara.
Gloria en nca que os martyrios alenta !
111
Orgulho humana, que te falta inda ? I
Tens ao dominio teu subraissas, doceis,
as forcas do planeta. A leus caprichos
da natureza os reinos se avassalam.
Multiplicndoos bragos e vencendo
estorvos mi, por machinas tao aptas
que do teu propino espirito se animam,
a ferro e tof. o as solides acordas.
Mares confundes, serranias rasgas,
fazes. desfazes coloesaas prodigios,
afanosos titans, na paz, na guerra !
Aos ventos sobranceiros. abysmos saha?
no cavallo dynamico. Os arcanos
do eco, da trra investigando, armado
de instrumentos que arapliam teus sentidos
na etherea irrmensidade orbes perlustras ;
na golta de agua o microcosmo espreitas,
para evitar universaes fiagellos.
Na imprensa, que propaga e perpetua
o pensaraento. ubiquidade alcancam
teus producu mentaes. Frustras, supprimes,
mediante a cliispa elctrica, as distancias,
e. ausente o sol. e dia continuas.
Firmado na i idccao, luz dos fados
revolvendo di seculos as cinzas,
recorapes o passado mais remoto,
ou o porvir divassas... indomavel, i
na ideaque transcendo o espaQO e o tempo,
barro animad ~> abranges o Infinito !
Tudo isso ainda achas pouco f Velho ou joven,
ignaro ou sabio, contra Deus te insurges,
porque fugindo dor, s tedio encentras
no abaso do Kazer. Ingrata, ufana
da sciencia coitraposta s leis divinas,
alma, exhaurem-te as improbas pesquizas,
e assim o pro|irio bom no mal convertes.
Triste desfecliD, suffocante vacuo
para os sectarios de Haeckel, embebidos
na insana apo :heose da materia !
Cgo incuravel, perca-se o descrido
no arrojo da nzao, no infausto erapeulio
de perscrutar i origera do Increado.
Seia a loucura o paradeiro opposto
ao Bceptieo bl sphemo. Em densas trevas
achem castigo as mentes rebelladas
contra a luz do que as almas se alimeatam.
nos arroubos da fe. Se nada o homem
poique nasceu do nada, erga-se. avulte
nos soffrimentc s que o viver Ihe acendrara.
Fiamma precaria embora, o ser finito
.da Diviiidade, is vezes, se approxtma
no ardor de in'sgotavel paciencia.
Se te privas da vida, em vao desforco,
quao refractar i 6a tu, descrenca humana,
aos dons s provas da grandeza eterna !
Rozemmi Momz.
REVISTA DIARIA
'.
O deserldo
Vi> ILLUSTEK COLLKGA E PRESTIMO.SO AMI-
GO BARAO DE KAMI/.
Asss Deu.-. o homem sobre a trra
Revela teu poder, na grandeza.
A razo s tu mesmo ;a liberdade
Com que prendeste o homem. nao. ruto pode
Dominar a razo, que te proclama.
D. DE Macalhaes.
I
ftugindo irroiupe a tempestade horrenda.'..
Na elctrica effusao rasgam-se as nuvens
sobre a aturdida trra!... De continuo
roncam trovoes- relmpagos flammpjam !
Faina de rogo a refulgir sinistra,
Desdobra-se lo co, e estala o raio f
A colera que os .res ennegrece,
reper,.utindo as cavadas rochas,
por sobre o mar os impetos diffunde.
Azorrague a zuir, raivoso o vento
do ninho arranca espavoridas aves ;
de rvilo lavrador annulla esforcos.
devastando-lhe a messe. Fustigados.
na selva oscilam seculares troncos.
Alagam-se em torrentes deaguaceiro
plainas e lombas... nos de enxurrada
olan por valles alluindo montes !
A.'uas, reptis escomlera-se confusos.
Trj.'rinlff sencio rednzidos
na opulenta cidade. nial respirara
'idaleos e plelios. O raedo irapede
as o\ N-m tari sem rumo, inclume affrontando
as furias da tormenta, homem-phantasraa'
i berra-mar blasphemias vocifera....
.mo desafia os elementos
conjura a morte e impvido responde
aos r.iios com sacarsmos de possesso.
Porque nao vens, exclamaira celeste
anniquilar-me J! Ha tanto qne te aguardo I
justo Deus, se a Providencia existe,
porque recusa desfazer-me em cinzas,
guando na morte o mee aja fc*"*fof1
Filliu do nada, ao nada auui ne e.vponbo,
s nelle ere, s comprenendo nelle
o descanso eternal, que tanto almejam
esotfros das promessas de alm-campa
espiraos banaes, cerebros cos.
Morrer, dormir, sonhar talvez, quem sabe ?
Dase i poeta. Que esperanca estulta !
Se, *ai:i^ua de oleo, bruxol^a o lume
e a lampada ?e apaga, assim nos homens
diaramas prccana, que a vaidade nutre,
esvae-se a Ini da vida em rorpo e alma.
Vo.unft.rio do tmulo beuidigo
Jfcrazoura da morte benf superno.
Oi'.e aivelador iaual nr;i.
pje de*todo; se ap u lodos -"me
.neama argiila de oue i: surgeui '
Ionra. ilornt. prazer i, uuodos.
ludo mentira,'tK. r;i'i ciiiinera
Ni", nao creio
DHafasorias p; eleociies aiuitdanas,
na> ls dos lKnen<. friv.-ia oa torpes,
que-da w:iMira universal eogitam.
eropara p-nl: \ rerUade,
un'fa. i!n' '! irrefrauavel,
tos vivos
^^Bevita> paz rio morto.
"eilll
tptont
aetin*'"1
i
ir dos que. te evitam,
linio t
n-ir ios crit.j
ra existencia,
'|iialr0
ae crwturdi
gulho osterit..iu :
,u rana,
fraqueza,
DO
Ai.t4-iaft.KKa Pr*ineial Funccionou
hontem sob a presidencia do Exm. Sr. Barao de
Itapissuma tendo comparecido 88 Srs. depu-
tados.
Foi lida e sem debate approvada a acte da
sesso antecedente.
O Sr. 1." secretario procedeu leitura do se-
guiote expediente :
Ura ofticio do secretario do governo, remet-
tendo o orcamento da receita e despeza para o
exercicio de 1889 a 1890 da Cmara Municipal
do ExA cmmissao de orcamento muni-
cipal. ,
Outro do mesmo, remetiendo o balanco da re-
ceita e despeza do exercicio de 1887 a 1888 e o
orcamento para ojie 1889 a 1890 das cmaras
municipaes da Victoria e Itamb.A' mesma
commissao.
Um abaixo assignados residentes na zona
percorrida pelos trilhos urbanos do Recife a
Caxang, reclamando contra a clausula 2." do
additivo n. 61 presentada como emenda ao pro-
jecte de lei do orcaniento provincial.A' com-
missao de peti(>es. ____
Urna petico do padre Francisco Joaquim da
Silva, vigano da freguezia de Santo Antonio do
Recife pedindo que esta Assemblea providencie
do sentido de evitar que moradores no mesmo
predio pertencam a jurisdieco de vigarios diffe-
rentes, como se da entre as freguezias de r-anto
Antonio e S. Jos.A' commissao de negocios
ecclesiasticos.
Foi a imprimir sob n. 5 um projecto restabe-
lecendo a cadeira de ensino primario do sexo
masculino do pcvoado Olho d Agua dos Bredos,
da comarca de Cimbres.
Adkm-se decois de orarera os Srs. ElisJario
de Moraes, Clo um requenraen.0 do priraeiro pedindo informa-
ebes sobre o tritamerrto no Asylo de MHidicidade.
Passou-se ordem do dia.
Approvou-se sera debate o projecto n 1 deste
anno (revogacac da lei n. 45) sendo dispen-
sado do interstic io.
Approvaram-se tambem sem debate os pare-
ceres da commissao de leis nao sanecionadas de
ns 83, 87 e{88, votando contra os dous primeiros
os^Srs. Barros Brrelo e LTysses Vianna.
Encerrou-se ii requerime.nto do Sr. Jos Ma-
rianno a 2.* discussao do ultimo artigo do pro-
jecto n. 94 de lr88 (orcamento provincial).
Em seguida procedeu-se votaco das emen-
das ao mesmo artigo, 'jurante a qual oraram os
Srs. Barros B&iTeto, Jos Marianno e lysses
Vianna, tendo sido retirada a de n. 1, rejeitadas
as de ns. 2. 4 e 8 e approvadas as de ns. 1 5, 6
e 7, nao se conjurado a votacao por falta de nu-
Adiou-se a 3." discussao do projecto n. 106 1888 tendo sido apoiadas raais duas emendas de
ns. 21 e 22. .
A ordem do (lia : xmrmnacao da antece-
dente e mais 1.' discussao dos projoctos us. 2 e
4 2.' do de n. I todos destes anno e discussao
nica das leis nao sanecionadas a que se re
ferem os pareceres ns. 83, 87 e 8rt de 1888.
Arto da ir-ri<-M-ia da provincia
Por acto de 6 do corrente :
Foram nomeadus para o comeHio de uiga-
mento do alferes do coit de policia Emilio da
Silva Costa, prenunciado peio respectivo conse-
llio ile la*r*g.i o como iucurso as penas dos
aris. 131, 138"e 130 do ixuligo penal do referido
corpo : capilae Aittouio tas iastaoM presiden-
te e os alferes Cbrispiniano Piracntel Aogelino,
Rrancisco Xarier Camello Pessoa e Jos Nicolao
Pereira Gomes, voj niiidn de auditor o
2 promotor pulicq da comarca tiesta capital
bacliarel Aflbnsj Olindense Ribciro de Souza.
tuiortarKn Xlc4ae Par portasias
da presidencia rfsj provincia re 12 e 13 e ?ro-
lio^tas do i i. diefc de polio de 9 e 13 do cr-
rente, foram nonieados:
Para o lugar igo de delegado
Pao d'Alho: o idadao Jos
Para'o iucar ce 2* supplente do subdelegado
do distncto"de Benedicio do termo de Quipa
Francisco Xivier dos Santos, em substr
ilo termo de
Vieira de Mello
I erreira dos Res, que mudou-se
pa
le Vicente
do dittricto.
Auxiliadora da ARi-to-Hllam -Hojea
1 hora da tarde devem reuur-s
5eral o< socio!, da sociedade Auxiliadora da
.grh-ultura na >-dftsocial. ruada !
: eleicao dr. o'lho *
tivo e ma :ivos.
"*"
de a. iraaaliaa
f%r estar em concertos a ponte sobre o rio
Pirapaoia; nke as-astacoes da liba" edo Cabo,
deesa tatoada de ferro, o trem de cargaouedes
cer do ulterior no dia 23 do correte fioara. na
estacSo do.Cabo at a manha.de 26. e acontar
do dia 22-a tarde at 25 o transporte de passa-
geiras sera eito aom baldeacaona1 referida pon-
te que os passageiree tem d atravessar a p.
O despacnoi de auimaes nos dias mencionados
s poder ser elTectuado entre as estaces de
Cinco Pontas e Ima e do Cabo e Una
Malva* Por ter sido hontem o dia aniver-
sario de S. M a Imperatriz, Sra. D Thereza
Christina Maria, deu a fortaleza do Brum as sal-
vas do estylo.
Faruldade de Dlrelto Hoje s 10 ho-
ras cooiecarao os exames oraes do 1* e 3 annos
e ao meio dia os do.2.
A s 10 horas da manila devera apresentar-se
na secretaria da Faculdade para tirar ponto que
sirva de iheraa dissertacao para defeza de Ine-
ses o hachare I Joo Elysio de Castro Ponaeca.
taiMr da Europa Deve tocar boje em
nosso porto, o paquete inglez ai Plata em via
gam da Europa para o Rio da I'rata.
Recebe passageiros e carga para Montevideo.
vaaor Neta Este vapor, segundo tele-
gramma recebido pela casa commercialAmo-
rim Irmos & C, deizou hontem o porto do Rio
de Janeiro 1 hora da tarde, pelo que deve che-
gar ao nosso no da 19 do crreme.
Clan iHternarlonal do eeife Itea
lisa-sq amanha nos sales dessa digna associa-
cao mais urna brilhante soirie no presente mez.
Os crditos de que gosa o Club Internacional
e a amabilidade de seus directores, sao garan-
ta segura para se poder aflirmar que a soe
de amanha ser amraadissima c que ao club
concorrer grande numero de senhoras e cava
lheiros.
Como de costume haver trem para Apipucos
e bond para Magdalena.
ratriatonio Be*aard O Sr. Joo Ma r-
tins da Silva, thesoureiro da commissao do R-
late enviou-nos hontem mais a quantia de 21
para o patrimonio da familia Regaard de Olin-
da, quantia qne hontem mesmo entregamos ao
Sr. commendador Joseph Krause para o devido
flm.
Para esta sotnma concorreram com 14 cada
um os Srs. Manoel Heleno do Nasciraento e Ben-
to Jos Correia.
tu. FraacUr* Sornente lioje, s 3 horas
da tarde, seguir esse vapor da Com|auhia Per-
nambucana para o > portes do sul at Babia.
OuricuryCommunicaces de Ouricury fa-
zein crer que de 23 para 24 do mez prximo fin-
do lora assassinado all o tenente Diraas Fran-
cisco da Silva Braga, ex-promotor publico da co-
marca.
Parece, que este lamenlavel facto prende-se
as oceurrencias que no anno findo deram lugar
ao assassinato de Juvenai Antonio de Castro e
Silva na mesma villa.
Ha alguna tempo que do-se na villa de Ouri-
cury desintelligencias entre algumas autoridades
locaes e attribuimos a isto os tactos anormaes
que all se tem realisado.
Estamos certos de que as providencias neces-
sarias se rao lomadas por S. Exc. o honrado pre-
sidente da provincia e que era Ouricury a tran-
quillidade publica se restabelecera.
*ovo armasen de genero* alimen-
ticio*Abrir-se ha hoje, na ra do Cabug n.
11. um bem sortido armazem central de gneros
alimenticios.
Pertence aos Srs. Joaquim Christovito Casamenta e morfinaCom este ti-
tulo pnblicou uesta cidade o Sr. Julio' esar Leal
um romance de sua composico, que j deve ser
conhecido do publico.
Agora urna nova publicarlo do mesmo roman-
ce nos chega da Bahia e por intermedio da Li-
viana Contempornea dos Srs. Ramiro Costa 4
C, recebemos um exemplar deste romance que
na mesma livrara se vende a i oexemplar.
Agradecemos o que nos foi enviado.
Club Jone Antonio Este Club proce-
deu eleicao de sua directora para o auno de
1890, sendo a posse no prximo domingo na
sua sede na pateo do Carmo, s 6 horas da tar-
de.
Foram eleitos :
Presidente Roberto Rosas Furtado.
Vice presidenteSilvino Soares Porto.
SecretarioFrancisco Ramos Rosas da Cruz.
Orador Gaspar Soares dos Res.
ThesoureiroClementino de Paula Soares Ro-
sas.
DirectorJos Antonio Soares liosas.
Commissao de con tas Manoel Pedro, Jos
Vieira. Joo Policarpo Rosas, Miguel Fraterno.
DictadorA. C. Valeriano Rosas.
Nervieo militar Esto designados boj
para superior do dia o Sr. capito Manoel Ansel-
mo, e para ronda menor um subalterno de ca-
vallaria.
A guarniro da cidade dada boje pelo
14 l)n tal 11 o de infantaria.
Existem em testamento na enfermara 41
pracas dos corpos da guarnico.
Directora da* obra* de con*erva-
co do* Porto* de PernamnucoReci-
te. 13 de Marco de 1889.
Boletim meteorolgico
. JIMM ti
soeda Gagdc Detenco
toW.
to
pea-
do dia 13 de Marco de
Horas lis q
6 in. 9 12 3 t. 6 27-3 30-4 31--0 3tf-7 W-8
Barmetro a
0
739-63
761-66
761-13
759-95
760-81
l'enso
do vapor
20,52
20,15
20.35
22.04
20,73
p
75
62
61
67
71
Temperatura mxima32,00.
Dita rainima 27",00.
EAaporaco em 24 horasao sol: 0".6 som-
bra : 4.4.
Chuvanulla.
Direcco do vento: E com interrupces de
ESE de meia noite s 10 horas e 45 minutos da
manh : -E at 8 horas e 53 minutos da tarde ;
SE, ESE e E alternados at meia noite.
Velocidade media do vento: 1- 62 por se-
gundo.
Nebulosidade media: 0,45.
Boletim do porto
I I IL. ......--------- .
11
m
p.
P.
Dia
13 de Marco
14 de Marco
Hora;
243 da tarde
8 47
31 i da manh
Altura
2-;l6
0,67
2-*6
Existiam4i6; ealearam fcK sahiram 12: exis-
tem 448.
Aisaber:
iNaaiinaes 410-; oalheres 7 y ebraapeitios M.
-TWal 448.
Arragoados 387.
Bons 357.
-Baan. SI
Loucos 9.Total 387.
Movimeuto da enfermara
Teve alta:
Pedro Flix Antonio.
Hospital Pedro li O movimenlo deste
estabelecimento de daridade, no dia 13 de Mar-
co, foi o seguinte;
Entraram 17
. Saturan! 4
Falleceram 5
Existem 590
Foram visitadas as respectivas enfermaras
ipclos, Drs.:
Mosooso s 81|4, Cysneiro te 191[2, Barros So-
brinhos 6 l\t, alaquias s 9 12, EstevoCa-
valcante sl(2, Simes Barbosa s 101|2.
Nao compareeeram os Drs.:
Pontual.
Berardo.
0-cirorgtto dentista !fuma Pompilio s 81i2ho-
horas.
0 pharmaceutico eotrou s 81|2 da manh e
sahios4datarde.
O ajudante do pharmaceutico entrou s#7 3(4
da manh e sabio ts 4 horas da tarde.
Lotera do Crana-ParaA B' parte da
J6 lotera, dessa provincia, cujo premio grande
60:000.000, ;er extrabida, segunda-teira 18
de Marco.
Cenatterlo Publico Obituario do dia 13
de Marco de 1889 :
Se veri no Jos dos Santos Aguiar, Pernarabu-
ct>, 48 annos. casado, Afosados ; typho.
iiaacio Francia das Chagas,' eraambuco,
R annos, selteiro, Boa-Vista; broncho pneu-
mona.
Um feto, Pernambuco, Boa-Vist .
Mara Pernarabueo, 3 mezes, S. Jos ; athrep-
sia.
Jos, Pernambuco, 3 mezes, S.Jos: gastrile.
Leocadio, eniarabuco. 18 raezes, S. Jos:
gastro enterite.
Maria Emiliana de Jess Pereira, Pernambu-
co, 50 ann >s, solterra, Boa-Vista; tubrculos
pulmonares.
Pedro Sabino Ferreira, Pernambuco. 46 an-
uos, casado, Boa-Vista : anemia.
Pastora Maria da Conceico, Pernambuco. 21
annos, solteira, Boa-Vista; tuberculose pulmo-
nar.
Matheus. frica, 70 annos, solteiro. Boa Vis-
ta ; anemia.
Balbina Francisca de Almeida. Pernambuco,
30 annos,'solteira, Boa-Vista ; febre perniciosa.
Manoel Antonio de Albuquerque, Pernambu-
co. 35 annos. casado. Graca; enceplalite.
Um pouco de tudo
Nos seus Estudos anthropolooicos diz de Gubre-
natis :
A mulher indiana, na sua propina nudez, me
tem quasi sempre parecido casta e decente.
as regies que percocri, onde apenas dua-
ou tres vezes ao anno se ver a face de um eu
ropeu, horneas -e mulberes vivem em grande li-,
berdaie, e por isso nao se do ao trabalho de
cobrir-se.
Indifferentes quasi a nudez, nao se olbara j
mais impudentemente com disfarce. Mas, quan-
do passa e lhej olha um europeu, se sentem,
como oBendidos d'aquella intensa curiosidade,
que deve parecer-Ibes muito indiscreta : e as
mulheres especialmente, apenas um europeu,
passa se retiram pdicamente, ou se perdem co-
mo tmidas antlopes, no denso da floresta. '
Com tudo em urna oceasiio na estrada, por on-
de indilTerentemcute andava, encontrei e ttve
opportunidade d'amirar muita nudez que me es-
ta va a vista. E as formas elegantes e esbeltas
das mulheres achei muitas vezes nos jovens ra-
pazes, de espaduas largas, de flanco subtil, de
seio dilatado e ondegante. Vestindo quasi se-
mellrantemente como as muflieres, tendo as com-
pridas cabelleiras terminadas por urna longa
tranca, e o andar raolle e suave, muitos rapares,
observados pelas costas, podiam fcilmente ser
confundidos com mulheres, e reclamavam ao
meu pensamento as formas artsticas d'Ampello
e d'Achilles d'Aicibiades. e d'Antinoo.
Assim vi urna vez correr atraz do proprio ma-
rido urna joven mulher vestida de mu.-.-elma
muito transparente, e, nos seus ligeiros movi-
mentos deixar denunciar alravs da luz solar,
todo o esplendor das suas formas elegantissi-
raas.
Pouco depois. julgando que fosse ainda a mes-
ma mulher, vi correr adame de mim um joven
brhmine, mas, immediatamente por urna joven
mulher que Ihe vinha ao encontr, percebi que
me havia engaado sobre o seu sexo. Ella jul-
gava achar-se s entre os indianos; apenas me
rio cobrio pdicamente o peito, e sahio do ca-
minho, at que pode assegurar-se de que nao era
raais vista Entao desembocou novaraente do
seu escondrijo e se encaminhou para o sen jo-
ven conhecido que a esperara.
Pude melhor pe suadir-me da grande destreza
com a qual homens e mulheres sabem valer-se,
as vanas horas do dia, e segundo as circums-
tancias do seu uttariza e do seu sarri, ora ten-
do o no brago o estendendo-o na cabeca, ora
cingindo-o no pescoco ora distendendo-o sobre
o peiio, ora dobrando-o e desdobrando-o de mo-
do a cobrir-se inteiramente com elle com ele-
gante roupagem.
Dous nicos pedacos de musselina formara,
ordinariamente, todo o traje, tanto dos homens
como das mulheres da India meridional. O al-
faiale propriamente nao tem zhi nada que fazer.
A cabeca usam trazer descoberta, nao achando-
se no bixo Malabar aquella variedade de tur-
bantes que se eocontra no Gugiarala, na India
cafitral e noPengiab e tambera em Calcuta on-
servei que o muior numero dos homens cami-
nha com a cabera descoberta.
nalad, MtftudilMibgm mi-
n, o acetato, o sulfato de
neraes com o a
soda, etc.
A fraude,cfcga.ao rauxHno grao de.imprudro-
oia e de criainalidade quando o acido actico
vera a ser int iramente substiludo por cidos
mineraes, como o sulfrico, o titrico. o chlorby-
dico, e mais raramente o tartrico pelo seu pre-
co muito elevado para servir a avidez dos falsi-
ficadores.
Em outros artigos temos ensinado a distinguir
o vinagre falsificado com o acido sulfrico e tam-
bera temos dito, como em Inglaterra tolerado
um augmento mnimo d'este acido. Os .poros ri-
cos de vinhas, devem absolutamente prohibir
este arcrescirao, declarando-o fraudulento e pu-
nivel.
Quando o vinagre deve a sua forca apparenie
ao augmento de substancias acres vegetaes, mer-
mo sem serem chinacas, frcil reconhecer a
fraude saturaodo-o com carbontato de soda e de-
pois provando-o. O vinagre verdadeiro, tendo
convertido todo o proprio acido a que devia o
sabor picante,Dea inspido ; aquelie sopnysiicado,
pelo eontrario, conserva o sabor acre.
Chevallier, ha bastantes annos, encarregado
de fazer um exame do vinagre, que se tenda em
Pariz, analysou 123 amostras. D'estas achou 97
paras ; 17 "refo<-cadas com o augmento d'acido
sulfrico, 3 reforgadas com substancias acres, e
3 oulras que continham pequeas quantidades de
cobre e de chumbo.
Hoje urna pesquisa seraeliante dara resultados
muito peiores, porque a es|ieculaco commercial
tem ido seraore crescendo e talvez em razo do
quadrado da inania dtenriquecer cedo a qual-
quer cusfo.
***
O carniceiro- honesto merece urna medalha de
mrito civil, tantas sao as tentacoes para enri
quecer-se oom muitas e pequeas fraudes, que
nao damnificara a saude mas atacara a bolsa do
freguez.
0 peccado mais venial, que commette o carni-
ceiro vender urna paite do boi ou do vitello
por urna outra, e naturalmente dar-nos a peior
pela melhor e fazendo-a pagar por tal.
Na Germania e em alguns paizes a classifica-
co das carnes est apenas esbocada, entretan-
to que na Inglaterra e Franca a analyse chegou
a um ponto de grande perfeico. E os inglezes
e os francezes teem razo, desde que as partes
musculosas d'um mesmo animal podem estar en-
tre si to longe pelo sabor e digeribilidadejquan-
to um tordo diverso de um merlo e urna ebre
de um cotillo.
Em Londres a carne
grandes cathegonas cora
variedades.
Em Pars temos quatro cathegorias (k; carne
com 17 variedades.
Queremos dal-as no texto francez :
Cathegoria I
1 Tendr de tranche; 2 Culotte ; 3 Gite la
noix: 4 Tranche grasse : 7 Aloyan ; 6 Entre-co-
ts.
Cathegoria 11
7 Paleron ; 8 Cotes ; 9 Taln de eollier: 10
Bavette d'aloyan; H Plata dectre de couverts.
Cathegoria 111
12 Collier : 13 Pis: 14 Gtes :. 1,' Plats de cd-
ts couverts.
Cathegoria IV
16Surlonges; Plats lejoues. queus.
O lombo e outras parles delicadas do animal
nao se achara nesla classiticacao. parque nao
teem prego xo.
Entre nos bastam poucas e rusticas divises
c. a experiencia das nossas cosinheiras e a vellia-
caria dos nossos carniceiros. combinam-se para
fazer-nos comer o peior e fazel-a pagar mais
caro.
Sobre o que'diz respeito a idade e. a especie
do animal trataremos em outro artigo.
dividida em quatro
18 subeathegorias ou
Um 11 l atfili'ijM' eattpW'QQfl
Gomplaoencia'Viaa Vta oiwca Ea*er,
luzRiiseima. at, ,aafod' dasitnaos
eaqelhoparavr-seoejle
Toda apuea alegra me faaia mal, c
juatooxn aquelie i>obre homem.
Era umioni enfadado, quasi vilo ibedisse;'
Audi>de,pressa. >
Nao aezapgue f/norJno, .^n ,teau maj
pressa que. V.rSi. porque. osWtti.'Com.um. appeote
do, e veja, veja quertousa Me^tcazein I
Segui-lhe, e vi que Ihe traaiam n'uma. bande-
ja uma,tijela-fumegante e um copo deviabo, e
a pozeraiu detraz delie. no meia da calgada.
Veja e prove 1 Carao sao bous?, fifto fw-
jes feitos ao forno, e preparados peto coainl)*'-
ro-Cencio. do mercado velho. Se osrovasse '
Nem mesmo um capo vale-osifaijes #. venci
E o meu escova-botas olhava aquella tijeja,
cliupa..a .os beigos e fazia, tocar a liagua de en.
cootro ao paladar.
Naquella occasio euestava captivo e ...
e nao soube dizer urna palavra ''e sympatbiav.
,saudas*e aquelie contentamente L.genuo, aquel-
fe appelite vigoroso. Eu nao tinha fouie, e
pensa va que se tivessa comido aqaeltes feudos,
Suem sabe que perturbagSo profunda teria eva-
d nas miuhas visi-eas !
No entanto o escova botts tinha acabado a
sua obra. Tinha se levantado, atendido os
membros como gato que. se desperta e- pondo
|s.mos nos flancos, olhava oom orgultip para
os meusbotias tomado-luzeitfi.^iirtsoirao ba-
no bruido.
V. S. esta servido.
Tome.
E paguei iMQ ou quatro vezes mais.; do que
neceshituva aquelie lm,o..;u qua.-i-em compensa-
(o da miaba impolidez e mais anda dos sent
mentos tristes. Comegava a terremorsos e ver-
gonha de mira mesmo
Giazie, grazie. mlee miliegrosie, Veja,
hoje, mare a sua boa graga, alem dos feijes e
vinho, entra igualmente o charuto e o fumarei
em seuqome.. E despois tambem a minba ?e-
lha Annioa ter o seu estuulinho de ,carneiro
com tomates.
A face daque.le.l Jiomom expros3ava a alegra
mais pura. Elle tinha pois tambem urna An-
nina, mfti, oumulher ou irm, em quem peosa-
va. que elle amavae que a teria feito felucom
ura estufadinho de carneiro...
Elle era feliz, bem que epgraxador,elle po-
da fa/.er Seliz urna pessoa tambem com meio
franoo que Ihetinhadado E enirava tambem
um charuto de ouro....
Depois publicaremos o acontecido com outro
engraxador.

m


INDICAQOES DTEIS
.*
jLeiifte*EfTectuar-se-hao os segulntes :
Hoje:
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, na ra do
Bom Jess n. 15, de movis e varios oLjectos.
Pelo agente Britto, s 10 1 2 horas, ra Mar
quez do Herval n. 96. da arniago e mais per-
tences da lojade cigarros ah existente.
Pelo agente Silveira, s 11 horas, lua do
Imperador n. 45, de predios era terreno propria
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, ra Mar-
jez de Olinda n. 44, de movnis, lougas e vi-
ros.
Moemnte Alfredo Guimaraes.s 11 horas, 4
ra da P;iz o. 2.
da annaeo eaccessorios da
taverna abi sita. .
Peto aaeiite i iuto, s 101/2 horas, ra Man
quez de Olinda n. 52, de piano, movis, efe.
Amurras :
Pele agente Gusmo, s II horas, pracado
Q)iJe d'Eu n. iH. da armaco e mats accesso-
rios (.'a taberna abi sita. "*
, Maaaa* fanebrr -Ser,",u celebradas:
Hoje :
A's 8 horas, ua Ordera Tenena do Carmo,-\
pela alma de Genezindo Belisario de Vascon-
cellos s 9 horas, na capella do engenho Gr-
vala, pela alma de Ignacio Ferreira Fernando
Lessa : s 8 horas, na igreja da l'enlia, pela almai
de D Vnna Isabel Bayrau Murca.
A manh :
A's 7 i 1 \\ ira, na matriz da (iraca.,peto al-
ma de D: Maria Soares Pereira Bastea.
Reiinio oeial llavera domingo it -
guinte :
i 4X> -Monte-l'iu Typograpbico Pernambacano. ms
Khor*ptama de social ra do Coj
nonti Sua.-su .. n it i andar, em.sessao ordifJi|i
Tratando o Dr. Beard das Mulheres americanas
diz que a belleza das suas patricias tem estrei-
tissimas relacSes com o seu nevrosismo.
Cada um de nos geralmente acha mais bellas
as mulheres do proprio paiz, e o hymno de ad-
rniragao que o medico americano eleva as filhas
de Washington digno delle e dos seus ; roas
ir at ao ponto de assegurar que a mulher ame-
ricana mais bella do que a ingleza (?) porque
muito mais nevrosica, propriamente querer
elevar-se muito alto as eapheras da phantasia-
E' um voo d'areonaula, e nao j d'ascenso de
um homem descienda.
A face jnyleza modelada a americana cin-
zelada O aperto de mo da mulher europea
mais firme e mais spero. No aporto de mo
d'americana ha graga e ternura, que a mulher
ingleza destroe com a forra do shah-hand.
A America, diz elle, urna Etruria moder-
na, e os Imeanentos delicados, as bellas formas
da l(alia prehistrica, crguendo-se dos tmulos
dos seculos, nos reapparecem n'uma evolugo
raais alta no heraispherio occidental.
*
Nos paisas abengoados ondecresce e pros era
a vide, o vinagre nao pode e uao deve ser feito,
seno com a fermentacao acida do vinho : iras
onde o wUpalUdo fn > afagar a vi-
nha, O vinagre e fabrki com o alcool, rom a
rerveja. com friuii#.divi: -os, com o amido e
com nuiita MUistaiicuus vanada-, mu directa
asente uu indirectamente jio.iem dar alcool e fa-
ier fermentacao. i
O acido actico obtido por estes diversos mo-
dos o mais ou imnpc dwdo c#n gua e depois
colorido com substancia- regeUws ;nteiramente
inoffensivas saude.
Nao sao esta vinagres J-silicados, mas so
mente de valor inf'Tior ao classico arrtum vini.
A fraude n haver no ruso, em que se venda
por vinagre de vinho um dos seas tantos ir
meno:
Tambera o vinagre*!* mueira feito com a dis-
lillacao da madeira, nao vinagre damnoso
saude e quando habilineole purificado n8o
aprsenla vestigio aigum eiHpyreomalico ra sur,
bnixa ongem.
A fraude ^comeoa, qua ido per exHSptoae
iunOsal a um-winagre raui^o ;'raco para dar-
lhc densidade e esconder a sum fraqueza 'prova
do aremetro.
a fraude se accejrtua rada vez raais, quando miem qenaqaelia
rara fazer paroter forte vn vinagre fraci. nelle

se deitam em inf!io ~ul*ta'"T no pi-
As molestias nervosas oceupam cada dia um
posto mais importante na paidologa humana e
tambem todas as outras altecges apnesentara
symptomas nervosos, que outrura nao se conhe-
ciara ou eram muito menos manifestos. Nao ha
medico que ten ha mais de triota annos de or-
tica, que nao esteja persuadido desta grande e
dolorosa verdade.
Durante a'gum tempe os nossos doentes resis-
tiram a ura numero muito maior de subiracges
sanguneas e ao uso de remedios debilitantes ;
hoje occorre quasi sempre urna cura tnica e as
lancetas dormem o somno dos iustos.
Nao sornente o progresso da pathologia que
tem enriquecido os nossos livros com especies
novas de aflecces nervosas; mas tambem a
natureza quo se moslra hoje mais fecunda nes
te genero de produccoes.
O Dr. Beard est convencido da profunda mu -
danga-rpida no nosso secuto a respeito do rypo
geral de todas as doencas, e. no sentid por nos
indicada, e conclue isto de quatro argumentos,
isto :
Io Do estudo da litteratura medica dos secu-
los passados;
2o Das informages verbaes que se podem re-
colher de mdicos que tenhara ao menos 70 an
nos;
3o Das suas experiencias de medico pratico e
observador;
4o Do estudo comparativo das nossas moles-
tias com a dos povos selvagens ou das classes
mais baixas da nossa sociedade civil.
-
m escriptor italiano publicou o seguinte :
Dous engraxadores me do urna liego so-
bre a arte de ser feliz.
Esta manh sahi de casa cedo.0 dia era um
dos mais nebulosos. Prefiro cem vezes o rigo-
roso e desenfreado invern dos raezes de De-
zembro e Janeiro aos ltimos dias do outono,
quando cahem as folhas, quando chove o co ;
quando tambem o ar se escurece e pe em furor
as nuvens.
0 invern o lethargo da natureza. o fim do
outono a sua agona, e a agona peior do que
a morte.
Na extenso das alamedas, as pracas povoa-
das de arvores eu nao achava seno ralbas sec-
cas, ou doentes ou herpeticas ou de cor de fer-
rugera, que me gemiam debaixo dos ps ou gi-
ravam levadas por urna brisa hmida e fra.
Tambem as folhas ficadas sobre os ramos dos
platanaes estavam moribundas, mais nenhuma
estava verde e rigorosa. Tudo chorava e tudo
morria.
Foi verdaderamente no olhar aquellas folhas
cabidas das arvores, que percebi que estava com
um par de sapatos enlameados, e que por dis-
traego eu nao tinha calgado os que estavam
limpos. Tambem a lama daquelles sapatos su-
jos auginentava o meu mo humor ; e eu sentia
entrar-me nos ossos com a nev hmida e fra
um arripiamento de todos aquilles mortos que
rae cercaram.
Incapaz de nada peosar, porque o fro me in-
teingava tambem os pensamentos, incapaz de
reagir contra aquella sombra escura dar, de co
e de trra, me senta submergir lentamente
como n'um daquelles pantanos raoventes, que
engolem homens e cavallos.
Aquelles meus sapatos eram a preoecupago
mais saliente do momento, e eu me dingi auto-
mticamente praca da Cathedral. onde tinha a
certeza de achar um engraxador.
O priraeiro que encontrei foi o da esquina da
ra Martelli. Estava.alli em p com a sua cai-
xinha. prompta esperar o que primeiro viesse.
Estava ainda com trajes de vento e pareca nao
sentir o fri hmido daquella manh. Nao tinha
caneca se no urna papalina suja. da qual se-
ria imito diilicil determinar precisamente o es-
tofo e a cor e tido a sua roupa era um museo
archeol nico de pedagos que tinham pertencido
a quem .>abe quantos outros individuos. As
bolas depois proclamavam em alta voz a verda-
de daquelle provebio, que era casa do cbapel-
leiro nao ha capeos, porque estavam e-inva-
das, sujas, e pelas muUas fendas que tinham
deixavam entrever alguraa cousa de muito por-
6p, que n o era carne humana e que deviam ler
sido um.-is lucias.
Por ter-parado adiante delle, pelo meu modo
de olhal-o. o escova botas, pratico neste genero
de diagnuse psychologica, entendeu e acertada
mente que eu tinha necessidade do seu ofliclo.
Siguorino una lustratinaf
SUD.
Eil-o a dar urna sfregadela de raaos, a arre-
gagar-ine a i -alca, a ostonder com complacencia
quasi wtopuuHw w poMco da mu massapreta
sobre o- ibpos sapSUa o depois um .vai vem de
escora, aconipr.nhr.do de um assobiar alegre e
rumoroso.
Confesso-vos que tinha eiivela daquelle ho-
posigo, de joelhos defronte
Ae miui, com a roupa suja. cantarolava eat
Mava como.o mais feliz dos mortaes.
lledleos
Dr. Gerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio aberto ra Duque de Casias n. 74, das
12 s 2 horas da tarde, e desta hora em dian-
te em sua rssidencia ra Barao de S.
Borja n. 22. Especialidades molestias
desenhoras e enancas. Telephone n. 326.
Dr. Joaquim Loineiro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dr. Barretto Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.a andar da casa
ra do Barao da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 54, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagem do tero quando e co-
mo acoiiselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra do
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1."
andar.
Lr. Ribeiro de Britto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no 1. an-
dar a ra Duque de Caxias n. 46, poden-
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do^spnSio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr Alvares ChiimarSes, chegado da
corte, dedica-se medicina em geral, e
com especialidade s molestias do cors-
ead, pulmSes, figado, estomago e intesti-
nos e tambem s dfcecoes das enancas.
Reside praca do Conde d'Eu, n. 28, e
tem consultorio na ra do Boni-Jesus
(antiga da Cruz), n. 45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas. Telephone
n. 381.
Ore lili Ma
Dr. Ferreira. com pratica nos princi-
paes hospitaes e clnica de Paris e Lon-
dres, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia ra Larga do Rosario n. 20.
Advogados
O hachard Witruvio Pinto Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1.- andar.
O Dr. H. MUet mudou o seu escripte-
torio de advocada, para a ra do Impera-
dor n. 46, 1' andar, sala da frente.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e officina de carapina
de Francisco dos Santos Mcedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabele-
cimento, o primeiro da pravincia noste
genero, compra e vende madeiras de todas
as qualidade8, serra madeiras de conta
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por precos sem dom-
petenciaPernambuco.
Dragarla
Faria Sobrinho & C, droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Suva di C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
PBLICACOES i PEDIDO
Eleicao do 10* districto
Os informantes desta cidade para o Jornal do
Recife, incumbidos de transmittir-lhe as noticias
relativas eleicao gerll ltimamente procedida
neste dislricio. abusaram ostensiva e desaceitada-
mente da boa T do mesmo Jornal, ou o espirit
partidario deste, por exagerado, nao Ihe per-
mittio enxergar as falsidades patentes que Ibe
impiogiram.
Nao de admirar que os liberaes, que empre-
{.'arara no pleito todas as armas de que poda
dispor procurassem, depois delle, attenuar os
effeitos da tremenda derrota que Ibes inflingi o
ele.torado do 10 districto. 0 que, porm, nao
deixa de causar serios reparos s pessoas de
bom senso, que f*ssem elles os primeiros a
vir a publico manifestar as fraudes que pratica-
ram od teutaram ora ti car com o fim ue darem
ganho de caus? ao seu candidato, e que nao be-
siassera em fallar venlade de modo to desas-
trado, que provoca a iiiiso.
Antes'aspira, porque fcil se nos torncu a tarefa
'e agarrar pelas urellu.s o mentiroso e fazel-o
envergonlmr-se de seu desaso.
Sigamos por partes, omegando por Caruar.
L'm telesramma publicado no Jornal de 8 do
corrente. diz o seguinte :
Era Gacoar ntroduziram nove chapas de
mais. Antea de terminar-ge a apnragao, o pre-
sideuie da mesa eleitoral jeparou nove chapas
liberaes, que nao foram contadas. Desta forma
o Dr. Lourengo de S qne tuilia obtido 89 votos
e o conse'.heiro Rosa e Silva 81, ficot-reduzido
a 80 e o conselheiro Rosa subi .a 90.
Respond?n'mos a rendo a documen-
tas ofncia ir serem referenda-

MUTILADO
mmm





I
- 4

A
Diario de Pernambuco---SexS-feira 15 de Marco de 1889
*
fm por correligionarios dos redactores
; mas desde ja bremos por verificar a
_e do adagio popular que diz ser mais
apanhar um ment/oso. do que um cxo.
i/agaim,' perguutamo/: Si foram separadas e
/eixaram de ser andadas nove chapas liberaes,
orno que a vota do conselheiro Rosa su-
lio etm estas mesmbsckapat de 8i a 90 votos ?
E' flagrante o delicio de inexatidao.
Para o resoltado, de que falla o Jornal, seria
reciso que tivessem comparecido 170 eleitores.
Entretanto comparecerara apenas 160, cujos no
es constam do livro para esse lim destinado,
ao qual lavrou-se o competente termo de encer-
ramento, que foi assignado por tnd>i a meta e
isffibem pelo fiscal do candidato liberal, o Sr.
rapito Joo Je da Silva
A contagem das cdulas, feita com toda a re-
gnlaridade e sem reclamaco, produzio exacta-
mente o Humero de 160, e o resultado, por con-
awuinte devia ser:
QpBselheiro Rosa e Silva 90 voto3
Br. Lourenco de S 7*
Cm engao, porm, na apuraco, por parte de
xa dos mesarios, deu ao conselheiro Rosa 91
tos.
I Este resultado toi consignado no edital que se
affixou, o qual foi assignado por todos os mesa-
rios, inclusive um mesaiio liberal. E esse me-
dao liberal, que o 4" juiz de paz, capito Au
tmio Innocencio Florencio de Vasconcellos, iu
JoriKia em seu partido, como demonstra-o o
n sargo de conlianca que occupa, ussignou tain-
itm a acta da eleicao, a sua traoscripcAo no li-
ra de notas e todas as copias que foram extra-
trfas, |ra lerem o destino ordenado pela lei.
si, pois, deu-se o facto relatado pelo Jornal,
torna conniventes com os mesarios coaservado-
ks nao s o mesario liberal, como o fiscal do
esrao partido.
Ter-se-hiam por ventura vendido tambem ao
partido conservador o mesario e o fiscal liberaes
Jrste collegio, como diz o Jornal que se vendeu
presidente da mesa eleitoral deSanta Cruz f
Si assim tivesse acontecido, qual a considera-
So que mereciam e a confianca qne inspira-
ran os '-o religionarios dos redactores do Jar-
A verdade que os liberaes de Caruaru, eo-
Tergouhados pela derrota, da qual de antemo
nbam certeza, forgicaram o plano de empre-
star a urna, plano qu a perspicacia do presi-
dente da mesa eleitoral felizmente fez abortar.
Km relacao a S. Caetano da Rapoza, diz o
Itrnal que a maioria liberal da mesa, receian-
io ser victima dos capangas, abandonou a elei-
jao, levando os livros.
Qu a maioria liberal da mesa, para inutilisar
i maioria obtida pelo conselheiro Rosa e Silva,
jfeaudonoB a eleicao, levando os livros, etac-
o; mas o qu o Jornal nao disse que a {arca
jio eslava completa e que o epilogo devendo ter
tagar n"esta cidade paraonde vierain os mesa-
jos liberaos, atim de fabricarem urna acta que
iesse urna cunta de chegar, o que nao levaram
i effeito, porque reconheceram que nem mesmo
i fraude salvava do naufragio ao seu candidato.
Quaiito au receto que tiveram estes mesarios
ieser victimas de capangas, lerabraremos que
fccto de lerem levado os litros, alm de deno-
r umita coragem da parte d'elles c de fazer
logo acredar que taes capangas foram de iu
ocio posterior elei;o, prova mais at que
jonto descancavam os .conservadores, tranquil-
ios e descuidosos, na lionestidade poltica dos
jeas adversarios.
De Santa ruz, diz o Jornal que os conserva-
lores lavraram urna acta falsa, tendo-se vendi-
do o presidente da mesa eleitoral.
A ninguem sorprehendeu esta noticia. No 10
tistricto todos sabem que os conservadores tem
nasi unanimidade no collegio de Santa Cruz, e
jorlanto era inevitavel urna noticia de seiisarao.
Mas. porque nao apparecem os eleitores d es-
collegio que votaramno Dr. Lourenco, para
jralestar contra a frau.ie dos conservadores, co-
mo protestaram os 12 eleitores de Jacarai que
TOiaram no conselheiro Rosa e Silva, contra a
taodedos liberaes, que lavraram, a geilo c cm
casa, a acta da eleicao ?
Qoanto a terse vendido o presidente da mesa
sieitoral, diremos qne tal facto nao cliegou ao
aosso conhecimento, mas que na comarca de
tpjo corre o boato de que a esse presidente de
masa fra feita por um procere liberal, urna pro-
poeta para" falsificara *(j.da eleicao, proposta
>e!lida. Ahi Rea por simples boato,
iiois sO^ostamos de aflinuar aquillo que pode-
mos provar.
Fraude, im, houve em Jacarar, onde a mesa
Jberal nao temi conseguido Iludir o fiscal do
sorullo conservador com o livro novo em que
uretendia hincar a acta da eleicao, retirou-se e
fcilavral-a ein casa, tendo protestado, contra
semelhante extorso de seu direito, os doze elet-
lores que votaram no conselheiro Rosa e Silva.
firuz, preteusos e imaginarios.
F riste que o partido liberal, depois de ter
iattadb aos qoatro ventos toda a orle de does
los e de invectivas contra o conselheiro Rosa e
jilva, depofs de ter, na cabala eieitoral atirado
bre elle, como lim de reavivar resentimentos.
Je despertar intereses offendidos ; toda a culpa
*> gloriosocrime da abolicio dos escravos, nao
Tease ao apoio do seu candidato raai* do que
i fraude na e grotesca.
B mais triste anda que laes meros rossein
imprecados contra o conselheiro Rosa e Silva,
ni maior padrto de gloria e a inteireza de ca
iaeter e a probiJade polticas, como poder at-
stal-o o Dr. L'lysses Viauna, qu-j cu lealinente em 1884.
Cmaro, 11 de Marco de 1889.
K. B.Acaba de se nos deparar o seguinte.
M Jornal do Hecife, de 7 do correte :
O resultado da eleiyio procedida no collegio
JeCaruaro para deputado geral pelo 10 dislri-
o, o seguinte :
Dr Rosa e SUva 2I votos
Dr. Lourenco^de S 171
Este resultado o que era couliccido em Ca-
10. districto Caruar
O abaixo assignado, ele. nr do 10* districto e
'residente na parocoia de Curoar, tendo at boje
sido liberal, em cojo partido sempre militou sem
discrepancia, declara pelo presente que de boje
em iante protesta ser conservador, por ,ter o
capito Juvencio Taciano Miriz, que se diz chefe
liberal n'esta localidade aprehendido o titulo de
eleitor do abaixo assigiudo, querendo assim
compellil-o a votar em um candidato que nao
lbe convinha ; e para que al facto se nao repro-
duza, o abaixo assignado deixa de pertencer a
um partido, cujos eleitores 'iSo tem vontade pro-
pria.
Cmaro, 9 de Margo de 1889.
Francisco Antouio da SUva Filho.
---------------.-arer-v."
COMMERCIO
Revista do Mercado
r*
*
RECTFE, 14 DB AB^Q DE 1889.
Continuou a ser pequeo o movimento no mer-
ado de cambios.
ila Bolsa foram negociadas 20 aeces da com-
taohia de Fiaco e Tecidos, ao pas.
Stram fendidos pequeos lotes de algodio.
Bolsa
TACE8 OFF1CIAE8 DA JUNTA DOS COB
RETOBES '
Recife, 14 ae liarlo de J889
jttes da companhia de fiacao e tecidos, valor
Je 100 ao par.
Na Bolsa VcnderaflVse
0 accOes da companhia de liaco e tecidos.
O presidente.
Candido G. Alcol'orado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Alfiodim
Cota-se.o'de 1' sorte do serto a 6400 por 13
sitos. ,
:ta pela allandega neste mez
at c bom i a 576.737 kilos, sendo o.2i4
para o ejttrior 131 .) para c interior.
As entrad? veriticadas ate a data de bqje o-
bera a 1 t.o6C saccas, sendo por:
Barc 1-670 Saccas
311
Am: ** '
-terrea oe t^amar 124*
fm-ferrea de s. Francisco. i 231
Tia-ferrea de i.irr.oeiro 2.838
:ma- 11.566 Saccas
ule de Peraambuco,
* C, foram remetti-
( arabio
oto a 27
ruarft, as 6 horas da tarde do dia 4 do corrente
e comprebende o collegio de Caruaru e os de Al-
tinho, S. Caetano da Rapo-a e Carapots. qut fi-
cam mais prximos da cidade, tendo Bido a vo-
lacao assim destribuida :
< a mam
Conselheiro Rosa
Dr. Lourencn
Altinho
i'onselheiro Rosa *
Dr. Lourcnco
S. <'aetano da Ri posa
Conselheiro Rosa
Dr. Lourenco
Carapots
Conselheiro Rosa
Dr. Lourenco
47
27
56
70
w
1!
39
221
171
Sotnma
Conselheiro R1
Dr. Lourenco
Esto ou nao patentes ai falsidades dos infor-
mantes do Jornal ? Come concilia o Jornal este
resultado publicado no din 7 com o que publicou
no da 8 f
Eleicao dO 10 districto
Um telegramma transcripto no Jornal
do Recifc de hontem, e passado da estacZo
da Rassinha para a recLicjSo do dito jor-
nal, como ae occupa da ininha individuali-
dade, vejme na contigencia de explicar
ao publico a responsabilidado que me ca-
be, ou me podesse caber em tal occasio.
No dia i do fluente <: uaado acabou-se a
vota9So, retirei-me do collegio, para man-
dar noticia para os meus amigos do Alti-
nha, dos votos que os nham obtido (de accordo com as notas
que tinba tomado por occasiSo da vota-
cSo).
Quando despachava o portador fui avi-
sado que um grande 1 imulto se estava
dando dentro da matriz, e que os nossos
amigos estavam empregando esforcos, para
que um grupo de homens armados, capi-
taneados pelo capitn Lemos e outros, nao
penetrassem no collegio eleitoral, apressa-
damente dirigi-uie para a igreja-raatriz,
onde funecionava o collegio, e ouvia grande
susurro, e quaodo penetrava no consisto-
rio da mesma igreja, enfrentei-mc com o
Dr. Miguel Bernardo Vieira de Ainorim,
o qual muito irritado e exaltado disse-me
que respousabilisava-me pelos disturbios,
c peb gente armada que pretenda entrar
na igreja.
Surprehendido pelo estado de cxaltacSo
do Dr. Amorira, pois nemprc o conbeei
calmo, e tratando-rae com consideracSo,
tive de devolver-lhe a responsabilidade
que me assacava, urna vez que, o Sr. Dr.
Amorim irritado c exaltado esqueceuse
de que me devia tractar com urbanidade e
consideradlo, obrigou-me que lhe retri-
buisse na mesma especie.
Quaato a primeira parte do telegram-
ma, e um acervo de biUidades, o Dr.
Lourenco de S nSo obteve oitenta e no-
ve votos, e o conselheiro Rosa e Silva
oitenta e uui, compareceram e assigna-
raui o respectivo livro de comparecimen-
to cento e sssenta eleitores, e como d o
autor do telegramma o comparecimento
de cento e setenta ?
Com que riin teria o partido" conserva-
dor posto homens armados na elei<;o V
quem tem maioria u2u procara perturbar
c inutilisar urna eleicao.
Ilouve gente armada que pretenda en-
trar na igreja, a qual estava aquartellada
na sede do Club Juventude, e a polica
que d'isto te ve noticia nio quiz dispersar
o grupo, para evitar conflicto, que por to-
dos os meios procurava por em pratca o
partido liberal; esta a verdade.
Caruar, 9 de Marco de 1889
EttevSo de Laeerda.
Aula publica
A 3.* cadeira do sexo feminino da fregueziade
Santo Antonio, regida pela professora D. Thereza
Josephina daCuuha Salles, acha-se fimecionando
roa do Sol n. 17.
No Rio a situacio esteve inalterada e os ban-
cos promptos a saccarcm a 27 7,8, sem acharen)
dinlieiro. .
.\iuda ha falta de papel particular.
O Londou Brasian Biink ainda offetece i a
9*000.
TABELLAS AFFIIADA8
1 I
<
3 -
>
"8
1
s
2.
5 s
2
I i1
C
-i


5
e
30
E.
1
:

%
^15
s
f_L


-.fi O !0 --C K *" *"
g j a.
5
I


L
wt' M
a t> "
f g
iMSurar
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
uudoa Associ;;c Commercial Agrcola, foram
Sr32De':. 3,200 a 3*800
Someno..... 1*900 a 2*100
ascavado pur?ado 1*400 a 1*500
V 1*100 a 1*200
Rtame..... W00 a 1*050
lllm. Sr. Dr. Vleeafe'-Perelra
df Reg
Constando-me que V. S. se tinba mudado
de nossa casa sita ma do Conde da Boa-Vista,
ha perto de um mez e en nao sabendo de sua
moradia para ir buscar a chave em sna m5o,
peco-lbe o especial IVvor de .me a remetter
rus larga do Rosario n. 46, que pagarei ao.p^r-
tador, alm do grande prejuizo em alugoeis,
ainda porta fechada. '
Recife, 12 de Vareo de 1889.
C-istro Monteiro.
,'c. Sw ctmectf'
jil y
T9 Jo.o Bebnabdo do Reqo
\ Valen^a'
Felicita-lhe hoje pelo seo ani-
versario natalicio, desejan-
do-lbe muita sade e feli-
cidades.
Recife, 15389. Barros.
Fernando Alfonso Ferreira
Pedro Miliano daSilveira Lcssa Filho. manda
resar urna missa na sexta-feira II do flmmtc, s
8 horas da manb, na matriz da Tilla de Agoa-
Preta, por alma de seu amigo Fernoiido AtTonso
Ferreira, 7 dia de seu passaraento e convida aos
seus prenles e amigos para assistirem a esse
acto de piedade e religio, confessando-se des-
de i summamente grato.__________________
BVBVBWaVMHHBBWMBm
Mgica verdaderamente 6 nos sitas etl'eitos a
portentosa planta americana conhecida na cien-
cia sob o nome de Hamamclis Virgipica e no
vulgo pelo de Aveleira Mgica, planta da qual
extrahio e combinou to admiravel como scien
tifcameute o eminnetc sabio Dr. C. C. Brislol, o
Extracto Duplo de Aveleira Msica.
Estes maravilhosos remedios allivam e curaui
immediatainente toda a especie de feridas, quei-
madoras, tumores, chagas chronicas, carbncu-
los, golpes, golpe?, contusoes dor de denles e
de cabera, iievralgias e loda duerna ou dor ex-
terna.
E' tuoilieiu o extracto um remedio adnwravel
era casos de rheumatii'mo, hemorrhagia do na-
riz, inflammagao da garganta, ratharro, morde-
duras de insectos, ele
Nunca falla no curativo radical das almorrei-
mas, nlceraces internas, vmitos de sangue,
molestias dos rins e hemorrhagia pulmonar.
O Extracto Duplo da Aveleira Mgica ao
mesmo tempo um remedio interno e externo que
pode ser usado em pannos ou friccOes, ou toma-
do interiormente em doses de meia colberiiilia.
duas ou tres retes ao dia.
As mesmas propriedades e virtudes possue o
Ungento de Aveleira Mgica 4o Dr. C C Bris-
tol. para uso externo smente.
?----------
Um progresso scientieo.A applica-
<;to da quinina cura das febres inter-
mitientes t3o popular como sSo univer
salmente demonstrados seus bons resulta-
dos. Porm limitas pessoas que soffram
ignoram e torio de agradecer-nos da no-
ticia que o mprego do bromydrato de
quinina, de um xito certo na cura das
nevralgias peridicas, ista as quaes se
repitam em dias e horas quasi fixas. Tal
o progresso cientfico realisado hoje
com as Perolas de Bromhydrato de quiqui-
ua do Dr. Clcrtan approvadas pela Aca-
demia de Medicina de h aris que curaiu
rapidamente as nevralgias peridicas, que
tem a sna sede na eabeca ou as outras
partes do coi-jio.
MEDICO HOMEPATA
*
fj
(Dr. Ballliazar da Silveira
Especialidadefebres, molestias
das enancas, dos orgSos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se aqualquer chamado para
f ora da capital.
AYI0
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmncia do Dr. Sabino,
ra do Bario da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
il
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com cspcciaU-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia a ra da impe-
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da maiihS.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPH0NE S. 226
Colonia Isabel:
Branco l'
S"
> > .
Someno
Mascavado .
Lisina Pinto:
Branco 1*
. S* .
Someno .
Mascavado .
1*100
um)
1*500
:i*900
1*600
4*000
2*300
3*000
1*500
A exportacio, feita pela alfandega neste mez
at o dia 12, attingio a 3 358.983 kilos, sendo..
i.495.341 para o exterior e 1.863.643 para o inte-
rior.
As entradas verificadas at a data de boje, so-
bem a 47.845 saceos, sendo por:
Barcacas 17.303 Saceos
Vapores ......
Animaes.... 3033
Via-ferrea de Camart. 4.573
Via-frrea de S. Francisco. Si.607 '
Via-ferrea do Limoeiro 1.330
Somma.
47.845 Saceos
Coaros
Offertas para os seceos salgados a 365 ris.
Agurdente
Cota-se a 90*000, por pipa de 480 litros.
Aleool
Cota-se a 170*00 por pipa de 48a litro*.
Xcl
Colase a 503000 por pipa de 480 litros.
Pauta da alfandega
MANA M 11 A 16 DE MARCO DE 1889
Vide o Diario de 10 de Marca
Varios carga
Barca portugueza Cercs, para o Porto.
Lugar sueco Brifort, para Liverpool.
Patacho inelez Peggu, para Meuicvido.
Vapor austraco Tkitbe, para Santos.
J Varios descarga
Barca nomeguense Frida, carrio.
Barca nomeguense FrUh\o{, carvo.
nomeguense Joa, carvao.
mi Anna, earvo.
Barca iogleza Lacmia, bacalho.
C'onsagraelo selenflflea
J nSo s o publico, j nSo 8&o ape-
nas os mdicos, ms tambem os archivos
scientificoB, os depositarios mdicos, que
veem exalcar as virtudes do Peitoral de
Cambar, de Souza Soares.
Sem mais commentarios, abrimos espa-
50, hoje a duas cousagracSes scientificas
que por eerto, h3o de merecer do publico
o maior conceito pela sua procedencia in-
suspeita.
Eil-as ;
... Seui nos referiniijs ao Cambar-
tinga, Lantana cdlosiaiui ao cha de pe-
destre, Lantonaj)siialotlia, St. Hil., de
reconhecidos effeitoa na medicina domes-
tica, apontaremos Cambar verdadeiro,
Vernonia polyantges. Len, o qual por
sua acclo s quididades demulcentes e
balsmicas daquellas outras, rene* a de
ser ao inesmo tempo expectorante deven-
do por isso ser aproveitado uo tratamento
das bronchites, e nomcadamente da tsica
trpida.............................
< Bem avisado andn o Sr. J. A. de
Souza Soares, Pelotas, preparando, com
essa especie, o seu Peitoral de <"ambara,
que tvo occasiSo de examinar ecom
pleno conhecimentoaconselho o seu uso
com a maior confianca.
(Do Forruulario bdernacurnal do Dr.
Pires de Almekla)
... O PEITORAL DE CAMBARA;
apresenta um bello aspecto, possue cheiro
e sabor agradaveis, qualidades que, s
por si, j sSo de grande valor.
Quanto s suas propriedades thera-
peuticas, dizem os nttestados mdicos que
o acompanham que sao preciosas as afife-
ccoes broncho-pulmonares, pela sua acclo
emoliente, balsmica e expectorante, ijua-
lidadcs em questao aprecaveis as affe-
cocs catarrhaes, o que justifica a noraea-
d adquirida pelo preparado, cojo hist-
rico acabamos de fazer...............
Como planta nossa que .. o cambar
tem direito a oceupar a attencSo dos que
se dedieam no estudo da flora brasilcira ;
e como no preparados do Sr. Jos Alvos
de Souza Soares encontram-se reunidas
excellentes qualidades officinaes c organo-
lpticas, alm de valiosos attestados med,
eos, julgamol-o digno de nossa confianza
e merecedor da attenco dos nossos Ilus-
trados collegas aos quaes comwunicare-
mos posteriormente os resultados das ob-
servacoes pessoaes que sobre elle fizer-
mos.
(Da Una"o Medica do Rio |de Janeiro.
OS AGENTES
Francisco Nanoel da Milva V C.
Ptrnambueo
Ra Mrquez de Olinda n. 23.
Oculista
Dr. Barrcto Sampaio, medico,
ocnlisia, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wccker, d consultas de
nifiw dia s 3 huras da tarde, no
1 andar da casa n. 51 ra do
Baro da Victoria, excepto nos
domingos e das santificados.
Residencia ra Sete de Setera-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
({ Frederico Chaves Jnior Jj
Homoepatha
W39 BX BARAO DA VICTORIA 39 j \
j [ Priinciro andar ) \
A*iso aos nossos leltores
(_s nossos leitores que vislarcm aria
durante a ExposeSo sabem que pode-
ro 1er os ltimos nmeros rocem-chega-
dos do nos so jornal que" em casa dos Srs.
Amde Princc & C, 36, r>& Lafayette,
quer da sala de leitura pelos nossos cor-
respondentes estabelecda na exposi^ilo
no Pavilhao da Repblica de Guatemala
cujo commissario gem dignon-se de por
graciosamente urna ?ala com varan da
d8posic3o dos uesmos scuhores.
Para se evitar qualquer confusSo, os
nossos amigos que quizercm receber a
sua correspondencia em casa dos Srs.
Aind rnce & '"., devem mandar diri-
gil-a ra Lafayette, n. JO, por ser a
sede do servico especialmente organisado
ra sso.
(-p".
Brigue sueco Pepita, carvao.
Lugar inglez Vidouia, bacaluo.
Lugar inglez Dora, bacallao.
Lugar inglez fornande, bacitho.
Lugar inglez Leatider, bac;ilho.
Patacho allemSo Auna, farelio.
latportacio
Hiate nacional Deas tt ilre. entrado de Ma-
cio em 13 do corrente e consignado a Bartho-
lomeu Lourenco,'mttnifestou:
Sal 430 alqueires ordcui.
Liiiar nacional Duas Americas, entrado de
Xew-York em igual data e consignado a Fonse-
ca Irmaos & C, manifestou :
Kerosene 23,330 caixas ordem.
Exportaco
becifk, 13 ub j:aneo de 1889
Para o exterior
Uo vapor inglez Hellioaia, earrcgarain :
Para Liverpool, P. Valente & C. 1,100 saceos
com 82,500 kilos de assucar mascavado.
Na barca portugueza Cerm, carregou :
Para o Porto, L. Lima 00 saccas com 18,008
kilos de algodao.
Para o iil-'iior
No vapor austraco Thisbe, carregaram :
Para Rio de Janeiro, P. Pinto & C 30* pipas
com 14,400 litros de agurdente ; H. Hurle &C
700 saccas com 57,371 kilos de algodlo ; P. Car-
neiro Ai C. 500 saccas com 16,186 kilos de algo-
dao; F. S. Macedo Sobrinbo 50 saceos cora 3,000
kilos de assucar branco c 450 ditos com 27,000
ditos de dito mascavado.
No patacho norueguensc Gefio, carrega-
ram :
Para Pelotas, Maia & Rezende 530 volumes
com 50,975 kilos de assocar branco e 200 ditos
com 18,31-0 ditos de dito mascavado.
No vapor nacional Francisco, carrega-
ram :
Para Macei, M. Silva 2 Larris com 400 kilos
de sebo.
Para Penedo, C. J. de Aguiar 2 barricas com
120 kilos de assucar mascavado.
__No hiate nacional J0S0 Valle, carregou :
Para Ceara, P. Lapa 50, barra com 4,800
litros de mel.
Na barcaca Tres Irmaos, carrecaram :
Para racaty, F. Mascarenlias 500 saceos com
farinha de mandioca ; P l'mto & C. 50 barris
com 4,500 litros de mel.
Na barcaca Belleza da Fortuna, carregou :
Para Macei. A. G. Mores 135 caicos com
l.WW litros de genebra.?
?viso ao publico
Emquanto durar a Exposicao Universal de
1889, os nossos leitores qoe se acharem em Paris
e Iqoe desejarem receber qoaesquer noticias da
trra poderao 1er os nmeros mais recentes do
nosso jornal no escriptorio dos nossos corres-
Emdentes, os Srs. Amde Prince A C, 36, roa
afayette, em Paris.
Os nossos patricios poderao receber a sna cor-
re8pondencia, peridicos, etc. etc., e:n casa dos
Srs. Amde Prince & C.
Outrosim, os mesmos Srs. Amde Prince A C.,
negociantes-commissarios )en. a sua casa de
compras as ordciis de qualquer pessoa que dse
jar ter urnas iuforraaces. ou utilisar seu inter-
medio.
Pensao Acadmica
Esta casa de Pensao situada no amono
bairro da Boa-Vista, ra da Imperatriz
n. 15 2o e 3 andares, contina a receber
Sensionistas, que mediante a mensalidade
e 505, torito cora o maior asseio e regu-
laridade, comida abundante, commodos
nsradaveis, excellcnte banho c criado.
Oculista
Dr. J. Correa de'Bittencourt, oculista
residente na corte, ex-chefe de clnica
ophthalmblogica dos Drs. Wecker c Panas
em Paris e do professor Hirschberg cm
Berlim, tendo regressado de sua excursao
s provincias do norte, deinora-se alguns
mezes nesta capital, no < xercico de sua
especialidade.
Consultorio e. residencia ra do Barao
da Victoria n. 23 Io andar. Entrada pela
Gamboa do Carmo.
Consultas das 12 sis 3 da tarde. Oratis
aos pobres.
Dr. Nstor Cava I cante
Medico
OFFERECE OS SEUS SERVICOSEM PALMARES
x. mello Same*
Medico operador parcir
I Ra larga do Rmniio 51
(Por riaa Oh Anac de. Ouro)
Onde tem coanullorio resi-
dencia 1 podendo ser encontrado e
recebendo chamados a qualquer hora
do dia e da noite.
Especinlulailes : Partos, febres, moles-
tias de senhoras e .'os pulincs. sypMHs
em geral cura rpida e completae ope-
races de estrcitamentos e mais sofl-
menlos da uretra.
Acode de prompto a chamados para
tora, a qualquer dislaucia.
Telephonc u 33 I
Hachare! Anloiiio Witra- |
vio huto Bandeira ,
< Pode ser procurado i ra do Imperador
I I n. 71. I" andar l I
Cirurgio Dentista
DR. ROBEKT P. RAWLINSOX, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra Bar2o do Victoria 18, Io an-
dar.
% Consultas das 10 s -4 horas da tarde.
EDITAES
U Dr. Jos Antonio Corrcia da Silva,
cavalhein. da Ordem de Christo, com-
mendador da Real Ordem Militar Por-
tugueza do Nossa da t'onceicSo da Vil-
la Vicoaa, juiz de direito de ontalos
da Comarca de Olinda, por S. M. o
Imperador, a quem Deus guarde, etc.
Paco saber aos que o presente edital
virein e delle noticia tiverem, que, por
parte de Joaquiro Antonio de Miranda,
me foi dijigid a petco do theor seguin-
te :
lllm. e Exm. Sr. Dr. juiz de orphSos
de Olinda.Diz Joaquira Antonio de Mi-
randa, que havendo arrematado perante
V. S. a propriedade Tab, sita na fre-
guezia de Taquara, provincia da Parahy-
ba, e pertencente ao espolio do coronel
Joo de S Cavalcante de Albuqnerque,
Rendlmon Renda geral
Do dia 1 a 13
dem de IV
MEZ DK MARCO
Alfandega
292:o92324
i5:01HM76
Renda proviucial :
Do dia 1 a 13 41:040*109
dem de 14 4:159*681
Somma total
317:6115700
45:199*790
362:811*490
Segunda seccio da Alfandega, 14 de Margo de
1889.
8thesoureiro-Flerencio Domingues.
chefe da seceo Cicero B. de Mello.
itrrebcdorla Geral
Do dia 1 a 13 36:987*220
dem de 14 1:546*048
38:533*208
Recebcdoria provincial
De dia 1 a 13 8:567*58:)
dem de 14 662*646
9:230*226
Recife Dralaage
Do dia 1 a 13 25:276*563
dem de 14 2:387*803
requer o supplicante, para'garantia de seu
direito, que V. Exc, depositado o pro-
ducto do bem ano o supplicante arrema-
tou, mande, de a>;cordo com a Ord. livro
4 titulo 6, passar editaes, chamando'todos
aquellos a quem lor obrigada aquella
propriedade, para, no prazo que Ibes for
marcado, pugnarem pelos seus direitos.
Nestes tenaos ]>odc a V. Exc. deferi-
mento E R. Me.Olinda, 27 de Feverei-
ro de. 1889.Joaquim Antonio de Miran-
da. (Estava sellada.)
F.rn a qual peticSo profer o despacho
do theor seguinte;
Feito o deposito como acabo de verificar,
passe-se o edital as condicSes alludidas,
com o prazo de 30 das, ficando assim de-
ferido o presente requerimento, que ser
junto aos autos. Olinda, 27 de Fevereiro
de 1889.Correa da Silva.
E. mais nao eontnha dito despacho
aqu fielmente copiado, e por forca do mes-
mo despacho, o respectivo escrivao fez
possnr o presente edital, pelo qual e seu
theor aSn chamados aquelles ajquem for
obrigada a mencionada propriedade Tab,
para, no prazo de 30 das pagarem pelos
seus direitos.
E para que chegue ao conhecimento
de todos, mandei passar o presente, que
ser atfixado no lugar do costume e pu-
blicado pela imprenta.
Dado e passado nesta cidade de Olinda,
aos 28 de Fevereiro de 1889.
Eu Joo Theodomiro da Costa Montei-
ro, escrivao do eivel no impedimento do
de orpliaos, o escrevi.
Jote Antonio ( orrisiq^ da SUva.

38:001*30!
Mercado Municipal de S. dos
0 movimento dcste mercado no dia 13 de
Margo foi o seguinte :
Entraram :
25 bois pesando 4,918 lulos.
416 kilos de peixe a 20 ris 8*320
31 cargas de farinha a 200 ris 6*200
8 ditas de fructas diversas a 300 '
reia *W)0
10 taboleiros a 200 ris 2*000
12 suinos a 200 ris 2*400
22 matulos com legumes a 200 ris 4*iOO
Foram oecupados:
26 Ii2 columnas a 600 ris LSlMI
1 escriptorio a 300 1 300
2 compartimentos de farinha a
1 ditos de comidas a 300
83 ditos de legumes a 400 ris 200'
DECLARARES
Derby Club de Pcrnambuco
De ordem da directora e de conformidade com
o g 1- art. 16 dos estatutos, sao convidados os
senhores accionistas reuuirem-se cm assem-
bla geral no dia 30 do corrente. ao meio diaj
na praca de Saldanha Marinho n. 2.
Secretaria do Derhy Club de Pernamboco, 14
de Marro de 1889.1) ecretario,
Jos de Oliveira Castro.
Fabrica de iaeao e tecido
de Pernambuco
Vndese cem aeges desta companhia. de
100*0 0 eda urna, estando todo o valor realisa-
do desde o dia 16 de Janeiro passado : a tratar
na ra do Comiucrcio n. 46.
A aTagoana
de
Companhia
Fiacao e Tecidos

Convidamos aos Srs. subscriptores des-
ta companhia para, de accordo com os
arts. 9 e 10 dos estatutos ate o dia 17 de
MK90 prximo futuro, realisarcm sua
quarta entrada na razio de 10[ do valor
de suas acSes ao Banco Intenarcional
em Pernambuco.
Mnceo 15 de Fevereiro de 1889.
Os directores,
Jos Teixeira Machado.
Jos Janua'rio P. de Carvalho.
Propicio Pedroso Barrete.
AdniiuJ*tra<'o do Crrelos de
prnainbuco. I de Marco de
IMft
Hclaio da correspondencia registrada (sem va.-
lon que existe nesta reiwrtico, por nao te-
rem sido encontrados seus destinatarios.
Arthur Trilha de Lemos. ,
ugusto Rodrigues Braga.
Dr. Antonio cito da osta Silva.
Bento Manoel de astro Ainaral
1 asimirc Jos* Rodrigues da Motta.
Domingos Ribeiro.
Domicio do Reg Rangel (2).
Francisca Emilia da Costa.
Francisco Izidot de Parva.
r.uilhermina H.-ifiuaiin.
Geovanni Antonio Prente.
Uuillieriiiina Carolina do Njsciincnlo.
Oregorio Cyrino Cavalcante.
Joauua Knedina Mara do Espirito Santo.
Jos Brandio de Azevedo.
Jos da Costa Brando 1 ordeiro Juaior.
Jos Carlos da Silva Leal.
Jos dos Anjos da Silva.
Jos Joaquim da Silva Dantas.
Jos Manoel de Amorim.
Joo Baptista Xavier.
Joo Henriques Giutania.
Joo Baptista de Oliveira Braga.
Joo Jos Macena.
Mara Jos de Siqueira Borges da Silva.
Manoel Antonio dos Santcs Vieira.
Manoel Joaqu m de Azevedo.
Manoel Antonio da Silva.
Celestino Jos Leal da Silva.
Serapluna Ferreira de Aranjo.
Sebastio M. de C.
Virginio Estanislao Affonso.
0 2 ollical,
Antonio Dubeux.
!



^*

18 ditos de suinos a 700 ris 12600
9 ditos de fressuras a 600 ris 5*M0
:7 talhos a 2* 74*000
Reudimentos dos das I a 12 cor-
rente
191*120
2:289*740
Foi arrecadado liquido at boje 2:480*860
Precos de dia:
Carne verde de 200 a 480 reis o kilo.
Carnciro de 720 a l reis idem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
Farinha de 480 a 6 0 reis a cuia.
Milho de 360 a 440 reis idem.
Fw'lo de 900 a i*40 J idem.
Matadouro publico
Neste estabelecimento miara abatidas para o
consumo de hoje 46 rezes pertencentes a diver-
ses marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DE MARgO
Europa....... A tliens............ 15
Europa....... La Plata.......... 15
Sul........... Jfando........... 17
Sul........ .Yeo............. .17
Norte......... logos........... 17
Europa....... Yile de Macei..... 20
Europa ..1.... Campias......... 24
Norte......... Pernambuco....... 25
Sul........... Maranhao......... 27
Norte......... Finanee .......... 27
*
Vapores a sabir
MEZ DE MAR^
Santos e esc Atkens............ 15 as 2 h..
Bahia e esc.. .$. Fruncido.......15 as oh.
Buenos-Ayres. La Plata.......... 15 as 4 h.
Antuerpia era............. 17 as 4 h.
Sul.......... Alagos........... 17 as I
Norte........ Manos........... 18 as 5 b.
Sul t......... Pernambuco....... 2o as 5 b-
-autos e esc.. Campias......... 25as 4 h.
Sul.....:.... Fininre........... 27as j
Havre e esc.. Maranliao......... *8aS 5b.
Movimento do porto
Navios sonidos no dia 14
Para Lugar porluguez Veritat, capita j
Teixeira Leit. gneros.
Brownsnick-1



/
Diario de Pernamjraco---Sexta-fjp'a 15 de Marc,o de 1889*
Lyceii d Art.es eOfficios
De ordeiu do IUm. Sr. director ruco publico
que se achuru abertas as matriculas pira as au-
las do curso secndalo do Lycen, todos os dias,
nesla secretaria, das 7 as 9 horas da noitc.
O referido curso consta das seguintes cadei-
ras :
ArithmeticaRegida pelo Dr. Galdiuo Loreto,
funeciona as segundas, quartas e sests-feiras
de 8 as 9 horas la noitc.
Algebra Dr. M. F. do Si Antones, tercas e
quintas das (i s 7.
Gtometria-Dr. i'.au'T.no Facundo, segundas,
qaartas e sextas, d.is ti s 7.
Jeographia Dr A. das e quintas, das 7 as 8.
Historia patria e especialmente-ile Pernambu-
fo Acadmico Lauvuliuo M. de Aievodo, tercas
e quintas, das 6 s 7.
PhysicaDr. J. da Costa Ribeiro, secundas e
quintas, das 6 s 7.
Ctiimica Dr. A. CuethoLcile,segundas, quar-
tas e sextas, das 8 s<.
! cadeira de portujru-.-z-'-Dr. A. da Silva Gui-
irfies, segundas, quartas e sexta:, das 8 s 9
Francez-Dr. Biannr de Mentiros, segundas,
irlas e sextas, das 6 s 7.
Msica vocall'rofessor Anicnio Martin1, ter-
e sextas, das 7 s s.
Msica instrumental I'rofessor Manuel Ban-,
Bira, segundas e quintas, das 8 >'.'.
Bsennos linear e de figuras e ornatos l.uiz
izeres. tercas e sextas das ti as 8.
Paisaeur (aula nocturna r**4.yceu) Ucnve-
Ito Cabral, s tercas-feims, das 7 as 9.
Paisagem (aula diurna no campo, aos dnmin-
rgos, reuniao do Lyceu uo meio iliaj Telles Ju-
tot.
Secretaria do Lvceu de Artes e Oflicios, 11 de
Marco de 1889.
O secetano,
r". I osla.
Thesouraria de Fazenda
S.-
A'GL. DO GR ARCH. DO UN
fl. CAVALHKIROS DA CR1Z
Bu ordera do Resp. i Ir. Ven. convido a
todos os Obr. d'esta Resp. OIT. a com-
parecerem na sede da m 'sma no prximo sab-
bado 16 do corrente, as 7 horas da noite, para
assistirem a sess. mag. de tuic. e poss
devendo todos se apre;entarem decentemente
vestidos, e com as respectivas insignias c dis-
tinctivos.
Recie, 13 de Marco de 1889 E. V. .
Lduajdo Goncalves 18. .
Secret. .
3KC IBKmCIOLL
Capital *,:Ott*
dem re alisad o 1 .000:0006
A caixa filial deste Banco t'uncciona
ra do Commercio n. 40, sacca, vista ou
a prazo, contar os seguinres corresponden-
tes no cstrangeiro.
LONDON..(Banco Internacional
Jo Brasil,
London ornee.
( JcuidoB 1 (oiinl)
( Banking Coinpany L."1
PARS......(Ktiiede Pars A des
HIPPODRO'MO
DO
CAMPO GRANOS
WIf 11
De ordem do lllm Sr. inspector, sao pelo pr
:s Belmiro Alv
pre-
sente intimados os ex- de Carvalho Azevedo, Felippe Beniciu de Moura
, Tipi, Joao Augusto Alvos acie! e Manoel Anto-
nio dos Passos Miranda ou seos herdeiros, afim
ileifirem, uo prazo de :>t das, que Ihes lica mar-
cado, allegar (i que Tur i bem le cu di/eito nos
rqcessos de lomada de suas conta?.
Kcife, 11 de Marco de 1889.
O secretario da junta,
Dr. Antonio los de Satit'AHHa.___
Companhia do Seguros Phe-
ni\ Pernambucana
0 similores accionistas sao convidado? a reu
nireni em assenihlca geni ordinaria, na le -
Eftrii l'.i do crreme, 1 hora da tarde, na
de da companhia. A reuoiao tem por lim dar
execucio ao $ 1 do ar. i7 e g i do art. ."10 dos
Bftflfos
Pernambuco, de Man. o de 1889.
0$ administradores,
Luiz Duprat.
Manoel Gomes de Mattos.
Manoel da Silva Maia.
Juizo dos feitos da fazenda
Escrivao
TDKltKS BANDKIBA
No dia 15 do corrente, depois da au-
diencia, rio a praca por venda, os predios
abaixo declarados, penhorados pela fazen-
da Provincial.
Santo Antonio
Sobrad. a ra do Fogo n. |5 coui 2
janellas u 1 ]*>rtu. 2 salas, 1 quarto, co-
zinha e quintal; no pavimento superior os
mesiuos comrnodos, 4 metros e 70 cent-
metros de trente, t metros e 60 eentime-
trs*de fundo, avaliado em 2*>O0OOO, per-
teneente a Mara Bernardina Monteiro.
S. Jos
Casa berrea ra de S. Joao n. 63 K,
com porta e janella de frente, 2 salas, 3
quartos, cozinha externa, quintal murado,
-acimba, 4-metros e tiO centmetros de
frente e 13 metros e 40 centmetros de
fondo, avaliada em 1:500)5000. perten-
cente a Evaristo Rodrigues Vianna.
Casa terrea travessa do aldeireiro
ii. 2, com 2 portas e 1 janella de frente,
2 salas, 2 quartos, cozinha fra, quintal,
com 5 metros e G centmetros de largu-
ra, e 5 metros de fundo, avaliada em
509*000, pertencente a J.ao Joaquim de
Azevedo < uedes.
Ba-Vista
iDasa terrea ra do Socego n. 14, com
porta e janella de frente, 2 salas, 2 quar-
toe, cozinha fora, quintal, e cacimba, 4
metros de frente e 10 metros e 60 cent-
metros de fundo, avaliada era 5000000,
pertencente a Joaquim Lopes de Al-
aWa.
-gtea terrea no tereciro lecco do Pom-
bgU. 4, com 2 portas e 3 janellas de
(rente, 15 metros de comprimento, 10
metros e 40 centmetros de largura, 2 sa-
las, 1 gabinete, 6 quartos, cozinha fra, 2
cacimbas, cocheira e 1 quarto para cria-
dos avaliada em 2:0000000. pertencente a
Jos Moreira da Silva.
Graca
'asa terrea a ra do Visconde de Jta-
maraca n. 20, com 2 portas e 2 janellas
de frente, 2 salas, 3 quartos, 1 gabinete,
cozinha externa, quintal, com 34 palmos
c 2 polegada8 de frente, 40 palmos e
polegadas de fundo, avahada em 800#000,
pertencente a Elias Avelino de Barros.
Poco
Casa terrea travessa do Marques n. 8,
com porta e janella de frente, 2 salas, 2
quartos, cozinha fra, quintal cercado, ca-
cimba, solo proprio, 4 metros e 90 cen-
tmetros de frente, 9 metros e 80 cent-
metros de fundo, avaliada em 20 rKKX),
pertencente a Antonio Cabral de Medei-
' ros.
Afogados
Casa terrea Estrada Nova n. 4, solo
arrendado, com 1 porta e 2 janellas, 2 sa-
las, 2 quartos, cozinha fra, quintal, 8 me-
tros de largura, metros e 10 centme-
tros de fundo, avaliada em 100(5000, per-
'tencente a Amalia Feliciana de Britto.
Casa terrea na de S. Miguel n. 182,
com 1 porta e 2 janellas, 2 salas, 2 quar-
tos, cozinha ra, quintal, solo proprio,
."> mMros e t>0 centimetro* de frente, 14
insffv e 50 centmetros de tundo, avalia-
do em 500>00, pertencente a Ignacio da
Cruz Mello.
Caxang
Casa as Barreiras de Caxang n. 6,
com 3 portas de irente, 12 metros de
trente, 12 metros e 2 centmetros de com-
primento oceupado por estabe.lecmfciito,
avaliado em 2004000, pertencente a Jos
Pedro Fernandos.
Facul.dade de Direito
De ordem do Exm. ?r. conselheiro director
nterino fco publico o telogramraa expedido
elo Ministerio do Imperio eabaixo transcripto
elegramma n- 556 de 1* de Marco de 1889
Ao director da Faculdade de Direito do fiecife.
De accordo com o que propoz em telegramma
;? corrente autoriso adiamento abertura aulas
par*de Abril, se antes nao poderem terminar
^a de theses. Ministerio do Im-
Direito do Becife,
I24te Harto de 188.
'cretano,
Pasaos e Silva.
I
Riys-Sm
Deutsche Bank.
lank d'Anvers.
Banca Genrale e suas
agencias.
Banco Hypotecario de
Espaa e suas agen-
cias.
Banco de Portugal e
suas agencias.
The London & Rivcr
Plata, Limited.
[Iumburgo..
B.rlim..;....|
Bremen.....
Fr ank furt
sur Main...
Antuerpia..
Roma........
Genova......
aples......
Milao c irais
340 cida-
desde Ita-
lia...........
Madrid......
Barcelona
Cdiz........
Malaga......
Tarragona .
Valen cia e
ou tras ci-
da des d a
Hespanha
e ilhas Ca-
narias ......'
Lisboa......\
Porto e mas I
cjdades de>
Portugal el
ilhas.......J
Buenos Ay-
res .........,
Mon te video
Nova York. G. Amsink& C.
Compra saques sobre qualqucr praca do
imperio c do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrente de
movimento com juros na razao de 2 /0 ao
anno e por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente, H UlUim M. Wextber.
Companhia de Seguros Am-
phitrite
Os .-enhores accionistas sao couvidados a reu-
nirem-se em assembla geni ordinaria, na quar-
ta-teira 20 do corrente. 1 hora da tarde, no sa-
lo da AssociacSo Conimercial Beneficentc. A
reuniao tem por lim cumprir as disposicoes dos
estatutos, arts. 36 e 40.
Antonio M. Amorim.
Manoel J. da Silva Guimaraes.
Joaquim Olinto Bastos^_____^_
Recebedoria Provincial
O administrador da Recebedoria Provin
ca dando cumplimento a ordem constante
da portara sob n. 225 expedida n'esta
data pelo lllm. Sr. Dr. inspector do The-
souro, faz publico, para conhecimento dos
interessados, que fioa prorogado at o da
30 do corrente o prazo concedido para pa-
gamento, livre de multa, das annuidades
e mas servicos da Recife Drainage Com-
pany relativamente ao 2. semestre do
exercicio de 1888.
Recebedoria Provincial de Pernambuco,
9 de Marco de 1889.
Francisco AniintJtas de Caivalho Moura.
4.a scele.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em 19 de Fevereiro de
1889.
Por esta secretaria se faz publica a re-
commendacao do Exm. ministro c secre-
tarlo de Estado dos negocios do imperio,
oonstante do aviso n. 288 de 22 de Ja-
neiro rindo, para conhecimento de Mara
Severina da ConceicSo Lucas, mSi do
alumno do Instituto dos Surdos-Mudo,
Jos Lourenco Godolredo Lucas.
N. 288. 2* directora.Ministerio
dos negocios do imperio. Rio de Janeiro,
22 de Janeiro de 1889.
lllm. e Exm. Sr.N&o podendo, na
conforraidade do artigo 25 do regulamen-
to do Instituto dos Surdos Mudos annexo
ao decteto n. 5,435 de 15 de Outubro de
1873, continuar alli, por haver attingido
a idade de 18 anno, o alumno Jes Lou-
renco Godofredo Lucas, a quem se refere
o officio dessa presidencia de 24 de Ou-
tubro de 1882 e convindo, portante, pro-
videnciar am de que seja retirado do
mesmo Instituto o dito menor, o qual, se-
gundo informa o director do estabeleci-
mento no officio, que tal respeito me di-
rigi, se exprime regularmente por escrip-
to, perito offical de encadernador e tem
o peculio de 8640950, recolhido a caixa
econmica, dou conhecimonto d'isto a V.
Exc. para os fins convenientes.
e Deus guarde a V. Exc. A. Fevtd-
ra Vianna.Sr. presidente da provincia
de Pernambuco. >
O secretario interino,
ManoelJoiquim Sveira.
Banco de crdito real de Per-
nambuco
Em cuinprimento dos $$ 9. e 12. do
art. 83 dos Estatutos e das disposicoes
da lei n. 3150 de 4 de Novembro de 1882,
convocamos aos Srs. Accionistas reuni-
rem-se em assembla geral ordinaria, no
dia 23 do corrente mez, ao meio dia,
em urna das salas da Associacao Commer-
cial Beneficente, afim de lhes ser presen-
te o relatorio das operac5es do anno ban-
cario, findo em-31 de Dezembro de 1888,
acompanhado do parecer da eommissao
fiscal, e proceder-se eleiclo d'esta, do
e2.
presidente, vicepresidente, 1.
tarios da Assembla Geral.
Recife, 7 de Marco de 1880.
Os administradores"
Manoel Joao de Amorim.
Antonio Ferrundes. Rihro.
Luit Duprat.
secre-
QUE SE REALISARv. NO
Dia 17 de Marco de 1889
! 1 e !\onifM _____'A rrH ****< S 3
Car da veati-
mi'nia
PinpriFlariiKi
1.
de Mar^o de 1889
.Vnimaes da provincia que ainda nao tenhauo
noHippodromo. pkemios : 200^000 ao primeiro, 50^1000
1 Pareoton*in<;:i soii metros Animacs
uo'Derby. Premios : 2001 ao
da provincia
1, O ao 2, e
que ainda nao
iOJ
H ao 3.
tenham ganho
llRoval.
Pitt.........
Marat.......
Ferrabrai 2>.
5 Atheu.......
6 Guaracy
Almirante .
Orange.....
Gin^a.......
lOJVassallo.....
UJPedreira... .
12 Boulanger...
13 Roldio] .
Bridedr.. .
Good mor-
ning.------
Rnsso......
Zaino.......
Rodado ...
Baio.. .....
Castanho
Russo......
Alazao.....
Castanho ..
o
Rodado.
Rnsso rodado
AlazSo......
Baio.......
Russo.......
Rodado
Pern..
53
55
55
50
55
55
55
55
55
55
53
53
55
33
35
iRosa e preto........
Encarnado e amarcllo
lAmarello e azul.....
Ouro e verde........
Asol e encarnado.. .
Encarnado e Preto...
Preto ene. e ouro.....
Encarnado e grenat .
Encarnado.........Coudelaria Unio.
Ouro........... T. D.
trenate preto.......G. V.
Preto e ouro.........D. T.
Branco e encarnado.. I Antonio P. Mariano.
Encarnado e branco. R. C.
Saldanha.
S. F-
Goudelaria Demcrata.
fe I.
. F. C.
F. R.
Coudelaria Pavsand-
A. J. G. A.
Coudelaria Garguello.
3.
4.
*.
.
Domingo 24
1 pareoENSATO300 metros.
ganho premios no Hippodromo. pkemios
ao segundo e 2Gr?000 i*o terceiro.
pareo PRADO PERNAMBCCAN'O 850 metros. Animaes de menos de
meio sangue que nao sejam da provincia e nSo tenham ganho nesta dis-
tancia no Hippodromo. premios: 250,5000 ao primeiro, 60#000 ao
segundo c 25)>000 ao terceiro.
pareoPROSPERIDADE 900 metros. Animaes da provincia que nao te-
nham ganho premio n'esta ou maior distancia em nenhum dos prados
d'esta capital, premios : 200fJ000 ao primeiro, 500000 ao segundo e
20^000 ao terceiro.
pareoHIPPODROMO DO < AMPO GRANDE1.800 metros. Animaes de
qualquer paiz. premios : 8000000 ao primeiro, 2000000 ao segundo
c 800000 ao terceiro.
pareoDERBY CLUB1.400 metros. Animaes nacionaes at meio sangue
premios : 3500000 ao primeiro, 800000 ao segundo, e 350000 ao terceiro.
pareo COMMERCIO1.300 metros. Animacs da provincia, premios:
2500000 ao prmeiro, 000000 ao segundo e 250000 ao terceiro.
pareoVELOCIDADE700 metros. Eguas da provincia, premios: 1500000
a primeira, 350000 a segunda e 150000 a tereeira. '
Observacoes
O 4. e 6." pareos nao se realisarSo sein que so inscrevam 5 animaos.
2o PareoCoaoolaro 2* turma 800 metrosAnimaes da provincia que ainda nao tenham
sanlo no Derby Premios: 200* ao 1, 50# ao e 20* ao 3".
m.........
Licorne .....
Re de ouro.
Corsario ....
Potos......
Siroco'.....
Aracany.....
Vesuvi.....
Camossim.,.
10 Guauabara ..
i 1 Breas......
12| Vida Alegre.
13;Horisonte
14'Pierrot......
Russo nedrez
Castanho
i
Rodado. ...
Castanho. ..
' ardfio......
Russo.......
Preto.....
Castanho.. .
Baio ......
Alazao.....
Russo ....,
Alazao......
Baio.......
Pern. 00
55
n 53
* 53
55
50
55
55
i 55
55
50
55
* 55
53
(.renal e ouro........
Encarnado epreto...
Branco e preto......
Riscado............
Ouro e encarnado
Encarnado e branco.
Amarelio e encarnado
Ene. bonet azul -.
Branco e azul.......
.\zul...............
Preto, ene. e ouro----
Azul e branco.......
Azul..........m. ..
Azul e rosa..........
Coudelaria Bemfica.
J C. A.
F.G.
J. F. S.
A. C. dos Santos.
S. B.
S. B F
F. de A.
M. A. Pimentei.
M. Mendonca
Coudelaria Desgraca.
' oudclaria Imperial.
Coudelaria Maduro.
S. A.
3 rai'LM-Omiiiiiiu -I ,'iiM
m>-tros Animaes de menos de
ao 1, 75* ao 2" e 30* ao 3*
meio sangue. Premios : 300*
1 Moucorvo .. 4
21 Favorita..... 6
3Rccife.......* I
VAvmor. ... 5
5: Cometa. ... 3
tijAlfa........ 6
Rodado .....18. Paulo..
Zaino......
Castanho.. .. Rio de Jan.
Alazto.
S. Paulo...
51
32
54
54
54
32
Rosa e preto.......
Violeta e ouro......,
Preto egrenat.....,
Verde e amarelio
Ouroe branco......
C. Fernandes.
Bernardino L. Alheiro.
S. P.-
A. M.
Bernardino Alheiro.
Ojalma M. da Silva.
Parco~r>riperllide900 metrosAnimaes da provincia que ainda nao tenham
ganho premios no Ucrbv em maior distancia Premios : 200* ao Io, 50* ao 2"
e 20*000 ao 3.
Animan
Caini........
Almirante...
General .
Orange.....
Roldo.....
Pirraca.....
Danlon----
Vida Alegre
Ciclone ..
Borburoma...
12 Bolaxinha.
13 Bonaparte
l4lFanfar.....
15lNero.....
6. PareoI
0 Alazao...... Pernamb .
3 Russo pedrez
6 Alazao.....
B Rosilho ... m
) Castanho---- a
6 Baio....... o
5 Castanho ..
6 a >,
5 Russo.....
4 Rodado ---- 1*
C
5 Russo....... a
5 modado.....
8 B
3
:i Violeta e ouro.....
55 Ouro e verde.....
33 Encarnado e preto
Branco e preto .|..
Preto ene. e ouro..
Preto e ouro......
.V)
51
m
53
53
55
.".'i
5o
n
Grenat e prelo......
Azul e branco .... .
Encarnado e branco-
Encimado..........
Branco e azul.....
Branco e encarnado.
Azul e prenat.......
Ene preto e branco..
F. S. Bastos.
A. F. C.
Coudelaria Pavsand.
J. D. C. B.
A. J. G. A.
D. F.
i. L.
G. V. .
Coudelaria Imperial.
S. B
Augusto Silva.
M. G. M.
M. G. L.
R. <\
H. G. L. G.
at
pidea- 1.000 metros Animaes
ganho premio este anno em nenhum dos Prados desta capital.
ao Io, 75* ao 2o e 40*000 ao 3o.
meio sangue que anda
Premios :
nao tenham
300*
Mandarim.-
Moncorvo...
Mimosa.....
Minerva. ...
Corcovado ..
Risette.. ...
Rosilho.....
Rodado. ...
Alazao. ...
Douradilho
Castanho .
Zaino.....
S. Paulo... 53
B 53
49
O 52
Rio de Jan. 53
S. Paulo .. 54
Azul listrado.....
Rosa e preto.......
Gr-.nal c azul.....
Violeta e ouro...
Encarnado e preto
Azul e ouro.........
I. Bastos.
C. Fernandes.
Coud. Parnamerii,
Coudelaria Cruzeiro.
1 oudelaria Paysand'-
Cel.o Oliveira.
Pareo-OmmIm^- 3" turma- Animaes
no -.rbv.Premios : 200* ao 1'
da
provincia que ainda nao tenham ganho
30* ao 2 e 20* ao 3.
Phebo ......
Bonaparte ..
Rocambole
Rfl..........
Rndelo.....
Palito.....
Jonkopings..
Dublin.....
Meteorolitho.
Biscoutiuho .
Vlete ex Rato
Bornave. ...
Lucifer......
Mercurio....
Castanho .
Rodado..
Cardao ....
Russo pedrez

Castanho ..
Alazao .. .
Tordilho
Russo......
Baio......
Castanho. ..

Rodado.....
Russo pedrez
Pernanab
55
X
m
3o

83
50
53
85
w
58
sa
88
88
Azul e branco.......
Branco e encarnado..
Azul e branco......
Encarnado e branco

Encarnado e preto
Preto e ouro. ......
Pardo azul e ene .
Branco e encarnado.
Braico e azul.......
Encarnado e azul----
Encarnado e preto. .
Coudelaria Io de Julbo.
R. G. L.
C P.
I. L. de Souza Filho.
Tacos.
A. P.
1. A.
J. M.
H. H. deM. Henriques.
M. G. M.
B. D. Cavalcante.
A. S.
*. U.
L. P.
f. Pareo Praviacla de Pern
Premios: 250*, ao
Arumary.....1 5 [Alazao......IPernamb
Cndor.....I 5 [Baio........I
Templar.....I 3 (Rodado. ..-. I
uro 1.300 metros Animaes da provincia.
1, 73* ao 2 e 25*000 ao 3.
.. I 54 I Violeta e ouro......iF. Su
54 ........:..........R.C.
I 54 I Azul e ouro........|J. M.
Siqueira & Pastos.
8o. Pareo -laspreaM Pori
Premios:
ibut-aaa- 1.609 metros Animaas at meio sadgue.
300* ao 1, 75* ao 2o e 30*000 ao 3*
Fgaro....
Ruy Blas....
Douro
Hexe......
Apollo....
Olga.....
Chita..
Alazao
Zaino
Alazao ..
Castanho
R G do Sul
S. Paulo ..
Rio de Jan.
R. da Prata

5. Paulo..
54
5o
54
55
54
49
Azul listrado,........
Rosa e preto........
Verde e amarelio.....
Rosa e preto.......
Branco. e encarnado.
J. S. S. Bastos.
Arthur Silva.
F. P.
Coud. Pernambucana.
Estevao de S.
M- N. P.
Os animaes inscriptos para o Io pareo devem achar-se no ensilhamento s
9 1|2 horas da manha.
Os animacs inscriptos para os outros pareos, deverao [estar urna hora antes
da determinada para o pareo emque tiver de correr.
Os forfaits serSo recebidos at sabbado, 16 da MarfO s 3 horas da
tarde, hora do encerramento do expediente para esta corrida.
A venda de pouhs encerrar-se-ha 20 minutos antes da corrida.
Chama-se a attencao dos Srs. proprietarios para o artigo 56 do regimen-
t interno
Nenhum dos outros pareos se realisar scni qi*
proprietarios differentes.
A inscripcao encerrar-se-ha segunda-fe ira 18 do corrate
no cscriptorio do Hippodromo.
O cdigo de corridas prescreve o modo da inscripc3o.
se inscrevam tres animaes de
s 6 horas da tarde
Recife, 13 de Marco de 1889.

O secretario,
Ferrara Jacobina.
mu muiiicN
PROJECTO DE INSCRIPCAO

i.
ara a 23.a corrida que de vera ter lugar
no dia 25 de Marco de 1889
2.
o.


PAREO Coosolaeio 850 metros. Animaes da provincia que nao tenham
ganho premio. Premios : 200^000 ao primeiro, OjjKXX) ao segundo e
20)5000 ao terceiro.
PAREOCoaapenfta^io1.4"i0 metros. Animaes nacionaes at meio sangue.
que j tendo sido inscripto nao tenham ganho premio este anno, Prerg}\:
300$000 ao primeiro, 600000 ao segundo c 30$000 ao tojpeife. '"^V
PAREO Derfcy Clfc 1.000 metros. Animaes da provincia. Pretmoi:
300^000 ao primeiro, 600000 ao segundo e 300000 ao terceiro.
PAREO Ferro Carril.1300 metros. Cavallos necionaes at mtio *n-
gue. Premios : ;15O0OOO ao primeiro, 2000000 ao segundo e 35-5000 ao
terceiro.
PAREOPrado Pernaatbneano1.700 metros. Animaes de qualquer
paiz. Premios: 8000000 ao primeiro, 2000000 ao segundo e HO0OOO
ao terceiro.
6.a PAREO I a prensa Pernaaabueana1.200 metros. Animaes da provin-
cia. Premios: 3000000 ao primeiro, 600000 ao segundo e 300000 ao
terceiro.
7. PAREO Reeife 1.400 metros. Eguas at puro sangue. Premios: 5000000
a primeira, 1000000 a segunda e 500000 a tereeira.
Observacoes
S serSo aceitas para cada pareo quinse propostas. Cada enveloppe devera
conter urna so proposta, e caso^appareca mais de urna s ser acceita a primeira
que for lida.
Nenhum pareo se realisar sem que se inscrevam animaes de tres proprieta-
rios differentes. .
O anno social contado do dia 1. de Julho a 30 de Junho do anno seguste.
A inscripcao encerrar-se-ha na terea-feir. 19 do corrente, s 6 horas da
tarde na secretaria do Prado. R
A directora pede a attencao dos Srs. proprietarios para o 1." do art. 21 do
Cdigo de Corridas. *
Recife, 14 de Marco de 1889.
O SECRETARIO,
Francisco de Souza Reis.
s
SALVADOR-
HORARIO
l.o pareo
2." pareo
3.u pareo
4." pareo
o." pareo
6." pareo
7. pareo
8.u pareo
11
11
12
1
2
3
4
4
horas ..... minutos
e
e
e
e
e
50
40
30
20
10
50
O Gerente,
Henrique Schutel.
'
PARA O PAREO
l.IUMIE PREMIO PIENSA imil i\A
Na corrida que se realizar no dia 21 de Abril de 1889
1.900 Metros. Animaes nacionaes de meio sangue. IVemios: l:2OQ0OOO.ao
primeiro, 5000000 ao segundo, 2000000 ao terceiro e 100-SOOO no quarto
Inscripcao 100SOOO
Observacoes
NSo se realisar este pareo sem que se inscrevam 6 animaes de proprietarios
differentes.
Os proprietarios doverSo apresentar certidao do Stud Book do prado ende
tenha corrido o animal que inscreverem.
A inscripcSo encerrar-se-h^ no dia ti de Abril, r.* secretari;
dromo, ra do Palacio n. 16, Baha.
Babia, .9 de Marco de 1889.
0 SECRETARIO,
A. Coutinho.



%
i
Diario de PernambucoSexta-ieira 15 de Marco de
i un un jiimi i ii i-----------------
4
ESPADA D FERUO E PERNAMBUCO
DO
RECIFE
*0 S. FRANCISCO
AVISO
i Estando esta estrada reeonstruindo a ponte de Pirapaiaa, peio presente faz
publico que o trem de carga, que desee do interior no' da 23 do correte, ficar na
estacao do Cabo e s seguir para Cinco Ponas na manbX do 2#, que o transporte
de passageiros na tarde de 22 e nos das 23, 24 e 2 sef foit -com baldeaoao,
tendo os passageiros de atravessar a p a mesma ponte e finalmente que nesses
das so se despach&rao animaes entre as estacScs de Cinco Pontas e Ilha e Cabo a
Uia.
Cabo, 13 de Mareo de 1889.
Vells Hood,
Superintendente.
De orden do Illm. Sr. Dr. inspector
faco pbKco que em cttmprimento da re-
soluto de S. t xc. o Sr. Dr. presidente
da provincia, de 14 do eorrente, fica toar
cado o prazo de 45 das a contar dcsta
data, para a mcripbSo ao coneuwo que
ter lugar neste Thesoaro no dia 15 de
AbYl prximo fatwro, afim de se'tres vagas de 3o escrfpturario existen-
tes ncsta repartieao.
O exame versar sobre leitura, analyse
grammatical, ofthographia e arithmetica
. at a theoria das proporcSes inclusive.
Os candidatos deverao requerer ins-
pectora deste Thesouro a sua admissaq ao
concurso por meio de peticao documenta
da, provando ser maior de 18 anuos, achar-
se livre de culpa e pena e ter bom coin-
portamento, lhes sendo lieito juntar, alm
destes, quaesquer iftitros documento? que
possam favorece; o seu direito.
Secretaria do Tbesoaro Provincial de
Pernambuco, 21 de Pevfcioirt) de 1889.
Servindo de secretario
O official,
Lindolfo Compeli.
CASAN PARA ALUCSAR
Ra da Moeda B. 49, armazem 240OOO
dem do Vicario Tenorio n. 21, leja 240*000
dem idem n. 22. 3. andar '80*000
dem dem n. 23, i. andar 360*000
dem do Bispo Sardinlia n. 3, I." e 2."
andares e soto 400*080
dem do Mrquez de Olinda, sobrado
u. 44 8:131*000
dem do Bom Jess n. 29 I. andar 2405000
dem de Dominuos Jos Martins n. 136,
loja e f Midar 400*000
dem de Thom de Sonsa n. 14. andar 200000
dem do Bariio da Victoria n. 41, ar-
mazem 1:200*X(00
Idea Imperial n. 151, casa terrea 360*000
Traoeaea de S. Pedro n. t, casa terrea 360*00
S. Lou renco da Malta _^__________60*000
Cmpanljia fce Seguros
'm*A' ro&o
NRTHEBN
de Londres c Aherdaeo
Posifo tinanceira fDezembro de 1885^
Capitel subscripto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,348
Reeeita aaaual :
De premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 32,000
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 82
Sacca por todos os vapores sobre as ca-
xas do mesiuo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dea Capellistas n. 75. No
Porto, ra doe higienes.
"seguros"
MARTIMOS CONTRA FOCO
Compaaala Phtniv Per-
nambiu-ana
BA DO COMMERCIO N. 26 1." ANDAR
MARTIMOS
CHARGEURS REUNS
(onpanhl* FiU(N
DE
Xavegaein
.anha quinzeaal entre
P^rnambtie*, BW*,
Santos.
O
a vapor
o liavre, Lisboa,
Hio de Janeiro e
vapor
Ville de Macei

Commandante Lenonnand
E'esperado da Europa at o dia 20
Marco; seguindo depois da in-
pensavel tiemora para a
United States aad Brazil
M.-'S. S. C. J.
Ovapor Advance
B* esperado das partos ao
sul at o dia 21 de Marco
o qual depois da demo-
ra necessana serguir
para o
Maranhao. Para, Barbado*. .
Thomaz e Ftfew-York
Para carga^passagens, encommendas e di-
ahciro a frete : trata-se com os AGENTES.
O vapor Finalice
E' esperado dos portos do
norte at o dia 17 de Mar-
co o qual depois da de-
mora necessaria seguir
parea
Baha, Rio de Janeiro e ftaato*
Henry Forster & C.
8Ra do Commercio8
V andar *
i
Rio Grande e Pelotas
Para os porto? acima.**seguc com brevidade o
lugar brasileiro Marmho Vil; para carga trata-
se com os consignatarios Jos da Silva Loyo 4
Filho.
LEILOES
Leilo
Ao correr do martello
De mobilias de Jacaranda, mogno, pao-carga,
e junco, quadros, jarros, espelbos, relogios de
parede. transparentes cninezes, candieiros a gaz,
arandelas, mesas, cadeiras de junco, guarda lou-
cas. apparadores, fteiros, camas de ferro, mar
qnezes, cadeiras de bataneo, camas para meni-
nos e lavatorios com pedras.
Um piano, 1 serafina, 1 fugao de ferro, 2 bom-
bas, I guarda roupa, pannos e bastedores para
um theatro pequeo.
Raneas americanas, (classes) carteiras para col-
legios. e 1 fugao de ferro grande e muitos outros
movis.
Objectos de electro-plate e bronze
Hoje 13 do Corrate
No armazem da ra Mrquez de Otinda
n. 52
O agente Pinto tendo de mudar-se do arma-
zem da ra Mrquez du Olinda n. 62 para o da
ra do Rom-Jess n. 43, faro leilo ao correr do
martello de todos os movis all existentes os
quaes sero Tendidos, sem reserva de precos.
Em continuacSo vender o raesmo agente :
Urna seeretana grande, i burra prova de fogo,
1 repartimento de escriptorio, I armaco iagle-
za. f carleira, 1 balanca, e outroe movis de es-
criptorio, existentes no armazem da ra Mr-
quez d Olinda n. 52.
O leilo principiar s 10 1/2 horas em ponto
por serero mnitos os lotes.
Entrega emjacto continuo c em 24horas.
Leilo

O AGENTE,
John H. Boxivell.
SEGUROS
CONTRA FUGO
Th#liverpMl k UndoB I (tobe
HSUHAITCS CQMPAEY
meara, m:m & c.
, Ra do Commercio n. 3
Imperial
DE
Seguros contra Fosro
E8T1 1803
JZdificios e mercador a
Tabas bai.y"
'Pivmjthr p"(jiiento d< jn-ijnhnt.
i .U'ITAI.
'ni. l*.0*MlltO<*MMM>0
iiEWTE
HHOU*.S rt C.
* 5RL'ADOCOMMERCIO-X
Baha, Rio de Jafeeiro e Santos
Rogase aos S. impoatadores de carga pelos
vapores ciestn linlia,quelBili|esentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
qualquer reclamarfW**0itPa volumcs que
porventura tenliam seguido para os portos do
sul afim de se pode dar a tenpo as provi-
dencias iK'Cc--arias.
Expirado o referido 5inid>a companliia nao se
responsaDilisa por'eKthmaB.
Para carga, passagote^ acommendas e di-
ah*"iro a frete : tcitoji0^
Ai^e Libillc
9 RA DO OOMlERCIO 9
CoTApanhiaEtsileira de
Navegacao Vapor
PCrKTO*f -DO SUL
O vapor Ala^oas
Couimandanto .I-y AJawu l'tssoa
E' cjjierais-:o-i porto? do norte at
odia !rue*Mnr50 -i'.-pois da de-
moni in>!;:(T'avi'l -ur:5 paraos
port'i-
Recpbe lainhor i9f\ fctrl Santl Sania Ca-
nirrn. Pelotas l'oi .. ''"pre e I! rUttHde'M
Sul. frete mdico
As encammeudM raa na w agen-
cia ah'- 1 hor;i 4a '.-."' !o 'ila da saii i.
Para carjRi, passa^"is, racommeiMa^ o-
trata-* i I iWMWI.
poRToy Bu wasiE
O \npor'"'Manos
Coin:nafidntfe -t* Vueht (t-Hrerme
Wr.<1iHngton
E' espendo dos portos do hu at o
dia 17 de Margo e eguiodo depois
da demora iaMeosavel para os
portos do orte at Mauos.
As encommendas ho recebidas nu agencia
at<- i. hora da Uaiu-c Aiadoaaluda.
Parararga, ep.'iaii..iaa>,-a;a*feii? e valo-
y?% trataire rom os
AteWS
Perfora C ame i fu & C.
IIVDEMNIS ADORA
l!nnpanliia k Sfgiiros
' yTIMOSE TKRESTKES
CAPITAL 1,000:000:3000
SIMSTROS i'At#S
Ate SI de nezemhf+4* 1 4
Hu-iti ios.. 1.1 10:000&XX)
Terrestres. 316:000|O0O
44Ra' do Caarmercio44
f* .Vk* >.> Coata<-rc>'> --^--'V
*4% anaVr
Royal lail'Stean Packef
^rAipanhia
O vapor La Plata
CoMlmaflda'nfo 'A. H. fhk
De divises de amareilo envernisado, I secre-
taria de nogueira, 1 grande carteira de ama-
relia eom duas faces, 1 dita menor, 1 dita
grande com gavetinha, 1 secretaria com ga-
vetas, 1 cadeira com encost, 5 mochos, 1
prensa com meza, 1 estante de amareilo en-
vidracado, 1 banco de amareilo, 1 porta-pa-
Eeis, 1 estrado grande, 6 cadeiras de junco, I
anca com pedra, 1 cabide de columnas, i la-
vatorio de louca para parede, 1 oculo de al-
cance com seas pertences, 1 relogio de parede,
1 lavatorio de forro co n bacia, 1 banco de
ferro, 2 jarras para agua e outros objectos de
escriptorio.
Sexta-feira, 15 de Marco
A'e 11 horas
No escriptorio sito ra do Bom Jess
a. 15
O agente Gusmo, autorisado pela Exma. Sra.
Viscondessa de Itaqui do Norte, far leilo dos
objectos cima mencionados pertencentes ao
escriptorio do seu tinado marido.
Agente Silveira
LEILO
De predios em terreno prop<*io, ra do
Bispo Cardoso Ayres, mb ns. 14 e lfi,
fr,eguezia da Boa-Vista
SEXTA-FEIRA 15 DO CORHENTE
A'8 12 horas
*o armaaem & ra da Imperador
i. ir
0 agente Silveira por mandado e com assis-
tencia da E\m. Sr. Dr. juiz de direito de orpbos
e a requerimento do Exma. Baronesa de Catua-
ma levara a leilo:
A casa .errea n. 14, ra do Bispo Cardoso
Ayres, tendo 2 salas, sendo a sala da frente as-
soalhad* e forrada, 3 quartos internos, 1 saleta,
cosinha e 3 quartos esteraos, sendo um ocenpa-
do por um banheiro, agua encanada e gaz, quin-
tal murado e 1 galiinheiro.
Urna dita na mesma ra n. 16, com 2 salas,
sendo a sala 'da frente forrada, 3 quartos inter-
nos, 1 saleta, i quarto externo, agua encanada,
gaz e quintal murado.
Os Srs. pretendentes podem examinar.
Agente Silveira
......i
Agente Pestaa
Leilo
Leilo
Agente Brito
- De uma-armaco de amareilo, iteiros, mde-
sas, charutoa, cftgarros, espelhos.^oadeiras, con-
solos, lavatorios, cabides,,- relogios de .parede,
candieiros, encanamento e registro de gaz, I ro-
tula nova e sais objectos proprios para casa de
barbeiro.
Ao correr do martello
Bxtatentes na casa n.*96 ra do Mrquez do
Herval.
Garanle-se a rasa.
Nexla-felra. 15 do eorrente
A's 10 1(2 horas
Leilo
Da armacXo, balanca, pesos, medidas e
gneros da taverna sita praca do
Conde d'Eu n. 18-
ftiabbado. f O do correle
A's 11 hora
0 agente Gusmao, competentemente autori-
sado, far leilo da armaco, gneros, movis e
mais objectos que estaro patentes no acto do
leilo.
3 leilo
Da armaco, cofre prova de fogo,
ilio
candieiros,
mercaduras e utensilios existentes na loja de
fazendas sita ra Vi-conde Inhauma n. i*.
antiga do Rangel.
Segunda-feira 18 do eorrente
A' 11 horas
0 agente Gusmo, autorisado por mandado do
Exm. Sr. Dr. juiz de uireito do commercio e a re-
Juerimento do Dr. curador fiscal da massa l'alli-
a de Salvador Goncalves Braga & C, levar a
3" leilo com assistencia do mesmo juiz, o es-
tabelecimento cima mencionado, o qual ser
vendido em m ou mais lotes vontade dos Srs.
compradores.
AVISOS DIVERSOS
- Aluga-se o sobrado do praca Comle d'Eu n'
K e o da ra do Un rao de S. Borja n. 26, ambos
com grandes commodos para numerosa familia ;
a tratar na ra de >anto Amaro n. 8.
Aluga-se o 2 andar com agua ra'do
Padre Muniz n. 13 : a tratar na ra das Trin-
cheiras n. 18._ .
luga se casas a 85000 no becco dos Coe-
Ibos, junto de S. Goncallo ; a tratar na roa da
Imperatriz n. 56.
Aluga-se a casa n. I ra Lembranca do
Gomes, em Santo Amaro ; a tratar na ra da
Imperatriz n. 32, 2- andar.
Aluga-se urna casa com 8 quartos ra
das Flores u. 18: a tratar na ra Baro da Vic-
toria n. 39. loja.
Precisa-se de urna ama para comprar e co
sinhar e fazer todo servico de casa de pouca fa-
milia na ra Yisconde de Albuquerque (outr'ora
matriz da Boa-Vista) n. o.
Precisa-se de urna ama que cosinhe e com-
pre para ires pessoas no oitao do Corpo Santo
numero 25.
Precisa-se de um menino
pouca familia a tratar na ra
numero 18.
para criado de
das Trincheiras
<-' Precisa?e de una ama para cosinha de
pouca familia; a tratar na estaciio da Jaqueira.
Precisa-so de urna cOsiiihira e de urna co-
peira : a tratar na ra da Soledade n. 82.
Precisase de urna ama para cosintaar : a
.tratar na ra da Unio n. 23.
Precisa-se de urna ama, a tratar na ra do
Livramento n. 9. _
Oucrece-se urna sennora para casa de ho-
mem solteiro ou viuvo, tendo habilitaco de casa
de familia, preferindo pessoa de fra da cida-
de ; na ra da Roda n. lt, achara com quem
tratar.
Eapera-se 'la Europ at dia 15de
Marco, se.joindo depois da demo-
ra do costime para
R.thia. Rio de 9aap!ro. Hoole-
?Ido e BmoDOK- tyre*
S0.1RO 10\TRA FOGO
Royai Insurance Companj
de Liverpool
CAPITAL .00^00
AGEKTE8
R. DEDRUSINA&C.
ViR**a Mrquez de OlindaVi
Copanhia de Scgiros
iitliix&t &z Lisboa
AGENTK
Miguel Jos Ahes
N. 1 *ua o Bom Jvhim*-*. 9
SB8RCW MARTIMOS E TEIlIHiSTKES
N>.- -eguios a nica companhia
est,. i ede aos Srs. segurados semp-
cio d de premio* em cada stimo
aiiu: le ao descont auaual de cer-
ca di nto em favor das segurados.
O
Ne\
a
jfc
Ttipor
Oommaaaal* 6. M. Uck
E' espera* do sal no dia
Margo e seguiado depois da demora
necessaria. para
17 de
S. Vicente, Lisboa, Ygo, Soutnampton e
- Aataerpia
Rdatelo de pauagens
l Um Idae volt*
A'Lisboa l'classe X t 30
A' Sonthampton claw 28 42
Camarote reserrad.-s para os pa33ageiros de
Peraamknco. .
Emqnabto vigorar < iu qoarenteoa imposta na
Repblica Argeatina, s.oa navios procedentes do
Brasil, os vaporea dl*r,#4M|>aDqia nao aceitarSo
passageiros nem cargi. para Buenos-Ayres.
Para pasBgens, fret'js, encommendas, trata-se
com os
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom Jeans^N. 3
Camocim
Z, Segu para. porU acMBa,*oal toda brewda-
ie o mate Deas te Salve Yecebe carga ; a tratar
de o hiat Deias te Salve' Yecebe carga ; a tratar
na ra da Madre de D.-us n 8 ou no.caes do Loyo
eom o mestre.
De movis, langas, vid' os, um cofre prova
de fogo e 1 piano de Plkcc 1 dito de
mesa.
J i *<-\ta-f<-Ir:t 15 de ltar->o
A's 11 horas
\o ai-uiazem da ra Mrquez
de Olinda m. 44
0 agente Pestaa, tendo de entregar as chavas
do mesmo armazem fara,leiliio do movis que
sero vendidos sem reserva de prego.
A SABER:
1 ni piano lo autor Plefl, 1 dito de mesa, urna
mobiliu de oiticica. una dita de pao earga, I
guarda-vestido. 1 gwarda-louea, urna mesa las
lio* com 7 taboas, 1 cofre prova de fogo, mar-
qnzCes largo, ditos istieitos. carteiras, camas
para-mpninos. borro-, camas de ferro, malas
para viagem, camas para casal, aiiparelh*s para
jantar, ditos para almoi'o. co|kts,, clices, garra-
fas, talbere?. bandejas, jarros., candieiros. di-
versos caxilhos de madeira, urna parelba de co
ries importantes. Tudo ser vendido ao correr
do martello.
fferece-se um rapaz sabendo 1er e escre-
ver, para qualquer eniprego, dando conhacimen-
to de sua conducta ; tratar no largo da Penha
numero 8. _
Desde o dia 25 de Fevereiro nao possivel
encontrar com o Sr. Dr. A. A. A., pede-se que
apparecano Paco da Patria B.8.
Ao Sr. M. -T. L. pede-se que venna dar
soluco sobre aquillo.....
Pergunta-se ao Sr. Francisco Raposo Fu Icio
se entrega ou nao os movis que estao em seu
poder ha dez annos.
Ao Sr, caaito Francisco Antonio de S
Barreto queresposta d daqu-lle negocio.
A]uga-se
a casa n. o do becco Tapado, ou becco da Pyudo-
ba (Recfe) toda caiada e pintada, com 2 quar-
tos, apparelho e pequeo quintal a tratar na
ra Direita n. 43, sobrado.
"Para a qnarema
Alia aovidawie emt urahgj- failles,. setim
merveilleux. ottomanes e sedas pretas de Lyon,
rendas e bicos, escolhido'sortlmento em palmas,
guarnisoes e pellermes de vidrilho preto ; na
ra Barao da Victoria n. !>, sobrado, atelier ma-
dame Fannv Silva, modista e cosiureira.
Teleph
one n. 93
Ao
commercio
A. Caminha Mattos, negociantes estabeleci-
dos nesta cidade, declaram que, tendo expirado
hoje o prazo do contracto social entre os soeios
Alexandre Ferreira Caminha e Arthur Gomes de
Mattos se acham desligados, tendo o socio Mat-
tos retirad o en capital e lucros, ficando sem
mais responsabilidade no activo e passivo da
casa que contina em seu gyro com a mesma
firma, sob a nica e exclusiva responsabilidade
de Alexandre Ferreira Caminha, a traem to so-
mene & reservado o oso da mesma firma.
Aracatv. 2 de Janeiro.de 1889.
.4. Caminha & Mattos.
Cosloheira e Copeira
Na ra da Soledade n. 82
precisa-se de urna boa cosi-
nheira e de urna copeira.
0 Peiloral de Cambar
De I. Alvares de *. Soares
Sempre foi, e ser o principal remedio
para as molestias da laringe, bronchite os
pulmoes.
A bronchite,' a*tlima, molestia do peito.
rouquidSo, coquolucho e qualquer toase sao
perfeitamente curados eom o verdadeiro
remedio Peitoral de Cambar, de S. Soa-
res, approvado pela Exma. Junta Central
de Hygiene Publica do Brazil, premiado
com duas medalhas de curo, e rodeado de
valiosos attostados mdicos e de inmune ros
de pessoas curadas, tanto nesta provincia
como em outras do imperio.
Precos : frasco 2;>00, 1/2 duzia 13$,
duzia 24,-WOO.
Km riiMi do aei'iih's
FRANCISCO MANUEL DA SILVA c C.
23 Rl'A MRQUEZ DE OLINDA
Pernambuco
l.i
MAIS DE 10:000 CIRAS
Precisa-se de urna ama para cosinhar; na ra
Direita n. 2o i- andar.
Ao publico e ao corpo com-
mercial
O abaixe assignado tendo que seguir prxi-
mamente em viagem para a Kuropa a tratamen-
to de siia sade, julga liada dever n'esta praca
nem fra d'ella, se alguem se juli?ar seu credcf
queira apresentar seus documentos no prazo de
3 dias
Recife, 13 de Marco de 1889
Alvetro Jos AereAv
xoan se snnuizao
l LX)RES E DeDENTES
aK ygj>JtrvCjk.wA> Ju t^A*wCk*
PREPARADO NICAMENTE
POR CALASANS 4 C.NA BAHA
Medicamento heroico contra os rhenma-
tismos, inchac5es, dores aciaticas, nevral-
gias, dormencia, etc., empregando-se em
fomenta93es sobre os lagares affeetados
Cura o beri-beri, as paralysias e as dores
de dentes.
Todos os frascos levam direccSes para
uso d'este Tnedicamento admiravel.
Preco 12O0. Descont de urna duzia
em diante.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & C. ra
Mrquez de Olinda n. 23
t
Roubo
"\ :>\ loabfl Bayma Morca
Francisco Goncalves Murca, Joo Rodrigues
Vianna Bayma e seus tilhos. agradecem do inti-
mo d'alm a todas as pessoas que se dftvaiam
acompanliar os restes mortaes de sua sempre
lembrada esposa, lilha e inua Auna isaix-l
Byma narra, e de novo as convidam;e a to-
dos os parentes'e amigos iissistirem as. missas
que por seu eterno repouso mandam reaar na
ijrreja de Nossa Senliora da Penha. pela> 8 horas
/ir ., xti r..;^, ~t ^0 caarente, '.- dia de sen pas-
Ba to que s rwMfrftfi rternan" I
grai".-.
Leilo
Do hotel Cosmopolita sito rea da Madre
de Deus ns. 30 e 32
Sexta-feira 15 do eorrente
AS 10 i/2 HORAS
O agente Silveira, por mandado e com assis-
tencia do Exm. Sr. Dr. juiz de direito do com-
mercio e a requerimento de Manoel Cordeiro do
Reg Pontes, levara a leiWo os .utensilios do re-
ferido hotel.
Leilo
Da armaco, balcao, pesos, medidas, balanca,
candieiros, cantelro e grande quantidade de
gneros novos.
Fm um O lote
Sexta-fe a 15 do crvente ,
A's 11 horas
O agente de lees Alfredo Guimares por
mandado e assistencia do Exm. Sr. Dr. juiz do
commercio e a requerimento do Dr. curador lis-
cal da massa fallida de Ferippe Nery Guimares,
levara a leilo a taverna ra da Paz n 2
ftiaraate-ae a
Na"Bo(te de 4 para 5 do eorrente roubaram ilp
engento Pura do termo de Ipojuca dous cavaiUjr
ons de sella, sendo um rastanh com dous pe
e amo esquerda brancos, frente a (ra. tama-
alio recular, com alguiBas pinio- brancas na?
costas, novo e gordo ; e o outro alasao raxito.
con>doeptiiir'nm.i mao MailtsaMilL'Baerta.
temanho ponco menos que o recular, gordo e
com os dentes estragados. 0 ludrao arronibou
a portt da estribara. Ser rccompvnsado'qnem
apprelic-nder eentregar os dou- cavaltaaao en-
gwibo orJ ou no Recife no escriptorio de Wan-
derliy* Bastos, ra do Bon IrsUB n. 19.
&-' -
v .. ... ir
9M*SEAani
c*
Vende-se
o etlabcleciuiento de molhados si.o ra do
Bom Jess n. 29, antiga da Crnz. est bem sor-
tido e afreguezado ; a tratar no mesmo.
Arma^ao
Vende-6a armaco de amareHo enverni -
sada e envidracada, propria para aualquer nego-
cio, ra Visconde de Inhama, outr'ora Ran
gei n. -19, e garaate-se a chave da djta easa. Na
mesma aehero com quem, tratar.
I. Maiia ioHrrs l'eriira Ramiis
'.uilhu-me Perera"Bastos. Joaquim Antonio
Pereba Bastes. Canario Pereira Bastos. Jos^ l'e-
rek-a Bastos. Joo Porein Basto.-. Mara Porta** Camisas
Bastos, Francisco l'ereira lt;:-tos ..AtMoui > Pr-
mo Soares rogatn huios os carentes e amigos
para assistirt m as nmnas >ue maridmi rezar na
matriz da Grapa pela alma d<' su prca sa, i;-mii e cuntida O. aiia Sobres toretes Bas-
tas, s 7 l|2 horas da nanha -ic 16 do correte,
trigsimo dia do seu fatlecnnento, e desde ja
agradr'-em esse aeto ci cafidade.
t
Vende-se
bom boa armaclo envernisada e parte envidra-
cada, com balcao de volta ; a tratar na ra Mar-
quez de Olinda n. 48, com o agente Gusmo.
Armaco
Vende-se urna magnifica armacSo4e amarei-
lo, envidracada, propria para qualquer estabe-
lecimento de primeirn ordem : a tratar aa ra
Duque de Caxiasn. 75, loja?
Professbra
Urna senhor competentemente habilitada pro.
poe se a leccionar em collegios e casas particu-
lares a-' seguintes materias; portuguez, francez,
_*musitu c inano : \i tratar na ra Visconde del-
flr fcuquerque n. 20
Ignacio Ferreira Taiemud* Lessa
0 Baro de Grvala convida aos seus parentes
e amigos para assistirem a urna missa que man-
da rezar no dia 15, stimo do passamento de
seu preaado inno, Ignacio Ferreira Themudo
Lessa, na capella do engenho Gravat. as 9 ho-
ras da maohfi. agradecendo desde j esse acto
de religio. __________^^
t
Joim- da *il va Car* alta o
Joaqaim da Silva Carvaloo, sua eposa e t-
lhos. Bruno da Silva Carvalho, Manoel da Silva
Camino, reconhecidos a todas as pessoas que
acompaanaram ao cemiterio publico os- restos
mortaes de seu tinado irmo; canaade o to : e
de novo pedem a todos os seus prenles e ami-
gos para assistirem as missas qae sero rezadas
Sor sua alma no dia 16 do eorrente, s 8 hoaos
a manh, na matriz-de Santo -Antonio, pelo
qual desde j se confessam reconhecidos.
GRANDE tiQ'.nDAGAO
Na Loja das Estrellas
:i(---Ru Duque de Caxs~58
Telcphoae lo
Este bem conhecido estabelecimentoacaba
de passar por urna grande reforma,
sende ligado interiormente com a
casa contigua do n. 58 no intuito
de serem despachados todos os seus
freguezes com mxima brevidade
possivel, resolveu fazer grande II-
<|iidaeo de todos os saldos que
fcarain de balanco. por menos
50 j0 do seu valor, cujos artigos
passamos a demonstrar:
Artlgos de le
EsguiSo, pe5a, a 3^500.
MadapolSo com. um metro de largura de
140 por 70000
dem idem americano de 85 por 5#000.
AlgodSo marca T, especial, muito largo.
de U por 5,)00.
Bramantes, pegas, por 7-^00^.
Atoalhados, lindos desenhos, duas largu-
ras a 1^ e 10200 o metro.
Guardanapos de 40 por 20000 a duzia.
Estopa de linho para bordar a 500 o me-
tro.
Bramantes de linho com 11 palmos de
largura a 10500 o dito.
Lengos brancos e com barras de cor a 10,
e 10200 a duzia.
Toalhas de fustao, qual dado superior, a
30 e 40000 a duzia.
Cretones para coberta a 240 rs.
Colchas acolchoadas, brancas c de cores a*
20000.
Lences de bramantes a 20000.
Chales cscocezes a 10000.
E outros muitos artigos que deixam de
ser mencionados e que se vendem com
igual abati ment
Tecldos de alta novldade |
PARA VESTIDOS DE SENHORAS
Linhos pardos para vestidos a 300 e '20
Sedas com quadros e listras do l.ySOO pqr
800 rs.
Setini de seda, todas as cores, de. ^H
1*200 por 500 e 320 rs.
Merinos lisos, todas cores, de 50Q por
240 rs.
Tuaile do Vichy, de 240 por 100 e 80 re.
Nonsuks, desenhos novos de 240 por
120 rs.
Cretones claros e eseuros com lindissimoe
desenhos de 440 por 240 rs. 1.800
PECAS!
Merinos de quadros, grande variedade de
padrocs, de 500 por 240 rs.
Mimos dos Alpes, de 640 por 240 rs.
pechincha !
Fustoes de cor, de quadros e outros dse
nhos muito lindos, de 500 por 160 re.
Sedas Felippinas, de 500 por 200 rs.
E muitos outros tecidos para vestido,
em algodao, linho, \K c sedas que se ven-
dem como o mesmo abatimento de 50 "(..
Coafcece
Vestidos feitos de Casemira ricamente
bordados de 800 por 50 e 300.
Ditos para armar de 60, 80 e 100.
Ditos brancos bordados em cartjto, alta no-
vidade a 80 e 100.
Guamigoes de colariuhos e punhos para
senhora por 10 "e 10200.
Capotas (preparadas na corte) de 200 por
90 e 100
Gollinhas e punhos para menino de 3 a
8 annos.
Vestuarios e roupinhas para criabas, por
00, 60, 80 e 100, e Jersey, casemira e
de brim.
Saias bordadas a 20 e 30.
Enxovaes para baptisado com collares ele
trieos por 50.
Luvas de seda meio braco e qualquer ta-
manho a 10500 o par.
dem idem de Escocia a 10 e 10500.
Sobretudos impermeaveis de borracha de
700 e 800, por 300 e 400.
Capas e pellerinas de cachemiras ottoma-
na ricamente enfeitadas de vidnlhos a
250 e 300. ,
dem idem de renda, seda, damasco e
gurgurao, tanto para phantasia como
para commodidade a 380 e 400.
Velludos de seda e algodao de umitas co-
res.
Gazes de seda.
Ricas rendas hespanholas de seda, ulgo
dSo e linho, com um metro de largura.
Setins Maco de todas as cores a 750 e
800 rs.
E muitos outros artigos de confcccoes
como sejam mantilletes de blonds, sahida*
de bailes, leques transparentes e de phan-
tasia, e outros muitos mais, que se ven
dem com o mesino abatimento de :"0 "r.
Para horneas
1 ,. .miras nglezas com duas larguras, di
30500 por 10200.
dcHbis er de caf e naul, de 2'>">(; ) por
800 rs. ]
Cortes de seda paraeoete. de 12*000 por
30000 e .'50500.
Ditos de velludo e fustn .; ]\ o 10200,
Meias inglesas com fio de seda, do 120
por 60000 a duzia.
Paletots, de 70 por 40OW.
eom uta peameno toque de ooft
.-. 13600 ama. .
(ofhrrinbos, modelo moderno, a f>->000 n
'uzi;;.
- afjj collariohos c pu-
niios. sem coarinhos e.sem punhos a
60O8S R duzia.
Brins pardos de linho a 240. r*0, 320.
360 e 400 rs.
Dito bronco de linho n. 6 a 10200 a vara.
Lindos cortes de casimira ingleza, de 60
80, 100 e 120 a 40, 60, 80 e 100000.
Sobretodos impermeaveis de borracha, para
bomens, de 700 e 800 por 300 e 400.
Ceroulas francezas, de 380 por 240000
a duzia.
Paletots |ed seda, completos de feitosd
oasemira, malas para viagem, ebolcas e
tapete e om completo e vanadassimo sor-
tknento de ch*viots, casimiras francesas,
inglezas, pret;is e de cores de padrdes in-
teiramente nevos e que se vendem eom o
mesmo abatimento de 50 % de seu valor.
Refalaos
Aproveiteui a grande quantidade e
pelos precos, em sedas jH-etas e de corea,
gorgorees, setins, las, merinos, awpayrog,
linhos, chitas, madapoloes e aigodaosi-
nhos.
E muitas outras pecbinchas que s se
encantram na
Loja dasEstretas



}



I
k
-


'-!
56,"

Duque de Caxias-5o &
f
al
i
L


tp

Diarlo de ParnambucoSesto-fewa h de Mar^o de 1899
MEM* 5HL0S0S .8IS PM.LIDAS
AccoMa0iMa0C6Mi_ ,n 4a pmflti ftM adotat^ias^cMp.szas ao apobtcimeiio d M&guf. Tornas
' a" A a f*5 A csrfa raWcao. Jffmaeresae iaita'cBB. Exigir a finas JL BEAVAIS,
Imprimid raer illUL Deposito ua mor parte das Pharmaoiasj.
REDUCCO DE PRECOS
2Hi \ 110 CRESPO-21
' OMYEIRA CAMPOS & f!. lodo de receber bre-
veniente um sortimento de artigosnovos de altanovidade, resolvern,
fazer urna grande reducco nos presos dos artigos abaixo menciona-
^ico ^ntl
Fustao branco de 400 e 500 rs. o dito.
Mursolina branca para easaeos a 500 rs. o dito
Zephir de cor, listas e qaadros a 500 rs. o dito.
Ditos arrendados, lindos gostos, a 600 rs. o dito.
Ditos de listas arrendados, altanovidade, a 800 rs. o dito.
Etamines arrendados, de cores, de 800 a 500 rs. o dito.
Mor de Italia em quadrinhos, a 500 rs. de 900 ts.
Mursolinae de cor, de listas, a 400 rs. o dito.
Cortes de cambraia bordados transparente e tapado, de 15<5030"
-' e 200000 por 90000 e 120000 cada um.
Lauto, padrSes em qoadros, a 440 rs. o covado.
Nanzukes padrSes mimosos, de 280 rs. o dito.
Percales miudinha se pannos finos, a 2O0rs. o dito.
Merino peto fino, de 20000 a 10000 o covado.
Setim Maco de todas cores, a 900 rs. o dito.
Brm fino pardo para vestido, a 400 rs. o covado.
Cambraia Victoria transparente, -fina, a 30000 a peca.
30000 urna,
de 40000, 5000, 60000
dos, para os quaes chamam a attenco das suas Exmas. freguezas.
Linhos para vestido padrees modernos a 160 rs. o covado. Mantas hespaaholas, de seda preta
Cretones franeezes, cores olaras, a 260 rs. o dito. Espartilbos, o que ha de melhor,
Merinos de cores, duas larguras, a 500 rs. o dito. 70000 um.
Ditos de cores, lavrados, de 20030 a 10000 o dito.
Las de cores, desenhos de cachemira, de 900 a 600 rs. o dito.
Merino de qnadros de 320 rs. o dito.
F-lnis de er arrendados, de 10000 um.
Capraria hespainholas de cor a 20000 urna.
Fiebs de seda, omito lindos, a 30000 um.
.Sargelim diagonal, todas as c6res, a 240 rs. o covado.
Casaoos de cambraia l>ranoa bordados, a 30000 e 4000 um.
Luvas de seda, todos os tamanhos, de 20000 a 30000 o par. |
Lencees de linho do Porte,: a-40900 um.
Dito grandes para cama franceza, a 60000 um.
Colchas de cor, de 20000 a 50000 urna.
Fichs, sortimento completo, de 20000 a 60000 um.
Lencos de linho com barrinha a 20000 urna duzia.
Camisas francezas, de 240000 e 360000 a duzia.
Meias cras para homen, de 40000, 50000 e 60000 a duzia.
Ditas brancas-cras e de cores para senhoras.
Ditas brancas cras e de cores para enancas.
Chambres de eretonc, de 50000 e 60000 um.
Cortes de casemira de cor, de 60000 a 80000 um.
Cortes de fust para collete, de 10000, 105OOe 20000 um.
Camisas inglesas de tVanella, la pura, a 50000 urna.
Alera' de outros artigos que deixamos de mencionar.
21-Rua do Crespo21
DAO
PARA O CABELLO.
Augmenta, Afonnoaea
AZ CRESCEit O CABELLO
com assombrosa rapidez.
Cosinheira
Precisa-se de nina ama que cosinhe bem : no
terceiro andar do predio n. 42 da ra Duque de
Caxias, por cima da typograpbia do Diatfo
Costureira
Precisa-de de ama boa costureira : n;i nua da
Aurora n. 81. andar.
En sino primario e se-
cundario
O professor Joo Valentim Teixeira Bastos
tem aberto as aulas do seu curso desde o dia 7
de. Janeiro'do corrente anno.
Cosinheira
Precisase de urna ama para cosinbar : na ru
da Aurora n. 81, 1- andar.
Serrara a vapor
Caes do Gapibaribe
., Tem para vender diversas balancas sendo urna
tiropria para engenhos contraes ou estradas de
erro, por ser de grande forra do peso. Temdi
versas bombas grandes de di(Terentes modelos-
Tudo se vende por precos commodos.
BENEDfO DO DR. AYER
CONTRA
AS SEZQES OU MALEtTAS.
O Rkmbdio d<> Dr. AYm, deseober
vegetal que nao conten a quina nem o
arsnico, nem to pouco outro ingrediente
nocivo, um remedio infallivel e prompto
para toda a qrtalidade de febres intermit-
iente* ou mnletta*. Seos effeitos sao per-
manentes e certos a nenhum mal abso-
lutamente pde-advir do seu emprego.
Da moma forma torna-se o melhor
remedio possivcl para todas aquellas
doencas que provm dos effeitos dos
miasmas, que se desenvolver nos lugares
pantanosos e infectados, e que geralmente
caracteriso-se pelas aflfeccSes do
figado e du baco.
O Remedio de Ayek curar serapre,
mesmo nos casos peiores, toda a vez que
5r empregado convenientemente e se-
gundo as direcces.
PREPARADO PELO
DR. J. C. AYER & CA,
Lawell, Mass., Est.-Unidos.
DEPOSITO UKKAL
N. 13, Ba Primeiro do Mareo,
Bio Je Janeiro.
V,
Telegramma
Aluga
-se
o 3- andar do predio ra Barao da Victoria n.
60, com muilos bons commodos : a tratar no
mesmo com Paulo Jos Alves & C.
Alug-a-se
o 2-andar do predio d. 36, ra Mrquez de
Olinda: a tratar no i andar da ra largado
Rosario n. 21
PEKEMA a MAGALHAES

liqi

Recebedores directos dos mercados da Europa
juidam osseguiotes artigos com descorito de 14 ro as
vendas em grosso
Bramantes de algodla superiores, a 800 rs. o metro, 4 largura,
dem de puro linho 'azenda de 20200 para acabar a 10500, metro.
Atoalhado alvo, duas larguras, a 700 rs;, 1100 e 14200 o dito.
Algodao alvo, nacional, para lences a 5*500 a peea.
Madapolao americano, a 3*600, 40000 e 6*000, com 24 jardas.
Maripozas, de cores a 220 rs. o covado.
Chitas claras e escuta*, cores firmes, a 200 r. o dito.
Batistes idema 120 rs. o dito.
Zefiros de quadrinhos, a 80, 160 e 200 rs. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 ra. o dito,
dem de quadros modernos a 280 e 300 rs. o dito.
Fichs de renda chics a 1|5000.
Colchas francesas de cores a 2*000 e 4*000, rana.
Lences de bramante a 1*800, para cama de casal.
Casimiras de cores para roapa de enanca a 1^000 e 1*800, diagonal, duas
larguras.
Camisas, inglezas e francezas a 26*000 e 30*000 a duzia.
Tapetes avelndados. grandes, a 14*000 um.
Cortinados ricamente bordados a 5*500 e 6*000-
Pannos de cores para mesa a 1*100 e 1*300 o covado.
Cheviot preto e azul, a 3*000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 rs. o dito.
Velutblhos deares i presos a 900 ra. o dito.
Rendas austracas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.
Setins de todas as eres a 900 rs. o di te.
Setinetas lavradas 200 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito.
Meias cruas inglezas para homem a 2*500 e 3*000 a cusa.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 12*000 e* 16*000 a div
Cortes de casemiras para calca a 4*000 e 6*000.
dem de meia casemira a 2*000.
Toalhas grandes para rosto a 4*000 a duzia.
dem felpadas para banho a 12*000 a dita.
E m'iibs artigos que serao lembrados com a presenca de noasoa leitores.
59Ra Duque de Caxias59
LIMA DE
PEREIRA A MAGALHAES
INJECT ON CADET
Cura certa ei 3 das sem outro medicamento
I'AItlS 7, ButOevartt Benaim, 7 VAItlS
Depsitos em todas as De sabor mui agradavel, VINHO da Doutor VnTIEN re-
editado por todo* as mdicos para o Raehititmo, E$crophula*, Anemia.
JfcfcrtiM i Ptito, Cmtmrrke pulmonar, Btbuiad*. te.
td
AO N. 20
V
JUNTO
Gazes de cores a 500 ra/o covado.
FustSo branco a 360 e rs. o covado.
Brins de cores a 280 re. o covado.
Baleias pretas a 260 a rs. a duzia.
Colchas de cores a 2* e 3*000 urna.
Cumbraias bordadas a 4*000 apega.
Lnvas de seda a 2* e 2$500 o par.
Lencos brancos a 1*200 e 1*800 a duzia.
Cretones de-Alsace a 360 rs. o covado.
Atoalhado bordado a 1*200 o metro.
Brim pardo a 230 rs. o covado.
Linhos de quadros a 280 rs. o covado.
Bramante trancado a 800 rs. o metro.
Espartilhoscouraca a 5*000 um.
Chales adam aseados a 2*500 um.
Cortinados bordados a 6*000 o par.
Merino do cores, a 500 rs. o covado.
Ceroulas de bramante a 14* a duzia.
Madapolao americano a 6000 a peca.
Chachemiras lisas e listra de combinacoes
a 1*200 o covado.
Cambraia Victoria a 2*900 a peca.
Bramante de linho a 1*700 o metro-
Toalhas para banho a 1*500 urna.
Tapetes grandes a 13*000 um.
Ceroulas de linho a 34*000 a duzia.
Cretones francezes a 400 re. o covado.
Leques transparentes a'2*500 um.
Alpacas de quadro a 600 re. o covado.
Camisas brancas para meninos.
Saludas de baile a 1*000 urna.
Cretones de cores a 240 re. o covado.
Percales fiati 200 re. o covado
Nansok cores tixas a 240 o dito.
Las escossezas a 260 rs. o dito. N
Alpacas indianas a,320 rs. o covado.
FUNDI3A0 GERL
ALLAN PATERSON & C
N. 44Ra do BrumN. 44
JUNTOAESTACAODOSBOITOS .
Tem para vender, por prejos mdicos, as seguintes ferragens :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivacos de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
3ancos de ferro com serra circular..
Gradeamento para jardim. '
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos.
Portas de orcalha.
AO LOVRE
Popelina branca a 800 e 1*000 o covado.
Bicos matisados a 2*500 e 3*000 a peca.
Panno da costa adamascado.
Regatas de cores a 1*000 urna.
Sargelim de Snes a 200 rt. o covado.
Crenolina, preta e branca, a 400 re.
Chambres, de crep a 5*000, e 6*000 um.
Cachemiras de quadros a 260 rs. o covado.
Guarnico de crochet cora matizes.
Grmaldas para noivas.
Setim de cSres a 800 n. o covado.
Cachemiras de duas larguras a 800 rs.
Cortes de linn em cart&o a 10* e 12*000.
Camisas allemSes a 36*000 a*duzia.
Cachemira de duas larguras a 800 rs. o
covado.
Linn de cores a 500 rs. o dito.
Linhos de quadros a 80 rs. o dito
Bramante trancados a 1*000 o metro.
Meias para horneas a 3*600 a duzia.
Guarnico de croch'., brancas.
Extracto Port-Veine a 1*400
Alpacas mescladas a 600 re. o covado.
Entretella para camisas a 800 re.
PARA A QARE8MA
Merino preto de 800 at 1*800 o covado.
Setins pretos de 1*000 at 1*400 o dito.
Crep ingles (de seda) a 2*000 o dito.
Fiehus pretos a 2*500 e 3*000 um.
Luvas pretas a 2*500 e 3*000 o par.
Cheviots pretos a 3*000 o covado.
Casimira preta a 2*000 o dito.
Renda hespanhola a 3*000.
Bicos pretos,'todos o precos.
Regatas pretas a 1*500 urna.
Alug-uel barato
Visconde de Goyanna ns. 463 c 159.
Baixa Verde n. l-C (Capunga).
Ra Visconde de Itapanca n. 43, armazem. -
Largo do Corpo Santo n. 13, 2o andar.
Baixa Verde n. 3.
Becco do Calabouco n. & loja.
A tratar i ra do Commercio n. 3, i andar.
eBcnptorMMifrSMva Gwmnrtes A C.
AMA
Precisa-se de urna boa en-
gommadeira que faca outros
servicos, a tractar no 3. an-
dar, por cima da typographia
do Diario na ra Duque
de Caxias n. 42.
Ama
Na ra velba de Santa Rila n. 89, precisa-se
de urna ama para comprar, cosinbar e mais ser-
vidos de casa de pequea familia.
Ama
Precisase de urna ama para cuidar de erian-
ras ; na ra da Aurora n. 81, 1- andar.
Ama
Precisa-se-de urna ama para cosinhar : na ra
de S. Jorge n. 131, 2- andar.
Ama
Precisa-se de urna qne nao seja muito moca,
para cosinhar-, a tratar m raa Imperial n. 133,
sobrado._________g_
Amas
Na rua da Palma n. 4". precisa-se de duas
amas, sendo ama para cosinhar e comprar, e
outra para cuidar de urna enanca. ____
Ama de leite
Precisa-se de urna ama de leite e de tun ven-
dedor de plantas menino ou velho ; a tratar na
roa Baro da Victoria n. 54, na nova agencia de
movis.
Cosinheira
\a rua Primeiro de Marco n. 20
CASA DE tOM'IIVVi
AMARAL

C
CAPSULA^
"Vapares de forca de 3, 5, e C cavalios.
Moendas de 10 a 40 pollegadas d* panadura.
Rodas d'agua, gystema Leandro.
Encarregam-se de concertoe, e aseentamento de maol
,-rabalho com perfeicao e presteza.
y.i&l
Mathey- Oaylus
Piaradas pelo DOUTOR CLIN Prwnlo Montyon
f--------
As Gaptul:;s V'aiheyCayluB CQm Envolucro legadodeGUen nao fatiRaonuaca
oeslcmagu o -' rocommendadas pelos Prfessores das Fceuldades a >rdei.iBae
os Mdicos do~ lio-^pitaes do Paris Londres J New-YcrK, nara a cura rapid* dos ;
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Gystite
da Collo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos orgos genito vrinariot.
^a^ "ma *>pJioafSo datalhnd acompanha cada Frasco.
Eaifir o* Verdaderas Capsulas Mathey-Caylus de CLIN Se G'a, da PARS,
que m achoo em cata dos Droguista e Pharmaccuiicos. ^fi
.*'
SAUDE PARA TODOS.
It; UtftS NO L tO WAY
UPIlufa* pf'
n '' .
dos intutlnoe.
' infewde $toma 6
\V
VtRDfcDEIROS GRAOS qE SAUDBF^IPFAMC
UCRSaADOS LA IMtPECTOSU GBBAI. r \* Ar^wt, C*tomaehlr, PupcMIvo, Depurativo*
I*iODtr a Tmita ai .ppotlte. a Obscroc^U. a 3r xqr ca,
! as Coneee, ote Hilaria I.
r DeaconQar as MsiOcacOes. -
J e com letras de 4 curta, senoo A CaJ. ,1.
J cada urna lelra Ue urna eflr dlOm le
4an,Wanr!n-
Fotvu' j da conshtuvot de, m vaiov mcrivei para todas aile uaade
v-cu!iares ao uo femmiDo em todas a., -les. Paia i.a meninos asam como tambara ai* M
p-'5=oa? de idade -vni^-ida a e incontestavel.
rai:c!..
" tan .ms lo <
78. 919
i 4o PrfcMOr JtoLix>WAV,
683, Oxfora Stre*', IO3T0>"
Precisa-se de ama, que seiba cosinnar e nao
saia rua, para casa de familia : a tratar na rua
do Cabug n. 14. de meio dia at 2 horas.
Cosinheira
Precisa-se de urna de aa conducta, para casa
de familia; a tractar rna do Barao da Vletoria
n. 46._____________________________________
Professra
Urna senhora competentemente habilitada, eou
Sraticn de 11 aunos de proftssao, apresentan'
iversos attestados de bom melhodo e comport
ment, oferece-se para ieccionar em casas p&.
ticuiares, na cidade ou em seos arrabaldes as se
guintes materias : Portuguez, Frailcez, Italiano
Geograpbia, fiano, trabamos de agulha, etc.; ;
tratar rua Visconde de Goyanna n. 69 ou en.
casa do-ltegiuauor da Maana-rua larga dt
Ro8ario n. 9.
ejam e admirem!
S o 55 rua Duque de Caxias pode
vencer pelos precos que abaixo mencio-
namos.
Amor da China, novidade em padroes,
200 rs. o covado.
Fust<* braheos a 860 e 50tpb. o co-
vado.
Velbmtinas de todas as oves 800 rs. o
covado S' liamlo 1
Casados, o capte para i seajloras^ o que
ha" de mais novo, e barato.
Cortes-de soda, padsooa liadas precos
rasoaveis.
Madapoln com 1 metro de largura a
6S a -peca.
Zdrosa:*), 170,280, 240 e*400 rs.
o covado.
Ditos* tardado* a K0O rs. o ovado.
Tecidos arrendados a 400 e 560 rs. o
covado.
lirias de cores.o 32U rs. o covado.
Cortinado de crochet, cousa- chic e
preca barato.
Cambraia Victoria a 24>00 a peca.
Dita batista a 120 rs. o covado.
Sargelins de todas as cores a 200 rs. o
co-vado.
Guardanapos bons a 1)5800 a duzia.
Las modernas a 240, 280 e 320 rs. o
covado.
Rendas hespanholas a 2& o metro.
Luvas de seda a 2)$ e 35 o par.
Espartilhos couraea a 45, 5$ e 6$ um.
Merinos pretos e de cores, urna varie-
dade immensa em precos e qualidades.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Toalhas felpudas, grande reduc5o em
precos em vista da grande rjuantidade.
Enxovaes parabaptisados o que ha de
mais moderno e por pouco preco, lOfiOOO.
Colchas de crochet muito chic.
Camisas inglezas com e sem collarinho.
Atoalhado para mesa a 1$ e 1)5800
muito fino.
Collariuhos c punhos de linho e algodao
e por preco barato.
Babados e entremeios, grande sorti-
mento.
Madapolao pelle de ovo por 6$ a peca.
Esguio pardo e chumbado a 400 rs. o
covado.
Urna grando variedade em lencos.
Gravatas e meias para homens.
Cretones para cobert o que ha de mais
barato e bom.
Mantilhas de runda a b urna.
Leques de setim muito chic.
Linn bordado com quadros a.800rs. o
covado, muito bonito.
Chitas escuras e claras a 240, 280 e
320 rs. o covado.
Cretones trancados, linos, a 320 rs. o
covado, para acabar.
Casemiras de cores e pretas um grande
sortimento ein qualidades e precos.
Casinetas, o que ha de mais bonito, m
400 e 500 rs. o. covado.
Tapetes grandes e pequeos por precos
razoaveis.
Crinoline preta e branca a 1600 o me-
tro.
Brins pardos a 320, 400 e 500 rs. e
covado.
Cortes de vestido de cachemira com vi-
drilho o que ha de gosto.
Ditos de linn para vestidos bordados.
E' barato.
Cambraia branca, bordada, o que ha de
mais gosto e por preco razoavel a 8)5000 a
peca.
Dita com salpicos a 4i> c 5000 a peca.
Colchas argentinas a 6i5i500 urna.
Ditas de 2)5, 3)5, 40 e 50000
Bramantes de algodao e linho
os precos. ,
Grande sortimento em fichs
e pretos.
Grinaldas para uoivas.
Luvas e leques para noivas.
Bicos de cores muito chic.
Alm do que acabamos de annunciar,
temos urna quantidade de artigos que s4
vendo-se, se acredita, pelo que pedem que
compareeam.
Do se amostras sem penhor.
Setinetas lisas de todas as cores a 40t
rs. o covado. Sao muito largas.
Roupa feita e por medida. .
55 -BIJA DUQUE DE CAXIAS A
FERV\M)ESDEAZEYEDOf, .
de todos
de oores
Superior vinho de
Passto
Pelo mdico precode 35* o quinto e 94000 o!
garrafo de tres caadas, voltando o garrafao.
7**i0 ; vinagre de vinho 30* o barril e 6*fl00 o
garrafao sem casco, precos lquidos ; na na do i
Aiuorim n. 60.
iDjecgQ de Grimault i F
oom o m TICO
JnU i* I|sWa t lia^Uamn.
Preparada com as folhas do
Matieo do Per, que sao po-
pulares para a cura da blen-
norrhagia, esta injeccao ad-
quiri em pouco tempo urna
reputado universal, sendo
inieiramente inoffensiva por
cooter apeuas vestigios de
ses adstringentes, que se en-
contrlo em quantidade em ou-
tras do mesmo ganen. Em
poucos das ella supprime os oorrl-
mentos mais rebeldes e dolorosos.
Deposito em Pars,8, rae Vivienne
KANANGAdoJAPAO
RIGAUD y C, Perfumistas
PARS 8, Ru Vivienne. 8, PARS
(A (AgU de !^CL.Uar.g1l, t a locao a mais refrige-r
rante, a que mais vij;or d pelle, e que mais branques ;n. /
Milis, perfumando-a delicatamente. I f. 3WT
- i^fe ^-(jExrflCfO de, Hcir.aJlgCi, suavsimo e aristocatio4
Jj&I^Sp J peruioo para o le^co.
han tu, faz crescer e/i ai pede de calr.
SbOntB de (HIlClrfgCl, o mais agradare! mao,
conserva culiai saa nacarada transparencia.
(^S de fKaiKMgd, inann;^*.:. tez dando-lheelegante
cor mate e ;i presera-Do de sardas.
e Pote -c t
ttOu..
irlmix'.
4 ~wmAii \


r,
-



t
>:

H
-i'.;
I

i
I





*

8
Yo publico e*ao crno rom-
rancia I
cimento de fazeu
, i ua ViCiiJt- di- Inli
< anilMaria 4mfil-
rana.
Seo do
nbaracUdo itc n\-.' [ocr inus.
lyivu le 188!).
Boa acquisiWio
Aiufcii-^e a loj; do enes 22 dt- Nftvembft) ii 38, |
-.uitopropiia, |)a: j^iiquir genero di -
a tratar no Louvrt- rua 1 de Marco a. 21).
e
SiBOIETES MEDICiMEITOSOS
AULT O
I contri
divenai trup-
SAIONETE SULFUROSO *
Mni, ai mancha* t as i
SAIOHETC SOlFURpAlCALIIO ch-
inado saboneta da Htlmtrtck, eoatra a
ama, a tinha, malha* scamoaca a a
pityriat* do coaro cabellado.
SABOHETE oe ALC ATRO m NORUERA
emprendo nos meamos casos qme o pre-
cedente.
SARONETE IE ACIDO PHERICO ara-
aanrattvo a antiepidamiee.
S RMETE oe ALC ATRO cm RORAX
contra aa aBaccoaa cnUneas, chromeasoo
Hgeiraa, croatas de fette, dartros, ecxema.
Deposito em PRIS, t, ru Tivianna.
Camellas do Dtoole de Soccorro
Compra-se cautellas do Monte dp Soccorro de
qualquer joia. brilhantes e relogios: paga-si-
i>em na Praca da Independencia n. 22. loja de
vlojoeiro.
.Para medico ou advogado
Alupa-se a sala da frente com jabiiu-te ;i> la
ao, forrada com papel e esleir, ra 1 di-
Marco n 20 (antiga do Crespo) : a tratar na
r>j.
rwsnnRmmmmmmmmmmml
SSPHATO DE FERRO
dt LERAS, Doutor em Bolencias
topente h'. Jult dt Hft dt Klo^e-Junln.
E*fe ferruginoso o nico ont.m en sua composico os ele-
mentos dos ossosedosangiie.E'muito
afftcaz contra a anemia, a pobresa
do saigue, as dores de estomago,
.i pallidez. as perdas brancas e.as
dwsordons e irregularidades da
..orislma-o. Agradavel pelo seu
i.specto e pelo seu saUor, sempre bem
acceito pilo estomago, muito acon-
selhado pelos mdicos, s senhoras,
as moca& e s creancas delicadas.
Em PAFtlS, 8, Rae Vivienae.
Guide internacional
D'Evropc au Bn-U el < la Plato
Este guia, redigido em portugucz, en bucea
a em ncspanhol, indispcnsavcl para qualquer
viajante, tanto da Enrona para o Brazil, como
>^> costas do Imperio e do Rio da Prata, encon-
tra-se as casas seguinles :
Sulzer Kaufmann & C34 roa Mrquez de
Oimda.
Charles Pluym C24 roa do Cornmercio.
P. P. Boulitreau. 46 roa do Imperador
Francisco Soares Quintas-\ roa i." de Mano.
Criado
Precisa se de um criado : na roa Duqm de
Casias n. 70,1- andar.
PASTA,
A PastsMack(em|
| i-i .<-* eieantissi-1
ut> de b tkboinlia) i
t nm novo e mar-.
I vilbcso preparado:
proporcionando una.
[ iini.li.i il!lcioo *|
I hjglrnlcu e ama'
excellratc a*.
tonrador.
Esta Pasta Vack
goza de fe na uni-
Vfrsat. aflnBWia j
jaaiUa a -atl, ,
como rffrrieante, i
rajara lodo qaaato
| se coahw* al h-jjo.j
Vende se em todas'
as pharmacias, dro-j
gsr.as e perfumaras.
Coico fabricar-w-Inventor: H. MACK, Clu D-
MACK
v-..orturu* m -ernamoM: Mau 4iruak C*.
FOL^TIM
SEM MAI
POR
paulo r:::::^:r:
INNOCENTE OU CULPADO?
(Continuadlo do n. 59)
CAPITULO IV
Faiulidadr*
O Sr. de Sauv< efgueu o rosto anda
coljftrto de lagrimas!'
m~ A'a cinco, mais ou menos, respondeu
el tu ; tal vez cinco e meia.
>w Como tao tarde, se Ihe trinsmitti-
ram o telegramma s duas horas ?
-. Tinha sahido, -e quando voltei, mi-
rrha sogra, a Sra. de Lavarande, entre-
gou-m'o.
Onde tinha ido?
Pedro tere niit movimenti de revolta.
Penetrar* assim na sua vida !...
Reteve-o um pensamento; elle pertencia
A jostioa. sem razao, nao ha\ia duvida,
mas o facto que pertencia-lhe c nao ti-
nha o*direito de resiatir-lhe.
Tinha ido ver se encontrav.i-ui'- com
certas pessoas a quem precisara fallar a
proposito de negocio? da nossa industria.
No dia de Pentecosts.. 6 exqui-
sito.
E' a verdade, entretanto.
Entilo, quando vol^u ca-;i da se-
horst sua sogra, \ que decidi ?
A Sra. de LaS^araoile quera impo-
lir-rne de partir, dizedo-rae que eu podia
perder o trem ; gastei BJn tempo precioso
i discutir cora ella e finanoente 8ahi. Maa
0 encontrei carro em Sain-Adresge, on-
M -eside miub:t sogra.
Havia q mnibus.
Sim-mas ells estavam i
que fazer o trajecto a
'eguei i esta/-ib
ifln
TyjM^^hia e UHMgrephia
FABRICA E E LTVROS DE ESORIPTU-
RA(?aO
Prenlaila oas evpaslcfte de
"\l;nfiic J. ilc Miranda
cartes de
Diario de Pemaml)ueo---Sexla-feira 15 de Margo de 1889
Novidades

cm
i

1 -
Dope de Ca\ias-3)
phone n. I94
\:fc:ic,^o ao pedido
pede a I ^os os Sr^ que
,i i., mh AMISArt.A AMERICANA
[fe Ir lith:-iin>a n. W. se-
i.'.. ditos debilos no praiade
'-., .ih. ni anal
*i i -o rumjocm \vn tlrciioa
m,
i..... V!.u... le i*!'.
AI"9-'o Jim Pern"
Alminutrafl ) : PtRIZ, 8, Boulettrd MontVLrt'a.
[ GRANDE-OtULLE. AnVcvM llBpfcatkaJ, Iioen-
ra-iiiasriiisi'.'pestiva^.O!-; "! fi^-iido do l^ro,
llsstiwsea iKerae*. Cftnsess ealewosa d:, bil-.
IHOPITAL. AfferciV.-d.i. \L- ... [t.rimiCB-
M il< mi niayo. Digon tl.r.i. !:..;
Qa*lral|iaa, Uf ! CLESTIN8. AffocrSf do? rln, ib lCS, tretas,
Gonen-roes IHAUTZRIV S. Alfeccrtesdriii*;. da U-ii^-a. An-ia,
Coocrecoes<..is onrinas.Guta.Diabcif *. Albomsaaris.
03HI! o im te FORTE na CAl'SBLA
lltn PtmtritiuCQ, as Arenas ra* Fon: Vicfag,
Atims nomrada*, arhS'.- e-i caui d*
El*KOET.aUN,.ra-'i*C.-u.-.- Aug LABIIXE.
Casa para alugar
O .1- andar da ra larga do Rosario n. 37, de-
fronte da igrejii ; a tratar na loja de cabellei-
reiro.
o> ctn
ou quaai.
Havre, o
Caixeiro
Precisa-se do um caixeiro que tenha alguma
pratica de moltados ; na roa de Santa Thereza
numero 30.__________________t
Ao coiMiiercio
Os abaiso ai signados declaram ao commcrcio
que nesta data dtssolveram amigavelmente a so
ciedade que tinliam nos estabelecimentos sitos
ra de Pe dro Alfonso ns. 80 e 82, e casa filial
na mesma ra :j. 1, sob a firma social de Silva
& Santos; retit ando-se o socio Jos Pereka da
Silva oko e sutisfeito de seu capital e lucros,
ficandW) socio Manoel Simo dos Santos e ilva
respon,are' i"'le activo e passivo da referida
firma.
Recifc, 6 de Marco de i689.
Manoel Simio dos Santos e Silva.
Jo: J Ptreira da Silva.
VENDAS
^ Vende-se a tavernr. bem afreguezada da
ra da Iraperatiiz n. 55.
Cha preto superior
Carlos Sinclen avisa seus amigos e tre-
geles em ge ral que recebeu pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por preces mais resumidos em vista
da continuacilo do cambio favoravel.
Convem que experimenten!.
48 RA DO BARAO DA VICTORIA 48
Vende-se
barato um cano de quairo rodas, em bom esta-
do ; quem pretender dirija se roa do Hospicio
numero 6.
Vende-se
Urna laverna bem localisada e com poucos
fundos, o motivo e por seu proprietario ter-se re-
tirado para Pora da cidade por motivo de moles-
lia, a tratar na roa Relia n. 37.
a lambique
Vndese uta alambique de tamanho regular e
em perfeito eftado, com a competente raspadei-
ra, propria para engenho; a tratar na fabrica de
vinagre a roa Baro do Tnumpbo u. 7o.
Q das seis boras ?
Sim.
O Sr. de Courneuvc consultou algumas
notas e alguna telegrammas estendidos so-
bre a sua secretaria.
InformacSes seguras, disse elle, af-
tirmam qut: o senhor nao perdeu esse
trom, cont pretende, e que chegou es-
tocS* de S". Lar.aro s onze horas, mais
ou menos.
Nlo, Sr.-juiz, cheguei s tres horas
da madrugara.
Haver oa de esclarecer isso mais tar-
de... Na estacio de S. Lzaro tomou um
carro?
Tomei.
Lembra-se do seu numero?
Estav.i tao preoecupado, que nem se-
quer pensei em olhar para elle.
Por que tito intensas preoccupacSes ?
Minha mulher morrera de parto.
Adoro minha irmJt, a quem eduquei como
filha. Tinha medo de vl-a desapparecer
como a outra.
Urna imperceptivel emo$8o fazia tremer
a voz de Pedro.
O Sr. de. Courneuve pareceu nao vel-a
e contnuou:
A que horas chegou a Belleville ?...
Nao se, esta va rompeado o dia.
O cochero conduzio-o at porta de
casa ?
Nfio, at ao boulevard da Vllette
smente. Recolhia naquellas paragens e
o cocheiro nao qaiz ir mais longe.
Esplique-me a razio por que ehegeu a
casa de sua irma com a roupa suja de la-
ma e rasgada; e qual o motivo de seu es-
tado de sobreexcitacao tao intensa, que
causou graede terror criada de quarto,
a menina Suzana...
Que exageracao !... Ao subir a ra
de Belleville, tropecei n'um pao de um
andaime que nao va, e cahi n'uma poca
d'agua ao p de urna casa em construc-
cao. Quanto minha roupa, estava suja
e molhada, certo, mas nao rasgada, atSr-
mo-lhe.
Ha ce se verificar isso. E a sua
exaltacao?
Nao existia. Devorava-me a angus-
tia, sim, porm mais nada! A entrar na
casa de minha irmS, encontrei-a tao cal-
ma, too silenciosa, que jpareceu-me que
ella encerrs.va a morte. Eu conhecia esse
silencio, que nada perturba as vigilias f-
nebres .. Passei por isso... Farecia-me
que era igual- Sim, eu estava agitado,
oonfessq, mas nao exaltado.
Desde >m instante, o Sr. de Courneu-
ve olhava para as rnaos do Pedro d Sau-
ves : maV'S muito brancas, finas e alooga-
Rereberam modaa de Para
AZEVED% IRM.aO 4 C
16 Ra do B. da' Victoria l.
(Antiga Nova)
Lindas capas de surah, cachemira, me-
rino e rendar que ha de mais novo. Renda
comprimento de saia a lsjJOOO e 1-5500.
Sargelim tino todas as cores t. 200o co-
vado.
Baleias com forro a 240 a duza.
dem com forro a 400 a duza.
Bramante de linho com 10 palmos'
LJ500.
D to de algodSo cpm 4 larguras a 800.
Cortinados bordados a 5iSK)00 e G^OOO.
Ditos de crochet finos a 8000 e 10^000
Estracto Rita Sangal a 25000.
Fichus de 13 e seda 1,5000, 15500.
Capellas com veo bordado a 65000 .e
75000.
Madapolao globo a 75000.
Dito camiseiro a 75000.
Tapetes grandes para sof a 135000.
Espartilhos couraca a 45000 e 55000.
Brins de liaho coi es fixes a 600.
Panos de crochet para cadeiras a 800.
Ditos de crochet para sof a 25000 e
8*000.
Guaroanapos de lnho a 25500 a duza.
Merinos de c3res a 400 o covado.
Zefires largos a 160 e 200.
Setim maco a 800 e 900. /
Toalhas para banho a 15000 e 15500.
Madapolao com um metro de largura
a 65500.
Cachemira arrendada e de quadros
15500.
, Crochet para cortinados a 700.
Toalhas felpudas a 35000 a duzia.
Camisas finas para homem a 335000.
Colxas de crochet com flores a 55000 e
95000.
Lindas velbutinasde quadros lisos ecoiu
listas proprias para veo.
Nanzuc finos a 240 covado.
Ditas finas a 200, covado.
Cretones finos a 400 o covado.
Caixas proprias para presente.
Palitos de palha seda cores a 95000.
Pao verde para buhar.
Leques de pennas.
Ditos transparentes.
C'rinoline prcta a 300.
Guarn5o'es pretas e de cores.
Camisas de fianella de cores.
Seda crua de quadros a 800.
Crep inglez.
Meias brancas de seda a 45000.
Cachemiras de quadros a 280.
FustSo brance a360 o covado.
Esguiao fino a 15500 a vara.
Casciniras para roupa.
Roupa feita por medida.
TELEPHONE200
O desengao Ir ver
Milho 340 rs. acuia
Vende-se no Largo do Mercado n. IS.
A ssucar
Usina Pinto
Santa Filonila
Colonia Isabel
Na refinaco Salgueiral, i roa Mareilio Dias
numero 21.
Assucar refinado
especial, o melhor que se fabrica nesta cidade.
JOAQUIM .-ALGUEIRAL & C.
Ra Mareilio Dias n. 22
T**l>|iUone numero Jl
Terreno
Bom para coudelaria rea Mrquez do ner-
val 80 e 82 ; para ver, na casa a o pe, e tratar
na ra Mrquez de Oiinda n. 25. Tem cocheira.
das, mas que deviam ser de extraordina-
ria forca nervosa.
Os seus olhos cahiram sobre urna esco-
riacao profunda, ainda visivel, no pulso da
mao direita.
Pedro, que acompanhava o olhar do juiz
e pareca 1er no seu pensamento, pertur-
bou-se enormemente.
O que isso ? perguntou o magis-
trado designando a mancha vermelha ain-
da mal cicatrisada.
Estas suspeitas tao claras e too ultra-
jantes, estas perguntas que feriam o infe-
liz como se lhe passassem um ferro em
braza as carnes, nem sequer eram dissi-
muladas pelo juiz.
Que dor !.'.. Que vergonha!...
De que lhe servia entao a sua vida tao
pura, o seu carcter tio recto, o cumpli-
mento tilo fiel de todos os seus deveres, se
na primeira insignificante occasiloelle era
assim offendido e suspeitado de um crime,
que o ultimo dos miseraveis hesitara em
commetter ?!
N3o me responde ? insisti o Sr. de
''oarneuve. N2o pode fazel-o, talvez?
Por que, Sr. juiz, e o que julga en-
tile ?
Nao lhe compete interrogar-me, res-
ponda.
Feri-me no pulso quando proeurava des-
pregar um dos uossos, modelos que adhera
fundic.to.
- Na preseDca de algum dos seus ope-
rarios?
Nao, eu estava s.
O Sr. de Courneuve sorrio.
O senhor est realmente muito infe-
liz, disse elle.
Pedro fez quaai explodir a sua exaspe-
raclo. ,
Lembrou-se a tempo de que a violencia
nunca cravenceu ninguem e conteve-se.
Quer ter a bondade de dizer-me por
que nao fez polica a declarajao da au-
sencia do Sr. Chaniers?
Elle abri a bocea.
la dizer que julgava Jorge em casa de
Joanna Descours, e porque o julgava.
O olhar fri, sceptico e pervertido do
magistrado embargou-lhe as palavras nos
labios.
Em primeiro lugar o Sr. de Courneuve
negara isso, como negava tudo.
Depois, se Joanna fosse chamada, ne-
garla pro va vel mente tambem, porque fica-
ria encantada de fazer mal a Pedro, son
inimigo.
De que servira entfio a'sua confiden-
cia ?
Para fazer Adrlia soffrer V
Como todas as mulhor Laa,
untAo coaDexa
Qne e possa Tender por este
p r e e s
13
Rl'A V!-CONDE PE 1NHAMA
Cambriras brai 10 rs. avara.
Dita com s;ilpicos aTOO r?. a dita.
Popelinas com lislra- a 2.0 rs. o covado.
1.a.- de quadros ,u 160 rs. o dito.
Ditas cninezas a 200 rs. o dito.
Zeros ijBtil i a 160 rs. o dito.
SMinota lisas a at'-O rt o dito.
Setim pn>to muito tooft 200o dito.
Velbuiina- u 700 r. o t!to.
Merino preto (2 larguras) a "fjo rs. o dte.
Sorgelins todas as cores a 2"0 rs. o dito.
Chitas escurase claras a 2 0 rs. o dito.
Cretones para camisa? a 240 rs. o dito.
Brira de cor linho) a 500 rs. o dito.
Dito bronco de linho. n. 6 a 13300 o dito
Vestidos em carto a 9*000.
Toalhas felpudas para banho a 1*000.
"ita dita de rosto a 360 rs.
Camisas de fianella a 2*000.
Dita de meia a 1*000.
Ceroulas de linho a 1*400.
Camisas francezas a 2*000.
Colchas de cores a 1*80.
Ficlidsde retroza 1*000"
Ditos grandes a 2*000.
Chales de quadros a 8*000.
Meias de cores, arrendadas, a 700 rs.
Ditas tironeas a 300 rs.
Collarinhos de Iinhos a 300 rs.
Madapolao muito largo a 4*000 a peca.
Meias-casimiras de-cor e pretas, com duas lar-
guras a 1* o covado.
Grande sortilnenlo de casimiras inglezas, cortes
do fusle8 para colletes, cortes de casimira
para caiga de 6*. 83 e 10*.
Mandamos fazer qualquer obra m nossa offleina
por precos que outros nao podein fazer.
Yenham ver para crer
Gon^alves Santos & C-
Para o)erby
Carlos Sinden recebeu grande sortimen
to de gravatas e camisas de cores propriat-
para os amadores do Prado e est vendeii
do por preeos sem competencia.
Recebeu tambem collarinhos e punhot>
de borracha de formatos novos.
48bca barXo da victoria48
Para a quaresma
ALTA NOVIDADE cm surans failles, setim
men'eilleux ottomanes e sedas pretas de Lyon.
rendas e bicos. escolhido sortimento em palmas,
guarnices n pelli-rmcs de vidrilho preto ; na
roa Bario da Victoria n. l.' sobrado.
Atelier madame Fanny Wilva
MODISTA E COSTUREIRA
Tclephonc n. 93
Grande reduc^ao-em presos
NA
Loja do Triumpho
A' RA DUQUE DE CAXIAS N. 49
Merinos de cores. 1 largura, a 200 rs. o covado.
Dito. dem, 2 ditas, a 500 rs.
Dito, dem lavrados 2 ditas. 700 rs. o dito.
Etamine de listas arrendadas, 400 rs. o dito.
Cretoaes finos claros, 240 rs. o dito.
Linn estampado, padroes novos, 320 rs.
dito.
Las de quadros finas, 240 rs. o dito
Ditas mescladas finas, 300 rs. o dito.
Zefir de quadros largos, 240 rs, o dito.
Saias bordadas finas, 3*000.
Camisas bordadas para senhora. 4*.
Ricos cortes de cretone com figurino?, 8*.
Toalhas acolxoadas grandes, 4oOO ;a duzia.
Guardanapos muito bons, 1*500 a dita.
Madapolfio fino largo, 24 jardas por 6*400.
Algodo largo, 10 metros, 2A500 a peca.
Dito idem 20 jardas. 4* a dita.
Dito idem superior 20 ditas 5*200 a dita.
Bramante 4 larguras paro lene, oes, 700 rs. a
vara.
Camisas de linbo sem colarinho sem punho,
a3<000.
Cortes de casimira ingleza, a 4* e 4*500.
Leecos de esguio finos, a 2*500 a duzia.
Esguiao branco para saias e casacos. ,3*300 a
peca.
Cambroia bordada. 4*5"0 a peca.
Merinos pretos finos, 800, 900 rs 1*. 1*200 e
1*40'o covado.
Sedas e setins pretos grande variedade de
procos.
Bastos & C.
ella nlo snpportaria a idea dessa antiga li-
gacSo de Jorge, nao a admittiria e flcaria
contra elle.
E alm disso, se ella a comprehendesse
mal, se imaginasse que essas relacfies ti-
nham continuado, depois do casamento,
que dr para ella!...
Ao seu soffrimento viriam juntar-se as
torturas da duvida e do ciume.
Sofireria mais, mais profundamente,
mais duradouramente, e em proveito para
elle. *
Para que entao ?...
E nao seria mil vezes melhor, a todos
06 re8petos, nao intrometter nesse nego-
cio Joanna Descours, essa perversa ntei-
ramente. disposta a mentir e a fazer mal?...
Nao o julguei necessario, respondeu
elle smplesm'ente.
A razao ?
Nao me acudi logo essa lembranca.
Mo pretexto; o Dr. Graniers e a
criada Suzana Ih'a suggeriram, e o senhor
repeilio vivamente essa idea, dizendo:
Nao bom que a polica metta o nariz nos
nossos negocios ntimos.
Pedro nao replicn.
Ao Sr. Marais, n'uma circumstancia
quaai idntica, elle tinha deixado entre-
ver o fundo do seu pensamento, supplican-
do-lhc que nao levasse a perturbado ao
lar de sua ria; diantc do Sr. de Cour-
neuve, ao contrario, toda a confidencia ge-
lava-se-lhe nos labios.
Preforuria morrer a contar quelle ho-
mem, que lhe era profundamente antipa-
thico, a historia daZ^re, as suspeitas que
elle tivera contra Jorge ; as suas idas
casa de Joanna Descours.
* O Sr. de urneuve passou a outra or-
dem de ideas.
O senhor nao vivia de accordo com
o Sr. Chaniers?
Tdo quanto pode haver de mais
unido, ao contrario, Sr. juiz, e isso por*
urna razio muito simples: nos nSo era-
mos smente socios", eramos tambem ir-
mSos.
Palavras, palavras !... O Sr. Cha-
niers contrariava-o constantemente, e o se-
nhor da mesma forma, isso est provado.
O Sr. Chaniers oppunha-se a suas expe-
riencias e o senhor s sua despezas de
publicidade. Anda ltimamente elle im-
pedio-o de mandar construir urna machina
a que o senhor ligava extrema importan-
cia.
E' verdade, Sr. juiz.
Ah! bem v. E parece que 98o
fol-o conceber um profundo rancor.
Quanto a isso, neg formalmente. Al
Conlinuam as pichinchas
A' ra Duque de C'axlas n. 48
N'este mui acreditado estabelecimento
de fazendas finas, continuam a ofloreccr as
mesmas vantagens, vendendo por menos
30 0j do que em outra qualquer casa.
Como sejam as seguintes 'azendas :
Cambraia com salpicos brancos e de cores,
muito fina com 10 jardas, a 4$ a peja.
Cortes de meia-casemira, cores fixas, a
2,5000 um.
^ortes de casemiras, finos, padrSes moder-
nos, a 4,5, 5i5"O', 65000 e 7#000 um.
Coates para vestidos em cartSo, todos os
aviamentos (novidade), a V>, 95, 10^ e
12,5000 um.
Pannos de crochet para cadera 1^000 e
para sof a 2,5000 um.
Capellas com veos para neivas a 8$000
urna; 6 peehincha.
Setincta branca Usas e iavradas a 440 rs.
o covado.
Setineta preta lisas e 'Iavradas a 440 rs. o
dito.
Mantilhas pvetas de seda a 55 e 75 urna.
Cobertas de ganga para cama de casal a
25^00 urna.
Colchas brancas e de cores a 25, 35, 45,
55, 6 e 75000 um.
Cambraia preta para forro a 15200 a peca.
Cambraia preta, nansuck a 160 rs. o co-
vado.
AlgodUosinho muito largo a 35500 e 45000
a pega.
Madapolao especial com 24 jardas a 55000
c 65000 a peca.
Esguiao para casacos a 35200 a pega;
aproveitem.
Brim hollanda para vestidos ou guard-
ps a 400 rs. o covado. -
Las modernas de listas e quadros a 200,
240 e 280 rs. o covado.
Fechas de retroz com palmas de cores e
pret' s a 15000 um.
Fich* de IS, todas as cores, a 15500,
25000 e 35000 um.
Seda Alcacianna, padroes escolhidos (phan-
tasia) a 240 rs. o covado.
Espartilhos de couraca, finos a 35, 45500
e 5#000 um.
Merinos pretos finos a 700, 800 15000,
15200 c 15500 o covado.
Camisas francezes, puro linho de 605000
a duzia por 485000.
Toalhas acolchoadas a 120 e 200 rs. urna
(s 6e vendo).
S na loja da Revolueo
DE
HENRIQUE DA SILVA MOKEIRA

Boyal
WHISKY
Blend marea VIADO
Este e'xcellente Whisky Escocez pre
ferivel ao cognac ou agurdente de cana
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma
zens de molhados.
Pede Royal Blend marca Vlado
cujo*nome c emblema sSo registrados par*
todo Brazil.
BROWNS& Coagentes.
Pao centeio
Millc A Biset, avisam ao respeitavel publico
que todas as tercas e sextas-fciras, tem este sa-
oorosoipo; ra larga do Rosario n. 40. ___
Vende-se a armacao que
foi da loja Florida propria
para loja de ferragens. raiu-
dezas. tabacaria ou venda,
quem a pretender dirija-se a
ra Duque de Oaxiasn. 103.
Mercearia
Vende-se urna mCrcearia das melhores nos
arrabuldes da Boa-Vista; paia informaces, na
ra du Socego n. 33, taverpa.
Ha de se lhe dizer.
E' impossivel. Demas, eu conhe-
cia meu cunhado. Intelligente como elle
era, eu tinha certeza de convencel-o, mais
cedo ou mais tarde.
Talvez. Mas essas delongas e essea
obstculos esasperavani-no. O senhor tem
um caracterque nao se resigna- a nao ser
senhor em tudo e por tudo.
E' um erro. Escuto os conselhos.
E quando encontr oppbsi$Io razoavel,
combato-a o rendo-me, ou tenho a pacien-
cia de esperar que o outro se convenca.
As diversas testemunhas responder-
lhe-hSo a respeito.' Por que sahio de Pa-
rz nestes dias?
Para ir a Lille casa dos Srs. Seger
e Gaudot, com os quaes finalmente, lavre
um contrato muito importante para a nossa
casa.
NSo tinha dito em sua casa que de
Lille ira a Bruxellas ?
E' exacto.
Por que mudeu entao de itinerario
dirga-se para a Inglaterra quando foi
preso?
Pedro estremeceu profundamente.
Preso '. Esta palavra produzia-lhe
sempre o effeito de urna descarga elc-
trica.
Depressa serenou, porm respondeu :
Um americano, hospedado em Lille,
no ineamo hotel que eu, deu-me de con-
selho que me apresentasse cm Londres,
em casa do Sr. John Currie e dos Srs.
Damald Henderson, os quaes podiam con-
sumir quantidades consideraveis dos pro-
ductos da nossa fabrica.
- Um americano, mni to yago... mur-
murou o Sr. de Courneuve. Pdeao me-
nos dizer-mc como se chama elle ?
Certamente.
Ah! sim, elle deve ter-lhe dado o
ee'u cartao.
Precisamente.
Pedro mtteu a mao na algibeira, saccou
a sua erteira e abrio-a.
Tenhu-o aqu, disse elle.
Mas procurou em v2o," vrou, reviro
as folhas, inexen em todos os cantos, sa-
cudi todos os papis cuntidos nos peque-
nos escaninhos ; nSo> foi encontrado' o car-
tao.
O Sr. de Courneuve, diante deile, sor-
ra, com o aorriso niotejador, incrdulo,
que exasperava Pedro.
Na falta do cartao, diga e noinc do
americano, fallou elle; o senhor deve Ba-
bel o, e nos o pn>curaremo8.
O Sr. intuj
Mais Barato
Atojadas LisIrasAzues
A' RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Telephone u- Sil
As fazendas vendidas nesta casa sao de boa qna-
dade, e nao IcTam i medida escassa;
aceitase a lazenda vendida se, poi
Suaiquer motivo nao fr de muito agra-
d da pessoa para quem for comprada
l)-se descont a quem comprar de 20*
para cima.
ESPECIALIDADES
Hrlin de lisuras azuespecas com
20 varas & 65000.
lladapolo com um metro de largu-
ra a 65^00 a peca.
Cortes de vestidos bordados em
cartao a 105000.
Vellmlilho bordado a contas a 15600
o covado.
Cachemiras pretas, 'de quadros e
arrendadas a 25 e 25500.
Tecldos fantazia arrendado propro
para baile e theatro a 400 500 rs.
Cortes de cachemira com guarnieres
bordadas, lindas cores, a 205 e 255000.
Setim Maco de todas as cores a 750,
e 800 rs.
Unon bordado, tecido de urna s cor.
qualquer que se deseje, a 200 rs.
/.eflros lisos e bordados, tecido fino,
nevidade a 500 rs.
Las de quadrnhos a 200, 240 e 360
o covaio.
I.inhos lisos a 60 e de quadrnhos a
00 rs.
Guardanapos melhor qualidade a
15800 b, duza.
Atoalhado branco c de cores a 15-
Oleados para mesa redonda ou qua-
drada a 45000.
.Cortinados de crochet, comsaiiefas.
ultima novidade, para janellas e portas.
Crochet para cortinados a 900 rs. o
metro.
Colchas de fustao, brancas e de ecc-
res, a 25000.
Chitas finas prccales a 200 e 240 rs.
Chitas escuras a 160, 240 e 280 rs.
Batistes de cores seguras a 120 rs.
-\anziic de lindas cores 280 rs.
Brim pardo esguiao a 240, 280 e320
Casinetas de cores escuras para rou-
pa de homem ou menino a 400 e 500 rs.>
Mantilhas de renda hespanhola, pre-
ta, de seda a 85000.
Capas e visitas, de cachemira, de ren-
da, com lindos eneites c com vibrilhos a
205, 255 e 305000.
Leques de pennao e tran~parentes,
ultima novidade, todo preco.
Luvas de seda, lizas, bordadas ou ar-
rendadas, pretas e de qualquer cor a 25.
Espartilhos inglezes a 45500 e 55,
tem desde o n. 40 at 80 de grossura.
Bico branco creme e de todas as
cores desde 700 rs. at 25500 a peca.
Rendas hespanholas, de seda e de
algodao, preta, branca e de qualquer cor.
Babados c entremeios bordados ta-
pados e transparentes por todo preco. ,
Grampos e pentinhos fantazia para
cabello a 400 e 500 rs.
Baleias para vestidos a 260 rs. a,
duzia.
Relogios despertadores com fi-
guras em raovimento a 85 e 95000.
Aspas de ac para vestidos a 120 rs.
o metro.
Sargelim francez fino, diagonal, a
200 rs. de qualquer cor.
Crinolina de cordo preta, branca,
chumbo e cor de caf a 400 rs. o metro.
Redes americanas para menino
dormir a 35500 e para homem a 65000 e
75000.
E muitas fazendas que se vende muito
barato para liquidar facturas na loja das
LISTRAS AZUES de
Jos Augusto Dias
Preocupado como se achava, teria elle
sequer olhado para o cartao que^lhe apre-
sentara o americano ?. ..
Nao se lembrava.
Em todo caso, se tinha lido esse nome,
a sua memoria nSo o havia retido.
E era preciso confessal-o, dizel-o quelle
juiz, que, mais do que nunca, depois de
tal confissao, ia duvidar deile.
Vou afnrmar-lhe urna cusa invero-
smil, disse elle de repente muito decidi-
do ; e nao obstante, Sr. juiz, sobre a mi-
nha consciencia e sobre a minha honra.
essa honra de que ninguem havia ainda
duvidado at hoje, a pura verdade : o
americano deu-me o seu cartao, eu guar-
dei-o na minha carteira sem olnar para
elle e perdi-o. O senhor sorri; no em-
tanto a verdade. Nunca ment na minha
vida. Podera inventar um nome, dizer-
lh'o. leso seria a mentira. Faca me-
lhor: inforrae-se dos Srs. Currie e Hen-
derson qual o seu melhor freguez de
Nova-York; talvez seja esse que me fal-
lou no Havre. Mas na sua presenca re-
conhecel-o-he, estou certo.
IIavernos de tentar isso, disse o Sr.
de Courneuve mpressionado, mo grado
seu, pela expressao leal de Pedro, quando
mesino a sua aasercSo seja verdadera, s
um milagre faria com que ossemos bem
succedidos; muito vago... Neste en-
tretanto, disse elle ao cabo de alguns se-
gundos, nenhuma das suas explicacSes sa-
tisfez-me, e eu sou obr gado a manter o
seu estado de priso.
Pedro sorrio confiantemente.
Isso nao ha da durar, disse elle, por-
que tenho plena certeza de que entre os
meus operarios, meus amigos, todos que
dir
mo feonhecero, nem um lne aira que
sou capaz de urna m aeco.
E' o que lhe desejo, replicoi#o juiz,
cora aquella voz secca e spera que gela-
va has veas o sanguede Pedro. Porem-
quanto, devo submettel-o a urna formali-
dade.
Qual ?
Ha de sabel-o d'aqui a alguns instan-
tes. ,
O Sr. da Courneuve tocou um rympano
e deu algumas ordena ao guarda, que acu-
di ao chamado.
Este desappareceu.
. Coatuma andar armado ? pergunfxu
de sbito o juiz.
Muito poucas vese, respondeu Pe-
dro.
*- Quando voltou do Havre, tinh
si alguma arma?
A


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMAFZ7PAP_N3WQA4 INGEST_TIME 2014-05-28T18:35:53Z PACKAGE AA00011611_18289
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES